Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10842


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO LL jjOMEBO 285
?or qaarlel pago dentro de 10 das do i. niez i i
dem depo/s dos i." i 0 d/as do cooiecoe dentro do qnartel. .
Porte ae crrelo por tres meze ..*,,.,,,.,,,
SfOOO
61000
750
ENCARREGADOS DA SUBSCR1PCAO DO NORTE
Parahyha, o Sr. Antonio AI.M>ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques ra Silva ; Araeaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Ceara, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maraohao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Heraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronyroo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho. I
OARTA FEIRA 13 DE DEZEMBR0 DE 1865.
ana i mn i i i -^- n^^^^
Por atino pago dentro de 10 dias do 1.* nez ,,,... 19|#t
Porte ao correio por um anuo.......... Iftft
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estarces da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvate, Bezsrros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Dent, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, uas tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio eEx, as quartas
feiras.
Sennhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRlBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as II horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira tara do civel: tersas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da larde. -
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
2 La cbeia as 4 h., 24 m. e 45 s.da t
9 Quarto raing. as 9 h., 53 m. e 28 s. da t.
18 La nova as 2 h., la m. e .'(i s. da m.
24 Quarto cresc. as 10 h., 11 m. e 22 s. da m.
DIAS DA SEMANA.
11. Segunda. S. Damao p. m.; S. Francisco c.
12. Terca. S. Sereno; S. Epimacho m.
13. Quaria.'S. Luza v. m.; S. Eusiracio m.
14. Quinta. S. Agnelln ab ir.: S. Matroniano m.
15. Sexta. S. Albina m.; S. Ceelli no m.
16. Saldado. Ss Anania*, Hitael e Azarias mm.
17. Domingo. S. Flonaoo^ro.; S. Colaniro m.
PREAMAR QE HOJE.
Primeira as II horas e 42 m. da manha.
Segunda s 12 hora e 6 minutos da larde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o ni at Alagoas a 14 l 10; para o
ata a Granja a 7 e ti J' cada me:; pan. fi
lo amalas I i dos n Janeiro, margo,
jiilhn, st-tenil.ro < mu r
ASS|i;\A-sp
no Recite, na livraria da praga da la^
a. e, dos proprietarios Manoel Figneiroa
Faria & Filho.
PARTS flFFifflAL
G0VR8IMI A PRoNMU
F\|ieiliente do dia (1 de dezembro de 1865.
Oflii'io ao general rummandanle das armas.
Urna vez que foram considerados incapazes em
inspeccao de sade, segundo os termos annexos
ios seos offlcios de hontem, datados sobre ns.
2340, 2341. 2315 e 2316, os voluntarios da patria
e guardas nacionaes designados, constantes da in- j0 ftj|a ^ lenente-coro
clusa relago, auloriso V. Exea mandir dar bana |*a| (,.-, n. 3 de infamara i
ao seu citado ofll-
aquelles e eliminar estes do servico da guerra
It-iaco a que se refere o oflieio supra.
Manoel Francisco das Chagas.
Flix Carneiro da Costa.
Constantino Paes Brrelo.
Gabriel Fraucisco dos Santos.
Jos Flix Pereira.
Damio Vieira da Silva.
Antonio Francisco das Chagas.
Manoel Pinheiro dos Santos.
Anselmo Antonio Brrelo.
Pedro Jos da Rocha.
Dito ao mesmo.L'ma vez que, segundo o termo
de inspeccao junto ao seu offirio de 4 do correute,
sob n. 2334, foi considerado incapaz o guarda na-
cional do 2 o batalbo de artimaa do Rio Formoso
Franvisco Antonio de Lavor, por soffrer de arebite
ebronioa e penoslose no tibia esquerda, pode
V. Ezc mandar elimina-le do servigo da guerra
para que eslava designado. Communicou-se ao
commandante superior da guarda nacional do Rio
Formoso.
Dito ao memo.Sirva-se V. Exc. de informar-
me a cerra do que pede no iucluso ollicio, o le-
nente-coronel do 6." corpo de voluntarios da pa-
tria.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. attender como
for de lei ao que no incluso requerimenio pede
o voluntario do 3.* corpo Manoel Marques Cor-
ris.
Dito ao mesmo Srvase V. Exc. de informar
me a cerca do que do.* inclusos requerimientos
peiem Jos Furtado de Mello e Miguel dos Sau-
los.
Dito ao mesmo. Sirva se V. Exc. de mandar
por em liberdade o recrola Jos Francisco do
formo, urna vez que soffre rile de hernia ingui-
nal, segundo o termo de inspeccao que V. Exc.
remetteii-me com o seu oBJcio de 5 do correte,
sob n. 2342.
Dito ao mesmo.- Declarando me o director das
obras militares, em oflieio do 1 do correte n. 78,
que desde o dia 15 de novembro ultimo, foram
colloeadas em seus respectivos lugares as grad-s
de ferro, de que precisava o deposito do quartel
da Soiedade, ; assim o cominuuico a V. Exc. para
seo conheciinento.
Dilo ao mesmo.Tendo presenciado o lusmen-
to e garbo militar com que se apresentara o 3.
corpo de voluntarios da patria,na parada do dia 2 do
correte, anniversario uatalicio de Sua Magestade
o Imperador, sirva-se V. Exc. de significar ao co-
ronelI roinman.laote do ine.-mo corpo, e a sua ofli-
cialidade a minha satisfagan por e.-se motivo.
Dilo ao mesmo.Pode V. Exc. mandar dar baixa
ao voluntario do 3." corpo Jos Joaquim de Araujo,
Mellando em se.ii lugar o substituto por elle otfe-
recido, se for considerado apto para o servico mi-
litar.
Dito ao mesmo.Deferindo o requerimenlo do
alferes do 2." balalho destacado Marc-lioo Jos
Ribeiro, sobre que versa a sua informarlo desta
data, si ib n. 2356, auloriso V. Exc a mandar eli-
mioa-lo do retendo corpo.
Dito ao mesmo.Srvase V. Exc. demandar
eliminar do servido da guerra, o guarda do bata-
lhao n. 16 do municipio do Pao d'Alho Jos Fran-
cisco de Souza, visto ser o nico arrimo de sua
familia.
Dilo ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar
com urgencia a cerca do que peJe Joo da Cruz
de Paula Cavalente no incluso requerimenlo que
vai coberto com ollicio do juiz municipal e de or-
phaos do termo de Olinda.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar a cer-
ca do que no incluso requerimenlo pede Antonia
Deltina dos Aojos.
Dito ao mesmo.Expega V. Exc as suasordens
para que uo siga para a corle o voluntario da
patria Joaquim da Costa Vieira Jnior, obre que.
ver-a a reclamagu > do consol portogoez nesta ci-
gundo a conta que veio annexa
ci e qii' com este Ihe restitUJ.
Dilo ao commandante superior da guarda na
. cional do Recife.Tendo presenciado o garbo e
, lozimento com que na parada do dia do corrente
se apresentaram os batalhes Io, 2", 3o e 4o de in-
famara e o Io esqnadro de cavallana deste mu-
nicipio, nao posso deixar de significar a V. S. a sa-
! tisfacao que por aquella oecasio expenmentei, re-
commendando-lh que assim o faga constar aos
respectivos ofliciaes e pragas.
, Dito ao mesmo.Para poder attender a requisi-
-corouel commandante do ba-
aquartelado, de que trata
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. por em liber-
dade, dan lo Ihe haixi se ja estiver com praca o
remita Roinao Jos de Carvalho, visto ter provado
ser li I tu nico de viuva a quem serve de arrimo.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar acer-
ca do que uo incluso requerimenlo pede Candido
Piuheiro Salgado, guarda nacional do batalhao des-
tinado a guerra.
Dito ao inspector da thesouraria prooincial.
Mande V. S abonar a Joo Manoel de Castro e a
Rnflno Jos Feroandes de Figneiredo, aquelle es-
criturario e este amanuense da secretaria dogo-
verso, romo pedem nos inclusos requerimentos, a
gratilicaco a que leem direito, por baverem exer-
cido o primeiro o lugar de ofllcial chefe e o segn-
1 do de escnpturario da 3' serco da mencionada se-
Duo ao mesmo.Mande V. Exc. eliminar do i cretaria desde 22 de outubro al
servico da guerra o 2 sargento da guarda nado- ultimo,
nal Jos Scrates de
3u de novembro
o offleio de V. S. n. 435 do Io do corrente, Lz-se
preciso que V. S. me remeta urna relacae dos ob-
jcelos que sao necessarios ao referido batalbo.
Dito ao mesmo.Expela V. S. as soas ordens
para que em frente da igreja de Nossa Senhora da
Coneeicao dos Militares seja postada urna brigada
coinpo.-ta dos batalhes da guarda nacional sob seu
commando superior, aflu de assislir aos actos da
Paula Lima, acceitando em
seu lugar o paisano por elle olTerecido Joo Duar-
te de Oliveira, visto ter sido considerado apto em
inspeccio de sade, como consta do le/mo annexo
ao seu oflieio de 6 do corrente. sob o. 2,373.
Duo ao mesmo.Sirva se V. Exc. de mandar
eliminar do servico da guerra os guardas nacio-
naes Celestino Bispo iutor e Manoel Vicente da
Vera-Cruz, este por ser viuvo com filhos e aquelle
por ser o arrimo de sua mili viuva e de urna irma
solteira.
Dilo ao mesmo. Mande V. Exc. inspeccionar o
Dilo ao mesmo."Nao havendo inconveniente,
mande V. t'^ leuQo con solieiton o Dr. chefe de polica em pf-
Ocio n. 1.891 de 4 "
estarn de volta em Paris qaandoa familia impe-
nal estiver a deixar o departamento de Bise. Tra-
ta-se al de urna viagem a P >nugal de snas alte-
zas ou somante di princesa Clotilde, oque anda
retardara mais a sua estada em Parta.
Communicamnos iguelrn-nte
Nessa oeeastie mm Imdi rn-nmi. tiina it exi-
mia actriz, a Sra D. twenia (Uuwra. d>>tarao4o-
se d'mn grop d- pe-- ,(- if-r-i-u m 4igiM-!tMV>
captlio i< Sr. J J i i i; n I. iii-s I Alm-nla. m
, lindo bouquet, reman mm oeeHu a .efioie
vavel a visi.a d SS. MM. portuguezL a residencia gf' **"
de Compegne. 0,,, "
O me - correspondencia
de Pars, onde se l :
..........Alflrmam-me que a ranha D. Maria
Pa escreveu urna carta ao Papa, seu padrinho,
perguntando Ihe se \\m seria agradavel a sua ida
dante superior, de 4 do corrente.
Dito ao commandante superior da guarda naci-
ra Manoel Ferreira de Oliveira, e sobre cujo re- nal do Recife. Mande V. S. dispensar do servico
quermento V. Exc. informou em ofllcio de 4 do [ de aquartelameoto em que se acha o lente do 3o
corrente n. 2,319. batalhao de infamara sob seu commando superior
Dito ao mesmo.Recommendo a V. Exc. que J^o Pedro de Jess da Malta, atlwita a falta que
mande eliminar do batalhao de guardas nacionaes! faz elle no consulado provincial, oude emprega-
de V. S. tbrn'ecer, como solieiton os consignatarios destinado ao servico da guerra o guarda Antonio do segundo consta de ollicio do respectivo adminis
do vapor Viper, cem toneladas de carvao de pedra Fructuoso Luiz de Almeida, que serve de arrimo ', trador, a que se refere o da thesouraria provincial,
Cardlff, alim de poder aquelle vapor seguir para o a sua familia, como provou suami Rita Mana da ; datado de 5 do corrente sob n. 480. Communi-
sul. Coneeicao.i'ommuucou-se ao commandante su- cou-se ao mspeclor da thesouraria provincial.
Dito ao mesmo.-Preste V. S. as lanchas que fo- VeT,'' d(' K'o Formoso para mandar substituir por
testa da mesnia Senhora, a q'ual lera lugar alli no guarda do batalhao destinado ao servico da guer-
dia 8 do corrente, certo de que pelo arsenal de
guerra sera' fornecido o cartuiame sem bala ue-
cessarlo para as resperiivas salvas. OfTIciou-se
neste sentido ao director do arsenal de guerra.
Dito ao inspector di arsenal de marinba.Man-
1,891 de 4 deste mei os objectos constantes'' com sen esposo a Roma. Dizem que o santo padre
do pedido junto por copia. | respondeu naturalmente que os receberia om
Dito ao mesmo.-Estando em termos a relajan ; agrado, e que nao via nisso inconveniente algnm
e pret juntos em duplcala e nao havendo incoo-, a nao >er a presenca em Roma do rei Francis-
veniente mande V. S. pagar os vencimeotos relati- co II. >
vos ao mez de novembro ultimo, das* pracas da I A Opinione de Turim diz
guarda nacional de>tacadas na cid'de de Olinda, i ni j. d.i..i.; -.-
segundo consta de olUclo do respectivo comman-1 h2? n., i VL l ."-1 d3S ,'^-
unerior de 4 do corrente "as-artes, Que se-demorara muito t-mpo na ofli-
na do professor Ferri, onde entre .nagn.licos pai-
neis se v um representando a^rinceza de Lam-
babo e a malanga de setembro. O art-ta baj
rom necessarias para transportar a bordo do vapor
em que dr-vem seguir para a corle no dia 9 do
corrente o 3o corpo de voluntarios da patria e urna
companhia do 2" batalhao destacado, e bem assim
as respectivas tiagagens.Conimuuicou-se ao com-
mandante das armas.
luto ao director do arsenal de guerra.Faja V.
S. recolher a esse arsenal para onde serio remeti-
dos p> r parte do general counnandanie das armas,
os objectos constantes da inclusa relajo, os quaes
se acbando no quartel do deposito nao esto a car-
go do mesmo.
oulro o referido guarda.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. eliminar do 2o
balalho da guarda nacional com deslino a guer-
ra a Francisco Jos Teixeira, visto ser elle filho
nico de mulher viuva.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. abonar os vem'imentos do corrente
mez ao alferes em commissao do 5" corpo de vo-
luntarios da patria Antooio Trstio Serpa Braodo
Jnior que tem de seguir para a corle a reunir-se
ao seu curpo.Communicou se ao commandante
das armase mandou-se dar passagem ao referido
alferes.
Dito ao mesmo.Estando
Dito ao commandante superior da guarda naci
nal de Flores. Informe V. S. a razio porque o
bataino n. 33 de infamara da guarda nacional do i,
an tarto prlnceza Clotilde /visitaram em Turim os t-mplos
j de Santa Julia e S. Salvarla, recentemente edilica-
muitos annos que traballu ne maravilha d'arte adquirir celebridad^ sera pessoa
alguma ainda a ter visto. O rei fez acquisiciio del-
le para a sua galera de Lisboa.
A Provincia, jornal italiano, conta o rei e a rai-
nha de Portugal tinham partido para Superita, onde
lam visitar a baslica eos tmulos reaes. lamtara-
bem a princeza Clotilde, os principes Hamberto,
Amadeu e de Carguan.
A 31 de outubro 8. M. a Sra. I). Mana Pa e a
pav-
eo) termos os prets
Dito ao conselho de compras do arsenal de guer-1
ra.Autoriso o conselho de compras do arsenal de .
guerra a promover com toda a urgencia a cquisi- juntos em duplcala, mande V. S. pagar os venc
(So de urna ambulancia provida dos medicamentos mentos relativos ao mez de novembro u timo, das
constantes da inclusa nota, a qnal deve acompa- pragas do 9" batalhao deinfantaria da guarda na-
nhar o 3o corpo de voluntarios da patria que em- cional de Olinda, destacadas na fortaleza do Pao
barca para a corte no da 9 do corrente. Amarello, e bem assim dos cornetas empregados
Dito aos consignatarios do vapor inglez Viper, no mesmo batalbo visto assim o hver solicitado
Pereira Carneiro i CResponda ao ofllcio que o respectivo commandante superior em ofllcio de
acabo de receber de Vmcs.deelarando-lhes que ex- 4 do corrente.Communicou-se ao referido com-
pego ordem ao arsenal d marinba para fornecer mandante superior.
as cem toneladas de carvo Cardlff, de que precisa Dito ao mesn. Transmilto a V. S. a inclusa
o vapor Viprr, e que ao governo imperial devem : relago nominal dos ofliciaes do 3o corpo de vo-
Vmcs. solicitar o pagamento das despezas feitas luntarios dp--ta provincia, que deixaram consigna-
com praticos eamarragodo referido vapor.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
coes a suas familias nesta capital, alim de que pro-
videncie no sentido de serem taes consignagoes pa-
gas nos devidos lempos conforme solicitou o ma-
rechal commandante das armas etn ulieio de hon-
tem, sob n. 2,372.
ao que reqnereu Alexandre M'gno Peixoto de
Aleocar, professor interino de insirucgo primaria
da povoaco de Trombetas, resolve prorogar at
boje com vencimentos da gratiticago que percebe,
a leeoca que por portara de 17 de outubro ulti-
mo Ihe foi concedida para tratar de sua sade.
Dita.O presidente da provincia, attendendo n alim do que, esiauuo enes e
que solicitou o promotor publico da enmarca do
Pao n'Alho. bacharel Joo Alves M rgulho, resolve
conceder-liie dous mezesde licenga sem vencimen
tos |iara tratar de sua saJe.
Dita.O presidente da provincia, em vista da
proposla apresenlada pelo tenente-coronel comman-
dante do batalhao n. 31 de infamara da guarda na-
cional do municipio do Buique, sobre que informou
o respectivo commandante superior em ofllcio de
22 de jonho uliimo, resolve privar do posto o capi-
to da 4* companhia do mesmo batalbo, Francisco'
Tenorio de Albuquerque, por nao ter solicitado sua
patente no prazo da lei.Communicou-se ao res- compauhia do raplto Alberto de Unto Cavalcantf.
pectivo commandante superior. Dito ao mesmo.Providencie V. S. para que nos
Dita.-O presidente da provincia, attendendo a devidos lempos seja paga a con-ignagoque do sol-
que o alferes do balalho n. 35 do municipio do ] do de sua patente pretende deixar nesta provincia
Brejo, Joao Gongalves de Araujo, alm de viuvo,
vereador da cmara municipal daquella villa, e
municipio de lugazeira, esta sendo comma
por um capilo e nao pelo respectivo teneute-co-
ronel.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. recolher a esse arseual, para oude sero re-
mettidos por parte do general commandante das
armas, que assim o solicita em seu ollicio de 5 do
corrale, sob o. 2344, os objectos constantes da in-
clusa relago, os quaes existen no quartel da So-
iedade em que esteve alojado o 1" balalho desta-
cado.
Dito ao mesmo. De conformidade com o que
solicitou o general commandante das armas tin of-
lieio de 6 do correuK sob n. 3357, mande V. S. ao
forte do Buraco um tauoeiro rebaler seis loneis,
que alli serveiu de deposito d'agua. Coramun.-
cou-se ao geueral commandante da> armas.
Dilo ao juiz muuicipal da primeira vara desla
cidade.Mande Vine, por a disposigo do capilo
do porto, alim de ser remettido para a corte no
da
de m
bino Jos (jarcia.Loinmumcou se ao cap
porto.
Dilo ao juiz municipal do Bonito. Para poder
resolver acerca do que represenla-me em oflieio
de 22 ile uovembro ultimo, o juiz commissario de
medigo de Ierras do municipio de Agua Preta,
luforme-me Vine, se o ligar a>n-mnodu Itiacno
mai> bella prodaerao da measa
Eugenia i,uara.
Da patria ao santo clamor
Mai> um lilho va; guiado
Pela voz d indepewfcMK-ia.
t Mu bravos por e*A* Sor
E' no-te ramo ofertado
Pela inos da infcr-nn i.
Diversas poesa- iiniir---a< foram laarada^
sobre o- voluntarios, que m alguos Ingar-V pa--
savam so|, gon rlmva de 11 .r->.
Os Recifences. deram anda urna pora da
grande con>ideragao. eslima e ami-afe qu infea-
tam ao Sr. J i Joaqun Lip-s d'Alm*i4a. p*s
que nos d >us ltimos arcos. e va o me i
bravoa par do dosvoluntarios do temen
Corpo.
O Sr. senador vise Hiil-i|e |- imtinhonhi
do protesto sofera a rend;i. le i rugnavaw. ara-
ba de publicar um npusi-ulo a prupo-ii i 1<
empre-timo levntalo na praga I i. n i'
pondo^e a anaiy-ar a opragfa e d-rr
em eoosMeraeo alimentes a melhorar a
traca.) linarii-eira do p hz.
Palpiante de actaali iadV, o pequen > lir >
infaiigav-| representante li n; r tm*-wH-<*.
per sut m-t Ta. e pio i.-m *m i hv.mtm!. a
todos os que procoram informarse do n4oparfjK
sao gendos Iitiirniiei fOTMi di pafet
A representabas que Aovara h int'm ter u no ^aola Isabel, f.ji tran-f--r:d para ho|e, .-m
soqueada de nao i-r tie.iio aaajalajlli urna vista
precisa a devida WKtt rn MMK,
II je, 13 lo corrente. effectaa o a^-ni- P n'
O 1 :llO de lii.seoulos, MAO alpi-le. Tinll"
em frente di Aifan lega armaz-m I t$ \nn*-
Iloje se extrahira a 7* par- di ., M ^
favor da> familia- do* roloatarfeM 1 patr < it*
pelo plano de 40 conlos, seodo o raanr prenuo d
doze conlos de ris.
Estamos tariradoj pelo ties.-Hjreir) das
loteras a declarar qu- a siraeao li pat
lotera em tHaefieio das faimlus dos v.doni
d,
dos. O re de Portugal e o principe llumbert i vi-
Sitaram o arsenal acomuaohados do general Villa-
marina, e no dia seguirte, acompannado do gen-
ral Villamarina e capilo De llenzi, visiteo o maseu
cvico de Turim e o Sr. Luiz dj mirquez de
Ficalno, do coronel N'arzi, do general Villamarina
e varios estabelecimentosnotaveis.
No da 4 o joven rei de Portugal visitn acade-
mia militar. De manha, a ranha Mana Pia e
princeza Clotilde foram ouvir missa igreja Uclla
Pomotata. De tarde, H-rei de Portugal, o principe
deCarignan, a ranha D. Mana Pa, princeza Clo-
tilde, e os principes Amedeu e Humberto foram
visitar a exjiosigo permanente no palacio do cava-
Iheiro Borani. Quando a familia real sahio do pa-
lacio, esperava-a no atrio imnien^a multido que da patria (il^ sera boj* deeoM aja* nv-r -faida
se nao cansava de aclamar as pessoas reaes. I'ara w ortO d,) "1 "* fr,n'"' I"- "P"
Tem prodozido grande impresso no publico ra amannecer boj- em aaan porto, lev-n.1, pir-n
proceder-se a estrafa asaifean da ananaa
se por ventura no'tiver elle chegado
hora.
;.orlo,afim de ser remettido para acorte no .J^C^f?? impresso no pnico
9docorrentecomdest.no ao quartel general S2SJS22?il22P2 d22!. k s
narinha. n sentenciado da armada grumete, Al- f*!2*Z! COn,Sel1"! d """'^ : l
, JosGarcia.-Commu,,.couse ae capilo do ^TT.l^' Pp"*"l*:.P"::
Dilo ao mesmo.Transmuto a V. S. os inclusos Secco das Larangeiras, sito na freguezia d'aquelle
documentos que me remetteu o commandante su
(tenor do Recife com ofllcio de hontem. sob n. 460,
termos, mande pa-
gar os vencimentos dos ofliciaes e pragas do 1" ba-
talbo de artiliiaria da guarda nacional desta capi-
tal que estiveram aquarteladas as fortalezas do
Brum e Buraco, sendo os dos primeiros relativos
ao mez de novembro prximo lindo, e os das ulti-
mas a 2* quinzena do mesmo mez.Communicou-
se ao predito commandante superior.
Dilo ao mesmo.Em vista di pret junto em du-
plcala que me remetteu o marechal commandante
das armas com ofllcio do hoje, sob n 2,379, mande
nome perteuce a esse lermo.Itiual mutalis mu-
/.,,,,!,. .. ,.. Miuniolpal a Agua Prea, c aos vi-
garios das Ireguezias do Bonito e Agua Preta.
Dito ao vigaro da freguezia de Fazenda Grande.
Declaro a Vine, em resposta ao.Seu ofllcic de 18
de novembro provimo lindo, que o mappa don oh
tos dessa freguezia exigidos em minha circular de
9 de outubro ultimo, o do auno de 1864 e nao
de 1861, que Vmc. me remetieu com o seu citado
ofllcio, o qual incluso devolvo.
Dilo ao commandante do vapor Agnes Ardil.
Receba Vmc. a seu bordo e conduza para a corte
os ofliciaes constantes da inclusa relago, perlen-
V. S. pagar os veocimentos a que tem direito cinco j cenes a seguuda companlua do segundo bat;
voluntarios que vieramdo centro da provincia em
tor deste uotavel opsculo oppoe-se a esta medida
coo-ignada no projecto do codixo civil.
Neste escnplo o nobre marechal cita a opinio
dos sanios padres para comprovar que Jess Chrs-
to estabeleceu que o casamento fosea um sacra-
mento, e reprodnzindo as disposigSes do capitulo
do concilio de Trento a tal respeilo, o qual lorna
rritos e nuBoj os contratos matrlmoniaes, que nao
niicm eiehrados na presenca do parocho na for
ma estabelecifla p.u iprPq \ PonpF,UB 0ra, se
a le que regula a forma porque se pode conirahir
o santo sacramento do matrimonio urna a.. i1(
da igreja a que juramos obedecer no baplismo,
como poderia eu ficar silencioso, como p ideria o
povo portuguez, que apezar de tantas diligencias
ainda e seria essencialmenle catbolieu, perman-
; cer indillerenie, se as dispo-igoes do projecto, no
; que perten :e ao matrimonio, fo-sem apitrevados.
Diz-se que o governo nao faz questc deste artigo
do projecto do cdigo civil.
N'as principaes trras do reino se fizeram
est Inteiramente
tendo em vista a inlormagao do respectivo com-
mandante superior de 22 de novembro ultimo, re-
solve dispensa-lo do servico da guerra, para que
dude, de 30 de novembro prximo passado, e que m^n, d0 lenenle qimrtel-meslre do ha'alhilo dear-
fui a informar a V. Exc.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti a V. S. a folha e pM juntos em dupli-
caba, e a que se refere o oflieio do marechal com
mandante das armas datado de hontem e sob n.
2,349, alim de que nao havendo inconveniente
mande pagar os veiicimeulos dos ofliciaes e pracas
do 6a corpo de voluntarios da patria, senda os dos
pnmeiros relativos ao mez de novembro prximo
lindo e os das ultimas a 2* quiuzena do prediio
mez.
Dito ao mesmo.E-tand i em termos a follta e
pret juntos m duplcala, que me reoietteu o ma-
rechal commandante das armas com ollicio de hon-
tem, sob n. 2,318. mande V. S. p gar o- venci-
mentos dos ofl.-iaes e pragas do 2" balalho de
guardas nacionaes destinados ao servico da guer-
ra, sendo os d'aquelles relativos ao mez de novem-
bro prximo fiodo e os destas a 2* quinzena do
predito mez.
Dito ao mesmo.Mande V. s. ajusfar comas ao
2" ciruigio do corpo de sade do exercito Dr. F-
lix Moreno Brando e ao alferes do 2" batalbo de
infanta-ia Jos Lucas Soares Raposo da Cmara
al o iim do correte mez bem como passar-lhes a
competente guia de soccornmento vi-lo terem de
seguir para a corle, segundo consta de ollicio do
marechal commande das armas datado de hoje e
sob n. 2,359.
Dito ao mesmo. -Mande V. S ajustar as contas
do 3o corpo de voluntarios da patria e de urna
2* balalho da guarda nacional des
tora designado.Fizeram-se as necessarias com- sob n. 79, que ja se acha concluido o concert que
municacoes.
Dita.O presidente da provincia,tendo era vista
o que informou o commandante superior interino
da guarda nacional do municipio de Goianna em
18 de novembro prximo lindo, sobre o requer
pomposos e luzidos olci >s por alma do Sr. 0. Pe-
da guarda nacional desiacado para o servigo da dro V. de saudosa memoria, cujo anniversario foi
guerra, que segu addida ao 3o corpo de volunta-: no da 11 do corrente.
nos da patria. Elvas, segundo parece,
Portara.O Sr. gerente da companhia Pernam- livre da cholera-morbus.
bucana, mande dar transpone at o presidio de Ha dous dias que ja alli nao ha doente algum
o capillo do 3o corpo de voluntarios da patria Jos Feruaudo em lugar de proa destinado a passagei-4 daquella molestia.
Joaquim Lopes de Almeida como se v do incluso ros de estado, no Io vapor que para all seguir a Em Ayamonte ( Algarve ) antes de hontem
requerimenlo. Thereza Mana de Jess. tinham apparecido tres casos, e hontem
Dito ao mesmo Constando de ofhVio do direc-1 .~ *
tor das obras militares, datado de 5 do corrente, e l(MIIHM)i) DAS ARXiS.
sete.
se niandoii'zer na pome da fortalez do Brum. Qnarld general do comioainlo das ;
recommendo a V. S. que mande pagar a Joaquim nanibucn na cidade do
lilharia da guarda nacional da capital da provincia, e
do Piauhy, Joo Cardlo de Mesquita. resolve que | S. que mande ajusiar-lhe contas e
seja esle aggregado ao batalbo n. 15 de infamara
daqu-lle municipio, por ter all flx.ido a sua resi-
dencia. Cainuiuiiicou-seao commandante superior
de Goianna.
Dita.O Sr. commandante do vapor inglez Ag-
nes rdele, receba a seu bordo e conduza para a
corte no da 9 do corrente o 2o cirurgio do corpo
de sade do exercito, Dr. Flix Moreno Brando, e
0 alferes do 2o batalhao de infartara, Jos Lucas
Soares Raposo da Cmara.
Dita.O Sr. commandante do vapor inglez Ag-
nes Ardil, receba a seu bordo e conduza para a
corte os encajados para a armada constantes da
relago inclusa, os quaes Ihe serao mandados
apresentar por parle do capilo do porto.
Dila.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana queir? dar passagem de estado a r, no se-
guudo vapor Jiisliniano Alves Quintal e a sen sobrioho, osquaes
vio para o Rio-Grande do Norte.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana, mande dar transporte al Aracaj, em lugar
de r, destinado a passageiro de estado, no primei-
ro vapor que seguir para o sul, ao Juiz municipal
do termo de Lagarto na provincia de Sergipe, Dr.
Daniel Germano de Aguiar Montarroyos, e de proa
1 a um criado do mesmo doutor.
Dila.O Sr. nereute da companhia Pernambu-
cana mande dar passagem at ao Aracaj, em lu-
gar de r, destinado a passageiro de estada, no pri-
Recife, 12 de dezembro
Jos Ferreira Penha a quantia de 140,5, porque se I
obngou a executar e Dito ao rnesroo.-Artnuindo ao que no incluso Q mireclla| de ,.amp0 Cramandanle das armas I
requerimenlo sobetou o alferes do corno de po- f da >o e|It!ll0S ne.
ca Amador de Araujo Pessoa, recommendo a V. [J^ q a pr(!SlJ,unja ef porua de hontem
pagahL. datada, dispensou do servigo de guerra para que
novembro em j fora desJi!Ili,do 0 Sr. capilo do bataino n. 39 de
Infanuna da guarda nacional do municipio do
Cabo, Joo Luiz Gongalves Ferreira.
(Assiguado.) Francisco Sergio a"Oliveira.
Esta conforme.Antonio Francisco Dunrle, 2."
tenente-ajudaute de ordens interino encarregado
do lelalhe.
companhia do
tacada qUe seguera para a corle no dia 9 do cor- mejr0 va[)or ^ ?egUr p,ra 0 su| a jS Jorge de
rente indo addida aquelle corpo. Siqueira.
Dito ao mesmo Mande V. S. ajustar contas ate
O fim do correnln mez do alferes do corpo de poli-
ca, Bazdio Luiz Coelho que tem de segn" para a
corte a encorporar-se aquelle corpo.
Dito ao mesmo.-Turnando em consideragao o
que expoz o cabo de esquadra do corpo de guarni-
co desla provincia, Jos Rodrigues Simoes, no
incluso requerimenlo sobre que informou o mare-
chal commaodanie das armas, em oflieio de 2 do
correnle Sob n. 2,316, recommendo a V. S. que,
nao havendo inconveniente expega suas ordens a
collertoria da comarca de Fior-s que pague ao
-7- .
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa
de misericordia.-Em vista do que V. Exc. pandar
rou em seu ofllcio de 4 do correte, sob n. 568,
concedo nos lerraos do ari. 70 do compromisso de
27 de margo de 1862 a aulorisago que V. Exc.
solicita para exceder o crdito votado no respecti-
vo orgamento para os reparos de predios e edificios da"s J ^^r^para
do patrimonio dos orphaos, alim de que nao para- so/nhlprlos riMlinadlls a0 mBS
lysem log i que de toda hque consumida a referida i
junta administrativa dessa
verba, a obra que a .
m7nc,onado7abo"qe ailfse arlia m^oamtaOo a I Santa Casa esta mandando construir na casa da
da 3- pre.-laco de engajamento a que ra da Gloria. ______mQ
Dito aome-mo.-Queira V. Exc. remllenme
importancia
julg
Dito
se Jul J"eJ _M d v 8 pntr ar ao ,. ,e. uraa relago dos menores, que nos termos da le n.
, Ernesto Ignacio Cardim, conforme solieiton ,611 de 3 de abril ultimo, te sLdo recolh.dos aos
o capilo do i-orto em oBc.o de hontem sob n. 31, estabelecimemos pos a cargo dessa Sarta Casa por
a quantia de 9604000 para pagamento do premio erdem desta presidencia.
Dito ao general commandante das armas.Man-
a pessoa incumbida de
ram para u iy
gratificagao que compete
taes engajamenlos.
uito ao mesmo.Na leilura do offleio incluso
por copia do director do arsenal de guerra de hon
tem datado, sob n. 471, e dos papis a que elle se
refere, encontrara V. S. os esclarecimentos solici-
tados em seu ofllcio o. 833 e data de 17 de novem-
bro ultimo, alim de poder realisar o pagamento a
Caors & Barbosa, da importancia dos medicamen-
tos por elles fomecidos enfermarla militar, se-
pa* do servigo em inspecgo de sade, como consta
do termo annexo ao ofllcio de V. Exc. de n. 2,366,
de 6 do corrente.
Dito ao mesmo.Pode V. Exc. mandar eliminar
do 2* balalho destacado para o servigo da guerra,
ao guarda nacional do batalhao n. 42 de Seri-
nhe.m, Canuto Alves de Lima, acceitando o subs-
tituto por elle offerecido na pessoa de Joo Feroan-
des Teixeira, urna vez que esle seja considerado
apto para isso em inspeccao de saude,
vencimentos a contar do i*'de
diante.
Dito ao mesmo.Tendo a thesi urana de faten-
da das Alagoas de remelter para essa, em cumpri- j
ment da ordem do thesouro, de 13 de novembro ,
ultimo, como supprimento a quantia de 40:000^)00
recommendo a V. S. de conformidade com o que;
me solicitou o Exm. Sr. presidente daquella provm- j
ca, em ofllcio de 5 do corrente, que remeta por
meio de um saque feto contra aquella thesouraria
e a favor da thesouraria provincial das Alagoas,!
os saldos que ahi exJstem provenientes da arreca- j
dago das reodas daquella provincia.Comrouui-
cou-se ao Exm. presidente das Alagoas.
Dilo ao mesmo.Annuiodo ao que solicitou o
marechal commandante da.- armas, em ollicio de 4
do corrente, sob n. 2,325, recommendo a V. S. que
em vista da conta junta em duplcala e nao haven-
do inconveniente, mande pagar a quantia de.....
545800 despendida pelo 3 corpo de voluntarios
desla provincia cun conduego de objectos per-
tenceiites ao mesmo corpo, do arsenal de guerra
para o quartel do Hospicio.
Dito ao mesmo.Mande V. S. entregar ao com-
mandante no 3o corpo de voluntarios desta provin-
cia coronel Francisco Joaquim Pereira Lobo a
quantia de 10:2485272, aflm de que possa elleoc-
correr ao pagameuto dos vencimentos dos ofliciaes
e pragas daquelle corpo, sendo o dos primeiros, re-
lativos ao mez de dezembro corrente e os dos se-
gundos, a 1' quidzena do mesmo mez.
Dito ao mesmo.Inteirado de quanto V. S. ex
poz em sua informago de 21 do correle, sob n.
703, dada em conferencia ao parecer da conladoria
dessa thesouraria acerca do requenraento do alie
res do corpo de guaroigo Jos Ltnguinho da ds
la Leite, recommendo-lhe que em vista dos docu-
mentos existentes nessa thesouraria, faga creditar
ao mencionado alferes a quantia de ISOjOOO que
recebeu em dezembro de 1861 para orcorrer as
Tacaral ds diver-
sos objectos destinados ao mesmo corpo e isio de
pois de deduzda a importancia dos recibos sobre
que versa a duvida d predila contadoria ate que
se possa resolver a semellianie respeilo.
Dilo ao mesmo.Recommendo a V. S. que em
vista da folha e pret juntos em duplcala, a que se
refere o ofllcio do marechal commandante das ar-
mas dalado de hoje, e sob n. 2,382, mande abonar
os vencimentos relativos ao correnle mez dos offl-
ciaes e pragas da 2* companhia do batalhao de
guardas nacionaes destinada ao servigo da guerra
a qual seque para a corte addida ao 3* corpo de
voluntarios desta provincia.
uito ao mesmo.Auloriso V. S. nos termos de
sua informagao de 4 do correrte, sob n. 87<, a
mandar pagar ao capilo reformado do exercito
Estevo Jos Paes Brrelo mediante flanga edonea
e em vista da guia de soccornmento que trouxe
da corte o sold a que tiver direito, atienta a im-
possibilidade em que se acha o mesmo capilo de
apresentar a sua f de oflieio e nao ter sido a sua
reforma designada em ordem do dia.
EXTERIOR.
COatHKSPOVHEX I AS O IA
HIO UE PKR A V Tllil CO
LISBOA.
10 de novembro.
Continua a imprensa a discutir a novago do
contrato entre o governo e a companhia do cami-
ubo de ferro de Sueste, de qus Ihe dei extracto na
Reune-se hoje as dua- hora- la u
titulo dos advocados ni wta d, taaMafei Arcbewta-
gico no convent, i Caan
Hoje o agent-! Snnoe- fara leil'io .le novis,
louga, caodieiros de gav, rry-i*e, rtr.. no arma
zem a ra da Cruz o. 57, H i I bari em ponto.
Iloje o agente i) yiupio, no --u raoJe arata-
zem da ra da Cadafe) do Recife n :fi. faz leiio da
objectos de ouro, prata t/tunaot-s. crv-
les avalaos, e oulros mullos art
Rrparth;\o o rauca*
r-1"""" >.........- >- j'HIM'J de
1865.
Foram recolhilos a ca-a de dataafjai ao du II
do correle :
A ordem do sublevado >l> Recife, Anlr- F. u-
ManuiM, Justina Mina da Comvigo, por fer-
mentos.
A ordem do de Sanio Antonio. Cirnante, e-TV
vo de Sebastin Jo-c tvnm.r.i- l'-r-in. r n
rmenlo de-|e; e Mtno-I J-rmyiui I- A -
que, para rorreego.
A ordem do de S. Jo. Man Antonio I.
Jos Torqualo da Silva, Faustino \ivier da K n->-
ca, Felippa de Lemna daSaafJjaVa, e Manoel,
africano livre, por dfeMarMto.
i) chefe da -
J. G. dr a>. Passageltos sahiJos oo vapor amencia'] V
le Amrica :
1 C. Delano e sua senhora.
I'as-ageiro vino do Ma na barca aaeinaai
Ir : Amonio Jos de Oliveira.
Passaeiros sabidos para o A rae tty I .\m
no hiale brasileiro .Marn \m>Ua :
Antonio Pinheiro de Lima. J. Bezerra -
za, Archemioo Pereira da Costa. Joaquim Fidara-
lino Bandeira de Mello.
twnwa JJtiuu4Kii
Tiunrvti, i fOMWFKrn
ACTA DASESSAO ADMI.M.sTRATIV A DE ti DE
UEZEMBKO DE 185.
FRESIOEMCIA DO EXM. SR. ItE>R\IH\R<; \r>>R
ANSELMO KHAM.I-i'l l-EUEITI.
As 10 horas da manha. estando reunido* o So.
de aniraaes e plaas. depuiados Rosa, C Al...forado. Ba*to e Miranda
A collecgo de gados pequea e pouco variada. Leal, o Exm. Sr. presidente declamo aberta a ses-
especialmente da raga cavallar; vem-se com ludo sao.
alguns exemplares nolaveis. Lida, foi approvada a acta da sessao aalece-
l Falla se n'uma exposigo internacional de agri- i dente.
EXPKDIEJITI.
Ofllcio da junta dos corretores, datado de naa?,
enviando a coiago dos prego correales da searan
ltimamente bnda.Ao arebivo.
DESPACHOS.
Requerimenlo (ja visto pelo Sr deseabaraadar
fiscal), de Mills Lalham A C, em Igislro da iraduego de urna pr.-curac.io bastaate
da Northern Assurance ('. mpany L >o*, daaAi-
b pelo Brasil para arbitro da desinlelligencia que I Ibes poderes para effecuaremlaajaj por
ha va entre ealas duas potencias. e damnos causados por !>.O- soppiiraole
A France de 10 do corrente, insiste nesta mesma trem-se que esiao habilitados roa autoruaajfe
asseveraco l gnveroo, e pagamento da laxa do slo.
E' um erro. *"de Br*a Sd0 & Priado que *e
O arbitro foi S. M. el-rei D. Luiz; el-rei Leopoldo | ta a registro a oomeago de caiieiro despi rairai
foi consultado para emitlir o seu parecer na ques- que derama Francisco Xavier de Sa Leiiao e aaw
tao secundaria que sobreveio quando pelo Sr. con- juntam.Juole-se a procuracao para se poder re-
gistrar a nomeago junta.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerroo a sessao as 11 noraa e aaha da
manha.
No resto do distrcto (Faro) nao ha novidade.
Em Malanga concelho de Pomos d'Algodres,
reappareceram as febres meningo ga-tncas.
Os casos de varila em Almeida cslacijnaram,
mas nao lem sido fataes.
Parti o vapor Mindello para Genova a dspo-
go de,sua mairestade el-rel I). Luiz.
Falieceu de urna apoplexia o distincto actor
Sargedas.
Foi conduzido a sepultura por varios artistas dos
Iheatros de Lisb >a.
O digno coramissario regio do iheatro enorme
o Sr. Francisco Palhi, esla promoveodo auxilios I
para educar e amparar os filhos que deixou o
fiuado.
No dia 12, como Ihe noticiara com mais mi-
nuciosidade o seu correspondente do Porlo, abrio-se
DO palacio de crysial, urna exposigo supplementar
ltimos dias muito
cultura para o aono prximo.
A exposigo tem sido nestes
concorrida.
Urna folha desta capital na sua revista es-
trangeira, escreve o seguinte:
t Ha das, em a nossa cmara dos pares, lasti-
mavaoSr. conde d'Avila, que urna folha estrangei-
ra estivesse to mal informada quedisse que el-rei
minha penltima caria"e 'fallei mais detidamente Leopoldo da Blgica fra escolnido pela Inglaterra:
na minha de 13 do corrente.
Continua tambera a dizer-se que o vscoode de
Leiria, anligo general, substituir o fallecido conde
de Toires Novas na pasta da guerra. AlBrma-se
que o presidente do conselho e ministro do reino, I
o Sr. Joaquim Amonio de Aguiar insta por sabir
do gabinete, mas diz se que el rei responde a este
ped lo dizendo, que melhor deixar chegar oSr.
D. Luiz.
Apezar do que tem dito algumas folhas estrange-
ras, ou S. M. el-rei D. Luiz ter alguma demora,
ou vira sem S. M. a ranha, que deseja licar anda I teocias ligantes e para nos que lomos
alguno lempo em Italia cora o prncipe real. medianos. ... .
- Falla-se tambera na necessidade de urna for- Chegou a Lisboa a celebre actriz Gabrlella da
nada de pares para assegurar naquella casa do ; Cunha que tantos applausos lera obtido no Bra-
parlaraeoto a volago da proposta da novaco do sil.
contrato linanceiro AflJrma-se que fara parle da companhia do thea-
Por falleciraento do general da diviso, conde tro de D. Maria II, eseolheodo para sua estrea r
de Mello, consta que vo ser promovidos a general drama doSr. Ernesto Biester, Os homens senos.
de brigada Jos Maria Baldy, e a general de bri- i o papel que fazia a Uada actriz bollen
gada o brigadeiro graduado visconde de Pinheiro.
- Foi na cmara dos deputados renovada a inicia- ,^^^ma^^mmm^mmm^m^^^aim^mmmm
tiva das propostas de le : supprimindo o- gover- j
nos ci vis de Aveiro, Vianna, Bragaoga, Guarda e'
Horta ; supprimindo os couveotos de religiosas e
de de Lavradio," nosso ministro em Londres, se
esteva tratando esta imprtenlo questo, que, como
sabido, terminara por modo honroso para as po
os inler-
Faz
PERNAMRUCO,
professas; tomando extensivas s ilhas as dispo
signes da lei de 20 de julho de 1859.
Foi declarado vago o circulo eleitoral da Ida-
ana, por ter sabido par do reino o deputado por
aquelle circulo Jos Mara do Casal Ribeiro.
Na reviste poltica do Nord de Bruxellas en-
contra-se o segu ole
REVISTA DIARIA.
A'cerca do embarque do 3* corpo devolunta-
rios da patriaremeitem-nos o seguinte :
c Todas as ras de transito de*se punhado de
bravos que deoodados correm a defeza da patria,
. Tem alTdo vanos jornaes de algumas cartas' achavam-se. guarnecida* com arcos tnurapnaes.
dirigidas simultneamente pete imperalriz prin- No barro do Recile, comegando da roa da
ceza Clotilde e pelo imperador ao principe apo Cadete, al ao lim da ra da Cruz, haviarn ires
leo, cartas era que suas altezas se diz haverem lindos arcos sobresahindo a tolos pete nondade e
sido'convidadas para irera passar a compiegne al- singeleza, a ultimo.
euns das. Um dos nossos correspondentes de Pa- t No ceniro do arco via-se um florao, que a che-
ris desmeuto formalmente a existencia destas cus- gada do corpo, abrile, osiraado no centro, co-
tes, 0 priucipe e a princeza Napoleo nao abando- rao por magia a augusta efflgte de S. M. I. o Sr.
I aaram Prangens antes do mez de dezembro, e sri p. fedro .
SESSAO JL'DICIARIA EM II DE DEZEMBRO
DE 186:.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMR.ARGAoa
A. r. PKRETTI.
Secretario, Mo Gmtmewn.
As onze horas e meia da manha o Exm. Sr. pn
sidenle declarou aberta a sessao, rsiaado rranii
os Senbores desembargad-tres Sila Gonaava
Res e Silva ( Acrioli, e o< Srs. denotados He*
Candido Aicoforado, Bastos e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da praeedeai
sao.
Assignou-se o aceordo proferido aa ultii
sao no feto entre partes :
Appellantes, os administradores da i
de Amonm, Fragoso, Saatos C;
Mello & Irroo.
JlLT.AMWITOJl.
Appellantes, os administradores da
da de Ainorim, Frago-o. Saatos 4 C. .
Luiz Jos Rodrigues .le S-Ma e Httdvazae* -
beiro.Adiado as *ed~ de 4 e 7 # aamaae.
Receberam se os embargos do aaaettaaas aVa-
prezaram-se os dos appeUaato.
Appellantes, os adrainisiradore di
da de Amorim, Fragoso, Saatos A
apHiado, Jos Ribeiro
Foj connrroada a senieoca appebada
faMi-
liuimarae Sol>,riafM.
.....* >
* ~fc-
anW
kT /M%


filarlo de s*ernaabco
Qaarta Petra 13 de I>e/oru!>io de \ *.
::----------* -- i m,r-r>-- ____________________
- ..
\
Appellantes, os administradores da massa fall-, 'Iiea ereplica resum Ja a materia da accr-saca"
e da defoza foram propo-tas as questes de fcto
lo jury de sentenca que se re ti roa a sala secreta
das conferencias a< 2 tji da tarde donde volta-
ram a.s J 3|& com suas respo.-tas que foram lidas
em alta voz pelo presidente do jury de sentenca.
em vista de cuja deciso o Sr. Dr. joiz di direito
absolve o reo condemnando a maniclpalidade oas
cusas.
Levantoo-se a sessao, addiandoa para- o dia se
guite pelas 10 horas da manhaa, em que tem de
ser julgado o reo Joaquim Pinto da Foneeea ac-
CONMINADOS.
4a de Amorim, Fragoso, Sanios & Companhia ;
appellado, Ernesto Gmcalves Peioira Lima.
I).'-|rezararase os embargos.
App-liantes, os administradores da predita n-as-
sa fallida ; appellados. Marques Gomes & C.
Foi confirmada a sentenca appellada.
Appellantes, os administradores da massa fallij
da de Amorira, Fra'goso, -amos & Companhia ;
appellado, CJustodio Jo.- Vianaa. Foi confirmada
a sentedla appellada.
Appellanle, D. Auna Delllna Paes Brrelo ap-
pellado, Manel de Souca Pereira.Adiado a ped- cusado por crime de homicidio,
do Je mu dos seoborus depuiad s.
Appeiianie, Virginio Barbosa da S.lva; appella-
do, Alezandre Jo.-c da Kosa. Adiado na ultima
sessio.D sprezaram-se os embargos.
Appellanle, D. Carolina Jo>epha de Almeida ;
appellados, a viuva e berdeiros de Jos Rygino de
Miranda. Adndo na ses-ao passada.Aotou-se a
pedido do nutro Sr. deputado
Appeilautes, Luiz r rasera de Macedo e outro;
appellado, A-nlonio Jnaquim Salgado.
Adiado o juramento a ptdido de um dos Srs.
depuiados.
O Sr. desembargador Acrioli apresentou ao Exm*
Sr. prndenle solicitando o andamento legal do
eito entre partes :
Anpellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lemos; appellados,os administradores
da mas-a fallida de Pacheco & Mondes.
E o mesmo Exm. Si. ufficiou ao Sr. d'sembar-
Srs. Redactores.Nao bostumo discutir pe a Im
prensa as questoes etn que sou advogado maxi.
ote i'i ni 1.1 os pleitos sao anda pendentes.
Delxo que as parles o facam, ou que reflram os
lacios que tem certa importancia, dos quaes enlen-
dem dever oteirar ao publico.
Qtundo, ciorm, em su>teotac.o do direito que
emendo ler o seu consumate o advogado ex ad-
verso recorre a' imprensa com seu autonsado ne-
nie, pooio de parte qualquer conveniencia, por-
que enleudo que responder-llie deferencia; as-
siin como deixar de fa/d"lo aulofisar o desvio da
opiniao.
Teedo, pois, o meu Ilustrado collega e amigo, o
Sr. \K. Muraos e Silva, migado conveniente recor-
gador Metano Monago, juiz certo, alim ue vir re- rer as columnas de seu jornal para restabelecer a
ceber este feio. verdade dos factos occorridos em Aratangil, recon-
_ PASSABENS. tandoos por forma diversa da que fura referida
Do Sr. desembargador silva Guiraaraei ao Sr. ^0 pernio, 23 de Mnrco,c>m o proposito de de-
desembargador Res e Silva : fondor a iniervjneo que lomara no acto de posse
App-iUntes. a v-.uva Nev- & Lardoso ; appel- ; do referldo engenho, o sr. Dr. cliefe de polica -
lada, a directora do Novo Banco de Pernambuco. Vlij0.rae frca(iu a responderme, procurando tam
Appellantes, J.aquiin de Souza Maia & L. ; ap- :^,em restabelecer a verdade dos fados, que no meu
pellado, Pedro GonQalves prreir Gacela eutender esto alterados.
Appellantes, os administradores da massa fall- E s^ja-i licito a exemplo do meu Ilustrado
da de Amonio da Silva Ferreira Santos ; appeila- i colleja precisar lamban qual a miuha po.-icao em
da, madama Roea Adour, ,. relaco ao r. Dr. chefe de polica.
Dosr. desembargador Aecioli ao Sr. desembar- Conhecoo desde verdes anuos, entretive com
gador Silva Guimares : e)|e syrl)|ire boas re|acoes de collegnismo e sou
Appeilanws, os administradores da massa fallida
de J thi li.i|iii-la Goocalves Bastos : appellados,
Mello l-obo & C
Nada mais havendo a tralar, o Exm. Sr. pre-
sidente encerrou a scsso a urna hura e meia
da tarde.
TllSUVta, 1A RELAMI.
SESSAO BE li DE DEZBMBRO DE 865.
PIlBSIDENOIA DO EXM. SR. CONSELIIEinO
desembargadores Sanliaijo, Giliraua, Guerra pro
carador da corea, Loareoco Santiago, Almeida
Albuqurrque, Molla, Assis, D-iria, cha Caval-
canli. Douingnes da Silva, e Barros Vascoucel-
los. alino-se a sessao.
Passados Gsfelos, deram-se os seguiotes
JUI.C.AMKMOS.
Aggrmo de petifo,
Aggravanle., Joaquim Rodrigues de Oliveira
Maia ; agitravado, o juizo. Relator o Sr. desem-
bar/adnr (io-ira.Sorteados os Srs. desemharga-
dores GitlraHa e As-is. NVgon-se provimento.
Habeas-rorpus.
Concedeu-se soltura a Joaquim Alfonso de Mello.
Hevista cwel.
Recrreme, Manuel Jo- de Souza ; recorrido,
Luiz de Siqueara Rozando.Sorteados os Srs. das
embargadorjes Assis e Molla.Julguu-se a favur do
recrreme.
Apprlhtres crimes.
Appellanle, o juizo ; appellado, Malina- da Silva
de Mana.Improcedente.
Apfiellaote. o jaizo-; appellado, Joao Severo Mar-
ques.Improcedente.
Appellanle, o juizo : appellada, Francisco Jos
de Souza.Nao temaram cuuhecimento da appelia-
5o.
Apprlltirdss ricis.
Appellanle, Manuel Mmi-mi .le Macedo ; appel-
lado, Borges d' Mejlo. Receb^ram os embargos.
Ap mllaute, bacbarel Manoel Firminn de Mello ;
appellado, Francisco Jos St.veira.G nnnada a
seoiesca.
Aimellanle, Francisco Bitelho de- Anlrade ; ap-
pellalo. Joao (jarlos Bastos de Va firmada a eut-nci.
Appeliante, Jos Bento do Oliveira ; appellado.
Jo J m |oim de Araojo Pinheiro.Despreuram
os embargos.
Apoell.iNt-, Joajuim (2arneiro Machado Ros ;
app-Ha lo, Francisco Xavier Torres.Nullo de fl.
em diaole.
Appellante, Luiz de Albuquerque Haranbio :
-p.l>!';'' .I''H'> Francisco d.> Oliveirallnn.
a haliilii .cao da menor.
0MMSNCIA CRIUE.
vista ao Sr. desembargador promotor da
amigo do seu respeilavel prente, o Sr. consellieiro
L pes, por intermedio do qual cunhecl ao Sr. Dr.
Piuduhvlia.
Applaudi, porlanto, a sua vinda para esta cida
de, e nao lve occa-iao anda de censurar, uem ca-
maranamente, iimhum de seus actos.
Nao posso, porm, deixar de censurar, agora a
sua interveugo na quesin Ar^tangii-
E tanto asaim que ai recuse erer que o Sr.
Dr. chefe de polica se julga vir em um arlo de admioistraco da jusilla civil,
nao para |irestar-Uie o ftpeio e torca de >ua aulori-
SOUZA.
As 10 horas da manl.aa, presentes os senhores d^/para'crnT.rrmemo^'l^seurnnd^
Com
justica
0 juiz para bem siber se os ei*brijos nrtfrii dos romana, e sto a face de um governo, cuja ptimei- sertao, qqe por si possa alistar boje dez volunta-
que se deviam admitur nos prt.prtos autos, antes ra butigago i: manter e fazer manter o ex-rclcio ros, saivo se fr voluntarios da torda, que nes de deerir a peligo.mandou que o executado o- of- plBo, d'essa mesma reltgio; mas facto iucon- capital jnais dos dias chegam, porm olhem que na
" tesiavel. Trombta ficam as alyemas.
A propagsoda protstente tem bu-cado e busca Quaolo ao Lourengo Bezerra basta dizer que s
stabMecer-se no paiz; e para esse tira nio s tem soube que o governo o nomeara quandu chegou o
as seus oociliabulos e a sua impreusa na corte do tenente-coronel do Recife.
Por boje basta.
Recife, 2 de dezembro de 1865.
Um imparcial.
(Eslava reconhecida.)
ferecesse para poder deferir cora eonheelmento
de causa.
E em vista dos mestnos embargos que rtyetta-
vam ao julgado, o juiz man Ion que elles corres-
sem em auto apartado, seguro o juizo, como deter-
mina a lei : e sendo dessa deoisao nteraosto ag
imperio, mas at eovia os seus emissanos para
diversas provincias com o fim de espaihar biblias j
gravo, que era de instrumento, e, portanio, nao de ediedes coodemnadas pela autondade ecclesias--
sospen-ivo, prosegulo na execncao. tica. Grabas a certa tolerancia excessiva do go-
E'assiin patente que o jmz nao eonheeeu dos' vemo,fcr:.eas ao estado de atonia, em que seacha;
mesmos embargos, seoao quanto era de Urito' a dioeeSo do Rio de Janeiro, a propaganda tem i
para recebe-IOs ou nio em auto aplrlado, o que podido aclimatar-se all de alguma maneira; mas ;
praxb atorisada por lei ; e por modo algum co- grabas a Micitude dos diocesauws do Para, da ua
nheceu de sua materia incompetentemente, como
se .diz para autorisar o aggravo.
O icco'rdo que se tinha de execular continha
duas partes nullidade da hyiiotheca e conveagao,
em ^irtude da qual eslava o S". JiAode Sa' na
posse do engenho ; e liquidaco de perdas e dai-
nos, consequencia daquella nullidade.
Para ler execuco a sua primetra parte, era in-
dispensavel como consequenna do julgado, que a
cousa fosse entregue ao vencedor, e neti> se com-
prehende qu>* anninlada a coavengao e hypoiheca,
que era o nicoftfnfo do p.issuidor da cou que versea a d-manila, Hcsseirt as cousas no ami-
go estado, tuveftflo sement a liquidadlo das per-
das o damnos, sto : que, apnzar de annartiado o
seu titulo, e de v-ncido na demanda, conitnuasse o
Sr. Joao de Si rti posso e gozo do engenh i.
E gcralineiite sabl lo que nao era tSEBSIarlO
que a sentenca ordenas>e a entrega da c msa ao
vencedor, ou determinasse a forma da execuco,
que a conse jutmcia le.-ilima do julgado, regula-
da pelas leis para seu complemento; porque a sen
tenga nao ordena a execogo e sua forma,-que
nella se c imnrenen le implcitamente, seo lo a le
a que indica os meios de que se devem usar, e
as formulas qoe se devera seguir.
A qiie>ti i versiva sobre bous de raiz, e a forma
gflifrK^GES A PEDIDO
Agua Florida de Murray e
La nman,
Com qnasi toda a certeza pode se por etn dovi-
da se as mil e nina vanaveis flores que ador-
navam e derramavam lo delicioso perfume sob
o verdescente jardim do Paraso : espalhavam
urna fragraocia mais pura e delicada ua atmosphe-
ra, do que aquella que se dilfunde e enche o ga-
biueie deTesilr, ou Boudoir, no qual se haja a-
nouvessem de por cobro a dessiminagaodas biblias berto um irasco desta odorfera e deleilavel agua
condemnadas pelo ordinario; e consta-nos al que de cheiro.
um desses emissarios chegara a ser preso, por
continuar a embar a populagao remiendo por
appmvadas ed>goes da biblia expres=ameute con-
demnadas.
Controriado, como se acha nesta diocese, o em-
penno. da propaganda protestan^ pretende ella .
agora voltar as suas iras contra o digno vigano cordar, trazeodo-nos a mente o deleilavel e genui-
hu e do actual vigano capitular dsta vasta dioce-
se, a propaganda acha-se fenda de mort, e Os seus
emissarios tem cahido em geral despreso.
E nao s a influencia da autondade ecclesiasti-
ca e o bom espirito dos fiis, que tem concorrido
j para este feliz resultado a adtoridade policial tem
esta cidade sabido cumprir dignamente o seu
dever.
O merelissimo senhor'chefe de polica moito
espontneamente, e sem que Ibe fosse oficialmen-
te requerido pela auloridade ecclesiaslica expedio
urna circular aos delegados, recommeudando-lhes
Comparada com o passageiro e voltil cheiro
dessas essenclas ordinarias, o seu mimoso e deli-
cioso aroma pde-se chamar inextmguivel, iuapa-
gayel, im|uanio que por outro lado a verda-
deira quiuta esseucia em seu genero, que 'ubm
maneira a mais viva. u(js faz agradavelmente re-
capitular o Exm. Sr. Dr. Joaquim Francisco de
Fana; e eis como a Impreusa Evanglica se expn-
1 me a seu res pe to.
Segundo as folhas diarias, o clero de Per-
j nambuco de Alagoas, ha pou:o llou s-bressal-
lado com o apparecimento de cerlos emisarios
no perfume da> aromticas e floreseentes fl ires
u'uma palavra u'eiu existe e floresce a belleza e o
encantamento.
O volme do delicado aroma espargido da algu-
mas gottas derramadas sob o lengo, e veirtadeira-
e prescrever-lhe alfrom remedio. mmi
o liliio em urna cama desanima* e ea es-
lado de prostrac^o, p..is qoe e^arrava saa-
goe, e tinha rnmplela inapetencia e 'nrjw-
za a p< mo de na. se poier por em [W-, no
fim de urna garrafa do jarope elhcreo le
veame ja se cima elle no eslailo te pas-
seiar em casa, desapparerida;, ina^etencM
os e?carros de nfrae e a Usse miliira*|rw.
No rim da segunda j ar.hei em otado le
f.ize-io pastear pelo si i> todas as manhM.
i A>hala esla o aconselhet. me rontinu^s-^
no uso domesmo jarope etierio alterMAl
com o jarope alco-l'co Je ellanv. fM
tisasst' dos hanhos salgados ni pa*4rtfe >
mar. Sentio elle nos prim-in>s Im1 s ,.|-
guns choques, mas eu o aomst-lhe pie Mte
liniias--e, com o pie se lemiUlo nim obran
pois que teulio reclml cartas le Mart,
em que se me rommonn ;i o eu bo ^ta*.
Nesta molestia os expositor > d* meilo i-
na nao aconselham banhos saigadns. avenas
quando ddles tratara, lizem ^r apidioun
as e.-crophu'as, hypornlr ejttWttn >.
amenorihea, raclhismo, nc. ; entr*Ufit> vi
este b'im resultado no lilho Sr. ".nslian,
e outros fados iguaes lenho visto "as tm>
Icsiias sip'iyliiicas, e nutras militas que m
o uso do jarope alt oolico de vell..me lem-se
obtido cura radical.
0 Sr. Dr. Siiva, me.lico bah I te Maei,
deiioisde ter appli^ado ana sen .Imane Je
da execico esta'determinad i ni lei, or. d liv.'de ^atauaz que andam por ah veudendo Biblias
3 lit. 86 13, que se exprime nos seguintes ler- falsas por mdicos precos.
mos: O vigano capitular de Peruambuco em urna
_ E quando a sentenga de que se requer execn- circular transcripta no Diario do Rio de Janeiro
gao fr por i|ue algixm seja cnii-mnaio por aeeio afflrma cathegoricamente ijue isto B facto. Temos
real, oupessoal que entregue c msa certa ao vence- lido esla circular em procura do fundamento que
dor, assicnar Ihe-hi o juiz da etecugo termode 10 havia para tazer assergio to extraordinaria. Se
dias, a que a entregue se tu fr adiado. E nao seo- la ha outra prova fra a palavra do aulor da dita
lo hi achado sera citado para Ihe assignarem o dito circular, nao a vim-s. Temos a presumpgo de
termo a sua rev^lia se nao acudir a c.iiae.io. O qual nos ler por versados em materia de Bitiiias, e
termo pnssado sea nao entrega; se tirar logo em desafiamos ao vigario capitular de Pernambuco a
effeito do poder da parte condemnaia, sem mais citar um s texto da Biblia em que.-tao ( Segundo
para isso ser ctalo, e sera' entregue ao vencedor, nos consta, a edigo de Londres) que nao esteja
E dizendo o condemnadoque fm embargos a sen- em outras tantas palavras, sy.labas e letras na
tenga, nu a execugao della o vencedor dar' (langa Biblia approvada pelo arcebispo da Baha e pu-
luigao como um enxagonmento de bocea ou Cosme \'""" 'l"e c"r'tinuasse com O oso do mesmo
tico, elu por eerto nao tem seu icual enire todas, xarope conjunctam^nti! com i,s bantus -;il-
a tal cousa, e a todas as perdas e damnos, como
acuna dissemos quando a condeinr.ag.io de quan-
as mais aguas cheirusas importadas.
( Haja sentido pois em se examiuar e ver que
os nomos deMurray e Lanman se achem ins
criptas e impressos sob cada envoltorio, letreiro ou
garrafa, poi> que na falla dos mesmos neuhuma
verdadeira.)
----------8 1 li
Phthysica.
O xarope etlien de veame por mim .re-
udade. E sendo a cousa de rai
fructos della somenie.
h nao dando a dita flanea _n executor mandara' ^ *
sequesirar as cousas em que fr feia a c.ondemna-
g.io em poder de pesua segura e abonada, e |idr
em arrecaducao os fructos se forem bens de raz.
< E euiquauto se assim nao ti/.er a penhora ou
sequesiro a parle oondemnada nao sera' onvlifa
com embargis ou su>peigoes de qualquer qualida
de que seja.n com le veiiba a impedir a execugao. &'> ff* reduzr-se a dous termos :
i" a circular do Exm. vigano capitular nao tem
fundamento.
Porm, feta a dita penhora ou sequestro pod"
ra' vir com embargo- que ti Ver, apresentando-os
peranle o juiz da execugao dentro do seis dias, do
dia da pendura, e se proceder' sobre os embaos
na forma que cima dissemos de outras execn*
ges.
Fui isto exactamente a que se pralicou ; aaatg-
nando-se ao execulado os 10 das da urd. citada,;
lindos os quaes foi laucado, passanlo-se mandado pastoral: a primeira importa una ordem, a se- rctli do '"ab->, acha-se bom, como S v de
para a entrega, a qual fui impedida pela interven- guuda urna in-truegao. O fundamento da circular sua carla ahaJxo transcripta, alea de OUtrOS
factos, que podea aqu mencionar.
gao do sr. Dr. chefx de polica.
Appellanle,
Jos FriuJUO
A appellago crime.
o promotor; appellado. R-iymundo
DESICNACAO DE DIA.
A les :
As ppellaces criraes.
App-llante, Antonio Piiiladelpho da Bocha : ap-
ptlladu, a justiga.
Api .-liante, o juizo ; appellado, Jos Bodrigues
Cavaii-auli.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador i.tirana
As appeaces civeis.
Appellanle, Jos Alvos Barbo-a ; appellado, Pe-
dro Semino da Silva.
Appellanle, 1). Hara Cysneiro Freir de Mo-
rae ; appellado, Joaquim l'ereira Bastus.
A appellago crime.
Apiiell.inte, Manuel Prancisco Ferreira ; appella-
da, jn.-iiga.
Do Sr. desembargadorLourenco Santiago ao Sr.
gador Almeida Albuquerque
desenibar_
A appellagu crime.
Appellanle, o juizo ; appellado, Francisco Men-
des a Cusa.
As appellages civeis.
Appellanle, Jos Lope- Barroso ; appellado, Ber-
narumo i.ornes de Oliveira Frauco.
A;i,ieii.ini', Manoel Patricio dos santos ; appel-
lado. Fabrieio Gomes PetJrusa.
Appeli.iiites, Francisco Casado da Fonseca ap-
peilada, a fazenda.
Un sr. dosembargador Almeidae Albuquerque ac
Sr desembargador Mulla
As appellages crimes.
AppeUante, Jos Feliciano Barbosa : appellada,
a justica.
Appellanle, o juizo ; appellada, Delphina Maria
Diuiz.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
A appellago crime.
Appellacie, Joaquim Jos dos Sanios ; appellada,
a ju>nea.
As appellages civeis.
Appellanle, D. Anna Josepba Pereira dos San-
tos ; appellado, Domingos da Silva Campos
Appelianies, Manoel Cimillo Pires Falcao e ou-
tro; appellado, Paulino Pires Faleo.
Aopeilaiue, Antonio Joaquim de Mello Pacheco e
outro ; appellada, a cmara muuicipal.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador lYtla Cavalcanle
A appellago crime.
Appellanle, o judo ; appellado. Manoel Miguel.
A appellago civel.
Appellanle, Ignacio Julo da silva ; appellado,
Antonio Pereira Lobo de B ito.
Do sr. de-embargador Uehoa Cavalcanti ao Sr.
desembargador Domincnes da Silva
A appellago civel.
Appellant-, Augusto Carneiro Monteiro e oulros;
appellado, Jesuino Ferreira da Silva.
A' i< hora encer"-t a asesso.
ma da conslituigao do imperio, mas para proteger
o executado-contra esse mesmo mandado da jus:
liga, apreciando-o com relagao a' senlenga Ue que
elie lira ongem para sua exeengao.
E lauto nao acredile, que, anda depois do que
me referi o meu cliente, acon>elnei-lhe que insis-
tisse no aclo da mesma posse, para que flesse bem
precisada e de/iiuda a inteFvengo que uesse neg
co tomava o Sr. Dr. cliefc.de polica.
Hoje, porm, sou forgado a crer este facto, por-
que a defesa que Ihe faz o Sr. Dr. Moraes e Silva
assiin aulorisa.
Com eleito, o Sr. Dr. Moraes e Silva quem
diz que requerra insUutemeule a presenga do
Sr. Dr. chefe de polica em Aralangii, com forga,
para pr-se em lugar daquella com que o Sr. Joao
de Sa devia defeuder-se da violencia e arbitrane-
dade do juiz municipal de ipojuca I I
E' o Sr. Dr. Moraes e Suva quem desenlia, por-
lanto, a intervengo mdebita do Sr. Dr. chefe de
polica nesse negocio o que para mim era ainda
duvidoso.
Ei>-aqui como se exprime:
E', porlaiiio, inquesiioiiavel que o mandado de
despejo na especie, wrietils era urna ordem illegal,
una revolianie arbilrariedade, urna in'|.. iii-avel
violencia; urna semeinanle violencia provocava a
resistencia; e a resistencia poda irazer fuuesiissi
mas conseqnenuias. Embarazar, o ob-iaripiese
dem factos laes de ipie podein resulta: males mu
-crios, de que se podein originar crime- ci avjssimos
c, por sem duvnla. a mais sublime im-.-ai da poli-
ca, como mu bem cumpreheudeu u Sr. L)r. Pin-
dahyba, pois melhor prevenir o crime do que
castiga-lo ou puni-lo.
O i l i-ira i i colleja entendeu conveniente refe-
rir o motivo do pleito, a seulenga proferida, e a
enecogao que se Ihe esta dando, p:.ra il'abi inferir
que justamente fura requisitada a interveoco do
-r. Dr. chele de polica, e que ju-larnenle este in
lerviera em favor do executado par:' tvuiW-tke a ie-
si-iencia i1-" ",al sunsiuuinoo u i>oia da polica
coiilra J "'Ciigao de um mandado de justiga.
yuanto a' queslao principal, esqU'ce o Sr. Dr.
Moraes < Silva umi circum-tancia valiosissima,|ue
fui a que deicriiiinou o juigamento por dous res-
peilaveis e doutissimos accordosqual a de ter
-ido O. Cecilia fiadora de sen genro Manoel Perei-
ra Guimaresconira o estatuto do Beneficio Vel-
leiano, que nao Ibe era licito renunciar : o que est
exuberantemente provado dos autos, e confirmado
por d"Us accordos, que passaram em julgado, pro
fondos em 3 do dezembro de l8ol e 31 de jaueiro
de 1853.
Parece-me btstaote esta ractitteacio para mos-
trar a jusiiga do juijia lo, que ainda se quer por
em duvida.
Uilo isto, me oceuparei da execugao que sobre
o que mus propriam nie vai versar a discusso, e
na qual guardarel a moderaras que ella exige,
coovi-niencia e respeitos que se devem pessoas,
que se esiimam, erabora lenliain ooimoes e inte-
resses diversos.
Principiare! por contestar que possa ser quahli-| "nceoor, como manda a le, era inherente a exe
cada de ordem liegal o mandado passado em vir-,cucoda sentenga proferida,-era > eumprimentu
lude de um i sentenca proferida por tribunal com- ''.' 'iue a le expressamento determina, que o juiz
ptente, o que multo dilere de requisicao ou or- j n;l:j P'dia alteiar ou modificar, e, pnanlo, fcioge
dem expedida por qualquer autondade, em razo; de liopelias e vi ,| -acias que >e phaotasiam, have
de seu ufflci-i, uu rxpropna aiiioritate. jria leyitima execogo, cono se. demonstren, a i u 11
O mandado a consequencia e o comprimenio]s* elfeetuana, a nao ser a interveueo Indebita do
do jolgado, e como tal, nao nem pode ser equi- j,r- "r- chefe de policli, qu- as-im atteotun contra
parado a urna simples ordem ou requisicao snseep-; a "dependencia do poder judcrio.
tivel de noeurnpnmeuto, quando lllegal : e neslesl Tomar o vencedor posse judicial da cousa, e (car da'f"d'e sua i
qualquer que ella seja, nao e*la e"' pod-r do sencido, sao ideas que se nao ira,ii
combinara, e que repugna r euire si.
L o, pois, que a sentenga aiinullou a escriptura
de byoutoeea em vinu io da qual o excuUulo es-
e inlerpor aggravo,' '^'a ua posse do eneuh>>, e qoe e-la tinha de ser
auto apartado, para | constituida au vencedor, a execugao d > julgado nao
blicada pela casa Garnier. Se S. Bevrna. ignora parado mu i lo tem eproveitado aos que Sof-
jmr.ag.io de quan- cousa lo fcil de everlguar, confrontando as duas frem desta rniJ[tStai e ,je [menla -se, que
iz, dar Manga aos edigoes, noguia mullo eguro. Porm seesta .,,,,: i, :i,i, TO:__ ,i^, ...
ao facto da concordancia de-tes livros ; o caso M OfltuanO desta Cidade a maioria dos que
de ser sempre revonante! Se d'aqui
a 50 anuos o povo Pernambucano n;1o qulzer dar
credilo a padro algum, ainda que pelos cos e
pela terr, S. Ilevina., onde quer que esliver
nese ternpo, nao tera' razito de se queixar.
Todo este emhrogllo de palavras sem significa-
2 a biblia espalhada pelos emissarios da propa-
nda, copiada da edigo Garnier, alias appro-
ada pelo Exm. arcebispo da Bihia.
E' precisa prevenir os incautos contra esla cav-
suecumbem de tubrculos pulmonares,
sem [irocurarem o recurso d > pratico e do
expenente, que Ins pdem encaminliaro
meio de sua salvado.
O Sr. Braga com loja de ferragens na ra
Direita, foi desengaado por lous habis
mdicos, acha-se bom com o tratamenio por
mi-ti prescripto.
A Sra. Jeronyma Mara da Conceigao, mo-
ganda, copiada da edigo Garnier, alias appro- radora na trawssa do Monteiro n. l.achan-
vada pelo Exm. arceb.spu da fo.^ desengaada, latiibem mim recor-
reu e acha-se re labelecid i,
Um sobrinho do Sr professor ae Nm-
usa asservao.
Urna cousa urna circular e oulra cousa urna
etn que-tao um acto do auloridade urdinaria, .
h domro daqueiles 10 das o execuiado apre-eo-: a>sim como a aub-ridade ordinaria fuudada no *V'
tou os embarg is de nullidade, e nao outros, que fo-, direiio. Quem ha ah que em boa f desconhega A phthysica e a destruido e a magreza
ram mandados correr em aulo apartado para juiga- a0s ordinarios o direito de premunir js liis contra de todo corpo, em consequeucia de chagas,
los deliuiiivamente,, juiz deprecante. as insidias do erro, e condemnar os livros, ou tubrculos e C-.ncrecco dos bofes P. de em
Ao juiz deprecado era perm.iiido receber os em- principios que bargas us Liopnos autos, uu era aulo apartado, catduhca? O Exm. vigano capitular usando d'es- PKma.' atropina nervosa (, OUlias mnieMias
conforme fbssein elles, e o que delermioasse a le, te direito, que Ine conferido pelas caones, e ga- que viciam OS humores, como escorbuto,
cabeodo e:i um e oulro caso o recurso de aggravo rantido pelas leis do paiz nao fez mais d.. que alpOrcas, galCO, aslhma, bexigas, sarampO,
exercer um acto do autori lade, de que dignamente e|,.a
se acha revestido, oque s Ihe polo ser contestada
pela iguoraocia, e pela tna f, ou por ambas as
colisas ao me*mo lempo.
E' pois liquido e inooulestavel para as otelli-
geneas il boa f, que a circular assentou em
um fundameoio de auloridade, a auionda lo em
ii o fuidameulo de direito p.i-iiiv >. Se ella uao
veiu m-iruida com os principios tundameutaes da C'iusa quente, ou de delucil digestao; ea
duutnna, o que importara |a urna pastoral, bebida cumpre que seja de natureza branda
porque o Exm. vigaiio capitular cunlava na soli- g fresca.
cuude e dontrinas dos parochs, uo que alias uSo T V tmBio cP ha ,1p drioir a
.. ong., pr,.. ,,!... d'MWM nbreiros ovau- ,ouo o seu aunen 10 se na ue uirigir a
gebeo- so loin lomado dignos da confiaqca n'eiie moderar a acrimonia dos humores e a nu-
depositados, como se verifica do propno expediente ti ir e SUsttr O doenle, para 0 que 6 preciso
\:Pamb.ia distribuida pelos emissarios da pro re'luzi-10 ao USO de vegetaes e leite
do ii-truiiiento as parles.
O despacho que as-un proferis-o poda er inju--
lo, por liypoiiiese o digo, mas n> illogal para que
autonsasse a resistencia.
A vista foi concedida em auto apartado, e como
o aggravo nao suspenda, o qoe felizmente se nao
contesta, cabia dar-so execugao, que era a po enirega como man la a ord.
Em lodos e-tos actos se proe.edeu na conformi-
dade da le, seuu-, H..r iiutar ? que nao se allegan
U"J "nl>"' nom excesso na execuco, nem in-
com.ietencia do meio requr.do, .-io ": O da as-ig-
nagaj do 10-dia< |jaia uuireya di cousa, aiit,B.>...
d i-se lo smente nullidade da seoteag, e ab-.,lu-
lamente nada quajtlo a execugao o sua forma ; pe-
dindo-s-iein concloao nos embargos a reforma dos
dccoi naos, ipie se executav^ra (!) ; entrelant que
ho,e se allega cousa mu diversa para autotisar a
Intervengan indobita da polica.
E aqoi convm indagar qual seria a poseque
cabia ao exequenle ou qual deverla ser a execu
gao da sentenca.
Preteode-se sustentar que este meio, o da posse,
e entrega nao envolva o despejo, o que ditBcil
entender-se.
Porquanto, a posse traz necessariaraenle a entre-
ga da c msa, que foi o que se requeren, cora a as-
siguacj de 10 dias, como manda a ord. que tex-
tualmente transerevi.
E ne-ios termos o despejo, como querem chamar
finvertendo-so a phrase da le para autonsar-se a
necessidade de dar-so exe ugao sentenca por
meio de nova acgSo ordinaria, que daria larga en-
changa ao executado), ou a entrega da cousa ao
vencedor, como manda a
Na phthysica, chegando ao estado de gra-
vidade, o que muito pode concorrer para a
salvaco do do^nte e ajudar os medicamen-
tos 6, o ar do campo, exercicio C inveniente
e dieta, a qual nao deve ser de Destrama
paganda copiada loxiualmeulo da e ligio apjiro-
Toda comida e bebida, que se tomar ha
vada pelo diocesano da Babia Quid imi ? Ain- de ser em poucas porco.s, para i vitar que
o excesso do chylo fresco opprima os bofes
e accelere muito a circulado do saiuue.
Muitos doentes desta molestia se leen en-
tregue ao uso do oleo de ligado debacahio,
e outras prepararas de resinas e palaamos,
sem que dellas teofaau tirado proveilo; e
alguns expositores de medicina coinbaiem
com muila razan esse tratamento.
t costme carregar o estomago do (len-
le com medicamentos oleosos e balsmicos;
porm estes em v.-z de tirar a causa aug-
mentam-na, tsquentando o rangue, ao mes-
da mesmo que fra urna edigo em ludo emo-*
Ihanle a do Garnier, urna ves que nao appro-
vadas expressamente pelo ordinario nao ple ser
distribuida, nem correr, nem usar se d'olla.
Mas facto, a pruueira vista averiguado, que a
edig.io da biblia do Londres i spalnada pelos omis-
arios da propaganda nao esta conforme a de Gar-
nier. Esta acompanhada de notas indispensa-
veis a inteiligencU do lexlo sagrado, que uo .-e
deve deixar ao livre o diver-o arbitrio do chn-lao,
como pn tendera os protestantes. E a razio d'isto
olivia. A f caldobca tem rer.is, segundo as
quaes se deve pautar a inteiligeucia du llol, qUe
sinceramente er no Christo e sua palavra; e o
poder coiiiueteiiio para estabelecer estas regras
e a ^r.j.i nossa mil, e o seu orgio o p.mtiiice mo lemuo que tiram o aoelilc, relaxan) os
romano, que o doutor universal d'essa mesma ,-i ,.prfiirinsn
igreja ; a>u. como sao os bis pos em suas dioceses,. Su",J0? e W ue.l0,,a SOrle pertilCIOaOS.
e os vgarjos em suas parochias. .,1,ll') 1[)6 s ll,'r P^ra extinguir a tosse,
Eis a chavo e o principio de toda a diflerenca alm do exercicio e reg meu apmpriadn de-
saire cathoiicos e protestantes : aquellas receben Vem ser remedios de uaturezi acia. deter-
a regra da fe por intermedio da it-reja, que e a sua | Ke|)le g caiin.,nt(;- '
Os cidos possuem a virtude de produ/.i-
termos a resistencia
pode ser nunca autorisada.
Pode acontecer, fallo em hypolhese, que a execu-
gao exceda o julgado, o em'o cabe allegar embar-
cos quanto ao modo della
quandu forem r. cbidos era
nao suspender a mesma execugao, atim de que o! Poda ser oulra que uo fosse a "entrega do mesmu
superior legitimo decida como lr de direito ; o
que eusinam os praxisus conforme a delermioagao
da le.
Advirta-se, porm, que se nao oppoz embar-
gos ao rao lo de execugao, e sim de oulra na-
toreza. como logo mo-trarei.
eng-nho, no- precisos termos da urd. eluda, a me-
nos que o julgado deixasse de ter execuco nesta
parle.
E cortamente que nao vinga o pretexto a que se
soccorre ag ira o executado, de que essa entrega
equivalona a despojo, para lover ter lugar a aeco
Neste caso, oppor embarago ou resistir com- ordiuana, procurando a-sim, pnr terminologa di-
v.-r-a da '
depo-itana ha de-euove seclos, e o ser at a
con umagao dos tempes; estes recebera a regra
inielligencia infenna, e por tsso coo-
na.
U'aqui vm diz-r com to lo o esplendor da ver-
dade, qoe se S. Pedro se sentasse boje na cadeira
de Po IX adiara a reg a da f como a receben
de Chri to, e a transmitlio ao seu iminediato suc-
ceo-or ; mas -e Lulnero voltasse a eniender-se com
os que se dizem ;ous sectarios desconhecena a sua
obi a.
rem hons effeiios nossa enfermidade, por
que, nao s contribuem a apagar a sede
quando aeconiniettcm a tabre etbica, mas
tambera a refrescar o sanyue.
Aos dientes desta enfermidade, quando o
seu e-tado de gravidade tal que a febru
ethica os accommelie, prescrevo-llies o su-
co de um liitio dissolvido em urna clocara
Que, pois, estojamos todo* lerta com estes
tolos, que vm para nos com o velo dos cor- d'agua com basianle assucar em um grande
del,rus: copo para misturar com um papelinbo dos
^X^^T^T^^ZZ'^ refrigerantes para tomar, com queali-
lica: o que ella quer, oque ella pretende sorra- v'am no acc .'tmettimento da lehre. e pela
SSm^f^J!K^ U,'S",a lZ2!!*A?1!rJ!!!Zltlt*^^0^ia>**',0'?* Mram> quebrac no Brasil anidada Mi- manhaa o xarope etlierio de veame. Tenho
res^loiiLld ou embarago, poique e impedir o cur- appiicagao da mesma ord. queso exprime precisa- j,.sai e en,,-(0 S|m
so da jusiiga, obstar a execugao do julgado com mente pelo molo por que deixo transcripto ; di-
desprezo dos meios que a lei tem e?labelecido, zendo :
poudo-se aanarclua no lugar da ordem, croando-' O i|ual irmo passado, se a nao entregar se lo
se conflictos depluraveis, constiluindo so as partes mar' louo i-m effeiio do poder da parlo condemna-
arbilros das execugoes. Tornarse-biam, pur so- da sem mais para isso ser diada, e sera' entregue
raelhanle modo, vacillanles os jolgados, que do ao vencedor.
loteresse publico que sejam eneutados. i E esse pretexto seria sempre valioso para, em
Era qudquer circumsiam ia porm, e em caso qualquer caso, impedir a execugao por aquello mo
algum, a polica nada tem que ver cura a execugao do> Pur l^e sempre nu caso deba, a entrega equi-
nas sentengas, salvo para vir em apoio della, e
menos apreciar o modo pelo qual se a faz, por-
que essa apreciago incumbida aos tribunaes
competentes e reculada pelas leis do processo, o
que vem a determinar que a intervengo de qual-
vaieria a' despejo, e esie s pedera vir a ser or-
denado por aeeio ordinaria, o que seria destruir
es-e modo do execugao, que coubosse ao' julgados,
de que trata a mesma ord.
Desenvulverei melhor isto em outros artigos, era
rtrar como consequeucia infaiii- aoonselhado, que f.cam uso de vedettes de
?Vprws..5ueM,oswpirltos pensadores vio alan alureza acida, como laranjas, 1 aes, pi-
do simples faci da oistrilungao de biblias; e urge tangas, uvas, etc., e appliacoes de plantas
que uo adurmegamos com o canto das sereas. amargosas, que fo'fficam o estomago e ser-
0 Bra-il, desde os pnmeiros aunos do seu des- vein ao me.-rao lempo para destruir e miii-
cobrimeoto, tem-se. tornado um volocino de ouro ,_ cHp
para certas uagoes. A oceupago franceza do Bio 0 _
dojan-iro, do Maranho, o da Parabyha. a occu- Abra. t. Joaquina de Sa Brrelo, tendo
pago hollandeza da Babia e de Pernambuco, e as uma sua escala fallecida desla molestia, Sllb-
piraurias ingiezas em Santo* o no Espirito s.nto! meitida ao tratamento de seu medico, resol-
sao factos hi.-toricos, que es'.ao na memoria de
gados, com qu-. ^eteln dado muito r-m
um dos mdicos.piralli em nM ivm i
pleta eonfianca tas \n< p,.ra.r, !> wliame
l'otmim follas, pelos i>ns resultados
tem (btido em>u,i clnica.
Quando alfana se I com tosse vai an me-
dco, este o examina e declara> ser.tur es-
t alTeclado dos pnlmiVso tioent.
ma com esta gantenca. enientle *--iarrem
maia cura, pafe h r. km i i tanaali
leeui demonstrado que muitos temi |-r >:-
lado o Imrar ajiiopnado. se t< rit -
e assim explicam muitos expositor- -
d cia.
Ora, nessa provincia temos facilidad* ho-
je e recurso do ar : pr que a \ia lerr-;
nos proporciona, p..is que em p.iK-o lempo
una pessoa que existe m-l., cidaie t.-1-
menle se I anspor'.a fiara as ulim
de Gameleira e Una, lugares pert'i <\<> Brmi-
to c de outros punios que < sertao, quanto mais que os mesmos iiii/aren
ja nao sao mns, segundo per.s... i
m ote RO verTi i.
.Mas dir-se-hatima pessoa pobre nao tem
mems de se transportar e all esiar-a i-i
se respon ie, que naqueHes lugares exist-m
casas vasias e logaa-se por i
do, e mesmo oiulns fMMH de pnn.
necessidade al:i se venden pelos mesi.j
puros que aqu.
Aquel les, pois. que e-tiverem ne.-t.-w
cumstancias, eu Inca bcilD esflcac
pelos quaes se devem reger, e llies i i
rei os medicaiiuiiiosgratmtataente.
Nao deixarei de advertir ao pul,
as raiiibas preparan es de veame sao reu-
nidas cm outros iigredient. s, e roa
tenho oblido oiitimo-resi.lii.l'S: nao se en-
gae o mesmo piildico com outro- qu.
ahi se annunciam. cujas pn
assim como o aproteitamefilo aos i nfcrfwn.
a quem porventura lenhim sido applsowii a ;
inla Ola reapotide por si, e eu affirmocom
verdade o queaiioi tenho r.laladu. euj me-
dicamentos nesla |irovircia so vendo em u -
nlia botica na ra Direit.i | sm.
Jwi il't H'Kh'i l'nrmth ..
Ruaretii do Cabo, 7 t NMMWi I WmX
Ii m. Sr. Jos da R. cita Pranle-s <;. m
o maior prazer levo ai. i-onhecim.
S., que o doenle que V. S. nebn-tt a iii.siiamlo-lhe remadwg,aalM m. m I
libeleciilo. portnto. nada sent, ien>lo fcs-
apparecido n todo a tosse, tem mu
sico Comida e acbW nuirnl >. l>-i\. u
lomar os utimos remedios que V. S. n
lou lio dia :f(l do j.as-aoo. re?ta agora I V.
S. man lar-me dizer qual a
doenle deve conserv.r e pi r j...e!< lem-
pos, inen ionando as c nuda-, que dever
usar daqui em liante.
Itesta-me agora agradecer a V. | cni-
lailu que luiiviu r.o lratnmenlii m
hrililio, abai\o ile h'US, il, \ .
belecimento a perkn le v s..
pode V. S.. sempre c mt ir na a M Ui-
miOUtOS presliuios. p ilesrj.ire ei!l t. |o O
lempo dar una pmva do meu ntmmh
ment.
esejo a V. S. tolas as venturas. r ser
de V. S. limito respe-dolor e nrra*b-aaa
criado. 'liiictsrn mttmMMf Cernir uezes.
C0HMI1CI0.
'rraaa
Jlltl 0 RECIPE.
l DE DEZEMBMO do 186o.
*RESIDEMCIA DO B. DR. MANUEL JOS DA SILAA
NBIVaS
Promotor publico o Sr. or. Francisco de Car-
valho Soaras Bran lo.
Esenvao Joaquim Francisco de Paula Eeteves
ClomeotH.
... -----.- v ....... ..il, 'I l'.ll.' HI'll'Ul III-
neo j,i,e Antonio de Albuquerque aecusado de formado, d^ste ponto, do quo tralo incidentemente
a vida de seu (?enro. j por ajfor, para tornar mais clara a aprociafao
juer auioridaoo e da polica, indobita nos artos 1Ue ,,m* precisamnote me oceuparei deie poni e
todos; f. a historia a cooselheira do presente e
a hco do futuro. Nao njs ululamos, repelimos
mai- uma voz.
A ferpenie enroscou-se na arvore da sciencia do
cuco.como declara o Sr. Dr. Moraes e Silva, cora E a soberana da polica em laes materias sera'
o prclnxlo de vi,,iencias que se recelassera. o maior mal que possa vir soeiedade.
E se assim fosse, essa intervengo devia, era to-' Bocife, 12 de d-zembro de 1863.
do caso, ser em apoio da auloridade, e nunca em i
apoio do executado ; e raesrno assim devia limitar- j
se a impedir as suppostas violencias, mas nunca
embarazar a aegao da justica, propondo so ao juiz
suspeoso do que nao era susponivo, e com a pra-
Cyprtano Fenelon G. Alcoforado.
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores. Tendo encontrado no Diana
de Pernambuco do 7 de novembro prozimo passa-
do, um artigo a'-erca do pro *?.;?1,os. *! / 6 '}* Irnl"'en{" Evanglica, coronel Tnumaa de Aquino Cavalcanti e de Lou-
do e esto como
entretanto as injus-
4 pmp i;tii(i;i protestante.
mos de ver o n.zoda mprensa Evu-n
i m^fi^ ?, A VUJ .le0;le.Ule, a e,nbara5" olha proiestanle que se publica na -.le do Rio de renco Bezerra, aquello como delega
LZo S, d ,ls fn,e,',0r,dade leg,t""a' l6' J?n;,r' e'mmtalt'U Mos emissarms das so- recrnt-dor ac.ual doste t.rmo, e.ftr
8ri;in1% ti, a- a ,k ed?'leS b,bl,cas al"""erra e dos Estados tica.- fe tas a estes fuuccionar.os. pot
T .. i i. a. ,rr:---- ----...- .Ur....v,,u d uu ,-,.-,.mu- inan ir us a bmbs niiirriooariiis por meio d'aoUel-
Tere, inda do oceuparmo, quando melhor ra- Unido. ,evarlK. Vrllh0 por m.io J ^^ {.JS
Lora quamo essa publicado nao nos devo-se s desdizer todo o cootedo d'aqtielle artigo, como
?^- ...mf.!s..Le_Ve ^l}m^\.P,.,r(tU9 a,,n ,0s faZ-r vdf fUDbco que > n-gocios polticos faro
Foi di-ien.-ado somente do comparecunento de pondo,
boje br. jurado Manoel Duari Rodnxues.
AuvoKado o Sr. Manoel da Silva Jaoome Pessoa. deste primro tpico do comuiunicado a que res- erros que busca propagar, "escV.pta era portuituez o homen do muito descer de .>ua dignidade .
especie, porm, nao houve eicesso de ez-
f.iram umliado- era mai- 20 cada um dos Srs. ecu$o, nem foi deduzda nos embargos, eomo pon
jurado- ja auados nos anteriores dias de sessao e dere, assira como nao foi a circunstancia de
a cada uni dos segu^tes : ser a propnedado rural, a que agora se recorre.
Muso do jlrii Barros. ; Os embargos foraade nullidade provada do ven-
HiwruUnu Deodato dos Sanios. tre dos autos, alias os aaesmos que foram allega-
Abena a sessao, proedeu se o sorteio do nana- dos e despezados na causa principal, sem que
iho de sentenca ao oal foi deferido o respectivo nelles se allegasse materia alguma p-rienceule a
juramento, foi o reo interrogado e lido tolo o pro- execuco e ao seu modo, neia ia'legasse to pou-
cesso da formavo da culpa proc-deu-se na accu- e que o deapejo s poder ler lujjar por aeco
aaeo de/eza, e Oados ot debates depois da re- competente.
veu procurar-me para tratar do um outr
escravo, que solTria da m^sma oiifet midade,
prescrevi-ihe o xarope de veame, tem me-
Ihorado consideraveimente.
A senhora dj) Sf. Antonio Francisco Ho-
norato foi desengaada por habis mdicos
desla cidade, esleve prostrada, e nos lti-
mos paroxismos da morte, foi com o xaro
pe de veame salva, como se v da carta
impres.-a no Jornal do Recife de 9 de feve-
reiro de 1863.
O escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel
Rodolplio Jo5o Barata de Almeida, foi lam-
beta desengaado por habis mdicos, e
com o xarope de vellame acha-se c mpleta-
menie reslabelecido, como se v lambeta
da carta Impresa do mesmo Sr. tenente-
coronel no mesmo JorwiJ do Recife.
O Sr. Antonio Christiano Fogt, lilho do
Sr. Chrisliano Fogt, proprietano e estabe
lecido na cidade de Macei, o primeim bem
conhecido nesta ci-lade, pois que foi empre-
ado na ca-a do Sr. Len Chapcll n, retra-
tista eslahelecido na rm da Imperatriz, ac-
Xovo banco de
I lies.
i) Novo Banco innana letras a 12 ->r resto
ao auno, tuina i!iii!,riro a |irj-o ffxo oo em roela
Correle pelu premio e C, llifoes que se eutawa-
cionar. e saca sobre a praea da Baha
Caita lilial d bnm 4a Brasil tm
Persa minea.
A caixa descoma as letras de seu aeeMr pHa
i.,i\a do 9 0)0 ao anno.
O iiua rda-livros
Ignacio Nones Correi*.
C':ix3 Qlial lo iKiaar*
ra Pcriianihi
Tendo se d,-eoi-.inuiiha,lo da n,a-sa fallida a
(u-lherrae, C.arvalho A C. o rreibo e 13 trrirs
das loraiiada> nr>ia raiza. -, I, r,-. 7S7 a Sfl,
pertenceiiies a Guiiherii,,' Fr^lern-o ,fc- Sa >r-
v.ilb", surjo d:iqo,-lia tirina, a directora Kk pata-
co a quem intere-sar pos-a, qw pur rne Ir Js-
lino Jos de S.iuza Campo-, adminisiraaVr m m-
ferida massa. -o vai proreOor iran-frrr. ia m
ditas an oes para a Sra. I>. Henn^u-la U Sor,
artual posonlora tas me-mas, i-u, a- ter nt *-
la puhbra cnmprado, r nio tuno prom roa> o-
compolos que tie.im archivado nrula rana
Cana lilial do banco do Brasil 30 *m
de 1865.
O ruarda-linr*,
Ipn.u'io Nones rorrea.
ALFANDEfiA.
i'.eudimpino do dia I a II......
dem do dia 12...............
bastardo, ou i-hrase aoglicana, comludo amaos luminar a outiem.
breados a tracar estas poucas Jiohas para uma Diz es-e artmo. Que em uma reunio era casa
vez por todas r-pellir a ousadia, rom que certos do maj >r Alexandre, foram convidados muitos pro
aventureiros nao s atacam os dogmas da religio gressisias; e que na > rouparecerain. E' verda-
do estado, como tambera a grossoira insolencia de. Que o lenent-coronel fazendo ou orneando I commeW|dn desla molestia' foi daqui desen-
cora que se referem aos oossos veueraa los pre- fazer uraas prsSos a Manoel AveS houveram mor-' gaua'lo por haOeis mediCOs(: retirou-se para
ivrom wr-nn -- ,HS "1Hr,n,'ru,'i- Nao verdade, qnmdo se deu a B^hia, e all continuou em tratament ate
E com feio para lamentar que n um pwz de aquHle conflicto o tenente-coronel se achava nesta aue foi secunda vP7 li>Pnoiiii.tn nl, m
profundas onvbces cathol.cas eslejam abns capiUl, que hkv.a endutido para ah rerruua, que ^le W';seUnfla vez d^finganadO pelos me-
etrangeiros, Mo so a atacar as autoridades eeele- o tenente-coroael Thomaz do Aquino lera barnlha- COs dal"' c,,e&a'iO W em MaceiO, um
siasticas, como *& a violar e meoos..resar os dog- do ao toneute coronel Gamillo na acquisico de vo- a"liffO pedio me, que O acompanhasse at a
mas uodamefltaK .da religiau caibulica apostlica Junurios. Jo porgue nio coubeco ufluencia no casa do Sr. Chrisliano, para ver um doenle
MOV MENT DA ALFADE.,^
Volumes entrados rom fazeiaaa____ 317
* c com (eneros..... 3X1
Volumes sabidos cem fazenda..... J7
coa gaaaros..... IjKrt
------M
Doscarrexain boje 13 letamnro.
Vapor ingl-z/Imazoa-mercadorian.
Brigoe inglez.M/irt/baralhao.
Barca inglesatTof/fw-carvaote podra.
i
II
l\ #
r-. i


1 -
w
Diarlo de Pernsmhnco Qnnrta lefra 1S de Dezembro de **.

*

Barca ingleza Coren carvo de pedra. I
H in:a iogleza -Isabtlla-car'o de pedra.
E-i'un* iogieza- vmr.kefcarvio de pedra.
Barca infi-ia flii*/J-tfctvo di pedra.
Birca tngl.-zaAune Looan idem.
Bngue intiieifd' -dem.
Patacho aglezFwn-gaz, micoinas .e farinba
da mrtiiu.
Patacho portngmv. Georgense -pedras.
Barca nacional hialina enarque.
Barca nacional Sonta Minia idem.
Bngue portoguez improviso -idem.
Paiactio oorluguezFurto idem.
Patacho orientalSunfo A'/osfin'w idem.
iiUOEHEDOHIA-DK RENDAS INTERNAS OB-
RIS DE PERNAMBUCO.
Reodimonto do dia i a li......
Idem do dia 12................
neste edital. N-*>ta secretaria se darao os esclare-
ci oselos de que os concurrentes precisarem, e no
acto da urreinatacao deverilo elles comparecer com
seos fiadoras ou munidos de cartas destes, que fl-
carSo respoosaveis pelo loteiro cumprimenlo dos
respectivos contratos.
Secn-taria da Santa Ca de Misericordia do Re-
cife II de dezembro Ja 1863.
O offiVial,
Manoel AnioQio Viegas,
CNSULAftO PROVINCIAL.
luspec^o d<> arsenal de
marlnha.
Faz-so publico que a commisso de peritos, exa-
minando na forma determnala no resrulameato
annexo ao decreta n. 1,324 de 5 de fevoreiro de
7:Si3363i 1854,_ o casco, machina, caldeira, apparelho, ma<-
2:7884170treaco, veame, amarras ancoras do vapor
------------] Piirnhuha da compsala Pernainbucana de na-
10:431480* vegacao cosleira, achou todos estos obyectos em
estado de poder o vapor navegar.
lo*pecco do arsenal de marinha de Pernam-
fiendunento do da I a II.
dem do dia li.........
84.2454*93 buco 11 de novembro de I8G5.
10:5905130
6i 8353723
O inspector,
H. A Barbosa de Almeida
0IMWT Bt POETO
Navios mirados no da 12.
Rio de Janeiro -20 da-, baraa nacional Iris, de
309 toneladis, capitiio Joaqinra Monteiro Mei -
relie*, e piipagein 12, carga barricas vasias e al-
guus geuero.-, a Amorim limao.
Rio de Janeiro27 dias, barca portuguesa Grnli
iliio, de 404 toneladas, eapttid A. P. Borges. eqai-
uag-mi 12, carga caf, farinha de maudioea e nu-
tro* generas, a Manoel Ignacio de OPveira &
Fiho.
T esire74 dias, barca prnssiana Glurkanf, de
Arsenal de guerra.
COMPANHIA PEKNAMBUC iNA
DE
Navegacao cosleira por vapor.
Arac-aj e escalas.
Sen'iie no da (4 as 5 horas da
tarde o vapor Parahi/ba, com-
mandante Marlms. 11 -cebe carga
at o da 13. Encommendas, pas
sageiros e dinheiro a fr*le at 2
horas da tarde do da da sanida : escriptorio no
Forte do Matos n. 1. ^____
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com minia brevidade obrigue
nacional Amelia, para o resto da carga etMMaeui-
ros que Ihe falla tr-tase com os seos consignata-
rios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra
da Cruz n. I.
Tem bons commodos para passageiros e es-
cravos.
Para a Illia de S. Miguel.
Do Rio de Janeiro esperado o patacho portu-
guez Fernando, o qual lera' nesta pouca demora,
por ter metade de sen campamento promnto :
1 I ll,\<)
NclOraiws com lal.is de biscoutos
soiliil-s em toles a vonlade dos com-
prad o res.
Qnaria-feira i 3 de dezembro no armazem
to Sr. Aones em frente da alfandega.
Southall Mellorr$ C. fatSo leilo por inlerveocSo
do agente Piulo, e por emita e risco de quem per-'
lencer de 19 caixas com latas de biscoutos sonidos
em lotes a vonlade dos compradores, as 11 horas i
do dia cima dito no armazem do Sr. Aunes em
frente da alfandega._____________________________
Feira semanal
De grande qniniidade de objeclos de ouro, bri-
dantes, praia.relogios de algibeira de ouro e
prata, muito- lia-es avul-os, raiudezas, cryslaes
eouli'us muilos ailigo-.
IIOJE.
Qnarla-feira 13 do enrrente as II boras.
VnCiliV'f, >HV|.JT'M niMHPNTR
O conselho de compras do arseual de guerra para o rosto que Ihe falta irau-se com os seas con
precisa comprar o seguinie : signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
Para provimento do Almoxarifado. i no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1.
450 kiiograniinas de plvora tiua de marca P. N.;
ou Diamiote II.
Quem quizer vender ditos arligos apresentem |
>uas preponas na sala do couselho, as II horas do
dia 13 do correle.
Sala do conselho de compras do arsenal de guer-
ra 7 de dezembro de 1865.
O enrarregado da esrripturacao
Manoel JUs de Azevedo Santos.
passageiros e dinheiro a fretes at o dia 13 as 5
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publico ^ras () ,ar,1e
Escripturio n-i Forte do Mallos n. I.
COMfANUIA PKRNAMBUCANA
M
XaveS'Caocftsteira por vapor.
*Para Fernando.
Segu no dia li do correte, as
9 horas da maniia, o vapor na-
cional Mamanguape, commandan
le Ralis.
Recebe carga, encommendas.
333 toneladas, capito A. Reedel, Mjinpageiii 12,, de 1863 l8f(G d |mposto dcima urbau
carga 2,402 barricas com farinha de trigo e ou- frek,Ueaas flesla cl,iade e dos Afoga.los, e da
que os 30 das uteis marcados para cobranza a
bocea do cofr- do Io semestre do anuo linaneeiro
ua das
. .a parle
tros eneros, a Saader* BroMere & C. (la da Bos.Vlsta e do Pco da Panella, que m ar-
Riode JniHiro-3tdus. bngu.-. mg [m Jeddo, de Lee.,^ -^ eollectom de Ollnda ,se principiam
333 tonelalas, capuao Arcli-bald W.iso.i, equi- \ ,.,. du uja ,. dt! dlKm,,ro vindmiro.
paffin 10 em lastro, a Saaoders arothera & -.! Mrga do C0D?uiaiio provincial de Pernambuco,
New York-44 das, patacho inglez f-u>n, de loo : 30 de njvemnro Ue i8B5.
tmeladjs, capilao Uenker, equipaaein 7, carga
differeotes inereadorias, a Johoson Patar ji C.
Livrrpool38 das, ba'ca iogleza Vizion, dn 4681
toueada, caiiilo Georsje Xw-y, qniiwgein lo,
caiga carvao de pe-Ira, a Saunters Brothers i C.
Navio sahulo no avamo dia.
Aracaty pelo As hiate brasileiro ilmrta Amalia,
eapitao Francisco Tn maz de As>is, carga UilTo-
reules BJBDOroS. ,
Observurdo
Suspnndmi do lam.r nara a Bahia a barca in-
gl/.a Marcelliis, capilo Wnyte, cun a mesma car-
ga i|iie Ir.iUXe de CanlilT.
Amonio Carueiro Machado Rios,
Adiiiiuislrador.
(riFIO (E\L
Pela administracao do eorreio esta cidade, se
faz publico que em virtude da convencao postal
.elebrada pelos governns brasileiro e fraucez, sero
uxpedidas malas para Europa no da lo do corren-
te mez pelo vapor inglez Uouro.
As carias s^ro rei-eliidas al as 2 horas antes
da <|iie torffl*fcada para a >amJa do vapor, e os
**...... "**-*.ftUSSTM
ijoruaes at 'undeon n. lamara.. un patacho inglez Snob, Adnriutsiragto do c^rreio de Pernambuco 8 de
nao i-ve cominunicagao cora a Ierra. y | dezembro de 186a.
Passou para o sul urna galera. administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
GQWrVgljQ) 6gfia4
lclari'i das cartas Mfwras eiistMlM na adminis-
Irarao do carreiu ilesla cidails para os scuhores
aliaiio ilcclaradus:
Divni Ferreira Hallar.
BlfAJk
O I)r. Luiz de Alhuqiierqin Marlins Pereira, dele
gadu de polica do 1 distado do termo da c-
da le i| i Bcife, em vlrtade da M etc.
Fajo saliera quem niieressar possa, que del- I). Emiia das Neves e Sou?a.
xaio de trahalhar peranie a delegacia os offli-iaes Franei da |Ustica Joo Geruiieto Stares ile Carvalho r Jos Ignacio Vieira de Moli F In .
B -niij Mneiia de Aleocar, por terem apresentado Joaquina '\: Assumpcio Queiraz.
despicho dos juntes nmnicipaas, concedendo a de- Joapiloi Franeisen l'n- Birreta (i).
mi--.io qne >olicitaram. I)r. J So Biptista C-i-anova.
R-Cife II de de/.enihro de 1863. Eu Dionuio Joo Pneira Lagos Junior.
Porretra Cavalcautl, esenvo, e-crevi. Jo- Alfredo do Carvalho.
L. A. Martios Prreira. J .- Buarquo Lisboa.
O Dr. Tristao de Alinear Aranpe, (tfflcial da im- Ljareneu Ja io de Alare) la,
penal ordeiu da Roa, |uiz do direilo esp-cial do Loiz 4maveJ Duhourque Junior.
eo n nerco desta dale d o R.-i-if- de Peuiam- Mauricio Francisco de Lima.
buco e en termo por Sua Magostad* Imperial e Silvestre Rodrigues Pinio (lli > Pormoso)
Constitucional o Senhor D. Pedro II que Deus
guarde ele.
Paco sabeit ao que o presente edital virem, que
no >li i I i de dezembro iio corrate ann>, as 11 no
Maraahao.
o- reio ieral
Pela administracao do correio desta cidade sa
faz pnhii vi qu- as onlas qiio lem d- conduztr o
ras da manliaa na sala das ao liencias t-ra logar a vapor costeiro Pecsinunja para os portos d norte
reimi.io ilos credores da massa fallida d- A. B. at o Acarae fecnar-se nao hoje 13 as 3 horas da
C i-i vn & C alim de se i-umprir o disposto no art. tarde.
812 i o cdigo ciiiiniiTcial; advirimdn porm, que
ii-:iii:i n credor s -ra adraittide por procurador, >e ,'
esle nao tiver poderos ~p-ciaes para o acto, h que
a procuracao nao pollera s.-r dada a oossoa que se- i
ja devedora dos fallidos, nena mn luesmo procura-
dor representar por dous diversos credore*; ou-;
tro-im, qoe serao unidos nos votos da maioria dos
erei| ii-s presentes, os Jos credores que d uarein
ue comparecer.
E para que ehegae ao eonheeiraeoto de tolos, i
sera punlicallo pela imprenta e atxado ua forma
THi
DE
do estylo.
Recife, 12 de ouiuhro de 186.
Eo, Miuo-i de Carvaloo Paes de Andrade, es-
Crivo o sobscrevi.
Irislao de Alencar Aranpe.
. 'vii&tkJty^Ziti-t
Consulado de Portugal em
iferniiiiubiicu.
Sao chantados os si-nh o.- credores, eos tinados
sublitos purtugueies Gaspar Pereira da Silva, e
Cusi lio Lu G ime, a virem recebar, o que Ibes
l nrou i'U raieio na liqui lac'io de seus e.- Recife, 7 d- dezembro d 18'ia.
Santa (Jas da lis-rierdia du Recife
11 A Illm." junta administrativa da Santa Casa da
Ml-ericordiajdo Recife, manda fazer puoheo que
Do dia IV do correle pela 4 hora- da tarde, na
sala de suas se-soes, lem de ser arrematado o for-
oeci nento dos gnu -ros em Segu la declara lo-, qoe
bouver de consumir os diversos e-iiii-i.-cun m-.s
ii is i cargo Ja uiesina Sania Casa uo iruue-lre de
jaueiro a margo prximo futuro :
K-tatHeriinenio de caridade.
Manteiga frauceza, libra.
C>i em grao, idem.
i. i' o "eto, idem.
Cna hvsson, dem.
Assucar relinaiio Ia sorte, idera.
Dilo Olio 2" .-orn, dem.
Dito en l orno D sorte, idem.
Ari h iulajdo do Mardoii.io, idera.
r tueiubo de Li-bua, dem.
Bicalhao, idem.
Tapioca, idem.
Ant.la, id^in
Carue eca, id^m.
Sali-i -in,.--!: i, dem.
Pumo, dem.
V-I.is de carnauba, dem.
Dnas de spermacete, id--ra.
farinha d- man noca da urra alqueire novo.
Vmll) noto de Lisboa, garrafas.
-Dil) branco de L'Sboa, dem.
Vmaitre d>- L>>boa, dem.
Aguardaute branca, idem.
*". i| i o itulatinii. ai jueire novo.
Al< ue doce, garrafas.
Inii lie (-arrpalo, Idin.
Cei iia.-, genio.
Pai ello, >acco.
Carne vrde, libra.
R.iaclia, idem.
Pao, idem.
Collegio de orphos.
Mdiiieiga frauceza, libra.
Assucar relinado 1* >"ite, dem.
Du > dito i' sorte, dem.
Caf --in grao, iiem.
(ji.i liy-soii, libra.
A ro pilado >li) Maraahao, idem.
liiilhao, idem.
Baiaias, ilern.
Aielrid' ideoi.
Ti.iniiitio oe L'Sboa, idem.
>iiuhs, cenlo.
Kanolii de mandioca da ierra, alqueire novo.
ipeijo nulaiiiino, id^m.
A<- ue d- carrapato, garrata.
UllO di'e, idem.
Viui^i i: de Lisiiua, dem.
Sal, lilla.
L- niia em achas, cento.
<;nue. wrde, libra.
illia seca, dem.
Rui.iba. dem.
.Pao, idi-in.
jt'pr i;io-las devem s-r especiaos ja para os es-
lao-lOCi'neoios Je andado e ja para os cmlegios
du o'rjili is, sa laman ac-itas pro,io-.ts le car-
T, 4*,|t. ni da pao e b d.cnas para coo-uoio do*
li ,.|iK"*s P-dr.i II, ios Lazaros e para a casados
exposlo..
Hecomme'nda-seaos concorrentes que observem
m suas proposlas a onlein. p-so, medida e quali-
dados ladicados na rela$o dos gneros descriptos
^ i A i
l'llimn especlaC'tlo dividido em 3 partes.
HOJE.
Qiarla-fein 13 le iesenbra.de 1865.
Luido e variado livertim-nio em lijnoiicio de
F1UNCISC LIB.VMO COLS I
(Reyente da OiCkntra do llientro.)
Camelara u espectculo pelo -Qoadro historfH
:i:s;;i:ur<(ii:
DE
Pedro Alvares Cabial.
Comnosicao do Sr. H^nriquA Pleiu-s, r dactor
da Samna lUtutrada, versos do Sr. Dr. Piuhciro
Guilllii'e-.
O qwidro vivo sera executa lo por algnns senho-
res aiti-tas que obsequiosamente se prestan).
Os versrissero recitados pelo Sr. Pedro Joaquira.
Se^oe-se pelo beneficUdo, urna
maim m uiit,
sobre motivos >a oponTmvinta.
SEGUNDA PARTE.
Sceoa dramtica, conipo-i^a do actor Vasques,
representada pela Sra. U. Adelaide Amaral, inti-
tulada
A OKPHAi
Phantasia de flauta sobre motivos da opera So-
nmbula, executa la peio joven pernambucano o
S oaudido, discpulo de ap^rf icoam-uto do Sr.
Colas.
A urchestra tocara' em scena abprta a sympho-
na da opera Poliuto, a grande orchestra, cora
coro de vozes.
TERCeiRA PARTE.
Monologo da lianedia de SrluUer, representado
i pela Sra. D AdelaMe Auural, tradueco do Sr.
Dr. Pinheiro Guimare-, intitulado
.IBVWA D'ARC
A ondiesira exeeuiara' em sceua ^b-rta a nova
po ka ?
ACTRIZ HEBoI
composta, off'recida dedicada pelo beneficiado a
Sra. D. Adelaide Amaral,
(>iin,iiiliia Peniamt) cana
DE
.Havega^ao co*telra por vapor.
PASA
Parahiba, Natal, Macan, Aracaty e Cear
segu oo dia 11 do c,irr-nte as o horas da tarde
o vapor nacional Persinunga, commandante Bel-
miro.
Recebe carga al o dia 12. Eocommendas pas-
sageiros e dinheiro a freie, al a 3 Inras da tarde
do da da sahida.
Escriptorio no Forte do Mallos d._L___________
Companhla das Ueusagerles Im-
periales.
Al o dia 14
f> do correte mez
espera-i-e da Eu-
ropa o vapor
francez Estrema
dure, o qual de-
pois da demora
do costume se-
guir para Bahia
e Rio de Janeiro
Pera eondicc5Js, frates e nassagens trata-se na
agencia ra da Trapiche n 9.
Para o Porto,
Deve sahir com brevidade o brigne portugnez
Entronca por ter a maior parte de seu carrega-
meoloja tratado : para o resto e passageiros ira-
ta-se com Cuiiha. Irmaos & C, na ina da Madre
de Dos n. 3, oucoin o capitn a bordo
Illia de 8-Miraer
0 patacho portuguez JORGECE-, segu com
mona brevidade por ter a maior parte do seu Car-
regamento prompio, para o re^to la carga e pas-
sageiros trata-se com o Consignatario Joao do Re-
g Lima, ra do AjmiMo n. 4.
ParaoRiodeJauei o
Segu a barca Inasil-ira Boatsica; recebe
carga e eseravos a fr>-ie a tratar no escriptorio
d'Amorim [rmos, ra da Cruz n. 3, ru con o
eapitio Francisco Luiz de -Souza Junior, na prae.*
do Coinmercio.
PaRA
Ale ao (im desta semana seguir ao indicado
porto em direiiura o veleiro hiate Lindo Pmpiete,
(.Moli Francisco F-liX NogOoira. Consignatario
Antonio de Almeida Gomes.
hR\
Pretende sahir. em poneos dia* o puacho Pa-
ranue por ter o earre/imeolo qoasi completo, e
para u pouc > qoe Ihe (alia, traa-se com o cons'g-
natario Jiiqnim Ji- Gnicuves Bellro, na ra do
Vigario n. 17, Io andar.
& E IL 0 EI.
A JUDIA
poesa (a pedido) r,ompo*cao do antor do cl"hre
poema O. 'mime, o ~r. Thomaz Ribeiro, recitada
pela Sra. D. Ad laide \maral.
De 20 barricas con Ipisia e 100 cal-
as i"1 ni satiao.
UOifE
Por intervencao du g<-ote Pinto e por conla e
hseode quem perlencer uo anuazem do Sr. Ao-
nes em frente a alfandega. ______
le'Ido
De cerca de 800 rail 8 com sahin in-
lil z uranio e aiiiaieilu fin un 011
uiaislolns a vontailf IIO JE
O agente Pinto levaia leilo por cinta e risco
de qoem pt-rtcncr, ctrea de 8'K) caixas com sa-
b" inglez (o qu'l tem tl'lo muila aceltaoo ue-ta
praca pela sua boa qualil.de) as 11 hoias do da
cima dito no armazem do Sr. Aunes ein frente a
alfandega.
liEiiitd
De urna mobilia d* ainarello, guarda roiipa suarda vslido, mesa
elstica, sautuarios, in-rco-, eadeiras, loui-adores,
relogios de ouro e eadeas d- dito, a-parelhos de
jantar ealmnco, caninnros a gi? pfe, etc.
Certleiro Wlmes
far lelliio por conla e ri-c.i de quem p-rleocer dos
objectos acuna mencionados, 'sio
*> Fa
Qnaria-feira 13 a- II horas
no armazem a ra da Gruzn. 57.
Leilao
De batatax a ceblas
IIO JE
O agente Pestaa tai a l-no por conla e risco
de quem perlencer de eaixas com' btalas e ditas
com ceblas e vro vendidas em um ou mais lotes
a vunt de dos compradores: qnartafeira 13 do
co-iente peUs 10'ioras da manh. no armazem
OLYMPIO
Em consqnenca de pintura para o quadro e do r. Azevedo defronte da escadiuha da alfau-
esiii'io desta bella poesia, qu- d-n causa a mu- dega.
dar-se o espectculo para amanhaa 13
Comeijara' as 8 horas.
ifISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BiASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do sul,
at o da 14 do correnle, o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costme seguir' para os portas do
sul.
Desdeja recebem se passairelrns e engaja-se a
carga que o vapor poder conducir, a qual devera
ser embarcada no da de sua chegada, encom-
mendas e dioneiro a frete at o da da sahida as
SSUSMS? SU. i T*de le M Baqua 4a o ai liar e sota., na
travaana d-is Qim i*is n.;.1
De 24 cestos com camaies.
UO JE.
O agente PesUnaf.ra l^dao por conta e risco
e de qoem peiieneer de 24 cestos eo eamarSM
os quaes sern vendidos em lolt-s a vonlade dos
compradores : qoarU-feira 3 do corrate pea-
lo horas da manhaa no armazem do Sr. Azevedo
defroule da esoadiafel da alfandega.
LEILAO
De vi 11 lu do l'orto e 50 c uvas
rom girraf.-is de cw^nac.
Hie i i tle dezembro.
Por intervengas do ajenie Pinto no armazem do
Sr. Anues em freule a alfandega.
4 SL^/PARRlLH m mi
PARA7 A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chaitas. frula* e-
Ihas, broncliocele, papo ou papeira, a sypiiilis. enermidades ve wnaa o*j mm-
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retenrno, menstro doloroso, ulcerat;oes do ulero, flores hr>iM;is ele., nl.vra-
co, debili-lade, expoliacHo dos ossos, a nevralgia eoiivulses e;'iippiH-M
quando causadas pela escrfula.
ERYSIPELAS ERPES; ETC.
l']nfcnuidade cutneos, emp^o. borbolla n. piiala.
nascldat*. ete.
O extracto composto de salsa p.:rrillia. con'eeriniiarlo peU. I)r. Ax.r. ivaa
;Combinaco dos melhores depurativos e alterantes cnnln rios medicina; re ufecrN-
' nado segundo as regras da scieucia, approvade e receitado pel.-s prin ......hh-.i ,..- ..,>
Eslados-Uiiidos da America do Sal e Cenital, da* Andidas, ilo Mrxieo r i!..
muitas outras partes do mundo : o resultado de estudos apuratlus e m.in.
experiencias feilas pessoalmente pelo [)r. Ayer, por minios SMM, m frmam i lns-
3(5Una da Cadela do liecle pitaes e enfermaras da^America ; tem sido appruvado pe a*l~ \ juntas de bygietine das principaes capilaes da Amerita Norte : pir;i prnva rli~i<> aMl
JLGlllO os attestailos aullienticos bo Almanak e Manual de Sude do Dr. Ayer, dr- .|ua*-> Uis-
De movis, crystaes, jalas de prata. re- tribuem gratuitamente nos mgares onde se vende o remedio.
logos e uiros muius artigas de; J SJ^SJ PABILHA DE AYER
guslo, I2scclaln..eBlc efOcaz na cura da wotCfttlM ine trm san ori'raa
Qu'n^-f1"* lo corrento as (I horas. na escrfula, na lnf.ceo venrea, no a
JSffS-s: 'SinS. jais rr1^ io Treu *s riirs tmrrz -*
ouroe (irata e ontros mmtos artigos ex.-i-nie no .A mole>iia ou infef;ao peculiar, conlienila pelo nome de escrfula < um ds ma-
seu armazem de eommiudos a na da Gtdoia do les mais prevalocenlcs r universaes que lia em toda a ex en-a lisia ilaa eiifrnn .1
Recife n. 8, cojos objecl-w serao vendidos pelo atacam a nossa rac<: disse um celebre e>criiiior d;i mi-ili-ini iine mis .|^ lina tirra
maior prego uor_.niervenCo do agente Mart.ns. na [e d(J f()C,us aqe|,es qe m,nmi an|es (|a V(,|1|)L,. ^ V||.||lI|,;(S ,, ,,,,.,,,.,., ^ mUrtf_
JjPH \i) Lmente de escrfula; por isso s nao tao destinei*a, porm a principal causa de
De uma pancadaria ro'iupie'ta para msica I1)a'r.' muitas milras enfeimida Jes que nao ll.e sao geralmente attn ...las.
clal. nova o cora bons sons, estantes e cabidos E ama causa directa da tsica pulmonar, das molestia- d' Htin, i r inuvuw
proprios para .-ocieade particulares, iu>tru- e affecce- do cerebro; enire seus numen sos svmplninas achaaa-se im atriurt falta
ineutos diversos be.ii co no : sax-s trombones, ,],, apet!le 0 seml.U::te plido e enchado ; as fezes de. uma alvina liansp.v,-!,!,. e nutras
baaos ciarecorne-, ci.irini'los--le., bancas para ..,,,._ estantes e mais portenoes oe musir. Ve/ts .cora ft e 'imarellento irregul r, fraque/a e mol.eza nos Macal m ,, ,.r .la b^c-
Sexla-feira loido corre la >s II horas. ca '> di^esto fiaca eappettile, falla de energia; ventre eDCbado c evariia.-.'i i u i-s/nlar:
NO HANUE AHMAZBM UE LE LES,Quando n1 tom sen assento sobr os plame* uawcorania a inaw aiaadfcdfci
l0 Alil'ATi'' olnos ; quando ataca os igaos d gestivos, os olbos l-enam-se av.-rmi-lbad"-: hli-
to ftido, a lui.ua canega-ia; dores de rabera, tontoiras. e'c. Na pe-sois de dMaaaV
fio escrofulo-a apparecem frequentemente eru|coes na pele di ratn-ca urro- ort.-s
do cotpo : sSo predispo.-tas as aftVffes dos pulies. do liga-li il i in-. d.
"]6 digestivos e uterinos. PortanlO. nao sao s-mei.te aqiietMa que pa.le.-.in das r'rii
cerosas e tubeiculosas da esciofula que necessitam d proten.jo ronlni o< son-
todos aquelles e u cujo sangue exi.-te o virus latenle des'e te rivel fcueHn /
hereditario), estn expostos talbem asoilivr das enferniidadea que ei
A tsica, u'cerayoes de ligado do estomago e d< s rin.-: rmpfes e rttl rmi
eruptivas da cutis, rosa ou ery.-ipela, borbulbas, postulas, nacda, I uma,
;carbnculos, uioras echagas. theumatismo, d6es nos o-o ras co-ia- n*
debilidadesfemininis, limes brancas causada- pela ulre>aca ii terior, e envimn
uterinas, by.iropesia, mligestao, enfraquecimento e debiiidadc feral
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efliu o nii a
!>:i< vo
tara o Rio de Janeiro
Val satur com brevidade o nriitue Adelaide
por ter a maior parte de sea carregameuto liaia-
do ; e para o qiid Ine folla, trata se com o consig-
nattrm Joa-juJoi lo> U-oicalves Beltro na ra !
do Vigario a. 17, f andar. '
O agente Martina f .ra lejiao leitalm^ule autnri-
sado d um situado de un andar e soio silo na
ir^vpi. d >s Q larlels n. 35, lerrenofureiro e ren-
de iiiensluieni i*.
Quinla-feira 14 do corrate.
No arma..-ni da ra da Cadela a. 8, as 11 horas.
OLYMPIO
GAIlltAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAiRIE FRMCMSE
Ulna dn t;res|> n 9.
LIVROS NAr.IONAES E ESTB VMEIR03
Reliyio PliiloMipItia Jurisprudencia Lil-.era- molestia e suas conseqi.encas ra
P-.Dehr"bS':^aeSiPtono SALSA PAKMLHA )E IYHI
lapelara, objectos pata e3cr.ptono. i opera dil,vl;)m,nle N,bl0 ..,,_,,,ti.:.n.lo-,. pulsandoel i a rwi ri
_ Precisa se de 2003 a premio ; i(uem quizer; v n ||;( Enn|es9.a penetra lodas as parles e I......S I S i rg3 J .loe Tm l.u:
da-los annuncie p-ra ser procurado. i ,i i i, .
!o-os da soa accao viciaba einspirand>Mbes novo vigor. I-, um alterante i.i r
-^S^t^iaff^ edaocorpu jaqueado pe, doea I ,
Miguel Joaquim da C".-ta,na rna da Cadea n. 12, gias renovadas como as dd joveiilnde.
oUjuLr,Minj,gi..daSen-ai=..v.van.v^^| g t iUi)eni 0 melhor anty-syphiliticti cowberto
I'ede se a p.s.-oa a .pa. ni perlencer J bar- i *..,.*
ris com plvora e 43 lomes coi a marca RBP CO permanentemente as p lores formas de syjlubs P 38 mi s .i'ii-e'pi.'i., Mfe. p
fiados de Liverpool na^barca iogleta Ann Kay, Uecessiilade ha de informar O publico do mestimavel valor de um i- m i : ni"
pieira por obsequio di'Uir-se a roa do Trapiche este, livra 0 nas de iiiiio neo le fiita
No.o aos seus eonsignatanos PalJii, Na>b & C. \ gnomJ ^^ I)(||.'|n nevj,^.,^ se 0 m;)| ||Im |0^0 com^tdo,-om io .., ,.
' '' ^"., yf.,:-<.."K "^S SsftfH ^5 E um poderossimo alterante para a irenovaco do sangue e pan dat ai ba-
jea ao.corpo fnfiaquecnio pela dorara.
m
(riz u. 36.
medico (ariei-
jtff ro e operador modou a sua re.sideocia *^
w, para a roa da latoerairu sobrado o. 30, \^-
*r? '-"O le pode ser procurado para o ezereicio
- lsi; di Isupea*ati*iz n. 36.
(i nr. Jo > Mana Seve, medico partei-
* de sua profls-u al as 10 boras da
5 nia e di- 4 da larde em diante.
ma-
II*
aagaei e pan
Gitbiuete medieo-eirur-J!
gs Senrt composto eprnuuctos vegetaes, es e m-iiicatiietilor mniHinie e.H>m^
^ mo lempo efficaz, mu fado de mmensa importancia para nqueii > que oto am
que mu i tos dos remedios alterantes offerecidos an puh ico tem par bai a asaveai
' ar.-eni'jo; e semlo ;is-iin, beiu que- vezes piolem elT ciliar curas. umiIim.. ,l,'i\. :
victimas carrega.las de u na loma serie iie miles, muita- \ / s |,, ;
goial. A nica cmisa necessaria para obter ...na cara raMeal i tqpm tmm pa
tarjpia as di>eccoesque aeinpatibam cada fa*co.
NS" preiendemo- promulgar, nmquereiuos que se iaAra que e-ta rmm\
um remedioinfailivel para a cura >ie iodos os padecahbmh haaW-ea ; i i'.- i
es rofula e a sypliilis sao enfennidul s 13o sals as suas n.ii.i tas. e.m
firmamento no systema, que mu tas vezes eva rosos que a scienc- humana pode inventar para coubal las: o ijue diz m e a
Exrr;ict< Ciiip st< (le miIsu puniihii le Mn-
a melbo' preparado al boje descoberta para esl !e.-iia< .n
uma com 'no; dos a Ib-rao tos mais effic zes roraVri los, e que e-ia .- oi,i.,
reglala por longas e laboriosas exfierienca-i, e linalaienie qu taam rt
3,oote pode ser nroniiado d.s lias 9 horas da fereC8r a Q5|jC0 0 me|l,orresultidu que possivel produ-r. dn.,i
manbaa. e das 4 as o horas da tarde, para o exer-1 '
cici" de sua p-olis-ao,,- fora desUs horas e duran- me,,lca ,> "ossos lem.-os.
Esie remedio deve ser tomado com sysiem e regala i l.ule. e ni u
pois um remed'O e nao bebida.
Quando as moto-lias do ligado noien sua orweai na escmiU
mai propno as pillas catbarticas de \yer. qu sio rflkaiw aa cm i di m 11 o. que
tem por causa um desarr*njn dos orgios digestivos. Ped a sa si parrdua de Aprv e
nao aceitai oulra pr. paradlo.
iiilfiill
Precisa-se de dods amassadure^ e um
foneiro na padaria da ra larga do Rosa-
rio n. 16.
Procunuloria
O solicitador Burgo* Kooce de Len, rand.ii-se
para a ra li* Sania Hila, sobrado de um andar n.
te o da ser encontrado as -alas da- audiencias.
! Elle reren, rasas comroTCiaes, de partido, por
' um ajaste ratoavel, com i umnera se enorrega
; de promover coliraiicas de dividas e execuve- de
i seaieocas tora de-ta 'cidade, por mais pod^ro-os"
qne sejara rjs devedores.
TcTT
N 0. Ricber & C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vis i a ou a pra-
Zu confoime se con^encionar.
Preci-a-se alugar uma preu qne saiba cozi-
nhar : na ra da Soledade n 46
Sociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
0 banco Allianr.a do Porio leu lo e-t.belecido
esia sociedad* debati de soa imroediat vigilancia
e re-pon.-alnliilal", facilitn a CreacSo de capllai--.
dotes, rendas, p-n-o-s, is> nr0Js do servido das ar-
mas, etc., por meio de -uhscripges unirs mi an
nuae>, a- quaes convert las em ii-ciipc5es da
iliviila publica, de r-mda nacional, e da ni-s ..a for-
ma os jums semeslraes que dallas se forem ven-
cendo, ficam por um reito numero de ano-* nm
deposito, al que, find i o praso e-tipulado. >o
ri-.-tuuidas aos socios com os intereses ,ain mina-
dos, bem como as ijoe jerieiicerem aus Escoriados
falleerd s, visto que destes sao herdeiros os sobra*
viventes.
Pela eneenho^a coinhinaco econmica adoptada
nos calclos desta snriedade, v#/.*e (|U", com una
entrada animal de SOJOoO, imr exemplo. ohtein -e
em 5 aiims 4504000 a 5o4"00, em 0 l:50Of000
a2:0O"4000. em 15 3:5004o00 a 4:50 '4' m. -m
jo 8 0004000 a IO.OOO4O1K), em -i 18.000 VMM a
5:i'004U00, conforme a idale do ind vido 1 sobre
(pieui fi-U > o-e-iure, poi-que nos refer.iii ca
culo- cnit i-se com a maior ou menor probabiiida
de do durayao de vida.
E-ta s edade sobretodo vantajosa ao chefes
de familia, visto que Ins facilita -eu saenficio
fundaco de um capital ou dnti- para -eos fimo- ou
liihas. seiruraiiilo-os guando nasceiu ou em quanto
sao r.rianea*.
Qoe.in, pwis, m desdar soDre IhI sociedade, ou se quizer uiserevi-r
como soeio deba, dirii--.se a ra da Madre de
Oeus n. 28, aade sb podera entender com Joao
Cario- d.eiho da Silva, que para isso se acaa en-
carregado.
DE
GAVALLO
Na noile de 18 para 19 dq c irwiie fortou-se nn.
cavailo mellado easlto, da estratiaria do seu dono,
com sellim iBotes quasi novo; cu;o cavailo tem
cimas e canda pretas. as cima* sao ross e ca-
h-m s.ilue amb >- os lados do pese oro, e tera urna
fenda p- qu-na na maodireiia ; ecta acoMiimado a
andar em cabriole! e t>em conh-cido ne-l* afa:
quem rtr-lie der n lletas certa- ou lvalo a' E-Un-
cia, -olnado de doas andares n. 2, sera uratiticaiiu
Prcisa-se de urna ama forra ou escrava qo-
saitia bem co-innr e MMoaataar : a tratar na
ra da Peoha -olirado n. 23, prnnelro andar.
Precisa se de orna ama para casa de pouca
familia ; na ra Nova n. 65, f andar.
Feitor
Aviso.
Precisa-e de nm [nitor para um sitio, que en- quem precisar de um l un oinheKo fr o
tt-nda destes negocio; dando provas de sua con- de procura la do bufad du luiv-i-. naa
doria, e prt-fere-se u o solleiro ; i|U--in se juliiar 1 elle.
ii.ilnii.iilii dirija se ao
Ui-po.
ilio o. U no corredor do
l'rensa-s de urna perlesa enjiommadeira pi-
ra casa de pouca familia ; na rna da Cadeia n. 27
1 andar.
Precisa se de uma ama para o servico interno
de uma"ca-a; na ruada Indepm lencia n. 35, pri
ineiro 1 andar.
Au-eutoii se da casi de -eu SeMur, o escra-
vo Jos, i-rioiilo, levuii' velidn cami-a branca, cal
i;. de easemira verde com qnairis pret-s, eabefa
rapada, aii|ip||i la--e por (iuiiuarae-, d-scoolia-.se
da pi-ssoa qoe o t m acodado, e desde j 1 se proles
la 0111 todo o riitor da le ubre essa pesvta; da-se
ires das para se aiiresoniar em easa de seu senn>r
a ni 1 da Cruz 11. 27. 2 andar 011 no trapiche do
Cuaba,
i-u.'io n 1 Oa li ili- ouvemnr 1 pollino pas-
sado, um pfelo de Oaoo, 'le uoin'* Mano-I, repr-
senla quarenta e .auto- aa ios de ida le, estatura o
como refalar, qu-bra lo, ininro, tem em urna per
na urna chana incuravel, enj i p um pooeo en
i-had, tem o-dedos arrebit*do, tem Minaos dj
receuP- queimadura em ambas as maos e falla
atrapalbada, levou calca de qoadrinho escuro e
camisa de algodao biancn, nova-; futflo na neca-
so que levava um mimo e urna caria para a
praia do JanaaaSra. O. Galduia Amelia de Gu-
nia 1. E-te oreio tem por co-tume mudar o nome
porque sendo "Ulr'ora e-cravo no eng 11I10 Pirana-
ma, onde se chamava Seba-li', fug o Ue la e fu
lieso na cidad-de dunda cono vagbanlo, onde
lise que s- Rhavama Manuel, e-cravo em Minas-
Geraes, de um ho uem q;i-< era morto e depois Oh
correr os lera >- l-d*-- foi arrematado em ha.-la
publica no joi/.o de au-enies pato abano assigna-
do : quem o ueiiar le.v- o a cidade de Ohoda boli-
ca do- Quatro Caut>s, oml- s.-ra' reeompensado por
Joo Soares Rapozo.
^
C^
Americo Perrelra da Suva, lem a honra de par
eipar ao re*pi-ilave| publico que tem aberto na
ra da Cadeia do Hette n. 8, um armazem de
11 nuil-.-oes de compras evenl>s de quaes quer
en-ulns de 'in--o io'umbin-m lano em seu arma-
zem como fora d-i loado em b 1a ituarja os que
Ih.- f irnm rrunetndo-, observando Oelui-oie as in<
irmo-s que Ihe fortn iransmuiidas para o bom
'oiiiprim-'nto dos eos llovere- a coiileulo de todos
que Ine houraiem i'iim soa Boanansa.
O- coral ore- M i- \.><** \
Martn-sa 1 D.ivila 11-a NMl r in.trt
1I1V1 leudo no "cripiiru du- ailno o-t ,,| r--. roa
da Uadeu n. i, irazeol.) o- re-p eiu'o- lo il oi-
r -er-m anllol "|.#..
r -ni de seren ..rrnnata lo- tal S#jHB|
de amareiloe'Iris arm ii;i'i 'I- ii.-ira- w atwa-
rello, p-mn ira lo- a Kirmuio H-ri-Oiano
no dia I i d 1 corr-mi". na p-iria S j I
ir giiezia 'le S. Jn- do llecife, a ri-j.i 11 H-mt-< ile
li in.u lio 1 B-T'ira lltmis.
Aloija s o S an I ir 1 1 tata 1 1 rna ?
Santa Hita n 25 : a riiir com tal ". 1 J e
Castro e Hiaodii aja roa di Pi 1... ar aiai.aita
carne n. >4. ____
PrVci-i-vi .le lojs f.ioricaiu I'
na praca da liia\'i>ta n. 15._____________________
Qonri 110 il'i II p T e*|U-ei oe-n attSM
ein Uill Wii!"B d' 2" irdein d 1 Vi 1 ( 1 1 :> i-m-
brullio cu 11 ca e 1-, aini.ri-ei aaiaBM ta 4*f>et
de Soii/.a Lordeiro, na IraV-s-a *.'- EteiMuS a. 16.
que dando o signal Ine wra entran .
Ni ra da .-viola Cruz n. 7 pn--:- 4,.ii
caixeiros [loruiioez 1 qu- i-ninm praoca .1 -eae
der, e que aliance su c .0-lu.-i 1.
OftVreee-se urna ana aMatagaasi i m*
idade qoe 10-intia en en na e fu 1 l > aarai
m, prt-fere aonar -* -n twm de p m 1
na ra das Laiaafiarae n. 23.__________
ifttal
lnuaml-de i" V. I d Ouceican ds
rilares.
Pelo prsenle sao convidados todos os irmaos
de-ta veneravel irinaudaie a' co miarecerero no
respectivo oras da larue. para tomar jtosse o novo preadea
ie,e proceder-sea eleieo de nova me-a, na forma
dos e.-l itUloS.
M. J. Vid 'riano de Borba.
Secretario.
Precisa-s de ama ama iara crainhii- n f de familia, forra ..u e-.-r^va : a Bjaaaf i rna lar-
_a do Ro-ario n. 21. fabn.-a d- cn<" '__________
Ma oel Diwrt- R.driioe. roa A
Trapiche n. i*, saca sobre a ci'tode d r*r-
to. a vista ou a pr 10.
Ada de leito
A tratar na ru 1 da Plorenuaa o. W.
Alua*-s o vrceiro aelar r *** *' .-ubrata
da ma da Imoerairiz n. 3. fa-ai aaaaaaalBi aara.
grande fuiiiia : a iraiar na I-jh *> aw-ia *?-
bado._________________
__ Amia |ll-'a r r.wiraln.la a latn-rn i H na
ra rle, m-ri-iir-nie a-> >v pianrt-i-.
Fernanin* !- Pana nrmacao r nm*-, f pr-
50 re 1304000, -oJHiia a mcnri >n.l .....i>.i|.. *
alugO"l le -a-a e un ",|.w da fa/enda ; q.t^i
jul(ar com direilo a **** rmaiira, a, .-- ni-1 an>
praso ires da- a' taberna de MaB'--l ". itmcln.
do contrario perdura' i> Violo.
Ven.1^r non pr Lt rhnMa, knoi llzur
sem vicio-, Com 29 anooSde litad-, i-..
haiolidad's, e o m-divo ta dir an cum, la 1
cae> de Apollo, t** n. 17, I* aa-lar.
Vend-* se nina e-rrav para teS" '
tarili de casa eomo de ra : aa raa d* T.Msrne.
ras o. 24.
I I
% #1
1


Diario 1* Remana buco (juarla tetra 43 le Dexeoibro de tssft.
UMA GRANDE DESCOBERTA
OLDO
.DESINFECTADO
MEDALHI
OE
HONRA
DE BACALHAU
DESINFECTADO FERRUGINEO
As propiedades medirnos do oleo de figado de bacalao fbrlo unni-
memente reconWidas. Mas seo cheiro e seo sabor tSo deeagradaveis
torno o uso ('elle muias vezes impossivel, mesmo aosstomagos
os mais robusiot e aos mais condescentcs.
Por teso a descoberta do Snr. Chevrier que llie permettio de
desinfectar iuteiramente o oleo de figado de bacalhao sem alterar suas
propriedades lm sido um dos mais fetizes problemas resobados pela
therapeutica moderna.
O oleo de figado de bacalhao desinfectado de Glievrier.
com um ckeiro agradavel e um sabor assucarado, o unioo que nao
tem nem goUo nem clieiro de peixe.
Objccto de numerosos relatorios scienttficos elle goza em Franca
de urna fama bom merecida, e receilado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa e d'elle
nos mesmos eaeos isto as :
Muit-tina eati,
11111-llIMH.U.
ubairtirraa daa (Landra,
Tlaira pulmonar,
Maleadas da aellc,
Caaatlluiro 1 j mpliatlra,
Anemia, drbllldaaV (rajua,
Magma,
Pobrrr.a da anguc,
i .rit.i.rnio or ezeeaaa de
trabalha tu de araierea,
Maleatlaa das braneblaa rece-
ir, ou ehronlraa,
Ttiwi pertlnaKes,
Gaslrites, gaatrnlglaa,
Ilarea de elomna
Elle convem a todas as compleicdes e a lorias as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Ello um poderoso socorro
para a alimentado das enancas iracas e doeutes
Um folleto accompanha cada vidro e contem as observacoes medicaes.
Deposito em Pariz, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
0 Oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. 0
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a accSo to efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vas digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., en fin perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipado.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparares ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quemes, tem naftas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeulicos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
0 oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier, se emprega em todos os casos que o ferro acoa-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
Aluga-se
a eaca de/tres andares e o pavimento terreo da ra
(la Cadeia do llecife n. 29 : a fallar na f ua da
Iraperatric o. 21.
AVI 0
Tuistao de Alencar Araripe manda cele-
brar ama niissa com memento pela alma de
sru-irnoo caplto ao exercito Xllderieo
Cicere de Alencar Aparipe, Mlecido oa villa
de Uruguayana no da 22 de setembro ulti-
mo. A misa lera' lugar na matriz da Gja
VUa oo da.13 do correle mezas 8 itioras
da inaoha.
polica ao publico.
Manoel Conrado, morador no engentio S. Paulo,
dislricto da Varzea, tendo um so Ribo de meuor
idade, de nome Joo. altura regular, descarnado
do corpa, cabellos crespos; e como tenlia o mes-
mo lilhn fgido de sua compatihU seduzido por i
urna rnulher meretriz da nomo Mara Mae.daleoa alaihfira o ilu r.(.. i. ..,-. ~ 1,""
da Coaceicao, moradora na ra do Ouro desta ci- e -* P'U Par ann> ** *****
dade, casa n. 3 : e eooiu con-le ao pai do dito me-
nor que a mi|i,iIi.' o seduzira alini de com elle
casarse, e nao estando o pai disposlo a ver seu
filho menor casado com dita rnulher, pede, portan
to, a polica e s autonrtade< competentes, que o
faga apprehender, ou pes-oas que o conhecer, ijuei-
1 rain prende-lo e leva-lo ao t)r. chefe de polica,
aim delle dar-lhe destino ao sul.
FOLHIVHAS
1M.IH 1806.
Acabam de sahir lt as Mhinhas fe
mais correctas possivei tanto no cal.-Bl.nlas
nas e eclipses, como as diversas fr que a igreja celebra; vend.m->. unicaM-
te na livraria da praca da lnik-,..,l.-rKa,
ICO res as de porta e 3u rb as d ali-
beira.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia: a tratar na ra Nova sobrado n. 26.
Medico e operador?
O Dr. loao Raymunao Pereira da Silva, chegan-
do ltimamente de Pars, onde frequenlou os mais
nolaveis bospitae?, pode ser procurado para o
exerciclo de sua profissao na roa da Cruz, ti 10
segundo andar. D consultas lodos os das das 7
as til horas da manha. Especialidades, molestias
de olhos, partos e vas urinarias.
Pn cika-se alugar nina prea quitandei-
ra, paga-se bem: a tratar na roa da Cruz
n M priineiro indar.
Ama de leite.
Precisa-se de, urna ama que tenha bom leite, para
acabar de amameniar urna enanca de oilo me-
zes: na ra do Queimado n. 17 segundo andar.
BOTICA E DROGARA
DE
B. ". de Hamxa ti C.
Un i larga do Rosario n. :i 1
Remedios de Raduvay
Prompto alivio.
Pilulas reguladoras.
Rtzdutivo.
Remedios de Kemp
Anarahuita.
Salsa de Bristol.
Pilulas a>sucaradas.
Agua florida.
Pastilhas vermfugas vegetaes.
Chegados pelo ultimo navio vindo da america.
Tendo a irmandade do Divino Espirito-Santo
da igreja do Collxgio, resolvido em sessio de mesa
conjunta, manoar fazer de mannore braoco lino a
Preoisa-se de urna ama para andar com um me-
nnoe ia?er mais algum servido em casa de Uk-
lia: oa ra do Queimado n. 39, l Antonio Jos Kodngues de Suma, na ra do
Crespo.n. lii, aluga sua casa e sitio no Honte:ro
em frente ao oil" da igreja, tendo o sitio porto
de ferro, cacimba com tioa agua, estribara e co-
cheira, o a casa 4 salas," qua.-tos, e olo, a qual
BaBllotnsM e esta de novo bem caiada, < oncer-
lada e piulada : para ver, as chaves estao em a
AtteiiCo.
Xa ra da Assumpeao n. 1 lava se e engomma-
se roupa de homem cora tod a perfelco, e se res-
ponsablisa p-las faltas que houverem.
Ana.
Precsase de urna ama para comprar e engom-
mar : a tratar na ra da Cruz. n. 13, 1 andar.
Manual do Cuindan
Vende-se o Manual do Cidido ea mi
Goverao Represeotaliro oa principios de
Direito Publico Constitucif nal Administra-
tivo e das Gentes, por Si v.->tre Piohctro
Ferreira, em 3 volumes ImMrMbI por 2&
cada obra : na livraria o. 8 la praca da
Independ ncia.
Aluga-se urna boa casa nova muito fresca,
ca*a do far. Nicolao Machado na mesma povoacaa. oa Capunga, ra das Crioulas n. 3 : a Iralar lo
Na praea da Independencia n. 33, loja de mesm" '"Kar.
lklco
Vende-se nm balco de amarello que nada ao
todo e qwalquer concert.
3* andar.
ra do Livramento n. 21,
Na luja n. 1 da ra do Queimado enste urna
carta parafilm. Sr. Francisco Pedro da Cosa
Moreira, es>:odante de preparatorios.
Precisase de urna ama para todo o servico
de urna caa de tres pes>oas de familia : na ra
do Hospicio u. 62.
Protesto ao publico.
Tendo ihegado as maos do abaixo a^iguado um
Aluga-se urna casa sita
chegar a reja da cooeeicao
Ponta? n. iO, palana.
no Barro, antes de
a tratar as Cinco
Aluguel de es.-ravos
No principio da ra do Corredor do Bispo na
6* casa nova sem numero dos Srs. Amoros, ha
para alugar-se urna boa eseran e um escravo.
Alngitse o tercero andar da casa n. 88 da
cao com voila, propria para loja ou ootro qoai.pi r
estabelecmeeto, por roodiro valor; ua roa Vi-
gano o. 2C ou ca'es de Apollo do depoMto de saao.
24 -CAEST2 OE KOVEIBRO.-14
Paulo Jos Gomes M.iv.r.
Esto-se acabando as lahoas qu lento* annun-
ciado; porlanto as pessoas que anda i^n> Tunmic
de fazerem ca para banho, qnartos para agazalho prelo;
aproveitarem, pois na realidatfe baran.. u-
memoral escrpto pelo Sr. Antonio Mamues de rua da mieralriz, e o sitio n. 1 da e>trada do Ar- palmos d* comprinvnto. 6 polU-gadas
~-------.____i.____ *___.... raial no ma mj.ihi Tf., ii ^ j-
Amorim aos seus amigos, em o qual arreda de si a
responsabildade, du que se pas*ou sobre o infeliz
raial : no ra da Aurora n. 36,
FOC.O IIO Alio
. e No armazem da bola amarella no oilo da secre-
descrevendo-os eom cores, que nao sao as verda- -aria da polica recebetn-se encuinmendas de fugo
deiras, e nao querendo o abaixo assignado carre-; a dor para dentro e fra da prouncia.
gar com a censura de haver-lhe agi-ravado a sor-1 d.; a i ^-----t;------
le, quando anda se acha ella pendre dos tribu- nZl^n ^ ,r,al\alhadores de I"*" *J?e
emendara perfeitamente do mesmo trafico de pao
e bolacha e bolachinha de araruta, pagar-se-ha
com generosdade o merecimenlo de quem melhor
desempenhar o seu dever na ra larga do Rosa-
rio n. 16, padaria.
negocio da commandila Afhorim Pragozo Sanios [
C. desvirtuando os faclosvque all se deram. -
naes : prciesla responder em lempo opportUQO a
esse meniurial rio Sr. Amorim, levando a evidencia
toda a venlade dos aconiecimenlos daquella des-
de largura, e I de grossura a 7* 00 a azi, de
forro ioU. Travs, eneham*, e ralbros de i-i-
nho, tambem por pre^o que agradam aos eoaapra-
dores.
venturada associaeao.
1865.
Recile U de deemhro de
capella-mr de sua reja: convido de ordeui da
mesa regedora Iqocllas pessoas que se aeharem
habilitadas a maliciar executar semelhaote obra,
a ezaminareuj a planta que ^e acha exposta na sua
sacrista, e a apreseoiarem as suas propostas no
praso de 40 das cornados desta data. Consistorio
da irmandade, em 10 de novembro de 186J'.
O esenvao.
Francisco Belarnno dos Sanios Fnitas
Ama Prenda-s de urna ama de leite : na ra do Im-
perador n. 42, lerceiro audar.
Alugam-se (res casas na povoai;Io do
Monteiro a inargem do rio, com mnitos
bous commodos e em muito bom estado
de limpia : a tratar na ra do Crespo n.
20, esquina, cujo preco de alugnel 6 ra-
zoavel.
Em casa de Theod Christiaosen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
JF ABRIGA VAPOR
99 RA DO M0NDEG0 99
Deposito Da rara Xova a. O ioja de relojoeiru.
O dono deste estalielecimenio parlecipa ao respeitavel publico que sua fabrica
est montada com as melhort-s machinas que existem na Europa, e que pode fabricar
com melhor pe feicao possivei. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e puro,
o que nao se pode encontrar naquclle que vem de fra, e que se vende por preco baixo'
visto os producios seren do paiz. Na etiqi eta tem s.-mpre urna aguia
PRECO.
Meia libra......... 400
Lina libra......... 800
Lina arroba........19,-SOOO
Na mesma fab ica acaba de se montar urna oflicina com
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg -se de fazer portas,
d
prompta a collar-se no lugar.
serrana a vapor para
ja-
das, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armacoes, ludo cora brevi-
ade e perfeicSo. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
_______ Joao f. Fragozo.
Prpcisa-se de um menino pata
taberna ua Varzea : a tratar no pateo da IVnha
n. 12.________________________
Jo- Joaqun] Lopes de Almeida capillo do
3o corpo de voluntarios da patela, scienliliea que
deixa por seu baslanle procurador nesta cidade
durante sua ausencia no theatro da guerra, o Sr.
Joaquim Cardozo de Almeida, para Iralar de iodos
os seus negocios quer geraes, quer particulares, i
Red fe !) de dezembro de 186o.
Alugam-se duas casas terrea* sitas na pro-
priedade de Sant'Anna, que foi do tnado Belm,
as quaes se acham caiadas e pintadas, contendo a'
maior 4 saletas, 5 quarto?, cosiuha fora, quiulal
murado com seu competente port.io, e a outra 2 sa-
las, 2 quarlos, cosinha fora e quintal tambem mu-
rado com seu porto: quem as pretender dirjase
a mesma propredade que achara com quem tratar.
mwmmwBwmMwum
H DEPOSITO DE GAL 110 &
ffi FABRICADO NA CASA UE HUA I, Al) !-4 Ra \ova a. 61.
mk Ahi se eucontraro obras de di-
S v?rsas qualidades, e por prego mui
diminutos, a retalho e em porces.
S se vende a dinheiro.
M*Mmmmm:m
3Iedico.
0 r. Miguel Joaquim de Castro Mascarenlias,
rezidindo actualmente nesta cidade (ra do Sol n.
ti), tem a satisfaca de communicar ao publico, e
especialmente as pessoas que sempre o honraram
i com sua confianca, que a qualquer hora podera
, ser procurado para o exercicio de sua profissao.
Arrendase o engenho Sania Rila, na fregu-,
sia do Cabo, distante tres legoas a .N. O. da eslagao '
e, de Olinda, de muita produccao, me com agua e!
Pennas de ema de muito openor -[inlidiifc"
vende-se oa ra do Vigariu o. 24, | aodaj es-
crptorio-
A ttenfm.
Vende-se o sitio de Frannjco de A**i* P*rera
Freir no logar da Capunga porto d a tratar nm Augusto Onuino de Fi|rur?do ero-
curador do mesmo Sr. Freir.
lem obras sufficientes, incluem-se no arrendamen-,
to as safras pendentes : quem pretender dirija-se
ao mesmo engenho.
Para pasMr a fesla em Olinda, ou por anno
para moradia, aluga-se urna casa no largo do Am
paro, com 4 quartos, gabinete, por prego muilo
commodo ; para tratar na ra da Aurora n. 50.
Loja
Fomeiro
Precisase de um forneiro que saiba desempe-
nhar o sen lugar : na ra estreita do Rosario n. 2
A, deposite.
II ti (la ii ca.
*? O padre Themistocles Romo Pereira sjj
* dos Sanios mudou a sua residencia para ?3
i a ra do Ho-picio n. 72.
m
m
DE
lOEfiSIO s FREITAN
Rua da Cruz n. 1G.
Continua a baver diariamente um sortimento de pasleis, podins, bolos inglezes,
de lirandenimrg frres, ordeaux, enconira se ef- empadas el:., etc. Os donos de.<-te eslahelecimeiilo, acham-se as melhores condicoesj
i Freilas ter sido administrador chefe de algumas das princi, aes fabricas na corte, sendo | \
urna a do Sr. Joao Goncahes Guimaies (confeitaiia do Leao) anliga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao dilerentes dos que se fazem em casas particulares.
Os propietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparo, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
ment de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
ren preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em '
calda em latas hermticamente fechadas, pudendo durar annos em perfeito estado.
Para janlares e partidas ieerbem-se eniommendas dos seguintes objecios; ban-
deijas ricamente enfeitadas semarimcao pecas de amendoas (nogace.-), ditas de tmaras;
de ovos, pfies de l enfeilados com dsticos anlogos a qualquer fina; dilos montados, |
kechs simples e enfeitados com finetas inglesa ; gatlteaux de la reine, ditos de le du-
chese, tortas de ftucla, massa foibad ; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies
Tambem temum completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinlio
do Pono superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordcaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para l'estas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitose mais enfeiles. Muilos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto p3ra a provincia, como para fra.
i
I
Si. Julien.
Si. Pierre.
La rose.
Chateau Loville.
Cnatean Uagaox.
Grand vin Chateau Lafilte 1858.
Chairan Latine.
Haut SautTues.
(^hatean Sauternes.
Chateau Lataur Ulanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
mmmm mmmwm mmwm
Corapanhia fidelidade de seguros Hj
maritimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEHNAMBLCO H
^H Antonio l.ni/. de Oliveira Azeredo i C, ^
aag competentemente autorisados pela dlrec- \
H loria da compantiia de seguros Fidelida- ^
J0| de, tomam seguros de navios, mercado- |||
S| ras e predios no seu escriptorio rua da K
SR Cruz n. 1.
COMPRIMA PEHiWMBlUAXA
0 agente Olympio em seu armazem a rua
oa Caoeia n. 36, compra apolices da corapanhia,
Peruambucana.
PISADA.
Xo dia 8 do crreme, por occasio da procis-ao
do Terco, na malriz nova, e dalii a rua Direila,
perdeu se um alfinete de ouro com 9 brilhntes,
sendo o do meio grande, e os que formara circuios
menores, cujo p forma rosca : quem adiar e o
queira re.-lituir a seu dono, leve-o a rua de Santa
Thereza ns. 54 e 56, que ser bem recempensado.
&fmwmmmLmtm*i
Joao da Silva Hamos, mlico M
pela universidale de -.oimbra, d M.
consultas em sua casa das 9 as S
11 horas da manhaa, e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suasft
casas regularmente as horas para %$
isso designadas, salvo os casos ur- J
gentes, que sero soccorridos em *
qualquer occasio. D consultas aos i|
pobres que procurarem no hos- I
pital Pedro II, aonde encontrado h
diariamente das 6 s 8 horas da |
I manbaa, a.
Tem sua casa de sade regular- \
j mente montada para receber qual-
; quer doente, ainda mesmo os alie-
| nados, para o que tem commodos i
apropriados e nella pratica qualquer
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .35000 diarios. I
Segunda dita____3(5500
! Terceira dita .25000 fjf
\ Este estabelecimento j bem J
acreditad) pelos bonsservidos que j
tem prestado. S
0 propnetario espera que elle S
conlinue a merecer a confianca de 8
que sempre tem gozado. ^
1S
Na rua da Imperatriz, loja de fazendas n. 58,
precisase aluar dous pretes velhos para o servico
de rua, e urna prela para casa de pouca familia :
quem os tiver e qui:er alugar dirija-se a dita loja
Precisa-se alugar urna barcara nova ou mes-
mo em bom ujo, para navegar, bem apparelhada
e fahncada, por te.mpo de um anno: na rua da
Sen7.ala, padaria de Antonio Jos Pedro Goocal-
ves, se dir' ijuem pretend?.
Na rua do Rangel u. t precisa-se de um ira"
balnador de padaria, pagando-se-lhe 30 mensaes
Precisa-se de um cozinheiro, fono ou escra-
vo : na botica franceza, rua da Cruz n 22.
ainuel Po\\er Jo luis ton i (Jotiijutiihia
Huada .-enzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
luadl^So de Low Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e ineias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios d carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro paienle inglez.
Arados americanos.
rMa< hias para descarocar algodo.
Motores para ditos.
I Machinas de costura.
! mmmmm mmmm iSiidipi
^Dentista de Pernambuco.S
m m
B Rua estreila do Kosario n. 3,
ao p da igreja
francisco PINTO OZORIOf
I Colloca deates aKlQciaes
pelo yateinas inals iu<--
m demos
Emprega todos os meos scenlificos para
a conservar os naturaes. Pode ser procura-
Bal do em seu gabinete das 9 horas da ma-
SSt nhaa as 5 da larde.
mmmmmm mmmm mmmm
Aluga-se o tercero andar da casa da rua da
Cadeia n. 4 : a tratar no armazem da mesma.
ftefinago
>M ODr. Cosme de S Pereira contt- _, ,. 25 RUA NOVA N. 25
m na a residir na na da Cruz n 53 B estabelecimeuto acalia de receber um rico sortimento de pianos lories ex-
I Io e 2indar, onde pode ser procu- 5 Pressamenle fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-
! rado para o exercicio de sua profis- !" pa' por isso proprielario convida ao respeitavel publico para virem apreciar as qua-
5 sao medica, e com especialidade g 1,dades dos referidos pianos.
Contmua-se sempre com esmero e promptidao fazer-se qualquer reparo nos ditos
l instrumentos. Afiuam-se os pianos debaixo do melhor systhema ltimamente adoptado deeztrahir, a beneflciada sania Casa de Mise
na Europa. ncordia, os segointes (ireinios:
sobre e seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3* dos orgaos geni-
ti urinarios.
SEm seu escriptorio os doentes se-
rlo examinados na ordena de suas
entradas coraecando o trabalho pe-
8 los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
H 6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
'" Praticar toda e qualquer opera-
I co que julgar conveniente para o |
Bl prompto restabelecimento dos seus |
U| doentes.
m^mmmmmtimmmmmm
Pede-ee aos credores do Sr. capiio Antonio
Joaquim de Mello, a virem a rua do Livramento
u. 38, para receberem o ultimo dividendo, Deudo
certos de que nao recebendo at ao flm do correnle
mez, sera suas iraporiancas recolhidas ao deposito
geral.
CASA DA FORTJili
Aos 12:0005000
3:000*000
OOOdOO
5U0000
ililc.es garaotldos.
A1 RUA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
0 abaiioassignadoveodeu nos seos muito feli-
tes bilhetes garantidosda lotera que se ac bou
Precisa se de tres trabalbadores pagase bom
ordenado : na relinaco da rua nova de Santa ili-
la ii. 53.____________________________________
Precisa-se alugar una ama para cosinhar e
comprar ou una escrava : na rua da Imperatriz
d.L______________________________________
Precisa-se alugar urna ama que saiba cosi-
nhar e iralar do mais servico de casa de pequea
familia : na rua das Cruzes em Sauto Antonio n.
41, segundo andar.
Aluga-se urna loja ua rua da i'enha propria
para negocio e moradia : a tratar no primero
andar.
Precisase de urna ama que saiba engommar
na rua do Trapiche n. 36, segundo andar.
SEGUROS
MARTIMOS
contra" fogo.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros maritimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
Casas
Um meio n. 668 conS a sorte de 6:0004.
Um i n te i ro n. i 200 cm a sorte de t:200
um inteiro n. tVz7 cm a sorte de 5004000.
Um meio n. 3o17 com a sorte de 2004000.
E miras minias soiles de 1004, 404, e 204.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
Precisa-se de um
rua da Lingoeta n. I.
ama para cosinhar; na
Alugam-se duas casas novas na freguezia da
Boa-Vista, rua do Prncipe ns. 4 e 8, com 3 quar-!
tos, 2 salas, cozmha fra, quintal bom e murado, t'v<>s premios semo.l descontos das leis na Casa
cacimba, sao muilo sadias : a tratar na rua Nova. da Fortuna rua do (trespo n. 23.
Acham-se a venda os da 7* parte da lotera
(41*) beneficio dss familias dos voluntarios
irahir quarta-feira 13 de
COMPRAS.
numero 3.
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Ama.
Precsasa de urna ama para casa de urna es-
trangeiro, que saiba cozinlur e lavar : na rua No-
n a. l._________________
Quem annunciou precisar de 2004 a premio,
annuncie sua morada para ser procurado.
SITIO.

Atten^ao
Precisa-se de urna ama que sai-
ba muilo bem cosinhar e que faca
compras : na rua da Cadeia do Re-
cife n. 38, primeiro andar.
Aluga-se o sitio no Kosarinho n. 2 junto a capel-
la, com bastantes arvoredos de fructo, casa, co-
cheira, boa agua, por prego muito commndo : tra-
ta se na rua Nova n. 55, ou rtecife na rua da Ca-
deia o. 3.
Criado
Precisa-se de um criado ou de um moleque, pa-
ga-se bom ordenado : na rua da Imperatriz n. 47,
2 andar.
Convida-se ao Sr. sacerdote que quizer con-
tratarse para celebrar as missas ae natal no Ro
Formoso, engenho Serra d'Agua : a dirigir-se a
rua da Madre de Dos n. 3, escriptorio de Cunha
Iranios & C
1 da patria, que se ei
dezembro.
KEgo.
Bilhetes.....124000
Meos......64000
Quintos.....24400
Para u pessoas q e compraren! de 100^000
para cima.
Bilhetes.....114000
Meos. ..]... 54500
Quintos. I 24200
MflNOBL Martins Fiuza.
Est para alugar-se o 1- andar e tojas
do sobrado n. 44 rua da Aurora : quera "i
os quizer dirija-se a' rua Nova ao Sr. Joo
Ama pt
Precisa-se alugar ump
ra casa
Silvino Guilherme de Barros .compra e ven-
de effectivamente aeran do arabos os sexos : a
rua do Imperador n. 79, tercero andar.
Comprase ouro, praia e pedras preciosas,
em obras veihas: na rua da Cadeia do llecife,
cja de ourives no arco da Conceigo.________
Libras sci'Iuks
e ouro francez compram-se no hotel de l'Uovers
n. 7.
da boa t na rua da Imperatriz
n. 94.
Vendem-se colheres de metal principe para cha'
a 24 a duzia.
Ditas para sopa a i;iio.
Facas e garfos de cabo de balaaro de d* ko-
tes a 645<>0 a duzia.
Ditas de um blao a 5-'iOO.
Duas de cabos cravados, preiau e branca* a !4
a duzia.
(axa com 50 nvelos d- liaba de gaz a 7oi r-
Tesouras luas para costura a .'> e ."j*i r< e a
14000.
Resma de papel almaco a 24600
Dito greve muilo l>..m a H
Baralhj de cartas franrezas para volurele a 2V>
e 280 rs.
Jogo de vspora a 500 e > 11 r-
Enfeites para cabeca o mais moderno ime ha a
24000.
Penles muilo finos com cota d* m^ial para
penli ar a 500 rs.
Meias cruas para homem moilo encorpadas a
240 rs.
Abotoadura de cryslal pira collet- a 5(0 14
Kitas de coz com 10 varas, de um deio e meio
de largura a 440 rs. a peca.
Liga para atar meias ion rs. par.
Pares de suspensorios a Itl e M rs.
Grvalas de -eda pretas e de m a ."M>i r-.
Ricas golinhas com punhos para smhora 1 IJ.
Luvas de lio de Escocia, de cores, para homem
a 320 rs. o par.
Carretes* de linlia de. Aleandre de n. *>a 20)
a 100 rs.
liaa de borracha para brinque.lo de nvnio<< a
100 rs.
Canas com clcheles moilo Ion- 1 M l I
DitaS corn lamparn,!- | ira .'i mu a MI r-
Diiascoin oliri-ias mtiiio lH a So r-.
Kivela- grandes para cin1 de .* 1
des, lilas ji.ira 111I0-. ilil.is db v.-|,ii l>. irn--* 4*
cores lisas e de raraco'. i-i.--- e r> mi .<.
aljofare.-, lillas prela- ;t O. :' e : r-
timento da aodeza^ |tM te es a i-
nheiro.
Vende se um noviino rrr.ui man-i mttmm
e propno para carrosa e moito jroraV : ni E-irala
Nova do Caianga sitio da viuva Vilu -era.
Vende e urna escrava inoea, [,-rii 1 -->~ 1:---1 -
ra e engommadeira, rozinha o diario, u? -l em
bolo*, lera ama filha de dou meze-, e [,.i- n
bem ser ama de leite : a tratar na rua 1,
triz 11. 86, Io andar
Na serrara da Ponte vi ha veod-m v 1.1
de louro e amarello, e lamfem pr,inrhVi, mais
bar-to do que em outra qualquer paOTr.
INJECCAO BROW.""
Remedio infallivel as airnorrlifas antuv-
ie recentes, umeo d.'p.Mii. ha |>liannw
franceza, rua da Cru n. ti e .10 prern -i--
35000.
< a va lio.
Vende-se um exc--lienie ravallo andador d^ liai-
xoa maio, e esquipailor, tamiiem anda paco em
toda altura, bonito, gordo, e man-o, ptimo para
passar a festa ; os pretendente< drijam a mia-
da, rua do Amparo n. 40, sobrado Je ha* Fiui-
raCurado.
C4VALL0.
Vende-se um cavalio ruco, moilo aivo. r*i* >-ir-
uudo ede ptimos andares : quem pretender r.xm-
pra-lo dirija-se a casa n. 10 da rua do Destn >.
MORII.IA.
Vende-se por preco moilo commodo urna moto-
lia de Jacaranda, inleirainente aova e 4a ania
moderno, con>lando de Juzia e meia de rarfVira-,
(sendo 4 de bra(os) 2 consolos rom lampo 4r. ae-
dra e 1 sof com eneo-to de palhinha : aa roa da
Matriz da Boa-Vistan. *.____________________
Vende se nm bom cavalio, grande e a*-,
tanto para sella como para cabriole!; aa anea *-"
Capim, coeira do Sr. Le ipoldino Silva.
Esleirs da China para lbrr.r~salas :
vendem-se em casa deTeo toro Chrisiianwn.
rua do Trapiche Njvo n. 16
Machinas para descanicar
algodo.
De novo modello : na rua .Nova >. m.
no grande bazar de Antonio fhurte Caran-
ro Via 11 na.
Onro e prata.
Em obras veihas : compra-se na praca da lo
dependencio n. 22, loja de bilhetes.
MaBpa-miiiidi-plaiiisphericn.
Na rua do Livramento n. 19 compra se um map-
pa-planispherico.
Comprase carosso (semeote) de algodo : no
ama para lodo servico de de algodo de Sannders Brolhers & O,
na becco das Boias n. 2, primeiro
no caes de Apollo.
o.24.
B. do Reg, em seu armazem de fazendas' Ainda esto para, alugar duas casas na illa
1 do Retiro, tem commodos para familia, estao pinta-
i das e/em banho na poita : a tratar com Luiz Ma-
VENDAS.
Precisa-se de urna ama para casa de .punca noel R. Valenca, podende o pretendeot examina-
familia : tm-ra.da Conceiyao o. 6. .i-las na.tn^mo lugar.
Vende-se urna casa terrea na rua da Soleda-
de a, 60 : a tratar na mesma.
Gaz idrogeneo prraera
qual idade
Na rua Nova ns. 20 e ii. 00 granule ba-
zar ilc Caroeiro Vianna.
Grande bazar.
Nes'e grande etanflecimento teta ritma-
do ltimamente dos Estado3-Um variedade de cadeiras para boateta e pro-
prias para senhora e cria'.ca le tmliaj o*
tamanuos e outros riipiissimos artigo-; ipie
cor gosto se pode comprar, todo por pret'
muilo commodo : na rua Nova n*. iOeti
Presuntos de Lamego de saperior
qualidade recenlemente detpachadM, eai
pequeas ou grandes porrM : na rae d
Trapiche casa n. i, 00 depoeito roa da
Cruz n. 47, a 401 rs. a libra.

1



DIrio de r-tfaau.imi'O guara era IB de IR'UUib. de Cd*.
\ J
\
;
Rival sem segundo
Roa do Queimado ns. 49 e 5o, luja de
miudezas de tres portas, est quei-
ni.uiiio tudo liom e barato, quem qui-
zer ver.e admirar >euham loj do
Bigodiaho.
Caixas de papel amlrade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
Groias de bot5es de 1005a prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de penna de ac fazenda boa a 40 rs.
Pe?as deHranca de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Eseovas finissimas para limpar dentes a 240 e
rs.
as^-de fita de eos estrellas com 10 varas a
520 rs.
'^aixas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pegas de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos muito finos para voltarete a 200
240 rs.
Latas com snperior banha a 200 rs.
Frascos de macaca perula muito fino a 200 rs.
I-tascos e garrafinhas com agua de Colonia a
00 rs.
Frascos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Caixas com 12 frascos de cheiros muito finos a
15*00.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Dazia de sabonetas pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua denfiflee superior qualidadea 800 rs.
Callas cora superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
1,5*00.
Frascos com essencias para tirar noduas de roupa
a SOO rs.
frascos com cheiros de lodos os preces a 160, 200,
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Dazia de meias muilo finas para senhora a
45800.
Sollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Pecas de fila de 15a para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas estampas para rapa a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosas de notoes pequeos pretos para calca a
100 rs.
varas de cordo de espartilho a 20 rs.
NoveHos francezes com 20( jardas a 40 rs.
Pegas de tiras bordadas a 640.
Dunas de meias cruas muito fortes e superiores a
33500. __________________________________
HULES
fraude pechlncha.
No Tinada Imperatriz n. 52 |iorta larga e Pare-
des Porto, vndese chales de merino estampados a
25 e 2^500 e finos 55, eslo se acabando.
Bordados.
Ghegou a loja de Paredes Porto, roa da empera-
triz r. 5, un soriimento de camizinhas. collinhas,
-corpinhos, rouieras e sinios, de cambraia branca,
pelo barato preco de 25500, 3$306 e fij, collinhas
500 rs., romeiras a 800 e sintos a 800 is, grande
quanlidade de enlremeios a GOO e 800 rs. a peca,
cst.lo se acabando.
ALGIIDAO D\"M!l
Na loja de. Andrade & Repo, ra do Crespo n. 8.
esquina daroa do Imperador, contina a vender-
se superior algodo da Babia por menos preco que
em outra qcalqner parle.
Vende-se por o dono se ter de retirar desta
provincia a minio afreguwada taberna sita na ra
Formosa c. 9, com muc poneos lando*., livre-e
desembarazada^; quem u pretender dirija-se *
mesma:
Faretlo.
Vende-s3 superior farelio de Lisboa : no arrac-
em allian^a, ra do Imperador n. 57.
A Salsaparilha
DE ATER.
l?:ir.*i a. ^ui- x-a Escrfulas, uletras, chagas;:r-
?/////// las vclhas, molestias sypiil-
. 'Jjj///f( itiew, e nercuriaes, Eafertii-
rERAN^A>; ades das muliieres, como re-
Cencao. mcnstroXoloroso, olctr-
aco do tero, e flores brancas.
A Nevralgia, Ctnvulsoes, Ery-
sipelas. Enfermi-iades Cutaners,
borbulhas, nascidas, etc.
0 rxlrmet* ..,,,>.,./., el. SAI.s.U'AltlLHA, oonfeion-
ado pelo Im. AYEIt, lima combinai-o dos mi-lliores depnra-
v.i- 1 altera .!'- conlwcidoa ;i w.-lii-iiiu; i anapesto segunde
tf liis tii ciencia, ffutvto rc<-.-tn.Io julos primeirus
etiaoi *. Eetadoa Usatoa, da America do jiil, do Mxico,
das Indias e loa principies Estados da Europa.
A sal-: t.'Altf l-ll.l n VYKi: > capceUdntBte i-nu-nz na
cora das 1 .!-!. stiu qac lean loa *rigem na saera/tite, na
i. i- j-i..m.iiii iHO'eaeeMiMvdo mercurioi-i-m LiiMire/.:i slortianglWi
-,-!- nolestiiM^pM nfn'ig.'m o gem-ro L imnno, nao
tonU hu ll ni\'-r.-al Sjeflftel lia OJUC a e*cr**f-,iltt; por ei
n*. t.io --11: i<-tivn, |>r-i : u cana principal iU- aiuitns en-
fettiilli.'Mtfl l.*i- nao lili- ^.HJ ^-l.llti'v.lt- alll'ililliil;>.
t maA#-*flBKJi directa
ptpittt, > mifcllingn. /j/V-I^a 1I11 r.t ri-Uriit Itlteitinatisuut
i-j;n'i:'ii' /.'.- : i-iilri-i-os-yiii-ptoniaH ha o* *'guhito*;
1 J:i.i lif ipiynjltto, Frai|Ui-jji nth.za em lodo oor-po; Mo
clji-n. lia l;wj -emlilaute |*:3'j i- m liado, s rezv d'iima
alvuu transpirante, ontrai v-*- eonde e amarcllo 2.-> redof
ila bank; Rlgtio Iraca e npettta ir-n-jular; \'in- laehado
i- 1 \ un Rco Irtvgnlar; Qnnndt dtaen t* pulmoe* una c'r
axnUdc motbaxi roda dM oJIkh?, iiundo BoeaaaMgo
--.i' a\.:-iiii>tiKi ,|i*s. Na- in-sp-.*s it i'ii-|)08cao e*croiuIofH
apipan i>:,. IVi i|i.i.i i-ini-nle rapetas J"< p-illi- da cal>ccae partea ii* taorpo >..o predispstas w ja gado. daa i'nm..- r>- orgitoa rtlgaatlaiii mM'iIihmi l'oria:nU,
nao .-o : i- flITnrriliilflf da imi-nfula i|Ue ), u---.L,ni de pruteefia
contra oa -*i.~ ^tatraava : iodos a-im-ii' can iflajo sangne oxirte
o viril- lataatta >V .-l u-rrivt-1 lliiL-t-ll'i (-- i' u.-*-s ,' hi-ri-ililiiriilX,
<-.-i.io expoifcaa itaarttin a Boflrer das eafliaaldaitaa que elle
.causa.
1 mi r.-..-ni"! a aMtaa peaaoaa un ulnno anamo c um antl-
,-Joto i.- ai cobiru eota Mioieatia e raaa coime S;il-:ir:-i!!i.i lie Ayei'
;! ipera directaauente obre o sanfpie, puriflcaodo-o e ex-
.pulmndo Alie a currupcao i- o veneno dauiolc ;i dai aM parte.* e lo-lo* *^* .erbios do corpo humano, livrando-
ios.da nun aeco vieada^' inapirando-lhos novo rjg*r. K'um
titti.ii&te po o.-rp ja enfraquecido pela oxlica l'orca e energa neoovadas
r-..s.. ,* da juM-iiliiili-.
14MIIKM O MBJ.UOU .4.XTI-SYP1IILITICO
COXHZCIDO
r.i ptoiivaanenmcntc na peiorcg forman de SYI'IIILIS e aa
ns e*RMiH,ff,iencia!i. Pouca neccs8>dkJ: ha de informar o Mjb-
:o do e.*:iinavcl valor de um remedio ipu-, como este, fivra
01 ra
MHU
lico do iv i.....
jo san"*' .*i,-.-:i corrupo e arrebata a victima ilus garraa de
:uiiia niort* lenta e ignominiosa, jk.;ui inevitnvel se o imd
ajiv logo c*ttiljatido com energa.
j}o preu-uefiios iiromulgar. u-m qne.- i,u. isle ri**(tto c Infalirel paro n cura .- tollos o padeci-
uv/s humauArf, o que dijemoa que a
-Salaparillia de Aytr
* a vitrUtor preparado ate boje descoberta para ..tt-.if e unirs
ntoleattaa analoc-a, que c uina combinaao doa alterantes
mais .-flicazew conheet*, e que temos conciencia d. offerecer
ao publico o mclhor resultado que poasivel pioijunr, da
intelligtueia c pericia indita dos nopsos tempos.
BEMEDI0 DE AYER PARA 8EZ0ES
Jnfalivel ras fiebres intermittentOB, remitteutea.
Pebres Biliot-as e tercia, mal do figado, in-
cremento do baso, cegueira, Dr noa
ouvidoa e palpitacoea, quando
1 ao causados pelas
FEBRES INTERMirrENTES, O REMITIENTES.
Ai preparares de Db. Ateb lio vendidas em todaa w
Boticas e Drogaras do Imperio.
Vende-se eot PerDambuco:
na
PHARMACIE FRANCAISE|
DEP.MAURER&C'f
Grande loja e armazem do
Pavo.
Ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Tendo os proprietarios d'esle eslabelecimento de
liquidaren) urna grande porcao de suas lazendas,
al ao fim do correte auno, allm de kcliarem con-
tas e apurar dinheiro, resolvern) vcnder todas as
fazendas com grande abatimenlo em preces, tanlo
em porcao como a relalho, e por i>so previnem a
todos os seus freguezes, e ao rtspeilavel publico, e
as pessoas que negoriam em pequea escalla com
fazendas, que ue.-ie esiabebcimenlo enconirarao
um grande sorlimenlo que muilo Ihes tiao de agra-
dar tanto em precos como em qualidade; assim
como mandam pelos seus caixeiros levar as fazen-
das e amostras uas casas das familias que nao po-
derem ir a loja, ou o as amostras deixando -
car penhur.
Cambraias lisas a 3M)0O, la loja do
Pavi.
Vendem-se pecas de cambraia lisa branca e
transparentes, tendo oito e meia vara cada peca,
pelo barato preco de 35500, dilas muito finas, por
AoOO.ofi, 6at 105, sendo tapadas e transpa-
rentes, assim como cortes de cambraia com salpi-j
eos a 255OO : islo s na loja e armazem do Pavao,
na ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As camisiuhas do Pavo.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
das com manguilos,!para senhoras, sendo as mais
modernas que lem vindo ao mercado a 45500, di-
tas com manguitos, para acabar, a 15; ditas pre-
tas com manguitos para luto a <500 rs., mangui-
tos e golinbas pretas a 15, finissimas golinba de ,
cambraia branca bordada a 500 rs., calcinhas para
meuina a 640 rs., romeiras de fil e cambraia
branca bordada a 15600 na loja do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Ctales de merino a 2000.
Vendem-se os mais modernos chales de merino |
estampado a 25000cada um, bavendo lambem um
grande sortimeoio dos mesmos matizados que se
vendern a 65, 75 e 85000 : na loja e armazem do
Pavao, ra da Imperairiz n. 60, de Gama & Silva.
Os cintos do Pavo.
Vendem-se rlquissimos sintos de filas de diver-
: sas cores e dourados com (vela larga e dourada,
1 assim como enfeites para cabeca dos raelhores e
mais modernos que lem vindo ao aereado tudo
Isto se vende por um preco razoavel que muito
Ibes hao de agradar ; islo s na loja e armazem
do pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
As saias do Pavo.
, Vendem-se as mais finas satas bordadas asagu-
Fha brancas sendo da melhor fazenda que tem vin-
do nesle genero, tendo mu a roda, pelo baralissi-
mo preco de 1O5000; dilas bordadas a croch a
65100 e 850W, dnas com babadinhos a 95000, na
luja e armazem do Pavo, na ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Xu;*s vestidos do Pavo a IO>j000.
Chegaram para loja do Pavao os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente com os
mais delirados bordado de differeotes cores a pon-
to de agulha, sendo n'este genero a maior novida-
de que ttm vindo ao mercado, garantindo-se o te-
rem nunla fazenda e enleites suttkientes para o
corpo e mangas, e vendem-se pelo barato preco de
IO5O1 0 cada um, na ioja do Pavao, na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gf.ma 4 Silva.
(Is pspvlillHis do Pavo.
Vendem-se um grande e variado sortimento de
espanilhos os mais benrfeiios ?ue lem vindo ao
mercads, sendo de lodos os tamaitos pelo baratis-
^imo preco de 45, -55, e 65000, por haver grande
rtimento, na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
2. 60, de Gama ; Silva.
Hctowtes relas a \ 2000,
Na loja do pavao.
Chegaram peio ultimo vapor as mais ricas re-
tondas de renda prelas, sendo das mais cornpndas
que lem vindo ao mercado, e vendem-e por preco
muilo em ronta : na loja e armazem do Pavao, ra
da linperatrir. n. 00, de Gama Jj Silva.
(lrt&H lc casimira, pecliincht,
A 426800, na loja do pavo.
Vendem-se bornes corles de casimira dej&res,
tendo claras* escuras, e ve;ndtm se pelo bsralis-
simo pre^-o de 25800 o corle, ou vende-se a mes-
ma fazenda a 15600 o covado, tendo 6 palmos de
largura : isto na loja e armazem do Pavao, ra da-
Imperalriz n 60, de Gama & Silva.
Os cortes le casi ira do Paunr
Vendeni-se superiores cortes de casimira, sendo
fazenda muito lina, pelo baratisslnm preco e 55
cada um". na luja e armazem do Pavao, ra a
Imperatriz n. 60, de Gama vS Silva.
Os ci 11 los do navao a 1<5()00.
Vendem-se cintos de lila com livflas peleibara-
tisiimo prero de 15000 : na luja do Pavo, ra da
Imperairiz b. 60, de Gama & Silva.
Chales -prelos tle renda a S.sOOCL; a
loja do pavao:
Chegaram para a loja do Pavao os RMrS ricos
chales de renda pretos, de 1 ponas e muito gran-
des, vendendo-se pelo baralis'imo precoje'850001
cada um -fiara acabar : na luja do Pavo, pja da '
Imperatriz n. 00, de Gama v Silva.
Vt'slides iinlianos a .U000, M toja
do l'av.
Vendem-c-e os mais bonitos corles do vestido-
indianos, sendoesia fazenria transparente o in'.eira-
menle nova-no mercado, e tendo enlre. elles mullos
cortes roxos proprlos para senhoras que e>:o de
luto; e vendem-se pelo baiaiissimo preco e 35
cada um psra acabar:, na luja do Pavao, Tua da
Imperatriz c. Vestidos a 4-5
Vendem-se corles de vestidos a Mara Pa com
iarras bordadas, pelo baratsimo preco_d 5000
(.ara acabar : na loja e armazem do Pavo, ra da
.Yupeatriz n. 60, de Gama & Silva.
Manguitos e golas 0 OO rs.
Vendem-se manguitos com golas de cambraia
pelo baraijssimo preco de 500 rs., isto paca li-
qeidar : na loja do Pavo, ra da Imperatv'iz n.
, de Gama & -Silva.
Corvos de chita de Patn
\Vndem-se cortas de chita'fr3nceza muitu boa
com 10 covados a 25400, ditos com 11 covalos a
230O, ditos com 4J covados a 25800, isto s
para acabar : na Iqja do Pavo,-ra da Impecatriz
11..H., de Gama ^ Silva.
GlialAs de renda a M& 1 \ !..>>. 205 e 2:ij;. na
luja do Pavo.
Vendem-se chales Ki> t25, ditos de lisho a 155, ditos de seda ie
linh.i iii-- melhores que ba rm chales de renda a
20 e 55, ditos brancos de (res ponas a 69, isto
w'i oa l-...1 e armazem do Pavao, ra da Imperatrit
n 60, de Gama & Silva.
l\ovidade
PARA A FESTA
Popelinas a 400 rs.
Popelinus a 100 r,.
Popelinas a 00 rs.
Chegaram para a loja do pavo as mais lindas
popelinas, fazenda propria para vestidos de senho-
ra, sendo muilo transparentes e brilbantes com as
mais lindas cores que tem vindo, as quaes facili-
tan) fazer-se um vesiido com muia phanlazia por
pouco dinheiro, e vendem-se, sendo de quadrinhos
a 400 rs. o covado, e as de urna s cor a 500 rs. :
na luja do pavo, ra da Imperatriz n. 60.
A 3*000 o corte,
Vendem-se superiores cortes de cassa, sendo fa-
zenda muito lina e de cores lisas, pelo baraiissimo
preco de 35000, e ditas indianas, fazendas trans-
parentes, de moila phantasia, pelo baratissimo pre-
i;n lambem de 35> para acabar : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos zuavos.
Chegaram a' loja do Pavo ts mais lindos cortes
de vestidos cora o competente zuavo e cinto, vindo
j tudo em um carto, sendo a maior novidade que
tem vindo para a festa: vendem-se por barato
i preco oa loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Novidade para a festa,
Vestidos de seda.
Chegaram para a loja do Pavo os mais ricos
cortes de seda para vestidos, sendo em qualidade
I o melhor que tem vindo ao trercado; e padres os
I mais modernos por seren quasi todos listados com
. cores roui delicadas, aflancando-se ser neste gene-
I ro o melhor que et)ste vendem-se por precos
, muitn ruzoaveis, na loja 1J0 Pavjlo, ra da Impera-
tri? n. 60, de Gama & Silva.
AGUA BRANCA
Ra do uimado u. 8.
acaba de receber um
de di Itrenles objeclos
endo :
senhoras gostos ioteira-
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sonido como todos sabem,
hoje mais que nunca, no s pelo que rece-
be de sua propria cunta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeilavel publico tanto em
precos como na escolha dos objeclos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio : Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarao alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos..
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porla joias e necessarios.
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
.Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capettas e grinaldas de flores proprias |
para casamento.
Enfeites e capellas de muilo gosto para
sen-hora.
Riquissimos porta boquels.
Roquet de llores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Dilas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guainicoes para
enfeitar chapos.
Cotilas e tubos de ac branco, que ta
muilo se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetcs para grvalas.
Rotos com croas .para punhos.
Gravatinhas c mantiiihas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assrm como
caixinhas com a linetes pretos.
Renga-lias de canna com cabo de marfim.
Ditas de haleia, borracha e de outras
muilas -qualidides, assim como chicotinho?.
Riquissimos pentcs de tartaruga -do ulti-
mo gosto; asim como de arregaco para
menina, pnis ueste artigo ha um completo
soriimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas filas lavradas e lizas.
Trancas pretas Buteeiras tamo para senhora c;mo para
meninas.
Ligas de seda e de algodio.
Suspensorios do seda c do algod.lo emui-
los outros objectos que se nao nudom an-
nuociar por nao se lomar enfadorrbo.
S-.no Gallo Vigilante ra do Crespo D. 7.
Luvas de Jouvin.
A'.oja de miodeeas na-ra do Queima-
do n. IG, resebeu-a1- por este ultimo vapor,
iVM'dae.
Cbecaram os bonitos chales e relondss de guipu-
re hranow, e vendem-so na ra da Imperatriz n.
o, luja rik port larga, de Paredes Porto.
Acha-se .
venda na hvraria acadmica, na ra o Impera-
dor; na do Sr. Nogueira, junto ao arce de Santo
Antonio-; e na typograpbia imparcial, na ra es-
trella do Rosario a -contpilaco de loda a legislacao
lend^nie administraco, arrecadacao e fiscali-
saco os dioheiros de. orph&os defuntos e ausen-
tes, terancas jacenles, legados, etc., contendo nao
s g regiment de cusas a lei geral das execu-
Coes, como lambem lodas as ordens e avisos do
goveroo, que a tudo lera explicado, tanto a respei-
lo das obrigacSes inherentes ao cargo dos difieren-
tes empregados de jastica e fazenda, como dos di-
reitos nacionaes e emolumentos que sao devidos.
Este livro conteirdo mais de 700 paginas -ern ntida
impresso e bom papel, e prertando-se a Utilidad*.
de differenies olasses, tornase recommendavel.
Seu cusi 105000 por cada exemplar em dous
omos.______________________
lacbinas de descaroear al-
godao.
No caes d'Apollo^ armazem de Tasso Irmos.
Vendem-se superiores presuntos de Wesniha-
lia, chegados ao ultimo vapor: na ra do Trapi-
che n. 9,
Kreu em barricas pequea*.
Cera em velas de todos os tamanhos.
Cogas.
Mercurio.
Na ra do v igano n. 19, primeiro andar.
IH-H BARATO
Justo da h |it^r;i|hia do Diario, ra
das Cruzes n. 42
Maateiga ingleza fina a 15 e 15260 a libra, dita
franceca a 900, queijos prale a 800 a libra,ditos do
reino do nllimo vapor a 25610, ditos frescaes a
25200, ajobo Figoeira a 360, dilo Lisboa a 480, dito
Esireito a -0, caf 1" sorte a 280 a libra dito 2* a
210 a libra,, amendoas a 280 a libra marmelada a
6i0 a libra, cha da India a 25800, dito Ison a
35000 a libra._____ _____
Vende-se urna mohilia de amarello j usada:
na ra estreifa lo Rosario n. 17, 2a andor.
A loja da aguja branc
novo e graode sortiment
de gosto e ultima moda,
bonitos eufeites para
mente novos.
Ditos ditos de grade cijm comas grandes.
Lindas velas graiide para cmlos com moldes
agradaveis e diversas letalidades, madreperola,
tartaruga, ac e dourad s.
linas e bonitas Utas acfiaraaloiadas para dilas.
Dites de dita de grosi enapies lisas e lavradas
com novos e agradavei-j deseuhos.
Trancas pretas de seda com vidrllbos moldes
novos e de gosto.
Biros brancos e pretas de seda com vidrlhos e
de dilTerenles larguras je bonitos desenhos.
Cascarrilhas de seda icom diversas cores e lar-
guras, formas inteirameute novas a inalado de
pafo, babadinho e oulr com urna irausiulia no
centro o que Ihes da irania graca
Grande liquidacllo
De fazendas e roupa leilas na toja e armazem
da Arara a ra da imperaniz n. 56, d<- LeurB(4
Pereira aleudes Guinares.
Corles de dula a 2200
Vende-se crie.- de chita de 'Ores llxas a f20 ',
ditos de una franceza a ;i5, coi es de ranbaia uaj
Cores a 35, dilo.- de dita com bairas a 35 e 3ol 0,
a ra da Imperan i? n. loja Oa Arara.
Chales de ierii) a 2r)000.
Vende-se chales d- loerin .'5, 35 '*5, *';*. e
85, riseados imuii" a iu e .so o covado, a roa
da Imperatriz luja da Arar* n. -"iO.
Itiiti|ias ffila* nara liquidar.
Vende-se paliiul- d< biiiiid< r 1 a H* 35> '
de uieia casimira a iu, -> B 'i, 0 lo* ^t I***
tino e de casimira a t*5, 105. li-'i e \'ti, cairas de
bnm pardo e de coi a 5500, dnas de dilo :
branco a 35300 e 15, paliis de alpaca preta de
cores e brama a ifSUO, i5 e 35, amizas fiance- |
zas linas a 25 e 25600, (lilas inglezas de pircas
largas a 35'' 35310, reroulas france a I56O0,
25 e 2.'iOO, coleriniios linos a OO a duna, Calcas
oSmZZL. E *S?cid.s de bico -e casmuraa 45, 6| e 85, a ra da Imperatriz loja
T 1 1 \ r 1 1 11 .1
de seda obra de muito gosto.'
(Huras de camtiraialde cores.
Liotoes de seda, velludo e ac para enfeiles de
vestidos.
Trancas de seda estrenas e largas brancas e de
cores para enfeites de vestidos.
Fiares finas
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A aguia brauca a ra do Queimado n. 8, rece-
beu para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Dilas dilas para meninas.
Dnas ditas de caixos de flor de laraoja.
Ditas ditas de rosas camelias e outras.
Ditas ditas ou ramos de ingo.
Diversos ramos de flores finas para peito de
vestidos, enfeiles de chapeos ele, ele.
Preparas para flores.
da Aiaia n. 50.
. Leurds de seda a (i 10.
Vende-se lene linos de sede a 840, 800, "5000
e 15, ditos-- ditos de linho a j'OO, 35 t 05, dita
ra a Imperan / n. 66, Ha da Arara.
(hilas de crea lixas a 220 o covado.
Vende1 chitas dt eres lixas a 230 e 2i0 o
covado, (lt)as linas raneezas a .'120, 3CO e 100 o cu- |
vado, pe calas linas a 140 e 300 o covado, alpaca ,
de cores fara vestidos de sentv.ra e roopa para '
meninas a 3o o i-ovado, a la da lmiierairiz n. 3,
loja da Amara.
Cassa fraile- za a 320 o covado.
Cassa franceza > vende a 320 t 300 o covado,
organdis li: i.s a 360 e (!0 o covado, ptras de cam-
braia lisa liria a 35. 35800, 'i5, 35 e 05, a ra Ja
Imperatriz luja da Ama u. 36.
Balees a 2000.
Vende-se baldes de 20, 23 e 30 ateos pi lo barai
Na ra do Queimado n. 8, loja da aguia bran- pre^, je j^ 25300 e 35300 e 45, saias boidadas
ca vende-se : para senhora a 05300 e 75, ricoa vestidos a Mana
Papel de eoret para rosas.
Dito verde para fullas.
Pia com lindas han as a 135, 145 e ,f<5, 'utos de
cambala boldado a ia -oda a 85, 95 e 105,
Dito dito e pardo para cobrir os talos das ditas, lasinha nara rovado pe i batato preco deJOO, 840,
Musgo em rama. 320 e 400, ditas de quadro* de ;da a 3GO u
Folhas para rosas. covado.
AaiilhaiP linhn Aguinas e muas para Lruuwi.* ar || o Bm do nrreule a rua da
Vendem-se na rua do Queimado n. 8 loja da
aguia branca, assim como aguihas para tranalhar-
se em la.
para liqu
Imperatriz loja,da Arara u. 56.
Papel de sobrecellente para os
phospharas hygienieos ou de
i seguranca.
A vista do grande tamaito das caixinhas dos
phospheros hygienieos ou de seguranca, lornava-se
pouco o papel que vem em ditas caixinhas, e para
remediar essa falta a aguia branca mandou vir e
acaba de receber esse especial papel, iqual so
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
phosphoros e se vender indislinclamente a quem
delle precisar. O (.Tiende cada caixiuha de phos-
phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na rua
do Queimado n. 8, loja da aguia branca.
Seda froucha para bordar.
Vende-se na rua do Queimada loja da aguia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Outros tambem de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e outras cores.
Aderecos de crystal obra de gosto.
Rselas de dilo e cruzes.
Boioes de dilo, brancos e de cores para rollete.
Dilo de dito tambem brancos e de cures para
punhos.
Voliasde dito e outras qualidades.
Leques de di> ersas quididades <
Vend-m-se na rua do Queimado n. 8, loja da
agu i auca.
Aspas forler para baldo
Vendem-se na rua do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Qromacome para Ungir ca
^ bellos.
A 3{!UTa' branca avisa aos rnnsiantes freguezes
desa encllenle tintura. Huiros objectos.
Vindos tambem para a anltga loja de
miudezas rua do Ijueimado n. 10.
Sapatinhos desetim branco bordados pa-
ra baptisados.
Outros de merino tambem bordados e
igualmente bonius.
Meias de seda, correspondente no lama-
nho dos sapatinhos.
Outras mui linas de ho da Escossia e
brancas lislradas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita pata senhutas e meninas.
Pentes de tari ruga mui fortes para des-
embaracar.
Carritets com relroz preto e outras cores.
Carteiras coa apulbas;
Aguihas francezas. as afamadas.
Caixinhas com allinetes brancos e pretos.
Haspasde baleia para vestidos.
Filas de linho proprias para ditos.
Caixas rom linhas de novcllos grandes
para crochets.
Trancellim de bonacha prelo, redondo.
iioniiis fivellas grandes le aeo.
dmiradas. uiadrcperola e lar-
taruga.
A loja de miudezas rua do Queimado
n. lt, recebeu um bonito sortioiente de
fivellas grandes para cintos, sendo de ago,
douradas, madreperola e tartaruga, as quaes
eslao sendo vendidas em dita lojj por pre-
cos commoilos ; assim como boas e bonitas
ber uma nova remessa de eromaenme, coloricome fitas de gorgorao achamalolado, proprias p.">-
e sabo branco, necessano para lavar os cabellos, pa ditas fi\ellas
KlTnde8n,lir'g,r'Sead,a 'ja a rUa d0 Ociilos detendr e de outras
Abridores de luvas. T^ist^ Para Vendem-se na rua do Lueimado loja da aguia
I raiii'K n. 8.
Porl bonqnels
de bonitos moldes, dourados e rabo de madrepero-
la : acham-se a venda na rua "do Queimado loja
da aguia branca n. 8.
Bonitas touquinluts
de fil de linho, cambraia e setm lodas mui bem
A' loja de miudezas rua do Queiniai'o
n. IG, lamben) receben octilos de penen a
com vidros claros e oscuros, para qi em sof-
fre da vista, assim como outros de armacSo
de ac, sonidos em graos.
Coroas e tercos de cornalina.
A amiga loja de miudezas a' tua oo
enfeiladas: vendem-se na rua do Queimado n. 8, qucmad .|U, recebeu mui bonitas CO-
lota da aguia branca. ^ ,- .-
.. #h on abn* roas e tercos de c irnalina, os quaes eslao
t arreins com reiroz. a disposicao oos bons enlistaos que os qni-
| Na ma no Queimado n.8, loja da aguia branca. zerem com|.ar cm dita |0ja na ri:a do
Muittl itteilCaO. Queimado n. 16
Guimares & Irmo proprie.a.ios do grande ar- Esponjas GtiCti grandes e pe-
ma/em de fazendas e roupas lenas na rua da Im- { (|iieuas.
perainz n. 72, tendo receido um grande sorti-j Vende-se na rua do Queimado, loja de
1 menlo de fazendas de gusto ti azulas por um dos miudezas n. C.
; socios pelo ulnmo vapor, vem perianto fazer scien-
! te aos senhores e senhoras os precos de sua fazeo- A >!; Oja das,os iropnos alliaucam vender as fazendas por, Qurllia:'o |(), lfa\it de TttAQt '.
n^l* .? cP-r Ce"' "0 aff". T U"a ,,,ualtiuer Novas e bonitas guaruicoes prelas para vestidos e
, parte nao so por ser no fim do annn como lambem !
| por sor a festa tempo e*te que as Exmas. senhiras
devem muir se do bom e narato, a saber :
Seleiros e cotreeiros
PE I1.N IiAO
Sj!a de lustre cm p^rfciiu m|hI
meio...........*3W
__^ 5-Riia Dlrella-:.
liOY LOJA
ENUCLOIEDini
hZ tu; da luioei triz ,:rma/f
da porla i.ir: *t.
Junto a paitarla fradroa ele
Paredes Pono.
Xi'fte estabeleiiiie:nii. rnci-ulraia o MSpfi'.-wH
publico nm aariadu aortai ehi
zas, ingleas. suis.-as e aeiraes. que v*o>rao
pcir piejo coniniodo.
Parfd.s Farla
Vi me eh.i!:-s de li :,!!. Je tM*l qu* t-o-1-
ram a ISo eali vendei.iio mc i^. i ra>-
Zenda imjV.-i, j'>, 8a Mi. un. n iu-Mo *Mp>
plelu de manteletes, -apa* suutan I ai
ibt. lina ila lui|ierairi/ n i. junio i 'nm-
ceza, ariuairm n pmtu lai;a
Carriles Perl*
Kiceheu nm completo si'itinientii 1-
10, e !80 i>. evado-, tara acabar. rialRM
cor a SiO rs. o ewadi. i arada i -
pa de lienin<>, fuslu i:e lil.le- a \V
Rm da Inqrralri* n. .")2 jnni a | :tJ^ri* M
irmazen da na larga.
Paredes Parte
Rteeoea para eemaadM p*n nm IM rm
M a 11 r. cambraia lisa lina a '.\'> t.j ''-} a
;ei;a, ruites de lailatau.i h- :,il ~ % -' .
- can.biaia (i.ii, or de seda. pajH
teiile < im.s a loo e -*)l0 r.-. > ruva I .-"
da (illa larga n. .">2. rua da !iu;--r .'r / I
dara (raiu-eza.
Parcars P*rli
Hereben feloollili.u i'|i.-- nm
I U/es l-i III pl lia! I i.f. i, |: -i I 1 '
de la para pe.-ciee i!.- infla ra. Kna da '
n. ')-. ai lua/i iii da |'i-rl.i larya
Parfff Par
Vende Culles de gulgur "i W
21 envadus caoa um :-"4iH>. gru-:
1,5600. IfHO e-2 'Vaio. 'ss h.
rs. 0 ruvaili., las de ajgftdrMM par.i
tada. a 3;0 rs. o covado. Rua d-t In.per itn-
arniazem oa polla laiga.
Pai f!> hM
Ti m (ara vender iii pi i
esguio de linho n ni O varas a 75- >*aV '
linhu para lenices a Mfl 70* r-. i
te de linlio de "i larguras a 00 i.>io
Paredes Parte
Vende corles > can braia fn*riaiia- d*
post.-s a lo> e l. nm (eMBeeeei i *
e nieiuiiu, neis c-ii-1 de i M
10 e 10$, tarlitana I rama e d- cr a I
rs. a vaia. lina da lrui-:aiiz aramm *
larga n. B.
licita (rita
Una da Imperatriz n. M arma7-m da rblff
ga jimio a padaria feraajttaa, leHMNta -
labeleeiiiienlo um ii !. ptPte .rtin r-
sac(s e s.'hrecasaei -1 tedas R
gas, cuileles, celdilla-, f.iwsw, praa
chapeos de sol, dili hraarraae pe
preeus Cummulos. iuo| )-: i.<> :im >
BBllM la/etidas [el ( I ..iu. o.
da | ila larga.
No mesmo tsUbeti i i' Mi
lave I pnbhe, sen \ i i '
roui as ( ilas de I da- -
pal tes de aljiaca pn la
eos a lr5 e b', dfJM ii-- trun par> -'
3i)i O, dito.- liuos a '.3 di: -
35-'iO". 15 e 8d\ llos ra
e I0, ditos sobn-cas.. i i1' '.-
no sacru- a li. fl e li.. til- -': i
e t'i-'. ditos de maimt \ rete a iiv. i
- de Inm de diversas rui lida -
diius i ranei s a *-*.-"> 0 i H
(.& e 7. dito- nri us a H, i-S. -1
muas cazeipiras a ''$ t iaf, i
qnalidadi -. im roalas li i -.
iinlo. ditas de braeaile a ij e i*l'<
alfodao de Imiiu (ranen
de perliinrha n>- i < p
quilo ladi > e brancas pan c*-.
un.' uto de ii.r:a> par i :> -. -
a 3, -ii' ores a 'C '. 1
l'in i "i. plato se'.- cha,
alpara a :'-5. ditos de -ni a .'ii. 7;>.
dito* frai i-' zei para al i a, i i
a 6f>.
I'rrhi!,'-!la i ntii.-.
Graad rilan mu
,,'1,/e. de ran I ra i .
IOS lie .11,:; \j t
Grande s-iim-eiiio .. ri \:. m i
tras n.uita- qualidades qae s-ria eei-.J'
etooa-la.
Fazen Vende-se snperior mriri [
pas de senhora e vestidas a .'.*,. i. ,
a 1*1800 o eovad P
: Paredes i' i
Vende em trt
bordados, grande *
tenle bordafJee i 3$, ',
lo, rua da leaperairiz .'_';
padaria rao
I'lll : lo
Recebeu peto Mi
granadinas nm llore- d -
covadu. esio acaban -e. ra*Ml
luto. Purta larga Mlu a peatkffte I
da Imperatriz n 5S.

:
'


soulembarqurs.
Bicos de seda bi ancos e pretos com vidrlhos, e
differules larguras.
Iticos corles de laa com barras. Trancas prelas com vidrlhos.
Vende-se um graude soitmenlo de corles de Cascarrilhas de seda de diversas cores e moldes
j las com barras leudo lodos os perlences, camisi-, rovos ; outr: s eufeiladas com bicos de seda.
: uha com gravalinha e sinto, sendo os mais novos e i Babadinhos de seda.
I modernos que lem vindo ao mercado, ditos de i Trancis branca: de seda para enfeites.
| phantasia com lindas barras e vendem-se por pre-' Bonitas filas brancas lisas e lavradas onlras de
50S muilo raioavejs. j cores lambem lisas e lavradas; oulras achntalo-
Las escocesas com lisias de seda. tadas para cintos, largas.
Vende-se um bouito sorliroeuio de lasinhas es-' Fivelas grandes de 350, douradas, madreperola e
cocesas a 500 e 560 rs, ditas transparentes de lis- j tartaruga,
tas de seda a 320 e 360 rs. | Benitas ligas de seda para senhoras.
Perealias linas com lindos desenbos. ; Leques de sndalo o oulras qualidades.
Vende-se lindas penadas muito finas a 360, LinduS 0 delicados- l'lll'riles par liai-
400, 41-0 e 500 rs chitas de todas as qualidades a ips naseoine
saber de precos 280, 320, 300, 400, 440, 480 e | '" e r**BeMW
5qq rs_ A amiga loja de miudezas na rua do Queimado
Cassa francer-s miiuliiihi I ,6> rerebeu novos e lin(ios enfeiles para bailes
v h0 Cfl 2 n"u"""'s- e passeios, todos de muito gosto e inteiraniente no-
Veode.ce: um grande sort.menio de cassas mlu- varian(J del|pes ronfo.me >uperiori-
d.nhas sendo as cores seguras a 280, J60 e 400 rs. i dad'e 0, prelen'uentes os acharo em di.a toja, oa
JKilho
a 44800 e 50O0
a sacca e em cuia a i'iD rs., farelo novo a 15000 a
sacca; no armazem da Estrel;, largo do Paraizo
o. 14.
Cal de Lisboa
_1 Vende-se a S o barril: na rua do Brum n. 66,
armazem de assucar.
Chales de renda
Paredes'Perto. na ruada Imperatriz n. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
no teque de mofo, a 3J50O e 4, fazenda de 10J
e 125000.
Vende-se a fabrica de charutos e cigarros
da roa do Aragao n. 32, bem afregnezada : a tra-
tar na ma dos Coelhos n. 2|
Atlenco
Vende-se relogios de prala dourada por muito
barato preco ; na praca da Iudppendencla n. 18
Cambraias lirancus transparentes.
Vendem-se peinas de camhraias brancas trans-
parentes a 35. 40, 430, i, 5(500, 6&, 6o00 e
7J, ditas muito finas cero uma vara de largura a
9& e lOj.
Chai- s de merino linos.
Vendem-se chales de merino finos sendo com
eslampas bonitas e modernas pelo barato preco de
7, ".'mi e S-5, ditos lisos com lindas cores a
i i, -i500 e 55, duos estampados a 25 e 25500.
Criuolinas ou baldes.
Vende-se um grande soriimento de crinolinas ai
25500, 35. 35500 e 45-
Tarlatanasfinas a CIO rs. avara.
Vende-setartalana decores pelo barato prego
de 640 e 800 rs. a vara.
Mantas para homem a 1 300.
Vendem-se maulas pi ra homem as de mais pos-
to que tem vindo ao mercado pelo barato preco de
153OO e 155OO, tudo islo s na rua da Imperatriz
n. 72, loja de Guinares ^ Irmo.
Tiras bordadas a 15-
Vende-se um grande suriimenlu de tiras borda-
das a 15 rada uma e pecas de enlremeios a 15,
I52OO e 15500.
Camisas franeczas para homem.
Vende-se um grande, soriimento de camisas fran
cezas a 15800. 25, 25500. ditos de peito de linOo
a 35, 3,5500, 45 e 45 : isto na rua da Imperatriz
n. 72, loja de Guimares & Irmo.
Roupas fritas.
Vende se um grande soriimento de roupas feltas
assim como sejam : paletots, calcas e colletes de
pannos e de casemira tanlo preta como de cor pa
ra presos muilo raz -a veis assim como lambem lem
de brins nrancos e de cores, seroulas de linho o
de algodo e ludo islo se vende por precos muit
nioVraibis : isto na rua da Imperatriz n. 72,
de Guimares A Irmo.
ruado Qoeimado o. 16.
finascapclla> para noivas e
meninas
Acham-ie venda na rua do Queimado. loja de
miudezas n. 16.
Bonitas touquinhas
de fil e cambraia-, bordadas e enfeitadas : ven-
dem-se na roa do Queimado, loja de miudezas nu-
mero 16.
Lonetos de dous vidros com are de aro, bfalo
e tartaruga.
A loja de miudezas, rua do Queimado
n. 16. recebeu um bello soriimento de lo-
netos e oculos de vidros com armarn fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os est venciendo
por precos razoaveis : os pret ndentes diri-
am-se a esta leja na ma do Queimado n. 16.
Algodo trancado
da fabrica de Ferno Velho : no escriptorio de
Mnnoel Ignacio de Oliveira Fuho, largo do Coj-
po Sanio ii. 19.
Vende se uma negrinha de idade de 10 an-
uos : a tratar na rua da Imperatriz n. -20,
IWlcilA!!
53Rua Direita53
Salitre refinado muito fino (ai 55500 em barrica,
lona moilo larga propria para encerado de barca-
ca e camas de vento 15 a vara, camas de vento a
55, e de em-ommenda looa do reino com laxas de
i cobre a 75500. espinzardas dous canos multo finas
* a 255, 335, 455 e 605. facas e garfos cabo de viado
35500, balanzas finas 55, pentes e enfeites para
Vende-se i#m cavallo rug pelrez com 7 pal senhoras tudo de bom gosto modernos, bandejas
mo< de altura mqilO !.'"P, d.-} qabriolet : na rua da finas, tudo pelo barato prego que s com a vista se
Soledade n. 19. I podera ver.

Paredes Pi-mIo
Vende um ccmpl lo -ur'imen'o ds
brancas, como sejam madacolo a ','
10?. peeas de algodo pr.r btate te
ceza a 240, 280. 320. o rs. thmt
mmto Bu* a NO, 106 rs. m
a200e2i0rs. o covado. Rua d.. hp|vri a
52, jur to a padaria franceza.
Paredes !\nto
Vende gangas de rr propria para roopa de a
nios a 320 rs. o C**adfc llMfttai fran---'
'320 rs. o covado. Rui da Imperatriz n. '-.
a padaria Ira im- 7.a, p. ita !.irga-
Pareiles Porto
Receben pelo oltmo paijo-te e-par .
gliieuso por 3*\ o bons. l-n -- di i ',
nlioi i e hoiiiem a I?, M c(^t^-i '* -i-ri r
bordados de IHJ a 7;, i ir I- r nm i
eslao se arahando, na ma d.i la i \
lo | pifarla franceza.
Na praca do co:..nrrro n I, -sera
Jos Mana Palo.i ira, ven Je M
Cerveja Bas*. verdad-ira ^m b
rerenlemeiite no navio ni;le; ,i.\nri, K v .
Uiscoulo no;. /. ii iup- tino.
Bolachuiha haml urgueza noa ruja qnalda>t-
ja aqu nao ven. ha lalvez 2 anuos.
Vi.ihos finos.
Superior vinho di. Poiio da< mareis Plri V
rainha de Poitugalem Barrita *!* p- I
dado o cui-im as eaias, e por i-so se
barato preco.
Ha lamiiem as mesmas marcas m o tuinas :>
duzia, hem r mo brrtlinhos de ',. 'e pjsjj |
nho lambem do Porio, e tudo se .
commodo para acabar.
No armazem de Fcrr-ira A Mol
Cadea du Rerife n. 62.
Vende-se um molatinho Je 16 a 1" .itao-.
proprio para pagem por ser minio hmiihi r de boa
comucu : na rua do imperadora, i-, wk. m
andar.
eucostle
i
labyrwtho
Na rua do Crespo, loja da esquina a. ta -np*
riores lencos de labyrinlho, que se Tem*-m po'
commodos preco.
Aostabaqui f.ts
Vende se as ap-eciaveis ,-aixa
feilas, obra fabricada no Ar.cm
pre^o, para acabar ; na rua da tal .a I* fel
7, loja.__________
Vendem-se
machinas americanas de s-rrote par
algodo : na rua da Senia.. Aova .
i + -arocar
O.
L


ayr~~
.
^
"N
Diarlo de Pernambuco Quarta felra 1S de Dozembro de 1KO*
IM) UUillli) MJ
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor francez ricos cortes de
vestidos de seda decores dos mais bellos gostos, prupiios para bailes,
partidas ou casamentos.
Cutes de Guipure pretos e broncos.
Hoiiets de palna da Italia para senkoras.
Moir branco e preto. '
bonita seda pira vestidos.
|| Casemiras de quadros.
X Estotras da India para salas.
s i-.d'poloes fYaucezes a 400 e500rs, a vara,
& Lilas para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diftVeentes,
Q que tu Jo se vende pelos mais commodos pregos.
-
CORTEA 1IE SED A
Chejranm pelo paquete inglez riquissiraos cortas de moreautique de cores, e seda lavrada
#595 mteiraaieote uovos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RA D CRESPO-5
Gregorio Paes do Aiuaral A Companhia.
:;
A
i
ti
%
Para vestidos de senlwra.
Cortes de seda de cor de boin gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bnos moireantiques do cores.
Grosdenples di todas as cores.
Ln los poil d cbevra faz-nda assetinada de inteira nwidade.
Lindas doquezas assetinadas fazenda inteiramente nova.
Modernos rena dies de seda oque lera viudo de mais novo.
Grande variedade de laa- le cores li,-as e de salpicos.
Oiva idys e ca sas de muito bono go-tn.
Percalias modernas coi grande variedade.
Lindos es de liia Clotilde cun todos os pertences cada ura em seu car-
:.' Ji.a7i ii leir mente novos.
'V :: ms c i tes Je ca si co a birra ti nb -m inteiramente novos e outras muitas
(' fazendas de gosto quesera enfdonh) ri|encionar.
Para homaros desunko-a
Grande variedade decha'es, boirnout, retundes e algeriennes de fil e de
guiire a (0, 16, 20, 30, 40, 60 al 05-
M id irnos sontembar |ues de seda de superior qualidade. .
L mi )> bertes de seda de cor pret h e de cache nira.
l; i"in de ca-abraia branca b infida com minio posto.
tautetnbarqaes ebourmux de cactiimira de cor e outros mullos artigos deg
'-, Q gOStO.
Parn enhena de senhnra <
inores chapelinas de palha, de 3eda e de crina de muito bom gosto a im-
AO RESPE1TAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de precos,
tanto deste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Carmo n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazem sciente ao respeilavel publico, e com espeeialidade aos senhores de en-
henos, lavradores e mais pessoas do centro, que paramis facilitar suas compras deli-
oeraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todo> os seua estabeleci-
uieutos em ura s annuncio, pelo qual o prego de ura ser de lodos, promette-
uios que ua"o infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os ge aeros
por uiu prego, e na oceasiao da compra quererera por outrw, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porra nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
I anda mesmo com prejuizo nosso, qualqoer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-uos o favor de mandar seus
pedidos em cartas fexadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna cunta
Hela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
aiguma que fizer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
por ceuto na sua despeza diaria.

i
;
?upe

;*p ratii/..
Chapeos de.pdha da Italia grande variedade. {
L nd >s. gorros e bonets de palba de Italia, Iraperatriz, Canutier, Clotilde
ir.m chegados de Pars pe o ultimo vapor.
G'i'il.i variedad,! d S iperiores wstidos de blon le. e de m lireantiq ic brincos.
B >ns m ireintiq:ies hnncw e s-perfores sedas brancas.
i! i is vest los ti; ti latina blanco bordidos.
Lindas mantas de bbnde e boas capellas.
9l!rdiios.
Grande variedade do ntremelos bardados transparente e tapados,
i as borda-la- transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordadas e
outros mulos arligns.
liOJTi ll CUAU.IIXAS
DE XTii.Mi CORBRI'4 E VAS ONCKLLOS RA DO CRESPO X. 13
""V. > a m
I LOJA 03 BE^
Sarveja
Superior serveja Bass dos melbores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Asbe a 7,5oo e 7,000 rs. a razia e a 7oo rs.
a garrafa. Tambera ba de outras marcas
como seja : Victoria e Aleope a 0,000 rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de L'sboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais biixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite dore
Superior azeitc doce de L'sboa a 6io rs. a
2,4oo rs. a libra. garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
dem preto superior de l,8ofS 2,5oo rs.! Massas
a lbra Macarrao e taloerim a 360 rs. a libra e a
KiMCOiitos 5,000 rs. a caixa.
Latas com superior biscouto inglez de di- Passa
versas marcas a 1 .oo rs a lata. I Superiores passas a 3.000 o quarto e
*olal 12.000 rs. a ca xa de arroba hespanbola e a
Manteiga i gleza perfeitamcnte flor che-
gada ultimaineute-de I,ooa i,too rs.a li-
bra, e em barril tora abatimento.
Manteiga francesa da safra nova a 860 rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHV
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de priincira e superior qualida-
de a ,8.oo rs.
dem hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porelo ter abatimen-l
to, tambem ba proprio para negocio de a I
0 BULE DO CUBE PEBMHMJCIW
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
Offerecem a todos os convidados, do esplendido baile do Club Prroaataeam
seu bello e escolhido sortimento de fazendas de phantasia, chegadas pelo Omemn, fw
consta das seguinles especialidades.
Vestidos Cesarlas.
Linda e nova fazenda de l-brilliant, transparente, com listas e flore de seda.
padroes do ultimo gosto.
B S8II1S
Em cortes padi oes novos. escuros e claros.
Em pepas moir?antique liso ondeado e lavrado. t
dem estampado com listas e flores. V^
Tarlatana.
Resta urna diminuta porco de cortes de tarlatana branca, eneitados ca|>rifb>sa-
mente a cores. Todos os amadores de partidas e soires, bao comprado para suas frai-
las esies vestidos, j pelo diminuto prego, ja pelo bonito gosto.
KKFEITES
A imperatriz Eugenia e a rainha Victoria que adaptam com muita elegancia
KOK*
Jouvin C.
Resentia-se o nosso mercado da falta absoluta das verdadeiras Inri* de tomn.
?mos a satisfaco de poder annuncia-las a nnsfos fre^uezes pelo privo de 34000 o par.
E grande a economa vista da flexibil dade e bom acabado, que Ibes di dupla
duracao *obre as falsificadas. ^r
Trinta diversos oljrrls
Proprios para o complemento dos mfeiies de vestido como berthes, crtMajreo.
suspensorios, ele, gostos os mais pbantasticos em dentelle preto e brando, ufe ele.
ftlandam-se amostras.
O ademas e pestes de lartarsifai.
E a primeira vez que vem esia Tazenda 10 mercado. A pequea por<;o qne res-
a convida as Exmas. senboras a urna breve comjira.
r r ,, CIWTOS
Lom uvellas de madreperola gravada-, tartaruga, metal, etc.
Chales de fil de eores.
va remessa- deRlei chales e remudes a dos e mais cores em xadrez 5*Ia se
pode ju'gar do magnii. o effeilo destes chales, sem experimentar ; as pessoas que os de-
sejarem mandiremos amostras.
E urna infini lade de fazendas de gosto, como sejam:
Chales de fil preto de 105000.
Os mais ricos vestidos para menino de 3 a fi annos.
Colxas de croeg e pannos de labyrintbo.
Tif branco e fil de seda. *
Superiores baloes de clina, recommendaveis pela longa duraco e boa taibo.
Tudo a
f
LOJA
RA DO CRESPO 5
--------------\-------------
DO
BALAO
E
'i-
Latas com nolachinhis da acreditada fa-
brica do beito Amonio, proprias para dar a
doenies de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs a lata.
Queijos
Queijos flamencos ches idos no ultimo
vapor a 2,5oors., tambem ha do vapor pas- a ums<
Soo rs. a libra.
QE\EBRA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
du'ia e l,000 rs. ao frasco.
Genebra de JIollan la verdadeira a 6,000
rs. afiasqueira e a 50o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a ioo rs. ca-
_ j n i AZEVEDO FLORES
Kua da Gadea do Recite, esquina da Madre de Deus.
Grande sortimento de fazendas por atacado e a rewlho um -omplei.. s-
menlo de roupa feta, de casemira e de brim, tudo por menos que em ouira quaai
parte: quemduvidar venha ver.
CALCAS
de lindas e Onissimas casemiras escuras e claras, de superior casemira preta. de finos
brins brancos e bom brim pardo.
Paletos
de superiores casemiras escuras e claras, de lina alpaka branca, de superior aipaka pre-
ta e de brim pardo.
rolletes
de boas casemiras pretas e de cores e de lino b ia branco.
CAMISAS
Superiores camisas francezas de ato .->$.
AMTal
Novas mantas de seda para pescoco de homem.
PLO ULTIMO PAQl'ETE
Grande sortimento de baldea de arcos ecoberlos de panno.
Bdes de arcos encarnados os melbores qi.e ha no me cado.
Baloes de arcos brancos, tambem os m<.is novos.
Ba'es de arcos escuros, a primeira vez ijue \emao mercado.
Baloes cobertos de superior musseina.
Ba oes cobertos com pannos de Esies baloes encamados e esenrosdevem ter um completo acolhimento >nr
assenhoras, pois tem a vantagem de nao se sujarem; como acntete ern os bran

r^.
Js.^ii
sado a 2,3oo rs.
CHOCOLATE
Garrafes com 2 garrafas de genebra del
Hollanda a S.ooo rs. o garr.fao. Tambem)

BRAY&LANMAN
\ agua florida de Alurray & Lanraan .
olhada c >rao um artigo' de perfume, nao|
' 1 pn litio ser igualada pelas preparacoes,
as mais costosas: conserva sen aroma, co-
v 1 e fu masse parte da prenda a que ella j
se appfii a.
Sua efiracia tio delicada, como elegan-
tes sao seos multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
id uso do banlio, ou como suavisador da
pelie, depois que se tenha feitoabarba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
balito.
l su'vidade, brilho e elasticidade as
. leifoe de.-oisdese haver lavado; al-
li\ii a iiritaiiio de rupcoesordinarias; iaz
desajp recer o oesa^radavel afpecto dos
pannos, das ardas, do rosto, rugas e toda a
c is a de 1 bulicoes, e d vigor e frescura a
pane onde quer que se applique. Sua eflQ-
cr ocia e elegancia sao igualmente infalli-
veii iiuscasus em que seja preciso applica-
h enmo esimuante e antisptico, nos con-
'n s is e assemblas numerosas, as loca-
l.d.iica infeccionadas, na alcova de um en-
b'i Dio,
te
ou suffocaclu
Lainnm a Keinp, Nova York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Joo da C. Bravo & C.
ep)3;o .->ral em Fernamnuco ra d?
C is n tt em casa de Caros & Rarboza
imo assiiu cratin nm uniiH a .11 r. !colares viram salvus do perillo seus charos 0
uno, assiiu .orno e um antidoto excellen- Dh(Wi e de ouiros por.iue eoilMcan dquelles
, para 08 ilesmaius causados por cansaco proeno exemplo para i?oalmenie preservar
Preparada nicamente por
avaiiado,
Fnnre barrica S4000
fortland dem 84300
Em perfeilo H,tado:
Ptsikm barrica OJOOO
Portland dem 12^000
Ko araa^em de Tasso Irmaos caes doApoHo.
Na ra do Queimado n H3.
Nesta hija portlo* os vapores su recebe luvasde
pellica braocas e decores, tanto para homem como
para senhora.
Vo tas, c uzese brincas.
Cliegou no ultimo vapor um grande sortimento
de volas e erases, imiundo eoroaUaaa brancas,
assim como brincos da mesla e d^ crystal do mais
apurado gosto que se pode desejar, fui s quem
recebeu : oa luja do bmja-fljr, ra do Queimado
n. 63.
Eiifeites para coque.
Assim como receben enfeil-s para coque e ou-
tras muitas qualidailes, que se vendem mais barato
do uue em outra qualquer parle. f
Bouecas qitft ciiamm mami e papar.
Tendo recebido nm rande sortimento de bone-
cas que chamam papai e mami e movem com os
olhos, muito bem ve que ple baver de gusto nesn genero, e vende se
mais barato do que em mira qualquer parle.
Blains.
Assim como nm bflnilo sortimento de balaios para
menlua de escola, tamb-m ha muiio bons peales
para desembarazar, guarnecidos de metal.
m Bichas de Hamburgo m
S todos os paquetes da Europa se recebe jjafi
^j deslas amigas do sangue humano e se
g< vendem a troco de puco lucro s aBra
$$ de ter sempre cousa nova : a lo ja de bar-
^ beiro ra estrella do Rosario n. 3, ao pe M
SS da igreja. M
*mmmmm mwm wmm*
colares Royer on colares ano-
dinos
para facilitar a deogu das mangas e presrva-
las das convulsoes.
0 feliz resollado oblido immeo^as vezes pela
prodigiosa fbf$l magneliea do< colares Royer, nos
casos de convulsoes, e denticao das criaogas tem
altamente elevado o seu bem merec 1o prestigio,
e hoje j se pode di;er que estao geralmente con-
ceituados, e estimados de inoumeraveis pais de
familias : de nns porque do uso desses salutares
colares viram salvos do perigo seus charos filhi-
lao
os
seus. Assim, iols, a aguia branca, teodo em vis-
tas a milidadri e proveit desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Ruyer, mand m vir o novo sorli-
merto que agora recebeu, e continuara a recbe-
los para que em lempualgum a falta oviles possa
ser funesta ao pas de" familia, os quaes flearo
cerins de os avhar constantemente na ra do Quei-
mado, I. ja d'aguia braea n. 8.
Chocolate hespanbol a i 000 e l,2oo rs. ha arrafoes com 5 e 14 garrafas'de 3,2oo a
ibra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra q 000 rs. cada um.
a ljbra, em porco
ARIflAZEM IE F
e portuguez a 8u0 rs.
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Veliio Secco, Lagrimas do
Honro. Maria Fia, D Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a 1,000 a garra-
fa e 9 000 a i' 000 rs. a duzia. t-r
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,.'ioo e i.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,Soo rs a caada
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ano-retas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a I4U rs. a garrafa, tambem la mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
VELAS
Velas de spermacete a 6o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra. s
PEIXE
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,800 a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
l-bra.
CHABUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Jo3o Furlado da Serrias,
Manoel Peixoto da Sdva Netto, Castanho 4
Filho e Brando e de outros muitos, os-
q 1 laes vendemos pelo mdico prego del.600,
2, 2,8oo, 3,oo, 4,o0' 1, e 5,ooo rs. a cai\a
Licores
Licores francezes e p"rtuguezes a l,ooo e
DE

CUSTODIO CUS Vil, IIO
ti BA DO QUE MAD R. zi
Madapolo francez muito fino, teodo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
lOtfOOO. ^
Laa de eres a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a prego de 800 rs a vara.
Lenco< bra eos para algiheira a 2(5 OU a duzia.
Fui s perclaras a prego de 4K), 440 a 560 rs. o covado.
Ricos co tes de la de barra de 10.4 a 350 Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
CONSULTORIO C-CIIU RGICO
Do
aixas com urna duzia de garrafas de su- l>io fs. a garrafa ou frasco,
perior vinho Bordeaux a 7,000 rs. a caixa e
1
7oors. agarrafa.
CtF
Caf do Rio de l.1 e 2,1 qualidade de
, 6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
NARiO
Doce da casca da goiaba e caixies pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o caixao.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
Sabo maga de primeira qualidade de 18o' perche e outras frutas a 01 s. a lata,
a 22o rs. a libra e de 16o a 2lo rs. sendo Tambtm ha latas grandes para l,2oo rs. a
em caixo.
lata.
Vendem-seduas escravas recnlhi las, de ida-
de 23 a 24 anms, encllente conducta, engommam
perfeitameDie e fa.em todo o servico de urna casa:
na travessa do Carmo n. 1.
Vende-*e um sitio em Bonifica a' margera do
rio Caeiharibe, com bastantes commodos para urna
praniie familia : tratare oa ra Nova n. 24, das 9
horas as 4 da larde.
Vendem-se qualro burras ronto mansas, boas ,
de carga e de seda, por preco commodo : a tratar
1 no hotel de Franga.
y*t
m
T
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Magas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo nltimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Fsos pelo ultimo vapor.
Frats seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos lot.drinos pelo ubimo vapor.
Queijos amengos frescos pe!o ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo til.imo vapor.
Tudo se vende barato n>'S seguiutes armaens:
Rna do Imperador a. 10. Verdadelro Prlacloal.
Ra do Queimado n 9, t'nlo e Commrreio.
Largo do Carmo n. B, Progressivo.
4H
HL PEDHO DE .\TT\HYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PiRTBIKO K OPKRIOOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 1
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos osdias das 7 as II
aoras da manho, e das 6 e meia s 8 horas da noiie, excepeo dos das intitinoi.
* h a mu a ct a e pee i a I bum a >pn th im
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisagoes e pelos pregos seguam.
Carteiras de 12 tubos grandes. luuo
de 24 tubos g. andes. IHJOHO
> de 36 tubos grandes. 244<)00
de 48 tudos giandes. :in.-}ooo
> de 6o tubos gran les. :{.",i kk)
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e coa os rctin
iue se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de 12 cortarle os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LfMN,
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathicr do Dr. Jaftr
dous grandes volumes com diccionario.......... jflpioo
Medicina domestica do Ur. Hering........._ Mn>4
Repertorio do Dr. Meh Moraes........'.'.'. *Ono
Diccionario de termos de medicina..........' .TJQK
Os remedios deste estbele amento sao por deroais crmbecidoe e diipcno mu
tanto de serem novamente recnmmendados as pessoas que qui 'erdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do meMior que se pode desejar, 0kY% dt
rerdadeiro assucar de leite, nolaveis pela sua boa conservado, tintura s mais acredi-
ados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparac*-, e portanto a munr
iiergia certeza em seus erJeitos.
i'ag'i de saud* pun escram*
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade oa fazer-se-Mw
iperagao, p ra o que o annunciante jnlga-se suficientemente habilitad".
O raiaraento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na
uiiccionando a casa ba mais de quatro annos, ha mui as pe*** de cajo em
pode duvidar, q^e podera ser consultados por aqueles que deseiatmi
loentes.
Paga-se25 por dia durante O dias e d'abi em diante I500.
Asonerages ser31 previam-nte ajustadas, sene-#e quizerem sojeiur
razoaveis que eostuma pedir o annunciante.


Diarlo de pernambnco Quarfa felra 13 Je Dczembru de 1S85.


/
0 NOVO GERENTE
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
RESPEITAVEL PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
lea da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento 'de molhados,
que sendo em sua maxm- parte mandados vir directamente do estrangt iro"podem ser
rendidos por precos asss razuaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e nteressante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranza de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2.; Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua psito social gozara de certo tratamento, acharSo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qtialidade. etc., etc.
Qualquer que seja a cndilo do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquelles que s3o ponco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo seo proprio interesse, a este estabelecimento para se convence
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senbor s que comprara para tornar a vender existe um sortimento i spe-
cial, escolo ido por pessoa entendida que certameote muito deve agradar aos seubores
compradores.
Nao se tera poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DUIHEIRO A VISTA:
A Grai\a em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 120 rs. a libra. j urna.
dem e painco de oito libras para cima a u
100 rs. ; KIUSCH de Wasser a U a garrafa.
Arroz de 90 rs. a libra a........j j,
amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra. \ LATAS cera graixa a 80 rs. cada urna.
Avellaas a 210 rs. a libra.
Amelias francezas em latas de todos os ta-
maohos.
dem idera em potes de todos os tamanhos.
dem dem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem dem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualiJade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 25000 a garrafa.
AO PUBLICO
i
Sem o menor consran.
glmento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ATl'EMliO
presos da eguint<
tabella e para todo, pc-
deudo asslm servir de ba-
se para o ajaste de corta.
com os portadores;
Letria a 400 rs. a
ibra.
11
BOLACII.'.NHAS do Beato Antonio era lates
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 15800 a lata, e
de emeo para cima a 15700.
dem de so a em latas grandes a 2#000 e
de cinco para cima a 16800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
15200,15250 e 153i0.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
ama.
Patatas inglezas.
Baniia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 600 rs. a 'ibra.
dem suisso a 15 a libra.
5dem de musgo a 15500 a libra.
Chol-ricas muito novas a fsOO rs. a libra.
Cap a 210 e 260 rs. a libra, e em porco
se far abatunonto.
dem de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em fr ascos a 320 rs. cada um,
sao muilo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orebata, etc., etc.
Chicaras e pires a 15*00 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'llavana, Exposico,
Flor du Brasil, Par siense-. Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Kegalia, Mississipes,
Paueieilos. \praztveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, buxira, aljfar, preto, e
preto pona branca, etc., etc., a 25000,
252"0, 255i.O e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de iodos os tamanhos a du-
zia a 25500, 3#300, 45 e 55.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Qgarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
I
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, inglezes, fraucezes, etc. etc.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
irvaboce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de. araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em 'atas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 11.500
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
.Marmki.ada dos mais acreditados fabricantes.
Macarho e talhaium a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6(0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Momio inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sepa branca e amarela a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Mimo painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
N
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos era alas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a ($(.00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
peseadinha, linguado, sardinlia. etc., etc.,
Peras em latas, excedente preparacao.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco corito
grande.
Passas era quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada.muito nova a 280 rs. a duzia.
41
QUEIJOS tlamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a fiO rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QARTINHAS OU MOMNQOES a
n
RAPE' Meuron a Id a libra.
dem Princesa do Rio a 15200 a libra.
dem francez a 25500 a libra.
S
SARAO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
fiz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 2>.
Sardonias de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a OO rs. o maco.
Sag muito novo a 400 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate era latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOSIM
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
Duque a 15 e 15500.
Cliamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico v'i-
nlio que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 15 00,0 e 60a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a fy a garrafa.
Wermoutb a 25, e a caixa a 185-
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Faakllo ba sempre em deposit de 500 a Vinho figueira em ancoreta a 205.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
.ITTKlCiO
Vende-se na* olarias de Jo Garneiro da Cuaba'
m frent an hospital Pedro II, e na roa dos Pra-
iere* o.. 8*. lelha superi ir de barro de agua doce a
304 > milueiro, alveoaria batida a 30$, e ladnthu
a 264000.
Farinha o 3$5
Vende-ge farinha de mandioca, saceos graudes :
no armazcm dos gr. Tasso Irmaos, na ponte nova'
pelo prego cima mencionados.
Cambraias.
Parede Porto vende cambraias lisas Anas, grao-
de sorti.nento, a 35 al 65, ditas Victoria muito
finas, eom 10 varas a 65, 655"0 e 75 : na ra da
mperatm n. 59, junto a padaria faoeeza.
Omurra tos earptBhoH a> cambraia
Vendem-se eorplnhos de cambraia com entre-
meios a 45 e 55, clao sh acabando : na bija de
Paredes Porto, ra* ga, juu.0 a padaria franceza.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo pausando o areo da Concelfo)
PARA BEM DE TODOS;
Senhore enhoras, o aceo qne presidio aos arranjos dste novo estabelecimento, e mais que indo a Drnmpiidjfo e- "m
eza com que serao tratfos, s nvida a nma visita ao mesmo, certos de qne sem dnvida me darao a proir-rcao e preferencia na rn
rra dos eeneros que precisaran e quando n5So possam vir podero mandar seus portadores, anda qne estes sejam poner. nratlrnT
pois serSo t3o bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacan, afim de qne rtfovSfl ra
tra p?rte.
Sal refinado em frascos devidrocom lamia
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que Nem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muilo nova, a 2oors.
Charutos do afamado fabricante Jos Fua-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposico Normal de Ravana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisiense?, Sus-
piros Delicias, a 4,000, 4,800, 5,000,
6,000 e 7,ooo a caixa mi em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norle. Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,000, 2,5co e
3,ooo a caixa.
opnac Dglez das melhores ir are??, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da ca?ca de goiaba a 2,000 a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdndeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excelente cha para os navegantes, a
2oo rs.
RIVAL
Hua uu lueluiado um.
Cotiiiiia a Veinirr MMM a*> nm,.i
Uenara pw prrci-s Ma-sos ue paluos luatio par iimis a MW) r
t.-j.eiini!. Or B.bi*iras aouraua-
hi lid- Ue 011..1I1. | ara n-> mi
bil oe couru topttHtt lairn
^ra^^o^ lolii supiliur una nrl ,i ? r.
M^la^ de bata lna awa i *&
t:x> ron, tliO eiveu jir>, taj 1. r%.
Gtulil Ui- pt-DUa. Win., la- 1 ;i -..
blUH du bthJes Biaunir ..-
t 640 rs.
; Canas iom 50 noteilcs de |' 'f* r>.
Caixas n.Di npin rt> 11 rria
t't Vis e tila lii. n< i. i 1 } .
, Vaia> dt Iranja de laa |.i- 11 1
I 4 rs.
Ilarallit.s douiados snperiuxs 1, -
-N..v.-iii s de hura rcnii MNl jare' i
Limus para iiuMm fie m*1 *M a HQn.
l'aies de Lnot-s paia juilu, ln : .; .
Tesooras para nHHMMMi
400 ti.
Caixade peonas de rallira' 1
IJWO.
Kwm rrro nperiores yran'ti
Piiies dt sapalua fe lrai.1.
Caixas ri m sujii rn ns ?l I,-

.
Manteiga ingleza especialmente esedhida a
l.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualklade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muilo proprio para negocio a 2,000
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,600 rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 4,000 e 2,2oo rs. a libra.'
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouncas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. > libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
Aletria, macarro e talharim a ioo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarela a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, ioo e 5oo rs. a g-arrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,goo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a ioo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3.000 e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas qne
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
doDouro, Dnqnedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duqne genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,000,15,ooo,
12,ooo e 10,000 a caixa com 1 duzia e 9oo,
1,000 e 1,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cnerexde superior qualidade al 6,000
a duzia e. l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas. Cebollas de Franca muito grandes e novas
Liliias iic laa si rudas r l>rr.-
Cafiaa cm supinares < 1.11 ia- ::. n
U.diiilias cen all.Liles JkMtt
a 20 r.
ReMT'Hs di parel afrrrre .1 ?/'( f'
Bmwm i ara rB|a, fa>ent Na '-.' Duzas de lesmias um iu,i. 1 _
600 is.
Diiias de faca? e turto? tt nt* ] Jt-'"
Tallare. mu" Hi"' pan tttuu : 1 'f t.
Pulseiras para n Mtaaa a 9 r>
Liila1- e vi.lia- par si r.lra '' "<
j Fia-iis de Afm Flu.i'a trta
. PrasfO* nm -up- iii r I arfa :. '
1 Idirr 1I1 sn| 1 ni r clu. ral r-. > r.
r.aixa-nii' lairi|arr;- ftn r
i Varas de laliaiii. dn Ii ni a>M 1 ''. n.
toarlas de alhnus hntnn a "i 1 .
QoaftVnrr- de papel pre 1
Gia'aia- rere*, f: / r>" 'i r.
Papis de apnlhas, tajta l |
I toMlMir
Caz un laias o n.elhor <|oe i. 1 a n-r
I railci, vi nil>- se pur pr< r<' MPt l ir m .'a
; Hamei F-rnaml-s ra i
i um 11. 41, e na rna da Oral ti i <
a lija av iiiDiiiiein, iHataN 1 pmm
m\wm,
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portnguezas ja preparadasj qualidades a l,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. | Cartoes com bolo francez muito proprios pa-
FeijSo verde muito superior s 640 rs. a lata. ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,000 e 5,5oo Passasmuito novas em caixinbas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,000 rs.
dem idera para vinho a 2io rs., e 2,ioo rs. Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez 'espanhol e suisso a 9oo, Figos de comadre a 2io rs. a libra.
l.ooo e 1,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-' Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Rrito no Reato Antonio, em lata de 6 li-
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grasa.
eradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800,1,00o e 1,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
Bolachinhas de soda em latas de diversas i Toucinho de Lisboa moito novo a 32o rs. a
libra e 8,800 a arroba.
Banha de porco retinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentcmentetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com frnctas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e I,Seo o frasco.
Caixinhas com frnctas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a 1,600,2.600 e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
Na rna iir.-il< -
constan''
der-se evo:;' mmpnjmm
chegado* i
roez pavasta
hras por2.5oo rs.
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco
Ameixas francezas em Tasco de vidro com
lampa do mesmo, a 155oo.
das que vem ao nosso mercado a 7,oooe Ameixas franc zas em caixinbas de diversos Azeitonas de Bivasem ancoretas grandesde
8,000 a caixa 64o e 7oo ris agar- tamanhos com bonitas eslai pas na ca- g garrafas, por 600 e 800 rs. a garrafa,
rafa. xa exterior, a 1,io >, i,600,1,80o e 2,000! Azeitonas portnguezas a 5oo rs. a garrafa e
re-a de caraanla
[miraeros; wnde-s--na na d'i Vajovlvs 13
G\Z.
Ni. arma/im di ra Inpei
Caes de Pem II n. 2, lem ara mA M i >
ibor ra^ nhtrut* no rrerrado.
CErVrjAlUA'.
Na lija i!., iha inr*t -uiii. r i n
hiera, un.a raras t* dia-iin/:.. ...
105. e a rebino WO rs. a ''arr..!..
fienebra de II;#anda a 48o rs. a botija de cada urna.
conta certa.
Frasqueirasde crenebra de Hollanda a 6,800
e filo rs. o frasco.
Genebra de Isranja verdadeira em frascos
grandes a 1,00o e 11,00o rs. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Ccar muito superior a 2io rs. a li-
bra e 7,5ou rs. a arroba.
1,50o cada urna aiu-nrea.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez Champagne da melhor qualidade qne vem
a 90o rs. a jrrala e 10:000 a caixa.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o sigo com 3rt libra-.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escovs para esfregar casa a
ioo rs.
Nozes mnito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do MaTnho de Ia qualidade a loo Molho iaglez om garrafa de vidro cora rolha
rs. a libra e 2,800 a arroba. do mesmo, a 16o rs.
Idera da India a loo rs. a libra e2,8oo a : ?ostarda ingleza des melhores fabricantes,
arroba. a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em'potes j preparada a
roba. lio rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e i,ooo a Lentilhas francezas, excellente legnme para
amiba. j sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de toTmtedestiperiorqnalidadea <:o Marrasquino de Kara propriamflnte dito a
rs. a late de urna libra e56o rs. a reta- 14 a garrafa r 11,000 a duzia.
Iho. Palitos de denla a lio rs. o maco.
ao mercado, a 2,000 e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26.o(io o gigu.
Gomma deengommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosemsextinhas a 80 rs, cada una e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para ronpa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas ennfeitadas a (lio rs. a libra.
Latas com frnctas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8on
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a Lino e 2.000 rs. a ranada.
Azeite doce de Lishna a i,Son rs. a caada
e 6iO rs. a garrafa.
Vinagre hranco i engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
1?0 >u
\
ISO-
Fipio ru> dia Unfiii!" I !<
a 6 i. ras da n a ni aa. i. > m ia\. i ... > aa
I rima laixa. tur piel; M I
II ais .s,i -.. na ai 1 la di i a
i 11-a di |.ilriiiii; e.-lt-en W i .
Sr. Cardeal il.pitili. de 1 r.f. e m I' U I la 1 na
pegai UM' a na da O 1.' 1 m ,. .. ,tm
gr.t.Brara n pn .-na.
Caboek foriila.
Noia 18 dn rrn-r prawd* | I m A>m|
*ei li-.r a ratera I.ui7a. i.inrte
repoiar, em bita e den* '."t
-o enc niri .Amonio, ii.iiiolardo-M' pirra : i I
de Apoii" n. '!". rwePrra' J05
<
83
S- a-35 S
3 n
-2
- o
4CNASEP4L
de traba&ar m5o
deseas-oca r agodo
FliHICADAS
Por Plnt Brothers & C.
0LDA1
ftW*
Tasso Irmaos
Veudem ea armazen ra do
4moiim n. 35.
Licor fino Curac*o em botijas e ouis botijas.
Licores fiaot, sortidoH em garrafas co*a rafeas da
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
SaBieroea.
Chambera.
Hermitaga.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
CoRnac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
O castello de Grasville.
TraHuiidn 4* franeex par A. J. C. da f.rm.
Vende-se este bello romance en quati
tomos pelo baratisaimo preco de 3A0CX
oa praca da Independencia, tivraria ns
nert.
Vende- t airr-'d- Sanio Antonio, o qoal rende para mais
de 1:1003. enma caa tarrea no h-irro da Boa-
Vista a tratar com apete Olymni. em seu arma-
zem na ra da Cadea do Recit o. 34.
IIP '
Estas machina'
podem descaroca!
qualqaer especii
i de algodao ser
I estragar o fle
sendo bastant'
duas pessoas para
o trabalho; pdi
descarocar um>
arroba de algc-
do em carn
em 40 minutos,
on 19 arroba.
por diaou S ar
robas de algodac
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 8 arrobas dealgodc
limpo, oor dia; e motores para mover orna, duas,
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
i6Ei de algodao, no largo da poste nova a.47.
Saunders Brolhers & C.
M. II, praca do Corp* Santo
RECIFE.
Os mieos agentes neste paiz.
VEMNE-I
um cabriole! americano dequatro rodas para duas
pessoas, om outro para qnatro pessoas, ambos
com arreius, nov^s e elegaDies, por preco commo
do : na roa da Ponte Velha n. 8.
Vendase um cylindro. urna masseira, nma
balaoca grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e mais uleoeilios de padaria : a tratar na
ra Direita n. 24.
hmn e barato
Manteiga ingleza flor a M> a libra, franceza a
840, arroz do Maranho a 100 rs., painco a 120,
amendoas a 24o, caf do Rio bom a 240, vinho da
Figueira a 400 rs. a garrafa, e .'IA a caada. Lis-
boa a 3' O a garrafa, e 2hOO a ranada, azeite doce
a 600 rs. a irarrafa, vinagre de Lisboa a 200 rs. a
garrafa, e I500 a caada, queijos do Dlilo vapor
a 2>300 : na roa das Crnzes n. 24, esquina da
travesaa du Oovidcr.
Em can de Phlpps Bmthm A C, rn <
Vinario n. 2, venoVm se cofres de ferro, prova de
f''go, dos afamados fabricantes Milner 4 Son, de
Liverpool.
Framcisco Jos Germano
RI:A NOVA N. 22,
acaba de receher om lindo e magnifico sor-
timento re o< ules, lmelos, binculos, do ul-
timo emais apurado gt sto na Europa e ocu-
los de alcance para bservaces e para os
maritimos.
No arma zem de tiendas
baratas de Santos Coelho
un: do Qnrintado n. 19.
Vende-se o sipnmle :
Coberta? de chita fina a 2800.
Ditas de dila a 2100.
Lenei es de panno d- llnho a 2200.
Dilos de dito de linio a 2.
Ditos de bramante de linho de um so panno
3?00.
Panno de linho tino enm 9 1|2 palmas de largo
ra celo barato preco de 2,5-100 a raa.
Rramante de linho fino ron 10 palmos de lar
gura a 2500 a vara.
Pecas a<- cambraia com salpicos brancos e de
cores com 8 l|2 varas a 4K00.
Pegas d<* cambraia adamaseada propria para
cortinado de cama com 20 varas 11-5.
Baleen d^ ans a ?."00, 3. ."00 e 4.
Lencos de cambraia Dna a 2?600 a duzia.
Dilos de dita ; 2 a dn7ia.
Athoalhado de linho (ioo a 2800 a vara,
Dito ib- alponao a 2 a vara.
Algrdo enfestado com 7 1|2 palmos de largue-
a 200 i vara.
Pecas de hretanha de rolo com 10 raras propria
para sa,a a 30808,
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpico a l a v.ra.
Cambraia de tinho fina a 4.100, 6ifi0 e If a
vara. .
Cortes de lazinha de lindos gostos com 15 co-
vados a Si.
Pecas de madapi lao ftnissimo pelo baratissimo
preco de 8. 9. 0 e IfJ.
Flanella branca fina a fiOO rs. o cavado.
Dita de ci res Ana a 880 rv n eovado.
Bal5es de mosselina para mi nma a 3, 35O0
e4.
Cambraia o forro a 3 peca.
Dita fina a 44300, fi e lf peca
Guardanapos de linho a .'800 duzia.
Toalhas de algodao felpad'- 'loria a l?.
Bstelra da India propria para firro de sala de
4,5 e 9 palmos n> largara pr itieors preco do
que em ootra qualoner pane
Neste armazem tan bem se enentra nm grinde
sortimento de ronpa feita e por medida.

n

Ped" rt n [oda- fnnrid .'
iiu*-r on*- i-nn nti r api r. I
bVafai, ip e t* arl a tepMRi i!- N
;'d<.. i i.il'' i s mi- |:
I --
rcpolar, serr, desdentado, an
nm i"iei. ri m a'i i-rn a, lea ir n i m-
ira .'nuca no rot e mira em i
na-cii..s r.as"nade!.a> imi n.
lan Irn aolipa*, c *e nacao, rrpii
i na ite niHOf. fnn a ruar'" >
Haja c; no-a de e-t> [ a jn rola. t P U i
, ende pa'ha nm pann- nin. i u- rr^ a> i
iha. usa de gai bar r.a ron e flt-i l..im. n
iia : \ la i nblir; n.'iile riiz>n*' a lagaatfa)
>cii ana, a 11-so une aipii-ln-iiirr pi o-
cipi-i da rna to Cineilir M rii| i -a
iM.vr d An-onrr. mu e'.ib.n im.i,
Enclava futrida.
N dia iO .: nov mbio fupiu a ola Vxenrfa.
cin piad- ais*r- Ge> Ar Ra-li -. :.ia i i-la ia
di. Sr. Man il Salvador m M nafiatl-
Hi.niii.. pi lm a rsrrara lina ip.i .-ra v H; i
ros ; re revean faav e lani. ai.o a> aajaV, ana,
fila, ri sli. ri-di-ndn, le-la runa. | paaMBB, p*f-
i.as iina>, i.m piiiio aaaaajaa, aarit oaw aaal
friin. levro iiiip de rtila cor d n-l >-iair >.
om no, tinto ja usado: ropa-1 aaOnaa**** pa
linaes 0f Bolillo ou Be7erii s a ra lea I dHa ,+
crava, on por i nde firearinl aJ. a-"*a r. a>1
pr.iUsia si- contra qui-m a h.r <-m t li. flrjti-
Hra-sc bem a qnem a imuier a' ra IHn-ila ao-
nn-r" 43.
(iralif; ra *r M\s.
AiiM'nli'ii se fia casa n. .*;9 da tm '* papaJaV
(ooir'i ra fXtraM no sal liado l aa ivirmie es
e -i- ii.i.io rtp 1865, o raaaaaa pai i a> ai m^ ir,
ipiin.. en. o fapaataaajaajo* : rrajaMi re?i
nlaiir 18 a 20 anno. eai barba, pdf terf,...
giamii's, ..itieili. ri-iridii. rom ai i ni? r'a4a
e li.rn vvive na le-ia. parle di s d ir- i aa
arromad, s. e rom falta de alan.i- .'. hik*. sato
ci.m ralea d. bnm pardo pal. .* paaaa,
mas lev o mai* nnra hranr e di* ra>, a*aOa
asiiirioso, rusina.a aaMaiaf-aa laara > antarea.
>d.. ; ( i i r-naaa do Sr. Goilherne Fr-"trH>n >
! Si.nra Carva h... genro do finid. Sr -. nin.rtMif
Manuel (i..|.ralTe> da Silva : rrga -e raaajra
a l.ii- a- anl.-ridades poliriam a n**n*r rt\
pilan de rampo oa onira i>esa aararara aja a
appiel.ei.ler >e graliffrara nm- "Ai, >*n. iadaa-
pe7a- de e. ndncci, enlrepandn-.. a -ea *ei)BP
M'poei J.- Aires, na casa anm. ea ao ea ea-
cnpn.no na raa da I ro ca-a a. 19.
N dia 2* de sneanro ifMawa r a-?* R>
po dn r-ajaala Terra prHa. BB4aaB>i a--pnaaa, a
escravn Jnn.io. eiioolo, de Hnr r".-r.lar. tnm%
de 30ai.no- de idade. penca barhs. m m i e^ Pj
feno- e jerna-. mnilo fallante, jt* > f4 nara,
tem r. dedo pnlefar de orna man ri i*, rara ?>-
ln., >nda ei m nma rart ferfeair. d. i.rer" eneiv
nel Amaro Gomes da Caatia, apa 'rii** e>. aa>
ca fm sonado e|^ erravo, f.i ha a-n- rrmprttm
a Pocha rna e Gmmare* onro petr lrp >
meso, encei'hc on m lleeilt a* rn %<* af
Alejandre Correia da C. Jatiior, nne era ara i*>
com | alisado.
Aleaare Correia d> Caaam




Diaria de reraamMico iiarta fera 13 de Bezembro de *
LITTERATORA.
s
li:\da
scenas da viu.v ml\ndeza,
UMA MOV A IGREJA.
(Continuago.)
III
i; Rvd. lole Cal verle levanlou se redo, rom urna
preoecopaco a respailo da sua reja, que
Una sido ei posto no comeen de ama rrecgfu pre-
;i. [ura o furor do vento, da chava e da iro-
voada.
T.-ndo lirado as cortinas das suas janellas eolha-
do para fra, consolou-se exlremamenle vendo o
sao i ro edificio em pe e inteiro; o gallo, empor-
rado iriamptialmeiite no alio, virou sbitamente e
mostroQ assim que o vento soprava a ste.
Elle vesliose precipitadamente e sahio para vi-
sitar o edificio.
A chova tinha eito urna espantosa coofuso de
amoutoamento de argamassa ede cal deixados pe-
los trabajadores, poten BiO era de nenhuma ira-
p runci ; elle saltn inuilas vetes sobre estes pe-
queuus lagos de lama, evitando todava, com cuida-
do, mancbar suas vaalM clericaps.
Os pedreiros tinliam deixado suas escadas, e,
como os andames deviam ser erguidos nesse dia,
ei.< a ultima oceasio que elle tiulia de explorar o
extenor do edilicio e bem examinar os ornamentos
do campanario.
Agita e sacude a escada para verificar sua rgi-
do/., u lentamente comeen a.subir. Cbegoa ao pri-
u.j.ro andar, e para um Instante para contemplar
0 interior do monumento.
Seu oibar dirigere para o lugar onde, na vespe-
ra, sua mil liavia desfallecido, e a esla vista urna
navem obscurece su* fronte, e murmua em voz
...i ; algumas palavras.
Volia-se para cantemplar sua habilagao.
As gelosias de cada janella estavam abaixadas,
c o silencio do tmulo reiuava em toda a parte.
Lembrou-se ilo lempo de lulo e desolacao, em
que o corpo de seu pai repousava em urna destas
cmaras; iembiou-se tambeni do testamento no
qual Ihe urdeuavaquetermiuasse a-nova igreja
e que fosse uin apostlo da boa nova para os
simples eamponezes dos arredores.
Joio Calveit commove-se com a lembrauca desle
passado; seos olhos se dirigem para sua mi ago-
ra viuva, e peosa em seus pezares.
l'ossa Weiis ajudar-me a adiar a verdade !
exclama elle. Se eu esliver engaado que me d
a graga de couhecer meu erro I
L'm sentimento de orgullia ou de vergonha, se
maufesia um seu semblante, depois desta confisso
de duvida.
Sem se demorar muito, sobe urna outra escada,
aura de chegar ao ponto o mais alto.
E o vento que agita o madeiramento cima da
sua cabeca ? foi a ehuva, que produ/io alguos es-
tragos as cordas que ligam as taboas e as vi-
gas r
A senbora foi despertada em sobresalto de seu
leve semno por um grito terrivel e prolongado, se-
guido do liornvcl estallido de ura andaime que se
quebra.
Paluda como a morte precipita-se para a janella
e desviou as cortinas.
0 andaime estar abatido e a negra e sombra
forma de seu lilho estiva estendido sem movimeuto
entre as ruinas.
Pobre mi I
Que o ceo te consol neste excesso de dor I
Os criados ja abi se acbam ; elles trazem Joo
Cahert.
Um deiles corre a cidade.
t A pobre mai, trmula cabe de joelbos ao lado de
seu lilho.
Os olhos desta estavam fechados, suas feigoes
contrabidas e rgidas. Seus compridos cabellos
negros | areciam mais sombros anda em loruo de
jen rost lo pallido.
Com raao trmula ella procura o coradlo: ainda
bale.
D.-pois enllocando para traz os cabellos, ella v
urna larga o negra contuso uo ngulo da Iroute.
liein depressa o moco abri leoiameule os olhos
e seus labios inurraurararu o nome de sua mi.
Sileuclo, Joao, nem urna palavra. Sou-eu,
vossa mai, quein est perto de vos. Cuardai si-
lencio, e tteai socegado at a chegada dodou-
tor.
Elle fechou os olhos de caosago e a mai in-
quieta, eslancou o sangue que corra da fonte fe-
rida.
Abrise a porta, e o padre Saint Jean en-
trou.
Oh I quanto a pobre viuva senlio-se humilliada
ao doce e inste olhar do bom sacerdote, por tanto
tempo extranho era sua casa.
Mas tambem que appello havia em sus olhos
seceos 'e vitreos, quando ella para elle os diri-
gi '
Este appello toc.ou profundamente o corago pa-
ternal do sacerdote, e fez tremer sua voz, quando
elle o abeogoou, como tinha o costante de fazer nos
annos passados.
Elle nao morrea, minha filha. Nao, nao, Deus
muito bom...
E com bondade e presteza o sacerdote examinou
o deente.
Quando cheg m o doutor, madama Calven reti-
ro u-se para seu quarto, e ahi, cabindo de joelhos,
e ergu-mdo as mos para o co, expandi su'alraa
no seio do Creador.
Ajoelbado a seu lado Cecilio enlrelagou seus
bragas em redor dos de sua mai, e rompeu em so-
lugos.
Ella voitou os olhos para seu lilho que o pezar
pareca acabruohar, e ao v-lo a torrente de sua
dor, por tanto tempo contida tresbordou, ella lao-
gou-se ao pescogo de Cecilio e igualmente comegou
asolugar.
Para e la, este accidente era nma das ultimas
gotus da taga amarga que os annos linnam com-
pletamente enchido.
Era urna nova era neste caminbo de pezares, o
primeiro passo nesta carrelra. em que su'alma de-
via ser purificada e desembaragada de tadoque at
c presente a tinha affastado de Deus.
A correegao paterna de Deus, com que bondade
era ella dada, e de que necessidade linba se ella
tornado ?
A pobre alma quo tinha errado tanto tempo Ion-
ge do rebanho do Bom Pastor, e que tinha perdido
as graeas e soccorros Sacramentaos, quanto deso-
jara voliar a soas primeiras crenca I
Mam, eu estoo muito iri tem indcil e desobediente para comvosco, disse
Cecilio solugando. Se quizesseis perraittir-me fal-
lar ao padre Saint Jean, nao vos cansarei mais pe-
zares, nunca, mama.
A voz de seu filho parecen chegar a seas ouvi-
dos como se partisse de muito looge, de um Ingar
laminoso de saa vida passada, quan<*o ella e seu
joven Irmao estavam ajoelhados nm ao lado do on-
tro juntos do altar de Deus, e tambem do logar
onde pela primeira vez aprender como as faltas
da mocidade sao perdoadas.
Ide, Cecilio, dizei todo o que quizerdes ao pa-
dre Saint Jean, e depois pedl-lhe que venba ter co-
ntigo.
(Continuarse-ka.)
THEATIO DA GUERRA.
Continuamos a puolicagao d,s partes offi-.iaes de
Esligarrihia:
Viva a repblica do Paraguay I
Comodevido respeito participo a V. Exc. que
nao tendo podido passar ao acampamento de Pin-
dapoy em 20 do corrente de tarde, como annun-
riei a V. Etc. ni minha anterior communicagao,
pir nao ler acabado as minha* oceupagoos nesta
villa, o liz boDtera 21 de madrugada e voltel esta
urde.
Chcgando aquello acampamento mindei proces-
sar aTnoinaz I'.ibon, soldado de infantaria do'ba-
talho u. 15, visinho de Ibiculiy. i|ue o primeiro
que (o capturado, eucarregando o desempenho do
proeessoao capilo Ignacio Campuzaoo, comman-
dante do referido baialho n. 13, a que perieoca o
desertor, elnstruindo-se brevemente o summario,
conforme as ordeus que mu foram dadas por V.
Exc. em olllcio de lo do correle, maudei que fos-
se passado pelas armas hoje s 7 horas e 9 mi&u-
los da manhaa em presenea de todas as forgas da-
quolle acampamento, de e mformidade com as or-
deuangas militares, leudo sido eonfessado e acom-
paohado al o lugar do suppliciohasta la horca
pelo capellao mor cidado Braz Duarie, observan-
do-se no reo multa resigoacS) cora o castigo que
mereceu pela sua dosergo, cujo processo incluso
levo respelosamenle s mos de V. Exc.
Hoje de uiauhaa passe revista loia forga da-
quelle acampamento, e achei todos os corpos fr-
manos de sida los otis para os servigos de cam-
pauha, exceptuaado alguus doenles que pela gravi-
dade das suas molestias, ap izar de se mostrarera
muito decididos, nao podero entrar tio brevemen-
te em campanh.1.
A respeito dos exercicios domrinaes observei
nelles muila pericia no mauejo das armas, faltando-
Ihes nicamente fazer, ao-monos urna vez, o exer-
cicio de fogo, o que, sendo do agrado da V. Exc,
desejaria que succedesse.
E leudo visitado lodos os quarteis e o hospital
militar, uio observe! cousa alguma desagraiavrl.
Os batalhoes ns. 16 e 17, que fiz sabir daqui no
dia 20 do corrente, nao poderlo acabar a passagera
at e?ta larde por causa do vento contrario ; passa-
ram, liualmente, cora toda a felicidad* sem ter
acontecido novidade alguma, e hoje, quando eu vi-
nha pela estrada da Caudelaria, os achei acampa-
dos neste ponto e era disposicao de marchar e che-
gar amanha ao acampamento a que foram desti-
nados.
Nesta guarnicao notei moitos progressos nos ex-
ercicios doutriuaes depois de poucos dias de ter eu
chegado; e por isso nutro urna grande esperanga
de que muito breve o recrutas estaro promptos
para qualquer servigo de campanha.
Apresentarara-se j neste caminando os militares
reformados desta villa do (armen, de Triudad, fal-
tando so os de Jess, prefazeodo o numero dos que
aqui chegaram W, cora os quaes preancui os lu-
gares dos que licenciei por dientes e velhos.
Cbegou tambera a eslecomminJ um parque de
2:,000 paquete* balacanutos, calibre de
urna on;a, em 58 caixas, remanidas em 16 carre-
tas, por ordera de V. Exc, pelo coronel commaa-
danie do acampamento de Cerro Len, a cargo do
lenle de'cavallaria cidado Tnomaz funes, e
com esta forja chegaram 39 pracas de pret de in
faotaria, pertencentes aos qaatro batalhoes vindos
daquelle acampamento, que Bcaram por doeutes
ao lempo de marcharem os seus respectivos corpos.
O major Duarte me remetteu urna carta escripia
em ponuguez, dirigiJa pelo Brasileiro coronel As-
snmpjjoa outro da sua mesma nacionalidade, cha-
mado Autonio Jos Machado, morador ni margera
esquerda do l'arana', cousa de tres quarlos de legua
distante de S. '"arlos.
Eia cia fura trazida por um Correotino des-
conhecido, o qual encontrando se ni ouiro lado do
Aguapey com um Paraguayo chamado Aniceto
Carrera, morador tambem em S. Carlos, Ih'a enlre-
gou com recominendaco de p la em mos de Ma-
chado; mas o Paraguayo, desconfiando de que fos-
se algnmi communicagao desfavoravel, a enlre^ou
ao lenlo Paulo Arze, commandaaie da guarda de
S. Carlos, quein a dirigi ao mijor Duarte, a este,
depois de t-la aberto e lido, m'a reraetleu. Em
vista do contedo da dita carta maadei trazer a
pessoado dito Machado, a quein maadei arrestar e
sera communicagao com a guarda desle posto, len-
do-lhe tomado as declaragoes sobre o particular,
responsabili?andoo pela sua communicagao, de cu-
ja resposia trata a carta, asseverou nao haver ti do
communicagao alguma cora o coronel Assurapgo,
e alllrmando-se nesia negativa, o (iz llcar sempre
no arresto e sem communicagao, levando as mos
de V. Exc. a dita carta, para que a vista dalla se
digne V. Exc. de inaodar-me o que devarei fazer
neste ensejo.
O chamado Joao Baptista (Silva), que apparece
na parla, ura Brasileiro residente nesta villa, o
qual, chamado a minha presenga, asseverou que
ha seis annos, pouco mais ou menos, que nao va o
coronel Assurapgo e o mesrao coronel Trisio ; o
deixei hvre com ordem de nao sshir da villa. O
Victorino, mencionado na caria, chamase Camar-
go, residente na costa do Uruguay, segundo a re-
lagao de varias pessoas que o conhecem.
Dirijo tambem a V. Exc. o ofcio do juiz de paz
de Santa Mana, do departamento de S. Thom, di-
rijo ao commandanle da guarda de S. Carlos, que
me foi entregue pelo major Duarte, cuja resposta,
redgida pelo major Duarte, havia mandado ao offl
cial de S. Carlos, para assigoar e remell la ao
juiz de paz de Santa Mara, nos termos que mani-
festa a capa do ofcio, bavenlose dado esta res-
posia, sem antes me darem parte.
No da 20 do corrente desertaram do dito acam-
pamento dous soldados : o primeiro, de infantaria,
da 3' corapanhia do batalho n. 15, chamado Joo
Almada, visinho de Caraguatay; e o segundo, de
cavallana, da l* companhia do 3 esqualro do re-
giment n. 24, chamado Eustaquie Almada; estes
soldados fugiram depois de passar lista de chama-
da, e, sendo prenles, presmese que foram em-
bora juntos.
Desde s8 horas, em que nao se apresentaram
ja, foram mandadas muitas partidas em sua perse
guigo, e foram renovadas as ordens convenientes
em todas as guardas de observagao, para que te-
nham urna grande vigilancia ; mas, at agora nao
se pode conseguir a saa captara.
Incluso levo a's raaos de V. Exc. os estados pes-
soaes das torgas de ambos os acampamentos.
Tambem remelto a V. Exc. as listas dos enfer-
mos, morios e doenles de gravidade existentes nos
bospilaes miniares desta villa e do acampamento
de Pindapoy, pelas quaes Acara' V. Exc. sciente
das eufermidades que reinara entre as forgas.
Sesta villa e as suas dependencias nao ha no-
vidade alguma, alm da mencionada, fleando as
forgas dos dous acampamentos em boa ordem e dis-
ciplina.
O Paran' nem sobe nem desse, licando no estado
de que (Iz mengo no mea ofcio anterior.
Deus guarde a V. Exc. por muitos annos.Villa
da Eocarnago, 22 de abril de 1865.
Viva a repblica do Paraguay I
Com o mais profundo respeito leoho a honra de
Participar a V. Exc. que, depois de ler mandado os
batalhoes ns. 16 e 17 ao acampamenlo de Pinda-
poy, segundo commuoiquei a V. Exc. no meu ulti-
mo ofcio, hontem 25 do corrente, maodei tambem
o batalbo n. 33 ao mesmo acampamenlo sob o I
commando do capilo, cidado Jos de Kozario P-
rez, e igualmente a companhia de artilheiros com
quatro pegas de arlilharia volante e um obuz com
as correspondentes dolagSes debaixc das ordens
do lente cidado Ignacio Pereira, e nesta data
mandei o pirque do batalho o. 33, levando as
maos de V. Exc. os oslados das commanicagSes e
pertengas dos referidos corpos.
Dei armas aos dous esquadroes por metade de
aliradores e lanceiros do regiment n. 27 s or-
dens do capilo Lpez, e aos dous ltimos dei es- ,
padas e langas, e vou manda-Ios amanha para que
se incorpoiein com as forgas de Pindapoy.
Os dous prinieiros esquadioes do regiment n.
28 tio prvidos de espadas e langas, e os dous
ltimos .-o de laugas, por causa de ler lirado a es-.
tes as espadas, com o lim do foruecer estas ar-,
mas aos dous ltimos e'squadroes do regiment:
n.27.
Esla madrugada recebi do major Duarte, nma
communicagao, em que parlicipa-me que o alteres
de cavallaria, cidado Miguel Brite, que foi man-
dado em perseguigao dos dous desertores, de que
fallei a T. Exc, Ihe manda communicar por meio
do sargento da mesma arma, que esla' incumbido
da mesma diligencia, que um Correntino, de nome
Alegre, residente no nutro lado do Aguapey, na
fazenda de Mariano Caraelmo, Ihe contara que o
exercito brasileiro eslava passando para esla parte
do rio Uruguay, nos passo* de S. Borla e Iiaqui ;
que os Correadnos e Brasileiros do depariaraeolo
de S. Thom estavam reunindo-se nesie pomo com
seus bois e cavallos, em virlude de una ordem que
para esse lira receberam, e que sabe-se de ceno
que estes elementos sao para conduzir ou facilitar
a marcha dos trens do exercito.
Era virtude desta noticia raandei o Correnliuo
Len Arjuello, viziobo de Bovque servio no
acampamento de Loreto, sendo commandanle da-
quelle ponto S. S. o brigadeiro Barrios,ao acam-
pamento de Pindapoy, para que d'alll acompauba-
dode um soldado da sua inaior conanga seja
mandado pelo major Duarte at o passo de S. Bor-
ja, para certillcar-se da verdade da noticia, com
encargo de que, sendo positiva a reunio de bois
e cavallos era S. Thom, faga voliar dalli o soldado
para me dar prompto aviso com o fim de privar o
inimigo deste elemento de locomogo e mande as
forgas necessarias para apanhar esses preparos,
anies de que ebegue l o exercilo brasileiro. No
caso de que os enviados trouxerem a certeza de
ler passado o exercilo bra-iluiro, eslou disposlo a
fazer passar brevemente o balalno o. 32 e o re-
giment n. 28 a se incorporaren! s forgas do Pin-
dapoy para me por em movimento contra o inimi-
go, se V. Exc assim o julgar conveniente.
- Nesse caso os batalhoes ns. 8 e 41 e o regimen-
t n. 33 e urna ala de cavallaria devera Qcar de
guarnigao nesta villa, por uo terem armas.
Desejo aggregar o esquadro avulso, que esta'
na iriuclwi a de S. Jos, ao regiment n. 26, com-
maudado pelo lenle Elias Cabrera, por estar in-
completo, e alera disto por ser os iudividuos do re-
ferido esquadro homens praticosbaqueanos e
de loda e;perauga para qualquer emergencia.
Beraelio junto a V. Exc. o estado das forgas do
acaiuparaenlo de Piudapjy e desta villa.
Mando inclusas do mesmo modo a V. Exc as
listas dos enfermos, mortos e doentes de gravidade
existentes nos hospitaes militares de arabos os
acampamentos.
O batalho u. 41 esta' instruindo-se no manejo
das armas nicamente com as que tm os instruc-
tores, fazeudo que as toraem por companhias,por
falla de armas ; e o regiment n. 33 ja pode lam-
ben! pegar em armas; e desle modo, em caso de
necessidaoe, eslando armados, poder-me-bo ser
vir em campanha.
Nesta villa e nos pontos da sua jurisdiego nao
ha novidade alguma.
A' ultima hora recebi do rnajor Duarte a confir-
mago da noncia da passagera do exercilo brasi-
leiro deste lado do Uruguay, e da reunan dos Bra
sileiros e Correntinos com os bois e cavallos em
S. Thom. Trouxeram esla noticia as partidas que
perseguem os desertores, que saturara de Pinda-
poy e entraram al alera de s. Alonzo, acrgregan-
do que as casas aonde chegaram nao acharara se-
no mulheres, e que alm disto Ihes foi dito que
se dera ordem para se retirarem do transito todas
as familias desses lugares. Com esta noticia, ape-
zar de nao ler ordem de V. Exc. me anticipei a
pedir os bois e os cavallos dos di.-trictos de Mis
sdas, Zuti e Cacisapa' para quando for necessario
te-Ios promptos. Alm disto nada occorre nesta
villa, 26 de abril de 1865.
Viva a repblica do Paraguay 1
Exm. Sr. Com o devido respeito tenho a honra
de levar ao supremo conhecimenlo de V. Exc. que
lendo enchilo de sepulturas todos os compartmen-
los do cemilerie publico desia villa, e nao haveodo
mais sepulturas velbas que abrir para enterrar os
cadveres dos militares que vao morrendo no hos-
pital militar, hei combinado com o vigano Duarte,
capello-mr do exercilo, e mandei estender mais
dez vara? os fundos do dito cemiterio, com o fim
de suppnr a necessidade de enierrar-se com tem-
po os cadveres, e nao abrir novas sepulturas.
De modo que desde o momento em que foram
alargados os fuodos do cemilerio, se fez uso da
parte novamente accrescentada mesrao sem ter si-
do benta pela urgencia da necessidade, e cora o
proposito, homo antes, de levar immediatamente,
como tenho a honra de o fazer ao supremo conhe-
cimenlo de V. Exc esle faci, implorando a appro-
vago de V. Exc. sobre esta minha disposigo, e
esperando a ordem de V. Exc. para benzer a rea
accrescentada.
Deus guarde a V. Exc. por muitos annos.Vil-
la da Encarnago, em 29 de abril de 1865.
Viva a repblica do Paraguay I
Exm. Sr.Tenho a honra de por ao conhecimen-
lo de V. Exc. qoe, como annuociei a V. Exc. no
meu ultimo ofcio, ante hontem 27 do corrente
mandei o capilo, cidado Jos Lpez, com seu re-
giment e respectivo parque, constando de mil em-
brulhos em sete azemalas, a se incorporar as for-
gas do acampamento de Pindapoy, aonde chegaram
hoje s 4 horas da tarde, e pens voltar amanha
a mesraa villa, com o fim de mandar o regiment
n. 28 para esle acampamento no dia Ia do prximo
mez entrante.
Esle regiment composto s de lanceiros, fal-
tacdo-lhe nicamente 52 espadas enrvas : forneci-
Ihe aljamas langas e paos armados de pontas de
ferro chusas qne achei no deposito da villa e 118
langas que pedi a mordomia de S. Thiago.
Nesla occasio parlicipo tambem a V. Exc que
as duas pegas de ferro que Qcaram aqui, mandei
deixa las por estarem enferrujadas carcomidas o
facis de eslourar, segundo diz o teneote de arli-
lharia, cidado Ignacio Pereira.
Nesta mesma dala vultuu o paraguayo Joo Bap-
tista Benles, que foi mandado pelo major Duarte
aos beneficios de herva na costa do Uruguay a es-
piar os movimentos dos brasileiros e correntinos
qne acham-se nes-es estabelecimentos, e trouxe a
noticia de que lendo chegado al a casa do juiz de
Saola Mara, Manoel Borche, Ihe fra contado qne
em S. Them eslava reunindo-se e organisando-se
um exercilo composto de brasileiros e algnns pou-
cos correotlnos ; que para este exerrito estn pas-
sando os brasileiros nos pasaos de S. Borja e Iia-
qui em nnmero de 3600 homens pouco mais ou
menos: que apos esla gente veto outro contingen-
te fazer a sua passagera pelos mesraos passos :
qne onlro contingente vem de S. Luiz com direcgo
ao passo de S. Maiheus ou de Santa Mara : que
o major brasileiro Assumpgo acha-se cora 400 vo-
luntnos no passo de S. Maiheus que o correntio j
coronel Begrera tinha vindo com alguma gente de
Beslaarago a se reunir cora o exercito de S. Tho-
direitos do cidado brasileiro e posigo do estran. porl::guez ja' quasi esquecido pelos sene
geiro no imperio, passa a mostrar-Mies qaaes as
Ierras melhores para os novos emigrantes, e cita
s as das provincias do Rio Grande do Snl, S. Pau-
lo, Paran, Santa Catharina e Espirito Santo.
Neste ponto as informagSes de S. Exc. nao esto
de conformidade com a sua iostruegao e com a
tas, eneonlraram-se em 1817.
Filintho inspirou respeito a Lamartiawv Lamarti-
ne inspiron sympainia ao vetho Iratktctor dos JJkr-
tyres.
O inauguraior da nova escola potica, so ultimo
representante da antiga, conheceram-se s ssbma-
m : que tem obngado a (idos os visinhos correo-1 franqueza que se deve sempre esperar dre um alio ram.se
tinos e brasileiros-do Aguapey e a lodos os que se | fuuccionario de estado ; e se nao, examinemos. | Aqoelles don* astros, nm qoe dseahia para o ac-
achara nos beneficios de herva a assentar praga no A queslio para ns da pfi prieda(Je das ,erras caso> ulr; qe de,pon'Uva no ^nt, confund-
exercito : que haviam dado ordera a todas as fami- para a cuaM ,u cal)na e d iigtMo gmvt0i qae
minas vis.nhas para passar ao ouiro lado do Uru- j fljriliam a bas0 |)rQCIpa| da industria agrcola dos
guay : que de faci assim fura exeeulado, licando emigrantes em seu oaiz
todas as casas convertidas em taperas : que os ge-;
neraes que commandam esle exercilo sao o mar-1 ^ [rUmoi de cl""a> ne,n S- Elt lralou' l>01
que
quez de Caxias (varn de Cachia) e o general Ca-
navarro
que anida que o Uessas provincias lum mas hoino-
qua o general flores esl passando 0 geo^e cora o do |.aiz natal dos emigrantes, o
sea exercito era Concordia, para invadir a provin
cia de Enlre Bios : (pie outra partida est passan-
do para Monte Caseros.
Nesta mesma dala voitou lambem o corrcnno
norte do Brasil nao urna regio inhanitavel para
os Ibbos aos climas temperados, embora vivara nos
nossos cunpos, embregados ou nao, na lavuura.
A prova esta nos poucos agricultores europeos
. que temos, os quaes nao soffrem por causa do di-
Len Arguello com o seu corapanheiro o soldado 2 **
de$le acampamento Joo Baptista Veron, que man- B"Am,W d,,|Uti os "r"r,S >>.
dei cora ordera de ir al o passo de S. Borja ; mas SS cl,,nil ti,'UBU'e> "orra se calor di
-a .._ ..j ,4 i- j o .i .... minuido por urna brisa fresca que reina constanle-
uao lera podido passar alora de S. Alonzo, por cau- r H
mente nestas regioes.
sa das partidas immlgas que fazein as suas corre-
ras com frequencia at esse pono, conduzinlo ao
exercilo a qualquer pessoa que enconlram nesses
lugares. E-ies dous emissanos trouxeram as mes-
mas noticias que Beulos. O >ub-tenenie de caval-
laria cidado Miguel lime, a quem o major Duarla
raaudou com 9 soldados, no dia 2-"> do corrente em
perseguidlo dos dous individuos daserloras com
ordera de chegarera al S. Tliora, nao voltaram
at agora, e podendo ter voltado ja' no espago de
5 dias, presuraivel que Ihes acontecesse alguna
incidente fortuito.
Pelas noticias novamente adquiridas, julgo con-
veniente levar ao conhecimente de V Exc. que
coniinuam diariamente as correras, sahindo qua-
tro partidas das guardas avangadas para diversas
direegoes, a saber: duis da guarda de S. Carlos.
urna da de S. Jos, e oulra da de S. Lacas, recor-
rendo cada urna 6 leguas de distancia desle acara
pamenlo.
Juntas remeti a V. Exc. as listas nominaes das
asslgnaturas dos cabos e soldados que merecen!
promogoes pelas suas quahd.ides ecomportaraento,
figurando larabem alguos nomes dos individuos
que por se acharem ausentes nao poderam assig-
nar elles mesmos.
Remello igualmente a V. Exc inclusos os estados
pessoaes das forgas sob raeu commando, e tambem
as lisias dos enfermos, mortos e doenles de grav
dade, existentes nos hospitaes deste acampamento
: e da villa da Encarnago.
Os batalhoes desle acampamento ns. 14, lo, 16,
' 17, 28 e 31 praticam de manhaa a instruegito de
companhias e o manejo de armas, e de tarde a ios-
truegao de batalho.
U batalho n. 33. que acha-se tambem neste
acampamenlo, e o batalho n. 32 na villa da En
carnagao sao iuslruidos na 3' parle da 1* ligo.
O batalho n. 8 e o n. 41 que se achara nesla vil-
la, o 1 esla' na 1" parle da 4* ligo, e o ultimo na
2* jiarle Ia da insiruego do recruta.
Os remenlos ns. 24 e 26 desle acampam-nio
sao instruidos na guerrilha, de manhaa, e nosexer-
cicios de regimentos de larde.
O regiment n. 27, que larabem se acha ne acampamento, esl na 6" elasse, 6* hgo ; e o re-
giment u. 2$, que se acha nesta villa, na mesma
ligo.
O regiment n. 33 e a ala de cavallaria da mes-
ma viiha, na 2* elasse 4" ligo.
Jumas remelto a V. Exc as lisias dos enfermos,
monos edoenlos de gravidade, existentes nos nos-
pitaes militares desle acampamento e da villa da
Eucarnaco.
Neste acampamento, na villa da Eucarnago e
nos poulos da sua jurisdiego nao occorre novidade
alguma, cando as tropas do raeu commando debai-
xo da melhor ordem e disciplina.
Deus guarde a Exc. por mullos annos.Acam-
pamenlo de Pindapoy, em 29 de abril de 1865.
Viva a repblica do Paraguay I
l Exm. Sr.Tenho a honra de participar a V. Exc
que recebi o olllcio de V. Exc. d4KS do mez pro
ximo passado, honiem a 1 1|2 horas da larde, na
estrada de Pindapby, voltando para esla villa.
Nesta data, como annunciei a V. Exc. fago mar-
char o regiment n. 28 as ordens do lenle cida-
do Manoel Cabral, eslando prvido e armado com
langas e espadas curvas, exceptuando 52 indivi-
duos que nao tm seno laogas.
Julgo conveniente propor a V. Exc, que se frda
approvago de V. Exc, seja collocado o capilo ci-
dado Francisco rales no commando do batalho
n. 32, e paste a reunir ao exercito de Pindapoy
por se achar apto para o servigo de campanha, U
cando o capilo cidado Francisco Cardonas no
commando do batalho n. 41, que ainda nao lem
armas.
Becebi ja' os cavallos e os bois de S. Cosme, Car-
men, e Jess, esperando por oslantes os dos mais
disirictos.
Amanha tralo de voltar ao acampamento de
; Pindapoy, deixando ao capilo Crdenas a ordem
'de fazer passar ao acampana-nto da Candelaria
lodos os cavallos e bois que j tenho reunidos aqui
I e os que chegarem depois, cora o fim de que ha
' v*ndo descansado alli a cavalhada, pelo menos
dous dias, seja levada Pindapoy, para fazer mar-
char urna partida de dous esquadroes de cavalla-
ria e duas companhias de infantaria montada para
reconhecer o outro lado do rio Aguapey ate conse
guirem saber a verdade das noticias, que al|aeora
i nao passara da boato.-, e conbecer os movimentos
do inimigo; para que eu estando bem certo das
circunstancias dos loimigos possa marchar sobre
I elles, conformando-me em tudo ao que V. Exc. sa
i digoou de eosioar-me no mencionado ofcio, da
vendo cororaandar o major Duarte esta partida de
explorago.
Ura correntino, chamado Justo Ensina, visinho
| de S. Alonzo, veio era corapaohia de Len Arguello
e do soldado Baptista Veron, dizendo que vem fugi
do das partidas correotinas, que aodam freqnente-
mente por aqueiles lugares obrigando a todos os
varcies a asseotarem praga no exercilo qoe esta' se
orgaoisaodo em <. Thom. Este individuo diz que
deixou toda a familia na casa com ordem de nao
abandona-la, e que na emigrago do anno de 1850
passou a esta repblica at o anno de 1860 em que
voilou a passar o Paran e se estabeleceu onde
agora lem a sua redencia.
Deus guarde a V. Exc. por muitos annos.Villa
da Encarnago, em 1 de malo de 1865.
UM POLCO DEUDO.
Concordando com as ideas expendidas no se-
grate artigo, transcrevemo-lo do Patz para as
nossas paginas.
A EMIC.HAC.A0 AMERICANA K 0 NORTE DO IMPERIO.
E' multo louvavel o esforgo empregado pelo Sr.
ministro da agricultura para facilitar a emigrago,
que do sul dos Estados-Unidos pretende procurar o
Brasil; mas nao pode daixar de ser reparado pela-
provincias do norte o afao de S Exc. era dirigir a
correte emigrante para as ierras do sol.
Os comraissarios dos norte-americanos pediram
ao governo informages, e o Sr. mioistro, depois de
da-las, fiis quanto nossa forma de governo, aos
Voltando a queslo de uberdade e proprieJade
das Ierras do norie, limilamo-nos duas perguu-
las.
Que ierras havera no muudo mais feriis que o
vaie do Amazonas, e era geral dos nossos inageslo-
sos rio ?
Onde se encontrar no Brasil urna carnada de
humus da espessura dassa que apreseulara os nos-
sos campos ?
Com laes coodigoes salta aos olhos que eslas ier-
ras sao propriase promettedoras de grandes resul-
tados para qualquer cultura : nos fados esla a ver-
dade desla ligeira apreciago.
A Babia, Pernambuco. Paralaba e Maranbo tem
una proJuc.go de algodo de tal ordem que ca-
paz de eouvencer ao mais incrdulo que os seus
terrenos se podem apaolar como os primeiros do
Brasil para o cultivo desse genero.
Nos mercados europeus neiihum klgodio nacio-
nal superior ao do Maranhao, que geralmenle
colado por midhor prego que todos os outros.
A' eslas provincias anompaoham em grao quasi
igual, guardadas as proporcojs, tolas as mais que
licam da Bahia para o norte, excepgao do Para e
Amazonas, que se nao produzem raaior quanlidade
desse genero por terem os s-us habitantes se de-
dicado quasi exclusivamente industria extrac-
tiva da borracha, cacao, oleo de cupahiba salsa,
etc.
Se do algodo passamos a considerar os produc-
ios da cauua, olferece-nos esta parle do imperio o
mesrao graudioso quadro que aprsenla em rea
gao aquelle genero.
Sao os porios alfandegados deslas provincias os
graudes exportadores para a Europa do assucar do
Brasil.
Ora, sendo os borneas que procuraram o noss
paiz agricultores de algodo e canoa, qual devera
ser o procedimeulo do Sr. iniui-Uro quaudo elles
Ihes pedirara iuLrmagoes acerca das trras do Bra-
sil f
Sem duvida que era dizer-lhes o que por nen-
huui brasileiro deve ser ignorado, nem talve por
esses estraogeiros.
E nao iguorando estes, como de presumir, em
que coula lero elles as inforraagoes que Ihe forara
ministradas ?
Quauo pois a propriedade das Ierras para a cul
tura que esto acostumados os futuros emigran-
tes visivel a loda a luz que ouiras nao deviam
ser indicadas cora prefereucia s do norte.
Nao queremos enlrar em considerages sobre a
diversas explorages que pudem os emigrantes len.
lar oas nossas maltas, vastissiraas e de riquezas fa.
hulosas, e uo uosso solo, onde occullam-se os mais
soberbos jazigos de todos os mineraes. Netle pon
lo o norie do Brasil nao lem rival no muudo.
E' esla a regio, onde os mais dourados sonhos
do hornera industrioso podem realisar-se.
A agriculiura, a raiuerago, a conslrucgo na-
val, as fabricas de todo o genero contara com urna
natureza que aprsenla era copiosissima quantida-
de todos os elementos necessarios para a realisaco
das mais atrevidas emprezas.
S urna cousa nos faltapopulago.
Dera-nos bracos, dem-nos homens industrio-
sos, acosiuinados a grandes coinraelliraentos, que
era pouco e-la parle do Biasil, de cuja proprieda"
de nao de balde que se recea, atlingir a um es
lado que mal se pode calcular.
Mas esses bragos, esse augmento de populago
que nao nos ha de vir lo cedo.
As provincias uo podera por si fomentar a emi-
grago de ura modoefBcaz e muilo men m pagar a
colonisago e o governo central s para o sul en
camiuha os que procurara o Brasil como uova pa-
tria.
No- isto declamago, ou maoifeslagao de ura
despeito mal enienduo.
Faliam por ns os dados offlciaes ; justifique-nos
a propria palavra do Sr. mioistro de agricultura.
Veja-se em seu relalorio quaes sao as colonias
estabelecidas as provincias do norte, e qaaes as
das provincias do sul.
Mas esses colonos, talvez se nos replique, deviam
estabelecer-se mesmo nessas provincias, por que
oriuudos de paizes frios e cultivan lo gneros pro-
prios desses paizes, o clima e as ierras do norte de
modoalgum Ibes poderiamconvir. Concedemos.
Mas o que se dir sobre os emigrantes dos Es*
lados-Unidos ?
Estarao oas mesmas condicgSes ?
O que se deve dizer, o que nao desconhecido
quem se demora um minuto a pensar nestas cou-
sas, que o governo do Brasil deseja ver mais de-
pressa povoados pelos europeus e seus descenden-
tes as trras do sul do que as do norte; deseja dar-
Ibes mais forgas e riquezas.
Talvez tenha razo.
Entretanto no norte do imperio talvez onde a
charama do patriotismo brilhe mais iolensa.
A actual guerra nos offerece um exemplo, que
ao mesrao tempo que nos d justo motivo de afa-
narnos, produz um effeito contrario em relago a
quasi todas as proviocias do sul.
Resta-nos, j que do governo nada podemos es-
perar sobre os emigrantes americanos, a esperanga
de que elles conbecendo que houve engao na in-
dicago qae se Ibes fex sobre as provincias em qoe
de preferencia se deviam estabelecer; coohecendo
que a regio do norte do Brasil oode esto os
verdadeiros terrenos dos geoeros que esto habi-
tuados a cultiva/em, sem que oinguem os estimu-
le, procuraro, mais das menos dias, as nossas
provincias, para as quaes os seus interesses os
chamaro, despeito do nosso governo.
Com isto contamos, graeas a provida natureza.
rain um in-tante o seu fulgor.
Restara no- "eM acontec ment nma b*lla me-
dilagi i I- Lamartine, imimtala A Glnrit A im
poel-t rittt e guint-'- lianas Je um c>mmen-
lario a esra m>itago. feito pelo mesmo Lamar-
tine :
Esta ode nm dos primeiros trechos s posesa
escriplos por miui.
Data.do lempo em qne eu aindi imitara.
Foi-me inspirada em Pariz da 1817 p*?lo< infor-
tunios de um pobre poeta portugiez. Stmsto
Manoel (PlPWKiM Manoel i \ Na-rinurnto).
Dspofa de (er eio iliu-tre na sua patria, expul-
so do lar pelas r-Meees polticas, refagiara-se em
Pariz, on le ginh iva a casto o pao da saa veinte,
enslnanli a sua lingua.
lua joven freir, de urna belleza tocante, ede
urna absoluta le licaco, jtjite-a. por esthosiassw,
lomar paite n> -xui i na uii-eria do poeta.
Mano-l ensinou me o iiortujfuez, a fezate admi-
rar Camo s.
Ahi vio as ultimas eslrophes da v\e a qoe aos
referimos.
Ni l'exil, ni le< fers de ees ivrans du Tage
N'enchaineronl la gi ore aux I. ,r 1- .-u in raoonas:
Lisbonne la reclame, et v.nu i hr.tage
Qje tu lui !ai--eras.
Ceux qui l'ont mconno pleurerooi le grand booms
Albu: a ses proscrils ouvre son Phaoltteoa ,
Conolan expire, el les enfaois da Rome
llevendiquenl son nom.
Aux rivages des nwrts avant que dei
Ovide leve au ri*l ses supplianies
Aux Sarmates gro-siers il a legu sa ceadr.
El sa ilolre aux Romaias.
Eis aqui a descripgo de um dos mon-ir,-
singulare< :
A cabega do anjirowcto tem oito olhos, a
bocea esta armada con um comprlo latxo ean
farma do bico ou gancho.
E' carniceiro e vive das presas qae faz en aai-
maes vivos.
Caminha em oito patas.
E' amphibio porm geralmentp vive no fosan
das aguas aade coUstrue engeahosameale o sea
covil.
O argu oneci nada sobre o dorso ; a cab*ca a as
olhos dirigidos pan baixo para sorpreheod-r ae-
Ihor as suas vicnnus.
Nao lera guelras, orgo respiratorio dos amana*
aqualicos e tem ura duplo pulm.io.
Perlence a familia das aremtdm e Isa a narri-
v-i feaMade das araaha<.
O seu corpo esla coberio de pellos esenroa Je
que mana urna mal ra oleosa : as loas palas a
dianle e as duas de iraz le sais comprlas a du-
las do que as outra* quatro dispostas para a sata-
go.
O naturalista Laireille deu-lhe o aorae de arT
leado.
Nos pedem a poblicaro desta pga :
Bra-ileir'S, naciraaes,
Como filhos palmitas,
Abracai os federaes
Livre-nos Deus d'Earopa
Valentes Pernambucanos,
E famosos Brasileiros,
Cantemos o hyinno d'Aiaerica
Nossos irmos verdadeiros.
Esta prova ja foi dada
De valenfs ao nancer.
Morre nm bravo, fiearn cera.
Que o Brasil tem mais poder.
Como gratos, genereaaa
Foram aos Lusos offrecer,
Seus valores e riqueza,
Que o Brasil lem mais poder.
O Brasil Americano
Nossa patria veio ser.
Nao temaes a vHha Europa,
Que o Brasil lem mais poder.
Nossas peitos bem unidos
Cora America bao de ser,
Despresai a velha Europa
ijue o Brasil lera mais p>der.
Coragem, intelligearij,
Quem nao lera morre sem ter.
Despresai a velha Europa
Que o Brasil lem mus poder.
Marcador ias e arles
A unio pode irazer,
As d'Earopa riquem la.
Que o Brasil tem mais poder.
Quiz a propria natureza
O Brasil engrandecer,
D'ioveja esiorga-se Europa
Que o Brasil lem mais poder.
Um erro d'inielligenea
Nossos malas veio ser,
Bem sabia Joo remandes
Qu o Brasil lem mais poder.
.3

LAMARTINE I FILWTHO ILTSIO.
Poucos adviuham talvez qual o motivo por que
associamos estes dous nomes.
E eom tudo o motivo simples : Filiotho Ely
sio foi professor de portugnez de Lamartine.
O aulor das Meditacoes conheee a nossa lingos,
e leve por mestre d'ella um dos seas mais esmera-
dos cultores.
O poeta francez ainda desconhecido, e o poeta
Lord Palmerstoo, em quem todos recosasesm
um atheismo encantador, dizia em ama reoaiao,
na qual entre diversos persoaageas se acha va
Fuad Pacb :
Em grande aparo ha de se earontrar. hon-
rado Pacha, quando, por effeito Vssa ao i
na iroitaeao dos costumes da Europa, n*ev i
um banquete nos seus palacios, anrqae sa
seguir rigorosamente as leis da etiqaeta,
apreseoiar as suas mulheres, e sera eaiao
pectaculo mu curioso ouvirraos diaar :
mulher numero 17, miaba waUsr naaaaa aa\ Jh
Ihe parece?
Fuad Pacha, ficou perplejo por nm
porm, recobrando l^go o seu sangue-frto,
dea :
Nao, milord. Imitar*mn em toda os
peas ; apresenaremos s ama mulher.
Logo que apparecem os primabas
da doeoga, a epiozotia seqoidio de
locarse o animal nom baoho de vaasr e
lo enrgicamente por lodo o corpo : a
nao deve ser lAo elevada qoe torne
raco do animal.
E* preciso depois de seerar
por meto de fricgde ; depois eobri lo
roDerturas de la e eoiloea lo a'ana lagar
tamenle ao abrigo das correales in m;
precise ter o maior cuidado sai evitar ajan
fri,
Estes o principal pona da
gam-se depois bebidas reaiaiaaaaasa
fcil digesto.
PERNAMBUCO- VniP. P M. #. W r. a
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY88ISPUW_FEO9G3 INGEST_TIME 2013-09-05T03:30:50Z PACKAGE AA00011611_10842
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES