Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10844


This item is only available as the following downloads:


Full Text
iHfl XII. BDMEBO ffl.
Hr q cartel pago den ir de 1 das do 1, mez ...ti.
dem depois dos i."' i Odias do comecoe dentro do quartel. .
Porte ao comi por Ires mtits.........., :


SEXTA FEIRA 15 M DEZEMBRO BE 1861
191061
3|000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Atexpndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracat), o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, oSr: J. Jos da
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antooio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SL'BSCRIPQAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claodino Falco Uias: Bahia, o
Sr. Jos M.irlias Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparioho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agua Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Beuto, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
(ngazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueio e Ex, as quartas
feiras.
Senntiem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta Pimenteiras, na* opiatas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relagao: tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo docemmercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos : tergas e sextas s 10 horas.
Primeira Tara do civel: tergas sextas ao'-meio
dia.
Segunda vara do civel*. quartas e sabbades 11
hora da larde.
EPHEMEUIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
2 La cbeia as 4 h., 24, m. e 45 s. da t
9 Quarto ming. as 9 K 33 m. e 28 s. da t.
18 La nova as 2 h., 10 m. e .14 s. da tn.
24 Quarto cresc. as 1 h., ti m. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
11. Sepnnd 8. Dmao o. m.; S. Francisco c.
li. Torga, Sj Sereno; S. Epimacho m.
13. Quarta. S, Loza v. tn.; S. Eustracio m.
14. Quinta. S. Acuello al> m.: S. Matronlano it>.
la. Sexta. Si Albina m.; S. Ceeill no m.
Iti. Sahbado. Ss Anania. Muaei e Azarias mm.
17. Domingo. S. Flonano m.; S. Colanico m.
PliEAMAR DE HOJE.
Primeira as i horas e 6 m. da tarde
Segunda as 2 huras e 30 minutos la manhaa.
PARTIDA DOS VAPORBS QOSTEIROS.
Para t sol at Ala toas a 14-*10;. para o
ata a Granja a 7 e 22 de cada 0Mf; para Fernan-
do nos dias 1 \ dos mezes de jacsH*o, margo, ma: o.
julho, setemhro e novembro.
ASSIGNA-S2
no Reeife, na livraria da prag da Independencia
ns. e 8, dos propietarios Maiioel Figueiroa d
Fara A Filho.
PARTE QFFlCIAL
G0VB1N0 DI PHOVIMU.
Espediente do dia 12 de dezembro de 186o.
Offleio ao Exm. cooselheiro Dr Lourengo Trigo
fle Loureiro.Tendo uesta data, e de conorniida-
de com o artigo 20 do regnlamenM de 24 di feve- i
retro de 1855, e aviso de 22 de Janeiro de 1862. de-
signado o conselheiro Dr. Jo Bento da i-unha e
Figueiredo, para na qualidade de comm ssario do
governo assistir aos exames a que se tem de proce-
der na Faculdad- de Direita desta cidade nos metes
de fevereiroe raarg* do aonn vindouro, e a V. Etc.
para substitu la nos seus impedimentos: assim Ih'o
communico para sea conheciraeuto Ofleiouse
neste sentido ao Exm. conselheiro Dr. Jo- B-nto
i. Cuoha e Figuelredo e communicou-se ao Exm.
Visconde de Caraaragibe.
Dito ao Exm. coinmenda lor Domingos de Sonta
Leo presidente da associagao Protectora das Fa-
milias dos Voluntarios da Patria.Remeti a V.
Exc. a inclusa relago nomiual e requenmentos a
ella annexos dos voluntarios da patria do 3. corpo
que wguiram para a corte no vap >r inglez Agnes
Arckle, atim de que essa associagao os atienda como
julgar de jusliga.
Dito ao gener.il commandante das armas.-Man-
de V. Exc. in-pecionar o paiano Manoel Joaquim
Ferreira olerecido pelo guarda nacional Jjs Igna-
cio da Silva Gomes de que trata o incluso requer-
ment.
Ditoao mesmo.Queira V. Exc. informar-me
acerca do que pedem nos incln-os requerimentos
Epi.hanio Mauricio Wanderley, Felippe Martins de
Soa-a, Vic-nte Ferreira de Barros e Thereza Ma-
ra de Jess de que tratara os inclusos requerimen
tos.
Dito ao mesmo.Srvase V. Exc. d- mandar
inspeccionar a Francisco de Paul Maeiel, Luiz de
Franga Feij Mello, Eslevo da Muta Oliveira, Jos
Bertiardino dos Santos e o tenente Jos Antonio da
Gama de que tratara os inclusos requerimentos
Dito ao mesmo.Sirva se V. Exc. d informar
acerca do que pedem nos ktelu-NM requerimentos
Jos Paulino de Moura e Silva e Eduardo Alfredo
Rineiro de Mallos.
Dito ao mesmb. Sirva-se V. Exc. de mandar
inspeccionar o voluntario da patria Theodoro Xa-
vier de Oliveira de que trata o incluso requeri-
mento.
Dito ao inspector da ihesourarla de fazenda.
Annuindo ao que sollcitou o commindanle supe-
rior da comarca de Xazarelh em officio de 17 de
novembro ultimo, sob n. 238, recommendo a V. S.
a expedig.io de suas ordens para a* nao havendo
inconveniente sejara pagos pela respectiva codelo-
ria ao lenle coronel eouiiiiandaiii; do batalho n.
18 de guardas nacional d'aquelle municipio, em
vista do prel junto em duplcala a qnanlia de
16560 res, em que importara os vencimentos
abonados a urna escolta composta de pragas do
predito batalho que conduzio para esta capital os
guardas naciooaes Joo Baptista Leile Tola Ber-
nardo Lopes de Barros, destinados a guerra, bem
como o recruta Francisco Jos de Araujo, que fot
remettido ao marerhal commandante das armas;
para o servigo do exercito segundo con-ta da infor-
macao do cliefe de polica n. 1907 de 6 do corren-
te mez.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar a Quintilia-.
no Ferreira de Araujo a quanl-a de 404O00 res,
por qne contraiou a coDdugo para a comarca de
Flores dos artigos de fardamento destinados ao 4."
corpo de voluntarios desta provincia segundo cons-
ta de offlro do tenente coronel commandante da-
qu'-ile corpo daiado de 26 de novembr ultimo.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S para os fins
convenientes as inclusas cocas por duplcala da
receita edespeza da infrrmana militar relativas ao
mez de ouiubro ultimo.
Dito ao mesmo.Kesnnndendo ao "ffleio que V.
S. me dirigi hoolein, sob n. 888, tenho a dixer
que mande pagar sob minlia responsabilidade nos
termos do decreto n. 2884 do l" de fevereiro de
1862, visto nao haver crdito para essetira a qnan-
tia de 140^000 reis, que se est a de ver a Joa-
qun) Jo.- Ferreira Penha, provenienie dos con-
certos que fez na ponte da fortaleza do Brum.
Diio ao mesmo. R^siituindo o conliecimenio que
veio annexo ao offl.io de 25 de novembro ultimo,
n. 863, com o qual V. S. submetteu a minha con-
sideragao o parecer da conladoria flessa thesoura-
ru dado acerca do pagamento dos objectos ijue rm
virlude de ordem desta presidencia foram compra-
dos com urgencia pelo conselho de compras do ar-
senal de guerra com destino ao lazareto da ilha do
Pina, tenho a dizer-lhe rm respusta ao seu citado
oiDcio que mande effeciuar esse pagamento em
vista da informaco junta por copia ministrada a
esse respeito pelo director do mesmo arsenal cm 20
daquelie mez e sob o. 469.
Dito ao inspector da tliesourana provincial.
Com a inclusa copia do otlicio do eugenheiro fiscal
da estrada de ferro, de 2 de novembro prximo
fiodo, satisfago a requisigo de V. S. constante de
seu officio de 21 de oulubro ultimo, soh n. 427.
Dito ao mesmo.Expega V. S. as suas ordens,
para que estando em termos o prel junto em du-
plcala a que se refere o officio do commandante
superior deste municipio, de 6 do correte, sob n.
459, sejam pagos os vencimentos relativos a 2*
quinzena do mez de novembro ultimo das pragas
do 5 batalbo de guardas nacionaes destacadas na
freguezia de S. Lourengo da Malla.
Dilo ao mesmo.Autori.-o V. S. nos termos de
sua iuformago de 7 do correule, sob n. 484, a
mandar dispensar a Francisco Cornelio da Fonse-
ca Lima da multa em que incorreu por nao ler re-
querido ao consulad* provincial dentro de 30 dias
para ser all averbada a transferencia da casa ter-
rea que arramalou, sita no pateo do Paraizo
n. 22.
Dito ao director das obras militares.Qneira V.
S. examinar e apresentar-me o orgamertto doscon-
certos neces&arios no quarlel do deposito de recru-
tas de que tratam os inclusos odiaos que me scro
devolvidos.
Dilo ao director do arsenal de guerra.Recom-
mendo a V. S. em addilameolo ao meu officio de 3
de novembro ultimo, que mande entregar a Quiu-
tiliano Ferreia de Araujo qne se ach para isso
aulorisado pelo teoente-c. roiiel commandante do
4 corpo de voluntarios desla provincia, 300 farde-
tas brancas, igual numero de caigas, bonets, grava-
tas e chapeos e no 200 de cada um de laes ar-
tigos de fardamento maudados furuecer por aquel-
lo meu officio ao predito corpo, cuju numero de
pragas ja sobe a 250 como consta de officio do
mencionado lente coronel, datado de 26 do cita-
do mez de novembro.Communicou -e ao predito
tenente-coronel.
Dilo ao mesmo.Remelta-me V. S. com a maior
urgencia possivel a relago nominal de africanos
livres exigida pelo aviso circular do ministerio da
justiga de 26 de ootnbro junto por copia e com to-
das as declaragdes oelle coudas.
Dito ao vigario da freguezia de Taquantinga.
Devolvo a Vmc. o mappa dos bitos havidos nessa
freguezia, no anno passado que Vmc me envioa
com o seu officio de 18 de novembro findo, atim de
que depois de organisado de conformidade com o
modelo que acompannou a minha circular de 9 de
oulubro ultimo, ;"m'a remella com a possivel brevi
dade
Portara.O presidente da provincia, confor-
mndole com a proposta do Dr. chefe de polica,
d. 1,119 desta data resol ve exonerar a Pedro Pinto
de Miranda Forjaz, do cargo de subdelegado do
districto de Maracahype, 2* da freguezia de loo-
juca.-Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia allendendo ao
que requereu o promotor publico da comarca do
Limoeiro bacharel Jos Joaquim de Soulo Lima,
resolve conceder-lhe 20 dias de licenga com orde-
nado na f ma da lei para tratar de sua saude fra
diqu lia comarca.
Dita. O presidente da provincia attendendo ao
que requereu o alferes do 6o corpo de voluntarios
'da patria Francisco Vaz Pereira de Lucena e tendo
em vista o termo de inspecgo, resolve exonralo
do posto e dispensar do servigo da guerra por ter
sido jnlgado incapaz.
Dita.O Sr. gerente da compauhia Pernambu-
caoa mande dar transporte at Sergipe no vapor
Piirahyba em lugar de proa destinado a passagei-
ro de estado a Maria Palroira dr Carvalho.
EXTERIOR.
Iluenos-Ajres, 28 de noTemfcro.
Nao se desmente por cerlo o meu prognostico de
que dous mezes deviam transcorrer sem aeonteci
mrntos de guerra, propriamente ditos, pnrm, mal
poda soppor que a escassez de uovidades me re-
dujisse a nao ter que mandar di*er por nm dos pa-
quetes dacarreira.
E', sem embargo, o que hoje me succede, do mo-
do que poderia julgar-me dispensado de escrever
pelo Amo ; fago-o, porm, se nao em forga de um
dever, |>or influencia do habito.
Nao ha absolutamente noticias do exercito allia-
do po-teriores em data as que mandei pelo S. flo-
inao; nao as ha ao menos .do exercito brasileiro,
que eram al 15 e do exercito argentino e orien-
tal ha apenas alguma carta at 17, que nada
adianta.
As forcas do general Mitre anda nao tinham
transposto o rio Batel on estavam anda nessa ope-
rago, pretendendo um dos correspondentes c"os
jornaes de Buenos-Ayre" que ella no tinha sido
mai- rpida por eslarein as ba sas desse exercito
auxiliando a passagem das forcas brasileiras e
orlentaes no rio Corrientes.
Se de facto assim acontece mal aviados de meios
para a pasagem dos grandes nos paraguayos vo
as tropas impenaes, quando no rio Corrientes, que
de to pequea importancia carece das balsas
argentinas.
Felizmente alguma cousa que sobre este objecto
eu dsse em urna de minhas ultimas cartas nao le-
ra passado desapercebido aos olhos do goveroo, e
elle aproveitara a occasio de poder lulo enviar
embarcado al Corrientes afim de remdter ao exer-
cito imperial material abundante e ct-mmodo para
a passagem dos nos. Ninguem ignora que os rios
vo ser as trincheiras do exercito inimigo.
Com quanto deva considerar-se o Batel ura rio
de to pequea importancia que nada mais do
que um arrolo, elle pelo seu carcter de muito pa-
ludoso e por estar bastante cheio apresentava raais
difflculdades que o rio Corrientes. Assim em me-
nos de oito dias nao tero os tres exercitos verifica-
do a sua passagem.
Bom ir lomando nota destes uitecedentes para
que se nao estranhe a demora na- >perag5es sobre
o territorio paraguayo. Se em pequeos rios, e
sem inimigos a frente, to lenta a passagem de
qualquer arroio, dando-se a presenga do inimigo,
e sendo os rios caudalosos, fcil deduzir o quanto
vai costar vadea-tos.
Acaba de ser publicada urna ordem do diado
general Mitre, que algumas ceusnras vai merecen-
do dos homens competentes. Eis como e por-
que.
S. Exc. por essa ordem do da dividi o exercito
argentino em qnatro corpos de exercito, cada um
com que seu general rm chrfe, quartel general,
C"iniiii>sariado, repartigao de saude, transportes,
etc..
O primeiro e segundo d-->ses corpos de exercito
sao formados das forcas de BuenosAyres e outras
provincias, e commandados pelos generaes Paune-
ro e Emigdio Mitre.
-endo opiniao geralinenle admittida que o total |
deseas forga nao excede de 12,000 homens. pare-
ce excessivo luxo de organisago repart-las em
dous cor|>os de exercito, muito mais quando vo.
operar juntos.
Nem lalta quem explique essa organigo por al-
goma rivalidade que ha entre os generaes Emilio ,
Mure e Paunero, em termos que nenhum queria;
ser commandado pelo onlro, sendo necessario dar
a cada um seu pequenino eterclto, que ambos fi-
cara subordinados ao general presidente.
O 3o corpo do exercito argentino parece ser for-
mado pelas milicias correnlinas sob o commando
em chefe do general Hornos, sendo seu immediato
o general Careros. Este exercito,que apenas pode
constar d 4,000 homens, lodo formado de raval-
laria, uu s c; .111 aiguin escuadra de>monlado, ar-
mado da nifaularia.e toma adenominagao de exer-
rilo de vanguarda. i
Finalmente o 4o corpo do exercito argentino c o
do general l'rquiza, que, como logo direi.est loo-
ge de merecer e>sa significa g:io.
Urna orgaoisago de forgas to ostentosa nao s
faz absoluto contraste com a do Paraguay, onde um
tenente comrnanda um batalho, mas ainda com a '
do exerciio brasileiro, que alm do marecbal s
conla dous ou tres brigadeiros, tendo alias forca
maior. e brevemente forga dupla que o argn-
lino.
A outros respeito, e sem sahir anda do appa-
ralo militar dos exercltos, ha contrastes sorpren-
dentes.
Ao passo que o quartel general do Sr. Mitre apre-.
seota o aspecto formal e ostentoso de um generala-1
to em chefe europeo, nao faltando mesmo uro pes-
soal numeroso de ajudantes de ordens e secreta-,
rios, todos mogos de distincgao e intelligencia, o
do nos*o general, o Sr. sorio, ura modelo de
singeleza espadaa.
despreoecupado marechal dorme mal, come
peior, e nem sempre tem a mao um esrrevente pa-
ra lhe faier um officio, e embarga^ para esse lira o
primeiro offlcial que se lhe aprsenla.
Se, pois, um eslrangeiro desprevenido visitas e
um e outro exercito sem a meoor duvida lomarla
0 da Repblica pelo do lmiierio,que sempre teve fa- j
ma de ostentoso, e ao contrario o do Imperio pelo
da Repblica, ao ver a modesta representagao de
seu quarlel-general.
Deixo a quem compita julgar se as cousas vo
bem assim, ou se nao seria mais conveniente que,
posto se vo agora reorganisar os exercitos allia- j
dos para entrar em campanha, e tanto crescem as
toreas do Brasil, se lhe dsse urna boa, digna e
apropriada orgaoisago,
Como ha ponen disse, o exercito entre-riano foi'
considerado no numero do qnatrn em que se re-
pariem as forgas argentinas. Mas, eis urna singular
contradiego.
Nao exi-tc mais exercito entre-riano. dos a es-
tar pelas noticias do Paran, que publicam os jor-
MM de Buenos-Ayre, e particularmente a Nanon
Argentina, elle dissolveu-se completamente ficando
s com o general Urquiza alguos centos de homens
de infantaria.
Por tal forma acha-se contratadictada a organi-
sago do general em chefe de que me estoa oceu-
pando, porm anda por onlro motivo ella o tal,
o de declararen os jornaes semi officiaos de Entre-
Ros, qne as forgas do general Urquiza foram li- j
cerdadas por ordem do Sr. Mitre.
Como que se mandara, licengar forcas no nio-'
ment de as contemplar no quadro das que entram
era operages ?
A coolradicgo nao recahe. todava, no Sr. Mitre,
antes elle quem achou-se illudido contando com
o exercito entre-riano quando este, se que existi
eslava dissolvendo-se a toda a pressa. Quanto
ordem para o licenciaraenlo, de que fallara os jor-
naes entre ranos, nao senao urna mascara ao es-
candaloso facto de que pela segunda vez d exem-
plo a provincia de Entre-Rios.
Alm da nova orgaoisago do exercito, ou
exercitos argentinos, nada ha mais a observar sobre
ellos.
Marchava como procurando na linlia mais recta
a cidade de Corrientes, onde continua a crer-se
que teria alguma demora, para receber os suppri-
raentos de que carega, dar descanso as cavalhadas,
e mesmo esperar o momento em que de combina-
go com a esquadra, pudessem os alliados penetrar
no territorio paraguayo.
A vinda momen'.aoea do Sr. Mitre a esta capital
nem se confirma nem !>e destenle, mas nolicim-
do-a a follia semi-offlcial a Nacin, como simples
rumor, parece ter querido preparar o publico para
a verificaco do facto.
Sobre o exercito imperial que nada teem
adiantado as ultimas dalas.
Terminava elle a passagem do rio Corrientes, no
qual, alm de outros transtoroos, parece quo se ha-
via dado ura incidente bastante deploravel. Ten-
do-se afundado um bote de borrocha que ia carre-
gado de soldados, perecern* 11 delta, oulros di-
zem 15 e ha quem eleve seu numero a 25. Indo
essas forgas cem suas mochilas, correame e arma-
mento, suecumbiram por nao saber ou nao poder
nadar n'um rio to correntoso.
Sobre o estado moral e de salubridade de nos-
sas tropas nada tenho que accrescentar ao que as
minhas ultimas cartas tenho dito.
Dos lornecimenlos, apenas dire que me consta
ler a repartiegao fiscal imposto multas sobre mu
tas, pelas faltas at de gneros de primeira neces-
sidade, como a farinha, e al a carne.
Estavara-se dando caroeiros em lugar de bois
s nossas tropas, por nao haver gado vaceum.
Essa aliraentago tem, ao que dizem os mdicos,
qualidades mais hygienicas que a carne de boi,
mas n 1.1 se d em abundancia, e essa mesma pode
fallar.
Cre
sobre
territi
que
do chega da esquadra urna noticia de bastante Im-
portancia.
Ei-la :
No dia 23 do crrenle appareceu a vista della
um vapor paraguayo, tendo igada a bandeira de
parlamentario. O Sr. Barroso mandn logo ao
seu encontr a canhoseira Ivnhy, e alguma dis-
tancia desta, e prevemudu alguma emboscada, a
Paraguary. Ao chegar a Ivahy a* vapor para-
guayo arle ii o encalhado no ponto dito Boca do
Atojo. Era o Fin F>sh, e esta va de-armado.
O offlcial encarregado delle disse que trazendo
officios para o general Mitre, desejava eDtrega-los
ao cnefe da esquadra. De fado foi recebido a
bordo da lualty, que trnuxe o vaporzuho paraguayo
esquadra, onde se conserva.
O Sr. Barroso, recebendo os officios, foi imme-
diatamente leva-Ios ao governador Lagraa, e___
nada mais sabemos por ora.
Em Corrientes dizia-se que eram proposlgoes
de paz, olereridas por Lpez ao presidente Mitre,
talvez calculando que elle, embaragado com os ne
gocios de poltica interna talvez as aceitasse.
Do Paran escreve, porm, um offlcial brasilei-
ro que, segundo noticias recebidas da Assumpgo,
devia ter-se muiu cuidado cum esse vapor para-
guayo, que vinha explorar, emquanto Lpez pre-
parava urna expedigo de 18 vapores e 10o canoas,
cada urna com 40 homens para vir accommetter a
esquadra.
A Deus prnuvera Alem de qne a esquadra de
Corrientes j bastante forte para pnivertsar essa
frote, achavam-se j em 26 no Paran, porto, o
encouragado Tamandar e os transportes Leopol-
dina, Prtnceza, Imperador e hnperatriz levando
3,000 homens a sen bordo. C->m mais Ires ou
qnatro dias de viagera devem ler chegado a Cor-
neles.
Se a versao de seren pn-postas de paz tiver
aiguin fundamento, tranqullise-se o imperio : no
enviado especial do Brasil nao creio que haja reso-
lugo para aceitar paz com Lpez. Dentis tea-
mos boje elementos sobejos para ir sos ajustar as
contas aquelle perverso tyranno do seu paiz, e in-
solente aggressor dos seus vstanos.
o que a isto se limita ludo que ha a dzer
a guerra, pois o inimigo recolbido ao seu
rio nao da mais signal de si, e ou espera
a o vo buscar, ou arma alguma diada s
que suppde os alliados capazes de
imprudencias
commetier.
Direi agora que a siluago da Repblica
Argentina Do sati>faetona. As quesles levan-
tadas pelos provincialislas de Buenos-Ayres, sobre
a n.a capital aqu, e sobre a extmcgo dos d-
reito de exporlago, dando lugar a um azedo de-
bate na imjirensa, tem causado algum abalo no
espir lo publico, e certa desconfianga na actualida-
de argentina.
A ir.iva disto ve-se bem significada na baixa que
esto sollrendo os fundos pblicos, e que acaso
conli niara.
A essoa do general Mitre tem sido um dos
priuc paes (nemas da dscussao, defeodendo-a a
Nacit n, e exaltando-a a Tribuna, que no enlanlo o
acciHa de patronato escai>dalos>i no contrato de
forne-imento. Eotendam-os quem puder.
Eiinjoai.ti.i as cousas tomara era Buenos-Ayres
tao ruim carcter, em Entre-Rios nao s dissolve-
se o t-xercitc, ma levantarase panillas de amr-
chistas. O departamento da Par eslava j como
que dominado por um cabecilba de nome Be-
ron, e temia-se que nos outros o mesmo acunle-
cesse.
Em Corrientes surge agora a conienda cao de g ivernado'. Os nimos esto dividjdns, e
mesmo exaltadamente divididos, acensando se ao
general Mitre de querer Impiir a candidatura do
Dr. Torreo! que por ouira parte um moco iotel-
ligeute e de reconhecido patriotismo.
Parece que para verificarse a eleigo seriam
licenciadas por poucos dias as forgas corren-
tinas, levantndose o estado de sitio, em que
desde o principio da guerra foi declrala toda a
Repblica.
as proviocias centraes, e sobretudo na Rmja,
as montoneiras, dez vezes extinctas, reapparecem
cada dia mais vigorosas, a ponto de ter vindo offl^
cialmente a noticia, que est hoje desmentida, de
ler cabido prbioueiro dellas o proprio governador
Julio Campos.
Para cumulo de veuturas, os indios multipli-
can) suas depredacSes, e, alm de urna em gran-
de escala que prali'caram na provincia de Cordova,
leme-se que oulros pootos estejara seriamente antea-
gados.
E' conseguiotemeote bera desconsolador o qua
dro poltico interno que apreseuta este paiz, no
moraeutj que se acha a bracos com urna guerra
estrangeira, que devia reunir todos os argentinos
em roda da bandeira nacional.
A esse respeito bem honroso o contraste que
ulI-r.'iY a naca i orasileira. e a homens muito Ilus-
trados deste paiz tenho ouvido louvar a sisudez e
patriotismo do povo, dos partidos, do goveroo do
Brasil, encerrando todas suas aspiragoes no hist-
rico debellare brllttm do Sr. Olinda, digno arauto
de to digip erado.
O Sr. conselheiro Octaviauo regressou esta ma-
nhaa de Montevideo, ende permaneceu seis dias,-
cooseguiodo, com muita facilidade, ao que me in-
formara de la, arraojar assumptos de alguma con-
sideiagao que o ubngaram a essa viagera.
E' que o conselheiro Octaviaoo, pela sisudez, e
ao mesmo lempo Ihaneza com que procede com
estes governos, inspira-lhe a contianga que tudo
facilita era uegocios diplomticos. -
Tambera regressju ha dous dias de Montevi-
deo oSr. vice-almiraote Taraandar, e S. Exc. pre-
para-se para subir o Paran depois do dia 2 de
dezembro.
S. Exc, no meu enten ler, j devia l estar, se
bem reconhego que o seu desembarazo oa expedi-
go das ordens minio facilita a expedigo das tro-
pas que vo chegando, e mesmo a de oulros recur-
sos militares.
Sobre este segundo objecto, seja me permit-
lido dizer, que mal iro os interesses do im-
perio, sobreludo quando o Sr. Taraandar houver
partido.
Nao sou eu, talvez com injustiga, que attribua a
oosso bravo almirante cenas habilitages adminis-
trativa?, mas patriota a toda a prova, honrado
at ao escrpulo, e sob essas duas qualidades, se
pode errar, sera sempre as melhores inlengoes.
Demais S. Exc. tem centralisado tudo sob >ua voli-
ta. ie nica e acgo immediata, de modo que ha vi-
gor no impulso.
Logo, porm, qne o Sr. Tamandar se afastar,
quem Qcai T
A mais esdruxula administrago que se pode
imaginar, pois sao dez cabegas a dispr, cada um
com poder discricionano. Ha cnsules, ha agen-
tes militares, ha___ nao sei que mais cousas.
Elles maodam, comprara, saccam as largas sobre o
thesouro nacional, e o represeolaole do imperio Da
elevada cathegona que lera o Sr. conselheiro Octa-
viauo nao pode por cobro a esse verdadeiro pan-
demonio.
Nao seria lempo de orgaoisar-se, ceoiralisando-
os, sob urna direcgo uoica, todos os servigos do
Imperio oestes paizes ?
Alm da rooralidade e bom cooceilo do imperio,
que economa i dinheiros do estado nao se alean-
garia nisso.
Aqui eslava eu na miaba, oorraspoDdencia, quan-
Esquadra imperial, surta no ancoradonro da cidade
de Corrientes, 20 de novembro de 1865.
Ha ma s de dous mezes que nao dou noticias
niinnas, e se assim tenho procedido porque ne-
nhuma emergencia interessante tem-se dado na es-
quadra bloqneadora.
Poderia nesta occasio recapitular os pormeno-
res de oossas ultima'' operages djsde 19 de ou-
lubro lindo al hoje. mas nao o fago porque ne
cesariamente uniros correspondentes l-lo bao fei-
to; e eu nesse ca-o representarla o papel de um
alvigareiro tardo. Entramos em Corrientes a 25
daquelle mez; os paraguayos nesse mesmo dia
desocenparam a provincia, e de um modo to pre-
cipitada que langava.7) fogo ao carreame e mais
bagagera pesada para que lhe nao estorvassem a
fuga.
Urna dlvisao da esquadra tem subido por qua-
tro vezes at as Tres Bocas e Passo da Patria ;
i-fu cruza.lo all por mais de duas horas a super-
ficie da grande baca a espera da esquadra inimi-
ga, mas sempre debalde.
Na segunda asceneo eocontramos o Ptrapebe. e
0 Ipor : aqu-lle ( que mais ousado ) facilitn,
mas dspois de cinco disparos feitos pela Belmonte
e pela ivahy, desippareceu velozmente carainho de
Humayta.
No da 18 do correte desceu a canlioneira ita-
liana Principe nlden, que eslava delida no Para
guay por desconfiarle o,ue quena avisar-nos dos
preparativos que se faziam n'aquelles lugares. A
canhoneira francesa Deeide, havendo subido re-
qoisicao (dizem) docon-ui daqut-l'.a nacao, con-e
guio que se afrouxassem as correntes que intercep-
tara a passagem por frente das bateras do llu
mayta, e entilo o Lpez peniiiitio que a Principe\
Uolden dMeessa
Veio a bordo desta ultima, como passageiro, o|
cnsul porluguez que resida oa Assumpgo, o Sr.
Madruga. Ao chegar mauifestou desejos de enten-
der-se com o cnefe Bairuso u liveram urna confe-
rencia.
As noticias que se tem propalado depois da che-
gada da canhoneira italiana sao as segrales: Os
pontos de concenlrago do inimigo continuara a
ser Humayta e Passo da Patria, ha cinco correntes
pas.-a*das das bateras para a margem opposta, e a
esquadra esta cima das crrenles.
O Cactqae, desesperado com o procedimento do
Lenidas da Uriguayan-i, ordenou que a familia
deste (a niiiin -i e tres lilhi.-; fosse condemnada
prostituigo forgada I
A primeira fui entregue aos foguistas de um de
seos vapores, e as donzellas a' furia brutal da tri-
polaco de um outro uaviol! Esse faci poe era (
sllenle relevo e carcter malvad i e devas-o desse |
monstro da especie humana, e por si s faz esque- j
cer a lou'ura dos Calanlas, e o cvnismo minino- i
so dos iVeros e dos Comtnodos 1 I
Desventurada esposa, desgragadas filhas I Nao
liveste a culpa, nao paciuast- de eerlo com as de-
predagoes, viuieucias e delloramentos que elle or-
oenoo e praticou era Uruguayana E a pesada |
pena de Thalio caluo suure vos! Mas com urna
dilfereoga, que foi applicada pelos vo^sos I
S vos resia agora cobrir de maldigoes o autor
de lanos baldes t
O sicario cevou-se no sangue e na honra das fa-
milias brasileiras I E pouco se importar com o
que solfreis, porque u'aqnella alma vil s pode alo-
jar se o iostincio iraigoeiro da serpele, e nunca
os impulsos da honra I
As familias correnlinas que foram conduzidas
pnsioneiras para o Humayta, esto collocadas em
pnses to pengosas as bateras, que sern in-
que.-tionavelraeiile as primeiras victimas desde que
nossa esquadra tizer a primeira tentativa para for-
gar o passo.
O coronel Carneiro de Campos e mais offlciaes
que com elles foram presos no Mrquez de Olinda
anda vivem : iam ser transportados dos carceres
de S. Joaquim para os de Assumpgo ou Humayta,
talvez porque Ins queiram reservar lambem uina
sorte igual a' que esperara as familias de Corrien-
tes.
o secretario de Madruga, um mogo portuguez
de nome Vasconcellos, adiando se em urna peque-
a reunan onde se discuta sobre a presente guer-
ra, expressou-se nesles termos : As armas do
Imperio u;io podein flear abatidas: quando mesmo,
em 11 dejuoho, a esquadra bra&ileira nao fosse a
vencedora, e sira a da repblica, esse revez nao da-
ra seno urna superoridade momentnea ao Para-1
guay : os recursos do Imperio, sua dignidade e ou-
tras circunstancias fallara muito alto em seu fa-
vor, e a queda da repblica queslao decidida. ,
Faliou a verdade; roas no dia seguinte foi en-
cerrado em urna priso e l contina a estar.
Consiou ao Barroso que no Paraguay prepara-
vam-se com muita pressa algumas ceoleoas de cha-
lanas, com o lira de receberem tropas de aborda-
gem, e, acorapanhadas dos vapores, faierem-nos
urna sorpresa a' noite. Ao principio nao presta-1
mos aiiengao ao boato, porque na realidade to
estpido o plano, quo digno da coocepcao dos ge-
neraes paraguayos; mas depois foi forgoso dar al-
gura crdito, porque o Barroso hoje mesmo expedio
ordem a' esquadra para que da< 2 horas a's 5 1|4
da maohia de cada dia se cooservassem as guarn-
1 (des dos navios em seos postos de combate, e que |
' alm disso urna dviso estivesse durante a noite |
' com as amarras sobre bnias, rogos promptos, vapor
; (ello, de modo que podein em caso de oecessidada
cahir de prompto sobre o inimigo.
Q exerci'o ajliado ja' passou o Batel, d ua van-
guarda, que esla' confiada a' brigada ligeira.do ge-
neral Neiio, esla" a 20 leguas desla povoago,
O nossoalmirante deva estar em viageir con os
eneonracados e mais o resto dos oossos navios que
andavao pelo Uruguay, e julgo que d'aqui a pou-
cos das mudaremos a nossa estaco para Passo da
Patrii.
21 de novembro.
Moje houve abordo da canhoneira Belmonte urna
sol i-oidade importante : o benzimento de urna
bandeica que o Imperador dra por suas proprias
maos ao 12* corpo de voluntarios da patria (corpo
policial da provincia do Rio de Janeiro^ comman
dado pelo tenentecorooel Joao Jos de Bnlo, no
acto de embarcar.
A- lidas affanosas, os multiplicados aazeres que
tem lulo aquelle corpo, privam o at agora de fazer
enecuva essaindspeusavel formalidade.
O comraandanle da Belmonte, o Sr. Piquet, pres-
tando sua guarnign aos Irabalhos que o bnlhanls-
mo da festa exigiam : o Io tenenle Frederic.o de
Sorena e guardas>marranas Wandencolk o Legey,
e-forgando-se na decorago da lolda do navio, e a'r-
mago de urna linda capella que armaram com tol
dos, bandeiras e sanefas com cores oacionaes, si-
tuada do mastro da mezena para a popa, conenrre-
ram em poucas horas para tornar sublime o lugar
da solemuidade.
Houve a celebrago de urna missa pele capello
do Amazonas o padre-mestre Antonio da Iraraacu-
da Conceico.
O chefe da esquadra foi o nadnnho do acto que
coraegou a's 10 da manhaa. Estiverara prsenles
o general Barroso, o coronel Bruce, os eneres Al-
vim, Jos Mana Rodrigues e Muratore.os sapillos-
lenles Uelphim, Piqu-l e Mamede, os lenles
comraandautes das diverjas caohoneiras, offieiaes
que nao estavam de servigo a bordo, ofBViaes ar-
gentinos do Guarda Nacional e do Libertad, cora-
mandante da eanbeira italiana Veloce e a offlciali-
dade do 12 de voluntarios.
A msica do corpo e urna guarda ao commando
do teueoie Andrade, sendo subalternos os alferes
Graiulino e Paiva, faziam as honras que a solem-
nidade requera.
Depois da benco, o chefe Barroso tomou o es-
tandarte e proferio as seguinies palavras, cheio do
mais vivo fervor eenihusiasmo :
Em torno desse pendo que se reunem os D-
ihos de Saota Cruz para desaggravarera a naciooa-
lidade ultrajada. Todos nos juramos Ddelidade e
dedicago ao Imperador e s leis, a estrella do
triumplio levara' o lbaro do Imperio a ireraular
muito em breve as torres de Humayta' e Assump-
go I O despota inimigo da liberdade dos povos vai
baquear ao impulsj do vosso valor I Viva S. M. o
Imperador I Viva a oago brasileira I Vivam as
nages alliadas I
O teueote-coronel Brito, comuiinlaate do corpo,
deu a seguinte ordem do dia :
t Soldados I E' esse talvez o acto mais solemue
do sacerdocio militar I
Reunidos peranle os principies chefes da nos-
sa esquadra, acabis de presenciar o baptismo do
eslaudarle que vos guiou no glorioso camioho das
victorias I
t Menagem ao general em chefe que vos condu-
zio a' posteridade I Hosanna ao Dos dos exercltos I
A' sombra do pavilho do Imperio venceste no
Riachuelo I Glora ao Imperador e a' oago, que
possue era seu seio lautos fllhos voluntarios ao sa
crilicio pela honra da oago I
Concorreste rom o impo>to de sangue as jor-
nadas de 11, 13, 18 de jnuho e 12 de agosto, sem-
pre com denodo e eolhusiasmo.
Tendes feito muito; mas ainda nao fizestes tu-
do. KatUa vos poucos sacrificios para ser com-
pleta a cora de no.sas glorias as presentes lides.
Ainda ha um baluarte que resiste; mas em breve
liaveis de aniquilla-lo.
Em breve, ao choque das armas cvllisadoras
das tres nages que se vincularan! pelos lagos da
allianga, veris debrugar-se, curvar se a empinada
altivez do despota do Paraguiy Depois, diluvios
luminoso. de emularn e de prngresso se derr-
marao por aquelles povos infelizes II...
Soldados 1 O Imperador e a uago exigera que
marchis de victoria era victoria, at que tenhais
assegurado a'quelles sirvo a liberdade tal qual
gozamos a' sombra das rastuuiges mais puras e
mais >as.
Viva S. M. o Imperador I
t Vivam as nacoes a liadas I
A msica tocou o hymno nacional.
Em seguida foi pelo mesmo commandante Brito,
capito mandante Roeha e mais offieiaes do corpo
offerecido aos presentes um copo d'agua. Senta-
ram-se a' mesa da praga d'arroas primeiro os che-
fes brasileiros, offlciaes argentinos e italianos, de-
pois a officialidade de manaba e da brigada desta-
cada.
Houve um brinde a S. M. n Imperador pelo com-
maudante da canhoneira Veloce, ura onlro pelo
chefe Alvun ao deputado Manoel Piulo de Souza
Dantas, por parle da armada nacional, pela honrosa
mogo que promoveu da represenlaco nacional
aos bravos de Kiachuelo, a primeira e a maior dis-
tincgo que tem tido a marinha imperial. Pelo te-
neme-coronel Brito ao Dr. Octaviano de Almeida
llosa, ministro extraordinario do Brasil no I-rata,
pela attitude brilhante que tem assumido na ques-
lao verlente. Seguiram-se diversos s nages allia-
das, aos vencedores de Paysand, ao visconde de
Tamandar, ao hroe de Riachuelo, ao coronel Bru-
ce, aos chefes das divisoes da esquadra imperial,
ao commandante do 12 de voluntarios da patria,
redempgao dos povos, etc., etc.
O padre-meslre Antonio da Immaculada Concei-
go bnndou a religiao do estado, a esse complexo
de dogmas inspirados pelo roartyr do Calvario, que
esparzio a liberdade e a frateroidade eotre os ho-
mens.
Mostrou eloquentemente, como do cimo do Gol-
gotha irradiaram-se as instituiges liboraes; e que
o Homem Deus, nivelando as condiges, quebrara
a cada de hronze dos privilegios mundanos.
O Dr. Jos Caetano da Costa, com a costumada
haliiiida.il! e (alentque o disiioguera, acompanhou
em seguida as expresses do padre-mestre, e le-
vaotou to alio quaoto possivel as vanlagens da
civilisago moderna.
Finalmente o capito de artilhara A. Tiburcio F.
de Souza pedio a palavra e fez o seguinte impro-
viso :
Senhores.Nos lempos em qne a sciencia e a
insirucgo eram o monopolio da nobreza, as classes
nao privilegiadas viviam sob a presso do despo-
tismo daquelles que ja nasciara grandes. O povo
era a clava, era a pesada massa dos gigantes ma-
nejada a capricho dos lyraonos. Esquegamos esse
lempo e laocemos ura rpido olhar sobre as gera-
gdes moderna, sobre este periodo grandioso das
epopas revolucionarias.
t Vemos o mundo Iluminado pelos fachos da
razio e da liberdade I Abenas as portas do templo
da importancia a todas as aspiragdes legitimas ; o
progresso, a industria e a locomotiva das grandes
idea, pausando como um meteoro, e deixando os
longos vestigios do seu poder, nos comicios, as
assemblas e at nos campos de batalha I
Hoje, o povo discute uas pragas publicas o seu
direito.
t As assemblas asseguram a soberana perma-
nente das nages. E depois das balalhas, v-se a
piedade do vencedor para o vencido.
t Ha, senhores, oa Amrica do Sul, um homem
eminente que se fez a eucarnacao mais pura da li-
berdade e do progresso. Representante das gran-
des idea do secuto, pai de urna oago heroica, pri-
meiro general, primeiro cidadio, primeiro magis-
trado, esse hornera o Sr. D. Bedro i I, Imperador
eonstituciooal e defensor perpetuo do Brasil.
Viva S. M. o Imperador t Viva o vencedor da
Uruguayana I
Estrepitosos urrhs, e uro enlhusasrao frentico
saudaram as ultimas expresses.. A msica tocou
o hymno nacional ; e as 3 _& da. tarde a guarda de
honra fazia as continencias aos diversos chefes que
se retiravam para bordo de seus navios.
22 de novembro.
Completamente sem novidades, excepeo da
chegada do paquete de Buenos-Ayres, que nada
adianlou.
23 de novembro.
Logo pela manhaa appareoeu. pelo lado de cima
do no uina grande canoa ooa a bandeira maleza :
era a tnpolago de ura pepeno vapor inglez que o
Lpez comprara ja ha mezes, e que la eslava delida
e continuara a etar se nao fosse a ioterfereDcia
do commaudanie da Deeule, que, conforme deixo
dilo .subi ha dias.
Daquella gente soubemos o seguinte : < O Para-
guay possue ainda 11 vapores u 2 chalas, 5 eslo
cima das correles, -andam para os lados de
Mato-Grosso/3 4 estacionara entre Assumpgo e Hu-
ma't.
< O Lpez comega a ser desobedecido por seus
servo, e ha graode receio de que a esquadra suba.
i Us machinisias inglezes e mais estrangeiros
empregados nos arsenaes, as fortalezas e nos va-
pores, '0 o solicitado sua isengo, mas o tyranno os
tm forgado a continuar no servigo.
< As familias dos offieiaes que se renderam em
Uruguayana foram saqueadas pela guarda do ca-
cique.
Deeide vai baixar, e deve trazer a seu bordo o
Salas, cnsul da Hespanha e Brasil em Corrientes,
e que fra levado prisioneiro ao Humaila nos lera-
pos da inva-o.
t Negara a existencia das chalanas, e a possibi-
11! ide de se coostruirem rauitas era pouco tempo.
As 3 horas la tarde as vigas annunciavam um
navio pelo lado das Tres Bocas, que punba vapor
fra, mas que pareca estar parado.
O navio chefe fez signal Ivahy que suspendes-
se e seguisse a fazer o recouheciraenio, atacando se
fosse inimigo em seguida passou a mesma ordem
Araguary e ao vapor argentino Libertad.
Era o Piragur, vapor paraguayo, que eslava en-
calhado t
Logo que reconheceu o movimenlo de nossas ca-
nhoiieiras igou no maslro de proa a bandeira bran-
ca de parlamentar.
O commandante da Ivahy approximou-se at o
alcance de fuzil, fez arriar ura escaler e Incumbi
a seu iran -liato, o 1 lente Reis, de trazer para
bordo o commandante do Piragm. Emquanto se
executava eia ordem a bandeira paraguaya nao
cessava de compriraenlar o nosso pavilho.
Chegado urna vez a bordo o selvagem alvorado
em parlamentar, declarou debaixo de palavra de
honra ao commandante Santos que estava incum-
bido por seu goveroo de trazer officios importantes
ao general em chefe das forgas nimigas, e que so-
licitara em signal da bo< lcora que cumpria as or-
dens que recebra, que o estandarte imperial fosse
erguido a seu bordo.
A bandeira brasileira fluctuou -no Piragur, o
cominaodaole SaDlos ordenou que o 1 teneote Reis
tomasse o commando do vapor paraguayo, que a
Araguary e o Libertad trabalhassem para o desen-
callar, e desceu com o portador dos officios a seu
bordo para aprsenla lo ao chefe Barroso.
Isto fe'to, Barroso recebe os officios que vinham
enderecados ao Mitre, ordenou que o commandan-
te do l'iiagw voltasse a seu bordo, icasse de no-
vo a bandeira paraguaya, e quando deiencnlhado o
navio viesse escoltado pelos no-sos dar fundo de-
baixo de nossas bateras.
A's 6 3/i da Quite todas essas disposigoes tronara
sido execuiadas, e o chefe em pessoa baixou Ier-
ra com os offldos e l foi entenderse com o go-
vernador Lagrana.
Nada mais por hoje.
24 de novembro.
Os officios seguirara hontem mesmo noite para
o exercito.
O Piragur foi desmpedido s 9 horas da ma-
nhaa, e me niiuenti -ui.iu as aguas. Seu comman-
dante Jos Alonzo, offlcial que coramandava o Pa-
raguary+m II de juoho.
O que contera a correspondencia ?
IJ!TERI0i.
RIO DE JIMII1
3 de dezembro.
Entrou tambem hontem do Rio da Prata o vapor
de auerra Paraense, com datas de Buenos-Ayres 23
e Montevideo i, adamando assim um dia as qua
U abamos.
As ultimas folhas publicam ainda algumas cor-
respondencias do exercito adiado datadas da mar-
gem do Batel 16 de novembro, data que ja tinha-
moi. Nessas cartas, pois, nao se eocoulra noticia
alguma de vulto; apenas se relatara alguns porme-
nores sera iraportaucia e se manifesta a conviegao
de que nao ha que contar com as forgas de Urquiza
entre as qoaes a desergo constante.
Havia porm chegado a Montevideo um vapor
cora algumas noticias do interior da repblica Ar-
gentina. Do Rosario tichara largado a 20, conti-
nuando a sua viagem para encorporar-se a nossa
esquadra em Corrientes, a corveta encourada Ta-
mandar, os vapores Princeza e Leopoldina e os
transpones Imperador e Imperalriz, com 3,000
homens de tropa de trra a bordo.
Diz o Ferro Carril daquella cidade que era
grande o enthusiasmu da tropa, que suspirara por
ver-se quanto antes defronie de Humana.
Da Rio|a noticiam que a provincia esla pacifica-
da, e desapparecerain os chefes de grrimas,
achaodo-se as planteis oceupadas por 800 homens
do governador. Por outro lado, porm, diziam que
era o governador que linba sido aprisionado pelas
guerrilhas. O contingente de Santiago Do tinha
marchado ainda, mas ficava prestes a partir, e o
de Salla tinha chegado a Cordova, atraves.-aedo
300 leguas.
A bordo do Paraense veio de passagem o Sr. Mel-
chior Carneiro de Mendonga, cnsul geral do Brasil
em Montevideo. O Sr. Octaviano tendo ultimado
naquella cidade os negocios que all o linhain le-
vado, ficava a regressar para Buenos-Ayres.
IIivia em Montevideo folhas do Chile at o do
passado. Nennuma nova occarrencia se dera de
importancia. A esquadra hespanhola aperiava cala
vez mais o bloqueio com os navios que lhe iam
chegando de ultramar, mas nem por isso se mos-
trava o goveroo chileno mais disposio a curvarse
as exigencias do almirante Pareja.
Entrn hontem do Bio da Prata o pa pete inglez
Amo, com dalas de Buenos-Ayres al 28 e Monte-
video at 29 da pasado.
Como se ver das correspondencias que em ou -
tro lugar publicamos, nao bavia noticia alguma
importante do exercito adiado, que ficava passao-
do, o rio Batel. Tinha, porm, cansado nao peque
na seusago a noticia chegada a ultima hora a
Buenos-Ayres e Montevideo, de ter vindo ao porlo
de Corrientes nm vapor paraguayo com baodeira
parlamentar, portador de officios do goveroo de
Lpez para o general Mitre. Alm do que a ese
respeito encontrarn os leltores as carias dos nos-
sos correspondentes de Buenos-Ajffej 1 da esqua-
dra, damos-Ibes em seguida o au se le n'um sup-


Diario de fernafflbnw Sexta felra 15 de Dezembro de fs*.
plemento publicado na Tribuir aqueHa cidade mo-
mentos aules da sabida do vapor.
< vamr de Comentes que acaba de entrar
traz a notkta de vulto de ler che^ado acuella cida-
de uiu vaporparaguayocun baudeira parlamentar.
O noss correspondente da escuadra a ultima
hora nos diz :
Noveiubro 24 de 186o. Grandes nottetas.
[tontera, a's 3 horas da larde, annunciou-se uin va-
pi r phi aguayo a visia rom baudeira brauca, e que
pare i.i parado ua boca do Atojo.
Iimnediaiameule se deu ordem a' canhoneira
Ivaluj de por-se eiu marclta, indo ao seu encontr,
o que se effeeluou antes das qu iiro, segulndo airas
poui'o depois, o Libertad e a caiihouer* Araguary.
Quando se appruiunou a iomhy encuitrou eu-
calhado o vapor paraguayo na orla do banco.'
Nos meemos termos aos presidentes das provin-
cia.* do Rio de Janeiro, Sao Paulo e Espirito
Santo.
9HXP
Por decretos de 5 do correte, tanta nomeados
para a estrada de ferro de D. Pedro H :
Director, o conselheiro C. B. Ottoai.
Inspector geral do trafego, o bacharel Antonio
Augusta Mooteiro de Barros.
Primeiro engenheiro, W. S. EJison.
Secretario caixa, Mauoel Colko da Rocha.
Por portara de 6 do correle mez, foi o bacharel
Franci.-co Pereira Passos noraeado engenheiro fis-
cal da estrada de ferro de Santos a Juodiany, na
provincia de S. Paulo.
Por portara de 6 do correte foi noraeado Anto-
nio TVixeir Nuiles Juni. r, para o lugar de ajudan-
Mandou um tute e velo a seu bo.do o cora- te da agencia do correio de Itabapoana, na provln-
mndame, e dizendo este que trazia coinmuoica- cia do Rio de Janeiro, por demisso de Luiz For
cues do sen governo para presidente da repblica, tmalo de Azambuja e Souza.
as quaes devia eutregar ao chefe da esquadra era ,______ ,_______
rao propna, offereceu se ella para le.va-lo aonde Por av|s0 de 4 du CurreDle fi noraeado o i te-
este se achata emquauo o Libertad e o Araguary Dt.nle Manoel Carneiro da Rocha para servir do Ra
ajudavam a desencantar seu vapor. da praia COll,0 ajudante de ordeus do vire almiran-
Ue le i to o commandaule, que um tal Alonso, le coiumandanle era chefe de forcas navaes.
cedeu e foi eoiiduzdo ao chefe Barroso, a quera -
deu os olli os, que e.-te iii-miij ein pessoa passou
a entregar ao Sr. governador Lagraoa.
Ja' escuro, eooseguiudo-se desecicalliar o va
por paraguayo, que o Flying Fisk desarmado,
ebegarara a este o Libertad e Araguary acumpa-
nbaudo-o.
Permanecen aqui toda a noile,-e hoje as 8 )i
da iiiauha pz-se ein marcha agus cimas de-
niaiidando Uumaila'
< A burdu do paraguayo dissese que os officios
conten proposioe>, uo que oao ha na la de eslra-
uho p"is sabemos o estado ein que esta' Lpez.
Os pioguo-lnos de paz de que Ihe allei as
raiuhas Correspondencias anieru i es uo tein sido
filiaos. Veremos o que resulla.
M i 'mi e^a' vivo na villa do Pilar : assira o
disMj" commaudaole paraguayo, e nao ha duvida a
e.-le re-peiio. E'ora consol pois para a familia.
Nada mais por ora.
Da ordera do da o. 486, expedida pela repart-
gao do ajudaute-geueral era 3 do crreme, extrahi-
raos o seguidle :
IostruccSes que em virtude do art. 13 do decreto
n. 3,5*6 de 18 de novembro de 1865 devem
regular as fnnegoes e attribuigdes, quer do
Coinmandanie geral da arma de artiiharia,
quer dos mciaes de eslado-maior da mesma
arma
Art. i.' Compete aoeommandante geral da arma
de artiiharia :
1." Exercer o commando geral, dirigir, regu-
lar e flsealisar, de conformidade com as leis, or-
dens e inslrucges em vigor, todo o servido tanto
do pessoal como do material da arma.
2." Inspeccionar os corpos de arlilharla, o ser-
vido das fortalezas, ar>enaes, depsitos, fabricas e
fundid-oes oas pocas determinadas pelo ministro da
posterior ao citido indulto durante te-oapo razotvel
nunca menos de seis mezes; e Itcau lo revogada a
disposigo que rrespeito deste nbjeotn contera a or-
dera do dia n. 59 de 24 de abril de 1898.
Dos guarde a V. S. Angelo Mauro Stfoo
Ferro?.Sr. Polydoro da Fonseca QutntaarlJia ier-
do.
Nomeacocs.Do Exni. Sr. brigadeiro graduado
Joo Antonio de Oliyeira Lobo, para seauir para a
Ajadanie da Int-ndencia d^ tnarinha, o bacharel
Auuustj Magno de M. lio Malte*.
Foi reformado, na conformidade de le o. 6i6 de
31 de julho de 1832, o Io cirurgiao do eorpo de
sade da armada Dr. Eutebio Benjamn de Arauio
-Ges.
Itelacio dos offlciaes reformado, aos quaes, por
aviso desia data (7 de dez-mbrn de 1865). se man
provincia do Rio Grande do Sol a' disposigo da da ar,oar orna etapa de 130 'O diarios, nos termos
presidencia da mesma provincia.Em 21 do mez do decreto o. 1,251 de 8 de julho e imperial reso-
ltado, lucio de 16 de outubro deste anoo : brigadeiro
Dos Srs. coronel do corpo de eslado-maior de ar- J"aj Rodrigues Feu de Carvalho ;| coroool Joo
lllharia Dr. Ricardo Jos Gomes Jardio, para com da Costa Barros Mascarenhas; eapitaes Antonio
mandante da fortaleza de Santa Gru.Era 21 do G mcalves Luna, ADgelo Jo- da Silva ; lente
mez liado. Antonio Jaeome Liberall; alferes Luiz Pereira Su-
Coronel do corpo de estado fnalor de segunda dr.
classe Jos Mara Ildefonso Jaeome da Ve.ua Pes-
soa de Mello, para commaodanle das armas da
provincia do Amazonas. Decreto de 29 do mez
lindo.
Capito do primeiro regiment de cavallaria II-
geira Joo Jos de Bruce, para servir no exercito
1|2, 20 .1,8, 26, 2o 1,2, 25 3,8, 2i l|4, 25 1|8, 23 ,, An.on. Helnhina
at hornera, e huje a 23 1,8, 25 1,1, 23 1,2 e 23 p Dl
3|1 d.
da Silva Guiniares, major
is da Gama Rntete 1 Ulho, Euphresina Mara
Sobre Park a fr i (innnsa a.., tan irt do AlDara|. Seraphua Jorge de Almeida, Jos Fer-
< Sobre Hamburgo
Ac^es.Neguciaram-se as do
DIARIO BE PERNAMBUC.
(
banco do Bra-
sil a ii-3 de prem >.
MeUes. Houve urna transaejo de pouca
monta em soberanos a 9700.
Espiuito Santo. Haviara terminado as eleigoes
para oeputados proviuciaes, e tinhain sahidos elei-
tos o- Srs. : commendadores Raphael e Jardim, te-
nenie-corone Omto, teoeote Afreu, D. Moniz
l'reire, major Torquao Surides, leneotecoroDel
Henri |ue, Drs. Leopoldo, Azambuja, "*oido, Bran-
dan e Amoriin, major Caetano, vigario Braga, Dr.
Correa de Jess v'gario Pestaa, Bocha Tavjtre-,
. vigano Pires J. A. Aguirra e Leiie Vidigal.
Baha.Tocaram nte porto, no du 9 do cr-
reme, os vapores Cleator t Brasil, precedentes de
I Liverpool ; e no da II, o Au Arkle, com o 3o
corpo de voluntarlos de Pernambuco.
Ficava a carga para l'ernamburo, o patacho
Beber ibe.
Sehgii'e.L se no Correio Sergipensc :
O oa 2 de de/.embro foi inuito festejado,
t Nesse da laocoo-se a primeiro pedra para o
reducto, que se vil levantar no lugar Costa da Ra
Os vapores nacional Paran' e infles Domo,
em operacoes ao sul d > imperio, como for conve- chegados humera dos portea do sul do imperio, fo
niente.Era 27 do mez lindo. ram portadores de joruaes do Rio de Janeiro al
Primeiro cadete segundo sargento do corpo de 9, da Babia al 12 e do Alagoas at 13 do cor-
gnarnico de Pernaobnco Antonio Fausto de Abreu rente :
Coutrtiras, para alferes em commisso. Sob as rubricas Exterior e Interior vae por ex-
Exonerai,o. Foi exonerado do cargo de cora- tenso as noticias mais importaste*, alera das quaes poza, e que licara a urna legua dV-a' eVo-
tnandaute das armas da provincia do Araaionas o encontramos o que segu. ; o mais da barra, do Poxim e Trama'ndahv.
Sr. coronel do corpo de e>tado-niaior de 2 classe Itio De Janeiro.S. A. o Sr. conde d'Eu dirigi Houve para Isso urna sobscrincao na uual o
Innoceucio Eustaquio Ferreira de AraujO.Decreto ao Sr. ministro da guerra o seguidle oftkio : nlUrao administrador obleve 10005 rom essa
dez9domezttudo. Palacio Isabel, em 7 de dezemhro de 1865. quan.ia, e com urna poreflo de pedra ,dT-rec.da pe-
Jub,laCao.-Por decreto de 2o de novembro fin- Illro.e El. Sr. -Acenso reeebido o aviso da- lo Commeodador Travassos, que se vai dar co.neco
do, na couformidade das ditposiges do art. 88 do lado de 5 do correte, em que Vine me scientifica a obra.
j regulamenlo das escolas militare!, approvado pelo da expedido de suas ordeos a' pagadona das tro- I vmn caixa de chumbo aberta em urna das
decreto o. 2,116 do Io demarco de 1838, comhi- pas da cue, para o pagamento dos vencimentos extremidades receb.-u assi^io or S Exc o Sr
'nado com o art 301 do fle n. 3,083 de 28 de abril que me cuiipetera como tnarechal do exercito; vine-presidente e mais pe- ? *u J??25^'f?.i?5!*T~ 5JK.* t*.1*; agradecendo, pois, a commomcaco de V Exc, planudo redacto levantado pelo engenheiro la
Vieira, e urna
em letiras duu-
ue. ,ouo, euuceueu-se junuavao com inais um ier- agrauecenoo, pois, a communicacao de V Exc, planta do reduelo levantado pelo
50 do respectivo ordenado, por couiar mais de 30 cuiopre-ine prevmr a V. Ene. que rainha inten- provincia Dr. Firmino Rodrigues
aun .s de magisterio efectivo, ao lente da escola gao nao perCeber vencitneoto algum. memoria, em que se lia o segrate
cmlral o Sr. corouel do corpo de estado-maior de Deus guarde a V. ExcIliui. e Exm. Sr. mi- radas :
artiiharia Dr. Ricardo Jos Gomes Jardim. ni>tro e secretario de estado dos negocios da guer-
Deraisso do ervigo do exe.rciio. Por decreto rt.-Gastn d'Orleans.
A Es/hiauyi da Corrientes deu por occasiao da *n''rra. fi sempre que o julgar conveniente.
CDegada do Vapor paraguayo, um suppleineulo, que
ein seguida transereveinos :
< Na das coinuiuiiicayes de L ipez, porm, segundo as
nosaas cartas, os oiliciaes do vapor paraguayo ti-
toi.iin dito que eram proposii'ns de paz.
3." Qu ando por si nao DO*sa fater as inspec
c5es cima mencionadas, propr ao governo um ou
mais ofIic,iae$ superiores do esta-inaior de artiiha-
ria para estas funches.
g 4." Solicitar do ministerio da guerra a adopcan,
nao s de ludo quanto for conducente a simplil-
ber ao novera
Bis-aoul agora o supplemenlo que publicoua
Esperanza de Corrientes :
i Coininuuiiae'S do iuimgo.Um vapor para-
guayo aciu-se a vista desde as 5 da tai de, e todas
as lunillas da riheira b ni como as que eslavam as
Soleas, e pie disiingunain a baudeira miiuiga lica-
ram ohresaltadas, lommunicaudo este sobresali
a iiiunr parte da popolaeo.
Veremos quan lo o general era chefe o Qzer sa- car, uuiformi-ar e regular a administracSo, disci-
plina e instruc^So da arma de artiiharia, como as
medidas que julgar necessaria para o bom desem-
penho de sua commisso.
o. Velar na execufio das leis, ordens e ins-
truecoes do governo.
6." Propor ao ministro da guerra :
1." O systema de escripiuracao e do archivo da
secretaria do >eu commando.
2. Tudo qjanto for necessario para regular o
a N.'inquietaba'' ""couimua bem que infundada servico das fortalezas, olflcinas, arsenaes e depo-
qu-- se aciia a nos-a seeieilade. qualquer pe |ueno s,,os-
rumor sobresala, e a impreusa mieressada em fa- >" 0s meios para nniformisar a instrucQao pra-
z-r desapparecer tal deconliaooa, para assegorar tlca de arUIharia, orgamsindo a ordenanca do ma-
a tran | mhdade >e apress.i a eommnnicar que a neJ e das manobras, nao s de torca como de to-
esquadra paraguaya, longe de preparar-se para o das as bocas de fogo.
combate que os traidores n-sia provincia almeja- 5." O etercicid das bocas de sitio e de praca.
vam tiiiii prximo, oceupa-se s em conlnzir com- j 3." A iostrorcSo e exercicio para o servijo dos
miiiiracoes do presideute daqoella repblica ao engenheiros e pontoneiro?.
chefe da iriplice allianga. 6. A nomenclatura de todos os objctos que se
referido vapor foi portador fomente de oIR- Su.i-dam e se abrican nos arsenaes, fabricas, roa-
nos fechados para o presidente Mitre. OlDciosc.u- d'Coes e nos laboratorios, apnveiaodo se para a
j roniedo claro que nao podemis comraunicar *"> a nomenclatura explicada, que se man-
lioim que fcilmente se compreheiide; quando dm adoptar pela ordera do dia n. 263 de 21 de ju-
mo momeo brbaro e aselador como o actual loca n" "e l8l)l < p P* s ;irmas de mao, da traduc-
oesu mola sempr mao agooro da sua for?a. cao d^ mstruccoes de Panol, mandadas observar
Si-oen-'iouV hostilidades, troca de prisionei-' I"*'":11'1"'' ''" I 'le s. lembro de 1862.
ros un preliminares de iransac i, sao as nicas I 3 '* Bxamioar a plvora que se Hzer na respec-
cousas.iuese podera propr a um inunigo aormeio Ilva >, e todos os artilicijs que se fabrica-
ue um parlamentario. : rem uus laboratorios pyroiechnicos e hem assira as
. .\ao nos alegramos pelo sen contedno por que "*B-???**!i.de-!!?^.!!!,,IIW8:J??^!?*.8*-?.r?!?i!
: ba-e de toda a transac^o e aqueta de Lpez, e
< lyrannos uo cahe n sem que os derrubem, re-
m_' i nido o govornu umcauenle quaulo au emba-
le d..- bayooetas vaCilla o cede o tbroao era que se
.-ll-l'lllam.
Mis o que na guerra de todas as nae9es civib-
sadas mu peral, os parlamentarios, aqu pelo
e artificios de que usam os eiercitos ; estudar o
seu aperfeijoimento e propor ao governo a adop
cao das que firein julgadas as mais vaotajosas,
com as modifica^oes aeoflselhadas,
8. Dirigir todas as experiencias necessirias
para o rneihoramenlo nu para introducen) de qoal-
liier iib|ecto relativo a' arma de artiiharia, compre-
r do niraigo feroz que enmbatemos, um '",,',^nd" '"da a especie de armameni
( .il H'l-
; g ...; o propicio para o i|Ue ha de vir.
t Koi uito mezes de goern esta priraeira vez
que o immigo enva um parlamentarlo ; e smhora
ni : iha plena fe no acolhiraeoto que se ih-- fara,
>i das as regras do direilo das gentes em
lie. ri- s, uo dev esquecer que de qaantas
:" '- he lera enviado do nos-o camponeuho-
Mia VoltOII, e que ,.|, desigualdade nos hl de, man
ter n'iiini predisposic > de espirito pouco favora-
el pira receber inulilmeiite raeosageiros sobre
raen- i ros -em nada concluir.
- ultimas noticias do Paraguay. Acabamos de
interrogar o Sr. Joo Guilberrae Qorggran, Cap-
lao do vapor mgle/. Fiuiiuj-Pish, que e-taudo no
le ignay, f ii obi i^.i lo a vmider a> gnveroo.
lia viote e quatro horas que sabio di Ilumai-
la', Isto a'- : b ira- da larde de 22. All deixou
( i/ v- i' res fundea i -, Bcando ontro na Asnmp-
ci. Esto proraplos para o coi bate, mas cora
limito p ue,i gente.
As baleras ref uc nn-e. contando as do Hu-
ma y la' e seus arredores 230 pecas.
Os i- ii-ui-- da He.-panha e da repblica Ar-
genlina ara la esto presos, e e.-te ultimo em rearos.
As familias I va ias d--ia capital foram trnas
porta-las para A-sumpfo, onde por iodo alimento
II i do ura pedazo de carne cada 2'i horas.
- 6 -
Uelaeio dos i fflriaes ao< qnaes por aviso de-ta
data i i de dezembro de I83) se manda abonar a
lapa de 1-5 diarios, nos lemos do decreto n. l,'.'3i
de *< de julho e imperial e>oluc) de 26 d^ oulu-
I ii lo coi rente anno.
B igadeirb reformado Paulo Barbosa di Silva.
Brigadeiro graduado efectivo Joo Antonio de
OllVell rt [j'din.
Del i Afectivo Ricardo Jos Gomes Jardim.
Coronel reformadoTneodoro Jo.- da silva Cama.
Coronel graduado eiTectivo Aodrc Carneiro de
Negreims Lobato.
Capitaes re.rmalos Kiauci.-co Victorino Xavier
i Un i, J .i. J l'i in niei, l'uibeliuo do Nasci
ii tu Fortes.
T- nenies reformad.s Jos Anluue de Azevedo,
FianeiM-ii Pereira do Valle.
Seguodo-lenente reformado Joo Marques de
Fai ii.
Alferes reformados Manoel Fortunato de Morae,
Haouel Anlutaio lJia>, Fausto Augusto de Almeida
o-"i i",M.u-iei Jo.- dos Sanios, Francisco de Paula
Carneiro I. ao.
Por porta Na do I* do correle, foi nomeado Joo
Vicente de Souza para o lugar de ajudante da
agracia do correio da E>tancia, na provincia de
Sergipe, por falu-cuneoto de Antouio Raymundo
Nouato.
Segundo haviamos noticiado, effectuou-se honlem
no arsenal de marrana para os vapores Jos S, lio-
man e PtropoUt o emba que do novo coiil.ngenle
C imiitisdi de 430 liradas da Bahia e primas avulsas
de S. Paulo e Pernaiiituico, ao lodo cerca de 1,100
>-, uoe vo reunir-se ao do>so exercito em
fciit races no Sul.
- 7
Pi>r decretos de 29 e 30 de novembro fiodo foram
removidos a Seu (iluto :
Q iuu de dir-uo Ga-io Ferreira de Gouva Pi-
mei.tel Belleza, da comarca do Pombal, na provin-
cia la Parahyba, (iara a do Principe Imperial, Da
do l'iauby, ambas d i* euir^ncia.
o juiz de dueiio Joai|inm P*res GongIvs da
Silva, da comarca do Principe Imperial, Da provin-
cia do Piauby, para a do Pombal, na da Parahyba,
ambas de 1-* eliancia.
Nao leodo oSr. Dr. Martim Francwro Rilieirode
Andrade, e pir.iiy.',!, fm Romeado para ella o Dr.Jos da Cos-
ta Machado e Souza Bibeiro.
-----------^^* m * Poi nemeado ajudante dojnlendenie da marioha,
0 Dr. Auguslu Magno de Mello e Mallos.
A companhia Bra-ileira de Paquetes a Vapor
effertihio a compra dos vaporee Agnrs Arieles e
l/'m fetl, que actualmente se aefeam fretados pelo
g veroo.
8 -
6.' secgao-Bio de JaneiroMinisterio dos nego-
cios d<. Imperio, em 6 de dezembro de 1865-Jllm.
e Exm. Sr.Coromunico a V. Exc. que, estando a
prnvnia carmelitana do Rio de Janeiro regida por
ora visitador aposi dro, fre Jos Uamasceoo de S.
Vicente Ferreira, ces>aram os poderes das aulon
dades at agora exi-tenies, e >o portaoio nullos
lodos os actos que nao f.,rem pralicados pelo mes-
mu visitador e pelas autoridades por elle consti-
tuidas.
9. Organisar tabellas de tiro para as boceas
de.fogo e |iara logeles de guerra.
10. luterpor parecer sobre qualquer objecto
relativo a' arma de artiiharia em que for ouvido
pelo governo.
g II. Miniar publicar, depois de approvados
pelo governo, os trabalhos que pela sua utilidade
devam ser conhecidos pelos offlciaes de artiiha-
ria.
Art. 2. As atlriboicoes dos | 7o, 8o e 9o serio
exercidas pelo comraandante geral com audiencia
da commisso de inellioramentos do material do
eiercito.
rl. 3." Sao aurihuicoes do secrelario :
1 O expediente de toda a correspondencia
que (ver o general commandanie.
2. Encarregar se de toda a escripiuracao da
reparticao do commando geral.
S t.u Acnmpanhar o co.'iiraandanle geral aos lu-
gares a que elle se dirigir por motivo de servico a
seu cargo.
Art. 4. a escriptnracao relativa aos offlciaes do
estado-maior de artiiharia sera' feita na secretaria
i do commando geral.
Ari. 5 o Todas as relaedes semestraes, bem como
I toda a correspondencia dos corpos de artiiharia,
serie remeltidas a' segunda directora geral da se-
cretaria da guerra por intermedio do commando
geral, cora nbserva-.-es do g-neral commandante.
Art. 6." O general commandante requisitara' ao
governo os aminueuses necessarios para a cuadju-
vaco fio servii; > de e-criploraco.
Art. 7. Os olHciaes do estado-maior de artiiha-
ria enviaro semesiralmenie ao commando geral
relaionos circumsianciados dos trabalhos de que
se acharen) enc.arregados.
Art. 8 o Ni secretaria do commando geral llave-
ra' urna pequea livraria, coniendo as melhores
obras relativas a' arma de amlharia, e fumaos
scientilicos que possam interessar a' mesma arma.
A livraria licara' a cargo do secretario, que ex-
tractara' e traducir' tudo qnanlo por sua utilidade
deva ser aproveiiado, entregando ao commaudanle
geral o extracto e a iraduecao pira que lenha o
devido destino.
Art. 9.' O commandante geral requisitara' ao
ministro da guerra, por meio de pedid >s. tudo
quanio fr necessario para a secretaria e para a li-
vraria.
Art. 10. As nspeecoes ordenadas as preseotes
in-irocn"ies ou prejodiCaSfl quaesquer outras, ou
inquei los que sobre assnmplos especiaes o miois
t'i> da guerra julgar conveniente m,indar fazer por
commis-es ou commissarios.
alacio do Rio de Janeiro, Io de dezembro de
1865.Angelo Muniz da Silva Ferraz.
Aviso. Determina que seja de 1000 diarios a
etapa concedida aos officiacs que servirn) du-
rante a luta da independencia, e estabelece aos
casos em que se lem direilo a' percepeo da;raes-
in.1 etapa.
Circular. (Juana direeloria geral. Segunda
serco.Rio de Janeiro. Ministerio dos negocios
da guerra, em 16 de novembro de 1865.
Illm. e Exm. Sr. Tendo S. M. o Imperador por
sua imniediaia e imperial resnluco de 26 de outu-
bro prximo passado sobre consulta da seceo de
guerra e marioha do conreino de estado sido ser-
vido declarar que a etapa concedida pelo decreto
ii. 1,254 de 8 de juiho deste anno aos offic.iaes que
serviram no exeuito duraule a lula da indepen-
dencia compele :
Primeiro, a lodas as pessoas que actualmente sao
offlciaes e serviram, quer como laes, quer como
pracas de pret, durante a lula da independencia,
qualquer que fs*e o servieo militar em que esli-
vessem embregadas;
Segundo, que a etapa sera' de 1$000 diarios pa-
ra lodos os offlciaes que a requererera ;
Terceiro, que.estas dispo.->ic,oes compreheodem
tanto os offlciaes reformados como os effeclivos,
coraiauto que estes nao percebara outra etapa, na
forma do decreto n. 2,161 de 1 de mam de 1858;
assim o cuminijuieo a V. Exc. para seu conheci-
Hiento e para que remeta a esta secretaria de esta-
do os requerimentos que Jhe forem apreseotados
pedindo a etaoa de que se trata, e da qual se expe
dir' titulo aos que a tiverem.
Deas guarde a V. Exc Angelo Muniz da Silva
Ferraz. Sr. presidente da provincia de___
Aliso. -Declara que as pracas indultadas por crl-
me de desergao podera ser promovidas aos pos-
tos inferiores conforme sna idoneidade.
Primeira directora geral.Primeira sesso.
Rio de Janeiro.- Ministerio dos negocios da guerra
era 23 de novernb o de 1865.
DeWaro a V. S., de ordem de S. M. o Imperador,
para seu conhermenlo e para que o faga constar
em ordem do da, que as pravas que, tendo a Infe-
lu'idade de abandonar seus corpos, lem sido indul-
tadas, podem fer promovidas, conforme toa ido-
O que V. Exc far contar as autoridades dessa rieidade, aos pe?tos inferiores, por isso que o radnl-
pruvincia a quem convler. Ito s por si lea a forga de apg.ir a lembranc- de
Beu- guarde a V. ExcMrquez de Olinda -Sr.. taes faltas ou crimes ; convindo nicamente qne
presdeme da provincia du Para. 'sobre o seu mrito se atienda ao procedimeoto Pereira Caldas.
; de 29 do mez fiudo foi concedida ao 2 cirurgiSo do
1 corpo de sade do exercito Dr. Eluardo Augusto
; Pereira de Abreu, por have-la pedido.
Foram di>peusados dos postos de commisso que
lioham ooexeicilo os Srs.: capito do balalho
de artiiharia a p Viriato Lafayette Muniz Vaide
taro, da commisso de oiajor do 27 corpo de vo-
luolarios da patria, como requereu, afira de reu-
nir-se ao corpo a que perlence.
Capito da companhia de guardas nacionaes
da provincia du Ceara, designados para o servieo
guerra, Antonio Rufino Furlado de Mondonga.Era
22 do mez lido.
Teneuie de commisso Joaquim Miguel Ribeiro
Lisboa, por hav-la pedido.
Teuenle do 18" corpo de voluntarios da patria
Manoel Sebastiao Uus Coelho, dem, em consequen-
ca do seu mao estado de sade.
Em 18 de novembro lindo :
Alferes do 12 c-irpo de voluntarios da patria
yoinzio Miguel Martras de Oliveira, pelo raesmo
motivo.*
Alferes secretarjo do 7o corpo de voluntarios da
patria Hennque Alves de Carvalho, pelo mesmo
motivo.
Transferencia.Do Sr. aferes do 3* regiment
de cavallaria ligeira Benjamm Pereira Mooteiro, do
exerciciu de quartel mesire para a lileira do mes-
mu regiment, como requereu.
Lioengas concedidas.Aos Srs.: capito refor-
mado Joaquim Marlios Foutes, para residir na pro
vincia de Sergipe.
Alferes da coinpaohia de cagadores do Rio Gran-
de do Norte, Galdino Cancio de Va-concelios Moo-
tejro, dous mezes para tratar de sua sade oesta
corte.
Aniiguidade de posto. Por iramediata e impe-
rial re-oiugo de 18 de novembro lindo, lomada
sobre cousulla do conselho supremo militar, ronce
deu-se ao Sr. 1 tenente do balalho de artiiharia a
p Jo.- Clarindo de Queiroz Contar autiguidade do
seu poslo de 18 de fevereiro do correnle anno era
dianle.
Reforma.Foi concedida, por decretos de 29 do
mez lindo, aos Srs. : capuo do corpo de eslado-
maior de segunda classe AntonioTeixeira de Sam-
palo, alferes quartel-meslre du 18 balalho de m-
fautari.i Jos Pedro de Souza Queiroz, e segundo
lente do Io batalbio de artimaa a p Automo
Jos de Sanf Airan, por se acharein comprehendi
dos nas disposiges do Io do arl. 9" da le n. 648
de 18 de agosio de 1832, vi>to solrerein molestias
incuraveis que os loruam incapazes de couliouar
no servigo.
Por ouiro decreto de igual dati tambem conce-
den se reforma, na ronformid de das disposigoes
de J} 8* do plano que baixou com o decreto de 11
de ueziiiubio de 1815, cora o respectivo sold por
inteiro, ao soldado do 6o uatalne de uifanlaria a i-
dido ao asylo de invlidos, Joaquim Jos an-
t'Anoa, visto acbar-se impossibililado ile continuar
uo servnjo, em consequeucia de ter perdido o bra-
go direilo no combate de Pjysmdu'.
Desiguagoes de reformas. A do Exm. Sr. ma-
recbal de campo Antonio Joaquim de Souza uo
po-lo de tenente general, veocendo. o respectivo
sold, na conformidade das leis do Io de dezembro
de lil e de 14 de julho d: 1853 Patente de 19
de agosto ultimo.
A do Exm. Sr. brigadeiro Manoel Moniz Taya-
res no posto de raarechal de campo, venceudo o
respectivo sold, na conformidade das leis acuna
citadas.Paieule de 19 de agosto ultimo.
A do Exm. Sr. brigadeiro Ernesto Augusto Ce-
sar Eduardo de Miranda no poslo de raarechal
de campo, veocendo o respectivo sollo, ua confor-
midade das leis cima citadas. Patele de 19 de
agosto ultimo.
A no Sr. coronel do cerpo de estado malor de 2'
clae Francisco Telles Carvalhal de Meneaos Vas
concellos no po?to de, brigadeiro, veocendo o
respectivo sold, na conformidade das leis ci-
ma citadas.Patente de 19 de agosto ultimo.
A do Sr. mjor do dito corpo Jos Flix de Oli
veira e no po^o de teneute-corouel, veucendo o
re.-neciivo sold, na confoimidade das leis cima
ciladrs.Patente de 10 de agosto ultimo.
A do Sr. major do corpo de engeoheiros Fran
cUco Pereira da Silva no mesmo posto, ven
ceudo o respectivo sold, na conformidade das
leis cima citadas. Patente de 5 de ago.-to ul
.uno.
Fallecimemo. Do Sr. capito reformado Jos
M ra de Menezes Curreia de casiro, em 28 de uo
vembro lido, nesla corte.
Requerimentos indefendos.Dos Srs.: capitn
do Io corpo de voluutarios aa patria Jos Fiorindu
Torres de Albuquerque, pedindo ser condecorado
com a medalha concedida ao exercito que assislio
ao rendunenio da diviso paraguaya na villa de
Uruguayana.
Io teneute da companhia le artfices de Pernam-
buco Francisco Jos dos anlo>, pedmdo contar an-
llguidade do seu posto desde 2 de dezembro do an-
no prximo passado. .
Alferes do balalho de infaotaria Francisco
de Paula Maitos Guerreiro, e do 4o da mesma arma
Tristiui Florencio dos Santos, pedmdo iroca de cor-
pos entre si.
Alleres secretario do corpo de guarnigo do Pa
rana, Aotooio Jos de Oliveira Sampaio, pedmdo
perdo da pena que Ihe foi imposta pelo conselho
supremo militar de justiga.
RecliHcagos.O nome do Sr. alferes do 3 ba-
lallio de infaniaria, morlo no cmbale de Pays&u-
du', Candido Patricio de Oliveira Maciel, e nao
Patricio de Oliveira Maciel, como por engao se
publicou na ordem do da n 435.
seuienga proferida era processo de conselho de
guerra que foi mandada cumprii.UOrpo de esia-
do maior de segunda classe e 4o balalho de aru-
Iharia a p, major Antonio Francisco de Souza Ma-
galhes, do estado malor de segunda classe.e capi-
to Joo Pas Brrelo de Mello do 4* batalno de
artiiharia a p. Consentir o primeiro, quaudo
comraandante da fortaleza do Brura, que os seus
subordinados travassem Iota na soa preseoga e na
propria secretaria : e o segundo por luiar com o
2* tenente reformado Epiphanio Borges de Mene-
NO ORINADO
no
SENHOR D. PRono SRfilINDO
NA VICE-PHHSIORNCIA
DO
EXM. SU. COMUENBADOIt
i DU. ANGELO FUANCrSCO HAMOS,
SR.NDO
CHEFE DE POLICA INTERINO
O
DR. MANOEL MARA 00 AMARAL.
FOI COI.LOCADA \ l'IUMKIRV I'KIUIA DO REDUC-
TO, (JLE PELA SUilSlMIIPCAO PROMOVIDA
PELO EX.M. PRESIDENTE
DA PROVINCIA,
O
lili. CmdhttfTO PINTO DA SILVA,
t TBM DE SEU ERIUIUO NB3TB LUGAR, ACHANDO-
SE PRESENTES DIVERSOS KMPRKUADi'S P-
BLICOS, PESSOAS (RADAS, E O P0-
VO fJCECO.NCOilRKU A ESTA
SOLEMNIDAUE.
ARAC'J, 2 HE DEZEMIIRO DE 18(55.
A caixa de chumbo, depois de Ivrmeticamen
le fechada, foi coll icaoa deulro de outia de jaca-
randa' enveinisada, e esta dentro de urna pedra
rectangular com iam> a rorrediga, em cuna da
qual navia um simples lavor.
S. Exc. c uiuil !) ao Exm. commendador Das,
Dr. chefe de polica e ao capit.0 do porlo, para
c^m elle con luirem a caixa de pedra ao lugar pre-
parado para rer.ebe-la, e ahi lomando das raaos do
Sr, engenheiro da provincia o marlello e a colher
de cimeuio, deu tres pancadas e langou o cimento
na parte superior da caixa,daudo ao reducto o
nome deTiamaodahy.
Alagoas.Nada oecorreu que merega raeogo.
umn DfMiA.
Por poitaria de S. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia de 13 docorrente foram uomeados, para ser-
virem provisoriamente do G corpo de voluntarios
da patria, os cidado abaixo declarados :
Capito Z f'Tiun Rodolpho Delgado.
Alferes o sargento do 4" bitalhode artiiharia a
p Francisco Carueiro da Silva.
Foi doignado o Exra. conselheiro Jos Benlo
da Cunta e Figueiredo para assi-nr, ua qnalidade
de coraraissario-do governo aos exaraes d prepa-
ratorios que devem ser fetos ao coinego do anuo
futuro uo Coilegio das Artes.
Sobre proposta do Sr. Dr. chefe de polica,
foi exonerad da subdelegacia de Maracabipe, ein
Ipojuca, o Sr. Pedro Pinto de Mirauda F.njaz.
O vapor iuelez Hertchell, da liona de Liver-
poo', devia sabir do Ido de Janeiro, para a Baha
e Pernambuco, em lins do correle mez.
Ficava a carga para o no-so porlo, no do Rio
de Janeiro, o bngue Norma.
zes Doria na presenga de seu superior. Absolv-
dos pelo conselho de guerra. Reforma 1a a sen- gem, havera' um mer., foi encontrado o cadver
tenga pelo conselho supremo miniar de rastica em um hornera de cerca de 30 anuos, meio
22 de novembro findo, para coodemnar os reos, por nma onga.
major Antonio Francisco de Souza Magalhe> a 3 c Fez se urna armadilha, e no dia seguinte se
meies de priso em fortaleza, e capito Joo Paz jachou lamb m o cadver da criminosa ao p da
Brrelo de Mello a 6 mezes tambera era fortaleza. I victima.
Maodou-se cumprir a 30 do dito mez.O brigadei-1 O homem era uro mscale italiano por nome
Seguir, uo dia 8, a tomar posse da presi-
dencia de Mioas, o Exm. Sr. Dr. Saidaoha Man-
cho.
Le se oo Correio Mercantil :
< Humen) (t) ao meio da, passou pela primeira
vez urna locomotiva por dentro do grande tnel,
que cmplela a segunda seceo da estrada de ferro
de D. Pedro II.
t A viagem de experiencia ; conla-se que at
raeiado do mez se podera' estabelecer o iransilo
publico ; era homenagem a Sua Magestade Impe-1
nal lizeram se esforgos para que livesse lugar o
primeiro ensaio em seu anniversano natalicio ; '
homenagem, pode aflrmar-se, que uo sera das
menos agradaveis ao Imperador.
0 tnel iem de coinpnmeulo de parti a por- i
tj 7,330 ps inglezes, que equivalem a 1,017 bra-
gas, maior distancia do que da ra Direiia a' fa-
brica do gaz. Cerca de metade revisiiua de pa- j
redes e abobadas de pedra lavrada e cimento ; a
outra melado aberta era rocha viva. Trabalnou-se
sete annos.
Foram abTlos cinco pogos, dous juntos en-
trada do lado da cidade. um de 60, oulro de 120
pes ; e mais tres uara diviso do irahaltin, sendo
as profundidades respectivas 330. 230 e 360 ps
Ingieres ; esio todos fechados, c >m excepeoj do
le oO p, colloealo a in-io tnel, o qual sera'
conservado para auxiliar a veutiuco.
Aos lados da eulrada seobjervam duas lapida
de .narmoro branco, cora as segurates inschp-
ges :
A' direita :
REINANDO O SR. D. PEDRO II
E SOB SEUS AUSPICIOS
FOI rOMBCADA ESTA OBRA
m 1838
t E TERMINADA EM 1863.
A esquerda :
COMPANHIA DA ESTRADA DE FERRO DE D. PEDRO II
ASSOCIACAO NACIONAL
PRESIDENTE
CIIIUSTIANO UENEDICTO OTTOM
NATURAL DA PliOVINolA DE MINAS OERAES.
l>>- urna lolna do Chile extrae a Tribuna de
Montevideo, a segointes noticias :
0 coramandaoie ilo vapor transporte franeez
Talismn, chegado a Valparaso un 29 de ouiubro.
era viagein do Rio de Jaueiro, deu o-> segmiites
pormenores, relativos a barca argentina Anua Ca-
tharina.
mi que encontrn esse navio encalhado em
urna eu-eada do E-treilo, onde eslava havia tres
das, leudo ja alijado cerca de 400 saccas de fari-
uha, e estando lamh m com o lem- avarlado.
O capuo II iv< da ^iinn Calharnvt, pedir ao
commandante do Talismn que o condoiisse com
a sua tnpolago para Valparai>o, porqiie conside-
rara o seu navio perdido.
Ocomiiiaiidaute uiandou prinieiramenle exa-
minar o estado do navio, e rec.oiiheceu-se a po<8-
bilidade de saf.i-lo, o que efF*ctivamenle conseeoiOj
denois de muilo trabarho ; f, concertando se Ihe o
leine, leon o navio em estado de poder seguir pa-
ra o Itlo de Janeiro.
As uliirais noticias recebidas do Rio da Prata*
manifesiam que diariamente iam lomando mais
Corpo entre os iii-sos vi-nilios os boatos de paz.
E-ta palavra soi sempre to dncemeute aos
oovidos du.-. povos civilisadiH, que nao admira a
suffregnidio com que a Iraprens platina repeli
esses boat. As nagoes.como os individuos, podem de fron-
te erguida fazer votos pela oaz, quando o seu va-
lor, sua forea e sua eneryia tem sido provados nos
combales e nos sacrificios para sustentar a propria
dignidad**.
O Brasil e seus afilados tein sabido mostrarse
superiores sempre, quer na lula a' mo armada,
'lUer depois do combale, na hora do perdo : nao
precisara de novas provas, nem carecem de glo-
rias.
Ha rasos, porm, em que o apeno de mo, que
o vencedor generoso da' ao venci la, ple deslus-
trar a -melle ; acontece isio quando o inimigo que
combatamos tornou-se indigno de locar na mao ue
um ti me ii de hem.
Lpez esta' no caso qne figuramos, o SPlvagem
que tripudia snbre o cadver da nacionalidade pa-
raguaya, que entrega as mulheres e as lillias de
-eus oiliciaes a' furia da mariiihigem, nao o che
fe de uma nat-o. nao um beligerante der quem
-e possam aceitar pioposlas de paz.
Temos plena cooQanca na illustracio e patrio-
tismo do estadista que dirige os no-sos negocios
externos, nem dos faltam ra/es para assegurar da Canina Tamarindo, sua seohora e 2 escravos,
que, se i Brasil lizer a p.z, o tratado que a firmar Dr. Daniel Germano de Aguiar, Dr. J. Jorge Si-
uno sera'maculadu pelo nome do tyranno do l'a- queira Filhn, D. Alexandrrai de Magalhies el
rau:iy- criada, J.n Joaquim de Oliveira. Pedro Jos Pi
t llecebemns honlem (7) iornaes de S. Paulo ale nh ,, F-'lix Pereira d Suiza, Dr. Flix Barreto de
3 do correte. Vasconcelos, Joo Theolilj de Marcellar, Antonio
t Tenninou no dia 30 do passado o processo de Mello H .druues Loureiro, Jos da Costa Malla,
instaurado pela congregago da faculdade de di- M-rcdinu Evangelista da Paixo, Dr. Antonio Dias
reiio para sviidn-ar do fado do protesto bavido, Penna Jnior e 2 criados Minoel da Silva Coelho,
depois de terminada a ceremonia da collaco do joao Bann-ia Acciolv, ManaPalmeirade Carvalho
grao aos hachareis deste anno. Picaran) innoceii (andido Pmho Lobo.
tados todos os hachareis, com etcepjSo do Sr. Gon- Passagniros do vapo- inalez ouro, entrado
galo de Lagos Fernaudes de Bastos, a quem foi do Rio de Janeiro: James Oliver, commendador
vedado tirar a sua caria antes de um anno. Manoel Cantillo Pires Falcan, Jayme Romaeoera.
Tendo sido encarregado interinamente do car- Samuel p..Wer J .hnston, Lidy fc Dmale S H. Nie
go de chefe de polica o r, Dr. Affmso Cordeiro meyer, Frederico M-rahard. Vmginia Marlins &
de Negreiros Lobato, juiz de direilo da capital, Cnild. Jo M. de C. Costa, Francisco Ferreira de
passou este cargo a ser exerrido pelo Sr. Dr. J. P. Smi/a Moraes, Krancisco Antonia de Birros Cmld,
de Azevedo Segurado, que p >r sna vez cedeu a Francisco Jos da Volts. Jos Vicente Gnncalves.
vara de juiz municipal ao supplenle o Sr. Dr. Bego Joo Jo- Loureiro, Jo- Amonio da Silva PTreiraj
Frri,*>- Joaquim Gomes da Y'-ne, Luiz Antonio de Fenater'
t Falleceu no da 30, aps penosa enfermidade, Joaquim de Barios Lima, Manoel Marques. Antonio
o capiiao R-ginaldo Antonio da Cnnha. Barbosa L-ao, Manuel Hodrigues, A. de Souza e
Fazendo, diz o Owno deS. Paulo, parte do 2* Silva, Antonio Francisco dos Sanios, Joao de Sou-
corpo de cavallaria miliciana, que, em 1817 des u Oliveira Gnimares, Manoel Ferreira Gungalves,
lacou para Montevideo, enirou uas raomanha- j0 Manoel Rih.eirn Jnior, Dr. Franci-co Xavier
desde e->a poca al a em que -e uliimou o tratado pacheco, Bernardino Jo- Ferreira, Joseph.Green.
de paz, tomando parte activa em todos os comba- David Bruce. A. Annm, f. Annan. G. Brerht, Vigei
tes era que enirou o seu corpo, votando em 1829 & Child. C. Bauilier, Ifoffmann, Kiesaen.'j. Be-
para seu |iaiz naial depois de una ausencia de l ^ala, e 1 naval, Alexandre Reid, Luiz M-ndes R-
annos para de-cangarde lautas fadigas. Foi miliiar bei-o Jnior. Justo Piulo da Sil-a Valle, C. Shup-
tnuiig honrado e observador severo da discipboa
militar.
i No lugar denominado Viroba enlre R.pecerica J. Jordn, J. Nayrar, J. Cumninghamt, C. Parker^
e Una, em um enmono que airavessa o mato vu1. j. Hill, S. Pnku-gell. A. Gellies, Herrnaon Glette*
de Antonio Gmlnerme de Figueiredo, F. Muller, Au-
devorado tonio Ferreira de liveira, Auituste Kike.
exercito, ora escraxo a entregar.
Passageiros do hiate nacioual Sergipano, sa-
hido para a ilha de Feroando :
Francisco dos Sanios Neves, Manoel C. Lins Pintor
Alexandnoa Rosana e 1 ulna menor, Anoa Joa-
qoioa da Conceico.
Passageiros do vapor inglez Douro, salud
para Southampton e portos Intormedios :
Joaquim Lopes Moreire, Francisco da Cunba
Beltro Araujo Pereira, e o capito Daniel Joyson.
CIIKIMC4 JlttKJIAIIU
nni do itimi:
13 DE DEZEMBRO de 186o.
PRESIDENCIA DO SR. DR. MANOEL JOS DA SILV*
NEIVaS
Promotor publico o Sr. ur. Francisio de Car-
valho Soa res Bran lao.
Eserivo Juaquira Francisco de Paula Eeleves
Clemente.
Advogado o esiodanle do 5 anno da Faculdade
de Direilo Leonardo Francisco de Almeida.
Bo Joaquim Piulo da Foneca aecusado por
crime de tentativa de morte.
P'eita a chamada as 10 huras da manba achara-
se preseotes 37 Srs. jurados.
Foram dispensados da sesso de hoje Os Srs. :
Antonio de Moraes Gomes Ferreira.
Manoel Duarie Rodrigues.
Dr. Jo- Mana Carneiro de Albuquerque.
Foram multado- em mais 205 cada um dos Srs.
jurados ja multados nos anteriores dias de sesso e
a cada um dos seguiotes :
Flix Paes da Silva Pereira.
Jmuario Angust) de Al ha y de.
Aberia a sesso, procedeu se osoileio do conse-
lho do jury de sentenga ; fui oreo interrogado
e lido o processo da fonnago da culpa foi deseo-
volvida a aecusago e defrza, e (iodos os debates
resumida a raaiena da aceusagu e d.i defeza fu-
rain proposlas as que.-les de facto que foraui
entregues ao jury de sentenga que se n-tirou a
sala secreta das coofereocias as 2 1|2 da tarde
de onde vollou as 3 3|4 com suas respo.-tas que
foram lidas em alia voz pelo presidente do jury
de sentenga. em vista de cuja dcci.-o o Sr. Dr.
juiz de direilo immeJiuamenie declarou qne ap-
pellava da deciso para o tribunal da relago absol-
veudo o reo e coudemuando a municijialidade uas
cusas.
Levantan se a ses-o, addiando-a para e dia se-
guate pelas 10 horas da maoha, em que lem de
ser julgado o reo Guilherme Antonio de Siquei-
ra aecusado por crime de roubo e incendio.
CMMUiVICADOS.
n-vni,m-.mm ..,.". ii o fi iiii ijue os oiliciaes ae justica passassem ou
che"a?am?,m ^ i f v T ,"' u f*?hrW* ,lle"C a Prin"','a """ *V sn*
ro .1, n v "-Ia, t,. f TA' lt da EuM- SW-lo Sr. Joo de Sa declarando .
o le, lo navegado quas. sempie jumos, desde o a liul.au, assim uassado por ter o juu de dirt
IIOSSO poi 10. ..J.,,... j.........,_____. .*,.., -
O vapor ioglez Douro iroixe do Rio de Ja-
neiro, para a nossa praca, 245:3005 rs. em dinhi-i-
ro, sendo: Il4.00tb ei ouro, 4:1005 era prata e
127.UIOA em notas.
Domingo 17 do crrente festejase com a pom
pa pnssivel a (inmaculada Conedico de Nossa Se
nhora oo reeoibiraenio das freirs era ulinda ;
orando no Evangelho o paire Jo.- Estoves Van
na, e uo Te Deum u padre Augusto rraoklim Mo-
reira da Silva.
Nests mesrao da lamben) tera'lugar oa gro-
ja de Nossa Senhora da Paz uos Afligidos a fesii-
vidade da m-sma Senhora, sendo oradores o padre
Auluniu de Meilo Albuquerque e o padre Jos Es-
toves Viauna.
Passagelro- do vapor Mamangnape, sabido
para a Ma de Fernando :
J lu Gongalves de Maiedo,
drade, Manuel Saturnino dos
ria de Je>os, Luiz do i;armo.
Passageiros do vapor Paruhsba, sahido para
os pori'is do sul :
Dr. Jo- Joiquim Rib-uro de Campos. Dr. Jo>
Leandro M oares e 1 criado, Dr. Marcos Correa
Francisco Gomes Ao-
Sanlos, Thereza Ma
i per, Francisco Antonio M reir, Forraido G mgalves
da Silva, M Sroll J. Gnflilis. J. Fraser, P. O'Brien,
Passageiro do vapor nacional Paran, emra-
do do Rio de Janeiro e porios intermedios :
Jos Francisco do Reg Rangel, Bernardino Go-
mes de Carvalho. sua senhora e um escravo, le-
.ti,...-ni r i a uiu iti'i-eaie naiiano por nome ... |.,.,,,.,. Bi, i, u.. a o i
ro Polydoro da Fonc.eca Qu.otemlha Jordao, aju- Gaetano Mang.a, que viajava carregando seu fardo ^pT'Z^TaJ^^iJtfJ^a^t:
dante oennral inlrinn. n c<,..h.. n(m[ erel,a p"il, Julio da silveira Lobo, CX-cade-
que traoscreve-
danle general interino.
-- 9
Por portarla de 7 foram nomeados:
Luiz Manoel dos Res Pereira, para o de lugar
pralicanto porieiro daquella adinraisirago; Suares
Ignacio Soares Godrabo Guarara, para agente do
ejrreio da villa do Principe Imperial, na provincia Vutoida" que boje denle,"p,ir"qe"*7 ope'^' 7Z
dia foram menos que reaulares, nao eicedeu ta a
.ii ir man 40.000,0 desta somma cerca de metade papel bao
cario a 23 1,4. De maoha neifnciou-se uma pe
a pe e sosinho.
Ei as n dieias rommerciaes,
mos do Jornal do Comtnercio:
Cambio.As.-nn emno nao hnave causa appa-
reute que molivasse a bana s-nsivel que soffreii o
cambio em poueos das, nao a houve tambem para
do Pianhy.
Por decretos de 30 de novembro foram noraea- quena somma de papel paitieular a 2{{ IrX, mais
doi. tarde porm era a t Segundos elrurgtfles io corpo de sade da ar- mercado firme a estes algariurnoe.
mada os Drs. Luiz da Silra Flores Pilbo e Felippe Sommam os saques para o paquete Douro :
le Jos leonera de Araupi Co.|a, Pranci-o Jos de
Mgalhaes rlasios,Jo Alves do Anural, Antonia
Mureira de M rara, Antonio Teixeira Pinto, 8 ex-
pragas,Chris|iim da Silva Sabaureau Amone e sua
Senhora e 2 lilhos.
Segiiem para o norte :
Jonepha lmiua Rodrinoes, Amaro Rodrigues de
Arauio de. Fiiieiredo, Senhorinlia F. de Albuquer-
que Figueiredo, Francisco Nurueira Braga, capito
Lu Antonio de A.. Vianna, alferes Manoel Arclino
da Va-CincelloR, is Antonio de S Viaona, Jns
Maria Gomes da Silva Azeve lo, Lucio Ignacio Tei-
xeira e I escravo, Antonio Eluardo de Berredo e
i escravo, Delfina Rosa dos Prazeres e 3 Othos,
Swbre Londres, 420,000 a 26 3ji, 26 5j8, 26 Vtctorina Maria da Conceigo, F. Lopes de A. Cos-
<|ues(o do Arataagil.
Volto a cumprir a promessa de ir In eirando o
publico das occurreocias dessa queslo, e princi-
piare! fazeudo algn additameotos ao raeu primei-
ro eoininuui,:ado. Esqueceu me ue duer emo que
aules da chegada do Dr. chefe de polica a Aratan-
gil havia ojuiz requisitadoao delegado, que Ouesse
retirar a Corea com que ahi >e adiara, aliin de po-
der ter execugo 0 seu mandad, e loi-lhe re-pnn-
dido pelo delegado que nao dispersiva a forca
porque se ochava noquelle tngrnlio por ordem do
Dr. chefe de policio para o fim de nao consentir que
se prultrassem artos de esbullw, de violencia, e de
desrespeilo garantindo us dnritos legues e adquiri-
das fiormeius legues e jurdicos.
No dia 11 do correte dirigio-se novameote o
juiz ao engenho Aratangil cora o eserivo, oiliciaes
de juauca e meu procurador, que requereu o cura-
primelo du mandado, e foi deferido. Os oiliciaes
de jusuga uo eoconlrando o Sr. Joo de Sa, Bzo-
rara a lutimago a sua Exma. Sra., a qual se re-
cusou obedecer, pretextando a ausencia de seu
marido, illegalidade uo niaudado, e fizmdo cora
que na cerlido se escrevessem os motivos do ag-
gravo que peude da rdago.
Cuni|ire advertir, que alera do delegado com a
sua forea augmentada p..r um destacamento viodo
dessa cidade, eslava em casa do Sr. Joo de Sa o
juiz de direilo interino Bacellar, qoe, paree, ficoa
subsiuuiodo o Sr. chefe de polica, e dirigiudu a
(ICffi.
Novameote requereu o meu procurador novo
mandado para serem intimados as pessoas, que se
achassem na casa para se nao opporem a entrega
e posse, sob peoa di desobediencia; que se pedis-
se forga ao delegado para execugo do mauddo ;
que se reclamasse providencias do juiz de direilo ;
e, filialmente, que fetas as intimages, vies-em os
oiliciaes paasef as certidoes na preseoga do juiz,
alini de evitar que se escrevessem nellas miuuias
dos aggravos ou cousas semelhaues.
Anda ludo isio fui debalde ; o juiz de direilo fez,
com que os oiliciaes de ju-tiga passassem outra
ornen
jue
relio
advenido os dos seus deveres I O delegado uo se
dignou dar tesosla, e o juiz de direilo f lo nos
i-eguintes termos ;Xo posso nem dtvo acceder ao
sen pedido sem que teulia pleno conliecimenlo desles
(actos, para o que se faz preciso que V. S. me re-
meta por copia nao su O arcar,lao que Se procura
execiitar, e o libello a que o mesmo accordao se 'Uve
referir, como tambem copia dos mandados por V. S.
expedidos para que tudo seja por mim vista, e exa-
minado, porqaanlo na qua'idade de juiz de direilo
cumnre me instruir a V. S. no cumprtmntto dos
seus deveres, e nunca sanecionar actos iUegaet, ar-
bitrarios, violentos, e sim punir aos seas autores na
forma di lei, instruccoes estas qne me cumple dar,
segundi preceilaa o art. 46 '.liio cod. processo cri-
minal e aviso de 1 de mato de 1836.
Em vista de tal junspru leucia, e da possibilida-
du se fazer obedecer, resoivcu o juiz dingir-se ao
Sr. presdeme da provincia, de que aguarda piovi-
drocias.
Levauta-se graode celeuma, porque ha de o Sr.
J.io de Sa entregar um eugenho sem acabar de
urar a safra que principiou a colher, e aiuda mais
outra que lem ja criado. E' consa ouuca vista, di-
Zein, uma violencia inaudita I... Mas, nao se
allende a que o Sr. Juo de Sa Lem j colindo amas
dez safras por ura coulraio julgado nullo ; e que,
em virtude desie contrato, havia sido entregue o
eogeuho, como disse de outra vez com uma safra
tambera principiada a colher, e ouira criada.
^ Cousa ouuca vista | Mas, o raesmo Sr. Joo de
Sa eulrou para esseengeuoo por forga de ura man-
dado judicial, langando para fra incontinenti um
dos herdeiros que nelle se achava Com sua fa-
milia.
Mas ura irmao do Sr. Joo de S (o Dr. Victo-
riano) leudo de execulai contra raeu irmo Googalo
Francisco um mandado de po.-se de uos terrenos
do eugenho Piabas, tomou essa posse incontinenti
nao s dos terreuos como de urna safra neiles plan-
tada, de casas do lavradores, de caouas desses la-
vradores, etc....
Ainda muitos casos semelhaoles poderia eu re-
ferir, mas trago sraeule estes porque rae parecein
mais frisantes.
E devera ser uma a jusliga para os Srs. Ss, e
ouira para o resto da sociedade T
Assim me quer parecer ; mas nao solrerei ci-
tado, hei de gritar, e gritar bem alto at que as
minbas vozes cheguem at aonde esliver o re-
medio.
Seriohilem, 12 de dezembro de 1865.
Gaspar Cavalcanti de Albuquerque Uclia.
t N. 27.JustigaAviso de 10 dejuuho de 1843.
Ao presidente da proviocia de Minas Gerai-s,
declarando que os juizesde direilo nao tein com-
petencia para der aos juizes de 1* mstaucia, uo
civel, instrumentos que sejam obrigalonos.
Illm. e Exm. Sr. -S. M. o Imperador, tomando
em consideragao o que por V. Exc. fui ponderado
era seu oilicio n. 59 de 22 de maio prximo passa-
do, sobre a duvida era que se achava o juiz muni-
cipal e de orpbos substituto do termo de S. Julo
d'EI-rei, de conforraar-se cora uinas inslrucges,
que ojuiz de direilo interino da comarca lie dra
acerca do modo de deliberar uma pardlha, e que
eslavam em conlradicgo cora a seulenga do mes-
rao juiz de direto, que nao lomara conheciraento
do aggravo uilerposio do despacho, que por ella
juiz municipal deliberara a ine-ma pariilha; r-
denou me que declarasse a Y. Exc, que os juiz. s
de direilo nao tem competencia para dar aos jui-
zes de 1* instancia, no civel, inslrucges que se-
jam obrigatorias; pois que, alm de rouitasouiras
razHs, com que se poderia repellir essa competen-
cia, v-se, que ainda o regulamenlo n. 121 de 2
de fevereiro do auno paasad, limita oo arl. 33 i
auloridade dos dilos junes de direilo as inslrucges
e esclarecimenlos, que forem necessarios par* sol-
ver as duvidas, que occorrem aos outros juizes na
execugo do dito regulamenlo, cuja iiaitago tirina
a regra era oonirano ; amito mais exclue essa
competencia no caso, em que Ibes toca conheo-r
das questes por va de recursos ; porque em tal
caso a deciso dos mesraos recursos tem de regu-
I





* .*
Btnri fe PrrinhnM *'*l*r i 4r lr/e-ml>r> <** **
lar necesariamente as do? juizes recorridos, e se-
rla Um absurdo que por entras in-iruceflw a par-
te podessem elle* oullirk^ar suas preprias decisSes,
eollocar o jues recorridos n'uma lerrivel col-
liso, para saberem qual das decides deverao
cnmprir. O que ludo caba-roe communicar a V
Etc., para (jue o faca constar aos referidos juizes
de e>rreiio e municipal, e sirva de regra nos casos
qu para o futuro pn.--ara occorrer.
Deus guarde 3 V. Ezc. Palacio do Rio de Janei-
ro, em 10 de junho de 1843.Honorio Hermeto
Carneiro L-ito.Sr. presidente da provincia de Mt-
xas-Geraes. 1
Protstalo Sergio Vcho d Mello____
Justino Pereira da Costa.....-......
20il 20500o ,eci', na C*1 de Mucoi, o primeiro bem
Si 00 conheciJ nesta cilae, pois que foiempre-
MOOO gado naca-a do Sr. Len Chapeln, retra-
l!w! -l'sla estahfilfiddo na ra ia Impccairiz, ac-
Ojtiestiio Arantagy.
N'o final do eommumeado qu. son a epigraphe ',!> JJZEt; .' ',' 'A n.W.......
,m *.......;. .. k.-;____.Jl'-Tn:. Jo- Roberto Alves da Lunha........
Palmares.
Dr. Sebastiao Antonio Accioli Lios...
Uaestdo Arauagiilo\ hontem publicado no Dia-
rto de Pemambuco, se disse que o juiz municipal,
recouliecewh que o seu procedtmento era capricho-
so e illegal, reformou o teu indefbrido sempre
prumpto para as peltcoes do exnulado, ordenando
11 suspenso da execuco al a exiraccao das car-
Vis lestemuntiaveis.
.Devenios azer urna retiftcaeo :
O juu municipal Costa e Silva, dea cora efrito
em data de 6 do correte, n'uma peticSo do len-
te coronel Joo de S, o'seguinle despacho : fica
Amonio J .s Bruce luni.tr......
Manoel Thom deOlivelra..........
Manoel Thomai de a quino Iforooha..
Antonio Manoel Cavaleanti.........
Justino Jos Alves..........:......
Joo J...- Ferreira.................
Jos Gomes Cvaleanti.............
Augusto Cesar de Albuquerqne......
Freguezia de Trai-unhem.
KSeK^^iraS.iva:.::: aB'S ** <*egando e em Maceid, um
55 00 sniio pedime, que o acompanuaSse ale a
105000 casa do Sr. Cnrisliano, para ver um doenle
lonni e Prescreyer-lhe algum remedid, encontrei
0*000 0 jji^ em uma cama (jeggfrnajjQ e em es_
||,(j[|j} commKttdo desta molestia, fui daqtfi desen-
204000 ganado porhabis mdicos: r-'tirou-se para
20*000 a Baha, e all continuou em tralament ate
ifitflnn'S"ek' se8unQ,a *ez desengaado pelme-
IO*UOO
Manoel -erermo de Ohvelra
Maqpel Francisco da Silva..
Jos Vieira............
coa
eneros..... 979------1fe-e .-** ? f1tr?,0,rt erM dos forneci- I(lm. Sr Dr jair /;irnl ,,,,, ,(o ,,omrnrBO
~" ''*6 ^^*^.?^^lp8Jdra_e.de.or,Jectsd?farda- rara leilao de urna caixa ron, rh.pftos de Miro
Hescarregam hoje 13 ddejEmbro, -- *"i
Barca infiel fom'd mercaderas.
Barca irigicia\tiramta dem.
Patacho "iilerFow-diverso gneros.
Patacho m-triacoEfperanca diversos gneros
de esiiva.
Patacho inglezRoservay Uboado. -
Barca prussianaClurkauf^bacalho.
Patacho bespaoholSrbattKb vinhos.
Barca ingiezaIsabelia carvi de pedra.
Barca inglezaCoreacarvao de pedra.
Barca inglea Dol/ine carvao de pedra.
Barca ingleza Anne I/iqanidem.
Brlgue inii ,-i-Pai -dem.
O thesoureiro,
l.uiz Jos Pe eir Simes.
ENruua inglea- Mischtefruina de pedra.
Brigue purtuguez Bella Fiquerense -pedras.
60*000 tado de prostracao, poiS que escarrava san-Barca nacional -Malina -charque.
--------------gue, e tioha completa inapetencia e fraque- Barca nacioaalSanta Maaidem.
162o000 za a. p. D'O de na' se OO-ier premp, no Brigue porluguezJmporto-idem.
fimde urna garrafa do xarope_ ethereo de ^^^Sa^Z-^.
Moute-Pio Portu^uez.
A directora provisoria do Moote-Pio Pwriujroez
pelo exeqaenle.
.N'uigcem ao ler este despacho, deixariade
que era elle urna decisao sena, tomada em boa
P'T uma am .ndade que desejara remediar, ou ao y'u'
__i^. vi lu v i. j 1 ".-ii.F ui n.inaia'i'ii .xittiaitniu moni.
veame ja se achava elle no estado de pas- recebehia de kenas inteknas GE-
seiar em casa, desapparecida a ina^eU-ncia e raes de pernambuco.
OS escarros de sangue : e a tns>e mitigados. Bendlmento do da 1 a 13...... 11:376*318
No fim da segunda j achei em estado de ldem d dia 14................ 1^1*2^
faze-lo passear pelo si in todas as manhaas.
Aiabada esta o acnnselhei. que continuasse
: no uso do mesmo xarope etherio alternado
meaft rtviu larohen de propostas recebidas era
cirta* fechada dlquMIu da al as II horas da
maohaa.
Sala inconseltio de compra navaes 13 de de
zembro de 1863.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
laspecfo d arsenal de
na ario ha.
Pai-se publico qu- a commissao de peritos, exa-
minando na forma determinada no re annexo ao decreto n. 1,321 de 3 de fevereiro de'
183i, o casco, machina, caldera, apparelno, uhs-
|-trM(;5o, refiiM, amarras e ancoras do v*por!
Mamanguape da compa*ha Pernambucaaa de na- \
rogago costeira, achou todos estes objectos em:
estado de poder o vapor navegar.
Inspecgao do arsenal de marinha de PcTnara-
boco 13 de dezerabro de 1863.
O inspector,
H. A Barbosa de Almeida
ti m as cartas teslemnnhavets requeridas oeto sitp ft .
phca,e recolando o escrwa* o mandado reque ao'StU c unecjmen,, a por lsso licita de todas
as pessoas a quem dii respeito a enuncia?o desie varOM7"aU-(7irn"rip'"verame*''e ne enfl'nenio do da 1 a 13....... 69.794333'*
desojo, que nesse sentidu se sirvan envidar os seus U),n "roPa AM"l'tO de \eilame, e que [(Jem do dia ,4............... 6:068i936
)a re efur,os, A boa vontade ios cavaibeiros que bene-: usasse dos ban))Ksalgados na pancada do: 9-----------------
CONSULADO PROVINCIAL.
e anno as e.crophuias, hypocondna, esthensmo, lastro; a ordem.
ira son se turnara enfadonha em que se me rommuiiica o seu bom estado.
Passaodo a joia a 23*000 a contar do Io de ja-1 Nesta molestia os expositores de medici-1
estatutos, de inieresse de todos os signatarios de
li-las reali-arem o pagamento da sua joia
autes, uo deixandu expirar o crrenle in-z
sem o haverem feili, mesmo p..rqu, guardando-.-e ametioniea, raclbismo, etc. : entretanto vi
IXffSJTtSSS V iSJRC esle lher-se as listas e recibos nao pagos al ao dia 13 e OUtrns relos Igoaes tenllO visto ras mo-
deste mez, ja por nao se poder depois mandar lesiias sipliylilicas, e outras multas que COin
recebr de todos a um lempo. 0 uso do xarope alcoolico de vell..me tcm-se
A directora lembra igualmente a todos os inte- obtido cura radical
ressados, que luda de sua conveniencia o im-1 _. '
mediato pagamento da joia, pois que s seis mezes v W. Ur. Suva, medico hbil de Ma^eio,
depois de o fazerem, e ie eainvm em vig.T os es- depoisde ter ap[ilii',ado a um seu doente de
desp
va nao pas
ao cieeuUdo o a sua familia.
Jg&f BWPW VSE:
em Senutia-ii pelo teoeule-corouel Gaspar, inva-
dir a fiegueiia de Ipqiuca para o tim de brutal
iii-nie expcllir da cas> de vivendi do engenho
aiiiiUB.> a 1 ex-cut.' I e-ua familia, ou peior
ain la, para cuitar summuriamente a i|aestao com
os bacamartes e facas.
To raode desapontamento exiga uma repara-
?So, e ela devu ser protupta e ifeiioeada subre o
plano da prtmeira tentativa malograda.
Ojuii mtniicipal supplente Costa e Silva, nao es
fez e.-perar.
Nd da 8, sem que as cartas testemnnhaveis es-
tivi>sem tiradas, revogou o mndalo desuspen-o
exarado ao desfajo minedialo proseguio as suas tropelas.
Petnirtota homens sizudos, que embora amigos
do teuenie coronel Gaspar, detestao todava as
sioleiicia.i e cmnes, pariam d'onde parlirem. re
velaran) ao leneiitecoroiiel Joo de Sa, os planos
do seu couteu lor, e o perigo a quo eslava exposto.
O teneulu-corooel Joao de Sa', nSo dispresou a
revei.-i^o, e vende-u sem demora que o juiz mu-
nuipai suppleote Costa e Silva, nao se havia re-1
tirado, como dissera que o fazia, para sui casa 00
engenno Sercs mas que se conservava a' podca
di>iaucia o o cngeuho S. Pedro, rodeado do e>tado
raan.r, qu>! no 01a 4 o acompanhara ; que a dis-.
Uci .-.\o da lu ca armada de Serinlioin, fura uma
verdadeira farca, e que os meios de agg/ess.io
preparavam >e"i;io vigorosos ameagadores e iiie- parado milito tem epr^veitado aos que sof- ma com esta sent^nca. enlende esiarsem
gans como no dia 4. rein l)tSla molestia, e 6 de lamenta -se, que ">as cura, quando us Ca< tos e a experiencia
JtZS SOJf.TSi: nS^ om*m mano e da forca bruta individual, o teoent-c.iro- suecumbem de tubrculos iiiluionares,' rado o lufinr api opriado, se teom salvado ;
nei Joo d s.'', pedio n vamente as autoridades sern procurarem o tecurso d > pratico e do e assim explicam muitos expositores de me-
euca, regadas de proteger a ordem publica e a experiljrile que |r,es ,,dem encaminiiar o d cia.
pn.|.nejado e vi la d cidadao<, a |)roteccao a .%
aaoviMEmo ^c ?cbto
Navios entrados no da 14.
No oa 15. 16 e 17 do crreme mez ie
rtezembro, pelas 4 horas da tarde, se arrematarla
de renda as maltas da propnedade ApipucuS por
lempo di um anno, a contar do 1 de Janeiro de!
**'_*_ i 1866, cuja arremalagao tera lugar em <;asa do i
respectivo administrador. Condu\oes e mais dis-
posicaes relativas ao arreudamento que por ezien-'
gas deixam-sfl de publicar sero franqueadas aos
interes>ados que para esse m se iioilero dirigir
a casa do" mesmo administrador em Apipucos.
Os licitantes |apresenlaro suas propostas em
caria fechada, vindo a^ompaiihados de seus liado-
res, que devem ser pessoas idneas, alim de as>hr-
narem o termo de arremataco quando ella se
realise.
A arremalaao ser as 4 horas da tarde nos das
cima indicados.
Apipucos, Io de dezembro de 18(3.
O admiuotrador.
para senhoras, o qual se arh- depositado na al-
fandega, cujo leilo sera elTectuado n mesma re-
parlieao e cora assistenc de um empregado, isto
no da
* = al- aa-r.
____Sexta feira 13 do correle as II bofas.
^^ Peir' semanal
De i mdnlia de Jacaranda com Umpo de pedra,
grande quantioade de objectos de ouro eprala.
reoslos de diversas quaiidade-, apparadores de
mogno, cantas francezas de Jacaranda e amarel-
lo, gil ir la vestido, guarda lou(-a, I in.li nineBtal
co pleio para u.na mu tigo.
IIO JE
Sexla-feira M i!o ron-cute as 11 beras.
ND (ANDE ARHAZEM DO ACNTE
OLYMPIO
36-KllA DA CaEia l)u REatE-3b
LEILIO
DE
73.863i70
taiuios (o que sera fipporiunamenie anuuociadi
terao direito a receber soccorros e beneflcios, como
dispoam o 3o do art. 12 e o art. 78 ; e ser Ihes-
ha ceilamenie grato, viudo a venlicar-se uma li\
poiiie>e de>agradavel, encontrar na tociedade be
nellcenle Monte Po Por'uguez o auqiaro e protec
buco, 6 de dezembro de 1865.
rbeumatismo o xa ope alcoolico de veMame,
logo que elle se poz em estado de largar 3*
moletas em que amiava arrimado, o aconse-
lliou que c.intinuasse com o uso do mesmo
xarope conjlindamente com os banhos sal-
Jos da Stlfa Loyo,
Presdeme.
Joaquim G-rardo de Bastos,
t secretario.
3hhy.*iri.
O xarope etherio di; veame por miin pre-
| um dos mdicos que alli em Vlacei tem com-
1 pela contianca tas preparages de vellame
pormiin fetas, pelos bons resultados que
tem tibiido em mi clnica.
Quando alguem se v com tosse vai ao me-
d'co.esteo examina e declarao senhor es-
t alTectado dos oulmeso doente desani-
que nona direito ; es*a prutec^ao ihe nao fui re- uieio de sua salvacan.
Ora, nessa provincia temos facilidade ho-
cusaiia; e enlo os planos sinisiros do lente-
Coruuel Gaspar, forain oovameule ioalilisados. _
I' .receu-iius necesario a presente reiificai-o,
para evitar que se faca do |uiz municipal sappleo
le Cosa e Suva, um concedo menos exacto.
A reflexo e o-izo que odominaram n> dia 6
forain de curia durac 1 ; nao passanlo de um ar-
nii te grosseiramente combinado, cederara di niro
O Sr. Braga com luja de ferragens na ra je e recurso do ar ; por que a va frrea
Direita, foi desengaado por dous habis nos proporciona, pois que em pouco lempo
mdicos, acba-se bom com o liatamejiio por urna pessoa que existe nesta cidade fed-
uj u pre.MTpto. ineuie se t au.-poi la para as ullimas eslayoes
A Sra. Jeronyma Marta da Conceican, mo- de (iameleira e Una, lugares perto do Boni-
radora na trawssa do Muitteiro n. lO.achan- lo e de oulros pontos que. sao considerados
do-se desengaada, latnbem mim 1 ecor-, Serlo, quanlo mais que os mesiims lugares
it (j nao sao inos, segundo pens, prmcipal-
de pouco lempo o lugar ao c-prichu e a cuiros
seuiimenlos reprovados, que devem ser alluios a reu e aclia-se te latteieCld
reciido do ulgador. Um sobrinlio do Sr professor te Xaza- "i-ule no verao.
Nao houve io-xactido no communicado a que retli di) 'lab acha-so bom, C0H10 Srt v de Mas dir-se-ha-
Rio de Janeiro e Bahia5 dias e 39 horas, vapor
inglez Domo, de 10226 toneladas, commandan-
te I. A. Bevis, equipagem 126 carga deferentes
gneros.
Rio de Janeiro e poris intfrmedios6 dias, vapor
nacional Paran, de 80 teneladas, commao-
d Da o capnao de fragata Santa Barba, equipa-
gem 38.
Navios sonidos nos mtsmos dia.
Ilha de Fernando-Hwie brasiljiro Srrgtpano, c-
puu Pedro Jo,- Francisco, darga deferentes g-
neros.
LiverpoolBarra ingleza Anne Kay, capito Bo-
bea t Seweil, carga as>uar e algod,
Cubbi -P,.taclio inglez ilary Bell, eipilo Thomaz
Whit, em la>tro.
Southampton e portes intermediosVapor inglaz
Domo, commandante Bevis carga algodao e ou-
ims gneros.
Portes 00 sulVapor inglez Vipr, capitao Cory,
em lastra
Ilha de Fernando-vapor hrasileiro Mamanguape,
commaiidanie Rales, carga deferetit-s geneiO".
Porlos do sulV*pur b'asileiro Paruh\ba, com-
maDdaute Mariius, carga deferentes genero-.
0GL4IAC.
una pessoa pobre nao tem
nos 11I1 un.1-. Elle de dala de 8, quando a re
vogacu do despacho anda nao era condecido.
11 oe dezemro de 1863.
1 <1UM
OEESPONDEMAS
Urna rcctiflc:i?5o.
A refereuri 1, >|ue ao nvu Dome fat, a narraban
sua caita abaixo transcripta, al 1 de ouirosi' "S de se transportar d all estar -a isso
fados, que .oderia aqui mencionar. se respon ie, que naquelles lugares exisUn
A phthysica a dtfeUuigao e a maureza casas vasias e alogam-se por preco comino-
de todo curpo, em onnseqtiencia de chagas, do,
tubrculos e c iicrec.rao dos bofes e de em
pye.na. atropina nervosa e nutras molestias
que viciara os humores, como escorbuto,
alporcas, gallico, asthma, bexigas, sarampo,
etc.
e mesmo mutos gneros de priin-ua
necessidade al i se vetidem pelos mesmus
precos que aqui.
Aquel les, pois, que estivorem ne>tas cir-
cuiiista idas, eu li.es facilito explicaros mei-ti
petos quaes se devem reger, e Ibes fuinece-
da qoe-i.io Araiaugii puoiicaiia no Diado de boje, Na phthvsica, chegando ao estado de gra-! fei os medicamentos gratuitamente,
s .1 aoooyin. come n urna hisinoaeo malvola, vdaje ue |lll|jt0 -)le cnc,rer |iara a au deixarei de advertir ao publico, que
que 1 lev.i 1 t.iv? lir, e vera a ser que qu-< leudo >ido .. Oo mStihaa >. .r .,,-r,o. ,1,, .,i,m t.s r,ui
if.wid dos creas na i- instaoc.a, declare, ao salvacao do do nte e apnlar os meiln-amen- asmiiitws preparacoes le veame >m reu-
Sr. J .lo Je Sa que u DdgOCIO era legal, e iqp nen-
. una duvida podia hiv-r, quando exista quetfSo
pendente, eque depots cmi nmou.
Declaro que inexacto asta iosiooaeSo, que >6
pol 1 ia ~er fciii por falla de informaco de quem
.-. ;: 1 i mecer.
U Sr. J p.io do St nao ignorava, nem podia igno-
rar a que>lo peulenie na I1 instancia, e de que
. 11 rpoz appeilacao o l)r. carador geiai por pait*:
I i> menores, e laato as-im que me fulou par
ser 1 aivogado na cuitniuagao de-le pleito.
Tend 1 acceiiado e-ie encargo, resolv loiio d-poU
(crei 1 que em >8j uu em 1833) despedir me d>
,utr ci no d-ia cau-a poriiioiivus que occon erara,
e qne eram de eserupolo peesoal, e ueste sentido
tos o ar to campo, exercicio c inveniente
e dieta, a quai nao deve ser de nennuma
Colisa quente, ou de detDeil digesto : e a
bellida compre que seja de natureza branda
e fresca.
Totlo o sen al nento se ha de dirigir a
nidas c-rn outros ingredientes, e com el ios
teiilio oliltdo o l.mos resultad s: au se en-
gae o mesmo (indico com Outros que por
ahi seannunciam. cujas preparacSesignoro,
assim como o aproveitanienlo aos enfermos,
a quem porventura lenham sido applicaib'S;
e
- ; 'vi ao Sr. J .io de sa, que me fez a huir d- e accelere iiniiio a cuculaco do sariue.
o o Sr. l)r. Victoriano
de Si A1I1111 ierque, para que eu continuaste a
m^denr a acrimonia dos humores ea nu- cada mu responde poi si, e eu affiuiocoin
tr ir e si^ter o doenle, para o que preciso verdade i que aoui terihorelatado, cujos nie-
reduz-io ai uso de vegetaes e leite dicamentos ne-ta provincia s vendo em mi-
Toda comida e bebida, que se torna ha'"ha botica na ra Direita n S8.
d< ser em poucag porc-s, para tviiar que Jos da Rucha Paranhns.
o excesso do chylo fresco npprima --s bules Nazreth do Cabo, 7 de setembro Iom. Sr. Jo.- da K cha Paranhos.ra
Arsenal de guerra.
0 conselho d compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
Para o 3 balalho da guarda uacional.
'i00 houeis para soldadas a inferiores.
400 ditos redondos.
17 ditos a Cavanhaque para cornetas.
17 pares de cbarlaieirai para ddos.
40o mantas de la.
27 bandas de la.
2 devisas para sargento ajudante e quartel-mes-
tre.
2 espadas para os ditos.
2 tahns dem Idem.
lil cordes para canudos.
17 dito* |iara cornetas.
17 cornetas de loque.
1,1176 metros de panno azul para fardas.
1.8i8 diios de dito para capotes.
924 dito* de liaela verde.
34 ditos de c-.seiiiir'a encarnada.
22!) ditos de aniagem
917 oito- alg-)do'.ioho para fjrro.
2,400 ditos diio para camisas.
1,100 ditos de hrioi br.meo.
. ti il boioes grandes de metal amarello.
3.733 ditos pequeuus dem dem.
1 baodeira imperial de seda com ha-te e lanc.i.
2 capas de hrun e oleado para a mesma.
1 porte com galn.
Para e 4o i.aialho de voluntario?.
2 cornetas de touue.
20o hoiirls redondos.
As pessoa- que qoizerera vender ditos artigns
apreseiiteui suas propo-las ua sala do conselho de
compras, as 11 horas da inanha do da 16 do
crreme.
>ala das seseoes do conselho de compras do ar-
senal de guerra 13 dedexembro de ls63.
O eocarreado da esenpturacao,
Manoel lote de Azevedo Santos.
0 administrador da recebedoria de rendas
internas gerae-, avisa aos conlnhuiHe' dos impos-
tos -eguinies, do exercicio de 1864 1865 : ren-
dados puq.ri.'S nacionaes, foros de terrenos na-
eiunaes, decima addicional de mao mora, impo-to
de 20 por ceiito sobre lujas, dito especial sobre ca-
sas d^ movis,'rom.a, calcado fabricados em pata
Sabbado 16 de deeuibro.
IVnker & Kirnxo far 1 leilao por int-rvengao
do agente Pinto, de differentes fazendas inglezas,
francezas, sui-sas e alleiiiae* e um coupletn sorli-
mento de cna,.o- de castor, f Km e lia, as 10 ho-
ras do dia cima declarado 110 Sea arma'.em da ra
da i'.r-ii n. 62.
joo Francisco do Reg Maia Uma Hola victoria, pelo agente Pestaa.
ril t'L'lll Hfiil Quinla-foira 20 do corrate.
/> -;i(.IU Uullj O agente Pestaa fa>a'leilo no da quinla feira
Pela adminislraco do correio desta cidade.se 20 do crrente na porta da Auueieeau Coiuner-
faz publico que em virtude da convenfo poaial cial Beoefleeole, de uma luida victoria, forrada de
.elebrada pelos governos bra-ileiroe fraucez, sero seda e couros de lastre da melhor qualidade, cera
expedidas malas para Europa no da lo do corren- arreos de metal principe mudo fino, um carro
te mez pelo vapor inglez Domo. de mudo go-to e pruprio nu s para quem esliver
As cartas serio recebidas at as 2 horas antes passando a fe-ta fora, como para quaiquer seuhor
da que for marcada para a sanida do vapor, e os de engenbo p^r ser niuilo leve e forte.
jornaes at tres oras (ntea. ^mmm_^m^mm^m___^.__
Administracao do cwreio de Peruamboco 8 de ]
dezembro de 1863.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
USOS BlfEKSta
1 orrtiu gefal.
Pela administrago do correio desta cidade se 1
faz publico que ho|e (13) as 3 h ras da larde fe-
citar se-hao as mala.- qne o vao ir Paran lera
ue conduzir para os portos do or 10.
As carias serao adraetiidas a seguro at as 2 ho-
ras da larde, e os jornaes sero recebidos al o
meio dia.
Correit).
Relacao das carias seguras vindas do sul pelos
vapores inglez e nacioual para os seuhores abai-
xo declarados :
Antonio Joa pum Panasco
Antonio Jos G racalves Plexe.
Beruardioo ios Mjnteir.i.
Oustaniina Maria do- P.azeres.
Candido da C)SM Dourado.
Era-mo Jo- de Me|i<>.
Francisco de Paula Marinho Kalcao.
D Henriqueta da Silva Civaleali.
Joao ile Freilas Birb >sa.
Jos Pedro dj Paiv.i Biracho.
Jos Rodrigues de S .ua.
. Lui/a Aunes de Andrade Lial.
Liuz Muoiz.
Marcobna Mara da Coneei^ao.
Marcolino H-nrique de Piitueiredo.
Tnooiaz de Aj n i Pouseca.
Vicente Ferreira daCo-ia & Filho.
GARIUUX \)E LAILIIACAH & C.
LIBRAIRIE FANpiSE
K11.t lo 1 re*|> h f>.
. LIVROS XACION'AES E ESTIUiNGEIROS
ReligiaoPbilosephia Juris. ruilcncia Lii.era-
tina Sciencias e arles.
Papelaria, objectos para escriptorio.
LO PER
1
9O05U0O
I
i
^lidUS liAllUaUi.
Aos 12:000,5000. 3:00 >5000,
e 3iMi00
Para as boas fesias.
Corre uiiilii i iiesc uipz.
Actiam-se a venda na respectiva ibesou-
raria os iiil otes, meius e qmnius da 8a
! parte da lotera em beneficio das ramillas
dos voluntarios da patria, coja exiraccao
ser no dia mencionado e no lugar do cos-
tiline.
Os premios de 12:0005000 at jOOO
serao pagos tima bota depois da exiraccao
at as 1 horas da tarde, o os oulrus depois
da distribuicaodas lisias
' As encotnmendas s serao guardadas at
! a noite da vespera da extraeco.
U ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soua.
es-
r fallar por seu irmao o Sr. Dr. Victoriano Muitos duenles desta molestia se teem en-! maior prazer levo K. conliecimenlo de V. estrangeiro, de cnfeitaria e perfumarla, e laxa
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com muda brevidade o brigue
uacional Amelia, para 0 re-lo da carga e pa ros que Ihe falla tr ta-se com os seos consignata-
rios Antonio Luiz de liveira Azevedo 4 C, ra;
da Cruz 11 1.
Tera bous commodos para passageiros e
ciavo-.
MHMM IIISiUHU
DE
PAQUETES II VHP03.
Dos portos do 11 ote e e perado
al o da 16 do coi rente o vapor
Tocnniins. coramandMite o pri-
meiiu iriiente Araujo o qual
depois da deinra do costume se-
guir para u portO> do sul.
De>de j recehem-se passageiros e engaja-se a
carga qoe o vapor poder conduzir a quil dever
ser embarcada no da de sua ch-gada. envommen-
das e dinrioiro a fre- ..t o dia da -anida as 2 ho- da patria,
rs : agencia na da Crnz n. 1. escriptorio de An-
nio Luiz deOliveira Azevedo & .
Para a Illiade S. MisrueL
CASA DA FORT

ser 1 -"u a 1 vog.nl.1, no qoe nao pude acceiur e
trege ao uso do oleo de vado de bacalnn,
con pelar em raza'o da deferencia, que devia ao e OUtras preparacoes de re-ina< e pa
Sr. l>r. Vlctoriaoo. sem que deltas
Dlrei linamieiite sem entrar na Iprreiacan doW alguo
motiv is, que li'.eraui irazer men noine na referida
nai r icao, que fo-se qual f isse a opinio, que eolio
f.irmas-e ,-otire eale negocio, e que seria fra de
prop 1 1I0 jnicar, esta nao olmg.va a mcu irmao,
6 era em lo lo o raso subordinada a deCisio e-cla-
rect 11 d.- tiilitriaes, para a qual appella o autor
da uirracio, a que aiiodo, sera entrar ua discus-
- : 1 causa principal.
II -i fe, 14 de dezembro de I8n5.
i. t. G. Alcoforado.
acaho S que o (lente que V. S. acba-se adm- < esorwos, que 00 corren
iisamos 'nistrando-ihe re tedios, adia-se no todo res- bro'l,'"e1 se ufl o prazo. d
ii.-.iuiu.-, ... 1 j mic.ili 1 dos coiitrihuinles, e q
li-nha 1 tirado proveito; e|tabelechlo, porl.nl", ndaseme, lendo des-
. expositores de medicina combaiem apparecidn n todo a tosse, tem multad-po-
com muia raza 1 esse tratameuto. 0" dOi la e acha-se nutrid'. Ueixou
cosiume canvgar o estomago do dnen-;,,,m;ir "s "tmios remedios que V. S. rec*i-
te com medicamento oleosos e balsmicos; t no da 30 do passailo, resta agora a V.
poritt estes em v z delirar a causa aug- S. manlar-me oizer qual a dieta qoe u
meiitani-na, -spientando o .angue. anies- doenle deve conservar e por qoanlos tem-
mo lempo que tiram o a:>eliie, relaxam os
Solidos, e sao de toda smle perniciosos.
Tildo que se (i/.er para extinguir a tosse.
pos, men ionando as C"mula> que dever
usar daqui em diante.
Resta-me agora agradecer a V. S. 0 coi-
iUUQyoES ai rogo
.in <-,i!mU; peltoral de Kentp.
ti 1.1 -minies lo-se ede chegar a ser unulal .-
na o -e al upar a lempo ; porm eviiar--e ha com-
pl tamble peng,, fazeo lo Se uso i01 11-dUo da
Anacalinlia pea nal de Keinn, a qual mediante a
Sua benfica infloencia fa ceder rapiiameoie a ir-
alm do exercico e reg men apropriado de- dado que lomoo no tratamentn lo meu so-
vem ser remedios de natureza aci la, deler- bnnbo, abaixo de Deus, de.vido o sen resta-
gente e calmante. jbelecimento a pericia de V S., e por isso
Os cidos possuem a virtu le de produzi- P(,,1e V. S., sempre contar com os meus di-
rem botis elTeims nessa eid>ruiidade, por minutos preslimos, edeseja-ei em todo o
que, niio s contribuera a apagar a sede tempo dar urna piova do meu re^onheci-
quando accoiumettern a febre etlica, mas ment,
tambera a refrescar o SjUlutie Oesejo a V. S. todas as ventoras, por ser
Aos d .eules desta enfenuidade. quando o ''e V. S. muilo respeit ulor e bi i-radi-sim'
^lsst^sssui vsszn t-ia,,u de gravi,,i,,1e 6 u[ 4,,t a Stbre criH,, -F,ancisco Iteru,guer c,sur de ],e-
qi- asihma incurave muil se engaara. tnica os acodim-tle, prescrevo- bes o sil- M.
7 f ut fi >'iiitu Kinii ,.i,.'iu i'iiulll .ol.ioiiO O.' I Pll lia llnl I 1 1 1 "1. I 1 I i- 1 I ,111 nuil l. 11 upu __________________________________-.__________
< fori-fi.-ante coinpo-iio vegetal sulijuga es 'co de um liman dissulvido em urna chicara
sa ..inuiiva mole-ta, arada mesmo quando debaixo d'agua cora batanle assucar em um grande
d.s lu mas as mais oti-lnn ia- e aijii avante-. Ai. .... >: .
aog.o,-nunca ierra oa-aoeiibrouhues-a losso I > Pr misturar com U.n papelu.ho dos
em p'iiy-ica nem a rooqui lao en) asthma, -e des
de 1 e em seus principios forem tullidlos c on es-
t- tul-.mo vegepii -uavi-adore sedaiivo; eos be-
n nc .s eflelos sao pr .mptaraenl-i ex-c.uiado* as
enf.-i ..iilades dNi puloie?, dos va-os bronchios e
da pleura. i
pos refrigerantes para lo-nar, com que ali-
viara no acc a metimiento da febre. e pela
mauliaa o xarope etherio de veame, ienho
aconseiliado, que f cam uso de ve natureza acida, como laranjas, I mojs, p-
eumifBb 10.
\o*o banco le Pcruaui
buco.
O Novo Banco descuuia letras a 12 por rento
ai anno, loma diuheiro pra.-o ti xo 011 em couu
correle pelo premio e con ii(,'5j> que se couveu
.Imilla. .,-.... -w.-.u. WWH^ ......'-*'-9 f ""' -'* I" ...'...-. y. ". |R.IHnf< ...... .-yv -,
I '.i I :- adiar i veodaera todas as boticas e le- tangas, uvas, etc., e applicagoes d plantas ci mar. e saca sobre a praca da Baha
jas de d.ogas.
Ven 1e as pharoiacias de Caors & Barb>sa e
J. da C. Bravo JC.
aniarg .sas, que lo i ficam o e>lomago e ser-
Brasil
Li ta los cidadios da Iregnezia deTimhauha qoe
vemao me rao lempo ara derruir e mili- CaU hanc1
^d i em Peraambuco.
8,^ '. jo-r 1 Temise deseiicaininhailo da ma>sa fallida de
Abra. U. Joaquina de Sa Rarrelo. lemlo oodherme r.arvaiho & C. o recibo .e 15 aro-.
i-ui.s'T. ver.un eiu f.vor da associacan proleciora Ulna Slia escca>a fallecida desta molestia, Silh- da- iocli-ada* m,ia eaix, soh ns. 2787 a 28111,
das lamilips dos Vdiuiiianos da patria
(Cooliuuacao)
Um a 11 myrao...................
Virgino Vello-o Freir.............
Ci-l.Jio Vello-o Pri e.............
Casi 1 lio .1- Oliveim Cavaleanti......
l.ui/. Kianci Simplicio Jo- Peren-a.............
Vicente Ferreira J iii Gomes Fe. runa............,..
Amonio Manoel de ' M.iiin. I Ignaci' de Veiloy.........
..Iom I F| iretni -o Bnrr.osa.........
M no 1 Pereira dsjiflM Wn ir|. y..
.1 a. lilil .sa d- Mean...............
Placido Vier, deOiveira..........
J.nua ni (ornes da Siva............
Joa. r*erreira ita8ilm.T.........
Fraiici-co Nones CainMlf:.. ...*.....
Je- Jo.j 101 de Alb tqn rqoe Uchoa.
pan-ivii ioellio M ira............
Um aoonym ......""...............
J e Ju-tlllo de A7>VPdo............
Au ir Aurora Cavalcanli...........
Eslero Luiz Gavalcauli............
I meltida ao tratamento de seo medico, reoI-
ifiojw n veu p")C",'ar"",e. Para traiar de umuutri
liOtim e^ravo, que solTria daiit'sma -nferin dade,
2o ooo piecre,vi- be o xarope de veame, tem me-
l.v 5001, idorailo eonsnleraveimetite.
A senliora do Sr
MU 00
50 "00
50AD0 >
in 09
lOinill
5 06
5 4' ion
1040 o
240 0
541 MI
2041IIII
204000
."i 30 lll
54000
|irieiiceiiie> a niiheriio- Frederic .! Soiiza ijr
v.l '. >o'io d-iqu. I1.1 tirina, a dir-cl "la fat puMi-
c 1 1 quem inlHie-Mir |io-.-a, que p ir parle de Jas
dno Jo- de Sonza Camilo-, adminisira.l ir .la re
feri 11 ma--a, >e vai proc.e.ler a irao-f-reu.ia 4*
dila> acede. para,a Sra. f). II ririr| ul. .la Sdva,
Antonio F.anci-co Ho- "c,Ul1J"'*"'"'" '^ '';. ** -"-"a*-
... U pilllliCa Colliplul". C lll'l tildo pl'oVal Culi ll '
norato fot desenfilada por liabeiS mdicos enilli',i.'.s qne lictm arc.hivs.tuS nesta rama.
Ill-
C.ai, 1 lilial do hanco do Brasil 30 de novembro
de 186S.
O gtlarda-livros,
Ignacio Noes Oin'eia.
_ h
a^FaNDBi.a.
Reudimento do da I a I?..'....
Iilell. lio ||U 14
desta cidade, esteve prostrada, e nos
mus paroxismos da morte, foi com o xaro-
pe de vame salva, como se v da cuta
impresa un Jornal do Rrcife de de fje
reiro de IH.--t.
O escravo Emili'|*di Sr. tenente-coronel
Iiodul(.lio Joao lia/ala d<: Mimida. 01 Ijiii-
bem de.-eiiJa'ial|i *ior habis, medie <&, e
cm o x..rope de'veHanie acha-se c m.dfta-
*o4"on tnnie restabelecido, como se v tambera
'''o!!w ^-1 C,u ""V^* ",esmo ^r- tonel 1 te-
5400O W| no mesmo Jotrwl itu ttecife.
5400UI 0 Sr. Aulonio Cbristiauo Fogt, (ilbo da Volumes sahidos cem frondas.....
Do Rio dejaneiio e>perado o patacho porta-
* guez Fernando, o qual lera' ne-ia punca demora,
no correte mez de dezcm- ^ ^ Mrrameill,) prin t !
da cobranca no do- JJ^ q ^ qjlfl 1|)p fa|Ia lial:,.M. (,J1M ns ^ C(,u.
signatarios Antonio Luiz de Onveira Azevedo & C,
no seu escriptorio, ra da Cruz 11. 1.
uo os que os nao
pagaren! no referido mez, serao coagidos a faze lo
execntivamenle.
Outro -im, que no snpradilo mez deverSo vir pa-
gar na recebedoria, jvre da malta de 3 por cerdo,
0 1." seme.-tre doi-xdrricio de 1865 1866 da de-
Aos l:0005n
3:tiO().j(iUO
90U 01)
5i'('U
Uile(ei auaulos.
A' RA Do CRESPO N. !3 & CASAS lid COSTUME
O abaixuassignado veudeu 10.- sas muiln fel-
zes bllllele-garautidusda'Olera que Se ->:abon
de exiralnr, a benelicio das familias do volun-
tario.- da patria, os -eyuinie- pr-uuos :
X. (i2?l d..us meios com 12:000-.
N. Sii dous quintos com SOftf.
N. 37oS .ion- quinto- coin 20o5.
E airas mullas sones de 1005, i-O, 203.
Ospo.-suifloies podem tf receOei seus r -i-ec-
livos premios sernos descontosdas le- na ; asa
da Foi tuna a ra do Crespo n. 23.
\criarn-se a venda us da 8" par:.' da l.-.teria
('r2') a beneficio da< faifaillas dos voluntarios
que se ettrahira a 23 do correle.
PRISCO,
. .- 125000
. 65000
.... 25400
Para as pessoas que cuuuirareni de 100.^000
para cima.
Slhetes.....U5000
Meios......55MJ0
Quintos.....25200
Manori. Martins Kicza.
Uilhelt'S
lelos. .
Quintos,
as pessoas
De v.
Para o Porto. Sociedade de seguros iu-
sahir oui brevidade o bncue porluguez ;
cima de mi mora, do Imposto de 20 por cento, e Bttteranca por ter a malor parte de seu carrega-
do impo-lo e-pecial. 1
Hecebedona de Pertiambucn, 5 de dezembro de
1863.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Cousuluao proviacial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
qne os :I0 da- ot-is marcados para Cobranca a
I" te
bocea do cofre do
umestre di anno linauceiro
iie 186:i a 1866 do ir
freyuezias desta eida
da da lloa-Vista e do
po-t'i da dcima urbana das
e e do- Afosa ios, e da parle
IPoQo da Panella, que -n ar-
reca lada tiela c.ollect ira de Oonda, se principiara
a contar do dia i d dez-mhro vindoiiro.
M -a do con-tliad provincial de Peroambuco,
30 de novembro de 860.
Auloui Carneiro Machado Rios,
Administrador.
Ohr s nu' liras
Pela repartico da obra^ punlicas se faz publico
l.ara ronhecimenlo los proprietarios da ra da
ment ja tratado : para o re-to e pa^sageiro- tra-
ta--e com Conha. Irmaos & C, na ra da Madre
de Dos n. 3, oucotn o capdo a bordo i
Ilha de S-Miguel
O patacho porluguez J IKGE.NCE, segu cora;
muda brevidade por ler a maio- parte do sen car-1
regameiiio prompio, para o re-lo la carga e pas-
sageiro- trala--e com o consignatario Joo do lle-
go Lima, ra do Atioftd o. 4.
ParaoRiodeJauei o
Segu a barca hrasileira Boassica; recebe
carga e e-cravos a freie : traiar no escriptorio
d'Amorim [raos, ra da Ikuz n. 3, tu cmn o
ca|iiiao Francisco Loiz de Souza Jnior, na praca
do Cummercio.______________
P\Rv
Pretende sahir em poneos dias o patacho Pa-

'"I ia
MllVIVKiVTO lA 4hPAnKl.A.
Volumes entrado." cmn fareiMt.... 138.
t com Keiinfioa'..... 471
vern er feitosc m ages que leuharo pelo meuos
4 palmos quadrados.
Secretar a da repa tico das obras publicas 14
de dezembro de 186
No i 111 ledimenlo do secretario
Hodopiano P. C. aiumby.
(>iiselhu de compras na.aes
Nao achandose anda contrata lo > fornecimento
de carne verde, para p- navl da rmala e estabe-
lecimenlos de marinha no trimestre rte janeiio a
mareo prximamente viudonro, pela exigencia de
alio- prego-, o eoii.-eihn manda fazer outuico qne
para is-o e correte mez, devendo cou^eguioteinent* os que
prelend r--m desle t.irnecimenio apreseutar nesse
du-uas propo.-ta- mearlas fechadas al as It
hora-i da uianria.
0 cou-eih 1 uo inpjm. rria 16 do corrate mez
nr>iinove a compa de 60 palmos de varanda de
ferro fundido, e contraa mais o seguint- : Pr
lempo de seis mezes o fo iwciment de raiv 1 oe
pe,ira para o- nvi..s da armada e e-iabeiecunen-
lo- de marinha ; e [mr tres mezes al margo pro
auno o foriiecunenin de sauaiO-- feios no. pan,
c..hertore> de laa, colchas le algodao, e |eg.- de
32i:Ru05307 seda prota para os aorendlzes artirioe-, sa W:0775-'ll-l eiios no paz lenQo* de seda peta para iinii"-
riaes man hemos apr-o ilze< ditos, gfvata-a
ciiuro de lustre r8*paie.s folios no pan para fuzl-
leuos navae-.
. Contrau iKi>aenle o conselho ao ID""'"10'!'10
dta Ifrdneerrfsitetiteei-ftieBeuiwHilo ** ftnVus
e caKj.s de tiaiurjjnl para os ^tardas da cumpa
unjo de apreuitiie.N artfices.
Oar
Opalhibote Ganhaldt segu para o Cer em
poucos das : tratase cora Tasso Irmos.
L 11 f)IS.
tr
LE!LAO
De uma pancadaria cmplela para msica mar-
cial, nova e com bons suns, e- prnprios para -ocie Une parlicnlares, io-lrn-
meutos diverso* bem como : s<^is, trombones,
ba-xo- ciarecorue-, el rmelos lir, banco- para
estantes e mais perietice* oH musiee.
H4NE
Seila-feira 15 de curre .tn >% II horas.
NO GRANDE AltMAZKy lili Lli LOES
ni M'.KNT*-"
OLYMPIO
.36 Km a ac.-.ic -.(i
382 7 r(5620

247
609
Leao
De un 3* c mu chapeas de, feltro
para senhort m-ica it F.
CorJeir %iiue.i
a requerimemo do eepllu da e-cuna ERNESTINA
tuo^ sobre a vida
\ PnlVIftil
l I lllJI iIJ1J.1 i IJ
O hanco Atlianc.a d> Porto leudo e-Ubelecido
e>la sociedade lei.aixo de -na immediata vigilancia
e repoii>alil|ldale, faCllllon a cieagao de .-apilar-,
dotes, renda-, p-n-cV-s, i-^ngj.- do servic, > Oa- ar-
ma>, etc., por meio de >ntiM-ii|ic(ie- nica- 11U -n-
HUae>, a- qi'.aes convertidU e'n iliMTii'i (jes da
divida publica, de renda nacional, c da m-s a lr-
111a os juros -eme-tiacs .pie il.-ll.is >e foren. VeO-
(.'einlo, llcain por um cerlo iiuon ro de aun s em
depusito, al uue, lind-i o pra-o esOpulado, .-o
resumidas aos socios com os lnlere*ses am mli.a-
dos, bem coin 1 as que oeriern-Mfein aos associsdos
fallecid. S, visbi que de^les ,-o berdeiros u.- Mll.re-
vivenles.
Pela engenhosa comhi'.a^,. econmica adqol^fla
nos calculo- desia -..cieiUde, v--e. que, CoOi urna
oi.i- m--e
riKHOOO
ni
a
Ju.i Sobre
quem leii 1 o segure, pni- que nos refer.i..- tai-
culo- contase con. a maior 011 11 eoor prolialnoda-
de de doracao de vida.
E-la sociedade sonretud 1 vantajo-a aos chefea
de familia, visto que Ihe- faculta -eu sacrificio a
fundaran de um Capital ou dote nara ,-en- llin..- oU
fliha-, segurando-os quando nisccm ou e*i qu.nio
Sao enanca-.
Quern, pwi-, mais rir- umstancialas i'.forniacrics
desejar sobre tal sociedade. i.u se qdixer in-crev^r
como socio d.'lia, dinj -se a "Ua da Madre oe
Deus n. 28, on le se podera enteiiiler cru Joo
Cario- C'.elho da Silva, uue para i.-So se aeha ell-
carregadu.
Hermn Lmh-r, subdito allemo, val para a
Allemauha. ,^^__________
CLU P.K\ ~MMJC\\0
De confnrmiilade com o art. 11 nos 0-
vos esl iluto* ^So qoiiviil ni >s os Srs suri is
accionis as |ivara se reunirem satitia 1o I (i do
crreme as 7 h >ras da n-iite a sala iia$
>essjs para nntnearen a nova ^rectora.
Ijlu Pernambucano l3 di lezemru do
18(55.
amo,
cierno.
" ~Eu-
Mt%t:
- HeTman S-rtuH, cdada. eai> vai a
ropa.
- PrcVisa se nc. udia ama para casa de pouca-
frumove o"*cooselho a ccOfira. tfa varanda de naufragada ua bata do Acaraci e despacno familia ; ua ra Nova n. 65, andar.
-*---^,
.


tarto d r
Mime* esta lea* *3 ale Dezcnir* de !*.
COMPWIIU PERNAMRUCANA
0 agente Otympio em seu armfera a
n. 36, compra apolices
da Canda
Pemaiabucana.
roa
daeompanh
0 Dr. Cosme de S Pereira-onti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
i e 2o andar, onde pode ser procu-
rad* para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre u seguirte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos org5os.geni-
ti urinarios.
Em seu-escprptorio os doentes se-
rlo examinados na ordem de las
entradas comeando o trabalho pe-
los doente6 de eihos.
Dar coisuta& todos os dias das
6 as 10 da manbia, menos nos do-
mingos.
Pratew toda e qualqner opera-
Cao que julgar .conveniente para o
prompto restabelecimento dos seas
doentes.
Attenco.
_ |>ede-pe sos credores do Sr. raiuto.Aeonio
Joaquim de Mello, a virem a ra do dvrainento
n. 3R, para receberem o,Ultimo dividendo, ficando
certos de que nao recebendo al ao fim do corrente
mez, sera suas twiienanoias rrecolhidas ao deposilo
geral.__________^
Cnttft
Prerisa-se de um criado ou de um moleque, pa-
FABRICA A VAPOR
98 BA DO MONDEtiO 90
Deposito na ra Nova a. 50 ioju le rclojoeiro.
*0 dono deste eslabelecimenio parlecipa ao respeitawl publico que sua fabrica
est nwnlatia com as meli*or-s 'machinas que existem m Europa, e que pode fabricar
cun melbor perfeicao possivel. Todo o chocolate desta fabrica es| garantido, e puro,
o que nao se pode encontrar naquere que vem de fra, e que se vende por preco baixo,
visto os productos serem do pai. Na eliqi eta tena sempreuina aguia.
PREgO.
Meia libra. -.......... 400
Una libra........... 800
Urna arroba.........1*$000
Rreot.sa-se de uma ama para andar cern n
BHKiejtrer mais algom servico envcasa de fami-
lia : na ra do Qneimado n. 39. loja.
Antonio Jos Rodrigues de Soma, na ra do
Crespn, 15, aluga sua casa e sitio no Monleiro
em frente ao oito oa igreja, lendo o sillo porlo
i detento, cacimba com boa agua, estribara e co-
-chetra, e a casa 4 salas, 7 qoartos.e :oto, a qual
i muo Iresca e esta de novo bnm caiada. concer
I lada e pintada : para ver, as chavos esto em a
casa do Sr. Nicolao Machado oa mesma povoacaa.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
oorives, comprare ouro, praia, e petrras preciosas,
lambem se faz qualquer obra de-eBcetumeoda, e
todo e qualquer concert.
m DEPOSITSE CALilC
m FABKIC(DO NA CASA BE UKI KM: 10
Ra \ova n. I. g
,at Ahi se enciintraro olras de di- ^
versas qualidades, e por pliego mui ^Z
diminutos, a retalho e era .porces. **
f So se vende a dinheiro. Mf
'*.** mmm mmm
Precisa-se alugar um escrava para andar
com laboleim le fazendas : a tratar na ra Nova,
sobrado u. 48.
Da-se
eocie.
m
m
Na ra da Assumpco o. i lavase e eogomma-
se roupa de bomem com toda a perfelco, e se res-
ponsablisa pelas faltas que honverem.
Aluguel de escravus
No principio da roa do Corredor do Bispo na
6* casa nova sem numero dos Srs. Amoros, ha
para alugar-se urna boa escrava e um escravo.
Aluga.se o terceiro andar da casa o. 88 da
rna da Emperatriz, e a sino n. I di entrada do Ar-
raial : no ra da Aurora u. 36,_____________
Precisa-se de irabalhadores de padaria que
entendam perfeitamente do mesmo tratico de pao
e bolacha e bolachinha de ararula, pagar-se-ha |
corn generosidade o merecimento de quem melhor
desempenhar o seu dever ua ra larga do Rosa-
rio n. 16, padaria.
Arrenda-se o engenho Santa Hita, ua fregu-
ra do Cabo, distante tres legoas a N. O da estscao
de Olinda, de muita produeco, me com agua e
tem obras sufficieotes, incluemse no arrendamen-
lo as safras pendientes : quem pretender dirija-se
ao mesmo eogeoho.
mmmmmmmm mmmmmm
&' Mudaiiea. M
> O padre Themistucles Romo Pereira ML
2 ^os Santos mulou a sua residencia para 5
W a roa do Ho.-picio n. 72.
Perdeu-se um maco de cartas vindas
do sul para .0 Dr. Luiz Filippe de Souza
Leo, quem as tiver acha lo querendo res-
titui-las pode dirigir-se ao es;riplorio n. 6
da praca do Corpo Santo, ou remette-las
para o en^enho Santo Igntcio, no Cabo.
Preci a se de un ama que saiba coziohar e
engommar, para pr>uca familia, na ra da Praia
n. 10, e qoeseja forra ou mesmo captiva.
CMRip.
3005 a juros : quem precisar, an-
>Gia"erece-se um menino de idade de 12 annos,
i dos ltimos chegados, para caixeiro : que.m pre-
tender dirija-se a ra de '. Francisco n. 70.
Offerec..e urna ama de muitos bons co-tu*
------------------------ mes pararas de familia ou homem solleiro para
Naanesma fab ica acaba d se montar urna fficina com serrara a vapor para cosihar: uelra dingir-.-e ao becco dj Padre cha-
gase hora ordenad* : na ruadaU.nperatr.z o. *'.;obras de ra8fcine|.a propria [iara edtfic0i para 0 qu encarreg -se de fazer portas,
' n. ra dasanVaCruzn. 7,rec.a-Se"de"dous oellas. assoalhos (parqu fraocez como se usa na Europa,) earmagoes, ludo cora brevi-,
ortuzueze ae tenham pratica d, eo-;dade e perfecao. Toma-se qualquer ncommenda para fora da cidade, entregando-se
er, e que afiance suajwoducta._________ prompta a oellar-se no lugar.
OTerece-se urna" ama portujaeea de meia 1
idade que erosiona e engomla e faz todo o serv mnvm Tt. n nn
q, prefere arrumar se mu ca-;a de passoa solteira / ] / | f I P. lilil." 1 I 1 I kl
Da -ra das Larangeiras a, 23. ^_________
mado ra^v^usa do Livramento n. li.
He fina cao
Ama
Precisase de urna ama para cosinbar para casa
de familia, forra ou escrava : a tratar i ra lar-
ga do fl-e.ario n. 21. fabrica de cigarros._______
"jdauoel Duarte Rodrifoes, roa do
Trapidt n. 21, saca sobre a cidade do Por-
to, a vista ou a pr-zo. ___________
Precisa se de tres trabalhadores paga-se bom
ordenado ; na renaco da ra nova de Sania Ri-
ta n. 53.
PiveiM-W alugar una ama que, saiba cosi-
nliar e tratar du raais servido familia : na ra das Cruzes em Santo Amonio n.
41, sogu (id. 1 and ar. ______________
Alaga se nina loja na ra da Penha propria
para negoeiu e moradia : a tratar no primeiro
andar.
Na ra da Imperatriz, loja de fazendas n. 58,'
precisa-se alugar dous pretus velhos para o servico
de roa, e urna preta para casa de pouca familia ;
quem os tiver e quizer alugar dirija-se a dita loja
amuel Power Johustou l Gumpauliia
Ra da enzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fuu(!i Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e metas moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d" carro para om e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma< binas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Sil vino Guilherme de Barros compra e ven-
de effectivamente escravos do ambus os sexes :
ruado Imperador n. 79, terceiro andar.
Compra-se ouro, praia e pedias preciosas,
em obras veihas : oa ra da flarfea do Recite,
cja de ourives no srco da GoocetoSo.
Ouro e pra.i.
Em obras veihas : couipra-se na prai^a da la
depeodeocio o. 22, lija de bilhetes.
Nappa-muDdi-plauspierico.
Na ra do Livramento n. 19 compra se um map-
pa-planispherico.
Comprase carosso (sement) de algodao : no
armazem de algodao de Saunders Brothers & C,
do caes de Apollo.
Compra-se um ravallo que tenha andares
macios que possa montar urna senhora doente :
na roa larga do Rosario o. 16. Na mesma casa
se compra um boi que esteja acosluraado a traba-
Ihar em carroca.
YENDAS.
Aviso.
quem precisar de um buin cozmheiro
oe procura a do hotel do Univers, ra
che.
COELEftO Ra da Cruz n. 4G.
Continua a haver diariamente um .sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
'i.
Precisa se de Dina ama que :.aiba engommar :
na ra do Trapiche n. 36, segundo andar.
lempadafi el--., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se na< roelhores condices Prefi francez po- de Pl(1e,' salisfa/.er encommendas concernentes sua arle, em consequencia do socio ruada Lmgoeta n. i.
do Trapi- Freilas ter sido administra !or cl.efe de algutnas das princi aes fabricas na corte, sendo luga-se ~ea"sa~ _________uma a do Sr. Joan GuDCflUes Guimaiiies (confeitaria do Lejo) antiga casa de Carceller. | ra que tem cupiar a' beir.t do rio a tratar com |
" Os curadwes da massa taluda de Lima & j Todos OS ti aballwt SO diflerciites dos que Se fazem em casas particulares. Miguel Joaquim da Co>ta, na rna da Cadeta n. 12,;
Marims sao conida,ios a tiren receber o quarto q8 proprielai ios desle estabtlecimento nao se tem poupado a despezas, nem se01
dividendo ne e.-eriptorio dos administrad urea, ra
da Cadeia n. 4, trazeudo os respectivos ttulos pa-
ra serem annotado>.
se bouver concurrencia romo esperam ; lendo continuadamente bom sorli;
da
; pouparao.
ment de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambemse recebem para se"^(ji)bili6t6 mG(lCO-Clir-^
!rem preparados : assim como d.ce de caj novo .-uperior, secco e crystalisado, dito em sag S
-.----____:____ !..... ,1. ..--------- JL ^5 fflCO. !
ban-
Saou mu*! '\"ir ronbmoDi"j* de calda'eni latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfetto estado.
(Lastro e Atetado na ra
carne n. 4i.
da Praia, armazem de Para jamares e partidas recebem-se tncommendas dos segn tes ohjecios;
_______________deijas ricamente enfeitadas sem armario pecas de amendoas (nog.ice-), ditas de tmaras J
Precisa se de uma ama para engommado de. de ovos, pes de l enfeitados com dsticos anlogos a qualquer fim; ditos montados, \
poucas pessoas: na ra Direita n. 112, pnmero: kedis simples e eifeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le du-:
andar. _________chese, tortas de fructa, massa (binada ; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
Precisase fallar cora o Sr. Bernardno da ; de dififerentes especies
^^Riodr/antf "K* Tambera tem tira completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho,
mu'iiaia:"quera*"pretende fallar Antonio Jos do Porto superior, Figoeira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-,
da Kouseca : deixe carta na typographia (A. J. F.). veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-j
feitose mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
; condicionar tanto para a provincia, como para fra.
Hna da Imperatriz u. 36.
O Ur. Joo Hara Seve, medico i-artei-
r j eoperador mudou a sua residencia
para a ra da Imperatriz sobrado o. 36,
onde pode ser procurado para o exercicio
de sua proflsso at as 10 horas da ma-
nha e das 4 da tarde em dianle.
Procuradoria
Preci-a- de uma ama que saiba tratar de me-
ninos e que entenda di servico interno de uma
ca>a de pe |ueoa familia : a tratar no hotel de Uni-
ver- Rom um passagjiro estrangeiro que r-hegou
do sul
u em tiver para alugar ama escrava que
laca oertiOO interno e externo de uma casa de
familia, poder se dirigir a ra do Pilar, em Fra
de Portas, no prime ro andar do .sobrado n. 133.
Creme,
Creme hoje ao meio dia : na ra do Trapi-
che d. 18. _______________
Continuase a vender na ra da Gloria n. 56,
ornamentos de todas as qualidades para se dizer
nii.-sa, e lambem e.-tolas para baptisad js, e oulras
pessoas avulsas.
Nos abati assignados declaramos que temos
dissolvido arni^avelniente a sociedade que tulla-
mos na taberna da tua da Santa Cruz D, 11, fican-
do o activo e pasi-ivo a cargo de Luiz Moreira da
Silva, sendo pago nesta data os fundos pertencen-
tes a Francisco Joaquim Gomes da Silva. Recife
9 de dezeinbro de 1860.
Luiz Moreira da Silva.
Francisco Joaquim Gomes da Silva. \
Ao comniercio
Offereee-se para *er r.aixeuo de qu*lquer neg- j
ci,com especialidad de taberna, tanto para den-
tro como para fra, torna por balanco qualquer j
iue >eja, e da por fiador de sua conducta o seu i
cx-patrao : quem precisar auuuucie para ser pro-
curado, i-t" por Ires Jias.
Ama.
Prec mar : a tratar na ra da Cruz n. 13, 1" andar.
Precisa-sede um coziuhero forro ouescravo:
na botica franceza, ra da Cruz n. 22.
Precisa-se de um criado para casa de um
homem solleiro, e que saiba tratar de um cavallo :
na ra da Cadea do Recife n. 40.
- Na ruado Itosario o. 44, na Boa-VUta, pre-
ci- i-se de uma ama para casa de pouca familia.
O solicitador Burgos Ponce de Len, mndon-se
para a ra de Santa Rita, sobrado de um andar n.
3, onde pode ser procurado das 6 as 9 horas da
manhaa. e das 4 as O horas da larde, para o exer-
cicio de sua proflsso, e fura deslas horas e duran-
te o da ser encontrado as salas das audiencias.
Elle recebe, casas commercaes, de partido, por
um ajuste razoavel, como lambem se cncarrega
de promover cohrancas de dividas e execucoes de
senlencas fora desta cidade, por mais poderosos
-I" TITT TVT/Vir* TVT que sejam o 20 IllA JAI UVA JN. ID N. 0. Bieber C, sucessores, sa
Este estabelecimento acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-'cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
pressamenle fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro- zo confoime se convencionar.
pa, por isso o proprietario convida ao respeitavel publico para virem apreciar as qua-
lidades dos referidos pianos.
Gontinna-se sempre com esmero e promptidao fazer-se quaiquer reparo nos ditos
instrumentos. Alinam-se os pianos debaixo do melhor systliema nltimamente adoptado
na Europa.
entista de Pernambuco.|
I Hua estrella do Rosario n. 3,
ao p da igreja
[francisco PINTO OZORIOf
[ Colloca lentes artiflciaes ?
pelos ystemas mais mo- |
f demos l
I Emprega todos os meios scienlificos para S
conservar os naturaes. Pode ser procura- a
I do em seu gabinete das 9 horas da ma- 1
I nhaa as 5 da tarde. |
Esta para alugar-se o Io andar e tojas
%. do sobrado n. 44 ra da Aurora : quem
quizer dirija-se a' ra Nova jo Sr. Joao
do Reg, era seu armazem de fazendas
n. 24.
MINIAS
PiRI 1860.
Acabam de sahir luz as folbinbas de
algibeira c de poita para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculodas
las e eclipses, como as diversas festas
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na livrarra da praca da Independencia,
160 ris as de porta e 3 ris as de algi-
beira.
Manual do Cidadao
Vende-se m Manual do Cid^do em um
Govemo Representativo ou principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em :i voluntes broxurad^s por 3
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independ ncia.
Remedio infallivel as agnorrbeas antigs
e recentes, un co deposito na pharmacia
franceza, ra da Cruz o, 22 e ao preco de
3,5000.
i i
rlileneio
AMA
Precisa-se alugar uma preta que saiba cozi-
nhar : na ra da Soledade n. 46.
ASTHIYIA ASTHMA ASTHMA
SDFFOCgO NERVOSA E OPPRESSAO
nico remedio eflicaz para combatlir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volia o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Descoberta inteiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gra?as aos admiraveis resul-
tados que em sempre produzdo.
Ikj'osito geral, na botica Chauveaud, "4, ra do Comercio, Paris-Grenclle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.

CASv
i
Aluga-se o 2o andar do sobrado grande juoto a
fabrica de -at .io na ra Imperial : a tratar na ra
do Imperador n. 8:t, primeiro andar, das 11 horas'
da manhaa as 3 da tarde.
Alugaro-se duas casas terreas sitas na pro-
priedade oe sanl'Auna, que foi do finado Belm, ]
as quaesse achara caladas e pintadas, contendo a j
maiur 4 saletas, o quarlos. cosinha fora, quintal
morado cora seu competente porta, e a outra 2
salas, 2 quarlos, cosinha fora e quintal lambem
morado com sen porlo : quem as preiender din-
ja-se a raasina propriedade que achara com quem
traur. ^_^___^ I
Aluga-se um sillo ua Torre coiu buj casa pa-
ra grande familia e muiio fresco, coro todas as:
commudidades : a tratar na padaria do mesmo
lugar.__________________________________
Vestidos
Pechlncha sem Igual.
Chegou a loja de Paredes furto um bonito sor-1
lmenlo de vestidos de larulata de cores e brancas j
que serve para partidas por ser uma phantasia In-'
leiraineo^e de gusto pelo barato preco de 4,1 e
brancos a 43o()0, esli acabando-se : no armazem
da porta larga ra da Imperatriz o. 52, junto a pa-
daria franceza.
Cortinados.
Chegou a loja de Paredes Porto um complelo
sortimenl) de cortinados ricamente bordados a
preco de 25g, 35$ e 45$ : na ra da Imperatriz
n. 52, porta larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Perto recebeu pele ultimo ipaquele um
sor ti meo tu de romeira de guiuure pretas e de fil
a preco comraodo : na ra da Imperatriz n. 52,
porta larga junio a padaria franceza.
Grande peckincha.
firl i*- lia escocer entestada par vestido
fat..- : JO ffc, e v- 11 1*1 e .THJ
rs. u K.jj*o : oa ra i Imp r.ir: o. ii, i jj Ja
torla larga.
o cor-
O Alcoholado DE Guaco DE Pascal urna DOTO preparacao da qu;il
basta mencionar suas propriedades para ajipreciar sua importancia.
Ern primeiro lugar um preservativo inalivel do contagio venerio (ver
folheto para o modo de o impregar).
2o Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias gyphtifflea* de toda a especie, ulceracSes primitivas e secun-
darias, ec.
3 Empregado em injeccSes, o melhor tratamento dos corrimentos
re-entes ou ckronicos uas pessoas dos dous sexos e da leucorrhea as
mulheres.
4o Emim como antidoto dos virus, soberano na cura das ckagas e fe-
relas de m natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda a accao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Pars, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvacao
dos distnctos doutores Ricord, Bachet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paria, botica de CHEVRIER, 31, ru du Faubourg-
Montmartre.Casa de expedicao, PASCAL e C', 33, ra Monsieur-le-
Prince. Pars.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praga, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregameotos, e contra
igo em edificios, mercadoriasemobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
A
^
Americo Ferreira da Silva, lera a honra de par-
cpar ao respetavel publico que tem aberto na
ra da Cadeia do Recife n. 8, um armazem de
coinmis.-oes de compras e vendas de quaes quer
effeitos de que o incurabirem lauto em seu aima-
zem como fora deile tendo em boa guarda os que
Ihe forem remedidos, observando Belmente as ius
trucoes que Ihe forera transraitlidas para o bom
compriraento dos seus deveres a contento de todos
que Ihe honraren) com sua contianca.
dos
Deposito geral em Pernarabuco ra da Cruz n. 22 em asa de Caros & Barbosa,
Medico e operador.
O Dr. Joao Raymuodo Pereira da Silva, chegao-
do ltimamente de Pars, onde frequentou os mais
notaveis hospilaes, pode ser procurado para o
exercicio de sua prosso na ra da Cruz n 40
segundo andar. Dcoosulias todos os das das 7
as 10 horas da manhaa. Especialidades, molestias
de olhos, panos e vas urinarias.
7
-fi
DE
10
CAVALLO
Corles de laa escocesa para vestido
Na noilede 16 para 19 do correte fnrtou-se um
cavallo mellado caxilo, da eslrabaria do sea dono,
com sellira inglez quasi uovo ; cajo cavallo tem
rin ,1 rrrfa pretas. as rimas mo groasas e ca-
!- ambos us lados do Descoco, e tem uma
lar* i .quena na modireita ; esta acosluraado a
andar em cabriolel e tem conhecido nesti praca:
quem delle der n iticias certas ou lvalo a' Estan-
cia, sobrado de duus andares n. 2, ser yratifleado
Precisa-se de uma ama turra uu escrava que
saiba Ibem cosinhar e engouuuar : a tratar na
ra da Penba sobrado n. 23, primeiro andar.
i
Prersa se de ama aira para o servico interno
te: na ra aa Imperatriz n. 52. loja da porta lar-1 de uraia ca.-a; na ra da Impera dor 0- 35, prmei
ga, junto a padaria franceza, esto se acabaodo. ro andar.
BOTICA E DROGARA
M
II. I\ de Siiaza & C.
Ra larga do Rosario n. 34
Remedios de Raduvay
Prompto alivio.
Pilulas reguladoras.
l\-.i' lutivo.
Remedios de Kemp
A naca Imita.
Salsa de Bristol.
Pilulas assucardas.
Agua flerida.
Pastilhas vermfugas vegetaes.
Chegados pelo ultimo navio viudo da america
Teodo a irmandade do Divino Espirito-Santo
da igreja do Collegio, resolvido em sesso de mesa Monteit O a
conjunia, man.tar fazer de marmore braoco fino a ] jj0ns commndose eml muit
ca -la-iiir de sin lfl; convido de ordem da
mesa reged q'i l. -soas que se aebarem
habilitadas mauJar eiecutar semelhaote obra,
a exaroinarem a planta que se acha exposta aa coa
sacrista, e a apresentarem as suas propostas oo
imi-o de 40 das contados desta data. Coosistorto
da irmandade, em 10 de oovembro de 1865.
O escrivo.
Francisco Belarmino dos Santos Freitas
I man da de de V. S. da Ooceicao
Militares.
Pelo presente sao convidados todos os irmaos
desta veneravel irmandade a' comparecerem no
respectivo consistorio no dia 15 do correle, as 4
horas da larde, para tomar posse o novo presiden-
te!, e proceder-sea eleicao de nova mesa, na forma
dos estatutos.
M. J. Victoriano de Borba.
Secretario.
Em casa de Theod Chrisliansen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, uniro agente no norte do Brasil,
j de Brandenhurg frres,, Bordeaux, encorara se ef-
1 lectivamente deposito dos artigos seguintes :
St. Jlllietl.
St. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Cnaieau Margaux.
Grand vin Chateau Lafitte 1858.
Chateau Lahite.
Haut Sauterues.
Chaiean Sauternes.
Chateau Lataur Blanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeile doce. Precos de Bordeaux.
mmmm msmmmm mmmm
Companhia lidelidade de seguros jp
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
lateis Luiz de Olive ira Azevedo & G,
competentemente anurisados pela direc-
tora da companhia ce seguros Fidelida-
de,tomam seguros dfc navios, mercado-
ras e predios oo seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Alugam-se tres casas na povoac5o do
margem djo rio, com mui los
bom es lado
Precisa-se de uma ama que coznhe e compre :
na ra do Quelmado u (2, 1 andar.
Ama para casa
Precisa-se alugar uma ama para todo servico de
uma casa : na becco das Boias n. 2, primeiro
andar.
Anda estao para alugar duas casas na 11 ha
do Retiro, lera cummodos para familia, estao pinta-
das e tem bauho na poita: a iraiar com Luiz Ma-
noel R. Valeiica, podendo o preteudeote examna-
las no mesmo lugar^_______________________
Convida-se ao Sr. sacerdote que quizer con-
tratarse para celebrar as missas de natal no Rio
Formoso, engenho Serra d'Agua : a dirigir-se a
ra da Madre de Dos n. 3, escriptorio de Cunha
Irmaos & C.____________________
l'recisa-se de dous fabricantes de charutos :
na praca da Boa-Visla n. 15. ^___________
1-
I
Vende-se a taberna bem afreguezada,
ra dos Assoguinhos n. 20.
da
Piano forte,
Acaba de chegar de Pars um liado e elegante
piano forte de 3 cordas e 7 oitavo-, viodo para
amostra e u mais moderno que aqu tem vindo al
boje: qualquer pessoa que queira possuir este
bom instrumento o qual se vende por barato pre-
co, dir'ja se a loja franceza da ra Nova n. 11.
Tomada de Paysandu' e Montevideo.
Cora este Ululo araba de chegar de Pars uma
linda phantasia militar para puno, composta por
um dos ineiiior-s como sit.o-e. acht-se a veoda a
25 cada exemplar : ua loja trncela da ra Njva
n. 11.
Atteiitffio.
Ama <1e Ititt.
Prw>i.aa-se de w% ma de leite : oa roa do Im-
perado; m i! :ierceirpudar.
de lim^ez.i :
20, esquina,
zoavel.
.i iraiar n
cujo prec/
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama qu e tenha bom leite, para
ac* r de amamentar umal enanca de oito me-
oa roa do Queimado n\ 17 segundo andar.
cali etre para taberna, de
na
de
do Crespo n.
alugnel ra-
zes
pjeeisfc-e de ara
4-2 a 14 anoo, .dos ltimos
a Jlibeira n. 2R
i
ebegado.
Continua haver pao quente lodos ()s das das
4 horas da larde at as 9 da noile, assim como to-
das as qualidades de mas-as linas ; na padaria
atraz da matriz da Boa-Vista n. 46.____________
Precisa-se jconiralar um Sr. religioso que
queira ir celebrar as missas de festa do natal na
matiiz do Limoeiro, affereceodo'Se coniieoes van-
tajosas : a fallar na ra do Crespo n 18.________
Precisa-sede um caixeiro que tenha pratica
de taberna e que d conhecimento de sua couduc-
ta : a tratar oa praca da Sania Cruz, padaria n. 6.
Precisa-se de um bom caixeiro para padaria
do que devera ter pratica : a tratar na ra da
Cruz do Recife n. 35.
Precisa-se alujar mu moleque para conduzr
joas nesta cidade : a ra Direta n. 66, l< ja de ou-
rives.
W. G. Fennelly socio gerente da casa com-
mercial de Southall Mellor 4 C, desta praca, ten-
do de ir a Baha, declara que dola enearregado
da gerencia de sua casa com procoracSo bastante
em Io lugar ao Sr. Eduard Merrelield e em 2o lu
gar o Sr. M noel Jos dos Santos.
Precisa se de um caizero porluguez para um
engenho prximo a estrada de ferro : quem esti-
ver nesgas circumstancias dirija-se a taberna da
travessa de o. Pedro n. li.__________________
Prerisa-se de uma ama para todo o servico
de uma casa : na ra da Concordia n. 65.______
Alugam-se duas casas terreas suas na pro-1
priedade de Saot'Anna, que foi do finado Belm,
as quaes se achara caiadas e pintadas, contendo a
maior 4 saletas, 5 quarto?, cosinha fora, quintal
murado com seu competente porlo, e a outra 2 sa-
las, 2 quarlos, cosinha fora e quinlal lambem mu-
rado com seu poriao : quem as pretender dirija-se
a mesma propriedade que achara com quem tratar.
Tara passar a fe.st> do A alai
Est vasia uma boa casa cora 5 quartos e multo
fresca, junto a bomba da ra do Quiabo da povoa-
co dos Alegados, distante do embarque 20 passos,
muito perto da estacao da via frrea ; aluga-se
pelos tres mezes da festa p ir 604, e sendo annual
por preco comraod i : a tratar no pateo do Tergo.
o. 32.________________________________
Aluga-se a casa assobradada n. 36 a ra da
Alegra, com commodos para familia e propria pa-
ra estudantes : a tratar a ra do Mondego otara
p. 13.____________________________
Aluga-se o segundo andar da sobrado
da ra do Imperador n. 79, de aluguel
annual de 6003000, o qual tem as salas e
alcova da frente forradas a papel, boas esca-
das com entrad independente, bastante
fresco e com encllente vista nao fO para a
mesma ra como para o caes de 22 de No-
vembro. a tratar com Antonio Jos Rodri-
gues de Souza na ra Crespo n. 15.
Precisase de a na ama de leite : na ra do
Progresso o. 7.
__ Francisca Mara dos Santos moradora no
bairro de S. Frei Pedro Goncalves. que em conse
quencia de haver outro nome igual ti.-ar de hoje
em diante assigoaadose Francisca Mara dos San-
tos Ferreira.
Vende-se a casa terrea na travessa do Pocnho
n. 20, com bons enmara tos : a tratar na mesma a
qualquer hora do illa.
Veodem se difiranles ultras de direito qua-
si rovos : na ra do Isnpeador n. 2, cartorio.
Vende se uiu mulalinhodeT anuos de idade,
bonita figura, propria para quem tem meninos para
brincar e ja presta algn! servieo: pira ver e
IraUr na ra do Nogueira u. V.\
Vende-se tima rica mobilia de Jacaranda com
as pegas seguintes : I mesa de meio de sala com
pedra branca, 2 coos dos com pedras mancas, 2
cadeiras de bracos, 2 radeiras de balanco. duzia e
meia de badeiras singlas, 1 candelabro de o lu-
zes, S ditos mais p-quenos de 2 luzes, e 1 rico re-
logio dourado com redoma de vidro, tudo novo :
na rna do Sacramento da Roa-Vista, casa n. 28.
Vende-se uma mohilia de amarello ja usada:
na ra estrella do Rosario n. 17, 2o andor.
Milho
a 4-3500 e 53000
a sacca e em cuia a 2i0 rs., farelo novo a 15000 a
sacra uo armazem da Estrel largo do Paraito
o. 14.
Chales de renda
Paredes P rio. na ra da Imperatriz o. 52. porta
' larga, vende chales de renda de cores com peque-
' no toque de mofo, a 3500 e 4, fazenda de 10
le 125000. __________________________
Vende se uma negnnha de idade de 10 an-
nos : a tratar na ra da Imperatriz n. -20,_____
Breu em barricas pequea*.
Cera em velas de todos os tamaitos.
Bogias.
Mercurio.
Na ra do v igano n. 19, primeiro andar.
Machinas de descarocar al-
godao.
No caes d'Apollo, armazem de Tasso Irmaos.
Vendem-se superiores presuntos de Westph>
ha, chegados no ultimo vapor : oa ra do Trapi-
che n. 9,________________________________
Cera de carnauba
em saceos; vende-se oa ra do Vigario n. 13.
Vende-'e uma escrava moca, perita costurei-
ra e engomroadeira, cozioha o diario, faz drees e
bolos, lem uma filha de dous mezes, e pode muito
bem ser ama de leite : a tratar oa ra da Impera-
triz n. 66, l andar. _____
CAVALLO.
Precisase, alagar om moleque para andar
com uma tabolela de joias: a tratar na ra das
Laraogerasofflclna de ourives de Alfredo Baudoux.
Na ra das Larangeiras n. 18, 2 andar, pre-
cisa-se alugar ama pessoa para comprar e cozi-
nnar.
Feitor
Precisa-se de om feitor para om silio, que en-
tenda destes negocios; dando provas de sua coa-
dacta, e prefere se um solleiro; quera se julgar
habilitado dirija se ao sitio o. 9 no corredor do
Bispfc______________________._.....-
'Preeti-s de uma perfeita engommadeira pa-
ra asa de pova familia; oa ro da-Cadeia o. 27
! andar..
Vende-se um cavallo ruco, muitj novo, bem car-
eado e de ptimos andares : quera pretender com-
prado dirija-se a casa n. 10 da roa do Destino.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodao : oa ra da Seniala ova o. 41_____
Duas escravas perita< engommadeiras, cozi-
nham e. cosera muio bem, 1 dita para todo o ser-
vico por 7005, l escra"0 para todo o servic >, cozi-
nha bem o diario, 1 bonito mualo de idade de 19
anuos, nurcneiro e carapioa : na travessa do
Carino o. 1.______________________________
~~^ Vende-se ama boa casa na cidade deOlioda.
sita na ra de S Francisco, com 1 porta e 2 jauei-
las na frente, irnUJ fl cn'"'ii Ri nm ?raode
solo com 2 quartos trn tu i>>.u quiuui com co-
qaeiros edifferenles ardores de (rucio, tem mais-
ao lado M bracas que lambem lem arveredos, todc-
o terreoo proprio: quem quizer comprar a refe-
rida casa e terreoo, dirija-se a mesma que achara
cora quera tratar,
CavalU,
Vende-se ura excelleole cav.iio aodador de bai-
xo a meio e esquipador, tambem anda de paco em
toda altura, bonito, gordo e manso, ptimo para
pasear a festa : os pretendemos dirijam se a Olio,
da roa do Amparo a, 40, sobrado de Jos Figaeira
Curado.



Diario 4c cruaaibuco Seita tolra 15 de Ocz.iu^ro le !.

GERENT

: PUb
Vena o menor conga ran
glnaeuto c entregar o
Importe do genero que
aio agradar.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
ATTENgiO
r preco da *'?.- itf
tafala para umo, p<>-
leudo aaaiut servir detr-
ae para o ajuste de conta*
com os portadores;
R1VAJL
SEM SE&t'SS&O
Hua do Hueimado ie. ti- e .
i.uutiua a veadi-r tudji as tmudezas que aliauc
dui'lar por pici,-u> uniuaveis.
Ma.-Kis Ot pililos uxados para deules a 100 rs.
Etut-lbt* den oldiiKif Uouiadasa iUO, 24U <: 3Z0.r&.
AO
HISPEITiVIL PIBIMO.
A apre\;iac5o dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
xem da l,ta esUbelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento ;de molhados,
que sendo em sua raax ra< parte mandados vir directamente do estrangtiro'*podem ser
Andidos por precos asss razoaveis.
Sbbi a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
prtmeiro nico em seu genero, pode-se porm affiancar, com toda a seguranza de qoe
ae&bam uutro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
I.' Delicadeza no trato.
2.; Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posicio social gozara de certo tratamento, acharo nesta
wrsa os melbores queijos londrinos, cerveja, vinhos fo'nissimos manteiga e cha sempre de
CTimeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a coodicio do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
lo bem servido.
Aquelles que sao pooco favorecidos da sorte farSe mensalmente urna economa de
maitas patacas, afraguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassuckr, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas parles nao po-
Os seabores de fra a cidade, dos arrebakles ou centro, que comprara para ne-
ociar, deveoa vir, celo sen proprio interesse, a sie estabelecimento para se convence-
ren! Pura es senhor> s que compram para tornar a vender existe ura sortimento spe-
cia(, escolhido por pessea entendida que certamente muito deve agradar aos senbores
compradores.
Na se iem poepado sacrificios, nem se deixar d-e fazer a diligencia para agra-
dar a to4s.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHE1RO A VISTA:
A Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPSTA a 120 rs. a libra. urna,
dem e painco e oito libras para oiraa a
103 rs.
An-soe de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
AvdxAs a 240 rs. a libra.
Amhixas francezas em latas de todos os ta-
annos,
dom idem ero potes de todos os temanhos.
dem idem -em bocetas de todos os tama-
nhos.
Edein idem era frascos de todos os tama-
nhos.
Azkitg noce de primeira qaaMdae a 560 rs. I lime ingi.cz de todas as qualidades.
a garrafa. ; Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas pvra sopa branGa c amarella a
GO rs. a libra, em caixas caa 9 libras a
3,5500.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Concele&o)
PARA BEM DE TODOS;
Senhore aanlMtras, o aceto que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que todo a promptd5o e intpi
ezacom que ser5o tratados, /jnvida a urna visita ao mesmo, certos de quesera dnvida me dao a proteccln e preferencia na com-
rra dos gneros que precisaren e quando nao possam vir poderqg mandar seus portadores, anda que este? sejam pouen orticos
PoisserSo tSobem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de que novao er
tra palle.
Mauteiga ingleza especialmente escullida a Alelria, macarro e lalhaiiin a4oo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
KIRSCH de Wassek a U a garrafa.
LATAS com graixa Let ia a 400 rs. a libra.
II
MANTEIGA ingleze e franceza de primeira
qualidade a 4#, a libra.
Marmelada dos mats acreditados fabricantes.
Macarho e TAi.ii -viiim a 320 rs. a libra.
Massa de tomase a 6(J0 rs. a lata.
MosTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
1 ,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hyssoD de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem bysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l.Goo rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Lnguidas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Coslelletas inglesas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegades neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem pratoa 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso h mais superior que tem viudo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervihas e favas portuguezas j preparadas
Cevadinha de Franca muito nova, >2oorsJ
Charutos do adamado fabricante Jos Furta-'
do de Simas, das seguintes qualidades:
Albos a 200 rs. o molhe.
Ahsyntho a 2;J0O0 a gamff.
m
BOLACKJNHAS do Beato Antonio em'latas
grandes e pequeas.
Idem do Principe Alberto a 45800 a lata,*
de cibco para cima a 4*700.
Idem de so ia em latas grandes a 2*000 e
de orneo para cima a l Biscorns inglezes de todas as qualidadec a
IfiUO, 1*250 e1^300.
Bolo frracez em caisinhas -a 400 rs. ceda
urna.
Patatas inglezas.
Banha de porco refinada.
C
CHOOi'.ATE francez a'6"00 rs. a>libra.
dem suisso a 1* a libre.
dem de musgo a 10500 ?. libra.
Chouuicas muito novas a 800 rs. a libra.
Cac a 240 e 260 re. a libra, e em .porfo
se (ara abatimento.
dem d3 primeira aoalidad.6 a 7*000 a ar-
roba.
Gonsehas em frascoe 320 is. cada'am,
so.niuilo novas
Idem inglezas, frascos graades.
Chamcane de todas as maceas.
CriAu.H'c de grosella, orchm, etc., etc.
CniCA&M e pires a 1*808 a duzia.
Ckhveja la superior marca enente a 300 rs.
a garrofa, e era duzia se faz grande aba-
liraenti.
ldera Viroria Bas tres X edeoutras.marcas.
r,HARUTot> das mais acreditadas marcas, co-
mo sejaai: Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, l'ar sienses elicias, Gua-
babara&, Trovadores, Kegalia, Mississipes,
Panetettes. \praziveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
C.- de tt)a as qualidades e de todos os
i>rcns. bfssoo, buxira, aljfar, preto, e
fcbi p*a branca, etc., te., a 2*000.
2"0, JSiO e 2*800.
CtM-us isos de lodos os umanaos de 120 a
320 rs.
Ideal pidadtt* de todos os tanunhos a du-
zia a 25500, 3*500, 4* e 5*.
Miliio painco 9 alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 106 rs.
NOZES a 1-2G rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglesas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, t 4*100, de
todas as qualidades, como s--;am savel.
gftras, corvina, pargo, salmao, pesca-!o e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc.,
Peras em datas, excedente preparacao.
Palitos para deiues a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 1*400.
dem muito novas a 400 rs. i libra.
Pomada RHtftO nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato e 800 rs. a libra.
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londninos a 800 rs. a libra.
QARTlNHAS OU MORINQUES a
R
BAPE' Mearon a 1* a libra.
dem Princeza do Rio a 1*200 o libra,
dem francez a 2*500 a libra.
8
SABO massa a 160 rs. a libra, m caixa se
faz ;i[;ilirn Tilo.
Sal refinado em frascos a 500T6.
Salame de Loan a 25?.
Sakdinhas de Naotes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a $00 rs. o mago.
Sag muito novo a 100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preu para escrever.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinbo do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada,
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8eo.
Vinho branco de Lisboa de excedente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em caa-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho de Porto das melbores marcas qne
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Deuro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Loiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,000,15,000,
12,ooo e I o,ooo a caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,000
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos 6
6 lo rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra. Palitos do paz a 2,2oo a grosa.
Bolachinhas de soda em latas de diversas Toucinho de Lisboa muito nov
qualidades a l,3oors.
I)IU. bt l'oUlo ;U|ulii>r I;ii ik!,\ a i^dO.
hiaco.-. com supiiiir lila riel; a Meladas < l m.* Irtx* iara U-idadu a SO e 60
] caixas tuu, ho eL^lo|ief,I2eiida lina a (l0 rs.
Groias de penoi:. Ort$0> l*Wda SI! > "ur a 5(10 rs.
l^ioi.s oc bolur.'- .i,.uii. i. i i. in;os a 500
1 e 640 ib.
,C>iit t Caixasc Pe\-a!> di- t;ia braurt dastira cein '.' \ia- ; .-Ors.
Vaias dt Ufebja de laa |ai otlttiles de vestidos a
4u r?.
Buallios domados u^crities qualidades a 4oo rs.
.Nuvellos de lula rom 400 jaldas- 8(> r=
Limos para assetitos oe rouia laxada a Km r.-..
Paies de baldes paia poiibo, hienda rua a i..O rs.
Tetoor* para costinas tsfieiiores quihoadesa
4(0 f 1.
Caija? de peunas de callipiaphia, ftenda La a
1COO.
Ma-ssoc con. saperiores f rampos a 30 rs.
Pares dt sapalcs ce naica e tai ele a )500.
Cixr.s r< i.i hbpfri(itsayulfcasa 240 rs.
Li as i"t la a soitidas di li rilas coles a "000.
Caixas cotn sii| K dloha con alfme! fiani2e; muito soperierea
i 20 r.
Pe>ira t- pafel :.:a ce a 3#400 e 2800 rs.
Estovas | ara rcupa, la, nula boa a 720 e 1,5.
Di zias i!e ttsi uras r Cerveja branca das marcas mais acreditadas' pSi'S kri>, ^ 6 abo pr,l0 a im.
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o "
a garrafa, e 5,8oor 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
Sal refinado em frascos devidrocom lam
do mesmo, a 5oo rs.
taras, l'at isienes, Sus- Quaderr s de papel pequeo a 20 rs.
i 4,000, 4,5oo,5,ooo, Grtalas de rflres, faienda sopeiior, a 800 rs.
Pun- rip puiha;, fundo doorsdn. a 80.
u: ii uiu fu i- pata chancan a 240 rs.
Pulscirss i ara n < ninas a 32t> rs.
I)i!;.s r rollar par sen!-ra a 500.
Fiascos Ce Apoa F1 nda Midadeira a 1^.280.
Frascos ronisopeiior baoha a 240 eSOo rs.
Ittn de superior oleo babosa a 390 rs.
C:ixa- rrm lani|ariias para :i nn-7.es a 40rs
Lonannos, bitana
piros Delicias,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou emH eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
can les, como sejam: Flor do Norte. Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 8ooe
i,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a 1,8oo o cento e i,2oo soltas.
enlatas hermticamente lacradas a 64o. Cartoes com bolo francez muito propriospa-
FeijSo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem (jara viuho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Ofeocelate francez 'espanhol e suisso a 9oo,
1 ,ooo e 1,2oo rs. a libra.
Espermacete superior a 6oo e64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melbores qualidades de pei-
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Hordeaux das marcas oais acredita-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,000 rs..
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a loo rs. a ibra.
Milo de amendoas a Soo rs.
Rolachinha d'agua e sal, da fabrica de Jo5o
de Prifo no Beato Antonio, emlata de 6 li-
r!.is por2,5oors.
A* risas francezas em fiasco de vidro com
a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolacbinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem viudo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com frurtas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fractas em doce seceo de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portnguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista'se
far o prc;o
tampa do mesmo, a l5oo.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc< zas em caixinhas de diversos ^ Azeitonas' de Rivasem ancoretas grandes de
8,ooo a caisia e 64o e 7oo ris a gar- tamanhos com bonitas esta pas na cai-i 8 garrafas por 6oo e 8oors. a garrafa.
rala. xa exterior, a l,4oo, 1,6oo, 1,8oo e 2,ooo Azeitonas portuguezas a Soo rs. a arrafa e
Genebra de RVuWanda a 48o rs. a botija de i cada urna.
coma certa. Azeitedoce refinado hespanholou portuguei
Frasqueirasde genebra de llollanda a 6,8oo a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
e 64o rs. o frasco. I Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo
Genebra de Urania verdadeira em frascos o gigo com 36 libras.
grandes a l,oooeH.,oors.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio de i1 qnalidade a 28o rs. ali-1 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali- 4no rs.
bra e 7,5*0 rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranto de 1* qualidade a loo,Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,f'.oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da Indi a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a 8oo rs. n frasco,
dem de Java a So rs. r libra e 2,4oo a ar-1 Mnstarda fr.inreza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa Lentilhas francezas. excellente leeume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qnalidade a 64o Marrasquino de Zara propiamente dito a
rs. a lata de urna libra e 56o rs. a reta- 15a garrafa <> 11 ,ooo a duzia.
lho. Palitos de dente a 14o rs. o maco.
VINHOS! !!
a
Caucs de iodos os tamaitos.
Cognac superior a l| e 15500 rs. a garra/a. | Principe Alberto, de 1831,
CiGARtw do Uio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco alaciabas.
50000 a gar-
la
DGCKs de todas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, ingieres, francezes, etc. etc.
ERV1LIIAS seccas a 120 rs.
KVAoce a 400 rs. a libra.
V
a libra.
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 20 a garrafa.
Lagrimas do Do uro a 10500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
Duque a 10 e 10500.
Cbamisso a 10, 10200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
: Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
^ .isL .-__. ian I nho que se pode beber por n5o ter com-
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120! ^Q a|gu0 *"
rs. a libra. Lanteroe a 800 rs. a garrafa,
dem de araruta a 320, 400,5 e 8jo rs. Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
Figos de comadre a rs. a libra Idem s> Ju[ieo a |(J WJ0 e 660a garrafa.
Feijao verde era htfas a 600 re. Absyntbo a 20 a garrafa.
Pavas em latas a 500 rs. K,rsch jj Karrafa>
Fuo do Rio a 500 rs a "tira. Wermouth a 20, e a caixa a 180.
dem americano era latas a 10.500 Bl|e|P Maurer |(j a garrafa>
Fahkujo na sempre era deposito de 500 a | Vinho figueira em ancoreta a 200.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
dos os tamanhos e de todos os precos* caada.
Camli raias.
ATTEIfCAO
Vende-se as otaria* de Jo* Carneiro da Coaita' Parede Porto vende eambraias lisas Anas, frran
em frente ao hospital Pedro II, e na roa dos Pra- de sortirnenlo, a 30 at 61. ditas Victoria muito
teres n. 38, telha superur de barro de agua doce a finas, com 10 varas a 60, 64500 e 74 : na rua da
304 n milneiro, alvenaria bau'da a 30|, e ladrilho Iroperatrii n. 52, junio a padaria fancew.
a 264000. '______________________________... .
Chegaftm aos corpihos it cambrai
Vendem-se corpiohos de cambraia com ntre-
melos a 44 e 54, esli s acabando : na toja de
..<
Farinha a 3$5
Vende-se farirma de mandioca, caceos irraqde
no armaiera dos Srs Tasso Irmo*, na Bnpt* nova' Paredes Porto, rua da laderalrl o, 53, porta lar-
pelo preco aejn sjeficjoaadvis. ga, juo.o a padaria france.
l,5oo cada urna ancoreta.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de enpommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Ralaios para ronpa suja. erandr-s e peque-
os, por diversos procos.
Amendoas confeitadas a 6n rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 ,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a 4,8oo rs. a ranada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a Soo rs.
garrafa.
Na rua Direita n. s';. na
consianieni'-ote | r^ ven-
derse cyliniiro~ americanos
chegados d-i Pliiladeljhta o
mez passado
>o


Novidades do Vigilante
RUA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento ppezar di si pre
se acbar bem sortido como ludo? sabem,
boje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de Ma propria conla, i r lam i r ; ele
que recebe de consignaren.: ; parec cm
duvida que deve offerecer gi. lanta-
gens para o respeiiavel publico : loem
piecos como
mo acaba de
o^
=T. w
^* as _* v-
2
a 2.
3 -o o. 9 s.
X
as cd
3
d. ce
9 a 9Hfe
-.2 3a.
8.B.
o
S =r
5-g
u U |1 |l 1
S^3<% 5
=..
S a

c.3gy??.a.2.5;
2. O
O, a o
ot> *
'So 9
ft ** ~
2
O C cr
So.*?

-a
u
-1
6-
d a



-l
tx
o
s

i
va o 2 o
e "c S
3 p
3 r 5 o* i"C3
&-. ira
>
o
o o
* sis
o
o-i
Di
O
O BJ
N
a ce
ai sj
n

55fl
Tasso Irmaos
Venden nt sea armazea roa da
Aaiorim n. 35.
Licor fino Carabao em botijas e meias botijas.
Licores Anos sortidos em garrafas com rolbas da
vidro e em lindos frascos.
VinhosLberes.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
O castello de Grasville.
Traduiide do franeei per A. J. C. da Crar.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 300(
ua praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
t/ Vende-se um sobrado de dous andaras no
bairro de Santo Antonio, o anal renda para mais
8ACUNAS0IMLM
de ii'iii>ibar a edho iara>
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C
111.11 a
Estas macbmai
podem descaroca
qualquer especb
de algodao sen
estragar o tic
sendo bastantt
duas pessoas par;
otrabalho; pdt
descarocar um
arroba de algo-
dao em earoor
em 40 minutos.
on 18 arroba
por dia ou S ar-
robas de algodac
limpo.
Assim como machinas para seren movidas por
animaos, que descarocam 18 arrobas de algodao
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
entras dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por qne pode faier mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e ezamina-lo, no arma-
xem de algodo, no largo da ponte aova n.47.
Saladera BrolkersiC.
. II, praca do Corpo Mani
RECIFE.
Osupcos agentes neste paii.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para t.bservacoes e para os
martimos.
e de
para
VENDE-SE
um cabriole! americano de quatro rodas para duas
pessoas, um nutro para quatro pessoas, ambos
com arreios, oov*s e elegante?, "por prego commo
do : na rua da Ponte Velha n. 8.
Vende-se um cylindro, urna masseira, nma
balanca grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e mais nlencillos de padaria : a tratar na
rua Direita n. 24.
Hom e barato
Manteiga ingleza flor al| a libra, franceza a
840, arroz do Maranho a 100 rs., painco a ISO,
amendoas a 540, caf do Rio bom a 240, vinho da
Klgueira a 400 rs. a garrafa, e 3* a caada, Lis-
boa a 3*50 a garrafa, e 2fi00 a caada, azeite doce
a 600 rs. a carrafa, vinagre de Lisboa a 200 rs. a
garrafa, e 1500 a caada, queijos do ubimo vapor
a 2*300 : na roa das Cruzes n. 24, esquiua da
travessa do Oovidor.
No armazem de azento
baratas de Satos Coelho
Una do Qiirlmado o. 19.
Vende-se o segointe :
Cobertas de chita fina a 24800.
Ditas de dita a 3,5400.
Lentes do panno de Kobo a 2200.
Ditos de dito de linho a l&.
Ditos de bramanle de linho de um so panno -
3100. V
Panno de linho fino cm 9 l|2 palmes de largo
ra pelo barato preco de 25400 a vara.
Bramante de liuho Uno com 10 palmos de lar
gura a 2>."00 a vara.
Pegas de cambraia com salpicos brancos
cores com 8 l|2 varas a 1500.
Pecas de cambraia adamascada propria
cortinado de cama nom 20 varas a 115.
Balees do arcos a 25500,35. 35->00 e 45.
Lencos de cambraia Gna a 2^600 a duzia.
Dilos de dita a 25 a duzia.
Atboalhado de linho fino a 25800 a vara,
Dito de algodo a 25 a vara.
Algodo infestado com 7 Ii2 palmos de larcura
a 15200 a vara.
Pecas de bretanba de rolo com 10 varas propria
para sa,a a 35500.
Fil de linbo liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpico a 15 a vara.
Cambraia de linho fina a 45500, 65500 e 95'a
vara.
Cortes de lazinha de lindos gostos com 15 co-
vados a 55. Vende-se a fabrica de charutos e cigarros
Pecas de madap< lao fiolssimo pelo baratissimo da rua do Arago n. 32, bem afregpezada : a tra-
preco de 85, 95,105 e 115. lar na rua dos Coelhos n. 2J
Flanella branca fina a 600 rs. o cavado. ------------------------------
Dita de cores fina a 880 rs. o covado. t\ I fW
Baloes de musselioa para menina a 35, 35500 i ll-i/
Cambraia de forro a 35 a peca. I No armazem da rna do Imperador n. 3 ou no
Dita fina a 45300, 65 e 7 a peca. de pedro H n- *> *m ,ar "ender-se o rae-
Goardanapos de linho a 35800 a dtuw. Ilhor sai Pis,""e no mercado.
ia escolha dos cljeclo, e co-
begar grande remessa pelo
vapor iDotiii e o navio Solferim de
diversos objeclos *;e gesto e [>roprios do
lempo dos fjtiacs se mencionarSo algnns,
por niio sor |>(^^iv^: mcLCioiiar todt ?. O
dono desle estabelecimento espera a rro-
lecnio de todos.
Riquissiraas caixinbas ornadas c cera
msica piopria para om delirado mimo.
Caixinhas de msica lano de veio come
de corda.
Ricos porta juias c oecessarios.
Riqtiissiinosest jos a feitio de um baosi-
nho ou cbapeozinbo.
Dilos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chapt'Sinlios e louquiohas de muito
goslo jiara criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
.Meias de seda para senhoras.
Capellas e grioaldas de llores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muio gosto para
seuhora.
Riqoissimos potia boqueis.
Boquet de llores com urna borracbinba
com ebeiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
iJitas de seda e de Escocia.
Riqmssimas plumas e guainifoes para
enfeilar chapeos.
Contas e lulos de ac branco, que lia
muito se desejava para enfeites.
Htincos, Ihel'as e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, ruad! pe-
rola e dourados.
Allincies pnia grvalas.
Botes com croas para punhos.
Gravalinhase manlinhas de muito gosto,
tanto para homem como [iara senhora.
Riquissimos aderegos pretos, assim como
caixinhas com a fineles pretos.
Rengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de oulras
mudas qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos penles de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha um completo
forlimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas prf tas com vidrilho e de cores.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodo.
Suspensorios de seda e de algodo emui-
tos outros objectos que se nao podem an-
nttnciar por nao se tornar enadonho.
Su no Gallo Vigilante rua do Crespo n. 7.
Toalhas de atfodo felpudas duzia a 125. nfia-tM^n >k 1 ninn 1 i
Esleir da India propria para forro de sala de I VU VIf 14 II 4 I jl \
Em casa de Pbipps Brothers di C, roa do 4,8 e 6 palmos de largura per menos preco do viLil^ 1 11/(1 rl lf i U/ll'laUlIrli
de 1:2005, e ama casa terrea no bairro da Boa-' Vigario n. 2, vendem te cofres de ferro, prova de que em outra qualquer parte. Na loj do cha' vende-se superior cerveja da Ba-
Vista a traiar com agente Olympio em seo arma-1 fogo, dog afamados fal.T^aotes Miloer i Son, de Neste armazem tambem se encontra um grande nieta, urna caixa com duas dnzias de garrafas por
tem na rua da Cadeia do Rectfe n. 34. Liverpool, j sortimento de roupa feiue per medida. 1105, e a retaiho a 800 rs. a garrafa.

_ T


Oflftfl* d* rematMeo -*~ -aeifs /etra 15 d Itezemfcro de **
KllJU
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor francez ricos corts^ da
vestidos de seda de cores dos mais bellos gostos, proprios para bailes,'
partidas ou casaraenios.
('lales de Guipure pretos e brancos.
Bouets de palua da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
35 Bonita seda para vestidos,
Casemiras de quadros.
Esteiras'da India para salas.
W ladapoloes fraucezes a 400 e 500 rs, a
J Laa para vestidos de diversas qualidades,
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos mais commodos presos.
m4
CORTES 1*E SEMA
Chegaram pelo paquete ingloz riquissimus cortes de moreaotique de cores, e seda lavrada pa-
lr3e ibleiraueote dovos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5RA DO CRESPO- 5
Gregorio Iae? do Amaral & Conipan.li la.
0 BAILE DO CUBE PERNtMNJCANO
Gregorio Paes do Amaral & Conipanhia.
c ...
Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor de boui gosto e superior qualidade.
Luidas sedas de quadrinhos.
Bons moireanliques de cores.
Grosdenaples do todas as cores.
Lindos poil d chevre faz-mda asselinada de inteira nnidade.
Lindas duquezasassetinadas fazenda inteiramente nova.
Modernos grenadinesde seda oque lea viudo de mais novo.
Graiiile variedade de las de cures lisas e de salpicos.
Orandyse casas de muitn bono go-tn.
Percibas modernas com grande variedade.
Lindos 'tes de ta Clotilde coiu todos os pertences cada um eos suticar-^
tan iu'.i'ir .mente novos.
!> ws c i tes de ca-si co a b irra tamb im inleinmnte
oCfOfazendas degusto quesera enfidonh mencionar.
novos e outras- muitas *>
en


e de.
Para horneras de senhn a
Grande variedade de chales, bo irnotn, retundes e algerieDnes de fll
guipure a'tO, IG, 20, 30, 40, 60 at 805.
Modernos soutembinues de seda de superior qualidade.
Lmdus bertes de seda de cor pretos e de cachemira.
II.mu de canliian branca b irdida com muito gosto.
' abarques eboarnoax de cachimira de cor e outros uu!co arligos
'-y Pbom gosto.
Para enhena de senhnra
Superiores chapelinas depalha, de seda e de crina de muito hora gosto a im-
i,:. p ratri/..
Chapeos de pdba da Italia grande variedade. i
i. lid is gorros e bonets de palba de Italia, Imperatriz,. Canutis:\ Clotilde
>._.. ea tirante, ebegados de Pars pe o ultimo vapor.
Gra i I! variedade de endites de fro;o e de llores para sasamento.
3 iperi tres vestidos de Won le. e de m ureantique bramos.
15 >!i> n (re inliq es branc >s e s iperiores sedas branca. <
Bois vestido* di ta latina branco bordados. '
Lindas mantas de bbnde e boas capellas. j
IBordi'ios. *
Grande variedade le ntremelos borda.los transparente tapados. .
habidos bordados, satas bordadas e
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de precos,
tanto deste armazeui como do armuzein progressivo pa-
teo do Ormo u. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhoras de en-
centras, lavradores e mais pessuas do centro, que p ira mais facilitar suas compras deli-
oeraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reoflir todo) os seos estabelem-
inentos em urn s aDDuncio, pelo .qua! o prego de um ser de todos, promette-
aws que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annonciar os gneros
por um prego, e na occasiao da compra quererem por outro, como soeede constante-
mente em outras muitas casas, purera nos nossos estabeleeirnentos nao se dar isto
anda mesmo com preiuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar set3 fmulos que
ierao tam em servidos como viessera pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seas
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remettendo ns urna conta
ela qual se ver os precos tal qual annunctarmos, o que senao arrepender pessoa
uguma que fizer soa despenga em nossos estabelecirnentos; pois poupar mais de
por ceuto na sua despeza diaria.
Offerecem a todos os convidados, do explendido baile do Club Pernambucano
seu bello eescolhido sortimento de fazendas depbantasia, ebegadas pelo Guienne, auie
consta das seguinles especialidades. 1
Vestidos Cesarina.
Linda e nova fazeuda de la-brillian, transparente, com Utas e florea de seda,
padres do ultimo gosto.
v > ,- SKDAS
Lm cortes padroes novos. escuros e clares.
Em pecas moreantique liso ondeado o lavrado.
dem estampado com listas e flores.
Tn ra tana.
esta orna diminuta porgo de cortes de larlatana branca, enfeitados caprichosa-
menle a cores. Todos os amadores de partidas e soirs. bao comprado para suas fami-
:as estes vestidos, j pelo diminuto prero, ja pelo bonito gusto.
JEXFKITES
A imperatriz Eugenia e a rainba Victoria que adaptam com muila elegancia
ao kok. e
Jouvin A C.
Resentia-se o nosso mercado da falta absoluta das verdadeiras mm de Jouvin.
temos a satisfagao de poder annuncia-las a nussos freguezes pelo proco de 350(X> o par.
_ E grande a economa vista da flexibil dade e bom acabado, que Ibes d dupla
duracao sobre as falsilicadas.
I 'Huta diversos objeetos
Proprios para o complemento dos enfeites de vestido como bertbes, costageo,
suspensorios, etc., gostus os mais pliantasticos em dentelle preto e branco. tafel etc.
Mandam-se amostras.
i adornos e peo tes de tartaruga.
r, a pnmeira vez que vem esla fazenda ao mercado. A pequea porcuo que res-
a convida as L'xmas. senhoras a urna breve compra.
r r n CINTOS
Lom vellas de madreperolagravaoa>, tartaruga, metal, etc.
Chalfs de IIlo de e-es.
Nova remessa. deste- chales e retundes a dus e mais cores em xadrez Nada se
pode ju'gar do ma-rnifi o effeiio (lestes chales, sem experimentar as pessoas que os de-
sejarem mandaremos amostras.
E urna infini lade de fazendas dp gosto, como sejam:
Chales de fil prelo tle 105000.
Os mais ricos vestidos para menino de 3 a fi annos.
Colxas de croeg e pannos de labyrintho.
Tif branco e fil de seda.
Superiores bales de clina, recommendaveis pela Ionga duracao e bom talbo,
Tudo a
/
5
CRESPO 5
. ..

.
Ti as !) ma la transparentes e tapadas,
outros m tos arligos.

3i
I)F. *NTONIf nORRtil lE VAS ONCELOS & C.
R.VA I0 CBKSPO X. 13 31
M Bichas de Haraburgo M
''. i ~-c~*
l

., I-J.

o dospulmuer. angi-
).;b, tosse, escarres de
Singue, crupo ou garro-
til!: ., catarro, rouquido
itinumeravei molestias que affec-
aos rgos da resiracao
UlilKAPPA H i I: H
ediaote a acc5o da balsmica e irresistivo
A
i
PEITORAL de KEMP.
a an.i'aiiiiila mexicana que d o rime es-
I ial i'sie iiiconiparavel remedio, urna
ai'wre, i uj i madeira por muito lempo se
I,; usado no Tampico para a cura das no-
f mi-lades cima mencionadas. Foi tam-
I. o ensatada e approvada pela academia
i. ii a le Berlina O peiloral de Kemp
u:u xarope deitcioso inteiramenle iivre de
t'j i i. acido hydrocyanico e outrus ingre-
t entes nocivos.
A* venda as drogaras de Caors & Bar-
bi za, Bravo A C. e em todos os eslabeleci-
in utos phaimaceuticosdo imperio.
i isiiu neraJ em Peroamnuco rna da
Cra a tt o'u casa de Caros 4 Borbota
y lodc.s os paqoetes Ja Europa se recebe 3J
% deslas amipas d sangu hu.-naoo e se S
i^ vendem a troco de pwueo lucro s afira S
J3$ de l.T sempre cousa nova : a loja de bar- jR
yf beiro ra eslraita do Rosario a. 3, ao pe ^
JK da reja. m
mmmmsm mm imi
COEares Royer ou colares m-
dlaos
para facilitar a deniicn das orian^as e preserva-
las das convulsoes.
O feliz resollado ohiidu imnas vezes pela
prodigiosa for^a magnetita dos colares Royer, nos
casos ne convulsoes, e denti^ao das crianzas, tem
altamente elevado o seu tiem merecido prestigio,
e hoje se p'le di?er que estn geralmeotecoo-
ceiiuados, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de uns porque do uso (tases saiutares
colares viram salv..s do peiifto seos charos fllhi-
nhos, e de nutro? porque colheram daqnelles lao
i proficuo ejemplo para enalmeme pressrfar os
seus. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
tas a uiili'tade e proveit des-es prndipicsns cola-
res anodinos ou IV.ver. man.I m vir o iuivo sorti-
meido que agora receben, n continuara a recbe-
los para que em lempoalgum a falia delles possa
ser funesta ao< pas da familia, os quaes Ocarao
certos de os adiar constantemente na ra do Quei-
maao, loja d'agnia branca n. 8.
Sftrveja
Superior serveja Bass dos meihores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & BeM. T. F.
Ashe a 7,000 e 7,ooo rs. a mzia e 7oors.
a garrafa. Tambera ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a oco rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e i,4oors.
a caada.
\ ~.pp r/npp
2,6o rs., e sendo en poreofcer abatimeo-i tJ ''^ *w'^
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a I Superior asstto doce de Lisboa a 6io rs. a
2,4oo rs. a libra. garrafa e a 5,coo rs. a caada.
dem preto superior de i,8co a 2,5oo rs, Massas
a libra. Macarrao e Laherim a 360 rs. a libra 8 a
Biseontos i 5,000 rs. a caira.
Latas com superior biscouto in.glez de di-i Passas
versas marcas a 1,2oo rs a lata. Superiores psssas a 3,oeo o quart e
Manieiga i gleza perfeitamente flor che-
gada ultimamente.de l.oooa i,loo rs. e li-
bra, e em barril ter abatimento.
Manteiga frauceza da safra nova a 8G0 rs.
a lifra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banda refinadi superior a 6io rs. eem
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de primetra e soperior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o mclhor neste genero a
DE
J.
i
2;5oo rs. a ca :?a de
libra.
trroba hespanhola e a
ItolanhftihM
Latas com nolacbiohis da acreditada fa- Soo rs. i
brica do he do Antonio, propriat para dar a
doentes de 2,000 a 3,ooo rs. a lata. CiETEBRA.
dem com quairo libras de bolachinha de: Genebra de laranja verdailoira a lo,5co a
soda a 2,ooo rs a lata-. u^ia e 1,00o rs. ao frasco.
OiiPiifV? Genebra de Bllanla veniadeira a 6.000
uu rs. a fjasqueira e a 56o rs. o frasco.
L
Queijos namengos chegidos- no ultimo dora de noilrnda em botijas i
vapor a .ooors., tambem ha do vapor pas- a ums.
AZEVEIH) FLOHKS
lua da Cadeia do Recite, esquina da Madre de Deus.
Grande-sortimento de fozendas por atacado e a retamo e um completo sorti-
mento de roupa feta, de casimira e de brim, lisio por menos que em outra qualquer
parte: quemduvidar venha ver.
de lindas e 6nissimas casemiras escuras e claras, de superior sentir preta, de finos
brins brancos e bom brim pardo.
Palets
de superiores casemiras escuras e claras, d lina alpaka branca, e superior alpeska pre-
ta e de brim pardo.
rolletes
de boas casemiras pretas e de cores e de lino b un btaoco.
CAMISAS
Superiores couisas (rancezas itn 2^ at -*.
RiAMTAS
Novas mantas de seda para pescoru de homem.
PELO ultimo paquete:
Grande sortimento de baloes de arcos ecoberios de panno.
Bdoes de arcos encarnadus os melrmres q. e ha no me cado.
Baloes de arcos brancos, tambem os mais novos,
Ba'oes de arcos escuros, a primetra vez que veao mercado.
Baloes cobertos de superior musse'ina.
Ba oes cnhertos com pannos de r.
E^tes baloes encarnados e escuros devem ter um completo aci Ihimento por todas
as senioras, pois tem a vantagem de nao se snjarem; como acontece c<-m os bran:os.
Y
F
&
^y


sado a 2,3oo rs.
Garrafes com -24 garrafas de genebra de
m 1 1 cr'nco1'-,ATE HOlIanda a 8,00* rs. o garr.fao. Tambara;
Chocolate hespanhol a 1,000 e 1,Soo rs. h;i Karrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2o al
a libra, francez e su:sso a 1,000 rs. a libra coo ?s. cada um.
e portuguez a 80O rs. a libra, ora porgo VELAS
ter abatimento. Vel >s de spermacete a 6'c rs. a libr,


i^?'
:.^1
^SS
rs
avariado
Francez barrica 5000
Portiand dem 8^500
Eco perfeito estado:
Francez barica 103000
Portland dem 12000
No armazem de Tasso IrmSos ce dn Apollo.
Ba lefio
Venrt -se Pin balean de amarplln que aind na-
1 -e'i d'i. ulna mil i tu bein |eita, spnip <>ln. bal
o', f, ni v.ifi jirnprla parifiji |nifil|>^i)ati|if 1
i 1 im -Ht.i. por medien talnt; ni rila do vi
Vendem-se dnas escr;ivas recidhias, de ida-
de 2;t a 21 annos, excellente condueta, engommara
perreiiameote p Fnzem todo o servio de urna casa:
na travessa do Carmo n. 1.
Vende-se um sitio em Henifica a' mareen do
rio CapiHarihe, com bastantes commodos para urna
prande familia : trata-se na ra Nova o. 24, das 9
Horas as 4 da tarde.
Venden-ce quairo burras mulo mansas, boas
de carga e de seila, por preco comruodo : a tratar
no hotel de Franca.
MORILIA.
Vende-se por prego muil.i comando orna roobi-
lia de Jacaranda, inteiramenle nova e de costo
mnderno, constando de Jiuia meia de cadelras,
-i-mi 4 de bragns) 2 ronsolos enm lampe de pe-
dra e t sof com encost de palhinha : na rna da
Matriz da Boa-Vista n. 9~.__________
Vende se um bom cavallo, pranda e novo,
linio para sella rumo para cabriolel; na praga do
Capim, cuxeira do Sr. Leipoldino Sila.
Machinas pura descarooar
algodaa
De novo modello : na ra Nova n. 20,
no grande bazar de Antonia Duarte Carnei-
ro Vianna.
Presuntos de Lamego de superior
qualidade recentemente despachados, em
pequeas ou grandes purgues : na ra do
Trapiche casa n. :6, ou deposito ra da
Cruz n 47 a 'fl rs. a libra.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velbo Secco,. Lagrimas d
Douro. Maria Pia. D Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Docas e outras marcas a l.ooo a garra-
fa e 9 000 ala 000 rs. a dazia.
Vinho Figueira e Lisboa das. melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinbe chamisso cm barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,Soo rs a caada
Superior vinho de Lisboa e Figueira esa
anchetas de 8 o 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior viabo hranao proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, Soo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
1 aixas <'om urna dazia de garrafas de su
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
Too rs a garrafa.
CAF
Caf do Rio d& 4.a e 2,* qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
Sabio maca de pnmeira qualidade de 18o
dem de carnauba de lo a 12,ooo n
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latss j preparado de l.coo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e paiogo muito sqvo de 3,3oo a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
GHARTC6
Charntos dos mais acraditados fsbricn-
tes, como sejam: lulo Fartado da Serrias,
Maooel Peixoto da Silva Nelto, Gastan to &
Ettha e Brando e de outros muitos. os
quaesvendem/is pelomndico prego de I.600,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4.5ou, 5,000 rs. a caLa
LCOI*S
Licores fsancezes e p .rtoguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doce*
Doce da casca da guiaba e caixoes pe-
queos a Too rs. e de 5o caixoes para ciraa
a 64o rs. o caixo.
Frats
Frutas em calda o em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, peceo, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a > s. a lata.
a22ors. a libra edelCo a2lors. sendo Tambtm ha latas grandes para l,2oors. a
em caixao.
lata.


Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Magas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo nltimo vapor.
t Passas pelo ultimo vapor.
FL'os pelo ultimo vapor.
Fruitas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo uliimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
vir%r\&iro*a&
DE
CUSTODIO CAKVAlillO .
27 RA DO QUE MAIHJ N. zl
Madapolo francez muito lino, tendo poucu mofo, cada pega com 27 varas por
100000.
Lia de o res a 300 rs. o covado.
Cambraia francesa a 260 rs. o covado.
Finos ortandis a prego de 800 rs a vara.
Lengo> bra eos para algibeira a t& OU a duzia.
Fm sperclaras a preco de 40, 44oa 56o rs. o covado.
Ricos co tes de laa de barra de IO a 3-'|40iK).
Chales de fil preto e outras umitas fazendas.
Esleirs ua China para forrar salas: ^
vendem-se em casa deTeo oro Chnstiansen, Ay
Queijos lotidrinos pelo ulimo vapor.
Queijos fiameogos frescos pe'o ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ul.-tmo vapor.
Tudo se vende barato ns seguinles arma/ens:
1 .. 1.
Rna do Imperador n. tO, Verd.idelro Prlaclnal.
Itua do iiciui kdo u 9, 1'ntiH t t*mmerclo.
Largo do Carmo n:'% Prpgral*9.

( n. 26 ou ca'e de Apolle no depcito de sabu. I ra do Trapiche N ivo n. 16

^''
'
- I .
(MTORIO l(MIKiKGICO
D(i
l>R. PEDRO DE rYTT.YHYDE LOBO HOSCOSO,
HEOICO, PIHTKIRO SJ OPRHtlIOR.
3 Kua da Gloria, casa do Fuudio '
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos osdias das 7 s 11
aoras da manhao, e das 6 e meia s 8 horas da noiie, excepeo dos dias santificados.
hrwuviu Opean I hnmpitfjn Utico
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carleiras
mbos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisagoes e pelos precos seguintes.
Carleiras de 12 tubos grandes. 129000
de 24 tubos g.andes. InooO
de 36 tubos grandes. 24UO0
de 4K tudos grandes. 304000
de 60 tubos gran es. 354000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
roe se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onga 1OOO.
Sendo para cima de 12 custarlo os precos esiabelecidos para as carleiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 5IH) ris.
I.IVHO*.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
lons grandes volutnes com diccionario ............ 204000
Medicina domestica do Or. Hering..........] 1040'O
Repertorio do Dr. Meh Moraes..........." 6'000
Diccionario de termos de medicina.......... 340"0
Os remedios deste estibereciment silo por demais conhecidos e dispensan) por
tanto dp sereto novamente recommendados as pessoas que qoi-erem usar de remedios
"erdadeiros, enrgicos e duradores: ha todo do melhor qoe se pode desojar, globos de
'erdadetro assucar de leite, nota veis pela soa boa con^ervagS, tintura d"S mais acredi-
ados estabeleciroentos europeos, a mais exacta e acurada preparagao, e porlantoa maior
mergia certeza em seus effeitos.
4 a$n Ht amid** p*t-m exermws
Recehe-se esentvos pra tratar da qualquer enr|r|njlade ,ftv>er|se*-Je^nalquer
iperag.lo, p rao que o aonunciaote julga-s" "fffftrnlrmiMito halMltado.
O ral uneoio o melh ir pmssivel. tan tona parle alim-ntar, como na medica, e
fooccionando a casa ha mais de quatm annos, ba mui as pe-so;>s de cuj cnceito se nSo
pode duvidar. qje podem ser consultados por aqueles que desejo:em mandar *eus
lenles, _____ _____
TPyg^-se 2J por^fli* 'durante 0*di?<: e n'ihi em diante 14500.
As operagoes sera 1 previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoave.js que costum pedir o anuunc ante.
1





*
Otarlo de pernatnfciu fita tt' 15 Je Htzccibro de 185.
.-.- cu --
A Salsaparilha
DE AYER.
Para a cura radical de
Escrfula*, ulceras, chagas, fer-
idas vollias, molestias syphil-
iticas, e morcuriaes, Eiifenni-
dades das mulheres, como re-
tenerlo, menstro doloroso, nlcer-
aco do tero, e flores brancas.
A Nevralgia, Convulses, Eri-
sipelas, Enfermidades Cutneas,
borbulbas, nascidas, etc.
O erttwt* rompotto de SALSAPARII.IIA, confeccin-
ulo pelo TR. AYER, urna combin;eo dos melhores depura-
tivos caltetaates conlieci'los nmdnax computo efundo
$ lela da nciencia, approvado e rcociuNo pelos prlmeiros
medteos dos Estados T'nldos, da Amrica do Sul, do Mxico,
das Indias e dos principaen Estados di Europn.
A SALSAPAUILHA de AYER c especialmente eficaz na
cura das molestias que tem su a origein na escrfula, na
teleccao vencva, no uso excessivo do mercurio ou cm qualquer
impureza do Singue.
Entre tolas as molestias que u fu ge ni o genero humano, nao
Da urna nvn.- universal e terrivel do que u escrfula; por-l
Bao to destructiva, porom a causa principal de multas en-
fermida que alo Bm sao feralmente altribuldus.
una Cauta tlkvcU da tsica pulmonar do pssfti do
flfj, sfoiing't, affec^es do cerebro^ ilu-umali.smo
o affrr-'vH dos ihis : entre seos symptomas lia os seguintes j
Falta de apetito, Fraqueza e moleza em todo corpo; Mo
cheiro da boca, semblante plido e inchado, s rezos d'uiua
alvura trnnspan ate, nutras vezed corado e amarello ao redur
Aa boca; Pipr-o fracs e apetito ir regular; Ven tro juchado
ev.ieiiacao irregular; Quando ataca os pulmoes urna cor
azulada niortm-% a roda dos olltof, quando c no estomago
Sao avermvthu dos, as pessoas de dUposicao escrofulosa
npparecem?iequentemente ernpr&es partes do corpo ; sao predispOstas As ajfecclcs dos pulmOes, do
Jiyado, dus riut e dos orgias digestivos e uterinos. Fort auto,
nao to sement aquelles que padeceui das formas uletvaNH
e tuberculosa* da escrfula que necvssilam de protcc$o
contra M sens estragos ; todos aquelles em enjo sangue existe
o viru6 latente >\- st- terrivcl fing-lio (c s vezes hereditario),
estoexposios tamben a soffrer das enfirinidadas que elle
causa
i merecemos a estas pessoas nm abrigo seguro e um anti-
dote* tficuz contra esta molestia c suas consequencian, aa
Salsaparilha de Ayer
qnr opera dinvtameute sobre -o sneme, purifloaiido-o e ex-
Mtaado del!* a crtrrupco e-o veneno da molestia: penetra
tedas as partes e todos os orgios do corpo humano, lvrundo-
c* ila sua aecjo viciada c inspirando-llajs novo vigor. I? um
Herante poiero*isslmo pnra a renovaco do tingue, e d ao
corpo ja eulraquecido pela doenca forca e energa renovadas
como as da jtucn'.adc.
TAMBEM O ME1JSOH ANTI-SYPnilITICO
COXUJfClDOi
cura aermaneamMBtc as priores formas de SVPIIILIS e as
suos conwqiN'neias. Ponca necessidii.nV ha detwformar o pub-
lico do iiK'stiir.avcl valor de um remedio que, como este, livra
osangue SRSSMI eorrupefe e arrebata a victima das garras de
una mortc Jcnta e Ljiioniiniosa, porm iuevituvcl v o mal
nao v. loe;ocombatido com energa.
KSo pretnmtcmus promulgar, neni quercmes que se infira
Que < -te i une dio memos nanos, a que diseos que a
Salsaparilha ele Ayer
' a m^ffcorpreparucHO at hoje descoberta para estas e rmtra*-
nolesttas astalogaSi que mua combina^ao dos alteranter
mnis enlCMOl oonheados. e que temos ronsciencia de ofTerecer
ao puWico o melhor rebultado que possivel produzir, da
intelligcncia e pericia tuedica dos nosso tampos.
REMEDIO DE ATER PAR SEZES
Infaiivel naa febrea intermittentcs, remittentee,
'ebres Biliosas e terciis, mal do figndo, in-
cremente do bu ;o, cegu ir:.. Dur nos
ouvidos e palpitantes, quando
sao causados pelas
ITERES INTEEMinENTES, OE REMITIENTES.
As prepartQfiet fio Du. Ater sao wndidu cm todas m
Boti-jfc e DronaE-o liujicrio.
Veode-se um Pemaruhuco:
na

I
1
PHARMAC1E FRANQA1SL
DERMADRER&C'f
RA NOVAN?
Clhl.ES
;s-:t n!* pechineha.
Xo na da [mixTatriz 0. -'2 i>oria i^rp i Pare-
e< l'nrm, vptide-p rhali> (Ir merm estampados ;.
-i> c 2j'O e Baos ."5, esli s acabando.
Ilordado.
tegna a loj?. de Paredes Porto, ra da Impera-
'.riz n. '61, uhi orliiDento de eami?.;nhas, gullinhas.
corpinhus, roaioirM e sintns, deeamhraia branca,
pelo barato preoo de 2500, .'>"J0C 'ifi, golbnhas
00 rs., romeirM a 800 e siotus 800 rs, prende
quin::d..(e i.' iruncis a 0.;.. t <0 rs. a peea,
estaa Se acabaed l
Ra do Quemado d. 8.
A loja da gula branca ataba o> reeeber um
ovo e graitde sortimeulo de dilfwenies objaclos
deno.-io e iiiuuia moda, sendo :
Bouitos fnfeiles para seuboras gostos inteira-
menie Dovos.
Ditos diMs de grade com comas grandes.
Lindas vela grandes para cinlos com moldes
agradaveis e diversas qualidades, madreperola,
tarlaroga, ac e douradas.
Boas e bonitas nas achamnlotadas para ditas.
Dites de dila de grosdenap'es lisas e lavradas
com novos e agradaveis desenhos.
Traojas prctas de seda com vldrllhos moldes
novos e de goslo.
Ricos branas e pretos de seda com vidrilbos e
de diferentes larguras e bonitos desenbos.
Cascarrilhab de seda com diversas cores e lar-
guras, formas inteiramenle novas a imitac,ao de
pafn, babadinho eoutra com urna transinba no
centro o que Ihes da milita gra^a.
Ouiras esirei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito gosto.
Ouiras de eamhraia de cores.
Bo ikb de seda, velludo e ac para enfeiles de
vestidos.
Trancas de seda estreitas e largas brancas e de
cores para eufeites de vestidos.
flotes finas
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A agina branca a ra do Queimado n. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meniuas.
Dnas ditas de caixos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camelias e outras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de flores tinas para peito de
vestidos, enfehes de chapeos etc., etc.
treparos para flores.
Na ra do Queimado n. 8, loja da aguia bran-
ca vende-se :
Papel de cores para rosas.
Dito verde para Mhas.
Dito dito e pardo para cubrir os talos das ditas.
Musgo em rama.
Folhas para roas.
Qvhase linhas para crochet.
Veodem-se na ra do Queimado n. 8 loja da
apma branca, assim como aguihas para iranaiar-
se em laa.
Papel de sobreccllente para os
pkasphortis hyyienievs ou de
segur anca.
A visia do grande tamaito das cateinhas dos
phospharos bygtenicos ou de?eguranca, lornava-se
pnuco o pspel que vem em ditas caixir.has, e para
i< mediar essa falla a aguia liranca mandou vir e
a<'aha dev>ceber esse especial papel, qual so
dar de sibrecelleote a qyem comprar de taes
pnospheros e se vender mdislinctamente a quem
deiie precnar. O precode cada cafxlnha de phos-
pboro romlnoa a ser 15(1 rs., e vendem-se na ra
do Quomado a. 8, loja da aguia branca.
beda froucha yara bordar.
Vende-se na ra de Queiiuadc luja da agaia
branca n. 8.
i brm de cristal.
Brincos de diversos moldes.
Ciilros lamben) riecrystal decores.
Outros de aljofares brancos e outras cores.
rAdereeos de erystal obra degosto.
lselas de tillo e eruzes.
Boldes de diio,"branco c de cores para cllele.
Dito de dito tamben) braneos e de cores para
.{tennof.
Vultas de ditoe oolras qualidades.
eques dvdi> ersas quididades
Veodemfe rrc roa do Quetmado n. 8, loja ta
'guia branca.
As pos forte? jtara bala-
Veodem-se ua ra do Queimado loja da agaia
rauca u. 8.
Qromacttme para Ungir oa
bellos.
A aguia branca avisa as constantes fragoezes
esa excei'ieiis liniura. <|us ella acaba de rece-
: er nina n<>va petnessa de cromacome, coloricome
esabio bratico, aecessano para lavaros cabellos.
porianU) podem dingir-se dila loja na ra do
Queimado u. 8.
bruiores de uvas.
Vndense uz ra do Lueimado loja da
branca n. 8.
aguia
FarHlo.
V'er.fie-se superior farello de Li-ima :
zem aii.anga, rus to Imperador :. i."..
no arma-
forl hqiicls
Je bonitos moWes, dnurados e eabo de madr?pero-
'.z : acham-se a venda na raa do Queimado loja
cU aguia branca n. 8.
Bois touquinlia^
i de liaho,-carabraia e selim todas mai bem
.:.!iiadas : vvueixi-se u- ;ua do Quuioi&dc n. 8,
l-jji da aguia brxica.
OiiIih bjectos.
ViDdos taibem para a amiga loja de
miudezas raa do Queimado n. 6.
Sapatinhos desetim branco bordados pa-
ra baptisados.
Oolros de merino tambero bordados e
igualmenie bonitos.
Meias de seda, correspondente no tama-
ito dos sapatinhos.
Outras mui unas de o da Escossr
brancas listradas.
Luvas tinas de Go da Escossia brancus e
de cores.
Ditas de seda para senboras.
Ligas de dita para senboras e merinas.
Pentes de tartaruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulbas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Caixinbas com allineles brancos e pretos.
Haspasde baleia para vestidos.
Fas de linbo proprias para ditos.
Caixas com linhas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de bonaclia preto, redondo.
Bonitas flvelia ct .-Enles de av-
douradas, madrei-rola c tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. lt>, recebeu um bonito sortimento de
fivellas grandes para cmtos, sendo de ac,
douradas, madreperola e tartaruga, as quaes
i slao sendo vendidas em dila loja por pre-
sos commodos ; assim como boas e bonitas
fitas de gorgorito acbamalolado., proprias pa-
ra ditas fhellas.
Ociilos de penetra e de outras
qualidades, para quem soffre
d vista.
A' loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, tambem recebeu oculos de peneira
com vidros claros e escuros, para quem sof-
fre de ac, sonidos em graos.
Coroas e tercos de cornalina.
A antiga loja de miudezas a' ra do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e tercos de cornalina, os quaes esao
a disposigau dos bOfts christaos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na na do
Queirjiado o. 16.
Esponjas finas grandes e pe-
quenas.
Vende-se na ra do Qaeimado, loja de
miudezas n. 1.
4 nr.ina loja de mimk zas na ra do
Oafiniadon, 10, aeafci de reeeber:
Novas e bonitas guaruicoes prctas para vestidos e
seolemharqces.
Bicus de sed brancos e 'pretos com vidrilhos, e
ilTeitules larguras.
Trancas preas com vidrilhos.
Csscarrilhas de seda de diversas reres e moldes
novos; o'Jtr.s eufeltarias combioos de seda.
Eabadiohos de seda.
Trancas branca^ de se Bonitas fitas brancas Nna e lavradas; outras de
cores tambem lisas e Invradas ; oetras acbamalc-
ladas para cintos. Ingas.
Fivelas grandes de aet, douradai, madreperola c
tartaruga.
Bonittf ligas de se Leques de sandalg o na'.ras qualidades.
Liiid;s o dclfcafrtf eafcites para bai-
les e passeitts.
A nilea loja k? miudezas na toa do Queimarlo
n. '3 receben novos o lindos eneites para baik
e pas-eios, todos denmtto gosto s inteiram-nte no-
vos, -variando o pre$e defls ceoftrme a srjpertar-
dadf : os preteden:es os acharo em dila l"ju,na
rua;i Queim;j n. '. i.
PtMScafeUM para nonas e
eniii's.
Asliam-e vend na ra do-Queimado. I>tde
4orieaas n. KL
Rnttius l(iiiiui::lia-
ef.i e cambraia. bordadas <: enfeiladas : veo-
deoi-se na ra do Queimado, luja de miudezas. va-
mero 16.
Loaetos de dons -vilros ciun ara de aro, &es!u
e tartaruga.
A loja de miudezas, i rus do Queimado
n. 56, recebeu ;m bello sortimento de !o-
neios e oculos de vidros com armado fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os esta vendendo
por precos razoaveis: os prct ndentes diri-
jam-seaestalcia narua do Queimado n. 6.
Loja
w
! da Itoa f na ra da iiupcratrlz
n. 94.
i Vendem-se eolheres de metal principe para cba'
a i a duzia.
Di las para sopa a ijOOO.
Facas e garios de cabo de balando de dous bo-
Grandes melkras
as machinas imperiaes de cuser-
Arnaien n. 536 Broad-Way NewYork.
Estas machinas sao construidas p- r um novo
sysiema, com muitas e importantes melboras, e
send i examinadas por habis peritos fnram julga-j
das de sutnma pfrfri^ao. A agniha ditelta e cose [
perpendicnlarniente, com o ponto de lacada, que se
nao desmancha nem embaraqa e que igual de
ambos os lados ; faz costuras perfeitas em loda a
A Heneadm
Vende-se o sitio de Francisco de Assis Pertira
Freir nj lugar da Capunga (porto do Lasserre^ :
a tratar com Augusto Genuino de Figueiredo pro-
curador do mesmo Sr. Freir.
toes a 65<>0 a duzia. qualidade de lecidos, desde o couro at a ruis lina
Dlias de um bdao J 5*S00. cambraia, tendo fios de algmiao, de seda ou de li-
Ditas de cabo* cravados, prelas e brancas a 35 nn0i ^fa e mas grosso al o mais delgado. Co-
a duzii. mo n|0 tPm rudas dentadas, por se ter evitado a
Caixa com 50 nvelos de linha de gaz a 700 rs. menor atrito possivel, trahalha com facilidade e -
Tesouras finas para costura a 300 e 50U rs., e a seBi conlradlcao-UMA MACHI.NA QIE NAO FAZ
l*000- nn RDID0 AI.GM.
Resma de papel almaco a 24600 t. J. Me ABTHITR & C, fabricantes e proprie
Dito greve. muito bom a 35200. taos na casa supra.
Baralh de cartas francezas para vollarele a 240
Seleiros e correeiros
PECHIN'CHO
So'a de lustre em perfeiio estado,
meio............20000
45-Riia Dircita-45
e 280 rs.
Jogo de vispora a 500 e 8b0 rs.
Enfeiles para cabeca o mais moderno que ha a
25000.
Pentes multo finos com costa de melal para
penltar a 500 rs.
Meias croas para homem muito encorpadas a
240 rs. |
Aboloadura de crysial para rollete a o('0 e 15-
Utas de coz com 10 varas, de un dedo e meio
de largura a 440 rs. a peca.
Liga para alar meias a 100M. o par.
Pares de suspenSOilos a IliO e 240 rs.
Gra> alas de seda pretas e de cores a 500 rs.
Bicas golinhas com punho^para senbora a 15.
Luvas de fio de Escocia, de cores, para homem
a 320 rs. o par. Superior vinho do Porto das marcasPedro V e
Garreteis de linha de Alexandre de n. 80 a 200 rainha de Portugalem garnfas solas por ler
a 100 rs. I dado o cupim as caixas, e por isso se vende por
Gaia de borracha para brinquedo de menino a barato prerjo.
100 rs.
ESCR1V0& FGLL
Escrava fgida
Au^enlon-se da casa de seu seuhor no dia 8 do
correute a escrava Juliana, criouli, de c ir fula,
baixa, levou vestido de chila de cor escora e cha-
les de merino ja velho, protesta-e contra a ;.es>ca
que acouta-la, e pede-se as autoridades poiieiaes O
mais pessoas do povo que apprehende la, qaeiraia
leva-la no aleriinho do Giquia, casa n. I4, iiae
serao recompensadas.

lene
i
jn aqu
Viuhos finos.
caixas com clcheles muilo bons a 40 e 60 rs.
Ditas com lampanoas para 3 me7es a 40 rs.
Ditas com obreias muilo boas a 40 rs.
Fivelas grandes para cinlos de diversas qualida-
des, lilas pura cintos, ditas de velludo, trancas de
cores lisas o de caracol, bicos e rendas, volias de
| aljofares, ditas prelas a balao, e um corrplelo sor-
. limenlo de miudezas que ee esla' liquidando a di-
nheiro.
Fugio no dia 7 do crreme, do eng nho Tenia*
gal, |iropriedade do capitao Jos l'r ncisco Bellj,
! sito no termo de Barreiros da comarca d" Palma-
chegad res, o escravo Prisco, o qual l-m o< signaes se-
g i otes : cabra, cabello soffrivel, denles bonitos.
estatura regular, chelo do corpo, barba qnasi ne-
ter
i.
ser forro ; esse escravo tem mai n:> Recife, para
onde se suppoe ter ido, com o fim de a-.-eotar
praga noscorpos de voluniarios quo -e 15o rjja-
nisaodo, ou mesmo embarcar para a corle, para l
o lazer, visto ter levado comsigo uns 005, e n3a
Ihe fallar astucias ; porlauto roga-se as autorida-
des pohciaes e capiles de campo a earturaca > de
diio mualo, seodo levado no eni-nh cima a sua
Na praca do c.ommercio n. 4, escriplorio de
Jos Maria Palmeira, vende-se :
Cerveja Bass, verdadeira em bolitas,
receniemeote no navio inglez cAnne Kay.
Biscouto inglez ;; i fino.
Bolachinha hambnr!:neza nova cuja qualidade nduma, pes Brandes e apalhetad..-. repre D|i
ja aqui nao reo ha talvez i annos. < ** 2 a 2i ai",?. e m?.,t rTls' '
Ha tambem as mesma< marcas em r.iixinhns de
duzia, bem cerno barrihohos de '/10 de ptimo vi-' senhraD. rsula Candida de Albuiroerqoe Saa-
nho tambem do Porto, e tudo se vende por preco
commodo para acabar.
No armazem de Ferretra Matheus, ra da
Gadela do Recife n 62.
Vende-se um mulatinho de 16 a 17 annos,
proprio para pagem por ser muilo bonito e de boa
conJucia : na ra do Imperador n. 4o, terctiro
andar.
Luvas de Jouvin.
A loja de niiudezas na ra do Queima-
do n. t6, resebeu-as por este ultimo vapor,
Novidade.
Chegaram os bonitos chales e retonda? de guipa-
re brancos, c vendem-se na ra da Imperairn a
52, loja da irartt larga, de Paredes Porte.
ene* i
.s
le
labyrinlho
Acha-se
Na ra do Crespo, loja da esquina n. 8, ha supe-
riores lencos de labyrinlho, que se vendem por
commoOos precos.
venda t livraria acadmica, na ra ckr impera-
dor; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Antonio-: e na lypograptiia imparcial, na roa es-
trella do Rosario a eomf>i*aeao de toda a legislar-
los, ou nesta praca rec.olhido a' rasa de detencao,
parlb'.ipando se ao IHm. Sr. Dr. Pkidvro Ulpiano
Coelho Calauho.ou Dr. Ayres Gama, que s. re-
compensara
Escrava fgida.
No dia 20 de novembro fugio a cnoula Viceoria
i comprada aos Sis. Ges & Ba-ios, caja rreta era
i do Sr. Manoel Salvador dos Aojo-, i cooiarra o
Bonito, porm a escrava dizia que era de Barrei-
ros ; representa vinte e lanli.-sauu.s de dade, alia,
feia, rosto redondo, te.-ta curta, ps grandes, per-
nal linas, um pouco umbiguda, nariz muito mal
feto, levou rotipao de chita cor d' niel e chale pe-
queno, tudo ja usado : ropa-se as autoridades [0-
liciaes de Uouilu ou Be?.erros a captura da dita es-
crava, ou por onde le r encontrad, assim como
protesta se contra quem a tiver orrnllado. Grati-
lica-se bem a quem atrouxer a'ra Uireita nu-
mero 45.
Aos tabaquistas
Vende-se as ap-enaveis caixas para tabaco, bem lil'alllil'i'CaO de 0S-
fettas, obra fabricada no Aracaty. por muito barato '' Ansentoii'se da casa 59 da roa do Imperador
tendeo;* administracas, arrecada^ao e fiscali- preco, para acabar ; na ra da tadeia (Recife) n. (0UIrVra CoHepin) no sabbario 16 do corrente mex
\ sa^o dos dinheiros de orphaos defuotos e ausen-
tes, heraneas jacentes becados, etc., contendo nao
' s o regiment de cuscas e a lei geral das execu-
] ges, como tambem todas as ordens e avisos do
govfrno. que a tudo tem explicado, tanto a respei-
to tas obrigagoes inherentes ao cargo dos difieren-
i les empregados de fKstiQa e fazcoda, como dos di-
1 relos oacionaes e emolumentos qne sao devidos.
fis;e livro contend, mais de 700 paginas em ntida
, impresso e bom papel, e prestando-se a utilidade
de dlfferentes classes, lorna-se rerommeodavel.
"Seu cusi I0J0G9 por cada exemplar em dous
i oro os.
Algedo trancado
i .la fabrica de Femao Velho : no escriplorio de
! Manoel Ignacio-de Oliveir-f. & Fnho, largo do Coi-
[io Santo n. 19.
7, loja.
de selembio de 1865, o escravo pardo de iiiine loa-
ir,,r (,n iTiinvn qnim.com os signaesseguinies : estatura tegular,
M'j!ML~Sl dAIiA i (l "dal|p '8 a *aoo9> sem barba> ,,cs l,f8!i> olhos
,' i i ii- crandes, cabi'Mo coirido. com urna cii'Htriz grande
Junto da Ivpniraphia M Diario, ra ,1Hm v'fiv(,,,., ,^ttj parle rt(,s unu da frente
lias Cl'UZCS n. 42 'arruinados, e com falta de alpuns dos lados, sahic
Manteiga inqlera lina a 15 e 15280 a libra, dita I *om calca de brim pardo e pajetot curto de panno,
franceza a 900. qoeijos prato a 800 a libra,ditos do
' Vndese a 55 o han i
armazem de Gssucar.
Cal de Lisboa
na ra do Brum a. 6G,
rPECMNCBA
53Kua Direita53
Salitre retinado niu.i fino $f -'i-3-i'OO em barrica,
lona muito larga propria para encerado de barca-
da e camas de vento -5 a vara, camas de vento a
55i e do encommenda lona do reino eoffl laxas de
eobre a 75600, espinardas dous canos mnilo linas
a 2^>5, .l.>5, t5 e 60. facase garfo> cabo de viado .
3500, bataneas linas 55, pentes o enfeiles para
senboras ludo de bom goslo modernos, bandejas
finas, tudo pelo barato preco que s com a vista se
podera ver.
Vende-se um cavallo ruco pedrez com T^pal-
mos de aliara muilo bom de cabriulet: na ra da
Soledade n. 9.
ALGiDA DA BAHA
Na loja de Andrade 4 Beso, ra do Crespo n. 8,
esquina da raa do Imperador, conlioa a vender-
se superior algodo da Bahia por cunos preco que
em outra qualquer parte.
mas levou mai rnopa branca e de cor, milito
astucioso, eostoma intitularse forro e andar cat-
eado ; f i esrravo do Sr. Goilherme Frederico da
Souza Carvailio, eenrn do Uado Sr commendador
Manoel Goncalve.- da Silva : ioga->e a sua captura
a Inda.* as autoridades poiieiaes a oualquer ca-
pitao de campo ou "i"ra >- i articular que o
apprehenjer se graUlit-ara n Sf'5, alm das des-
pezas de eondnc(3o, entregando-,i a seu senbor
Miguel Jos Alves. na casa .cima. "U no seu es-
criplorio na rui da Crnz ca-ji ^_|^___________
No dia 20de setembro tronnm passadi fu-
gio do ensenho Terra-preta. doabaixo a.^i^nado, o
escravo Juliao, ciionio, de altura regular, erosso,
de 30 anuos de idade, punca barba, tem os t- hetu
fetos e |ierua<, muilo fallante, al se fa? t< uco.
tem o dedo poh-gar de urna mi Ch
tro, anda cim urna carta cebada, do lente roro-
nel Aniaro Gomes da Cunha, apailiiiiiiaiid -o, non-
ca foi surrado este escravo, foi ha muito n .. ; a o
a 1 ocha l.ima e Guimares: qui m o pegar leve o
mesmo enpenho ou no Recife a'ina da R -'a a'
x_ Alexandre Correia da C. Jnior, que sera bem re
- Nujmpensado.
Alexandre Correia de Castro
1 Fugio no dia 16 de novembro o escravo i!i
nome AUpiu do Sr. capitn Laurino Angelo de \|-
meida Silva, morador na villa de Ingazeira termo
do raje de Flores, cujo escravo tem os signaes
segninles.-ldade de 18 a 20 annos, cor 'abra es-'
curo,com tesla grande acarncirada, venias gros-
sas ettrande, altura e corpo regular, cabellos pre-
tos carapinho*, pernas nao mnito grossas com nm
lalho na testa e militas cicalrizes na cabeca, ps
regulares, dedos esiraranchados, tamhein lem as
costas com cicatnses de chicle : poriaoto roga-se
as autoridades pohciaes ou a qualquer capito de
campo qne aprehender e o levar no Forte du Mato
na urenca dos Srs. Rodrigues e Santos, ipi" >er
por Rosto se pude Comprar, tildo por prepo generosamente gratilicado, cujo escravo foi visto
rriuilo commodo : na rita Nova ns. 20 c 2 no dia 6 de dezembro no largo da aifaudega.
reino do ultimo vapor a 25C< 0, ditos frescaes a
25200, vinho Figueira a 560, duo Lisboa a *80, dito
Estrello a 440, caf Ia sorie a 280 a libra dito 2 a
240 a libra, amen o as a 280 a libra marmelada a
640 a libra, cha da India a 25800, dilo Ison a
35000 a. libra.
24-CAES 22 DE N0YEVBRO--24
Paulo Jos Gomes & Mayer.
Eslao-se acabando as taboas que temos annun-
ciado; portanto as pessoas qne.ainda tem vontade
de fazerem ca-as de madeira pa*a moradit, ditas
para banho, quartos para agazalho de prelos;
aprovejtarem, pois na realidacle baratis-imo, la-
boas de "22 palmos de comprimcn'o, 6 porgadas
de largura, e I de grnssura a 75U10 a dnzfa, e de
forro 45500. Travs, enehams, e caibros de pi-
nho, tambem por preijo que agradam aos compra-
dores. -
Peonas de ema de muito superior qualidade :
n 2i, Io and.ij, es-
vende-se na ra do Vigari'j
criptorio'
Gaz idrogeneo primeira
qualidade
' Na ra Nova ns. 20 e 22. no grande ba-
zar dt Carneiro Vianna.
Grande bazar.
Nesle grande eslabeleciniento tem ebega-
do ltimamente dos Estados-Unidos urna
variedade de cadeiras para homem e pro-
prias para senliura c enanca de todos ns
tamanbos e ouiro* riqnissimos artigos que
LISTA GERAL.
41
DOS I'I'.CMP
OS DA I.
PARTE DA LOTERA. CONCEDIDA POR LEI PROVINCIAL N, 605, A BENEFICIO DAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PATRIA, EXTRAIIIDA EM 13 DE DEZEMBRO DE 1805.
NS. PBEMS.
12
14
18
21
20
33
41
SO
51
.">''
56
39
63
70
70
77
78
82
83
84
98
104
0
7
9
17
23
32
33
38
36
38
40
43
51
52
53
54
56
58
59
63
65
68
69
71
n
73
81
82
84
12*
9005
12
20,5
125
205
125
405
125
NS. l'HI:
180
88
93
94
98
98
99
201
3
4
7
10
18
20
23
27
37
45
48
30
52
56
57
58
62
64
65
66
68
7
80
89
90
95
99
304
7
8
11
13
16
17
18
19
23
24
25
31
34
39
45
MS.
121
205
405
405
205
405
125
4(i5
125
NS. fEMS.
347 125
48 -
50
31 205
54
58
66
73
76
77
78
80
91
98
99
404
7
10
22
23
24
25
27
30
37
41
42
48
50
52
53
61
62
71
72
75
81
86
87
88
91
95
502
S
7
9
18
20
28
31
33
NS. i'l'.EMS.
205
125
205
125
205
125
1005
205
125
125
405
125
125
205
125
o.; i
42
44
40
48
54
57
7 i
76
79
81
83
85
87
99 -
607 -
H -
12
18
20
26
27
29 12:0005
3* 12*
37
47
49
52
58
61
65
66
69
71
72
74
77
79
85
86
87
89
93
95
98
700
5
22
25
28
205
125
405
125
205
12*
NS. PRKMS.
736 12*
39
40 >
49 -
31
53
58
60
64
67
69
85
87
95
97
99
801
3
9
12
14
15
18
19
23
35
36
38
39
41
47
63
64
67
71
72
74
79
90
93
96
900
1
4 -
8 -
13 -
17
18
13 -
24 1005
26 12*
125
205
12*
1005
125
205
12*
405
NS. PAEMS.
941 125
42
ff -
48
33 -
56
61
64
67
68
69
71
72
75
78
82
87
88
89
9
1001
3
14
16
30
32
38
40
41
45
51
52
53
61
02
65
77
78
81
89
91
1104
5
8
10
11
14
17
21
25
29
40*
12*
40*
41
43
46
52
55
04
73
74
80
97
99
1301
2
4
6
14
16
19
20
22
30
34
39
205
12*
1005
12*
NS. PREMS.
1143 12*
45
47
33
58
60
67
71
77
80
83
84
86
87
91
95
97
1200
5
15
18
23
24
28
29
30
36
NS.
1340
46
48
51
83
59
62
68
70
71
73
74
78
79
63
95
1408
19
21
27
30
31
32
36
37
39
40
45
47
48
49
60
65
68
71
78
88
93
96
1502
10
11
16
23
24
25
31
32
39
40
41
PREMS.
123
205
125
205
125
S05
125
20*
12*
NS.
1842
45
48
-31
a
54
57
70
71
76
86
96
1602
10
11
13
16
20
21
22
23
23
26
32
40
42
45
48
50
51
53
62
66
69
71
72
76
80
85
86
87
90
94
1708
13
15
38
44
46
49
PREMS.
125
205
125
Na PREMS.
1730
53
54
61
62
75
91
93
94
98
99
1800
1
5
205
12*
100*
12*
40*
12*
100*
100*
12*
205
125
9
12
13
17
21
24
25
29
31
34
35
38
40
47
50
53
54
62
63
65
67
99
1910
11
30
32
35
37
38
39
41
45
48
50
54
56
W
405
12*
20*
NS.
1962
9
70
75
81
82
84
8o
88
93
97
2008
9
10
22
24
25
27
29
31
55
56
57
59
66
69
72
73
74
82
84
85
89
90
92
96
97
2101
7
10
17
21
28
30
32
34
43
44
47
51
PREMS.
12*
205
12*
205
12*
NS.
2154
76
78
79
81
95
98
2201
2
4
6
11
12
15
19
20
23
25
3
37
44
52
54
58
61
69
73
84
86
94
95
96
97
98
2300
7
10
15
18
19
22
24
26
27
28
30
32
36
38
39
PREMS.
125
205
12*
20*
12*
40*
12*
NS.
2342
51
58
65
73
76
86
88
89
91
93
2403
5
7
10
11
16
19
23
29
33
37
41
56
60
61
63
64
69
70
74
83
88
90
93
95
2505
7
8
20
22
26
32
37
46
52
55
61
68
69
PREMS.|NS. PREMS.INS. PREMS.
12*|2o74 12* 2792 12*
78 95
205
12*
205
125
205
125
83
8 4
8o
86
87
89
2602
3
9
14
28
32
36
39
41
44
51
54
55
57
74
75
77
84
89
2703
11
13
14
17
35
39
41
46
49
50
52
58
66
67
68
74
77
79
81
82
83
91
20*
12*
40*
12*
3:000*
12*
205
125
97
98
2800
1
12
14
18
19
20
23
31
36
40
44
50
59
63
67
69
72
7o
86
93
2902
4
12
13
14
15
24
29
30
31
46
55
57
69
73
74
75
77
78
82
83
88
90
91
96
205
125
NS.
2997
3001
3
4
PREMS.
205
125
5005
125
205
125
205
lo
12
16
17
18
21
26
30
31
34
37
38
42
44
51
58
59
60
67
70
77
78
81
87
94
3102
14
17
27
29
32
35
37
42
44
71
82
87
96
98
3203
5
6
7
8
125
20*
12*
NS.
3211
15
10
19
28
31
32
33
39
47
48
51
61
70
71
74
76
80
81
82
83
84
85
86
88
90
99
3300
2
5
15
19
26
27
32
33
42
45
52
62
65
69
75
77
80
81
86
90
91
93
PREMS. |NS.
125 3401
9
10
II
405
125
125
125
405
125
125
20*
12*
20*
12*
15
19
22
28
31
35
37
39
40
51
61
62
64
68
J?^rt9
71
72
75
78
86
97
99
3500
1
10
22
32
37
45
46
51
54
55
60
62
63
64
66
68
77
83
86
89
98
40*
125
PREMS. INS.
125 3593
99
1005 3604
125 7
8
9
16
18
19
26
27
28
29
31
52
71
72
75
77
82
84
88
89
92
94
95
3701
3
8
10
18
19
20
23
25
29
31
41
43
44
52
|/ 86
68
73
76
78
86
97
3801
4
PREMS.
125
205
2o*
12*
NS. PREMS.
3806 125
405
125
2005
12*
20*
12*
7
14
15
18
22
28
32
34
38
39
41
45
50
58
60
67
68
69
75
77
84
88
97
3901
6
9
14
15
23
24
26
30
32
34
35
49
51
54
56
87
61
64
72
76
83
86
88
92
99
205
125
405
12*
205
125
405
12*
205
12*
\
! ^"Si% #
I


s
Diarlo de Pernarntenco Sexta felra 15 de Dezembro de t
T
LlTfE
THIATBO DA GlEURA.
a.
| sertou desle acampamento as 8 horas da manha ta de Brasileiros e Correnlinos engajados, e fo
! de hootem 9 do corrate, na occano de ir lavar commandada pelo m)or correstloo Zeferiio Ve-
ja roupa no arroio immediato, e apezar de se ter lazques.
I praticado as mais activas diligencias na sna per- O Francez Aldres, om dos ijuatro negociantes,
seguico, desde o momeuto em rjue foi notada & sua coofessara que no passo de S. Matheus eiistia o
Lonllnuamos a publicagao das partes offlc.aes de aesappari5o, nao se pode conseguir a soa captara coronel Assurapgo eom 400 voluntarios brasilelros
is* igarn >ia : at agora, continuando sempre a vigilancia as e correntlnos, a mor parte sem armas, e que S.
viva a repblica do paraguay guardas e a correra Jas partidas em sua perse. Borja esta guarnecida por 200 pracas, muitas del-
Exm. Sr. leudo a honra de comraun.car a gucao em lodas as direcg0es. lambem ,em ar|I)as
V. Etc. que aes.e momento j r. ,ras da tarde puu- Juul0j nmMa a v Esc os ^ pessoaes ^. Q _najor Duafie c ^ q ^^ gM de
coraa.s eumenos, aoauode recber a parledoma- forgas existeules nos dous pontos do mea cora- S. Borja, e diz que eachergou no outro lado do
jor Duarte, datada ueste masozo daa, dirigM. des- ,iamlo. mu|la ^ J cfujm em dtverga3 ^
ac Santa Mana, hsirtclo de 8. Xavier, em que me Tamt>em remeUo |fl... ^ f y ^ Q% ^^ |; rm ^ ^^
tu ueipa que a marcha de hootem l.unlou-se a o d 6 eft.fmoSj ^^ a d|)9nUj de Bravi(Jade exs. p)r w ac|)ar g fy dj ^^ ^ os ca
tegua* so.neuio por motivo de lar feito renovar al- ,euU)i 110j ,ljpiUtS ,Jl!3le aca.npailienl0 e da vja taM estafados, peasa fazer all um apanbado das
alguraas manadas de eguas, que encontrou uas a Bll,arittso. crjas CQm o flm de reco|haf cava||os ,
immediasdes da passagem. e reunir os poucos ca- Nes|e ac,linpampnt0 M villa a Km;i,ruacSo e remonta da suacavallaria.
vellos que bavia entre ellas, e que so pode reu- nos pontos da sua jurisdigo nao ha novidade al- O major Duarte cinge so na sua segunda parle
nir suma alm da meueiouada, ricando as Torgas do a me annuociar que por em .quanto contina a
Diz o major uarte que Ihe consta, por le-lo meu commando ua sua acostuiuada boa ordera e
:?:), que em luda a exleuso da campanba por disciplina.
as, onde estavam reunidos perto de sessenta
obreiros, desaboo de repente.
Os sapadores bombeiros \i tinbam retirado 11
mortos e 16 feridos de entre as romas.
E narrou-me a seguate ancdota :
Ha quiote dias, A... aodava a caca nos arredo-
res de Orieans. Igoorava elle que o nosso amigo
babitava o'es-e sitio. R. comprou a fazeada on-
de habita depois do seu casamento. Junto a urna
sebe iatroduzia na sua rede dois perdiglos que tuado em outro ponto da cidade tambera desabon.
acabava de matar; ia carregar de novo a sua es Foram riquisitados immedlatamente trabalhado-
pingarda, quando a dez pessos de distancia parou res das circumvizrahangas, porque os sapadores
era aioda om muito bora
on id irausitou, nao todas as casas foram aband j-
procurar recolher os poucos cavallos qee ha eatre
as crias; que todas casas de S. Thora esto in-
um cacador que ia passaodo, e correu direito a
elle.
Ora esta I Tu por aqu I Que ventura I
Era o nosso bom amigo R...
Fica saneado que ja' te nao largo. Anda, vem
para minha casa. A minha fazenda tica d'aqui um
quarto de legua, quando multo.
Has o meu traje como vs pouco de-
cente.
lsso pouco importa.
Que dir tua mulber T
Eu le desculparei.
Repara bem para mim, amigo, olba que ha
Enlo, disse o pai,
cao.
Um nstame depois Alezandre repetio :
Sim, muito verdade, o ci era to grande co-
," UT- meSm ?'* ura.segDndo ea.iacio si- mo o bezerro que temos em aossa casa.
O pai nao respoodeo.
Todava tinha-se feito urna boa parte do cami-
nho, e de longe avistava se Ja a ponte fatal.
Ainda d'ahi a alguns minutos, di>se o pai, va-
raos atravessar a ponte, da qual te faliel a pouco.
Estas palavras Ozerara estremec-r o meotirososi-
nho, que de certo nSo quereria que se Ihe quebras-
|se urna perua.
Quinto mais se aproximara, mais sua inquieta-
gao augraentava.
nao cbegaram para remover os emulos.
completas, nao havendo nellas nenhuma classe de dois *? 1ue ando a caca sem raudar de fat0-
Lma idea I Oh que idea ? Temos
Os batalbdes e regimeulos de ambos os acampa
na las pelas familias, achaodo-se s em alguraas meatos se exercitam as mesma; lig5s das mes- mobilia de importancia, oque as forcas do seu
ca.as alguui veiho ou iuoco, e que nao ha mais do ma> parIe5 e cIa.ses meaci0naa4 a y. Exc. na commando continuara no raelhor p de ordem e
uue muiio pooeas eabeeas de gado vaccura e al-, niinha commuoieago auterior. moralidade,
gumas poucas partidas de guas. Esie omcio remettido as lO horas da noite, nao Inda a d.'viso do meu commando se acha pos-
O major Uuarie, saliendo de positivo pela voz leudo recebido al ajiora a parle do major Duarte. suida do mais vivo enthusiasmo cora as uoticias
publica, que um brasileiro chaoiado Uelfino Souza | Deus guarde a V. Exc. por muitos anoos.- '. que lenho a honra de comnfliuicar a V. Exc, e
Plores, oslabeleeido DO lugar denoraiuado Umb- Acampamento de Pindapoy, em 10 de maio de oo aguardara mai^ do que a ordem de V. Exc. pa-
VUelta, havia tratado de formar um corri de vo- 18i>3.
lu.i'anos de todas asuacioualidades, para defender I Viva a repblica do Paraguay I
i ni.i causa do su pau, leulo sido otnieado ca I Exra. Sr.Cora o devid) respeito tenho a honra
filio eoiuiuaudaote do corpo que formasse, ordo- !de participar a V. Exc. que, nao havendo recebi-
nra ao alferas Ilute, que fez a descubra at o, do mais a parte do major Duarte, desde as 6 l/
dsubelecunento, que, quauo o achasse e-n qual horas da tarde do da 9 do corrate, como cora-
quer parle, o Uegullasse, e que, leudu-o aohado,
viudo receul'-iiieuie do outro lado do Uiuguay,
etecuiara o alieres uelle a ordem recebida oo seu
propriu estabeleciahsQU', que ja eslava despido de
luJ.is as suas periencas. As commuuicacoes jun
a.-, que me furam remettidas pelo major uaite,
aciadas eatre d.versos papis iouteis no quarto do
uno flores, provam o empeoho que imita em in-
-.zir aiuus iodmJu. s para que lomassem pane
Q -a para a orgauisago do carpo de volunlarus
que tcnciouava formar, para accrescimo das for-
cas iniiiijjas.
rauniquei a V. Exc. uo meu ulDcio da dita dala, e
ra marchar a se eocorporarem aos seus compa-
oheiros de armas que neste momento estao j dan-
do dias de gloria patria com o primeiro ensaio
das suas fon;as e denodo.
Terminando este offlcio cbeme a subida honra
de felicitar a patria e a V. Exc. pelo feliz xito das
oossas armas, conadas, para a defeza da causa
como e>perava por momentos a chegada do emis- i que susteotaraos, diviso do meu commando.
sano com os pormenores da sua exploracao, de- Deus guarde a V. Exc. por muilos anoos. Acam-
aiuiei esta comraunicagao at esla dala, 2 horas da pamento de Piadapoy, em 12 de maio de 1863.
madrugada. j Parte ordinaria.Viva a repblica do Paraguay I
A demora da chegada da pirte me fez formar o | Exm. Sr.Com o devido respeito tenho a lioora
juizu deque pudesse ler acontecido alguma des-i de levar ao coohecimeolo de V. Exc. que recebi
graga ao eraissario, portador da communicago, 38embrulhos de fardameolo, iocluindo 3 caisas do de maiMr prouueciou eslas palavras ;
a mesraa
estatura, entramos em casa por urna porta da qual
tenho a chave, fecharao-nos oo meu quarto ; mi-
nha raulher nao podera' vr-te. Ters o lempo ne-
cessano paro fazer urna toilette irreprehensivel,
danliy I Que raais queres ? Vamos.
O programma foi execotado lateralmente
A... cbegou ao quarto do seu amigo ; despiu-se
e traluu de fazer urna toilette em regra.
Ja' tiuha calcado meias e bolas, e eslava proce-
dendo a urna operago delicada, que a de mudar
de camisa.
H... tiaha-lbe oflerecido urna camisa de linbo li-
nissimo, eugommada receoteineate e de urna alvu
ra de nev.
A... liona ja' passado os bracos pelas mangas, e
ia passar o corpo da camisa por cima da cabega,
mas, por fatalidade, a eogommadeira tiuha aootoa-
do o colanobo.
N'esie cmenos urna voz meiga e encantadora
sem embargo de ler dado ao major Duarle a or-1 mesmo, que o offlcial do mioisterio da guerra e
dera de que era circumsuucias perigosas mandasse | marlnba, de ordem de V. Esc, me mandou para
raesrao seis ou mais emissanos, cooduziado as par-! os orflciaes e pragas do meu commando.
tes que Ihe ped me enviasse diariamente: por este
Em vista desles papis seria para desnjar quo motivo u.io quereodo flcar em duvida determinei
major uarte, aules do curapnmento da sua | mandar hontem, a prima noite, o sargcoto de ca-
vallana Jayme Aquiao com dez soldados da mesma
i, tivesse feio irazer sua presenga o diio
s para lomar-lhe alguns depoimeatos acerca
das Torgas iuimigas. As noticias oondas pelo ma-
jor uarU par meio de alguns individuos, sobre a
,i.;. da guaruifao que ha no porto de S. Tnom,
.ni que sao encouiradas, assoveraudo estes que
compasia de 200 ou 300 homeus, e aquelles que
de 1100 e mais; e que tambera Ihe fui dito que
era esperado por estes mesraos das o general He
gera uoduo lugar com urna diviso. Lhe foi as-
ae erado tambe.n que as familias correuliuas da
quedes lugares .avia.ii emigrado para a margem
opposta do Uruguay cora a mor parte das suas fa
leudas ruraes.
Ao uascer o sol de boje havia counuado o
major Duarte a sua raarena de Saula Mara, dis-
tante cousa de 12 leguas de S. Tnom, com o lira
Je aproximarle esta aoiie ao ioimigo, e cahir so-
bre elle auianhaa cedo.
O emissano-diasque que foi portador da
coirnnunicago do major Duane, dz ijue ao melo-
da de Dojd acliou uo passw de A^uapey os dus
esquadrej que maudei iionlem s rdeos Ju l-
enle Elias Cabrera, o qual dissera que euvidana
tollos os seus esforgos para se lucurpjrar a colum-
na do operages do maior Duarle aui.uti i i Cfdo
As tropas desle acampameulo e da villa da En-
caruacu couiiuuam sem novidade. Esta cotniuu-
nicagao e remetuda as 9 1[2 iioias Ja uoite. Deus
a- meato do Piadapoy, em 8 de maio de 1865.
Viva a repblica do Paraguay I
Uxm. sr. Toaba a houra ue participar a V.
Exc que hoje as 6 1|2 horas da tard, recebi a
parle do major Duart*, datada ueste mesmo da,
escripia --ra Caacarap, listricto de Tareir as 6
horas da mauha, communicaodo rae que desjan-
do conservar em bom estado os cavallos da sua
forga para o bom desempenho de suas i peragoes,
det^rminou afaslar se do caminho cousa de mais
de urna legua, com o lim de pastar bem a cava
Ibada, e de mandar apaubar os animaes da fazen-
da abandouada de ura tal Oliveira, para tomar
dalli alguns cavallos mais, que tem podido tirar
e que sao s 25 eulre poldros nao domado. e guas
mansas limilaudo deste modo a sua marcha de
nolera nicamente a tres Ifgua. Por esse rao
tivo se nao aproximou liontem a' aldea de S. Tno-
m para eucelar is operag.-s boje coutra a forga
que lia all reunida, couforme ao que aunuuciei a
V. Exc.
Segundo a parle do major Duarte, o lugar don-
de dmo-me a sua communicagao, esta' povoado
em lodas as suas iramediages de mullas casas:
todas, porui, comp lelamente abandonadas pelos
seus moradores.
At agora nao Ihe foi possivel adiantar alguma
cousa acerca da verdade das uoticias, soore o nu-
mero das torgas que ha em S. Thom, sendo varias
as que Ihe derara do mesmo modo que participe i
a V. Exc. na nimba anterior.
O emissario, portador da parte do major Duarle
diz que as 8 horas da ni.inli.ia pouco maisou me-
nas eacoulrou se com a partida do teueule Elias
Cabrera, no lugar denominado Umbuvuelta, dis-
tante cousa de quatro leguas para alennear o ma-
jor Duarle.
Esla communicagao remeltida as 8 horas da
noite. Deus guarde a V. Exc. por muitos annos.
Acampameulo de Piadapoy, em 9 de maio de
1865.
Viva a repblica do Paraguay !
Exm. Sr.Cora o devido respeito teoho a honra
de levar ao ccnhecimenlo de V. Exc que hon tem
9 do corrent^, apresentou-so neste acampamento o
balalhao o. 32. commandado em commissao pelo
capllao cidado Francisco Abalos, trazendo com-
sigo -'n carga ura parque composto de 5,196 pa-
cotes de rartuxos com bala de calibre de urna
onza.
Participo igualmente a V. Exc. que recebi o ar
mmenlo e tardamente remettidos por ordem de
V. Exc pelo major da praga da capital e pelo eo-
carregalo do commissariado do acampamento de
Humayt cora os quaes forneci as forgas deste
acamparaeato e da villa da Encaroago :
Apreseotaram se ao commaodante Crdenas, hou-
tem, quatro enfermeiros militares mandados do
acampamento de Cerro Len, para o servigo dus
bospitaes deste acampamento e da villa da Encar-
nagao.
Alm dos 2096 cavallos, inclusas alguraas mu-
jas, que tenho no acampamento da Candelaria e
que eommuoiquei a V. Exc. na minha commuuica
gao de 7 do correte, desde aquella data al agora
ti/, passar 97i cavallos, indurado 24 molas, fazen-
do sempre continuar a passagem dos que diaria
treme vo chegaado dos dispelos das Missoes e
mais pontos.
Per interessar-me mais augmentar o numero dos
cavados, raandei sastar a passagem dos bols, que
existem j neste lado, era numero de 313, deixan-
do os raais para faze-los passar, depois de cooclui-
da a passagem dos cavallos.
O soldado de infanlaria Juliao Cabilla da 3.* com-
paabia do batalbo o. 14, visinbo de Jaguarao, de-
arma com o lim de ir at oude encontrasse o emis-
sario do major Duarle, ou at onde pudesse adqui-
rir noticias certas da columna de exploracao, ou
ebegar at. ella mesma, toado recoraraendado mui-
to ao sargento e feito diversas advertencias para
que procedesse era tudo cora muita cautella. de
modo que nao Ihe aconiecesse cousa alguma desa-
gradavel na sua commissao.
Hontem, s 3 horas da tarde, pouco mais ou me-
nos, Uve a honra de receber o ollicio de V. Exc,
de 9 do crreme, em que V. Exc. se dignou lera-
brar-me das duas corapanhias de infanlaria para o
sei vigo, ua intelligeucia de que V. Exc. acreaita
que o major Duarle uo levou as ditas duas cora-
pachias na sua coluraoa de exploracao ; mas teoho
a hoora de dizor a V. Exc. que a forga coraraaoda-
da pelo major Duarte corapo*U de duas corapa-
nhias de infanlaria montadas em numero de 200
pragas e 3 olliciaes do baiaitlo n. 28, e de dous es-
quadroes de cavallaria de 212 pragas e 3 offlciaes
do regiment u. 24 e doreforgo de dous esquadroes
de 214 pragas e um ofOclal do regiment n. 26 s
ordens do seu respectivo commaodante o lente
cidado Elias Cabrera, e alm disto 12 soldados do
esquadraoavulso, os quaes, como praticos, ba-
queanos, deviam ser os portadores das partes
dianas do major Duarte, sem diminuir forga do
seu commaudo.
Deus guarde a V. Exc por muitos annos.Acam-
pamento de Pindapoy, em 12 de malo de 1865.
Viva a repblica do Paraguay 1
Exm. Sr.Com o devido respeito tenho a hoora
de por oo conhecimenti de V. Exc. que nesle mo-
mento em que escrevomeio dia de boje, rece-
bi a parle do major Duarte, datada na aldea de S
Thom no dia 10 do correnie, sendo o motivo da
sua demora, terem-se cansado no meio do caminho
os cavallos dos seus conductores, e o.o lerera faci-
lidade de se proporcionar ravallos al o momento
em que o emissario que foi mandado com a parle
deste dia chegou a foroecer-lhes auxilio com os ca-
vallos que trazia de reserva, ch.'gando ao mesmo
lempo as duas communicagoes.
Na primeira participou-me o major Duarte que.
tendo movido a columna no dia 9 do correnie, de
Caarap, onde pernoitou, marchara sete leguas e
acainpou cousa de duas leguas de S. Thom, para
descobrir a posigo e forgas do inimigo que, desde
;-. raaohaa daquel e dia, haviam-selhes apresentado
j de rouge alguraas partidas pelo lado da vanguar-
da e pe is flancos, e perseguidos os mimigos por
aignmas pequeas partidas dos nossos soldados que
o in .jor Duarte destacou em persegnigo delles, os
puzeram em toapres-ada fuga, que nao foi possi-
vel alcanga-los, nem mesmo se collocar a tiro de
espingarda, nao lendo podido por causa d.s seus
apartas recolher os cavallos que linham de reserva
ficaudo 11 delles era poder dos nossos.
No dia 10, s 8 horas da ramha, pouco mais ou
menos, depois de ter praticado a exploragio con-
veniente, marehou contra S. Thom, leudo passado
o arroio que se acha de frenle d.;sta alJeia, desta-
cou o major Duarte da sua columna urna deseo-
berta, composta de 22 pragas, e commmdada pelo
alteres Miguel Brile, que, depois de um bora espa-
go, encontrou-se com a columni inimig de 200 e
tantos harneas, que vinham era disposigao de bte-
los, apresentando por diante urna guerrilha de 42
individuos.
Ento o alieres Brile disparou a seu turno a guer-
rilha e raaudou que, sem fazer uso das armas de
fogo, indo para dianle, Ihes dessera urna carga, e
seudo executado desle modo no meio de vivas
patria e a V. Exc, sentindo os inimigos o poder
das oossas armas e o valor dos soldados paraguayos
fazeodo antes alguns poucos da tiros, fleando mor-
Ponbo igualmente ao coahecimeoto de V. Exc.
que desde o dia 11 do correte se nao tem podido
effectuar as passagens dos cavallos por causa dos
ventos contrarios que reinaram desde aquella po-
ca, tendo passado nicamente 270 cavallos; porn
Aii I Ah I meu querido Alfredo, pelo que
vejo a caga nao te fax emmagrecer.
Eduas leves bofetadas destas bofetadas que nao
fazem mal e das quaes ainguem pede razio, appli-
cadas na.- faces dooosso cacador, nzeram-lhe dar
um pulo.
Fez se verraelbo coraoum pimenlo, porsm a sua
mudauga de cor era iuvisivel por causa da caroi-
tratarei de razer activar raais as passagens delles.;sa ^ lbe }.aPava rof^ .
Abnu a boca para fallar, mas nao fez mais do
Inclusos envi a V. Exc. os raappas pessoaes das
forcas do- meu commando, e dos eoferraos, mortos
e doente* de gravidade, existentes nos hospitae
militares desle acampamento e da villa da Encar-
oago.
Os batalheVs ns. 14, 15, 16, 17, 28 e 31 exerci-
tam-se de mnha na instruegao de compaohia e
guerrilha, e de tarde na instruegao de batalho.
Os batalbSes us. 32 e 33 eiTCitara-se na 4* ligac*
da 3* parte da instruegao do recrula.
Os regimentos ns. 24 e 26 sao instruidos de ma-
nha na de esquadro e guerrilha, e de tarde na
de regiment.
O regimenfo n. 27 acha-se na 2* parte, art. 14
da instruegao de esquadro, marchar em eolumoa
pela direita para marchar para a esquerda, e o re-
gimeoto n. 28* na 1* classe, 4" ligio.
O soldado de n-faotaria da 3a eompanhia do ba-
talho n. 17, chamado Roque Beoiles, vlsiooo do general Wood.
districlo de Barrero Grande, desertou deste acam-
pamento no dia 10 do correnie a"s 3 horas da tar-
que tosstr.
N'esle momento R... chamava-o do jardim:
Ola amigo, ainda nao-acabaste de te bornr T
Avia te, para eu te presentara minha esposa.
A seuhora R... sumiu-se espavorida, e assevero-
te que a apreseotago, mu regular, de resto,
deixou traoaparecer algum embarago de parle a
parte.
Convidei' os meus dois carneradas.
A seuh iv R... ja' nao larga seu marido.
Qual o motivo por que eUa oo quer litar 3ra
rosto o meu amigo A...
E' do Sr. Silva Reg Jnior esla poesa
VIRGEM NO MAR.
Trajava de branco-roupo desatado,
Ao sopro gelado das brisas do mar I
Que pallida rosa I que virgem, que fada I
N'areia molhada sosioha a' vagar.
Hontem reaisou-se no palacio da presidencia a
reumo para o flm detrazera Si Paulo a abundaate
emigrar.) americana, que deve acompanbar o Sr.
de, o qual, sendo observado depois da lisia da dita i
Compareceram a ella os Exras. Srs. Dr. presi-
dente da provincia, baro de S. Joo do Rio Clapo,
hora, foi perseguido
acliv<.mento-, mandando todos;
! baro de Antouiaa, baro de 1 guape, Drs. Bernar-
do Gavio, Maitinho Prado, Fidencio Prates, Piolo
os individuos do seu proprio batalho procura lo \aatMi os Exms comraendador Vicente Queiroz,
nos morros da visinhaaga e no mato, e alm dosiSoilza Barros, Srs. Thomaz Loiz Alvares, Silverio
soldados ditos, seis partidas de cavallaria em di- | ^^ e J(jao R|be|ro dos SaDtos ciMi-go.
versas direegoes; passando-se igualmente avisos j 0 Sr genera|, Wood expoz pessoas presentes
opportunos a lodas as guardas ; e apezar de todos: qjiaes os nns ^ sameihante reunlo, e solicitou o
estes empeabos teilos com toda a efflcacia na per-, eoncurso fe lodos para |evar a effeito os seus *e-
seguigo do desertor, se nao conseguio at a dala a sgalos, depois do que pedio liceoga para reti-
sua captura. rar-se.
Fra da,ta novidade nao occorreu cousa alguma, K"> *" da exposigao e pedido do Sr. general,
tanto nesle acampamento coma na villa da Enear- mndou se unta associago que receben o titulo de
nagao, ficaudo as forgas de ansbos os pontos na sua: Auxiliadora da emigrago para Paulo.
acostnmada boa ordem e. disciplina.
Este officio remettido s... da noite, nao tendo
recebido mais partes do major Duarte do que as
que foram remettidas ao supremo coohecimento de
V. Exc, datadas de 10 e II do correle.
ueus guarde a V. Exc. por muitos anoos. Acam-
pamento de Pindapoy, em 13 de maio de 186o.
UM POUCO DE TUDO.
A seguinte historieta, apocrypha ou nao, nar-
rada a um jornal francez pelo seu corresponde-ole
pariense :
Eocontrei hontem, sobre o asphalto do boulevard
mooimartre, um dos meus amigos; casado ha dias,
ia a passeio cora a sua joven e cara metade, e tra-
.ava de procurar um passatempo para a noite.
Este dltoso par vive nev mezes do anno n'uma
excellente fazenda situada a poucas leguas d'Or-
leaus, e s de vez era quanio que faz urna breve
digresso al Pars.
Os dois noivos pal-oteavam igual contentamenlo
ao que experimentara os estudantes em ferias.
Queres jantar comnosco I
Aceito de boa voutade Mas que taremos de-
pois ?
Mmna mulher deseja ir ao theatro.
Tenho justamente na algibeira urna chave de
camarote para as Variedades. OITeregovo-la. Ire-
mos de eoiopauhia ver o Assassmo de Theodoro.
A joven uoi va sorriu de conientamenlo.
Durante o jan lar veio-me idea que R... ura
cagador incaugavel. Perguntei-lne, pois, qual era
o motivo uue o trazia a Paris, oo momeuto em que
lioha lagar a abertura da caga.
A sentiora R... corou al s meninas dos
olhos.
Nao losisti mais, e cooheci que, sem o saber, ti-
1 oha commetiido urna inconveniencia, urna... in-
^Z?ZZL?^2*^^^^\+#** Comlaio am,ona coosciencia, depois
de bem sondada, pareceu me pura a este res-
peito.
A noile, encontrei um dos meas caroaradas no
salo do theatro das Variedades.
A seuhora R... crou muito logo que o
avislon.
O marido oada vio.
Foi comeada una direcgo que flcou assim com'
posta :
PresidenteO Exm. Sr. baro de Iguape.
Vice-presideoie-0 Exm.Sr. Viceote Queiroz.
E para a commissao que lera de orgaoisar os
respectivos estatutos os seohores i
Dr. Bernardo Gavio.
Dr. Pialo Jnior.
Comraendador Vicente Queiroz.
Para a leitura e approvaco dos estatutos flcou
marcada urna nova reunio para sabbado 2o do
correte ao meio da.
A associago compor-se-ha dos. cavalheirosi pre-
sentes e dos Exms. Srs. baro de Itapetininga, ba-
ro doTiet e Dr. conego Joaquim que nao coocor-
reram a esla por differentes motivos.
Que fazes donsella,
To tarde a' vagar ?
O vento se gela
Nos campos do ar I
E a trra dorma, que as flores velavara,
E os aojos voavam. das brumas no veo
Tremiam estrellas, brillando argentinas.
Por entre as cortinas das nuveni do co.
Oh I flor descorada
Do Edenio jardim I
Resguarda teu seio,
Nao scismes assim I
A virgem volvia seus passos to lentos,
Ao trio dos ventos, que a noite perfuma,
E o paludo vulto, formoso retrata,
Das ondas de prala, nos llocos d'espuraa.
Que fases donsella,
To tarde a' vagar T
Anoite vai alta
Nos campos do ar I
Alm.. as campias ethereas do erapirio,
A loa era om cyrio, mirando-se ao mar ;
A virgem paira va... moveDdo-se i u certa,
Na plaga descra, qual sombra a' vagar I
Donsella, oh I donsella r
Ah I foae da praia...
Que a tua descera,
Que a ooite desmata.
Proslou-se causad n'areia brilhaate,
Que o astro disiaote... fazia dourar !
i>as braaca espaduas, cahiam singelos-
Seus aegros cabellos, erguidos no ar t
Oh I fllha das ondas,
Oh rosa do mar I
Que fazes to'tarde...
Scismando ao' luar t
Na scisma allongava seus fronxos olhares.
Da uevua, nos ares, filando alravz ;
E as vagae-correado do le lo dos mares,
Rolavam-se aos pares, beijando-lhe os pos..
Oh. I flor descorada
Do Edenio jardim.
A onda vem perto^..
Nao durmas assim I
Os aojos da ooile vibrara as lyras,
iNo cu de saphyras vogandb a cantar.
E a virgem jasia na plaga estendida,
Imovel, sem vida, dormiudoao luar.
Raiona das noites,
Nao durmas oa.prara...
Que o vento se gela,
Qua la desmaia !
Boiava na tona das aguas geladas,
Com as mos- eocruzadas uo seu corago.
Caotava-lhe o veolo uas Umbras das saias.
as atvas cambraias do vasto roapo I
Desperta donze!la...
Nao durmas no mar !
Os anjos te chamara
Nos campos do ar i
Voava a ardeotia por eotre asondiaas,
as mansas campias do argnteo luar I
Os anjos passavara com as lyras quebradas,.
Montabas doiradas surgum do mar t
Donzella. oh I donzella I
Desperla apressada...
Que os anjos ugiram
Nos vus d'alvorada.
a la izolada, do branco- horizonte,
as sombras do monte, descia a chorar ;
Siogravam no manto geoivl das neblinas.
As lormas divinas da virgem, no mar t
Estatua dorraeate
Nao morras assim I...
Donzella, oh t donzella I
Tem pena de mim I
D'um olnar consternado examinou a ponte; e
parou de repente, preciptou-se aos ps de seu pai.
Pap, Ihe disse elle com as lagrimas nos olhos,
eu vos eoganei a respeito Taquelle cao; porque
para dizer a verdade, oo era maier que os oulros
caes.
Esta coofjsso natural, arrancada pelo temor de
I se quebrar urna peroa, a principio provocou a bi-
landade do pai; depois tomando ura tom serio,
disse a seu Albo repellado :
De que te servio agora tua meotira T Para que
me fallar d'um cao grande como um boi, logo que
nao viste semelhante? Els-te ah obrigado a con-
fessar com vergonha que teos exagerado as coa-
sas. Aqu neste negocio, nao se trata se nao de
urna bagatella ; porra se continuares nesle tom,
couirataras o habito de augmentar sempre os ob-
jectos, acabaras por perder a cootiaoga das pes-
soas que te ouvirem i sers despresado e ounca
poderas te apreseniar era urna sociedade honesta.
Lembra-le, meu amigo, que Deus v os mentiro-
sos cora horror, e que os punir cedo ou tarde.
Ha muito lempo que genio de te ver tallador,
tempo emm de por um termo este descaramento
e de le persuadiros bem desia mxima : que s a
verdade araavel, e que nao se deve nunca fallar
contra sua conscieucia.
Alexandre desfeilo era pranto, e aperlaodo con.
tra seu corago a mo de seu pai, pedio Ihe que
nao cootasse a seus irraos e irmas a historia des-
te cao e da ponte, e conlinuoo o caminho sem rae-
do de que se Ihe quebrasse a perna.
Segundo diz um jornal italiano, no dia de Pas-
cboa sabiram de Roma duas brigadas do exercito
francez. fleando nesta capital at setembro o gene-
ral em ebefe com os sapadores, a arlilharia e os
cacadores.
Em Zocco, provincia de Abruzzo (aples), des-
cobru-se um novo poco de petrleo, que lera mais
de 100 pi de profundidade, e se assegura que
produz urna grande quaotidade de oleo.
Cada dia vo-se descobrindo novos mananciaes
deste azeile mineral, destinado indubilavelmente a
variadas e importantes applicagoes.
Os funeraes de lord Palmerston foram ama ver-
dadeira demonstrago nacional. A mullidao era
immensa. As principaes offlcinas estavam fecha
das e suspenderam-se os negocios na cidade. Os
cocheiros das carruagens publicas vestiamde lucio.
O cortejo fnebre era imponente. Os clubs e oulros
edificios por oode passou linham colgaduras ne-
gras.
A nica forga militar que acompanhava o corte
jo erara os voluntarios irlandezes residentes em
L-se na Estrella do Norte o seguinte :
O MBNTIR0S0SI.NH0.
m honesto lavrador tmha ura filho chamado
Alexandre, menino araavel e dcil, mas que se fa-
zia notar por sua ioclioagao a mentir.
Nunca podia contar nada sera accreseentar al-
guma cousa de si e sem ferir a verdade.
Seus pas o reprehenderam muitas vezes por es-
Londres, de cujo corpo formava parte lord Pal-; te deleito, e Ihe disseram que se conlinuasse a
merston e os voluntarios de lt>m-> y
Corporagdes de grande numer. de cidades de
provincias estavam representadas ua ceremonia.
lado do seu cavallo p>r urna langada do cabo de
cavallaria Fraocisco Omarllo da 1" companhia do
2* esquadro do regiment n. 24. sem ter dos nos-
so- morto algum nem ferido.
S.-ndo perseguidos com toda a actividade na sua
apressado fuga, lograram escapar muitos dellt-s fe-
ridos com a ajuda de seus boas cavallos, fleando
em poder dos nossos soldados urna boa carabina e
urna langa, provavelraeule que anandonaram para A... (o camarada de que acabo de fallar) desap-
fazer use com maior fac.lidade dos chicotes, e aper- Peceu, nao sei se por nao nos ler visto ou por-
tar com mais liberdade os seus bons. j que nao quizesse fallar-nos.
Veodo a calumoa M^uaya que nao liaba mi- i Pareeeu-me que andava n'islo algum mys-
migos que comoater, o major Duane maodou o te- teno-
nente Elias Labrera com alguns snldados a reo- ao sabir do theatro, os meus dois amigos mette-
nhecer a povoago de S. Thom, onde nao achou ram-se n'uma carroagem-, prometti senhora R...
mais habitantes do que quatro negeciaotes estrau- de ir visita la na mauha do dia seguinte, e regres-
geiros, ura mogo e quatro indias cninasvelhas, cujos nomes remello no mappa qne teoho a hoora de ah a encontrar A...
de mandar incluso. Ora dize-mos c, Ihe disse eu, logo que me
Etes confessaram que ha ja cousa de 20 dias achei assenlado ao lado d'elle e em frente de ama
que comegaram a se retirar as familias cora os ^pa je COuves (pellsco hoje muito em voga na lo-
seus haveres, urnas para os departamentos do Cu- ia e bebidas das Variedades), acaso nao nos viste
rus, Itaqui e oulros pontos, e outras para a mar- a,n(ja agora f
gem opposla do Uruguay. I Vj.V9S a todos lretf porm a' me Da0 alrevo
A aldea de S. Thom, tem 54 casas ou choupa- a olhar de frenle para a senhora R.. .
as de palha, indurado quatro de telhas, o mor Entao que peccado commetleste tu T
parle sem valor algum. Escuta-me, e depois taras urna idea da miaba
A torga inimiga, que acaba de retirar, eompos situago.
imperador Maximiliano reconheceu, por occa-
sio do aoniversario da independencia do Mxico,
como principes de sangue, com o titulo de alteza,
os dous uetos do imperador Iturbida, um de idade
de 15 annos e outro de 3.
Quem conheeer a historia do Mxico sabe que
Hmida foi proclamado imperador em 1822 e que
abuicou em 1813.
Deixou tres tilhos.
O primognito oo casou.
O segundo, Aogelo Iturbida,casou com ama ame-
ricana nos Estados-Unidos, e leve um fllho que ago-
ra tem tres aooos.
O lerceiro, Salvador, morto ha algnos annos,
deixou lambem um fllho que coma actualmente 15
aunos, e alumno do collegio de Santa Barbara,
em Paris.
Os dous jovens principes tomaram immediata
mete lugar oa edite ao lado dos membros da fa-1 nma hora vamos Passar "ma P coolar cousas que uao eram verdadeiras, se toma-
ra ridiculo e perdera a estima das pessoas de
bem ; Alexaodre prometteu emeodarse, mas suc-
cumbia* primeira occasio e accresceotava meo-
tira sobre mentira.
Um dia o pai o levou comsigo para r visitar um
to enfermo.
O caminho era bastante grande : contava-se fa-
zer quatro leguas a p.
Alexandre nao se queixou disso e seguio seu pa<
com passo gil.
Para se distrahir, o falladorsioho se pz a coo-
tar urna multido de historias, eatre outras esta :
Que estando um dia no prado com seos cmara-
das, tiuha visto passar um cao que era grande co-
mo um boi.
u pai surriu-se : Alexandre repeli por muitas
vezes o que acabava de coalar, e protesten que
oo accresceotava oada, que o cao era cora effeito
Uo grande como ara boi.
Seja I respoodeu-lhe o pai : ve-se por toda a
parle cousas extraordinarias. Olha I por exemplo,
vais d'aqui a pouco le convencer disso. D'aqoi a
milla imperial.
ainda nao passaste em tua vida. A' todo o snjeito
que tem dito urna mentira no dia em que passar
esta ponte fatal se Ihe quebra urna perna.
Alexandre empallideceo.
O ardor que tinha mostrado at entao arTroxou
Ao saberem que o rei Vctor Emmanuel deva
voltar ha poucos dias de Turim para Floreoga, al-
guns malvados levantaran) os rails do caraioho de um Pouco' tomouie pensativo e apenas responda
ferro em alguns pontos, p.ra que descarnlhasse o as Per""" de seu pai.
trem real; porm, felizmente, o rei adiou a sua Este descobrio logo a anxiedade de seu fllho e
viagem por uro da e o desmancho na via nao pro- reanimou a conversago, mas Alexandre licou som-
duzio o effeilo que desejavam seus autores
bro e triste.
Que
No dia 20 de outubro
accidente em Berlim.
Ando oouve um terrivel
E que teas tu entao ? Ihe perguotou o pai.
te aconteceu 7 Eslaes cansado T
Nao respondeu o menino estregando a testa;
mas ouvi, pap, o cao que vi na verdade era
As damas da California foram de opinio que o
general Grant nao devia smente repousar sobre
os seus louros, mas tambera dormir n'uma magni-
fica e boa cama, que Ihe offereceram por subscrlp-
go.
A guarnigo de seda, cora riscas vermelhas e
brancas de um lado, e fundo azul do ouiro.
Bordaran) ah maravillosamente trlnta e seis
baudeiras com as cores nacionaes.
No centro v-se a cota d'armas com a seguinte
divisa : Et plunbus unum.
Este presente de ura gosto rateramente novo.
At aqu era uso e costume brindar os militares
com sabres de honra, espadas de honra, cruzes de
honra; porm ninguem se lembrava das camas de
honra.
Foi preciso que o patriotismo das californianas
a inventasse.
m^ b i
No dia 4 do crreme, as margens do Tamisa,
effecioou-se o langamento ao mar da fragata de
esporao, Affondatore, construida para o goveruo
italiano nos magnficos eslaleiros da companaia
Millewall,
.V urna hora da tarde, uro barco de vapor afre-
tado pela companhia mi do moostro que ia laucar
ao mar, abordava junto da estago de Loodoa-
Bridge e recebia a seu bordo os couvidados para
tran.-porla-los, descendo o Tamisa, al aos eslalei
ros situados acerca de duas milhas da ponle de
Londres
A reuniao era numerosa.
As ladies gostam muito de.-tes espectculos ma-
rtimos, e por isso o numero dellas exceda ao dos
gentlemen.
O laneameolo da fragata leve ura xito completo
e um luncheon opparo e delicioso foi servido aos
convidados.
O Affondatore tem de cumprimenlo 295 ps in-
glezes, e de largura 40 ps, cora 18 1/2 ps de
profundidade.
A sua capacidade de 2,306 toneladas, e a torga
das suas machinas, construidas pelos Srs. Mauds-
lay Son e Field, ser de 700 cavallos.
E' prvido de urna hlice.
O casco, con-ti nido nos eslaleiros de Millwal,
compoe-se de urna eourga de ferro da grossura
de croco pollegadas proiegeodo urna muralha de
madeira de teca da grossura de nove polegadas.
Duas cupolas, seguodo o sysiema do capito
Cowper Col, recebero cada urna urna pega
Armstrong.
Alera disso, o Affondatore levar sea bordo
urna chalupa guarnecida de urna torre conragada.
V-se, pois, que esta nova machina de guerra
possue as necessarias condigoes para ser lemiveL
E' para desejar que este luxo de deslruigo seja
para sempre intil.
Os lataos diziam : Si vis pacen, para bellu.
Urna casa de quatro andares, habitada por mui- grande; porm creio que com todo oo era maior
tas familias e contando alm disso quatro offlci- que urna vacca.
Segundo parece, o jogo de buhar senao um
curativo, pelo menos um bom pallialivo da loa-
cura.
No hospital Peasylvancia, tioha-se estabelecido
um buhar, ha lempos, para uso dos ajieoados; os
bous resultados desle exercieio foram taes, que o
Dr. Cirkbngde, eoearregado da enfermara dos
alienados n'aquelle hospital, julgou dever introdu-
zir um seguodo buhar para os seus inehzes pen-
sionistas.
Ha apenas dous annos que occorreu a idea do
bilhar applicado a loueura, e foi em Utica. Insti-
tuto que leve lugar o primeiro ensaio.
Produtiu to boos resultados que esta medida,
segundo se diz, vai brevemente ser posta em pra-
lica ua maior parle dos estabelecimeotos de alie-
nados.
Seria para desejar que aqu lambem se flzesse
urna tentativa deste genero, no hospital dos alie-
nados.
..........
Aflirraa-se que a imperatriz dos francezes escre-
veu a prioceza Clotilde, esposa do priocipe apo-
leao, para que juntamente com seu marido vo a
Compiegae, durante a estada dos imperadores n'a-
quella residencia real.
Desle faci deduz que se trata de desvanecer a
friesa existente hoje uas relagoes do imperador
Napoleo e de sea primo.
PERNAMBUCU- TiP. DE M. P. Di F. & FILHO


J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET5ZM0VV1_SI366D INGEST_TIME 2013-09-05T02:26:28Z PACKAGE AA00011611_10844
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES