Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10850


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO ILI. HOMERO 293
?r faartel pago dentro de iOdiasdo 1, mez ...:.
dem depois dos!.0'10 das do comecoe dentro do qaartel. .
Porte ao eerre/o por tres Mezes ..,,.,.,,,,,:
ttfOOO
61000
750
X"
SEXTA FEIRA 22 DE DEZEMBRO DE N65.
*!>$00S
S$OO0
ENOARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexaodrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques n"a Silva ; Aracatv, o
Si". A. de liemos Braga; ('ara, o Sr. J. Jos-1, de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Sra. Geraldo Antonio Alvos &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Coala.
ENOARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO BUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Fali o Dias; Babia, o
Sr. Jos M trtins Alves; Rio de Janeiro, Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Acoa Prela, todos os dias.
Igaarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Sanio Au.io, Grvala, Bexerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Rento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Lirooeiro, Brejo, Pesqnelra
lugazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueho eEx, as quarta?
feiras.
Serin
hem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
rei os, Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBl'NAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio : segundas e quintas.
Rularan : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenjla : quintas s 10 horas.
Julzo do commereio: segundas as H horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira Tara do civel: tergas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1
tora da tarde.
EPHEMERIDES DO MFZ DE DEZEMBRO.
2 La cheia as 4 h., 24 m. e 43 s. da t.
9 Quarto ming. as 0 h., 53 m. e 28 s. da t.
18 La nova as 2 h., 15 m. e 34 s. da m.
24 Quarto cresc. as 10 h., 11 m. e 2 s. da m.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
18. Segunda. S. Esperidiaoh c; S. Thentimom. Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o norte
1. Jerga. S. Daro m.; S. Pautillio e Fausta mm.!a-* re rida mor- nara Parnan
20. Quarla. S. Domingos de Silos ab.; S. Julio m./' 7 '.. 1 ? P*ra Wm**m
21. Quinta. S. Thom ap.: S. Themistoeles m. do nos s me:es de Janeiro> margo, maio,
22. Sexta. S.Honorato m.; S. Flaviano m.
23. Satinado. S Victoria v. m.; S. Tercilla v.
24. Domingo. S. Delphino b.; S. Tarilla m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 horas e 30 m. da manha.
Spp;unda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
jaldo, setembro e nuvembro.
ASSIGNA-SE
noRecife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Fi^ueiroa de
Faria & Filho.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S., que em
vista da iuclusa conta e nao havendo inconvenien-
te, mande pagar ao commandante da companhia
provisoria de polica, que assim o solicitan em
nfficio de 16 do correte, n. 65 a qnantia de
2lot0, por elle despendida com o enterro do
soldado do carpo de polica Felippe Santiago e Sil-
va, que falleceu no lia 11 do correle, i>o hospital
Pedro II.Communicou-se ao commandante da
Grande do Norte,Recebi com o seu ollleio de 11 companhia provisoria de polica,
do correte a guia da sentenciada Josepha Mana d,1() ao commandante superior da guarda nacio-
da Couceigao, e espero que V. Etc. me remeta a na) -,, n,C|fe.Iuf0rme V. s. quautos guantas
do sentenciado Gnilherme Ribeiro da Costa, de que | (i(!Sgnartos para o servico da guerra, tem sido
trata o ollicio desta presidencia de 24 de uiaio e o 1 apreseolados pelo lenente-cnronel commandante
PARTE 9FFIGIAL
G\ERS0 DA PHOVnJU.
Expediente do dia 18 de dezembro de 1863.
Offlcio ao Exm. presidente di provincia do Rio
de V. Exc. de 12 de setembro ultimo.
Dito ao Exm. desembarsrador provedor da Santa
Casa de Misericordia. Pica V. Exc. aulorisa.to a
couee ler nao s a Zeferlna Maria da Couceigao a
licenca que pede para seu tilho Prxedes Claudio
de Miranda, educando do coilegio dos orphos, pa-
ra passar com ella os dias das ferias, ma tambem
aos domis orphos que a solicitaren) senao bou-
ver Inconveniente nessa eoncesso.
das
do balalho n. 8 de infamara da guarda nacional
deste municipio, com declaraco das compauluas
a que pertencem, e quanlos tem sido dispensados |
por incapazes do servico ou por terein- isenges
legaes.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Santo Actao.Mande V. S. eliminar da
lista dos guardas oaciooaes destinados a guerra,
[lelo balalho n. 27, o de nome Manoel Jacintho de
Dito ao general commandante das armas. Me||0j de ^ ,ral., a sua ,nfdrmacao de 7 do
Transmuto por copia a V. Exc. para seu conheci-1 correot8i V|sl0 ter provano ser casado, devendo
ment e direccao, o aviso circular do ministerio da | y. s., nao s designar oulro guarda para substituir
guerra do primeiro do crreme, declarando que os | a |Uel|ei mas Uiu|,em providenciar sobre a preen-
chimento do contingente que deve dar a guarda
offlciaes da guarda nacional, quando servirem de
vogaes em conselhos de guerra, devem perceber
sold addicioual e etapa.
Dito ao roesmo. Sirva-se V.
inspeccionar o guarda nacional t
de iufantaria do municipio de Caru
de Sou/a Wanderley, que para esse tim se apre
sentir nesse quartel general.
Dito ao mesmo. Mande V. Exc. eliminar do
servido da guerra, para que eslava designado o
guarda nacional Manoel Jos Camino do nasa-
memo, visto ter provado ser o nico arrimo de sua
mi viuva e sexagenaria.
Dito ao mesmo. Mande V. Exc. eliminar do
servico da guerra, para que eslava designado o
guarda nacional do batalho n. 27 de infatuara do
do municipio de Caruar, Joaquim Luiz Bezerra,
visto ter provado ser o arrimo de seu pa paralin
co e sexagenario.
Dito ao mesmo.Mande V. Exe. dar baixa ao
voluntario da patria do quinto corpo addido ao sex-
to, Jos Lopes de Souza, vi-to ter sido jutgado in-
capaz do tervico militar, como consta do termo an-
nexo ao offlciu de V. Exc. de 16 do crreme, sob
D. 2151.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. inspeccionar o
paisano Heorique Das de Ca valu, offerecido pelo
guarda nacional fos Scrates de Paula Lima, de
que trata o incluso requerimenlo.
Hilo ao mesmo.Mande V. Exc. inspeccionar o
guarda uacional destiuado ao servico da guerra,
t.-tevo da Molla Oliveira, como pede o pai do
mesmo guarda Joaquim Lelle da Siiva, no incluso
requerimiento.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Annuindo ao que solicitou o director do arsenal de
guerra, em oQJcio de 15 do correte, sob n. 83,
romeada a V. S. que em vista da conta junta
em duplcala, e nao havendo inconveniente mande
V. S. pagar a Eplphanio Jos da Silva, a quanlia
>: 4 i OOO, proveuienie da conduco d'aquelle ar-
senal, para o quarlei da >oledade e d'alli para o
do Hospicio, do fardamento e armamento perlen-
ao sexta corpo de voluntarios da patria, co-
se v da menemoada conta. Communicou-se
ao director de arseual de guerra.
Dito ao mesmo. ltcommendo a V. S. que em
Vista da folha juuta em duplicata, e nao havendo
inconveniente, mande entregar ao primeiro len-
te Eroesio Iguaciu Cardim, coororme solicitou o
capito do porto, em ollicio de 16 do enrrente, sob
nacional dessa comarca.
Dito ao director das obras militar.-
Exc. demandar I men,|0 a y. S. que mandando examinar co
do balalho n. -7 gL.neja os COncertus que sao precisas no com
,4i 1 -iri. Joaquim niento que serve de residencia ao sargento al
s.Reoam-
com ur-
comparti-
Imoxa-
rife da fortaleza de Itamarac, e bem assim o que
fr necessario para dar-se o conveniente asseio a
respectiva capella e aos domis compartimentos,
me aprsenle o orcamento da despeza a fazer-se
com semelhante obra.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. conduzr e receber nos armazen* desse arse-
nal os obj-ctos constantes da relagao junta, os
paos fjram rjeixadus no quartel do II tspicio pelo
terceiro corpo de voluntarios da patria, apresen-
lando-me a coota da despeza que lizr com a con-
duco de laes objectos para ser indemnisada.
Dito ao mesmo. Em vista de sua informaco
de 12 do correte, sob o. 477, autoriso V. S. a con-
ceder ao menor desse arsenal Francisco de Paula
Uabral Jnior, oito dias de lieeoca a contar do dia
25 deste mez em diante, conforme pede o pai do
mesmo menor no requerimenlo sobre que versa a
-na citada informarn.
Dito aojinz municipal da primeira vara desta
cidade. Remeti a Vmc. para ter o '-onveniento
deslino a inclusa guia da sentenciada Josepha Ma-
na da Coiceico que se acha no presidio de Fer-
nando.
Dito ao commandante da companhia provisoria
de polica.Mande Vmc. dar baixa ao soldado An-
tonio Fraacisc 1 de Carvalho, visto ter provado ser
de meuor idade.
Dito aos agentes da companhia Brasileira de Pa-
quetes a vapor. Podem Vmes. fazer seguir para
os pon is do sul o vapor Tocanlins boje a hora in-
dicada em seu omVio desta data.
Portara.O presidente da provincia aitendendo
ao que re |oereu o pnmeiro cirurgiio do corpo de
saude do exercilo Dr. Prxedes Gomes de Sonta
Pilanca, etendo em vista a inf omaco do inare-
chal campo conimaudanto d.i- armas, desta da-
ta, sob n. 2,467, resol ve conceder-Ihe dous metes
de licenca de coiiformidade com o artigo 106 do
regulamento que baixou com o decreto n. 2,677 de
27 deoutiiDro de 1860, vito ter de lindar a que
ohteve do governo Imperial para se convalecer
' nesia provincia e n.io se achar anda em estado
: de poder seguir para a corte.
Dita.O presidente da provincia de conformida-
. O, a quaolia de i:a6OJO00 P*^ Pame,0 de com os avisos do ministerio da ioslica de 4 d.
tio> premios a .pie teem dire.lo os pnmeiros man-1 jl|Iieril a lH::; e );j rte feverpjr0 de ,g,, re8olve
nhe.ros conslaoies da predila folha, que ?e engaja- nomear (iara 8,feres da ,a (.ompanhia do bala.
ram para o servico da armada, e bem assim da lna0 w dfl infanWrJa 'dl) munu., )lu de Ipojo
gratitleacao, que compete a pessoa incumbida de ;a AnlnJ0 paes de Lacerda proposw pelo respec-
taes eugajameotoi.-Lommunicou se ao eapao do Mv0 teaente-coronel commandante, como con-ta de
1 offlcio do commandante superior, n. 167, de 21 de
sup
ca
te,
ai
Cavalcante, do esnuadro n. 6, da mesma guarda m, _0 pfesMeilte d;l provincia tndo em vista
nac nal, a receber dessa reparticao, a quaolia de a prop08to .presentada pelo commandante interino
que .-m dala de 22 de novembru ultimo, do balalho n. 42 de infamara do municipio de
para compra .los livros neeessa- Serinoem, acerca da -nial nfnrmou o respectivo
.10 referid- esquadro, assim o commumeo a commandante superior em data de 7 deste mez, re-
\. s. para
L"-'-" cidadaos seguinie
v Q Estado maior.
copia a v. s. Aiferes-seeretario o guarda Victoriano Jos Mari-
aviso circular
maudci eotre)
ros
municipio*
a os Dos convenienies.-Cooimanieoii.se' So(VB amm offlciae8 para 0 rerendo bataino os
ndame superior da guarda nacional dos cida(|ios segninie* :
tpojnca.
de Cabo
Dito ao mesmo.Transmiti por
para seu couhecimeoto e direccao o
nho i'alhares.
d ministerio da guerra do do crreme, deca-; Mhri< porl,vbanilera guaraa pnWAseo Tavares
ranlo que os offlciaes da guarda nacional, quan-1 dlJ >f_.|0 junior.
1" companhia.
Tenente o alferes-porta-handeira Joo Silvera Car-
neiro da Cunha.
Communicoa-se ao respectivo commandante su-
1 periuit
Ofucio ao Exm. Dr. vigario capitular desta dio-
cese.f-Sirva-se V. Exc. de lomar em consideracio
do servirem de vogaes em conseiho de guerra
devem perceber sold addieonal e etapa.
Diio ao mesmo. Estando em termos opret junio
em duplcala, que me remetien o marecbal comman-
dante das armas com .31'10 de hoje sob n 2 '166,
maule V. S. pigar os veneimeMos relativos a pri-
meira quuena de-te mez, das" pragas do 6 corpo
de voluntarios .; do 2o bataihio .le guardas naci-
naes destinados ao servico da guerra.
Dito ao mesmo.Transmillo a V. S. o incluso o objecto da inclusa represeutaco do capello da
pr-t em duplcala tirando vencimentos relativos a colonia militar de Pimenteiras, a qual m 1 sera' de-
primara quiuzena deste mez, para duas piaea> da | volvida com a ioformacao do respectivo director,
companhia de tuavos, alim de que mande |>agar a datada de 13 do crrente, sob n. 69. providencian-
importancia de taes venclmenlos, conforme soiici 'do a esse respeito como jalgar mais conveniente.
tou o commandante das armas em olli-io de 16 do' Dito ao general commandante das armas.De-
correte, .sol n. 2.437. claro a V. Exc. para seu conhecimeoto e llm coa-
Dito ao mesmo.Aalonso V. S., nos termos d> veniente, ?ue o sargeoto-ajndante do corpo de
sua Informaco de lii do crrenle, sob n 902 dada guamic) noraeado por portara de 2 de outubro
com referencia a da contadoria des-a ibesouraria ultimo para alteres em commisso do quarto corpo
arna do requerim-nto que devolvo. a mandar de vuluutarios desta provincia chann-e Francisco
pagar ao bacbarel Miguel Bernardo Vieira de Leopoldo da Silva Lisboa e nao Francisco Leopol-
Amorira, os seos veocimeotos como juiz municipal lo Lisboa, como r.or engao foi osenpto na inen-1
(i j tormo de Caruar a contar de 15 de juoho ate cionada portara.
14 il'. juiho deste anno, considerando se assim pro-; Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de informar-
rogada a licenca dous mezes que Ihe foi concedida me sobre o que pede Manoel Ignacio dos Santos no
por esta presidencia. incluso requerimenlo que vai coberto com offlcio
Dito ao inspector dathesouraria provincial.An- do Dr. chafe de polica.
nuindo ao que soliciten o chefe da repartigo das
obras publicas em offlcio de boje sob n. 399, re-
commeodo a V. S. que mande entregar ao fiel
pagador daqoelia reparticao, mais 2:0003 para a
cootioaa^o da despeza fazer-se com a olira da
caoalisaco d"agua, para a cidade de OUnda, visto
se adiar quasi esgolada a quanlia de 1:2005,
esse tim foi adiantada no crreme
!-'
Dito ao mesmo. Queira V. Exc. informarme
acerca do que pede no incluso reqoerimento ao
governo imperial o guarda nacioual do batalho
n. 23 de Santo Antlo, Jos Alexandre do Nasci-
mento.
Dito ao mesmo. Mande V. Exc. eliminar do
servico da guerra para que fora designado o goar-
tot adiantaaa no crreme da nacional do liaialhfu u. 43 de Serinoem Vi-
:i,e7. [ cente Perreira de Barros, vista ter provado ser o
Dito ao mesmo.Estando em termos a conta nico arrimo de seus paes sexagenarios e doea-
e prel junios em duplcala, mande V. S. pagar a tes.
A 11x0 Jas la Lu Jnior ou ao procurador deste, Dito ao mesmo.Mande V. Exc. eliminar do ser-
cooforme solicitou o commandante superior da \ vico da guerra para que eslava designado o guar-
comarca do Bonito, em offlcio do 1 do corrate, a da nacioual Manoel Jos do Nascimeuto, visto que
importancia nao s dos veucimentos relativos ao foi julgado incapaz do servico em inspeceo de
mez de novembro ultimo, dos guarda naciooaes saude, como consta do termo annexo ao seu offlcio
destacados naquella villa, mas tambem da de-pe-' de 18 za feita com o forneciraento de luz e agua para o Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
quartel daquelle doSucamenlo, durante os mezes Se no hnuver inconveniente, mande V. S. pagar
de outubro e novembro de-te anno. ao capilo reformado Joo Marioho Paes Brrelo,
Dito ao mesmo.Attesdendo ao que solicitou o como pede no incluso requerimenlo sobre que in-
procura.lor da Santa Casa da Misericordia em oITl- formou favoravelraenle o marechal commandante
co de 15 .lo correte ob n. 591, recommendo a das armas, em offlcio de 16 do crreme, sob n.
V. S. que vista da inclu-a conta, mande indemni- 2,458, a graflcagao addieonal e etapp a que se
ar o efre dijuelh estabelecimento da quanlia 'jnlga com direito o mencionado capitao durante o
de 1:0281401), proveniente das despezas feilas nos temoo em que esteve incumbido de agenciar volun-
mezes de outubro e n ivembro deste anno, com os tari os para o 6* corpo onde se acha servindo em
menores de ambos os sexos, que por ordem desta commisso.Communicou-se ao marechal com-
presidencia, oram admitlidos nos coilegio* de mandante das armas.
orphos de cooformidade com o disposto no art. li Dito ao mesmo.Ex pega V. S. a* suas ordens
da le provincial o. 611 de 3 de abril diste para <|ii, nao havendo inconveniente, sejam pagos
anno.Communicoa-se ao Exm. dezembargador 1 pela collecloria da comarca de Flores os vencimen-
provedor da Santa Casa da Misericordia. tos do alferes nomeado em OOHmtaaio para o 4
corpo de voluntarios desta provincia, Francisco
Leopoldo da Silva Lisboa, como pede este no In-
cluso requerimenlo, sobre que informou o mare-
chal commandante das armas, em offlcio de 6 do
correle, sob n. 2,355.-Communicou-se ao gene-
ral commandante das armas.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que em
vista das iuclusas contas e nao havendo inconve-
niente, mande pagar a Antonio Domingnes de Al-
meida Pocas, conforme solicitou o chefe de polica
em offlcio de 27 de novembro ultimo, sob n. 1.856,
a quanlia de 193400, despendida com o sustento
dos recruias contantes das predi tas contas, reco-
lludos a' ca lea da villa da Encada, durante os me-
zes de setembro e outubro deste anno.
Dito ao mesmo.Se nao houver inconveniente,
mande V. S. pagar a companhia de Beberbe. coma
pede no incluso requerimenlo, a quanlia de 48800,
proveniente do fornecimento d'agua polavel feito
enferniaria militar permanente, duraute os mezes
de abril e maio deste anno.
Dit/j ao mesmo.Se nao houver inconveniente,
matide V. S. pagar a Jos Polycarpo de Frettas J-
nior,'como pede no incluso requerimenlo, os ven-
cimentos que se Ihe ricou a dever como alferes em
commisso do Io batalhilo de guardas nacionaes
que marchen para o sul com destino a guerra, a
cootar do 1 a i de novembro ultimo, da em que
leve baixa por incapacidade physica.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Re-tituindo as tres inclusas contas que na impur-
tancii de 1165080 vieram annexas ao seu officio
de II do crranle, sob o. 491, e dizem respeilo ao
sustento dos presos pobresdacadei de Villa-Bella,
durante os mezes dejulho a setembro deste anno,
ftjcoramendo a V. S. que de conformidade com o
parecer da contadoria dessa thesouraria a que se
refere o sen citado offlcio, mande pagar a Joaquim
C iriviro de Andrade ou ao seu procurador Luz de ,
Franca de Oliveira Lima, somenie a quantu de...
104,5800, por ter de deduzir-se das mencionadas
coutas a de 11280, correspondente aos presos Joo
Luz dos Aojos e Flix Francisco Dantas, que nao
vieram contemplados as relacSes ministradas pelo
delegado d'aquelle termo, como se v do predito
parecer.
Dito ao mesmo.Declaro a V. S. em respostaan
seu offlcio de 16 do correte, que secundo pariici-
pou-me o miz de direito da primeira vara desta ci-
dade em 28 de juiho ulllmo, no dia 26 iuslallou-se
nesta capital o registro geral das hypothecas.
Dito ao mesmo.Inteirado de quanto V. S. ex-
poz em seu offlcio de 11 do corrente, sob n. 490, i
com referencia ao parecer da contadoria dessa j
thesouraria, tenho a dizer em resposla que mande
pagar a Antonio Domingues de Almeida Pocas nao;
a quaolia de 79&600 indicada em meu offlcio de 28 i
de novembro ultimo, mas snmente a de 603200,
em qu importaran! as despezas feitas com o sus-;
lento dos presos pobres da cadeia do termo da Es-
cada, durante os mezes de setembro e outubro des-
te anno. como se v das contas que devolvo.
Dito >o mesmo.Estando em termos o pret jun-
to em duplcala e nao havendo inconveniente, man-
de V. S. pagar os vencimeotos relativos ao mez de
novemliro ultimo, das pracas da guarda nacional
destaca las na villa do Cabo, devendo a importan-
cia de taes venc memos ser entregue ao sargento
commandante daqiHle destacamento, como solici-
tou o respectivo commandante superior era offlci 1
de 16 d i rorreule, sob n. 160.
Dito ao mesmo.Constando do offlcio junto por
copia, que me dirigi o chefe da repartiea > das
obras publicas em data de lionfem e sob n. 401, ha-
ver o impreiteiro do calgamento desta cidade exe-
culado no mez de uovembro ultimo, servico cor-
rpsDondnnte quautia de 23:7545610,recommendo
a V. S. que cm visia do competente certificado,
mande pagar aquella qnantia ao mencionado em-
preiteiro. Communicou-se ao chefe da reparticao
das obras publicas.
Dito ao commandante superior da guarda naci-:
nal do Recite.Constando de offlci do marechal I
commandante das armas, datado de 16 do corrente !
e sob n. 2,456, que o 3 balalho de iufantaria da j
guarda nacional desta capital ora aquartelado tem I
precisan de armamento e corrame, sueco leudo !
que para as guardas da pnarnicao sao mudadas por
pragas desarmadas, couvm que V. S. declare que
numero de armas preciso ao mencionado ba-
lalho.
Dito ao secretario perpetuo do Instituto Archeo-
logico e Geograiihico Pernambucano.Recebi com
muita salisfacSo o titulo de socio honorario com
que o Instlalo Archeologico e Geographico Per-
nambucano se dignon honrar-me, e que V. S. me
envin com offlcio de 7 deste mez.
Dito ao director das obras militares.Mande V.
S. examinar e apresenle-me orcamento dos colicor-
tos precisos no quartel onde se acha o 2o batalho
de guardas nacionaes destacado para o servico da
guerra, constantes dos inclusos oficios que me se-
ro devolvidos.
Dito ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. -Aitendendo ao que expoz o guarda con-
servador dessa reparticao Jos Cordeiro de Souza, |
recommendo a V. S. que mande pagar os seus ven-
cimentos relativos a primeira quinzena deste mez,
durante o qual esteve o supplicanle doente.
Dito ao Dr. delegado eocarregado do expediente
da repartan da polica.Informe Vmc. sobre o
que expe o commandante superior da guarda na-
cional dos municipios de Garanhuns e Buique, com
referencia aos contingentas destinados a guerra no
offlcio n. 139 de 5 deste mez, junto por opia provi-
denciando a tal respeito como for de lei.
Dito ao mesmo De conformidade com o que re-
quisitou o commandante superior da guarda nacio-
ual dos municipios de Olinda e iguarass, em 30
de novemliro prximo fiado, providencie Vmc. para
que o delegado do seguado districto d'aqueiies mu-
nicipios entregue ao tenente coronel commandante
do batalho n. II de infamara da guarda nacional,
para o servico deste as 20 armas, que existera em
sen poder.
Dito ao Dr. juiz de direito do Rio Por mozo.
Conformando-me com a resposta dada por Vmc. a
consulla do subdelegado Silvestre Rodrigues Pinto,
sobre poder 011 nao accumular elle o lugar de lis-
cal por estar deaccordo com as decisoes do gover-
no : a-sim Ihe communico em resposta ao seu offl-
cio de 14 deste mez.
Dito ao juiz municipal supplenta de Garanhuns.
Inste Vmc. novarnente pelas informagoes a que
alinde em seu ollicio de 27 de novembro prximo
flr.-do, e remetta-me com urgencia o mappa dos of-
flcios de jusiiga que exig para cumprimento de or
dos Imperaes.
Dito ao commandante da companhia provisoria
de polica. Mande Vmc. engajar para o servico da
companhia sob seu cumulando o paisano Jos Jot-
quim dos Santos, que (tara isso se offereceu.
Dito ao mesm >. Com o seu offlcio n. 54 de II
deste mez, recebi o inventario dos objectos deixa-
dos pelo corpo de polica em expedigo ao sul do
imperio.
da capella Imperial, Francisco Jos Tavares da Ga-
ma, ra da Cruz 11. 56.
Oliuda, 16 de dezembro de 1865.
Cooego Joaquim Ferrara dos Santos.
Secretario do bispado.
lilla das pelxfies.
Antonio do Carrno Lima e Maria Pinheira de
Je>us.
Joaquim Francisco Dias e Joanna Maria de
Je.-us.
Herculano Jos dos Santos e Anna Maria Brasi-
lina.
Alvaro Fragoso de Albuquerque e Candida Rosa
de Oliveira.,
Joaquim do Barros Vieira e Anua Joaquina de Vas-
concelos.
Joo Marluho da tiorba e Rila Maria da Con-
ceje 10.
Thomaz ones de Azevedo e Joaquina Francisca
da Conceico.
Frroino Rodrigues Sobral e Constancia Maria da
Couceigo.
Antonio Pemandes de Macedo e Anna da Costa
Vasconcellos.
Francisco Primeiro dos Sanios e Joanna Francisca
de Jess.
Amonio Gomes Barreto e Francisca Carolina Pe-
reira da Silva.
Joo Martins Vianna e Antonia Romana das
Neves.
Francisco Gomes de Moraes a Maria Felismina dos
Santos.
Jos Rodrigues de Mello e Luza Rosa da Costa.
Jos Francisco da Silva e Josepha Maria da Con-
ceigilo.
Claudino Correia da Silreira e Maria Francisca
Corroa de Oliveira.
Joo Loureneo Vieira e Maria Francisca da Con-
eeico.
Cosme Theodoro da Silva e Maria Magdalena da
Conceico.
Vieram mus as seijuinles leli^jes concedidas na
mesma data.
Francisco Gurgel de Oliveira e Mana dos Anjosde
Oliveira.
llayinundo Gurgel de Oliveira e Sima Gaudeosa
de Oliveira.
Mauoel G inzaga de Araujo e Fraocisca Rosa de Al-;
Duqu-rque,
Jos Felippe de Moura e Felippa Maria de
Moura.
Francisco Bernardo da Cunha e Rosa Carolina de
Paula e Silva.
Ezequiel Renovato de Mello e Candida Francisca |
de Mello.
Luz Maria de Oliveira e Florinda Maria da Con-
ceigo.
Jos Joaquim de Aquino e Fraucisca Anglica i
Espirito Santo.
Manuel Jos Moreno e Mara Rosa da Penha.
Raymundo Nonato de Aquinoe Mana Florencia do
Espirito Santo.
I)K
i'i;\AHinto
SEDE VACASTE.
Noval dispensas matrimontaes.
Chegaram do Rio de Janeiro as peticSes de dis-
pensas do 1 grao igual da linha lateral e 2 grao
altingente ao Ia de consanguiuidade constantes da
lista ahaixo puhlicada e cuja eoncesso foi autori-
sada pelo Exm e Rvm. Sr. internuncio apostlico,
em data de 22 d 1 prximo passado.
Podem ser procuradas etn Olinda na cmara ec-
clesiaalica, e uo Recite em casa 'Jo litm. is. cooego
KPISTI DU1IA.
Ilontem reuni-se o Instituto Archeologico e
Geographico Pernambuco em sessao ordinaria sob
a presidencia do Exm. mooseohor Muniz Tavares
e com assislencia dos Srs. Drs. NascimentoFeitosa,
Wiiruvio Pinto Bandeira, Joaquim Portella e Soa-
res do Azevedo, padre meslr Lino e major Salva-
dor lleunque.
O Sr. secretario perpetuo d conta do seguinte :
Um ffleio do Exm. Sr. ronselheiro Joo Losto-
sa da Cunta Paranagu, cotnmunicando aceitar o
titulo de socio honorario com especial agrado.In-
teirado.
Outro doSr. capito de mare guerra Hermeoe
gildo Antonio Barbosa de Almeida, commiinicando
a sua aeeitacio de socio correspondente.Intei-
rado.
Outro do Sr. Francisco Pires Machado Portella,
em igual sentido. -Inteirado.
Outro do Sr. Dr. secretario do governo da pro-,
vincia, de parte do Exm. Sr. conselheiro presiden-1
le, c onmunieando ter-sido offleiado ao inspector
do arsenal de marinha o ao chefe da reparticao das
obras publicas no sentido do que fora so citado
pelo instituto com relacao ao arco do Rom Jess
Outro do Sr. Dr. chefe das obras publicas, com-
municando, qae j se dera comeen ao calgamento
do largo do I'elonnnhn.Inteirado.
Varios Dameros do Diario de, Pernambuco offer-
lados pelo consociocomraendador M. Figueiroa de
Paria.Recebidos com agrado, manda se archivar.,
Urna cerlidode bito de D. Mana Ce-ar. viuva;
de Jco Fernandes Vieira, passada pelo Hvd. arce- *
diago de. S. Pedro Martyr, e pelo mesmo offertada.
Recebida com agrado,' mandase archivar.
Uns autos em original da abertura da presumida
sepultura de Joo Fernandes Vieira, e do exame
da loasa que a Cobria, procedidos na igreja da Mi-
sericordia de Olinda, pela commi.-sao de trahalhos
historeos e archeologiros.Maoda-se archivar.
lima disserlago sobre a usura, datada de 1783,
e escripia pelo propno punho Jo desembargador
Tnomaz Antonio Gonzaga, aulor da Marilia de ir-
ceu, olfertada pelo Exm. conselheiro Jos Benlo da
Cunha e FigneireJo.Recebida com agrado, man-
da se archivar.
lima espada de forma singular, e que revela
graude anliguidade, a qual foi descoberta a mar-
gem do rio das Velhas, na provincia de Minas Ge-!
raes, offertada pelo mesmo conselheiro. Recebida
com agrado, remettida ao museu.
Um osso petrificado que parece ser de algum!
animal de grande anliguidade, olfertado pelo con-1
socio Dr. Joaquim Portella.-Recebido com agrado, j
remedido para o museu.
Vem a mesa urna proposta para socios.A' com-1
misso de admisso de socios.
Oulra firmada pelo Rvd. padre mestre Lino, no
sentido de se requerer a cmara municipal a ne-
cessaria licenca para fazer-se a excavagao no lugar
que foi oceupado pelo arco do Bom Jess-Assim
se resolveu.
Outra do Sr. Dr. Joaquim Portella, indicando
que seja remedida a' commisso de reviso de |
manuscriptos, alim de que, depois de revista seja]
impressa na lievista do Instituto a disserlago do
desembargador Thomaz Antonio Gonzaga, offereci-
da pelo Exm. conselheiro Cunha e Figueiredo.'
Assim se resolveu.
O Sr. major Salvador Henrique manda a mesa a
seguinte proposla, que vai a imprimir :
t Considerando que, por falta de meios pecu-
niarios o Instituto tem deixado de emprehender
seus trabalhos archeologicos, muilos dos quaes
de esperar que sejam de vantajoso resultado, at-
lendendo a importancia dos lugares que devem ser
explorados, como sejam estes amigos pcvoados
onde se encontram reductos, forlUicagoes e outros
monumentos dos lempos bollandezes e anteriores,
considerando anda mais que, esta mesma ddicien-
cia de meios tem obstado a reaiisago de outros
tins nao menos importantes desta iustiluigo, e at
a da regular piihllcagao de sua Revista Trimensal,
cuja utihdade incontestavel, e exprime, sem du-
vida alguma, a farca ea vida do mesmo Instituto ;
oroponho que convenientemente se dirija a assem-
bla legislativa provincial, na sua prxima reu-
nan, um requerimenlo pedindo-lhe se digne de
concedernos urna subvengan annual, destinada
nao s aos trabalhos areheologieot 2omo a irapres-
sao e publicaran recular e nao oterrompida da
Revista ; iicando o Instituto obrigado a fornecer a
secretaria da mesma asserabla. a da presidoncia.
as bibliothecas publicas, e a todos os archivos das
cmaras municipaes da provincia, um exemplar
de cada numero da mencionada Revista que se for
publicando.
Sala do Instituto, em sessao de 21 de dezem-
bro de 1865.Salvador Henrwne de Albuquerque.
O Sr. major Salvador faz a "lei tara do seguinte
relatorio da commisso de trabalhos historeos e
archeologicos a respeito da sepultura de Joo Fer-
naudes Vieira, a qual vai a imprimir:
O Instituto em sessao de 14 de setembro de-te
anno deliberon, sob propo*ta de seus dignos mem-
bros que, se procede>se a abertura do carneiro
existente atraz do altar da Santissima Trindade,
na igreja da Misericordia de Olinda, o qual supp5e-
se ser o jazigo morluario de Joo Fernandes Vieira.
A commisso de trabalhos histricos e areheo-
lgicos devendo empregar todo o seu cuidado, para
que por meio de algum indicio ou objectos encon-
trados em o referido jazigo, se chga cimpnto de que eses preciosas restos mortaes all
e'tavam, com effeiti, depositados, assim o fez e no
dia 12 de novembro ultimo, achoa-s na igreja da
Misericordia de Olinda, reunida com a commisso
da Santa Casa do Recife e acompanha.la de maltas
pessoas, qne para alli se haviam encaminhado.
Os trabalhos que tiveram lagar nesse dia,
acham-se consignados no auto a e exame da loasa que cobria o referido jazigo, tam-
bem consta do auto em segnimeoto ao primeiro,
lavrado no dia 21, em o qual t.-rminaram as dili-
gencias neste sentido.
t a estas pegas refere-se a commisso, e para
ellas chama a ailencao do Instilnto, bem como pa-
ra as consideracSes qae passa a fazer :
t TendoJo'1 Fernandes Vieira em seu testa-
mento feito na sua propriedade dos Haraogaapes,
em fevereiro de 1674, ordenado que, seu corpo
fosse levado na tumba da irmandade da Miseri-
cordia, e sepultado em um carneiro .pie para este
lim alli sera const'uido ; e ten lo fallecido em ja
neirn de 1681, o lempode sete annos decorridos
de urna a oulra poca, foi mais que siifllcienle
para que esia obra se lizesse ; e nao crivel que
de sua parle honvesse esqoecimento em negocio,
a que elle ligav lauta importancia, como se de-
prebende de otitras disposicSes do seu testamento.
N&o existe Da Misericordia de Olinda, seDo
duas sepultaras nobres; o carneiro da eapHU-mor
perleneente a Joo Paes Barreto e seus descenden-
tes, e este outro jazigo de que tratamos, construido
tambem dentro de urna pequen capella no corpo
da igreja do lado da epstola.
a A igreja da Misericordia, segundo as invest-
gacSes feitas pela commisso, at o meado do se-
clo passado, s linha dous altares, o da capella-
mor, e oolro nesta pequea capella encuberta buje
pelo altar da Santissima Trndade, que provavel-
mente, na poca a que se refere a commisso, foi
collocado face do arco da mesma, onde se acha ;
com a entalba amiga do altar existente no fundo
da mesma capella.
Observase naquella igreja duas enialhas de
ordens diirerentes, que parecem ser executadas, a
mais antiga uo seculo 17.*, e a mais moderna no
seclo passado.
Hoje existem mais dous altares collocados
obliquamenle aos lados do trnnde arco da capella-
mor, os quaes esto indicando, por sua entalba
dfferente e pelo goslo moderno de toda a obra,
que, nao exisliam primitivamente ; tanto que foi
mister corlar parle dos pnmeiros balaustres das
duas tribunas lateraes, afim de lhes abrir es-
pago. _
t Estando pois a commisso convencida, como
j o disse no seu relatorio de 29 de setembro do
anno passado. que, Vieira fall-ceii em Olinda, nao
pode deixar do capacitarse que, elle fura sepulta-
do na igreja da Misericordia, eai vista de suas di<-
po-iges testamentarias e da constante tradigo
verbal; e se elle foi alli sepultado, oulro uo poda
ser o seu jazigo morluario, seuo a sepultura de que
traamos.
Mas, como pode ser este o jazigo de Vieira,
dir alguero, encontrando-se na respectiva campa
un b| laphio que falla de Lipes Dias o qual
diz a tradigo que fura um offlcial militar que alli
se sepultara ?
t E' que os herdeiros de Lopes Dias em
180i, lizeram o mesmo que os de Cosme Jos Gue-
des; invadirn) arbitrariamente o jazigo, s com a
dillerenga que, estes apenas sepultaran] o cadver
em 31 de outubro de 1843, como verificoo a com-
imsSo a vista do assenlo de bito na freguezia de
S. Pedro maiyr; e aquellos foram mais adiante,
tiveram a auimosidade de mudar a campa da se-
pultura.
t E era outra cousa pode suppor-se porque se
esla sepultura fosse feita para Lopes Das, nem a
campa liria seis palmos de comprimento lando a
sepultura dez, uem seriara sepultadas cinco pes
soas antes d'elle, como se v do auto respec-
tivo.
Quem manda fazer urna sepultura, cobre-a
com urna lousa do mesmo combrimenlo e nao
deixa fiear um vo de quatro palmos. Mas tuda
serve a queni se quer aproveittr do que alheio,
urna vez que consiga o lira principal do seu in-
tento.
Dado porm que se queira aJmittir, haver
ella cedido a sepultura a pessoas de sua familia ;
ainda assim, o faci de ser Ihe para isto preciso
viver muito mais de cem annos, a vista da decom-
posigo em que se achara aquellos ossos, princi-
palmente os ltimos encontrados do fundo da se-
pultura, desvanece completamente essa idea*
< Nosso socio o Sr. major Salvador Coelho de
Drumond Albuquerque, a quem a commisso ou-
vio sobro este assumpto respoudeu que, para elle
no restava duvida de ser aquella, a sepultura de
Vieira, cajo testamento por certido passada pelo
eserivo de capellas Manoel Vaz Carrasco no anno
de 1707, a requerimenlo do coronel Jos Cardoso
Moreno, senhor do eogeoho Tibiry da Parahiba,
existi por muito te.upo no archivo da antiga Santa
Casa da Misericordia de Olinda, onde o econtrou
e d'elle coplou differentes verbas, entre as quaes
recordava-so da, em que Vieira determinava que,
seu corpo, depois de passado o lempo da exposigo
na igreja, seria transferido para a capella onde se
traba de fazer o seu jazigo, conforme sua mulher e
mais herdeiros sablam.
Que tudo isto combinado, com o que ouvio
dizer por vezes fallecida sua lia D. Anna Murta
do O' e Mello, viuva do capto-mr Francisco Ca-
mello Pessoa, isto que Vieira, sen terceiro av,
traha sido grande bemfeilor e muito devoto da
igreja da Misericordia, onde se achava sepultado
em carneiro proprio ; o confirmava neste pensar;
pelo que, os ltimos ossos encontrados deviam ser
os de Vieira, cuja sepultura foi violada por seis
vezes, duas vezes por estranhos, como eslava ave-
riguado, e as outras quatro talvez que por pren-
les, que alli podiam ter sido sepultados depois
delle.
< Esle pensar, quo tambem o de muilas nu-
tras pessoas, esta de accordo cora o juizo da com-
misso.
< Antes porm de concluir, convm notar que,
julgando a commisso ser conveoienle obler o as-
ente do bito do tal Lopes Dias, passou a exami-
nar os livros respectivos, Unto em S. lVdro Mar-
tyr, como no curato da S, cujos parochos tiveram
a bondade de os prestar para e-te Ora; mas infe-
lizmente em nenhura delles, relativos ao auno de
1804, foi encontrado semelhante assento.
t A commisso pois se persuade que, a sepul-
tura em questo a qae foi construida dentro
ila jucha capella, para o. jazigo morluario de Joo
Fernandas Vieira, e que os ossos encontrados em
iiltimo lugar, indicando por sea estado de dec.oro-
posicao, urna autignidade de quasi dous tecolos,
sao os ossos do mesmo Vieira pelo que propoe ao
Instituto que, sejam elles examinados por urna
juuta medica, para que esla, segundo os preceitos
da sciencla, diga o que entender, visto como desse
exame pode-nos resultar alguma luz ; o que em
lodo o ca o sejam os misinos ossos recolhidos em
urna urna cora inscnpgo conveniente, aguardan-
do-s novas nvesligagoes que o lempo pode com
melhores dados proporcionar-nos, para o desco-
biimento da verdade.
Sela das sessoes do Instituto Archeologico e
Geographico Peruambucauo, 21 de dezembro de
1865.Salvador Heorique de Alnuqueique. padre
Lino do Minie (rmelo Luna.
Am/ ifu abertura da sepultura em que se pre-
sume ter sido inliumado o governador Joo Fernan-
des Vieira.
Aos 12 dias do mez de novembro do auno do
nascimenio de Nosso Senbor Jess Cbristo de
1865, nesta igreja de Nossa Senhora da Misericor-
dia da cidade de Olinda, s II horas da manha
reunidas as commisses da junta administrativa da
Sania Caa de Misericordia do Recife e do Instituto
Archeologico e Geographico Pernambucano, sendo
a primeira composta dos respectivos mordomos
Revd. Dr. Antonio da Cunha Figueiredo, tenenle-
corooel Ju Antonio Ramos; e a segunda dos socios major Sal-
vador Henrique de Albuquerque e padre Lino do
Monte Carmelo Luna, estando presente o mordo-
mo do mei do hospicio de alienados, (cuir'ora hos-
pital da Misericordia,) Aolumo Jos Gomes do
Correio ; o regente do mesmo hospicio de aliena-
dos Luiz do llego Barros, e mais pessoas abane
assignadas, que para testemunharem o acto espon-
tneamente compareceram; as ditas commisses
se dingir.am para o lugar onde exisie a sepultura
em que s,e presume tur sido inhumado o general
Joo Fernandes Vieira, a qual so acha por dttraz
d" altar da Santissima Trndade, nico lateral que
lie.a do lado da epstola da mesma igreja, e debaixo
da abobada, que indica ler sido urna antiga capella:
ahi procedeu ta a abertura da referida sepultura,
pela maneira spguiole.
Nao se pudendo arrancar a pedra que cobre
parte da dita sepultura, por se adiar sobre urna de
suas extremidades coosiruida urna escada de pe-
dra, pela qual se sobe para o pulpito, abri se a
parte contigua lapida, que se achava coberta de
ladnlho asseotado -obre tabeas, e ahi encontrou-se
na profundidade de dous e meio palmos um cada-
ver cora tolos os ossos ligados uns aos outros, na
mesma posigo era que foi sepultado, pouco mais
ou menos ha 25 anuos, e que se diz ser do capito
Cosme Jos Guedes, segundo informagoes de varias
pessoas.
As commissej manlaram reunir os ossos
desse cadver e depositados em um caixo, e pro-
seguir na escavaco, no intuito de descubrir o que
alli houvejse, at chegar a base da mesma sepul-
tura.
Virada a primeira carnada de cauca, encontra-
ram-se ossos humanos, cuj quantidade e conser-
vago indicavam uo s ser de um cadver, com"
existirem alli a mais de seculo; achou-se um sa-
pato do bico, que pareceu ser do primeiro cadver,
e dous pequeos pedagos de (los chatos de prata,
os quaes pelas suas oudulagoes miudas e regulare-
mostravara ter sido de algum galo.
Contiuuando a tirar-se outras carnadas de ca-
liga na profundidad* de um palmo al o fundo di
sepultura que se contaran) cinco palmos e meto,
achou se ossadas humanas succosivamente c linea-
das e intermediadas por nutras eamadaa de cauca
na quantidade e conservago qae indicavam nao
s ser de cinco cadveres, como que foram alli de-
positados em poca mais antiga do que a do se-
gundo cadver j mencionado, sendo que tola a
ossada encontrada na sepultura de que se trata,
conlinha sete crneos; em vi-la do que, nao so po-
dendo concluir o exame desojado, e convinda
aqnelles continuar as averguagdes, mandaram as
re.-pectivas cnmrais>es depositar era duas urnas
restos mortaes, para Ijearem devidamente conser-
vados ; e deliberaran) mais que, se arrancaste a
lousa, para proceder-se o exame della at chegar-
se as ultimas investigagdes.
c E para a todootempo constar se lavrou o pre-
sente auto em que todos assignaram, e eu Fran-
cisco Gomes Castellao, que presente me achava, na|
quali lade de amanuense da secretaria da Santa
Casa de Misericordia do Recife, na falta de um
funecionaro mais competente, e de accordo com
as commissdes referidas, o escrevi.
Padre Antonio da Cunha Figueiredo, Justino Pe-
reira de Parias, Amonio Ramos,Salvador Benriqoe
de Albuquerque, padre Lino do Monte Camello
Luna, Antonio Jo.- Gomes do Crrelo, Luiz.do Re-
g Barros, Cicero Odn Peregrino da Silva, Amaro
Joaquim Fooseea de Albuquerque, Manoel Ignacio
da Silva Braga.
Auto de exame que se procedeu na lousa, que se
achou cobrmdo a sepultura de que cima se
trata.
Aos 21 dias do mez de novembro do anno do
nascimento de Nosso Senhor Jess Cbristo de 1865,
nesta igreja da Misericordia da cidade de Olinda,
pelas 11 horas da manha, reunidas as commisses
da juuta administrativa da Sama Casa de Miseri-
cordia do Recife e do Instituto Archeologico e Geo-
graphico Pernambucano, no auto cima menciona-
das, estando presente o regente do hospicio d alie-
uados, o porteiro e enferraeiro do mesmo estabele-
cimento, todos abaixo assiguados ; dirigirn) se as
referidas commisses para a sacrista, onde se
achava a lousa sepulcral, que para o mencionado
exame se ha va all collocado ; depois Je lavada
a mesma procedeu-se ao referido exame, que deu
em resultado o segrale :
1 Que a mencionada lousa, com seis palmos de
comprimento, finco e meio de latgura e um palmo
de grossura, lera a superlicie era varias partes car-
comida e estragada; de fraca consistencia ; des-
fazeudo-se em um p araarello-claro, quasi seme-
lhante ao da oca.
t Que a sepultura que esta lousa cobre, tem 10
palmos de comprimento, gnofro e meto de largura
i cinco e meio de profundidade, sendo guarnecida
de paredes de tijollo em todas as suas dimenses;
menos o fundo, em cujo centro, na largura de um
e meio palmos, nao existe parede ou ladnlho al-
gum.
c Que no principio da lousa e na primeira Unha
do epitaphio, observa-se umAmaiusculo meio
carcomido na parte inferior, e em seguida outras
letras apagadas, que provavelmente diziamAqui
jaz, etc.; vendse mais adiante as letrasDROGI.
Que o principio aa segunda linha acha-se todo
carcoxido, divisan lo-se nella somente as letras
AEDe nada mais.
1 Que o principio da terceira linha tambem se
acha apagado ; mas que no lim desta encontra-se
a palavraLOPES-a syllabaDIe o mais car-
comido.
Que a quarta linha acha-se quasi toda carco-
mida, exisliodo apenan no centro as letras SNA.
c Que na quinta linha csto igualmente lodas
as letras carcomidas, exceptuando-se 00 flm umR.
Que, Analmente, existe na sexta linha, por es-
tar do mesmo modo estragada, apenas a dala de
804, sendo que do algansmo8s resta a me-
tade da parle inferior, por se achar a outra meio
apagada.
E nao havendo ;,\v. nada que vdr e examinar,
deliberaran) as ,v.iaisses reunidas, que se la-
vrassa este, em Sieguimento do primeira auto, por
todos igualroeate assiguado; e eu Francisco Go-
mes Uasltllao, na qualidade de amanuense da se.
"liria da Santa Casa de Misericordia do Recife,

,V
V
')
_.


'I
Diario de Pernamfcoce Sexta felra It de Dezembro de Sft.
Lida, fot approvada aacta da sessao antece-
d en le.
BjHpnilHTB.
Aos senhores deputados foram distribuidos < s
seguinte* livro : Copiador (por ftMchtaa) do Si-
lauel PoWOf Johnsion & C, (tilo de Joao da Silva
Faria i irmao, dito de Antonio Alberto de Suiza
Aguiar, Diario * Mioteiro Ju-
I) ioT.
DESPACHOS.
Re.,uerimento de J infgim Clemeotiao Ribeiro
da Into, pedalo ques* mande registrar anonva-
c>, que juniii, Je caixeiro da BM* commereial do
Th mi i/, da A |Qim Ponseot-di C Itegistre se.
(tei.i de Diorteclo llibeiro d; Brito, pedindo
xo con.lundo a man por collegas e entras pe-soas Jruaim,,llie 0 registro de ana noineacio de caixeiro
distiucias. : a sobredi! casa coroinercial.Registre se.
na falta do nin funecionarin imU rottrrjiWfflj; e se
ocrrdo coni as eommlssdes referidas, o escrevi.
t Juitino Pereira d.- Farias, padre Ant-eiio da
Cunta Figueiredo, Antonio Ramo*, padre L'tio do
Minie Cannell'Lon, Salvador rtenrique e A-ibu-
querque, Luit do Reg lluros, Manoel Ignacio da
Silva Braga e Caelaoo los Fragoso.
E. Dio liavendo inalena mais a iralar, levantare
a sessao.
Foi hontem dado sepultura o corno do lina-
do baetiarel Jos na CunUa Teixeira, d-pnts .te se-
rein ilie [ellos no ron venta de l'.armo.os ollkios re
llglosos da no-sa ir--ja.
O salmnetii.i foi cercado de pompa, sendo o cai-
o respectivo arrematante Jos Seares Pinte Corre* rro> era que o seria
declara que >ifi>i nr.lenon ......acnrenMane, o neto"
o exigi, limitndose api-Das a fazeeA aaeaas
emque por all passava, algumis ubs;
peno do tratiallto na mesma estrada ;
as clausulas e prego da arrematar por'
ter sido dada roiiiinuDiraca> alguma da obra para
que. essasobservae5e,s nao foram mais da que o vio
o zelo e interesse que lem pela estrada do dito esta-
beleclraento, e se o arrematante, que as poucaa e
ligeiras observagdes que Ihe fe nao astavanj cun-
preheaili las oo ore,amento, para que se paestou a
satisfaz.- las:Inieirada.
Outro do eofunheiro cordiador, informando o
requerimeiHo, noqual /oto de Brito Corroa sede
I-ara i|u Ihe sepi permitlido fazer oa casa de sua
por anonymo que so se ac-
respoasabilidade,
cotilleado nesta Cidade, pois que fci empre- pregado, nos proponemos e conseguimos preparar
cuna pera, quando chamado a responsabilidade, gado lia casa do Sr. Len Chapellin, retra- coro elle nao s ura extracto alroolico que pode ser
apparecer un hometn de palha. .:. penhplpcidn na rua ra Imnemznn ac- applicado em pillas, ma.s lambem una viuho, um
Nao importa; ponho aqu termo a discussao por|t,sta eslapeieuo na rua da impealnz, ac x^npe e mn ^ hi;lr0 nUe pode substituir, era
one ao sallo, iniuria vil calumnia revoltete commettldo desta molestia, fot daqill desen- cer(os ^^ 0 de Vjg0 e estaiM,s persuadidos que
Dio se responde pela impreosa, reccorre se aos, ganado por habis mdicos : relirou-S para com isto prestamos um servlco a humanidade e a
meios legaes. a Bahia, e alli contintiou em tratameotu ate hterapeuiica.
JSJStf^/moTS^-o iJSf fe | *.* vez esencanado n dos me- Ift '-tanto da hydrope,,,, presero a de-
boje, e nenliuma cousidera^o me deaove deste
proposilo.
Roerte, SI de dezembro de 1M5.
Cypriuno b'enelon 6. Mcoforado.
1 "
iDl.a M exw*ltir pelo nov elee de 40 lu*m de Jeee ll+yma* 4-* G*rvaHw, pedieto o |froprie*a> sita a rua .1a Camboa do Carmo n. 7,
contos de ris, a 8- parte da lotera (i2'), em favor registro .la uomeaco) de. seu calxeiro Joiio Ray- | varios melhorameotos arranjinlo o solie^ que se
PIHUGiQOES WMn
das familias tos vetootertos da patria, mato o>
duus maiores premios i;O00 e3:uu.
Pelo vapor eosteiro lionteai entrado do presi-
dio de Fernando, recebemos d'alii as srguintes no-
ticias :
No da 19 de outubro amanliece\i m,rt* junto
a una eerea de pedra, a parda Mana Patora, mn-
Iher do sentenciado a :t aanos de galea B -uto J-
se dos Sanios, cheia pela antopsia a que proeederam noiad*eroa rea-
pectives mdicos, conheoerarn que lo morta a ma-
chucaduras de pedia, ou censa semelhanle, pois
imillas eram as cu-t-lla- fra.lnrailas, sendo algO-
mas.mduase tres partes I Affirma-me 0compa-
dre Joaqoim Ualhado, haver oovldo a muitas pes-
soas ler sido o preprlo marido o assassino I o;
<*>> .' que o lai B -oto f-i logo metlido e ai rigorosa
priso, por ter contra si tolas as aparencias : se;
como di/--m foi elle o autor He lo horrendo crime
nessa capital para onde sem duvrla sera enviado,
dar no tribunal competente estrella1' romas por
lo monstruoso e brbaro procedmeoto.
Tamben no da 21 do mesino mez iravando-se
de raides do m'ivi.;o ,-iri que se arltavam os sen-
teOCiadOS, Seraplto Comes dos Sanios:- J Ma-
lina- (ioocalves, de-afiarain-se para o matio, onde
chegando ambos, ultimaram com pouco i qnesio,
dando urna estocada do J <(- M .tinas, o s.-u con-
tentor, o qnal sendo imiiu-.liaiainent preso, fW
com a mesina promptido gamileiralmeate punido,
segando man., o cdigo disciplinar do presidio.
Maisoatro. fodfa oenovembro- adiauto-ae
ua pafsae h a Ferros n famigeradj .le horrorosa re-
cordaeao Claudio Jos da Silva, < >m o selebre ne-
gro sentenciado .Manuel rraneiseo de. Almnda, um
dos eabecas da recente conspiracao que, tanto em
lempo fo abafada(gracas a bae>trellado Sr.Luii
Jos Montetro,) por orna d'aquellas cirenmswnrias
lti.....istumam mover oora?o do assassino, den
Claudio em Almeida outra estocada, pelo que Ihe
fol lambem applieado o cdigo disciplinar .lo pre-
sidio.
t Bis os faetos mais nntaveis que se lem dadj
oeste presidio, depois da saludad.' ultimo vapor
Agora passarei a tratar sobre o regMlamento
de-te presidio de II de fereretro do crrente auno,
conforme outr'ora lite pn metti ; e souifinte da pul-
lo qne mais importa aos habitantes em geral do
presidio.
Pelos arts. 39 e 30 do dito regulamento Bca
vedad neste presidio a eontinoacto le vivandei
ro-, e a importace de gneros atimenlicios, como
Indo se entrnde da Integra dos referidos artigos.
Ora, habitando aqol quasi duas mil pessoas(o que]
vai sempre em creseimenio,) e levando se a en-ito
semelhaote disposl^o (o que e multo provarel) de-
sejava que me re>pondessem nono e porque (r-
nu se alimentara este povo Y S-i boje com a con-
luniaca i lemp. rana .b-s.-s viv:.ndeir..s e Importa-
co de gneros alimeniicios no presidio (gracas a
paternal e raridosa providencia do Exro. governo
da provincia, que assira o pefmmittio) as (00 a
800 arrobas de carne serca que continuamente
traz-oca o vapor, falm di- muros mnios gneros,
cerno bacathao, c*f,assucar, arroz, farinha de tri-
go, ele.i nao ctiegam paradous m.ze-. lempo que
demora entre um vapor a miro, une sempre nos
acha aqoi (azendo cruzes, o que nao-era para o
futuro com una aleiradora priva^ao Misericor-
dia. ..
mundo de Cirvalh.R.gistrc-se. Iaclia levantado na in-i-m* casa sobre andnballas,
tem de Augusto Caors, para me fosse regUtra- e que esta arruinado; diz que a casi do peticiona-
d i o papel de distracto da sociedade sob a firma rio, segundo a planta approvada, deve recaer um
de Caors Barbosa, de que fazia parte o suppli- pouco ua frente, mas como ella uao pretenda f.i-
canle.Vi.-ia ao Sr. desembargado!- fiscal. zer nesta ocuhuma ailera^ao, e somente
lien, de (; ulano Cyriaco da t'o-la Moreira, di- todava jolga de seu dever cumiouuicar i
zendo que tendo comprado o hiate nacional Doms que possa a cmara com couh
que foi segunda vez desengaado pelos me-
. ,,- i m roccao das raizes da inrubrka, e Merai e Delens,
dicos dalli, chegando eu em Maceio, ^m ea\m Dicciomrio dl,malt,rmmi,,,ica t therapfU.
amigo pedio-me, que O acompanliasse at a iea, dizem que as Anchas se faz uso do sueco
casa do Sr. Christiano, para ver um doenle des fmetos maduro* dessa pianla contra o catar-
e prescrever-lhe algura remedio, encontrci r^ho veeieai, e a auioritoe toa nomes dessesrae-
'.,, i detoc, merecidamente celebres, nos leva a crer ero
o lilho em urna cama desanimado e em es- guas BJ|WMgi e por it0 cuidaremos de ter ero
tado de prostraco, pois ojue escarrava san- no^o estafeeleeimento esaae raiaw, para que possam
!gue, e tinha completa inapetencia e fraque-' ser experimentadas,
za a ponto de nao se poder por em p, no A repoi^^e da mMi tal, eos resniudee
fi i __ e i n.L. ,i HiMiannrm nbtJdnn ultuuainenie 9ao tao imnae
funde urna garrafa do xarope elheieo de lanler,|Ue nos (iarece inulj| dizer mais do que
veame i se acliava elle uo estado de pas- Sio, que ika muripio
Deposito: pharmacia de
Anuyes, como compruvava com o documento que
juma va, pedia que no respectivo reg-tro se lizes-
si-in as il -vidas anuulacoes. Vi-la ao Sr desem-
bargador fiscal.
XaU mais liavendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessao as ..nze horas e mtia da
manba.
JIRV OO I112CIVK.
M Dli DBZEMBKU de l'S6o.
PRRSIDBNCIA UU SU, DIU liANOBL JOSK DA SILVA
NEIVAS.
Promotor publico o Sr. i)r. Francisco de Car-
valho Soares llraniao.
Cscrivao Joaquim Francisco de Paula Estoves
Clemente.
Advagado o Sr. Dr. Francisco Cor.leiro da Ro-
cha Campelio
lie.. Manoel Jos UarlHM aecusado por crime
de l.-ri.n-.Oitos.
Feita a chamada as 10 horas da manhaa achara-
se prsenles 39 Srs. jurados.
Faena multados em mais 205 cada um dos Srs.
lirados ja multados nos anteriores dias de sessao
fallaram h
Alleican !! atteiicao!! e indita at-
lencio!!
Tendo se de apresentar um individuo, em sessao sear eru'casa, desapparecidaa inapetencia e
inda f.i- publica como testemunha em um processo,-a que mm, H inonp p n tosse mili cornija, aquer dar o carcter de militar-, contra seu ir- os f carro.s ae saogue e a tosse mitigados.
isto para rnao, com o fim de aggravar Ihe a situar, depois No fim da segunda ja acliei em estado (le
ecimento de causa de ler cuncorrido para qne.esse irn.oienha sullri- fae-lo passe.ir pelo silio tudas as manbias.!
lomar urna resolucto a respeilo. Coucedeu-so a do trinta e seis dias de pristo Djusla e arbitraria, Acabaila esta O aconselhei que COntinuasse
liceta. e continuar a esforcar-se afim deque essa priso nn ,m ,|n mmn nr(m(1 oihprio illpinado
Outro do menino, informando centra a preten- se prolongue. E como esse depoimentodeva ser por no uso UO mesmo xaropt etntriO tlieindiio
gao da Associaco Commcrcial Benellcento de azer de mais inier^ssanle, pedese a concorrencia do pu- COm O xaro|te alCOoliCO lie vellame, (i que
na casa n. 1 .la rua do Trapiche, as alteractos bheo, alim de presenciar como com o maior cenis- usasse dos banhos salgados na pancada do
mencionadas as plantas que anreseatou, porque mo se inverle a verdade dos faetos, e se appresen- mar_ Seiltio elle nos priineiros banhos al-
a mesma casa lem de ser citada pelo fundo na tam ouiros enveDtados com o proposilo de jusilti- emuiM* m-,c a a.-fHWPlUp. namwi.
eslenco de 00 palmos, conforme determina plan- car-se a um estranho que insultou, na presenga gns CIlO ues, mas etl O a.Ot seilie que UHi-
ta da cidade. Sao lem lugar. dessa mesma testemunha e na de seu pai. o seu tinuasse, com o que se temdado miliiobem
Outro do mesmo, informando o reqnerimeoto proprio Irmao ; insultos que deram lugar a sse pois que tenlio recebido cartas de Macei,
no qual o Dr. Manuel Pereira de Moraes Pinheiro, conselho de descipliua a que subtuelleram o offen- ern que se lile romillunLa 0 St'll bom estado
pede para que Ihe Ihe s-ja permtltido elevar o so- ddo. miilMtia os exoosilon-s re medid-
brado de sua propriedade sito a rua do Impera- A scena uassase hoie 22 de dszembro no duarlel sia imm. Id W|JOS.i) talle ineutLi
na nao aconselham Damos salgados, apenas
quando delles tratam, dizem ser applicados
as eicinphulas, bypocondria, esllierisnao,
amenorrbea, raclbismo, etc. ; enlrelaulo'vi
este liom resultado no lilbo do Sr. Cristiano,
e outros faetos iguaes tenbo visto as om-
cslias siphylilicas, e oulras multas que com
Jo'i'i'nm de Alvuida Pinto.
a
:ttm:
D't'.MA
siio a rua uo impea- \ scena passase noje
dor ii. 27 a dous anidares, conforme, se acba o que a polica polas 12 horas da manhaa.
Ihe Oca visinho, e que tem o n. 25 ; diz que nada
ha que oppor a semelhanle pretetieao se o sobrado I
em qneslao for construido de oltoes dohrado-, o
que Ihe parece nao ler lugar, as-im alga pruden-
te que na licenca que se h niv-r de con -eder. se \
declare a sasfacao desta c.-indigao. Coucedeu-se
de conformidade com a iaformacao.
Outro do mesmo, informando sobre o requen-
meuto no qual Jos .N'orberto Castello Branco, pede
para que llie seja perinitlido faser urna solea uo
seu sobrado sito a rua de Santa Bita n. ;t, declara
Cota ussombrado.
Anacalmlta peiteral de Kemp.
Urna simples tosse pode chegar a ser mortal se
nao seatalhar a lempo-, porm evitar se-ba com-
pletamente o perigo lazendo-se uso immediato da
Anacahuite peitoral de Kempa qual mediante
Molestia Ulcerosa
Curada.
e a cada um dos que fallaram hoje. M exjsle
Sorteado o conselho de .-entenga Ihe fo defe do ( ue sem|() ,,<1;l ll1llua para dar lular asolea
o respecuvojaramento f.i O reo me migado e iido peticionarlo pretende, Hada ha que oppor.-
>to o processo da braaeno da ^"g* Concedeu se no sentido da ioformago.
Outro do mesmo, informando sobre o requer-
vida a accasacao e def.:za, e (Jados os debates
depois da replica e treplica resumidas estas fo-
ram proposlas as questoes de lacio ao jury de
sentouea que recolheii-se a sala secreta das con-
ferencias as 2 horas da tarde d'on.te voltou as 3
Iwras com sua> respo.-las que foram lidas pelo
presideute do jury do sent-nea. em vista de cuja
d.ei-.io o Sr. Dr. JUIZ de direlto iminediataineote
declarou que appeliava para o superior tribunal
da relago da d.ci.-.io do jury absulvendo o reo e
coiidi-mnando a muoicipaHdade as cusas.
Levaolou-se a sessao addiando-a para para o dia
soguiote pelas 10 horas da raenha em que tem de
ser |ulgado o reo Goocalo Antonio Florencio aecu-
s,.do de crime de resistencia segn ia parte e amea-
cas.
21 -
PHBSIWNCIA O SU. ni!. MANOEL Kts BA SILVA
NCIVA.
Promotor publico u r. L)r. Francisco de Carra-
Iho Soaies Brandao
Bscriva.i Joaquim Francisco de Paula Es te ves
Cl -mete.
Advogado o Sr. Dr. Cel-o Tertuliano Kernandes
Quintella.
Reo Goocalo Antonio Florencio.
Feta a chamada as 10 h .ras da manhaa acham-
se prsenles .'8 Srs. jura-Ios.
Foram multado* em mai- 205 cada um dos Srs.
jurados ja multados nos anteriores dias de sessao e
e cada um dos que fallaram buje.
Ab'-iia a sessao, proceden-se osorleio do conse-
lho do jury de senlenca au ipial f-.i deferido o
respectivo juramento, dos Interrrogado o reo foi lito o proces-.i da forma-
meato em que Francisca Candida da Silva, pede
para que Ihe seja permittido demolir a casa t.-rrea
de sua propriedade sita a rua da praia n. 38 e de-
pois reediii.a la de conformldade co.n as postaras
era vigor, declara nada ter que oppor, urna vez
queIbe sejam dados eordeacjto e niveiiamento.
Mandou-se cordear.
Otilio do mesmo, informando nao haver incon
veniente em permitlir-se que D. Emilia Carolina
Uadeira Perreira, como lutora de seus fljhos, faga
os CODcertoa que requer para con.-ervagao do so
brado n. 17 da rua da Boda, pertenceuie aos seus
tutelados. Coucedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimentoem
que, Joaquim Dias Fernandes, pede para fazer al-
guns reparos na coberta do sobrado u. 63 da rua
Augusta, bem como reformar a trapeira que no
mesmo existe, esiendendo-a a toda a largura di
casa; diz que quinto aos reparos da coberta nada
ha que oppor, mas rinanto a reforma da trapeira
s po.iera ler lugar sendo ella transformada em
solea como d termina a postura em vigor.Couc-
d.-u se no .-cutido da i-iformagao.
O.itr.i do mesmo, informando o reqoerimento no
qual Barlholomeo Francisco de Sooxa proprietano
da casa de sobrado de dous andares e soto D. oda
rua das Larangeiras, pede para que Ihe seja per-
-----..lili ariun lCIV.Mrtl UC ftcuiu----n iuci u,ouw II" II
asna benfica influencia faz ceder rpidamente O USO do xarope alr.OOllCO de vellame tem-S0
a irntaco dos pulmoes e garganta, e restabele- obtido Clira radical.
ce sua aegao vigorosa, regular e saudavel. Os 0 Sr. Dr. Silva, medico hbil de Ma-:ei,
urna irapeira, mas que dizem quea aslbma ineuravel mu.to se enga- d s (fe [ef 8ppUcado a u3, serJ (ll)(,(lte de
solea nam. ,. *' .. ..
Es?a fortificante composigao vegetal subjuga e.-sa rlieumatismo O xarope SkOOllCO de veUame,
aflliciiva molestia, ainda mesmo qnando debaixo logo que elle se poz em estado de largar as
das formas as mais obstinadas e aggravantes. As moletas, em que amlava arrimado, 0 aconsc-
lliou que continuasse com o uso do mesmo
anginas nunca terminaram em bronchitesa tosse
em phtvsica nem a rouquid.o em asihma, se des-
de logo em seus principios forem alabiados com xarope conjunclamente. com os banhos sal-
este balsamo vegetal suavisador e sedativo; seus gados, Com qtl3 se tem dado muilO bem, e
benficos efffiltos sao promplamenle ejecutados as um ,jl)S mdicos fliir alli em Macei tem COm-
enfermidades dos pulra5es, dos vasos bronchlo; e ^ C(infian(,a nas |)n
Vende se na< pharmacias de Caors & Barbosa e
J. C. Bravo & C.
inillido demolir o .lito so'.ao, e mesmo o 2
*ndar
E n tem ios passidossempre hav a mais mi me-, gao da colpa foi desenvolvida a accasaci e defeca
no- pe i o i-- man i ciiiorrii pira apila de nos-
-n aliineniago, u isto quando a pupulacaera mu-
lissimo menor ; mas buje q-ie pas -eiu.nis em que poiicas sao as pessoas qu-' oldem
ira* piraunis, ou mlros peixinhos semclhan
[es, visto que o melh ir pescad i se tinha tornado
i rez mu- dificultoso; comopassar-se no pre-
nos casis proprias em que nos abas-
legamos tanto de alimentagao, como de vestuarios T
Os propri.nj empregados e-nas familias lambem
Qcanam na mema contingencia, [mus alflrma me
o compadre alltado, lerouvido a algan? que, ja-
mis se a prove tarto da facoldade qne loe- ronfe-
r.- o ai i ^11 e mais. para se sortirem do necessario,
pois | i se exp inam a desgostos cerl w entre si, e
prejuizos qne icaria a' aquel le dos mesmns, que
fosse o eocarregado de taes compras ; po.i -ni. :.W:
isso coneorrer para a desarmoni.i eotre os m -. i -
em prejuizo da disciplina, e Iranq ulidade do pre-
sidio, que mais que em parte alguma eonvem aqu
guardar-se.
t Cootendo-se lambem na ultima parte ao arl.
16 urna das maiores piivaro- para e-te presidio,
qne a prohibigo da exportago, uao deixarei de
emittir Igualmente min'ia humilde opinln a seme-
lhaote respeilo. E-n verdade, a privaeto da ex por-
lacio oeste presidio sena o oltimo garrote d .do
nos iniser.iveis sentenciados e soas familias ; pois
lendo elles por forga do art. 33, de receberem a
diana em alimentagao, e roupa somente para si, e
nao em dlnheiro como era eslylo (do qual tamh>-.u
dispanliam em beneficio de mulher e flthos), lica-
rain soas familias entregues sem duvidaa ultima
mi-.-ria, eal expostas a perecerem laive de fume
e de nudez, o que nimio depona contra a santa
rellgito que professamos I iiccorrendj mais que,
aem mesmo ao commandante do presidio seria
|i --:v.-i i mboraos bous desejos que uiltrisse) evi-
tar-Ibes lo desastrada sorte ; p-os loda continan
do a facultar-Ibes ierras para suas plintagde-, co-
mo c presumivel e manda a santa canda.le. nada
com suas copelas podenam elles obt.-r por mel
e lindos os debates de|hiis da.repiica e Ireplica e
resumida estas foram propostas as questoes de fac-
i 0 jury de seoienga e rcliran.lo-se esle a sala
secreta da- conferencias a 1 boa da larde d'.m-
VoltOO a- 2 C illl suas re.-po-tis que foram li-
llas tai alia voz pelo presidente do jury de seoten-
i;.i em vi-ta de cuja deciso o Sr. Dr. jmz de di-
re i tu azolve o reo e condemnaudo a moniclpali-
dade nas costas e propondo ao jury a prorogago
visto re-iarem anda 12 prucessos para seren ol-
eados nao passou esta em vi.-ia do que encerron a
ScmHO.
IM-J u 8< c
Ct'iRUllNWI AL mi RECIPE.
SESSAO EXTBAOBDINAB1A AOS 2'J DE NO-
VEMBBODEI863.
Presidencia do Sr. /'ereint Simoes.
Prsenles os Srs. Gustavo do Reg. r. Villas-
boas. Santos e Piulo, ahre-se a sessao, e foi lida
e approvada a acta da antecedente.
Leu-se o segointe
EXPEDIENTE .
do referido sobrado, que se acham armiados,con
servando p i andar que esta bom, e axendo nelle
urna e se tratasse de urna re-
e lificago nao deveri i ser concedida por (punto os
oiloes do sobrado sao singellos, posto que feilo de
tijollos de marca grande, mas tratndose de redo-
zir Dina ohra, ji fela nao parece ju-to negarse o
que o peticionario pr.-lende.Concelen-se.
Outro do contador, informando a peiicto na qual
Jos Francisco de Meoezes Amorim, pede o paga-
mento de 62yj."l3, importancia de cusas em que
(ora condqmnada a municipalidade; declara que
da cerlidao apresenlada naaaU que liarle deasas
cusas perknrem ao contador do juizo, que o
nico competente para os requerer, convmdo que
o peticionan i aprsente certldto separada das que
Ihe perieocem, mencionando na mesma eertidu
a qualidade do crime a que den lagar o piyisesso.
Des|iachou-se no sentido da informaran.
Outro do fiscal da Boa-Vista, pedindo que Ihe
mande pagar a quanlia de lOJOtW que despender
coin o concert da poiresinha do Itosarmho, que se
Ihe mandara fazer.Mandou-se pa-sar mandado.
Foi aiqirovado um paiec-r da comtni-sao de p i-
licia, dando por Conferidas as coutas tomadas ao
procurador, em os metes de mam e junho ultimo.
Maudouse lemeikr a coiiinii-so de edificactos
urna peligao de Jos Thomaz Cavalcante Pes-oa,
replicando do de-pacho de 8 do correle negando-
Ihe licenca para levaolar 2'JO palmos de cerca em
Phtbysica.
0 xarope etherio de veame por mim pre-
parado muilo tem eproveitado aos que sof-
frem desta molestia, e de lamenlar-se, que
uo obtuario desta cidade a maioria dos que
pleta confianca nas prepararles de vellame
par mim fetas, pelos bous resultados que
tem obtido emuia clnica.
Quando alguem se v com tosse vai ao me-
dico, este o examina c declarao senhor es-
ta afectado dos pulmoeso donle desani-
ma com esta sentenca. eniende estar sem
mais cura, quando os fados c a experiencia
teem demonstrado que muitos tendo procu-
rado o lugar apropriado, se teem salvado ;
suecumbem de tubrculos pulmonares e assirn expIicam milil03 ex)osllores de me-
dicina.
Senhor.Intelrada.
Outro do mesmo. de 23 do dito mez, respondeo-
do a., que ii,. dirigi a cmara em 15, sob n. 74, ^nUneBle que se Bzesse o novo corral; deliberoa-
lem a dizer
se lizerem por ser precisa a consroeco do trans-
mo a liinpeza necessaria nos quartes da malanga
qaera|toesca^%Te,e,se AS f ngeabeiro para remetter arcamenio
das .bra- nova.- a fazer-se no me.-ino maiadouro, e
porte de yuerra, determinado pelo governo impe-
rial, e sendo as mesinas escavagoes provisorias,
lero .i.- ser aulilisadar* logo que se concloa o re-
ferido transporte, accrescendo que ellas uao emita-
racam o transito publico, como ludo informa o
in-pector do arsenal de marinha em offlelo de 22
lo correte, sob n. 1,023 luteirada.
Outro do mesmo, de t'k do crreme, approvan
de troca ou permuta con a< vivandeiras (a e-tes I do a arrematagao qu fe/, a cmara, segundo Ihe
eontlnuarem), urna v?z que ndo haja a hvre ex-
portagao ; visto que siria impossivel aos oie-mos
virandeirus reduurem aqu a moeda, os legantes
que em Prora de seos gneros receberem.
Por toda- e-ia- razoes, e outros mais qne pos-
sam ser lembradas era favor dos habitantes desse
presidio, rogamos ao paternal governo de S. M. o
Imperador, se digne amerciar-se de nos, mandan-
do rever o rilado reg lamento, alim de ser melhor
accommodado as differentes preelsdes dos miseros
e solados habitantes desle ilhado ionio, como
muilo de-ij. o seu corrhsp.mdente e criado.
t Fui fe-tejada a Santis-ima Virgem da C-mcei
gao no seu da 8 de dezembro correte com toda a
pompa e hnlhantismn possivel.
Rmanoao d polica.
Extracto da parte do dia 21 de dezembro de
1865.
Foram recotbidos a casa de detengao no dia 29
do correte
A* ordemdoiOr. delegado dx capital, Antonio,
p-cravo de Joacoim Corren, Mena Joaquina da
C inceteSo, SiIvibo Gongalves deWiveira. como sen-
tenciados, S.-v.-nno Francisca da<"osu, como pro-
nuncia Id, Marttoiat Mendeada Cesta, como deser-
tor, Joao i.iv.ilcaiit: d- Albu inerque, eomo rerruta,
Daniel Charpes, Joba Mac, e Dovet, Daneon Mac
Sumer, Andren Henenebe e John Maiirray, in-
glez- -. a re pii-ieao de respectivo .- ..--il.
A' ordem do sufcdetegado do Reeife, Jo- Anto
nio Dommg.s de Figuewedo, por dsot:ediencia, Se-
bastiana Maria da Conciifa.i, para eoareccae.
A' ordem do de S. asi, Lourengo, esoravo de
Angelo'ienriqu'-s da Silva, por fgido.
A' ordam rio do Petes, Vicente Joao da Cosa,
para correego.
A' ordeei do jniz de paz da reguezia de S. Jos,
Antonio da. Silva Gusmo Jnior, por ntofet cum-
jirido os deteres de fiel denosMnfto'
O ehefe da 1" secgSo,
/. 6. 4e Mesf/uita.
Passageiros do vapor bra*tlro Mumdhfua-
be vindo da Dea de Fernaadw de .Kvfouha :
J :. i !'>:.ei..i..i Machado, Jos Cae ano Teixaira
da Silva, Manoel Jtaptisla Barbota, Francisco Bea-
to Pereira Lima, "> sentenciados, 21 pragas que ni
escoltan e 9 rnullieres.
Pa..-ageir.is .do brigue brasilaire Adelante
jludo para Hio tojaneiro :
Agostinfao Jas de Souza e sua familia, Predcri-
0 Jos euict Juniur e 6 escravos a etnreaer.
coramumcou em seu offlcio do 22 do referido mpz,
s.di ii. 77, .;..> alugii'-res das casinhas ns. 15, 18 e
l'.l da ribeira da freguezia de >. Jos, por espago
de um Irienoio, e pela quantia annual de 0G5G00,
cala um a, deven lo a mesma cmara remelter-ihe
copia do respectivo termo de contrato. Inteirada
qo.into a primeira parte, e quauto asegunda que
se cumpri.-se.
Oulro da cmara municipal da villa c"a Boa-
Vista, de 18 de outubro ultimo, acciisand i a re
cepeto do da cmara de.-la cidade, de 2 de agosto
passado, couimunicando-lhe que na mesma data
prestou juramento e lomou posse do cargo de pre-
sidente desta provincia o Exm. Sr. couselheiro Joao
Lustosa da Cunha Paranagua, para o qual fora
Horneado por carta imperial de 7 de julho desle
auno.Inielrada.
Outro da cmara municipal da cidade de Goy-
auna, acensando o recebiniento do da cmara des-
ta cidade de 3 do correte, acompanbado da copia
de outro da Commssto geral da corte, encarre-
gando-a da subscripgao para a olerta que lem de
fazer o povo brasileiro a S. M. o Imperador, de
ema aspada d-f honra por seu feliz regre-so dos
campos da guerra -, declara que envidar o seu
val ment para com saos municipes, alim de ob-
ter desies a maior quantia qun Ihe. for possivel
para tao justo lim. e passa a dar as providencias
para que seja remeida com promptido qualquer
qeantia que arrecadar.loteirada.
Odtro do.julf de paz da freguezia de Santo An-
autorisar se a> Sr. vareador Santos para mandar
fazer os concerlos precisos, dando-so em seguida
ordem ao procurador para satbfazer a importancia
da despeza.
Concedcu-se 30 dias de licenga ao guarda da
freguezia de S. J.ps.Autonio Alves Lima, cun lodos
os vencimentos.
Marcou se sessao ordinaria para o dia 6 de de
zembro prximo tiituro e nos seguintes.
De.-pacharain-se as pelico-is de Antonio Alves
Lima, Antonio Jos do Monte, Antonio Cabral de
Medeiros, Caelano Cypnano da Costa Moreira, di-
reegao da Associagao Commercial, Fancisca Candi-
da da Silva, Delinque Jorge (2), Jos Francisco de
Henezes Amorim, joo de Brito Correa. Joao An-
tonio Carplolelro da Silva, Dr. Jos Vicente Ber-
nardo Duarie, Joaquim Pedro Brrelo de Mello lle-
go, Jos Jeronynio Monleiro, Jos Pereira do Ama-
ral, Antonio Duarle Paulo, D. Mara Vezuneiro de
Abreu Lima Bastos, Fr Seraliin de Cantania, Ti-
bunio Valeriano Bapti.-ta e Vicente Jos da Costa,
e levanlou-se a sessio.
En Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretarlo
o .-ub-crevl.
Declaro em lempo que se mandou ofclar aos
juizes de paz das freguezias do municipio, para
reunirem a juma quahlirariora dos votantes de suas
freguezias na lerceira dominga do mez de Janeiro
prximo vindouro, como mauda a lei.Boa-Via-
gem o declarei. i'ereira Simoes, pro-presidente.
Pinto. Santos. Dr. Villas-Boas.Fonseca.
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores. Na irapossibilidade de dirigir-
me a lempo a todos os senhores que compoem o
collegio eleitoral diste primeiro districto, rogo-lhes
o obsequio de inserir em suas paginas a circular
toaio eaptfto Lo'./. Cosario do Bego. declarando qae fago espathar pelos mesmos senhores, solici-
que leudo se de proceder-se no dia 7 de Janeiro lando os seus sufragios a miuha candidatura,
pr.itinM vindouro a eteigao dos membros da nova Sou etc.
assemtila legislativa provincial que tem de tune- toie Eustaquio Ftrreira Jacobina.
tonar sea a unos de 1866 a 1867, segundo as or- < III n. Sr.E" V. S. um dos dignos eieitore3
dens da presidencia, e acnando-e fora da provio- desle primeiro circulo, que no dia 7 de Janeiro pro-
ca os eleilun-s Cai-taoo Pinto de Veras, Joaquim zimo tem de escoiher os nove membros para a
Miota i Atajea Lima, e o Dr. Antonio Epaminondas composigo da nova assembla legislativa provin-
de Mello, elnaeendo MaanMo o eleitor toc Gen- ciaL
<:ii#MC\_aHi!;UKi.*
triiii \ il o cn.?ii-:itrio
ACTA DA SESSAO AW*t.MSTATTrA DE 2t DE
tiEZEJlBao DE 1803.
PllESlOENCIA DO XU. SB. DESeHRARr.ADOR
ANSELMO FRAHClSC PEDCTTL
s 10 lioras da manliaa, estando reunidos os Srs.
depurados Bosa, C Alcofiraifo, Basto e Miranda
Leal, o Exra. Sr, presidente declarou abena a ses-
sao.
Sou pretndeme a tai honroso logar, e venhs
pedir a V. S a iueluso de meu nome no numero
de seus eecolhidos.
Como garanta do bom cumprinvnto das obri
gal ves Malveira. roga cam.ra qne na forma da
le rrgulaaiHOtar das eleigoes, avisos e decretos
em vigur, ekpeca com lempo os diplomas aos sup-
plentes sub|titupjs d'aqoelie^, bem como a todos
os dentis das oulras freguetias que fazera parle
do collegio desta cidade. Que se respondesso ae
juiz de paz,que uvs dos suppleulea ja lem diplo-
mas que H.e- foram remettidos por oeeasio da
ultima eleicJao para um depuiado a assembla ge- abonar a sinceridad^ do meu carcter, e o propos
sem |irocurareis o recurso do pralico e
experiente, que lhes pdem encaminliaro
rueio de sua sal vacuo.
O Sr. Braga com toja de ferragena na rua
Uireita, fui desengaado por ilous habis
mdicos, acha-se bom com o iratainento por
mim prescripto.
A Sra. Jeronyma Maria da Conceicmi, mo-
radora
do-se
reu e
Um sobrintio do Sr. professor
reth do Cabo, acha-se bom, ctjpio se v de
sua carta abaixo transcripta, alea de outros
fados, que poderia aqui mencionar.
A phthysica a destruico e a magreza
de todo corpo, em conseqoencia de'chagas,;
tubrculos e cincreci.iio dos bofes edeem-
Ora, nessa provincia temos facilidad*] bo-
je e recurso do ar ; por que a va frrea
nos proporciona, pois que em pouco tempo
urna pessoa que existe nesta cidade fcil-
mente se t ansporla para as ultimas estacos
de Gameleira e Una, lugares perto do Boni-
llas dir-se-haurna pessoa pobre nao lem
meios de se transportar e alli estara isso
se responde, que naqaelles lugares exJstem
casas vasias e alugam-se por prece comino-
do, e mesmo muitos gneros de prime ira
necessidade alli se vendem pelos mesmos
elc* .... .11 rei os medicamentos gratuitamente,
Na phtliysica, chegando ao estado de t Nno deMreJ d(, a(lvt;1.li|. an {nMko que
as minbas preparantes de veame sao reti-
vidaile, o que muito pode concorrer para a
salvacao do doento e ajndar os medicamen-
tos e, o ar do campo, exercicio cmvenienle
e dieta, a qual nao deve ser de nenhtima
cousa quente, ou de defieil digesto ; e a
bebida cumpre que seja de natureza branda
e fresca.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a
moderar a acrimonia dos humores e a nu-
trir e susler o doenle, para o que preciso
reduzi-lo ao uso de vegotaes e leite
Toda comida e bebida, qne se tomar ha
dd ser em poucas porc.'s, para evitar que1
odas com ouiros ingredientes, e com elles
tenlio obtido ptimos resultados: nao se en-
gae o mesmo publico com outros que por
ahi seannunciam. cujas preparacoes ignoro,
assim como o apioveilamenlo aos enfermos,
a quem porventara tenbam sido applicados;
cada titn responde por si, e eu allomo com
verdade o que aqui lenliorelatado, cujosme-
dicamentos nesta provincia s vendo cm mi-
aba bolica na rua Direita n. 88.
Jas da Hucha Paranhos.
Na/reth do Cabo, 7 de selembro de 1803.
Todos aqwlles que se achilo suie'itos nf-
frer molestias scrofulosas. ulc(!rosas, ou syphi-
litica, aQ.la mesmo as reputada* de peior
natureza, apenas neo-ssitao de lr o seguinte
caso maravilhoso, para qus ae sinti inteira-
mente convencidoe que a sua propria cura,
nao s mcraim-nte imasivel mu aim abaolu-
tamonte certa.
J./a.) Jos Feiuieika Baeboz*, reaidente
na Cidade de Mnranliio, linlm todo o sen
cori>o cuburto de cliagas ulcerosas, o durante
algunos annos w acluiva debaixo do t rauuueoto
de mdicos os mais afamados, tendo usado
durante todo este tempo quasi toda a especia
de medecinns que- em taes casos empregada
pela fkcuUlatle medica, por.ru debaldc sem
obter o menor beneficio ou alivio: acliando-se
pois em taes apuros elle finalmente resolveo-
se, dejiois de repetidos e baldados estorbos a
lazer uso da
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
No todo elle apenas ebegou a tomar Cinto
Garrafas de ials Pitillas VegttOtS Aisuearadas, e o resultado
foi elle obter una completa e porfeita cura.
Os Sers. FERBETRA & ("ia., Droguistas de
Maranhao, forao quem supprirao os medica-
mentos, e achaose pirfeitamente ao facto
dV-st.; caso, e os mesmos Senliores, nao g se
achao promptOB confirmar o mesmo, come
tambem em lomecer o actual udreaso do Ser.
B.viinozA, toda e qualquer pessoa que por
ventura se deaejd informar da v.rdade.
Reeommenda se mui particularmente aoe
Doentes que tcnlio o maior cuidado na escolha
deata escolente remedio, nao usando outro i
nao ser a Genuina Salsaparrilha de Bristol,
a qual exclusivamente preparada por
L ANM AN & KEMP,
De XOVA YORK,
pois que todas as mais sao inefficazee e de nu
hum p^tilno
Vende-se nas bolicas de Caors & Ba rbosa
e C. Bravo & C.
------------------------- anannj tfb-**4T> a
) do chylo fresco oppnma os boles. _,l|m Sp Jog da R< cha paranhos.__0 m AT FENCaO.
e accelere muilo a circolacao do sangue. Q m.1ur {. ,cvo K ^llecamente de V. Xarope alcbooco de veame, preparado
.Mudos doentes desta molestia se teem en- s 0 doeQUj v s> .iclia.se a(lin. ,0 fmrmMfoi, Jos da Rocha Prannos,
tregoeaousodooleodeflgadodebacaIho,inistraod^1jwremedi^ac|^M estabelecido com botica na rua Direita n.
e oulras preparacoes de resinas e palsamos, labe|cc(l0( porl.nt0i ndaseme, tendo des- 88 em Pernambuco.
sem que dellas ti-nlia ii tirado proveito, e apiiareciJo IV) lodo a tosse loin IIU1|a tj^p0- Este xarope incuntestavelmente superior
alguns expositores de med.cma combatcm sc-0 cu|nHa 0 dia.se |)Ulr|(li) Deixou a |odo8 os Mropeg ^pontvos, de cuja
com muila ra/.ao esse tratamento. tomar os ltimos remedios que V. S. recti- composicSo o seu manir ele i enlo a salsa
L costume carregar o estomago do doen- |ou n (lia ;{0 do passa(l0i resta agora a y. parrilha, pois que se lem conhecido ser o
te com medicamentos oleosos e balsmicos; s# mandar.me dizer qaa| a diela que 0 veame mais enrgico para a prompta cura
porem estes em vez de tirar a causa aug- 0liUl{, (jeve conservar e por quanios tem- das molestias, cuja base essencial depende
mentam-na, esquentando o sangue ao mes- mencionando as comidas que dever da puriticaco do sangue ; assim pois se
mo tempo que tiram o apetite, relaxara os ls:ir (la,ini (;m diaill(! tem verificado por muilas pessoas que se
solidos, e sao de toda surte perniciosos. Kesla.me agora agradecer a V. S. o cui- achavam desengaadas, as quaes acliam-to
Tudoque se fuer para extinguir a tosse, daiju [um)X no tratamento do meu so- hoie restablecidas com o referido xarope
alera do exercicio e reg men apropriado de- hrinhn al
vem ser remedios de natureza acida, deter-
gente e calmante.
Os cidos possuem a virtude de produzi-
rem bons elTeitos nessa enferraidade, por
que, nao s contribuem a apagar a sede
brinho, abaixo de Deus, devido o seu resta- alchoohco de veame ; entretanto que al-
beleeiinento a pericia de V. S., e por isso guns, tendo usado do xarope de Curinier,
I pode y. S., sempre contar com osmeusdi- de Larrey, du salsa parrilha, de saponaria,
minutos prestimos, e desejarei em todo o oleo de ligado deftNalbo, e outros agentes
tempo dar urna prova do meu reconheci- desta ordem nada conseguiram. E' elle de
ment. fcil digestao, agradavel ao paladar e ao ol-
Desejo a V. S. todas as venturas, por ser phairi Alguns mdicos desia cidade e da
de V. S. muito respeitador e brigadissimo de Macei o teem recommendado para a cu-
criado,Francisco ieruiguer Cesar de Me- radas
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
! Cancios, sarna degenerada, luxo alvo.
Todas estas affecces provm d^ urna cau-
sa inierna; nao ha pois razan a:guma em
!crr que ellas se poden curar com remedios
externos. Tambera se prescreve o xarope
riezes.
quando accommettem a febre etlica, mas
tambera a refrescar o sangue.
Aos doentes desta enfermidade, quando o
seu estado de gravidade tal que a febre
ethica os accommette, prescrevo-lhes o su-
co de um limao dissolvido em urna chicara
d'agua com batan(e assucar em um grande
copo para misturar com um papelinho dos
pos refrigerantes para tomar, com que ali-
viam no accdunetumenlo da febre, e pela
manhaa o xarope etherio de veame. Tenho acompanhadas de engorniUBicntode ligado e iia^o. i ac|)oodco desvlame"jia traU
aconselhado, que facam uso de ve^etaes de Ella tem sido applieadi com ineootesuve provette j ,'
JURUBEBA.
Ajurubeba e uuia das sulisiaucias medicameu
tosas, ao reino vegetal, e perience classe
dos tooicos e desobsirueoles,' sendo em prega
aa com vantagem contra as'febres iiitermitenle:
conlra a anemia oa chlorose, e hydropesia, catar
e mesmo para coinliater a mensirua-
aflecces do syslema nervoso e fibroso, taes
natureza acida, como laranjas, 1 mo^s, pi-
,. -_ | TOO ua lielga e uieMno iia.a ro.iii. tangas, uvas, etc., e apphcacoes oe plantas cao difDeii, resuiiante da mesma anemia ou chic-1 Gotta, rheumatismo, paralysia,
como:
amargosas, que fortificara o estomago e ser- rose.
vem ao me.-mo tempo para destruir e mili- Burato alcoolico de fontana.
gar a sede.
A Sra. D. Joaquina deS Brrelo, tendo!
urna sua escrava fallecida desta molestia, sub-
meitiila ao tratamento de seu medico, resol-
ven procurar-rae para tratar de um outrj !
Empla-tro dem.
Oleo dem.
Tintura dem de idem.
Xarope dem.
Vmho idem de id-m.
do
Piiulas de ext. idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, rna larga
escravo, que soffria da mesma enfermidade, sari0 n. io.
prescrevi-lhe o xarope de veame, tem me- ,...,.
Ihorado consideraveinaenle. % iarubeba.
A senhora do Sr. Antonio Francisco Mo- As virtudes theraoeucas da jtumbeb* sao desde
rji, e que ai etpedir ao ipurt < sjpplente.
Oulro do juiz de paz da reguetia rfa U--Vista,
Denlo d'Aqpino Foaceca, cominoolcaado (fue len-
de-se relirajdo para a proviaeia do Rio Grande do
Sal, onde >e demorara metes, segundo Ihe deca
rou .i Bf. Ilenriqae do Bego Barros, eleitor da dita
f>"/neis. ruir.i a remara qee se digne dar aua
or.leos atui de ser expedido diploma ao respectivo
Mpplente, ijiie Ma doi que nenriooon em
sea oIIbIo de do correte, o Dr. Antonio Fer-
reirj Martin.- fcib -tro. Que se exnedia.-e.
-Oulro do adsaJaisirador do cemlterio publico
axala cidade, informando como Ihe foi ordenado,
to firme de nao desviarme de miaas ideas e sen-
il mentes em bem de no--a provincia.
Con-cni da bondade de V. S. aAtecipo meu re-
cooheeimeoto, e oiTere^o meas servidos por ser de
V. S. atiento venerador e criado otingadissinui.
c Reeife, IS de dezembro de 1865
Jos Eustaquio Ferreura Jacobina.
reiro de t863.
0 escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel
Rodolpho Joao Barata de Alraeida, fei lam-
bem desengaado por habis mdicos, e
com o xarope de vellame acha-se completa-
mente reslabelecido, como se v lambem
Senhores redarioru.-Bem sabia qae entrando da carta impressa do mesmo Sr. tenente-
no debate, con advogado do 8r. Gaspar Cavalcao- coronel no mesmo Jornal do Reeife.
! te, acerca da queslo Araiaogil, havia de sr atros- q g,. Antonio Christiano Fogt, filho do
pe de veame salva, como se v da carta aqu, muito estimado e appl.cado coatra as obs-
mpressa DO Jornal do Recite de 9 de feve- trueles .bdominaes, prim-ipalmenle do ligado e
bacj; e se lodos os facultativos desta provincia o
ente insa'wdo, anda que em meus commun.ca rhps,i;,nn Foo, nronrietarlo e estahe-
acerca do accresciao que d mais do orcamento dos guardasse a maior reserva, e tratasse ao Sr. r. bnri.stiano rog, propriewri e esiaue
foi na erada queooi quelle elabelecioieoto Joo de Si con-'O cavalleiro; o que nao previa, po- lecido na Cidade de Macei, o primeiro Dem
nao a|-plicam com frequencla, isto se nao deve a
nao recoahecerem elles eeses virtudes, mas sira a
nao seren encontradas rom facilidade e em todas
aa ei.u;e..- do aono os fruc.tos dessa planta, e a re-
pugnaocu, o,ue apresenlam os deeotes em fazei
uso do meco desses inicios, eni consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurukeba nao descouhecida dos botanistas :
esta planta perteoce familia das solaneas, e tem
a deoominacao de solanum panteulatum, que Ike
fol dada por Lyneo.
Parecendo-nos conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
Dorcs, impotencia, csterilidade,
Mirasmo, bypocondria, emmagrecimento.
0 xarope alcooobco de veame e. sobre
todo, da maior utilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheuma-
tismo.
Adverte-se que o verdadeiro xardo eso se
vende nesta cidade na bolica cima indica-
da, do abaixo ass gnado; e em outra qual-
duer parte que se tem annunciado nao da
mesma composic*), e nem o abawo asigna-
do se respousabiiis-i.
Jos da Rocha Paranhos.
C0MME1CI0.
PRAQA DO RE0IF1.
Cotacrs offlelaes.
21 de dezembro.
Algodao primeira sortc 165000 por arroba.
Cambie sobre Londres 90 d/ista 38 l|l d. por
mil li.
Cambio sobre Pars90 d|vUta 335 rs. por tranco,
ubourcq Jnior,
Presidente.
Guimaraes,
Secretario.

^^
II
L i i m
-


rBSWP
Otarlo ees r-tyrnmmttmy* Secta-fe i M le Wezembro cmi Peraauabttco.
Tendo-se dweucatninhado da massa fallida de
GmUierme Garvatho c G. o recibo 'fe 15 acco-s
das lee ilis iili< nesia caixa, sob ns. 2787 a M01,
perteneentes a Guherrne Frederico de Soma Cr-
valiw, socio d.ujuelia tirina, a directora u publi-
co a quem intareasar possa, i|iie por parle de Jus-
tino Jos de Souza Campos, admmlsiradnr da re-
ferida massa, se ai proceder a transferencia de,
ditas aceites para a Sra. D. Henritjueta da Silva
actual pojsuidora das uiesioas, visto as ter em has-
ta publica comprado, como ludo provam com do-
cuineolos que ticain archivados nesta eaixa.
Caixa lilial do banco do Brasil 3 de uovembro ,
de 18W.
O puarda-livros,
Ignacio Xunes Correia.
Caixa lilial do banco iU Brasil c
eni.nnruico.
A caita desconta as letras de seu aceite pela
tana de 9 0|0 ao anno.
Oguarda-livros
Ignacio,.\unes Correia.
\ovfl banco de aernnan-
bueo. .
O Novo Banco descoma letras a i por cento
ao anoo, toma diaheiro a praso flxo ou era coula
oorrentp pelo premio e condignas que se eonveu-
cimar. e saca sobre a praca da Bahia
timlo m pobto
Navio* entrados no dia 21.
Rio Gjrande do S il 28 dias, patacho braslleiro
Braca, de 236 lotielada*, capito Antonio Aaves
da Silva, equipa#oi l i, carga i:300 arrobas de
carne; a Aoorim irmo.
Rio de| Janeiro 49 das, barca ingleza Mary
Wuodi, de 379 toneladas, capitio S. P. Black-
bura, fcquipagein ll com lastro : a Jolmsion Pa-
ler & C.
lih 1 de Fernando de Noronha (>l horas, vapor na-
cini,.i .i/./-.laniuape, de 333 toneladas, coinman-
ilante R ilis, equipagem 22.
I Navios saludos %o mesmo da.
Cotingulb|aPatacho austraco Espera/ira, capitio
Brand.jein laslro.
Rio da Ifrata Patacho hanovriano Amoenitas,
capitn jF. II. Henrick, carga asucar.
Rio de JaneiroBrigue brasileiro Adelaide, capitao
Louremjo Nuiles da Silva, carga assucur, algodao
e outros generas.
i
IDITAES.
Rriidinientn
dem do du
ALFANDEtiA.
ib da I a 20.....
l...............
S99: 24:325*592
M3:7t6J44l
\ .
Voli
MOVIMK.NTO DA ALFADEGA.
irnos entrados eom (aseadas-....
c com geueros.....
31
unes sabidos eco foseadas..... 63
con gneros..... 897
930
Bar
Bai
Bar
Bar
Bai
Bri
Bu
lian
Bir
Pan
Pol.
Desearragaa boje 22 do dezembro.
i ingJeuHoricarvo de pedra.
i ingLuaOoi/Saccarvo de pedra.
i iiilaiaFniM'j dem,
. ingleza PimoiiiJesn.
i oglezaAwv -/iiidin.
inlezPara -dem.
u ingleza llon-dd pedr-s e ferro,
.i nacional/dotnacbarqae.
i nacionalSanta Maraidem.
ii orientalSanro Aiisiin'io idem.
i h spanh >ia Anclhadem.
Al.l-'ANUEGA DE PERNAMBUCO.
Unidades. Valores.
cento
callada
arroba
PAITA DOS PR1XOS DOS GENKRuS SUJUITOS A DI R HITOS
'01 IXPORTAgO.SEMANA DE 18 A 23 DO MEZ DE
DE liKZEMIH'.n DE |K(i5.
Mercaduras.
A ba mis.........
Agurdenle de cana ....
rcstlada ou do reino .
!i!:s;,i caxaca.......
dem frenrbra......
ilcool ou espintode agua-
ai dente .......
Al^udao ana caneo ....
td-'m em rama en em la .
Arroz ruin casca.....
- -.-. scado ou pilado .
\-- i, mascavado ....
branee .......
retinado......
de amendoim ou mendo-
i ........
I' ; de coco......
dem de mamona ....
is alimenticias ....
Bolacha ordinaria, propria para
irqne.......
ina........
Cal bcvm .......
,'si -ilia ou reslolho. .
' ir.nl........'
os........
Cal.........;
anca ....
ca (xarque) .
iros .......
gelal .....
rnas de sicupira .
Cei i de carnauba em bruto. .
jiii-in dem em velas .
Cha .........
.......
. p ireos).....
COS)......
... .....
- de boi, salgados^. .
i seceos espichados .
Idem dem venios ....
Wei i i'l-m cabra eortidos .
Idiin idem de onca ....
seceos ......
em gela ou massa .
dem em calda .....
ns lores grandes .
teos......
- para forro de estivae
de navio........
, cional .....
le de mandioca ,
ararnta ....
de qualquer qndlidade .
.......
i 'Mu lolha, bom .
I i ord nario ou reslolho
. em rolo bom ....
i Hilinario mi reslolho. .
.......
caada
arroba
libra
un
arroba
uin
arroba
urna
libra
cento
uiii
cento
libra
um
libra
um
1*300
800
800
380
800
900
t230
issoon
I 300
23600
2*100
3*700
3*900
2*000
1*600
1,5000
1*300
3*000
7*000
6*000
6*000
Vi O
360
320
580
3*200
1*000
l*O00
3*000
300
300
1*560
25500
13*000
4*000
600
135
240
120
350
10*000
1*000
320
500
4*000
2*000
15*000
1**00
O Dr. Tristo de Alencar Araripe offlcial da impe-
rial 1 iK'in da Rosa, juiz de direito especial do
cormoercio desta cidade do Reeife de Pernar-
bucoj seu termo por Soa Magesiade Imperial
e Constitucional o Sr. D. Pedro II a quem Ueus
guarde etc.
Faro saner aos que o presenta edital virem
ilelle notipia tiverem, que por parle de I). Josepha
Justica di^ Jesiis (ioncalves, me foi dirigida a peti-
i;ao 00 ileor M'guinie :
Diz l). Josepha Justica de Jess Goncalves, viu-
va de Manoi Antonio G mralves, administradora
de seu casal e por isso mesiuo liquidatana da lirma
OhMira & Gonoalves, que sendo esta devedora a j
M.nioel liuraldo de Lima, fallecido, por una iira
de seu aceite da cifra de 8"o*'.io0, vencida eui 22
de agotq de 18(10; e como por fallecimenlo do sup-
idicado nao se lize>s, inventario e ticasse de pom
le seus bens a sua vinva D. Francisca Euulima
de Lima, a ijuai por carta de 39 de marco de 18G2,'
conQrmou a existencia do fallado debito de seu fi-
nido consone, e se c imprometteu a satisfaze-lo;
quer a supplicante inlerromner a prescripeao da
referida letra, pela forma estabeleclda no $ 3" do
ait. 453 do cdigo do commercio; e como seja ig-
norada a resideneja da mi ncionada l). francisca
re |uer a suppUcanle para que se passe carta de
editos de conformidade com a lei, por isso pede ao
Iiim. Sr. Ur. juiz especial do commercio deerimen-
tu. E. R. MProcurador, Antonio l'iuto de Bar-
ros.
.Na qual dei o despacho do thoor segainte :
Justifique a incerteza da residencia da supplica-
da no da 31'do correte me/., depois da audjpncia.
Reeife, 18 de agosto de 1863.Trisio de JOMM
Araripe.
Em virtude do qual fora a mesina peticao dis-
tribuida ao tsciivao leste Jnizo, Mauoel Mana Ro-
drigues do Nascimento, o qual lavrou o termo de
protesto do mear seguate :
Teriuu de protesta.
Aos 21 de agosto de 1855, na cidade do Reeife,
na sala das audiencias, onde eu eserivie adiaute
declarado me acbava ahi e comparecau a suppi-
cada por seu bastante procurador, Autouio Pinto
o Barros, e diese perante mim e as tastemanbu
infras assignades, quereduzia a protesto .o eonte-
do de sua peticao retro, aqual offereceo como par-
te do presente, que (lea sendo ; de como assim o
disse e protesteu, lavrel este t uno, no qual se tir-
moa com as ditas testemnnhas; eu Manoel Mara
Rodrigues do Nascimento, esenvad o escrevl, An-
tonio Pinto de Barros, Secuudino EQdoro 9a Cu-
nta, Fortunato Augusto de Oliven a.
E tendo a snppticanle proluziJo suas tesieiuu-
abas sellados e preparados osamos subiram a mi-
aba conelusao e nelles dei a sentenga do tbeor se-
gainte :
Procede a justificara." pela qual se mostra arbar-
se ausente a suppiica la, a quem maulo citar por
editos de 30 di;.' oa forma requerida. I! scife, 24
de agosto de 1805. Tristao de Alencar Ara-
ripe.
Por forrado meu despacho o referido escrivao
fe/ passar o presente, pelo qual chamo, cito e hci
por intimada a supplieada, para que compareca
oeste juizo dentro do dito prazo, afim de allegar o
que fr de juMIca.
E para que cingue ao conliecimento de todo?,
manaci fazer o presente edital, que ser publi-
cado pela imprensa e affixado nos lugares do cos-
tme
Reeife, 30 de agosto de 18115.
Eu Manuel liana Rodrigues do Nascimento w-
crivo o sobscrevi.
TrittS* de Alencar Araripe.
DE
P9BTES I POR.
, f, E' esperado dos portas do norte
al o dia Io de j m-iro, o vapor
Paran, commandante o captto
de fragata Antonio Joaquim de
v Santa Barbara, o qual llenis da
demora do oustume seguir' para os pertos do
sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-e a
carga que o vapor poder condazir a qu*l dever
ser embarcada no dia de sua chegada. eucommen-
das e dinlMiro a frete ot o dia da ahida as S ho-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriplerio de An-
nio Luiz deOliveira Azevedo A '
GOMPNHIA PERNAMBUG A
DE
Nuvcgacao costana por vaptr.
HABA
Paralaba, Nalal, Slaco. Aracaty, Cear e
Acarac.
Segu no dia 27 do correte
para os portos do n>.rte o vapor
nacional Uumiutyuajte, commeji-
dante Ratis. Recebe carga at o
dia 26. Encominendas, passa-
geiros e dinheiro a frete at as 3 horas da tardo
do dia da sahida : escriplorio no Forte do Matos
o. 1.
LOTERA
Aos 2.-U00J00O, :0O#0O(>, 9005000
e 500000.
Pra as toas fesias.
cfre ainanba.
Acha-9e venda na respectiva theson-
(raria os biMieles, meios e quintos da 8*
liarte da luiut i;i em benelicio das familias
dos voluntarios da patria, cuja extraeco
ser no dia mencionado e no lugar do cos-
j turne.
Os premios de 42:000,5000 al $05000
sarSopagos una liora (tapuis da extracto
at as i horas da tarde, e us nutro* depois
da a*istrihuicaodas islas.
As otn.'uiuiniidas s serio guardadas at
a iiitti O thi'sourciro,
Antonio Jos RoJtigues de Sotua.
Pura a Ilhide S.Miguel.
Do Rio de Janeiro esperado o patacho parte
guez VrrwMda, o qual tora' *-sta pooca demora,
por ter melade de eu carregamento |irompto :
para resio que Ihe falta trata-se com os seus con-
signatarios Antonio l-ui'. de Oliveira Azevedo & C,
no seu escriplorio, ra da Crn n. 1.
Ilha de S.j\0irael
O patacho portuguez JORUENCE. srgne com
mmta brevidade por ter a maior parte.do seu cir-
regaiiieiit.' prumpio, para o reste da carga e pas-
sageiros trala-se com o consignatario Joo do Re-
g Lima, ra do Apollo n. 4.
?m
\
Pretende sabir em poneos dias o pitaeho Pa-
raemse per ter o carreL'amento quani complxio,
para 0 penco que Ih falta, trata-sH com o consig
natario Joaqnim Jos (ucalves B^ltro, na ma do
Vigario n. 17, 1 andar.
LE1L0EI.
LEIliO
l)c 50 suecos coni arroz parte com to-
que- de varia.
HA
O agente Pestaa legalmenle autorisado vende-
r em leilio por coata e risco de qaem pertencer
50 sarcos co arroz com avaria d'agua salgada a
bordo do hiele nacional NuVAES, em suj reren-
te viagem do MaranlrVj para e-le porto de l'er-
nambuco, e sero vendidos em um ou mais lotes :
sexta frira ? do corronte pelasjii horas da ma-
nh;ia no trapiche do Conha no Forte do Malos.
VERDADEIRO LE ROY
de SMMMET, Docteur-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.

%
* ?> X
*%
Cm ruin i-arrafa, vai, mirra rada r fifrl rul
lie Ira o mrii siiiel, um rnltil" im|>rio n amo-
elle ruin o Sll.U :':i iiiiii. M (.OYtr.NO FRANti z.
K. B. temeltod-*r mu lellin Je 50U franrus
HbM HiW, areiinvel :i M das t vUla, au nuUOI'i,
uza^r ilu baMtacaitO t de uiainr detciinto.
Ma^Mato pitoripal f
te li'Ciliinn l.c llo.i f\^7'
vm ( a/a ilo iioso *-^fxv rv^
iinirn aRrnte ptlo
Rrazil a S\* Aktu-
mii Filie : dr 1.a-
CF.rn na l:.iliia e
nos prinripas phar-
marriilcus.
(jraude feira
De leKajiofi de ouro e rala, coi rentes para ditos,
(r.astes avotsoa, objeelo-, de ouio e piata, e OU-
tros muitos artigo?.
NO GRANDE
IIO JE
ARMAZEM DE
DO AC.K.NTF
LEGUES
OLYMPIO
r. > jreiiBHnnji
cento
arroba
alqneire 24000
arroba 1H)0
i:in
arroba
Gumma........
lanha (rail).....
ia em adas.....
.........
esteios......
. melaco......
Miiho.........
.......
Pao Itrasil .......
Idem e janeada......
i', oas lie amolar ....
dem de filtrar .....
roblo .....
va........
. ou chibes de vaccas ou
novhos.......
Pniuchoes de amarello de dous
costados.......
Idem de louro......
l'.a|,".........
Sabo .........
~-.\...........
Salsa parrilha.......
Sebo ni rama......
in veas......
Sol
una
arroba

cento
um
caada
arroba
um
quintal
um
urna
molho
cento
25800
S3000
|o-!.oiio
SJlirlO
SjJO
tu 10
24600
25JOO0
24000
H4000
i., *'
8S0
I4.MH)
340OO
54OOO
040OO
800
coe
14000
l
340-00
Couftiitado pi-ovluclal.
Pela mesa do consolado provincial se faz poblico
que os 30 das otis marcados para a cobranca a
boera do cofre do l semestre do anuo Bnaneelro
de 1863 a ISliO do imposto da dcima urbana das
fregueztas desta cidade e dos Afogados, e da parte
da da Boa-Vista e do Poco da Panella, que en ar-
recadada pela coliectoria de Oiinda, se princlpiam
a contar do dia l de denmbro vkidoaro.
Mesa do consulado provincial de Pcrnambuco,
30 de novembro de lsii-'i.
Antonio Carneiro Machado l!i u,
Administrador.
- 0 teente-coronol Prancisc 1 de Albuquerque
IfaranMo Cavalcanti, commandante do seno c r-
po de voluntarios da patria, convida aos eifladaos
que queiram allstar-se no mesmo carpo, em defesa
do paiz contra a repblica do Paraguay, a compa-
recer no quartel do Hspic.io, da- 9 horas da ma-
niiaa em Oante, certo de que, atm das garantas
olTerrjidas pelo govvrno de S. M. n Imperador, o
comuiaudante por si < seus afflciaes faro suavisar
os tralialbos da guerra com um tratamenlo con-
digno a cada Cidado, qualquer que for a clasue a
que partenca.
3lUn ila .aalfla <> BccHc -:ni
LEELAO
De lodos os movis perteneeiites lilil Comiiit'icirsl.
Sabbado L' do correte.
O agente Pestaa fara leilao por conta de qaem
perlOBcer de todot os movis pertenceates ao Club
: Cominercial constando de biihares com sen- 1 er-
lences, bacatelas, domines, caixas pira voltarete,
! xadrez, cadeiras, sof-, espetios, loiletes, louca l -
! res. piano, ine^as ela-iieas. bancas, bancadas, jar-
ros, reUgios de parede, serpentinas, lustres, lou-
ca-, vidros, cortinados, loaibas, tai>etns, unieres e
muitos outros objectos que seria eofadoubJ euu-
mera los e que se acbaram patentes aos compra-
dores : sabhado 23 de detembrn de 18(55 na casa
onde foi o Club pelas 10 horas da maaha.
GARBAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIR1E FBANQAISE
Kua I Jre|o a O.
LIVROS NACIONAES E ESTRASGEIROS
ReliguePliilosopliia Jarisprttdencia Liltera-
tura -Scirncias c arles.
Papelaria, objeclos para escriptorio.
ViciorImproto, VicenteImpruto,Brai Impo-
to, Sabina Bissudo, Vicente Farse, Jsi Antonio
Chela, subditos ldanos, retiramse para Europa.
Manoel Caetano Saldanha Goarroira d boje
em dlante se assiguara Manuel Sal lanha Guer-
reiro.
ola pinfvaqueta. .
Mi 1.- de amarello.
um 2O4OOO
I0501IO
libra 14000
120
alqneire 400
arrima 254OO0
a 540*'0
1 74000
urna 240OO
du/.ia 1404000
1 874000
arroba 34000
quintal 240OO
urna 64M)
cento 200
I04!JOO
. K4000
04000
. caada 500
16 d-> dezembro de
diversas .....
tapiocas........
'lat-jrl.a.......
Travs........
;";.has leboi .....
Ve- 1 tras de de piassava .
.hita- de timb.....
Dita; de carnauba ....
Vlll.Ule........
A andega de Pernamuco,
1865
(A signados):
l. confereute, Pedro AUxatulrmo de Barros
inte.
O 'i:' conferente, Joan de Frtilas llarhnza.
Approva Alfandi^a da Pernambano 0 de de-
vem] 1 de 1865.a. KukUto.
Conforme. o 4o eseripturaro, Joan A. Perei-
> /(
Patarho braailetro, entrado do Rio de Janeiro,
1 a Miguel Jos Alve< manifestoa o se-
guini
10:076 o robas aecbafque e CO couros seceos;
;: 11
ORIA DE RENCAS INTERNAS GR-
II.VES DE PEIINAMIUICD.
; n II to do da i a 20...... 21 lOOTSW!
Idem ilo dia 11................ I:8lu4l36
(laiisnlailo provincial
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que no da 23 do corrente ao meio dia se ha de
arrematar a' porta desta raparUoao 20* caixaozi
uhos coto 300 libras de doce de guiaba, appreheu-
didos a Jos Pnrrein da Cisia pelo conferente da
filfand*ga Krancisco Affonso Perreira, os quaes fo-
raiu avahados por 964-
Mesa d 1 o insulano provincial de lVrnambueo 19
de dezembro de 1865.
Anfonio Carneiro Machado Rios
Admiuisirador.
Tribunal ilo coraniemo.
Pela secretaria do tnhuual do commercio de
Pernamhucarse faz publico que neta data Oca ins-
cripto no livro da matricula dos comin-iraames o
Sr. Jai' Mnje. Pootual Jiuior, commercianle bra-
silairo, ubelecldo neu cidade com sua casa de
cainimissoes de assucar, e compra e venda de g-
neros de estiva em froso e a.retamo.
Secretaria do tribunal do cmniaercjo de Pernam-
buco 21 de dezembro de 1865
O nf&Vial-roaior,
Jallo Giiimares.
CLUB PlttNtilBimO
Domingo 2 i do corrente haver reuniao
de familias.
COXSl'I.A () PHOVINi;i.\l..
do da 1 a 20.......
ha 21...............
ggjg aAiiTiMoat.
Corapaiihi* le paquetes a va|ior entre
os Estados-Unidos e o Brasil.
Al o dia 21
do rorrete esp-
n-*e de New
York e escala u
vaper SoviA Ame-
rica, o q.ii de-
pois da demora
do costme se-
guir para os
porto do sul.
Para pa&aagans, frete- etc lrata-se com os ag, li-
tes Ileurv Forster C, ra do Traptc.be n. 8.
COMPJjm BtASILElR
PAQUETES A VAWm.
Bus portos do sul espi 1
at o da 30 do con me um do
'.:i, ires da ia nuia. n qu ;i d 1
liois da demora do r -tone se
111ra para os porto' do OOrl".
lie-dej re.nii>iii *e |. eu |a- al
107.53644(9 carga que 0 vapor ptider condu/ir, aqual dfvri
12:^004209 ser eutbircada ao da a* Ma ohu4da
- i: n la '' !'' a betn it d t *
119 99 -l~ I Im i Gru i:. I,
--------1 AntonioLuti de Ohv.ira Azevedo & C.
O padre Joan Joe ua (iosla Kibeiro
e manos agradecen! cordialmente a to-
da^ as aessois que *e dijjiiaraui assis-
tir as exequias aue so. cclelvaram na
iyrej* do convento de N S. do Carino,
ola alma .le aoa mu presada uiaua
L). Anua Candida "le Jess Kibeiro, e
com especialidad*) ao 1111.0 di^nn [iro-
vincial Pr. Jtirp;e de Sant'Anua Locio a
mais religiosos qo* ae prestaram a esse.
acto de 1 aridale gratuilauentH. T)e
novo convidan) a tUs os atuiyos e
paieaU^s, afim de assislirem as nnssas
do salimo dia, qoe serao celebradas on
igreja do MOtfciio cenuento, pelas lua-
ras da manh.ia. no da '.i do correle,
aor rujo obsequieaofoconhacarito an-
da mau gratos.
BaaaaaBBBajMaaaKjaBaBaBHBaBK3aBBu
Com
ns LIMAS
OUHJCAS DE
P. MOURTHA, forne
redor da Cara Imperial do Bxcrcifo
francez, garante-se que qualquer
peeeoa pode re sem dor nem perigo
livrar-sedc seosca/to*. Esta inven-
Co : privilegiada em varios pai/t'S.
recoidiccidn officinlmcnte t'fficaz
por 15 nac66, premiada com mc-
dalhas de Ia e2' elasse c npprovadn
por diversas academias e pelo E\""
Presidente da Junta de Hygicne d.i
corle. Por ordem do Ministro dn
(i uerra fez -se em Pariz experiencias
sobre mais de 2000 soldados que
licarSo litros de seos callos-, igual
resultado foi oblido na gnarnieo
do llio de Janeiro. Mais de 3000
pessoas ja se lem curado com eslas
Limas. As provas do que se diz ci-
ma e os alleslados acliam-se no
prospecto, qee se dl no deposito.
Casa principal em Pariz, U Prince
l'.wene, 18, Agente para9 Brazil,
o Sr M- O. ABRAN CHES, ra
da Alfandega, zV 10. n Corte.
Le se no Monitcur de la Pharmacie.
A elt-clricidade t boje empreada por lodos oj
mdicos afamados, para o iralanimio de minias
mnlr-lias. mrsmn para as que rrsisirm asoutras
tm dicarors.
a A cltclrirlade proiliii'ula pela fricrao lem urna
asiipciiorid.ide im-onlcslave), c a vanlagroi de nao
ciar olalo;, c de poder -cr graduada prlo dornle.
A cansa a mais frequeute das mulesans a
aeatagna^a do aatajne ou dos ouiros lquidos vi-
taea. Rslableccuno se a cbculafa no orga-
nisnio, curarao-se as mcleslias.
O;,orn se sent ilguma dr em quelquer
parle docorpnlngo, eiiislinclivanianlo, seeiTraga
o tncar emlolorido coma nia, e isloalli\ia. Isto
ii'..Iijiiii-1'iIjim incoiilrslavel que deve pro-
dnilr um apparelUo elcelrico. Por isso temas
pi a/ti"' ni a ni: 11 liria rao Puli!icof|ucoSnr T5ui*on
de Rmlffers residente, benlevart dn Prince*
Eugene, tt, em Parit, dntou a medicina de um
app*rcIho EteetroMn^uctica, sol a forma de
tama escora, com o qual os doenlc se podara
rurai- M'iii iit-lniii.a oulra medicaca. Os mdicos
qne a tcm expcrimcuUdo, (ItetUra que a
Escova Electro Macmbtica eOicaz para
curar: osRheumatiimos,aParalya, Gotla,
Z'rnqueza dos membros c da Columna ver*
tpliral debilidacte geral, Ki'\ r.il;;iav, etc.
Kslamosccrlos que breve cada familia possuira
esta e^cova que prestara grandes servieoc
A pedido de militas pessoas, o autor decidio-se
a r-'aliii'i-f-r um Hq>ositn de seos apparellias no
Mi' de Jimciin, cm casa do Su Oiukr Keitr,
ra nova do Ouvidor, n' 33.
Petiiamou.o, bjbVHHM Irauceza de P.
Maujfei 4 l'.., ra Xuva n. 18.
.Ni i s<: teuje ..fi'jeiii.i'Ji :i; rendacjaot i tlt
mata Ha (miri*Uitle Apipneo-, o dia 47 d'> eor-1
reme, por ralla d wacurreetes, tic* a iaema ar-
rematara i transferida para odia 31 deste mez,
pelas 4 braada tarda, emeaaa do r*kpeetivo ad-
niiriiatr*dir em dit tuiar de AplpBAOS. Aliase
puta a arromaiaco 1:0005, menor prec.o offere-
cido a>> praca de 17. O adniinistradur,
Jiien Kraiiciseo dn Hego Maia.
Os abaixo aasiajiiadus declajam ao publico
p. espacialmeute ao curpu de Ji.-i 8 do eorrejlla se aelia aisaulvida a socie-
4ade ipie tinlian na Uberua aiU na ra l)irnta u.
G. e aueaTVravu sob a ia/o social de Lopes Fer-
i'..nda v\" C.: Gcand a cargo de Antonio Joaquim
Peroandes a lii|*iJA(;ao do attivo e paasivu da pre-
dictairma. lituafe 14 de detembro de |Sfi.
VietoriQu l.L'p-..i :i. '....i..
Antonin Joaijuiai IV.rnaud.s.
ui|{> iarlias de Barro' Moateiro.
:918J.22
i) abaii.i ;it'ua!-.i c.uiii (aja de aun ve a
ra da Imp.ralrtz. para sj turar d saapanai
paBQOIzas que Ib tea) apparecid. (laclara ao ra*-
r iv- publico que uada dave ueflH praca neui
fra delta, e se ab,ieni se jalear sea arador as-
seme soa ('nuu par immediatameute >er paita
Da mesniH (orna declara ijne nao dave honra a
enliura aipuoia. |>01l que uta .i que tam ei sua
raj[>anliia e aBitiada oV soa ralleeiaa umler, e
f..i criada na soacau desde i auns da iiaja, ten-
do idu por elle e -ua mulher adoptada per fia.
loando falleneu i mil e ella devia lii-ir ao Jesam
paro. N" teme u itnlaa asMguado os pa*oum9
que escre*si eoaira Ha, porau* tam t nu->cin
cm traoquill i, > anda BVtiUH rae la se reaoaouj as
. icas iie sbord taretn ", por qu uno vive i-n-
i iu 11- intrigas mundanas e nceupado do ^e irabalho. Q.ianM a dizer-seiqu vivh amaucetiado
;i i .l i HiuliA'i.i, anana* i->ie : Pena iqua-oao
l'.;a *ITie' an inventor dessa iu ,iamia a re-,lida-
de da sn i im en?; torpe
t!-i-i ,)!; Mane i", iiic i -
Modas.
Madama R. Adour acalia de receber pelo
ultiaM vapor chapeos de visita para seobo-
ra, mmeiras de guipare prela, rotonda de
guipo e veidadeira, camisinbas bordadas e
mais otilros enfites perlenceotes a senho-
ra. todo de tuats apurado goslo : vende-se
na rita du Ituperadnr n. 48, primeiro an-
dar, casa de modista franceza.
Peda-te au lllm. Sr. Dr, juiz moaieipal de,
Iguaiass que nao consinta que. se euire^ne tieui ;
.iicuin das eraduras ou bardeiros dn I) Rnu S--:
ba-tiaua de Morae. dcoa que f i do en^ah" ln-
i -i s*ai qu* seja frita a arrc.n)aiac>>> em na-ta
publica, vi-t'i con-tar queja se den hsi- ractocom
ajjpjtt* d>- BBOraVOB daalO U1 paganiaUl"'.
Prerisa-se de um caixeiro com has-i
bule pralic< de. Utlrrua. 4andi-se ln.ru or-
dnalo so der flalnr da sua conducta : na
ra dn Atnoritn D. 3'5.
P ";i se de tiltil aui.1 para casa de
.mi i f anisa : na ra N iva [iiiuietto andar
D. <)',
\MA
Precwa-an alopar urna HM'rava para servido Je
casa de pouca familia : na ra Velha ti. 17.-
| rXSimWl ASTHMA ASTHMA
SUFFOCCAO NERVOSA E OPPRESSO
I meo remedio cflicaz para conibullir estas molesiias, acalmar um attaqne d'asma e impedir a
volta e recente, eeie novo pnetbietose ten propagada com extrema rapidez grabas aos admiraveis roi>ul-
laiin- ijiic lem seinprf prodir/ido.
Ili'posil' ii bol i Chauveaud, 54, ma do lU)mereio, l'aris-i.rouelie. e em todas z<
btieaa de r'canva e do esirangeiro.
ALCOHOLADO de
l"1. DE BV
m
. -,
aaTJMOMa* IH
. 5
O Alcohoi-ado de Guaco \ basta mencionar suas propriedades para appreciarsua importancia.
Em primeiro lugar urn preservativo infaJivel do contagio veneno (ver
folheto para o modo de o impregar).
2o Tetn a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de tuda a especie, ujceracfies i>i"uaivas e secun-
darias, ce.
.'}" Bmpmgado em njeccoes, o mellior trartumeHto dos eorritnentvs
rcenles ou enrmeos as pessoas dos dous sexos e da leucmrrhea as
miilhercfi.
4" Emlim como antidolo Idos virus, soberano na cura das chaga* e fe-
ridus de nulnatureza, ejuigas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophlalmia purulenta, ou blenhorragwa, mordeduras e picadas de atn-
maes venenosos, ec.
Este especifico vegetal, izeuto de toda a accSo mortii'era, foi experimen-
tado nos hnspitaes de Pars. Lyon, Marcelfaa, ec e recebeu a approvaciio
do* diatinctos doutores Kigohd, Baucuet, A. Richard, Calvo, Diday,
Mklchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRlElt, 21, ru du Faubourg-
Uoutmartre. Casa de xpediclLo, PASCAL e C, 33, ra Jlouaieur-le-
Hrinoe. Paris.



B
tr-
c



V
I
r- *nW # I
\
1


Otarte 4 veraumbaeo ttexta letra ** *e Urxemoro de isa*.
DE
C4VALL0
Na Qoileile lh para lltdo rorrente furtou-se am
cavallo mellado raxito, da estribara do sen ion,
com sellim mglez quasi novo ; cujo cavallo tem
cimas e cauda pretas. as cimas sao grossas e ca-!
gSociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
"VHIBliTjj
do Porto tendo c>~tiilml>*i"ido
vesta sociedade debaixo de sua immediata vigilancia
fenda pequen a modirelta ; esl aeostumado ai! re>pori^abihdadt, faciUiou a ceacau de rajtftaes,
andar em eabriolei e bem conhecido nesta / fnT*f' I**, hggf >" "'"'C" **s r-
qucuj Selle rier n .tieias certas ou lvalo a' Estn- m*s' etc-> for ,WM de "**?*6es. nicas mi an-
Ca, sobrado de dous andares n. 2, sera granlicado '"''?' "S, ,9oae5 C"7l"1lJa.8 eQl imcripcSes da
________________ *________ dmdr publica, de renda nacional, e da mesma for-
Precisa-se do una ama forra ou escrava qne | ma os juros semestraes i|ue dallas se forera ven-
saiba bem co.-ion ar e engommar : a traiar na i rendo, cam por um certo numero de annos em
ra da Peona obrado n. 3, primeiro andar. i deposito, at que, lido o praso estipulado, sao
~ i restituidas aos socios com os
AtteiiQo.
Precisase.de orna ama que. saiha cosinhar e
faii-r compras para casa de lioinem sotteiro, pre-
fere-se portugneza : na ra da Cadeia do Kecife
n. 38, primeiro andar.
Aluga-se para passar a
por anno.
Alttga-se por preco t orumodo
na estrada do Monteiro defronte do oitSo
[ulereases amouiia-
I dos, bem como as que pertencerein aos associados
fallecidas, visto que destes sao herdeiros us sobre-
I vvenles.
Pela engenhosa combinacio econmica adoptada
i nos clculos desia sociedade, v-sa que, com urna
! entrada annnal de '0500O, por exemplo. obtero-se
tosa Ol em H annos iSOJOOo a 550*100. m 10 lioOOSOOO
; a 2:000,8000, em 15 S-.rmfrm a 1:500*000, em
nma ,..,..,'*8-OOt4o00 a 10:000,5000. em 23 18:0005000 a
l'':'' 25:0601000, conforme a idade do individuo sobre
quem c falto o siluro, pois i|ue nos refnndos cal-
da igreja, COni bous commodos, milito fres-'culos coota-se rom a maior ou menor probabilida
ca e em milito bom estado. tundo grande
quintal ao lado com porio de ferro, ca-
cimba, estribara e co.ib.eira.'a tratar com
Antonio Jos Rodrigues de Skiza na ra J|
Crespo n, tu ou na mesma povoaciio.
de de durac.o de vida.
Bstt sociedade sobretodo vaniajosa aos chafes
de Tamilia, visto que Ules facilita seu sacrificio a
fundacao de um capital ou dote uara seos Otaos ou
fllhas, segurando-os guando nascem ou em quanto
mo eriaucas.
Quem, pas, mals crcumslauciadas inforraacoes
i desejar sobre tal sociedade, ou 6e quizer mserever
LTsO nrimai 10.
Amelia Augusta deOliveira Quintal, educada no mo socio del la, dmn-se a ra da Madre de
collecio das orphfias, acbando-se babiliiada pela eus n. 28, onde se podera entender com Joao
directi ra da instraccSo publica para ensnar par- Carlos Ccelbo da Silva, que para isso se acha en-
ticutarmente a lr, escrerpr, contar, erammaiica carrejado._________________________________
nacional, doctrina cbiisiaa, bordar cm b raneo, em Maulles para O lYio c lEaltia.
seda, em laa, em froco, wn euro, niaicar, labvrin-1 .,: i .. i.,, i_,,,,.,, i,, c ,.,., ,,,.,,
Ibar.alinal coser bem; abre seu curso no dia 15 Anlum.. Jos.: Rodrigues de Sotua na na
de janeiro, na ra da Connrdia o. 13, i- andar, do crespo n. lo, saca a vista ou a prazo.
otfda poda ser procurado : aseverando aos sanbo-1 ^v-f.:J?Eg?*j3jj \M'-- BJ ^'W^i^M'W '
res pas de familias que se quizerein ulilisar de ; ** *fe.:,^,_3
seu presumo, ij.ua empregaY o maior zelo e cui-1
MA GRANDE DESCOBERTA
OIjEo
deFIGADOdeBACALHAU
.DESIjNFECTADO
IHEDALHA
OE
HONRA
As propiedades medicaes do oteo de fiyado de bacalao forio unni-
memente reconhecidas. Mas seo cheiro e seo sabor to desa^radaveis
Ionio o uso d'elle muius vezes impossvel, mesmo aos estmagos
os mais robustos e aos mais condescentes.
Por isso a descoberta do Snr. Chevrier que lhe permettio de
desinfectar inlciramente o oleo de ligado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tem sido m dos mais felices problemas resolvidos pela
therapeiitica luoderna.
O oleo deflgado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um cheiro agradnvel e um sabor asucarado, o nico que nHo
tem nem gosto mm cheiro de peixe.
Objecio de numerosos relatnos scicntific.os elle goza em Franca
de urna fama bem merecida, e receitado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de ligado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as :
Molratlaa rari-ornloxna,
aarbillflin*,
Ohatrucra dm *lndri,
Tlnir piilnionur,
M.ile^tlM da prlle,
caimiliuirci lymphallra,
Anenilu, debllldaalc, rratiir.
ilutrn,
Pahrraa da laiiiiir,
Eafairameala par rienM de
Irabalha ou de prasrrea,
Malratiaa daa brauchlaa recca-
tca au chraniraa,
Taime perllnasra.
Ganlritea. Kan(ri>l|:laa,
0 Oleo de figado de bacalliau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenu a accao tao eficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando lomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., en lira perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipaco.
As pessoas as mais delicadas que nSo podem supportar as
preparaces ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quemes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
podero com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de ligado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chbvrier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgatnos intil de os enumerar.
dado no i'iimiiriiiieiit' de seos
vi res
rulo um ; a
Precisa-se de tres atnas>a4ore!
para roestro da masseira: as (meo l'outas nu
mero 10.
m
(liaudio ubeiix para evitar eqnlvoeos e con-
lesiaco'-. faz seiente aos sentiores passainiros e
assignantes da Passayem e us onfins, que elles
nao podem ter iiwressu no omn*bo do Cacbanga
I ti quamo temaquelles senhons u mnibus .
especial para o me.-ma l-iir^r da l',i--aL";ii : acn-, fr^jiSy
I
MEDICO EOPERADOR.
0 Hr. Joan H.iymunoo Perelrada Silva, ***
chegando altimaraente de Paris, onde fre- j^|
queni tu os mais nota veis hos|>itaes, pode rag
ser procurado para o e.ierciclo de sua "
ojdflsso na rua da Cruz n. 40 segundo
andar. D:i coosnltas todos os das das 7
as 10 horas da manbaa. Especialidades,
molestias deolhos, partos e vlas-nrinarias.
I>rra de entemuica.
Elle convem a todas as compleicoes e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimentaco das criancas fracas e doentes
Um folleto accompanha cada vidro e contem as observacSes medicaes.
Deposito em Part, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral era Pcrnambuce rua da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barbosa.
Precisa se de urna ama para andar cora um me-
nino e fazer mais algum servico em casa de fatui-
lia: na rua do Queimado n. 39. luja.
i Antonio Jos hudnguo de Sou/.a. na rua do
Crespo n. 15, luga sua casa e sitio no Monteiro
em frente ao oii'i da igreja, tendo o sitio porio
de ferro, cacimba com h.a agua, estribara e co-
cheira, e a casa 4 salas, 7 uua'inp, e'.-oto, a qua
muito fresca e asa de novo bem raiada, concerl
lada e piulada : para ver, as chaves estao em a
casa do Sr. Nicolao Machado na me.-ma povoaca.
Xa praca da Imlr|.endecia~n. .13,~'oj~de
ourives. comprare ouro, prata, e pedias preciosas,
e tambera se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.
mmmmmmmmm
DEPOSITO DE CALADO ^
1AUIUCADO NA CASA DE DSTaNClO &
Kua Aova a. 1. ^||
Ahi se eucontrarao obras Je di- m
versas qnalidades, e por pre$0 mui l
diminutos, a relallio e em porfes. H
Su se vende a dinbeiro. H|
i 'aV A.' y& -* WM JbV *M X.' & ftV daf
aMjabinete medico-cirur-w
gico.
Rua da luiperatriz u. 36.
O Dr. Joo Mara Seve, medico hariei- Wl
ro e operador raudou a sua residencia 'aj
para a rua da Imperathz sobrado n. 36, 2
onde pude ser procurado para o exercicio
m
m
'"
$B de sua profliso at as 10 boras da ma- !5fc'
>*; nbaa e das 4 da tarde em diaule. -S
m
**% i
Procuradoria
ca sv.*^S8


i ri ndo imiias vezes andar este vasio, e a'iii'-lle
nao pod r condnzir tod is senhore* passageiros
d.i Caehaag i por causa dos Ja P.tssagen. Adverle
outro .-im que, qualquer si nhor passagwro avulso
quj entrar no mnibus do Cachanga, pagara lv
\ ir i qn ilquer lugar qne f-'r, ainda mesmi. qu-- va
l ira o Chora-meninos u ltros lugares de igual
distancia. K-le aviso gei coja ubservaeio sera
rigorosomente curaprida a despeito de qualquer
pretexto.
FaIMH-sE
I i 8J30 olidas da patria : na
i raca d" da Independencia u. 'i.
Perdeu-se tira mafo de cartas vindas
do sul para o Dr. Luiz Filippe de Souzi
Leo, quem as liver adiado 'querendo res-
titoi-Ias pode dirigir-se ao escriplorio n. (i
da prafa do Corpo Santo, ou remette-las
paiii p eogenbo butilo Ignacio, no Calo.
Quera liver para ser alugado um escra-
vo que alom de muito boa conducta, esieja ^?"
bem habilitado para desemp nhar satisfac-
toriamente qualquer servifo interno ou ex-
terno de urna cusa de pouca familia, an-
ouncie ou dirija-se a rua da Aurora, sobra-
do de ii- 70, segundo andar.
Aluga-se um sitio na Torre com boa
cusa para grande familia e muito fresco,
com todas commodidades : a traiar na pa-
daria do mesmo lugar.
I'p'ci-.vse. de urna criada portogueza, e urna
escrava que saiba engommar bem : a tratar na
ru.i da Cadeia n. 34.
Todo o inieresse se fara' cora o senhor sa-
i rdote i|uc quizer ser capello de un engeulm, e
ni tenha ;5es para ni-mr as
I imeras letras a alguns preparatorios : a faltar
Sr, Vnl mi S rallm da Silva n.% rua do Ca-
Precisa se de urna ama para cozinhar em
i rapaz solleiro : a tratar na rua da Moeda
I miel
-i-a
,* smizijiza &ec; m )m&am ';{
(i aba to assignado faz publico, que desde o
da > do cuii sote, sa acba desligado ila sociedade,
que leve na ma taberna d.i ru do Rosario Larga
u. 18, o Sr. C isio.bo j .- de Oinvira, nao devi Ddo
por lauto os le vedles da mesma taberna pagar
seiis o. pilos e nao ao aballo assignado, ou a i es-
soa por elle othorisada. Ouiro -un o abaixo as-
signado nao t-e respi usabelisa pur qoalqoer debito
que em in-nil- da extiuta sociedade faga o mesmo
Sr. Recife.H de desembrode istia.
Joa i ilo Cotilo Alves da Silva.
= Prccisi-?e alujar urna ama para o servico de
urna familia peqm na : a traiar no Recita no ioiel
'Univers com urna pes.-oa" eslrangeira.

^>-<
Fazendas, phaniasia para vestidos chegados de Paris i elo ullmo vapor.
rente de intero gosto.
eiramente nova.
qae
Lindos robes de or^;.ndy> cesarianas fazenua iraospSI
Ditos de percalia campestre padrees muito neos.
Rlquissinias grmadines de seda oi|ue tera vindo de nVllior gosto neste mercado.
Lindos cuites de saltan pi km para vestido fazenda in
Ditos de gaze selim em peca fazenda transparente e d
Lindos chales degrenadim brochii, primeira vi-z aqu
Ricos bourno de crep guarnecidas oe tranca muito
Uiqii.-imas Dvelas para ainto, de metal, de ctjstal cJ
ha oe mais novo
E outras muitas fazendas de inleiro go.-to.
Kua do Crespo n.
JLoja das oolnaiuas iV CoiupaDliia.
^>
'.:'?>'.. '
< S "i O
55 s
5 W. | g 2 ~ CZf
13 S 2 3 X. m a
SalSS"
w o _. j. _ d. o >
~?. 5 f i a H
u S a" ^ f> H
dtsn n W
| S 2 3 3 1 ^
| = -'oT a S B e B0 n
fti i*
5 2 3 c o -J Ov
-i n zr,' -

~

f o O

B
" 3 o c
a -- i aa GC
O solicitador Burgos l'once de Len, mudouse
paia a rua de Sania Rita, sobrado de um andar n.
3, onde pode ser procurado das 6 as 9 horas da
manbaa, e das 4 as 6 horas da larde, para o exer-
eicio de sua prufi.-o, e fura di .-las horas e duran-
te o dia sera encontrado as -alas das audiencias.
: Elle recebe, casas coffiraereiaes, de partido, por
um ajuste raxoavel, como tambera se eucarn-pa
| de promover cobrancas de dividas e exeeucoes de
senlencas fura de-la ridade, por mais poderosos
que sejam os devedores.
. N. 0. Bieber A C, sucessores, sa-
cam sobre o Rio ile Janeiro a vista uu a pra-
zo confoime se convencionar.
t;o-io inuio
appareeidos.
proprios para
ui ac e cora
modernos.
i asseios.
pedras linas,
13.
a de Vasconceilos

FABKKtLM
mutuos
Compauliia geral hespanliola
sobre a vid)
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 217 DE DEZEMBRO DE IQ59
l'oia anea en dinheiro, depositado nos cofres/do estado, garante a boa ad-
minisli-iico da coiii|iaiiiia.
BANQCEIUOS DA COMPANHIA
O Banco de IBe.vpanba
DIKECCAO GERAL
Madijid : Kua do Prado n. I
Esta companlna liga pelo systema mutuo todas as coi a
ros sobre a vida.
Precisase de urna ama para cosinhar em
' isa ile le mera solteiro, qu^ tem pouca familia :
ua rua do Crespo- casa n. 12.
Casa em Oliuda.
Aluga-se urna casa ii" paleo de S. Pedro Novo,
liaslanUs commodos, ijuintal e cacimba : a
ti no largo do Carino, em Oinda, cora Albino
Jos da Silva, ou na rua da Cruz do Recife n. o7,
armazem.
No o. 2H) do iJi-ii o de l'ernambuco de 19 j
do crreme leu o abaixo assignado urna declara- j
cao que fez publicar o Sr. Manoel da Silva Neves NAL,que ainda mesmo dimlnuindo urna terca parle do interesse produzido em rcenles liquida-
Coutinho dirigodo-se a seus credores,L>a qual Ihes : ces ecombinando-o com a mortalidad^ da tabella de, Depareieux que adoptada pela companhia
faz sciente e a quera mais convjesse!) iiua o lei- para seas clenlos e liqoidacSes, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna imposicao annua.
de 1000 produzem elfectivo metlico:
No tm de 3 annos.......I:ii9300
de 10 .......3:942*600
de lo .......11:208*100
de 20 .......30:256*000
de 25........80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectis e mais iuformacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oliveira, rua da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rua da Imperatriz n. 12, eslabele.ci-
mento dos Srs. itaymundo, Carlus.Leite & Irmo.
A VIPOH
99 RUA DO MONDEGO 99
Iepo.lto sra na Xoia o. so ">ja de relojociro.
O dono deste eslabelecimenio parlecipa ao respeitavel publico que sua fabrica
esl monlai-!a com as melbores machinas que existem na Europa, c que pode fabricar
com melbor perfeico poesive!. Todo o chocolate desta fabrica esUi garantido, e puro,
o que nao se pode eocontrar naquelle que vem do fra, e que se vende por prego baixo,
visto os producios seren do paiz. Na etiqueta leui sempre urna aguia.
PRE0.
Meia libra......... 400
Una libra......... 800
Urna arroba........19,5000
Na mesma fab: ica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor para
binacoes de supervivencia dos segu- uras e DtarcDeiria propria para ediiicio, para o que eocarreg -se de fazer portas, ja-
nellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Enrona.) e armarocs, ludo com bravi-
mmXj^SS^SSSSi ct^Soendaenr aeeasiLeDhUm "" m ^ ^ d &!*ft JSX2 ^l^r encommenda para fora da idade, entregando-se
Sao tao suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACI-1 p couar-se no lugar.
I.- sua taberna dexuu de. elfecluar-se no dia
anuunciado em razio d t embargo, que solfrera
nella a n-querimento do abaixo assignado, cujo
consentimenlo para a referida venda au hawa
solicitado por nu julga-lo credor Nesta parle
mdo ao Sr. Neves Cuutinho a sua propria cun-
sso '-m nutro numero do referido Diario.
Com urna tal declaracao procurou ainda o dito
Sr. Neves Coutinho illaqoiar a boa ( d'aqoelles,
que n3o oconhecendo, deiiaram-se or elle iilu-;
dir.... Se o leilo nao eflectuuu se no dia an-1
nuuciado j por acto puramente do referido Sr.
Neves, qne e mandn suspender e nao por cfTeito !
do arresto de que falla, por quanto este arresto
realisoh se na dita taberna doos das depus do an- j
nunciado ara a vendadclla em leilao; accreseen-
il 1 que 11 embargo tanto poda ser feito no produc-
to como as proprias mercadorias e perlences da !
taberna sopraeiiada.
uanlo au mais dessa poblica(o sempre sup z
o abaixo a-signado que ja aehando-se alfecta aos
tribunaes sua accao coolra o Sr. Neves dutinho,
e por este m lio tndo Igualmente provocado a de-
[ca deste senhor Brmada nu seu ligurado crdito, j
ou anie> procurado cuagi-lo a vlr a jateo cun esse
Ululo que diz posswir com o aceite do abaixo
.ido, que o mesmo senhor leria a (irudencia ,
de aj im lar 08 julgados, e eutao fazer com acert 1
publico o motivo que tem para nao ter incluido :
abaixo assignado entre seas cn-dores. Esteja o Sr.
Neves Coutinho iranqui lo, nao se mostr lo s
fiego ne-p; negocio, coma a quem lhe amoflua as
vozhs da cunsciencia ; porque a verdade contra di-
la falsdade ha de mostrarse to clara como o a
lu do da.
llecife 20 de dezembro de 1865.
Vicente Ferreira Nunesde Paula.
Caboela fgida.
Nu dia 28 du mez passado fugio casa da seu
senhor a eabocla Lniza, idade 22 annos, estatura
regalar,com falla de dentos, cabello aparado, tem
si lo encoulrada na Soledade e ribeira de Sanio
Autouio, intitulndosefurra : quem a levar a rua
de Apollo n. 30, raeeber 20* de gr, liQcacao.
Aenco.
Ausentou-sH da casa de sea senhor a escrava ca-
bra de uome Maria, conhecida por Maria do Car-
nio, com os signaes seRinntes : alia, olhos baslan-
te papudos, com falta oe um dente na frente, tera
ninas letras izues no brago diretio, inlitula-se de
forra e muito conhecid, cuja escrava foi de D.
Mana Bacallar ; porlanto roga-sa as autoridades
I > 1/aes e pessoas d ) puvo que a apprehendara e
a I v-ui na rui Augu-ln. 26, que ara recom-
1 ansado.
Aluga-se a casa confronte a S. Jo- no Man-
guinho, com 3 quarlos, cacimba de boa agua de ,rorri
bel i- 1,. r 16* mea-aes : quem a quiier alugar. | No meseae estbele
dirija .-- a traiar com Denlo dos Santos llamos, na I wK.a'es anin
rua da (loria n. 411. 1 precw.s-niajodose raoavels.
nE
OEJLHO s FREITAS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, eslabeleci-
da nesta piara, loma segaros martimos so-
bre navios e seus carregamer.los,' e contra
fogo em edificios, mercadoriasemobilias:
na rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Em caa de Theod (^hristiaosen, rua dTTra-
piebe-novo n. 16, nico api ule no norte do Brasil,
de Brandenborg rres, Uordeaax, encontrase tl-
fcclivaiueiiie deposito dos arligos segrales :
Si. Julieu.
Si. fierre. |
Larose.
Guatean Loville.
Cbaleau Marganx.
Graud vio Chaleaa Lafitte 1858.
Chapan Lalte.
Hailt SaliP rnes.
Cha lean Saniernes.
Chaleaa l.ataur itlanche.
Chaleau Yquem.
Cognac em ires qualdades.
Aieite doce. Procos de Uurdeaux.
rnmim mmm mm mrnmm
^ Companhia lidelidade de seguros |
martimos e terrestres
3 estabelecida no Rio de Janeiro. S
SR AGENTES EM PBBNAUBUC0
^ Antonio Luiz de Oliveira IzeTcdo & C, ^
^ competentementeautorisdos peladirec- >j
gS toria da companhia de seguros Pidellda- ^
jjg de,tomam seguros de navios, mercado- Wt
ras e predios nu seu escriptorio rua da Rg
Alugam-se tres casas na povoacao do
Monteiro a margem do rio, com mudos
bous commodos e em muito bom estado
de limpeza ; a tratar na rua do Crespo n.
20, esquina, cujo preco de alugnel ra-
zoavel.
PERFUMERA da casa oger
Houlcvart Sebastopol, C>G, JPariz.
ez medulhas, a condecoiacao da Legin! CREME LABIALE de sueco de Rosas.
il'hoiineur eia grande repulacao qne tem lhe pommada VELOURS para araaciar
dado o publico, laes s;\o as recompensas que os pello.
servicos prestados a industria mereccrao a
esta importante casa desde sua funducao era
1801.
N'un sorlinieiito de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes escolherao os seguintcs:
ROSEE DU PARADIS, extracto superlino
pai'a ieiifo.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijohn.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de hoiiquet de Tranca.
d de llores de alcen rosea.
d de flores printanieres.
A* de bouquet do outono.
A de perfumes exticos.
d aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa.
d de flores das montanhas.
A" de cheiro defoins nouveaux.
d* de bluels cheirosos.
d* de althea balsmica.
d diapr, caixa rica, fantesia pari-
sience.
BOTICA E DROGARA
DE
B. F. de Sui/a & c.
Kua laripi do Itosario 11. 31
Remedios de Raduvay
Promplo alivio.
Pilulas reguladoras.
Rezclntivo.
Remedios de Kemp
Anacabuia.
Salsa de lirislol.
Pilulas assucaradas.
Agua florida.
Pastilhas vermfugas vegetaes.
Chegados pelo ultimo navio vindo da araerica
Tendo a irmandade do Divino Espirito-Santo
fvn-r n da f*rea do (:"llHg|- resolvido em sesso de mesa
mii.i ua ^ "" conjimia, mandar farer de marmore brauco lino a
Lonlinua a tiaver diariamente um SOrlimCQtO de paSlCIS, podins, bolos inglezCS, capella-mr de sua igreja; convido de ordera da
empadas et;.. etc. Gs donos deste eslabelecmento, acbam-se as melbores condcoesj01^9,jefedoni_qaellaa pessoas que
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arle, em consequencia do socio
Freilas ter sido administrador ebefe de algumas das princi aes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Joao Goncalves Guimaies (confeitaria do Leo) antiga casa de CarceOer.
Todos os trabalbos sao diffeientes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se ttm poupado a despezas, nem se
I pouparao, se bouver concorrencia como esperan); tendo continuadamente bom sorti-
1 ment de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tarabem se recebem para se-
I rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar anuos em per'feito estado.
Para jamares e partidas recebem-se tncommendas dos seguintes obieclos; ban- O abaixo assignado, professor jubilado na pri-
deijas ricamenle enfeitadas sem arm..,ao pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras JftT*X tUTUSS Xded*brr
de ovos, paes de lo enfeilados com disdros anlogos a qualquer hm ; ditos montados, no da 8 de Janeiro do anno prximo viudouro una
jatechs simples e ehfeitados com fruclas ingleza; gatlieaux de la reine, ditos de le du-1 escola particular na ma da palma, casa n. ;n, da
diese, lorias de fructa, massa folhada: ditas de peixe e carne; cretnes e doces de ovos freguezia de Santo Antonio desta mesmacidade :
de differentes esnec.ies os se.\hore.s Pais de fi,raiIias ''Urt 'imzerem que
se acliarera
habilitadas a mandar executar semelhante obra,
a examinaren) a planta que se acha exposta na sua
sacrista, e a apresentarem as suas pn pesia* no
praso de 40 das contados desta dala. Consistorio
da irmandade, em 10 de iiov.uibro de 1865.
O esenvao.
_____Francisco Belarmino dos Santos Freilas.
Nova escola deprimeiras
letras.
seus filhos frequentem a mencionada escola, podero
1 Tatubem lemum completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam : vinho entender-se desde agora coln o mesmo abaixo as-
ido Porto superior, Figoeira, Madeira, Lisboa, Clierez, Bordeaux, Champagne fino, ser-;signado na referida casa.
I veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con- Jo? Joa1ui Xlvier Sobreira.
feitose mais enfeites. Muilos destea objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
&
^
DE
DE
J. VIGNES.
\. 55. RUA l0 IUPK98 tnOH \*. 55.
A luga-se
25 RA NOVA N. 25
Este estabelecimento acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-
pressamente fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-
pa, por isso o proprietrio convida ao respeitavel publico para virem apreciar as qua-
ldades dos referidos pianos.
Continua-se sempre com esmero e promptidao fazer-se qualquer reparo nos ditos
Os pianos de.ta amiga fabrica sao hoje asss conhecido< para que seja necessano insistir sobre a instrumentos. Alinam-se os pianos debaixo do melhor systhema ltimamente adoptado
na supenondade, vanlugense garantas que olterecera aos com,ir-nlures, qualdades estas incontesta- na Europa
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-:________L_!____________________________________________________________________________
raindo um teclado e machinisrao que obedecen todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
por 20S00C mensaes urna casa ua S.dedade n. II,
com 3 quartos, boas salas, cozmlia fra, quintal o
cacimba, a chave esl parede meia : a tratar na
rua da Imperatriz, loja do calcado n. :&, ao p do
becco dos Ferrelros.
Aluga-se una casa bou na rui dos Prazeres
! biirro da Boa-Vista, com 2 salas, 2 quartos, cos-
j nha, quintal e cacimba pelo preco de lt5 mensaes:
' a traiar na rua eslreita do itosario n. 8.
e machinisrno
anoca falhar, por serctn fabricados de. proposito, e ter-se feiii nltimamente'melhorametos Importan-: Manoel Duarte Rodrigues,
ssimoe para o clima deste iiaiz ; quanto s.4 vozes, sao melodiosas e flautadas e por isso rauilo agrada- Traniclte n 21 saca solire a cidadp do Por casa de homem solleiro : a
bisaos movidos dos apreciadores. l '" ^ a v.uauc uu. u. marin|ia com 0 gr. Horacio
Fanm-se conforme, as eucoenmendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, soo I'i.'ZO. __________________________
rorresponiWate de J. Vignes, em cuja capital feram sempre premiados em todas as exposicSes. 0 abaixo assignado faz publico que o Sr. Jo- Na relinacao da rua di
COMPAMHA
Para a coustruceo de machinas
DE
AM3ti:ilTS\ V. IIOFGLASS
New London, Cormectieur, Esla-
dos-Unidos
Solicitam pedidos de descarocadores de algodao,
adoptados ao ak'odao sul-amernano. Hao-se de-
rua do' Precisa-se de um criado para o serrico de dicadoa es:e negocio durante 25 annos e aiieode-
tralar no arsenal de rao immediaiamenie a correspondencia que .-e Ibes
do Gusmao Coelho. dirigir.
Matheus Joad de Souza Guimar.ies scienliflea
do Itangel n. 43 preci- as pessoas que teem era seu poder relngjos para
tabeleeirnento se achara sem.ie .um expleudnio e variado ortlmento de msicas do= s> ^uiz Duarte de AtVedo deixou de sr seu cal- sa-se de trabalhadores, paga-se bem ; tambera se ] concertar para rem busca-lo=
da huropa, assim voc harcaif^i e pianos harmnicos, sendo taco vendido por xetr#. desde o dia 18 do correle. precisa de urna ama para

l
Joao Ferreira do? Sanios Jnior, 'para cozinhar.
para casa de hornera solteiro, | reme mez, visio o annunciante ter de retirar-so
1 desla cidade.

'------------------------------ -; r"""


' .*.*
**
51 rio de eraai*tufca scxla ietr.. di iict_ui, ro ae sJOft*.
MHHHMHI
O PABAGUMOS
E' a orden do dia Acabar com os Par-e
cuajos a bayoneta, a mini, a revolver;
fulminados cora os encouracados armados
de espores, armstrongs e raiadas de 80
120; extermma-los em sumraa a espada, a
faci e a punhal de que se traa; ina
ninguem se lembrou ainda de esmagar os
CASA DA FORIui.
Aosl:000UU
3: 9006000
500000
Blihee garantidos.
A' RUA DO CRESPO N. 23 & CASAS DO COSTl'ME
O abaixoassignado vcndeu nos seus muito fei
se acabou
ParaeuaVOS C0n as armas que Deus nos con- tes Oilbetes garantidos da.lotera que se acabou
cedeu!ac^ com elles a tacSo e a ponta -ir. laminas dos vo.un-
ps, para o que neeessario encoarafar esta
parte do nosso corpo com os ormidaveis
rompe-ferro, esmaga cobra, arranca tocos,
quebra marmore e outros que se vendem
44-RtA IIIEITA45
85000
50000
en-
Pzra
4*-lU
Borseguins Bordeaux.....
patricios.....
> para seaboras,
feitados....... 55500
com laco e fivella .. 4^00
Sapales encouracados....... 55000
Bjrseguinspara meninas bom
e>ast co................. J
Sapatos de lona, sola elstica.. 250U0
, avelludados......... idOO
de tranca........... 1(iU
com salto de lustre.. 2540
Um completo sor time i.to de calcado da
tena para homens, senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus- (
tre, marroquins, taixas de todas as qualt- l0 a sarr_s pendentes
dados litas para sapateiro, muito sortidas, ao momo engento.
so?. e couros que ludo visto necessariamen- mtt[
te az coltica ao comp-ador pela barate/..
__ Akiga-se o segundo andar da sobrado
-da ra do Imperador n. 79, de aluuel
tarios da patria, os seguimos, premios
N. 629 dous moios com 14:000?.
N. 2844 doas quinlos com 3005.
N. 3768 dous quintos com 2005-
E outras muilas sortes de tOOj, 405, c- 20.
Ospossuidores podem vnreceber seus respec-
tivos premios sernos desconlu da le na Casa
da fortuna ra do Crespo n. 43.
Acham-se a venda os da 8* parle da lotera
(42'J beneficio da familias d voluntarios
da pairia, qoe se extrahir a 43 do correnle.
PREGO.
.... 125000
.... ti 5000
.... 2*100
que comprar?di de 400#000
para cima.
.... 11*000
.... 8#00
.... 4*400
Manoel Mabtins Piusa.
Grande anuazem de tintas.
RUA DO IMPERABOR N. 22.
O armazem de Untas um grande deposito de
| producto* -.imicos teosla e os mais empregados
e usados napharmacia,pintura, photoirapbia.tin-
turara, pyrotecbinia (fogos de artificio] o em outras
industrias.
Montado em grande escala, e snppriodo-se. al-
rectamente as pnncipaesdrogarias de Pars, Lon-
dres, Ilamburgo. Anvers e Lisboa, pode olleleceer
productos de pitia rnoftanra e -atisfazer qualquer
encornmehda agrosso trato e a retallio, porprecos
razoaveis.
de
Bilhelts.
Meios. .
Quintos.
as pessoas
Bilhetes.
Meios. .
Uuiulos.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptldao qualquer pedido de tiritas muidas
a oleo.cuja qifalidadee pureza de seus ingredirri
tes poder ser examinada.pelo consumidor, o que
nao fcil fa7.1T com aquellas que sao importadas,
e que se encoutram no mercado em lata* fechad
Tem grande cllect;ao de vfdros de dlflerentM
formatos, desde ama oitava al deze-eis ticas de
caparidade ; de viilros para vidracas e diamantes
para corta-Ios: depinceispara ttngir m.vleira rom
rtopriedade e outros; de papis aclarados e pra-
peados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
para embrulho, para forro de casa, para desenho
com fundo j fcito-, de papel albumiuado l,e BrisiO
verdadeiro saxe para photograpbit e para liltrar,
e outros ; vernizes de essenci-i para qnadro, de
espirito para madetra, copal para o interior e ex-
teiior ; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linhaca
clanlicado, olee de toiele, sicativo de Harlim, euro
verdadeiro em p ; prata, uro, e estanho em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegetaes, inoffeaei-
vas proprias para coufeitarias.5 1:1a de cores, e
olhos de vidros para tmagens -, tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis c em p pa-
ra aquarella ; esseocia de rosa superfina, de ne-
Outrot objectos.
Vindos tambem para a anttga loja
miudezas ra do Qoeimado u. l.
Sapatinhos deselim brauco bordados pa-,
i ra baplisados.
uiros de merino tambera bordados e
igualmente bonitos.
Metas de seria, correspori'iente no tama-
nbo,Uos bupatinliHS4
Olras mui linas de o da Escossia e
brancas listradas. *
Loras filiaste lio da Escossia
de eores,.
bitas de seda para senhoras.
Lilias de dita paia a-olioras.
Penies de Urt.ruga raui fortes para des-
embafacar;
Carriteis com retroz preto e outras cores.
1 Carteiras com aoulbas.
Agulbas francezas, as afamadas.
. Caisiubascom allmetes brancos epretos.
Ilaspas de balda para vestidos.
Filas de linho proprias para ditos.
Caixas cem linhas de novcllos grandes
para crochets.
lYancellim de borracha prcto, redondo.
Bonitas flvella* grandes de ac.
domadas, niadreperola e tar-

brancas e
t> meninas.
. e
cha
Pa a a fe/ia.
Xa roa tas irozfB 11 U, loju da rtw-
(il'IHii,
Vndese um grandi f"ilmenlo di raltad >
todas as qm!idi* \>U C" I lll Ul III flr-
Arrendase o engeuho Santa Rita, e trege-
zia do Cabo, distante tres lgoas a N. O. da estadio
de Olinda, de muita jnduccao, me com agua e
tera obras suOicientes, incluem-se no arTendamen-
quem pretemler d.nja-se rol^jTsmlm'bei^iota^pice, tSSSS^mlC,
bow|iiet,limo, alcaraiva, melissa, ortclaa pirnenta,
Novidades do Vigilante
RUA DO CBESPO N. 7.
Este estabelecimento aperar de semprc
se adiar bem sorlido como todo& sabem,
hoje mais qoe nunca, nao s pelo que rece-
be de. sua propria confia, mas tambetn pelo
que recebe duvida que deve offrecer grandes ranla-
gens para o respettavel publico tantoem
prefos romo na escolha dos objectos, e co-
mo aioa iie i-hoiar grande rcmessapelo
como I; :.'..;:9
guezes a wsla faz U
Nos i e: si.'' n
Barato u ;:
-Chegocm fr*|
Abaixover-te.
Rorzegains tfe luso i- a Milic ;
Dit de bi mtos ae lustre e beterro pra
Botinas para seuboras i mi u
Borracha a vara
Grande sorbmenlo de cbagrin e de ci ida^ao.
ira !.'' " 7*5W

: Rfl i ' | 0
i 3*000
0!)
v' ii navio Solferino
de
T .fehlMt'll A iiomnanllia lonro.cereja, atfazema, jumpero. Portugal, lima,
, ,- ianisda Russia, canella, cravo e muitos outros ob-
a en/.ov n. jectos que scom a vista poderlo ser mostrados.
mt
Ruada
acKMcia da
Fundido de Low lloor.
A toja de miudezas ra do Q^ ^P (
n. 16, receben um bonito sort Diento di, dos cuae* se menciowirlo algnns,
.fivellas grandes para cintos sendo de ac, v h d B^jkmu t(.j(loS- 0
douradas, madreperola e tartaruga, asqu s ;slabe|eettnilo espera a pro-
i stao sendo vendidas em dita loja por pi t-
pode
Joo Pedro dns Heves,
Gerente.
annual de 600MXX), o quat ten as salas e Macmas a vapor de 4 e b cavallos.
Vesde-se um sitin em Bemfiea a' marges do
rrnntp r, boas es-.ca- Moendas e meias moendas para engenio. rio (ipmaribe, com Ijasuntes eoimw^os mi* urna
du com entrad, uidependet.te, bastante Taixas de ferro coado c balido para enge-1 f^J*g*~ ua rua ^ D" ^ das 9
fresco e com encllente vista nao si. para a; nlio,
mefma ra como para o caes de 2 de No-
Arreos d^ cirro par, um e dous cavallos.
Riiloytos de ouro patente ingles.
Arados americanos.
Martinas para dR-varocar algod Motores ''.ira ditos*
Machinas de costara.
eos cbmmodos ; assim como boas bonitas
fitas de gorgoro acbanialotado, proprias pa-
ra ditas fi'\ellas. .
Ocnles de Tcneira c de outras
quaEEdadcs, para qt&etn soft-e
ti visa.
tecro de todi s.
Riquissimas caisirJias
msica propria p;ra trm i
rimadas c com
,i
icario mimo.
ENCICLOPEDIA
3% IIu da lisapcr.(s x :u n tvui
da poria larga i
Innto a padttrto frad
Paredes Porto.
Si sta -t.tl i-i -:n i i onti n < n |ii iisvi
. ublico nm variado serlinn m l '' ''
:;..-, ngletas, soissas e alleme?, qm veueao
per i'H'1;' commodo.
Paredes Pone
?endi chales de rnd: di r iju
:. |S~ '-'* ^ :.. r
tei nova, 53,6,5, 6a 'S, ..u
pltli le inantel les, ra] ss.' "
'.
Caitnhas de musrta Unid do veio como I ce, .rniazem da porta
:
. | 1.1
vembro. a tratar com Antonio Jos "Rodri-
gues de Sooza na ra do Crespo n. i 5.
.jiia!
O Dr. Ckisme de S Pereira-conti-
na a residir na roa da Cruz n. 53,
i e i andar, onde pode sor proen-
Vndese a fabrica de charutos e cigarros
da roa do Aragao n. 32, bem afregpezada : a tra-
I lar -Ba ra o* Coelbos o. 2j__________
de corda.
Rks porla Joras < necessarit -.
Riquissimosest ios a feitio de um bausi-
A loja de tn.udezas aru fo^oeMado nfao J0 (.haI,1,1,m!;,
ilos em casca de noz e de outros goslos.
t OLE
l)G UELliO
Esta p*r> logar-s o 1* andar e lujas
i -: do sobrado n. 44 a ra da Anrora : a< m
ns qoizer dirijii-se a" roa Nova jo Sr. Joao
.. H. do Rogo, em seu armazem de fazmda-j
[j-n.24
rado para o exercicio desoaprons-
so medica, e com.espe:lalidade
sobre -o segiTfte
4 molestias de olhos;
de peilo:
. 30 dos orgos geni-
ti armarios.
Ea seu esiiptorio os doentesse- p
CSO exainilHtO.uS na ordena de SDaS y I _"o"sr7.?elmto Jos de Alm^n! nin-ira annun-
cntMdas conecando otrabalbopc- M ciar a sua morada,on--apparecera roa largado
IOS doenles do olhos. S?j osario n. a negocio de sea particular mte-
Dar consultas todos os dias das-E" resM-
Ainda est por a lugar urna casa na Iba do
Retfro, a quat tem eommodos para fanniia, esta
pirrada, tem banhuna [torta e muito fresca, po-
de:ido o preteadente exmioa-la no mesmo luger :
'a '.ratar com L. H. R. Valeoca.
: ao poii<--.
Chapeos fraucezrs de muito bonitas formas a
35 ; ua ra dos Quarteis n. 22, jento a lija de Ta-
nileiro.________ ...
SeUiros c curreeiros
PECHINGHO
Sola de lustre em perodo estado,
meio............
45-Kna OircilaV
305000
VKNDE-SE
: Z:l
na ra
bWS

6 as 10 da ntanhaa, manos nos <:!*>- g
mingos. :, 1
Praticar toda e qualquer opera- _^
cao que jnlgar conveniente para o *M
prompto rcstabelecir-iento dos sea
doents.
l'recis--: deaavaanM de leite
1 rog?esso n. ?
Dentista de Pernambuc
Roa estrella t Rosario n. Z, p
ao p da rgreja
FRiNCISCO PINTO 020o|
Colloea deutes artificiad B
pelos y^tcoiis mal tuo- -^
derao W
Emprega todos os nietos sciennneos p^:ra jgg
conservar os natoraes. t'ode ser procura- mm
do em sen gabinete as 9 horar. da ma- 1*
m
m
ar,
nbaaas^i da tarde.
TeMto-se desenraminliado -ama carta dccSrs.
Salgado, Souza iV C-, do Cear, datada em 3 do ;
correte mez, contendo tres conbei iroentos a or-1
dem, pelo embarque d;: 233 saecas de algodio a
bordo da barca ingleza lidie Paule, sendo uin de
100 *accas marca S travesso C por bafxo, outro
de 7! ditas SS e 15 por baixo, e o lerceire de 54 di-
las S travesso, os qoaes foram remettidos por|
aquellec senhores, com os respectivos endosaos em
branro a Marques, arros & C, desta praea estes
fazemk; publico estaoccorrencia previnem para que
ninguem cegocle taes conhecimentos que Ibes per ,
(enees, e protestan) desde ja por qualquer abiuo
que com os mesmos se tenba dado.
Reee, 19 de. dezembro de rS6o.
Marques, llanos & C
== lus Antaa s Guimaraes faz sciente-aores-i
peM 11 -I corpo com mi nial dota praca, qoe dissol- <
veu amigavelmente a sociedade que tinnacomol
Sr. C-ailherme Caraero da Cuaba ua loja de fa-i
zendss sita na ra Nova n. %, a qual gyra?a sob
a raso de Guimaraes & Carneiro, cando a cargo'
d 1 anauDciante e activo 1 passvo da le^lIK1 firma,
e exonerado de qualquer compromi.-so reeultante
da m-sma sociedade o socio Carneiro. Recite 19
d'J d-.embio de IU53.
a taliernr. do largo do Carmon. 5,com paseos fun-
dos : a tratar na taberna 03 Campos, a sirena
do Rosario e. 47.__________________________
Vendase
um bonlio moleque : es ra istrei'.s do Uosario
numero-1"' ____^_
Manual do Cidodo
Vende-se o Manual do CiddSo em um
Governo Representativo ou principios de
Uireitc Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinbeiro
Ferreira, em 3 voluntes bruxuradus por 3?
Coda obra : na livraria n. 8 da praca da
Independencia.
u, t6, lambem recebeu oculos de peneira
com vidros claros e escuros, para quom sof-l
fre da vista, assim como outros de armaco,
de ac, sortidos em graos.
Coreas e tercos de comllDa.
A ant.ga loja de miudezas a ra do *
Queimao n. 16, recebeu mui bonitas co-l
roas e tercos deccrrnlina, os quaes esto
a dispesicio dos bons cristaos que os qui-
zerem comprar em dKa loja: na ra da
Queimado n. 16.
Esponjas Ocas grandes e pe-
qnenas.
Vonde-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
4 taliia loja de miudeas na rus do
(iueintado o, 46, acaba de recebet :
Novas e bonitas guarnicoes pre-las para vestidos e
1 soutembarques.
Bicos de seda braticos e prolos com vidrilfcos, e
differeules larguras.
Trancas jiietas rom vidrilhos.
Cascarrinas de seda de diversas cores e moldes
novos ; outras enfeiladas com bicos de seda.
'3abadintKs de seda.
Tranca.- '. ranea... de seda para enfeites.
Bonitas atas raneas lir-as e lavradas; outras de
cores tacibeta !i>as e lavraas ; outras achamalo-
ladas para cintos, largas.
Fivelas grandes de a^o, douradas, madreperola e
tartaroga.
Bonitas igao de seda para senboras.
Leques de sndalo o outras qualidades.
Lili/!>- o delicados enfeiles ,para bai-
les e fasseios.
Leques do matkpen !a de sndalo e 'le
faia e madeira.
Cbaposinbos e louquinhas de muito
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda pira senboras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de mni lo costo para 1 -compedrasi ..
apiihnra R<
cuiioid. D.5, armazem da porta larga.
Btqutssimos porta boquels. Paredes Pi
Boque de Q6res com urna borracbinha Vi n,,,., t:s .. e'^,.,,,..,.,,,. r
com ebeiro. ;i a l-arfd'! i
Receben nm comjileio S"r 1
540, e 28(1 i, cova os pa .....I
1 i.r a '40 rs. o ci vado, risc;.
e menino, fuslau de linl n
Roa da Imiratri2 n. 55 jout
irroazem da porta larga.
l'aredcs IV; 1
Receben para rortinados pan
11 ., 1 ... canil raja ;-.!';
pee, corle* de lailalana di
- '-:. cambraia n m fli di
nov a 100 I;" :
na ::.i larga 11. .'2, ra da : 1
dan., fraticeza.
Parcos !
Re 1 i en 1 le ultimo |Ui :-
rar.i
. .ir..ri ; 1
;- Stt! 1.
'
1
.
i.*M ..
.: .
I '
I
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas
eiiieinr chapeos.
<;<.!:;os e tobos de ac branco, qneba]
muito se rlesejava para enfeites.
Brinciis, livella (e crystal.
Fivellas e ci uzes de tai tai uga, madripe-
rola (
Alfineles | ara grvalas.
Botoes com croas par? punbos.
Gravalinlias 1 mantinbas de muito gesto,
tanto para Uonaem como para senhora.
Riquissinoos aderecos pretos, assim como
exinbas com a finetes preos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de outras
.:. 1' 10 e 26 o tovadi
rs. 11 covadi, laas de qna rii
tada. a 320 rs. o cavado, i li .
plumas c guamicoes pai a ,,,,., a,,uUa ,arpi.
Roups feit
Rna da Imperatriz n. 52 ar: n 11
! ga junto a padaria frauceza, enri 1
j -.i:- ifcimento um n :. ti 1:
; -;;i .-!- recasacos, di ti :. ai i
cas. colli tes, eerolas, camisas,
dourad s. chai >s de sol, di os Fiai
romi do.-, n
! || I .
...... 1 : '
1
11 1
II
1
||
1
, .' : I
1,0= 11., !! 1 :
at!gt al _
dous escravos : na
%*i JZ*.L*fU *^A
1 .'MM$M$&<$ ^^*
--^ O Ur Carolino 1'rtL-isco de Lima tara- ^|
5: tos conlii-iia a morar ^a ra do impera- g
dor n. i:, segundu andar, leudo alias sen ^
M gabinete de consultas medicas, loge o |
3 -entrar, nt primeiro. sg
9 mesrao doutor, 'd e-tudo tanto das opera^Gus como das mo- ggj
.ostias iut-jrnas, presta 3 a qualquer .fea- >g
fe1 tado, .quer para dentro quer para ura S
US da cidade. *M
Alu.a-fee
urna aoblleote casa terrea no-Poco da Paoel.a jun-
to ao obrado do pateo da matriz, fresca e com
. .uodo:-:: a tratar na ra do Imperador
n. 83, pniaeiro acCar.
Precisa-se por alupoel
ra y.a Cruz do Racfft) n. 33.__________
Precisa.se de uma ama que leona bem lei-
te, pa-se bem : u ra Dir uiii :.adar.
ISHMMBHHMHMmBI ..-- I
CU
e mais pee laucha
l1 IIO
Tabeas americanas com palmo e meio de larga-
ra, 0061 pequeo leque de avaria, a 0 rs. o pe :
no raes 22 de novnubro U. 2i, araiazem de Pauio
Jos Gomes & Mayor.
"(SFolas b 500 rs. o ce-uto.
Na ra da Madre d* U.-s o. -9.
Silvino Goitberme de Bars ;compra veu-
de efiectlvamente es-?ravos de a*cbos os sex-^s : a
ra do Imperador n. 7'J, terceiro andar.________
t'ei)na> de-eiua de muito superior qualidade':
vende-se-na ra do Vigarlo n. 24, 1* andaj, es-
criptArio*
ompra-se ouro, prata e psdraa preciosas,
emolas velhas : na ra da Cadaia do fecife,
(ja e onrives no aroo da tkince>:Io.
Caro c prata.
Ere o'.iras velhas : compra-se na praca
dependeacio n. 22, loja de bilhetes._______
da la
Kappa-mantli-ilanis[)hu'ico.
Na ra do Livramento n. 19 compra se um map-1
pa-plaoi Comprase carosso 'sement) de algodao : no
armazem 9 aleodao de Saunders Brotiiers & C,
Affiii pa ra oasa. no caes da Apollo._____________________
P,-eci Be alagar ama ama para lodo servieo de Compra-se ou alnga-3 ama escrava, paga-ce
unii casa: aa beceo das Boias n. 2, P"r':eirn |,em .gradado : na C'pHBKa, ra das Cnoulas
'indir. numero 3.
AMA
.- Pr.cisa-,v de -.una ama forra cu captiva pava
comprar e eotiohar \*r* casa de pouca familia
aa.ua Ja Concordia a. ^i,
dojaL
sobrade do armazem
PEKGUNTA
GENTE
Ueseia-t-e saber a qual loa dous partido* politi-
Ma pertencem os senhores que stao as duas cha-
na'-l'rocressi.t* e Genuina-eom espenaudade o
pera o) que o mesmo senhor doumr se sirva res-
pomitf para palT votar sem illusao.
Um eleitor da Muribeca.
para o
tiver an-
Atteiicio
Pede se a pessoa que achou urna cambada de
chaves eniiadas em ma aroU de ac, que faca o
l,,v ,. de er-tr^ar na ra Nova, loja de erragens
a. 31, qoe seri' recompensada.
Precisa-se
alatrar uma sala o com aleova se tiver, as ras
do rapicbe ou Cruz do Beeife, com vista
mar, para pessoa do commereto : mi-jm
aUH'-ie-_____________________________,---------------
d.-ralumasinrermaoes werca de Joao Jo-e de
v -s- 'oi-eos e Sonza, i 1 falleelde, o favor de Ibes
faliar na rita de Apolle 0, uu auaunciar sua
morada. _____.---------------------
Alnaa-e o segundo andar da casa da ra do
Imperador n. 50, cjm muitoj commodos a tratar
na mesma. __________________________^
""Al-ira-'sTde am at quatro esenvos, pagan-
doJe ???a ra do Trapiche u. 13, irmaiem
de Manoel Teinuira Basto._____________________
- Qem" ver e quuer ven ler uma oalauca
uuda de concUa, annuncie. ....._________
CACUURRO.
De^ippareceu da pjru d.^ secralarla da polica
ora cachorro vermelho esbranqmcalo, de raca de
Terra-Nuva, grande, cauda tina a pessoa que o
pegar, quer^ndo restituir a seu dono, pode dirigir-
se a ra das Trincheiras n. 18.
VENDAS.
II \ 1800
Araham de sair luz as olbinhas de
algibeira e de porta para o armo de 8U0, o {,','
Vendem-se superiores prsenlos de Westpba-
lia, cbfcgados no .oilina^f vapor: na ra d.i Trapi-
che n. Y,___________________________________,
V mos de altura muito bom de cabriulet : na ra tia
Soledade n. 19.______________________________
"Cal de Lisboa
Vende-se a S& o barril : na ra do Brum n. 66,
armazem de assucar.
As Pilulas Catharticas
DE A.YEJO.
O purgmnte mait efeeaz al lu>Je -eonhecUlo.
Batas 1- i lula Rio puramente reg-
tt..-<., io i-mili na sua compo-
8?io ncm nu-rettrio ncm outro
inprcdienlo mineral; sao inno-
.oentn para as criuu^u v pensos
mais delicuil.is, ao i-ierinio lempo
que, comportas como sao lie vegl-
tacs mui lurtes, ao Ua^tanle acti-
viut 1 i.ii'uis paraog pessoaa mais
robustas.
Estol pilulas catlinnicas purgao e purlflcao touo systema
hii.nai.. sem mercurio.
K.i ?.. tem poopsdo traballio nem despez* para Ic7ar estas
pilulas a iuii gr.i de |Kircci,J(i tal, que nada eixa a Jes.jir;
sao o r-a-.llado de anns de estudos lalioriosos e constantes.
Para llrjkjar todas as vata>!eiis pie rtsulto de uso de cathor-
tii'os. tem-s- eombinadu sjioentc as rirmlea cniHrtlewi das
otas qpe -io empregadi na confivjjo das pilulas. Sua
alcance
16, recebeu novos e lindos enfeites para bailes
e passeos, todos de moito gostn e inseiramente no-
ves, variando o preco-deles confoi me a superiori-
dade : os pretendentea os acharao en dita luja, na
ra d. Queimado n. 16.
Maas capellas para nolvasc
meninas.
Ar'.iam-se venda na ra do Queimado. loja de
miud za: n. .46.
btibila-s louquinhas
de G e cambraia, bordadas e eoeitadas : ven-
deni-se ra do Queimado, loja de miudezas nu-
mero N
Lmh los de dous vilrts tem ar dV aro, bfalo
c tartaruga.
A loja dp miudezas. roa do Qoeimado
n. 16 receben um bello sortinento de lo-
rretos t ocelos de vidros curii acmacSo lina de
aro. btffalo e tartaruga, e os est vendendo
por precos razoaveis: os pretmdentes diri-
jam-se a esta laja na ra do (Jueimado d. 16,
.; las fazendas por ,
ua 1 rta larga.
No mesmoeitabelecimtnio enrr-t ti 1 >.-
tavel publico, sen pre um con?! eli -..<:
ditas de todas as qr idadi 1. .. j-n
s 1 alpaca pri (a e de or, (nu-
cos a -i e 5, ditos di brim pardu -- 'Vi
0, d tos lino- a 4#{ diles mi a>
-'. ''. -- -'i, ditos c.'i'cn-ir.'i i-:. ''
e 10|5, dito* sobrera sacos a 10 < i. 1.
no saceos a 64, 8 e I O, dil 1 -111 1. -,
e 255, dit--- de merino r 1 ,:-
cas de brim lie diversas qual; 1 1) 44
Riquissimos peales de tartaruga do ulti-
co gosto; assim como de arregace paral
ttenina. p< is nesle artigo ba um completo I Sitos brancu a Ih t" l
soriimcnto Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas lilas lavradas e lizas.
Trancas j retas com vidrilho e de cures.
Pulseiras tanto para senliora como pata
meninas.
Ligas di seda e de algodo.
Suspensorios de seda e de algodo e mui-
tos outros 1 los qoe se ii-i 11 dem an-
nunciar por nao se tornar enfadonbo.
S no Gallo Vigilante uta do Crespo n. 7.
1
ritij
111 1.
6J e 7, ditos prttos a Si, (i, 8 ,t-j
u tas pazi miras a ."'.* -' '.
qi lii .. -. sen ulas !i anei ?;>
linl o. ditas do br rj-ante a i' z,
algodo de linho Iranctias de .-.'..'i 1
de i pchincha m ste ^- di ro, gi
qualidades e brancas para cas tu, .
lie 11 lo de meias pan 1 -''-- du;
\ '. supi 1 lores u :.'- .:..
(Jm completo .
1 : :.
;
- I
I
M ..
cal
1 1

te na livraria da praea da indepetv..
iGOris as de porta e li0 ris as de algi-
beira.
Vende-se uma mohilia deamarello ja toada::
na ra estraifa do Rosario n. 17 9* andor.
"CliapeosT 1^500 e 1.
Tem para bomens e meninos ; na armazem da
estrella, largado t'araizo n. 1^_______________
AI40 rs. a botija
Tinta preta para escrever, de boa qualidade :
vende-se ua ra das Cro/.es n il A, taberna da
porta larga.
Cal de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa nova sem pedra : no e-
criptono de Jos l'ereira da Cunha i Filtros, ra
da Cadea do Hecife n. 21. ____
.Na retinara da Concordia n. 8 vende se m'l
de purgar assucar ou de furo, u ais limpo do <|ut
o que vem dos engenbos, caada a 600 rs., a gar-
rafa a lO rs.___________
purilicc e
igem
laa
con.,.-uueuciis de>u.- propricdoden i yue o doeute, abatido de
dr c debilldade pliloa, udiaira-iK' de eucoinjur, too depresaa,
euii .-..udi e energa recuperadas por nteio mu remedio to
ciiiit.les e agradavel.
As motti.tias.que e^'o ao seo alcance sao.
PrUstfl ('- Mitin: Uli*.uiiuU\smo, Dr du esj&eftt A Xevralyia,
Eiutajuaa, Iiuliycal&u e mal lo estomago, IhmorrhoUltts,
PADECIMENT0S DO FIQADO,
Febrc /astro-ktpatica, Ga^lrile, affec-fla liilioms Lombrigat,
En/i/ielu, Hpdrojuia, surdez, erguir imrciat, e Paralytia.
No nlmaiiake Manual de Suide du Dr. Ayer, que se publica
(odos os uinius para di.-lribui. io gratuita, ein-oiitra-! ulu tra-
tado sobre as diverjas doeu<;as une estao ao alcance de
KEMBDIOS pr/KGANTES.
Aeba-sc cm todas as JJoticos e Ursgarias do Imperio.
K
53Kui Direita53
Salitre refinado muito Gno 550O em barrica,
lona muilo larga propria para encerado de barca-
ca e camas de vento i a vara, camas de vento a
oS, e de encornmenda lona do reino com taxas de
col-re a "T.j00, espingardas dous canos muito finas
a 25,5, ."!:"5. i"55 e G0. facas e partos cabo de viado
8,9800, bataneas linas 5^, pentes e enfeites para
senhoras ludo de bom go>lo modernos, bandejas
fina-, ludo palo barato prego que s com a vista se
Sedera \er.________________________________
a .praca do commercio n. 4, escriptorio de
los Mara Palmeira, vende-se :
Cerveja Uass, veidadeira em boti|as. chegada
receatemante oo Bavio nglez'Anue Kay.e
Biscouto mglez inuiio lino.
Uolachinba bamtiuri;ueza nova cuja qualidade
ja aqui nao vem ha lalvez 2 iodos.
Chales de renda
Paredes Porto, na ruada Imfwratrll n. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
o to-joe de mofo, a 345000 e 45, tazenda de 10*
e 12000.___________________________________
Machinas de descarocar al-
. godao.
No caes d'Apollo, armazem de Tasso Irmaos.
Peitoral de Cereja
Z>E AYER,
Angina,
enza
IXJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrhea* antigs
e recenti s, nnico deposito na pliarmacia
franceza, roa da Gru u, -2i eaopreco de
3?0OO.
Liquidata* dechalesde
Na loja de fazendas da ra do Queimado n. 5,
de Monteiro & Guimaraes, ha 1 ara vender ri -os
e al t de renda pretos, ditos italiano-, boi r n ,
beduinos e rotondas, fazenda esta de sua propna
encornmenda, e que podem vender pelo pieco que
os de mais logi.-t..s comprara. Os obj-.cu.s cima drogaras
lio de linissimos tecidos e mu lindos lavores, a:-
sim como outras muas fazendas por pregus ba-
ratissiinis, que seria enfadonbo mencinalos.
Attencao.
Vende se oseguinte na ra da Cruz n. 23, pri-
meiro aodar, escriptotio de AcK'Uio de Almeida
Gomes :
Estopa de 40 pollegadas de largura.
Superior vmiio de champagne em glgos, conten
po garrafas e meias garrafas.
PABA A rnoMPTA COBA DA
de Constipa1 i-es, Tosscs, RouquicUo Influ-
Bronchite, Tisioa primaria. Tubrculo!
riulmonarea, o todas as molestias do
Foito, assim como para aliviar
os ethioos declarados.
Toioaila de l'aysandu' e Montevideo.
< om este titulo acaba de chegar de Pars urna
linda phantasia militar para piano, compwfta por
um dos melhores compositores, acha-se a venda a
2-5 cada exemplar : na loja franceza da ra Njva
a. 11.__________ ._._.....________
Qtieij Vende se superi- r queijo do serlo : na rna da
Madre de Peos, armazem Junto a igreja.________
Cal de Lisboa
Na rna do Vigario n. t9, 1* andar.
Brides de Ipojuca
Vendem na ra do Queimado n. 32, Azevedo
lrmo._________________
Vende-se una negra moco perita engomma-
deira. cosinheira, doceira e boa lavadeira, e uma
muala de 20 annos que cosinha o diario, ensaboa
e cuse : na rna da Imperatriz n. 2.____________
i Na na do Vigario n. 2i primeiro andar, ha
para venderse um preto muilo bom carreiro e
destillador, tendo .alm disso mofla pralica de
lavotira e boa conducta.
!.
As pre aracoes do Du. Avkii lo vendidos as principie*
i boticas do Imperio.
Vende-se era Pernambuco:
na
No armazem da ra do Imperador n. 3 ou no
Cae* de Pedro II n. 2, tem para vender-se o me-
ihor gaz existente no mercado.
Vende-se:
FU ARMAN E FRANJASE
iEMAMUC'f
RUA NOVAN?
I
m
w
\
Cha.
Lonoa.
Cognac a 103 a duzia.
Xa ra do Trapiche 11. 18, segundo andar.
Noidade.
Chegaram os bonitos chales e retoed^s de goipu
re brancos, e rendem-se na roa da Imperatriz n.
52, leja da porl" larga.'de paredes Porto,
da boa f ua ra ta luipes-arlz
n. 94.
Veodem-se colberes de metal principe para cha'
a t& a duzia.
Ditas para sopa a IgOOO.
Facas e garfos de cabo de balanro de dous bo-
toes a tijoOO a diuia.
Ditas de um bolao a 5,5300.
Ditas de cabos cravados, pretas e brancas a 3<5
a duzia.
Caixa com 30 nvelos de linha de gaz a 700 rs.
Tesonras linas para costura a 300 e 300 rs., e a
10OO.
Resma de papel almaco a 2600.
Dito greve muito bom a 3200.
Baralho de cartas francezas para voltarete a 240
e 2K0 rs.
logo op vispora a 500 e 800 rs.
Enfeites para cabeca o mais moderno que ha a
2,5000.
Pentes moito finos com cesta de metal para
pentt-ar a 500 rs.
Meias crua< para hemem muilo encorpadas a
210 rs.
Aboloadnra de crystal psra rollete a 500 e 15-
Kilas de coz cun 10 varas, d= um deo e meio
de largnra a 440 rs. a peca.
Liga para atar meias a 100 r^. o liar.
Pares de MisnTsorir s a It'iO e. O rs.
Ora>lt>i> il'- -eda pretas e de cures a 500 is.
Ricas gulinhas com pnnhOS para setihoraa 1$.
Luvas de rio de Escocia, de cores, para hoiium
a 320 rs. o par.
Carreleis de linha de Alexandre de n. 80 a 200
a 100 rs.
Gaita de borracha para hrinquedo de menino a
100 rs.
Caixas rom clcheles muito bons a 40 e 60 rs.
Mas com ampanuas para 3 mezas a40rs.
Dilaseora obreias muilo boas a 40 rs.
Fivelas grandes para cintos de diversas qualida-
des, litas para cintos, ditas de velludo, trancas de
cores lisa- c de caracol. I-icos e renJss, veltas de
aljofares, ditas pretas a balao, e um completo sor-
tinienlo de miudezas que ee esta' iiquidando a di-
nheir-j.
" CHUES
(raudo pcehlnclin.
No ra da Imperatriz n. 32 porta larga de Pare-
des Porto, vende-se chales de merino estampados a
2 e 2;500 e unos 55, estao se acabando.
itordados.
Chegnu a leja de Paredes Porto, rna da Impera-
triz n. 52, um sortimento de camixinhas, goHinhas,
corpinhos. roiueiras e sinlos, d<> cambraia branca,
pelo barato pr<"Code 1*5500, 35300 < 4.5. gollinhas
500 rs., romeira'- a 8(Ki e sinlos a 80" rs, grande
quantidade de ntremelos a O e 800 rs. a pefja,
eslo se acabando.
Fai-ello.
Vende-se superior farello de Lisboa : no arma-
zem albaca, ra do Imperador o. 37.
"Vi; r
iS .1 daifa, di
n enltn e 11 Ldi'.: a
al| ac ;. 3*5, diU-.s di
ditos I, ai s [iara
a6i.
i'echinefra a r..
Grandi s 11 siento de I, .
tenses de cambraia para boa em
tos de linho a 4,5 e 5.
Grande s-jitlmento d< r,
tras muitas ualidadesque n: \
ciona-las.
E-'azendas..
Vende-se superior merino pfeta proprio 1 ai 1 ca-
pa> de senhora e vestidos 3 1$, lusirim da ( lilna
a 15800 o covdo. Boa da (n ptratriz, ptiia ....
Paredes rVi;:-.
Vende em seu estabelecimeniu tiras e entrttreics
bordados, grande sortimento de corplnhts r:- <
mente bordados a 35, 45 e 35. s o Pandi P-r-
to, ra da Imperatriz no 52: porta luga jcatu;
padaria franceza.
Paredes Porto
Recebeu pelo uliimo paquete francez rlca
granadinascom flores de seda a U0 e 5C0 rt. 1
covado. estiio acabande-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a rea
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Vende um completo serum, nto de fazendas
brancas, c roo sejam madatolao a 45100, :
10$, pecas de algodo or barato prego, 1 )> la
ceza a 24o, 280. 320. 360 rs. o eovado, pura, a
muitn linas a 360, 40 rs. o covado, rhlia ir.li 1
a.200 e 240 rs. o eovado. Rna da Imperatnz i
52, juiiii a padatia franceza.
Paredes PitIo
R-cebeu pelo uliimo paquete espariur-i 1 ,i ;
gni{ose por 3. sao bous, lencos de .-eda [aia >
nhoi? e horaem a I?, ricos crtr .le canbi
imrdados de 18J a
7?, por tr r
nm 1 iine di- r,
estao se acabando, na ru.. da Imi eratriz n.' -
lo a padaria franceza.
Vende-se um mnlatinbo de lii a 17 ri. -,
proprio t>ara pagem por ser rr.uiu bi Dito r de I
coD'Jucla: na ra to Imperado] ti. 15, lerc ;
andar.
Piano forte,
Acaba de rhgar de Paris om lindo e ebgantti
piano fMte de 3 curdas e. 7 oilavos, vindu para
amostra p o mais moderno que aipu tem viodo a e
hoje: qualquer pessoa que quira possuir f-tc
bom instrumento o qual se vende por barato 1 e
co, dirjase a loja franceza da ra Nova n. 11.
rOirii
Vende-se um baixo de sibemoi, em b m psla
por 355, tendo cuitado a bem penco lemp 7.'5, e
acha-se na ra da (deia, loja de icilo.-s 0. 53.
Lages para calcadn
Chegou grande quaniida le de lages par 1 e
das e ladnlhos, viudas da illia de S. Uigie I: ,
pretender comprar, dirija-si a n !
n. 26, a fallar com Joao Mara -\ 1 iro I 1 1 1
Rig.'
na ra de Apollo n.
Lima.
4 com o Sr. J o
Grande buzar.
Para a fes a
AzeilODas novas a 1280 a ancorela e 320 a gar-
i rafa, farinha do reino a 140 a libra, looeioho a 400
Nesle grande etatieleciinentO t(!tn Cliega-1 rs.. banha a 640, manteiga inglezn a 15, cha 1 ni-

do ltimamente tos Esta-los-Unidos uma
variedatle de cadeiras para hornera c pro-
prias para senhora e crianza de todos os
tamaitos e outros riquissimos artigos que
por posto se pode comprar, ludo por proco
moito commodo : na roa Nova ns. 0 e 22,
Luvas de Jouviu.
A loja de miudezas na ra do (Jueima-
rjo o, 16, resebeu-as por este ultimo vapor,
1\
do a 2tW0, caf a 260, qne-iios a 35. vinbo Je Li--
boa a 360 a garrafa, e 2&600 a ranada, Fi eir
puro a 480 a garrafa e 3800 a ranada, ga: ;; lui-
do a 135 a lata e 360 a garrafa : uo arman m c
Estrella, largo do Paraizo n. 1.4.
AL6D\0 IU
>|
ir
Na loja de Andrade & Reg, rna do Cre-' 1
esquina da ruado Imperador, eoatia ave.
se superior algodio da Babia por menos pre(0 ,
ero eutra qualquer parte.
i




-w w-k-


Diarlo de PernADibuoo Siexta <*ira de Dezembro deft&Aft.
s- -I? '
IIOOS Clffi DI SEDA
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor francez rios cortes de
vestidos de seda de cores dos mais bellos gostos, proprios para bailes,
partidas ou casamenlos.
Olales de Guipure pretos e braueos.
Bonete de palha da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Casemiras de cuadros.
Esteiras da India para salas.
ILvlapoloes 'ancezes a 400 euOOrs, a vara,
litas para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q (no ludo se vende pelos mais coramodos procos.
CORTES OE SE IIA
ra pelo paquete iaglez riquissim is corles de moreantiqae de cores, e seda lavrada
artes inteiramente novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RA DO CRESPO-5
Gregorio IMc.v do Amara! & Coiapauuia.
LVStllOttt MEMCO-CIIHJMO
do

AO RESPEITAVEL PUBLICO
J^l tabella abaixo publicada serve de base de precos,
tantoj deste mmmm como do armazem progressivo pa-
teo do Carino n. % principal armazem ra do Impera-
dor il 40.
Para vestidos de -senhora.
Cortes de seda de cor de bora gosto e superior qualidade.
Lindas sidas de. quadrinhos.
i', >ns uioireantiipies de cores.
Grosdejiaples d.i tulas as cores.
Liu los poil d chevre fazenda assetinada de inteira nividade.
Lind h duquezas assetinadas fazenda inteiramente nova.
Moderaos granadinos de seda oque tem viudo de mais novo.
! in le vare lade de liias de cores lisas e de salpicos.
(raandyse ca-sas demuito bom go>to. (
alias modernas cora grande variedade.
i/ i is coi les de la Clotilde com todos os pertences cida um em seu car-
inmente novos.
: crte< de cassa cora barra tambm inteiramente novos e outras militas
i mi- le gosto que seria enfadonhu mencionar.
'-'
Fazera sciente ao jespeilavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
fenhos, avradores e maUpessoas do centro, que para unis facultar su as compras deli-
beraram os proprieta los dos tres grandes rmaseos, reunir todos os seus esta-beleei-
Pmentos mi uin s annuocio, pelo qual o preco de ura ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar ^s gneros
por um )reco, e na occasio da compra qnererem por oirtro, como soonde constante-
mente en outras muitas casas, porra nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
.anda mesrao com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos* que
serao tai i!,em servidos como viossem pesoalmente fazendo-nos-o favor de mandar seus
pedidos em curtas feixadas; para evitar qualquer engaos, remeneado nos urna conta
peta qual se ver os precos tal qual aonunciarmos, o que senao arrepender pessoa
aiguma que fizer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
a por ceuto na sua despeza diaria.
M41STE1CJA I Serveja
Manteiga mgleza perfeitamente flor che-[ Superior serveja Bass dos melliores fa-
gada ulu|namente de i,000 a l.luo rs. a li- bricanles, como sejam: Slilers & Bell. T. F.
OR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MGSCOSO,
MEDICO, IMItlIlUU OP1UAOH
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos osdias das 7 b ti
aoras da manliao, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcao dos dias santificados.
Pharmacia mpeomi it&meopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
rnoos avulsos, assim como tinturas de varias dyranamisacoes e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. i2000
de 24 tubos grandes. 185000
de 30 tubos grandes. 245000
de 48 todos grandes. 305000
de 60 tubos grandes. 335000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
]Ov SG pcQir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de 12 eustarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A meJnor obrada homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Ja'h
doas grandes volumes com diccionario.......... 20500
Medicina domestica do Dr.. Uering ......' d05OD
Repertorio do Dr. Melle Moraes........'.!.'! 6600
Diccionario de termos de medicina......... 3500
Os remedios deste estabeleoimenlo sao por demais conhecidos e di'spensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que qukerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha ludo do melborque se pode deseiar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua toa conservaen, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e portanto a maior
energa r certeza em seus efeilos.
Casa de saude pura escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lue qualquer
operacao, para o que o aununciante julga-se suficientemente habilitado.
u iradamente eo meilior possivel. tanto na parte alimentar, como na medica, e
foneconanr o a casa ha mais de qoatro annos, ha multas pessoas de cujo conceito se n3o
potle duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
Paga-se25 por dia durante 60 dias ed'ahi em diante 10560.
Asoperacocs serao previamente ajustadas, senao se quizere
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
quizerem sujeitar aos precos
I
Jvon do
Ealoes econmicos.
Baloes econmicos.
Para hombros desenhora
de chales, bonrnoui, re ind !3j e algerieanes de fil
Gi 11 i i variedade
ii|i i e a 10, 16, 20, 30, 10, 60 at 805-
nos Boulerabarqaes de seda de superior qualidade.
1 < bertes de seda de cor pretos e d cachemira.
I-1 catnbrah branca bordada com mnito gosto.
irq e h lurnonx de cachimira de cor e ostros muitos artigos de:
i).
Para cabeca desenhora
>
ores chapelinas de palha, desedae de crina demuitobjmg>slo aim-:
le p)lba da Italia grande variedade.


is gorros e bonets de palha do Italia, Imperalriz, Canulier. Clotilde
i chegados de Parispe'o ultimo vapor.
variedade da enfeites defroi-o e de llores para casamento.
i ire3 vestidos de blonJe, e de moireantiqae brancos.
i n.-im Hivnii | hs "incs esoperioressedas brancas. M
Itins v -!: los d tarlatana brando bordados. -*j
... i. maulis de blinde e boas capellas.
Bord4os.
i .''' irieda 1' de entremeios i) rda lo; transparente c tapados.
'> ir la las transparentes e lapadas, habidos bordados, saias bardadasrlS
il
i- muitos artigos.
DE O'TONIi COHREfA lK VASCONCIiLLOS & C.
RA l-9 CRESPO J. 13
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a u/.ia e a 7oor?.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a ooo rs. a garrafa.
Vinagre
Bupwior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais bateo para 2oors. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
bra, e eiri barril ter abatimento.
Manteiga frauceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimento.
15 ANUA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril teri abatimento.
Cfli
Cha nxim de primeira e superk>r qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o melhor neste genero a!
2,6oo rs., e sendo em poreo t:-r abatimen-'
to, tambem ha proprio para ntgooio de 2 a Superior azeite doce de Lisboa a 6io rs. a
2,4oo rs. a libra. garrofa e a 5,ooo rs. a caada.
fdem preto superior de I,8oo a 2,3oo rs. Massas
a llt,ra- | Micarrao e talaerim a 360 rs. a libra e a
Iftfaoottlos 15,000 rs. a caixa.
Latas com superior biscouto inglez de di- \ l*a*sjs
versas marcasji 1,2oo rs. a lata. i Superiores passas a' 3,ooo o quarto e
MNBMmM 12.ooo rs. a caixa de arroba hespanbola e a
Latas com boiachinhis da acreditada fa-. 5oo rs. a libra,
brica do beato Antonio, proprias para dar a!
doentes de .ooo a 3,ooo rs. a lata. I GEV^BRi.
dem com qiwlro libras de belachinha de Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
soda a-2,000 rs. a lata. du/.ia e 1,000 rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,coo
A' loja do Balfto.
Estes balos sao encarnados e por isso qu.- merecer o nome de econmicos,
pois como todos sabr-m, a cor encarnada nao sugeila ao sujo como os brancos, e tem
lido preferencia a todos os outros, ha tambem com os arcos brancos e pardos fiuai-
mente ha um completo sortimento deste genero indispeosavel ao BELLO SEXO.
J"
BM-A
>&!<&
DE
Queijos
rs. aftasqueira e a 56o rs. o fraseo.
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Recife, esquina da Madre de Deus.
RE
CUSTODIO CRVALHO C.
27 RA DO QUEiMADO N. 27
MadapolSo francez muito lino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas per
105000.
La de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia frauceza a 20U rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lenco* brancos para algiheira a 2# 00 a duzia.
Fin 'Sperclaras a preco de 400, 440 a 56t rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 105 a 300000.
Chales de fil preto e outras militas fazendas.
3.,
:-";
V dos pulnioer. angi-
se, escaiTos de1
ie, crupo ou garro-i
citarro, rouquido
i -vi i molestias que a'ffec-
SS
Qfi.


Bichas de
Queijos fiamengos chegados- ao ultimo Idora de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
vapor de 2,6oo a 3,ooo rs. a me.
CHOCOLATE G-irrafoes com 24 garrafas de genebra de
Chocolate hespanhol a l.ooo el,2oo rs. Dolanla a 8,ooo rs. o garrfiio. Tam!>em!
ibra, francez e suisso a .ooo rs. a libra IliJ garrafoes com 5 e i 4 garrafas de 3,2oo a
( I
aos j (ja respirado
f 8:appari;ci:m
odiante a acc5o da balsmica e irresistivo
3
TORAL m EW.
araburgo
todos os paquetes da Europa so recabe
de-las amigas do sangue hiiniano o se
veDdi-m a troco de pauco lucro s afira
de ler sempre consa oova : a loja de bar-
lieiro ra estreita do Rosario n. 3, ao p
da iei<*ja.
colares Royer ou colares ano-
dinos
para facilitar a denlicao das enancas e presrva-
las das coiivulsoes.
O feliz resultado obtido immeo^as vezes pela
prodigiosa forca magneiica dos colares Koyer, ns
easos de convuises, e denticao das criaocas, tem
augmente elevado o seu bem merecido prestigio,
hojej se ple dizer qae estao geralmenle con-
ceitpados, e eslimados de muumeraveis pai.s de
familias : de uns porque do uso dasses salutarcs
colares viram salvos do perigo seus charos liliii-
nhos, e de oatros porque colheram daqaelles lio
proficuo exemplo para igual memo preservar os
s^us. Assim, po's, a aguia branca, ten/lo em vis-
j tas a utllidade e proveit< desses prodigiosos eola-
res anodinos ou Riyer, mandou vir o oovo sarli-
mento que agir receben, e continuara a recbe-
los para que em lempo aljrnm a falta delles possa
ser funesta ao- pas de familia, os quaes flearo
certos de os a'har constantemente na ra do Quei-
raado, loja d'aguia branca n. 8.
| e portuguez a 800 rs. a
ter abaUmento.
tm
.- anacaliiiila mexicana rpie d o nome es-
i- ;l isie incomparavel remedio, urna
; j rnailiira por muito tempo se
idn no Tampico para a cura das d- "o hotel de Franca,
les cima mencionadas. Poi tam-
I a ensatada e approvada pela academia
i lia do Berlim Opeitoral de Kemp
i"i i del :ioso inteiramente livrede
- bydrocjanico c outros ingre-
(' ites ;. .'05.
venda is drogaras do Caors A Rae
I Bravo & ('.. e em todos os estabeleci-
> oaceuticosdo imperio.
lo geral en) Pernamnaco rna da
Si ei casa le Caros & Barb;r-
Vendem-se duas escravas recolhidns, de ida-
de 2:1 a 2'i annns, ezoeUente conducta, engoomam
perfeitamente e fazein lodo o sernco de uaoacat-a :
na tnivHs.-a do Carino n. i.
Venden se quatro burras mulo mansas, boas
de carga e de sella, por preco commodo : a tratar
. f
a variad 0
Pcancaz barrica 8|6flO
- dem s^doe
- ' lado:
" / barril a ISjOt
.lid dem IU6M
!-. Tasso Irmao scaos d*4p-iic
Machinas para descaro^ar
algodo.
De novo modello : na ra Nova o. 20,
o grande bazar de Antonio Duarte Carnei-
ro Vianna.
t, priBieiro au(L->i-,
superioi- qu- tem
ibra, em porcio
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
lauque do Porto, Volbo Secco, Lagrimas do
Douro. Mara Pa, D.Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9.000 a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinlio cbamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ancwretas de 8 e 9 caadas a 21,ooo rs. a an-
coreta.
Superior -vinho branco proprio para mis-
sa a 640rs. a garrafa, tambem ha maisbai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,3oo a Ganaila.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oors. agarrafa.
CAF
Caf do Rio de !.a e 2,a qualidade de
6.8o a 8,2oo rs. a arroba,, e de 24o a 28o
rs. a libra,
S1H40
Sabo maca de primeira qualidade de 48o
a 22o rs. a bbra
em caixio.
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Volas de spermacete a 6o rs. a libra.
Idea 4e, carnaHbade lo a 12,ooors
arroba, e de 36o a 44o rs. a libra.
pi:i\e
Petxe em latas j preparado de I,ooo
1,200 rs. a lata
ALPISTA E PALNCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 16 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
lwratos dos wais acreditados febrican-
tes, como sejam: Joao. Fnrtado 4a Serrias,
Maeoel Peixoto da Silvl
Filho e Brandao e d
qoaesvendemos pelme
2, 2,8oo, 3,500, 4,5oo,
Grande novidade. I
Lourenco Pereim Mendes Guiioares, proprie-,
tario da grande luja e armazem da Arara, ra da
Imperati iz d. oli, declara ao re.-peitavel publico e :
seus hregnetes, que recelieu diversas qualidades'
de fazendas vinda> pelo vapor W'Cez, por isso
como a fn^ia esta quasi acribarla resolveu vender
baralo para acabar ale o lim du auno.
A itovidsde, chales ilc reitla a 10^060.
Veadem.se rices cbaies de reuda drraiui liaos e
nov,.s .iilO* IU a l-"!5, retundas mui.o liaas a Crozas "de bot5es de lonca praleados "fazenda mo-
125 e io, sonterabarques de grosdenaple a 1*3, i (lerna a 16t) rs.
Rival sem segundo
Roa do Queimado ns. 49 e 5o, loja de
mindezas de lies portas, est qnei-
maulo lado lioiu e barato, quera qui-
zei* ver.e admirar venham loja do
Biiodiaho.
Caixas de papel amizade, e seai ella liso e pautado
a 600 rs.
a 202 e V<5, rapas prets de grosdenaple a 20 e
' 153, souirniharques de laztnha a ."3, ditos bran-
cos finos a S : ra da Jmperatriz, loja da Arara
n. 56,
Cortes aria Pa a 8000
YV.ndaro-se ricos crirs d ve-tido de cambraia
bordados a laae. snta a 8 e 1U, ditos de laazmha
linos a 8$, lijle 165, cortes de cambraia de ba
i nados a &, ditos de catsa frailesca linos a -i&,
i ?'.'as de cambraia branca tina a .'5, 4, '& e 85, Tinleiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
ditas de cambraia para forro a -1&, c-irtes de chi- Pecas de eordo para vestidos, fazenda boa a
uzias de pen*a de ac fazeDda boa a 40 rs.
Pecas de traeca de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas Qnissimas para limpar denles a 210 e
320 rs.
Pecas de fita de cs estreitas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles france2es, superiores duali-
dades a 20 rs.
OHtros mu i tos, os
co preco de l.6oo,!
",eoo rs. a caixa.
muito finos para vollarete a 200 e
Licores francezes e p<|rtuguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou Masco.
Doce da casca da g
queoos a Too rs. e de
a 64o rs. o caixao.
Milu
Fntas em calda e em
'meticamerrte, inoito trem
do pera, pecego, ameixa
perche e outras frotas
e de 46o a 21o rs. sendo i Tambera ba latas grandefe para l,2oo rs. i
Mata.
Nelto, CasfafltiO & tas a 2s3O0 o 35 : ra da linptrrairl/., loja da Ara-! 20 rs.
! ra u. 56. | Baralhos
Cassas franeepas a 306 rs., dulas a 210. ; *W rs.
Vendem-se Uftsas franeczas fina- a 300,320 e alas eom superior banha a 200 rs.
360 o covado, chitas finas a 2*0, 280, 320, 360 a r rseos de macaca petla mnito Bao a 200 rs.
iOO rs. o covado, alpaca de eor para vestidos a 320 frascos e garrafinnas com agua de Colonia a
o cnvado : ra da Imperalriz leja da Arara n. 36. 4 r-
Laaziubasa 2iO e covado. i ryeos grandes cora superior agua de Colonia a
Laaziubas a 240, 320 e 360 o covado, ditas lisas: (',.,.rlm .._._... .. _
finas a 400 e 300 k o covado, Otas escoceos 8- jBfJ1" ,2 frsSC0S ch,T0S mml finos
oas aSOOrs. o covado, lencos de seda a 640. 800 e.o.i^,.,,.,^ -_ .,
W : ra da lmperatriz, loja da Arara n. 5 *22T pe"T,enoR de Mii 2* e Prand^
Balees a 2.-J00*}.
aba e caixoes pe-
ca i xoes para cima
latas fechadas her-
enfeitadas, conten-
t'ainha Claudia, al
a oo rs. a lata.
Gaz idro^eneo primeira
qualidade
i ns. 20 e 22. no grande ba-
nr dt C u '
Na ra do Vigario n.
vende-se o stiguiuto :
Caf lavado do llio do mais
vindo ao mercado.
Gamma de mandioca superior em iccjs.
I'-l'-iras de palha de carnauba muito grandes e
novas.
fia bocadas com duas releas a ia^Mca. manu-
factura nacional da provincia do Cear, as quaes
pela elegancia e born*!':oria da obra, c^aWdaM os
amadores da bella montara a arreiarem eus ca-
aJJos rom elegancia, sendo jue, t-m foniagnontii
da modicidade do preco nioguem donara' de
eomprar.
Gonma de milho TanceArafiriftiuo.
Esla prociosa fcula, cuja- pntpriedades medi-
efnaes a imprenta anropaa i-uto tem exaltado pa-
rs a ana das aiolMtus do nwlo, raaos nJa-da
i taaaheo eonw alimento sadin naviilta para as
Icreancasurelando-se a variados preparas culiua-
ros. A eral acrueao qoe pila tem 'htido por
i -l.i parle, a sen mator eluglo. Deposito em
!'. rnambuco n a-, Cadeia o. 1.
Vende-so ntiieai..-i't. a r..iaiho na ra do tone- *^?i
:. 57, amaten] Uliaoca, 1
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macas pelo ultimo vapor
Araeixas pelo ultimo vtpnr.
Passas pelo uitim -vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Frurtas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos loridrinos pelo ultimo \np*r.
Queijos llmenlos frescos pelo ultimo vapor.
Pregunto fiambre pelo ultimo vapor.
Tudo se veude barato n<>s seguintes armazens:
Rna do Imprradr, a. ISua do dineimado a 9. I akio e CatManereia.
I^argo lo Cartao m. 9, frogrcsivo.
a
Vendem-se baloes a 25, 25300. 35000 e 35500,
saias bordadas para sennora a 75. golinbas para
senhoras e meninas a 240 e 320, caraWhas pKN
sennora a 15, 25, 35 e 45 : ra da lraperatrr,
loja da Amara o. 56
liona* reila, caifas 2^100.
Vendem-se calcas de bnin pardo e de ganga a
25, ditas de Mm branco a 255tX), 35"<0_ e 45, \
d'ias de ca>eraira dp cores e preBs a 55. 65, 7^ e
85, paletots de nasoonra a 55. <>5. s5 e 10?, ditas
de bnm de cor a 25 e 3?}, d alpaca pra a 35 e!
45, canosas franceaas a i500, 2 e 253'K), ditas
infi'ezas, pregas largas, a 35300 e 25300. ceroulas
a 15601) e 25. e outras muiia* fazendas que se nao
pode mencionar por estar milito oceupado, porm
coro a vista do comprador observaran o que ba-
rato e beo, isto para agradar aos seus fregnezes
que iioni .un a grande loja e armazem da Arara,
roa da Imperatm n. 56.
Chalos de niprin a 2-SOOO.
Vendem-se chalas Duzia d. sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua denn'Sre soperior qnaHdade a 800 rs.
Caixas cora superior p de arroi a 800 rs.
Frascos de superiores esseneins santal e outros a
15200.
Frascos com esscneias para Orar noduas de roopa
a 500 rs.
Fraseos com cheiros de lodos os precos a 160 200
240 e 320. '
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias nimio finas para senbora a
Golliohas muito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Pecas de fila de ISa para debrura de veslido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de Meas superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de loosa pan msnino! a 160 rs.
Bnnacos ile choro e panno a 160 rs.
Caixas rom bonitas estampas para rafe a 100 rs.
ditos de lia a 15 e 15280, chales de merino mui-, pe* compndos, boa fazenda M0 rs.
to tinos a l, iOffOO e 65380
leja da Araran. 56.
ra da Impe.ralr,z,
Rom e barato
Marrteiga ingiera flor a 15 a libra, franewa a
840, arroz dn Maranliao a KlO rs., pampo a 12o.
, amendoas a 4", caf dn Ri boni a 240, vinho A:
i hiffneira a 400 rs. a parrara, p :',S, cati.-i.ik. I,i~-
' boa a 300 a garrafa, e 25,<0 a cunda aren- dnee
a 600 rs. a garrafa, vinagre de Lnboa a %*t rs -
1 gariafa, e <5->00 a caada, (|ueijo do aHtaa vapor
a 2(300 : r>a ra nas Cruzes n. 24, esquiua <\,
[ travossa do Onvidnr.
Algodn troncado
da fabrica de Fern.i'i Velhn : no esrrptorfo de
Manoel Ignacio de CMiveira A Fnho, largo do Coj
po Saulo n. l).
niioes pequeos pretos para calca a
(Irosas de
tOOrs.
varas de cnrdao de espartilho a 20 rs.
lovellos franceses rom 20/ jardas a 40 rs.
Peeaa de liras bordadas a 640.
linzias de meias ernas Dadla lories e superieres *
35500.
Atiene
%
>em afregwzada,
1. 2(.
Vende-se a tal.erna
roa du> AsMigoinlios 1
rinn em barrica! penoenas.
fiera em velas de iodos os 1 nuanhos. ,
Verriil.
Ha ruado vigsrion. 10, primeito andar.
da
'..


111 rAn #


HMBH
:.' I
Diarlo de pernaunbneo Sexta felra 99 Je Decembre de 1865.
CDCTWBSCOO- r_^ os O O 0 O
2'3 = id.Bdo- = 3
<*> g "

t

^B
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
o u

25 P.M.S b
5 o c0Cj c
00
Q 01 H o.

o
1 ">
S o 3
2 S S
s
co
os _.
2 co
p.^2* a
mojo
C5
o-g
ttKSPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciago dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
sen da Liga estabelecido ra Nova n. 60 am magnifico sortimento |de molhados,
que sendo era sua maxinn parte mandados vir directamente do estrangtire'podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em sen genero, pde-se porm iiflSancar, com toda a seguranca de qae
aeohum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1." Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posico social gozara de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos iondrinos, cerveja, vinhos flnissimos manteiga e cha sempre de
primeira quaiidade. etc., etc.
Qualquer que seja a cndilo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao ponco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassuar, etc., etc. de boa quaiidade pelo prego que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo sen proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
para os senhon-s que compram para tornar a vender existe um sortimento cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhore-
compradores.
N5o se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
A Giiaixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 120 rs. a libra. urna,
dem e painco de oito libras para cima a K
100 rs. i KIRSCH de Wasser a 2# a garrafa.
Arroz de 90 rs. a libra a........j E,
Amendoas, casca mulle, a 280 rs. a libra. | LATAS cora graixa a 80 rs. cada urna.
Avkllaas a 210 rs. a libra.
Amkixas francezas em latas de todo* os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
Mil
1 1
"B|. V
s.8 3.
S?o B
G.
I
o. o P 3 o a
-t O CD g_
O
S s a
o sr?
H
"O CD
O -1
o. s?

&
o
o
a
%
c
>
c
Grande loja e armazem do
Pavao.
Ra da Imperatriz d. 60. de Gama & Silva.
Ti udo oi> piopne.urius d'este esiabalecioiento de
Ra do Queiniado n. 8.
A loja da aguia branca acaba de receber
.:;,.
isa V 42.
Ra do (fcueimadu l. -'- e &.&.
(.oniiuua a \vidi-r todas as mndezai que aban
declara por presos adaiiraveis.
em porco coma a relalho, por isso previoe a Ditos ditos de grade com cooias grandes. r).h;t
, todos os su* freguezes, e ao rep*ilawel publico, e Lindas flvelas grandes para cintos com moldes Mea<|a8 de |,nIia Il))ia aia bordado s i e 50
as pessoas que ueRociam em pequea escalla com agradaveis e diversas qualidades, madreperola, abm em m eDVHo|ie*,fafinJ l.ra 3 mi ra.
fazeDdas, que neste estabelecimento encontraran; tartaruga, acs e douradas.
Tasso Irmaos
Vendcm no sea afmazem roa do
4mopim n. 35.
Licor fino Curado em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com ralbas d i
vidro e em lindos fraseos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chamberiin.
Hermitage.
Borgonrie.
Champagne.
Moscatel.
Ileino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol. __________
mu glande .--orlirueuUH que muito Ibes ho d agra-
dar lauto em presos \como em quaiidade ; assini
como maudam pelos sdus caixeiros levar as fazen-
das e amostras as ca>ns das familias que nao po-
derem vir a luja, ou dp as amostras deixando Q-
car penhor. I
wuraias lisas a|3i$00O, la leja do
P vo.
Vendem-se pecas de cambraia li.-a branca e
transparentes, loodo oi I e niela vara cada peca,
pelo barato pnco de 3 00, ditas muito liuas, por
4o00, o, Cfiat 1Q, sendo Upadas elraaspa-
rentes, assim como crtt s de cambraia com salpi-
co a 250OO : isto s na loja e armazem do Pavao,
na ra da Imporalnz n. 60 de Gama A Silva.
As rawi.sinlijis do Pavao.
.Mendera-se as mais m|>deruas cabiisinbas borda-
das com manguitos, paraiseuboras, sendo as mais
modernas que tem vindolao mercado a 4o00, di-
tas com manguitos, para acabar, a l& ; ditas pre-
tas com manguitos para lulo a l800 rs., mangui-
tos e golinhas pretas a );5, tinissimas golinha de
cambraia branca bordada a 500 rs., calcinhas para
meulna a 640 rs., romeiras de fil e cambraia
branca bordada a fJfflOD : na loja do Pavao, ra
da luperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Ctales de merino a 2000.
Vendem-se os mais modernos chales de merino
Boas e bonitas tilas achamalotadas para ditas.
Dites de dila de grosdenaples lisas e lavradas
com novos e agradaveis desenhos.
Trancas pnias de seda com vidrllnos moldts
novos e de gosto.
flicos brancos epretos de seda com vidrillu-s c
de differentes larguras e 1 onitos desenhos.
Cascarrilha^ de seda cooi diversas cores e lar-
guras, formas inteiramente novas a imilacao de
palo, babadinho e oulra com urna transinha no
centro o que lhes da imilla grack.
Lethia a
100 rs. a libra.

.MANTEIGA ingleza e franceza de piimeira
quaiidade a 1$, a libra.
dem idem em bocetas de todos os tama- Marmelaoa dos mais acreditados fabricantes.
nhos. IMacarrAo e TALHAKHia 320 rs. a libra,
dem iilem em frascos de todos os tama-j.MAssA de tomate a 6()0 rs. a lata.
nhos.
Azeite doce de primeira quaiidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absy.ntho a 25000 a garrafa.

BOLACHINIIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 15800 a lata, e
de cinco para cima a 15700.
dem de so la em latas grandes a 25000 e
de cinco para cima a 15800.
Biscerres inglw.es de Mas as qualldades a
15200, -i 5230 o 15300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Baniia de porco refinada.

CHOCOLATE francez a OO rs. a libra,
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15300 a libra.
Chociiicas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a '240 e 260 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira quaiidade a 75OO0 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 r. cada um,
sito nmiio novas
Idpm inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Chauope de grosella, orchaia, etc., etc.
Chicaras e pires a 15800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panelellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
procos, hyssoo, huxim, aljfar, preto, e
pret'o ponto branca, etc., etc., a 25000,
252"0, 25560e2500.
Copos Iis06 de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, 15 e 55.
Cauces de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 45300 rs. a garrafa.
Cigakros do llio, pardos, a 80 rs. o meo
de cinco macinhos.
I
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILHAS seccas 120 rs. a libra.
ekvadoce a WO rs. a libra.
a?
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 800 rs.
Favas em latas a 500 n.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em lata a HMfil
Fabf.i.io ha sempre em depoeito de 500 a
tomos
oa pr
6 e8.
estampados a 25000cada uio.bavendo tambem um
graude sortimento dos mesmos matizados que se
vendeni a 65, 75 e 85000 : na loja e armazem do
Pavao, ra da Imperainz o. 60, de Gama & Sila.
As satas do l'avie.
V.-ii(b'in-M' as mais tinas saias bordadas asagu-
Iha brancas seudo da mebor fazenda que tem viu-
do neste genero, tendo mui a roda, pelo baratsi-
mo prego de 105000 ; ditas bordadas a croch a
65C0O e 85000, dilas com babadinhos a 95000, na
luja e armazem do Pavao, na ra da Impetalnz n.
60, de Gama & Silva.
Novos vestidos do Pavao a 105000.
Chegaram para k>ja do Pavao os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente enm os
mais delicados toteados de difiranles cores a pon-
-se este bello rowaoce em quatl i' "e agulba, studo dVmo genero a mawr novida-
"",! ,imn "pa"n au ik(U\r de que tem vindoao mercado, garautindo-se o te-
rem muita fazenda e enfeites sufliclentes para o
corpo e mangas, e vendem-se telo barato preco de
150 cada um, na loja do Pavao, na ra Oa lm-
peratriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Os e|iarlilli 0 castello de Grasville.
Traduiido do francfz nor C. da Gru.
Veno
pelo baratissimo preco de 3600C
ga da Independencia, livraria ns.
Outras estrei-as e largas guarnecidas de bico jesonri
de seda obra de muito gusto.
Uutras de cambraia de cores.
Boies de seda, velludo e ac para enfeites de
vestidos.
Trancas de seda estrellas e largas brancas e de
cores para tufeites de vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PAHA MENINAS E XOIVaS.
a agina branca a ra do Queimado n. 8, rece-
beu para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Das diias de caixos de flor de laranja.
Dilas ditas de rosas camelias e onlras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de llores liuas para peilo de
vestidos, enfeites dr thapoe etc., etc.
Preparas -para flores.
Na ra do Queimado n. 8, loja da agola bran-
ca vende-se :
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cobrir os talos das ditas.
Musgo em rama.
Folhas para rosas.
Agulhase linhas para crochet. p:'t"'-(l
Vendem-se na ra do Queimado n. 8 loja da
aguia branca, assim como agiubas para trar.alhsr
se em las.
Grous de pennas deago, fazenaa si i" i i -r Ow.
Gratas de botes maureptrola unos i o< -O *
e OiO rs.
Caixas eom .jO novellos de linl a > (; 760 rr
t;aixas com superiores obris* c. rnl< ; ;
Pegas de lila branca elstica con 9 vji : 28O n
Varas de franja de la para entalles Ce ve.-ltdOS a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qi
Novellos de biiba com 400 jtrdas a W
Litros para asstnlos de roupa i*%^-j; 100r
Pares de botocs paia |iunbo, fazeatii rica ; ISO ra
s para cosiuias superni'
ijiiiiioaoes -
i t
400 e 15-
Caixas de pennas de ealligrarhii
15000.
Mwsos com superiores gr.-.:: i r
Pares dr sapatqs de tranca i tapeti
(Caixas com superiores agulbas a l rs.
Libras de laa surtidas de bonitas C( i "*';'
(Caixas coni superiores obreias de n a^ss iO r-
Rodinhas comalfloetes fran< ? iO rs.
Resmas de paeal aimsco a SiC
Eacovaj |>ara roupa, faunda boa ;> 7Sb e 5.
iDozias de testaras iom toque ti reetn
i 600 rs.
Duzias de facas e garfos de cal* pn I 500I
Talberes muito fino para criaras a 40 >s.
Pulseiras para n.enina> a 3i> rs,
Dilas e valias para senhera ?. 800.
Fi ascos de Agr Florida vtrdadeira i 15-M).
Frascos rom superior banba a 240 e< ;..
Idi ni de >upi nor oleo babosa a 3-01 .
Caixas com lamparioas aira 3atvin '. ;.
Varas de babadu do Porto a 80 e 14 ra.
Carlas de altarles francezes a 100 rs
Quadernos de papel pequeo a 20 rs.
Grvalas de cores, Cateada superior n 500 rs
aculhas, fondo donrado. 80.
Vejnde-se um sobrado de dous andaras no
lairrod Santo Antoulo, o qual rende para mais
de 1:20C J, euraa tasa terrea no birro da Boa-
tratar com agente Olympio em seu arma-
ua da Cadela do Itecife n. 34. _________
T,M!EPATi;r\T
trafraShar a no .-arf
descuro^ar alged
FABRICADAS
Poi( Plaut Brothers & C.
OLDAS
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Moi.no Nfit.Ez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com'9 libras a
3^500.
Mii.uo painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
N
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
r
PEIXE em posta, latas grandes, a i #(.00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
gftras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc.,
Per-as em latas, excellente preparaco.
Palitos para entes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a Ir5i00.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem saissos a 600 rs. a libra,
dem Iondrinos a 800 rs. a libra.
Quahtimias ou uomnques a
R
RAPE' Meiaron a 15 a libra.
dem Princeza do Rio a i 200 a libra,
dem francez a 2k>00 a libra.
m
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz ahatimento.
Sal relinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 29.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 300 rs. o mago.
Sag muito novo a 100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINH0S!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velbos.
Velho secco a 2# a garrafa.
Lagrimas do Dooro a 1$500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 2$ a garrafa.
Duque a l& e 16300.
Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a l&.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por n5o ter com-
poaico alguna.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 15 00,0 e 660a garrafa.
Absyiuho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Vinbo figueira em ancoreta a 205.
Estas machina,
noderndescaroca
i estragar o fio
1$, ^. 'l&L^f?"~ s,'"do baslanu
, ;; :] '" Juas pessoas par*
;- "le l r olrabalho; pd
Papel de sobrcccllenle para os
phosphoros liyyienieos ou de
seguranca.
A vista do grande tam?nbo das caixinhas dos
phospheros hygienicos oude seguranca, toroava-se
pouivi o papel iiiie v. m em ditas caixinhas, e para
remediar essa falla a aguia branca nandou vir e
acaba de rereber esse especial papel, c qual so
Vendem-se um grande e variadu sortimtnto de dar de sobrecellenle a qnem comprar de taes
espartilhos os mais bemfeilos que um vindo ao (lhSnhuros c sei vender imli-iinctanienie a quem
mercads, sendo de todos os tamanhos pelo baratls- de||e prePtar. o prer-ode cada caixinha de pbos-
simo prer;o de 45, 55, e G500, por baver grande (,luiro tmuj^na a ser'lGO rs., e vendem-se na ra
sorlimeulo, na loja do Pavao, na ra dalmperalrlz ,j0 Queimado n. 8, loja da agoia branca.
'C0' VSas'nrelas a 12^000 Sda froucha Vara bordar-
'V' Vende-se na ra do Queimado loja da aguia
Na loja do pavao.
-
i&W i
: f


1
Assim corno machinas para serem movidas por
animaes, que descaroyaai 18 arrobas de algedo
limpo, oor dia; e motores para mover urna, duas,
eutr;s dessas machinas.
Os mesmos tem paca vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destis machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultor a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saunders Brothers & C.
81. II, pra^a do Corpo Santo
KECIFE.
Os ura|cos agentes neste paiz.
Chegaram pelo ultimo va por as mais ricas re-
tondas de renda pretas, sendo das mais cimpridas
que tem vindo ao mercado, e vendem-se por preco
muit'i c-m eonta : na loja e arniazem do Puvo, ra
da linpi rairu n. 60, de Gama i\ Silva.
Corle de casimira, c pichincha,
A 25800, na loja do pavao.
Vendem-se Lonibs cuites de casimira de cores,
^ qualquer empec? tpndo claras e escuras, e vtmdcm se pelo baratis-
-:'de al"odao sea si," PreC de 58c() o corte, ou vende-se a mes-
ma fazenda a 15600 o covado, tendo 6 palmos de
largura : isto na loja e armarern do Pavd, ra da '
luiperatriz n 60, de Gama & Silva.
Os corles de casimira do Pavao
Vendem-se superiores cortes de casimira, sendo
fazenda multo lina, pelo baratisslnio preco de 55 [
cada um : na loja e armazem do Pavao, ra da |
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
0& od tos do pavao a I^^OO.
Vendem-se cintos de fita com Ovalas pelo bara-
tsimo preco de 15000: na loja do Pavao, ra da
luipealriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos indianos a 3d0, na loja
branca n. 8.
descarocar urna
arroba de alj;c-
dao em earoet
em 40 minutos.
ou 18 arroba
por dia ou o ar-
robas de acodar
limpo.
ib ras de crystal.
Drincos de diversos moldes.
Outros tambem de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e outras cores.
Adereces de crystal obra de gosto.
lU.setas de dito e cuites.
Duloes de ilo, bramo- e de cores para collete.
Dito de dito lan.bem brancos e 'de cores para
punhos.
Vollas de dito e outras qualidades.
/ eques de di> ersas qualidades
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, leja ihi
rguia branca.
Aspas fortes para bala
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Croiaacome para, Ungir ca
bellos.
A aguia branca avisa aos constantes freguezes
. desa excellenie tintura, que ella araba de rece-
ber urna nova remessa de cremacome, colorir..me
cada um psra acabar: na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
.Uaiitjiiitos e yolas a OO rs.
Vendem-se manguitos com golas de cambraia
pelo baraiissimo prego de. 500 rs., isto para li-
quidar : na loja do Pavao, ra da Imperan iz n.
Vende-se um CAlindroruma masseir.a, urna \ft' ,de ^ania f Sl'vAa ia ,.. 4nR ,..& n
batanea erando e urna dita pequea, com lodos os Chl > "n,Ia 1 esabo branco. necessario para lavar os cabellos.
!** i portante podem dirigirle a dita loja na ra do
Vendem-se os mais bonib.s cortes de vestidos QUemado n. 8.
indianos, sendo esia fazenda tran.-parente e inteira-; nilmwv ili- llirtIK
mente nova no mercado, e tendo entre elles muitos n corles roxos proprios para senhoras que e.-tode | Vendem-se na ra do I.ueimado loja i
luto; e vendem-se |ielo barallssimo |ireco de 35'
pesos e mais utencilios de padaria : a tratar na
ra Dir
nos : a
ila n. 2-i.
V'nde se urna negrinha de idade de 10 an-
tratar na ra da lmperalru n. 20,
800 saceos, de todas as qualidades, de tO-jidoa Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
Cambraias.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
oraba de receber um lindo e magniOco sor-
timento ile ocnlos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado goslo da Europa e ocu-
los de jdcance para tbservagoes e para os
martimos.
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelho
Ruado Queimado a. 19.
Vende-se o seeuinte :
Cobertas de ctiita fina a 25800.
Ditas de dita a 25400.
Lenc es de panno de linho a 25200.
Ditos dn dito de linho a 25.
Ditos de bramante de linho de um so panno -
35^00.
Panno de linho fino com 9 1|2 palmee de largu-
ra i i-l" barato preco do 25400 a vara-
Bramante de linho fino cora 10 palmos de lar
gura a 25'> Pecas pe cambraia com salpicos brancos e de
cores coih 8 1|2 varas a 45500.
l'ee.is de cambraia adamascada propria para
rortinadii de cama com 20 varas a 115-
Balee'.' do arcos a 25500,3, 35500 e 45.
Lencos de cambraia fina a SfOO a duzia.
Ditos de dila a 25 a duzia.
Athoalhario de linho fino a 25800 a vara,
Dito de algodo a 25 a vara.
Algodo entestado com 7 1|2 palmos de largura
a 15200 a vara.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas propria
para sa,a a 35500.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Ditn de dito com salpicos a t a vara.
Cambraia de linho fia a 456*0, 65500 e 951*
vara.
Cortes de lazinha de lindos gostos com 15 co-
vados a 55-
Pecas de madap" rao finissirao peto barallssimo
preco de 85, 95, K'5 < M5-
Flanella branca fina a 600 rs.o cavado.
Dita de cores fina a 880 rs. o ovado.
Baloes de musselina para menina a 35, 3550o
e45.
Cambraia de forro a 35 a paca.
Dita fina a 45500,65 e 73 a peca.
Guardanapos de linho a 35800 a duzia.
Toalhas de aludan felpudas dnzia a 155.
Esteira da India propria para forro de sal da
4,5 e 6 palmos de largura par aaraea preco do
ATTENCAO
Vende-se as otarias de Jo* Carneiro da Cuoha' ^ Parede Porto vende cambraias lisas finas, gran-
en frente ao hospital Pedro II, e na roa dos Pra- de sortirnento, a 35 at 65, ditas Victoria muito
lena n. 38, tena superior de barro de agna doce a finas, com 10 varas a 65, 65500 e 75 : na ra da que em outra qualquer parte!
305 o mllneiro, alvenaria batida a 30$, e ladrilho Imperatriz n. 92, junto a padaria fanceza. Neste armazem tambem se encontra um grande
a 265000._________________________________________ sortimento de roapa fetla e por metida.
Qtf, Cheglieni S COrpinllOS de Cambraia. aj|_ Novas camas de Ierro de elegantes modelos
tarintia a o^O''' | Vendem-se corplnhos de cambraia com entre- chamineis e globos para ga/, lapidados e esmalta-
Vende-se farinha de mandioca, saceos grandes : mel a 45 e 55, esto sh acabando : na loja de dos de cores, a preco ot-mmodo : no armarem da
no armaaem dos Sra. Tasso Irmos, na ponte nova' Paredes Porto, ra da Iroderatrii u. 52, poria lar- exposico de Londres rua da Cadeia do Recif a-
pelo preco cima seccionados. ga, jumo a padaria franceza. mero n. 60.
luja do Pavo.
Vendem-se chales de renda preta muito finos a
105 e 125, ditos de linho a 15, ditos de seda de
inlio dos melhores que ha em chales de renda a
20 e 255, ditus brancos de tres ponas a 6>, isto
s na loja e armazem do Pavao, rua da imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
PARA A FESTA
Popelinas a 400 rs.
Pope lin us a 100 rs,
Piqu-linas a 400 rs.
Chegaram para a loja do pavo as mais lindas
popelinas, fazenda propria para vestidos de senho-
ra, sendo muito transparentes o brilhantes com as
mais lindas cones que tem viudo, ae qaaes facili-
tan) fazer-se um vestido com umita phanta7ia par
pouco dinheiro, e veadeai-se, sendo de quadrinhos
a 400 rs. o covado, e as de urna s cor a 500 rs. :
na loja do pavao, rua da Imperalriz n. CO.
A S.sljUU o coiic,
Vendem-se superiores cortes de aesa, sendojfj-
zenda muito lina e de cores &as, pelo tuwatissimo
preco de 35000, e dilas indianas, fazenda* trans-
parentes, de mnita pbaniasia, pelo baratissimo pre-
co tambem de 35, para acabar: na loja do Pavao,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama i Silv*;
Vestidos zuavos.
Chegaram a' loja do Pavo is mais lindos cortes
de vestidos com o competente zuavo e cinto, vindo
tudo em um carlao, sendo a maior novidade que
tem vindo para a festa: vendem-se por barato
preco na loja do Pa-vo, rua da Imperan ir. a. CU,
de Gama & Silva.
Vestidos de seda.
Chegaram para a loja do Pavo os mais ricos
cortes de seda para vestidos, sendo em quaiidade
o melhor que, tem vindo ao recreado; e padroes os
mais modernos por strem quaei lodo* listados com
cores mui delicadas, afianzndose ser neste gene-
ro o melhor que existe : vendem-se por precos
muito razoaveis, na loja do Pavo, rua da Impera-
triz e. 60, de Gama & Silva.
Para charahres.
Vendem-se as mais lindas chitas prepri** para
chambre?, e mnita baratas : no armazem do Pa-
vao, rua da Imperatriz n. 60, e Gama & Silva.
Paletots a 2#00
Tendem-#e paMats de alp*ca pn?ta can salpkoa
neto baratsima preco da 25500 : no araazem- do
Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Gama Melpomenes a 3#5Q0
Chegaram para a teja do Pao oa mai liados
corte de melpoiwnes, sendo esta lltda fazenda
inleiramente nova no mercado, tendo os mala lin-
dos padres, tanto claros como escuros, vinda cada
nm arranjado em seu papel, sendo moito proprios
para qoem (|irizer dar om vestido de festa* por
pouco dinheiro, e Tendem-sa pHo baratlfiio pre-
co de 135500 o corte : nicamente aa leja d Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Peuteadores
oa rtipies de cambraia bordad* pro-
prios para as senhoras vestirem
de nianlioa.
Chegou esta novidade para a loja do Pavo, mui-
to lindos e do melhor gosto al boje, por presos
muito raaoaveis : na l*ja do Pavao, roa da Intpe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva._________
' Em casa de Phipps Brothers & C, roa i
Vigarw a. 2, vendem se cofres de forra, prova da
f go, dos afamados fabricanas ililner & Son, de
Liverpool.
branca n. 8.
'orl Iiouqncls
de bonitos moldes, donrados ecabo de madrepi ro-
la : acbam-se a venda na rua do Queimad" ''ja
da aguia branca n. 8.
Bonitas louquinhas
de fil de linho, cambraia e selim todas mu: I n
enfeitadas : vendem-se na rua do Queimado n. 8,
lija da anua branca.
Carreteis cun retroz.
Na rua no Queimado n.8, loja da aguia branca
n)i
Na rna Oireil. D. 8i, ha
coBctaaten ate ; ra vtn-
der-se cylii.Ji americanos
cbi g 'dos de I liila. Iphla
a iz passado
cha--e
a v ida na livraria acadmica, na rm do (aaaera
dor; na do Sr. Nogoeira, junto ao arco de Sant
Antonio ; e na typographia imparci I, c-- r: a -
treita do Rosario a compilaco d- l< da a legislscac
tendente administracio, a arreeadcao e bacali-
-.,.". dos dih-iros de orphSos dtlni ios t- ausen
tes, Inram.'as jac.-nu-s, legados, -'c, i i'tendo ra
so o regiment de cusase a le pe..t da: execi:
(oes, como tambero todas asorden* e avises de
v-rno, qne a indo ten explica tinto a resfei-
to das obripacoes inhereafa e rpo di s diflai en-
te- empregados de jusilla e !a;> i c n i ii- i
retios nacionaes e emolumentos -". di
Este livro contendo mus d^ 700 ; mi
I impressao e bom papel, e prestam a utilid&de
i de differenips classes, lorna-se > rr riU v-j.
< S.'U cusi 105000 por cada exemplar em acus
omos.
Vestidos
i*ct'.h!iu-i*:> Kiiu Kgiial
CbegOO a luja de Paredes orto 1 i. b Hilo SI l-
lirrentu (i.; vestidos d>- lartalata de 1 brsocas
qu serve para partidas por ser un 1 1 >l sma>ia in-
leiramente de goslo pelo barato pri-vn de 45 e
i.1 incos a 4C.'l 0, eslao acalNUido*s< l .. n 1 111
d 11 rta larga ruada Imperatriz n .-. i pa-
daria franceza.
Cortinados.
Chegon a loja de Paredes Porto um completo
sortinienli de cortinados ricamente i rdad .
1 '; de 2S5i 335 h 'i.?5 : na roa da Imperattii
n. U-2, porta larga junto a padaria franceza.
Eicas romeiii's.
Paredes Prto receben pele ullimo Epa |nele um
sortimento de romeira de guipnre pn ias e de tl
a preco commorio : na rua da Imperan iz n. W,
porta larga junto a paitara franceza.
firar.de pechinch'j.
Coi tes de lia escoceza entestada para rest.ro
fazenda de 500 rs., esl se veudendo a iHO 1 ,.')
rs. c covado : na rua da Imperatriz 0. 52, lca da
pona larga.
Milita alten^ao.
Guimres & Irroio proprielarios do grande ar-
mazein do azendas e roupas feilas na rua da lm-
pecalrn n. 72, tendo recibido um grande sorti-
mento de fazendas de goslo trazldas por nm do?
morios pelo ultimo vapor, vem portanto fazer seleo
le aos senhores e senhoras os precos de sua fazen-
das.os pnaprios atnaacan vender as faenadas por
n.1 nos 20. por ceulo do que em outra qualouer
paite nao s por ser no lim do auno romo tambem
por sor a festa tempo este devem muir se do bom e barato, a saber :
Kkos corles de la tum barras.
Voiue-.-e um grande sortimento de corles de
las cora barras tendo todos os pertences, ramisi-
uha com gravatiuba e sinlo, sendo os mais noves e
modernos que tem vindo ao mercado, ditos de
phanlasla.com lindas barras e vendem-se pur pre-
cos minio raaoaveis.
Las escocesas com listas de seda.
Vende-se nm bonito sortimento de lasiobas es-
cocesas a 500 e 560 rs, ditas transparentes de lis
tas de seda a 320 e 360 rs.
Percalias linas com lindos desenlias.
Vende-se lindas pemalias muito finas a 360,
400, 480 e 500 rs., chitas de todas as qualidades a
saW de precos 280, 320, 360, 400, 440, 480 e
500 rs.
Gassas francezs miudinhas.
Vende-se um grande sortimento de cassas mlu-
dinas sendo as cores seguras a 280, 360 e 400 rs.
Caaraas brancas transparentes.
Vendem-se pecas de cambraias brancas trans-
parentes a 35, 4, 45500, 55, 55500, 65, 65500 e
75, dilas muito liuas com urna vara de largura a
05 e 105.
Chales de merino Gaos.
Veadw-*e chales da merino finos sendo com
estampas bonitas e modernas pelo barato preco de
75, 75500 e 85, ditos lisos cem lindas cores a
45, 4530Oe 55, ditos estampados a 25 e 25500.
Crinolinas en balees.
Cortes de laa escocesa para vestido a ;5 o coi-
te: na rua da Imperatriz n. 52 loja da pula Lu-
ga, junto a padaria franceza, eslo se acabando.
"Aos 2,000 cortes.
Chegon aloja do Paredes Porto, coi les da lia
escoceza para veMi.ios.'fque etl vendando a 35.
oihando a grande quantidade : rua mi Imperatriz
D. 52 armazern bem couliecido da Porta-Larga,
junto a padaria (ranceza.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarla.'
algodo : na rua da Senzala iNova n. 42.
criptorio na rua da Cruz casa n. 19.
Vende-se um grande sortimento da crinolinas a------.
ESCRITOS FUHl*.
Gralificaeo de 50$.
Ausentou'se da casa 59 da rua do Imperador
(outr'ora Collegio) no sabbado 16 do coi rente mez
oe setembrode l65,o escravo pardo denome Joa-
qnim. com os si^naes seguintes : estatura regular,
idade 18 a 20 annos, sem barba, ps largos, olbos
grandes, cabello corrido, com urna cieairu grande
e bem visivel na test, parte dos d> me- da frente
arruinados, e rom falta de alguns dos lados, s3h!o
com calca de brim pardo e paleto! coito de panno,
mas levu mais ronpa branca e de rr, imite
astucioso, costoma intitular-se foiro e andar cal-
cado : f i escravo do Sr. Guilherme Frtderico de
Souza Carvalho, genro do finado Sr. ei mmendador
Manuel GoocalfM da Silva : roga-se a sua captura
a todas as autoridades policiaes e a qualquer ca-
pitao de campo on outra pessoa particular que o
appretoaeder se gratificar com 905, alm das des-
pezas de conduc^o, enlregando-o a >eu senhor
Miguel Jos Alves. na casa cima, ou no seu es-
5500, 35. 35500 e 45-
Tarlataiicis Unas a b u rs. a vara.
Vende-setartalana decores pelo barato pree.o
de 640 e 800 rs. a vara.
lanas para liuinem a 1(5300.
Vendem-se mantas ptra homem as de mais go-
to qne tem vindo ao mercado pelo barato preco de
15309 e 15500, tuda isto s na roa da impenririz
n. 72, loja de Guimares & Ir man.
Tiras bordadas a [&.
Vende* im grande sortimento de tiras borda-
das a 15 cada urna e pecas de ntremenos a 15,
15200 e 15500.
Camisas francezas para homem.
Vende-se nm grande sortimento de camisas fran-
cezas a tJWO. 25, 25500, ditos de peilo de lieOo
a 35. 353O, 45 e 45 : isto aa roa da imperatriz
n. 72, loja de Guiuiai es it lrmo.
JUupas feitaa.
No dia 20 de setembro proamo passado fa-
gio do ensenho Terra-preta, doabaxn asignado, o
escravo Julio, cronlo, de aliara reuJar, urosso,
de 30 annos de idade, posea barba, tem os i<& bem
feitos e pernas, muito (allante, at se faz rnuco,
tem o dedo polegar de uina mi ca ido para den-
tro, anda com urna carta (echada. 3 > tenente coro-
nel Amaro Gomes da Cuaba, apadrinbaml -o, nun-
ca foi surrado este esclava fei ba nvuito comprada
a lincha Lima e Guimares : qnem o pe^ir leve ao
mesmo engenho00 no Recife a' na da Roda a'
Alexandre Correia da C Jomar, qne sera bem re-
] compensado.
Alexandre Correia de Castro.
Fugio no dia 16 de novembro o escravo de
nome Alipio do Sr. capitao Laurino Angelo de 41-
meida Silva, morador na villa de Ingazeira termo
do Paje de Flores, cujo asoravo tem os signaas
seguintes : Idade de 18 a 20 annos, cor 1 lira es-
coro, com testa grande acaroeirada. ventas pres-
sas egraadi, Mora e corpo pnlar. cab-llos pre-
tosearapinlK, pamia nio mnile reeau coro uro
Veade-aa om grande sortimento de roupas follas taino na testa e mnitas cicatrizas na caheca, pea
sim como sejam : paletots. caifas e clleles de regulares, dedos esgarancbados, tambero lera as
nnos e de casemra tanto preta como de cor pa costos com eicatrises de chcele : port?nto roga-sa
assim
pa
ra precos maHo razoaveis assim como tambem tem as autoridades policiaes ou a qoakjuer ''l"13^ *
de brifl brancos e de cores, seroolas da linho a campo que aprehender e o levar o Forte do Mata
de atoadaa todo ialo sevende por precos muito na prenca dos Srs. Rodrigos e Santos, que sera
)eratriz n. 72, loja generosamente gratificado, cujo escravo fot vtsia
moderados : isto na rua da Imperatr
de Guimares & Irmo.
1 no dia 6 de dezembro no largo da alfandega.
_
v- ^\% #f I
maam^
*


Diarto de Feraambaco ttexta reir 19 de Bezembro de *.
k

UTiEMIMA.
VI POCCO DE TUDO.
Do Cearense transcrevemos a seguale phan'.asia
do Sr. J. de B.:
O ULTIMO S0NU0.
1" ao oalir da noite.
: 11 I: ii na estrada ama casa de palha com
sja r. *?; -a .. .i-i-las, seu acendre om ruina,
B 11 -i polas fea las, deixaodo penetrar a chava
ildoss ih la fra.
La d >al o oe'ii vosea nem luios.
E u-na reda o'am canto onda a chuva bmu cabe,
onde o vento nao entra.
Na r.le me velbo.
i-: t> velho dorme.
1 qae placidez uaquelle dormir 1
Neaftam ronquido de respirago oppressa a sa-
bir d.iquee peito.
N-miu.n* eootraeelo de msculos naquellas fa-
> cheias le rugas que os anuos uavara:a, que
:i> li la? a!T;nlira:n, a< lacrimas regaram.
( o velho sooha.
tavl-me qw ww contar seu souhar.
U aa casiaha a alvejar por entre o laranja!.
Q mira isa o; -Je brauco pintadade fio-
li- coreada.
.'-.' porta un uta(her e mora e bella.
ii no eolio deila ana menino a urracar com suas
liadas niadeixas.
B Uo Icarotao gealilqae dissereis uiu che-
rubia).
l'oia o ngelus o sino da capella.
E ua esti i : iscobrem se os forasteiros.
li ios torreiroa benze e a rezara as velh ;s -ue
i I : i t-staO.
Vo ol .'i ajuelba o menino.
islas as tnosinlias, liios os olhos no Ct\i vai
repellado as palavraa qde ella Ihe ensina.
E ag auras da (arde, pissando por enlr- os cera
;nii-i< da ouro I'. eos cabellos, dos labios llie to-
iii i i a oraeo, eiciam as llores, perpassan na
mati c sobeni ao seio eterno.
3 So la a preca abraca elle a m que o beija
-i den i i! brincar a sombra do laraujal.
X i- -i isas mca-lhe urna borhoiea.
E e c irra e ."rre e salae salta at pega-la.
idj a lava a sua mami.
C .mo a D innha que colhe qo matto ;
i a pe Irinha que apauba na areia;
'. ao a piabinba qu-: pesca no riacho.
3 soda a -cena.
N mesm i qae lato que dr!
L\ denlr -. o'uoi quarto, que praolos!
Jaz i-mi iv a moga e glida o morta.
E, reclinada a cibeca sobre o seio della prantea
a arenca.
Qj>: d i ii :!iii:\s queoles a cihirem sobre aquel-
la seio i" i!
Beto derrodor velas brancas que ardem -mu-
Rieres !"- churam-padres que ri-sam.
Leviram n, e calou-se lado. Nao, que nao cala
o aoloj ir a crenca, nao caa a Ur do fiho.
E muda a scena.
E' do tutor.
N coiiuha ira os escr ivos la' esta' o orpbao ($
;( i i tanibeui.
B prora ram-lhe Instraccao, sustento e am-
para.
'-. ibam iconta-lo.
E ; ios orrem as lagrimas pelas faces.
!i i- i) parece naaiso anjmhoque a som-
bra do la inj il persegaia a- borbofeus.
I) i-j o soflYimeolo.
Pi*si --.i- temeicaimes, as m5os calos, nos
i,-- i
Entre escnvos escravo lambem.
1 .' trabalha, como elles acornado.
0,ha- do; comprebendi que terrivel perigo dominava
E' ocadver da fllha. em minha alma ; reconheci minhas graves offensas
E muda a scena. para coin Deus- e v*ao quanio lera elle sido sera-
De porta era porta caniinha tira mendigo pedin- pre ""^ricordioso para coraigo, atemorisei me da
sorte que me esperava nesse estado perante o so-
OS VOLUNTARIOS DA MORTE.
I
do esmola.
E* elle.
Extenuado cahe n'utna esquina.
E paseara.
E nao ouvem a voz sumida que implora.
E nao vera a mao mirrada que se estende.
E a scena mudou.
Na mlseravel choga la est o vcloo.
O olhos caneados aloogam-se para o cu.
Os labios trmulos ialbuciam :
l'erdo I meu Deas I
E deita-se e dorme e souha.
berano juz, que todo va e sabe. Pense! entSo em
minha mai, que morrendo me recommendoa
proteceo da beraaventurada Virgem Mara. Diri-
' gi-me a esta Mi celeste, implorando a sua protec-
go junto de sea caro fllho, e logo sent urna con-
solacao entrar era meu peito I Minha mulher me
recordou logo vossa promessa de me assistir neste
I perigo de minha alma e no perigo de moha morte.
O enfermo nao poude continuar ; cahiu desfalle-
eido em seu leito, exposlo a um profundo eofra-
queciraento.
i Logo que elle recobrou >eus sentidos deposilou
"i!.....'..!......'..'.'.'.....'.!.'.'...'.'...'...'.'.! no coraao d0 b*P una humilde conflssio gerali
Urna sombra vaporosa a principio, approxima-se.;6 esperou com impaciencia o momento felii do
O mundo inleiro ouvio aquello grito I...
E o mundo inleiro levantou-se em ancias...
D'onde vem o clamor T Que soffre tanto f
Quem que morre ? E arquejanle, lvido
A e>lrecer na febre, convulsivo,
Mede co'a vista os horisontes largos 1
Era paludo o cue os ocanos
Beijando as trras murmura vara tristes !
Pelo dorso das grandes serranas
Pa--ava a br>a em sonho a espreguicar-se...
Tudo tao calmo I Mas o grito I o grito I
i Se erguera immenso I um som rouco, sinistro I
Arrancado, talvez, entre tortoras.
! Das cavernas de um peito de gigante
Torvo, tremendo no espumar da colera !
E o mundo inleiro ouvio aquelle grito I
Um so I Mas, um poema de desgracas.
Era um adeus profundo entre solucos I
Era un protesto ao co arremessado I
Blasphema horrivel que se cospe vida,
' quando, mancjon tile brincava "com suaV roa- C0UsaS' sdt ,o misericordi"so P"a minha pobre AmeaSa treinenda-um som de guerra ;
, Um clangor estridente como aquelle,
! Que ha de ouvir-se no ultimo juizo
Da tuba enorme convocar espectros.
II
Itevesle formas.
E' una mullier.
Que sobre elle debruca-se.
Que o contempla sorriudo.
Naquella apparcao ve sua mii e to linda como
deixas.
Elle quer fallar-lhe.
Impossivel.
Sbito dillunde-se na choca una luz divina.
E uos'ares ouvem-se hymuos celestes.
A mulher o anjo que cobriudoo cora suas azas
diz-lhe.
Vem!
E elle sente-se arrebatado.....e sobe e sobe, e
sobe...
No dia se^uinte nao acordando ovelho, alguem
entrou na choga e acliou-o morto.
Novembro 18153.
qual estivera por muito lempo privado, em que
Ihe foi apresentado o pao celeste, que encheu sua
alma de urna paz inexplicavel.
Murraurou cora urna voz j quasi sombra :
O' Deus, que lendes feilo comigo to grandes
alma como fuste sobre a cruz pelo bom ladrao ar-
rependido I
No dia segrale a lata linha cessado cora a mor-
te e a dor.
L-se na Estrella de Norte o seguinte :
RASGO DE CABIDADE EPISCOPAL.
N'uma autiga cidade das margens do Rheno, a
mulher de um sapateiro, que vivia n'uma extrema
; miseria, foi ter com o bispo daquella cidade para
: Ihe pedir soccorro e proteegao.
O prelado era contiendo como o consolador de
I todas as sortes de dores; velhos, viuvas, orphios
enfermos, cegos, euiti i todos os que >offriam phy-
sica ou moralineute, approxunavam se delle, nao
obslante sua alta diguidade, com conlianga, e fran-
queza.
Tanto que o bispo ouvio os Uim-ntos da pobre
mullier, Itie disse amigavelmenle, ainda que com
um tom de censura :
Eu nao sou rico, boa senhora, para vos dar
esmola duas vezes por semana.
A pobre mullier re.-qiundeu sem ousar lovanlar
os olhos :
Desculpe-me vossa grandeza, meu marido es-
ta muito tempo dooule, atorm-ntado de to gran-
des dores....
UMA PEQUEA VELA OFFERECIDA H0SSA SENHORA.
Dous pobres velhos, marido e mulher, viviam
com extrema pobresa em um miseravel quarto, pe-
lo qual pagavam quatro mil res por anno I
Muitas vezes deitavam-se sem ceiar, e tambem
muitas vezt-s tinhara passado das com um simples
alraoco de pessimo caf.
Como tivessera era outros lempos possuido algu-
ma cousa, linham vergonha de dar a conhecer a
sua pobreza.
ra da, porm, era sabbado, achavara-se sem
dez res, sera comer de natureza alguma.
A mullier eslava sem forcas, e o marido doente
de cama.
O dia passou-se em agonas, e chegou a noite
sera que tivessera comido nada.
Occupavam-se em chorar e rezar.
O dia de domingo ainda foi peior.
A necessidade obrgou a pobre velha a sahir de
casa, mas a vergonha nao Ihe consentiu pedir es-
molas, ella vollou para casa mais fraca e desani-
mada do que nunca.
Haviam quarenta e oilo horas que nao comiam
cousa alguma.
Deus nos abandona, minha pobre mullier
vamos raorrer desla vez, disse o velho.
A pobre velha nada respondeu; mas passado
algum tempo levanlou a cabeca, e como que ani-
mada por ama mspiracao disse :
Meu amigo, invoquemos a Nossa Senhora;
ella a consoladora dos afflictos, e o refugio dos
que solfrein; ella no.= salvara. Tira, pois, all da
j...- I gaveta una pequenraa vela que me resta. Vamos
se assini o, disse o bispo, eu nao podere ne- .
accende-la diante da imagem de Mara, e ella ba
de vir em nusso soccorro.
E nad i a ena.
.. .,;.-. seei hornera.
-11 iba i /.-*: soldad i.
Li esla' elle no meio de um quadrad.*.
A-liama se um cantarada.
) .; a tarda.
Arranca-lhe as litas.
Alca a chbala.
B bal bate-o at can;cr...
Segue-ae oalre.
E bate-o, ..'te-o al cangar...
E --1 i ti la iro-..
O ig i v rte das feridas e a Qda batem-o.
.- -' :.-. ira I....... .: s um t-
mido eo b"a [ue do corpo.
Adan i-se o medico.
Examina-1.
E Jiz :
Anda !
Krguem e a chbala volteia no ar. si'ila. e
cata -i costas -lon-ie salta o saogu?.
E i'i r nido oatra queda.
Basta 1 lisse o commandante.
moda a scena.
U -i ii -. a olhar tristemente para ama rna-
Iher qa Je ia com ebre e urna menina que cho-
ra com fome.
E' elle.
Aquelle delirioaquelle pranto apunhair.ai Ihe
a alma.
Erue-se
Com o i Ihar inflammado tudo remesegavetas
da mesacantos da casa, e Cora desespere- ex-
clama :
S
E ella, a ? E ella, o dina, a chorar com fome !
E elle a exclamar :
Nada i nada nada I
Pora -i precipa-se na ra.
Pede.
Negam.
Pnrtam.
E mn-la a scena.
Ja branquearam-lhe os cabellos.
Ja verga-Uta o curpo.
Junto delle est a Giba, gentil raoreninha.
Bnfla-lbe a agullia.
Elle recebe a e poe-se a cozer.
E cozeo da-lhe conselhos que eila ouv? lten-
lacouta ihe historias qae ella escata alegre.
E muda a scena.
Qie dobrar de sinos! .
Que solidao as ras I
hodam os carros fuuebres.
E atravex das portas fechadas que scenas de dorl
Esta o cholera na cidade.
Bnvolve-a de lutoenche-a de horror.
Camioho do cemiteno, l vai urna rede.
E atraz um velho.
E' elle.
Chegarara.
Cavam a sepultura.
Van nelia depOr o corpo.
Mas elle affasla os coveiros:
Agarra o cadver, aperla-o contra o peito o
iiimo adeus a companheira qae tanto soffrea.
Levam-o casa.
Arde-lhe a cabega, mas tem fri no coragao.
Cbega vacllando.
Empurra a porta que cede.
Mas tropeca ao entrar.
Abaixa-se.
gar, porque para taes casos tenlio sempre reserva-
da urna somma. Desojo ver tambem voss* marido
e Ihe dar algumas cousolages espirituaes.
A estas palavras a pobre mullier ficou inquieta
e embaragada.
U dous iufelizes, animados por essa ultima es-
! peranga, levant ram-se a cusi, e no meio das tre-
vas da noite pegaram na vela, accenderam-na e
collocarau'Ua diante da imagem de Nossa Se-
.\o se ucommode vossa grandeza___ Meu ahora.
marido tem ideas singulares... Puzeramse de joelhos, e encostados um no ou-
Todava, eu realisarei meu projecto, interrom- tro, invocaran) em seu auxilio aquella que nunca
peu seriamente o bispo, que bem pode concluir se invoca Uebalde.
que esta doenca attribnida ao marido era um pre-
texto para obter um soccorro mais abundante,
E" preciso pois qae eu vos confesse franca-
mente, diz a pobre mulher hachada era lagrimas,
que meu mando profundamente to irr.-liogi.iso,
que nem ao menos ju.-r ver fallar um padre.
Islo nao rae pedir de o ir visitar, urna vez
Urna operara que morava defronte, tendo um fl-
lho doente, ievaotou-s; a mua noite para dar-lhe
agua, e olliando ela jaoella viu luz no quarlinho
dos velhos : c'onhecia-os pouco, e apenas os cuin-
p:un-utava quaudo os encontrava.
Aquellos velhos estaro doentes, disse comsi-
go; e levado nao sei porque instincto, foi m-ira-
que elle est, eu o vejo, duplamente enfermo. Tal- da dell,S empurrou a porta... que doloroso es-
vez que eu, como humilde iiutrumento de Deas, 0 pectaculo I... Os dous infelizes desfallecidos de
possa guiar para o bom camioho. fraqueza, mais pareciam estar de brugo do que
A pobre mullier correu para junto de sen mari- jde joelnos diante da imagem da Mi do Salvador,
do; sobria elle muito e ella nao ousou lite aonun- Eonfessaram a sua miseria.
ciar a visita que ella ia rebeber.
Logo depois, a porta da cmara abrise de vagar
e o bispo entrou.
Approximou-se cora bondade do leito do doente
e iuformou-se com benevolencia dos seus soffrimen-
tos, exforgou-se em animar o coragao do peccador
ao fogo serapre rdeme do amor divivioo, e de o
preparar a viagem da elernidade. Porm o doente,
que, com a primeira vista do bispo, se iinha torna-
do vermelho de colera, mostroa-se de tal sorte in-
A caridosa visnha correu casa, foi buscar ura
caldo e um pedago de pao, den-Ibes de comer,
abragou-os e consolou-os.
No dia seguinte foi dar parte ao cura e ao pre-
sidente da conferencia de S. Vicente de Paulo.
Ambos foram immediatamenle casa dos ve-
lhos, e reprehendendo-os afectuosamente, por nao
terem recorrido a elles, deram ludo o que se fazia
necessano.
Para complemento da bengo, alguns das de-
censivel a esta linguagem tao doce e tao eloquente, .,,. J .., .__ ...
. s _. I Pl>> uraa pequea herauga coubelhes por morte
que o bom pastor retirou-se com o coragao profun- H _......... A, .. ,. Y ,
.. v K de um preme, e d ora em diante ivres da mise-
damente alflicto.
Tinha elle ja passado a parta da cmara, quando
tornou a voltar urna ultima vez; seu dce olhar en-
controu o da mulher intristecida, e Ihe diz em voz
halxa:
Nao desesperis, vos sabis que i Deas nada
impossivel; nSo duvidemo* da converso de vos-
' ra, os infelizes velhos conlavara a quem quera
ouvir o soccorro verdaderamente milagroso que
< receberam da terna mai de Deus.
Se nao fosse a pequenina vela, ou antes se bao
. fosse a confianga em Mara, que Ihes suggerio a
I idea de accender a vela, a boa vsmha nao tera
viudo em seu soccorro, e elles teriara morndo an-
so marido. Se vlor algum momento em que el e ...,., K.. u
i les de chegar a pequea heranga.
deseje minha presenga, nao demoris em chamar- *
me, ainda que seja a' mala noute. Vosso marido
esta' mais mal do que vos o juigaes e cada momen-
to preciso para a salvaclo de sua alma. o escravo voluntario.
A' noute seguinte, a's 11 horas, a pobre mulher Serapiao, cognominado o Sindonila, tocado do
chegava toda anciosa ao palacio do bispo. miseravui estado- d'um comediante, servio-se, para
Lanca-se com toda forga ao cordel da sineta, at l procurar couverle-lo, d'um meio em que suppu
que emfim ouvio o murmurio da chave e vio o cra- nha muito zelo e caridade : vendeu-se ao proprio
do que Ihe perguntou o qae quera em semelhante \ PaBao na qualidade de escravo pela somma de vin"
hora. le moedas, e approveitou com cuidado todas as oc-
Meu marido, moribundo, deseja fallar com o casioes que tinha para inslrui-lo e edilica-lo.
Sr. bispo; elle pede-lhe por favor que dgnese vir Seus discursos e exempios produzirara emlira o
quanto antes. effeitoqui elle esperava : o'comediante converteu-
U que pensaes disto ? diz o criado : como po-! se com sua familia e deixou o theatro.
derei eu perturbar o s-jinno de meu amo cuja vi-1 Elle tao couseuliu mais que Serapiao fosse seu
da cheia de to grandes fadigas ? Vosso marido, escravo; deu-lhe a liberdade em signal de reco-
segundo julgo, pode bem esperar al amanha de- nhecim nto, mas nao poude convenc-lo a guar-
manha; logo que meu amo acordar eu Ihe com-: dar par si, ou ao menos para os pobres, as vinte
raunicarei. moedas que reesbera por sua venda.
Isto ser demasiada demora, suspirou a po-; PUCl lempo depois o-sjinto tornoa-se a vender
bre mulher; pelo amor de Jess, tende piedade Para so correr uraa vuva afflicta.
de meu pobre marido e annunciai-me immediata- O ncvo seohor flcou to contente com os seus
mente. O Sr. bispo me disse que o vesse procu- serv'to;, que o liberloa e fez-lhe anda prsenle
rar a qualquer hora, ainda mesmo meia noite. ; d'un- hilo, d'uma tnica e d'um livro de Evan-
Se assm respondeu logo o velho e fiel: gelhos.
servo, vou coraraunicar vosso pedido ao capello Apenas Serapiao sahn, logo enconlrou um po
de meu amo.
Correu elle sala do capello, que Ihe ordenou
que acordasse imraediatameote seu amo; porm o
bispo nao eslava dormndo na cmara.
O criado que tinha envelhecido em sea servigo,
foi procura-lo na capella onde elle costumava pas-
sar em oragoes urna parte de suas noites: elle o
achou com elTeilo absorvido em piedosas medita-
goes dante da imagem de Jess Ghrsto crucifi-
cado.
bre ao bual deu o habito.
A alguma distancia d'ahi um segundo pobre
traspasado de fro leve a tnica; e assim nao fi-
cou m lis ao santo para cobrir-se do que urna
toalha.j
Tenao Ihe algumas pessoas perguntado o que ti-
nha sit o feilo de suas vestes.
Eis, diz elle mostrando o livro dos Evangelhos,
eis o que me despojou.
Este mesmo livro nao esteve por mnito lempo
em se poder; elle vendeu-o para soccorrer a urna
Logo que o bom bispo conheceu o appello do pessoWem necessidade extrema; e nao tendo ou
doente, exclamou : tra cosa mais do que sua propria pessoa, ainda
Quanto vos agradego, meu Deas, de ter muitas vezes alugou-se, aflm de procurar ao pro-
attendido as minhas supplicas I xm0 spirituaes e lemporaes allivios.
Immediatamente poz-se a caminbo, atravessou Em vo buscar-se-ha nos fastos da phllosophia
com solcitos passos as ras estreitas e sombras, bomei s to desinteressados e to religiosos.
subi rpidamente a escada, e foi assentar se ca-
beceira do moribundo, que o recebeu cora lagri-
mas ardentes de arrependiraento, e qae, com urna
profunda emogo Ihe falln ssim :
Tinha chegado a noite, e eu pas3ava j mui-
tas horas sem sorano em meu ieito de dor, quando
repentinamente raen coragao experlmenlon ama
inqaietago de minha vida, que nunca tinha senti-
S i religio que pode forma-Ios, s ella que
fazeni o-nos encarar a Deus na pessoa dos pobres,
pode ios levar elDcazmente a soccorre-los, ma-
los e tt mesmo sacrificar-nos por piles.
E' o illostrado Sr. Dr. Pedro Luir Pereira a Son-
ta es e hymno a Polonia :
...
Ao mesmo tempo all na voz do martyr,
ilavia nao sei que sereno e placido
Lembrando a triste saudago que Cesar
Tranquillo diriga o combteme
Ao penetrar na arenaonde da Hyrcania
O tigre hirsuto escancarava as fauces.
Era um suspiro de collosso oppresso I
Um grito s I Resf llegar supremo
De sanbudo Titn se debateudo
Sob a moutanha que a eutestar co'as nuvens
Abalada ao fuzil do raio Olympico
Cora terrivel trar lombou no valle !
Esse brado feroz era urna historia
Em que se ouvia o rizo da loucura.
Ao passo que chlava o ferro em braza...
Um grito s I porm, um testamento I
Testamento de here que estrebuchando
Vendo as estrellas, diz adeus patria ;
Hymno entoado a santa liberdade ;
E appello a escarnecer langado historia I
O que havia, porm, de mais distlnclo
N'aquella nota de agona excelsa
Era um reclamo ao co I... Aquelle grito
De urna alma sobrehumana, angustiada,
Fra aos astrosrasgara os firmamentos
E retiir perdido, nos espagos
Fura d'eutro do co bradar por Deas t
III
E o mundo quiz saber quem sobre a trra
Ergua aquella voz... que caso estranho
Vinha cheio de Ingubres terrores
Turbar-llie o rizo... que sobarba victima,
Na inspiragao de urna agona heroica
A' Deus pedia o gladio flainejanle
Do terrivel archanjo das balalhas,
Paraatirar, talvez, o golpe extremo
E no saugue do algoz morrer cantando I
E vio i-u ij aim por entre as brumas
Do nortea figurar grandes sudarios...
Um povo inleiropaludo, sombrio,
Trajando as vestes funeraes da campa I...
Era inistro aquillo. la passar-se
Um cataclysmo alld'esses que abalam
Da trra o globo, que tranquillo valve
Nos paramos azues da immensidade...
Esse ocano agigantado e negro
Ondulava espumozo, e rebramia
Incendldo, talvez, por mil crteras,
Que do leito de pedra rebentando
D'entro em seu seio vomitavam chamas.
Fra o griio o annuncio da proceda
Que ia rasgar-lhe as tepidas entranhas I
Fra o gritorebate clamoroso
Ao feslim da metralha convidando
Da grande morte os grandes voluntarios,
Da liberdade os Briaros tremendos I
IV
Sois vos ? sois vos ? que raga de demonios I
Oh 1 calai-vos malditos Um suspiro,
Um gemido nos transes daUgonia...
Urna palavra murmurada a sombra...
Pode acordar o brbaro carrasco
Que, repleto de sangue alm ressonna
Junto da langa I A victima urna estatua I
Nao sabis que o tinir das gargalheiras,
E' urna muzica horrivel que atorda,
Que embriaga as cabegas sanguinarias,
(jue desafia a lamina agugada
Do punhal dos infames I Oh I calai-vos...
Nao atireis assim os quatro ventos
A imprecago feroz;ha sobre a Ierra
Faces cavadas pela dor suprema
as quaes nao pode resvalar tranquilla
De saudade urna lagrima, em silencio...
Ha frontes alias, pelo sol banhadas,
Resplendentes da aurola divina
Mas, cercadas de espiohosgottejantes
De sangue e de suor : crme ergue-las I
Onde vistes romper a catacumba
U braco descarnado do cadver ?
Morios nao fallara 1 vos raorresles todos I
Vos morrestesem pleno meio dia
Em face do porvir 1... Silencio agora I...
Nada os abala. Sao tranquillos todos
E olham para o co. Pesadas nuvens
Rolam negras. Fatdico relmpago
Fendendo a noite no seu veio cerrado,
Brilba, corre, volieia em giro doido ;
Drse-hia que o dedo do destino
[ Grava, na escuridao, sobre essas frontes.
i Palavras cabalsticas de morte,
i Tremendas e agoureiras prophecias....
Nao importa ? Ouvia Ueus o grito ?
; Ouveria T NSo sei Mas as planuras,
i N'esses esteppes tristes e medonhos,
! Que se embrenham as trevas infinitas,
Brancos de glo e negros de carrascos,
| Furaco de abafado desespero
O grito retumbou... longe e bem longe I
VI
Que choque foi aqaelle ? o co toldado
De nuvens de fumaga O ronco sardo
Dos canhoes a cantar na grande orchestra
: Da sioistra hecatombe. Uraa floresta
i De foices segar raontes de gente
, Com zuido feoz,e derramando
Chuvas de saugue sobre o chao revolto /
Fendendo os ares langas fumegantes
Brandidas por demonios I Cantos doidos l"
Estridentes, homricas risadas
I Como as de ura ente humano que estrangulara
Massas enormes a adular de raiva!
, Um soturno tropel... Ginetes fros
': As lufadas do norte relinchando,
| A correr sobre um chao crivado todo
De valentes hroes mordendo a poeira I
Mulheres semi nuas, arrastadas,
Se estorcendo ao vibrar do frreo agoito I
Crneos voando I Creancinbas loaras
Rasgadas pelos pulsos do carrasco 1
Um tombar de palacios e chonpanas 1


Um tremendo arrazar de mil cidades I
Correrla de archotes crepitantes 1
Labaredas immensas se alastrando I
Linguas de fogo que larabeodo a trra
Vo ao alio do co, tingir as nnvens
De sinistros claroes.... Que scena aquella I
Quando l do oriente magestoso,
O sol brilhante se elevou sorrlndo,
Com seus raios dourados espancando
As sombas dessa noile, e quando as flores.
A's brisas da manlia se balangaram....
O mundo palpilou.... e vio no campo
Da batalba que, longe, retumbara.
Urna iiuvera ue feudos cossacos
A' cavailoem selvagera voserla,
Rompendo as ondas c nadando o vantes
N'um mar de sangue que cobria a ierra.
O que fez elle ento ? Oh I miseravel
Nao me animo a dize-lo... Tenho raedo
D'essa ligura colossal e fra.
Que se destaca pensativa ao longe
as nevoas do porvir... Oh I tenho raedo
Da seulenca da historia t U'esse latego
Que agoita as gerages apodrecidas,
No lodo vil des seutiraeuios internos I
Ha labios sacrossantos que excomrauogam
Cobardes e assassiuos....
Ou 1 cobardes !
Cobarde o meu silencio I O mundo Inleiro
Era faee d'esse sangue ardente ainda,
De pasmo estremeceusorrio-se alegre
E disse radiante : Bravo I Bravo !
< Eis a Polouia aiuda no patbulo I >
a ierra oda relumbeu de bravos.
Dizse que era ah que, durante a guerra, se
acolbiara os negros ragitivos com os cavados qae
roabavam, e que boje esse o domicilio escolhido
pelos salteadores que affligem a cidade easpo-
voagoes ruraes.
Quer a voz publica que esta caverna va' dar, por
vas subterranas, a um lago de cinco ares de su-
perficie e de insondavel profondidade, que dorme
debaixo da cidade, e em cujas margens ha habl-
tagoes e espeluncas armadas como fortalezas.
Vai-se catando sempre e onvem-se a profunde-
zas desconbecidas nos sons que parecem de des
cargas de artilhara.
E
viu
Pois bem I Pois bem I Eraquauto envilecidas
As nages, como ero, aquelle monslre
Que do alto da ierre, a lyra em punho,
Caulava alegre ao ver a sua Roma
Referveudo ua inmensa iabareda
Emquanto essa nages applaudem rindo
O sombro assassino desse povo,
Que rena?ce do saugue e das ruinas
E sempre a sacudir nos ares negros
O seu ne.ro eslaudarlequal mortalha
Destinada ao cadver grandioso
Do Deus da liberdade ; embaulo todos
Virara tranquillos a maderna Sparta,
Onde as mais as lihuhas adormecem,
Eutoando as cauges de seus raaiores,
Canges de guerra, que respiran plvora ;
Emquanto a raga dos beres sanhudos,
A tribu dos lees de juba ardeute ;
Faz descolaros myiliosdo passado
As fagaulias Derivis, portentosas
Dos guerreiros de Ossian e de Homero ;
Ao tempo em que macios diplmalas
Em divans de veiludo reclinados,
De um prolocollo infame estudam syllabas
E pezam virgulas em balanga a'olro
Emquanto tudo ri o bardo chora.
Oh I Polonia I Polonia Quando a trra
Se revolver perdida, o o capliveiro
Na irona, calcar seu frreo guante
Sobre a cervis dos povos idiotas
Quando tudo for vicio, infamia, lama ;
Quaudo os labios uumaoos polludos
E sem brodos despotas beijarera
As bolas insolentes I Oh I Polonia !
O bardo, eulo ir, pi romeiro
Prautear no leu vasto cemiteno...
E la' beijand-i a poeira sacrossauta
Onde descauces a viril cabega.
Aos ventos Uraes que mugein fros.
Dra' co'a voz sumida entre solugos;
t Das crengas nobres o sepulchro este !
c Dorraem aqu seu somno derradeiro
t Da grandes morte os grandes voluntarios,
i Da liberdade os Briaros tremendos 1 >
Conta o Jornal de Roanne :
Ha quatro annos urna mulher de um conselho
visinho perdeu ura marido que adorava, e no ex-
tremo da sna dor tinha jurado ao moribundo que
nao coulrahiria segundas nupcias.
Eulretanto, depois de urna viuvez de quatro an-
nos, vio-se cortejada por ura ferrador de outro con-
selho.
Este preteudeute nao llie desagradava, e ella
comegou a lamentar o juramento que 'zera. Por
Oto, deliberou-se a romper com todas as conside-
rages e acceitou a corte que Ihe fazia o ferrador.
Nao ha obstculo de que o amor nao trhimphe I
Todava nao pode ver se livre de vivos remor-
aos ; collocada entre o amor que a agnihoava e
a lernbranga de um jurameoto que a prenda, vivia
agitada pelos tormentos secretos dessa luta do seu
coragao cora a sua conscencia.
No dia 2 do corrate fot orar sobre a sepultura
de seu mando. Pelio-llie perdo de o haver es-
quecido e de se deixar mover a contrahir segundo
casamento.
A sua imaginagiio, altamente excitada, julgou
ouvir urna voz, que sania da sepultura, e Ihe gri-
tava :
Nunca I
A infeliz cabio sem sentidos.
O modesto cemiterio era uesse dia frequentado
por inuita gente.
A mulher foi levantada c transportada ao seu
domicilio, onde foi possivel fazer-lbe cobrar os sen-
tidos.
Foi ento que ella contou a causa do seu desfal-
leciraenlo.
Mas o golpe que sollrera na imaginago tinha
sido to violento que breve entrou era espasmos
nervosos que nada pode acalmar, e que acabaram
por dar a morte a' desventurada na manha do dia
seguite.
L-se no Comi dos Alpes, do dia 6 :
A' hora de ir a folba para o prolo, recebemos a
noticia de urna terrivel catastrophe.
as obras da perfurago dos Alpes, rebenlou
esta manha urna mina inesperadamente.
Quatro operarios que trabalhavam na occasio
da exploso foram langados a urna grande distan-
cia, e os seus cadveres Acarara horrivelmente mu-
tilados.
Alm disto ficaram feridos grande numero de
trabajadores.
Em Fourneaux e em Modane, distantes mais de
milha e meia, nao flcou por assim dizer um vdro
as casas, e um grande numero de construegoes
soffreram muito.
Os prejuizos sao consideraveis.
Com o titulo A caverna do crime refere
urna (olha dos Estados Unidos o seguinte :
Coutam-se de Nashville cousas singulares.
Os arredores dessa cidade esto ha algum tem-
po entregues a abominaveis latrocinio?, cujos au-
tores tem at agora escapado a todas as ind aga
goes.
Descobriose ultimiraeate qae havia debaixo da
cidade cinco cavernas, sendo a entrada da prin-
cipal pelo tmulo de Mac-Nary no cemiterio.
A autoridade militar faz excavages nesse lu-
gar, mas a' medida que se lira trra, a excavago
logo obstruida por ierra fresca atrad de dentro.
O jesutas que soscilaram Unta agilago na re-
publica helvtica, flzeram ama lentaliva para all
tornar a entrar.
L'ra deputado friburguez propoz ao parlamento
nacional a suppresso do artigo da consiltuigo que
prohibe o accesso da Suissa aos filhos de Santo Ig-
nacio de Loyola.
A mogo da vida ro regeitada por 61 votos con-
tra 13.
Os habitantes das costas se geralmente muito
affeg'oados as bebidas espirituosas, provavelmente
por causa do fro que Ihes causa a presenga conti-
nua de grandes massas de agua... que nao ar-
dente.
Vejamos como esta funesta pano pelos alcooli-
cos foi prejudicial aos pescadores da costa do Pal-
du, em Franca.
Depois de urna tempestado muito forte que du-
rou toda a noite, tendo ficado o mar muito traba-
jado, os moradores da costa aproveilarara esta cir-
cunstancia para irera a apanha do sargaco.
Estavara oceupados n'este servigo quando desco-
briram algumas barricas, provenientes sem duvi-
da de um navio naufragado, que se dirigirn) para
a costa.
Largaram logo o sargago ecorreram para apraa
onde a onda liuha langado as barricas.
Pegar n'uma, po la de p, tirar-lhe o lampo foi
obra de um momento, e estes desgragados nao pen-
sando no mal que raziara a si mesmos, beberam,
beberam al esgotar a vasilba, que continba aicool
puro.
Tomaram tal borracheira, que um d'elles, mor-
reu pouco depois, e os oulros estavam em grand3
risco de ter a sorte do parcero.
Acaba de falKcer no hospicio de Gayette (Fran-
gaj um velho de cento e vinte e ura annos por no-
me Tnomaz Ruux.
Tinha nascido em Montaigut-Le-BIin, canto de
Varennes-sur-Allier.
Nos ltimos sessenta annos da sua existencia vi-
va da candado publica, almogando n'uma herda-
de, jamando e dormndo n'outra.
Dormndo no vero sobre palhas, no invern so-
bre feno, nao saba que cousa fosse urna cama.
Durante um dos invernos mais rigoro-os, foi
preciso oonga-lo a entrar no hospicio de Gayette;
mas, logo que veio a primavera, sahio do hospicio'
porque, dizia elle:
sou como a cotovia, logo que vejo o sol, gos-
to de correr pelos campos.
Continuou depois na sua vida de mendicante at
que, trabido pelas suas forgas, foi obrigado, aos lio
anuos, a enirar no hospicio da Gayette d'onde sabio
para a cova.
Nao liuha prenles, toda a saa familia se tinha
disperso ha muito, e niuguem foi fechar os olhos
ao Bohemio centenario, cuja morte foi um verda-
dero succeso no canto de Vrennos.

A Independencia Belga de 15 do corrate publi-
cou um despacho telegraphico com duas datas, de
Londres, de lo, e de Saltara, de 14.
Sabem onde Sallara i
E' as Indias inglezas.
Ora bem.
Esie despacho constitue o mais prodigioso exem-
po da celeridade a' qae pode chegar a transmls-
to telegraphica.
Com effeito, quem reflectir onde fiea Sallara, e
em que um telegramma que parte desse ponto
Inevitavelmente sujeito a muitas demoras no im-
menso trajelo que galga atravez da Asia e da Eu-
ropa, dever considerar como quasi milagro a re-
cepgo desse lelegramma em Bruxellas em vinte e
quatro horas, e islo nao por via directa, mas, de-
pois de urna dilacao em Londres, ponto normal de
destinaco, e por meio de urna reexpedigo desta
cidade para a Blgica.
Vinte e quatro horas pem s vezes os nossos le-
legramraas entre Lisdoa e Porto.
Parece que a noticia da morte do abbade X***,
autor do Maldito, que demos ha das, era inexacta.
A folha de Paria, Le Temps, annuncia pelo con-
trario que o Rvd. abbade passa s mil maravilhas,
e est actualmente em Rama; e accrescenta que
elle se comprometteu a aeccitar publicamente a
responsabilidade das suas obras, anonymas at
hoje.
Um sujeito vestido com muita elegancia entrou
s dez horas e meia da noite em urna loja de taba-
cos em Pars.
Eslava ento assenlada ao p do mostrador s-
mente urna linda rapariga erapregada na casa.
A menina quer ter a bondade de pesar-rae 1
franco e 60 cntimos de tabaco, e depois a mesma
qaantia, mas em massos separados? Tambem pego
que cora a sua linda mosinha rae escolha depois
alguns charutos.
Ella inclinou-se risonha e servio o amaval com-
prador, que metleu iocegadamenle nos bolsos os
dous massos de tabaco.
Em seguida, pousando sobre o mostrador um fo-
lheto de capa cor de rosa, sobre a qual se via urna
pega nova de o francos em prala, pedio que Ihe es-
colhesse algumas regalas em quanto sahia por um
instante.
Mas os instantes foram passando e o amavel
comprador nao apparecia.
Quando foram horas de fechar o estabeleciraen-
to, ainda elle nao linha chegado.
Quiz ella ento deitar na gaveta do mostrador a
moeda de o francos, mas que a pega estava pega-
da ao folheto, que nao era mais do que ura pros-
pecto.
Era urna pega de assucar como os doceiros de
Pars as sabem enfeitar s mil maravilhas.
O Correio do Norte escreve :
O insurgente Khronstowsky foi feilo prisoneiro
no districio de Rossieni, na occasio em que fogia
a fronteira.
Como se defendesse, receben na cabega urna es-
padagada, era rseultado da qual perdeu os sentidos,
sendo em seguida transportado para o hospital de
Rossieni, e d'alli para o de Kowno.
Esteve deieseis mezes mergulbado n'um profun-
do somno lethargico, e durante este tempo davam-
Ihe alimentos lquidos.
Todos os mdicos que o exatninaram foram de
parecer que este somoo nao era fingido, adraittindo
que fosse possivel fingir o somne durante tanto
tempo.
Este faci parece-se muilo coro a historia dos
sete dormentes com quem as aiasnos embalam du-
rante a infancia,
PERNAMBUCO- TrP. DE M. P. DK F, rr_ _r^r. .__
-... *
/;..
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXKCJS6TO_5P01YI INGEST_TIME 2013-09-05T00:02:43Z PACKAGE AA00011611_10850
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES