Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10848


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO ILI. ROMERO 291
i.
Par q artel pago eitra de i O das do 1, mez ...ti.. 5J090
dem deotAdMl.9* 10 das do comecoe dentro do qoartel. 6J000
Porte ao correio por tres aiezes........... l 7M)
Q0ARTA FEIRA 20 DE DEZEMBRO DE 1865.
Por amo pago dentro de 10 das do 1.* mex .
Porte ao correio por uin anno..........,
19f00f

ENCARREGADOS DA SUBSCR1PCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maraoho, o Sr. Joaquira Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fihos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Das; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, 9 Sr. Jos
Riheiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Estada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e senas feiras.
Santo Aniu, Grvala, liezsrros. Bonito, Caruarii,
Altinhu, Ciranhuns, uique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacaral, as tereas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesgueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as qnartas
feiras.
Serrahem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta Pimentefras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas a quintas.
Relago: tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do comraercio: segundas as 41 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meioj
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMER1DES DO MEZ DE DEZEMBRO
2 Loa cbeia as 4 b., 24 m. e 45 s. da t
9 Quarto ming. as 9 h., 83 m. e 28 s. da t.
18 La nova as 2 h., 15 m. e 34 s. da m.
24 Quarto cresc. as 10 h., II m. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
18. Segunda. S. Esperidio b. e.; S. Thentimom.
19. Terca. S. Daro ro; Ss. Pautillio e Fausta mm
20. Quarla. S. Domingos de Silos ab.; S. Julio m
,21. Quinta. S. Thom ap.; S. Themistocles m.
22. Sexta. S. Honorato m.; S. Flaviano m.
23. Sabbado. S Victoria v. m.; S. Tercilla v.
24. Domingo. S. Delphino b.; S. Tar-illa m.
PRRAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 m. da manha.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de janeira, margo, maJo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
noRecie, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Maaoel Figueiroa.d
Faria & Filho.
PARTE OTICIAL
GOVERNO DA PHOfnClA.
Coulinuaco do expediente do dia 15 de deiembro
de 1863.
Olllclo ao Exm. Dr. vigano capitular desta dio-
cese.Sirva-se V. Exc. de darme o seu parecer
acerca do conteudo do incluso silicio do director
da colonia militar de Pimenteiras, datado de II de
nevembro ultimo, no qual acompanham nao s o
do capello daquella colonia como tambera outro
do vicario da fregueria do Bonito os quaes rae se
rao devolvidos.
Dito ao general commandante das armas.Man-
de V. Exc inspeccionar o corneta do 2o corpo de
guardas nacionaes destinado ao servigo da guerra
Antonio Estevo dos Santos de que trata o incluso
requerimento.
Dito as mesmo.Mande V. Exc. dar baixa ao
voluolario do 6 corpo Jjo Joaquira de Lima, vis-
to ter sido julgado incapaz do servigo militar em
inspecgo de saude como se v do term > annexo
ao offlcio de V. Exc. de 13 do crrenle, sob n.
2,429.
Dito ao raesmo.Mande V. Exc. eliminar do ser-
vico da guerra para que esta va designado o guarda
nacional Firmmo Jos Ferreira que fui julgado in
capaz do servico militar era inspecgo de saude
como consla do termo annexo ao oOJcio de V. Exc.
de 13 do corrente, sob n. 2,432.
Dito ao mesmo.-Queira V. Exc. informarme
acerca do que pede no incluso requerimeDto Ma-
nuel de Araujo Alves da Fonseca.
Dito ao mesrao. Queira V. Ene. mandar inspec-
cionar o guarda nacional do 2 batalho destinado
ao servico da guerra Felippe Benicio Alves, d-ven-
do V. Exc. remelter-me o resultado da inspec-
co.
Dito ao mesmo.-Queira V. Exc. informar rae
acerca do que pede no incluso requerimento Joa-
quim Antonio Machado pai do guarda nacional Ma-
noel Lourengo da Silva.
Dito ao mesmo.Expeca V. Exc. suas ordens
para ser apresenlado ao tenente coronel comman-
dante do 6* corpo de voluntarios da patria o sar-
gento arlitices de fogo Pantaleo da Costa Montei-
ro alira de servir naqueile corpo na qualidade de
instructor em quanto o mesrao permanecer nesta
provincia.
Dito ao mesmo. Queira V. Exc. declararme se
efectivamente se alistou no 3o corpo de volunta-
rios da patria Francisco CUudino de Mello de que
trata o iucluso offlcio que me ser devolvido do
juiz de direito da comarca do Limoeiro.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
communicando rae o Exm. Sr. ministro da justiga
por aviso de 30 de novembro prximo finio que
solicilou do da fazenda a expedigo de ordens atiin
de que o cofre dessa thesouraria seja indemnisado
da quadlia de 300S que despendeu cora autorisa-
^o desu presidencia e por cunta do crdito do 5 7
do artigo 3 da lei do ornamento em vigor : assira o
fago constar a V. S. em resposta ao seu offl-10 de
16' do raez cima citado ao prmeiro daquelies mi-
nistros.
Dito ao mesrao.-Recoramendo a V. S. que se
nao houver inconveniente mande pagar a Manoel
de Alenla Raposo conforme solicilou o director
do arsenal de guerra em offlcio de hontem sob n.
482, a quanlia de 283 preveniente do aluguel de
cariocas que de ordem desta presidencia conduzl-
rain para aquello arsenal como se v da inclusa
nota, os artigo* que actiavara no quartel da Soleda-
de, perlenceoies ao 1" corpa de guardas nacionaes
qoe seguio para o sul.
Dito ao mesmo.Em vista dos inclusos docu-
mentos que vieram aonexos ao oUicio do marechal
comraanaote das armas datado de hontem e sob
n. 2436, e nao havendo inconveniente, mande V.
S. pagar ao tenente coramaudanie da companliia
de artfices HonoriO'Doraingues de Menezes Doria
a quanlia de 185080 proveniente das despizas ei-
tas duraute o mez de nov-mbro ultimo com o ex-
pediente da companhia do Zuavos que commulati-
vamente commandou.
Ditto ao mesmo.Providencie V. S. para que nos
termos do parecer da conudoria dessa thesourana
a que se refere a sua informago de hontem sob n.
897 sejam pagos pela collectoria de Flores, confor-
me solicilou o mirechal commandante das armas
em offlcio de 2 do corrente n. 2315, os veocimenlos
a que liver direito a contar de 31 de julho deste
anuo em (liante, o soldado do corpo de guarnicao
Felippe Nery que se acha recolliido a cadeia da-
quella villa por enrae civil, e para esse lira devol-
vo a guia passada ao mesmo soldado pelo sargento
commaudante do destacamento all existente.
Dito ao mesmo.Declarando o inspector do ar-
senal de raarinha era offlcio de 13 d 1 corrente sob
n. 1033 que em observancia do aviso da raarinha
de 20 d novembro ultimo de que dei setencia a
V. S. era ineu ollicio de o do crrente, fura dispen-
sado do servigo da enermiria daquelle eslabeleci-
ment o eirargio Jjaquim Jos Alves de Albuquer-
que, sendo contratado para substituido na forma
do Litado aviso o Dr. Estevo Cavalcauli de Albu-
querque que uaquella dala preslou jurameuto e en-
truu em exercicio : assim o communico a V. S.
para seu coohecunento e direego.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Acuso recebido o oIBcio de bonlem sob n. 493, era
que V. S. me participou haver Joo Carlos Augusto
da Silva, dando por fiador o propnetario Jos Lo-
pes Rosa, arrematido o forneuiraento do sustento
dos presos pobres da casa de detengo durante o
trimestre de Janeiro a marco do anno prximo vm-
dauro com o abate de 2 /. nos prego* da respecti-
va tabella, e em resposta leaho a dizer que appro-
vo essa arrematago.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. os inclusos
documentos para que nao havendo inconveniente,
mande pagar a Joo Carlos Augusto da Silva con-
f irme solicilou o chefe de polica em offlcio de hon-
tem, sob n. 1937, a quantia de 2:02736 despen-
dida duraute o mez de novembro ultimo com a ali-
ruentago e dietas para os presos pobres da casa
de delengo.
Dito ao mesrao.Reslituo a V. S. os dous in-
clusos prels" em duplcala que meremetleu o com-
mandante superior da comarca de Nazareih cora
olllcio de 13 de novembro ultimo, tirando venci-
inenios para duas escoltas de guardas nacionaes
que conuzratn para all presos de jusliga delidos
nesta cidade e na de Goianna, adra de que, de con-
formidade cora o parecer da contadoria dessa the-
souraria a que se refere a sua informago de 11 do
corrente sob n. 488, mande pagar nao a quantia
de 415930 constante dos mencionados preis, e sira
a de 47b30 era que importara taes vencimentos,
devendo esta quantia ser entregue ao negociante
Jos Maria Ferreira da Cunha.
Dito ao mesrao.Inteirado pelo offlcio que V.
S. me dirigi hontem sob n. 496 de baver Manoel
Tnoraaz de Albuquerque Maraobo, dando por fia-
dor a Luiz de Albuquerque Maranlio, arrematado
a obra do I" lauro da estrada do Limoeiro com o
abate de 1 '/, no valor do respectivo orgameoto,
tenho a dizer em resposta ao citado offlcio que ap-
1 rovo essa arrematago.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Por decreto de 24 de novembro
prximo lido, S. M. o Imperador houve por bem
conceder passagem para a guarda nacional da pro-
vincia de Santa Calbarina ao major do 2* batalho
de infautarta d-j-t municipio, Joo Beroardino de
Vasconcellos : o que a V. S. communico para seu
conhecimento e ns convenientes.
Dito ao commaudaaie superior da guarda naci-.
nal de Olinda e Iguarass.Constando de parlici-
pago da directora geral da secretaria de estaflo
dos negocios da justiga do 1 do corrente, que S.
M. o Imperador, por decreto de 24 de novembro
prximo liodo, houve por bem noraear o major ba-
charel Jos Cardoso de Queiroz Fonseca, para te-
nente-coronel commandante de batalho n. 9 de in-
fantaria da guarda nacional do municipio de Olin-
I da, assim o communico a V. S. para seu conhecl-
! ment e para que faga co. Mar ao agraciado e a
: quem mais convier.
Dito ao comrmniante superior da guarda naci
nal do Pao d'Alho.Constando de participarlo da
! directora geral da secretaria de estado dos neg-
i cios da justiga de 29 de novembro prximo Hndo,
! que por decreta de 11 do mesrao mez S. M. o Im-
perador houve por bem nomear a Ignacio dos San-
tos da Fonseca para major commandante da secgo
de batalho de reserva n. 2 da guarda nacional
desse municipio, assira o coramuuico a V. S. para
seu conhecimento e alira de que faga constar ao
agraciado para solicitar em lempo a respectiva pa-
1 tente.
Dito ao juiz de direito da 2* vara desta cidade.
Queira V. S. informar se esse juizo concedeu a au
' lonsago exigida pelo art. 19 do regulamento n.
! 120 de 31 de Janeiro de 1842, para Jos Luiz da
1 Silveira ser em 23 de novembro de 1853 e pela ca-
{ mar municipal desta cidade, nomeado escrivo do
juiz de paz do 2' districto da freguezia de Mari-
beca.
Dilo ao director das obras militares.-Declaro a
I V. S. para seu conhecimento e execugito, que se-
guudo consla de aviso do ministerio da guerra de
29 de novembro ultimo foram aulorisadas as des-
pezas a fazer-se com a caladura do quartel das
Cinco Ponas, e cora as imli-pensaveis obras de
conservagoe lirapeza das fortalezas equarteisdes
j la provincia, recommeadando toda a economa na
! exeeucao de semelhante servigo que se deve limi-
tar ao restrictamente Inlispensaveis.
; Dito ao director do arsenal de guerra.Em vsla
das suts informages de 11 e 14 do corrente, s.b
ns. 476 e 480, auloriso V. S. a dar aos menores
des.se arsenal Jos Joaquim dos Santos Cvalcaot
e Bento Berilio Pereira de Sonza 8 dias deiicenga
a contar do da 25 desle mez conforme pediram
Mara da Conceicio mi do prmeiro e Fraoklin
Climaeo Pereira de Souza, pai do segundo, nos re
querimentos sobre que versara as citadas infor-
magoes.
Dito ao juiz dos feitos da fazenda.Remetta-me
Vmc. cora a raaior brevidade possivel o raappados
offlciaes de justiga que em 4 de outubro ultimo
exig para cumpriraento do aviso circular de 30 de
junho deste anno.Iguaes aos juizes de direito da
! e 2o vara desta cidade.
Dito ao commandante da companhia provisoria
de polica.Deferin lo o requerimento da praga do
corpo de polica, Lourengo Gomes de Lima, aulo-
riso Vine, a in uida-io alistar na companhia sob
seu coramando.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. dar baixa a praga
Jos Antonio Alves de Oliveira, visto sollrer de
epilepsia.
Dito ao mesrao.Em deferimento ao que reque-
reu o soldado do corpo de polica, Joaqaim Antonio
Ramos, mande Vmc. allsia-lo para o servico da
companhia sob seu comraaodo.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o capilo do balalho n. 19 de in-
famara da guarda nacional do municipio de Na-
zareth, Joai|uim Francisco Belera, e tendo em vis- j
(a a raformaga) do commandaute superior daqiiel-'
le municipio datada de 7 do correte, res^lve dis-1
pensa-lo do servigo da guerra para que estava de
sigoado, visto ter provado ser couseuhur e admt-1
ni.strador do engenlio Larangeiras.
Dita.O pre-ideute da provioca, tendo em vi-ta
a informago do commandante superior da guarda
nacional dos municipios de Olinda e Iguarass, de
38 de novembro prximo lindo, e o olllcio do ca-
pilo nomeado para a 6' companhia do balalho n.
II de infamara do 2 daquelies municipios, Joo
11 ur,i 11 da Cunha Azevedo, resolve privar a este
do referido posto de capilo por estar coroprehen-
dido na disposico do Io do arl. 63 da lei n. 002
de 19 de selemuro de 1830.
Dita. O presidente da provincia, tendo em vista
a proposta apresentada pelo tenente-coronel com-
mandante do balalho n. 18 de infamara da guar-
da nacional do municipio de Nazaretb acerca da
qual inforraou o respectivo commandante superior
em offlcio u. 240 de 23 de novembro prximo fin-
do, resolve numear o guarda Justino Jos Ferreira
Lima para o posto de alferes da 4* companhia do
referido balalho.Communlcou-se ao comman-
dante superior de Nazareth.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao I
que requereu o alferes do batalho n. 11 do mu-1
nicipio de Igoarassii, Hermenegildo das Virgens
Lima, e tendo em vista a informago do comman-
dante superior respectivo, datada de 30 de novem-
bro ultimo, resolve dispeusa-lo do servigo da guer-
para que fura designado por portara de 27 de ou-
tubro deste anno.
- 16 -
Offlcio ao general commandante das armas.
Queira V. Exc. informar acerca do que pede no 1
incluso requerimento Joaquira Cavalcanti de Albu-
querque Maranho.
Dito ao mesmo.Expega V. Exc. as suas ordens
para que cora brevidade sigam para a corte os
offlciaes do corpo do eslado-maior de 2* classe, que
forara julgados promptos para continuaren no
servigo militar como se determina no aviso circu-
lar, junto por copia, expedido pelo ministerio da
guerra no do cerreote
Dito ao mesmo. -Sirva-se V. Exc. de informar-
me acerca do que pede no Incluso requerunenlo
o lenle Honorio Rudrigues de Menezes Doria.
Duo ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. pagar a* alferes Arsenio Antonio Car-
neiru da Cunha Miranda perlencente ao 1 de guar-
das nacionaes destinado ao servigo da guer.'a, os
vencimentos a que ti ver direito at esla data em
que fui dispensado do mesmo servigo.
Dito ao mesmo. Nao havendo inconveniente,
mande V. S. pagar ao alferess ecretario do corpo de
guarnigo desia provincia, Plycarpo Jos de Cam-
pos, cuino pede no incluso requerimento a que se
refere o offlcio do commandante das armas datado
de 12 do correte, sob o. 2,420, a quautia de ltij
pjr elle despendida cora a conduego de qualro
caixes cora medicamentos perteocentes a enfer-
marla de Tacarau, desde aquella villa al a povoa-
gaode Piranhas.Communicou-se ao general com-
mandaotes das armas.
Dilo ao mesrao.A Joo Baplista dos Guimares
Peixoto, mande V. S. pagar se nao houver incon-
veniente, a quantia de 95920 despendida com o
foroecimenlo de luz a contar de 3 de setembro al
4 de outubro deste anno para o quartel do desta-
camento de guardas nacionaes existente na villa
de Flores, cumo se v do recibo junto em duplcala
que veio annexo ao olllcio de chefe de polica n.
1,933 de II do corrente.Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo.Providencie V. S. para que es-
tando em termos o pret junto em duplcala, seja
paga ao2j sargento Jos Avelino Torres Carapeba,
como solicilou o commandante superior da comar-
ca do Bonito era ufflcio de 13 do correte, a im-
portancia dos vencimentos a contar de julho a se-
terabro deste anno, do corneta empregado 00 bata-
lho n. 26 da guarda nacioual daquelle municipio.
Comrauuicou-se ao predilu commandante supe-
rior.
Dito 10 mesmo.Autoriso V. S. nos termos de
sa informago de 12 do corrente, sob n. 893, duda
(mu referencia a da contadora de.$sa th,esc,uraria a
I mandar pagar nos devjdos lempos a Lniz Pinto da
Costa na qnalldade de procurador do alfares do 9*
balalho de infamara da guarda nacional da co-
marca de Olinda destacado no presidio de Fernan-
do Francisco Pedro Celestino, o sold de sua pa
teme a contar de agosto prximo passado em dian-
te, afini de ser entregue nesta capital a familia do
prediio alferes, como pedio este no requerimento
que devulvo.Neste sentido offlciou-se ao comman-
dante do presidio de Fernando.
Dilo ao mesmo.Em visla do pret junto era du-
plcala que rae reraetteu o marechal commandante
das armas com offlcio de 12 do corrente, sob 0.
GOVERUO DO RISPADO DE
PERNAHBUCO.
SEUE VACANTE.
Novas dispensas matrimoniis.
ChegarM) do Rio de Janeiro as peliedes de dis-
pensas do 1 grao igual da liona lateral e 2* grao
attingeote ao 1 de consangulnidade constantes da
lista abaixo publicada e coja eoncesso fol aatori-
sada pelo Exm e Rvm. Sr. internuncio apostlico,
em dala de 22 do prximo passado.
Podem ser procoradas era Olinda na cmara ec-
clesiastica,e no Reeife em casado Illm. Sr. conego
; 2,422, e nao havendo inconveniente, mande pagar da capella imperial, Francisco Jos Tavares da Ga-
! V. S. os vencimentos que por engao de calculo ma, ra da Cruz o. 56.
1 deixaram de ser tirados no pret relativo a 2' quin-
! zeoa do mez de novembro ultimo, das pragas do 2*
batalho de guardas nacionaes destinado ao servi-
go da gueira. Communicou-se ao general com-
1 raaodaote das armas.
Dito ao mesrao. NSo havendo inconveniente,
mande V. S. pagar ao tenente-coronel Luiz Paulino
de Hoilanda Valenga, como pede no incluso reque-
rimento das despezas per elle felas cora 56 voIud-
larios que apresentou para 0 servigo da guerra.
Olinda, 16 de dezembro de 1865.
Conego Joaquim Ferreira dos Sanios.
Secretario do bispado.
Li-ila das petices.
do Carmo Lima e Maria Pinheira de
Antonio
Jess.
Joaquira
Jess.
Herculano
lina.
Francisco Dias e Joanna Mara de
Jos dos Santos e Anna Maria Brasi-
Dito ao mesrao. Era vista dos inclusos docu- Alvaro Fragoso de Albuquerque e Candida Rosa
memos, e nao havendo inconveniente, mande V. de Oliveira.
S. pagar os vencimentos relativos a I* qoinzena do Joaquira de Barros Vieirae Anna Joaquina de Vas-
corrente raez das pragas do 3" corpo de infaniaria
da guarda nacional deste municipio, destacada para
o servigo da guarnicao.
Dito ao mesrao.Era vista da inclosa conta, man-
de V. S. pagar a quantia de 15858u0, proveniente
do encanamento do gaz para as casas da guarda e
cocheira do palacio da presidencia.
Dito ao Inspector da thesouraria provincial.-
Mande V. S. pagar ao 2* sargento Jos Avellno
Torres Carapeba, como solicilou o commandante
superior interino da comarca do Bonito, em offlcio
de 29 de novembro ultimo, a importancia do farda-
memo que venceram as pragas da guarda nacional
destacadas Daquella villa, a contar de julho a se-
tembro desle anno, urna vez que estejara era ter-
mos os inclusos prels em duplcala.Comraumcou-
concellos.
Joo Marrado da Rocha e Rita Maria da Con-
ceigo.
Thomaz Nunes de Azevedo e Joaquina Francisca
da Conceigo.
Firmmo Rodrigues Sobral e Constancia Maria da
Conceigo.
Antonio Fernandes de Macedo e Anna da Cosa
" Vasconcellos.
Francisco Prmeiro dos Sanios e Joanna Francisca
de Jess.
Antonio Gomes Brrelo e Francisca Carolina Pe-
reira da Silva.
Joo Martins Vianna e Anlonia Romana das
Neves.
Francisco Gomes de Moraes e Maria Felismina dos
^Sanios.
se ao respectivo commandante superior.
Dito ao mesmo. Recommendo a V. S., que es- Jos Rodrigues de Mello e Luza Resa da Cosa,
lando em termos os inclusos prels em duplcala e Jos Francisco da Silva e Josepha Maria da Con-
nao havendo inconveniente, mande pagar ao neg- ceigo.
1 ciante Jos Maria Ferreira da Cunha, conforme so- Claudino Correia da Silveira e Maria Francisca
licitou o commandante superior da comarca do Li- Correia de Oliveira.
moeiro, em offlcio do 1* do corrente, a importancia Joo Lourenco Vieira e Maria Francisca da Con-
dos veocimenlos a contar de 16 de outubro at o ceigo.
ultimo de novembro deste auno, como se v dos Cosme Theodoro da Silva e Maria Magdalena da
mencionados prels.Coraraunicou-se ao respectivo Conceigo.
commandante superior. Vieram mais as seguintes peti^oes concedidas na
Dito ao conego Joo Chrysostomo de Pai va Tor-
i res.Pelo seu offlcio de 15 do corrente fiquei intei-
rado dos motivos pelos quaes deixou V. Rvm. de
lomar posse do bispado desta diocese como havia
. determinado o respectivo bispo diocesano o Exm. e
Rvm. D. Manoel do Reg Medelros.
I Dito ao chefe da repargo das obras publicas. '
Mande V. S..um dos engenheiros dessa repartigo
a freguezia da Gloria do Guita, afira de que enlen-
i dendo-se com o resp#etivo vigario e com Manoel
j Joaquim de Lemos e Vasconcellos o severino Jos
j dos Reis Carvalho, examine o estado da matriz da-
quella freguezia e orce as despezas a fazer-se com
I as obras de que ella necessita.
Dito ao mesmo. -Concedo a autorisagao que V.
mesma data.
Francisco Gurgel de Oliveira e Mana dosAnjosde
Oliveira.
Raymuodo Gurgel de Oliveira e Sima Gaudeosa
de Oliveira.
Manoel Gonzag de Araujo e Fraocisca Rosa de Al-
buquerque.
Jos Felippe de Moura e Felippa Maria de
Moura.
Francisco Bernardo da Cunha e Rosa Carolina de
Pnula e Silva.
Ezequiel Renovato de Mello e Candida Francisca
de Mello.
Luiz Mara de Oliveira e Florinda Maria da Con-
ceigo
dade possivel, divisando-se grande salisfagao nos I Matn-os frica 43 annos Boa-Vista mmmti
concurren.es pelo brilhantisraoeordera da mesma ^umoia "tronica W' ^ "**"*
ouvfr jssssyESaKde 5e 1 AQrioias:rDambuco'28 annos'Recife-esmvo;
A aurora do dia dessa festa foi saudada com I
msica e uraa salva de vinle e um tiros.
A fesla esteve explendida primando pela sim-
plicidade do ornamento e das musieas, sendo tam-
bem muito concurrida pelo sexo amavel, principal-
mente a noile.
Nao honve o Senhor exposto por ter sido ne
gada essa licenga pelo Exm. sr. vigario capitular.
A ra do Pilar e o adro da igreja estiveram pri-
morosamente embanderados, havendo nm arco de
folhas com as armas impenaes rodeado de tro-
CHROMCA_liD]CIARIA
TRIBUNAL DA RELAClO.
SESSAO DE 16 DE DEZEMBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSBLHEIRO
MOZA.
As 10 horas da manha, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Guerra pro-
pheus das nagSes aclnalmenie""amigas7" WniS'ft LJ>ure,? Santiago, Molto, Assis,
A boa msica da guarda nacional da Boa-Vis- ?,?'*, L,:hua <*'nli. e Barros Vasconcellos.
ta deleitara aos espectadores durante a tarde em fal,ando os 5rs" desembargadores Almeida Albu-
um bonito coreto ao lado desse arco.
Foram eleilos para a futura festa, juiz o Illm.
Sr. Joviniano Mana e juiza a Illma. e Exma. Sra.
D. Rosa Candida Gongalves Penna, fllha do subde-
legado dessa freguezia o Sr. Luii Antonio Gongal-
ves Penna.
A bandeira esteve brllhante, sendo acompa-
nhada por um immmso concurso de cavalheiros
querque, e Domingues da Silva, abrio-se a ses-
so.
Passados os feilos, deram-se os seguintes
JULGAMKNTOS.
Recursos crimes.
Recorrente, bacharel Francisco Aminthas de
Carvalho Couto ; recorrido, bacharel Diodora Ul-
piano Coelho Caianho.Relator o Sr. de-embarga-
dor Motta. Sorteados os Srs. desembargadores
queaporflafaziam timbre pela bda ordem delta, c,^ ac In.aesemDaIr,aaortS
sendo carregadae seguida por mais de oitenla me! k0"1"^0 SauliaS> Asis e Dona. Improce-
ninas todas vestidas de branco at ser pelo refer-
do juiz entregue a respectiva juiza que a receben,
com grande enlhusiasmo.
Houveram diversos e variados baloes, rarre-
gando anjos enfeitados de fitas com disticos inte-
ressames, os quaes ao sobirem erara tambem sau-
dados pela msica do arsenal de marinha, cuja ac-
quisigo devemos ao seu mui digno chefe o aclual
Sr. inspector.
t Louvamos o procedimento dos dignos Srs. Jo-
s Jeronymo Bustorff e Modesto Leopoldo Bustorff
pelo empenho que toraaram pelo bnlhantjsmo des-
sa festa que eslava sob sua Inspecgao.
O agente Marlins far hoje leilode urna por-
gao de burzeguins de bezerro, couro de porco, ele,
de urna pessoa que por motivos de molestia deixa
de seguir para a Parabyba, no arraazem da ra da
Cadeia n. 8, as 11 horas em poni.
Pessoa devidamente habilitada, assistindo a
festa Iliteraria com que o Sr. Manoel Jos de Fa-
ria Simos encerrou o curso annual de ensino pelo
roethodo do Exm. Sr. conselheiro Antonio Felicia-
no de Castilho, transmute nos impressoes que
nao podemos deixar de consagrar algumas linbas.
Sem fallar no excellente festim com que o Sr.
Sirooes poz remate aos seus diligentes esforgos no
corrente anno, digno de ser trazido a publlcida-
de qoe varios meninos de seis i sete annos, esco-
llados de entre os muitos que frequentam a aula da
ra do Livraraenlo n. 20, seguudo andar, tenham
plenamente satisfeilo a expectativa das pessoas que
ahi estavam, lendo com urna correnteza admiravel,
Appellacao crime.
Appellante, Manoel Francisco Ferreira ; appella-
da, a justiga.Improcedente.
Habeas-corpus.
Cuncedeu-se ordem a Joao Capistrano de Torres
Gal.indo para a sesso extraordinaria do dia 21 do
corrente.
DILIGENCIA CRINE.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
As appellagSes crimes.
Appellante, Manoel do llego Barros ; appella-
d.", a jusliga.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos de Souza
Ferraz.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Francis-
co Ferreira.
DESIGNAgAU DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento das seguin-
tes :
Appellagoes crimes.
Appellante, Mantel Francisco Ferreira ; appel-
lada, a jusliga.
Appellante, Joaquim Jos dos Santos ;
a jusliga.
Jos Feliciano Barbosa;
Appellante,
a jusliga.
Appellante,
Diniz.
appellada,
appellada,
o juizo ; appellada, Delphina Maria
Appellagoes civeis.
Appellantes, Manoel Camillo Pires Falcao e ou-
tro; appellado, Paulino Pires Falco.
Appellantes, os herdeiros de Francisco Joaquim
tragando lellras de varios moldes e respondendo p^^^^rT^^'T^JrZZ
com promplido s pergunias que Ihes forara fei- gJJ
I S. pedio em offlcio de hontem, sob n. 396, para la- Jos Joaquira de Aqurao e Francisca Anglica do
vrar o termo de recebimentu definitivo da obra das
250 bragas de reparos do empedramento da estra-
da da Victoria entre os marcos do 5 a 8,000 bra-
gas, visto j achar-se coocluida aquella obra de
cooformidade com o respectivo contrato, segundo
consla de seu citado offlcio que tica assira respon-
dido.Neste sentido offlciou-se a thesouraria pro-
vincial.
Dito ao conselho de compras navaes.Approvo
a compra que segundo o termo annexo ao seu offl-
co de 14 do corrente fez o conselho de compras
navaes dos objectos de ni iieriai precisos para pro i
vimeoto do almoxarifado de marinha, convindo
que o mesmo conselho remella a thesouraria de fa-
zenda copia dos (erraos que assignar cada um dos
vendedores de taes objectos.
Dito ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra.Autoriso ao conselho de compras do arsenal
Espirito Santo.
Manoel Jos Moreno e Mana Rosa da Penha.
Rayinundo Nonato de Aquioo e Maria Florencia do
PERNAMRUCO.
REVISTA blkllL
Rene se araanha o Instituto Archeologiro e
Geographicu Peroimbucano em sesso ordinaria
as huras do costume.
Na segunda feira enirou arribado neste por-
to, procedente da Babia, o brigue portuguez uco
Feliz, que segua para Lisboa. A sua arribada pro-
de guerra a comprar pan "frnecimenio do almo-' vemde haver no da 16 docorrente pela manha, na
xarifado, o azeite de carrapalo constante do pedido ,lat- N-6" e long. O. 33, partido o mastro de proa ;
junto. I o qual todava pJe anda suppuriar a vela al este
Dito a cmara municipal de Ingazeira.Declaro : Prl-
a cmara municipal da villa de Ingazeira, em res-1 Na a|lura e itamaraca" foi abalroado pelo
posta ao seu offlcio de 27 de novembro ultimo, com vapor Paran1 semana passada, o hiate Santa
tas sobre as operagoes primarias da arithmetica.
Um filho do Sr. Pestaa, ioteressanle changa de
.-ei.- annos ao mais, deixou locados de pasmo os
que admraram os precoces larapejos de seu la-
lento nascente.
E' pois, o Sr. Simoes um propagador infaligavel
do novo methodo que tao excedentes fructos nos
vai produzindo. Houvessera muitos que tanto o
conhecessera, e as bellezas do novo systema pra-.
tico gaohariam immeoso realce.
Ao terminar esta felicitago que dirigimos ao ap-
piteado profe>sor, pediraos-lhe liceega para trans-1
crever aqui palavras escripias no seu aibum por
um assiduoe muilo festejado cultor" das letras, o
Sr. Dr Soares de Azevedo, dito com razo o J. B.
Rousseau brasileiro. |
Sao eslas as bellas palavras do Sr. Soares de
Azevedo, singelas e suaves como elle as sabe es-1
crever :
Ao vir visitar a escola de methodo porluguez
regida pelo Sr. Manoel Jos de Faria SimSes, sin-
to o maior prazer em declarar-lhe que achei o
antigo carcere era que era costume por os meni-
nos tormenlo, convertido n'um jardira risonho a I
animado -, e que, era vez do verdugo, que at aqui'
era o mestre, o achei sendo o dolo e o vce-pa de
trinta e tantos meninos que o cercavam, todos
alegres e em pleno raovimento; executando em
rythmo dilferentes exercicios de leitura e arilh
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gitirana
Aappellago civel.
Appellante, Francisco de Paula Borges Ucha ;
appellada, a Santa Casa de Misericordia.
Do Sr. desembargador Gil rana ao Sr. desembar-
gador Guerra
A appellago civel.
Appellante, D. Maria Cysneiro Freir de Mo-
raes ; appellado, Joaquim Pereira Bastos.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque
A appellago civel.
Appellante, Jos Alves Barbosa ; appellado, Pe-
dro Semio da Silva.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Alineida Albuquerque
A appellagio crme.
Appellante, o promotor; appellado, Joo Jos Bar-
bosa.
Do Sr. desembargador Motla ao Sr. desembar-
gador Assis
As appellagoes civet..
Appellante, a fazenda; appellado, Manoel da
Silva Paranhos.
Appellante, Joo Marinho Falco Scupira ; ap-
pellado, Antonio Gomes Marinho.
.,..., u.uc.oulcs c,c,c,oS ueieuura e antu-1 .JLH^^"9*^ Doria ao Sr. desembar-
metica, e respondendo com inexaclido s variadas | b ""erra
questoes que Ihes dirig. Felicito por tanto o Sr.
referencia a petigo do coronel Luiz Paulino de
Hoilanda Valenga, que devla essa cmara consul-
tar a esta presidencia acerca da cobraoga dos im-
postos de que trata e seu citado offlcio, sem orde-
nar que ficasse ella suspensa, visto nao eslar isto
oas suas atlribuigoes.
Dito ao commandante da companhia provisoria
de polica.Mande Vmc. fornecer ao alferes com-
maodaote do destacamento da villa de Ipojuca,
Joaquim dos Santos Teixeira da Mulla Cavalcanti,
31 correa mes.
Dito ao delegado do]termo de Ipojuca.Remetta-
me Vmc. com urgencia a relago dos presos po-
bres recomidos a cadeia desta villa, durante os
Aifa, que vinha do Aracaty carregado de couros,
carnauba e algodo para este porto, resultando do
choque sallaren] fura os mastro- do hiate, e irem
ao mar as saccas que vinham no coovez.
A tripolago fui toda salva pelo vapor e condu-
zida a' Parabyba, e o hiate ficou a merc das oa-
das, sendo expedida ao depois, da Parahyba, pelo
correspondente dos Srs. Tasso Irmos, a quera
pertence o hiate, urna barcaga em procura du mes-
mo, ciij casco Pcara cima d'agua, segundo de-
clarou o respectivo raestre, que seguio cora a tri-
polago na mesma barcaga para o lugar do si-
tetro.
Consta que parte da carga tem sido salva e re-
a cadeia desta villa
mezes de fevereiro a mam desle anno, afim de que cohidape'las autoridades Tocael
possam ser prestadas as coolas do collector do Ca- i
bo, relativas ao trimestre de abril a junho ltimos, Da provincia da Parahyba temos noticias do
segundo consta de offlcio do inspector da thesoura- resultado defiuilivo da eleigo provincial do i-
na provincial datado de 6 do corrente, sob n. 481., circulo, sendo eleilos merabros da respectiva as-
Porlaria.O presidente da provincia attendendo sembla os seohsres
a que nao se acha completamente organisado o ba-
talhao n. 40 de infamara da guarda nacional do
mucipio de Ipojuca, e de conformidade cora os av-
sos do ministerio da justiga de 4 de Janeiro de i
1853 e 15 de fevereiro de 1860, resolve nomear |
para offlciaes do dito Batalho os cidados abaixo
declarados, que foram propostos pelo respectivo
cummaodante e acerca dos quaes ioformou o com-!
mandante superiur em offlcio n. 106 de 21 de se-
tembro ultimo.
5* Companhia.
Tenente Francisco Paes Brrelo Lins.
8* Companhia.
Tenenle Manoel Heraclito de Albuquerque.
Alferes Manoel Fernandes de Albuquerque Cmara.
Communicou-se ao coramaudanie superior da
guarda nacional do Cabo'
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
que requereu o alferes do batalho n. 46 de infan-
iaria da guarda nacional do munido de Agoa l're-
taJos de Matos Raogel, e tendo em vista a in-
formago do commandante superior datado de 9
do corrente, resulve dispensa-lodo servigo da guer-
Padre Bento............
Dr. Cordeiro.............
Padre Galvo..........
Tenente-coronel Ildefonso
Dr. Rabello ...........
Dr. Abdon..............
Alferes Assompgo......
Dr. Jeronymo..........
D. Ivo................
Padre Antero..........
Dr. Antonio Gouveia....
Dr. Rogers.............
Capitn Moura..........
Dr. Francisco Gouveia ..
Dr. Luiz Ignacio........
Dr. Costa Ribeiro.......
Dr. Joo Florentino......
Padre Eduardo.........
Do 2* circulo nao ba ainda
esperadas a cada instante.
noticias;
Votos.
301
292
279
277
266
266
261
259
256
246
239
233
233
224
229
223
210
205
roas eram
Communicam-nos o seguate
c Acha-se entre nos as dezoito epstolas do pa-
ra para que tora designado, visto ter provado ser dre mestre pregador da capella imperial fre Anto-
consenbor e administrador do eogenno Pedras de : nio da Virgem Mana Itaparica. E* desnecessario
Fogo. I qualquer elogio a essa obra, comtudo dtrei que all
Dita.O pre-i lente da provincia resolve dispen- v se o quanto esmerou-se esse Ilustre esenptor
sar do servigo da guerra para que estava designa- em mostrar a cadeia que liga a nossa rellgio ca-
do o alferes do 3a batalho de infaniaria da guar- \ thotica, e em destruir estas phrases seductoras do
da nacional do municio do municipio do Recife, protestantismo.
Arsenio Antonio Carneiro da Cunha Miranda. t Esperamos que o nosso publico se raantenha
.. com ella para verificar essa verdade, e saber de-
Expediente ao secretario do gorerno do da 16 fender-se de urna seita contraria a' nossa rellgio
de dezembro e 1863. catholica.
Offlcio ao inspector da thssouraria de fazenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia, manda trans-
mitir a V. S. as 23 inclusas ordens, sendo nove do
tribunal do Ihesouro nacional, sob ns. 157 a 165,
10 do ministerio da guerra datadas de 23, 24, 25,
27,28 e 29 de novembro ultimo e qualro em du
plicata, expedidas pela reparugo do ajodante ge-
neral, sob ns. 483 a 486. e fiualraente um offlcio da
secretaria do ministerio da (azenda de 6 desle. me:.
*?
Chamamos a attengo dos nossos leitores pa-
ra o artigo do Forum na oilava pagina. Elle se re-
commenda attengo publica pela anatoma qne
faz no estado do nosso foro.
Communicam-nos o segrale :
leve lugar no domingo ultimo a fesla do mui-
to glorioso S. Gongalo de Amarantes, erecta na
igreja de Nossa Seahora do Pilar em rra de
Portas.
1 Folgam s em annunciar que durante as nove-
n,a,s e a fe|ia desse santq reinou a maior traoquili-
Simoes pelo bera que soube emprehender o me-
thodo portuguez que ser dentro era pouco, segun-
do espero, o nico acceitavel no Brasil. E para
sua saiisfacao Ibes deixo aqui registradas no seu
lbum as impressoes .com que saio desta muira
visita offlcial.
t Recife, 30 de Janeiro de 1864.
t O director geral iulerino da instruego publi-
ca. Joi Soares de Azevedo.
Rbparticao da polica.
Extracto das parles dos dias 17 e 18 de dezembro
1865.
Foram recolhidos a casa de detengo no dia 16
do corrente:
A' ordem do Dr. delegado da capital, Francisco
Valentira de Lima e Silva, para correego.
A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio, Joo
Basilio, por suspeilo em crime de furto.
A' ordem do da Boa-vista, Lniz da Costa, e Luiz
escravo de Antonio Ferreira da Silva, para averi-
guagoes sobre crime de roubo, e Antonio Gomes
Coitiobo para correego.
17
A' ordem do subdelegado do Recife, Manoel Al-
ves Pitolla, para correego. '
A' ordem do de Santo Antonio, Thom e Jos,
escravos, este de D. Brites de tai e aquello de Bar-
tholameu Francisco de Souza, o prmeiro para cor-
reego, e o ultimo como fgido.
A' ordem do da Boa-Visla, Sebastio de Freitas,
por disturbios, e Jos Joaquim de Sant'Anna, para
correego.
A' ordem do da Capuoga, Anlonio de Mello Ca-
valcante para correego.
18 -
A' ordem do Dr. delegado da capital, Augosto
Jos Ferreira, como incurso no art. 201 do cdigo
criminal- e Antonio Jos dos Reis, por infraego
do regulamento da eslrada de ferro.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Cosme Jos Damio dos Santos, para correego.
A' ordem do de S. Jos, Pedro, escravo de Joa-
quim Pereira Marinho, para correego.
chefe da 2* secgo,
1. G. de Mezquita.
Cemitbrio PUBLICO, OBITUARIO DO DIA 16 DI
DEZEMBRO DB 1865.
Jos Carlos, Bahia, 45 annos, casado, Boa-Vista ;
abeesso no ligado.
Clara, Pernambuco, 18 mezes, Santo Antonio; co-
queluxe.
Maria Carolina de Miranda Varejo, Pernambuco,
12 annos, solleira, Boa-Vista ; febre cerebral.
17
Urna parda encontrada nos caes do Ramn, Santo
Antonio; coagestao cerebral (sem mais decla-
ra cao.)
Joanna Maria da Conceigo, Parahyba, 96 annos,
solleira, Recife; ttano. *
Manoel Antonio Miranda Lessa, Pernambuco, 33
annos, solteiro, Boa-Visla; sebirro no ventre.
Anlonia Maria do Carmo, Pernambuco, 42 annos,
solleira, Boa-Vista ; bexigas.
Ludovina Rodrigues de Figuetredo, Pernambuco,
20 annos, soltera, S. Jos ; febre intermi-
tente.
A appellago civel.
Appellante, D. Auna Josepha Pereira dos San-
tos ; appellado, Domingos da Silva Campos
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Mulla
As appellagoes civeis.
Appellante, Vicente Mendes Wanderley ; appel-
lada, a parda Guilherraina.
Appellante, Mariinho de Borges; appellado, Mi-
guel Antonio dos Santos.
Appellante, Joo deMedeiros Borges; appella-
dos, Joo Civalcante e oolros.
Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
dor Doria
A appellago crime.
Appellante, Vicente Joaquim de Miranda ; ap-
pellada, a justiga.
A appellago civel.
Appellante, Antonio Joaquim Gongalves -, appel-
lada, D. Francisca das Chagas Bandeira de Mello.
A's 2 horas encec-cc >e a sesso.
THI BlWt E. DO CO TI .TI JE 114 IO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 18 DE
DEZEMBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PBRETTI.
s 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
deputados Bosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente declarou aberla a ses-
so.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Offlcio do director geral da secretaria de estado
dos negocios da jusliga, do 1* do correte, corarau-
nicando, de ordem do Exm. Sr. ministro respecti-
vo, a eoncesso de tres mezes de licenga com or-
denado para tratar de sua sade onde Ihe convier,
ao amanuense interprete deste tribunal bacharel
Luiz Rodrigues Villares.Inleirado.
tem do secretario do meritissimo tribunal do
commercio da Babia, firmado de 11 do andante,
acensando o recebimento do offlcio de 9 de novem-
bro ultimo, que Ihe fura dirigido pelo secretario
deste tribunalArchvese.
tem da junta dos corretores, datado de hoje, re-
metiendo a colago dos pregos correntes da sema-
na prxima finda;Archvese.
Aos senhores deputados foram distribuidos os
seguintes livros :Copiador (por machina) de Joa-
quim Jos Gongalves Beltro, Diario de Lehmann
r reres. Copiador de Andrade & Reg, Diario de
Joao Francisco Paredes Porto, Copiador (por machi-
na) de Jos de S Leilo Jnior, Diario e Copiador
de Francisco Jos Gongalves de Siqueira, Diario de
Joo da Silva Faria & Irrao.
DESPACHOS.
Requerimento de Joao Manoel Pontual Jnior,
cidadao brasileiro, de 35 annos de idade, socio da
firma commercial de Correia, Pontual & C, e esla-
belecido com escriplorio de commissdes de assucar,
compra e venda de gneros de estiva a grossa e a
retalho na taberna da ra do Livraraenlo g. t, pe-
diodo ser admettido matricula do. commerciante,
e juntando em abono de uia capactdade legal um
atiestado firmado pelos eommorciantes Jos da Sil-
va Loys, Luiz Jos da Silva Guimares, e Fellsber-

'


'
4
_


to Ignacio de Oliveira. ~ Vista ao Sr. desembarga-
dor flseal, vuliaadp com parecer era sentido favo-
ravel ful deferido.'
Idera de Braga, Son & C, por w procurador,
Diario de Peraamhaeo
Guara* le Ir si 3fe t*v>cni>i o d -
as
Outro do engetfieirocorJeador,'!nT.'.Tman;loo- querido permiso para continuar na efceeago da tkm- Sr. Dr. Peeran. Aioda ser D. Cecilia ci juiz municipal de Ipojuca Ilegal, e nao pres
lerimentp ^ qual Adriano Aaga*"i > de Almttda obra de. urna janelta ou agriura ifue havia princi- fiadora de seU g euro ou sero ambos acceitantes Ur auxilio para a s ua exeouco era de seu rioorow
JordSo, propietario de urna das casas qd foram iiiado a faicr sobre o lelhado da casa n. 40 da Ra
do finado \isto Vieir Coqluo, so logar dj llontei- Nova.Goncedeu-se rom a condigno de deixar es-
satisazeudo o "despacho do tribunal proferido em i ro, reclama contra a directo do muro qoe no mes- sa obra na altura smenle de dous pafrttos.-Man-
11 do corrente, na petigo em que pediara o regs- mo logar esta coostroiodo Manoel Jo-c Martins, e dou-se dar sciencia de.*ta resoluco aerproctrador
tro da ooraeago de um seu caxeiro, juntando a j sobre o que mandou a cmara que in'farraasse cir- e ao advogado
procurago bastante exigida, e pedindo que Ibes
fosse entregue.Registre-se e entregue se a pro-
curado por estar registrada.
Nada mais havendo a tratar, o Bxm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s cnxe horas e meia da
manha.
SESSAO JUDICIARIA EM 18 OE DEZEMBRO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOS.
A. r. PBRCtTI.
Secrtlario, Jutie Guimares.
As onze horas e meia da manha o Exm. Sr. pre
Juramento o flseal nomeado para a
Janoatao, e o supplooie para a da
Prestara m
freguezia de
Boa-Vista.
Despacharatn-se as petigs d% Adriano Augusto
de Almeida Jordo, Constancia Perpetua do Reg,
Esse precioso documonlo, que offereco a' toasi- dever, porque nao deve-se animar i dersge da opiniao, .- lem por flm desiHudir urna modo a prtlca de actos, que ferem o corado da
1 ver por toda* aquelles, que ainda procurara esse jusliea.
mol vo para" justificar o julgado do tribunal da re-. Para nao dar auxilio para o cumprimento dessa
lago. ordem Dao precisava o honrado Dr. chefe de poli-
A causa preciosa a que soccorre-se o Ilustre ad- cia dirigir-se ao eogeoho Aratangy, outra foi acau-
vogado improcedente ainda aqu, camo ja o em sa que o levou a esse lugar,
os autos, oode est a prova, que para esse artigo A reuoiao de forca armada pelo tenente-coronel
iranscrevetDOS. Gaspar Cavalcanti de Albuquerque Ucha e por
O julgado do tribunal da relago, que no pensar seus georos e amigos, fui a causa ornea, que levou
cuicstaaciadamenie o respectivo fiscal diz quanto
ae requerimento que o peticionarlo labora em erro,
por isso que as casas edificadas por Xisto, e o mu-
ro qae na direcgo dellas est coastrnindo Martins
nao tlveram eotdeacao dada por elle eogeoheiro, e
nem podiam ter visto que na pwnla approvada pa- Boraiogos Rodrigues da Costa, Joo Antonio Car- Uto men illustre collega respeilou ao peosamento o disimcto Sr. Dr. Pindahiba de Matos ao engenb
ra regular o aliohamenlo das estradas e ras na- pinleiro da Silva, Jos Soares Pinto (orra, Joio pie ser I). Cecilia fiadora de seu georo Maooel Pe- Aratangy, onde projectava-se fazer a barbara ia-
quelle logar o aetiffo cantineo que em frente do Baplista Casa-Nova, bacharel Mi noel Per eir de reir Guiraaries, uo tem ern seu favor a verdade vaso.
largo da igreja ia ter ao rio, se acha suppnmido e Moraes Piuhelro, Thdodoro Hampcks, e levanto- da prova Broduiida em juizo, porque o contrario Comparecer ao Ingar em que essa forca achava-
substituidooor oairo cora drrecco diversa.-Qdn- s a sesso. ja'se demonstrou e aioda noje apparece no tribu- se acampada, indagar dos fados, procurar os seus
to a infonoacao do fiscal, du anda o engeeheiro Eu Francisco Canato da Boaviagem, secretarte a nal da opiniao puWica, que melhor apreciar o do- autores, puni-los devidamente, foi a missao subli-
que executoa, como c&teina, a planta approvada, subscrevi.
pouco se importando, com as observacoes dos
me do honrado magistrado, que seuta-se digna-
cumento que boje aroduiiraos.
os io- Beclaro em lempo ;ue a informaco pedida ao E era por momentos se pode suppor, que D. mente na cadeira de chefe de polica desta pro-
vidente declarou aberta a sesso, estando reunidos teressades^ efateodo otftras ponderteois acerca da administrador do cemiterio publico a respeito da Cecilia fjsse fiadora de seu genro, porque Nicolao vincia.
os Srs. deserabargadores Gillrana, Sva Guima- citada informaco do fiscal, conclue declarando a aatorisar^o dada pelo mesrno adminisliador para Otto Bielier, acompaohado pelo Dr. Jos Bernardo Diga embora o Sr. Dr. Fenslon, qoe o Sr. Dr.
Tes, ReiseSilva eAceinii, eos Srs. dep otados Rosa, caraira haver apresentado a planta respectiva aos o arrematante dos-coocertos da estrada do duoce- Galvo Alcoforado, nao podia islo consentir, qoe se chefe de polica invadi alheias attnbuicoes, porque
Candido Aicoforado, Bastos e Miranda Leal. seaflores vereadores, a quem acompanhou at o miterio fazer o aocre-simo de obra.B.iaviagem o firmasse para o sen constituinle um contrato nul- s isso nao basta para provar, que ellas fo'ratu ra-
lo, feriado aos seus ioteresses, e ainda mais rev- vadidas.
lando descado e ignorancia do patrono, que nisso Nao ha orde
Umm
Lida, foi approvada a acta da precedente ses- Meolerro, e mostroe-lhes que as cordeaces all ds- declarenPereira Simoes, pro-presidente.-Reg,
sao. das por elle, e contra as quaes reclama e peticiona- Pinto.Dr. Villas Boas. Santos.
Foi lido o offlcio -e 6 do presente mez, do Exm. rio. estira todas de perfeito accordo com a raesma
Sr. conselheiro presidente do sepremo tribunal da (llanta, tem a convieco deque em todas as oc-
Justina, transmitttado copia da >enieuca proferida casioes poder faier o mesmo.
por esse tribunal jugando provada a reelamacao Posto era discusso, e tendo fallado sobre a na-
de antiguidade do Sr. desemfcargador Maooel Liba- teila os Srs Gustavo do Reg, Pinto, Santos e"Sil-
nio Pereira e Castro. va do Brasil, c por (Ira o Sr. presidente explican-]
iulgamcntos. do-a, resol vea-se despachar a peti^o nos segeintes
Appellantes, D. Jo*eptu Justina de Jess Gen- termos :
______GOMMNICADOS.
Jueso AratatigS'.
Em o Diario de Pernambuco de 1 do corrente
e em urna correspondencia asignada pelo teoente-
do juizo municipal, que sendo de
cnnsenUsse. sobedecida nao precise de forca para o seu com-
A illtistraco do Sr. ur. Jos Bernardo, o tino e pleto cumpriateoto.
pericia com que o Ilustre advogado trabalhou em E se nao veremos. O mandado de um juiz nSo
contrato de Bieber com a casa de Aratangy res- cumprido, porque a parte se oppoe, seja qual f6r
pondera ainda a' impulac vaga de que fosse D. a forma da opposico. O juiz, que nao tem forca
Cecilia fiadora contra o beneficio do Velleano. nao podera" deixar de pedir auxilio a polica.
G ve no advogatio bem sabe qoe a renuncia des- Neste caso, Sr. Dr. Fcoelon, cabe ou nao a poli-
se estatuto nao pro.luz e(T--ito em juizo, porque esse cia examinar a legalidade da erdera, e no caso de
calves e outres; appellados, Isaac Curio & C. O muro de que trata o supplicante est dado no coronel Gaspar Cavalcante de Albuquerque Ucha privilegio concedido em direilo a" viuvanao pide conheeer a sua illegalidade devera' restar o auxi
___!\ ,. i,.-....... ... .... A.. A* -....It.....^* lnh.muBt^ ,1.. ..... f ,.-.,.1 .. f.m-i a ni irllj o un Veril li'lu r.>fJrunl'ii 4 iimi ilAluru^ nua luir tiir. ..n* I- UB___. *___ ..__.__ Ii_ j- r ... a
Diz o Sr. Fenelon, que o mandado de despejo
raa coosequencia do julgado da relago.
Nao o por certo. Um julgado s tere o res-
peito a's proprias palavras, as suas determinages
eslo eicripus, e s ellas podem se coraprir em at-
tengao a's disposicde* que o tribunal decidi.
Ora, se o julgado nao coatra a entrega do enge
Desprezarem-se os embargos de restilutoie. lioharaeoto de conformidade cem a planta, e no vera urna referencia urna sentenca, que por par- por ella soffrer desprezo em seos contratos.
Appellaote, Virginio Barbosa da Silva ; appella- sy-tema da edificago. te dos r dos, Cardoso 4 Souza, Adiado na ultima sessBo O Sr. Silva do Brasil volou contra a deberaco liz exeoutar contra seu irrao o Sr. Gonealo, e es-'
Ordeoou-*! urna diligencia. tomada por entender que o terrago em frente da sa referencia, adulterada como foi, obriga-me
Appellantes, a viuva Neves & Cardoso; appel- casa do-peticionario Adriano devia ser considerado reslabelecer a verdade dos notos.
lada, a directora do *!ovo Banco de Pernambuco. como calcada, e por conseguale o muro que fez Em 1837 foram os referidos religiosos esbulha-
Foi julgada a desistencia por acrordao. Martins nao devia ser alienado pelo mesmo ter- dos de uns terrenos pertenceetes ao eogenho
Appellantes, os administradores daenassa fallida rago. Ubaca.
de Amorim, Fragcso, Santos & C appellado, utro do mesmo, ioformaado o reqeenmento no Em 1838 comecou a accae de forca nova contra
Antonio Jo> Candido do Sauza.Foi confirmada a qualtfoo Antonio Carpiuleiro da Silva; pede para os esbulhadores, aeco que foi definitivamente jul-
senten>;a appeliada. que he seja permittido reedificar a casa de j-ua gada pelo tribunal da relaco em favor dos mes-
Appellante, D. Can-lfda de Mello Lias ; appella- propridade sita a ra Real do Manguinho n. 65, e rao- religiosos era 1841. wessa sentenca recorreu
da, D. ZeferinaKaria de Jess.Adiado na ultima construir orna outra no mesmo lugar; declara que o Sr. Gonealo e oulros para o supremo tribunal de
sesso.D sprezaram-se os embargos. nada ha que oppor, a prelenco do peticiooario, justica.
Appellantes, Jo- Jeronymo Mowteiro e outro ; urna vez que a edifieaco reedificado que preten- Pela nossa orgaoisaco judlciaria sahem todos
appellados, N.' O. Bieber & CDesprezaram-se os de, sejam feitas no alrabamento, e guardem o nive- que esse recurso nao lea o -effeito suspensivo,
embargos. lamento das casas que lite ficam visiohas para o E nao obstante ludo isso o Sr. Gragalo eooli-
Appeliante, Joo Pinto de L-vaos Jnior ; ap- nascente. Mandou se cordear. nuou a plantar nos terrenos esbuihados para
pellado, Aotonlo Peregrino Cavakant de Albu- Outro do mesmo, de boje datado, communicando delle< abrir mo em 1866, quando fiz executar a
querque. Adiado a pedido de um dos senhores que indo ao matadouro vio que na ra Imperial, sentenca depois deja ter o supremo tribunal nega-
depuiad s. Paula de tal est redificaado ires casas fra da do provimento ao recurso do Sr. Gonealo e ostros
Appellantes, os administradores da massa fall- cordeacao, e contra as posturas, por isso que taes em 14 de agosto de 1815.
da de Amorim, Fragoso, Santos A C.; appellado, casas sao extremamente baKxas, tendo apenas doze De todas essas dalas confrontadas se ver que
Manoel Pereira Caldas.Desprezaram-se os em- palmos pouco mais ou menos, e que pergunlando anda dep hs da sentenea do tribunal da relaco,
bargos. ao dito Paula se lioha obtido liceoca para fazer se- que devena ler sido eieeutada inmediatamente, o
Appellantes, os administradores da massa fallida raelhaole < bra, respondewlhe que nao, mas que a Sr. Gonealo uzufruio devidamente o terreno de
de Joao Bai-tita Gongalves Bastos ^ appellados, necessidade o tinha obrigado a faz-ia; pelo que zoilo annos.
Mello Lobo i CAdiado a pedido de um dos se- inimou-lhe que nao continoasse at que a cmara | Como pois quer o Sr. Gaspar encontrar na posse
nhores deputados. a cujo conhecimento devia trazer o occorido, to- desses terrenos um acto, que nao fosse praticado
Appellanle, Manoel Ignacio deSiqueira-Cavef- raasse uraa resoluco a respeto, mas como pos-a'em nome da le ?
cante; appellado, Joaquim Salvador Pessoa de *- acontecer que nao obstante isio continu elle at C>mo pretende ainda tirar argumento de parida-
queira Cavalcante.Adiado a pedido de um dos acabar de ludo ditascasas, apressa seem participar de para o que se est passando era o engenho Ara
Srs. depuiados. para qoe acamara lome providencias.Posto em langy T
Appellantes, Joaquim da Costa Lima e outro ; discussao, e achando-se presente o fiscal, foi-lhe Ainda devo dizer que as ultimas cannas que res-
appellado, Jos Rufino de Souza 8angei.Adiado perguotado acerca da representadlo do engeuheiro lavara nesses terrenos, se nao foram muidas pelo
a pedido de ouiro senhor depwlado. a pouco lida, e o mesmo fiscal responder que ten- sr. Gonealo, foi por que este nao as qniz, como
Appellaote, Francisco Antonio Poutual; appella- do chegado ao seu conhecimento este facto, havia disto sabein mui'as pessoas de criterio do termo de
do, Antonio Gomes da Cunta o Silva.Adiado a j se di ido ao lugar e determinado que a obra
pedido do outro senhor deputado. nao cootinuasse, multando era seguida ao proprie-
Appellantes, Luiz Fonsea de Macedo e outro ; tario dell.i por ter infringido as postura*.Re?ol-
appellado, Antonio Joaqulm Salgado Adiado as veu-se em vista desta resposta, declarar ao fiscal
sessdes de II e 14 do prseme mez.Receberam- para que, entendende-se com o procurador e advo-
se os embargos em parte, para reformar o accor- gado, requeresse este immediatamente embargo
dao embargado e mandar que sejam pagos ao era- judicial na obra de que se trata.
lio da forca ?
Entendemos que nao, porque nesse caso nao s
criminosa a autoridade, que expedio a ordem,
como tambera aquella, que auxiliou a sua exe-
cuce.
Como pois diz-se, que a polica nao pode conhe-
eer da illegalidade de urna ordem, evitando o seu
cumprimento?
Reflicla bem, Sr. Dr. Fenelon sobre as ideas,
Serinhem. e melhor do que ninguem o proprio
Sr. Gaspar.
E o Sr. Gaspar ent -ada que seu irrao nunca
devia abrir mo desses terrenos, tanto que peran-
te o honrado Sr. Dr. Gervazlo Campello Pires Fer-
reira, quando juiz municipal de Serinhem, teve
de proceder exoflcio a urna vestoria no terreno
bargaote os aluguels dosolenciliosduraole os dous Outro do mesmo, participando que passando hoje da quesiao appareceu o Sr. Gaspar, e disse que se
mezes iedidos, descontada a parle correspondente pela ra Augusta era caminho para o matadouro oppuuha ao acto judicial, e jamis consenteria que
i arrendamento. publico, vio que all se esl consiruindo urna casa alia se effectuas Verdade que logo ao depois, melhor avisado,
mu ion oV resoluco, e consentw na referida ves-
toria.
t Nao deve ser urna a justica para mira e mi-
nha familia, e outra para o resto da sociedade.
Nao deve por ceno : e nenhum acto de favor j
procuramos onde devesse fallar a justica.
K o Sr. Gaspar disto deve estar bem certo, e
nao tem razio de queixar-se da justica de nossa
trra.
Aratangy, 17 de dezembro de 1865.
Victoriano de Sd e Albuquerque.
ao aluguel al o da do novo .
passagbns. do lado do poente, para a qual nao tlnba dado cor-
Do Sr. desembargador Mlva Gaimares ao Sr. deago nem nvelainento, e dirigid lo-se a esta obra
desembargador Res e Silva : perguntou ao mestre pela liceuca, e este apresen-
Appellantes, os administradores da massa fall- toulhe a licenca e cordeagao dadas para a cons-
da de. Amorim, Fragoso, Santos Companhia ; trueco de urna casa do lado do nascente, a qual
appellados, Raymundo Carlos Leile & Irmos. devia ser alionada pelas casas visinhas de um e
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. des- oulro lado, e guardar o nivellaraento da* mais al-
uno Aratangy, claro que essa entrega nao re- que era publico sustenta e conhecer fcilmente,
querida pela ueciso do tribunal. que as suas theorias norcspeitam as leis e a nos-
Nem diga o meu illastrado collega, que a entre- sa organl.-aco judiciaria
ga do engenho Aratangy urna consequeocia do A ordera de despejo in continenti sem preceder
accordo do tribunal, porque nao ha le neste im- a aeco competente est no caso de ordem illegal,
perra nem em nennum paiz constitucional, que e a polica nao devia auxiliar a sua execugSo Im-
mande executar o julgado e as suas comsequencias. pedi-la matar a violencia e o crime, auxilia-la
Uuania.' conseqmmoias nSo Idealisanam-se fazer o sacrificio da justica, ordenar a pratica de
conteni das partes TI um delicio. E' melhor evitar e prevenir o crime do
Deus nos llvre, que vingue .emelhante theora 1^ puu-lo.
a execucao do julgado e as suas etnsequenctas iss0 Dera comprehendeo o Ilustrado Sr. Dr.
porque o direilo nao sera' o recurso das partes, Pindahiba.
que procurara decisoes ju>liceiras, mas urna pala- Gloria pois a esse digno magistrado, que salvou
vra sem sentido, qu oioguem podera' com ella termo de Ipojuca de uraa grande desordem, cou-
fallar diante das consecuencias do Sr. Dr. Fenelon. servndose a ordem pouco alterada.
Consequencias de ura Julgado. At onde cnega- E era ha exageracao na nossa asseveraco, se
rao essas consequeocias ? i o publico se recordou dos depluravels acontec-
Nao, Sr. ur. Fenelon. Semelhaate theoria bem raemos que lverara lugar em 1844 no engenho
pode tr em resultado o latrocinio, sanecionado por Gempapo.
um juiz leigo em conseqnenaa de um julgado. : Digamos agora algumas palavras acerca do pro-
Evitemos o abysmo, respeitemos as palavras do cedmenlo do Sr. Dr. Cyprlano Fenelon Guede Al-
julgado sraente. coforado, como procurador fiscal da thesouraria
Deixar consequeticias de um julgado para as provincial,
partes crearem. e tentar a sua exeeuce, e para os Ao meu dislincio collega nao licito advjgar a
causa do tenente-coronel Gaspar.
Patrono dos ioteresses da fazeoda provincial nao
pode o Sr. Dr. Fenelon defender ura contrato era
que foi a fazenda lesada ; e eu espero, que o meu
collega inicie a cobranga dos rapostos a que fur-
embar;ador Accioli
Appellantes, os administradores ds massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado,
Luiz de Moraes Gomes Ferreira por s e como
procurador de Baha Irmos & C
DISTIUBUigXo.
Ao Sr. desembargador Silva Guinoares :
la-, s D. Mana Venancia Bastos; a>sim poi* iotimou ao
mestre da obra para que nao continuasse com ella
al a deciso da cmara ; visto que estando o ni-
i velamento tirado pelas casas fronteiras, faz orna
grande differen^a da das casas visinhas 0 que des-
I feia muito a ra, e tomando a cmara em conside-
Appellanies, os administradores da massa fall- raco o que tica exposto, d as providencias que
da de Amorim, Fragoso, Santos & Companhia ; julgar convenientes.
appellado, Lniz }o> da Silva Guimares, successor Posto em discussao, e achando-se ainda presente
de liarros Silva. o liscal respectivo, declarou, que tendo observado
agchavo inteuposto do hizo Mt'HiniPAL e o o exposto pelo eogenheiro, havia dito ao mestre da
commeiicio dk SBKiNHAEM. obra que oo coutluuasse na execucao della, e
Aggravante, J.ao Francisco de Albuquerque Ma mandara lavrar termo de infracto contra D. Ma-
ranhao ; aggravado, Francisco Ayres Sizenando
de Moraes.
O Exm. Sr. presidente negou proviraenlo.
AGGRAVO [>K INSTRUMENTO I.NTERP08T0 DO JUIZO MU-
NICIPAL E DO COMMEBCIO DE GOIANNA.
Aggravanie, Trajino Oiympio da Cumia Gou-
vea ; agravados, Leal fi Irraao.
ra Venanca.
A cmara resolveu que o fiscal, enteodendo-se
com o procurador e o advogado, tratasse de em-
bargar judicialmente a mesma obra.
Oulro do aiesrao, informando o requerimento
no qual Jos Soares Pinto Correa arrematante dos
concertos da bomba e estrada do remiierio pub i-
O Sr. desembargador Silva Guimares deoegou co que pede Ihe seja naga a importancia dos mes-
provuneoto.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. pre-
sidente encerrou a sesso s duas horas e um quar-
lo da larde, e declarou que estavam dadas as
ferias.
--------m a irm
.11 Ul DO RECIFE.
18 DE DEZEMBRU de 1865.
PBBSIDKNCIA DO SR, DR. MANOEL JOS DA SILVA
NEIVAS.
Prona itor publico o Sr. Dr. Francisco de Car-
valho Soares Brando.
Escrivo Juaquira Francisco de 'uula Eeteves
ClemeDie.
A Ivogado o Sr. Dr. Angelo Henriques da Silva.
R Severloa eserava do teneole-corouel Manoel
J.a inundo lte( Feta a chamada as 10 horas da manha achaca-
se prsenles 38 Srs. jurados.
Foram multado* em man 20 cada ura dos Srs.
jurados ja multados nos anteriores das de sesso e
mos concert*, e tambera para qoe sejam exami-
nados e oreados os outros melhoramentos feiios
por elle, e que Ihe foram aportados pelo respecti-
vo administrador, diz que quanto aos coocerlos
arremalados pelo peticionario, esta elle no caso de
I ser pago, visto que e.-to regularmente f-itos, e
que quanio a o* outros melhoramentos que'se re-
fere, coosla estas da reforma dos laludes de um e
outro lado da mesma estrada, e de urna elevaran
que fez no mejo della a modo de ahahularaeolo,
com a largura de trinta palmos. Nao estando o
peticionario obligado a fazer estas obras, e tende-
as feito por exigencia do administrador do cemite-
rlo, como elle allega, parece de jusilla que seja
della-- indemnizado, calculando se em 64 bracas
cubieas oaiterroempregado para a reformados cado do il
taludes, e elevaco feita no meio da estrada na es-
teucao de mil e duzentos palmos, e este atierro
avallado a raxao de l-.'-SuO.i por biaca cubica, im-
porta em 768O0O.Posto era discussao, resolveu-
se mandar pagar a importancia dos concertos da
. e.'irada que foram contratados, e quanto ao aceros-
os que faliarara hoje.
Abena a sesso, procedeu se osorleio do conse-Cim. 'lue admill|Slri4U'1'' informasse.
Iho do jurv de seulenca ao qual foi deferido o' d U*1 da freguezia de Santo Antonio,
respecvo juramento, dos '.ntos Evangelhos. Ped,ndo nouvesse a cmara de mandar satisfazer
Interrrogado a r foi lide o processo da forma- i 0 ir,rur8|a,) lS Antonio Marques a importancia
cao da culpa e do*envolvida a aecusacao e defeza Ide b5000 de uma ^>"\4a que no da 9 de oulubro
e Ondos os debates depois da replica e treplic! ullimo Procedeu na mesma freguezia.Que se pas-
foi re.'timida a maleria da aecusaco e da defeza 6as*e mandado.
Outro do mesmo, communicando que no arma-
zem da ra do Calabouce exMe uma grade de fer-
ro que fura feita para ser collocada na bocea do
canno do aqueduto do pateo do Carmo para evitar
que as grandes mares entrassem pelo mesmo
canoo objectos qoe o intupissem, pede a cmara a
G4IAR4M(J\ICIAL RECIFfi.
SESSC. EXTRAORDINARIA AOS 2* DEJiO-
VEMBRODEI865.
Presidencia do Sr. Pereira Siawes.
Pre*eni-.- os Sr*. Gustavo do Reg, Aqurao Foo-
seca, Santo', Silva do Brasil. Dr. Villas-boas e Po-
lo, air---e a *e*sao, e foi lida e approvada a acta
da antecdeme.
Leu-se o seprate
EXPEDIENTE !
("ra ofcio do.Cera presidente da provincia, de
16 do correte, declarando a camira era resposta
a oulro da rae*ma de 15 do dito mez, que aquel-
la dala expedir as necessarias ordens para esta-
cionar diariamente ,bo maladoaro publico daCa-
punga urna da* pracas declinadas a companhia pro-
mora de pi.ficia.Inieirada.
Oulro do advogado, dtzendo que era vista da eer-
iido que aprsenla o Dr. juiz de direilo da 1* va-
ra, Mo Antonio de Aratyo Freitas Henriques, pa-
rece que e>to ne caso de ser pagas as eu>tas de
qu ma a mesmacertido. Que o contador pas-
asse maodado de pagamento.
Outre do juiz de paz mais votado do 1* distrieto
da freguezia da Boa-vlsia, Deeio de Aquioo Fonse-
ca, communicando qae achaodo-se raelhorado da
molestia ue *offreu, reassumioo exercicio que ha-
via deixaco pelo motivo j dto, e aproveitando a
occasio roga a cmara que d soas ordens para que
se expedis*m diplomas aos eleitores snpplenies
<|ae devem otar D0 da 7 de Janeiro prximo fu-
turo era lugar dos eleitores D. Francisco Balthazar
da Silveira, Joaquim Augusto Ferreira Jacobina,
capito Manoel Porflro de Castro Araujo, Manoel
Joaijoim Fernandes de Azevedo, que. e muda-
r para fra da provincia, e Joio Pacheco de
Queiroga, Dr. Jos Mamede Alve Ferreira, e Jos
Hygno de Miranda que falleceratn. Inieirada
quanto a pnmeira parte, e quanto a segunda que
se eijiedissem os diploaac.
Outro do juiz de paz l* votado da freguezia do
Po$o da Paneila, Aristides Doarto Carneiro da Cu-
cha Gama, communicando ter reassumido o exer-
cicio do mesmo cargo em p dja ti do correte,
inieirada. e J
accosaca
e propufias as quesldes de laclo que foram entre-
}ues ao presidente interino do jury de seulenca
que m retirou a sala secreta das conferencias
com os demais membros delle a 1 1^2 hora da
tarde de onde voltou as 2 cora suas respostas
que furam lidas ero alta voz pelo prestdeole do
jury de sentenca, em vista de cuja deciso o' expedigao de suas ordens para que a dita grade
Sr. Dr. juiz de direilo absolve a r coodemoando; seJa collocada no lugar para o qual fra feita, do
a inunicipalidade as cusas ; segundo o iulgaraen- lo do roo Manoel escravo. mencionado canno Mandou-se ordem neste senti-
do ao jirocurador.
Uutro do li-cal da freguezia da Boa Vista, infor-
mando o requerimento de Amonio Alves da Costa,
declara que o foroo que o supplicante est edifi-
cando fii-a arredado da propriedade do fioado Mi-
guel Archanjo Feroandes Vianda dez a doze pal-
mos, e s podera all existir leudo uma chamro
superior as janellas da referida casa; quanto ao
muro que o peticionario pede para alterar mais,
emende que s podera faze-lo elevaodo-o a altura
das posturas, visto ser a casa na equina d ra,
e ter duas frente*.Conceden se de conformidade
com a informaco. Nesta occasio foi apresentada
ama pelico de D. Marianoa GertrMdes Vianna,
(pedindo a cmara que mandasse embargar a exe-
i$ao da obra de que se acaba de tratar, vslo que
prejudiea a propriedade da supplicante.Despa-
ehou se a petico mandando requerer a quem com-
petir.
dfcuesto Arafaugy.
Ni podemos conscotir, que na imporlaule ques-
to, que hoje trazida para o jutgaroenlo da opi-
niao, dasvaire-M o puusauiento do direilo e da |n-
t ra, creando-se ticQes perigosas com o fim unic<)
de serem acobertados os actos de iuteira illegalli-
dade.
O communicado, que no Diario de Pernambuco
em favor do tenente-coronel Gaspar Cavalcanti
d'Aibuquerque Ucha, publicou o seu advogado o
Dr. Cyprlano Fenelon Guedes Alcoforado, raoveu-
nos a voliar a' impreosa, para mostrar clara e pu-
blicamente, que nao foi elle l'nl narrador e menos
iraparcitl apreciador dos aconteciment is ltima-
mente dadpjs na queslao, que est presa aos trbu-
naes do paiz.
Nao enxergamos inconveniente nenhum era se-
rem as quesi-s judicaes discutidas pela imprensa,
antes vemos, que nuda tao necessario nos paites
onde as liberdades publicas eslo bem garaulidas
era e e>se ura novo peusamento.
Nos paizes adiaotados em civilisaco, oode o jal-
eado dos tribuuaes iuflue na latelligeneia, honra e
dignidade do magistrado, a discussao das causas
que peodem no foro uma necessidade, porque,
formado o pensamenio da opiniao, o julgado nao
ser para ella uma novidad-, e a apreciarn qoe
desse julgado vier raulo influir narepularao de-
ses juizes, que devem garantir o direilo das partes.
Dito isso, entraremos na materia do coinmum-
e o plano de r fui.r.m
sera o mesmo por elle observado. Mo ivo do plei-
to, sentenca proferida o sua execucao, e finalmente
a intervengan do Dr. chefe de polica era actos ju-
diciaes.
Nao perderemos de vista os pensamentos do Il-
lastrado collega, seremos bem fiel a' causa que
aqu nos trouxe.
A casa de Arataogy, sto D. Cecilia Catbarioa
do Monte Siuay e seu genro Maooel Pereira Gui-
mares erara devedores a Nicolao Otto Bieber e a
outros.
A divida eslava garantida por uma hypotheca
em lodos os seus beos.
E a garaotia foi firmada por escriptura publica,
e anda depois por uma sentenca dada em favor
dos credores, pelo fallecido Dr. Manoel Carneiro
Lins d'Albuquerque, quando juiz municipal sup-
plente do termo do Cabo; sentenca de que se ag-
gravou e que foi confirmada pelo tribunal superior.
D. Cecilia e seu genro enlenderam, que deviara
(senlimento muito louvavel e que hoje o capricho
nao l lo) pagar a importancia de sua divida.
Entregaram o engenho Aratangy por uraa es-
criptura de convenio, e os credores, que u engenho
receberam, fizeram cesso do debito com todas as
garantas ao tenente-coronel J o de S.
E' aqu occasio de repetir o segrate trecho da
correspondencia do Sr. Dr. Fenelon :
< Quanto a' que.>to principal, esquece o Sr. ur.
Moraes e Silva uraa circumstaocia valiosissima,
que foi a que delerrainou o julgamento por dous
doussimos accordosqual a de ter sido I). Ceci-
lia fiadora de seu genro Manoel Pereira Guimares
Cunta o Estatuto do Beneficio de Velleano, que
nao Ihe era licito renunciar : o que esta provado
dos autos. >
A' vista do que fica dito, bem claro, que no
pensar do Ilustre patrono o motivo do pleito o
ter sido D. Cecilia fiadora de seu genro.
Bem, meu collega; se o que da legalidade e jus-
tica aos accordos do tribunal da relaco o ter
sido D. Cecilia fiadora de seu genro e o que na sua
palavra est provado dos autos, ento permiltira
juizes salNfaze-las, seria a capa maior e mais ver-
gp>nhosa, com que se cobririam as exigencias raaii
desarraznada*.
O Sr. Dr. Fenelon diz ainda : Que noullada a
escriptura de coaveoio o Sr. Joo de S deve lar-
gar o engeoho, porque se essa escriptura era o seu tou-se o seu consiiluinte.
mulo de posse, desapparecida ella, a po*se deve' Que o seu constituinle furtou-se ao pagamento
ser deixada, o engeoho Araiaogy despejado, e ludo dos impostos Hscaes uraa verdade, que facilmen-
satisfeiio ao gosto do constiiuioie do Sr. Fenelon. te provarernos.
Nao ha desejo melhor para o teuente coronel Foi elle o comprador das herancas universaes de
Gaspar do que esse de seu advogado, veremos po- D. Cecilia. Esses bens estavam hypothecados a Ni-
rra se esse desejo pode ser cumprido como quer colo Olio Bieber e a outros, e o pagamento dessas
o meu illusire collega. herangaso lente coronel Gaspar o fez qoasi todo
A escriptura de convenio foi julgada nulia por com os propnos beos que compra va. Entao o en-
urna aeco, essa acajo tem execucao, essa execu- genho Aratangy teve o valor de 60:0005,*e os es-
co nao esla' concluida, logo nao foi anda legll- cravos o seu valor < orrespondeote, como se podera
mmente decidida a nullidade dessa escriptura por verificar em as notas do tabelio Rigueira do ter-
lodos os tribuoaes da aeco e da execucao. mo de Serinhem, onde foram passadas as escrip-
Ora, sea sentenca desse julgado recebeu na turas,
execucao embargos de nullidade provada io cooli- Ora. se o tenente-coronel Gaspar nao satsfez os
neuti do veulre dos amos, como ha de produzr o impostos fiscaes claro, que alm da nullidade do
fffeilo elstico que se quer ? .contrato prndese a cobranca da* multas, fazen-
Esses embargos diz o meu illu>tre collega, que lose effeclivas as leis da fazenda com todo o rigor
nao foram tambera de excesso de execugo ; mas das suas penas.
nos Ihe asseveramos que elles foram a>sun quali-, E essas mullas dzem respeito a fazenda geral e
ticados, e que se deduzio a materia de ambas as, a provincial, por que a compra das herancas abran-
especies, i gem bens de raiz e semoventes.
Llenamente nao foi somente a i>ts/a. Os erabar-1 A* pnas, que se devem impor s respeitam ao
gos fallaram no excesso da execugo e em um arti-1 alv. de 3 de julho de 1809 e nao pode ler applica-
colado reflectido, feriram-nos totalmente a sentenga Qo ao caso a le de 26 de setembro de 1857, por
eieculoria invadaodo-a para s'rmpro. ', iu*> 5o tom mnd Como, pois, pendendo embargos dessa ordem prometteu para a sua execugo e vigor, cenvindo
devia ser eniregue ao exeijueote o eogeoho Ara- aioda notar que o contrato anterior a lei citada,
tangy ? Como o Sr. Fenelon aconselhou que se Nao procede o dizer-se, que a compra de he-
reijueresse o despejo do engenho por um simples rangas universaes precisa para pagamento de sua
mandado, quando pela pendencia dos embargos e de um inventario, por que isso s tem lugar, quan-
();la natureza di pedido era elle imprudente, le- do os valores nao sao conhecidos, o que nao succe-
viano e Ilegal 7 de no ca*o em questo, que a todos os bens deu-se
O despejo tratado por uma acgo ordinaria, o valor corre-poudente.
quer seja elle a consequencia de ura julgado, quer E no entretanto, quando a fazenda foi assim le-
nao. Serapre que se tratar de despejo a applicago sada, o defensor desse contrato como advogado foi
da le a mesma e nao ha consequencias que pos- o Sr. Dr. Dr. Fenelon !!! Cusa a cre-lo, mas
sam tortura-la. verdade !|
D'abi a illegalidade e a imprudencia, a subtileza E o Sr. ten nte coronel Gaspar sera ser o suc-
e a rajiertiueucia do pedido do despejo. cessor legitimo, legalmenie fallando, de D. Cicilia
O couselho do Sr. Dr. Feuelon revela smeute ( por que como tal nao o podemos considerar sera
uma esperieza, mas esperteza de que nao deve-se pagimento dos mpo'tos fiscaes) correu o pleito e
usar, porque o illustre advogado deve saber e co-
nheeer, que nao elle sraente quem enlende de
direito nesia ierra.
Nao podernos passar sera reparo o trecho da
correspondencia do illustre advogado, quando diz
que uma das parles do julgado inbuoal a nulli
dade da escriptura de. hypotheca e composigo.
Por uma destas refereucias pode-se suppor, que
a escriptura de hypotheca comprehende a decora-
posigo e convenio, quando foram actos distinctos,
contratos celebrados era dilerentes pocas com
bases diversas em lodis as suas coudigoes.
A acgo, que foi proposta, perno a uuiiidade da
ultima escnpiura, islo a de couveoio e nuuca a
de hypotheca.
A sentenca, que boje se execula foi proferida
sobre essa acgo. Como, pois, diz o Sr. Dr. Fene-
lon, que a nullidade da escriptura de couveulo
abrange a de hypotheca ?
Qoerendo justificar o procedimento do juiz sup-
pleute Francisco Jos da Costa e Silva, relativa-
a nove annos, como diz elle, litiga era juizo.
Costa a crer, que uma parte intrusa, que nao
pode em juizo fallar, nao teoha sido ainda encue-
tada do* tribuuaes por incompeleme, milla e im-
pertinente !l
Louvores, pois, ao honrado Dr. Ernesto de Aqol-
no Foncec, que quando Jnrz municipal do termo
do Cabo nao a imittio o lente coronel a Tallar em
juizo com 'i successor de D. Cicilia, por nao ter sa-
tisfeito o direitos nacionaes.
Aqu lindamos hoje para pedir ao Sr. Dr. Fene-
lon, que promova a cobranga dos impostos e da*
suas multas contra o seu consiiluinte, que o digno
procurador fiscal da.fazenda geral, por sua parle
cumprir execulivamenie cora os ,-eus deveres,
como j comegou a fazer.
E' necessario que o lente coronel Gaspar nao
continu a Iludir a opiniao, a lei e aos tribuoaes e
nos esiamos firmes em o nos*o pensamento de def-
fender interes*es legtimo*, oppondo nos com as
torcas da razo eda le, afimde que nao vingnem
Outro fifllcio do sesmo fiscal, dizendo nao haver
Inconveniente em permlUr-se que Mau-vim Joo aue aQu'.diga sera medo de errar, que D. Cecilia
Eduardo estabelega ra jogo de bollas a ra de uu"ca '" /"^'" e sira principal devedora, como
ioo |Prnandes Vieira.Concedeu se.
OuLro do administrador do cemiterio publico da
freguezia do Pogo, reaMttendo o mappa dos eoier-
rameptos feilos no dito estaheleeimento era o mez
de oultubre ulumo.Ao procurador.
O 8r. pre*idente fez ver a cmara que a ponte-
zioha do Kotannho, nao obslasta ler sido a poaeos
das boncertada, acha-se bastante arruinada, e pa-
r-.cer(dolhe mais conveniente aier se all uraa
bomtja, se fr possivel, do que coriar-8e; sujei-
ta a apreciagao da raesma cmara ste seu pensa-
menlo. -Resolveu-se mandar offlciar engenh-iro!
para declarar se coovm fazer bornea, ou eoncer- \
lar-se a referida oontezinha.
A' reqwrimenlo do Sr. Santos mandou-se ordem I
ao eogenheiro para verificar quaotas bracas qua-,
dradas tem o eurral da municipalidade existeu'te
no Matadouro publico.
O Sr. presidente propz para o lugar de admi-
nistrador do cemitflrio poblico da freguezia de S.
Lourengo da Malta, vago por fallecimento de Pe-
dro Cavalcante de Albuquerque Lins, a Manoel
Cavaleante de Albuquerque Lins Ucha.Foi ap-
provado.
Teodo Marcelino Jos Gon^alves da Fonte re-
s deprehende claramente dos amos.
At aqu uraa palavra val a outra. D'aqui em
dame nossa palavra valera mais, porque firmase
ero o seguinte documento:
E' ama letra da divida da casa de Arataogy,
a causa primordial da questo, que ainda pende
dos riounaes.
Lei* se.
Arataogy 28 de setembro de 1848.
Rs. 6,000,JdOO.
mente ao recebime&lo dos embargos em auto apar- enlre nos os caprichos e violencias de juizes leigos
tado, seguro o juizo, o Ilustre advogado chega at 1ue entendem que a ju*tiga as suas mos nao
a dizer, que essa autoridade procedeu legalmen- pa*sa de instrumentos de favor para uns e de per-
te I 1 I | segolgo contra outros.
Infelizmente o dislioclo collega nao nos quiz ci-' 16 de dezembro de 1865.
lar a lei, que aulurisou esse procedimento, e nos' *
pensamos que a le oppoe-se-ihe. P. S.Eslava esla escripia, quando chegou-nos
Diremos ludo sobre a materia ; nao poupareraos as mos a correspondencia, que no Diarto de non-
a arguraeotago ex-adverso para refuiarmo-la im- tem publicou o teneote coronel Gaspar,
mediatamente, porque ella sempre improcedente Seoutras razes nao tives*emos para aecusar o
dame do direilo do teneute-coronel Joo de Sa e juiz municipal Francisco J.is da Cosa e Silva bas-
Albnquerque. lava o documento, que offereceu a opiniao publica
Diz Pereira e Souza : Oppondo-se embargos constituinle do Sr. Dr. Fenelon.
carta ejecutoria devem ser remellidos ao juiz de- Onde ja vio se o oIBcial de jostiga passar as suas
precante sem suspenso n Nocaso prsenle dase a su*pens3o, porque os sadas no lugar em que a intimaco se faz ?
embargos de nullidade sospeodera todo o processa- A ligago do Sr. Costa e Silva, para cora o Sr. te-
do. Ass. de 4 de margo de 1690. P. e Souza ola nenie coronel Gaspar, aioda se revela pela publi-
604. Cons. Paula Baplista corap. 190. cago, qoe este fez do offiVio, que aquella aulori-
Ora, se o despacho de recebimento de embargos dade dirigi o Dr. juiz de direilo iulerioo Joo
nos proprios autos ou em apartado importa o co- Gonzaga Bacallar.
nhecimento de sua materia, o que prohibido; Como que o Sr. Costa e Silva confia do Sr. te-
claro que foi arbitrario e iojU'to o juiz, na execu- nenie coronel Gaspar um oflleio, que ihe dirigi o
gao, que discutimos, nao respeitando ao conseibo Dr. juiz de direilo ?
dos praxialas. I Provas de quanlo parcial o Sr. Costa e Silva
Nem diga o Sr. Dr. Fenelon, nem queira autori- nao sao mais necessarias.
sar o seu dito de qoeo jmi deprecado pode conhe- i Pde o coostituinle do Sr. Fenelon gritar quanto
cer dos embargos, quanto {> r necessario para re-'' quizer e puder. que nos Ihe diremos ao ouvido
cebe-tos ou despreza-tos, por jue desde qoe o juiz os bellos lempos de Serinhem j se acabaram.
recebe ou despreza os, que delles toma conheci-
mento, e Do foi isso o que quiz a lei.
Toda a deciso do juiz di precado, tomando co-
nhecimento de embargos violenta, arbitraria e
incompetente, vai fenr as i ttribuigdes de uma au
tondado, que nao podia delfga-las, como de lacio
nao delegou.
Nao tem ainda razo o meo distincto collega,
qoando opina pela legalidade da seguranca do
juizo.
Segurar o juizo, Sr. Dr. fenelon, em qoanto T
Em uma quanta imaginaria T Mas no foro nao se
admiltem ticcoe*.
Urna seoieuga illiquida pra ter valor precita de
uma liquidago anterior a qualquer procedimento.
No caso era queslao a doulrma correle, por-
16 de dezembro de 1865.
ar>eo sr
* No da 20 de maio de 1850 pagaremos por es^ 1* a atenea, que se execota, versa sobre perdas
la nica va de lelra a' ordem dos Srs. N. O. e damoos, que a Uqiudarem.
Bieber conformando nos cora as condiges .estipuladas do Jn,zo- e se aquella nao e faz
ea escriptura de hypotheca, qae hoje celebra- ler '"gar.
mos em as notas do tabehao do termo e Seri- Chegamos a' intervengo' do Sr. Dr. chefe de po-
nhem, e pela demora depois do vencimeato pa- llcia, que no pensar de meu illustrado collega nao
garemos o premio de am e meio por ceute ao pode iatervir em actos judiciaes.
mez, pelo lempo que os mesraos nos quizerera
c esperar,
t A nos mesmos
t Manoel Pereira Guimares.
Cecilia Ciliar i na do Monte sinay.
E de Ifual theor paswram-se mais seis letras
de 7:000000 cada uma a vencerem se em difle-
remes epochas.
Enganou se o Sr. Dr. Feoeton quando disse, qne
elle interveio em actos do juizo de Ipojuca.
O Sr. Dr. chefe de polica ordeoou ao delegado
de Ipojuca, que nao prestarse auxilio, para prati-
carem-sa.aetoa.de airteoeia % da-asbulho contra a
familia do tenente-coronel Joo de Sa'.
E elle por uma representarn, que penda da
sua deciso, (juia coobecimento de que a ordem
liie.sto de Aratangll.
Retirando se o juiz da execugo para ua casa a
espera que o presidente d as providencias pedidas
em ordem a fazer cessar a opposigo, que contra
os seus mandados ostenta a polica, hoje reforgada
pelo juiz de direilo interino Bacellar ; resolvi-me
a vir a esta cidade para apresentar ama queixa
contra o Sr. chefe de polica, queixa que effectlva-
mente leva ao conhecimento do egregio tribunal
da relaco. Eis seno quando deparo no Jornal do
Recife de hootem com o relatoro do Sr. Dr. chefe
de polica, e mais uraa declarago da redaego feita
em seu nome. E com quaoto oo seja o meu fim
entreter uraa polmica, mas to somonte patenlear
os escndalos que centra mim se vso praticando
mi> ni7s|Mtl Pretexto de garantir a ordem publica e sega-
nao ponera ranfa jn(frt,idHa/, e prevenir conflictos e attentados
vejo me, todava, forgado a fazer algumas consi-
deragoss, e mesmo a dar orna resposia ao Sr. Dr.
chefe de polica. Principio declarando que aceito
sea relatoro tal e qual salvo o que nelle se occol-
tou e que se o tivesse visto antes te-lo-hia juntado
a rninha qaeixa, como o melhor corpo de de-
licio.
Vejamos. Ajontei Torga para etpellir de Ara-
tangil o Sr. Joo de Si : eslava eminente a luta
seno ja travada qoando chegon o Sr. ebefe de
c polica a Escada : e quando ebegoo a Araiangil
< soube do delegado que ea me recusa va a dis-
< persar a forga, que Ihe dissera havia de tomar
f pusse distaste o que emitiste, embora fosse esse
< acto sellado com o sacrificio de aUjuma* vidas :
< que a familia do Sr. Joo de 9a eslava uossuid
de torror. > Seja; anda mais era capax dizer-
Ihe o delegado (o Sr. Theotonio da Silva Vieira),
e al provavel que Ihe livesse dito, que o Sr.
chefe de polica o nao mencione por julgar que a
pilula se tornara demasiadamente grossa para ser
eogulida.
Mas, o que encontrn o Sr. chefe de polica T
Sera duvida j nao achou forga mioha reunida,
porque se achasse, di-lo-hia e eo deixana de a
fazer dispersar, solicito como se tem mostrado
neste negocio. Levou, pol, o-le.lempo em fazer
interrogatorios. Mas para qoe esse interrogatorio
que principiara em a noute do da 4 e (orara
acabar no da 6 oo 7?
Se nouve ajuntamento illicito, islo reunio de
Ires ou mais pessoas com a intengo de se ajuda-
rem mutuamente para commetler algiim delicio,
ou privar Hlegalmente a algnera do goso ou exer-
cicio de algom direito ou dever qne constilue o
crime previsio pelo art. 28o do cod. crlm. : ah
esla o art. 288 que assim se exprime Os que se
tiverem retirado do ajuntamento illicito antes de
have commetlido albura acto de violencia, oo
incorrero em pena alguma. Eram, portanto,
escusados taes interrogatorios, e parece que nao
ti vera ra oulro fim seoo privar o juiz do escrivo
que o acompanhava, ganhar leropo, e ver, se o
terror de procesaos, as ameagas, ou as propostas
de conveuco Lurlavam o cumprimento do man-
dado.
No entretaolo a sociedade muito ganhoo com os
inlerroiialorios de Sr. chefe de polica, descobrio-se
um facto altamente criminoso I Uma certido em
que dous ufiiciaes de jusliga certificaran! qu- ti-
nliam ouvido ao delegado dizer que ali se achaca
por ordem do Sr. chefe de polica com forga arma-
da para munler a posse em que se achara do enge-
nho Aralangil o Sr. Joo de S e sita familia 1
quando pelo contrario o delegado j lioha dtdara-
do por i oficio ao juiz,que estova ali, em casa do
Sr. Joo de .s, por ordem do Sr. chefe de policio
para evitar actos de esbnlho, violencia, e desres-
petto; garantindo os direitos tegaes e adquiridos
por meios legaes e jurdicos I.....
Retirou se o Sr. chefe de polica de Aratangil
deixaodo o lermo em perfeila paz, e tem motiva
para receiar-se desordens e violencias como cooles-
*a : expedidas as cartas testemunhaveis, manda o
juiz intimar oova.raenie o seo mandado, e eocon-
tra se ootra vez com o delegado e mais o joiz de
direilo interino cercados de grande forga; v-se
desobedecido, e ludibriado, continua o Sr. Joao de
S na posse em que estava, e em vista disto nao
oterveio, diz Sr. chefe de polica, na qoesio de
direilo por nao je estender at ahi a sua compe-
tencia I
Isto causara riso seno se tratasse de negocio tao
serio.
O qoe quer dizer, qoe explicagJo tem o offlcio
dirigido pelo Sr. chefe de polica ao delegado, em
que segundo suas proprias palavras Ihe ordo-
nava qne nao prestaste aquella (forca) de que
porvenlura podesse dispor, quando Ihe fosse requi-
sitada sob pretexto de dehgencia judiciaria, salvo
se Ihe apresmosse reqmsici de autoridade compe-
tente, firmada em despacho ou sentenca que oulo-
risatte a retirada m continenti do engenho Aratan-
gil do leme coronel Joo de S e sua familia T
Diga-o qualquer pessoa desprevenida : nao nian-
dava o Sr. chefe de noticia examinar sentengas, e-
despachos pelo delegado para, a jolzo deste, serem
ou nao satisfeitas as requisigoes judici-e* ? E por
esse exame podia prescendir se da queslao de di-
reilo, que o Sr. chefe de pnlicia reconhecia nao
ser da sua competencia 1
Passemos acora as declaragSes feitas pela re-
daego por conta do Sr. chefe de polica, e sao que
oo fez perguota alguma & m allaso ao d-sem-
bargador Alvaro,que monos exacta que in-
terrogasse o juiz municipal como se procuren >i-
stnuar que menos exacto qoe mandasse de-
iiiniciar do mesmo juiz como se anda propalando
e que como estas sao todas as accu*ages que a
respeito desta que lo se Ihe fazem.
Confirmo que o Sr. chefe de polica me fez essa
perguota relativa ao desembargador Alvaro, a sna
palavra opponho mioha palavra de honra; multas
outras pergunlas feitas a mim. e a ooiros interro-
gados deixarain de ser escripias nao sei popjue
considerages.
Acredito que o Sr. chefe de polica tem bstanle
coragern para ferir a quem quer que seja, mas
posso assegurar-ltie que a pessoa a quem se quiz
ferir tanto peso d a sua pergunta como a denega-
;o que hoje faz.
S.ianto as outras accusagfi-s que se propalan
ra o Sr. chefe de polica nao me fago cargo de
assustentar, correm por conla e risco de quera as
faz : nem eu carego dellas para demonstrar o al-
ternado commetudo pelo Sr. chefe de polica. Em
conclusSo ha 13 das que o juiz municipal interino
de Ipojuca lucia para fazer compnr um mandado
passado em meu favor para a entrega do engenho
Aratangd ; e ainda o nao poude conseguir: que
durante lodo e*se lempo tem e-tado o engenho nc-
cupado pela forga publica, e em casa do Sr. Joo
de Sa o delegado, o promotor poblico, o chefe de
polica, o juiz de direilo interino, e um offlcial.
(Inra un?, hora nutro) esta a verdade: mas isto
nao opposigo, nio violencia ; evitar crimes,
e attentados at que decida a relago ura aggravo,
ioterposto pelo exeeutado. E itopois veremos.
Recife, 17 de dezembro de 1865.
Gaspar Cavalcante d'Albuquerque Ucha.
Accordam em Relaco etc. Qae admitiera os se-
gundos embargos de (1*. 269 por va de re*liluigo
visto competir este beneficio ao embrgame Gas-
par Cavalcanli de Alhnquerque Ucha, como ees
sumario da menor Catharina, que sureedeu na
causa a demenie 1). Cicilia Cathanna do Monie-
Sinay ; e recebem os mesmos embargos para re-
formar, como reformara o Accordam de fls. 248,
confirmado pelo de fls. 262 veiso.
Porq'uanio, fndanlo se elle para nao tomar co-
nhecimento da appellagio de Os. 113 ua Insnffl-
cif-ncla do procurador "para interpo-la, v-*e depms
de novo e acurado exaine, que a procurago de fls.
tli autorisa a interposigao do recurso das segra-
les palavras ... para que possa requerer oque-
fr uiister na anpellago que ioterpuz.. oo po-
deudo e*las ultimas palavras limitar aquella am-
pia auion*agao de requere.r o que for mister, n.t
qual ceriameute se compreheude o poder appellar
sem o qae senara inuiei.*|os outros poderes.
Aeeresee que, concedeudo-se que haja alguin
equivoco na procurago, elle supurivel nos ter-
mos da Ord. liv. 3 lit. 63 J$ 1* e 2", em que ex-
pressamente se determiua que, noca*o de consis-
tir o erro do processo era nao ser o feito tratado
por procurador sufflciente, os juizes soppnro tal
erro sera por elle os autos serem havidos por ne-
uhura ; e suppnda e-ta a supposla falla pelos
actos subsequemes ; isto pelo recebimento da
appellago de qne oo se aggravou, pelas senten-
gas que hbil tarara o embargante e o embargado
para proseguir na causa sem que se pozes*e era
duvida a legitimdade ao procurador, sendo que
isto tanto mais procedente, quanto se irata de
pessoas que gosavaro e gosain do beneficio de res-
tltuigo, segundo cima se dicidio, por unaoimi-
dade.
Toraaodo, pois cooheciraeoto da appellago in-
ierpo*la, julgara-na procedente e reformara a sen-
tenga appeliada de fls. II I, porque a citada es-
criptura de 3 de novembro de |85f o as duas an-
teriores de 28 de setembro de 1848 e desa*sete de
outubro de 1843, as qua-s aquella foi referencia,
e cuja nullidade ja foi recoonecida em jotzo lodas
lem a raesma origem, estabeiecem a mesma res-
pousabilidade de D. Cicilia para cora os credores
de seu genro, responsabilidade que, S|rvindo de
fundamenta a uraa acgo dos mesmos credores e
cedeotes do embargado Jo^ de Sa Albuquerque,
foi julgado de nenhm elTeito, assim como a* res-
pectivas escrituras, por seuleoga de 4 de setem-
bro de 1850, confirmada em grao de appellago,
pelo Accordam de nove de dezembro de 1831, que
sendo embargado, foi mandado subsistir pelo de
11 de Janeiro de 1853, que passon em julgado
como ludo consta destes autos.
Assim qoe a escriptura de fls. 16, reproduzio,
do pela terceira vez a mesma responsabilidade-
uffende nao s a Ord. liv. 4o tit. 61 9 e aos prin-
cipios que regem a materia, como ao julgado j
confirmado por esie superior tribunal.
E nao se aitendeu que por mais livre, esponta-
nea e decidida que tivesse sido a vofltade de D.
Cicilia para responsabilisar se pelas dividas de
seu genro, por mais repetidas que fo**era as es-
criptura?, que neste sentido ella assignasse, por
mais que ella renuncusse o beneficio Velleano o
conflrmasse uma e mais vezes tal responsabilida-
de, o acto nudo desde a sua origem, e contra
elle se pode oppr o referido beneficio.
E', porm, certo, e esta provado dos autos, que
D. Cicilia nao interveio na escriptura, cuja nulli-
dade agora se pede, nem por si, nem por procara-
dor legtimamente constituido.
A procurago que O. Camarina Salusiiana de
Vasconcellos Biasle prometteu apresentar por par-
le de sua rai para ratificarn do contrato, em que
esl nao interveio. e era que os ditos credores n-
veram meos em vista ama garanta nulla, do que
'


..
."iJnfJ i ?ePftafilTfiro finara fetra t'O Je Dc/cmbr.. d **
* esperanza de una proxim realisaeo di haran-v
ca, cuja p.jfila ui.j pravi.iin, Luia-se em lugar rtis-J
uute Oesu etdade em 9 4a novembro de 1852,
quaodo 0. Camarina, a ciQstiliMda, agooisava ; a
a 1 ai cheg )u. quando ella Ja liaba castado ite vi-
vi-r. Era taes circunstancias ti-'.ou sen eHailo a
procuraeo. qe pira sn validada necessltava da
aeeilacao e corapareeirqaulo da constituida.
Portanto, a pelomais qua dos autos consta, pro-
nuncian a nullidade da escriptura de (albas 16,
de onf irmidade com o padiJo do libello e man-
dan que O'iae em todo vigor a seolenca de folhas conta no pariido numerosas e sinceras adhesoes,
81 verso, revogada a da folhas 111, a pagas as cus
las pelo embargado.
Recife 3 de d-nombro de 186i. Souza, presr-Jj
Nada por ora se sabe de posr
Acreditamos que os nomes quff Bella ho de fi-
gurar .sero lodos .dignos do .ndSjfcs volos, mas
corredor ahiqe se pretende'ekcltm t lome pres-
tigioso do Sr.tt. Sabino ONeflarto loigeVo Pinho.
Esse boato sera duvida Infundado ; pois nao se
pode acreditar que o directorio do part fe perdes*
se o bom seoso, que o distingue, vjorameltetodo ora
acto de ioqueslionavel ingratido.
Serla isso com etTeiio qm erro prt i tico tanto mais
desastroso, quanto corto que o Sr. Dr. Sabino
que nio poflerlam rer sa exetosio sem profundo
desgosto.
Oesejamos, pois, que o directorio laca publicar
de i^TOcio,1l!n^BlD,fll(ebtot^e a bofili- | achavam desengaa Jas, as quaes acham-se trod prazo de 10 das comparecam ante este /mo de mujl0 goslo e propI10 j0 para (Jli(.m fls(|Ver
denla.Assis. Gitiran?, vencido qoanto ao raen- t>s nomes dos candidatos liberis para tirarnos da
tunelo dos embargos e reforma do aCcordao de incerteza.
tf*Uas 62 versoMolla, volei pela admissao dos. Um elettor liberal.
segundos embargse pela conflrmaco da senten-f ------
caappellada.Doria.Oomiogues Silva. A.Tfni*in
Accordo em relaco eic.-Que nao receben) os AlLcllyaU
mt>argos de folnas 192. visto a laprooedeocia de Tendo erif fespDsfa do meu protesto Tifio no Dia-
svtas objec(joa3 ao accordo embargado. Nio pro- r,-c ptrmamb*co de S6 de novembro prximo
ceda a prmeira relativa a admisso dos segundos 6^ nor m^.j, euohado Dr. Mauoel lonocenelo
embargos de fotoa 1*9, pofqtto obanelicio de res p,res tituicae que iucontesUvelraenu compela a domen a Antonio Joaquira de Vasconrellos aparte da casa
la D. Cicuta Camarina, du Monta Sinay, passoa pa- e sa,0 d0 pol.0 ,]H paoelia, cuja tve por heranca
ra seus herdairos e dastes para o embargado, a e nimba cuubada a tinada D. Virginia Candida
quem elles transfenram o dominio dos bens her- (0 prego nao sal), dizendo o mesmo Sr. doutor qne
da los, e que consegu memento tornoa-se seu ees- j poda vender, que a venda foi feita publicamente,
siouano como ja fot julgado palo accordo de lo- utir o Sr. doutor ler a bondade de respoode'r-rae
Ihas'tll, passadoem julgado, sem opposlcao dos pin que jornal tai publico dita venda, e Antonio
cadentes do embargante, sendo injundico dizer-se Joaquim de Vasconcellos a compra. Portanto Julgo
lera o dominio da cousa vendida ou trocada, nao qUe venho protestar parante o publico segunda ve,
cessionano do iraasfareote ou cdante, e nio vin por eS|ar 0 mesmo Sr. Dr Camargo sujeito por sua
do ao caso a eartido da idada da herdeira menor ^tta que herdou a pagar a quinta parte das divi-
Catharia, pois seu naseimento antarior ou posie- as que a mesma mintia cunbada a (loada D. Vir-
rior a celabracSo da escriptura de hypolheca d^ fo- ga fjcoa aevendo, como cousia dos autos do lo-
lita- 17 a qua se refere o de folhas Itt, neuburaa ventano, dividas estas que o Sr. Dr. Camargo nio
relaclo lem com o beneficio de restitoico que ella pode Ignorar, como fossem do seu trataraento du-
Tecebeu de sua bisav untaaeote com a cousa ranto sua molestia, reparaeo de sua casa, raedi-
herdada. eos, enterro, etc.; porm o Sr. Hr. Camargo s para
Nao procede a onjeccio relativa a procuragao de satisfacer as paixoes do seu amigo Vasconcellos,
olias II i, porque a referida alUwaeio da uo ler oceulta os deveres mais sagrados de sua familia,
o curador da Cicilia dado poderes para appeliar Bara (UeT Co-herdeiro dos bens de sua finada ir-
e sim para proseguir ujs termos da appellaco, mai a0 mesmo Vasconcellos, e a isto nao pria
jamis pode prejudicar o direito dos herdeir. s ou duvida alguma se nao tlvesse hoje urna pessoa que
do seu cessioaario, como sa mostrou no accordo pUgna9sa pelos seus interesses ; esta pessoa o
embargado, sendo para notar a insistencia da ar- abano assignado. Tenho mais a dizer ao Sr. Dr.
guieo de falsj.iadede urna procuragio o,ua mesmo Camargo e a quem iou-ras-ar possa que sou her-
o accordo da folhas 2t, cujo restabelecimonlB se ,jeiro ,ja raesma (loada D. Virginia da pede, conslderou apenas in.ulBeieQie pelo que o que V. S. e <|ueira tambem responderme quaes I por, Pernam'buco,
ella sunpnval nos termos da ordenacao llvro J", gaa os herdeiros em nomine. Veja o ar. ur. ba- J8|.g
liluloM! e4 margo que o inveniario asta fallo em regra, e veja u,m. Sr. Manoel Ferreira Pinto
Tambem nao procede a terceira objeegao (a es- que Hyppolito da Silva herd-iro igual aos outros ocjo m^Mm MuOle.Pj0
e snjeiio as mesmas condicoes.
Al a volts.
Recife, 19 de dezembro de 186o.
Antonio Bezerra Cavalcanli de Albuquerque.
de de se encarregar.
Nao ignora va .>ta diroctoria que loa Wi
lautropiea eocooira BotfTo cbo no seo eortg
verdde^a^emeiporidfiel7 e por isffl liittfa aTie
Wn de que, dirigindo-se a V. S., se diriga a um
prejBIrJIo Miliar ; ipreseotando-llie porlaeto, a
sincera expre->an do Shii reeontipcinieoto, em seo
noma e no da insiMuigao que ora representa, a di-
rectora espera que novas occasi5es virio, em tjue
o nomo de V. S. seja apontado como o do um dos
seus mais dedicados consocios. c
Deus guarde a V. S.Secretaria do Monte-Pie
Portugnez em Peroambuco, 17 de dezembro de
1865.
IIIm. Sr. Joao Ribeiro Lopes, mu digno socio do
mesmo Moal a Pi.
Jos d Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim tierardo de Bastos,
V setretano.
"'flirt. Sr.Haveudo-se V.s. prestado lao benvo-
lamente, ja' a fazer acquisigao de socios, ja' a rece-
ber delles a respectiva Joia, deve necessariamente
acbur-sa petaroee por nao teren quilro signatarios
da sua lista cumplido com o seu dever, pagando
aijutl o a que se obrigaram pelo fado do langarem
a soa firma na lisia, sendo demais lo Justo o lim
para que o baviam eito.
Nao compele a esta directora entrar na invest-
gacao dos motivos qua, para assim obrarem, pos-
sam ter lido as pessoas a quem se refere; nica
mente, cumprtado o que Ibe impoem os estatuios,
toma nota dos respectivos noraes, como de quae*
quer ouiros em idntica circunstancia, para ser
lilleralmente executado o que determina o art 69
dos me>mos estatuios, e faz votos para que, por
qualquer occurrencia fortuita, nunca venham a sen-
tir as naiuraes coosaqueucias do seu censuravel
procodimenlo.
Quanto a V. S, a directora faz toda a fustiga
aos seus escolenles senlimentos e boa disposico
para cora urna sociedade, que lo un tam de ser
aos seus membros que de auxilio necessltarem; e
assevera-lho que nao menor a sua gralidao, como
representante do Monie-Pio Portupuez, pela entra
ga que V. S. fez da quanlia de 40^000, joias de
quairo socios, do que se multo mais avuliada heu-
vesse sido a referida quanlia, pois reconhece qu-
isso se deu independentamente da boa vontade da
V. S.
Deus guarde a V. S.Secretarla do Monte-Pi
17 de dezembro de
Malheiro, mui
Subscripto patritica.
Coolinuacao das pe-soas que lem subscripto para
a Associacio Protectora das Familias dos Volun-
tarios da Patria.
Fregnezia do Bonitodlstrictode Capoeira*.
Galdmo Alves Barbosa.............. ^inrln
Jos Mariano de Aranjo............. 2"5000
Micoel toares da Sil va.............. ^fSa
Soverioo Ferreira daSiiva........... *TXa'
Joao Ferreira da Cruz............... 104000
Pantaleo de Hespanba Carvalno...... '"^r'l
ta a materia nova dos embargos) de simulaca* a
nullidade des contratos celebrados com o embar-
gado e constantes das escriptura* de fls 166 usque
fls. 190 e desuaconsequonie inhabilidade para pro-
seguir na causa ; porque primeiro tal allegaeo
inopioituna e uo poJe sor discutida nospre-entes
embargos, seudu seu lugar proprio na discusso
dos ariigos de liabililago de fls. 162, recebidos e
depois de judicialmente coofessadosjulgados prova-
dus pelo citado accordo de folbas 211, que passou
em julgado sem opposejlo dos codentes do einfcar-
gaue, o qua por isso nao poda ser revogado seno
por aeco ordiuariaou recisorla; segundo porque
as fallas allegadas de aulonsaco especial e li-
cenca para a venda o permuta da parle da heran-
ca de Fitvia e de procuradlo da mulher do
vendedor Jos Maria, faltas que smente alfectam
parte dos coniratos, poJem estar suppndas com a
raliticaco das respectivas escripturas e proenra-
oao que o dito vendedor obrigouse a apresenlar;
terceiro porque nao existe o absurdo allegado de
ter o embargado dado em pagamento aos vende-
dores tocravo* da raesma heranca comprada, pois
o que se v e couaU das respetivas esenpturas e ES4E2SZ&5m
que s vendedores caram com e>cravos parten- Maooo TMaw OhH|B.... .....
cenes a heranca os quaes estavam em seu poder, t
o que equivale a venda dos bens herdados com ex-
clu>o desses escravos ; e quarto porque o embar-
gante nao pode allegar direilo de terceiro, seudo
que s as parles coniratantes ou seus successores
ponam atacar os ditos contratos e pedir sua res-
ci>o ou nullidade e nao o embrgame que com
tal tiullidade nao conseguira perimir a ac^ao in-
leulada contra seus cedentes.
Quanto a questao priucioal a de nullidade da
escriptura da 3 de novembro de 1852, objecto da
.icio inieniada ; inegv| que ella se refere a
de 28 de setembrode |8W e esta a de 17 de outu-
bro de I8i.t, e por eonse loencia qne incorre na
ine>ina nullidade, queja foi pronunciada em juizo
e tribunal superior contra sua? referidas.
Eis o que diz a dia a>crit>tura de 18o2, t qoc,
sen i' ivedores ao> eredores cima declarados (os
ce lentes do -mbargaiite) da quanlia de 48:0'>0#,
para cuja quanlia haviam pagado letiras e escrip-
tura oe hypotneea do engeobo Aratangy, com
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim Gearrdo de Bastos,
2o secretario.
Nane- Bezerra da Silva.............
Antonio Ferreira da Silva Jnior.....
Joao Paulo dos Santos Freir.........
Valentn! de Alineada Tavares........
Joo Baptista do Nascimento.........
Jos Ignacio da -iWa................
Aotouo Francisco Leao...........
Ulpiano Jos da Mello...
Antonio Rimos de Vasconcellos.....
Miwiel Tenente Torres.............
Luiz Andr de Couras ............
Alexandre Jos do Nascimeolo------.
Victorino Jos da Silv...... ......
Jos Antonio da Moita..............
Antonio Francisco de Lima.........
Luiz Antonio de Couras............
O thesoureiro,
Luiz Jos Perora Sim5$.
G5000
104000
10801K)
11'5000
54000
54000
54000
54000
5500D
24000
25000
24000
55<>0O
24000
2*000
24000
24000
25000
CURA
Espantoza e Admiravel
DE UMA CHAOA
CANCROSA E ROEDORA
ou
POLYPO NO NARIZ.
Agua de Florida de Murray e
l.:i 11111:111.
Que os poetas emhora fallem dostares odorfe-
ros ta balsmica Arabia porm apesar de ludo
p-.de-se minio bem por em duvida, se jamis aigum
desses fl irescenies bosques de cannelieiras ou la-
s ranjes prodnziro nu derramarn incens e perfu
me mais refrigerante e deleitavel, do que aquelle
delicioso a delicado aroma que exhala e dimana
desia admirav-l e-seucia, colbida dos campos vir
ginaes de Flora. A atm i-phera a qual rouba o
diveslo a fragancia quasj todas a< mais aeuas
cherosas. parece producir bem pouco efT-ito sobre
a exquisita randade deste aroma, a qual pertence 1
por rxcellencia esta preparacio sublime e refn-
garante.
Ella encerra em si, oor asim dizer o condensa-
do respiro e vida das flores as mais exquisitas e
odorferas do reiuo vegelil e sua fragancia parece ;
inexbaurivel, inesgotavel, mesmo depois de ter sido '
s dual uVumas"Jcnpiuras,'que conseguintemeote exposta urna prolongada evaporaco ou dif-|
le. da neto nullidade ja' pronunciada, fusao.^ ^^ ^ ^ emelba i original agua
da colooia de Faria, e preferida por toda Ame
rica do sul e as Anilinas, nao obstante o valor e
custo dubrado daqnelle outro perfume.
(Reparai bem que os nomes de Murray e Liman
se achem mscripio sob cada envollorin, letreiro e
al mesmo embutidos no proprio vidro da garrafa
e na fa'ta dos meamos toda a mas falsa.)
Veode-se na< pbarmacias, de Caors & Barbosa
e J. da C. Bravo & C.
e-cr^ws declarados na referida escriptura celebra-
da nas notas do labeliio Marques, aos 28 de se-
teinbro de I8i8...
E esta diz o seguinte :
. Foi dito petos devedores hypothecantes que,
tendo nas notas dote cartorio feto urna escriptura
d- hypotbe.-a a vinos eredores, em 17 d*. ouiubro
de 1843, a dedaravam em seu inteiro vigor.....
E" por tanto evidente qua a divida da que. trata
a prmeira escriptura de t7 de outubro de 1843, a
qual escriptura foi julgada nulla relativamente a
D. Coma, como nao se pode negar por parte do
embargante, a mesma divida a que se reterem
a
Se .
s !g indo acjnii.-o do pinhargaue contra aquella
p^i 1 sentooca e pelos accordo citados uo embar-
cad 1 : famas 288, uo leudo havido eogaoo, como
supiO' n enibugaiiie, quandu no aceirdao se affir-
111011 U' aescripiora d- 28 de seleinhro foi juiga-
a d.- iieuhum iffeilo pelas dius decisoas, que pas-
saram em ju'gi io, o que nao podiam revogf-*e,
como o fortn, pela seulenga app^llada s^m mani-
festi violaeao da ordeoacio livro 3o ntulo 75, prm-
<:i| 10 Ululo 87, f e cooM. art. 179 12.
finalmente uo se pode seriamente negar, que
D. C-cilia nao foi parle na e-criidura de que trata, e qoe por cousequmcia neuhuiua oiuigagao
follia- 58 e folhas 299 e dos auws a pro';uracao'
nm i| teeria dav* poderes a sua tima l>. i,aihanoa>
para c incluir a convenijo de entregar- aos credo
res sea eageato, e asignar a respectiva escrlp-
tura, caducou pela morte desta, succedida em II
de novembro 185, no mesmo -tia em que os cre-
doi. ^ oeMtes do embargante requereram e ob- acha ausenl-, e
Iivh ,in despacno para ser a procuraco recomida dando s joias de 16 socios, entrando \. S. ne*se
a., ai lorio, saui que por ella se uvessa eito ebra numero com a quanlia de 304, ludo como consta
alfua*. da reluco nominal sob n. 1, que veio annexa ao
E' Mis. bem estranhavel que em vista de docu predito seu ofBio.
tteto' e provas lo claras, s^ aliegasse na susteo- Da relaca sob n. 2, tambem recebida, v-se que
taca 11- eratiargos, com referencia ao ultimo fun- ainda fie V. s. de possa de oilo recibos no valor
dao.-nto do accordo e menos altenciosame .te que total de 805, propondo-s a realzar a respectiva
(,r., stedes drsta ordem Main deven admittir sem cobranza uestes dias, se o contrario nao resolvesse
iilena oova ; que era visla das di-posicoes do esu directiiri.
dire.to e de bom senso tambera so aliegasse com a a directora sinceramente agradece as boas
m na r-dereocia e des.attengao, quo principio dilig-ncias por V. empregadas em prol desta
novo. nao recebido em jurisprudencia que a ac- issociacao, de que ta 1 pre>limoso memoro e
estuca 1 a comparec ment do constituido sao ne- folga do coo-ignar o seu noma como o de nm dos
roa,mu para a validado de qualqu-r procurado S-Us e>Umaveis consocios que lem procurado dis-
D-*urezm os embargos de folbas 29i, e declarara tinguir se no desempenbo do encargo, que Ihe toi
em ,ieui v.gor o accordo do folhas 288, pagas pe- eom-netudo; e fatendo de V S. este lisongeiro
I > e uiiargaiite as cusas. rondn, nao s coiweow, como Ihe rega o N
i; if- 14 de outubro de 1865.-Santiago, pre- qUI0 de ultimar a ronranc* das jolas anda nao
sidnie interino. As-is. Gilirana, vencido em reahsadas, rujos recibos eslo em seu poder, mas
pan- M .na, vencido em parto.Doria.Domm- ist.i com a maiwr brevidade.
gues Silva. t>*u* guarde a V. S.Secretaria
' t Portugus em Peroambuco,
linda daas palavra* ao Sr. Dr. I
Victoriano de *a libuquer-
ma creada do servir residente em Pemam-
bnco e pertencente Ex";: Sefli! Viscondessa
DE Ooianna, foi attacada d'uma terrivel cha
ga cancrosa e roedoraou Polypo no Nariz.
A mesma involvia e tomava todo a parte In-
ferior do nariz, amea<;ando j distruir tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso ; Come-
$ou primeiro por apparecer sob o liei^o supe-
rior e parte da face, eztendendo-se por tal
forma e com tal rai>idez, que em pouco amea-
fava transformar todo o rosto n'uma enorme
charga viva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos os recursos medicnaes
que em taes cazos se tizno forSo abundante-
mente enipregndos, sem que de leve fizesse
parar a marcha lenta e distruidora do tao hor-
rivel enfermidade, e todos os mi-ios e estorbos
forSo baldados, e no em tanto o mal cresca eia
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as conzaa oeste jxmto, se experimuntou pela
vez primeira a
SALSAPALRILHA
DE BRISTOL.
O eflfeito produaido. quasi que instantneo
por este inestiinavel remedio foi verdadera-
mente maravillioso e sem igual; este grande
purificador do sangue e dos humores do sys
tema, immediatnmonto j)z um termo mar-
cha disastroza e fatal da molestia, derramando-
Be e infiltrando-se atravi's dos tecidoe os maie
delicados do corpo, expel indo at i ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto espaco do tempo produzio
Honie-pio pnrloguez.
fCorrspondenciaJ
Illm. Sr.A directora provisoria do Monle-Pio
Portugnez, receben com especial agrado o offlcio,
qu- com data d^ 13 do mei vigente, V. S. s servio
enderecar-lbe, acompanhando doos recibos de
joias, sendo um d* pessoa j fallecida, e outro
tambem de um signatario da >ua lista, o qual se
mais 2004 em cdulas, correspon-
L>mrtH > rnfi allegando e provandooque for a bem de seu df
fcsldeliii-Hi^ ( na o reitnno x.irope ejustiea 90|, oena de se proceder a sua re
ico d veame; t'ntrftahto que al- ti.
, Iwdo iisdti do tsnrpe de Corimer,
de.Larrey. de saisa jiarrilha, de saponaria
oleo) de Ufado de bacalho, e outros agentes
de^ta ordem nada conseguirn!. E' elle de
facil digestSO, agradavel ao paladar e ao ot-
pbato Alguns mdicos desta cidade e da
de Macei oteem recommendado para a cu-
ra
Impigens, llnba, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
alvo.
ella.
E par.T me enego* so eonhecimenlo de todos,;
roaudei faaer o presente adital, que ser* afflxado
nos lugares db coaturno e poblicado pela imprensa
Dado e pasando nesta eidaOe do Recife de Par-
namtiuco, aos W de deiembro de 1805.
Bu Manoel de Crvlno- Paeo de Andrade, escri-!
vo o subscrevi.
Tris*"* dV Alentar Araript.
passando a fasta fora, como para, qualquer seniof
de engenbo per ser nuito leve e forle.
Liilo
De urna esnrava
DSCLiBi(6ES.
Cancioi:, arn degenerada, fluxo a
Todas esta afecces provm da urna cau-
sa tntna; nao ha pois rzao aiguma em
crr qne eilas s% podem corar com remedios
externos. Tamhem se prescreve o xarope
alchix"ico de veame para o tratameoto das
afieegoes do sysieiua nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esteriiidade,
Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
0 xarope alcoobeo de veame sobre
tndo, da maior utilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheuma-
tismo.
Adverte-se que o verdadeiro xardo eso se
vende nesta cidade aa botica cima indica-
da, do abaixo assgnado; e em outra qual-
duer parte que se lem annunciado nao da
mesma composicao, e nem o abaixo assigna-
do se responsabiiisa.
Jos da Rocha Prannos.
COMMEBCIO,
Novo banco de Pernam-
buco.
O Novo Banco descoma letras a 12 por cenlo
ao aono, toma dinheiro a praso lixo ou em conta
crreme pelo premio e condicoes que se conveD-
cionar. a saca sobre a praca da Bahia
calxa filial do banco do Brasil
em Pernainbuco.
Tendose desencaminhado da massa fallida de
Guilherme Carvalho A C. o recibo da 15 accoes
das localisadas nesta caixa, sob ns. 2787 a 2801,
pertencentes a Guilherrae Frederico de Souza Car-
valho, socio daqoelia Hrma, a directora fai publi-
co a quera luteressar possa, que por parte de Jus-
tino Jos de Souza Campo-, adminlsirador da re-
ferida massa, se vai proceder a transferencia de
ditas accoes para a Sra. D. Henriqueta da Silva,
actual p'ossuidora das mesmas, visto as ter em has-
ta publica comprado, como tudo provara com do-
cumentos que ficam archivados nesla caixa.
Caixa filial do banco do Brasil 30 de novembro
de 1865.
O guarda-livros,
Ignacio Nunes Crrela.
Gaia filial do banco Peroambuco.
A cana desconta as letras de seu aceite pela
laixa de 9 0(0 ao anoo.
O guarda-livros
Ignacio,Nunes Correia.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publico,
que os 30 das otis mareados para a eobranca a
bucea do cofre do 1* semestre do anoo Bnanceiro 1
de 1865 a 1866 do imposto da decima urbana das'
freguezias desta cidade e dos Afogados, a da parte
da da Boa-Vista e do Poco ds Panella, que m ar-
recadada pela collectoria de Ollnda, se principian) lao do sobrado da um andar e s
a contar do dia Io de dezembro vindouro.
Mesa do consulado provincial de Pemambuco,
30 de uoverafero de 1865.
Antonio Caroeiro Machado Rios,
Administrador.
ti lente-coronel Francisco de Albuquerque
Maranhflo Cavalcanli, comruaudante do sexto r. r-
po de voluntarios da patria, convida aos cidadoa
que queiram aHstar-se no mesmo cerpo. em defesa
do palz contra a repblica do Paraguay, compa-
recer no quartel do Hospicio, das horas da na-
nha em eiaote, certo de que, a'm das garantas
offareoidas pelo governo de S. M. o Imperador, o
commandaote por si e seus offlciaes farao suavisar
os trabalhos da guerra com um tratamento con-
digno cada cidado, qualquer que for a classe a
que partenca.__________________________
O agente Pinto fara' leillo a requerimento do-
i invenlarbnte do< bens da tinada I). Hermina Ade-
laide dos Santos Campo*'e por mandado do Dr.
joiz dosorphaos, da escrava cabra de Dome A'bi-
na as II horas do da cima declarado no seu es-
1 criptorio da ra da Cruz 38.____________
be um sobrado de una rr da 1 ua do Arjijifio 0. 2, que rende
'bfo anoialmeBte.
Quinta-feira 20 de tte-embro,
O agente Pinto legalmente aot->visado fara' lai-
da ra do
Arago o. 26, as 11 horas do dia cima dito em
seu escriptoiio ra dn Cruz n. 3$, onde podero
os pretndanles obter as chaves d dita casa.
JLK1L _>
E
Imn casa terrea no Barro.
Quinla fera 21 de dezembro.
O agente Piolo levara' novamente e pela ultima
vez a Hiao, e por despacho do I lira. Sr. Dr. juiz
de orphos, era virlude do que requeren invenia-
riante dos bens da tinada J lanna Francisca de Me-
D<-iei, da ea-a brrea coberta de telba, 110 Barro,
f'eguezia dos Afogauos, pertenceola a'ncsraa fina-
da ; s II huras do da acuna dito, em mU escrip-
torio, ra da Cruz n. 38.
Arsenal de guerra.
LE LA O
Oconselho de compras do arsenal de guerra De caixas COm Iteras e fardo Cm Ca-
precisa comprar o segrate
Para provimenlo do almxarifado.
300 caadas da azeiie de carrapato.
As pessoas que quizerern vender dito artigo
apreseotem suas propostas ua sala do cooselho de
I compras, as 11 horas da manhaa do da 20 do
correte.
Sala das sessoes do conselho da compras do ar-
senal de guerra 18 de dezembro da 1165.
O encarregado da escripturaco,
Manoel los de Azevedo Santos.
A1IS0S 1ARIT
ni a 1 oes seceos.
Ouinta-feia 21 do corrente.
O agenta Pestaa f.ira leilo por couta e risco de
quem pertencer 18 ciixas com peras e fardos de
camaroes se$cos,tudu de excellente qmlidade ese-
rao vendidos para f liar contas em lotes a vonta-
de dos compradores. quinlafeira 21 do correte
pelas 10 horas da manhaa na p"ria do armazem
do Sr. Azevedo defronte da escadinha d. alfao-
dega.
LKLAO
Quinta-feira 21 do corrente as II horas.
O agente Martins far leilao ne armazem do Sr.
Companhiarte paquetes a vapor entre S5^VAtn*Ki
os Eiados-luidos e o Brasil.
Al o dia 21
do correte espe-
ra -se de New-
York e escala o
vapor Soulh Ame-
rica, o quJ de-
uis da demora
do costume se-
guir para os
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 18......
dem do dia 19...............
Recife n. 8, de
8 ai'parelbos
de louc> Roa para jamar, 1 plano, 1 mobilia de
Jacaranda, 1 dita de amarello, 1 smluario, 1 mo-
biha de 1 caranda e outros mullos ariiji-s de gos-
to cojos rticos serio vendidos pelo maior preco
por conla de diversos._____________________
483:92W726
31:7165835
olo.ii5o81
248
MOVIMENTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas....
c com gneros..... 248
Volumes sahidos cem fazendas..... 177
c com gneros..... 31
------- 498
Descarrejjam boje 20 do dezembro.
Barca ngleza Ronald mercadonas e pedras.
Barca inglezaMiranda pedrOs.
Brigue inglez Waller fiaras-bacalho.
Barca inulezaCoreacarvao de pedra.
Barca ingleza Dolfinecarvao de pedra.
Escuna ingleza- Muckufcuiio de pedra.
Barca ingleza Anne Lujanidem.
Barca inglezaEanny dem,
Briyue inhlezParidem.
Barea prussiana Cluckauf farinha de trigo e
mais gneros.
Barca nacional Idalina charque.
Barca nacionalSania Martaidem.
Patacho oorluguez Furtoidem.
Patacho oriental Sunfo Aooslinhoidem.
Polaca hespanhola -Anlelna idem.
Iinportaco.
Barca ingleza Vision, entrada de Liverpool, con
signada a Saunders Brothers & C, maufeslou o
seguinte :
634 toneladas carvao de pedra ; aos mesmos.
Barca ingleza Fannu, entrada de Cardiff, con-
sumada a Wilsun & Hette, mamfesiou o seguinte :
6 il toneladas decarvito de pedra ; aos mesmos.
HECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUI'-O.
Hendlmento do dia 1 a 18...... ":5X!E
Idem do dia 19................ 1:804*166
CURA
Completa e Radical.
Este feliz quao admiravel resultado foi obtt
do apenas com o simples nao
Duina so nica Garrafa!
d'este incomparavel e inapreciavel depuratorio,
recommendamoe portanto todos os Doentee
que procurem obter com o maior cuidado a
nadea e verdadeira Salsaparrilha de Brlitol,
nicamente preparada por
L ANMAN & KEMP,
De NOTA YORK,
da eerten de que, todas m mais proparacoea
tmitativaa nao valem pam couxa alguma
Vende-^e nas boticas de Caors A Barbosa
e C. Bravo A C
19:672527:1
CO.NSULAOO PROVINCIAL.
Rendimento do da la 18......
dem do dia 19..............
17 de
do Monte-Pio
dezembro de I
qne.
N 1 .onusto o eogano de data que refere o Sr.
Dr. Vieinruuo da qul nao tendo inteira lerabranca
emiir-uei o verti creo.
GaaroM o que asseverei em dila corresponden
ca relativamente ao h. Dr. Victoriano e a na re-
miniscencia opoooho a mmha, seodo para mim suf- pril um novo socio que genciou ira o Monte Po
tceme a c tnflrmacao de que coralito se entender Portuguez, em snb-t tmcao de ntro que, menos
acarra do uegcio ailuiiido. compenetrado de seu.s d-veres, se recusou a hon-
Nunra coute'tei ter sido advogado dos eredores,' rir a ,ut asignatura, qu se v na lista dos socios,
e nao eont-slo hver acooselhado como legal a con- ^a qne V. S. levo 1 bondad* de fat*r aequi Toaran entre esie e o Sr. Mo de Sa, nas circums- ^0_ Bntregando loiio V S. a importancia da joia
uncas dadas mas nao fui, nem podia ir alm e novo "H b*m nottn das do* n d'i-to, e apenas dei a mioha opimao em Macao ai sr thesoumiro interino haver de V. 8. rwcebido a
JURUBEBa.
A jurubeba urna das sabsunmag medfcanea
tosas, lo reino vegetal, e pertence i db*f
film. Sr. Joaquim Amaro da Silva Passos, muito dos tnicos e desobstruentes, sendo em prega
digno aocio do mesmo Monta Po. |m rom vanUgem contra as fenros intermiten!"?
Jo* da Silva Loyo, acompanhadas de cngorgitamenioda fi,.id. e Uay*
Presidenta. Ella lem Sido applicad* com inconleelavel prove.
Joaquim Gerardo de Bastos centra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar
1* Secretario. rho da baxga e mesmo para comhater a menstrua-
co difflcil, resultante da mesma anemia ou chlc>
Illm. Sr.J V. S. deve etr de pos* do recibo rose.
Extrato alcoolico de Jorubeba.
juigai'n-'nt'o da questo que peudia, e que eslava su ^atnl a je |00#V inordinada a diciso superior ; embira a maluni- qne V. S. se servio contribuir.
Emplastro ideo.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho idem de idem.
Pillas de ext. Idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, roa larga o
94:9845434
5:6164609
100.0015043
MOVIMENTO PO POETO
Vacio entrado no da '9.
Aracaly-11 dis, hiate nacional Exalacao, de 37
toneladas, capilao Ti ajano Antunes da Costa,
equipanem 6, carga algodo e assucar; a Joao
Oe Sa Leilo Jumo'.
Navios saludos no mesmo dia.
Liverpool Vaoor inglez Amozon, commandante
R. R. Williamson, carga ai..dao.
BarcelonaBrigue hespauhol Moralidade, capito
G. Martins, carga algodo.
porlos do sul.
Para pas-:.gens, fretes ate trata-se eora os agen-
tes Henry Forsler & C, ra do Trapiche n. 8.
CMlV\\Hi\ BlUSlLEIA
DE
PAQUETES A VAPOR,
E' esperado dos porlos do norte
al o dia Io de Janeiro, o vapor
Paran, coramandanie o capito
de fragata AntoBio Joaquim de
Sania Barbara, o qual depois da
demora do cosame seguir' para os portos do
sul.
Desde j recebera-so passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a quil de ver
ser embarcada n> diado sua chegada. encommen-
das e dinbeiroa frete il o dia da ahida as 2 ho-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptono de An-
nio Luiz deOveira Azevedo & '^_________^^
COVilfi BUSILEIRA
DE
PAQUETES V VAPOR.
Do- porto- do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores da companbia, o qual de-
pois da demora do c.-tume se-
guir para os portos do norte.
Desdeja recebem se passagelros e engaja-se a
carga que o vapor poder couduzr, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, encoro-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. I, escriplorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para a Ilhade S. Miguel.
Do Rio de Janeiro esperado o patacho portu-
gnez Fernando, o qual lera' nesia pouca demora,
por ler metade de seu campamento prompto :
para o resto que Ihe falla Irsta-se com os seus con
signatarios Antonio Luiz de_Oliveira Azevedo &C,
no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1. _____
Para o Porto,
Deve sahir cora brevidade o brigue porloguez
Esperanza por ter a maior parte de seu carrega-
mento ja' tratado : para o resto e passageiros tra-
ta-se com Cunha. Irmos & C, na ra da Madre
de Dos n. 3, ou com o capito a bordo._______
liba de & Miguel
O patacho porluguez JORGENCE. segu com
muita brevidade por ler a maior parte do seu cir-
regaraento prumpio, para o resto da carga e pas-
sageiros trata-se com o consignatario Joao do Re-
g Lima, ra do Apollo n. 4. _____
Para o Rio de Janeiro
Segu a barca hrasileira Boassica; recebe
carga e escravos a frete : a tratar no escriptono
d'Aoiorira Irmos, ra da Cruz n. 3, tu com o
capito Francisco Luiz de Souza Jnior, na praca
do Commercio. ______._______
Importante leilo
Demobilias de Jacaranda e amarello, goarda lou-
5a, guarda rouoa, obras de brilliautes do 01ro
de lei, ricos relogios do ouro, cadeiras, marque-
xas, toucadores louca do porcelana, caudieiros
a gaz o outros nimios a.ugos de gosto.
(Srm limites.)
Cordelro ttimes
por conla e ordem de diversos fara leilo dos ob-
jectos cima mencionado sem limites d-; preco
para apurar dinheiro para a festa, isto
Quinta-feira 21 do corrente as 10 i\i horas
No armazem a ra da Cruz n. 57.
AVISOS DimSuS.
IBIT1IS.
dade possa tirar lUcfos menos verdadeiras na phra- Digno se, p**S V. S. .-ceiiar os cordiaes agrde-
se do r. Dr. Victoriano. 1 cimentos deta directora uela boa vi.ota.1e, com
Nio eomeslo, finalmente, que declarasse este
seon r o escrpulo possoal que Unna, fundado em
def-reneias, quo co-iurao ler, de continuar a ser
aii./i-lo na causa.
\ .-i i mais direi.
fiecifo 18 dodexombrode 1865.
J. B. G. Alc.ufurado.
rqmcictti" Tum
que Ihe pre-tou a sua valiosa coopefar-.io a bem
de urna toutll e humoitaha >oiedade.
Deus guarde a V. S.-Seoreairia do Monte-Po
Portugnez era Pernamhuco, 17 de dezembro de
, 1865.
Illm. Sr. Manoel Antonio da Cuoba, rouito digno
1 socio do mesmo Monte-Pio.
Jos da Silva Loyo,
Presidente
Joaquim Gerardo do Bastos,
! SocreUrio.
AHEUgiO.
Xarope aldo.ilico de vt*lame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhus,
etahicido com botica na ra Direita n.
88 em Peroambuco.
Este xarope inconlestavelmenle superior
a todos os lampos depurativos, de cuja
composigao o seu maior ele ento a salsa
[iirnliia, pois que se tem cunhecuio #? o
KlcIcSes provloclaes. veame mais enrgico para a prompt* cura
Temos e-iado a esperada pubbcavo da chapa Illm. Sr.Por eommume .cao do Sr. thesoureiro das molestias, cuja base MMU dOpn.le
do partido liberM genuino para ve, m-s quaes os interino de-ta s,ledade. leve a director^ proveo- ^ Mp||| j> fjgmm ] assilli pois se
lores librraes.
O Dr. Tristan de Alencar Araripe nfflcial da impe-
rial ordem da Ro commercio de buco, sen termo por Sua Majestad* Imperial
e Constitucional o Sr. D. Pedro II a qoem Dos
guarde etc.
Faco saber pelo prseme que perante este Julio
e cartorio do escri vo que este sohscreveu corre
urna exernco de sentem;*, entre partes a saber
como eteqoenie Manoel l.iaquim Rtidri/nes de
Sooz, liquidatario d< firma de Rodritues & Ribei-
ro, e como eieculadii Manoel do Reg Rirro*, e
i.mseg.lindo a eiecucao seus dlvldos iermn, pro-
cfden- eiwiitftdo, B*lo q* em i.id.encia publica pelo so-
liciiadi.r Feli Fmnf'scade 8oa Mflhiei, pro-
corador do eieqtenle me ful feo o feqoerHnenio
do the,.r tpijiunte :
Aos 18 do dezembro de 1863 nesta cidade dn Re-
cite de Pernamhuco, em audiencia publica do Dr.
jnit de direilo especial do commercio Tristan de
Alencar Araripe, pelo oliriadnr Feli Fr de Souta Magalhae-, procurador do et-qtvnte Ma-
nuel Joaq-iim Rodrimies de Sonta fofa acensada a
penho.a em dinheiro na quaeiia lo 1:I7I#I00 res
etl*ie|enies no deposito publico pertenjcenle ao
lectlUdo Manoel dn \\-fn Rrn>, reqner n 1n nao
s fleassem itognail..i os 6 dia a ptmhor como
os 10 das aos cr*dore itcerios sob pe de reve-
lia pra o que se ih d-*e o* .dita-s do e-iylo. O
qwe sendo .-nvi l.> pelo juz asim o defera
Ksimm o pretMte do itriitomln dt audiencia
junto a carta ppaTCaVaw e termo de itenlrara.
Bu Man el Sllviuo de Barr< Falcio, rscreven-
le iiir-oneniad ecrevi.
En Man.wl de Carvalho Paes de Andrade, escrV
vin o siihcrevi.
Segiiindu o i|UA se cominha em dilo requeriase-
lo de au.ilenrt, rtep .ki qnal o respe.tiv,. e vo fez |U*-ar I presente elild.pel'. qml 0 sen
tbeor ctuino cito e h#i p'.r rita.t .1, a tolo, os ere-
dores tneortos do referido execunlo paiqjie den-
P\R\
Instituto Arclieolojico e firiiyra|iliieo Pern.ua-
bucano.
llavera sessao ordinaria quinta-feira 21 do cor-
rente, as 11 horas da manhaa.
ordem do da.
Pareceres, relatnos e mais trabalhos de com-
misses.
Secretaria do Instituto 18 ded.zeml.ro de 1805.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
garraux'de 'lailhac.vr & c.
LIBRAIRIE FRANQAiSE
Roa 1 Crespo a 9.
L1VROS NACIONAES K ESTR W'GEIROS
ReliyiaoPbilosaphia Jurisprudencia Littera-
tura Sricncias e arles.
Papelaria, objectos para escriptorio.
LOTERA
Aos 12:000,5101)0. 3:000^000, 900,5000
e SOOOOO
Para as boas fesias.
Corre no ella 99 ueste mri.
Acbam-se venda na respectiva thesou-
raria os billetes, meios e quintos da 8*
parte da lotera em beneficio das familias
dos voluntarios da patrh, cuja extracyao
ser no dia mencionado e no lugar do cos-
tume.
s premios de 12:0000000 at 205000
sero pagos urna hora depois da extraccao
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
Ja distribuicodas listas
As encommendas s ser3o guardadas at
a noite da vespera da extraccao.
O ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza._
_ Andr Gomes, sobdilo hespanliol. retirase
para fra do irwuerio.________________________
Vctor linproto, Vicente Improlo, Braz Inipro-
to, Sabino Bissudn, Vicente Farse, J .s Antonio
Chela, subditos italianos, retiram se para Europa.
Manoel Caetano Saldanha Giierreiro d hoja
em dlante se assignara Manoel Saldanha Guer-
reiro. ____
Pret-nde sahir era poneos dias o patacho Po-
raense por ter o carreiamento quasi completo, e
para o pouco qne Ihe falta, trata-se com o consig-
natario Joaqmm Ji- GinQaives Beltro, na rna do
Vigario n. 17, 1* andar.___________________..,
Cear
O palhibote Garibaldi seue para o Cert em
poneos dia< : trata-se com Tasso Irmos.
mus.
LEILO
D lHpzpf!iits 4e twitff9, riMir 4e
^rco f corrlsnait fpil.is na tprr .
O afente Martins por aulonsaco de Joaqnim
l/mreir..da Silva .rae se retirara para a P^rahiha
por motivo de m.-iestia delia de seguir fara leilo
do referido calcado.
a* 11 horas no armazem da roa ds Hadis de Re-
cite B. 9.
** Fcir* $fm*nnl
le mtittos hfT>is de wr<\ reioio de prafa e
01ro, grande pnnlidade dV arillo dfc
neiri, errstaes etc., etc.
-a3
0 GRANDE ARMAZEM DO aGftTTK.
OLYMPIO
ir ra ha r.AtwtiA r*> r-.h-e
Domingo i* do corrente haver reunio
de familias._____________
Qoem tiver para ser ahigarlo nm psera-
vo iiii*1 aWlfl di1 mnito hna condiirta, t> bem habilitado para ilesemp-nhir satisfac-
lonamentf rm Iquer s<>n-im interno 01 >>\-
tprno de urna rasa -te pinin fami
mmcie 011 l.rij-sf a ra da ^nntra. sobra-
do de n. 70, seg .ndo indar.
Precisa se de umi amn pera cjn d>
(tooot fSrtfht : r nit %m primei
n. Vtw,
hif-* nm Tnr- -^m (F
c*%x para 9 me farr
.om tor*s omWlMWmmW
.larit *? 1
rt;iii%#
Un Hnla victoria, pem amm> rV-ttan
Quinia-fei a 21 do corrate *o mem m. em
O izm> P-stn f
tdorovr-ni-ni p.ria % <-*iacaV f.-
cial RenerVenle, m liod. vir.m. f
vita f conr >< de l*ire da nelh.if ipMh4i4i,
trreos de aetel ofiaripe mnite ftp, a


r
Diario d HrrMBbiw ~ Qaarta tota* to de Drzembro de i *.
Sociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
0 banco AtUanqa do Porto tendo estabelecido,
esta sociedade debaixo de saa immediata vigilancia I
e respou.-abilidade, facilitou a creaco de capitaes,
dotes, rendas, pensdes, isencdes do servico das ar-1
roas, etc., por meio de subscripooes nicas ou an-
noaes, as qaaes convertidas em inscrlpcOes da
divida publica, de renda nacional, da mesma for-
ma os juros semestraes que deltas se forero ven-
teado, fleam por om ceno numero de annos em
deposito, at que, Ando o praso estipulado, sao
restituidas aos socios com es ioteresses amonto-
des, Oem como as que perteocerem aos associados
fallecidos, visto que desles sao kerdeiros os sobre-
viveates.
Pala engenhosa combioaco econmica adoptada
nos clculos desta sociedade, v-se que, com urna
entrada annual de SOJOOO, por europio, obtem-se
em 5 annos 450*000 a MSOioOO. em 10 l:,V00000
a rOOOfOOO, em 15 3:800*000 a itffOtatOO, em
SreeoiOOO a i0:00M0O0, em 18 0004000 a
25:0004000, conforma a idade do individuo sobre
quem Mo o segare, pois que nos referidos cal-
culos coata-se com a maior ou menor probabilida-
de de doracao de vida.
Esta sociedade sobretudo ventajosa aos chefes
de familia, visto que Ibes facilita sea sacriBcio a
fundacao ce um capiul ou dote para seus Qlhos ou
filhas, segurando-os quando nascem ou em quanto
sao enancas.
Quem, peis, mals cin umstanciadas mformacfos
desejar sobre tal sociedade, ou se quiter iaserever
como socio dalla, dirij-se a ra da Madre de
Deus n. 28, cade se poder entender com Joio
Carlos Goethe da Silva, que para isso se acua en-
carregado.
Precisa-sede um coainheiro forro ou escravo:
Da botica franceza, roa da Crnz n. 22.
Aluga-se um canoa de carreira, por mez,
que estanque e pegue em 5 a 6 pessoas Tora o ca-
noeiro : quem a Uver e Itie convier alugar, pode
comparecer na roa dos Quarteis, hoje larga do Ho-
rario n. 16, padaria, que achara com quem tratar.
O abaixo assignado faz publico que o Sr. Jo-
s Luiz Duarte de Azevedo deixou de ser seu ral-
xeiro desde o dia 18 do crreme.
____________Joao Ferrelra dos Santos Jnior.
SUajaes para o IIi e Baha.
AQtooiu Jos Rodrigues de Souza na ra
do Crespo n. 15, saca a vista ou a prazo.
Alugam-ce o 1 e 2* andares do sobrado n.
17 da ra Direita: a tratar na ra Augusta n. 9f. ]
MEDICO EOPERADOR
O r. Joao Raymuodo Perelrada Silva, 8B
I chegando ltimamente de Pars, onde fre- I
Bquentou os mais notaveis hospitaes, pode a
ser procurado para o exerciclo de sua
Q oadBsso na ra da Cruz o. iO segundo B
5 andar. D consultas lodos os das das 7 2
jjK as 10 horas da manha. Especialidades, I
jrat; molestias de olhos, partos evias urinarias. I
DiODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A VE YIIA EM PERITA?IRl f O
Em Mn drs Srs. Oaoi-s e Barboza, ra da Cruz n. 22.
li
Os elementes que comps m esta prepa relo, o
Jkrre, o iodo e a quina, a -eollocao no primeiro
grio daa preparacoes fcrruf^iiosas. Basta attestai
aeus resultados htidos pelos Mdicos dos hcspi-
taes. e os reltenos dos priiieos mais eminentes,
que oonfirmrie sua poderosa efneacia bum
guintcsaffecedes:
MI naso sai
Anranla,
Cklcraw latereala,
Mraatrwa,
ASfrryeca Mirra,
W^p^T**r"aeJ a c na Mes I"*?-
|iw r itnrim m
narialraafit,
Alfrrfia palioanr a
aalkUalra,
Malra t kaa Br alaaaaga,
lianIratiU.,
F*r*a a'aa>artltr ,rtr.,
Irallaa.
CeaMtalaa
aa
mmim aafaiv
MU,
Caarlra,
OlMlraefa* *aa alaa
anisa,
l
IPASTILH&SI'
ESTIVA!
fe PEPSINA
DE WASMAN
WWW fcraaraa,
rMIhM.
AtTe epate raarrraaaa
r a>aklIHIraa.
rearra I) abaln-pa,
!, es-, cae.

Vejo-tt as bulletint d lerapeutit mdica
e Ctrurgic* de 30 de novembre 1860; G*%eta
dos hospitmet dt 48 de juina 1860, etc., etc.
Alem as pilulas de iodurelo duplo de ferro e de
quinina de nebuln, os Mdicos aconsclhfto
igualmente o Xaropa d'iodureto duplo da
ferro da quinina do mesmo auihor pan as
pessoas que aie gosiio de medtoamentoe sofc fr
ma piiular e os meninos. F.sle aarope nio aem
como o xarope d'iodureto de ferro, o incon veniente
de alterar-se e de ee nio poder conservar.
Poca-sc o folheto que se di de greca em eaaa
dos pharmaceulieos depositarios.
Para se eviuu-em falsificacoes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a u-
signatora do inventor.
Depsito gera! em Pars, pharmacia Rabillon.
i ti, ru du Bac, e em todas as boas pharmaciasl
de Franca e as daa paizes iatrangeiros, etc.
IHarrhroi r a raiall-
an^aa araitnl4aa
*-! rUanrarl-a
aeeFilaaaaa aaa all-
mratan
As paittlhas digettitmt com a pepsina dt
Wasman, empregio se eom evooessa hi j4
alguna annos pelas celebridades medcaos de
Pars. Londres. Vienna, etc., em todas as in-
commodidades em as quaesadigestio difcil,
penosa, imperfeita oa mesmo impossivel: ai*
o mclhor remedio para onral as.
Gaalralalaa,
DUprpala,
i;mh>rra> aAalrlraa
A aaali'llr,
Aa niYi-rritra nraanl
raa tm nltmaia,
Sua aei,o vivfica o sangae e as rgios de
tal sortc que, ath as pessoas que sem soffror
as aITcccdcs gstricas cima mencionadas slo
nicamente fracas ou d'um temperamento em
pouco dbil, e necessitio substancial alimento
para fonilicar-se, achio no emprge das pattil-
ias dt pepsina de Wattman, um poderoso moio
para a isso clirgar.
Aviso importante.Osncccssodas pastilhas
poimna de Wasmnndon causa a se fn.erem
lasiaicacoes e imitacocsd'csse produelo que os
emul se querem desfaacr. Pois por falla
d'uma be* preparacio a pepsina que n'ella
entra, a? alterada. Seremos ao abrigo d'este
inconveniente, cxigindo os compradores que as
pastilhat tcnhlo as iniciacs B. P. e saiio da
pharmacia Chavriar.
Depsito geral cm Pars, pharmacia Ohavriar,
211 Faubourg-Montmartre, c em todas as boas
pharmacias de Franca c dos paites esirangeiros.
DOENGAS
dos MENINOS
CDSADaf RIN
!** S. Casera a
XAROPES DO DOUTOR DANETI RERTH
N 1. Caalra Ma CLICAS OS MF.VI10S >. I *^ ** ** *
Castra aa CLICAS nos Wfmios
4hrraata a aeatffM
(larepe d cyibflotie de teida taeeiaid)
H1W1 e XAROPE
6
DI CODtlM
DI
AS CXMnCDClU CllTHCtt 6
Wit-
Tassa cormnaA
rreavosA
a a Tossa
fltirop* de evaoglosta t lee ?oltn de neeino)
N* Ca ira aa COIWULCOBS MH KlVTVOsI
A CHOREA
(lampe de eytiogloie e de ictdo Tolillt de sterino)
Kstcs novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de. Mediana de Paris silo em-
preados eom grandissimo sueeesso pelos mediros
de Franca para o tratamento das molestias do
meemos cima indicadas, e vier.lo eneher nm
vicuo importante na Iherapentica, no qne tora as
afleccocs da infancia, para as quaes. ath hoje
ainda se nflo pode indicar tratamento rarionnal-
nem infallivel.
(Pecase o prospecto em casa dos pharmaceu,
ticos depositarios.)
Preoo do frasco em Paris, 3 fr.
Para se evitaren as falsificacoes, exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtnlos a
assignatura Ghanteaud.
Deposita geral em Paris, pharmacia Chan-
teaud o em todas as boas pharmacias de Pranc
' dos paizes estrangeiros.
GRANULOS
[pe BISMUTO]
DE CHEVRIER
Os granulos de bitmutk de Chavriar em snpe-
riores a todas as outras preparacoes de bismulh
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paites, para prevenir e carar as
Pat>ttaf\a<
narc
iriaa,
araaaa
Oa
Brca ae rabrfa,
lnlla|if de acalca e
aa M.iri. aa.
Pelas commitiSaa em freeao, dirigirse aee S- WILLAERT a
niarrhraa rhranlraa, *a Jl-*ra,
OTaarnlrrlal. Gaatrllra,
narra 4 'ralaaaaaja, Oaatralaiaa. rtr.,
T"frpalaa.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chen-ier
e em todas as pharmacias ae Franca e dos paizes
estrangeiros.
BERGER.
dos Snrs agendie, Barbier d'Amient, i
liams Gregor, 181110 Soln, Aran, vifta,
C. Dumont, ele., aaymbros do lostitato de
Franca, mdicos dos hospitaes de Paris. tena
provado que a Hasta e Xarope de terth i
o remedio o mais seguro centra todas aa
dores nervosas e tendo a propriaJede de
calmar com admiravel rapidez as toases reBel-
des e extremamente fatigantes da grippe ea-
tarrho epidmico', defini, eequelaclw oa
tosse convulsa, hronchite e tsica pulmonar.
A Mansa e Xarope da aitaat, a>
acho em todas as boticas.
Pert evitar ipiilinifr
filsiSrn>o,ii|ir fm<
rrt prn.lino o nome
e i irme Rrrthe*.
ifepsito rerel em Ptris, em rasa V
a Sk-Croia-Je-io-Bitllnm, a.
ASTUME
aleMMi
Precisa se eV
ion e farer
lia: ae rm
rrvirja -a raaa 4 1
< ~ A'aaaajea *^ RnaYifu*- s- anata.
i jwpa U, asaca na eaaa -its aa
em frente aa mf> n tT>-ia. aaSfla i
d* ferro, rsrimoa na h.,a mbbi
chetra. e cm \ ,i^% 7 ,ajarf*a, atJa\
nrnrM fresra -ra a anr-. tw-m' rara*.
tada e pilla a para r*Vt rfwvas aej
ca>a do Sr Nirntjn rlai; aa
- Xa arara
norires, roeapra- r aja,
e tam.aj n tx eaitpni
lOaVl e anaaaVT r> ajrarto
a. ai
ASTHMA ASTmA
l
coarJeerlee aa ireaara
l'nico remedio effieaz pera romNiei _
lestias, acalmar um atunte d'asma e in
volta o Xarope ammmtieo de Smettm
amareflo) do IV Danet lerober man
recente, este novo producto ie Ira
rom extrema rapidez gratas aos aaavi
tados qne tem sempre arodarido.
Deposito geral, na botica _
roa do Commercio. Paris-Crenelle, e
boticas de Franca e da em aeeajtr.
II, raa Saiat-Lasare. Parle.
ver i;
<1mnnV), > i
Hajpulf >
Casa.
Aaa>a 0 taajlana a T*aa> a.
do tr ortejr. aa tea Vista, lea 31
< *, rimara rm, java*
alni-ve hanta, a etaaa eata aa
tratar aa na ato laaexiaasa a fl
i
Mfinbmff^
"" '*"> aaraa dk raaa>. aaa aeaa>.
Da-se
DQncie.
3005 a juros : quem precisar ao
\
Ama
Precisase alugar urna ama livre ou escrava
para camprar na ra e cozinhar, pagase Lera : a
tratar oa loja da ra Nova n, 11.
0 abaixo assignado faz publico, que desde o
da 5 do corrente, se acha desligado da sociedade,
que leve na sua taberna da ra do Rosario Larga
n. 18, o Sr. CusioJio Jos de Oliveira, nao devendo
por tanto os devedores da mesma taberna pagar
seus dbitos se nao ao abaixo assignado, ou a pes-
soa por elle authonsada. Outro sim o abaixo as-
signado nao se responsabelisa por qualquer debito
que era oonie da extinta sociedade (,.ra o mesmo
Sr. Recie. 16 de desembrode 186o.
Joao do Couto Alves da Silva.
A pessoa que tiver direito a 2o caixas com
vinho, marca ancora dous A, viudo no brigue sue-
co, procedente de ilamburgo, queira dirigir se
ra da Cadeia do Recife n. 18.
vt&wt
DE
DE
J- VIGNES.
. 55. RA DO IMPERADOR N. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje asss couhecidos para que seja necessario insistir sobre a
ma supenondade, vantugens e garantas que offerecem aos compradores, qnalidades estas incontesta-
Tets que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecdo nesla praca ; pos-
juindo um teclado e machinismo que obedecem i todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se fejto ltimamente melhoramentos imporlao-
tisstmos para o clima deste paz ; quanto is vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso omito acrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se confoime as encommendas, tanto nesta abrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital forara sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabeleciroento se achara sempre um explendido e variado sortimento de msicas do=
melhores antores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodose razoavels.
I'ata a cRstrncco de machinas
DE
\I.KIRTM>\ E IMII .I.ASS
New London, Cormectieur, Esta-
dos-Unidos
Solicitam pedidits de descarogadores de algodao,
adoptados ao alcodo sui-americano. Hao-se de-
dicado a es:e negocio durante 2o annos, e attende-
ro immediatameote a correspondencia que se Ibes
dirigir.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
soore a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna Sane em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministrarn da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA* DIRECQO GERAL
O Banco de Hespanha Madrid : Roa de Prado n. i
Ama
Precisase de urna ama para cozinhar
prar : na ra de Aguas-Verdes
andar.
Enstiio particilar,
Alexaodre Correia Cabral (>oltelro) offerecese
para encinar em qualquer parte a lingoa porlugue-
za. bem como a franceza : pode ser procurado
nesla typographia. __________________
i'rrgnata Innoccaitc.
Deseja se sab-r a qual dos dous partidos polti-
cos pertencem os senhores qoe estao aas duas cha-
pas Progresista e Genuinacom especiaiidade o
Sr. Dr. Jos? Eustaquio Fenetra e Jacobina Es-
pera-se que o mesmo senhor doutor se sirva res-
ponder para poder votar vem illusao.
I m eleitor da Muribeca.
irst HiiMir4%r"
Amei Aagusta .1-- Oliveira Quintal, educad no
ennecio dsorpl\as. achando->-e habilitada pela
directora da instrueco pobliot para en>inar par-
ticularmente a lOr, eacrever. contar, rmmatiea
acioaal. doutrina ohrista, tx\rrtar em branco, em
seda, em las, n froco, em oaro, marcar, lal.vrin-
tbar. eBaal ewr bn ; hM> w coco lo a IX
Oe jaaeiro, na raa 4* t'.oa.^rOi o. Wi, 1 andar,
ot4 f*s*> ^a procurado x^vare1#o *** %.
r^rars o> wimiHas qajrj qnit^rva tiltoerOe
ar.
~>w5a^jllT^0wmFwa^^
aa^ar^r^r^ W^^arrM^ |Wv rT^W V^^I'lTi-i"" ^^^
aaBBBBBBBaBBBBA BBBBI ^^aaBBBBBBt JbBbV ^BlBaaBBBBfBBtV BaVaV^BafeafaaBBparVV A
mStf^ttofa* 4% t%fr*la$t!fc ? ,^^ ^|MlrV %Vr^ ^H^^
laVe'* ("PPPvn WT raHraan ^W f^D^^^W* W ^*m*i^rTW|^ \
fc\ *lf- TMB^akakJk.V bbbbb% Bk^aBBBkaBBM ^BaaBaBaaBaaBaN ak ^aaaaa. aBaBBBBdBaaafeM
0^ wWIW* ^^^^"| ^vMrrf^'f'^** rr^W^T* /" Vrr^R svWrrJWa^vT*
Wef^WW ^W?% W^"W^ W(r^T ^rfc f^*aaJWP ^ ^^,'^'
^V*)f'flia MWva* ^^^J' MWerRaT ^pWP "rw^Wa\ ^^fv,*J*^1
1 A VIPOR
!'0 RA DO NONDGGO 90
ierposiio na rna Xt ., loja de rrlo|
0 dono deste estabelecimenlo parlecipa ;io res|.cita\.'| jinWiri qne m fabrica
esta montaba com as melhores machinas que existem na Europa, e <\<.c pd.- fahrirar
com melbor perfeit-o possivel. Todo o ClwoulUt tem fahrica e.-t.i garantido, e pm.
o que nao se pode encontrar naquelle que vem de f,.ra. e que .> ven le por preco bitaf!
visto os producios serem do paiz. Na etiq- eta tem s mpre urna asnia
FREQO.
Meia libra......... | |
Urna libra......... M
Urna arroba........I?>5000
Na mesma fab ica acaba de se montar tima nflrcina cot errara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o Me cncarreg -se de fazrr pi.rtas. a-
Esta companhia liga pelo svstema mutuo todas as combina^Ses de supervivencia dos sega- assoa"'os (parqu ftancez como se osa na Europa. e aVaM.Oe.i, linio eom f>n
ros sobre a vida. dade e perfeifao. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade,
Nella pode se tazer a subscripcao de maneira que em nenhnm caso mesmo por morte do prompta a collar-se no lutr.'ir.
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes. ________________________________
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades 4a ndole deA NACI-!
NAL,que ainda mesmo diminuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
coes ecombinando-o com a mortaltdade da tabella de Oepareieux que adoptada pela companhia
para seus calculse liquidares, em segurados de idade de 3 a!9 annos, urna imposicaoannua.
de 100# produz em effectivo metlico:
No tim de 5 annos.......I.I19J300
de 10 .......3:9i*6O0
de IS .......I^OSiOO
de 20 .......30:856*000
de 55 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
elo snb-director nesta provincia.
ta ra da Imperatriz n. 15, estabelci-
SEOT|0S
Oka
Daa
>ei-in LaDa !"
fttaarn*
r^ paatidatra,
PrrrtM r R riVaarr.
BBBBI
entrefari,}^^,
Prospect >s e mais informales serao prestadas p<
Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-V
ment dos Srs. Raymnndo, Carlos.Le
te & Irmo.
Tiltil II
nF.
Farendas, nhantasia para vestidos chegsdos de Paris pelo ultimo vapor.
Lindov robes de organdys cesananas fazenda transparente de intelro gosto.
Hitos de percalia campestre pedrde? nVnUo neos.,
Klqossimis gnoadines de seda o que tem vindo *e melbor gosto oeste mercado.
I.Kidov cortes de .ittan ptkio para vestid tazend i inteiramenle aova.
l>ov de gare setim em peca fxrenda transparente e de go-to multo modernos.
lindos chales d<. grenadim htwhrt. primefr Vel iWl apparecidos.
Ricos boarnas Oe crep guarnecidas de tranca m tito proprios para pre^
Rtquisvimas tiwlas para smto, ?>. Tftrta, #e crM>! il coro ac^ <^m pedrss Unas
ae ha d.' maiv novo.
K entras mnHtrt nWHaas 0* Intervj Jo?to.

*t> \Har-*Hrrllna

iMfaWl^
> t to anteara <> \M t V\\\^
.taiJV aaspe-ea wtrevrOjMa y*r>1#i a* HXVT nVr> lo ipn^Trwt-'
t* trn a tata* >. IWcia (VaWD ttodr o^w^tNa a*> oM^ptoHo a, *.
mmmBBiBaBaaBBBBBBajBBBai i f"(a w* vi^po Sai)h>, tn\ Tfwattr-la^
~ aa"* a*M ra* <*i<** |ta*
Mitvttoo wWMt mlvai^o, fin tMax
p-ra
prrai*a O
iraeao* R**- ax^ c*v+a*raaTu^aaaaau %, V t* amawaa
rip****aa* caaaprNla aasfo qnmejaB mm, *^
ilVaatti-Mi J^,
rillt. aaaca ao < Kt^ealaar, i, H
vDn ff^^^aWaW ^^^"JJ^I*l^eaal % a ^ff^^^D ^ew ^*arl^r^P "Ju
4 \Wl^WS M-aal w*
Grta^tes i^lKrs
aav aaartwaas iaa>aM%aoa> d% casaa>
M^a^j^lTOa iSaw *** <*ffl'>. ^^W**" waawvWii pela a*ti
HD vr*a* W 0( ajinarao, qae narra "iesoa alo poee nar
ata T*aB/aaja eio
4*^a^D
aTa ? ^VaMAMl.'
vWviral
do
a tratar
oa-
cova
a> Hran* a.
ann pintor
aamaBaai a vaakaaaajaaai \aaa\aaa. 1 BaWBaA irual BaaaVaaaaaK Aa ^aaaaai ata i
awaaaraa a. waaj aa^aar*v^rj ^a^a vara^ .wr^narar* v^^^r vwa^v^Hraa^ ven ^aajaaa] *mji ^
Mas aaacaaaas daa lawat>! fa **_**' CNkDa .taMM tNM foaoaclO,
^^WD^a| ^^^l Ja"aaa">eK* a#*J^^^aW^^aaaajBJPaV ^a^aa^ra*7BJPl^al^ V B^.^-^.^-^-^gk- f4taaBaaBa^BW taaWaaBBBa*^** *^ --^ *fc-
sy^eaaa,
Oasa>
Vafaa* bb.1bbbbbbK ^aaV^aatat ftaDDDjt ^DjaBBaark
fwag vatraefaa^k rva^ar^frt^ frannil ^ra**
aa>aBaalra>aya^,aaa>
aft djDD MVjM dn ^"^"', <*^w ^^aa ^ra^Bj>w^^ar*^ no Wven*^n n? ^n",*i *a*
im wwaajras aata>as;BaaOk 2****!?*!** *?!?*** s*','t '>?*y-
, aa Ba a ^ ~- Vak BE k_ -
UMAs O Mros
___ |fcDat*J*vJBlaa."fcfadDD_a. ^aa-t^aaW
iraa^H ^ral ,^a > v*N VBBBHT^m "^^r^^"JaTvTvai*i"JRa^
W WffW^" ^ ^WPr^% ^W
aoaa-
Wr-aWs-
faOc-w a r*J*aanjan aa raa
la aa a aWH aa^ao m ras On
^m* w* V.raneta* 'aWj**^ 1^ 1*111. firUthn, dn
l<* WW tPrwOv t* fWkf*?^ f-MTI tWW lf*#Wt |*t
COF.MIO I IIRIT %H
Rna da Crnz a. 10.
Continua a haver diariamente tim sortDento de paslei?, podins. bolos imrV>7es,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimenlo, acham-se na< rr condales
de poder salisfazer ennimmendas concerwntes sua arle, em ncia !
Freitas ter sido administrador chefe de afumas das orina, aes bbricas na ron
urna a do Sr. JoSo Goncalves GuimarSes (confeitaria do Lelo) amiga casa d fiar.
Todos os trabamos sao dilTerenles dos que se fnzem em rasas parfrrolares.
Os proprietarios deste estabeleeiroento nao se lem poupado a despero*, rem s^
pouparlo, se hoover eoncorrenria como espetaf lendo coniinn.ndamenie bom sorti-
mento de doces para cha: presuntos e ditos em fiambre, tambem m para se-
rem preparados ; assim romo doce de cajt't novo superior, serr e rrvsialisad
j calda em latas bermeiicamente techadas, pudendo dorar annos em p-
Para jsntarps e partidas recebern-sc t ncommendas -! ban-
deijas ricamente enfeitadas ^m armiefio peras de amendnas (,nopce-i. ajMoV tan
de ovos, pies de l enfeilados rom disliros anlogos a qualquer fim '
keehs simples o enTeiados mm fnietas ,1 ingiera : galheaox de la reine. '
rlese, lorias de fineta. ma<:a folliaih : ilitas de peixe e carne: eremes e
de dirTerentps esperies
Tamhrm icmtim eomplelo snrlimenfo de \inrr ti
doporlo snpe Madeii
vas. Pata f
le. Mullos denles objecfi fl rn ce pe
eomiieonai- tanto pam a provincia, romo fMl JIR^
DEPOSITO PIANOS
;i ni a mm n. t*
"rntalHrBip^B^HnB fla^BaHl aftataaDn a*Dj#-
prrsaamrnir fahri.
II. MF ho n propt lalano MMIi a^MMKrl f
lldadrs dos rpfrtldti? planna.
AhafaiaV**
Dnatnr 3 tn
bOltS COBJBJBJV|l
20. esqajrr. eiijo
Lana ^ct
ntar na rtn >Ib
pfara if>
trie *..
ni
aa
dr
aaaaarw XI
*' aW
fr Kmmp
rt'm-
ali-.
Pilulas rrgtrladhrr.
n-z>lat> ^^^
^aai_. ^^^
Aaacanaita.
Pirata* ariri
agaaaVrid
Pa-tilna* -raifata >fKr<.
-*> aatiaao aa*
f^id|H

ln na Ktrrafa.
r* Prl fPW affHW afpM
sr;'
riipeajim
I #n n mtet**a e fifa cflOt a
wHaD n ajeia n ** nm
que umhem tanh i .r bjbjbj
prime-ira letra. r sifna
rom n ar antnam wtawa la mn aa roa ib <
hata,
} a m*. frs*n
aae aaa Mearat*
KDAAMOaV
*.^>s*oor*leWaaaa*aB* taa fe> aa ea % ayam wna.iJlK o va
a^a>aart4K OasadJaaaaaa- yyfy"."** 2r*vaITaIT
1*2 aftVaaTa'vBaa Jaaaw D aaBaaBaa ^bbVb^bbbbbbbbV VarnaaN ^^*a^^^^*^*ai **^e7r^eTa*B *e^^D Vaa^aPat^Va^vaa^lTa^r^^B^^^D^ *V ^^W*B ^*^V
*a*aTa'^al ^a^*Tar**a,al *aa^W^^^r^^^*WV
J*a^*7aaj(*,^,B *ajr***a*W *aT*^a\ ^W^* a^^H*! **a^aaf
. _.^*)jW ? ^r*l*avV, *^\ *l**aaVl *aWR *jaMa*a^ra*M(
i Hi f**M v*jf*l-M %. %-f\
W*Ha
!*TwiU-*f *r mir* nm% **<** rt*mm r m
f^^*** tWa*Jl W T*#N : IMI rts^W H***-tai* f |t
f*tf *MH|a> Mtttl-l *M*M*M*I raaiiaaSllUaU<,JW>a'
a
aum>i*ymxjKO&i
aara* a na a
'artooi tu '
iVaptrhe n. tira aoUrr
tn, vt. nn a pma.

n^
W^jarWrW )K aD W^rW n*R| % pfla{A >R nfl
'^ rwjalfa r
rata ^a rtte
aamtta>a>a^B^aaN
A pf"B*- *r\\em
ara*iaai-ia a*^e '
ana a.ii
Ma ifSpm 4S-
IT
"tb, "aaniBaj aa
Mo
CAfaLM
My~
'--


''
MNH
OKPlIUCitAlt
r a uto**! ***" <** **>
uvas a IhwKil aaaaic, a aaatlar
ctate aval
fe fM W
r^ainaeaec
des tasa* a parta

Bor.tgaaai
i, afi era. amas* a-oas.
aa
HI
SffMO
bcaefwalt
lursegoaas para
eiast-oo.........
....... I
detnaca...........
con salto *e lastre..
laa ctaapMo straMei lo ate cap* a
trra para boaaens. horas e aara
asan joaao beaarrt jraani, coaro 4c las-
tre, unan taius 4c tote as fsafcV
aes filas para sapatotro, aaaaaa MHIi
sob e oooros tpje todo *isto aacesra ana-
le faz oobip ooaap ador peta '
IJoao 4a Sita
pata aaiversasaie de Onahra,
consates eaa sua casa das 9 as
tf eras da mantisa, c das 4 as
4a tarde. Visita os oestes esa
casas regalanaeole aas toras para
rsso desuadas, sata os casos or-
feattes, que serio soccorrides eaa
ootlqoer occasiao. ft consultas aos
pebres qoe I procorarBa o hos-
pteal Pedro II. aonde encontrado
diariamente das as toras da
Bannaa,
Tem sua casa dt sade regoiar-
:nente montada para rereher qnar-
qu'r ilwnte, anda mesmo ns alie- ,
nados, para o qoe 'tem commodos Mt
l apropriados enella prtfcra qnalquer
opperacaft caaajpn,
I "ara a casa desatine,
lanera ctasse. .$&&) darios.
Segunda dita____SJSMi
T-erceira -oca .SWW
E nMtooaaanfta jala
acreditan r> aatasfciatssa^ijvs qw
isn. jireataBi.

1
1
\
i
1
CASA 14 NITUIU
'^^^MHi^ ?fPaa^^P PaPaa^'P^aPaniT ^Pa^aa^a w ^aava^Hv ^^r* ^^**7
Mi 4 amra an p^t^to aiaV, aiMap* l rna *n fto'Hipd* a ?.
ikato,.....,.....MHH; H*"' *>nmi **" >4f
AtHJHa>CJHSM>V
liiaiiiima!^
taaataa aa* w
sjt* wwww> ajs$
tare* e
rtfcs ate
vto
KXHk
Os
afta*
n la\ajp\k
(wanii
***\ MaV
i>na
u
tjjM 4% Wtoawt) )a\ a a #, laja aa
HMMMM aa tTTa aarta% taaa ^^
urtt Mk Wa a a*ra-, tm *ti-
rr wf.t tdtofrar ^f to> 4a
a alto.
Itomm 4a aaffi
m*.m
^^1^1'* '" ^
ff^s
a < a a* f*neto tomat
MB1.
IBKI
awn a laa f^
toaaas a> r*M a> ar lainto to m.
Nrwtoamwa alia toa*
tors.
BtolaBMBM ^BB^aafeamtoat a>aia-ai hm^^^^ a^^m^a^M aa
m?!."^ ^w^w par rmqm wrw* a
3to*a.
I Jtors. ^__
^PaW^WS a^pw rnrpJfVrf nVWVHV, *SaaVt?^vlto7
totoaatlaa,
1toaa>katoir,wajapiiiw MaaaaHan.
ton te trate aaaa ^itaiten, tenate Va a
aae rs.
Imk as saaatftaY lamto a VM t.
wa,Mtw PrwteanaratoaatateaHataaall>ra.
arw KNft*^ teams awralate m afaa te Oteate a
ttors.
toaaamajaaatej amaaaatter ataateGaaaMaa
.ma it liaMM te i teii w atami toaa a
ISar aaastea 4 CajpailM Sa|
tocada ScazataNoaatK 4 | aaarv
aawa t aaiuni aaaWtetea aa ra.
Caa aa aaawaaar r* te ama a "aa ra.
te*v* te ^|>w>w nmriw sdiiial t wtrw a
teas raaa aaaaajaaj rara tear a**aa te rwara
ato rs.
tea*ws waa iterraa te aaaat topeto iHa.pt.
$aa ? ssa.
'nwiw taateaa naa al nf
ato aaa Mf
Itofra* w
Idra*tej*t>taj4l
iMaa to taxta para
latote te tiito pa> f^aiptofa *
atea 4c tart nata tote totea para ato-
W9 Sa^SaSt^
a> tej
*
lartto*
Cartoaiaf
.toaitoaa arwi-ra. aa ateaM> " awWlf^WkW ^^W ttoapaa 4a toMa para aaajWtoa.
VT pH ^W MvPapW i^to^ppp^ppav *WpmI p^^ppf.
4*
>o^ 4ppVc 4* t WpsMla*
te tte to
te
te terato 4t '
te
te
pa
apta la^JllLMaCl' WapJP, **** ^' f*^T*'
^pj^^^^^g^pg^p^BajBBBaaa^y. A Aafad V*^^^^ rPappto" ffV #pto|>TPaTw a^P1*
^^"'^^^^ w ato arato te to ateto*"*
'
k toji4c
n. la.
avinto* a raa te

la \
inut
(faai
^PaPP ^Pr kjn^P^pr*to^P^
ra ditoa H\-tia
->- tei M WaT|te
araato aa aa. ^^^ ^^
araajs.toaaa J ^*J
*---- maaaato aaaPam^
fn. 1 atoVato ato a^te
1^
v +r
f
Machaaas a vapor de 4 c 4 cavallos.
atondase metas motadas para
Taas de ferro coado e balido para
ato.
Irreiosd'- carro para aa e doas cavalkss.
Rekurio>decoro aaaaaat t;;ruz.
Irados aaaer canos.
Va-bmas para descarocar alpodao.
Motores para ditos.
Machina- de costara. ___________^^^
^">^Wi^PaTv
j.
r*?a > fteaaite twra
tec^ te toa te te nara
aa wt*s a aaa tv
ar ^v^iao. tta^
^^^^ ^^^^^n^^^1^
^fi. obraaV> n 44 na te Aarnn : -<)m ** te
~jrj. o- joier in*- ^?- B k. Rerep <^i Tianm a> mate totean te tem rara PiaPi. a atora.
_. IUhi v Ji_________________________________ 'ttamseamajaar-
.ind* rsat^n- tafn- wm A a atea te RMir.. a pal aR naiuiu>. fam laania, ^aa tetoste"Mato
ainixta. ipm tmtomaMFaa* trate fr>**a. x- tata*. _^_
tema n {irxmMimir anaatea-la ao awsmo "apar : %ars te uteto te laaaiiHih a to tv
a traiaT rom i.. %. y. VatPii(a._________^ ;^initot- "J> aa PMMto atojiatte a to te.
Aiot^-se ~puiulf antar a roa as tM '
fte- n. K
ca teaTra faafw trtete |""
ar la vwia. am mnK tajan aa
aat^teto ato frtea,
t>
\ arrtipa toja Ir (
a l.
reas c torfo* aec^aaltoa\
a te* a drapr^tcte tea
ate to aaprw^toaa
- (< $r yunto 4rm- ac atwmte
^aaiaaaaateaaatoaaaaraak aan teaaate
.ktsaru i, a\ a aajtol to ato rar'"-WT >'
, a psai toto as
a tafwi toas *s*-
ato-^w aaaaa7$Caaw4tevaaa)te7tom ttodkM* ^atoMal V V>4,-4W> vto a ,
aaawa&r au X9l ^aMiate, Piiaiiniatoatii *te toga;team 4 ^^itotaito to "f>
sjiiir- e QiftaHa 4MaHaato>i aacaanaite ^*Maaa*k.aami >:...:.. i^..^^.. <>.;...i> .hJ....,*.. aaaaaaai
aagy.n-g&vtnfl^i aa iaaaaii a towajaai\aaaat wairaamaawta* ^auaaa^a* sa*aaw"wa*ar- toatea a^v te M ^ tetoate
4 C.toaa yeta- te^teamte pateav,**^ *te>t 4as iitoto>v ave ^toMto TteVtar> t^^t^te-aate^*ate 'patoate
s
"
cwaaiaiitoitou teiaaa>s ym>
isma raacam aacsacaasaV i
ornato, a Oracartac totoam ***
uei fe Srxcstaa mat* nspa av I3k
'5
0 Dr. G^san ti S r\Kura aatote 1
ana a residir n rax da Craz bu X,
Ia e 2a audsr. odH: .toJc ser proco-
do jara a togaasaaB de soa pridis-
sao attdi^i, sobre o3$oMie
t" atototoateai olhos;
0 de peito:
3 osorgiosfsai-
;i urinarnt.
Em sec-6i:riploxo os doentesse-
rao exaocintios nc ordem de saas
entradas comecaiak c trabalho pe-
los do entes 3 eihoc
Dar c^Muias utos os dias das
6 as 10 da maahaa, menos nos do-
mingos.
Praticars to e qcalqner opera-
fcao que oigsr \;onrniente para
protipto restabilecimento dos seus
m doestes. 0
aasaatanasasBaa
__ Prtca-se deaastaraa c -eile : na ruato
FfGgresso.c. 7.
mm^&m mmmm mmmmm
DentBta de Pern&mbuco.|
'.ua etpeia de Resaitio n. 3,
M p da tgrqa
*FRfiNCSCO PINTO ZORIO*
S CeMoea lentes urliri. iirs
pelos anatemas mals nao-
aal deruos
Empipa todos os meies scienlificeSiPara mj
6onser*r os nalaraes. Pode ser prooara- pj
do em sau gabieete das 9 horas da .tna- 1
;-H nhaa as $ da larde.
3aW
Aloga-se a easa lenr-ea o. t\ na ra de San-
la Tderea : quem qw.ur alle na camboa ds .Car-
ino c 8.
i YatoMa>j4to>
totoito. Saaam4C^totoaas
aaaaaanr aaaa, * m.. n*k- taJliWt|ui- ac 3Kti ^a^nta- te
aa?'* toja 9>/*hi.
^a^to"^"p^"tatep tjto "aa("atePifP **^pa^r**S a/ ^^"ate^maaB^ aap ^"araiBg-
^r^r ^ppa^atei^^i^^ ^r ^^Pa^apr^aW^^n ^Pp ^^a^R ^a^B ^^ap^'^^^^^r^W ^B-
*"^^ ^qft^am ayniHr ^ara^Wa^ *>>* ****
^^ ~''BPBT^'a" *> tjB*Pate^aPi^to> aato^akwia aTaar^P^*W 'tew'arr"
'"* tm nai naaai 11 ifc >1iaaniai aa*
^^^ ^^^ ^a^BBi ^p^aaapn ^ ^^aar^pa ^aamaP^^a^aav ^a. ^t^aaal
toja^'^fc tew^ftmff ifw fa,#4#Hwfm^
toatoto aaaW4toa1 ato aaamte ato aam Pate*W ^F Pa^tW VPn ^W"^'faP
Pto ^^W f^Wv^aatoteto W^^ *^ ^1^^ I m"aaaaaaaBBab ate *- -a ^ aeaaaBaBjraa.^
m te tea toa aa ra 4a *** ifftoaaate a> aaa^aaaaaraai
-- para toaaaaraa
a#tetoitte4toa >> ttojptea % ear* w* 4 aa-f ,-ai%
> toatTte ite !dfr taatrte
Int a JU^LfUlatojr. Y. %****
^^r^rta^W'' a|ara^^P "PPapi ^'pa'r^'^RtePi. ^amaPa^V* ^Pr ^*^^"to^a" to^
^^,,itei2arteteto^ fer^1
^pf*"^ '. ^PJpair. ^*|Pa^aa^Bm T^ajp aa a^ ^ MaaBataaamn Irt."
l^'teaato'te'toa "toa tetote '"N*JJJ**^
"?*-y<)*^ **>-| ltoto,svtesv^r-... .
Sftma^ltote* Ptotolto*t,L..PPP^P'r tolttotote 4

m
>
Ntrta>
ti* aaaaaaa 0*0*40*
;.ii* tu ten
a. uc lObuitititr
*ati iuj. KM.tlK te te
a
Areoa..(a >naa>wi) aaaaaaaa uaaa aaita aa aaa te vaaat'aaai.
aaaaa ateta te ctuftnw? Atea te amata, racsa
te Jui "toteaatox____________________
- tes: aaaaaavtaaaaaa to ;ai7tW
p!Uvul cuifo rocankercul j*l-
ti aiiinciM'tcn^al- a >"ct-JaJ? .jup liuha imib
Sr. (uiiterta Caraeiro da Cuate aa 5va te te
aaates sitt aa ru* Sa b. a\ >aaat a>rv ste
a raza de 4ttnira>< <\ Carawtro. fica*a a cargo
teaanuBt-taBa activo I aasstvo te aaesuu tirma.
a aaaaamto V taalt]ur d-aivruiui^o rtvulunif
te msa>a stxaedate o socio Canwiro. &v-if W
de dezeoabraa'e 1S03.
trVaaaatov aaa 3 xnlamji : tev^aato*' r*e 3* |m4
tataa flteto aa ateafftetv *' *aa atete. 4a
Iaxtejya4aviv
Peeliincha
ornis pte&UH'hti
IM1IIO
Tainas aaavncdaas coa paMau aaaa te latva-
ra. evaa pe(ucao tot|tM te avara, a S'J rs. o \-<- :
o cae$ i d ao*t moro a. H, araaatcaa te laate
Jos CtKs 4 yhytt.
*^**?*f**?.**JT? tototetei'. p*K dv to to ufa dv uiu-
~li \. i aii 1 aantar to^ptete; Av>ma *te dv aite^o *mi
Pivcis-w por alujan*!
raa da ("ruz do Itecife b. 3.
dous excavo-
Precisa-se de urna ana que saiba eeattear
3>ara caca de ponca untu : no pateo do Ter^o
fl. 3. ________________________
s
s
Pret U de Palma, para casa de fam&a : a tratar na
rot. Oireita n. 106.
mmmmmmmmmmmr
jBJ O Dr. Carolioo Francisco de Lima San-
* tos continua a morar na rna de (mpera-
|R dor n. 17, segundo andar, tendo alias sen
ti gatiin, consultas medicas, logo ao
^ entrar, 00 priaaeiro.
0 mesmo douior, que se tem dado ao
Wk esludo tanto das operacSes como das mo-
* lestias internas, prestase a qualquer cha-
Val mado, quer para dentro quer para fra
M| da cidade. 3R
**** mmmmmm wmm
Aluga-se
ama etcellente casa terrea no Poco da Panella jun-
to ao sobrado do pateo da matrii, fresca e com
bons eommodos : a tratar na ra do Imperador
n. 83, primeiro andar.________________________
Ama para casa.
Precisa-se alagar urna ama para todo servieo de
nma casa : na becco das Bolas n. J, primeiro
andar.
Precisa-sede urna ama forra on captiva para
comprar e cozinhar para ca?a de pooca familia :
na ra da Concordia n. 34, sobrado do armazem
do sol.
- Precisa-se de urna ama de leite forra ou es|
crava : no largo do Terco n. 30. _______
__Tendo regressado do seo itinerario o meo
aQlhado Antonio Cyrillo Dutra, deve advertirlos
meas conhecidos e amigos que podero, como d'aa-
tes, a prestarem Ihe a sua conftanca,
Joao BaptisU do Espirito Samo,
Os abano assignados derlaram ao ;uiblioo
e especialmente ao como do a mmercio, ^ce des-
ee o dia 8 te correte >e aci.a dissolvida a socie-
dade que liatiam na taberna t4ta na roa Utreita o.
, e que gyrava sob a raiao social de Lope Fer-
nandes & C: atando a cargo de Antonio Joaqun
remandes a liqeidac.o do activo e passivo da pre-
dicta ti rita. Re'ife 14 de deiembro de I86L.
Vieiorinoi Lapes. Ja (>)?ta.
Antonio Joaquhn Fernandes.
___ Domhijros Martinsde Barros Moateird.
\nVETE\Cl4
Cora a devida venia chamamos a attencao do re-
.verende guardio de S. Francisco para as desea-
voliuras e deboches de urnas prostitutas que rao-
ram no.pavimento terreo de s*-n convenio ; aleo:
deque jnlgamos meoa5|proprio esse lugar para sei
-( r.vercd hoje em prostbulo. ^^^^^^^^
Attencao
iPede se pessoa que acbou urna cambada dt
aves enfiadas em urna argola de a esor de entregar na ra Nova, loja.3 f< rogeos
0,21, que sera' recompensada.
Cellas a 500 rs. o eeuta
Na ra da aladre de Dos a- 9.
Fonas te eaaa Je raa.w sufiericr qualidade):
aratoaaaa roa do Itoaate a. 14, andaj, es-
riptorio"
Ytctlem-se superioi^s presuntos de toaatato
lia, rnegados no ultimo vapor : na roa do Trapi-
che n. ?,______________^_^^^____^___
VeKde-se um ravalio ruco pedre eotn 7 pal-
mo de airara muito bom de cabri tot : -na ra da
Soledad* c. 19.
Cal de Lisboa
Vndese a || o barril : na ra do Brom n. 66,
armazem le assncar.
As Plulas Catharticas
JTE AYER.
O puiqmmt maU tfetax ati hnje eonhetUio.
a toteia4tex ajpTato4 paa !>
v 4*Mt* ^ *' >,"*>>x **.***** to****'
p apto, ar'W'aSpHP lli^^P- ^jajSpPP tojjjwjprt\
Baaaaivvailv.>
atw, aaaaate o r*v> te-W* coa*> aa a vtaaaate
a> aaaaaaato. ** artote a tea toa, to
raate aaaaaa a to.
ratos rapr^Uis para tahas a
toeaiaav
Araaa>5 i vtate aa raa te tjtniaite. M te
Muletas a. to.
BatiUs laaM|tiika
te li t caaiaia. bettetei t raNiUtes : vea-
teahsa aa raa )o Jueaiate, k>ja de andelas au-
aaero 16.
Laartas te teas araa ajaj ara te ata, tenia
r tartaraaa.
A loja de miuteas. ;'t roa do Qoeimado
n. It. real eu um tollo sorlimrnlo de to-
aatoj i aaetoi de toraa aas Htoapja Una de
a^). aaaaa e lartarnpa, e M esta vendendo
por iiret.'os raioaveis : os prct menles diri-
jam-se a esta toja na i ua do Qneimado n. 16.
[to*to |p* totoato wa> xuiww.
toi,^i>>,'aa.'Wvw pte'. .^te orno
sa*\teto aaH#^ l a*.u to.
toto da aatote. 'totiteto Ja wttoaa
totopa teMtea>V'.s,. aaon *m ctovunto^.
.i., i
ir-a*-
uioaw
o*...
...
fltaViaii i i irtufr r
-
\
. mato a a& i.
, COU o covte. Kua Ja U(m i.
F< i
V
aaatedo~, yaaad Je
atea'* avrdates a 13. U Jato *
pato '-
eaMPiis.
6ttvino,Guifterme de Barros cotnpra e ven-
de efieoiivamente.escravos de rnlms os sesos :
roa do Imperador a. 79, terceiro andar._________
Ets pilitlu sao pacxatDt; veg-
itar*, Dio tendo na sua compo-
8i;io nem larmirlo nem uulro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para aa orianeaa.c pessou
iiiiii-- delicadaii, ao meamo tempo
que, eoropoetas vomo sao de vogl-
taes mui forte, aao baatante acti-
vas c tncazea pan as jBsoas mala
robusta.
Savae pllulas caiartioaa purgfio e purilco iodo pyst^ma
baMnl.o nem m.rcurio.
Kic bc lera poupado Uatallio nem despeza paca lerar estaa
pilnlas p um grao de perfrecao tal, que nada deixa a desojar;
... : sao multado de annos de estudot laboriosos e eeiMtant3.
Uir?-se ouw, prau a,amtem jaraiatem.!, ,......tejiai aMiiirtialiiMiPiatoaa
em obras celhaa : ,oa ra da Cakua do fleoe. (Mitat,.,ccomhMo S3ulcJ)tC;a. vMud4. e,m Cja de OBRtai no ara da pUmceiaO. planta ae sao empregada na coifeccio du plulas. Sua
" conipoi.ii>.. tal qae as ealwinidadts que estao ao alcanse
OlirO'C pi*atS de suaao.ii. raras vi-zi'.p poileni rei.ti-i.is oneradi la.
Em obras *elhas : compra-se na praca da la I *" p"^ I dao vigor a u Os as parte de organismo humano; pois corrigen
iua uu;m vu.iila e faz recuperarua vitalidade. Una .la
consequencio avstus propriodadVa yue odoente, abatido de
dtjr e dcbiiidaklijsica, admire-ae d .encontrar, to depreaaa,
1 ua saude e eiiorglii recuperadas por aacio d' um remedio lio
afrnples e agraduwcl.
As molestia que .-to ao seo alcance to,
l'riito <>e vtutre Jl'ivimutirmo, Dr da oih<:--n, A Nivralgia,
dependeocio a. to, loja de bilhetes.
Nappa-ntindi-planispherico.
Va raa do Livramemo o, i9 compra se um map-
pa-^laoispherico. _____
VPECIIIVCIIA
53Ra Direita53
Salitre refinado moito fino a fiJ.MHl em barrica,
lona muito larga propria para encerado de barca
ca e camas de vento 1} a vara, camas de vento a
54, e de em-ommenda lona do reino cum laxas de
cobre a 7J80O, espingardas dous canos mullo finas
a 23A, -i'<5. \' e 605. Ticas e garlos cali de viado
3*oou, bataneas linas o&, pentes e en frites para
senhoras tudo de bom gosto modernos, bandejas
tinas, tudo pelo barato preco que so com a vista se
podera ver.
Vende-se a /abrir de charutos e cigarros
da ra do Aragao n. 32, bem afregpezada : a tra
tar ua ra dos Coeihos n. i\
Na praca do coromercio n. 4, escriptorio de
Jos Hara Palmeira, vndese :
Cerveja Bass, verdadera em botijas, chegada
recentemente no navio ioglez *Anoe Kay.
Biscoulo mglez mtto fioo.
Bolachinha. bamhurgueza nova coja qoalidade
ja aqui nao vem ha tal ver 2 anoos.
Chales de renda"
Paredes Porto, na ra da Imperatriz n. 82, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
o toque de mofo, a 3J9DQ e 45, fazenda de 10A
e 125000.____________________________^__
Breo era barricas pequeas.
Cera em velas de todos os taaaanbos.
Bogias.
Mercurio.
Na ra do v igano o. 19, primeiro andar.
Comprase caroseo (sement)de algodo: no
armatem de algodo de Sanoderc Brothers & C,
no caes de Apollo.
YENDAS.
ItmHMAS
IMIM 1806.
Acabam de sahir luz as folhinhas de
algibeira e de porta para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculodas |
las" e eclipses, como as diversas esias
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na livraria da praca da independencia,
160 ris as de porta e 320 ris as de algi-
beira._______________
-i Na ra do Vigario o. 24 primeiro andar, ha
para venderse om preto muito bom carreiro e
destillador, teodo alm disso muita pratica de
laveura e iKia conducu.__________________
Lages para calcadas
Chegoo grande quaotidade de lages para calca-
das e ladnlhos, vindas da Iba de S. Miguel: quera
pretender comprar, dirjase a ra do Imperador
n, 26, a fallar com Joo Hara Cordeiro Lima, on
na roa de Apollo n. 4 coto o dr, joao do Reg
Lima, 1
itxaqueca, IiuligettG e mal do estomago, laaorrholdas,
FASfCJXEHTOS 1)0 FIGADO,
Ftbrt yaiiro-hepatica, (JtuirUe, affeo-fia BUoial omtrigal,
Ergttpela, Bydroptia, turet, ctguira pardal, e l'aralgsia.
No almanak e Manual de Satfde do Dr. Ayer, que ae publica
todos,js anuos para diilribujcao gratuita, encontra-te xuu tra-
tado Sbbru os iliversas doeocas y.'c estao ao alcanco de
BGHJ3DIOS PUKQANTE3.
Acba-aeem todas aa Botos e Drofariaa do Imperio.
O Peitoral de Cereja
I>2 AYER,
PARA A rr.OMITA CUBA DA
Angina, de ConatipacOea, Toaaes, Bouquldio Influ-
oiiaa, ronchite, Tiaio primaria, Tubareuloa
pulmonares, e todas as molestias do
Peito, assim como para ali viax
os ethioos declarados.
Aa preparacoce do Dr. Ater aao vendidaj as principae
drogaras e boticas do Imperio.
Vende-se em Fernambuco:
na
PHARMACIEFRANCAISL
iDeP.MAURER&C1^
RA NOVA N
Machinas de descarocar al-
godo.
No es d'Apollo, armazem de Tasso Irmios.
Veade-se urna boa casa na cidade de Olinda,
sita na ra de S. Francisco, com 1 porta e 1 jaael-
las oa frente, 3 quartas e cozinha fra, nm grande
soto com S qoartos, tem om bom quiotal com co
queiros e diSerentes arvores de fructo, tem ais
ao ludo 19 bracas que lambem tem arvoredos, todo
o terreno proprio: qaero qaizer comprar a refe-
rida casa e terreno, dirija-se a mesraa que achari
com qoem tratar,
Tomada de Pa*sanuV e Montevideo.
Com este titulo acaba de chegar de Pars ama
, linda pbantasia militar para piano, composta por
1 nm dos melhores compositores, acha-se a venda a
25 cada eaemplar : na loja franceza da ra Nova
D. II.
ks Ma
nuiatar aa
MUaM-aW to tojUs as ^ii^iiitov
UltovMaVa> l-M v^atKV vk UillUM 8'V*lt).
KH4Uto>lMas Ua ia\l.t<4S Tra*Kas ^>iIj> t< ta \iditlto
ISatouas Uatw |aia scul.oia um.isiiu \s iaa la aaaaaaaa aa
Pfaiaa'j |adun.i liaaceza.
Lif as iic seUa e de aluda. i'' ^ ^*ai
Sus|KN.sor..s d- seda i aa ;ilstx!ao e awii- i jtoi ko too aaaaeie n
i ... traa-dm-. i w aVtta d ^rd; i. .
** l,''Kal-.oovV..e>oicaaaado->e, can |,i..,., ,. ...
n.io M tornar M no Galio Vivanle i tu doCres) o n. 7. da laaaaaira o tal
Paiedes Porto
Vnide nm i-. aaaaNa aaaaaaaaaa aa
ataaaaa, pfaaao -rjjm aaatoaaaaa i '''. .'
10?, pr<-as de klyoda | or barato | .t-
eea a iw, i**i. SM, Jtn x<. af*aK \ i- i
muit'i tiua< a ;;w>, 4tJ rs. o c. \
aiOOeiiOr? > corado. Kua da lmicratr L
53, junto a padaiia toatoa.
Parei- 'orto
Recelen ptlo oltimo piquete aanartilhoa a '
guie*.-" por 35, sao bons. lencos c >eda aar
nbora e hoim-m a la, ricos cortes de cami raa
bordados de 18$ a 7}, por aw um i qm B\
e^to se acabando, na ra da lajp-r.iinz n. Si :
to a padarla franceza.
Vende-se um mulaiinho de 16 a I" acno
proprio para pagem por ser moito bonito e dt ac.
con Jucta : na ra do Imperadora. U, tereein
andar.
da baa fr ua
Loja
MISIC4.
ra da liuprratrls
P. 4.
Vendem se colheres de n:eial priocipe para -ha'
a i a duzia.
Ditas para sopa a Vc"XH).
Facas e garfos de cabo de balanco de dons to-
ldes a 6J.500 a dina.
Uilas de um b. l.io a 5aVi00.
Ditas de cabos cravados, pretas e brancas a :J
a dojia.
Caiza rom 50 nvelos de linha de gaz a 700 rs.
Tesouras Qnas para costura a 'OO e 500 rs., e a
Uta*
Resma de papel almaco a 6C0.
Dito greve muito bom a 32CO.
Barathj de cartas francezas para voltarele a 240
e 280 rs.
Jogo de vapora a 500 e 800 rs.
Bnfeites para cabeca e mais moderno que ha a
2*000.
Pentes moito fiaos com costa de metal para
pentear a 500 rs.
Helas cruas para hemem muito encorpadas a
80 rs.
Abotoadura de crystal para collete a 500 e 15.
fitas de coz com 10 varas, de um dedo e meio
de largura a 440 rs. a peca.
Liga para atar meias a 100 rs. o par.
Pares de suspensorios a 180 e 20 rs.
Grbalas de seda pretas e de cores a 500 rs.
Ricas golinhas com punhos para senhoraa 15-
Luvas de fio de Escocia, de cores, para homem
a 320 rs. o par.
Carreteis de linha de Alexandre de n. 80 a 200
a 100 rs.
Gaita de borracha para brinqoedo de menino a
100 rs.
Gaixas com clcheles muito bons a 40 e 60 rs.
Ditas com lampannas para 3 mezes a 40 rs.
Ditas com obreias muito boas a 40 rs.
Fivela? grandes para ciotos de diversas qoalida-
de?, fitas para cintos, ditas de velludo, '.raneas de
cores lisas c de caracol, bicos e rendas, valias de
aljofares, ditas pretas a balo, e um completo sor-
tinento de miudezas qae ee esla' liquidando a di-
nheiro. ________ ______
CIliLES
Grande pechincha.
No roa da Imperatriz n. 52 porta larga de Pare-
des Porto, vende-se chales de merino estampados a
25 e 2500 e fiaos ofi, estao se acabando.
Bordados.
Chegou a loja da Paredes Porto, ra da Impera-
triz n. 5-2, um sortimeoto de camizinhas, gollinhas,
corpiohos, rouieiras e pintos, de cambraia branca,
pelo barato preco de 25500, 3^500 e 45, gollinhas
500 rs., romeiras a 800 e sintos a 800 rs, grande
quanlidade de ntremelos a 600 e 800 rs. a pega,
estao te acabando.________________________
Fa relio.
Vende-se superior farello de Lisboa : no arma-
zem allianca, ra do Imperador n. 57.
Aos tabaquistas
Vende-se as apreciaveis caixas para lbaro, ben;
feitas, obra fabricada no Araraly. | ir muito barate
preco, para acabar ; na ra da CaJ. la ili.
7, l>a._____________________________________
Gaz idrogeneo priiueira
qualidade
Na ra Nova ns. 20 c 22. no grande ba-
zar dt Carneiro Vianna.
Vestidos
Pechincha sem Igual.
Chegou a loja de Paredes forlo um bonito ser-
limento de vestidos de tartalala de cores a braacas
qne serve para partidas por ser urna pnanla.-ia io-
teiramente de gosio pelo barato preco de S e
brancos a 45500, rato acabando-se : no armazem
da porta larga ra da Imperatriz n. 52, junto a [la-
t aria franceza.
Cortinados.
Vende-se um baixo de sibemol, em bom estado,
por 355. tendo cuitado a tem pouco tempo 755, e
acha-se na ra da C^deia, loja de leiloes n. 53.
Queijes do ser to
Vende se superior queijo de sertao : oa raa da
Hadre de Dos, armazem junto a igreja.
Vende-se o buhar d. 39 na ra da Impera-
triz, bem afregoezado, e por commodo pre?o, o
qual vende-se porque o dono tem de ir residir f-
ra da cidade : quem o pretender dirija-se a roa
do Aragao, casa n. 14.______________________
Cal de Lisboa
Na roa do Vigario p- 19, l* andar.
Grande bazar.
Nesle grande estabelecimento tem chega-
do ltimamente dos Estados-Unidos urna
variedade de cadeiras para homem e pro-
prias para senhora e crianca de todos os
tamaonos e outros riquissimos artigos que
por gosto se pode comprar, tudo por preco
muito commodo : na ra Nova ns. 20 e 22
Luvas de Jouvin.
A loja de miudezas na ra do Queima-
do n. 16, resebeu-as por este ultimo vapor,
Chegou a loja de Paredes Porto um completo
sortimento de cortinados ricamente bordaJ:- a
preco de 255, 355 e 455 : na ra da Imperatriz
o. 52, pona larga junto a padaria franceza.
Sicas' romeiras.
Paredes Pcrto recebeu pela ultimo 'paquete om
sortimento de romeira de guipure pretas e de filo
a preco commodo : na ra da Imperatriz n. 52,
porta larga junto a padaria franceza.
Grande pechincha.
Cortes de la a escoceza entestada para vestido
fazenda de 500 rs., esta se vendendo a 280 e 3f0
rs. ocovado : na roa da Imperatriz n. 52, lojaoa
-oru larga.
HSEJ^
Cortes de laa escocesa para vestido 'a 35 o cor-
te : na rna aa imperatriz n. 52. loja da porta lar-
ga, junio a padaria franceza, estao se acabando.
Piano forte,
Acaba de chegar de Pars nm lindo e elegante
piano f-rte de 3 cordas e 7 oitavos, vindo para
amostra e o mais moderno qae aqu tem vindo al
boje: qualquer pessoa qoe qoeira possuir este
bom instrumento o qual se vende por barato pre-
co, dirjase a loja franceza da ra Nova n. 11.
Vende-se:
Cha.
Lonca.
Cognac a 105 a duzia.
Na ra do Trapiche o. 18, segando andar.
V



MI*
as*
'
.Dl4M-l< d rraatice Qnarta \lrs t Je 9t*eaib9* dfelSiSft.
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor francez ricos cortes de
vestidos de seda de cores dos mais bellos gostos, proprios para bares,
partidas ou casamentos.
Chales de Guipure pretos e crneos.
| Bouets de palha da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos.
Casemiras de quadros.
Epeiras da India para salas.
Madapotes francezes a 400 e 500 rs, a vara,
Laas para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos mais commodos precos.
CORTES HE SEIIA
Chesaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreaniique de cores, e seda lavrada pa-
ires inteiramente novos.
Seda de quadros por 1#000 o covado
5-RUA DO CRESPO-5
Gregorio Paes> do Amaral & Companhla.
zenda?
Para vestidos de senhora.
Curtes de seda de cor de bom gosto e superior qtftlidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bimsmoireanliques de cores.
Grosdenaples d> todas as cores.
Lin los poil d chevre fazenda assetinada de inteira nnidade-
Lindas duquezas assetinadas fazenda nteiramente nova.
Modernos renadinesde seda oque tem rindo de mais novo.
Grande variedade de las de cores lisas e de salpicos.
reandys c ca sas de muito bom go>to.
Percalias modernas com grande variedade.
Linios cortes de la Clotilde com todos os pertences cada um cm seucar-
fiffUiin i'.'inmente novos.
H- Bons cortes de ca drfcjfazendas de gosto quesera enfidonh) mencionar.
8S Para horneras de senhora
#- Grande variedade de chales, bournoiu. retondes e algerienaes de Ql e de
<>gupnre a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 80$.
a Modernos sontembarqaes de seda de superior qualidade.
&, Lmd s bertes de seda de cor pretos e de cachemira.
vJP dem de ca-nbraia branca bordada com mnilo gosto.
'.\ Saatembarqpes ebournoux de cachimfra de cor e outros rauitos artigos de
- Pbom gosto.
Para cabera de senhora
Superiores cbapeliuas de palha, de seda e de crina de muito bom gosto a im-
rf: i lilil'.
Chapaos de pilha da Italia grande variedade.
Lmdos gorros c bonets de palha de Italia, Imperatriz, Canutier, Clotilde
', chegados de Paris pe o ultimo vapor.
^SAlTE i\LMEIDA?
COLUTORIO MEDKO-eifflJRGICO
do
feO
!/rs*>z
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTBIR 13 OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Pundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 as 1 i
loras da manbo, e das 6 e meia as 8 horas da noiie, exceptu dos dias santificados.
Pharmacia especial komeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos pregos seguintes.
Carteiras de i 2 tubos grandes. 420000
> de 24 tubos grandes. .' 18)5000
de 36 tubos grandes. 24,5000
> de 48 tndos grandes. 30,3000
i de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
rae se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca i 0000.
Sendo para cima de 12 custaro os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
JilVllON.

AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de precos,
tanto deste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Carmo n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazera sciente ao respeitavel publico, e cora especialidade aos senhores d en-
jenhos, lavradores e mais pessoas do centro, que paramis facilitar suas compras del j-
Deraram os proprietarios dos tres grandes arrnazens, reunir todo os seus estabeleei-
meatos em um s annucio, pelo qqal o preco de um ser de todos, prometie-
rnos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonuneiar os genero
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, cora' socede con-sla uto-
mente em outras militas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
linda mesmo com prejwizo nosso, qualquer peaeoa poder mandar seo9 fmulos qoo
sero tam .em servidos como viessem pessoalmento fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que seno arrepender pessoa
alguma que fizer sna despenca em nossos estabeecimentos; pois peupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Ja'h
dous grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 400000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............ 65000
Diccionario de termos de medicina........... 3,->0OO
Os remedios deste estibelecirnento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que querem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ba tudo do melhor qne se pode desejar, globos de
verdadeiro assncar de leite, notaveis pela sua boa conservarlo, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portanto a maior
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de quakjaer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, p ira o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O ira ti ment o metbor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa ha mais de quatro annos, b muas pessoas de cujo conceilo se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquellos que desejarera mandar seus
doentes.
Paga-se20 por dia durante 60 dias e d'atai em diante 40500.
Asoperaces serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos preeos
razoaveis que costema pedir o annunciante-.
Grande variedade de enfeites de froco e de lores para casamento.
S iperiores vestidos de blonle. e de m tireantique brancos.
Bons m reantiqnes brancos e superiores sedas brancas.
Bons vestidos tarlatana branco bordados.
Lindis mantas de blonde e boas capellas.
Bordaas.
Grande variedade de entremeios bordados transparente e tapados. ,
i as bordadas transparentes e tapadas, babados bordados, saias- bordadas e.
nutro-; muitos artigos.-
LOJt HAS CmUX!SA&
DE V.NTONID COURRU lR VAS ONCELLOS & G.
RIA DO CRESPO \. 13

-

FLORIDA
P Bichas de Hamburgo 1
^ todos os paquetes da Europa se recebe aj
\t' destas amigas do sangue humano c se'^
B vendem a troco de pu30 lucro s afi ,
JJ de ter sempre cousa nesa : a loja de bar-
3* beiro ra estreita do Fxsano n. 3, ao p J
9R da jgreja.
DE
1BRAY&LANMAN
colares Royer oh colares ano-
dinos
para facilitar a deoticio das mangas e preserva-
las das oonvulsoes.
O feliz resultado obtido immenas veaes la
prodigiosa forca magoetka dos colares Royer, nos
casos de convuisoes, & denti^.o das enancas, tem
aHamente elevado o- seu bem merecido prestigio,
e boje j* se pode diisr que estao geratraente con-
ceituarios, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de uns porque do uso dtsses salutares
colares viram salvos ao perigo seus charos filhi-
nhos e de outros porque colheram- daquelles lio
preservar os
seus. Assim, pols, a aguia branca, toado em vis-
tas a milidade e proveit" desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandoa vtr o nevo sorti-
meoto que agora recebeu, e continuar a recbe-
los para que em lempo algum a falla dalles possa
ser funesta ao< pas de familia, osquaes fiearao
ceru>s de os achar constantemente na ra do Qaei-
mano, Inja d'aguia branca n. 8.
\ agua florida de Murray & Lanman
olhada c tem podido ser igualada pelas preparacoes proficuo exempto para igualmeme
as mais costosas: conserva sen amina, co-'
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua cfficacia 6 to delicada, como elegan-
!,. sao mus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
ni oso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se ten ha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
balito.
L' snwidade, brilho e elasticidade as
comp'-eipoc denoisdese baver lavado; al-
l',;. e irritacSo de ^rupgesordinarias; faz
desaf9reQer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
a de i bulicoes, e d vigor e frescura a
p?iie onde quer que se applique. Sua effi-
cjencia e elegancia s5o igualmente infalli-
veis nos casos em que *eja preciso applica-
la orao estimulante e antisptico, nos con-
cuisos e assemblas numerosas, as loca-
lid;; les infeccionadas, na alcova de um en-
ermo, assim como um antidoto excellen-
x para os desmaios causados por cansaco
ou suffocacio
MlWEftl
Manteiga ingleza perfeitmnte flor ebe-
gada ltimamente de t.oooa i'.too rs. ai li-
bra, e em barril ter abatimeoto;
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e en barril ter abatimento.
-BANHA.
Banba refinada superior a 64o rs. e em'
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de primeira e superior qualida*-
de a ,8oo rs.
dem hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porcHo ter ^batimen-
to, tambem haproprio para negocio de i. a^
%kw rs. a libra.
dem preto superior de l,8ooa'2,5oo r?.
a libra.
Biscoatos
Latas cora superior bisconto isglez de di-
versas marcas a i ,2oo rs. a lata.
Bolaehlnhns
Latas com holchinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a,
doentes de 2,oco a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de!
soda a 2,ooo rs% a lata.
Queijos
Queijos flameogos chegade* no ultiao
vapor de 2,6oo a 3,ooo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanbol a 4,oco-ei,2oo rs-.
a libra, francot e suisso a 1,ooo rs. a libra
e portugnez 800 rs. a libra, em po:$ao
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinbo do Porto da& mais acnedi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Matsia Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces-o outras marcas a t.ooo agarra-
fa e 9.ooo- a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das memores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a S.ooo,
3,5oo e 4uxk> rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64c
rs. a garrafa e a 4,5oo es. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ancuretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a s-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 40 rs. a garrafe, tambem ha maisbai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3>2oo a
3,ioo a caada.
Caixas com unw duzia do garrafas de su
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oors. agarrafe. m
CIPE
Serveja
Supericr serveja Bass do methores fa-
bricantes, como sejam: Shler A Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de oetras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,309 rs. a du-
zia e a 5oo rs-. a garrafa.
vimgre
Superior vinagre- de Lisboa a 2,ooo rs. a
eanada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs-, a garrafa ei,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite'doce e Lisboa a 34o rs. a
garrafa e a 5,oco rs. a caada.
Stasmts
Macarro e taloerim 360 rs. a libra e a
i jooo rs. a caixai.
Pasaos
j Superiores passas a 3,ooo o qnarto e
i&.Soo rs. a caixa do arreba hespanhola e a
LOJA
DO
Vendem-se duas escravas recolhidas, de ida-
da %3 a 24 annos, excedente conducta, engoaniam
pprreitamt>nte e fazem todo o servico de ama casa :
na travessa do Carmo n. K_________________
Vende-se um sitio em Bemfica a' margem do
rio Capibaribe, com bastantes commodos para urna
grande familia : trata-se na ra Nova n. 24, das 9
boras as 4 da urde._____________
Venden se quatro burras mulo mansas, boas
de carga e de soila, por preco comraodo : a tratar
no hotel de Fran?a.
Machinas para descarotfar
algodao.
De novo modello : na ra Nova n. 20,
no grande bazar de Antonio Duarte Carnei-
ro Vianna.
Presuntos de Lamego de superior
Preparada nicamente por qualidade recentemente despachados, em
Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda por peqlienas 0u grandes porcoes: na ra
Ca Joo da C. Bravo 4 C. Cruz n 47> a 400 rs. a libra.
Dormito ijeral em Pernamooco roa da
Qraa Q.22 em casa de Caros & Barboza
%a-fflR5Sra $, %!?
avaHado.
Francez barrica 52000
Portlaud dem 8JI6OO
Em perfeito astado:
Francpi barrica 104000
Portland dem 124000
No armazem de Tasso rmaos caes dcJApoHo.
do
da
Na ra do Vigari n. 24, pnmeiro andar,
vene-se o seguinte :
Caf lavado do Rio do mais superior qne tem
v indi 1 ao mercado.
Gomma de mandioca superior em saceos.
E-telras de palha de carnauba multo grandes e
nova*.
Ha becadas com duas redeas a inglez, ou-
factura nacional da provincia do Oar, as qoaes
pela elegancia e bemfeitoria da obra, convidaio os
amadores da bella montara a arreiarem seus ca-
vallos com elegancia, sendo jue, era conseqnencia
da modieldade do preco ningnem deixara' de
comprar.
Caf do Rio de 1.a e 2,* qualidade de
6,800 a 8,200 rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
N.IBO
Sabio maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 2lo rs. sendo
em caixo.
libra.
GEIEBRA
Genebra de laranja verdadeira a le;5oo a
duzia e i ,00o rs-. ao frase.
Genebra de Hbllinda verdadeira 26,00o
rs. afiasqueira e-a 56o ?s. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo re. ca-
da ums.
Garrafes com 24,garrafas de genebra de
Hollanda a 8,900 rs. o garr^fao. Tambem
ha garrafes com 5 e 14.garrafas de 3;2oo a
6,oeo rs. cada am.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba do lo a 12,ooors a
arroba e de 38o a 44o rs. a libra.
PEiXE
Peixe em latas j preparado de i,ooo a
*,2oors. a lata
AiPISTA E PAINQO
Alpista e painco auito novo da 3,8oo a
4,000 rs. a arroba de 14o e 160ps. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos- dos mais acreditados-fabrican-
tes, como sejam: Joo Furtado da Serrias,
Manoel Pixoto da Silva Netto, Castanbo *
Filho e Brandao e de outros muitos, os
quaes vendemos pelo mdico pre$o de I.600,
2, 2,800 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooors. a caixa.
Licores
Licores franceaes e purtuguezes a l.ooo e
l,4oors. agarrafa ou frasco.
Doces
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
quemos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o caixo.
Frus*
Frotas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bera enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a 00 rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEVEDO & FLORES
Eua da Cadeia do Reeifer esquina da Madre de Deus.
Grande sortimento de fazendas por atacado e a retalbo e om completo sorti-
mento de roupa feita, de casemira e de brim, tudo por menos qae emoutra qualquer
parte: quemduvidar venba ver.
CAICAS
de lindas e finissimas casemiras escuras e ciaras, de superior casemira preta, de finos
brins brancos e bom brim pardo.
FalclOs
de superiores casemiras escuras e claras-,, de fina alpaka brane*,. de superior alpaka pra-
ta e de brim pardo.
Collees
de boas oasemiras pretas o de cores e de fino brim branco.
CAMISAS
Superiores camisas ftancezas de 20 at 50.
WAS.TAS
Novas mantas de seda para pescoco- de homem.
PELO UITKHO PAQUETE
Grande sortimento de balees de arces-e cobertos de panno.
Bdioes de arcos encarnados os melbores que ha no me cadb.
Baloes de arcos brancos, tambem os mais novos,
Balos de arcos escoma, a primeira vez que vem ao mercado.
Baloes cobertos de superior musselina
Baies cohertos com pannos de cor.
Estes baloes encarnados e escuros devem ter um completo acolhimento por todas
as senhoras-, pois tema vantagem de nao se suiarem; como acontece com os brancos.
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
MacSas pelo ultimo vapor;
Ameixas pelo nltrmo vapoc.
Passas pelo ultimo vapor.
Fiaos pelo ultimo vapor.
Fructas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos kmdrinos pelo ulnmo vapor.
Queijos flamengos frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo uliimo vapor.
Tudo se vende barato n-^s seguintes armazens:
Ra do Imperador n. i O, Verdadelro Prlaeipal.
Ra do Queimado n 1, Doli e Cosaaserclo.
Largo do Caras a. Pros;resslra.
ARA%EI B FAZEMDAS
* c.
DE
CUSTODIO CARVALHO
27 RA DO QUE.MADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo peuco mofo, cada pega com 27 varas per
10000a.
Ma de eres a 300 rs, o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 20* 00 a duzii.
Fin s perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 100 a3O0OOO.
Chales de fil preto- e outras muitas ftzeodas.
ALGllDAd IM BAHA
Na luja de Andrade & Reg, ra do Crespo o. 8,
squina da ra do Imperador, contiDa a vender-
se superior algodao da Baha por menos pre^o qne
en outra qualquer parie^___________________
G\Z.
Mco
Grande novidade.
Leursn^o Pereira Mendes Guimares, proprie-
tario- da grand loja e armazem da Arara, ra da
Imperatriz n. 56, de.-.lara ao- espeitavel publico
seus freguezes, que r>cebe* diversas qualidade
de fezendas viadas pelo vapor ra-cez, por isso
coma a fesu esta quasi acabada resolveu vender Alnno tranflllt
uaraio para acabar al o ftra do anno. A igOOau iraTlLUUU
i ucImIp rhalfs di- Ida a 100606. da fabrica de Fernao Velho : no escritorio de-
Vendemtnc^lha.eT de renda n.u.to U^s e Manoel Ignacio *> .ve.ra & Fuho, aa> do Co,-
ovos a 10*. 12* e Mfc, elondas muito tinas a po Santo n. 13.__________________________
124 e iSi, soutembarquas de grusdenaple a i*t,
205 e 254, capas pretas- d grosdenaple a 20* e
23*, soutembarques de laaainbaa 5*. ditos tran-
cos finos a 8 : roa da Imperatriz, loja da Arara No armazem da ra do Imperador m. 3 ou &o
D. 56, Caes de Pedro ti n. 2, lera para veoder-se o me-
Cortes feria Pia a 80000 i Ibor gaz existente do mercado.
Vendem-se rices cortes A<- ve-tido de cambraia
bordados a la e serta a 8* e 10$, ditos de lazmha
finos a 8, 120 e 160. cortes de cambraia de ba
bados a 30, ditos de cas.-a franceza naos a 3*,
i*eQas de cambraia branca I na a 30, 40, 30 e 6*,
\dius de cambraia para forro a 2*, cines de chi-
tas a t200 e 30 : ra da Imperatriz, loja da Ara-
ra n. 56.
Cassas franeeea a 300 rs., Utas a 246.
Vendem-se cassas francezas finas a 300, 320 e
360 o covado, chitas finas a 240, 280, 320, 360 e
400 rs. o covado, alpaca de cor para vestidus a 320
o covado : roa da Imperatriz loja rta Arara n. 56.
Laazinhas a 310 catada.
Laaziuhas a 240, 320 e 360 o covado, ditas lisas
as a 400 e 560 rs. o covadik ditas escooezas i-
as a 500 rs. o covado. lencos Se seda a 640. 800 e
i* : ra da Imperatriz, loja da Arara n. 06.
Baloes a 20WV.
Vendem-se baide> a 20, 20500. 30000 e 30500,
saias bordadas para senhora a 70, golinhas para
senhoras e meninas a 240 e 320, camislnha para
senhura a 10, 25, 35 e 4 : roa da Imperatriz,
luja da Amara n. 56.
Roupa feita, calcas 20000.
Vendem-se calcas de brnn pardo e de iranga a
20, ditas de brim branco a 25500, 35"WO e 45,
ditas de casemira de core e nreta a 55. 65, 7a e
85, paletoU d> casimira 55, 65, 85 e 10, dNM
de hnm de cor a 25 3|, de alpaca preta a 35 e
45, camisas franceras a 5800, 2 e 25500, ditas
ng'ezas pregas largas, a 35500 e 25500, cerclas T!" ,o7ire e" nezerVo"para menino
a 15600 e 25, e outras moita- fazendas qne se ao
pode mencionar por e com a vista do eon^rador f>h*ervarSo o qne ba-
rato e bom, leto para agradar aos seus fregoezes
que honram a grande loja e armazera da Arara,
ra da Imperatriz n. 56.
Vende-se om balco de amarel qae aiada aio
foi servido, obra multo bem feita, sendo dito bal-
cao com volla. propria para loja ou outro qualquer
estabelocimento, por mdico valor; na ra do Vi-
gano n. 26 ou ca'es de Apollo no deposito de sabio.
Attencao
Vende-se a taberna bem afreguezada, da
roa dos Assoguinbos n. 20.
!*echiicha
Para a festa.
Ka roa das Cruz es i. 30. loja da cois-
cieocia,
Vende-se um grande sortimento de calcados de
todas*as qnalidades ltimamente chegados, assim
como borracha pelo diminuto preco; chegnem 'tn
guezes a vista faz f.
Nos pes se afflrraera
Barato o preco
Chegnem fregueies
Abaitover-se.
Borieguins de lastre a Milie para homem 75500
Ditos de bezerro dito dito 75000
65000
Bolinas para senhoras e meninas 3*000
Borracha a vara 500
Grande sortimento de chagrn e de cordavo.
Vende-se nma roohiria de amarello ja nsada:
na rna estreifa do Rosario n. 47, 2* andor.
Baasaa
V
'


tmmm
Diario de peNllMMct QM^a Ira t# .le Bezemfcro de 19J5.
NOVO GERENTE
li-a-S'g.is-s

Sg
K ffl
- g
o, B
5?
w 5 2 M
BS'gg-8gg|i^-SS.X1
llflS|Slltrl!3
uitiiiii!tffi*|e
P S ai C r- 1.-,*^
5. o
(A
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
V1SI IlDllSi DI 91 'M'itilil
AO
UESPEITAVEfi PUBLICO*
A apreciado dos habitantes desta heroica proviocia existe no grande ama-
lea da Liga estabelecido ra Nova n. 60 nm magnifico sortimento .'de molhados,
que sendo em sua manan parte mandados vir directamente do estrangeinfpodem ser
vendidos por procos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de qaerer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranca de que
uenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
L" Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posicSo social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compran para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe om sortimento spe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
N5o se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
A i Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA. a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a i
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra,
Avkllas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
uhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa. .
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2->0O0 a garrafa.
B
BOLACHINIIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas,
dem do Principe Alberto a 1)5800 a lata, e
de cinco para cima a l700.
dem de soiia em latas grandes a 25000 e
de cinco para cima a 1(5800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
15200,16250 e15300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna.
'Utatas inglesas.
Banha de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 600 rs. a laura.
dem suisso a 15 a libra.
dem de mesgo a 15500 a libra.
Cholkicas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a"240 e 260 rs. i libra, e em porcao
se far batimento.
dem de primeira qualidade a 75OO0 a ar-
roba.
Cumwiin em frascos a 320
sao muio novas
dem inglezas, frascos grandes.
Cmami'agv: de todas as marcas.
Chak.h'e de grosella, orch;ita, etc., etc.
Chicaras e pires a liSOOa duzia.
S.B
w V <
ri 5
2 S.S 2.
srs-
* a. o. S. &
O. 2 2: -
OQ O
*8
:-
ir.
O -1
S? w
o 5
_ N
3 g
S"-
B
co .
3
|
Cu

00
O)
>
c
>
>

o
5
urna.
M
KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
MAit.MKi.ADA dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Milho painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
N
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a 15C00, de
todas as qualidades, como sejam savel, Pr i!16 Pde
gtras, corvina, pargo, salmao, pescado e'l
. tem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Peras era latas, excellente preparaco.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Tasso Irmaos
Yendem no sen armazem roa do
Amorim n. 35,
Licor flno Curasao em botijas e ineias botijas.
Licores Anos surtidos em garrafas com rolnas d*
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes. %
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscalei.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAczei lagpiol.________________________
0 castello de Grasville.
Traduzide do francez por A. J. C. da Crni.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3500C
na praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
Vende-se um sobrado de dous andaras no
bairro de Santo Antonio, o qual rende para mais
de 1:200*. e urna casa torrea no bairro da Boa-
Vista a tratar com agente Olympio em seu arma-
tem na ra da Cadeia do Recife o. 34.__________
mamMsiepatent
de trabalhar nao para
descaro^ar algodSo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
. OLDAM
Estas machina:
podemdescarocar
qualquer especit
de algodo sea
\l estragar o fio
" sendo bastaDtt
duas pessoas para
otrabalho; pode
descarocar urna
arroba de algr-
dlo em earocc
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por diaou 5 ar-
robas de algodac
limpo.
:m-m
Grande loja e armazem do
Pavao.
Rna da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Tendo os proprielarios d'esle estabrtecimento de
liqodarem ama grande porcao da seas fazeadas,
at ao fkn do corrate auna, fim de fdcharem coo-
tas e apurar dinheiro, resolvern) vender todas as
fazendas com grande abatimento em precos, tanto
em porcao como a retalho, e por isso previnem a
todos os seus fregoezes, e ao respeitavel publico, e
as pessoas qoe negocian) em pequea escalla com
fazendas, que neste estabelecimento enconirarao
un graude sortimento que muito lhes nao de agra-
dar tanto em precos como em qualidade; as>im
como inandam pelos seus caixeiros levar as fazen-
das e amostras as casas das familias que nao po-
derem vir a luja, ou do as amostras deixando -
car penhor.
umbraias lisas a 35O0O, la loja do
Pa\o.
Vendem-se pecas de cambraia lisa branca e
transparentes, tendo oito e meia vara rada pee.,
pelo barato preco de 33500, ditas muito Anas, por
'i;oo, 55, G at 104, sendo lapadas e transpa-
rentes, assim como corles de cambraia com salpi-
cos a -3"00 : isto s na loja e armazem do Pavao,
na ra da Imperatriz n. 60 de Gama A Silva.
As camisinhas do Pavo.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
das com maoguilos, para seuhoras, sendo as mais
modernas que lem viudo ao mercado a 4500, di-
tas com manguitos, para acabar, a 15 ; ditas pre-
(as com manguitos para lulo a 1*800 rs., mangui-
tos e golinhas prelas a 1*, nissimas golinhas de
cambraia branca bordada a 500 rs., calcinitas para
meuina a 640 rs., romeiras de tilo e cambraia
branca bordada a 1*600 : na loja do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
diales de merino a 25000.
Vendem-se os mais modernos chales de merino
estampados a 2*000 cada uro, havendo tambero uro
grande sortimento dos mesmos matizados que se
vendein a 6*, 7* e 8*000 : na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As saias do Pavo.
Vendem-se as mais finas saias bordadas asagu-
Iha brancas sendo da melhor fazenda que tem viu-
do nesle genero, tendo mu i a roda, pelo baratissi-
mo preco de 10*000; ditas bordadas a croch a
6*100 e 8*000, ditas com babadinhos a 9*000, na
loja e armazem do Pavo, na ra da ImperaUz n.
60, de Gama & Silva.
Notos vestidos do Pavo a 105000.
Chegaram para loja do Pavao os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente com os
mais delirados bordados de differenies cores a pon-
to de agulha, sendo nVste genero a maior novida-
de que tem vindo ao mercado, garanlindo-se o te-
rem muita fazenda e enfeites sufflcieotes para o
corpo e mangas, e vendem-se pelo barato preco de
10*0(0 cada um, na loa do Pavao, na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama A Silva.
Os esparlilhos do Pavie.
Vendem-se um grande e variado sortimento de
espartilhos os mais bemfeitos que tem vindo ao
mercads, sendo de todos os tamanhos pelo baratis-
simo preco de 4*, 5*, e 6*000, por haver grande
sortimento, na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Helnos prelas a 125000,
Na loja do pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor as mais riras re-
tondas de renda pretas, sendo das mais compridas
que tem viudo ao mercado, e vendem-se por prego
muito em conla : na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
lorie- de casimir;), pi chincha,
A ^5800, na loja do pavo.
Vendem-se bonitos cortes de casimira de cores,
tendo claras e escuras, e vemdem se pelo baratis-
simo preco de 2*800 o rrle, ou vende-se a mes-
ma fazenda a 1600 o covado, tendo 6 palmos de
largura : isto na luja e armarem do Pavo, ra da
Imperatriz n 60, de G.ima & Silva.
Os corles de casimira do Pavo
Vendem-se superiores corles de casimira, sendo
fazenda multo fina, pelo baratissimo prego de S*
cada um : na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cinlos do pavt a l0.
Vendem-se cintos de fita com fivelas pelo bara-
lisiioo prego de 1*000: na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
35001',
Assim como machinas para serem movidas por *StWf tlditltS I 35011". 1
aniraaes, que descarogaoi 18 arrobas de algodo dn l'a\a.
limpo, uor dia; e motores para mover urna rias r i j ~*r<;jnr
eutni dessas machinas. "V Vendem-se os mais bonitos corles de ye Idos
n.............11.1. .,, qj. .,_ t iu indianos, sendo esta fazenda transparente e inleira-
)s mesmostern para vender Mhssimo va- mpnle nova nonM,r(.,d0f e tendo en.re elle* nm.tos
nrl TIL S iff IBachlQna -ores roios arcarlos para senhoras que esli de
1V f l? DVld,a"Se aos Srs- luto; e vendem-se pel baratissimo prego de 3*
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc., i SSXSSuTLL2SSl ?>?** ?< m.*J* *. > **> rua da
Passas em qnarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomaba muito nova a 280 rs. a duzia.
Cehvfja da s'uperior marca Teneote a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
Idem Victoria Bas tres X e deoutrasmarcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposicao,
Flor do Brasil, Parisienses, delicias, Gua-
uabar&s, Trovadores, hegalia, Mississipes,
Paneteltos. Aprazivets, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, byssou, buxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000,
22"e, 255tt0 e25800.
Copos litas de todos os tamanhos de 120 a
UM rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 2'-;i0, $500, 45e5.
Cai.iors Coovac superior a \f> rl.-SOOrs. a gwrsfa.
CiGwmos do Rio, pardos, "80 rs. o maco
de cinct!'0cirthos.
QUEIJOS flamengos.
Idem prato a 800 rs. libra.
dem snissos a 600 rs. a libra.
Mera londrinos a 800 rs. a libra.
Ql'ARTINHAS OU WOMNQUKS a
R
RAPE' Meuron a 45 a libra,
dem Prinreza do Rio a 15200 a libra.
dem francez a 25500 a libra.
SARAO massa ?. 160 rs. a libra, em caiw se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de IlMt a 25.
Sardimias de Nantes de todos os fabricantes.
Idem de Sctcbal em latas muito grandes a
720 rs.
Oniiitm a 800 rs. o maco.
Sag muito novo a 400 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomatk em telas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
VINHOS! M
Saanders Brolhers k C.
N. II, pra^a do Corpo Manto
RECIPE.
Os ur.icos agentes neste paiz.
Vende-se um cylindro, urna masseira, nma
balanga grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e mais utencilios de padaria : a tratar na
roa Direita n. 2*.
Vende se urna negrmha de idade de 10 an-
nos : a tratar na roa da Imperatriz n. 20,
Framcisco Jos Germano
Rl A NOVA N. 22,
Imperatriz n. C0, de Gama & Silva.
Manguitos r golas a 00 rs.
Vendem-se manpuilos com golas de cambraia
pelo baralissime preco de (iO rs., isio para li-
quidar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama A, Silva.
Chales de renda a 10,->, 12;5, IW, 205 c 255, na
loja do Pavo.
Vendem-se chales de renda preta mnito finos a
10* e 12*, dilos de Imho a 15*, ditos de seda df
linho dos melhores que ha tm chales de renda a
20 e 2o*, ditos branros de tres ponas a C, isto
s na loja e irroazem do Pavao, ra da Imperatriz
n 60, de Gama & Silva.
PARA A FESTA
Popelinas a 400 rs.
Popelinus a 100 rs,
Popelinas a S00 rs.
Chegaram para a loja do pavo as mais lindas
popelinas, fazenda propria para vestidos de senho-
ra, sendo muito transiiarentes e brilhantes com as
mais lindas cores que tem vindo, as qnaes facili
tam fazer-se um vcsiido com muita phantazia por
acaba de receber tim rind<. e magnifico sor- pouco dinheiro, e vendem-se, sendo de quadrinhos
timento de o.u.os lunetos, binculos, do -!^^ ^ *g%& n60.5 **
timo f mflis apurado posto la KtKopa e oc- 3sa()() <- i-1 o
los de alcance
martimos.
para nftfcrvacoes e para os
OOi'fiS de 4odas as qoahftate-,: -brsleros,
.rtngofiaes. itigliws,1'
Principe Alberto, de f834, a 55000 a gar-
rafa ; da 'vi* aos felh'is.
Velho serr a 2 a garrafa.
Lacrimas rtr> rVmro 45500 a gerrala.
"finque d' Portri verdadeiro 2 a garrafc
fraMMS,b.m ^i,^^^ la^feM 1.^ 8 ^tnh_
to.i(,ate*M[%ill.
SKOMIWS wfe % 1* l. % -11111%. >*mml wlaA'lwi ^ "^HNl % %| ^r-
MltK^W^ KJlMMMKfc**' Un |\%
No armazein de tazendas
liaratas de Santos Coelho
fltnn do 4|n'fm.t!o n 19.
Vende-se o seguinte :
frbprtaf de rhila fina a 2*00.
Hilas de -dita a 2*400.
Len^cPs de panno de llotio a 3*200.
Pitns de r^ito de linho a 2*.
Pito> de'bramante de Kotio de nm so paflBo-
3*on.
nannn df linhn fm^ mm i I]2 palmus de larpn-
ra nelo barato precn de 2400 a vara
Prarr.anto de linho fino-com 10 palmos de lar-
gnra a ?*V*:i a vara. _. ._
Pera-de ombrafa rnm salpicos brjeos e^fc
cores com Xi (9 VKra's > W?W.
p(c'.s de oamhrart adama<'',ad proprfa ptra
cor"ria^ (< nn>!> com 20 varas a lt.
a 2*V<0, W-fyi ,. p

|>^.fc*a3 H*pWb% %|Wia VXra,
^^ tito tWI TT v?fW> ^^^^Wfc
Vendem-se superiores cortes de cassa, sennjfe-
zenda muito fina e de cores f.xas, pelo baratissimo
pre^o de 3*000, e ditas indianas, fazendas Oans-
parentes, de muita phaniasia, pelo baratissimo pre-
co tambem de 3*, para acabar: na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama \ Silva.
Vestidos zuavos.
Chegaram a' loja do Pavo os mais lindos cortes
de vestidos com n competente zuavo e cinto, vindo
tudo em um cario, sondo a maior novidade que
tem vindo para a festa: vendem-se por barato
preco na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva. ^_
Vestan* de seda.
Chegaram para a loja do Pavao os mais ricos
cortes de seda para vestido?, sendo em qualidade
o melhnr oe b m vindo so ir creado ; e padroes os
mais modernos por setete fjuasi ledos lis!sdns com
cores mni delicadas, aflancando-sc ser nesle gene-
ro o meWior qtip rt'^ vendem-se por piee -
muito razoaveis, ni loja do Pavao, ra da Impera-
triz n. fa, de Gama <\ Silva.
_ fvri r%t>im. ._
Vend n s, a- mn orlas para
ctiaftmres < trmit. t ,: Pi
ftwi^
ITTKKCAO
VVOn tenas o> Ja** Unw**OkQM*0
<**a* Wsfakkl Mr*. nm **s fw tniwi>K*< *,?* \Va*m atoa V*ataafcaaat
i*re *** fcawaa. J^n,
fdriNfl o355* a tM
Xtm:t Hoaaa >anafera.sawasraa : Mwaaia &a*a a
AGUA BRANCA
Eua do Queimado n. 8.
A loja da aguia branca acaba de receber um
novo e grande sortimento de differentes objeclos
degosto e ultima moda, sendo :
Bonitos enfeites para senhoras gostos inteira-
mente novos.
Ditos ditos de grade com conias grandes.
Lindas fivelas grandes para cintos com moldes
agradaveis e diversas qualidades, madreperola,
tartaruga, ace e douradas.
Bou e bonitas fitas acbamalotadas para ditas.
Diles de dita de grosdenaples lisas e lavradas
com novos e agradaveis desenhos.
Trancas pretas de seda com vidrllnos moldes
novos e de gosto.
Bicos brancos e pretos de seda com vldrillios e
de difTerentes larguras e louilos desenhos.
Cascarrilha- de seda ce ni diversas cores e lar-
guras, formas nteiramene novas a imitaeau de
pafo, babadinho e outra com urna transinha no
centro o que Ibes d muita gra;a.
Outras estrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito g*to.
Uulras de camnraia de cores. I
Boioes de seda, vellurio e ajo para enfeites de
vestido.
Trancas de seda estrenas e largas brancas e de
cores para enfeites de vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PAIiA MENINAS E NOIVaS.
A aguia braura a ra o Queimado n. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Dilas ditas de caixos de flor delaranja.
Ditas dilas de rosas camellas e outras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de flores linas para peilo de
vestidos, enleiles de i hapos ele, ele.
Preparo para flores.
Na ra do Queimado n. 8, loja da aguia bran-
ca vende-se :
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cobrir os talos das ditas.
Mosgo em rama.
Folhas para rosas.
Aqulhas e linhas para crochet.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8 loja da
aguia branca, assim como aguibas para traralhar
1 se em la.
Papel de sobrecellente para os
phosphoros hyyienieos ou de\
seguranca.
A vista do grande tamacho das caixinhas dos
phosphoros hygienicos ou de seguranca, tornava-se
pouco o papel que vem em ditas caixinhas, e para i
remediar essa falta a aguia brauca mandn vir e
| acaba de receber esse especial papel, c qual so
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
phosphoros e se vender indisiinclamenie a quem
, le le precisar. 0 preco de cada caixinha de phos-
phoro continua a ser 160 rs.. e vendem-se na ra
i do Queimado n. 8, loja da aguia branca.
Seda froucha para bordar.
Vende-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
abras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Oolros tambem de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e. oulras cores.
Adereces de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e eruzes.
Botdes de dito, bramos e de cores para colble.
Dito de dito tambem bramos e de cores para
punhos.
Volias de dito e outras qualidades.
leques de di' ersas qualidades
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
Aspas fortey para bala-
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Crvmacome para Ungir ca
bellos.
A aguia branca avisa aos ronslaBtes fregnezes
dessa excellente tintura, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de cromacome, coloricome
e sabo branco, necessano para lavar os cabellos,
portanto podem dirigir-se a dita loja na rna do
Queimado n. 8.
Abridores de luvas.
Vendem se na roa do Lunmado loja da aguia
branca n. 8.
Porl bonqncis
de bonitos moldes, dourados e cabo de madrepero-
la : acham-se a venda na ra do Queimado loja
da aguia branca n. 8.
Bonitas lou.juinluts
de fil de linho. cambraia e soiim todas mu bem
enfeiladas : vendem-se na rta do Queimado n. 8,
leja da agoia branca.
Carreteis com retroz.
Na ra no Queimado n.8, loja da aguia branca
Muita attenoao. .
Gnimares & Irma', proprielarios do grande ar-
mazem de hiendas e roanas feitas na ra da Im-
peratriz n. 72, leudo rerelndo um grande sorti-
mento de fazendas de g lo trazidas por um dos
ocios pelo iiltmio aj i v".! | rtanto fazer sclen
t' a .s s,|iii(ire- e seohora os precos de sua fazen-
das, os proferios afliaiK'.iin vender U fazendas por
meuos 10 p ii eeiito do que im oulra quabiuer
parle nao s por ser no l:m do anuo como tambem
por ser a f-sia lempo este que as Enmas. setbiras
devem muir se do tiom e barato, a saber :
Ricos ro tes de la enm barras.
Vende-se um grande sortimento de corles de
las com barras tendo lodos os pertences, camisi-
nha com gravalinha e >uto. sendo os mais nov a i
modernos que b ni vindo ao mercado, ditos de
pnantasla com lindas barras e vendem se por pre-
cos mullo razoavei.
Las escocesas com lisias de seda.
Vende-se um bonito soriirucnlo de lasmhas es-
cocesas a 500 e 5C0 rs, diUs transparentes de lis
tas de seda a 320 e 3C0 r?.
Pereiths finas rom lindos dfsenkos.
Vende-se lindas percalias muito finas a 360,
400, 480 e500 rs, chitas de todas as qoalidades a
saber de precos 280. 320, 3C0. WO, 440, 480 e
500 rs.
^^^ Cassas trncelas mindinhas.
Vende-se um grande sorlinvnto de cassas min-
dinhas sendo as cores seguras a 280, 360 e 400 rs.
Ciftbraias brancas transparentes.
Vendem-.-e peis de ramhraUs brancas trans-
parentes a 35, J, 1*300, $, 58500, 6*, 6*500 e
7*, ditas n.uit. finas eem urna vara de largura a
> e IOJ
. : Cnal>s de mnin fiaos.
Vendem-se chales re merm finos sendo com
estampas I nitas e ni.'Jeri s pe tralo preco de
7*. 7 li.-os i
\\ \r 1osI e !ISW.
r.ilnnlin.v. mi ralwS.
um pri -
TlrTflSnas UPas s M' rs Mirl. -
RIVAL
Ra do (gueimado ns. 49 &&.
Loniioa a veuder redas as raiudi<.;>- .jue abane
declara pur presos hdniiraveis.
Massos de palitos lixados para denles a 100 rs.
E.spelbos de molduras douradas a 200. 240 e ;2,r
Bonets de oliado para meninos a l*Ob.
Ditos de couro superior fazenda a l*>00.
Fraseos com superior tinta rocha a 2-iu is.
Meladas de bntia froxa para bordado a O e 60
Caixas com 100 envelopes, fazei.da liba a 600 rs.
Grozas de peonas de aro, fazenda sop or a 500 rs.
tiiozas de boioes maareperola bnos a 500
e 640 rs.
Caixas com 50 novellos de lii.l .. di. ga? a 700 rs.
Caixas com superiores obreiasdi Pola a 'idefiOrs.
Pecas de lila branca elstica com 9 vaias a 280 rs.
Varas de franja de la para enfeites ot vesitdos a
40 r>.
Baralhos dourados superiores qualidades a 400 rs
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs
Lnros para asseuius de roupa lax.ita a iOrs.
Pares de boles para pouho, laienda i w a 120 rs.
Tesouras para costuras sundines Lo.lidades a
400 e 1*.
Caixas de peonas de ralligraihia, fazirda fea a
1*000.
Ma-ssos com superiores grampos a 30 is.
Pares de sapalos de tranca e tapeii a 1*600.
Caixas rom superiores aguibas a 240 rs.
Libras de la sonidasde bonitas cines a 7(I00.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
Bodinlias com allinetes franceses minie superiores
a 20 rs.
Resmas de papel almaco a 2*400 e 2/f!0 rs.
Estovas para roupa, fazenda boa a 780 e i.V
Duzias de tesouras com toque de 'moctc
600 rs.
Duzias de facas e garfos de cabo prelt a :!OOC.
Talheres muito fino para criancas a 240 r.
Pulseiras para meninas a 32<> rs.
Dilas e volias para senhora a 500.
Fiascos de Agua Florida vudadeira a 1*280.
Frascos rom superior banba a 240 e bOO rs.
Idem de superior oleo babosa a 320 is.
Canas com lamparinas para 3 mezes a 40 rs.
Varas de babado do Porto a 80 e 14' rs.
Carlas de allineles Irancezes a 100 i
Quadernos de papel pequeo a 20 rs.
Grvalas de cores, fazenda superior, a 500 rs.
Paiieis de aguibas, fundo dourado. a SO.
Na rea Oiroita n. 84, ha
constantemente para ven-
der-se cylindros arneric:.nos
chegados de Pliiladelphla o
mez passado
Acba-se
a venda na livraria acadmica, na rna do Impera-
dor ; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Antonio ; e na typogranhia imparrial, na roa es-
ireila do Rosario a compilaco de toda a legislante
tendente administraco, arreradico e fiscali-
saco dos dinheiros de orpbioa defnntos e ausen-
tes, heraucas jacenies, legados, etc., contendo nao
s o regiment de rustas e a lei geral das execu-
Coes, como tambem todas as ordi-ns e avisos do
governo, que a tudo tem explicado, tanto a resrei-
lo das obrigacoes inherentes ao cargo dos difTeren-
les empregados de juslica e (alenda, eomo doscll-
reilos naciouaes e emolumentos i(ue sao devidus.
Este livro contendo mais de 700 paginas em ntida
impresso e bom papei, e preslandu-se a .: iio'ade
de differenles classes, lorna-se ri r( mmendavel.
Seu custo 10*000 por cada exemplar em dous
omos.
Rom e barrio
Manteiga ingleza floral* a libra, franceza a
840, arroz do Maranho a 100 rs., painco a 130,
amendoas a 240, caf do Rio bom a 240, \ ii I o da
pigneira a 400 rs. a garrafa, e 33 a caada. Lis-
boa a 360 a garrafa, e 2*000 a cenada, azeite dree
a 600 rs. a garrafa, vinagre de Lisboa a 00 rs. a
garrafa, e 1*500 a ranada, queijos do ul iu o vapor
a Sf300 : na ra das Cruzes n. 24, esquiua da
traves.-a do Ouvidor.
CEHVEJA D'BAMIA.
Na loj do cha' vende-se superior cerveja da Ba-
hiera, urna caixa coa duas duzias de garrafas por
10*. e a retalho a 800 rs. a garrafa.
Oomma tic milho rticaamflimito.
Esta preciosa fcula, cujas proprfedades medi-
cinaes a im| ra a cura das molestias do peito, lec.utinienda se
tambem como alimento sadio e nulnm para as
rream.'.s preslando-se a variados pe, paros culina-
rios. *A geral aceilaeao que ella tem !-litio por
toda a parle, o seu maior elogio. Deposito em
Pernarrbnco rna da Cadeia n. 1.
Vende-se nicamente a retalho na ra do Impe-
rador n. 57. arieazem allianea.
Aos 2,000 cortes,
Chegou aloja do Paredes Port', errtes de lia
escoceza para ve'liJos,i{que etli vei '3
olhando a grande quantidade : ruada Imperatriz
n. 52 armazem bem coobecido i! > Pon I.
junto a iiadaria franceza._______^_____ ____
Veade-s urna mulata d.' ida anm s,
perfeila cozlnbeira. eDgommadelra e r stnreira,
certa e faz vestido*, faz calcas de h I ''i a
qualidade de costura, penteia e veste urna senho-
ra, tem todas as habilidades necess rias de urna
boa escrava : a tratar na ra da Cadeia do ReCift
sobrado n. Cti._____________________________
Vendem-se
machinas americanas de serrote para desca
algodo : na ra da Senzala fllova n 42.
mnn% mises.
fu-alificciio df 50fT
Ansenton'se da casa n. 59 da rna mj eraof
(outr'ora Collegiu) no sabbado 16 t> > rr< no- mex
lie setembrode 1865,o eseravopard dei me Joa-
rjuim. com os -ignaes seguintes : est iinra i ;
idade 18 a 20 anuos, sem barba, i
grandes, cabello corrido, com urna i o iz grande
- bi m visivel na testa, parte d> rente
arruimot -, e com falta de alguns '
com calca de brim pardo e paletol i uilo de panno,
ma- levou mais ronpa branca e de i r. mnito
astucioso, costama intitular-.-e fui:i anual
jado ; f i escravo do Sr. Gailherm Fn Srico d*
Son? i genro di finado Sr
MatiiM-i Concalves da Silva : roga-r a .-na raplnra
a luda.* as autoridades policiaes e a i ca
mpo ou nutra i ,ne c
appri I gratificar rom "' iles-
zas d" coi
ignel J Alvex na ca-a aco
rio na rtn da fruz casa n. I!
no -.o s-
. do a I
di .llora
U

latean^
i dos Srs. tasw frenas*, a*
ParveVi^ rvea*. raa 4a
ia.jaA.aa
aL aaraaws > pi*" rxt?ni* *aa fum r*a H*v* *

Wa^^W v ^^r^ ^r^ ^^aW*^ Va ^Wt^^
LMVfMi

Ubi
i aa i
-. IWa.t
V W aW ^W^^^rWvw ^kaWfW ^^^^pW ^^b^^W V





Diario de Fe
haca la lira t ae aVseara ae li
JURISPRUDENCIA
O Foi-um
trabalho da defeza; substabelecera poderes nos
advogados com quem azarara ajaste expresso oa
tcito; celebrara timbem contractos de mttade no
caso de venctmenlo; comprara demandas com aba-
te na respectiva importancia; aquilatara o merec-
E porque os chapam T
Peto qu se conta d'elles.
Eulo o que se conta T
Nao tem numero as aoedttas. Ora jalgne,
mea seohor, que o povo de Tomillar fex em certa
Q mo se observa o estado lamentave! a que se meato dos jurisconsultos, desviando cansas de uns occasiao um relogio de sot, e, pora qne nao o dara-
aehl rolozido o nosso Toro, natural que se pro- para outros, e decidindo maglstralmente do valor mfleasse o sol oem a agua, cobria o com ora te-
co u indagar as causas que raais ou menos 'eera
con rndo para isso.
r vezes ja as temos nos asslgnala lo, sera con-
I ;a >, e seriamos injustos si nao craessassemos
q ilgum resultado proficuo se tem colindo de
u esforcos, qae a opiaiao seusata aoolhe com
arta. Para os aveniareiros (e int ser
kSS0 que os nao lenha?!) as nossas palavras
bao Je ser serapre ouvidas com desagrado; e em-
L : > sirvain de aguilhoar as eonsoieucias reraordi-
ui corlo todava que osliomeus praticos vio an-
dando seu caminho.
Q jando curtos vicios se enraizara, e seus secta-
rio encontrara .\ pratica vantagens pessoaes, e
e>aiaa com certa toleraacia no espirito da epocha, CUja fr0nte a opiniao publica imprimir o labi da
os apostlos das llieonas benficas correm o risco venahdade. Hoja podem elles peccar por igoorao-
u.: causarem no meto de sua triste peregriuago. ca> por trro> por afrt(5ao ou por capricho; mas
E" urna Iota desigual. Aprsenla se elies a peito sera mui raro que se Ibes aponte urna torpeza. E'
de.-eoberlo, e raoralisam e censurara e afa>t*m se um progresso este pelo qual Sevemos bemdizer a
da torrente, perdendo assim as syrapathias que re- j Providencia.
sol i. i.iii de urna commuito perfeila de astas e ,.
v I E em tal caso, parecendo que o foro tem consi.
Mermes. i deravelraente empedrado, devenios attnbuir esti
."..- os homens prattcos, os espirilos fortes sabem grande caiaraidade principalmente a empregados
fazer fortuna sorrateiramente, e at mesrao appa-j de outra classe.
dos julgados e da boa ou m direego q je se dra Iheiro e, o relogio nunca marcou a hora ; e de ou-
aos pleitos. tra vez conslraiu urna torre na igieja, e como Ihe.
Fallando assim.no podamos deixar de exceptuar faltassem pedras para termina-las, foi tirando as de
03 actuies empregados do foro (e nao sao poucos) baizo para cima e a torre cahiu
q je sabem cumprir os seus deveres. E rica a povoacao de Tomillar?
.N'era se peu.-e tambera que attrlbuindo a urna i Mais ponre que Job. Retamar que
abastada... Desculpe a perguota : V S.-vai a He
classe a maior parte das miserias que notamos,
seja nosso proposito iseotar a magistratura da res-
pousabilidade que IDe possa caber pelos abusos
geraliuenle coofessados. Ma- si uo templo da jusli-
ca existe muito vidro opaco, nem por isso menos
certo que all se eocontram verdadeiros lumina-
res. Deve fazer peso em nosso espirito ama ver-
dade consoladora. Havia outr'ora magistrados em
rtnndo certo verniz de probidade com que se
:-egue disfarcar o emprego dos meios tortuosos.
Nem se do pr achados cun as allusoas, por mais
ciaras que ellas possam parecer a outros. No sem-
blante de um individuo astucioso ou callejado ha
talvez alguma cousa que se assemelha paz da
ccnsciencia.
Si por ah so encontrara inultos nimos tmidos
que su sobresaltara ou se amotinara quando Ibes do
era balda certa, nao faltara outros que affrontera a
propna opinio publica com urna coragem pas-
mona. E o que Ibes importa a opinio, si elles pas
san vida folgada e milagrosa, prom.iveodo o seu
interesse, qne a lei suprema neste seculo? Si
Ibes atirarem pela imprensa algura labo, desses
que absolutamente nao possam provocar ara sorri-
so de mofo, na creatura raais deslavada, ento o
espirito forte ha de alterar-se, nao tanto por algum
resto de pudor, mas por despeil o, por orgulho, e at
pel admirago de ver que inda eisie quem tenha
a simplicidade de constitutr-se apostlo da raorali-
diJe, contra o sectario poderoso do interesse que
niu olba aos meios.
E a-sim publicamente provocado, o espirito forte
;gira talvez cora forga desmedida, na razio direc-
> 'a carencia de motivos para defeza procedente.
O insulto substituir o argumento. Nao fallaro
bailas falsis e testemuntios oficiosos para encaro-
cerera a innocencia oespirito forte, principalmente
si este tiver un squito prestionoso de eules agra-
docidcs e dependentes.
Por sua parle o censor, erabora honesto o chelo
de razio, ple Qcar Isolado, eexposto saggresses
descomedidas; poisqae tambem ha rauita gente
honesta, mas lao p-icuiu ou egosta, que nunca sahe
a campo >ra lomar o partido d- fraco ou defender
a causa da v :r 1 ide. Contentase cora o seu voto
discreto, proferido no.seio daconQdencia folian ; te-
racuJo a lula coraos espiritos fortes, como se teme
0contacto de um leproso. Quanto mais audaz o iu-
dividuo, mais respeito merece, nao por si,mas pelos
males que pode causar. Esleaiuudo do compnsa-
lo.-, e os raaos tambera as teem, sem vig irosa op
posigao dos bons; porque nesle seculo o sacrificio
heroico, espoutaneo, desinteressado, por amor do
bera, val-se toraaedo nraa cousa fossil, e.n quede
ordinario s se falla para recordar algumas pagi-
na.- briihautesda historia anliga.
O que for justamente censurado, diCDcilmenle
jscera das grimpas. Ao contrario : a censura Ihe
dan celebridad*, cingindo-lhe a cora do marlyrio.
A | s defeza crear novas lllusoes em seu favor.
Pois ha nnociia que se nao apague ante o luziraen-
i oaro, e o brilbo da posicao; oa diante das
manobras da hypoerisia ?
I' i las estas verdades podem ter applicaco ao
Bcsso foro.
O que foi elle e o que hoje, nesla quadra de
uz c de progresso?!
Aquella gravldade com que o jurisconsulto (an-
da mesrao o rbula) sentado sua banca, esperara
pelos cberiies, transforraou-se n'uina activdade
ambulante e excessivamente democralica com que
aleuos apo.-tolos de Themis, on seus inlermedia-
ri is atravessam as causas; aquilatando desfavora-
vel e ulvez injustameate a reputaQao de collegas
- rante o litigante ixexperto; apadrinhando-se com
o valor das relacves pessoaes, verdadeiras ou fabu-
losas ; era|ieuhaudo-se para obterera causas de fre-
gu-:zes, como se pedira urna comraisso de venda
de assucares; barateando finalmente o preco do
genero para desviar a perigosa concurrencia de
quera da Justo apreco ao seu trabalho.
Aquella diguidade bem entendida com que se
ajastavara as demandas, e se t.-atava o constituinte,
d^ quera se exiga apenas um honorario razoavel,
e as informacoes precisas para o bora andamento
da qnestao, evitaodo-se o mais ligeiro vislumbre de
air.a eoasa charaada quota lilis que a antiga Orde-
naci do Reino reprova com comminaco, con-
vertea-se u'urat cmraunhao ou pacto bilateral ou
leonino de ioteresses recprocos e de manejos que
muiias vezes nao podem ter ao menos urna simples
jnsticaco apparente. A ganancia se traduz em
toda a serte de .ajustes e exigencias desarrazoa-
das.
Aquella slnceridade e firmeza com que outr'ora
fallava o patrono ai seu cliente, dando-lhe conse-
Ihos salutares, deaviando-o das demandas injustas,
e indicando-lhe o caralnho mais curto, os meios
mais deceules e proficuos para fazer valer oseudi-
reilo, foi substituido por um erapenho interesseiro
de prolongar e eramaraohar a questo mais sim-
ple com incidentes escusados ; fazendo-se de ama
s varias pendencias, e dando-se-lhes um carso
forcado e mcougruente, com o im de elevar o ho-
norario com o augmento do trabalho.
Aquella probidade cora que se rejeitavara pro-
ponas olTensivas de urna consciencia escrupulosa,
trocou-se pela facilidade com se protegem verda-
deiras tralicancias, lisoageando-se a m f das
partes, com approvaQo oa saggesto de meios
pouco decorosos.
Aquelie estudo e zelo cora que se tratavam os
pleitos, que absorviam quasi toda attengo do ju-
risconsulto, substituiose por um trabalho de car-
regacao, feito s carreiras, sobre a perna, e por
mera desobriga; porque a escala das applicac5es
de cada iodividuo vai alm das torgas de que elle
pode dispr. Tem muita voga o systema dos ac-
cuoiulagoes: a questao ganhar dinheiro, pouco
importando que o trabalho exceda as raias da
possibilldade.
Aquella modestia proverbial dos procaradores
que se contentavam com as funccoes proprias do
seu officio, cnmprindo fielmente as instruccSes dos
advogados, e percebendo per isso um estipendio
razoavel, transformo u-se n'um certo ar de sufi-
ciencia cora que elles boje nao s advogam, porque
acham pessoas complacentes para assigoarem de
cruz as petiedes e arrazoados; mas at do a le,
em vez de a receberem; entendem-se direclamen-
te com as partes e ajustara as quesldes, incluindo o
tamar, oa vai de passagem ?
Agrada-me este valle, e desejo passar aqu
alguns das para cagar.
Nao faltara' na povoagao quem o acdrapanhe,
mea senhor, cora galgos e ludo.
Nao carec de compauhias. Esto a chegar os
maus creados e as miabas, maiilhas.
O rapaz que se ia fanuliarlsando com o viajante,
tornea a fallar-the eom maior respeito assim que
ouvlu duer que espera va os creados.
Asseguro-lbe, meu senhor, que se divertir' mui-
colera, porque, na verla*, para Meolerisar ter
cada qul de servir-se a ai proprio, e oceopar ama
casa copio esta, quando tem ama duna de creados
e habita um palacio que a rainha acha al com-
ino do e mago i Seo todas as vetes qne nelle des-
casca.
Ah I mea enhorexclmou a ta Margarlda
assombradacom que a propria rainha vai casa
dosenbor...
O' inulher, que est ah dizeodo ?replicou
o viajante, com altivez e indignar.) laes que ale
morisaram a lia Marganda.Julga vo que a
miaba casa urna pocilga romo esta, eque eu sou
algum vilao perfumado em albos comovosss, aqu
estu 1 O meu palai-in, na ra do Emhxador,
digno de hospedar os principes do mundo, e o vis-
conde dos Sete Castellos, glorioso titulo rom que
me honro, perteoce a nobreza mais Ilustre de lies-
panha.
Perdo, meu senhormurmurou aterrada e
confina alia Margarldanao quiz ofTende-lo...
Bem sei, bem sei; e para Ihe provar que vos-
semec me inspira confianca e sympathia, leml.ro-
Ihe qne tendo urna excellencta, como urna casa,
anda nao exig o traiamento.
Muito agradecida, meu senhor...
Nao ha de que. Eo, pelo contrario, devo agra-
desculpar os impeles
eco*rida para
a (averno da pu-
Censura-se, por exemplo, a demora na deciso dos
pleitos. Mas quem nao sabo que para isso con-
cotre multas vezes a dulouga, a cbicana dos
advogados, pela qual nem setnpre o juiz pode
cortar?
Reprovarase as decisoes injustas. E' certo, po-
rm, que tambera concorre para ellas o modo
inconveniente porque sao eocaminhados e discuti-
dos os negocios forenses.
Se os advogados e procuradores seguissem rigo-
rosamente os bons dictamos; se nao se deixassem
levar pelas velleidades e caprichos dos litigan-
tes; se era lugar de imploraren] a benevolencia
dos j olgadores, se mantivessera constantemente no
seu posto de b .ara, di-pondo se a patentear as in-
justas, de modo que tambera o tribunal da opinio
publica podesse apreciar o memo dos julgados, e
condemnar os abusos e escndalos; se em vez de
liraiiarem-se a censuras era lora de cochicho, ti-
vessem aniraopara arrostarem comprometimientos,
profligaudo a prevaricado e a desidia, outra seria
provavelmente a sorte eo crdito do foro. A prin
cipio se levantariam queixumes e clamores contra
essa cruzada por parle dos que fossem ju-tamente
censurados; os propnos litigantes se assustariam
talvez, receiando que o emprego dos meios enrgi-
cos llies podesse trazer a raa vontade de juizes
pouco escrupulosos. Mas a opinio sensata fana
justica aos defensores da causa da mo; ea final,
quando a cruzada se elevasse cathegona de um
systema quasi geral, os prevaricadores recuariam
escarmentados e temerosos, diante de urna respon-
sabilidade tremenda; e um dia os poderes do esta*
do acordaran! para punir os relapsos.
Dirainuiria naturalmente esse horror de se pro-
moverera demandas, e as parles dacan ariam na
escolha de ura bom patrono, que so no estudo, na
intelligeoca, na probidade e na franqueza, encon-
trara os elementos gloriosos do seu triurapho.
Embora o estado do nosso foro seja de veras
para contristar, nao deveraos desesperar de urna
regenerarlo mais ou menos remota. Compre, po-
rra, que os homens honestos se reunam para isso
n'ura s pensamento, mas com vontade fort, e
animo deliberado e sobranceiro para arrostarem
comprometimientos e cerrarem os ouvidos voz
do despeno. Esta deve ser a principal misso do
Instituto dos Advogados.
Muito tem leito, e mais pode fazer anda a digna
redaeco da Themis. Nao menos importante o
auxilio que se deve esperar do Diario do Recife
cujo ilustrado director promelteu inierveogo
benfica para a correcgo dos abusos. Acompa-
nharemos cora prazer tao esforzados lidadores.
A caridade christa, e al mesmo um certo
espirito de classe nos obrigam por ora a guardar
muitas reservas. Mas se as theorias nao bastarem-
e parecer indispensavel a exhibicao de exemplos
vivos, ser mister descer narraco e analyse de
factos mystenosos que se propalara era circuios
eslreilos. Ser urna triste n^cessidade. Quaudo
a corrupeo chega a certo ponto, s ha que appel-
lar para os remedios heroicos, anda queseja algum
cauterio doloroso. Ao menos s se Iludir quem se
quizer Iludir. E a populacao incauta lera provas
{ t.i distinguir os bons dos mus caracteres.
Recife, 18 de dezembro de 1865.
J. i. C. f. Juntor.
LITTEEiTDRi.
to, porque nao falta caga n'estes sitios, principal-
mente na tapada. Nao vlu V. S. a lapada de Re- decer a soa indu|gencia em
lmar i ao mevi geDj0 mao
- Ui A b.'n lia Marganda nao se lerabrava ja de que
La embaixo a vera', meu senhor. Que de ar- 0 gr ^^ Qe Se,e ^^^ cnamara a 50a sa.
voredo I O pbvo de Tomillar tem inveja d'ella, e ,a poci|ga> ao3 iumiharense vi.oes que tresan-
por sua voniade expropria-la ha para si I.... aavam a amos Tanl0 que fr3 dt.SCObrindo o al-
Esl decidido : prero Retamar a Tomillar. tissimo personagem que tinha em casa, fra m-
Alm da caga vai ter aqu um divertimento Chando de orgulho al ao ponto de jalgar que na-;
de que os seuhores da cidade g09tam muilo, e que da poaia ^tr ao mando que o tenhor nao se ti-
nao encontrara em Tomillar.
O Sr. tiiimIi fMri
aeettar eete laeteinonlM
vo-m obri#ado aceitar a peta de are pan ea-
mioho.
O povo, nao omboc providente e delicado fe-
ral que a lia Margarida em particnlar, peasoa qoe
o Sr. viseoade se acoatrava fallo de reeorsee por
rau-i da velhacaria dos seus criados, e deliberou
offerecer-lhe do modo mais eogenhoso e delicado
urna quanlia deroro>a, que coiim-Ii* em viole pe-
gas cono viole soes, e qoe o Sr. viseoade nao leve do d.funcio; dentro d'esu carmagem, mui -onhe-
ouiro .emedio e nao aceitar, e agradecer vi vanen. aa ,, tMoB,rica p,olura ^s seu* t-roatos
de mao gotio, eslava asseniado um rao, o Sel ami-
aliliud* de
preetar a
blkro lagtM.
AvaNa-eoea 30.000; o aoawn das pessoa* M
esUvam aptahadas a* remlt#rio.
Toa Sayvr* morrea aa Caadaa-Towa, ea casa
de ua sapaieiro seu amigo; (ai d'alli qoe parti o
prestito fnebre ; o cadver foi eollocadv n'um ro-
ebe puxido por quatro aagnioros cavallos, soguia-
se-lh a carruagein ou para melhor duer o Itlbury
le i-omiiiovido.
A povuago inlelra d-:-ejava acompanhar o Sr.
viseoade al Retamar; mas o Sr. vi>roode, tao mo-
desto quo generoso, oppoa-se obstinadamente a
isso, roosenimdo apenas qne o acompanbassem at
ao uin.(ida jurisdircio deTomilUr.
go de Ton.
Este pobre animal, com o crep funerario enro-
lado ao peieoco, olhava melaaeollcamente para to-
da aquella gente, que berrava e rosoava, como se
qaizesse soltar um suspiro; seguiam-se carru^gens
Visto que arorapanhamos o Sr. visconde em de lucio, oas quaes unham tomado asseolo a Olba
lo curta distancia, dsseram os tomlllarensesi
como devido.
E, procurando o melhor carro qne havia oa po-
voagao, em am abrir fechar de olhos enfeilaram-
o'o com pinoresco toldo, deilaramlhe fofos colxoes
e alniofadas, ornaram-n'o com flores, e Iterara su-
bir para elle o Sr. visconde.
e os dous lilhos de Tora Sayer*.
lina banda de msica execolava a marcha de
Sanl; Analmente, --guj.im a p os admiradores eo-
Ibusiastas do soco e do pugilato.
Todas as janellas estavam guarnecidas de curio-
sos ; houve um momelo em qoe o aperlao era tal,
que a polica nao pode resistir a esta vaga huma-
Assim que S Exc. tomn o lugar principal, disse na, qne leotava aproximar-se do coche fnebre;
qnasi chorando de commogo : por mais de ama vez travou-se verdadeira tataib;
Quaodo quizerem, meus senhore, podem joi necessario pedir reforgos a esUgao mais proxi-
' ma da polica.
raeti'T nos varaes os bois on as muaras.
Ora, Sr. visconde I os bois e as moaras so-
mos nos todo I exclamaran! os habitantes de To.
millar ao mesmo tempo.
E o carro sahio da povoacao tirado pelos tomil-
larenses i e os vivas, os solugos e os adeoses qoe
: 'inhara partido de todos, s acabaram quando os
Que podiam fazer 40 agentes de polica contra
trila mil pessoas ?
O peor eslava para nrceder logo que chegaram
ao cemileno: a muliidao que preceda, rodeava
oa segua o prestito, vete- juntarse a multldo oo
E que divertimenlo esse ?
As comedias.
Pols ha comedias em Retamar ?
Ha, slm, meu senhor. u medico, o mostr
vesse iocommodado por dar-lhe um tratamento1 """"" """"'UD """"w menor que estacionava aos arredores de High-
olen,o regedor, o habitanles de Tomillar perderarn de visu o Sr. vh- gale.
conde de Sete Castellos.
Impossivel deserevet o que entao se pas-
igual ao que recebiam, sera
cura, ou o mestre de meninos.
III
Oito das depois da chegada do S7. visconde de
da escola e outros individuos flzeram aa adega do Sete Castellos a Tomillar, os tomillarenses estavam
Sr. regedor ura theatro que nem em Madrid ha me- qUe Podiam esialar de orgulho e prazer.
O viajante qoe era hornera riqulssirao e de illi
or. No domingo passado representara urna co-
media com a qual todos nos rimos a bandeirae
despregadas I... V. S. ja' avia por certo algs-
ma vez. O enredo assim : chega ora homem a
ilbescas dizeodo que baro e nao sei que mais
cousas ; e como a dona da casa onde perooita
to parvoa como os lomilhareoses, acredita o que
mitada influencia, nao s junio do gnverno, seno
tambera dentro do passo dos res, eslava-decidida a
proteger Tomillar, de modo que acuella pobre e es-
quecida aldea foese dentro de pouco tempo urna das
povoagSes mais prosperas e invejadas de* Alcarria.
O Sr. visconde de Sete Castellos, agradecido
(Conimnar-M-Aa)
Ihe diz o homem, d-lhe oiro e ludo, e, afioal vera franca e |ea, nospita|idade qne encontrara, naqnel
a saber-seque o tal baro um embusteiro,... k aldea, e encantado pelas vantajosas eondiges
Siu, sim, ja' vi essa comedia. | que Tomillar reuna, qara a caga e para a indus-
N'esia conversago o viajante e o rapaz chegarara tria principalmente, eslava resolvido a alcaogar-lhe
a entrada da povoagoi onde o caminho que leva a aada menos que os segointes beneficios
Tomillar, em vez de seguir pela aldeia, torce para
os arrabaldes.
Euto V.S. loe bergunlou o rapaznao tica era ramal desse caoioho, de que setornavam
em Retamar ? I dores ;
Fico ; quero ante i,porm, ver estes arredores | Que se declarasse Tomillar cabega de comarca,
se porventura nao se oonseguisse tirar a Cuadala-
At logo, meu sedhor. Sigo o meu aaminho, Jw* qualidade de eayiial da provincia ;
cem licenga de V. S. Qe perdoassera ao povo de Tomillar as con-
Adeus, rapaz. Al. logo. toibuictoes atrazadas ;
O viajante affasiava-ss instantes depois do Reta- Q"6 se fundara em-lomillar. por conta do-mes-
LM PDCO Dfc TLDO.
papa S. Pi V, ero acgo de gragas pela vc
loria de Lepaoto, gaotaaos inflis pelos chrisios,
maodou em 1571 celebrar um festividad* annual:
no primeiro domingo de outubro com o titulo de
Voj-M' Senhora da Vicf9ria.
Deis annos depois Gregorio VIH madou este ti-
tulo no do Rosario, approvando um officio especial
para esta festividade.
Em 4616 tendo sido vencidos os turcos pelas ar-
mas d imperador Carlos VI junto de Temeswar
no da de Nos-a Senbora das Neves, precisrseme
lSo na mesaa hora em que o^irmos do Santissirao
na, ou quando menos, se dsse aes tamillarenses j Rosario-o ara cantando peas ras da cidade de
cre.: Roma, o papa Clemente Xl-estendeu a toda a re-
mar e dirigiu-se para Tumiilar.
II
Era Tomillar, com eteito, povoacao multo mais
pequeaa e te aspecto muito mais pobre que Re
lmar
Erguia-se era orna eo
torailhos, e limilava-se
rao opulento visconde de Sete Castellos, urna gran-
ja a fesla e oOQcio do Santissirao Rosario.
A praMca da devogo cenhecida com o nome
de Rosario>oonsisle em rezar 15 vezes a orago do
Padre Nosso seguido de 10 Ave-Maras.
Cada v'SMjue se reza o Padre Nosso ha de fo-
zer-se commemorago de um dos mysterios da
vida do Senhor ou de sua Santissima Mi.
O que vulgarmente se enSende pelo Rosario,
de fabrica de pannos e outros lecides, com todos os \ urna lerga.parte do verdadeiro Rosario ; tendo pre-
nselhoramentos inlroduzidos nesta mdustriat alim : valecido entre os fiis o uso de rezar cada dia s
Nina rodeada de fragrant*
amas quarenta casas edi-
de sobresahir as que, apezarodo rame-ram, deram
tanta celebridade a Guadalajara e Novo-Bazian.
Q cinco myserios dos ;.juinze qoe compoem o Rosa-
rlo. Os suraroos pootifices Seera levado a sua
condescendencia at ao ponto- de permittir se pos
sknos jazigos de ouro e praia que abundavam no i sam ganbar todas as indulgencias do Rosario, ais-
Ocadas em voila da rgrbja, que nao tinha campana- 6o de Tomillar, segundo as observages que fi_
rio, clrcumstancia de t, lie, pelo que se vi> se apro- aera o proprio visconde, mui entendido em. mine.
veilavam os retamareu: es para levaotar ao&siogelos- faogi. como provavam os descobrimentos diaquel.
tomilharenses um talsd testeraunho da iaverosimil- Preciosos metaes que n'oulro lempo ha-a feito,
Bao smeote por divertirse, na Sorra Almagrera e
em- Hiendelaencina;.
Que se edificara por conta das obras publicas
um bom templo para, a freguezia de Tomillar;
Que o proprio visconde mandarla construir um
sumptuoso palacio de esto as iramedlacoes de To-
millar, para cujo efiteilo, abundantes vinhedos e
boa tapada, comprara aos tomillarenses pelo pre-
go que quizessem^.os terrenos quasi baldos que
al i possuissetn :
E por fime est& beneficio era o que mais ale-
grava e satisfaz os tomillarensesque se anne-
xarla a tapada qpe, havia seculos, se liligava entre
os habitantes d'esta povoago e os de Retamar,
ajustando comas uas e outros duas sozes por anno,
isto quando o* de Tomillar iam testa de Reta-
mar, e quando os de Retamar iam festa de To-
millar.
Erara estes- os beneficios que peomettia em pu-
simpleidade.
Uns rapazes que jogivara a pella no adro da igre
ja, d'onde se descobria o caminho de Retamar, vi-
ra m o viajante que sul a a encosta, e apressaram^
se em dar a oolusia, que circulou immediatamente
entre o povo, de que m cavalleiro se avlsinbava
de Tomillar.
A chegada de ura v ajaute, e principalmente de
um cavalleiro. era grindissima novnlade era To-
millar. Assira fot quf, antes qoe o Somera da es-
pingarda e do cao chegasse a subir a encosla qu*
terrainava no largo di igreja, tinha affluido ao lar-
go para o ver, ja' boni numero de pessoas.
Ihe cba-
quareota
O forasleiro, ou andes, o senhor, como
mavara os l'omilhareoses, era homem de
annos, e, a Julgar pelo vestuario, o seu senhorio
devia ter poucas rendas.
Coraprimentarain-q'o todos com respeito, e elle,,
depois de agradecer <| comprimenlo com ar de su blic0 0 Sr. visconde de Seie Castalios aos- habitan-
perioridade, perguntdu : ,es de TomiUar. Entre os ofmitos que promettia
Ha nesla povoato alguma hespedria onde eu, panicoja,, s citamos dous: o Sr. visconde,
possa hospedarme ciim os meus creados ? | querendo recompensar o zelo com qae a tia Mrga-
os tomilharenses, Lpezar do respeito que Ihes rjda e Gomisindo o serviam e obsequiavam, decidla
inspirava o viajante, bao poderam deixar de sor- nomear a tia Margarida goveraante do seu palacio
da quando. s se reze a terga parte delle.
ladubitavelmeoie o iundador d'esta devocao,
tal qual hoje se usa, foi S. Domingos de Gusmao.
Vendo c Santo os grandes estragos que a here
sia fazia no.seu tempo, e desejaado obter um raeio
para Ihe poder fazer frente, soccorreu-se Sanis-
sma Vlrgem pedmdo-lhe Que Ihe fizesse coabe-
cer.
A Senhora accedendo aoe-rogos do seu devoto,
Ihe appareoeu e Ihe ordenoa. que instituisse o Sao-
to Rosario, assegurando Ihe,. que teria n'elle nra
raeio iiii'.u efflcaz para a extirpago das heresas e
melhora dos costumes dc-povo chrislo.
OSantaobservou todos- os piedosos e salutares
resultados-que da devogo do Sanio Rosario lae ti-
nha feito esperar a Piissima Virgera Mara.
Depois do Santo teem experimentado os mes-
mos eflitos todas as pessoas que teem tido- a de-
vogo do- o rezar e se teem soccorrido a Ells- como
meio de conseguir os auxilios celestiaes era qual
quer necessidade ou pwigo.
E'
sou.
As grades do cemlleric foram arrancada f o*
mais ageis satiaram para cima dos tmulos, del-
modo por ierra os que Ihes embargavara o cami-
nho e jogande o soco i e que soco I ) com oe ca-
bos de polica -, tudo isto para* poderem langar am
derradeiro olbar sobre o fretro de Tom Say-
ers I
Gritos e pravas, era tudo oque se poda sa-
vir.
Finalmente, as-seis horas da noite, a mullido
come^ou a disper?ar-se, deixandt o pobre morto
dormir em paz.
Ton> Sayers tinha apenas quarenta annos d3
idade.
Qual foi a enfermidade a que suecumbio ?
Dizerauns que foi ama grande pancada recebi
da no peito; os mdicos afflrmam qoe o abuso das
bebidas: viveu como ura bebado;-como bebado
raorreu f e aqui leudes o homem, cujas exequias-
deram lugar a maior numero de provas de sym-
pathia por parte da populaga iogleza-do que as qae
acompanharam o dogue de Wellmgton e lord Pal-
mer-too a sua derradeira morada.
t Se o Ilustre guerreiro, diz o Telegraph, era o
iron dukr'.o duque de ferro) pde-se dizer que Tom
Sayers tinha, tambem ferro oas veas-. >-
Eis ah o que pode e o que vale om soco vigoro-
samente applicado 1
lora Sayers ganhou urna fortuna qae poder ia ter
sido coasideravel; mas, em consequencia de urna.
pessiuia admioistragc- e de prodigalidades incri-
veis, deixoua seus tilhus smente urnas cinco asis
mil libras.
rir-se ao ouvir a pergunta, e dirigirn) o viajante
para a casa da lia Margarida.
Era a lia Margarida urna pobre viuva que tinha
venda, cujo foruecimpnlo f.za de vez em quando
'ndo a Guadalajara, e empregando quatro ou cin-
co mil rb que, por assim dizer conslituiam meta-
circulago. Alm disse hos-
Tomil-
dede eu capital era
pedava os forasleros que appareciam em
lar e selimitavara a algum caulelero, embrega-
do de fazenda, ou cegador de Guadalajara ou Si-
guenza.
Gumercudo, ou Gomzinda, pois os tomilharen-
ses achavam mais coramodo dar-Ibes antes este no-
me que o primeiro, era filho da ta Margarida e
acaba de pagar a sua substiluigo no exercilo,
O EMBUSTEIRO.
/CONT POPULAR DE TRUEBA)
I
Em formoso e solitario valle de Alcarria ha duas
pequeas povoagoes esquecidas de todos, excep-
tuando o governo, que as lera bem presentes quan-
do Ibes dislribue os mpostos.
Chama-se Retamar urna destas povoagoes, e To-
millar a outra.
Os retamarenses tem fama de speros e amargos
como a sarga e o giesta ; e os tomilharenses go-
sam da crdito de suaves e doces, como o tomilho
e o mel.
Um cavalleiro, montado na cernelha dos calgSas,
e levando por acompanhamento um cao e por equi-
pagera urna espingarda, chegou em cena manna
de primavera a urna collina, d'onde se descobnam-1
,. com a sua sorte, anda que seja ma.
as duas aldeas que estao nos dous extremos do
valle, e depois de parar e meditar alguns instantes,
coniinuou o seu caminho para Retamar, que era a
primeira povoago.
de Tuiuillar, e Gomisindo administrador das suas
novas possessoes.
E' intil observar que o Sr.. visconde, muilo gra-
to aos obsequios de que era objeeto por parte dos
tomillarenses, pozera a disposigo d'estes o seu pa-
lacio da ra do Eranaixador, em Madrid, onde,
sempre que fossem a curie, seriara tratados com a
opulencia de principes, anda que isto fizesse esta-
lar de inveja todos os que nao podiam ver com
bons olhos o eograndecimento de Tomillar e a prs-
peridade dos tomillarenses.
Veja-se, por tanto, se havia ou nao razo para
estarem alegres e salisfeilos-
Vendo o Sr. visconde que os villoes de seus eria.
dos nao appareciam em Tomillar, delerminou sahir
[ i d'aqueila hospitalera povoago, com tanta maior
gragas ao grande sacrificio de sua mi, que live
que lhedeixarao defunto agencia quanto sua partida da capital, disse-Ihe
a rainha que eslava muito descontente do governo
por um lado e agenciando o'e Pensava encarrega-lo da formago de ootro.
e filho viviam em paz e graga j osr. visconde senta desgosto de nem se qur
1 de Deus, e to fellze como os que vivem accom- poder enviar urna carta a casa, alim de que Ihe
medando a despeza < om a receita e resignndose mandassem carruagem e quanto nocessilava para
fazer a viagem com a commodidade e a decencia
Dgame, boa jmulherperguntou o viajan- que eram devidas sua alta jerarehia, por que a
ra de vender as geiras
marido.
Agenciando a mi
filho pelo oulro, mi
te tia Marganda, continuando a fallar com su-
perioridade-no passarain por aqui os meus crea-
dos f
A tiro de espiugarda, antes de chegar a Reta- i N0) meu senhor na0 vl nDgQem.
senbora viscondessa entrara no estado interessan'
te, e, se chegasse a suspeitar s que o amado es-
poso padeca taes necessidades e dissabores, afUi-
gir-se-ba de modo que, antes de vinte e quatro ho-
mar, debaixo de formosos alamos negros qua se le i canaiha 1 logo que volle a Madrid, hei de I ras, terla alguma enfermidade gravissima.
vantam narria da estrada, ha urna fonte, onde, na pr todos no mej0 da raa> desde 0 cocheiro at Quando os tomillarenses receberam a triste nova
o mordomo, exclamqa o senhor, mostrando agi-1 de que o Sr. viseoade eslava decidido a ausen-
estago calmosa, nao deixam de parar os poucos
individuos que por ali viajara, para beberem urna
gtta de agua fresca e cristalina, e descansaren!
uas momentos ao asseato de pedra toscamente la-
vrado qne se v jnnto dos alamos.
Quaodo o viajante do cao e da espingarda che-
gou fonte, acabava um rapaz de eocber deas bar-
ris de agua que poz dentro das caDgalhas de um
jumento, o qual, emquanto se enebiam os barris,
pasta va entre es alamos.
tagao.
Descance, meu senhor, que talvez nao lar-
tar-se, uomearam urna deputago, que, diriglndo-se
ao Ilustre e generoso hospede, supplicasse a este
dem, e eotretaoto mfea filho e eu estamos s suas revereutemente que honrasse por mais algum tem"
ordeus, para lado b que desejarreplicn a lia po a povoago com a sua presenga.
Margarida com a corlezia e franqueza que eram
devidas a um seohor que tinha -cocheiro e mor-
domo.
Carego de urna habitago decente onde possa
esperar esses vloes, que, naturalmente, Julgaram
O rapaz saudou civilmente o viajante, e estoa mais commodo seguir para Guadalajara oa rainha
parou e travoa conversago cora o rapaz. carruagem de quatro cavallos, que torcer cami-
Como se acbaraa esta povoago ?
Chama-se Retamar, meu senhor.
Nao me desagrada o seu aspecto.
Anda que me esteja mal dize-lo, meu seohor,
melhor povo qae este nao ha na Alcarria.
E a outra qae se v no fim do valle ?
Aquella Tomillar, mas nao vale melada de
Retamar.
Qae tal o povo de Tomillar ?
E' bom, porem muito parvoalbo.
Parvoalho ?
Por exemplo : V. S. diz aos de Tomillar que
este jumento va, e logo o acreditara. E' verdade
qae Ibes custam caro as tollces, por que nos de
Retamar mais os chupamo I...
nho e vrem-rae esperar aqui, como Ib'o determi-
na, emquanto eu me diverta cagando nesles arre-
dores.
A lia Margarida cooduzio o hospede ao melhor
quarto da sua casa, Isto i sala qae estava mo-
destamente mobilbada, aformoseada pelo aceio e
pela ordeno.
Nao tem vossemec quarto mais decente que
este ? perguoioa desdenhosamente o viajante.
Nao, mea senhorresponden a boa da mu-
llier, parecendo escaodalisada de qae a hassem
pouco decente a sala em qae ella tinha posto os cin-
co sentidos.
Teiei, pois, qae resignar-me a esperar aqni
os viles de meus creados. Nao estrante a minba
A deputago cumprio fielmente o encargo, mas o
Sr. visconde de Sele Castellos insisti na sua reso*
lugo e qnando o povo soube que decidamente se
parta o seu protector, desatou a chorar a bom
chorar.
"Chegou por fim, o instante supremo, isto o da
partida do viseoade, e este, como os villoes dos
criados o trabara abandonado, e eslava por lano
sem dinheiro para pagar lia Margarida e gratifi'
car nobremente a Comisiodo, quiz deixar em pe-
nhor um singelo annel de ouro, que, segundo o
proprio senhor de Sete Castellos confessou, valia
muito dinheiro, pois era urna lembranga affecluosa
de sua magostada a rainha i mas a tia Margarida e
Miss Jenny Adissoo. passava por urna das me-
ninas raais lindas de Kentukv, mas oo leudo for-
tuna nao Ihe era fcil encontrar um marido, ape-
zar de muito o desejar.
Alm disto na sua familia o matrimonio era mais
do que urna paixo, era urna monomana, veja se
pois o estratagema de que esta meoioa se servio
para obter o marido desojado.
Amava ella a Walliam Parker, rico propnea-
rio, e tinha jurado qu a nenhuma outra mulber
havia de pertencer seoo a ella.
Havia 15 mezas pouco mais ou menos, que
miss Jenny punha em pratica palavras affecluasas
vistas lernas, lernissimos suspiros, e mesmo nao
sabemos se seus ataques nervosos, mas tudo in-
tilmente, porque lodos os encantos de miss Jenny,
todos os seus delicados artificios nao feriara Wil-
liara, porque se o amor loe apparecia, a idea de
que era pobre Ihe fazia desapparecer n'um ins-
tante.
Miss Jenny, furiosa de ver a inutilidad.) de to-
dos os seus esforgos, mas decidida a vencer, resol-
veu tomar um partido violento.
Com promessas de dinheiro ganhou dous negros,
que poucos das depois Ihe trouxeram sua pre-
senga o desgranado Parker atado de ps e raaos.
Ella mal o vio disse-lne, ameagando-o com um
revolwer :
Wiiliam, amo-te, e jurei que nao pertence-
rias a outra mulher seno a mira ; ou te casas
commigo, ou raorres : escolhe.
A menina p ronanciou estas palavras com um
tom to firme e resoluto, que William acceitou o
partido que Ihe parecen meos perigoso.
Um ministro que esperava no oulro quarto im-
mediato o desenlace desla scena, se apresentou e
langou a bengo nupcial aos dous jovens.
William contava achar se livre em seguida para
escaparse, mas miss Jenny era urna mulher de
tino, tinha previsto tudo ; obteve orna ordem de
seu marido para vender todas as suas propieda-
des, e depois que tudo foi reduzido a boas dollars
fez levar de aovo a William, mas desla vez foi
para iraosporta-lo para Inglaterra a bordo do
Steamer Ariel.
Os dous esposos acabara de chegar a Liverpool
e segundo refere um dos passageiros doAriel-
pareca reinar entre elles a mais completa har-
mona.
Sabe-se-que foram descoberlas roeutemeote no?
arredores- da Panaraiv minas de ouro de grande ri-
queza.
Naturalmente emigrantes amerieanos-occorreram.
logo para explorar esta riqueza.
Paree at que o numero de exploradores aja
to grande que oceupam urna boa parte da estrella
lingua de- ierra comprebendida entre o Oceaac-Pa-
ciuco e o golpbo do Mxico.
sta ciroumstancia trouxe de novo a lome o
projecto tantas vezes formado de cortar o isthmo
de Panam e desta vez parece qne ser posto se-
riamente em execugo com o auxilio de sabsorip-
goes promovidas nos Estados-Unidos, exactamente
como acontecen em Franca para a abertura de ca-
nal d Suez.
Dii-se que o governo de Washington vendo o
desenvolvimenlo sbito que ia tomando- osle nego-
cio, se tinha oceupado d'elle seriamente resolve-
r proseguir u'esie projecto. com vigor.
N'e.-ia intengo parece qoe enviou a Franga um
delegado ofJQcioso encarregado de ceactuir com o
gabinete das lulherias um. tratado baseado nos se-
guimos dados.
Os dous istbraos de Panam e de Soez serian:
em principio neutraes, isto : em easo de guerra.
subditos ribeiriobos, quer sejam americanos quer
francezes nao podar.) asseaborear-se d'elles. a
mo armada em nome dos seus respectivos gp-
vernos, ou impedir a passagem a quem quer- qua-
for.
Qualquer tentativa d'esta geoero, feita por quai-
quer potencia ser immediatamente considerada
pelas outras como um easus belli.
Alm d'isto, os dous governos reservarlo para o
seu commercie immunidades respeciivas.
Assim os navios fraoceres poderao Mra-vessar o
islhmo de Panam' francamente, oa ao menos
com urna redoccao da direito rauo. grande eca
coraparago do que pagaro os vasos das outras
nagdes; e pela sua parte os navios americanos
teriam o mesmo privilegio no caaai de Suez.
O Internacional, de Londres, publica a segrate
descripgo do enterro de Tom Sayers, o famoso
Gomisindo," mostrando sincero pezar, decTararam P"8"'sta, que foi sepultado no cemilerio de High-
qne o Sr. visconde os oflenderia pensando que elles gale'
eram capazes de desconfiar de S. Exc.; e como o Casta realmente, dar crdito as detronstragSes
visconde Ihe pedisse perdo por ter offendido a sua que tlveram lugar durante as exequias ; preciso
delicadeza, disseram-lbe ento que nicamente pro- razar urna viagem a Inglaterra para assistir a se-
varia S. Exc. arrependimenlo se aceitasse para o melhante espectculo, em qae se acha reunido la-
caminho ama pega de oaro qae liabam conseguido do o que impde respeito, a morte qae vai passando,
at ali economisar. je tudo-o qae inspira tristeza; o comportamento e
O homem raais hojudo de Franga, e talvez do
todo o mundo, falleceu em Pars ha alguns dias.
Chamava-se Helm, de origem allema, e era ira-
ductor de correspondencias estrangeiras. ,
Contava cerca de 50 annos e a sna estatura era
mais que mediana.
Pesava 240 kilogrammas quando morreo, um
pouco mais de 16 arrobas.
O sen ventre era de tal dimenso, que nao poda
enirar pelas portas ordinarias, e era o terror de
lodos os cochearos.
Quando o viam, mettiam os cavallos a galopa
para nao o receberem uos seus vehculos que, por
rauilo espacosos que fossem, eram muito eslreilos
para a sua dilatada humaoidade.
J havia aiguos annos que esse excellente alle-
mao nao poda ser admittido era nenbum mnibus,
porque tendo de oceupar tres lugares, seria preciso
quebrar as travessas que separara os asseotos al-
tura dos cotovellos.
Era homem instruido e de grande afTabilidade.
Tinha lidado multo tempo ao joroalismo e redi-
gira correspondencias estrangeiras em Pars e em
Bruxellas.
Coohecia perfeilamente a poltica allema, mas
pouco lucrava com isso.
Havia dous annos que se tinba deixado de polti-
ca, e se pozera a negociar em sellos.
Empregou a collecciona-los um coidado, ama
pacieocia, urna paixao qae depressa Ihe zeram es-
quecer a poltica e a tteralura.
PERNAMBUCO- TYP. DE M. F, DK F. 4 FILHQ
I
JH
V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGARPCHPG_0IDJ9K INGEST_TIME 2013-09-05T03:32:02Z PACKAGE AA00011611_10848
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES