Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10853


This item is only available as the following downloads:


Full Text
")
=5
AMO ILI. HOMERO 296
Pr fuartel pago dentro de 10 das do 1, mez ; ; i
dem depois dos i.0' 10 das do comecoe dentro do quartel. .
Porte ao corrio por tres aezes ..*.,.,.,.,,
SfOOO
6J000
750
Por anno pago dentro de 10 das do 1.* mez
Porte ao correi por um auno.......
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexaodrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de hemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drisrues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUh.
Alagoas, o Sr. Claodino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAPETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estages da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonilo, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacaral, as tergas Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
QARTA FEIRA 27 DE DEZEMBRO DE 1865.

19(001
l|009
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAh.
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, himoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quarlas
feiras.
Relagao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tergas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
2 La cbeia as 4 h., 24 m. e 43 s. da t.
9 Quarto ming. as 9 h., 53 m. e 28 s. da t.
18 La nova as 2 h., 15 m. e 34 s. da m.
24 Quarto cresc. as O h., 11 m. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
25.. Segunda, efc Naseimento de N. S. J. Christo.
28 Terea. S. Estevo proio-martyr.; S. Archelao b
-7. (Juana. S. Juno ap. e evang.. S. Theodoro m
2. Quinta. Ss. Castor. Cesario e Agapio mm.
29. Sexta. S. Thomaz aro. de Cantuaria m.
30. Sabbado. S. Sabino b. m.; S. Anisio b
31. Domingo. S. Silvestre p. m.; S. Zotico.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 0 horas e 38 m. da tarde.
Segunda asO horas e 5i minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o norte
al a Granja a 7 e 32 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, malo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na linaria da praga da Independencia
bs. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PAUTE 9FF1CUL
niMsmuo DA Jl'STI^A
Senhor I Dignou-se Vosea Magestad'e Impprial,
por aviso de 2 de junho corrente, de mandar por
em consulta da secgo de jusliga do conselho de
estado o conflicto havido eoire o juiz municipal da
3' vara e o inspector da alfandega desla corte, de
que traa o offlcio junto daquelle juiz, de 23 de de-
iembro de 1861.
Sobre este mesmo assumpto foi ouvido o conse-
Iheiro consultor, o qual da opinio seguinte :
O Dr. juiz municipal da 3" vara da corlo nao
procedeu legalmente expedindo um precatorio de
embargo ou arresto sobre mercadorias que se acha-
vam na alfandega fra dos casos expressos no art.
208 S 1 a 4 do decreto n. 2647 de 19 de setembro
de 1860.
Ao procede o argumento por elle deduzido em
sua representagio.
Certamente a Ord. liv. 3o til. 31 faculta aocre-
servigo da guerra, para que eslava designado o
! guarda nacional Jos Manoel de Farias, por ser
incapaz do servigo militar.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar-
me sobre o que pede no incluso otflcio o lenle-
coron-l commandante do presidio de Fernando._
pret authenticado com o visto de V. S., conforme urna subscripgo para o fim de ser dada urna es- foi lida e approvada a acta da antecdeme
solicita o inspector da thesouraria provincial em pada de houra ao inclyto vencedor de Uruguayana.
offlcio de 27 do predito mez de novembro, sob n. As pequeas promessas, at agora recolhidas, nao
desmentem o civismo da comarca. Isto vem
473.
Dito ao commandante superior de Flores. In-
forme V. S.quantos guardas nacionaes conbe dar
Dito ao mesmo.Tomando em consideracao o para o servigo da guerra a cada um dos batalhes
que expoz o inspector da thesouraria de fazenda,! sob seu commando superior,
em offlcio de 16 do correte, sob n. 901, relativa-1 Dito ao coronel commandante do batalhao n. 23
menie ao pagamento que na importancia de j de infantaria da guarda nacional da Escada.
872,8683 rs., se mandou fazer a Caors & Barbosa Accuso recebido o offlcio que V. S. rae dirigi, da-
proveniente de me.licameatos que forneceram des-' tado de 21 do corrente, com o qual me foi apre-
de 18 de julho al 18 de outubro deste anno, com sentado o guarda nacional Jos Caelano, do hata-
destioo a enfermara militar, recommendo a V. i Iho sob seu commando, e era resposla lenho a
Exc. que providencie para que o medico encarre- dizer que dei o conveniente destino o mencionado to outro Bento, segundo ou terceiro supplente.
melhor sorte do que tiveram
de
que os promotores da subscripgo nao reunera
talvez as condiges sociaes que para um tal Bul
se requerem.
O subdelegado de Goyanninha retirou-se
vida modesta que levava at 1863 no sitio da Jaca,
deixando o exercicio de seu cargo e disposto, di-
zem, a nao servir seno com o Sr. Dr. Barroso.
t Disto resuliou qoe, para servir com o coronel
Bento, delegado supplente em exercicio, esteja
funccionando com o subdelegado daquelle dtstric-
Leu-se o secuinle ^oi apProvado um parecer da comraisso de edi-
BxrEDiENTE "cagues, perraiitindo que D. Maria Venancia de
ir ,,___. Abreu Lima Bastos, contiuue, visto achar-se no
m.;12uenmento com despacho da presidencia, aJmhamento, a obra de urna casa que est cons-
K?n ? r 1 Camara informar> no ea. urrematante da obra dos consenos da por ter sido principiada sem
gado d'aquella enfermara, informe sobra a quanli-
dadede receitas que passoo, e o numero que tinha
cada urna dellas em relagao ao formulario pelo
qual foi contratado o forneciraento de taes medica-
mentos.
Dito ao mesmo. Mande V. Exc. dar baixa a
Joa> Pinto da Costa Lima, soldado do 6. corpo de
voluntarios da patria, visto ler sido julgado inca-
do servico militar em tnspecco de saude,
, _..___. ,. lw j,Ui ,ul uu |pnui:iuirtua sem licenea, pagando
?,??? do nrterio publico, recorrendo a S. ella a multa em que incorreu, e bem assira o res-
rJnT* 1S22 ,k qU8 lhe ora dado em 0 do cor- peclivo ImpostoDespachou-se o. requenmento no
rente, negando Ine o pagamento do accrescirao do sentido do parecer.
S^ca8 fl"ra Da mesma estrada, na importancia A cominisso de saude apresentou um parecer
Lvr' doorgamento; pede que lhe mande sobre a prelengo de Bernardino Antonio Pereira
u,*t DSm* ,raPrlaDC'a--Addiado sob propos- Bastos, de aier um pequeo torno no quintal do
rllSL k- obrado n. 30 da ra Direua, para nelle cozer pao
um ouicio ao engenheiro cordeador, informaodo e outras massas proprias do seu pequeo
I tiiil D a
guarda. Desejamos'-lhe" mehor" sorte "do me tiveram lf^Sf^ D0 ?"??' Henri1"e JorgV, pede para cimento; foi addiWa^ea^erimenW^o Sr. santos.
Dito ao director do arsenal de guerca.Pelo offl- seu< antecessores. pimew.ii permeUld0 continuar a ediicagao que Maodou-se de novo ordem ao engenheiro para
co junio por copia do commandante do presidio A chapa de deputados provinciae<, organisada EStiH. ^ lraves*a do Pocinho, freguezia de S. orear as obras que sao precisas fazer se no Mata-
de Fernando, datado de 19 do corrente, n. 310, ve- pelo directorio do partido da siluago soffrer mo- noi. que oppor aPresenlacao do Mr(>d Cabanga, conforme ja lhe oi recommen-
r V. S. que, apezar das minuciosas buscas que dificacoes. C' Uma VeZ !|Ue a ohra se'a feila de con" da(lu em dala dd se dera entre os differentes objeclos para aili re Consta-nos qoe o Dr. Jos Ignacio, de Naza- litro ,In !" po.s,^ras--'-oocedeu-se.
paz do servico militar em inspeccao
ti ^m -P'6VeKnt'V0 d a^,:e?l0 .quan,J,! rdeve"! set?Udd0 cous do termo annexo ao seu offlcio de
dor nao possue bens de raz e3o presta Oanga. 21edo correme, sob n. 2309.
Prestou juramento o supplente do
mettidos n'um caixo que afflfma o mesmo com- reth, ejerevera para esta comarcrdeclrand que ni|Un?- mp,m0, iQfor.mando o requerimento no guezia de S. Jos, Jos Cunegundes
mandante eslava bem pregado e fra aberto em nao apoiaria a candidatura do Ur. Lniz GoBcalves ;. i,gD, ,U0Dcalvez. da Luz (>ordeiro, proprieta- meado em sesso de 6 do corrente.
fiscal da ira-
da Silva, no-
M is essa disposigo nao poda impedir o legislador
de atiender aos interesses nacionaes, que seriam
gravemente compromeltidos com o aso daquelle
recurso dentro de algumas eslagoes fiscaes.
Se o legislador uo derogou expressamente a
disposigio ampia da Ord. liv 3 lit. 31, autorisou o
poder executivo para dar (al(andegas do imperio
um regulamento conveniente, ao servigo publico, j
e s a assembla geral a competente para declarar i
que o ministerio da fazenda exorbitou da autori-
dade concedida. Antes disso aqu.-lle regulamento
6 to boa lei como se livesse emanado directamen-
te do poder legislativo.
Mas que o decreto n. 2687 nao exorbitou prova
a legislago anterior. J na resolugo da 28 de se-
tembro de 1811 (Coll. Nab.) eneonira-se a segunie
disposigo fundamentada : c Que se prohiban os
embargos dentro da alfandega que nao c casa de
deposito, porque se deterioran e perdem as merca-
daras, e d"ahi vem prejutzos aos reaes direitos ;
ttlim / ser causa de se empachar a casa que alias
nao bastante para o expediente.
Essa resolugo emanada ento do poder legisla-
tivo restringi sem duvida a ordenago.
O regulamento das alfandegas de 22 de junho
de 1836 art. 87 dispunha : As mercadorias exis-
tentes na alfandega ou depsitos alfanaegados nao
podero ser penhorados ou embarcados, em quanto
rietles estiverem, sendo para pagamentos de dividas
fazenda nacional.
Este regulamanto, embora decreto do poder exe-
cutivo por auiorisagao da assembla, tinha forga
de lei, sobretudo se considerarnos que em 24 an
nos que elle leve de exeougao o poder legislativo
nao eassoa aquella disposigo.
Ha ainda uo mesmo sentido a proviso de 20 de I
margo de 1812.
A' vista, pois, do exposto se conhece que, longe
de restringir a legislago anterior o decreto o. 267 |
a amptiou concedendo o embargo nos casos dospa-
ragraphos 1 a 4.
Me parece portanlo que neste sentido se deve
decidir a questo, nao attendendo o governo a re-
presentago. Rio, 8 de fevereiro de 1862.J. M.
de Alencar.
A secgo, depois de bem ponderar as razoes e
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar-me a
cerca do que pede no incluso requerimento,
ciano Pacifico Jacome de Araujo.
Dito ao mesmo. Sirva se V. Exc. de informar-
me a cerca do que pede no incluso offlcio, o presi-
dente da associago protectora das familias dos
voluntarios da patria.
sua presenga nao se encontrou o diamante de cor-
lar vidro, que esse arsenal enviara para o referido
presidio no mez de margo deste anno.
Dilo ao mesmo.Transmuto a V. S. para os Iras
Mar- convenientes os inclusos conhecimentos em forma,
que me foram reraeilidos pelo commandante do
presidio de Fernando com offlcio do Io de novem-
bro ullimo, sob n. 321, dos objeclos para alli en-
viados por esse arsenal no vapor Mamanguaye.
naquelle collegio, pois que seria violentar
pria consciencia e cootravlr aos
polticos dar votos um ligueiro
t E' injusliga, perdoe nos o honrado
Nazaretb. Um poltico das eminentes qualidades
do candidato refutado merece, mais que muitor
um assento na assembla provincial.
t Espirito superior, carcter purissimo, orador
sempre applaudido, nao deve o resignado candida-
- ? n.^HaScS"f VM de,C,m ou-da Mf ripacnaram-se as petiges de Antonio Bernar-
s seus interesses .,, ^ Lg A,maro do Joboatao pede d'oo d Amorira, Antonio Perreira Pinto, Dmaso
to decidido. Sit* 2, Y Perra",do recuar a frente da Antonio do Alcntara. Krancisco Mendes Manns,
irado genuino de ,"* |vnianda qUe qUe "a cord|acao das ou- Francisco de Pinho dorges, Jos Francisco Pereira
Dito ao chefe da repartigo das obras publicas.' lo ficar retirado das lides parlamentares.
dar
tras, levantando a um pouco mais, diz que nada
ha que oppor a semelhante pretengo, visto que as
casas a que elle se refere eslao no alinhamento da
planta.
Nesta occasiao lembra o engenheiro julgar con-
veniente a adopge de uma postura que marque a
u<,ai i.-iii,i.ii) uas nuca parianieuiares. allnra ma iU i >------ ------1 ------------
Dito ao mesmo. Srvase V. Exc. de informar Concedo a autorisago que V. S. solicilou em offl-, Se isto nao fra, bastariam para o recommen- 'rf'" oevera ter as casas de taipa fetas era
r assim o desinteresse cora que abri mo de sua EETS.'B 1!?e-nao ,,que ao ,arbitr, d08 donos 3
da Silva, Jos Francisco Pereira da Silva Jnior e
Francisco Martins Ferreira dos Santos, Luiz Bsnto
de Vascoocellos, e levantouse a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario
a subscrev.Pereira Simes, pro pre.-idente, Costa
Monleiro. Piulo, D. T. Villas Boas e Santos.
ci de 19 do correnle, sob n. 403, para mandar fa-
zer os reparos e pintura de que necessita a ponte
pretengo, muito bem amparada, a uma cadeira na _f5*SSL2tfl2? mea0S altUra S0"1 prejuiz
de Iguarass, despendendo para esse fim a quantia cmara geral, como os lanos e tantos beneficios n, 2S? _d ? .esmos poyoados-
que tera a comarca recolhido das ondas
por elle espargidas no Forte do Matlo.
a cerca do que pede no Incluso requerimento Ma
' noel Gomes da Silva Jnior, ex praga do 5.* corpo
: de voluntarios da patria.
Dito ao mesmo. Qoeira V. Exc. informarme indispensavel, que ser inferior a de 400J000, se
acerca do que pede no incluso requerimento So- gundo coosla do clado offlcio.
tero Pereira da Fonseca. Dito ao juiz municipal da primeira vara desta
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. cidade.Envi a Vmc. para terem o conveniente rer; pois ainda o enrolamos as nossas esperan-
, Declaro a V. S. para o lira conveniente, que alien- destino as inclusas guias dos sentenciados de jus: gas de velo, como um candieiro de puro kerosene,
dendo ao que no incluso requerimento sollcitou o liga que vierara do presidio de Fernando no vapor a iluminar a provincia toda.
Jait municipal e de orphiios do termo do Bonito, Mamanguape, de que (rata a inclusa relagao. t Basta por hoje.
bacharel Antonio Columbano Seraphico de Assis Dito ao Dr. Paulina Ferreira da Silva.Constan-
de luz QaanI a Primeira parte concedeu-se a liceoga,
SESSO ORDINARIA AOS 13 DE DEZEMBRO
DE 1865.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Srs. Costa Monteiro, Santos, Dr.
,, .-.** cy,M *, m m, ra Witasassssi sarasissir
Carvalho, resolv abonar as faltas por elle dadas, do de particpago da directora geral da secretaria
desde 23 de novembro ultimo, at 4 do corrente de estado dos negocios da jusliga de 29 de novem-
mez. bro prximo findo, que por decreto de 18 do mes-
Dito ao mesmoAnnuindo ao que solicilou o mo mez Sua Magestade o Imperador houve por
inspector do arsenal de marinha, em offlcio de bem remover a Vmc. dos termos reunidos do Aca-
hontem sob n. 1036, recommendo a V. S. que em ry e S. Joao do Principe no Ro Grande do Norte
yisia da conta junta em duplican, e nao havendo para a de Caruar nesta provincia, assim Ih'o com- ?xPeu
inconveniente, mande pagaraSebastio Lopes Gui- raunico para seu conheciraento e afim de que en- maraes Jnior por conta do ministerio da guerra tre quanto antes em exercicio ind^pendentemente
a quanlia de 247,3300 que se lhe est a dever por da respectiva apostilla, que apresentar no prazo
haver embarcado e arrumado as carvoeiras dos de tres mezes coutados desta data,
vapores inglezes Agnes, Arck, e Viper, em com- Portara.O presidente da provincia attendendo
misso do governo imperial, 163 tonelladas de car- ao que expoz em seu requerimen'o o caoilao do
vo de pedra cardiff, ou pelo de marinha fazen- segundo batalhao de guardas nacionaes destacados
I do-sea competente ioderanisagao, pois que taes va- Joo Baptisla Accioli Lins, e leudo
pores vieram a esta prov.ncia em servigo do pri- formago do general commandante das armas da-
meiro daquelles ministerios, segundo consta do ci- tada de 20 do corrente, sob n. 2496, resolve dis-
pensa lo daquelle servigo.
REr\nTicAO da polica.
essas casas.
Outros (2) do procurador, remetiendo os balan-
cetes da receila e despeza municipal nos mezes de
outubro e novembros ltimos.A' commissao de
, polica.
L-se o segunie
EXPEDIENTE.
Um offlcio do engenheiro cordeador, informando
o requerimento no qual Manoel Antonio de Jess
pede para que lhe seja permiltldo reformar uma
zembro de 1865. saldo existente em seu poder no ultimo de novem- Ua -**. do Rosano 18 ; d,z que a bica
Foram recolhidos a casa de delengao no dia 23 bro passado, a quanlia de 6:0005. foi approvada a
do corrente : proposta, e neste sentido se mandou expedir as
A' ordem do Dr. delegado encarregando do ordens necessarias.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
informando contra a pretengo de Bernardino Jos
de Medeiros A C, de asseotar um fogo e mais
Antonio do Nascimento, por arraojos necessarios para o trabalho de torrar caf,
na casa em frente da detengan visto que a mesma
expediente, Domingos, escravo de Luiz Antonio de
ira para averiuuagoes em crime de furto.
A' ordem do subdelegado de S. Jos Roberto Jos
Gongalves e Manoel
briga.
< lado offlcio.
Dito ao mesmo. Mande V. S. receber na the-
1 soiiTaria provincial a quanlia de 410000, prove
nitmte da melade dos veocimentos relativos ao mez
de novembro ultimo do tenente Manoel de Sooza
Braga, commandante do des acmenlo de guardas
nacionaes existente na cidade de Caruar, a qual
foi por elle cedida para as desp'-z-i da guerra.
Dito ao mesmo. Remeti a V S. para (s fins
convenientes a inclusa guia de 60 arrobas de algo
PERNflMRUCO,
A' ordem do da Boa visla, Manoel Jos Firmino,
Antonio Alexandre Alves Torres e Caetano Rodri-
gues de Barros, por disturbios, Andreza Mara da
a ^ Conceigo, por fermentos.^ _
A' ordem do Dr. delegado encarregado do expe-
diente. Jos Joaquim Capibaribe, vindo das Ala-
goas como guarda
reros, designado
guerra.
casa tem a entrada muto estrena, e no centro ura
pequeo quadro, no qual querera os supplicanles
fazer construir o fogo.Nao tem lugar.
' utro do fiscal da freguezia da Boa-Vista, nao se
oppondo que Manoel Furtuoso da Silva, faga em
sua casa n. 22 da ra da Conceigao, um cano para
esgolo das aguas pluviaes, uma vez que dito cano
nacional do municipio de Bar- seja feito smente para esse tim.uoncedeu-se no
para o servigo da guerra da sentido da inforraagao.
Despacharam-se as petgoes de Bernardino Jos
fundamentos da represenlagao do Dr. juiz munici- dio em la da produego do presidio de Fernando,
pal, com quera se deu o conflicto, e examinar a le-
gislago em vigor sobre a materia, acha jurdico o
parecer do conselheiro consultor, e Cun elle se
conforma.
Vossa Mageslade Imperial, porm. resolver o
que fr servido.
Sala das conferencias, 12 de junho de 1863.
Viscunde de hqnfnhonha. Jos Antonio Pimenta
13.,?w.-Viscowle ,lo lV./fl. seterabro deste anno para
Como parece. Paco, 2o do novembro de 186o. cona| de-tacadas na
Com a rubrica de Sua Magestade o Impera-
dor. -Jos Thomaz fabuco de Araujo.
GOVERNO DA PHOYITIA
Expediente do dia 22 de dezembrdo de I8G5.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia das Ala
goas.Rogo V. Exc. que se sirva de remeiler
nie a guia do sentenciado Antonio Flix de Moraes
requisitada pelo juiz municipal da I vara desta
cidade, e de que irata o meu ullicio de 13 de no
vembro ultimo.
Dito ao Exm. presidente da provincia de Ro
Grande do Norte.Rogo a V. Exc. que se sirva de
fazer chegar as ruaos do juiz municipal e de or-
phos dos termos reunidos do Acary e S. Joo do
do Principe bacharel i'aulino Ferreira da Silva, a
inclusa communieacao de sua romocao, para a de
Cvoarti nesta provincia, por decreto de 18 de no-
vembro prximo lindo.
Dito ao general commandante das armas.
Mande V. Exc. eliminar do servigo da guerra, os
guardas nacionaes do 3." balalliao de>tinado aquel-
lo servigo constantes da relagao junta, visto que
foram juigados incapazes era mspecgo de saude,
como se v dos termos annexos ao seu offlcio de
21 do corrente, sob n. 2503.
Dilo ao mesmo.Mande V. Exc. eliminar do Joaquim Canuto
que foram remeilidas para esla capital, acondicio-
nadas em 12 fardos de 3 arrobas cada um, no va-
por Mamanguape, pelo commandante do presidio,
conrorme declarou-me em ofJQcio de 18 do corren-
te, sob n. 332.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Restiluiodo os prels juntos em duplicata, tirando
rardamento vencido durante os mezes de julho a
as
villa do
a V. S. que de conformidade com o parecer da
conladoria dessa thesouraria a que se refere o seu
offlcio de 21 do correnle, sob n. 503, mande pagar
ao segundo sargento Jos Avelino Torres Carapeba
para esse fim indicado em meu offlcio de 16 des-
le mez, a quanlia de 1080200 em que importa se-
mediante fardam-rnto, acontar de 16 de julho j
l citado at o ullimo do mencionado mez de setem-
bro, visto ler o restante de ser pago pela thesoura-
ria de fazenda.
Dilo ao mesmo. Se estiver em termos o pret
junto em duplcala, que me remelteu o comman-
dante superior da comarca do labo com offlcio de
hontem, sob n. 189, mande V. S. pagaros venci-
meiitos relativos a' primeira quinzeua desle mez
dos guardas nacionaes destacados na villa de Ipo-
juca.
Dito ao mesmo. Transmitto a V. S. o incluso
pr J em duplcala a que se refere o offlcio do com-
mandante superior desle municipio, datado de 20
do correnle, sob n. 472, afim de que nao havendo
: inconveniente, mande pagar os vencimentos rela-
tivos ao mez de novembro ultimo, das pragas do
oitavo batalhao de infantaria destacadas na povoa-
co de Santo Amaro de Jaboaluo.
Dito ao mesmo. Accuso recebido o offlcio de
| hontem, sob n. 504, em que V. S parlicipou ha-
ver Antonio da Silva Gusmo, dando por fiador
de Sania Auna, arrematado por
KKYISTA D,AIU.
Acha-se inscripto na classe dos oppositores do
curso commercial Pernambucano Dr. Delfino Jos
da Silva Carvalho.
De Apipucos remettem-nos a segunie com
municagao :
Ha aqu alguem, cujo nome por agora ainda I
conservo em silencio, que espanca horrivelmenie a
nao seu escravo, sem attengo aos sentimenlos de '
A ordem do subdelegado ao Recife, Alexandre df Medeiros & (]., Bernardo Jos da Rocha, Anto-
Manoel do Espirito Santo, por insultos, e Antonio, n' Moreira Res, e Joaquim Pereira d'Azevedo Ra-
escravo de Jo.- Jacomo Tasso, para correego. mf- bacharel Francisco Leopoldino de Gusmo
A' ordem do da Boa-vista, Joao de Pinho Borees, LoD. Guilherme Augusto d'Athayde, Jos Francis
humanidade, nem consideracao s pessoas deste
povoado, que por cerlo nao podem approvar proce
pragas da uada'a" der' P"0."lao brulal para com um ser humano, j 0, existe
Bonito, recommendo 'p"J* coud.gao de escravo ja o bstanle para me-,6; estra
recer compaixao as almas bem formadas...
Queira, pois, sobre tal dizer alguma cousa,
alim de ver se cessa to abusivo e inhumano pro- ,
cedimento com esse seu grito de alerta a polica.
No communicado publicado hontem do Sr.
Dr. Alcoforado, na primeira lioha do docum-oto
que abaixo esta' onde l-se 1864, la-se 1834-
Na manhaa de 23 |do corrente foi ferldo na
ra do Cisco, levemente, Florencio de Souza More-
no por Andreza Maria da Conceigao; a qual foi
presa, e vai ser processada pela subdelegada da
Boa-vista.
I
tambem para correego, e Pedro escravo de D.
Uandida de tal, por fgido.
25 -
A' ordem do subdelegado do Recife, Pedro Lucas,
por embriaguez.
O chefe da 2" secgo,
J. G. de Mesquita.
Casa dk rtbnco.
Movmenlo da casa dedetenco no dia _'"> de de-
zemhro de 1863:
Exisliam 374, entraram 2, sahiram 3 ; falleceu
m 371, a saber : nacionaes 261,mulheres
traogeiros 26, mulheres 5; escravos 69, es-
cravas 4 : total 371.
Alimentados a' cusa dos cofres pblicos 196.
Movimento da enfermara no da 26 de dezem-
bro de 1865.
co de Menezes Amorim, Vicente'Hercalano de Le-
raos Duarle.
Levanlou-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario o
snbscrevi.Pereira Simes, pro-presidente, Santos,
Fonseca, Pinto, e Dr. Villas-Boas.
M < Sf 1 ffl w 1
H O 3" 1 X
-1
Vi ~1 1
s B 3 i! 1 j : 1 3
| : 1 : 1 : i : 1
- 1
1 1 -
o
>
oo
>
O
O
>
I-
servigo da guerra para que fra designado o guar-1 um anno a illuminagao da cidade de Goianna, a
da nacional do batalhao n. 2 de artillarla, da ; razo de 290 rs. por cada lampeo, e em resposta
guarda nacional do municipio do Rio Formoso, i tenho a diztr que approvo essa arreraatago.
Joo Feroandes Pinto, visto ter sido julgado inca-1 Dito ao mesmo. Providencie V. S. para que,
paz do servigo em inspeegao de saude, como se estando em termos os tres inclusos prets.e nao ha-
v do termo annexo ao seu offlcio de 21 do cor-; vendo inconveniente, sejam pagos os vencimentos
reme, sob o. 2316. relativos a primeira quinzena deste mez dos guar-
Dito ao msate. Mande V. Exc. eliminar do;das naciooaes destacados na freguezia dos Afoga-
servigo da guerra para que eslava designado o dos e as povoagoes do Peres e Passagem da Mag-
guarda nacional do batalhao n. 42 de infantaria, dalena, visto assim o haver solicitado o comman-
do municipio de Sennhaern Jos Scrates de Pau- j dante superior interino deste municipio, era offlcio
la Luna, aceitando era seu lugar o paisano por elle de hontem, sob n. 473.
nllerecido, Heunque Dias de Carvalho, fisto ter
sido julgado capaz para o servigo militar, como
consta do termo annexo ao seu offlcio de 21 do
corrente, sob n. 2303.
Dito ao mesmo. Mande V. Exc. eliminar do
servigo da guerra para que eslava designado o
guarda nacional do batalno o. 42 de infantaria,
do municipio de Serinhem Jos Soares de Mello,
por ser visivelmente incapaz do servico mi-
litar.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. inspeccionar o
guarda nacional designado Manoel
Silva.
Dito ao mesmo. Queira V. Exc. informar a
cerca do que pede no incluso requerimento ma-
jor reformado Manoel Cavalcante de Mello.
Dilo ao mesmo.Srvase V. Exc. se providen-
ciar para que fiquem addidos ao 6., as pracas do
3. e 5." corpo de voluntarios da patria, que dei-
xaram de seguir por doeotes.
Em Paje de Flores, era consequencia de uma
lula travada entre si por causa de uma mulher de i
ma' vida, sahiram feridos gravemente os volunta-,
rios da patria do 4* batalhao em organisago na-!
quella villa de noma Manoel Rufino do Naseimento,
e Antonio Gongalves Lima. Teve parte nesta luta''
igualmente o voluntario do mesmo corpo Antonia
Emigdo Ribeiro.
Fello o corpo de delicto, e mettidos delinquenles
em prisio militar, vao ser processados pelo foro
competente; seaundo a imperial resolugo de 13 de
outubro de 1838.
No lugar Saquinho, do mesmo termo, foi
morto Agoslioho Gomes de Mello, por um tiro de
espingarda, que suppoe-se ter sido casualmente
disparado por Marcollno Gomes de Mello, primo do
finado. A autoridade local faz indagages que tra-
gam a' liquido esta duvida.
Um preto escravo do desembargador Res e
Silva roubou no dia 23 ao liberto Themoleo dos
Santos, penetrando para isto na casa do mesmo,
na ra do Alecrim.
A' noile de 24, foi igualmente roubado as
Cinco Ponas o Sr. Custadio Manoel Theodoro, a
quera nada deixaram os laraplos. A autoridade lo-
; cal procede as averiguagoes para ebegar ao conhe-
ciraento dos respectivos autores.
~ 1 1 1 * O o 1 1 | Masculino. 1 SI \
<- 1 te = l-- 1 1 1 1 Feminino. 1 SI fl
1 o - 1 1 A 1 1 Masculino. SI en B 3
1 1 1 1 1 Feminino. 1 A 73
* . 1 1 1 Masculino. M Vi
MB 1 1 Ft-mineno. r > < o
a 1 1 m co Masculino. S H
- i -1 A 1 Feminino. i i* 1 P|
=
=1
Dito ao mesmo. Pode V. S, de conformidade
cora a sua inforraagao de 3 de outubro ultimo, sob >ja noilfi de 23 do corrente
n. 39o, mandar euiregar, medanle anga idnea,' jos Gongalves de Azevedo, mor
foi o Sr. Antonio
morador nesta cidade,
no Parahyba, accommet-
79
ao vigario da freguezia de S. Pedro Martyr de l e que chegou de Macei
Olinda, o arcediago Joao Jos Pereira. nao so o mo junto do arco da Couceigo pardous desconhe-
conio de res volado pelo 5U do artigo 15 da le Ciao> cora os qUaes estabelecendo uma luta, resul-
do orgaraento vigente para as obras da matriz da- loa sanir e||e (eTiao enlre as costft||as> no queixo e
quella freguezia, mas tambem a importancia do | pescogo, depois de algnm tempo da mesma luta,
beneficio da quaria parte da quinta lotera e d* durante a qual roubaram-lhe elles uma bolsa de
primeira da sexta extrahida a favor de taes obras, viagem em que, com alguma roupa de uso, havia
Lourengo da desconlando-se desta importancia a quanlia de ura trezentos e tantos mil ris em diobeiro.
cont de ris, que por offlcio da presidencia datado : o Sr. Gongalves de Azevedo ainda perseguio os
de I de novembro de 1862 maodou-se adiaotar | larapios com gritos, perdendo-os de vista no Campo
agella vigano para con.inuagao das pred.tas das Princezas, onde^soubeide uraa praga que taes iwSSRUhmx nbercoles pulmonares-
mo ao mesmo.-Transmi.to a V. S. a folha, re- 2fS hamm ,0mad a d'reCa da Pn,e de Pe-1 *" Pin' d0 ^-^ I ">*" p'
lago e pret junto em duplcala, afim de que nao
I I
I 32
Masculino.
~I
m 1 * tO

o>
~
Feminino.
o
i
i
>
m. TOTAL.
Vi
5
ADVERTENCIA.
Na lotalidade dos doentes existem 153, sendo
bomens e 74 raulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As 6 1|4, 6 1|4, 6, 6 i|2, 6 i|2, 6 1|4, pelo
Dr. Ramos.
As 9, 9 1|4, 9 1|2 9, 8 1|2, 7 1|4, 7 1|2 pelo Dr.
Sarment.
Falleceram
havendo inconveniente mande pagar a Manoel Jos
Moreira, conforme solicilou o commandante supe-
Dito ao mesmo.Pode V. Exc. conforme propoe I rior interino da comarca do Bonito em ollicio de 9
em sea offlcio desta data, sob. n. 2522, nomear o do corrente, os vencimentos relativos ao mez de
majar reformado do exercito Caelano Gaspar Lo-: novembro ullimo, do destacamento de guardas a-
fies de Azevedo Villas Boas para commandar inte-. oionaes existente em Caruar com excepeo da
rinaraente a fortaleza do Bruro, em lugar do major i metade dos veocimentos do lente Manoel de Sou
a direcgo da ponte de Pe-
dro II.
Por ora nada se sabe sobre quem elles sejam,
mas o Sr. Dr. delegado ja deu as convenientes pro-
videncias, afim de ver se sao descobertos.
Escrevem-nos de Goynna :
As entradas de assucar para a cidade conti-
nuara era escalla subida, preferindo os productores
veode-lo aqu ao prego vantajoso que tem dado,
do estado maior de 2.a classe Sebastin Antonio do za Braga, comandante daquelle destacamento, que [ do que remette-lo para a capital com o cusi e
Reg Barros, que foi chamado a c&rle, remover o foi por elle cedido para as despezas da guerra e: riscos da condcelo etc.
capito do mesmo corpo julgado incapaz, Salvador por isso deve ser recolhida ao cofre da thesouraria ; O commercio tem ido animadissimo. as
Ojelho de Drumond e Albuquerqae do commando de fazenda.Communicou se ao commandante su- ras da cidade circula uraa vida que pequeas
do forte do Pao Araarello, para o do forte do Ba- perior do Bonito. capitaes do imperio invejariam. E' assim que
raco em subslituigao do coronel do referido corpo ; Dito ao commandante superior da guarda nacio-
Jos Mara Ildefonso Jacome da Veiga Pessoa, que nal do Recife. Devolvo a V. S. o pret em dupli-
foi nomeado coramandanle das armas da provin- cata a que se refere o seu offlcio de 21 de novem-
cia do Amazonas, e para commandar inierinamen- bro ultimo, sob n. 445, tirando vencimentos rean-
te o forte do Pao Amarello, o 2. tenent reforma- vos a primeira qoinzeoa daquelle mez para as
do Jos Rabello Padilha.Communicou se a (he-
souraria de fazenda.
Dnoao mesmo.-Mande V. Exc. eliminar do
Goyanna se vai avantajando todos os ncleos de
populago que se conhecem extra-muros do Re-
cife.
i Os campos estam cobertos de uma planta pro-
mettedora, que annuncla uma excellente safra. A
pragas da quinto batalhao de infantaria da guarda I estagao corre favoravel aos varios misteres da
nacional Juste municipio destacadas na freguezia agricultura.
de s. L.-,urengo, afim de que seja o meqcjqoado i i Est aberta por parte Ja. eamara municipal
Francisca Pinto do Naseimento
monares.
Joanna Maria Francisca ; tubrculos pulmonares.
Jos Anjelo do Sacramento ; myelite.
Joaquim Theodoro Rosa de Lima ; gastro epatile.
Antonio Machado de Souza; tubrculos pulmo-
nares.
Passageiro do palhabole Linio Paquete, sahi-
1 do para o Para :Thomaz dos Santos Borges, Ma-
| ximiaoo Jos Correa.
Passageiros da barca franceza Fgaro, entra-
da do Havre :-Christooro Pietro Prates e um fi-
lho menor.
i aiMn i i
CAMAIU MUNICIPAL DO RECIFE.
3. SESSO ORDINARIA AOS 9 DE DEZEMBRO
DE 1865,
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Srs. Thomaz de Aquino, Costa Mon-
teiro, Dr. Villas-boas, e Pinto, abrile a sesso, e
Aos 11 de dezembro de 1863, comparecendo so-
mente os Srs. Pereira Simes, Santos e Pinlo, nao
houve sesso por falla de numero. Eu Francisco
Canuto da Boa-Viagem, secretario a escrevi. Pe-
reira Simes, pro presidente, Santos e Piolo.
4* SESSO ORDINARIA AOS 12 DE DEZEMBRO
DE 1863.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Srs. Aquino Fooseca, Santos, Dr.
Villas Roas e Pinto, abre se a sesso, e lida e ap-
provada a acta da antecedente.
Lu-se o segunie
EXCEDIENTE.
Lm offlcio do engenheiro cordeador, informando
o requerimento no qual Francisco Meodes Martins,
arrematante dos concertos do agougue da ribeira
da freguezia da Boa-Vula pede para que lhe seja
paga a segunda prestago da imp rtancia da mes-
ma arrematagao, visto haver j feito metade da
dita obra, diz que verdade estar feita j melade
dessa obra, mas de seu dever declarar a camara
| que descoDerto o agougue, achou-se que muitas das
I madeiras do mesmo agougue que se presuma es-
| tarem arruinadas, foram encontradas em bom es-
tado, e conseguiotemeote conservadas ; julga por
isso que a importancia dellas deve ser abatida do
j prego total, mas isto poder ter lugar mais oppor-
tunamente no ullimo pagamento.Posto em discus-
so resolveu-.se mandar pagar, ficando o mais para
ser deliberado quando houver de ser paga a ultima
prestago.
Outro do mesmo, informando sobre o que expoe
em seu requerimento o bacharel Francelino Ber-
nardo Quintetro, diz que o becco a que o peticiona-
rio se refere um becco estrello e tapado, para o
qual varias casas da travessa e ra do Calabougo
teem porles, sendo a casa em que mora o peticio-
nario a ultima dellas, pelo que nao acha nenhura
inconveniente em concederse-lhe o que pede, prin-
cipalmente propondo-se elle a trazer o dito becco
sempre limpo sem despeza alguma para a camara.
'o.-to em discusso resolveu-se que fosse ouvida
a comraisso de edificagoes.
Outro do mesmo, commnnicando o seguinte :
Que tendo-se dirigido ao matadouro da Cabanga
para medir o actual corral pertencente a camara,
achou que tera elle 218 palmos de comprimenio e
100 de largura media, o que d 218 bragas qua-
dradas.
Que o lugar em que elle se acha nao o que
est marcado na planta do estabelecimento para os
curraes de bois, que devem ser oito, mas o que es-
t designado para pateo de entrada para diviso do
gado, paleo que segundo a mesma planta, deve ler
192 palmos de comprimeoto sobre 180 de largura,
o que d 3,456 bragas quadradas.
Que a terse de fazer algum melhoraraeoto na-
quelle lugar, enlende que ser melhor estende-lo a
todo e espago marcado na planta, do que sement
a uma parle delle, visto que o proveito resultante
ser maior, nao sendo muito grande o augmento
de despeza, pois que o accrescimo de spago ele-
va-se apenas a pouco mais de H7 bracas quadra-
das.Posto em discusso deliberou-se a requer- Qnestao Vi*tt ment do Sr. Santos, que a commissao se dingisse O chefe de polica em seurelatorta wes' jencia
ao mesmo matadouro com o eogenheiro, levando da provincia nao .pode oceultar a odio !>'_. ,>
este a respectiva planta, para que em vista dells, a vota pelo simples faci d*' ser eu, "
mesma commissao indicasse o que convinha fazer execucao que move o teaeav
acerca do calgamento do curral. Uchoa ao lenente-coronel Ji j
Outro do tlacal da freguezia de Santo Antonio, odio que o levou. a atiyUy;
representando que na ponte de Santa babel existe dest'arte a porta a* vio>>
de ra larga do Rosario 18
em questo dessas antigs que lngara grossas
columnas d'agua na ra com iocomraodo das pes-
soas que passam, bicas que presentemente se
acham prohibidas pelas posturas da camara ; en-
tretanto cerlo que o peticionario nao quer seno
concertar uma bica, que j existe, e nao fazer ne-
nliuma de novo; a vista do que a camara resolva
se ser mais conveniente conceder-se-lhe o que
pede, ou faze-lo substituir a bica arruinada por
cano internado como sao empregados as casas
que novamente se edifieam.Posto em discusso,
resolveu-se conceder a liceoga, uma vez que fosse
somente para o concert da referida bica.
Oulro do fiscal da freguezia de S. Jos, informan-
do o requerimento no qual Jos Francisco Ribeiro
Machado pede licenga para stabelecer uma pe-
quena retioagao na casa n. 7 a ra dos Pescado-
res, declara que ficando o quintal da mesma casa
para o caes ao norte da fortaleza das Cinco-Pontas,
onde quasi nenhuraa habitagao existe, julga nao
haver in-onveniente na concesso da dita licenga,
sendo porm necessario que a chamin do fogo
tenha airara sufflciente para a expedigao da furaa-
ga.Concedeu-se.
Outro do mesmo, dando cumprimento ao despa-
cho de 6 do corrente, langado sobre o requerimento
que devolve, no qual Marcelino Jos Lopes, pede
que o terreno annexo a sua casa n. 53 da ra Au-
gusta seja murado, alim de evitar a accumulago
do Itxo e despejo, que diz se fazera no oilSo da mes-
ma casa ; declara que esse terreno j nao perten-
ce a viuva Basios, e sim a outrem, a quem ja intt-
mou para murar ou edificar, sendo cerlo que an-
tes da reclamaco do peticionario havia intimado
aquella viuva para murar o dito terreno, e que
talvez por lhe faltarem proporces para o fazer,
que o vendesse.Posto era discusso, despachou-
se a petigo declarando que ficavm dadas as pro-
videncias e o Sr. presidente verbalraente recom-
mendou ao fiscal que tizesse observar as posturas
a respeito.
Oulro do fiscal da freguezia da Roa-Vista, pe-
1 diodo que se mandasse pagar ao Dr. Ignacio Firmo
Xavier a quanlia de 18, importancia de (res cor-
ridas sanitarias que lizra em os dias 10, 13 e 18
de setembro passado.Que se passasse man-
dado.
Outro do fiscal da freguezia do Pogo da Panella,
communicando que ha mais dedez annos transitara
pessoas a p e a cavado por cima do eocanamento,
e ha mais de um anno carros e mnibus, parecen-
do-lhe pois que alli esta recoohecida servido pu-
blica, e que por lauto nao pode ser vedado seme-
lhante transito, como agora acaba de ser pelo Dr.
chefe de polica quanto aos canos e mnibus, o que
trazendo ao conhecimento da camara pede-lhe que
providencie como entender conveniente.Que se
ouvisse ao advogado.
Entra em discusso o parecer da commissao de
sade arerea da commissao pedida por Bernardino
Antonio Pereira Bastos, para fazer um pequeo
forno no quiotal da casa o. 30 da ra Direita para
cozer pao e outras massas, cujo parecer tinha li-
cado addiado na sesso ultima, e tendo fallado em
opposigao o Sr. Santos, e depois os Srs. Dr. Villas-
Boas e Pinto, membros da commissao, sustentando
o mesmo parecer, e finalmente o Sr. presidente em
sentido contrario ao dito parecer, foi este posto a
votos e regeitado.
Tendo Jos Onofre dos Reis, requerido licenga
para vender no mercado publico da freguezia de
S. Jos milho, feijo e outros gneros, que disse ha-
ver recebido do Penedo, foi-lhe negada a licenga,
votando a favor o Sr. Costa Monteiro.
Despacharam-se as petiges de Antonio Alves da
Costa, Bernardo Jos da Rocha e outros, Bernardi-
no Antonio Pereira Bastos, bacharel FraneiscoLeo-
poldino de Gusmo Lobo, Frederico Antoniops
Mello, Guilherme Augusto de Athayde, Henrique
Jorge. Jos Francisco Pereira da Silva e outros,
Jos Francisco de Menezes Amorim. Jos Onotre
dos Reis, Maria Antonia da Purincago. Manoel
Joaquim de Santa Rosa, Manoel Antonio de Jess,
Marcelino Jos Lopes, Manoel Francisco da Silva,
Thereza Siqueira de Jess; e levantuu-se a
sesso.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario
a escrevi.Pereira Simdes, pro presidente.Fon-
eeca.Pinto.Dr. Villas-Boas.Santos.
y
C0MMNIC1D0S.
^.ocorador na
coronel Gaspar
de S ; e tal esse
me nm crime, abrindo
2SJS Ma*"**? ?-f- 5S2Sf2P ^o a io.fmaSgioque TS.*'
* e posse do eogenho Aratangil foi
.o que se achavara no mesmo enge-
wo no m 4 do correDtei iQC|asive o delegado do
n.Kn Han n i><\ Ha DniWA \Tn*>ftit ____1 *
livre transito dos vehculos, pode mui bem acarre-
lar algum sinislro de grave consideracao ; o que (*ila a aquel)*"
scientifica a camara para providenciar.Que se
levasse ao conhecimento da presidencia.
sagem para a rna da Baixa Verde acha-se arra.
nada, e convra que seja repar^ qaani0 aoles.'
Posto em discusso a cam--fa co^deron que a dita:
pontezmha era partic- B como ta, nao devja 0
seu concert correj r cc-u do cofre municipal.''
Eis o trecho do relatorio :
c Dous officiaes de jnstiga dos que acompanha-
ram ao mencionado juiz municipal, por occa-
siao de lavrarem a certido de intiraagao de
um dos mandados a que ao principio me
--K
A


T
^^"
c

Diarto ie Permabie ftaarfa fe'*-a t de nczcnibro ie **.
refer, certificaram que tioham ouvido ao de-
legado duer ir-ie all se achava por ordem
minha coca for^a armada para mauler a pos.se
em que se aetiavam 'lo engenho Araiangil o te-
nenie coronel Joo de Sa e sua familia.
Este farte anda affli ma o chefe de polica ser
falso, sendo a certidao dictada pjr mim, abusando
da ignorancia e imbecilidade dos offlciaes de ios-
tica. Aceilaudo a causa do Sr. Cnenle-coronel Gas-
par Uchoa coulra o Sr Joao deSa, liona comocer
to que seria punido com algum proceso por i
apresenlar em opuesto a un dos membros
familiaprevilegiada ;-coafesso porin que
suppuz que o chefe de polica loase o encarregado
desse ui>ie papel de perseguir-me, julguei sempre
que o autor dessa far^a fosse o decaulado delega-
do Ttieoionlo. Emltm, ha homens para ludo e as
fiosieoes nem sempre desvian) as incliuasos. O
nii-n hizo fui inex .co.
Para, porin, contestar o que afflrmou O Sr. Pin-
datiyha Je Natos em seu relatirio, offereci ao pu-
blii'u a conlisso to prop io delegado fela oficial-
mente em dala de 4 do c irrenle.
Ei> as palavras do delegado :
da
nao
Asna Florida de Hnrray e usasse dos banhos salgados na pancada do clmente, e em poaco tempo o rheuma-
Laaiaasa. mar. Sentio elle nos primeiros banhos al- tismo.
Os perfumes compdem a parte potica, a verdi- guns choqoes, mas en o aconsellie que con- Ailverte-se que o verdadeiro xardo eso se
detr poesa do toiiet, e as wohoris do elegancia o tjni,aS;e ^m 0 qlie se temdado mui'obem vende nesta cidade na botica cima indica-
reiioados gosios sao de ordiuano mals ou '
fastidiosas e ditflcoltao-as de cooteoiar,
mente a escolha d'esies artigos.
As bellas habitantes da America do Sal, as quae
Jos da ocha Paranhoi.
m
A jurubeba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
muito conhecidas nao s no Brasil, pois qoe deltas
relativa- P"'s Que tenho recebido cartas de Macei, da, do abaixo ass gnado; e em outra qual-
em que se me communica o seu bom estado, duer parte que se tem annunciado nao da
Nesta molestia os expositores de medici- mesma composic5o, e nem o abaixo assigna-
so perfeitas conheeedoras de taes objocUs, tem na na^ aconselbam banhos saleados, apenas do se responsabi isa.
dd^ar%^r'am,%TrSef^ee?.oaora qado del.es tratam, dizem ser aplicados
agua para o toucadur. as e.-cruphulas, hypocondna, estbensmo.
En tem ido manufacturada quasi que eiclusi- amenorrhea, racthismo, etc. ; entretanto*!
vamente para o consumo da America Central e do este Dr)m re8Uilaf]0 no fl|n0 0 r. Cristiano,
Sul ; porcn nem pouco temjo ha que ueste paiz se nillpn. ,,,,, na(l, ,pnhn vatn ., nm_ mono connei
fez a descorra da sua avantajada sup-rioridade f 0l"8 tactos Iguaes tenho visto as om- |ratou pson pm s(ja exce||eBle ilbrt_Historia m.
sobre os perfumes de urna qualidade imperfeiia e l< Stias Sipliyllticas, e OUtras militas que Com turatu t mrdica India occidental, seno as
demasiadamente oppresvos importados da Europa; o USO do xarope alcooCO de vtjlLme tem-se Aolilhas, onde o sueco das folhas e fructos como
em consecuencia pois d'este novo augmento em 'seu 0btido cura radical' aqu, muito estimado e appl cado contra as obs-
consumo, os proprietarios eMo empregando todos morlir-n hahil <1p Ma -em trueces abdominaes, principalmente do flgado e
os seus aforeos a fva de saiisfacioriameote sup- u sr ur. snva meaico naun ut -aeio, taCl. e M lHd0, OT fi,PU,liiMvos d(lRla ,,rovinria
prirem tao vato pedido. depoisde ter appltcado a um seu doenle de na0 aBp|caII1 cora frequencla, isto se nao deve a
Alm de suas tnuilas virtudes, em qualidade de rheumatismo 0 xa ope alcooCO de vellame, nao reconhecerem elles essas virtudes, mas slm a
ivicanle perfume. ell se, |nim m alia ca nnr om ,wi:iiln iIp l:in;ar :j< nao seren encontradas rom facilidada o m todas
e a re-
pugnancia, que apresenlam os deentes em fazer
uso do sueco desses frucios, em consequencia de
ser extremamente amargo.
ra^SS^aaoffltideV S de hoie data- m """ e -meante perfume, ella tornase, logo que elle S6 poz em estado de largar as nao seren encontradas cora facilidade e r
R_ sptradeudo ao olU.iode v. S. ae "' u l qoMdo misturada n'uraa poaca d'agua, urna excel- mlo^ m .,-,.*. ,rrmar|n n apnn<; eslaces do anoo os fructos des^aplaMa,
. ^^"^^A^^^^'Xa a ^epara^o para a pehe; ass.m como pode moletN em que anilava arrimado, O aconse- apresenlam os deentes m
tM n acios ,mir como uma ao,nirav''1 ,VaKm P"r os den" lhou *lue c^ntinuasse com o uso do mesmo uso do sa'r'0 dePS'es frucl em conseque
srl'soeilo" ga- tes e S',nR|vasi deixando um agradavel e aroimuco xarope COnjunctamente com OS banhos sal- ser extremamente amargo.
r' meis lesaes ch.eir'J Da boc,:a- ( VJe ,,ue os nomes de Murray irados, com qun se tem dado muilO bem, e A jurubeba nao descouhecida dos botanistas
r meios g e Lautnanf se achem .vidamente loscr.plos sob __ifc__--|, am ,
i vicanle perfume, ella tornase,
ua, urna e
tangii, por ordem do i>r. chrfe de polica, para servjr cumo um;j ad,nraVB| |ava(jem para os den- lhou que Ci>ntinuasse com o uso do mesmo
o lim de nao consentir que si pratiquem acio tes e gengivas, deixan lo um agradavel e aromtico xarope COniunctamente com OS banhos sal-
< de e-liuH)o, de tioleacta e de d '
nalioie direi'.os adquiridos por
t e jurdicos.
E', p .Ks, fora de loda a duvida que a presenta
do delegado no engeniio Aratangil.com forga ar-
mada, era para maoter (segundo a sua contisso)
a posse d mesmo engenho a>i tenente coronel Joao
de Sa, e que ludo iblu era o cumprimento da or-
den do chefe de polica.
E" anida fra de tuda a duvida que a certido
coosipia urna verdade coute-tada pelo chefe de
polnia.
Asora pergunlare ao Sr. Pindahyba de Mallos,--------------, --------.....---------__,,-----
de qoe la !o e-ta a verdade ? Responde-Ble com a frem desta molestia, e e de lamentai-se, que tee,n detnonstrade que mutos lend0 prncu- Fls0, lr..tan(l0 ,. hWt0M81J nrP5,rPVe
,mare,ai,dade que deve c.racier.sar $ "O obtuario tiesta cidade a ma.ona dos que rado apropriado, se teem salvado ; J&0 das !Ks S!SSSS/e USSS l Delens,
i anda na igno-. enpcumhpm p rlp Inliprcn n nn mnnarps. __ r .. .____i____ v -
cada envoltorio, lelreiro e al mesmo gravados no
vidro das proprias garrafas e na falta ou ausencia
dos mesruos claro se torna a falsidade da mesma.)
Veodr-se as pharmacias de Caors & Barbosa e
J. C. Bravo & l
Phlhysica.
O xarope etherio de veame por mim pre-
parado muito tem eproveitado aos que sof-
um dos mdicos que all em Macei tem com- es'a ^laDla pertence a familia das sotaneas, e lea
c i. ...u.M. a denominacao de solanam paniculalum, que lae
pela confianca as prepararles de vellame f0| dada (l0' Ly'ne0, F H
por mim feitas, pelos bons resultados que Parecendo-nos conveniente facilitar o uso do
tem oblido em sua clnica. sueco dos fructos da jurubeba, que o mais era-
Quando alguem se v com tOSSe vai ao nie- P*a , .___l__ com elle nao so um extracto alcoolico que pode ser
dico, este o examina e declarao senhor es- appiiMdu em piiuias, mas tambera umvinbo.um
t affectado dos pnlmeso doente desam- xarope, e um emplastro que pode substituir, era
ma com esta sentunca. enlende estar sem certos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos qoe
mais cura, qnando os fa.tos ea experiencia cm isl prestamos um servico a humanidade e
, '^. _____ hlerapeuuca.
suecumbem de tubrculos pulmonares,
,'sem procurarem o recurso d pratico e do
meio de sua salvaco.
O Sr. Braga com loja de ferragens na ra
Direita, foi desengaado por dous habis
ratJtira na travessa do Monteiro n. fi/.achan-
do-se desengaada, tambem h mim recor-
reu e acha-se re tabelecid >,
Um subrinlio do Sr professor ae Naza-
relh do i!abo, acha-se bom, como se v de
sua carta abaixo transcripta, alea de outros
fados, que poderia aqtii mencionar.
A phthysica a destruicao e a magreza
de todo corpo, em cnsequencia de chagas,
tubrculos e c ncreccao dos bofes edeem-
hunestn. Vor ventura abusara eu
raucia un Imbecilidade du seu delegado? Jusiilica
do o tacto que me atuibw o chefe d polica, paso
a contar o motivo do eu.-rme crm.e de falsidade experiiinle, que IheS podem
eniuiitrado pelo Sr. Pindahyha de Mallos Ei lo:
Os oOcfaes de jusiic.i na<> pudendo ou nao sa-
bendo passarem a eertidio a que allude o chefe de
polica, pediram-me para |ai< los na redaccao, eis
o que ti/.; narrando, porm, o que lies alfinnavam
ne?>a certido, tratando elles da intimacao feila ao
delegado Theotoolo, afflrinaram qne dizia alii se
acnar em Aratangll para garantir po-sedo teen-
te-Coronel Joo de Sa, ao paso que essa afBrmati-
va partir do membros da familia do mesmo te
ente-coronel, ou por outra, o tnnie de falsidade
enco ilra lo pelo chefe de polica porque o verbo
dizer fui enllocado ua lerutra peen do ungular,
quando devera ser na terceira do plmal 1 I I
O publico Imparcial eonbeeera! queein lodo es-e
negocio nao pode haver a idea de crime, a menos
que se nao peose como affoelles que estao colhga-
dos a' q ie>ia i Aratangil, cjmo eta' o ch^fe de po
licia; primeiramenlea cerndo uo conim urna
falsidade, porque o delgalo de polica o propri i
a cniiifinar semelbante assereio : em segundo lo-
gar esa redaccao nao pansa de puro engao, lint"
da ignorancia e da unbecilidade que o propno
chefe de pul urja reomher.eu nos laes otfiViaes, e
nao pode essH engao ser levado de boa fe a ca-
tbegona de urna imnuucao criminosa. Logo seo
Sr. Pi'udahyba de Mallos quizesse (iroceder com
calma e despido de paixdes, ofto enxertaria o sen
relaioiiocom um trecho lut-iramente fal o cu alias
conlendo verdadeira puerilidades.
Tenho |u-tiricado oineu proce.diinento, nao para
o Sr. Findaliyiia, mas para o publico, que. despido
de interesses nao procura eacnergar ou phaniasiar
crimes, |,ara ter o satnico prazer de thuriferar aos
poderoso- desta aclualida te.
Bstau resignado a soffrer todas as conseqnen-
cias ii iiii-u procediraento mas sempre cora o de
du indicii -r apuntando aoSr. Eduardo Piudahyba
de Mallos como autor de ludo. Bradarei at-1 ser
ouvi.i >. i] ie soffro por ter aceitado a cansa contra o
Sr. J i < de Sa, Bino querido do progreeso. Sr.
<;het ile po -i i n lera o poder de fazer callar o
sent nenio qoe resulta do -en procedimiento Niega!
e ai nessa qu .-tao le Aratang I. e nem iflo
pouco ; !, ni u publica sensata, produiira' efTeito
essa ii a i l n i com qoe me tnimoseoD no seu
snpr o'il i lo relalurio.
t-j-t i a resposia que tenho a dar, afBancando
que,:. an- ni mus nao responder), devolverei in-
tac, i tudu i uni disserem, porque oio me quero
ni llar com ias leprosos, que occollam o nome
pai.. a ,-.iivo ll iil.-i-m a quein > os sabe des-
pr-"r.
1 :" 6 le di zembro de 18iio.
I'nho Alexandnno da Costa Machado.
e assim explican) muitOS expositores de me- em sen Diccionario de materia medica e Iherapeu-
,| .ini '"'". dizem que as Au'ilhas se faz uso do sueco
,-, ... i.,i l dos fru-tos niaduros dessa planta contra o calar-
Ora, nessa provincia temos facilldade ho- rn0VeSlca|. e a autoridade dos nomes desses me-
je e recurso do ar ; por que a va terrea dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
nos proporciona, pois que em pOUCO tempo suas palavras, e por isio cuidaremos de ter era
uma pessoa que existe nesta cidade fcil- nosso estabelecmento essas raizes,para que possam
mdicos, acha-se bom Com 0 tratamentO por mpn,p t annnria nara a< ultima* PslarV* ser exPer'"'entadas.
n.i ,, nrLrntr. G M l.ansPorla Para as U1"0088 eMa^OeS A rppiaco da jurubeba tal,
lui'U uici.ii|uo. rlp lami'li'ira p ITna Inaarpt nprln rio Knnt- ihuiiuiiiii..a f,f.iiiinc .,ir,.....,,,......
-------------.^----, ,----------------- A repoiayao ua juruveuu e tai, 6 OS resultados
1 Liiuiu. .. .- de Gameleira e Una, lugares perto do Bom- therapeuticos oblidos ltimamente sao lo impor
A ara. Jeronyma .Mana da Lonceigao, mo- ,0 e je ouiros pontos que sao considerados tantes, que nos parece intil dizer mais do que
sert5o, quanto mais que os mesmos lugares is,> iue fioa escripto.
j nao sao mos, segundo pens, principal-
mente no vero.
Mas dir-se-hauma pessoa pobre nao tem
meios de se transportar e alli estara isso
se respon-ie, que naquelles lugares existem
casas vasias e alugam-se por prec commo-
do, e mesmo muitos gneros de primeira
necessidade alli se vendem pelos mesmos ^
precos que aqui.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
UiMMEBGIQ.
Crtl\:j_lllfal do baoco do Brasil
em Pernambnco.
Tenrlo-se desencaminhado da massa fallida de
Guilherme Carvalho 4 C. o recibo de lo accS^s
caixa, sob ns. 2787
pyema. atrophia nervosa e outras molestias j(qUe|'|es p'0s que estiverem nestas cir- das tocabsadas nesta caixa, sob ns. 2787 a 2801,
que viciam os humores, como escorbuto, can,slancias, eu Ins facilito explicar os meios ^Z^L^!^rt^Z^it^^
a.porcas, gal.ico, asthma, bex.gas, sarampo, pelos quaes se dcvein reger> Jlhes foi.nece- ^JSSS S, que'^or'p'ne^ts-
rei OS medicamenlOS gratuitamente, i lino Jos de Souza Campo-, adminlsirador da re-
No deixarei de advertir ao publico, que ferida massa. se vai proceder a transferencia de
i:. ..K.. .-. a., i ur... h.. gilva
etc.
Na phthysica, chegando ao estado de gra-
v'
s
tos
e dieta, a qual nao deve ser de nenhuma
coosa quente, ou de defficil digestao; e a
bebida compre que seja de natureza branda
e fresca.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a
moderar a acrimonia dos humores c a nu-
trir e stiNter o doenle, para o que i; preciso
reduzi-lo ao uso de vegelaes e leite
Toda comida e bebida, que se tomar ha
de ser em poucas porgs, para i vitar que
o excesso do chylo fresco opprima os bofes
accelere milito a circnlacio do sangoe.
Muitos doentes desta molestia se leem cn-
em has-
com do-
gane o mesmo publico com outros que por i Caixa
ahi se annunciam, cujas preparaeoes ignoro '
assim como o aproveitamento aos enfermos,
a quem porventura lenham sido applicados;
cada tim responde por si, e eu allirmo com
verdade o que aqui tenho relatado, cujos me-
dicamentos nesta provincia s vendo em mi-
nba botica na ra Direita n 88.
Jos da Rocha Prannos.
Nazretli do Cabo, 7 de setembro de 1863.
O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
Caixa filial 'lo banco fio Brasil cm
ma ni !iuro.
A caixa desconta as letras de seu aceite pela
taixa de 9 0|0 ao auno.
O guarda-livros
Ignacio,Nunes Correia.
Lugre portuguez Julio, entrado do Rio de Janei-
ro, consignado a Thomaz de Aquioo Pooseca & C,
man i fes p uo segmote :
130 pipas vanas. 100 volumes barricas abatidas
e intimadas, 300 barriquinhas vazias : a ordem.
Genero nacional.
21 barris toucinho, 605 saccas cat ; a ordem.
Barca franceza fgaro, entrada do Havre, con-
signada a v. Sauvage & C, manifestou o seguinte :
i,200 gigos batatas, 400 barricas farloha de tri-
go, 300 saceos farelo, 100 barricas cimenio,75 bar-
fis e tOO meios manteiga.l barrica queijos e 30 vo-
lumes fazenda de la, couros e objeelos diversos ;
aos mesmos.
liO barris e 140 meios manteiga, 700 ggo9 ba-,
tatas e 74 volumes tecidos de linho e algodo, mo-
das, drogas, papel, movis, calcado, objeelos de
chapeleiro, ditos diversos; a Burle & C.
40 barris e 40 meios manleiga ; a J. M. da Roza
i Filhos.
I i-aixa phospboros ; a Ferreira & Araujo.
50 barris e 70 meios maoteiga ; a Corga J-
nior.
100 barris e 100 meios manteiga ; a M. P. de
Mello.
4 caixas modas, perfumara e chapeos; a Hen-
rique & Azevedo.
24 ditas objeelos de chapeleiro, de armarinho e
diver-os ; a A. Ilamburger C.
15 barris e 30 meios manleiga ; a Almeida Go
mes.
12 caixa*camisas, perfumara e objeelos diver-
sos ; a Mello Lobo & C.
4 caixas tecidos mixtos, 1 barrica queijos: a
KBller& C.
100 banis e 100 meios manleiga, 6 volumes te-
cido de algodo, phosphoros, couros e objectos de
armarinho; a llamos e Silva & Genros.
I 25 barris e 50 meios manleiga ; a Romaguera
&C.
10 barris e 20 meios manteiga, 8 gigos batatas,
6 caixas objeelos de armarinho e diversos ; a Ro-
but (V l'iili s.
30 barris e 30 meios manteiga, 3 caixas vidros,
metas e perfumara ; a Isidoro Netto i& C
II volumes porcelana e vidros ; a Duarle Pe-
reira.
25 barris e 25 meios manteiga ; a Barboza &
Primo.
1 caixa brim de linho ; a Ferreira M ttheus.
1 dila objectos diversos ; a Souza Maia.
2 ditas lecido de algodo ; a MnQhar-t & C.
2 ditas objectos de ani.ariiiho ; a Vaz v Leal.
1 dita tabico rap ; a L A. Siqueira.
2 ditas objectos diversos ; a Bunrgard.
1 dila cbapos; a Chrisiiaono ii Irmo.
3 Jilas objectos diversos ; a Jos L. T. i C.
2 ditas linda equmquilharia ; a Antooioda Silva
Faria.
I caixa papel lixa a C. J. Alves G.
1 dita licor ; a A. F. de Onveira.
1 dita artigns diversos ; a Pereira Moutinho.
i dita perfumara ; a ordem.
5 volumes objectos diversos ; a Domingos Jos
Ferreira. I
6 caixas ferro balido, 1 dila modas. 3 caixr.s ob-
jectos de chapeleiro, 2 ditas calcado, 1 dita objee-
los de armarinho, % ditas fazenda de la, 13 barri-
cas pregas ; a Mouleiro Lopes.
2 caixas chapeos e objectos de uso ; a J. Luiz
Veira.
30 caixas sardinhas; a Bieber 4 C.
5 ilitas obj'ctos diversos, 2 ditas tecido mixto e
creao ; a D. P. Wild & C.
1 ciixa fumo ; a Maestralv.
RECEIIKDUItlA DE ltEN)AS INTERNAS GE-
RAES DE PEIt.NAMBCO.
R-ndimento do da I a 21...... 25:0384695
dem do da 20................ 3:6065659
^aita Casa da Misericordia do
Recfe.
A junta administrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recfe manda tazer publico que nodia
9 de Janeiro do anno viodouro havera' concurso
nesta secretara para proviraenlo do lugar de es-
crivo : os pretendeoies poderio dirigir-se a mes-
ma secretaria para as precisas Informacoes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite 26 de dezembro de 1865
O offieial,
___________________Manoel Antonio Viegas.
Kan tu Casa da M^sericorilia-
de Kecie.
A Illm* junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publica que
no oia 4 de Janeiro prximo vindooro, pelas 4 ho-
ras da tarde, na sala de suas .essdes, lem de ir a'
praca a renda do sitie do Forte, as Candelas, pelo
lempo de 1 a 3 annos, pelo prego annual de 1005,
o qual sitio tem 655 palmos de freote e 800 de
fundo, com 81 ps de coqueiros, e foi adjudicado
a Santa Casa na execueao movida contra os her-
deirosde D. Anna Benedicta Boaveniura do Carino.
Os prelendentes comparec.am no mencionado
da com os seus fiadores uu rom carta dos mesmos
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cife 26 de dezembro de 1865.
O offieial,
Manoel Autonio Viegas.
Arsenal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar para o rancho dos menores
|nos mezes de Janeiro e fevereiro prximo vindou-
ro o seguinte :
Carne verde.
Dila secca.
Arroz do Maranhao.
Caf/
Pao.
Bolacha.
Assucar refinado.
Cha.
Taucioho.
Aceite doce.
Vinagre.
Feijo.
Farinha da trra.
Bacalho.
As pessoas que quizerem vender ditos rticos
apresentem suas propostas na sala do conselho de
compras, as 11 horas da roanha do da 30 do
corrente.
Sala das sess5es do conselho de compras do ar-
senal de guerra 26 de dezembro de 1H65.
O encarregado da escripturacao,
Manoel ios de Azevedo Santos.
Illm. Sr. Jos da R. cha Paranhos.G. m %OTO hanco de pernara-
o maior prazer levo ao conhecimento de V. buco.
S., que 0 doente que V. S. acha-se admi- o Novo Banco descoma l'etras a 12 por cento
ll egne ao OSO lhe re itedios. acha-se no todo res- ao anno, toma dinMro a praso flxo ou em conta
e outras preparagoes de resinas e palsamos, t;,beiecido. nortanto. nada sent, tendo des- crreme pelo premio e condigies que se conven
sem (iiio,'lellas Unha : tirado proveito; e
'**J U i- iii iii' i. ii ,
acha-se nutrido. DeixoB aLPaNOBC
tomar os ltimos remedios que V. S. recti- Rendimento do da i a 13.
tabelecido, portanto, nada sent, tendo des- crreme pelo premio e condigies qu
apparecido tw todo a tosse, tem muita di>po-,cionar- e saca sobre a Pf da Bahia
sico comida e acha-se nutrido. Deixou!
lomar os ltimos remedios que V. S. rea i- Rendimento do
b cosime carregar o estomago do .loen- tQU no dia 30 do fma0i resta agora a V. dem do di, 26
te com modicarnentos oleosos e balsmicos; s> maridar-me dizer qual a diea que o,
alguns expositores de medicina
com muita razan esse tratamento.
combatem signo comi(Ja e
filiUCiSB iftlilDO
Aos Sis. cteiloros Con implado na chapa do partido liberal para
depuinin provincial, acontece qoe o mao estado
de minha sande nao meconsente dirigir-me pes
eoalmeiiie aos Srs. eleitores, que por ventura po
del i illl itl :i ei me.
.'. -i o pievalego-mc da imprensa para Honrar a
eSC II i que de ineii imuie Mz-rain os direcl >res dn
parinlo liberal, e liara de anie-m'io agradecer ao-
ni ;. amigos o. rotos, com rju lenha de ser gra
lidala a oiiii!)i tenue cuadjuvago ao m-sino par-
lid
Recife, H> d'' del1 mbro de IS6o.
Dr. Apngio Jiuliniano da si't" i olunfario ti., patri.
Aehandn-me em i'omou-so do governo no inte
rini 11 provincia, nao pu >e spguir para o sul n-i
o" corpo de v 'unt 11 i is la p t n, confi rme eu rn
acluva ali.-tado. S. Etc. o inuil > digno Sr, conse
iheiro pie-i leule da provincia, a inen propno !>
dido, se illgoou addir-nie ao C" corpo de volunta
nos -la pa'ria, no qual i-iiii i de seguir para o sul,
cooi mullo prazer boa vunlade.
Agora, cumo tenho de ir p ir sgaos das ao in-
terior da provincia, em commisso, espero ser au-
xilia.lo, cono sempre fui, e que na verdade faltara
a mu dever, se nao levarse ao conhecimento de
S. Eic. o -r. presidente da provincia que. para o
alista i,. uto dos voluntarios da prlria eu fui auxi-
liado pelos spgnioles s. iihore-: Mignel Soares,
sub eie^! oio ii i distrieto de i.apoeiras, Galdinp.
negociante ue-te povoa lo, Venancio Vieira da Croa,
siili lelegadu de Panel as de Miranda, rpita" i Joo
Tiiimoi-o de Andrade, M alna- Tinba,e poioSr. Dr
Loor.oi; i i|e Almeida Caianho, muito digno juit
de dlreto 11 comarca du Brejo:pois alo cavados
me f,,i .un emprestado para minha eondncio, rican-
do-lnes ea eternamente grato, assevt>rando (jue o
niesmo servico prestaram ao sen nropiio paiz.
Recife, 23 de dezembro de 1863.
O voluntario da iiauia, Tltomas Bassirk.
lil'',*rt los juf *<-s e mais pes-
soas que lia i le festejar a os-
sa Venlior I i i ; :c?i iida ma
ti-iz da villa de Haerei-os do
anno de 18((.
Juies.
Os [liras. Srs. :
Majn PraaeiseQ-da Rocha Barros Wanderley.
auoel Francisco Perrao 'le Al^uquerque.
Jaitas.
As Exma--. Sras. :
D. (Jetrudes Civalcauti de A'buiu-rque or hera.
D. .Mana da CoOCeUfSo de Bai r.a iJ'iderley.
Protectores.
O- lllros. Srs. :
Paeie Antonio Jarome de Araujo.
Jo-e de Barros Waoderlev.
Bernardina Alves Hachado.
Capitn M noel Honorato de Barros.
Joo FVIjk iNepoiiiuceno.
Jo- Linz do N-isrimeiiin.
Joaquim Syup'ironiu Affonso de Mello.
Joaquim Luiz de Abreu
Jaio Baptista de Alhnquerque.
Paulo Leilo de Veijo-a.
Protectoras.
As l'Unas. Sras. :
D. Helar nona de Birros Lms.
D. Bosa Thereza Diflft Br^in.
D. Joaquina Josephioa de Hioquerque Ferro.
D. Mina Claudiana de HoUnda Cavalcanll.
D. alaria (agracia das Virgens.
D. Fr-ncisiM J .aquma de, Oliveira.
D. Graciltana Felicissima Cabral.
D. Mara Luiza de Alhuijuerque Monra.
E-poa do Illm. Sr. Francisco Alfonso de Mello.
Esposa dj Illm. Sr. Manuel Symplicio de Mello.
Procuradores.
Os Illme. Srs. :
Anloni. Joaqnim Lamas.
Jcao Haptista Fenao.
Jogo Baptsia Cabral.
Joo Mauricio Salgado.
qual a iea que
doente deve conservar e por quanlos tem-
pos, mencionando as comidas que dever
usar daqui em diante.
Itesta-me agora agradecer a V. S. o cai-
que se fuer para extinguir a tosse, dadoque lumu no lra,amento do meu so-
exercic.o e reg m^n apropnado de- brin|l0t abaixQ ()e |)CUSi dev(|o 0 seu esta.
[lorem estes em \vz de tirar a causa aug-
meniam-na, psqnentando o sangue, ao tnes-
mo tempo que tiram o apetite, relaxam os
solidos, e sao de toda serte perniciosos.
Todo
alm do
58o:112580
9:l275iO0
5!)i:2i05298
28:643^354
CONSOLA "O PROVINCIAL.
hendimento do da 1 a 23......
Idera do dia 26...............
DO POEIO
vem ser remedios de natureza acida, deter-
gente e calmante.
Os cidos possucm a virtude de prodozi-
rem bons eleiios nessa enfermidade, por
que, nio s contribuem a apagar a sede
quando accmmettem a febre etbica, mas
lamhem a refrescar o sancue.
Aos doentes dosta enfrmidade, quando o
seu estado de gravidade tal que a febre
etbica os accouirnetle, prescrevo-lhes o su-
co de um liuio dissolvido em uma chicara
d'agua cmn bstanle assucar em um grande
copo para misturar com um papelinbo dos
pos refrigerantes para tomar, com queali-
viam no are a metimiento da febre, e pela
roanhSa o xarope etherio de veame. Tenho
aconselhado, inte f-cam uso de ve^etacs de
li
MOV MEMO DA ALPAPBtiA.
Volumes entrados com fazendas-----
com gneros..... 296
Volumes sahidos cera faienJas..... 2
coa gneros..... 2o0
296
ecimento a pericia de V S., e por isso
pode V. S.. sempre contar com os meas di- Polar3 35015 -SSC*
minutos prestimos, edesejaiei em todo o Barca francea-Fij'zro--vanos geoeres.
dar uma prova do meu reconbeci- Bnune portugaez Relmpago-xAom.
Baica iugtezaCorencarvao de pedra.
Desejo a V. S. todas as venturas, por ser g X^Z^S ** ^
deV. b. muito respeitador e brigadissimn B criado Francisco lieringtter Cesar de Me- Brigoe miiiezpar -leen.
Barca nacional Idulina charque.
-------- 2o2
tempo
ment.
riezes.
JURUBEBA.
A jurubeba uiua das substancias medicameu
tosas, .10 reino vegetal, e ptnence classe
dos tnicos e desuhstruentes, sendo em jireija
ua com vantagem contra as febres inte.rmitenies
acomeanhadas de engorgUamento de Qgado e baro.
Ella lem sido applicada corn inconteslavel proveilc
contra a anemia ou colorse, e hydropesia, catar
natureza acida, como laranjas, I iri3Js, pi-
lancas, uvas, ele, e applicacoes de plantas rho da besiga e mesmo para coinoater a menstrua
amargosas, que forttfcain o estomago e ser- ?ao difBcii, resoltante da mesma anemia ou chic
vem ao me-mo tempo para destruir e mili- ruSp' ,. ^ ,.,,,,
... K Extrato alcoo ico de jurubeba.
gar
Navios entrados no da 2o.
Lisboa39 das, brigue portuguez Relmpago, de
23o toneladas, capito Joao Bpiphanto da Silvei-
ra, equipagem 11. carna^sebollas, vinho e ootros
gneros ; a Ttiomaz de Aqumo Fonseca C,i
Babia10 das, barca franceza Uruguay. 283 to-
neladas, cpttao Lacine, eqaipagem 12, carga
varios gneros; a (reenup Schwind & L.
.Vicio toAide no mesmo dia.
Parapalhab te nacional Lindo Paquete, capilao
Francisco Flix Nogueira, carga a-sucar e ou-
tros genero-
Natos entrados no dia 20.
Rio de Janeiro17 das, lugar portuguez Julio, de
280 toneladas, capito Autonio Jos Rodrigues,
carga caf e uniros gneros ; a Thomaz de Aqui-
no Fonseca cV C
Havre por Cales62 das do primeiro porto, do
segnndo, barra (ram-eza fgaro, de 228 tonela-
das, capito vlichel, equipagam 12, carga fazen-
das e outros lleneros.
Buenos-Ayres26 tfias, escuna dinamarqueza /li-
no, de 92 tonalailas, capito A. P. Fres, equipa
geni, 6, carga 2.600 qamtaes hpanhSes de car-
ne ; a Joaqnirq Jos Gnealvs Beltro.
Torra-Nova35 das, paucho uiiez Gtenrelet,e
139 toneladas, capito M. Power, eqaipagem 8,
carga 2,220 barricas e 112 meias dtias com ba-
cainao. a Jolinston Paler ti C. Seguo para a
Babia.
rrrei jzeral
JPela administraco do correio desta cidade sa
faz publico que as malas que tem de conduzr o
vapor costeiro Mamnnguupe para os porios do
norte at o Acarac fecharse hao hoje (27) s 3
horas da tarde.________________________
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
que os 30 das uteis marcados para a cohranca a
bocea do cofre do Io semestre do anno lirianceiro
de 1865 a 1866 do imposto da derima urbana das
frecuezias desta cidade e dos Afolados, e da parte
da da Boa-Vista e do Poco da Panella, que m ar-
recadada pela collecioria de Ollnda, se principiara
a contar do dia I* de dezembro viodouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambnco,
30 de noverabro de 1865.
Amonio Carneiro Machado Ros,
Administrador.
O leoente-corooel Francisco ae Albuqaerquc
Maranho Cavalcauli, commandaote do sexto c r-
po de voluntarios da pairia, convida aos cidados
130:7085374 ()Ue queiram alistar-se no mesmo corpo, em defesa
9: \i i-i i/ do paiz contra a repblica do Paraguay, a compa-
--------------| recer no qnartel do Hospicio, das 9 horas da ma-
140.4825721 nha em diante, certo de que, aim das garanas
| offerejidas pelo governo de S. M. o Imperador, o
coinri; ,n lante por si e seus offlciaes farao suavis.ir
os irabaltios da guerra com nm tratameoto con-
digno cada cidadao, qualquer que for a classe a
que parlenga. _________________
"7 GORREIO GERAL
Pela admiuisnaco do correio desia cidade se
faz publico para flus convenientes, que em virtude
do disposlo no art. 138 do regulamento geral dos
crrelos de 21 de dezembro de 184. e art. 9 do
decreto n. 185 de 15 de maio de 1851, se proce-
der o consumo das carias existentes na admiois-
Iracao do corrcto.perlencentes ao mez de dezembro
de 1864, no dia 4 de Janeiro prximo, as 11
horas da manha, na porta do mesmo correio ; e
a respectiva lista se acha desde j exposta aos
inleressados.
Admintslraco do correio de Percambuco 23 de
dezembro de 1865.
O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
a sede.
A Sra. i). Joaquina de S Brrelo, tendo
uma sua escrava fallecida desta molestia, sub-
mellida ao tratamenlo de seu medico, resol-
veu procurar-me para tratar de um outr)
escravo, que soffria da m sma t-nfermidade,
prescrevi-ihe o xarope de veame, tem me-
morado consideravelmente.
A senhora do Sr. Antonio Francisco Ho-
norato fui desengaada por habis mdicos
oesta cidade, esleve prostrada, e nos ulti-
Emplastro dem.
Oleo idern.
Tintura dem de idera.
Xarope dem.
Vinno idera de idt-m.
Piiulas de ext. dem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga do
sano u. 10.
ATTENC&O.
mos paroxismos da morte, foi com o xaro-
Birca nacionalSanta MartaMeto.
P.tach i orientalSanto Aaosiinho dem.
Polaca hespanhoia Aitleiha -dem.
Importaco.
Brigue portuguez itelumptujo, ciiegado Je Lisboa,
maiufestou o SegUinle :
12 v lumes de drogas a Caors & Barbos- ; 200
saceos de bn-l >s, 29 pioas. 85 barris de vinho, 100
caixas, lt'0 meias e 200 quarlos passas, 25 barris
de louriuiio e 25 caixas de ceblas a E B. Rabillo".
1 caixas cora grade de fe*ro a Va/. L"al ; 4 cai-
xas. 21 pipas, 99 barris de vinho, 10 canas, 50 \
barris de az-ite, 100 saceos de semeas, 12 pipas e
t 50 barris de vinagre, 115 barris de choariQos, 75 :
de touciuho, 43 barricas de carvao animal. 15 an-;
ceretas de liognicas, 150 vara- de lagedo. SO sac-
eos do farelos, 15 d.; cevada 350 CMxas d ceho- \
las, 125 de batatas, 30 barricas de alpista, 124 cai-
xas ae cera em volas, 3 de doce, 24 de conservas,
e 39 de. massa de tomates a Thomaz de Aquino: .T
Fonoca & C.; 5 pipas o 20 barris de vinagro a
Jos Mana Palo eiro ; 1 ba'nl de vinho a Joo Fer-
reira Araojo Goimares ; 4 caixas de feijo, 10
barucas de. carvao animal I caixa de p-ra secca,
9 de massa de tomates e 200 latjs de ceroulas a i ,
Manoel Ignacio de Oliveira 4 F.lho ; 8 caixas de N" i l",bllC0 V,!T '
vinho a I.. Jos de Miranda ; 30 caixas de cera em v .. ... ', "',... r,,
veas e 40 narria de v.nho a Manoel J.-qoim Ra- Xil PublM e '
mos Sova G nros
Pela administraco do correio desta cidade, se
faz publico que em virtude da convenco postal
celebrada pelos governos brasileiro e francez, sera o
expedidas malas para Eurona no da 30 do correa-
te mez pelo vapor francez Gttienne.
As cartas serio recebidas at as 2 horas antes
da que for marcada para a sanida do vapor, e os
jornaes at tres horas antes.
Administraco do cirreio de Pernambuco 23 do
dezembro de 1865.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Santa Casa d>, liserietfdia fio Recife.
A Illm.'joma administrativa da Si na Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no da 2< do correnta e 4 de janeiro prximo vm-
donro pelas \ horas da larde, na sala de suas ses-
soes continua a ir a praQa as rendas das casas
abaixo declaradas por lempo de um a tres annos a
contar do l iie julho do correte anno por diante.
Ba Direila.
, N. 8 publico e 3 particular. 1:0673000
Ba do Padre Flonano.
49 publico < 5 particular. 1865000
N. 47 publico e 6 particular. 1863000
N. t3 publico e 7 particular. .
N. 43 publico e 8 particular. .
Ra do Fagundes.
Pescadores.
1693000
1453000
CGMMMA ikASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
"^ v*.'i\ al o dia 30 do crreme um dos
, :. .'"I^. vapores da compauhia, o qual de-
^'*3M Pois da demora do Costume se-
m^Qg3 gira para os portos do norte.
Desdeja recebem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzr, a qual deVer
ser embarcada no da de sua chegada, encom-
mendas e diuheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Xarope alcboolico de veame preparado ri&%iWJBl^tS3
pe de veame salva, como se ve da carta pelo pharinaceutico Jos da Rocha Paranhos, barris de chuuhcos ao capuo ; 2 barris de vmho
im^ressa no Jornal do Recife de 9 de feve- estabelfcido com botica na ra Direita n. a Juio Rlbeiro Lope ; ti volumes e2 caixas de
re.iro de 18^3. 88 em Pernambuco. cantara a ordem 30 aneoreUS ie massa de toma-
0 escravoE millo, do Sr tenente-coronel Este xarope incontestavelmenle superior J l0J^atti^ \1!?tSS?
Rodolpho Joao Barata de Almeida, foi lam- a todos os jaropes deprateos, de cuja vinbo a Jo> Joaquim Gonealves Bastos; 10 harn-
bem desengaado por habis mdicos, e composiQo o sen manir ele eniu a salsa cas de nevaos, io barris de ehouncos e 20 de cou-
cim o xarope de vellame acha-se completa- parrilba, pois qae se tem conhecnlo ser o anhoaJo*Joaqoiai Lemos Baro-, 40 barris de
mente resiabelecido como se v tambem veame mais enrgico para a prompta cura g fTiWii %Ta nUat MaSS
da carta impressa do mesmo Sr. tenente- das molesnas, cuja base essmciai depende Pmto Barbo-a; io pipas e 20 barris de viuho, 10
coronel no mesmo Jornal do Recife. da puri(icaf;ao do sangue ; assim pois se barris de azeue, 70 caixas, tOO meias e 320 qaar-
0 Sr. A Ionio Christiano Fogl, filho do tem verificado por mudas pessoas que se tos Dassas a J"a(iuim Jos Goncalves Beltro ; 91
Sr. Chrialiano Fogt proprietario e estabe achavam desengaadas, as quaes acham-se ^^X^m^^^m^^
lecino na cidade de Maceio, o primeiro bem hoje rcstabelecidas com o referido xarope t,ia< a Amonio Jos Arantes; 10 caixas conhecido nesla cidade, pois que foi empre- alcboolico de velam-; entr< tanto que al- las, 6 cauasiras de ca-tanhas e 4 barricas de nozes
gado naca-a do Sr. Len Chapcllin, retra guns, tendo usado do xarope de Curinier, a Joaquim JosPere.ra Amandra; 160 ca.xas
lista estabelecido na rm da Imperatri/, ac- de Larrey, de salsa parrilha, de saponaria, ^s e a Custodio Jos Alves
comuiettido desta molestia, foi daqui desen- oleo de ligado de bacalho, e outros agentes E-cuoa oldemburgueza Diamant, entrada do Bio
ganado por habis mdicos: retirou-se para desta ordem nada conseguiram. E' ell-^ de Grande do Sul, consignada a Maia Espirito San-
a B ihia, e alli continuou em tratament ate fcil digestao, agradavel ao paladar e ao ol- to, manifesiou o .segrate :
.. r.,: ^~..j _________t____i .~ t.-.. >i___ ___ ___j-...------ .. j_ 11.82o arrobas de charque e 60 couros vaceuns,
aos mesmos.
1573000|
198-5000
3003000
de
Gui-
Vapor brasileiro Purahyba, entrado dos porlos do
sol, manifestou o seguime :
De Penedo.
20 saceos cora 81 arrobas e 17 libras de algo-
do ; a Mindello, Oliveira & C.
9 ditos. 44 arrobas e 20 libras de dito ; a Andra-
21
que foi segunda vez desengaado pelos me- phato Alguns mediros deta cniade e da
dicos dalli, chegando eu em Macei, um de Macei o teem recommendado para a cu-
amitm pedio me, que o acompanhasse at a radas
casa do Sr. Cbrisliano, para ver um doente Impigens, tinha, escrophulas,
e prescrever-lhe algum remedio, encontrei Tumores, ulceras, escorbuto,
o tiltioem uma cama desanimado e em es- Cancios, sarna degenerada, fiuxoalvo.
I lado de prostracSo, pois que escarrava san- Todas estas alTecves provm de uma cau- de & RpR<>-
gue, e tinha completa inapetencia e traque- sa interna; n5o ha pois raao aiguma em *&ditos,warrobae
za a ponto de nao se poder por em p, no crr que edas se podem urar com remedios 35 d(tos arroz com casca .
flm de uma garrafa do xarope ethereo de externos. Tambem se prescreve o xar veame j se achava elle no estado de pas- alchoonco de veame pai a o tratamenio das s ditos dito, 2 ditos miiho
6eiar em casa, desapparecida a inapetencia e aflecces do sysieuia nervoso e fibroso, taes
os escarros de saague ; e a tosse mitigados, como:
No rim da segunda j achei em estado de Guita, rheumatismo, paralysia,
faze^io passearpelo sio todas as manhaas. Dores, impotencia, esterilidane,
ibras de dito ; a or-
a Antonio Jos Mo-
Acabada esta o aconselhej, qoe continuasse
no uso do mesmo xarope ejherio alternado
Marasmo, bypocondria, emmagrecimento.
O xarope alctioolico de veame sobre
com o xarope aicooltco de vellame, e que todo, da maior utilidade para curar radi- ros seceos; ao mesmo.
ao desembargador
Dona.
Do Maci.
SO fardos com 500 pecas de panno de algodo :
a ordem.
Escuna dinamarqueza Juno, entrada de Buenos-
Ayres, consignada a Joaqun) Jos G mcalves Bel-
tro, manifesiou o seguinte :
2,600 quintaes hespanhes de charque e 97 cou-
Bua das Calcadas.
N. 38 pubiico 22 particular. .
Boa de Santa Tnereza.
N. 7 publico e 31 particular. .
Ba da I nperatriz.
N. 68 publico e 47 particular. .
Bua da Senzala Velha.
N. 21 publico e 71 particular. .
Roa Direita.
N. 5 publico e 82 particular para loja
do lado da Penha.......
N. 7 publico e 33 particular segando
andar............
Bua do Apollo.
H. 94 publico e 91 particular. .
Ponte Velha.
N. 27 publico e 96 pelicular. .
Bua do Rosario.
H. 26 A. 34 loja n. 1 D.....4783000
Os pretendeoies eomparecam no meuciouado
dia cora os seos tiadores ou cum carias dos mes-
mos.
Secretaria da Safita Csa de Misericordia do
Recite 26 de dezembro de 1865.
O offieial,
Manoel Aut mo Viegas.
Subilelegacia lo Io dislrict da fre-
C 2I63M01 DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at o dia Io de janeiro, o vapor
Paran, commandante o capito
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
1463000 demora do costume seguir' para os porlos do
Desde j recehem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzr a qual dever
ser embarrada no da de sua chegada, encomraen-
das e dinheiroa frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia roa da Cruz n. 1, escriptorio de An-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
1683000
1003000
l:40t>3000
9630J0
CMPNHIA
PERNAMBUCiJNA
ItK
Navegaco cosleira por vapor.
PARA
Parahiba, Natal, Maco. Aracaty, Cear e
Acarac.
Segu no dia 27 do correte
para os portos do n< re o vapor
nacin'I Mamanguape, comman-
dante Bats. Beeetie carga ate o-
dia 26. Eocommendas, passa-
geiros e dmbeiro a freie at as 3 oras da lardo
J'H'/.ia (la Bea-Visla 26 de llczembr dia da sahida : escriptorio no Forte do Malos
-le 1865.
Pela so init legara da Boa-Vista se faz publico
que se nena recolhido a casa de detencao desde o
dia 24 do crreme um preto que declarou cha-
mar se Pedro e ser escravo de D. Candida mora-
dora na fregnezia do Recife, e que tambem se
acha depositjdo pela mesma subdelegada nm boi.
O subdelegado sonpleote em ejercicio,
F. F. Mariios Rlbeiro.
n. 1.
Inspeceo do arsenal de marinha.
O arsenal venios para as obra", bem como srvenles para a ra do costume segoira para Bordeaux
infermana de marinha. S. Vicente e Lisboa.
Companhla das nensageries Im
perlales.
No dia 30 do
correnle mez es-
pera se dos por-
tos do sul o va-
por rancet Hs-
trutnadure, com-
mandante H. de
Somer, o qual
depois da demo-
tocando em
Inspeceo do arsenal de marinha de Pernambu-
co 22 de dezembr i de ir6o.
O secretarle,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Em '. Vicente ha nm vapor em corresponden-
cia com Gore.
t'ara fretes, condi;oes e passagens trata-se na
agencia ra do Trapicbe n. 9.


i
I

-
-'>____*.


=
.
Otarlo de Perraanabiico --- tiiaria tetra 19 de Dezembro de ***-
n
Para o Porto.
Pretende sahir at o dia 10 de Janeiro prximo
futnro o brlgue Esperanza \ para o resto da carga
e passageiros, trata se rom Cuuha Irmao & C,
ra da Madre de Dos n. 3.
Para a Ilha de S. Miguel.
Do Rio de Janeiro esperado o patacho portu-
goez Fernando, o qual lera' nesta pooca demora,
por ter roetade de seu earregameBlo prompto :
para o resto que Ihe falta trata-se com os seus con-
signatarios Antonio Luiz de Oliveira Aievedo S C,
no seu escriptorio, ra da Cruz o. I.
Ilha de S- Miguel
O patacho portuguei JORGECE, segu com
nimia brevidade por ter a maior parte do seu car-
regamenlo prompto, para o resto da carga e pas-
sageiros trala-se com o consignatario Juo do Ru-
go Lima, ra do Apollo n. 4. __________
U.
Pretende sahir era poneos dias o patacho Pa-
raense por ter o carreitameoto quasi completo, e
para o pcuoi que Ihe taita, trata se com o consig
natario Joaqnim Jos Giucaives Beltro, na ra do
Vigarro n. i7, 1* andar. __________________
Para.
Esta a chegar a todo o mnmento o brigne escu-
na G ACIOSa, que sahir com brevidade para o
indicado porto, vi-to faltarem apenas 300 meias
barricas para completar o sen carreuamento : tra-
ta-se com o respectivo consignatario Antonio de
Alraeida Gomes, ra da Cruz n. 23, primeiro
andar.
Para Lisboa
segu em poucos dias o brigne nortugnez Cons-
tante 11. de excellenle marcha, recebe passageiros
para os quaes i a boas aivommoriai-o-'s : a tratar
com Mtnoel Ignacio de Oliveira & Filho, ou com o
c^piao na praca. _________
COMi'ANHIA PERNAMUANA
DK
Vavegacan co^eira por vapor.
M icei e escalas.
No dia 30 do correte' seguir para os portos
acioia o vapor Parahyba, commaudante Marlins.
Recehe carga al o dia 29. Eucommeudas, pa--
sageiros e dmheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas da tarde : escriptorio no Fjrle do Mato
n. I.
LOTERA
Aos 6:000*000 e i;200*000.
Achara-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n 15, os billetes,
meios e quintos da 5* parte da 5a loteria
da Santa Casa da Misericordia (43), cuja
exti accao ser no dia 3 de Janeiro prximo,
se at o dia 31 do corrate mez chegar o
vapor brasileiro dos portos do sul que se-
gu para ono Os premios le 6:0000000 at 100000
serao pagos una hura depois da extracc5o
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encoramendas serao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccjSo.
Thesouraria das loterirs 23 de dezembro
de 1865.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou/.a.
O tiacftarfi J >au Kiauos o l'etxeira o
Dr. Maooel Francisco Teixeira sinceramente
agradecen! a todas as pessoas que se digna-
ram comparecer as exequias celebradas por
alma de seu presado irmao o bacharel Jos
da Cunha TViX"lra, no convento do Carmo,
eeora esp'-cialidade ao Rvra. provincial Frei
Jorge de Sant'Auna Locio e mais religiosos
pela promptido com que se prestaran.
ADroveitam a occasio para convidarem a
todos seus prenles e anegos afim de assisti-
rem a missa do stimo dia que pelo repouso
eterno do Uado tem de ser celebrada na ca-
pella do cemiterin publico as 6 horas da
mauhaa do da 27 do correte.
Alugi
LEILOES.
IEILAO
De urna casa terrea no Barr.
HOJE
O agente Pinto levaia uovamente e pela ultima
vez a leilo por despacho do lina. *r. Df. juiz de
orphaO*. em virtude do que requereu o inventa-
riaute dos bens da finada Jianna Francisca de Me
?a-se
3 excellenle casa terrea na Poco da Panella, junto
ao sobrado oo pateo da matriz, bstame fresca,
e tem bons comoiodos : a tratar na ra do Irnye-,
rador n. 83, primeiro andar, ou na livraria univer-
sal, na mesma ra. ______________
Ue.sappareceu na noute de festa de um sitio
da Passagem da Magdalena, em fn-nte a estrada do
Remedio, urna caxornnha galga, muilo conhecida
e quo foi de Mr. V. Grandtn, rogase quera a
adiar de a mandar no mesmo sitio, ou na ra da
Cadea do Recite n. 21, que ser gratificado.
Aluga-se o -eguud. audar do sobrado a ra
da Aurora n. 46. cmn gaz e pintado de novo : a
traiar na ra da Uulao n. 32 com o Sr. M noei
Luiz Vu fies.
nezes, a casa lerrea cob.erta de teiha a\
dos Afi-aados periencente a mesma finaca ; as II
h'iro di dia cima dito em seu escripl trio ra
da Croa n. 38.
freguezia
1.1
deste auno
NO GRANDE AUMAZEM DE LE LOES
IK) AGENTP
OLYMPIO
36ttu.i da ,ad--i jo a.-<-tic -Ib
DE
Muitos trastes avulo<, relogios dejouro e prata,
gruid- ipiMntidade rt-i ohjMctos d^ ouro para pre-
gi atj no dia de anuo notn, ricos quadro* com Anas
g-avaras, magotflcos apelnos cjin molduras u-m-
r di-, ohjeetos de brtlinnles e oulrds muitos arti-
j!o>:i-s- torna enfadonno m nci ihar.
IVo dia 29 do ciM-peiitt, 29 lo cm'reutc

!
v^*>S>
Antonio Climai mmenle penhor lueram, as pesso parecer no da 2 de sua mu presa Torres Temporal vahos i em man ra do dia de nata sagrado a actos t festar-ines seus r seinelh^uie prov Zade. :o Moreira Tt do pelo orwf isque se digt > do coiienli d irina Fel obsequio no de ler tido tu da ess.-ni siivo-, aprc-ordiies agrad a de coiisid mporal, sum-quio que lh aram de com s exequias icla Mnrit de 8 se torna mais izar na vespe-lalmenle ron-a->e a mani-pcinientos por eracao e au i
^fifflffik
D'TDRETO DUPLO
de FERROeQUININA
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A VEiTOA EM PERUTAIflIllJC
Em cisn d s Srs. Caois e Barboza, ra da Cruz n. 22.
^>--DE
Sm
IPASTILHAS
Os elementos que compoem esta preparacao, o
ferro, o todo e a quina, a colloco no primeiro
grao das preparares ferruginosas. Basta atteslar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes e os rclatorios dos prticos mais eminentes
que confirmro sua poderosa ellicacia as se
guintes affeccSes:
[Inga* no aagne,
'mi|urM)
iruU,
Ihloroae n lrrrlrl,
lenMiruo,
iirrcfe do ulero,
HupprruMoi'- dan re-
Krns r dmonlen na
nii-ii-lrmirlii,
Affi'ccao puliuonar e
] plu'hUIra.
Mo 11- i lu dealimafi,
aatralKlaa,
Pcrda d'appetlle, ete.,
C*nvaleacen;ade Ion
' molratlaa,
MeleHMaa eacratala-
aaa,
Papelra,
Obittrucf&o daa (flan-
ilulaa.
Humoral frlns,
Tumore hraneoa,
Rarhlllamo,
ArTrcyoea canerroaan
r j plillUlniM.
l'-iMi-. fypholdea,
Beiltia, etc., etc.
DE WASMAISt
Dlurrhenn e a ranatl-
pin;:ui proilnaldaa
pelaa elaantracora
Ipfelluoaaadoaall-
nirnloa.
Vejaos* os bulletins de therapeutica medica
cirurgica de 30 de novembre 4860; a Gazeta
los hospitaes de 28 de julho 136, etc., etc.
Alm das pilulas de xodurelo duplo de (erro e de
\uinina de Rebion, os Mdicos aconselho
-ualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do mesmo author para as
jessoas que nao goslao de medicamentos sob fr-
na pilular e os meninos. F.ste xarope nao tem
como o xaroped'iodurelo de [erro, o inconveniente
ae alterar-se e de se nSo poder conservar.
T Peva-se o folheto que se d de gray.a em casa
dos pharmaceucos depositarios.
i Para se evitarem falsificaces, exija o com-
rador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmacia Rebillon.
42, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes straogeiros, etc
As paslhas digestivas com o pepsina de
Wasman, emprego se com successo lia j
alguns anuos pelas celebridades medicaes de
Pari.. Londres. Vicnna, etc., em todas as in-
commodidades em as quaesadigesto diffcil,
penosa, imperfeita ou mesmo impossivcl: eis
o melhor remedio para coral as.
GiifUraiiclae,
Maataalaa,
EtiiliariirflMKnairltog
A unntrltr,
A nfi-ccdea rnAnl-
cnt* il ratamaso,
Sua atv'to vivifica o sangue c os rgaos de
tal sortc que, ath as pessoas que sem soffrur
as al'lcccocs gstricas cima mencionadas sao
unicamcnle fracas ou d'um temperamento um
pouco dbil, c necossilo siibslancial alimento
para forlilicar-se. achao no eiuprcgo das paslil-
has df. pepsina de Wasman, um poderoso meio
para a isso chegar.
Aviso importante.0successo das pastilhas
a pepsina fafsfficacties eimitac5esd*esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falla
d'uma boa prepararlo n pepsina que n'ella
entra, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'este
inconveniente, exigindo os compradores que as
pastilhas tenhao as iniciaos B. P. e saio da
pharmacia Chevrier.
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
21, Faubourg-Monlmartre, e em todas as boas
pharmacias de Frangae dos [)a7.cs cstrangeiros.
XAROPES DO DOUTOR DANET
N* 1. Cantra a. CLICAS DOS MENINOS anta*
e duranlr a dendrita
Xarope da cynogloase e de aeido lueelnido)
N* 1. Conlr
mi
dos ME
CURADAS PELO*
TOSSK COWLLSA
NERVOSA
e 1 TOSSE
(Xarope de cjnoglosse e de leo voltil de succino)
V 3. Cantra
aa CONVULCOE9
A CHOREA
DOS MENINOS
(Xarope de cjnoglosse e de acido voltil de succino)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Pars sao em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o tratamento das molestias do-
ntoninos cima indicadas, e vierao encher um
vacuo importante na therapeutica, no que toca as
affccccs da infancia, para as quaes, ath boje,
ainda se no pode indicar tratamento racionnal-
nem infallivel.
(Pcca-sc o prospecto em casa dos pharmaceu,
ticos depositarios.)
Prcco do frasco em Paris. 3 fr.
Para se evitarem as falsificaces. exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtulos a
assignatura Chanteaud.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chan
teaud c em todas as boas pharmacias de Franc
e dos paizes cstrangeiros.
MASSA e XAROPE
DE CODElNA
N
BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magende, Barber d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran, Viga,
C. Dumont, etc., membros do Instituto de
Franca, mdicos dos hospitaes de Paris. tem
provado que a Massa e Xarope de Berth i
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade de
calmar com admiravel rapidez as tosses rebel-
des e extremamente fatigantes da grippe (ea-
tarrho epidmico1, defluxo, coqueluche oo
tosse convulsa, bronchite e tisca pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
achao em todas as boticas.
Para evitar qualquer
falsificarlo,exigir em
cada produlo o none
a firma l'.crth.
Deposito geral em Pars, em casa de MENIER,
Ra Ste-Croix-dt-la-Bretinnerit.
DE CHEVRIER
Molraitaa de ii^.nlo.
A l.-i.rii-ln,
PalpllarA* de rorarna
IXlre no rlna,
Oi*|>i-t-aro,-a,
Drca dr i-nbrra,
Irritar ora de beslga
da ialrli. ele.
Pelas coxBmissSes em grosso, dirigirse aos S'" WIXLAERT
Os granulos de bismulh de Chevrier em supe-
riores a todas as outras preparaces de bismuth
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
Dlarrheaa rlironlraa, I Ma dlicralra,
DyaaenterleS, I Gaatrltea,
Dorrx d'estoiuaf;*, Gaatralgiaa,etc.,
Dyapepalaa,
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
e e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
e BERGER, comisarios em drogara, 11, roa Saint-Lazare, Paris.
U^^U^n-aWla.1 ..........> llllataga-a-aa-taa-PPa-am-a
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SulToccco nervosa e Oppre8no
nico remedio efficaz para combatter estas mo-
lestias, acalmar um atlaque d'asma e impedir a
volta o Xarope aromtico de Succino (mbar
amarello) do Dr Danet. Uescoberta nteiramenie
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chatrveand, 54,
ra do Commercio, Paris-Grenelle, e em todas aa
boticas de Franca e do estrangeiro.
as 11 lnr.i>.
Roubo.
Os abano assiiuado- Ltnz M ir-a da Silva
e Domingos Gimes daSilva (una sciente ao res-
pi-iiavel publico e com especiahdade ao corpo do
commercio que nesla dala di^olveram amijiav^l-
menle a son-dad.- que tinham ni e>laii>'leciinento
de laberoa sito na da Sania Cruz n. 7. -iuh gy-
ra-a sob a firma sicial de M->reira & Gomes, fl-
c.ndo o ex-soein Luiz M reir da Silva na pnsse
do a activa e pas.-tvo e obrigadocomu uni resnon vel uela liqodacao, e retirando-se o ex-socio Do-
minios Gomes da Silva pago e saii~f-ito d -'U
capital e lucros. Recite 18 Je dexemliro de 186o.
Luit Mor el r a da Silva.
Domingos Gome> da Silva.
"C I ~
Roabaram da caa d abaixn asigoado em a
ponte dn f.'sta os snguintes ubjecto :
. Dina araba la pe.|ueaa d'mraiia, com capa de
damasco rouxi tecido a ouro debruada de gaio
e-ir. no.
U na garrafioha d* prata filiando soldar o pes-
coco ii-rieocente a meona anibiili.
U na salva de prata biixa para tres copos cora
urna gravara ja ga-ta.
Qi.rro easticaed di prata baixa com boccaes
para linternas.
fina barra de ouro de lei enm tnnta e tantas
eitavas >leutro de tima gavi-iuiha do caixo.
Duas.' meia dssias de oneis faeeados filiando
Soldar, de quareota e cinco a quareuta e oito
O lava-*.
Tres Hstji linas.
Q iatru oitaVas ere ouro balso em um annel.
I' i i m-dalha t'ida lavrada.
Um embromo com fi t/2 oitavas de ouro em
granrt >-, lirado de ci-i-o d onrives.
(iiiro dit i com i % miavas de prata tambera de
cisco.
Um re-plandor e um titulo de ouro, faltando dar
cor.
Tres eravos perteiiCeiW a mesma com crava-
; 11 !- agarra e as i lettras de ouro tino faitaudo
cravar.
U o esmalte gran le cora cravaco feta em
agarra para o resplandor.
Um auiieie de brilnante, fallando la alguns era-
vados em prata e Outros sollos d>-utro de um
paper.
I' ni caixinha cont-nlo alguns diamautes.
.MizK hrilhantes mais, seudo 3 maioreseos
OOtrus muidos.
(Jm annel de fio quadrado com cabello.
D>us pares de rosetas pequeas, leudo urna o
aro sil Icio com e.ilanho.
I n |iar de argolas de cornalinas brancas descon-
C-Tt l I i-.
I :i dito de dita de ouro baile-.
Um ;iiiiute com urna ro.a de ouro verde com
urna pdra r->uxa oo c-ntro da flir.
Urna .tz de diamantes com urna chapinha de
ouru pnr iraz MdMhad*.
lima |Mii-eira france/.a de ouro de lei cora laco
onna.i i urna (tocia c.m dous lentes e em volia
de cada dente em circulo de parolas pKqaenas com
piog-iiies de tranceliu quadrado t^ndo as poula
algo-ii i> holinhas.
I ii retrato com circolo de pedras brancas.
Un uta lamooin de pulseira aborta a buril
f iltaii I i o laco.
U i raios J-- urna craz granle e alguns retalhos
de trtiapl dos mesinus ratos, tendo 431 oitavas de
peto.
Vm. barra de prata boa com 38 oitavas prompta
para laminar
U na uutra pnqueoa de prata baixa.
Un par de rosetas d diamantes cravados em
gana i- rom piogeiil-s, em urna caixinba.
U n innsl de circulo erando >*in ouro.
I' iti-o dito com urna pr dra verdo grande, feilo
de lio quadrado para numera.
(',ni pulseira de ouro de 1 quilates lavrad.
Una Comer de s.rapa cun as mlones L. A. P.
e i d-- metal. ,
E .i dmheiro, a quantia de H9*. em se lulas,
si-n 1 -i a na de 3d4, una de 20*, tres de 10, e
19* lu notas de ti e le 13
Dito, mo diuhas dr 20 reMS.
Bates oBjuetB forara roobados da casa do abano
as-ignado largo das Cinco-Poota n. 412, em occa
Btao a mam/, de S los.
Saitamio ns ladides pelo muro da casa vismlia
pona forcirain, aparando una da$ portadas, diri-
gir se alafia d-traz a tenda. tirando asgavnas
e espalhaii lo as pelo chao dual le tiraran! os nbj-c-
tos 11 n-f- ri los.e d-ixando o loai* em compirto
Oesarraiqo, 4*a*l oram i.ara a sala abriudo I idas
as gav. u^ da coinmoda "spathando a ronpa pela
sala, S o.da mais Ibes agradando, sahiram por nina
Oa portas aa frente que fetchada com fer-
rolhn.
Moga o abaixo assigoado a todas as autoridades
pobciaps o d-scobrimenio di-sse mubo, assim como
p^di* aos collrgas e a qu-m f5r offerreido qnat-
q'ier drssas pe^as Ihe facam o ob'-quio rte ap-
prenhrmdVr oa parlicifiar Ine que, posto que pobre,
gratificara a i|Um o discobrir.
Recife, 2o de dezembro dr 186*.
Custodio Manoel 1 hadar*.
4tlenei

D?sejamos saber porque o Sr F. C. S. anda
convidando os s-ms amigos para e negociante de-ta praca, assim como ja o m-iod-m
esperar para matar, pois se. o senhor nao quer que
Sen noine seja publicado por e-tenso, trate de si,
porque ja sabem >3 que este raa o veio fgido da
cidade do P. pelas asneiras que la fa?ia, assim
como provo com pessoas que bem o c mh'ece. and
encobrtndo que era l solteiro sendo casado e
deixatido sua seollora na miseria, assim como hoje
ella e-U, assim como Vmc. que hoje, o que ihe
esl valendo utna pobre riava que esta gastando
a sua fortuna, pois Sr. F. C. S. s-uao qoer passar
por maior dissabor pare com seus desmandos, do
contrario Ihe descubriremos todo qnant i sabem is.
Q lano ao dizer que na i lu polica, que faz lulo
i qaantn quer, lembrese que esta em trra civil -a-
: da e nao rsla n ) meio de -elvagens qae nao rero-
I nhecera que o Sr. roisera'el. Se tem, cumo diz,
i muito dinbeiro para ga-tarcomi na tem para
pagir o i|iie deve a seus credores, davala casa
que acabilll coro -IU II Paleo doT-'Q? di-so
nao se lembra, mas lemcri-u -e de passar os bar-
ris com manteiga e mais g^n^ros para ca-a de
urna visinha ; e para que se fique conbecrndo o
: den-niinarei I).
Por hoje (Ico aqui para poier cmiinnar melhor.
Dis Paiti'ns'S.
Quem perdeu na aulle de ft u.ua puise-
1 ra, diri|a-se a Fia de Portas, ra lo Pilar n. 119,
pois dan lo os signa.es cartus Ihe sera' entregue.
Precisa se alagar um moleque de 12 a 16
: anuos : no paleo de S. Pedro n 24. _______
O abaixo assigoado, residmie nesta praca,
' pela presente iec.laraque do l de Janeiro prximo
em dianH se as-ignara' tlauoel da Silva Paria por
haver uiro de igiul noine.
Mi noel Joaqnim de Parla.__
Aviso ao ct|iile.*> de campo
e a pirlida.
Poni no dia Jo le il/.embr do correte anno
de 1863, de casa de se senhor na ra Dirella n.
30, o preio de noine Seono, de uacao Mussambl
i qe, com os signas srgnintes represnota ler 36
i a W anuos, cor lua, barba pOUCa, fall de demes
I na frente, com taihos e n circu o red od -, ao p
das orelhas, levo Vestid ealC/a eCitnisa de algo-
dio gr-is-o hraiico, eltapo de palin : qaem o pe-
gar sera' bem recompensado.
Quera tiver liara ven ler alg-alaO era ear'HJO,
dinja-se a ra da Prata 0. 81, taberna.
Fwtor
Precisase de um homem para feitor de um si-
tio : a l atar m ra ds Pires n. 32,__________
P-igio no da 23 di correte, do Cactlanga',
um molannho te 12 sno-is de Hade, ct clara, tii
helio aeabueladu, i|uaode falla pronuncia mal, levou
ve-tido r-aroNa branca, caca de riscadinhu d shj
lado, chap i de pat ia, a-sim eom levou urna no<
de conpras : quem o pegar leve. a ra do S>u
n. |ti, oo a ra do Q leiraado u. 3i, que sera' re-
compensado.
Irmandade acadmica de N. S. do Bom
otiselh'i.
De ordem da mesa administrativa convido a lo-
dos os 00**0* irma-is a romparecerem n i ron-is-
l in de-ta irinau lade, log.. que costar haver Che-
gado a BQasa porui o Eno. e Rvm Sr. I). Emita-
nuel de H-detros, btspj le-ta dlu-.e--.
A. dos Pasvo-, Mirauda.
Secretano.
arjfffc
Precisa-se de umi ama para comorar e co'inhar
em ca-a de hume n ollmro, paga-se bera : ua ra
do Queimado o. 40, loja de fazeuoas.
Aluga-se o segundo andar da casa da ra
Dirrit- n. 6 : a iratar na taberna do mesmo, ou j
1 andar.
Atteugao
4 su parrilh m mw
PARA A CURA RADICAL
'ks&s^ de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chagas, ftidas ve-
Ibas, bronchocele, papo ou papeira, a syptiilis, enfermidates venenas ou mer-
s.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retened), menstro doloruso, ulceraces do tero, flores brancas, ele, ulcera-
ciio. debili'iade, ^xpoliaco dos ossos, a nevralgia e cotivulses epitepticas
quando causa.ias pela escrfula.
ERYSIPELSS ERPES; ETC.
Enferiniludes cutnea*, erupeo, borbulli.s. pstulas,
nasciilas, etc.
0 ex'racto composto de halsa ,>vrilli:i. confeccionado pelo Dr. Ayer, uma
com'iinaco dos melliores depurativos o alteramos cnheci 1 ad> segttn 'o as regras da scieticia, approva lo e roceitado pel"S pri-t eitos med eos dos
Estidos-Un dos da America do Sul ti Central, da- Anilinas, do .Mxico e das 'lidias, e'
muitas nutras partes do mun lo : o resultado de estudos apurados e minuci"S0S, e de
experiencias feitas pessoalraente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principies hos-
pitaes le enfermaras da America; tem sido approvado pels academias de medicina e
jnntis de hygienn tas principaes capitaes da America dn Norte; p.ira prova disto vede
os att'-st.idos authenticos ao Almanak e Manual de Suide du Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuaui gratiiitainente nos lugares onde se v^nde o remedio.
A SUsfl PA3ILHJ OE AYER
Especialmente efQe;iz na cu'-a lis molestias q ic tena sua origen.
na esci'nfnl i. n* inf**ceo vcin-m. no iiao
excessivo la m i-u io oa qail iiiei* ini>in-ez:i Ho singue
A naole-iia ou inf'co peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, un dos mi-
les mais prevalecentes e uaiversies rjae ha emtola a ex ensa lista das enferm d des que
atacam a nos parte de todos aqueties que ra irreni antes da velhice s i victimas, ou directa ou inJirec-
tamenie tle esr -fula: por issu s nao lao destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enf^rmida les que nao Hie sio gHraimente attri1 u das.
K urna lausa directa ua t'sici pulm mar, tas molestias d i figado. "rio estomago
eaffeccoe' do cerebro: fn'res'us nunernsos symptomas acham-se os seginnt-s: falta
de aiip4t>te, < semtilanie plido e enchado; asvezes d- urna alvura transparente e outras
vezes cora o e ama vilentn irregul r, frique-a e molleza nos muscul -s ao reinr da boc-
ea; (Ik'esto traca b appetttte, falta de energa; ventee enctiado e evactiac3o ir egular;
quando o mal tem seu assento sobre os pnlines nina c azula la nanstn-se em roda dos
oibos; ipiatido ataca os orgos dgestivos, os olbos tnam-se avermelbados; o bali-
to ftido, a Im ua cariega >a; dores dcabeca, tonairas, etc. as pessoas de disposi-
cn e^croful'^a appar^cem freq^nlemente erupces na peMe da cabera e outras partes
do corpo ; sao pretbspostis s aff-eeSes dos pulmes, to figad', ti s rins, dos orgos
d'u-stivos e uterinos, Prtanlo, nao sao smerte aqnelles que paderem das formas tul-
cerosis e tobe culosas da escofulai que necessitam d protceco contra os seus estragos;
todos aquello^ e u cojo sangue existe o virus latente des te -rivcl llaJ^llo (e s vezes
hereditario), esto expo A tsica, ulceracoes (! libado do estomago e d"S rins; empees e enfermidades
eruptivas da culis, rosa ou cy-ipela, borbulhas, pustiias, nascidas, tumoivs. rlieuma,
carbnculos, u'tvras e Chagas, ibenmlisno, des nos o debilidades femininis. flores brancas causadas pela ulceracSi i-iterior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigestSo, enfraqu^imento e debildade geral
OjiTereeemos a estas pessoas un abruo seguro e um antidoto efficiz contra esta
molestia e suas consequencia.s na
| SALSA PAHRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, pmilicatido-o e xpulsand i -el'e a corrupcao e o
veneno da molestia ; penetra lo hs as partes e todos os org s io corpo humano, livran-
do-os da sia aeco vicia ta e inspirando-Ibes novo vigor. um altente puuvrosissiirio
para a renovac -'o sangue, e d ao corp > j enlrquectdo pea doenca, fjrfis e ener-
gas renovadas como as '! juveotude.
t ml)ein o melhor auty-:yphihtico couhecido
cura permanentemente as p or8 formas de syitiilis e as suas conse tuencias. Pouca
necessidade ba de informar o publico do mestimavel valor de um r-medio que, como
este, livru o angnedasti iirrupciO e anebita a victima das arias th urna mor te lenta
e ignomi ios-, porm uevitiwi, Se o mal nao lo?o oum'iatido cmn energa.
tim podernsissiino aderante para a renovaco do sangue e para dar nova for-
?a ao corpo enfiaqiecido pela doenfa.
i
Send composto de productos vegetaes. es e medicamento innocente e ao mes-
mo lempo efficaz, um 'acto de iramema importancia p.ra aqnelles qn o to naiD ; pot-
- que muitos Uos remedios alteantes offejrecidus n diuh ic i tem por base o mercur o ou o
ar.senijo; e sendo assim, be u quesvezes p dem elf cimr curas, coi.tudo deixam suas
victimas carreja las de una tonga serie de mies, muitas ve.z-s pemr do que o mal ori-
ginal. A unica musa neceisaria para o'iter unta cura radical seguir com juizo e cous-
tancia as diiecces me acoinpauliain c*da f a.-co.
N" pre-end^mo^ promulgar, neraqu-reinos que se nfira que esta composco a
I um remedio inf livel para a cur i de todos os padecimentos iiuinc-os; infeii/.me le
'escrfula a -yp'iilis sao enfermidid-s t5o sulis as suas naturezas, e arreigam se to
firm .neute no sy5tema, que mu tas ve/es evadem e resistem aos remedios mais pode-
p'sos que a >c enct humana p le inventar para com'i^t las: o que diz^mos que o
Extnict compist.) de niIs.i paniHw 4e Ayt-
a melhoi prepraeo at boje deseoherta para estis e nutras m le-iias anlogas, que
urna com iu>c dos alt-raot-; mais elfic-zesconbe.i los, e quee>ta combmaclo tem sido
regulada por longas e laboriosas exnerienc as, e linabnenie que temos consciem ia deof-
ferecer ao publico o meluor resultado que pussivel produitr, da inte ligencia e pericia
medica d snossos terapns.
Este remedi deve ser tomado com system e regu'a idade, e nao com abandono,
pois um remed'O e nao bebida.
Quando as moleras do figado nao ten sua origen, na tescmfula, o remedio
mais propno as pilulas calharticas de vrer, que sao effiea/e* na cura da molestia, que
tem por causa um desarr injo dos orgos digestivos. Ped a salsa parrilua de Ayer e
nao aceilai outra pr^paracSo.
Pernambuco, ra Nova n. 18 ubarmaca fra cexa de
1 na Direita n 9, con-rta-ae relot?") com
muit perfeieao por baralissimo prego > afiftiDC/ado
por um auno.
P. MAURER & C,
PERFUMERA da casa oger
Boievart Sebastopol, 56, IPftriz.
Dez metlalhas, a condecoraco da Legin
d'honneur c a grande reputacao que tem Ihe
dado o publico, taes sAo as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
180*.
N'um sortimento de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes cscolherao os seguintes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
POMMADA "CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXTMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, Terdadeira agua de
Jouve*rio.

CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaciar a
pele.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as clamas americana*.
SABAO de bouquet de Franca.
d de flores de alcea rosea.
d* de flores printanieres.
d de bouquet do oulono.
d de perfumes exticos.
d* aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa. ,
d de flores das montanhas.
d de cheiro de foins nouveau.
d* de bluets cheirosos.
d* de althea balsmica.
d diapr, caixa rica, tantesia pari-
stence.






Diario U t*ernatrac Qvarta felra 19 de Dczcmbro de lift.
S.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Sao Francisco.
Aviso.
Do da 23 do correle ein diante s se receber
gneros para despachar eni Cinco Ponas e se en-
tregar o? que tiverem viudo du interior, das 6 as
8 l\i horas da maohfia.-e das 0 1|2 da manha as
ii da tarde.
Faz se tambero saber aos interessados que a pon-
te de ferro da estaco da Escada acha-se j soa-
Sociedade -de seguros rnm-
tuos-sobre a vida
O banco Atlianm do Porto tendo establecido
esta sociedrde deltaico de sua immediata vigilancia
e respoojabilidade, facilitou a creaco de capitaes,
dotes, rendas, pensdVs, isenc.oes do servico das ar-
mas, etc., por meio de subscnpcfes nicas ou an-
nuaes, as quaes convertidas em inscrpfSes da
divida publica, de renda nacional, e da mesiua for-
ma os juros semeMraes que deltas se forem ven-
cendo. ficam por.um certo numero de annos ero
Ihada para dar transito aos passageiros e merca-; deposito, at que, Ondo o praso estipulado, sao
dorias da dita estacao mediante o seguinte peda-
gio :
Peoes................ 20 r?.
Cavallos carregados... 40 rs.
Cavalleiros............. 60 rs.
Carro ou carraca...... 160 rs.
Escrtptorio da superintendencia Villa do
22 de dezembrode 1865.
G O. Mann,
Eogenheiro e superintendente.
Charles A. Saunders subdito
para fura da provincia.
Cabo
Os abaixo asignados endo
gavelmente a sociedade que sob a lirma socia
Guimares A Carneiro gyrou a I-ja de fazendas n.
26 da ra Nova desta cidade, declaram ao respei-
tavel publico que se acha extiucta dita sociedade e
a cargo do socio Guimares todo o activo e passi-
vo da mesma, o desonerado de toda a responsabi-
lidad* o socio Carneiro na eonformidade da con-
venci que o socio Guimares fez com os respec-
tivos ere lores sociaes em data de lo do correte
mez. Recife 21 de dezembro de 865.
Guilberme Carneiro da Cunba.
Jos Antunes Guimares.
restituidas aos ocios com os interesses amooloa-
dos, bem como as que perlencerera aos assoeiados
fallecidos, visto que destes sao herdeiros os -sobre-
viventes.
Pela engenhosa combioaco econmica adoptada
nos clculos desta sociedade, v-se que, com urna
entrada annual de 50000, por exemplo. obtem-se
em 5 anons 450*060 a 550,5000, ero tO 1:500,0000
a 2:0005000, em 15 3:500,8000 a i;,"00500, em
20 8.0008000 a *0:0005000, em 2o 48,0004000 a
inglez retira se; 25:0004000, conforme a idade do individuo sobre
, quem feito o segure, pois que nos referidos cal-
ZZSZEL mi cu'os conta-se com a maior ou menor probabiiida-
nrm n\\ a de de duraC5o de vida.
Esta sociedade sobretudo vanlajosa aos chafes
de familia, visto que Ihes facilita seu sacrificio a
fundago de um capital ou dote para seos filhos ou
Ribas, segurando-os quando nascem ou em.quanto
sao chancas.
Quem, pois, mais circunstanciadas oformagoes
desejar sobre tal sociedade, ou se quizer inserever
como socio della, dirija-se a ra da Madre de
Deus n. 28, onde se poder entender com Joao
Carlos Coelho da Silva, que para isso se acha en-
carregado.
UMA GRANDE DESCOBERTA
qeFIGADOdeBACALHAU
DESINFE
WEDALH*
0
HONRA
DE BACALHAU
PesinFetado ferrugineo
Em spipacos
lh para alugar-se uma casa grande
lente local, do lado do rio, perto do banho e mu
prxima a povoaco : quem pretender dirija-se a
ra do Vigario n. 13, primeiro andar.
Saques para o Rio e Babia.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra
em excel- do Crespo n. 15, saca a vista ou a prazo.
As propiedades medicaes do oleo de figado de bacalao forao inni-
memente recouhecidas. Mas seo cheiro e seo sabor to desagradaveis
toniao o uso d'elle muitas vezes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robustos e eos mais condescentes.
Por isso a deseoberta do Snr. Chevrier que lhe permettio de
desinfectar inteiramonte o oleo de ligado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tem sido um dos mais felrces problemas resolvidos pela
therapeutica moderna.
O oleo defigado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um clieiro agraduvel e um sabor astucarado, o nico que nao
tem nem goslo nem^olieiro de peixe.
Objecto de numerosos relatorios scieotificos elle goza em Franca
de uma fama bem merecida, e receitado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do o|eo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as:
Malestiaa rrro(ulu.
Harhiliaraa,
OkflriHM dan gl<,
Tsica pulmonar,
Mnlrtllai da aclle,
Con.lllulran Ij nplia.tira.
Anemia, debllida.de. fracjucca,
Maajma
Pahrcia da aanguc,
Esfalfanienl* por rurm le
rabalho a de prazrrrs,
Mlealaa o o bronrlilun reeea-
(ea an rhronlcaM,
Taaaea perlina,
Gaatrltea, a;aatrala;laa,
O Oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a aeco to efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipado.
As pessoas as mais delicadas que nao podein supportar as
preparaedes ferruginosas ordinarias, as quaes, principalmente
nos paizes quentes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova deseoberta do Snr. Chevribr, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, lomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
0 oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
CtiKVRiER, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
A luga se
por 20500C mensaes orna casa na Soledade n. H,!
com 3 quartos, boas salas, corintia fra, quintal e j
cacimba, a chave est parede-meia : a tratar na
raa da Imperatriz, loja de calcado o. 38, ao p do j
becfo dos Ferrelros.
Preetsa-se dcuoaama de
Progresso n. 7.
leite : na ra do
e lojas
MEDICO E OPERADOR!
O Dr. Joao Raymundo Pereira da Silva,
chegando ltimamente de Paris, onde fre-
qnentou os mais notaveis hospitaes, pode
ser procurado para o exerciclo de sua
ojdfisso na ra da Cruz o. 40 segundo
andar. Da consultas todos os das das 7
as 10 horas da manha. Especialidades,
molestias deolhos, parlo e vias-urinarias.
Barca dr eatamaga.
Elle convem a todas as compleices e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimentacao das enancas fracas e docntes.
Um folleto aooompauha cada vidro e oontem as observagoes medicaes.
Deposito em Parta, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
Precisa se de uma ama para aofar com ura'me-
ninoe fazer mais algum servico em casa de ami-
lia: na ra do Queimado n. 39. u-ja.
Antonio Jos Rodrigues de. Sjuza, na ra do
. Crespo n. 15, aluna sua casa e sitio no Monleiro
em frente ao oita.. oa igrej, tend o sitio portao
de ferro, cacimba com boa agua, estribara e co-
1 cheira, e a casa 4 salas, 7 quartos, e ;otao, a qua
' muito fresca e esta de novo bem caiada concerl
tada e pintada : para ver, as chaves est'ao em a
casa do Sr. Nicolo_Machado na me.-roa povoacaa.
Na praca da Independeacia n. 33,~loJa de
, onrives, compra-: e ouro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se faz qnalquer obra de encointnenda, e
todo e qualqaer concert.
.mmmmmmmmwmmwm
g DEPOSITO DE GAL AEO g
m FABRICADO M (USA DE Itf IKNCAO W
^K Ba \ova u. tu. |p
sm Ahi se eicontraro obras de di- m
H versas qualidades, e por i-reco mui !
I diminutos, a retalho e em porfes.
B S se vende a dinheiro.
d.24.
Preeisa-se alugar um preto para vender po
e fazer mais algum servico de padaria : a tratar
na padaria di ra das Crines n. 32._________
Esta para alupr-se o l' andar ~
do s. brado n. 44 a ra da Aurora : quem ~ abaixo asignado faz publico, que desde o
os quizer dirija-se a' ra Nova ?o Sr. Joo dia 5 d correte se acha de-ligado da sociedade,
B. do Reg, em seu armazem de fazendas 4^'eve na >ua laberua da ra do Rosario Larga
| a. 18, o br. Custodio Jos.e de Oliveira, n;iu dewmio
por tanto os devedores da mesma taberna pagar
seus dehitos se nao ao abaixo asignado, nu a pet*
soa por elle aulhonsada. Outro sim o abaixo as-
siguado nao se respoosabelisa por qnalquer debito
que em nome da extiuta sociedade faca o mesmo
Sr. Becil, 16 de desembrode 1865.
_____________Joao do Couto Aives da Silva.
Precisa-se de uma criada portogueza, e uma
escrava que saiba engommar bem : a tratar na
ra da Cadeu n. 34.
GASA
Aos 6:
FORT a
^Gabinete medico-cirur-^
gico.
Ra da Imperatriz u. 36. I
W O Dr. Joo Mana Seve, medico partef- *
j| ro e operador mudou a sua residencia 1S&
' jgj para a ra da Imperatriz sobrado n. 36, S
^R onde pode ser procurado para o ejercicio- *
.^ de sua profjsso at as 10 horas da ma- <(:
M nha e das 4 da tarde ero diante.
mmmmm-m kh m nvMmmm
N. O. Bieber 4 C, sucessores, sa-
cam sobre o Rio de Janeiro a \isia ou a pra-
zo confoime se convencionar.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praga, toma seguros martimos so-
bre navios e seus canegametiios, econtra
fogo em edificios, mercaduras emobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Gasa
Aluga-se o segundo andar do sobrado grande
| junto a fabrica de sabo, na ra Impeiial : para
ver, acha-se a chave na loja do mesu.o sobrado, e
para aiosiar, na ra do Imperador n. 83, primei-
ro arelar.
Bilhetes garanidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaixoassignado vendeu nos seus muito feli-
zes biitieies garantidos da lotera que se ac bou
de extrahir, a beneficio das familias dos volun-
tartos di patria, os seguintes premios :
N. 336 um meio com 12:000*.
N. "i dous quintos com 3.000^.
N. 321 un meio com 5005- \
X. 35i7 meio com 2005-
E outras muitas sortes de 100, 40$, e^0.
Ospossuidores podem vir recebar seus respec-
tivos premios sem os descontos dais leisnaCasa
da Fortuii' i ra da Crespo u. 23.
Acbam-se a venda os da 5* parte ' r (43*J a beneficio da Sania (lasa da Miseri-
cordia, que se exlrahir no dia 3 de Janeiro.
HtECO.
Bilhetes .... C5000
>feios......35000
Quintos.....15200
Para a pessoas que compraren! de 100^000
para cima.
Bilhetes.....S5500
tfeios......25750
Qtimlo?.....15100
Manoel MartinsFiuza. .
Fazendas, phanlasia para vestidos chegados de Paris pelo ullimo vapor.
Lindos robes de organdys cesarianas fazenda transparente de inteiro goslo.
itos de percalia campestre padroes muito ricos.
RiqoissiaiM grinadines de seda o que tem vindo de melhor gosto nt-sie mercado.
Lindos cortes de saltan ptkiu para vestido fazenda ioteiramente nova.
Uilos de gaze selim em peca fazeuda transpareule e de goslo muito
Lindos chales degrenadim broch, primeira vez aqui appareridos.
Ricos Lournus de trepe guarnecidas de tranca muito proprios para passeios
- RiquiSimas fivelas para sinio, de metal, de crysial com ac e com pedias finas
qu ha e mais novo. '
E outras muitas fazendas de inteiro gosto.
Ra do Crespo u. 13.
Loja das columnas de Antonio Crrela de Vasconcellos
V Companhia.
Grandes niellicras
as machioas imperiaes de cuser-
Armazetu n 536Broad-Wa; NpVoiL.
Estaj machinas sao construidas p-r um novo
\.-iem, cora murtas e importantes melhoras, e
send > examinadas por habis peritos foram |Olga-
das de siuiiiiia perfeif&O. A agnlha direita e cose
perpendicularmenie, com o ponto de arada, que se
. desmancha nem embaraca e que igual de
ambos os lados; faz costaras perfeitas em toda a
qtiahdade de tecidos, desde o c.ouro at a mais fina
eambraia, tendo (ios de algodao, de seda ou de li-
nho, desile o mais grosso at o mais delgado. Co-
mo nao tem rodas dentadas, por se ter evitado a
menor atrito possivel, imbalha com faeilidade e -
f.'-m rootradicao-MA MACHINA QUE .NAO FAZ
RUIDO ALGUM.
T.
tarioaacssu a siipra
Companhia geral kespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO E 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Uma llanca em (linheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministraco da companhia.
BAXQUEIROS DA COMPANHIA / DIRECgAO GERAL
O Banco de Hespanha
FABRICA A VAPOR
99 RA DO M0NDEG0 99
Deposito na na Xoa n. 50 i ja de rdojoeiro.
Delouche frres donos desic estaueleciraento parteeipam ao respeitavel publico
est monlatla com as melhores machinas que existen) na Europa, e que pode fabricar
com melhor perfeicao possivel. Todo o chocolate desta fabrica e*t garantido, e puro,
o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende porpreco baixo,
visto os productos serena do paiz. Na etiqueta tem sempre uma aguia.
PREGO.
Meia libra......... 400
Uma libra......... 800
Uma arroba ........19^000
TERDADEIRO LE ROY
de SIGKORET, Docteur-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.
Madrid: Ra do Prado n. 19 Na mesma fab ica acaba de se montar uma oficina com serrara a vapor para
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos segu- '>ras (Je marcineiria propria para eiiiftcio, para o que encarreg -se de fazer portas, ja-
j. Me. fKiil'R&c, fabricantes e propne ros sobre a vida. nellas, assoalhos (parqu francez orno se usa na Europa.) earroaces, ludo com brevi-
Neliapodeselazerasubscnpoaodemaneira que em nenhum caso mesmo por morte do daile e perfeicao. Toma-se onalnonr (>.ncnmmpnrla para fra da cidade, entregando-se
Em cada garraTa, ral, entre a rollia e o papel azul
que leva o meii sim le, un rotulo inipnsso em ama-
rcllo com o Sei.i.o Iih lkhi. no ouvekno franciz.
y. B. Remetindole uma Mtra de 5uu traucos
"Aiie Taris, arrilavi-l :i i u das de vista, ao mximo,
goza-ie do alialimeuto r do maior descont.
Deposito principa
lo legitimo I.e Roy
em Caza do nosso
nico agente pelo
Rrazil a SM* Anto-
nio Frinc : de La-
cerda na Bahia e
nos principas puar-
maceutcos.
rmo c uu manir
al *
so 47/iw
GARK.VL'X DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQA1SE
Ra do respo n 9.
LIVROS NACIONAES E ESTRAXGEIROS
ReliijioIMiilosnpliia Jiiris|iriidencia Lillera-
lura Scieucias e artes.
Papelaria, objeclos para escriptorio.
Aloga-se uma casa terrea na propriedade de
Sanf Anna, a qnal acha-se caiada e piniada, con-
leodo 4 saletas, ."> quartos, cozinha fra e quintal
murado coro t-ompetente porlao : quera o prelen-
(I-t pode dirigir ?e a referida propriedade, que
achara' cono quem tralar.
O abaixo assignado da data deste deixa de I
ser official d jostica. Recife ii de dezembro de
1863.
ll-nri p.ie Julio Capitulino da Silva Pontess.
Tlieotonio de Oliveira Neves e Ambrozio Jor-
ge dos Santos, abaixo assignados, fazem sciente ao
respeitavel publico, e com especialidade ao corpo
do commercio, que nesta data dissolveram amiga-
velmente a sociedade que linham no estabeleci-
in-nio de commercio de molbados na Iravessa dos,
expostos n. 18, que gyrava sob a razo social de
Oliveira & Santos, pertencendo dito estabelecimen-;
i-i de boje em diante ao ex-socio Antonio Jorge des
Santos, o qnal rica obrigado como nico responsa-
vel a liquidaco do activo e passlvo da extincta i
firma social, e sahindo o ex-socio Theotonio de !
Oliveira Xeves pago e satisfeito da importancia de
seus fundos. Recife 21 de dezembro de 186o.
Theotonio de Oliveira Neves.
Ambrozio Jorge dos Santos.
Precisa-se alugar uma sala para consultorio !
medico ou cirurgico, sendo esta em Io ou 2o andar,'
as ras de Livramenlo, Penha, ou i ti re la, at X.;
S. do Teico; adverte-se que a pessoa s precisa
das 8 horas da manha at 4 da tarde, po$ mora
fr.i da cidade : quem quizer fazer este negocio
dirjase a botica do Sr. Chagas, na rna Direita,
que saber para quero .
e se fazer a subscripto de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do daile e perfeicao. Toma-se qnalquer encommenda
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes. nmrnnla a rollar ra nn Inoir H 'u"
| Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACI- i v l g ''
I NAL,que ainda mesmo diminuindo uma terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
ces ecombiuanl i-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidacoes, em segurados de idade de 3 al9 annos, uma imposicao annua.
de 10J produz em eflectivo metlico:
No fim de 5 annos.......1:1195300
de 10........3:942,8.600
de lo........11:208*200
de 20 .......30:256*000
de 25 >.......80:331*000
Joaquim
ment dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite & Irmo.
estabeleci-
Em casa de Theo Chrisliansen, ra db Tra-
piche-novo n. 16, nnico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaox, encontrarse ef-
fedivamenle deposito dos artigo; seguintes :I
Si. Julien.
St. Pierre.
La rose.
CbatMQ Loville.
Chateau Margaux.
Graud vin Cbateau Latte 1858.
Chalau Lafite.
Haut Sauterues.
(hatean Sauternes.
Cbateau Lataur manche.
Chateau Yquem.
Cognac ero tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
ALCOHOLADO de GUACO
, de N. PASGAL'
O ALCOHOLADO DE Gdaco de Pascal uma nova preparacAo da qual
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo inalivel do contagio venerio (ver
folheto para o modo de o impregar).
2o Tem a vantagem de ser o remedio mais perto e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulceracOes primitivas e secun-
darias, ec.
3o Empregado em injecc5es, o melhor tratamento dos corrimentos
recentes ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da leucorrhea as
mulheres.
4 Emfim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e fe-
rilas de m natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophtaltnia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de an-
meles venenosos, ec.
Este especifico vegetal, izento de toda a accao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvacao
dos distinctos doutores Ricord, Badchet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Pars, botica de CHEVRIER, 31, ru du Faubourg-
DE
Montmartre.Gasa de eipedicao,
Pnce. Paris.
PASCAL e C\ 33, ra Monsieur-le-
OELIIO Ra da Cruz n. 1G.
Continua a liaver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos de;-te eslabelecimento, acliam-se as melhores condicoes
I de poder satisfazer encommendas concernentes sua arte, em consequencia do socio
i Freilas ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na corte, sendo
uma a do Sr. Joao Goncahes Guimares (confeitaria do Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabaihos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os propietarios desle estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
. pouparo, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
I rem preparados; assim como doce de caj novo .superior, secce e crystalisado, dito em
| calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jamares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeclos; ban-
, deijas ricamente enfeitadas sem armacao pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquerfim; ditos montados,
jkechs simples e eBfeitados com fructas ingleza gatheaux de la reine, ditos de le du-1
chese, tortas de fructa, massa folhada ; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
I de differentes especies
Tambem temum complelo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
I do Porlo superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-!
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-,
feitos e mais enfeites. Muilos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
DE
1
Vndese um vitello : no sitio do Arraia de
portao de ferro pintado de encarnado e brinco.
Offerece-se um rapaz para copeiro de alguma
ca>a estraogeira : a pessoa que precisar annuncle
por este Diario para ser procurado.
DE
J. VIGNES.
.V 55. RA DO 1HPERADOR M. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao boje asss conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
na superioridade, vantugens e garantas que offerecem aos comprad
res que elle* fem definitivamente conquistado sobre todvS os que Uro apparecido nesta praca ; pos
suiudo aro teclado e macbinismo que obedeoem todae jis vontad;s e caprichos das pianistas, sem
onnea falhar, por seren fabricados de proposito, e ter-se tissimos para o clima deste paiz ; quanto f-yozes, siso raelydioi.s efliuladas, e par isso muito adrarla
veis aos ouvidos dos apreciadores.
DEPOSITO i, PIANOS
25 RA NOVA N. 25
Este estabelecimento acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-
pressamenle fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-'
pa, por isso o proprietario convida ao respeitavel publico para virem apreciar as qua-
idades dos referidos pianos.
Continua-se sempre com esmero e promptidSo fazer-se qnalquer reparo nos ditos I
instrumentos. AGnam-se os pianos debaixo do melhor systlietHa, ltimamente adoptado!
Da Europa.
Mauoel Duarte Rodrigues, ra do
Trapiche n. 21, saca sobre a cidade do Por-
to, a vista ou a pr-izo. *
O abaixo assignado faz publico que o Sr. Jo-
s Luiz Duarte de Azevedo deixou de ser seu eai-
(Xfiro desde o dia 18 do correte.
Joao Ferreira dos Santos Jnior.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------!
Ama para casa.
Precisa-se alugar uma ama paraodo servico de i
uma casa : na beoeo das Bolas a. 2, primeiro
andar.
- Aluga-se de um at quatra escravoi, pagan- i Precisa-se de uma ama forra para comprar
do-se bem : na ra do Trapiche o, 13, Anroazem e cozQhar : na raa do Livramento n. Jo, segundo
de Mano?.! Teixeira Baatft -'jodar,
Com
as LIMAS
CHIMICAS SE
P. MOURTH, fornc
cedor da Caza Imperial do Exercilo
francez, garntese que qualquer
pessoa poilera sem dor nem perigo
livrar-se de seos callos. Esta inven-
Cao : privilegiada em varios paizes,
reconhecida officialmente efficaz
por 15 naerts, premiada com me-
dalhas de Ia e- 2* classe e approvada
por diversas academias e pelo Ex'"'
Presidente da Junta de Hygicnc da
corte. Por ordem do Ministro da
Guerra fez -se em Pariz experiencias
sobre mais de 2000 soldados que
ficarfio livres de seos callos 5 igual
resultado foi obtido na guarnico
do Rio de Janeiro. Mais de 3000
pessoas ja se tem curado com estas
Limas. As provas do que sdiz ci-
ma e os a-t testados achara-se no
prospectu, que se dS no deposito.
Casa principal em Parix, R Prime
Eugne, 18, Agente para o Brazil,
o 5r M. O. ABRANCHES, ra
da Alfandega, N 10, na Corte.
Le se DO Monieur t la l'harmade.
Aelectricidade beje empreada por todos os
.mdicosafamados,para o tratamento de muitas
molestias, mesmo para as que resisten) as outras
mrdicacoes.
a A eleclridade produiida pela fricrac tem ama
superioridade incontestavel, e a vantagem de nao
dar abalo?, e de poder ser graduada pe o doente.
A causa a mais frequente das molestias
estagnaca do sangue ou dos oulros lquidos i-
taes. Restableceudo se a circulaca no orga-
iiism. curacao-se as molestias.
Quando se seole alguma dr em quelquer
> parte do corpo logo, e i usti nct i va men te, se er freja
o lugar en rio! orillo com a ni a e isto allivia. Isla
explica o resultado incontestavel que deve pro-
duiir um apparelbo elctrico. Por isso temos
praierem aniiunciarao Publico queoSnr Buisson
rio Btvillii-rs residente, bou levan du l'iinci-
Eucue, 48, em Pariz, dotou a medicina de um.
apparelho Electro-Magntico, sob a forma de
uma escora, com o qual os doentes se podera
acarar sem nelmma nutra medicaca. Os mdicos-
que a tem eiperimentado, altestara que
BSOOVA Electro Magmetic ill caz para
curar: os Bheunaatitmos, Paralysia, Gol te,
Fraquea dos membros, e da Columna ver-
tebral deb I idade geral, Nevr algias, etc.
Estamos certos que breve cada familia possuir
esta escova que prestan grandes ser vicos.
A pedido de muitas pessoas, o autor decidio-s
a establecer um deposito de seos apparelbos no
Rio de Janeiro, em cusa do Sn OiDisa Buitre,
ru4 opa do Uuvidor, 93.
Pernambuco, pharmacia iraoceza de P.
Maurer & C, ra Nova n. 18.




'
i

I
--.


Diarto
de rernambuco QuarU elra 19 de Dezembro de !*.
l
>
OS PARAGUAYOS
E' a ordera do dia Acabar com os Par-e
guayos a bayoneta, a mini, a revolver;
fulmina-los com os encouracados armados
de esporoes, armstrongs e raiadas de 80
120; extermina-los em summa a espada, a
faci e a punhal de que se trata; mas
niDguem se lembrou ainda de esmagar os
Paraguayos com as armas que Deus nos con-
cedeu; acabar com elles a tac5o e a ponta
ps, para o que necessario encouracar esta
parte do nosso corpo com os formidaveis
rompe-ferro, esmaga cobra, arranca tocos,
quebra marmore e outros que se vendem
4&-RUA OIUE1TA45
Borseguins Bordeaux........ 85000
patricios......... 5j$000
para senhoras, en-
fei lados....... 55500
com laco e fivella .. 45800
Sapatoes encouracados....... 55000
Borseguins para meninas bom
clasico................. 35000
Sapatos de lona, sola elstica. 25000
avelludados......... 1560" i
de tranca........... 15600
com salto de lustre.. 25240
Um completo sortimento de calcado da
trra para homens, senhoras e meninas;
assitn como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taixas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz cobica ao comprador pela barateza.
muran
DE
(AVALLO
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PBRNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliven a Azevedo 4 C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, toniam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Crui d. 1.
VENDAS.
VOMIMAS
V\H\ 1866.
Acabara I de sahir luz as folhinbas de
algibeira ejde porta para o anno de 1866, o
- Alugam-se trescasas na povoacao do mais "rectas possivel tanto no calclalas
Monteiro a margem do rio, com muitos|,uas e. eclipses, como as diversas fesias
bons commodos e em muilo- bom estado?ue a 'g^acelebra; vendem-se umcamen-
de limpeza : a tratar na ra do Crespo n. I ,^aj!!r,a,.d!.p? di,nd,?pen(^nC1?'
20, esquina, cujo prego de alugnel
zoavel.
rii 160 ris as de porta e 320 ris as de algi-
beira.
BOTICA E DROGARA
DE
si. F. de Nonza fc C.
Ra larga do Rosario n. 31
Remedios de Raduvay
Prompio alivio.
Pilulas reguladoras.
Rtzclutvo.
Remedios de Kemp
Anacahuite.
Salsa de Brislol.
Pilulas assucaradas.
Agua florida.
Pastilhas vermfugas vegetaes.
Chegados pelo ultimo navio vindo da america
Teodo a irroandade do Divino Espirito-Santo
Pehiucha
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sonido como todos sabem.
Para a festa. hoje mais que nunca, nao so pelo que rece-
Ka rua das Gruzes u. 30. loja da coas- be de sua propria conta, mas tambem pelo
ciencia, que recebe de consignaces; parece sem
Vende selum grande sonimento de calcados de duvida que deve offerecer grandes vanta-
todas as quilidades ltimamente chegados, assim gens para o respeilavel publico tanto em
como borra, ha pelo diminuto preco. cheguem fre- precos como na escollia dos objedOS, e CO-
B Nos pes'se afflrmem rao acaba de che8ar *de_ remessa pelo
Barato o prego
Cheguem regueies
Abaixover-fe.
Borzeguins de lustre a Afilie para homem
da igreja do Collego, resolvido em sesso de mesa Ditos de bezerro dito dito
75500
conjunta, mandar fazer de marmore branco fino a Ditos de los
capella-nr de sua igreja; convido de ordem da Botinas par i senhoras e meninas
Na noitede 18 para 19 do correte furtou-se ura
cavallo mellado caxito, da estrabaria do sen dono,
com sellim inglez quasi novo; cujo cavallo tem
dinas e cauda pretas. as cimas sao grossas e ca-
era sobre ambos os lados do pescogo, e tem urna
ferida pequea na mo direita ; esta acosiumado a
andar em cabriole! e bem conhecido nest? praga:
queui delle der noticias certas ou lvalo a' Estan-
cia, sobrado de dous andares n. 2, ser gratificado
Attencao.
Precisa se du urna ama que saiba cosinhar e
azer compras para casa de liomem solteiro, pre-
fere-se portugueza : na ra da Cadeia do Hecifel
n. 38, primeiro andar.
Alaga-ge para pa&sar a festa ou
por anno.
Aluga-se por prego commodo urna casa
na estrada do Monteiro defronte de oitao
da igreja, com bons commodos, muito fres-
ca e em muito bom estado, tendo grande
quintal ao lado com porlo de ferro, ca-
cimba, estribara e cocheira.' a tratar com
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra do
Crespo n, 15 ou na mesma povoago.
mesa repedora aquellas pessoas que se acharem Borracha a Ivara
habilitadas a mandar executar semelhaute obra, Grande sort ment de chagrn e de cordavo.
a exammarem a planta que se arha exposla na sua
sacrista, e a apresentarem as suas propostas no
praso de 40 das contados desta data. Consistorio
da rmandade, em 10 de novembro de 1865. Cnla Aa
O escrio. ** df
Francisco Belarmino dos Santos Freitas. el0'
Se
re e bezerro para menino
i
lus
eiros e correeiros
PECH1NCH
Stre em perfeiio estado,
i -Rita Dlrelta45
!i
205000
litros objectos.
Vindos tambem para a antiga loja de
miudezas p ra do Queimado n. 16.
Sapatinhos desetim braoco bordados pa-
Nova escola de primeiras
letras.
O abaixo assignado, professor jubilado na pri
meira escola publica de primeiras letras da fre-
guezia da Boa-Vista desta (idade pretende abrir ra baptisajlos
no dia 8 de janeiro do auno prximo vndouro urna! Olltrw 'de' merino t hem inrda los p
escola panicular na ra da Palma, casa n. 31, da ,i mermo lamDem Doraaaos e
freguezia de Santo Antonio desta mesma ndade : gualmenl bonitos.
os ser-ores pas de familias que quizerem que Meias de seda, correspondente no tama-
seus filhos frequentem a mencionada escola, podero nho dos SapatinhS.
entender-se desde agora com o mesmo abaixo as-. n,.im'J,,; a-..'
agora
signado na referida casa.
Jos Joaquim Xavier Sobreira.
Plf I U-VP 'jor ^^^^ ougas da patria : na
I .111 l.floL praca do da Independencia n. 2.
m TiSMiyL
(Juera tiver para ser alugado um escra-
vo que alm de muito boa conducta, esleja
bem habilitado para desempenhar satisfac-
toriamente quakiuer servipo interno ou ex-
terno de urna cusa de pouca familia, an-
nmicie ou dirija-se a ra da Aurora, sobra-
do de n. 70, segundo andar.
Todo o nleresse se fara' rom o senhor .-a
cerdote que quizer ser eapello de irm ngenho, e
que tambem tenha haliilitagoes para eiisinar a>
primt-ira* letras e alguna preparatorios : a falrar
com o Sr. Autuuio seraflm da Silva ca ra do Ca
1 nga\_________________________________
Gasa em Oliuda,
Aluga-se urna casa no pateo de S. Pedro Novo,
com bastantes commodos, quintal e cacimba : a
tratar no largo do Carmo, em Olinda, com Albino
Jos da Silva, ou na ra da Cruz do Recite n. 57,
armazem.
Alnga-se O segundo andar da casada ra dj
Imperador n. 38, com mullos eommedos : a tratar
na mesma.
0WAKIIA
Para a construrcao de machinas
E
VI ltIHT*OY E I......1 iss
.New London, Cormeclieur, Esta-
dos-Unidos
Solicitam pedidos de descarogadores de algodao,
adoptados ao aluodo sul-americano.' Hao-se de-
dicado a es.e negocio durante 25 anno?, e atlende-
rao inimediatamente a correspondencia que se Ibes
dirigir.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o esercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
I sobre seguate
Io molestias de olhos;
2o de peilo :
3o dos orgos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentesse-
I rao examinados na ordem de suas
| entradas comegando o trabaiho pe-
jg los doentes de olhos.
SDar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
8 Cao que julgar conveniente para o
proinpto restabelocimento dos seus
m doentes.
mmmmn&mmwm
(jiiso fircede. pe(la!iai
Oi 'enh'ires que sio assianaiile desta exitellen-
,f uiira, e que ainda nao a recebera m, podem pro-
cura-la aa iivraria universal, esquina da ra do
imperador.
gDentista de Pernambuco.!
|S Ra estreita do Rosario n. 3,
g ao p da igreja
francisco pinto
|S| C'oiioca leales artificiaes
pelos vj steuias mai mo-
m (Ifiuus
jb Ernprega ludos os meios scienlificos para
conservar os natu aes. Pode ser procura-
Mi do em seu gabinete das 9 horas da ma-
t nhaa as o da tarde.
iiiiH %mmm mm
O Dr. Carolino Francisco de Lima San- p
los contina a morar na ra do Impera- >jsj
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu aB
gabinete de consultas medicas, logo ao JH
entrar, no primeiro. ^;
U mesmo doub>r, que se tem dado ao Hkl
estudo tanto das operacoes como das mo- S#
leslias internas, preslase a qualquer cha- *gr
mado, quer para dentro quer para fura gg
da cidade.
mm wm$m
tm
Modas.
Mad?ma R. Adour acaba de receber pelo Quinado 16^.
ultino vapor chapeos de visita para senho-
ra, rcmeiras de goipure pela, rotonda de
guipu e cerdadeira, camisinbas bordadas e
mais ontros enfeites periencentes a senbo-
ra, ludo do mais apurado goslo: vende-se
na i ua do Imperador n. 48, primeiro an-
dar, casa de modista franceza.
Outras Inui unas de fio da Escossia e
brancas listeadas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras e meninas.
Pentes de tartaruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com ajulhas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Caixinhps com alinetes brancos e pretos.
Haspaspe baleia para vestidos.
Fitas d linho proprias para ditos.
Caixas com lionas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de borracha preto, redondo.
Bonitas flvellas grandes de ac.
douradas, madrepcrola e tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, recebeu um bonito sortimento de
fivellas grandes para cintos, sendo de ac,
douradas, madreperola e tartaruga, as quaes
i stao sendo vendidas em dita loja por pro-
cos commodos ; assim como boas e bonitas
fitas de gorgorio achamalotado, proprias pa-
ra ditas fivellas.
Ociilos de penetra e de outras
qualldades, para qiicm soffre
da vista.
A' loja de miudezas ra do Queimado
u. 16, tambem recebeu oculos de penetra
com vidros claros e escuros, para quem sof-
fre da vista, assim como outros de armagao
de ac, sonidos em graos.
Coi'oas e tercos de cornalina.
A antiga loja de miudezas a' ra do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
reas e tercos deornalina, os quaes esto
a disposico dos bons christos que os qui-
zerem comprar em dita loja : na ra do
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
; lempo dos quaes se mencionarao alguns,
75000 por n3 ser Possivel mencionar todos. O
6$000 dono deste estabelecimento espera a pro-
3$ooo'. leceo de todos.
500 i Riquissimas caixinhas ornadas e com
_ msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porla joias e necessarios.
\ Riquissimos esl jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho. \
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criangas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muilo gosto para
seuhora.
Riquissimos porta boquels.
Roquet de flores com urna borracliinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnicoes para
enfeitar chapos.
Coritas e tubos de ago branco, que ha
muilo se desejava para enfeites.
Brincos, fuellas e cruzes de crystal.
NOVA LOJA
ENGICL0PED10A
* Ra da Emperatriz anuazem
da porta larga <*<.
Junto a padtsria tradiceza de
Paredes Porto.
Neste estaljeleciineiiiii cnronlrar o respeitavel
publico um ariado icrtlnieDro ae hiendas (rane-
las, ingleas, suissas e allemaes, que se vender3o
por preyo commodo.
Paredes I'urto
Vendo ebales de renda de eorxt que se vende-
r m a i$ esta vendendo por (i, ditos pretos, fa-
euda nuva, 5,05, 85 a 20,5, um ?ortimenlo com-
olt-to de manteletes, capas e soutambaiques ii a
o. Ba da Imperatnin 42, junto a padarla fran-
ceza, armazem da porla larga.
Paredes parta
Recebeu um completa sortimento de iaasinhas a
40, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
'r a 240 is. o cavado, riscado escossez para ron-
M de menino, fuslao de linho a 420, 400 e 500 rs.
Roa da Imperatri/. n. 52 junto a padaria franceza.
irmazem da porta larga.
Paredes Parta
Recebeu para cortinados para cama franceza a
11$ a peca eambraia lisa lina a 35 4JI al i& a
pega, corles de larlalanade bonitos gestos a 3,5300
a 45, eambraia com flor de seda, nostos inteira-
nente rovos a 500 e. 300 rs. o cavado, no armazem
da porla larga n. 32, ra da Imperalrz junio a pa-
dara franceza.
Paredes Porta
Recebeu pelo uliimo paquete um sortimento de
cruzes rom pedraspara opiscico. bonitos raiioeis
de laa para pesclo de senhora. Ra da Imperatrii
n. 52, armaztm da porta larpa.
Paredes l'orln
Vende curtes degorgurSo preto para vestido com
51 covados cada um 33,5000, rsdenaple preto a
I600, I|fl00 p -2 o cavado, laas li^as linas a 400
rs. o coyadu, laas de quadnuho para ve.-udo, enlej-
iada, a 320 rs. o covado. Ra da Imperaniz n. i
armazem da porta larga.
ftoiipa feila
Ra da Imperalrz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, encontrase neste es-
tabelecimeuto um completo .-oitimeto de parets-
saccos e sobrecasacos, de tedas as qualidades, cal-
gas, cnlletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para caneca, por
pregos eommedos, roupa para menino e ouiras
muitas fazendas por pregos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo estabelecimento encontrar o respei-
tavel publico, sempre oro completo sortimento de
roupas fetas de toda> as qualidades, ci mu gejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a H e 5JL ditos de brim par Jo a 2-3800, 3$ e
355OO, ditos finos a 4$, ditns meias ra7errira a
35300, 45 e 55, ditos ratemira saceos a i5: ". 85
e 105, ditos sobrecasacos a 10 e i25, ditos de pan-
no saceos a 65, 85 e 105, ditos sobrecasacos a 125
e 255, ditcs de merino pret" a 65, 75 e 105, ral-
cas de brim de diversas qualidades a 15800 a 45.
itos brancos a 25500 e 6500, dilos cazemira 55.
c'5 e 75, dilos prelos a 35, 05, 85 e 105, dito?
meias cazemiras a 35 e 45, coleles de diversas
qualidades, seroolas francezas de algodio, ditas de
linho. ditas de bramante a 25 e 25500, carnizas de
algodao de linho francezas de 25500 e ;5- Gran-
de pecbincba neste gener i, grvalas de todas as
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe- qualidades e brancas para casamento, grande sor-
rola e dourados tmenlo de meias para senhoras, ditas para homens
\linp|p Ainnetes para gra\atas. Um Cn)|1|et0 sorll,1;i,,,, de cna.los de ?o) do
JJOtOCS COm Croas para punhos. alpaca a 35, ditos de seda a 55, 75, 105 e 145,
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto, dl,us francezes para cab ga, grande sortimento
tanto para homem como para senhora.
Loja
da boa f na ra da Iroperatriz
n. 74.
Veudern se coiheres de n.etal principe para cha'
a 25 a duzia.
Unas i^ra sopa a ijUOO.
Pacas e gaifoM de cabu de halango de dous fco-
tes a fiZ'ji O h tinr .
"i ... (rji.l .1 55500.
Dit"..- de-'Ka^s ra'vad -. orlas e '.ranea- a 35
a duzia.
<;ai\ 1 con 96 nvelos linha de nsz a 700 rs.
Toouras linas para costara a 300 e 500 r.-., e a
15000.
Resma de papel almaco a 256C0.
Uilo greve muitu bom .1 1)5200.
liaralha de. cartas francezas para voltarrte a 240
e 280 rs.
Jogo de vispora a 300 e 800 rs.
Knfeites para cabera o mais moderno que ha a
25O0O.
Pentes muito finos com costa de metal para
peno-ar a 500 rs.
Meias ernas para homem moilo enrorpadas a
240 rs.
Aiiotcadura de fiysial p;ra collete a 500 e 15-
Kltas de coz com 10 varas, de unr dedo e meto
de largara a 440 rs. a pfca.
Liga para atar meias 100 rs. o par.
Pares de sospensorlos a 160 e -J10 rs.
tiraatas de seda pretas e de cues a 500 rs.
Ricas golinhas conr pnnhos para senhora a 15-
Luvas de lio de Escocia, de cores, para homem
a 320 rs. o par.
Carrettis de liaba de Aiexandre de n. 80 a 200
a 100 rs.
Gaia i!e borracha p?ra hiinqucdn de menino a
100 r?.
Uaixas com clchete* muito bons a 40 e 60 rs.
Ditas m lamparlcas para 3 meros a 40 rs.
Ditas com obreias trui>" ocas a O rs.
Fivelas grandes para cintos de diversas qoal na-
des, lilas para cintos, ditas de velludo, trangas de
cores lisas e do caracol, bicos e rendas, volir.: ii.'
aljofares, ditas pelas a halSo, e nm con pelo 51r
tmenlo de miudezas que te fsta1 liquidando 1 di-
nheiro.
Vestidos
rechincha admiravel.
Grande sortimento de chambres a 45000 e 5s,
lenges de eambraia para homem a 5 a duzia, di-
tos de linho a 45 e 55-
Grande sol lmenlo <:c roupa para meninos e oo-
las qualidades, assim como chicotinhos. tras nanitas qualidades que seria enadcaho raen-
Riquissimos penlcs de tartaruga do ulti- CIODa-|as-
mo gosto; assim como de arrecaco para D are(les ortot
menina, pois neste artigo ha um congelo grScolo tZSVuVSi SFi
Riquissimos aderegos pretos, assim como
caixinhas com a finetes pretos.
Bei ::;dias de canna com cabo de marfim.
I 13 de baleia, borracha e de outras
f"rehincha sem i^nal.
Ch'-gou a loja de Paredes lorio um bunilo -or
limento de vestidos de lartalatade cores e branca:
que serve para partidas por ser un.a pbantasia m-
leiramente de gosto pelo barato prego de 45 o
brancos a 45500. psiio acabando-so : no armazem
da puta larga ruada Imperalrz n. 52,junto
daria franceza.
Cortinados.
Oegnu a loja de Paredes Porto um rompieto
sortimento de oriuudo; ricameole bord dts a
prego de 255, 355 .- ,55 : na ra da Imper&triz
n. 58, porta larga junto a i adaria franceza.
Ricas rcmeiras.
Paredes Porto recebeu pele altimo paquete um
sortiiiH-uio de romeira de guipure pretas e dt fil
a prego commodo : na ra da Imperatriz n. ':,
porla larga junto a padaria franc ta.
(ra de pchinchfi.
Cortes de 15a escoceza entestada para vestido
fatenda i!e 500 rs., est se vendendo a 80 '110
rs. o rovadn na ra da imperatriz 11. 52, 1. .
porta larga.
MWM fe..
Curtes de laa escocesa para vestido a 35 u '-
le: na ruada Imperatriz n. 52 loja ta porta .1
ga, junto a padaria franceza, esto se acabando.
Mama I
do
Cid i da o
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabera do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas pretas com vidrilbo e de cores.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodao.
covado, estao ac.ibando-se, eambraia prea para
luto. Porta larga junto a j adaria franceza, a ra
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete es part Ihes a pre-
guignso por 35, sao bons, lencos de seda para se-
nhora e hornero a I?, ricos cortes de eambraia
bordados de 18<; a 7t, por ler um toque de mofo,
Vende-se o Manual do Cidfdo pm m
Governo Representalvo ou principios te
Din-ito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinl iro
Ferreira, em 3 vulumes broxurados por 5
Suspensorios de seda ede algodao emui- e^o se acabando, na ra da Imperatriz n.5-\ jun-
. ... ln 9 tiubpl-j rr-inca-?-,
tos outros objectos que se nao podem an-
nunciar por nao se tornar enfadohho.
S no Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
ct.da obra : na Iivraria 0.
Independ ncia.
DO DR. AYEH,
pn
M,
Da-se 255 de aluguel por urna preta de jilllan"
q1& conducta, que seja boa cosinheira e que sai"
... :.:-;r miisservigos de caza familia :ea 1 La do
l'ilar .3. 6, sobrado encarnado.
Jufio da Silva Ramos, medico
pela universidaie de Coimbra, d
cot^ultas em sua casa das 9 as
I i oras da manha, e das 4 as r.
c tarde. Visita os doentes em suas j
easas regularmente as horas para
uso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serio soccorridos em
qualquer occasiSo. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha, /
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
q.,.-r doente, ainda mesmo os alie-
nlos, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3(5000 diarios.
Segunda dita....3*500
Terceira dita .2,5000
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servico6 que
tem prestado.
O proprielario espera que elle
continu a merecer a confianca de
Frjue sempr* tem gozado.
Esponjas Unas grandes e pe-
queas.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 1G.
A antiga loja de mitidfzas na ra do
Queimado i, 1G, acaba de receber:
Novas e bonitas guarnicoes pretas para vestidos e
SlUUel Per JohllSlOIl& Companhia B.cTTseKrancos e pretos com vidrilhos, e
Ra da ^enzala Nova n. 4. differeotes larguras.
agencia da Trangas pretas com vidrilhos.
Fiiudi^ao de Lov .Uoor. Casearrilbis de seda de diversas eores e moldes
Maflhinas a vanrir dp ipil pavallns ^ novo#; oulr;s eofeiladas com bcos de seda-
tenas a vapor ae e o cvanos. Babadinhos de seda.
Moetidas e meias moendas para engenho. Trangas hrancao de seda para enfeites.
Taixas de ferro coado e balido para enge- Bonitas titas brancas lisas e lavradas; ontras de
nho, cores tambem lisas e lavradas ; outras acbamalo-
tadas para cintos, largas.
Fivelas grandes de ago, douradas, madreperola e
tartaruga.
Bonitas ligas de seda para senhoras.
Leques de sndalo o outras qualidades.
Lindos o delicados enfeiles para bai-
les e passeios.
A antiga loja de miudezas na ra do Qaoimado
n. 16, recebeu novas e lindos enfeiles para bailes
e passeios, lodos de muilo gostu e inlelramente no-
VOS, variando o prego deles roofe' me a superiori-
dde : os pretendentes os acharo em dita leja, na
ruado Queimado n. 16.
Huas capellas para noivase
meninas.
Achanwe venda na ra do Queimado. loja de
miuoV.'.as n. 16. V_
Bonitas (euquinhag
de fil e eambraia, bordadas e enfeitadas : ven-
dem-se aa ra do Queimado, loja de miudezas nu-
mero 16.
Lonetos eje dous vidros com are de aro, bfalo
e tartaruga.
A lojajde miudezas, ra do Queimado
n. 16. n.wbi'ii um bello sortimento de lo-
Arreicsd carro para um e dous cavallos.
Relogios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarogar algodao.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Ordena erceira da penitencia.
Foi_nos lo agradavel e applandimos tanto a
opiuiau do irmo prevdenie, no seu annunio in-
serido no Ukuo de Pernambuco quanto a obriga-
g.io de fazerse a prorissao de cjnza, que nao po-
demos deixar de vir ao prelo palentear nosso rigo-
sijo, arressenlando mais, que o acto da procissao
tao necessario e rerommendado pelos nossos os
tatutos, que teosles fulminam a pena de seis li-
bras de cera ao irmo que deixar de o acompa-
nhar sem motivo justificado. Ora, quando a nossa
igroja acha-se em obras faz-se o festa de A". Santo
Padre com pompa, e assim outras festinhas lili.....
Perguntamos porque nao se ha de fazer a procis-
sao de cinza, que um acto que nao demanda se-
nu de urna decencia propria de sua veneragao,
visto que o sen lim somenle a recordago Oo in-
troito do lempo quaresmal : perianto ludo mais'
1 sao evasivas que nao convern mais deixar pasear
ero silencio. Insistimos e pedimos ao nosso charo netos e Ofllos de vidros com armafo fina de
iranio ministro que d as providencias e faga o ac, bfalo e tartaruga, e OS esta vendendo
acto, oo va' atraz de certas sereias, e cumpra a por precos razoaveis : OS pretjndentes diri-
\->
G4Z.
No armazem da ra do Imperador n. 3 ou no
Caes de l'edro II n. 2, tem para venderse o me-
Ihor gaz existente no mercado.
Chales de renda
Paredes Pcrto. na ruada Imperatriz n. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
no toque de mufu, a 3,5500 e
e 125000.
4, fazenda de 10J
Vende-se a 55 o barri
armazem de assucar.
Cal de Lisboa
na ra do Brum n. 66,
lo a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende um cmplela soi lmenlo de fazendas
brancas, como sejam madar;olo a 'i55oo, :, e
10-* picas de algodao por barat 11 reg, chita ran-
eexa a 24o, 280. 320. :io rs. o covado, preealias i
muito linas a 360, 400 rs. o covado, chita iogleza
a200e240rs. a covado. 15ua da Imperalrz n.
52, juuto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-se superior merino preto proprio para ca-
pas de senhora e vestidos a 2, lustrim da China
a 1800 o covado. liua da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porlo.
Vende em seu estabelecimento tiras e entremeios
bordadas, grande sortimento de cor| inhi S rica-
mente bordados a 35, 15 c 55. S o Paredes Por-
to, ra da Imperatriz na 52; poita larga junto a
padaria franceza.

1
o
...
...
Piano forte,
Gmd* aramm rfn hTlm .Acaba de chegar de Pars um lindo e elegante
uidiiut umazeni ae tunas. piano ferie de 3 cordas e 7 oitavos, vindo para
RA DO IMPERADOR N. 22. amostra e o mais moderno que aqui tem vindo at
O armazem de tintas nm iirande deposito de hoje: qualquer pessoa que queira possnir este
productos diimicos utensis e os mais empregados bom instrumento o qual se vende por barato pre-
e usados na pharmacia, pintura, pholo^raphia.tin- go, dirija-se a luja franceza da ra Nova n. 11.
tarara, pyrotechiniaifogos deartifJcio) e em outras f----------------------------------7-------i-------
"fiS em trse. Ju,. ,......d0.se I L ages pura ca leudas
rectamente as principaesdropanasdeParis, Lon- Uie?o grande quantidade de lages para cala-
dres, Hamburgo, Aover's e Lisboa, pode ofTereceer das e 'drilhos, vndas da ilha de S. Miguel: quem
productos de plena confianca esatisfazer qualquer Prender comprar, dirija-se a ra do Imperador
n. 26, a fallar com Joao Maria Cordeiro Lima, ou
na ra de Apollo n. 4 com o 8r. J.ao do llego
Lima.
encomrnenda a grosso tratoiQ-'ajetalho. por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas ppropriadas satisfar
com promplldao qualquer pedido de tintas moidas
a oleo,cuja qualidade pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas, Na loja de Andrade & Reg, ru 1 dn Crespo n. 8,
i que se enconlram no mercado em latas fechadas, esquina da rua do Imperador, continua a vender-
Tem grande collecgao de vidros de diferentes se superior algodao da Baha por menos prego que
formatos, desde urna oitava at dezeseis ongas de e^n outra qualquer parle,
capacidade ; de vidros para vidragas e diamantes
ALGDAO DA BAHA
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
rtopriedade e outros; de papis dourados e pra-
peados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
para embrulho, para forro de casa, para desenbo
com fundo j feito; de papel albumnado l.e Bristo
le, <|uc lera' defesa sempre prompta e desente-
ressada.
O rmao lercero.
COMPRAS.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effectivamente escravos de ambos os sexos :
roa do Imperador n. 79, terceiro andar.
1 Compras* ouro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas; na rua da Cadeia do Recife,
cja de ourives no ;rco da Conceigao.
jam-se a esta loja na rua do Queimado n 16.
Vende-se urna roobilia de amarello ja usada:
na rua eslreifa do Rosario n. 17, 2a aodor.
Vpode-se um sitio em Bemfica a' margem "do
rio Capibaribe, com bastaotes commodos para urna
grande familia : trata-se na rua Nova o. 24, das 9
horas as 4 da tarde.
A *40 rs. a botija
Tinta preta para e vende-se oa rua das Cruzes o 41 A, taberna da
porla larga.
Na refinaria da Concordia n. 8 vende se mel
de purgar assucar ou de furo, n ais limpo do que
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-se na praga da ln lo que vera dos engenhos, caada a 600 rs., a gar-
dependencio n. 22, loja de burieles.
IMappa-iuundi-planisphei-icu.
Na rua do Livramento n. 19 compra se u'm map-
pa-planispherico.
ffi Comprase carosso (sement) de algodao : no
na armazim de algodao de Saunders Brothers & C,
no caes de Apollo.
Precisase p urna ama que^tenha bom le- Compra-se ou aluga-se uma escrava, pagXse
te anta w bW na roa Direil t 8i 'obrado de bem agradando aa C'punga, ru das Crioulas
oi^ndar. Oumero 3-
Preisa-se por aluguej doas escravos
rua daCraz do Recife n. 35.
rafa a 120 rs.
Rap Oasse e paulo Cardeiro.""
De agora por diante os apreciadores da boa pi-
tada acharAo coostanlemente rap Gas e e Paulo
Cordeiro : na rua do Queimado loja de miudezas
n. 16.
Algodao (rancado'dr Babia
. Chegaram alguns fardos da fabrica FernSo Ve-
iho para ser vendido 600 rs, a vara: pa rua da
Cadma n i
Gaz idrogeneo primen a
qualidade
Na rua Nova ns. 20 e 22. no grande ba-
zar de Carneiro Vianna.
?x;ts' aatars; sss 5553 gSs sraS^
espirito para madeira, copal para o interior e ex- ^ininrio- '
teiior; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linhaga _li_-----------------------.______________
clarificado, oleo de toiele, secativo de Harlim, ouro ~~ Vendem-se superiores presuntos de Westpha-
verdadeiro em p ; prata, ouro, e estanho em fo 'ia> chegados no uliimo vapor: na rua do Trapi-
Ihas de varias cores ; tintas vegetaes. inoffensi- cne 9__________
vas proprias para confeitaras: laa de cores, e Vende-se um cavallo roen pedret com 7 Pal-
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos e mos de allura muito bom de cabri,let : na rua da
telas pata retratos ; tintas em pastis e em p pa- Soledade n. 19.
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, d ne-
roly.jasmim, bergamota, aspice, patcliouly, mbar,
bouquet.lmao, alcaraiva, melissa, ortela pimenta,
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
ans da Roana, cauella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s com a vista poderlo ser mostrados, i
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
Tomada de Pavsandu' c Montevideo.
Coru este titulo ataba de chegar de Pars urna
Pechiueha
ewais pec/rincha
PI1HO
Tabeas americanas rom |ialmo e a>eio de larcu-
l.nda phantasia militar para piano, composla por ra.com pequeo toque de varia, a 80 rs o p :
SM1!! r|S fTpPfI': achaff a venda a no r,P 22 rtp novembro n. 24, a.mazem de Paulo
2* cada exemplar : na loja franceza da rua Nova j05 Gomes & Mayer.
I*\I \ '. < CRA .!: 11
Xa iU : '.:- i> i ,
e .; r...* ,i
isi i.
> |uelucl
Est? : \
tado de I ,'
por los prln iros ii
Ai..cric;: >. v ; .
enca lulnudosi ium pria
hospltae do ntundo;.,: ti & .;.- lo ; I nUdi icto
j di rte scalo na raa clnica particular pori llano
' confianca^ i". /'"'* w r fj .:. alcancando com trv ceri
ivi ,i usento da molcatin e arrancando lite aa ral .. -na
. dandoaoe oryroaaflectadm ama aeco natnr /'-
ser ini< iptica ol
oh $cxo,uo liomem rob
eada frasco lendo aceompanliado -\k- dlrrecf
. mtmt por u ser ...-..?
ico ou phannaceatlco pWe obter a formula d
dirignUo-t-* pessoalmentc ou por caita ao aj
Laxe, a roa Dlrelta No. 15. lo de Janeiro.
Ifnitofl onso-- que tinhao Eombado - re <
*la sciencia tem sido curados radicalmente i on '
Pcitoral de Cereja.
A- ]>o.so.is atacadas de totte, deflnxoe, Diir i 'a
BroHchite, asma, He, e ontros -^vniptomas dn ta
ra gcralmcntc fazem jioirco caso do seu podecimento at
que Mrja tarde para CUro-lo. N5o deseuil.i- d' un .'
ponpie agora parece de pouca importancia ; ; ...
descuidada clicgn a ser chronica o indii a l'orniaco de
Titbemtftis no pohiidos.
Ncnhnma casa de Gunilin d ve estar sem Va .--i
dente saropc i mi; pois nos ataqnea rcpcms do
Angina, do Civap, o nos paroxismos do ou
imprla a que os:ar> ( ,) \i.'< ru n li
lempo de chamar um medico, ncm do faxcr
este xaropc alivia nimediatamentc c pc <> lilho ijucrido
silo c salvo, ljra ilo |>crgO.
As molestias que esto o ideonoo das virtudes curaiva
d PEITOUAT. Di: CEHEA ao
Defluxos, Tosses, Asma, Esquinencia, Bron?hite.
Coqueluche, Tosse ferina ou oonvolaiva.
Boquidao, Todas as molestias do peito
e carpanta. Consump.;.io des Pul-
mes ou Tisica pulmonar.
Acha-se cin todas u BottaM e Drogaras do Imperio.
Pilias Oatharticas do Dr. Ayer
CUBAO
Prlzao ite ventre, JmUycnto, Constiparo, BAH-
luatisiuo. JfcmmorrJtoitlfts. I>or de eaherar A Xcvrat-
gia, mal dn rutomarjo, ICnjraijueea, mal do 1'iijado,
Gatirte, Febre gaatro-lie>atca, Lombrinaa. ISrysip-
ella, llydroptla, Jncrimento do baro.
Todas as molcs'Jus que
Quinino.
provvtn do uso excessivo do
Queijos do serta
Vende-se superior queijo do sertao : na rua da
Madre de Dos, armazem junio a ipreja.
Ceblas a 500 rs. o ceuto.
Na rua da Madre de Dos n. 9.
de
Brides de Ipojnca
Vendem na rua do Queimado n. 32, Azevedo &
Na praca do commercio n. 4, escriptorio
Jos Mara Palmeira, vende-se :
Cerveja Bass, verdadeira em botijas, chegada lrmo
recenlemente no navio inglez Anne Ka y. i -^^---------------------------------
Biscouto inglez muito fino. .Noudade.
Bolachinha hamburgueza nova cuja qualidade Chegaram os bonitos chales e retondas de guipu
ja aqui nao vem ha tal vez 2 annos. | re brancos, e vendem-se na rua da Imperatriz n.
- Vende-se a fabrCft~dTcharotoS e cigarros 52, '>! Porl> larga, de Paredes Porto.
da rua do Aragao n. 32, bem afregnezada : a ira- Cal de Lisboa
Ur na ras dos Coelhos u. 3] \ Na rna do Vigarlo n. 19, andar.
0 mlhor purgante at hoje conhecido.
Eslas pilu/us assucaradas sao puramente vegitats.
PTTRGAO PDRIFICO SEH MERCURIO.
A venda em todas as Boticas c Drogaras do Imperio.
ASENTE 6EKAL,
H. II. LAE, Boa Direito No. 15,
Rio de Janeiro.
Vende-se em Pernambuco:
na
*
PHARMACIE FRANQAISE
DEP.MAURER&C'f
es
el
1
I i
.-i
i ii cnKia Ir



D
arlo de Pe-Bambuco linaria Irlra de Dezeutbro del.
HB
N. 11Ra do ueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegarara pelo vapor rancez ricos cortes de
vestidos de seda de cores dos mais bellos gostos, proprios para bailes,
partidas ou casamentos.
Cuales de Guipure pretos e brancos.
Bonets de pala da Italia para senkoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Casemras de quadros.
Esteiras da India para salas.
Madapoloes francezes a 400 e 500 rs, a vara,
Las para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos mais commodos precos.
CORTES DE SED A
Chegaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreantique da cores, e seda lavrada pa-
titos inteiramente dovos.
Seda de quadros por 1#000 o covado
5-RA DO CRESPO-5
Gregorio Pac? do Amaral A Conipannla.
FAZENDA
Para vestidos de senhnra.
Cortes de seda de cflr de bom gosto e superior qualidade.
Luidas sedas de quadrinlios.
Bi'iis moireantiques de cores.
Groatemples da todas as cores.
Lindos poil d chevre faznda assetinada de inteira mvidade.
Lindas duquezas assetinadas fazenda inteiramente nova.
Moderos tfreaa.iinesde seda oque tem vindo de mais novo.
Grande variedade de las de cores lisas e de salpicos.
Orsa-idys e ca sas de muito bom go*to.
Percalias modernas com grande variedade.
Linios -rtes de la Clotilde com todos os pertences cadaum em seucar-a
iSn inieinmente novos. $&
B'ins cortes de casss con barra tambirn nleinmmte novos e outras muitas y-
jfazondas de gosto que sena enf.donho mencionar. gu
Para hombros de stmlio-a *P
Grande variedade dechales, boirnoiu. retundes e algeriennes de fil e.de
guip:ire a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 800. ffik
j-s Modernos soutembar pies de seda de superior quilidade.
$|j? Luidos bertes de seda de cor pretos e de cachemira.
B- Mei da ca nbra'n branca b rdida com muito gosto.
Santembarqo.es e bournoux de cacliimira de cor e outros muitos artigos de^
-bom gosto.
Para, cabera de senhora j
Superiores chapenas de palha, de seda e de crina de muito bom gosto a im-
p ratriz.
Chapeos de pdha da Italia grande variedade.
L'o 1 is gorros e bonets de palha de Italia, Imperatriz, Canutier,
e a GranH, chegados de Pars pe o ultimo vapor,
i i an Id variedade s qieri iros v 'stidos de blon le. e de moireantiq e brancos.
H >ns n "ireantiques branc is e s iperiores sedas brancas.
\ Bus vestidos di taiatana bramo bordidos.
J5 Lindas mantas de bbnde e boas capellas.
Ilordi loo.
firandfl variedade de ntremelos b o-la los transparente e tapados.
Tas b irdada* transparentes e tasadas, babados bordados, satas bordadase
outros muitos artigos.
CORRRU lB VAS ONCCLLOS & C.
Clotilde^

liOjr \
DE NTONIO
rla no CRESPO \. i a
A
js-x. !
*s
Bichas de Hamburgo %
- *'"

todos os paquetes di Europa se ivcebe
v'. testas amigas do sangue humano e se
Q vendi'm a troco de pouco lucro s afira
fsg de ter sernpro rousa nova : a loja de bar-
vL beiro ra estreila do Rosario n. 3, ao p
j& da igreja.
i.
m
mimm

X>3
COIarcs Royer on colares ano-
dinos
para facilitar a deutico das crianzas e preserva-
las das convulsoes.
O feliz resultado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de convulsoes, e dentico das crianzas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
ehojej se pie di7nr (jue esto geralmente con-
ceitnados, e estimado! de innumerave.is pais de
A ..ma florida de Murrav & Lanman familias : de uns poroue do uso d-sses salutares
.' i__r _s colares viram salvos do oengo seus charos fllbi-
,...iada Como um artigo de perfume, nao Dhos, e de outros porque colheram daqoellesto
tem podido se-igualada pelas prep:irac5esi proficuo exemplo para igualmenie preservar o
as mais CaStOSaS: conserva seu aroma, CO-: seus. Asim, poU, aguia branca, tendo em vis-
MRRAY & LANMAN
mo se l'iiaias.e parte da prenda a que ella
se appli' a.
Su: eficacia tao delicada, comoelegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada cono artigo de toucador, qur
ni aso do Imiho, ou como suavisador da
pille, depois que se ten ha feito a barba;
ja para I impar as gengivas ou aromatisar o
balito.
i>a suividade, brilho e elasticidade as
compleifes, deiois de se liaver lavado; al-
iivia a irritaro de -nipcoes ordinarias ; faz
ric.-a|ip:-recer o esacradavel aepecto dos
p unos, das sardas, do rusto, rugas e toda a
casia ue rbulicQeSi e d vigor e frescura a
parte onde quer que se apptioue. Sua efiB-
cioticia e elegancia sao igualmente mfalli-
is iioseasus em que >eja preciso applica-
J.i como estimulante e antisptico, nos con-
Ctlisos e a>seuiblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
Bermo, asim romo um antidoto excelen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou sutfocacao
tas a utili'tade e provpit desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandau vir o novo sorti-
meoto que agora receben, e continuara a recbe-
los para que em lempo algum a falla delles possa
ser funesta ao< pas de familia, os quaes Oca rao
certos de os actiar constantemente na ra do Quei-
mado, hja d'aguia branca n. 8.
VenoVm-se dnas t-scravas recnlhi'las, de ida-
de 2:1 a 2i annus, excellente conducta, engommam
perf-'itamintc e fazem todo o servico de urna casa :
na tiavessa do Carmo d. 1.
Vendern-se quaro burras muto mansas, boas
de carga e de seila, por preco commodo : a tratar
no hotel de Franca.
Machinas prir;i descarotfar
algodao.
De novo toodello : na ra Nova n. 20.
no grande bazar de Antonio Duarte Carnei-
ro Vianna.
n. 24, priraeiro andar,
superior que tem
Na roa do Vigario
venderse o s>ininte
Caf lavado do Rio do mais
vindo ao merrarto.
Gomma Epeiras de palha de carnauba muito grandes e
Preparada nicamente por now.
Lanman & Keinp, Nova York, e a venda por
Caors 4 Barbosa.
Jo5o da C. Bravo & C.
Deposito t?eral em Pernambnco roa da
Cruz a.tt em casa de Caros & Karbozi
TV
ana nado
Francpz barric 5*000
Portlaod dem 8*500
Em perfeito estado:
FrancM harrica 10*000
Portland rdem 12*000
No armazem deTasso Irmaos caes do-AjwHo.
Cabezadas enm dus redeas a ingleza, manu-
factura nacional da provincia do Oara, as quaes
pela elegancia e bMHMtorii da ohra, convhfam os
amadores da bella montana a arreiarem seus ca-
valles com eleganea, Mndo ju, em consecuencia
da morlicidade do preco ninguem deixara' de
comprar.
Gomma de milho brancoamericao.
Esta preciosa fi'iila, enja^ pro|irie1ade9' medi-
ciii.es .i impreiisa eiiro|>a tanto tem exaltado pa-
ra a cura da* mol*-las do peito, recommeoda-se
tamhem como amenio sadio e nutritivo para as
cranos presiando.sp a vari idos paparos culina-
rios. A geral ac^itaijao que ella tem obtido por
luda a parte, o seu mator elogio. Deposite em
Pernambnco rna da Cadeia n. 1.
Vendesennieameiue a remiti na ra do Impe-
rador n. 57, annazem allianc,a.
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de precos,
tanto deste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Carmo n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
lenbes, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
oraraoi os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todo* os seus estabeleci-
toentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
tnos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os geueros
por um preco, e na occasio da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
anda inesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tam .em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
oela qual se ver os precos tal qual anuunciarmos, o que senao arrepender pessoa
aiguma que 6zer sua despenda em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cetito na sua despeza diaria.
mvTEKa
Manteiga i gleza perfeitamr.nte flor che-
gada ltimamente de l.oooa l.loo rs. a li-
bifa, eem barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a liora e em barril ter abatimento.
BANIU
Banba refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
csii
Cb uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o melbor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porco ter abatimon-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Rlscoiitos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a 1,2oo rs a lata.
Botaehiuhas
Latas com nolachinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,000 rs. a lata.
dem com'quatro libras de bolachinha de
soda a 2,000 rs a lata.
Serveja
Queijos
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers A Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,000 rs. a mzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeie doce
Superior azeite doce de Lisboa a 61o rs. a
I garrafa e a 5,000 rs. a caada.
Momos
Macarro e taherim a 360 rs. a libra e a
i 5,ooo rs. a caixa.
Passas
Superiores passas a 3,ono o quarto e
112.5oo rs. a caixa de arroba hespanhola e a
! 5oo rs. a libra.
GEVEBR4
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
I du'/.ia e 1,00o rs. ao frasco.
Genebra de Hollan la verdadeira a 6,000
re. aftasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de llollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
1 Hollanda a 8,000 rs. o garr.fo. Tambem
ha earrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a 12,ooors a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,800 a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHABUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Joiio Furtado da Serrias,
Manoel Peixoto da Silva Nelto, Castantio &
Filho e Brando e de outros muitos, os
quaes vendemos pelo mdico preco de I.600,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caua
Licore
Licores francezes e p rtuguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doce
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixes para cima
a 64o rs. o caixo.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera.pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a o> s. a lata.
Tambtm ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Magias pelo ultimo vapor
Ameixas pelo nltimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Fiaos pelo ultimo vapor.
Frurtas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos lotidrinos pelo uhimo vapor.
Queijos flameiiKOs frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ul.imo vapor.
Tudo se vende barato n< Rna do Imperador a. to. Terdadelro Principal.
Rna do <|nelm>dlo n 9, i'nlfio e Comnierelo.
Largo do Carmo n. 9, Progresslro.
Queijps flamengos chegados no ultimo
vapor de 2,6oo a 3,ooo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a 1,000 el,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra
e portuguez a 8u0 rs. a libra, em porco
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro. Maria Pia, D Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,000 a garra-
fa e 9.000 ala 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ancuretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs, a garrafa e 3,2oo a
3,5on a caada.
aixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vintio Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
CtFE
Caf do Rio de 1.a e 2,* qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
Minio
Sabo maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
em caixo.
CONSULTORIO MEDICO-CIRUW
DO
OR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
HCVICO, PARTEIRO B OPERADOR.
, 3Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos osdias das 7 s 11
loras da manho, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcao dos dias santificados.
Pharmacia especial komeopatkica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precos seguintes:
Carteiras de 12 tubos grandes. 12iJOO0
> de 24 tubos g. andes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
> de 48 tudos grandes. 305000
de 60 tubos gran Jes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
rae se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopatbico do Dr. Ja' j.
dous grandes volumes com diccionario............ 20000*;
Medicina domestica do Dr. Hering........... 1000o
Repertorio do Dr. Mel Moraes............ 60000
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedios deste estibelecimento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto de seren novamente recnmmendados as pessoas que qui/erem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, nolaveis pela sua boa conservacSo, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e portanto a maior
energia e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para, escravos
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, p ra o que o annunciante jnlga-se sufficienteroente habilitado.
O iralimento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se n3o
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se20 por dia durante 60 dias e d'ahi era diante 10500,
Asoperaces sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
LOJA
Baloes econmicos.
DO
BALO
Baloes econmicos.
A' loja do Balao.
Estes baloes sao encarnados e por is-o que merecem o nome de econmicos,
pois como todos sabem, a cor encarnada nao sugeia ao sujo como os brancos, e tem
tido preferenca a todos os outros, ha tambem com os arcos brancos e pardos; final-
mente ha um completo sortimento deste genero indispetsavel ao BELLO SEXO.
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Recife, esquina da Madre de Deus.
DE
CUSTODIO CARVALHO C.
il RA DO QUE MADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
100000.
La de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco Ue 800 rs a vara.
Lencos bra eos para algiheira a 20 00 a duzia.
Fin s perclaras a preco de 4i0, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos coates de la de barra de 100 a 300000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.

Grande novidade.
I Loureoco Pereira Mendes Guunare?, proprie-
lario ila grand*1 loja e armazem da Arara, ra da
Imperad iz n. 56, declara ao respeiiavel publico e
seus freguezes, que r-cebeu diversas qualidad-s
de fazpwdas viudas pelo vapor fra- cez, por is>o
como a festa esta quasi acabada resolveu vender
barato para acabar al o fin Id anuo.
A novidade, chales de reada a 105000.
Yendem-se rices chales de renda minio finos e
novos a 10,5, 125 e 155, retundas multo finas a
HA e 155, >outembarqui'S de gn.sdeiiaple a 185,
205 e 255, 255. soub-inharques de lazinba a 5fi, ditos bran-
cos finos a 85 : ra da Imperatriz, toja da Arara
n. 56,
Cortes a Maria Pia a 85009
Vendem-se ricos corles d-- ve tido de cambraia
bordados a laa e serta a 85 e 105, ditos de lazinha
linos a 89, 125 e 165. cortes de cambraia de ba
hados a 35, ditos de caa franceza tinos a 35,
Heas de cambraia branca tina a 35, 45. 5*e 65,
dit.s do cambraia para torro a 25, c res de chi-
tas a 25200 e 35 : ra da Imperan i', loja da Ara-
ra n. 56.
Cassas franceeas a 300 rs., chitas a 2i".
Vendem-se cassas francezas iua^ a 30o, 320 e
360 o covado, chitas finas a 240, 280, 320, 360 e
400 rs. o covad.., alpaca de eor para vertidos a 320
o covado : rna da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Laazinhas a 210 o covado.
Laaziuhas a 2W, 320 e 360 o covado, ditas lisas
finas a 400 e 500 rs. o covado, ditas escoeeza* fi.
Has a 500 rs. o covado, lencas de seda a 6'i0. 800 e
15 ra da Imperatriz, loja da Araia n. 56.
Baloes a 2S 0.
Vendem-se baie, a 25, 25500. 35000 e 35500,
saias bordadas para senhora a 75. goiinhas para
senhoras e meninas a 240 f 320, camisinhas para
senhora a 15, 25,_ 35 e 45 : ra da Imperatriz,
loja da Amara u. 56.
Koupa feila, cairas 25000.
Vendem-se caigas de briiu pardo e de uanfra a
25, ditas de hnm branco a 25500, 3i>W0 e 45,
rt tas de ca>emira decores e preas a 55. 65, 7 e
85, paleto!* de casemira a 55, 5. 85 e 10, ditas
de hnm de cor a 25 e 3, de alpaca preta a 35 e
45, camisas francesas a lM0,Sa 25500, ditas
tofrm*, presas largas, a 35500 e 2550U, ceroulas
a 15600 e 25, e outras muita- toteadas que se nao
porte mencionar por estar muito oc.cupado, porm
com a vista do comprador observarao o que ba-
rato e bom, isto para agradar aos seus frageles
que honram grande loja e armazem da Arara,
ra da Imperatnz n. 56.
Chalos de merino a 2*0o0.
Vendem-se chales de merino estampados a 25.
ditos de laa a 15 e 15*80, chales de merm mu-1
to finos a 4a, 450) e 65500 : ra da Imperatnz,
loja da Araran. 56.
Hom e barato
Manteiga ingleza flor a 15 a libra, franceza a
840, arroz do Haranbo a 100 rs., patuco a 120,
amendoas a 24o, caf do Rio tumi a 240, vinho da
figueira a 400 rs. a garrafa, e 35 a caada, Lis-
boa a 3 0 a garrafa, e 25*>00 a cnada. azeit- doce
a 600 rs. a carrafa, vinaiire de Lisboa a 200 rs. a
garrafa, e 15500 a caada, queijos do ul iaio vapor
a 2s300 : na roa das Cruzas n. 24, esquina da
travessa do Ouvidur.
Luva8 a loja de mindezas na ma dn Queima-
do n. 16, resebeu-as por este ultimo vapor,
Rival sem segundo
ftua do Qoeimado ns. 49 r 55, loja de
nimdezas de lies portas, est qaei-
Ui.-itHlo tudo Imiii e barat-, que ni qui -
ier ver e admirar veuliaiu loj do
BiiiO'iitilio.
Caixas de papel amizade, e sem ella lisa e pautado
a 600 rs.
Grozas de bo:5es de louca prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Dozias de penna de ac fazenda boa a 40 rs.
Pegas de tranca de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas flnissimas para limpar dentes a 240 a
320 rs.
Pecas de fita de cs estreitas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles francezes, snperiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Peinas de cordo para vestidos, fazenda bo3 a
20 rs.
Baralhos muito finos para voltarete a 200 a
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de macaba perula muio tino a 200 rs.
Frascos a garratinhas com agua de Colonia a
10o rs.
Frascos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Canas com 12 frascos de ebeiros muito finos a
15400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Uuza de sahonetes pequeos coro chairo a 700 rs.
Agua dentifice superior qualidade a 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
15200.
Frascos com essencias para tirar noduas de roopa
a 500 rs.
Frascos enm che! ros de todos os precos a 160, 200.
240 e 390.
Frascos bonitos com eheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a
45800.
Gollinhas mnito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chombo para meninos a
160 rs
Peca* de fita de la para debrnm de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos snperiores, para acabar a 600 e
800 re.
Pedras de lousa para meninos a 160 r.
Bu ecos de choro e pao no a 160 rs.
Caixas enm boDiU'sestaa'ipas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a -tOO rs.
Grosas de boioes pequeos pretos para calca a
100 rs.
varas de cordSo de espartilho a SO rs.
Novel los francezes rom 20 jardas a 40 rs.
Peca de tiras bordadas a 640.
Dunas de meias ernas mui fortes a saperiores a
35500.
Aos 2,000 cortes.
Chegou a loja do Paredes Porto, cortes da laa
esencia para vest ios, 'que est vendendo a 35,
nihando a arando qnantidade : rna da Imperatriz
n. M armazem bem conhecido da Por! -Larga,
junto a padaria franceza. _____^_^__
Rr-n am barricas peqnecas.
Cera am velas de todos os tamannos.
Rupias
Mercurio.
Na ra do v ifario n. 19, prirociro andar.

S .
c
Jte?


1

I
Diarlo de pemjiinbuco Qua
9 NOVO GERENTE

O
i r-J "- __
S' -_, -aj wfc* m< a j S^ os X r
8* S.ff-i'8 H!5-5's 8"
3 w r a> 2. ;-73
o
Cu;
co
-o
2-
O CB
t4&i_rsHg
1_*
-Ir1
lillKKtl f .
a. o o>
si
5.? .<, 5.S.S!
eo ~j O
O
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
___! *\ HIDSlIIi 0)1 2'1 Mil. Bill
AO
2 o
8 *
8 I
p < 3
*~*T .
Bu
3- 9 9 >
II?
H
a ~~
AGIIA BRANCA
Ra do Uueimado d. 8.
Grande loja e armazem do
Pavao.
Roa da Imperatriz d. 60. de Gama & Silva.
Tendo os proprielarios d'este- estabeleximeDlo de A loja da aguia branca acaba de rectber um
liquidaren] urna grande porcao de soas (vendas, novo e grande sortimento de difTerenies objectos" ^;"'^'
al ao flrn do correte anno, afim de fecharen) con- de gosto e ultima moda, sendo :
tas e apurar diuheiro, resolvern) vender todas as Bonitos eofeites para senhoras goslos inteira-
fazendas coro grande abatimento em precos, taolo mente novos.
oq o 3 o
o ~-
B 2. 5-
o _. B
IfI
09
"I

O
2
o.
o
i gf

RESPEITAVEL PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe do grande arma-
cent da Liga estabelecido ra Nova d. 60 om magnifico sortimento ;de molhados,
<{ue sendo em sua max m > parte mandados vir directamente do esirangtiro'podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de qaerer que este novo e interessante estabelecimento seja o
pnmeiro e nico em seu genero, pde-se porm tancar, com toda a seguranza de que
aeunum outro o exceder no restricto camprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3." Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melliores queijos londrinos, cerveja, vinhos flnissimos manteiga e cb sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a cndilo do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquelles que sao ponco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
nnitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga o assucr, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os seobores de fra da cidade, dos arrebaldes on centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo sen proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhons que compram para tornar a vender existe um sortimento 'spe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tein poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DJM1EIRO A VISTA:
A ( Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALP1STA a 120 rs. a libra. j urna.
dem e painco de oito libras para cima a i*
n
c
i
Tasso Irraaos
Vendem no sen armazem ra do
Amorim n. 35.
Licor fino Caracho em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com rolhas d
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chamherlin.
Hermitage.
Borgnnhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol._________________
~0 castelo de Grasville.
Tradnzido do francez por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quati
tomos pelo baratsimo preco de 3600C
aa praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a .\. .
Amenuoas, casca mulle, a 280 rs. a libra.
AvellAas a -10 rs. a libra. \
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
manbos. \
dem idem em potes de todos os taqtsnhos.
dem i'lem em bocetas de todos os tama-
nhos. \
dem idem em frascos de todos es \ taa-
nnos.
Azote doce da primeira qualidade a 530 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 25000 a garrafa.
80LAC.HINHAS do Beato Antonio em latas
pande, e pequeas
dem do Principe Alberto a 15800 a I4ta, e
de cinco para cuna a 15700.
dem de so ia em latas grandes a 200100 e
de cinco para cima a ISsOO.
Bcaro- inglezes de todas as qualidac es a
16200. l:>23o 6 10300.
Bolo (ranee- em ca_innas a 400 rs. :aa
urna.
Batatas inglezas.
Bamia d porco reinada.
c
CHOCOLATE francez a 000 rs. a libra.
dem SUisSO a 15 3 libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Choomcas muito novas a 800 rs. a libra.
Cakk a -40 e 2 se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Cons-Ava- em fiascos a 320 rs. cada um,
g|o mnito novas
dem inglezas, frascos grandes.
m ai.nk de todas as marcas.
Cbahow de grosella, orchata,. etc., etc.
Chicaras e pires a 15*00 a duzia.
Ceuvbja da soperior marca Tenente a 500 rs.
agarrafa, eein duzia se faz grande aua-
tifii.-nto.
dem V iQioria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo seja m : Normas d'Havana, ExposicSu,
Flor do Brasil, Par siense-, Uelicias, Gua-
Mbaras, Trovadores, Hegalia, Missi.-sipes,
PatieU'llos, \praziveis. Varetas, Brasilei
ros. Americanos, Flumin. uses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos bysson, buxim, aljfar, preto, e
preto pona braaca, etc., etc., a 25000,
22"0, _50 e 2800.
Cope* lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
?dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 26500, 36500, i5 e 55.
Cauces de iodos os tamanlios.
Om.nac BOpenor a 15 e 15o0o rs. a garrafa.
GfS-MOB do Kio, pardos, a 80 rs. o mac
de cinco maeinbos.
KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa.
\.
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
Maumi:i.ada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a tO rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
J3oi.no ikglbz de todas as qualidxdes.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
00 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
36500.
Milho paitro e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas 'a 800 rs.
O
1
Osiras inglesas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a 15CO0, te
todas as qtialidades, como sejam save',
geras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadioha, lingaado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para (lentes a 120 rs. o maco __tO
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
Idem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 000 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QOARTINHAS OU MORINQDES a
II
RAPE' Meuron a 15 a libra.
Idem Prmceza do llio a 15200 a libra.
dem francez a 25300 a libra.
9
SABO massa a 100 rs. a libra, em caixa- se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25.
Sajumnha. de Nantes de todos os fabricantes.
Idem de Setubal em latas muito grandes a
72n rs.
Stearinas a 800 rs. o maco.
Sag muito novo a 400 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em laias a 60o rs.
Tinta azul e preta para escrever.
Vende-se um sobrado de dous andaras no
bairrode Santo Antonio, o qual rende para mais
de 1:2005, euma caa terrea no bsirro
Vista a tratar com agente Olympio em sea arma
zem na roa da Cadeia do Recife n. 34.
ew porcao come a relalho, e por isso prevtnem a
lodos os seus fregueies, e ao respeilavel publico, e
as pessoas que negociar em pequea escalla com
fazendas, que neste estabeb cimento encontraro
um grande sortimento que minio lhes bao de agra-
dar tanto em precos como ero qualidade.; as>m
como manriam pelos scus caixeiros levar as fazen-
das e amostras as casas das familias que nao po-
derem vir a loja, ou dao as amostras deixando II-
car peuhor.
1 a ni lira i as lisas a IJt'Oo, la loja do
Pava.
Vendem-se pecas de cambraia lia branca e
transparentes, leodo oito e meia vara cada peca,
pelo barato preco de 35500, ditas muilo linas, por
455OO, 55, C5 at 105, sendo tapadas e transpa-
rentes, assim como cortes de cambraia com salpi-
cos a 25500: isto so na loja e armazem do Pavao,
na ra da lmi>erainz n. 60 de Gama A' Silva.
As camisinhas do Pavo.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
das com manguitos, para senhoras, sendo as mais
modernas que lem vindo ao mercado a 45300, di-
tas com manguitos, para acabar, a 15 ; ditas pre-
tas com maojiuilos para luto a 15800 rs., mangui-
tos e golinhas prttas a 15, tinissimas golinhas de
cambraia branca bordada a 500 rs., calcinitas para
meuina a trio rs., romeiras de tilo e cambraia
branca bordada a 15600 : na loja do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
diales de merino a 25000.
Vendem-se ns mais modernas chales de merino
estampados a 25000 cada um, havendo tambem um
grande sorbmenio dos mesmus matizados que se
vendem a 65, 75 e 85000 : na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As saias do Pavo.
Vendem-se as mais finas saias bordadas asagu-
Iha brancas sendo da melhor fazenda que tem vin-
do neste genero, tendo mui a roda, pelo baratsi-
mo prego de 105000; dilas bordadas a crorh a
65100 e 850HO, dias com habadinhos a 95000, na
loja e armazem do Pavo, na ra da Imperatriz u.
60, de Gama & Silva.
Novo vestidos do Pavao a 105000.
Chegaram para loja do Pavao os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente com os
mais delicados bordado.- de diflVrentes cores a pon-
to de apulha, sendo n'este genero a niaior novida-
de que lem vmdo ao mercado, garantindo-se o te-
rem multa fazenda e enleite.- sufliclentes para o
corpo e mangas, e vendem-se pelo barato prego de
1050i 0 cada um, na loja do Pavao, na ra da Im-
peratriz D. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pavo.
RIVAL
Sfiltl MKUITXIM
Rui do Queimado ns. 49 e _>*.
Contina a vender iMtaa as miodezas que abano
declara por presos admiraveis.
issot de palitos lixados para deDies a 100 rs.
E.^pelhos de moldura* usuradas a MN), 40 e 320,n.
lii.iicis de oliado para meninos a 15000.
Ditos de couro superior tazeuda a 15500.
Frascos com suptnor una rocha a 240 rs.
Melada* de l m a troxa para bordadla a 20 e 60
Calxaa com 100 envelopes, fazenda t.r;. a 600 rs.
Grozas de penoas deayo, fazenda soperH* a 500rs.
Grozas de boles maareperula linos a 500 a
e 040 rs.
Caixas com 50 novellos de linha do ^az a 700 rs.
Caixascom superiores obreasde cola a SeSrs.
, Pecas de fila branca elstica coni !l varas a 280 rs.
B;T.br?.BC?iep.re,0S *__? JC0"lJ!dr"h0S e Varas do franja de la para enlei.es de .estidos a
Ditos ditos de grade com coolas grandes.
Lindas Uvelas graudes para cintos com moldes
agradaveis e diversas qualidades, madreperola,
tartaroga, ace e dou radas.
linas e bonitas btas achamalotadas para ditas.
Dites de dita de grosdenaples lisas e lavradas
com novos e apradaveis desenhos.
Trancas pretas de seda cum vidrllhos moldes
novos e de gosto.
de differeiites larguras e bonitos desenhos.
Casearrllha^ de seda com diversas cores e lar-
guras, formas inteiramenle novas a iniilacao de
pafo, babadinho e outra com una transiuha no
centro o que Ibes da multa graca.
Outras estrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito guato.
Outras de camtiraia de cores.
BoiSes de seda, velludo e ac para enfeites de
vestidos.
Trancas de seda eslreitas e largas brancas e de
cores para enfeites de vestidos.
tUnes finas
CAPELLAS PAItA MENINAS E NOIVaS.
A aguia branca a ra do Queiroado u. 8, rece-
beu para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas dilas para meninas.
Ditas ditas de calzos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camelias e outras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de flores linas para
vestidos, enfeites de 1 bapos etc., etc.
treparos y Na ra do Qucimado n. 8, loja da aguia bran
ca vende-se :
Papel de cores para rosas.
40 rs
liaralhos dourados soperioiesquac^des a 400 rs.
Novellos de Imba com 400 jardas a 80 rs.
Litos para assentus de p upa lavada a ICO rs.
Pares de bot5e.s para poobo, faenda rica a 120 rs.
Tesouias para costuras supemu. (,ualiuades a
400 e 15-
Caixas de pennas de calligraphia, fa;enda boa a
15000.
Mansos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapa tos de tranca e tapen- a 1,J5C0.
Caixas com superiores agulhas a 240 rs.
Libras de la sortidas de bonitas cores a 7iidO.
Caixas com superiores obreias de mas.-a a 40 rs.
Rudinhas com alfinetes francezes n Dito soiieriorai
a 20 rs.
Resmas de papel almaco a 25400 e 25800 rs.
Escotas para roupa, fa7enda boa a 720 e 15-
Duzias de tesouras com toque de fenugema
i 600 rs.
Dunas de facas e garios de cabo pelo a 35000.
peito de Talberes muito fino para enancas a 240 rs.
I Pulseiras para meninas a 32o rs.
Ditas e voltas para stnhora a 500.
Fta-cos de Agua Florida vtrdadeira a 15280.
Frascos rom superior banha a 240 e 61 o rs.
dem de superior oleo babosa a 30 rs.
Caixas rom lamparioas para 3 mez< a 40 rs.
Varas de habado do Porto a 80 e 141 rs.
Dito veide para folbas.
Dito dito e pardo para cobrir os talos das ditas. Caria* de alfinetes francezes a 100 rs.
Musgo em rama. Quadernns de papel pequeo a 20 rs.
Folhas para rosas. Grvalas de cores, fazenda superior, a 500 rs.
AqulhS C UnliaS para Crochet. Vl**< de agulhas, fundo doorado. a 80.
Vendem-se na ra do Qucimado n. 8 loja da
agina branca, assim como aguihas para iraralhar j
se em la.
Papel de sobrecellente para os,
phosphuriS hyyienieos ou de
seguranca.
1 A visia do grande tamanho das caixinhas dos
phosphoros bjgieuicos ou de seguranca, lornava-se
pouco o papel que vem em dias caixinbas, e para
remediar essi falta a aguia branca niandou vir e
acaba de rereber esse especial papel, c qual sa
da Roa Vendem se um grande e variadu sortimento de dar de sobrecellente a quem comprar de taes
n arma- e?Parlilnos os mai-s bemfeitos que tem vindo ao phosphoros e se vender iodisliuclamenie
ACIII1N4SIIEPATLM
de trabalhar inSo para
descarocar algodo
FABRICADAS
PorPlant Brothers & C,
OLDAI
Estas machina
podem descaroca;
g qoalqaer especi.
____^ de algodao serr
!i^* I ,'estragar
\) '/ i BKU-. duas pessoas pa:
^^


1
-
Assim como machinas para serem mcvias por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodac
liropo, uor dia; e motores para mover ums, duas,
eutr;s dessas machinas.
Os mesmos em para vender um
por que pode fuer mover seis destas machinaj
mencionadas ; para o que convida-ss aos Srs.
agricultores a viram ver e examma-lo, no arma-
xem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saniidm Brothers A _.
M. II, prava do Corpo tanta
RECIFE.
Os uticos agentes neste paiz.
Vemle-ss um cylinriro, urna masspira, u ma
bal a oca grande e urna dita pequea, com lodos os
pesos e mais utencilios de padaria : a tratar na
ra Di-pita n.'Si.____________
Vende se. urna negnnha de idade de 10 an
nos ; a irat'-r na roa da Imperatriz n. 20,
mercads, sendo de todos ns tamanhos pelo baratis
simo preco de 45, 55, e 65000, por haver grande
sortimento, na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Reloo as prrtas a 12000,
Na loja do pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor as mais ricas re-
tondas de renda pretas, sendo das mais ermpridas
que tem viudo ao mercado, e vendi-m-se por preco
muito em conta : na loja e armazem do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Corles de casiaira, c pichincha,
A 2f5800, na k ja do pavao.
' Vendem-se bonitas cites de casimira de core?,
tendo claras e escoras, e vnvlem se pelo bar<.lis-
simo prego de 25800 o corte, ou vndese a mes-
ma
I
Imperatriz n GO, de Gama t Silva.
Os corles d canmua rto Pavao
Vendcm-se superiores cortes de casimira, sendo
fazenda muito fina, pelo baratisslmn preco de 55
cada um : oa loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz o. 60. de Gama & Silva.
Os cintos do pavo a i- (j(Hi.
Vendem-se cintos de fita com fivelas pelo bara-
tisiimo prejo de 15000: na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama (x Silva.
Vestidos indianos a 300", na loja
do J'avao.
Vend?m-se os mais bonitos corles de vestidos
. ... indianos, sendo esia farenda transparente e intura-
" mente nova no mercado, e tendo entre el les ti.uitos
cortes roxos proprlos para senhoras que esto de
a quem
delie precisar. O precode cada caixmha de phos-
phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na ra
do Queimado b. 8, loja da aguia branca.
beda [roncha para bordar.
Vende-se na ra do Queimadd loja da aguia
branca n. 8.
< bras de crystal.
Brincos de diversos molde?.
Ouiros tambem de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e nutras cores.
Adereces de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e crozes.
Bnioes de dito, brancos e de cores para collele.
Dito de dito tambem bi ancos e de cores, para
punhns.
Volias de dito e outras qualidades.
l
Na ra Direita n. 84.. ha
con-ianiemeiite para ven-
derse cylindros americanos
chegiidos de Philadelphia c
mez passado
Acha-se
o fio
bastanti
o irabalbo; pid*
descarocar utni
arroba de :g(-
do em enrocc
em 40 minutos
oa 18 arroba.'
por dia ou 5 ar-
robas de algodac
limpo.
na fazeoda a 15600 o covado, tendo 6 palmos de ( .,..,. fi. .... (ndcS
argura : isto na loja e arma?em do Pavao, ra da' f 1/W& C l' TSUS (uouuuutd
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja da
sguia branca.
Aspas forte? para bala>
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Cromacome para Ungir ca
betlos.
A aguia branca avisa aos conslantes freguezes
I des
ber urna nova rcmessa de cromaceme, coloricome
esabo branco, neressario para lavar os cabellos,
porianto podem dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 8.
Abridores de luvas.
Vendem-se na ra do Lutimado loja da aguia
luto; e vendem-se pelo baratissimo prego de 35 ; branca n. 8.
rada um psr? acabar : na loja do Pavao, ra da |
VINKOS
!!!
Principe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; il vida aos velbos.
Veliio seca a _3 a garrafa.
Lagrimas do Douro a t#500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
DOCES de todas as qualidades : brastieiros,: D(JJue a {# e 1(S5(X)
portugoezes, inflezes, francezes, etc. etc-1 ctiatnisso a i, 15200 e 10500 a garrafa.
1: ;D. Luiz a i a garrafa.
iranicisco Jos Gennano
RA NOVA N. 22,
Imperatiiz n. 60, de Gama & Silva.
Maiiijiitos e jolas a oOO rs.
Vendcm-se manguitos com golas de cambraia
pelo baratissimo prego de 500 rs., i-lo para li-
quidar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Chata de rada a 10;>. 12-5, 150, 200 c 230, na
lojai Pava.
Vendem-se chales de renda prela mnito finos a
Iflji e i25. ditos de hnho a 155, ditos de seda de
luiho dos melhore? que ha em chales de mida a
20 o 255, titos brancos de ires ponas a le, islo
> aa loja e armazem d* Pavo, roa da Imperatriz
o. GO, de Gama & Silva.
PARA A FESTA
Popelinas a 400 rs.
Popeliniis a 500 rs.
Popelinas a 100 rs.
; 'Chegaram para a loja do pavao as mais lindas
.popelinas, fazenda propria para vestidos de sinti-
ra, -endo mnito transparentes e brtfhautes com as
poil bouijiiels
mais lindas cores qm; tem vindn, 'as qoaes facili-
tam fazer-se um vestido com mua pbantana iir
acaba de roceber nm lindo o magnifico sor-: ponco diuheir, e veodem-se, sendo de quadrinhos
limento t;mo mais apurado gesto da Europa e ocu-!02 ,0Ja do Pav;'0- 1ua *> tapen-* co-
os de alcance
mariiirwis.
para nbserv^res e para os
I
ERVILILVS seccas a 1-0 rs. a libra.
kvadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 24 a gar-
rafa.
Carca velos a 10.
Colares a 900 re. a garrafa o nico fi-
nta que se pode beber por nao ter com-
posico algnma.
Lanterne a 800 n. a garrafa.
M U, W *0O m 800 r, SS_ _: VE"", garrafa.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em Utas a 5<0 rs.
Ftmo do Rio a 500 rs. a libra,
dem amerieaoo em latas a 10.500
dem S. Julieo a 15 00,0 e 6tf)a garrafa.
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermoulb a 20, e a caixa a 180.
Biuer Maurer a 10 a garrafa,
Fabello ha sempre em deposito de !00 a, Vinho figueira em anenreta a 200.
80O saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 24500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
Cambraias.
ATTK1CO !
Veode-se as olxrias de Jo CarneirodaConha' Parede Porto vende cambraias lisas finas, gran
em frente ao hospital Pedro II, e na roa dos Pra- de sorti.oenio, a 35 at 65, ditas Victoria moito qu em ootra qualqner'parte'
finaB. com 10 varas a 65, 65500 e 75 : na ra da Neste armazem tambem se encontra nm grande
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelho
Knado Queimado n. 19.
Vende-se o seeuinte :
Cobcrtas de chita lina a 25800.
Ditas de dita a 25400.
Lentes de panno de llnho a 25200.
Ditos de dito de linho a 25.
Ditos de bramante de linho de um so panno -
35*00.
Panno de linho fino com 9 l|2 palmas de largu-
ra pelo barato preco de 25400 a vara
(tramante de linho lino com 10 palmos de lar
gura a 25500 a vara.
Pecas de cambraia com salpieos brancos e de
cores com 8 1|2 varas a 45500.
Pec*s de cambraia adamascada propria para
cortinado de cama com 20 varas a 1(5.
Baloe-' da arcos a 25500, 35. 35500 e 45.
Lencos de cambraia fina a 28600 a duzia.
-Ditos de dita a 25 a duzia.
Atnoalhado de linho fino a 25800 a vaca,
Dito de algodao a 25 a vara.
Atendo enfestado com 7 1|2 palmos de largura
a 15*00 a vara.
Peeas de hretanha de folo com 10 varas propria
para sa,a a 35500.
Fil Dito de dito com salpico* a 13 a vara.
Cambraia de linho fina a 45500, 65500 e 95{a
vara.
Cortes de lazinha de lindos goslos com 15 co-
vari<>sa 55.
Pecas demadap'lao fintseimo pelo baratissimo
preco de 85. 95,105 e 415.
Flaoella tronca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de cores fina a 880 rs. o covado.
Batoee de masselina para menina a 35, 35500
0 45.
Cambraia de forro a 35 a peca.
Dita lina a 45500, 65 e 7 a peca.
Guardosnos de linho a :<5800 a duzia.
Toalhas de algodo felpndas duzia a 125.
Eteira da india propria para forro de sala de
4.5 e 6 palmos de largura per menos preco do
zeres n. 38, telha superi ir de barro de agna doce a
305 o mllneiro, alvenaria batida a 30$, e ladrilho
265000.
Imperatriz n. 52, junto a padaria fanceza.
Fanha a 3#5
Vende-se farinha de mandioca, haceos grandes
sortimento de roupa feta e por medida.
Chesnrm aos earpinho* de cambraia.
Vendem-se corpinhos de cambriia com entre-
. meios a 45 e 55, esto s* acabando : na loja de
no artnatem dos Srs. Tasso Irmos, na ponte nova' Paredes Porto, roa da Imderatriz n. Si, porta lar- dos : a tratar na taberna do Campos, ra estrella
pelo preco cima mencionados. ga, jun.o a padaria franceza. do Ro ario n. 47.
ii!iru v
taberna do largo do Carmon. 5, com poneos fun-
--U.-.
A 3&f60 o corte,
Vendem-se superiores cortes de cassa, sendojfe-
zeada muito fina e de cores fixas, pelo baratissimo
preco de 35<'00, e ditas in parentes, de milita phantasia, pelo baratissimo pre-
qo tambem de 35, para acabar : na loja do Pavao,
ruada Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos zuavos.
Chegaram a' loja do Pavao s mais lindos cortes
de vestidos com o competente zuavo e cinto, vindo
ludo em um carlao, sendo a maior novidade qoe
tem vindo para a fesla: vendem-se por barato
pre:.o na loja do Pavo, ra da ImperUriz n. 60,
de Cama & Silva.
Vestidos de seda.
Chegaram para a loja do Pavo os ir.als ricos
cortes de seda para vestidos, sendo em qualidade
o melhor (|tie lem vindo ao creado ; e pa^oes os
mais modernos por serem quasi todos listados com
coros mui delicadas, afiangando-se ser neste gene-
ro o melhor que existe : vendem-se por precos
nmito razoaveis, na Inja do Pavo, ra da Impera-
triz 11 jo, de Gama & Silva.
Para cha mitres.
Vendem-se as mais lindas chitas Bnpriaa para
chambres, e muito baratas : no armazem do Pa-
vao, ruada Imperatriz u.60. de Gama & Silva.
Paletots a 2 Vende-se paletots de alpaca preta com salpieos
pelo baratissimo pre^o de 25500 : uo armazem do
P*vo, na da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Melpomenes a 3$500
Chegaram para a loja do Pavo os mais lindos
cortes de melpumenes, sendo esla linda fazenda
inleiramenle nova no mercado, tendo os mais lin-
dos padroes, taoto claros como escaros, vindo cada
um arranjado em seu papel, sendo mnito proprios
para quem quizer dar um vestido de festas por
pouco dinheiro, e vendem-se pelo baratissimo pre-
co de 1355OO o corte : nicamente na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Penteadores
00 ronpes de cambraia bordados pro-
prios para as senhnras vestirem
de manha.
Chegou esla novidade para a loja do Pavao, mui-
lo lindos e do melhor gosto at hoje, por precos
muito razoaveis : na luja do Pavao, ra da Impe-
ratriz n.0JdeGama& Sil va.______
Em ca-fl de Phipps Brothers & C, ma do
Vigario n. 3, vendem se cofres de ferro, prova de
fogo, dos afamado fabricantes MHner Son, de
Liverpool.
de bonitos moldes, dourados e cabo de madrepero-
la : acbaiii-se a venda na ra do Queimado loja
da aguia branca n. 8.
BtDitas lou(uinluts
de fil de linho, cambraia e selim todas mui bem
enfeitadas: vendem-se na ra do Queimado n. 8,
lija da aguia branca.
Carreteis com retroz.
Xa ra no Queimado n.8, loja da sguia branca
Multa atteucao.
Guimates ^ IrmSn pro; ru latios do grande ar-
rnazein de fazendas e roopas feias na ra da Im-
peralnz n. 72, tendo rc-fndo um grande sorti-
mento de fazendas de gosto trazidas por nm dos
oi iu pelo ultimo vapor, vem portanlo f;izer selen
le aijs genitores e senhoras o- precos de sua fazen-
das, os proprios afDan?am vender as fazendas por
menos 20 por cenin do que em oulia qoalquei
paite nao s por ser Uo tiin lo anuo como lambein
por ser a festa lempo este qne as Exmas. secbcras
devem muir se do hnm e barato, a saber :
Iticos cortes de la com barras.
Vende-se um grande sortimento de corles de
lias com barras tendo todos os perleoees, camisi-
nha com gravaliuha e sinto. si-do os mais novos e
modernos que t> m vindo ao mercado, dilos de
phanlasla com lindas barras e vendem-se por pre-
cos muito razoaveis.
Litas escocesas com lisias de seda.
Vende-se um bonito sortimento de lasinhas es-
cocesas a 500 e 5G0 rs ditas transparentes de lis
tas de seda a 320 e 360 rs.
Percalias linas com lindos desenhos.
Vende-se lindas percalias muito linas a 360,
400, 4^0 e 500 rs., chitas de todas as qualidades a
saber de precos 280, 320, 360, 400, 410, 480 e
500 rs.
Cassas francezfs mimlinhas.
Vende-se um grande sortimenio de cassas miu-
dinhas sendo as eores securas a 280, 360 e 400 rs.
Cambraias lirancis transparentes.
Vendem-.-e pecas de camriaus bramas trans-
parentes a 35. 4, 45500, 55, 5500, 65, 65500 e
75, dias mnito linas com urna vara de laigura a
^ e 105.
Chales de merino linos.
Vendem-se chales de merm linos sendo com
estampas bonitas e modernas pelo barato pieco de
75. 7300 e 85, ditos lisos com lindas cores a
45, 455OO e 55, dilos estampados a 25 e 2500.
Crinolinas ou balites.
Vende-se um grande sortimento de crinolinas a
255OO, 35 35500 e 45-
Tarlalauaslinas a 610 rs. avara.
Vende-selartalana decores pelo barato preco
de 640 e 800 rs. a vara.
llantas |iara hnmein a 10300.
Vendem-se maulas pra homem as de mais gos-
to que tem vindo ao mercado pelo barato precode
15300 e 15500, tudo islo s na ma da Imperatriz
n. 72, loja de Guimares & Dmo.
Tiras bordadas a 10.
Vende-se om graode sortimento de tiras borda-
das a 15 cada urna e pecas do ntremelos a 15>
152OO e 15500.
Camisas francezas para homem.
Vende-se um erando sortimento de camisas fran-
cezas a 15800 25, 25500. ditos de peito de linOo
a venda na livraria acadmica, na ra do Impera-
dor; nado Sr. Nofiueira, junto ao arco de Sanie
Antonio ; e na typognphia imparcial, na roa es-
trena do Rosario a compilacao de toda a legisMcao
tendente administrado, arrecadacio e Oscali-
saco dos dinheims de orphflos defontos e ausen-
tes, herancas jaceotes, legados, etc., contendo nao
s o regiment de cusas e a lei geral das exeeu-
coes, como tambem todas as ordens e avisos do
governo, que a tudo tem explicado, tanto a respei-
to das obriga^oes inherentes ao cargo dos differen-
tes empregados de justuja e fazenda. e:imo dosd-
reitos nacinnaes e emolumentos que san devidos.
Esle livro contendo mais de 700 paginas ero ntida
impressao e bom papel, e prestande-se a utilidada
de dlfferentes classes, toma-se reci nmendavel.
Sen cusi 105000 por cada exemplar em dous
omos.
en*
da
Vende-se a taberna bem fregnezada,
ra dns Assoguinhos n. 20._____________
CB4LES
(brande pecbschn.
No na da Imperatriz n. 52 porta larga de Pare-
des Porto, vende-se chiles de menn estampados a
25 e 2;500 e finos 55. estao se acabando.
Bordados.
Chegou a loja de Paredes Porto, roa da Impera-
triz u. 5, um sortimento de eaminnhas, guilinhas,
corpinhos, romeiras e sinlns, de cambraia tranca,
pelo barato precode 25500, 39500 e '1.5. golbnhai
500 r?., romeiras a 800 e sintos a 80o rs, grande
quaolidade de ntremelos a 600 e S00 rs. a peca,
estilo se acabando.
FarelU.
Vende-se superior farello de Lisboa
zem allianca, ra do Imperador n. 57.
no arma-
Grande bazar.
Nes'e grande estabelecimento tem chega-
do ultimarnenle dos Estados-Unid urna
variedade de gadeiras ara bomem e pro-
prias pura senhora e criacca de iodos os
tamanhos e oniros riquissimos artigos (|tie
por gosto se pode comprar, ludo por 'toco
m o i locominodo : na ra Nova ns. 20 e 22.
Vendem-se
machinas americanas de serrote ppra descarocar
algodo : na ra da Senzala iNova r '.2. ______
Liqui">#o de 1 lialt-8 de renda.
Na Inja de fazendas da ra do Queimado n 5,
de Monteiro & Guimares ha tara vender ricos
chai s de renda prelos, ditos italiano-, boomns,
beduinos e rotondas, fazenda esla de sua propria
enrommenda, e que pnitem vender pelo preco que
os de mais legistas compram. Os objectos .cima
sao de flnissimos tecidos e mu lindos lavores, as-
~im como oolras umitas fazendas por precos ba-
ratissim s, que sena enfadonho menciona-los.
Vende-se nm mulatinho de 16 a 17 annos,
proprio para pagem por ser muito bonito e de boa
ron-iucta : na ra do Imperador n. 45, terctiro
andar.
GratiGcco de J..:.
Ausentou[se da casa n. 59 da ra do Imperador
(outr'i ra Collegio) 00 sabbado 16 do correle mei
ce setembiode 186o,o escravo pardo deuenie Joa-
quim. com os signaessepuintes: estatura regular,
idade 18 a 20 aunos, sem barba, ps largos, olhos
grandes, rabello corrido, com nma cicatriz granda
e bem visivel na tesla, parte dos di mes da Irenta
arruinados, e com falta de alpuns dos lados, sabio
com calca de brim pardo e paleto! cuno de panno,
mas levu mais roopa branca e de cor, muilo
astucioso, cosloma intitular-se forro e andar cal-
cado ; f i escravo do Sr. Gnilheinie Frederico de
Souza Carvaiho, genro do finado Sr conniendador
Manoel Goncalves da Silva : rogase a sua captura
a todas as autoridades policiaes e a nnalqoer ca-
pito de campo on nutra pessoa particular que o
apprehender se gratificara coro 505, alm das des-
pezas de conduc^o, enlregando-o a seu senhor
Miguel Jos Alves, na casa cima, ou no seo es-
criptorio na ra da Cruz casa n. 19.
No dia 20 de setembro prximo passado fa-
gio do engenho Terra-preta, doahaixo as^igDado, o
escravo Julio, crioulo, de altura recular, (rosso,
de. 30annos de idade,pouca barba, tem os es bem
fetos e pernas, moito fallante, at se faz ronco,
tem o dedo polegar de nma mSo calido para den-
tro, anda com urna carta fechada, do lente coro-
nel Amaro Gomes da Cunha, apadhnhand> o, nun-
ca foi surrado este escravo, fui ha moflo comprada
a Hucha Lima e Goimare's : qoem o pegar leve ao
mufli engenho on no Rerife a' ra da Roda a*
a 35, 353o0, 45 e 45 : islo na tua da Imperatriz i Alexandre Correia da C. Jonior, que sera bem re-
n. 72, loja do Guimares 4 Irmo.
Houpas feitas.
Vndese nm grandesoriimentode roupas feitas
assim como sejam : paletots, calcas e colletes de
pannos e de casemira tanto preta como de cor pa
compensado.
Alexandre Correia de Castro.
Cabocla fgida.
No dia 28 do mez passado fgio de casa de sea
W piteo- Mnito nnkm mn"**--" 'I "'' *"- senhor a cabocla Lniza, idade 42 annos, estatura
de hrins trancos e de cores, seroulas de linho a regular, com falta de denles, cabello aparado, tem
de algodao e tudo islo se vende por precos muilo sido encontrada na Soledade e riheira de Santo
moierados : isto na ra da Imperatriz n. 72, loja Antonio, intitulndose forra : qnem a levar a rna
de Guimares & Irmo. i de Apollo n. 30, receber 205 d* f- ncacao.


*
-*...


-* "^ '
8

Diario de Pernambnco Qnaria lelra 13 de Bezembro de 1&*.
LITTEMTRA.
IM POUCO DE TI" DO.
E' Jo Sr. Pereira da Silva o seguate
ASIGRKJAS DE ROMA.
v i", smenle na pos-e de mosus portentosos va ouvr
se i niura, escnlptura e
ltoi.a a primazia ? ubre ted
Bons tempos ainda, em que a f relnava triara-
phante no corago dos novo?, e qae Renn, o des-
crido, nao havia ainda atirado a face da civilisagao
e do bora sensoesse desaQo solemne, esse insul-
to sangrento s crengas santas, que nos ensinarara
nossas mais.
E larde, quando o sino da velha capella deixa-
pssh laoger compassvJo e melanclico da
(

antrgu.dades que g.nha -Ave Maria-ns nos reunidos todos na peque-
ras asdema.s edades, na sala da casa em que raoravamos.e cora as mos
a. poesuemcolleccesexMitonteideobrasdear- posfcs e os olhos erguidos para o co, dirigamos
les, Floreaea, DreMle, Pars, M.-.ntch, V.euna, Na- 8sSM pr.c,s d( amor ,,,, recotrtM)cmeB,0 a maj
, i; ,. Veneza, M ,Jrid t Aoiaerpii. pow lfnmaC(1,ada d.a,iae||e que vjera redemJr a
.'era um paiz do mundo se orua com igrejas u'io humanida lo.
ssplwdfdas, in-lias e ricas, edilicios lao sumplao- Como era sempre agradavel ao corago o desper-
perMtos, e frates que sao veMadeiros inonu- '* da aurora de um dia de domingo I
M e maravilhas d'arte, no meio de majeslo I A' noile da vespera chegavam os conchecidos e
as pragas abandonadas e lujuriadas pelos luinens amigos, que moravam as fazendas prximas, e
li :,jje Apparent domas Mus el alria lonja pa- 'Iue uao queriam, apezar distancia, deixar de cura-
ntt. prir com esse dever, que a religio Ihes impuolia e
Sao os templos romanos magestosds e harmoni-, e).-. como as obras da aniiguidade, cujas tradicoes E acordavamos iodos ao romper do dia e ao som
I erdero de lodo os Italianos. doripicar do sino, e cada qual com a alegra no
Pelas dimeu.-ors e divisles, luxo e gosto de Oo- semblante e aserenidade n'alma.ia tomar as vestes
- e ornamentos, mannores, purphyros, pedras domingueiras e preparar-se para a solemnidade
. mosaica, mullicores o estatuas magu- j d oa.
.de que fazem constante emprego, nao sao ex- E l passava o padre-vigario, respeilavel sacer-
de cerlo. dote, de cabellos brancos, comu lios de prata, tar-
0 que ha de mais primoroso do que a s de S. jando a sa,narra pre,a- rh^6 d* lres bicos> e
Paulo, restaurada a poueo empunhando a bengala possanie, que se arrima-
. ... va, porque o bom do vclho ja sen la bem iropegas
i.'.'ii que igrnjas i i i ... .. a peinas e mal seguros os passos.
> Joao de Lairao, Sania Mana Ma.or e corago ., n _,....._ 1Jb.
Era tilo bom o padre-vigario I Cootavam se delle
cousas de lana caridade, de lana benevolencia,
que nao havia urna voz, urna s, que ouzasse con-
tra elle murmurar urna censura, e maldizer urna
acgo i
K lodos que o viam saudavam-o com respeito e
amor, porque lodos consideravam o padre-vigario
como o pai e o amigo da genle da freguezia.
(-orno era lindo um dia de domingo na minha
Ierra !
E cora que alvorogo espera vamos todos pela noi-
de
j- tesas 1
cima purera de todas est o famoso templo de
>, que vale ein elegancia, grandeza, magnifi-
i. maestra a sublimidade lodos quaulos en-
ran-se dispersos pelo mundo.
R vela os laleolos raros, que trabalharam em
!-, dad i liramanle que concebeu o pri-
i plano, al Remira, que lermiuou os acces-
r J'v,! '. Miguel Angelo a nova forma da
umnada, o prtico copiadodo Pan-
'.heon, e a cnpola soberba cuja idea bebeu as con- te do sabbado, em que, reunidos os visinbos, entoa-
nas de Brunelleschi, que invenlou a da vam o tergo e resavamos em curo o officio da Vir-
Florenga. que alordoava com a sua magesla-igem !
prupno Uuouarrelli. Como calavam n'alraa, como cousolavam o cora-
OUOdo a capola, que gyra por cima de toda gao aquellas rezas lao puelcas dirigidas advoga-
' !' di 1> tina, e domina os palacios, edilicios, da dos peccadores, a consoladora dos alllictos, e d-
.. liuiiiruio.-, Jeserios e montculos, que llie for- (ce refugio dos desgranados lhos de Eva
ama ciuluia rida ecoberla de ruinas, e que
M un soBhO, ou a sufiplica do hornera que
u a ierra, airavessando o espaco e subindo
tts, creoo Miguel Angelo tres igrejas diver-
una sobre outra, a subterrnea, que occupa
a mde espaco aballo no nivel da Ierra, a que pro-
iiente se chama de S. Pedro, na qual celebra-
ordinanameule o cullo, e a aeria, que sobresa-
le a ambas.
Foi diicado o templo de S. Pedro por cima do
reo, em que ero fazia suspender em cruzes Ib-
' ramadas, e lapidar por seus carrascos, os Naza-
renos infelizes, que caham em poder de lao pre-
i nisadi dspota ; all colloca a iradr.io o lugar
:e foi ni no o principe dos apostlos entre
martyrios inauditos, e dores que se nao igualaram
Anota bazeta de Francfort publica o seguinle
despacho, dirigido cora dala de Dresda em II de
l--an.ni on-.ant.no para memona do sillo, a oatnB u ^ ^ SaxoQa
;,r.meira basiira. aqual succeteu o templo ac.ual,. |m pel(J lniujjlro os neocos Mtra M .
Icado por Sic .o \ eoroecado por Julio II, e ler- Xo dia em que recel)1 em audienoja 0 CQ d.
11 p.r Paulo \. \io!e qnalro pontfices toma-, ninm,,-n 4. An t r,
' K i plomatico, o euviados de Austria e Prussia, infor-
. rte na-ua construociio, q.ie excotou os the-' ____., A A ,
... i o maram-me dos passos dados pe os seus a los KOV2r-
I liorna, e obr.gou as oacoes calhol.cas a no, em Franc(on. P 8
rerem com tribuios em prol das suas obras B._._ w>,_____, ... .,
...... roram elfectivamente expedidos aos residentes
i- is escolas darte a orna-las com os seus ,..,.- n
da Austria e Prussia junto dacldade livre de Kran-
,lo para formar urna igreja adrai-! fj^T* "T' ^ T! 1 ^'T
prodigioso o effe.to da entrada. f0> "T^ dJ U",ni C0DgreSS0 de i^^-
como um trecho subl.rae.de Milln, ou lembraQd a MnaiVencia do seoa',' ,a aD,erior-
Deixai que hojeescarnegam dessas devocSes po-
pulares; deixai; mas o coracao se dilata va conso-
lado, a alma sentase relemperada e forle, e o bal-
sarao da esperanca descia suave sobre aquelles que
lutavam t.em a desgraca e os contraterapos da
so re.
Havia mais f, mais esperanca, mais amor de
Deus e do prximo ; nao se conhecia o sceplicisrao
que mata as crencas e a duvidaque o inferno
d'alma.
O homem cria e era bom, cria e era feliz...
Bous lempos forara esses.
. I.- i'.iniaroza.
Exaltam-se a aln eos sentidos.
to de um esplendor que se senle e
Huir a luz para o seu recinto lao regular a dia-
ibem o- raios em lionas deliciosas so-
bre o marmure do chao, e sao reflectidos e trans-
de modo a inuundar suave e docemenle o
I lo todo, prjJuzindo urna impresso, que im-
uorredura.
Dit ilo de mgica o que se sent, col-
e n i centro do monumenio, ao p da es-
raeute provada, e insiste e em que o senado previ-
na a sua repeticao, e especialmente urna nova re-
uniao da commisso dos inoia e seis, ameacando
com urna intervencao directa das duas potencias
contrario.
Nao sinio necessidade de entrar n'uma discusso
mais profunda deste despacho.
Na parte em que se trata de urna queixa rean"
va ao passado, ao senado de Fraucfort que cum-
pre explicar-se a esse respeito com os altos gover-
nos reclamautes.
Mas no que diz respeito intervenco directa,
. capola, e que, cercada de cem com ^ue se ameaca,tratase de urna eventualidade
padaa de bronce, e ornamentos de ouro, e pe-, 'lue aida na0 presente.
d J sce para o tmulo do sanio, e pa-
r a igreja abtarranea.
Apodera-se a vista de toda a magosto a exiensao1
do templo, pereorre a escala mieira de
i .team e
uacio de fadas.
uagiuar a criatura hu-
Devenios pois Oesejar que o nosso silencio nao
seja considerado como um signal de approvagao ;
11 pelo contrario reservamo nos tanto mais. para esse
lanos ac- caso eVenlua!, manter a nossa opinio e liberdade
iraveis, e derramarse pela serie de ,..-. .,, .., ,
w p -ene uo deaccao, quanto e cerlo que se nao podera por de
embriagara, co no se ra
gens daqi elle artigo. Mas nao pode antecipada-
menie jolgar qnal seria a decisao do tribunal.
As circrastancias de exislirem certos motivos
que se proiunciara contra a opportunidade de ac-
ensar um artigo que appareceu ha mais de um
, mez : e quando esse artigo foi escripto sob a pri-
meira im ressio da convenci de Gastein, qae lao
vivament excilou os espiritos era toda a Alema-
nha, offer cem considerar-oes de que o governo se
nao quer de cerlo oceupar.
Se pelo contrario, como se mostrava na apparen-
cia s havia tengan de formular urna queixa a ira-
prensa sa^onia em geral, por occasio daquelle ar-
tigo, o gdverno del-rei via-se necessariamente na
obrigagao como me acnleceu de dar aos enviados
urna resposia muito simples.
A impreusa allema offerece agora, infelizmente,
a mais triste imagem das disc rdias alternas.
Dirige-se reciprocamente censuras e doeslos, in-
jurias mesmo, e calumnias.
Merecera a pena procurar os raeios de evitar
' este estado, mas de que meios se usara para me-
Ihorar esta siluago deploravel, sem se commelter
um ataque a liberdade de imprensa.
Mas nos deveriaraos declarar contraria e qui-
dade e jurtiga a intengao que raanifestasse de
aproveilar um faci particular, para fazer dille
objecio de queixas e de aecusages.
Que a iraprensa de Saxonia se distingue da dos
mais paizes allraes, pela violencia da sua iingua-
gem, sena esta urna assergao, que se tornara ne-
cossario provar, o que deceno seria ifflcil.
Nesses ataques recipros iraia-se menos da escu-
lla das expressoes, do que da importancia dos
ataques.
Como tive occasio de fazer notar ao enviado
austraco, apparecem nos jornaes austracos arii-
gos contra o> estados secundarios, que nao erem
menos profundamente esles ltimos.
Em lodo o caso, para estes lao oppressivo ou-
vir fallar, da sua falta de forgas, como foi desagra-
davel ao governo imperial ouvir fallar, as folhas
secundaras, de actos de violencia praticadas pe-
las duas granues potencias.
Tive oecasiao de dar a mesraa resposta, roas
cora mais forga ainda, ao enviado prussiano.
Que forte animosidade nao desenvolvem I as fo
Ihas peridicas prussianas, todos os dias, contra os
governos secundarios, e em particular contra o
governo saxono I
Nos Annaes Prussianos expoz um escriptor co-
nhecido, n'uma serie regular de artigos, que os es-
tados allemes devem nao ssubordinar-se Prus
sia, mas, mais ainda, que necessano que os es-
tados aliernaes e as dynaslias allemes cessem de
existir.
Esle ihema encontra poca as folhas cuotidia-
nas da Prussia ; a propria Gazeta Ja AUemanha
do Norte, que passa por um orgo ministerial, tem
feito menguo delle e nunca ouvl dizer que o go-
verno prussiano tenha feito cousa alguma para
por termo a esses ataques.
Ligo-me voluntariamente ao desejo manifestado
por rar. shulenbourg, para que se trate de suavi-
sar os ataques da imprensa. Mas antes de res-
pouder s censuras que se fazem ao governo saxo-
nio, de senooppor as tendencias hostis 1 Prussia,
devo esperar que se ponha termo, na Prussia, as
tendencias com que se pretende enfraquecer a Sa-
xonia.
uigna vos tambem fazer leilura desta parte do
despacho.-(Assgnado) De Beust.
lado as disposicoes contidas as le federaes; a res-
. peilo da faculdade que os raembros da confedera-
percebe o senilmente d; universa-
gao teem de lomar as contestagoes entre esses mi-
que tanto cusa
..i aoruc a arquitectura, pois fue se nao
i a ujuhum dos gneros que jconcebeu a
I
rve u h) ijuanto bello, grandidso e subli-
n. Pdele comparar a um poema superior a
|Q tal rara os poetas mais affaraades.
i idade septentrional. /
> io se desenliara as formas exquisitas e flexas
rres irregalares do genero denominado go-

Nao a oruam vidros coloridos, e pinturas dispa-
ratda-. que servem para o effeito geral, e produ-
isapresslo cimbria e melanclica, como as ca-
i. Sirasburgo, o Antuerpia.
Nao admitte a phantasia pittoresca dos rabes,
ni as risonhas inspiragies do Oriente, como a
igr-ja d- S. Marros, que possue Veneza.
Seoto-s i gravidade, mas serena e tranquilla
operada pela graga. brilhantsmo, se-
i t o sytnbolo do genio enthusiasta, potico
i. ie rene a nobreza e magesla-
de do culto, i eiegaaela das formulas, a riqueza e
esplenl r dos accessorios, a immensdade regular
de tamanho, e harmona da sombra, luz e color-
d'. que contilue urna peca interiga extraordina-
ublime.
E' o templo de S. Pedre um verdadeiro assom-
bro das mais encantadoras, admraveis e prodigio-
- r->mini Deve constituir para os Romanos a patria e reli-
go, o genio e o asylo das artes, a sua consolago
e gloria I Tu es Petrus ti super hanc petram ced-
ficnbo hrrlesiam meam.
F." do Rvd. Sr. padre Francisco Bernardino de
ouza :
UEVOgEs POPULARES.
li -n- tempos erara esses de miara infancia I
Record-rae sempre delles com entemeciraento
e com saudade, em meio da aridez da vida que
condemnou-me a serte.
Rons tempos, em que se nao discutiam essas al-
tas questoes de philosophla Kantista, tegellista, e
outros nomes assira, ero que ninguem se enlende,
e que confunde as ideas e atira a alma em um p-
lago in de duvidas e incertezas.
Bom lempo, em que se nao procurava resolver
es>es grandes problemas sociaes que atrapalham o
mundo, dividindo os homens, que nasceram para
serem irmaos.
nistros.
O que se diz nos dous despachos, de que assem-
bieaas destinadas a agitarlo, e desprovidas de
mandato constitucional, nao poderam convr na
sede da assembla federal, frraa urna considera-
gao, que longe de quererm ts de modo algura con-
testar a sua justiga, admira-nos que no decurso dos
ltimos seis anuos aquellas asseinblas se teoham
reunido por differentes occasioes em Francfort,
sera ter motivado anlogas reclamagoss da parte
dos altos governos de Austria e Prussia.
Com mais forle razao se deveria prestar alten-
gao a considerago ulterior de que, sj Fraucfort,
como sede da assembla federal, est sajeito a ura
julgamento excepcional, isso evidentemente ne-
gocio que perlence a dieta federal, resolvendo
aquellas medidas que feram exigidas ou admissi-
veis a respeito do governo territorial.
A presenga da guarnicao austro-prussiana, que
foi citada nos dois despachos, e a que certamenle <
se deve attender muito, deve tambem ser aprecia-
da debaixo d'este ponto de vista, por isso que nao
resulta de um tratado, ou de qualquer outra rea-
gao d'esta natureza enire a Austria, a Prussia e a
cidade de livre Francf.>rl, mas este precisamenie
cora a sede da dieta federal naquella cidade.
Dignai-vos levar o presente ao conhecimenlo do
ministerio dos negocios estrangeiros, ou de quem
o substituir, fazendo Ihe leilura.(Asssignado) De
Beust.
Post-scriptum.A proposito da communicago
mencionada no raeu despacho de hoje, os dois en-
viados faltaram da imprensa saxonia, porque ha-
viam recebido ordera de formular queixas a esse
respeito, referindoseespecialmente a um artigo da
Gazeta Constitucional de Dresda, publicada em 9
de setembro.
Se me foi agradavel ver, que essas qaeixas fo-
rara formuladas de urna raaneira muito reservada
nao pude com tudo deixar de ficar n'uma incer-
teza quanto ao alcance real daquelle passo.
A pergunla que eu Qz se se pedera que fosse
perseguido o artigo mencionado, aquelles dois se-
BOOMS responderam-me negalivamente.
Se o livessera pedido, o governo nao hesiteria
em satisfazer esse desejo. Mas nao posso deixar I
de fazer observar a este respeito que na Saxonia
em materia de imprensa, se observara rigorosa-
mente as disposigSes da lei; que por conseqaea-
cia o pedido dos dois ministros, devia ser trans-
mitido ao ministerio publico, e qae se este julgas-
se o artigo sujeilo a tima pena, haveria ento mo-
tivo para intentar processos jadiciaes.
O governo de el-rel, lamenta pela sua parte a
iogiuagem, pouco conveniente de algumas passa-
LS-se na Estrella do Sul o seguinte :
0 BOM USO DAS COUSAS TERRRXAS. "
Refere um dos anligos padres, que, achando-se
em Consianlinopla por certo negocio que Ihe inte-
ressava, e.-tando um dia asseniado em urna igreja,
um cavalheiro de alta condigao se approximou, e,
saudando-o, desejou assenlar-se ao seu lado para
ouvir delle algumas ligues em bem de sna alma.
O padre disse-lhe que se ftzesse bom uso dos
bens da ierra, seria um grande meio de condue-
lo ao bem celestial.
Padre, respondeu elle, tendes loda a razo;
verdaderamente feliz o homem que poe loda sua
conanga I em Oeus, e se entrega inteiramenle
sua providencia.
Meu pai, que foi ura cavalneiro dislincto e opu-
leuto, mas grande esmolr, havendo distribuido
aos pubr^s grandes seminas de dinheiro, pergun-
lou rae u u dia, depois de dar me urna coma exac-
ta de toJ s as suas riquezas mundanas, se eu pre-
fera que elle reservasse para deixa-las mira in-
leirainen e por sua mor*, ou se podia dispor dellas
pelo moi o que linha comegado, dando-as Christo
pelas mitos dos pobres, e deixar a Christo por meu
guarda e curador? Respondi-lhe que licava salis-
feilissimo que despendesse todos os seus bens em
obras d- caridade, e que eu antes prefera Jess
Christo, do que todas as riquezas mundanas, que
depressa se acabam ; ellas esto comnosco hoje e
desapparecem amanha, mas Jess Christo fica
sempre.
Depois disto meu pai se lornou lao liberal em
esmolas que por sua morle deixou-me muito po-
bre, poi ero com urna extrema confianga em Chris-
to, cu os cuidados elle me linha confiado.
Acn eceu existir n'aquelle lempo oulro cava-
lheiro d8 dislingao na cidade, excessivamenle rico,
casado cora urna senhora christa piedosissima, e
muito temenle a Beus.
Este digno par linha urna lilha nica que devia
herdar todos os seus bens; e estando ento em
idade le casar, a senhora propoz seu mando,
que erh vez de da la era casamento algum rico
ti dalgo, que nao servindo a Deus a tornasse infeliz,
escolhessem antes algum hornera virtuoso, humil-
de e temenle a Deas que ao mesmo tempo a amas-
se e cobsolasse, e Ihe desse a mo para irera jun
tos ao co ; porque nao linhara preciso de rique-
zas para ella, tendo urna grande fortuna a dar-
lhe ; e que por tanto a virtude^a feicidade era o
que ihe deviam procurar. \^_j
Sendo o marido do mesmo parecer, convidou-a
a ir igreja recomraeudar com todo o empenho a
Deus aquello negocio; e depois de orar com todo
o fervor, se dirigisse ento ao pnraeiro homem que
Deus nviasse igreja, como sendo a pessoa de-
signada pela Providencia para marido de sua filha.
Havendo consegulntemeute ido para a igreja,
depois que acabou as suas oragoes, assentou-se ;
e como a Providencia o havia ordenado, eu fui o
primeiro que entrou.
Logo que ella me percebeu mandou a sua serva
cbamar-me, e tendo inquerido de mim quem e
d'onde era T respond Ihe que era natural desta ci-
dade e tilho de tal pessoa.
Que I disse ella, d'aquelle cavalheiro que des-
pendeu toda sua riqueza em esmolas T
Sim, repliqaei, delle mesmo.
Sois casado T perguolou me ella.
Respond Ihe que nao; e contei Ihe o que linha
dito meu pai, quando me deixou Jess Christo por
meu guarda e curador.
Ao ouvir isto ella glorilicou a Deus, e disse-me
que o meu bom guarda linha providenciado para
mim ao mesmo lempo esposa e abundante estado,
e pediu-me qae rae servisse de ambas as cousas,
no temor de Deus.
Deste modo recebi a filha e juntamente lodos os
seus bens; e pego a Deus que me ajude a cami-
nhar al o tira de minha vida sobre as pegadas de
meu pai.
Sobre o Evangelho de S. Lucas capitulo VIH v.
IV a XV.Os discpulos Ihe pergantaram a signi-
fleago desta parbola.L-se no Correio do Bra-
sil o seguinte :
Ura grande medico desceu do co; porque um
grande enfermo jazia prostrado na Ierra, diz Santo
Agostinho I...
Quania importancia devia ter um tal enfermo
para merecer a vnda de um tal medico?
Tal importancia jamis se pode explicar, senao
pelo amor que Deus era todos os lempos tem delle
dado provas, as mais solemnes, para com suas
creaturas.
Crea elle o homem, e o eleva logo cathegoria
de rei da creagao; colloca-o em um lugar de deli-
cias, e, para nao estar s, Ihe d urna companhei-
ra particpame de sua felicidade, assim como par-
ticipava ella de sua carne e de seus ossos.
Este homem, feliz como se achava, bem depres-
sa torna-se ingrato e transgride um preceito, s a
elle imposto para que jamis se esquecesse de sua
dependencia : Elle o transgride comendo do pomo
vedado, altrahindo sobre si e sua descendencia as
iras do Senhor I
Eis d'onde principia essa longa serie de exces-
sos de amor e mizericordia para comnosco, sem-
pre ingratos, sempre reincidenles, mas sempre ad-
moestados, sempre beneficiados, levissimas vezes
castigados depois de demaziadamenle esperados,
at que esse medico celeste, na sua devina mise
ricordia, se' dgnou vir em pessoa mostrarnos a
verdade, guiar-nos no caminho pelo qual poderia-
mos cora seguranga a ella chegar, e recuperarmos
essa felicidade perdida pela culpa, lornando-se el-
le o nosso modelo, nosso guia e dosso mestre,
quando dissesegue-rae I
Incansavel sempre em doutrinar o povo toma
para seus cooperadores doze apostlos, aos quaes
convenientemente inslrue, como aquelles que des.
tinava para propagaren! a sua divina palavra por
todo o mundo. Nao os escolhe d'entre os mais sa-
bios, purera d'entre os mais ignorantes 6 simph-
ces; por isso que a doutrina que Ihes ia ensiuar
nao era a doulrina do mando, e sim a de seu eter-
no pai.
E' por isso que os vemos a cada passo interrogar
l a^Jesus Christo, como no Evangelho de hoje, pela
siguiQcago das parbolas que ouviam.
Tinba Jess Chris.o acabado de referir, a mull-
dio que o acompanhava, a parbola do lavrador
que sahio a semear o seu campo, cahindo parte da
sement soore pedras, que morreram por falta de
humidade; parte entre espinheiros que, crescendo
esles, as suffocirara; parle, erafim, sobre boa trra
que devolvendo-se vigorosamente dera de fructo
cento por um, e adraoeslando ao mesrao tempo a
turba para que aquelles que thessem outidos de ou
vir ouvissem.
Jess Qiristo explica-Ibes, que esta sement
palavra de Deus!...
Essa divina palavra que tac- portentosas maravi
Ihas teem operado em todos os tempos, em lodos os
lugares, oude lem ella sido reproduzida pelos obret
ros da igreja de Jess Christo.
Sim, todo o universo eslava completamente es-
queeido da existencia do verdadeiro Deus, e, os
mesmes qne se blasonavam de conquistadores das
sciencias, nao se envergonhavara de curvarem seus
joelbos as falsas divindades, obras das mos dos
homens, e por toda a pane se erigia templos as
mais extravagantes divindades, parto de sua imagi-
nagao escaldada I...
Foi pois esla divina palavra que completamente
transformou a face do universo, reduzindo a cinzas
esies templos e derrocando suas falsas divindades,
arrancn os gentos ao imperio do demonio, sub-
meliendo-os ao suave jugo da lei da graga I...
Taes sao seus effeilos sempre que ella cahe como
a sement do Lavrador do Evangelho, sobre bom
terreno; por isso nos vemos em Santo Anifio entrar
por casualidale em uma ureja ao lempo que um
pregador proferia estas palavras do Evangelho :
Se queris ser perleitos, ide, vendei ludo quanto
possuis, e dai aos pobres.
Recebe elle estas pafavras como dilasa si, sahe
da igreja e curapre exactamente este conselho;
embrenha-se pelo deserto e ah entregase a uma
vida lao penitente e contemplativa, que o torna um
grande Santo I
Mullas vezes cahe ella na beira da estrada, como
disse Jess Christo, islo alguos a ouvem cora al-
tengo, e formam logo uma deliberago de a segui-
rem cora toda sinceridade, porra descuidam-se,
vem ento o demonio com suas militares de (enta-
ges, destre a perssvaranga deslas almas, vencen-
do as pelo seu descuido, e as faz cahir de novo no
peccado.
E' por isso que o Evangelho figura esta semen-
te calcada aos ps dos viandantes e comida pelos
passa ros.
Assim como morre por falla de humidade a so-
mente que cahe sobre as pedras, assira (ambem es-
sas almas, impedernidas pelos deleilos e paixoes
mundanas, ouvindo a divina palavra, jamis sen-
tem aquellas sa!utares impressoes, que tem dado
sempre dignos* sasonados fructos de salvagao!
Para essas almas desgragadas a divina palavra
se torna estril, como a sement que murena e se
torna secca sobre a pedra em que cabio, at que
desgragadamente morrem na impenitencia !...
Vejamos como explicou o divino Salvador a se-
ment que cahio nos espinheiros, e que foi por el-
les sufTocadas. Diz ellesignieavam aquelles que '
ouviam a palavra de Deus; porm que era ella
abafada pelos cuidados, pelas riquezas e pelos pra-,
zeres da vida; e por isso nao davam fructo.
Oh !... precisamos de uma explicagao mais cla-
ra, apezar de concisa, para comprehenderraos com
quanto cuidado devemos preceder durante a nossa
passagem por este mundo de engaos?
Nos trabalhos e desgostos da vida poderemos to-
do perder para com Deus, seno nos resignarmos
cora a sua divina Providencia, que innondavel nos
meios que emprega para nossa sanliQcago ; e
muito podemos gaohar, dasde que resignados luc-
larnus com a adversidade, que nos persegue a lo-
dos os instantes e por rail maneiras, segundo a dou-
trina de Jess Christo e o exemplo que nos deu.
as riquezas... Oh I nao sao ellas verdadeiros
espinhos que, depois de mortificas aquellas que fa-
zem della sua nica divindade, cerrando os ouvi-
dos a voz da religio que nos ensina a fazer della
um uso conveniente a nossa salvagao, s seguiam
por desejos desenfreados, em pregando para sua ac-1
quisigo as fadigas as mais insuportaveis e muilas
vezes al o crime I
Ah I... emo se desgostam elles at de ouvirem
palavra ed Deus, para evitarem que seja desperta-
da sua consciencia magnetisada pela repetigo de
tantos crimes I...
Sejamos pois solcitos em ouvirmos a divina pa-
lavra, dispondo-nos primeramente para a receber
com doc.lidade, preslando-lhe a devida attengo,
para que nao seja ella para nos Infructfera, como
essas sementes que cahem sobre as pedras, espi-
nhos e a beira das estradas I...
Para que seja a nossa alma fortificada cada vez
mais pela sua sania virtude, e ento mais valero-
samente resistir ella as lentagoes de Satanaz, e
nossa fidelidade ser premiada com uma cora de
gloria immortal.
E' esta a ola do ministro dos negocios eslran-
em Hespanha, ao seu representante em Vienna.
Madrid 3 de agosto de 1863.Exm. Sr.O en-
carregado dos negocios de Austria deu me conhe-
cimenlo de um officio que, em data de julho, Ihe
fora derigido pelo Sr. conde de Mensderff, e coja
copio, a pedido meu, confidencialmente me deixou.
Como este documento podia muito bem nao ser
por V. Exc. coohecido, passa o s mos de V. Exc,
tambera confidencialmente.
E' verdade que durante o altimo ministerio pre-
sidido pelo Sr. duque de Tetuo, a poltica que o
governo da rainha seguir com relago Italia, se
a?ha at certo ponto em harmona com a da Aus-
tra ; mas nao tambem menos verdadeiro que es-
ta conformdade nao provinha de ccordo ou dees-
tipulaco.'s que se houvessem feito era virtude das
quaes os dois paizes se comproraetlessera a seguir
a mesma poltica n'esta questo.
A Hespanha e a Austria lera sempre marchado
em harmona, tanto quanto os seus interesses res-
peteciivos o teem pedido.
Mas nem uma uem oulra potencia perdeu a sua
liberdade de acgo para se separar nesta queslo,
como em oulra qualquer, logo que os seus respec-
tivos goveruos assim ojulgarera conveniente.
E' pois para mim inuilo dillicil comprenhender
os motivos em que se apoia o Sr. de Men^dorfl, para
afJlrmar que o primeiro acto desie ministerio nao
correspondeu as suas esperangas.
Esla assergao faria suppor um accordo previo
que leria limitado dentro de um certo circulo a li-
berdade de acgo que o governo da rainha lera
sempre conservado n'este negocio, assim como tam-
bem era geral as suas relages exteriores.
Os lagos de amisade de cousiderago mutua que
unem a ilespauha e a Austria sao muito numero-
sos, nao pdem senao eslreilar-se cada vez mais, a
partir do raoraeulo em que o imperador julgou que
era do iuteresse de-seus estados o modificar as an-
tigs inslituiges do eraperio, subsiuuindu as por
oulras que apreseutam graude analoga com as
nossas. Ha larabem muilas quesles polticas, a
respeito das quaes os dois governos se polem adiar
em completo accordo.
O que nao porm possivel admtiir com o con-
de de Meusdo IT que a Hespanha e a Austria le-
nhara na Italia iuleresses idnticos.
Sentimos uma sympaihia viva o profunda para
com os principes da tamal a liourbou, que perde-
rain os seus estados; esperamos quairo anuos antes
de reconhecerraos o reino da Italia, aguardando no-
vas eventualidades ou que um accordo das poten-
cias europeas trouxesse a uma selugo defiuiliva-
uina queslao lo complicada; mas logo que, de-
corrido este periodo, o reino da Italia se consoli-
dou ; logo que os interesses polticos e materiaes
da Hespanha nos acouse.haram que reconheeemos,
nunca imaginamos que se podesse vollar contra
nos umaresolugao que tomamos tendo em vista
mais que tudo o iuieresse dj paiz, e pondo de par-
te alTeiges pessoas e iuleresses puramente dynas-
licos, que a.'eui disso, nao alfectam seno a familia
real de Hespanha.
Esta resolugao nao pode sevrir, ao contrario, se.
nao para conlirroar a siuceridade e o desinterres-
se no uosso proceder.
Como potencia exclusivamente calholica, a Hes-
panha toma grande iuieresse em ludo quanto diz
a respeito a Saula >e ; mas esle iuieresse absirac-
go feua de loda a especie de aspiragoes polticas,
dirige pura e exclusivamente ao santo padre.
Sera duvidar um s instante da ju.-ta solicilude
que anima a Austria era favor do chefe supremo
da igreja catbohea, preciso reconhecer comtudo
que esta potencia lera na pennsula italiana interes-
ses de uma oulra especie, esla considerago s bas
la para demonstrar que nao exisle a idenlidade de
lius de que falla o officio do Sr. conde de Mens-
dorff.
Nao posso tambera acceitar a opinio emitlida
pelo Sr ministro dos negocios estrangeirosde que
o reconhecimento dos actos da (talaba linha torna-
do mais dillicil para a Hespanha a possibilidade se
pronunciar a favor da sania s.
No modo de proceder, adoptado al hoje pelo go-
verno da rainha, uma s cou-a positiva que
todos os nossos esforgos teem at agora licado in-
fructferos relativamente ao lira a que nos propu-
zemos chegar.
Alm d'isso, o reconhecimento de actos consum-
mados nao uma d'estas Iheorias cuja pratica nao
leuha sido ja' esperiraentada :
A Hespanha e a Austria teem sempre seguido
esla publica, e sera remontar a pocas muito long
quaes, limitar-rae-hei a recordar que em 1830 e
18i8 as duas potencias reconhecerara na sua geue-
ralidade osados ciuisuramados era Franga depois
da queda dos dois ramos da familia dos Bourbons.
E referindo-nos a uma poca mais rcenle, e
preciso nao esquecer que a monarchia italiana
lem sido reconhecida por toda Europa, salvo
raras excepgoes, e que a mesraa Austria sanecio-
nou a encorporago de uma das mais bellas pro-
vincias do novo reino da Italia ao anligo reino do
Piemonle.
Os motivos que teem guiado o nosso procedimen-
to, tendo sido j desenvolvidos no officio dirigido
ao embaixador de sua mageslade em Roma, e nao
sendo necessarias novas explicagoes sobre esta ma-
teria, fariam com que eu terminaste aqu esle of-
ficio, se nao fosse a impossibilidade de deixar pas-
sar em silencio observagoes comidas na ultima
parte do officio doSr. conde de Mensdorff, eucarre
gado dos negocios da Austria.
Parlilho inleiramenle as opinies do Sr. minis
tro dos negocios estrangeiros de sua raagestade
apostulica quando diz, que nada ha lo delicado co-
mo emitiir uraa opinio sobre a siluaco interna
de uma potencia eslranha. Eis aqui porque me
nao julgo autorisado a fazer observagoes sobre a
situago interna do imperio da Austria.
Pnanlo reconheceudo completamente as inten-
goes araigaveis que guiavam o Sr. conde de Mens-
dorff, dsvia talvez abster-me de responder a apre-
ciages, de que s o governo da raiuha deve ser o
uoico juiz.
Todava o Sr. Mensdorff insiste de tal modo em
declarar que a viva amisade da Austria para com
a Hespanha a nica causaj que provoca da sua
parte reflexdes desta natureza, que julgo dever pe-
la minha vez responder a estes sentimentos de ami-
sade, manifestados por este ministro, desvanecen-
do-lhe os receios que parece ter emquanto a estabi-
lidade do Ihrono da rainha.
Para esle efTeito basta ler a historia.
A rainba Isabel contava ainda poucos annos
quando pela raorie de seu augusto pai, o rei Fer-
nando Vil, vio os seus direilos contestados por
um principe usurpador a testa de um partido fa-
ntico.
Abandonado por quase toda a Europa, o povo
hespaohol conseguio fazer triumphar, nao s os di-
reilos da soberana, mas as instiluigoes que serviam
de base ao seu trono.
Sao estas raesmas instiluigoes, onde outros jul-
gara descubrir uraa causa de grave perigo, que fo-
rana o seu apoio mais solido no meio da grande ca-
tastrophe de 18&8.
Durante esla poca, que deixou em toda a Euro-
pa to peosiveis recordages, o Ihrono da rainha
nao esleve um momento era perigo, e nao houve
necessidade do mais pequeo sacrificio pessoal pa-
ra salvar as ioslituigoes monarebicas.
A Hespanha atravessou tranquilamente esta
horrorosa crise, e gragas as insiiinigoes, de que
se achava cercada, o seu throno permaneca fir-
me no meio da tormenta que poi a borda do abys-
mo antigs monarchias. que se julgavara inabalji-
veis.
Segundo a opinio do eoverno de sua magestade,
esta iosiitoicno que a raesraa Austria acaboo de
; estabelecer para si, esla unilo intima exisiente e-
i Ir a cora e seus vassallos, fariam triumphar ain-
. da uma vez o Ihrono da rainha, se novos pericos o
viessem ameagar.
Mas esles perlgos nao existem, e o governo de
sua magestade est cerlo que a poltica liberal e
conservadora que abraga sufflciente para os afas-
tar.
Um semelhante procedimento, adoptado em tem-
po conveniente, leria provavelmente salvado os so-
beranos que teem al hoje reinado na Italia.
Exprimindo-se n'estes termos com o Sr. conde
de Mensdorff, V. Exc. dignarse-ha levar-lhe ao seu
conhecimenlo quanto eu sinto que a poltica adop-
tada pelo governo de sua magestade na questo da
liana se nao ade de accordo com o que a Austria,
por motivos que eu respeito, julga de conveniencia
seguir.
Llsongeio me em crr que, apezar d'esla dissi-
dencia na nossa maneira de encarar esta queslao,
1 as relages entre os dous paizes continuaram a ser
1 lao mimas e amigaveis como al aqui.(Assigna-
do) M. Bermudez de Castro.
E' do sr. A. J. Domlngues :
0 PECCADOR AOS PS DO CRUCIF1X0.
Tib sol peccavi.
(Salomao 50.)
Quem nao verte, Sexhor, amargo pranlo,
Ao ver-vos neste eslado ?
Quem nao detesta o hrrido peccado,
Ao ver na cruz o Ser tres vezes Santo ?
Ao ver na cruz o Dos, o Pai, o Amigo,
Abnndn-nos o peitol
j Esse dnm, meu Jess, nao mais regeilo,
i Quero s respirar, morrer comligo.
De mim mesmo fug, venho asylar-me
Nesse Teu Lado aberto ;
De amiga sordidez todo coberlo,
Venho, Senhor, no sangue Teu lavar-me ;
Lava Teu sangue o peccador eontriclo ;
Para o rerair morreste;
E, se o calix no nolgotha bebeste,
Po por dar vida ao que Te busca affticto.
De dor pungido o cora gao m'estafa,
Pequer, Senhor e agora
Perdao mioh'alma gemebunda implora,
E nos suspiros, no pezar s'exala:
Abracado co'a a cruz a noite e o dia
Me ha de ver lacrimoso ;
Abracado co'a cruz serei ditoso,
Tendo a meu lado a Divinal Mara ;
Neste lance me vale, oh Virgera boa,
O' Mi de dr immensa I
Por ti veja apagada a minha offensa :
Ah 1 Mara por mim I O' Deus, perda.
JORSAES COMPRADOS.
A verdade como o azeite, que ha de vir sem-
pre a tona d'agua, por mais esforgos que se fagam
para ir ao fundo.
Varias vezes as minhas precedentes correspon-
dencias advert aos tenores que se nao fiassem as
noticias da Italia dadas pelos jornaes piemontistas
de Paris, e sobre tudo pelo Jornal dos Debates,
porque todas ellas eram compradas a peso de ouro
pelo governo de Turin.
Trataram-me de visionario e responderam-me
que todas essas subvengoes pagas pelo governo pie-
moutez aos jornaes estrangeiros de que eu fallava
nao exisliara seno na minha imaginago.
Calei-me, e espere! cora paciencia que os fados
segundo o coslume, viessem jusiilicar-rae.
Hoje nao sou eu quera falla, o depulado Slc-
coli, que, na cmara dos depulados de Turin in-
terpella o ministro do interior por este modo:
Perguntarei ao Sr. ministro e aos depulados que
o apoiam se na sua alma e consciencia podem ne-
gar que haja subvengoes de 50, 100, 900 e 300 frs.
por mez, concedidas a certos jornaes: se porm
negar que o correspondente de uma folha estran-
geira recebe 500 frs. por mez para enviar todos
os das a Pars um artigo em favor do ministerio :
que um jornal recebe 40,000 fr. por anno para sus-
tentar as mesmas opinies; que outro recebe mais
de 30,000 frs. e que emfim 60,000 frs. sao pagos
animalmente a urna lolha que se distingue pelo
zelo com que defende a causa do gabinete.
A resposta do ministerio foi a seguinle :
Se o governo tem obrigagao de dar conta a c-
mara do emprego dos fundos do orgamento, a res-
peito dos fundos secretos nao acontece a mesma
cousa.
E' ceno que o ministerio actual, do mesrc mo-
do que o precdeme, considera como um das seus
deveres (e os governos de quasi todas as outrai-
ges acham-se precisamenie no mesmo caso->es-
clarecer a opinio publica no exterior : empela mi-
nha parte, nenhuma difficuldade tenho de reeeohe-
cer que parte dos fundos secretos consigaada a
este objecto.
Esta resposta do ministerio parece-moassaz ex-
plcita para que lodos me dispensem do accrescen-
tar qualquer especie que seja de eoramentarlo.
Estas palavras nos as lomamos a um szado cor-
respondente do Jornal do Corntuercto.
Ao entanio vjustamente desses jornaes como o
Jornal dos Debates, o Sicle, a Opinin Nationakt
etc., que a malor parle das nossas folhas tirara, as
noticias da Italia que impingem aos leilores inex-
pertos.
Attengo com essa iraprensa que ahi val perver*
tendo a opinio publica sobre os tactos da revolu>
gao na Europa e injuriando o sumrao pontfice.
Um decreto promulgado por Napoleo III acaba
de admittir o celebre Henrique ilerz como cidado
francez,
O sabio msico era de facto ha multo tempo ci-
dado franeez, como professor do conservatorio
imperial de msica e como offlcial da Legio de
Honra.
Obteve-se emfim o mais comprido discurso do
general Grant.
E' o seguinte :
Senhoras e cavalleiros do condado Broun, todos
vos sabis que nao costnmo fazer discursos. Muito
folgo por nao ter aprendido na moeldade a faxer
discursos, e agora que estou velho nao desejo co-
megar a faze-los. Prefiro coroegar qualquer ootra
cousa a fazer ura discurso. Agora, senhpras e ca-
valleiros, posso smenle dlzer-vos que me cansa
muito prazer o voltar ao condado Broun, onde pas-
sei a minha raocidade.
PERNAMBCO- TYp. DE M. F. DE. P.'&'TimO

i .
~L-y
"* -s^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESRCJD3LK_TXSAGS INGEST_TIME 2013-09-04T22:30:42Z PACKAGE AA00011611_10853
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES