Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10838


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
AMO ILi, MUERO 2X1
Por qoartei lago dentro de 10 das do l,mez : t 5J000
dem depo/s dos 1.'10 das do comecoe dentro do qnartel. 6$000
Porte ao correio por tres nezes .*.......... 750
QUINTA FEIRA 7 DE DEZEMBBO DE 1865.
Por anno pago dentro deludas do 1. mez ltfOOl
Porte ao correio por na auno............., Jf 000
E.NCARREGADOS DA SUBSCR1PQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?ndrino de Lima;
Platal, o Sr. Antouio Marques da Silva; Aracatv, o
Sr. A. de Lomos Braga; Ceara, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhio, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves i
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENGARBERADOS DA SUBSCRIPTO DO St.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Uias; Babia, o
Sr. Jos Martiris Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
fiibeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da va forrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Rom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
(ngazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouriniry, Salgueiio eEx, as qoarias
feiras.
Serinhem, Rio Pormoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relaco: tercas o sbados s 10 horas.
Fazenda : quistas s tO horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas a sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas o sabbados a 1
hora da larde.
EPHEMERIDES DO MEZ OE DEZEMBRO.
2 La cheia as 4 h., 24 m. o 43 s. da t
9 Quarto ming. as 9 h., 53 m. o 28 s. da l.
18 La nova as 2 h., 1> m. e :t4 s. da m.
24 Quarto cresc. as 10 h., 11 m. e 22 s. da m.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
4. Segnnda. S. Barbara v. m.; S. 0=mnndo. Para o snl at Ala roas a 14 e 30; para o
S._Pedro Chrysojogo b. S. Geraido are. al a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn-
aio,
6. Quarta. S. Nicolao b.; S. Leoncia m.
7. Quima. S. Ambrosio b. dut. da egr.
8. Sexta, ega A immaculada CoDeeicao de Mara.
9. Sahbado. S. Leocadia v. m.; S. Gorgonia v.
10. Domingo. S. Melchiades p. m. ; S. Gemello m.
PREAMAR DE BOJE.
Primeira as 7 horas e 42 m. da manhaa.
Segunda a? 8 horas e 6 minutos da larde
do nos dias 14 do? mezes de Janeiro, narco,:
julho, setemhro e novembro.
ASSIGNA-SE
noRecife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa_dr
Faria & Flho.
- Os Srs. assiffoaoles desle Diario, que "> fm sido postos em concurso esses offlcios
, o ,. *_ estando vagos ha mais de atino,
se acham em debito da; respectivas assig- portarla.O presidente da provincia, atienden-
naturas, queitam mandar realisar o paga- do a que o alferes do batalhao n. 23 do municipio
monto deltas; e aquellos que moram fora *
-.
desta chlade, tenhatn a bondade de dar avi-
so de qoaea sejam aqui os seus correspon-
'erles, alimde ser solicitado esse pagamen-
to dos^n^smos, a quem darao ordom para
isto, visto oajo alguns pretextis a falta
dessa ordem. ^v
K*~-t*t*-i*M
Di ft
TO
m
mim% m raowuu
Espediente do dia i dnlozembro de 1865.
OlDcio ao general commandante das armas.
Sirva-se V. Exc. de luormar-mo acerca do que
pede nos tetases requenineutos Mana M de Jess, e Candida Canuta de Medeiros.
Uito ao mesmo.sirva se V. Etc. Je iutoraiar-
:ii.' acerca do que pedem nos inclusos requer -
raentos francisco Tu-.pililo Paes Barrelt >, Lau
renlioo Jos Bernardo e Fraueisco Pacifico de As
iis Lobo.
Oilo ao mesmo. Sirva-.=e V. Exc. de informar-
me aivre.i do que pede uo incluso ollicio o ciusul
de Portugal.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Etc. de informar
acerca >io que pede no incluso reqaerimento Fran-
cisca Mana da Conceicao inai do voluutario do o"
corp i Joaquim Ignacio Francisco.
Dito .io inesiii i.sirva se V. Ese. de atleoder
orno for de le ao que no iucIusj requcrtraento
pede o soldaJo do 3" eorpo de voluntarios da pa-
tria Chinero Alves de Fanas Pedrosa.
Dito ao mesmo.Mande V. Esc. inspeccionar o
paisano Antouio Fraueisco de Lyra offerecido pelo
vidiiiorio da patria do 3 eorpo Celestino Bispo
Douior de que trata o inclusj requ-nuieuto.
Dito ao mesmo.Mande V Exc. inspeccionar o
2" sargento da guarda nacioual do -'' batalhao
destacado para o servido da guerra Jos Sor rales
de Paula Lima de que trata o incluso requer-
memo.
Dito ao me=mo. Pode V. Exe. mandar Incluir
na otlicialidade do -J. batalhao destacado o alteres
Arniu de Hollauda Cavalcante de Albuquerque
que sendo praca daquelle batalhao fora promovido
ao referido posto pelo de n. 42 de Serinhem a que
perienceu.
Dito a o mesmo. Sirva-se V. Exc de informar
acerca do que nos inclusos reqjarimenios docu-
mentados pedem os goerdas nacionaes do batalhao
d. 43 de infaularia Cosme Gomes da Silva e Luiz
d- Franca Faldiuo de Sonta.
Dito ao inspector da tnesouraria de fazenda.
Transmiti a V. S. o incluso pret em duplcala,
qus me remetteu o tnareehal commandante das
armas com offlcio do l" do corrate s iti n. 2297,
alim de que nao havendo inconveniente mande
pagar os vencimentos correspondentes a segunda
qumzena do mez de novembro uiti no das pracas
o companhia de zuavos. Comrauuicou-se ao ge-,
ueral commandante das armas.
Dito ao mesmo.Tomando em consideradlo o ]
que expoz n i iuclus i reqnerimjnl > n 1 lente do i
eorpo de engenheir-is, Jos Cirneiro da Rocha I
recominendo ;i V. S. ijue mande pagar sob minha
respousabilidade, nos termos do decreto n. 2884
do Io de fevereiro de 1862.0 augmento de venc-
meatos relativo ao mez de novembro ultimo,,que
p o aviso do ministerio da agrien tora commercio
e obras publicas de i d i citad i tnez de novembro
obleve o supplicaue como ajudante doengenheiro
fiscal da estrada de ferro nesla provincia visto nao
ter .un 11 ebega lo a ordem do thesouro nacional,
antortando esse augmento.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
N is termos do 5 2' do artigo I da le n. 0(1 de
i de o o. uluno, mande V. S. entregar a junta
admini>trativa da Santa Casa de Hesericordia, e
pela verba do ^ l* d i artigo 17 do orcaroento vi-,
gente a quantia de S:000O. para ser applieada
as obras, que se esto fazenda no edificio paral
onde t'"ii 11 ser transferido o collegio dos orphos.
Co'nmunicou-se ao Exm dezembargador prove-
dur da Suma Casa.
Dito ao rnesmo.N'o liavendo inconveniente o
11 i em termos u pret |uut i em duplieata que '
me remellen o commandante superior deste mu-
nicipio ora ollici.i oe 2 do correle, sob n. 137
mande V. S. pagar os veneimentos relativos ao
m.-/. de outubro ultimo dos guardas nar.ionaes des-
tacados na povoago de Santo Ama:o de Jaboaiao. I
Dito ao mesmo! Mande V. S. paaar ao cabo
Flix Dacia de Barros conforme soiicitou o com
mandante superior da comarca d Caboem ollicio'
de i'.\ de uovetnbro ultimo sob n. 17-'i, os venc
memos relativos a segunda quinxena daquelle mez
una vez que esl--|a em termos o pret junio em du- ;
plicata.CommuoicMi-se ao respectivo comman-
dante supitrior.
Dito ao mesmo. Providencie V. S. para qoe
nio liavendo inconveniente sejam pagos os venc-
meatos relativos asegunda qutazena domide
novembro. ultimo das pracas do 4 batalhao de in-
tentara desie municipio acuarteladas na Capunga,
na Varzea e no Poco da Pauella como se v los
inclusos prets que para esse fim vieram annexos1
ao offleio do commandanb' superior interino de-la
capital n. 456 de 2 do corrente.Communlcou-se
:.o commandante superior do Recife.
Dito ao lnpccior do arsenal .dn mannha.
Mande V. S. faxer os loncerlos o une precisa a
vaixa da machina da i.....iba de apagar incendios
perienceutes a alfandega. e a que se refere o sea
offlcio de 28 de novembro prximo lindo, sob o.
1026.
hilo ao director do arsenal de guerra.Annuin-
do ao qoe solicitou o gerente da companbia Pcr-
namhuca, em ollicio de 2 corrente, recommendo a
V. S. a expedigao de suas orden* para que a carga
je pelo governo lem de ser rem-ltida para
da Escada Jos Francisco Pedroso de Carvalho,
provou ser filho nico de viuva a quem serve de
arrimo, e leodo em vista a informacao do respec-
tivo commandante superior de 28 de novembro ul-
timo, resol ve depensa-lo do servico da guerra
para que eslava designado.
Dita. O presidente da provincia, altendendo
ao que requeren o capitao da 1.a companhia do ba-
talhao n. 3o de infamarla da guarda nacional do
municipio do Brejo Jos Magalhes da Silva Porto,
resolve conceder-lhe 6 mezes Je cenca para traiar
de sua saude.
Dita.O presidente da provincia, altendendo ao
que requereu o escrivo de orphSos ausente?, ca-
pAV e residuos da comarca do Limoeiro Luiz
Francisco Brrelo de Almeida, resolve cooce-
dor-lhe # mezes de licenca para tratar de sua
saude,
Dita O PresMente da provincia, resolve no-
mear para servir em eoinmisso no 3. eorpo de
voluntarlos da patria os 'fleiaes seguioles:
3a '".ompanii!?-
Alferes Clariudo Hernelo Luis.
4" i", me nina.
Capitao, o lente do mesmo eorpo Florlano Jos
de Miranda.
Tenenle, o cidado Joaqnim de S Araujo.
6a Companhia.
Capitao, o lente do mesmo eorpo Antonio Gracia-
do de Gusiso Lobo.
Tenenle Antonio Joaquim Machado.
8a Companhia.
Capitao Bernardo Maciel de Sauza.-
de Moura Goudim.
da, e leudo esta publicac,o obtido o mais favora-
ve acolhirrento nao so das classes meuos illustra
das para quem destinada, como das pessoas ins-
truidas; para que melhor solemmzemos a Coucei-
i;io (inmaculada de Maria Sanlissiraa, debaixo de
Consta-nos que para solemiiisacao do embarque Guilhermina, Pernambuco, 2 annos, S. Jos; co-
pitptiam-se fe-'teps populares, que traduzem o
apreeo publico em que lida essa porgao de Per-
uainbucanos, que vam a reunirse aos milhares
de comprovincianos, que no sul pugnam pela non-
cuja prolecgao publicado esse peridico religio-1 ra do imperio, du que somos parte integrante, as-
so, tora lugar no da 8 de dezembro a distribuico sociando-se a esta m -nifestaco a respeitavd classe
do mesmo que regularmente devia pertencer ao do commercio, qoe sempre se aprsenla gartioza
prximo domingo. Pelo que, espero que V. Revma. em honra aos factos nacionaes.
dar as necessaria* providencias para que sejam n ,j nrenaracao
procurados na lypographia, no dia 7 os exempla-! -
res destinados a essa parochia.
ma-
Approveito a occaslo para agradecer cordeal-
mente a V. Revma. a pontualidade com que lem
fe.to distribuir essa folha na sua matriz, e o zelo
com que me lem coadyuvado no proposito em que
estou de espalhar pelos fiis o pao da palavra de
Deus.
Depois de gastos alguns dias em
de numero legal para poder fonecionar, abno-se
na terea-feira a 6a sesso judiciana do jury desta
capital, sol a presidencia do ~r Dr. juiz de direito
da 2a vara Manoel Jos da Silva N'eiva.
Qccupa a cadeira di ministerio publico o Sr. Dr.
Francisco de Carvalho Soares Brandan,que na sus-
lenlacao dos intere.-ses ua jusiiea social vai dando
copia do seu talento de inodo ai ikio desmerecer dos
seus ant'cessores. '
queluche.
Luiz, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio ; es
pasmo.
J ivelina, Pernambuco, '4 annos
vermes.
Francisco, Pernambuco, 14 mezes
ligna.
Antonio, Pernambuco, 12 mezes, Santo
letano espontaneo.
Casemiro, Pernambuco, 21 mezes, e.-cravo, Recife;
eouvulgdes.
Florimla Mana de Jess. Pernambuco, 72 annos,
solleira, S. Jis; hedropezia.
Carlota Maria da Piedadc, Pernambuco, 30 annos,
viuva, Recife; apopl-xia cerebral.
ifi.Nada mais liavendo a traiar, o Exm. Sr. pre-
sidente encerrou a sesso urna hora e meia
da larde.
Santo Antonio
S. Jos .
Antonio
.-c>-o?
Offlcio ao vigario do Alaga Grande. Ao seu
offlcio de 20 do prximo passado acompanhou a
quantia de 1115000, destinada pelos seus paro-
chianos para o collegio de missionanos calholicos
eslabelecido em Londres.
Igual ao vigario de Cabrob, que para o mesmo
lim remetteu a quantia de 9O?0O0.
Lijo das pessoas que na freguezia de Alaga Gran- apostlico capuchinno.
deconcorreram para o collegio do Sagrado Cora- o tinado linha 36 anuos,/liavendo professado a
rao di SesTtXesTateiCido em LonoVes, qual se vida religiosa na idade de B, e pausado ao Brasi
JIiH).\iC\ Jl!lMll4UA
foram apresentados devidadiente preparados pa-
ra jnlsmenlo vinle processosipelo Sr. Dr. jnlz mu-
uicipai da 2a vara Francisco Araujo Barros.
Falleceu ante-hontem molas 9 1|2 horas da
noiteo Revm. Fr. Clemente refere o officio cima.
Joaquim Googalves da Silva Maduro...
Vigario Belizio Lins de Albuquerque
Cabral..................... ....
Revd. Joio da Cunha Peixlo........
Jos Antonio Paes...................
Alferes Joaquim Pereira da Silva.....
Alferes Francisco Bezerra deCaslilhO.
Jos Luiz de Albuquerque...........
Alteres, o cadete do mesmo eorpo Maaoel Accioli Tenente Joaquim Gomes de Mello Re-
DE
PU3111MBUCO.
SEDE va<:a.\te.
I \|n'ili'iiie do dia 1 de dezembro de 1865.
Cilicio do vigario do Brejo.Moi rala toipara
mu a noticia que tive pelo
zeode..
Coronel N'uuo Guedes de Miranda Hen-
riques...........................
Joio Cirios de Araujo..............
Capitao Firmioo Cavalcante de Albu-
querque ........................
Seraphim Velho de Mello............
Seraphim Theophilo de Mello.....
13,5000
105000
i 03.100
93000
55000
55000
550(10
53OOO
55000
PHESIOE.NCIA 00 EXM. SU. OSEMIIARGADOR
A.NSEI.MO PBANCISCO 1'EIIKTTI.
As 10 horas da inanliaa, estando reunidos os Srs.
depulados Rosa, C. Alcoforado, basto e Miranda
Leal, e presente o Sr. desembargador fiscal, o
nade 35, na ualidade de hmfOflSTfo aposiolico, Etl^ r. presideate decUroa abena a sesso.
a que o elevou a -agrada fjongregacao de Propag. > d J *"' '
Qde por seu decreto de 6 k agosto de 1844. I
Chegado ao imperio, relidio por mu anno no, nm expediente.
Ip, donde depois passoi/aos serlo-s do Minas,! Offlcio da )Unta dos correteras,
THIIHWI. 1>A REliAClO.
SESSO DE S DE DE/.EMBRO DE 1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SIU CONSEUIZIRO
90DZA.
As 10 horas da maoha, presentes os senhores
i desembargadures Sauliago, Gitirana, Guerra procu-
rador da cora, Lourenco Santiago, Almeida Al-
buquerque. Molla, Duna, CcUda Cavalcanti, Do-
; mingues da Silva e Barros Vasconcellos, faltan-
. do os Srs. desemoargadores Assis, abrio-.se a ses-
so.
Passados os feilos, deram-se os seguioles
lULGAHENTOS.
Aggravanle, Symphronio Olvmpio de Qneiroga y
ra III > AL 10 OHXTKUIO aegravado, o juizo. Relat r o Sr. desembargador
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE t DE Lourenco Santiago. Sorteados os Srs. desembar-
uEZEMBRO DE 1863. ; gadores Guerra e Barros Vasconcellos.Deram
provimento.
llabeas-corpns.
Concedeu-se ordem a Joaquim Alfonso de Mello,
para a sesso de 12 do corrente, e negou-se soltu-
ra a Joio Baplisla de Souza Amaral.
Apiieltares cireis.
Appellanie, a fazenda ; appellado, Manoel Fi-
gueiia de Faria.Coulirmada a sentenga.
Appellante, a fazenda ; appellado, Joio Francls-
linnado de hoje, co do llego Maia.Receberam us embargos.
Goyaz e S. Paulo, oceupam
caleche>e e civilisacao do
oulras missoes. Alinal in iahilit"ii-se de proseguir
par mais lempo em sen sa
em enn-equencia de urna
ligado eoniplli-ada com 110
i|ue o accoiuielteii logo e
eeli-ai;.io ; e asslin SOlirit
sen offlcio de 6 do | ^f.1''30 AntonmGoncalves...........
prokimo passado de, no principio do mesmo hayer i ^ZZrT'' ferrSra d" JbSUS
misdonado nessa freguezia o Revm. fre Seraflm,! ^5" L, eme,nll?!)1 Pt're,ra..........
pre eito do hospicio da Peona, obleado rouKas con-1 ^a. el'0TdB Albuquerque........
ver i5es, e prodigiosos fructos de penitencia; bem JS Gomes Trigue.ro...............
como dando grande Impnlso s obras da matriz
qui ah se acha em consiruccao.
53C00
53000
530IK)
530IM)
53000
55000
55000
23000
i.) o arduo ministerio,
intensa intlammaco de
a aff-ceao rneumatica,
n comego de sua evan
u do* respectivos supe-
um hospicio, e olitendo-
o, recollieu-se pnmeiramehe ao Rio de Jineiro e
55U0 rjores o sen regrosso a al
depois ;iu Maranho,sem
Ihora aos seus inconmod
Em llns Je maio proxii
cidale ; e seus males irn
rtimr estes inoires ni rem,!llt,ll|io o.boletim dos precos cJTrtiiteS da se- i Appellaue, L'rsulioo Leite de Arrouxtllas ; ap-
mana prxima linda. .. pellado, Jos Maria Corlez.Receberam-se os em-
Outro uo secretario da mesraa junta, tambera SFgos.
firmado de hoje, enviando copia da acta da eleicao Appe'.'.jnte, Francisco Antonio Alves Mascare-
lili Ohliubrn' !*(> i4iiii.>. >.<. A .1.*.. t^._*., _> A -x ~ I
indios, bem como em
u-^ porera colhesse me-
s nessas provincias.
0 passado cli'gou a esta
1 sempre em crescimen-
balliar
ttq
eres
sua parte ha de empregar todos
fazer doradouras no cor5o de seus parochi
as saluiares impressoes que elles receberam com
a pregaco do benemrito fre Seratim, que tanto .,
urt&pnmnrm os peccador^ eganhar !WW^.! R5C2
alma
Terfo3oi|prW'r0 A,"0DI JS FrmlD de No"
seus parochiafnos l. v,aes :...........;......
Antonio Ferreira Lusloza............
Cipilo Jos Francisco dos Sanios.....
qu
para o eco.
Sei igualmente que V. Revma aproveitando-se
dessa disposico para o trabalho, desse dese;o com
que liearam os povos de verem inaugurada a nova
mitriz, ha le anima-los a que se empenhem na
continuaeao das obras da igrea. para verem reali-
sados os seus desejos e terem 1 recompensa que
rnerecerera aqueites que trabalhai.i ua casa do Se-
nhor.
Dito ao prefeito do hospicio de Nossa Senhora
da Penha.Envi por copia a vossa palernidade
revereodissima o offlcio que me dirigiu o Revd.
vigario de Quebranguln, aflm de que vossa paler
nidade revereodissima tomando-o na consideraco
que merece, de as providencias que julgar mais
acerlolas, aflm de que, cabeodo no possivel seja
attenduii a pretenco do Revi, vigario, alias dig-
no ile elogio pelo zelo com que procura o bem es-
piritual dos seus parochiauos, e a conclusao das
obras do cemiterio.
Dito ao vigario de Macelo.A'visia da informa-
cao que V. Revma. den em dita de 21 do prximo
passado sobre a petico do Revd. Francisco de liar-
ros Cavalcante de Albuquerque pode elle mandar
tirar o>va provisao; o que V. Revma. Ihe tara
constar, devolveudo Ihe os documentos que vo in-
clusos.
-4-
Olli'ii ai vigario de Ipojuca.Com o seu ollicio
de 20 do prximo passado rec-bi vinle oracoes
apor.riphns e urna Itiblia em allemao, que diz no
lltili Heguwlo 0 Dr. Miirtin'ni Luthero.
Louyando o zelo com hu V. Re^ma. procura
arranear a zizania semeada entre o trigo, de novo
0 exhorto a que nao cesse de admoeslar os seus
parochianos, e prevenidos para que se. nao deixem
sorprender nem llludi" com essas pretendidas ora-
Qoes que ludo priimeitem, ludo faciblam, com o
lim de conservar o homem adirmecido no necea-
do, temerariamente confiado na virtude chimenea
de taes oracoes. Multo estimo que apenas tenha
achado urna Biblia e essa em allemao.
Dito ao coadjuctor pro-parocho da villa da Impe-
rainz. Nao podem os parocbos, nem os que fa-
tem suas vezes conceder liceoca para se celebrar
missa em oratorio particular ijue nfio esteja provi-
sionado, embra seja por urna si) vez, embra se-
ja na noite de natal; purlaolo nao tem lugar o que
V. Bevma. pede 00 final do seu offlcio de 24 do
prximo passado, a que respondo.
Essas familias que moram distantes da matriz, e
1 querem ter missa em casa na noite de natal, de-
! vem recorrer autoridad^ ecclesiastica, afim de
1 cooceder-se-lnes, se estiverem no caso de o pode
: rem obler.
3
Ollicio ao vigario de Porto Real.Quando levan-
I tei a suspeno que pelo ex-visiiador das Alagoas
havia sido imposta a V. Revma., exhortei-o a que
se hoovesse de modo que nao provocasse mais
I queixas da parte dos seus parochianos, pr>>curasse
conciliar os nimos, edificar o seu rebanho com o
exemplo da sua vida reformada, alim de que eu
nao livesse que arrepender-me do acto de clemen-
cia que pralioava em seu favor.
Infelizmente porm as queixas tem continuado,
e V. Revma. tem sido acensado peranle mim, e
em um.i folha diaria nessa provincia de haver re-
. I vivirlo entre os seus parochianos amigos odios, e
Jos Soares de Mello ^vellins..
Capitn Pedro Eplirasm da Silva.....
Francisco Isidoro dos Santos.........
Fortunato Francisco dos santos.......
Wasingthoii lldefouso.de Novaes......
Malinas ttoncalves Teixetra..........
Domingos Moreira da Silva..........
Flix do Reg Pinto.................
Zeferino Goocalves Torres...........
Corbioiaho Alves de Jess...........
Joo Francisco de Gouva Ferraz.....
Liberato Ribeiro Granja............
Llureuc Pordro Guimaraes........
Antonio Mooteiro de Siqueira........
Jos Alves Cratui...................
Antonio Goncalvas dos Santos........
Floreado Alves Prenle.............
Candida Goocalves Torres...........
Mam.el de Cal las e Silva............
Salastio Gomes da Cosa Granja......
Octavio Herculino Netto.............
Miguel Pereira da Silva.............
Alvaro Pereira Franco..............
213'HVl
1550
103UU0
103'WO
5.5000
530' 10
23000
2301'U
23OOO
23000
23'KM)
lo, depois de nina lonnei osa duenda de 5 mezes,
solfrida com resigoacao hrista, sua alma con-
fortada com os soccorros de reiigio subi a raao-
Seri ihaem Pedro Antonio dos
utor da mofle de Manoel
celebra a irmandade de N. S. da
militares ia festa da soa padroeira
com a pompa e o brilhanusmo do costume.
Ha vesperas, e oram n\ fesia o Exm. modsenhor
Pinto de Ciropos e no TeDeum o Rvm. padre An-
tonio de Albuquerque Me lo.
A orchesira regida pi lo Sr. Colas.
dos membros que devem compor dita junta no pr-
ximo futuro auno de 1866.Inteirado.
DESPACHOS.
Requerimento de Manoel Antonio Vieira e Nar-
ciso Jos Netto (ja informado pelo Sr. desembarga-
dor fiscal), em que pedem o registro do disirato da
socieOade de Vieira & Netto. Registre-se e pu-
blique-se.
Summario ex-oflicio procedido contra o agente
de leiloes Aureliano Augusto de Oliveira.O tri-
bunal altendendo que OiSummariado embra ape-
nas incurso em suspeno, comludo pedio a sua
exoneracao, o annuindo a esse pedido demitte o
mesmo summanado do cargo do agente de leiloes
o o eomlemua as custas.
.Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s H horas e meia da
manhaa.
Corre que no prjimo paquete francez pro-
cedento da Europa vira al nomeaco de vigario ge-
ral fella por S. Exc. Rvmi. o Sr. D. Mauoel de Me
deiros para esta diocese.
Um amigo nosso, que continua tratando de
seus oegoclos particulares no t-rmo do Ex, nos
l*Juu iransiiiiite tristes noticias do estado poluico rta-: sess;\0 nos r,.j(0
SESSO JUDICIARIA EM i DE DE/.EMBRO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PBRKTTI.
Stcretufio, JuUo OtCMnarfitfff.
s onze horas e meia da maoha 0 Exm. Sr. pre-
sidente declarou aborta a sesso, estando rsunidos
os Srs. desembargadores Silva Guimares, Reis e
Silva e Accioli, eos Srs. depulados Rosa, Candido
Alcoforado, Bastos e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
so.
Assignaram-se os acordaos proferidos na ultima
13000 ijuella localidade, narrando factos ioeriveis de per-
13000 egulco por parte das autoridades policiaes e da
15000 guarda nacional, 1 respailo de mi| s excessos cum-
130)0 jipe que se Ioui-mii serias providencias no sentido
I30'0 iie re.srimi-los. Consta-nos que veio ao Exm. Sr.
15OOO presidente da provincia urna represeotacao de ci-
I3OOO dados notaveis daquelle termo contra as ditas au-
15O0H lorldades, provaudo-se com documentos as coceas-
! 5D00 sges e expoliares, que ellas teeni praticado contra
13000 apopulaco, qoe se acha oomaior de-e^pero, a pon-
15001) [,, ,|H H.[ar emigran lo |iara as provincias limitro-
5-joo pnes! Confiamos que o governo, zeloso no eoio-
5-JOO primento de seus deveres, pora remedio prompto
3500 aos soffriinenlos daquelle povo, digno de mellior
5 >00 serte.
entre partes
appel-
Appcllante, Joaquim de Azevedo Maia ;
lado, Antonio Jos de Figueiredo.
Appellante, Luiz Antonio de Suiza Ribeiro ; ap-
pellado, Manoel Joaquim Rodrigues de Souza.
JULUAMENTOS.
Appellante, Francisco Saatiago Ramos; appel-
do, Joaquim Elviro Alves da Silva. Adiado as
sessoes de 27 e 30 do mez prximamente lindo.
Foi confirmada a senteoca appellada.
Appellante. Jos Pereira de Araujo ; appellado,
J- Alves de FariaAdiad as sessSes de 27 e
3U do mez lindo.Foi reformada a sentenca appel-
lada.
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appel-
lados, Cardse &Souza. Adiado as sessoes de
coulirmada a
quanlo
nhas : appelawQ, Jos Antonio Ferro d.e Figuei-
redo. Desprezaraui -os embargof^.-
Appellano. Francisc~tmes Prenle ; appella-
dos, a viuv.i de Manoel Gougalves da Silva.
11.medidos para o tribunal do commercio.
AppelUiiyes crimen.
Appelianie, o juizo ; appellado, Luiz Antonio do
Nascimento.Improceoenie.
Appellante, Manoel Flix Barbosa ; appellada, a
justica.improcedente.
Appellante, Antonio de Souza Lopes ; appellada,
a juslica.Improcedente.
DILIGENCIA CR1ME.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica
As appellacoes crimes.
Appellante, Flix Jos de Barbosa ; appellada, a
justica.
Appellante, o promotor ; appellado, Jos Caetano
dos Santos.
Appellante, o juizo ; appellaao, Jos Francisco
da Silva Pimenta.
DESIGNADO DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento das segra-
les :
Appellacoes crimes.
Appellante, Manoel Doiniagues dos Reis ; appel-
lada, a justica.
Appellaue, o juizo ; appellado, Jos Joaquim de
Jess.
Appellante, o juizo ; appellado, Romo do Rege
Barros.
Appellante, Vicente Ferreira da Cunha ; appel-
lada, a justica.
Revista civel.
Recorreote, Manoel Jos d^ Souza : recorrido,
Luiz de Siqueira Rangel.
Appellaco civel.
Appellante, Joaquim Carneiro Machado Ros ;
appellaJo, Francisco Xavier Torres.
PASSAGE.NS.
Do Sr. desembargador (tirana ao Sr. desembar-
,,, 27 e 30 do prximo passado. Foi
90&U00' No primeiro artigo do Sr. monsenhnr Pint.
- ........ i de Campos, em vea deTir-se : De Miaa angurlt senten5a appellada com orna alieracio
rOMMANIU) HAS AKU1S -la-se .-De Mista ampilan. cifra do pedido da reconveiicao
.1. >. ti t.xifu u.-iis an.fliio. 1 Appellaotes, D.ManaRiu da Cruz Nevos eoatros;
Qaarlcl general do eliminando das armas de Per- Foi uomeado supplente do fiscal da freguezia appeiiadi, a directora do Novo Banco dePernam-
naiuliiini na cidade do Recife, C de dezembro (ll's- J"M' Sr- Jos Cunegundsda Silva, polaca- boc-.Adiado as sessoes de 2" e 30do prximo
de 1863.
Ordem do da n. 168.
O marechal de campo cuminaodanle das armas
faz certo a gnarnico para seu conhecnu-nto e con-
venientes lius, que a presideneva na data de 3 do
corrente re
da guerra p
mar municipal.
O peridico religiosa Oilo de Dezembro, que
se dlstnbue aos domingos; as mal iz.-s e convenios
desla cidade, sera distribuido amaulia ua matriz
Nova de S. Jos, nao s por ser esto o da, em que
solve'u qnefossem dispensadosdoaervice igreja solemnisa a Immaculada Conceicao de N.;
laraqoe toram designados os Srs. capitao Senhon, como tambem por ser o anniversario da |
batalno n. 27 da guarda nacional do municipio de i sua poblicacao.
Caruar Jos Januano Correa de Sa'; lenles do, Igual distribuico ser feita nesse mesmo da
do 4 batalhao de infamara deste municipio Mauoel as oulras maliizes e cooventos.
Juveocio Bezerra de Menezes incluido no 2* bala- J((.-l0 nanoe| prais0 e Jos Barbosa foram
Ihao destacado, e do de n. 39 do municipio do Ca-, pronoocados pela delegada de Flores 110 an. 1(J
bo Ernesto Ferreira de Barros Campelln ; alferes|do eo^0 criminal como mandante e mandatario
' do municipio do Recife Antonio Lopes Moniz; Ja mo(tl, je Manoel de tal,cotilleado por eco em
Baix-i-vurde. O pnmeiro dos criminosos acha se
preso, e para a captura do outro foram expedidas
ordeus convenientes.
do 7
e do de n. 46 de Palmares Ernesto Emiliano da
Silveira Lessa, na dala de 4 do corrente, lodos por
incapacidade physica, menos o terceiro que exibio
provas de isenQo legal.
O mesmo marechal faz publico para conheei- Repartiqao da polica.
ment dos intressados, o aviso circular dominis-; Extracto da parle do dia 6 de dezembro de
terio da guerra de 16 de oulnhro ultimo, o abaixo 1865.
transcripto, dando InstraeeSes para o abono de, Foram recolhidos a' casa de detengan no da 5
eupe concedida pelo decreto n. 1,254 de 8 de julho 1 do corrente :
do corrente anno, aos Srs. offlciaes que serviram A' oroein do Dr. delegado da capital : Manoel
no exercito durante a lata da independencia. Tiburcio da Silva, como pronunciado em crlrae de
CIRCULAR. roub>, Pedro Antonio ou Daniel, escravo de Fran-
geral.2a secQ.io.Circular.Rio cisco Joaquim Falco, por fgido.
^tfSSSWaluTlS I ** f >^s administrar os Sacrame pnn
1 ,. i nn i I! iCipalmenie hora da morte, acobertaudo-se com
DiToao inyector da alandega.-Em adJ.tamen.! um terror pnico, um receio de que Ihe querem
lo ao ineu offlcl > de d5 de novembro ultimo, toubo
a di/er-lhe que em visla do que me declara o ins-
a sahir da sua
petlur do arsonal de inarinba, no ollicio incluso
por copia, Mloriset-0 "> mndar fazer os consenos
de que precisa a caixa da machina da bomba, de
apagar incendios perlencente a essa reparticao, e
quanlo as mangeiras e mangles, qu- tambem se
acham estragados e precisara ser sub-tnuidos, deve
se proceder a encommenda de outros novos (lo
modo que. for mais conveniente e econmico urna
vez que nao podem ser concertados pelo arsenal
de marinha, segundo me declara aquelle inspec-
Dito a cmara municipal de Villa Bella. De-
claro a cmara municipal de Villa Bella em res-
posta ao seu oflicio de 13 de novembro ultimo,
que approvo a arrematacao dos impostos de que
trata o seu citado ollicio, devendo a mesma cma-
ra remeller-me copia do respectivo lermo de con-
DitO ao juiz municipal do Limoeiro. Ministre
Vmc com urgencia a informacao exigida por es-
ta presidencia, em data de 7 de agosto ultimo,
a cerca da notneacao que fez Vmc. do menor,
ainda sob o patrio poder, nio do alferes Jeronymo
Cesar de Vasconcellos, para o lugar de partidor e
contador desse juizo, declaraqdo razo porque
faz-r mal, pelo que nao se resolve
rasa.
Arada o admoesto mais esta vez, o Ihe recom-
metilo que, mudando de systema, se haja com os
seus parochianos como pastor, procurando captar-
Ibes a benevolencia e sobre todo administrando-
Ihes os Sacramentos, como do seu rigoroso de-
4a directora
de Janeiro.Ministerio dos negocios da guerra,
em 16 de novembro de 1865. -lllm. e Exm. Sr.
Tendo Sua Magestade n Imperador, por sua imme
diala e imperial resoluco de 26 de outubro prxi-
mo passado sobre consulta da seccae de guerra e
marinha doconselho de estado sido servido decla-
rar que a eiape concedida pelo decreto n. 1254 de
8 de julho deste anno aos offlciaes que serviram no
exercito durante a lula da independencia compete:
Io A tolas as pessoas que actualmente sao offl-
ciaes e servirn quer como taes. quer como pracas
de pret durante a lula da independencia qualquer
que fosse o servico militar em que estivessem em-
pregados.
2 Que a etape sera' de mil ris diarios para to-
dos os offlciaes que a retuererem.
3* Que estas disposicoes compreheudem tanto os
offlciaes reformados com os efleciivos, oom tanto
que estes nao percebam outra etape na forma do
decreto n. 2161 do Io de maio de 1858. Assim o
communico a' V. S. para seu conhecimento e p.ira
que remella a esta secretaria de estado os requeri-
menlosque Ihe forem apresentados pedindo a ela-
A' ordem do subdelegado da Boa-Vista :
no do Souza Martnho, para eorreico.
O chefe da 2a seceo,
J. G. de Slesqutta.
Jesui
no dia 4 de de-
ver. Finalmente recommendo a V. Reym. que, dg f% e da se 6Xp(.farA' titulo aos
tendo em lembranga as suas passadas faltas, me
nao obngue a langar mo de meios extremos para
o fazer entrar no comprimento des seus devores.
Dito ao padre Manoel Ferreira d'Assumpcq.
Conslando-me que em poder do V. Revma. existe
um processo instaurado contra o Revd. vigario de
Porto Real Antonio Jos de Oliveira, por ordem da
autoridade ecclesiasiic.i, compre que quanlo antes
m'o remella com segnranca. envtando-me ao mes-
mo lempo urna narraco circumstaociada da mar- ^eoe-ajdante de
cha que segura esse processo. ^ .jetalhe.
6
Circular aos vigarios das freguezias e superiores
dos convenios da cidade do Recife.-Sendo o dia
da Conceicao Immaculada de Maria Santissima
aquede em que leve principio a publicado do pe-
ridico religioso Oio de Dezembro, que se distri-
bue gratuitamente todos os domingos as matrizeg
e conventos dessa cidade, e na caihetjral (|fl Olio-
que a liverem.
Deus guarde a V. ExcAngelo Muniz da Silva
Ferraz.Sr. presidente da provincia de Pornam
buco.
Cumpra se.Palacio do governo de Pernambu-
co, em 5 de dezembro de 1865.-Joo Lusoso. io
Cunha Paranagu.
(Assignado.) -- Francisco Sergio d'OiiuHra.
Est conforme.Anfomo Francisca finarle, 2.
orden interino encarregado.
PERNAMBUCO.
KHV1ST4 D14IU.
A partida do 3o eorpo de voluntarios da patria
(oi transferida para o dia 9 do gprrente.
Casa oe dete.m;ao.
Movimento da casa de deleoco
zembro de 1865:
Exisliam 358, entraram 7,sahiram 15; existem
340, a saber: nacionaes 241, mulheres 4 ; Ostran-
geiros 30, mulheres 5; escravos 65, eseravas o;
total 340.
Alimentados a' custa cofres dos pblicos 168.
Movimento da enfermaria no dia 6 de dezem-
bro de 1865.
Tiveram baixa :
Rufino Jos Gomos, sarampo.
Lasaro, escravo de Antonio Siqueira, colite.
Jacinlho, escravo de Dr. Alvaro, feridas.
Teve alta :
Jos, escravo de Antonio Jaciotho.
Passageirps entrados no patacho porluguez
Georgense : ...
Francisco da Costa, Manoel Francisco de Almei-
da, Manoel da Cmara, Agosltoho Jos de Souza
sua mulher 3 lilhos o 3 filhas menores, Antonio de
Agniar, Antonio Bento Rapozo, Julio Ferreira, Ma-
noel de Mello Cumbinho, Manoel Muniz sua mi e
2 manas, Maria Isabel, Manoel Muniz e sua mu-
lher, Antonio Pereira Lima, Joao Tavares da Mot-
ta, Jos Muniz de Almeida.
Passageiro do hiate nacional Ameha vindo do
Rio de Janeiro :
Joao Henriquo da Silveira.
__Cemiterio puolico, obituario do da 5 dr
dezembro db 1865.
Emilia, Pernambuco, 3 mezes, Santo
mleriie.
Manoel, Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista) e-'.
vulcoes.
Amalia, Pernambuco,!} mezo,Santo Aptooio : co-
queluche.
passado.Receberam-se os embargos.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Ainorim, Fragoso, Sanios & C. ; appellado,
Luiz J is Rodrigues de Souza e Rodrigues Ji Ri-
beiro.Adiado a pedido de um dos seiiliores. depu-
tad .s.
Appellanles, Julio de Colnmbier, como tu-
tor dos lilhos menores de Hyppolito Dumond e
Joo Cals am ; appellada, Mane AugUStlOO Leo-
nie Cals.Foi confirmada a sentencia appellada.
Por estar a liora adlantada nao pode ser proposla
a revista commercial entre partes :
Recrreme, D. Anna Lui/.a de Mello Barrete ;
recorrida, a commisso administradora da massa .
fallida de Gomes A Filhos.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Res e Silva :
Appellantes, Jo- Jeronymo Monteiro o outro ;
appellados, X. O. Bieber & C.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Sanios & C. ; appellado,
Antonio Jos Candido de Souza.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Accioli :
Appellaue, Francisco Antonio Ponlual ; appella-
do, Antonio Gomes da Cunha e Silva.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Accioli :
Appellantes, Joaquim da Costa Lima e outro ;
appellado, Jos Rufino de Souza Rangel.
Appellante, D. Carolina Josepha de Almeida ;
appellados, a viuva e herdeiros de Jos Hygino de
Miranda.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimares :
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos 4 O. ; appellados,
Mello & Irmo.
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appella-
do, Alexaodre Jos da Rosa.
OISTRMIIJICOES.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Appellantes, D. Anna Jesuioa de Lomos Fonse
ca e seus filhos menores ; appellados. Jos adminis-
tradores da massa fallida de Amorim, Fragoso,
Santos l C.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appollantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos J Companhia ;
appellado, Jos Ribeiro Guimares Sobrinho.
gador Lourenco Santiago
A appellaco crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Fraueisco Mon-
des Oe Castro.
Ao Sr. desembargador Mtta
A appellaco civel.
Appellante, Joao Mariano Falco Sicupira ; ap-
pellados, Aotomo Gomes Marinbo.
Ao Sr. desembargailor Assis
A appellaco civel.
Appellanles, Manoel Caimito Pires Falcao e our-
tro; appellado, Paulino Pires Falco.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque
As appellacdes crimes.
Appellante, Jos Feliciano Barbosa; appellada,
a jostica.
Appellante, o juizo ; appellada, Delphina Maria
Dioiz.
A appellaco civel. _^^-
Appellante, a fazenda; appellado, MSoGei da
Silva Paranhos.
Do Sr. desembargador Aimeidae Albuquerque.ao
Sr.desembaigador Multa
A appellaco civel.
Appellantes, os herdeiros de Francisco Joaquim
Pereira de Carvalho ; appellada, a cmara muni-
cipal.
Do Sr. desembargador Motla ao Sr. desembar-
gador Assis
A appellago crime.
Appellante, Joaquim Jos dos Sanios ; appellada,
a justvea.
As appellacoes civeis.
Appellante, D. Anua Josepha Pereira dos San-
tos appellado, Domingos da Silva Campos
Appellante, Antonio Joaquim Goocalves ; appel-
lada, D. Francisca das Cbagas Bandeira de Mello.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador l'cha Cavalcante
A appellaco civel.-
Appellante, padre Ricardo Jos Machado ; at>-
pelladas, Cordula Termentina Alves de Souza o
outra.
Do Sr. desembargador Uchoa Cavalcanti ao Sr.
desembargador Domiogues da Silva
As appellacoes crimes.
Appellante, Antonio Pmladelpho da Rocha : ap-
pellada, a justica.
Appellaoie, o juizo ; appellado, Jos Rodrigues
Cavalcanti.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. deseabargador Caetano Santiago
A appellaco civel.
Appellante, Jos Alves Barbosa ; appellado, Pe-
dro Semio da Silva.
Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Santiago
A appellaco crime.
Appellante, Mauoel Francisco Ferreira ; appella.
da, a justica.
A' l)i hora encerrcuoe a sesso.
Antonio j
Jl.R\' DO RECIFE.
:: DE DEZEMBRO U> 1865.
I raB8iHCU DO SR. DR. MANOEtf JOS DA S. V
NE1VAS.
1 Promotor publico o Sr. Dr. Francisco de Car-
vaiho Soares Brando.
Escrivio Joaquim Francisco de Paula Eeleves
ag- Clement-1.
Feita a chamada pelas dez horas da manhaa
' acham-se presentes 45 Srs. jurados. Foram dis-
aggravo dr iNSTRws.v*^ ,^,^0 Do alzo mu-; pensados de sorvirem na presente sesso os se-
Wmk 6 UO '"^meb,;,,, DA VILLA DE SERINHEM, guintes SrS.
AGG11AV0S INTERPOSTOS DO JUIZO ESPECIAL
DO COMMERCIO.
Aggravante, Antonio Francisco Marlins de Mi-
randa ; aggravado, Jos Antonio da Silva.
Aggravante, D. Francisca de Salles Candida *
Rocha; aggravado, Jao Cancio Gomes da "^y.
O Exm. Sr. presidente negou P""ovi' ..enio""
Aggravanle, Ociaviano de S^ praQ(n"
gravado, Jos Francisco de ,jarros |\ego
O Exm. Sr. presiden-e de., provimento.
fiOMAW k D0 R| KBM0S0(
rtggravante, Henriquo Augusto Millet, como tu-
tor do orpho Felippe ; aggravado, Gabriel Anto-
nio de Castro Quintaos.
O Exm. Sr. presidente negou provimento em
parte, e em parte dea provimento.
1 Antonio Martins Seabra Lomos.
Dr. Antonio Maria de Faria Noves.
Frederico Augusto de Lemos, a reqaisico dos res-
pectivos chefes das repartieses.
Jos Podro da Silva, pelo que representou.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.


1 & 41 I
Ti
m | -i------a mt.....-
ii
riwiTi ~


Diarlo de Pernaietbnco Quinta fetra 9 de Dezembro de :8*ft.
Manoel Ignacio de Torre? Bandeira, por Ja terem
servido.
Dr Joo Diniz Ribeiro da Cunta, por doenle.
Dr. Gervasio Rodrigues Carapello, a bem do ser-
vico publico.
Sllvmo Guilbei me de Barros, por doente.
Foram mudados em mais 205000 cada ura dos
Srs. jurados ja multados nos anteriores das de
ses-o e imiis a cada uin dos seguales Srs. :
Jos de Vascoucellos.
Jos Pereira Vianna.
Ju>tuto Pereira de Paria.
Joo Hermeiiel^ido Burges Diniz.
Aberla a sesso compareceu o Sr. Dr. Francisco
le Aiaujo .inos juiz muuicipal da 2" vara prepa-
rador dos prac-s.-sos e apreseulou vint e quatro
pmcesso* competentemente preparados para erem
jugados na presente sesso os quaes sao os se-
guiutes :
Autora a jusliga, reo preso Joan, escravo dos
herdeiros de Joaqun] Auloio ilos Sautos.
Autora a ju-uga, reos presos Manoel Anteuio da
Silva Bastos e Manoel Mlieus dos Aujos Penante.
Autora a justiga. reo preso Claudino Eufrazto de
Franea LeinoS.
Autora a justiga, reo preso uilherme Antonio
de Siqueira.
Autora a jusliga, reo preso Aleixo Januano
Serra Grande.
Autora a justiga, reo preso Manoel Francisco da
Trindade.
Auiora a justiga, reo preso Antonio da Silveira
Sa Bai retto.
Autora a justiga, roo preso Joaquim Pinto da
Fonceca.
Auiora a justiga, reo preso Gougalo Antonio
Florencio.
Autora a ju.-tiga, ico preso Thiago AlvesRilieiro
Autora a jutiga, r presa a preta Severma es-
crava do teueute coronel Manoel J jaquira do Reg
Albuquerque.
Autora a justiga, reo preso Manoel dos Passos
Netio Neves.
Autora a justiga, reo preso Monoel Joajuini da
Patxao.
Autora a justiga, reo preso Loureogo Jusliniano
Neiy.
Autora a justiga, reo preso Manoel Mariano dos
Santos.
Amura a justiga, reo preso Jos Gomes Pereira.
Auiora a justiga, reo preso Manoel Jos Mar-
lii.
Autora a ju-tiga, reo preso Manoel, escravo
do Rvd. Joai|uim Mauricio Wandeilty.
Autora a justiga, reo preso Fernandes Francis
co Regs.
Autora a justiga, reo preso Lucio r'erreira de
Sanl'Auua.
Autora a u.-tiga, reo preso Marcellino Rodrigues
da Silva.
Autora a jn.-tica, reo pre;o Jos Auaslacio de
AlllUi|Ueli|Ue.
Autora a justiga, reo atiangado Ignacio de S
Lopes Fernandes
Dos quaes processos se procedeu a chamada do
reo atiangado e das teslemunhas de todos referidos
processos, e achaodo-se a hera adiautada o dito
juiz desiguou o julgamento do reo Lourengo Jus-
tiano Nei y para as 10 horas d'&maulia do dia
segrale para o qual addiou a sesso.
(a i va tilia' do banco d Brasil eni Per-
naiiibuco
BALANCETE EM 3o DE NOVEMI1RO DE 1865.
ACTIVO.
Letras descantadas.
Coui duas assigna-
de Jess
das boas
turas residentes
no lugar do des-
cont.......
Com urna s dita
dito.......
749:611*647
4:0355515
Letras caucionadas.
Por ouro, pratt e
ttulos commer-
eiaes....... 15:9715060
Por mitro ttulos. 5
753:6075162
15:9715060
Letras a receber.
Saldodestaconta. 8,19:1:73051%
Cuntas lorenles.
Saldo desta conta. 728:9805076
Saldo de varias con
tas........ 5,301:4085988
Caixa.
Pelos seguintes va-
lores:
Em ni.....la do nu-
lo de 22 quila-
tes ........2,258:0505000
Eui notas do llie-
souro dos valo-
res de 105000 e
superiores. 22:4805000
Em nulas menores
de 105000..... 7:6055000
Em moeda de tro-
co ........ 5133
Em notas do ban-
co do- Brasil e
da caixas limos
I,, 111 -no...... 103:0005000
Em noias da pro- ...,.
pria cala. 83:7105000 2,534:8455153
11ne no da
10 e do vi-
17,528:6035*03
Passtvo.
Banco do Brasil cont do capital.
Valor fornecido pe-
la caixa matriz. 2,000:0005000
Emissao.
Valn em circula-
rn........
Letras a pagar.
for dinlieiro toma-
do a premio. 5
Porsaques.....2.100:1735237 2,160:1735237
10,730:21)05001)
Din I
Saldo de variascon
tas........
Lacros pedas.
Lucros sujeitos a
liquidacao. .
2,592:3775355
33:7625613
17,528:6035208
O guarda livros,
lunario Nunes Correa.
JLondon tt ltrasaliau Hank (Li-
mited).
Capital do banco 15,000 accoes
a 100.......13,333:3335330
Acges emiltidas 13,000 a 100 11,555:8555550
l.apital paco a S 40 por aeco. 4,622:2225220
BALANCO DA CAIXA FILIAL EM PEBNAMBL'CO,
EM 30 DE NUVEMBRO DE 1865.
ACTVO.
Letras descornadas .... 2,257:1105000
Crditos diversos, outros b-
eos o caixas filmes .... 1,570:0245100
Caixa :
Em moeda correte ..... 321:8705560
4,149:0355020
PASSITO.
Capital fornecido pela caixa ma-
triz ........ 888:8885890
Depsitos....... 1,505:9285730
Crditos diversos, outros ban-
cos e caixas Jiliaes. 1,754:2175400
4,149:0355020
Recife, 6 de dezembro de 1863.
W. J. Haynes,
Aicouulant.
C^MMiVIiiiJOS.
As Biblias falsificadas.
(Continua gao.)
Si bem que ficasse, no que eu disse precedente-
mente, as^a? evidenciada a distancia que separaos
dous campos, todava, para mais frisar as difieren-
(as, compre approxuna las e coteja-las. Julgo islo
lauto mais necessario, quaoto cerlo que alguns
cailiolicos de boa le, mas ignorantes da f, dzem
a cada mtanle que a nica divergencia sera ea-
tre ocaiholicisino eoprotestantismo a questo Ja
supremaca do Papa, e que, afora es*a bagatela, ha
coeformidade em ludo o mais I
E' preciso destruir este erro, e disermos aos pro-
testantes o mesmo que Santo Ago-tintio dizia ao.s
maoicheos e donaiistas: Derrubemos o muro
que nos separa e reunamos-nos. Recoohece-me por
teu innao ; quero umbem ser teu, com a nnica
coodicao d desapparecerera d'enlre nos o scisma,
o erro e a dissengo. Nao Vs tu que te recusas a
reconhecer-me por leu i'.mo, recusando tenaz-
mente abjurar o teu err j t Apagese ludo o que
nos divide, e sejamos fl,tio< do mesmo pai e ser-
vos do mesmo senhor. > Tollatur parles erroris el
simulsimus. Agnosce me fratem, sed excepto scliis-
mate, excepto errare, excepta dissenlione, Hoc cor
rigatur c meus es. n non vis esse meas f Ego, si
te corrigas voto esse las. Ergo, subalo errore de
medio, tanquam pariete maceria contradictionis et
divisionis, esto frater meuri ti ego sim fraler tuus,
ut ambo sums ejus qui dominas esl et meus et
tuus.
E pois, nada mais fcil. Abra rano o prolestantis
mo de todos os seus erros e heresias, que seremos
iranios lo amantes como se.ra ser os Qlhos do
mesmo pai, os confessores da mesma l e os pro-
fessores da mesma doutriua. Na uniformidade e
conformidade do pensar o sentir, diz Salluslio,
qne consiste a verdadeira amisade. E' certo que a
religio de Jess Consto lo pura e elevada, que
manda araarmos os nossos propnos inimigos. Mas
isto nao amizade, caridade, sentimenlo superior
a todos os sentiraentos.
Este seutimeoio, em relago aos inimigos, s se
exerce com sacrificio, mas sacrificio de grande
mrito, como sao todos os sacrificios. Em relaco
aos amigos, nao assim. Para cora estes a canda-
de fcil; por que, alm do amor natural, que Ibes
temos, que a amizade, ha o amor sobrenatural,
que 6 a caridade, que nesto caso se deseuvolve du-
plamente espontanea.
Nos os catholicos devemos ter toda a caridade
para ora os hereges, mas nao ama los com a mes-
ma estrllela com que amamos os nossos irmaos
na fe. A religiao manda evitar a sua convivencia
e fainiliaridade. eque ei: ave dixerilis. (S. Joao).
Quando virdes, em permanente Intimidado, dous
luitividuos de religue diversa, ou nenluim delles
cultiva com fervor a sua religio, ou esta se acha
exposta a todos os momentos, diz um sabio es-
critor.
Entretanto, nos paizes catholicos sao notorias a
tolerancia e caridade pira com os catholicos. Va o,
porm, s trras oude o protestantismo anda se
conserva aceso, e v-loho em furia contra os ca-
tholicos; expellindo-os do territorio infe-tado.no
curto prazo de vi ote e quatro horas 1 Ser difuV.il
prova-lo? Nao, que os Tactos superabundam. Mas
uao escreva ura tratado; escrevo ura aniso para a
imprensa.
E vollaodo ao ponto capital, Cumpre que exiba
j, era syntheses abreviadas, os pontos de diver-
gencia entre o-caiholicismo e o protestantismo.
O calholieismo ensina, por exemplo :
Que para o percador entrar de novo na gra-
ca de Deus de ve salisfazer c no mundo sua
eterna justiga. por meio da penitencia, e, na vida
futura, expiar no purgatorio os peccados, que a
penitencia nao pode apagar, a menos que por cer-
tas obras boas teutia ob'ido indulgencias da igreja,
nica que lera u direito de as conceder.
O protestantismo ao contrario ensina :
Que a salvagiio nicamente obra
Curisto, e ijue o psecador, independenta
obras, justificado perante eus pela f.
O calholieismo eusioa :
Que se pode e deve, com toda a confianga e
! pisdade, invocar a Virgem Mara e os santos, como
! intercessores efflcazes junto a Deus, e que por con-
Iseguinle se deve render culto s imagens e vene-
rar as reliquias dos santos. Ensina tambera que es-
| te culto deve ser acoiniiauhado do raaior apparato,
e celebrado com a raaior magnificencia.
O protestantismo ao contrario ensina :
Que Jess Christo tendo plenamente salisfei-
lo por o-i justiga de Deus, somos recebidos em
graga, nao por causa das obras que possamos fa-
zer, mas por causa da morte de Jess Christo : que
depois da morte e do juizo, nao ha purgatorio :
que o poder que a igreja se arrogado conceder in-
dulgencias de pura mvengo humana : que nao
ha se nao um s Deus, e um s medianciro entre
Deus e os honiens, isto Jess Christo : que s
Deus Padre, Filho, Espirito Santo, deve ser invo-
cado e adorado: que o culto das imagen> lu for-
malmente prohibido pelos mandamentos de eus.
U calholieismo ensina:
Que ha sete sacramentos send'
cacbaristia, ha a tran-ubstanciagao do
nho no corpo e saugue de Jess Chri-to.
O protestantismo ao contrario ensina :
Que nio ha na euchanstia iraosubstanciacao
do pao e do vinho uo corpo e sangue de Jr-us Chris-
to : que nao senao pela f e espiriiualmente que
se faz a cornmuoho do corpo de Christo.
0 oatboiicismo ensina :
Que s os padres commung.-.m as duas es-
pecies e os demais liis n'uma s especie : que to-
dos os das se offerece o corpo de Jesu- Christo no
sam sacrificio da missa, nao s para alcangar o
penliao dos peccados dos que ainda vlvem, como
fdo dos peccados dos que ja morreram.
protestantismo ao contrario ensina :
Que lodos os chnstos, sem exc;pgao. rom
Rara oasduas especies: que a missa nao um
ilicio de Jess Consto, que s urna vez se offe-
receu pelo peccado, e que, sobindo ao cu, la per-
mar ece at o da em que vier julgar o inundo,
calholieismo ensina :
Que a cootissao auricular e a absolvlgio do
rute sao necessanas para obter o nfirdo dos
a ios, assun como as penitencias impostas ao
ador.
O'protestantismo ao contrario ensina :
-4 Que a salvacao obra de Christo : que Deus
a applica aos que se arrejiendera, se converiem, e
pela f confiara na sua misericordia : que s eus
; tem o direito de absolver, reter, e perdoar os pec-
cados.
U calholieismo ensina:
Que na inteiiigeiicia e inierpretagao da Bi-
blia se deve recorrer a iradicgao : que a biblia nao
conten ludo o que convin crr, eque a iradicgio
suppre o que Ihe falla.
O proiesiaulismo ao contrario ensina :
Qoe a Biblia -uflkieute : que conlm ludo
o qoe devemos crer e praticar: que ella a re-
gra de f do christo, e cada ura tem o direito de
l-la, de interpreta-la, sem ter n-cessidade de ou-
tro soccorro, que o do Espirito Sanio.
O calholieismo ensia :
Que o Papa o chefe visivel da igreja, o vi-
gario de Jess Christo, o successor de S. Pedro,
principe dos apostlos : que elle exerce o soberano
poder, concede heneaos, indulgencias, promulga de-
cretaes, bulla etc.
G protestantismo ao contrario ensina :
Que s Jess Christo o chefe da igreja
chnsta: <|uc Pedro nao fra principe dos apost-
los : que o soberano poder do Papa : contrario a
Esenptiira e a^s ensinos de Jess Christo.
O calholieismo ensina:
Que a igrpja, como autondade espiritual,
compoe-se do clero om toda a sua jerarchia, e que
os outros liis, bem que pertencam a mesma uni-
versal congregago, sao excluidos do seiigovemo:
ensina, que a igreja infallivel as suas deci-o-s,
e que, quando se diz Papa, se diz igreja : Ubi esl
l'etrus, ibi ecclesin, que s ella tem o direito de fa-
zer leis, e regulaineulos, e deexcommungar e aua-
themalisar os que se Ihe uo subinetle com docili-
dade as suas admoeslagoes.
O protestaulisui) ao contrario ensina :
Que a igreja espiritual compu.-ia de todos
os ebrisuios, e nao de pastores smenle: que nao
reeonhece por infallivel se nao eus e a sua pala-
vra ele.
Basta. Pelo que ahi fica se podem avaliar as di-
vergem;ias essenciaes, que existem entre o calholi-
eismo e o protestantismo. Como aliar estes dous
principios, sem se escalar o muro de separago de
que nos falla Santo AgostinhoT
Nao quero, nao desejo, nem ninguem que pense
com reexo pode querer e desejar que se moleste
"ii persiga alguem por motivos de religio. Sinta
cada um como quizer, que la ira para onde, o pa-
gue. Mas, no acanhado da minha esphera, nao ou-
vire silencioso ataques brutaes do proie.-iautismo
coulra a religio do estado, que, que venero nao
tanto porque a religio do estado, e um norque
a nica verdadeira, fra da qual nao ha salvago.
Sejamos tolerantes at a caridade, mas nao com
ignominia da nossa f : sejamos hospiialeirosata
geoerosidade, mas nao ao ponto dos nossos hospe-
des, cora abuso da nossa bondade nos quererem
dar leis contrarias as nossas: queremos a coloni-
sago, ja demos provas da nossa sioceridade, fa-
zendo urna le de casamentos especial para os re-
ligionarios: exigir mais do que Islo insolencia,
por que insolencia querer que o palz altere a
-.'ia legislago fundamental s por que islo se faz
toi&ter a eolonisago protestante. J basta a ferida
que se fez na Constituigo. com a decrptago de
congruas avultadas para ministros protestantes I E'
o despotismo govemameoial apparecendo sempre
em ludo I Mas vejam bem oquefazeml S havemos
de ter unidad poltica, em quanto maotivermos a
unjdade religiosa no imperio. Nao se alacam im-
punemente crengas por seculos arraigabas. Nin-
guetn se illuda. Tentera a experiencia... 'ma* te-
inarji e tremam diante da responsabilidade aos
olbos ii* Deus e da historia.
JoAQuisi Pinto oe Campos.
Attcn^o.
No Diario d i hornera, sob a epigraphCtlum-
na do ConUttur.tonal Pernambucano,( o publi-
cada urna carta assignada pelo responsavel da-
quella folhaAntouio Francisco Correia Lima ao
Sr. Pedro de Assis Campos Csdern, em que aquelle
d a este una especie de satisfajao por haver o
Constitucional de 7 de margo do anuo passado pu-
blicado, que o mesmo Sr. Campos Csdemera urna
boa jota, pecador de canarios de cbreslo ele......
O responsavel do Consifuciorwif declara, que
aquillo fra de cerlo urna grave impntago, mas,
que perde a sua forga, drsde o momento, em que
os iniaressudos politices em deiinoralisar as auto-
ridades de credo diverso, nao e querem apresen-
lar para as.-uiuir a responsalidade do que escre-
vem.
Nao preciso dizer, o que esta a vista, que se-
raelhdiile caria foi obtid.i por ineios indigno? ; pelo
terror inspirado naturalmente pelo juiz municipal
da 2* vara ante quera foi instaurado o proces-o
contra o referido Lima, pois que todos saliera que
esse juiz Jura magistrado poltico, e exaltado ;
ou por outra causa que podesse dar o mesmo re-
sultado.
Si com isso pensou o Sr. Campos Cosdem ter-se
justificado, um engauo : a opioio publica nao
lia de formara seu resp'eilo senao o coueeilo, que
pode merecer urna auioridade, que, sendo acensa-
da de curaplice era furtos de cavallos, a 7 de mar-
go do anuo passado, a murando a 8 leguas de>ia
cidade, s agora lembrou-se de proceder criminal-
mente, contra o autor ou responsavel da imputago.
Ao Sr. Luna nao faltariam meios para justificar-
se uo juizo plenario, si fosse pronunciado ; e por
i-lo, iiij.ii i de proposito, uo se fez valer em seu
favor a defeza na formagao da culpa era virlude
de nullidades de que se resenta o proces-o, tendo
elle sid > citado como o edictor do jornal deque era
apenas responsavel, e quando lodos os habitantes
deste Recife saliera, que o editor era o Sr. G^raldo
llenriques de Mira.
E, pois, nai loi senao por lalica que o Sr. Cam-
pos Csdern. ou alguem por elle, prefeno intimi-
dar o responsavel do Constitucional, e haver delle
a carta que puolieou, a seguir os termos do pro-
cesso que havia instaurado, al obter completo
triumpho plena juslicagao da calumnia.
E lano fiii por inliraidaco, gue se obteve a car-
ta a que alludicnos, que o Sr. Lima disse a muitas
pessoa-, logo que foi citado, qu a todo o momeo
to recebia recados e avisos de que havia de ir pa-
rar cadela por ordem do Sr. Araujo Barros, de
riuein s iiulia a esperar o mais decidido rigor.
Naj assun que o Sr. Campos C-dem pode
campar de autoridade moralisada, e carcter ho-
nesto.
O Constitucional nao o aecusou sem provas, e o
publico bem se recorta de que foi publicado ura
interrogatorio a que re-pondeu perante o delegado
de Nazarelh um celebre Polycarpo da Luz Silveira
aecusado e comiemnado pelo superior inbunal da
relaco como ladrio d cavallos, no qual disse
mesmo Polycarpo. que o Sr. Campos Csdern, co
mo autoridade policial que era, favoreca e apalro-
cinava outros que taes a elle, que linham a mes-
ma profisso.
Assim, nao o Sr. Campos Csdern que pode lo-
grar a ha ter o crdito do Constitucional, ou alguera
qu-- o pretenda em semelhanie eusejo.
Entilo com quem ? 1......
Ha de despir a tnica de Nesso....
CORRESPONDENCIAS
O pe
O
mur
sacr
O
sae<
peci
|iec(
Srs. redactores. Eu faltara a ura imperioso
dever. se deixasse de ver do alio da imprensa sig-
nificar os meus voios de respeilo e gratido ao su-
perior tribunal da relagao desta provincia, pelo
acto de juitca que comigo acaba de praticar,
restaurado me a liberdade de que por urna mlqua
seulenga ja confirmada em appellago em um pro-
cesso claudestiuo, uullo e monstruoso fui (invado
pelo juiz muuiciual 3." supplenle do termo de Bar-
reiros por snposios, e imaginarios cruoes.
Juigo porm que para n eihor se apreciar ura
tal procedimiento devo contar era poucas palavras
o facto que deu lui/ar a elle,: o segrale :
Minha mil D. Mara Anglica O.rneiro de Sara
paio, morreti em 1855 deixando quatro herdeiros
lodos maiores, esles accordaram uilu s em fazer
inventario, e partilhas amigaveis entre si, como
era libertar um pardinho de nome Rufino, filho de
nina escrava de nome rsula, o qual tiulia ento
3 anuos de idade.
Uez anuos eram passados. quando fallecen mi-
nha nimia U. Mana Anglica Bezerra, urna dos 4
berdeiros que aliurriarara Rufino; procedeo-se
judiiialniente o seu inventario por exlstirem or-
phi,s, e o respectivo juiz, que cunigo lera seria
desalfeigcs desde as eli-ig-s de 1802 e 1803, por
ser eu uoi dos eleitores que coocorri para a der-
rota do cooselbeiro Sa e Aibiique. que por quera
elle se iuleressava (azendo proinessas, e ameagan-
do os eleitores de Barraros, por despello a mira,
fez descrever uesse inventario o pardinho Rufino
a pretexto de ser escravo na quarla parte corres-
pondente ao quiuho que uelle tiuha a inventa-
riada : a i to tne oppuz como tutor diio Rufino, por ser filho da minha escrava, mas o
juiz que .miro nao senao o bem conhecido ba-
charel Fellsbino ue Mendouga Vasconeeilos, inan-
dou me callar, no que nao concordei, pelo que
mand iu rae deitar para fra da sala, e nao o con-
segran o, logo que rae retuei por ler um dos ava-
liadures se esousado de avahar Rufino, forgicou-
me um termo de OesobeJieueia, e iiuudou o seu
suppl'-uie processar-me por os crimes de raotim
arl. 98, desabedieucia art. 12H, e injurias a sua
pessoa arl. 237 docod.crim. E de feto sem eu
ser citado, fui laucado da defeza (11!) e logo con-
demnado uo raaximo oas penas de taes ai ligo- ;
ento appellei pai a o juiz de direito, mas vendo
que este por ser intimo amigo do juiz de orphos
Uemorava a sua deciso, impetrei habeos-Corpus ao
venerando, e conspicuo tribunal da relago, por
ser o ineu processo evidenleineute uuilo, nao s-
mente pela falla di- cilago uncial, como lambein
pela em competencia de juiz processante, e raesrno
por seren processado ex-ofilcio, cruiit-s que ou
nao cabiam na algada delle, ou se cabiam, s pi r
queixa podain ser processado, seudo era lodo o
caso violada a le, e consultado o direito de defeza.
Foi-rae conced la ;. ordem para o da 25 do raez
pa-sado, e apezar de ser elle entregue ao carce-
reiro nieu deteotor no dia 22 pela m mii.i i, este
oceultoo-se para uo cumprir a mesma ordem, e -
no da 28 a tarde pude com elle chegar a esta ci-
dade, >t0 depola que o juiz de direito despenado
por haver eu obtido babeas corpus denegnu provi-
ineulo a minha appellago, coulirraaudo em sua
plciiitiidi; a moslroosa, e iniqua sentenga, de que
fui victima, porque entenda que dest'arte puuha
emliaragos ao tribunal da relaco para conceder-
me a soltura emplorada. Felizmente no dia 1.a
do crrante fui apresentado ao mesmo tribunal, e
depois de urna luminosa discosso, fui sollo por
8 votos contra 1, ri'coiihecendo-sii as nullidades in-
dicadas ; e arredilo que deixou de ser responsa-
bilisado o juiz processante por ser leigo.
Grabas pois sejam dadas a relago Ue fernam-
bucu, onde os oppnmidos eucontiam justiga, e o
oppussores a represso de suas infamias : Honra
a gloria ao tribunal que elevando-se a altura de
sua sacrosanta toissio, sabiamente p5e termo ao
solTnuientos dos innocentes, a despeno das intri-
gas, e vilezas dos pequeos pachas de nossas co-
marcas.
Agradecendo assra ao egregio tribunal da re-
lago o acto justo que comino pralicou, nao posso
deixar de lastimar que o Sr. r. Joo Francisco
da Silva Braga juiz de direito de Palmares, que no
conceito de muita gente passava at agora como
juiz recto e imparcial se prestasse a sauccionar a
cobarde vendida do juiz municipal e orphos de
Barreiros de quera amigo tonino, cobnndo de
mofo, e deoeinndo o seo nmne as paginas da
magistratura brasileira, serviodo-se para isM de
sophi>mas grosseiros, e que muito depem contra
a sua inteligencia e morahdade.
Ao coneluir direi que os juizes d'Aldeia aprn-
dalo no que comigo acaba de sucreder, qne aeima
de suas prepoiencias e arbitrariedade est a le
po-ta era acg3o pelo venerando tribunal da relago
de Pernarabuco.
Recife 4 de dezembro de 1865.
Jos Nicolao Bezerra.
WgHMgMtt A PEDIDO
Elei^o da mesa regedora r mala
devotos que ho de festejar a
Gloriosa Manta Rita de Cassia,
o auno de 1805 1866.
Juiz por eleigo.
Oaosso irmo Joao da Matta Beltro.
Juna por eleigo.
A Exma. Sra. D. Francisca, e-posa do nosso irmo
Manoel Izidoro de Oliveira Lobo.
Juiz por devogo.
0 lllm. Sr. Antonio Alves de Carvalho Veras.
J o iza por devogo.
A Exma. Sr.i. U. Mana Amelia Carolina Fiock Ro-
mano.
Juiz protector.
Ooosso irmao Joaquim da Fuuseca c Silva.
Juiza protectora.
A Exma. Sra. D. Balbina esposa do Sr. lenle Jos
Rodoptano dos Sautos.
Escrivo por eleigSo.
U nosso irmo Antonio Dias da Silva Cardeal.
E-criva por eleigo.
A'Exraa. Sra D. Maria Heuracia de Azevedo Mello.
Ecrivo por devogo.
O lllm. Sr. Joo Ribeiro Lopes.
Escriva por devogo.
A Exraa. Sra. D. Rila Lucia da Fonseca Ramos.
Thesoureiro.
O nosso irmo Francisco Jos de Fretas Guima-
res.
Procurador geral.
O nosso irmo capito Miguel Bernardo Quinteiro
Procuradores.
Os nossos irraos :
Hemeterio Maciel da Silva.
Marcolioo Ferreira da Luz.
Msanos.
Os nosos irmaos :
ADgelo Custodio Rodrigues Franga.
Laurentiuo T.ixeira da Silva.
Juo Joaquim de Sonta Abreu e Lima.
Francisco Alves de Moraes Pires.
Glicerio Joaquim do Espirito Santo.
Joaquim Francisco Bastos de Oltveira.
Autooij Joaquim de Audrade.
Miguel Jo> da Silva Juuior.
Antonio Maooei da Couceigo.
Jos Joaquim de Azevedo.
Joo de Alraeida Lima.
Maxiraiano da Silva Gusmo.
Mordomos.
Os Illms. Srs. :
Iguacio Pereira do Valle.
Jos Guilhenne Guimares.
Jos Joaquim Barbosa da Silva.
Manoel Soares Pinheiro.
Joao dos Santos Virira.
Padre Antonio Manoel da Assumpgao.
Manoel Jos dos Santos.
Padre Autooio de Albuquerque Mello.
Padre Leuuardo Joo Grego.
Padre Liuo do Monte Carraello Luna.
Jos Delphrao da silva Carvalho.
Luiz Ce-ario do Reg.
Adolpho Ferreira da Silva.
Jos Antonio de Souza Azevedo.
Giacomo Bouaoiuj.
Mano-, i Fernaudes Villa-Cb.
Joo Flix de Mello.
Jos Ferreira Coelho.
Antonio da -tlva Hamos.
Jo> Joaquim da Cunta. .1 ....
Florencio Terl"liano do Reg Costa.
Aotouio Moreira de Mendonga
Antonio Jos da Costa e Silva.
Joo do Couto Alves da Silva.
Henrique Miguel de Souza Lima.
Tnomaz Times.
Manoel Hygino de Carvalho duto.
Ezequiel Pompeo Rodrigues Canuto.
Angeliuo Jos dos Sautos Andrade.
MdUOi-l dos Passos Miranda.
Heradio Cousuntino de Paula Monteiro.
Francisco Ignacio Pinto.
Jos Pedro das Neves.
Mordoruas.
As Exmas. Sras.:
D. Julia Adeaide da Silva Azevedo, esposa de Ma-
noel Polycarpo Moreira de Azevedo.
D. Laura Precila da Silva C.rdoso, esposa de Je-
suioo Rodrigues Cantoso.
D. Marcelina Idalioa Gomes da Silva, esposa do
nosso irraSo Jaime Eneas Gomes da Silva.
D. Mara do Carino dos Santos Maia, esposa de Vi
cente Ferreira da Porciuncula.
D Malina da Molla e Silva.
. Adeaide Celina Ferreira, esposa de i
Jos Ferreira.
D. Olindina Coelho da Silva Ramos esposa de Ama-
ro Guimares da Silva Rarnos.
D. Auna Amelia de Castro Fofaseca.
D. Rosa Candida de Castro FJnseca.
D. Auna Caudida B.ndeira dfe Magalhes.
D. Mana Candida Bauaeira dfe Magalhes.
D. Antonia Pereira dos PrazeJres Porto.
D. Mara Candida de AraujolSilva.
D. Nareisa Sphia da Silva Inaia.
. Joseuha Maia Sonto. I
I). Jjsepha Pinto Rigoeira llamos.
. Leonor Bastos dos Saritoj Porto.
D. Mariana de Jess Siqueira.
D. Libania Mana Leopoldu a da Rosa Vivanes.
mar.
rvalho Brenckenfeld.
. Joanua Ferreira Piulo
. Leopoldiua Malina de C
. Anna dos Sautos Mello.
I). Carolina Ursulina 00
I). Felicidade Perpetua Ra 110 da Silva.
. Mana do Carmo Santos
D. Antouia da Cuulia Bar
. Frauceliua Iiluinuiat. d
. Maria da Concecao Cal apello de Oliveira.
U. Rusa Francisca ue Souzi Coelho.
D. Mana Candida de Pigui iredo Monte Lima.
D. Maria Augusta de Mal
. Maria Rosa de Souza Li
Consistorio da veneravel
de Cassia, 12 de uoveuibr
terno,
Fr. Anti
Sanios Mello.
lio da Silva
da Porciuncula.
Mello Oliveira.
)S.
na.
contraria de Santa Rita
de 18G5.O vigario io-
nio de Santa Rita.
Moiite-Pio Tortuguez.
(Correspondencia^.
lllm. Sr.-Com o seu ofljcio de 4 jio correte re-
ceben hontem a directora] provisoria do Monte-
po Portuguez 120S0OU, importe ras joias de dez
socios, iueiuindo nesse numero V.S., que se servio
subscrever e contribuir coiri 30uuu, dando assim
urna prova de quauto se inleressa pela referida so
ciedade. Esta tambem de t.'o-se a directora provi-
soria de 4 rec'bos por V. S. devolvidos, por nao po-
derem actualmente satisfazer a resuectiva impor-
tancia as pessoas a qnein elles dizem espeito.
Queira V. S. aceitar os cordiaes agradecimentos,
que em seu nome, e no da associago, que tem a
honra de represeniar.lhe dirige a directora provi-
soria pelo duplo servigo por V. S. prestado, de agen-
ciar socios, e receber de cada um acompelente
|ota.
Deus guarde a V. S. Secretaria do Monte-Pio
Portuguez era Pernambuco,! 6 de dezembro de
1865.lllm. Sr. Beru.irtiuo ta Silva Costa, mullo
digno socio do mesmo Moiitei-Pio.
Jos da Suya Loyo,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastos,
2 secretario.

Monte-Pio Portuguez.
A directora provisoria do Moule-Pio Portuguez
pretende recolher at ao dia 15 do correte as lis-
tas, de cuja cobranca anda nao chegou o resultado
ao seu c uhecimeni >, e por Isso solicita de todas
as pessoas a quem diz respeilo a enunciagn deste
desejo, que nesse sentido se sirvam envidar os seus
esforgos. A boa vontade nos davalheiros que bene-
desta
os qas
boa vontade dos signatarios qas mencionadas lis-
las, necessariaraenie produzirjt o effeito que tanto
para desej r. facilitando assim os segundos aos
pnraeiros o Oesempeulio te mua trela, que de ou-
tra sorle se tornara eniadonlia
Passando a Jota a 2500 a contar do I" de Ja-
neiro prximo, conforme (ireceita o art. 70 dos
estatutos, de interesse de todos os signatarios de
listas realisarem o pagamento da sua joia quanto
antes, nao deixando expirar enrrente raez e anno
sera o haverem feito, mesma porque, guardndole
a maior parle para esse lempo, nao ser possivel
ter lugar ento o pagameuiq, ja por deverem reco-
lher-.-e as lisias e recibos nao pagos at ao dia 15
deste mez, ja por nao se j poder depois mandar
receber de todos a ura temjpo.
A directora lerubra iguajlmeole a todos os inte-
ressados, que anda do sua convenieocia o in-
mediato pagamento da joial pois que s seis mezes
depois de o fazerera, e de leslarem em vigor os es-
tatutos (o que sera nppo tunamente aonunciado)
tero direito a receber soc "orros e beneficios, como
dispoem o 3o do art. leo arl. 78 ; e ser Ihes-
ha cerlameuie grato, fox o a venfiear-se urna hy-
polhese desagradavel, ei contar na sociedade be
nelicenle Monte-Pio Portt guez o amparo e prntec-
co, de qoe eventualmer te possam vir a carecer.
Secretaria no Monte Pu Portuguez em Pernam-
buco, 6 de dezembro de 1865.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastos,
2o secretario.
ni
Pergnnta qne nao offende.
Um Sr. alferes da guarda nacional do 4o bata-
llio de infamara deste municipio, respondeu
conseibo de disciplina pela falta de cumprimento
de ordem superior e ausencia do servigo do bata-
Iho e foi roudemnado a perda de seu posto.
Ioterpoz recurso para a juma superior; anda
publicamente nesta cidade, e nao soffreu nem se
quer um dia de priso antes nem depois de ser
condemnado.
Nao acontece o mesmo com ura otilro official
(tambera alferes) do 3 batalho de infamara da
mesma guarda nacional de^te municipio, que antes
de responder a' eonselto d-i discipliua ja' tem sof-
frido 21 dias de priso no quartel de polica 1 I 1
E continuar a soffrer I I I
Ito sera' justiga ? !
Responda o digno coraminlante superior.
Um guarda do 3o bataiho.
HUM
D'UMA
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambtnco.
' Tendo-se desencarainhado da massa fallida de
Guilherme, Carvalho & C. o recibo de 15 accoes
I das localisadas nesta caixa, sob ns. 2787 a 2801,
, perlencentes a Guilherme Fredehco de Souza Car-
valho, socio daquelia firma, a directora faz publi-
i co a quem inleressar possa, que por parle de Jus-
' tino Jos de Souza Campo-, adrninisirador da re-
| ferida massa, se vai proceder a transferencia de
ditas argoe* para a Sra. D. Henrqueta da Silva,
actual possuidora das mesmas, visto as ter em bas-
ta publica comprado, cerno-tudo provara com do-
cumentos qne ficaiii archivados nesta caixa.
Caixa filial do banco do Brasil 30 de novembra
de 1865.
O guarda-I i vros,
Ignacio Nunes Correia.
ALFaNDEGA.
Rendimento do dia i a 5....... 102:3575fil7
dem do di. 6................ 3.72X286
133:085*903
Molestia Ulcerosa
Curada.
Todoe aquellos que se acho snititos sof-
frer molestia serofulosas, ulcerosas, ou syplii-
liticas, ainda. mesmo as reputadas de peior
imtiire/a. apenas necessitSo caso maravilhoso, para que se sinti inteira-
mente convencidos quo a sua propria cura,
nao s meramente possivel mas sim absolu-
tamente certa.
Joao Jse FenitEniA Barhoza, residente
na Cidade de Maranhilo. tinha tono o seu
corpo coberto de chagas ulcerosas, e durante
algunos annos se achava debaixo do tratamento.
de mdicos os mais afamados, tendo usiido
Durante todo este tempo qoasi tixla a especia
de medecinas que em taes casos empreada
pela faculdadc medica ,)ori:m delialde sem
obter o menor beneficio ou alivio: achando-se
poii em taes apuros elle finalmente resolveu-
ee, ii.:io':s de repetidos e baldados esforcos
fazer uso da'
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
No todo elle apenas chegou a tomar Cinco
Garrafas de SalsaparriUia e quatro frascos das
Pillas Vegetaes Astacaradas, e o resultado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os Sers. FERBErnA & Cia., Droguistas de
MaranbSo, forfio quem supprirao os medica-
mentos, e acliao-se perfeitamente ao facto
d'este caso, e os meamos Senhoree, nao s se
acho promptos confirmar o mesmo, como
tambem em fornecer o actual adresso do Ser.
Bauboza, toda e qualquer j>essoa que por
ventura se desej informar da verdade.
Recommenda-se mui particularmente aos
Doentes que lenliao o maior cuidado na escolha
deste excellente remedio, nao usando outro
nao ser a Genuina Salsaparrilha de Brittol,
a qual exclusivamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De XOVA VORB,
pois que todas as mais sao ineicazes e de neo
hum pr-istimo
Ventle-se as boticas de Caors & Barbosa
e C. Bravo & C.
MOVIMENTO DA ALFAUEGA.
Volumes entrados cora fazendas____
com gneros..... 76i
------- 764
Volumes saludos cen fazendas..... 53
cora geueros..... 1,407
-------1,4(10
Desearregam hoje 7 do dezenibro
Drisue porlugtiez Bella b'iguerense diversos
gneros.
Barca porloguezannm'/adiversos gneros.
Patacho InglesJfary 0W<=baoaibio.
Iturca iiigleza Cora- bnialho.
Barca inglezBonald n liica iu^lezaAi'cmicarvo de pedra.
Barca itiiriez.a Isnbeilacarvo de pedra.
| Barca ingleza- Dolfine- carvao de pedra.
Encona ingleza- Muchtefearvao do dedrs.
Barca nacionalIdalinacharque.
Brigue portuguezImproviso idea.
: Patacho portuguez Finio idem.
| Patacho oriental Santo ytistinhoidem.
nipoi latiio.
Brigue americano Chattanooga, entrado do Bal-
timore, consignado a Ttiom lt. & Robcris, man fes-
tn o seguinte:
1.832 barricas fannha de trigo, lOObarriqural.as
bolachiuha, 220 raides oleo de Kezozene: aos
mesmos.
l'alacho orientl Snnfo Agustmho, entrado de
Pazandre, consignado a Pereira Carneiro & C, tna-
nifestou o segrate :
2,374 jjq de carne secca e 5 cooros seceos para
forro; aos mesmos.
Hiaie nacional Dous limaos, entrado do Araraiy,
conngnadoaTasso Irmaos, munifesto o segrate:
216 saceos com 738 (S e 10 a de algodflo, 65
ditos com 271 rjp e 27 % de cera de carnatiha, 16
ditos enm 9 '/j aiijueires de gomma, 60 meios de
sola, 250 counohos curtidos, e 12 caixas 18 OJ e 3 '/a
i. de velas de carnauba ; a ordemlde diversos.
Hiate nacional Novo Invensivel^ entrado do Ara-
caty, consignado a Silva & Alves, nianifeston o
seguinte :
1.975 eseiras de palha de carnauba, 2 caixotes
2 () e 10 a de pennas; Lino de Farias.
11 saceos 32 $ de gomma, 15 esteiras de palha
de carnauba ; a Joo Ferreira dos .antos Jnior.
UO sarcos com 417 () e 1 a de algodao, I harri-
ca com 144 t de cera aniarella, 1 pacote pinnas
de ema, 4 caixas com 4 (a de velas de carnauba,
I 200 meios de sola, 1,075 cooros curtidos, 150 es-
leirs de carnauba ; a ordem.
Barca ingleza Delphim, entrado de Cardiff, con-
signado a Wil-ons & Helio & C, manileslou o
segrate:
581 toneladas de carvao de pedra, e 2 carnei-
ros -, aos mesmos.
Escuna Ingleza Mischief, entrada de Swdusea,
consignada a Wilsons Hrtie & C, mauifeMou o
. seguinte :
304 toneladas earvSo de pedra: aos mesmos.
Barca ingleza Isabella, entrada de Liverpool,
: consignada a Thomaz JefTeries, mantfeslou o se-
: guinie:
580 toneladas carvao de pedra, e 2 canas objec-
! tos para gaz; aos mesmos.
Barca ingleza Cora, entrada de Terra-Nova,
consignada a Johnston l'aier & C, manifeslou o
seguinte:
3,000 barricas bacalho; aos mesmos.
CONSULAOO PHUVINClAL.
Itrndimenio do da 1 a 5........ 22:6015226
dem do dia 6................ 8.9835366
31.58W502
REEBEDORIA F. RENDAS INTERNAS CE-
BA ES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do da I a 5....... 3:232272
dem do dia 6................. 969,6491
4:201*763
A juriiSx-ba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
muito conhecidas nao s no Brasil, pois que dellas
Iratou Pisn em sua excellente obraHistoria ra-
turalis el medica Iwiice occidinlalis. senao as
Antilhas, oude o sueco das foi has e fructos como
aqu, muito eslimado e appl.cado contra as obs-
iruegiVs abdominaes, principalmente do ligado e
bagj ; e se todos os facultativos desta provincia o
nao applieam com frequenela, islo se nao deve a
nao recouhecerem elles essas virtudes, mas sim a
nao seretn encontradas con: facildade e em todas
as estagoes do anno os fructos dessa planta, p a re-
pugnancia, que a presentan) os deentes em fazer
uso do sueco desses fructos, em consecuencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao descouhecida dos botanistas :
esta planta pertence familia das solaneas, e tem
a denominacao de solanum paniculatum, que Iht
foi dada por Lyneo.
Parecendo-nos conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-,
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar |
com elle uo s un extracto alcootico que pode sel
applieado em pilulas, mas tambera ara vinho, um
tarop, e um emplastro que pode substituir, era
certos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos que
com islo prestamos ura servigo bumanidade e a
b teraputica.
Pisn, tratando da hyoropesia, prescreve a de-
coccao oas raizes da jurubeba, e Moral e Delens,;
era seu Diccionario de materia medica e therapeu- \
tica, dizem que as Antilhas se faz uso do surco |
dos fructos maduros dessa planta contra o calar-'
rho vesical ; e a auioridade dos nomes desses m-
dicos, Bierecidaineule celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por islo cuidaremos de ter em
uosso estabelecitneuto essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
A reputagao da jurubeba tal, e os resultados
therapeuticos obtidos ltimamente sao lo impor
[antes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, que ca escripto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.

m NBTO
Nanos nitrados no da 6.
Penedo10 das, hiate nacunal Amelia, de 45 to-
neladas, capito Antonio Rodrigues Pinheiro,
equipagetn 6, carga pedra de amolar e oulros
gneros; a Bernarda Rodrigues Pitibeiro.
Rio de Janeiro20 dias, tingue dinamai quez Pro-
theus, de 342 toneladas, capito J. Jorgense,
pquipagem 10, era lastro ; a Southal Mellors
&C.
Liverpool45 dias, barca ingleza llonnld, de 395
toneladas, capitn J. M. Bonslow, equipagem 14,
carga dilerentes gneros ; a Saunders Brothers.
liba de S. Miguel30 das, patacho portuguez
Georqense, de 200 tonelada", capito Jos Maria
de Siqueira, equipagetn 10, carga lastro de pe-
dra ; a Joo do Reno Lima.
Ni ruis saludos no mesmo dia.
Rioda Pr.ilaBrigue nacional Pedro V, capito
Antonio de us e Siiva, carga assucar e agur-
dente
Rio Grande do SulBrigue nacional Superior, ca-
pito Antonio Evaristo da Rocha, caiga assucar.
MaceloHiate nacional Xova Castro, capito Joo
Maria Massa, carga dilerentes gneros.
LiverpoolPatacho ingiez Busy, capito Barden,
carga assucar e algido.
Liverpool Barca iogleza Olinia, capito S. Prow-
se, carga algodao e assucar.
Observadlo.
Passou para o sul ura vapor, ignora-se a nage
por Dio icar bandeira.
JURUBEBA.
A jurubeba una das substancias mediramea
tosas, ao reino vegetal, e perience classe
dos tnicos e desobstruentes, sendo em prega
oa rom vantagem contra as febres intermitente
aeompanhadas de engorgilaraentode ligado e bago.
Ella tem sido applicad? com inconiestavel proveitc
contra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar
rho da bexipa e mesmo para combater a menstrua-
gao difScil, resultante da mesraa anemia ou chic'
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho dem de idem.
Piiulas de ext. idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga do
sano n. 10.
C0MME1S10.
Moto banco de Pernam-
buco.
O Novo Banco descoma letras a 12 por cenlo
ao auno, loma dinheiro a praso fixo ou era conta
corrrnte pelo premio e coodigoes que se conven-
cional e saca sobre a praga da Babia
Caixa lilil I dobaaco rio Brasil em
Pernambuco.
A caixa deseo ota as letras de seu aceite pela
tatxa de 9 OjO ao anuo.
Ognarda-livros
Ignacio Nunes Correia.
EDITiES.
O Dr. Luiz de Albuquerque Marlins Pereira, dele-
gado de indicia do 1 disincto do termo da ci-
dade do Rxife em vjrtudedatei etc.
Kago saber a quem iutere>sar possa que deixam
de nahaiii.ii- peame este juizo os ofJQciaes de jus-
tiga Evaristo Ferreira das Chagas e Amanera Go-
dufredo Lucas, por lerem apresentado exonerago
concedida pelos juizes miiiucipaes deste termo.
Recife, 5 dezembro de 1865. Eu Diooizio Ferrei-
ra Cavalcaute, e>crivo esrrevi.
L. A. Marlins Pereira.
-.^UlUJrOES.
*anta Casi da Misericordia do Hecife.
A lllm.' junta administrativa da Sama Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no da 7 do crreme pelas 4 horas da tarde na
sala de suas ses-oes continua a ir a praga as ren-
das das casas abaxo declaradas por tempo de 1
a 3 annos a contar do 1 de julbo do anno lido
por di a ii te.
Ra Direila
N. 8publico e 3 particular.. 1.067G0O
Ra do Padre Floriano.
N. 49 publico e 5 particular. 1865000
N. 47 publico e 6 particular. 1865000
N. 45 publico e 7 particular. 5
N. 43 publico e 8 particular. 169O0O
Ra do F gundes.
N. 34 publico e 12 particular. 1455000
Ra dos Pescadores.
VN. 11 publico e 16 particular. 2165000
Ra das Calgadas.
N. 38 publico e 22 particular. 575000
Rna das Cinco Ponas.
N. 108 publico e 4 particular. 2315000
Ra de Santa Thereza.
N. 7 publico e 31 particular. 1985000
Ra da Iraperatriz.
N. 68 publico e 47 particular. 3005000
Ra da Seuzala Velha.
N. 31 publico e 71 particular. 1465600
Roa Direita.
N. S publico e 83 particular loja
do lado da Peona...... 1685000


y

T


Diarlo de Petrnambrsco Qnfnrf 'ira i d BK'zembro 4* i*
.
N. 7 poblioo o 33 particular segn-
do an.Iar......... 1000
Rita ilo Apollo.
N. 9i publico e 9i' particular. 1:400*000
Rua Velha.
N. 27 publico e 96 particular. 96*000
Rua do Rosario.
N.26a 3i lojan. ID..... 478*000
Os pretenderte.* eomparec^m no mencionado dia
com os seus Madores ou com caria dos mesmos.
Secretaria ila Santa Ca-a de Misericordia do
Recife i do d-zembro o!e 1865.
O offlcial,
Manuel Aolomo Viegas.
Os licitantes ipresealaro suas propostas ein
caria fechada, vindo acouipauhados de seus fiado-
res, que devein ser pe*soas idneas, allm de. asslg-
narem o termo de arrematado quando ella se
realise.
A arrernalacSo sera as 4 horas da tarde nos dias! mQ & SUDS|1|0 Ju ua ,A^n3 6 ecrava de
cima indicados 20 annos de idade, bonita li zura sab-ndo alguma
Apipucos, Io de dezembro de 1865.
LEIIAO
De urna esciava moca de 20 : O agente Martins fara leilo p r mandad) do
Im. Sr. Dr. juiz de direito da priiD'in vira
en-
COMPANHIA
DO
fc.
w
J3a
W-
*
flp
33
NSo se tendo reunido numero legal dos
seoi'ores accionista para ter lugar a assem-'
bla geral extra trdinana anounciada para
hoje, sao novauente convidados os mesmos
senhores a se reunirem no da i 1 do cor-
rente mez ao meio dia no escriptorio da
rm-sma, rui do ..abug n. 16, afim de se
O administrador,
Joao Francisco do Reg Maia.
Conselho de compras navaes
Oconselho manda fazer publico que nao tendo se
contratado hoje o fornecimelo de carne verde aos
navios da armada e eslabeleciroentos de marinha,
I (fui ante o trimestre prximo de Janeiro a marco,
i flcou por isso transferido para 11 do corrente mas,
; a vista de propostas que se recaten aleas lt horas
. da manha.
Sala do conselho de compras navaes, 5 dezembro
de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Alijos.
cousa de costura, cosinlia e eosaboa.
Sabbado 9 do crtenle.
No armazein da rua da t a l.i i d > Recife
as 11 horas.
n.
TOLWS MilITIMOS.
Para o Rio Ciraade do *u I
fcbar" Md^e' >MJS^te R STSaX? JE "SfSS? comt^
nos i ios trilitos de ferro, e de Claudio uu- roo beux, proprielario da linha de mnibus em c., rua da Cruz o. i.
que pedem. este passar com os mnibus Segll(, para a na de Fernando de roaS
pe i aterro privativo da companlna ; e a- alodia 10 do corrreute mez o hiaie Sergipano :
quelles a assent.r os titos trilitos por ater- quem quizer earregar ou ir de passagem, dirija se
mesma cimtiantiia. Pre- a rua do Vigario n: 2, com Jordao Jos de Oiivei-
ros perleiicenles a
venindo-se que na conformidade do artigo
1(5 dos est tutos a reunio ser consi ierada
comp'eta e funecionar com o numero de
acciouistas que cumparecerem oeste din.
Escriptono da Comiianbia do Beberibe
secretario,
Dr. Joao Jos Piulo Jnior.
Cimsellio fl conreino contrata uo da lt do corrente mer. a
lavagem de roupa dos esUbeleeimeatns de mari
Dita, e 'i fura Mitawato dos objeelos aban i declara-
r] i-, por lempo Je tres mez.es at margo do a^uo
prximo vio louro.
OBJECTOS.
Para apreudizes artfices.
Bonets do uniforme, benets para o serval, blu-
s lt! iinm branco, bluza- de algodao azul, caigas
d i algo lio azul, caigas .le brim brinco, calcas de
panno azal, crnicas de algolozinho, cobertores
de 111, calchas de algodao, coleboes de Itabo Chetos
de palna, fronhas de algod moho, frdelas de
pan 11 azul, leacjs de seda preta para grvalas,
len.ijsde algotozfnhi, sapato-s feltos no paiz,
saco* de guardar roupa o tnvisseiros de lioho
cheios de paite.
Para imprtaos martnbeiros e aeren zes ditos.
I! a i- de panno azul, camisas de bnm branco,
cav- d a godao aza, caigas de brim branco. cal-
gas de panno azul, camisas de algodao azul, fr-
delas de panno'azul, leogos de seda preta pira
grvalas, sapatoa* fet). u aaiz e saceos de lona
de in iriagem.
Pira fozleiros navaes.
li i'i-ts de chipa e palla, ci'ck de brim branco,
ealgis lealgoli azol,cainisas de brim brtnco,
trd !.- i> o i > azol, hrli-i de brim branco,
grvalas de eoo.ro de lustre, polainas de panno
ir, 11 e sapaides fmlos no paiz
: ata o conselho sob as condingoes do eslylo
i |. propostas em cartas rechadas recebi-
.11 ni r-fend > dia 11 do corrente mez al as lt
h ira 'I i manila .
s ila 11 conselho de Comoras navaes, 5 de de-
zetnbro de 1865.
(i secretario,
Alfxandre Rodrigues dos An/oi.
Cogsalado provincial-
Pela m-'sa do c.n-uiado provincial se faz pnhlieo
- 30 das otis marcados para ; eobrau^ a
bocea du cufr- du Io semestre di anno linancer i
a 1866 do importo da decima urbana das
freguezias desta cidade e dos Afoga ios, e da parte
da da Uoa-Visla e do P.-go da Panella, que era ar-
rera la pela cvneturia de Oiinda, se principiara
a pi ntar do dia i de d*z-mbro vindonro.
-: sa do consulado provincial de Pernamboeo,
uovembro de 1865.
Amonio Carnciro Machado Ros,
Administrador.
ra, ou don o capitao a bordo.
ColPANHIA B'MSILEIKA
DE
PAQUETES fl VAPOR.
LEILAO
De terrenos foreiros pertencenles ao espo-
lio do tinado subdito porluguez Mauoel
Luiz dos Res.
Seguuda-feira II do corrente*
Por ordm do consulado de Portugal o age.nie
Pestaa far letlo par c'onla e. risco de quem per
teoeer dos terrenos foreiros p-rtencenles ao es>o
lio do finad') subdito porluguez Manoel Luiz los
Reisem cujos terrenos se acham situadas a< casas
na rua do Calabougons. 8, 10, l, li, 16, 18 e 20.
e oairavcssado Calaboogo u. 2 aonde.existe a ea-a
dos expostos, o leilo lera' lugar senunda feira II
do corrente a porta da Associagu Commercial.
53T Feiru semanal
De trastes avulsos, grande quantidade de
objectos de ouro, prata e brilhantes,
crystaes e outros muilos ar ig s.
Seguo.la feira i 1 do torrente as 11 horas.
NO GRANDE AHMAZEM DE LE LOES
l0 AGENTR
OLYMPIO
3(5Itua la aaea .o ueciie ->i
PAfiSAVM 1 T. O TFj R I 4 im m'*cu i vos
vIUH/I B.lM MJ U JL Al .1 M .-:JL E' a ordem do dia 1 Acabar com os Par-e
|)a festa de Xosm SiiIio-a das Xeves
padroHni d onveiito de S. Fran-
cisco da cidade c Oiinla.
O guardia) do convenio de Nossa Senliora
De glMudes premias e c\celleiite guiyos a bayt-neta, a mini, a revolver ;
n|;ui:>. fuluiiua-los com os encouiagados armados
Aos I:o0i))000, 3:0005000, 90 3000 de esporSes, armstrongs e raiadas de 80
e oiiiioih)
dasNeves oeOlinia. f,z sciente aos devtos da BILHETES A' MMttOO, MEIOS A' -"i^OOO
V'iritem teatro* das Neves, i|iie a festividade da
ni.-sina exceila Vngeiu, lera lugar no dia 10 do
corrente, pela maneira seguirte :
No sabbado 9 do correle, ao meio dia, diversas
tirndolas de fogo annun iarao ao< devotos da An-
gosta Virgen, ofe>tivu dia 10, tocando n--sia occa-
sio, como em lodas as mis, a msica do 9 b.da-
Iho da urda nacional de Oiinda.
Ni domingo 10, as 11 horas da inanha, lera
prineipio a e.sia, o-and > no Bvaogelho o bem co-
E QUINTOS A 2 000.
Acham-se venda na thesouraria rua
do Crespo n. 15, os bilhetes da 7a parte
da lotera das familias dos voluntarios da
120; extermina-loa mi sumira a espada, a
a ao e a punhal de que se trata; maj
DiDguem se l.-mbrou anda de esmagar os
Paraguayos co n as armas que Deus nos con-
cedeu ; acabar com elles a taco e a pona
ps, para o que necessario encouragar esla
patria, cuja extraego ser quarta-I'eira 13 parte do nosso corpo cm os furmidaveis
de dezembro corrente c pelo cxcellet.le rompe-ferro, esmaga c bra, arranca tocos.
pe
plano abaixo publicado.
Os premios de 12:0005000 at 20-SOOC
nhecido padre mestre Antonio Manuel de Asanmp- serSo pagos una hora depois da extraego
cao, a mus ca carmili.ana exentara a bella m.5sa ne ; (|oras da ^ |)S l)utros (lepois
de Pinto, a a n'iit- o grande Te Deurn de Luna.
As o horas da tarde, subir ao ar um halan,
["Cando Meta niesuia occasio a msica militar as
melhores pegas de seu referlori'.
As 7 horas da u->ute, tomegar o Te-Deura
oraodo o Ilv. Setestiio de Andrada Vieira, daudo
m a toda a festividade com a subida de oulro
palio.
O guardiao, para maior brilhanlismo e-pera a
concurrencia de todos os liis devotos, em todos os
actos cima menciooadus.
Artes da resta lera lamhem lugar a bengao dos
quadros do om Pastor e de Nossa Sennora Mi
do> Homens.
Tera tamliem no dia II, a festa religiosa do Glo-
rioso S. Bent'i, liaren lo missa solemne e Le Deum
a norte.
Compauhia c
seguros inaiitiuios liilidadr
Publica.
A i'el*.na. paga u 12" dividendo a razio de
l.'i' Kl por accao, no cscriptorioda dita eompanhia
n i i i .., Gadeia n 12. nos das uteis da 10 a 4
i i. i larde.
II -if 2 de dezembro l8o.
Os direciores.
Feliciano J"-e Gomes.
Domingos l Sama tsa da siisiicordta
do Recita
i ii lem da junta administrativa convido a
vina Haria Capitutina do Sacramento, que
vente rio hospicio dos alienados en Oiinda
i i,-r lo Um. Sr. ih-- tureiro interino des-
ta S.nta Ga>a a qnanlia de 65que se Ihe iicou a
fli-VlT.
rdaria iIj Sania Csaa da Misericordia do lle-
di-zttnbro de 1863.
n offlcial,
Man.e-I Antonio Viegas.
E' esperado dos p irlos do norte
at o da 7 de dezembro o vapor
Oyapoek, commaodante o capio
lente Gastro Co.-ta,o qual depois
da demora do costurae seguir'
os porins do sul.
Desde ja recehem->e passageiros e engaja-se a
carca que o vapor poder conduzir a qul dever
ser embarcada no dia de sita c.hegada, encommen-
das e dinheiroa frete al o da da sahida as 2 ho-
ras : agencia rua da Cruz n. I. escripturio de An-
nio Luiz deOliveira Azevedo & G.
Os fretes de dinhero para Parahiha, Rio Gran-
de do Norte, Cear e Macei, fleam reduzidos a
Dinhero papel. t|4 |0
Ouro......1|4 "|o
Prata. 3|4 |0________
hira o Rio de Janeiro
Vai sabir com brevidad'e o iirinue Adelaide
por ler a maior parte de sen carregamento trata
do ; e para o qu-> lile falta, irata se com o consig-
natario Joaquim los Gonoalves eliro : na rua
do Vigario n. 17, Io andar.
C lujiaiiliia de paijel"s a vapni* entre
os Estados luidos e o Brasil.
At o da 8 do correle es./era-se dos portos do
sal o vapor americano North America, comman-
darte Timmermann, o qual, depois da demora do
costme, -egoira para New York tocando em S.
Tnomas. P^ra fretes, paasrros, etc., tratare
c-m os asedies Henry t'orsler & G., rua do Trapi-
che n. 8.
CGMP1NHI4 3USILEIM
DE
PIQUETES k VAPOR.
E' esperado dos portos do sul,
at o dia 14 do corrente, o vapor
Paran, commaodante o capitn
de fragata Antonio Joaquim de
Sania Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir' para os portos du
sul.
Desdej recebem se passagfllros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzr, a qual devera
ser embarcarla no da de sua chegada, encoo-
raendas e dinhero a frete at o da da sahida a-
2 horas : agencia rua da Cruz n. 1, escriptono d.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo GO.M PAN 111 A" P K11X A M ; U CAN A
DP.
iXaYCS-ca6*tM |n>r vapor.
Para Fernando.
Segu no da 14 do corrente, as
) horas da maniiSa, o vap >r na-
cional Martangwxpe, commandan-
le Ralis.
Itecebe caga, encommendas.
passageiro-- e dinhero a fretes at o dia 13 as o
horas da tarde.
Escriptorio ne Porte do Mallos o. 1.
iM&iS,
Instituto iretacoltfieo e 6eegiv.phico
Peruaiubucano.
Havera' sesso ordioana quintafeira 7 do cor
rente, pelas II horas da manha.
Ordem do dia.
Relatnos, pareceres e mais trabalhos de com-
missdes.
Secretaria do Instituid 4 de dez mbro de 1865
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
~ GARRAUX DE LAILHACAR &~C."
LIBHAIRIE FBANQAISE
Rua <1<> Crespo u 9.
LIVROS NAGIONAES E ESTR \XGEIROS
ReligioPhosephia Jurisprudencia Liliera-
tura Sciencias e arles.
Papelaria, objectos para escriptorio^
Medico e operador.
O Dr. Joao Rayiniindo Pereira da Silva, chegan-
do ollimamerte de Pars, onde frequentou os mais
notaveis hospitaes, pode ser prucurad) para o
exerciclo de sua profissao na rua da Cruz n 40
segundo andar. Da consultas todos os di is das 7
as 10 horas da manha. Especialidades, molestias
de olhos, parios e viasur.narias.____________
OITereee-se um mogo habilitado para caxeirn
de qnalqo r caa commercial, com pratiea de e<
ate as
da distribuicao das listas.
Os bilhetes eocommendados s serao
conservados at a vesuera da extraci;3o.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
PLANO
Para aaex i "
DK
OE
Lavas.- chap do
um: na rua Velha n. 12.
illiil- a i280 cada
quebra marmore e mitins que se vendem
S .: RUA 'IIIMI I\tk 43
Borseguins Bordeaux........ 85000
patricios......... oiJOOO
para sen horas, en-
tenados ....... 54500
com laco e livella 4#Kf'0
Sapatoes eocouracados....... 5i50GO
B irseguins para meninas bom
elast co................. 35OO
Sapatos de lona, sola elstica. 2(50(10
> a vi lindados......... lCflw
de traoca........... t^tOO
econmicos para se-
nlioras...........
> com sallo de lustre..
Cbineloes do Por o..........
Um comp'eto soriimc t
O abano asignailo lendo no Diario d> Per-
nambuco n. 277, um aouuocio de Viivnte Perreira
Nunes de Paula, a respeilo de um c.redilo do oies-
5500
25240
15600
de calcado da
tetra para homens. senhoias e meninas;
Para ser "applicdo" quaTid^wconVenencas assim eomobezerro fraocez, couro de lus-
especiaes renda dos bilhetes o |re, marroquins, tai.as .le todas as quali-
aconselharem. daaes, lilas para sapateiro, muito sortidas,
de fals.dade, pedindo que ninguein solire elle faca 4000 bilhetes a 10S000.._..........40:0(K),5000 t, taz tobii J an uimp ador pei.....Udtx/.a.
'J:BOO000
Liquido...... 30:'i0050OO
1 Premio de........ I2:0()0-}000
irausagao alguma, faz scieute ao rcspeitavel pubh- UeHcio, sello e commissao 24 0|0..
co, em atleucao ao que responde : que Vicente
Perreira Nunes de Paula, credor do aballe assijj-
mdo da i un.; i de 800$, pouco mais, e que o
mesmo abano assignado seu credor da quaoiia
de 1 "2li'5. dividas e^as firmadas por ambos : que
os crditos existem; a s relaijo-s de cuuhado
tem obstado ajule de cuntas d'entre ambos; o
abaixo assignado protesta contra o procedimento
injurioso dn seu euohado, e tranquillo espera pela
accao da falsidade, cujo principio ignora at esla
data.
Oiinda, 4 de dezembro de 1865.
Manoel da Silva Neves Coult*ho.
Dilo de.
Dilo de.
Dito de.
Dito de.
8 Dilos de
21! Ditos de
49 Ditos de
923 Ditos de
Do negando andar do sobrado da rua do Im-
perador u. 16 prximo u beco do Ojvidor, fugio
um papagaio com dlrecco ao flm da mesma rua :
quem o pagar dtnja-se ao dito sobrado que sera
gratiflcado.
- Precisa se d- um f^itor liara olaria, que en-
tend desm trafico, que sja soiteiro, prefenndo se
esiranireiro : rua do Larna 1010 Premios.
2;i!io Brancos.
3:0 KMMHJO
900ft000
500&0O0
2OO5D00
8005OO0
9205000
980-5000
12-3000 11:1005000
----------------:t0:i005000
1005000
405(K)0
205000
A mu pura casa
Precisa-se alugar una ama para todo servico de
nina casa : na becco das B> ia> n. 2, prnneiro
andar.
olas do banco do Brasil e das caixas filiaos
descoDtam-se na travessa das (I107.es n. 8.
Antonio Jos Alves de Brillo, escrivo da
tribonal do cnmmerno, modcu se para a rua do
Imperador n. 46 pnmeiro andar. _____
Par caiietrt,
OlTerece-se um moco de 18 annos para
caixeiro de alguin anna/.em de mulbados do
que tem bastante pratiea ou para caixeiro
d.i loj 1 de U'.im 1.1 dando 3 11u7.es il pra-
tcae nador a sua conducta; quem pre-
I ISO
4000 Bilhetes.
N. B. Ds premios que eslo sugeitos a desorto
sao os de 5004000 e 9 OfiHK) ao de, o por cento, e [ CSar aili lincie p-r esta f< llia.
os de 3:00115000 e 12:0005000 ao de 17 por cento,
send 1 o p ir cento da le provincial e 12 por cento
da lei geral.
Toesouraria das loteras de Pernambuco, 22 de
novembro de 1863.
Oihes- urciro,
Antonio Jo.- Rodrigues de Souza.
Pugio no dia 4 do corrente mez de dezembro,
a- 6 horas da manha, o escravo Joo, criuul", de
estura liaixa, cor preta um tanto fula, punca barba
mais espesa na pona do qoeixo, cuten le alguma
cousa de pedreuo; ealeescravo, f'ii da familia do
Sr. Cardeal da rua da Praia, fui vendido para um
cripiuraeo mercantil, e da Dador a sua conduela; engente de onde volton para esta praca: quem o
CASA Di FORT
lirija se a esta tynographia em car-
quem pi Hcasar 1
la fechada c m as euniciaes A B. G.
.
Sr.
: O
a v
Rio de Janeiro.
Pretende seuir com multa brevidade o brigue
nacional Amelia, para o reto da carga e pagatei-
Irosqnelhe falta tr use com os seus consignata-
rios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & G rua
da Crin u I.
TVn bons commodos para passageiros e es-
cravo-.
Para o Porto,
Deve sahir com brevidade o brigue portutuez
Esperanto por ler a maior parte de sen carrega-
mentu ja' tratado : para o resto e passageiros ira-
I ta-se com Gunha. Irmaos & C-, ua rua da Madre
! de Dco< n. 3, ou com o eaultao a bordo.
Peruen-se no da 2 de dezembao, no llieairo
de Sania Isabel, duas earias com um retrato de
nina senhora ja de idade, as ditas carias sao viu-
das de Ga>lc||u Branco, dirigid is a rua Direila pa-
daria da Sr. Antonio Alves de Miranda Jnnlor, para
entregar a Jos Lopes Robado; qu-m aseneonircu
queira ler a hondade de as enlreaar na mesma ma
onde remedida, ou na nu da Floreiiliua padaria
n. 3.
Luiza.cabocla, de idaJc22 annos, es'atura
regular, falta de denles e cah'Ho a.iara'lo, fnffio
de casa de seu senilor no dia 2S do mez passado e
lem sido encontrada no hairro de S Amonio c
Ilecile : qu-m leva a rua d'Apollo n. 30, >era
bem gratificado. _____
Joaquim Lopes M ireira, subdito portognei,
vai a Puriugal para tratar de su 1 saude.
Jos Campaus v Barros, subdito hespanhol,
relira se p.tra Buenos-Ayres.
Trasladacin das maceos da igrej -i de
iVussi Senhora d. Tere, par a u -
va malriz de 8. Jos.
A oie-a rrgedora da irmandade de Nossa Senho
ra do Teigo, leudo de continuar com as obras de
>ua hjpvja, e como nao lenna uoi lugar apropriado
para coilocar suas santas imagen", ro-olveu Ira-la-
dar ellas para a nova matriz de S. Jo-. a qual le-
ra' lunar con toda a solemnidade >evl>-feira S, dia
da I Dinamitada Concnicao, pelas 10 horas da un
nha, eahi permauecero al conclusao de su>
"greja.
A mesa regedora pede a todos os irmaos o seu
comparecimerto pelas 8 horas da manha, para
acumuanharmos nossa eicelca padroeira e sua-
santas imagens. _____________
pe>;ar leve a rua da Concordia n 8 renoacio, ijue
se gratificara com senerosidade.
Para banlio^doniir.
Alnga-se Ulna casa terrea ni praia de i. Fran-
Cisco, com sala e quario na frente, 3 qurtns no
Interior, sala a ira/, e costana fra, a qual lira
confronte acape'.linha axbtenie na mesma praia, e
muito commoda para o passamenlu da fe.->ta : na
casa de 'i fu es junto a ponte do Varadoiir-o, acha
ra c m quem tratar, ou n<> segundo andar do so-
brado n. 47 rua da Praia onde mora o Sr. Gimi-
iii.ni llana de Oliveira e Mello.
N. O. Rieber A C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a visiaou a pra-
zo confoime se convencionar.
Alu^am -- a-- cas,
II e 13 : a tratar na rua
la roa do Progresso ns.
lo Selm o. 54,
Arrematadlo.
'.' ; ii70 d't orphaos depois da audiencia de 8
icnte, vai a praCa de venda urna excedente
a na Capnnga na rua das Deozas de-
Ironte do chafariz, com 2 aueilas de frente e 1
[i, m sutao coro(auellas para os oitoes, 2 sa-
las o luartos. grande quintal murado com porlao
e i i ni lado. CHMoii.i. c.vuiii. tanque, caniei- go Lima, rua do Ap
i ,. ra 1 oes e a'guus arviiredos, ein cbo forei-
i,, i .hmi:., ., requeFimeiiln .le .1 iihimo Gon-
gal ve- Sainado credor do caal do Oesacizauo An-1 Segu hoje ,\ barca brasilrlra Boassiea j recebe
t.iin li- Das. carga e e-cravos a frete : a tratar uo escriptorio
o
liha de S-Miguel
O patacho porluguez JORGENCE, segu com
multa brevidade pur ler a maior parte do seu car-
regamento prompto, para o resto da carga e pas-
sageiros traia-se com o consignatario Joao do Re-
"o n. 4.
Para o Rio de Janeiro
Aos 1-2:0005000
3:000;>000
900A000
5u0O00
Sietes garantidos.
A' ROA DO GRESPO N. 23 E GASAS DO GOSTUMfc
Oabaixoassignaduveudeu no.- seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que s ac
do eitrahir, a beneficio da .> ricordia, os segointes premios:
Um meio n. tiGS com a sorte de 6:0004.
L'm inteiro u. 1200 com a sorte de 1:2004
um inteiro n. 1427 com a sorte d.j 5004000.
L'm meio u. 3417 com a sorte d- 2U04000.
E outras multas sones de 1005, 404, c 204-
Ospoasatdores podem nrreoeoei seus respec-
tivos premios sernos descont* das leis ua Casa
~_ Fugio uo da l! di corrente, o pretu creoaio da Fortuna a rua do Crespo n. 23.
le rime R lyuundi, escravo d<> Sr. Eduardo Can-
di o de Onveira, m ti Inr em Ponte d'Uchna, Com-
pra I i ai Sr. Iid-fois. Al-o- Vianna, mirad.ir em
Campias, por seo bastante urocorador Ln Jo-
f-iev. s uo ine de ago.-to de-te anuo, a poneos
das f.ii prc-o em Sanio Amaro de Janoati pelo
subdelegado desse logar |Hir estar fngiloeveio
r.oii -indo a casa de dt-kmeo desta cidade do Re-
cife a ordem do Dr. chele de polica, (Ole se inti-
1 tulando por forro agora e-tiva em casa do corree-
! lar para >e. vender, d'onde tornara a fugir : o es-
cravo lem os >i|tnaes seguimos, cor fula, estatura
re ular, um lano c.iieio do corpo, ro-'o cmiiprido,
bocea grande e ten tol>s os denles da frente, pds
e mi .s sen-as e anda um tanto inclinado para a
frente, muito ladin >, levou .-alca pe brim pardo
gros-so, camisa de algodao americano, ludo minio
-:i| '. Chap de iialo i inela. Roga-Se as autorida-
des p.iiiciae- e capiles de campo a captura o)
mesma e levarem-no a Praca do Gorpo Santo no
e-rriptorio do Dr. AugiMo di Olivmra ou em seu
sitio em Ponte d'Uciioa, que. sera recompensado
dn 7 par !> lotori-
familias ds voluntarios
eztrahira qoarta-feira 13 de
icliiui-.->e a euda
(41*) a beoilicio das
da pitria, que se
dezembro.
PRECO.
liilhetes .... 123000
Meios......4000
Quintos.....25400
Para as pessoas que cemprarem dclOOfliOOl1
para cima.
Bilhetes.....114000
Meios......54500
uiotos.....24..0
Manoel Martins Fii.za.
Soeiedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
Am de, leit*\
Prerisa-se At>. nina ama que lenha bnm l- ite, pa-
ra acabar de namentar urna crianga de oito me-
zes : na rua do Queimado n. 17 segundo audar.
Ainda estao para alugar duas rasas na i'ha
do Retiro, tem eomniodi s para familia,est.in piula-
das e tem baiiho na |ioii i: a tr. lar o tn l.iuz Ma-
nuel R. Val-uca, puliendo o pretenderte examna-
las n" llle-IIKi lllLial'.____________________
No armazem
(! dn gas e tudas na praca da Roa vi*la n. 21 pre-
cisa-.-e de um caixeiro i|Ue lenha praiica, e alli :n-
fando sua conduela.
Alnga-se ou ve.ne-se uinaca-a ue um andar
com qmii i salas (i luanos, cozinha fra. quintal
murado com cacimba e boa neo1, em ; >>ro-
prins, no excedente lugar da roa da Esperanca do
bairro da Boa Vista; poi i ude lem de pass.r bre-
vemente a I i nba frrea do Reiife a Aileucos :
qin-m aqmzer comi'rar du alogar dirtja-se a rua
do Trapiche n. 12.
Ama.
Precisa-sa de una ama pan casa de urna es-
trangeiro, que saiba cozmhar ejavar : na rua No-
va n. 21.
- Pel^llllla >e ;,o m-co do Rio ForilloSO, C.ijia-
cho de palarin, que m levou um hnmem que o.o
seu am vir de guarda costas, enjo homem at hoje nao se
sabe deile e nem que lim levou. I-I' deseja saber

3
-i
.
r
s
Pedp-se a todas a autoridades noticiaos, nu a
quem quer que n encontr, apnrehenderem o preto
escravo lini que se ach i fgido des le o da 27
lo passado, sendo os seus signaos os tegnintes :
iiisillio tle cmpiiis imvaes.
O evos ino promote no da 7 do correrte mez
ra-ios seguimos objectos do material da
arm a : donas d broxas de caiar, 10 duzias
re.. \.....rli as. 20 cairinhos de mao, 10 du-
,ia- ti urnas niela cana de 12 a 20 pollegad s 10
no i i iias ir.angulas de 10 a Ib' p illegadas,
16 anchas de linha alcatroada e merlim, 12 ar-
roha> I- linha de barca, 4 arrobas de pregas f-au-
cez< olidos, 00 palmos de varanda d ferro fun-
d.I G i travs de q un lad de 32 a 3i nalm
comprimerto e 8 a 9 ooll galas do grossura, 600
cov i!- de lileb, 5 caixas garantidas de vidros de
vidi i-i d" 10 pollejadas soiire 6 de largara,Seal-
xa> tarantulas de vi Iros de vidraca de 12 a 16
p-ill-g i is, e -nadeiras de COOstmCeo proprias
para o iranspoTte de guerra.
i>r ,;iive o conselho a compra sob as condiccoes
di i e a v -ta de prnpo-ias m cartas fecha
das rec.ebidas no referido da 7 do correrte, mez
atea- II 1) ira-da mauha.
Sa11 11 ivit itha de compras navaes 4 de de-
sombrn de 1865.
O secrelarlo,
Alexandre itodrignes dos Anjos.
ti administrador da recebediria de rendas
mi ni j-rae-, avi>a aos contribuintes l-is mpos-
I oiol-s, do exeicicio de 1864 1863 : reo-
dad proprws naemnaes, foros de terreno* na-
. ieciroa addwonal de mao moda, impo-to
de 20 ir cento sobre lejas, dito ennecia) sobre ea-
si- de n ivejs, roopa, calcada fabricados em paiz
estraogeiro, de ennfeitaria e pe fumaria, e laxa
il -, vos, que no correrte mez de dezem-
br.. q i se linda o prazo da cobranca no do-
mi ib d i- colltrihni'lles, e que os que 0- nao
pag in o no referido mez, serio coagidos a faze lo
eiecndvamenle.
Oulro -lu, que no snpradito mez deverSo vir pa-
gar u ( r-ceeilona, bvre da rnn'ia de 3 enr Cefllo,
o I ni --ir do exerciein de 1863 1866 da de-
ci i mao mora, do imposto de 20 por cento, e
do im -lo e-pedal.
l: -lona de Pernambuco, 5 de dezembro de
1865.
Manoel Garnelr le Son Lcenla.
"Z s,;, da la. 16 17 di coi ruie mez .e
dezeinhro, pelas 4 horas o tarde, se arrematarn
de rwi la as aullas da propriedade ApipueoS por
teomo d iiiii anno, a contar do 1* de Janeiro de
18'ii, c|i arreoiataeao lera lugar em casa do
rep<->iivo administrador. Condocoes e mais di<-
pasieo"' relativas ao arr^nlameiito que por e\ten-
(;.,s .1 ixam se de publicar *erao fran pinadas ao
in'.er-s-adii- ijue p-ia es.- din se poleri dirigir
a casa do mesmo administrador em Api pucos.
; d'Amorim [raos, rua da Cruz n. 3. cu com
i capitn Francisco Luiz de Souza Jnior, ua prae,a
do Gommercio.
E i i 011.
Aiu;iseuui silo.
Aluga se um sitia na Pas-agem da Magdalena, a
margein do rio Capibaribe, com exceleMle casa
com terraco, duas .salas, 8 (|u irlos, cozinha ffira,
uarlo para e-cravo, e-iniiariae arvoredos : a Ha-
lar ua rua da Gadei < n. 4'
HOSPITAL PORTJGEZ
HE
BENVFICENCIA KM PKRSA1I-
BKO.
Nao se lendo reuuiou ou u -ro legal dos Srs. so-
cios para cou-tiluir se assembla geral, alim de
proceder-se a eleicao da juuia administrativa que
lem de reger o ho-p tal no auno prximo futuro ,
conf.,nne*e havbTaonunciado para o domingo h"v.-r ....malo ido ^-crav,, A pes.-oa q
passado : de novo convoca se a dita assembla pa
O banco Allianca do Porto tendo e-tabelecido
esla socie lade debaixo de sua immediata vigilancia
e re-pon.-aliilida le, facilitn a crnaoSo de capiles,
dotes, rendas, peu-o.-s, i-, nces do servico das ar-
ma-, etc., por meio de snbscripcSes nicas ou an
nuaes, as ipaes convertidas em in-cripcoes da
divida publica, de renda nacional, e da mesma for-
ma os juros seuiesiraes que dellas se forem ven-
cimos, filia de denles na frente, e alguma colisa
uago, coslnuiando osar jaqoeta parda e chapeo de
feliro. K-se preto estove por milito lem.io alinda-
do no armazem eommerrial do- Srs. n k r i
II irrozo, a rua d. Crnx o. 62. Ha d. sebuflaucas de
que dilo esciavii se i nli i i elogiado para a cidade
id Oiinda mi Alagados. Protesta-se contra quem
LEILAO
, Da mnbilia pertencenie ao espolio do sub-
dito porluguez j fd lecido
dos Res.
nojE
Q agente Pestaa autorisado pelo Idm. Sr. cn-
sul de S. M. Fidelissima fara leilao por coma de
quem perlencer da mobilia de Jacaranda e ama-
relio pertencenie ao esooho do nado subdito por-
lugue/. Manoel Luiz dos Reis : qumia-feira 7 do
corrente pela 10 horas da mauha na rua do
Apollo o. 39, terceiro andar.
l/EIl A> |
Deuniac sa lerre no Burro feguezia
dos \ fugait os,
Sabhado 9 de dezembro.
O agente Panto fara letttn a re(|iieriiiento de An-
tonio Moreira Rs inventariarte dos beas da li-:
nada Joanm Francisca de Meiiezes, e por manda-;
do do lllm Sr. Dr. juiz de oruhos de urna casa
terrea de taipa coh-rla detelha. sem numero, no
lugar do Rarro fregne7.ia d*< Afeados, com porta
e j in-lia de freule, 2i 1|2 palmos de vao, 40 1|2
de fundo enm grande quinlal com arvores de
frucias e em chaos foreiros, as 10 horas do dia
cima dito no armazem da rua da Gaea n. 29,
em frente ao Becco Largo.
ra o prximo domingo 10 do etrrente pelas 10 lio
ras da mandad, esperando Se dos Srs. socios alien-
cao a o convite que ora se Ibes faz.
-ecretaria do Hospital Porluguez de Beneficen-
cia ein Pernambuco o le dezembro de 186.
U secretario
Joao Perora Rabello Braga.
Ama.
Precisa sede um i aun forra ou capliva
.\l iikh'! Luiz da Peuha 1' andar n. 21.
na rua
Precisa se de um criado ; na holica na praca
da Boa-Vista n. 32, dando liad r a sua conducta.
AluaHi-se
as casas da rua do Praterea do hairro da Boa-
Vista n. 1 A e n. 1 B. ambas novas e por 105
men-aes cada urna : a tratar na rua e-lreiia do
Rosario o. 28. ______________.^________
Atteucaw.
Precisase de um caixeiro que
ferro as ; Cinco Pona- n. 93.
Precisa-se do um caixeiro que lenha
de mediados : na nu do imperador n 81.
H lOuei Fonlecova e Paz, sulidilo tlespaullol
retirase para Baeoos-Avre. _______
nao precise de
pratiea
M
LEI LU
De relogios de uro patente iu-
glexesuove*, .iberios edes-
caberlos para tinuneo e e-
uliora* e traoseiln de ouro.
Sa bailo 9 d-s dez-m'iro.
NA RUA DA CAOBIA AEMAZBM H. 29.
Souih.il Medir & C. farolei) por interven-
Pedro Goncalves >U Richa, como tutor dos
orphaos, ihos de um lia-do seu irmao Augusta
Gnic^lves da Rocha, d clara para os fin* conve-
nientes que nan coolina com o arreadaiuent' do
engeuho llha-Grande, da fregoena d'Anua-PreU,
no qual eslava aqoelle seu fallecido irmao, e api as
tira a presente safra, por ja ler achado o eagenlio
em cometo de viagem.
Assim protesta nao pagar as letras que assignou
dilo seu irmo pelos outros-annos de arreo lam- li-
to que esto por vncer se, o que tu lo f^z publico
pata constar aos inleressados e em lempo nao se
poder allegar Na de aviso.____________________
Ali*erto Locher vai a Enrona.
Alberto Locher relirando-se para a Euro .a pede
a todas a- pessoa-, .|ue se juigarem seus credo.es
de apreseniarem as suas cantas na rua da (ral
n. 42, o mais lar le al o da 12 do c-irrente >n-z '
latora regular, magro, cabellos eocarapiibados e ceodo, licam por 11 ni certo numero de anuos em
deposito, al que, find i o praso estipulado, s >
resumidas a is socio- com os inieresses anionloa-
dos, bem como as que aertencerem aos associados
fallecidcs, visto (|ue destes sao herdeiros os sobre-
vvenles.
Pela engenlio-a combinac econmica adoptada
uo- clculos desla soeiedade, v-se que, com una
entrada animal de 50$0iHi, p >r exemplo. nhtem-se
em S aun 'iiOJOOO a 55O*'"0O, em 10 1:3004000
a 2:00.>50M. em 18 3:304u00 a 4:3Oi4''00, em
20 8 OO0401H) a IO.O0O4OOO, em 23 18 0004000 a
23:1.004000, conforme a ida le do individuo sobre
qoem fe culos conlt-secoiu a maior ou menor probabiiida-
de de duracSo de vida.
Esla soeiedade sobreludo vantajosa aos chefes
de familia, visto que Ins facilita seu sacrificio a
ruildac.au de um capital ou dote oara seus lilhos ou
liihas, segurando-os quando nascem ou em quanlo
sao cnangas.
Qoem, psis, mais circumstancia-las informacSes
desejar sobre tal soeiedade. ou se quizer inscrever
Sec possiv-l o corpo v,v r sein cabera, en eslou roino so,.,lt ne|iai dirij-se a rua da Madre de
di-po-to a procurar a mmlia c.abeca ; assim digo r,ells ^ un i SB podera entender com Jo.io
como do ineu dever e vuss me responda. Garlos C-eiho da Silva, oue para isso se acha en
Duele seu amigo earregado.______________
Fu'ano. ------------r=-----------------------j--------7^------------~
-OaocrivSolTirmiQdaie de Nossa NS8a SeiltlOfa da OOQCei-
Senho a a Conci-ir/io da igreja .ia Gongre- q^q (\q ff^TfO.
preiiender leve o a rua da Cdeia casa n. 3, ou a
Casa de delciie/io, dando d'isso aviso u'aquella pri-
meira casa.
Recife, l.'de dezembro de 1865.______________
Pede-se eneareeidameote aos srs. voluntarios
da patria da 3. copoque lenhan a honra de irem
sali-fazer s -us dbitos antes .pie .-e rviirsin
d<> Hospicio n. 28 : ditos devedoren nao
senh oe- Cdeles, sargenios e
jiiiiueli.ilaiiient nao vier
a rua
ii-siin de
lliOMCOS, e quaudo
111 sa'.isfazer verao no dia
Ensma-se a
saes : a tratar na
O Manoel Gambado.
de-eiih pira hs arles a 2j men-
rna rtn Roda n 19.
Grava-se e douia se ein mam
rs. cada 0111 : a tratar ni roa la
1 re le iras a 100
I-la n. 18.
A res-
racllico
acuna citado; e
. sclareci la a verdad ,
a ti atar na
abbado seus nonies p .r extenso na mesma folha.
Fulano
vao do agenie Pinto, e por cunta e M-co de quem .; de5lep rts ,ngueiu p.dera .-er mais alien-
pertencer rio diff renles relogios e tranceln- de ?
miro, os piaes serao vendidos para fec.iiar factu-
ras, a-II horas em ponto do dia cima dio no
armazem da ruada Cadeia n. 29, em freule ao
Becc* Largo.
dido
Precisa-se um criado, para n servigo de co.n
pra e co-inha, -em um sitio perlo dacidale:a
tratar na rua do Impejador u. 17 segundo andar.
48 do comproilibwo da m-jso.a irmandade,
avisa a bul is os seus carissimos irin >s, pa-
ra r-Hoireui- e no cn.sistono da masilla
groja. n< domingo 10 lo corrente mH'. as
9 horas da maoliai, para ein mesa geral
elegeiwn a nova mnsa .pie t.;m de faiiccio-
iiar no futuro auno ie 18 t.
Ada se fgido do eng- nbo Forno da Cal,
termo de Oonda, o molei|UH He mioie Vu-eiite, b.ii-
xo. cii-io d 1 coip cibiios pooco estirados, cor
tull, ida le Ua 13 au.ios piuco mais ,,u menos,
ruga se as aoiorida les p .n ja -s, capiles de cam
p.i ou qiie.n o p g(T leva-I 1 no ldicado eilgenlio
acuna 011 na PouW de Udioi, sitio do faileci.io
H 111 y (iii-oii e no Recate na rua oa Cad la u. 2i,
que sera recompensado.
Pivcj-a-H de un amassador de. padarii : na;
rua 1I1 lt ll-l o 9
Os encarregados da bata de Nossa Senhora da
Gonceicao do Aro da Ponte, pedem aos moradores
da roa di Cadeia para que na vespera e no da dt
fe-ta da n>.-.-a GmrMMa Padroeira ornem com ban-
detras basteadas as suas janellas e lambem c.oiu
Colchas no da da fe-uvidade, assnn como illumi-
nem suas asas na noite da vespera e dia, para
maior lirilnaniiMiio da solemnidade.
Aloga-se o lerceiro andar e sotan do sobrado
da rua da lmperairiz n. 3i. lem commodos para
grande familia : a tratar oa luja do mesmo so-
P.i!a a conslrU'cao de machinas
11B
amii:rtn\ b douglass
NeW I.OUIOII, l',()( uieciieui, Esta-
do- Unidos
Soli.-itam pedidos de desearocadores de algodao,
adoptados ao alaodSo snl-ameri ano. Hao-se de-
dicado a es e negocio durante 23 annos, e allende-
rio inmediatamente a correspondencia que se Ibes
dingir. __ __
Precisa-se de urna ama : no becco do
Lobato n. 3, prnneiro andar._____________
Pred-a-se alugar urna ama dn mela idade e
de coiidula regular, para o ervigo interno d* urna
apre-eumrein -eiis ornamentos, m carta fecunda ao cisa e-lrangeira de. pouca familia : qileineslivr
nosso ir,nao procurador geral Aoinio J .- Silva ne.-ias circumsiaucias dirjase a rua do Trapicha
do brasil, traves-a da Madre de Dos n. 23. I o. 12.
l'/e-i.-a-e de
gado- com platica
liberna
iii ,,e 1 i-no lo- iiliimo- ene
ou sein eiia para caixeiro de
a lr;Oic na roa ,1o Pune..... n 3.
Vnei'ivrl orlrm l*rceira In 8, Fran-
cise lo Rec fe
Pelo presente se convida ao- p -ritos d'arte para
etaminarem i sobrado di ro dj Livrameoto n. 3.
de doiis and-res peiteneantH ao palrim mi da
oesina ordeo, O qual tem de ser reeddicado, a
Alnga-se urna casa comeo mudes para glan-
de familia, com bom quiote1, casimba e solio, na
rua dos Mariynos : a tratar na rua Dueda nume-
ro 47.
Precisa-se
Alugar urna preta para o ser ico de urna casa
de pouca familia : a traiar na rua de Cdela do
Recife u. 19 prnneiro andar.____________________
Antonio Jos Alves de Brito. esenvao do tri-
bunal do coinmereio, miidnu se para a rua do Im-
perador u. 16, I" andar. _____
a riiiDireita n. 78 relin.ca.,, pu-ci-a-se
de una ama para cotiohar.
Precisa se de n.na ama forra ou capliva para
casa de pouca familia, paga-su bem : a Iratai na
ruado Pires n. 2i.
Mtl 0.
Precisa-se d" um caixeiro que lenha praiica de
taberna, de 12 a 14 annos de idade : na travessa
do Campello n. 1.
Precisa se de ubi Iraballudnr, na padaria em
Sanio Amaro, atraz da fniidico do Sr. Starr.
Z~$t ma do Livrainenlo n. 19. ha para alugar
urna boa escrava.
Precisa- e
i
Alusa-se duas c,-,,. \ i.axio^a. sendo urna
com 6 quarlo-, 2 salas, c isinha fora, coxelra ,-ara
receber 6 cavados, ten.lo junio urna outrn mais
pequea, c mi 4 (|oart,,-, 2 alas, c.,-iiiii fora : e
traia-.-e no lugar acuna, coin 0 5r Pacheco.
Deseja-se ana pe--,ci habilada que lenha
bastarte pratiea, de cuminerriu de e-tiva, para
tomar cotila por balau(>, de um eslahelecimeoto
de mol hados; nu qn- lenha habiliticrj para asso-
ciarse: quem live eonscienria de -oa conduela e
oS requisitos para tal lim, deile cari i fechada nesta
tynographia, com as letiras Y. Y. Y. para ser pro-
curado.
~ No Diario ile i'ernambueo u- 270 le '> do
correte me/, li um annunriudoS/. Manuel da Sil-
va oves G utiti >o (alias Cavalcaute segundo sua
assignatura) no qual responde lim .) Uro que li/.
publicar n.i mesmo Diario e acerca de um supp-i
lo debito meo para com o mesmo .-eolio! :
peito nada mais tenho a dizer sena,,, que
quanlo disse no meu annuocio
perante ns trihunaes sera
vistn como pura mun um misterio a existencia
de tal divida.
Recife, 3 de d-z mbro de 1863.
Vicente t'erretra Simes di- Paula-
Alnga-se a casa le rea da rna de Santa Una
n. 69, junio a igreja, lendo boos e >mmodos, quin-
tal e cacimba, e reedificada de pouco
rua do Imperador n. 81.
Alugar uina ama de, l, ite, para amanuntar urna
chanca recem-nascida : ua rua da Giuz do Recife
n. is segundo andar.
Precisa-se de nina ama para o servico do urna
s pe.-soa : ua rua do Caldeireiro u. 70
Offerece se urna ama poringoeza para casa
de pouca familia ; qoem pretender dirija-se a rua
de S. Francisco n. 70.
Pele-se aos oradores do Sr. rapitSo Antonio
Jo.quim de Mello, a viren a rua do Livrauento
o. 38, tiara reeeberem o nliiuio dividendo, uceado
cerlos de que nao recabeodu al ao lim do correrte
mz, sera suas impcruticias recolhidas ao depo:iio
geral.


vi
i.. ^r.__r


^,_
Diario de Pemawbaeo Quinta eira 9 Dczciultra de !*>.
CONSULTORIO MEDICO-CIRIRGIC
DO
DR. PEDRO DE ATTAIIYDE LOBO MOSCOSO,
HUIIICO, PiRTEIRO E OPERtDOR.
3 Ra da Glora, casa do Fundao 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s 11
aoras da manliao, edas 6 e meia s 8 horas da noite, excepgo dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio lia sempre o raais appropriado sorlimento -de carteiras
lobos avulsos, assim como tinturas de varias dymnaoiisacoes e pelos presos seguintes.
Carteiras de 12 tubos grandes. 1 000
de 24 tubos gi andes. 180000
de 3 tubos grandes. 240000
de 48 tudos grandes. 300000
de 60 tubos gran les. 350000
I'repara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
m tubo axulso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
IJV5 Os o
A melhor obrada homeopathia, o Manual de Medicina Horaeopathico do Dr. Jahr jest montada
doos grandes volumes com diccionario............ 200000 com melhor perfeico possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido e nonilbabilitoda
Heriog........... 1000'i
FABRICA A VAPOR
Ama de leie.
Precisa-se de una ama que u-aha bom leite, para
acabar de amameotar nina manca de oito me-
*es: na rua du Queimado n. 17 segundo andar.
Na rua Direita n. 78
urna ana para cosinhar.
relinacao, precisa-se de
Precisa-se alugar urna prela para o servico
de urna casa de pouca familia : a tratar na rua
da Cadeia do Recife n. 19, primeiro andar.
BOTICA E DROGARA
UE
B. r de Kuuza A c.
Rua larga ilu Rosario n. 31
Remedios de Raduvay
Prompto alivio.
Pilulas reguladoras.
Resolutivo.
Remedios de Kemp
Anacaliuita.
Salsa de Bristol.
Pilulas assucaradas.
Agua florida.
Pastilhas vermfugas vegelaes.
Cbegados pelo ultimo navio vindo
Ama de leite
Lma preta escrava parida de poucos das, con>
bom leite e acostumada a este servio de tratar de
meninos: na rua da Penha n. 9, .ol>raJo de um
so andar.
Precisase le nina ama para casa de poaeo
ramilla : na rua Direita n. 43 segundo andar.
Precisa-se de dous amassadores para irem
para urna padaria fura da cidade : a tratar na rua
dos Quarleis n. 22, junto ;i loja de fnnileiro.
Criada
Precisa-se de urna criada para cosinhar e com-
prar em casa de Hornera solteiro : ua rua do Quei-
mado n. 41, leja. v
Alagarse o primeiro andar
da rua das Crozcs, proprio para pequea familia
ou para homein solleiro : trata-se do seu
no segundo andar.
do sobrado o. 11
ha
aluguel
\MA
listo os productos seren do paiz.
/
Repertorio do Dr. Mel lloraos............ tOOO
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedios deste estabelecimento sito por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que qui/.erem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
?erdadeiro assucar de leite, octavis pela sua boa conservacao, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparaco, e portanto a maior
energa cereza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer; prompl a coliaV-seno lugar
operario, p ra o que o annunciante julga-se sulDcientemente habilitado.
O 'ratnenlo o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e'
fbocciooaodo a casa ha mais de quatro annos, ha moitas pessoas de cujo concedo se nao
pode dtividar, qje podeio ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-so 2J por dia durante (50 dias e d'ahi em diante 141500.
Asoperaces sera previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
da a menea.
99 RA DO MONDEGO 99 Tendo a irmandadelol)ivioo Espirito-Sanlo
Deposito na rua Xova n. .<> ioia tle n luioeiro da igreja do Collegio, resolvido em sessao de mesa
dono deste estabelecimento par.eeipa ao respeitave. poE que sua fabrica 2SStttt?tt'SSK
S que existem na Europa, e que pode fabricar mesa r-gedora aquellas pessoas que se acharein
'habilitadas a mandar ezecutar semelhaoie obra,
arem a planta que se acha exposta na sua
e a apreseniarem as suas proposta no
pra-o de 40 dia- contados denla dala. Con.-iiorio
da irmandade, em 10 de onverabro de 1865.
O esenvao.
Francisco Determino dos Santos Frtilas
Aluga.se o tt-rceiro andar da casa n. 88 da
rua da Imperairiz, e o sino u. i da entrada do Ar-1
raial : no na da Aurora 11. .'Ili,
Na eliqi eta tem Sempre urna aguia.
PREGO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... yoo
Urna arroba........190000
Na mesma fab ica acaba de se montar urna ollicina cora serrara a vapor Dara
obras de marcineiria propna para edificio, para o que encarreg -se de fazer portas, ja-
nellas, assoalhos (parque francez como se usa na Europa,) earroacoes, tudo com brevi-
Toma-se qualquer encoinmenda para fra da cidade, entregando-se
t
Precisa se de urna ama para <* de urna s
pessoa : na Boa Vista Uecco das B.rreiras n. 3.
Aluga-se o terceiro andar da casa da rua da
Cadeia n. 4 : a iraiar n i armaz-mi la mesma.
Precisa-sede umcixeiro de I i a li anoos :
00 pateo da Ribeira de S. Jos n. 23
O moco de 18 annos, que se ofiereceu para
ser caixeiro de algum armazem de molhados, ou
loja de fazenda, querendo ser de um armazem de
carne secca : apparega na rua da Praia n. 74.
COMPRAS.
Ama 'e laiie.
Comprarse
umcavallo, habituado a andar em cabrio-
Preeisa-se de urna ama de leite : na rua do Im- let: na livraria da prai;a da Independen ;ia
perador 11. 42, terceiro audar. se dir.
Alugam-se tres casas na povoai.o do Silvio Goilherme de Barros compra e veu-
Monteiro a niargem do rio, cun mudos de eflectivamenie escravos de ambos os sexos :
bons COmmodos e em muilo bom estado rua JO Imperador n. 71,), lorceiro andar.________
de limpdza : a tratar na rua do Grespon.I _~,Corai,ra,s, ouro. prau e pedras preciosas,
20, esquina, cujo preco
zoavel.
de alugnel ra-
IiE
COjEjLIIO & FREITi
Rua la Cruz n. 16.
Continua a baver diariamente um sortimento de pastis, podios, bolos inclezes
empadasef. ele. Os dooos deste estabelecimento, acham-se as melliores condin.es
iie poder Stisfazer encommendas concerotnles sua arte, em consecuencia do socio
Metas ter sido admioistrador ebefe de algumas das princi. aes fabricas na corte, sendo
i una a do s>r. Joao Goocahes GuunarSes (coofeitaria do Leo) antiga casa de Carceller
lodos os trabalhos sao dillerentes dos que se fazem em casas particulares.
1 Os propietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas nem se
pooparao, se hoover coDCorrencu como esperam ; tendo continuadamente bom sorli-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambemse recebem para se-
abrica sao hoje asss conhecidos para que seja necessano insislir sobre l|H^!2f ? 2? "T *? ** "J''"0"0 suPenor, secco e cryslalisado, dito em
e aramias que oiTerecem aos compradores, cualidades estas incontesia-1 nei mlicamente recnadas, pudendo durar annos em perfeito estado.
1 ara jamares c partidas iec.bern-.se in.ummendas dos seguintes obiectos-
X. 5o.
DE
J. V1GNES.
Rl'A 0 IMPER ADOR So.
sua superioridad-, rantagen
eis que elles lem deQnitivamente conquistado sobre
11.'
-
todos os que tem appareeido nesia praea ; pos-
deijas ricamente enfeitadas
seguintes objectos: ban-
obedecem a lodas as vontades e caprichos das pianistas, sem ueijas ricamente enleififlas sem armican nenas de amendoas (noace>) ditas de lamins
3 feloullimam-nlemolboramentos importan-, de OVOS, paes de l enfeitados C001 distiCOsTnalogOS a qoalqbe? fim dHoS loSdof
kechs simples e enfeitados com Inicias '
iogleza ; gatheaux de la reine, ditos de le du-
Em casa de Tiieotl Chrisliauren, rua do Tra'
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaos, encostra se ef-
fectivauenle deposito dos arligos seguintes :
St. Julien.
St. Pierre
Larose.
Ciiaicau Loville.
Chateao Margaoz.
Giaud vin Chaieau I.afilte 1838.
Chairan Lalnie.
Haut Saulerues.
Chatean Saalernes.
Hliateau Lataur illauche.
Chaieau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
Os abaixo assignados declaram ao publico
e com especialidade ao carpo du commerclo que
Antonio Ci-nleio Lopes deixuu de ser caixeiro dos
momos. Recite :0 de npvembro de 1863.
AI ves & Lopes.
em obras velhas : na rua da t'.adea do Recite,
jajie onrives no rco da ConceicSo.
Compra se carosso (sement) de aigodo :
armazem de afgodao de Saunders Brotbers &
no caes de Apollo.
00
a,
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-se Da praca t"a ln
dependencio n. 22, loja de bilhetes-.
Compra-se o engeoho de espremer cjs que
foi do fallecido Vicente Perreira Gomes, ou faz-se
onlro qualquer negocio
casa n 2 da rua Augusta.
no segundo andar da
snindo um teclado e marhinismi
oanca f illiar, por serem fabrica
sissimos para o clima deste paiz ; quaotu s vozes, sao melodiosas eflaniadas, e por isso"muilo"g'rada-
veis aos ouvjdos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, Unto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio icnesc' tortas de fructa, massa folhada ; ditas de peixe e carne: cremes'e doces de civnn' aria ^ Pfci recebem-se encomm.mdas de fogo
correspondente de J Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes. de differentPS especies a di
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimento de msicas do? i Tamhem lem um
nelnores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmoni,-os, sendo tudo vendido por
oreos commodose razoaveis.
Mappa-niundi-pl;uns|ilierico,
Na ma do Livramento n. 19 compra se um map-
pa-planispherico.
.Hjipi>a-mup(li|ilaiiis(ilieiico.
Xa rua d-. Livrameulo n. 19, comprase um
mappa-plani'pherico.
Jomaos para embriilho
Compra-se a cinco mil ris a arroba
da Independencia n. 22.
na praca
.FOO IIP AR.
.No armazem da bola amarilla no oiio da secre-
sm-se encommen
ior para denlro e fra da prouincia.
-?m
uao da silva Ramos, me lico
pela universida le de oimbra, da
H is em .-na casa das !i
11 horas da manhaa. e das
.*.
a
as r,
la tarde, v sita os doentes em su
,' casas regularmente as horas para M
'. i.--" designadas, salvo os casos ur- s
"- gntc3. i|ue -ci."u succoriios em ^
qualquer occasiSo. D consultas aos
pohres que o procurarem no los- M
* pilal Pedro II, aonde encontrado ij1
diariamente das s 8 horas da S8
manha,
T-iii sua casa de sade regular- .
* mente montada para receber qual-
quer lente, anda mesmo os alie-
a nados, para o que lem commodos ^
^' apropnadis e nela pratica qualquer
& opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
M Primeira classe. .30000
f Segunda dita... .3-5.*00
Terceira dita .20000
Este estabelecimento j bem
ri acreditado pelos bons servicios que
M tem prestado.
. O prnpnelario espera que elle
continu a merecer aconfianca de
que sempre tem gozado.
MIMUI
f
Precisa se de urna ama para andar com um me-
nino <-. fa/.er mais algum servico em ca;a de fami-
lia : na rua do Qu-imado n. 39, Ioia.
Precisao.
Xa roa da Cruz, armazem n. (a, precisa-se alu-'
gar urna muiher capaz, de boa conduca, que saiba :
cozinhar, comprar t fazer t"do o mais servico de
urna casa de familia (meos Conduzir aiuas quer
limpa- ijoer servidas), prefere-se escrava, que seja
fiel. Garante s.- pagar .-e bem e com promptidao.
Amonio Jos Rodrigues de Souza, na rua do ^
'"'-iion !-' ..u,.o .un <....' c .-lio no Mullir.m!
em frente ao oit-da igreja, leudo o sillo pomo
de ferro, cacimba com boa agua, estribara e co-1
ch.-ira, e a ca.-a \ -alas, 7 qnartos, e 113o, a qoal
muilo fresca e esta de novo nem caiada, coocer- i
lada e pintada : para r, as chaves eslo em a
casa doSr. Nicolao Machado na mesma povoaca. I
complelo sortimento
do Porlo
i veja, licor
i fe i tos e ma
.condicionar tanto para a provincia, como para fra.
: \inhos engarrafados, como sejatn : vinho
superior, Figoeira, Madeira, Lisboa, Cl.erez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
ies, charapes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas con-
ais eofeites. Minios destes objectos mencionados podem-se perfeilamene ac-
Hlf
DE
CAVALLO
ASTHMA ASTHWA ASTHMA
SUFFOCgAO NERVOSA E OPPRESSiO
lmeo remedio efficaz para comhatlir eslas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
" .u ; T['1Z""TC, f"'""" "n5aramare<) 'l0 hr Daet. l.escobena inieiramente
SIL 'U;SC m' PrPgad<> cnni trema rapidez gratas aos admiraveis resul-
que lem sempre prodiizido.
Comercio. Paris-Grenelle, e em todas as
lados
Xa noiiede 18 para 10 da crrenle urloa se um
I cavado mellado caxito, da e-tra baria do seo dono,
comsellim oglez qoasi novo; cujo cavado tem
cimas e cauda preas. a- cimas sao grossas C ca-
' hem sobre ambo.- os lados do Descoco, e (em urna
, frula pi quena na m;io direita ; est acosluroado a
; andar em cabriolel a 6 bem conhecido nesiv praca:
quem delle der noticias certas ou leva-lq Estan-
' cia, sobrado de di ^*-.C* ClIJ i IMBl MJi
V E S D i S.
C Ult^O I6 Ri TICO
IiE
t -
oda g
Vende.se esta cxcellenie obra
gia
i na- principaes li-
ianos.


Precisa-se de um caixeiro d-- 12 a IV annos
para caixeiro de taberna e que ten ha algoma pra-
tica da mesma, prefere se Portuguez : a tratar na
____ rua da Moed.i n. 29.
Xa praea da independencia n. 33," oja de
onrives, rompra->e ouro, prata, e pedras preciosas,
e lambem se faz qualquer obra d.....icommenda, e
todo e qualquer cuncerlo.
0 abaixo a-siguado declara a quem inters"-
sar, que nao lem e nunca leve Intervengo alguma
com a photographia Cruzeiro d.
Xorie.
J. lionnefond.
Xa
AFRififCM
Pedimos a lllm.3 cmara municipal da cidade de
Olinda, qae tenha a bondad- de lancar suas co-
pi isas vistas no primeiro distrirto da freguezia de
Maranguape, q i- pagain os direitos acham-se qoasi privados de
sen< oe;ocio, pelas casas particulares de neg-
cos pols que ditas casas vendem todo e qualquer
gen-ro a lempos, sem licen^as sem afericoes,
:e;u que ion dilo lu^ar baja li-calisacao.
A tugase
urna grande ea=a terrea com sitio na rua de Joao
Fernandos Vieira : a iratar no sitio dos quairo
na mesma rua, das e horas as 8 da manhaa
e das } da tarde em diante.
Precisa-se de dous trabajadores para
ria : na nu Direita n. 24.
MI
pada-

ntista de Peraambueo.jj
Kua estrella do osario n. 3,
a o |c da ireja 5
^FRANCISCO PINTO OZORIOf
B Col loca lentes u lili, i.. s j
pelos xysteuias mais mo- S
M deruos sj
| Emprega todos os meios scienlilicos para Ig
n conservar os naturaes. Pode ser procura- S
8*) era sen gabiu.-te das 9 horas da ma- H
Jjif al.t.i ,i- .'< da larde. ^s
'mmmm mmmm mmmm
.diauel Power Joliiison A Coipanliia
Kua da >enzalaova n. 4.
AGENCIA DA
FnadIco de Low Hoor.
Mchicas a vapor de 4 e 6 cavallos,
.'duendas e meias moendas para engenbo.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo,
Arreios d<' carro para nm e dous cavallos. I
Helogios de oto patente inglez.
Arados americanos.
-Ma binas para descansar algod.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
retinara da l'as-agem di Magdalena pre
cisa-se de dous batedores de assucar que seiam
perfeitos em ,-ua proli.-sao, quem .-e julgar habilita-
do dirija se a mesma relinaria, uu ao trapiche da
Companhia, na prag doCorpo saotq. Tambem
precisa se de om.horoem qne. saina ler e queira
ocenpar-se em entregar pao e assucar aos fiegue-
zhs em urna carrosa.
Offerece se orna senbora portugueza capaz
liara cozinhar com todo o asseio, em casa nacional
ou eslraogeira, desde as horas da manhaa as 7
da ii.ule; quem precl-ar pode dirigirse a rua do
liarlliolomeu n. 'i9 que achara' com quem Iralar.
- Xos abaixo asignados fazemo scienle ao
respeiiavel eorpo do commercio, e a quem mais
possa inleressar; que no dia 2i d>- noverobro dis-
solven amigavelmenle a soeiedade que tinhamos
nos armazens da rua da l'raia n. 13 e lo conheci-
aa sob a razao Hamos de Oliveira & C. licando a
eargo do socio Ramos de Oliveira toda a liquida-
cao da mesma firma.
Hecife, G de dezembro de 186$.
Jos dos Santos llamos de Oliveira.
Amonio Vasco Cabral.

de Guaco de Pascal urna nova preparacSe da qua
O Alcoholado
hasta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo infalivel do contagio venerio (ver
tolheto para o modo de o impregar).
2o Tem a vaotagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulcerucoes primitivas e secun-
darias, ec.
3 Empregado
o melhor tratamento dos eorrimentos
pessoas dos dous sexos e da leucorrhea as
8w em iojeccOes,
recentes ou chronicos as
mulberes.
4 Enifim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e fe-
nchs de ma natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda a acc5o mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvacao
dos dtstmctos doutores Ricord, Bauchet, A. Richard, Calvo, Diday
Melchior Robert, Gostilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre. Casa de expedicao, PASCAL e C, 33, rua Monsieur-le-
l'rince. Paris.
Grande B
zar
Carncirn Viaima.
E' chegado a este cslabelecm-*nto os seguintes
objectos : cadeira de palha para enanca com la-
lanco, bercos de novo modelo lambem de palha. e
oulros mullos arligos destes gneros ; pede se aos
senhore.- que eocommeudaram alguns objectos
destes, o favor de vir escolher logo us que preien-
dem querer.
Objectos de metal das seguintes qualidades, or-
nas para cha, chaleiras para fazer-se cha', appare-
Ihos de almoro, diio de jantar e todos os mais ar-
ligos que se poden) desejar deste metal por preco
muilo commodo, que a lodo- deve agradar.
Espedios de ludas as qualidades para ori.Mmen-
to de sala, tpeles, alcatifa e outros mudos arligos
que por gosto se pode visitar o grande Bazar, o
qual se acha aborto desde G horas da manhaa ale
s 9 da n-'ite, na rua Nova n. 2 1 e 22.
vrarias desta cidade. a '> cada exemplar.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidtdo em um
Governo Representativo uu principios de
Un cito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Genks, por Silvestre l'inheiro
Ferreira, em 3 volumes broxurados por ~-$
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independencia.
Attenco
Vende-se relogios de piala dourada por muilo
baraio preeo ; na praca da Independencia n. 18
e 20.
Aos tabaquistas
Vndese as apeciaveis ca xas pira tabaco, bem
feias, obra fabricada uo Aracaty. por muito baraio
preco, para acabar ; na rua da Cadiia (Recite) n.
7,luja.
iialcao
mmmmmm
lr Companbia lidelidade de seguros -rf
>0 martimos e terrestres
^ estabelecida no Rio de Jaueiro. 9
S AGENTES EM I'EllNAMBUCO
^{ Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
Sjk compeleutemenie autonsados peladirec-
5 loria da companhia de seguros Pidelida-
I de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n. 1.
Aluga-se
As casas da rua dos Prazeres do bairro da Roa
t' "' ,Ae n- l-B-, ambas novas e pr
Ib* mensaes cada urna : a tratar na rua Estrella
do Rosario n. 28.
Precisa-se de urna engommadeira :
na rua do Impera Ior n 17, segnndo airaV.
Precisase alugar um mnleqoeacos turnado a
servio do campo : a traiar uo armazem da rua da
Cadeia do Hecife u. :i.
Deposito geral em Pernambuco rua da Cruz a. 22 em casa de Caros d- Barbosa.
aoNal
m
m
geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
lina liauca em dinheir<, lepostado nos cofres do estado, girante a boa ad-
miiiistiaco da companhia.
DIRECCO GERAL
nadrid : Rna do Prado n. ID
sta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoe? de supervivencia dos seeu-
e a vida. r 8
Nella pode se tazer a subseripcao de maneira que em neuhum caso mesmo por morte do
Aluga-se urna casa para se passar a resta na
entrada do Poco da Panella, para grande lamida,
e um sobradinho na cidade de Olmda rua do Hora
fim : quem as pretender dirija se a Fora de Portas
rua do Pilar sobrado n. 23, primeiro andar, a fal-
lar com Manoel da Silva Xeve-.
O abaixo asslgnado lem justo e contratado a
compra do sitio da rua de S. Miguel n. 125, ao
sr. Alexandre Jos Gomes e sua muiher: quem segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
BANQUEtROS DA COMPANHIA
O Banco de Elespanha
E:
ros sobre
pois se julgar com diredo sobre elle queira ao-
nunciar no prazo de 8 das a contar da data deste.
Reciie 1 de dezembro de 1865.
___^______________AntoBio ios Bezerra.
Aluga-se urna casa nova de taipa muilo bem
construida para pequea familia, com excedente
agua e algumas frucieiras e bom fresco, no sitio
da Tamarmeira do lado da estrada do Rosarinho :
a traiar no mesmo sitio.
Precisa-se alugar urna prela que saiba eosi-
libar : na rua da Soledadc o. 10.
Mudanza.
Jos Pedro do Reg mudou sua residenciada
rua das Crazes n. 18 para a do Imperador n. 43,
segundo andar, onde continua a receber escravos'
de r..'i:i 1--.1 ..
Precisa-se de urna ama, quif saiba cosi-
nhar : na rua do Queimado. travessa jiara a rua
Eslreilado Rosario, n. I*Gloja de miudesa.
Precisa se de um amacador Da padaria da
Soledade n. 14.
Olferece-se urna pessoa para cosiobar e em
gommar para casa de homem solleiro: na rua de
S. Bom Jess das Grioulas n. 23.
Na loja n. 1 da rua de Queimado existe orna
carta para o lllm. Sr. Francisco Pedro da Costa
Moreira, estudanle de preparatorios,
lia rua da Matriz da Boa-Vista, toa para
alugar, ux primeiro andar da casa n. 2 iCpra
) mudos tOSUBSOS ebem reparlido.
Sao tao supreheudeutes us resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que anda mesmo diminuiudo urna te^a parte do ir.teresse produzido em recentes liquida-
coes eco.nb.uaiido-o com a mortalrlade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
S"2lS0*1"'* HqaMaejoes, enz segurados de idade de 3 a!9 annos, umaimposicoannua
de 100# produz em effectivo metlico:
No fim de o annos.......1:1195300
de 10 t.......3:9423600
de 1S........U:208200
* de 20........30:256*000
de 25........80:331*000
as idades menores de 3 annos e nzaiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospect e mais informales serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim huza de Oliveira, rua da Cadeia n. 52, ou a Roa-Vista rua da Imperatriz n. 12
ment dos Srs. Baymundo, Carlos,Leite & Irmo.
HKSRH3KStflt9i
DEPOSITO DE CAL ADO
FABRICADO .\A CASA DE DETE.XQAO
Rua .\uva n. ttl.
Ahi se encontraro obras de di-
versas qualidades, e por preco mui
diminutos, a retal lio e em porces.
S se vende a dinheiro.
; Precisa-se alugar um escravo para
servigo interno e externo de urna casa de
lamilla : na rua do Queimadon. 29.
Precisa-se alugar um moleque ou urna escra'
** na rua <* t.|vrament0 n. II, 2 andar.
Precisa se de nma ama que saina engom-
mar para casa de pouca familia : na travessa dos
Quarleis n. 34, sobrado, outr'ora rua de S. Bom
Jess das Crioulas.
Precisase de urna senbora capaz para fazer
companhia a duas senhuras e azer o servido da
casa: no pateo de S. Pedro n. 12 primeiro
andar.
Precisase fallar ao Sr. Luiz Francisco Pereira
Braga, nesta lypographia.
S16UR0S
Vende-se nm balco de amarello que anda nao
foi servido, Obra muilo bem leda, sendo dilo Par-
ean ruin volla, propria para loja oooutro qualquer
estabelecimento, por mdico valor; na rua do Vi-
garm n. -JO ou ca'es de Apollo no deposito de sabo.
24 -CAES 22 0O0VEiB0'-~24
Paulo Jos Gomes & Mayor.
Estao-se acabando as taboas qu-^ temos annun-
j ciado; porlanto as pessoas que anda lem vontade
;de fazerem casas de madeira pa a moradia, ditas
i para bauho, quartos para agazallm de prelos;
aproveitarem, pois na realidad- 6 liaratis>iino, la-
| boas de 22 palmos de compriin. oto, t Mlegadas
Wi I de largura, e I de grossuri a 7',00 a duzi.i. e de
%&'M'fK0, f"rro i5'i00' Tri,v,'s- enchams, e calbros de pi-
s nho, lambem por preco que agradan) aos eompra-
' dores.
Na rua Direita n. 84, ha
constaniemenie para ven-
derse cylindros americanos
chegados de Philadelphia o
mez passado.
Vende-se
MARTIMOS
estabeleci-
SITIO.
'>JS
I Aluga-se o sitio ao Konarinhu n. 2 junto a capel-
la, com bastante arvoredos de /roclo, casa, co-
cheira, boa agua, por prego muii. commodo : tra-
ta se ua rua Nova o. 55, ou rteci/e na rua da Ca-
deia n. 3.
Casas
Alugam-se duas casas novas na freguezia da
Roa-Vista, rua do Principe o*. 4 e 8, com 3 toar-
los. 2 salas, cozmha fra, quintal bom e murado,
cacimba, sao muilo sadias: a iratar oa /na Nova
numero S.
m
m
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamenlos. ecootral
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
mmm mmmmmm
O Dr. Carolioo Prancisco de Lima San- M
tos contina a morar na rua do Impera- 3
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu SU
gabinete de consullas medicas, logo ao Hf
entrar, no primeiro.
O mesew doutor, que se lera dado ao
esludo lano das operares como das mo-
lestias internas, presta se a qualquer cha-
S dTdddadqeUer Paf* deD'r0 qer Para ffa 1
a taberna do pateo do Carino n. 5 : a irahr oa do
Campos rua e.-tr.-ua do Rosario n. 47.
A llencaot
Vende-se o sitio de Francisco de Assis Pereira
Freir no lugar da Capnnga (porlo do LasserreJ
a traiar com Augusto Cntimo de Figueiredo pro-
curador do mesmo Sr. Freir.
Breo em barricas pequenas.
Cera em velas de todos os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na ma do > igario n. 19, primeiro andar.
Vinhos finos.
mmmmmm
Attenco
'recisa-se de urna ama que sai-
)< muito bem cosinhar e que faca
compras: na rui da Cadeia do Ue-
eife n. 38, primeiro andar.
Mmmmmmwmmmm
Precisase saber de Antonio Fernandcs da
| Silva, ou de seus berdeiros residentes neste upe
que lem em Perlugal; i rua do (ueimado o. 3*2,.
Ipja.. J
Mmmm mmmmmm Mmm
Superior vinho do Porlo das marcasPedro V e
rainha de Portugalem garrafas sodas por ter
dado o cupim as caixas, e por isso se vende por
baraio prefo.
Ha tambem as mesmas marcas em caixinhas de
duzia, hem cuino harnhnhos de Vio de ptimo vi-
nho tambem do Porto, e tudo se vende por preco
commodo para acabar.
No armazem de Ferreira & Matheus, rua da
Cadeia do Reeife u. 62.
7 4 'PECHINCHA
53Kua Direita53
Salitre refinado muilo fino (ai 54300 em barrica,
lona mudo larga propria para encerado de barca-
fa e camas de vento 1 a vara, camas de vento a
55, e de encommenda lona do reino com tazas de
cobre a 7.5500, espingardas dous canos muilo finas
a 255, 355, loi e 605, facas e garlos cabo de viado
35500, balancas finas 55. peales e enfeiles para
senhoras tudo de bom go-io modernos, bandejas
finas, ludo pelo barato preco que s cora a vista se
podera ver.


m m
iTt
1
L


Otarlo de i ernambueo t|uiiiia eia 9 de Dezcmbro de i
-
Rival sem segundo .
Roa do Queimado ns. 49 e 55, luja de
uiiudezas de tres portas, est quei-
maudo tudo boiu e barato, quem qui-
zer ver admirar venham loja do
Bigodioho.
Caizas de papel amizade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
Crozas de botSes de louca prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de peona de ac fazenda boa a 40 rs.
Pecas de tranca de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas nissimas para (impar dentes a 240 e
340 rs.
Pecas de ta de eos estrellas com 10 varas a
32 rs.
Caizas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pecas de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos muito tinos para voltarete a 200 e
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de macar perula muito lino a 200 rs.
Frascos e garraflnbas com agua de Colonia a
00 rs.
Francos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Caizas com 12 frascos de cheiros muito finos a
1*400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes
320 rs.
lluza de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua deniifice superior qualidadea 800 rs.
Carias com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
15-200.
Francos com essencias para tirar ooduas de roopa
a 500 rs.
Frascos con cheiros de lodos os preeos a 100,100.
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de ir.eias muilo linas para sentrora a
4*800.
Golliuhas muito linas para seubara a 200 rs.
Caizas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Pec*s Aetha de la para debram de vestido, com
10 varos a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Baneeos de choro e panno a 160 rs.
Cataas-Dom bonitrs estampaa pura rape a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Srosas de boioes pequeos pretos para calca a
IOOts.
varas-de cordo de espartilho a 20 rs.
Tovellos francezes com 20f jardas a '40 rs.
Pecas de tiras bordadas a '640.
Duzia? de meias cruas muite fortes e superiores a
35500.
CU* LES
Grande pechenctra.
No ra da Imueratriz n. 52 noria larga de Pare-
des Porto, vndese chales de merm eslampados a
2 e 23500 e finos 55, esio se acabando.
Bordados.
Chegou a loja de Paredes Porto, ra da Impera-
triz n. 52, mu sonimento de camizinhas, gollinhas,
corpinhns, roiueiras e sintos, de ramhraia branca,
pelo barato precode 23500, 3?jo00 e 5, golliuhas
500 rs., romeiras a 800 notos a 800 rs, grande
quanlidade de ntremelos a 600 e 800 rs. a pega,
-estilo se acabando.
lL&T61ilAllA
Na loja de Andradei Reg, ra do Crespo n.'O,
esquina da roa do Imperador, contina a vender-
se superior slgodio da Baha por menos preco que
em oulra qualquer parle.
Vende-se u< escuro cabra escoro, sacateiro
e cozinheiro. barato : -nc ollegio da Conceicn eos
Coelhos n. 12. No dmsiro collegio-se singa um
.grande siiio cora toalla ilracta, bauho, etc., na Ta-
marineira.
G\Z.
No armazem da ra do Imperador n. 3
Caes de Pedro II r. 2, lera para vender-se
.-.or gaz existente 00 mercado.
ou no
o me-
O Peitoral de Cereja,
DO JJK. AYER,
fESftwa.
PARA \ CURA RAINCAT. ECRE-
TA do iuJ:i- as molrrtiafl lo peito
< di garganta, toreos, esnetlpafdea,
Itl'rtclii: asma, ili-l:n..s, raqul-
Coi]oe]iielic,angina, HBptheria.
Ksti- .\:n< ].< |a-itural .' o n-sul-
.-.xi. *.. lo. gOll anuos *u estado
j,w. ,;:n dofl V''i"" iros iii,.-li-i>s da
Anerica do forte, < de xperi-
cucia- minnoRaa nos prinolpaei
iiof pin*-1 ilo mundo; "8 rercHuau pelos madieos mais <]tinct03-
di si ih ilo na roa Batea pacttaslar, Bartanto digno coiiliam;., 1", p r r .5-,,:.. ai.a:.. an.loiota ana '.'zainfal-
hrel o ai ente da aMlnalla anancmdo Ihe as mizos, w-sim
feado-Mi orgaoaaleeladaaaanajieeo natural o al: 'i; por
t applkamt a ifUqu ^petada ie qwUquer taVxfa
o./ aaxo,aB domen ranartn en ortantada-maltenraldade,
eada&aaa nodo i iimaiiaafliartn ii dTeeoSaiiahirlnaaa:~
.t, e ttltiiHA! i'"r nao str um r^marfioMcrclu, pot, qualnicr med-
ko ou phxrn aecutico poe eMer a -f. mala ila aaa compouicJo,
i|irgiulo-s. pemoalmenta por taat* "' agente gand H. M.
X.vsi:. rus. Ilireiln Xo. 15, Ko de u'jii-iro.
MitOS ejatOS que linlio >mlia(lo 'le tcxlos ^s recuros
.:i ciencia icm sido urailo nkBeattmciite -oin-o nao
Peitoral de Cereja.
A- ]it-s*>n .ilutadas de toaae, defluxos, Dir d f/unjtmla,
BinmfUTfi, ama, '.. e outros rymptoniasda tsica prima-
rio granttentc Gaaeni poueo caso do sen paotebneino at
que aeja ante pat cnra-lo. Nao iVjscuide'w porque agora pareas de poooa liuaimaayia urna tosse
descuidla dtega oacr lironiea e inthi a tormaco ic
TaoerenM nos polBI&ui.
Ncnhona asa de 'tmili.i deve estar aera aun frasca
dste sasanfl i ino-; \>ois nos ataque* i. p.^im-.s de
AnqM, di- Cmtip, c nos paroxismos do Coquehcke; ou
ton romprJa qno aatVo sujeitns as eri:in..i. tiio ha
tempode cnaaMtf nm noedico, man de faxer romalna,^
este xaropc alivia kmntadjatamensg c i>oe o lillio ^erido
sao e salvo, fora de ]teri;o.
4Ls molestia ana do PJEITOJCAL DE cmtlU.l o
.Det'.'.xoii, Tosses, Asma, Esquinencia, Bronchite,
Coqueluche, Toaao ferina ou convulsiva.
Eoquido, Todaa aa molestias do peito
6 garganta. ConaumpAo dos Pul-
mes ou Tsica pulmonar.
Adifl.-* ou todaB as boticas e Urogarias do Imperio.
Pihuas Catharticas do Dr. Ayer
CURAO
rfala 'le ventre, JndtgeAto, CntutipncSv, nhru-
mntiftno. JlemmorrlutiAai, Ttbr dr cultta, A Ser ral-
fia), mal ilo mlomatio, Enxaquera, mal do Finad*,
Oaulrite, Fehre gantro.hepattea, Lnmhrian. Erijilp-
tlla, todropaia, Incremento do hoco.
Toda as molestias que provm do uso excesslro dr
Quinino.
0 mlhor purgante at hoje conhecido.
Edas pilaliu astuearadat sao puramente tegilaet.
PTTEO0 E PTTEITICO SEM MEBCTTBIO.
A venda em toda as Boticas e Drogaras do Imperio.
AUEXTK C1F.KAI-,
H. M. LAJE, Ba Direito No. 15,
Rio de Janeiro.
Veode-se em Pemambuco:
na
PHARMACIE FRANQAISE
DERMAURER&C'f
sy.
RA NOVA N
Grande loja e armazem do
Pavao.
Ra da Imperairiz n. 60. de Gama & Silva.
Tendo os pruphelarios d'esle estabelecimenio de
liquidaren) urna grande porreo de .-uas fazendas,
al ao lim do crreme anno, slim defecharem ton-
tas e apurar dinheiro, resoheram v> nder lodas as
faiendas com grande abalimenio em preeos, lano
em porcao como a realho, e por isso previuem a
lodos os seus freguezes, e ao respeilavel publico, e
as pessoas que negociaiu em pequea escalla com
fazendas, que Ueste cMabeltcimento enconiraio
um grande sorlimento que muito Ihes hao de agra-
dar lamo em prefos como em qualidade; assim
como in.'Kidaiii pelos seus caixeiros levar as fazen-
da.- e amostras uas casas das familias que nao po-
derem vir a loja, ou do as amostras deixando ti-
ca r penhor.
Liinliraiiis lisas a 3->HU<, la leja do
ra\o.
Vendem-se pecas de cambraia lisa branca e
transparentes, tendo oiio e meta vara cada pega,
pelo barato prego de 3500, ditas muilo floas, por
4,5500, o, 65 at 10, sendo lapadas e transpa-
rentes, assim como cortes de cambraia com salpi-
cos a 2d00: isto s ua loja < aniiazem do Pavfto,
na ra da imperairiz n. 60 -.; Gama A Silva.
As ciimisiiilias 4o l'aviiw.
Meodem-se as mais modernas camtsinhas borda-
das com manguitos, para senhoras, sendo as mais
mtriernas que tt-ni viudo ao mercado a 4jo(K), di-
las com manguitos, para acabar, a l ; ditas pre-
tas com manguitos para lulo a IfiSOO rs., maugui-
xos e golinbas prelas a 1.5, nissimas golBfta de
cambraia branca bordada a 500 rs., calcinbas para
menina a 640 rs, romeiras fr tilo e cambraia
branca bordada a 4^600 : na loj do Pavao, ra
da Imperalriz n. Ou, de Gama (t Silva.
Cbates de incriH o ;>000.
I Vendem-se os mais moderuos diales de merino
estampados aS3000cada um, havendo lambem um
grande sortimenio dos mesmos matizados que se
j vundem a 6, 7 e 8000: na loja e ormazem do
Pavo, ra a Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cintos do Pavo.
j Vendem-se rlquissimos sinios de filas de diver-
sas cores o dourados com Gvela larga e dourada,
assim como enfeilts para rabera dos melhores e
mais uK'ernos que lem viudo ao aereado ludo
isto se vt-nde por um prego razuavel que muito
Ihes hito-de agradar nlo s na luja e annazexn
do pavo na ra da'Imptratriz n. 60, de Gama As saias do Pavo.
Vefldem-se as mais finas saias bordadas a?a;u-
Iha brancas sendo da nielhor fazenda (|ue tem viu-
do uesle genero, tendo mu a reda, pelo baratsi-
mo prego de 10000; ditas bordadas a croch a
6O0 e 8000, dias com babadinhos a 90O0, na
loja e armazem do Pavao, na ra da Imperalriz n.
60, de Gama & Silva.
0TM vestidos do Pavo a 10000.
Chegaram para loja do Pavo os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente mais delicados bordados de dihVienies cures a pon-
i de agulha, sendo n'este genero a maior novida-
de que lera vindo ao mercado, garanliodo-se o te-
reco mnita fazenda e enteites sufficieutes para o
corpo e mangas, e vendem-se pelo barato <>rego de
tOiO cada'um, na loja do Pavao, na ra da Im-
peralriz n. 60, de Gama & Silva.
Os es|iarlilhos do Pavo.
Tendem-.se um grande e variado sorlimento de
espartilhos os mais benifeiios que lem vindo ao
meicads, sendo de lodos os lmannos pelo barat-
simo prego de i, o,, e 6000, por haver graude
sorlimento, na loja do Pavo, na ra da'tnperalriz
o. 60, de Gama Silva.
letradas retas a 12^000,
Na >Ioja do pavao.
Chegaram pelo ultimo vapor as mnis ricas re-
londas de renda pretas, sendo das mais cempridas
que tem vindo ao mercado, e vendem ?e por prego
muilo em cunta : na loja e armazem do Pavao, ra
da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
rtex le eafiinirit, ptchiiicha,
A 2^800, na loja do pavao.
'Vendem-se bonitos cortes de casimira de cures,
tendo claras e escuras, e vrtndem se pelo barilis-
simo prego de 2s5S't) o corle, ou vende-se a mes-
tna fazenda a 15600 o covado, leudo 6 palmos de
argura : isio na loja e arma'cm do Pavo, ra da
knperalriz n 60, de Gama & Silva.
Os corles ietasimira d IV.ao'
Vendem-se superiores cortes de casimira, sendo
faeenda muito fina, pelo baratisslmo (irego de 55
rada un : na loja e armazem do PaVio, ra da
Imperalriz n. 60, de Gxn Silva.
Os cintos do pavo 1OO0.
Vendem-se cintos de lila com Bvelas pelo bara-
tisttmo prego de 15000 : na loja do Pavo, ra da
Imperalriz n. 60, de Gama c Silva.
Chales prelos de renda a S.sOOO, oa
loja do pavao.
Chegaram para a laja do Pavo os mais ricos
chales de renda prelos, de 4 ponas e muilo gran-
des. vendend:i-se pelo torali- imo prego dy 85000
rada um para acabar: na I.-ja do Pavo, ra da
Imperalriz n. 60, de (ama Silva.
Vestidos iiiliatos a .'{-Mlill;, na loja
do l'aviio.
Vendem-se os mais bonitos cortes de vestidos
indianos, tendo esta fazenda transparente e inleira-
mente nova no mereado, e tendo entre elles u.uiios
corles roaos proprlos para senhoras que eslo de
lulo; e vendem-se pelo baraUssimo prego de 35
cada um psra acabar : na loja do Pavo, ra da
Imperalriz o. 60, de Gama A :'i:va.
Vestidos a 4
Vendem-se orles de vestidos a Mara Pia om
barras bordada*, pelo baraUssimo .prego de 45'M.K)
para acabar : na loja e armazem 46 Pavo, ra da
Impaiairiz n. 60, de Gama & Silva.
Uanyuilos e golas a o 00 s.
Veodem-se manguitos com golar- de cambraia
pelo baraUssimo prego de 50 rs., isto para li-
quidar : na loja do Pavao, ra da imperalriz n.
60, de Gama A Silva.
Cortes de cbita do Pava*
Vendem-fe cortes de chita fraoceza muito boa
com 10 covades a 25400, ditos com l( covados a
25600, ditos com l covados a 25800, islo s
para acabar : na loja do Pavo, ra da emperatriz
ti. 60, de Gama & Silva.
diales de renda a 10-. -. IU, 20# e 250, na
luja da Pavo.
Vendem-se chales de renda prcta muilo finos a
105 e 125, ditos de linho a 155, ditos de seda de
linho dos melhores qne ha cm chales de renda a
20 e 255, ditos brancos de tres ponas a 69, isto
so ua loja e armazem do Pavo, ra da Imperalriz
n 60, de Gama o: Silva.
Novidade
PARA A FESTA
Popelinas a 400 rs.
Popelinns a 100 rs,
Popelinas a -100 rs.
Chegaram para a loja do pavo as mais lindas
popelinas, fazenda propria para vestidos de senho-
ra, sendo muilo iransparentes e brilhantes com as
mais lindas cores que tem vindo, as quaes facili
tam fazer-se um vestido com muila phaotazia i
pour.o dinheiro, e vendem-se, sendo de quadrinhos
a 400 rs. o covado, e as de urna s cor a 500 rs. :
na loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60.
A 3i000 o cfle,
Vendem-se superiores cortes de cassa, sendo fa-
zenda muito fina e de rYes fixas, pelo baratissimo
prego de 35000, e ditas indianas, fazendas trans-
parentes, de muita phantasia, pelo baratissimo pre-
go tarobem de 35, para acabar: na loja do Pavo,
ra da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos zuavos.
Chegaram a' loja do Pavo ti mais lindos cortes
de vestidos com o competente zuavo e cinto, vindo
tudo em um carto, sendo a maior novidade que
lem viodo para a festa: vendem-se por barato
prego na loja do Pavo, ra da Imperatriz o. 60,
de Gama & Silva.
Novidade para a festa,
Vestidos de seda.
Chegaram para a loja do Pavo os mais ricos
cortes de seda para vestidos, sendo em qualidade
o melhor que lem vindo ao aereado; e padroes os
mais modernos por serero quasi todos listados com
cores mui delicadas, aflangando-se ser neste gene-
ro o melher que eiiste : vendem-se por preeos
muito razoaveis, na loja do Pavo, ra da Impera-
lriz n. 60, de Gama & Silva.
\
%
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
' se adiar bem sortido como todos sabem,
1 hoje mais que nunca, no s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
: que recebe de consignar/oes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
preeos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de goslo e proprios do
l tempo dos quaes se mencionarao alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
I dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Hiquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquisstmosest jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuziuho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para eriancas.
Meias o sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de fieros proprias
para casamento.
Enl'ees e capellas de muilo gosto para
seoliora.
Riquissimos porta boquels.
Boquet de llores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda o de Escocia.
Riqotssimas plumas e guarnir/oes para
enfeitar chapos.
Conas e lubos de ac branco, que ha
muilo se desojara para enfeiles.
Brincos, livellas e cruzes de -crystal.
Fiveas e cruzes de tartaruga, madripe-
rula e dourados.
Allineles para gravatas.
Bolees com croas [ara punhos.
Gravatinhas e manlinhas de muito gosto,
tanto .pura homem como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
caixinhas com a fineles pelos.
Rengabas de caima com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de oulras
muitas cualidades, assim como cbJcotinho?.
Riquissimos penles de tartaruga do ulu-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois ueste artigo ha nm completo
borlimento de todas as quahdades.
Diademas para cabtea do ultimo gosto.
Biquissimas litas lavradas e lizas.
Trancas pitias com vidrilho e de .cores.
Pulse-iras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas le seda e de algodao.
Suspensorios de seda e de algodao eami-
tos outros objectos que se nao nodem an-
Duuciar por nao se tornar c-nfadonho.
S no Callo Vigilante ra do Crespo u. 7.
Luvas A loja de Biiudezas na ra do Queima-
do n. K), resebeu-as por este ultimo vapor,
A'oiidsde.
Chegaram os bono> chales e retondas de guipu-
re brancos, e vendem-se na rna da Imperatriz n.
52, loja da porl." larga, de Paredes Porto.
AGUiA WIAMA
Ra do ueimado 11.8.
A loja da aguia biauca acaba de receber um
novo e grande sorlimento de differentes objectos
de gosio e ultima moda, sendo :
Bonitos enfeiles para senhoras gostos ioleira-
meuie uovos.
Dit'i dito.s de gra le com ronlis grandes.
Lindas tivelaa i;uinle.i i ara cintos com moldes
agradaveis e diversas qoalidades, madreperola,
tartaruga, ago e douradas.
Boas e bonitas tilas achamalotadas para ditas.
iies de dita de grosdeoaples lisas e lavradas
com novos e agradaveis deseuhos.
Trancas pretas de seda com vidrllnos moldes
novos e de gosto.
to'os hraocre c. prelos de seda com vidrilhos e
de dill'ereutes Ur^iitas e loniios desenhos.
Cascarnlhai de seda rom diversas cores e lar-
guras, formas luteiratneute novas a tmilago de
palo, babadinho e oulra com urna iransinha no
centro o que Ihes d minia graga.
Oulras estrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito gosto.
Oulras de cambraia de cores.
Boioes de seda, velludo e ago para enfeiles de
vestidos.
Trangas de seda eslreitas e largas brancas e de
cores para enfeiles de vestidos.
tttires finas
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A aguia branca a ra do Queimado n. 8, rece-
beu para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Ditas ditas de caixos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camelias e oulras.
Ditas ditas ou ramos de irigo.
Diversos ramos de flores linas para peito de
vestidos, enfeiles de rhapos ele, etc.
treparos para flores.
Na ra do Queimado n. 8, loja da aguia bran-
ca vende-se;
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para coferir os talos das ditas.
Musgo em rama.
Folhas para rosas.
Auulhas e linhas para aocheL
Vendem-se na ra do Queimado n. 8 loja dt
aguia branca, assim como agulhas para tranalhar-
se em laa.
Grande liquidacfto Seleiros e wmetrof
De fazendas e roupas follas na loja e armazem PE.HINCIIjw
da Atara a ra da Imperalriz 0. 30, de Lourenje Sola de lustre em ptlfeilO eslato,-
Pereira Meude Guimare?. > me0............U Corles de cliila a 2#200.
Vende-se Mirles derhita de edres Hxas a 52oO,
ditos de dita fraiieeza a :i. corles de rambaia e
Cores a 3iS, it 11..- de tilla com batas a .'i-i e 3ot0,
a ra da ImperanU n. 5(5, loja da Arara.
Cbali's de imiiii a 2.J0U0.
Vende-se chales de merm a J, 35, 'A, G, e
8^, riseados escuro> a i'it) a 280 o covado, a ra
da Imperalriz loja da Arara n. 86.
Ituupas Fritas para liquidar.
Vende-se pahlots de bnmdec>T a i e &, ditos
de meia casimira a b$, & e 0>, d tus de panno
lino e de casimira a 85, IO, 125 e li, calcas de
bnm parti e de cor a 2 e iJoGO, ditas de dito
branco a 35o00 e 'i, palils de alpaca prela de
cores e branca a k&SW, 45 e 35, < auiizas france-
zas linas a 25 e 25500, ditas inglezas de pregas
largas a 35 e 353(0, ceroulas ftancezas a 15*)00,
25 e 25600, rolerinhos linos a bOO a duzia, i algas
de casimira a 45, b'5 e 85, a ra da Imperalriz toja
da Arara n. 56.
Lencos de s-da a GiO.
Vende-se lencos linos de sede a 640, 800, 15600
e 15, unos ditos de linho a 45300, 35 e 65, a dita
ra ua Imperatriz n. 56, : ja da Arara.
Chilas de cores lixas a 20 o covado.
Vende-se chitas dt cores lixas a 230 e 240 o
covado, ditas tinas francezas a 320, 360 e 400 o co-
vado, percalas linas a 440 e 500 u covado, alpaca
decores t-ara vestidos de senlura e loupa para
meninas a 360 o rovado, a ra da Imperalriz n. 56,
loja da Amara.
Cassa francaa a 30 o corado.
Cassa brancea se vende a 520 e 360 o covado,
45 Riia Irelia-ii
ENCICLOPDICA
.V Ruada int|>f>ra(-'iz irsuiizcm
da pona larga a. 36.
llanto a padai-ia t'radccza de
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrara o respeitavel
publico um aiiado scrlfinetito de fazendas irauce-
zas, inglezas, suissas e allemaes, o,ue se veodero
por (irego commodo.
Paredes Porlo
Vende chales de rjfflda de cores qne se vende-
ram a 18a usa vendendo |ior 65, ditos prelos, a-
zenda nova, 55,65,-85 a 205, um sorlimento com-
pleto de manteletes, rapas e sootembarqoes i a
255- "ua da Imperalriz n 42, junto a padarla 'ran-
ela, armazem oa p"ria larga.
Paredes Parle
Receben um completo sonimento de iSasinhas a
40, e i80 rs. covaflos, para acabar, cambraias de
c.f a 240 rs. o covaJi'j ri>cado escossri pata rui-
?3 de menino, fostau de linho a 420, o 51 i rs.
Etua da Imperatriz n. 52 junto a padaria Iraii.-...
rmazem da noria larga.
Paredes Porto
Iticeueu para tuitinados para cani fraoceza a
!15 a peca canil raa lisa lina a 35 45 ate 105 a
organdis Bot7s a 360 e '.00 o rovado, pegas decam- PeCJi wrles de larlalana de bonitosg >U 35500
Papel
Acha-se
a venda na livraria acadmica, na ra do Impera-
dor; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Artonio ; e na typographia imparcial, na ra es-
trena do Kosario a c mjulscfn de todaa legislagao
tendente administragao, arrecadago e fiscali-
sago dos dinheiros de orphios defunios e ausen-
tes, ht-rangas jacentes, legados, etc., contendo nao
s o regimeoto de custas e a lei geral das execu-
eoes, como tambem todas as ordens e avisos de
governo, que a tudo tem explicado, tanto a respei-
te as obrigagoes inherentes ao cargo dos differen-
tes empregados de justiga e fazenda, como dosdi-
ri-u naciooaes e emolumenios que sao devidos.
Este, livro contendo mais de 700 paginas era nilida
impressao e bom papel, e prestndose a utilidad?
de diflerenles classes, lorna-se reuommendavel.
Seu custo 105009 por cada exemplar em dous
nmos.
Maeliinas de descaro^ar al-
godo.
No caes d'Apollo, armazem de Tasso Irmos.
Vendem-se superior s presuntos de Weslpha-
lia, rhegados no ultimo vapor: na ra do Trapi-
che n. 9,
Vende-se ou trocase por aigutna casa nesta
cidade, um siiio no lugar das Curcuraoas, cora
bastante ierras para plantagfies, contendo porgo
grande de coqueiros na maior parte novos; tra-
la-se no palpo de S. Pedro n. 24.
mE-SE B\R4Tft
Junto da Ivpo^raphia do Diario, ra
das Cruzes n 42
Manteiga ingleza Una a 15 e 15280 a libra, dita
fraoceza a (J0O, queijos prato a 800 a libra,ditos do
reino do uliimo vapor a 256("0, ditos frescaes a
25200, vinho Figueira a 560, dito Lisboa a 480, dito
Estreito a 440, rafe I* sorle a 280 a libra dito 2" a
240 a libra, ameodoas a 280 a libra marmelada a
640 a libra, cha da India a 25800, dito Ison a
35000 a libra.____________________
Vende-se um molatinho, bonita ligura, de 7
annos de ioade; para ver e tratar, a ra do No-
gueira o. 43.________________
Vende-se urna mobilia deamarello j usada:
na ra estrella do Rosario o. 17, 2 aodor.
Atten$lo
Chegou a nova loja de miudezas a' ra da Impe-
ratriz n. 78. de Manoel Joaquim Dias & C. um
completo soi lmenlo deflvelas e filas propriatnente
para sintos, assim rnn.o uto e variado sorlimeoto
de brincos, ctyslal oppaes. todos estes objectos va-
riando em differentes gostos, por ser dos ltimos
rhegados da Europa, e se vendem por menos do
que em oulra qoalquer parle, para assim aggiome-
rarmos um maior numero de freguezia.
Milho
a 4)5500 e 50000
a sacca e em cuia a 240 rs., farelo novo a 45000 a
sarca ; no armazem da Eslrel largo do Paraizo
n, 14. ^^_
Cal de Lisboa
:: Vende-se a 55 o barril:
armazem de assucar.
'i de sobrecellente para o
pliosphurus hygienievs ou de
seguranca.
A vista do grande lamanho das caixinhas dos
phosphoros hygienicos ou de seguranga, lornava-se
pouco o papel que vem em ditas caixinhas, e para
remediar essa falta a aguia branca mandou vir e
acaba de receber esse especial papel, niual so
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
phosphoros e se vender indisiinctamenie a quem
delle precisar. O prego de cada caixinha de phos-
phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na roa
do Queimado n. 8, loja da aguia branca.
Seda Ironcha para bordar.
Vende-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Crneos de diversos moldes.
Outros tambem de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e outras cores.
Arieregos de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e cruzes.
'Roldes de dito, brancos e de cores para collete.
Dito de dito tambem brancos e de cores para
punhos.
Volias de dito e outras qualidades.
leques de diversas quididades
Venti-m-se na ra do Queimado n. 8, loja da
agu" i > tica.
..upas forte? para bala
V-eodem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Cruiiacome para Ungir ca
bellos.
A 3ua branca avisa aos constantes freguezes
dessa exrellenle tintura, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de eromacome, cotoneme
esabo branco, necessano para lavar os cabellos,
porianlo podem dingir-se a dila loja na ra do
Queimado n. 8.
- bridores de luvas.
Vendem se na ra do Lueimado loja da aguia
branca n. 8.
porl bfliquets
de bonitos moldes, dourados ecabo de madrepero-
la : aeharn-se a venda na ra "do Queimado loja
da aL'iiia branca n. 8.
Oonitas loiiqiiinlias
de fil de linho, cambraia e selim todas mui bem
enfeitadas: vendem-se na ra do Queimado n. 8,
loja da aguia branca.
Currete.is com relroz.
Na ra no Queimado n.8, loja da aguia branca.
Seultures e senhoras
Os proprietarios da nova luja e armazem de fa-
zendas e roupas f- tas na ra da Imperatriz n. 72
de Guimares A Itmao, acabara de rednzir os
preeos de suas fazendas menos 20 por cento do
que em outta qoalqoer paite, alim de apurar di-
nheiro, assim corno s? Ja la/inhas de quadrinhos
sendo escuras a 200 e 220. ditas mais finas a 360 e
4(0 rs, unas transparentes com listas de seda a
320 rs.
Fazendas proprias para a festa..
Vendem-se as mais bonitas bareges de laa e se-
da sendo escocezas as mais modernas que lem vin-
do ao mercado pelo baratissimo prego de 5K0 o
covado, cassas francezas de urna s cor a 320 e
360 o covado, ditas com palrras solfas sendo mia-
das e graudas pelo baratissimo prego de 280, 360
e 400 rs. o covado : isto na loja e armazem de fa-
zendas na ra da Imperalriz n. 72, de Guimares
Si Irmo.
Saias bordadas.
Vendem-se as mais bonitas saias bordadas sen-
do bastante largas e mullo bem bordadas pelo ba-
ratissimo prego de 65500 e 7j>.
Vestidos de larlalana muito fina sendo brancos
com barras de cores bordadas de la e seda sendo
os mais modernos que lem vindo ao mercado e
vendem-se pelo barato prego de 95,95500 e 105-
Mantas de seda para homem.
Vendem-se as mais lindas manas de seda para
homem tendo de todas as cores pelo baraUssimo
prego de 15300, 15400 e 15500 : islo na nova lo-
ja de fazendas na roa da Imperalriz o. 72, de
Guimares & Ir nao.
Colariuhos da linho para homem.
Vendem-se colarinhos de linho para homem
sendo os mais modernos e melhores que ha no
mercado pelo baratissimo prego de 55500 e 65 a
duzia.
Chales de merino eslampados a 2 Vendem se bonitos chales de merm estampa-
dos pelo baratissimo prego de 25, ditos lizos de
lodas as cores a 35800 e 'i.~, ditos finos sendo es-
tampados a 65500, 75, 75500 e 85.
Cambraias brancas.
Vendem-se pegas de cambraias brancas a 35,
35500, 45, 45500 e 55, (lilas muito finas tendo
urna vara de largura a 95 e 105 : islo s na nova
loja de fazendas Ka ra da Imgeralriz n. 72 de
Guimares & Irmo.
Kiseatlos rseoemes.
Vendem-se os mais bonitos riseados escoceze
para vestidos de senhora e proprios para roupas
de meninos a 260 e 2K0, chita.- francezas escuras
e claras a 240, 260, 2fiO, 300 e 320, ditas percales
muilo fioas a 360, 400 e 440 o covado: isto s na
nova loja e armazem de fazendas na i ua da Im-
peratriz n. 72, de Guimares & Irmo.
Camisas franrezos
Vendem-se camisas Irauceras a 15500, 15800,
25. 25500 e 35, ditas com peito de cor a 29 e
25500 : islo s na loja de Guimares Irmo.
Chales de renda
Paredes Porto, na ra da Imperatriz n. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
no to'iue de mofo, a 35500 e 45, fazenda de 105
e 125000._______________________________________
Vende-se a fabrica de charutos e cigarros
ua ra do Brum n. 66, da ra do Arago n. 32, bem afregpezada : a tra-
I ur na ra dos Coelhos n. 2|
braia lisa lina a 35. 35500, 45, 55 e 65, a ra da
Imperalriz loja da Arata n. 56.
ilales a 26000.
Vende se baldes de 20, 25 e 30 arcos pelo barato
prega de 25, 25500 e 35500 e 45, saias toldadas
para senhora a 65500 e 75, ricos vestidos a Mai ia
Pia com lindas barras a 135, 145 's5. ditos de
cambraia boldados a la -da a 85. 95 e 105,
lasinha para tovado peto barato prego de200,240,
320 e 400, ditas de quadros de suda a 560 o
covado.
Todas estas fazendas se vende por barato pn eo,
para liquidar at o lim do rorreule nez, a ra da
imperalriz loja;da Arara n. 56.
OntroN hjoctot*.
Viudos tan.bem para a anliga loja de'
miudezas ra do Queimao n. 16.
Sapalinhos desetiin branco bordados pa-
ra baplisados.
Outros de merm tambem bordados e
igualmente bonitos.
Meias de seda, correspondente no lama- g6j!'
nbo dos sapatinbos.
Outras mui linas de bo da Escossia e
brancas listradas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
bitas de seda para senhoras.
Lisas de dita para senhoras e nieiinas.
e 45, cambraia rom i,- de seda, gosti inti ra-
aietiie rovos a 100 c 500 r.s. o eovado,nu armazem
da [orla larga u. 52, ;ua da Imperatriz junio a ta-
daria fraoceza.
Paredes l'orio
Receben pelo nltimu paquete um sortimenu dt
cruzes rom pedrss par., o pi .-coco, bonitos rai.ii.eis
de la para pesclo de senhora. lina dt Imper triz
n. 52, i iiiiin ni dd |ioria larga.
Paredes Porto
Vende cuites degoiguro preto para veso
covados cada nm 355000, grsenapie pelo a
15600, I5S00 e -25 o rovado, las lizas finas i( 1?
rs. o covado, las de qu&drinho para vestido, : "1 -
tada. a 320rs. o covad Hua da Irxpeaiiiz :. "i.
armazem da pon,, laiga.
Paredes Pono
T< m para venC rpi prego roiiimoilo, pt o,-
esguio de linho t< m 10 varas a 75. 85, panno uu
.ni' pata lenges a 61" e 700 rs. ,. vara, bran an-
te dt bul-i' de 4 laigur a 25200 2530O : gra
Paredes 'orlo
Vende cortes (,- cambraia bordada de
si a Mi-" e |2. rices vestuarios 1 :-ina
j ii.i 1 iiio. lii'i-s r Mes oe cambraia Mara ha a
105 -< v>. tailataia branca e de cor a filo ~
rs. a val., ltua o,, imperairiz armazem oa cria
arga n. 52.
Reupa feila
Ra da Imperalriz n. oi atma/.m da porta lar-
ga jr. oto a paitarla fraoceza, encontrase iie.-:i --
labeiccin 1 uto um comph lo sorlimento de i... tos-
Pet.tes de Urt?.ruW mui lories par, &^ffZ^fx
embaracar. I hupos '< sol, dito frauetzes para .' ot
Cariiteis COlU retroz pretO 6 OUtras cures, pre^-s rommedos, roopa para menino h-ras
Carleiras com a< ulhas. rooit-s lazendas por pregoscommodos, ano m
Agulbas francezas, as afamadas. *,, nfe'siabelocimenlo eneontiar -r--i-
Caixinhas com alnnetes brancos e prelos. [8vn pui neo, senq .- um completo sornme;.--' de
Ilaspas de baleia para Vestidos. rooi^s Inlas de ii-u.u ijnaiidades, r^rro m
r'nas de nlio proprias para ditos. ;,;i1',*d" "'P8" ; **}*e f*Pf<"w -
Caas com linhas de novel!,, grandes^^t \^Z%^s SS?^!
355(10, 15 e 55. ditos caiemira secos 05,7;
e IO5, diios sobreraseus a 10 e 15. ditos d
no saceos a 65, NS H'5. ditos sobn 1;..-.... .
e 2S5, ditos de merip 1 reto a 65, 75 e '"-"
gas de bnm dediverss t|ualidades n l-".- 0
citos I ranc s '' '00, rlilo* nzt 11 na
-3 e 75, ditos preto ., '5,65, 85
metas cazentiras a ".5 e 45, coleles de dr-
qualidades, serooiaa ianrezas ti:' algodin .
lioho, ditas de bramante a 25 e 25-"i00 ca
algodao de linho franmas de 25300 -.
de pechincha neste 1 ro, gravitas de le
qualidade: e brancas p;.ia casi ,
iioiiiio i!.- meias par. Stnhoras, ... >ai
a 35, sti ": ie.- a -'" 45-
l'm e.iinplePi sonimento de chapeo
alpaca '&. dm di seda a 55, "5, !
Jilos francezes .-' ca, grai 1
a 05-
Pechincha acmiravel.
G'andi rlimt ,1! rh.tmbres a
en 11 l raa. ara hi u em a :' a duz
para crochets.
Trancellim de bonacha pinto, redondo.
Bonitas flvellas gratadles de a^o,
douradas, madreperola e tar-
taruga.
A loja de miudezas ra ilo Queimado
n. 16, recebeu um bonito sorlimento de
fivellas grandes para cintos, sendo de .ico,
douradas, madrepero.a e tai taruga, as quaes
estao sendo vendidas em dita loja por pro-
cos commodos ; assim como boas e b< nitas
litas de gorgoro acbamalolado, proprias pa-
ra ditas fivellas.
Ocnlos de penera e de outras
qualidades. para quem soit're
da vista.
A' loja de miudezas ra do Queimado
o. IG, lambem recebeu oculos de peoeira
com vidros claros e oscuros, para quem sof- s'de in '.- < '6 1 5.
fre da vista, assim como outros dearmacSo
de ago, sonidos om graos.
Coroas c Areos de cornalina.
A antiga loja de miodezas a' ra do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e tercos de ornalina, os quaes csto
a disposico dos bons christaos que os qui-
zerem comprar em dila loja : na ra do
Queimado o. 16
1:* pon ja* (as grandes e pe-
quenas.
Vende-se na roa do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
A a 11 lisa loja de miiidczas na i-na do
Queimado i, 1(5, acha de recelier:
Novas e bonitas gnainicfcs prelas para vestidos e
sontembarr|ues.
Bicos de seda blancos e prelos com vidiilhos, e
dille! rules larguras.
Trancas pretas com vidrilhos.
Cascarrilhas de seda de diversas cores moldes
novos ; oulrrs enf.itadas com bicos de seda.
Babadinhos de seda.
Trancas branca, de seda para enfeite?.
Bonitas Tilas brancas lisas e lavrada> ; entras de
cores lambem lisas e lavradas; oulras .i-h.imaio-
ladas para cintos, urgas.
Fivelas grandes de ico, douradas, madreperola e
tartaruga.
Bernias ligas de seda para senhoras.
Leques de sndalo o nutras qualidades.
...
- -
al-
i,
;
i .O
- IS
i-
- d?
.1 .n-
r
o?
de
:'
di
Uraude soiiimeiuo .:-.- roqpa paia n enim .-
iras muilas ipiaiiu.u.-.'s que seria enfadonho d
eiona-las.
Fazendas.
Vende se -upen, i mi ri prelo proprio para ca-
pa> do M'nhora e vestidos a 25, lu-iriin la v. ioa
i I5S0O u covado. Roa da Imperalriz, pt rta ;ga.
Paredes Porto.
Vende em sen siabelecimenlo liras e ntre
bordadas, grande sonimento de mrplohos rica-
mente hirdados a 35, i5 o .i-I. S o Pai-de-
:o, roa da Imperalriz no o; porta larga ju;
padaria fraoceza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete francez rica-
grauadinas com flores de seda 100 e '''
covado. estao acabando-se, cambraia prela
luto. Porta larga unto a padaria franreza,
da Imperalriz n. o2.
Paredes Porto
Vende um completo sonimento de far..
brancas, como sejam madarolo a 5500, ->. 3 e
!0>, pecas de algodSo or barato prego, flua ;r.:n-
ceza a 240, 280. 320. 360 rs. o covado, pre .iia.-
muilo linas a 360, iOO rs. o rovado, chita ii meza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Impera;: c
52, jonlo a padaria fnneeta.
Paroles Pinto
Vend" pangas de rdr propria para roopa di me-
ninos a 320 rs. o covado, ri.-cado francez fin a
320 rs. o covado. Hua la Imperatriz n. 52,
a padaria franceza, p ila larga.
Paredes Porto
R'cebeu pelo ultini" paquete espariilhos a i re
or-
. ti
ara
ru,.
das
Lindes o delicados enfeiles para bai- gnict so por 39. sao bou, lencos de seda
les e passems.
A amiga loja de miudezas na rni do Queimado
n. 16, recebeu novos e lindos eneiies pata halles
e passeios, lodos de muito gosto e inteiramenle no-
vos, variando o prego deiles ronfome a -uperiori-
dade : os pretendenies os acharao em dita loja, na
ra do Qoeimado o. 16.
Finascapella* para noivas e
meninas
Arham-c venda na ra do Queimado. loja de
miudezas n. 16.
Iliiiiil-s touquinhas
de fil e cambraia, borladas e enfeitadas : ven-
dem-se na ru- do Queimado, l"ja de miudezas nu-
mero 16.
Lmelos de dous vidros com aro tle aro, bfalo
e tartaruga.
A loja de miudezas. ra do Queimado
n. 16, recebeu um bello sorlimento de lo-
netos e oculos de vidros com armaco fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os est vendendo
por preeos razoaveis : os pret mientes dtri-
jam-seaesta loja na ra do Queimado n. 16.
Algodao trancado
da fabrica de Ferno Velho : no escriplorio de
Mnooel Ignacio de liveira & Fiho, largo do Coi-
po Santo u. 19.
Vende-se um mulalinho de 16 a 17 annos,
proprio para pagem por ser muito bonito e de boa
conJucta : na ra do Imperador n. io, terceiro
andar.
Na rna Dierita n la, loja, tem para vender-se
ricos bouquels para pnfeitar bandejas de bolos e
pao de l, cpelas de llores para meninas e senho-
ras, rozas e arcos para sanios, tudo de muito gosto
e commodo prego.
A' 400 ris
A botija de tiula prela superior, para escrever,
na taberna da ra das Cruzes n. 41Aporta
larga^__________________________________________
Vende-se urna negrinha de idade de 10 an
no : a tratar na ra da Imperatriz n. 20,
nbora e boniem a i?, ricos cortes de ca rub
bordados de 18,-: a 7?, i or or um toque d- r '
estao se acabando, na ra da Imoeratriz n.-'i,,.
lo a padaria franreza.
Grande ariitazeiu de li'itas.
Itl'A RO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande depos:o ds
productos chimii-.os utensis e os mai- empr--. ->n-
e usados napharmacia,pintora, pnolographia, ti:;.
turara, pjroitchinia(fogos de artificio) eem outrar
industrias.
Montado em grande escala, e snpprindt->e di
rectamente na^ principaesdrosariasde Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode effereceer
productos de plena confianea e satisfazer qoaiqcr
encommenda a grosso trat e a retalln, por preeos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriaclas satisfar
com prompildao qiialqtir pedido de lintas moidss
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o uue
nao fcil fazer com aquellas que sao Importa las,
e que se encontrarn uo mercado ero latas lecb las
Tem grande collecciio de vidros de difirante!
formatos, desde urna oitava at dozeseis enea- dt
capacidade ; de vidros para vidracas e diau.ai tt
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira ,;n;
rtopriedade e outros; de papis dourados pra
peados e folhas de gelatiua para ornamenti le
papel grande e pequeo formato de vanas cores
para erabrulho, para forro de casa, para desenho
com fundo j feito; de papel albuminado l.e Briatu
verdadeiro saxe para pboiographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para qoadros.de
espirito para madeira, copal para o interior e 'v
teiior; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linhacj
clarificado, oleo de toiele, secativo de. Harlim,
verdadeiro em p ; prata, euro, e esianho em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegetaes, inofTensi-
vas proprias para confeliarlas: lai de rOres, e
olhos de vidros para imagens; limas em lobos t
telas para retratos ; lintas em pastis e em po tia-
ra aquarella ; essencia de rosa su,perna, dt ae-
roly.jasmim, bergamota, aspire.'palchoiily. amb r.
bouquet.limo, alcaraiva, melissa, ortela pin lia,
lonro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, ma,
anis da Russia, canella, cravo e muitos outros ub-
jectos que s com a vista poderao ser mostrados.
]0&0 Pedro das Neres,
Gerente.

,


Diario de Pernambuco Quinta fftfa 9 de Dezembro de 8a
(k liUIl 1M fJIu
N. 11 -Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor francez ricos cortes de
vestidos de seda de cores dos mais bellos gostos, proprios para bailes,
partidas ou casamenlos.
('liL les de Guipare pretos e braceos.
Itonets de palna da Italia para senkoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Gasemiras de quadros.
Esteiras da India para salas.
MadapoBes fraucezes a 400 e500rs, a vara,
lilas para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q que ludo se vende pelos mais commodos precos.
CORTES HE ED4
ChPar.im pelo paquete mglez riiiuissiraos corles de moreauuque de cores, e seda lavrada pa-
dres iDteiraoieDte novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RA DO CRESPO -5
Gregorio Iaes do Amaral fc Companhla.
r9WB
.i
o
BULE M CLUBE FERNtMBUCANO
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
OfTerecem a todos os convidados, do explendido baile do Club Pernarobucano o
seu bello eescolhido sortimento de fazendas deplianlasia, chegadas pelo Guime, que
consta das seguintes especialidades.
Vestidos Cesarlna.
Linda e nova fazenda de la-brillinni, transparente, com listas e llores de seda,
padres do ultimo gosto.
SEDAS
Em cortes padres novos. escuros e claros.
Em pecas moireantiquo liso ondeado e lavrado.
dem estampado com listas e flores.
Tarlntana.
Resta urna diminuta porcio de cutos de larlatana branca, enfeitados caprichosa-
mente a cores. Todos os amadores de partidas e soirs, liao comprado para suas fami-
as estes vestidos, ja pelo diminuto preco. ja pelo bonito gosto.
EJI'FEITES
A imperatriz Eugenia e a rainha Victoria que adaptam com muila elegancia
ao kok.
Jouvin & C.
Resentia-se o nosso mercado da falta absoluta das verdadeiras luvas de Jouvin.
Temos a satisfacao de poder annunria-las a nossos freguezes pelo prego de 30000 o par.
E grande a economa ;'t vista da llexibil dade e bom acabado, que Ihes d dupla
duraco sobre as falsificadas.
Trlnta diversos ohjeetos
Proprios para o complemento dos cnfeites de vestido como bertlies, costageo,
suspensorios, etc., gostos os mais phantasticos em dentelle preto e branco, tafet etc.
Mandam-se amostras.
ademas e pentes de tartaruga.
E a primeira vez que vem esta fazenda ao mercado. A pequea porco que res-
convida as Exmas. senhoras a urna breve compra.
CIATOS
Com nvellas de madreperola gravadas, tartaruga, metal, etc.
Chales de fil de cores.
Nova remessa, destes chales e remudes a dur.s e mais cores em xadrez. Nada se
A tabella aOUlXO publicada Serve de base depre^OS, pdejulgar do masnifioelTeiiodestes chales, un experimentar; as pessoas que os de-
AO RESPEITAVEL PUBLICO
tanto deste arinazem coma do aiwzemprogressivopa-isejar^^
te o do Carmo u. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.

!
e de.
3JP
g Para vestidos de senhora.
("orles de seda de cor de bom gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de qtiadrinhos. I
i; os moireanliques de cores.
Grosdenaples d. todas as cores. J
Lindospoild-'chevre fazenda assetinada deinteira mvidade.
Lind is duquezas assetinadas fazenda inteiramente nova.
Modernos grenarlines de seda o que tem viudo de mais novo. i
i;, i le variedade de ISas de cores lisas e de salpicos.
to. j
Percalias modernas com grande variedade. *
Lu los '-orles de 13a Clotilde com todos os pertences cada um em seu car-
. mente novos.
'\ tes de i si con barra tamlnm inteiramente novos e mitras mi
fazendas de gosto quesera enfadonho mencionar.
Para hombros de senhora
Grande variedade de chales, boirnnux, retondes e algeriennes de fil
guip i pe a 10, IG. 20, 30, 40, GO al SOS.
M i,l rnos soutembarques de seda de superior quilklade.
I. nd >s bertes de seda de cor pretos e d.>, cachemira.
! 'i! de cambrai* branca bordada com milito gosto.
'viufembarqnes ebournonx de cachimira de cor e outros mijitos arligos de
bm gosto.
Para cabera desenliara tf
Superiores chapelinis de palha, de seda e de crina de muito bom gosto a im-^R
p l'.ll'i'.. j|
Chapos de palha da Italia grande variedade.
L mos gorros e bonete de palha de Italia, Emperatriz, Canotier,
e fram >, chegados de Pars pe o ultimo vapor.- .\>#
Grande variedade de cnfeites de troco e de flores pira casamento.
S i|i ores vestidos de on le. e de m lireanlique brancos. A.
Bons m lireantiqnes branos e s-iperiores sedas brancas. 3fi
* vestidos ; larlatana branco bordados. ~P
Lindas man is de ll nde e boas capellas. $&
iBrd*ilos. S5
Grande variedade de enlremeios bordados transparente e tapados. A
i'p a-; bordadas transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordadasew
outros muitos arligos. r>
Lojr i ans caiiUHMiiJi tp
DE iNTONin CORREl* lE VAS OXCELLOS & C. ^
RA DO CftKftPO W.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidad; aos senhores de en-
henos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
oeraram os propietarios dos tres grandes armazens, reunir todo i os seus estaheleri-
menlos em um s annuncio, pelo qual o prego de um ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por um preco, e na oceasio da compra quererem por oulro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
Muda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa podcr mandar seus fmulos que
serlo tara em servidos como viessem pessoalraente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
Lela qual se ver os precos tal qual aununciarmos, o que seno arrepender pessoa
aiguma que fizer sua despenga em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por centu na sua despeza diaria.
Asbe a 7,ooo e 7,o
a garrafa. Tambe
como seja:
Clotilde^
5


MA
e:s


LE!! i


t. A -it.ii
f !
.-:'.' "

3
P2EP1S1DA BBCaaiI POR
LANEAN fe 1EIP,
NOVA YORK.
Coniostade substancias, gozando das
i i r i i les eminentemente depurativas .
ida pelas juntase academias de me-
.i usada nos principaes bospitaes, ci-
vi.s militares e da marinha as Antilhase
111 ente americano ; receitada pelos
ulUovosos mais ilislinctos do imperiodo
Brasil e da America hespanbol
CURA RADICALMENTE
' rophidas, rheumatismo, escorbuto, eo-
des venreas ernercuriaes. chagas
:>. mu i'hea e todas as molestias pro-
vr iiei ii'.- iimi estado vicioso do sangue.
incpi..r.lo existen) varias imilaeoes e
falsilicagos. preciso ;i maior cautela par
evitar s ntranos,
ptima salsa de Rristol vende-se por
CAORS & RARHOZA
JOAl) DA C. BRAVO & C.
Ji5o da C. ra?o & C.
^rral em Pernamhnco roa <1i
.--:. em casa de Caros A Barban
ensartado
b'iaiirpz barrica 34000
PorUand dem 8500
rutado:
::ff7. barrica lO^OOO
PorUand idem 'iOOO
tii .1" T.).->.) Iriiios <-ar-- ft*AO"Hf>-
Frello.
\ r .. crjpArior far^llo de L'i-boa : no arma-
ra, roa do Imperador o. 57.
I LOJA DO BEIJA FLOR
Na ro" do Queimado ti 63.
Ncsia luja portlos os vapores se recebe luvas de
pellica brancas e decores, lano para hornera como
! para senlvira.
Vo tas, erizes e brincos.
Chegou no ullimo vapor um grande sortimento
' de voltas e crozas, imiundo Ci>rnalioas brancas,
! assim como brineos da mesma e de erystal do mais
apurado gosto que se p.le desejar, fui s quem
I receben : na toja do bja-flor, ra do Queimado
I n. 63.
Eofeites para coqae.
Assim como recebeu eofeiies para coque e eu-
I tras multas qualidades. que se vendem mais barato
I do que em outra qualquer parte.
i Bonccas que ctiaiuuD mami e papai.
Teodo rer.ebido um grande surtunento de bone-
i cas que chamara papai e mami e movem com os
. olhos, muito bem vesUdis, cora cab-lleiras, o
I que pJe haver de go>to nesie genero, e vende se
i mais barato do que era outra qualquer parle.
I Blains.
A-~i'o como nm bomio sortimento de balaios para
meolna de escola, tambem ha muito bons pentes
para desembarazar, guarnecidos de metal.
m Bichas de Haraburgo m
H? todos os paquetes da Europa se recebe 3
W: destas amigas do sangue humano e se W
^B vendem a trnro de piuro lucro s afim S
B de ter sempre cousa nova : a toja de bar- fr}
y^ beiru ra eslreita do Rosario n. 3, ao p ^
JR da igreja. |R
colares Koyrr 011 colares ano-
dinos
para facilitar a dentican das crianzas e preserva-
las das convulses.
O feliz resultado obtido mmenlas ver.es pela
prodigiosa forca magntica do< colares Royer, nos
casos de cunvulscs, e dentico das enancas tem
altamente elevado o sen bem merecido prestigio,
e hoje ja se pode direr que esto geralmente con-
ceituados, e estimados de innutneravejs pais de
familias : de uns porque do uso d^sses salutares
colares virara salvos do nerigo seus charos filhi-
nho, p de outros porque colheram d^quelles to
i oroficuo exeiriflo para ignalmenie preservar os
seus. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
tas a ulllidade eproveit des^es prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandju vir o novo sorti-
mecto que agora receben, e continuara a recbe-
los para que em lempo algum a falta delles possa
ser funesta ao pas de familia, os quaes flearo
certos de os arharconstantemente na ruado Quei-,
maao, luja d'agnia branca n. 8.
Wndcm-se duas escravas rccolhilas, de ida-
de 2.1 a 2'i annos, expeliente conducta, engomraam
!>erf''itameiitp e fazem lodo o servido de urna casa :
I na travessa do Carmo n. 1.
Vende-se um sitio em Bemfloa a' margem do
rio Capiharibe, com bastantes commodos para urna
grande familia : trata-te na ra Nova o. 24, das 9
twtas as 4 da tarde.
Vendem se qnatro burras mulo mansas, boas
de carga e de se.ia, per prego commodo : a tratar
no hotel de Franga. i
Manleifja i gleza perfeitam^nte flor che-
gada ltimamente de l.oooa I,loo rs. a li-
bra, e em barril ter abatimeuto.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimento.
RANDA
Ranlia refinada superior a 61o rs. e em
brril ter abatimento.
CHA
Cha tixim de primeira e superior qualida-
de a ,8oo rs.
dem hyssen o melhor neste genero a.
2,6oo rs., e sendo em porcSo ter abatimen-1
to, tambem ha proprio para negocio de a! Superiorazeitc t
2,4oo rs. a libra. garrafa^ a 5,ooo r
idem preto superior de I,8oo a 2,3oo rs.
Sfirveja
Superior servejaj Rass dos meihores fa-
bricantes, como sejim: Shlers & Rell. T. F.
gosto, como sejam:
Chales de fil preto Os mais ricos vestidos para menino de 3 a 6 annos.
Colxas de erocg c pannos de labyrintho.
Tif branco e fil de seda.
Superiores baloes de clina, recommendaveis pela longa dnracSo e bom talbo.
Tudo a
5
DO CRESPO 5
j)o rs. a dnzia e a /oors.
n ha de outras marcas
e Alcope a 5,ooo rs. a du-
Victoria
zta e a ooo rs. a glrrafa.
v huigre
Superior vinagra de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 28') rs. la garrafa. Tambem lia
mais biixo para 2o rs. a g.irrafa e l,4oors.
a caada.
te doce
oce de Lisboa a 6io rs. a
a caada.
assas
ibra e a
SllRC
ze
Macarrlfise talierim a 360 rs. a
,ooo rs. a ca,ixn.
c
o
f 'assas
is a 3.000 o quarto e
c arroba liespanhola e a
a libra.
Riseaiitos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a 1,2oo rs a lata. Superiore^ pas>
Bolnehinbas |2.5oo rs. a ca xa (\
Latas com nolachinhis da acreditada fa-oors. a libra,
brica do beito Antonio, proprias para dar al
doentes de .ooo a 3,ooo rs. a lata. | GEl EBRA
dem com qnatro libras de bolachinha de' Gencbra de laraija verdadeira a lo,5oo a
soda a 2,ooo rs a lata. du/ia e 1 ,ooo rs. .tojfrasco.
OlPl 101 Genebra de IIoll na verdadeira a 6,ooo
UUcIJUs !rs> a finsi|ueira e a i6o rs. o frasco.
Queijos flamengos cbegidos no ullimo i,]0m de Hollanda em botijas a ioo rs. ca-
vapor a 2,5oo rs., tambem ha do vapor pas- ja urBs.
sado a 2,3oo rs. Garrafoes com Vi garrafas de genebra de
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l.ooo e l,2oo rs.
libra, francez e suisso a i.ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porcao
ter abatimento.
VNHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Marta Pia, D Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l.ooo a garra-
fa e 9. ooo ala ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das meihores
marcas- a loo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,?oo e i.ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a i,5oo re. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anchetas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Hollanda a H.ooo rs. o garr.fao. Tambera;
ha arrafoes cora 5 e 14 garrafas de 3,2oo a I
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 6io rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a lio rs. a libra.
PE1XE
Peixe em latas j preparado de l,ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINQO
Alpista c painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: JoSo Furtado da Serrias,
Manoel Peixoto da Si iva Nelto, Castanho &
Filho e Rrando e de outros muitos. os
quaes vendemos pelo mdico preQO de 1.6oq,
2, 2,8oo, 3,ooo, 4,5ou, e 5,000 rs. a caix
I^leores
Licores francezes e p -rtuguezes a l.ooo e
*:*:a ""wu- ... l,4oors. agarrafa ou frasco.
< aixas com urna duzia de garrafas de su- b poces
perior vinho Rordeaux a 7,ooo rs. a caixa e Ooce da casc> da iaha
7oors. agarrafa.
C%F
Caf do Rio de 1.a e 2,a qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
I rs. a libra.
AftAO
Saho maca de primeira qualidade de 18o
a22ors. a libra e de 16o
em caixao.
Ooce da casca da goiaba e caixoes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o caixSo.
Frutas
Frutas em calda e era latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, recebo, ameixa rainha Claudia, al
perene e outras frutas iai s. a lata.
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Recite, esquina da Madre de Deus.
Grande sotlimenlo de fazenl:s por naca o c aretallio, e um completo soru-
menio de r>ui>a feita, deeasentra pdeb'im, ludo por meo que e
outra qualquer parle: quem duvHar venlia ve**.
CAICAS
de lindas e finissimas casemiras escuras e claras, de superior casemira preta, de finos
brins brancos e bom brim pardo.
Paletos
de superiores casemiras escuras e claras, de lina aipaka branca, de superior alpaka pre-
ta e de brim pardo.
rolletes
de boas casemiras pretas e de cores e de lino b-im branco.
CAMISAS
Superiores camisas francezas e 20-at o.
Ce r utas.
Ceroulas de superior bramante de lino linho.
fBoles.
Superiores baloes de arcos para meninas de 2 at 12 annos.
dem superiores para senhora.
bravatas e mantas.
Superiores mantas para pesclo de homem, as mais modernas do mercado.
Madapolo.
Madapolo bom a 8, 95, I"i5 e It.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda halao a 105.
Fraques de casemira.
Fraques de casemiras, prela. escura e de cores claras, e nao havendo que sirva
ao freguez manda-se fazer por medida e cm milita promplidao.
Tod^s estas fazendas por preQ is insignilicantissimos, pois o fito do Balao ad-
quirir freguezes.
LOJA DO BALAO
BE
AKFiVFJMI & FLOKES.
AKHIAZE9I S>E FAKIL^OA^
DE
a 21o rs. sendo Tambem ha latas grandes para l,2oo rs.
1 lata.
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macaas pelo ullimo vapor
Ameixas pelo idtirao vapor.
Passas pelo u.timo vapor.
Fiuos pelo ulmo vapor.
Fru Fructas em calda pelo ul'imo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
CUSTODIO (UCVILBIO
27 RA DO QUE MADO N. 27
Madapoln francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
105000. F
La de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lenco-* bracos para algibeira a 25 O a duzia.
Fin sperclaras a prego de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 105 a 3>5G0O.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
Queijos loi drinos pelo ultimo vapor.
Queijos flamengos frescos pe'o ultimo vapor.
Presunto hambre pelo ul uno vapor.
Tudo se vende barato n> s seguintes armaiens:
Ra do Imperador u. to. Vcrdadelro Prlncloal.
Ra do 4|iiem:ido n J. !'
Largo do Carmo n. 9, Progressivo.
RA DO llftUtir 1%. 3.
Altendendo as numerosas oc asioes em que tem succedido tm senhores de eo-
genho o perdKrem gramtH parte de s-as saf a< por infe icila is imprevist s que os
deixamsem meio i comp etar as suas moag-ns; orno mo tes ne ani naes de roda, ar-
r.mhamento de acud s, levadas -it;, o pr-prietirio desti fih.-i.-.a lembra aos ditos se-
nho es a conveniencia, nestes casos de fazer collocar urna machina de vapor, por isso
nao s aprovpiian to a safra existente e providencian io contra a reinci te cia de taes
aconieciment s, mas tambem introduzindo ni sua tntustria um reconliecido melhora-
mento.
Portanto anmncia que est prorapto a garantir o assentamento das suas espe-
jes e mui acre litadas machinas de vapos em estado de fiinccio .arem um semma .ie-
poisda chegada das peca< no eng^nho Esta- mchinas podetn ser ^pplicadas a moen-
dase meia-moendas j existentes ou potles- rondar com elhs moen.las novas a vontaie
do c -mprnlor. E'las tem ta-iqu^s 011 dep-iios d'aua e boeiros, todos de fero, en>
pre isam p ra seu as-entanenio d^obra algnma, quer de carai ina, .juer e alvenaria.
Estas m ichinas co, em p'ovadequ j se ach o assentadasem lugires onde se ju'g-ra at ent3o difiQ-
ciiiuio ou impossivel fa e-las carregar.
No ca*) da desm atelarem-so as rodas d'agua, ha sempre prorapto, rodas de
ferro que se ass-ntara n 1 minimtempo.
Nesla fabrica se acna todo e qualquer objecto de qae possa precisar ara eDgenho.
)

L
i
I
L


Diarlo de pernanibaco Quinfa eir 9 Je ftezembro de Ife4.
f
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
ttima a ukdhik i su Miau Ma
AO
AO PbCU
em o menor constlran.
glmento se entregar o
importe do genero que
nao agradar.
kTILK
# preco da eguu
tabella para todo, |t -
ie se para o ajuste de cosa*
com o portadores;
SEM
5 EVA 3.
- m.'.
RBSPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciarlo dos habitantes desta heroica provincia existe no grande ama-
ten da Liga estabelecido ra Nova n. 60 nm magnifico sortimento |de molbados,
que sendo em sua maxm < parte mandados vir directamente do estrangtinfpodem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiangar, com toda a seguranza de que
ueahum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1." Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3." Sineeridade nos precos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acbaro nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos Bnissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condiclo do freguez, elle deve contar que ser sempre omi-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte fario mensalmente urna economa de
maitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas parles nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhor* s que compram para tornar a vender existe um sortimento cspe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA!
A ; Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 120 rs. a libra. urna,
dem e painco de orto libras para cima a
RUA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Conecto)
PARA BEM DE TODOS;
Senbore* ^nhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a prompiidao e intei-
ezacora que serSo tratiin, nvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me dar5o a proteccao e preferencia na rom
rra dos eneros que precisar a e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejnm pouco praticos
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 28o rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
KIRSCH be Wasser a 2$ a garrafa.
LATAS coni graixa a 80 rs. cada urna.
Lutria 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 1, a libra.
. fi ncMD? oc papel aimajo a z,
bal rennado em frascos devidrocom tamia Ei'vas para roupa, hienda
do mesmo. a Son rs Duzias de testuias com t
geneav5!naCa d3S mfC3S maS aCredita(las' &S* faca, e
que \em ao mercado, a 5oo, 56o e 64o Talheres muito fine para crian.;- i 240 rs.
a garrafa, e o,8oo, .ooo e 6,5oo a du- Puieiras para meninas a 32 zia.
Cevadinha ,1p l'nn ,;.___ r* Fiascos de Agua Finida vudaren.i n 180.
Eli i muitonova, a200IS. Frascos rom superior banha a S40 i SI
cnaruios uo aflamado fabricante Jos Furta- dem de superior oleo babosa a 3*0 i,
do de Simas, das seguintes qualidades: C>i.ccmln>parinspar3 3nnrisa40r8.
Exposicao Normal de' Havana, lmperiaes, J* t \*Lad," *> PliI"a 8(' ",4' '<
i imiin,,,,, r,,.,i .. > "'i'v- tartasde alnnetes frann^es a 110 rs.
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus- Qoadernos de papel pequeo a 20 rs.
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo, Grvalas de cores, fazenda.-oerar, a 500 ra.
Papis de agulhas, fundo doorado. 80.
Pois serao to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, dm de que n vo (
ta parte.
Manteiga ingleza especialmente escoftida a Aletria, macarro e talliarim a 4oo rs. a li-
,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se taz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a ,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguigas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos do navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
bra e 6,000 a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarilla a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,800.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em caa- 6,000 e 7,ooo a caixa ou
da a 3.000 e 3,5oo. Charutos finos de diversas marcas e'fabri-
Vinho branco para missa em caixas de 1 du- cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa. nilhasde Havana, intervallos Vencedores
Vinho do Porto das melhores marcas que Panatellas e Suspiros, a 2,ooo,2 5co
vem ao mercado como sejam : Lagrimas 3)0oo a caixa.
doDouro, Duquedo Porto, Rainha de Por-j ognac inglez das melhores marcas, a 800 e
ttuu do Qnciraado na. 49 e &.
Contina a vender touas as rriiu(i"Z> que aballo
declara por precos admiravn>.
Massos de palitos luidos para dmiy '< U0 rs.
Espelbos de molduras oouiadi.s 1:.((,. ;,(i t jjStyrj.
liunets de oliado para meninoi i l >
Uilos de couro superior fazenda a !
Frascos com superior tinta rocha :, 40 ,-.-.
Meiadas de hniia Iroxa 1 ara bordad .. U e 60
Caixas com 100 enveiopef,fazenaa Una a 660 1 ..
' Gro2as de pe,nnas deaee, fazenrta m. or ,, .'
'Grozas de boles marcperoia bnos a BOU j
I e 640 rs.
Caixas com SO novellos de lint,, di ,; ? '(' rs
Caixas com superiores obrera* 6t ni ., t-titirs.
Pegas de fila branca elaslica con '. ;,;. rs.
Varas do franja de la tara enleile t ttsud a
4o rs.
Baralhos doorados soperiores qo a4C0ra.
Novellos de linda rom 400 jareas.. m t
Litros para asscnlos de roupa lavtda a 100 rs.
! Pares de boldes para punho, faretida rica 120 rs.
Tesouras para cosinras soperioies cislidadfsa
400 e 1.
Caixas de peonas de calligra|i.i.. (ana: boa a
1^000.
Ma-ssos com sop riorf s grampos a 30 rs.
Pares de sapatos d< nanea e lapele a .o^O.
Caixas com snpertorps sgulhas a 241 rs.
Libras de lia sonidasde Lenilas ru a 7J00O.
Caixas com superiores olireias de n as.-a;. 40 rs.
Budiohas com allLdcs frar.rize- n.uili vientres
a 20 rs.
Resmas d<> p.-.pel almajc a S4HC 1 ;',lf0 is.
boa s 720 i i.
loqui ci fiL^ema
Ditas e vi lias para srnhora a 500.
de Apua Fluida vt
eos com superior banha a 240 > ;.u rs.
Sdem idem em bocetas de todos os tsma-! Marmci.ada dos mais acreditados fabricantes.
nhos. Macarro e taliiarim a 320 rs. a libra,
dem idem em frascos de todos os tama- j Massa de tomate a 60O rs. a lata.
nhos. Mostauda ingleza a 800 rs. o frasco.
Azeite doce de primeira qualidade a fi60 rs. Molko inglez de todas as qualidades.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2^000 a garrafa.
B
BOLACHINHAS do Beato Antonis em latas
grandes e pequeas.
Makbasquino verdadeiro de Zara a
Massas finas para sopa branca e amsre'la a
(50 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Micho painco e alpista, sendo mais de 5 li-
bras a I UO rs.
H
dem do Principe Alberto a 15800 a lata, eN0ZES m rs> |ibra
de cinco para cima a 15700.
dem de sola em latas grandes a 25000 e
de cinco para cima a 15800.
Biscoitos ingleaw de todas as qualidades a
15200, 15250e15300.
Bolo francez em caixinlias a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banha de porco refinada.
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Chouiucas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a'210 e 200 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchaia, etc., etc.
Chicaras e pires a 1500a duzia.
Cerneja da superior marca Tenente a 300 rs.
a garrafa, e era iluzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'llavana, Exposigo,
Flor do Brasil, Parisienses, delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Uegalia, Mississipes,
Paneiellos, \praziveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, liuxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000,
252"0, 25560 e "5800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, 45 e 55.
Najjos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
PEIXE em posta, latas grandes, a 1G00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparacao.
Palitos para dentes a 120 rs. o mace muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a du/.it.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
Mera suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINHAS OU ORINQUES a
m
RAPE' Meuron a 15 a libra.
dem Princeza do Rio a i 5200 a libra.
dem francez a 25500 a libra.
0
SABO massa a 160 rs. a libra, em caia se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25.
Sardlnhas de Nantes de todos os fabricantes,
idem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stharinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 400 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em la las a 600 rs.
Tima azul e preta para eserever.
V
VINHOS
1
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa. Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
Cigarros do Rio, pardos, a 80 r6. o macu
de cinco macinhos.
1
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, iuglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
rvadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
Duque a 15 e 15500.
Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carca velos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lmeme a 800 rs. a garrafa.
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs. ^eauxSe a sf)0 r. garrafa.
Figos de comadre a rs. a libra.
FeijAo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15.500
dem S. Julien a 600, 800 e 15 a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa-
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Farello ha sempre em deposito de 500 a Vinho figueira em ancoreta a 205.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
ATTBNCAO
Vende-se as olarias de Jo Carneiro da Cunta'
em freote ao hospital Pedro II, e na ra dos Pra-
zeres n. 38, telba supen.ir de barro de agua doce a
302 n miineiro, alvenaria batida a 30$, e ladrilho
a 26*000.
Farinha a 3#5- ?>
Vndese farinha de mandioca, scela (Fraudes :
no aroaatem dos Srs. Tasso Irmaos, na poste nova'
pelo prego cima mencionados.
Camina i as.
Parede Porto vende cambraias lisas finas, gran-
de sortimento, a 3* al 61, ditas Vtctoria muito
finas, cora 10 varas a 65, 65O0 e 74 : na' ra da
fmperalrit n. 52, junto a padaria fanceza.
Chegoem aos corpinhos de cambraia
Vendem-se corpiohos de cambraia com ntre-
melos a 'i e 54, pstao se acabando.: na loja de
Paredes forto, roa da Imderatriz n. 52, poria lar-
ga, juu.o a padaria franceza.
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,000,15,ooo,
12,ooo e 10,000 a Caixa com I duzia e 9oo,
1,00o e 1,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde supjerior qualidade al 6,000
a duziae l,5oo ral, a garrafa.
Sardinhas de Nantes; a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas, muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. ai libra.
Bolachinhas
en*
49
:
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas I qualidades a l,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartes com bolo fraiicez muito proprios pa-
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.' ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo Passas muito novas m caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4op rs. Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo, ] Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l,ooo e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca nlole a 4oo rs. a ibra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li- Milo de amendoas a joo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joao I
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
* em latas de diversas. Toucinho de Lisboa muilo novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arrol a.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li- mimo, a 1,60o, 2,600 e 3,5oo cada urna,
eradas* des melhores qualidades depei-1 bras por2,5oors. Ruibos, excellente peixe portuguez, em
xe a 800,1,000 e l,2oo ts. Ameixas francezas erni frasco de vidro com j barris pequeos ou a retalho, a vista se
Vinho BorrJetnx das marcas mais acredita- tampa do mesmo, a|l55oo. far o prero.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc zas em catatabas de diversos Azeitonas de Bivas em ancoretas grandesde
8,000 a caixa e 64o e 7oo res a gar- tamanhos com hondas estn pas na ca- 8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa,
rala. xa exterior, a 1,4oo, 1,60o, 1,80o e 2,ooo | Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. l,5oo cada urna ancoreta.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez i champagne da melhor qualidade que vem
a 9oo rs. a garrafa el 0:000 a caixa. 1 ao mercado, a 2,ooo.e 3,5oo a garrafa, e
Batatas muito novasa Sh rs. a libra e2,5oo | 24,000 e 26,ooo o gigo.
o gigo com 36 libra.. Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a 75o rs. o frasco e
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta cc"la.
Frasqueircsde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,oooell,fioon. a frssqueira. -Conservas inglezas
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-! 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arrolla. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16p rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa rs. a libra e 2,8oo a*rroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo re. a libra e2,8oo ?. Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a 800 rs. o frasco.
dem de Jiva a 80 rs. c libra e 2,4oo a ai- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. loo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,000 a: Lentilhas francesas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a Hbra.
Massa de tomatesdesuperior qnalid&dc a 6 4o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs." a lata de urna libra e 56o rs. a rota- I -5 a garrafa e 11,00o a duzia.
Iho.
Falitos -!h dente ^ 14o ra. o maco
~-
'O
V. y.
O:
cu
s
^_ Ci.
o
3?
= -3.5 S gS
<* -t s v a, sr
e"S O 6.
To 3 c cr
KlSfEaj
gt r C* -J
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecepo,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a p-arrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Sahio a' luz im Parir, e rende-fe rm Pi ropifin-
ro, na livraiia oe JoMJ baibcsa de .V. lo. ruii du
Cruz n. 52 :
Formulario ou puia nfdir j<: P. L. K. Cber-
novi7, 7* Ktao M'pn.nlaria un i:ni.i;iiti;iis
n vi.. i-: i 111011 i;.-, i'i- 1!'4 figoiar, 1 voime
fin 12 rnc, preco 6CC0.
Na mi.-ma litraria ^e vendm as otras -ftun-
les do n em o aotor Cheini vii :
Diccicnarlo de meoteina {> 1 i>i muito auiininiada e *c mianhada ce Tl fieor'sf,
3 vo. tm 8o ene. prey. 20{.
Historia natural para n.fniri(.c e mirinas, l veL
f m 8o ene, preco 4CC0.
Mido de ronhere a idade do ravallo, do borro,
das be?tas nnarra, do bol, do rarntiio, da cabra
e do porco Iriiora, em 8o, pirco 1JL
Na prtfa do cenmercio n. 4, 'sciipiorio de
Jos Mana Palmtira,vndese :
Cuvja Dass, verdadeira em bolias. rhegrda
rerentemer'te no navio irelez (Annt Ky.
Biscoolo inplez rruilo fino.
Bolachirilia hamlurpiieza nova cuja qualidade:
ja aqui nao ein I'a talvez 2 nnos.
Venem-se
machinas americanas de serrotp para di>caroi;ar
aleodo : na na da Senzala :\dv.'i n. i2.
i'ei.iia de pma de rni.ilo soperior tjiialidade;:
vende-so na ra do Vigario n 24. Io andaj, es-
rriptorio'
CpUA Di BA'-IHA.
Na hj do cha' vende-se soperior ci rveja a Ba-
biera, una caixa ci m duas duzias de garrafas por
10|5, e a retaiho a 800 rs. a garrafa.
WMlrXfTm*:: S~ STJVCm

Pede-se a loda? aulcridades rolii iaft 00 a quero
qui-r que o encomie apcrehetidam u pelo escravo
Bento, que se acba fgido desd'- o da "23 do pas-
ado,sendo os seus signaos sefrumie. : e.-taiura
reguiar, secco,'desdentado, no andar raiiiialea
um pouro com aspernis, tem urna marca de g m-
ma ariiij-'a no rostj e r.utra em cima do hombro,
Das costas e as nadegas tem marcas d relho
lamlirm antigs, denacao, representa It-r 40 an-
cos de idade, fuma cigarro a vivt sempre hebado,
traja camisa de estopa ja rota, um fundo de cha-
peo de pal ha um panno dentro que serve de rodi-
Uta. usa de ganhar na ra e despejo ne barril, an
da na ra publicamente diz> ndo que eti pagando
semana, a pessoa que app'ehendei leve-o ni> prin-
cipio da ra do Corredor do Bi.-po, na sexia casa
nova A Amonm, que ser bem recompensado.
03 O
o
a>
u 3
2
x a?
co -i
2. 3 S S & s
c 8ar_ =o&
m o o* 3
de

i
para
Tasso Irmaos
Veodem no sei armazem roa do
Amoi-iiu b. 3o.
Licor Qoo Curasao em botijas e meias botijas.
Licores tinos sortidos em garrafas com rolbas da
vidro e em lindos frascos.
Vinhos(J rieres.
Santernes.
Chamhertin.
Hermitage.
BorgoDhe.
Champagne.
Muscatel.
Beino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
trabalhar
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C
OUrAI
Estas machina.
podem descarocar
S qualquer especie
rJ de algodao ser
estragar o fio
sendo bastanu
duas pessoas para
otrabalbo; pode
descarocar ums
arroba de algo-
lio em carocc
em 40 mi nulos,
on 18 arroba;
por dia ou 5 ar-
robas de algodc
liaipo.
Asstm como machinas para seren movidas por i
aniaiaes, que descaro^m 18 arrobas de algodac
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutres dessas macliiuas.
Os mesmos tem para vender um beliissimo va-
por que pode fazer mover seis destae machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e exarhina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova B.47.
c anders Brothers & G.
IV. praea de cor po santo
BECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
J l
nm cabriole! americano de quatro rodas para duas
pessoas, um outro para quatro pessoas, ambos
com arreios, novna e elegantes, por prego cmico-
do : na ra da Ponte Velha n. 8.
Vende-se um cylindro, urna raasseira, nma
balanza grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e mais utencilios de padaria
ra Direita n. 24.
a.tratar na
0 castello de Grasville.
Traduzide do francez por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quati
tomos pelo baratissimo preco de 300(
aa praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
Vende-se um sobrado de dons andaras no
hairro de Santo Antonio, o qoal rende para mais Em casa de Phipps Brothers & C, ma do
de l:200|, euma casa terrea no bxirro da Boa-' Vrgario n. 2, vendem se cofres de ferro, prova de
Vista a tratar com agente Olympio em sea arma-1 t"ngo, dos afamados fabricantes Milner & Son, de
zem na ra da Cadeia do Recif'e n. 34. Liverpool.
Hom e barato
Manteiga ingleza flor a l a libra, franceza a
840, arroz do Maranho a 100 rs., paiDeo a 120,
amendoas a 240, caf do Rio bom a 240, vinho da
figueira a 400 rs. a garrafa, e 3 a caada, Lis-
boa a 360 a garrafa, e 2>r>00 a caada, azeite doce
a 600 rs. a garrafa, vinagre de Lisboa a 206 rs. a
garrafa, e J360 a caada, queijos do ulUno vapor
a 2v300 : na ra das Cruzes n. 24, esquiua da
travessa do Ouvidor.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber nm lindo e magnifico sor-
timento de oculos, Innetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gesto da Europa e ocu-
los de alcance para i'bservacoes e para os
marilimos.
No armazem de lazendas
baratos de Santos Coelho
Ra do Qnelmado n. 19.
Vende-se o seguinte :
Cobertas de chita fina a 2800.
Ditas de dita a 25 00.
I.i-nc es de panno de llnho a 2200.
Ditos de dito de linho a 2-3.
Ditos de bramante de Jinbo de um so panno
35*00.
Panno de linho fino com 9 1|2 palmes de larga-
ra pelo barato preco de 25-i00 a vara.
Bramante de linho fino com 10 palmos de lar-
gura a 2o00 a vara.
Pecas de cambraia cora salpicos brancos _e de
cores com 8 1|2 varas a 42500.
I'i-i; s de cambraia adamascada propria para
cortinado de cama com 20 varas a 115.
Baldes da arcos a 25500,35, 35500 e 45.
Lencos de cambraia fina a 2;60O a duzia.
Ditos de dita a 25 a duzia.
Atboalhado de linho fino a 25800 a vara,
Dito de algodao a 25 a vara.
Algodao enfestado com 7 1)2 palmos de largura
a 15200 a vara.
Pe^as de bretanha de rolo com 10 varas propria
para sa,a a 35300.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 15 a vara.
Cambraia de linho fina a 45500, 65500 e 95.'a
vara.
Cortes de laazinha de lindos gostos com 15 co-
vados a 55.
Pecas de madapi I finissimo pelo baratissimo i
preco de 85, 95, t05 e 115.
Flanella branca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de cores fina a 880 rs. o covado.
Baldes de musselioa para menina a 35, 35500
e 45.
Cambraia de forro a 35 a pera.
Dita fina a 45500, 65 e 7? a peca.
Guardanapos de linho a a800 a duzia.
Toalbas de algodao felpudas dozia a 125.
Esleir da India propria para forro de sala de
Escrava fgida.
No dia 20 de novi-muro fugio a erioull Vicencia
comprada aos Srs. des & Bastos, 'en a i rea era
do Sr. Manoel Salvador dos Aojos, da comarca do
Bonito, porm a escrava dizia que era de B*rrei-
ros ; reprsenla viole e tantos annos de idade, alta,
feia, rosto redundo, testa curta, p grandes, per-
nas finas, um pnneo nnihigoda, nariz muito mal
ferio, levon ronpio de chita cor d niel e 'hale pe-
queo, tudo ja usado : roga-se as autoridades po-
liciaes de Bonito ou Bezcrriis a captuia da dita es-
crava, ou per onde fir encomiada, asim cerro
protesta-se contra quem a tiver ocetillado. Grati-
fica-se bem a quem a tronxer a' ra Direita nu-
rper" 15.
liililictao de bus*.
Ausentou'se da casa n. 59 da ra do Imperador
(ontr'ora Collegio) uo sabbado 16 do correle me;
oe setembrode 1865, o esriavopardu derume loa-
qoim, rom os signaossegointes : est lora regular,
idade 18 a 20 annos, sem barba, ps largos, olhos
grandes, raheilo corrido, com urna cien ti rz grande
e bem visivel na testa, parte dos denles da frente
arruinados, e com falta de algn dis lado., sahio
com calca de brim pardo e paleto! curto de panno,
mas levou mais roupa branca e de cor, moito
astucioso, costoma intitular-se forro e andar cal-
cado ; f i escravo do Sr. Guilherme Frederico de
Souza Carvalho, genro do finado Sr ci mmendador
Manoel Goncalves da Silva : rogase a sua captura
a todas as autoridades policiaes e a onalquer ca-
pitn de campo ou nutra pessoa particular que o
apprehender se gratificar com 505, alm das des-
pezas de conduccao, entregando-o a >eu senhor
Miguel Jos Aires, na casa cima, ou no seu es-
criptorio na roa da Cruz casa n. 19.
Fugio no dia 29 do crreme o escravo de
nome Benedicto, de nacoo, de idade de 30 a 35
Sinos, alto, secco, cor bem preta. tem os pea apa-
ihetados, tem os dentes da frente limados, e em
cada cotovello um carolo, levou /ve.tidu c;lcae
camisa de algodaozmho branco, e tem i fficio de
mareraeiro : roga-se a apprehensao do dito escra-
vo, e levar a ra estreila do Rotarlo n. 31, arma-
zem, que ser recompensado.
No dia 20 de setembro prximo passade fu-
gio do engenho Terraprela, doabaixo asignado, o
escravo Julio, crioulo, de altura regular, grosso,
de 30 annos de idade, pouca barba, tem os ps bem
feitos e pernas, muito fallante, at se (t.i rouco,
tem o dedo polegar de urna mo cal ido para den-
tro, snda com urna carta fechada, do tenente coro-
nel Amaro Gomes da Cunha, aparirinhandn-o, nun-
ca foi snrrado este escravo, foi ha muito comprada
a Focha Lima e Guimaies : quem o pegar leve ao
mesmo engeoho oo no Becife a'ra da Be da a'
Alexandre Correia da C. Jnior, que sera bem re-
compensado.
Alexandre Correia de Castro.
Escravo fgido
Fogio do poder do abaixo assipnado o sen escra-
vo Amaro, crioulo, cor avermelharia, altura rega-
lar, e de idade, pouco mais ou menos, 30 annos,
costoma andar bem vestido de camisa de Manila de
4,5 e 6 palmos de largura per menes preco do cor e chapeo de chile, tem o beico superior Pastan-
que em outra qualquer parte. | te grosso e dobrado : roga-se a apprehensSo de
Neste armazem tambem se encontra nm grande dito escravo e sua captura que ser generosamente
sortimento de roupa feila e por medida. 1 recompensado.
I

*
i
TT


Diarlo de Feroaoibnco Unila lelra 9 de Dezembro de 1S9*-
UTTERATUIA.
Os antepassados de sua esposa descangavam ali j Oh I mea caro, exclamou Cecilio, isto rno. E' esse santuario que nossos coragoes se pdera rama lagrimas de amargara sobre urna carta do
1 ha mais de um seclo. Porm, como havia grao- Foste tu que me ensillaste a detestar tudo quanto abrir, que nossa alma se pode expaodir sem receio seu amante, e que, de quando em quando, tiraos
des dtseu LF\A
SCENAS D\ VIU.V 1RLAXDEZA.
1 fltf MOTA ICK.T4.
Fecha a janella, Cecilio, nao posso por mais
lempo supporlar isio.
E'-me imposslvel impedir esta terrivel bulht,
mam ; am raido oapai de di-perlaros mortos.
teh nem, rednziria a cmzas eta ign-ja
, e d 'rreteria eu mesrao o seu sino.
Tal c >us Dio farieis, Ceeili >, d sse a senho-
ra. cruzando sobre a nelia recitada as rica sane-
fi-, si n suspensas. Amis rauito a vosso
.rii i iao para o tffliistr desta maneira. E duvi-
,hl isasses Je urna, tal liogaagem am sua pre-
Oh! marail Eu tS i tenbo medo de meu
i Joa Ea o amava muilo qu mi elle eslava
i. principalmente .piando voliava para
ios dias de ferias. Porm nunca pas-ou-me
i que tornar-se hia ministro, e edificarla
igreja m nosso proprio jardim, c un esse hor-
liUC
riv sino suspenso em sua torre. Nao, nunca Ihe
. I1ICU
irei ter destraidu ts nossas arvores fructue-
,ra colocar a sua abomlnavel... depo|g gu,.,
Silencio, Cecilio I disse sua mi, pondo as JUS[ainenl dlsU)
......,- mi s sobre os labios desea fiiho. Nao
o direilo de censurar desta maneira
-. elle nunca vos offendea, e prohibo-toa iu fr
nti de fallar assim de sua p iss >a e de seu=
succedido.
.-. expressao animada que ale eotao exista na
i do menino flesappareceu, e seus olhos azues
- encherara-se de lagrimas ; afastoo-se com
i-.ii e ia o> ixar o qjario quando >uu nifii o cha-
l
Cecilio, vio.le c.
I menino obi-iieceu e seulou-se aos pos de sua
Cecilio, vosso irmao | soffreo muito com os
i. qne Hzestes a respeito da sua igreja. vjr
inha mi, eu disse nicamente... '__ Quando ]W^ pau,0 ?
Cala-te o ouve me. Joo mullo soffreu da- Segunda-feira que vera. Partiremos de ma
- me de algoma maneira tem parte neste rogada. O padre S. Joo val comnosco.
_-.-.. negocio; mas eu julgava que seu ir- E a tua easa, que pretende* fazer della ?
mojo pelo menos deveria poopa-lo, lem-
Theatro em cujo sceuario se represenlam como
dramas as scenas indinas passadas uo corago das
familias, najes actores procurando umitas vezes re-
presentaren! ouiros, representara-su elles pro-
prios III....
Sociedade I eu te despreso I
peito dos amigos habitantes da abobada, e o recem- deira estimulaste meu zelo de modo a preser- intimas conflssoes....
chegado, o filho e herdeiro do Sr. Marlins, linha va-lo no meio dos camponezes, a agora te mostras E tu decantada sociedade I o que s ?!___
preparado tudo para transferir da catacumha os arrependido de teres feto tudo isto, e p.rque?.... Vasl0 campo da ala|haoo,le peiej restos de seu pai para outro lugar, debaixo do pul- Porqne foste desrespeitxo e desobe lente quan- e ciume.o egoi-mo, a inveja, o interesse, o orgu-
pito da nova igreja. do ten sido muito mais importante em manifes- !h0> empregando as mais prfidas armas a maledi-
uepoi- Cecilio voltou as visias para a residencia lar todo outro... Mas, ves essas poucas nuvens ? cencia.a intriga, a hypocnzia I!___
de seu primo Paulo, que elle conlemplava ha ali Vamos ter urna trovoada horrivel. J cometa a
gura lempo com eipressio de tristeza. chuva. Siga o meu conselho. Se|a affectuoso e
Essa casa era urna cabana italiana, divamente submisso para com sua pobre mi, e procure por
edificada, e sobre suas jael las o sol do meio dia iodos os modos possivels aliviar suas magoas.
dardejava seus abrasadores raios. Adeus.
Un inagniQco jardira esiendia-se na (rente. Logo que os dois mancebos sesepararam, a cha-
N centro observava-it ama pequeua elevado va que principia va a cahir parou repentinamente e
cubera de relva, onde se via collocadi urna eU- foi seguida deste silencio completoe lgubre que
la de mai more representadlo Mara Immacu- precede ordinariamente as grandes trovoadas. Nem
1,lJa- urna folha das arvores se agilava. Os operarios
Teuho novas a vos dar, Cecilio, disse Paulo, tiaham suspendido seus trahalhos na igreja e fo-
Papai delerminou abandonar esta tena. Partir- ram procurar abrigo as differeotes cabanas dos
mos para Roma, na semana futura. rendeiros. Cecilio repelindo as ultimas palavras de
Cecilio ergueu se do seu assenio e ficou estope- sea primo dirigase apressarfamente para casa,
faci. Seus labios nao poderam proferir urna s Apenas se approximava da porta, na entrada do
palavra. | jardim urna mulher velha levantou-se da pedra on-
Cecilio, nao tomis tanto a peito esta noticia, de eslava sentada, e com o auxilio de um pao se
meu amigo. Vamos, vamos, coragera. dirigi lambem, coxeando para a pirta do jardim,
Paulo exclamou Cecilio, o que ser de mim diante da qual ficou em p. Ella eslava curvada e
toda trmula ; sua enorme cabera eslava envolvida
te pretendo fallar. u'uin velho lenco vermelho atado em baixo do
leogo de cambraia, anda que seja bordado : ima-
gine urna bella no momento de conceder o primei-
ro beijo do amor ao escolhido do seu coragao, e
pense que figura podem fazer os oculos n'um caso
destes: urna palavra, pinte cada um na sua ima-
ginacao 0. lgnez de Castro com oculos, e diga-me
se pode baver no mundo cousa monos potica, e
meos romntica que tni>*sio.
Pelo lado do romanjismo e da poesa, umbem
Dio ha que escother entre o uso dos oculos e a lu-
ne! i : sel), lgnez de Castro com oculos cousa
pouco rom ulica, ainda sera' cousa peior se a es-
a sua
posa e Payel se pacer a cont-mplar com
Tua luz offeode meas olhos ; tua vo fere nieus luneta o cadver de Coocy que seu marido acaha
ouvdos I de assassinar.
Quero ver abrirem-se as garras do urna fra ;' l' multo m 10 signal quando as senhoras come-
nao quero ver um doce sorriso leu I i cam a sentir predileccao por oculos ou por luneta,
Quero ouvir o eslrideute rugir do leo, nao quero j sem terem chegado sua terceira poca,
ouvir os sonoros acceulos de tua melodiosa voz I Olhe-se Ibes bem para a cara, e achar-ielhes-ha
Na fra eu vejo sioceridade da inunisade ; -ua na pbyaionomia um certo que de mysterioso que
sociedadea fabiiiade da amsade I----
mais velho dez annos
i-se que >eu irmao
i
Mas, inamai, insist Cecilio, se Joao nunca
ff, id, a me, offeodeo entretanto a vos porquanto
jpsiio das vossas I igri as e suppli-
sobre sol profanado Jos vossos
calhulieos.
_ Ocilio, exclamou sun mii interrompendo-o,
nem sio estas palavras? Sao sao cortamente
,,as. Quem ousou irritar vosso espirito contra
. irmao Fallai, Cecilio!
(iii ;o vio um rclbor colrico colorar as faces
, -ua ni.'. Seos labio cerrados tremiam,seas
brilhavaro; nao fallou e Bcoa um p com a
. i. Sua mi. inclinada para elle com
le tal forma que ora mancebo, qns
,. a oaponaenir Lberta, Bcou estupefacto.
_ rdeno-le que me indiquis a pes 1
i : ;. o atrev'unento .i irar em vossa pro-
v H o roceder do vos 11a 1 mais velho.
Mioba mai, eu v pego que nao encommo-
del, ,11,11- Cecilio a esl respeito, d<-e Joo Cal-
: \ .....lo-se. Eu siuto, e siolo moito de
1 soili s i. 1 minlia causa.
; s ,,,-- jauto de sua mii, toraando-lhe as
... nenie bel]
_ Manda einbora Cecilio am instante, pos te-
na ,iis:i a dizer-te.
_ 1; :,.,, posso ordenar c usa alguma a Ceci-
. ,1-seamai tnslemenie, He nio estiiabitua-
bed 11 -me.
uou-se do seu lugar e eocaminhoa-
.,., i, jardim.
rou um mancebo de maneiras dis-
ion a a niro, pondo-lhe as mios
... ros e encarando-o.
_ 1.1 ..--. Cecilio Calvert, .isse elle com ar
,. Pobre rapaz I Mamii ter-lhe-hia
pancadinhas no< dedos com o leque.
Q.i nial crUl que lio ma para o -eu lindo
.' '
D ilx me, prira 1 Paulo, disse Cecilio proca-
lo 1- nbaracarse do aperlo de sea compa-
1. Nao ealou disposio a i.,.- rar vossos grace-
?..... lis res lvido a brincar, Ide embora.
mou braco de seu primo e o cooduzo
ude se ergua a nova igreja. O sino
iva ii-: li isamenle e com intervallos, os ope-
tavam occopados em coiloca-lo no alto da
Vede, Cecilio, exclamou Paolo, ancioso de
pensamentos do seu primo. Empoleira-
; ., no alio la torre como para coroar a
deste edificio gutnico. Eu quera
nenie iv-Io cantar e dispertar na visinhan-
uos n ivos Pe Ir 1 te oegaram nao somenie
ue- vezes, mas anda trinta vezes tres.
Cei 1 1,' i-u seu- olhos para o 1 bjecto indica-
do via enlo um galio dourado eooeado trium-
ile 110 alto da igreja.
Para que serve aquillo7 l'erguntou Cecilio,
a le iii.-lii r humor. Por que razio pozeram um
-obre a torre? E' sem duvida alguma inveu-
;
E* coi lamente novo n=te estylo de archilec-
: iiu, disse Paulo com um certo ar de pedantismo,
1 ulilid -, ii,ie-ueule mostrar de que la-
.- pra o vento.
Nao zombes, primo Paulo, disse Cecilio reti-
ran lo bi ajo.
Bu nunca falle! mal- serio.
Nunca viste cataveni -'
\ por cerl i, nem ao menos me lembro
, visi 1 sobre ios das igrejas. Mas julgais
reairaenle que seja costme entre os protestantes
empoleirar este ridiculo objecio no alto das igre-
jas?
E' pira verdade, Cecilio; vi muitas vezes no
mea caminho para o collegio, sobretudo nosdis-
icolas. Suppunha que os rendeiros usam
esic enfeite orno para favorecer suas colheitas,
porque eu nao posso encontrar nisto nenhuma li-
ja de moral ou de relgio. ;
Vaiuo-, Cecilio, continuou Panlo, assentan-
do-o a' sombra de um velho earvalho, senlemo-nos
um pouco; preciso fallar-ves seriamente.
Conservaram-se um instante silenciosos, contem-
planlo a pai>agem animada pelo vai-vem doscam-
pooezes, dos lavradores, dos rebanhos com os di-
versos movimenlos de urna vida activa.
A' direita eslava aaniiga casa dos Lacys, a resi-
dencia de Cecilio com sua verde relva, seus boni-
tos jardins, suas floridas campias, seus campos de
trigo e a -ua graciosa herdadezinha, to vulba co-
mo a luliilac;i<).
Em redor erguiara-se as diversas habitacSes dos
foreiros. cojos rsticos tectos de colmo oceultavam
innmeros ninhos de andonnbas, e nos muros fio-
11 un a herva trepadera e o odorfero jasmio.
A' distancia de um tiro de pega eslava a nova
greja edificada a expensas e segundo o risco do
Sr. Martins Calven, cujos restos mortaes lam ser
retirados de debaixo da abobada da amiga capella
do lado direito da casa.
Isoiado no mundo I
Que digo !
Que blasphemia !___
Nao !
All existe um ente humano que ao somno Im-
a vo-'o Eulrela,,1"> eura'". e dcixeiuo-nos de choro. Na-1 ,,ueixo. Suas fe",.59S assemelhavara-se s de urna P|ora dscaugo as suas fadgas !....
vosln- da ha ,Jllt BU ",ai:l ,l':l'i Jj'lua ver ura inoci verdadeira selvagem, e seus vestidos revelavam a j Aquella to-ca gruta encerra o anjo que anda hi
Coragera, vamos I j raais coinp|eU ,eria Seus olhos negros e me- 'poucoem mm velava quaudo me abandonaram os
Cecilio fez um grande esteren, porm mo foi bem, jonhos estavara pregados em Cecilio; ella nao ma-' amigos.... encerra a consolaeio, a companheira
' nifestou uenhum signal de respeilo quando elle ap- dss dore;i e alegras do homem, o elo da vida hu
Os solucos rebentaram expontaneamente. proximouse, e conservou-se encostada a porla co-! mana -a mulher I----
Paulo cerrn suas palpebras por meiade, e mor- mo para impedir-lhe a passagem. Mulher tu que s o fructo o mus perfeito, a
den seus labios at o sangue, depois levantou se, __Vamos vamos, Mattie, disse Cecilio,com urna flor a raais mimosa, a perola a mais di-tiucta da
leudo o rosto tudo desfigurado pelo- esforQOS que li- Voz branda deixa-me passar urna terrivel irovoa- nalureza, que s o anjo dos cos oara consolaco
zera para vencer sua emogao, e mostrr-sohomem. da nao |arda a cahir. ido homem... s tambem a primeira vctima im-
Isio esta mell.or agora, solucou Cecilio, de- Sien, e ha eotretanlo pessoas expostas de dia I motada aos caprichos sociaes I
tendo seu primo. Eu morrena seporveutura lives- a chuva e de noite ao fri, sem abrigo, sem ali-
se sopitado esle seulimeuto. 1 ment e sem fogo I
Depois enehugou os oliios, e esforgou-se por sor- < Deixam-nos morrer de fome e de fri as
grandes estradas, para depois depositar nossos cor-
pos em urna torre que n9o benta, s porque nao
quizemos renegar a verdadeira le, nem ouvir as
mentiras que prega vosso irmo ministro quando
esta' no pulpito a pregar alguns miseraveis rene-
gados.
Mallie, deixa-me passar, nao tenho culpa
se...
Oh nao podemos transporta la comnosco. O
padre S. Joao aconselhou nos de afastarotos do jar-
dim a imagem do Nossa Senhora. Elle recea que
nao baja alguma demonstrado anti-papisla entre
os camponezes. Os ltimos chegado- sao ternveis
autagonist .s; enlreaniu leu irmao Joao reconhe-
cera um dia que elle enganoo-se muito exiiellindo
os infelizes calholicos para admltlir os protestantes.
Eu disse que a culpa era vossa ? exclamou
ella. Nao se zomba de mim, Cecilio Calven, por-
que se sou meio louca, devo-o a vo^so irmo. Olhai,
vede a mittba bonita habitagaosinha, e as lindas
rosas de que Mlke gost tanto. Nao ora urna inora-
forgaudoa gente pobre a reoaociara sua conscien- !
da tao preciosa para nos como e para a vossa grn-
ela, como os operarios que elle emprega em cons
'.ruir a sua igreja.
Creio que elle j comprehendeu que decep-
goes o esperan).
Como assim T
Iliiiem Joo deseen as differenies habilagoes,
r-umo iiguus rapases n'um celero deso.-.cupado, e
comecou a pregir-lhes sjlire a oecessidada de as-
sislirem ao ofBcios d 1 sua igreja todos os domin-
gos. Prometien a aquellas quetivesen 1.0a voz
de os lazer cantores. Parece, couforrae elle disse
quetoij- e-ises pequeos rlanlezes se mostraran:
tai sati.-feuos cora a proposigao, que meu mano,
nomesmo instante distribuio por cada um dalles
um sciieimg. Mas de repente ebega Hennesy, di.
zeudo : Vossa alteza obrara melhor experimeu
lando as votes aotes de as comprar. Joao respon.
deu que isio Ihe d.irii muiio prazer. Pal presidio
o coro, e lodos os meninos entoiram, com o rosto
lio serio como se eslivessem ua igreja, o hyrauo
que Ihes ea-iuastes ha pouco mais de um mez.
Joao dizia, que a despeno de lodos os esforcos qus
fazia, esle canto soava da e noiie a seus ouvdos e
o obrigava a clamar*tambem : Eu canto uo meu
coragao a Inmaculada.
.Meu pumo, Joo ter-se-hia agastado contra os
meninos f perguuiou Paul.-.
OsieUsivameiile nao ; admirca a toada do
hymno, e fallou que havia de eolioiar ouira lelra.
l'orm Ivou a mal as observagoes do velho Diuiz,
o carpnleiro.
Quaes eram ellas ?
Exactamente nao sei; porm vi-o deter Jo0
a porta do jardim e mostrar-lhe com grande agita-
gao a nova igreja.
isseste me c|ue Lliniz pareca eslar furioso ?
Completamente enfurec lo. Apartara seu pu-
ntio contra a cabega, da va grandes pancadas com a
raao sobre os joelhos, emquaoto seo velho rosto en-
rugado tomara lodas as cures do arco-iris.
Simo extremamente que Uiniz sahisse fra
de si desia aianeira.
Oh I mais isio foi muilo bora.
Paulo abauou a cabega.
Verdaderamente isio foi bom, primo Paulo,
porque Joo disse que nunca poderia olvidar-se do
olhar do anciao, quando este Ihe dizia :Sr. Joao,
poca vira em que o vosso coragao e a vossa con-
sciencia eslaro aormealados como se eslivessem
em um brizeiro rdeme, e euia> amildigoareis o
dia em que eslabelecestes a falsa doutriua entre
nos; porm ser tarde, e muito tarde I... E o
bom velho atravessoo o canteiro de relva coxeando
e murmurando : muito tarde I... At nao pdelo
mais ouvir
E la pobre mai como est.
Oh! Paulo, sloto dizer-te, esta multo agasta-
da comigo. Desagradei-llie exiraordinariameole
dizendo-lhe que Joo a ilnha olfendido edificando a
soaigreja. Ea sei que ella te.n o coracao araargu-
rado, culi ranlo prohbeme Je pronunciar urna
palavra conira Jo). In-islio om saber quera foi
que censurou meu irmo em miaba presenga, e
como eu recusase dizer Ihe licou muito irritada.
Por certo, Cecilio, fizeste mal em recusar-lhe
obedecer.
l.oiuo poda dizer-lhe que eras tu ?
Nao devias occuliarlhe cousa alguma sem te
importares comigo, atlendeudo somente ao leu
dever.
Oh Paulo, separar noshiam para sempre.
Isto nao d o direito de desobedecer a urna
mi.
Devia ento dizer-lhe tambem que eu sei que
ella reuegou a f por comprazer a meu pobre pai ?
Que comquauto procurasse dar urna educago ca-
tholica a sua nica filhi, desterrada da casa pater-
na ha quiuze annos, todava consento em fazer seus
Dllios protestantes, auxiliando a que um dentre
elles se consagrasse em propagar urna religio que
falsa? Oh I Paulo, se eu me livesse pronunciado
desta maneira, te-la-hia certamente mora. Estou
convencido que a nica consolago que ella tem
de julgar que seus filhos ignoram seus pesares.
Eu comeco a receiar, disse Paul j com inquie-
tagao, de ter obrado mal em contar tudo quanto sei
de tua familia ; talvez fosse melhor deixar le vi-
de casa ? Oh eu amava esle lunar, julgava alli
morrer e ser enterrada em urna t-rra consagrada,
Tu, que devias ser tratada como a flor transplan-
tada dosjardins celestes trra, para com suas vi-
vas cores alegrar a nalureza, e com seu delicado
perfume embalsamaros ares----s considerada
pelos homeus como a parsita rasleira que tudo
mala !....
Tu, que devias ser escolhida como o mais pre-
cioso presente dos cos, como 0 verd.ideiro lo da
unifio, como a origem da felicidade humana----s
considerada com 0 presente 0 mais funesto, como
o nico pomo de discordia, como o dique aulepos
to ao bem eslar social t....
E por que ?!-----
Por que o coracao do homem, alimentado no
egoi-mo social, nao conhece o que senslbilidade,
amsade, e amor I...
Por qu^ homem aimhue mulher aquillo de que
elle o nico culpad >, nao se lembrando de que a
mulher, qual tenra llor, nao sendo cultivada com
sobre a qual Mike e os bebs poderiam ajoelhar-se esmero, nao sendo amparada por fortes susten'a.
e rezarem urna reza pela minha pobre alma. Mal-; culos, cahe por sua fraqueza, aos golpes das parasi.
digo sobre aquelle que me expulsar desta casa e tas, da lempeslade social I-----
fecnar a porta Mike e seus filhos!... E por isio 0 Uomem recebe uma gor mimosa, abandona-a
grandes desgragas viro sobre este castello. e qur qne suas cores e perfume nao desmere-
Eu recelo, Mike, que meu irmo fique irrita- ,,
dlSSimo vendo le aqu.
Egosmo dos homens !...
Quando deveis elevar a mulber ao ihrono do
mundo, quando devieis offertar-lhe o imperio do
corago humano, pois assim mais engrandecerte-
hieis ein possuir to valioso objeclo... procuris
rebaixa-la ao nivel do nada I I...
Egosmo dos homens tu que nao podes conhe-
Mallie, uo s boa catholic.a, seno nao anal-1 cer qUanio de doguras ha uo exercicio de sincera
dignaras as.-im. Nao, Mattie, nao podis pensar amjsaae, nao podes comprehender o quauto de su-
em Nosso Scnhor Jess Christo rogando pragas so-' ^j,,,,, eucerra 0 corago da mulher I...
bre a cruz por seus inimieos maldigoando assim n,.
E uo coragao da muiher, em seu meigo olhar,
E que me importa a mim o seu odio, se so'
bre elle agora pesa a minha maldigan Crde, v-
de aquillo, exclamou ella no momento em que um
relmpago rompa as nuvens espessas e negras.
K' um signal da minha maldigo. Muitas desgra
gas viro sobre esta grande casa.
desagrada.
Por va do regra, tem os beicos delgados, nariz
anudo, e os denles excessivamente compridos e en-
frenados ; e em pontos de physiocoma feminina,
uo ha pinta peior do que esla.
Nao ha nada mais fcil do que conhecer as se-
nhoras predestinadas para a luneta ou para os ocu-
los, ainda mesmo as pocas em que anda nao
usam delles ; porque tudo quanto dlzem e quanto
fazem, tudo as atraigoa.
-.10 apaixonadas pela phrenologia e pelas asso-
eiagdea seleotifleas : se as admiitissira, iro todas
ser memliros do Instituto Histrico.
Quaudo pegara do Jornal do Commercio, lm
lodos os artigos de lilteratura e de noticias scien-
tirlcas, e nem um s folhetim ; e quando escrevem
aos snus desijracados amantes sempre cartas sine
fiar direntes.
Quasi sempre morrem solteiras; e se alguma
deltas casa, nunca lem filhes.
Moga bonita, com ires ou quatro ftlhinhos, to
lindos com) sua mi, e alm disto com oculos ou
luneta cousa que nunca vi.
as companhias fazem-se sempre notaveis pela
singulardadedis suas maneiras.
Conversara sempre com senhoras muilo mais
dosas do que ellas, oualli lie .m horas inteiras ara
interessaue distracgao eera dizerera palavra.
Nos bailes dansara sempre quadrilhas, e nunca
valsas.
Valsas !.
E como as dansariam ellas ?
Uos oculos u'jma valsa de eorropio !
Nome de Deus verdadero I I
Emfim, uma rapariga com oculos nao me parece
filha de Eva : torno a dizer com todos os meus
cinco sentidos que nao quero nada com ella.
Bellas que leles este artigo, attendei aquillo que
vou d'er-vis, pirque sinceramente vos estimo, e
desejo que agradis aos ouins j que eu vos n
agrado a vos.
A belleza tem tres pocas: a poca da esqu-
vanga, a poca da dignidade e a poca da iniellec-
lualidade.
A poca da esqu vanga dura al os vinle anuos;
a poca da dignidad.; esteude-se al aos vinle e
cinco -, a poca da intellectualidade contina at
que a belleza bale as azas e se vui embora para
nunca mais vollar.
os vossos. Pode ser isto, Mattie ?
Na verdade. tu fallas como um dos nossos
padres, e maravilho-me que tenhas por irmo um
homem dr um corago lo negro. Mas a chuva co-
mega a cahir, ra.-ter que entres.
Entra lambem, Mattie. Eu te proporcionarei
um agasalho por uma ou duas horas e tambem al-
gum alimento.
Que Deus te pague, meu bom e compassivo
mogo.
E ella acompanhou Cecilio.
(Con/(/itir-se-Aa.)
IH PODCO DE Tl'DO.
subscripto pelas
Extrahimos o seguinte, que
iniciaes F. A. :
A VOZ DO SOLITARIO.
Em uma noile 1----
em seu hgeiro sornr, em seus leruos alTectos, e
mesmo eiu suas sentidas* lagrimas, que o homem
euconlra allivio a suas penas, que eoconlra seguro
abrigo contra as intemperies da vida I...
E este o raesuio enle de quem tudo recebe que
o ajuda a susieniar o peso da vida, que o homem
tenia deprimir... porque, oh egosmo humano !
nao quer confessar que mesmo ua ierra existe um
ente superior a elle III
Ingratos que sao os homens !
Em vas, porm, tenais offuscar a gloria da mu-
, lher : para tanto mister seria proclamarse a su-
periondade da materia sobre o espirito 1...
Homeus ingratos paraiuo passeis alm !
Repara! leus erros 1
Elevai a mulher ao lugar que Ihe devido-ao
Ihrono de teus coragoes !
Offerlai-lhe tudo quauto posouis de uobre !
Imuioiai a seus leruos alTectos o fructo de teus
A entrevista, que tive com o Sr. ministro foi a
todos os respeitos satisfactoria : immedlatamente
ordenou que as caixas cora as sementes de algo-
do fossem removidas da alfandega para a secreta-
rla das obras publicas, accresceotandoque sem de-
mora fossem remettidas cusa do governo para a
cidade de S. Paulo ; e que sua destribuigo tivesse
lugar debaixo da i inmediata inspecgo do presiden-
te da provincia.
O ioteretse manifestado por S. Exc. foi prova-
velmeote maisact.v.j nelo fac) de ser elle natural
desta im^ortaole provincia ; e sabido ter S. Exc.
muito a peilo o deseavolcimento agrcola do paiz.
Cofflmuniqiiei-lho pie juniameote com as sementes
os di rector .is da Amocmcoo para o supprimento de
algodao haviam remeiiido exemplares de um pe-
queo manual de instruegoes como guia para os
cultivadores de algodio : e que e-ue manual havia
sido iraduzido em portuguez permlltindo assim lo-
go ao cultivador a posse de mu valiosas informa-
goes de um genero pralico. S. Exc. com isio mos-
trou grande prazer, e notou que um livro seme-
Ihante no Brasil era secundario somonte em impor-
tancia s mesmas sementes; e que nao deixaria de
sarde grande interese e valor no imperio, reco-
nhecedo-se muilo obngado pira cora a Associaciio
dla prompla e liberal maneira, com que o pedido
de sementes foi saiisfeito pelos seus directores era
Manchester.
As caixas do sementes e os livns serio opportU'
menle desiribuidos aqui por S. Exe. o presidente
da provincia ; e a lempo de aproveilar a eslaco de
semea-las, que se nos approxima.
Ames de deixar o llio .le Janeiro lomei disposi-
goes para serem desiribuidas no dfstriato de beira-
mar arrobas de sementes de especie denomina-
da Sea-Istand euire os agricullores miis desejosos
de a* plantar, incumbiodo-se alguns amigos meus
( os Srs. Lae & C.) de as destnliuir com cuidado
e promptido ; e relalarem-me os resultados. Es-
tando estes cavalheiros relacionados com agricul-
tores, como bem sabido no Rio, entend que me
nao affasiava demasiado do meu originario propo-
sito, ou do vosso objeclo, entregando a-sim em lo
seguras mos a quamidade de sementes, a que me
refer.
Pencando que esla minha caria nao fastidiosa,
animme a accresceniar que me entendi com ss
proprietarios de uma das gazelas diarias daqui para
reimprimirn nella o folheto, que me enviastes
com as sementes: e nao duvido qu6 os Srs. Lae
& C, fagam oulro lamo com oulras gazelas no Rio.
Tudo quanto diz re.-peito ao algodo e sua cultura
procurado nesia provincia com '.afinco, onde a
cultura desia planta seno inleiramenle nova'
ao menos nova como materia de commemo. Antes
do anuo de I8(i:t, o algodo nao fasia parte da ex-
poriago de S. Paulo : o clima e o terreno sao en-
tretanto do* melhores que se pode encontrar. As
causas desie airazo tem sido, e ainda >o, as mas
estradas, a imperfeigao das machinas, e a mui cara
mi d'obra. Nao obstante, em 1862 o impulso da
cultura do algodo chegon a S. Paulo. A Assncia-
cito para supprtmento de algodao por intermedio
dos directores da companhU da estrada de ferro
de S. Panlo envin sementes a provincia; e os pro-
prietarios eomegaram a cultivar o algodo com o
fim de manda-loao mercado. Fui, portanto, curio-
so para entrar no exame desia qaestio tanlo quan-
to me foi possivel conseguido com o snecorro dos
rramentos dn imperio : e cousultando 0= mappas
organisados pelo governo, debaixo das ordens do
ministro de estado desta reparligio no fim do anno
de 1864, arhei que a primeira exportago registra-
da do algodo da provincia leve lugar no comeco
de 1861, e importon em 319 arrobas (de 3 libras
cada uma/ Como tsies mappas sao organisados
' V
Se o vosso espelho vos diz que os oculos vos fi- no fim do mez de junho de cada anno, podemos lo-
cara bem, irazei-os nesia ultima poca ; porm an- n"r esta quanlidade como guia para por elle ava-
tesde,.a(um nico dia que seja !, digo que nao, %g*W *"-**** +
que nao e que uo.
Bemsei a que alvo aliram as que os Irazem mais
cedo.
Enlendem que nao possivel deixar de se sentir
inleresse por urna senhora que, ainda moga e ama-
vel, renuncia a lodas as frivolidades do seu sexo
para se oceupar coin os prazeres tranquillos do en-
tendimenio.
Ser muito bem feito o calculo, porm declaro
que nao quero nada com ellas.
Uma cachopa com oculos I
t Qie dizque aprendeu grammatica,
t E que hoje os livros nao fecha
< Di infallivel mathematica,
t E quer ver se o pai a deixa
t Ir na machina aerosttica I
no seu genero ; porem
A la deslumbrante de viva quo mgica luz gal- penosos trahalhos
vanisava os campos d'alvejaute prala
A ligeira brisa agoutava brincando os bosques,
fazendo-os en*oar hymnos de bella e desconhecidas
harmonas !
Os nos deslisavam-se tranquillos em seus le-
tos, quaes brandas lagrimas de innocente alegra
pelas mimosas laces de gentil donzella !
Asieras-----as proprias fras deslumhradas
Saudai-a emlim como a vida da tua vida
Nada, nada I
Serio todas excclleules
seu genero nao o meu.
O que eu procuro sao mulher es (emimnas ; e es
las nao o parecem.
Sao do genero neutro, a fazermos-lhes rauito
fav r.
, nao me declaro somenie conira os oculos
protesto aiuda com a maior forga conira o uso da
luneta, e por duas razes gravissimas : primeira
mente porque o achosuscepttvel demaiores iocon
venientes na pralica : e em segundo lugar porqne
altamente destruidor de um sem numero de sen-
sagoes deliciosas, a cuja produegao as senhoras nao
devem ser indifferentes.
Uma senhora com oculos pode dirigir os olhos
para toda a parte que qnelra, sem que nnguera d
por isso : porm a que usar de luneta e nao que
zer que a teoham por affectada e ridicula, ha de
Extrahimos de Carapuceiro o seguinte :
AS MENINAS COM OlXLOS E DE LUNETA.
Jantei um da destes em certa casa, oude encoa-
tre uma senhora com oculos.
Era uma menina ainda rauito nova, bgode nor-
por tao maravilhoso quaJro esqueciam se de sui' mal, peito de nev, faces de rosas, bocea de papoi-
ferocidade, e deixavam-se magnetisar pela mgica las, e lo interessante I...
varinha de Morpheo !.... Coriou-se o corago de ver que em idade ainda
Profundo era o silencio da humanidade; loda ella I to verde ?esse nec6ss Ja(le daquelle adjutorio da necessariamente servir-se della lodas '-as vezes que
dorma I---- visla, e pergunle-lhe que aunos linha. Respon-
No.... apenas ura ente humano rugido ao po deu.B|e (JU1J deienove.
der de Morpheovela !....
Ei lo all naquelle outeirozmho beijade pela Supponho que, segundo o costume geral nao quz
crysiallina agua do rio, amjarando com suas del- mhlter na conla 5 quemammou ; mas ainda quan
cadas mos a cabega curvada ao peso de profundo 'do 05sem lres- nao flcava ^^ mais de vinle e
scismar, cojos cabellos louros, conlundindo-se cora dus> *lue> como todos concordaran anda idade
o refiexo da luz da la, servera de brinco tra- raui razoavel.
vessa brisa I___ Alfligi-rae com someihante desgraga e fiquei tris-
De vez era quando eleva seus olhos ao co, e le 5 porm qual seria o meu espanto, quand., dahi
duas argentinas lagrimas se desusara por suas de- a pouco, vi que, para ler ura blhete que Ihe trou-
licadas faces, e pungido suspiro exhala seu pe- xerara, Ihe foi preciso tirar os oculos, porque
10
Mas oh ei-lo queestrerae, que falla I...
Oagamos sua sentida voz.
Amisade !. -.. amsade quem sois ?!.... no-
me vo que bnlha na sociedade palavra mgica
que paira nos labios da hypocnsia !___
Amisade !.... amisade onde estis ?!----
Eis-me solado no mundo !....
Oade esses amigos que ainda ha co appa-
rentavara tanta d-licago, que ainda ha pouco pro-
lestavaraa mais completa, sincera e eterna ami- at querer lirar partido das molestias que Deus nos
sa,le ^1 da', transformando em encanto postigo ura defeilo
Onde?.... muito real.
Nao os vejo I.... Zanguei-me com este erre de calculo, e vlm pa-
Volvo os olhos era (orno de mim e s deparo ra Casa escrevereste inlgo.
com o vacuo, com um inmenso deserto !!.... ijma belleza com oculos a raesma cousa que
Eisme solado no mundo !---- Cupido de capa e volta, ou as gragas de man-
Antes assim I driao.
Ao menos meus ouvido j mais ouvraj fing- E'uma verdadeira innovago na arte do tonca-
com elles nao Ihe era possivel ler uma syllaba ?
E que olhos, m"U Deus, que olhos !
Olhos que mandam, peslanudos, ramalhudos, ne-
gros como dous azeviches, penetrantes, fulminan-
tes, e tao travessos que seriara capazes de fazer
perder a paciencia a um santo em carne, se oeu
fosse I !
Cahi ento no que era : era nem mais nem me-
nos do que uma especulago para se fazer ou mais
interessante ou mais bonita.
Por um excesso de calculo de loureira, refioou
das palabras, protestos de falsa amisade, vozes re-
pastadas de hypocrita harmona I-----
quizer dirigir a soa attengilo para qualquer objec-
lo que a interesse; e, se o tal objeclo for cousa
macha, adeus segredo, adensmysterio, adeus todas
as iolelligencias secretas, em que consiste o en-
camo todo inleiro das relagoes ignoradas.
Pela minha parte, declaro que nao sou partidista
daquelles que querem tudo palele.
E' um excesso de liberalismo com que nao me
conformo : pudor, mysterio, prazer, sao synony
mos no diccionario da sclencia de que se trata.
o na provincia, como Rios-
tra o seguinle fado. Todo o algodo produzido
nesia parle da provincia passa pela Barreira do
Cubalo, distante 8 mimas do pono de Sanios. Os
mappas offlciaes do produelo passado pela barreira
no anno lindo em .'(O de junho de 1865, foram fei-
tos para o governo : achei que durante estes 12
mezes a espantosa somma de8 7i7 arrobas d'algodo
deseen .1 Serrado Mar pelocamioliode Sanios para
ser exportada para a Inglaterra; de modo que duran-
te o segundo anuo de produego ua provincia a
quantidade augmenlou ao meno* sete vezes. S.
Paulo esi por eonsegoiate bem habilitado para
entrar no mercado de algodo de Manchester.
Nesit ponto lodos os mappas offlciaes nao vo
alm desta poca (30 de junho de 1863) : eu, po-
rm. posso accresceniar um pouco mais que nao
omittirei por ser inieressante. Um visinho e inti-
mo amigo men, o Sr. commendador Fidelis i'rates,
cavalheirobraileiro, que mostra muilo interesse
pela cultura do algodo, regressou ha pouco lempo
a S. Paulo do (brscenle centro deSerocaba, cida-
de situada a 60 milhas deste lugar.
O Sr. Prates passoo :.lL'iin.a- -emana* em Soro-
caba. e presin grande aitengo a ijuesto do algo-
do como artigo de commercio alli. Escrevpndo
uma caria, que foi publicada no Diario de S. Paulo
aprsenla alguns faclos de grande valor. iPica-se
admirado, diz este cavallero, vendo o constante
movimento de carro- e cargupiros carregadores
com algodio, com sementes que transportado dos
sitios vsinho-; para a cidade afim d ser descaro-
gadn, enfardado, e exportado. A mudanga opera-
da neste municipio maravilhosa : algum lempo
antes o caf, milho, feijo, arroz, eram os nicos
ou principaes gneros de exporlago.
Agora e=ta mudanga pode ser avahada pelo fac-
to de existirem as visinhangas de Sorocaba qua-
tro machinas tocadas por agua, descansando algo-
do para exporlago Denlro da cidade duas ma-
chinas movidas a vapor sao empregadas no mesmo
mv-i-T -. e em fazendas visinfias trabalho oulras
machinas locadas por agua.i O mesmo cavalheiro
mais adiante diz que avalla em 300.000 arrobas
com semenleso que no correnle auno tem de ser
hsneficiado em Sorocaba. Neste calculo entra se-
ment o algodo plantado 00 municipio de Soroca-
ba, nao fazendo parle delle o produelo das fazendas
situadas mu looge deste centro.
Accrescenlo lambem que o valor deste algodo
vendido em Sorocaba antes de ser beneficiado re-
golou 25100 a arroba, e noto anda que em um dos
estabelecimentos de beneficiar o algodo, tendo a
agua por motor, tal a abundancia de ementes,
que se as emprega como corabustivel em uma ola-
ria prxima!
Commentando a carta, da qual transcrevi os pre-
cedentes faclos, o editor do Diario de S. Paulo era
artigo de fundo felicita a provincia pelo rnaravilno-
so impulso dado ao sea productivo poder ; e em
prophetira duvida a respeii-, da continuago de
tanta animagio neste ramo de industria exprime a
esperanga de que nao seja fugitiva esla aclividade,
como j aconicceu antes cora a cultura do cha, e
assucar, significando ao mesrao tempo, que grande
cuidado, continuado irabalho sao requisiudos para
que o algodio se torne um artigo de commercio,
dando permanentes e vaotajosos resultados ao la-
vrador.
O bem cabido conselho dos redactores deste
Dairio toca no ruluro da amura do algodo na
provincia, e chamou a attenco sobre o receio que
uma baixa em prego lodosa o lavrador a abando-
nar o que lo bem comegeu ; e a vollar a cultura
do cafe ouiros productos da lavoura.
Precisa notar se aqui que o lavrador nio dedi-
eou sua aiiengo a cultora do algodo antes de al-
cangar o prego matador de 1863. Elle calculou
sobre a base da continuago dos pregos, que o in-
duziram a outros no negocio do algodo; e esta
agora em duvida a respeilo do que fazer no futu-
ro. O algodo porm, at aqui lomado a eslas in-
ri Diario de S. Paulo escreve o seguinle :
Daremos sempre preferencia ao assumpto relati-
vo ao algodo.
Publicamos era seguida uma carta dirigida a so-
ciedade Cotton Suppjy Associatton, de Manchester'
pelo Ilustre cidado 'inglez, Sr. E. Hutchiogs, que
minia parte tem tomado na queslo da lavoura do
algodo, nesla provincia.
Foi traduzida pelo Sr. Dr. Fideocio Prates, de
um jornal inglez, que fez-nos o favor de coramuoi-
car.
Brasil.S. Paule, 29 de julho de 1863.
Meu caro seuhor.Esperei algum tempo para
responder vossa benvola comraunicago datada de
23 de margo do crreme anno ; esla longa demora
nao lem sido porm donida a negligencia alguma
de uuima parte ; e cuto te-la suficientemente ex-
plicado informaudo-vos que esperei para vos escre-
ver daqui, quando houvesso recebido as semeales ..
i H H .. sas e lao grande como antes de terminar a guerra
de algodao, e as desinbuido nesla p.ovmcia : com na America do Nerte. reunrel para o futuro si-
esta demora leoho agora alguma cousa de oleres,; gaos destes dados constantes detes mappas do go-
! verno para vo lo- enviar.
dor : uma excrescencia legitima capaz de trans
tornar de uma maneira inteiramente deploravel a
Contentar me hei era admirar a belleza da natu- mais encantadora physionomia.
ver na ignorancia dos soffrimenlos de tua mi. Te- reza em todo seu esplendor, em ver as aguas dos Dizem os Iliteratos que o seculo da cavallaria !do "'Buus dias no Rio de Janeiro ainda ha pouco a questo com uma materia de produego nacional
ros correrera suavemente em seus leilos em ouvir esta'passado,e que estamos agora no da poesia e! e,nP|J. P^curei o Sr. ministro da agricultura e moslraodo o estado dascousas era todas as provin
sanie a communicar-vos. i verno para votos enviar. Sao elles completos era
c_ 1 j- u sflu genero, acreditados no paiz, e singularmente
Em poucas palavras vos d.rei que havendo esta-: clars em (^ os seus assumpls e BES!
mo que nunca possas reraedia-los.
Porque? exclamou Cecilio. as aves entoarem seus caticos cheios de meloda, do romance.
Porque segues em raao camioho. O prime- em acompanhar esse fiel rebanho aos bosques, em Nao ponho duvida ; porm se assim nao ha
ro passo que dsles neste negocio foi por um mo-
vimento de orgulho e desobediencia. Nao ha van-
tagem nenhuma a esperar disto. E seriamente fi:
mal em communicar-te que tua mi catholica.
Michas razes eram boas; porm apenas sou uma
changa, e devia antes de fallar pedir licenga a
meu pai.
cultivar esla trra que me d o alimento, e cm ou- cousa nem menos romntica do que um par de
vir, no murmurio das aguas, no ruido dos bosques, oculos de patente em uma cara de quinze annos.
no cantar das aves, e mesmo no rugir das fras, a Imagine o leitor um belleza desgragada que
nica verdade Deus I___ n'uma tragedia, se langa aos ps de ura tyranno
E'no santuario da verdade eterna que sempre pura mover-lhe o corago, e que, com a violencia
encontramos o balsamo da consolago s nossas do sedimento, se precipita e quebra os oculos :
dores.... imagine uma amante oheia de saudade?- que der-
obras publicas para explicar-lhe a importancia da! ^iaLde,sde f*,rtf 2 Nor,e. le w,a l'^ecia de
doago feita ao Brasil pela liberdade da Assoaacao SJal-a0 Sl d Ri0' Par,,r de ,8a2 Pre"
para o supprtmento de algodao ; e afim de impe-j Agradecendo-vos vossa bc-nigna attengao de mea
irar sua raierveugao para ajudar-me a despachar' pedido feito alguns raezes pego, para subscrever-
estas sementes no Rio, e reraette-las por ordem do m,n,BJ|ea caro senhor' vosso "elraente.-f?. <-
governo a capital de S. Paulo ; dando ao mesmo
tempo a entender a S. Exc que a destribuigo das
sementes sera muito melhor effectuada, se o pre-
sidente da provincia rae coadjuvassa nesta tarefa,
.
}

Isaac, Watts. Esq. secretario da Assmafao para
supprimento de algodo.
PERNAMBUCO^ HP, DE M. F, DB F, 4 FILHQ
---------------T

1
i
>



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E222H5O0U_9JNN8D INGEST_TIME 2013-08-28T02:27:53Z PACKAGE AA00011611_10838
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES