Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10836


This item is only available as the following downloads:


Full Text
,_*k__
MI U. HUMERO 279
?or qnartel pago dentro de 10 das do i. mez ; i i .
dem depo/s dos i.0' 1 Odias do comecoe dentro do qnartel. .
Porte ao coweio por tres nezes............;
51000
61000
750
.X
lili***
RC FEIRA 5 DE SEZEM3R0 DE
Por anno pago dentro itieUdias do \. mez 9f069
Porte ao correio por um anno ,........, &$0Q
E.W.AKREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?odrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques la Silva; Aracaiy, o
Sr. A. de Lentos Brana; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraido Amonio AI ves &
Filli is ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alago.is, o Sr. Claudino Faleo Dias; Baha, o
Sr. los Marlins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gaspanoho.
PARTIDA flOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagSes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass k Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, ezerros, Bonito, Carttar,
Altinho, Garanhuns, Huiqtie, S. INnto, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ourcury, Salpueiio e Exti, as quartas
feiras.
Serrabem, Rio Forrnoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta a Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago : tercas e sallados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do eomraercio: segundas as il horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s ID horas.
Primeira vara do civeJ: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
Dora da tarde.
EPHEMEH1DES DO HEZ DE DEZEMBRO.
2 Loa cheia as 4 h., 24 m. e 45 s. da t
9 Qoarto ming. as 9 h., 33 m. e 28 s. da I.
18 La nova as 2 h., 15 m. e 34 s. da o..
24 Quarto cresc. as 10 h., 11 m. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
4. Segunda. S. Barbara v. m.;S. Osronndo.
5. Terca. S. Pedro Chrysologn b.; S. Geraido are.
6. Quarla. S. Nicolao b.j S. ILeoncia m.
7. Quinta. S. Ambrosio b. di.ut. da egr.
8. Sexta. cjJaA Immacnlada Conceigo de Maria.
9. Sabhado. S. Leocadia v. m.; S. Gorgonia v.
10. Domingo. S. Melchiades p. m. ; S. Gemello m.
PREAMAR DE HOJE.
'Primeira as G horas e 6 m. da manhia.
(Segunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORBS COSTEIROS;
Para o sni as Alagoas a 14 e 30; para o
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do uos dias 1 i dos metes de Janeiro, marco, malo,
jalho, selembro e novembro.
ASS1GNA-SE
nev Recife, na Irvraria da praga da lndependetda
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figoeiroa.d
Faria & Filbo.
Os Srs. assignantes Jcsle Diario, que
se achara cm debito da; respectivas assig-
natnras, queiram manilnr realisar o paga-
mento lellas; e aquellos que moram lora
desta cidade, tenliam a bondade de dar avi-
so de qoaea sojam aqu os seus correspon-
dentes, afim de ser solicitado esse pagnmen-
to dos mesmos, a quem daro ordem para
isto, visto como alguns pretextam a falta
dessa ordem.
__........i.
PARTS 9FFI0IAL j
sovsbiho d\ rsovintA.
Coutiuuaro de expediente do dia 2Q de noveiiibro
de ISlio.
Ollicio ao general comuiandante das armas. .
Respondo ao seu offlcio d- 27 do corrente, sob
n. 2,249, dizendoiiue pode V. Exc. mandar encor- j
porar a 3* companhia do 2o batalho destacado se
Iiouver vaga, o Capitn do de n. 48 da guarda na-,
cional Francisco Antouio de Sa' Padilba a, que se
refere o ruado offlcio.
Dito ao mesmo.Queira V. Ese. mandar jns-
pernonar os guardas naciouaes Jos Vctor Ramos .
e Francisco Jos de Sales, de que tratamos inclu-
sos requerimenlos.
Diloao mesmo.Informe V. Exc. acerca do ue
allega no incluso requerimeuto o suarda do bata-
bao n. .2 de Serrahem Manoel Ferreira de On-
veira.
Dtoao mesmo.Urna vez que foi considerado
ai'io para o exercito, segundo o termo de ospec
cao anexo ao spu (Beto de 28 do crrente, sob
n. 2.259, o pai-ano Francisco Antonio dos Santo,
qi'e offereeido pelo cadete do corpo de guarmgo
Jos Francisco de Olivi-ira para por elle servir o
lempo complementar de sua (traca, pJe V. Exc.
aceitar essa substituicio dando baixa ao referido
lete no termos do'regulamenlo de 28 de selem-
brode 183.
Dito ao director do arsenal de guerra.Itecom-
meodo a V. S., que de eonformldade cora a sua in-
formaco de hootem, sob n. 466, mande pagar ao
pharmareotico Antonio Jos de Abren Ribeiro em
vista das respectivas receita: a qnantia de "5"S0
rs. proveniente dos medicamentos por elle torne-
cidos para o traiamento dos Africauos livres que
se achavam ao servico desee arsenal.
Dito ao mesmo.Antonso V. S. a comprar dez
espadas de cavallaria das que houver no mercado.
Diloao mesmo".Respondendo aooffloio de V.
S. de 22 do rorrete, sob n. 464, tenho a dizer-lhe
que acerca dos artigos que ileixaram de ser forne-
cidos ao o0 corpo de voluntarios >ta patria cons-
tantes da relaco aooexa ao seu citado offlciojdeve
V. s. proceder de cooformidade cora a oproiao do
general commandante das armas expressa nooffi-
cio io. luso por copia, sob n. 2,230 e data de 27 do
corrale.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
a que o alferes do batalho n. 43 de Seriohem
Amonio J'.rge Lopes dos Santos nico filho a
quem esta incumbida administraco da proprieda-
de de seu pai maior de 60 anuos,e tendo em vista
a informaeao do respectivo commandante superior
de 23 do corrente, resol ve ili-pensa-lo do servico
da guerra para que fdra de-ignado.
uila-O preaidentl da provincia, attendendo ao
que xpoz em >eu requerimenlo o cap lio do 4o lia-
lalho ite infantina da guarda nacional desle mu-
nicipio Jos Thoraaz Cavalcauti Pessoa, e tendo em
vi-la a informaco do respectiva commandante su-
perior interino datada de humero, sol) n. 430, re-
que l pie elle dispensado do servico da guer-
ra para tpie lora designado.
Dita.O presidente da provincia resolve nomear
para a companhia provisoria de polieia os offlciaes
seguiutes : leoente o alferes da guarda nacional
i ,io Francisco da Lapa, alferes Jo.- Tneotonio Pe-
reir de (arvalho, dito Joaqu m da Molla e silva.
Fizeram seas necessarias couimuuicates.
- 30
Offlcio ao general commandante das armas.
Mande V. Exc. inspeccionar o voluntario da patria
loao Biptista Camello de que tratamts inclusos
papis.
Dito ao rne-ni).Queira V. Ele informar acer-
que pede no incluso requerimenlo Maria do
Carmo.mi do guarda nacional Fio cncio Bermi-
Ciiv.llio.
Dito ao mesmo,Queira V. Exc. informar-tne
i do que pede nos inclusos offlcios o consol
de S. M. Fidelsima e commandante .superior da
guarda nacional desle municipio.
Dito ao mesmo.Respondo ao seu offlcio dehon-
lem datado, sol n. 2S0, direodo Ihe que rmetu
i m.i a corte, n pnm -ira npr irium ladi, a ser en-
rado ao l* batalho destacado de rii a' .|i' pertence o gurJa ilaserlor Francisco
Ramos da Siiv,), a que aliu le o citad i nffl :I0
Dito ao mesmo. -Queira V. Etc. informar acer-
ca do que pede no meloso requerimenlo o volun-
tario da patria do 3o corpo, Manoel de Araujo Al-
ve- ila F nceca.
Dito ao m-smo. Responleodo ao offlcio quei
V. Ec, me dirigi li mtin son n. 2282,teuuo a di-
Z'^r-ltie (pie pode umnear o lente reformado da
guarda nacional, Tnmiaz Antonio Haciel Honleiro,
e o alferes do 2" batalho de infamara desta mu
nicipio, orberto Muniz Tia>ira Oulmaraes, para
ervircm no deposito de recruus.
Hito ao mesmo. Mande V. Exc. eliminar do
servico da guerra pira qu- Pora designado o suar-
da na'cioml do batalho n. 2 de artilnaria do moni-
cipio do Rio Formse, Antonio Franeisdo Perelra,
acceitaod > em seu lugar o paisano por elle otere-
cido Pedro Antonio, visto ler sido este jnlgado ap-
to (tara isto, segund. consta do termo annexo ao
offlcio de V. Exc, de 29 do corrente soh n. 2278.
Hito ao mesmo. Mande V. Exc. eliminar do
servico da guerra para que fora designado o guar-
da nacional ito batalho n. 43 di municipio de Se-
nnhaem, Claudino Cavalcanle Barretn, acceitando
em seu luiira 0 paisano Antonio Manoel dos San-
tos por ele offerecido, vlslo ter sido este Julgado
apto pira isso, segnulo consta do termo de aspee-
rio aar.ex i ao ollicio de V. Exc. de 29 do correu-
te, sob n. 2281.
Dito ao mesmo. -Queira V. r-to. maular jos-
peccionar o guarda nacin i do batalho n. 23 do
municipio da Escala. Do nsio de Barros Reg, que
foi designado para u servigo da guerra.
Dito ai jtiz de direilo, chefe de policii ur.
Eiuardo Piodabyba de Mallos.Transmiti t S.
S., para os fins ciinvenientes, a Inclusa portara
que Ihe dirigida p-io Exm. conselheiro presiden-
te do supremo tribunal dejostici sobre o processo
de reclamacao de an'igoidade do juiz de direlto
Franeisco Liberato de Manos, [guaes aos julzes
de direlto, Drs Manoel Clemeonno Carneiro da
Cuuhae Deltiuo Augusto Cavalcanle de Alboquer-
que.
Dito ao inspector da thesouraria de fazooda.
En vista do pre junto em duplcala que vai co-
berl i com copia do olcio do delegado do termo
de Flores, e nao hav.odo inconveniente, mande
V. S. pagar a Joan Baptista dos Guimaraes Peixo-
to, conforme solicitou o chefe de polica em offlcio
de 27 do correle, sob n. 1869, a quaolia de.....
415400 proveniente das etapes abonadas aos deser-
tores Raymondo Alves, Jo- Wenceslao da Costa e
Geraido Ferreira da Silva que, segundo consta do
predito offlcio, foram entregues ao lente coronel
recrutador n'aquella comarca, Jos Lucas Soares
Raposo da Cmara. Commuuicou-se ao Dr. chefe
de polica.
Dito ao mesmo. Declaro a' V. S., para seu co-
nhecimento e lim conveniente que, segundo consta
de avisos^xpedidos pelo ministerio da fazenda era
3 e 9 do corrente, por decreto de 30 de selembro
ultimo, no s concedeuse ao bacharel Antonio
Epaminondas de- Mello a demisso que pedio do
lugar de curador das herangas jacentes e bens de
ausentes no municipio desta capital, mas lambem
nonieou se para esse lugar o bacharel Angelo lien-
riques da Silva.
Dito ao mesmo. Recommendo a' V. S. que, es-
tando em termos o pret junto em dublicata, mande
pagar a quantia de 8395040 em que, segundo o
mencionado pret, hnporlam os vencimentos dos
voiuniarios da patria alistados no termo de Taca-
rat.
Dito ao mesmo.S-nao houver inconveniente,
mande V. S. pagar ao captao do 3o corpo de vo-
luntarios da patria, Francisco Baptisla Corr"a a-
belleira, como pede no incluso requerimenlo, a
quantia de 405000 que, segundo o recibo junto,
dispendeu com o aluguel de urna canoa que trans-
porlou o supplicanle, e vinte e tantos voluntario?
vindos de Taca.-at, do porto de Piranhas at Pe-
nedo.
Dito o mesmo.Declaro a T. s. para seu co-
nhecimenlo e lim conveniente, que segundo consta
do aviso do ministerio do imperio datado de 9 do
corrente, naquella data expedio-se ordem para ser
paga nessa thesouraria, pela verba-obras espe-
ciaes desle ministerio do exercicio de 1864 a 1865
a quaniia de 7:4185993, ao barao do Livramenlo,
melade da de 14:8375990, porque contratou em
outubro de 1864 e concluio em marco de 1863 a
conslruccao de duas casas ao lado do palacio da
presidencia, sendo urna para quarM da guarda, e
oulra para cocheira, em substituicao das duas exis-
tentes que tiobam o mesmo uso, e que aquelle em-
preiteiro se ebrigou a demolir, tendo a oulra mela-
de de ser paga pelo ministerio da guerra, que nisso
concorda, por se referir a servico do dito minis
lerlo.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Sirva-se V. S. de remetter-me a I
informaco que por despacho de 3 do correle,!
exig acerca do requerimenlo em que o guarda
nacional do 3o batalho sol seu commaodo supe-
rior, Adolpho Thiago de Faria, pedia liceoca para
tralar de suasade.
Dito ao mesmo.Antonso V. S., como solicitou
em offlcio n. 452 de 28 desle mez, a fazer desa-
quartellar o guarda Floriano Gomes dos Santos de
que trata o seu citado offlcio.
Dito ao commandante superior da guarda naci-
nal di Boa-Vista.Ao lenle do batalho n. 49 de
infantaria do municipio do Ourtcury, Joao Caetano
Rodovalho de Alencar, que mudou de residencia
para o distri lo do batalho n. 47 do municipio da j
Boa-Vista, como consta da informaco desse com-,
mando superior de 22 de outubro prximo findo,
mande V. S. pausar a guia que pedio, nos termos;
do art. 45 do decreto 1,130 de 12 de margo de
1833, nao havendo inconveniente.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande !
V. S. fornecer ao teneme-coronel commandante do I
3*batalho de guardas nacionaes destinado ao serv-,
co da guerra Luiz Paulino d- II i'landa Valenga, os ,
arligos de que trata o incluso pedido, menos o- sa-
paidei que ja >e raaudou satistater por offlcio de
29 do corrente.
Dito ao director das obras militares.Informe
V. S, com urgencia se ja foram enllocados no de-
posijo do qnartel da Soledade as grades de ferro de
que trata ni os roeus offlcios de 29 de selembro e
II de outubro ultimo.
Dito ao chefe da reparligo das obras pblicos.
Para que eu possa resolver acerca do que pedem
os moradores rio povoado denomina lo Campo
Gratule no requrrmento sobre que versa a .-na
informaco de ho;e sob n. 381 lorna-se preciso que
V. aprsente o nrcamento da despeza a fazerse
com o passadigo de que traa o requerimenlo.
Diloao juiz municipal de Villa liella.Sua Ma-
gestade o loiperador por decreto de 30 de setein-
bro ultimo houve por bem declarar vagos os offlcios
de partidor e contador .es.e termo por ter o ser-;
ventilarlo Jos BaKibinn tioncalves Lima, deixad-i
de tirar carta no prazo lega-: o que a Vine, com
munieo para seu conh-cimenlne lins conveiieoies.
Dit-i ao juiz municipal de Nazareth.Tendo s.
M. o Imperador por decreto de 30 de set^mbro ul-
timo fet i roerc a orlando Mequelino de Almeida
da serventa vitalicia dos offlcios de 2o labellio do
publico judicial e notas, e esenvo do civil e cri-
te, residuo* e capellas desse termo: assira o com-
munieo a Vmc. para seu conhecimento alim de que
faga constar ao agraciado para reeollier a reparti-
cAo competente a importancia da despeza que esli
ver a dever para oMer o respectivo titulo segundo
a nta junte por copia.
Dito ao capito do porto. Remello a Vmc. para !
os litis convenientes a guia com que veio d> presi-
dio de Fernando e se acha na casa de detengan o ;
sentenciado da armada, grummelte Albino Jos
Garca.
P-irlaria.O presidente da provincia, alt-ndendo
ao (|ii requeren o promotor publico da comarca
do rejo bacharel M laoel Gal lino da Cruz, resolve
conceder-lhe 2 mezes de liceoga com veucimentos
na fnna da le para tralar de sua sale.
Expediente do secretario do geverno do dia 30
de noveinbro de ISlio.
Offlcio ao director juiz de direilo presidente do
tribunal do jury. Ropo a V. S queira dispensar
de servirem na presente sessSo desse tribunal pa-
ra que foram sorteados o chefe de seccau desta se-
cretaria Francisco de Leinos Duarte bem como os
escripturarios Firuiino Herculano Baptisla Ribeiro
e Joo Manoel de Casiro. ltenla a falta que fazem
os seus servigos nesta reparligo mxime na qua-
dra actual.
na pompa e esplendor que houve nesse acto, e as
acertadas medidasque tomaram pira que nesse lu-
gar remolo se fizesse urna abjurago dos erros c
profissao da nossa f com a solemnidade que a
igre|a recominnda nesses casos
Pica recolhida cmara ecclesiastica a compe-
tente certidao que acompanhou o seu offlcio.
28
Offlcio ao vigario de Araruna. Sobre o seu od-
elo de 23 do prximo passado tenho a dizer-lhe
que nao pode V. Rvma. pereeber a congrua cor-
respondente ao lempo era que esleve suspenso por
haver feito um casamento sem proclamas corridos
nrm dispensados ; porquanto suspensao ex infr-
mala eunmentiti, imposta a qualquer sacerdote
para sua emenda e coriecgo, como a que V. Rvma.
soifreu tem a nalureza de pena : pelo que nao tem
applicago ao caso a citago de todos esses avi-os
do governo, que se leem no seu referido offlcio.
Dito ao padre Januano Pereira Lira. Mulo
bem obrou V. Rvma. quado apresentando-llie o
Rvm. vigario de Araruna um offlci-. em que eu
o suspenda do offlcio e beneficio, e fhe ordenava
que eniregasse a V. Rvma. a regencia da fregu-
zia durante o lempo da suspensao, V. Rvma. se deu
por entendido, e entmu logo na administragao pa-
rochtal, embora nao recbese directamente offlcio
meu a tal respeilo.
Fica assim respondido o seu ollicio sem data,
recebido no da 20 do corrente.
- 29 -
fo de Iran eslnbeleciilo em Londres a qual se
refere o officio dirigido ao Hvm. vigario^
Capito Joaquim Antonio de Siqueira.
Joo Alves de Figueiredo Torres.....
Kelippe Jos Moreira.................
Francisco Bizerra Lima............
Antonio Vieira de Figueiredo..-.......
Vctor Vieira de Barros......'.......
Antonio Vieira Lima................
Joo Alves Feiiosa Franco Filho......
Manoel Jos Gomes Callassa.........
Antonia Rosa de Jess..............
Antonia Vieira dos Santos............
Manoel Bezerra Chaves..............
105000
35000
35000
35000'
25000
23000
25000
15000
15000
15000
5500
3500
335000
n. 43 Joo Silveira Carneiro da Cunha, promovi-
dos a osle posto pelos baialhoes em que perles-
cem, fl.jnrm incorporados ao 2 deslacado para o
servigo da guerra, sendo que o primeiro offere-
ceu-se para (al servigo, e o segundo j perleocia
como guarda ao referido 2o batalho.
(Assignado.) -- Francisco Sergio iTOlijeira.
Est conforme.Antonio Francisco Duarte, 2.
tenente-ajudanle de ordens interino encarregado
do delalhe.
EXTERIOR.
Dispensas matrimoniaes.
Existiodo anda algumas petigoes de dispensas,,
concedidas pelo Exm. e Rvm. Sr. internuncio apos-
tlico em diversas dalas, de novo publico os nrnies
dos contra nenies, alim de que ditas petieoes pos-
sa m Cora (acilidade ser piocuradas na cmara ec-
clesiastica, onde ticam todas recolhidas.
idade de Olinda, 27 de novembro 18C5.
Cooego Jaaquhn Ferreira dos Santos,
Secretario do bi>pado.
Dispensas concedidas cm data de 14 de selembro de
1861.
Francisco Googalves de Mello eDelmira Pauslioa
Offlcio ao vigario da vara da comarca de Pao de do N'ascimenlo
da Silva, e Felicia Mara da
de Vasconcelos e Josepha
e Francisca Xavier de
Assucar. Em resposta ao seu offlcio de 30 do
prximo passado, leuho a dizer Ihe que pode man-
dar tirar nova provisao de vigario da vara, visto
haver-se lindado a que linha.
30
Offlcio ao vigario da Santa Cruz. Com o seu
offlcio do 13 do crreme receb a quantia de 01-
tenta e sele mil ris (875000) cem que os seus pa-
rocliianos concorreram para o coliegio de misio-
narios catholicos estabelecido em Londres.
luai mulalis mutandis ao vigario da Serra Ta-
lliada que para o mesmo lim remelteu a quantia
de setenta e sele mil res (775OO0) ; igual ao de
Agua Brauca une no mesmo sentido remelteu lam-
bem a quantia de trintae tres mil ris (335000).
Lista d'is pestoat que na freguezia da Santa Cruz
concorreram para o collr.gio do Suijrado Cora-
cao de J'Shs, estabelecido em Londres, qual se
refere o o/ficio cima.
Vigario Aniooio Das da Cunha....... 105000
Vicente de Andrade Lima........... 35000
Francisco de Paula Ferreira Lima----- 35000
Job Furlido de Mendenga.......... 25000
Joaquim Rogerio de Carvalho........ 25'XHI
Trajano Jos de Faria............... 25000
Flix Antonio de Medeiros.......... 25"O0
Jos Alexaudrino da Silva........... 25000
Manuel Joaquim Bubosa Bedo....... 25000
Amonio Jos da Silva............... 25000
Timinaz Braz de Oliveira............. 2J000
Cosme Manoel Camp-llo............. 2*000
Flix Ribero da Fonsca........... 25IXX)
Jos Alves Tavares................ 25000
Jos Joaquim da Silva............... 15000
Joo Simio da Silva................. IJOOO
Jo Ferreira de Faria.............. 15"00
Eustaquio Viveira de Oliveira....... 15000
J^ao Jos de Faria................. 15000
Cosme Ferreira BaDli^ta............. 150u0
Jorinoda Soledade Bezerra...-...... 15000
Joo Gomes Brasil .............. 15000
Joao Moror dos Sanio.............. 15000
Manuel Gongaio de Miranda.......... 15onO
Antonio Bento da Rocha............. I5"00
Manoel Luiz Gontaga.............. 15000
Luiz Ferreira de Araujo............. 150U0
Ignacio Jaty...................... 1511OO
Jos .Miranda dos Santos............. 1500!)
Joaquim Francisco de Oliveira....... 15000
Cypnano Jos de Oliveira............ 150 K)
Jos Joa piim da Penlia............. 15000
Jos Rodrigues da Silva Fejrelra..... 15000
Maooei Francisco de Paiva........... 15000
Joaquim Patricio de Medeiros........ 15"*>0
N'anoel Alves de Oliveira............ 150OO
Francisco Antun'es de Luna.......... 15000
Jos Paulino Carneire.............. 1000
Antonio Pacifico de Queiroz........ 150IH)
Joaquim Mariuhode Carvalbo........ 150iM)
Joaquim Pereira de Araujo........ 15000
Goiicalo Jos da Penha............ 15'>0J
Manoel Ferreira Lnstosa............. 15000
Joo da Cruz...................... 15000
Sebasto Bezerra da Rocha......... 15000
Man ioi Francisco Campello.......... l50uO
Alexandre Rodrigue de Carvalho..... 15"O0
Miooel RodrirUes de Alin-ida....... I50 Manoel Rodrigues de Carvalho....... 15000
Manuel Carneiro de Mesqoila........ 15''0)
Joo Lucio a Cruz................. 15000
Lzaro Vieira Lima................ 15000
Joo Jos Birbos'i ................. 5500
Flix Joaquim de Lima............. 5500
Man..el j is do Naseiraenlo.......... 50"^
Francisco Ferreira Maia............ 550 )
Joaquim Rodrigues de Preitas........ 5300
Thoinaz Lourengo Pereira............ 5500
Manoel francisco de Oliveira........ 5-500
Miguel Rodrigues de Carvalho....... 5500
Antonio Pereira de Araujo.......... 5500
Miguel Carneiro da Cuoha Xexeo----- 5500
Manuel Jos Pereira................ .VIO
Luiz Frago.sO da Silva............... 5-500
Manoel Antonio de Moura........... 5500
Joo de Souza..................... 5-'>'*0
Antonio Justino de Souza........... 500
Domingos Rodrigos Soriano........ JJ1400
Jos Nicaciu e Joo Ferreira......... 500
Joaquim Baro..................... 5'00
S75IW0
(;ov:5i\o o iiisi'\i> ii;
i*i-:n\%viaii'c.
SEDE VAGANTE.
Expediente do dia 27 de novembro de 186o.
Offlcio ao coadjuctor proparocho de Piassabug.
- O sen offlcio de 26 do prximo passado, houtem
rececido. veio encher-me de consoiago pela grata
noticia que me trouxe de haver V. Rvma. proce-
dido nessa matriz no da 22 do mesmo, a abjura-
gao dos nligos erros e profissao da f catholica,
que fez o subdito Ingle Alian Brown, depois do
que, Ihe adminislrou o Sacramento do bapttsmo
condii'ionalmeote.
Nao me admira que por essa occasio se dsse
entre 05 seus parochianos a alegra que V. Rvma.
com tanto enthusiasmo descreve no seu offlcio,
poiso memo tem succedido era todas as seis c.on-
versoes que j tem tido lugar durante o meu go-
verno. Esse regosijo, esta alegra inaudita, que
em taes circunstancias se apodea dos fiis, asss
prova que nao smenle no co que ha grande
jubillo e ineffavel prazer pela conversao de um
peccador, e reconduego de urna ovelha tresmalha-
da para o verdadeiro aprisco : na trra lambem
os horneas compartlham essa alegra que soem
inspirar taes solemnidades religiosas.
Muilo bem se hoove V. Rvma. era aproveitar-se
das boas dispo.-igoes em que se achavam os seus
parochianos para loes dirigir a palavra e faze-los
comprehendera sublimidade de nossa f e o goso
Ineffavel qoe sent a alma que se regeuera ou pe-
las aguas do baplismo ou pelo sacramento da pe-
nitencia.
Em nome da relgao agradego a V. Rvma, e a
todas 4-s pejtfoas que se presia/ara a qqa-ljuva-lo
Lista das pessoas que na freguezia da Serra Ta-
tuada concorreram para o coliegio do Sagrado
Coracao de Jess, estabelecido em Londres, qual Marja da c/meto
se refere o officio dirigida ao Rvm. vigario.____ Concedidas em 19 de agosto de 1865.
Severioo Gomes
Coueeigao.
Francisco Bezerra
Maria.
Francisco Iguacio Nuues
Maeedo.
Jos Vicente Tarpno o Florencia Petronilla.
Joo Paulo de Albtiquerque e Anna Thereza de
Jess
Manoel Marlms de Barros Reg e Isabel Mana da
Conceigo.
Antonio Manoel dos Santos e Binvinda Maria da
Couceig.o.
Antonio Nuues da Silva e Antonia Matia da
Conceigo.
Diouizio coares Pereira e Antonia Maria da
nceigao.
Jos de Mello aa Silva e Magdalena Mana da
Coueeigao.
Antonio Martins Leite e Mara Thereza de Je-
ss.
JoSo Pereira da Cruz e Anna Mara da Concei-
go.
Claudino Correa da Silveira e Maria Francisca
Correa de Oliveira.
Concedidas em 27 de outubro de 1864.
Joo Ribeiro da tiesta e Mannha Jos de Muta
Anna.
Joo Jo- Nepomuceno e Lourenga Mara da Con-
ceigo.
Nicostraeto Pereira de Mello e Maria Do.'nellas
de Alhtiquerquc.
Coyc-didas em 30 de novtmbno de 1864.
Jos Joaquim Victoria e Francisca Casernira de
Jess.
Jos Cosce da Silva e Francelina Maria da Con-
ceigo.
M>noel da Cosa Jnior e Eufrozioa Maria de
Jess.
Francisco Carneiro de Araujo e Anna Maria da
Coueeigao.
Manoel Francisco de Brito e Mara Januaria da
ConceicAo.
Jos Carlos de Fraila* e Anua Maria da Con-
ceigo.
Luiz Francisco Ramos e Thereza Mara da Con-
ceigo.
Concedidas em 23 de Janeiro de 186o.
Joaquim Jos dos Res e Antonia Joviua da Sole-
dale.
Antonio Ferreira e Umbelina Mara da Concei-
go.
Concci/ilas em 10 de maicode 1865.
Nicolao Alves da Costa e Pastora Mana da Exal-1
lacio.
Jos de Barros e Silva e Antonia Maria da Con-
eelcao. |
Martiniano Jos dos Santos e Vicenea Mara da
Conceigo.
Joo Francisco e Antonia Thereza.
Candido Marques das Virgeus e Anua Luza do
Nascimenlo.
Concedidas em 19 de abril de 1863.
Antonio Jos da Silva e Francisca Xavier da
Silva.
Joo Francisco da Silva
Conceigo.
Antonio Lobo dos Santos
da Conceigo.
Joo Ferreira Ribeiro e Mana da Conceigo do
Amor Divino.
Concedida em 17 de maio de 1863.
Feliz Jos Ignacio de Lima e Feli>miua Franceli-
na de Carvalbo.
Concedidas em 19 de junho de 1865.
Jos Seralim de Souza e Joaquina Maria da Con-
ceigo.
Francisca Antonio de Maria e Bernarda Mara da
Silva.
Manoel Felicio da Silva e Francisca Maria da
Conceigo.
Francelino de Souza Vieira e Maria da Gloria de
Juaus.
Vicente da Rocha Freir e Maria Njcacia do Nas-
cimenlo.
Manoel Nogueira da Silva e Aguida Maria de
Mello.
Concedidae em 21 deyulho de 1865.
Flix Henriques da Silva e Mana Francisca da
Silva.
Jos Romualdo de Lima e Mara Joaquina de
Jess.
Vicente Ferreira Naziazeno Bezerra e Josepha
Maria da Conceigo.
Alexandre Jos dos Santos Sobrinho e Francisca
e Maria Francisca da
e Antonia Veneranda
Coronel Antonio Xavier de Moraes... 105000
Francisco Pereira da Silva........... 105000
Padre Manoel de souza Ferraz...... 55000
Jos Antonio Pereira da Silva....... 45000
Francisco de Souza de Magalnes..... 25000
Thom Nunes de Souza.............. 25000
Sebastio Pereira da Silva......'..... 25000
Manoel Sebastio Pereira............ 25000
Joaquim Pereira da Silva........... 25000
Joo Nuues de Birros. ............ MOO
Tenente-coronel Victoriano Lopes de B. 25000
Capito Jos de S Marauho........ 25000
Deodalo Pereira da Silva............. 25000
Jos Epaminondas Nogueira de Barros. 25000
Manoel Pereira da Silva e S....... 25'XM)
Manoel Pereira da Silva.............
Antonio Nunes de Barros...........
Bento Gongalves Pereira.............
Frndsco Gomes de andrade.........
Francisco de Souza Guerra..........
Prxedes Nunes de Barros.........
Manoel Nunes Nogueira.............
David Bernardinode Carvalho.......
Joo Rodrigues Grillo...............
Juvenal Ramos Nogueira............
Jos Mircelhno Gongalves Lima......
Antonio Pereira do Sjuza...........
Um anooymo......................
Joo Francisco da Silva e Anua Francisca da
Silva. ., .
Manoel Alves de Siqueira e Honorina Mana de
Jess. '
Antonio Joaquim Bezerra e Joanna Francisca da
Conceigo.
Concedidas em 4 de setembro de 1865.
Agoslinho Lourengo Dias e Dellioa Maria de
Jess. .
Joaquim Carlos de Mello e Simiana Vieira dos
Santos.
Feliz Jos Bezerra e Maria Thereza da Concei-
go
Balizio Jos da Silva e Maria Pastora.
I|ooo| COMMANDO DS AUNAS.
25000 Qmriei general do eomiaudo das armas namliuro na cidade de Recife, 4 de dezembro
de 1865.
Ordem do da n. 166.
0 marecbai de campo commandante das armas
faz publica para conhecimoulo da guaroigo e de-
vdo efleito :
1 Que a presidencia no dia Io deste' mez no-
meou ao cidado Justinano Manoel de Barcellos
. para servir em commisso o posto de alferes in-
i cumbido de oranisar a companhia de zuavos que
775OOO ser allojada no quartel das Cinco-Pontas..
________% Que a mesma presidencia resilveu quo os
.a rf pramat que na frtguezia de Agua Branca Srs. alferes do batalho da guarda nacional n. 42
concorreram para o oojlegio do Sagrado Cora Luiz Felippe Cavalcauti de Albuqqerqn,?,, e do de
25000
15000
15000,
15000
15000.
15000
15000
15000
15480
95 20
m>s*n;;s\i>!E:v< 5as imvisa
RIO DR BKR.\ AJIIH O
LISBOA.
13 de novembro de 186o.
No dia 6 do crreme foi a scsso real para o ju-
ramento de sua magestade el re o Sr. D. Fernan-
do, como regente na ausencia de sua magestade
el-re o Sr. D. Luii I.
A' meia hora depois do meio dia,reunidos nasa-
la da cmara electiva os pares e depulados, oceu-
pou a cadeira da presidencia o conde de Lavradia,
que declarou abena a scsso.
Seguidamente nomeou para comporem a deputa-
co quehavia de acompanhar sua magestade e o
infame D. Augusto na sua entrada e sahida do pa-
lacio, varios pares e deputados.
Pea nina hora da larde enirou na sala sua ma- i
gestad" peecedido da deputago e acompaohado do
squito marcado no respectivo programma, e tendo '
subido ao throno e tomado assento, permttio que ;
se seniassem tambera os pares e deputados.
Seguidamente prestou juramento, seguindo-se as
formalidades proscriptas uo programma, e presta-
do juramento leu urna allocuco.
O ministro da fazenda o Sr. Fontes Pereira de
Mello apresentou s cmaras um projeeto de le''
approvando a novago do contrato com a companhia
do caminlio de ferro de sueste ; outro derogando as-;
torisagoes concedidas ao governo para emittir ti-'
Islas de divida fondada ; outro aulorisando o go-:
verno a prorogar at 30 de junho de 1867 os pra-'
sos para o tronco e giro das antigs moedas de oiroi
e prata ; e outro abolindo os privilegios conced-'
dos aos vendedores de papel sellado.
A companhia dos camines de ferro de sueste
tinha direilo subvenga de 16 conlos de ris por
kilmetro uas liuhas de Vendas Novas e Evora, e
do Entroncanieuto a Beja, subvengan concedida pe
la carta de le de 29 de maio de 1860-, e pela de
23 de maio de 1864, tniha direilo ao subsidio de 18-
contos de ris por kilmetro pira as linhasde Be-1
ja a Faro, de Beja ao Guadiana, de Evora ao Grato
por Esiremos, e em certas condigoes do Guadiana
i frontelra de Hespanha.
As Mhas do Barrero, as Vendas Novas e Setu-
bal construidas anteriormente ticavam a cargo da
companhia pelo prego de 1,086 contos de ris a
encostrar na importancia das subvngales. Peto
contrato em queslo o systema de subveBgo
substituido pelo systema de garanta do producto
bruto kilomtrico;
As si.rumas que a companhia tem recebido sao i
restituidas ao estado ; a importancia da subvengoj
cessa de ser um cargo para o thesoureiro ; o onus i
trausforma-se em urna despeza eventual e tempo-
raria representada urna annuidade pelo praso de
50 anuo.- a contar do Io de Janeiro de 1870 em
oanle, effeto da garanta do producto bruto kilo-
mtrico de 35C00 que o governo eslipulou durante
0 referido perlado.
Esla garanta principia a correr do t de julho
de 1869, e nao pode obrigar a pagamento lgum
autes de 15 de Janeiro de 1870 : BcandO o thesou-
ro completamente livre de toda a responsabilidade
e encargos da constrnego e explorago dos cami-
nhos de ferro de sudoeste e nem mesmoento sera
obngada a supporta-lo na sua tctalidade, se a rede
completa nao esli ver concluida e explorada com
seis mezes de antecedencia pelos menos.
O governo durante os quatro primeiros annos
lein a receber da companhia tres mil contos de
ris.
Eis um resumo a queslo do dia ; as coudiedes
da novago do contrato ; nao posso entrar na ana-
1 y se do relalorio publicado em todos os jornaes da-
qui, pois urna queslo muito complexa e que po-
da dar una serie de arligos muilo extensos, oque
nao comporta o [dao de urna carta. Pego-ihe po
rm que publique este documeulo que realmen-
te curioso e inleressaiile.
As vantagens all inculcadas sao palpaveis e che-
ga o lelor a ter compaixo dos accionistas da com- J
panhia do caminho de ferro de sudoeste. Os calcu-
los esto artsticamente apresentados: mas oque
cerlo que tal contrato tem levantaJo contra si
os clamores de toda a imprensa, e duvida muila
gente que o ministerio possa resistir discusso
do projeeto de le.
Na cmara dos deputados ha de haver muito
discurso, gastarse muilo lempo, preparar-se urna
tempestade, que serenarilo pacifica, quando o mi-
nisterio pronunciar carrancudo o 7os coo...eo
pobre baixel passar batido das vagas, mas passa-
ra I Na cmara alta carrera outros ares, a tempes-
lade prouuncia-se mais imponente, o baixel e os
limoneiros orrem grande risco dse afundarem...
A imprensa debate actualmente este acto Unan-
cairo do Sr. Fontes, mas parece que por mais lesi-
vo que tal contrato seja para a nago, era impossi-
vel actualmente occorrer as despezas corremes de
oulra maneira.
O estado monetario as pragas eslrangeiras
mo, e nao Pavera possibilidade de se contrahir
novo emprestimo sem que os nossos ttulos de divi-
da fundada se ressentissein de tal modo que ba-
queasso o crdito ; a divida fluctuante, augmenta-
da pelos expedientes financeiros doSr. Lobo d'Avi-
la tomou proporgoes assustadoras e o seu juro
muito avultado.
A recepgo d' s ires mil conlos, a suppressao da
aulorisago de emiltr ttulos de divida fundada ,-
e a cessago dos onus com aquella linhaferr-a, du
rauta quatro annos, d lalvez ao ministerio que re
sislir a esla queslo um espago de tempo, para po-
der respirar e cuidar no modo mais conveniente-de
fazer cessar este estado de cousas e melhorar oes-
lado linanceiro do patz.
Entretanto o ministerio soppoe-se em erise em
quanto tal projeeto nao for approvado as duas ca-
sas do parlamento.
Enierra-se boje o Sr. ministro da guerra gene-
ral conde de Torres Novas Antonio Cesar de Vas-
concellos ; contava 66 >nno3 de idade e falleceu no
dia 11 do corrente, victima de urna prolongada en
fermidade. Era grao cruz da orde de Avlz e de
Carlos IV de Hespanha ; commenddor das ordens
de Christo e de Nossa Senhora da Conceigo da
Villa Vigosa -, offlcal da Torre Espada, e Minha a
medalha das campanhas da liberdade com o alga-
rismo nove. Foi geralmente sentida a sua morte, e
o partido liberal perdeu nelle um dos seus mais il-
ustres membros, daquelles que mais servigos fize-
ram a causa da liberdade em todos os lempos. Foi
muitos annos goveroador geral da India, d'onde
havia regressado ha poucos mezes.
Geria merinamente a pasta da guerra o ministro
da mantilla.
O general conde de Mello est perigo-ameote
doente, e quasi sem esperangas de se salvar.
No da 11, anniversario da morte de D. Pedro V,
houve exequias era S. Vicente de Fra a que assis-
liram el-rei D. Fernando e S. A. o Sr. infante Q.
Augusto, corte etc. Algumas escolas e corporales
nao se esfiueceram. de suCfragar o re homloso, que
em to verdes aun>s soasara conquistar pela sua
vasta nteigeoeia, rara actividade, prudente animo
iniciador, um lugar eulre os piiraeiros pensadores-
e refurinadi)res \ e i|u-! pelo seu corago affavel ti-
nha conquistado o verdadeiro amor do povo por-
j tuuez.
O coliegio militar e a escola normal devem-lhe
a(Tcxios,.e mostrara, recordaudose sempredo man-
cebo amigo da iolriicgo, que uo Ihe -o ingratos.
SS. MM. el-rei D. Luiz e Maria Pia chega-
ram a Turim no da 24 de nulubro. Na sua viagem
para a Italia el-rei D. Luiz foi de Colonia no dii 20
a Dresde visitar a Sra. iufauta D. Maria Auna sua
irma, espo-a do principe Jorge da Saxonia. A ra-
nba nao acompauH>u seu esposo a Dresde, uas se-
pa rago foi de poucos dias, potsno dia 2i eram re-
cebidos os augustos esposos em Turin.
Parece que SS. MM. sempre visilaram corte de
Vienna e que se aenam removidas as difflculdades-
de etiqueta que se oppunham aquella visita.
Aa reeepgoes na liaiia tem sido expontaneas e
incessautes como se v do que publican) os jornaes
italiauos ::
ul-se n'iim jornal de Turim :
Esta manha, 23 de ootubro, s 11 horas, efie-
garam antes de aS. MM. porluguezas, SS. AA. II. O
principe Napoleo e a priQceza Clotilde, com o sen
joven lillm o prior.ipe Vctor, acompanhados por Si
I A. IL o principe Humberto. O povo saulava cora
repeito o-sympaliiia. apezar de SS. AA. guarda-
reui o mais stricto incoguito. S. A. R. o principe
j de Carignan tinha ido receber na gare os augustos
i esposos.
Depois da cliegada do rei e da rainha de Portu-
{ gal, quau Jo na graude jaoella da scala, que abre
' sobre a pr-aga do castello, apparec.eu S. M. el-rei
'. para assistlr passagein das tropas em continencia^,
rodeado de SS. MM. o rei a a rainha de Portugal.e
de SS. AA. o principe Napoleo, a prineeza Uolilde,.
do principe biuiberl, do principe de Canguan, da.
i il 1 |ueza 9 do duque de Genova da sua luzda e bri-
liiante familia, enio nao pode conter por raais-
terapo a Gommogo popular de Turin, que to or-
gnlbosa se laosira pelos seus principes, e rompe-
! ram unnimes os gritos de cipa el rei I rica a/a-
milla real't Comegaram *s tropas a passar em con-
tinencia repet mi 1 os mesmos gritos, e mais de urna,
vez SS-. M.Vt e A A. agradecerem as tropas e ao po-
vo. A rainha de Portugal e a prioceza Clotddo-cor-
respondern) a estas enlhusiasias manifestagoes de
sympaih apreseotando ao povo os seus aijustos
filhos, que eram aclamados com palmas.
A' no'Att o povo circniava contenti pelas ras,
tendo a cmara municipal mandado Iluminar a
praga do castello e a ra Nova.
L-se na Gazela de Turin, de 26 :
< Logo que cbegOU a carruagein que sonduza a
lialacw o principe Napoleo e a pnneeza Catide,
el-rei Vctor Emmanuel, pondo de par; a dique-
la, deseen a escada com rapidez,, e depois de abra-
gar sua filba, deu-lhe o brago para caduzi-)a aos
reaes aposentos. A princeza Clotilde t:uiia ao seu
lado o joven principe Vctor, seu lillio.
A's 1; Mti o horas em pomo, um '.ro de pega
annuuciou a ebegada do re e da raioba de Portu-
gal estcalo do caminho de ferro. Ao chegarera
SS. MM. ao palacio, o j >ven re de Portugal tomou
nos bragos o seu lilho, e subi a oscadana, era
quauto que a raiuna de Portugal *va o brago a
seu pai. O rei de Portugal vestid o uniforme de
general.
Diz-se que llavera' em Flortaga conselho de
familia da casa de Saboya. Dever' tomar parte
nesse Conselho Soa Magestade el-rei o Senhor. I)..
Luiz o principe ftapoleo. Dons pontos eapitaes se-
rio tratados em cooseluo; ocasarauto do principe-
lluraberio, ao que parece, cora urna pnneeza de-
Ilespanha, e a pacili<'agu de Italia com a Santa seu
por intermedio de D. Luiz.
(l'.c.Uuuar se-ha)
o,ii_iwj^iw,; (ll'lljl
PhRilA^fiCO.
mfflk lUiftlJa.
Encelamos boje a publioacao de uus ar^gos
em que o Sr. mousenhor Pialo de Campos se pro-
poe, nao s mostrar os erros do protestantismo, os
pingos de sua propagago e couseqnencias futu-
ras, como palenlear a lalsidade das biblias que por
all se audam vendendo ao oosso povo, cuja alten-
go chamamos para os ditos arligos, qoe uiuilc Ihe
deve mteressar. A relijio catholica fez sempre o
timbre e gl)ria desta esirgadi populaco, e se as
verdades do calholirismo uo e-tao profonda mente
arraigadas no seu seto, culpa de quem,. Ihe de-
vendo ensinar a boa doutrina, procura antes ~-
vara-la com mximas perniciosas. A ndole u5o
pode ser melhor.
Se o geral dos par-ochos cuidasse maiida propa-
gago da f, do que de se distinguir 'por mestria e
iiai.ili.ladc era eleicees, de que se declaram eaneei-
Ibas as suas freguezias, sendo dellas os pnuci-
paes perturbadores, pode bein ser que nao livesse-
mos occasio de lamentar a falta e teiigi-', que
val por aln, dando lugar a que o Brotfetaatismo
faga tentalivas de se minificar entre nos, o'.rodu-
lindo nessas biblias e livros falsificados o fermento
da impiedad 1
Niogem poder de boje por dame allegar de boa
f, que se acha em ignorancia a respeilo dos erros
e manejos do protestantismo, que, gosando no paiz
de toda a prolecgo offlcial, quec mais alguma cou-
saquer implantar se no nosso solo brasileiro I
Na 1 somos inimigos da coloutsago ; pelo con-
trario q.ueremo-la em toda a extenso da palavra ;
mas nao com prejuizo e quebra da religio do es-
tado.
Na solemnidade da Senhora da Conceigo, que
tem lugar na matriz de S. Jos no dia 8, canta a
sua primeira mlssa o Kvd. Francisco Aomano de
Souza Araujo, mandado ordenar-se na Baha pelo
Exm. Sr. Dr. vigario capitular com o fim de solera-
aisar o anniversario da inaugurago daquelle ma-
gostse templo, de que Exc. zeloso protector.
Sao pregadores.do t.vangelb i, o Bv.n. Sr. Anto-
nio de Mello e Albuquer jue, o qual, dividindo o
serrao era duas parles, tratara com a habilidad
que Ihe recouhecemos, da Immacubdade de Maria
e do sacerdocio ; e do Te-Deum o Bvd. Jo.- E-ta
ves Viauna, ja bem conhecido do nosso publico.
0 cauaote iemjporsaeerdoies asslsteotes o hvm.
Sr. c.iamre Jos Joaquira Camello de Andrade,
reitor do seminario de Olinda, e o Itvm. Sr. oonogo
Jos Marques de Caslilha, vice-reitor do mKOP- se-
minario, e por seculares assistentes os Exias. coa-
selheiro Dr. Pedro Aulran da MatU e Albuq,uer-
que e baro do Livramento, e o Sr. Dr. Joaquim
Jos da Fonseca.
No aano lectivo que termiaou matrirularam-
so na Faculdade de Direilo desta cidade 438 alum-
nos, distribuidos da forma segua! pe!)i diversos
annos do estadio scentilico :
1 anno 106.
!. dito 91.
3.* diio 83.
4, dito 65.
5.' dito 91.
Do numero total exarninaram-se 417 ; perdern)
o anno 13, deixaram do fazer acto 3 e morreram 3.
Dos examinados 313 foram approvados plena-
mente 112 simplesmente ; e 20 reprovados.
No 1 anno foram approvados plenamente 67,
simplesmente 37 e reprovados 4.
o 1.* anno foram approvados plenamente 58,
simplesmente 24 e reprovados 5.
No 3. foram approvados plenamente ft, sitn,,
pies mente 11 e r-ro vados 6.


Diarto de Pernarabnco tcpca letra 5 de Dezeuibro de *.*.

No 4. auno
simulesmeal-! 40
foram approvaitos prenaarente 42, Dionisio, cnooto, fttfto de Batlnna, escrava do Jos Emilia, Pernambuco, 9 mezes, Boa Vista ; dyar-
) e reprovaJjj S. de Azevelo Maia e Silva, rha.
Xj 3.a anno foram approvados plenamente 81 e Francisco, crioulo, Albo de Antonia, escrava de Jacintha Rosa de Jess, PBrnambqco.55 anoo. sol-
.. .. I ..*.,Mi O I lili l'i>..|..r,. O. ........ I, r___.. _.._ I________ .t
simpl.smente 8.
Pedem-nos a poblicacao do seguinte, extrata-
do de urna carta escripia do Rio Formoso:
O commandante superior, ioiraio pessoal e
polilico do inajor Thomaz Luiz Caldas, commau-
danto interino do batalhao n. 44. iem lacado
mo de lodos os meio por friis ignobeis que se-
jam, p ira obstar a que, aquello raajor d o contra*
gente do seu batalhao, e desia falta tirar motivos
para enredos e inecrtericos para com a presidencia,
alim de cliegar a seu Um.
Ninguem que o contiene ignora o quanto
elle poderoso no jogo desta arma. CmhecendO!
que o major Santos Vital delegado suppleote em ,.
exercieio nao se prestava a teas manejo*, (teses-; "" "f; ^, '
perou-se e foi lerse eom o major Leandro Sanlia- I ,,." Y..-' 'al-
go, delegado effeclivo, para a>sumir o ejercicio,
este dcil instrumento e homem imbcil, no dia 20
assuiniu o exerri-io, mandando para aqui papel
em branco com sua firma, pura o Lopes eocher
como bem Ihe aprouvesse, e deiando-se llcar no
eUL'eiili-i distante daqui quatro legoas.
Antes disto ja se dizia queocommandante su-
perior se interessava por dous dos guardas uacio-
naes do batalhao n. 44, que estavam presos a dis-
posicao da presidencia, c para o contingente de guerra, e que com ouiras
liuham .le seguir para a eapilal uo dia 21, mas
tendo elle certeza de nao os peder soltar, concha-
vou urna fuga com o comtnandante do destaca-
mento, olhVial de toda sua conliauga, e o certo ,
que nao s e-ses dous guardas, como os dernais
fugiram, apenas o raajor Santos Vital largou a de-
lesacia, send > de notar que outras pessoas que la
estavam nenhuma sahiram, por esta cirrum-lau-
cia esta provado a luz do dia, que a fuga se deu
por com venca do commandante de destacamento,;
commandante superior e delegado de polica.
t O fado aci: a narrado e acontecido foi levado
ao cooheciineiiii) de delegado, e este at esta data
neuhuina providencia tem dado.
No di 23, o major Thoinaz Caldas, tendo en-
COOiradu um guarda de seu batalhao que havia si-
do designado para o contingente e que sendo avi-
sado anda uo havia se a presentado, prendeu o e
o remetieu para o xadrez da priso publica. O de-
legado por pedido do commandante superior otfl-
cou ao commandante do gu.irda, o major Tnomaz,
mandando pedir luformaeo-'S se o guarda era ou
nao quahncado, e que nao eslava no caso de ser
guarda nacional, este uffleio remetteu pela ma-
ntisa, e dalii a duas horas manda por em liherda-
de o referido guarda, sem ao menos esperar res-
posta de major.
Todos esles factos oram levados ao conhecirnen-
to do eunselhetro presidente da provincia, e seno
houvervm providencias enrgicas da parle de*sa
aub ridade o majur Thnmaz, segundo Mt>0 infor-
mado deixara' o exercino, porque impossivel
lesia maueira dar o Contingente.
0 lim do command -rite superior sabido, elle
tao nfescio que revella ludo nanlo pretende.
Depois de iropossibilttar ao major Thomaz, dar o
conliug-ule designado, forma disto intriga e. mexe-
ricos com a presidencia, afim de que ehe eja ;>ri
vado du posto, e ser nomeado um dos sens espole-
tas, flvez mesmo o major Leandro, e entao perse-
guir a lorio e a uireito eus desafelos e inimgos.
Rebatos todos anciosoS pelas providencias ema-
nadas da presidencia da provincia, e Deus permit-
a que uo se reallse o que por ca' o Lopes blaso
na, isio que lem caria nrauca do Sr. c^uselheiro
Paranagua', e que o chefa de polica bavia escrip-
to por elle ao major Leandro para assumir a dele-
gacia, e se prestar a si us caprichos.
Al aqui anda fazerno- ptimo conceito das
duas principaes autoridades que dirigem os desti-
nos desta provincia.
O 3o corpo de voluntarios tem feito com as-
sistencia, e soO a lospecco d j Exm. marecliai com-
maudaute das armas, vanos exercicios de fogo no
proprlo quartel do Hospicio.
Os entendedores tem voitado satisfeilos com a
pericia aess* pnohado de bravos, que formam ja
um imprtame balaiho.
Ainda honlem nao leva lugar a abertura do
tribu il o i jury por falta de numero legal de jui-
Zes de fado.
E' para notar que isto se d em tima capital po-
pulosa, equand) ha tantos reo- para serem sub-
mettidos a' julgamenlo I
Aoamanh-cer do dia de hontem foi eneonlra-
do enfocado no engenho Goiabeira, da fregnezia
de Jaboalo, e proprtedade do Sr. Dr. Francisco
Elias do Reg Uanias. o eseravo Joaqaim, perln
ceote a fabrica do mesmo engenho, e que era o liel
do referido Sr. Uanlas,
Paree- que o levou ao suicidio um acto de extre-
uu sosceptibilidade, que foi al a otiscurerer-lhe a
razo a esse pinto desesperada da aduanadlo;
pois leudo se conduzdo mal para com um ouiro
eseravo, em ijtierrr deu algniis sopapos; e reeouhe-
cendo passado o momento da paixao que se hou-
v.-ia de modo a desagradar an senhor, de quem
sempre fdra considerado, e iue indo entao ao en-
genho o reprehender por-ua conducta, repugnan
te ciin o tratamento que Ihe da va, nao obstante
nao oassar disto a correceo infligida ao seu pro-
cedimi ni", tornon se apprehensivo, declarando-que
nao linlfa mais cara para ver o senhor; e dessa
idea, que passava quasi que desapercebida para os
seohores, e que no entretanto C0Bvertea-se para
.elle em dominante, chegou meia duzia de das ite
pois ao Hm (I i propria existencia, ^rvindose para
sto-de ura cipo em que realisoo a estrangulac*"-
Iransmiltida a noticia deste irisl evento ao Sr.
Dr. llantas prlo litho, que esla" na administrar-e.
do engenho, dlriglo-se S. S. ao Sr.Ur. chefe de po-
lica aflu de parttcipar-lhe o oecorrido, solicitando
delie ao m< *mo lerop a expedigao ile .-uas ordens
paia a competente verifleaco do snecesso oque
foi iirle ia lo i autor i lade l de polica, que para Isto offlciou liie incontinenti.
Mi un candeeiro de ilin-ninago particular
da ra Nova, que carece de ser concertado, e se-
gundo no- informara, o segando ih lado esquer-
do, vin.1.1 da ponle para ca'.
Alm 11 mais, no estado era que se acha, s faz
mcoinmodar ao poblicu cora a fgida do gaz.
\ 22 de novembro ultimo foi encontrada na
ial. S. 10 15" e long. O. 36 16" a barca inglesa
Portento, que segua para Londres prucedeule de
Montevideo.
Luiz Castao Borges.
Mara, parda, fllha natural de Leopoldina Eugenia.
Marcolmo, pardo, fllho de Mara, escrava de Carlos
Roock.
Joao, pardo, fllho natural de Lourenca Maria de
Jess.
Tertuliano, pardo, fliho legitimo de Thomai d'A-
quino Rosas e Diolinda Maria Rosa.
teira. Sanio Antonio ; herisypeHa.
G0MMNI3AD0S.
CAKllRI.
Gracas a algnmas p-ovidencias dadas pelo Exm.
Xapnleao, crioulo, hlho de Januaru, escrava de Sr. cabeiheiro Paranagua, este termo ja principia
AlrrtoAtariifiaa a g,sar soreg e tranqu.lidade.
Mana, branca, fllha natural de Olindioa Liberma 0 joo Vlt,jra> ftodo perdldo a_carta branca-
aos tteis. ... que, segundo commil'iicaramuos, esualhava haver
Joao, pardo, fllho legitimo de Joaqnim de tal e ,mi(l(. da pre8lden,.j4 para fornecer o contiogeote
, _, ,. da guarda Racional sob seu commando, ja nao
9 manda locar alarma a meia uoite, nao prende para
des com que se propoem corromper os litros sagra-
dos. A racaa porque elles sabem, que o meio
rnais seguro e certo de perturbar as aguas da lm-
pida torrente revolver e alterar a sua tonta: ou,
como diz Vii ira : toda a religiao ou seita diversa
se funda em different- f : toda a differenie f fun-
muimos i PEBUO
A Jurnbeba.
As virtudes therapeutlcas da jurubeba sao desde
da differenie esperaoca; e" todaadifferente'Vspe- muil0 mohecidas nao s do Brasil, pois que dellas
ranea pede differenie oracao; porque cada um ral0.a P|S0D em SUi' excellenie obra -Historia na-
pede conforme espera, e cada um espera conlor- turalis et medica Indios eectdnUalis. seno as
me er. Anlilhas, onde o sueco das folhas e fructos como
O doutissimo Maldonado, que ha quem diga com a1ui> n,uil slitdo e appbcado contra as obs-
autorldade de mestre ser um dos melhores e mais 'ru,'oes abdominaes, principalmente do flgado e
fleis interpretes das Santas Escripturas, escreve : ba5J e se ltfll0!i os facultativos desia proviucia o
Ninguem mudou nunca a religiao, que nao mu- D'? W'icam com frequencla, isto se nao deve a
dasse tambera a oracao; e nao houve religiao al- Dao lecoohecerem elles essas virtudes, roas slm a
guma diversa, que nao tivesse modo de orar tam- Dao eren> encontradas com facilidade e em todas i
bera diverjo. Quisqus unquam religionem mu- as eslacoes do anuo os frucios dessa planta, e a re- Rendiiramio do da !..".........
de Souza.
i el ornndi rutinnnn mutnvit. ec ulla fuit PUSUabcia, que apresenlam os deentes em fazer
da Lunha ; i a J. L. Vielra ; i a C J. Alves Gui-
, maraes. Vassouras, 10 *oL a J. J. Gfdes; 10 a
l Marques Barros & C. Vellas de cebo, 10 cunt, a
; a. Palmeira. Vimes, 000 liac. a Marque- [jar-
ros & C. Vinho, M/IO e 187 ex. de dz. a T. de
Aqumo Fonceca i/0 pip. e 4 ex. de dz. a a. i do
Oliveira Azevedo & C. ; 30/3 < 10/10 a Cunha Ir-
raaos & C. ; 3 meias pip. e 34/4 a J. Vieira de Bar-
ros, 4/4 e 18/3 a Marques Barros & C.; 1 b. a F.
do Espirito Santo ; 1 TM. P. Bramo ; 162 ex. de
dz. a Mendes 4 Coelho ; 100 a J. M. Palmeira ; 100
a C. Ferreira Bailar ; 2 ex. com amostras a J. A.
Pereira <$ SobrlnMo.
HECBBlibUItlA DE RENDAS INTERNAS (E-
RAES DE PERNAMBUCO.
1:0441180
recrutas os vuluuiarios da patria agentados pelo [ ?" religio, qua non certam sunpticandi eo uso ao sueco desses fructos, em consequencia de
Ignez, branca, fllha legitima de Joao Firmino Cor- m,or sulA QmQ,_ir e H|)llao Gregorio, eraflm" i rattonem knbertt.
r t d'Araujo e Ignez Diamantina de Mello Araujo.
Auxencio, branco, fllho legitimo de Joo Ferreira
Vilella e Idaliua das Neves Lal ViMIa.
deixou de coolinuar cora seus costuraados estou-
ros que tanto o celebrisam.
U capito Brasiliauo de Barros Correa qoe fura
Theodoro, branco fllho legitimo de Theodoro Bou- sa sau e Francelina Candida Tavares dos Santos.
cipbna, em virtude de orna infundada representa-
Manoel, branco, fllho legitimo de C.jlno Jos de cao feila pelo me.mo Joo Vieira, que ainda hoje
salles e Caetana PruenQa de Sa Leitao. ,eQelUe Cf0De| commandante do batalno de in-
Lm fllho legu.mo de Thomaz L.ns Soriano: li- f,nlana deslt inuoi(.ipll)i acaha dH ol([er do h:xin.
cenca.
Casamentos:
Clinio Alves Ferreira com Anlonia Maria da Con-
ceico : licenca.
Antonio Semeano das Mercs com Severiana Fran-
cisca de Castro Mello.
Basilio Llns Colh i com Isabel Amelia do* Sanio.
Thomaz Olhou de Souza Santiago cora Auna de
Souza Magalhes.
REP\nTigxo da polica.
Extracto das partes dos das 2,3, 4 de dezera
bro de 18(53.
No da Io nao houve prisao alguraa.
Foram recolhidos a' casa de detencao no dia 2
do crreme:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Fran-
cisco, eseravo de Franci-co Lopes de Mello, por
desorden) ;e Marcolmo Gu-des do Oliveira, por se
achar pronunciado na villa de logizeira.
A' ordem do Dr. deledo di capital, Jos da Pe-
nha Muniz, como iudiciado em crime de roub); e
Juliao, e.-cravo de Elias Vieira de Mello, a requeri-
mento deste.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Aprigio e U'T. ami n. escravos, este de Antoniu
Bernardo Sete, e aquelle de Jos da Costa Bispa,
por disturbios.
A' ordam do de S. Jos, Manoel Carapello Dias,
tambera por disturbios.
-3
A' ordem do Iilm. Sr. Dr. chefe de polica, Joo
Paulo do Naseimento, por ser desertor.
A' ordern d > De delegado da capital, Raphael,
eseravo de Candido Guedes Alcoforado, a requer-
ment deste.
/' ordem do subdelegado do Recife, Theodoro
Soares de Oliveira, por ferimento.
A' ordem do de Santo Antonio, Jos Gongalves
Barros ou Reg, para correceo ; Dionizio, eseravo
de II moe| Martins de Araujo, a requenmento deste.
A'ordem do de S Jos, Agnpina Maria de San-
l'Auna, Maria da Coneeigo do Amor Divino e Fe-
lisraina Maria da Craceicao, por disturbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Antonia Maria Tel-
Xeira, para correcc/io.
A'ordem do da Magdalena, Antonio de Mello Ma-
galhes, igualmente para correceo.
O chefe da 2" seceo,
i. G. de Mesquita.
Sr. presidente da provincia a completa reparaco
da iniusiica de que eslava sendo victima. Aqneile
capito, segundo provou cora documentos valiosis-
simos, desde oulubro do auno passado esla fra
do commando de sua compauhia, por ser o subde-
legado do Altiuho; entrrtanto, leve o Joo Vieira
a coragera de comnraolear ao Exm. presidente,
que elle tem sido uegligeme em ajuda-lo, como
commandante de compauhia 1... A autondade
violenta e arbitraria por estes lugares do serlo
arroja-se a ludo II...
Surpr- heudeu nos fortemenle a maneira grossei-
ra e estpida porque assaltaram repulaco de um
dos horneas mais iiouestos deste termo, o Sr. maj >r
Miguel Qoiuteiro iie Pontos, em um eommnnicado
irapies o no Liberal de 2 do crreme. E', na ver-
dade, revolianie querer o autor d'aqoellas estra
vagancias, negar e ile-i-.onherer as nohres ijuallda-
des de o distinctu cavaileuo, chegando al a jul-
gar inconveriii-nte a nomeae.o de deh'gado, cora
que o aian-faram a pouco. usle termo ornta cora
sesjuraoca iudividual, garanta a propriedade, so-
cego e paz geral, vendo na delejiaeia um ciuadao
moralisado e oroliidoso. un prupnetario mdepen-
dente, um carcter di.-lincio a todos os respeilos
cora> (. o ^r. Qinnieiro de Ponles.
Isto antigo, como j (vemos occasiao de dizer.
Os arianoso lizeram.como notou Santo Atbanazio;
os valeniinianos, como notou Santo Irioeo; os mar-
cionistas, como notou Tertulliano; os manicheos e
| dooatistas, como uotou Santo Agosimho ; e todos
Gnalmente, como notou Santo Epiphanio, e de que
temos exemplos notorios nos lutherauos e calvi-
nistas, como logo mostraremos.
Cumpre individuar os erros principaes destes
dous corifeos do protestantismo, erros que a todo
o erapeoho se procura inucular no povo brasi-
leiro I
Lulhero, as suas tbeses publicas, como nos
seus escriplos, alacou com o incarnigamenlo do
apostata a autondade do papa, a da igreja, a sua
jerarrhia.o celibato clerical (casando-se logo com
a freir Camarina de Bora), os volos monsticos,
as indulgencias, a legtimidade dos beus lemporans
do clero (queria o p/ivilegio s para si.) Depois,
arrastadode abysmoem abysmo, nao hesilou em
regeitar cond rainanrfa os dogmas pnocipaes do
cathulicismo, taes como o culio dos santos, o pur-
gatorio, a confisso auricular, a transubstmciacao,
o Santo Sacrificio da Mis>a e a commuulio sol
una especie. Eralim, as suas 93 proposicoes,
que forara lanzadas as chainmas por Teizel, eram
outros tanto punhaes com que lacerava as eutra-
nhas da igreja I
Nem um herislarcha levou mais longe a impu-
dencia hertica I No seu livro, que inlitulou -
De masa angulr confessa e se gaba de que
elle e o demonio erara lio amigos, e lio familiares
na conversaco e na mesa, que linham comido
juntos mais de raio alqneire do sal I Diabulum
Cuntaos pos a redaccao do Liberal, ou alauem \el sf inler 'emutuo famliartUr nosse H plus uno
inieressado nos negocios de Caruar, a depr de'*"''* medio siuiut comfdisse. Eis a qui o saoto
modo tosco e chelo de deepeito dos horneas hones-1 no,*8nl que veio alluunar o mundo, e revocar u
tos e di> precedentes honrosos que all exi-tem, I Chrisllaaismo a sua primiliva pureza! Os pro-
porque lodos uoiiliei-ein e veoin bein o alcance des^' Pr'0<. demonios t i tanto horror uns aos outros,
ses manejos: c nao se encommode o Sr. major 1ue jamis se associarae muilom-uo- banqueteiam
Quinleiro de Puntes com essas aecusace.-, porque Jun,,?s: Luthero porm achou tanto encanto e syra-
os horneas circunspectos que o conhecerem, far- Pal,|ia no diaiio, qae se honra era dizer, que co
j
93
3
I n I
ra i
5 I
3 i
I : I
o
>
>
o
o
>
da er.ir i
Sempra,
houvn sem
E houve
f desde seu principii?
Isempre escriptura-* T Nao.
2.
3
m
e
ineiro, foi esenplo o
de Christo, e o de
senta e seis annos d
Porquero evangelho i e S. Matheos que ful o pri-
annos depols da ascenc
Joo, que foi o ultimo, se--
pnis. Ora, se as ira lieces
^4 -JZ -J 8 Masculillo. >
rx s Fcminino.
S . m 1* .Masculino, i P1 H W r3
m . - Fcminino. ' a 2
-: . . 0, Masculino. M CA a
Fcminino.
<
o
Masad
P>r acto de hontem noraeou S. Kxc. o Sr.
eon-elheiro presid-nte da provincia para servirem
era c en oi.-o oo 3o corpo de voluntarios da patria,
os offlciaea seguintes :
3* Corapanhia.
Alferes ClarinJo Hennelo Uas.
i* Corapanhia.
Capitn, o lente do mesmo corpo Florlano Jos
de Mir.nda.
Teneote, o cidado Joaqaim de Si Araujo.
6* Corapanhia.
Capito, o lente no mesmo corpo Antonio Gracin-
do de Gstalo Lobo.
Ten 'ii- Antonio Joaqaim Machado.
K' Compsphia.
Ca dto li-minio Maeiel de S-iuza.
Alfere-, o cadete do mesmo corpo Manoel Accioli
de Maura G >ndnn.
Conleiro Siraoes, far leilo hoj.; de movis e
utios arligos, em seu armazem a ra da Cruz n.
37, as 11 horas.
Cheg ni hontem, da Bahia, o vapor inglez Vi-
per, fretado pelo governo imperial para o trauspor-
te de tropa. Nada adianla.
Passaueiros sahidospara o Rio de Janeiro no
vapor americano S. H. Bagar:
Dr. Jiqmra M >reira da Silva, Antonio Jos d*
Sena Jo n ir, Vicente de S. Filf-.o e Euzebio Anto-
nio de Nones.
Lista dos haptisados feiios na matriz de San
to Antonio, uo mez de novembro dd 1863 :
Est.fan parda, filha natural de Joanna Joaquina
de Prritas.
Aff n--i, branco, fllho legitimo de Francisco Ferrei
ra da Rocha Leal e Mara Bernardiua da Rocha
Leal.
Alfre i fllho legitimo de Manoel Antonio Vieira e
Anua Joaquina Vieira.
Antonia, branco, fllho lezilirao de J >s Nosueira
de Souza e II nriquela Villar Nogueira de Souza.
Rila, tirano, fliha legitima de Alvaro Ucha Ca-
valcante Carnpeilo e Anua Narcisa Ucha Cam-
pelio.
Luiza, cri-.'jla. fllha de Mana, escrava de Jo- Flo-
rentino Cavalcante Jonior.
Daniel, branco, fllha legitimo de Manoel Jos Vic-
toriano lioibae Mana Cavalcaute d'Albuquerque
B.rba.
Jo-, raneo, fllho legilimo de J s Antonio de
Souza e Joaquina Bapu-ta de Souza.
Sofia, eriuula, fllha de Candida, ecrava de Silvino
Gmih rrae de Barros.
Mana, branca, liiha leifilima de Antonio Pereira
Puno e Joanna Francisca de Barros Pinto.
Maria, parda, fllha legitima de Manoel Francisco
lveo e Aadresa Mana da Conceicao.
ino. j
lw
4
S
O
<
a
Fcminino.
7J
A
O O
: o
>

I -; Masculino.
^ Fcminino.
: I
I
n. | TOTAL.
-J I
C5
Ihe-ho a devida |ustica, e todos aiteridendo para
sua posicao importante Ha comarca, para o espl-
nhosn, porm desejado cargo de delegado de poli-
ca que Ihe fui condado, salieran dai o devi-to
aprrgo a essas aecosacoes dizi-nio com Mouilara-
bert a auioridade solTre grandes ataques porque
planta que lodos querem levar para o seu jar-
dim.
Cidade do Caruar, 2o de novembro de I8C5.
0 observador.
As Biblias i ilsiUeadas.
Pessoa d toda a consideracao rereelteu-me, ha
pone ig das, um exemplar desias nimias biblias
falsilicadas, que p- r ahi derramara os agentes e
familiares das Sociedades iblicas, establecidas em
aiguus paizes da Europa e me pedia cora inslancia
que Ihe di.-sesse por e.-criplura, si effeciivamente
existe alguraa deturpaco as citadas biblias ; e,
uo caso afllrraalivu, Ine hoovesse de indicar quaes
o> livros cannicos suppnmidos, quaes os falsifica-
do-, quaes os pontos de falsilicaco, quaes linal-
mente os artlgcs de divergencia enire o cathocis-
mo e o protestantismo ?
Ao recebar este, presente, acorapanhado de onns
lio pesado, u meu pnuieiro impulso foi devulv lo
intacto, que para lano me nao sotiram forcas.
Mu sena a causa da religiao, que mais que
nunca precisa boje de defensores habis e v*l~nles.! lam nottram (-2 Thes. II, I i).
Ootros, que nao eu, abundam por ahi com suffl-! Respondam agora os lutheranos de ca e de la :
cente cabed.-l du luzes, que as po Jem dispensar islo tem replica ?
cora a pruliriencia que me falla. Re-usciiou ainda ( uo que foi seguido de Eras-
Mas, augurando se-rae ser um Uiurapho para o ino, Zuinglio e outros^ a heresia de Pelagio e Ce-
proiesiaiitisiiio que om padre cath dico se moslras- lesto, que negaram obfiinadamenle o neceado or-
se intimidado de tomarse corpo a corpo cora os ginal, nao reparando; leomo notua Santo Agostinho
seus erros, que a simples leliira da eartilhfchris- contra Juliano, qu- qjiera riega o neceado original
ta habilita a pulveri-a.. ou que se quebrara por si derroca o primeiro fundamento do chri-lmismo, e
inesmus uas succes-ivas varlagoes do pensar ecrer quer tirar do mundo ajjesas Christo I
de u na ,-eita, que ura verdadeiro camale&u no
vailegado das core-, resolv nao i-alar-mc
rae falleca o prestigio da palavra, que o orador ro-j mente as da AssOmpcio, piofenndo a mais desea-
mana cuusiderava eondieao ssencial ao uom xito rada blasphemi, istoj, qup i|uali|uer de nos
de qualquer causa, inuito principalmente a da re- Io santo como Mina,com tanto que creamos no
ligia-', era que, alm da misso, se exige o exem-1 Christo I T po, que ta' torca ao verbo, que sahe da bocea j modo in Chisto ae]lamus. Decidi mais, que
ninguem al buje eptrU no co, excepto Jesns
Chri-tc, e que todos \>s outros esto de fra espe-
rando pelo dia do jateo, entrando tambt-m nesla
cotila a propria Mai iij> Jess Chrislu I
Os fundamentos desta blaspheraia, e das demais
a, dlier 0 referido li-n-
qoe o cu nao se da' por
as b 'as obra-* nao se aipii
iae s a f, ainda que tai-
men com elle mais de meio alqneire de sal
Prosigamos, que a del|rota promette S"r extensa.
Alm das verdades a/rna especificadas, negou
lambem a f das radii,(jd->sl e pregn que s se
devia crer o que sj l lias Sagradas Escripturas.
eque alia doctrina in ei\clesia tradi et audirc dehet
qaam purum verbuin ei, hoc est, snela ttcfip-
tura, a isio Ihe resuonde o nosso Vieira, aira
vessando-lbe ura garpbi na pargauta : t Vera ca
herege sobre apostada | Na le da nalureza hoove
f? Sim : e houve alguraa escripltira? Nenhuma.
Na I-i escripia lio uva muitas escripturas 1 Mili-
tas : E criara-se larrbern as tradiCCfkST Tam
bem, que a mesma ie| asslm o mandara. Na lei
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao descounecida dos botanistas :
esla planta pertence a familia das sotaneas, e lem
a denoiiiinac.o de solanam panteulatum, qua Ihe
foi dada por Lyneo.
Parecendo-nos conveniente facililar o uso do
sueco dos fruclos da jurubeba, que o mais em-
pregado, nos propozeinos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcoolico que pode ser
applicado em pilulas, mas tambera um vinho, um
xarope, e um emplastro que pode substituir, cm
cerios casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos qut
com islo prestamos um servlco humanidade e
hterapetnica.
Pisn, tratando da hydropesia, presrreve a de-
cocgo uas railes da jurubeba, e Mral e Delens,
era seu Diccionario de malcra medica e therapeu-
tica, dizem que n dos fructos maduros dessa planta contra o calar-
rho vesical; e a autoridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por islo cuidaremos de ler em
uosso estahelecimento essas raizes.para que possam
ser experimenladas. *
A repulaco da jurubeba tal, e os resultados
therapeulicos obtidos ltimamente sao to impor
lames, que nos parece intil dizer mais do qu
islo, que lica escripia.
Deposito: pharmacia de
Joaqutm de Ahneida Pinto.
era lodas as leis tiverlm autoridade de f, como s
iti sem f. e si-m le ,'que as negas? E se qaeres
lr islo mesmo as Escripturas Sagradas, l a S.
Paulo, onde diz: Aecfpi Domino quod et tradtdi
vobis (I Cor. XI, 23) f ouira vez onde diz: Laudo
vos. quol sicut tradim vobis, proecepla mea tenelis
(Ibid. i), e terceira vez, onde exoressamenie da
clara nina e nutra cousa : Tenete traditiones,
quas didiiistis sive pife seitnonem, sne per episto-
Nao parou nisto o laiplacavel reformador : pro
erabora hibio as testas de Nossp Senhora e raais particular-
; tao aiioininaveis Como |
! siarcha e seus sectario)
merec lientos : que prj
, re graea ou sanctidad
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doenles existein 173, sendo 93
borneas e 78 muflieres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As 0 3|4, 6 3i>, t, G, 7, 0 l|, pelo Dr. Hamos.
As Falleceram :
Francieo; gastro entente
Mari i leneiiicia do Rosario ; hopalile chronico
Canuda Mana infeecJo purulenta.
Jas Gnslodio Alves j telaoo.
Alexandrina Mara ; bexigas.
Isabel Casemira de Menezes; ep.itite chronico.
Cbmitbbio publico, uuiruAitio do da 30 dk
NOVBMBBO DB 8l)3.
Joaquira da Cos i Martins, Pernambuco, 23 annos,
solleiro, Boa-Vista ; intente.
Joo Romao de -oii/a, Pernambuco, 30 annos, ca-
sad -i, Santo Antonio; tubrculos pulmonares.
Jos Ciistotfio Alves, Pernambuco, 68 annos, viuvo,
Boa-Vista ; tetan.
Mau-iel da Cruz, Para, 19 annos, solteiro, Boa-Vis-
ta ; pneumona.
Manoel das Neves pacheco, Pernambuco, 17 annos,
solteiro, Recife -, pleons.
Ra y mondo Roberto da Rocha Reg. Pernambuco,
34 annos, casado, Boa-Vista ; phthysica.
Umnelma Carolina da Silva, Pernambuco, 24 an-
nos, solt-ira, Santo Antonio ; hepatite.
Mana Pastora de Santiago, Pernambuco, 14 annos,
solteira, Boa Vista ; sararapo.
Alrtxaodrioa Mana, Peraambuco, 3 mezes, Boa-
Vista ; bexigas.
Exposto, Igoora-se o nome, Sauto-Antonio ; es-
pasmo.
Anna, Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista ; convul
>ojs.
Jos, Pernambuco, 10 meze-, Santo Antonio ; den-
Hcao.
Pelrobna, Pernambuco, II mezes, Santo Antonio ;
ga-tro hepatite.
Luiz, Par, 6J aunos, solteiro, eseravo. Boa Vista ;
pericardite.
Lzaro, Pernambuco, 23 aunos, solteiro, eseravo,
Boa-Vita; anemia.
Paulo, Pernambuco, 17 annos, eseravo, Santo An- Jff
Ionio ; convulses.
1
Lourenca Maria da Conceicao, Pernambuco, 34 an- '
nos, vinva, Boa-Vista ; apoplexia.
Lodovina Maria da .ooceico, frica, 34 annos,
casada, Boa-Vista j gasiro intente.
Leopoldina Nunes Vianna, Pernambuco, 3 annos;
casada, Boa-Vista ; marasmo.
Antonio. Pernao.buco, 22 mezes, Santo Antonio ,
encephalite.
Custodio, Pernambuco, 4 annos, S. Jos ; catharro
su flor
Reforcou a minha resoluco a leitura de um pe-
ridico protestante, que se publica na corte do im-
perio, e cuja redaccao rae faz a honra de enviar-
mu por iodos os paquetes.
No seu numero de 18 d- novembro do corrate
faz o segrate repto ao clero de Peruahibuco:
Segundo as rodas dianas, o clero de Pernam-
buco e de Alagoas lia pouco licou sobresaltado cora
o appaieciuicnto de ceno* t emissarios de Salarial: tem todas a- outras vrtud-s, faz juntos, e que os
que ailara p-r ahi vendendo Biblias falsas por justos no cu todos sa iguais, por que a gloria se
t mdicos prcros. da s pelo sangue de Christo, o qual se derraraou
O vigario capitular de Pernambuco era orna igualmente por lodos!'
t circular, transcripta no Diario do Rio de Janeiro, \ E que direi do rnesire Calvno ? Quaes os seos
aflinna categricamente que isto faci. Temos i principaes erros ? A -ipa reforma mai- radical que
liio esta circular em procura do fundamenta i a de Luthero, nega a presenca real, o livre arburio,
que havia para fazer assercao to extraordinaria. I o ment do saocto saciiflelo da roi Se la ha nutra prora fra a palavra do autor da | a existencia do purgatorio, a invocaco dos snelos,
dita circular, nao a vimos. Temos a presump-i o callo externo, a jerarihla eeclesiastic,-j nao ad-
(;o de tos ler por versados era inat ra de l!- miitia se nao dous saciara ni s, o du biplismo a o
A jurubeba urna das substancial medicamea
losas, ao reino vegetal, e penmea a classe
dos tnicos e desubstruenles, sendo em prega
ua com vantagem contra as febres intermitentes
ai ompanhadas de eogorgilameniode flgado e baca
Ella lem sido applieadl com incajnteslavel proveiic
coulra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar
rho da bexiga mesmo para combater a mensirua-
cao dillicil, resultaute da mesma anemia ou chic-
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope id>-ra.
Vinho idem de id<=m.
Pulas de ext. idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga do
sano n. 10.
e 28
ler
bilis, e desafiamos ao vigario capitular de Per-
f nambuco a citar ura s t^tto da Biblia em qnes-
to (segundo nos con.-ia, a eoico de Londres),
i que nao a-leja en muras lautas palavras, sylia-
bas e ledras ua Biblia approvada pelo arcebispo
c da Babia e publicada pela casa Girmer. Se S.
Rv.n.i. iKuora cou.-a o fcil de averiguar, aun*
t froulando as duas edigdVs, nognia moiiose-
i gur. Porm se esta' ao acto da concordancia
t de-las livros, o caso nao "virgem, porm, por
ser visto raimas vezas, nao del xa de ser sempre
t revoltante I Se daqui a 30 anuos o povo Per-
nambucano nao quizer dar crdito a ta Ir al-
t guih, aiuda que jure pelos cos e pela le. ra, S.
Kvnia., onde quer que estiver nesse lempo, nao
lera' razo de se qaeixar.
V se per ahi que o negocio serio. E pois as-
sentei logo de, como pode-se, dar conta da m >,
mostrando que eueeiivainnte as Biblias de que se
irata esto elvadas de eoormes falsiOragSes, e que
o facilitar a sua leitura a' uira populaijo cathoilca
pervt-n la na dnutrioa, quando Ihe nao fos-e
da euchansiia, nao obstante dizer que na eacharis-
lia s ha pao e de nenhii'ra modo o corpo de Chris-
to, ao passo que Luthero confessa que no sacra-
mento esta o corpo de Christo, mas diz que junta-
mente esla' o pao I
Eis-apui porque mui discretamente diz Tertulia-
no, qae a nossa l sempre esta crucificada eotre
duas here.-ias, cora > Cristo entre dous ladrees I
Por que uns a Impugnara de una parle e outros
da oolra, unidos na mesma opinio ou no mesmo
erro, seno contrarios entre -i. d'onde Santo Agos
tinho e Sanio Ambrosio vierara a comparar os he-
reges as rapozas de Sansio, que elle atoa, nio pe
las canecas, se nao pelas cosas, voltadas urnas
c 'lila as outras. Caadasqne caram juacii ad cau-
das ct faces lii/avit in medio (Judie. XV4.)
Para qoeimarem a seara catholica unidos, mas
tirando cada ura para a sua parle I
A f catholica nos en-ina, e nos felizmente ere-
mos, qoe de pao nao ha ao sacramento mais que
os accidentes, e o que d'aoteS era a substancia dos
mesuras accidentes, por milagrosa e verdadeira
PRAGA DO RECII'E.
'oaccH offlciaes.
i de i! zeii liro.
Cambio sobre Londres 90 d/vista 28 ',
d por i 3000.
Dubourcq Jnnior,
Presidente.
Guiraaraes,
Secretario.
Calxa filial do banco do 25r:ts!l
em Pei'nainliico.
Tendo-se d^seucarninhado da massa fallida de
Guilherme, t'arvallio & C. o recibo de 13 acco-s
das localisadas nesla caixa, soh ns. 2787 a 28U1,
perlenceules a Guiiherme Fredenco de Souza Car-
valtio, socio daqui-lla tirina, a directora faz publi-
co a quem mteressar possa, que por parte de Jus-
tioo Jos de Souza (ampo-, adminisirador da re-
ferida massa, se vai proceder a transferencia de
dias acedes para a Sra. Henriqueta da Silva,
actual possuidora das uie-mas, vi-io as ler em has-
ta publica comprado, cuino ludo provara com do-
cumentos que licain archivados uesta calxa.
Caixa filial do banco do Brasil 30 de novembro
de 1865.
0 guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
.\'ovo banco !e Pcraasu-
buco.
O Novo Banco descont letras a 12 por rento
ao anuo, toma dinheiro a prasn lixo on em conta
com.te pelo premio e conlices que se couven-
conar. e saca sobre a praca da Babia
Caiu (ilial dobflneo do Brasil em
i'crna i buco.
A cuta descoma as letras de seu aceite pela
(aixa de 9 0|0 ao anno.
O guarda-livros
Ignacio Nunes Correia.
ALPANDEGA.
i'.radimenlo do dia 1.......... 41:0894177
Idem do di:. 4................ 28.5605328
Idem do dia 4.................
CONSULADO PROVINCIAL.
hendimenlo do da 1.
Idem do dia 4.
802189
1:846*369
'2-.673I01
8:3954013
11:0684114
lOflMENfO m HUYO
Navios entrados no da 3.
Liverpool45 das, barca ingleza Isabella, de 556
toneladas, capitn David Aikleu, equipagern 12,
carga crvflo de pedra; a Thomaz Jefriere* & C.
Cardiff-43 dias, barca Ingleza Dolphim 343 t.me-
ladas, capito C. Towill, equipagein 14, caiga
carvo; a Wil.-on & Heii.
_4_
Baha8 dias, galera sueca Suenra, de 573 tone-
ladas, capito A. Htdin, equlpagem 14, em las-
tro ; a Johnston Paler & C.
Babia2 dias, vapor inglez Ki'prr, de 340 tonda-
das. capito Cory, em lastro ; a Pereira tarnei-
ro <& C.
A'arios saludos no mesmo dia.
Bio da PrataBngue nacional Marmko III, rapitao
Jo- Maria Alfonso Bacellar, c>rga assucar e ou-
tros gneros.
Porto* do norteCanhoneira franceza a vapor La-
Motle Piquete cominandaute o capito de fraga-
ta Muncher.
Observa^ao.
Fundeou no lamaro urna barca ingleza, mais
nao leve commumeaco com a trra.
rs:-^
69 6494505
Sania asa da Misericordia do Hecife.
A Illm.* junta administrativa da Snta Casa de
Misericordia do Recite manda fazer publico que
no dia 7 do crreme pelas 4 horas da larde na
sala de suas ses-oes continua a ir a pra^a as ren-
das das casas abalxo declaradas por tempo de I
a 3 annos a coutar do Io de julho do anuo (indo
por dianle.
Ba Direila
N.8publico e 3 particular.. 1.0075(00
Roa do Padre PlorUno.
N. 49 publico e 5 particular. |8(!i 00
N. 47 publico e 6 particular. 1864000
N. 45 publico e 7 particular. .
N. 43 publico e 8 particular. .
Ba do E gundes.
N. 34 publico e 12 particular. .
Ra do* Pescadores.
N. 11 publico e 16 particular. .
Ba das Calcadas.
N. 38 publico e 22 particular. .
Bna das Cinco Ponas.
N. 108 publico e 24 particular.
1695000
1454000
2165000
1575000
8314000
1985000
3005000
1465000
1685000
1005000
1:4005000
965000
4785000
MUVIME.NTO DA ALFBEGA.
.iumes entrados eran blendas...
com gneros...
Volums sabidos cera fazendas___
coa gneros___
146
763
------- 969
velado pelo poder compleme o ler, aiuda mesmo iran-ub-tanciaeao esta convertida na substancia do
a Biblia verdadeira, desacompanbada das glosas corpo de J-su* Chri-lo, que o que adoramos na
ou commeolarios d is sanios padres e doulores ia hostia consagrada. Ma< o protestantismo nega indo
igrej-., seus legtimos interpretes. j isto, e, nao ob-t nte, lida por aclimatar n'ura pan
Ames de entrar no ezame comparativo, julgo de l catholica lodos os erros da sua commnnho! E
necessano dar urna abreviada noco dos prinnpaes quaiifica de persegoicn e de intolerancia qualqaer
erros do protestantismo, de suas'profuodas discre-
pancias da doutnna catholica, e assim perguutar
aos memores da igreja de 18 seclos o que ha de
commum totre a enastante uaiformidade de suas
doulrriis e essas mil tnriatSet do protestantismo,
que diariamente se vO subdividindo, e c.ondemnan-
do untas
barreira que nos os calhoiicos levantamos a iuva-
sao de suas falsas don trinas I
E' sabido que a devoco a' Virgem Santissima
de um forvor e univeisaiiJa le iocoacontestavel no
imperio; mas os sectarios de Luthero, Cal vino, Po
marao, Berencio Bncero, Pellicano, Budinae o.
153
i-6
------- 739
Descarregam boje 3 de dozembro
Barca inglesa>'.ampaiwo farinha de trigo.
Brigue amerfeanoPerryfamilia de irigo.
Brlgne americauo Clialltanooija farinha de Irigo
Brigue portuguei Bella Figucreme. diversos
gneros.
Barca portogue/.a.4cmmfa diversos gneros.
Barca inglezaAvena carvo de pedra.
Barca ingleza-/sutV'facarvo de pedra.
Barca ingleza -ulfinc -carvo de pedra.
Escuna ingleza- Mischiefcarvo de dedra.
Barca nacionalhialina charque.
Bngue puriuguezImproviso -idem.
Patachu portoguei Portoidem.
lEcipurta^o.
Barca portu3ueza Ai amula, viada do Porto, ma-
nifesiou o seguinte :
Alnos, 24 cao. a J. J. Goncalves Delirio ; 24 a J.
Martins da Suva ; 20 a J. M. Palmeira ; 50 a D.
Alves Matheus -, 150 a J. J. Gue les; 400 a Marque*
Barros & C. ; 216 a F. Guedes de Araujo ; II a A.
G. da Silva Jonior ; 178 a A. F. da Suva Nunes.
Ardiles, 2 .-x a J. M. Palmeira ; 20 pac. a Mar-
ques Barros A C. Arcos de pao, 200 rol. a M. F.
Biriholo; 30a A. L. de Oliveira Azevrdo & C
Azeiie. 3/3 e H/S a J. J. G ragalvcs BeltfSo. Azeilo.
na*, 300 atic. ao dito ; 200 a A. P da Suva N.ine*.
Ba de Santa Thereza.
N. 7 publico e 31 particular. .
Ba da Imperatriz.
N. 68 publico e 47 particular. .
Ba da Seiizala Velha.
N. 21 publico e 71 particular. .
Ba Direita.
N. 5 publico e 82 particular luja
do lado da l'enha......
N. 7 publico e 33 particular segun-
do andar.........
Boa do Apollo.
N. 91 publico e 91 particular. .
Kua Velha.
N. 27 publico e 96 particular. .
Ba do Bosario.
N.26a 34 leja n. i I).....
Os pretendenies compareeam no mencionado dia
cora os seus fiadores ou cora caria dos raesmos.
Secretaria da Santa Ca-a de Misericordia do
Recife 4 de dezembro d 1863.
O offlcial,
Manoel Antonio Viegas.
foti'stlado (ni'otlncl.i.
Pela mesa flo consolado provincial se faz publico
qu os 30 das utei* marcados para a cobranca a
bocea du cofre do Io semestre do anno linauceiro
de 1863 a 1866 do imposto da dcima urbana das
freguezias de.sta cidade e dos Alagados, e da parte
da oa Boa-Vista e d i Paco da Panella, que eri ar-
recadada pela Collecluria de Oiinda, se pnnclpiam
a contar do dia i de dezembro vindooro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco,
30 de novembro de. 1863.
Antonio Carueiro Machado Bios,
Administrador.
Ciiiii(iaiibia de scijuros marilituos l'lilidade
Publica.
Adirectoria. paga o 12 dividendo a razo de
I54"00 por accao, no i-scriptorioda dita comiiaulua
na ra da Ca lela u 42. nos das uteis das 10 as i
horas da larde.
Recife 2 de dezembro I800.
Os directores.
Feliciano Jos Gomes.
Domingos Budrigues de Andade.
C().1PA\HU
DO
Va dito incidentemente. O primeiro herisiar-
cha e deturpWor da le divina foi satanaz; porque
leodo Deus dito a Adn e Eva que no dia em que
cemesseio de froeto vedado ra irrerriam : In qua-
alutatione compellant. in crimen superstilionts in
currunl: quia contra D vrbnm ex ere,lina /Vi-
ciunl euia et Maria; divinitatem ascribunt. De
maneira que somos supersticiosos porque repeli-
.. -ante.
Joaquim, frica, 30 annos, solteiro, eseravo, Boa- nonemmt (Ihid. III, 4)
Vista; hepatiie. 0s Ju,|eo*, em quanto dorou o captiveiro e
- 2
Francisco, Pernambuco, 3 meze;, Sanio Antonio
dyarrha.
cumque die comedens, morte moneas : (Gnesis mos o que o anjo e Sania Isabel o disseram I Mo-
l, t7) contra esta ordem, que por ser divina latria ren.ier cultos de piedade e devoco a' ima-
era de f, o demonio pronunciou e ensraou a con- gein da Mai de Deu* e de seus santos I
tradictuna em que c nsisie a heresia, dizendo que; Que I (exclama o Sr Alexandre Herculano
de nerihum modo morreriam. Nequuquam morte, no seu inlmiiavel Parocho da Aldeia) ignora acaso
! o protestantismo, que o mais grosseiro catholica v
de- cima dessa imagera, que adora, o espirito puro
pos.
Cestos, 2 vol. a F. F. de Mello ; 4 a Marques Bar-
ros | C. Doce, 1 ex. a Prenle Viaona & C. Fa-1
relio, 30 se. a J. J. Goncalves Beltro, Peijo, 100 j
se. ao dito; 100 a P. Guedes de Araujo; 40 a A. F.
dos Santo- Nones ; 50 a T. du Aqumo Pooceca &
C, Ferragens 42 hs. e 7 ex. a T. Formn les da Cu-
aba ; I li. a J. de Oiveira Pinto ; 1 cunh. a B Pin-
to M -reir. Figuras e vazos de louca, 10 ex. a J.
P. Mouiiuho. Imagen* de barro, 11 ex. a C. J. Al
ve* Guiraaraes. Impre*os, I ex. a J. J. d* Lima
Bairo; I a Guimare* \ uiiveira ; 1 a T. Fernan-
Sao convidados os seni-nres accionistas
dest-i companbia a se reaniretu em assem-
bla geral exiraordinaria no da ti do cr-
reme mez ao meio dia no escriptorio da
ni'Sma, ru^ do Cabog n. IB, aiui de so
deliberar sobre as prelenges dos empreza-
rios os trilitos de ferro, e de Claudio Du-
benx, proprietario da linha de mnibus em
que pedem, este passar com os omnihus
p-l'i aten o privativo 'la comp: nhia ; e a-
quebes a assentar os ditos trilhos pora tr-
ros perteiicentes a n.esma cnmpantiin.
Escriptorio da Companhia uo teberibe
i de de/.embro de I8G5.
O secretario,
Dr. Joo Jos Pinto Jnior.
poU dalle, por causa do commercto que flzeram Cora que ella representa, e que cima das espirito es- des da Cunha. iilrad
3 a Marques lluros 4 C.; 2 a Prenle Vinna &
os CfMeos, aprendern! a lingua destes. Por esta la' Deus ? O catholicismo no seu culto das ira igens,
razo irocaram a antiga figura das lettras bebrai-; as suas festas, as suas visualidades, como vos Ihe
Cicllia Maria Lopes de Miranda, Pernambuco, 54
annos, viuva, Boa-Vista ; cerebrite.
Mana Amalia dos Santos, Pernambuco, 11 annos,
solteira, Santo Antoiio ; febre maligoa.
Pedro, Pernambdco, 7 dias, Santo Antonio; espas-
mo.
Adolpho, Pernambuco, 1 anno ; ioterite.
Miguel, Pernambuco, 14 mezes, Becife ; convul-
ses.
Isabel Casimira de Menezes, Pernambuco, 28 an-
nos, solteira, Boa-Vista ; hepatile.
Manoel, Pernambuco, 19 mezes, lano Antonio ;
phlhysica.
C. Lmtia da Barquiuha, 2 pac. a C G. Brechen-
felds, Meios de sola, 1 vol. a ordem. Merlim, 3
fard. a E. Alves M>theus. Nozes, 10 bs. a A. F.
,da Silvas Nunes ; 15 a J. M. Palmeira ; 2 a T. F.
a fcscrietura Sagrada, entre os judos, se nao era luto; de anstrahlr inteiramente das cousas sens de Mel'o. ubras de lato 1 ex aJ B Braca Obras
vers para reraraitarao cu. O catholicismo lembron-'
Antonio Goncalves drueiro, Pernambuco, 48 an- cas- e creveram o hebraico, servindo-se dos ca-chamaes, comraetteu o grave erro de suppor que
nos, casado, Santo Antonio; anemia. racieres caidaicos mais usuaes entre elles e mais a raaioria do genero humano nao era composta de
_ 3 facis de formar. Depois deste tempo nao se acha philosopuos, nem capaz de um esplritualismo abso-
lel,ras C!"d;",, | vers para reraoiiurao can. u camoucismo lemorou- drt ,,a|ht,Ui ( ,.x. oldem. i a ,;. j. A,VH: Gauu:l.
S o Samaritanos, diz B issnet, conservaram se das doutnnas do Christo; accimodou-e a car raes. Ohras de pran, 2 ex. a J L. da C.-ia Maia
I sempre o ant.go modo de e crever. Os seus des- ,a ^omprehen-ao dos p-queno* e humildes. Vos p^ Vl,|. a ordwn. Ptfdl.as de |uz, 3;Ji M;ir.
ceiideutes nianhveram m lleraveis as tradiccoes tenrjes ora evaogelho mus ridalgo e altivo. O pro- qoe* Barro & G. Podras para calca nenio 3220 a
j patarna'es. conservando na antiga lingna primitiva testantlsmo conv-n por isso ao Beino Unido, onde j# da Sl|Va i ,yo A q p1Ie S;1ik^.|1>t 3 D<. a j. [,,
1 o Peutateuco, chamado Samarltano. E foi esle os quairocentos mil se ilvires do solo sao tuda, e Vieira. Penies.2 .-x. ao du; a M. J. Bibraro. Po-
0 texto sagrad 1 que os Setenta prefenriram para 0Aa* quuie ou vinte milhes de servos de gle- mala de ceno, 72 cunh. a M. J. da Silva & Genro ;
a verso grega da Biblia, sob 'tnlomea Philadel- ba de mendigos. 50 a T. Fernandes da i.unha ; 50 a F. G. de Araujo.
pho, que assim previma por iosplracao ivioa a Nan se P* *** >m Phrases mais enrgicas Reiroz, 1 cunh. a C. G. Brecheafelds. Semenies,
falsificaQao dos Ijvros saotos. e eloquentes a verdade d.s cousasl 11 ex, a T. F. de Mello. Terra amarella, 6 b*. a
Si ha um ponto em que os herege de lodosos Joaquim Pinto de Campos. i Marques Barros & C. Tremoeos 5 se. e 4 bs. a J.
j lempos &s moslranj oerente e lgicos, na an-1 (Conlinuar-seha.) M. Palmeira. Varios artigos, 3 ex. a T. Fernandes
(iuiiM'lliii de c tupias iiav^es.
O conselho promove no da 7 do crreme mez
a compra dos seguintes objeclos do material da
armada : 4 donas de broxas de caiar, 10 dulas
de bruxas snnidis, 20 carrinho* de rao, 10 du-
zias de limas meia cana de 12 a 20 potlegad s 10
dotias de lina* mngalas de 10 a 16 pallegadas,
16 arrobas de linha alcatroada e merlim, 12 ar-
robas de linha de barca, 4 arrobas de presos f-an-
cezes sonido*. 60 palmo- de varanda de ferro fun-
dido. 60 travs d- qnalidade de 32 a 34 palmo* de
corapnmento e 8 a 9 uoll-gadas de grossura, 600
j covadosde lileh, 5 caixa* garantidas de vidros de
vi Iraca de 10 pollegadas sohre 6 de largura, 5cal-
xas garantidas de vi iros de vi Iraca de 12 a 16
pollegadas, e raadeiras de construeco proprlas
para ura transporte de guerra.
Promove o conselho a compra sob as condicc5"s
do estylo e a v-*ta de proponas em carias fecha-
da* recebidas m referido da 7 do correte mez
at as 1 horas da maoha.
Sala do con*dho de compras navaes 4 de de-
zembro de 1865.
O secretario,
_ Alexandre mingues d"S Anps.
No da 3 da conenle mez, depois da audien-
cia do Illm. Sr. Dr. juiz de orphos vai a prar%
por venda urna grande casa terrea com 8000, b--m
con*iruida, com graude sitio em aberto, no lugar
da Boa-Viagem perto da pivoace, cojo predio foi
avalia lo por 2:0004 no inventarlo que se proce-
den por falleciraento de Dmiz Antonio Ferreira
Marques, e vai a pr-ica para pagamento da cred-
ra UmbelinaCand'la Nunes de Mello, os Mellantes
11 11 -o comparecerem na sala das audiencia- no
dia cima indicado as II l|2 horas, podendo ver o
esenplo em poder do porteiro.
\



litar! de Peniamlf^ jer?a felfit :> lezinbro Ji.Su.SES.
CoBselhn de compras navacs
O conselho coutrata oo da 5 de dezembro do _________
corrente anno por terapo de tres mezes, nados eui "~ '
marco do anno prximo vindouro, o foroeciraento l?f f A *
dos ohjecios allano declarados para os navios da IjIM I..A1J
armada e estabeiwiiwmo.s de marmh. De fazenias, miudezas e roupn feita, sendo
Arroz do MmohT^ucar hrauco rosso I Cm rTagua salgada,
aguardante de 2 graos, azeile doce de Lisboa HOJ Wi
azeile inferior, assuear branco refinado, aletria, O agente Pinto far leilo i ur mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz e>pecial do commercio em virtude do relio pertencente ao espolio do uado subdito por-
que requeren o curador fiscal da massa fallida de tiguez Manoel Lniz dos Reis: quinta-feira 7 do
i do Rio Grande do *aij Maooei do Amparo r.a|, de diversas fazen las, corr-nte pela 10 horas da manha na ra. do
a mesma Apollo n. 39, lerceiro andar.
aramia, ba.-aihao, bolacha, bolachirrha americana,
caf em grao, carnauba em velas, cevadioha. Ota,
carne, verde, carne, tecoi1 do Rio Grande do Sal,
/eijo, farmha d mandioca da ierra, galinhas, le- miudezas e roana falta perteocentes
cha, manleiga franecza, dita inglez.i, ma4te, pao, niassa e vindos da Parahiba.
sabao, sal, Mucraho e Lisboa, tapioca, ti jlo de
alvenaria gro-sa, velas slearinas, e vmho de Lis-
boa. Contraa o conselho son as coBdicd-s do es-
tylo e a" vista de propostas em cartas fechadas re-
ceblas no referido dia 5 de dezembro at as 11
huras da manha.
Sala do conselho de compras navaes 30 de no-
veinbro de 1S65
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
MOtLAOt
Da mobilia pcrieuoenie au es^&o d sub-,
dito portuguez j fa (od tfaooek Luir'
dos Re. ^"f
Quinta-feira 7 do coi-rente.
Q geme Pestaa autorisado peldSHro. Sf?con>
sol de S. M. Fidelissima fara. leilo por coqta de
quem perteucer da mobilia d Jacaranda e -ama-
LIBBAilE F^AJiCAiSE
Una al i Crespo h 9.
livrqs nacin a es e estrangeiros
RogiMitiesejriiJurisprudencia Liltera-
tnra Sfiencias t artes.
_Papelaria, objetos pata escriptorio.
LEILO
A 5 do cor rente
Alisos mnna.


DE
Vinhos do Porto.
Ferreira & Matoeus farao leilao por hlervencao
do agente Oliveira, de bello e apetecivel sortimen-
to de vinhos do Porto enuinos, fluos e superlati-
vos em barris. aneoretas e em raias de urna e
1 duas dn/.ias engarrafados, e por isso mais facis
de cooducea e propnos para mimos na
PRXIMA FESTA
podendo os entendedores eseolher a vontade e em
malor on menor porfo segundo os precos a razo
de 14 a 360'por duoa ou pelo que der
Hojas.
ao meio dia em ponto, no -eu armazem de fazen-
das ra da Cadt-ia n. 62.
LEU AO
De movis c tetro* artigo* de gosto.
C'ortlclro S.iij**
por conta e risco de qnein pertencer, fara' leilo
de mobilias de Jacaranda' e aman-lio, guardas
roupas, guardas vestidos e oulros muitos arligos de
: marciueina novos e usados, como tambem appa-
liepresentar seba o nimio appiaudido drama em relhi's de alinuco e janlar, cahx, copos, garrafas,
5 a -los, do famoso escriptor italiano Joao de Fonte candieiros a gaz, e uutros objeitos de gosto
Bisso, traduolo pelo .tistincto poe.U portuguez, "*,." BEO
Fr.iii.'isi-oGji);aive.> Braga, que a oiiereceu a Sr.. Ter.-a-feira 3 do crreme, s 11 horas, no
armazem da ra da Cruz n. 57.
Instituto trclico!o!eo e GaogrApliico
lewam feca un..
Havera' sessao ordinaria quiot^feira. 7 do cor-
rete, pelas II horas,aa mauhaa.
Oi'dem do dia.
Relatoi ios, pareeer.es e mais trabalhos de
rojssfies.
Secretaria do Instituto. 4 de det-rabro da 1865.
J. Soares de Azevedo,
Secretario ffrpeijo.
ESTRADA DE FERRO
DO
liecife a Sfio Francisco.
Pela superintendencia dota companhu .*o con
vidadjs os Srs. accionistas a ivceber o 4o divi leu-
do de sii.is ai\5 s, c.uee.roaiita ao semestre lindo
! em_-'tO de juntio do correle a no, .
Esi;ripinrio daeumpanhia na estacao de Cinco
com- i Puata.30 dju MMnkn de, l8io.
G. 0. Mann,
L OTE RA m PABAGIJ S
-~f K^ -* -*-* M-^ -* -r-t E' a ordem do dia Acabar com os Par*
De grandes preinios e exrelltnle gutyos a bayoneta, a mini, a revolver;
plano. fulmina-las com os eDCouragados amados
Aos 12:UO0i)0;)O, 3:00nl000, 90000 ;0 d esporfies, armsli ungs e miadas de 80
e dOO,.;000 120; extermina-los .-m sunjrua a tspada, a
BILHETESA' iO0Ot)O, MEIOS A' 50000 ,a>> e a put.bal de que se trata; mas
E QUINTOS A 2 000. nioguem se lembrou ainda- Acham-se venda na thesouraria ra Paraguayos con as armas que Deus nos con-
do Crespo n. 15, os biltietes da 7* parte ^Jeu; acabar com elles a tac5o e a punta
da lotera das familias dos voluntarios, da Ps> Para o que necessario encourafar est
patria, cuja exlracco ser quarta-feira 13 Parte do nosso corpo c,m os furmidaveis
de dezembro corrente e pelo cxcellente,--ro,nPe_ferro' esmapa c bra, arranca ti eos.
plano abaixo publicado. quebra marmore e uniros (jue fe vendem
Os premios de t:OOO0OOO at 200000! 4* HU "IRRITA4&
Superintendente e ihesoureiro.
Aviso ao publico.
Alii^am-se
i as casas da raa.dus Pratexe? do bairro da B>a-
| Vista n. 1 A e n. t I!, ambas novas e por I6
meivaes <"da urna : a tratar na ra estrella do
serao pagos unta hora depois da extraccao j Borseguins Bordeaux
al as 4 lioras da Urde, e os outros depois patricios .
da distrihuicaodas lisias.
Os burieles cncommeiriados s sero
conservados at a vespera da extraccao.
O ibesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soua.
PLANO
8tS0X)
80UO
en-
Quarta feir* 6 de dAsentir* de 1865.
RKCITA A FAVOR 0A ACTRII
Jesuina Josephma da Silva e de Jos Bernar-
diuo Correa de Barros.
(Pono da coinpanlua.)
C n o concuo ds ai lisias que obsequiosamente
se prestan por liarer terminada <> terceiro anno
da empieza Coimbra.
O abaixo assigaodo oemiuerciante desta praca, Rosario n 2tt
avisa ao publico ter entreKue no da 10 de ouiu --------'-
bro do correte, ao Sr Roberto LighiluMn, 3 letras
de seu saque, seniln duas de 1:0000080 eaaa urna, [
e orna de 3:085040, pwfazendo toda 11:0845040, Alogam-se duas casas nova* na
do aceite dos Srs. Ignaeio eoio de Aluu.uerque Boa-Vista, roa do Principe u. 4 e 8,
Mello e Joao Alvares Triguelro, vencidas em 3 de ,0*. salas, cojinha fra, quinijil
Casas
v
ara as exraccoe
. Adelaide Auural, intitlalo
ACT8IZ HEBREA.
l-iualisara' o espectculo coio a luida poezia re
citada |iela Sr." D. Adelaide, intitulada
di vwandeira.
Oshihetes achm-s- a venda em mao dos be
ne'i i idos na ra di Paz. n. 40 e ra de Santa Isa-
b I n. II, e nidia do espectculo no escriptorio
do tiieatro.
Pridcipiara' as 8 horas.

^iSOS MAEmKOS.
DE
TES A VAP01.
B esperado dos p irtos do norte
at o da 7 de dezembro o vapor
Oyupoik, cnmmandante o capno
ten-ute Castro Costa,o (oaldepois
da demora do costume seguir'
para oa porits do sul.
Dede ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qae o vapor poder eoodoiir a qud dever
ser embarcada id dia de sua chegada, encommeu-
d dinheiro j fete at o da da *ahida as 2 ho-
inencia ra da Ouz n. 1, escriptorio de An-
u !. li? deOliveira Azevedo & <;.
i ; leles de diniieiro para Parahiba, Rio Gran-
de to Xurle, Geara e Macei, cam reduzdos a
Dinheiro papel. 1|4 |.
Ouro......i|4 |
Prata......3|4 |.
Oa337 sarcos <*om m'lliu .-ivariaJo
Iloje ao meio dia t-m ponto.
A requenniento de Jo- Moreira Maia e por des-
pacho do Illm. Sr. r. juiz especial do comraercio
e por intervenga,) do avente Pestaa rao a leilo
por conta o risco de quem perteacer 337 saceos
con milho avariado vinto do Maraoho a bordo
do hiate na i 'ii.ii iVOVAES, osquaes sero vendi-
das boje em um ou mais lutes a vontade djs com-
pradores ao mcb.dia em ponto uo trapiche do
Uinha.
Leilo
De sebo lux e oatatas
II* JE
gSO agenta Pestida lai a l.'iii pjr conta e risco
de qu'in pertencer de caitas com ceh das e ditas
com batatas : hoje S do corr-ote as 10 horas da
maoha oo largo da escadmha armazem do
Az vedo.
juaho do crreme anuo, para toeobw dos mesmos
seahitres.em Guarabira na provinvia da Farahiba
do Norte, aon.le lo los sio luoradores, que o mes-'
mu Sr. Roiierto piTdeu diia- letras all : e como os
ditoi me i deve.tores anda me devem por saldo
7:8745540 o-jro* vncete*, seu obrigado a fazer
sabedor aos ibesmos duvednres eao publico, que
ditas letras oo terio valor alguia urna vez que
so perdern), e que nao e*to firmadas Bis costas.
Avisa mais que tem em seu poder publica- formas
de ta.es letras, tiradas no carlorlo do Sr. Ponocar-
roiro, e alm nsso prttedda provar a perca das le-
tras em jutzo compelrnte, para que em letopo al-
giun apnareca a menor duvida. Recife, 2 de de-
zembro de 1865.
! _______________________Jos Gomes Villar.
Aluga-se
As casas da.ra dos fraaeres do bairro da Boa
Vista, n, tAe n. 1 B -, ambas uovas e. \u>r
lp mensaes caila, urna : a tratar na ra Estrella
il'J U'oTl.i II. S.
Precisa-se de urna engomm.ideira :
I na ra do Imperador n. 17, segMdO and r.
Precisase alocar nra mnleque aco-tnmaloa
! servido do campo : a tratar no armazem da ra da
Gadea do Recite n. 36.
cacimh sao muilo sadias
numero 3.
freguezia da,
Com 3 qtiar-
bom e minado,:
a tratar na ra Nova
Pa
do
machisas
a construi-co d
DE
AHilt^KT.SOV E 1MP17GLASS
New Loo'don, C< meclteur, Esla-
do>-Unidos
Solicitam pedidos de descamcadores de algodo,
tdoptaduB ao alffodo snl-amerifaun. Hose de-
dicado a es negocio durante 2f> aunes, e atiende-
rao iminediatauente a correspoodencia que se Ibes
dirigir.
Precisa-.-e do nina ama : no becco do
Lobato n. 3, primeiro andar.
Precisa se de alugttr urna preta que saiba
coiuUar; ns ra daSoiedade n. 46.
i para senboras,
feitados.......
com laoo e livella ..
Sapatries encouracados.......
B rsegtiins para meninas bom
eiast co .................
Sapatos de.lona, sola elstica.
avflluilarlw.........
de tranca...........
econmicos para se-
nltoras........,..
com sallo de lustre..
Cliineles do Por o..........
Ura comp et" sur inte to de calcado da
trra para hnmens. senhoi as e meninas;
Para ser applicado qua do conveniencias sasm como bezerro frarjoez, couro de lus-
especiaes venda dos bilheies o .tre, marroqoios, ta'uas de todas as quali-
aconselharem. dados, litas para sapateire, muito sortidas,
Ipprovado pelo Exm. Sr. presiente Sllla e muros que tudo visto necessaiiamen-
y *
DE
S5P0
4^sti0
5,5000
3t$t>00
ldO'.'O
|690
l(500
H500
2d*0
WCtjO
PERNAMBUCO.
14000 bilhetes a 103000............40:0(>0500o le ^az cobija ao comp ador pela barateza.
i* Joao da Silva Ramos, merltco W
BeaeOcio, sello e commissao 24 0|0.. lJ:60O0O0
Liquido...... 30:40050(XI
1 Premio de........
1 Dito de..........
1 Dito de...........
1 Dito de..........
1 Dito de..........
8 Ditos de 1005000
23 Ditos de
49 Ditos de
92 j Ditos de
Precisa-se
Aliiar urna pn la par* o sbjuco de umacasa
de pooea f.milia : a tratar na ra de Cdela do
Recife n. 19 primeiro andar.
1010 Premios.
2'JIO Urancos.
12:0005000
3:000*100
9O0000
5005000
2OO50O0
8005000
9205000
9805000
125000 11:1005000
---------------30:4005000
405000
205000
Creme
n. 18.
* reme,
hoje ao meio dia : na ra do Trapiche
Leilao
l),1IYS (')lll
luigaicas
I ara o Rio de Janeiro
Vai >ahir com breVdade o brigoe Adelaide*
por !'ia uiainr parte de seu carregameuto trata
ilo ; e para o qua lite falla, trata se com o consig-
nal in J taquim Io> Goucalves Beltrio : na ra
do Vigario n. 17, Io andar.
I! RiaaaltM de paquetes a vapor entre
8 Estados Unidos e o Brasil.
At o da 8 do correle espera-se dos portos do
sot o vapor americano North America, comman-
daiii Tunmenoaon, o quai, depois da demora do
envime, .-eguira para New Yurk tocando eoi S.
I mas. Para fretes. pa - li rleorv Forster i C, rui do Trapi-
Ctl II. 8.
JMPANHIA BEASI.EIRA
DE
QETES A VAPOR.
E' e.-perado dos portos do sul,
at o ilia li do corrente, o vapoi
Paran, eunmandanle o capit'j
de fragata Antonio JoaqQim de
Santa Barbara, o qual depois da
! i; ra do costume seguir' para os portos du
-.
il ira se passageiros e engaja-se a
|t>e o v;ipor poder condazir, a qual devera
ser 110 da de sua chegala, encom
- dinheiro a frete. hu\ a da da saluda a-
: agflocla na da Cruz n. I, escriptorio d'
AdI no l.uizde Oliveira Azevedo C.
nc ao
IBOJE
O agente Pestaa ven lera por conta de quera
pertencer 'O barris com Iiuoqis cm lotes a
voniade dos comprad nes : h >-i o do corrente pe-
las 10 turas da mauha uo armazem do Sr. Aze-
vedo.
LKILiAO-
De urna casa de pe Ira e cal nova e bem
consirui'ia na pjvoacSo ie Nossa senho-
a do O' de Ip ijuca e junio a groja,
com 40 p ilmos de frente e O pouco
mais mi menos de fundo, tenJo 2 gran-i
de-salas, 4 quirlos e eoshlia lora, ca-
cimba de pedra e cal. quintal com 8i
palmos de largara e (Jo (! fundo, teredo
estribada e i escolente jardim do lai'o e |
um terraCO sob calnOitas d^ pedia e cal.
Cordciro Mfme
competentemente autorisado (ara leilao do predio
aeima descripto, o qual ufferece grandes vania
gens as pHsoas a'li resid-nles, tem muitos com
modos e um dos meihores predios que ah tem
-e edificado : cojo leilao ser ellectuado
Quarla feiiMtiiledccm iroas M horas
No'armazem a ra da Cruz 11. 57.
AUiLM-e umi casa para se, passar,a fe.-ti na
5r. entrada do Pog 1 da Pouella, pan granJe la n lia,
e um sobradiniio na rila le de Ofenda ra dn Bom
~ i llm : i|u->tn as pretender finja se a Pora de H >rUs
rua d 1 Pilar sobrado n. 23, primeiro au lar, a fal-
lar cot VI.-ij'I la viva Nev->-.
0_
Precisa-se de dos meninos para raizeiro de
'^tlina, dos ltimos chegados do Port'; na rua do
N'i.-'uieira u. 90r
Prccisa-seTHje un ret robllo para masca-
lear : a tratar na roa do I,via.....uto n. 2t.
Alaga-s 9 casrt d;i ni 1 de Agua Verdes n. 102
com commodos para fainilii : a tratar 111 rua b-
reita n. lO.
Roubo.
Furlaram do abano
fre de dentro de 1110
.i'i.iim assigqado tem justo e contratad a
compra dosillo da rui d^ S. Miguel n. 125, ao
Sr. Aiexmdr'J>s Gomes sua raulher : quem
pols se julgar cu n direito sobre elle queira an-
nuuciar n 1 prizo de 8 lias a contar da d na d?ste.
Recite 4 de dezembro de 18i5o
Antonio Jos Bezerra.
Aiug-i-se urna casa nova d taipa mudo bem
construida para pequea familia, com excelleiite
agua e algumas frucieiras e bom fresco, no sitio
da Tamirinetra do mo da estrada do llosarinlio :
a tratar no tnesroo sino.
GOMPANHIA l'EUNAMDL'CAXA
x DE
11 .!!ac;i( cosleira por- vapor.
Parabiba, Natal, Maco, Aracaty e
Cear.
Segu no dia 7 do corrente, s
o horas da tarde, o vapor naci
nal l'ersiHunya, cominandante Bel-
miro.
il -lie earya al o dia 6. Encommendas, pas-
- dinheiro a frete at o dia da saluda, as
h da larde.
E-. riptoriq no Forte do Mallos n. I.
OIHPANHIA PEHXAMI1UGANA
DR
\aves cii costera por vapor.
Para Fernando.
Segu 00 da 14 do corrente, s
9 horas da manoa, o vapor na-
cional Mimanguape, commaudau-
le Ralis.
Recebe ca:ga, encnmmendas,
ageiro e dinheiro a fretes al o dia 13 as 'i
liora- 1. tarde.
Escriptorio no Forte do Mallos d. 1.
I
pa
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade o brigoe
nacp nal .\imlia, para o relo da caraa e passacei-
xm o te Me falta ir la se cora os seus consignata-
rios .'. itooio Luiz de Oliveira Azevedo & C, rua
da : 1 '. m. I.
Teo boas commodos para passageiros e es-
crav
Para o Porto.
h- ihir ctwn brevidude o brigue oortuiuez
Btvm 1 por ler a malor parte de seu carrega-
i,"n' ii ja' tratado : para o resto e passageiros ira-
la-! 1. n Cuuha. Irmos A C, na rua da Madre
t'e D 11. J, uucoiii o capilo a bordo.
Barttf prtngueza Recreio.
Ven !e->e, este suiierior navio que carreja 16,000
arr e tun 14 1|2 palmos, propno para o Rio
'irn d 1 Sul. ferrada de metal novo : trata-s
-unitario Joao Francisco da S. Novaes,
trav 11 Madre de Dos n. 5.
Mudanca.
Jos Pelro do R-jo mudiu sua residencia da
rua das Gruzes u. 18 para a do Imperador u. 4J,
segundo andar, onde cootioui a recetor escravos
de enmms-o.
Lm/.a. cab >cla, de id 1 le 22 ann >s, es atura
regular, falta de denles e cab-'lo aparado, fuio
de casa de seu senh.ir n.) dia 28 do mez passaJo e
tem sido encontrada 110 bairro de S Antonio e
Recife : qi-m a levar a rua d'Apollo n. 30, ser
bem gratificado. _____
Medico e operador.
O Dr. J>ao Raymundo Perelra da Silva, anegan-
do ltimamente de Paris, onde frequent 111 os m.us
Dotaveis hospitaes, nle ser procurad > para 0
eiercielo de sua protis> 1 ni rua da Crw n 10
segundo an lar. I) consultas todos os di is das 7
as 10 lioras da manha. Especialidades, molestias
i de nlh"s, partos e vlas-ur narias.
1
Ailencao Sr. Parrada do Diario 11. 278.
Se V. -. mandn atirar sobre o blco o par de
bilmas em estado de oo poder ser m lis veo li lo,
: para que vem dizef ao res,ieilal, que o Sr Arantes
lie com as bolinas, o diuhejjro aliiei.i ? As botinas
e>io a espera que V. S. as man le buscar, porque
sao snas que j i a. pagou, o dinheiro poroi do
. vendedor, e nao ple V. S. de boa f chamar de
""! oulroui que nao seja o mesiuo Arantes.
II R!f I, dll O esperanza
aj 32 4J m_ tP OITerece-se um moco habilitado para raxeiro
De um sobrado de um andar na rua Novj de quaiqu r casa commerajai, com pratica de es-
de Santi Rita n. ii, com 2 sa as, 4 quar- criplurato mercantil, e di dador a sua conducta;
qoantia de cerca le lOOS etn tu
va urna de. 5o, moedas de imr
teriuia.v e praia, alm de 4 leira
res, urna d 1 quanua de 504000
oain de .'iOSOoO t. Mitra mais
como nma clare/a ou reribo ele
as letras de 520$, a de .'05, e
pelo aballo assigoado com
172-j:|:)0 firmada pelo Sr. Auto
va Fra^iz 1 d ni-) saccador: que
cia certa il i lugar em que se a
sera recompensado com gneros
Sania Rita 11. I.
Elias V
asMghad uii'i pequeo co-
iiah, n a qual se acnava a
tas, entre ellas na-
brasilelras e es-
de diverso* valo
outia de 172*300,
54*000, a->im
paz ; sendo porm
de f>5 Hrmadas
paccador, e a de
o Uypriano da Sii-
n poder dar noli-
he taes objectos,
lad -, na rua de
ira de Mello.
. Na rua 10 Livrameni 1 u.
tima iua escravi.
Animio Jos AI vea de Brit|i,
huotl do c.Miiin-rc.i.>. mudou-se
perailar n. 'i, l. au lar.
II) ha para alugar
escrivao do tri-
ara a rua do Iin-
De trastes avulsos. ofij co- de nro e prata, crys-
taes e oulros muitos arligos.
Quarta-feira uo co. rente, s 11 boras,
.NO GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
1'O \r.E\TR
olympio;
JlJK11.1 j .aiiei .4 liceaae
re
Na r ia Direiia 11. 78
de una ama para imzinliar.
Na roa da Matriz da Hi V
gar um primeiro andar da casa
cora nodos e bem repartida,
llaveiido sido extra valo
Donimg-js de Barros Mmtefro o 1
terreno, de marmh 1 do cae-d 1
e 40 A, n ablo assignido, a qi
rilo, protesta contra quaijoajr 1
lilil" IKISSa alguem fa?. r. It
de 1865.
Lniz l'err-'ira Mac
Pri'cisa-se ile un aun fon
casa de 0000a fumn, paga-se
rila do l>ir,; n. 24.
u icao, precisa-se
-la. ha para alo -
. 28, com mullos
em mos do Sr.
lulo de posse dos
(Japibaribe ns. 40
ein e!le foi Confe-
so que do mesmo
', 1" de dezembro
el Pinh iro.
ni captiva para
bem: a tratar na
de,
do
- Precisa ?e Cjmpiar um o- r.r.i de maii ida-
|it u.'ii t-nlia vp-jiii iieni ..vil i pies : ua rua
lahuca n. 3. sgun I-i
juera precisar dirija se a e>ta lypograpbia em car-
ta fechada c m as emiiciaes A R. C.
tos. c ismln in lepen le.il-i e um pequeo
terraco, rende 433 annuaes.
Cordero ftiuies l'lll!'lO
obtida a co'iipi.-teiiie. au:nri-acao fara' leilao do q ec0ravo Manoel, crioulo fullo, distentado,
predio acuna de-criptopolendodesde ja os preten- ranhoao, altura regular e corpo gr.vso; n.loral
pentes proco lerem ao exaine e qua qu r informa- de paeli nt Flores, levou calca e camisa de algo-
cao o agente satisfar, i-iijo leilao sel a no da ; dan de lista azul: gMilica-se bemaque.ro delle
Qllirta-ftia. 0 d, Carre.llte der noticia, na rua da f.-dea do Recife n. 52.
as 11 tura- em ponto no arma em a rua da Cruz preeisa-se de urna ama, que saiba cesi-
n. 37. nh'r: na rua do Qu-imadn travessa para a rua
ATTENC
llenry Forster dtC, rua
tem para vender :
Pr. usas para enfardar alr
Machinas de de-ea.0Qar
ni lar. I
scl.
o Trapiche n. 8
Ifo'lo, fie 30 a
GO serrles, com motores, asdm como moto-
rs que servir > para qualquei
machina d 1-2 serrotes com
vapor, propria para a mesma.
LfLlfl
D'134 caixascoin cerveja branca garrafas
e meias
Caixas com molhos inglezes.
Ditas comazeite relitudo.
Ditas com absinlu,
QUA1ITA-frua 6 no canRENTE.
. 0 agente Festana legalmeuie autorisado far
leilo por conta e riaoo de quem i-erlencer de 134
caixas com cerveja branca em garrafas e meias,
caixas com molnos inglezes, dilas com azeite reli
nado e duas com absiotn : qjarta-feira 6 do cor
A^vedo.10 dl ao armawm d Sr I Dentista de PernambucoJ
E-lieila do Rosario, n. IXC -loja de misldesa.
- Preci>a -e de um amagador na padaria da
Soledade n. 14.
Peroeu-se o da 2 de dezembao, uo ilieairo
de Santa Isabel, duas cartas com um retrato de
urna senhora ja de i lade, as ditas carias sao vin-
das de Castello-Branco. dirigidas a rua Direila pa-
daria do Sr. Antonio Alves de Miranda Jnior, para
entregar a Jos Lopes Roballu; quem aseaeutitr .u
queira ler a bondade le as entregar na mesma rua
onde remellida, ou ua cua da Florentina padaria
n. 3.
servio o, k tima
urna tnacliina a
U iua estreha do Rosario 11. 3,
ao p da isreja
2FB4NCISC0 PINTO OZORIOg
pelos ysteuias oals mu-
J
m
dtruos
Emprega todos os meios sr.ientificos para te
conservar os naturaes. Pode ser procura- S
do em seu cabioete das 9 horas da na- jh
nhaa as '> da tarde. fej
E".t. a o Rio Ciramde do ni
preten ie >euir canil muda brevidade o brigue na-
cional Amelia % para carga trata-se com os seus
con-i;iiaUnos Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
4 C, 101 da Cruz n. 1.
"_ Segu paca a. liba de Perunndo de IWooha
ateo flia 10 do corrrenle mez o hiale Seruipanu :
quem qoi/er carregar ou ir de pasragem. dirija se
a rua do Vigario o. 2, cora Jordo Jos de Olivei-
ra, ou cora o capilo a bordo.
Leilao
Quinta-feira 7 do correte
Pelo agente Euzebio.
De urna casa terrea na Boa Vista rua do Mon-
dego n. 8o, bem construida, hons commodos e bom
quintal com cacimba em chaos proprios, a chave
esta ua otaria junto a mesma.
Urna dita na Capnnga X .va rua das Pernam-
bocanas entre o iheatro e as casa do Sr. Bartho-
lomeu Limen :o, com bons commodos, grande
quintal lodo murado e com arvoredos, rende 2005
por anuo e com algumas pequeas bemfeitonas
pude render 300, chaos fureiros.
----------- ... --------- o abaixo assignado lendo no Utarto de Per
f Pi 1(10 nnmbuco 0. 277, um aouuncio de Vreme Ferieirs
\j ji lifjU jjunPS ,jH p.inla, a respeilo de um crdito do mes-
De urna mobilia de Jacaranda com tarnpo de pedra mo Viceule, que existe em meu poder, o qual diz
e com pouco uso, 1 loilel de Jacaranda' com elle ser fabio, para o que j den principio a argo
pedra l mesa elstica l apparador, l par de jde faisidade, pedindu que nmguem sobre elle-faca
jarros, 2 pares de lanteroas, 1 par de escarra-1 transaban alguna, Ur, snente ao respeitavel nubli-
|cn, em ati-nco ao que responde: que Vicente
Ferreira Nunes de Paula credur do abaixo asiig-
nado da qoantia de 8005, pouco mais, e que o
mesmo abaixo as-ognado e seu credor da quantia
de 1:2129; dividas -slas firmadas por ambos i que
os cielores exi'tem ; e s reiagSes da cunhadio
tem obstado a ajuste di cuntas d'eatre ambos; o
ahiixo assignado protesta contra o procedimento
e as. injurioso do sen cuuliado, e tranquillo espera pela
aeeao da falsidade, cujo priucipio ignora at esta
data.
Olinda, 4 de dezembro de 1885.
Manuel da Silva twet Cavalcante.
lia as
rua
deiras, louca, vi-lros etc.,
2 escravas com aigumis habilidades.
Q na fern 7 do e rrenle as 11
no saguudo an iar do sobrado da
eslre ta do Kos*rio n. 43.
Cordelro ttinaes
por contae 01 le.n de uraa familia que se r
para fora da, cidade, fara' leil; dos movis
crav.. '-iina descrilos.
Tninsfereuci i de lefio
O leilao das f izei" noel do Amparo Cqti anounciado para hoje-lea
transferido para a semana vindoura, o que ser
aununciado.
4000 Bilheles.
N. B. lis premios que eslao sugeitos a desonto
sao os de 5005000 e 9 i05o00 ao de o por cenlo, e
os de 3:0005000 e 12:0005000 ao de 17 por cerno,
sendo 5prcenlo da le provincial e 12 por cenlo
da lei geral.
Tnesouraria das loteras de Peruambuco, 22 de
tiovembro de 1863.
Oihesrureiro,
Antonio Jom; Rodrigues de Souza.
CASA DA FORT ,
Aoi:GOO0OOu
3:l;00,->oOO
9000000
5OOJO00
Milhee*. u'uulfo>.
V RUA D CHfiSPO -N. 23 E CASAS DO COSTUME
0 aba^oassi^iiadovendeu uossens muilo felt-
zes bilhetes garantidos da lotera "que se acabor
le exlrahir, a beneficio da .anta Casa de Mise-
ricordia, os segnintes premios :
Um meio o. GS com a surte de GODOS.
Um inieiro u. lf'O com a sorle de 1:2005
um iuteiro n. 1427 com a sorte de 5005000.
Um meio n. 3517 com a sorte de 2U05000.
E outras muitas sortes de 1005, 405, e 205.
Os;iossuidores podem virreceher seus respec-
tivos premios sem os desceios das leis na Casa
la Fortuna a rua de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 7* parte da lotera
/ti') beneficio das familias dos voluntarios
da pa tria, que r^ eztrabira quarta-feira 13 de
dezembro.
PRECO.
Bilhetes ... . 12300o
Meios. . . . 65000
Quintos. . . 25400
Para as pessoas i|ue cump arrio dr 100000
para rsma
Bilhetes. . 115000
Meios. . . 55300
Quintos. Uanobi M . 25200 MITINS FlIZA
Soeiedade de seguros mu-
tuos sobre ii vida
m pela universida !e de oimlira, d jN
5 consultas em sua casa das 9 8
i t i horas da rnanbaa, h das 4 as 6 .',
'M da tarde. Visita os doeutes em suas
f casas regularmente as hoias para
isso designadas, salvo os casos ur-
fqnaluuer occasiao. D cnsul las aos ij
pobres que o procurarem no los- H
t&. pital Pedro il, acode encontrado
jj diariamente das 6 s 8 horas da j^
\- maulia,
^ Tem sua casa de sade regular-
g| mente montada para receber qual-

S Dados, [iara o que tetn commodos
apropriados e nella pratica qualquer
I oiqieraro cirurgica.
^ Para a casa de sade.
Primeira classe. .35000 diarios.
" Segunda dita... 3o00
Tercena itila .%9uO0
Este esialie'eciniento j bem
acredilad i pelos bons serviros que
\ tem prestado.
' o propnetario espera que elle
continu a mereeer aconfiaoca de
que sempre tem gozado.
- :^S
i (riada
Precisa-se de orna criada para cozinhar e ci m-
prar para casa de hornera solleiro : na rua do
Uiieiii, ido n. 41, loia.
Precisa-se saber de Antonio Fernn 'es oa
Silva, ou de seus herdeiros residentes a!1*.impe-
rio, a negocio de seu luleresse sobre urna heranca
que tem etn Pertugal: a rua do Queimado o '\1,
loja..
.uiuel Power Jobustmi &, Gompaaiiia
Ruada enzala^ova n. *.
AGENCIA OA
Fii63df$o de Low Xloor
Machinas a vapor de A e 0 cavados.
Moendas e meias uioendas para enger] i.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
uho.
m
lia!
!
-
Porto leudo estabelerido i
esta soeiedade debauo de sua immediata vigilancia i
e re>pousalnlida le, facililou a reselo de capitaes.
dotes, rendas, p. n-es, isi-ncoes do servico das ar-
mas, etc., por meio de subscripedes nicas onan
noaes, as quaes convertidas em inscrlpcoes da!
lvida publica, de renda nacional, e da mesma for-
ma os juros sernestiaes que dellas se forem ven-
cendo. ficam por um ferio numero de anuos em '
deposito, at que, liud) o praso estipulado, sao1
restituidas aos socios com os inieres5es aoiontoa-1
dos, bem como as que oertencerem aos associ::dos '
lailei-id-s, visto que desles sao herdeiros os sobre-1
vvenles.
Pela engenhosa cnmbinacio econmica adoidada
nos ralelos desla soeiedade, v-se que, com urna
entrada annual de 505()o0, por exemplo. old-m-se
em 5 annos 4505000 a ."..i'o-V'OO. em 10 l:->005i>00
a2:0lH'5000. em 15 3:5005o00 a 4:50 i5<'00, em
O 8:0003000 a 10:0005000, em 25 18 0005000 a
23:11(105000, conforme a ida le do individuo sobre
quem feti o seguro, pois que nos referidos cai-
eulos eonu-se com a maior ou menor probabilida-
de de duracao de vida.
. Esta soeiedade sobreludo vantajosa aos chefes
le familia, visto que Ins facilita sea sacrificio a
fundaco de um capital ou dote uara seus fuos ou
lidias, sesturando-os quando nascem ou em quanto
sao criaotjas.
Quem, pis, mais cinumstancia-las informat;oes
lesejar sobre tal soeiedade, ou se quizer insrrever
orno socio della, diri.-se a rua da Madre de
Dos n. 28, onde se poder entender com JoSo
i'.arlo? Ci-elho da Silva, que para isso se acha en-
earregado.
Arreios d carro para um e dous catallos.
Relogiosdeo ro patente inglez.
Arados americanos.
Va hias para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
U L)r. Cosme de S;i Pereira conti- ]
na a residir ua rua da Cruz n. 53, | i
Io e' andar, onde pode ser proco- jpf
rado para o exercicio de ;.ua profis- .-..'
sao medica, e com especiadade |J
sobre y seguinte f's
Io molestias de olbos ;
i" re peilo : $^
3o dos igaos eni- S
ti urinarios. -4
Em seu escriptorio os doentes se- |i|
rao examinados na ordem desuas I
entradas coinecando o trabalhope- -,
los doentes ile olbos. )B|
Dar consultas todos os dias das 'Ag
6 as 10 da manha, menos nos do- ^
mingos.
Praticar toda e qualquer opera- i^
cao que julgar conveniente paro o I
prompto restabeltcimenlo dos seus jj j
doentes.
li
MARTIMOS
CONTBA FOCiO.
A companitia liulcm isadoia. eslabt
leci-
Para caixeiro.
Offerece-se um mogo de 18 annos para -^ Qc>la ^ s mnlmn, ,fl.
aixeiro de algum armazem de multados do; bre ^ seiis c;1(1VK,ime ,, e ,-;,
que tem bastante pratica ou para caixeiro f em e(|ificiftS> mercadorias e mobilias:
da loj4 de fatenla dando 3 mezes d- pra-!na5 rua d(J vj 0 n fc Rmenlo terreo.
tica e u riador a sua conducta; quem pre-
cisar annuncie por esta l lita.
N. 0. Bieber cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo confoime se conveocimiar.
Ama

(AlXflO.
Na rua da Matriz da Boa Vista, ha para
alugar, um primeiro andar da casa o. 98, cora
muitos commodos ebern repartido.
Precisa-se d um eaixeiro que i moa nra'ica de
tahern, de II a 14 anuo* do idatf': natravesi
do Campello n. 1. E
Precisa se de um trahmador, na padaria eju
I Santo Amaro, airaz da fundi^ao d Sr. Starr.
Precisa-se de urna ama para o servido de urna
- pessoa : ua rua do Galdeireiro n. 70.
Alugam se as iasa< da roa do Prpgcesso us-
II e 13 : a tratar na rua do Sebo n. 54,_______
Precisa-se de um saneiro que lenha pratica
Precisa-se de um caixeirq de 12 a 14 annos
ira caixeiro de taberna e que tenha ak-uoia pr-
tica da mesma, preferese Portuguez : a tratar na
rua da Moeda u. 29.
Aluga-se para passar a festa urna casa na
Varzea a qual tem comuiodos para grande fami
lia : a tratar na rua Direita u 43, segundo audar*
CV1SHQ\0.
Pede se ao au'or do primeiro avi-o invisivel, que
entregue logo o segundo, por ser mais complicado
para ensinar o estpido.
O devoto fingido.
Na na do LivramenW u. 19, ha para alugar
uraa boa escrava.
US O Dr. Carolino Francisco de Lima San- ^.5
tos contina a n.orar na rua do Impera- \
dor n. 1", segundo andar, teudo alias seu >
gabinete de eonfullas medicas, logo ao jci
entrar, no primeiro. ^
O mesmo doutor, que se tem dado ao j
estudp tanto das operayoes como das mo- ~j
lesnas internas, presta >e a qualquer cha- km
*
^ da cidade.
mado, quer para dentro quer para fra
w
Atiene^0-
Precisase de un forneiro e d.ins amassadores :
na padaria da roa d i Ainoar,i de O'iii-ta.________
(I abaixo as.signado nao leudo em lempo al-
gu tido uransar(3u de qualquer Dalurrza rom o
Sr. Marmel da Siiva Nevfs Geotmbo, 11! is qnaes
Hu nrasse deveudo qualqio r importam ia e iiem
lemio-lhe aceitri titulo algum de divida ivn-la Ibe
quo o referid Coutioli" aiue-enta hoje urna l-tra
de valor de mais de l:i)lH.i000 do arene do abai-
xo assignado em favor deile Coutisho, faz puldieo
que esse titulo se existo falso, e para o que j;;'
deu principio a aegao ^a faUitade : por Mo sobre
um til titulo Diogoeu) faca Iraosaccag .ilgu^a.
Reci/e 30 de uovernbro de !8t5.
Vicente Ferreira Nunes de Paula.
vtmm
1.. r-
1%
-. I
r^
<2f


i


T
Diarlo d lr*ernanbaco Terca ler* & ^fBhk
D'IODURETO DUPLO
de FERROe QUININA
MEDICAMENTOS FRANGEZES AFAMADOS
A VEHTDA E9I PER* O BIX O
Era o isa drs Srs. Caors e Barboza, ra da Cruz n. 22.
Os elementos queorapocm esia preparacSo. o
ferro, o iodo e a qtUna, a colloco no primeiro
grao das preparares ferruginosas. Basta attcsia
seus resultados oblidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prlieos mais eminentes
que confirmrSo sua poderosa efficacia as se
guintes affcccdes:
MliiKun no nbukuC|
rrui|ii.i.
Ai.iinlii,
Clilaro<- i> Ictericia,
Mi-MNlruo,
Afierro*-* do ulero,
Sup|ir4rMOC* dun re-
tir**; < dcHorclena n
uirwtriiiruu,
Affecco pulmonar e
phlhltdea,
MmU-miIi* ri eKlomajro,
Gaatralglt,
Perdad'a>pell(e,e(e.,
ConvnleurpncHclelon-
u*i nioH-rttliltf,
MuU->(1iih C-C! Oflll-J-
NtM.,
Papt-ira,
OlMtruccaii fin* ^l;in-
iluil,
IlHNiort** frlow,
Tuiuoren brancon,
RUClllllatlUO,
Affeeeie canceroHa.i
e > plillitlniH,
Felire*. f. .balde*,
Bcxtga*, etc., ele.
VejSo-tt os bulletins de therapeutica medica
e cirurgica de 30 de novembre 1860; a Cazela
dos hospitaes de 28 de julho t 86, etc., etc.
A11 ni das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
quinina de Rehillon, os Mdicos aconsellio
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do mesmo autlior para as
pessoas que nao gesto de medicamentos sob Tur-
ma pilular e os neniaos. F.ste xarope nao tcm
como o xarope d'iodurcio de ferro, o inconveniente
de altcrar-se e de se nio poder conservar.
Peca-se o folheto que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para se evitaran falsificares, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmaeia Rebillon,
i42, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes strangeiro, etc.
PASTILHAW
5ESTIYAS
IDEPEPSINAI
im WASMAN
'L
As pastilltas digestivas cum a pepsina de
H'eathan, emprego se com successo h j
a!gu*:s a mos pelas celebridades raedicacs de
Pars. Londres, Vienna, etc., em todas as n-
cowmodidades em M qiiacsadgeslio> dilficil,
penosa, imperfeila ou mesmo mpossivel: eis
0 incHtvr remedio para coral as.
lilin-lieu* c a con*ll-
pacao pro'ftamldaa
|u-ta* cLi(,>iiiinti'ft
dt-frl (UfMUUi afiu* n!l-
nienlo*.
GawtriBajIaa,
l>lM|M-pwat*,
Eiiiliiirttw.N^Htrlf*
A ,
Aa iift".-cr*ei. urgiinl-
chm du eatonvaa,
Sua acv3 vivifica o sanguc e os orgas de
tal sort*1 que, ath as pessoas (pie sem soffrer
as nffoeo&efi gastiicns cima mencionadas sao
nnicanienle fraa-.s oa d'um temperamento um
pouco dbil, e aecessito substancial linttiito
para foriificar-se., achilo no cniprgo das patUl-
hai de peisho. de Vasman, um poderoso meio
para a isso clirgar.
Aviso importante.Osucccssodas pastillias
a pepsina de ICnMandcii causa a se fazerem
falsiiicaeoes e imifaooes d'esse producto que os
mulos se qiieivm desfazer. Pois por falla
d'uma boa preparaco a pepsina que n'clla
entrar, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'este
Inconveniente, exigindo *s compradores que as
pastilkas lenlmo as imeises B. P. c saiao da
pharmaeia Chevrier.
depsito geral em Pars, pharmaeia Chevrier,
21, l'aubourg-Montniartre, e cm todas as boas
pidrmacias Je Franca e dos paizes estrangeiros.
DOENCAS
dos MENINOS
CORADAS PELOS
XAROPES DO DOUTOR DANET
N* 1. Contra CLICAS DOS ME VINOS aato
e durantr drnllj-o
(Xarope de cynoglosse e de acido succinido)
N-
2. Contra a TSS8E CONVULSA a tosse
NERVOSA
(Xarope de cynoglosse e de leo voltil de succino]
N* 3. Coa Ira aa COXVII.COES DOS MENINOS
A CHOREA
(Xarope de cynoglosse e de acido voltil de succino)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris s3o em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o tratamento das molestias dos
meninos cima indicadas, e viero encher um
vacuo importante na therapeutica, no que toca as
affcccoes da infancia, para as quaes, ath hoje,
ainda se nao pode indicar tratamento racionnal-
ncm infallivel..
(Peca-sc o prospecto em casa dos pharmaceu,
ticos depositarios.)
Proco do frasco em Paris, 3 fr.
Para se evitarem as falsiiicaeoes. exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtulos a
assignatura Chanteaud.
Depsito geral cm Paris, ptfarmacia Chan-
teaud. c em todas as boas pharmacias de Francy
c dos paizes estrangeiros.
GRANULOS
DE CHEVRIER
Os granulos de bismutk de Chevrier em supe-
riores a todas as outras prepararles de bismulh
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
Mas illsi.Kir,
Gaatrltea,
Gaatralglaa, etc.,
MoleMlla* de ligado,
A Ictericia,
Pulpltacao do coraco
mires non rlna,
Pelas commissoes em grosso, dirigirse aos S
Dlarrheaa chraiilean,
DyaaenterlaS,
Doren d'eatamago,
Dyapepalaa,
Depsito geral em Pars, pharmaeia Chevrier,
irritaeoea de bolsa e e em todas as pharmacias ae Franca e dos paizes
da iatrls, etc. estrangeiros.
WILLAERT BERGER. comisarios em
OpprcicOfa,
Dores de rnlura.
MAS8A e XAKOPE
DE CODENA
M
BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magendie, Barbier d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran, Viga,
C. Dumont, etc., membros do Instituto de
Franca, mdicos dos hospitaes de Paris, tem
provado que a Massa e Xarope de Berth i
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade de
cal mar com admiravel rapidez as tosses rebel-
des e extremamente fatigantes da grippe (ca-
tarrho epidmico1, delluxo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchite e tsica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
achio em todas as boticas.
Para evitar qualquer
faleificac&o, exigir em
cada produto o nome
* a firma Berth.
Deposito geral em Paris, em casa de MENIER,
Ra Slc-Croix-dt-la-Bretinncric.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
Suffirceao nervosa e Oppresso
nico remedio efficaz para combatter estas mo-
lestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
" o Xarope aromtico de Succino (mbar
volta
ainarello) do I)' Danet. Descoberta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez grecas aos admiraves resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, &i,
ra do Commercio, Paris-Grenelle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
drogara, ii, ra Saint-Lazare, Pars.
-CIRURG1G0
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSC0SO
tISiOCO,
3 Ra da
rtRTEIKO E OPEHAUOH.
Gloria, casa do Fundao 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos osdias das 7 s II
coras da manliao, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepto dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos presos seguiutes.
Carteiras de l tubos grandes. 12-3000
de 24 tubos g.andes. iSOUQ
de 3 tubos grandes. 24(5000
de 4 tudos grandes. 30#000
de 60 tubos gran es. 35^000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se 0/.er, e com os remedios
que s-1 pedir.
Um tubo a\ulso ou frasco de tintura de meia onca l0U0.
Sendo para cima de ii custaro os precos eslabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
IilVROS.
A melbor obra d homeopathia, o Manual de Medicina Homeopatbico do Dr. Jab
dons grandes volumes com diccionario............ 205000
A ma
Precisase de urna ama para cnr.inh.ir, forra ou
-escrava para casa de familia : na ra larga do
ftosario n. 21, fabrica de cigarros.
Precisase alugar ama preta para o servir
de uina casa de pouca familia : a tratar na ra
da Cadeia do Keclfe n. 19, primeiro apdar._____
BOTICA E DROGARA
DE
B. F. de Su uz;i A C.
Ra lanja do Rosario n. 3i
Remedios de Raduvay
Prompto alivio.
Pilulas reguladoras.
Rczdutivo.
Remedios de Kemp
Anacahuita.
Salsa de Bristol.
Pilulas assucaradas.
Agua 11 nula.
Pastilhas vermfugas vegetaes.
Chegados pelo ultimo navio vindo da america.
Tendo a irmandade do Divino Espinlo-Sauto
I da igreja do Collegio, resolvidu em sessao de mesa
conjunta, mandar fazer de marmore hranco lino a
capella-iiir de sua igreja; convido de ordem da
mesa regedora aquellas pessoas que se acharen)
, hahilitadas a mandar eiecutar semelliaule obra,
a examioarem a planta que se acha exposta na sua
', sacrista, e a apreseotarem as suas propostas no
' praso de 40 dias contados desta data. Consistorio
da iru.an lade, r-in 10 de novembro de 1863.
O esenvo.
Francisco Belarmino dos Santos Freitas
Aluga.se o terceiro andar da casa d. 88 da
ra da Imperatriz, e o sino n. I da entrada do Ar-
raial : no ma da Aurora o. 36,
Ama iit leitc.
Precisa-se de urna ama de leile : na ra do Im-
perador n. 42, terceiro audar.
Alugam-se tres casas na povoacao do
Monteiro a margem do rio, com muitos
bons commodos e em muilo bom estado
de limpia : a tratar na ra do Crespo n.
20, esquina, cujo preco de alugnel ra-
zoavel.
Ein casa de Theod Christiaosen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordean!, enconira se ef-
fertivanienle deposito dos arligos seguiutes:
Si. Julieo.
St. Pierre.
Laruse.
Chateau Loville.
Chateau Margaox.
Graud vin Chateau LaQtte 185'8.
ChaUau Lalilie.
Haut Sautmies.
Ctialean Saoterues.
Chateau Lataur Blancbe.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
Os ..li.iixo assignados declaram ao publico
' e com espuialidadeao carpo do commercio que
' Antonio Centeio Lopes deixou de ser caixeiro dos
mesmos. Recite 30 de npvembro de 1865.
AI ves & Lope.
Precisa-se de um caixeiro para taberna, que
leDha pratica de balco e tiador a sua condue-
la : qoein pielender diri)a-ae a ra do Livramen-
to n. 20.
Ama de leite.
Na roa do Imperador n. 81, segundo andar,
prec .ase de una ama de leile que seja salia.
FOGOBIOIK,
No armazem da bola amarella no oilao da seere-
aria d polica recehem-se encommendas de fogo
a dor para dentro e fra da prouincia.
FABRICA A VAPOR
99 RA 0 MOXDEGO 99
Deposito na ra \ova d. .<> iitja de relojoeiro.
0 dono deste eslabvlecimenlo partecipa ao respeitavel publico que sua fabrica
est montada com as melbores macbiuas que existem na Europa, e qiie pode fabricar !caVaiio mellado cxito, da estrabaria do seo dono,
com melbor perfec5o possivel. Todo o chocolate desta fabrica e.-t garantido, e puro, com sellim i{\-Wl (tuasi D0V0 ; Cll' (,avall tem
stica do Dr. llering .' .' .' .' .' .' .' iOO^ 9U n5s? I'dc encontrar ^
fif
)E
CAVALLO
Na noite de 18 para 19 do correte furtou se um
Na eliq ota tem sempre urna aguia.
PRECO.
..... 400
...... 800
Repertorio do Dr. Mel Montes............ 6-5000 vist0 os productos seren do paiz.
Diccionario de termos de medicina........... 3,)0o0
Os remedios deste estibelecimento sao por demais conhecidos e dispensam por ^'e'a '.'ura-
tanto de serein novamente recommendados as pessoas que qui/.erem usar de remedios; U'tia libra,
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melbor que se pode desejar, globos de Urna arroba ........ 195000
erdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa cmemelo, tintura dos mais acredi-l
lados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e poi tanto a maior' Na mesma fab ica acaba de se montar urna officina cora serrara a vapor para
emerga e certeza em seus etfeitos. obras (le marcineiria propria para edificio, para o que encarreg -se de fazer portas, ja-
lUff ilf> q/iiHi' ntvsi 0e/YVZ4ine nellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) earmacoes, ludo com brevi-
,,M'' ,(C wWcJ [t'ittl LAtl (ILUd dade e perfeicao. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer prompta a collar-se no lugar,
operacao, p ra o que o annunciante jnlga-se sullicientemente habilitado.-------------------------------------------------------------------------
0 iratimento o meilior possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
fuGCcionando a casa ha mais de quatro annos, ba muias pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qje podem ser consultados por aquelles que deseprem mandar seus
doentes.
Paga-se2# por dia durante 00 dias ed'ahi em diante 1^500.
Asoperages ser) previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annuncante.
ferida pequea na maodireiia ; esta acosiumado a
andar em cabriolel e bem cunhecido oest prar;a:
queui delle der noticias certas ou leva-lo a' Estan-
cia, sobrado de duus andares n. 2, ser gratificado
se
OS H
VE
Gompanhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Ima fianca em dialieiro, depositad nos cofres do estado, garaele a boa ad-
ministra cao da companhia.
DIRECCO GERAL
COEJLIIO c FKEII
Rita da Cruz n. 16.
um sitio na Passagem da Magdalena, a margem
do rio Capbaribe, junto ao do Sr. commendadnr
Manoel l!nacio de Oliveira, tem boa casa com sala
de vi.-itns e gabinetes eslujados e esteirados, 4
quarlos, sala de jamar e de espera, cozioha e des-
pensa, quarto para pretos, um soio com saletas,
estribara e ca.-a para feilor, urna baixa de capn
para sustentar tres eavallos todo o anoo, aiguns
arvoredos fructferos : a tratar uo Recite, ra do
Brum u. 66, armazem de assucar.
Grande Buzar
BANQUE1ROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
Madrid : Ra do Prado a. IO
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos segu-
ros sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripcao de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Saotao suprehendenles os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que ainda mesmo dimlnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
ces ecombinaodo-o cora a raortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna imposicoaonua.
de 100$ produz em effectivo metlico:
No flra de o annos.......1:1193306
. de 10........3:94600
i de 15........11:2084200
de 20 .......30:2S6000
de 25........80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Pro-peci >s e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Ray mundo, Carlos.Leite & Irmao.
Carnciro Vianna.
E' chegado a este estaheleciinento os seguiotes
objeclos : cadeira de palhi para enanca com ba-
taneo, hercos de novo modelo tambem de palha. e
outros mullos artiiros desles gneros ; pede se aos
... ,. senhores que encoinmendaram alguns objectos
Continua a naver diariamente um sortimento de pastis, podms, bolos inglezes, destes, o favor de vir escoiher logo os que preten-
empadas et., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se ua< melhores condices dem querer.
de poder satisfazer encommendas concernenles sua arle, em consequencia do socio Objectos de metal das seguiotes qualidades, nr-
Freitas ter sido administrador chefe de alguroas das princi aes fabricas na corte, sendo ^VJSit^'SiSASZ
urna a do Sr. Joao Gongalves Guirnates (cunfeitaria do Leo) antiga casa de Carceller. j ng0s que se podem desejar deste metal por preco
Todos os trabadlos sao dilerentes dos que se fazem em casas particulares. [muitocommodo, que a iodos deve agradar.
Os proprielarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se' E-peihos de todas as qualidades para oroameD-
pouparao, se houver concorreucia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti- yj fSKSmJutu o^raade tom, o
ment de doces para cha; presuntos e ditos em hambre, tambem se recebem para se- qUai se acha aberto desde 6 horas da manhaa at
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em s 9 da nnite, na ru> Nova n. 20 e 22.________
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado. A mi df lpitP
Para janlares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeclos; ban- A illa ui? iciic
deijas ricamente enfeitadas sem arralo pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras naPrrueac,Qa0Vsae J JSSL iTu'S'^r.Sr
de ovos, paes de lo enfeitados com dsticos anlogos a qualquer um; dilos montados, aDdar.
kechs simples e ehfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, nassa fulhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies
Tambem temum completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Rordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, cliaropes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feilose mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se pe latamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra. __________
SITIO.
PSITO e PIANOS
25 RA NOVA N. 25
Este estabelecimento acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-
pressamente fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-
pa, por isso o proprietario convida ao respe.tavel publico para virem apreciar as qua-
lidades dos referidos pianos.
Continua-se sempre com esmero e promptidao fazer-se qualquer reparo nos ditos
instrumentos. Ainam-se os pianos debaixo do melhor systhema ltimamente adoptado
na Europa. Jf
Aluga-se o sitio no Rosarinho n. 2 junto a capel-
la, com bastantes arvoredos de fructo, casa, co-
cheira, boa agua, por preco muito commodo : tra-
ta se na ra Nova a. 55, ou Hecife na ra da Ca-
deia n. 3.________________________________
Precisa-se alugar urna preta que saiba cozi-
nhar : na ra da Soledade n. 46
Ainda esto para alugar duas casas na ilha
do Retiro, tem commodos para familia, esto piula-
das e tem banho na poiU : a tratar com Luiz Ma-
noel R. Val ne.i, podendo o preteodeote examna-
las no mesmo lugar.
A tti'tii'ii Antonio Jos Rodrigues de Souza, na ma do
, ^ *e, No pateo do Parata) n. 26 precisa-se de um ope | em frente ao oilao da igreja, tendo o sitio porlao
rano de entalhador que tenha boa conducta ; Um- \ de ferro, carimba com boa agua, estribara e co-
bem se compra um banco de torno : quem o liver cheira, e a casa 4 salas, 7 qoartos, e otio, a qual
e se qoelra disfazer delle,pde dirigirse ao mesmo rauito fresca e esta de novo bem caiada. coocer-
Na roa da Prala n. 10, deseja-se fallar com
Manoel Jos de Miranda, chegado honttm na barca
portogueza Arminda, ou saber onde a sua assis-
teocia._________________________________
Na praca da Independencia n. 33, loja de
oorives. comprare ooro, prata, e pedras.preciosas,
e lamben se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.
DestillaCaO.
Estando prximo a retirar-se para fra do im-
perio a pessoa eucarregada da destilla^o da ra
do Brui n. 21, vende-se o dito estabelecimenio
em um s lote, ou em separado qualquer dos se
guintes objectos :
1 alambique pelo systema Egrot, que destilla
180 caadas por dia.
Tanques grandes, cubas e tinas de madeira para
I garapa.
Bombas de japy.
Sinfons de cobre.
Tunis grandes, e quartolas ioglezas para de
posilo d'aguardeote.
Carrinhos de mao.
Baldes americanos.
Precisao.
cima declarada.
Precisa se de um ama que saiba engom-
tr.ar para casa de pouca familia : na travessa dos
Quarieis n. 34, sobrado, oulr'ora ra de 8. Bom
Jess das Crioulas.
lada e pintada : para ver, as chaves esto em a
casa do Sr. Nicolao Machado na mesma povoacaa.
' Precisase de urna pessoa habituada para
por urna escripia em dia e continuar a-escripturar
em partidas dobradas : ua raa do Amoria Na ra da Cruz, armazem n. 63, preeisa-se alu-
gar urna muLlier capaz, de boa conduela, que saiba
cozinhar, comprar e fazer todo o mais servico de
urna casa de fam*tui (menos cooduzir auas quer :
limpas quer servida/), prefere-se escrava, que seja ;
fiel. Girante-ae.pagarte bem e cora pronptida.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAHBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C,
competentemente autorisados peladirec- *j
toria da companhia de seguros Fidelida- g
de,tomam seguros de navios, mercado- I
ras e predios no seu escriptorio ra da Z
Cruz d. 1. W
* DEPOSITO DE ALADO fi
FABRICADO \A CASA DE DETI'.M,AO
Ra Nova d. tti.
Ahi se eucontrarSo obras de di-
versas qualidades, e por preco mui 2
diminutos, a letalho e em porcoes. m
S se vende a dinheho. *M
** mmm mm mm m
Precisa-se alugar um escravo para
casa de
familia : na ra do Queimadon. 29.
Ama para casa.
Precisa-se alugar urna ama para lodo servico de
urna casa : na becco das Boias n. 2, primeiro
andar.
Nota do banco do Brasil e das caizas filiaes
____descontamse najraves-a das Cruzes n. 8.
Antonio Jos Alvos de Britto, escrivao do
tribunal do commercio, mud a se para a ra do
Imperador n. 46 primeiro andar.
Precisase fallar ao Sr. Luiz Francisco Pereira
Braga, nesta typographia.
Precisa-se de urna senhora capaz para fazer
companhia a duas senhoras e lazar o servico da
casa: no pateo de S. Pedro a. 12 primeiro
andar.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama que leona bom leite, para
acabar de amameolar urna enanca de oilo me-
zes: na ra do Queiraado n. 17 segundo andar.
Na ra Direila n. 78.
urna ama para cosinhar.
reonarao, precisase de
Precisa-se
Alugar urna ama de leite, para amamentar urna
crianca recem-nascida: na ra da Cruz do Recife
o. 48 segundo andar.
Offerece-se urna pessorpara cosinhar e em-
gommar para casa de homem solteiro: na ra de
S. Bom Jess das Crioulas n. 23.
Fugio urna escrava do poder~do corretor T-
lissimo na ra Augusta, chamase Thereza, cara
redonda, falta-lhe tres denles no lado de cima, ca-
bellos crespos, costuma abrir o cabello, tem o pel-
lo esquerdo qoeimado com um Ierro de engom-
mar, baixa e cheia do corpo, cor mulata, pre-
vine-se as autoridades e capiles de campo leva-
la ao pateo da Ribeira n. !, que ser bem recon-
pensudo.
C0KP11S.
Silvno Guilherme de Barros compra e ven-
de elfectivamenie escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas : na ra da Cadeia do Recife,
cjajle ourives no i-rco da Cooceicao.
Comprase carosso (sement) de algodo : no
armazem de algodao de Saunders Brothers 4 C,
no caes de Apollo.
Ouro e prata.
Em obras velhas : coupra-se na praca da ln
dependeocio n. 22, loja de bilheles.
Attencfto.
No paleo da Penha n. 6, fabrica de cigarros,
compram-se Diarios a 4300 a arroba.
Compra-se o engenho de espremer cajos que
foi do fallecido Vicente Ferreira G >mes, ou faz-se
ontro qualquer negocio : no segundo andar da
casa n 2 da ra Augusta.
llappa-iuuntli-iilanispierico.
Na ra du Lvramento n. 19 compra se um map-
pa-plaoi|iherico.
Map(>H-inui)(Ii-plauisplierico.
Na ra do Lvramento d. 19, comprase um
inappa-plani>pherico.
YENDAS.
CURSO PBATICO
DE

X.
Vende.se esta excellente obra oas principaes li-
vrarias desta cidade, a b& cada exeinplar.
Manual do Cidado
Vende-se o .Manual do Cidado em um
Governo Representativo ou principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volumes broxuradjs por 3$
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independtncia.
Farinha a 3$h n
Vndese farinha de mandioca, aaccos graudcs :
no armazem dos Srs Tasso Irmos, na poute nova'
pelo preco cima mencionados.
Em ca-a de Phipps Brothers ; C, ra do
Vigano n. 2, vendemse cofres de ferro, prova de
f)go, dos afamados fabricantes Milner \ Suii, de
Liverpool.
Farello.
Vende-se superior farello de Lisboa : no arma-
zem allianca, ra do Imperador n. 57.
Vende-se uina armaran de amarello propria
para qualquer negocio: na ra da Imperatriz n.
cevej4 d, mm.
Na loj do cha' vende-se superior cerveja da Ba-
hiera, urna caixa cora duas duzias de garrafas por
103. c a re'aiho a 800 rs. a garrafa.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrheas antigs
e rcenles, umeo deposito na pharmaeia
fraceza, ra da Cruz n, 22 e ao preco de
3,5000.__________________________________
Plumas brancas
para gorras : na pra^a da Independencia nume-
ro 34.
m
m
Machinas de descarocar al-
godao.
No caes d'Apollo, armazem de Tasso Irmos.
Vendem se superiores presunios de Westpha-
ha, chegadot no ultimo vapor: na ra do Trapi-
che n. 9, ___________^___________
Vende-se ou trocase por al|uma casa nesta
cidade, um sitio no lugar das Curcuranas, com
bai-laule ierras para plaotacoes, conteodo porcao
grande de coquelros na maior parte novos; Ira-
tase no pateo de S. Pedro n. 24.
mmm barato
Jauto da typographia do Diario, rita
das Cni/.es n 42
Manleiga ingleza tina a 1-5 e i280 a libra, dita
franceza a 900, queijos praio a 800 a libra.ditos do
remo do ultimo vapor a 25600, dilos frescaes a
23200, vinho Figueira a 360, dito Lisboa a 480, dilo
E-lreilo a 440, caf 1* sorte a 280 a libra dilo 2" a
240 a libra, ameodoas a 280 a libra marmelada a
6i0 a libra, cb da India a 3800, dito Ison a
3000 a libra._____
1 Guinxode ferro e carreteis.
Grande poreo de barris de )i, X e % para servico interno e externo de^ urna
me#
Pipas vasias para agurdente.
Rodas d'arcos de pao para pipas.
Ba toques.
Liacas de vimes.
A tratar no mesmo estabelecimealo entrado pelo
largo do porio.
Na loja o. 1 da ra do Queimado existe urna
carta para o Ulm. Sr. Francisco Pedro da Costa
Moreira, esludanle de preparatorios.
Precisa-se alugar um moleque ou urna escra'
va : na ra do Lvramento n. II, 2* andar.
AMA
Preeisa-se de urna .ama ; su. ra
o. 12 primeiro andar.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama que tenha bom leite, pa-
ra acabar de amamentar urna criaoca de oilo me-
tes : na ra do Queimado n. 17 seguodo andar.
do Quetmado ~ Precisase fallar ao Sr. Luiz Florencio Perei-
jaBcajra; nesta typofrajjhia.
Ama
Precisa-se na roa de S. Francisco n. 48, de urna
ama, para casa de pouca familia.
= Aluga se urna grande casa com bstanles
commodos e um grande soto, propria para nassar
a festa, b>nh j muito perto, no logar de Sani'Anna
de dentro, propriedade de Joao Venancio Machado
da Paz : a tratar com e mesmo._____________
Moleque.
Precisa-se alugar um moleque de idade V'J18
anuos poucos mais ou menos: na ra do Queima-
do n. 12 primeiro andar .
Vende-se um molatinho, bonita figura, de 7
annos de idade; para ver e tratar, a ra do No-
gueira n. 43.
Grandes melhcras
as machinas imperiaes de coser-
Armaiem n. 536 Broad-tt'ay NewYork.
Estas machinas sao construidas p*r um novo
systema, com mudas e importantes melhoras, e
sendo examinadas por habis peritos foram ulga-
das de summa perfeicao. A agulha direita e cose
perpendicularmente, com o ponfo de lacada, que se
nao desmancha nem finturaca e que igual de
ambos os lados; fax costuras perfeilas em loda a
qualidade de tecidos, desde o couro al a mais fina
cambraia, tendo Dos de algodao, de seda ou de li-
nho, desde e mais grosso al o mais delgado. Co-
mo nao lem rodas dentadas, por se ler evitado a
menor atrito possivel, trahalh com facilidade e e-
sem contradicao-UMA MACHINA QUE NAO FAZ
RUIDO ALGUM.
T. J. Me. ARTHR & C, fabricantes e proprie
tartos na casa svpra.
-.
r*

.-.
_i

rav- ,.


Diarlo de remaaafouco ffer^a ci-a & de Deztnibro de *8*-
/
Rival sem segundo
Roa do Queimado ns. 49 e 55, loja de
miudezas de lies portas, est quei-
mando ludo boro e barato, quem qui-
zer ver admirar veiiliam loja do
Calas de papel amizade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
Grozas de botes de louga prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Dutias de peona de ago fazenda boa a 40 rs.
Pe^as de tranca de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Eseovas flnissimas para limpar dentes a 240 e
320 rs.
Pegas de fita de cs ettreitas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pecas de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos tnuilo finos para voltarete a 200
240 rs.
Latas com snperwr banha a 200 rs.
Frascos de macar perula muito tino a 200 rs.
Frascos e garrafinbas com agua de Colonia a
tttt rs.
Fraccos grandes com superior agua de Cokoia a
640 rs.
Gaitas com 12 frascos de cheiros multe Snos a
UiOO.
Ratneles pequeos de bolla S5<0 rs. e randes a
320 re.
Duzia de sabonetes pequeos com cherro a 700 rs.
Agua dentifice superior qualidade a 800 rs.
;Caixas com superior p de arroz a 809 rs.
Frascos de superiores esseocias santal e outros a
frascos com essencias pira tirar vsduas de roup*
a-808 rs.
Frascos com cheiros de'todos ospregos a 160,200,
340 e 320.
Frascos bonitos com cteiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a
4&800.
Gofciuhas raoito 6*w"para sinhera a 200 rs.
Caixas com soldados de ehuroto para mentaos a
160 rs.
'Pecas de fita de raspara debftm de vestiSo, com
10 varas a 600 -rs.
'Ditas de bicos superiores, 'para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lcsa pera meninos a 160 rs.
Bunecos de choro* panno a^S60 rs.
Caifas coro tooffiti-s estampas para rap 100 rs.
Capachos comprldos, boa facenda a 500 rs.
Grosas de tioloes pequeros pretos para
100 rs.
varas de ordao-de espartano a 20 rs.
Novellos franceses com'Mf' jardas a 41 rs.
Pegas d tiras' bordadas a 340.
Duzias de meias eruas ncit fortes e-superiores a
3,5503._______________ _
ClhLES
C'ranile peehlnrlra.
Norna da: imperatriz n. 52 porta larga de Pare-
des Perto, vndese chafes de merino estampados .
2)5 e 23890 c finos 55, siao se acatando.
Bordados.
Chcgou a1 ja de Paredes Porto, r.ia da Impeee-
triz r.. 52,-cni snrlimecita de eamieinhas.jrol linhas,
corpinhos, rouieiras e srntos, de eanibraia branca,
pelo'barato prego de 25O0, 39300 e 45, golliofcas
500 rs., romeiras a 800 e sinlosSOO rs, grande
quaciidade da entreroeios a 600 e 800 rs. a pea,
estao se acatando.
IlGTDli da baha
Ka1 loja o Andrade* Reg, ro do Crespoc. 8,
esquina-da ra do Imperador, contina a vendar-
se superior algodao da Bahia pormenos preeo-que
em cuira- q-.iaiqur parte.
Vende-se um eoravo cabra escuro, sacniero
e corinhuro, barato : 'ao collegio da Conceicae nos
Oeihos c. 12. No icsmo coHego se alopa m
grande-sKij com muta fructa^-tantio, etc., ocTa-
marfaetra.
caira a
m.
To erraizem da ro do Imperador n. 3 ou oo
Cees de Podro |{ n. 2- tem para vender-se o me-
ifeor.gaz rislenle uociercado.
O Peitoritl -de Cereta,
DO IR. AYER,
P.1BA .'. en A RA DICAC r CER-
TA de I da :i< iii..lisl- St.yeito
6 da garganta, iones, eoaat^a^oaa,
Srondiitc,: ARjua, defl&xov, r->qui-
o, '*'ih-'..-1k'. angina,.' tt^teriA.
Ette xarope pcltoral o lesnl-
iulo <1.- kmofl annoi.ae ntido
Tror nta'doa yrinuiro.- nmdfcofl Aserian. aKias iuiiuec.'):is Bol piincrfuics
boaaitaerdi arando; nedtainopela m leo mala amanto
.:... i ara u roa eSaicapartcalari portanto <' digna tic .oda
eonnniraa, v .,<-. "'.ir. afcanyuM aou ama eertecn >sfnl-
ivr. o aipcnto da nratcatu *- > tt.ihcumio llio :i rabea, i Him
dan:lo os or^-i aflwSai'.os tur. aejo natural i' -a : 2. por
, i- unoeand s^appHcacal a '<' qualqua ..'.,'".',
r, ro,ao niiiiciii reboatoax a erianei aumabteimtMtde,
eadairaeo f...do attourpanand :V'. r n/tii ,.rorrjo 8>.r mn rimtAXo >' -r<.' .ii> ijualqucr rot-d-
ico ou pliarnuHustico pide ol>ti- formulai sua compopicio,
dirigioo-so |tt9>almcBtc ou porrt4i a-: ip uK- gem, U- M-
LaVB, a ra liir-ita Ha 15. llio.u_-.Janeiro.
Mu-tos oasas.tjtic tinho zorn'bvlo do ilos os racruaoj
da scknci:i ten.nAo curados raii- almentc *om o nao .W
Peitoral de Cercja.
As pofln>ns aiic:u-. de //**, ilefia.-i.os, Dar Ja gargOMtt,
Bnmchite, turna, '., e outros ayiiqateaaavfeAtfoa prima-
ra gcralaaeiH (busa ]>ouco caso 1 i*en padednaent at
que leja tarde para cnra-Io. Nio duedidain ama tosse
porque :il->im |..i,eiv dosenidada dhega nacr elirunjan e hifciz a fcrmacao le
T'ih-1' ii,y,... noliriv b.
Nenlinma Gtm iUe familia Vve estar (-em iii frasco
...i.- xarojM i mac- pois nos ntnquec r.;pi.l'mos de
^1n>f/", do Croap, cao) paroxismos do fJotutliidte; ou
.. eaaurfa a qne^ato MtjeUaa aa errei-.is, nao ha
tenpodo diantar un. atedico, nem ile fina ruaierfioa, e
.este xarope alit ia inimeataincnte e pe o f/io '|irido
po c salvo, lora de perig ..
As molestias qaa catas *< alcance dai rirtadef ^airnva*
^lo PEITOBAJ. JOS &SKBA eo
Jefluxos, Tosses, Asraa, Esquinencia, Bronet,
Coqueluche, Toase ferina ou convulsiva.
Kcquid.io, Todas as molestias do peito
e garganta. Conaampcao dos Ful-
mes ou Tsica pulmonar.
Ada-*-, em todas as Bouw* Itopirias do Imperio.
FiMas Catharticag o Dr. Ayer
ctjrAo
Priziio de .rre, Jiitl{;rHiof Cou&tparo, Rheu-
mntitina, femmutrrhoida*, Dor tic rabera, A Xerral~
gia, mal 4a rMemaao, JCnraauera, vial ,lo J'igado,
Oastritr, T&n gtuttm-henaticn, I..miirUja*. F.rytlp-
ella, nydrofmla, fmcrementu do baro.
Todas as moles-las ne prorm do uto exatMiro de
Quinino.
0 mlhor purgante at hoje conhecido.
.Estas pilulas amtcaradat euo puramente tx-f/itae:
PTJEGAO E PiTEITICO 8EM MEECUEIO.
A T**da em todas as Boticas c Drogarias do Imperio.
ASENTE OEBAL,
H. M. LAE, Ra Direito No. 16,
Bio de Janeiro.
Vende-se em Pernambuco:
na
PHARMAC1E FRANQAISE
DEP.MAUREIUC'f
RA NOVAN!El
Grande loja e armazem do
Pavao.
Ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Tendo os proprietarios d'este estabelecimento de
liquidarem urna glande porreo de suas fazenda,
al ao Dm do correte anno, atim de fecharem ron-
tas e apurar dinheiro, resolveram vender lodas as
fazendas com grande abalimento em precos, tanto
em porgo como a retalho, e por isso previnem a
lodos os seus freguezes, e ao rcspeilavel publico, e
as pessoas que negocian em pequea escalla com
fazendas, que ne.sie eslabeh cimento enconlrarao
um grande sorlimento i|ue muito Ihes bao de agra-
dar tanto em precos como em qualidade; assim
como mandam pelos seus caizeiros levar as fazen-
das e amostras as casas das familias que nao po-
derem vir a loja, ou dao as amostras duixando ti-
rar penhor.
Cambraias lisas a 34000, la leja do
Pa\o.
Vendem-se pecas de cainbraia lisa branca e
transparentes, leudo oito e mete vara cada pega,
pelo barato preco de 33500, ditas muito Anas, por
tu00, o, G at 10, sendo tapadas e transpa-
rentes, assim como cortes de cambraia cotn salpi-
cos a 2o00 v isto s ua loja e armazem do Pavo,
na ra da Imperairiz o. 60 de Gama & Silva.
s cauisinlias da Pave.
Mendemse as mais modernas camvsinbasbtrrda-]
das com manguitos, para senhoras, sendo as mais
modernas que tem vindo ao mercado a 4ft'00, di-
tas com manguitos, para acabar, a 15 ; ditas pre-
tas com manguitos para loto a 13800 rs^ mangul-!
tos e golinhas pretas a 1$, flnissimas golinhas de
caTimraia branca bordada a 300 rs., calcinbas para
MBiM a 640 rs romeiras de tilo cambraia |
branca bordada a 15600 : na loja do Pavo, ra
fia Imperatriz o. 00, de Gama & Silva.
Chales de raorrn a 2i500).
Vendera-se os mais modernos chales de merino
'estampados a SflOOOcada um, haveado tambem um
.grande sorlimenio dos mesmos matizados que se
I vendem a 6*. 7* e 8000 : na leja e armazem do
Pavo, ru* da Imperatriz n. 60, de Gama & Stfva.
Os ciatos do Pavo.
j Vendem-sc riquissimos sintos de filas de diver-
i sas cores e dourados com fivels larga e docrada,
assim como enfertes para cabera dos raelhores e
mais modernos qe tem vindo ao aereado ludo
isto se vende por um prego razoavel que muito
Ihes feo de agradar : isto s na loja e armazem
do pavao na ra da Imperatriz u. 60, de 'Gama i
As saias do Pavo.
Vndem-3 as mais finas catea bordadas asagu-
Iha brancas sendo da meibor fazenda que tem vin-
do tiesle genero, tendo mui a roda, pelo tiaralissi-
mo preo de 10000; ditas bordadas a croch a
6>100 t-'80tiO, dias com babadinhos a 0,8000, na
toja e arniazem do Pavo, na ra da Imperatriz n.
0, de Gama & Silva.
Novo vestidos ile Pavo a 10/^00.
Chegaram para loja ds Pavao os mais ricos cor-
les de vestidos de cambraia transparente com os
mais delicados bordado.-, de differentescoresa pon-
to de agulha, sendo n'ese genero a maior novida-
de que tem vindo ao mercado, garantindo-se o te-
rem muita fazenda e enleiles sufBoientes para o
corpo e mancas, e vendem-se pelo barato pre^o de
1030(0 cada um, na loja do Pavao.ca ra da Im-
peratriz h. 60, de Gama & Silva.
Os esparlMlios do l'avo.
Vendem-se um grande e variado corlimento de
esparlilhos os mais bemfeitos quelem vindo ao
mercads, sendo de lodos os lamani.oo pelo baratls-
simo pre^o de 43, 55, e "5000, por fiaver grande
sorlimento, na loja do Pavo, na ras da Imperatriz
o. 60, de Gama & Silva.
Rcloodas pretas a i 2000,
Na loja do pavao.
Chegaram pelo ultimo vapor as mais ricas re-
tondas de renda pretas, seudo das mais compridas
que tem vindo ao mercado, e vendem se por preco
muito em coala : na loja e armaren: do Pavo, ra
da lrnperairiz n. 60, de Gama & Silva.
rte de csinira, pcehincba,
A 2^800, na loja do pesio.
Vead-em-se bomb* cortes de casimira de core?,
tendo claras e escuras, e vemdea e pelo baralis-
simo Braco de 238(j o corte, ou veode-se a mes-
ma fazenda a 15WX1 o rovado, tendo 6 palmos de
largura: isto na loja e armaron do Pavo, ra da
Imperatriz n 60, de Gama 4 Silva.
Os corles de casimira VeuikHi-se superires corles de casimira, sendo
fazeuda amilo tina, pelo baratissimn prei;o de 55
cada on: na loja e armazem do;iavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gema & Silva.
6o cintos do pavo a 11000.
Vendem-se cintos fila com ivelas celo bara-
tisiimo pre^o de 15006 : na loja do.Iavo, ra da
Irnperairi: n. 60, de Gima & Silva.
Chales pretas luja o i'avao.
Chegacim para a tuja do Pavao 3 mais ricos
chales de. renda prelos, de 4 ponas e mu i lo prnn-
ides. vrdead -se pelo baratsimo proco e 83000
l cada um para acabar, na lote do Pavo, roa da
1 ImperatrtecO- 60, de Gatas \ Silva.
Vesocs iniliaias a 3^000, .a loja
do Pi'vao.
Vetkiom-ss os mais bonitos corles.de vestidos
radanos, aajidoesia fazenda iran^parente e inteira-
menie rova..ao mercado, eendo entre elles ramios
! corles roioc .proprios pare senhoras que esli de
! luto; e venem-je pelu bcraiissimo prego de 35
caila ubi >sra acabar: na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n;6y, de GamajS Silva.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
I AGUA (BANCA
Ra do ueiraado u. 8.
A loja da aguia branca acaba de recebar um
I noy e grande sorlimento de differentes objectos
i de gosio nliima moda, sendo .
Bonitos enfeiles para senhoras gostos iuteira-
1 mente novos.
. Ditos ditos de grase com comas grandes.
Lindas Qvelas grandes para cintos com. moldes
agradaveis e diversas quaiilades, madreperola,
tartaruga, ae,o e doradas:
Boas e bonitas titas acharnalotadas para ditas.
* Hites de dita de grosdenaplcs lisas e lavradas
j com novos e agradaveis desedtios.
Trancas pretas de seda com vidrllnos moldes
I novos e de gosto.
Bicos bramo. e pretos de seda com vidrilhos e
1 de dilfereutes lfguia> e bonitos desenhoa
Cascarrilban de seda com diversas cores e lar-
guras, formas inteirameolc novas a imltBfo de
i pafu, babadinbo e outra com urna trausiulia no
ceniro o que Ibes d multa gra^a.
De
da Ar
Pereir
Grande liquidacio
fazendas e roupas fcilas ni loj-i e ar;ra/em
rara a rrjp da Iiiipnainz n. O, J- Lmuicujo
ira Sb lides Goimaies.
Corles de tliila a 220O.
Vende-se cmle uc cinta do tures nxas a 220;i,
ditus de dita francea a ;5, coi les Ue cambau .1^
cores a 35, ditos de dita cura barras a :5 e 3500,
a ra da'lmperaliiz n. oti, loja da Arara.
Cuales de ineiiii a 2000.
Vende se chales de merino a .'5, 35, 43, 65, e
83, riscados esculos 1 40 a 80 o cuvado, a ra
dalmperain?. luja da Ai.t.i n. o*i.
li, ;|.-as fcila* para lijiiidar.
Vende-se palitots d. bnmdicur a 5 e o-, d.Us
de uiea ca.-111.11a a 4d, 55 e 05, d los de panuo
Dno e de casimira a 83, "J, 12o e 145. calcas de
bnm pardo e de coi a 23 e 255'UO, unas de dito
braiico a 35'00 e 43, paliis do alpaca preta de
cores e branca a 455iiO, 45 e 35. carnizas fiauce-
zas finas a 23 e 25500, ditas inglexaa de piegas
'largas a 33 e 355(0, ceroulas fiaucezas a 30O0,
25 e 23500, culenntios liaos a GOu a duzia, calcas
Seleiros e corrteiros
, PECHINCHO
Su!a de lustre era pcifeiiu estado,
meio.
iomo
se achar bem sorlido couio todos sabem, 1 de seda obra de muito gosto.
hoje mais que nunca, nao so pelo que rece-1 ^ulas ^ cambraia de cores.
be de sua propria conta, m*s tambem pelo; Jg de ^^ 'ellud0 e a fara eDfc,les de
que recebe de consignaces J parece sem j Traacas de seda estreitas e largas brancas e de
duvida que deve offerecer grandes vanta- cores para enfeites de vestidos.
Ouiras estrei-ase largas guarnecidas de bico 'de casimira 1iU, (5e 85, a ra da lmperalnz loja
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escollia dos objectos, e co-
rno acaba de ebegar grande remessa pelo
Fiares (iras
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A aguia branca a ra do Queimado n. 8, rece-
vapor Douro. eo navio Solferino de,be pt vender:
Ait^^r., -i.- i j j1 Delicadas cape as brancas para noivas.
versos objectos de gosto e proprios do
lempo dos quaes s menciona rao alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste esubelecimeuto espera a pro-
leccao de todos
Riquisstroas caixiDhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinbas de usica tanto de veto como
de corda.
Ricas porta jeias e necessarios.
Itiqissimosst jos a feitkt 4e um baoai-
ubo ou chapeiKinho.
Ditos em casca de noz e Leqes de madeperola <&e sndalo e de
"ai.-i c madeira.
de
Cbaposiphos e touqsinbas de mito se em laa.
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda paraos mes-
mas.
Meias de seda para -senhoras.
Capellas e grinaldas de flresiproprias
para casamento.
Enfeiles e capellas de muito-gosto para
senliora.
Riquissimos porte boquets.
Boftuet de flores-com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeires de Jovin.
Ditas de seda-eule Escocia.
Ditas ditas para meninas.
Ditas ditas de caixos de flor delaraoja.
Ditas ditas de rosas camelias e oulras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de flores finas para peito
vestidos, enfeiles de chapeos ele, etc.
Preparas para flores.
Na ra do 'Queimado n. 8, loja da aguia bran-
ca veode-se
Papel de cores para rosas.
Dito verde, para folhas.
Dito dito-e pardo para cobrir os talos das dias.
Musgo cm rama.
Folhasipara rosas.
Aaulhase linhas para crachet.
Vendem-se na ra do aguia branca, assim como aguisas para tra^.alhar-
oa Arara u. 5G.
Lniriis de seda a 640.
Vende-se lencos linos de .-de a 4, 800, 15000
e 15, nos ditos de imlio a 455C0, 55 e o. a dita
ra da Imperatriz n. 56, luja da Arara.
Cliilas de cares Ovas a 220 o corado.
Vende-se cimas dt cures flxa< a 230 e iiO o
aovado, ditas linas francezas a 320, 3C0 e 40'i o co-
vado, percalas finas a 440 e 500 o Cavado, alpaca
de cores para vestidos de senbora e roupa para
meninas a 300 o cuvado, a ra da lmperalnz u. 56,
loja da Amara.
Cassa fianciza a 320 o rovado.
Cassa frauceza se vende a 520 e 360 o eovado,
orgaods fines a 3 braia Osa lina a .35. 35500, 'i5. 55 e 65, a ra da
Imperatriz loja da Araia 0. 56.
Balees a 2$000.
Vende-se balSs de 20. 2.'. e 30 arcos pelobaral
prega de 25, 23500 .: 35500 e 4-3, salas toldadas
para senhora a 65500 e 7, ricos vestidos a Maria
Pia rom lindas barias a 135, 14-5 e 1*5, ditos de
cambraia anidados a laa teda a 85, 93 e 1"5,
lasioha para invado pelj barato preco de200, 240,
320 a l&0, ditas de quadro* de seda a 560 o
eovado.
Todas eslas fazendas se vende por barato prego,
para liquidar al o fun do correte nez, a roa da
Imperatriz loja,da Arara n. 56.
Outros objectos.
Vindos tambem para a antiya
loja de
Papel de sobrecellente para os
VHtosphvroshygienos ou de -gj *** L Pa-! **.*....... ., M. ,
aeguranca.\
A vista do grande tamanho das caixlnhas dos
phosphoros hygienicos ou de seguranca, lornava-se
pooro o papel que vem em dias caixinhas, e para
remediar essa falla e aguia branca mandou vir e
asaba de receber ee especial papel, iqual se
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
phosphoros e se vender indistinclamenle a quem
dalle precisar. O prego de cada caixinha de pbos-
i phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na roa
do Queimado n. 8, loja da aguia branca.
Seda froucha para bordar.
Riquissimas plumas e guarnicoes para Vende-se na ra do Queimad* loja da aguia
enfeuar chapeos. tiranca n. 8.
Gontas e lubos de ac brraco, que he Obras de crystal.
muito se desejave para enfeiles. Brincos de diversos moldes.
Brincos, (vellos e cruzesde crystal.
-Fivellas e cruzas de tartaruga, madripe-
rula e dourados.
Alfinetes para grvalas.
Botoes com roas para ptnhos.
Gravatinhase mantinlias Oulros tambem de crystal de cores.
Outros de aljofares blancos e futras cores.
Aderegos de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e cruzes. .
Botoes de dito, brancas e de cores para colb?le.
Diio de dito tambem brancos e de cores para
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
^ixinhas comafineles prelos.
Bengallas de cantia com.cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de outras
muilas qualidatJes, assim como chicotihac.
Riquissimos penles de tartaruga do ofet-
nio gosto; assim romo de arregago para
menina, pois ueste artigo-ba um completo
sorlimento doodas as quaJtdades.
Diademas para cabera du ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
ra fcaptisados.
Oulros de merm tambem bordados e
igualmente bonit'S.
Meias de seda, ciy.itspundeiite DO taina-
abo dos sapatinhos.
Outras mui unas de 10 da
brancas listradas.
Luvas finas de fio da Escossia
de cores.
bitas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras
Pentes de larl.ruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agutinas.
Agulhas francezas, as afamadas.
i-')1111:1 Dlreita45
O
ENCCLOTEDinA
& ltuada Imperis iz armazem
la porta larga h't.
Junto a paducia frftceza de
I"are Nesle estabelecimeuto euconirai o r f| eila'el
publico um tariado sorlimento ae fazenda- .racce-
zas, ioglezas, suissas e allemes, qi e se veederad
por prego commodo.
Paredes Porto
Vende chales de rendada cores qofl se vende-
rn a I85 esia vendendo por 63, ditos pi
zemla nova, 55,65, 85 205, un sorlimento com-
' phio de manteletes, capas e sontamban i< lila
:55. Ra da Imperatnan 42, junio a pada la Irn-
ceza, armazem da p>.rta larga.
Paredes l'orlo
lleceben um couplelo sorlimento de laa-inl a a
2io, e 280 rt. cavados, para acabar, can braias de
cor a 240 rs. o eovado, riscado e. pa de menino, fuslao de linlio a 420, '. h
P.ua da Imperatriz n. 52 junta a pad tria frau
armazem da poria larga.
Paredes Pollo
Reeebeu para cortinadas para cama frauceza 1
115 a pega cambraia li.-a fina B 35 45 al 1
peca, cortes de larlataoade bonitosg -: 11
t 45, canbraia rom flor de seda, ;(-! :: I
tueiie 1 ovos a 500 e 500 rs. o eovado, no anii :.;
1 da 1 orla larga 11. 52, rUa ia Imperatriz \w. a
! dara (rauceza.
Paredes Turto
Receben rala nllimo paquete um sortirn
cruzes ciiii pedras para opescogo. : .i.i! r
de 13a para pescogo de senhora. Ra daltn
n. 52, armattm da porta larga.
Paredes Parta
Vende curtes degorguran preto pai 1 vi
21 covados cada um 333000, grsdenaple 1
13600.15800 e-23 o eovado, las liza.- lina?
rs: o cotado, laasde quadriuho para veliJ *
tada, a 320 rs. o eovado. Ba da ln>| rali
irmazi m da porta ..i^-a.
Paredes Paria
Tem para vender i^r preco commodo [
varas a ".',. '..
linho para li nces a 640 e 700 rs. 1 '
le de imbo de 4 larguras a '25-C e ifcA 1 ..
Paredes Porto
Vende corles .' esp-braia
gastos a 105 e 123, ricos vestuario.-^ para a. 1 1
e menino, ricos corles de cambala Mariv
: n a
EsCOSSia e 'P^e 2115, larlatana branca e de ro a 10 ;S(J
brancas
e meninas.
rs. a vara. Ba da Imperairiz armazem ; ala
larga n. 52.
Boiip feita
Ra da lmperalnz n. 52 armazem da | r
ga juulu a padaria frauceza, enconira-: es-
labeleciniento um completo sorlii: enl de ; fs-
saceos e sobrecasacos, de lodas as quali''ad
Qas. colletes, ceroula:>, camisas, prava
chapos de sol, ditos francezes para cal-
presos rommtdos-, roupj para menino
mollas fazendas por preces comn. dos, ...: em
aa polla larga.
o mismo eilabeleclmento encentrar : pe-
$8*
Vestidos a 4f>
Vendern-se caries de vesicos a Maria Pia cm
barras bordada;:, pelo baratsimo preco de 45000
para acabar : ca loja e armarem do Pavo, ra da
imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Maityiiftfls e golas* 500 rs.
Vendem-se manguitos com .golas de cambraia
pelo baraiisMmo (.r.:;o de ot'O.rc, islo para li-
quidar : na loja do .Pavao, ra da Imperatriz n.
SO, de Gama & Silva.
Corla.;c chita doPa^o
Vendem-se cortes de chita franceza muito boa
com 10 covados a 25400, ditos com II covados a
23500, ditos com 42 covados a 23800, isto so
para acabar : na loja ds Pavo, ra da Imperatriz
n.i60, de Gama & Silva.
Chales de renda a M& 4ft?, B& W t 2S&, na
loja de Pavao.
Veedem-se chales de reoda.prela muito finos a
105 e 125, ditos de linho a 155, ditos de seda de
linho dos melhores ijue ha em chales de renda a
20 e 255, ditos brancos de u es ponas a 69, isto
s na i'...a e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
n. iiO, de Gama & Silva.
l\o>idade
PARA A FESTA
Popelinas a i00 rs.
Popelinns a 100 rs,
Popelinas a 400 rs.
Chegaram para a loja do pavao as mais lindas
popelina*, fazenda propria para vestidos de senho-
ra, senda multo .trasparentes e brilhantes com as
mais lindas cores que lem vindo, as quaes facili-
tan] fazer-fe om vestido com muia phantar.ia pjr
pouco dinheiro, e vendem-se, sendo de quadrinhos
a 400 rs. o eovado, e as de urna s cor a 500 rs. :
na loja do pavo, ra da imperatriz n. 60.
A 3*000 0 corle,
Vendem-s superiores cortes de cassa, sendo fa-
zenda muito tina e de cores lisas, pelo baralissimo
preco de 33000, e ditas indianas, fazendas trans-
parentes, de muila phanlasia, pelo baratissimo pre-
go tambem de 33, para acabar: na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama ^ Silva.
Vestidos zuavos.
Chegaram a' loja do Pavo 16 mais lindos cortes
de vestidos com o competente zuavo e cmio, vindo
ludo em um carto, sendo a maior novidade que
tem vindo para a fesla: vendem-se por barato
preco na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Novidade para a fesla,
Vestidos de seda.
Chegaram para a loja do Pavo os mais ricos
corles de seda para vestidos, sendo em qualidade
o melhor que lem vindo ao mercado; e padroes os
mais modernos por serem yuasi todos listados com
cores mui delicadas, alinncando,p ser nesle gene-
ro o melhor que exisle : vendeni'Se por precos
muito razoaveis, na loja do Pavo, na 4| Impera-
triz D. 60, de Gama & Silva.
esabao branca, necessano para lavar os
Trancas pretas com vidlhoe de cures. porlanlo pode^ airigir.se. dita loja na ra do
Pulsaras tanto para seoiiora como para Queimado n.-.
me,mnas- j Abridores de luvas.
Ligas de seda e de algodSo. Vendem-se na ra doLueimado loja da aguia
Suspensorios de seda e-de algodio emut- branca n. 8.
tos outros objeclus que se nao Modem an- Porl Iionqoels
MOCiar por nao se tornar enfadonho. de bonitos moldes, dourados e cabo de madrepero-
S no Gallo Vigilante OU do Crespo ti. J. Ia : acham-se a venda na ma ;do (jutimado loja
da aguia branca n. 8.
Bonilas loirf[uii:has
de fil de linho, cambraia e setim todas mui bem
enfeitadas: veadem-se na ra do Queimado n. 8,
loja da aguia branca.
Car retis com retroz.
Na ra no-Queimado n.8, loja da agnia branca.
Xa <-j;i de .lo;t-.uii.i de Paria fachado
iRua do Queluiado 1. 40
DEFKOiNTE DO RIVAL SE* SKUNDa
Nesle acreditado estabelecimento encootrarao os
compradores um completo sorlimento de boas fa- zendas e roupasf. itas na ra da lrnjieratriz n. 72
zendas, (ue se vendero muito baratas, aliin de de Guimaies & kmao, acabam de reduzir os
susl^-fKaTempre o mesmo crdito que at ao pre- presos de suas fazendas menos 20 por cento do
sent leu-, merecido aos seos nmeros fregnezes. que em culi a qualquir paite, afim de apurar di-
F.mre ae muila> f*sendas ha as sepuimvs : nheiro, assim como seja lazinhas de quadrinhos
Lzinlias enfesladas de 4 palmos de largura, fa- #endo escuras a 200 e 220, dias mais finas a 360 e
zenda ootfora de 6(0,,pelo diminulo prego de 360 Sf0 rs, dias tran^iarentes com listas de seda a
rs. o cavada. 320 rs.
Cortes de lazinhas, padroes novos, com loco-; Fazendas proprias para a fesla.
vados, a 43*00. Vendem-se as mais bonitas bareges de laa e se-
Crtes de.cambraia com flores bordadas, azen- .da sendo escocezas as mais modernas que lem viu-
da moderna. #'o diminuto prego de 73. do ao merca Jo pelo baratsimo prego de 5P0 o
_ Percalles muito finas, de lindos desenhos, eovado eovado, cassas francezas de urna s cr a 320 e
3G0rs. 36() o eovado, dilas eom palmas solas sendo miu-
Cambraia otgamlys, muito fina,.vara 606 rs. das e graudas pelo baratissimo prego de 280, 360
Tai launa verde., *r de rosa, azul e branca, vara e 400 rs. o eovado : isto na loja e armazem de fa-
8M rs. zeodas na ra da Imperatriz n. 72, de Guimaraes
Grosdenapleirato moilo eccorpado, eovado 23 irmo.
0 !* ., Saias bardadas.
Chales de renda prelos muito modernos, a 03. VBdem.se as mals buoUas saias ^^6^ sen-
Beioodas d renda preta da uimamoda, a 123. do biMale ,argas e muilo bem bordadas pelo ba-
Voltas de dito e outras qualidade?.
leques de diversas quididades
Venii"m-?e na ra do Queimado n. 8, loja a
agur 1 ranea.
\spas forte para bala)
Vendem-sena ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Crumacome para Ungir ca
bellos.
A apuia bra-.ica avisa aos constantes freguezrs
des*a excedente Untura, que ella acabado lece-
ber urna nova remessa de croroacome, ^"coroe | (ila:i de Horo0ri0 aihamalotado, proprias pa-
Caixinhas com alfinetes brancos c pretos. tavti publico, sempre om completo son meato o?
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos.
Caixas com linhas de novcllos grandes
para crochets.
Trancellim de bonacha preto, redondo.
Bonitas flvellas grandes de aeo,
douradas, madreperola e tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado 63
n. IR, reeebeu um bonito sorlimento de
flvellas grandes para cintos, sendo de ac,
douradas, madreperoia e tartaruga, as quaes
1 stao sendo vendidas em dita loja por pre-
sos loinmodos ; assim como boas e bou uis
de
....
Senfiares e sentaras*
Os proprietarios da nova loja e armazem de fa-
a
k.an
-ai s bordadas eom 4 .pannos, a 43500.
ias bordad?, com 5 pannos muilo finas, a 93.
6aloes de arcos, a 23, 23500 e J&.
afedapnlo francs muilo eacorpado para saias,
vara .a 440 rs.
Pecas de cambraia l<',-a fina, a 43. 43500 e 53-
Dila? de dita para forro, a 23800.
Algcdao enfesiado corj '.i palmos de largura, va-
ra 13-
ratisswK) prego de 63500 e 7)
Vestidos de larlatana muilo fina sendo brancos
com barras de cores bordadas de la e seda sendo
os mais modernos que tem vindo ao mercado e
vendem-se pelo barato prego de 03, 93500 e 103.
Manas de seda para bomem.
Vendem-se as mais lindas mantas de seda para
homem tendo de todas as cores pelo baratissimo
prego de 13300, 13400 e 13500 : islo na nova Io-
n. 72, de
ra ditas Mullas.
Oculos de peneira e de entras
qitaliiiades, para qucn soffre
da vista.
A' loja de miudezas ra do Queimado
u. I t, tambem receten oculos de peneira
com vidros claros e escuros, para quem sof-
fre da vista, assim como outros de armafSo
de ac, sorlidos em gios.
Coreas e tercos de cornalina.
A amiga loja de miudezas a* ra do
Queimado n. I (i, reeebeu mui bonitas co-
roas e tercos deoraalina, os quaes e.-to
a dieposicao dos bon^ cbristSos que os qui-
zerem comprar em dita loja : na ra do
Queiiiiailo n. 10
Esponjas lnas gs andes e pe-
quenas.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezasn. 16.
A Ufa loja de umi Queimado i, 10, acaba de receber:
Novas e bonilas guarnigoes pretas para vestidos e
soo (embarques.
Bicos de seda brancos e pretos com vidrilhos, e
dffeieules larguras.
Traugas pretas com vidrilhos.
Cascarr.ilbas de seda de diversas cores e moldes
novos ; ouir; s enfeiladas com bico de seda.
Babadinhos de seda.
Trangas branca., de seda para enfeiles.
Bonitas lilas brancas lisas e lavradas; outras de
cores tambera lisas e lavradas; oulras acharnalo-
tadas para cintos, largas.
Fivelas grandes de ago, douradas, madreperola e 320 rs. o evado. Ra da'imperatriz n. 32, juru
tartaruga. a padaria franceza, porta larga.
roopas i-'las de lodas as qoaiidades, i u.u m
pal los iie alpaca pn la e de cr.iii. -. .
eos ;. 43 i 53. dilos de brim parlo 1 i'~, .
33510, Oiio.- linos a 43. ditos meias caz.
33516, !3 e 53, dilos cazemira s ce l
e 103, diios sobrecasacos a 10 e I2>. ditos de in-
no sacco- a 63, *3 e lt'3, ditos sobn casad .'-i
e 253, diiis de merm preto a 63, ".-'> i'1', al-
cas de bnm de diversas qoaiidades a ISH'0 i3
Silos brancos a 2500 e 600, ditos 1;.; mil '-'.
f. 73, dilos prelos a 53, 63, : i-e I j.
miias cazemiras a 33 < 43. cleles de
qoaiidades, scroulas (rancezasde .i!;. 4 [ Ii.- de
.mi o, dilas de bramante a 23 e 23300,
algodao de linho fiaocizas de 23360 e
de pecninrha nesle genero, grvalas di
qua'idad.-s e brancas para ca-... >, ;....
tiiiieiiio de meias para senhoras, u
a 3y, superiores a ;i35C0 e 43-
Um completo soi(iineijio de cha;..
alpaca a 33, ditos de seda a 53, 7, J
dilos francezes para cab-ca, grande s.i ;'
a 65-
rechincha adairave!.
Grande sorlimenio de chambres a 43^00
lences de cambraia para horaein a 25 a ou: !i
: s de linho 1 'i3 e 53.
Grande soiliineolo de ronpa para menin
tras n.uias (iialidadesque seria enfadoul
cona-las.
Fazendas.
Vende-se superior mtrlnpreto propri. ;
pa> de senhora e vestidos a i, |[!Mri;ri oa
a 13^00 o eovado. Hua da Imperatriz, pon .....
Paredes Porto.
Vende em sen estabelecimento liras .\
bordadas, grande sorlimento de corpinhos
menle bordados a 33, 43 f 53. ^ 1 Par
10, ra da Imperatriz no S2; pon.. .
padaria franceza.
Paredes Porto
Reeebeu pelo ultimo paquete francez ricas
granadinas com llores de seda a Oi 80"
eovado. esiao acabando-se, cambraia preta
luto. Porta larga junto a padaria franc
da Imperairiz n. 52.
Paredes Porto
Vende um completo sorlimento de faz :..
brancas, como sejam raadafolo a 43800, 55, .'* e
I0#, pegas de algodao por barato preg, : ,<
ceza a 240, 280. 320. 360 rs. o covad., pn alia!
muitn linas a 360, 400 rs. o covad>, rhia :;.-.
. a 200 e 240 rs. o eovado. Ra da Imperis i2 n
52, junto a padaria franceza.
Paredes Potto
Vende gangas de cor propria para roupa de m
' nios a 320 rs. o eovado, riscado franrez ia,-, a

,ra
ra
Bonitas ligas de seda para senhoras.
Leques de sndalo o oulras qiialiddts.
Paredes Porto
Reeebeu pelo ultimo paquelo espaitithos a r'-
LinddS 0 delicados eofeilCS para bai- goigoso por 3, s3o bens, lencos de seda tara se-
Guandanapns de linbo adamascados, duzia 33500.
Lenco* de cambraia branca, para algibeira, du- ja de fazendas na roa da lmperalnz
zia 13600 e 23. Guimaraesi Irjiio.
Cobertas de chita franceza fina, a 23301. Colariulias da linho para homem.
Lenges de bramanle alvo, de um so panno, a 33. Vendem-se colarinhos de Imlio para homem
Dnos de algodao de um panno s, a 23. sendo os mais modernos e melhores que ha no
Lencos do .cambraias de linho muilo tino, duzia mercado pelo baralissimo prego de 53500 e 63 a
53OOO. duzia.
Ha tambem um completo sorlimento de roupa Chales de merino estampados a 25.
feita e por metida, para o que tem sempre boas Vendem se bonitos chales de merm estampa-
casemiras modernas, brim, etc. dos pelo baratissimo prego de 23, ditos lizos de
lodas as cores a 3*800 e 4?, ditos finos sendo es-
tampados a 63500, 73, 73500 e 83.
Cambraias brancas.
Vendem-se pegas de cambraias brancas a 33,
33500, 43, 43500 e 53, dilas muito finas tendo
urna vara de largura a 93 e 103 : isto s na nova
loja de fazendas na ra da Imgeratrlz n. 72 de
Guimares & Irmo.
Riscados escoecezes.
Vendem-se os mais bonitos riscados escoceze
para vestidos de senhora e proprios para roopas
de meninos a 260 e 280, chitas francezas escuras
a venda na livraria acadmica, na ra do Impera- e claras a 240. 260, 280, 300 e 320, dilas percales
dor; na do Sr. Nogueira, junio ao arco de Santo muito finas a 360, 400 e 440 o eovado: isto s na
Antonio ; e na lypographia imparcial, na ra es- nova loja e armazem de fazendas oa ra da Im-
ireua do Rosario a compilago de toda a legislagac pera'triz n. 72, de Guimares & Irmo.
tendente administragao, arrecadago e fiscali- Camisas francezos.
sagio dos dinheiros de orphos defuntos e ausen- Vendem-se camisas francezas a 13500, J3800,
tes, herancas jacentes, legado?, etc., contendo nao 23, 23500 e 33, ditas com peito de cor a 23 e
so o regiment de cusas e a le geral das execu- 23500 : isto na loja de Guimares & Irmo.
Luvas de Jouvin.
a loja de miudezas na roa do Queima-
do 11. I t, resebeu-as por este ultimo vapor,
avMaoT
Chegaram os bonitos chales e retond'.s de guipo
re brancos, e vendem-se na ra da Imperatriz n.
52, loja da port? larga, de Paredes Porto.
Acha-se
ges, como tambem lodas as orden* e avisos do
overno. qae a tudo tem explicado, tanto a respe-
10 das obrigages ioherenles ao cargo dos difieren-
tes empregados de justiga e fazenda, como dos di-
reitos nacionaes e emolumentos que sao devidos.
Esto livro cootendo mais de 700 paginas em ntida
impresso e bom papel, e prestando.se a utilidade
de differentes ciaste?, tornase recommendavel.
Chales de renda
Paredes Porto, oa ruada Imperatriz n. 5, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
no loque de mofo, a 33500 e 43, fazenda de 10J
e 123000.
Vende-se a fabrica de charutos e cigarros
8eu aislo c J0300 por C3d ejemplar COJ dous da ra do Arago n. 32, bem afregi'ezada ; a ira-
oraos, lar n ma dos Coelhos n. 2|
les c passeos.
A amiga loja de miudezas na roa do Queimado
n. 16, reeebeu novos e lindos enfeiles para bailes
e passeos, todos de muito gosto e inleiramente no-
vos, variando o prego delles ron lo* me a superiori-
dade : os pretendentes os achanto em dita loja, na
ra do Qoeimado n. 16.
HnascapelUb para noivase
meninas.
Aeham-e venda na ra do Queimado. loja de.
miudezas n. 16.
BhitaS tOU(|UIilia*
de fil e cambraia, bordadas e enfeiladas : ven-
dem-se na roa do Queimado, loja de miudezas nu-
mero 16.
Lonetos de dous vidros eom aro de ago, bfalo
e tartaruga.
A loja dn miudezas. a ra do Queimado
n. 18. reeebeu um bello sorlimento de lo-
netos e oculos de vidros com armaco fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os esl vendendo
por precos razoaveis : os pret ndentes diri-
jam-seaesta leja na ra do Queimado n. 16.
Algodao trancado
da fabrica de Pernio Veiho : no escriplorio de
Manoel Ignacio de Oliveira & Fnho, largo do Coj-
po Sanio n. 19.
Vende-se um mnlatioho de 16 a 17 annos,
proprio para pagem por ser muilo bonito e de boa
con-i ucia : na ra do Imperador n. 45, terceiro
andar.
Na ra Dienta n. 15, loja, tem p.vra vender-se
ricos bouquets para enfeitar bandejas de bolos e
pao de l, cpelas de flores para meninas e senho-
ras, roza e arcos para sanios, tudo de muito gosto
e commodo prego.
A' 400
res
A botija de tinta prea superior, para escrever,
na taberna da ra da Cruzes n. 41Aporta
larga. ____
Vende se urna negnnha de idada de 10 an
no: a tratar oa ra da Imperairiz d. 20,
nbora e nomem a I?, ricos cortes de can,: raa
bordados de 18, a 7?, por ter um t i;ie 1
ebto se acabando, na ma da Imperairiz:;.".
lo a padaria franceza.
Grande armazem de tiatas.
RUA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem do Untas 6 um grande deposito dr
productos ca micos uteosiseos mai> empregados
e usados na phariuaria,pintura, photographia, tin-
turara, pyroiechinia(fogos de artificio) e em outras
dustnas.
Montado em grande escala, e snpprindo-se di-
ectamenic as principaesdroarias de Pars, Lon-
dres, Hamburpc, Anvers e Lisboa, pode orTereeee.r
productos de plena confianga BHlsfazer qn i'qui
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptldao qualqusr pedido de Untas muida!
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus inpr d et -
tes poder* ser examinada pelo consumid.:
nao fcil fazer com aquellas que san mi r
e que se enconlram no mercado em latas fechadas
Tem grande collergo de vidros de dlfer.
formatos, desde urna oilava at tozaseis ongas de
capacidade ; de vidros para vidragas e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira rom
rlopriedade e outros; de papis dourados e pra
peados e folhas de gelatina par?, ornamento; di
papel grande e pequeo formato de varias cores
para embrulho, para forro de casa, para dpsenbo
com lundo j fei(o;de papel atbaminado l,e i-,
verdadeiro saxe para photngraphi;'. e para filtrar,
e outros ; vernizes de essrncia para quadr. le
espirito para madeira, copal para o menor e x-
teiior; oleograxo, oleo seccativo, oleo de iinhaca
cla|ificado, oleo de toiele, secativo de Bariim, ifo
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanto em fo-
lhas de varias cores; tintas vegeiaes, in' Tensi-
vas proprias para eoafeitarias; lia de crlresj.-.
olhos de vidros para imagens ; lintas em tutios e
telas para retratos ; tintas em pastis e .
ra aquarelln ; essencia de rosa superfiua, de ce-
roly.jasmim. bergamota, aspire, patchoiilv. ab-.'
bouquet,limao, alcaraiva, melissa, ortela j,;u,t ota,
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lio,
ans da Russia, canella, cr.ivn e muilos oulro ob-
jectos que sconi a vista poderaoser mostrados.
i : Pedro dm Xf.cs,
Gerente.

^1. % ar
1


Diarlo de Peruanabuco Perca leira 5 de Drzembro de 4 e
.

A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor rancez ricos cortes de
vestidos de seda de cores dos mais bellos gostos, proprios para bailes,
partidas ou casamentos.
Cicles de Guipure pretos e brancos.
Bouets de palba da Italia para senkoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Casemiras de quadros.
Epeiras da India para salas.
Q xtadapoloes francezes a 400 e 500 rs, a vara,
b lilas para vestidos de diversas qualidades, e
''> gostos diffreentes,
W
Q que tudo se vende pelos mais commodos precos.
CORTES IIJE SEDA
Chejiaram pelo paquete ioglez riquissimos cortes de moreautique de cores, e seda lavrada pa-
irees uteiramente novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RA Di CRESPO-5
Gregorio Pae? do Vmaral & Companhia.

-
- >
i'ZEVDA-
G0
agSfe,

DI7ARTE AMEIDAv
ss^^gg^s^&
BAIL
AO RESPE1TAVEL PUBLICO
4
.
Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor de bom gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
B-'ns moireantiques de cores.
Grosdenaples d. todas as cores. H
Lindos poil d chevre fazenda assetinada de infeira mvidade. tiQ
Lindas duquezas assetinadas fazenda inteiramente nova. .
Mudemos greaadines de seda o que tena vindo de mais novo. oji
Grande variedade de lias de cores li.-as e de salpicas. *
l ir i idys e ca sas de muitn bom go.-to. ||
Percalias modernas com grande variedade. <3j
. j Liii los orles de 13a Clotilde com todos os pertences cada lira em seu car- a
leiramente novos. m
Bdsiscortea doca-sa coa barra tambem inleirameate novos eoutras muitas t*
faz .! las de gosto que sena enfidonln mencionar.
Para hombros de senho a Sg
Grande variedade de chales, boarnom, reondes c algeriennes de fil e de|
ir a 10, IG, 20, 30, 40, 00 at 800.
Mudemos soutembarqaes de seda de superior quilidade.
'i,. 1.1:1 s bertes de seda de cor pretos e de cachemira.
n de caaibraia branca bordida com milito gosto.
intembarques ebournoux de cachimira de cor e outros muitos artigos dedil
m gosto. $j
Para cabera de senhora tfi
Superiores chapelinas depalha, de seda 6 de crina de muito bom gosto a im-$!
p ratriz. a
Ctiapos de pdha da Italia grande variedade. ffl
I. itdns gorros o bonets depalha de Italia, Imperatriz, Canotier, Clotilde --
rante, ebegadns de Pars pe o ultimo vaper. y
le variedade de enfeites defroco e de llores para casamento.
S ip sriors vestidos de blon te. e de m dreantiqae brancos. 2
''. braiireantiqnei brancis e superiores sedas brancas. M
Bilis vestidos d: tarlatana branco bordados. **
Lindas mantas de bl >nde e boas capcllas. ^J
IBurdilos. '*f
Grande variedade de ntremelos bordados transparente o tapados. A
Ti as bordadas transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordadaselo!
i uiro muitos artigos. 2
LOJ* WIS CHIiUillWAS 1
DE iNTONlfl P.ORREI* lE VASDONCELLOS & C. A
RUI DO CRESPO W. 13 31
A tabella abaixo publicada serve de base de precos,
tanto deste armazem corno do armazeinproffressivoDa-sejare,nman(,,rePmosam';stras
+^ j n \ i r r fc. urna nhni ia<
teo do Urmo n. 9, principal arinazem ra do Impera-
dor n. 40.
* m CLUBE PEKNiHBUGANO
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
Offerecem a todos os convidados, do esplendido baile do Clup Prnambueano o
seu bello e escolbido sorlimento de fazenda de phantasia, chegadas pelo Gueme, que
consta das seguinles especialidades.
Vertidos Cesarlo.
Linda e nova fazenda de l-brillinnt, transparente, com listas e flores de seda,
padroes do ultimo gosto.
P SIDjIS
tm cortes padroes novos. oscuros e claros.
Em pecas mouantique liso ondeado e lavrado.
dem estampado com listas e flores.
Tarlatana.
esta urna diminuta porco de cortes de tarlatana branca, enfeitados caprichosa-
mente a cores. Todos os amadores de partidas e soirs, ho comprado para suas fami-
lias estes vestidos, j pelo diminuto preco, ja pelo bonito gosto.
_ EXFEITES
impeatiiz Eugenia e a ramha Victoria que adaptan com muila elegancia
Jouvin & U.
Resentia-se o nosso mercado da falta absoluta das verdadeiras luvns de Jouvin.
lemos a satisfacao de poder annuncia-las a nossos freguezes pelo preco de 30000 o par.
t grande a economa vista da flexibil dade e bom acabado, que Ibes d dupla
duracao sobre as falsificadas. 'i f
Trini i diversos objeets
Froprios para o complemento dos enfeites de vestido como berthes, costageo,
suspensorios, etc., gostos os mais phantasficos em dentelle preto e branco, tafet etc.
.Mandam-se amostras.
I ademas e proles de tartaruga.
B a pnmeira vez que vem esta fazenda ao mercado.
a convida as Exmas. senhoras a urna breve compra.
CIATOS
Com flvelRis de madreperola gravadas, tartaruga, metal, etc.
Chales de filo de eores.
. JpJ3 renessa. desle chales e retondes a dur.s e mais cores em xadrez. Nada se
poae juigar do mairoifi o effeilo (lestes chales, seiu experimentar; as pessoas que os de-
A pequea porco qne res-
Fazera sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-|
genhos, lavradores e mais pessoas do centro, que paramis facilitar suas compras deli-
Deraram os propietarios dos tres grandes armazens, reunir todoi os seus estabeleci-
mentos em um so annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mfinte em outras muitas casas, porra nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
anda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
erao tamben servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
^efa qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
aiguma que 6zer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
> por ceuto na sua despeza diaria.
le de fazendas de gosto, como sejam:
Chales de fil preto de IO3000.
Os mais ricos vestidos para menino de 3 a 6 annos.
Colxas de croeg e pannos de labyrintho.
_ Tif branco e fil de seda,
superiores bales de clina, recommendaveis pela longa duraco e bom talbo.
Tudo a
5 RUJ DO CRESPO 5
!y "

*P&z& :
1

>=p

IS

mi
,

D

MITEIGi
Manleiga i gleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de 1,000a I,loo rs. a li-
bra, e em barril ter abatimento.
Manteiga francesa da safra nova a 860 rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
ciii
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a ,8oo rs.
dem hyssen o melhor neste genero a.
2,6oo rs., e sendo em porco ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de i a
2,4oo rs. a libra.
dem pelo superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra. j
Ser veja
Superior serveja Bass. dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers A Bell. T. F.
Ashe a 7,Soo e 7,000 rs. a -luzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 0,000 rs. a du-
zia e a 000 rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,000 rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais biixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors. |
a aada.
Azeite doce
Superiorazeite doce de Lisboa a 6io rs. a
garrafa e a 0,000 rs. a caada.
Massas
Macarro e talaerim a 360 rs. a libra e a
Riseoiitos 1 ?;,ooo rs. a caixa.
Latas com superior biscouto inglez de di- i Passas
versas marcas a 1,2oo rs. a lata. i Superiores passas a 3,000 o quarto e
Bolaehinhas 12,000 rs. a ca xa de arroba hespanhola e a
Latas com bolachinhis da acreditada fa-:Soors. a libra,
brica do beato Antonio, proprlas para dar a
doentos de 2,000 a 3,ooo rs. a lata. ISE.lEBIt.4. 1 h,
dem com quatro libras de bolachinha de Genebra de laranja verdadeira a Io,5oo a \ Drms orancos e Dom >"im pardo,
soda a 2,000 rs a lata. du QueilOS Ge"ebra d-e ,I,,ll;llla verdadeira a 6,000 Jf u^^^T^ QSCUm ChS' ^ M alpaka branCa' de suPerior a,Paka Pre'
DE
AZEVEDO FLORES
fua da Oadia do Recite, esquina da Madre de Deus.
Grande sortimento de bieldas por aiacalo e a retalhe, e uto cempleto sor
menlo de tulpa feita, it casemira t de b'iin, tudo por menos que e
ostra qualquer parte: qurm dnvHar venfca ve,-.
de lindas e finissimas casemiras escuras e claras, de superior casemira preta de finos
l.nm noi*Hn '
rs. a fiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Queqos flamcngos chegados no ultimo ldom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca- J
vapor a z.aoors., tambem ha do vapor pas- (]a ums_ jde boas
sado a 2,3oo rs. Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
r, uiululaib. Hollanda a s.ooo rs. o garr..fao. Tambem
Chocolate hespauhol a I 000 e l,2oo rs. h;l Karratoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
a libra, francez e suisso a 1,000 rs. a libra 6,000 rs. cadaum.
ve.
!
-1'OTA YORK.
' CHEffiO E SABOK AGRADAVEI
.nilauente mais efficazesdo que toe
- 1 medios ptrigosos enauseabun
i' 111 para a expdlsSo daslornhrigas-
i un dures e prodozem seu effeito I
cisar logodepoisde purgante ne-
lauincitantes em pparencia e deli- j
gosto, que as enancas estoi
Ka pon do Qucimado n. (>3.
Nesta loja por tolos os vaporas se recebe luvasde
pellica brancas e decores, tanto para hornera como
para senhora.
Vo tas, cuzese brincos.
Cliegou no ultimo vapor um graa4e sorlimento
de voltas e croles, imiundo cornalinas brancas
assim como brincos da mesma e decrystal do mais
apurado gosto que se pode desejar, fot' s quem
receben. : na loja do bjija-flor, ra do Queimado
n. 63.
Enfeites para coque.
Asshn como receheu enfeites para coque e G-
ira* muitas qualidades, qa se vendera mais barato
do que em oulra qualquer parte.
Bolecas que cliannu mami e papai.
Tendo reeebtdo ;im grande sortmeatd de bone-
cas que chamam papai e mamai e movem com os
olhos, muito b'-m vestid w, com cabelleiras, o
que p le haver de go>to nesta enero, e vende se
mais barato do que em outra qualquer parte.
8a la ios.
Afsim como um bonito sorlimento de balaios para
menina de escola, tambera ha muito bons pentes
para desembaracar, guarnecidos de metal.
{[\; g Bichas de Hamburgo M
!?% lodos os paqaetes da Enrona se recebe 3
tj destas anug;.s do sangue humano e se Ja
>'.
r
, vendem a troco de pnico lucro s aflni
plR de ler sempre cousa nota : a loja de bar-
JL beiro na estreita du Rosario n. 3, ao p
SR da igreja.
1 lomar ma.s do que marca a re- at^as**$$& |$& -J| &m 1
ern
e portuguez a 800 rs. a libra, em porco
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro. Maria Pia, D Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a 1,00o a garra-
fa e 9.000 a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,>oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a G4o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anewretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior rindo branco proprio para mis-
sa a 40 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,Soo a caada.
t aixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oors. agarrafa.
CAP
Caf do Rio de 1.a e 2,* qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
mi
Saho maca de primeira qualidade de 180
VELAS
Vebis de spermacete a 04o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a I2,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs^a libra.
PlilXE
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
I,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 100 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Jo3o Furtado da Serrias,
Maooel Peixoto da Silva Nelto, Castantio &
Filho e Brandan e de outros muitos. os
quaes vendemos pelo mdico prego de l.Ooo,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,ooo, e 5,000 rs. a cai.a.
..loores
Licores francezes e p"rtnguezes a 1,000 e
I,4oo rs. agarrafa ou frasco.
Doees
Doce da casca da goiaha e caixoes pe-
queos a 7oo rs. e de 00 caixoes para cima
a 64o rs. o caixao.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito hem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas aoi rs. a lata.
ta e de brim pardo.
Colirios
casemiras pretas e de cores e de lino 1 im branco.
CAMISAS
Superiores camisas francezas de 2-> at :5.
Coro Ellas.
Ceroulas de superior bramante do lino linbo.
EE loes.
Superiores bales de arcos para meninas de 2 at 12 annos.
dem superiores para senhora.
Cirarntas e mantas.
Superiores mantas para pescoco de homem. as mais modernas do mercado.
.vlariapolo.
Madapolao bom a 85, 90, 1 & e I2.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda balSq a 100.
Fraques de easetnlra.
Fraques de casemiras, preta. escura e de eres claras, e nao havendo que sirva
ao fregnez manda-se fazer por medida e c m muita pn.mptido.
Todas estas fazendas por precis insignilicanlissimos, pois o filo do Balao ad-
quirir freguezes.
LOJA Di) BALAO
DE
AZEVEDO - como un cxcellenie meio de fazer' colares Rryer on colares auo-
1 ,.s obsirucoes do ventre, mesmo daos
nO existirem verme algum, as I para facif"ar a entifio da^ rriangas e preserva-
1 a.MirLGA.s de KEMPSfiSo promp-
a22ors. a libra e de 16o a 21o rs. sendo; Tambera ha lalas grandes para l,2oo rs. a
'lata.
falltveis na sua nperaco e por todos
eitos dignas deconfianca e approva-
t<'dos os paes de familias. Prepa-
uiiicamente por Lanman & d,
1 eral em Pernamnnco roa
''<\ casa de Caros itarhozs
''* i 1 K7%
avaiiado
uj
*
Francpz barrica SOOO
Portland idem 8J500
erfito ">lado:
Prunet-i barrica iOOOU
Portland dem t200
m la 111 de Tassn Irmaos caes Jo ApoHr.
- v "i......iimi m'.tniia deinareli a usada:
0 i 1 do Rosario n. 17, i indor.
rlaJka de luandinta.
1 i".-iuha de mandioca de Saota atha-
1 iliijDi' din&fnarqnpz Hmudal, an-
do Irapjttie do Cuolia : vende-so
na a 1 da (ruz 0. f, 1 andar.
las das rnnvnlsoes.
O feliz resollado ohtido inmensas vezes pela
prodigiosa f,>rga magoeliea dos colares Royer, nos
casos de coovolsdes, e deniieao das criaRcas, t^m
altampnte elevado o spii hem merecido prestigio,
e boje j ?e pie di7er que estao geralmente con-
ceiniados, e estimados d-> innumeraveis pais de
familias : de uns porque do uso dosses salutares
colares viram salvas do perigo seus charos tilni-
nho, e de outros pnrque colli"rara daquelles lao
proficuo pzemplo para ipnalmeme preservar os
seus. Assim, pois, s agoia branca, te.ndo em vis-
tas a uilliiiade e proveit1 desses prodigiosos rola-
res anodinos ou Royer, mand >u vir o novo sorii-
meiito que ageira recebea, n continuar a recbe-
los para qu em lempo algum a falta delles possa
ser funesta w> pas de familia, os quaes flearo
cerlns de os acbar constantemente na ra do Quei-
mano, luja d'aguia branca n. 8.
Vendrm-se duas escravas recolhidas, de ida-
de 2:1 a 2't anm.s, exeellente conducta, engommam
pprfeilamente e fazem lodo o servico de urna casa :
na irav.'ssa do Carmo u. i.
Vende-e tiro sitio em li'mfica a' margem do
rio Capibaribe, com bastantes commodos para urna i
grande familia : traa: e ua ra Nova n. 24, das 9
horas as 4 da tarde.
Vendem se quatro barras mulo mansas, boas
de carga e de seda, per preco comraodo : a tratar
1 no hotel de Franca.
AB9IAZE1I 1E FAZEVDAS
DE
CUSTODIO t AH*'AMI
27 RA DO QCE'MADO N. 27
* c.
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Maguas pelo ullimo vapor
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ullimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Frurtas seccas pelo intimo vapor.
Fructas em calda pelo ullimo vapor.
Noes pelo ultimo vapor.
1AflnAAMadaI)nl5ofrancezmni!o fin", tendo pouco mofo, cada peca com
La de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 2G0 rs. o covado.
Finos oryandis a preco de 800 rs a vara.
Lencos bra eos para algibeira a 2$ 00 a duzia. *
Fin sperclaras a preco de 400, i lo a 360 rs. o covado.
Ricos co.tes de la de barra de IOS a 30,0000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
27 varas por
TOiMfe
DE
Queijos londrinos pelo ubimo vapor.
Queijos flamencos frescos pe'o ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ulumo vapor.
Tudo se vende barato nos seguintes armazens:
Ra do Imperador n. 40, verdadeira Prlaclpal.
Una do Queimado u 9, l'nio e Commerelo.
I^argo do Carmo n. 9, Prosressiro.
DE
J. V1GNES.
W. 55. RIJA DO IMPERADOR MI 99.*>*
Os pianos desta amiga fabrica san hoje ssl* coahecidos para que seja nfe-sano insistir sobre a
na su[ierioridade, vantn2pnse garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
eis que piles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesla praga ; pos-
suindo nm teclado e maihuiismn que obedecem tolas as vontades e caprirnos das pianistas, .em
">nnca falhar, por serem fabricados de proposito, e ler-se feito ltimamente melhoramentos imporUia-
cissimos para o clima deste paz ; quaoto s vozes, sao m-lodiosas e flautadas, e por sso amito agrada-
reis aos ouvidos do< apreciadore-s.
Fazemse conforme as eucomaiendas, l:mto nesta fabrica como na do Sr. Hondel, de Parts socio
iorresnondente de J Vignes, em cuja capital foram s-^mpre premiados em tt as exposigdVs. '
No mesmo estbeier.iiDROto se achara se.mpro um <'xpi>HMto variad^ soitiateato 4jiHisieas dos-
uelhores autores da Enrona, assmi como harmnicos e pianos harmrnjiwi. s*nd**|nds vendido por
precos commodos e razoavels.


.



*
Diarlo de pernambnco Ter^a letra 5 Je Dezembro de 1 *.
a
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
ffBUi & ili)T.iii 3)3 s sitan Ma
AO
HESPEITiVEi PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
en da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento .'de molhados,
que sendo em sua max'mt parte mandados vir directamente do estrangtiro~podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm fliancar, com toda a seguranza de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguiutes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2.; Fidelidade no peso.
3/ Siuceridade nos presos.
As pessoas que por sna posicao social gozara de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos Ouissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condiejo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao poaco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
maitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se. Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, eic, etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devera vir, pelo sea proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhoris que compram para tornar a vender existe um sortimento ispe-
cial, escolnido por pessoa entendida que certameute muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEG1NTES PRECOS S SE VENDE
A MMIEIRO A VISTA:
Giuixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
KIRSCH de Wasser a 20 a garrafa.
LATAS cora graixa a 80 rs. cada urna.
: Letkia a 400 rs. a libra.

ALPISTA a 120 rs. a libra,
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca raolle, a 28'i rs. a libra.
Avellas a 2iO rs. a libra.
Ameixas fraucezas em latas de todos os ta>
manbos. MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
dem idem era potes de todos os tamanhos. qualidade a 1$, a libra.
1 Mahmklada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e TALiiAHiM a 320 rs. a libra.
i Massa he tomate a 6(J0 rs. a lata.
'Mostauda ingleza a 800 rs. o frasco.
.Moi.no inc..ez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a
de todos os tama
todos os tama
dem idem era bocetas
nhos.
dem idem em frascos de
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a SfiO rs
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2$000 a garrafa.
u
r.^a
BOLACIINHAS do Beato Antonio em lata
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 1*5800 a lata, e
de cinco para cima a 1<)700.
Idera de so a em latas gran.les a 2s000 e
de cinco para cima a I#s00.
DiscoiTos itiglezes, de todas as qualidades a
i 200, 15250 6 1:5300.
Bolo francez era caixinhas a 400 rs.
urna.
Batatas inglczas.
Bamia de porco refinada.

CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 1# a libra.
Idera de musgo a 15500 a libra.
Chouricas muito uovas a 800 rs. a libra.
Cap a 240 e 260 rs. a libra, e em porcao
se far abatnnento.
dem de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orohaia, etc., etc.
Chicaras e pires a UsOOa duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas dTlavana, Expsito,
Flor do Brasil, Parisiense-;, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, uegalia, Missi.-sipes,
Panetellos. ^praziveis. Varetas, Brasile-
ros, Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 2000,
262'0, 25(i0 e 25800.
Copos lisos de lodos os lamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, k& e 55.
Clices de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 c 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o mact
de cinco macinhos.
n
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, mglezes, francezes, etc. etc.
B
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
brvadoce a 400 rs. a libra.
FARINH A S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400,500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feuo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 1)5.500
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
30500.
Mii.iio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a loo rs.
N
NOZES a 120 rs. a libra.
Naros em latas a 800 rs.

Ostras inglezas e americanas.
PE!XE em posta, latas grandes, a 15C00.de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadhha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparado.
Palitos para demes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem mnito novas a 400 rs. libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
Qf'EIJOS flamengos.
Idern prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINIIAS OU MORINOUES a
R.
RAPE' Meuron a 15 a libra.
dem Princeza do Rio a i 5200 a libra.
Llera francez a 25500 a libra.
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz a;aumento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 23?.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes.
Idem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e pela para escrever.
V
VINHOS1
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velbos.
Ve I ho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Uouro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
Duque a 15 e 15500.
Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posic3o al^uraa.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
BordeauX Medoc a 8 dem S. Julieo a 600, 800 e 10 a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouib a 25, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Farello ha sempre em deposito de 500 a Vinho figueira em ancoreta a S05.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
Vende-se as olarias de Jo Carneiro da Conha'
em frente ao hospital Pedro II, e na rna dos Pra-
zcres n. 38, telba superi >r do barro de agua doce a
304 n milnt'iro, al venara batida a 30, e ladrilho
a 26*000.
Pennas de a^o,
Vendem-se superiores pennas de aeo, bieo de
langa, pelo diminuto prego de 320 rs. a groza : na
ra do Queioiado n. 40, loja de fazendas.
Cambraias.
Parede Porto vende cambraias lisas Unas, gran-
de sorlinenlo, a 35 at 64, ditas Victoria muito
finas, i- m 10 varas a 62, 65 Imperainz n. 52, juoto a padaria fanceza.
Chp?i]pm aos corpiohos de cambraia
Vendem-se enrpinhos de cambraia com ntre-
melos a 4* e o, estao se acahaDdo : na lo]a de
Paredes Porto, ra da tmderatriz n. 52, poria lar-
ga, jau.o a padaria franceza.
Al) PUBLICO
*em o menor coustran
gimento se entregar
imperte do genero que
nao agradar.
preco da seguinu
tabella para todo, pu-
dendo asslm servir de hi-
te para o ajuste de coca*
com os portadores:
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Lego passando arco da Coneeico)
PARA BEM DE TODOS;
Senhore
ezacom que
rra dos gneros
Pois serSo to
ta f?rle.
Manteiga ingleza especialmente escilhida a Aletria, macarro e talharim a loo rs. a li-
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se taz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra,
dem hysson muito superior em latas de 45
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs.
RIVAL
Ra do Queimado ns. 4 e *a>.
Contina a veoder tudas as nHutiezas que ..baixo
declara por pregas adnmavti;,.
Massos de palitos lixados para denles a 100 rs.
Et^elhos de molduras uouia;:-; ZOO, 140 e oljs.
Bonets de oliadu i>ara QWDdo: a Ijl i .
Dilos de couro >uperior lazi^fla a 1+ttO.
Francos com su|inior tinta i> ebt :-. ivj is.
Meladas de Imba Iroxa pila boidai ;, -_u e 60
; taixas roa 100 esvelopcf.nieiHrs boa a 600 rs.
Grozas de pennas de ayo, fazi'U(!h KOprfioi a tOOrs.
Grozas de botes njaoieperu.a mos a MUt
e 640 rs.
taixas com 50 no\ellcs de lir.1 c di sai a 7C rs.
Caitas con nperiores obreai < ;i t;( s.
Pecas de lila branca elstica n -.. \ \ ia.- iHirs.
Varas de franja de la para enie.;-.- ce ennk>8 a
4u rs.
Baralhos dourados superiores qi ... aiOOn.
^ovellos de linha com 400 jaro; ; > i ;-
;Lnros para asninos tit ronpa lavtoa a UOrs.
1 Pares ue b(pioi:s para pDKbo, lazei.dt rica a ISO rs.
Tesouras para costaras siircii 400 e \.
Caixasde pecnas de ralfigrsrln;-, lazecda boa a
1^000.
H&6S08 com si riorrs fritaros a ."'.. is.
re
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
3o,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,000 e 3,800.
Vinho branco de Lisboa de excellente Quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,'ioo.
dem preto o que se pode desejar neste ge- j Vinho branco para missa em caixas de 1 da-
ero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra. zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em Vinho do Porto das melhores marcas qoe
a-l rpf]na)in am .. S6*""8 P*'*'1 i"rr2,-' a 8**0 aai icuidU em Irascos devidrocom tamja Estovas para nupa, faitda t.'a a /:! a a.
do mesmo, a 5oo rs. Duzas de tesiuias im toqui (t ftiiiignn a
^'r faisacreditadas'nSs"; facas, carros de bop,o a 3*000.
que vera ao mercado, a 000, 56o e 64o Mbrra muito fine para chancas 240 rS
a garrafa, e 0,800, 6,000 e 6.5oo a du-' ^'''^iras para n.cninas a 32ti rf
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oors.
Charutos do alamado fabricante Jos Furta-
do de Simas, dassegnintes qualidades:
Lxposicao Normal de Havana, Imperiaes,
Dilas e volias paia su hi 1a a .',(0.
Fiascos de Atoa Florida mda ma ; \$ZfO.
Frascos ron superioi barba a S40 1 5(0 rs.
Idem de saperror oleo babosa a HO i>.
Caixas cini lamparillas jara .'* n i ;-s a Ors.
Varas de babado do Ptrio a 80 14< rs.
piros ueiicias, a 4,000, 4,5oo, 5,oooAGwaias de fore?, fawnda softrur, a 500 rs.
0,000 e 7,000 a caixa ou em n eias. i j^jf^ de ap1""-', fundo douracv. a t>o.
Charutos finos de diversas marcas e fabri- ZS
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella oo para fiambre.
Queijos do reino ebegados neste ultieuo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,000 rs.
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duqoedo Porto, Bairtha de Por*
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a !6,ooo, 15,ooo,
12,ooo e 10,000 a caixa com 1 duzia e9oo,
1,000 e 1,5od rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidadeal6,000
a duziae l,5o rs. a garrafa.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas qualidades a ,3oors.
em latas hermticamente lacradas a 64o. (Carloes com bolo francezmuito proprios pa-
Feijo verde muito superior s 640 rs. a lata.' ra mimo a 6 io rs.
Copos lapidados para agua a 5,000 e 5,5oo: Passas muito nt vas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a Looo rs.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs. Passas de cam; da a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo, Figos de comadle a 24o rs. a libra.
1 ,ooo e 1,2oo rs. a libra. Amendoas de c isca mole a 4oo rs. a ibra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li- Milo de amenduas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e I,2oo rs. .
Vinho Bordeaos das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado ; 7,ooo e
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadein em frascos
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglex das melhores aarcas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
dem londrinos muito frescos e de superior a duzia e 1,50o rs. a garrafa. I Matte,excellente cha para os navegantes a
qualidade a 8ou rs. a libra. Sardinhas de Nnntes a 4oo rs. os quartos e 2oo rs.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz I 64o rs. as mi ias latas. Sebollas de Franca muito grandes e novas
abatimento. Bolachinhas ing ezas muito novas a 5,ooo a I a l,8ooo cento e 1 2oosoltas
dem suisso o mais superior que tem vindo! barrica e 320 rs. a libra. palitos do gaz a 2,2o a grosa
ao mercado a 64o rs. a libra. Bolachinhas de soda em latas de diversas Toucinho de Lisboa muito nov a 32o rs a

enc

ibra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 63o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
_ Caixinhas com fructas em doce secro de di-
grandes a l.ooo e U.ooors. a frasquera. Conservas ingleteas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio de i* qualidade a 28o rs. ali-; 8,5oo a duzia.
bra e8,5oo rs.a arroba. | Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba". Nozes mnito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranhao de 1* qualidade a loo Molho in'slez em garrafa de vidro corarolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 46o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo ?. Mbstarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a 8no rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,ioo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. n frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e .oor a t.ontilhnf rrnncpzas. excellente legume paral
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a ?4i Marrasquino dejara propiamente dito a
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJoao versos tamanhos, muito proprias para
de Onto no B. ato Antonio, emlata de6 h- mirao, a l,6oo, 2.6oo e 3,5oo cada urna
braspor2,5oors. Buibos, excellente peixe portuguez, em
Ameixas france^s em fasco de vuiro com barris pequeos ou a retalho, a vista se
lampa do mesmo, a i(55oo. far 0 prefo.
Ameixas franc zas em caixinhas de diversos Azeitonas de Bivasem ancoretas grandes de
tamanhos com bonitas estar pas na ca- g garrafas por 6oo e 8oe rs. a garrafa
xa exterior, a l,4o'>, l,6oo, 1,8ooe2,ooo Azeitonas portuguezas a 5oo rs. agarrafa e
catla urna. l,5oo cada urna ancoreta.
Azeite doce refinado hespanholouportnguez Champagne da melhor qualidade que vem
a Ooo rs. a garrafa e lorooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa e
Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo | 24.ooo e 26,ooo o gigo.
o gigo com 3fl libran ; Gomma de engommar nuito alva a 12o rs.
Sahio a' lot em Pari?, evende-se nn Pimrmlu-
ro, na livraria de Ju.- barbosa de Me lo, ra da
Cruz n. -ii:
Formulario ou guia rredica pi r J'. I. V. Cher-
nov?. 7* tditao M.'erri'Diada mi ned^cair.enios
nuvis, e companbaiia df l!!i figuras, I vufume
em 12 ene, piee 6C00.
Na mesira livraria s vendem a> obras setuiu-
tes do n esn o autor Gw rnuvii :
Dicciinario de meotcma pipolar, 3" fdico,
muilo aosmenlada e acompanbada ce 231 figuias,
3 vol=. em 8o t-tic. prec" 20.
Historia nnural para n;(nin.s e meninas, 1 rol.
em 8o ene, preo> 'iC(;0.
Modo de eonbecer a idade do ca\all", do turro,
das beslas auares, do bol. do fariuiro. da raLia
e do perco bruebura, em 8o, piece )^.
Na pra^a do con mercio n. 4, escritorio de
Jos Mana l'aln tira, vndese :
Ceivt-ja Bass, \erdadi-ira tn> bolitas, chegda
recfnten:er te no navio irplez aArri Kay.
Biscoulo inglez mnito lin.
Bolachiiilia hamli'.rpneza nova cuja qualidade
ja aqu nio vem ha lalvez 2 annos.
Vendem-se
rs. a lata de urna
Iho.
libra e56o rs. a r. a-
\B a ffarrafa p i .ooo a duzia.
Palitos f!e don'e i lio rs. o maco.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 /too e 2.ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
machinas americanas de serrote para d^earocar
alcodao : na ra da Senzaia ova n. 41
Pennas de ema de mullo superior qnaltrlade*:
v n Si. i anda.i, es-
iripinrio-
^Wndi -se a 55 o bar i
armazem dp as-ucar.
Cal de Lisboa
n,. ra : liiur.) n. 60,
Breu em barricas pequetat
Cira em velas de todos os lamanhos.
Boa ias.
Mercurio.
Na ra do \ igario n. 19, primeiro andar.
ESC1AT0S m/:
-t x
CB
r x i s 3 -i '<. u O O
_ a, o
n ?IC
< $3 3 hg
I,
de
:i^
IEP4IN1
|?r.t
- X
X tT>T D O ^ M -i
-3ir?2.a2.9; o"g"
!iaa>e a,&_ o S"
g-ii.
(S
o
S
w
I i>

en
"O
O)
--
J5 o 2 n
-o 9,

W
14 f
o- s
3
o
a.
cu
3

-^
O
o
Tasso Irmaos
Vendem no sen armazem rna do
Amerim n. 35,
Licor fino Curacao em botijas e meias botijas.
Licores linos sortidos em garrafas com rolbas da
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgouhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordea ux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
0 castello de Grasville.
Traduzide de fraacei por A. J. G. da Craz.
trafraShar nio
iescarocar ag(o
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C
0LDA1
Estas machina?
poderadescarocA
g;qualquer especit
2ij.de algodao sen
(j estragar o flo
"' sendo bastante
duas pessoas para
otrabalho; pdt
descarocar ums
arroba de algo-
dao em earocc
em 40 minutos,,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodc
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocaoi 18 arrobas de algodac
limpo, oor dia; e motores para mover urna, duas,
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por q"ue pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e ezamina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova a.47.
Sannders Brothers AC.
N. II, pra^a do Corpo Manto
RECIFE.
Os gfeos agentes neste paiz.
VEME-SE
om cabrlolet americano de quatro rodas para duas
pessoas, um onlro para quatro pessoas, ambos
com arreios, nnvos e elpgantes, por prejo comno-
do : na rna da Ponte Velha n. 8.
Vende-se um cylindro, urna masseira, orna
balanca grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e mais otencillos de padaria : a tratar na
ra Direita n. 21. %
*^^^ ni iiim*i rti>.......,
Hom e barato
Manteiga ingiera flor a 15 a libra, franceza a
840, arroz do Maranhao a 100 rs., rwinco a ISO,
ameBdoas a 240, caf do Rio bom a 240, vinho da
Vende-se este bello romance em quatt Figueira a 400 rs. a garrafa, e 3 a caada, Lis-
tomos pelo baratissimo preco de 3flOO(
oa praga da Independencia. livraria ns.
6 e8.
Vende-se um sobrado de dous andaras no
bairro de Saoto Antonio, o qual rende para mais
de 1:2002, e urna casa terrea no b*irro da Boa-
Vista a traiar com agente Olympio em seu arma-
zem na ra da Cadeia do Recite n. 34.
boa a 3t0 a garrafa, e 2i00 a caada, azeite doce
a 600 rs. a nrrala, vinagre de Lisboa a 200 rs. a
garrafa, e 15500 a caada, queijos do ul'lme vapor
a 2.-300 : na roa das Crnzes n. 24, esqniua da
tratessa do Ouvidor.
Vendes* urna escrava cnoola, com urna cria
de um mez, com abondame lelle, perfeita engom-
[ madeira, lavadura e quitandeira : quem preten-
'der annuncie.
Framcisco Jos Germano
HUA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, Itraetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto oa Europa e ocu-
los de alcance para ibservages e para os
maritimos.
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelho
Ra do Qih imado n. 19.
Vende-se o seguate :
Coberta? de chita fina a 2800.
Ditas de dita a 2>400.
Lenc es de panno de linho a 22200.
Ditos de dito de linho a 25.
Ditos de bramaute de linho de um so panno
35200.
Panno de linho fino com 9 1|2 palmes de largn-
ra pelo barato preco de 25400 a vara.
Bramante de linho liuo com 10 palmos de lar-
gura a 25500 a vara.
Pecas de cambraia com salpicos brancos e de
cores eom 8 I 2 varas a 42500.
Peca-s de cambraia adamascada propria para
cortinado de cama com 20 \aras a 115.
Baldes da arcos a 25500, 35, 35500 e 45.
Lencos de cambraia lina a 2$600 a duzia.
Ditos de dita x 25 a duzia.
Atboalhado de linho fino a 25800 a vara,
Dito de algodao a 25 a vara.
Algodo entestado com 7 1|2 palmos de largura
a 15200 a vara.
Pecas de breanha de rolo com 10 varas propria
para sa.a a 35300.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 15 a vara.
Cambraia de linho fina a 45500, 65500 e 95.a
vara.
Cortes de laazinha de lindos gostos com 15 co-
vados a 55.
Pecas de madap'lo finissimo pelo baratissimo
preco de 85. 95, M'5 e 115.
Flanella branca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de cores lina a 880 rs. o covado.
Baldes de musselina para menina a 35, 35300
e45.
Cambraia de torro a 35 a pe$a.
Dita Roa a 45300, 65 e 79 a eca.
Guardanapos de linho a '5800 a dnzia.
Toalhas de algodo felpudas dnzia a 125-
Gratifcaeo de 508.
Auscntou'si ua casa n. 39 lia u.i .... Imperador
(ontr'i ra Co'legio) no sabbado 16 v > i :. ote mex
oe seti mhio de 1865, o escravo j:: lo i e m ) h a-
qr.im, rom os signaessegointes : ifatura le^nlar,
darte 18 a 20 ancos, sen. barba, i te larii s. olhos
grandes, cabello eorndo, com un nci mz gr&nda
e bem vjsivel ra lesla, | arle > s di i-,.- ds rmle
arruinados, e com falta de algn.- di laros, >siio
com calca de brim pardo e paleti i curto Ce panno;
Oas levnu mais n-opa branca e de t .r, n-uto
astucioso, roslama Intitular-se forro i apilar c.l-
gado; ri escravo do Sr. Gnbern.i Fitderico de
Souza Carvaibo, genro do Bnado .: 11n.mendadi*
Manoel Goncalves d. Silva : reta- i i sus raptara
a todas as autoridades policiaes i a ..- ..l.# r ca-
pitao de cxmpo ou ouira retsoa particular que o
apprehender se gratifcala com 5t alear das dts-
pezas de conduccSo, entregando-u a sea senhor
Mignel Jos Al ves, na cas?, acia a. i u no seu es-
cripiorio na rui da Cruz casa n. 19.
Fogio no dia 29 do crreme o escravo de
norr.e Benedicto, de nsco, de idade de :i0 a 35
annos, alto, secco, cor bem prela: v m ns s ripa-
ihetartos, tem os denles da frente I lina dos, e em
cada cobiveilo um carteo, levou ve.-lid c; lea e
camisa d<> algodozu-ho tu anco, e > m i lili io de
marcineiro : n-ga-se a api rehensau do dito escra-
vo, .e levar a ra estrena do Rosario d. 31, anna-
ztm, que ser recompensado.
E*Gr&m fgido
Ausenten se da casa de seu genitor um preto de
nacao por nome Manoel, representa ler 10 annos,
ponen mais ou ramos, cor fula, altura regular, e
um seis dedos em cada mo : quem o pegar le-
ve-o a roa do Trapiche n. 36, segundo andar, 00
na ra do hrum n. 70, armasen), que sera? bem
recompensad".
No dia 20 de seiembro troumo passad. fri-
gio do ensenho Terraprela, doabaixo as^lcnado, o
escravo Juliao. crioulo, de altura regalar, mosso,
de 30 annos de idade, penca barba, lem os es bem
fetos e pernas, muito fallante, al se Ca nuco,
lem o dedo polegar de una mo cal ido para den-
tro, anda ci m urna carta fechada, du teiieute coro-
nel Amaro Gomes da Cunta, apadrinhande-o. nun-
ca foi surrado este escravo, rol ha n.uilo comprada
a Hocha Lima e Guimares : qmm o penar leve ao
mesmo enperhoou no Recife a'rna da Roda a*
Alexandre Crrela da C. Jonior, que sera bem re-
compensado.
______________Aleandre Correia de Castro.
Fugio no da 4 do correte um moleque de
nome Cosme, de idade 13 annos, cor bem preta,
cabega comprida, magro e bem regrista : qu< m o
pecar o podera levar a Santo Amaro, junio a ta-
berna do Sr. Antonio do Reg, que se gratificar*
generosamente.
Escravo fgido
Fugio do poder do abaixo assignado o seo escra-
vo Amaro, crionlo, cor avermelhada, altura rega-
lar, e de idade, pooco mais uu menos, 30 auu< s,
costuma andar bem vestido de tamisa de flanela de
cor e chapeo de chile, tem o beie,o snperlor ba.-tan-
te grosso e dobrado : roga-se a apprehen.-So de
dito escravo e sua captura que ser generosamente
recompensado.
Attenclo.
Pede-se a todas as autoridades poHeiaM oa a
qnem qner que o encontr aprehendam o preto
escravo Simio, que se acha fgido desde o dia
27 do passado, sendo os seos ignaes os seguimvs:
esiatura regular, magra, cabellos encarapinhados
e curtos, falta de denles na Trente, e algoma n usa
gago, costumando usar jaqneta parda e chapeo de
feilro. Esse preto esteve por mnito lempo aluga-
do no armazem commercial dos Srs. Demker A
Barroso, a ra da Cruz n. 62, ha riescon&ancas de
que dito escravo se tenba refugiado para a cidade
Esleir da India propria para forro de sala de de Olinda oa Alagados: pmesla-se contra quena
4,6 e 6 palmos de largura per menos prego do houver acoutado dito escravo, a pessoa une o
que en cala qnalqoer parte. aprehender leve o rna da Cadeia casa d. 3 ou a
Neste armazem tambera se encontra om grande casa de detenclo, dando disso aviso n'aquella pri-
sortimento de roupa feita e por medida. metra casa.
<*
r %% #


'-4
islario de rcrnaoibcco Terca eira 5 de Dezembro de 18
*>
LIITESAIH
si.
VI POUCO DE TUDO.
L se na Semana mustiada o seguinle :
HISTORIA DE UM TINTE1R0.
I
r de brome o tinteiro, e tao artstico, !"n for-
i que uno ministro de estsdo o comproa para
mesa Je irabalii*.
i-- qaesabia a tiota com que se lavravam
;>.. e se esereviam noUs, portaras, airaras
ras oiuitas pecas offlciaes,
Delle sabirain dous perdo-js a eoudemiiados, viu-
1. de, rflafdes, dez desierros, e algumas carias e
...... por que u ministro accuinulava as fue-
_ secretario de estado e amante de algumas
mu res.
. Uid da. houve urna vulacu da cmara, e o
j___-lio lu aba;xo, mais depressa do que linha
i cuoa.
auca fiis voltou o ministro.
Bmpobreceo, e o liuiuiro oi vendido em ieilo
commercianle.
II
X saa nova residencia, o tioteiro servia espe-
-nie para o deve e o ha de haver; dava tiula
letras, ciednos, e oulros documentos cuiumer-
i
Veto porm a crise de setembroe o conimercian-
i quebroa.
0 tinteiro entrn ua ma*sa fallida e fu vendido
.....ica publica.
ive um Iliterato que o eomprou a resto de ba-
.
III
0 Iliterato era destes que cscrevem rauitas pala-
. \-, ucas ideas.
lava tres garrafas de tiata por mez.
Durante um auno, comnieltia seos cinco dra-
101*, um volunte de versos, annuncios, epstolas,
i n toces, o folbetios (um por semina) e ar-
avulsos.
iiin boas raaos cabio o pobre do linleiro.
i ve a honra insigne de fornecer materia prima
ssassinar as mozas, o bom goslo e o senso
elle d>-u para dez volumes n) fim de pouco
Oemais, o Iliterato nao cuidava muilo das cou-
. I i tena, por anlar sempre no ar, e o linleiro
. tonga data anJava lodo sujo e machucado.
1 :n dia, faltava ao Iliterato dinheiro para jan-
r.
L'm admirador do homem quiz -iar-lhe tiinia
ii. res pelo tintero. O litlerato nao esperou se-
...lj proposta.
La se foi o linleiro.
IV
Ka mo do novo possuidur, o tiuteiro leve func-
:;... calmas.
Era um velho gaiteiro, que s escrevia carias
: noro e versos Je p quebrado.
O i nleiro passava vida regalada : sabia de urna
. eao de escrever para urna vida comparaliva-
paciQca.
Mas o velbo eslava ja aduntado em annos, ape-
apparenci de mocidade que ello se esforga-
va ji ler, e no iiiii de alguin u-rnpo espichou a
i meta.
U linleiro entrn no espolio.
Fol comprado por urna quuandeira
V
A quitanieira eslava apprendendo a ler com um
b:o l ,. iuiencao de apoderarse ti'uus dtze conloa
1.. i q utaodeira iiuia a juro-.
A quitandeira applicoa-sa ao e.-ludo; mas o
ic ensmava-a [>or um systema, em virtude dd
a discipala ignorava sempre a maneira de
jver cenas palavras ueoessanas a um contrato
u duacao.
l'm bello da, o bom do'hom-'m apresentalhe
ui papel para copiar; a infeliz copin e copin
tellionato; era a doigo da sua pequea for-
luna em favor de meslre.
Nao bouve meio de provaro eugaao.
VI
Furiosa com a desgraga, a quilandeira aiirou ao
i;; : 'uro o nleiro, Instrumento d-* saa sciencia
' _. '.iva.
t que sao os destino- humanes!
KOVIDADE LITTEBAIilA.
N'uma cidade da pr ivincia do Rio, con versa vam
alumas senhoras com u:a padre tra uoite de
, irtida.
A conversa era sobre p >etas e obras Iliterarias.
U padre moslrava-s? grande admirador dos poe
ma; latinos, e de lod.s elis o que mais apreciava,
liaa i le, tra Homero.
Mas Hornero grego, retorqnio urna senliora
as: i instruida.
'' verdade qu-: ess titulo grego ; mas o
i ra latino, eravo poeta pico.
B este senhor aprendeu a ler 1
REFuRMA DA IMPREKSA.
Vendo o immenso progresso que val leudo a im-
p .:. a anonynia, o Dr. Semana julga convenienie
i umii em duas liabas a sua opiniao.
Niaguem, por mais honesto e mais$erio que se
, pode estar a coberio de um iosuUq anooymo,
na sua pessoa, na sna familia, as suas affeigoes.
A troco da algn-- vintens, qualmer troca-tintas
irazer para o campo da publicidade as mais
nojentas calumnias.
A perpetuacio desle mal, nao tem s por efTjsito
a desmorallsacao da Imprensa, reas ou'.ros resolta-
dos igualmente fatacs.
Cuida, porm, o Dr. Semana, que ludo cava
sanado com urna simples medida :
1.Probibigao espressa de imprimir cousas re-
lativas vida particular.
2.aReconbecimeato do dirello de Iraiar de cou-
sas e funeelonarios pblicos, com a condlco de
serem os anigos assigaadus.
A idea nao nova, mais til, e urgente.
l.M THOCADILHO.
Uma pessoa, que deseja competir com o viscon-
d1; do Trocadiino, fez ba das o seguinle, a propo-
... do vapor americauo da liaba dus Estados-Uni-
do.-.
E' Luana, e deila fumo.
T1I0CA1LH0 INFELIZ.
L'ma rapariga, filha de um hornera singelo e
bom, e que linba grande aro-r por um Sr. Manoel
da Faixo, disse um dia ao pai:
Pai chito, que paixao tenho eu pelo Paixdo.
Este de tirar couro e cabello.
E' do Sr. M. :
Feliz oulr'ora 'um viver de encantos,
Viveste alegre nos amores leus
Bellasorrias com ternura aos anjos
Yirgemvivias pr'a lonvar a Deas!
Tn,has um'alma divinal, sublime,
Teu casto seio palpuou d'amores___
Fosle bem louca, o Corago meolio-te...
Acbaste espinos, procurando flores I
Como era bello o teu serrir de virgem
Como era doce o teu amor de entao /
Cheiroso lyno de;fo!hado a esmo
Depois laucado n'nm impuro chio.
Buje tu'alma ja nao tem perfumes
Poli (jue bem cJo em lodagal cahisle I...
1 Hola em teu rosto divinal, um pranto,
'.na em leus labios um sorriso triste 1...
i
Chora I que o pranto que te escalda a face
Suba da Ierra a penelrar nos cos!
Chora I urna lagrima a correr suave,
Apague ao meaos os delirios leus I...
Aioda celo I no correr da vida
Procara as flores de um viver bem sanio !.
Eu delirante canlarei lu'aima
Deus 'uiii sorriso bem Mira leu pranto I
L'm individuo que a<-ompanhou o Sr. do Lesseps
desde Alexandria al Marselha, na sua ullima via-
gera coulou a segualo ancdota, referida por urna
carta dirigida desla ullima cidade ao peridico de
Madrid La Evoca :
U Sr. de Lesseps tiuha recebido vari- jornaes
de Marselha, que def-ndiam as qnarentenas e di-
zia ao Sr. Anbert-Rocbe, director > servido medi-
cj n i Egyplo.
Leia; esla polmica, parece-me multo sen-
sala.
O Sr. Aubert Roche responden :
Teern me, com razao, considerado como um
dos adversarios d.is precaucdos satinaras, e al
me tem acensado de urna etegesaoo que nao uso;
porm como proceda de boa f, convenci-me da
necessidade de prudeules pre.-aucoes. Anda mais
aci ?diio que devenios e-lar prevenidos para urna ao,
va appaneSo da molestia no auno prximo, porque
os desregraueiilos da Mcca e as exhumacoespre
cepiladas de lanos cadveres produziram aovamen-
le os seuselleilis quaoUo termine o iuverao, e nao
: sera e estiauhar qae uosiuvada um grande lypho
ou ouira enfermidade epideiuica.
Agora que uao faiiam pharmaceulicos inventores
; de remedios coulra o cholera, vem a proposito in-
dicar o viuagre dos quatro ladroes inventado ha
I i i annos no tempo da famosa peste de Marselha,
e contar a sua historia.
Havia quairo patifes monumentaes, como ha era
todas as pocas de flagellos, que iam a casa dos
empeslados, sera e>peraremque o mal tivesseaca
bado asua obra, eslrangulavam o-, doentes nos seus
leitos roubavam-nos, e enrequeciam assim por um
meio que Dunca mais foi poslo em pratica.
Por fim foram agarrados e coudemnados a se-
rem queimados vivos.
| Mas eulao esses collaboradores da peste offere-
! ceram se para debella-la, e offereceram humani-
; dade reeonhecida urna receila iofalhvel para a cora-
i posiflo de um vinagre de que raziara uso. e que os
livrava do contagio.
O parlamento de Tolosa i ecebeu a receila e apon-
tou-a seriameute nos seus registros.
Os quatro mellantes ao foram queiraados vivos,
mas s enforcados (era urna moditicaco muilo
i eonsideravel da peua), e o vinagre veio a ser da
moda.
A receila, lal qual se acha em um numero do
Resolveu vingar-se, e para o conseguir nao re- do corpo e alma de Ado mesmo, que sai a mate-
cuou ante nm acto vergonhoso. ria prima para creacio da Eva.
A toja da viova D... tem urna janella a pouco Convem pensar em duas grandes lices, que da-
a altura do saguo. qui laramos, das quaes se deduzem todos os nossos
ASra. A... desceu a este e depois subi a ja- deveres para com os nossos semelhantes : deveres
oella, em quanto a lendeira eslava ao balcao ser- Para com nossa familia' daveres Para com a soe-
vindo os fregutzes; enirou, dirigise a um arma- dade.
lio, abrio-o e lirou d'elle 200 francos que encon- E' Deos cocao vede?- aulor J matriminio. E,
rrou para mostrar-vos quao Santa esta inslituicao, que
Em seu lugar deixou urna carta, nao asslgnada Jess Christocooslituiu Sacramento basia repetir as
e dirigida a vi ova, a qual dava parle que Ihe linha palavras que Deos prouunci ou quando aboncoou o
tirado o seu dtoheir), justificando esta aeco n'um prnneiro homemea prunelra raulher; palavras.que
principio de dueilo novistimo e desconhecido de o Salvador do mando, depois de restaurar todas as
todos os legisladores. cousas, repeli, quereudo elevar a uoio conjugal
A sublraecao fuudava se cm que devendo todo o digoidade do Sacramento; O homem deixara' seu
espectculo, todo o diverlimento, cnslar dinheiro a pai e sua mai e ligar se-hi sua mulher de modo
quem o gosa ; a viuva dovia pagar por seu genro que sejam duas almas em um s corpo.
|he agradar. Maridos e raulheres, que me escutais, estaris
A vluva mostrou esta caria ao comraissario da bem compeneirados destas sublimes palavras ?
polica, e esle como nao admilisse a Iheoria do es- Ah 1 se meditassera roas Disto nao haver am
bulbo do p'oximo por mostrar sympatbia pelos lanos matrimonios tristes, para nao dizer escanda-
nossos prenles, entregou a ladra aos tribunaes. losos, nem lambem tantos filhos deploravelmente
educados ; porque os mos conjuges fazem quazi
sempre a ma prole.
De Ado c Eva nasoeram todos os horneas. To-
dos os borneas paranlo raembros dessa mesoa fa-
milia, sao irmaos.
Os seotimeatos, que experimentamos por aquel-
Transcrevemos da Estrella do Norte o seguale :
ADAO OU A CREAQAO.
Eu vou lenlar o irabalho de narrar-vos e te su-
blime trago da historia a mais verdica, ai mas
mais ioleressaote, a mais instructiva, e muilas ve- les, que nasxeram dos nossos pais, devemos senti-
zes, ( ah I ) a mais nebgenciada. los por todos os homeus, llihos, como nos do mes-
Vos sois osproprios julzes nesta questao : eu vos mo Deos descendentes da Ado e Eva. E isto
conjuro pois a responder-me o que eram N, doveinos motrar-lhe em toda a occasio mais por
Aranham, Moyss, David, Isaias, e estimara muilo nossas aegoes do que por nossas palavras.
que nove sobre dez de d'enlre vos nao ficassera em- .. ', .,,.,H., am
Esta palavras, frateroidade eslara gravada em
nossos corac3es ? Segundo o preeeito do Seuhor
amamos nos o nossa proxin|a, Isto lodos os la-
meos nossos irmaos, como a nos me-mos?
Assim deve ser para que'os infieis movidos da
nossa ardeote caridade poetan dizer, como disse-
ram dos primeiro- chnslos, : Vele como elles se
amam
baracados com a resposia.
Eu pretendo por isso ajudar vos, quanto esliver
ao alcance de rainha inlelligencia, a sabir dessa
ignorancia criminosa. Vamos buscar os pnmeiros
traeos e fallemos boje de Ado.
A historia de Ado, o primeiro homem, esta inti-
mamente ligada a historia da creacio.
Os horneas, os mais sabios, anda mesmo esses
grandes genios que douram as paginas da historia
quando fazem qualquer irabalho, qualquer obra, a
mais simples, por que teem urna materia, sera a
qual o seu trabalbo ficaria em projecto.
Deus, porm, que soberanamente perfeilo, nao
esla submellido a esta le. Ao cootrano, nada exis
te sera que elle assim o tenha determinado por um
acto todo poderoso de sua vontade. E precisa-
mente esle acto da vonlade divina fazendo do nada
alguma cousa, o que nos chamamos a creacio.
Deus, ser infinito, exista pois desde (oda a ter-
nidade, autos que Ihe approuvesse crear o mundo.
Nao leulio necessidade de provar-vos que o mun-
. ..-&sj;]ujia*tm
Sao do Rvm. Sr. padre Francisco Bornardioo de
Souza estas duas leudas :
Eis o que succodera' ao
messianicos :
Sentado em seu throno
achar-se-hao Eterno.
Ao lado delle o verbo resjilendente de gloria,
cobrindo os com as azas de
rilo de amor, que completa i trindade das pessoas,
formando a unida de mysleiiiosa de Deos.
Em frente ao throno Immjortal achar-se-ho to-
d 's as potestades do Empyreb, todas as milicias do
das vontades do altis-
de ouro, os serafins,
Idominacos e as potes
chegarem os lempos
de diamantes e rubis
de nao po lia faz- r-so a si mesmo. Todas as mar
-libas da creaco desde esses alm.raveU planetas, ee0 -5 aD,0S' menati,ros
que volteara sobre nossis cabecas, al a mais insig- s,m0' 5 arcnaDJ0S de aws
nificaale flor campestre, ah existem para attesiar Cnerubms, os ihroaos, as
ao alheo a existencia e o infinito poder do seu au es*
lor, d-aquelle, que nao s o< t.rou do nada, mas
anda deu-lhes leis das quaes cao se d^vem alfas-
lar.
Com effeilo o amigo Tostameato, o mais venera-
vel de todos os livros por sua antiguidade, e mais
veueravel anda, por que foi escripto sob a lafluen"
sstaro essas mages
a omnipolente. A di
Mercure de 1721, assigaada e ceriilicada pelos pre-1cia d E cru"
i sfdeole e conseiheiros a seguinle: Deus (:eJ> a terra loios os sertfS tosas creages da iolelligenc
reita do throno o sol de rafcs de ouro e os plae
tas que Ihe gravitam em lor io ; e esquerda a la
de luz palhda e raios cor d
scintillanles como diamante preciosos
Em outro throno-a raai o Verbo, acorredemp-
tora da huraamdadecerca a do cortejo immenso
prata e as estrellas
Deiteseemoito libras de bom vinagre um mani- iIJIIe creoa ,odM estas oousa4 em se,s dias- No dos Pa'r'rcbas e prophelfcs da aoliga le, dos
| pulo de. cada urna das hervas seguintes: arruda,
borlelaa pimeola, rosrranmho, losna e alfazema.
Pode se-lho ajuutar oulro de tomilho e um grao
de junpero.
Ponha se ludo de .nfasio, duraa.e olio dias, em 0 seu Crtador uo tomiitm slBeale em
sexlo foi que creou o homem, e no stimo desean- apostlos, dos martyres, dos confessores e das vir
cou. gens, contemplara' com sorrijso divino essa grande
Es urna historia verdadeiramenle adrairavel I za imponente, essa felicidad sera termo das re-
Mas basta um pouco de bom senso para bem gioes do co.
comprehender qu* os deveres d>) homam para com
um vaso de barro vi Irado, bem tapado com algu
ma massa de redor da lampa, sobre cinzas quen-
les; depois ei-se ludo, espremendo as hervas e
depois diltu se nesse liquido urna onea de cam-
I phora, e guarde-se o vinagre em garrafas bem ta-
; (odas.
Ora, os humanilarios ladroes faziam uso do vina-
gre peto m.'do seguiule :
E' preciso esfregar com elle lodos os dias as Ta-
les e as ventas, e lavar a bocea, e ler bem ensopa
da nelle urna esponja lina para a chegar ao nariz
quando for preciso
urna es
leril adiuiaco. Se nos temos deveres sagrados
para com nossos pais, como nao os teremos para
com Deus. sem o qual nem nossos pas, nem nos
mes mus existiramos?
ihetaque chorara os
decida e com voz for
Enio erguer se-ha o pro
males e a distrnlcSo do povo
te, vibrante e sonora proron pera' nestas palavras
de reconhecimento e de amor.
Louvado, santificado \
or tada a eternidade
A evidencia desla verdade nao requer mais es- dos seclos seja o nome do I enhor.
clarecimentos. E como o murmnrar do lo los os ventos, e cora o
Entre os entes creados por Deus, os seres inani- ruido de todas as vagas do o
raados e os seres animados, mas irraciooaes, Ihe rar das rases da humanidad
obedecein a seu modo, segundo regras que Ibes fo- jos, todos os prophetas, todo
eano e com osussur
inleira, lodos os an-
os apostlos e marty
rain tracadas pelo mesmo Deus. Do boraem crea- res e confessores e vrgens respondern)
tura racional e livre, Deus requer necessanamenie Amen.....
v ., ni__4 j. una bomenagem mais sublime, homenagera de E aquellos que gemerem
h, foram enforcados nns adros lao fortes em ^ .7
-...,,-, i r obediencia, de respe o e de amor. O nico faci, purgatorio, cojas almas aint
precaucoes hygienicas, e que combatiara lio bem o;
ias profundidades do
nda se estiverem purifi
flagello I
pois, da creago snppoe a necessidade da religio* cando ao contacto do fogo, cu os olhos anda solla-
isio um Lujo entre o homem e Deus, lago de re* rem gemidos, esquece^do por um momento a dr e
Bom seria que todos os ladroes se potessem a eontie'cimeoto e suhordinago da parle'do* homem- as lagrimas,-com OSMJM os bemavenlurados
fazer vlttgre anda que nao fosse seo.io pan se- Qiaerei) vi saber ua| sej a aibma desla ho; do co repetiram tambera :
rem en'"
frica.
rem enforeados em vez de serem mandados nara a ,
meuageni T evidentemente nos devemos a Deus o
-tav-*K
Amen...
tributo de ludo o que temos recebido delle. Que E esse Amen, e esse grito de amor, como um so
pois o homem ? a escriptura santa no-lo diz: con" lugar de agona, como um gemido de arrependi-
taodo como Ueus forraou o primeiro homem cora menlo, como urna prece arden
O prefacio do novo volme de poesas de Vctor um pouco do barroo uosso corpodepois sopran- reges dos soffrimentos al o
Hugo, que com o titulo de CANCfes das ras e dos do sobre elle ofuudio-lhe a sua imagem e seme- 1^e se assenta o Eterno.
BOSQUES foi dado a publicidade em 2a do correte,
o seguinle :
Em certo momento da vida, por muilo que o ho-
mem pense no futuro, rresislivel o pendor para
uln ir paratraz.
A nossa ad lescenca, essa morle graciosa, appa-
rece-nos e quer que pensemos oella.
Demaif, urna seria e melanclica lgao esta
A Virgem (inmaculada, a d<
e, elevar-se-ha das
throno Immorlal em
Ice e suave consola
dora dos all dos e allnbuladoi dirigir ao Filho
os olhos, ond- como urna perol divina Iremulara'
urna lagrima, que os aojos iro! depositar no rega
go da Trindade Sania.
E enlo a voz do Elerno far se ha ouvir :
>^r- Assaz hao soffrido essesj nfelzes ; a Vir
Ihanga a nossa alma.
A religio deve por tanto ser a reunio das home-
Uagens exteriores, que o nosso corpo rende ao sou
Creador, e junciamente das iuleriores, isio das
suppcas, aeges de gragas, de.voges e doclidade
aos sanios preceitos que elle nos deu.
Pois nao precisa mais mosirar-vos que Deus nos
lem com eflito revelado sua vontade, e que essa gem da caridade interceden po< elles, que venham
proximidade de duas idades no mesmo homema \ revelagao justameute o que nos chamamos reli- pois parlilhar da felicidade do co.
idade que vai comegar e a que vai acabar : urna go. E as azas dos ventos Miguel1 e Gabriel, empu
espera na vida, a nutra na morte. I nhando as chaves da prso das: almas condemna-
Nao intil confrontar o ponto de partida com o fenh0 porra a d,zei"-vos 1ue>se Deus 1ulz crear das ao fogo do purgatorio, voarc- a liberta-las, se
pomo de chegada, o fresco tumulto da manha mundo em st!'s diassejam elles considerados gun(jo a vontade do Elerno.
com a pacificagao da larde e a illuso com a con- de vinte e quairo horas, ou de periodos mais ou
clusao. { menos consideraveis, pois a igreja nao se tendo de'
O corago do homem tem era urna face a pala- ciJ'do sobre esla opinio, deixa-nos livre a sna es-
vra t mocidade e na face opposta a palavra t sa- colha-no por que o lodo Poderoso nao podesse
bedorii. > i crear o mundo n'um instante. Parece que com
Estas duas faces o que adiareis n'este li-! 's, elle nos Io'1 mostrar nossa fraqunza e dar-nos i
vro. i em sua pessoa exemplos sobre os quaes preciso E uoini10 as suas vozes as do3 Seraphins -o co
A realidade esl n'elle modificada por ludo o' vollar noss attengo. repercutir" ao som deslas palavras :
Como um amigo ergue da terita ao amigo atira
do a' beira da estrada as lempeslade da vida, as-
sim os anjos estendero a mo aos miseros envol-
tos as chamraas, levndoos a' presenga do Eter-
no em meio das legioes dos bemavenlurados.
que no homem vai a alm do real.
Esle livro escrip:o muito com o sonho e um
pouco com a recordagao.
t Sonhar permitlido ao vencidos; recordar
dado aos solitarios.
Os museas de Louvre acabam de ser enriqueci-
dos com dous quadro do celebre Goya, piotor hes-
panhol do XVIII seculo, cujos esbocos sao compra-
dos hoje a peso de ouro.
Estes dous quadros foram oferecidos ao Louvre,
pelo Sr. Guiihemardet.
Deos, pois trabalhou na creigio do mundo. Elle |
nao respeta o titulo de Grande Artfice, nem de
pequeo operario.
Nao ha homem que n seja de urna maneira
ou de outra, e que nao collija daqui grandes li-
g5es.
Santo I Santo I -amo! Gloria, ao Elerno por
toda a elerndade dos seculos I
Amen I...
L-se no Bien public, jornal belga o seguinle :
JUSTIQA BE DEUS.
O general Aclis, coramandante da real acade-
mia militar de Tuna ha poucos dias foi fulminado
Os negligentes aprendem, que o trabalho a le ,je morle qnas, sbita. E" o 21. general piemon-
universal; os espiritos precipitados, que nada bom teI que raorrei D0 prelenillllo reioo Uallano, desde
se faz depfessa, e que preciso tempo para qual- 0 {. de janeiro do correnle ann0 de 1865.
quet obra ; aquellos, porm, que peccando por um j 0 revulucionarios nao verao msto mais do
excesso contrario julgam obrarV bem em nunca que uma de!lgracaai coincidencia. Enganar-nos-
descangar, nao guardando, como elles dizem, nem niamof se tfWo vissem09 a ]U5tJCade Deus lerindo
testas, nem domingos, aprendem, que Deos desean-1 os ,nvlsor#s ,jos domii.ios da igreja 7
Uma folha de Pars d nos as seguintes lionas CU n Sep.Um0 dia"
o exemplo de um singular castigo : D'ah a tigem/lesle dia^m caer semana para
No mez de malo oliimo ; a Sra. A... qne reside ^r consag'ado mais particularmente aos nossos j do Sr. Santa Helena Magno a seguinle poesa,
nos arredores de Pars casara sua filha com Andr deveres para com Deos, ao cuidado do nosso corpo offerecida a S. Exc. Revma, o Sr. D. Antonio de
X..., director de um dosprlmeiros estabeleclmen- lem necessidade, aos deverlimenlos honestos, s Macedo Cosa, no dia 21 de abril, anniversario de
los culinarios de Pars.
Entre os convidadt s para a boda coniava-se a
re.unioes de familias.
Eis o dia por nos chamado Domingo, isto dia
viuva JoannaD... lendeira que occopa a loja da do Senhor ecuja freqnente violagao uma das des-
casa da Sra. A... gragas e uma das vergonhas do nosso secnlo e do
Uma mai muilo vigilante. Inosso P*'L
, ..... Es i s na creago o germen de nossos deve-
Assim, lendo durante o baile, observado a ansen-
sua sagrago.
ODE.
res para com Deos e para comnosco mesmo.
Queris tirar lambem dabi alguma cousa sobre
os nosso deveres para com os oulros homens 7
cia simultanea do seu futuro genro e da tendeira,
que passa pela man bella mulher do bairro, foi em
busca de ambos.
Qual nao foi a sua colera, a sua ndignagio, ao Deos, tendo creado o homem, que elle constiluio
sorprehende-los em colloquio amoroso. \ re da creago disse : Nao coovm que o homem
Cora tndo nao fallou a nngnem d'esta aventura. viva s : fagamos Ihe urna companheira a saa ima-
Depois do casamento, a Sra. A... conlinuou a gem e semelhanga,Deos creou a primeira mu-
su-peiiar, com razo ou sem ella, que Aadr X... Iber, Eva ; porm, em lugar de um pouco de Ierra
eslava apaixonado pela bella tendeira. e de am sopro do creador, tal foi a materia prima
Salve, ndente e festival aurora
Do grato, ledo e jubiloso da
Era que na igreja Paraense um astro
Desponlon luminoso.
Tu fosle, aurora, nunca e percursora
Das bengos do Senhor que baixariam
Sobre este povo, ao fogo da doutrina
D'um pastor desvenado I
Vasto rebanho a falta lamenta va
D'um conductor, que os passos Ihe guiasse
Pela senda do bem ; a luz divina
Do facbo da verdade,
E o furente leao circumvagando
Rebramia, incendido em viva chamma,
Assaltando no aprisco mal guardado
As incautas ovelbasI
Sob as cinzas do vicio adormecida
Jazia a chamma vivida da crenga ;
E soprava nos peitos a impiedade
Leihifero veneno I
Mas eis surge do abrii o fausto dia
Em que suprema Providencia aprouve
Dar diocese desvalida e orpha
Past.T preclaro e sabio I
A doutrina vital frvida e pora
De seus labios manando, como orvalbo
Se o i lia o le as almas, exercendo
Benfica influeacia.
Patrono n'elle a mocidade encoolra;
E o clero, que abatido languecla.
Ja v broxulear nos horsontes
Futuro mais brilhante I
Fol elle quem oppoz barreira ingenie
Ao impio (*) que intenleu daninho ramo
Nest'arvore cnxertar da crenca augusta
No Golgolha planuda.
Foi elle----Mas que insano me abalango
Em verso humilde celebrar na lyra
Acgoes que exigem vos arrojados
D'um estro mais possaate 1
Salve, aurora de jubilo ineffavel I
Possa einpre leu mani purpurino
Assomando n'um co lmpido e puro
Ser do povo saudado.
O povo, cada vez" mais faminto, escolheu ontro
orador, o qoal recommendou que fosse conciso bi
petico.
Esle levou comslgo am grande numero de saceos,
e abrindo am perante a assembla, disse apenas
estas palavras:
Esla' vasio j enchei-o.
Logo que os saceos estiverara cheios, o presiden-
te chamou o orador e Ihe disse :
Nao linheis necessidade de nos advertir que
o vosso saeco estava vasio, nos bem o tnhamos vis-
to; nem lao pouco que o enchessemos, pois que is.
lo eslava entendido. Tende onidado para ontrajvez
de ser menos prolixo.
Sao do Sr. C. P. Guiraaraes Jnior estas produc
ges poticas:
MUS
Deos onde esl? Na flor que desabrocha
No verde campo, no pomar sombro;
Na voz do mar, murmures do rio,
as ricas mes-es, da nudez da rocha.
Onde esl Deus? No suspirar das llores
No loiro frucio que rolou por terra ;
No co, no campo ; em ludo quanto encerra
Luz e susurros, harmonas, cores I
Deus onde esl ? Na tempesiade ousada
Na juba altiva dos leoes do oceauo;
No leve esquife e no rasgado panno
Que do naufragio sobre os restos nada.
Pergunta a folna e ao raio que a acera,
Perguntaao raio e ao cedro que resiste :
Deus onde esla ?... aonde para e existe
Quem fez o iuverno e fez a primavera?
Onde est Deus ? sorrndo le dos cus:
Sinto-o em mim, se eslou ao p de li:
Ergues teus olhos... sim... agora eu vi
Rir me em leus olhos a iuaoceociaDeus I
TERZA RIMA
A...
Oh I lu nao sabes como triste a vida
Quando a illuso oulr'ora bella e ardente,
Torna se em pouco uma illuso perdida.
Finda o prazer e ludo de repente
Esvai-se, esvai-se qual viso surgida,
Nos fros raio- d'um luar algente.
Oh I lu nao sabes como longo o dia,
E como o sol negro despuntando,
E como a aurora doira uma agona I
A natureza accorda e vera cantando:
Mas nessa festa de intima alegra
Ninguem se lembra do que esl chorando.
As despezas de impresso dos documentos apre-
sentados ao parlamento inglez pelas differentes re-
partiroes, miuisleriaes, durante os ltimos cinco
annos, Torara as seguintes :
Eml800.. 87:930^000
1861.. 111:920,5000
18(52.. 95:5805000
l-i.. 148:0555000
186'*.. 110:1255000
Tulal 553:6105000
Nesta conta noeslo comprehendidasas Imprei-
soes feilas por ordem do parlamento.
Eis aqu extractado de um jornal inglez, o resu-
mo oflli'ial dos trapes ou outras materias destinadas
ao fabrico do papel, importadas era Inglaterra du-
rante os ltimos ouze annos, isto desde 185i al
186i:
Toneladas Em libras esterlinas.
185i.... 11,415.... 255.C00
1855..... 9,414.... 219,323
10,284.... 230,116
1857.... 12,196.... 27,848
1858.... 11,379.... 246,133
1859.... 14 598... 323,509
1860.... 16,155.... 323,044
1861.... 20,485.... 346.006
1862.... 23 942.... 388 690
1863.... 45,582.... 590,785
1861.... 67,817.... 693,393
243,267 3,891,777
Ha mais de mil annos que se publica em Pekn
um jornal Impressso n'uma^grande folha de papel
de seda e que sahe lodos es dias.
Este jornal, que a folha odkial da China, tem
por titulo : Gazeta Imperial de Pekin.
No celeste imperio nao se publica outra.
Tem 12 pollegadas inglezas de comprido e 5 de
largura.
Contm 75 columnas de original, repartidas era
10 paginas impressas s de um lado, alm de nma
capa.
O titulo e a data vem no fim.
Sabido de lodos o laconismo dos Spartanos.
Apenados os habitantes de uma ilha no mar Egeo
pela forae, enviaram a Sparla um embaixador, o
qual f.'z um discurso afim de obier os soccorros de
que necessitava.
Apenas concluio a sua oragao, os Spartanos o
despediram dizendo-lhe:
Nao emendemos se quer nma palavra do tira
do vosso discurso, e nao nos recordamos do prin-
cipio.
() Allude-se ao ministro protestante Rycardo
Holden, o bem conbecido vendelho de Biblias fal-
sificadas.
A LENDA DOS TRIGOS.
(Episodio da faga para o Egipto.)
I
As prophecias iam realisar-se ; chegava o termo
das semanas de Daniel, o inferao bavia estreme-
cido e os anjos do co haviam enioado paz na Ier-
ra aos homens de boa vontade.
La das baadas em que nasce o sol, tres homens,
tres sabios, ires re?, guiados pela maravilhosa
appangao de uma estrella, lnham Ido curvar o
joelho, offerecer suas humenagens e tributos ao
recem-nascido de Belm, ao re de Israel.
E passando por Jernsalm, haviam dito a He-
rodes :
< Condolidos por uma estrella mysterosa,
viemos raminho da Juda a^dorar o re dos Ja-
deus, que acaba de nascer.
T Ide, disse-lhes o rei, e depois indical-me
onde se acha, porque lambem quero curvar-lhe o
meu joelho eefferecer-lhe minhas homenagens.
E os Magos partiram ; aeharam o menlno-rei em
um presepe e o rdoraram, depositando-lhe aos pos
os tributos symbolicos do que haviam levado.
Depois, advertidos em sonho de que nao devlam
voltar a Herode-;, nem descobrir-lhe o lugar em
que lnham encontrado o Messlas, por cntros ca-
minhos e dirigidos pela mesma estrella voltarara
para seus estados.
E Herodes o Idumeo esperava ancioso a volta dos
Magos.
t Ah dizia, foi o rei de I-rael que nasreu 1
E nao meu o throno, e nao son en o rei I Vira
arrancar-me o sceptro a creanga que vai ser ado-
rada I
E mil projertos sinistros Ihe pairavam na mente,
e mil^pensament^s de sangue Ihe faziam bater
violento o corago.
Mas nao voltaram os Magos. Noite e dia espe-
rava-os o rei, e quando a esperanca nao era mais
pnssivel ; e quando leve o dsen?ano de qne fra
illudido, acceso em ra, com o olhar fascinante da
colera, ordena a morte de todos os Innocentes.
t Ningiim seja poupado, disse o rei, desde
o men filhn at o do mais miseravel dos meus vas-
salios ; nao quero qne me escape aqnelle qne o
destino indigton para reinar no throno que oc-
cupo...
Foram comprldas as ordens do rei; o sangae
dos innocentes, dos prmeros martyres do chris-
tianismo, regnu o solo da Juda; e o inferno, qne
se senta abalado, sol >u stridenie e immensa gar-
galhada.
Mas as prophecias deviam enmprir se, e avisa-
dos em sonho .!'-' e Maria, fupiram da sanha e
reliram-se para o Egypto a buscar em plaga esira-
ntara prolecgo ea seguranga que nao lnham na
sna.
Al aqui a narrago bblica.
II
Agora a lenda...
Soubera o rei que a cremgi que te.nia Ihe esca-
pava a raiva.
Soubera que sem resultado fura o sangue derra-
mado de (aolos innocentes...
Soubera que s colhera a maldigo das mais e o
aoalhema dos pas.
- Mas nao desanimara o insensato. Nessa Iota
iravada entre os decretos do destino e os receios
que Ine assaluvam a mente, julgara poder trium-
phar e nao recura na tentativa.
Eia, grita a espumar derava, tudo quanto
a um rei for possivel dar, tudo quanto a ambigo
poder s nhar, ludo farei por aquelle que, vivo ou
morto. me trouxer o recem nascido de Belm.
A' voz do re preparam-se os seus satlites e era-
vaudo os acicales uos fogosos animaes, como o fu-
rac) do deserto, por entre nuvens de poeira, par-
tera em demanda dos fugitivos de Belm.
E Jos e Mara caminhavam lambem ; grande
dianteira levavam aos emissionarios do rei, mas
em breve seriam alcaugados, que nopodiara lutar
com a ligeireza dos corredores infatigaveis que os
perseguaos.
L ao longe vram o levantar de uma nuvem de
poeira, que pouco a pouco se ia aproximando, como
esses rolos que a ventana levanta,quando prelu-
dia o rugir da lempesiade.
Mais orna hora, mais duas... e a creanga que
levavam ao eolio sentira o gume da espada des-
bolar-lhe as rosas da face no derramar do sangue.
E alm estava um campo em que lavradores se-
meavara trigo.
Oflegaute aproximou-se a virgem de um delles.
9 D'aqu pouco, Ihe disse, chegaro aqui
uns homens que vos perguniaro :
t Vistes passar por aqui um homem, uma mu-
lher e uma creanga 7
E Ihes responderis :
c Sim, passaram quando semeavamos o trigo.
E rpida affastou-se a virgem.
Milagre de Deus I No mesmo momento as se-
raentes laucadas Ierra germinaran), o trigo eres-
cea, e bellas espigas, amarellas como o ouro en-
feilavam o campo a ponco liso o despido.
E os soldados chegaram :
t Vistes passar por aqui am homem, ama
mulher a uma creanga?
Sim, responderam os lavradores, passaram
quando semeavamos o trigo,
Eutao desanimados, jalgando fra do sea alcance
aquelles a quem perseguan), voltaram os emisa-
rios caminho da Juda, levando a Herodes a noti-
cia da saa malograda tentativa, /

.
.
PERNAMBUCO Ti?, DE M. f DE F & FILHQ
i
>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJGHUT32Q_WFQ6VA INGEST_TIME 2013-08-27T22:30:35Z PACKAGE AA00011611_10836
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES