Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10846


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AffffO ILI. ROMERO 289.
Por qaartel pago dentro de 10 das do i. mez ...ti.
dem depois dos i.0( 10 das do cometo e dentro do qnartel. .
Forte no corre/o por tres nezes..........., :
5J000
6|000
750
SEGUNDA FEIRA IX DE DEZEMBBO DE 1865.
Por anno pa^o dentro deludios do 1.* mez ,
Forte ao correio por um auno..........
9f00l
S$00*
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alaxaodrino de Lima;
Natal,o Sr. Antonio Marques ita Silva; Aracaty,o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivejra; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falcao Dias; Bahia, o
St. Jos Muriins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, nastergas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio eExii, as quartas
feiras.
Serinbem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
Audiencias dos tribunaes da capital.
Tribunii do commercio : segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Fazend
i: quintas s 10 horas.
Julzo di commercio: segundas as II horas.
Dito'de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
PACTE 8FFICIAL
GOYERNO DA PHOVrfil
Expediente do dia I i I- dezembro de 1865.
OIBcio ao Excn. ceramendador Domingo* deSou-
za Leo, presidente da Associacao Protectora das
Familias dos Voluntarios da Patria. Em addita-
ment ao meu officio de 12 do correte, remetto-
Ihe incluso o requeriraento do voluntario da patria
Jos Martins de Otiveira, afim de que essa associa-
gao o altenda como for de jusliga.
Dito ao general commandante das armas.Ha-
bilite-me V. Exc. de maneira a poder cumprir
quanto se determina no aviso circular junto p>r
copia expedido pelo ministerio da guerra em G do
corrente, remetindome um mappa da forga do
exercito existente nesta provincia, o qu'il devera'
vir acompanhado das relages e outros mappas in-
dicados no predilo aviso.
Dito ao mesmo.Expega V. Exc". as suas ordens
para que de conformidade com o que detesminou
o Exm. Sr. ministro da guerra em aviso de 24 de
novembro ultimo, sigamsem demora para a corte
o tenente-coronel Jos Lucas Soares Raposo da
Cmara e o major ebasiio Antonio do Reg Bar-
ros, ambos do corpo de estado maior de 2J classe.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc iuformar acer-
ca do que pede no incluso requerimenlo Joaquim
Bezerra de Albuquerque.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar acer-
ca do que pedem nos inclusos requenmentos An-
tonio Bertho e Herraogenes Gongalves Lima.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. alistar no t"
corpo de voluntarios da patria a Manoel Silveno
da Silva, se for julgado apto para isso,
Duo ao mesmo.-Mande V. Exc. dar baixa ao
voluntario do patria do 6' corpo llerculano Ferre-
ra do Amaral aceitando em seu lugar o paisano
por elle offerecido Valt-nlim da Silva Pereira que
foi julgado apto em inspecgo de sade como cons-
ta do termo annexo ao seu officio n. 2,427 de 13
do corrente.
Dito ao mesa o.Mande V. Exc. inspeccionar
o 2o sargento Jos Scrates de Paula Lima e o
guarda nacional Manoel Jos do Nascimeoto, de
que tralam os mclu>os requerimenlos.
Dito ao mesmo.Permuta V. Exc. que o 2
sargento de voluntarios Benedicto Jo- de Souza ad-
dido ao 6 corpo, use das insignias de cadete al
que possa elle justificar o seu direito.
Dito ao mesmo.Accaso recebido o officio de
hontem sob n. 2,434 com qm V. Exc. me remetteu
os termos de iaspecgo de saud considerando in-
capazes do servigo militar o guarda nacional em
deposito Jos Francisco da Silva e o do Maranhao
tambem em deposito Antonio Feliciano de Al-
meida.
Em resposta tenho |a dizer que mande V. Exc.
eliminar o primeiro e faga seguir o oulro para
aquella provincia na pnffleira opportunidade, de
conformidade com o meu offlcio de honlem.
Duo ao inspector da thesouraria de fazenda.-
Declaro a V. S. para sua iutelligencia, e tim con-
veniente, que segundo participou-me. o presidente
da caixa filial do banco do Brasil nesta capital em
offlcio de hontem, durante o mez de novembro ul-
timo, entraran) em circulago as notas daquelle
eslabelecimeoto dos valores e particularidades
constantes da inclusa relagj assignada pelo pre-
sidenle. Igual a thesouraria provincial.
Dito ao mesmo.Providencie V. S. para que nos
devidos lempos sej paga a consignagao de 203
que do sold de sua patente pretende deixar nesta
capital o alfares "> corpa de voluntarios desta
provincia, Luiz Francisco de Azevedo Brasil, como
se v do requmenlo incluso.
Dito ao mesmo.Mande V. S. entregar a Luiz
Bernardo Castello Branca da Bocha a quautia de
3705, proveniente de > oassagens, sendo 3 de r e
2 de proa, mandadas dar para a corle a b rdo do
vapor inglez, que da iui sejuio uliimaoiente, ao
capito Saluslian > Domingues da Silva, tenente-
quartel-mestre Thomaz Pereira Pinto, ao cadete
Clementino Joo Trava>so,e bem assim a 2 praeas
de pret, lodas perlencenles ao o' corpo de volunta-
rios da patria.
Dito ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o
director das obras militares em offlcio de hoje, sob
n. 83, recomm-ndo a V. S., que, sob minha res-
ponsalulilad-', nos termos d) de'reto n. 2,881 d>
1 de fevereiro de 1862, mande pagar, visio nao
haver crdito para esse fim, a quantia de 100*000,
que se esta' a dever a Jos Pereira de Alcntara
do O' pela caiadura e pintura que fez no qaartel
da companhia de cavailaria.
Dito ao mesmo.Estando em termos o pret jan-
to em duplcala, que veio annexo ao officio do ma
rechai commandante das armas datado de hoje, e
sob n. 2,438, mande V. S pagar os vencimentos,
a conlar de 27 a :i I de novembro ultimo, das pra-
gas do 5 corpo de voluntarios desta provincia ad-
eudas ao 6.
Bao ao inspct)r da Ihisouraria provincial-
Transmiti a V. S. a inclusa conta alim de que
nao havendo inconveniente man' pagar a Anto-
nio Pressiliano Ferreira Patriota ou ao seu procu-
rador Simplicio Jjs de Mello, conforme solicitan
o chefe de polica em offlcio de hontem sob n. 1948
a quantia de 385400 rs., despendida com o susten-
to dos presos pobres da cadeia do termo do Brejo
da Madre de Dos, duraut; o mez de setembro ul-
timo.
Dito ao mesmo.Declarando-m" o chefe da re-
partigo das obras publicas, em offlcio de hontem
sob n. 39o, ler passado os certificados para paga-
mento da secunda presiago dos reparos da estra-
da da Victoria entre os marcos de 13 a 14 mil
bragas, da ultima preslagao dos reparos entre os
marcos de i a 8 mil bragw na mesraa estrada, e
finalmente ida illuuiinago publica desta capital
durante o mez de nouembro ultimo, assim o com-
inuiiico V. S. para que em vista de laes certifi-
cados mande elecluar aquelles pagamentos.Com-
municou-se ao chefe da repartigo das obras pu-
blicas.
Dito a Francisco Xavier da Costa Aguiar de An
drade.Remeti a V. S. para os los convenientes
o officio em original que em data de 13 do corren-
te me dirigi a eommlsso encarregada do ajuste
das coalas da estrada de ferro desta provincial
bem assim o balango da receita e despeza da mes-
ma estrada.no mez de novembro prximo findo.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recite.Para poder cumprir quanto se de-
erminju em aviso circular expdido pelo ministe
rio da guerra em 6 de dezembro ultimo, faz-se
preciso que V. S. me remetta com brevidade nm
mappa da forga da guarda nacional sob seu com-
manlo superior destacada em guarnigo nesta ca-
Dito ao engenheiro chefe da repartigo das obras
publicas.-Habilite-me V. S. como Ihe for possivel
a satisfazer o que solicita o Exm. Sr. ministro da
repanigao da agricultura, commercio e obras pu-
blicas em aviso de 6 do correte junto por copia.
Dito a cmara municipal d > Recife.Declaro a
cmara muoiclpal do Recife em resposta ao offlcio
que me dirigi em 12 do corrente, sob n. 79, que
antes de receber o seu citado offlcio j tinha pro-
videnciado para ser feito o reparo-de que necessi-
tava a ponte de fero junto ao theatro de Santa
Isabel.
Dito aos agentes da cempanhia braslleira de pa-
quetes a vapor.Podem Vmc. fazer seguir para os
portos do norte o vapor Paran, amanha a hora
indicada em sea offlcio de hoje.
PortaraOs Srs. consignatarios do vapor in-
glez Viper, mpnde dar transporte para o Rio de
Jaueiro, no mesmo vapor, psr conta do ministerio
da marinha ao 1" marinheiro Thomaz Jeremas.
Commanicoa-se ao capitlo do porto.
Dita.Os Srs. consignatarios do vapor inglez
Viper expegam suas ordens para que sejam rece-
bidas na adminisirago do correio desla capital,
a-, malas que aquelle vapor tem de conduzir para a
Bahia e Rio de Janeiro.
Din.Os srs. consignatarios do vapor inglez
Vtper mandem dar urna passagera de r no mes-
mo vapor para o Rio de Janeiro ao estudante Luiz
Nicolao Faguudes Vartlla devendo as despezas de
coinedora- serera pagas pelo mesmo estudante.
Dita.O Sr. gerente aa Compauhia Pernambu-
cana mande dar urna passagein de estado em lu-
gar de proa aleo presidio de Fernando no vapor
Mamamjuape, a Benedicta Maria Innocencia, mu-
Iher do seutenciado Bento Jos da Silva.
Expediento do secretario do governo do dia 11
de dezembro de 18Go.
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazenda.
Panicipando o commandante superior da guarda
nacional do municipio de Pao d'Alho que em 3 do
corrente entrou o alferes Alexandre Barbosa da
Silva Jnior no commaudo do destacamento da
mesma guarda nacional existente na villa d'aquelle
nome, assim o communico a V. S. de ordem de S.
Exc. o Sj. presidente da provincia.
Despachos da dia \ i de dezeinliro de 1863.
Requenmentos.
Alexandre Magno Peixoto de Alencar.-Remet-
lido ao Sr. inspector da thesouraria provincial pa-
ra mandar registrar a portara de licenca de que
trata, independenle documpra-sedo director
geral da insirucgao publica.
Alvaro Paulo Noblato. -luforme o Sr. comman-
dante superior da guarda nacional do Recife pro-
videnciando logo na forma da lei.
Alevandre Luiz da Costa. Passe portara con-
cederlo a licenga requerida.
Caudido Jos Ferreira.Prove o supplicante o
que allega.
Florontine Vellozo Canteante de Albuquerque.
Nao tem lugar o que requer o supplicante por
se ach3ram preenchidos os lugares a que allude.
Alferes loo Cesar Cavalcanti de Albuquvrque.
Nao tem lugar o que requero supplicantc<
Jos Bezerra da Silvr.Indefendo era vista da
informagao.
Dr. Jacintho Paes de Mendonca Jaragu.Por
ora nao tem lugar.
Capito Manoel Joaquim Xavier RibeiroAguar-
de decisfu do governo imperial a quem se enviou
a patente do supplicante para o fim que requer.
Maria Joaquina de S. Thom.Remedido ao Sr.
director geral da inslrucgo publica para altender
a sapplieante Je conformidade com a sua informa-
gao de 13 do corrente sob n. 312.
Pedro Soares de Mello. Junte o supplicante
cerlidao de idade.
Theoduro Rampche.Informe o Sr. engenheiro
cnefe da repariig.o das obras publicas.
>\ i U\<> UO IIISPADO DE
Pl-IR^AIIBUCO.
SEOE VACWTE.
Expedienle do dia 7 de dezembro de 186o.
Oflicio ao coadjutor pro-paruciio do Pogo da Pa-
nella.Alttodeiido as reiteradas instancias de V.
Rvraa., e aos ponderosos inolivos que allega, con-
cedo a sua exonerago de coadjutor pro parocho
da freguezia do Puco da Panella, e nesta dala en-
carrego a regencia da freguezia ao Rvd, parocho
da fregnezia da? Vanea, como vigario mais vizi-
nho, emquanto acho sacerdote idneo que possa ad-'
ministrar alii o pasto espiritual.
Dito ao vigario da Varzea. Teodo eu attendido
aos motivos mui valiosos pelos quaes o Rvd. coad-
jutor pro parocho da freguezia do Pogo da Panel-
la por vezes me pedio a sua exonerago, encarre-
go a V. Rvma. da regencia da dita freguezia como
vigario mais viziotio einquauto n;io encontr sacer-
dote que possa administrar o pasto espiritual aos
parochianos da referida freguezia.
Dte a> vigario do Pogo da Panella.Nesta data
conced ao Rvd. Jos Roberto a exonerago de ciad- j
jutor pro parocho dessa freguezia, que por vezes
tem su'llicitad", e encarreguei a regencia della ao
Rvd. vigario da Varzea, por ser o parocho mais
vizinbo, emquanto niio consigo poder enviar um
coadjutor que se encarregue dessas funegoes. As-:
sim o communico a V. Rvma. para sua intelli-
gencia.
11
Offlcio ao Exm. vice presidente da provincia da
Parahyba.Como offlcio de V. Exc. de 25 do pr-
ximo passado tve a honra de receber dous exem-
piares impressos da cullecco das leis promulga-
das pela assembla legislativa dessa provincia, em |
sua sessio ordinaria do corrente anno, o que sum-
mameule agradego a V Exc., a quera Deus guarde. I
Dito ao coadjutor pru-parocho de S. Lourengo
de Tijucupapo.Com o sen offlcio de 30 do prxi-
mo passado, recebi mais duas Biblias,_ sendo urna
impressa em Londres, e outra da edigao de Nova
York, bem como seis orages apcrifas, das que eu
mandei recolher e queimar por serem contrarias
aos saos principios da nossa religio.
Louvo o zelo de V. Rvma., e o exhorto a qne
continu na sua obra de pregaco, esclarecendo os
dovos, e prevenindo-os contra o espirito do erro e
da m vonlade que os quer perverter. Faga-lhes
ver que a igreja e smente a igreja que tem au-
loridade para interpretar a Escriptura Sagrada ; e
para que a leilura das sagradas paginas aproveite j
aos fiis, deve ser esta acompanhada de olas ex-
plicativas, que eselaregam o leitor e o pouham ao
abrigo dos erros e desvarios em que cahem aquel-
les que se arvoram em outros tantos interpretes
da palavra revellada.
Quanto s orages, admoeste os seus parochia-
nos, e faga-lhes ver a falsidade que ellas conlm.
A igreja quer que o fiel ore a Deus. que pega e
r'ogue constantemente ; porm ella nao ensina urna
orago que por si sornente tenha a> virtude d" nos
livrar das penas eternas. Taes oragoes s servem
d* illudir o peccador, de dar-lhe urna confianga ce-
ga, e faze-lo adormecer no peccado, sem curar de
livrar se delle. Clame V. Rvma. sem cessar contra
esse erro, faga ver aos seus parochianos que s
devem recitar as orages que a igreja ordena ; e
quanto ao mais, devem orar na simplicidad e do
seu corago, e nao recitar jamis oragoes que lhes
promeltem chimeras, e lhes do urna falsa tran-
quilizado de conscienca, que s serve de os
perder.
Faga-lhes ver finalmente que a orgao deve ser
acompanhada das boas obras; pois aquello que
nao tivesse boas obras nada faria, embora orasse
toda a sua vida. Instrua V. Rvma. os seus paro-
chianos, pregue urna e muitas vezes, trabalhe com
todas as torgas por arrancar o joio qae o mo ho-
rnera plantou, na phrase do Evangelho. e a sua pa-
lavra continuar a obier n >vos triumphos, e a sua
recompensa ser grande nos cus.
12 -
Offlcio ao vigario de Quebrangulo.Para qae V.
Rvma. applique s obras da matriz, e do cemiterio
os dinheiros que se gastam as festas de portas a
fra, como diz no seu offlcio de 10 do prximo pas-
sado, a que respondo, necessano que aquelles
que do taes esmollas consintam nessa applica
gao o que V. Rvma. talvez consiga com faclidde
fazend lhes ver o estado em que se acha a casa de
Deus, e o lugar onde se sepultara os cadveres de
seus pais, dos seus parentes, e onde se ho de se-
pultar algum dia os dalles proprios.
ouanto ida do Rvm. misionario capachlnho
Fr. Egidio, anda ha pooco o eqcarreguei de urna
inte missao, qual a deservir de capellao do
Primeira vara do civel: tergas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMER1DES DO MEZ DE DEZEMBRO.
2 La cheia as 4 h., 24 m. e 45 s. da t.
9 Quarto ming. as 9 h., 53 m. e 28 s. da t.
18 La nova as 2 h., 15 m. e 34 s. da m.
24 Quarto cresc. as 10 h., H rn.eHs.dJm.
DAS DA SEMANA.
18. Segunda. S. Esperidian h e.; S. Theotimom.
19. Terga. S. Dario m ; Ss. Pautilho e Fausia mm
20. Quarta. S. Domingos de Silos ab.; S. Juliu m
21. Quinta. S. Thom ap.; S. Themstorles m.
22. Sexia. S. Honorato ni.; S. Flavi.-oo m.
23. Sabbado. S Victoria v. m.; S. Tercilla v.
24. Domingo. S. Delphioo b.; S. Tr-illa m.
PRF.AMAR DE HOJE.
Primeira as b horas e 18 m. da manhaa.
Segunda aso horas e 42 minutos da larde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o
ata a Granja a 7 e22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, malo,
julhn, setembro c ovembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. S e- 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa.do
Faria & Filho.
idneo que possa substilui-lo; pelo que
ao pedir-lhe que se distraa com outro Ira-
Ple porm V. Rvma. dirigir-se direcla-
a elle, que eslou cerlo que, >e Ihe fr possi-
endera' as necnssidades dessa freguezia, se
ao menos quando ficar desembarag.ado do
ue agora oecupa.
ao vigario do Rio Fo-mozo.Pelo seu olli-
\ do prximo passado, live noticia de ha-
ecido nessa mpsmo dia o Rvd. Joaquim Bap-
tista dt s Santos, coadjutor dessa freguezia, tendo
recebiil o previamente todos os Sacramentos com
as memores disposiges que se podem desejar.
Lamento com V. llvma. a parda de ura sacerdo-
te de lo Loa conducta, e que tanto auxiliava na
regencia dessa parochia. Nao me sendo possivel
encontrar aqui um sacerdote que se prosle a subs-
tituir Ihe o lugar, espero que V. Rvma. me propo
ra' aquelle que julgar mais conveniente, alim de
que eu maude passar-lhe provisao.
Dito ao vigario do Bonito. Accuso recebida a
eslalislica dessa freguezia, coordenada com cuida-
do e adaptada ao fim que tive em vistas quando a
exig.Igual aos vigarios de Araruna, lngazeiras,
S. Miguel de Taip, e villa da Boa-Vista.
13
Offlcio an vigario da villa do Brejo.Com o seu
offlcio de 19 do prximo passado, recebi a quantia
de 1805000 com que os seus parochianos concor-
reram para o collegio dos missionarios calholicos
estabelecido em Londres,
LISTA DAS PESSOAS QUE NA FUEIll'EZIA 00 BREJO CON-
CORRKRAM PARA O COI.I.EGIO DO SAGRADO CORACAO
DK JESS ESTABELECIDO EM LONDRES, A 'JUAL SE
REFERE 0 OFFICIO CIMA.
Vigario Pedro Marra!).. Falcao....... 325000
Capiao Jos Antonio Pereira........ 205000
Delegado Rogerio Lucio da Silva Mer-
guinao......................... 105'XtO
Tenenie coronel Francisco Berenguer
Cesar.......................... 105000
Tenente-coronel Caetano de Oliveira
Mello.......................... 105000
Capito Geminiano do llego Maciel... 105'XM)
Capito Jos da Silva Amaral....... 105000
Francisco Baptistaale Araujo........ 105000
Francisco de Oliveira Travasso...... 105000
Francisco Mendes dos Santos....... 105000
Sergio Antonio Alves............... 105000
Antonio Magalhes da Silva Porlo... 55000
Alexandre Flix de Arantes ......... 55000
Pedro Pacheco Coulo............... 35000
Francisco Muoz ralco............. 35000
Joo Correa de Araujo............. 25000
Jos da Rocha Siqueira Cavalcanti... 25000
Dr. Jos Antonio Coelho Ramalho... 25000
Jos Ferreira de Araujo............ 25000
Capiao Francisco das Chagas Pereira 25000
Jos Thomaz Villa Nova............ 25000
Alferes Joo Nones de Araujo....... 25000
Antonio Presciliano Ferreira....... 25000
Pedro Cavalcanti de Albuquerque___ 15500
Jos Alexandre do Sobral.......... 15000
Joao Marques Pereira.............. 15000
Antonio Viera de Mello............ 15001)
Francisco Das da Silva............ 15000
Joo Mariuho...................... 500
180501H)
Quarlel general do couiinamlo das armas de Per-
iiainliuoi na eidade do Itecife, lli de dezeinliro
de 186.
Ordem do da n. 174.
O marechal de campo commandante das armas
faz publico para couhecimento da guarnigo e de-
vido efleito, que a presidencia em portara de 13
do correle nomeou para servirem em commisso
no 6o corpo de voluntarlos da patria, aos Srs. Ze-
ferino Rololpho Delgado Birba, e 2" cadete e A
sargento ex-almoxanfe do forte do Buraco Fran-
cisco Carneiro da Silva ; a este no posto de aiferes,
b aquelle no de capitae : e que por portara de 14
tambem do corrente, concedeu licenca por cinco
dias ao Sr. alferes Jos Flix da Silva" Lobato, por
quatro ao Sr. alferes Arnaud de Hollanda Caval-
canti de Albuquerque, e por sel> na data de hoje
ao Sr. alferes Antonio Berlino Pereira de Carva-
Iho, todos pertencentes ao 2o batalho da guarda
nacional destacado para o servigo da guerra.
(Assignado.) Francisco Sergio d'Oliueira.
Est conforme.Antonio Francisco Duarte, 2."
teneote-ajudanle de ordens interino encarregado
do detalhe.
EXTERIOR.
COSiHKNPOXIiKVi I VS IM f A
UIO I Si IKll V A Tllll't O
LliBOA.
28 de novembro de 1865.
A imprensa imparcial applaude a cmara dos
depotados por se ler Ilustrado com o sen primeiro
acto parlamentar, votando a applicago do grande
e salutar principio de liberdade, e abolindo em no-
me della urna instituigo que principiara pelo ler-,
ror e acabara pela fraude.
Efectivamente cmara depois de urna discus- !
sao, que apenas durou dous das, votou quasi por
unanlmidade, a liberdade da barra do Douro, e
proscreveu assim os oltirao.s vestigios dessa absur-
da e anachromca instituigo, que por um seculo
violara sem utilidade para o paz, os principios
mais vulgares da llvre troca. A questo eslava
meditava pela opinio esclarecida do paiz. Nao ha-
via por (apto resistencias a combater, nem serios
interesses a respeitar.
A cmara votou que a liberdade do Douro nao
fosse adiada para tres mezes depois da promulga-
gao. Ficou por tanto votada a livre exportago pe-
la barra do Douro de todos os vinhos produzidos
no territorio porluguez.
Comegou ja a discussao do projecto de resposla
ao discurso do throno. Anda desla vez foi conside-
rada pelos partidos militantes a resposla falla do
throno, como um acto de mero respeito realeza
constitucional. Realmente sao tantos os campos era
que as faeges partidarias podem empenhar a luta
e accender os debales que fra ociosidade travar
peleja estril, fazer da resposla ao discurso da co-
roa um campo de baialha poltica.
A pasta dos negocias da guerra durante a en-
fermidade do fallecido conde de Torres Novas es-
lava sendo interinamente dirigida pelo visconde da.
Prala Grande de Macu (Izidro Francisco Guima-'
raes). Acaba o mesmo visconde de ser exonerado
aquella nlerraidade sendo nomeado ministro da
Riierra o Sr. Salvador de Oliveira Pinto da Franga
major do corpo de estado maior do exercito, e an-
ligo chefe de gabinete no ministerio hoje a seu
cargo.
O novo ministro da guerra foi sempre do part-
do regenerador. E' muito versado em administra-
gao militar e geralmente respeitado pela inteireza
do seu carcter. E' anda mogo.
Foi ha peucos das apresentado pelo governo
um projecto de lei acerca da imprensa poltica, e
n'iiin prembulo discreto formulam-se as doutrloas
verdadeiras sobre a liberdade de escrever e das
suas justas e necessarias limilages. O fim desta
nova medida completar as nossas institaigdes po-
lticas no que se refere a mal, augusta inviola-

vel de lodas as liberdades, a de expr o pensa-
raento as suas multplices manifeslages. A lei
proposta pelo governo encaminhase a fazer entrar
a liberdade da palavra no rgimen commum em
que vivera e prosperan) as oulras liberdades, sem
que todava lhes falle o castigo e restrlcgo quando
degeneraren) em licenca ou prejuizo de terceiro.
Conlinua a servir de thoma de discussao a
celebre carta do duque de Saldanha sobre o casa-
mento civil consignado no projecto de cdigo civil.
Urna replica publicada ha poucos das no Jornal do
Porlo das mais severas e desabridas.
Tem-se espalhado o boato de que o governo re-
tirar as disposiges do projecto do cdigo relati-
vas ao casamento civil. E' absurdo semelhante
boato, porque o governo ja apresenlou em cortes o
cdigo como o redigio a eommlsso que o elaborou,
e o projecto ja est na respectiva commissao da
cmara dos depulados; porlanto o governo nao po-
de retirar cousa alguroa do cdigo.
Dizem outros que o governo infloe para que a
con.raisso nao aprsente o seu parecer sobre o
projecto do cdigo, de modo que este l ticar es-
quecido e nao vira discussao. Parece porm que
esta segunda versao tem tao pouco fundamento co-
mo a primeira, pois estando a' frente do gabinete
o Sr. Joaquim Antonio de Aguiar, anlgo ministro
de-D. Pedro IV, homem que tanto cooperou as re-
formas radicaes da revolucn, ant-?s deixaria o po-
der,'que retrocadoria um passo quando se trata de
defender e conquistar mais um progresso civil,
fundado uos principios liberaes.
E' assim que penara as lothas mais imparciats,
mas forgoso confessar que sa tem dado grande
corpo a e.-ta queslo, e que o governo ter de to-
mar urna posigo definida para crdito da bandei-
ra poltica em cujo nome subi ao poder.
Forain pelo ministro da justiga apresentados
ltimamente os segnintes projectos de lei:
Sobre os crimes eompreheodidos na lei da 18 de
agosto de 18i>3. Continuaro a ser processados cor-
reccionalinente nos termos dos artigos 1251 a U2
da novssima reforma judiciaria, salvo se para es-
ses crimes houver processo especial;
Eximguindo os uzes ordinarios e eleitos; e de-
terminando que os juizes de paz sejam de nomea-
go regia sobre proposta dos presidentes das rea-
ces.
Reformando a inslituicao do jury.
A folha ollicial pub'hcou urna portara ordina-
ria ordenando que as embarcages nacionaes, .de
qualquer lotaco podem receber dos depsitos das
alfaodegas de Lisboa e Porto, e conduzir para as
ilhas adyacentes e possesses ultramarinas, merca-
dorias estraogeiras devendo os manfestos ser fe-
chados as alfandegas dos porl s da sabida.
O marque! de Salamanca lera tido dffereules
conferencias no minislerio das obras publicas so-
bre objectos relalivos ao eaminho de ferro do nor-
te, eseja certas concesses relativas a ponte so-
bre o Douro.
O Sr. Jos de Moraes, deputado, annunciou
urna interpellago ao ministro das obras publicas
sobre a razo por que esto fnnecionando no paiz
muitas agencias de companhias estrangeiras, sem
terem entidade jurdica.
Teve seguuda leilura na cmara electiva um
projecto de lei do Sr. Namorado para que se esta-
belecam penses a's familias dos facultativos que
morrerera em servigo das epidemias.
L-se na Gazeta Augshurgo :
< Sua Mage.-lade o re D. Luiz I dirigi a se-
guinte carta a' Gazeta de Schwitz, que sauda'ra o
rei em nome da pairia de Guilherme Teil, depois
da viagera daquelle soberano a' Suissa :
o Senior redactor, li com alegra a cordeal sau-
dago da patria de Guilherme Tell, e respondo a
ella profundamente commovido. Sado igualmente
a meus charos amigos dos primitivos lempos pelos
quaes, anda enanca, ja linha particular pr>dilec
gao. Ser-me-ha sempre querida a recordago da
visita aj Suissa interior, e de um povo leal e livre
que Deus se digne abengaar. Com toda a benevo-
lencia vosso alfeigoado.Luiz.
Hoheochwangan, em 2 de novembro de 1865.
No dia 12, a dtrecco da associagao geral de
Soccorros Mutuos de Operarios de Turra, acompa-
uhada pelo syodico marquez de Rora*, foi recebida
era audiencia por el-re o Sr. D. Luiz, ao qual
apresenlou a seguinie mensagem :
t Senhor :Quando, ha poucos dias, chegastes
i.om a vossa augusta esposa a esta eidade, o povo
vos acompanhava cheio de jubilo ao palacio real,
por hospedar a real familia lusitana. Nestes das
de regosijo para Turin, no meio dos applausos que
por toda a parte vos acompanham, permitti, pois,
que a associacao geral dos operarios desta eidade
nao se|a a ultima a agradecer-vos o inleresse que
manifestaes ao visitar varias offleinas e estaleci-
mentos qne aqui possuimos, elogiando os seus pro
ducto-, fruto dos suores dos operarios lunoenses.
i Dignai-vos de acceitar, senhor, as nossas .-in
ceras congratulages e os nossos fervorosos votos;
com toda a effuso da nossa alma vos auguramos
um porvir venturoso, e vo-lo auguramos pjrque os
vossos destinos estejam ligados com os de urna
princeza que chama a si o affecto e amor de toda a
eidade de. Turin e vo-lo auguramos por que temos
no mais alto apregoas oobres qualidades da vossa
alma, vo-lo auguramos porque perlenceis a urna
nago que amamos como irma, vo-lo auguramos,
finalmente, pelo parentesco que eslreilamente vos
una cora a familia da casa de Saboya.
t Pela associagao O presidente Gherardo Gia-
cinto.O secretario, Martinelli Luigi.
El-rei de Portugal, que ao ser Informado da vi-
sita desta deputago Ihe linha dado urna prova de
considerago particular, admiltinao-a inmediata-
mente e anles de grande numero de pessoas ins-
criptas, respondeu commovido que considerava es-
ta demonslrago dos operarios como sendo a mais
apreciavel de todas as que linha recebido.
Congralulou se com a associagao pelos progres-
sos ja realisados, pelo espirito de ordem e philan-
tropia que garante a sua existencia e incremento.
Foi mni sensivel a's recordagoes que os operarios
anda conservam da joven rainha, sua esposa. Fez-
se o interprete do profuodo e inextlnguivel affecto
que ella nutre para com a sua patria, e conclu
azendo votos pela classe operara, a que perten-
cem tambem os monarchas que cumprem com os
seus deveres, porque tambem elles devem para o
bem estar das nages.
Por tolegrammas transmitidos de Florenga,
ne dia 22 do corrente, consta que SS. MM. e alteza
real ah foram recobidas com as maiores demons
tragos de respeito e de regosijo, e quegosavam da
mais perfeita sade.
(Continuar se-ha)
PERNAMBUCO.
REVISTA DI1IIA.
Como prometiramos damos hoje em segnida a
estas linhas o reiatono que o digno Sr. Dr. chefe
de polica apresenlou ao Exm. Sr. conseihero pre-
sidenta da provincia sobre a sua commissao a Ipo-
juca.
N'esta pega offlcial, de sua autoridade superior e
alheia aos interesses que aili se agilavam, pode o
publico se inteirar dos incidentes e formas diver-
sas, que tem revestido urna questo, qae de pre-
sente preoccapa a todos os espiritas, aponto de di
vidi-los em dous campos, Intetrando-se igualmente
da maneira porque all procedeu o Sr. Dr. Pinda-
hiba no desempenho da sua commissao.
Magistrado integro, nao poda por certo deixar
de haver-se de um modo condigno e de collpcar>se
qa altura de su3 posigo.
1* secg.Secretaria da polica de Pernam-
bueo, 7 de dezembro de 1865.lllm. e Exm. Sr.
Regressando boje as cinco horas da larde do termo
de ipojuca, |iari onde part a 4 d'esta mez por or-
den de V. Exc, para scyndicar dos fados que all:
se esta vara dando, segundo commuoieagao offlcial I
do delegado respectivo, no mesmo dia recebida, os ;
quaes, segundo esla commooicago, consisliam em
ler o leoeote-coronel Ga>par Cavalcanti de Albu-
querque Ucha, mvadido com forga armada o ter-
mo de Ipojuca, vindo do de Serinbem de seu en-
genho (Juiiinduba, com o tim de fazer retirar vio-
lentamente o tenenle-coronel Joo de Sa e Alhu
querque e sua familia do engecho Aralangy
sobre cujo direilo de propriedade corria um pleito
judiciano, de meu dever dar parte a V. Exc. do
que observe! e pude colher no desempenho da com-
mis.-o de que fui por V. Exc. encarregado.
Parli d'esta capital as cinco horas da tarde
d'aquelle dia, e pouco antes das onze horas da no-
te apeei-me no referido engenhoArataugy,para
onde me dirig, logo que ao cliegar a estago da
villa da Escada tive noticia de. que era all que es-
lava eminente urna lucia, sena o ja Iravada a essa
hora.
Eucontrei no referido engenho o jmz munici-
pal supplenleem exercicioFrancisco Jo- da
i OSta e Silva, acompanhado da seu accessor o ba-
charel Olympio Marques da Silva; do escrivSo e
dous offlciaes de jiiilga, e pelo mesmo bacharel
fui informado, em resposla as pergunlas (|ue di-
rig ao referido juiz, de que all estavam de>de pela
manhaa para dar posss judiciaria do mesmo enge-
nho ao tenenie coronel Gaspar Cavalcanti, a favor
de quera se expedir pelo juizo municipal da pri-
meira vara desta capital, ama precatoria para exe-
j cugo de um accordo da relago; e que n'essa
, execugao conceder o juiz um mandado para ser
I intimado o leneuie-corouel Joo de S o sua mu-
I Iher, afim de incontinente eniregarem aos exe-
' quentes o engenho, escravos, bo e mais objectos,
de que estavam de posse por forga de urna esenp-
lura, que foi nullilicada pelo referido accordo,
! que eolo se executava (eis os precisos termos do
mandado de que tenho urna copia aulhentica) e
que intimado esse mandado, a senhora do tenenie-
coronel Joo de Sa, na ausencia d'esie, responder
ella que seu marido eslava no Recife; que n'esse
mermo dia devia ahi chegar de regresso ; e que
elle juiz tivesse a boudade de esperar a vinda de
seu marido, sem a qual nada ella poda resol-
ver.
A Isto requereu o procurador dos exequentes
que uovo maudado ah mesmo se expeuis.-e para
serem intimados a familia do tenente-coronel Joo
; de S e mais pessoas que se achassem no mesmo
engenho, para que imraediatamente d'ahi se ret-
rassem, sob pena de desobediencia ; intimaco que
I d'e?de logo se electuuu.
Este procedimenlo, bem como o que cima ti-
ca referido provocou protestos e requerimenlos da
1 parte do advogado dos executados, o- quas nao ti-
veram deferimento segundo fui tambera informa-
do; e n'estas circunstancias declararain as pes-
soas da familia do lenente-eoronel Joo de S, que
era abusivo, vilenlo e iilegal o procedimento que
i com ellas se eslava leDdo, e que firmes na razo e
> no direito que lhes assistia, nada fariam anies da
: chegada do chefe da familia, aqual nesse mesmo
1 dia se havia de realisar.
Fui arada informado pelo bacharel Olympio
(que, como accessor do juiz respondia a qoanias
perguntas a esle fazia) que ao anailecer d'esse dia,
licaudo as cousas paradas, se quiz retirar o juiz,
mas que as sauhoras da familia do tenenle-coronel
! Joo de S, pediram instantemente que elle ficasse
como urna garanta de que precisavain; pois que!
I receiavam que o tenente-coronel Gaspar, na ansen-
I ca d'clle juiz, invadisse com forga armada, quej
i havia reunido o dito engenho. e solfr'essem ellas al-
I guia violencia ; e a essas instancias acceden o j
juiz; pelo que, eu ahi o encoutrava n'esse momen-;
: lo cuze horas da noile.j
Anles de proseguir na narragao do que obser-
j vei, passare a mencionar o que eccorreu anterior-
i mente a minha partida d'esta capital
O lente coronel Joao de Sa' e Albuquerque
apresentou-me uo da 2 d'esle mez una represen-
tago, pedmdo providencias que o resgnardassem
o a sua familia das violencias de que estavam |
amea'gados pelo tenente-coronel Gaspar Cavalcanti
de Albuquerque L'cha, que, se dizia, preparava i
urna furga cousideravel para cora ella lomar con-
ta violentamente do engenho em que residiam.
A' vista desla representago, correndo-rae o
dever de garantir a ordem publica e a seguranga
individual, e previnir conflictos e alternados, que
devenam trazer consequencias desagradaveis, or-
j denei n'esse raesmo da ao delegado de polica do
termo de Ipojuca, que eslivesse vigilaule, para ira-i
I pedir que fosse invadido o termo de sua jurisdic- \
gao, por forga armada ao maodo do tenente-coro-!
nel Gaspar, ou de outra i|ualquer pessoa ; bem '
: como, que nao prestasse aquella de que por ventu-
1 ra pudesse dispor, quando Iba fosse reguisitado sob
protesto de diligencia judiciara, salvo se Ihs apre-
.-enlar sem requisigo de autoridade competente,
firmada em despacno ou sentenga, que autorisas-
se a retirada incontinente do engenhoAralangy
do tenente-coronel oo de Sa' e Albuquerque e de
sua familia, e que em todo o caso procedesse com
toda a prudencia e energa, para evitar as desor-
dens que se receiavam.
Aquella representago e esla minha ordem se
deram no dia 2, como disse, e no dia 4 recebi um
lelegramma do mesmo delegado, communicando-
me que na manhaa d'esse dia seu termo havia sido
invadido por urna forga consideravel ao mando do
teneote-coronel Gaspar; que estava eminente nm
conflicto serio, e que para obsta-lo me pedia soc-
corro prompto e enrgico.
Foi este aviso que levou a ordenar-me V. Exc.
que partisse inmediatamente para o lugar do con-
flicto, vendo-se assim quase realisados os receios
do tenente-coronel Joo de Sa'.
Proseguindo na narragao nterrompida, direi
agora a V. Exc. que, depois da ler ouvido ao juiz
municipal supplenle, por boca de seu assessor,
exig do delegado da polica, que ahi tambem se
achava, informages do que se havia passado,
pelo que dizia respeito a execugao daquella mi-
nha ordem; e esta me informou nos seguinie:
termos mais, ou menos:
Que tendo recebido a dita ordem as 7 horas
da noute do dia 3, dirigira-se imraediatamente ao
engenhoAralangy -e ahi enconlara a familia do
tenenle-coronel Joo de S atterrada pelos boatos
que vinham de todos os lados, de que o lente
coronel Gaspar Cavalcante da Albuquerque Ucha
reuma gente armada no seu engenhoQuitindu-
bado termo de Seriohem para invadir o termo
de sua juridicgo, e esbulhar a forga d'armas os
posseiros do engenhoAralangy, despejando os
por um simples mandado.
t Que immediatamente offlciou ao juiz munici-
pal e delegado desse termo de Serinhem, pedmdo
a disperso da gente armada, e auxilio para
alguma emergencia.
Que essas autoridades, reunindo forga e fazen-
do pesjuizas sjbre o lugar da reunio, seguirn) a
dispersar os grupos, e remetteram a elle delegado
um reforgo de vinte e cinco pragas para a fim
requisitado.
< Que no dia 4 pela manhaa, depois da chega-
da dessa forga, recebeu daqueas duas autoridades
communicago de que o lugar da reunio fra o
engenho -Quilindubae que os tenentes-coroneis
Gaspar Cavalcante de Albuquerque Ucha, e Joo
Florentino, baviara seguido para o engenhoSanta
ClarafjrmQ de Ipojuca, por assim lhes have-
remdito moradores do engenhoQuilinduba, at
onde chegaram com suas indagages.
Que certo da existencia da f rga armada e do
lugar em que astava acampada, e ao mando de
quem, se dirigir immediatamente ao engenho
Sania Clara, e ahi encontrara os ditos lenles
coronis Gaspar Cavalcante, e Joo Florentino, com
torca armada.
Que chegando ao lerreiro do engenho, tomara
elle delegado um clavnote das mSos de um mora-
dor, que, a descoberto, mosirava fazer parte da
forga ali reunida, a que o eniregou ao rendeiro do
dito engenhoManoel Leonardo de Siqueira Caval-
cantepara o guardar al que Ihe fosse exi-
gido.
Que enlao ordensu aos referidos tenentes-co-
roneis que dispersassem a forga ; observando-lhes
que o acto que haviam praucado era illegal e cri-
minoso: mas que quando esperava que essa sua
ordem fosse cumprida", teve em resposlaque ali
estavam a espera do juiz municipal supplenle
Francisco Jos da Costa e Silva, para o fim de
tomaren) posse do engenhoAralangycustasse o
que custasse.
Declarando anda que nao tinham smente a
forga que se via (e o delegado calculou em sessen-
la homens) mis que esperavam reforcos, e esta-
vam no lirme proposito de fazer despejar o enge-
nhoArataugy, embora fosse esse acto sellado
com o sacrificio de algumas vidas.
Que nao lendo elle delegado escrivao, que
lavrasse um auto do occorrido, nem forga para
fazer dispersar a que ali eslava reunida, voltou ao
engenhoAralangy, fez chamar aos inspectores
de quarteirao, e comegava a reunir forga para
manler a ordem e impedir s violencias que se
esperavam; e que nessa occasio fra que expedi-
r o telegramma que tica mencionado.
Qne as 10 horas do dia ahi chegaram o referi-
do juiz municipal acompanhado do escrivao e tres
offlciaes de jusliga, do solicitador Pedro Alexandri-
v Ja Costa Machado, de Izidoro Camello Pessoa, e
dous filhos desle, do bacharel Olympio Marques da
Silva, assessor do juiz, e de outros cidados; e que
ento os offlciaes de jusliga intimaran) a senhora c
mais pessoas da familia do lente coronel Joao de
S, o mandado para se retiraren) inronlinente do
engenho, ao que responder aquella senhora pela
maneira porque deixo eu mencionado no principio
deste oflicio; sendo nessa occasio requerido ao
mencionado juiz que fizesse dispersar a forga que
estava d'ahi bem perto, pois que o engenho Santa
Claradi-la apenas do deAralangypouco mais
de 4 leguas.
t Que a esla reclamago o juiz afflrmara, q ue
tal forga nao exista; porm que sendo contestado
por elle delegado, declarara que a forga armada ali
estivera, mas que j se linha dispersado, o que
fra confirmado pelos mencionados Izidoro Camello
e bacharel Olympio, e que em seguida fra lavra-
da pelos ditos offlciaes cerlido d'aquelta intima-
gao, irtndo ditada pelo referido Pedro Alexandrino
da Cosa Machado, procurador dos exeqjentes.
Que pouco depois recebera elle delegado um
oflicio, que nesse mesmo lugar se fizera, do referi-
do juiz, representando-lhe para que dispersasse a
gente que ahi tinha legalmente reunida ao que
responder que nao o fazia porque ahi se achava
por ordem minha para evitar violencias e desor-
dens, tamo mais porque esperava acada momento,
ver-me ahi chegar, por forga das particpagoes que
me havia dirigido.
Que com esla sua declarago ludo serenou um
pouco; reapparecendo, porm, o desassocego,e os
receios, mxime da parte da familia, sempre que
appareciam diversos grupos de cavalleiros da gen-
te do tenente-coronel Gaspar, correndo alropellada-
mente em frente da casa, onde estacclonavam
algumas vezes.
Que com a noute creseeram esses receios,
principalmente qoando as 7 horas mais, ou menos,
appareceu era frente a casa de vivenda do enge-
nho, o tenenie coronel Gaspar Cavalcaute, ealguns
cavalleiros que, segundo disseram, vinham buscar ,
o juiz.
Que ento appareceram os rogos e instancias
da familia do tenente-coronel Joo de S, para que
o juiz seno relirasse, alim de obstar alguma vio-
lencia ; e esle depois de alguma reluctancia acce-
deu aquelles rogos, demorando-se a minha esperada
vinda. 1
< Eis quanto me informou o delegado, e consta
da parlicipago que em seguida me eniregoo, e
quanto pude colher momentos depois de minha
chegada.
Desde ento julgae necesario reduzir a escriplo
as informages que, em nome do juiz, me acabava
de dar o bacharel Olympio, e ah mesmo fiz lavrar
um termo de perguntas, e provoquei urna resposla
do juiz por escriplo, dirigndo-lhe ura offlcio; e
cora as respostas de ambos ficou provado que havia
realmente o tenente-coronel Gaspar Cavalcante ira-
sido forga armada do termo de Serinhem ; que
com ella se achara no engenho-Santa Clarapr-
ximo doAralangy ; e que essa Torga nao lora
requisitada por elle juiz, e reunida nicamente por
arbitrio do mencionado tenente coronel; masque
fra por este dispersada, logo que o bacharel Olym-
pio, declarara que n juiz municipal nao precisava
de forga para fazer cumprir seus mandados, e que
era criminoso o procedimento que uvera.
No dia seguinie iuterroguei o tenente-coronel
Gaspar Cavalcanti, e este, entre ontras cousas, me
declarou, (e consta do termo que fiz lavrar por elle
assignado) que sem ter precedido requisigo de au-
toridad- alguma, viera ao amanhecer do dia 4, do
seu engenho Quiotinduba, termo de Serinhem,
para tomar posse ao engenho Aralangy, acompa-
nhado de seus prenle, amigos e moradores de
seu engenho, do de California, de propriedade do
lente coronel Joao Florentino e de outros, em nu-
mero de sessenta pessoas, armadas no seu maior
numero, e que se domis forga pr,ecisasse, muito
mais tinha sua disposigo ; sendo as armas que
(raziara, espingardas, clavinotes e cceles.
c E perguntando-lhe eu se linha aulonsado
estas pessoas a virein armadas, respondeuque
era bem claro que sem sua antorisago nao viriam
ellas assim ; mas que dessa forga tinha feito reti-
rarem-se, conselho do bacharel Olympio, todas
as pessoas armadas, deixando apenas ficar as qua
estavam desarmadas. Dlsse-me mais, o dito tenen--
te-coronel, que entenda nao ter commettido crirae
algum, Invadmdo o termo de Ipojuca com essa for-
ga, porque nao o fizera para fim hosti.l, e sim para
lomar posse judiciara de urna propriedade que U)e
perlencia : e ao perguntar Ihe, se havia dito, ao
delegado, (quando esle Ihe intimara que dispervas-
se a sua gente,) quenao o faria, e que iroeajriam
as suas armas e tiro por tiro, nao o negeu, re-
duzindo, porm a sua resposla a quealgumas ex-
presses mais ou menos azedas se irocaram enire
ambos.
< Iuterroguei tambem a Manoel Leonardo de Si-
queira Cavalcanti, senhor do engenho Santa Clara,
onde se hSvia reunido a forga do teneBte-eoronel
Gaspar ; a Flix Jos de Mello Cavalcanti e a Ma-
noel Peres Campello Jacome da Gama, e exig in-
formagao offlcial do juiz municipal e o delegada de
polica do termo de Serinbem ; e todas essas pegas
offlciaes, em numero de nove, confirmara mais ou
menos quanto dea relatado, e em original as'sub-
metio leilura e aprecago de V. Exo.
Devo aqui mencionar um facto altamente cri-
minosos, que chegou ao meu, conhecimento por in-
termedio do Dr. promotor publico da comarca, a
que perteace aquelle termo. Dous offlciaes de jus-
liga, (dos qae acumpanharam ao mencionado juiz
municipal) por occasio de lavrarem a certidj de
intimago de qra dos mandados a que ao principio
me refer, eerliflcaram que Roara, ouvido ao deje-
-
i


litarlo de PernaBBbnco Seganda fe Ira 18 de Dezembro de *.
ttado dteer, que all sv. achara per ordem minh, guerra 46 soldados urna prova exuberante do
com forc* armada, pan manler a posse em que se j mullo que se esforcaram os ineansaveis lidadores
achavedoeugeuho Arauugy o lenle coronel JoSoique se enrarregaram do alistamenlo e que tive-
ram a gloria de ver cordada do mais feliz resultado
a sua sagrada missao.
de S sua familia ; porm inqueridos por mim
esses efDciaes a requer atento e em prsenla do
dito promotor, declararan que tal cousa 0A0 ti-
uham ouvido, mas que asstai o certificaran! a man-
dado do solicitador de causas Pedro Alexandrlno
da Costa Machado, que fui quero ditou a drta cer-
tidao, asseverandolhes enlo-que isso uo Tazia
mal. Levou adiante seu crimiooso intento o re-
ferido solicitador, fazeodo lavrar essa cerlidao cora
data do da 4 e do cogenho Aratangy, quaulo foi
5, e
Solicila-se-nos esta pubiicacao :
< Acallamos de ler urna publtcacao firmada por
um pseudonymo que pondo se i descoberlo pela
incorreccio da linguagem, pretende ferir de em- j
boleada a caracteres conceituados da comarca de |
Goyanna e entre elles ao digno juiz municipal Dr. i
Heorique Pereira de Lacena, altrlbuindo-the a in-
tencao de julgar Iniprucedeote o summario que
inslaurou coutra o honrado lente coronel Bento
uurante a estada do Sr. Dr. chele de polica ram consegui-lo da presidencia alguns interessados
ra d-si.i capital, llca incumbido do expediente res- na empreza.
pectivo o I ir. Dr. delegado M a rtins Pereira. Subrpelieodo-se. por vezes a discusso aquillo
Passaiteiros da galera franceza Solferino, que s tein relacaocoro loteress.s de parti lo ou de
sahida pa a o Havre por Macei : Joao Barroso particulares, o Sr, Dr. Aquino, flgurou sempre oel-
ella pas>ada no enyerbo Santa Clara, bo da ., --------------------------- ------------------- -
fra, portante, das visias de quem podena t-mbara- Waoderley por supposlo e improvado delicio de of- Luiz boln} de Mello, a requenmento desi eJave-d
car semelhante falsldale. fensas physicas levissimas que dizem commelidas O chee da 2* seccao,
/. G. de Mezquita.
Cas/( de rtenqao.
M vi un:ii i. da casa dedeteneo no dia l'i de de-
"
de Carvallo e Peerre Crassous.
Rgp nnr.AO da polica.
Extracti das partes do dia 16 de dezembro de
1863.
Foram -ecolhidos a casa de deteoe,ao no dia 15
do correo e
A' orden do subdelegado do Recife, Antonio .o
s Joaquim da Silva, para correero.
A' orden do da Boa-Vista, Bento, esco
Mov me
bro de 18
lolerroguei em seguida ao mencionado solici- as pessoas de deas menores orphaos o de assim
tador, que nao pide negar o que havia feto, e era moldarse vonlade de alguem que sem ser advo-
^tentado em sua face pelos dous cfllciaes de jus- gado assislira conferco do processo e garantir'
ti^a, de cuja ignorancia e mesma hnbeeilidade, ha- a sua improcedencia. '< lemhro d i8bj :
va absurdo ; e, coufessaodo ler dilado essa cerli- Nao nos merecer reparo esta arremeltida <*e Eanfc38J, entraram 4,sahiram 33 ; existem
nao, llmiluu sr a dizer me que nao mandara escre- concentrado de.-pciio, que remorde urna certa me- 354, a sabir: nacionaes 244, moltures 6; estran-
ver aquella asseicao da maueira poique se achava dioendade, se nao devisemos esperar que o inte- geiros 26,|mulheres 5; escravos 69, escravas 4 ;
scnpia : ao passo que os ditos offloaes sustenta- ero juiz muuicipal juigoe improcedente o referido total 3,>4.
tam que s escriviam o que Ibes em dilado. summario, aventuraudo-se por este modo incor-; Alimentados a cusa cofres dos pblicos 189.
'Por-este faci bem se pode concluir de quan- rer na censura dos espirilos desacaulelados e que
tas falsidaties nao sera capaz esse individuo, muni- por ventura nolenham noticia das eminentes qua-
do como se acha de urna provisao de solicitador iidades que exornam aquelle juiz.
xlos auditorios desta capital e de outros termos da Sem fazer esforjo, que o nao merece o caso,
provincia ; e de esperar que nao fique sem para explicar que esse illostre carcter, de quem
pronipto remedio fogo que ao conhecimenlo do se diz que assislira ao proceso, fra casualmente
"Exm. presidente da relacao ebegoe semelhante fac- presente a inqairico da urna testeinunha por se
lo, alm do respectivo processo a que proceder o adiar com inultas ouiras pesssas em casa do Dr.
juiz oompelenle, a quem V. Exc. lera de remelter Lucena na occasio emque este proceda ao inque- ^
esses interrogatorios, que submelto lambem a le- rilo, cuinpre declarar aqoi como o mais solemne I Ttwm alta :
tora e a apreciaco de V. Exc, como documento protesto que esse rcspeitalissimo amigo .aliameu- Jo>e Vctor Hamos.
sob n. 10. te iucapaz de assegnrar a quem quer que seja o Jaeiulho, e-cravo do Dr. Alves.
Em todas essas indigac.'s gastei o tempo que resultado de um juigameoto. que penda do disiioc- Cemitemo publico, obituario do
me demorei naquelle termo, donde me retirei hoje lo juiz que vota profunda considerado. Jusia- dmembro ob 1865.
s 9 horas da manha, deixando-o em perfeita paz mente reservado e respetoso em snas relacoes, Manuel do Naseimeoto, 30 anuos, a. Jos ; apople-la respjnd-r a um coiumunirado publicado no sea
i'o da enfermara no dia 15 de dezem-
1.5.
Tiverani liaixa :
Jos GuilhVrm* da Silva, febre.
Albino Jo-. Ferreira. sarnas.
Bernar-io Ferreira Machado, febre.
Praoeiscoj escravo de los [nado, intermitentes.
Antonio, escravo de Jos Pereira de Araujo, inter-
mitentes.
da 14 DE
las de um modo nolaveimenie nobre, oppondo-se
a que passassem certas patotas e se flzessem arran-
jos de familia a cusa dos dinheiros pblicos dos
quaes se mostrou em luda a occasio o mais em
penhado conlinuasse a discussao do projecto que divida a
freguetia da Uua- Vista, como alguem quera, por se
lembrar do lugar do vigario da freguezia nova pa-
ra nelle colocar um innao.
Em face desses servicos entendemos que.o nome
do Sr D. Joaquim de Aquino Fooseea lem direto
a condecorado do corpo eleitoral,reelegendo-o co-
mo representante da provincia, puis que com isso
satisfaz perfeitamenie a sua mis.-o.
Cheio de zelo e dedicago pelo^ervigo publico, a
ponto de Ihe grangear isso mesmo, as vetes, gratui-
tas desaffeicS 's, (|u>- eniretanto nao o desacorocoam.
o Sr. Dr. Aquino um depulado provincial que
nuBca devia ser esquecido; por que, raros sao
aqurlles que com elle rivaiisam em patriotismo e
devotayo pelo bem publico.
Assirn, esperamos v lo reeleito, se a verdade e
a jusilla anda nao esto iDteiramente banidas do
meio dos homens.
Um cidadao.
GOBEESPONDENCIAS
Senhores redactores. Nao e nunca foi nosso
costume depr de pessoa alguma, mas nao pode
1 mos consentir que se acabrunhe a repotaco altieia
' com infamias e calumnias; e islo que nos leva
e sem motivo para receiar-se desordens e violen- nenhurn interesse odemovrria con-ullara vonia-
cias; porque os teuenles coronis Gaspar Caval- de do julgador ou procurar prepara-la. Nao o
cauti de Alhuquerque Ucha e Joo Florentino Ca- faria por si, pela m breza do seu carcter, pela
valcanii de Aibuquerque e os de sua comitiva se firmeza rgida dos seus principios, e nao o faria
haviam ja retirdo de lpojnca ; o juiz municipal tamben por alieucao aos escrpulos bem enienJi-
navia kospendido a execuco dos seus mandados, dos do distincto e maccessivel julgador.
emquantu se expeda duas cartas lesterounhaveis, Quanlo ao suuunartt de que .e trata, de es-
requeridas pelos execulados, segundo vi do despa- perar e esperamos que se jnigne improcedente.
Cho por elle proferido em urna petigao destes ; e Versando a aecusago sohre criine particular, em
nesse imenm, conta-se, lera' decisao um angravo que nao se venlicou o caso de priso em flagrante,
pelos meamos ioterposlos sobre materia da mesrna Inconleslado que, .-uieole medanle a queixa do
exi curio, havendo assim lempo para se acalmaren! promotor publico, deveria ser instaurado o pro-
os espinto> e voltar a r> flezao aos que impiuden- cesso, a serem jolgados iniseraveis os (.Hendidos,
lemente ameafavam a ordem publica. i*to nos termos do artigo 73 do cdigo do proces-
t Deixo de emittir juizo sobre o procedimiento so. Ora, si a qoeixa nao foi interposta, eviden-
referido do juiz muuicipai sopplente relativamente tmeme jurdico que uo pode vigorar o processo
a quesiao de direto que se discuta e na qual me lirado ex-ofJQcio ; para tanto nao ha competencia
absteve de intervir por nao se estender al ahi de parte do juizo.
a minha competencia, limitando-me a apreseniar a E' esta a nossa opiniao que se ajusta aos mais
V. Exc. a narraco fiel e exacta de quanlo obser- conhecidos principios e regras da orgauisacao do
vei e colhi pelas indagai;5es a que tive de proceder proce?so. Si, pois, houver o processo de ser julga-
e por ella podera' V. Exc. bem conhecer qual a do improcedente, bem e loavaveimeote proceder
idoneldade do mencionado juiz. i inWligeole e cultivado juiz.
t Nao ha tiesta minha narrago urna sassergSo Do destino que levou a nota junta em prin
que nao eMeja provada, ou nao se infira das pecas cipio aos autos, foi e devia ser deseulranhada para
offiriaes que present a V. r-xc para as quaes jser remettida ao orgarn da ju-lica c-mo base do
pego a sua esclarecida attengo, e especialmente seu provavel e esperado proceder. Isto denota a i
pari- interrogatorios a que responderam o teen- severa imparcialidade com que o Dr. Lucena aplai-
te coronel Gaspar Cavalcanti e o cidadao Manoel na as^diflkuldades suscitadas ante o seu juizo
xia.
Harina, frica, 40 aunos, solteira, escrava, Santo vador.
Umrio de 5 do corrente, e assiguado por um Obser-
Antonio ; espasma
15 -
Julio Osar Cavalcanti, Pernambuco, 26 annos, sol-
leiro, Boa-Visla ; tubrculos pulmonares.
Eugenio, Pornambuco, 4 annos, S. Jos ; losse con-
vulsa.
Jos, IVrnambuco, 8 metes, S. Jos ; e-pasmo.
Joo Hyppolito de jfaeedo, Pernambuco, 28 annos,
cazado, Santo Antonio ; phthysica pulmonar.
Anua, Pernambuco, 4 annos, S Jos; colo-iro.
Antonia, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio ; es-
pasmo.
Flora Enedina de Souza Magahes, Pernambuco,
solteira, 20 annos, Boa-Vista
n-.onares.
Antonio, Peruambuco, 14 mezes, Boa-Vista ; gas-
tro hcpalile.
Vicente Jos Leao, Pernambuco, 14 annos, solleiro,
S. Jos"; varilas.
!lllMM<:\ .IIIIIIIUA
Peres Campelio Jacome da Gama.
t Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm. Sr. con-
seltieiio Joao Luslosa da Cuoha Parauagua', presi-
dente desta provincia.
O rhefe de polica,
Eduardo Pindahiba tle altos.
_ Fica as-ira restabelecida a verdade, e nem
fura seno este o nosso intento. D. B.
Ue Pao d'Alhe nos escrevem em 9 do cor-
rente :
Eocerrouse o jury, sendo julgados cinco pro-
cessos, nos que sahiram absolvaos ires e con-
j e i .; de.mnados dois, appellando o promotor de urna
Acerca da partida dos voluniar.os do Salguei-1 dasahso|vi>? Em Q fuoc(.0000 0 ury
roe.-crrvcm-nos dalli o segumle : houve sempre abundancia de jurados, que por
Bello e magesioso raiou o da b de novembro, duas S(us vMlf^r:iin a 5, t a 52 d-spediram-se
para esla localidade, que vio jobHosa partir urna 0 excejcnlt do< i8
phalange de bravos em desafonta da honra nac-. ., Estand, puis o julgamento de um dos laes
nal vilmente ultrajada pelo marechalito Solano rS impe(lj(| 0 h lle direll0 seu ,u|)lltul.
Lpez.
A e.-forcos dos Srs. Drs. juiz municipal Agnel-1
lo Jos Gnizaga, promotor publico Ant nio Lopes
da Siiva Barros e delegado em exercicio major Hay-
mundo de Sa Araujo, secundados por amigos de-
Era primeiro logar desejavarnos saber quando
foi que o tenente-coronel Joo Vieira mandou tonar
rebate a ma-noite, e prenden voluntarios da pa-
tria agenciados pelo major Quinten o e capitao Gre
gorio.
Uualquer pesoa que conhecer de parto o teen
te-coronel, dir', sera hesitar, que aquelle que pe-
gn da peuua para escrever taes asneiras, nao
passa de um intrigante miseravel e de um ment
roso desprezivel.
Aqu resido ha muitos annos, e teaho lido sera
pre a felicidade de nao ouvir tocar rebates a meia
noite, e julgo que lodos que aqoi mjram, u qu
tubrculos pul- uu uverem o carcter do Observador, affinoiro
o que venho de dizer.
E' necessan estar-se revestido de muila pacien-
cia parase tolerar tanta estupidez.
U capito Gregorio agenciando voluntario- o o
tenente-coronel prendeudo o- com) reci utas. I
lsto digno de riso. Pobre Gregorio, qde mal
pode suppoilar o terrive peso que o privara' per-
petuamente de erguer a cabera, e que emi>rega
lodo o seu lempo era procurar ura mio para azer
Tender o seu eraprego de escrivo de orphaos.....
Nada mais direi a respe.to deste hotnem, porqu
todos os habitantes da comarca do Bonito o conhe
cera perfeitamenle.
Pelo que diz respeilo a Brasiliano de Barros
Correa. direi ao Observador que meutio descara-
de Car-
tll'HV DO RECIFE.
15 DE DEZBMBRU de 1865.
PRESIDENCIA O0 SR, DR MANOEL JOS DA SILVA
NEIVAS.
Promotor publico o Sr. tJr. Francisco
valho Soares Brando.
Escrivo Joaquim Francisco de Pnula Eetefes "ament, quando affJrm m que ftri e Cleineote P*080 P"'0 *m pre.-ideote da provincia, por urna
Advoaado o Sr. Dr. Celso Tertuliano Tavares | ^fundada representaco do len-nle-cor. nel Joo
Quintella.
iti'M Jos Firmino dos Anjos aecusado de haver
damnificado a rotula e vniraca. de urna casa.
Feita a chamada as 10 horas da manha acham-
se preseutes 39 Srs. jurados.
Foram multado- era mal 20J cada ura dos Srs.
Vieira, onde o accosava de negligente como com
mauoanle de compauhia, visto como achava-se elle
na subdelegada desde outuhro do anno prximo
passado.
E' certo que o tenente-coronel levou ao confie"-
cimenio do Exm. presidente o procedimento poaco
dicados, reunio-se aqui um contingente de cin-
cuenta voluntarios da patria, cuja partida foi de-
signada para o da 6, na qual leve o Sr Jos Pe-
reira Fedegoso a feliz e religiosa idea de mandar
cantar uina missa a Santo Amonio, padroeiro da fre-
guezia, era ten^'o dos voluntarios ; e foi convidado
o Rvm. vigario de Cibrob, para pregar o seimao.
na forma do mvodecreio foi convidado liara pre-
sidir a e.-se julgameuto o Dr. Joo Paulo Monteiro
de Audrade ; que se apreseulou aqui iniinediata-
mente. O Dr, Jio Paulo como sabe, juiz de
direito de Nazarelh, comarca ijue mais visinha Dea
a Pao d'Alho.
O nosso vero contina, e os gein ros alimen-
ticies ja vao subiudo no prego.
O digno Sr. commandante do 6. corpo de vo-
luntarios apresenlou sexta-feira, ao Exm. Sr. pre-
jurados ja multados nos anteriores dias de sesso e I |"e8ular d?se odividuo, nao s como presidente
do conselho de qualilicagao da guarda nacional,
mais a cada um dos seguintes :
Dr. Ignacio Firmo Xavier.
Jesuiuo Ferreira da Silva.
Jos Izidorio Pereira da Silva.
Aberia a sesso, procedeu se o sorteio do conse-
lho do jury de senteni;a que preslou o respectivo
juramento, foi o reo interrogado e lido todo o pro
cesso da formago da culpa foi doenvolvida a
como tambem como commandante de rompanhia,
porque lendo elle passado o exercicio da subdele-
gada ao suppleote Tiburcio Valeriano da Costa
Duro, s poda a'sumir a presidencia daquelle con-
selho, actiaudo-se no enramando da companhia.
Mas o que fez o tal Brasiiiano 1 Presidia o con-e-
iho, pa.-sando para a reserva os guardas que. nao
sidenteda provincia para assentar praga nesse cor-
E-ie acto religioso comejou as It) horas da ma- po, seu lilho o Sr. Autooio de Alhuquerque Ma-
nha. estando a igreja completamente cheia; e os ranhao*Cavalcanti.
voluntarios precedidos de urna pequea msica, en
Iraram e lomaram das grades para cima, o lado
da Epstola. Antes do serm.io locou a msica urna
bella ouvrlura ; linda a qual appareceu no pulpi-
to o levita do Senhor, e dominou o nnmenso au-
ditorio, com s sua palavra eloquente e aulorisada.
Concluida a fe-la regressaram os voluntarios, e.crjvao y Marjano de A|uqu,,rque.
a quaitei, acompanhados por irnmenso povo aosom
E' este o segundo lilho que o Sr. lenle coronel
Maranho Cavalcanti offerece em desalfronta dos
bros da nossa nacionalidad*1, e por cerlo o seu pa-
triotismo dara ainda novas provas, si outros filhos
sulleiros livesseS. S.
aecusago e defeza, depois da replica e treplica e provavam isengo legal, sera que e=tivese no com-
findo, os debates foi resumida a materia da ac-1 ["mito da cotnpanhia, nrm no exerclcio da subde
cusaco e da defeza foram proposias as quesl5es legaca. ...
de laclo ao jury de semenca que se retirou a Diga me agora o Observador se islo ou nao
sala secreta das conferencias a 1 hora da tarde "" especulado !?.... Tanta generosidade em
de onde voliou as 1 1|! com suas respostas que
foram lidas em alta voz pelo presidente do jury
de sentenQa, era vista de cuja decisfto o Sr.
Dr. juiz de direito condemnou o reo a 25 dias
de priso e multa de 12 l- por 0|0do valor do
damno.
f -----1 i i se a sesso, addiando-a para o dia se
- Est de semanas nos protestos de lettras o Sr- guiuie uoias"lO horas 'da manha. em que tem de Pe'l,-
taes caso.- causa urna cerca descoufianga-----alm
de que vox populi vox Dei.
E' bem provavel que o Observador leoha lucra-
do alguraa cousa com esse negocio ; portanto seria
melhor que nao se precipitasse muito, tiorque des-
te modo esta' sujeilo a ser desmascarado por quem
o conhece, o ja lera formado um juizo a seu res
da inu-ica e de repetidos vivas.
As 3 horas da tarde formaram-se em ordem
de marcha, tomando a frente o Dr. Agnello, tendo
hasieada urna bandeira branca com a cora impe-
rial, ollertada pelo Sr. Epiphanio Nicolao Tolenti-
no. Prnmptos para seguir, convidou-os aquelle
douior para anida urna vez irem a igreja implorar
a prutccao de Deus.
a Concluida a breve orago trcou a msica um
alegre dobrado, e enlhusiasmado marchou o con-
tingente.
Sem exagerarn calculamos de 800 a 1,000 pes-
soas que acompanharam a p os voluntarios da
patria al meio quarto de legua, viclortando-us
cousianlemeote.
Em todo o trajelo nao cessoa d- esirugir os
ares o constante soltar de figoets.
i No ponto em qoe entra a e-trada que linham
de seguir, a meio quarto de legua da villa eslava
armada urna simples e elegante barraca, lendo na
frente os seguintes versos em lettras grandes:
Vivara os voluntarios do Salgueiro
Que a patria correm a defender ronlentes
Vivain os leSes l'ernambticanos
Que s sabem morrer romo valentes.
t Dentro da barraca via-se um bufete bem guar-
necido. Nesse lugar fez se alto.-; ah lornou s-com-
pacta a rnoltido. Aos bravos voluntarios foi ofe-
recidj um cupo de cerveja.
O Dr. juiz de direito Hisbeilo F oreniinn Cor-
rea de Mello, pronunciou poucas, mas eloquenies
e enthoslaslicas palavras. Seguiose-lhe a Exma.
Sra. D. Anna Eufro-ina de Barros e Silva, irma
ilo Sr. Dr. Silva Barros, que bastante commovida
recitou esta poesa que foi calosamente applau-
dida.
* Voluntarios da patria, adeus, parti
Jde o fro inimigo dehellar
Confiai, como eu, na Virgem Santa
Que a vossos lares inda haveis voltar.
* E' nobre, ingente, sublime, santa
A causa do Brasil, Deus a protege
Pazei que este imperio magestoso
Teuha ura reuorae que a Europa inveje.
* Correi, ide vingar os nossos brios,
Cateados por Lpez tyranoo e vil
1 le mostrar ao cacique paraguayo
Que Pernam-Luco Luzeiro do Brasil.
Eu, que mnlher sou. roragem tinha
De a Mariana-me juntar contente
Porm le-rn v les, eu partir nito devo,
Porque, alm de fraca, son doeute.
Mas, se nao parto, eu orgulho sinto
De contar entre vos alguns prenles ;
E confio que elles e v- todos
Na peleja seris leoes valentes.
Adeus, voluntarios Salgueirenses
Ide o fro inimigo debellar
Confia i, como eu, na Virgem Santa
Que a vossos lares ainda haveis volUr.
II uve mais alguns discursos dos Srs. Dr. Sil-
va Barros e leneole-eorooel Silva Rodrigues. O
JDr. Agnello proferio aluda alguma* palavras entre
Mneos, dizendo aos seus bravos corepanheiros
i,ue sabiarn que elle impossibiliado de atontar a
cava lio nao poda partir, mas logo que pudese,
partira ; que, chegando a capital e rjio oseneno-
Irasdo mais. se alistarla com destino ao batalho
em que se houvessem alistado, e que procurara
perieccer a rompanhia a que perlencessem ; con-
ciuio dando ao voluntario Hadel de Souza a ban-
deira, qce al enlo trazia, e, pedindo um abraco a
seos companneiros. Foi ge ral a iroca de abracos.
Era quasi noite quando flzeram marcha os
nravos voluntarios Salgueirenses, sendo acompa-
nhados anda at o pouso que deviam lomar, por
mais de 80 cavajieiros e algumas Araasonas. Te-
mos fejio urna hgeira discnpjlo ; permitta-se-nos
agora urna pequea digressao.
O termo do Salgueiro demora a 140 leguas da
capital ; a sua populago alm de nao ser grande
ignorante e dessimioaoa; preconceito anda exis-
ten*, o amor da patria nao verdadeirameote co
nhecido, o dever de defender aeausa nacional pon-
fo compreliandido ; mesmo assim mandar 6e a
Ao amanhacer de sabbado houve urna tenta-
tiva de roubo em urna loja da ra do Cabug; mas
ojarapio nao c/raseguio enirar na loja, e por isso
nao logrou realisar os seus intentos criminosos.
Chegou sabbado, de New-York, o vapor ame-
ricano llussia, din destino ao Rio de Janeiro aonde
vai ser veudido. Nada adiaula em noticias, por ler
saludo antes do Tijuca.
Sabbado, 16 do corrente, procedeu-se a eleigo
da nova direntoria do Club Pernambuco, e saturara
eleitos os- senhores:
Carlos Koork.
Antonio Jos de Castro.
Adolpim Pereira Carneiro.
Francisco Ignacio Pinto.
[Joo Maria Alhuquerque Oiiveira.
! William Woughan.
Dr. AntoLio Jos da osla Ribeiro.
Luiz Amavel Dubourq.
Joo Pereira Reg.
Joao (.arlos Coiho da Silva.
Ensebio Raphael R bello.
Dr. Joao da Silva Ramos.
serem julgados os reos Manuel Antonio Bastos da
Silva, Manoel Matli-u- dos Anjos Penante e Clau-
dio Eufrazto de Franca Souza aecu.-ados os dous
prlmeiros por rime de roubo e incendio na (tren-
ca do Forte do Malto e o terceiro como perjurio
naquelle proeesso.
Caruar, 12 de dezembro de 1865.
O Observador do Observador.
viMMOTGiJS.
illm. e Exm. Sr.Tendo-me sido offertado pelos
hachareis de 1865 no da, em que receberam o
grao, um retrato, pondere! aos offerenles que de
to valiosa ollera, eu s acreitava o valor mora
o lestemunho de alTeicao c sympalhiaque me da-
vaui os meus discpulos de 1861 e 1862 ; mas que,
Aproxima-se a eleico de depntad..s provmciaes, ;",lle"la a minha Pfi2d ,eu!^ DaoH"odia ?
! e compre esperar da escolba e uomeaco dos re-tar fu SS real> T lhPS ped' perm,,ssa '
: presentante.- da provincia, confiada ao criterio dos i P eOMtt- o, em nome dos mesmos offerentes-
' senhores eleitores, mandatarios do povo, em cada ^ ^'harria de 1865-no cofre da Santa Casa de
Misericordia desta cidade, ahtu de ser destinado a
Candidatura provincial.
Ao amauhecer de hontem encontrou-se em
um pojo exi-tente no quintal da casa, em que re-
side a ra da lrap-ratriz o Sr. Dr. Joo Maria
Seve, o prelo liberto de nome Luiz, natural
desta provincia, que eslava ao servico do mesmo
dootor.
i depuiado qoe for eleilo, urna signifleacao de justo
recoohecimenio ao seu merit, e de verdadeiro em-
peuho t zeh pelos pblicos negocios.
No* precisamos dar repreaentafo provincial a
importancia e lustre que convra ; nao s em hon-
ra da provincia,cujo prestigio esla intimamente li-
gado a preponderancia dos nomes que a represen-
taren^ como antigamente era ; seno lambem era
ratao da importancia e gravidade das funccSes a
que -o chamados os membros das assemblas pro-
vmciaes em relaco aos uueresses que Ihes incum-
be promover.
_0 corpo eleitoral comprehende bem a sua mis
sao, e erga se a altura do procedimento imparcial e
circumspecto ijue deve, ler em materia lo mehn
UtlIlUtr vi.vuui.-|" t-i'j 'j^to un*/ i 'ii iii'i.< i r i ..(i tu lili- ,.
Tendo commuolcaco deste triste evento, o Sr. dro'a' SM?"Diot,Ulaa o'aa sewo j'ue err mTa quana de n
subdelegado supplente em exerc.cio d.r,gio-se ao ? h fiSS e, t*^** V de,'""r S'; Preferido e rato,
domicilio do dito douior acorapanhado do Sr. Dr. ""'""' de =">W"n"a compra de peijuenos objecios, ijue servissem de
premios para as exposias e as orphaas, que mais
soiire-ahissem nos trabalhos e virtudes proprias do
seu sexo.
Certos de quanto convm animar os esforcos des-
sas potires meninas, muitas das quaes, grabas aos
disvellos de snas incansaveis tnestras, se dislin
goem por apriraorados irabalnos, como o provam
essas ricas batideiras nacionaes por ellas bordadas,
os offerenles nao s anouirara teno tambera ap-
plaudiram o meu pedido.
Portanto cominumco a' V. Exc. essa oceurren-
da, alim de servir-se e leva-la ao conhecimenlo
da digna Junta administrativa da Santa Casa de Mi-
mando receber de mirillas
trezenios mil ris, importancia
Pereira de Brilo; o qual examinando o prelo, re-:trtVt'S'" -"eoder a quaesquer consideragoes que!
conheceu estar mono, sendo isto occasionado por, PpS?am de(sv,ar dt laln:,br,! ,n,u|t0-
asphyxia por sobmersa Eult os ,,IVl,rs"s candidatos que ,-e pmpoem oh-
O referido preto soffria de ataques epilpticos, e ler a honra de>sa el^ao,> le!nos ouv"10 mencionar
por isso suppoe-SH com fundamento que sendo! um nomf|rf ommendavel e .nteirame.ite digno de
accommeltido por occasio de achar-se prximo; pT esCu,hld,>: e Illin- Sr- l)r- J^quimde Aquino
ao poco, nelle cahira e encontrara seguidamente a r""sel^a-
morte, visto nao ler sido observada semelhante I ,Tedo feUo pa,rl9 da lejz'slatura que terminou
occurreucia por pessoa alguma que enlo o no-! es,t anuo' Vl,l,,,-| sempre tomar a posieo mais
desse salvar, retirando-od'allt; e sua ralla em casa: Convea,eul,! e aju,laJa a d'gmdade do deputado
smente sendo seolida pelas 10 horas da neot, j,ru.v,m',all < mxime, quando a admini-tragao en-
attribuio-se isto ausencia voluntaria, sem jamis 't,^eu de """"liar e desraoralisar a assemblea
occorrer a alguem, que se debateria elle naquellaicom aAreseDCa d,e forca armada em vtrinde de
occasio talvez cora a morte horrivel a que soc- r,e,lu,"'^u feia pela mesa que diriga os trabalhos
eumbio I iaa mesma, protestando elle enrgicamente contra
Iseraelhaule violencia, e relirandose, quando vio
De sabbado para o domingo foi roubado o Sr. que se persislia nella, sem embargo do grave es-
Antonio da Silva Pereira, brasileiro adoptivo, mo-1 cndalo que o fado occasionou.
rador a ra da Imperatriz, por um seu escravo Esforcou-se constantemente pelos melhoramenlos
chamado Luiz- o qual
penetrou por meio de
Exc. que, interpretando a von-
tade dos offerenles, eu declare, que dessa quanlia
duzeutos mil ris sao para o cnllegio das orphas
e cera mil ris para a casa das expostas.
D-ns guarde a V. Exc. Recife, 4 de dezembro
de 1865. -Illm. e Exm. Sr. desembargador Ansel-
mo Fiancisco Peretii.muito digno provedor da San-
ta de Misericordia do Recife.Em nome dos bacna-
reis de 18ti5Dr. Jo> Antonio de Figueiredo.
N. 580. -anta Ca-a de Mi-ericordia do Recife,
11 de dezembro de 1865. -Iilm. e Exm. Sr.Foi
presente junta administrativa desta Santa Casa o
officio de V. Exc. de 4 do corrente mez, pelo qual
convida a mesma junta a mandar receber de sua
moaquantia de. 300^000, valor de um retrato,
que ihe foi offertado pelos hachareis de 1865 no
da em que receberam o grao. Congr tu ando-me
cora V. Exc. por esse lestemunho de affeicao que
acaba de re eber de seus antigos discpulos, cabe-
e no
casa
para a patrica deste crime matehaes da provincia, e prestou seu apoio a ludo me agradecer a V. Exc. era nome da junta
- um arrombamentu pratica 10 Que tenda para o progresso religioso e intellectual das ,,(,ucaDd;,s a<> collegio das orphaas e da
no telhado da sala de jantar, na mesma casa, que da populaco, oppondo-se a todas as despezas mu- dM exfoslos a apphcagao, que se dignou dar a im-
eslava eolio sem a familia; de sorte que a seu teis ou de proveilo particular. portancia cima mencionada, appheacao que bem
manifest os generosos seniuneulos de V. Exc. em
favor daquellas desvalidas, e que para a junta
mais urna prova do inieresse, que V. Exc. toma
pelos esiabeleciuienlos pos a cargo desta Santa
Casa.
Deus guarde a' V. ExcIllm. e Exra.Sr. Dr. Jo-
s Aolooio de Figueiredo.O provedor, Anselmo
Francisco Prretti.
salvo subtrahio cerca de tres contos de ris, segn- Vendo que, da maueira defeituosa da cobranza
do computa o me-mo Sr. Pereira, em differenteSi das diviaaa proviuciaes resultavam cusas, por ve-
especies, isto papel de diversos val res, noedas! zes muita mais avuliadas do que a importancia
de ouro de 6'i00, 20 e men-res, e de prata. idessas dividas, propoz e conseguio que passasse
Conhecido o facto pela polica local, foram dadas urna reforma; e, se nao fot conseguido o Om dese-
as convenientes providencias, as quaes aodaram jado, deveu-se isto a alguem que despeitado procu-
lo promplas que iograram a descobena do autor, rou inverter o sentido das palavras consignadas na
do crirae e a apprehenso da quantia de 6684, en- lei do orcameulo para tornar anda mais vexatoria
contrada em poder do mesmo preto em um sacco 1 a arrecada^o dos mesmos imposlos. "
que trazia amarrado sob o braco. A junta da fazeoda provincial era urna phantas- fu;,,.,,. A.,* KM n in7a uno I.mh iIl
A mesma autondade prosegue em suas indaga- magoria vaa, urna forraalidade sem a menor sigoi- ?' s J"* juid, que ICHI ue
caes com o (im de descobrir o restante da quautia licaco. Piesentes o contador da thesouraria e o
*ubtranida, bem corno de verificar se ne*le crime. procurador fiscal, que linham to smente voto
da-se a existencia de cmplices, sem embargo da'consultivo, o lospi-etor ludo resolva e dehberava
reluctauna que opfoe o preto em confessa-lo. 'por si, podendo affaslar-se do parecer daquelles
Por forga das oceurreneas de que lem sido funcciooanos, de maoeira que bem se poda dis-
pensar o trabalho da reunio da junta, e confiar os
negocios que por all correm ao arbitrio do chefe
da repariico. O Sr. Dr. Aquino propoz e conse-
guio que passasse urna le que veio por assim dizer
tornar urna realidade a junta provincial, fazendo
que as decisdes ah tomadas fossem o resultado da
maioria dos votos dos membros de.-se tribunal ad-
Negociante Jos Marcellino da Rosa.
Teuente Jos Elias de Vasconcellos.
Negociante Antonio Ramos.
JUIZ AS PROTECTOKAS.
As Exms. Sras.:
D. Paulina, mulher do Illm. Sr. Joaquim Mauricio
GonQalves Rosa.
D. Carolina, mulher do Illm. Sr. David Ferreira
Bailar.
D. Anua, mulher do illm. Sr. Floriano Correa de
Brito.
D. Joanna, mai fie Illm. Sr. Olinto Bastos.
D. Augusta, mulher do Iilm. Sr. Dr. Antonio de
Moraes Sarment.
D. Anna, mulher do Illm. Sr. Manoel Pereira Le-
mos.
D. Joaquina, mulher do Illm. Sr. Joaqnim Francis-
co da Silva Jnior.
D. Joaquina, mulher do Illm. Sr. major Luiz Jos
Pereira Siuies.
D. Joaquina, mulher do Illm. Sr. capito Antonio
Jos Silva do Brasil.
GuardioFr. Antonio de S. Cumulo de Lellis.
Illms. Srs. eleitores do 2o districto de Pernambu-
co.No dia 5 de Janeiro de 1866 tem esse districto
de elegor um depulado geral, e preleodendo eu to
elevado lugar da gerarchia poltica, peco a Vv. Ss.
o faror de preslarem me os seus votos.
Se merecer a honra que solicito, desde j pro
metto a Vv. Ss, empregar lodos os meios ao rm-u
alcance, alim de que Pernambuco, d'onde me ufano
de ser natural oblenha alguns, quando nao todos
os benelicioi cuncernentes a sua prospendade e
grandeza.
E' limiladissimo o meu prestimo, comtudo esli-
mare que Vv. Ss. delle se utihzera na soliritude
com que mostrarei, que sou com a maior con.-ide
raci de Vv. Ss. venerador e obrigadissiino criado.
Jos Mana Ramos Gorjao.
Recife, 16 de derembro de 1865.
CURA
Espantoza c Admiiavel
DE TJMA CHAGA
CANCROSA E ROEDORA
0D
PLIPO M NARIZ.
Urna creada de servir residente em Pernam
buco e pertenecnte .'i Ex." Seilr! ViBCONDEBBA
DE OoiANNA, foi attaciida il'iiina U-rrivcl cha
ga cancrosa e i'0*ilraou Polvjio no Nariz.
A mesma involvia e tomava UhIo a parte in-
ferior do nariz, amc.icando j distrnir tanto a
parte cartlaginoM como o mesmo oso ; Come
con primeiro i>or appmrecer eico tupe-
rior e parte da face, cxtemlendo-se por tal
forma e com tal rapidez, que em ]>uco anu-a-
cava transformar todo o rosto n'nma inonne
eharga viva o nsqneroaa. Dorante todo tite
terrive estado, todos os rcciirsofl mcdlctnaes
que em tais cazos sr uzio forio abundante-
mente empregado, sem ene de levo fizesse
parar a marcha lenta distraidora de to hor-
rivel enfcrndadc, < todos os nn-ios e esforeos
forao baldados, e no em tanto o mal cresca e.-
qm-por milagrosa fortuna i!a iiiMlz estando
as colizas ueste ponto, se c>:i rinientou pida
vez primeara a
SALSAPAERILIIA
DE BRISTOL.
O effelto prodiizido, qnasl qoe Instantneo
por este inestiinav! remidi foi verdadeira-
mente maravilhoso e s'in ignal; este grande
purificador tema, miiiediatnmiiiie \w um termo mr
cha disastroza e fatal da molestia, derramam.
ee o infiltrando-se fttravi'e dos tecidos na mais
delicados do corpo, espellindo at ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'ura curto espaco de tempo pro.luz.io
CURA
Completa e Radical.
Este feliz qnio admiravel resultado foi obti
do apenas com o simples uso
D'imiaso unir Garrafa!
d'este incomparavel e inapreciavel depuratorio,
recommendamos portanto todos os Doentes
que procurem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira Salsaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De NOVA YORK,
na certeza de que, todas as mais preparac.oee
imitativas nao val en i para couza algnma
VentJe-se as boticas de Caors-Barbosa
e C. Bravo < C.
tlieatro oestes ltimos das a comarca de Gara-
ntiui.f, para all parti hontem pela manna o Sr.
Dr. chefe de polica, de combinaco com o Estn.
Sr. conselbeiro presidente da provincia, alim de
prover as mesmas oceurreneas cora medidas
promplas que no caso couberem.
No estado de irritacao, a que os nimos tem sido
amistados naquelta parte da provincia, a ida do
Sr. Dr. Pindabyba alli um garante do restabele-
cimento de ludo no anterior p de ordem e segu-
ranza cora desaggravo da lei no que por ac .so ha-
ja ella sido olTendida, mesmo era momentos de
hallucinaco.
Nos que por mais de nma vez havemos solici-
tado providencias para males que occorriarn em
alguns pontos da comarca de Garaahoos, nao po-
demos, em vista da presente medida, deixar de
prestar o nosso apoio a esse aclo de duas autori-
dades superiores que se desvelam assim em curar
dos direitos dos uus governados, nao tardando em
ofJerecer a garanta de que elles carecem.
ministran vo.
Vendo que o contrato celebrado com o goveroo
da provincia pelo subdito francei C. L. Cambroo-
ne, para a limpez e esgoto desta cidade, nao offe-
recia vaolageas equivalentes aos sacrificios, que
esse contrato impuoha aos propietarios urbanos,
do que resultarlara sacrificios, que tenam infalli-
festejar a l\ssa Scnliora das Sf ves,
padroiira do convento de S. Fran-
cisco de Olinda, no anno le 1866.
JUIZES POR ELEICO.
Os llims. Srs. :
Ccnego Pirmino de Mello Azdo.
Dr Antonio de Vasconcellos Menezes de Drum-
mond.
Dr. Anienio Rodrigues de Souza Martlns.
Tenente coronel Jet Victorino dos Santos Fortu-
nato.
Jl IZA.- POR ELBICAO.
As Exmas. S'ns. :
D. Francisca Theo.lora, mulher do nosso irmio con-
frade Mu-olao Allery.
i. Anna, mulher do Illm. Sr. Manoel Jos Car-
neiro.
D. Miss Payne.
JUIZES P-BOTBCTORBS.
Us lllms. Srs.
vetmenie de pesar sobre a populaco, em conse
queicia do augmento inevitavel dos allugueis das
casas, oppoz se com todas as suas Trcas, e ainda Conseiheiro Dr. Jo- Bento da Conha Figueiredo.
contina, a aceilacio das modiflcaQdes propostas Dr. Eduardo Augusto Pinto de Oiiveira.
pelo referido Carabronne a seu contrato, modifiea- Vigario Lourenco de Alhuquerque Loyola.
g5es que sero ainda mais onerosas do que o raes- Capito Jos Joaquim de Abreu.
mo contrato, se acaso orem aceitas, como procu- Rvmd. padre Joaquim da Assurapjo.
Sob a denominago de Nocoes do systema em
trico decimal acaba de ser mpress.. com toda
a nitidez na lypographia Universal urna pequea
brochura de 't paginas, que um primor de pa-
ciencia de seu auior e um recurso manual de ra-
da instante para as nossas casas de conimereio e
aulas primarias da provincia. Sob o litle, pois,
que cima se l publica o Sr. Jos Antonio Gomes
Jnior, onze importantes taboas comparativas das
aciuaes medidas de peso, de capacidade e estenio
com as do systema mtrico francez, j mandado
adoptar pelo goveroo em tolo o imperio, de tal
?orle calculadas, que o guarda livros, o caixeiro,
ou ainda o empregado Je qualquer seccAo Ja fa-
zeoda, nao tem mais do que procurar na respecti-
va la boa o caso que se Ihe offerece, e por na ope-
racao simplissima achara desde logo a redueco
que pretende de libras a kilogramrnas, de varas e
covados a metros, e de almudes e caadas a litros,
at as ultimas fraccoes de cada anidada, precedi-
das semellianles taboas de explicares ludispensa-
veis para os que se nao achara iniciados no syste-
ma decimal, e de variados exemplos de redueco,
de medida a> medida, e do valor em ris, para
Era j tempo de ser adoptado eutre nos o sys-
tema mtrico, hoje uniformemente accedo por lo-
dos os paizes da Europa e da America, faiiava-uos
apeuas qaem o lornasse facilimo na pratica, para
os individuos meuos versados em ooeraeoes ari-
themeticas.
O Sr. Gomes Jnior, qae j havia dolado a nos-
sa praca cora as suas annolacoes aos principaes
artigos do cdigo commercial lirasileiro e com as
suas oe escripiurago mercantil por partidas do
loadas, que Ihe valeram as mais iisongeiras apre-
riaroes dos tribunaes e humeus competentes, vem
agora acudir a esta oecessidade popular, prestan-
do assim um verdadeiro servico a lodo o Brasil,
com as suas lo commodas e lo claras laboas
comparativas, que ho de em duvida adiar lugar
em todos os escriplorios, em lodas as bancas e em
todas as casas de negocio, como um pequeo e
utilissimo pomptuano de operaces.
Nao duvidamos portanto que, dentro em pouco,
se veja o Sr. Gomes Jnior, obrigado a tentar urna
segunda edico das suas excelleotes nocoes do
svslerna mtrico.
(Da Revista Diaria, sob n. 191 do Diario de
Pernumbuco de 2o de agosto de 1865.)
Paco da cmara municipal do ltecife, 9 de se-
teml.ro de 186S.
illm. Sr.A cmara municipal desta cidade re-
cebeu com agrado o officio de V. S. datado de 6
do corrente, acorapanhado de um ejemplar da
obra que fez publicar denominadaNogdes do sys-
leroa meirlco decimal rujo exempUr muilo agra-
dece a V. S. Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Jos
Antonio Gomes Jnior.Luiz Jos Pereira Simoes
pro-presidente-Fraucisco Canuto da Boaviagem
secretario.
Rio de Janeiro, 10 de setembro de 1865.
Illm. Sr. Jos Antonio Gomes Jnior.Acensan-
do recebida a cana de V. S. do t do rorrente,
muito Ihe agradeco a ollera qoe se digna fazer-me
de om expropiar da obra que fez publicarNocoes
do systema mtrico decimal. Reitero os protestos
de eslima e considerarn com que sou. De V. S.
amigo venerador. J. T. Nabuco de Araujo.
IHra. Sr. Accusando a recepcao do offlr.io de
V^ S. que acompanhou um exeraplar das No-
coes do systema mtrico decimal por V. or-
gani.-ado, e ao qoal se diguou cffererer a esie tri-
bunal, cabe me agradecer em,_nomedo tribunal a
sua ollera, e dizer-lhe qoe o'inesmo tribunal de
opinio que seu trabalho facilita a lodos a com-
prehenso do syslema mtrico francez que lem de
ser admitiido no paz ; qoe traz vantagens ao com-
meicio, e til ao publico em geral, nao s por
queponpa a uns o Iraoalho, e a outros (acilita as
operagoes cora as laboas de comparado que nelle
se ucoiiiiaiii, e cujos clculos eslo ex ctos.
Deus guarde a V. S. Secretaria do tribunal do
eoiiunercio de Pernambuco, 14 de setembro de
18oo.Illm. Sr. Jo- Antonio Gomes Jnior. O
secrelano, Jos Marcelliuo da Rosa.
Illm. Sr. Jo Antonio Gomes Junirr.Recebi o
exen.plar da obraNoyes do systema mtrico
decimalque V. S. leve a bondade de offerer-me.
Agiadt-co a ollera de V. S. cujo trai.alho lorna-se
apreciavel e de grande ulilidaue, j pela exactido
dos clculos, e j pelas tabellas comparativas, que
poupam ei.fadoniias oqeragoes, a que teamos da
recorrer uo uso de nossas transar^oesquolidianas.
Sou com e.-tima. De V. S. muilo atiento venere-
dor. T. de Alencar Araripe. Sua casa lo de .-e-
len.bro de 186o.
U coo.-elbo dos professores da Escola Normal
abaixo as.-ignados examinando com escrpulo as
Noyes do syslema mtrico decimal publicadas
pul Jos Antonio Gomes Jnior, e por elle suj. Has
ao juizo desta escola ;e de opinio que esle bre-
ve trabalho, destinado a auxiliar as operaces do
commercio e os clculos oas reparli^oes de faz*ra-
das, sati-faz as necessidades e preenebe as lacunas
que at aqu se davam nos tratados e opsculos
sobre a mater a, escripia- antes para os mancebos
iniciados na scieucia, do que para a classe labo-
riosa do commercio, que de.-ejameios praUcne
de fazer os s. us clculos com a maior brevidade.
Com efleiio o trabalho do Sr. Jos Antonio Go-
mes Jnior, que o conselho lem em ruaos errno-
misa o lempo que cada individuo gasiaiia de ou-
tro modo a reouzir os aniigos pesos e medidas ao
s\-t.ma que a lei adoptan ; pois que per urna
simples operacao de ariihmeiiea se acha a conver-
san desejada em kilogramos, liros e metros.
E' por Unto o Conselho de parecer que aquelle
trabalho que o suppncante offerece, de sua com-
posico, de grande ulilidade pralica para udos
aqueiles individuos que sao ohrigados a calcular
pelas novas medidas de exlensao, capacidade e
pe.-o, e sob esle pouto de vista admissivel as es-
colas elementares da provincia. Sala das confe-
rencias da Esrola Normal de Peruan buco, 2 de
ouiul.ro de 1863. Fiancisco R. rhael P. B. de
M.-deiros. Maxinnano Lopes -Maihadn. lorge
Dirnellas Pessoa. Miguel Anbanjo Mindello.
Illm. Sr. A rommisso da praga do commer-
cio desta cidade, lem a honra de aicusar reiel.ido
o r flcio de V. Exc. de 31 de agosto passado, que
ac. ni i ai.o. o um exempiar da i loa Noques do
systema mtrico decimal com que V. Exc. se
dignou cbscquiar a dita commisso. Ella, pois,
muilo agradece a V. Exc. esle obsequio, e liga a
to boa irabalho o meierimeulo e eslima devido.
Deus guarde a V. Exc Maranho, 14 de oulubro
de loCli. IHm. e Exm. Sr. Jos Antonio Gomes
JniorAntonio Joaquim de Luna, 1 secrelario.
Os i tico- ejemplares que resiao de dila obra
NocrVs do sj-tima mtrico decimal vendem se
a l(XK), na rna do Imperador, livrarias, Univer-
sal, Acadmica e Frauceza, e ao arco de Sanio
Antonio livrana Econmica.
-->*-<
ATTENgO.
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Prannos,
estabelecido com botica na ra Direita n.
88 em Pernanibueo.
Esle xarope incunlestavelmenle superior
a todos os xaropes depurativos, de cuja
composico o seu maior ele ento a salsa
parriiha, pois que se tem conhecido ser o
veame mais enrgico para a prompta cura
das molestias, cuja base essencial depende
da purilicacjio do sangue ; assim pois se
tem verilieado por muitas pessoas que se
acliavam desengaadas, as quaes acbam-te
hoje icstabelecidas cum o referido xarope
alclioolico de veame; entrtanto que al-
guns, tendo usado do xarope de Curinier,
de Larrey, de salsa parriiha, de saponaria,
oleo de ligado de bacalho, e outros agentes
desta ordem nada conseguiram. E' elle de
fcil digestao, agradavd ao paladar e ao ol-
phato Alguns mdicos desia cidade e da
de Macei o teem recommendado para a cu-
ra das
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cancios, sarna degenerada, fluxoalvo.
Todas estas affeccoes provm di urna cau-
sa inierna; nao ha pois razo arguma em
crr que edas se podem i urar com remedios
externos. Tambem se prescreve o xarope
alchoo ico de veame para o tratameruo das
affeccoes do .systetua nervoso e fibroso, taes
como:
Golta, rlieumalismo, paralysia,
Dures, impotencia, esterilidad^,
Marasmo, bypocondria, emmagrecimento.
U xarope alciioolico de veame sobre
tudo, da maior utilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rlieuma-
lismo.
Adverte-se que o verdadeiro xardo eso se
vende nesta cidade na botica cima indica-
da, t'o abaixo ass gnado; e em outra qual-
duer parte que se tem annunciado nao da
mesma composico, e nem o abaixo assigna-
do se responsabiiisa.
Jos da Rocha Paranhos.
C0MME1GI0.
Moto banco de Pernam-
buco.
0 Novo Banco desconta letras a 12 por cenlo
ao anno, toma dmheiro a praso fixo ou em conla
corrente pelo premio e eoodicoes que se conven-
cional e saca sobre a pra^a da Bahia
Calxa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
Tendo-se desencaminhado da massa fallida de
Guilhertne Carvalho & C. o recibo de Is acedes
das localisadas ne.sla caixa, sob ns. 2787 a 2801,
pertencenles a Guilhernir Frederico de Souza Car-
valho, socio daquelia lirma, a directora az publi-
co a quem loieressar possa, que por parle de Jus-
tino Jo.- de Souza Campo-, administrador da re-
ferida massa. se vai proceder a transferencia de
ditas accoes para a Sra. D. Henriqueta da Silva,
actual possmdora das mestnas, visto as ler em has-
ta publica comprado, como tudo provam com do-
cumentos que licitii archivados nesta caixa.
Cana filial do banco do Brasil 30 de novembro
de lobo.
O guarda-livros,
Ignacio, Nunes Crrela.
ALFaNDEGa.
Rendiment do dia 1 a 13......
dem do dia 16...............
418:48.'>a98?
36:453*02
453:9394610
MOVIME.NTO DA ALFADEGA.
Volamos entrados com azendas.... 125
com gneros..... 368
493
Volumes sabidos cciu azendas..... 193
( i coa gneros..... 353
------- 546
De.scvre.gam hoje 18 do dezembro
Barca ingleza Ronaid mercadorias e podras.
Barca inglezaHirandadem.
Patacho lugleiRoseroay taboado.
Barca prossiaii \ Clurkauf fariuha de trigo.
Barca ingleza-isaoe/iacarvo de pedra.


Tl
l
1


Diaria de Pe mam hoco --- egnada felM 18 de Dezemhro de f Mi.
cento
caada
>
Barca ingieraCorencarvao de pedra.
Barca ingleza -Doi/tnrcarvo de pedra.
Barca ingleza Airar Logandem.
Brigue mhlezPar ideen.
Escuna ingleza- Mucktefcarvo de pedra.
Brigue inglez Watter Rame baealhao.
Patacho hespaaholScoisfiovinhos.
Barca nacional Idnlinn charque.
Barca nacional Sonra ufara idem.
Brigue ponuguez Improviso idem.
Patacho portnguezFurfoidem.
Pataca.> orientalSanto Agostinho idem.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
>auta nos mecos DOS gneros sujeitos a direitos
DE EXI'OIITAQAO.SEMANA DB 18 A 23 DO MEZ DE
DE DEZEMBRO DE 1865.
Mercadorias.
Abanos.......
Agurdente de cana .
Mein restilada ou do reino
dem caxaca.......
dem penebra.......
dem alrool ou espirito de agua-
rdeme .......
Algodao em caroco .... arroba
dem em rama ou em laa
Arroz rom casca......
dem descascado ou pilado
AsMicar mascavado.....
dem branco........
dem refinado......
Arate de amendoim oumendo-
bim ........caada
Idem de coco......
drtn de mamona ....
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque........
dem lina.........
Caf bom .......
dem escolha ou restolho.
dem torrado......libra
Caioros........um
Cal..........arroba
dem branca ....
Carne secca (xarque) ...
Carneiros .......um
Carvo vegetal .....arroba
Cavernas de sicupira urna
Cera de carnauba em bruto. libra
don idea ea velas ...
Cha .........
Charutos ........ rento
Ce vados (porcos).....um
Louca..........
oclusivo um carregamento de
Trieste.
A ingleza
Unidades. Valores.
1*5500
800
800
380
800
900
44250
15400(1
14500
24600
24100
34700
34900
24000
14600
15000
14500
com 310 por cento de premio so
bre a factura-.
Manteiga.......Vendeu se a ingleza de 820 a
830 rs. a libra, e a franceza a
800 rs. a dita.
Majsas......... Venderam-se a 64000 a caixa.
Oleo de linhaca.. Vendeu-e a 147IH) o galo.
Passas.........dem de 74 a 84000 a caixa.
Presuntos.......Venderam-se de 14 a 164000
por arroba.
Queijos........Os flamengos venderam-se a
24500 cada um.
fSabao..........O inglez vendeu-se de 140 a 170
rs. a libra, e o do Mediterrneo
a 240 rs. a dita.
Toucinho.......VeDdeu-se o de Lisboa de 124200
por arroba.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 904
a 1004000 a pipa.
Vinhos.........Venderam-se os de Lisboa a
1904000 a pipa, e os de outros
paizes de 1304000 a 160(000
a dita.
Velas..........As de composicao venderam-se'
a 600 rs. por pacote de seis ve-
laa.
Descontos.......O rebate de letras regulou a
lo por cento ao anno.
Fretes.......... Para Liverpool, carregando aqui j
IX d. 5 /. a vapor, 1 d. sem i
primagem a vela. Carregatido na
Parahyba I d. por libra 6 /.. 23 j
, /5/,pelo lastro; carregando
aqu 15 / d. 20 / 5 /
mos de cumprimento de um lado do sitio, divide
com Jos Camello e o Dr. Alcoforado, e do lado do
ordinaria vendeo-se 'norte com a travessa que vai ao rio, tendo nu cen-
tro urna casa terrea com urna porta e jaoella, dos
oitoes duas janellas, com salas e quartos, eom ja-
Helias em toda roda da casa, com um sotao, cora
seis quartos, cacimba com bomba, e tanque para
banho, quartos para pretos, estribara e arvoredos
de fructos, avahado em 7:0004 : o qual lora pe-
nhorado por execuco de Ignacio Luiz de Brito
Taborda, contra Jorge Vctor Ferreira Lopes.
1
i>' lao
terctt-feira 19 e quiuta-feira
21 do corrente.
COCOS i-recos
Colla ... .....
Coares de boi, salgados v .
dem iil.-ni seceos espichados
dem idem verdes .
Idem idem cabra cortidos .
dem dea de onra .
Dores soneos .....
Idem em pelea ou massa .
dem i'iii calda ....
Es|tautdoras grandes .
dem BquMM......
Esl iras para forro de estiva:
de navio.......
Estoja nacional ....
Familia de de mandioca .
Id.'ni de ara ruta ....
Feijao de qualquer qudlidade
Fri chaos ......
Fumo en tolha, bom ,
Idem ordinario ou restolho
dem i>m rolo bom ....
dem ordinario ou restolho. .
Calimbas .......
ConiiM.i........arroba
Ipera uanha (raz).....
'tu adas.....cento
-......... .
estelos......nm
ou aclaro......caada
cento
libra

um
libra
um
cento
arroba
alqueire
arroba
c
um
arroba
urna
35000
75000
69HO0
64000
440
360
320!
580!
35200
43000
14006
34000
300
300
14500
25500
15-3000
45000
600
US
240
120
350
105000
Ama para casa
Precisa-se lugar urna ama para todo servido de
uma casa : na becco das Bolas o. 2, prlmeiro
andar.
Aioda estao para alugar duas casas ua ilba
do Retiro, tem comrnoifos para familia, esto pinta-
das e tem banho na poita : a tratar com Luiz Ma-
noel R. Valenca, podendo o pretndeme ezamina-
Ame rico F. S. fari leMae para prestar cantas de las no mesrao lugar,
venda, por cnta de diversos amigos, de 4 mobillas, .
E nao havendo lancador que cubra o preco da 1 piano, 1 aparelho de louca para jamar, 1 dito "" yuem "ver ,)ara alUKar uraa escrava 1ue
avaliaco ser a arremalaco feita pelo preco da para almoco, 1 cama franceza de Jacaranda para 'C? servico interno e externo de ama casada
adjudicado, na forma da lei. casal, e 1 mesa elastrica, 2 candieiros, 2 lanlernas, 'a,n'"a' podera se dir'K,r rua d0 f,,ar' "/ora
E para que chegue ao conhecimento de todos, I relogio, diversas joias do ouro e prata. e outros "8 'r,as' no pr,me ro andar d0 SODral) n- '3o.
mandei fazer o presente edital, qne ser afflxado muilos artlgos, os quaes senio vendidos pelo maior, Precisa-se de um cozinheiro forro ou escravo:
nos lugares do costume e publicado pela imprensa preco e ao correr do martello, por intervenco do na botica franceza, rua da Cruz n. 22.
de Per- agente Martras, as 11 horas em ponto, em sen'
armazem a rua da Cadeia do Recita n.8.
Dado e passado nesta cidade do Recita
nambuco, aos 20 de novembro de 186o.
Cu, M ni >el Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Trfstlb de Altncar Araripe.

iiuuumt.
C ondulado provincial.
Pela mesa do consolado provincial se faz publico
i que os 30 das nteis marcados para a cobranga
bocea do cofre do 1" semestre do anno financeiro
i de 1865 a 1866 do imposto da dcima urbana das
: freguezias desta ci.lade e dos Afoga ios, e da parte
da da Boa-Vista e do Poco da Panella, que en ar-
i recadada pela colleowria de Olinda, se priheipiam
j a contar do dia Io de dezembro viodouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco,
30 de novembro de 1865.
Antonio Carneiro Machado Rios,
Administrador.
LEILO
MOTIMESTO M PORTO ____
" Ortpus pul I iras
Nanos entrados no da 16. Pela repartigao das obras publicas se Taz publico
Rio de Janeiro-17 das, brigue nacionaIHennque, para conhecimento dos proprietarios da rua da
de 214 toncadas, capitao Aoto.no Feruandes,, impera,rz que Se vai proceder ao calcamento des-
equipagem 12, carga differentes gneros e las-1 sa rua> e ,,,, fiffll arcado na forma do regula-
mento de 27 de junho de 1864 expedido para a
execuco do art. 7 da lei o. 5% o praso de 30
tro; a Antonio de Aira-ida Comes.
Caruff41 aias. barca ingle a Fonny, de 389 to-
neladas capitao It. Wjison, equipagero 14, carga depara a"coo.:irucrjao dos passeras,V'qoae7d7-
carvuo de. pedra ; a W ilson & Helt. i varao s.r feiioscum la i vero ser taitosrom lages que tenham
Ilha Bravalo das, barca americana Grorge, de 4 ,,al(U0S quadfados.
-'>'.' toneladas, capitn \Y. L. Davis
para pesca,
, equipagem
refrescou e
34, carga apetn-chus
seguio para a pesca.
II i-i n por Bobadase Para46 das do pnmeiro
e 7 de segundo, vapor americano Hussia, de
370 toneladas, capitio S. Poirer, equipagem 27, j
em lastro; a H-nry Forster & '
Narios saludos no tnrsmo dia.
New YorkPatacho inglez Ctio, capitao W. Ben-
son, carga assucar e algodao.
CearaBugue hauovenano Amelia, capitao Witt, i
em lastro.
15000 Ido da PrataBrigue portuguez Lusitano, capitao
320 Eieziario Jos Carreira, carga assucar e aguar-
300 denle.
IJlMi Navios entrados no dia 17.
25000 Rio de Janeiro2 dias, brigue nacional Sella, de
204 toneladas, caiuiao Henuque Rio, equipa
gem 12, carja .1099 quinues hespanhes de
carne ; a Amorfa Irma s.
Baicelnna 61 dia, pat capitao Exeijuiel Payes, eqopagem 10 carga
vinho; a Tnodoro Chn-iiansn.
Mwia saludos no m*smo da.
Havre por Macelo -Calera frainvza .Solferino,
capitaii Ciiuretti, carga algodao.
BahaPtaeho inglez Fmim. can to Duker, carga
parle la gue tr.uxe de N-w-Y ok.
Rio da PrataBrifO' e-cuna russo Plato, capitao
B M. Bejjrus, caiga assucar.
pelo menos
publicas 14
Principiara' as 10 horas.
Secretar a da repartico das obras
de dezembrb de 1863.
No Impedimento db secretario
Rodopiaoo F. C. talumby.
Po dia 19 do crreme, na casa das audien-
cias publicas desta cidade, em praca a que ha de
presidir o Dr. Juiz de orphos e ausentes desta ci-
dade e seu termo, arrematar-se-ha, por execuce .
da viuvae lilhos de Bernardino Antonio de Miran-1 Ut ZU sai'COS COIU aSSOCaP,
da e raais herdeiros le loaqnim Jos de Miranda, 1 0 agente Marlins fara'leiliio a requerimemo de
contra o hacharel Francisco Gomes Velloso de Al- Jos Joaquirn da Cunha e por mandado do lllm.
bU'iuerque, Lins e sita mulher, oque estes pos-I Sr. Dr. jmz especial do eomaercie de 20 saceos
soein no grande sitio na estrada d>s Afflictos. Ser-' com assucar sendo 9 de branco, 5 mascavado bom
vira de bases aos prege* o preci a que licou re- 6 ditos mascavado bruto os quaes foram mbar-
Precisa-se de um criado para casa de um
hornero solteiro, e que saiba tntar de um avallo :
na rua da Cadeia do Recife n. 40.
CSA~DA F0R1T
Aos I :000300o
3:000*000
9006000
5u0)5O00
Dllhetes garantidos.
A' RUA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaixoassignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
de extrahir, a beneficio das familias dos volun-
tarios da patria, os segrales premios :
N. 629 dous meios cum 11:000.
N. 2844 doas quintos com 5004-
N. 3708 dous quintos com 2005-
E outras muitas sones de IU05, 405, 90$.
Ospossuidores podera vir receber seu respec-
De frtHllha < Um araftPiCHa? Mf p.reraios sea os descontos das leisnaCasa
da Fortuna a rua do crespo n. 23.
Acnam-se a venda os da 8* parte da lotera
(42"J a beneflcio das familias dos voluntarios
da patria, que se extrahira a 23 do correte.
PRECO.
Bilhetes .... 125000
Meios......64000
Quintos.....24400
Para as pessoas que compraren] de lOOoliOi
para cima.
Bilhetes.....115000
Meios......55500
Quintos.....25200
Manoel Martins Piiiza.
De um grande sitio cora grande casa de vivenda
no lugar do Luca entrada defronte do sobrado
grande da Passagem, tendo a casa capella, 5
salas, cosiaha tora e o sitio 1630 pnlmos de fren-
te e 1730 de fund.i, cotn grande quantidade de
arvoredos, carral etc.. tic.
Terca-feira 19 do corrente as II horas
NO GRANDE ARMAZGM DE LE LOES
DO AGENTE
OLYMPIO*
36Hila da .aileln E' a ordem do dia I Acabar com os Par-e
guayos a bayoneta, a miDi, a revolver;
fulmina-los com os encouracados armados
de esporSes, armstrongs -e raiadas de 80
120; extermina-los em summa a espada, a
la io e a punhal de que se trata; maj
Dioguem se lembrou ainda de esmagar o
Paraguayos coca as armas que Deus nos con-
ceden ; acabar com elles a tac5o e a pona
ps, para o que necessario encouracar esta
parte do nosso corpo com os formidaveis
rompe-ferro, esmaga c bra, arranca tecos,
quebra marmore e outros que se vendem
I RA LEI L AO
Terci-feira 49 do cirrente.
O agente Pestaa fara' leilao por conta e risco
de quera pertencer de cerca de 100 barricas eora
farinha americana em um ou mais lotes a vootade,
dos compradores: tergafi-ira 19 di corrente p-las
II horas da mmlia nu armazem do barao do Li-
vramento no caes de Apollo.
L&iio de biscoitos.
Para os dias de festa.
Terca-feira 19 te dezemliro.
Por inlervencao do agente Pinto no armazem do
Sr Aunes em frente da alfandeg.
Lia,4o
arroba
um
quintal
um
uma
mol no
155i0
15800
25<>iH)
45<>(HI
25i)
55 154000
84000
8JIH0
BJHSW
IK)
2* tnvm
ojtM
IUIMH)
5IHMI
320
mm
:{4immi
54000
SINI
filHI
15'MO
120
duzido o valor do bem penhorado, feto o abate da
respectiva ipuota parte, orno cra-ta do edital em
mao dj porteiro do mesmo juizo, Amaro Antonio
de Paria.
gados
a Manoel Jus da Cmara Pimentel.
Terca-feira 19 do corrente.
A II horas do dia no armazem da rua do Vi
gario n. I.
HITiES.
cento 35600
.........
los .......
........
de jangada......
amular ....
Idem de iilirar .....
!' reboto .
........
ciiifres d.- ama an
llovimos.......
iHiarelio <]
.......
uro......
.........
........
......
parrilla.......
ama......
......
.
amarelli ....
. .' .
.......
.......
........
......
i^sava .
nabo......
ruaiuui.....
.....
Pernamueo, 16 de de-reabru Oe
afaoMe, r-er; Aiermmrmv e Umrmm
um
t
libra
1
alqueire
arrona
uma
duzia
arrolia
quintal
uma
reulu
cauada


oiif-reOe. Mm d- Fmiu- tinrltoza.
Alfandeiu 0- IvruaotMio. de de-
H4* i>cii(4urarii.. imv A Pe e<-
11
\1.

nu
hMtMKai
-M<&
A,.
O capitao Manoe! Mnoo Rilijiro, juiz de paz pri
OH volurto d--la frei-ii.-7.ia de S. Jo~ do Re-
cite e presidente da junta de qualiflcaclo, em
vinude da lei, etc.
Paee Mtar faw OMOrto organisar-se a jonta de
qnalilicafHO de*!a fregue-ia na t-rceira dmiinga
e jaoMM oaoMM kan (ili nb virtii'te do tf-
p i>lo no art. 4 <1n le regulmnentar das elei^oes,
inra o firn de rever a qoalitieaca i : s-ndo nbsr
V.ioas as d|ttllnlj8'iS da I-i Citada, decreto n. 842
d Id (le -.'i-mr/rn d- 1855 e m^is instnicgo-s do
f i% -r ni. e decrel is KOHM ai me-mo procesan.
Cao* p.i r eiinres e sappi i Mes na frei>ne7ia pov ] ;i- commecam no re-
r ridn dn a- 9 aacat di umi'iJa, a l ri|n di igre
4 matriz desta frvg-iezM para a referid' fi'ii : ad-
virliiidi iioreni iju-- aOMOM qu sera motivo jo-ti
li ,1'ln 1-u.ein de comparecer, ou mesmo compare-
n ii.l. ni aaOjaon a acia respectiva serao mul-
ta Ins.
EtefMmc o< Srs.
J-ToiiyiiKi E nilno i de Miranda Castro. Rraz An-
tojjio da Cunta Alliu-pj-rqo-, Julio da Silveira Lo
ivenriu Aurehanii da Cunha Osar, Pedro Ro-
rirjn;je. d.- BOOM, padre Albmo de Carvxlno Less,
,MI Aliriein J .-(- da Srv;i, Francisco Anlonio da< Cha-
.mci-c i Ferreira d-s Santos r?ran',ico de
^,NI), lUula e Silva Lm-, l)r. (ialdino Ferreira G-mes,
J i-e d- Ailni-|iitt|iie. L-oi.,i|dioo Ferre a da
Silva, m iTinoanii H-n'i pi-< da Silva Sanliag Jo-e
Francisco de M-i-7-- Amorim. Man-iei J laquim de
Sou7h Viej-a*. Auiro-Io Cuelo,, Leii-, J m Pa.-hero
Alve-, Ciei.i d Cosa C-one'-ho, Cu-lodio Manoel
Toe,idom, Joan Aiiionm de Mello. Jos Francisco i
de Soiiz Luna, J o Tarares da C.1117. Fonseca,
i das Virg-u- Molla, Modesto Fraucisro das
Uia|?>- (jiiialii.irii
sr. :
Lm/ a- Frenas. Prgentino Netlo >
A" r..u C iKIIii, TliMirein Valeriaili R<|l|l-U. Pe-
0' T HMmi 4aCiaaii<. Je-* Anselmo Gonzaea
u- "-ivi-ira, adalo-fln K-liarmiuu 4a Silva, Anlo-
Ivreira Lima. AMmiio Eootdi > l'.i-
t i'i 11 iwmH i lafISi Basmst Mainel Cle,4erio
I. I,."- All Olio ', ..^il fie AUlUqUer-
n- M *mtr, fm iw &aees, Olvaeio de Souza
>"a Adan, J ~e d~ Prw-Te-, Franrasro oe
Vhaaa lein Lm, l^wacm J *e de Paula. Joio
HaMK 'wii, i Fr-.artera* V Salles Ba-
wrn. Lon Au:.". a S*. tVacr 4V- Mt Nones Ca
AaMoHii Ju-e rail i. (jio leo J<- 4a POOOO,
SOOBMai MaKiHiu Ferreira, J XaHT FaMSIWO
ti ai.-, Iiwarliiii. Feneira L^il-.
r ciQt aia4ei Uz-r i-re-eaH- goe -e-
loajinii, o cuilaae e potincado pe-
Coireio genr.
Kelaro das cartas viudas do exercilo era opera-' (jma
roes dos campos do mi! para os seahores auaiio
declarados :
D. Augusta M ir i i Carolina.
Padre Angosto Franklm Moreira da Silva.
Ma|or Ana.-i -io Antonio de Moraes.
Francolina Mara da Hora.
Finiiino Alves Lima.
Francisco Martraiano da Silva Carneiro.
Fau-tino Jos da Fonseca.
Fabio Fabio de Rarros.
I). Francisca 1a Conceicao Paes de Mello.
Joo Pies Brrelo de Mello.
Iota Silvestre Francisco de Mello.
J Firraino Ribeiro Filho (2).
Jos Honorato de Gouveia.
los Pedro.
Linz Anicnio Xavier Machado.
MaraSe.ohoriiina da Silva I.-ote.
M-|i|0iade,s D. Patricio do Almeida.
I). Hara Cetaria do* Anjos.
S d-u na Nunes BarretO.
Vicente Claudino Alves.
linla victona, pelo agente Pestaa.
Quinla-foira 20 do corrente.
O agente Pestaa fa'a' leilao no da quinta-feira
20 do corrente ni porta da Assnciacio Commer
cial Beneficeote, de uma linda victoria, forrada de
seda e couros de lustre da melhor quahdade, Cum
arreos de metal principe muito Tino, um carro
de muito (rosto e proprio nao s para quem estiver
passando a festa fon, como para qualquer senhor
de engenho por ser moito leve e forte.
4S0S BlfEISUS.
LIBRAIRIE
GARRAUK DI-: .AILIIACAR & C.
205'MU l
j.,0,1,;;,
Ij'xm
110
MH
254VHKI
:4not
7IKKI
24IHHI
140ooii
874VW.HI
:Uooo
IMM
o4ii >n
05'Hai
."IMI
caii-giQi eesuL.
Pifiaran das cartas seyuras existentes na admitiis-
traran do ciirrein desta ridade para os sensores
abaixo declarados :
Antonio J u|nnn Panasco.
Con-tanlma Mara dos Prazeres.
Francisco de l'aul de Alnuqu-rque Maranho.
FranciM'o de Paula Minatio Falcan.
I). H-nniueta da Silva Cavalcanti.
luac.io Vieira de Mello Fdho.
J Mqiiiin de A^sumpco Qjeiroz.
Jn- Boarque Lislio i.
Jos Pedro de Paiva Bracho.
I). Lui/a Annes de Audrade Leal.
Luiz Muoiz
Marciima Miria da C mceicao.
Marcolino H-nrique de Fiueiredo.
Mauricio Francisco de Lima.
7*.5Sorji-
'
:.4 a !" '*> oeata fretoecia de S. Jos do R--
a*>fl*- UiWi.apim'ii de Sa. Avisas ttjamffo&.
Com pul i "c | qtielrs a vapor esle
s Estados-IJaidfts e Brasil.
At o dia 21
.-r* r* do corrente esp-
r> -se de NVw-
Yoik e escala o
vapor 8all Ame
rira, o qut de-
pois da demora
do costme se-
guir para os
portos do sol.
Pira paesag le- Henry Forsier A C, rua do Trapiche n. 8.
Para a Ilha de S. Miguel.
Do Rio de Janeiro esperado o palarho'portu-
po-7 Fernando, o qnal lera' Desta pouca demora,
por ler metale de en carregamenio promptu :
para o reste que IMe falta trau-se com os seus con
FDANQAISE
Ru.i LIVROS .NACIO.N'AI 8 E ESTR^NGEIROS
Religiao Philosophia -Jlrisprneneu Littera-
tura Srii netas e artes.
P.ipelaria, objttU is para escriptorio.
LOTERA
Aos
909,90'JO
?:00 '5000,
n,000
oas festas.
93 leste mez.
na respectiva thesou-
eius c quintos da 8a
beneficio das familias
IS:OO00OUO,
e o<
P;ri as I
Corre no da
Acnarn-se i venda
raria os tiil etes, n
parte da lotera em
dos voluntarios da
^er no dia menciona!
tame.
Os premios de li-000,5000 at O-3000
seo pagos urna hop depois da extracto
at as i horas datarlde, e os outros depois
da distrihtiicaodas lisias.
As encommendas s serao guardadas at
a noite da vespera da extraerlo.
O tbesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou'.a.
Hermn S-rculi, cidadao suisso vai a Eu-
ropa.
MEDICO E OPERADOllf
U It. Joan Raymundo Perelrada Silva, Si
| rhegando ulliinamente de Pars, onde fre. I
queutoii os mais notaveis hospitaes, pode ob
ser procurado para o exerdclo de sua "
J oidtisso na rua da Cruz n. 40 segundo I
| andar. Da consultas lodos os das das 7 g
as 10 horas da manha. Especialidades,
molestias de olhns, partid e vas urnanas.
Precisa-se de nina ama que cuziuhe e en;om-
me : na rua de lionas n. li.
SAQCF.S.
Mills Lalham & C. sacara sohre a praca do Rio
de Janeiro.
Os devotos de Santa Lu/ia erecta na
matriz do Corpo Santo, (endonando fazer-
Ihesna festa no dia 17 do crtente, deixam
de o fazer p>r fada da m isica, fi ando trans-
ferido p.ira o dia 31 di corrente mez.
Precisase singar nm sohrado de ura andar
no hairro de Sanio Antonio, sendo em boa rua e
que lenha cora modos para familia, e com quintal
e cacimba : quem >iver annuncie ou dlrija-se a
rua das Flores n. 33.
mm
Sociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
iiimi)
i
O banco Attiam-a do Porta ten'o estabelecido
esta sociedade dehatxo de sua inmediata vigilancia
e responsahilidade, fdcilitou a ereael de eapifaes,
dotes, rendas, pens 's, sen^des do servido das ar-
mas, etc., por mein de subscripcoes cnicas 00 an
nuaes, as quaes convertidas em in~cripc5es da
divida publica, de renda nacional, e da meso a for-
ma os juros semestraes que dellas se forem ven-
Cendo, ficam por um ceno numero de aun s em
deposito, at que, findi o praso estipulado, sao
restituidas aos socios com os interesses ainoiiloa-
rios, bem como as que nertencerem aos assoeJados
taiiecid' s, visto que distes s8o herdeiros os soiire-
vvenles.
Pela eng:enhosacomlii'iaco econmica adoptada
nos calclos desta sociedade, v-se que, eom uma
entrada annuai de 500o0, por eteaplo. obtem-se
em 5 ann..s 4304000 a BSUSnOO. em i0 l:S004008
a 2:00i',5000. em 15 .1:.i(K)4iI00 a 4:30*'0. em
20 8-0004000 a 10:0005000, em 23 18 0003000 a
23:0004000, conforme a idade do individuo sobre
quem leito o segure, pois que nos referidos cal-
culos cunta-se com a maior ou menor probabiiida-
de de duraeo de vida.
Esta sociedade sobretodo vanlajosa aos chefes
i de familia, visto que Ins facilita seu sacrificio a
patria, cuja extraccao foodacao de um capital on dote Dar seus sinos ou
no lugar do COS- filhas, segurando-os quando nasccm ou era quanto
sao crianzas.
Quem, pois, mals circumstancia-las informacSes
desejar sobre tal sociedade. ou se quizer inscrever
como socio delia, dirij.-se a rua da Madre de
Deus n. 28, on le se podera entender com Joo
Carlos Coelho da Silva, que para isso se acha en-
carregado.
Borseguins Bordeaux........ 85000
patricios......... SfJOOO
para senhoras, en-
feilados....... 50500
com laco e fivella .. 4^H00
Sapatoes encouracados....... 550O
B rseguins para meninas bom
elast co................. 34000
Sapatos de lona, sola elstica. 25000
avelludados......... 15600
de tranca........... ,5fi00
com salto de lustre.. 2A240
Um comp'eto sor time i lo de calgado da
trra para liomens. senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taifas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz cohica ao comp ador pela barateza.
COMPRIMA PEHNWRIirAllA
O agente Olympio era seu armazem a rua
da Cadeia n. 36, compra apolices da compaahia
Peruambucana.
Joo da Silva Ramos, mlico I
pela universida le de i.oimbra, d *
, consultas etu sua casa das 9 as ja
I 11 horas da manhaa, e das 4 as 6 3
I da tarde. Visita os doentes em suasI
casas regularmente as horas para %
isso designadas, salvo os casos tir- il
genies, que sero soccorridos em
qualquer occasio. consultas aos
pobres que o procuraren, no hos-
pital l'edro H, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha,
Tem sua casa de sade regular-
mente monlada para receber qual-
I quer doente, anda mesmo os alie-
i nados, para o qne tem commodos
apropnados e nea pratica qualquer
opperaco cirur^ica.
Para a casa de sade.
\ Primeira classe. .3-3000 diarios.
Segunda dita____35500
Terceira Dita .25 Este esiabe'ecimento j bem
acreditad pelos bons servidos que
tem prestado.
0 propnetario espera que elle
continu a merecer a confianza de
que sempre tem gozado.

IftOB
Pitra passar a fe^t di \alal
E-l vasia uma boa rasa cora o quartos e muito
fre-ca, junto a bemba da rua do Quiabo da povoa-
cu do? Afogados, distante do emhar<|ue 20 passas,
muito perto da e-tacao da via frrea ; aluga-se
pelos tres mezes da festa por 604, a sendo animal
por preco cotirmod i : a tratar no pateo do Terci
n. 32.
.&
s
1
mmmm mm mmmmmmm
Aran*-, o* ^#ee4l do e.im
i *> e rVnwoabuco
I do.
- nae prr^mif dital viren e
ia, oae iu 14 deceaOr4o
par *r*da a
dote jwcoo
ava roa da Laraa-
e raala de
aarl'rs aja
rrr mm 2 j-ru. u
d- cauai, ra a ote
a^ ala d4a Su. valia-la
I" a raa i-t^ ata ava na da
I. e,ai 3 at.- d- Ir-tile,
f it' e p Mli <
-i mi aar-
i<.aaa par SJO^aai A-
f>ar ^i-car;ai. I. Kidm
a vir e avrd' ni do
r n*- Frrr*m
Ucar a> raOia o preco da
a n.awuc" -* Ma pelo prec da
a f a 4a let.
C a *e en* ** n>i 4e Indos
papuas- pr ralL aj*p aera putHM-ado pela
i sata! ig r-* do co-tuoe.
1 O a-r^triftrii V |tt&.
F.. ^-h Vana
Precisa >e de um. ama que saiba rozranar e
Mfoalarios Antonio Luiz de OiiveiraAievedo&C, eogommar. para pouca familia, na rua da Fraia
. a__ 10, e que eja forra ou raesmo captiva.
A viuva do fallecido Dr. Ignacie N-ry da
Fonseca convida os cred>>res legtimos do seu casal
a vereficarem os seus crditos no inventario dos
beos do ea-ai a que a antiunciante esi proceden-
do pelo jiozo d'is nrphaus desia cidade e cartorio
do esenvo Brito.
ao seu escriptorio, rua da Cruz o. I.
Para o Porto.
Deve sahir rom brevidade o hrigue portuguez
E*arriir aeato ja' tratado : para o resto e passageiros tra-
t-- rom Cunha. Irma os & C, na rua da Madre
| 4e Dos o 3, ou cfmd o cai-itai) a bordo
Ilha de S- Miguel"
O paucho portuguez JOKGE.NCE. segae cora
ohiiu brevidade pjr i r-f am-fiio prompto, para o resto da carga e pas-
aftro trata-se roa o consignatario Joao do Re-
f ParaoRiodeJanei o
S*roe a barca hrasileira Boassica\ recebe
carca o e*crave$ a frete : a tratar na escriptorio
dAworim Irmaos, roa da Cruz n. 3, on com o
-apita i Francisco Luiz de Souza Juoior, na praei
do Cuaaercio.
Nova escola deprimeiras
letras.
PUli
Prei-nde sahir era poneos dias o patacho Pa-
rmaue p para i-.uc-i que ih- talla, 'rata 'e cora o coosig-
oalario Jnqnim J i- Gucaies Beltru, na roa do
Vigarto n. 17. 1* audar.
Cear
O palhtbote Ganbaldi segu para o Cear em
Kanpae 4a Nasrimenio es- poacos 4Jbj : traase cora Tasso Irma is.
1 i#a- V Mrwtr Arnrtf.
O Pr. Tn-4aa 4- Al- arar Aianpe IRi-iai da impe-
nal -m trm 4a K .-a. |UK 4- Imilu e.(H"ial do
a^(a ci44e R^-ile 4e IVrnam-
>-n IrraMi pur S-i M . e C aaari Sr. I. rVdru II a quera Uros
m mtV -tr.
Faca-a~r ni i>reenio e.liial virem e
rttt m f-i Un r. ax qae ao 4n IF de itez-mhrii
4a r.*r^ aai'm aas 4er. -m praca publica este jmto. o
I nuo an Inrar do M aietro. rregnexia do
** 4a i'ii!'!. leiMtn 40 .11110 de frente, rom
r |Mta-i 4- f-r, m finid a es-
trada 4ranaiiaa4at'.iMrrorn. Usa .110 palmos
> largo, ob poiia) de oadetra, (todo 870 pal-
iEIlOES,
LaEILAO
De laa casa rri em cha -s f a ra di) *a'a> do Hispo a 38, ren-
de Mis nensaes
Cnrdeiro lines
compet-nti'meiiie aulorisjdo fara leilao da casa
lita, a qual pode desde ja ser examinada,
ser
era leiio
anua
na menina d-i-.i-iao ven ler se ha
ren> da i-esma.
No ann-zem da rua da Cruz n. 57.
Terca foira 19 do correle as 11 horas.
o ter-
O abaiio assignado, profe-sor jubilado na pri
roeira e-cola publica de primeiras letras da fre-
guezia da Boa-Vista desta cidade pretende abrir
no da 8 de Janeiro do anno prximo vindouro uraa
escola particular oa rua da Palma, casa a. 31, da
freguezia de Santo A H nio desta m -m i cidade :
os se*hores pais de familias que quizerera que I reila 0 gg
seus flihos fre lueniem a mencinala escola, podera '
eniender-se desde ag ira cora o mesrao abano as-
sigoado na referida casa.
Jos Jiaquim Xivier Sobreira.
Maria Senhorinha da Silva Leite faz publico
que ninguem f.-n; i n--g i -io algara cora o Sr. Fran
cisco Antonio Miriins, sobro a parte e i'itemwe
une tmn o caiet- Man-I J i- di Silva Leite no
sobrado e a da rui do Hospicio n. i, visto co-
mo dea sem v gor desde ja o trato que fe< o mes-
mo s-ohor cadete eom o Sr. Karata, assia a
procurac.lo, conforme .irdeoou aquella senhor por
carta dirigida a annunciante, do tneatro da guerra,
onde se acha.
ESTUAUA DE PERRO
DO
Recife a Sao Francisco.
A\Mh
Em razio da grande aflluencia da bagagem pa-
ra o interior em Cinco Pintas e para comraodida-
de do publico r--oiv.-u esta superintendencia que
o escriptorio da ba/auem esteja aberto para o des-
pacho nos dia- utei* das 6 horas da manha as 8
l|4 e das 10 da manha as 4 3|4 da tarde.
Escriptorio da superintendencia 15 de dezembro
de 18b.
G. O. ^fann,
Engenheiro e superintendente.
Precisa se aluga- ura mullique para o servico
de uma casa de rapazes solteiros : na rua do
Crespo n. 17.
Acfta-se justa e contratada a taberna da rua
d:' Suda Cruz n.3, pertencente ao Amonto Maouel
de Souza : quem so julgar cora direilo a ella ap-
pareca no praso de tres das ua mesma taberna, e
nao o fazendo perder' o direito a qualquer recia
maco.
Precisa-se de uma pessoa para socio eui uraa
sociedad- ie. disearoear algodao, e>tabelecida no
lugar de Quipapa', onde ja' existo nina machina
com motor, sendo que a jiessoa que quizer ser so-
cio devera' entrar cora ura pequ-no capital, e dis-
pdr-se a vendedor e to oar conta doestaiieleclmen
to, o qual promette muitas vaniagens : quem qui-
zer fazer este negocio dirjase a Dolica da rua ui-
Aluga se orna escrava boa cozinheira, en
goramadeira e doceira : oa rua da Santa Cruz nu
mero 92
Aluga-se o segundo an lar da sobrado
da rua do Imperador n. 7j>, de aiuguel
annual de G00/)()O, o qual tem as sal. s e
. Ico va da f, ente forradns a papel, boas esca-
das com entiadi independenie, bastante
fresco e com excellente vista nao s para a
mstna rua como para o caes de 'i do No-
vembro a tratar com Antonio Jos Hodri-
gues de Soua na rua do Crespo n. 15.
g.ttftMMi
$ 0 Dr. Cosme de S I'ereira conti-
|S na a residir na rua da Cruz n. 53,
i Io e 2o andar, onde pode ser procu- J
i rado para o exercicio de sua profis- i
g sao medica, e com especialidade *g
Sai sobre y seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orglos geni- m
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-1
ar5o examinados na ordem de suas I
entradas come^ando o trabalho pe-
flos doentes de olhos. SgJ
Dar consultas todos os dias das i
as 6 as 10 da manha, menos nos do- m
mingos. S
Praticar toda e qualquer opera- SS
Sq3o que julgar conveniente para o |
prompto restabelecimento dos seus gg
I doentes. gg
SMdiiSBaw&in^a
Precisa-se de urna ama de leite : na rua do
Progresso n. 7.
Alugam se duas casas terreas sitas na pro-
priedade de Sanl'Anna, que foi do finado Belm,
a quaes se acham caiadas e pintadas, contendo a
maior 4 saletas, ,'i ajarlos, cosioha fora, quintal
murado com sen competente porto, e a nutra 2 sa-
las, i quartos, cosinha fora e quintal lambem mu-
rado com seu parti : quem as pretender dirjase
a mesroa propriedade que achara com quem tratar.
Precisa-se de um bom catxatro para padaria
do que dever ter pratica : a tratar oa rua da
Cruz do Recife n. 35.
do
Aluga-se uma casa na
4 quartos, cacimba e quintal
paleo da Santa Cruz n. Si.
rua do Jasmira com
murado a fallar no
Precisa-se alngar nm mnleqne : na rua
Cahuga' n. 18, das 10 horas as 4 da larde.
Na rua do Vigario n. 15 continua-se a ven-
der e alugar bichas de Hamburgo chegadis nesto
paquete.
m mmm mmmm asnas
Deutista de Pernambuco.8
Na reliiiagio da rua Kangel n. 43 preci.
sa se de trabaihadore.. pagase bem ; tainbem se
precisa de uma ama para casa de hornera solteiro,
para cozmhar.
fita
loga se
por 0-SOOC raensaes uma casa ua Smledade n.>ll,
com 3 i|u trios, boas salas, cozraha fra, quralai e
cacimba, a chave est parede oHa : a trillar na
roa da Impotatrlt, I ja de calcado n. 38, ao p do
becco dos PerreiroS.
(UTereee-se mu migo de SO ann 4 com orati-
ca de taoenue padiria, e la counecimenlo de conducta : quera de sen prtirao se quizer oiili-ar
appareca na rua das Cruzes n. 41, que achara cora
quem iraiar. _______________m_______
. Aluga-se na Cairanga uraa casa nova rauito
fresca, propria para taniha : na rua das Trra-
chetras n. 9.___________________________________
jozlubelra
Precisa-se de unja boa coziuheira para casa de
pequea familia o a tratar na rua da Cruz n. 33,
terceiru andar.
oe! Duart-i R'dnp;ues, rua do
Trapiche n. 21, saca sobre a cidade do Por-
to, a vista ou a pr zo.
A commisSo nomrtdi para a verlfleacSo
dos crditos da raassa fallida de A. B. i>uervo 4-
C, convida os respectivos eredures a aprsenla
rem seu litlos no prato de tres das no escripto-
rio On Dr. Jos Rodrigues Peeira Jnior, iravessa
do Ouvidor u. 41.
s
Hua estrella do Rosario n. 3,
ao p FRANCISCO PINT3 0Z0RI0
Colloca deates artlflclae
pelos -j i'iu;ii mals mu-
s
a
m
Aluira-se
ili d ruos
Emprega todos os meios sdeniiros para jjji
5 conservar os natnraes. Pode ser procura- !
SB do em seu gabinete das 9 horas da mi- mm
ja nhaa as 5 da tarde. |ot
aasa asas mmmm
Alunase um sitio na Torre rom boa casa pa-
ra graude familia e mimo fresco, com todas as
commudidades: a tratar oa padaria do mesmo
lugar.
Aluga-se a casa terrea n. 14 na rua de San-
ta Tdereza : quera quizer falle oa carabea do Car-
ino o. 8.
uma excellente casa terrea n > Poco da Panella jun-
to ao sobrado do pateo da matriz, fresca e cora
bons co ooio los : a tratar na roa do Imperador
n. 83, primeiro andar.
Precisa-se de uraa araa para fazer o servico
de uraa casa de o 11 i familia : a tratar no h itel
de i Uoivers (Recife) con urai nwmina estran/eira.
A pessoa que auiiuiicia pieciaar de |3Sf a Precisa-se de urna ama n pivoaco oe Pon-
jur s annuoeie oode deve ser procurado para o ta de Pedras, para casa de familia : a tratar na
mejmc negocio. rua Dtrella u. 106.
Precisa-se de urna ama
para casa de pouca familia.:
o. 31.
que saiba cosiohar
no paleo do Teico


Dlmrlo d feraaiMtotrr Kegnieda lrtr 18 *te Iftrzembr fe tl.
DIODRETODIPLO
de FERREpUININA
DL
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A V1EXIIA KM PERlAifIBIJCO
Em c sm ils Srs. Orttv* o Barboza, na da Cruz n. 22.
Os elementas que'om|>em esta preparavio '
ferro, o t"/u o a qultM, a rollocao no |>rinii'it<
grao das |>rcfirai.5i"S f'rr;i;inoNas. Basta attesMu
sens resuliades ohmios pt-ls MedkXM los beaai-
laes e os retasnos los pr;icos ans emieentes
que continnr.io su* poderosa efticacia nas si-
guiles affecvd/js:
lumia,
CkltNM u Ictericia,
Hi-HMlrn,
\ITcccOi-,. a ulrra,
Su|ir-.-..r d.*? re-
ktm e- dmariie na na
*Kiiilra(',
*ffrrraa Muluioaaj* c
hitalalra,
.leal La r>lnili(>l
tiaMraJlaa,
rrrj dupirlllr.flr.,
Canvalcccrcndeln*
ti itialeallMa.
Mnl*Sh,ftafi r-ci ..r.i....
BafJ,
r|Kalra,
tlftlrureno d-tff alan-
I m ni,
HiiMKtt-r fro,
Tiimaro brancas,
Ra til-:i-i*.
Aflccjoe c-unciriii.il>.
** tul lltlcn*,
Febrr-M Ij ulialdcM,
Br\l(aH, ele., ele.
I'.-jiw-*' os bulleUns de thera^'ulira medica
e cirurgica de 30 de Kuiembre 1SG0; a Gazela
dos hotpilaes de ?8 de julho 186", etc., ele.
Alrm daspilulas deiodureto dupls de fcrrffe.de
quinina ,U Rebillon, os Medios nconsclhao
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do nicsmo author para as
pessoas que nio goslo de mcdicamcnlos sob fr
ma pilular c os meninos. F.sie xarope nao tem
eoniooxaroped'xfurKorie ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peea-se o folheto que se d de grata em casa
dos pharmaceulicos depositarios.
Para se evitarem falsilicaoocs, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito gcral em Pars, pharmacia Rebillon
142, ru du Bac, e em todas as boas pliarmaoias
de Franca e as dos paizes 'slrangeiros, etc.
JP^T
mmm
fcos*M A> pusiitUus digestivas e<-m a pepsina de
H'sman, eirpregio se com successo h j
algeea mos pelas celebridades medieacs de
Pars. Londres. Vienna, etc., em ledas as in-
ccminodidades em as quaesadigestao lifieil,
l>enosa, mp.-Teita ou mesmo iuqiossvel: eis
o melhor reweilio para cural as.
RavtrMata, I>lnrr!icn o a i-nnitl-
Btaa^t-padjaa, piicao proiluttidaa
i:-ii]jir.M'll.^:UCrlra M-l-i
'tuli.n-iiroea
defr II iin*aNdi>Hit li-
men (.i..
.\ (aatrltr-,
\ iyfr.*rcei nr:;;tnl-
fllH lili l-.J Ol .r :.<>,
Siio aece \i\i!iea o sanpic c es rgaos de
tal irlo que, atli as pessoas qin sent solfivr
as nfifoOoOOS gstricas aeima mciickiiiailas sao
iiilHUiii'iUe'fraras ou d'nm temperamento mn
iom-0 dbil, e nocessilo substancial ..lmenlo
para l'uilili- ar-se, aOhito no emprimo das pas'il-
MM d repema de W4HHUM, um poderoso meio
par a isso astear.
Aviso importante.0 successo das pnsUlhas
pepsina me II'mmmimuIoii causa a se Entercra
lalsitieai.-oes e'iiiiitayesd'esse producto que os
ciaulos se afucreni desfazer. l'ois por falla
d'iuiia boa preparadlo a pepsina auc n'ella
entra, jaz alteada. Seremos u abrigo d*este
iiieo'Jveuientc, exigindo Os eompradhWBBflMeM
paMiHuss lenlio as imi-iaes B. P. e saiao da
pliariiwcia Cliesrrier.
Deusito gcral ca Pars, pbarmaciaCerier,
21, Faultourg-Monltnartre, c cm todas as boas
pliai maeias ile Franca e dos paizes eslraugeiros.
cvKtnA mol
XAROPES DO 00UT0R DANET
N* 1. Canra CLICAS DOS Mi:MNOS >
auranlr a arntlca
Xirope de eynoglosse e de acido luccinido)
N" *. Castra a TOSSE CONVULSA a TOSSE
MM
(Xarope de ctnoglosse e de 4leo voltil de succino)
X* 3. Contra aa COftVULCOBS DOS MENINOS
A CHOREA
(Xarope de cynoglosie e de acido Tolitil de succino)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Pars sio em-
pregados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o traiamento das molestias do-
meninos cima indicadas, e vicrSo encher um
vacuo importante na therapeutiea, no que loca as
affeeves da infancia, para as quacs, atli boje,
ainda se nSo |>ode indicar iratamento racionnal-
ncm infallivcl.
(Peca-sc o prospecto em casa dos pliarmaceu,
ticos depositarios.)
"Prcoo do frasco em Pars, 3 fr.
Para se evitarem as falsifcacdcs. exija o com-
prador que cada frasco tenlia sobre os rtulos a
assignatura Chanteaud.
Depsito gcral cm Pars, pliarmacia Chan-
teaud. o cm todas as boas pharmacias de Franct
c dos paizes estrangeiros.
MASSA e XAROPE
DE CODENA
DB
BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magendie, Barbier d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran, Viga,
C. Dumont, etc., membros do Instituto de
Franca, mdicos dos hospilaes deParis.tem
provado que a Massa e Xarope de Berth i
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e lendo a propriedade de
calmar com admiravel rapidez as tosses rebel-
des e extremamente fatigantes da grippe ca-
tarrho epidmico', defluxo. coqueluche on
tosse convulsa, bronchite e tsica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
achilo cm todas as boticas.
Para eitir qnalqucr
falsificarn,exigir cm
caila proilulo o nome
a firma Berth.
Deposito geral em Pars, em casa de MENIER,
IIva Stt-Croix-dt-la-Bretinntri*'
ASTHME
DE BISMUTH
DECHEVRIER
MleMitaH *!- li^nilo,
A Irlirwln,
l'n I pllticuo do cornejo
Droa noa rlna,
Oinn-riieOfi*,
D^roa le rnbrca,
Irrleori'ie de bealga e
da nialrlz, ele.
Pelas commissoes em grosso, dirigirse aos S"a WILLAERT e
Os granulos de iismutftdcChevriercm supe-
riores a todas as outras preparaedes de bismulh
empreadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
DIarrheaa rhronleas, Ms dlseiildea,
DyaaenterlaS, GaaCrltea,
niire d'rMioiiiRO, Gaatralglaa, etc.,
Dyaprpslaa, *
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
BERGER, comisarios em drogara, 11, ra Saint-Lasare, Pars.
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SufToeoro nervosa e Operesse
nico remedio effiraz para combatter estas mo-
lestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta o Xarope aromtico de Succino (mbar
amareflo) do Dr Danet. Descoberta inteiramente
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzdo.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54,
ra do Commercio, Paris-Grenelle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
i
Precii-a-se d nina ama para andar com nm'me-
nino e fazer mais algum servico em casa de fa'ni-
lin : na rna do Queimado n. .t, li-jn.
i Amonto Jos It'idngue du ooo, na rua do
Crespo n. 13, alaga sua casa e siiio no Monie.ro
em frente ao oftao da igrej, tendo o sitio porlo
de ferro, cacimba com boa agua, estribara e co-
cheira, e a casa % salas, 7 quaitos, e otao, a qoa|
minio fresca e e>a de nov> |im raiada, concer
laJa e piolada : para \r, as chaves e.-lo em a
casa do Sr. Nicolao Machado na mesas povoaeaD.
Va pra?a da Independencia n. 33, toja de
oorives. compra-.-e onro, prata, e pedras preciosas,
e lanihem ?> fez qualqner obra Je encommenda, e
todo e i|uali|uer concerin.
DEPOSITO DE GAL 110 *
*n
F.tBR!f,inO M CISA IIF. IIRrF.\(;\0
Rna \nva n. I.
Alii se eccorilriirui (il>ras le di-
versas qualiilades. e por pn%9 mui
diminutos, a relalho e cm porfln.
S se vende a dmheiro.
m
m
m
Alugi.se o lereeiro andar da casa d. 88 da
rua da Imperatriz, e o sitio n. I da olrada do Ar-
raial : no rna da Aurora n. 315,
Arrenda se o rngeuhi) sania Rna, na fregu-
zia di Cabo, distante Ires legoas a N. 0. da elaco
de Olimla, de minia produeco, inoe com apua e
lera obras ofRch nlts, incluern-se no arrendamen-
to as safras pei.vni. s : quein pretender dirija-se
ao mesmo engrano.
amoel Pt>wcr Johuston & Companhia
Rua da enzala .Nova n, i.
AGENCIA DA
tirvilcao Jel.ew ffoor.
Machinas a vapor de i e f} cavaMos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro n.ado e batido para enge-
nho,
Arreios I carro para nm e dnns cavados.
Relogios de ii rn patente inglet.
Arado- aMericanos.
Ma hiri;is;iari lescarocar alt-ido.
Mniorcs petra ditos.
Machinas de costura.
n
4

<9
>
es
W
c
as
o
s
J
5
5
0
G
5
^IrJrJrJrJrJrJrUrJrJrJrJrJrJrJrJ.f?
COiNSILIOKiO iLlO-IlUiiii
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO.
MEDICO, P.IRTEIRO 12 OPERADOR.
3 Rua da Gloria, casa do Fimdfio 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos osdias das 7 s II
oras da manhao, edas 6 e meia s 8 horas da neite, excepro dos dias santificados.
Pharmacia especial komeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortment de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnaniisacoes e pelos prefos seguintes;
Carteiras de I luhos grandes. I 000
de 21 tubos g.andes. .18,5000
. de 36 tubos grandes. 245000
de 48 tudos grandes. 300000
de 60 tubos gran les. 355000
Prepara-se qualquer carleira conforme o pedido que se flzer, e com os remedio
que se pedir.
Um tubo a\ulso ou frasco de tintura de meia onca 1,5000.
Sendo para cima de 12 cuslarao os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 5'K) ris.
JLffVLUON.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Lr. Jah
dous grandes volumes com diccionario............ 20^0001
Medicina domestica do Ur. Herirrg........... 10^000
Repertorio do Dr. Mein Moraes............ 65000
Diccionario de termos de medicina........... 3*5000
Os remedios deste estibelecimento sao por demais conhecidos e dispensara, por!
tanto de serem novamente recoramendados as pessoas que qui/.erem usar de remedios |
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
terdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portanto a maior
nergia e certeza em seus effeitos.
Casa de muda para escravos
Recebe-se esmvos para tratar de qualquer enferrnidade ou fazer-se Ihe qualquer
operarn, p ra o que o annunciante julga-se sulcienteraente habilitado.
O 'ntainenio o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
fui.ccionando a casa ha mais de quatro annos, ha militas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar. qje podem ser consultados por aquelles que desej irem mandar seus
'lenles.
Paga-se2# por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1*5300.
Asoperaces ser) previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos presos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
*\%BKtt A VAPOR
99 RUA DO MO.NDKiiO 99
Deposito d.i rua \ O dono desie eslabelecimenlo partecipa" ao respeitavel publico que sua fabrica
est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e que pode fabricar
com me[bor perfeico possivel. Todo o chocolate desla fabrica est garantido, e puro,
o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por prego baixo,
visto os productos serem do paiz. Na etiqi ela tem sempre urna aguia.
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 800
Urna arroba........195000
Na mesma fab ica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor para
obras (le marcineiria propria para edificio, para o que encarreg -se de fazer portas, ja-
nellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) earmaces, ludo com brevi-
dade e perfeico. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entreganjo-se
prompta a collar-se no lugar.
Vt&TOfe
DE
DE
J. VIGNES.
M. 55. RII.l DO IMPERADOR X. 55.
Os pianos desla amiga fabrica sao hoje asss conhecidos para que seja neeessario insistir sobre a
ma superioridade, vantugense garantas que o (le rece in ans compradores, qnaiidades estas incontesta-
this que elles tem delioitivamente conqnistado sobre todos os que tem apparecido nefta praga ; pos-
snindo nm teclado e machinismo que obedecem to las as vontades e caprichos das pianistas, sem
aunca falhar, por serem fabricados da proposito, e ler-se feito ltimamente melherameiitos imporlaa-
iis-imn.s para o clima deste paiz ; quanto s voics, *ao melodiosas e flautada', e por isso mudo agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. filoodel, de Par.is, socio
eorresponiente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre prenuados em todas as exposics.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um euplendido n variado sortiusento re musiese dos
atslhores amores da Europa, assim .como harmnicos e ,'iianqs harmoni.-os, sendodn y^pAiiis* por
presos commodose razoaveis.
DE
COEIiHO Si FR CITA 8
lina da Cruz o. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se na* melhores condices
de -poder satisfazer encommendas concernentes sua arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador che fe de algumas das princi aes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Joao Goncahes Guirnaies (confeitaria do Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao dilerentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
poupar5o, se houver concorrer.cia como esperar ; lendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambemse recebem para se-
rem preparados; assim como d-ce de caj novo superior,secco ecrystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, pudendo durar annos em perodo estado.
Para janiares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeelos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armacSo pecas de amendoas (nogace.-), ditas de lamaras
de ovos, pes de l enfeitados c/im dsticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e et.feitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa fulhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de dilerentes especies
Tambem temum completo sortimento de \inhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Fkueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordcaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfetes. Muitos destes objectrs mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
PSITO
25 RUA NOVA N. 25
Este estabelecimento acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-
pressamenle fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-
ra, por isso o propietario convida ao respeitavel publico para virem apreciar as qua-
lidades dos referidos pianos.
Continua-se sempre com esmero e promptidao fazer-se qualquer reparo nos ditos
instrumentos. Afinam-se os pianos debaixo do melhor systhema ltimamente adoptado
na Europa.
<:
CASA
Aluga-se o 2 andar do sobrado'grande junto a
fabrica desalan na roa Imperial : a tratar na rua
di Imperador n. 83. primeiro aodar, das II horas
da inatiliaaas 3 da tai de.
Precisa se de uina ama para eogoramado de
poucas pessoas : na rua Direita n. 112, primeiro
andar.
Todo o inleresse se tara* com o senhor sa-
cerdote que quizer ser capellao de um engeobo, e
que iimlai.ii tenha habiliUces para ensinar as
primeiras letras e alguos preparatorias : a 'faltar
com ii-Sr. Antonio aerado) da Silva a\ rua do Ca-
bura'. _________________________
Da-rW SQOfi e juro* : (Meta precisar an-
Dunne.
FiilTO
DE
CAVALLO
Na noite de 18 Dra 19 do correte furtou-se um
cavallo mellado caxito, da estrabaria do seo dono,
com sellim inglez quasi novo; cujo cavallo tem
dinas e cauda pretas. as cimas sao grossas e ca-
hem sobre ambos os lados do pescoco, e tem orna
ferida pequea na maodireita ; esia acostnmado a
amlar em cabriole! e bem contiendo nest? praca:
quem delle der BJMfts certas on lvalo a' Estan-
cia., sobrado de doo.5 andares n. 2, ser gratincado
'recisa-se de ama aras, forra ou escrava que
saiba hetn cosinhar -ensommar: a tratar na
rua da aba sobrado m, 3% primeiro andar.
Casa.
Aluga-se e tambem se vende a casa n. 8" a rna
do Kowtegn na Boa -Vista, iem fqnartos grande-,
2 salas, cosinha fora, quintal grand" n Rsrtntss, s
alnga->e barato, a chave <>>ia na triarla junto: a
tratar na rn i do Imperador n 8|.
- Precisa-se de l-'iO-J a jaros i ur ponen tempn,
quem quw.er dar sob urna garanta annoecie pata
ser procurad".
IGabinete raedico-cii ur-3
I *i(:0-
Rua da Imperafrix n. t-.
^R 0 lr. J->;> Mana Seve, lavdlen ftTei-
JB| ro e opera lor miel m a sua r.-- i-l--n< i i
K para a rua da linperainz sesfSSo n. 16,
W| onde pode ser prnenradn para o riere tais
?|b de sua prflsso at as I0hnra< da ma-
*m nhaa e das t da larde em dtante.
m
IHlMIISB^.K%,fl
Procuradoria
O solicilad'T Burgos Ponee de l^on, mudui se
paia a rna de Sania Hita, subrido si um andar n.
3, onde pode ser procurado das 6 as 9 horas da
manha, e das \ asS hons da tarde, para o ejer-
cicio de Ma profis'Sn, e f >ra d-stas horas e dnran-
te o dia sera encontrad i nas -alas das audiencias.
Elle recebe, casas commerciaKS, de partido, por
um ajuste razoavel, como (amhem se enr>rrH_-i
de pr'-m-.iver cobrancas de dividas e exefnrdes de
senteocas fora desta cidade, por mais ufcwti i
que sejam o-devedor's.
N. 0. Bieber cV C, sik'essores, ~;i
cam sobre o Rio de Janeiro a \isia ev a pi i-
zo confoime se eonvencionar.
Precisa-se alogar urna preta que mus. con-
nhar : na rua da Soledade n \<>
SEGUROS
MARTIMOS
contra roca
A companha Indemnisadora, csi.iielcci-
da nesta praca, toma segaros martin* s so-
bre navios e seus carict.tmet.los. i contra
fogo em edificios, mercaduras c m< blias:
na rua do Vigario n. 1. pavimento terreo.
Em casa de Theo.l (;hriMjanstn, rua dn Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte s Bras i.
d# 8randenburn rr.'res, 11 ., -rain, ftiei.nlra -e ef-
feciivanjente deposito dos rticos segnirites :
St. Julien.
Si. Pitrre.
Larose.
Chaleau Loville.
Chaleau Marga si.
Grand vin Cliateau Ltate 1858.
Giali-au l.aici.'.
Haul Santernes.
Chatean Sauterues.
Chaleau Lataur Blanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qeallsdes.
Aieile doce. Precos de Bnrdeaux.
mmm mmmnmm nm$m
Companbia fidelithde de seguros J|
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro. S
AGENTES EM PEH.NAMBCCO
Antonio Luii le Olhrira ii-vcds & C, I
competentemente antonsados pela diree- "Jt
H* loria da companha de seguros Fidelida- ^
de, tomam seguros de navios, mercado-3
g ras e predios no seu escriptorio rua da "^
mrnmmmmMmm wmmm
Alugam-se tres casas na povoaco do
Monteiro a margem do rio, com mudo*
bons commodos c em muito bom estado
de limpeza : a tratar na rua do Crespo n.
20, esquina, cujo preco de alngnel ra-
zoavel._____________________________
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama que i> nha bom leite, para
acabar de amamenlar urna enanca de oito me-
zes: na ma do Queimado n. 17 segando andar.
Precisas de urna perfeila engommadeira pa-
ra casa de pouca familia; na rna da Cadeia n. 27
t* andar.
K-11 para .litigarse o |" aetfar
> do 1 brado n. M a rna : 1 Aurora : mem
! qeher .lirija-e a- ,,-, \ra ,f, Sr ;.-,
n. 2V
B. do llego, em -en arniazem de fabadas
Penleu-se nm maco de cartas v ndas
do sul para o |ir. [.111/ FHSpp e Sarn
l.efiu, qupm as tiver arha 'o |ii.T.'ndn
tilo i-las pode diriair-se ;k> es-riptorin i. *;
da praca ilo Corpn Santo, ou le tK
p-ra o erWMihn Sardo 'gmn, on fJbn.
30MP1AS.
Siivin., i.nilherme de Barro- <-om ra % ven-
de iiV.-iiv irrvnm de atetws os sew* : a>
rua I-i Imeeradur n. 79, 1 aAW.
Otmpra-e miro, .raa e pedras pr-e;
em idiras reinas ; na rna da Cadeia da Hrr,f.
1 ja re. .(a Cuasi H.W
Fm obras o-ihs ; coa-prs-e na prara
depnd^n'-io n I 1 |h |,i!|
rr^' aSwl-Jla^wf*v#a|Sfj,*^e>
Na rua do l.ivrirnnio n. 19 csajpn -e un isas
pa-pl.inisi herir
- Compra -e raro-o (siswl le aliadas se
armarem de "^dao de Seeeskn Brtrfkem I
no ca f,..
finas.
FIILIIhlliS
Acal un de >; liir ;i luz as A-Nw
alpibeir.i d>' k< 1. pan mmn 4t
111.n- i.ct pi-s-iM-i tantt- nr*
iluas e eehfi ss* s iWstrw tmm
que 1 -i lem-*e ovNean
!' M I \r a di aora da Irwtrpgntlmr
I6U r.-is as de porta c :\Mt tim aa dV .is^i-
b-ira.
fees>ss -uperior-- jm w--i; -.
lia. ihegadus no niiiaanraanr m res Ti .*-
ihe n '.>,
Vend "ent-r rnaj 7aa|-
rtio- de air.i n uitu bine i^- c*l-ti let ns rus da
Std-d.de n. 19.
Oliegi.U .1 I.JJ I.
.1 para ve-tijiK, .pje u y.ndra.|. a> 14,
oihamlo a ir,m 1- pi mti.la*t> : fajase Ishh 1 aun
n. St armaiem i>ees aaseecaa tfa Pese
junto a padaria francesa.
Veniie-se unu mulata e itetit de
perfeila coiioheir*. rsansiSMliii .
certa e f.iz ve-ti.tie>. fas ralea* Je tv reeie, *%
qualidade de euslsrs. feeteia exd eses ise)i
ra, tem tudas saMHbdVs ser. V asee
sea atenea : a tratar aa rin >u <:*+-ia ? sVcsfn
sobrado a. W.
Ceblas a ">00 rs. o cenia
Na rua di Madre .le Ihjns a. 9.
Para a canstrotco de machinas
D*E
AI-Itl.KTSOV I' IMIII.I.tSS
New London, Corroectieur, Esta-
dos-Unidos
Solicitam pedidos de descarocadores de algodao.
adoptados ao aluodao sul-amernano. Ilo-se de-
dicado a es:e negocio durante 25 annos, e altende-
rao immediatameote a correspondencia qne se Ibes
dirigir.
BOTICA E DROGARA
DE
R. v. de Mouza & C.
Itua larga do Rosara a. i i
Remedios de Raduvay
Prompto alivio.
Pilulas reguladoras.
Rtzdotivo.
Remedios de Kemp
Anacahuia.
Salsa de Brislol.
Pilulas assucaradas.
Agua florida.
Pastilhas vermifagas vegetaes.
Chegados pelo nlttmo navio vindo da a me rica
Tendo a irmanda le do Divino Espirito-Santo
da igreja do Collegio, resolvido em seso de mesa
conjunta, mandar fazer de marmore braoco uno a
capella-mr de sna igreja; convido de ordein da
mesa regedora aquellas pessoas que se arharem
habilitadas a mandar eiecutar semelhaole obra,
a examinarem a planta que se acha exposta na sua
sacrista, e a apresenlarem as nas prcpnstas no
prao de 40 dias contados desta data, (yinsistorio
da irraandade, em 10 de novembro de 1865.
O escrivo.
Francisco Belarmino dos Santos Freitas
Alugam-se duas casas terreas sitas na pro-
priedade de Sanl'Anna, que foi do tinado Belm,
as quaes se acham catadas e pintadas, conlendo a
maior 4 saletas, 5 qpartos, cosinha fora, quintal
murado com seu competente portao, e a onira 2
salas, 2 qnartos, cosinha (ora e quintal tambem
murado com sen portao : quem as pretender din-
ja-se a masma propriedade que acitara com quem
tratar.
Ii.stna 4 Milne araar asirriraae.
K-1.1 1 r-rm-a fe.-ui i. .- irp'i^l^i steeV
cinaes a un.r -n-i europea tanto lees esWt ae-
ra a cera Jas udil'-tia- do eii->, r iaa> Bll a
taii.-brin romo a.itnento -alio a auiritiv.i par* as
rreaacas presiaudoe a v ir 11 los ar-aatv^ 1 slaae
rio. A pM .u-Ml.o- .., ,|ue lu leal l.ln> a> r
luda a parle, e o seu ieaur eaigsV aW^e aV as
Pemanibuco rua oa lUdria o. i.
Vende-se ui iramen e a r> ulhs es roa d>> lavee-
rador n. 57, arniaiem alli..iu;a.
PEiHIKIA
Paca a f.-st.i.
\a na das Crine M. laja ab ca>-
rifiria,
Vende-se um grande mmenfo .le rateases se
todas as qnalulad. iiltimainenre rfiefad <. a--ie
Como borracha p-'> dimiu.io K^o eei'fei'Si fre-
guezes a vista fas fe.
Nos pes se ITUte-'nf*
Barato o ssep
Cheguem freguetes
Aban-ver se.
Borzeguios de lustre a Milie para hosn-m 7->"m
Ditos de bezi-rro dito dito TJsWI
Ditos de lostre e bezerro para w siso SUM>
Borracha a vara -iMO
Vende-e na rua Nova s. 32, lj*, as A sean
*pitolas ou o fiel calho'ieo. earriulo seta pitre
me>ire preea.ior -'a imperial Fr. I'apar.ea. riHiien-
do 315 pagiuas escripias em qoait pelo tire\-o -te
50iK>.
I^eeljucba
e maii pechinch'i
PIKHO
Taboa americanas roa palme e aeio .le lane-
ra, eoiii peqiji no uvjue de avaria, a *( rs. pe
no efi do Ramos 22 de novembro a. 2i, artae*>aa
de Paulo Jos Gomes & KajFer.
Para raamire.
Vendem-se as mais liadas dinas pr- pria ;>
chambres, e muito baratas : ao armas- m Jo Pa-
vao, rua da Imperatriz n. 60, de (ama A *lra.
Paletos 2&M
Vendem-se paMot* de alpara presa ene *slpn>s
pelo baratissimo pr-'co 4 2*VMO : ao arma-ni *>
P.vao, rua da Inn ratrii n. 6i>, de ma Jj SVivs.
Melpomenes a ^vjOO
f.liegaraaa para a toja <*) Parw a il -*
cortes de melpomenes, ee-lo esta liada (aten :a
inteiramente nova no mercado, leed >* mal* le.
dos padree, tasto claro eaew escuro-, a,F, eadje
um arranjado em sen papel, sema) SMh> Beepr>>s
para quem quier Jar um vesii lo de l-ta- p-r
ponen dmheiro, e vendem-e pelo haraii-s>m> sre-
(o de l'tavioo > corle : unleamenie aa k>p 4 Pa-
vo, rua da lut|>er.itri* n HO. de iijm ,V Silv,.
Penteadores
ou ron pies de raabraia kerdaile ere
rri<>s aara a seikaras ve-hrem
de maaha.
Chegou esla ao*idade para a leja AV> Pave, met-
i lindos e do melhor gosto al aoje, per presos
rnuito razoavei< : aa lija do Pavao, rea de Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
K.
>*-
r-v


Bi i1 c -i eruiAbuco egimd* Celft i 8 de Dcziu >io tic tW*
t
r
Seleiros e correeiros
PECHINCHO
Sola de lustre era perfeiio estado
nieio............200000
45-Riia Direita45
Grande loja e armazem do
Pavao.
R;ia da Imperairiz d. 60, de Gama & Silva.
Tendo os propietarios d't >ie estabelecimento de
Iliquidaren) una grande porgao de suas fazendas,
i al ao fim do correte anDu, iim de fecharen) cun-
tas e apurar dinheiro, resolvern! vender todas as
| fazendas cora grande abatirnento era presos, tanto
' era porco come a relalho, e por Uso previnem a
milHlezaS de ll-CS portas, esla qnd- ; todos os seus fregueses, e ao respeiiavel publico, e
mamto tudo boiu e barato, quera qui- '?s i*?0* 'iue n*soei<" f; pfqnwa escaiia coro
. i i farendas, que ne.-ie esiabeh cimento enconirarno
Zei' Ver.e admirar >Cnian a lOja UO j um grande soriim.uto noe muito Ihes ho de agra-
Rivalsem segundo
Roa do Queimado hs. 49 e 55, loja de
BigQ'linho.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e paulado
a 600 rs.
Grozas de botoes de louca prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de peona de ac fazenda boa a 40 rs.
Pegas de tranca de laa lisas e de todas cores a
Wn
Estovas flnissimas para limpar dentes a 240 e
320 rs.
Pecas de fita de cs estreitas coro 10 varas a
320 rs.
Caitas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pegas de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Sarallios muito finos para voltarete a 200 e
240 rs.
'Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de marac perula muito uno a 200 rs.
Frascos e garralinhas com agua de Colonia a
400 rs.
Frascos grandes rom superior agua de Colonia a
640 rs.
Caitas com 12 frascos de cheiros muito finos a
1*400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Duza de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua dentifire superior qualidade a 800 rs.
Caitas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
15200.
Frascos ora essencias para tirar noduas de roupa
a 300 rs.
Francos com cheiros de todos os preces a 160, 200,
240 e 320.
Frasco* bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a
45800.
Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
Caitas cora soldados de chumbo para meninos a
Mtrs.
Pegas de fita de laa para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
00 rs.
PedTas de lousa para meninos a 160 rs.
unecos de choro e panno a 160 rs.
Caitas com bonit?s estampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
100 rs.
varas de cordao de espartilho a 20 rs.
Novelloa francezes com 20i jardas a 40 rs.
Pegas de tiras bordadas a 610.
Ouzias de meias cruas mue fortes e superiores a
35500. __________________
VENftE-SE BARATO
Jooto da Ij'pographia do Diario, roa
das Cruzes n. 42
Manteipa ingiera fina a 15 e 15280 a libra, dita
franceza a 000, queijos pralo a 800 a libra.ditos do
remo do ultimo vapor a 25610,' ditos frescaes a
25200. vinbo Figueira a 560, dito Lisboa a 480, dilo
E-ireilo a 440, caf I* Borle a 280 a libra riilo 2' a
20 a libra, amendoas a 280 a libra marmelada a
C'iO a libra, cha da India a 25800, dito I.-on a
35000 a libra._______________
Novidade.
Cheaaram os bonitos chales e retondas de puipu
re brancos, e vendsm-se na ra da Imppratnz n
52, loja da portr larga, de Paredes Porto.

Ra do Queimado d. 8.
A loja da aguia branca acata de reetber ora! ra baptisados.
Otilios objectos.
Vindos laiiibem para a amiga loja de
miudezns tua do Queimado ti. 1(5.
Sa|jatiohos deselim brai.co beldados pa-
novo e grande sortirneuto de ilifferenles objectos
de gosto e ultima moda, sendo .
bonitos enfeites para senboras gostos inteira-
mente novos.
Ditos ditos de grade com con as grandes.
Lindas livtias Brindes para ciatos com moldes
agradaveis diversas qualidades, raadreperola,
tartaruga, ac e domadas.
Boas e bonitas Blas chaiBllotadas para ditas.
Dites de dita de grosdeoapto lisas e lavradas
com tiuvos e agradaveis desechos.
Traugas preas de seda cun vidillhos moldes
novos e de gasto.
Bicos brancos e pretos de seda com vidrilhos e

dar tanto em piegos como em qualidade; as>im
como mandara pelos seus caixeiros levar as fazeii-
das e amurras nas casas das familias que nao po-
derem rir a luja, ou do as aniostras de.ixando Pi-
car penhor.
Ulllbiaias lisas a 35A.'0<>, la leja do tod'ffereirtes larguras e bonitos desenos.
p i Uascarrllhas de seda cora diversas cores e lar-
a>ao. guras, formas inteiramenle nuvas a imitago de
Vendem-.ce pegas de eainbraia li.-a branca e palo, babadinho e oulra com uma traosiulia no
transparentes, lendo oiio e nieta vara cada pega, centro o que Ihes d rnuita graga.
pelo barato prego de .'15500, diia;. muito linas, por Ouiras estrei-as e largas guarnecidas de bico
45500,55, 65 at 105, sendo tapadas e transpa-
rentes, as.-im como cortes de cambraia com salpi-
cos a 255OO : isto s na loja e armazem do Pavo,
na ma da Imperatril n. 60 de Gama & Silva.
As raiiiisinhas do Pavo.
de seda obra de muito gosto.
Uuiras de ca rumia de cores.
Boies de seda, velludo e aro para enfeites de
vestidos.
Mendem se as mais modernas camisinhas borda- cores para enfeites de vestidos.
Trangas de seda estreilas e largas brancas e de para crochets.
Outros de merino tambern bordados
igualmente bonius.
Meias de seda, corresnondei.te do tama-")
olio dos sapainhos.
Outras mui finas de o da Escossia e
brancas listadas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para senhora?.
Ligas de dita paia senderas e merlinas.
Pentes de tart ruga mui fot tes para des-.
embaracar.
Carriteis com retro/, preto e outras cores. I
Carteiras com aglhas.
Agulbas fraocezas, as afamadas.
Caixinhas com allinetes brancos e pretos.'
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho propiias para ditos.
Caixas com linlias ('e novellos grandes
LOJJl
das com manguitos, para senboras, sendo as mais
modernas que lem vindo ao mercado a 45500, di-
las ci 111 manguios, para acabar, a 15 i ditas pre
flores finus
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
beSavndnera-a''Jad QUtmad *' r6Ce'
Delicadas capellas brancas para noivas.
Hilas ditas para meninas.
Uias ditas de caixos de flor telaranja.
Ditas ditas de rosas camelias e outras.
Ditas ditas ou ramos de irigo.
Diversos ramos de flores linas para peito
ios e goliohas pretas a 15, Bolssimas gOliuha> de
can I raa branca bordada a 500 rs., calcinhas para
menina a 640 rs., romeiras de fil e cambraia!
branca bordada a 15600 : na loj< do Pavo, ri.a
da Imperatriz o. 50, de Gama & Silva.
Chales de merino a 2000. Diversos ramos de flores linas para [
vendem-se os mais modernos diales de merino vertido* enfeites de 1 haioc ele nc
Mampata a 25000cada um, havendo tambera um 'prpnnmi ,,/irn 'flnrct
grande sortimenlo dos mesmos matizados que se r itf/uit) finru /tur 1.3.
vendem a 65. 75 e 85000 : na loja e armazem do Na ra do Queimado n. 8, loja da aguia bran-
Pavo, ra da Impeainz n. 60, de Gama & Silva, ca vende-se :
Os cintos do Pavo. Papel de cores para rosas.
Veud .-as cores e doura' os com tivela larpa e dourada, Dito dito e pardo para cubrir os talos das ditas.
assim cerno enfeitis para cabega dos melhores e Musgo em rama.
mais mudemos que lem viudo ao n errado ludo Folhas para rosas.
isio se vende por um prego razoavel que n-a*ta\AiJulhaS C linlldS para CU)Chdt.
Albn *
Vendem-se na ra do Queimado n. 8 loja da
[ aguia branca, assim como aguihas para tranalhar-1 de ago, sortidos em graos,
se em la.
Ibes hao de agradar lito s na Iota e armazem
do pavo na rea da Imp.ratriz n. 60, de Gama S
As saias do Pavao.
Wndtm-se as mais finas satas bordadas asagu- #1
Iha brancas sendo da meihor fazeiida que tem viu- lUpl'l ie SOUI eceilUlie pal ti 06
do ueste genero, tendo n ui a roda, pelo baratissi- rilmtlllli^'nt hlWenP(lS OU (If
moprtcodeirOOO; dilas bordadas a croch a pilUipiUil o& tiyutMLV* UU
65( 00 e 850t'O, dias cora babadinhos a 95 Trancellim de bonacha preto, redondo.
UonMas Orellas grandes de :iv.
dmiradas, madrepervla e tar-
taruga.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. ".
Este estabtlccimet.to aptztr de sempre
se adiar beu soi lido como todos sabeiB,
boje mais *]iic nunca, nio s | elo que rece-
be do sua prO| 1 i:t coiil;t, nas lanibini | elo
que recebe de consignagSes : parece sem
duvida que tle\e offerecer glandes ranta-
gens para 0 respeiiavel publico tanto em
piceos como na escolha dos cbjeclos, c co-
mo acaba de checa r prande remessa pelo
Aloja de miudezas ra do Queimado Jfr 'Dforo. e6navio Solferino
n. I(, recebeu um bonito soriimento de
flvellas grandes para cintos, sendo de ago,
douradas, madreperoia e tartaruga, asquacs
1 stao sendo vendidas em dita loja por prc-
gos (ommodos'; assim como bias e bonuas
fitas degorgorao acbamalotado, proprias pa-
ra ditas fi\ ellas.
Oculos de penetra e de entras
qualidades, para quena soffre
da vista.
A'loja de miudezas ra do QueimacV ,"
u. 16, lambem recebeu oculos de peneira
com vidros claros e escuros, para quem sof-
fre da vista, assim como outros de armago
(!fi
diversos objectos de g sto e [ roj ros do
lempo dos c,unes se rr.en.ciocaiSo algons,
por n3o ser possivel mencin? r t dos. O
dono deste estateleeimtn'o espera a pro-
tecriio de lod< s.
Riqoissimas caixiihas ornadas com
msica piopria p;ra um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto deveio como
de cuida.
Ricos poita joias c necessarios.
Riquissimos est jos a eitio de um bausi-
ou cbapeuzinbo.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leqoes de madeperola de sndalo e de
faia c madeira.

1
1
.' 1
h'ja e armazem do Pavan, na ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Novos vfstidns do Pavo a 10;>('C0.
Chegaram para loja do Pavo os mais ricos cor-
Grandes melhcras
nas machinas imperiaes de c< ser-
Armazem r. S36 llroad-Way NeVnik.
Estas machinas sao con^lrnidas p-.r uin novo
systema, cora muitas e importantes melhoras, e
send i examinadas por habis peritos forara julga-
das de summa p?: perpendicularmente, com 0 ponto de lacada, que se
nao desmancha nem etnbaraca e que 6 igual de
ambos os lados; faz costuras perfeitas em toda a
qualidade de tecidos, desde o couro at a mais fina
cambraia, tendo os de algodo, de seda ou de li-
nho, desde e mais grosso al o mais delgado. Co-
mo nao tem rodas dentadas, por se ter evitado a
menor atrito posstwl. trabilha com farilidade e -
sem contradicoUMA MACHINA QUE NAO FAZ
HTIDO MJXM.
T. J. Mr. ARTHDR iS C, fabricantes e propne
tartos na casa tupn.
Manual do (Mudo
Vende-seo Manual do Cid;do em m
Governo lt*prseDlatvo ou princ'pios de
Direito Publico .Constitucional Administra-
tivo e das Gentes por Silvestre Pirrherro
Ferreira, em -\ vuiumes broxuradus por 3
cada obra : na arara n. 8 da prafa da
Independa ocia.
As Pilulas Catharticas
T>SC AYER.
O purgmMtf. Mffl *j>caz al Itoje eonkeetdo.
Est:i* pilulas po puramente **'j-
xtifs, uo tendo na ?>ua compo-
^tWXM.^A,; (taprcdlmt mineral; o inno-
ttoK para %* criminas e pf^soa^
-milis tUlica |oc, rompurtiis como >o de vi-g-
nd mui fortes, o prtante aci-
vhh* t'liruzcs para M pesboas maiti
robinias.
fc-t.i. pilnl:is cailatrlicac pur^o e ptirilicao to>lina
i'ia ano -<-ni inrrcur.
.%,<' i" ni poo|MHM Intbellio nem devpesn para Irvar c^um
f.i.i/.t- .i un gran 0c perfeceio tal -;ir r>iili;.ilo de aJHUM di 0f4WM4 laboriosos e roustaut*'!'.
I*at:;t; Ican^ar todas as vaiitii);<'iis q^ rosulto le uso ile cathar-
ti.-;.r ni e eonil'iiiado nIjafntf ns rti-tuile rtiratra* das
pLiiiii que ao 'nipM-ya'l;i- na cuiU'io;o das pllnlaa. Sua
-i/iK, 1.1,'c.hi tal r.i*- as un-rm{a'l< que esto no alcauoc
i'- -j.;i nseo, raras rexes podeiu resist-las oa evmfl las,
finas iswmtierjadrH penetrantes exploro peneirio, puriiicao e
flfcsv|sjoritodss niniiiiftsrtninsaliinsiliiiBsaiMi. |k>s corri^om
S SSU;SjSetO viciada e faz recuperara sh vitalidad"', l'iua das
cou>if;nu'.i. -i as cilas pnipn* -1: i v que o doenU*, abatido de
d* piiysica, sdmli a an k- enonatiar, to ti. pns-j,
sna audf si energa recuperadas por uo /!' um remedio to
MimUcs e qaradavel.
A* ngoleatlsji qu<" f*tao ao oo alcance sao.
/'iH & itvvttitre fh- unwtitmo, /> Knxntfirei'i, iHUgrsto t mal 'lo estomago, Heinorrhoulast
?ADECIMENTOS DO FIO ABO,
Febrt gnttro4isj>mM, Oattritt, ajTt,' fr..< Biliosas Lombriga$t
Fnjsipthr, flifdfopaa, gurdtz, oguira /Mirria/, c /'arulysui.
Ni. .uni.in .Vautial de Saudc dt> Or. Ayj-r. que se publica
-.oilos os anuos para llstrlbu<;o ^r.ttnita, eaKonvsVse um tra-
Aido sobre as diverawi doen^as >uv estao ao alcauee des
HEMEDIOS PURGANTES.
jJBfcl se era todas as Jtotcow e Drogaras do Imperio.
seguranca.
A visia do grande lamaDho das caixinhas dos
l'L">i Iii-tus hygipnicos ou de seguranga, lornava-se
ponfo o papel i|ue vem t m dila> caixinhas, e para
remediar e.-sa falta a aguia hracca mandiu vir e
tes de vertidos de cambraia transparente com os acaba de receber esse especial papel* iqnal sa
mais delicados bordados de difieren tes cores a poo- dar de sobrecellente a que m comprar de taes
lo de agulha, sendo n'este genero a maior novida- phosphoros e se vender indistinciamenle a quero
de que tem viudo ao mercado, garantindo-se o te-1 delle preci.-ar. O prego de cada caixinha de phos-
rem rnuita fazenda e enb iles sufficientes para o pboro continua a ser lO rs., e vendem se na ra
corpo e mangas e vendem-se pelo barato prego de, do Queimado n. 8, luja da aguia branca.
0 cada um, na loja do Pavao, na ra da Im- fofa ^VoWC/ltt pitra bordar.
peatriz n. 60, de Gama A Silva.
(Is esjiarlilhns ilo Pavo.
Vendem-se um grande e variado sortinuntode
espariHhus os mais bemfeitos que tem vindo ao
mereads, sendo de lodos os Umanhos pelo baraiis-
simo prtgo de 4, 55, e 6^000, por haver grande
sortirneuto, na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
n. de Gama & Silva.
Relon asprelas a 12-5000,
Na loja do pavo.
Chegaram pelo ultimo tapor as mais ricas re-
tondas de renda pretas, sendo das mais eempridas
que tem vindo ao mercado, e vendem-se por prego
Vende-se na ra do Queimada lija da aguia
branca n. 8.
' bras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Oulms lambem de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e ouiras cores.
Aderegos de crystal obra de gosto.
Rselas de dilo e cruzes.
corroas e tercos de cornalina. -bapeosinlios e tooqnuibas Je muito
A antiga loja de miudezas a' ra do 8< .para enancas.
Queimado n. t6, recebeu mui bonitas co- Mc,as e ^P^'"hos de seda paraasmes-
roas e tercos de cornalina, os quaes esto
a disposico dos bons christos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na ra do
Queimado n. 16.
Esponjas finas grandes e pe-
queas.
Vende-se na ra do Queimado, lojajle
miudezas n. 16.
4 uii'ua loja de mitulfzas ra na do
Queimado n, 16, n-- ha de recelier:
Novas e bonitas guarnigoes pretas para venidos e
soutembarques.
i Bicos de seda blancos e pretos com vidrilhos, e
diflefutes larguras.
Trancas pretas com vidrilhos.
Ca.-carrilhas de seda de diversas cores e moldes
novos; oulns enfeitadas cora bicos de seda.
B.'ib.'oiir-.os de seda.
Tr^s branca^ de seda para enfeites.
Bonitas filas brancas lisas e lavradas ; outras de
Botoes de ano, branco.- e de. cores para collete. cores lambem lisas e lavradas; outras achamalo-
Diio de dito tambern brancos e de cores para
punhos.
Vollas de dito e outras qualidades.
fiv ni >iiiuu f\j uiritrtU', r niiuriii-.-c pul ^1^ 'f II* l"IJ
muito em centa : na loja e armazem do Pavo, ra etU(!S lie tlK ei'SQS da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de casimira, ptdiiii-rlia,
A 2800, na loja do pavSo.
Vendem-se bonit's cites de casimira de cores,
tendo claras e escuras, e vmdem se pelo harUis-
simo prego de 8<0 o (orle, cu vende-se a mes-
na fazeoda a I00 o rovado, tendo 6 palmos de
largura : isto na loja e arma'cm dn Pavao, ra da
Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Os corles de casimira do Pavas'
Vendem-se superiores cortes de casimira, sendo
fazenda muito fina, pelo baralisslmo prego de 55
cada um : na loja e armazem do Pavao, ra da
Imperatriz o. 60, de Gama (S; Silva.
Os cintos do pavao a 1000.
Vendem-se cintos de fita com fivelas pelo bara-
tsimo prego de 1,5000: na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chuls pretos de renda a 8.sOOO, na
luja do pavas.
Chegaram para a loja do Pavo os mais ricos
chales de renda pretos, de 4 ponas e muito gran-
de, vendendo-se pelo barali- imo prego de 8){09-.)
cada um para acabar : na b ja do Pavao, ra Ua
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. -
Vestidos indianos a .{-Mlili, na loja
do pavo.
Vendem-se os mais bonitos corles de volidos
indianos, sendo esia fazenda tran-parente e interna-
mente nova no mercado, e tendo entre elles u Ditos
cortes roxos proprios para senhoras qoe e>io ile
lulo; e vfndem-je pelo baratissimo prego de .1$
cada um psra acabar : na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
. Vestidos a 4-3
Vendem-se cortes de vestidos a Mara Pia ora
barras bordadas, -pelo baratissimo prego de 45000
para acabar : na luja e armazem do Pavo, ra da
Imperairiz n. 60, de Gama & Silva.
Mamjiuios t golas a .00 rs.
Vendem-se manguitos com golas de cambraia
pelo baratissimo prego de 500 rs., isto para li-
quidar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n.
'SO, de Gama & Siha.
Corles i?, cuita do Pavo
Vendem-se cortes de chita franceza muito boa
com 10 covades a 2&400, ditos com ti covados a
SS600, ditoa com 12 covados a 2*800, iste s
para acabar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n.0, de Ganad SiUa.
Chales de renda a lO-S, 1-J\ i;->, 20J e 25, na
luja da Pavo.
Vendem-se chales de renda prela muito finos a
I0 e 12,3, dilos de linho a io, ditos de seria de
] linbo dos melhores que ha rm chales de rinda a
20 e K5, ditos brancos de tres pomas a 68, isto
s na loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
n. -'<>, de Gama & Silva.
tadas para cintos, largas.
Fivelas grandes de ago, douradas, madreperola e
tartaruga.
Bonitas ligas de seda para senhoras.
Leques desndalo o outras qualidades.
Lin'1 s o delicados enfeites para bai-
les e passeios.
A amiga loja de miudezas na ma do Queimado
o. 16, recebeu novos e lindos enfeites para bailes
e passeios, todos de muito gosto e inteiramente no-
vos, variando o prego de les confo' me a superiori-
dade : os prelendentes os acharo era dita leja, na
ra do Queimado n. 16.
tinas capellas para noiuise
meniiis.
Acham-f e venda na ra do Queimado, ioja de
miudezas n. 16.
Bonitas touquiulias
de fil e cambraia, bordadas e enfeitadas : ven-
Vi mli m se na ra do Lueimado loja da aguia dem-se na ra do Queimado, loja de miudezas nu-
branca n. 8. mero 16.
['or bouniiels Lonelos de dous vidros com aro de ago, bfalo
de bonitos moldes, dourados e cabo de madrepero- e tartaruga,
la : achani-se a venda na ra do Queimado loja A loja de miudezas, ra do Queimado
da aguia branca n. 8. n. 16. receben um bello sortimento delo-
uouitas lotiqr i ii lias ndos c ocelos de vidros com annacSo fina de
de filo de linho cambraia e serim todas mui bem aqi) I)t|fa|0 e tartaruga, e os est vendendo
eiifniadas : v. ndem-se na tua to Queimado n. 8, i j-
loja da ayu.a branca. Por l,reCns razoaveis : os pret mientes diri-
Carrete Com retWZ. iam-seaestalcjana.ua doQue.madon 16.
Na ra no Queimado n. 8, loja da aguia branca
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
Aspas forte? para bala'
Vendem-se na ra do Queimado loja da agnia
branca n. 8.
Cromacome para Ungir ca
bellos.
A aguia branca avi-a aos constantes fregu?zes
desa exrellente tintura, que ella acaba de rece-
ber uma nova remessa de cromacome, coloricome
e sabio branco, necessano para lavar os cabellos,
poi lano podeni dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 8.
Abridores de luvas.
Malta atteiicio.
Guimares mazem de fazendas e roupas feilas na ra da Im-
peratriz n. 72, tendo recebido uin grande sorti-
mento de fazendas de gosto trazidas por um dos
orina pelo ultimo vapor, vem perianto fazer scieu-
le aos senhores e senhoras os pregos de sua fazen-
das os proprios atliangam vender as fazendas por
muios 20 por cenlo do que em oulra quahiuer
parte nao s por ser no fim do aiino.como tambera
por sor a festa lempo este que as Exmas. seLhiras
devem muir se do bom e barato, a saber :
Ricos cortes de la com barras.
- Vende-se um grande sortimenlo de cortes de
ias com barras tendo todos os perlences, camisi-
nha cora gravatinba e simo, sendo os mais novos e
'.noilernos que tem vimto ao mercado, ditos de
phantasla com lindas barras e vendem se por pre-
gos muito razi aveis.
Las escocesas com listas de seda.
VKCfllNGBAIt
53Bua Direita53
Salitre refinado muito fino n :;{\ em barrica,
lona muito larga propria para encerado de barca
ea e camas de vento ty a vara, camas de vento a
55, e de encommenda lona do reino com laxas de
cobre a 75o00, espingardas dous canos muito finas
a 2i>3, &, 4-'i3 t 605. facas e garfos cabo de viado
3 j'00, balangas linas 5, pentes e enfeites para
senhoras ludo de bom goslo modernos, bandejas
finas, tudo pelo barato prego que s com a vista se
podera ver.
Na praga do commercio n. 4, escriptorio de
Jcs Mara Palmeira, vende se :
Cerveja lia.--, verdadeira em boti|as, chegada
recntemele, no navio inglez Anne Kay.
Riscoulo inglez niuito fino.
Bolachinha baroburgoeza nova cuja qualidade
ja aqu nao vem ha talvez 2 annos.
Vende-se um bonilo soriimento de lasinhas es-
cocesas a 500 e 560 rs, ditas transparentes de lis-
tas de seda a 320 e 360 rs.
Percalias linas com lindos desenhos.
V.eude-se luidas percalias muito finas a 360,
400, 4?0 e 00 rs chitas de todas as qualidades a
saber de pregos 280, 320, 360, 400, 440. 480 e'
oOOrs.
Cassas trncelas niiintintus.
Milho
a 4^500 e 5*000
a sacca e em cuia a 240 rs., farelo novo a 45000 a
sacca ; no armazera da Esirel, largo do Paraizo
n. 14.
mas.
Meias de seda p;ra senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas senhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de llores com uma borracbinba
com cheiro.
Luvas verdaderas de Juvin.
Ditas de seda ede Escocia.
Riqusimas plumas e guarnigoes para
enlejiar chapos.
Cenias e tutos de aro tranco, que ha
muio se desejava para enfeiti s.
Hriocos, livel'as e ciuzes tle crystal.
Flvellas e ciuzes de tai taruga, madripe-
nla e dourados.
Allinetes para grvalas.
Botes com croas pata punhi >.
Gravatiuhase mantinbas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderegos pretos, assim como
caixinhas com a fineles pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfm.
Dilas de baleia, boiracha e de outras
muitas qualidades, assim como chici linhos.
Riquissimos pentes de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregace para
menina, pois ueste artigo La um tmplelo
sortimenlo de todas as qualidades.
D'ademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas prttas com vidrilho e de cures.
Pulseiras tanto para senhora cerno para
meninas.
Ligas de seda e de algodo.
Suspensorios de seda e de algodo emui-
tos outros objectos que se nio rodem an-
nunciar por nao se lomar enfado'nbo.
S no Cilio Vigilante ra do Crespo n. 7.
O Peitoral de Cereja
OE AYER,
PABA A PROMPTA CUBA DA
Angina, de Constipates, Tocsea, Bouquidio Infla*
enza, Bronchite, Tsica primaria. Tubrculo
pulmonares, e todas aa molestias do
Peito, assim oomo para aliviar
os ethicos declarado*.
A prcpara?es do Db. Ayer lio rendida) Baa principal
tlr'./ariu- c boticas do Imperio.
Vende-se em Pernambuco:
na
TOfiTCJT
DERMAURERsiC'f
RA NOVA N?
PARA A FESTA
Popelinas a tOO ra.
Popelinus a 100 rs,
Popr linas a (00 rs.
Chegaram para a loja do pavao as mais lindas
popelinas, fazenda pmpria para vestidos de senho-
ra, sendo muito transparentes e hrilhanteg com as
mais lindas cores que tem vindo, as quaes facili-
tan) fazer-se um vestido com muia plianta;ia por
pouco dinheiro, e vendem-se, sendo de quadrinhos
a 400 rs. o covado, e as de uma s cor a 500 rs. :
na loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60.
A 3,000 o crte,
Vendem se superiores cortes de cassa, send<-;fe-
zenda muito na e de cores (xas, pelo baratissimo
preco de 3,5000, e ditas indianas, fazendas trans-
parentes, de muita phaniaa, pelo baratissimo pre-
co tambern de :t, para acabar: na luja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama i Silva.
Vestidos zuavos.
Chegaram a' loja do Pavo c6 mais lindos cortes
de vestidos com o competente zuavo e cinto, vindo
tudo em um carto, sendo a maior novidade que
tem vindo para a festa: vendem-se por barato
preco na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
.\o\iiiaile. para a fesla,
Vestidos de seda.
Chegaram para a loja do Pavo os mais ricos
cortes de .-'da para vestidos, sendo em qnalidade
o meihor que lem vindo ao nercado; e padrdes os
mais modernos por serem quasi todos listados cora
rdr.es mui delicadas, aflaufando-se ser nesie gene-
ro- o meihor que existe : vendem-se por presos
muito moavei?, na loja do Pavo, ru da Impera,
triz p, 60, de Gama & Silva.
9 e 10,3.
Chai s de merino linos.
Vendem-se chales de merm finos sendo com
eslampas bonitas e modernas pilo barato pieco de
75. 7^300 t 8>, dilos lisos com lindas coreg a
45, 45'00e !>&, duo* estancados a i> e 2500.
imiliiias oa baldes.
Vende-se um grande soriimento de crinolinas a
aOO, 35. 35300 e 45-
Tarlalauattinas a 610 rs. avara.
Chales de renda
Paredes Ptrto, na ruada Imperatriz n. 52, porta
Veniese um grande sortimenlo de cassas miu- larga, vende chales de renda de cores com peque-
dmhas sendo as cores seguras a 480, 360 e 400 rs. n0 toque de mofo, a 35500 e 45, fazenda de 105
Cambraias brancas transparentes. e 125000.
Vendem-e pecas He camrraUs brancas Ir.ins-j______________________________________
parentes a 35. 4. 45300, 55, otaOO, 65, 65500 e! Bren em barricas pequeas.
75, dita muito liuas cara uma vara de largura a Cera era velas de todos os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Xa rua do vigario n. 19, primeiro andar.
Machinas de descaro^ar al-
godo.
No caes d'Apollo, armazera de Tasso Irmlos.
Vende se um mulaiinho de 7 annos de idade,
bonita figura, propria para quem tem menioos para
Vende-setartalana decores polo barato preco brincar e j presta algnm trrico: para ver e
de 640 e 800 rs. a vara. lrat..r na rua do Nogueira n. 43
llantas para homem a I 300. j -----
Vendem e mantas psra homem as de mais go.--'
to que tem vindo ao mercado pelo barato preco de ..
15300 e 1500, tudo isto s na rua da Imperatriz mach,!Das americanas de serrote para descartar
n. 72, loja de Guimares & Irmo. algodo :_na rua da_Senzala ova n. 42.______
Tiras bordadas alf). "lias seravas peritas engommadeiras, cozi-
Vendese um grande soriimento do tiras borda- nnam c,!*m muio bem, I dita para todo o ser
das a 15 cada uma e pecas de entremeios a 15, v,? Por 7003- esera-o para todo o servig... co/i-
1^-00 e I53OO. Dt,a em diario, 1 bonito mulato de idade de 19
Camisas fraocezas para homem. 2nD09< marcineiro e carapina : na travessa do
Vndese nm grande soriimento de camisas fran- 1_____'-L_____________________________
cezas a 15800. 25, 25500, dilos de peito de nOo | Vende-se uma boa casa na c.idade de Olimla.
a 35, 355(10, 45 e 45 isto na ma da Imperatriz si,a oa rua de S. Francisco, com I porta e 2 jaael-
n. 72, loja de Guimafaes 4 Irmo. las na frente, 3 quartas e cozinha fra, nm grande
llonpas feilas solao com ^ quartos, tem um hora quintal com co
Vndese um grande sortimenlo de roupas feitas assim como sejam : paletols, calcas e colletes de ao *do '.bracas que tambern lem arvoredos, todo
pannos e de casemira tanto prtla como de cor pa 'erren0 proprio: quem quizer comprar a refe-
ra precos muito razwve.s assim como tambera tem nda ca?a fi }mnao dlniape a mesma 1ue at'nara
de brins brancos e de cores, seroulas de linhoaicom 1oem Irjtar,
de algodo e tudo isto se vende por pregos muito
moderados : isto na rua da Imperatriz n. 72, loja
de Guimares i\ Irmo.
da hoa fe na rua da luipei'ati'lz
d. 34.
Vendem se eslieres de metal principe para era'
a 25 a duzia.
Dilas para opa a 'i.;000.
Pacas e gaifos de cabo de halango de deas bo-
tes a 655l 0 a dii'.ia.
Ditas de uin b< to a :<: ii'i.
Ditas de cabos cravados, prelas e brancas a 35
a duzia.
(aixa com 30 nvelos de linha de gaz a 700 rs.
Tesouras finas para costura a 300 e 300 rs., e a
15000.
Resma de papel almaeo a 25CC0.
Dilt greve multo liora a 350 Baralh de cartas franceza* para voltarete a 240
e 280 rs.
Jogo ae vispora a 500 e 8(0 rs.
Enfeites para cabeca e mais moderno que ha a
25000.
Pentes muito finos com costa de metal para
I enimr a 500 rs.
Meias cruas Dar hemera moilo encorpadas a
240 rs.
Abotoadura de ciystal psra c-Hete a 5(0 e 15-
fitas de coz com 10 varas, de um dedo e meio
de largura a 440 rs. a pega.
Liga para atar meias a 100 rs. o par.
Pares de suspensorios a 160 e 10 rs.
Gra Micas gulinhas rom pnnhOJ para senhora a 15.
Luvas de fio de Escocia, de cores, para hornera
a 320 rs. o par.
Carreteis de linha de AlexMdre de n. 80 a 200
a 100 rs.
Gaita de borracha para brinquedo de menino a
100 rs.
Calan com clcheles muito bons a 40 e 60 rs.
Dilas com lampanuas para 3 mezes a 10 rs.
Dilas com obrejas mullo boas a 40 rs.
Fivelas grandes para cintos de diversas qualida-
des, filas para cintos, ditas de vel'udo, (rangas de
cores lisas c de raracol, bicos e n ndss, ve-ltas de
aljofares, dilas pretas a balo, e nm completo sor-
timenlo de miudezas que ee esta' liquidando a di-
nheiro.
ENCCLOIEDK'A
S'i Hilada liuperalrlz avMazcm
da porta larga >Z
ad.iri:i fraderza de
Varetes Por lo.
Ne.-le 1 -!.i.i l-r u.i'Uit- trirc irara o r
publico um -anatiii Mit'iRiiiio de h:
zas, muletas, >Bia>as s Mita i -.
ij preco n uin:nd".
t'airdra fti;a
Vende 1 halus de renda e eri 1 ,iH --_
ram a 18* psij vemVi i'o i> r r,'. .!-'- ,-
asada aova, S, 0,5. 851 M#, nm Mitin x-
pb tu oe mamen es, rapta w 01 in -r, '.
i-j'i.l'na ila Inperairns 42. juoij a aada .. Irw-
i-eza, annaiem da p< ra btfa.
Paretei Porto
Recebe,- (,m rompleto .-< iiino al 1 de .- 1
2)0. e 28(i rs. covado-, para ac^l ir, raa brata de
cor a 240 rs. o corado, ritrailo 1 sci 1
a de 11 eaino, fn.-tio de 111 feo a :'. .1 .1 > -.
Rua (< Inqerairiz n. SSjealo atad ru (ra
.11- a/eii! c!- p ra harpa.
l:areiis Pirlo
R'ceven para reit.nado para rana 'r -.
H5ai*i;a camlnia lisa Una a ?5 ;" K5i
.ti.'', relie- lie lai !;.t:i(.a (!| 1 Dll [
t 'i, cambraia com flor de x'i:.. -; 1 u-
1 'i le 1 nvi.- 1 100 e 500 rs. o rotado, n -n
la loria larga n. 52, ma da linpei. u,i ;-1.
dara franceza.
Partir Poi lo
Rectbeu fetoollin.0 paquete um sertin r'
ri:7es cim pedr;si; ra optsergo. h 1 .
Je la para pesrrgo -ilira. Roa -.z
n. 32, aimaii m da 1 na larga.
Pirnle? Porto
Vi o 'e i'i rtes de t;i rpnin pn 10 ;;. 1:.".
21 pi vad< s rada 011, 3551 ; '- ;-'' ,;' '
1 15600, \>-Mi e-.5 u i-, v;..,.. laas
s. o C(.vdr, la-ile qoaitr>rih(i|i *
lada, a ::0 is. o covado. Itua a ::i( ,<...-
armazera l'iiiipa fe i'.a
Rua da Imieralriz n. 52 aimai ia junto a padaria frai.cez', ei r ...: .
U)belerininto nm ctmpldo soilin nto -
acros e sohrerasaccs, de Udas a ;iil '
gas. colletes,ctroulas, rimisas, (.
rh|os deso, ditos frauctus ; a-.'
pregos con-me dos, rrapa pata meuino
muelas fazendas por uios un n. \.-. ...n
da 11 ila !;tpa.
No momo e tav, 1 pul heo, fen 1 re nm coinpleio soitm 1 de
rrnias feilas de todas as qnairaadts, c"u in
pal !s di aipaca 111 la e do tr, tillo.- ,
eos a e K5>, dii".- ile turo par lo a -'
35SI0, ditos Unos a 45. ditos meias 1 a
35M n, 45 e 55. ditos 1 a t mira s. .. '. ',. -5
e*l05. dilos sobrera.-acos a 10 e I a.
no -;ir,.- a (>5, 85 e K'. ditos -11 I ..- a ;:'5
e 335, dins de iriein 1 uto a6, 7:5 -i' ".
ga.- lie Lnra dedivers! qaalMadts a 1 n
oito- I tmici .- a 2oC e 6500, 1 iio.< 1 a. n l.
^5 "5, diios preU-s a tS, 6ff, ?5 e I0
oxias razeiriras a '.'i > ', ni.- de
qualidades, seroulas fracee;as de .'. .
litio. diia.-de bramante ?5 '' --' '' 1
algodo de IilHo fiaooiaMie ?5<0i -I. .
d< e' t: ii' ''< oeste 1 iro, gra\ las
|oa' :; les e branras'para ra.- mciiio, r-
tinenio de meiaspara sml.iras, dil;s paia I .
i 35. M'l'i tures a 5500 e 't-%
l'tn romi-leto soiitmeitode er-feo '
. 1 i-a a :'5. ditos ile seda a 55, ".'. i 15,
ditos fratcezes paia rabea, grai ..-l
a 65.
l'echiiulia Rathav I.
Grande sertimento de chambres a \
ler .ji > de cambraia para htrrim a ?5 a I01 di-
los .;e lii lio a 4-5 '.
Grande soi tmenlo de ronpa para rreninr:
ira< ti nitas qualidades qoe .-tria '. i :, l-
cioua-la?.
B7asendas.
Vpnde se srtpeni rmtrlnfelo prr 1
pa- de senhora e vestidos a 23. lusiihn 1 .
1 I 800 o covado. Rua da impera ir 1, \ v rea.
Paredes Pe:' >.
Vende emseu lilabelccimcnti
bordados,grande soriimento de .' -
menie bordados a 35, 45 e 5-5. S ? r-
to, ruada Imperatriz no 52; noria lar^ .:. a
padaiia franceza.
Paredes Porto
Receleu pelo ultimo prquete francez ricas sai
granadinas com flores de ^eda a 4(0 e. 500 rs. o
covado, esiao acalaudo-se, cambraia |rc:u para
luto. Porta larga junto a f setaria franc :'. a rna
da Imperatril n. 52.
Paredes Porto
Vende um cemplrto serlimtnto de fazerdss
brancas, ci nio sij: 111 madajoloa 45200, ';, '"$ >
lOj, prcas de algodo jor barato | rego,cb'ia ;i :.n-
ceza a 240, 280. 320. .'ICO rs. o rovado, preealias
muito Unas ,1 360,4(0 rs. o corado, chita raleza
a20Oe24Ots. o covado. Rua da Imperatril n
52, jurto a padaiia francea.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete espartiihos a lie-
guigoso por 3?, sao bons, lengos Je seda para
nhora e hr-nii m a I,-, ricos cortes de cantraia
bordados de 18J a 7J, t or K r um tnjna de mvfi,
esto se acabando, na rua da Imperatriz n. 52. ur
to a padaria franceza.
Vene-se nm mnlalinbo de 16 a 17 annos,
proprio psra pagm por ser muito bonito e de boa
eou'Jncia : na ma do Imperador n. i$, terceite
andar.
Aos tabaquistas
Vende 5e as apectaveis caixas para tabaco, tem
feitas, obra fabricada no Artraly. por muito barato
prego, para acabar ; na rua da Cadela (Recite) r
7,loja._______________________________
Gaz idrogeneo primeiui
qualidade
Na rua Nova ns. 20 e 22. do grande ha-
zar dt Carneiro Vtanna.
Vestidos
Vendem-se
Peno* de ema de muito superior qualidade':
vende-se na ras do Vigario q. 24, i? aodu, es-
pripiorio"
Toinada de Pavsandu' e Montevideo.
Com e.-t titulo acaba de chegar de Paris uma
linda phantasia militar para piano, composta por
um dos melhores compositores, acha-se a venda a
25 "ada exemplar ; n? loja franceza da roa Njva
GUliRS
Grande pechlncha.
No rna da Imperatril n. 52 pona larga de Pare-
des Porto, vende-se ch'les de merm eslampados a
25 e 2500 e finos 55, esin se acabando.
Uordados.
Chegou a loja de Paredes Porto, rua da Impera-
triz n. 52, um soriimento de cami/inhas, gollinhas,
corpinhos, rotueiras e sintos, de cambraia branca,
pelo barato prego de 25500, 3?500 e 45. gollinhas
500 rs., romeiras a 800 e sintos a 800 rs, grande
quanlidade de enlremeios a 600 e 800 rs. a pega,
esto se acabando.
Farcllo.
Vrnde-se superior farello de Lisboa : no arma-
zem allianga, rua do Imperador n. 57.
Grande bazar.
Nesle grande etahelecimento tem chega-
do ltimamente dos Estados-Unidos uma
vaiiedade de cadeiras jara homem e pro-
prias para senhora e criaoija de todos- os
tnmanbos e outros riquissimos artigos que
por gosto se pode comprar, ludo por preco
muito commodo : na rua Nova ns. 20 e 22
'rehincha srm igual.
Chegou a loja de Paredes I orlo uin bonito ser-
lmenlo de vestidos de larlalaia de cores e bramas
que ;erve oara patudas por ser utr.a pbanta>ia In-
leiratiieDle de gosto [elo barato prego de J5
brancos a 4-55(0, e>iao acabando-so : no atmtzun
da porta larga ma da Imperatriz n. 52, junto a pa-
daria franceza.
Cortinados.
Chegou a loja de Paredes Porto um completo
sortinenn de cor lio: dos ricamente bordados .<
prego de 255, 355 e '55 : na rna da Imperitriz
n. 52, poita larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Pono receben pelo ultimo paquete um
sortiniento de romeira de guipure prelas e de li o
a prego commodo : oa rua da Imperatril o. 52,
porta larga junto a padatia franceza.
drai de pechincha
Coi tes de a escoce/a entestada para vestido
fazenda de 500 rs., est se vendendo a 280 e 300
rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 52, I ja da
porta larga.
iSOOO
Luvas de Jouvio.
A loja de miudezas na rua do Queima-
do n. \ 6, resebeu-as por este ultimo vapor,
Cortes de laa escocesa para vellido a 35 o cor-
te: na roa oa Imperatriz n. 52 lija da porta lar-
a, junto a padaria francez, esio se acabando".
Vende-se uma tnobilia deamurello ja usada:
na rua estreifa elo Rosario n. 17, 2 audr.
Cavallo,
Vende-se um excelente cavallo andador de bai-
xo a meio e esquipador, tamben anda de paro m
toda altura, bonito, gordo e manso, opmo' para
passar a fe,-ta : os preieo.lenies dirijan) se a Olio,
da rua do Amparo n. 40, sobrado de Joto Fijjueira
Curado. ____________
Vem!e-se um carro ametirano para nm nu
dous cavallos, em muito bom esisdo, bons arretos,
rodas de stbrecelente, etc. : no eslahelecimen'.o d<>
Sr. Josephe Grosjon, na la da F! rtullua, paia
tratar,

__ -
_-__r


Diario de Pcroambncu Segunda lelra 18 de Dezembro de 19*.
)>.*
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor fraricez ricos cortes de
vestidos de seda de cores dos mais bellos gostos, proprios para bailes,
partidas ou ensarnemos.
('hales de Guipure pretos e brancos.
Bonete de palna da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Casemiras de quadros.
Esleirs da India para salas.
Madapoloes francezes a 400 e 500 rs, a vara,
Laas para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q que tuiio se vende pelos mais commodos pregos.
CORTES DE SEDA
Chpjaram pelo paquete inglez riquissiraos corles de moreaatique de cores, e seda lavrada pa-
4r5es inteiramente novos.
Seda de quadros por 1#000 o covado
5RA DO CRESPO-5
Gregorio Pae do Amaral *Sk Companhla.
imm de M)\
Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor de boiri gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bons moireanliques de cores.
Grosdemples d. todas as cores.
Lindos poil il clievre fa^nda assenada de inteira nividade.
Lindas duquezas assetinadas fazenda inteiramente nova.
Modernos grea dies de seda o que lera vindo de mais novo.
Grande variedade de las de cores lisas e de salpicus.
Oreandys c casas de muito bou go4o.
Percalias modernas com grande variedade.
Lin los -ores de ln Clotilde com todos os pertences cada um em seucar-_
in inl'iir.'mente novos.
Bii'scVtes deca>si con birra tambim inteiramente novos eoutras muitas1
fazendas de gosto que sena enf idonho mencionar.
Para homaros de senhora
J< Grande variedade decha'es, botrnotu, retondes e algeriennes de Ql e de(
fuipure a iO, 16, 20, 30, 40, 60 al 805-
jL Modernos soutemlnrques de seda de superior qualidade.
cf L'iidos bertes de seda de cor pretos e de cachemira. .
jU* Mam de cambraii branca birdida com mu lo gosto.
Santembarqaes e bournoux de cac'iimira de cor e outros muilos artigos de;
'liom gosto.
: Para cabera de senhora
Superiores chapelinas de palha, de seda e de crina de muito bom gosto a m-
-.;". p ratriz.
Cliapos de pilha da Italia grande variedade.
Lmdos gorros e bnnets de palha de Italia, Imperatriz, Canutier, Clotilde
a e a Orante, chegadosd'e Parispeo ultimo vapor.
Grande variedade dd enfeites de (toco e de llores para casamento.
rfig S iperiores vestidos de blon le. e de m reantique brancos.
mR I! >ns :n tireantiq es branc >s e s iperiores sedas brancas.
J i is vestidos di tarlatana brando bord idos.
.; Lindas mantas de bljnde e boas capellas.
Bordados.
Grande variedade de entremeios bordados transparente c tapados.
2f Tras bordada> transparentes e tapadas, babadas bordados, saias bordadas e
outros muitos artigos.

I
*
&..
BiOJTi DIN COIiUJIXAS
DE iNTONIO CORUE4 ll VAS ONCELLOS & C.
RIJA DO CRESPO \. 13
> rsSBr So 3*


i
TIMA
ym
% vs mm%
REPARADA MCAMENTE POR
LAMAN A: KEIP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando das
pr i i i; 11 les eminente nenie depurativas
;: 11), i di polas juntase academias de me-
dicina ; usada nos prmr.ipaes hospilaes, o
vis militaros e da marinha as Anlilhas e
no continente americano; receitada pelos
facultaitsuaos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America bespanbol
GURA RADICALMENTE
escrophulas, rbeumatismo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercuriaes, cbagas
antigs, mo'|ihea e todas as molestiaspro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
F.inquanto existem varias imitaces e
fal ;icac5os, preciso a maior cautela para
ros engaos,
A legitima salsa de Rristol vende-se por
GADRS & BARBOZA
OO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. Sravo & C.
sito
Cruz a.tt em casa de Caros & Barboza
m Bichas de Hamburgo
Jr; lodos os paquetes da Europa se recebe t
\s.'" deslas amigas do sangue humano e se 'Aj
S vendem a iroco de peuco lucro s aflm t
Fc\ de ii-r sempre cousa nova : a loja de bar- jw
^L beiro ra estreila do Rosario n. 3, ao p 2
0< da igreja. m
- -.mmm m$m wmmm
colares Royer ou colares ano-
diaos
para facilitar a dentigo das crianzas e presrva-
las das convulsoes.
O feliz resultado ohtido immenas vezes peta
prodigiosa f >rca magntica dos colares Royer, dos
casos de coDvuisoes, e ilenticao das crianzas, tem
altamente elevado o seu bem merecido preitigio,
! e hoje j se pode dizer que estao geralmeote con-
1 ceuados, e estimados de innumeraveis pas de
i familias : de uns porque do uso d-^sses salHlares
colares viram salvos do perigo seus charos filhi-
! nho*, e de outros porque colheram daqoelles tao
I proficuo eiemplo para igualmenie preservar os
I seus. Assim, poU, a aguia branca, teBdo em vis-
tas a uUIMade e provp.it desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Rover, mund m vir o novo sorli-
meuto que agora recebeu, e continuar a recbe-
los para que em lempo algum a falta ser funesta an- pas de familia, os quaes flearao
certos de os achar constantemente na ra do Quei-
maao, -ja d'aguia branca n. 8.
ai?ariarfo
Francez barrica R50O0
fortland dem 8J5O0
Em perleito estado:
H'ranrez barrica 104000
Portland dem 123000
No armsi'iti de Tasso Irmaos "ae do'ApriBo
Vende-si* urna cabra boa leileira e muito
manca ; a tratar do Campo verde, ra dJ Suceso
n. SO.
Vendem-se duas escravas recolhidas, de ida-
de 23 a 24 annns, excellente conducta, engommam
perfeitamente e fazem todo o servico de urna casa :
na travessa du Carmo n. 1.
Vende-se um sitio em Bemca a' margem do
rio Capibaribe, com bastantes commodos para urna
grande familia : tratase Da ra Nova o. 24, das 9
horas as 4 da tarde.
Veudem-se quatro burras mulo mansas, boas
de carga e de seila, por preo commodo : a tratar
no hotel de FraDca.
MOBILIA.
Vende-se por prego muito commodo urna mobi-
lia de Jacaranda, inteiramente nova e de gosto
moderno, constando de dutia e meia de cadeiras,
(sendu 4 da bragos) 2 consnlos rom lampo de pe-
dra e i sufa com eocosto de palhinha : na rna da
Matriz da Boa-Vista n. 9.
I AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de presos,
tanto (Leste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Carmo n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
fenhos, lavradoresemaispessoas do ceutro, que paramis facilitar uas compras deli-
Oeraram o proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos Os seus estabeleci-
mentos en um s annuncio, pelu qual o preco de um ser dto todos, promette-
mos que n io infringiremos a tabella que abaixo vai publicada, aononciar os gneros
por um prjeo, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
anda mes no com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serSo tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos en i cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
alguma que 6zer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cerno na sua despeza diaria.
MMXTEIU.I
Manteijra i gleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de i.oooa l.loo rs. a li-
bra, e em barril ter abatimeuto.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abalimento.
BANHA
Banlia refinada superior a 64o rs. e em
birril ter abat ment.
CHA
Cha uxim de primetra e superior qualida-
de a ,8oo rs.
dem hyssen o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porco ter abat men-
t, tambem lia proprio para negocio de t a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de i,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Biscoutos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs a lata.
Bnlaehinhas
Latas com oolachinhts da acreditada fa-
brica do he ato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,000 rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,000 rs. a lata.
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,000 rs. a mzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais biixo para 2oo rs. a g.irrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 61o rs. a
garrafa e a 5,000 rs. a caada.
Massas
Macarrao e talaerim a 360 rs. a libra e a
5,ooo rs. a caixa.
Passas
Superiores passas a 3,000 o quarto e
!2,5oo rs. a ca xa de arroba hespanhola e a
5oo rs. a libra.
Queijos
Quei jos flamengos chegados no ultimo
vapor de 2,600 a 3,ooo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a i,000 ei,2oo rs.
a libra, francez e suisso a 1,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porco
ter alia lime uto.
VINHOS
Machinas para descansar
algodao.
De novo modello : na ra Nova n. 20,
no grande bazar de Antonio Duarte Carnei-
ro Vianna.
Presuntos de Lamego de superior
qualidade receniem-nte despachados, em
pequeas ou grandes porcoes : na ra do
Pnipiche casa n. 16, ou deposito roa da
Cruz n 47, a 400 rs. a libra.
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Fia, D Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9.odo a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3.ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anc^retas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
< aixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,000 rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
CtFB
Caf do Bio de l.1 e 2,1 qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SA BAO
Sab3o maca de primeira qualidade dei8o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
em caixo.
GEVEBR4
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
duzia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,000
rs. a fiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
1 Hollanda a 8,000 rs. o garr.-fo. Tambem
ha earrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooors a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de l.ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINC0
Alpista e painco muito novo de 3,800 a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHABUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Joo Furtado da Serrias,
Manoel Peixoto da Silva Nelto, Castanno 4
Filho e Brando e de outros muitos. os
quaes vendemos pelo mdico preco de 1.6oo,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,500, e 5,ooo rs. a caixa.
Licores
Licores francezesepirtuguezes a l.ooo e
l,4oore. agarrafa ou frasco.
Doce
Doce da casca da fjoiaba e caixoes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o caixo.
Frats
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, peceo, ameixa rainba Claudia, al
perche e outras frutas a o> s. a lata.
Tambtm ba latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
O BAILE DO CLIBE PERNtMBUCANO
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
Offerecem a todos os convidados, do explendido baile do Club Pernarobucano o
seu bello e escolhido sortimento de fazendas de phantasia, dragadas pelo Guisnne, que
consta das seguinles especialidades.
Vestidos Cesarlna.
Linda e nova fazenda de 12-brilliant, transparente, com listas e flores de seda,
padres do ultimo gosto.
. SEDAS
Em cortes padres novos, escuros e claros,
Em pecas moreantique liso ondeado e lavrado.
dem estampado com listas e flores.
Tarlatana.
Resta una diminuta porco de cortes de tarlatana branca, enfeitados caprichosa-
mente a cores. Todos os amadores de partidas e soirs, bao comprado para suas fami-
lias estes vestidos, j pelo diminuto preco, ja pelo bonito gosto.
EMFEITES
A imperatriz Eugenia e a rainba Victoria que adaptam com muila elegancia
ao kok.
Jouvin k C.
Besentia-se o nosso mercado da falta absoluta das verdadeiras luvas ie Jouvin.
Temos a satisfacao de poder annuncia-las a nossos freguezes pelo prego de 30000 o par.
E grande a economa vista da flexibil dade e bom acabado, que Ibes d dupla
duraco sobre as falsificadas.
Trlata diversos objeetos
Proprios para o complemento dos enfeites de vestido como berthes, costageo,
suspensorios, etc., gostos os mais phantasticos em dentelle preto e branco, tafet etc.
Mandam-se amostras.
n adornas e pentes de tartaruga.
E a primeira vez que vem esta fazenda ao mercado. A pequea porco que res-
a convida as Exmas. senhorau a urna breve compra.
CINTOS
Com fivellas de madreperola gravadas, tartaruga, metal, etc.
Chales de fil de edres.
Nova remessa, destes chales e retondes a duas e mais cores em xadrez. Nada se
pode ju'gar do ma?nihVo effelo destes chales, sem experimentar; as pessoas que os de-
sejarem mandaremos amostras.
E urna infinidade de fazendas de gosto, como sejam:
Chales de fil preto de 100000.
Os mais ricos vestidos para menino de 3 a 6 annos.
Colxas de croeg e pannos de labyrintho.
Tif branco e fil de seda.
Superiores bales de dina, recommendaveis pela longa duraco e bom talbo.
Tudo a
5 RA DO CRESPO 5
LOJA
DO
n AZEVEDO a FLORES
Eua da Cadeia do Recite, esquina da Madre de Deus.
Grande sortimento de fazendas por atacado e a retalho o um completo sorti-
mento de roupa feta, de casemira e de brm, tudo por menos que em oulra qualquer
parte: quemduvidar venha ver.
CAICAS
de lindas e finssmas casemiras escuras e claras, de superior casemira preta, de finos
brins brancos e bom brm pardo.
Paletos
de superiores casemiras escuras e claras, de fina alpaka branca, de superior alpaka pre-
ta e de brm pardo.
Golletes
de boas casemiras pretas e de cores e de lino b-im branco.
CAMISAS
Superiores camisas fraocezas de 25 at 33.
MANTAS
Novas mantas de seda para pescoyo de homem.
PELO ULTIMO PAQUETE
Grande sortimento de bales de arcos e coberlos de panno.
Bdoes de arcos encarnados os melhores que ha no me cado.
Bales de arcos brancos, tambem os mais novos,
Ba'es de arcos escuros. a primeira vez que vem ao mercado.
Bales cobertos de superior musselina.
Ba oes cobertos com pannos de cor.
Esies bales encarnados e escuros devem ter um completo acolhimento por todas
as senhoras, pois tema vantagem de nao se sujarem; como acontece com os brancos.
ARHIAZEI9I IIE FAZENDAS
DE
CUSTODIO A K V i I.IIO C.
27 RA DO QUEMADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
100000.
Laa de c< res a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco lie 800 rs a vara.
Lencos bra eos para algiheira a 2(5 00 a duzia.
Fin sperclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Bicos cortes de la de barra de 105 a 3itfOOO.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
Esleirs .a China para forrar salas :
v^ndem-se em casa deTeo loro Christiansen,
ru* do Trapiche N *8 n. 16
Veude-se a fahrira de charutos e cigarros
da rna d.i Aragn n 34, bfm afregiezada : a tra-
i tar na ra dos Cuelhos o. 2]
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macaas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo nltimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Fru tas seccas pelo ultimo vapor.
r Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos londrinos pelo ulmo vapor.
Queijos flamengos frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ul.imo vapor.
Tudo se vende barato n< s seguinles armazens:
Ra do Imperador n. 40. Verdadelro Pr I urinal.
Ra do 4|ueim ido n 9, i uio e Coanerelo.
Largo do Carmo n. 9, Progressivo.
Grande liquidadlo
De fazendas e rnupas eitas na luja e armazem
da Arara a rna da Ini|>eratrlz d. 5G, de Lourence
Pereira Mende* Guimares.
Corles de chita a 220A.
Vende-se crt<*s de chita de cores lixas a 2200,
ditos d- dita franceza a 3&, corles de cmbala Cure a 3, ditos de dita com barras a 3& e 3500,
a roa da lmptrairtz n. 56, loja Chales de mt-ria a 2-MidO.
Vende-se chales de merm a i,}, 35, 45, 6$, e
85, riscados escuros a 240 e 280 o covado, a ra
dalmperatriz loja da Arara n. 56.
Koupas frita para liquidar.
Vende-se palitols de brimdi'Cor a 25 e 35, ditos
de meia ca.simira a 45, 55 e 65, d ios de panno
fino e de casimira a 85.105, 125 h 145, calcas de
bnm pardo e de cor a t e 25500, duas de dito
branco a 35'iOO e 45, paliis de alpaca prda de
cores e branca a lo''ii, *i& e 35, carnizas trance-
zas tinas 25 < 25500, dilas infilfzas de pregas
largas a 35 353t0, rer-iulas trncelas a 5600,
25 8 25500, roierinhos fiuos a 600 a duzia, caigas
de casimira a 45, 65 e 85, ra da Imperalnz loja
da Arara n. 56.
Lentos de seda a 640.
Vende-se lene/w tinos de >de a 640, 800, 15600
c <5. ditos diio- de iinrio a 4A500, 55 e 65, a dita
ra da Imperainz n. 56, lo|a da Arara.
Chilas de eore lixas a 220 o corado.
Vende-s- chuas de cores fizas a 230 e 240 o
covado, ditas unas francezas a 320, 360 e 400 o co-
vado, percalas finas a 440 e 500 o covado, alpaca
de cores har vestidos de spnh<>ta e roupa para
meninas a 360 o covado, a rna da Imperatriz n. 56,
loja da Amara.
Cassa franceza a 320 corado.
Cassa francesa >p vende a 520 e 360 o covado,
organdis finos a 360 e 400 o covado, pegas oVrcam-
braia lisa fina a 35. 35500. 45, 55 e 03, a na da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Balees a 2-500.
Vende-so bl5-s de 20. 2o e 30 arcos pelo barato
prega de 25, 25500 h 35500 e 45, salas boliTadas
para senhoia a 65500 S 7A, ri>-os tiwMSof a Mara
Pa com lindas Narras a 135, 145 '^5- dlto< de
cambraia tmldados a la M!.ia a 85, 95 > l"fi,
lasinha tiara covado pe. barato prego de200. 240,
320 e 400, ditas de quadrp> de >da a 560 o
covado.
Todas estas fazendas se vende por barato prego,
para liquidar al o fim do rnrreute nez, a ra da
imperatriz loja da Arara n. 56.___________ __
ALGODAO ll.\ BAHA
Na luja de Andrade & Reg, ra do Crespo n. 8,
esquina da ra do Impeador, contina a vender-
se superior algodao da Baha por menos prego que
em ouira qualquer parte.
Algudu trancado
da fabrica de Ferno Velho : no escriplorio de
Manoel Ignacio de Oliveira & Fuo, largo do Ocu-
po Santo n. 19.
G\Z.
No armazem da ra do Imperador n. 3 on no
Caes de Pedro II n. 2, tem para vender-se o me-
lhor gaz existente no mercado.
Balcao
Vende-se nm balcao de amarello que ainda nao
fqi servido, obra muito bem feita, sendo dito bal-
cao com volta. propria para loja ou outro qualquer
esiabelecimento, por mdico valor; na ra do Vi-
gano o. 26 ou ca'es de Apollo no deposito de sabo.
% Henea o
Vende-se a taberna bem afreguezada,
ra dos Assoguinhos n. 20.
da
Piano forte,
Cal de Lisboa
Vende-se a 55 o barril: na ra do Brura n. 66,
armazem de assucar.
Acaba de chegar de Pars um lindo e elegante
piano f- re de 3 corda e 7 oitavos, vindo para
amoMra e o mais moderno que aqui tem vindo at
hoje: qualquer pessoa qne queira ptssuir este
tiom Instrumento o qnal se vende por barato pre-
go, dirjase a toja franceza da roa Nova n. II.
gPDf
O propnelario deste riquissimo eslabelecimenio
avisa as senhoras de bom Rosto que receben um
riquissimo sortimento de jeques de sndalo qne
muito deve agradar, brincos a balio de novo oso
de Paris, enfeites para caneca de riquissimo gosto,
e onirn* muitoa artigos de moda para senhoras,
alvertinto-se qne ha enfe tes de barailssimo pre-
go de 15 cada um ; vendem-se baratos estes ditos
enfeites por ter grande porgo : na rna Nova ns.
20 e 22, lojas de Carneiro Viaoaa.
X

-


Diarlo de pernambuco Segunda lelra 18 Je Dezembr* de 1905.
, .,
r
0
GERENTE
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
mu & iBDmi q>j ai 3>ana&itia
AO
RESPEIT1VEL PUBLICO.
k apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande ama-
len da Liga estabelecido ra Nova n. 60 am magnifico sortimento [de mo(hados,
que sendo em sua mainu parte mandados vir directamente do estrangtiro"podem ser
vendidos por precos assas razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nica em seu genero, pde-se porm ffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumplimento das seguintes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a cndilo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquellos que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compran para ne-
gociar, devem vir, pelo sea proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhons que compram para tornar a vender existe um sortimento cial, escomido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
ALHSTA a 1*0 rs. ,ta **"" "^ m"il ^' M "*
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca melle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de
otaos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azote doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Abstntho a 25000 a garrafa.
urna.

KIRSCH de Wasser a 2$ a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a I800 a ata, e
de cinco para cima a 1)5700.
dem de sola em latas grandes a 2$000 e
de cinco para cima a l#t*00.
Biscorros inglezes de todas as qualidades a
1*200, 15250 e15300.
Bolo francez em carxinhas a 400 rs. cada
cma.
Batatas inglozas.
Baniia de porco reSnada.
C
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
fdem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Choukicas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porfo
se far abatiraento.
dem de primeira qualidade a 7*000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito noves
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Ciiarope de grosella, orchaia, etc., etc.
Chicaras e pires a 15800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de ostras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam: Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Hegalia, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros, Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
presos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000,
252"0, 25560 e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamaehos a du-
zia a 25500, 35500, 45 e 55. .
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Bio, pardos, a 80 rs. 0 maco
de cinco macinhos.
MANTEIGA ingleza e francesa de primeira
qualidade a 10, a libra,
s os tama-1 Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
MacarrAo e TALHARiM a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6(J0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho ing-ez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas Urnas para sopa branca e amrella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Milho painco e alpiste, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
N
NOZES a 120 rs. a bra.
ISabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, tetas grandes, a $COO, de
todas as qualidades, como sejam savel,
gt>ras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, encllente preparaco.
Palitos para dentes a 120 rs. 0 maco muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. 1 libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
Q
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Qcartinhas ou morinques a
R
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 2iJ500 a libra.

SARAO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal relinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 23?.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes.
Idem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearlnas a 300 rs. o maco.
Sag muito novo a -100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOS!!!
A
AO PUBLICO
Sem o menor cengran
glmento se entregar
importe do genero que
nao agradar.
ATTENCAO
preco da egnlnti
tabella 6 para todo, pA-
se para o ajuste de coma
com o portadores.
eza com
Senhore*
que sero
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando arco da Concelco)
PARA BEM DE TODOS;
spnhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tndn a nmm a*
tratados envida a urna visita ao mesmo, certos de que sem davida me daro a Droterrtn SEP e in,p''
na com-
pra dos eneros que precisare e quando nao possam vir podero mandar seus portadores", "anda aaeSASa rPnC'a
os ser5) t3o bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendar-an XT1? ponco Pr3t,f!<
trabarte. 'v" e nan van m
que nao vio em
RIVAL
SEM SEGrNiO
Ra do tiuciniado n. 4 e As.
Continua a veoder rodas as amdftat, que abuxo
declara por presos ailoiiravei. '
Massos de palitos lxados para denles a 100 rs.
Espelbus dt molduras uouradas a 209,no e 32JJ.
Bouels de oliado para meninos a 130OU.
, Dilos de couro superior lleuda a 136U0.
Frascos com superior lila rocha a 240 rs.
i Meladas de l.oiia ftoxa para bordadu a O e 60
I Caixas com 100 envelopes,fa*ei.uj Dita a 600 rs.
i Grozas de peonas de ac, lazeua BOpenor aOUrs.
brozas de boles maoreperola linos a 500
e 640 rs.
Caixas com 30 novellos de Iitha dt. ya; a 7C0 rs.
! Caixas com superiores brela? de evh a SO e SU rs.
; Pecas de tita branca elstica eom varas a 5H rs.
, Varas de franja de la paia eiriettvs oe vestaos a
i 4 rs.
Baralbos dourados soperioies qtu lidaties a 4C0 rs.
1 Novellos de linlia com 400 jardas 80rs.
; Linos para amentos de roupa lauca a 100rs.
Pares de boies para puobo, Mwndt rita a 120 re.
Tesouras para costuras supeni:es quklidadcs a
400 e i>.
Caixas de peonas de calligraj hia, fazenda toa a
I 000.
Ma*sos com superiores prarnros 30 rs.
Pares de sapatos de trauc* e ia|( a '5.0.
Caixas con SDperiores ajitilhas a 240 rs.
Libras oe la soriidasde I (.ritas rdfes a 7('0O.
Caixas com superiores obteias de massa a 40 rs.
RudlDhas comalbnetes fratcizes omito ticfUu
a 20 rs.
Manteigal ingleza especialmente eset lhida a
l.ooo p 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimfento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou mekts.
Cha hyssdn de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cb perola o mais superior do mercado a
2,800 rs. a libra.
dem hysspn muito superior em latas de 15
libras niuito proprio para negocio a 2,000
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a ,6oors.
dem pretp o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para hambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato? 800 rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo |
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas |
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Aletria, macarro e talliarim a 4oo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amrella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinno do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 'too e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excelleote quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e era cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,000,15,000,
12,ooo e 10,000 a caixa com l duzia e9oo,
1,000 e 1,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolacbinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
al rofi,j Resmas de papel almaco a 24CO e M800 r..
su leunauo em frascos de vidro com tatuca Es(0Vas i"3 "Nifa7fUda *">'**
uo mesmo, a 5oo rs. Duzas de tosooras tem toque ce feiiut(ro,
gTu1avem an'r^?-?'038 f aCredi,adas ^ '^s e Parfos de cabo pn .0 a 3^000.
a ar t mercado' a SOO, 56o e 64o Talheres muito fino para enancas a 240 nT
< garraia, e 5,8oo, 6,000 e 6.5oo a dn-iPo,MfrM Para nitnmas a 320 rs.
itas e voltas parastnhfra a SCO.
zia.
Gevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Charutos do affamado fabricante Jos Furta-
Cartoes com bolo francez muito propriospa-
Feij5o verde muito superior a 640 rs. a lata.' ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados pata agua a 5,ooo e 5,5oo (Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
Wem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oc rs.! Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francs hespanhol e suisso a 9oo, | Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l.ooo e l,2oo rs. a libra. j Amendoas de casca mole a 4oo rsva ibra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a 1- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolacbinha d'agua e sal, da fabrica de Jo"o
Peixe em posta em latas hermticamente la-! de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
cradas e das^aelhores qualidades de pei-' bras por 2,5oors.
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francez;is em fiasco de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-; lampa do mesmo, a !(55oo.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc zas em caixinhas de diversos j Azeitonas de B
Fanos de Agua Florida vtrdadeira a 1280.
Frascos com sop rior banha a 24I1 e 500 rs.
. .. ,v,ouic use r una- Idem de superior oleo babosa a 380 rs.
uo ae Simas, das seguintes qualidades- (:i,l*as "I> lamparinas para 3 mt^.s a 40rs.
Exposico Normal de Havana Imripriaes' X"r" 2e ,aba0" d0 Porto a 8 e 14' rs-
Londrinos Guanih"r ,V ,' ,mPer'aes' francezes a 100 rs.
itirn n.Hrtl. a&' Iai,s|fMes. Sus-lQuaderoc* de papel pepeno a 20 rs.
puus ueticias, a 4,000, 4,5*00, 5,OOO, wal de cores, fazenda superior, a ECO rs.
0,000 6 7,000 a caixa OU em n eias Pai'H- Charutos finos de diversas marcas e'fabri- "
cantes como sejam: Flor do Norte, Ma-
ntillas de Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
0,000 a caixa.
opnac ingle?, das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8ooo cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolacbinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
i mimo, a 1,60o, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Buibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
Na roa Direita n. 84, ha
constanlernt-ni" p;.ra ven-
derse cyliudros americanos
chegados de Philadelphia o
mez passado
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada urna.
ivasem ancoretas grandes de
8,000 6 caixa e 64o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
PraC^Seaebrad.IMsaa 6,800 A^'?SS7^HS?0" ^^'f^f^! ."-''
64o rs. o frasco.
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna anebreta.
e 0*0 rs. o rrasco. Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
Genebra de laranja verdadeira em frascos j o gigo com 36 libra*.
grandes a l.ooo e 11,000rs.a frasqueira.jConservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Bio de Ia qualidade a 28o rs. ali-l 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. ; Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali-j 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do MaranhSo de l1 qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo 1 Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arrona> a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a ibra e 2,4oo a ar-1 Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. ] ioo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 1,000a; Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Maesa de tomatesde superior qualidade a .64o Marrasquino de Zara propriatnente dito a
rs. a lata de urna libra e 56o rs. a reta- j 15 a frarrafa 11 ,ooo a dnzia.
fao. Palitos de denle a 14o rs. o maco.
ao mercado, a 2,000 e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o pipo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes epeqne-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecepo,
damasco, 1 ainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 ,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Acha-se
venda na livraria acadmica, na ra do Impera-
dor; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Sacto
Antonio; e ua lypographia imparcial, na ra e*-
ireita do Rosario a compilaco de loda a legislacao
tendente adrninistracao, arrecadacao e fisiali-
sago dos dlnhfiros de orphaos defunios e aust n-
tes, herancas jaceotes, legados, etc., contendo nao
s o regiment de cusas e a iei ge ral das exe cu-
c5es, como lamben todas as urdeus e avisos o
governo, que a ludo tem explicado, tanto a respri-
to das obrigacSes iOhereotes ae cargo dos diftVrpn-
tes empregads de justica e fazettda, como dosdl-
reitos nacionaes e emolumentos ijue sia devides.
Este livro contendo mais de 700 paginas em ntida
impressao e bom papel, e presiaod"-< a utilidado
de dirTerentes classes, torna-se recommfodavel.
Seu cusi 100 por cada exemplar era deus
oraos.
Leneo^ Je
labyrintho
Na ra do Crespo, loja da esquina n. P, ha supe-
riores lencos de labyriniiio, que se vendem por
commodos presos.
Vndese urna negnnha de idade de 10 an
nos : a tratar na ra da Imperatri? n. -20,
HfflW
Vende-se um piano forte e moderno visto reti-
rar-se para o serto a familia a quern elle pe ten-
ce : na ra do Queimado n. 37. loia.
Vende-se
i-igiti'IS.gli-ilSi
; 5 ; u o Si o r- co O u 2.
^ a ** t j ** a
3*J n^^0?^

s^S^-1
O 9
03
J-
O
*3 i
1 CD

2 S ^ B =L t i
5.1 S 5-5 2.
03 o. o o>
fifi
o
o
a> =
,05
Principe Alberto, de 1831, a 5000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a I :>:(X) a garrafa.
DOCES de todas asqTalidades: braeiieiros,' ^1 do Porto verdadeiro a 2 a garrafa.
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc. gg J* 'fg^ e imoo a garrafa.
D. Luiz a 1(5 a garrafa.
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ir vadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 N.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feuao verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rie a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 1(5.500
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carca velos a 1J.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posiriio alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien 15 00,0 e 6t)0a garrafa.
Absyntho a 2(5 a garrafa.
Kirsch a 2)5 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 18(5.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Famello ha sempre em deposito de 800 a Viobo figueira em ancoreta a 205.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
dos os tamanhos e de todos os precos* caada.
ATIRICIO
Veode-se as olarias de Jos Carneire da Conba*
em frente ao hospital Pedro II, e na roa dos Pra-
zeres n. 38, telfaa superior de narro de agua doce a
303 n milneiro-, alvenarla batida a 304. e ladrilho
i 2030OO. I
Canbraias.
Parede Porto vende cambraias lisas Anas, gran-
de sortimento, a 33 at 63, ditas Victoria muito
finas, com 10 varas a 63, 6S5"0 e 73 : na ra da
Imperalriz n. 52, junto a padaria fanceza.
Farinha a3j$5*">
Vende-se farinha de mandioca, saceos grandes
Chetoen ao eorpinhos di cambraia
Vendem-se eorpinhos de cambraia com entre
metas a 43 e 53, esli su acabando

"3 '
* <
ril
3 S
o srs*
a

03
O.
i
1
5
a
ji
2.
a
IX
03
D
-, oo _
.. a. S' o t o
S.S.& g SJ
SO O. r fi 63 S.
ex?*? 5
CR3 o 3 o -^=,
5SS. s-cr
SACUINASEPATEKT
de trafralhar nao fsn
{escarolar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & Cc
OLDAl
a
a
~i
O
rs
ai
nr
03
Tasso Irmaos
Veadent no sea armazem roa da
Amorim a. 35.
Licor Sao Curasao em botijas e noias botijas.
Ucoros Gnos surtidos em garrafas com rolbas *
vidro e em lindos frascos.
Viaho6(Jberes.
Santeroes.
Chambertin.
HermKage.
Borgonbe.
Charo pagua.
Maicani.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
014 Ton.
PAezei lagniol.
O castello de Grasville.
Traiuzide do fraacei por 1. J. C. 4a Cruz.
Vende-se este bello romance em quato
tomos pelo baratissimo prego de 3300C
oa praca da Independencia. livraria ns.
6e8.
a taberna do pateo do Carmo o. 5 : a iraiar ta
taberna do Campos, ra estreita do Rosario n. 47.
ESCRITOS mu
IU0i
f-w.

ene
i -i
Em casa de Phipps Brothers f C, ra do
Vigano n. S, teodefli se con> de ferro, prova de
fogo, dos afamados fabricantes Milner & Son, de
Liverpool.
CERVEJA IM BARIERA.
Na loi do cha' vende-se superior cervea da Ra-
no armazem dos Srs. Tasso IrmSos, na ponte nova' Paredes Porto, roa da rmderalrij n. 53, poria lar-. Visto : a tratar com agente Olympio em seu arma-1 bien, orna caixa enm doss dntias de garrafas uor
pelo preeo acjma mencionados. a, >uo, padaria rancera. I im na roa da Cadeia do Recite n. 34. 10#, e a retaibo a 800 rs. a garrafa.
Vende-se um sobrado de dous andaras no
hairro da Santo Antonio, o anal rende para mais
na loja de [de 1:2003, e urna casa terrea no bsirro da Boa-
Estas machina:
podem descantear
qualquer especii
de algodao sen
estragar o Oo
sendo bastanu
9 duas pessoas para
O trabalho; pd
descaro^ar urna
arroba de algo-
do em earoct
em 40 minutos,
oa 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodac
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
ammaes, que descarocam 18 arrobas de algodao
hmpo, oor da; e motores para mover urna, duas
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinai
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
an de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Saunders lirolhers k C.
HT. II, pra^a do Corno Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz,
Vende-se um cylindro, urna raasseira, urna
balanza grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e mais utencillos de padaria : a tratar na
ra Direita n. 24.
Rom e barato
Manteiga ingleza flor a 13 a libra, franceza a
840, arroz do Maranho a 100 rs., painco a 120,
amendoas a 240, caf do Rio bOm a 240, vinho da
figueira a 400 n. a garrafa, e 33 a caada, Lls-
b0a a 3b'0 a garrafa-, e 23<>00 a caada, azeite doce
a 690 rs. a garrafa, vinagre de Lisboa a 200 rs. a
garrafc, e 13500 a caada, queijos do ultimo vapor
a 2p300 : na rna das- Cruzes n. 24, esquiua da
travessa do Oovidor.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receher um lindo e magnifico sor-
timento de orulos, lunetos, binculos, do ul-
timo emais apurado posto da Europa e ocu-
los de alcance para i bservagoes e para os
martimos.
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelko
Rna do Qnrlmado n. 19.
Vende-se o scuninte :
Cobertas de chita fina a 23800.
Ditas de dita a 23400.
Le05" es de panno de linho a 23200.
Ditos de dito de linho a 23.
Dilos de bramante de linho de um s5 panno -
33*00. v
Panno de linho fino com 9 1|2 palmes de largo
ra pelo barato preco de 23400 a vara:
Bramante de linho fino com 10 palmos de lar
gura a 23300 a vara.
Pecas de cambraia com salpicos brancos
cores com 8 i|2 varas a 43500.
Pecas de cambraia adamascada propria
cortinado de cama com 20 varas a 113.
BalSes da arcos a 23.*>00,33, 33500 e 4.
Lencos de cambraia fina a 2jj600 a duzia.
Ditos de dita a 23 a duzia.
Athoalhado de linho fino a 23800 a vara,
Dito de algodo a 23 a vara.
Algodo enfestado com 7 Ii2 palmos de larcura
a 13200 a vara.
Pe$as de bretsnha de rolo eom 10 varas propria
para sa,a a 33500.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 13 a vara.
Cambraia de linho fina a 43500, 63500 e 93[a
e de
para
vara.
Cortes de lazinha de lindos gostos com 15 co-
va dos a- Mi
Pecas de madap< lao finlssimo pelo baratissimo
preco de 83, 93,103 e H3.
FlaeH branca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de cores fina a 880 rs. o rovado.
Raloes de musselina para menina a 33.
e 43.
Cambraia de forro a 33 a peca.
Dita fina a 43500, 63 e 7 peca.
Goardaaapos de linho a ajftOO a dmia.
Toalbas d algodo felpadas duzia a 123.
-' :
1
A
Fugio no dia 7 do corrente, do engenho Tpmu-
gal, proptiedade do capilao Jos Francisco Bello,
sito no termo de Barreiros da comarca de Palma-
res, o escravo Prisco, o quaj t'-m ta signaes 88-
guintes : cabra, cabello sdTrivel, (lente- looitos.
estatura r'iguiar, cheio do rorpoj buha qoasi ne-
nduma, ps grandes e ai adietados, repres m ter
a iJade de 22 a 24 annos, muito riprista, e iliz
ser forro ; esse escravo tem mi no Rerife, para
onde se su|i|e ter ido. com o fim ile asseniar
praca nes corpos de voluntarios que se esto crga-
Disando, nu mesmo embarcar para a rrie. para l
o f;.zer, visto ter levado comsigo nns 2i03, e nao
Ihe faltar astucias ; portanlo roga-.'c as aulor:da-
oes polictaes e cauitSes de campo a ca turaco i'e
dito mulato, sendo levado no engenho cima a sua
senhora D. rsula Candida de Albuquerque Sau-
tos, ou nesta praca recolhido a' casa de deimco,
participando se ao Illm. Sr. Dr. Diodoro lpisno
Uoplho Catanho, ou Dr. Ayres Gama, que se re-
compensara
Gratificaco de 5S7
Ansentou'se da casa n. 59 da ra do imperador
(outr'ora Collegin) no sabbado 16 do corrente met
rie setembrode 1865, o escravo pardo de neme Joa-
quim. com os signaessegnintes : estaiura regular,
idade 18 a 20 annos, sem barba, ps largos, olbos
grandes, cabello corrido, com nma cicatriz grand
e bem visivel na testa, parte dos dictes da frente
arruinados, e com falta de alguns dos lados, sabio
com calca de briro pardo e paletot curio de panno,
mas levou mais roupa branca e de tr, muilo
astucioso, costuma intitular-se forro e ar.dar cal-
gado ; f i escravo do Sr. Guilherme Frt derico da
Souza Carvalho, genro do finado Sr comniendador
Manoel Goncalves da Silva : roga-se a sua captura
a todas as autoridades policiaes e a nualquer ca-
pilao de campo ou outra pessoa particular que o
apprehender sp gratificar com 503, alero das des-
pezas de condueco, entregando-o a seu .-euhor
Miguel Jos Alves, Da casa cima, ou no seu es-
criptorio na ra da Cruz casa n. 19.
No dia 20 de setembro prximo passado~fu-
gio do engenho Terra-preta, doabaiso assignado, o
escravo Julio, crioulo, de altura regular, gresso,
de 30 annos de idade, pouca barba, tem os p* bem
feitos e pernas, muito fallante, al se faz rouco,
tem o dedo polpgar de urna mo cahido para den-
tro, anda cora urna carta fechada, do terente-coro-
nel Amaro Gomes da Cunha, apadrinhand< o, nna-
ca fol surrado este escravo, foi ha muito comprada
a Pocha Lima e Guimaraes : quem o pegar leve ao
mesmo engenho ou no Recife a' ra da Roda a*
Alejandre Correia da C. Jonior, qne sera bem re-
compensado.
Alejandre Correr de Castro.
Fugio ao dia 16 de aovembro o escravo de
nome Ahpio do Sr. capilao Laurino Angelo de AI-
roeida Silva, morador na villa de Inazeira termo
do faje-de Flores, cujo escravo tem os signaos
1 seguintes : Idade Ue 18 a 20 annos, cor ^ahra es
33500 eoro.corn testa grande acarneirada, venus gres*
sas e grande, aliuri e corpo regular, cabellos (.re-
tos carapinhos, pernas nao muito grossas com um
talho na testa e muitas cicatrizes na rabee*, Ps
regulares, dedos esgaranchados, tambero tem aa
costas com cica trises de chcete : perianto r<>ga- Esleir da India propria para forro de sala de as autoridades polictaes oa a qualquer capito da
4,5 e 6 palmos de largura per menos preep do campo que aprehender e o levar no Forte do Mata
que emontra qualquer parte. na prenca dos Sts. Rodrigues e Santos, que ser
Resta armazem tambera se eacontra am graade generosamente gratificado, cojo escravo foi visto
sor lmenlo de roopa feita e por medida. no dia 6 de dezembro no largo da alfaodega.
y



\
L
-j-
M*



8
Diarle de Pcrnanbnco Segunda fera i8 de Urzembro de *.*.
LITIERATai.
0 desertor brasileiro Elias Lombardo, vlslnho Ao
S. Pedro do Paran, que fugio deste acampane oto :
na dia 4 do correte, segundo communiquei a V.
Exc. no meu oHcio de 5 do correle, foi captura-
do hontem ao raeio dia pela grao-guarda do sol,
Continuamos a publicado das parles offl-.iaes leodo sido visto pela poslana occasio de passar
THE VMOj DA GLUMA.
de E-tigarribia
Parte j -di trij. Viv a (publica do Paraguay I
Exm. Sr. Cira o raiis pnfuod respeito partf-
c i a V. Exc. q e hoja as 9 Inris da manbaa re-
ce .; part: do raajor Djirta, ditala baulera em
Caisapa, ua quil me communica que fljava acam
de um morro a outro da serra que flca atresquar
tos de legua defronie da gran-guarda : por este
mofiro o ufflal de guarda despacho immediata
rumie um cabo com dous soldados, e leodo-o al-1
enfado na frald.i do morro, foi capturado por el- j
les, sem lar feito re-istelcia alguma, achando-se
pal; na dU) lugar cono ti n d; pistar b ira as |ateiraianle baldo de torcas pela extrema fraque-!
sji c vaina las, e que na lili de haii-n ol lite Ia fiin gU, se achava.
acootacra naviJaia aigu ni, exceptaaaJ lar visto sndo lUerr0gaJ 'SJ0re as cau UBi l)irliaa "'"' P8|oa a deponerla di rgida ^ respondeu que nao tinlia motivo algum, nm i
palo mijor Daarle, de ionge, n'uma caxilha ou queixa dos seus superiores e camaradas, e que de-
morro, dande vallaran a retirar se para a povoagaa serlon por simples capriolro ; conseguiulemente foi I
de S Tnom. preso na gutrda de preveogo do seu proprio cor-
alfares de cavallaria Vicenta Nones, do regi- po, esperaudo a ordem de V. Ex para tomar urna
nnnu n. o, a quem dei a ca.nmss) de fazer nma resolugo.
correra can una part la pila casia do Aguapey, O major Duarte entregaulo-me este acamparaento
can o fin da tirar de un ciato esonlil algumis parliclpou-me que haviam nos cepos da guarda de'
familias correntinas, qae se haviam refugiado all prevalo de cavallaria o sargento desta arma Ro-!
por t'mardasnossasforgas.apresentau-s maannuo- que Paredes da regiment n. 26, e o cabo proposto
ciaodi-rae qua havia achala as d tas funilias, cora do seu inesmo regiment Antonio I borra com os
postas di 7 negros brasileiros e 5 mulheres, que soldados Joo Lpez. Aotouio Haylas e Marceilino
|bes dra orJam de qae voltassem pira as suas Ubayely por terem sido Uescobertos carneando
casas s n recaa, par que, camportaaJo-se, coma urna vaeea da propriedade do urasileiro Gaspar
deven, nio sarao eaco n naliias pelas nossas tor- Silva, murador ueste territorio, achaudo-se de guar-
is 5 e qae, regressanlo dalh par causa da non no da uo lu^ar denominado S. Lucas. Igualmente se
ticia que mea tora dil par urai muiher brasilei- achara ,,os cepos da mesma prevengo o cabo ef-
ra. qua levaran coma pratiaa bigneim deste fecUro Fraocisco Djunuguez, e os so.dados Ignacio
io da Agoapey, cuj naticia era que u u rickea- Lera, Luiz Vera, Gil Uojas, e Rosarlo Vera, por se
dor animpar esses logares albargaaa-se na terem trnalo camplices da mesmo roubo, comen-
cisa da un estrangeiro, qae eslava esUbdlecido na do da carne que trouxeram a'guaidaod.to sargen
Tisiabanca da Aguapay, sa dirigirn) a ditaea,a, e u 0 eU5 compaubeiros : e estando estes iudividuos
qae, toado laajhido o mesma richeaiar, que era presos desde odia 15 de fevereiro prximo passa-
am indio brasileiro, havuraioladio aferes aos da, sem se Ihe.- formar causa, leuho a bonra de
da suicjnitivaquio prenlassau, qnudao inlia reiterar a V. Esc. esta eominunicago, supplican-
a disptrar um Uro contra o alfares j mas, rapa- da humildemente que, se V. Exc. o achar conve-
dindo-o o sargento Justa Rivas, foi apanhad, e. le- niente, se digna de mandar-rae o que devo fazer
vjqj-o ao patea da casa, nuoliu qaa llie d un tiro de carabina, deixania-o all mora. Da-
p^is acharan) n'una ilba proxi na a casa dius ca-
valles, um com fre.o e redeas, e outro comeado o
Ibas de palmeira, os qaies f arara trazidos p -la par-
tida, e aehim-se entre a civalhida de.-te acampa-
mete
Juntos reraotto a V. Exc. os m ippas passoaes das
j' da mea onraanda, excaptumlo o mappa
da reginento n. 27, que est era connisso com
IV9 praxis, Usando so 5 doentes no hospital daste
acampamento.
avio tarabea a V. Em. os mappas dos enfer- B"iel do CdVallaria m-"Jados a reforcarem a
mos, martes e doeates de grav.dade existentes nos ;fJ,uul" 1aar,e> UJ luiar chamadj ?"*>*"*
h pitaes da;te acamparaento e da villa da Encar-! ta a ~l 0 "*'""*> a pr"Ui'ra noUe- aSS6Ve-
Viva a repblica do Paraguay.
Exm. Sr.Tenho a honra de participar a V.
Exc. que receb boje, a a meio-dia, a parte do raa-
|or Duarta, datada as 10 hars da minoa do da
ti do correte, no lugar denomnalo Caazapava,
conmunicanJo-me que a columna do seu com-
mando se achava sem novidade acampada sempre
no ineuc louado lugar.
O emssario portador da parte rae disse ler en-
contrado as cincocampanhias de iufantaria e o re
ESfaO.
Os batallios ns. 11, 15, 16, 17 e 28 sa exerci-
tam na mesma liejbdi minha parte anterior.
Os batalhdes esto eiercitanl isa tambem as
mesmas lindes e parles qae co.nraunque a V. Exc.
na minha parta ordinaria ultima.
raudo-rae.ijue agora se tero ja' encorporado s
torcas do uiajor Duarte.
II aje a' urna Hora da tarde fez conduzir a' mi-
nha presenta o ollicial da guarda da Candelaria, o
desertor Roque Benilez, soldado de mfanlaria do
batalbo u. 17, visinho de Barrer-Urando, que fu-
Osraginaotosns. 21,26. 23 e 3 emanas raes- > J^e acampamento no dia 10 do correte, e
mis liroas e classes ja mencionadas. A cal"uraJd lwule,n I-1 '"eucionada guarda da
Cauielana, leudo elle mesmo viudo a se entregar
a disposig&O do oQlcial daquella guarda, dizeudo
que vintia a entregarse desacoroyoado palos trba-
Itios e miserias que passava no mato da arrumada
a aldi de San;'Anua ; e interrogado pela causa que
efaegara ua seguuda feira. : mJuil a commeiter um delicio lo grave, dis-
Neste acampamento e navilli da t;1!arnac-,0 !* : qu "^ l.uha m.uvo algura para comraeltelo,
nao ha noviJade algum, tlcanlo as tropas do meu
Ordeaei ao co.nraaniante Crdenas qua mande
apresenlar-se ne^ta o regiment n. 33, da comman-
da do tenante ciJalao Paula Aquioa. Este regi-
manto ji est em marcha, sagunl) xa: anouueia o
amando na sua acostumada boa ordain e disci-
plina.
Deas guarde a V. Exc, por muitos annos.
\ ampameolo de Pmlapoy era 20 da raaio de
1863.
I'ji repblica do Paraguay
e que o praticou so por capricho.
Esta c Mi.iua, i recinettila as 6 1|2 horas
da tai de.
Deus guarde a V. Exc. por muitos anoos.Acara-
paineuto de PiuJJapoy, em 21 de malo da 1865.
Parle ordinaria. Vtc.i a repblica do Paraguay I
Exm. Sr.Com o mals profundo respeiio tenho
Exm. Sr.-C.in toda o respeilo teaiio a hrara de a honra de participar a V. Exc. da 21 do crreme,
participar a V. Exc. que boje, as 8 huras da ma-'ein que se dignou V. Exc. de ina dar as ordena
nliaa, recebi a parta da major Duarte, datada non- e iaslruccSes eouveuienies para mover a divlsao do
tara era Caaeapa, em que me annuncia qaa al o meu commaudo e proceder as operacoes contra
momonto em qae man loa a parte ni a havia acn- ambas as frouteiras do Uruguay ; para cujo exac
tecido perseguicao alguna da paria dos inimigos,' to cumprimento, desde esta data, estou dispondo o
Lc:i dj-jrJam ua tropa do seu commauJo, licaudo nielhor arraujo dos corpos para marcharein, ea
no mencionado .nato esperaudo o reforjo das cinco i reuniao dos eierneuios iieces.>ai ios para mover as
compauhias de iofaniaria do batalhio n. 28 e o re-. tropas envidaudo todos os esforcos para execula-lo
gimantjn. 7 s ordens do capito Lipes, que lo niais breve possivel, asseverando a V. Exe. que
mandei no dia l'J do correle, ase incorporaren! e liatarei de dar a V. Exc. provas do raau pairiotis-
sua columna, para rollar a obrar contra o inimigo, rao e valor, fazen Jo sempre iriumuhar as armas
que percorre as frooleira^ do Uruguay, tratando de nacionaes em todos os lugares por onle von faze-
desmoralsa-lo completameute. lias brilliar, principaliiK-nte q.ianJo vou a frente de
Na mesma connunicagio ma participa o majar i urna raocidade ardorosa, cheia de deeisao e de
amor a' patria e a' pessoa de V. Exc, cujo so ele
memo me basta para asegurar mais e mais a V.
E\:c. a victoria das nossa armas em todas as era-
i-rezas que V. Exc. se diguou de commetter ao
Ieu patriotismo.
Era cuinpriraento da mesma ordem suprema de
. Exc. veio hoje a este acampamento o capito
Crdenas, a qoera tran-miiii as ordens que Ihe di-
iii respeilo, o hoje raasma voltou a' villa para
bonsagra-se ao seu cumprimento. Darei ao major
puarte as ordens que Ihe competem no momento
fem que se incorporar a' minha divisoemS. Tno-
m, doode manda-lo-he percorrer a fronteira di
do Uruguay, conforme as nsiruccoes de V.
Doarle que mandju oiio pracas, inclusive un sar-
gento, que pelas suas doeoeas, q e diariamente se
tornara mais graves, Ihe eacummolo te-los ua
sua columna, os quaes at a data se acbam no ca-
minbo.
Os chefes orientaes Zacaras Orregoe Joao Pe-
dro Salvanach apresentanm-se j neste acampa-
ra -uio, dizendo-rae que viuhara a se iucorporar es-
pontneamente a diviso da raau coranando com o
proposito de prestar eus servidos em defeza da
causa que sustealaraos, era q alquer lugar qua
liies l'r designado : era cansequeuMa daste faci,
e em cumprimento da ordem superior da V. Exc. a
este respaila os recebi cora demonstrabas de reco-
nheci ment e benevolencia, tratando de mandar o
primeiro ao major Duarte, e conservar o segundo
em minha companhia, para otilisar os saus serv-
aos nos casos convenientes, de conformidade com
as instruegoes que V. E xc. se dignou de communi-
car-rae sobre este pirticular. O major Salvanach
flcou por en quinto na villa da Encarnarlo para
restabelecer asua sauJe ura pouco melindrosa e
vir dentro de pouco t.-mpo a sa por minha ordem
segundo dizem os dous cheles qua se apresenlarara
neste acamparaento.
Estes rae propuzerara trazar comulgo o entre-
riano alteres Antonio Zapata e ura soldado da mes
mi nacionalidade, residentes actualmente na villa
da Encarnajo, que vieran acompanhando o orien-
tal coronel Guerrero, da quera se separaram, ha
muito lempo, asseverando os ditos chafes que o al"
eres Zapata um oUlcial valente e de loda a con-
fianza e qua ser-lhas ha muito til para a organisa-
o dos corpos que pretendem crear de seus com-
patriotas e dos argentinos; mas nao podendo eu
dar-lhes solucao alguma sobre este particular sem
a approvaijo de V. Exc, por ler vindo o alferes
Zapata em companhia do mencionado Guerrero,
tenho a honra de levar estes (actos ao conhecimen-
to de V. Exc. para que se digne de raanlar-me o
que fr conveniente.
Neste momento acaba de tnorrer neste acampa,
ment o capito de cavallaria cdado Vicente Go-
mas do regiment n. 2i, visinho de Mbayapey, de
inflammago no baixo vectre.
.Neste acampamento e na villa da Encarnarlo
nao ha novidade alguma, e as (ropas licara na me-
lher ordem e disciplina.
Este ollkio remeltido s 9 horas da noite.
Deus guarde a V. Exc. por muitos aooos.
Acampamento de Plodapoy, em 21 de maio de
1865. 5S
Exm. Sr.Cora o devido acatamento participo a
V. Exc./rae nao tendo recebido bontem, a' hora do
costume, a parte do major Duarte, tive que demo-
rar o despacho desta coramunicac. io at agora, que
sao as 3 horas da madruga ja, desejando levar ao
supremo conhecmento ...e V. Exc. o que tivesse
acontecido aquella columna ; mas, mesmo a estas
horas, nao apparecera os emissarios do major Duar-
te, por caja causa cinjo-me a participar a V- Exc.
o que aconteceu neste acampamenlo. i
fnla
xc.
O lenle Paulo Aquino, cora o seu regiment
3, se achava em marcha para este acampamento ;
mas foi delido,desde o dia 21 do crreme, pela gran-
e endiente do arroio Igarupa', onda acba se agora
do, e tendo recebido agora a ordem de V. Exc. acam-
pado, mandei preveni-lo, para que retroceda com o
seu regiment para a villa da Eucarnao, tendo or-
denado tirar desle corpo 43 prac.a, para augmentar
o esquadraa de artilharia, como V. Exc. se dignou
de ordenarme, os 100 individuos mais para re-
novar urna parle dos muitos doentes quo ba em lo-
dos os corpos de cavallaria : tambera mandei tirar
daquelle regiment os sob-tenenles Leocadio Gon-
zlez e Lourenc/3 Vilialba, para po-los em lugar do
lenle cidado Francisco Villar o do sub lente
Joao Jos Alonzo, o priraetro pela sua velbice, e o
segundo por doente.
Nao fiz reconhecer o sargento Jos Alonzo como
sub lenle graduado, segundo V. Exc. se dignou
de ordenar-me; porque doentio e muito velho
mas proponho a V. Exc. no sea lagar o sargento
de cavallaria do esquadro avulso, Jaime Aquino,
que idneo para o caso, e moco de esperanzas e
de muitos servidos.
Mandei igualmente tirar 100 individuos de infan-
taria dos baialhoes ns. 8e 41 para prover de algum
modo as baixasdos muitos doeules que ha dos cor-
pos desta armada.
At agora se nao apresentaram os lenles
Centurin Coronel; mas noo podem tardar muite
lempo.
Foi reconhecido no seu respectivo corpo como 1*
lenle o tenente 2 de infamara, cidadSe Jos
Zorrilla.
Nesta data mandei o oriental, coronel Zacaras
Orugo, para que se apresentasse ao maj-.r Duarte,
recommendando a este ebefe que o oceupe e utl-
lise os seus servijos nos casos convenientes, ob-
servando cora muita cautela o seu comporta-
ment.
O coronel Orugo parti ctaeio de enthusiasmo e
deciso, promettendo servir com fidelidade cau-
sa que sustentamos,' e det-lhe espada, pistola e
um pacole de cartuxos, e igualmente ao sea ea-
manta.
Ficam a cargo do commandante Crdenas nos
campos da Candelaria cousa de 5,000 cabecas de
gado vaceum e 400 de gado cavallar, qne mandei
recolber da outra parte do Aguapey da fazenda de
Marianno Camelino, e de ontras dos campos de
UmLu-vnelta, tendo deixado 140 entre cavallos e
potros para desempenhar a nossa mareba.
Tambera mandei recolher lodos -os cavallos dos
estrangeiros residentes cesta margem do Aguapey,
fazeodo tirar igualmente dos nacionaes a metade
das suas cavalbadas.
Segn io as partes que recebi do major Duarte,
datadas em 22 e 23, licavam aquellas forras em
Ciasapaba sem novidade alguma, e promptas para
marchar apenas se Ihe incorporar o reforjo qua
mandei, e que, segundo os emissarios devera se
achar j incorporados nesta dala.
Juntos remello a V. Exc. os mappas das fufas
do mea commando, exceptan lo os mappas dos
regimentos ns. 27 e 33, por se acharem os dous
em marcha.
Tambem remello a V. Exc. os mappas dos doen-
tes, morios e enfermos de gravidade, existentes
nos hospitaes militares deste acampamento e da
villa da Eucarnacao.
Neste acamparaento e na villa da Encarnacao
nao ha novidade alguna, e as tropas ficam na me-
Inor ordem e disciplina.
Esta coinmunicar;o remanida meia noute.
Deus guarde a V. Exa. por muitos annos.
Acampamento de Pindapoy em 24 de maio de
1865.
Viva a repblica do Paraguay!
Exm. Sr.Com lodo o respeito participo a V.
Exc. que tive a honra de receber o offlco de V.
Exc, datado de 26 do correte, no qual se dignou
V. Exc. do aecusar a recepcao da minha commu-
nicacao de 18 participando a V. Exc. a do major
Duane, e a situado era que ficava no dia 18 era
Caasapab.
Fico scienle de que devo observar exactamente
todas as nsiruccoes, qae V. Exc se dignou da me
dar no mencionado oflicio, para quanlo o exercito
brasileiro tiver passado em numero consideravel
esta margem do Uruguay, ou quando nao tiver
acontecido este facto.
A parte do major Duarte, que acabo da receber
nao me lirou anda das duvidas, ficando elle arada
acampado com a sua columna no mesmo lugar de
Caasapab onde, ante-hontem prima noule, ia-
corporara-se-lhe o retorco que mandei por sua
disposicao, sob as ordens do capito Lpez.
O major Duarte despachara esta nonte, 23 do
corrente, quatro bombeiros, dous con diTecco a
S. Tnom, e os outros dous para reconhecer a
ilha de Carap e passar at Cuay-Grande, cora or-
dem da conhecer bam a posico e circumstancias
do inimigo, e voltar hoje prima noule, para en-
celar novamente, e segundo" as noticias que trou-
xerem os borabeiros, a perseguido contra as tor-
eas inimigas, e s espero receber a parte de
amaoha cora as noticias dos borabeiros e da ver-
dade terem ou nao passado as forjas brasi
leiras para esta margen do Uruguay.26 de maio
de 1865.
Viva a repblica do Paraguay l
Exm. Sr.Com o mais profundo respeito com-
munico a V. Exc que recebi hoje ao meio da a
parle do major Duarte, datada de hontem as 7
horas aa mantia em Caasapab, participndome
que nessa mesma madrugada voltaram os bombei
ros despachados a S. Tnom e a ilha Carap, ex-
ceptuando um dos que foram a S. Tnom, o qual
se bavia dirigido mesma fovoago, emquanto o
seu camarada ficava em observago as visinhan-
(M- da aldea ; mas sendo percebido por urna par-
tida de quatro homens que lam vigiando esses lu-
gares, e perseguido por elles, deveu abandonar o
seu camarada e se refugiar no acampamento do
major Duarte, trazendo a noticia do que Ihe acon-
tecer, e de que desconfiava nao haver grande
forca em S. Thom. Os que faram para a ilha
Carap at chegar aos Cuayses, haviam dado a
noticia de que na dita ilha havia algumas poucas
partidas inimigas, e que pela vigilancia das guar-
das nao tinham podido passar at Cuay Grande.
O major Duarde est persuadido da que a forra
principal do inimigo se acha nos Cuayses, e por
este motivo determioou levantar o seu campo e
marchar contra a partida inimiga, tomando elle,
com a melade da sua forca, a dirercao da ilha Ca-
rap, para sahir ao Cuay Chico, e despachar o ca-
pito Lpez com a outra metade pela va de S.
Tnom, para descer pela costa do Uruguay, e en-
conlraremse as duas partidas pelos Cuayses, com
o fina de apanhar o inimigo entre dous fogos e
aniqulalo, espantando as suas cavalhadas.
Al o momento ae despachar o major Duarte a
sua parte nao occorrera novidade alguma entre as
suas fofas.
Nesta data apresenlou-se neste acampamento
o regiment n. 33 s ordens do tenente Paulo
Aquino.
Esla communicacao remeltida s 7 horas da
noute.
Em 26 de maio de 1865.
Parf ordinaria. Viva a repblica do Paraguay I
Exm. Sr.Com meu acostumado respeito tenho
a honra de levar ao conhecimento de V. Exc que,
em consequenaia das grandes chuvas que desde
segunda-feira 22 do corrente, continuaran) duran-
te tres das a fio, ficou o arroio Igarup extrema-
mente crescido, ficando at a dala desta quasi no
mesmo estado, por cuja causa esl impedida a pas-
sagera das carretas que despachei deste acampa-
mento para conduzrem do porto da Candelaria as
canoas que devera acompanhar o exercito, e ficam
na margem do arroio esperando que descara as
suas aguas para executar a condueco menciona-
da. Por esta mesma razo no fiz passar os bois
e os cavallos, para evitar perdas desles meios de
locomoco, qne por sera duvida causara a rpida
correnteza do arroio, ficando a meu cargo adiar
um meio de mandar fazer sem risco a passagem
destes meios de locoraocSo para me por em mar-
cha.
Juntos remello a V. Exc. os mappas pessi..es
das fofas do meu commando, e dos enfermos,
morios e doentes de gravidade que existem nos
hospilaes militares desle acampamento e da villa
da Encarnaco.
Os exercicios doutrinaes continan) com muita
actividade, e todos os corpos se acham em estado
de fazer qualquer servico de carapanha, e lodos no
raelhor p da guerra.
Eesie acampamento e na villa da Encarnago
ne ha novidade alguma ; ficando as (ropas na sua
acostumada boa ordem. Al este momento em
que despacho esta communicacao9 horas da noi-
tenao recebi ainda a parle do major Duane, que
supponho quo deve ir desde hontem em persegui-
cao das partidas correntinas disseminadas pelas
costas dos Cuayses.
.Deus guarde a V. Exc. por muitos annos. Em
27 de maio de 1865.
frgil cranla, que apezar da sua magreza exces-
siva, de-atiava a sympathia pela regularidade de
seus traaos, movendo a corapafxo pelo abandono
em que jazia.
Se Ihe dessem um raio de loz para os cilios, ro-
sas para as faces, alimento para o corpo e vesti-
dos para a nudez, aquella ente fraco, se levanta-
ra alegre, como um passarinho que desprende o
canto ao romper d'alva.
Essa creanga era apenas um pretexto para exis-
tir urna alma.
Tinha mais apparencia que realidade.
Era mais urna viso, que um corpo humano.
Dir-se hia um botao de rosa, sem um raio, de
sol que o aquecesse, nem urna gola de orvalho que
o borrifasse I
A' soleira d'aquella triste habilacao, se havia
sentado a imagem da pobreza, com os olhos enco-
vados, os cabellos em desordem, cubera de an-
drajos, miseravel, repugnante, hedionda, com a
mo estendija caridade publica I
Aquella misera crealura tinha o doce none de
Mara e aquelle arremedo de creanga, tao choroso,
tao abatido e to digno de lastima, sorria-se com
um dessessorrisas doeotios, que enternecen) o co-
ragao, ao nome da Cesar.
Cesar era o fructo das primeiros amores de Ma-
ra.
II
Muilas vezes, ao calii da tarde, via-se aquella
sambra de muiher, sen'.ada porta, contemplar
os ltimos raios do sol, que desappareciam atraz
das montan!) is e as sombras da noute, que a pou-
co e pouco lara escurecendo o azul do co.
Pobre mi I
Como aquella luz que se extingua, a esperanga
ia fugiudo do seu corago, cujo vasio, n> enchiam
no as lagrimas da allicgo e o el do desespero..
Houve tempo era que a joventude Ihe engrinal-
dra a fronte cora flores, em que seus labios se
entreabriam n'um sorriso de ventura, e o amor ti-
nha um aliar no templo de sua alma.
A seus ps rolavam as flores da lisonja o a ima-
gem do prazer, canuuhava seu lado, revestida
das mais fascinadoras formas.
Mas tudo cesson.
A felicidade na trra, passa coma urna nuvem
do co.
Um sorrisoassemelha-se urna lagrima.
Por um momento de prazer, um seculo de sof.
frimento I
Maria, bem depressa viu esvaecerem-se os seus
bellos sonhos, e erguer-se terrivel o phautasraa da
realidade.
A' primavera succedeu o invern, s flores os
espnhos, e s mil seduegoes de urna vida risonha
e feliz o desespero, a angustia de urna existencia
que se arrasla pela senda amargurada da miseria I
Era o reverso do quadro.
111
Mana, como tantas outras pobres creaturas,
nascidas debaixa de um lecto humilde e sem mals
outra riqueza, que forrausura do corpo e a inno-
cencia da alma, fura vctima dos instineos bru
laes de um de:ses Cresos modernos, cuja opulen-
cia foi alcangada por meios torpes e ignobeis.
Raga maldita I
iomens-morcegos, no dizer do poeta que odeiam
a luz, porque vivem as trevas.
Riera se de ludo e esquecera-se de si.
Erguem um patbulo a virtude e fazem o papel
de carrasco.
Apupam a assengo da alma e applaudem a
queda do corpo.
Enojara-se da lama e vivera no esterqulino I
Quaotos mancebos libertinos nao existem, qu
fazem da houra una escada, para chegarem a con-
j summacao de seus nefandos detejos ?
Quantos por um momentneo prazer, nao lan-
. cain a vergonha, a deshonra, dur e o desespero
\ no seio de urna familia, desafiando o sarcasmo, a
i irona e o apetite de escndalo, aos entes desoccu
pados, aos vagabundos, aos arautos do infortunio
alheio, s nojenlas harpas que viven de macular
o crdito e a reputago dos outros ? I
Quantos velhos gamenhos, nao vegetan) por ah
alm, cuja vida um tecido de v icios e crimes,
cujo contacto, bastante para langar por trra a
mais solida reputago? I
Entes cheios de faluidade, que julgam-se os pri
meiros em inielligencia./em carcter, em opolen
ca, em bom gosto, em Elegancia, em trato, tudo
isto giiia nominor leo, sem se lembrarem das pala
vras de Quisto, que dise : aquelle que se reputar
o priin'-iro, esse ser o mltimo.
O espectro do passaDo, poe-se em lula com o
apostlo do futuro. /
O invern cebarlo eje gelo, quer disputar as fl
res da primavera.
U caruncho tem pre'lragdes bella flor 1
Que se nao vera lio; que ao lado do wagn do
progresso, caminha Ir irapliante o carro da desmo
rahsago I
Voltemos Maria.
Abandonada pelo ihfame, que havia desfolnado
em, desprezada por aquelles
pomada com o dedo como
a muiher fugira da socieda
seio da natureza, deixara
loba, a quera tivessem roubado os cacborriooo,, E> sabid0i de ha mo0( qoe a|gons Dg|eies ,e
ergua as mos postas para o co, camnbara de um vam 0 mercantilismo at ao ponto de venderem a
lagar para outro,ajoelhaya, cborava, ra, pedia.tnp- seas proprios inimigos as armas de qae necessi-
P'icava taro para se defenderem contra a domnagao bri-
Esta changa tem fone, senhor, exclama ella,' tannica.
desde hontera que nao possuo urna ragalha para A proposito disto, o Sicle, jornal parisiense, cita
Ihe dar; vele estes pellos esto seceos, s tenho | um facl0i que acaDa e occorrer na Nova Ze-
lajrrimas e meu filho nao quer as minhas lagrimas landia.
porque ellas amargara, nio sustentara e podem afo- 0s co|onos eslio all ero gaerra aberta com os
ga-lol Senhor raeu Deus, por piedade I vos qae naluraes, e vend.am, recenteraente, a estes ltimos
chamaveis para o vosso lado as criancinhas, cora- a5 mUD55es de guerra qae Ibes permittiram pro-
1 loogar a sua defeza durante tanto tempo
Ura jornal inglez assegura, de feito, que orna
'
canto escuro, fazeime devorar pelos vermes, redu-
zi-me a p, dispersai-o com o vento, que nao reste
de mim porgo igual a um grao da areia, mas dai-
me pao para alnviar a fome de meu 0 ho, enxugai-
Ihe as lagrimas, serenai aquelle corago, que ca-
paz de cessar de bater de um momento para ou-
iro I
A pobre mi toroava se silenciosa por algum
lempo, dir-se-hia que esperava urna resposta no
meio daquella mudez geladora, e s de quando em
quaudo inlerrompida com o choro enfraquecido da
crianga.
Dcpols tornava :
senhor I Senhor 1 nao me ouvis 1 Escutai:
Vos fosies filho, nunca vistes vossa mi chorar.
UM P0DC0D1TUD0.
Exirahmos o segrate escripto do Sr. Antonio
Maooel dos Res:
UM QUADRO DA VIDA.
1
tira um pequea casebre, collocado no alto de
Urna collina, coberto de palha e cujas paredes es-
buracadas, davam entrada ao vento eacbuva
existiam ama pobre muiher, moga na idade, mas
j velha no softVimento, tendo por companhia urna
a sua grinalda de flf|
que Ihe deram o ser,
urna muiher perdida,
de, para abrigar-se
a companhia dos homp
de Deas.
A deshonra urna
ns, para viver raais perto
gao, a veris triste,
olhos enxulos, porqui
)orla aberta miseria.
Se vos aproximardes da soleira de sua babita-
esqualida, abalida, com os
a desgragada ja nao tem la-
grimas para chorar, embalando nos descarnados
bracos o fructo das suas enlranhas, que se dbale
as angustias da lome.
IV
O viajante que por ah passa, entregara muitas
vezes, laucando os olhos para a monlanha, voltan-
do a vista para o lado, procurando descobrir na
encruzlhada que faz o caralnho, ou a sombra da
matla-vrgem que estremece a sua raraagera ver-
de-negra ao sopro da virago, alguera.'que as an-
cias do desespero grita, lamenta, geme e soluga
comtanla tristeza e melancola, que faz lembrar o
po da codorna em ura campo silencioso, ou o ru-
mor da flaresta ao approximar-se a tempestado.
Se snecede o viajante avistar a.desgragada que
seestorce nos bragos do desespero, atlra Ihe urna
esmola aos ps e vai sea caminbo, lamentando a
sorte da infeliz ou maldizendo os momentos que
perdeu, conforme a brandara ou dureza do seu co-
rago.
Porm mais vezes acontece nao se importar o
viandante com os lamentos que parlem do misera-
vel casebre ou de algum sitio visinho, e apenas
langa um olbar indiferente para o lado, segralo
sempre I
Em balde a misera se revolve no eculeo da dr
embalde apona para aquelle simulacro de crianga,
que ainda vive porque respira; embalde ergue os
olhos desvarados para o cea, da morada dos rajos
nao desee allivio a seus males, conforto s suas
dores; a mo que se esleade e se abre na postura
de quem suppliea, che desalentada, birla, vasia,
como a mo de ura cadver I
V
Houve um da era que, essa frgil crealura, le-
vantando as mosinhas para sua mi, pedia pao,
com os olhos nadando era praolo, e sua mi s ti-
nha lagrimas para Ibe dar I
A misera desvalrada, com os olhos chammejan-
les, os cabellos dej-grenhados, furiosa como urna
casa commercial de Aukland, de cujos directores
um oceupou, e talvez oceupa ainda, um alto cargo
do governo da colonia, fazia nm commercio de ca-
botagem eolre este porto e a baha da Abundancia,
com um pequeo navio, que levava aos maoris a
plvora, o chumbo, os fulminantes e as espingar-
das, de que se serviam contra o general Cameron
e as suas tropas.
O mesmo navio trazia, na viagem de volia, bar-
ris com loucinho, e tornava a sahir, con Larri
vasios (ua apparencia), e saceos cheios de sal; po-
rm, na realidade, os barris estavam cheios de pl-
vora e es saceos cheios de chumbo.
Mas o que loma esle assumpto bastante curioso,
nuuca bebestes as suas lagrimas f Nao vos lera- t Que uin dos socios da casa commercial de que se
brais do fro que fazia na jornada para Belhlm, ^ (rata, teve a impudencia de formar parte de urna
olvidastes a sema da lapiuha, as lagrimas que ver-! deputagao de delegados, os ques foram a Londres
lestes no templa ao serdes eircumeidado, esqueces-
tes todas essas se as sempre orvalhadas de lagri-
mas desde Nazareth at o Calvario? I Por piedade,
Senhor I < O prauto de um filho sao gottas de
chumbo derretido, que cahera no corago de sua
mi. >
A misera pareca completamente douda, rojava-
se pelo chao, anda va de um lado para outro, beija-
va-a na lesla,/lirava-lhe o caballo de cima dos
olhos, exclamando ao v-lo solugar de novo :
Socega, meu filho, golta do meu sangue, frag-
mento de iiiinlia alma, tem paciencia, espera; do
tarda, Deus nunca falla ; vais ver que abundancia ;
nao choraras mais, sers feliz 1 Oh muito feliz !
Eeu...Mas, Senhor, continuava a desventurada
lorcendo as mos, bem vedes que ha mais de vrate
e quatro horas que elle nao come; notai bem, vio-
le e quatro horas de agonia, ura seculo de soffri
ment para um ente to fraco 1 Nao bastante,
meu Deus? Que fez esta pobre crianga? Ah I ah 1
ah I e desatou a nr com ura riso infernal; a que-
da de sua mi que a arrasla pelo abysrao da mise-
ria 1 Desgragada, maldita que sou !
Maria conservara-se por algum tempo, de p,
cora as mos sobre a cabega, o olbar lixo, a bocea
enire-aberta, como que horrorisada diante de nao
sei que medonho espectro que s ella va.
A crianga ja' sem forgas para chorar, arquejava-
se como quem lem vencido grande distancia.
As lagrimas Ihe haviam crystalisado em seus
olhos.
A pobre mi, como que acordando de sbito do
exlase em que se engolfara, sahia do casebre e
quasi no mesmo oslante vollava, percorra os can-
tos, langava os olhos para a crianga, fallava com-
sigo mesmo palavras incoherentes, sem nexo, em-
fira delirava. Dir-se-hia urna hyena presa dentro
de urna jaula c desesperada por nao poder arrom-
ba-la e fugir I
VI
Decorrdo algum tempo, certo viandante, que, ao
passar urna vez pela estrada, havia atirado urna
esmola no regajo da infeliz, vio um bando de cor-
vos voando ao redor do humi de casebre.
Ento, levado nao sei por que sinistro presenti-
incnto, que Ihe desponlou n'alma, apeou-se, amar-
rou o animal no tronco de urna arvore e bateu na
carunchosa porta.
Ningnem respondeu.
Bateu de novo.
O mesmo silencio.
Bateu lerceira vez e com mais forga.
Nada.
Falln, chamou e gnlou.
Sempre a mesma quietaco.
Aquelle casebre era um tmulo e o turnio
mudo.
Eutao o "andante presentindo algum lgubre
acontecimenlo, arrcinessouse contra a carunchosa
porta, que sem difliculdade cedeu.
Franqueado o iogresso, um scenario doloroso,
descorlinou-se diante de seus olhos, tornando o ex-
la ico sobre o luiiiar.
No meio do casebre, fronteando a poeta e esten-
dido sobre o chao lodoso, jazia um cadver de mu-
iher, e mais para o lado sobre um molho de palha
hmida, estendia-se o cadver de urna crianga.
Ambos eslavam em estado de putrefaegao, mas
ainda distinguiam-se as feigoes.
Aquella muiher era Maria.
Aquella crianga era Cesar.
Maria conservava as mos anidas na attitude de
quem implora; conhecia-se que havia morrido pe-
dindo a Deus alimento para seu filho 1
Cesar tinha os bragos cabidos era abandono, a
pelle myrrhada sobra os ossos, eduas gallas de la-
grimas gelada no canto dos olhos.
Adivinhava-se que expirara pedindo pao I
Oremos por elles.
r do Sr. Tobas Brrelo de Menezes esta
poesa :
IDEA.
Amo-te muito; nao temas
Que possa diz-lo. Espera...
Comtigo sos eu quizara
Beijar a mo do Seohor ;
No ninho das rolas castas,
No ralis das flores puras,
Guardar as nossas ternuras,
O nosso morrer... de amor.
Quizara aquecer-ten'alma,
Candida, meiga avezinba
Unida ao mea peilo, minha...
Como dizer ?...minha irma
Coraiigo brincar tarde
Na mesma sombra florida,
Respirar a mesma vida
Nos perfumes da manhaa.
E noite, quando medito,
Quando as lagrimas enchugo
No fogo de um verso de Hugo,
Mais duravel que um tropho
Podra ver-te raen lado
Chegar amorosa, louca
E dar-me na toa bocea
Alguma cousa do co.
Podra ver-te mimosa
Com a iranga desfeita, esparsa,
Movendo s roupas de garga,
Nos meus segredos bolir;
Juntar ao calor, vida
Do lvro amado que leio,
O palpitar do tea seio,
A graga do tea sorrir.
S tu podraspassando
Como um aromaaos ruidos
De harmoniosos vestidos
Meu corago accordar;
Derramando,enternecida
De amor, de candidos reos,
0 oheiro dos teus cabellos
No fundo do meu pensar,
solicitar do ministro das colonias que se proseguisse
com malar vigor a guerra em a Nova Zelandia, e
que se augmentaste o numero dos cruzeiros que
vigiavam a costa, alira de impedir que os indge-
nas recebessem armas e munigoes dos prfidos
yankees I
Nos nossos lempos a melhor profissao a do ar-
tista lynco, sobretudo para os principes e prince-
zas do theairo italiano.
Ei aqu alguos clculos cariosos do redactor de
ura jornal iDglez :
Nao chegarara ainda ao nosso conhecimento os
algarismos do anuo crreme, mas sabemos que o
exercicio da academia imperial de msica durante
os ltimos onze mezes deu o resultado seguinle :
Gueymard caniou 63 vezes durante os onze
mezes.
Este artista custou, portanto, 2094o0 era cada
noile.
A Sra. Gueymard, cantou 40 vezes durante onze
mezes; 2705-
Faure, 15 vezes durante quatro mezes.....
36UJ0J0.
Bel val, 29 vezes durante seis mezes ; 1S9600.
uiuti, 20 vezes durante metade do anno (com
um raez de licenga); 1905000 por cada represen-
tago.
A Sra. Tedesco, 6 vezes no espago de tres mezes
(cora quatro mezes de ausencia) ; a Sra. Tedesco
recebeu por consegrante 4:200 ou 700 por cada
repre^enlago.
O tenor mais caro que a academia de msica
leve, loi o allemu Niemann, especialmente escri-
turado para a opera Tannhauser, na razo de.....
3:2009 por anno.
Tendo se opposto Ricarde Wagner, compositor
da referida opera, que fez um fiasco completo, a
que Niemann cantasse outra qualquer opera, e ten-
do ido scena somenle tres vezes o Tannhauser,
Niemann ganhou 1:066$660 em cada represen-
tago.
A Sra. Gueymard, s por proferir estas pa-
lavras :
Alerta, meu pai I
ganhou I&200;
Entremos, estonos espreitando ;
LJ'riO;
E vos, meninos, ouvisles-me f
800 rs.
Dividindo por compassos o papel de Tannhauser
chega-se ao resultado mais sorprendente que se
pode imaginar; e se se calcula quanlo cuslou o
movimento scenlco, v-se que iNiemann recebeu :
Por levantar o< olhos ao co, 20400.
Por passeiar pelo palco scenico, 21J200.
No Trovador, de Verdi, o papel de Agucena cus-
tou 37^600.
A Sra. Tedesco, pelas palavras :
Insensato I
Compaixao eslranha I
recebia 285400.
Na scena IIIacto 2o :
Meu filho t
recebia 3*200.
Boonehee desempenhava o papel de conde na
razo de 10:0005 por anno.
O conde :
Aproxima-te, ornars mentir ?
ganhava 125-
Agucena :
Falla 1
ganhava 35-
O conde : ,
Onde ides ?
ganhava 15
Agucena :
S Deus que o sabe !
ganhava 25400.
O mais engragado de tudo islo que as cidades
inferiores fazem todas as diligencias para ler tbea.
tro italiano.
Nuuca se vio a moderna Babylonia, Isto Pa-
rs, mals sensata, mais moderada e mais sobria do
que actualmentee em tudo.
E' entrar nos cafs quera quizer ver.
J nioguem loma caf seno em canecas de meio
litro de agoa; e os fregue:es a gritarem sempw.
Mais agoa I
ET verdade que se bebe Ghartreus, mas
Chartreuse afogada.
Echa! como se bebe cha I misturado cora rhum,
verdade, mas em que dse infinitessimal I
Seis gotas em urna chavena, e seis gotas exacta-
mente medidas, por que muitos traxem os pesa-go-
tas metiidas na charnleira.
Ouiros nao hesitam era tirar de ora bolso ara
frasquinbo com ludano e laucar quatro golas em
um torrao de assucar, que absorvera piedosamaaia
antes do caf-agoa.
ET o que se cbama o melhodo Velpeau.
A absteogo subsiitue o absynthio.
Anda ha pequeas reonies de familias, mas
acha-se o punch substituido por infusSes de golfo
nympha, alga palusiris ou nenuphar, que vem a
ser tudo a mesma consa.
E' muito tranquilla a alga paluslrs, porm pre-
ferivel o ludano para quem se lembrar oopium
non sedato grande Sydenham, do Hippocrales
inglez.
Mas o parisiense tem raedo do laudaoo.
Nao quer parecer-se cora os chinezes, e ingurgi-
ta plantas chamadas refrigerantes.
Annnnca-se qae o governo anstriaco, para rea-
lisar economas, lem a inlencao de suppnmir a sua
Imprensa imperial, a qae deve a arte lypograpbica
numerosas obras primas, e que ora dos mais ira-
portantes eslababeleciraentos typograpbicos da Eu-
ropa.
Grande numero de funecionarios que dirigem os
seus importantes trabalhos j receberam commu-
nlcago de que sero despedidos no lim do anao.
PERNAMBUCO- TJP, DE F. PE F, oJLHQ

'
*v,"
^
ijii- i i
,i~"*"V
-k-Jr,
HMM
" -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOJSKW22X_F1RGB5 INGEST_TIME 2013-09-04T23:09:24Z PACKAGE AA00011611_10846
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES