Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10832


This item is only available as the following downloads:


Full Text
amo ilj. mm 275
Por qnartel pago dentro de 10 das do 1. mez i : .
dem depois dos i.0'tOdias do comecoedentro4opartel. .
Porte ao correo por tres mezes............:
QUINTA FEIRA 30 D MEIBRO DE 18S5.
Por auno pago deitro deludas do 1. mez ,,,.,. 19|09l
Porte ao correio por mu aono.......... 3|O09
ENCARREGADOS DA SUBSCR1PCAO DO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alexaodrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. debemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivera ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claodrao Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da va frrea at
Agoa Preta, todas os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Becerros, Bonito, Caru;ir,
Altinhe, Garanbtins, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Taearai, astergas
feiras.
Pod'Alho, Naxareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quartas
feiras.
Serinbem, Rio Formoso,Tamandar, Uca, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do aomroercio : segundas e quitas.
Relagao : teraa o sbados s 10 horas.
Faienda : qainlas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 oras.
Dito de orphaos: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quarlae e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHE.VHSRIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
3 La e!-aia as 5 h., 43 m. e 28 s. da m
10 Quarl ming. a 3 h., 2o m. e 52 s. da m.
18 La nava as 8 h., 40 m. e 2 s-. da m.
26 Quarto cresc. aos 38 m. e 22- s-. da m.
DIAS DA SEMANA.
27. Segunda. S. Margarida de Sabnva v.
28. Terca.. S\ Jacob da Marca f.; S. Sosthenes b.
29. Quarta. S. Saturnino m.; S. Illuminata v.
30. Quinta. S. Andr ap.; S. Troyano b.
1. Sexta. S\ Nahum prof. :S. Caslriciano b.
2. Sabbado. S Bibiana v. m.; S. Ponciano m.
3. Domingo. S. Sophonias prof.; S. Magina ra.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 m. da tarde.
(Segunda as 2 horas e 30 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o ?nl at Alagoas a 14 e 30; para o
ata a Granja a 7a 22 de cada mez; para Fornao-
do nos dias 14 do* mezes de Janeiro, margo, nai<>,
julho, setembro e oovembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livreria da praca da Independiad
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa.de
Faria & Filho.
Os Srs. a
se acham era debito
ssiamnlAS AfiSi Diario auel Dito ao tenente-coron-d commindanl* do bala
asignante tsie uiai w, que, Serinhaem -Dei o conveniente desti
ebito das respectivas assig-
Manoel Joaquim de Sant'Auna, que
de outubro-prximo passado, afim de en respon-
der ao officio (que me remeneo por copia) que
dirigi o padre Jos Antonio dos S }Spon- O terreno para a nova: matriz da freguezia de S.! de 10:0!>0fl constantes de ditos recibos foi por elle ,iP dn nadra l -a di91in a- n .ia m.h .
uelne Jos do Recife, fui comprado e as obras liveram fornecida ao conego vigario. 1 ,LoI t e M'^ropro-
essa a principio era 184o (se hem me lembra) e d.zendoo Ainda mais, o conego vigario receben unicaraen- ?,Z??.t' 3S qUe V' "C' aS6""
le 9:61)0,8, como
j ulgue a bem.
vigario i
'- 22*5 ,UI?. coma-Crdito para a caixa...... cjsco dt Farja M D vi r,apjlular 4
o conego vigario de S. -Jos Antonio tiomes Jnior,
hoje pa
denles, afluido ser Solicitado ese paramen- de voluntarios da patria, que tem de seguir
to dos mcsraos, a quem darlo ordem para mesmo vapor.
Uto, visto como -alguns pretextara a falta _?^,aD^il^,a Vmce.
essa ordem.
do padre Lessa.
revisor
nci
meo- 9:8428765; Debito para
Manoel Jos 9>8425765?
que provar o meu parecer datado de 19 de junho Lourengo Correa de Sal desile 13. de dezembro de Ma&agora o proprio padre Lessa que diz que o
ultimo, a respeito das contas por elle aprsenla- 1855 ao i" de outubro ele 1856 q/tem foicaixa referido conego presin conas a S. Exc. Roma., e
miz municipal da I' vara desta cidade. das na qualidade de administrador das obras da durante os annos anteriores ao dito dia 13 de de- entongo* o saldo, e olvido encontrado as mesmas
lo a Vmce para os fins convenientes a nova matriz fde S Jos do Recife, por quanto, nao zembro de 185o f Queul fornereu o dinheiro para comas, a elle padre Lessa I
do grumete Albino Jos Garca que me foi re-1 tendo sido por mim levadas a crdito de soa conta a compra do terreno, ejeontrauagao das obras des- Se o conego vigario presin contas e entregou o- Cuartel general do comuiaudo das armas *e
da diocese.
das contas
coiniwnii
m
paute ornciAL
inetlida pelo commandanle do presidio de Fernn- cinco parcellas por elle laucadas em totalidade l4or tor acaso g
do rom nfflcio n. 304 de 13 de outubro prximo, 10:9935457. elle hoje s reclama urna parcella na : erreoo e obras no es,.
Rodo e nota Junta por copia. importancia de 9:842*765, vindo assim tacitamen-1 (desde IMS outubro i e I88B) nicamente i quan
-- ''- -*- -* -- -- -- -..- -n-o na jo 10:0508000, enl
mais 18:0008000 que (
fiOVBBM Di rOTWGIA
do e ola juma por copia. p" ><-i u<= .u**,u, .n O,o.... ,......
Dito ao capilo do porto.-Pode Vmce. mandar'te nao so a approvar as outras qoalro parcellas
colher a Ihesouraria de fazenda a quanlia de em totalidade 1:1508692, mas tambem nao ser,
recoltie
2W8000 ali recebida, e que deixou de ser despen
dida com os premios dos engajados a qoe allude o
seu ofllcio de 25 do crreme, e gratificaco ao en-
gajador, visto nao terem aquelles seguido para a
qrte.
axact, o dizer-se as contas por elle apresentadas
Debito para o conego vigario de S. Jos........
9:8425765,como passo a demonstrar.
Eu disse n'aquella dala de 19 de junho, quando
tralei da conta do referido conego vigario, cons-
thesouraria f
Demonstrado esta'
Caixaantes da sua
ompanhia do 3 corpo de voluntarios da patria. tubro de 18o6, em cujas contas se encontrou en- I ""*
Expediente do dia 27 de uo?embrode 18G5.
Officio ao Exm desembargador provedur da
anta Casa de Misericordia. Em vista de sua I Portaria.-O presidente da provincia resolve no- taole a pagina 37 do livro apresentado pelo padre
informacao de 25 do crreme sob n. 546, autonso! mear a Francisco Baptista Correia Cabelleira para Lessa, est provado que o mencionado conego en-
V. Bie a mandar entregar a Joanna Francisca ervir em commissao o posto de capitao da 7' \ tregou as suas contas com 137823o em Ji de ou-^ ^.aJf,"-_
Madeira o seu filho de nome Manoel da Hora Fer-
feira Madeira educando do collegio dos orphaos.
Dito ao general commanlante das armas
Sirva-se V. Exc. de informar acerca do que pede
no incluso requerimento. o alferes Francisco Vaz
Pereira de Lucena.
Dito ao mesmo. Qjein V. Exc. inormar-me
acerca do irue pede no incluso requerimenlo Ma-
ri Alves da Costa Oliveira.
qualidade desecreta o particular de S. Exc. dillerentes datas (as mesmas de ditos recibos) em
Rvma.entregava o dn
como dize.n os recibos
ainila tralarei. Agora t
Dila.-O presidente da provincia attendendo ao' Rano de 708000, quantia que o mesmo conego en- !lg. o com columna
ue requeren o juiz municipal e de orphaos do | tregou no i" de dezembro do-dito anno de 1856. e -*"--1;"0'''""V
ermo de Santo Antio, bacharel Virginio Antonio ; assim /i7ido referidas comas, nao so do diohei- se dis^e. u primeiro la
i___i_. j. r-._i,. ^ .ii......___. -.,..,.. ,.r.,r.>. rn nne n>.c.ADpii da thi>onra*i9 mnn dn nue rere- rago a aianoei Lour
( ue
I
Caroelro da Cunha e Albuquerque, resolve proro-
i ar por 10 dias a licenca com ordenado que oble- beu do padre Lessa, razao porque nao pode ser lio-
' e em cutubro prximo findo para tratar de sua je considerado devedor de quantia alguma a tal
ro que recebeu da thesoura-ia, como do que rece-
iau'ie.
Dita.
O presidente da provincia tendo em vista |
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar que informou o commandsnte superior da gnar-
inspeccionar o guarda nacional do halalhao. n.
42 de S-rinhem Antonio Alexauire Lpez Bap-
respeiio.
O padre Lessa, agora em seu citado officio diz...
Pago
44:2548740,
to, diversos recebimei
1104:9645050, depus
ver. de 10:8145210 e
da nacional do Rio Formoso em data de 23 do
(torrente sobre o requerimenlo do alferes secreta-
lista, conforme pede no incluso requerimente.
Uno ao mesmo.Visto que segundo o seu olll-
co tob 2243 de 23 do correle foram considera-
dos incapazes em inspec^ao de saude os guardas
designados do 4* batalnao deste municipio Manoel activo em inspeceo de s'ade.
ferreira dos Santos e Caetano Al vea da Silva, au
rio do batalnao n. 42 de infamara do municipio
de Serinhaem, Joao Ouvidio Riaueira Pinto de Sou- (
za, resolve que seja este transferido para a lista
de reserva por ter sido jolgado incapaz do servigo
Corteo V. Exc. a mandar elimina los do 2 batalnao
destacados para o servigo da guerra.
Dito ao mesmo.Pode V. Exc. mandar eliminar
du -' haialho destacado para o servigo da guerra '
ao guarda do batalho ti. 42 de Serinhaem Cintilo
Alves de Lima, acceitando o substituto por elle
offerecido na pessoa de Francisco Salles dos Pra-
seres, urna vez este sea consilerado apto para
SSO em inspecgo de saude.
Dito ao me-sracu V. Exc. as necessarias pro-
videncias para que se|am vasccioados os volunta-
rios da patria, viudos de Tacarat, constantes de
urna relagao annexa ao mu officio desta data.
Dia ao mesmo. Sirva se V. Exc. de mandar
incorporar ao 2" batalho destacado para o servigo
da guerra ao Io sargento do 1 bitalhai de arii-
Iharia da guarda nacional deste municipio Deo-
genes Francisco Pessoa, que para i-sose olTereceu.'
Diio ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
incorporar ao 2* batalnao destacado o 1 sargento
do 2a batalnao de infaotaria deste municipio Jos
Xavier Mendes Gongalves que para isso*se offe-
leceu.
Dito ao mesmo. Queira V. Exc. mandar ins-
pecciooar o guarda uacional do municipio de Sj
rinhem destacado para o servigo d guerra Clau
dioo Cavalcanle Brrelo de que trata o
requerimenlo.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar;
inspeccionar o paisano Manoel Caetano Francisco
dos Prazeres de que traa o incluso requerimento.'
Dito ao mesmo. D V. Exc. suas orden* para
que o lente qu irtel-mesire d > 5o cjrpo de volun-
tarios da patria Thomaz Pereira Pinto faga en-
trega ao tenante-coronel commandante do 6o cor-
po Francisco de Albuquerque MaraoliAo Cavalcan-
te dos objec.tos constantes da Inclusa reiagi que ,
se achavam a seu cargo. Nesti sentiJo olfiioj
s-i ao direct ir do arsenal de guerra.
Dito ao inspector d* Ihesouraria de faz-nda.
K-U'i I > em term >s o pret jtiQii) em duplic.iia que
que me remellen o commandante sup-rior da
comarca da B ia-Visia com officio de 12 de ouiti
DE
(.(Mi:it\0 DO RISPADO
PERW4MBICO.
SEE VACANTE.
Expediente do dia 25 de novembro de t$Go.
Ofllcio ao Sr. Jos Antonio Gomes Jnior.-Re-
Os dous precedentes dizeres do o mesmo resul-
tado, ilo' que o conego vigario nada deve, por-
quanto"dos dinheiros que recebeu antes da al mi -
nisiracao do padre Lessa, elle (conego) presin con-
tas e entregou o saldo.
cebi o officio que em data de 16 do correte V. S. jjao ful eu quera nao quiz considerar a quantia
me dirigiu sobre o que allega o Revd. Jos Antonio de 10:0505000 na cooformidade dita pelo padre
dos Santos L-ssa a respeito da conta do Revd. vi- Lessa, mas sim as proprias contas e mais docu-
gano de S. Jos Lourengo Correia de S, que ap- meQto5 apresentados por elle que demonstraram
por mim fornecida ao vigario Lourengo Correa
de S, quando administrador daquellas obras, an-
teriormente ao lempo em que o referido S, pas- mente no deve 687580
sou as minhas maos essa administracao..... segrate langamenlo:
tendo precedentemente prestado contas S. Exc. \ Saldo que passa p ra as contas de fls. 53 a o7.
Rema, e entregado o saldo aecusado em minhas da admraistngao 20 219506o.
cotas, e ainda posteriormente em resto proced-; Em seguida, denoto
do^ um olvido que houve nessa prestago de lotalidade 105:6515-'
contas.
star-se-hia na compra do saldo, como que se quer ainda sustentar o ratim-
ago dos referidos 11 annos lado debito para o conego vigario de S. Jos, men-
cionado em dita conta a pag. 37?!
egue pelo padre Lessa, e Ainda repitirei :
couego vigario recebeu da Os oito recibos firmados pelo dito conego Impor-
am era 9:6005: o nono recibo firmado por Manoel
ue o padre Lessa nao foi Lourengo Correa de S, de 4505 total 10:0505;
dminisiragao, mas sim na na_ conta do conego est este debitado em nove
de
D\S VKWVS.
Per-
Kecife, 29 de novembro
heira que Ihe era ordenado, lotalidade 10:0505; mas no crdito da caixa, se diz
o conego vigario, dos quaes em urna s partida e sem data-tEntregue por
atarei da mencionada conta ordem de S. Exc. Rvma. ao Rv. conego vigario
I de S. Jos 9:8425765.
cohiaCaixaescriplurada a Se o padre Lessa entregou em diversas dalas
, onde se l -Deve- Ha-! 10:6505, porque acreditou a-Caixa-em urna s P, e vo,un'"">s < patria, e um parque de
lm dado fecho, como ja, partida, e sem data por 9:8425765? E se entre- Ll^?'_e9m>l08t0 **..* by lahgamenio no haver, e diz : roo por urna s vez, com > diz a contaCaixa,
neo Correa de Sa'........19:8425765, porque debitou o conego em diversas
seguei i-se quairo partidas a deb- datas por 10:050)1
.os em lotalidade.........I Em qualquer dos casos, qual a razio porque
gue-se urna partida no ha- tendo o conego recebido nicamente 9:6005,
m seguida se v o seguinte \ debitado no primeiro caso por 10:0505, e no se-
or- j gundo caso por 9:8425765 ?
e vim no conhecimento de qoe ajuelle Gomes langamento, tambem n haver Entregue por
Jnior nao quiz considerar a quantia de 10:0509 dem de S. Exc. R* na. ao Rvd. conego vigario Ainda mais, na dila conta do conego consta ter
de S. Jos 9:84257 i. Segue-se ainda no haver este entregad j ltimamente ao padre Lessa......
tres langamenlos em Malidade 21:5205770 e final- 2075235; masa Caixanao est debitada por
e no haver fecha a conta o esta quantia.
parece as coutas da administragao do Revd. Les
sa como devedor da quanlia de 9.8425765. Nes-
ta data remeti ao Revd. Jos Autonio dos Santos
Lessa copia do officio de V. <., atim de que elle
conhega as rasoes que leve V. S. para impugnar
esse debito.
De conformldade com o pedido que V. S. me fez
no final do seu citado officio, j dei ordem para
que seja publicado o ofllcio que o Revd. Jos Amo-
nio rae dirigi a tal respeito, bem como o officio
de V. S. que agora recebi, e onde esto as razoes
em contrario ao que allega o mesmo Revd. Lessa.
Uilo ao padre Jos Amonio dos Santos Lessa. '
Tendo eu enviado o seu officio de 7 do prximo
passado ao Sr. Jos Amonio Gom -s Jnior, revizor
as columnas feichadas em
anda se l:
Iredilo para a milriz 6875500, debito para o
padre J ,s Antonio, dos Santos Lessa.
20:2105065.
Quem nao proceder I a um rigoroso exame as
comas, e no grande numero de documentos, um
por um, que dizem respielto a esta contaCaixa;
quem se satisfizer um'camenle cora sua leilura, e
conferencia da somna das columnas, nada oppor
a dita coma; principalmente demonstrando ella,
dever o padre Lessa 20,:2l9506o, mais quem pro-
A' vista de taes langamenlos. a nica prova que
existe para a conta da administragao do padre
Lessa, o recehimento feito por esie, como admi-
nistrador das obras da nova matriz d- S. Jos do
Recife, da dita quantia 2075235, nao s pela mi-
neira da descnpgao desta quantia na conta do
conego vigario, mas tambem pela confisso feita
ltimamente pelo padre Lessa em seu citado
olficio.
Continua o padre Lessa dizendo que, tanto elle
como o escripturano j me ministraro os ne-
t cessanos esclarecimentos
nainliiini nacidade
de IMS.
Ordem do da n. 164.
Em execugao as ordens em vigor, e as qoe fo-
ram expedidas pelo Exm. Sr. conselheiro presi-
dente da provincia, tem a guarda nacional dflla
cidade reunida a da tropa de lioha, de formar em
grande parada na larde do dia 2 de dezembro pr-
ximo vindouro, afim de solemnisar o anniversario
natalicio de sua magestade o Imperador. Determi-
na por tanlo o marecnal de campo commandante
das armas, que o 1. esquadrao, 1.', 2. 3\* e 4."
baialliesde infamara da guarda nacional, 3." cor-
artt-
por
pragas da companhia de artfices, formando urna
hgada sob o commando do ar. oEDoial da guarda
nacional que por le competir, esteja formada em
linha no largo Pedro II, pelas 3 I|2 horas da tarde
do indicado da, tomando o parque lugar no centro.
Aps a revista do custume, o Sr. commandante de
brigada se pora em marcha, para o campo das
Priucezas onde tomar posigao em ordem a fazer
as continencias devidas, e a dar as descargas do
estro.
O Sr. commandante de brigada escolhera os seus
empregados d'entre os senhores olificiaes que arru-
maren!.
A m miara ir municiada para dar ires descar-
gas, e o parque urna salva de 21 tiros. As msi-
cas tocaro a ilvorada e o recolher do indicado dia
em frente ao palacio da presidencia, e tambera no
aelo do cortejo a elBgie do mesmo augusto senhor,
que ter lugar pelas 5 h.ras.
Sao convidados a comoare-erem no referido pa-
lacio para assistirera a parada e ao cortejo os se-
nhores officiaes do exercito, dos corpos de volunta-
rios da patria, e da guarda nacional destacada para
Quando esses sennores v'.eram em nossa casa, | s,ervico de Faerr* 1ue nao nierem Parle da pa-
na conformidade do mandado de V. Exc. Rvma., raUa' e os reformados.
nao ter lugar tal consideragao. Em cumprimento ceder ao dito exame, conhecera que nao tem lugar
o que por V. Exc. me foi ordenado, eu nao im- o dizer-se no crdito-: Entregue por ordem de
pugnei urna nica parcella por presumveoes como' S. Exc. Rma. ao Rv. vigario deS. Jos.......
quanto muitas deltas estivessem instas circurastan- 9:8425765 -nois quif sendo esta quanlia entre-
cias; mas tambem, logo que achei prova para im- gue pelo padre Lessa, ,nao como Caixa das obra:
e traamos a respeito da dita conta do conego vi-
gario, fiz-lhes ver que sendo o dinheiro constante
dos referidos nove recibos entregue a dito conego
vigario e Manoel Lourengo Correa de Sa (por elle
padre Lessa) na qualidade de secretario do Exm. e
Rvm. Sr. bispo diocesano, isto em lempo em que a
(Assignado.) Francisco Sergio d'Oiiueira.
Est conforme.infonio Francisco Duarle, 2.
tenenle-ajudante de ordens interino eucarregado
do detalhe.
PERNAMRUCO.
REVISTA DiAEU.
revendo ouira vez a conta
que o Revd. vigario de S.
oovamente aprsenla, e
em que V. Revma. diz
Jos, conego Loureng Correia de Sa 6 devedor da
quanta de 9:842)765, remello agora por copia a
V. Revma. a resposta que o Sr. Gomes Jnior d
ao seu officio, e a nova aoalyse e> razoes por elle
apresentadas, e com as quaes me conformo.
U/prio dirigido pelo Revd Jos Antonio dos Santos
Le$Sa ao Exm vigario capitular a rapeU do
parecer dado sohre as contas que o mesmo Revd.
Letta apresentou como administrador das obras
da noca matriz de S. Jos.
Exm. e Revm Sr.Tendo me sido remullido pe-
lo Revm. secretario do bispad >, em dala de 14 de
nio Joaquim dos Santos Mangabeira ou ao seu
procurador Andr AvHino Pereira Silva a quan-
tia de 2435600, em que segundo o mencionado
pret importara os vencimentos relativos ao mez
de setembro deste anno do destacamento de guar-
das nacionaes existente naquella villaCommu
nicou-se ao respectivo commandante superior.
Dito ao mesmo.-Informe V. S. se essa ihesou-
raria ja. fez a escripluragao recommendada por of-
ficio da presidencia de 21 do dezembro do anno
pausado, relativamente .i passagem para o deposito
dos descont- direcios para o asilo de invlidos da
quanlia de 8035374 rs. do peculio depositado nes-
sa repariigo e periencente a 12 apr^ndizes arhli
ees do arsenal de marioha inlicados em urna rela-
gao annexa ao olficio do respertito insp-cior do dia
anterior que por copia acompanhou o citado olficio
da presidencia, eonvindoque no caso contrario se
f iga elfectiva a indicada e>CTipturacio no sentido
da consulla naval n. 861 a que se refere o aviso
da marinha de 17 de outubro de 1864, dando se
sciencia de semelhanle operacao ao predito inspec-
tir para o fim indicado no olficio incluso em ori-
ginal sob n. 1024 que me sera' devolvido.
Dito ao mesmo.Tendo de seguir hoje para a
curte no paquete inglez o capitn do 5" corpo de vo
luntarios da patria, Salastiano Dominguesda Silva,
lenle quartel-mestre Tuomaz Pereira Pinto, ca-
dete Cleraentino Jos Travasso de Arrula, sargen-
gento vao-mestre Joaquim Soare< Piulo Correia o
mais 3 pragas, mande V. S. com toda a urgencia
pagar as suas passagens no referido vapor.
Dito ao mesmo.Mande V. S. paga: ao capitao
do 5* corpo de voluntarios da patria Salnsliano
Domnguez da Silva q e segu neje pira o te ni
pajuele ingiez os veucnnentos que se Ihe esliver a
d-.verate o lin do corrale mez, ajusur-lhecomas
passar-lne a competente guia.
Dito ao mesmo.Teraaodo em consideragao o
que oo incluso requerimento doeumeutido expozo
pugnaco, nao deixei de a fazer; em cujo caso est da matriz de S. Jos, mas sim como secretario do i administragao das obras da mencionada matriz es-
dita quantia. Exm. e Rvm. Sr. bispo diocesano,-segunio consta tava a cargo do referido conego vigario, e tendo
Quando ainda o padre Lessa demonstrar o dire- dos respectivos recebos (o que ainda demonstrare!) este assim como aquelle Manoel Loureugo ajusta
lo que tem referida quanlia, continua dizendo : e sendo cousa mui diuVnente, secretario de S. Exc do suas contas. e entregado os saldos a elle raesmo
visto como apresenlei recibos do sobredito viga- Rvma., para administrador das obras da nova ma- (padre Le^sa) quando lomou conta da dita admi-1
rio com os quaes provo a entrega dessa quan- Inz de S. Jos do Recife, administragao de que o nistragao, nao poda em seguida ser o mencionado Segundo o jornal inglez Brasif and Rtver Pa-
, t,,', padre Lessa lomou cotila muilo depois de ditos conego devedor de quanlia alguma a tal respeito,!' *""'', o governo imperial autonsou ao Sr. capi-
Se o padre Lessa julga softcieoles os recibos por recibos, nao pode dila quantia ser creditada em foi-me respondido que t tinha havido engao em ; |o de engenheiro Vinato de Medeiros a propor em
elle apresenlados a respeito da dita quantia, porque referida conlaCaixa- ] visto que, esta conta diz nao se ter feito a deduego do importe de ditos, Londres a respectiva companhia a compra da nossa
nao julga tambem sufficientes os recibos que apre- respeito mencionada administragao, e nao recibos, das subscripgoes recebidas;pois que, | via frrea, converlendo as suas acgoss em
nclusol ai{S contas da administragao de V. Revma., e autor senlou de Bernardino Jos Monteiro e Bernardo' secretaria de S. Exc. Rvnfa. < se assim se tivesse feito eu nao poria duvida al-
i do parecer dado sobre as mesmas, afim de que es- jos da Rocha, em lotalidade 4:1265732, por quan-' Ora, sendo o debilo do padre Lessa, na conformi- ',, guma. A isto respond, que, sendo as datas
te, examinando as razoes que V. Revma. agora lo, tendo debitado as obras sob sua administragao! dade de dita conta 20.2195065, c deven lo se juntar dos recibos conhecidas, e nao constando da conta
por 1265732, joros daquelles 4:0005000. eu im- i a este debito, aquelle credjto de 9:84276o por uo ; das sobscripgis qual a data ou datas de seus re
pugnei ditos juros, sendo digno de notar seque o perlencer ao crdito da dita couta -Caixa, como cebimentos, e sendo assim levado aCaixana
padre Lessa nada diz resueito a esta nnpugnagao, se acha demonstrando, vrtm assim a ser o dehito segunda parcella (islo primeira do debilo)
do padre Lessa 30:0615831; e sendo este dedito 21:1575910, importe das mesinas subscripges, nao sado, onde sndo diversamente apreciado o proce-
levado a sua conla a pag. 57, onde seu crdito podia o importe de taes recibos ser dednzido, jaem derd^ governo, resolveuse alinal que nada fosse
28:6215691, vem o padre Lessa a dever por saldo
1:4505139; a esta quanlia addicionem-se as quatro
parcellas por mim impug adas, e nao contestadas
por dito jiadre Lessa na importancia de 1:1505692.
temos em resultado final,
Lessa 8:5905831, a mesm
monstrada, se bem por di(T
da dala de 19 de junho ,lo crreme anm. i se rollocado ambos na mesma posigo; e nao sen
Demonstrado est o sophisma d mencionada do aquelle (Manrel Lourengo) considerado devedor
conla Cauta. dequinta alguma, tambem este (o conego) o nao
Sendo de rninha inlengab tratar nicamente do poda ser, visto que ambos estavam as mesmas
dinheiro recebido pelo referido conego vigario, o circumslancias. Nesta occasiao chegou o advogado
nao da irregularidade de dita conlaCaixa -islo do padre Lessa, a quem apresenlei dito livro, e Ihe
disse que conferisse o meu parecer com as contas
ce ou a coota de Manoel Lourengo Correa de Sa', lidade com reterencia ao importe uas comas que alli existentes, e assim conheceria que eu nao me
ou a' conta do conego vigario. Se aquella, elle | Ihe dizem respeito, principiar pelo pagamento de tinha atfaslado do que constava em referido livro;
est devidamente encontrado em sua conta, po-- 43:2545740, ames de conlar recehimento algura, Respondea-me que basiava ver a conta do conego
quanto, o primeiro langamento em dita conta (de etc. etc. etc.; nada mais digo a respeito da dita vigario, a qual promplameote
Manoel Lourengo Correa de Sa), como ja', disse em conta-Caixa,
citada daia, e agora repito, e se v a pag. 1 do res- vigario, que ex
ser o debito do padre
a quanlia por mim de
bro ultimo mande V S. pagar ao sargento Amo- julho prximo passado; o parecer em original, da
do por Jos Ant mi G imes Junnr sobre as contas
da miaa administragao dis obras da matriz de S.
Jos do Recife, tratei de examinar em que consis-
ta a differenca que se ohservava entre o feixo de
minhas conia, e aquelle parecer, e vim no conhe-
cimento de que aquello Gomes Jnior nao quiz
considerar a quanlia de 10:0505000 por mim tor-
nocidos ao vigario Lourengo Correia de Sa, quan-
do administrador d'aquelias obra*, anteriormente
ao lempo, em que o referido Sa passou s minhas
com quanto da comparago destes recibos com
aquelles, se coohegam que estes estao com mais
alguma regularidade? Vizivvl que ditos recibos
s provam a entrega e recehimento das quanuas
nelles mencionadas ; e nao provam sua applicacao,
nem o debito do conego vigario, como quer incul-
car o padre Lessa em suas conlas.
Eu ainda disse em referida dala de 19 de junho,
quando tralei da dila conta do conego vigario :
t Pelos recibos juntos a ola D n. 12 se v que
Manoel Lourengo Corre i de S recebeu 4505000
i e dito conego recebeu 9:6005, fazendo estas duas
quaotias aquelle total de 10:0505000 e assim nao
tem lugar o debito que se fez a dito conego da
t mencionada quantia de9:8425763.
Agora accrescentare, que, aquelle recibo nerlen- e, falla de dalas, manelrasfle langamenlos em tola-
Lourengo Correa de Sa', lidade com referencia ao fmporte das contas que
da divida publica interna ou externa.
Neste sentido o referido Sr. capit* publicou no
Times esta carta para firmar devidamente as in-
lenges do governo imperial, intenges que parece
nao terem sido bem comprehendidas pelo> accio-
nistas, em reunio do mez de outubro prximo pas-
attengo s suas datas seren desde 1855 dezembro decidido sobre a materia.
13 a 1856 outubro 1, e ter a administragao do pa- Senhores.Estou autonsado por S. Exc. o Sr.
dre Lessa, principiado no 1 de novembro de ministro da agricultura, commercio e obras pu-
1856; ja porque, tendo aquelles ajustado suas con- blica, a infirmar-vos o segrate :
tas quando principiou a dministrago do padre Que o governo imp -nal se oppoe ao augmento
Lessa, ao qual entregaram os saldos que tinham de capital garantido que essa direeeao pedio, e que
rente maneira, em cita-' em seu poder, como se acha demonstrado, tinham-'. no anno lind > causou urna qnestSo de gabinete, na
-------------- -=------ qual se obleve apenas una diminuta maioria na
mos essa administragao. Para realisar aquelle peoiivo livro, daiado do Io de novembro de 1856, Tem
exame, chamei o Sr. Jos da Silva Correia Colla-
res, a quem cumpria, na qualidade de escriptura-
rio da* ditas contas, conferi-las, e dar sobre ellas
o seu parecer em ordem a fazer considerar aquel-
la somma, visto como apresenlei recibos do sobre-
dito vigario, com os quaes (trovo a entrega dessa
quantia, que me parece nao pode, nem deve dei-
xar de ser me levada em conta, embora nesse
lempo nao tivesse eu tomado conla d'aquella admi-
nistragao, e a tivesse foruecido por ordem de S.
Exc. Revma., na qualidade de caixa que era dos
dinheiros que se hio receheodo; sendo certo que
essa omina j havia sido consumida por aquelle
vigario ao lempo que me passou a administragao,
tend) precedentemente prestado conlas a S. ixc.
Revma. e emregado o saldo aecusado em miultas
contas e ainda posieriormente um resto procedido
de um olvido que houve nessa prestago de contas.
Se V. Exc nao julgar sufficientes as provas do-
cumeniaes com que insirui as minhas comas exis-
te um inventario minucioso que demonstra o esta-
do, em que se achavam aquellas obras no acto de
as entregar, e por elle se poder proceder a urna
avaliagio formal, alm das que j tiveram lugar
I nada mais digo a respeito Ua ana vigario, a qual promplamenle Ihe mostrei, eexa-om wst us nwream hui-m, .^~
ca,-e passo a tfatar da conta do conego minando-a, vio que eslava de cooformidade cora o, lo a receber qualquer proposta razoavel, que es
existe no dito ivro pag. 37. meu parecer. directora julgue conveniente apresenlar a SI
ferida conta dolumnas e-Deve, Ha- Em seguida fiz ver que para o padre Lessa ser consideragao, tendo porlim a raversao das aego
e diz :Dinheiro que exista em s$u poder, quan-
do assuim a administracao 325000.
cmara dos depuiados.
t Que o governo impenal tem boa* razoes para
crer q"ue, debaixo desta- circumslancias, o voto da
cmara dos deputados nao pausar no senado.
Que nao concedida a quanlia de 16,000
que essa directora pedio para o augmento de trem
rodante.
Que tomando em consideragao ludo que ci-
ma vai exposto, o governo imperial, tendo sempre
Ihe"mostrei e ex"a em vista os interesses dos accionistas, est dispos-
- razoavel, que essa
ua
es
84025626, i da compaubia em apolices da divida interna ou ex-
devedor de lerna ao par, era conformidade com o art. 5" do
decreto n. 1,083 de 22 de agosto de 1860. i
a referida conta dolumnas aeueve, na Km seguida tiz ver que para o pa
ver; principiam os ladgamentos a debito em credor, como dizia em sua conta, di
1853 dezembro 13 e seguis (ao todo era numero era preciso que dito conego fosse
. de nove) at 1856 outubro I, sendo fechada esta 9:8425765; mas conslando dos langamentos exis
vembro de 1856, qumdo assumlo a administragao columna no debi com o total de 10:0505000, di- tentes no mencionado livro, ter o referido conego O mesmo Times publicou a corresp
das obras, debitado ao dito Manoel Lourengo o di- zendo todos os langamenlos depois da dataDi-; vigario ajustado
nheiro que exista em seu poder, debita na conta nheiro como do seu recibor-; (note se que o novo' dre Lessa, o sald
do conego vigario ditos 4505,que o referido Manoel; recibo de Manoel Ljureogo Correa de Sa, e nao 705 engao que ._
Liurengo d^lle recebeu (padre Les^a) no Io de ou- do conogo vigario). podia era seguimento ser considerado devedor de
tubro de 1856, (um mez antes daquelle debilo) pa ; Seguem se no crdito os seguiotes langamen- quantia alguma a tal respeito... E finalmente dis-
ra pagamento de laboado de cedro, como consta do 1 tos,1836, outubro 31,-.dinheiro que recebi do st, ,.n : Como se ha de exigir do conego vigario
mencionado recio? Mas. no caso figurado de tal: mesmo senhor por ordem de S. Exc. Rvma. suas contas, e entregado a dito pa- cada eotre o Sr. capitao V ir.alo de Medeiros e o St
lo das mesmas, e ainda depois mais Benson, presidente da direegao da comp rahia.
1 se encontrou em ditas contas nao Della-resulta, que nao esia a d.recgr.o disposia
137523o. Dezembro I Dito por olvido as con-
tas, e que entregou 705000 Estas duas quan-
bro uitimo em que aquartellou niquelle inunn.ipi
e bem assim a quantii de 2175990 rs. em que se
gundo o pret jumo em duplcala importaos os ven-
cintntos dos guardas naciooaes que o acompanha-
ra-n d'alli para esta capital, seno houver uisso in-
conveniente
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. de conformida-
de com o final do parecer da contadona dessa thn-
souraria a que se refere a sua iolormacio de 25
do crreme sob n. 681, a mandar pagar ao 2 ci
recibo dever ser levado a debilo na conta do cone-
go vigario (o que s se admitte por hypothese) elle
esta' devidamente encontrado cas conlas que o lias feicham a columna com a somma 207523o. Con-
mesmo couego ajostou, das quaes entregou o saldo tina dita conta dizendo: 1 Crdito para a caixa
ao mencionado padre Lessa. 9:8425765. Debilo par o conego vigario de s.
Ainda diz o padre Lessa no seu olficio : Se V.; Jos 9:8425765.s Est assignada dita conla por
Exc. Rvma. nao julgar sufficienjes as provas do- D. Jos Antonio dos Santos, Lessa.
a cumeniaes, com que instru as minhas conlas, Passo a tratar dos recibos.
existe um inveulario minucioso, que demonstra Os recibos (nota D n. 12) sao nove, e eonferem
o estado em que se achavam aquellas obras uo com dita coma do reneg, as datas e quantias; os
acto de as entregar a este. de n. I a 8 esto firmados pelo conego vigurio Lou-
Por acaso o intitulado inventario demonstrara' rengo Correa de Sa, dizendo os de n. 1, 4, 5 e
algum debito ao conego vigario, depois deste ter 8,Recebi do IMm. e Rvm. Sr. Jos Antonio dos
pelos eogenheiros da provincia em differentes epo- ajustado suas e entregado o saldo, e olvido encon- Santos Lessa, secretario do Exm. e Rvm. Sr. bis-
ca*, por ordem da presidencia, as quaes produzi- trado as mencionadas contas? Ou eu nao me sou- po diocesano.
ram sempre um resultado mui favoravel a essa be explicar, ou nao Uve a fortuna de ser entend- O n. 7 diz depois do nome: -secretario particu-
administragao. do; eu nao duvide do estado em que se achavam lar do Exm. e Rvm. Sr. bispo diocesano,dizem
Islo urna verdade, que nao me pode ser con- as referidas obras, antes da administracao do padre depois do nomepor mandado do Exm. e Rvm.
- 2 e 3, e o recibo n. 6,
est suben-
estando
secretario
nao ao
o que eu disse foi (e repilo)': ..'... e assim ti- Caixa dos dinheiros que se iam recebendo, como
quidou referidas conlas nao s do dinheiro que agora se. quer inculcar;! se bem qm
rurg;o do corpo de saude
Moreno Bran-l.io coa pede
do exercito Dr. Flix
no requerimento que
da tenh 1 com o feixo dessas comas, cujo resultado
definitivo pertence aos meus credores.
O sobredito Collares lomando conta desse traba-
Iho, al agora ainda u nao reallsou. E tendo-se
aggravado consideravelmenle o estado de mioha
sale, urgente, que para curar delta eu me re-
tire desta cipllal para o campo, afim de promover
o meu restabelecimento. Por esta causa participo
a V. Exc. para seu conhecimento que deixo ao
Sr. Domingos Kerreira das Neves Guimaraes como
meu procurador, poderes ampios para responder
por mim o qoe necessario fr, em relagao s men
nada conla. sendo as transaegoes de 13 de dezem-
bro de 1855 ao primeiro de outubro de 1836, apo-
sentando o raesmo conegonosorecibodesa/do de
suas contas (aquellas mesmas transaegoes (datado
de 31 daquelle mesmo onlubro de 1856, mas lam-
bem o recibo datado do 1 de dezembro de dito an-
no de 1856 de 705 que entregou pelo olvido en-
contrado as mencionadas contas?
A islo se me respondeu que eu mesmo tinha di-
to no meu parecer, quando tralei da referida con-
ta nao pode lal debito ser levado em conla da ad
miuistrago eslabelecida posteriormente ao pa
olterecer proposta alguma teniente a conversao
radicada pelo governo imperial, urna vez que nao
lera poderes para isto, concedidos pelos accionis-
tas. Todava nao deixar de apreciar qualquer
proposta, que neste sentido seja apresenlada pelo
Sr. capitao Virialo de Medeiros, como agente do
governo imperial.
Na terga-feira ultima bouve lugar o beneficio
do Sr. Coimbra.
Todo o espectculo correu bem, e a Sra. D. Ade-
laide conservou-se na regiao luminosa em que o
laleuto Iluminando a vocago anislica a tem coi-
locado.
A concurrencia foi completa, a por ella afere-se
bem e exactamente o grao de sympathia e atiengoes
que ao nosso publico merece o digno empresario
gamento daquellas quantias, salvo se houverem do SanU lsabe,( a qUem a|m disto deu o mesmo
explicagoes e a precisa prova para a sua admis-: puo|lco provas evidentes destes senlimeutos nuln-
sao, > e que tendo-se-me dado a explicagao d i| L. ....... ..n.. .k.^mt,.^ n nmi .1. .
engao do langamento, isto de se nao ter feito a
deduego as subscripgoes, estava no caso de ser
dila quaatia levada em conla da administragao do
padre Lessa.
Ainda respond; qoe nao estava autorisado para
admiuir explicagoes; e quando estivesse, nao era
o allegado engao qoe me faria mudar de opini.,
visto como a simples allegar.iio do engao nao era
prova sufBcienle para rfestrair os ponlos em que
me linha baseado, e que me pareca que aos credo-
recebeu da ihesouraria, como do que recebeu do se os fallados recebime^los pertenciam ao fc.xm. e res ,j0 padre Lessa, que se deviam lornecer ex-
padre Lessa, razao porque nao pode ser conside- Rvm. Sr. bispo, ou s obras da matriz de s. Jose; p|Cag5es, afim desses procederem como julgassem
rado devedor de quautia alguma a lal res- do Recife, o recibo n. 9 firmado por Manoel Lou-,a bem.
peilo.
rengo Correa de S, como eu J disse, e diz:
Recebi do IMm. e vm. Sr. Jos Antonio dos
t Santos Lessa, a qu.'ilrocentos e cincoenla mil
t res, e para pagamento de taboas de cedro
< etc. Recife, Io de outubro de 1856.
Temos em resultado que. os oito recibos firma
Foi-me dito em resposta que o padre Lessa se
quera justificar, e eu respond: Procedam oomo
qbizerem, pois que respondo nicamente pelos
meus actos. Assim termtnou a nossa conferencia.
Desculpe V. Exc. Rvma. o ter oceupado por tan-
to terapo (at cora repeligoes) sua atleogo; mas
'devolvo a quanlia a que liver direilo preveniente cionadas coas, bem como ao ofllcio do Revm. se-
da graiificaco de exercicio nos mezes de setembro creiario do bispado, em que me participa que V.
e outubro dsste anno.
Dito ao inspector da ihesouraria da provincia.
Em vista da inclusa conta, e nao havendo inconve-
niente mande V. S. pgar a Manoel Jos de Almei-
da a quanlia de 115468 rs. proveniente do foroe-
cimento d setembro e outubro ltimos a > destacamento de
existenle na povoaco da Ca-
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Olinla.Die o convenanle deslino aos
guardas nacionaes Francisco Jos de Salles, Affoo-1
*i Velloso de Souza, Firmino Manoel Gabinha, e i matriz de A. Jote.
Pedro S Mara a que allude o offloio de Y de Etm. e Revm. Sr.-Em ouropr.raento ao offlc.o
26 do crtente a que respondo. I que V. Ige, se djsnou do d.r.g.r-me datado & t\
Conlinda o padre Lessa, dizendo em referencia
quanlia entregue ao conego vigario :.....pa-
rece-me que nao pode, nem deve deixar de ser-
me levada em conta, embora nesse lempo nao
Sve Tncr'po^oTdem 'SSS/H dos pelongo'vi^JioZT^SS****,| j** ?j*r ser Wuciosc1 afim 4
SSgggga & -*- S era diz ,er b.do ^ Pajre Lessa como raonslr, nao s os pjg. jjJ-j, .uefie
S^e^uarr^S^qTotbr^
as Sr'os mt^'ji sss t^.s.M-sE ?&& rsayjgfea Sa- S* L*j?aar--passado-corao
^declare se aceito? ou nT anuella remisio. deslas contas lem dalas, a excepgo da dala do quantia no mesmo raerntionada, mas sendo sua
Dea? -uarte a V Exc R-cif H d ourabro de' fecho, que em ambas de 30 de junho de 1864. dala um mez antes.da exislenc.a da administragao
1*m Fxm e Revm Sr Dr Joaauim Francisco mas como agora o padre Lessa se refere a'-Ca*a : do padre Lessa, nao pod a dila quantia ser paga
S^Zf^LArlSue Al SL3R3 "i.lea persuadido que esta cmase acha escrip- %**** "Moldada de secretario des.
O padre Lessa, referndo-se a dita conta do co-
A7oloTomehuir;': "qwmloT remitido'por \ tia de I:0S0#000>r5Oso que^ ^uaind^di^.l-' neg, a pag. 37, apresenia os nove recibos como
guardas naciooaes ex.sien.e na pov-jacao ua 1*- T^S^J^iSSr '........imada de maneira tal, que nada mais se torna
Pu-8a- _,_.......:.. *_____ ... Rmmta sobre o officio supra, dada pelo r. Jos preciso para demonstrar o seu direilo aquella quan^
gum cousa, nao s a "respeito da dita conH-Ca- dinheiro entregue por elle em diversas dalas ao
xamas tambem a respeito da coott do coaego couego viano, o que n^o e admissivel a vista do
vlaario e recibos de dla.quaaua.} antes do que, rjonteiido do mencionado recibo n. 9.
. >..->_ ai-.- -----..fci... atn^a *n>Mi a niflru asa (117 flll
seja-me permiltido dizer o *e|uKte;
Ainda agora o padre
Lessa diz que, a qnantia
entender em sua alia sabedoria.
Permitanle Y Exc. Rvma que ainda (cora o de-
vido respeito) diga que, estando no dominio do pu-
blico, o meu parecer a respeito das conlas apresen-
tadas pelo padre Lessa, da sua administragao das
obras da nova matriz de S. Jos do Recife, assim
cerne o offloio que V. Exc. teve a bondade de rae
dirigir em 24 de oulubro do crreme anno, parece-
me (se V. Exc. assim o Jolgar conveniente) que
tambem deve ser entregue ao dominio do publico,
nao s este man trabalbo, mas tambem o citado <.'(
dos para com elle, chamando-o no final da repre-
seniago a scena, e alli victonando-o euto do mo-
do o maisexpressivo.
Hoje vai scena a Dama das Camelias em
beneficio do Sr. Pedro Joaquim, cujo merecimento
tem-lhe conquistado a estima publica eotre nos.
Sendo Bsta a primeira vez que recorre aos senti-
menlos de benevolencia do nosso publico, nao sera
por certo em vo que o fara, dovendo por conse-
grante contar com a protecgo que o mesmo pu-
blico soe prestar aos talentos que se abrigara a sua
sombra.
Informam-nos que hoje pela manhaa. no Cam-
po das Princezas, baver exercicio de logo par to-
da a torga destinada ao servigo da guerra.
Acha se approvado um oulro plana naca as,
extractos das loteras que deve comegai pela *l,
a beneficio das familias dos voluntarios da patria,
que ja' se acha a venda, e se exirarua. a. 13 do
prximo mez de dezembro: e constando de 4:000
bilhetes a IO5OOO, com 1 premio de 12(0005000,
1 de 3 0005000, 1 de 9005000, \ de 5005000,1 de
2005000, 8 de 1005000, 23 de 405000. 4.9 de 205.
e 925 de 125000, sem duvida pr.efervel aos an-
teriores e aos de outras quaesquer loteras, nio s
por ser o seu premio graad-i mu superior ao valor
correspondente do bil hele,, como por nao haver nel-
le os premios chambaos vulgarmente do mesmo
dinheiro, tendo certo um lucro quem tirar qualquer
dos premios, pelo qoe eremos sera' elle bem agr-
davel aos amadores das loteras.
Sao convidados os estudantes do quinto anno
para corapareceram boje (30) a's 10 horas na Fa-
ouldade, aflrtj # precederse a urna nova eletco

i


alarlo de rernanmco >- Quinta felra 3O de SlOYembro de
de orador, visto achsr-se impedido o orador eleilo,
o Sr. Theodorecto Liarlos de Faria Sonto.
Hoje se exirahira' a i* parte da 5" lotera (40)
a beneficio da Santa Casa de Misericordia, sendo o
roaior premio de 6:000*000.
Hoje o agente Cordeiro Simoes faz leilr de
niobilias de jacaranl C, nanlas roupas. guardas
louc.as, aparadores, louc,a, vidros, correuldes, relo-
gios, cadeus, eruzes'com brilhanles, perolax e ou-
iros arligos; no seu armazem da ra da Cruz a.
57 as 11 horas.
* Amanha romecam os exames dos alamnos
da 1* escola publica de insirunvi > elementar desta
freguezia de Santo Antonio, devendo ser examina-
dos seis del le.
Em viagem de Flores para esta cidade, fogio
A z horas enece u e a sessao.
GAV4RtlU.\ltiit>AL Utl RECIPB.
SESSO EXTRAORDINARIA A03 8 DE NO-
VEMBRO DE 1865.
Presidencia do Sr. Pereira Simpes.
Presentes os Srs. Aquiuo Fonseca, Santo?, Cos-
ta Monteiro, Gustavo do Reg, Or. Villas-Boas e
Piolo, abri se a sessao, e foi lida e ayprovada a
acta da antecedente:
Leu-se o seguiote
KXPEDKNre:
L'm oflli'lo do Exin. presdeme da provincia, de
6 do crrente, recom (lleudando a cmara que Ihe
remella al o ultimo de jnelro prximo viodouro
o balaoco, ornamento e oonlas que devem ser -
nualaiente aoreseitlades a asembla legi>Ultva
apreseirtados a asembla
o recruta Cynllo Jot'to SouM~CO^O^dado"7ne provincial, e brm assiaj urna exposico das ueees-
a noile Ihe eslava de sentiuella na occasioda s^des do seu municipio,
evaso. rusto era discussao, mandou-se expedir ordem ao
contador para pre|iarar o balanco e as coalas, e I Ihes Acara', ,o de
A 11 deste mez no districto di7em) da patritica idea de oflfereeer-st ao Km.
Sr. Castalio Urano, pira nrg-uinar uut eorpo de
voluntarios da patria; deliben-r-me a faier esta
linhas, para declarar ao respaltavei publico o que
sei acerca do objeelo da m -sin i uceusacJfo.
Depois que o dito major veio dessa capital, allo-
mas vezes rom elle conversei ; mas nao declarou-
me qno livesse_ recebido do Exm >r. commenda-
dor Souxa Leo as referidas canas. O que me
disse, pouco oais ou menos, foi : que em canil-
nho, ja peno dessa capital, recebeu cartas da al
guns amigos, os pedindo-llie quena.) se apresen-
lasse-com poneos voluntarios, e uniros, que e a pre-
sentaste em oome do parado progmaista.
Nem o Sxro. Sr; comineo lador Domingos de
Souxa Leo capaz dedissuadira quem qo-ira
acudir aos reclamos da patria, oem o Sr. major
p* seo etvaiie roso proced.mento e satisfactorio cil para todos, prestou um verdadero ser-
de^aar-Bt tatareto, que beoevo ament tomou .;' a rla .*'... .,'
laot.) a (ito. p ico a arlo decorar e aos praticos.
Dignase V. aceitar os cordeaes protestos del Pr 'ss0 mo podemos concluir melhor
subida ciinsjdera.o que ihe tributa esta directora do que felicitando O Sr. Clievrier por sua
PTS5r!ti2d vm e 52! me!nbr,0?- n. ; nca e til descobdrta que merece de ser
tisszHizu&i Jsr* hj*e dizer smeu coiieRa sr
1865. r. Kichelat os trabamos que conduzem as
. Jos Fortunato dos SaotM Porto, m. D. descobertas d'esta especie devem ser pro-
socio do mesmo
Monte Pi.
Jos da Silpn Loyo,
Presidente.
Joaqkim Gerardo de /fastos,
;2 -ecietario.
Illm. Sr.-A directora provisoria l^m
tegidos pelos mdicos.
Os importantes trabalhos do Sr. Clievrier
sobre o oleo de ligado de I acamo Ihe fi-
zeram obter um resultado nao menos im-
portante, o qual consiste em ter associado o
ferro ao oleo de figado de bacalho. O oleo
Navios saludos no mesmo da.
Havre-brigue francez Caroline, ctipito, Jagoory,
carga algodao.
termo do Boniio, pela noite, forain disparados dous senhores vereadores presentes, que lembrassem al
tiros para o interior da rasa do ajudante do re- gomas medidas relativas a uiclhorameutos raate-j
ermador, o cadete Francisco Csroeiro da Silva. riaes de que precisa o municipio, atiin de que laes
A carga empregou-se em urna la, e ci e que a graj leve por Qm intimidar ao lera a cmara de apresentar a aiesma assembla na !
referido cadete. o entretanto a auloridade com- sua prxima reuuio.
plenle procura de.-cobrir os autores della, que al Outro do advogado, remetiendo a representagao i
ento eram desconhecidos ainda. i que tem a cain .ra de dirigir ao governo imperial, I
- No lermo de Flores foi tomado, no lugar Ai-! -gffS 0^tt>eV^ a Sffl
Jos Rodrigoes de Moraes capaz de dizer o q'ue deaecusara reenpeao di officm de V. "s," datado
nao se passa. de S7 do mez vige.mo, no qual lh commuoica i Pela insercao destas poucas linhas, Srs. redacto- concluido a cobranca delqoe por sua bmdade se vrier constitue lalvez O melhor meio de dar
res, em o seu conceituado Diario, mu.to obrigado encarregou seo, d-inmuc,,. de s ds i,na,a-: se 0 ferro". Pois o induro de ferro unido
rio, que a .'u pello i se in>creveram como so !,,., ,,. .
cios do Montepo;em cunsequencia do que entre- ',le modo com oleo ,le finado de baca-
gou V. S. ao Sr. lheourairo interino
Vmcs. coustante leitor e assig-
Antonio ustanislan de Carvalho.
Villa de Tacarat, 6 de novembro de 1863.
PUBLIGA(OES A PEDIDO
*o da Pedra, o recruta Candido por Manoel
outros. Alas, pur meio de promplas providencias
do Sr. Dr. delegado Adelino A. de Luna Freir, fo-
ram capturados o mesmo recruta e Catle, que
vai ser processado por este crime, bem como res-
pander por ouiro em que se acha prouuuciado
se desse o destino conveniente por intermedio da
pre>ideocia.
(Jutro do procoradur, communicando ter pago a
Evaristo Mondes da Cuuha Azevedo, a quantia de
^liJill res importancia de priutipal e cusas da
peubora execuliva que mover ceir a cmara ;
Sob a denominacao deNocoes do systema m-
trico decimal acaba de ser impresso cjm toda
a nitidez na lypograplna Uuiversal urna pejuena
broctiura de 24 paginas, que um primar de, pa-
ciencia de seu autor e um recurso manual de ca-
da intaute para as nossas casas de commercio e
aulas primarias da provincia. Sob o titulo, pois,
que cima se l publica o Sr. Jos Antonio umes
Juuior, onze importantes taboas comparativa das
a i|iianlia de
1.105, valor das jolas de 13 socio, inclusive a de
V. o.
Grata a_ directora promisoria por esta nova de-
monstrado, que V. S Ihe mini.-trou da sua dedira-
Co a urna la i til sociedade, reitera a V. S., em
noine da mesma sociedade e. no sen proprio, a fran-
ca expres>ao do seu reconhecimento.
Drusguard" ; V. Si-Secreiaria to Monle-Pio
Pnringu-z en Pernanlmc-, 29 de novembro de
Iho se dissolve mais fcilmente nos lqui-
dos das vias digestivas e por consequencia
se assimila mtiilo mais bem do que sb a
forma de pilulas ou xarope. Euifim elle
perde assim suas propriedades irritantes, e
nao provoca a constipado. E' assim que
os doentes, cujo estomago nao pode suppor-
i lar nenhi ma preparacao marcial, tomam fa-
" pode que se Ihe maude levar em conia.Mandou-1 actuaos medidas de peso, de capacidade e eslencao
a de !>. se expedir ordem oeste sentido ao contador. com as do systema mtrico francez, ja mandadj
pedindo ijuo se mande levar adoptar pelo governo em tolo o Imperio, de tal
>orte calculadas, que o guarda livros, o caixeiro,
Lonrengo da Mata, ha vendo obtdo a approvacao
do respectivo eompromisso, resolveu festejar no
ultimo de dezembro deste anno, ao glorioso martyr
S. Lourenfo.
Ha alguns annos ja, que se nao faz alli esla fes-
tividade por circumslancias que se d rain ; mas
note os incumbidos pretenden! celebra-la com a
decencia propiia do culto externo.
Ouiro do mesmo, pedindo que se mande
em coota a quantia de SiSiO res, que dispendera
cem o sello de letras proveniente dos diversos con-
tratos feitos ltimamente. Igual resolucao.
Outro do administrador do cemiteno publico,
participando que a irmandade das Almas da ma-
triz da Boa-Vista, nao tem catacumbas cm estado
de serem abenas para inhumago de seus raos.
ou amda o empregado de qualquer seceflo Ja fa-
zenda, nao teic mais do que procurar na respecti-
va taboa o caso que se Ihe offerece, e por na ope-
rago simplissima achara desde logo a reduccao
que preteude de libras a kilogrammas, de varas e
coyados a metros, e de almudes e caadas a litros,
at as ultimas fraegoes de cada uuidade, preced
Escrevem nos de Villa-Bella em 18 do cor- Qoe e i:ommunicasse ao piocurador.
renle :
Os individuos,que representam a situaejio poltica, >-i(ju'ju que icnuo cuegauu ao eu nDincmauu ci para os que se uao acn; idos no sy
presente, nao podendo ver com bons .ollios a ma- que eslava a desabar a casa de sobrado n. 81 da ] ma decimal, e de variados exemplos de redoccao,
a medida, e do valor em ris, para
Ouiro do liscal da freguezia da Boa-Vista, part- i das aemeliiantes taboas de explicaces mdispensa
i cipando que tendo chegado ao seu conhecimento veis para os que se uo acham iniciados no syste
neira regular e esponian a per que se tem ido or- ra do Hos|iicio, mandara
iodo o
Pedro
lesabar a casa de sobrado n. 8i
proeeler na mesma a;de medida
ganisandoo batalho de vuluniarios do tenente co- uina vestorla, cujo resultado conslava do lermo que cada converso inieutada.
ronl Fedro de Campo, nao se demoraram em remeitia, pede a cmara que providencie.Que o I Era j lempo de ser adoptado enlre nos o sy-
crear embarazos a essa i rganisacao E pois, ira- liscal procedesse a respeito, conforme determinam I tema mtrico, hojs uniformemenle acceito por lo-
lam de foi mar outro batalho com o Jiluio de as posturas. I dos os paizes da Europa e da America, faiiava-nos
progifssista, que| naturalmente ter o mesmo hn-' Outro do mesmo, lembrando ser mais convenien-; apenas quem o tornass faciluno na pratica, para
ihaue resultado de outro coohecido, > com o lim te que o despejo, que feilo actualmente no lugar : os individuos meuus versados em oueracoes ari-
de alrapalhar; mas felizmente continua em excol- dosCoelhos, e faca no lugar do becco das Barre- \ themelicas.
lente andamento o batalho do dito tenenld-coro- ras. O Sr. Gomes Jun or, que j havia dotado a nos-
nel Campos. | Posto em di-cussao, deliberou-se nao attender a ; s.. praca com as suas anntiagdes aos principae
w ltEFanncAO da polica. lembranca do fiscal, e apenas que se Ihe dissesse arligos do cdigo commercial Brasileiro e com a
Extracto das partes do da 29 de novembro que procurasse os lugares mais convenientes onde j suas ae escripturago mercantil por partidas do
de 1865. se flzessem os despejos daquella freguezia, com tan '
Foram recolhidos a" casa de delengao no da iS lo que fosse dentro da agua, sem que houvesse
do crrenle : atropello a populaco da mesma freguezia, e no
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Fran- mesmo sentido se officiasse aos de mais fiscaes da
cisco Jos Lopes, por se acuar processado em cri- cidade.
rae de fenmenlos e offensas pbysicas leyes. Uulro do fiscal da freguezia do Pono, informan-
A' ordem do Dr. delegado da capital, Joaquim do o r^querim-nto no qual Adriano Augusto de Al- Lem todos os escriptorios, em lodas as baucas e em
Lopes da Costa, por vagabundo. meida Jordo, pronrietano de nma das casas que'iodas as casas de negocio, como um pequeo e
A' ordem do subdelegado do Ricife, James Lo- foram do tinado Xisto Vieira Coelno, na travessa | utilissimo pompluano de operacoes.
bey, americano, a requisicao do re^peclivo cun- nue vai da estrada de Apipucos para o rio, quei-j Nao duvidamos portanto que, delro em pouco.
xando-se de que Manoel Jos Martins.acha-se cons-! se veja o Sr. Gomes Jnior, obrigado a tentar urna
segunda edigo das suas excellntes nocoes do
I bradas, que Ihe valeram as mais lisongeiras apre
ciacdes dos tribunaes e homeus competentes, veo
agora acudir a esta necessidade popular, prestan-
do assim um verdadeiro servico a todo o Brasil,
; com as suas to commodas e lo claras taboa
comparativas, que ho de sem duvida achar lugar
1863:Illm. Sr. ManoelJ.^ da Silva Oliveira, mui- icilmente O oleo d? figado de bacalho ferru-
ginoso de Chevrier.
Os senhores Maurrer & C. acabam de re-
ceber um grande sortimento dos celebres
azeites desinfectado de Checrier e ferrugi-
noso de Chevrier.
Vende-so na pharmacia de Pedro Maurer
V C. ra Nova n. 18.
lo digno socio do rresrab Mont Po.
Jos da Silva Loyo.
Piesidente.
Jottouim Gerardo de Pastos.
2* secretario.
HUMA VIDA SALVA!
sul.
A' ordem do de Santo Antonio, Vicente, escravo,
de Francisco Jo- de Campos Pamplona, por fu
gido.
A' ordem do de S. Jos, Manoel, escravo de Fre-
derico Gaotier, por disturbios.
A' ordem do da Boa-Vi.-la, Bertholina Mara da
Cooceic/io, Luiza Maria da Conceicu e Isabel, es-
crava de Manuel Jo Correa d'Almeida por briga.
O chefe da 2" ecco,
J. G. de Mesquila.
CaSA DE DETE.NQA0.
Movimeuto da caa de delencao no dia 28 de no-
vembro de 186o:
Exitiam 341, entraram 8, sahiram i; existem
34", a saber: nacionaes 231, mullieres 8; eslran-
geiros 30, mullieres o; escravos 65, escravas 6:
iota i 345.
Alimentados a' custa cofres do pblicos 16i.
Movlmento da enfermara no dia 29 de novem-
bro de 18o.
Tiveram baixa :
Manoel, escravo de Antonio Barboza, fermentos.
Jos, escravo de Antouio Jacintho, diarrhea.
tronido um muro, que em vez de. ticar na conti
miarlo da linha, formada por ditas casas, salle a
frente, seguiudo a liuha da calcada que serve de
passeio as mesmas casas, de modo que vira a Picar
dentro do muro a escada que hoje da sahida para a
dita calcada, pede a cmara providencias no easo
de que o muro de que trata, eieja a edilicar-se
como nao deve ser, declara ser verdade o que o pe-
ticionario allega, mas que fora essa a rordeaeo
dada ao referido Martina para a constrorcao do di
to muro.
Posto em discussao, mandou-se remetier ao engi-
nheiro tiara informar. Nesta occasio Sr. Sanios
pede a palavra e requer ^jue a commi-i> de edifi-
cacoes se dirija ao lugar do Poco da Panella acom-
panhada do engetihero cordeador para examinar
diversas obras ja felas eouiras em ronsiriiceo'na-
quella freguezia, e que segundo esl Informado,
nao est.io di accordo com a planta do lugar.Bul
approvado e neste sentido se mandou scientificar
: ao engenheiro.
Entra em discussao una informaQ.io do enge-
syslema metnco.
(Da /levtsta Diaria, sob n. 191 do Diana de
Pernumbnco de 25 de agosto de 1865)
Payo da cmara municipal do Recie, 9 de se
tembro de 1865.
Illm. Sr.A cmara municipal desta cidade re-
cebeu com agrado o offleio d V. S. datado de 6
do correte, acompanhado de um exemplar da
obra que fez publicar denominadaNoyes do sys-
lema mtrico decimalcujo exemplar muito aga
dece a V. S. Deu guarde a V S.Illm. Sr. Ju
Antonio Gomes Jnior.Luiz Jos Pereifa Simoo
pro presidenteFrancisco Canuto da Boaviagem
secretario.
Rio de Janeiro, 10 de setembro de 1865.
Illm. Sr. Jgs Antonio Gomes Jnior.Abusan-
do recebida a carta de V. S. do do corrente,
muito Ihe agradeco a ollerta que se digna fazer-in-
de um exnnplar ua obra que fe/, publicarNoyoe
do systema mtrico decimal Reitero os protesto
de estima e considerayo com que sou. De V. S.
GUR0M4_UtteiMHA
TRIU\.iri .V REliAClO.
SESSAO DE 28 DE XOVEMBBO DE 1865.
PREStOBNCU DO BUL SU. CO.NSELIIEIHO
SOZA.
As 10 horas da manlia, presentes os senhores
desembargadores Sauliago, Gitirana, Lourenyo San-
tiago, Molla, Asis, Doria, Uchoa Cavalcanli, Do-
nheiro cordeador, addiado em sessao de 9 de se- j amigo venerador. Jl T. Nabuco de Araujo.
tembro passado, no sentido contrario a pretenyo j I|im. Sr. Accusando a recepyao do otcio de
de Jos Thomaz Cavalcanli Pessoa, que pede liceo V. S. que acompaiihou um exemplar das No-
ca para fazer 290 palmos de cerca em frente de j coes do sytema mtrico decimal por V. -. or-
seu sitio na travessa do Lucra.Indeferio-se. gauisado, e ao qoal se dignou offerecer a este tri-
Eutra tambem em discussao um requerimento ouual, cahe me agradecer em, nome do tribuoal ;.
addiado em sessao de II de oulubro passado, no ua olferta, e dizer-lhe que o'iiiesmo tnbuual de
qual D. Anglica Bernarda de Miranda, replica dos
despachos que Ihe tem sido dados acerca da obra
em contrucyo no Forie do M utos, pertencente a
Manoel Jos Dantas.
Depois de lerem fallado sobre a materia diversos
peli
miugues da Silva e Barros Vasconcellos. ftllan- senhores vereadores, resol vea se despachar a
do os Sr. desembargadores Guerra procurador da pi uos seguintes termos :
CorOa e Almeida Albuijuerque, abrio-se a ses- i Logo que a sopplicante poder obter o terreno
sao. para a abertura da travessa, a cmara nao se_ op-
Passados os feitos, deram-se os seguintes poe, e ueste sentido foi o parecer da commisso.
jui.GA.ME.NTos. O Sr. Cota Monteiro declarou votar contra se-
fiecurios rimes. ; melhante deliberayo.
Recorrente. Francisco de Paula Campos Qua- ] Tendo o contador apresentado a folha do venci-
resma ; recorrido, o juizo.Relator o Sr. deein- memo do empegados no moz passado, e nao de-
bargadur Loureoco Santiago. Sorteados os Srs clarado o voncimento que leve o snpplente do fis-
dti mbaigadoie Doiniugues da Silva, Barros Vas-'cal de Santo Antonio, ora em exerclcio, por nao
haver anda a cmara marcado, rosolveu-se que
fosse dado ao mesmo snpplente todo os vencimen-
tos marcados na lei do ornamento ao fiscal effec
tivo, por isso que o seu impedimento nao era por
molestia, e recebe elle ordenado do posto de teen
te que oceupava no 5.corpo de voluolrios ; esla
resoluy.Vi maudou-se commuuicar ao procurador e
contador.
O Sr. Costa Monteiro votou contra a deliberayo
tomada por estar convencido que o supplente, s
teulia dlreito a graiificayo.
Mandou-se por novamenie em praya os aludie-
res das i-asas ns. 15. 18 e 19 da Ribeira de S. Jos,
as quaes nao iinham anda sido arrematadas.
Determinouse qne se chamasse pelo jornal aos
arrematantes das rendas municipaes que anda nao
assignaram os termos, para que o tizessem, sob
coucellos e Multa.Improcedente.
Appetiares Crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Wenceslao Bis-
po de Araujo.Improcedente.
Appellante, o jaizo ; appellado, SebasiioRibei-
ro de Mello.A novo jury.
llabeiis-iorpus.
Coocedeu-se ordem pedida por Maria Francisca
da Conceiyo, Antonio Luiz da Silva e. Joo Bau-
tista de Souza Amaral, para o da Io de dezembro
futuro, as 10 huras da mauhaa.
DILIGENCIA CHIME.
Cora vista ao Sr. desembargador promotor da
justiya
As appellayoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Marcelino Go-
mes da Silva.
Appellante, Antonio Ptnladolpho da Rocha ; ap- pena dse tomar urna providencia,
pellada, a justiya. Prestaram juramento Symphronio Olympio de
Appellaute, o juizo ; appellado, Venancio Freir Queiroga, primeiro suppleii'ie do ulz de paz do nri-
de Rivoredo. meiro distticlo da freguezia da Bia Vista e Joo
Appellante, o juizo; app'liado, Estanislao Joa- Lms Cavalcauti de Albuquerque, liscal da fregue-
quim de Huura. zia de S. Loureuyo da Mala.
Appellaute, o juizo ; appellaJo, o escravo Vi- i Despacharam-se as peliycjes de I). Anglica Ber
ceole. narda de Miranda. Bernardino Jos de Medeiros &
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim Roberto C, Bartholomeo Francisco de Souza, Bernardno
de Luna Jnior. Ribero Coelno, Domingos Gonyalves da Silva, Fran-
Appellaute, o juizo; appellado, Felisbello Jos ci.-co da Costa Maia, Gmmaraes Sonsa & C Gar-
da Silva. rano de Laichoear & C, Jos Ignacio Pereira da
designacao de da. Bocha, Jo- Tnomaz Cavalcanli Pessoa, Joaquim
Assignou-se dia para julgameoto das seguio- Das Fernaudes. Joao Luiz Ferreira Ribeiro, Ma
tes : noel Joaquim Bapiista, D. Maria Carneiro de Souza
AppellaySes crimes. i Lacerda, u. Rosa Gonyalves de Jess ; e
Appellante, o juizo ; appellado, Malinas da Silva se a seso.
de Mana. Eu Francisco Canuto da Boa vagem secretario I alebr de 1865
Appellante. o juizo ; appellado, Joo Severo Mar- i subscrevi.-Pereira SimSes, pro presidente Reg.'
opiniao que seu trabalho facilita a lodos a com
prehenso do sysiema mtrico francez que lem de
ser admiitido no paz ; que Iraz vautageus ao com-
mercio, e til ao publico em geral, uo poi
quepoupa a uns o trbalho, e a uutros fa. iiita a-
operayes com as taboas de comparayo que uelle
se enconlram, e cojos clculos esto ex ctos. -
Deus guarde a V. S. Secretaria do tribunal d
commercio de Pernambuco, li de setembro d
1865.Iltm. Sr. Jos Antonio Gomes Jnior. O
secretario, Jos Marcellmo da Rosa.
Illm. Sr. Jos Autonio Gomes Jnior. Recebi o
exemplar da obraNoyes do systema mtrico
decimalque V. S. leve a bondad; de offerer-me.
Agradeyu a ollera de V. S. cujo inioaltio torna-s.-
apreciavel -. de grande ulilidade, ja pela exaclidao
dos clculos,* ja pelas tabellas comparativas, qu-
poupam eufidonlias oqerayoes, a que teriamos da
recorrer no uso de nossas transacyoesquotidiana
Sou com estima. De V. S. muito aliento venere-
dor. T. le'Alencar Araripe. Sua casa lo de se
lembro de 1865.
O couselho dos professores da Escola Normal
_^ abaixo assignados examinando com escrpulo as
Noyes do systema mtrico decimal publicadas
por Jos Amonio Gomes Jnior, e por elle sujtita
ao juizo desta escola ;e de opinio que este bre
ve trabalhu, destinado a auxiliar as operacoes d^
commercio e os clculos as repartiyo-s de' fazn
das, satisfaz as necessidades e preencheas lacuna
que al aqu se davam nos tratados e opsculos
sobre a rnater a, esenpto anles para os mancebo
iniciados na scieucla, do que para a classe labo-
riosa do commercio, que desejameios praticos-
de fazer os seus clculos com a niaior brevidade.
Com effeilo o trabalho do Sr. Jos Antonio Go-
mes Jnior, que o conselho lem em mos econo
misa o lempo que cada individuo gastara de ou
tro modo a reduzr os anligos pesos e medidas ao
systema que a lei adoptou ; pois que por urna
simples operaeao de arithrneca se ac.ha a conver-
sao desejada em kilograomos, li ros e metros.
E' por tanto o conselho de parecer que aquelle
I trabalho que o supplicante offerece, de sua com
I posiyo, de grande uiilidade pratica para todos
i aqueiles individuos que sao obrigados a calcular
, pelas nova medidas de extenso, capacidade e
peso, e sob este poni de vista admissivel as e
levantou- co|as e|emeniares ta provincia. Sala das confe-
rencias da Escola Normal de Pernambuco, 2 de
Francisco
ques.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gitirana
A appellayoes civeis.
Appellante, l). Joaona Maria das Dores ; appel-
lado, Baziliano de Magalhaes Castro.
Appellaute, rsuliuo Leite de Arrooxellas ; ap-
pellado, Jo Mana Cortez.
Appellante, Francisco Antonio Alves Mascare-
ahas : appellado, Jos Aotouio Ferro deFiguei-
redo.
Appellante, a fazenda ; appellado, Joo Francis-
co do Reg Maia.
Appeiiaote, a fazenda; appellado, Manoel da
Silva Paranhos.
Fonceca.Pinto.Dr. Villas-Boas.Santos.
MMUNIC1DQS.
Foi nomeado Interinamente procurador fiscal da
fazenda geral o Sr. Dr. Jacmiho Pereira do Bego.
A prova mais conveniente do acert de urna la|
nomeaco esl nos Ionios successivos, que colheu
o agente do ministerio publico em 9 rarzes de ac-
curado exercicio.
Acolhido sempre eom geral applauso pelo publi-
co de quem recebeu as mais vivas demoustrayes
de simpaihia, nunca leve o dissabr de ser censu-
rado; e bem ao contrario leve sempre o agradavel
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar- prazer de ver que os orgos de diversas crencas
ador Guerra
A appellayo eivel.
Appellanle, Manoel Francisco de Amorim ; ap-
pellado, Aiidi Ferreira da Silva.
Ao Sr. desembargador Loureoco Santiago
A appellayo enme.
Appellanle, Manoel Domiogues dos Res ; appel-
Jada, a justiya.
Ao Sr. deseuabargador Almeida Albuquerque
A appellayo civel.
Appeilantes, o* herdeiros de Francisco Joaquim
Pereira de i.arvalho ; appellada, a cmara muni-
ripal.
Oo Sr. desembargador Lourenyo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque
A appellayo cnn?e.
Appellante, o juizo ; appellado, Luiz Antonio do Srs. redactores.Com quauto eu nao teoha a
Nascimento. valdade de querer qne o mea obscuro nome appa
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar- reea, nem a inleoco de provocar discussdes pela
gador l'cha Cavalcante I imprensa, todava, Jeodo a injusta aecusayo qu-
AppeMaco crime. se tero felio ao Exm. Sr. comroendador Doroiugo
Appeliaol, o juizo ; appellado, Jos Joaijaim de de Souza L"ao, por ter dirigido cartas ao Sr. ma-
Jess, jor Jos Rodrigues de Morae?, dlssuadindo-o (como
polticas se assignalaram em lestemuohos de louvbr
ao seu ment inieleclual e moral.
Saudamos ao Sr. Dr. Jacmiho oo exercicio de
seo novo emprego, assegu. ando-ihe, que a sua
nomeayo nao merecen simplesmenle a approva-
i cao publica : houve mesmo algum regosijo, por-
! que os amigos e os adversarios da adminisirayo
I vjraiii reansar-se um dos preceitos adunoisirali-
i vos, que animar e desenvolver os talentos inora-
lisados.
Um conservador-
Bochael P. B. de
; Medeiros. Maxinnano Lopes Machado. Jorge
' Dornellas Pessoa. Mignel Archanjo Mindello.
Illm. Sr. A commisso da praya do commer-
cio ib-sia cidade, lem a honra de acensar recebido
o offleio de V. Exc. de 31 de agoto passado, que
aconipaiihoii um exemplar da obra Noyes do
sysiema mtrico decimal com que V. Exc. se
diunou obsequiar a dita commisso. Ella, pois,
moito agradece a V. Exc. este obsequio, e liga a
lo bom trabalho o merecimeulo e estima devido
Deus guarde a V. Exc. Maranho, 14 de outubro
de 1865. Ilim. e Exm. r. Jo Anionio Gomes
JniorAntonio Joaquim de Lima, secetaro.
Os poucos exemplares que resto de dita obra
NoyOes do sysiema mtrico decimal vendem se
a l000, na ra do Imperador, livrarias, Univer-
sal, -Acadmica e Frauceza, e ao arco de Sanio
Antonio livrana Econmica.
Monte-Plo Porcuguez.
(CejTffiDondenciaJ.
Coro o zelo e solicitude que a V. S. lano distin-
guen), por ludo que possa interessar o bom nome
poriognez, concorreu V. S. para
Monte-fio apresenlaodo um bom
Nao temos conhecimento algum de nenhum
caso que to perfeit&mente mostr d'uma ma-
neira a mais clara e persuasiva o poder da
Sciencia Medica sobre a molestia; qual seja o
de Antonio Joaquim Pereira, da Baha.
Este homem infeliz havia mais d'um anuo que
soffria as dores as mais atrozes e pungente*
proveniente de
Trroz:
Terriveis Chagas V bertas
espalhadas por sobre dJiferentes partes de sen
corpo, sendo urna das quites sobre o peito do p
urna funda e maligna chaga, a qual o privava
de andar, cauzando-lhe a* dores as mais agoni-
santes quer de dia quer d,e noute; continuada-
mente atormentado por taes affliccoes e dores,
e qnasi que aborrecido da continuai,o de sim-
ilhante vida, tendo poeto de parte toda a f e
con Banca em medecinas, e, na realidade pareca
qu para elle nao Ihe resta va mais esperanya
algiima: assim pois resignado espera va com-
paciencia o termo final de seus mutiplicado
soffrlmentos, eis que milagrosamente por for-
tuna sua Ihe receitarao oj grande purificador
do sangue
A Salsaparrilha
DE BRISTOL
e mediante & sua grande eficacia e excelleneia
elle se achou dentro de pou^o tempo, livre de
seu irremediavel estado de desespero, e a doce
. e risonha esperanya tomou de novo reviver
em sen corayao; sob a podeiroza e benvola in-
fluencia deste admiravel medicamento, as suas
chagas em breve principiarfto assumir um ca-
rcter favoravel diminnindo o aspecto de sua
malignidade A massa do sangue e mais
humores do systema tomou adquirir urna
apparencia clara e saudavel, as dores ator-
mentadoras d'outro ora o deixaro, e urna doce
e suave tranquillidade prinpipiou precorrer
todo o seu systema, restaurando-]he a desejada
paz e socego d'espirito; as chagas urna i urna
se forao fechando ate que finalmente se cica-
trizarao d'um todo, e hoje acha-se perfeita-
mente sao, gosando d'um, perfeito estado de
ande, depois de se ter visto privado d'esta
grande gozo durante mais' d'um anno. Elle
durante esta sua cura,, apenas fez uso de
Desasis garrafas da Gendina Salsaparrilha
de Brisiol, preparada exclusivamente por
LANMAN & KEMP,
De NOVA YORK.
Recommenda-se mui particularmente aos
Doentes d'ambos os sexos, que empreguem
toda a cantella na eacolha d'este admiravel
remedio, afira que nao obfenho outra com-
posico qualquer, que nao sfcja a Salsaparril-
ha Genuina de Bristol, pois que todas as
mais preparayoes e imitayoos d'esta natureza
sao falsas nao possuindo vinjude alguma.
Vende-se as boticas dqCaors Barbosa
e C. Bravo & C.
VARIEDADES
ciencias e medicina.
L-se na Union Mediente de Pars:
Osjornaes de medicina; fallarnm por va
rias vezes de urna descijberia importante
para a ttierapeulica, que qo.isistia na de>in-
fecgao do oleo de finado] de baeallio sem
Ihe titar nenhiuna dsoa propriedades.
Temos o prazer de afinunciar boje as-
D0S8OS leitores. que esse i[i sultado fui obtio
do do modo o mais completo por um babil
pliarmaceutico de Caris, o|Sr. iJbevrier, que
conseguio desinfectar o Aleo de figado de
bacalho cobo o alcatro ( e o balsamo de
Toln. As experiencias feitas por muitos de
nossos pratioslcc ehres, ns hosp t^es e so-
bre seus doentes particulares, as analyses e
ensaios de chimtaa competentes, nao dei-
xam nenhnma duvida a eite respeito.
Relatamos aqui as prdprias palavras de
um juiz muito eminente e competente o Sr
Ur. E. Ilumbeit, laoMad* da academia im-
perial de medicina, e prtifessor de Chimica
Submeiti a analyseJ diz este distincto
profesor, o oleo de figado de baralho na-
tural desinfectado pelo prpeesso do Sr. Che-
vrier, e posso certificar 'que esse producto
nao per deu nenhum drls seus principios
medicamentosos nem anmicos, que se
acham no oleo de ligado de b nario. A fraca propoic o das substancias
estranhas que e poetn ni oleo natural para
dissimular o cheiro e o saaor desagradaveis,
iodo alterar suas
s a torna de um
A jurubeba.
As virtudes tlierapeutlcas da jurubeba sao desde
muito conhecidas nao s no liia.-n. pois que dellas
Iratou Pisn em soa excellente obra Historia na-
turalts et medica iniiiw ucrtdentalis. seno as
Antilhas, onde o sueco das folhas e fructos como
aqui, muito estimado e applicado contra as obs-
lrucc,oes abduminaes, prinei|ialmente do figado e
bagj; e se todos os facultativos desta provincia o
nao appHcam com frequencla, isto se nao deve a
nao reconheceram elles essas virtudes, mas slm a
nao serem encontradas rom faeilidade e em todas
as estacoes do anno os fructos des>a planta, e a re-
pugnancia, que apres-ntam os deentes era fazer
uso do sueco desees fructos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
X jurubeba nao descouhecida dos botanistas :
esta planta pertence familia das solaneas, e tem
a denominacao de solunum puniculalum, que Ihe
foi dada por Lyneo.
i'arecendo-os conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcuolico que pode ser
ij.ji,ii-.i.i em pilulas, mas tambem tira vinho, um
xarope, e um emplastro que pode substituir, era
cerlos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos quf
com isto prestamos um servico huraanidade e a
hiera peoiica,
Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
corcao das raizes da jurubeba, e Mrat e Delens,
em seu Diccionario de materia medica e theiapeu-
tica, dizem que Das An'ilbas se faz uso do sueco
dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
rho vesical; e a autoridade dos nomes desses m-
dicos, merecidaineule celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso estabelecimento essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
A reputaco da jurubeba tal, e os resultados
therapeulicos otilidos ltimamente sao to impor
lantes, que nos parece inulil dizer mais do que
isto, que Qca escripto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
JURUBEBA.
A jurubeba uma das substancias medicamea
tosas, ao reino vegetal, e perience a classe
dos tnicos e desobstruentes, seudo em prega
M com vaotagem contra as febres intermilente F.rm'oa7lih dVPnMfaea Silvjoa de Barros
a.-ompanhadas de engorg.lamentode ligado e baco. Emi|,ai a,iihada du Dr. Francisco Jos Fer'andes
i inwmia*i*v*l nmvnr Gelirana "
Santa Cas i da Misericordia do ticefe.
A Illm.* junta adminisirativa da Santa Casa de
Misericordia do Recile manda fazer publico que
no dia 30 do corrente pelas 4 horas da tarde as
salas de suas sessoes tem de ir a praca as renda*
das casas abaixo derlaradas fjor lempo de 1 a 3
annos a contar do Io de jullio do correute anno por
diaute.
Ra Dirella.
. 8publico e 3 particular.. 4. 1.O67J00O
Roa do l adre Floriano.
N. 49 publico e 5 particular. 186M0OO
N. 47 publico e6 particular. 186*000
N. 45 publico e 7 particular. r,
N. 43 publico e 8 particular. 16900O
Hua do F gundes.
N. 34 publico e 12 particular. 145*000
Ba dos Pescadores.
N. 11 publico e 16 particular. 216*000
Ra das Cacadas.
N. 38 publico e 22 particular. 157*000
Una das Cinco Pontas.
N. 108 publico e 24 particular. 231*000
Itua de Santa Thereza.
X. 7 publico e 31 particular. 198*000
Hu da Imperairiz.
N. 68 pnblico e 47 par (tentar. 300*000
Roa da Seiizala Velha.
N. 21 publico e 71 particular. 146*000
Itua Direita.
N3 publico e 82 particular para
|ojdoSado da l'enha..... 168*000
N. 7 publico e 33 particular segon-
d" a"Jar......... 100*000
Hua do Apollo.
N. 94 publico e 91 particular. 1:400*000
Ra Velha.
N. 27 publico e 96 particular. 96*000
Itua do Rosario.
N.26a 34 Ir.ja o. ID..... 478*000
Os pretendentes comparecen) no mencionado dia
com os seus fiadores ou com carta dos mrsmos.
Secretaria da Santa Caa de Misericordia do
flecife 2o de novembro de 1865.
O offlcial,
________________Manoel Antonio Viegas.
Santa Casa da Misericordia d Recife.
De ordem da junta administrativa da Santa La-
sa de Mist ricordia do Recife convido a.s pessoas
une quizerem arrendar as casas abaixo declaradas
fuzendo os coneertos a sua cusa para serem des-
contados dos alugneis a comparecerem nesta se-
cretaria as 4 horas da tarde do dia 23 e 30 do cor-
rente mez, sendo ditas casas perteocenles aos es-
tabelecimentos de candade.
Itua Direila.
N. 33 publico e 4 particular.
Ra do Azeite de Peixe.
N. 1 publico e 53 particular.
Ra das Burgos.
N. 2 publico e 57 particular.
N. 13 publico e 58 particular.
Ra do Pilar.
N. 72 publico e 59 particular.
Ra do Pharol.
N. 72 publico e 60 particular.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 21 de noveaibro de 1865.
O offlcial,
_______________Manoel Anlouio Viegas.
Santa Casa de~ Misericordia
do Kecife.
A illuslrissima junta administrativa da Sacia
Casa de Misericordia do Recife, manda convidar
aos pareutes ou interessados das orphas abaixa
declaradas a comparererem sem perda de temuo
na secretaria da mesma Santa Casa, alim de assig'
narem o termo de responsabilidade para o effeuo
da di-posicao do 3." do artigo 66 da lei provio
cial n. 596 de 13-de maio do anno passado.
Isabel, ilha de Archanela Bernardina.
Antouia, tilha de Diogo Soares de Albuquerque.
Rosa, pupilla de Jos Alves Barbosa.
Cesara, eniiada de Hara. Janearla da Concerni.
Guilhernilna, dem.
Ella lem sido applicada com ioconteslavel proveiic
contra a anemia ou chlorose, e bydropesia, catar
rho da bexiga e mesmo para coiubater a menstrua
cao difUcil, resultante da mesma anemia ou chic
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho Idem de idem.
Pulas ae ext. idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga do
ano o. 10.
PRACA DO RBCJFB.
Colaccs ot'flciaes.
29 de novembro.
Algodao primeira surte 15*500 por arroba
(honlem).
Assucar masca vado Canal2*150 por arroba.
Cambio sobre Londres 90 d/vista 28 d. por
1;00.
Frele de assucar para Liverpool20| e 5 0|0 por
tonelada (hontem).
uubourcq Jnior,
Presidente.
Guimares,
Secretario.
\ovo banco de Pernam-
buco.
O Novo Banco descoma letras a 12 por rento
ao anno, e toma dinheiro a pra>o fixo 011 em con-
la corrate pelo premio ecuniigoes que se con-
vencional
Ca va Glial do banca ! ernainhueo.
A caixa descoma as letras de seu aceite pela
taixa de 9 0|0 ao anno.
Ognarda-livros
Ignacio Nanea Correia.
Henriqueta, ilha de Manoela Maria do Espirito
Santo.
Emilltaua, lilha de Francelina Maria B rges.
Maria, lilha de Alexandrioa Pereira de Souza.
Pmlomeiia, dem.
Antonia, lilha de Marcelina Francisca Guimares.
Monona, lilha de Leaadra Thereza de Jess Barros.
Adelaide, lilha de Maria da Luz.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 25 de novembro de 1860.O offlcial, Manoel
Antonio Viegas.
Hendimento
Idem do dia
aLFaNDEGa.
do dia 1 a 28......
29...............
MOVIME.NTO DA ALFADEGA.
Voluraes entrados cora fazendas----- 184
f c cora gneros..... 343
Volumes saludos cera fazendas.
t < coa gneros.,
Juizo dos fcit' s da fazeoda,
Quinla fera 30 do corrente, na sala das audien-
cias, erante o Illm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fa-
zenda ira' a praca por venda, a' quem mais r, o
seiiumte:
A casa terrea na povoacao do Barro, com 17"
palmos de frente, 45 de fun Jo, 2 salas, 2 quarlos,.
quintal em aberlo, por 45*, puuliorada a Francis-
co de Barros.
dem na ra de S. Miguel n. 118, freguezia dos
Afogados, com 20 palmos de frente, 5i de fundo, i
salas, 2 quarlos, coziuha dentro e quintal em aber-
lo, em ma'o estado, por 60a, penhorada a Francis-
co de Paula Correa de Araujo, por Joaquim de Car-
valho Paes de Andrade.
dem idem n. 62, era completo dfsmoronamenlo,
avallada a vi>ia do- maleriaes em 200*, penhora-
da a Manoel das Virgeiis llamos.
dem de taboas em Sanio Amaro n. 17, fregue-
zia da Boa-vista, com 22 palmus de frente, 45 de
fundo, 2 salas, 2 quarlos, coziuha fra e quintal
em aberto, por 40*, penhorada a Francisco Elias.
A casa terrea sita 110 Arraial o. 32, com 29 pal-
mos de frente, 41 de fundo, 2 salas, 2 quarlos, co-
ziuha e copiar, avahada por 60*, penhorada a An-
tonio de Luna Castro.
dem na ra do Boai-fln) (Olinda) n. 22, com 24
palmos de fenle,61 de fuu.o, 2 salas, 2 quarlis,
sem portas, e bastante arruinada, por 60*, penho-
rada a Manoel Simoes.
dem na ra da lloa-hora n. 21, com 20 palmos
de frente, kh de fundo, 2 salas, 1 quarto-coznha
detitro, quintal em aberto, bastante arruinada, por
25*, penhorada a Irmauda.de de S. Benedicto.
dem de laipa na ra dos Pocos. Afogados. n. 8,.
em ma'ii estado, por 15*, penhorada a Joanoa
Maria dos Prazeres.
E por arreudaraenio o seguinte :
A renda animal da melade do sobrado de um
andar na ra do Hospicio n. 14, pela quantia da
Ri7-H7<*nl30u*' penhorada a Francisco de Paula Correa do
___ Araujo.
dem da casa terrea sita na ra do Pilar n. 81,
com 2 salas, 3 quarlos, quintal com porio, avaha-
da por 144*. penhorada a irraandade de Nossa Se-
nhora do Bom Parto.
dem da casa ierrea aos Arrombados n. 6, ava-
hada, a vista dos commodos que tem, era 120a, pe-
nhorada a D. Mariana Gomes do Rozario Torres.
599:627*950
17:519*270
------- 327
80
1,199
-------1,279
n5o pode de nenhum
propriedades medicaes
a uodacao do!uso 'acl1 e mesmo agrada vel.
contingente de; Em resumo, o oleo
socios, a convite desta directora ; e novamenie Iho deginfeclndn npln
porehasoncudo, propiamente se dignou ac- $$&&
ili
COfifiESPOfflMCIAS
figado de baca-
rocesso Chevrier
qoiescer ao pedido qoe l.ie foi feito, de se Incum- g.u,ta uo PIUPr|eua bir do recebiraeoto das respectivas jolas, pelo que gado de bacalho ordinario, que elle repre-
se servio passar as maos do nosso collega, o .-r. seDU exactamente.
Me Alves Luna, 180*. pagos por 18 socios, e
mais tres recibos de outro1! tantos signatarios, um
dos quaes se acba ausente, e dous prometiera' sa-
nsazer a compleme joia com mais alguma de-
mora.
Bem certa eslava a directora provisoria de que,
dirigiodo-se a V: S., eneeoirana oa sua dedicada
oopera^aoum vsiioso auxiliar ; e Colgando era
extremo de nao se haver engaado, ella se apres- portantes e preciosos da therapeutica, quem
>a em tesleraunbar a V. S. quanfo flea penhorada descubri o meio de 9 tornar de um uso fa
Descarresam hoje 30 do crreme.
Galera francesa Solferinamercadera*.
Barca ingleza L'nion farinha de trigo e bola-
chin ha.
Brigue inglezCarne M. L,carvo de pedra.
Barca iuglezaAvena-idem.
Birca ingl.z 1Anne Kay idem.
Barca portugueza("orsapedra.
Patacho DortuguezFar/ocharque.
Itarca nacional Malinaidem.
Brigue porluguezImproviso idem.
dem da casa terrea qa Capiraga n. 22, fjavaliada
em 150*000. penhorada a Francisco Xavier de
Lima.
dem no lugar denominado Chacn, n. 12, na
estrada de Santa Anna, pela quantia de 200*,- pe-
nhorada ao Dr. Joaquim Francisco de .Mr lio Caval-
canli, |)or Manoel Antouio dos Passos e Silva.
dem da casa terrea na Casa Forte, n. 9, pela
quantia de 96*, penhorada a Jos Joaqnim Rabollo
ou Ribeiro.
dem das duas casas terreas na Campia da
mesma Casa Forte, o. 16 e 17, avahadas
RECEBEDOH1A DE RENDAS INTERNAS GE- i ZSitl^jX^^mVSA k* da,Pr'
Rendlmeoto do dia 1
Idem do dia 29......
a 28.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendiraento do da la 28....... 79:1653305
Idem do dia 29............... 8:431*328
Elle muito be a tolerado pelos doentes,
os quaes elle nao anoja e" turnado peas
pessoas cujo gosto e olfato1 sao dos mais sus-
ce t veis.
Hoje que o oleo de figado de bacalho
tem-s tornado um dos agientes os mais im-
81:596*61)3
MOVIMEUTO BO POETO
iVacio entrados no da 29.
Aracaty-8 das, hiate nacional Santa Cmz, de 401
toneladas, capito Jo> Victorino dos Nev, equl
pagem 7, carg;a algodao ; a C. a da C. Moreira.
PhiladelphiaM das, brigue americano Perry de
146 toneladas, cawtao W. 9. Neeley, equipagm
II, carga 1,100 barricas cora farinha de trigo :
a Henry Forster & C
7oa? Uo"m das cssa8 lerreas uos Arrembados, ns. 15>
-__f__ e aml,as em mao avahadas a de n. 15-
j-i4ftjuwlem f0^' eaden-*6 em 48*, penboradas dius-
*o#ouz rendas a joaquim da Silva Castro por Antonio Lo-
pes de Albuquerque.
dem da casa ierrea no largo do Remedio n. 3A,.
avallada em 72*. penhorada aos nertfeiros de ue-
tana Maria Magdalena.
dem da casa terrea no Poco da Panella, roa da
Casa Forte o. 61, avahada dita renda em 60*, pe-
nhorada a' viuva de Antonio Jos Cabral.
Recife, 27 de novembro de 1865.
O solicitador,
____________Joao Firmino Correia de Araujo.
FacuMade de direito
De ordem do Eira. Sr. director se fax puMioo
qoe no da de dezembro, as 10 horas da ma-
nha, lera' lugar a collacio do grao de bacharel.
Secretaria da raculdade da direito do Recife 29
de novembro de 1865.
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
Secretario.

y
.


Diario tp^rtembitHm Quinfa tefr* 04 ir Staremhro d* t *
*'*>
GORREIO GERAL
Pela admiuisirago do crrelo desia cidade se
faz publico para fins convenientes, que em viftude
do disposto no an. 138 do regulamento geral dos
crrelos de SI de drzembro di 1844, e art. 9 do
decreto n. 785 de 15 de malo de 1831, si proce-
der o consumo das cartas existimes na admiois-'
traco do corr. io,pertenceoles aomez de novembro
tiaras da manhaa, na porta do mesmo correio ; e
a respectiva lista se acha desde j exposta aos
nteressados.
Admimstraeao do crrelo de Perr.ambuco 24 de>
novembro de 186o.
O admioisirador
Domingos dos Passos MiraDda.
Pela subdelegada do Peres foi mand ido re-'
colher casa 1e deteocao a preta que diz cnamar-
H Jianna. e inorar ni ra do* Martyrljs ero-casa
de urna senhora 0. Mari* dos Alijos, casada coro
Sr. Francisco ; esta preta de nagao e aodava em
briagada vigando por este distncto : quetn a mes-
ma tiver direito comparec, que proveodo seu do-
minio Ihe ser entregue.
Subdelegada d) Pares 28 de oovembro da 186.
Osublelegido,
_____Alexandrin) M'rtis Corteja Barros.
CfVtofl jera!
Pela adminislracao do correio desta feidade se
fax publico que as malas que tem de enduzr o
vapor, costeiro Parahi/bi para Macei, (echarse-
hj hoje as 3 horas da tarde._________________
"CRREIO GE\L
Pela adminislracao do correio aesta cidade se
faz publico que em vutude da conveoeo postal
terebrada pelos governos brasil ro e franeei, serio
expedidas malas para Europa no dia 30 do correa-
te mez pelo vapor francez Guyenne.
As cartas sero recebidas at as 2 horas antes
da que for marcada para a saluda do vapor, e os
jornaes at tres Moras ..ni--.
Administraco doorreio de Pernambuco 24 de
uovembro de 1865.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Obras publicas.
Pela repartica das obras publicas se faz publi-
co para conhecinwnto das pessoas a quem possa
inlecessar, (|ne nao sera permiitido o transito de
vehculos e animaes entre a ra Nova e a ra do
Cihug, noj dias 30 de novembro e Io d^ dezem-
bro, para se concluir o caleara-mto nesse lugar.
Secretaria da reparticio das obras publicas 28
de novembro de 1865.
No Impedimento do secretario
Uoilopiauo F. C. Calumby.
UI16ES.
LEFLAO
De obras de ouro <*wi brilhantes prata
e escravos.
Como sejam :
2 aows com brilhantes. 2 pires de arg .las, I
bracelete de coralina, 2 sinetes o chaves para re
logio, i figa de coral, 1 trancelim de cabellos, I
salv, 1 ponteiro, 5 colheres, 1 paHteln, 1 ralo e
prata velha.
Um escravo de naeao de nome Jos.
Urna escrava mulata de nome Albina.
HOJE.
No armazn da na da Gadcia niinirru 29.
O agente Pmio fara' leilo a requerimento de
Henrigue Jorge e por despacho do IHm. Sr. Dr.
jnit de orphos, dos objeetos cima mencionados
pertencentes a fallecida Hermioda Adelaide dos
Santos Campos, as 10 horas em ponto do dia-ci-
ma dito no armazem da ruada Cadela n. 29, em
frente ao Becco Largo. ____________________
Leililo
De tm rico adereco de ouro Com cerca ir
6 bri loantes alguns dos quaes bem
grandes
HOJE.
Por interveneSo do agente Pinto, no arrfiazem da
rna da Cadeia n. 20.
t)E
a

1 [

EMPREZA-COIMBRA
Qiiiata-l'eira 30 de uovembro
de 1865.
BENEFICIO DO ACTOR
l'elro Jiiaquii da Silva Amaral
Hepresentar-se-ha o muito applaudido drama,
dividido em 5 actos, de Damas Filho
hmm DAS CAMELIAS.
N i lim do drama o ador Amoedo, em mena
aberla recitara' em obsequio, a muito aplaudida
sccii i dramaiica.
A cerrado no mar.
Comecar as 8 horas.
LEILA
De ma canoa aberta, 9 arrobas de velas de car
n?nfea, 20 pedac >s de iabos, tim balea, om
relogio de ouro, umi correte, um trancelim,
um anebl, um bola o de abertura e am dito de
punho.
HO
O agente Martina fara leilao por conta e risco
de quem perteneer do- obj-eto* cima existentes
no caes do amos arinazem a. 24-, as II toaras do
tlii.____________
LEILAO
De um escravo
O agente Pinto levara' novarnente a leilao a re-
querimento de Filippe Menna Callado da Fonsei-a
inventarianie e tutor de seus netos menores, e por
despacho dolllm. Sr. Dr. juiz de orphaos. de um
escravo cabra de nome M .nojl, serviodo de base o
maior preeo obtido no leilao anterior, ao meio da
do dia cima dito, no armazem da ra da Cadeia
numero 29._________________________________
jK3II,.-%0
De um crbriolet ingle/, de i ro las com as-
sentos para duas a quatro pessoas, em
perfeito estado e juntamente um civalo
proprio para o mesm-i.
- e*s_si Bl-r:
Quinla-feira 30 le, navembro a l tura em ponto
Por intervericAo do Wftote Pnto, em frente ao
armazem n. 29 da ra da Cadeia
Lt:tL\o
De,ma casa de jeito e t,i! rnv.i e bm
consrimla na p>v.iclo le Sds-^ gnho-
a do O' de Ip juca e |unto a greja,
com 40 pilmos de fenle e 04 fmco
uiais u me.nosde fundo, too4'l aton-
de- salas, 4 qu*rl'*> e co-yit*ia -tora, ca-
cimba de pedra e cal, quintal cota 84
palmos de largura e (i0 aw fundo, tendo
estribara e 1 expeliente janlim do lado e
um terraco sob calutikias dn pedra e cal.
Cordeiro imc
competentemente autorisado fira MMo do predio
cimadescripto, o qual ofTerece grandes vania
gens a< pessoas a'll resid-ntos, lem muitos com-
nodos e um dos melhore.s predios qin ah tem
se edificado : mijo leilao sera effeciuado
Qnarti-fcira6dftilc/cffl>ras 11 horas
No artnazem a na da Crin n. 57.
iYISOS IYMSS.
LEILAO
Jl^aS MABiTIMOl,
Companhiadas Hensageries ItH-
periales.
N* dia 30 do I
,l* & correte mez es- '
''-."^"'A. >>^. pera-se dos pnr-!
jjfe"'"~^^ai^^m los (, su' va
por francez Gm
enne, comman-
dante Aubry de
la Hi e, o qual:
depois da demo-
ra docostum- seguir para Bordeaux tocando em
S. Vicente e Lisboa.
En S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Par.i eonlii-coes, frdes e passagens tratare na
gema ra do Trapichen. 9.
MPrWBIA RISHBU
DE
AQUETES A VAP03.
E' esperado dos Dorios do norte
v--a<\ al ^,a ^e dezembro o vaiior
L ^^^S^. Oyapork, coinmandante o capilao
" teneiile Castro Costa.o qualdepois
9f da demora do coslume seguir'
lara os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, eocommen-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tojo Loiz deOliveira Azevedo & C.
0< freles de dinheiro para Parahiha, Rio Gran-
de do Norte, Cear e Macei, licam reduzidos a
Dinheiro papel. 1 4 |o
Ouro......l|i |o
Prata......3|4 |,
-
COMPANHIA BUSILE1RA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do sul
at o dia '13 do corrente am dos
vapores da cotnpanhia, o qual
depois da demora do cosame ?e-
u| gira' para os portos do norte.
Desdeja recebem se passagelrs e engaja-se i
caiga que o vapor poder c.ondnzir, a qual dftver
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete al o dia da sahida as
2 huras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo di C.
O- frptes de dinheiro para Parahiha, Rio ran-
-tie di Norte, Cear e Macei licam reduzidos a
Dinheiro papel. 1|4 |o
Ouro......t|4 |,
Prata......3|4 %
COMKANHIA PERNAMBLANA
DE
iXvegxci* esleir por vapor.
"Macei e esealas.
Segu no dia 30 do crtente as
^t-. 5 horas da larde o vapor Pa
> rahyha, commandanle Mariins.
Recebe carga al o dia 29. En-
' commendas. passageiros e di-
nheiro a frete at o dia da sabida as 3 horas da
'tarde : escriptorio no Forte do Matos n. 1.
Para Lisboa
sahira' com brevidade o brigue portuguez i Cons-
tante n, recebe carga a frete e passageiros, para
os qnaes tem excellentes commodos: trata se com
Wantii-I (at-ho de Oliveira Filho, do largo d Cor-
vo Sauo o. 19, escriptorio.___________________
Rio de Janeiro.
A barca Jevem Palmira, de 1" classe, segu com
brevi lade, e recebe alguma carga a frete : trata-
se c ini o cjnsignatario Joao Francisco da Silva
Novaes, travessa da Madre de Dos n. 5.
1-ara o Rio de Janeiro
'Vai sabir con brevidade o brigue Adelalle
por ter a tnaior parte de sea carregamento trata-
do ; e para o atao Joaquim los fioncalves Ueltro : na ra
^o Vigario n.47, 1* andar.
Para o Porto,
Deve sahw om brevidade o brigae portoguez
Efperitnra per ter a maior parte de seu carrega-
mento ja' tratado : para o resto e passageiros tra-
ta-se com Cunta, Irmaos 4 C, na roa da Madre
de Dees a. 1, ou com o capitao a bordo
De relogios de uoro patente oglez, novos, coberto-
e descoBertf'S pira tiomens e senhora*, e tran-
celms de ouro para os meslos.
HOJE
Ra da Cadeia aru.a/.em i. 29.
Southall Meilor & C. faro leilao por interven-
s.) do agente Pinto e por eoola e risco de quem
perteneer de nifferentes relogios e traoceliiis de
ouro, o.- qnaes sero vendidos para fechar factu-
ras, ao meio ilia em ponto de dia cima menciona-
do no armazem da ra da Cadeia u. 29.
IJEIlAO
De movis, pumos, tonca e nutras ar-
ligos de giste
Corilelro Niuies
por ce ota e risco de quem perteneer far leilao
de movis novos e Osados, um piano da mesa,
louca e outros objeotos da gosto, isto
MME
Quinta-feira 30 do corrente as 41 horas.
No armazem a ra da Cruz u. 57.
Mao
De cadeias de ouro, correntes, relogios de
ouro Dplex, crozes com brllliautes e
perolas.
Cordciro Wi;nes
por conta e risco de quem perteneer far leilao dos
objectos cima mencionados, i.-to
HOtflS.
No armazem a ra da Cruz n. 57._______
LEILAO
De urna mulitinlia ile i-' an ios com principio de
costura.
Hoje 30 tic nwvcmlii'i.
No armazem da th.i da Cadeia n. 29.
Leib"
Leilao
De urna mobilia
Hoje 30 do corrente.
Por Mervencao do agente Pinio, na ra da Ca-
deia armazem 29, em frente ao Becco Largo.
LEILAO
De duas casas de pedra e cal, sendo ama sita a
ra Imperial a penltima, cujo terreno tem cer-
ca de 150 palmos de frente e de fundo al a
baixa mar da Cabanga, mva e lera 2 salas, 4
quartos, etc., a nutra sita ra dos Pescadores
n. 29.com 3 quartos, 2 saias e cosinha fora e
quintal cora porlo ao fund>, os chaos de am-
bas sao foreiros.
Sexta-foirai-detlfizeiubroas \\ horas
VO "-1 v VOR \ t( M xZ^vT "O aGEVTP,
OLYNIPIO
30 -Hna da Judeia do Kecife3 ti
CURSO ESPECIAL
DE
PftEPAUATOIUOS
para o? estudantest qne deven
NRt acto ctM m-.trco.
Jos Stares de Azevedo, profe?sor lingua e litteraiura nactonal no Gyutnasio
Provinciil do Recife, tem aborto em sua ca-
sa, ra Helia n .'17, um curso especial dos
segnrntes preparatorios, para amielles estu-
dantes i-fite ti^reu <)e Cwer e*ame em
marco prximo :
Liua Franceza
Cicugraphia e aas:rla
Piiiosophia
RhetorlcA e alotica
As pessoas qif se rpjizereia+rtrlTsaT itesta
vantagem, podem irgh'-sA indicete re-
sidencia, >1e minhS i at as 9 lioras> e de
tarde a f|u lqner hora.
jJTE
c grandes prenniws eX -elteule
f la.
Aos I i oOitfO ?. 3r0()>,5!lW, 90IH
e vmmm
BILHE1ES A' Wf, MEIDS A' 5J000
E QUINTOS A 2 000.
Arham-se a veida na Uiesonraria roa
do Crespo n. 15, os bilneies da 7a parte
da lotera das familias dos voluntarios da
patrii, coja extraccao ser qutrta-feira 13
de deeinbro correte c pelo excellente
plano aliaixo publicado.
Os premios .le ii:i)00$000 at 20#OO0
sero pagos unta hora depois da extracto
it ;is 'i liona da 'ai'.k, e os outros depois
la dislrilKiitriodas listas.
Os bilnetes encommendados s ser5o
observados at a ves,>era da extracto.
O ihesourciro,
Antonio Jos ioirigues d. Soti'.a.
PIANO
i'ara as extraccoes
Tendo-w publicad* per este tttnro, no dia
quinta feira 9 de f-ve.reiro de 1813. o nnuncio
ali-iixo tra'nscrlptn, torna o abaixo assigMdo, nesia
dta, bM de Sra d ir el tu repelido pela-forma se-
guinle :
O irt)4io ssigMdo, assiaa como seus irmaos, na
qualidide d' herdeirds e representantes "He seu ti-
alo pi liMel Francisco Cabral, adve'rtcm ao
re>|ieiiavi'l publico, que ninguem compre,^lermule,
eu faca Iransacgfto adunia com a proprlelade de-
nomin*da S. Jos da Corea Grande, sita n Comar-
ca do Rio Pormoso ; cuja venda M por pesBoas
illeRtimas annnnciada rio Diario de ti de Janeiro
do dito armo de 18M ;'(ior que esta mesma pro-
priedade foi hyp<.thecalaao pai do annunciaute, e
anda hoje se acha com leste onus, por escriidura
celebrad i no carlorio do antlgo tabelliSo Van Ha,
por divida qae cont ahio seu originario possuidnr o
padre Antonio de Carvallo l^al; e como o annun-
ciante e ea outros coberdeiros prelendem conti-
nuar a acijao que seu fallecido pai linha tentado,
para fazer effectiv a obt-igaco resultante da hy-
polheca, por isso desde j previne, esclarecendo o
ob.'taiulo, que sobre a mencionada propriedade ba;
mas se nao obstante, alguem com perlinacia a
negociar, contra elle se protesta encaminhar o re-
medio outorgado na le.
Antomo Januario Cabral.
Sociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
O banco Alltam;n do Porto tendo estabelecido es-
ta sociedade dehaixo da sua immediala vigilancia
e responsabilidad*, facilitn a creaco de capitaes,
dote-;, rendas, penses, isencoes do servigo das ar-
mas etc., por meio de subscriptas nnicas i>u an-
rtnaes as qnaes convertidas em OMtipcMe da di-
vida (HJblic, de renda nacional, e da mesma forma
os jotos emesTfpes que d'ellas se frrem vencendo,
ficam por um Serlo numero de annos em deposito,
at que, rindo o prazo estipulado, sao restituidas
aos socios com os Iffferesses amontoados, bem co-
mo as que pertencerem aos associaios fallecidos,
visto que d'estes sio herdeiros os sobrevivenles.
Pela engenhosa combin iqo econmica adoptada
nos clculos desti sociedade, v-se que, com urna
entrada animal de 505000, por exemplo, obtem se
*m 5 annos 4S0*00 a ooOSOOO, em 10 1:500,5000
a2e0a(l(, ei45 "3:TWO00 a 4:5005000, em
SO'rflOOWUO* ):Ooa5iftt, em 85 18:000000 a
55:ew&*0:ia, cou'forme a tdle flo in,livi,tuo sobre
quem feito o seTrr, pota rjeteflos referidos cl-
culos coota-se com a maior ou menor probabilida-
de de *aragao de vida.
Esta MbXJfade sobretodo vsntajiisa aos enefes
de fa -ilia, vi>to que Ihes facilita sem sacrilicio a
firtida^Ao dem*apital on dote para seus Sinos ou
tilha<,-segorandiTos quando nascem nn emquanto
sao criinoa-s.
Quem, pois, mis Circnmstanciail s informagS^s
de-w/ar sobre tal socifdade, uu se qoiter inscreter
'cnmo soei.-. dVlla. drrii se a roa da Madre de
)hih n. 28, onde < pooVra entender com Joao Car-
los Coelbo da Silva, que para isso se acha eucar-
regado,
GARRUX DE LAILHACAR & C.
SHAIRIE FBANQA1SE
ttua do Crespo n 9.
LIVROS NACIONAES E RSTIU.NGIIRO.S
Religio Philosophia Jurisiruileucia Liucra-
tura Sciencias e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Preci-a-se de um criado forro ou captivo que
piitemla um pooeo de cosinha : na ra da Impe-
ratriz n. 45, segundo andar.
O major Antonio da Silva Gusmo faz seieo-
te a quem convier que elle- senhor e possuidor
das ierras denominadas Caehoeira, e oc oniras
denominadas Tone,em Plane, provincia da Pa-
rabiba, cojas trras liroilain com o no, que as se-
para das do Sr. Jo- lacrime Tasso; hiendo tal
advi-rteucia, tem s por fim prevenir de qu.lquer
duvida a algnem ijne isso ignore, e desde ja' pro-
teeta contra qoalqmT arlo de axt iiso pralicado
em ilu >s soas ierras.
Notas do bauco do Brail e das caixas Qliaes
dc.-contain >e na travrssa das Cruzes n. 8.
Moute-Pip Portuguez.
A, directora provisoria commuiika a todos os in-
eressados, que acaham d*?atiir do prelo a esti-
utos da sociedade, e i|oo Vi iinniediataiiiente pro-
ceder-se rcapeciiva ditarihuico.
Sendo de toda a conveniencia a maior presteza
no recebim>-iiio das quaniias subscnpia-, a direc-
tora provisoria rog in-ianemente a iodos os seus
diguos consocios que obsequiosamente >e presia-
ram a coadjuva la neste servico, e que anda nao o
ullimaram, toda a possivel aeltvidade no diio re
cebimenio, adm de quequanto anti-sse possam por
em vigor os estatutos, e, slidamente constttQtda e
organisada a sociedade, mais cedo veoha ella a fa-
ter sentir aos associados o sen benfico influxo.
A'quelles a quem poder interessar o aviso, julga
anda conveniente a oirectoria recordar que rfo 1*
de Janeiro de 1866 em dianle a joia ser de 25, e
nao mais de 105; pelo que con vira apressar->e
cada um em saiisfazer a respectiva joia, devendo
na mesma occasio receber um ejemplar dis es-
tatutos.
Secretaria do Monte-Fio i-ortuguez em Pernam-
buco, 22 de Lovembru de 1865.
Joji da Silva mijo,
Presidente.
Joaqum Gei urdo de Bastos,
__________________ 2o secretario.
CASA DA"F0RfJi1 i
Aos 6:000^000.
Ifillietes garantidos.
A' RA DO CRESPO S. 23 E CASAS IX COSTUME
O abaixoissignado venden nos seas muitofeli-
les bbeles garantido> da lotera ,|ue se acaboo
de extrahir, a beueticio das familias dos volunta-
rios da patria, os seguintes premios :
m inteiro n. 1120 com a sorte de 6:0005.
Djus quintos n. 2X93 com a sorte de 1:2005
Um meio n. .'{389 com a sjrte de 5005000.
E outras multas sortes de 1005, 40, 205 e
lOaOOO.
Ospossuidores podem vir receber seas respec-
tivos premios sernos desconlosdas leisnaCasa
da Fortuna ra a Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os a 4* parte da 5" lo-
tera (401) beneficio da Sania Casa da Miseri-
cordia, que "se extrahira quiuta feira 30 do cor-
rente.
PilECO.
Bilhetes .... 65000
Meios......35000
Quintos.....1200
Para as pessoas que compraron de I00;500b
para cima.
Bilhetes.....55500
Meios......25750
Quintos.....15100
Makoel Mautins Fiuza.
i OS PARAG1J 1YOS
E' a ordeca do dia I Acabar com os Para-
gu fulmina-los com os encouiacados armados
' de esporas, armstiongs e miadas de 80
lO; extermina-los era surama a espada, a
ia So e a pii'.lial de que se trata; ma>-
riinguem se I. mbrou ainda de Paraguayos con as armas que Deusnos cod-
cedeu ; acabar com etles a tac3o e a ponta
ps, para o que necessario encouracar esta
parte do nosso corpo com os formidaveis
rompe-ferro, esmaga c- bra, arranca ticos,
quelira marmore e outros que se vendem
4 iua iitnaA-ar,
Borseguins Bordeaux...... .. 8OO0
patricios......... o#000
. para senhoras, en-
( eilados....... 5(5500
cm laco e fivella .. W-SOO
Sapatoes encouracados....... 5/?O0O
Borseguins para meninas bnm
elast co................. 30000
Sapatos de lona, sola elstica. 20000
avflludados......... 1060"
de tranca........... 1^600
econmicos para se-
nhoras........... #800
com salto de lustre.. 2(5240
Chineloes do Por o.......... 15600
Um comp'eto sor.ime lo de calcado da
trra para homens, senboi as e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taifas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz cobica ao comp ador pela liarateza.
Ama
Precisa-e de urna agta ijue saiba engommar :
na ma do Trapiche n. 36, 2o andar.

i
* r
Joaquim Marinho Cavalcanti de Ibuquer-
que compra algodao armaze aclo, ou emliar-
cado em vista dos covhrcim'vtos: tratar
|em sua casi na ra do Vigario n. l, pri-
jmeiro andar, na prata do Commercio e
Forte du Mattos.
A luga se a casa terrea u. 39, i ra da
Uni3o:qnem pretende-la dinja-se ao Sr.
Joao Bernardo ao Reg, em sea armazem
Je fa:endas a ra Nova u. 24.
DE
i 1 I I -riunwi
Para ser applicado qua-ido conveniencias
especiaes venda dos bilhetes o
aconselharem.
Ipprovado pelo "Exra. Sr. presi-ietite
40U0 bilhetes a 10J000............40:0005000
Beneficio, sello e comunssao 2i 0,0.. 9:600^000
Li pido...... 30:4005000
1 Premio de........ 12:0005000
1 Dito de.......... 3:0O05H00
1 Dito de........... 9005000
1 Dito de.......... 5005000
1 Dito de.......... 2005000
8 Ditos de 1005000 8005000
53 Dito- de 405000 9205000
49 Ditos de 205000 0805000
92o Ditos de 125000 11:1005000
------ ---------------30:4005000
1010 Premios.
2990 Bra neos.
4000 Bilhetes.
N. II. Os premios que estao sugeitos a desc mto
sao os de 5005000 e 9 'O5'00 ao de o por ceuto, e
os de 3:0005000 e 12:000500!) ao de 17 por cenia,
senda 5 porcento da le provincial e 12 por cento
da le geral.
Tnesoni-aria das loteras de Pernambuco, 22 de
novembro de 1865.
O ihes ureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Ati;eiicfio.
PiiM-j-.t se de nm cix-iro pira botequim : as
Cinco Ponas 11. 93.
AMA
Precisa se de urna am 1 {perita cozinheira e en-
goiiiinadeira ; na rua.do Queimado n. 8, loja.
AssociaQo CJommercial Ue-
neficeute de Pernambuco.
Achando-se prompla a plaula eo orcamento1
para a derorajao de predio comprado para a mes-
ma associacao, couvida se a todas as pessoas qoe
se quizeiem encarrecar das obras de pedreiioa
comparecere'rh a ra do Trapiche n. 4i, segundo
andar, aonde, no praso de oito das, dcixaro licar
as suas proposias em carta fechada.
Associacao Commerciaj Benelicenle de Pernam-
buco 23 de novembro de 1865.
O secrelario,
Candido ;. G. Alcoforado.
Aula deiuglez
Das 6 as 9 horas da uoite; na ra da Matriz n.
33, 2" andar.
yM,-&'-'im'M ^"^i^-i'M W^WBS
*& Bachtrel Antonio Aunes Jacome jfg
3 1>ires reside ra do Imperador n. jas
3*91, ode pode ser procurado.
GONTKA F060.
A comp:inhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus caregame itos, e contra
fugo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
i m a a u a *- K
Contrata-se mais 3,500 dormentes de
madeiras de qualidades para o caminho de
ferro de Apipucos : quem pretender com-
pa-ecaa ra do Imperador n. 55, segundo
andar,
Antonio Jos Rodrigues d Souza, na ra do
Crespo n. 15, alnga sua casa e sitio no Monte!ro
em frente :ro oia da igreja, teudo o sillo porlao
de ferro, cacimba com boa agua, estribara e co-
cheira, e a casa 4 salas, 7 qua tos, e ,otao, a qunl
muito fresca e esta de novo bem caiada, concer-
tada e pintada : par;i ver, as chaves estao em a
casa do Sr. Nicolao Machado na mesma povoaca.i.
"BOTICA % DROGARA
DE
B. I', de Nouza & C.
u 1 larga do Rosario n. 34
Remedios de Raduvay
Prompto alivio.
l'ul is reguladoras.
RrZ' lulivo.
Remedios de Kemp
Anacahua.
Salsa de Bri.-lol.
Pilulas atu-ardas.
Agua florida.
Paslilhas vermfugas vegelaes.
Chegados pelo ultimo navio vindo da america_
Casa de bauhos
-"i
l^nrgo lo Carm
n. 20. m
bem menudo |?i
-v...
IJ']ILA-^
De mobiliis, trastes avulsos, charutos, chapeos do
Chili, pianos de mesa e armario, candieiros a
gai, guarda roupas, enana franceas, sofas,
marquezas, loilets, lavatorios, consolos, grande
quantldade de objectos de ouro. como alerecos,
meios aderemos, aneis, pulceiras, relogios. ca-
deias para os mesmos, rosetas e outros muitos
artigo, que se lornam enfadonbo mencionar.
Sexta-feira i0d*.deemlMas 11 horas
NO GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
DO AGENTE
OLYMPIO
30Una da Jatlela do llccile 36
Adriano Augusto de Almeida Jurd, ten
do de Uit-r celebrar una missa de rquiem-
e memento pelo rep-mso eterno da alma de
sen fallecido irmo Justo Cear da Almeida
Jordo, convida aos seos amigos e aos ami
gos de sen fallecido rinlo a comparecerem
para esle fim no dia I" de dezembro as 7 1|2
horas da manhaa na igreja do Divino Espi-
rito Sant', confessando-se desde ja muito
grato por este acto de piedade.
Precsa-se alagar um moleiue on urna escra-
va : na ra do Livrameuto n. 11, 2o andar.
U) publico.
Antonio Leile da Costa declara que desta data '
em diante nao lera' valor urna letra de 805000,
aceita por Manoel Fernandes de Parias, que riesen-j
caminhouse no dia 26 de novembro de. 1865, e
nem poilerao faser negocio algum com a dita letra.
Recife 28 de novembro de 1865.
{fa ra do Imperador n. 28, defronte da re-
jacan, veude-se e aluga-se em pequeas e grandes
purcoes superiores bichas de Hamburgo
Precisa-se de ama ama para comprar e cosi-
nhar : no Corredor do Bispo, casa nova junto a
do porlao de ferro.
LEILAO
De urna armac de Coja
O agente Martins far leilao da armacao exis-
t'enle na Vija da ra larga do Rosario n. 35, pr'o'-
prla para qnalquer qu- seja o negocio.
Sexla-feira 1- de dezembro
as II horas da manhia na indicada loja.
Pedido.
Pede se ao Sr. thesoureiro das loteras que nao
pague os 2 quintos de bilhetes ns. 576 e 1965 da
lotera que corre hoje, caso saiam premiados, se-
no a parda Igoacia, e morador na Cipuoga, a quil os perdeu na Boa-
Vista.
Alnga-se nn slllo-
Alnga se um sitio n* Passagem da Magdalena, a
mariem do rio Capibiribe, com excedente casa,
com terrago, 2 salas, 8 quartos, cosinha fora,
quarto para escravos e estriDana e arvoredos: a
tratar na ra da Cadeia n 4.
-^ O abaixo assigoade faz sciente ao publico
que nenhoma letra tlrmou, ou carta de ordem deu
n pessna alguma, e quslquer que appareca protes-
ta ser falsa e nao pagar. Mutuns 17 de novembro
de 1865.
Jos Luiz da Cunha Bastos.
Precisa-se de urna engommadera :
na ra do Imperador n. 17, segnndo and^r.
Precisa se de ama ama forra ou captiva para
casa de pouca familia, pagase bem : a tratar na
ruado Pires n. 24.
LEILAO
Do botequim e casa de pasto na ra do Tra-
piche n. 28.
Sexla-fwa 1 de dewrabr.
Jos Rodrigues de, Andrade autorbado por seus
credores far leilao por nterveDgao do agente
Pestaa de sea e^labelecimento de casa de pasio,
botequim e armazem, consisun^o em c-rveia em
garrafas, romet brond, am?, cidra etc., pipas va
zia>, espanadores, mesas, louca de cosinha e de
mesa, mobilia de ca-a e mais ob|eclos e utencilios
pertencentes <> mesmo e que se acbaro patentes
aos compradores para ?erem veodidos a vonlade :
sexta-feira de deiembro as 10 horas da manhaa.
na roa do Trapiche n. 28, armazem e andares.
Couvida se os parentes da fallecida Aoto-
iiiuiia Leopoldina de Barros Lanea, esposa
do fallecido capitao Antonio Jos Langa, pa-
ra ouvir urna missa que por sna alma manda
dizer um amiun do dito capito na matriz
de S. Jos do Recife no dia 2 de dezembro
do corrente as 6 horas da manhaa.

AO PlfilrCO
Antonio Leile da Costa declara que ties-
ta data em diante nao ter valor urna letra
de 80$ aceita por Mamel FernendesFarias,
que desenoaminhou-se no dia 20 de no-
vembro de 65 e nem poderlo faer nego-
cio algum com a dita letra.______________
Na ra larga do Rosario n. 40, enveroisa-se
e cooceria-se rnbJAas: T,uem precisar dlrija-se a
sesnu casa.
Hospital Portuguez de Be-
neficencia.
Domingo 3 de Dezembro pelas 11 horas da ma-
tflW t^ra ligar a reumo d'assembla "geral dos
Srs. sftcios, para se proceder %' leicio ffa nova
junta administrativa que tefh'de rfger o Hospital,
no auno prximo futuro, em conformidade do dis-
posto no cap. IV dos estatutos.
Sendo pois esta urna das attribuicSes conferidas
aos Srs. socios, espera se o seu comparecimeoto
no da e hora cima designados.
Secretaria do Hospital Portuguez de Beneficen-
c 39 de novembro de 1865.
Osecretirio,
Jo5o Perelra Rabello Braga.
Preeisa-se de om caixelro de 12 a 14 anoos:
na roa do Rangel n. 89.______________________
Precisa-se alugar um escravo para
servico interno e externo de ama casa de
jamina : na ra do Queicaactoti. "ft.______
Precisa-se de ama anu para todo o servigo
de casa de pouca familia, t a tratar na roa do Brum
. 47, taberna.
Aluga-se urna grande casa terrea com sitio,
na ra de Joo Fernandes Vifir^ n. 52 : a tratar
no sitio dos quatro leoes, na mesma ra, das 6 ho-
ras as 8 da manhaa, e das 4 da tarde em diante.
Tendo a irmandade do Divino Espirito-Santo
da igreja do Colegio, resollido em sessao de mesa
conjunta, manoar faz^r de marmore hraneo fino a
capella-inr de sua iareja; convido de ordem da
mesa regedora iquillas pi-ssoas que se arharem
habilitadas a mandar executar semelhante obra,
a exarninarem a planta qne se acha exposta na sua
sacrista, e a apresentarem as suas pr> postas no
pra-o de 40 dias contados desta data. Consistorio
da irmandade, em 10 de novrmbro de 1865.
O escrivao.
Francisco Belarmino dos Santos Freita
Jmo da Srfva Ramos, medico
pela universidaie de '.oimbra, d
I consultas em sua casa das 9 as
i II horas da manhaa, e das 4 as 6
I da tarde. Visita os doentes em suas'J
, casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
i gentes, que serao soccorridos em
qnalquer occasio. D consultas aos
I pobres que o procurarem no hos-
l pital Pedro II, aonde encontrado
[ diariamente das 6 s 8 borare da
i manhaa,
Tem sua casa de sade regnlar-
mente montada para receber qual-
I quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
I apropriados e nella pratica qualquer
I opperacSo oirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .35000 diarios.
"Segunda Sita____30500
Terceira drta .25000
I Este estabelecimento j bem
{acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
0 proprtetario espera que elle
I continu a merecer a confianca de
[que sempre tem gozado.
e*3R
cinirwA
DE
Seguros Martimos Utilida-
de Publica
A directora para execagSo d* 2* parle do art.
41 e dos arts. 25 a 27 e 42 dos estatutos, convida
aos senhores accionistas a se reunirem no escrip-
torio desta companhia, ra da Cadeia n. 42, ao dia
30 do corrente ao meio dia.
Recife 27 de novembro de 1865.
Os directores
Feliciano Jos Gomes.
Dominogs Rodrigues de Andrddo.
Precisase de tres a quatro pessoas que te-
nham pratica de servigo de olaria, sendo de fra
da-se casa para dormida : a tratar com Jos Car-
neiro de Faria Lins, no sitio qoe (o do tallecido
Rema, confronte ao Monteiro.

m

E^le estabelecimento tai
na sua origern achata se de ha muito em
qaasi cmplelo adandono pelo pouco in-
teres>e de sua administrago.
Hoje que o novoproprielarl > empregoa .
todos os uic-ios para restabeler a grande f9z
utilidade desle e>Uiln-lecirieiilo, pode a-
segurar ao publico qne qualgunr que seja
o numero dos concurrentes achario des-
de ja promptidAo < accionesiranhos fros,
momos ou medicinaes, a casa dos ba-
iib is se adiara' aberta todos os das das
6 horas da mauha as 11 da noile.
Prcgos.
Banlio de choque......... 500
Dito (rio ou momo........ 500
Dito de rarello,..........1*000
Dito medicinal sera' segun-
do sua qualidade.
Assignatora.
Por mez banh > fri ui momo.
25 cartSes para bnbo fri,
momo ou de cha visco.....
12 candes para os mesmos...
12 ditos para banho de farello.
*M
10,5
103
ro
m
m
i
i
m
m
m
-..iii'i Power .!ohiislon i itHiipoihia
Ruada en zal Nova n, 4.
AGENCIA DA
Fundidlo de E.ovr noor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma hias para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura. ___
Precisa-se dar sociedade a urna pessoa que
tenha 6005 e tenha pratica de taberna : quem es-
tiver nestas circunstancias dirija-se a ra da Au-
rora n. 5i, que se dir quem precisa.
(asas
Alugam-se duas casas novas na fregueiia da
Boa-Vi>ta, ra do Principe ns. 4 e"8, com 3 quar-
tos. 2 salas, cozmha fra, quintal bom e mirado,
cacimba, sao muito sadias : a tratar na ra Nova
numero 3.
i
O Dr. Cosme de S Pereira cnti- i
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercici de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orgos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rSo examinados na ordem d suas
entradas comecando o trabalbo pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as I da manhaa, menos nos do-.
mingos. ,
Praticar toda e qualquer oper'a-
c5o que j tugar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus g|
doentes.
41 idadao.
Perden'-se desde a roa Bella al a do Hospicio,
nmacofleccSo de um peridico social e moral de-
nominado-O Cidado : a pessoa que a tiver
achado e quizer restituir, pode entrenar na esqui-
na do Mundo Novo, no fundo do sobrado ondemo-
ra o Sr Dr. Jos Soares de Azevedo, que ser re-
compensado. ...
O C dadto
A pessoa que tiver e quiz'cr vender a colleccSo
de um peridico social e moral denominado O
cidado-, publicado nesta provincia no auno d,
1853, annuncie por este Diario para ser procu-
rado.
Luvas de Juvin.
A Iota da Aurora na ra larga do Rosarlo n. 38.
recereu lavas de Jouvin brancas e de cores para
homens e senhoras, as quaes sao muito frescas,
chegadas pelo vapor inglez, poissSo mnlto proprias
para o bae qoe temos no da i de dezembro no
Clob Pernambocano, < s senhores socios e convida-
dos que tlverem de ir a este baille queiram man-
dar com as luvas nesta loja da Aurora, rna larga
do Rozarlo n. 38.

i


Diarto 4* ferataMbueo Quinta le&ra 3O de XoroiKbro de 1S*.
I
/
DE
DE
4- VIGNES.
%. 55. RIJA BO 1HPCRADOII X. 55.
Os piaaosdesla antiga fabrica sao hoje asss conhecidos para que saja neoe*sno inswtir-oobre a
ma superioridad'-, vantugense garanas .que offerecern aos compradores, qualidades estas coste sla-
reis que ellesten definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido cesta praca.; pos-
suindo ucn teclado e raachinismo que obedecem todas as vontades e caprtcoos das pianistas, sena
auuca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhor amen tos Importan-
tsimos para o cuma deste paz ; quanio s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isfio muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se onfoime as encommeodae, tasto nesta -fabrica como na do Sr. Bloadet, de .Paria, socio
correspondente de i. Vigiles, em cuja capital oram sempre premiados em todas as exposioes.
No mesmo estabelecimento se achara seapre um.o*pleudido e variado sortimeoto.de -musios dos
melbores autores da Europa, assim cono armnicos e pianos harmnicos, sendo tado *oadido por
oreos eoHMiiodos e razoavets.
CONSULTORIO MEDMMIR11GIC0
DR. PEDRO DE ATTAHYBE LORO \fOSC0SO,
MEDICO, IMHTIvIH t OPK1UDOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundfio 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas 806 pobres todos osdias das 7 s H
floras da manhao, edas 6 e meia s 8 horas da notte, excepco dos dias santificados.
Pharmacia especial komeopatlca
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dyauaamisaces e pelos precos seguales.
Carteiras de 12 tubos grandes. i20000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tudos grandes. 300000
de 60 tubos graneles. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se flzer, e com os remedio
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custaro os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jaht
dous grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 100000
Repertorio do Dr. Mel Moraes............ 66000
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedios deste estibelecimento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que qui/.erem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservado, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparaejio, e portantoa maior
eoergia r certeza em seus effeitos.
Casa de saude para, escravos
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
uperaco, p ra o que o annunciante julga-se sulBcientemente habilitado.
0 Irahmento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muias pessoas de cujo conceilo se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
aoentes.
Paga-se 20 por da durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
Asoperaces serio previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
MA GRANDE DESCOBERTA
ilaEo
deF!5AD0 de BACALHAU
: DESINFECTADO [
CHE,
BIEDILHI
QE
HONRA
DE BACALHAU
DESINFECTADO FERRUGINEO
A (propiedades .aiedicaes do oleo de figado de baeel&o torio unni-
memente reconheoiias. Mas seo chewee eo sabor'to desagradaveis
tonio o uso il'elle imitas vezes impessivel, mesmo aos estmagos
ce mis robustos e aos rnais condesceotes.
Por isso a descoserte do Snr. Ch-evjuer que lie permettio de
desiaeour inteiramente o oleo de ligad* de bacalhao-sem alterar suas
propriedades tcm sido um dos mais feliaes problemas resolvaos pela
therapeutaca moderna.
O oleo defigadc.de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um oiteir) agradavel e um sabor assuearado, o nico que nao
tem nem^so nemolteiro depeixe.
Objeeto de numerosos relatnos seicntidteos elle #oa em Franca
de urna (ana bem merecida, e receitado por todos os mdicos em
lugar do <>leo de ligado de bacalhao ordisarto. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de ligado de bacalhau ordinario, .usa se d'elle
nos mesmos easos isto .cas :
Pthrru ** aaasue,
FKfHiramriiC4> pr (irrm de
Irahaihu nm de fcuere,
felentlaa A breneUea rtetn-
le *m rhranira,
Teaaea prrlina>n,
Gaatritea, alr.iltiaa,
llore de rUni|i.
Elle convem a todas as compeicdes e a todas as idades, e temada
Meleatlaa eaerefaleasa,
ltarlii(iniu.
ohatriirraa date glandea,
Tsica pulmonar,
Molr.lla. da pelle,
Caiiatltuirao ifinphatlca,
Anemia, deMlldade, fraajucca,
Mar O <0e* de figado de bacalluiu desinfectado ferruginoso ie
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de ligado de bacalhau,
augmenta a acc9o tSo efcaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes,-etc., enfim perdesuas propriedades irritantes e n5o
provoca nconstipacdo.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparares ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quemes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
sejado ; julgamos intil de os enumerar.
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimenlacio das enancas iracas e doentes.
Um folleto accompanha cada vidro e contem as observacoes medicaes.
Deposito em Par, na pharaaacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
Compankia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna fianc em diaheiro, depositado nos cofres do estado, garaHte a boa ad-
ministi'HCo da coiupanhia.
BANQUE1R0S DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
DIRECgAO GERAL
Madrid : Ra do Prado n. 19
Est compauhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos segu-
ros sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripcao de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suirehendenies os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que ainda mesmo diminuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
tes eco:iibnnnl)-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para seos clculos eltquidacdes, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna imposicaoannua.
de 100# produz em elTectivo metlico:
No fim de 5 annos.......1:1195300
. de 10........3:9i25600
de 1S........11:208^200
de 20 .......30:2365000
, de 26........80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectis e mais informacoes serao prestadas pelo sub-direclor nesta provincia.
Jcaquim Fiuza de Oliveira, ra daCadeia n. 82, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, esttbsli
ment dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmao.
leci-
DE
COKIilIO & FREIlAi
lina da Cruz u. 1G.
Continua haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos, inglezes,
empadas, etc., etc.. Os donos deste eslabelecimento, acbam-se na< melbores condicoes
de poder salisfazer encommendas concernenles a sua arte, em consequencia do socio
Fre tas ter sido administrador chefe de algumas das princi, aes fabricas na corte, sendo
tuna a do Sr. Jo5o Goncabes Guirnaies (confeitoria do Lto) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalbos sao difTerentes dos que se fazem em casas particulares;
Os proprielarios desie estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparao, se bouver concurrencia como esperam ; tendo continuadamente bota sorti-
mento de doces para cha; presuntos, e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo .superior secco e cristalizado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, pudendo durar um anno em perfeito estado.
Para janiares e partidas recebem-se encommendas dosse^umtes objecios; pecas
de amendoas, (nogace.-) ditas de tmaras de ovos, pans de 16 enfeitados com dsticos an-
logos a qualquer fim; dilos montados, kechs simples e enfeitados com frutas a ingleza ;
gatheaus de la reine, djtos de le ducheze, tortas xe e carne; cremes e doces de ovos de differentes especies.
Tambem temum completo sortimento de \inhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, cbaropes e conservas. Para festas, bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muilos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra. ______
FABRICA VAPOR
99 RA DO MOXDEGO 99
Deposito na ra \o>a n. 50 ioja de relojoeiro.
0 dono deste estabelecimenio partecipa ao respeitavel publico que sua fabrica
est montada com as melbores machinas que existem na Europa, e que pode fabricar
com melhur perfeicao possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e puro,
o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco baixo,
visto os productos serem do paiz. Na etitp eta tem sempre urna aguia.
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 800
Urna arroba........I9000
Na mesma fab ica acaba de se montar urna olficina com senaria a vapor para
obras de marcmeina propria para edificio, para o que encaneg -se de fazer portas, ja-
nellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) earraaces, ludo com brevi-
dade e perfeicao. Toma-se qualquer encomnienda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
m
m
iV'
DEPOSITO DE CALADO
m i AiiiticAua ni casa be ni: i i:\aii
>; Itlia \ova u. 61.
^g Ahi se eucontraro ubr<.s de di-
versas qualidades, e por preco mui
diminutos, a retalho e em porces. S^
i S se vende a diriheiro. ^R
Ama para casa
Precisa-se alugar urna ama para todo servieo de
urna casa : na becco das Boias n. 2, primeiro
andar. ________
Na praca da Independencia n. 33, loj de
ourives. coinpra-.e ouro, prata, e pedras preciosas,
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.
m
O bacharel
Francisco Augusto da Costa
\'.
m
.;
88 da
Ama.
AVcGADO
Ra do Imperador numero 69.
g I mmm mmm mmw*
3 i Alnpa.se o terceiro andar da casa o.
K ra da Imperatriz, e o sitio n. t da estrada do Ar-
raial : no ra da Aurora n. 36,____________
Ama'/ leite.
Precisa-se de urna ama de leite : na ra do Im-
perador n. 12, terceiro audar.
Alugam-se tres casas na povoaco do
Monteuo a margem do rio, com muitos
bons commodos e em muito bom estado
de limpiza : a tratar n ra do Crespo n.
20, esquina, cujo preco de alugnel ra-
zoavel.
Precisase de urna ama fjrra ou captiva para
cozinhar e eomp'r, para casa de pouca familia :
na ra da Concordia n. 31, sobrado do armazem
do sol.
SITIO.
Destilla$lo.
Aluga-se o sitio uo Rosarinho n. 2 junto a capel-
la, com bastantes arvoredos de fructo, casa, co-
cheira, bo agua, por preco muito commodo : ira-
la-se na ra Nova o. 5o, ou rtecif- na ra da Ca-
dea n. 3.
O abaixo asignado az scienie ao publico
que nenhuma letra firmou.ou carta de ordem deu
a pe-soa alguma, e qualquer qua apparega protes-
ta ser falsa, e nao pagar. Muluns 17 de noem-
bro de 1665.
Jos Luiz da Cuoha Bastos
O abaixo csigud le.m jiMo e contratado
com o Sr. Jos Manoel Pereira Mendanha a com-
pra de sua taberna sita no pateo da Ribeira n. 13,
Iivre e desembarazada de qualquer responsabilida-
de, e se alguem se achar com direito a mesma, ap-
pareca oo praso de tres dias na mesma taberna.
Recite 28 de novembro de 1865.
Joo Gomes da Cruz.
Aluga-se urna escrava
a tratar na Soledade n. 46.
que saibi cozinhar:
0 abaixo assigoado faz seiente ao publico
que nenhuma letra firmou ou carta de ordem deu
a pesoa alguma, e qualquer que appareca protes-
ta ser falsa e n) pagar. Mutuns 27 de novem-
bro de 1865.
Jos Luiz da Cunha Bastos.
Estando prximo a retirar-se para fra do im-
perio a pessoa encarregada da destillacao da ra
do Brua n. 21, vndese o dito estabelecimento
em um s lote, ou em separado qualquer dos se-
guintes objectos :
I alambique pelo systema Egrot, que deslilla
180 canadas por da.
Tanques grandes, cubas e tinas de madeira para
garapa.
Bombas de japy.
Sinfons de cobre.
Toueis grandes, e qnartolas inglezas para de-
posito ri'aguardente.
Carrinhos de mo.
Baldes americanos.
1 Guinxode ferro e earreteN.
Grande porco de barrls de 5, { e S para
mel.
Pipas vasias para agurdenle.
Rodas d'arcos de pao para pipas.
Baloques.
Liacas de vi mes.
A tratar no mesmo estabelecimento entrado pelo
largo do portSo.
Paga-se 30$
Preisa-se alugar quatro escravos para o servigo
de campo, alem do bom tratamento, paua-se 305
por inez : oa roa da Cadea do Recife a. 61.
Pren-: se fallar com oSr. Fraorisrn de Pau-
la Borge.s U a, que foi escrivao na Torre ; na
ra Nova ti .
O abaixo assignado pede ao Sr. Joaquim Ma-
noel do Reg Brrelo (conhecido por Barra Grao-
de) que declare qual a letra falsificada, pela qual
esta endo ext-cntado, como lem dito a diversas
pessoas, se o nio lizer passar por um lofame e vil
calumniador.
Manoel Jos da flosta.
0 collegio dos orphaos lem precisao de sr-
venle : a entenderse com o director do mesmo.
Urna escrav.
Preclsa-se alugar uina escrava iip saiba cozi-
nhar, paga-se bem : na rna da Imperatriz n. 17,
segundo andar.
' Aluga-se a casa da ra Imperial n. 201, pro-
pria para refinafo ou oulro qualquer eslabeleci-
mento, por tec muilos co modos, quintal grande
murado e porijo para fra : a tratar na rna Oirei-
la n. 81, ou na mesma ra ti. 211.
Precisa-se de urna ama para o servico interno
de urna casa de pouc familia : a tratar na praca
do Corpo Sanio u. 17.
aos capita.es de campo e a
polica
2O0.s'()()0 'p graliicaco por cada um
De ' prximo passado, de bordo do palhaboie nacional
' Arroto lnlo, dous escravus de nome Roberto, por
appellido Macei, >- Miguel, o 1 de idade 45 annos,
1 pouco ma s ou menos, crioulo, cor fula, estatura
baixa barba cerrada, nm pouco torto das peinas,
| e com alguns cabellos trancos, tanto na barba co-
mo na cabeca ; o 2* alio, cheio do rorpo, sem bar-
ba, falla grossa, reprsenla ler de 3o a 30 annos ;
cojos escravos desconfia-se andarein pelos arrabal-
i des desia cidade : quem os apprehender, qoeira "r.ecis;
i levar a ra do Trapiche n. 4, ou a bordo do dito i,rir "*
re ATO
DE
CAVALLO
Na noilede 18 para 19 do correte fnrtou se um
cavallo mellado caxito, da eslrabaria do seu dono,
com sellim inglez quasi novo; cujo cavallo tem
cimas e canda prelas. as cimas sao grossas c ca
hem sobre ambos os lados do pescoco, e tem urna
fenda pequea na modireita ; esla acostumado
andar em cabriolet e bem conhecido nesl? praca:
quem delle der noticias certas ou lvalo a' Estan-
cia, sobrado de dous andares n. 2, ser gratilicado.
/t luga-se
um sitio na Pssagem da Magdalena, a margem
do rio Capibaribe, junio ao do Sr. commendador
Manoel Ignacio de Oliveira, lem boa casa com sala
de visitas e gabinetes estucados e esteirados, i
quarlos, sala de ja na r e de espera, cozinha e des-
pensa, quarto para pretos, um soio com 2 saletas,
estribara e ca^a para feilor, urna baixa de capirn
para sustentar tres cavallos todo o anno, alguns
arvoredos frucliferos : a tratar no Recife, ra do
Brum n. 66, armazem de assucar.
Grande Buzar.
Carneiro Viaona.
E' chegado a este estabelecimento os seguintes
objectos : cadeira de palha para enanca com ba-
lanco, bercos de novo ipndelo tambem de palha, e
outros muitos ariiaqs-ttesles gneros ; pede se aos
senhores qu* eiicommendaram alguns objertns
destes, o favor de vir etcolher logo os que preten-
den! querer.
Objectos de metal das seguintes qualidades, ur-
na- para cha, clialeiras para fazer-se cha', appare-
Ihos de almogo, dito de jamar e todos os mais ar-
tigos que se podem desejar deste metal por preco
muito commodo, que a todos deve agradar.
E^pelhos de todas as qualidades para ornamen-
to de sala, tpeles, alratifi e outros muitos arligos
que por gosto se pode visitar o grande Rizar, 0
qual se acha aborto desde 6 horas da tnauhaa at
s 9 da neite, na ra Nova n. 20 e ti.
Um moco com pralica de cobraseis amigaveis
ou pidiciaes, prope-i-e a fazer algumas as proxi-
midades de-ia capital com, una porcentagem ra-
zoavel : a quem Convier deixe nesta offloina caita
as iniciaes J. M. V.
l'reeisa-se ungir urna escrava pira lodo o
servico de urna casa de pequea familia :na ra
da Conceicao n. 41.
Roga-se ao Sr. Alberto Aschoff, chegado lti-
mamente de Mare no vapor Pnrahiilia, lera bon-
dade de se dirigir ao e.-criptorio da ra do Impe-
rador n. 83 a negocio quf lile di/, respeito.
ullerece-se para administrador de engenho
urna pesio* que tem ba.-taiite pralica : quem pre-
tender dlrija-se a ra da Cruz, deposito n. 35.
U Sr. commendador Manoel Jos da Costa
nao deve iolempeMiramente assomar-se com a no-
ticia que Ihe Cbegon, de se ter descoberlo im a fal-
sificacio n'uma letra, pela qual est sendo execu-
tado o Sr. teiienle-i'.uronel Joai|uim Mauoel do Reg
Brrelo. Pedimos-lhe, que, por quem se nao
afadigue com o cato, do qual bem pode ser que
S. S. nao tenha cotnplicidacle alguma.
bepois que e proceder o compeleote exame, de-
pois das provas e discusso sobre os embargos de
falsidade que sero apresentados opportunamente,
veriftear-se-ha ento se na verdade existe ou nao,
a falsificacao argida. Assim, porlanto, claro
qne nenhum direito adquiri o Sr. commendador
Costa, contra a existencia dessa criminos'i falsida-
de, com a previa e precipitada publicarlo de seu
annuncio, feita neste Diario de 28 do correle,
sendo que nelle apenas iraz o nico provciio d-,
l para diaote, conhecer se : quem sera' o infame
e vil, se o tenente-coronel Reg Brrelo, a' quem
se quer prejudicar, oa se o falsiflcador disfargado.
Precisa-se alugar om e-cravo para o >ervico
interno e externo de botequim : na rna das Cru-
zes n. 39.
Precisase de 10,
eozinheira por alugnel :
Concordia n. 61.
dando urna
a tratar na
escrava boa
travessa da
na ra da Impera-
Escravo fgido
l-'ugio no da 27 do corrtnk mez peto 8 horas
da noile, o escravo Isidro, cabra de estatura regu-
lar, cheio do corpo, representando- ler 2. annos de
idade, tendo no pescoco, que curio e grosso, 12
cesuras ainda novas, provenientes de bi*as, e bem
assim urna cicatriz em um dos lado?, levava vesti-
da caiga e camisa de algodao azal e um bonet de
palla. Este escravo foi comprado no da 6 do cr-
reme mez a a Luiz Vairacer da Rtcha Pilta, procu-
rador bacante de Manoel da Silva Borges, mora-
dor em S. Jos de Santa Anoa (provincia do Rio-
Grande do Norte;, d'onde Moral, e para onde
suppe-se ler ido. Pede-se s autoridades policlaes
e capiles de campo a ?ua as-prehenso. Quem o
apprehender e levar a ra do Pilar n, refina-
cao, ou ao abaixo assignado ser recompensado.
Lnlz Antonio Sonealves Peona.
Precisa-se de urna ama para irafr e andar
eom meninos, e sendo urna negrinha melhor:. no-
Recife, ma da Cruz, n. 29.
A pesoa que annnnciou querer vender urna
escrava com urna cria de um mez, se ainda quer
fazer negocio, dirija-se a ra do Queimado n. 6,.
Ioja, ou annnnein Na ioja u. t carta para o lllm. Sr. Francisco Pedro da Costa
Moreira, est jdante de preparatorios.
Precisase de um criado atimeado, paga-se
bem : na ra da Aurora n. 50.
COMPRAS.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de ellectvamente escravos de ambos os sexos : <
ruado Imperadorn. 79, terceiro andar.
Comprase ouro, prata e pedras preciosas,,
em obras veihas : na ra da Cadea do Recife,.
cja de ourives no arco da Conceico.
Comprase carosso (sement) de algodao : no-
armazem de algodao de Saunders Brothers & C.r
no caes de Apollo.
Ouro e prata.
Em obras veihas : con-.pra-se na praca da Ir:
dependencio b. 22, Ioja de bilhetes.
Formas para fazer vtlas
Compra-se porcao de formas para farervels da-
carnauba ; quem liver e quizer vender, dirjase a
ra du Destino na Boa-Vista n. '
VENDAS.
Manual do Cidudao
Vende-se o Manual do Cidado era um
Governo Representativo ou principios de-
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro-
Ferreira, em 3 volumes broxurados por 3^
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independencia.
Ornamentos
Vendem-se ornamentos para se dizer
missa, com lodos os seus pertences : ua ra
da Gloria n. 56.
Novena da Conceico
Vendem-se novenas da Conceico, em
impressao ntida, das que usam os frades
carmelitas: na ra do Imperador defronle
de S. Erancisco.______________
Barca pnrtugueza iRecreim.
Vende-se este superior navio que carrega 6.000-
arrobas em 14 l|2 palmos, propno para o Rio-
Grande do SuJ. forrada de metal novo : Irata-s
com o consign atrio JjSo Francisco da S. Novaes,
jravessa da Midre de Dejs. n o.
Vende-se a taberna n. 3 do largo do Cmno :
a iraiir na mesma.
Vente se um carrinlio americano d; quatro
rodas, sem c iberia, ern b un esta lo : quem quizer
dirija-se a praca do capirn, coebeira d- Tnomaz
Lins Caldas, que achara' cim quem tratar.
Plumas brancas
na pra^a da Iodep nlen-ia nume-
para gorras :
ro 3V.
l^triaha de maudiot a.
Excellente farinha de mandioc d- Siou enha-
rina, a bordo do bngue din&marqoet Hi'imlnt, an-
corado defroiitf do trapiche do Cuuln : VeQde-se
na ra da t.ruz n. 2:!, Io andar.
Vende-se urna prela crioula, bmila Hi ra,
sem vicio-, com 29 anuos de idad \ e eum algo.as
habilidades, e o motivo se dir ao comprador : no
caes de Apollo, casa u. 17, Io andar.
Vende se uuu escrava para todo o -meo,
lantc de casa como de ra : na rm das T.inchei-
ras n. 2't.
Vende-se
nina vacca de raca tourina, crioula. d > pasto, dan-
do seis tigellas de leite o melhor que se pode dese-
jar : na travessa das Barreiras n. 9.
Algodao trancado
da fabrica de Fernao Velho : no esrriptorio de
Manoel Ignacio de Oliveira & Fiiho, largo do Cor-
po Santo n. 19.
Vende-?e um laixo de cobre e urna porta de
pinho em bom estado; quem pr-tender dirija-se
a Cafuinga, rna das Criuulas u. 23, que achara
com quem tratar.
Vende-se urna negrinha de idade de 10 an
no : a frutar na ra da Imperatriz o. 20,
navio.
Dentista de Pernambuco.
Q| Kua eslreita do Rosario n. 3,
99 p da igreja
FRANCISCO PINTO 0Z0BI0]
! Col loca denles arllflclaes !
pelos systemas mais nm- I
W densos
Emprega todos os meios scienlificos para |
S conservar os naluraes. .Pode ser procura- j
I do em 'eu (jahioete das 9 horas da ma- I
M nhaa as S da larde. fi
Perda.
FOGO No armazem da bola amarelia un uiio da secre-
taria d polica recelieon-se enci'umendas de fogo
a dor para dentro e lora da proumcia.
> Arrenda-se a propriedadeSanta Cruz, comar-
ca do Cilio, meia leg-a da estaco da liha, com
boas malas e trra para plaotacoes : a tratar na
praca da Boa Vista u. 8. __________________
Precisao.
Na ra da Cruz, armazem n. 63, precisa-se alu-
gar tima mulher capaz, de boa conducta, que saiba I
cozinhar, comprar e fazer todo o mais servico de,
urna casa de familia (menos conduzir aguas quer1
limpas quer servidas), prefere-se escrava, que seja:
fiel. Garante e pagar-.se bem e com promptido.
Na ra das Larangeiras n. 18, segundo an-
dar, precisase de urna pessoa para comprar e co-
zinhar.
Perdeuse da ra do Livramento at a ra do
Trapiche urna carteirinha de lembrancas, cuja car-
teirinha tem nao s a capa dourada como tambem
as folhas : quem a tiver achado e queira restituir,
receber de gratieacao o valor da mesma : na
ra do Trapiche n. 38, esenptorio.___________
, Em casa de Theo Cnristiaosen, ra do Tra"
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasib
de Brandenburg frres, Bordeaux, encentra se ef-
feciivamente deposito dos artigos seguintes:
St. Julien.
St. Fierre
La mse.
Chateau Loville.
Chateau Margaux.
Grand vin Chateau Lafitte 1858.
Chalt-au Lafitte.
Haut Saulerues.
('hatean Sauternes.
Chateau Lataur Blanche.
Chateau Yquem.
Cognafem tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
mmmm mmmm mmm
| Companbia fdelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AOENTBS EM PEKNAMBLCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 1 C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fdelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
***********
1
Aluga-se um sitio na ra de Joo Fernandes
Vieira n. 5i, com excediente casa assobradada e
rodeada de janellas, tendo craodes commodos para
familia ; no sitio tem alguns arvoredos de fructo,
assim como um telheiro para jogo da bola com to-
dos os seos pertences : a tratar na ra Direila nu-
mero 137. ________.
Na ra da Imperatriz, Ioja n. t, precisa-se
de urna costureiraque tenha pralica, e que j la
nha trabalhado em casa de alguma modista.
Ama
Precisa-se na roa de S. Francisco n. 18, de urna
ama. para casa de pouca familia.
Fugio uina escrava do poder do romtor Vr
rissimo na ra Augusta, chama se Thereza, cara
redonda, falta-lhe tres denles no lado de cima, ca-
bellos crespos, costuma abrir o cabello, lem o pai-
to esquerdo queimado com um ferro de engom-
mar, baixa e cheia do corp\ cor mulata, pre-
vine-se as autoridades e capiles de campo leva-
la ao pateo da Ribeira n. 5, que ser bem recom-
pensudo.
= Quem quizer comprar abacaxis maduros e
inchados por precos commodos, dirija-se a roa dos
Ferreiros n. 3.___________________________ j
Pede-se a todas as autoridades que aprehen-
dan) sua escrava de nome Marta, de naco Coste,
de idade II annos, cuja escrava foi de Domingos
da Cota, morador na ra da Senzala Nova, bem
como se acha fgida desde 20 do correte, assim I
como se protesta contra quem a liver acoulada :
quem a pegar leve-a a Capunga ao abaixo assig-
nado ou a recolham a casa de detencao.
Bernardino Jos Leito.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar : na Ioja de fazendas da ma do Livramento
numero 22.
- Na ra Direita n. 24, ha para vender
todos os utencilios de padaria, que se ven-
den) j un )S ou separado.
Vende-se urna mobilia de amarello ja usada:
na ra estrella do Rosario o. 17, 2o andor.
FAZMD
Va Ioja de Joaquim de Paria Machado
lina do Queimado n. -AO
DEFRO.NTE L)0 RIVAL SEM SEGUNDO.
Neste acreditado estabelecimento encontrarn os
compradores um completo sortimento de boas fa-
zendas, que se vend-rao muito baratas, aflm de
susieni<>r sempre o mesmo crdito que at ao pre-
sente tem merecido aos seus nmeros freguezes.
Enire a rauita fazenda* ha as seguintes:
Laazinhas enfestadas de i palmos de largura, fa-
zenda outr'ora de tilo, pelo diminuto preco de 360
rs. o covado.
Cortes de laazinhas, padrees novos, com 15 co-
vados, a 44500.
Corles de cambraia cora flores bordadas, fazen-
da moderna, pelo diminuto preco de 75-
Percalles muito linas, de lindos desenos, covado
560 rs.
Cambraia organdys, muito flaa, vara 600 rs.
Tarlattna verde, cor de rosa, azul e branca, vara
800 rs.
Grosdenaple preto muito eocorpado, covado 24
e lj>6(0.
Chales de renda pretos muito modernos, a 104.
Retondas.de renda preta da ultima m,..l.i, a l i j.
Sai js bordadas com i pannos, a 44300.
Ditas bordad is, coro 5 pannos minio linas, a 94-
Baloes de arcos a 24, 24500 e 34
Madapolao francez minio encorpado paca salas,
vara a 440 rs.
IVcas de cambraia lisa fim, a 44. 44500 e 54.
Haas de dita para rorro, a 24800.
Algodao enfestado com 9 palmos de largura, va-
ra 14-
Guardanapos de linbo adamascados, duzia 34500.
Lencos de cambraia branca, para algibeira, du-
zia 14600 e 24.
Cobertas de chita franceza fina, a 24500.
Lences de bramante alvo, de um s panno, a 34..
Ditos de algodao de um panno s, a 24.
Lencos de cambraias de linbo mono lino, duzia
54000.
Ha tambem um completo sortimento de roupa
feita e por medida, para o que tem sempre boas
casenlras modernas, brim, etc.
-

\


^B
I
>
i. i i III-""*~"~1
OJ rio dC Tcfnambuc -- (uiuta t ira 30 de Xoumtiro de Si.
PILULAS CUIIUUICAS DE AVER.
Rival sem segundo
pm mando ludo lioni e barato, OUeni Ui- Te?d0 os ProPrie,i,''<>s d'este estabelecimento de
-_ __1_ j ",,u* > 1"7.H"1 liquidaren! urna grande porcao de suas fazendas,
On-1 Zer \ertt admirar VCnliam lOja dO al ao llm do crreme anno, afim de fecharera cou-
._.__ Fl-_____ i. JLh.!u u..l______ ...
Estasi pillas vegetaes sao 'ft_a do Qireiniado ns. 4 daptadas a todos os usos de um mind_-.0 .pugaqte as fmulas, pois sao mIa8 .^ tres portas, est quei-
5perfeilamente innocentes, e
quanto milhares de pessoas con
fessam com gralidao que forara, Bigodinho.
curadas por ellas de molestias Caixas de papel amizade, e sera ella liso e pautado
severas e perigosas;nao ha i a600rs.
um so caso em que naja suspei- 'SSaftao r* pralea(,os fazend* m-
tas d maiS leve resultado inju- Duzias de penna'de ac fazenda boa a 10 rs.
rioso por seu USO. Pecas de tranca de la lisas e de todas cores a
Publicamos aqui alguns dos *0rs- .
attestados que temos de curas ^arss aismas
Pecas de fita de cs esireitas
320 rs.
Ca!"s cm clcheles trnceles, superiores quali-
Affecc thronica do ufada.
It.l.M. SK-
Juiz de Fr, 17 de (evertiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar m vi-
dro, tendo tirado um resudado nao "espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-1 Frascos e garra'finhas -cora agua"d"cednia
fermidades do figado e naco, cera o usoL**i.rs'- .
das pillas posso Ihe assegurar que estou, "fif?"1" com *"perior ,goa de Colona a
bota, pe* tendo desappareoide um grande Orina cura 12 frascos de cheiros mei finos a
engorgi lamento que snffria, imitas dores o_W0Q-
sobre a regiao do figado e costas, dores de k***** pequeos-de bolla
Grande loja e armazem do
Pavao.
Ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
octavis feltas ltimamente.
Um caso notavel de
para limpar denles a 240 e
com iO varas a
Tinleiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pegas de cordo para Vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos muito finos para voltarete a 00
240 rs.
AGUA BRANCA
Rua do Queiraado n. 8.
A loja da aguia bianca acaba de reetber um
novo e grande sortimento de dilferente* objectos
de gosio e ultima moda, sendo ;
Bonitos enfei^s para sentioras gestos inleira-
Latas com superior banth a 200 rs.
Frascos de macaca peruta muito fino a SW) ts.
tas e apurar diuheiro, resolvern! vender todas as
fazendas cora grande abatlmeuio em preces, lauto mente noves.
em porco como a relalho, e por tato previnem a Ditos ditos i!e grade com comas grsndes.
lodos os seus fregones, e ao respeilavet publico, e Lindas fivela grandes para cintos com moldes
as pessoas que negociara em pequea escalla com agradaveis e diversas qualiddes, madreperola,
rateadas, que tiesto estabeltcimento encontrario tartaruga, ac e douradas.
um grande sortimento qire muito Ibes bao de agr-' Boas e. bonitas tilas acharaalr.tadas para ditas.
dar lauto em precos como em qualidade; as>im', iU-s de dita de grosdenapies I i.-as e lavradas
como maodam pelos seus caixeiros levar as fazt-n, com novos agradavus desechos.
das e amostras uas casas das familias que nao \n-'- Trancas pretas de seda'com vidilILcs moldes
derem vira loja, ou do as amostras deftando novos e de gosto.
car penhor. Ricos brancos e|ritos de seda com vtdrilhos e
Caiubrdas SaS a HOO. 1 loja dO de dilTereules larguras e touilos desenhos.
pavft Cascarrilha* de seda com diversas cores e lar-
"'"O- guras, formas inteiramente novas a imliacao de
Vendem-s* pecas de cambraia lisa branca e pato, babadinho eoutra com urna Iransiuha do
transparentes, tendo oito e meia vara rada pega, ceniro oque Ibes da muita graca.
'pelo barato preco de 35500, ditas muito finas, por, Ouiras strei-as e largas guarnecidas de tico
e 45300,5#, G al IQf, sendo lapadas e transpa- de seda obra de muito gosto.
' rentes, assim como corles de cambra* com salpi-
cos a flp&OO: isto s na loja e armazem do Pavao,
na ruieda Imperainz n. fio de Gama & Silva.
As ramisiuBN do Pavao.
Ouiras de comnraia de cores.
Boides de seda, velludo e ac para enfeites de
vestidos.
Trabas de seda et-lreitas e largas brancas e de
A LEGITIMA
UIWUIKH
Meademse as mais modernas camisinhas borda- ores para enfeites de vestidos.
dasoom manguitos para seohoras, sendo as mais
morfemas que tem viodo ao mercado a 4^500, di-
tas com manguitos, para acabar, a l>; dilas pre-
tas com manguitos para luto -a 15800 rs., mang-ui
. .- ... Ors.,grandesa -^--1=-- ESmWSZZ *"**;
cabeca, inchafao de ventre, i5o podendo Duzfb de sabonetes neauenos rom ehm a 7nn oaD,bria bordada a 500 rs., calcinhas para "adas capellas brancas para noivas.
deitar-me senO dejado direitO, SS0 mes- Agua dentifiee superior nualidadea 'MO rs menina a640rs-, romeiras de fil e cambraia
Hio procurando posicao para !ter socego, ho- ;"* com superior p de arroz a 60 r' !?ra.ca bor.da<** a5500: na. 'ja do Pava> rua
je me ho livre 'esse padecimenio ; como ^Jg* .por aqu anda as Utao naja, eu como tenho .prascos COfaess{.0(.iis para tjrar MOis fc Vendem-se os mata modernos chales de merino
' estampados a 200Ocada um, havendo tambera um
PREPARADA NICAMENTE POR
LAMAN & KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, groando das
propriodades emini.tcnet.ie depurativas;
A asiuia branca a r*a do Queimado n. 8, rece- *___, t '
approvada pelos juntase aradni tas de me-
dicina; usada nos pr Flores finas
Capellas para meninas e noivas.
-Ditas ditas para meninas.
ilas ditas de cteos de flor de laraoj.
Ditas ditas de rosas camelias e outras.
Dilas ditas ou ramos de Irigo.
Diversos ramos de flores finas para pefto
vestidos, enfeites de chapeos te., etc.
de
vis militares e da marinha as Antillias e
bo continente americano ; receitada pelos
facaltativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanliol
este.proprio qu de casa, Ihe rogo man-1 i 00 rs~ ^"" *m*" "*0' uuu" e rupa i esiampados S00Oca'um, bm'do'mbe'm'um I'e,,uos' e,ies ae tnapeos *"* CURA RADICALMENTE
dar-we alguns vidros, e OCUSto elle llie St*!**^* com Cheiros de todos ospwcos a 160 VIO 8raD(,e sotmmenio dos mesmos matizados que se "repQrOS para lores. scrophulas, rheumalismD, escorbuto, en-
tisfer, assim bem como do charape deL,**0 e *2l u. SS'^SlX^SKSfiM ^.T^J? -^a rua do Qaeimadon.iS, loja da agu* bran- fermidades venreas e mercuriaes. chaga
re, ,ue *. ocesiao experim^-, &S^S'JS%Sr^S^ *&?* G""& "* I "ST P ~L "^ Tpb" V'hs K T^ ^
em um ataque de guellas que teve tima I 45800. Vendom-se rlquissimos tintos de fitas de dlver- j Dito verde para folhas. venientesd um estado vicioso do sangue.
'preta que com elle curei, faco uso d'olles Gojluihas mu.to finas para ssnhera a 200 rs. !sas crese dourados-oom 6vela larga -e doorada,! Dito dito e pardo para-cobrir os ulos Das tosses m minha familia sempre m, ,LTPf" soldados ehunljopara mewinosa assim como enfeites-para cabeca dos melhores e Musgo em rama. falsificacoos, preciso a maior cautela para
hom rrnnltlfln p nnr i^n p ma njwiuira '-.." J-.- ,. mais modernos que tem viodo ao mercado 'ledo Folhas para rosas. pvitar n nm>iu
.i S1 ? q PeC^fa.Pejas-deWa de laa para dbFsm de vestido, com isto se vende por um preco razoavel que mixto Aoulhas P /'hrtS rttra Oroehrt ? 0Sen8aR0S> .
imandar algtms frasquithos, e mesmos pi-| Wwjs a 600 rs. \ ihes bo de agradar: isto s na toja e armesjem i flT" G mwt para-crycftCT. a legitima salsa de Bnstol vende-se por
?ulas pode TOOntar a toze, porque 'tenho %1* Dicos aperiores, -para acabar a 600 e do pavao na rua da emperatriz n. 60, de 'Gauw & Veodeais na rua'Co Queimado n. II loja da
eleiros c correciros
PECH.NClfAO
S-jIa de lustre em perfeiio estado,
meto............05(00
45-una ijelta-4i
feito uso tFeltas para "jso da familia e al-
gumns pssoas, ia d i,rateg[e
resultado; sou bldearoieandeoda
De'V.^,;attensgPs.ar
FflANC.CO FERRKArWMtt
JEL' As toalfcas de linlio da Pwio.
Run^ 1 ,Uh* Paf* mnU,fJ ,6 rs- Videm-se superiores toalnas de tinho das rae-
r?/T^XS &.* T3 a ,6 rS- I Ihores'qm) tem v.do ao mercado seto baratsimo
^^^SL*21S! pa,ra"*&* i00 rs- : P'V'M 95000a darla, eu 800 rs! cada urna, na
rT:l l <"',r'dos< ^' Prenda a 500 rs. toja earmazem do Ca vao, na rua da Imperariz n.
GTOms de boioes pequeos pretos par cal^a a! 1,-de Gama 4 Silva.
varas de cordao de espanilho a 20 rs. r A *"?!* **" ,
vNovellos francezes comr23f ardas a 40ts ; .WS?en",e as1ais as mus bordadas ^sagu-
Pe^as de liras bordadas a 640. I *tori,ncas sendo da melhor fazeda que'tem vin-
Uu-za-sde meias croasfiitiii* fortes scpriores a
niopre;ode ItJKWO; dilas bor*das croch a
5(;00 850uti, dilas com babadiatios a'B*K)0, na
loja e armazem do Pavo, na rua da Imperatriz n.
Ilhwtsatismo e a4iups liemarrwHiaes.
IlXM. ^Sr.
Ottro-Preto, 3 de marco 4e '18ft4.
Posso certificar41:e que as piiulas ca- 3l5,m
tharticas do r. Ayer sao excellentes, pois Outro objec(o.
que seffrendo eu ores pelo corpo, e que Vindos lamben *para a antiga loja de,t>' de G,ma <& iva
suppur.ha ser rteeematismo, {molestia esta miadezas rua do'-<}ueimado a. 16. Nwa vetdos do Pava* a <0>V60*.
queja havia soffrido ha annosi e soffrendo I Sapatinhos destim branco bordados pa-^ Chegaram para -loja do Pavao os mais ricos cor-
tambem de atocs hemorrboitaes, e de ra baptisados. es de vellidos de cambraia traspt-ent3 coraos
un, olvido, pois ,ue at j.po* ouvia.ej. Ou.ros de merino tambem dados eS^u^
acomjpanhado sultei a um dos sssos mdicos, e este me. Meias de seda, correspondente no tama- rem niu,la fa*i:da e enfeites netettes para o
disse que devia fazer uso da stea ; porm' no dos sapanhos. K !":e vendem-se pelo barato preco de
leudo eu -o ataaaack do mesmo doutor.l Outras mui unas de fio da scossia SMllSSSiST*"^
comprei em-sua ossa um vidrmho das mes- brancas listradas. eiiartilhos da Pava*.
masipilulas e por minha cotata.principiei -a' i-uvas finas de fio da Escossie brancas e Vendem-se um'grande e variado *sorim*nto de
toma-las, e sei as inalisar acito-^ne sem as*le cores. f-espanihos os oais bem fe i tos qoe aguia branca, assim como agulhas iwa iranalhar-
se em laa.
Papel de sbrecellente para os
phosphoros hygienieos ou de
sey,raine&.
A vista do grande tamanho das -eaiiinhas dos
phospbores bygiemcos ou de segwanca, tornava-se
pouco o ipapel que vvem em ditas ahiinhas, e para
donestege nero^ tendo mu. a roda, pelo baratissi- r dores pelo cotipo:; e sem sentir, sarei do
ouTtdo, e ni -siiK dos ataques hemorrhoi-
daes: portawto lo para mim as taes pila-
las as melltores <]ue tenho experimentado ;
isto m abotio da vertiade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O briga-dstro
JOOiBoDlIlCfES FEC a>EGitnVAl.HO.
Gastrile.
Ouro-Preto, 29 de mareo de i 864.
*Afitesio q^ie tendo feito uso, a-ooselhado
iporum amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
'fiquei perfeitameote bom de urna gastrite
qu-e^oUria e que privava-rae de-andar aper-
tado, boje felizmente nada siato.
AcaesTo Gollatixo m QfaLLO.
Fa;!a de apetite.
Ouro-Preto,k de ecureiro de-tfi.
Sendo eu affertado do figado lia rauitos
ampos,.e ultimaatente sollri falta de apetite,
moje du gracas a Deus por acbar-me sao
^.peffato com c aso das pilulas cathanicas
ilo iDr. Ayer.
Antonio Bknto Oitas de seda,para senhoras. I2J5.se!Idox e ',dos fnnUl***0**'*0 tora,,f-1
i ;<. An Ai -simo preco de 45, 55, e 65000, por bavar grande nimbos.
Ligas de dlt.para senhoras -e meninas, ertmente, na la do Pavo, na rua da Imperatriz
Pentes de tartaruga mui fortes para des- c. 60, de Gama cuacar. Retoodg prelas a 42OGL,
acafea dereceberesse especial papel, tqoal so
dar de sobreeeltonte a quem oomprar de taes
pnosphoros e sewender indistioetcmenle a quem
deHfl prccisar.'O prego de cada caixinha de phos-
phoroeantinua a ser 160 rs.,'e vendem-se na roa
do (Jueimado' n.% loja da agpia branca.
Seda froucha para bordar.
Vendse na raa do Queiroad^ loja da agtia
branca .-8.
Obrns de cwyslal.
'Brincos de diversos mddesi
Outros tambem de crystal dje cores.
OuIms de aljofares braocos^ entras cores.
Aderemos de crystal obra denosto.
flosetas de dito e rruzes. i
Bolees de dito, braocos e de copes para colleta.'
Dilo de dito tambera brascos e de cores para
CAORS A BARBOZA
JOO DA C, BRAVO & C.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambnco rua da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barhoza
VENDE-SE
ENCICLOPDICA
52 Rua da Iiuperufirfz arni.tzpm
da porta larga 't.
Junto a padarla fradeeza de
Paredes Porto.
Neste eslabelecimento encontrar o respei?Vfl
publico um rariado scrliintuio Jo fazeudas l'ratice-
tas, ingleas, suissas e alleraes, que se vendeao
por prego commodc.
Paredes Porto
Vende chales de renda de cores que se vende-
ram a 18 est vendendo por 65, ditos preto?, fa-
renda nova, 55,65, 85 a 05, um sorlimcnio ,-nm-
pltlo de manteletes, rapas e soutambaniups li-5 a
235- Rua da Imperatriz n 42, juuto a padarla fran-
ceta, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Receben um rompido sortimento de iSfsinbas a
40, e 280 rs. covados, para acabar, ramnralas de
cor a 240 rs. o tovado, riscado esios.-ez pura r< u-
pa de menino, fuaiu de lioho a 420, 400 e 500 rs.
Rua da Imreratriz D. 52 junio a padana franreza.
irmazem da porta larga.
Paredes Piulo
Recejen para coi Uados para cama franceza a
115 a peca cambraia lisa fina a 35 45 al 105 a
peca, corte* de larlalaoa de bonitos g> ftoa a 35606
e 45, cambraia com flor de seda, gostos interra-
menie rovos a S00 e 500 rs. o covado,no armwem
da i orla larga n. 52, rua da Imperatriz juulo r. |a-
daria franceza.
Paredes Porto
t Rerebeu relouliimo paquete um sortimento de
, crines com pedraspara o pesclo, bonitos caxiueis
! de la para pescoco de senhora. Rua da Imperatrix
I n. 52, armaztm da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorguro prelo para vestido com
2t covados cada um 355000, grsdenaple prdo a
15600, 15^00 e -11 o covado. lias lizas Bnas i 400
rs. o covado, laaade quadrinho para vestido, enles-
lada. a 320 rs. o covado. Rua da In.perairiz i. 52,
armazem da porta larga.
Paifies Parid
Tim (ara vender cr preco commodo, pe{as de
esguiao de linho rom 10 varas a 75, 85, panno de
liuho para lenices a 610 e 700 rs. a vara, braman-
te de linho de 4 largaras a 25200 e 25500 a vara.
Paredes Porto
Vende corles d cambraia bordada1) de reos
gosios a 105 e 125, nres vestuarios para ir ria
e menino, ricos cortes de cambraia Mara i'ia a
105 e 205. tarlatana branca e decora 640 7'iO
rs. avara. Rua da Imptrairiz armazem da porta
larga n. 52.
Roupa feita
Rua da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
nm cabriole! amerismo de<]uatro rodas para duas
icssoas, um outro para quatro pe?soas, ambos
< om arreios, novse elej-anie, por preco comuo-
do : na roa da Popi-a Velha p. 8._____________
Vende-se urna serava de 25 anuos, cora ha*
bilidades, e que engemma perfeitamenle : na rua
do Imperador n. 40, das 9 da manlia at 1 hora
da larde.
Vende-se um cyliadro, nma masseira, orna I ga junto a padaria franceza, encorara se'oeste es-
balanca grande e ma dita pequea, com todos os tabelecimento um completo sortimento de i ab los-
pesos e mais uteoaWws de padaria: a iralar na saceos e sobrecasacos, de tedas as qualir;;d,.-. al-
rua Direita o. 2_ j cas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas; meias,
Veadfrse a'padaria da rua atraz "da" matriz h(.os deso, ditos francezes para cabrea, por
ou alugase,est bem fr^uezada : a tratar m Pwt<* commidos, ronpa para menino e c;.:-as
padaria da rua larga do Ro?ario n. 46. muttas fazendas per precos cmmodos, arm^z-m
I da poita larga.
No mtsmoestabelecimento encontrai o rff|wi-
Uvel publico, scii^-i' um completo sottimenlo de
barritis com Ntroz preto e outras cores.
Carleiras com amibas.
Agulbas francesas, as afamades.
Caixinhas com aJtinetes blancos e pretos.
Haspasde baleta,para vestidos.
Fitas de linho proprias para dos.
Caixas com liniia de novellos grandes
para crochets.
Na Joja do pavao.
Chegaram pelo ultimo vapor as mais aricas re-
Koadas de tenda (iretas, sendo das nais eamptldas
^;e tem vindo ao mercado, e vendem^e por prec>
ailo em conta: na loja e armazem do Pavo, tu-
da imperatriz n. 6U,-de Gama & Silva.
Cortes de casimira, prehincha,
A 28d0.,rna loja fio pavo.
Veodem-se ijomtos corles de casimira de-rires,
temk claras e escuras, e vnndem se pelo bartlis- i
simo prego de 25000-c corle, ou veode-seames-
Voltas de^ dito e outras quadates.
leques de dirersa$ij VeD**m-se na rua do Qc|mado 8, loja da
afi,> .< ..woa.
Aspas forte? para halo.
v.t}Ddem-se*a rua do Queirtiadoliosa da aguia
braocac.^. j 6
Carreteis com retroz.
loja da aguia branca.
a tirmir ca
Trancellim de bo nacha preto, redondo.
Iloaltas (ivt*llas. grandes -de ac.
douradas, odreperolo e tar-i|arflfa. *,*!+******
taruga. faiporatriz n 60, de Cama & Silva.
A oja de miwiezK rua do .Qseimado fe cr(es ye (^WT lio ?*f*
n. ik, recebeu um benito sortimento de Vaadem-se superiores, rrles de casimira, sendo
fivellas grandes para cintos, sendo douradas, madreperola.3 lartaruga, acqnaes rada ,i''" : na N p mazem do Pavao, rua da
esto sendo vendidas em dita loja pr _pre- lfi*--'*~ >. f*0*-* lut.
n .-.,i^ : ____i..' ,i, .-, Lanziulws a 3^0 e .i 20 rs.
Na roa nc-Queimado n.8,
Cmmvcome pai
bellos
A agwa branca avisa ao: coa# ,do, tendo^a.mosde de^lienTrin.url SSaTS
ni do Paijw, -fUi da ber umaoova.reoiessa de c 'oraacom<>. .loricomp
peonessa de c omacome, cloricome
esabofernoc,faecessano lara lavar os -cabellos,
portante podem.dirigir-se a dita loja ,na roa do
Queim-i O. 8.
abridores ucluvas.
Vendem-se na na do Lueimado luja .da aguia
branca n. 8.
eos (Otnmodos ; assim camo boas e'bonitas;
Vendesn-SH lanzinhas de quadrmhos a' Iraitacio
foi'l boMneis
/, j HUS (legorgorao acnumaionOO, proprtaa pa- das sedtabaa de quadros palo barato preeo de JSii d bonito* moldes..dourados e cabo e. inadsepero
ra ditas vellas.
Oelo de penefra e de outras
qualidades, paramuem soffre
d visita,
A' Inja de -miudezas raa do Qoeimao
r*. o covado; dilas garilialdiaas com o- mais lin- 'a : acham-se a venda na i ua do Queimadc loja
dos padrSes a 320 rs., Pavo, rua da Imperatriz a.<6. de Gama & Silva.; clo'ir.'iK l0l](lt|illlias
0&em
Vendem-se cinlos de litaom fivelas pelo tora- ofieiladas: vendem-se na rua do Queimado a. 8,
lisiimo pre^o de 15000 : na loja .do Pavo, rua da 'loja da aguia branca.
o. 16, tambem receben oeuos de peneica imperatriz o..-o, de Gama Silva.
Vende-se umaescrava parda de idade 22 an-
nos, sabendo engenMiar nerfeilam'ente quaiquer,
roupa, tanto de senherra como de itomem, cozinliar'
e lavar eaw perieicfm, e tambem cose muito bem,
nao tem vicios nein achaques de qualidade algu-
ma, prefermd.j-so comprador, para fra da provin-
cia : ua rua da Cadeia e. 40, primeiro andar, se
dir quem a vende.
Peanas de o.
Veodem-se smieriores peonas de ago, bico de
oca, pelo dtOMWMe preeo de a20 rs. a groia : na
paa_do Queiraado 40,'Juia de fazendas.
Vende-Se urna eserava erioula, com urna cria
de um mez, com atmadaoie leite, perjeita engom-
madeira, (avadeira e ^uHandeira : quem pretrn-
der annuncie.
Liquidadlo geral.
Conslipacaa, dures de cauta.
6nro-lJreto, 8 de marco 4. o.an
Atledio que achaodo-me atacado de tima: com vidrosclarcs e oscuros, :para quem sot Chales rU)s de reBta a 8.S-00, oa Al U^r I f" R A ifl)
forte conatipacao qj*3 trouxe-me dores por fre da vista, assim como outros de armaco loia do Pa\ *^ UHIJI/ >I tode o .crpo e na cabeca, soffri liorrivel-!^eaC0> sonidos tea graos.,
mcrtle por espaco de quatro das; c-iiMn C'oroas e -Areos de eornalioa.
um aratigo aconselhoti-me que to'masse pi-' A amiga loja .de ntiudezas a' rua do
lulas atlianbicas do Dt:. Ayer: com lias fi. "Queimado n. iG, neeebeu mui "bonitas co-
quei t3o e cempletamer.te restabelectdo eml11"-038 e 'reos d-e c >rnalina.t os qaaes esto
tres dias, de sorte que estou no lirme pro- a disposigo dos bons christos que os qui-
posito de acat^elliar o u) das ditas pilulas ^erem comprar em dita loja; ea rua do
a todas as pessoas que ferem affeeladas de Queimado n. 16;
consti()a ^gosti.mw Jost a Silva, .negociante de Ca-
zendas.
loja do Pato.
Chegaram para a loja do Pavae os mais ricos I Seohares -snboras-
olales de renda .pretos, de 4 ponas* muito gran- Os,proprielarios da noval loja e armazem de fa-
d**. wndendo-se pelo baralis>imopra<;o de 85000 zeodase roupas fritas na r,aa da Imperatriz n 7l>
ia .".,". !a". a.c*^ar : a M do fvao, rua da de Guimares & Irmo, aeabam de reduzir os
presos de *uas fazendas ir[e*ios 20 por rento do
que em .out/a quaiquer pafte. .i.oi de apurar di-
nheiro, assim como seja l)iziabas de quadrmhos
sendo eaMNM a 200 c. 220, ditas mais finas a 360 e
Irrita';" do rsloiMgo.
Ouro-Preto^ 9 de maiao de 1864.
Atiesto e juro., e necessario fr, que. sof-
ffroido ha muito lempo excesaiea irritacao
detsiomago, pouco a()etite e dilicil diges-
tp^ d'ella teno eK^rimentads sensiveis
snelLoras depois qiie ten/io feito wo das pi- y***,Lf1-" Com vidri|hO!-
aulas catharlicas do Dr Ayer.
Antonio Hehmogbs Fehkira Aosa.
Imperatriz o. 60,deama A; Silva.
Vestidos iinliaaos a {(Id1, ti loja
(l f avo.
Vendem-se os mais bonitos cortes de vestidos COn.ditti^ranspaViTom'^s'Te'seda
radanos, sendo esta fazenda tran.-parenle e tnteira- 320 rs
menie nova no mercad.., tendo entre elles ramios | fiMox propria8| para a fcsa
Lombrigas,
Otuo-Preto, 28 demarco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (albanicas), fo-
ram myiregadas com grande rantagem por
mim em urna menina de dez annos qe Bo'mi"g de seda para senhoras.
soffria de vermes intesiinaeu, notando-se Leqnes de raadaio o outras cualidades.
que os symptomas que entiio apresentava Lindos o delicados enfeites para bai-
eram de aotestia bastante perigosa. |es e passeios.
Ravml'NDO NONATO DE S. Thiago, pharma- A amiga loja de miudezas na rua do Queimado
cettlico. n. Id, receben novos e lindos enfeites para bailes
N'evralyia e passeios, todos de muito gosio e ioteiramente no-
raa carta do llm. Sr. Francisco Alva- J^ado o pr,co deiies contme a superior,-
Esponjas fluas grandes e pe-
quenas.
Vende-se na rua do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
A auiita loja de miad^as na rua do '
QiMii.UB.ido n. 16. acaba de receoer :
Novas e benitas guarnieses pretas para vestidos e
eoutembar<|ues.
Bieos de seda brancos
diSereules larguras.
J.aziiiias a 160 rs,
e moldes Vendem-se superiores laazinhas transparentes
novoe i ouir.s enfeiadas com bicos de seda. com bonitos padres, sendo lirai e de quadros, pelo
Babadionos de seda. j baratissimo prego de 160 rs. o covado. isto para
Trancas branca., de seda para enfeites. I acabar : na loja do Pavao, rua da Imperatriz B. 60,
Benitas filas brancas lisas e lavradas ; outras de' de Gama & Silva,
coros lamnem lisas e lavradas; outras achamalo-1 Manguitos e golas a S00 rs.
tadas para cintos, largas. Vendem-se manguitos com golas de cambraia
Fivelas grandes de aeo. douradas, madreperola e pelo baratissimo preco de 500 rs., isto para li-
tariaruga. qu(dar
artes rosos proprlos para senhoras que esli de vnan, ,>
luto* e veodem-se pel baratissimo preco de 3& H, ZLVLL bn|li'5 ^n*m de laa e 8t"
cada on p-ra acabar: oa oja do Pavao, rua da J* "n"'^f ahs ma,'. raoderDas If t"1C(,D-
do ao merca covado, cassas fr.ncezas d
Vestidos a 4#
e pretos com vidrilhos e para aeabar : na lop e armazem do Pavo, rua da
' >, Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
urna s cr a 320 e
360 o covado, ditas eom ppltras soltas sendo min-
Vendenvse corles de vestidos a Mara Pia ora fS^J^.'^fe pPf 5 de "5 *
& Irmo.
Saias bordadas.
Vendem-se as mais bonitas saias bordadas sen-
do bastante largas-e muilo bem bordadas pelo ba-
ratissimo preco de 65500 e 7$.
Vestidos de tarlatana muito Boa send* brancos
com barras de cores bordadas de la e seda sendo
os mais modernos que tem vindo ao mercado e
veodem-se pelo barato preco de 95,95500 e 105.
Manas de seda para lime 111.
Vendem-se as mais lnd;|s mantas de seda para
quidarc na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. hnLJ",ZZ h T aDWS .seoa para
60 de Gama A, Silva bomem tendo de todas as dores pelo barailssimo
' LfL .mi. a. D.. P?o de 15300, 15400 e 15500 : isto n, nova lu-
dirles de chita do Pavo
ja de fazendas na_ rua da i Imperatriz n. 78, de
Vendem-se cortes de chita franceza muito boa Guimares & Irj,o
com 10 covados a 25400, ditos com 11 covados a Colarinhos da Nnhi para homem.
25600, ditos cornil covados a 280O, isto so Vani.-
para acabar : na loja do Pavo, rua da Imperatriz jSt'?!m'*? co,a.riohos "r3 n. 60, de Gama & Silva.
moga de Azevedo,
os prelendentes os acharo em dita luja, na
rua do Qoeimado n. 16.
finas capel la < para noivas e
menin;s.
Ha mais de sete annos que solivia dre
no bombro e as costas, tomei urna infini- Acham-se i venda na rua do Queimado. loja de
dade de remedios sem achar alivio algum. miudezas n. 16.
Dr, angustia, tormento sao palavras for- Bonitas toiiquiulins
tS. porm nao exprimem O que tenho SOf- de BI e cambraia, bordadas e enfeiadas : ven-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca- !em^e,flDa rua d0 Queimado, loja de miudezas nu-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
tou completa monte restablecido ; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas plalas acham-se venda as prin-
Cipaes boticas e drogaras do imperio, e no
Rio de Janeiro, rua Diroila n. lo
Vende-se na rua ireila ns. 12 e 76 e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na
5
mero 16.
Lonetos de dous vidrus eom aro de aro, bfalo
e lartaruga.
A loja de miudezas, rua do Queimado [
n. 16. recebeu um bello sortimento de lo-
netos e ocelos de vidros com armaco fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os est vendendo
por precos razoaveis: os pret-ndentes diri-
jam-seaestaloja na rua do Queimado n. 16.
Agasalhos para cabera de senhoras.
Vendem-se superiores agasalhos para cabeca de
senhora en cachins, sendo fazenda mais moderna
, qne lem viodo nesle genero ao mercado, pelo ba-
ratissimo prego de 35 cada um : na loja e arma-
zem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
I Chales de renda a 10,->, m, l&, 200 e 2o, na
loja de Patio.
I Vendem-se chales de renda preta muito finos a
105 e 125, ditos de linho a 155, ditos de seda de
linho dos melhores qne ha em chales de renda a
20 e 255, ditos brancos de tres ponas a 6, isto
s na loja e armazem do Pavo, rua da Imperairiz
1 n. 60, de Gama & Silva.
mais modernos el melhores que ba no
mercado pelo baratissimo pfeco de 55500 e 65 a
dtuia.
Chales de merino es
Vendem se bonitos chales
ampados a 2.
de merino estampa-'
3)))-'
PHARMACIE FRANIJAISE
deP.MAURER&C!"
ra nova n.cj
lili ACEM l
Lenda do Cear,
NoYidade
PARA A FESTA
Popelinas a 400 rs.
Popelinus a 100 rs,
Popelinas a -100 rs.
Chegaram para a loja do pavo as mais lindas
popelinas, fazenda propria para vestidos de senho-
. ,,r DE,ALEXCAR.-Est i venda na Livra- ra, sendo muilo transparentes e brilhantes com as
65 na Universal, rua do Imperador n. 54._________ mais Iradas cores que lera viodb, as quaes facili-
r folla A kahiii uneri I tam fazeT-se um vestido eom muita phantazia por
liWtia u Tem para vender Antonio Luiz de. Aze*edo &' a 400 rs. o covado, e as de ama s cor a 500 r=. :
a C, no sea eseriptorio raa da Cruz n. 1. na loja do pavo, rua da Imperatriz n. 60.
dos pelo baratissimo preco de 25, dilos lizos de
ledas as cores a 3dW0 e 4s dilos finos sendo es-
tampados a 65500, 75, 7551) e 85.
1 Cambraias blancas.
Vendem-ce pecas de cambalas brancas a 35,
35000, 45, 455OO e 55, dilas muilo finas tendo
orna vara de largura a loja de fazendas :a rua da mgeralriz n. 72 de
Guimares & Iimao.
Itiscnlos rsciecezes,
Vendem-se os mais bonitos nscados escoceze
i para vestidos de senhora e prorp rri rnnp*
! de neniaos a 260 e 280, chiisb trance*..;,,cuas
e claras a 210. 260, 280, 300 fe 320, dilas percales
muito finas a 360, 400 e 440 covado: isto s na
nova loja e armazem de fazendas na rua da Im
peratriz n. 72, de Guimares A Irmao.
i Camisas fiauceos.
Vendem-se camisas frauoez;
25. 25500 e 35, dilas com p.
25oOO : isto s na loja/fle Gui
fl/iurence Pereira Mandes Gutmarae0, raa da Im-
paralriz n. 56, loja e armazem ia Arara, proprieta-
rio do Rrande armazem de fazendas e rmi|is< fritas,
tem resilvido fazer urna nova liqoidacao de todas
as ijnalidades de fazendas que euetem no seu ar-
mazem, que vender irinia porcento menos do que
em ou'.ra parte, afim de se apurar diuheiro e fe-
char contas, por isso pede ao respeitavel puWico de
aprov^rtar a occasio, a saber.
Laziubas cliinezas de quadrinhos
Vende-se laasionas linas a OU < 0 o ruivado,
dila cun palmas a 30 e 160. cassas de urna s cor
a :20e OSO o covado, ditas de palmas 4 2H0 320,
360 e 401) o covado: rua da Imperairiz 11. 56, Men-
es Guimares.
Fazendas de qoslo
Vende-se .as mais modernas bareges de la e se-
da, sendo fazenda de gosto pelo baratissimo preco
de 560 o covJo.
Saias bordadas
^ Vende-se saias borbadas pelo barato preco de
O500 e 75, tiras bordadas a 15, entremeios 800 e
5 cada tira.
Ricos cres brancos bordados
ecebeu-se bonitos cortes noraados e de: ccres,
de la e seda, que se vende a 85, 95 e 105 cada
corte.
Chales de meiiu
A peenlncha esta se acabando, chales de merino
a 25.
Itiscados escomes
Vende-f* nscados escocezes, a 240 e 260 o co-
vado : s o Arara.
Percalas unas
Vende-se pereales muito finas, sendo de muilo
bom gosto, e tendo de bonitos desenhos com liaras
a palmas solas, sendo fazenda inleiramrnte de gos-
to, se vende a 460 e oOO o covaio, chitas escuras
e claras, a 200, 240, 280, 320 e 360 o covado, bre-
lanha de linho de duas larcuras, a 15 a vara, len-
cos de cambraia branco, a 25400,25 e 35 a duzia,
dilos de linho, a 440, 5u0 e 600 cada um : Mandes
Guimares.
Cobertores de alyodo
Vende-se cobertores de algodo, a 800 e I5S00
cada um, ditos escarales de la. a 5j: rua da Im-
peratriz n. 56.
Camisas franezas
Vende-se camisas francezas a 15600 e 15800,
prejas largas a 25, 5210 e 530., finas a 25800
e 35, brira de linho de cores, se vende a 1JJ280 e
15 a vara, cortes de brim de cor, a 15280, 15400,
15600, 15800 e 25, de brim pardo a 640, 700 e 800
rs. a vara.
Knupas feitas
Grande sorlimenlo de roupas feitas, raleas de
brim branco a 25, de linho a 35200 e 35500 cada
urna camisa 35 e 35300, finas a 65 e 75500, pali-
tois de brim a ?5. 25300, 25800 e 35 de, casemira
35500, 45. 55. 65, 7j, 85, 8500 e 105, sobreca-
sacos a 125,145 e 16, pretos e de cores, calcas de
brim e de cores, a 15280, 15440, IJ600, 15800,
25, 25500 e 35; s Loureuco Pereira Mendes Gui-
mares, rua da Imperalrlz 11. 56.
Arara n. 06. Mendes Guimares.
' ..s
r-
i'
mapas fi-itas de todas as qualidades. cerno SrjatD
pakts de alpaca preta .-de cr,ditos soirers'sa-
cos a 45 e 55, ditos de brim pardo a 25800. 5 e
35500, ditos linos a 45- dilos meias cazemira a
35500, 45 e 55, ditos cazetnira saceos a 65, 70.85
e 105, daos sobrecasacos a 10 e 125, ditos de ni-
o saceos a 65, 85 p 105, ditos sobn rasacos 125
e 255, ditos de merino 1 reto a 65, 75 e 10. -al-
cas de brim de diversas qualidades a 15800 '5
ditos brancos a 2i,'C0 p 6-500, ditos razemira ,3.
65 e 75, ditos prelos a 5, 05, 8 e 10,3.
meias cazemiras a 35 e 45, coletes de divtrsas
qualidade?, seroolas francezas de algodo, di-.- de
linho. dilas de bramante a >$ e tflCO, camii -
algodo de linho francezas de 25500 e 35. :. :-
de pichincha nesto genero, grtalas de l
qnalidades e brancas fiara rasa. -. crai.
limcnio de meias para senhoras, i.. >ra hi
a 35, superiores a 35500 e 45.
l"m completo soriimei.to de charo..- .'< --I re
alpaca a 35, d.lus de seda a 55, 75, |..; i',5.
dilos francezes para cah ca, grande soriimtub
a 65-
Pechineba a 'miravel.
Grande sortimento de chambres a 45000 9 SJ
lence.s de cambraia jara homtin a 25 a duzia, di-
tos de linho a 45 c 5'5.
Grande soi tmenlo t'.c ronpa para meninos e tu-
tras n.uitas qualidades que seria enfadonlio Q -u
ciooa-las.
Fazendas.
Vende-se superior merino relo proprio para ra-
pa.', de senhora e vestidos a 25, lusirim da Chin.
a 15800 o covado. nua da imperatriz, pona larga.
I':iredes Porto.
Vende em seu estabel cimento tiras e entren eiO:-
bordados, grande sortimento de corpinhos rica-
mente bordados a 35. 4-5 o 55. S 0 Karede* Por-
to, rua da Imperatriz no 52; porta larga unto a
padaria franceza.
Paredes Porto
Recebeu pelo ullimo paquete francr-z rica- lias
granadinas com flores de seda a 4(0 e 500 rs. o
covado. esiao acabando-se, cambraia preta rara
luto. Porta larga junto a padaria fraeceza, a rua
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madarolo a 45500, 55, 65 e
10, pegas de algodo por barato preco, chita fran-
ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o covad >, preralias
muilo finas a 360, 400 rs. o covado, chita insleza
a200e240rs. o covado. Rua da Imperatnz u
52, junto a padaria franceza.
Paredes P01 lo
Vende angas de cor propria para roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado, rucado francez lino rr
320 rs. o covado. Itua da Imperatriz n. 32, un'
a padaria franceza, p.rta laiga.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete espanhos a are-
gOicoso por 3-3, sao bons, lencos de seda pa^a se-
rmn e homem a I?, ricos cortes de can-brau
bordados de 18J a 7J, por ler um toque de molo,
esto se acabando, na rua da Imperatriz n. 52 jun-
to a padaria franceza.
'
Fariiiha i'e mamlioca.
Tem para vender Antonio l.uiz de Oliveira Aze-
vedo A i:., no sen escripiorio rua da Cruz n. i.
Em ra>a de Phipps Brolhers i C, rua do
Viganu n. 2, vendem se cofres de ferro, prova de
fogo, dos afamados fabricantes Milner A Son, de
Liverpool.
Vende-se urn rnulaiinho de 16 a 17 annos,
proprio para pagea por ser muito bonito e de boa
conlela: na rua do Imperadora. 13, lerceiro
andar.
>? *
avariado.
Francez barrica 55000
Porlland idem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irmos caes dofApoHo.
Vende-se a casa lerrea sita na rua das IVi-
nambucanas, na Capnnga Nova, mire a theairo e
as casas do Sr. Barlholomeu Lourmco, lem hons
cmmodos para pequea familia- e' um extenso
quintal com diversos arvoredos : a tratar na rua
do Imperador n. 81.
s a 15500, 15800,
ito de cor a 29 e
na raes. & Irmo.
Luv.jg A loja de miudezas na
Vndese .1 fabrica de charutos e cigarros
da rua do AragSo n. 32, bem afregiezada : a ira-
tar na rua dos Cuelhosn. 2j
Chales de renda
Paredes Porto, na rua da Imperatriz o. o, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
no toque de mofo, a 3500 e 45, fazenda de 10J
e 125000.____________ ______________
lio va publlcafio.
Tabella do veocimento mensal o diario da cora-
_ \10v1dade. panhia dos guardas das alfandegas do imperio, se-
uiegaram os bonitos chales a retonds de guipa> ; guida de uboas do calculo pelos dias do mez : i
re brancos, e vendem-se na rula da Imperatriz n. venda na livraria universal, rua do Imperador nu-
02, loja da porte larga, de Paredes Porte. I mero 54.
mvin.
ua do Queima-
do n. 16, reseb^u-as por este ultimo vapor,
mjud<
sebeu-
Na rua do Rangel n. 9 vendem-se saccas va-
sios que foram de farinha de trigo.
Vendem-se palraeiras impenaes, em eslaoo
de serem transplantadas: no sitio murado es-
querda, depois 1 do beccD do Espiobeiro, oos Af-
flictos
Hom e barato
Manteca Ingleza flor a 15 a libra, franre; a
840, arroz do Maranho a 100 rs., painco a lio,
-m-n^oas f "W. caf dj Rio bom a 210, vinho da
i-igbt-ira a 4u i.-. .1 g"ifi,>'3J a caada, Lis-
boa a 360 a garrafa, e 2000 criada, azec d^ro
a 600 rs. a arrafa, vinagre de Lisboa a 200 rs \
garrafa, e 15500 a caada, queijos do ulmo ra#< r
a 2tr300 : na rua das Crozes o. 24, esqulua da
travessa do Ouvidor.
Vende-se um cscravo cabra e.-rnro, e cozinheiro, barato : no collegio da Concedi oos
Coelhns n. 12. No mesmo collegio se aluga uro
grande sitio com muita fructa, banho, etc., na Ti-
tnarineira._____________________
Alfdo trancado da llahia
Chegou urna pequea porcao da fabrica do Fer-
nao Velho.para ser vendido a 5J0 rs. a vara ua
rua da Cadeia do Recife o. 4.
1 mi it II a nn
111 uci\\iui


**'
Diario *c Pernambuco UuloJa -en? 30 de \ovembro de I

Rt
r5es
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor francez ricos cortes de
vestirlos de seda de cores dos mais bellos gostos., proprios para bailes,
paiidas ou casamentos.
Cliles de Guipure pretos e brancos.
Bonete de pallia da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Oasemiras de quadros.
Esteiras da India para salas.
Mdapoloes francezes a 400 e 500 rs, a vara,
Lilas para vestidos de diversas qualidades,
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos mais commodos presos.
CORTES !)E SEIA
Chegaram pelo paquete inglez riquissimos corles de moreaulique de cores, e seda lavrada pa-
inteiramente oovos.
Seda de quadros por l$000.o covado
5RA DB CRESPO5
Gregorio Pae do Amara! *fc Conipanhla.

Para vestidas de senhora.
Cortes de seda de cor de bom gosto e superior quadade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bnns moireantiques de cores.
Grosdenaples do todas as cores.
Lindos poil d' chevre fazenda asselinada de inteira awidade.
Lindas durezas asset'madas fazenda jinteiramente nova.
Modernos .grenadinesde seda oque tem vindo de mais novo.
Grande variedade de laas de cores lUfis e de salpicos.
i Ireandys e ca sas do araBo bom go>t Percalias modernas com grande variedade.
Liii los rries de 15a Clotilde com todos os pertences cada um em seucar-
in inleiramente rovos.
Bunscortes decapa coa barra tamlnm nleiFamiite novos eoutras militas H
fazendas de gosto quesera enf.idonln mencionar.
Para hom>>ri.v de seriho*a
Grande variedade de chales, boumoux, retondes e algeriennes de fil e de
'guipare a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 80;*.
Modernos soutemharques de seda de superior qualidade.
Lndos bertes de seda i!e cor pretos e de cachemira.
dem de cambraia branca bordada com muito gosto,
, Sauteinbarqoes cbounmux de caehimira de cor e outros muitos artigos de;||
Pboin gosto. (I
Para cabera de senhora
<3ji
-
-
V
'.



Superiores chapclinas de palha. Je .seda e de crina de muito bom gosto aim-'
p ratriz.
Chapeos de pdha da Italia grande \ariedade.
Lindos gorros e bonets de palha de Italia, Imperatriz, Canutier, Clotilde'
e a Grante, chegados de Pars pe'o ultimo vapor.
Grande variedade de enfcites de troco e de flores para casamento.
Superiores vestidos de blon lo. e de m reantique brancos.
Bons moireaotiqnes brancis e superiores sedas brancas.
Bous vestidos (le tarlatana branco bordados. *
Lindas mantas de bbnde e boas capellas.
BSordados. !
Grande variedade de ntremelos bordados transparente e tapados.
Ti as bordada> transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordadas e
outros muitos artigos.
loj* n\H cnucsaMM
DE NoMo roilRBU lfi VASi ONCELLOS & C.
RA DO CRESPO H". 13
da
;-v ..-, saa asas
Loja da boi f na ra
Imperatriz n. 74.
Vendem-se rico- enfetes para cabeca a 2,5300.
Peales pretos para alisar a-210.
> to< com chapa de metal branco a 500.
Escoras Boas para deules a 120. 210 e 500.
T'-sui.iras Bnas pira costura a 300, 500 e l.
M.ias moitofliMS paraseiih ra a 3JJ e 400 o
par.
Caixa coi 50 novelo* de linha do gaz a 700.
Carta com 100 eovelopes a 800.
Gana com papel pautado a 700.
l'esma de papel almago greve a 35200.
Tinu ureta para escrev-^r Datio a tiO.
V cas e garlos de bala ni;) a 55300 e 65->iH).
Meiaa ernaa para bornem a 200 e 20 o par.
.Mmeles de todos os lmanlos a 100 a caria.
Fita i-11 uno peQH 50 e i-o.
C>rdo para vestido a 30 rs. a pega.
Dito imperial peca 40 rs.
faifas eom obreias muito boas a 40 rs.
Raralb de cartas liuas a 240.
fir iza de hutao de louca-para camisa a 120.
\).i is de madreperola muito fiaos a 640.
(]aita de comete muito boas a 40 rs.
Can fio de corxeles ramio b;ns a GO ra.
ijravatas de eda prela e de cores a 500.
Jogo de wi^pora a 800 e 500.
Canas rautu finas para rap a 15-
E u;n completo sor.icocolo de iiiiudczas que se
veodeu) |ior meo >s do que em outra qualquer par-
je p-.ra apurar dinheiro._____________^^_
Acha-se
venda na livraria acadmica, na ra do Impera-
dor; na do Sr. Nogueira, junte ao arco de Sanie
Antonio ; e na lypographia iniparcial, na roa es-
treita do Rosario a compilaijao de toda a legislagai
tendente administraijao, arrecadaco e fiscali-
saco dos dinheiros de orphaos defuntos e ausen-
tes, li'.-rancas jacentes, legados, etc., contendo nao
s o rppimpnio de costase a lei geral das execu-
como lambem todas as ordens e avisos de
governo. que a tudo tem explicado, tanto a respai-
lo lis '.rigacSes inherentes ao cargo dos difieren-
toa rmpregados de josti-;a e fazenda, como dos di-
renos nacionaes e emolumentos que sao devidos
Este livro contendo mais de 700 paginas em nitida
impres-So e bom papel, e presiando-se a otilidad*-
de diierenies classes, lorna-se recoromendavei
Seu custo 105008 por cada exemplar em dous
omos
CHILES
Grande pechlncha.
No na da Imperatriz n. 52 por^a larga d.i Pare-
d*i l'Mit', vende-se chales de merino-estampados a
25 e 2j;50 e finos 55, esiao se acabando.
Bordados.
Chacn a loja de Paredes Porto, ra da Impera-
triz n. 32, um sorlimento de camizinhas, gollinhas,
corpinhos, roiueiras e sintii, de camhraia branca,
polo baralo precode 25500, 3?>5O0 e 45, gollinhas
500 r*., rnmeiras a 800 e sinlos a 800 rs, grande
qu-intidade de enlremeios a C00 e 800 rs. a peca,
ertflo se acabando.________________________
IJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrbeas antigs
e recentas, nico deposito na pliarmacia
fra ceza, ra da Cruz n, 22 e aopreco de
35000.
LOJA DO BEIJA FLOR
Na ra do Queimado n. 63.
Nesla loja por lo ios os vapores se recebe luvas de
peilica braocas e decores, tanto para hornera como
para senhora.
Vo lis, cazesc brincos.
Chegou no uliiino vapor um granie sorlimento
de voltas e cruzes, imitando cornalinas brancas,
assim como brincos da mesma e de crystal do mais
apurado gosto que se pode desejar, foi s qoem
rec.ebeu : na loja do baila-flor, ra do Queimado
n. 63.
Eufeites para coque.
Assim como recebeu enfetes para coque e eu-
tras multas qualidades, que se vendem maii baralo
do que era outra quaiquer parte.
Booecas que chaiu-nu ntami e papai.
Teodo recebido um grande sorlimento de bone-
cas que chamam papai e mamai e movem com os
olhos, muito bem veslidis, com cabelleiras, o
que p le haver de gosto neste genero, e vende se
mais baralo do que em outra qualquer parte.
BMaios.
Assim como um bonito sorlimento de balaios para
menina de escola, lambem ha inuilo bons pentes
para desembarazar, guarnecidos de metal.
Bichas de Hamburgo
todos os paquetes da Europa se recebe H
destas amigas do sangue humano e se ^K
vendem a troco de pouco lucro s aSm S
de ler sempre cousa nova : a loja de bar- 0
. beiro ra estreila do Rosario n. 3, ao pe y,
-&l da igreja. fH

colares Royer ou colares ano-
dinos
para facilitar a dentVo das criancas e presrva-
las das convulsSes.
O fetiz resollado obtido immenas vezes pea
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de convulses, e denticao das crianzas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
e hoje j se pode diier que esto geralmente con-
ceiiuados, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de uns porque do uso desses salutares
colares viram salvos do perigo seos charos fllhi-
ohos, e de outros porque colheram daqoelles tao
proficuo exemplo para igualmenie preservar o*
seas. Assim, pols, a aguia branca, lendo em vis-
(M a milidade e proveil' desses prodigiosos cola-
res anodinos on Royer, mandou vir o novo sorti-
meoto que agora recebeu, e continuar a recebe-
losjura que em lempo algum a falla delles possa
ser funesta ao- pas de familia, os quaes Bcaro
p.ertos de os arhar constantemente na ra do Quei-
mado, 1 ja d'aguia branca n. 8.
Vmho do Porto soperior em caixa de duzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do A- C. no seu escriptorin roa da Crnz n. 1.
Vendem-se duas escravas recolhidas, de ida-
de 23 a 24 anuos, excellente conducta, engoromam
perfeitamente e fazem todo o servico de urna casa :
na travesea do Carino n. 1.
Vende-se um silio era Bemfica a' margem do
rio Caplbaribe, com bastantes commodos para ama
grande familia : traase na ro.a, Nova n. 24, das 9
horas as 4 da tarde.
OTARTE AMEIDA?
AO RESPEITAVEL PUBLICO
1 tabella abaixo publicada serve de base de presos,
tanto deste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Oarmo n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazera sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
genhos, lavradorese'iaaispgssoas lo centro, que para taais facilitar suas compras deli-
Deraram os propietarios ^dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
metos em um s annuncio, pelo qual o prego de um ser de todos, promette-
pOr um preco, e na ocCasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimenJos nao se dar islo
atda mesmo com prejuizo nosso, quulquer pessoa poder manijar seus fmulos que
sero taraem servidos como viessem pessoalraente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feiadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que seno arrepender pessoa
alguma que 6zer sua despenga em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
0 BAILE 1)3 CLIBE PEBNlMBCANO
Gregorio Paes do Amaral &-Companliia.
Offerecem a lodos os convidados, do expleodido baile do Club Pernambucano o
seu bello e escolhido sorlimento de fazendas de phantasia, chegadas pelo Guietme, que
consta das seguinles especialidades.
Vtvxtidos C'es-.trlua.
Linda e nova fazenda de la-brilliant, transparente, com listas e flores de seda,
padroes do ultimo gosto.
M SiDAS
Em cortes padres novo?, escurselrr<6.
Em pegas moireantiqtio liso ondeado e lavrado.
dem eslampado com listas e flores.
Tarlatana.
Resta urna diminuta porgiio de cortes de larlatana branca, enfeitados caprichosa-
menle a cores. Todos os amadores de partidas e soirs, lio comprado para suas fami-
lias estes vestidos, j pelo diminuto prego, ja pelo bonito gosto.
EWFEfrtES
A imperatriz Eugenia e a raintla Victoria que adaptm com muita elegancia
ao kok.
Jouvin & C.
Reseptia-se o nosso mercado da falta absoluta das verdadeiras luvas de Joucin.
.Temos a satisfago de poder annuncia-las a nossos froguezes.pelo prego de 3#000 o par.
| E grande a economa vista da flexibil dade e bom acabado, que Ibes d dupla
duragao sobre as falsificadas.
Trfnta diversos objeetos
Proprios para o complemento dos enfetes de vesiido como berthes, costageo,
suspensorios, etc., gostos os mais phantasticos em dentelle preto e branco, tafel etc.
Mandam-se amostras.
> ademas e pentes de tartaruga.
E a primeira ve/, ijue vem esla fazenda ao mercado. A pequea porgo que res-
a convida as Exmas. senhoras a urna breve compra.
r r CI3HTOS
tom fivellas de madreperola gravada*, tartaruga, netal, etc.
Chales de filo de cores.
Nova remessa, desles diales e retondes a duas e mais cores em xadrez Nada se
pode julgar do magnifico effeiio (lestes diales, sera experimentar; as pessoas que os de-
sejarem mandaremos amostras.
E urna infini lade de fazendas de gosto, como sejam:
Chales de fil preto de 405000.
Os mais ricos vestidos para menino de 3 a 6 annos.
Colxas de cocg e pannos de labyrintho.
Tif branco e fil de seda.
Superiores bales de dina, recommendaveis pela longa duracao e bom talbo.
Tudo a l
5 RU4 DO CRESPO 5
iUA3TTJBOJa
Manteiga i gleza perfeitamente flor ebe-
gada ltimamente de l.oooa l.loo rs. a li-
bra, e em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANIIA
Banlia refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
cu i
Cha uxim de primeira e superior quabda-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porc3o ter abathnen-
to, tambem ha proprio para negocio de a
2,4oo rs. a libra..
dem preto superior de 1,80o a 2,50o rs.
a libra.
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers A Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a anzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como soja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 000 rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de I/sboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais babeo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
Massus
Macarrao e talaerim a 360 rs. a libra e a
^7
o
o
O
r

DE
Bi.scoutos 15,000 rs. a caixa.
Latas com superior biscouto inglez de di-! Passas
versas marcas a l,2oo rs. a lata. Superiores passas a 3,ooo o quarto e
Blolaehlnhas
Latas com bolach'mhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,000 rs. a lata.
OS
I2,5oo rs. acaxa de arroba hespanliola e a
5oo rs. a libra.
Queij(
(F\EBRi
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
du/ia e 1,000 rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,000
rs. a fi asqueira e a 56o rs. o frasco.
Queijos flamengos chegidos no ultimo idom de Holhmda em botijas a 4oo rs.ca-1
vapor a 2,5oors., tambem ha do vapor pas- a ums,
sado a 2,3oo rs. Garrafoes com 24 garrafas de genebra de 1
CHOCOLATE Hollanda a 8,000 rs. o garr.jfao. Tambem \
Chocolate hespanliol a 1,000 e,2oo rs. ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
a libra, francez e suisso a 1,00o rs. a libra ,\ 000 rs. cada um.
e portuguez a 800 rs. a libra, em porgao
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madhra Seeca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pa, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doees e outras marcas a 1,000 a garra-
fa e 9,000 a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ancoretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5no a caada.
VELAS
Velas de sperraacete a 64o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a !2,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de I.oeo a
l,2oo rs. a lata
ALPfSTA E PAINCO
Alpista e paingo multo novo de 3,8o a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Joo Fartado da Serrias,
Maroel Peixoto da Silva Nlto, Castanho &
Filho e Brando e de outros muitos, os
quaes vendemos pelo mdico prego de I.600,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,000 rs. a caixa.
Licores
Licores francezes eportuguezes a 4,00o e
ovu d udiidud. l,4oors. agarrafa ou frasco.
Caixas com urna duzia de garrafas de su- & *
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
CAFS
Caf do Rio de 1.a e 2,' qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SABIO
Sabo maga de primeira qualidade de 18o
Doees
Doce da casca da goiaba e caixoes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o eaixao.
Frats
Frutas em calda e era latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas 101 is. a lata.
a22ors. a libra e de 16o a 21o rs. sendo:Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
em caixSo. l 'ata-
Uvas pelo ultimo vapor..
Peras pelo ultimo vapor.
Maguas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo nltimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Fru tas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas m calda pelo uliiino vapor.
ores pelo ultimo vapor.
fcv-
AZEVEDO <* FLORES
Ena da Cadeia do Re'cife, esquina da Sadr de Deus.
Grande sot-limenle de fanetdns por aiacado c a retalh. e ara eopleto serm
ment de r outra qualquer parte: quem duvi de lindas e finissimas casemiras escuras e claras, de superior casemira preta, de fine*
brins brancos e bom brim pardo.
Paletos
de superiores casemiras escuras e claras, de lina alpaka branca,, de superior amaka pre-
la e de brim pardo.
Colletes
de boas casemira pretas e de asres e de (no brim branco.
CAMISAS
Superiores-camisas franeezas de 2# at 5(5.
Cero 11 las.
Ceroulas de superior bramante de lino liaho.
Baldes.
Superiores bales de arcos para meninas de 2 at 12 afsi9s.
dem superiores para senhora.
Ciravatas e mantas.
Superiores mantas para pescogo de homem, as mais modernas do mercado.
Madapola;o.
Madapolao bom a 8$, 9& W'jjl e 12.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda balito a 105.
Fraques de easenatra.
Fraques de casemiras, preta. escura e de cores claras, e nao havendo que sirva
ao freguez manda-se fazer por medida e com maita promptides
Todas estas fazendas por precjs insigciiicantissimos, pois o fito do Balao ad-
quirir freguezes.
LOJA DO BALAO
DE
AXETEDO *fc FI.H S.



ARMAZEM IIE FAKCIVDA^
BE
CUSTODIO CARVAIiHO C*
27 RA DO QUEiMADO N. 27 \
Madapolao francez muito fino, tendo pouco mofo, cada pega com 27 varas por
100000.
Laa de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a prego de 800 rs a vara.
Lengos braceos para algibeira a 25' 00 a duzia.
Fin a perclaras a prego de 41OO, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes fte lita de barra de 103 a 300000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.

Queijos londrinos pelo uldmo vapor.
Quecos flamengos frescos pe'o ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ulmo vapor.
Tudo se vende barato nos seguintes armazens:
Ra do Imperador n. 40, Verdndelro Principal.
Ra do neimado n. 7, L'nio e Comnaerelo.
Largo do Carino n. 9, Progressivo.
9* '
ULTIMA

Paredes Porto rerebeu pelo ultimo pnqnete nm Vomplelo sorlimento fle capas- e
hournui decores ricameole enfeitados a Mi, lSSe 295 na ra da Imperatriz n. 52,
loja da porta larga junto a padaria franceza.
G\Z.
Vendem-se
No armazem da roa do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 2, tem t>ara venderse
Ihor ga existente no mercado.
ou no
o me-
Farinha a 3j5"i'
Vende-se farinha de mandioca, saceos grandes :
no armazem dos Srs. Tasso Irmaos, na ponte nova'
pelo preco cima mencionados.
machinas americanas de serrote para descarocar
algodo : na ra da Senzala nova n. 42.
CAMBRAIA.
Cmirtia e forro com 8 t|2 varas a peca a 24.
est-sewabandn : na loja da porta larga da ra da,
Irnpci atria o. 82, de Paredes Porto.
' Petnm de ema de moito sapatm qmlidtdtj:
vonde-se a na do Vigario t> 2< l* andaj, w-
cripiorl*
iSriTTl Anrl


Diarlo de rem.imhneo Qulna felra 3O Je \orembro de !*.
ESTABELECmO A RA NOVA N. 60
lu \ iiotm idi sm Miaii&um
AO
RESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciacSo dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
sen da Liga estabelecido ra Nova n. 60 am raagniflco sortimento [de molhados,
que sendo em sua maxira i parte mandados vir directamente do estrangtiro~podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sena a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranca de que
neohum outro o exceder no restricto cumpriraeuto-das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os mehores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cb sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condiclo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassuar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devera vir, pelo seo proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senbwvs que compram para tornar vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que cortamente muito deve agr lar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
. ; Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a I0 rs. a libra. j uma.
dem e painco de oito libras para cima a i
400 rs- KIRSCH BE Wasser a 2J a garrafa.
Arroz de 90 rs. a libra a........ ,
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra. | LATAS com graixa a 80 rs. cada uma.
Avellas a 240 rs. a libra. Letria a 400 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
annos.
dem idem em potes de todos os taraanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os taa-
nnos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Abstntho a 2000 a garrafa.
I AO PUBLICO
aem o menor constrao.
gliucuto se entregar o
Importe do genero qne
oo agradar.
AHENC&0
os precos da segnlott
tabella para todos, pt-
dendo asslm servir de bi-
se para o ajuste de cornac
com os portadores.
itIVAL
NEM NKttl.Wi
ii
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Coacelco)
PARA BEM DE fODOS,
Senhores rpnhoras
ezacom que ser3o trati3>>
rra dos gneros que precisare.!
pois sero tao bem servidos como se viessera pessoalmente, havendo tara com estes toda recommendac3or*fim
paite.
Hua lo Hueimado as. 4 e c.-
Contlna a veuder icdas as nuudezas que abano
declara por precos adJafrmiq.
Masso9 de palitos lixados para denles a 100 rs.
Epelhos de molduras domadas a 2W, i4 t 120 rs.
Bobeta de oliado para mininos a l,;.(io
( Unos dt couro superior fazeni a i,ii,(,u.
; Frascos com superior lila rocha a 240 rs.
Meladas de buha froxa paia bordado a tti 60
Caixas com 100 envelope-sfazencii W a a 600 rs.
Grasas de peunas de ac, faxendasuptiioi rSOOrs.
Crozas de botes madiepiroia Pus a 500
I e 640 rs.
1 Caixas com 50 novellcs de liria di ai ;, 7t0 rs.
Cautas com superiores oLieas dt-11|> ;, ,( fttj rs.
' Pecas de Ola branca elstica com 9 \aia> a ibv rs.
Varas de franja de la para eslertet de unidos a
4o rs.
Baralhos douradts sopertorea.qBalida'ctf a 410 rs.
Novellos de Imba com 400 jai das1 M is
Litros para asuntos de nuja lavada :, 100 rs.
Pares de bolees pata punbo, l?i i.eia rio a O rs.
Tesouras jara costuras sopeiions giilidades a
400 e I,'.
Caixas de pennas de calligra|hi;., faltada toa a
1000.
M-sos com superiores gremios a 30 rs.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a I.-), a libra.
Marwelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs.- a libra.
Massa de tomate a 60 rs. a lata.
Mostahda ingleza a 800 rs. o frasco.
M01.H0 inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sepa branca e ama re la a
00 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
M:t.tio painco e ataista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
X
libra.
Nabos em latas 800 rs.
tra
Manteiga ingleza especialmente escullida a
I.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,000
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,60o rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Ii.i.ilo MJjt-ritU
Aletria, macarro e talliarim a 4oo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Massa para sopa : estrelin ia, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 04o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 lib ras.
Vinho do Porto muito ino proprio para
engarrafar, era ancoretas de 9 caadas a
35,000 rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,86o.
Vinho branco de- Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,5oo.
Vinho branco para missa1 em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs.la garrafa.
Vinho do Porto das menores marcas que
vem ao mercado corto sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Pprto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,000,15,ooo,
12,ooo e 10,000 a caixa com 1 duzia e9oo,
I.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duzia e l,5oo rs. a carrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libta.
Bolachinhas de soda eip latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo france
ra mimo a 64o rs.
que n5ov3oem ,?ars8.com>fflnt8 franc"es
cai rpfitni1 Bm ViKtt* de papel alnaco a 24C0 1- EGC rs.
odi leunaao em frascos de vtdrocom lampa S*m para aupa, faimda Loa a :m e i.
uo mesmo, a 5oo rs. Duzas de testuias com toque oe kingtrn
g7uTvem^na^SrCaS I"3'8 aKCreditadas nen e Carfos de calo pr.lc a W.
jue vem ao mercado, a 500, 56o e 64o Talheres multo lino para criarlas a '.4U r*
a garrala, e 5,800, 6,000 e 6,500 a du- ''"Reirs para n-miras a 3SU u
Zia. Ditas e vollas parastnhrra a 00.
Cevadinha de Franca muito nova 9nnr !5deA8Da ^"^ lada2Lr im-
r.hanilne ,\n Jt~l 1 f D0Va' a 20 rS* 'tt*ttw rcm supim r barba a 240 e (.0 rs.
Lnarutos do alfamado fabricante Jos Furia- idtm de superior oleo babosa a 3.0 rs.
4,000,
Copos lapidados para agua a 5,ooo. e S,5oo Passasmuito novas em
BOLACHINFIAS do Beato Arteaio em latas
grandes e pequeas,
dem do Principe Alberto a 1#S00 a lata, e Vf\7r< *
de cinco para cima a 15700.
dem de sola em latas grandes a 2S000 e
de cinco para cima a 1-JS00.
Biscorros inglezes de todas es qualidades a
BoScef 2 calSs a 400 rs. cada em P^.^r^ *.**^>
uma.
o
Osiras inglezas e americanas.

Batatas inglezas.
Banha de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 1$ a libra.
dem de musgo a 1&500 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porcae
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7(5000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 is. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchaia, etc., etc.
Chicaras e pires a 1800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 re
agarrafa, eem duzia se faz grande aba-^
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisiense-., Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos. Aprazivnis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
ChA de todas as qualidades e de todos os Sag muito novo a -100 rs.
todas as qualidades, como sejam savel,
garas, corvioa, pargo, salmao, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em lalae, excedente preparaco.
Palitos para dentes a 120 rs. o maga muito
grande.
Passas em quarto a 1?400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
a .
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem susos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartinhas ou mordiques a
R
RAPE' Meurcn a 1# a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25500 a libra.
m
SABAO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25>.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,(
a libra.
Figos de comadre a 24c)
Amertdoas de casca mol i
Milo de amendoas a 5o
Bolachinha d'agua e salj
muito propriospa-
(caixinhas enfeitadas
00 a caixa e 4o rs.
rs. a libra.
a 4oo rs. a ibra.
rs.
da fabrica deJoao
rs. a duzia.
dem idem para viaho a 24o rs.,e 2,4ee rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l.oooel,2oors. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das mehores qualidades de pei-j bras por2,5oo rs.
xea 800, l.ooo e l,2oors. Ameixas francezas em f asco de \idro com
Vinho Bordsaux das marcas mais acredita- tampa do mesmo, a t$5oo.
das que v?m ao nosso mercado a 7,ooo e' Ameixas franc; zas em c; ixmbas de diversos
8,000 a caixa e 64o e 7oo ris a gar- tamanhos com bonils estar, pas na cai-
ra'a. xa exterior, a l,4oo, l|,6oo, <,8ooe 2,ooo
Genebra ds Hollanda a 48o rs. a botija dej cada ama.
6,000 e 7,ooo a caixa ou em n
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,000,2,5co e
3,000 a caixa.
opnac inglez das mehores n-arcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinliode Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,600 a arroba.
Banha de poico refinada a 65o rs. a libra.
Bolacbinha Alberto, as mehores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixmhas com fructas em doce secco de di-
4,5o(>, 5,000, Grvalas de cores, foun inferior, a .'ICO rs
Rapis de agnlbar, fuudu douradc>. a 80.
versos tamanhos, muito proprias para
rito no Beato Anti mo, em lala de 6 mimo, a 1,60o, 2,fioo e 3,5oo cada uma.
limbos, excellenle peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5no rs. a garrafa e
l,5oo cada uma ancoreta.
conta certa. Azeite doce refinado hesparrad.-ou portuguec Champagne da metbor qualidade que vem
Frasque.rr,sde genebra de Holanda a 6,8oe, a 9oo rs. a garrafa e 1o:ogo a caixa. ao mercado, a 2,obo e 3,5oo a garrafa e
Batatas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oe j 24,000 e 26,oooo gigo. '
o gigo com 36 libra-. \ G0mma e engommar muito alva a 12o rs.
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo e ll,ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de l1 qualidade a 28o rs. a li-
bra e 6,800 rs. a arroba.
Caf do Gear muito superior a 24o rs. a li-
bra e'7,5oo rs. a arrobe.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco
8,5oo a duzia.
Vassout as de escova pare esfregar case a
4oo rs.
I Nozes muito novas a 16qrs. a libra.
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000,
262"0, 25560 e 25800.
Copos lises de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25300, 35500, 45 e 55-
Cauces de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e I5500rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cineo maeinhos.
i
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, ioglezes, francezes, etc. etc.
B
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
irvadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 r.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15.500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
V
TOUCINIIO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
- VINHOS!!!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhus.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
Duque a 15 e 15500.
Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carca velos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa ; 0 nico vi-
nho que se pode beber por nao ter eom-
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 15 a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 205.
Arroz do Maranho de l1 qualidade a Ico \ Molho inglez em garrafa lie vidro com ro&a
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs. !
dem da India a loo rs. a libra e 2,8os a Mostaza ingleza dos nielbores fabricantes,
arroba. a 8eo rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. e libra e 2,4oo &. ;x- Mostarda franceza em pes j preparada a
roDa- 400 rs. o frasco.
Painco-c alpista a 14o re. a libra e4,oea a Lentihas francezas., exeeljente legumepara
arcok2- sopa, a 2oo rs. a libra
Massa de tomatesdesuperior qnalidade a 4o Marrasquino de Zara p?i priamente dfco a
rs. a ida de uma libre e 56o rs. a r-tta-1 i garrafa e 11 ooo ti dnzia.
Iho.
Palitos do dente 14o rs. o maco.
= >< 5 m
o S -3 3 2. "
I
INDINAS DE
ag'D O.00 g
a
,
o
65 5?
-_. w o a M
llflllllff5
0 o- a c_l
c-
s o
2 3 e 5 f- a B
a
a. g
=5 j.
_ w O,
?iS
ifii
a M 9-cr mA~J

trafralhar a
descarlas* ellgodo
tABRlCMHeS
P<^r Plant Brotli
OLSAM
1
A
uo
nm*t
f^ri
ers & C.
o.
.B3
I- 81 I ir&
cu
c^
M
o srg-
en p
"O
03
as
B
o_
o.
es
eo
.
n>
cus
B>
**
ce
S
p, a> 2: -t
Ojo
o
2-M
-
o
Estas ntaufc .r.r.!
^jj., podem descare;'
jg (ualquer especi-
f'('de algodao ec
estragar o c
sendo ba*&at<
duas pessoa apari
o tra baldo ; pdi
descaro^ar as>i
arroba de &l$>
do em caroa
em 40 minuta-
oa 18 arrob
por da oa S u
a libra.
Figos era sextinhas a 80 rs, cada uma e 72o
rs. a dnzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos preros.
Amendoas confesadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a i,800 rs. a caada
e 640 rs. a parrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs.
garrafa.
Testamentos em verso.
Conlinaam a estar venda, lia typogra-
phia dr ra do imperador n 15, defronte
de S. Franci.^eo :os testamentos da Gali-
ana, do-Gallo,-do Porto, do Leo, do Gato,
do Per, do Caracho, ca Onca Tigre, do
Cao, da flyena, do Rato, do Orangulanpo,
do Macaco, do Burro e do Vigario ; a Peleja
da Alma com o Di^bo, a 160 rs. cada um,
e a lOu rs, a quera comprar uma colleceao
cern Jeta ou 2o.; cartas de A B C, taboadat,
catheeismee, ecunemia da vida humana,
cartilbas, Simo de Nantda, Biblia da in-
fancia, manuscriptos, traslados, pavos, pro-
curaoues, apudautas, leltras, conbecimentos
paraembftr.e de-ecravos, despachos para
a alfandega, papel almaco pautado e pinta-
do de diversit formatos, sendo o pequeo a
30 rs. a folha, o immediato a 40 rs., o me-
dio a 50 rs. s o
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelho
Riiit do Queluadv n. 19.
Vende-se o refomle :
Coberlas de cliim fina a 280U.
Ditas de dita a : i o.
Lfnc es de panno de linlio a 2l0.
Uilcs de duo de lioho a .2.
Dilos de tramante de linho de um t8 i anuo
3**00.
Patno de linbo fino rcm 9 1|2 palnibs ce larga-
ra celo barato pr$o de 2-(((i a vara.
Iiananie de licito lino icni 10 |almos ce lar-
gura a 2;.( o a vara.
Pec.a.- de cambraia com salpicos braceos.ede
cores com 8 1|2 varas a 'iS00.
Pec;:s de carntiaia adamascada pitp.ia (ai a
cortinado de cania ce m 50 varas a IJf
Balees do arcos a 2iit0,3. 3.'< 0 e h&.
Lencos de can.traa lina a 2j60O a nuza.
Dilos de dila a ~i& a duzia.
Atliraii.aru de linho tico a 28C0 a vara,
l)ii.i de algono a 2 :. vara.
Alpe dc eoft-siadu com 7 1|2 palmos de largura
a I-m. a vara.
Ptcas de breinha de rolo com 10 varas propria
para sa,a a 3,5500.
Fil de linho Iifo fino a 800 rs. a vara.
Lito de dito com salpicos a i a v?ra.
CamLraia de linho lioa a 400, ti;(. e '. J.a
vara.
Curies de laazinha de lindes gottos ce m 15 co-
vidos a b$.
PecasdHmadapi'lao fioissimo telo bautiEEimo
preco de8, 'i, H'& e i l.
Fianella branca lina a 600 rs. o cavado.
Dita de erres fina a 880 r*. o rovadOi
lialoes de musselina para minina a 3f., 3o00
e4#.
Canibiaia de forru a 3 a peca.
Dila lina a 'i-'.-'.i i i' e 7? a peca
Guardanapo de linho a 3800 h duzia.
Toalhas de algodu felpudas dnzia a ).
Esleir da India propria para forro oe sala de
4,5 e 6 palmos de largura per menes puco do
que ni. outra qbalqoer pane.
Neste armazein tan.Ltni .-e encontra um grande
se.rlimenlode ronpa ffila e (.ur medida.
PEDE-SE TODA
Aliene
l
Liquidicao di- fazon ; s
Custodio Jos Alves Guimates t Manuel M. rici-
ro da Caoba participa ao raspeiiave i obllco e aos
seus Ireguezes e amigos, que tendn anemalado a
luja de fazendas da ra do Queiiuadn delroBte do
becco do Peixe Frito n. o, e como prelenriem faztr
obras na mesma, eslao resolvidos a vender u das
as fazendas por precos baralissin.n>, que a vista
des freguezes se fat todo o negocio : isto s na
ra du Queiniado n. o.
Farello.
Vende-se superior farello de Lisboa : no arma-
zem allianca, ra do Imperador n. 57._________
' Vende-se na ra de S. Benlr, em Onda, o
sobrado n. 3 fro teiro a S. Pedro Wlhu ; de um
andar e soto, lem bum quinlal e turnios como-
dos, e alem disto esta' pintado e reedificad" de
novo, pelo que quem o comprar cunenos e despe-
zas nenhnma lem a fazer. Vende se lamben a
casa n. 67 da ra do Pilar, em Fra de Punas:
Dubeux, na ra do Imperador n. 43, para tratar.
Vende-se uma armaco propria para qual-
luer negocio, envernisada e envidracada, e 800
molhus de palha de carnauba : na taberna da ra
da Roda n. 18.
ESCBATO FGIDOS.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 2)5900 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
1TTK1CO
Vende-se as otarias de Jos Carneiro da Canda'
em frente ao hospital Pedro I!, e na roa dos Pra-
zeres n. 38, (alba suaeri.ir de barro de agua doce a
30 o milneiro, al venara batida a 30$, e ladnlho
a 26*000.
Camb raas.
Parede Porto vende eambraias lisas nai, gran-
de sorliiiientn, a 3*"ai 6*, ditas Victoria omito
finas, eon 10 varas a 64, 63500 e 7 : na ra da
Imperainz a. 52, Junto a padaria fanceza.
Farello novo a
a sacca de 92 libras tem muia gomma,
rato por ter porcio: s
largo do Parairo n. 14.
hecoem aos corpinho& de cambraia
Vendem-se eorpiohos de cambraia com entre-
da se ba- mefoc a 44 e 54, esli se acabando : na loja de
00 armazem da estrella Paredes Porto, roa da Imderatril D. 53, poria lar-
1 ga, jua.o padaria franceza.
Tasso Irmos
Ycudcm no sen armazem roa do
Amoi im b. 3o.
Licor lino Curac^o embotijas e"meias botijas.
Licores Unos sonidos em garrafas com ralbas da
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chamhertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Muscatel.
^ Reino.
Bordean*.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lapnio!.
0 castello de Grasville.
Tradyzid do francez par A. h G. da Crax.
Vende-se este bello romance em quati
tomos pelo baratsimo preco de 3400C
oa praca da Independencia, livraria na.
6 e8.
Vende- _. um sobrado de dons andaras no
halrro d Santo Anloolo, o qnal rende para mais
de 1:2004, enma casa tarrea no* bairro da Boa-
Vista a tratar com apete Otympio em sea arma- de carga de seila, por preco coramodo : a tratar
zea na roa da Cadeia do Rectfe n. 34. no hotel de Franca.
como Pm hranco de tod < os tamanhos.
mwto grande a ^0 rs.:
robas de ai*odat i papel marroqunadoe luslroso grande e pe-
,mpo" I queno; papel para impresso de uma s
Assim cobo machinas para seFem movidas por ci)r ?rao animaes, que descarocam 18 amcebas de algode Saluso, Mrgnum Lexicn, prosodia, dic-
limpo, por dis; e motores para mwrer uma, doae, -cionariea Ihmcer-portujrnez e \ice-versa
ormesm^mVrTvender om bellissnno va- *e'eCta ^^^ 0Ulr0S 1,,U,CS livros- bem'
por que pode fazer mover seis dess mae'.hu;
mencionadas ; para o que coonda-se aos St,
agricultores a wem ver e examina-lo, no ar-
zeaa de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Sauniiers Brolhers C.
-V. II, pra<,a do Corno Mani
RECIFE.
Os ubi'cos agentes neste paiz.
iiiiiinmiiig
S C^O VILLAR S
Cn loja i roa do Crespo n. 17. M
Ileeehcu de Paris sedas em corles moi- ajav
lo superiores e bellsimos padroes, e
chales de renda pretos para 104.
Este portante estabelecimento torna- 5
se rerommendavel ao bello sexo pela va- Si
riedade de fazendas superiores bellos
Sgostos
Proteja o kilo s>xo ao Villar
e vero todos a prosperidad*.
mmmmwmmmwmmmm
ALGODAO D4 BAHA
Na loja de Andrade & Reg, ra do Crespo n. 8,
esqnina da ra do Imperador, contina a vender-
se superior algedao da Babia por menos preco que
em outra qualquer parte.
Vendem-se quatre borra mato mansas, boas
m
i
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de vulos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ra-
los de alcanee para observaces e para' os
martimos.
Pichincha
(mullir; rao do ilii.
Ausentou|se da casa 59 da ra do Imperador
(outr'ora Collegin) no sabbado 16 do rorn-nle mei
lie setembro de 1865, o escravo pai Jo de ni me Joa-
qun), com o= signaesseguintes : (Malura repular
idade 18 a 0 anuos, sem barba, ps largos, olhos'
grandes, cabello corrido, com orna cicatriz grande
e bem visivel na testa, parte dos Bles da frente
arruinados, e com falla de alguns dos lados, sabio
com calca de brim pardo e paleto! curio de panno,
mas levou mais ronpa branca e de cor, mnito*
astucioso, costoma intitular-se forro e andar cal-
cado ; f. i escravo do Sr. Guilherme Frederico d
Souza Carvalho, genro do fiftado Sr c. mmendartor
Manoel Goncalves da Silva : rogase a sua captura
a todas as autoridades policiaes e a onalqoer ca-
pilo de campo ou ootra pessoa parlicnlar que o
apprehender se gratificar com 50, alm das des-
pezas de eondnc(3o, entregando-u a eu senhor
Miguel Jos Alves, na casa cima, ou no sen es-
criptorio na roa da Cruz casa n. 19.
No dia 20 de seterrfbro prximo passado fa-
gio do engenho Terra-preta, dosbaixn a.'-ignado, o
escravo Julio, crioulo, de altura r-polar, eroso,
de 30annos de idade, pouca barba, lem os ps bem
feitos e pernas, muito fallante, at se faz ronce,
lem o dedo pulegar de uma mo cal ido para den-'
tro, anda com uma carta fechada, do w ente coro-
nel Amaro Gomes da Cunha, apadrinnandi -o, nun-
ca foi surrado este escravo, foi ha muito comprada
a Pocha Lima e Guimaraes : quem o pegar leve ao
mesmo engenho ou no Recife a' ra da Roda a'
Alexandre Correia da C. Jnnior, qne sera bem re-
compensado.
Alexandre Correia de Castro.
Vende-se riscadinho francez a 200 rs. o covado,
por ter graode quamidade, esta-se acabando : na
ra da Imperatriz n. 62, loja da porta larga, de
Paredes Porto.
Bren em barricas pequea*
Ore em velas de todos os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na roa do vigario n. 19, primeiro andar.
- Fuglo no dia 4 do crrenle um mn'eque de
nome Cosme, de idade 13 annos, cor bem preta,
cabeca comprida, magro e bem regrii-ia : quem o
pegar o poder levar a Santo Amaro, jomo a ta-
berna do Sr. Antonio do Reg, que se gratificar
generosamente.
Escravo fgido
Fogio do poder do abalxo assignado o sen escra-
vo Amaro, crionlo, cor avermelhaib, altura reg
lar, e de idade, pooco mais oa menos, 30 ant >,
costuma andar bem vestido de camisa de fhnea de
(cor e chapeo de chile, tem o beicn sopertor bastan-
te grosso e dobrado : roga-se a apprehenslo de
dito escravo e sua captura qoe ser generosamente
recompensado.

A
-----------------


II......
Iltll'l, I II
Diarlo de rernamtmco Quinta le ira 30 de Xovembro de *
i
sentlo-se do acolhimento ingrato com qae eram re
cbidos os esargos da nobre conosidade do seu
LlfTERATDRA.
UI POOCO DE TDO.
t-!: folhetim do Sr. Julio Cejar Machado, trans-
cripto da frvoluco de Selembro :
UOBTE DK LOPES DE'MBNDONCA.
Esse, rio era apenas am b:llo talento; era urna a c-nJa dos ambiciosos folgando do poder e na (or-
E' eutao que o poeta, sera desprezar totalmente vocara a gargalhada da cartomante, quando sou-
o auxilio paterno, recorre a' protecc So da mi, pa- be qne a consalta versava sobre negocio de amo-
espirito, e attribun<*o reputago de futilidade, ra ungir umi paixo qfte no sent, mostrndose, res.
que unja porgo ignorante do publico eonsagrava
ao folhetim, a ponca attengao que se Ihe prestava
para tentanaens nials serios, abandonou o genero
em que se creara, o genero que marcava a supe-
ri oridade do sen talenio. o vendo passar a seu lado
rormosisslmaj m carcter de oiro n'um
di no infeliz.
Ni lempo era qujas illa-0;s e as espera ocas o
.' iniuvaiu linda, bS se vio nunca genio mais
. aera maia enibuiasla. Deixava fuglr as
h iras rfui as contar, leudo, conversando, ou traba-
Ihando.
L .11 espirito de uina actividade infinita.
.. poeta que uao aiia versos, .as qae se en-
traiinha cora os seus ouhos.
U i) ulico, um rmo que abrasiva Milton, con'
i. i... o T.isso, e tratera Petrarca por lu.
pbtatasia era ludo nelle.
Siltavam-ihe na cabega as ideas e os caprichos,
conu as gotlas da chuva as vidraca*.
E.-iava cheio de futuro. .
Vi, ludo atravez d"um prisma ; avia em ludo
u .11 \\)i, cuja meloda se lile afflgurava ser s pa-
r ;; um hymno do amor na vida, ura murmu-
ro de sympattia na gloria.
! -.-.ibrucnava-lhe a alma em delicias ao sopro
a i .He do esto ; seduiia-o o ojtomuo com o seu
malo de nevos o asua cama do follvis sccas; o
roo linha urna eloqueacia, que elle entenda o
i va ; nem o desaumavam as luas, nem o
irabalho ocanciva; dmois de um da inleiro me-
s de escripia, bastara Ihe u;n baiU pira o conso-
I ir ; depois de unja n-aile de composigo e febre,
u u charuto Safano, urna chavan de bomcaf;
rt v tn* d'otn embaraco de um revez* urna aria, urna
pitra-*, ana idea, ou um bom dito; qualquer
c isa i auimava, porque elle tinha urna enorme
G ..".i -.uca em si e na soite.
Esperar um hornera o seu EJen em quanio I tar-lhe, euiregou-se a ura irabalho que o devastou.
moco ja gosar delle, da mesraa forma que quan-! Lia, annoiava, commeotava lodosos livros, li-
li : velli) estar cora medo de o perder ; -'!-, daudo desde o romper da manha, dormndo duas
tuna, deixou-se levar pela tentado e /ancou-sj na
poltica.
Pobre espirito adoravel I ,
Es para a sua dc.-gr.-.;-,
O escriptor morreu nesse da.
N'o dizer que as lellras devam apenas ser cul-
tivadas por solitarios, contempladores, quietislas,
indifferentes a tudo que nao sejam ellas; mas, no
nosso palz. a ambigao ea necessidade arrancan) ao
esiudo as inteligencias privilegiadas e levara as a
encontrar, nicamente decepges onde eperavam
a fortuna e a gloria.
Assim elle, na idea deque a un drecgao da
sua car reir Ihe exiga ser grave, abandonou (odas
as qualdades do seu espirito, curvou a cabega as
exigencias de urna sltuago que por si proprio
creara, preoecupou-se nicamente de ser serio, e
desde enlo qnando alguma vez nos seus escriplos
se permillia urna irona, um chiste, um parodoxo
elegante, pareca logo pedir perdo de Ihe haver
escapado seinelhanle erro.
Entristeceu-o aquella melamorphose, apagan-
do-lhe de lepeou a graga e o brilho do estylo.
Co-ullauio lodos os seus trabalhos posteriores
mal & suspeia nelles a expanso e a facilidade do
seu primeiro methodo.
A poltica, que priuuipiara a perde-lo, alcaogou-
ihe ser deputado ; a melamorphose iliteraria a que
so enlregou alcaogou Ihe ser professor, o que foi
o remate da sua ruina.
Quereudo vencer de repente o que s urna di-.
recgo de esludos de muilos aunos poderia facul-
como S. Loureogo, no raeio das chammas, q^e s
podem ser apagadas pelos perdiglos d'araor, ex-
pellidos- pelos labios da virgem dos sea'i sonho* I
Quasi serapre, nestes casos, ha soohoi e vir^ens.
N >vo N ipolefo, o conquisiador anjoroso recorre
a' mentira como poderoso auxilio, e vem depressa
Consultou o relogio.
Era cedo para a egunda entrevista, e ha va lem-
po de anniquilar o inimgo.
Entrou na loja de um barbero, e ordenoa que
Ihe raspasse toda a barba.
Devidamenle lavado, penteado e perfumado, o Sr.
a intervenga! esirangeira, como se v da nume- Manduca ficou exiasiado dante de um espelho, pa-
rosa legiao de gallicismos que faz parte do seu rodando a fbula de Narclzo.
Que me diz, meslre, nao live urna ptima
lembranca I
De ceno, Sr. Manduca.
Ora, falle verdade, eu nao Ihe pareca um
velho ?
La isso verdade. Pois o Sr. tinha a barba
to brancaI...
E agora ?falle com franqueza.
Ora, Sr. Manduca, agora est melhor do que
e:idvj mogo, ardeate, ambicioso, e esperav,.
Que liiiar eutao I
Que irabalho incessante e improbo !
(jjia-o a esperauga, guia-o a cousciencia de si
f. ,-:o, a voaiade lirrae, a f, desde os priraeiros
palios, que sao lamoem os prmeiros mariyrios
iiessa existencia conirarada e difficil.
Linca-se as locubragoes quasi improvisadas da
a ir.ilade febril do jornalisrao ; crea o folhetim
entre nos, loro o ura poder litterano, adquire de
s :bi) a Faeilidade de apreciacao, a abundancia no
diier, a amplilj de pensamento, que tornara o es-
i riptor de nossos das imminenlemente proprio pa
horas apenas, e laslimaudo assa* duas horas per-
didas.
Andava preoecupado, andava triste e inquieto.
Haviam-lhe mentido todos os seus orculos de
outi'ora, e ja nao acreditava mesmo em s pro-
prio.
Tornou-se-lhe ludo escuro em redor,
Nao tinha urna venda nos olhos, mas principiou
a te-la na alma.
Us seus amigos inquielaram-se do estado em que
o viram.
A extrema actividade de espirito perturboa-lbe
a aegao- cerebral, mas a lealdade do sea carcter
exercito.
Muitas vezes remonta a eras mais longinquas,
vai procurar mdelos na antigudade, e, quando
menos o pensa, acha-se parodiando Jpiter na sua
transforraaglo, para conquistar Europa.
E' barbaridade zombar de calamidades desta or-
dem. I
Provado, como est, que o poeta dlho legitimo
do talento e da mentira, resta exhibir documentos esUv,"
comprovativos de que o romancista seu irmo No quero que m*e responda assm. Seja
gemeo. franco. Antes parecia um velbo. Agora que pa-
Se eu podesse ouvir neste momento umestron- reg?
doso i apoiado viudo da Franga, no me Agora parece orna velha.
restara a menor duvida em reconhecer a. voz de Como os amantes cinmentos que, dominados pe-
A. Dumas. la paixao, cram phantasmas, que procoram derri-
Mas desnecessario ir to longe. bar, depois, embora fquem erido na lula, assira
Temos em liogua portugueza milhares de exem- o Sr. Jos Juca, presa da vaidade, provocava res-
plos, em abono da assergao. postas que vinham magoar-Ihe o'amor proprio.
O romancista precisa mais do auxilio materno, Nao Ihe agradou a iogenuidade desia, mas jul
que o poeta.
A mentira a base mais solida em que pode
firmar os alicerces da sua renntago.
goo prudente calar-se.
Pagou e sabio.
Madama ia adianto, e, com o braco direilo es-
tendido, guiava-o, pelas pontas dos dedos, por om
corredor escuro, que transpunham camiohando so-
bre as ponas dos ps.
. Chegaram.
' Abro-se a pona mysteriosa e foi pasmoso o as-
sombro do Sr. Manduca I
Razo para isso no a bavla ; o que Ihe succe-
'dia all, ja' Ihe linha succedido mil vezes em sua
casa.
Encontrou sua malher...
IV .
Ahi esli agora os leilores, indignados ou com-
colher os fructos da vida eterna no dia da tesur-
reigao; por isso eu lambem caideL qae a cevada
produzsse Irigo.
Esta ligio fez com que o amo se einendasse de
todos os seus vicios.
Ura numero ordinario do grande jornal n-
glez, Times, conlm, termo medio, 2,500 annun-
cios.
Cita se urna casa de Londres que paga cento e
oitenta cornos de ris cada anno, pelos seus anoun-
cios, e ha mais tres oslabelecmenlos que dispen-
movidos, como fr de seu gosto, sem saberem a dem quareuta e cinco conios de ris para o mes-
quem devem applicar, uesle caso, o sentimento qae *K lira.
os domina I O edictor da Encyclopedia Brilannica nao gas-
Provavelmenie, seoslveis como sao, lam-nlara a tou menos de quioze conios de ris nos aiinuncios
sorle da bella ex-mysleriosa, e riera se do velho da< oilo edges d'aquella obra Iliteraria.
conquistador I Repetidas vezes succede as grades cidades
Pois eu Ihe cont o resto, e vero que se enga- de Inglaterra, que algumas caas de commerclo,
navam. tendo sobre os estabelectmenlos rivaes a vantagem
A dona da casa ficou n'um indecifravel estado da riqueza e do prestigio da anliguidade, sao lo-
de pasmaceira, sem comprebender cousa alguma davia eclypsadas por casas modernas, pelo nico
da scena quehavia ensaiado I motivo dos Incesantes reclamos, por meiode aD-
O conquistador, pallido, corado, queote e fro, DUDcios nos jornaes, com que fazem valer os seus
trmulo e lirrae, no ousava proferir urna pala- productos.
vra I '!
Depois de alguns segundos de profundo silencio,
III
Emquanto o fidelissimo historiador lomou urna
Se copiar fielmente as scenas da vida real : se chicara de bom caf, que Ihe irrita os ervos, e
fr simples nirrador de factos que presenciara, ou fumou um pessimo cigarro do palha, invenga) de
Ihe foram transmitidos por testemuohas insuspei- ujj, medico, autor de varias pastilhas contra a tos-
tas, ningueni o acredita I se, foi ciminhando, multo cheio de si, o Sr. Man-
Nesse caso s o pai pie valer-lhe inspirando- do.ca, e vamos encontra-lo ao lado da sybilla, em
Ihe iraagens arrjalas, pompas de estylo e descrip- confidencias indispensaveis para a reaiisago do
ges brilhantes, no meio das quaes se occulle a projecto descubridor.
verdade, repugnante e asquerosa, quasi serapre, Q ^^ homem provaTa a conhecjda asser?o
quando apparecer na, despida dos atavos da fie- de ^ q ^ nupcia( a sepu|(ura do a|T)or
ao. sua rnulher era soffrivel administradora de casa
O romancista v-se, pois, obrigado, quando in-
venta, a asseverar que a mentira verdade, para
que o leitor Ihe nao diga que a verdade mentira.. Dis,racc5es para 0 espirito, no as encontrava
Luiz de Gongora fizera um briode a s proprio, | ne,|a 0 Sr Manducaj e era pp, sso que as procu.
se podesse dar-se como autor deste sublime em- rava fra do quarleir0i onde na0 podesse chegar
broglio de mentiras e verdades. ....__! a inspectora conjugal, que lambem nao era mallo
Se o leitor usasse de botes, e tivesse o costume ... '
de conversar com elles, de certo ja' os teria con
NlUdO sobre a signifleagao e necessidade deste
e poupava, com esse presumo, a despeza de mait
urna criada.
levanlou-se sua esposa as paulas dos ps, assumio
urna posigo artstica, digna do urna tragedia de
Shakspeare, e bradou ao marido :
Infame I Cuidava voc que eu no havi i de
espiar-lhe os passos ? Euganou-se I Offendida no
meu amor proprio, sigo-o ha inulto lempo, e quiz
ver como se defenderia da aecusago, sendo encon-
trado por mim n'uma casa desias I
O Sr. Jos Juca .uanduca tenlou a;oelhar para
implorar o perdo. No o cooseguio e um sata I
(olhem que nao urna saia) expedido era urna
alta voz pela espo.-a ultrajada, levou-o de rojo al
a ra I
Ella ricou ainda alguinas horas conversando cora
sua amiga, sobre negocios seus.
Ja' sabemos que seu marido no era negociante.
E acabuu.
S. M. a rainha de Hespanha tenclonava apressar
o seu regresso a Madrid para compartir os riscos
que corriam actualmente rautos dos seus subditos
om a presenca do cholera, porra foi demovda
d'este nobre proposito, por conselho do governo
e dos mdicos, que no acham conveniente que
a soberana se v offerecer a um perigo inmi-
nente, estando, como est, no seu estado interes-
sante.
Comtudo S. M. C, j que nao pode fazer a sua
vontade, pz a isposigao do governo um miiho
de reales (96 eoolos aproximadamente) para qae
este o applique, oa forma que julgae opportuna,
a remediar os mates causaoos pelo cholera, e pe-
dio-lhe que Ozesse saber ao povo hespaohol o mui-
to que sentia no poder dar maior qnantia na pr-
senle occasio, para to predoso nm.
O homem pareca urna velha, na opinio do mes-
tre, e era um velho no juizo da consorte.
Ja' assim poda ser julgado qnando casou;
mas ento era rico, e eslava agora quase pobre.
Tnham dissipado as illosoes em ambos.
O Sr. Manduca llnha achulo om paraizo onde se
s vuigansar as coisas ou os fados conforme orno- generoso nem ento se desmenlio; imaginava-se maos gmeos, filhos legtimos do talento e da men- eDCarregara $0 paptl de serpete, e viva feliz as
d de sentir e pensar desta poca ; torna-seo mais rico, altamente collocado, offerecia-nos dos seus
soporfero prembulo.
Errava o alvo, o impaciente leitor.
Devia interrogar o autor destas consas, e teria
urna resposta cathegonca, exactamente o seguinte:
O poeta e o romancista sao, como ftca dito, ir-
ncu,
elegante, o mais suave estilista portuguez; lulo haveres, e instava para que acceitassemos.
p ira elle o eolio da forma ; a sua phrase, caden- No breve mtervallo que inedeou da revelago
61 lia e viva, erge a idea e alira-a pir vezes como desse estado a sua recluso, c.mprou livros por
:i pilvara atira con as balas quando se inIHmmi ;
i losegue todo, vence tuJo. alcanza prodigios da
ti ;.-a hngua positiva e douia, que, no seu esiylo-
lumase prorapta, leve e ficil, ageilando-se flexi-
velmente a exprimir ideas mais graciosas do que
profundas, pensamentosde mais engenho que subs-
tancia, impres.-es mais pessoaes do que ge
r?e-.
iv:ui,i, nessas rivistas asperitoosas Ais acontec-
mantos di seraaui uo varalo dominio das letra-,
u.i ^.'. i" i, das arles, e da sociedade, brilha elle
durante .tonos, e brilha principalmente quando al-
canga a feliei lade de nao ijr que referir, o que na
oi:-. io de seuiar se a' m isa de escripia, se encon-
i, i di frente dopa;i- oider confia -!he ura
anteo acontecimentu > apuro por um mila-
gre tirando di penur.a .... anqastd, dj inda ura
irabalbo eucautador !
Gragasa e'i.-, o folhelim ..'Qihronisa-se enire nos.
e eotra nos costames e necessidades da uago.
Torna-se moda esta maueira rpida de coinnia-
Dicar as apreciares, a faeilidade deste methodo
de eserever a historia de cida da, critica de" lodas
as semaoas, ou antes critica de todas as horas,
q t' vai e vera como um relmpago, sem desean
car um iustaute, e que convra de todo o ponto a
u na poca como a nossa lao apressada em es-
cr ver, era criticar, em pensar, era aprender, era
saber, poca em que os talemos sao mais eucyelo-
pedicos do qae profunlis, e.acorapaoham era ludo
a actividade desta civili.-aco dos caminhos de Ierro
e dos lelegraphos eleclricos, apressada, impaciente,
febril.
fe' elle o representante, na litteratura portugue-
za, do carcter, das teuJeocas, da eigao do uosso
lempo.
Empreende todas as questoes polticas, lodas
as quesioos liiierarias ludas as questoes sociaes dos
nossos dias.
Passa do folhetim ao romance o do romance a<.
t!i .tro depois, parecen lo dirigir a sua alteugo
para outra ordem de estados, encela um curso de
economa publica.
ToJavia, os seus escriplos numorislcos era que
a vea da irona circulava serapre havara-lhe
gr .ngeado despeiios e inimisades.
A inveja, que uem seinpre acera, approveitou
essa occasio para o cen>urarv e pergunlou com
que direilo ia, esse escriptor fcil, locar era taes
I: dems.
De todos os lados eniaj pareceu gritar-se-lhe :
Voltae I Voliae para os vossos folheims 1
E issso nascia de no se consentir em Portugal
que um mesmo homem possa ser superior era mais
di um genero.
Euclausuramo-lo na especialidade em que se es
irosa e em que obteve os primeiros triumphos.
Julgamo-lo perdido se qulzer sabir delta.
Aununciaraos-lhe queda iafalliyel na occasio
mes.no em que.elle fr correndo mais le.-to.
Ficainos admiradsimos, Acarnos enraivecido.s
talvez, se no escorregar.
Atrever-se a desinentir-nos !
Elle Uvera o revez de se apresentar ao publico
pelos seus rtigos espirituosos, e nlnguem havia
teito reparo era que o fundo desses maliciosos gra-
cejos era por vezes extremamente serio.
Catalogarara-o na especie folhetim, pregaran) llft
com um allinete o competente letreiro no seu re-
partimento, e no o deixaram sahir.
Consentirn) Ihe os romances, tolerarara-lhe
aquellas encantadoras paginas de viagem que t-
nham por titulo fecorddres de Italia, e absolve-
ram-o de um drama e dois proverbios.
Mas, economa poltica !
X'm homem de espirito, que no tinha outra cou-
sa seoo espirito I
Impossivel.
Onde havia estudado, e que sabia T
Porque elle no cooseguio nunca persuadir ao
publico que ao mesmo lempo que era am escrip-
tor ameno, nm escriptor ligeiro, um escriptor ele-
gante, era...um sabio, no, que de certo no
o era ; mas, um homem que sabia.
No porque bouvesse queimado as pestaas de-
brugado sobre os livros, mas porque tinha urna fa-
eilidade enorme e rima remeniscencia prodigiosa ;
aprenda todos os dias, sem se saber como, e o qae
ama vez aprenda llcava-lhe de tal forma gravado
para serapre na memoria qae la o encontrava na
hora e oa occasiae em que o precisasse.
A verdade, porm, qae o sea amor proprio re-
toda a parte, muitos livros, todos os livros que en-
controu.
Mas, a essa hora ja eslava perdido.
As faculdades da sua iulelligencia haviam-se
adulterado, e estalaram como as cordas de um
insirumeulo.
Eutao, principiou a noile daquelle deslino fatal.
O seu espirito, o seu corago, tornarara se um
tmulo era que elle enterrou quanlo amara.
La' velava urna lampada, que alirava de lem-
pos a lempos um clareo ; mas o fu.no confunda
! ludo.
Longe d) mundo por nos poucos de anuos, ha-
va-o esquecido, mas vira sempre a seu lado urna
figura radiante de deJicago e de amor, urna des-
sas sautas comp.inheir.is, que sao a niela le de nos
1 mesmos, que nos seguenj, que vallara.por nos, um
desses anjos terrestres que raramente se encon-
trara na vida, mas que todos nos sonhamos,sua
esposa ura poema de affeigo e de ternura.
Ura dia, ltimamente, elle surno-lhe.
Os me lieos disseram que ia salvar-se talvez.
Ia salvar-se, ia.
la morrer 1
Cantase esla composigo que do Sr. Dr. Fran-
klin Tavora:
desenga.no.
Ai I lao cedo caluram-me os sonhoa I
Ai lao cedo murcharam-me as crengis
[inmensas,
Intensas
De amor I
A ebimra risonha de um dia
Me ficou regelada e sombra
De dor I
tira. sim ; mas tinha um socio quando falli, Ocora com
O autor disto no fllho de nnguem, nem pre- i horror as S0Cjedades, e atormeniava-o a uspeita
cisa de o ser, visto que se no dispe a ser Victor ; dB que era CdramaodUario all I...
Hugo ou A. Djraas, em Franga ; Mendes Leal ou
Gamillo Gastello-Branco, era Portugal ; Machado _N Ihedmm cootas dos negocios particulares;
de Assis, ou Alencar no Brasil. nal> coaia,,ava,n sjbre a Cai>acidade d" ^
Nao ha poesa, nem remance, no que vai ler-se,
E' a simples uirrago de nm acontec ment,
urna scena passada, recentemente, no Rio de Ja-
neiro. E' islo.
11
D licenga, madame T
Entra vocemec, sinh.
Desejo consltala sobre ceos successos da
mlnha vida, e, confiando no seu talento, e no po
der sobrenatural que a anima, espero ouvir da sua
bocea desengaes terriveis, ou esperancas consola-
doras.
Se Vrrice. quer-me me consulta sobre fuga
de sinh Diederrik', eu no pode diz Ihe cose qual -
zes ; no Ibe raostravam a escripluragao e apenas
Ihe aziam, saber as dalas dos veuciraeotos das le-
tras I
Era horrivel a sitoago, mas imprudencia fazer
obra por indicios, e provas nao as tinha.
Tem se dado oeste mez sete batalhas .raeaw-
raveis.
A primei a foi a de Salamina, que liberto a
Grecia e salvou a civilisaco.
A segunda e a terceira foram as de Isshs e Ar-
belles, que asseguraram a Atex-andre conquista
da Asia.
A quana foi a de Philippes, emque se desmorc-
nou a repblica romana.
A quinta loi a que deu Constantino oas margens
doTibre e quasi s portas de Roma, e o fez senhor
nico do imperio romano.
A sexta (oi a de Lepauto.
A stima a de lena.
Todos os sabbados aprsenla va se urna rapariga
porta de un livreiro de Pars, dizendo :
Esmola para o cgo, pelo amor de Deus.
A muiher do livreiro dava serapre a esmola sem
Ihe dar cuidado se o cgo acoropanhava ou no a
mendiga.
No sabbado passado appareee a rapariga como
na mo'
Fui um iouco, julgando venturas
encontrar as reservas de ura seio,
S cheio
De anceio
Fugaz I
Esperangas fehris do insano
Sao preludios reveis de um engao
Fallaz.
Mas nao entes, muiher, que esla fronte
Tem o orgulho de nobre alivez?
Nnvera negra passou no horisonte,
E depois___;ei-lo cello outra v?z.
Abracei-me ao cadver medonho
t)a passada, mentida illuso;
Araanha.. .no espectro do sonho
A minb'alma achara rederapgo.
Ahi a temos com o baralbo de cartas
" depois^le bem informada das cireumstaocias.
Dama deouros I Quer diz que dame de Vmc.
gosta de ouro, e moi no sabe se Vmc. tem mnito
ouro.
Nem preciso saber, respondeu o Sr. Man-
duca, ura pouco atordoado cura o primeiro an-
aer. Vai Vmce. a' ra Direita n. 59, la' enconlra j nuncio.
Vmce. somnmbulos que deixaram fugir sihuo A dama continuon a operagao, tirando segunda
Diederrik, e se elles nao pode responde a Vmce., carta :
nem le diablo responder' a Vmce. Se tem la" al- Hei de copas I Quer dizer que Vmc. esta'
gum dnheirre, faga la meme chose, fuja Vmce- mais para despejar copos que para enctier cora-
tambera e passar bero. !co<*. e que Dflma de ouro* no pode goslar de
I Vmc.
espere, senhora ; que havia somnambulismo j Aqu 0 msero amante, recordou-se da opinio
nessa casa da ra Direila, ja' eu saba; mas de ,0 barbero sobre a apparencia da sua physiono-
outro genero a minha consulta. Trala-se de neg-! mia) KUlio (a por dentro uns calefrios, e fez una
co de amores. i careta, sem exemplo nos annaes das caretas I
A caroipan/e eocarou no interlocutor, soltou j
urna estrondosa gargalhada, e pedio ao visitante
qae voltasse de tarde, na certeza de que sahna |
salisfeito do resultado da entrevista.
Foi para saber o que desejava no saber, que era de costume, mas a dona da casa perguniou-
elle proenrou a cartomante. i ib*s casualmente, ao lempo de metter-llie a esmola
na mo :
Onde est o ceguinho ?
Esta alli, minha senhora ; esl a ver as figu-
ras que esto na vidraga.
O primeiro fardo de algodao da colheita de
186o, nos Estados-Unidos, obtido pelos prelos li-
bertos que cultivara as ierras, foi dirigido a asso-
ciando para auxiliar os libertos.
O algodao magnifico, e foi vendido a 50 cen-
tesimos de ura dollar, prego que s pode ser al-
cangado por urna qualidade superior.
Trauscrevemos o seguiule:
I
O homem agasiou-se de veras com a risada in-
sultadora, mas conteve as suas iras. Se as desen-
cadeasse, voaria com ellas, a esperaoga que o le-
vara a'quelle templo da sabedoria incgnita.
Sahiudo, foi meditando na sua estranba situago,
e pareceu Ihe ter resolvido o didlcl problema de
um modo bem desagradavel para o seu orgulho.
Permita o leitor que Ihe faga urna representa-
gao em forma, e, trocados os cumprimenios do es-
tylo, establecidas as relages proseguiremos na
singela narrago da aventura.
O hroe deste drama o Si. Jos Juca Man-
duca.
Coola 59 annos onze mezes e poucos dias, e en-
tende que um homem s velbo aos sessenta an-
nos.
Aos 50 casou-se com urna booita moga, que se
namorra de alguns conlos de ris que possuia o
amavel pretndeme.
Pouco depois da unio matrimonial, o Sr. Man-
duca, infeliz no commercio, perdeu a maior parte
dos seus haveres, que ama cousa a que muitos
escriptores modernos chamam fortuna para lison-
gearem o Luiz Napoleo, talvez.
A no ser este o flm, sera outro, menos a neces-
sidade de recorrer a idioma estranho, para dizer
que um homem rico.
O Sr. Manduca desanimou quaodo vio esgueirar-
se-lhe pela algibeira tora urna grande parte de seu
dinheiro, e, para salvar o resto, fez meia duza de
VEHOADK E .MEN 11HA.
O poela e o romancista sao irmos gemeos, fi- tranquibernias, que Iheroubaram o crdito, naopi-
Ihos legtimos do consorcio do talento com a men
tira.
No pleno gozo da beranga paterna, o primeiro
destes dous enles, pengosos empecilhos ao pro-
nio dos prejadicados.
Os outros passaram Ihe diploma de fino.
Abandonou o negocio de todo o genero, e resi-
gnou-se a viver do rendimento do pouco que ibe fi
gresso do seculo XIX, chama a' la casta diva, as cara.
estrellas olhos de Deus, ao sabia, arttsta das selvas A ociosidade, porm, era-lhe pesada, porque ti-
e a si ornamento da patria I nha- vivido ate all no irabalho. Mas que havia
Toda esta moxinifada, bem disposta em linhas! de fazer o Sr. Manduca, impossbltado de nego-
curlas e cumpridas, com pontos de admirado e ciar, pora pouco dinheiro, e ainda menos ere-
reticencias, da' em resultado urna soberba poesia, dito 1
admirada pelos tolos, elogiada pelos amigos e ren-! Assalloo-o a idea de fazer-se eleger director de
dosa para os Jornaes em que publicada, a razo um banco e deu para sso os primeiros passos, au-
de tantos ris por cada li ha I xliado pela influencia de alguns amigos que o apre-
Alguma imagem falsa; algura verso coxo, des- [ ciavarn ainda, por caridade
A sybilla continuou :
Conde de paos I Ah I Vmc. estar perdido
agora Quer diz que ama de ouros quer bem a
um seoh tidalgue, e que este senh tidalgue que
conde de paos, da com pao em Vmc.
O Sr. Manduca licou desorientado, e levanta-se
para sahir, quando a feteeira o segurou, dizendo-
Ihe, la na sua arrevesada liugua, que fallava a con-
firmago de ludo aquillo, que podiam ser calum
nas das cartas.
Dito islo, proseguio tirando quana caria :
Az de espadas 1 A espadilha o aflrma 1 Ago-
ra no ha duvida. h' verdade, verdadeiro ludo que
eu diz a Vocemec.
Acabou a sesso.
O Sr. Jos Juca, esmorecen de todo I
Chorou como urna vide, a poni de commover a
sabia cartomante:
Esta coudoida do infeliz procurou coavence-lo
de que devia desprezar a prfida, e conseguio ouvir
essa promessa da bocea do despenado velho-me-
nino.
Foi o que elle quiz.
F^luva receitar-lne remedio para curar a chaga,
e ella sabia que o pello do mesmo cao o nico
meio efBcaz em casos destes.
Failou-lhe urna sua amiga, bella como um aojo,
meiga como um cnerubira, e cjue.se una com ella,
como dous aujos ou duus cncrubins.
Havia modestia na imagem.
A encantadora beldade coslmnava visitar oceul-
lamente a cartomante, mas no ia l com o fim
que elle lora.
No pretenda saber nada, ou j sabia ludo quan-
lo ibe era preciso.
Ia all desabafar as suas magoas uo coragao da
amiga, e era esperada no dia immediato.
A compassiva frauceza, se no era italiana, alle-
ma, ou ludo isto ao mesmo lempo, convideu o Sr.
Joca Manduca para visita-la no da seguinte, pro
mettendo-lbe urna apresenlago agradavel.
O movimento eleitofal parece desenhar-se as
provincias italianas em sentido favoravel ao partido
moderado.
Se dermos crdito a urna correspondencia di
rgida de Milo a um jornal francez, fallase alli,
nos crculos polticos, de urna reunio de familia
da casa de Saboy i, ou i na de ter lugar em Floren-
ga, e que deve coincidir com a abertura do parla-
mento italiano.
O rei de Portugal e o principe Napoleo serSo
chamados a fazer parte d'este conselho d fa-
milia, onde sero debatidas graves questoes po-
lticas.
Tralar-se-ha em primeiro lugar de ura pro
jecto de casamento do principe Humberto, que se
pretende unir com urna casa real, oulr'ora hostil
e que recentemente se converteu causa italiana.
Este successo poderia accelerar o momento em
que o prncipe herdeiro deveri subir ao throno
da Italia. A questao romana ser tambem di-co-
tida, examinada e resolvda lalvez n'essa reunan
de familia, lano quanto o pode ser n'um paiz cons
tilucional.
O re de Portugal, accrescenta o jornal a que al
ludimos, offereeer-se-ha como medaneiro entre a
casa de Saboya e o soberano pontfice.
O principe .Napoleo no far opposigo a esta
suprema reconciliago, que o reconciliar igual-
mente com o seu imperial primo.
Taes sao os boatos que ha dias correro.
A's 7 horas da manlia de 21 do eorrente, ex-
plou o seu crime no caslafalso, era Cbalonssur-
Saone, o parricida Jos Pelit.
O instrumento do suppicio tinha sido levantado
durante a noute, na praea das execotes.
De todos os pomos da cioade, dos arrabaldes e
das aldeas visiulias, correu ao local urna muUido
havida de espectculos d'aquella nalureza.
Jos Peiii, seis horas e vinte minutos, son-
be da bocea do esmoler da priso, qne era che-
gado o memento de comparecer na presenca de
Deus.
Responden com um profnndo suspiro :
Muito bem,senhor...
E depois de urna pausa de alguns instantes.
Multo bem; vou tornara ver minha mi.
O sacerdote, que desde a sua condemnago o
visitava todos os das, e o linha preparado com
a maior dedicaeao para a suprema expiaco, ou-
vio a sua coulisso e fez-lhe ehrislias exhorla-
ges.
A's 6 horas 5 minutos, o executor de Dijon
apreseutou-se a portado seu aposento cellular com
dous tubos c um genro.
Enlo Petu pedio que o deixassem lavar a mo
e a cara, o que fez como se estivesse completamen'
le livre de cuidados e de preoceupagiSes.
Em seguida comecaram os executores a despi lo
e a prepara-lo segundo.
No se Ihe notou o mais leve tremor convulso.
Antes disso Unha pergunlado se o seu corpo se-
rta depositado uo ceraiterio, e como Ibe dlssessem
que sun, p.ire.-ea ficar salisfeito.
Emfira chegou a ora fatal; abriram-se as por-
tas da priso.
Confuso murmurio correu pela multido agi-
tada.
O paciente, em camisa, descaigo, cora ara veo
preto pela cabega, foi erguido ao carro onde nao o
deixavam subir as Iravas que o prendiam.
No momento de partir, Petu agradecendo ao
guarda-mr da priso as attenges que linba tido
sempre com elle, disse-lhe :
No rae esquecerei do senhor as minhas ora-
ges.
*- Passaram alguns minutos.
Ajudado pelos ejecutores, Petit subi os degros.
do cadafalso.
!>"
A Austria, costume entre os israelitas, por
occasio de um casamento, lr depois do banquete
a lista dos brijdes de nupcias, com os nomes dos
donatarios.
Tendo-se, ha pouco, celebrado em Vienna urna
solemnidade d'este genero, enire os presentes
enviados aehou-se um volumoso paoole dirigido ao
noivo.
A pedido dos convidados, foi aberto o em-
brulho e entregue ao noivo ; conlinha um ma-
go de cartas, com um bilhele no qoal eslava es-
cripto.
Como presente de nupcias tenho a honra de
Vos enviar o incluso mago de cartas, que o resul-
^Assim, o amante infeliz voltaria aos seus ditosos ; d(j uma ,olerMSMle corrt,Sp0ndencia entre a
lempos, tendo apenas mudado de rumo o seu cora- ^ q esposa e q ^ w
gao, que eslalaria como uma castanha, sep del- ^^^ esUva assjgnado pQr. Um &ow
xassem em abandono, sobre a chammas e^ue # A. vgU d,e8,as fa,aes fl inconles,avels peca9 de
"Ssr. Manduca leve a delicadeza de acefi o convicio> '1 marido empall.deceu ; a no.va
convite, e sahio, prometiendo ser uma urna d^)e-i cahio em deliquio, e os conviva;-safaram-se em
dra, onde ficasse sepultado o segredo que Ihe re- silencio, reflectindo nos inconvenientes a que est
Um dos executores disse-lhe entao :
Coragem sempre I
felit respondeu :
Hei de le-la al ao fim 1
Chegado a plata-forma, tiraram-lbe a carrisa e q
veo prelo, e as turbas poderam ver-lhe na fei^Ses
o aspecto de um homem resignado, mas bo, de
um homem abaudo.
Foi lida a sentenca de condemnago.
O sacerdote abragou o paciente.
Ergueu-se um grito da maliido.
Ouvo-se um golpe sardo.
A jusliga eslava satisfeita.
Jos Petit linha desoito annos.
Era um mogo inielligente, robusto, alto e de ca-
rcter um pouco sonso; mas as suas feigoes e no
seu olhar nao havia nada que dissesse gua ello era
um criminoso. Entretanto o seu crime era horri-
vel : Petit assas?inou sua mi com inaudita cruel--
dade, dando-lhe na cabega ires pancadas de alvo.
A violencia dos golpes tinba sido tal, que o me-
dir -i encarcegado da Miopa conloa io bocados de.
ossos. *
Antes da sna condemnago, Petit pareci, apar-
voado e tomado de secretos terrores ; mas. desde o
dia em que a jusliga decidi da sua sorls,. parecia
ter recobrado loda a inlelligencia.
Mostrava-se sereno e dcil, e a sua posigo no o
aterrava.
A's vezes raiava Ihe na iraaginago a esperanga.
de ver coramutada a pena, e dizia :
Sou muilo uovo, no me malario I
E accrescentava :
Nanea se vio que lossem ao cadafalso no-
mens da minha idade.
Mas no ladava que abandonasse essa ideas a
dissesse :
No ; no possivel que me perdoem ; o
meu crime muito grande 1
menlind a verdade da arte; algum disparate en-
cuberto pela harmona, no provm sempre do in-
Poucos dias ga tou nesla diligencia.
Outros, em peiores circunstancias, mais pobrt
fluxo materno; um ligero arrufo do pai e suffl- e mais desacreditados, trabalhavam com mais ana-
ciente para produzir estes descuidos, que a critica | co, erara allanaeale proteos e contavam com o
benvola deixa passar impunemente, para animar Iriumpbo sta eicjio.
o genio a tentativas de mais ayultado alcance. Desisti, pois, o SaJos Juea Manducav e ocio-
Desta benevo enca nascem os Nunes Garcas e s"o como ficoa, deu em namorar, fez-se conquista-
seus pares, para gloria delles e dos outros parvos, dor. _
' Era por caasa de uma osjiaaisla que te procu-
todos submissos respeilares da assergo de A. Du
mas: Les mathemattques sont les chame de la pen
se.
Estes no calculan) o effeito das suas produc
ges, nem qaerera o pensamento agaimado.
Honra Ibes seja feila.
Um da, dominaos a influencia do um rosto fas
clnador, de uma cintura elegante oude om pe inl<
migo dos negociantes de coaros.
rava a sybilla.
O Sr. Manduca era alvo como a nev, tinha os
olbos azues e a bocea pequea.
Era direilo como urasargento, discorria como
um cabo de esquadra e marebava como nm sol
dado.
A barba, toda branca, era o sea aoco indicio
de velbice, e o Sr, Jos Jaca entenden qae isso pro-
exposto um pobre diabo, no momento em qae julga
entrar na la de mel.
Diz se qae, no da seguate, o mancebo deu os
passos necessarios para.se separar de sua candkla
espsM.
ommendava a protectora.
No dia immediato, depois de uma noite dAlnsom-
nia, passada entre saudades e esperanga?, veslio-se
o Sr. Jos Juca, esmerou-se o mais possivel, pe#
sando sempre no que Ihe dissera o barbero, e foi
pontual, hora indicada, em casa de sua nova
amiga, a respeitavel sybilla.
Foi iotroduzdo com mysterio, na sala onde se
alera a sessao da vespera, e no vio nlnguem.
A dona da casa segredou Ihe ao ouvido qne a
sua bella amiga no offeodia o sea recato por m% lerras cultivadas, e aehou evad onde julgava
sa alguma deste mundo e que por isso nao viob co,r ""'S0-
alli, sala publica. | ~ Qe ,0QCUr! Ja *i8,e a,wM ,aier cousa
La nos fundos da casa, em ama saleta decente-1 semelhaute T
Um dia disse o amo ao seu escravo:
Vai ao campo e semeia trigo.
O escravo foi e semeou cevada.
Chegado o tempo da colheita, o amo dirigio-se s
mente adornada, esperava ella pela apresenlagq
combinada no dia anterior.
Chegou o ditoso tpomen'.o.
JlLEGVEL
O escravo respondeu :
Vos mesmo semeaes a cada bora do dia o
mal no campo do mondo, esperando sem duvida
l\ __
A gastronoma nao arte que esteja para ahi es-
condida na escara cosinha de qualquer burgoez ;
tem muito quem se interesse pelos seus adiania-
menios, e lano islo verdade, que uma folha es-
trangeira qae temos a vista, annuncla para muito
prximo a reunio em Bordaos de nm congresso
de gastrnomos, para discutir os progressos da cu-
linaria.
Estimaremos qae nessa reunio os Ilustres sa-
bios discutara o melnor modo de lomar a rala ama
verdadeira iguaria.
Tem apparecido na entrada de Mancha alguns
monstros marranos, cuja presenca talvez explique
a desapparigo quasi completa, oaquella ifosta, das
sardnhas e cavadas.
Ha das foram vistos, nos arredores de Ouesant,
cinco tubares, algomas baleias, golphinhos, del-
pbins e porcos do mar, reunio de animaos propria.
para afugeolar todos os peixes pequeos.
Um dos tubares esteve a ponto de ser apanhado
pela tripolago do Eurydice ; mas o monstro qae-
broa a corda, e rugi com a isca no estomago.
PERNAMBUGO -, T^P. D^ M. P OE F. 4 FllHQ



-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4N5RQJWA_FGQD3B INGEST_TIME 2013-08-28T02:56:26Z PACKAGE AA00011611_10832
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES