Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10827


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO ILI, ftOMEBO 270.
Por qaartel pago dentro de 10 diasdo 4. mez ...ti.. SfOOO-
dera depois dos 1.' 10 das do comecoe dentro do quartel.... 6J000
Porte ao correo por tres mezes........... i 750
SEXTA FEA 24 DE MEMBRO DE 1865.
Por anuo lago dentro de lo das do i. ,,,.,, 191001
Porte ao correio por um anno.......... Sf09t
*\
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claodino Falco Das; Babia, o
8r. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparlnho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Igaarass e Govanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Alticho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bora
Conselho. Aguas Bellas e Tacaratii, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqaelra
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueho e Exii, as quartas
feiras.
Sennbem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimentelras, as qnintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relajo : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Joizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Pnmeira Tara do civel: tergas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
bora da larde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
3 La cbeia as 5 h., 43 m. e 28 s. da ra.
10 Quarto ming. a 3 h., 25 m. e 52 s. da m.
18 La nova as 8 h., 40 m. e 32 s. da m.
26 Quarto cresc. aos 38 m. e 22 a. da m.
DAS DA SEMANA.
20 Segunda. S. Flix de Vallois fond. dos trinos.
21. Terga. S. Celio m.; S. Honorio m.
22: Quaria. S. Cecilia v. m.; S. Filemon m.
28. Quinta. S. Clemente p. m.; S. Cezino.
24. Sexta. S. Chrysogno ni.; S. Firmina v. m.
23. Sabbado. S. Catharina v. m.; S. Jucunda v.
26. Domingo. Ss. Belino e Filas bb. mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9 horas e 18 m. da manha.
SeguDda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o snl at Aiaeoas a 14 30; pira o
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez-, para Fa
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo,i
jalho, setemhro e covemf.ro.
IGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da li
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Pigueiroa
Faria & Filho.
Os Srs. assignantes deste Diario, que
se acham ern debito das respectivas assig-
naturas, queiram mandar realisar o paga-
mento dellas; e aquelles que morara fora
desta cidade, tenbam a bodade de dar avi-
so de quaes sejam aqui os seus correspon-
dentes, am de ser solicitado e;se pagamen-
to dos mesmos, a quem daro ordem para
isto, visto como alguns pretextam a falta
dessa ordem.
Dito Jos Xavier do Souza Fonseca.
Dito Sidronie Joaquim do Regj Barreto.
Diio Ernesto Alves Pacheco.
Dito ao mesmo. ueclaro a V. S., para seu
couhecmento e Qm conveniente, que acabo de re-
commndar ao inspector da ihesouraria provincial,
que faga recolher ao cofre dessa thesouraria, a
metade dos vencimentos relativos ao mez de outu-
bro ultimo, do lente Manoel de Souza Braga,
commandante do destacamento de guardas naci-
naes exisiente na cidade de Caruar, a qual ji foi
por elle offereeida para as despezas da guerra.
Dito ao mesmo Recommendo a V. S., a expedi-
do voluo-
Joo Ma-
para servir em commisso na 6o corpo
tartos da patria, os ofBciaes seguinies :
Capito, o capiao reformado do exercito
rinho Paes Barreto.
Tenantes.
Jos Libanio Ribeiro.
Naval da Silva Pereira de Lucena.
Ignacio de Albujuerque Maranho Cavaleanti.
Alferes.
Francisco Vaz Pereira de Lucena.
Joo Joaquim da Cunha Rabello.
Fizeram se as necessanas commnnicagdes.
Dita.O presidente da provincia resolve nomear
PARTE mfilAl
covnio u ?mmm.
Expediente do dia 20 de novembro de 1863.
Offlcio ao Exm. Sr. Angelo Francisco Ramos,
3o vice-presidenle da provincia de Sergipe.Ac-
ensando a recepgo do seu offleio de 6 do corren-
te, sob n. 198, era que V. Exc. me communica ha-
ver na qualidade de seu 3 vice presidente e no
impedimento do i' e 1' tomado posse da adrainis-
trago dessa provincia, cbeme asseverar a V.
Exc, que sentare me encontrara prompto a cura
prir soas ordens quer sejara relativas ao servigo
publico, quer ao particular de V. Exc.
Dito ao Exm. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.Em vista d.e sua informa-
go de 18 do corrent*, sob n. 532. autoriso V. Exc.
a mandar entregar a Catharina Verldiana da As
sumpgo a exposta sua atilhada Maria Bernardina
da Assompg*o, de que traa o requerimenlo que
incluso devolvo.
Dito ao marechal commandante das armas.
Sirva-se Exc. de mandar inspeccionar o capito
Jos Januario Alves Ferreira, do batalho n. 16 do
municipio de Pao d'Alho e o lente do batalho
n. 36 de infamara do municipio do Brejo, Bento
Moreira de Albuquerque, constantes das inclusos
requerimentos que me sero devolvidos cjm os
respectivos termos de inspecgo.
Dito ao mesrao. Mande V. Exc. dar baixa do
servigo do exercito, visto ter provado ser menor ao
soldado do 5 corpo de voluntarios da patria Fran-
cisco dos Santos e Silva.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. inspeccionar
novamente o furriel do 5 corpo de voluntarios da
patria Francisco Ignacio da Rocha, de que irata o
incluso requerimenlo
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Etc. de informar
sobre o que pede no incluso requerimento o vo-
luntario da patria Joaquim de Barros Brito.
Dito ao mesmo.Srvase V. Exc. de Informar
acerca do que nos inclusos documentos pedem Ma-
ria Candida Cavalcanli e Rita Maria da Cmceigao,
o primeiro dos quaes vai coberlo com a informago
do chefe de polica.
Dito ao mesmo:Constando de aviso do minis-
terio da guerra de 26 de outubro ultimo, que na
mesma data se concederam ao 1* cirorgiao do cor-
po de sa le do exercito, e cirurgio-mr de briga-
da em cmmisso Dr. Prxedes Gomes de Souza
Pitanga 60 das de licenga para tralar de sua sa-
de nesta provincia ; assim o communico a V. Exc.
para seu conheciment.Fez-se igual communica-
cao ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Pode V. Exc. mandar eliminar
do servigo da guerra, para que fra designado o
guarda nacional do municipio do Cabo, Manoel
Ferreira Gomps, acceilando em seu lugar o paisa-
no por elleoferecido Francisco Antonio de Mello,
que foi considerado apio em inspecgo de sade,
como consta do termo annexo ao ofQcio de V. Exc.
de 18 do correnle, sob n. 2,174.
Duo ao mesmo.-Queira V. Exc. informnr-me
sobre o que pede no incluso requerimenlo Fran-
cisco Mximo Ferreira.
uiio ao mesmo.-Mande V. Exc. eliminar do
servigo do 5o corpo de voluntarlos da patria a Ma-
noel Gomes da Silva Jnior, Jos Entablo de Car-
valho, Francisco Soares dos Sanios, Manoel Janua-
rio dos Santos, Manoel Flix de Menezese Antonio
Joaquim de Sant'Anna,que forara julgados inca-
pazes do servigo militar, como se vedo termo de
inspecgo annexo ao offlcio de V. Exc. datado de
hoje e sob n. 2,194.
Dito ao me.-mo.Mande V. Exc. eiiminar do ba-
talnao de guardas nacionaes destinado ao servigo
da guerra, o guarda do batalho n. 43 de infanta-
ra do municipio de Serrahem Francisco Gouveia
de Barros, acceilando em seu losar o paisano Lau-
rentrao Alves Coelho por elle offerecido, vistoque
foi considerado apto em inspecgo de sade, se-
gundo consta do termo annexo ao offlcio de V.
Exc. de n. 2,169 de 18 do correnle.
Dito ao mesmo.-Srvase V. Exc.de mandar
desuas ord< para curapnmento do aviso o alferes do exercito. Jos Longuinho da Cosa Le-
circular do ministerio da justiga de 8 deste mez, le, para servir em commisso o ptalo de cap.tao-
ionio por copia Uscal do 3 corP de voluntarios da patria. Fiza-
Dito ao mesmo.-Transmiti a V. S. para seu ramse as necessariascomraunicag5es.
conhecimento, copia do aviso do ministerio da Dita.-O presidente da provincia resolve nomear
cuerra de 27 do correnle, declarando ser iraproce- o capito reformado do exercito, Henrique Eduar-
denle o recurso interposlo pelo procurador fiscal do da Costa Gama, para servir em commisso o
dessa Ihesouraria, acerca dos pagamentos das van- posto de major do f batalho da guarda nacional
tagens de commando do corpo mandadas abanar destinado ao servigo da guerra.Fizeram-se as ne-
por esta presidencia, ao coronel Francisco Joaquim cessanas commnnicagoes.
Pereira Lobo, e tenente-coronel Joo Paulo Forre-! uua.-0 presidente da provincia resolve n ranear
ra commandantes do 3* e 5 corpos de voluntarios o tenenie do 3 corpo de voluntarios da patria, cus-
da patria, em organisago nesta provincia, por i tedio Floro da Silva Fragoso, para servir em com-
uuanto semelhante abono nao pode deixar de ser missao o posto de capila, da 8' companbia do raes-
considerado como liquido era attengao as circuras- rao corpo. Fizeram-se as necessarias comrauoi-
tancias exeepcionaes e legaes, que deram origem a cacoes.
nomeago daquelles offlciaes. Dita. O presidente da provincia, attendendo a
iio ao inspector da thesouraria provincialPro- que pelos documentos annexos ao seu requer
videncio V. S., para que em vista da folha junta ment provou o caolto do balalho n. 51 do mu-
era duplcala, que me remetteu o commandanie do nielpio do Pao-d'Alho, Vicente de Araujo Pinheiro,
corpo de polica, com offlcio de hoje sob n. 1.081, achar-se impossibilitado do servigo da guerra por
seja paga aquanlia de9S500, em-que importam as soffrer de ataques epilpticos, e lendo era vista a
diarias abonadas a d' us sentenciados que se achara informago do respectivo commandante superior
ao servigo do quartel daquelle copo, a contar do de 15 do crreme, resolve dispen3a-lo daquelle ser-
Io al 20 do correnle, vlgo para o qual fra designado.
Dito ao mesrao.Annuindo ao que sohcilou o: Dila.O.presidente da provincia resolve conce-
commandante do corpo de polica, em offlcio de der a Simplicio Lins de Souza Fonies e Manoel do
hoje sob n. 1,082, recommendo a V. S., que mande Nascimento Puntes Jnior ademissao que pediram,
adiantar dous mezes de gratifleagao, nos termos aquello do posto de tenente, e este do de alferes
da lei n.611 de 2 de raaio deste anno, as pragas que serviara era commisso no 5o corpo de volunta-
daquelle corpo. cmanles da iuclua relagao, as ros da patria.Fizeram as necessarias communi-
quaes lera de seguir a manha para a corle, com caepes,
destino ao servigo da guerra. Dita.Os Srs. agentes da Corapanhia Brasileira
Diio ao mesmo.Teodo de embarcar amanha mandem dar passagem de estado a r at o Para',
para, a corte a ala direila do corpo de polica, re- luyendo vaga, no vapor Oyapock, a Jos Antonio
comineado a V. S, que ajuste as contas daquelle Ernesto Para-ass.
corpo, mandando pagar os prets das pragas e os Dita.-Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
vencimentos dos offlciaes, al o dia 21 do cor-de paquetes a vapor mandem dar transporte para
rente.
cidade do recife, data que at boje apesar das di-
ligencias empregadas, nao encontrei; proponho
que, se pega ao Exm. Sr. presidente da provincia
aulorisagao para que o Sr. inspector do arsenal de
marinha, coadjuve ao lustilulo nesses trabalhos,
com os operarios daquelle arsenal que assisliram
em 1850 a demolgo do referido|arco.
t Sala das sessoes do Instituto Areheologlco e
Geographico Fernambucaoo, 23 de novembro de
1865.
Tendo o Sr. Dr. chefe de polica em data de vdun o H<,=ro,.h.%,i ..m ;.<
28 do proxi.no passado mandado ou".r ao Sr. dele e desfechou um de Pw
gado do Pao d'AIno acerca d> facto que a este foi
attribuido
sa de
a S. S. que de prsenle nao pode saiisfazer a sua
ordem, visto achar sa basiantem-mH ocommodado
de um panancio, que o priva de esc.rever por
telo pro3trado, fazen lo-o curtir dores oleosa?.
Nesias circurastancias o mesmo Sr. delegado
Salvad/- Henrique de Albuquerque.i pede licenga ao Sr. Dr. chefe de polica para dar a
t Communicando-me o Sr. Jos de Vasconcellos, | sua resposia mais de espaco, urna vez que nao p-
nossj soeio, que os trabalhos do calgaraento das ; de faz-lo seno por si proprio, em vista dos factos
ras achao>se prximos do lugar onde foi o^anligo \ que Ihe sao argidos, fados que no entretanto pro-
pelourinh.. na praga do Corpo Santo, e que seria testa serem baldos de fundamento e destituidos
conveniente aproveilar o enseio para fazer algumas ^ por conseguinle de procedencia, como proraette
pesquizas, visti como, existindo anda all alicer-, demonstra-lo.
ees do demolido pelourinho, pode enconlrar-se Aguardando esta justificago, sempro grata
nelle alguma lapide com inscripgo que sirva para ; quando cabal, na podemos deixar de n.dar o pro-
elucidar alguma duvida ; proponho que, se pega ao ceder grave em cas s laes do digno Sr. Dr. chefe
Exm. Sr. presidente da provincia, se digne de re- de polica, que sobre ludo lem a regolaridade do
commendar a pesaos que dirige aquelles trabalhos, servigo, sem aitengo a consiJeragao que com ella
que haja de avisar ao secretario perpetuo deste repugnen).
Instituto, quando tiver de fazer a excavago neces-1
sana naquello lugar, aflm de que este avise a cora
qtH
gou-se em um dos soldados; mas pJe
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S., a exped
cao de suas ordens, para que se nao houver incon
venieote, sejam pagos aos negociantes Antonio Jos
de Arantes & C, os vencimeutos relativos ao mez
a corte no vapor Paran a' ala direita do corpo d
polica e ao 5o corpo de voluntarios da patria.
Dita.Os Srs. agentes da Corapanhia Brasileira
de paquetes a vapor rain Jera dar transporte at a
corte, por conta do ministerio da guerra, no vapor
de outubro ultimo, do destacamento de guardas Paran, ao capito de engenheiros Domingos Jos
nacionaes existenie na cidade de Caruar, como se Rodrigues.
v dos incluso* documentos, que me remetteu o: Dita.Os Srs. agentes da Corapanhia Brasileira
respectivo commandante superior interino, com de paquetes a vapor raandera dar passagem para
offlcio de 8 do crreme, com excepgo smeote da j o Rio de Jaaeiro, por conta do ministerio da guer
metaee de taes vencimentos carrespoodentes ao ra, a familia do major em commisso do 5' corpo
tenente Manoel de viuza Braga, comraandaute do de voluotarios da patria, Julio Pompeo de Barros
predito destacamento, o qual sendo por elle offere- Lima, composta de sua mulher e tres filhos me-
cida para as despezas da guerra, dever ser reco- ores.
Ihida a thesouraria de fazenda, a quera nesta dala Expediente do secretario do noterno do dia 20
- t!..... .. ... > r, ......... it, i 1 .~___
se offlcia a este respeito.
Dito ao raesmo.Constando de offlcio do chefe
da repartigo das obras pablicas, datado de hoje, e
sob n. 369, que o arrematante dos reparos a>s
280 bragas de empeJraraeuto entre os marcos de
13 a 14 mil bragas na estrada da Victoria, tem
de novembro de 186o.
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda trans-
mitid a V. S. as 5 lodosas ordens, sendo 3 do
ministerio da guerra, datadas de 2, 3 e 7 do cor-
misso Archeologica para assistir a estes trabalhos.
t Sal* do In.-titulo Areheologlco e Geographico
Pernambuco, em sesso de 23 de novembro de
1865.
Salvador Henrgue de Albuquerque.
Era seguida fez se a leitura do seguinte parecer,
que foi a imprimir para ser discutido na prxima
sesso.
Soares Brandio, para que era lugar das quatro es
tatas que resolveu o Instituto mandar erigir, seja
levantado um grande e nico monumento testemu-
nho da gratidao da provincia a todos os seus he-
roicos restauradores de 1654, em consequeocia de
ser dillcil seno impossivel o reallsar-se a gran-
diosa idea j proposta e approvada pelo Instituto;
depois de considerar e reflectir maduramente sobre
a conveniencia de semelhante medida, vem hoje
apresentar o seu parecer que subraette a Ilustrada
apreciago do Instituto.
Em sesso de 22 de dezembro do anuo passa-
do, approvou o Instituto o parecer da commisso
de trabalhos histricos e archeologicos, que exa-
minando a proposta respectiva, foi de opinlo que,
as quatro freguezas desta cidade se erigissem
estatuas dedicadas a cada ura dos quatro prioci-
paes restauradores de Pernambuco : Joo Fernn-
des Vieira, Aodr Vidal de Negreiros, Henrique
Dias e D. Antonio Felippe Carnario, sendo a collo-
cago proposta das raesmas estatuas, era pragas ou
lugares que mdicavam um facto histrico e allu-
sivo a cada um desses hroes.
c Esta deliberago do Instituto foi bem acolhida
Da Olinda nos remettem o seguinte :
Hontem pelas 10 horas di manha, achando-se
presentes na cathedral o Exm. Sr. vigario capitu-
lar, o Rvm. cabido, e grande numero de seminaris-
tas, foi entuado um solemne Te Deum Laudamus
em agao de gragas pelo regresso de S. M. o Impe-
rador a corte.
t Foi elle feito com toda pompa e brilhantlsmo
conforme os desejos de S. Exc. Rvma.
t Offlciou o Rvm. Sr. conego chantre Jos Joa-
O subdelegado era exercicio do referido *is-
tricto, Mauricio Lopes Lima, tem sido M
em sua existencia, porque esse grupo qin
ca lo no cerco da casa de Peiippo Jos Soact-
menlo, e de que foram presos doos laMvMa.
como j Ihe noiiclei, refugiou-se aas extremas da
provincia de Alagoas que limita coa atneile As-
tricto, e procura mongo de atacar sagorio4a
subdelegado, cujo en^enho dista duas lemas Os
lugar Malla Limpa, em que esli laes crimi-
nosos.
i < E' mo que em um t"rmo como este, rraae,
e onde ha (anta reluctancia em se prestarese
seus moradores ao servigo de ruerra, aao taja a
menos viole soldados de forca refalar qoe. 4a ae-
mento, acuda aoloridade aa repressao deer
J devido a esta falla de soldados fngiram, >
era outra Ihe noticiei, cinco erimneeoa 4 i
desia villa que serve para toda a comarca, a ojo,
anda nao ha mullos dias, leve deliro de si pon
de cera presos I
do Cor-
da Silva
A commisso especial de estatuas_a quem foi iquim Cainello e ADrad 0 0 poaendo fazer
oU-!lt.l^a.Ja.,ndlca?ao. d0_n?.SS-.s2-'0-0..^;^r- S. Exc. Rvma. por se achr na occasio um pouco
< No dia 11 deste, no mesmo districto
rente, cagando calalos Joaquim Pereira
e Francisco Antonio Leite, sueeedeo qoe
naquelle um tiro, emprrgaodo-se seis carabas
chumbo na barriga de orna das persas
do que acha-se sem perigo.
< O tiro (o casual, pois qoe os
sao amigos, e neohuma desavenga koove
; elles.
incommodado.
Assisliram como dicono o Rvra. conego vice! Foram nomeados por portara i
reitor Jos Marques de Castilha, e como subdiaco- Servrem era commisso no 4. corpa 4a
no o Rvm. conego secretario do bispado Joaquim urios da patria, em oruanisago aa comarca de
Ferreira dos Sanios. Flores, os segrales offlciaes :
< Dispensamos aqui qualqner elogio que a este : Eslado-maior.
respeito se possa fazer, por estar ja patente a visla ; Tenente qoarlcl meslre Joaquim Jos do >ase-
de todos a maneira,pela qual S. Exma. (por si so) cimento Waoderley.
se ter dirigido em lodos os actos pblicos e particu-1 (. Companhia.
lares oa sua administrago. Capito bacharel Joao Bapiista do Amanl a Mello.
Alferes Jos Amonio de Souza Paes.
Continuamos a ter ms noticias do termo de
Cimbres : o respectivo commandante superior e
delegado de polica nao recuam. segundo se nos
diz, diante de perseguigo alguma contra os raem-
bros da opposigo. Chamamos a alleu-,o do gc-
verno para aquello termo, onde as rlxas e dis-
sengoes civis se vo exacerbando consideravel-
mente.
2.a Companhia.
Capito o capillo da guarda nacional Bedicto
Orlenclo de Siqueira Campos.
3.* Companhia.
Capito o lente da guarda nicional Jeroaymo
de Alhayde Siqueira.
Tenenie o alferes da guarda nacional Manoel Jos
da Costa Borges.
Alferes Urbano Ferreira de Siqueira Cmara.
V Compaohia.
Capito Samuel de Sa Mootenegro.
executado ura terco das obras do seu contrato, de I ">? i f duplcala, expedidas pela repartigo
conrormidade cora o respectivo orgaraento : assira | *> ajudanle-general sob ns. 479 e 480, bera co.no
o communico a V. S. paraseu conhei-imeuto.eaflm
de 'iue em vista do competente certilicado mande
pagar ao mencionado arrematante a quaotia de
647,5889, proveniente da 1- preslago a que elle' D"> ao padre Joao Bernanuvera M^el.-Pala
tem d.re lo, como se v do pred.io^fflcio.-Cora- : iecretana do governo se communica aoIilm.Sr.
,f,i,..,n.' ,hfa a, T,vUn das obras pu- Padre Jtiau Bernanuvera Maciel que, segundo cons
dous offlcios da directora geral daquelle ministerio
de 3 e t desie mez, e duas collecges das ultimas
de laes ordens relativas ao anno de 1864.
la de participago da secretaria de estado dos ne-
gocios do imperio de 31 de outuuro ultimo, foi por
decrelo do Io deste raez acceila e confirmada a re-
da inleira da cathedral de O inda.
COIlAiHM DAS ARMAS.
iciouai ue rao u muu. >
commandante superior da guarda na- Quarlel general do commando das armas de
Recife. Srvase V. S. de dar suas or- i namhuco na cidade do Recife, 23 de nove
Per-
31 do decreto n. 1,354 de 6 de abril de 1854. i meihante servigo.
Dito ao commandante do corpo de polica.Al- Q mSin0 ,narechal
eliminar do servigo da guerra para qoe fra de
signado o guarda nacional do batalho n. 4 do mu- cnado justlieou a sua ausencia nos lerr
nicipio do Recite, Raphael Lobato de Fgueiredo,
visto ter sido julgado incapaz do servigo como cons-
ta do t^rmo de inspecclo annexo ao seu offlcio n.
2,163 ile 18 do correnle.Curoraunicou-se ao cora-
mandante superior do Recife.
uilo ao inspeclor da thesouraria de fazenda.
Recommendo a V. S. que em vista do pret junto
muuicou se ao chefe da repartigo
tilicas.
Ditoao mesmo.Estando em termos o pret jun
to em duplcala, a que se relere o offlcio do com ,
mandante superior da comarca do Pao d'Alho, de nunca, que S. S. fez de um canonicato de preben-
2 do correnle, mande V. S. pagar os vencimentos
relativos ao mez de outubro ultimo, dodestacamen I
to de guardas nacionaes existentes naquella villa.
Commuuicou se ao commandante superior da
guarda nacional de Pao d'Alho.
Dito ao commandante superi..
cional do R cife.Srvase V. S. de dar suas or-1 namhuco na cidade do Recife, S3 de novembro
dens para que seja postada era frente da igreja de 186a.
matriz da fregoeiia de S. Leurengo da Malta, urna Ordem do da n. 160.
guarda de honra do batalho n. 5 da guarda na-! 0 marechal de campos commandante das armas
cional sob seu commando superior, alioa de assistir ,ai cerl0 gUarrjCa0 para seu conhecimenlo e de-
a festa do Glorioso Santo Antonio, que all se tem v|do eg6t0 t]ai a presidencia em portaiias data-
de celebrat no da 26 do correte, e .compantiar a dajj de 2J d correnl8i disponsou do servigo de
procissao do mesmo Santo. guerra para que e-davam designados, os Srs. cap-
Diio ao commandante superior da guarda na- ,a0 do batalho n. 11 de mfantaria da guarda na-
cional de Garanhuns.-Para poder resolver acerca C|0na| do inunicip0 de iguarass, M.noel Brasili-
do que V. S. me communicou em offlcio n. 1UI i no de Arruda camarat e tenente do de n. 43 do
de 7 de outubro ultimo, faz-se necessano que rae mun,.jp0 de s8rj0|,aHm Martinho Rodrigues da Sil-
nforme se o alferes Jos Onesino das Noves Ma a ,,e em ?|gU de razGj;i e aliegou. e este
do arl.
I por ler provado impossibilidade de se prestar a se-
tendeado as razoes exposias no requerimenlo do
alferes da 1* companhia do corpo sob seu eomman-
do Basilio Luiz Coelho, tenho resolvido que nao
sia elle para a corte antes do da 29 do correnle,
e sim na primeira opportunidade depois daquelle
era duplcala a que se "refere o offlcio do marechal da : o que a V. S. communico para seu cooheci-
comraandante das armas datado de hoje e sob n. ment e ns convenientes.
2,192, mande pagar os vencimentos relativos a se-
gunda quinzena desle mez de 9 pragas do contin-
gente do Io batalho de guardas nacionaes desti-
nados ao servigo da guerra, as buaes seguem ama-' autoriso V. 8. a lar baixa do corpo sob seu com
Dito ao mesmo,Tendo a vuva Mara Francis-
ca provado que Luiz de Franca seu filho nico,
e menor de 18 annos, que Ihe serve de arrimo,
nha para a corle.
Dito ao mesmo.Mando V. S. pagar opportuna-
mente, a consignaco ineosal, que de seu sold
pretende deixar nesta capital, como se v do inclu-
so requerimeolo, o capello alferes Humeado em
commisso, vigario Antonio Eustaquio Alves da
Siiva.
Dito ao mesmo.Transmuto a V. S. o pre junto
era duplcala, aflm de que, estando em termos,
mando ao referido Luiz de Franca.
Dito ao director'do arsenal de guerra.Mande
V. S. fornecer com urgencia os dous inclusos pe-
didos dos objectos necessarios enfermara militar,
como solicitou o marechaL commandante das armas
em offlcio de 18 do crreme, sob n. 2160.
Do ao Dr. juiz de uireito de Palmares. Nao
tendo apparecido concurrentes ao offlcio de escri-
v > privativo do jury e execugoes crminaes do
mande pagar os vencimentos, relativos a primeira term0 de Agua-Preta, como consta de sua partic-
quinzena deste mez, das pragas alistadas no 2o ha- [ pa?a0 de jj ,je oulubro ultimo, mande Vrac. abrir
talho de guardas nacionaes destinados ao servigo novo conc.urso para o proviraento vitagcio do refe-
da guerra, e sob o commando do teneniecoronel rido 0nicio,
M Duo^raSJ^Tande'VSgar com urgen- Dito ao chefe da repartigo das obras publicas
uno ao raesiua "'' v _Mande Vrac com urgencia um engenheiro dessa
X%eoW..:rr^^^ *" $*> i- nrv^r
pragas e omwae> un a- -u h _______D''A .ieniia.n com a resnectiva cmara, examine o lo
de campo determina aos
Srs. coinmandant:S da corpos, e compauhias isola-
das e do deposito, que mandem apresentar as tor-
gas feras, quintas, e sabbados de todas as semanas
as pragas e recrutas que carecerem de vacinago
ao Sr. Dr. Pedro de Alhayde Lobo Moscoso na casa
de sua residencia pelas 6 horas da manha, fazen-
do nesses mesmos dias comparecer as pragas vaci-
nadas nos das anteriores, atim de serem observa-
das pelo mesrao Sr. Dr. e poder este nessa occasio
extrahir apuz que deve servir a noculapto das que
d'ella necessitarem-
(Assignado.) Francisco Sergio OUmra.
Est conforme.liionio Francisco Duarle, 2.
teneuteajudanle de ordens interino encarregado
do detalhe.
Domingo tem lugar a festividade religiosa
da virgeui Santa Cecilia, erecta na igreja do Livra-
meuto.
A missa solemne celebrada pelo Revd. padre Tenente Julio Cesar Goocalves Lima.
do publico, eos trabalhos da commisso a este Augusto Franklin, que canta pela primeira vez o Cheeou honlem de New-York o vapor ame-
respeito publicados, lera cada vez mais encontrado sacrificio incruento sendo tambera o TeDeum, rcano H\ H dWsehi.to H d.as ant-
o apoo e as sympathas dos horaens illustrados e que foi especialmente composto pelo Sr. Colas para d -Tp! americana, que eslee ha poa-
verdadeiros amantes das gloras patrias. esta festividade, bem como a missa do maestro co. uas em nosm norto Secundo no* okrmaoi
t Ao considerar a commisso a importancia da Settimio Bataglia, executada sob a regencia do St.reUOsto a venda no Rio de Janeiro
proposta approvada, o dever sagrado que ella en- mesmo senhor, grande orchestra. Os differeo-
volve reconhecido pelo Instituto, que deste modo tes solos sao cantados por varios artistas distinc-
acertadaraeule patenteou a nobre e civilisadora tos; e era seguida ao Gloria, depois da msica
gratidao para com os hroes da independencia da marcial locar urna marcha brilhanle, a orchesira
nossa patria, supprindo a falla que senos podia ; executara' s Martyres, de DonizeUi; bella sym-
altribuir de esqiiecimenlo ou ingratido ; jamis j phonia, religiosa ornada de coros de vozes.
pode concordar cora a nova idea de que se trata ; Sao oradores os Revms. Srs. padres Mello e An-
accrescendo ludo isto o adiantamento de seus tonio Manoel, ja' bastante conhecidos na tribuna
sagrada.
A noule ha fogo de artificio.
trabalhos relativos a erecgo das mencionadas es-
tatua:, e o acolhlmento publico que ha encontrado
para a realisago desta patritica empreza, o que
no pensar da inesina commisso, j um facto de
muito hons auspicios.
< Nao desanima a commisso cora a falta de re-
cursos pecuniarios de que actualmente se resente
o lustilulo, era com a demora que deve ter a exe-
cugo das obras; porquanto, s.ibem toaos que uma
iDslituieSo que agora principia e que inicia uma
idea desta ordem, nao pode cora facilidade leva-la
a effeito, sem que venga os differentes obstculos e tejtemunhamos
Em igual dia faz-se em S. Lourengo da Mal-
ta a festa de Santo Antonio, cuja trezeua termioou
hoje.
Ha vespera, missa solemne e TeDeum, orando
os Revms. p.dres Grego e tsteves Vianna.
Dando cabida a este trecho de orna carta es-
cripta do theairo da guerra por ura patricio nosso,
offlcial do 1.a corpo de voluotarios desta provincia,
estatuas aecreaaa R, rw.s0 os P(jrnarobuca[
do que aquella qoe i ju.,0 aprego de que credor 0 nosS(
i; raas a veroaae o proT|neaD0 e dJgno empreg^do do i
embaragos quj em casos taes costuram apreseu-
tar-se.
t Parece talvez ao autor da indicacao quej des-
pez a' fazer-se com as quatro estatuas decretadas
devera' audar por muilo mais
se faria com um s monumento
o contrario de semelhante snpposfeao, porquanto a
despeza desta obra nao pode deixar de ser muito
excedente, por isso rasmo que tem ella de abran-
ger, como quer a citada indicagSo, a memoria de
todos os hroes que concorroram para a restaura-
gao de Pernambuco ; o que importa urna obra,
cujas dimeooes, a todos os respeitos, devera' oc-
casionar maior dispeadio, para que se torne digna
da provincia e dos personagens a quera dedi-
cada.
Entretanto as quatro estatuas projectadas,
alm de satisfazer a cnriosidade publica de um
modo mais vivo, preenchendo melhor o fira da!
commemorago desses hroes, concilia-se cora oj ,t era |DSpector doquarteiro de Caneila, e tantos
embelezainento da cidade, que tora' de ver em ca desatinos commettia, tantas insolencias praticava,
da uma das suas quatro freguezas actuaes, erigi-
da a estatua de um here, cujos feitos se ligara a
ura facto importante de sua carreira bellicosa, in-
dicado pela historia, no lugar em que a mesma es-
assm a consideragao que nes me-
rece o nosso digno comprovinciano Castro Vianna,
que em servigo aquelles bravos se nao deslembra
elle de que Pernambucano :
E' preciso que os Pernambucanos fagam ah o
nosso disiincto com
provinciano e digno empregdo do crrelo da cor
te. Manoel Joaquim de Castro Vianna; pois alm
de ser ura dos memora da commisso que nos
obsequiou bastante, quando chegamos ao Rio de
Janeiro, encarrega-se de remetter todas as nossas
cartas.
De Aguas Bellas escrevem-nos o seguinte :
t Estamos aqui n'um estado desesperados Nao
ha mo a medir s violencias.
t A polica, confiada s raaos inhabes do Sr.
Diodato Rolamberge de Albuquerque, um verda-
deiro flagello. Como se isto fora pouco, acooteceu
o seguinte : Sebastio de Carvalho Cavalcan-
vai Ser exposto a
Chamamos a aitengo dos leilores para o ar-
tigo medico do nosso amigo o Sr. Dr. Ceerae de
Sa Pereira, dando conta d'urna diflkil e importan-
te operago de catarata-, por elle praiicada oiui
mente.
PERNAMRUCO.
fj mesmo-Mande V. S. ajustar coalas ao conceder a exonerago que pedio
altores da gualda n cional do Rio Grande do or- Pereira Cavalcanli de Albuquerque do lugar de pe-
fe designado para o servigo guerra, Vicente Fer-1 dagogo *** o^aos-
reir Alves Jnior, que segu, amanhaa para
corte, no vapor Paran.
Dito ao mesmo.Expega V. S, as suas ordens
para que nos devidos lempos, sejam pagos a seus
procuradores as consignag5es que do sold de suas
patentes pretendem deixar nesta provincia, os offl-
ciaes do 5* corpo de voluntarios, constantes da
inclusa relago assignada pelo secretario do go-
verno, e cujos requenmenlos vo aunexos a citada
relaco. .
Relago a que se refere o offlcio supra.
Capito Francisco-Jos da Costa.
Dito Jos Ricardo Monteiro de Paiva.
Tenente Joaquim dos Santos Azevedo.
Dito Hustodio Floro da Silva Fragoso.
Alferes Jos Higinio dos Santos.
Dito Joo Nepouraceno Alves Maciel.
Dito Hermillo Aureliano Chaves de Souza,
Dito Jos Francisco do Reg Barros.
Dito Antonio Manoel da dsla.
Pilo Francisco Jos de Mello.
Dita.O presidente da provincia resolve nomear
para servir em commisso no 5o corpo de voluota-
rios da patria, os offlciaes seguales:
2" companhia.
Capito, o lente da mesraa Vicente da Silva.
Alferes, Jos Pedro Celestino de Meodonga Jnior.
Dito, Francisco Xavier Alves Quintal.
4* corapanhia.
Tenente, o alfrres da mesma Isidoro Theodulo de
Mattos Ferreira.
5* companhia.
Tenente, o alferes da guarda nacional Arcelino
Jos de Almeida Pernambuco.
6" companhia.
Tenenie Jos Bonifacio dos Santos Merguihao.
7* companhia.
Capiao, o tenente da mesma Caelano Pinto de
Veras. ,.
Tenenie, Carlos Augusto de Barros Lima.
Fizeram-se as necessarias commuoicagoes.
Dita,-Q presidente da provincia resolve nomear
RSVISTA MUA.
Funcconou hontem o Instituto Archeologico e
Geographico Pernambucano, sob a presidencia do
Exm. monsenhor Muniz Tavares e com assstencia
dos Srs. Drt. Joaquim Purtella, Soares Brando,
Soares de Azevedo, Ayres Gama, Cicero Peregrino,
Gervasio Campello e Amaro Joaquim, padre mestre
Lino e major Salvador.
O Sr. secretarlo perpetuo menciona :
Um offlcio de D. Abbade de S. Bento Fr. Antonio
do Patrocinio Araujo, aceitando e agradeceodo a
nomeago de socio correspondente do Instituto.
Inteirado.
Onze ns. do Diario do Pernambuco pelo Sr. cora-
meodador Manoel Figueiroa de Faria.Recebe-se
com agrado, manda-se archivar.
Um exemplar do Curso pratico de pedagoga de
Mr. Daligault, vertido em portuguez por J. P. M
P., e ollertado pelo Dr. Machado Pertella.Rece-
be-se com agrado e manda-se archivar.
A 7" forma da Bibliotheca Lilteraria pela res-
pectiva redaego.Recebido cora agrado.
Ura quadrocom seu viro encachilhado, conten-
do os hroes de Riachuelo: pelo Sr. Dr. Amaro
Joaquim. -Recebido com agrado.
Sao lidas, discutidas e approvadas as seguiotes
propostas :
c Exislindo anda os alicorees do amigo arco do
Bora Jess no mesmo lugar, e segundo sou infor-
mado, todo o lagedo que ttcava debaixo da abobada
do mencionado arco, lagedo por cima do qual era
o transito publico, e podendo muilo bera acontecer
que exista nesse. alicoree alguma lapide com a da-
ta da fandajlo do referido arco, aoliga porta da
latua se levanta.
A commisso no encelar os seas trabalho leve
em vistas :
1. A maior economa na execugo.
! Os riscos mais simples sem prejuizo da bel-
leza.
3. A execugo mais prompta.
4.* O estudo e as indagages diversas.
5.' A erecgo de cada estatua por sua vez.
c Com esla base em seu procediraento e as mais
deligencas necessarias, a comraisro espera con-
seguir o desejado fim, e ver deste modo coroados
os esforgos do Instituto que legara' a provincia
quatro monumentos proprios a avivar na idea dos
Pernambucanos o patriotismo mais acrysolado, a
abnegago mais decidida e o valor mais sublime,
que nos recordam esses grandes vultos.
Considerando agora a materia da indcago
que o delegado supplente do termo querendo evitar
scenas deploraveis, resolveu derailti-lo. Quando
na actualidad se demitte um funccionano por
motivo de violencias, sem duvida porque motivo
de ordem publica o reclama.
Mas o que se havia de fazer depois dessa de-
mlsso 7 O recrutador do termo, Lourengo Bezer-
ra Cavalcante de Albuquerque, cunhado do tenen-
te-coronel Thomaz de Aquioo, encarregou o do
recrutaraento no mesrao quarteiro, o que deu
azo ao mesmo Sebastio a reunir uma forca e a
cahir pelas casas a recrutar velhos, mogos e meni-
nos, sera ter em aitengo as isempges; e cora
laes desatinos se houve, que inuiheres, velhos,
mogos e meninos, se reuniram, e forara a elle to-
mar todos os recrutas, que tinha feilo, o que con-
seguram, causando o maior alarma.
c Ora, neste estado de excitago dos nimos,
era que at as mulheres sahem de suas casas ar-
madas de espiaguardas e espetos, nao teremos emi-
nente uma ealamidade, se continuar o brutal re-
crataraeoto que se faz ueste termo, por meio da
pelorfflfeito moral que a sua adopgo dever produ-1 um recrutador e ura sem numero de agentes seus,
zir no animo de todos, entente a commisso que, era lodos os qUarter5es?
lendo sido adoptada pelo Instituto a idea das esta-
tuas como grandiosa e digna de ser executada, nao
deve este despresa-la hoje, mxime por outra que
nao pode ter os foros de superior e de melhor
preeoeber os lins a que nos propomos.
O publico illu-trado tem sobre nos os olbos e
julgar-nos-ha por certo, a vista das nossas decisoes
e resoluooes tomadas neste Instituto.
i Urna associago composta de horaens pruden-
tes e sensatos, serapre delibera depois de maduro
exame, e neste caso nao fcil o desfazer hoje
aquillo que hontem se deterrainou.
< Eis os inconvenientes que enxerga a commis-
so na adopgo da indcago proposta, pelo que
parece-Ihe que, nao deve ser approvada.
c Sala dascommissoes do Institu) Archeologico
e Geographico Peroambuco, 23 de novembro de
1865. -Salvador Henrique d'Albuquerque.Padre
Lino do Mooie Carmello Luna.Jos dos Aojos
Vieira d'Araonm.G. R. Carapello.ftencido.)
Corre o'escrutinio e sao approvados para socio
honorario o Exm. Sr. conselbeiro Joao Luslosa da
Cunha Paranagu, e para correspondentes os Srs.
Drs. Kluardo Pindahyba de Mattos, Domiogos Jos
Rodrigues, Jos Tiburcio Pereira de Magaloes,
Marcos Corroa da Cmara Tamarindo, e Francisco
Amintas de Carvalno Moura, desembargador Anto-
nio Baptista Gitiraoa, capito de mar e guerra Her-
menegildo Antonio Barbosa de Almeida, Jos Poly-
carpo de Freitas, e Guelphe Lailbacar.
E nq havendo materia mais a tratar, levar.toa-se
? Mi* -
Mas as cousas assira se passam porque o
Exm. Sr. presidente Ignora os factos. Se S. Exc.
os soubesse, leria suprimido essa malla de recru-
tadores, mandando proceder a um recrutamento
jusio, imparcial e moderado, por agente seu da
capital, que fosse estranho as rivalidades polticas
deste termo.
c Pur este meio o reci utamento nao se tornara
um escndalo a populagao, os peralvilhos senara
aproveilados, a as familias voltariam a traquili-
dade. E' realmente para irritar que os vadlos se
congreguen em de redor dos potentados da trra,
e se convertam, sera receto de serem recrutados,
i era soldados das patrlnas que perseguem os ho-
' meas laboriosos, sera attengao a estado era ida-
des I
De Garanhans temos noticias datadas de 15
do correte; as quaes dizem :
a Cypnano Eduardo de Barros, tendo ido em
lugar de ura guarda nacional designado, de quem
recebara tresentos rail res, para a villa de S.
Bento, onde se est criando o 3.* balalho que tem
de destacar em servico de gnerra, d all veio com
nma liceoga de del dias que exceden, e achava-se
no districto do Crreme. Indo uma patrulna pren-
de lo, por se negar voltar para seu balalho e estar
em communicago com o grapo qoe ha poucos
das atacara o subdelegado, e donde viera trazeo-
do ura baearaarie e uma pistola a propria com
que Joo Jaclntho pertencente aquello grapo flzera
fogo no subdelegado ; resisti semebaote indi-
Hoje o ageote Olympio, oo seu grand* arma-
zera da ra da Cadeia do Recife o. 36, faz leilao 4e
raobilias completas, trastes avulsw, pianos de ar-
mario e mesa, santuarios, caodieiros a gaz, re lo-
gras, correles para os mesmos e outros iloi
artigos.
Passageiros do hiate brasileiro H090 Gotlo,
entrado de Peuedo :
Jos da Costa Mallos, Mano-I Francisco Piabei-
ro e Manoel Cesano dos Sanios.
Hep.\iitii;ao da polica.
Extracto da parte do da 23 de novembro
Foram reeobidos a' casa de deteogo ao da
do correte:
A' ordem do subdelegado de S. Jos, f.az.
do .Visclineot), por ferunenlos ; Antonio e Ai
escravos, e.-ie de Jos Joaquim Pereira e aqueile
de Antonio Filadelphio, por di-turruos.
A' ordem do da Roa-Vista. !>ergn>, escravo de
Antonio Pires Ferreira, para corrwcao.
O chefe da 2" ercio,
J. G. de Mrtqnila.
Crmiteiio publico, obituario do di* 21 D
NOVEMBRO DE 1865.
Jo.s Joaquim de Santa Anna, PeriuasJMea, X aa-
nos, solteiro, Boa-Vi>ia ; febre lypfeotde.
Thom dos Sanios, l\ rtugal, 43 aonos, casada, Re-
cife, repentina.
Francisca das Chaeas Delgada li> Sonza, Pernam-
buco, 2* annos, solieira, S J*, pleorix.
Maximiana Urabelina dos Sanios de Santo Anna,
Pernambuco, 36 annos, casada, S. Jos, atoyaca
pulmonar.
Manoel, Pernambuco, 8 dias, S. Jos, espasnao.
Domingos, frica, 50 anno, escravo, Sana Ma-
ni, anemia.
Gertrudes, frica, 50 anoos, escrava, Boa-Vista,
hypertropha.
M
Sebastio Jos da Silva, Portugal, 42 asaos, casa-
do, Affogados; hydropezia.
Felippa Mana da Conceigo, Peroambuco, 37 as-
os, solteira, Boa-Vista; bepalil.
Maria Moreira dos Sanios, Pernambuco, 25 asnos,
solteira, Sanio Antonio ; pneumona.
Mara Antonia, Pernambuco, 40 annos, sotleira,
Ra-Vi-ta; tubrculos pulmonares.
Antonia Benedicta, Pernambuco, 75 aaaos, Sasea
Antonio; febre maligna.
Alexandrino, Pernambuco, 10aonos, Recife; be-
xigas.
Rasalioa, Pernambuco, 3 mezes, Santo Al
coqueluche.
Julia, Pernambuco, 15 mezes, Santo Asoslo;
vulgoes.
Antonio, Pernambuco, 2 metes, Reeife;
luebe.
Mana, Pernamboco, 4 mezes, escrava. Boa-Visto;
syphilio.
Paula, Peroambuco, 5 mezes, escravo, Recife; eos-
vulgSes.

Coinarca 4t Br>j.
SANTA MISSAO.
Filia do Brejo, 14 de novembro ie 18*5.
Por sorpresa soube-se que se apvroximava a i
villa o Rvm. padre mestre Fr. seraohim, diga pre-
feiio da Penha. no dia 24 de oulnbro (visto ssa se-
nhuma noticia se tinha delle, antes ert Mpra4e
em dezembro o Rvd. padre-metre Fr. Egtdio. qae
aqu esteve de passagem p>ra Paaacaca, deisaa
suas iraagens e promelteu de volta nnseosai), a
logo qoe sooa a noticia da sua viuda, o Rd. soro-
cho com 30- cavalleiros foi a seo encostro, s-
trou com suas iraagens nesta villa desaj
da eslrondo de fogos do ar e aeootsasi
menso novo, sendo reeolhldas a' matriz as rj
imagens, e nessa occasio bem se pareces, i
a arca santa do Senhor, qoe eco viesa e ;
goes do povo se reeolhla ao sumatsm
Salomao. Antes de despedir o poto o Rvss. sre-
feto prometteu, que no dia 19, a pdio4siars-
cho, abrirla a tanta missao; e, 4o foso, neo dta,
dea ella principio aos seus evanglicos trasoRws,
que durarara al o dia 15 o eorreste, sdsats a
interrnpco de um dia em razio da muito sil
O Rvm. padre-mestre, qual oolro P**10 **."**'
ra da verdade, profligoa com oda aa fot^a s f|
V


biarto 4c 3Pernaflobac& Sexta feira 84 de Soveiubro de SO*
co, e f-'t ineutir niaain) i' l >1.)< I 'tfe.^l taje T)'-rar o, em riten!. .vri da, VenlelhSo a mes- do o testemuoho de Deas, os veadedores de selva KECEBEl'OlifA DE RENDAS INTEB.NAS GE-
daeorrocoai o | tre-e'ii'iia. de escrevpnle, f r. alvjga.lj dtsliuitlu, cao nao pude fazer tura n 'gocio. IIAHS DE PEILNAMUUCO
ouvilj ca religiosa aleudo por rj:n aulilUfe da representante era seu Estado, represntame no con- Mas porque fallara uuio agora a respeito da ex- Bendlmento do dia l a 2 ... '23-8675018
3 a 6 mil pessoas. A santa mUsao nesta reguetia gresso da Uoiao, e dua.s vezes presidente da nagao cominuuhao mai ir ? Por.jne publicara agora ex- dem do dia 23............. 504786
pro.luzio elTaitis a InT.nvts, porque'n*o s hieron que assombra o mundo e amedrmia as oacesfpressQes uescomo se conim nesse jornal t Porque __________
o i:orpo mystic.. di i,'ei>^luveudo daraute ella 50 mais poderosas, pira salvar o muudo de urna ver-1 querem avisar s 50.0U0 familias que nSo cheguem 21-3695804
casarn-otus, ehtre e-uralgons de eoncubi nados, gonha t.io grande e o t.hristianismo de to horren- a estas praias : pois taes amigos da liberdade ha-, ===== =
60 baplisaios, eonfossinJo s.j mH e trszeotai pos I do desmentido, resi-aniaodo e sellando cora a pureza : viam de incommodar os amigos do despotismo e do CONSULADO PROVINCIAL
s.vis, que receberam di rao i > procho o Sacras1 de seu saugue, cunfuudido com o 0e linios milha-\ sanio offlcio. Rendimento do da I a 2i....... S.*; 9605509
ment por excollencia, e reoociPanlo se waitos res de blasnhem >s ingratos, a primetra das verda- Antes de acabar chamo a atlencao doleitor para dem do dia 23....... ......'.
desaffectos e inimigos; corno tamnra o corpa mi- des por que o fllho de Deus padeceu o mais infa-1 a modestia de S. Exc. Rvma. Pulilica no seu jor-
terial, porque o R-m. prefeita f-z demolir um gran- rtunte suplicio ; e ludo aquillo sera adular nem o nal que todos ho de ser excommungados que
de morro jun'.o a' aova igrej% do Bn Caneellio, poder nem o povo, m is" antes affronlando, quauto usarein de qualquer ivro religioso que nao for pri-
para nesse lagar ser oons ruido o consistorio e sa- fusta llie pareca, a opmio em seu proprio paiz. I meiro revisto e approvado uelo ordinario, intima
cristia ; juntar maila pedra, inadeira, e recolher Kuo que neste sentido, diz o seu biographo; eulo na circular que elle o ordinario, e pui tanto
por_esmola perla de 1005000 para a mesma obra. Acnilr Arnand : que ninguem deve examinar os a?suroptos que lo
3:1915622
59:1525131
Emilio o Rvm. erefeito deisou todo o povo san-
do condesceulia, o particular era affavel e dava ac- t
cesso a to lo-, que n procuravan. D'aiui segnio
envdlrecea i;,' :regue/.i i de Cimbres,e leve o acora-
pauham -uto de quasi toJj).* os seus ouvintes do ul-
timo dia e vespera da saluda.
a desapprovou enrgicamente, como INJUSTA
.S e inconstitucional. Es-e respeito a con-titui-
cao que ueste ponto manife>la-SH publicamente,
Notvias de Bonito, il'aquelle termo nos commu- a ominou sua vida mleira, como veremos.
meara que as caavas continoam, de sorle que jal- Aqui purera a eonsa muila diversa ; preciso
Lincoln, que por tres a'nno* consecutivos ha nm mi seo bem eterno senao como estiver appro-
via Xido assntn na legislatura do seu Estado, foi va o por elle I Mas ao roesroo lempo condemna as
eHviado ao coogresso em 1847, pelo partido re- palavias de eus, como falsilicadas, e mauda quei-
publicano do Illinois. Na prini.dra s-'truoda- malas !
feira de dezembro entrn rile pela prim'ira vvz" Pago pelo paz para vigiar sobro seus mteresses
na cmara dos Representantes em Washington, religiosos, e tendo em sua casa, ('-orno df fado ti-
Foi ell um daquelles que, nesse recinto, ;c5> nha lido pelo espaco de tres semanas), um exera-
fttigmluanm a goerri que os Estados-Unidos piar de um hvro que nada contm >en.io as pala-
acaliavam de emprebender coatra O Mxico Elle vras approvadas pela igreja do estado como divi-
nas, tmha boa occasiao de examina-lo, o saber a
verdade. Assentou se, pois, e escrevvu soa circu-
lar, mandando a todos os que liverera exemplares
desse Hvro que os queimassein I
Quo seguras e felizes as almas cuja leitura re
10
O W fOfefO
Navios entrados no da 23.
Penedo14 uias, huta breeMetro jVot'o Basto, de
62 lonelaiias, eap/ii Joo Mnria Missa, equipa-
gem 6. carga milho a uniros gneros ; a ordem.
Rio de JaiiHiro25 Oas, barca ingli-za Carrie Da-
vis, de 549 tonelada, capito L. A. Hm k, equi-
liagt-m 10 em lastro ; a Johosmn Patcr & C.
Rio Oh Janeiro23 dias bngue brasileiro Mario
Tliereza, de 243 loneladas, eapitao J-* Vianua
de Araujo, eqalpsgem 14, carga 9,000 arrobas
de carne : a Fraucisco Rodrigoes Pinto Guiuia-
res.
iN'ofio salado no mesmo dia.
ga se b safra do algod bastante derrotada. adular sempre u pu.ler e o povo, e principalmente ligiosa estiver determinada pela deciso de um se- AracalyHial" brasileiro Santa Hita eapitao An-
O jury n'aquella villa fdra marcado para o da 6 de ceito lempo para e, desde que o povo s sabe ulior, to santo, iao verdico e de 13o boa f. |UI,jo Francisco Chaves carca dilerenles t-e-
deste vigente, e leve lug-.r seos trabalhosno dia 8, sentir conforme o poder Iho ensina. O ser justo Um dos excommungados. eros
durara' sm duvida com exeeutlvos ale o dia 22 ou pretender a jos tica nes.a trra, nao vinude,
leste correle. nao iraz algum bem Vara o pait, nem apoioe posl-
0 recrutamento contina na guarda nacional pa- cao para tal. :E' preciso sempre e "em todo o caso
ra enteirar-se i numero dos que foram desiguaos agradar ; preciso ser patriota 'loando o o go-
para g CotrtlogeK verno, pur qoei? todo o povo com elle, e tanto qne
A polica lainbejn contint'u mais oi meaos vigo- nao admita extmo ou reOiaao quando o paiz est
rosa. em guerra com o eslrangeiro.
O cadete Francisco Carneiro da Silva, ajddante j So o patriotismo desta trra pnrem que nao
do recrula.ior, (em percorrldo aquello termo. permute que se diga a cousa c uno cada um sent;
Consta nos qne n-arfa tem conseguido acerca do que quer obrigar 0 Hornera a uientir ou calar se,
rcerutameulo, oizeiu que a falta Ce geito o capaci-lo que 6 algumas vezes peior que mentir ; quando,
daae. I por exemplo, o silencio saneciona perniciosa raen-
Na noite do da II, na poveacSo de Capoeiras tira. Este patriotismo de certo na i de um paiz
houveram dous tiros de urna das janellas da casa I que goza de losliluicdes livres, e que eu pens que
de Yulpiano Jos do Mello, onde eslava o cadete I este povo devla raas prezar; este patriotismo eu
nessa noite pernoitando, os chumbos das armas so teuho adiado nos governos desptico-, e o povo
(Do Jounal do Commercw do Rio.)
Monte-Pio Portiuruez.
que se dispararam cravaram-se em urna altura ex
traordinana, is.-un parece que nao seria para mo-
lest-ir o cadete era as pessoas da casa.
Consta-n is que nessa otca-io comparecen em
continenie o ?ooansovel Hibdefegado d'aqoelle d s-
tricto, e procnToii cora toda a activjdade indagar
quaes os autores de-semelhanie attentado, e cons-
tataos que eofllmoa as avenguacoes, alim de des-
cubrir seus autores.
Corre n'aqiir-iia povoaeao o bo-.lo que (o Indivi-
duo das partas do Panejja de Miranda ou Jureina,
porquedtzem i le o clete no lugar Jurema sedo-
zira tima m ica para ir com elle para o sol, o que
isso foi praiicada peraute o subdelegado de Panel-
las.
Accrescentando tarabem que era Panellas o mes-
mo cadete afrontara urna senhora casada, indo en
ausencia dos cbfes da familia, e que as lamillas
sao dignas de onsiderac.io.
Dizem nos. que ojuiz dedireilo d'aquslla comar-
ca propala propor com todas as f-rcas a dirofsso
do subdelega lo do districto de Cipoeiras pon|oe
elle nao advmhon qnem coinmetieu semelbanteat-
tentado.
Vh que boa lgica?
Vejam Os lell Tes :
uvirain-se os liros as onze horas da noite do
da II, paoce que quasi todos os habitantes d'a-
quelia povoac> eslavam doruiiudo.
Portaoto, ailvmbem dormiodo, quaes os malva-
dos ijue raio-.iiii acordado um seineliianlo cnuie.
A dumisi-a i ja' proposta pede appareeer.
Apreciando o respeitavel publico qne o subdele-
gado do districto de Capoeiras, Miguel Soares da
Silv.i lera sidu om funcejonario justo e activo uo
des-ni,ie.iiii. de curaprir seus deveres,
E1 v -rd 11 -. nao agraden e n m agrada a um
magjstrado d'a inedia comarca, porque na eleJyo
l .--ada da senatoria o subdelegado naqualidad-
de elettor sejuio o peiisamenlo do geverno, pois
il srte esse lempo prucura-se vinganjas inesquinhas
COOtra o -m legado, as-im como foram catadas
contri Ir. Aui/iiin, juiz municipal e delegado
na cidade de Caruar, do leneote-coronel Joo
Vi. ii.i de Melli e Silva, Caruar, eapitao JoaoTno
de Audi ole, Pan. lia de Miranda, edojuil
de pal ildiiio Aives Bart jza, de Capoeiras, e de
oulros milito.- que acumpanharam opensamento
do g >vi ^ i na i brida eleicao, tem loos mais ou
menos soffnd perseguios s, pelo terrivel pecado
onicunente de terem acompaubado opensamento
do governo.
Sabemos que >s senhores leitorea nao ignoram
as occorreneras da comarca do Ronilo, a serae-
I han te n eito.
Fiodainos aqui.
v* nw ii ii^iMi.-wgw.mmmmiihiwi m-
RESPOND NI AS
muflas vezes o soffre por que nao ple-reagir. No
enlrctanto o nosso governo, que no meu conceito
lo ruim, de laclo desptica por que faz o que quer,
tolera que i*u va dizedo minba opmio, ao passo
que do povo de quem eu lenho vi-to sabir a idea de
O'
A directora provisoria comrnunica a lodos osin-
tere-sados, que acabara de sahir do prelo os esta-
tutos da suciedade, e que vai immediatamente pro-
ceder-e respectiva distribuicao.
Sendo de toda a conveniencia a maior presteza
no recebinienlo das quanuas subscriptas, a direc-
tora provisoria roga instantemente a todos os seus
dignos consocios que obsequiosamente se presta-
ram a coadjuva-la ueste servico, e que anda nao o
ultimaram, toda a po.-sivel actividade no dito re-
eeblmentO, alim de que quanto antes se possam por
em vigor os estatutos, e, slidamente consumida e
organisada a sociedad mais cedo veoha ella a fa-
zer sentir aos associados o seu benfico influx".
A'quelles a quem poder interessar o aviso, julga
anula conveniente a directora recordar que Observacao.
Fundearam no laniaro, um vapor americano e
um brigue hespaubol, mas nao iiveram communi-
cagao com a trra.
UiE
"!'* v.-.wi'wv/u' wuitiii ru iriniu triu 'iiuii oiugn uo j .. ..
que o governo dera nao tolerarme e usar de vio- ^Janeiro de 18b6 em diante a jota sera de ioi, e
nao mais de 105; pelo que convir apressar-se
lenria contra mim. E mais de gente chamada
oo qu se ckamou liberal que tal proposito teuho
visto tantas vezes sabir.
E' que a-sim dspota como sempre o nosso go-
vernf, o povo anda o mais do que elle.
P-rece que bem razao tem os conservadores,
quando dizein que isie povo nao quer mais lber-
dude do qne tem ; e eu digo anda mais: parece
que elle ,,.,n ,jUer as que tem. Paciencia.. ..
E visto que lu lo im.'i rofleoo, e que em vSo luto
soznho, retirando-me de toda a poltica e desejo
que para sempre, nao daref mais intil escndalo
a este povo que se regeita sempre a palavra sin-
cera, e que por l*tn mesmo a condemna.
Afltmw de Albuquerque Mello.
Recite,"83 de novembro de 1865.
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, oficial da impe-
rial ordem da Ro-a e juiz de direito espedid do
comniercio desta cidade do Recife de Petnambu-
co e seu lermo, por. Sua Magesiade Imperial e
Constitucional o Senhor D. Pedro II a quera
Deus guarde rtc.
Facosabrr aos que o presente edital virera e
delle noticia tiverem, que por este juico especial do
commerent pendem uns autos de execocio de sen-
tenca de Francisco Xavier de Oiiveira contra os
aumiuislradori-s da niassa fallida de Seve Flibos &
C, e tendo se feto penhora em dinluuo lo liquido
produelo dos bens particulares do socio Manuel Joa-
Suliilcicgacia da freguezid do Poco da
Pauella.
Pela snbdel'egacia da freguezia do Poco da Pa-
nella se faz publieo que desde o dia 3 do correte
mez se acha reoolbido a casa de delencao ura pre-
lo que declarou chamar-se francisco e ser escra-
vo de Antonio Loureoco, morador na Laga-secca,
districto de Nazarelh.
bobdeh yaaia de polica da freguezia do Puco da
Paneila 20 de novembro de 1865. O subdelegado
supplente,
*^_______ JoSo Lucio da Cosa Monleiro.
Subdelegada da Boa-Vfosa
Pela subiielegacia do Io districto da freguezii da
Boa-Vista se fiz publico que desde o da 12 do
correte mez se acha recolbido a casa de detengao
um preto que dei laiou chamar-se Francisco, e ser
escravo de JoSo Cavalcaotl, senbot do eugenho
Monjope, do lermo de Iguaras'.
Subdelegada do 1" districto da freguezia da Boa-
Vista 16 de novembro de 1865.. O subdelegado
supplente em exercicio.
_________________F. F. Martins Ribeirf._______
Attencao.
No dia 24 do correte, sexla-feira, ao meio dia,
na sala da- audiencias, linda a do Ihm. Sr. Dr.
juiz municipal da 1" vara, e ha de arrematar por
venda urna casa de pedra e cal assobradada, sita *" """o" CitiHi, II horas da ma-
na ra ilial da freguezia da Boa-Vista, com gran- l
LEILAO
De trastes avnlsoe, mubilus com; lelas, raivliirn
a gaz. [lanos de meta e de armario, santuario
de jaciranda, adereena-de oorc, iutapUiB, racen*
para os ditos, esleir para forro de eala, gaar roupas, carpirs, aparadores, sofas. nd^irae,
camas, marquezaa n oulros rnail.s Sexla-feira 24 horas.
\n in wrqg rvii^pm DO GF\Tlv
OLYMPIO
30 Ka d i < adela I* Reelfc3t>
LEII.AO
DE
Hoje 24 dacurrinle.
Augusto C de Abren continuara' oseo ktlio*
fazendas ui.leza, franc-zis swVsaa. por iler-
vencao do agente Pinto: hoje 2i do roireatr m
cada ura em sati-fazer a respectiva joia,' devendo m,il" SlV& fora ^J solicitador Ignacio lian oso de
na intsma occasio receber ura exemplar d.s es-, Mello, procurador do ixequ.-nle, fito o requeri-
tatotos. i ment do seguinte termo : Aos 13 de noveomro de
Secretaria do Monte-Pio Portuguez em Pernam-! *863, era publica audiencia, que aos feitos e partes
dava o Dr. juiz especial do commercio Trislao de
j Alencar Araripe, peio solicitador Ignacio Barroso
; de Mello, procurador do exeqoenle, accosou a pc-
nhoia feta em dioheiro perieucenle ao ex-cutado,
, e lequercu que se Ihe licassera assignados os seis
i das da le e 10 aos credores lacertos, paseando se
os respectivos eaitaes, o que ouvido pejuiz houve
a penhora por f.ita e aecu-a.la, e os seis das da
Cora a mesma certeza com que o veneno deupas le e 10 |ior assiguados na lrraa requerida, do que
da Baiavia mata, o balsimico sueco de urna arvore fiz o prsenle exlrahido do protocolo das audieu
do Mxico, chamada anacaliuia cura. cias a que junte! o mandado e termo de penhora
) muito afamadoPeiloral de Anacahuita de que seguem : eu Secundino Elioduro da Cunha,
buco, 22 de novembro de 1865.
Jote da Silva Loyo,
Presidente.
Joajutm Geiurdo de Bastos,
2 secretario.
A aivoie da sade.
-* icfrail M11WIW um f*>*.-\
:
\m
n
Kemo nompo ? por este raaravilhoso especifico vegetal. Aenhuraa
'fi-' los'e' 'lilarrno> ou enferraidade dos bronchios, po-
________...... dein resistir a sua suave e beneSea influencia. For-
talece de tai modo os orgo da respiracao, que era fez pas.-ar o presente, pelo qual chamo, cito e hei
poocas horas desappareee a oflammaeao que im- por entunados os credores iucerlos do dito execu
jornal, publicado no dia 22 pedia sua acea salutar. O allivio iufallivel e tado, para que cmpaiecain neste juizo dentro do
soa que parece jolgarse iminediato, A irrnacao e infiararaacao dos pul- indicado praso, munidos de seos documentos, aflm
escrevente juramentdo o escrevi.
Eu Manoel Hara Rodrigue do Nascmento, es-
crivo o subscrevi
Por forga do raeu despacho o referido escrivao
As 50,000 familias dos Eslados-UnMos.,
Teuho prsenle nm
de outubro, por urna p
nina grande autondade oeste "imperio, e que est mes, que ja' principiavam a apresenlarma certa de allegarem o que for de jusiiga.
procedendo de urna maneira lal que porvenlura tendencia a uii-eracao se abate e modilica para E para que efiegue ao conliecimento de todos,
possa impedir as ditas familias de virera s praias desde logo, e sua operacao maravtlbosa os cura e mandei pas.-ar o presente, que sera publicado pela
do Brasil: lalvz seja al para este mesmo lira Ibes resigue o seu vigor e eiasiicidade primitiva, imprensa e afflxado nos lagares do Costnme.
que assim procede. Na sua delicada e elaborada compesicao nao entra
lteiiro-me ao Exra. e R.-vm Deao Dr. Joiquim acido prossico anliraooio, nem nenhum dos agen-
Francisco de Parla, vigario capitular de Pernam- tes deieterios que de ordinario se encontrara ues-
bneo: o |oroal pretende que se publica sol os aus- Bes tarops e peitoraes feiios de fractas, e. que qua-
piaa delle: nao aprsenla ontro noroe de re.iac- si sempre produzem to fataes e funestas conse-
lor ou proprietarlo, e poi lauto elle r spoosavel qaencias.
por seu conie 11. Vende-se as nharmacias de Caors & Barbosa e
Esse jornal aprsenla aos ieitores nm artigo J. da u Bravo & C.
transcripm do Diario fe kiagas, cora o mulo Bi-
Recife, 15 de novembro de 1865.
Eu Manoel Mara Rodrigues do iNasciraeuto,
escrivao o subscrevi.
Iristao de Alencar Araripe.
de sillo e arvores de fructo, avahada por 20:0005.
D7~~G0RREI0 "GERiTT
Pijla adraiuisiraco do correio desta cidade se
faz publico para ins convenientes, que em virtude
do disposto no art. 138 do regulameulo geral dos
crrelos de 21 de dezembro de 18U, e art. 9 do
decreto n. 78o de 15 de raaio do 1851, se proce-
der^ consum) das cartas existentes na adramis-
tracao docorreio.perteocentes aomei de novembro
de 1864, no dia 2 de dezembro prximo, as 11
horas da inanhaa, na porta do mesmo comi ; e
a respectiva lisia se acha desde j exposia aos
inlere.-,sados.
Administrago do correio de Percarabuco 21 de
novembro de 1865.
O administrador
_____________Domingos dos Passos Miranda.
fiiiaitEio ceVl
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convencao postal
celebrada pelos governos brasileiro e fraocex, se rao
expedidas malas para Europa no dia 30 do corre-
te mez pelo vapor trance! Guuenne.
As carias -seriio recelo.las at as 2 horas antes
da que lor marcada para a sabida
Laido em conlinunco
l)c midc as, pcrfum.ras, ferra-
lii-ns, cute eris e chapeos.
Mello. Lobo 4 C coniinuaro o seu leilo por
terveucao do agente Psima de raiud'Za-, lerra-
gens, cuiilenas, |i-rfumirias e chapis : boje 2
do correle peas i I hor..- 4a manha rin -en ar-
mazera ua ra da Cruz o. 63.
LftiliAO
De una casa com sil i na Taca da
pauella
Sabbado 2o re membro as II hoi
0 agente Piolo f.ira' leilo a reqoenmeato de
Antonio B. CavalranU de Ailraqii' rqn-,
trador de sua mulber Crrainda II. PM*i .Je f i
redo Camargo, fl L-abel A. Pires de MgneireiSo
Camarg), e por mandado do Im. Sr. '.r.
juiz dos fe,to, da fazen la, ^i^ ca a terrea
lio no P. i;. da Paneii, que per Ir cea f^lleei.lo
D. Virginia Candida de Figueireito Cam^r^o, para
pagaOMBte da execucao promov ia pela faaea*>
do vapor, e os Eff2.*5 hm*a ;
jornaes at tres horas antes leilJW **'* ''^''"-Jd no umpmn do mam*
Administracao doorreio de Pernambuco 2't de te i ua _da Cria o. 38, *al*ad 25do carrease
novembro de 1865.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
MMSW^TMMmil
T HE
BAS PALSIPICADAS. em que declara se que as Bi-
blias de que iraia sao da edieao de Londres.
Ora, ha annos, o orgo do jesuitismo nesta
corle calnmnioa as Biblias dessa edico cha-
n.and i-as adulteradas, falsificadas, mentirosas,'
ele, etc.
l'es|iondeu-e-lhe que nell nao se acha nem
ura s livro, nem um s capitulo, nem um s ver-
so, que na j so eocomre com o mesmo sentido e
nos mesma* palanas na edieao de Lisboa, que Cambio sobre Londres-90 d/vista 27 li
g"za da approvaca > da religiao do estado, e que.
EMPREZ A--' iOIMBR A
BBRRFICie 0A ACTniZ
ADBL4US /.HBIL.
Siibb.tdo 25 de novembro
de 1865.
Representar-se ha o muito applandido drama em
5 aclis, do famoso e Basso, traduzdo pelo poeta par uguez Francisco
Concalves Braga
ACTBIZ HEBREA.
O papel de Jndiin a actnz Hebrea, desenipe-
nhado pela beneliciada.
No liui do orama a beneficia ia recitara' em
scena aberla a celebre poezla do insigne Iliterato
Sania i as 1 da Misericordia rio Recife.
A lilra.' juma administrativa da Sania Casa de! portuguez o Sr. Palm. iriui~
Misencora do Becife manda faz r publico que; I I ir| lL' 'ili'kL'
[no da... do crrenle pelas k hor as da tarde as! Ll lili liij|v|j.r>
; salas de siiasse.-o-s tem -le ir a praca as rendas] A actriz AJelinie aproveita o ensejo para atra-
das casas abado declaradas por lempo de 1 a 3 decer ao hospitalero publica peroarabucaao as
Algodo de Macei" -Toioo"por arroba posto a al,UuS a cu"lar do Io de julho do correte anuo por I prdVas de apreeo que Ihe ha demonstrado em lo-
SeMMEHr!9.
PRACA DO RBQFE.
Cotaces oi'Qciaes.
23 de novHinbro.
bordo.
Sw. redactores. -Xao pretendo de Vv. Ss. ian(a
tul. raneia a punto do fazer de sua gazeta orgo de
nimbas opinides era contrario as suas. e em mate
ra da alta trancedeocia para este pata; mas es-
pero de sua bondade admita em as columoaa de
seu Diarw una ju-tiQcagn, nao dessas mmlias opi-
ino.-s, uns .iu meu prucediraeoto em as ter e emit-
tir e propaga-las pela gaceta .|u- redijo, e que tanta
odiosldade por i.-to me tem trazido e de minias rta-
quelias inesnias pessoas que sempre flzeramme a
boina oe te:-me em bom CODCeitO.
Ha om principi. de moral, '-u de patnoismo ou
de poltica oesla Ierra, que nao sel doode foi Ira
portado, em que fonte foi bebido, em que livro yn
dooirina aprendido, non por que grande ou p-
queno mostr, divino oa profano foi ensinado. E'
o principio que
yinndo a patria est em guerra contra o eslran-
geiro, mine.; se deve dar razo a i estranho, nem
dizer que a patria injusta.
E' este o principio de moral desta !"rn api
do a poltica, que eu nuuoa vi era pane alguna.
Pelo contrario, omits vezes, era guerras de urna
naca- contri oatra, a historia nis da nul jxemplos
de Ii im mis distiuctos |nr seu patriotismo que tran
Condemnad-i-o seo paiz por sua iujusiica, e mesmo
no lempo do paganismo; quanto mais entre os
povos nutridos pela dootnna do que, enstnandn
sempre a jastica, padeceu boi orna cruz pida ver-
dade.
Nao trato de |nUificar raiuha opioio a respeito
da gaerra presente, uera me queixo de se Bao
achar fundado o meu pensar a respeito ; estra
nho este odio e oViestaco qne me laucara por
que tenho infringido o piineipio da moral desle
paiz.
Puderara conlemnar minha op(nio por errnea;
e ale por veniura achar menos nobres motivos don-
de ella emiiisse ; oms eoademnarem-me rara e
Bimplesmenle por que deve-se sempre dar razao a
patria contra 0 eslrangeiro, e eu iufrinjo e gia, o que muito me de, nao tanto por
iran, qu- gr icas a Deus, sempre soube alTrontar
lodos pa odi is ; ni;is por e.-te proprio paiz, que acara
que lia rllegado a graode, degradaban, se liavendo
assim prebe-rupado com-um principio lio perni-
cioso : pi.r uue, enlendu pode baver para om pota do que abragar elle un.
principio que a.-sim condeiuca absolulamenle a jus-
lica.
Deixo po-'m todo quanto me poderia Tornecer a
historia p ii trazer um fado bem fresco e da
maior aotoaMa le a ver se elle pode louar o seoti-
meulo de-te povo, e o que da occasio de eu vir
agora ocoupar um cuito do seiiijurual.
O mundo lodo, povos e moiiarciias, assemblas e
orporaco, repblicas e monareLas, t uto o inun
do hoje proclama Abrahara Lracol.i, o ullirao falleci-
do presidente dos E-lados-Unidos, proolama-uo lo
dos nm humem justo, puro e erament- ui-nie (ia-
triota. E-te horneo saiba se pois, na guerra que
leve os E-[;i.|os L'n; J >s contra o Mxico, nao foi a
favor de seu paiz. Era depulado ao oogresso e
pela pruneira vez a esse lempo, e vivamente pro-
ouneiou-se contra flaca guerra, q injusta da parte do- Et idos-Unidos.
Nao irato de saber agora se era ou nao justa
aquella guerra, a.sim como a nossa ; s quero
e 28 d. por l.jOOO.
Dcscratos10 U|0 ao anuo.
ubourcq Jnior,
Presidente.
Guiniares,
Secretario.
sendo as palavras as rnemi*simas as duas di-
cues, uo cabe no posaivel que nestas sejam puras,
verdadeiras e divinas, e uaquellas falsas, adultera-
das e diab ilicag
Foram desafiados, pois, os redactores de mostrar
expresso algnma na Biblia calumniada que nao
se encontr naquella que loovavam. Nao apresen-
tarara nem iiia s expresso differente, mas lei-
naiam era Fepetir descaradamente as mentiras que
tinliam publicado.
(Juando appareeeram os dous lindos voluntes das
e-ciiptinas sagradas, que se vendera na livraria
do Sr. Giroier, mnias [es-oas cono-riram-os cora
a Biblia defamada pelos jesutas, e flearam mte4-
rad.is de que nao exi-te oesla u i a s sentenca
que nao se encontr igual naquelles ; e, vendo que
as palavras que es redactores da Cruz chamaram
mentirosas, falsificadas e adulteradas sao as mes-
rn
di
mate que de daas couss uina : ou a religlo do
Estado enganon se quando approvoo essas pala- ^ovo naneo le Pernam-
vras como divinas, ou o jornal jesutico blasphe- buco.
moii, acensando a Dos de mentiroso. 0 Novo Banco descosta letras de praso at qua-
De-de a publiraco destes voinmes ( a Biblia de 1ro me/., s a 11 por redo ao auno, e at seis metes
Pan-) o jesuitismo nao se atreve a publicar nesta a 12 por reato, e toma dinbeiro a pia.-o fixo ou
corla as aceusacSes antigs, porque o povo pode era cunta corrente pelo premio e conaicoes que
faciimente" pela coufrontaco das edicoes conven- te conveucionar.
Caita filial dobaoiMi d Brasil em
Pernaitoiuco.
A caixa descoma as Idras de seu aceite pela
tai xa d= 8 0|O ao anno.
Oguarda-livros
Ignacio Xunes Correia.
Kovo Banco de Pcrnaiubuco
0 Novolani:o paga o dcimo quinto di-
nas que a religio do c-iado approva como as ver- (ipvfl,in na ra7n .inus nnr ....f.^n
la lenas palavras de Den, enienderam infallivel- u^ir'Jona rdzao M*& por dtCdO.
i.0G7t000(
1865000'
ISliiOOO
1
1695000
ilo000
21650001
137,5000;
2315000
cer-se le que. as accosaces sao falsas a por isso
despiezar os cutas religiosas que as proferissem.
Aizora, porm, o Ex mi e Hevea. DeSo Dr. Joa-
qun! Francisco de Fina, vicario capitnlar de Per-
nambuco, loma a denuncia las como falsificadas ;
e pnidica, no sea jornal, urna circular sua, a todos
os vinarios do bispado, na qual os manda prevenir
por todas os meios que aquellas que llverera esses
livros em sen poder os queimem I I I
Sun, em abono da religio do estado, esse admi-
aistrador do bispado manda queimar as palavras
que esta mesma religio (em appruvado com as pa
lavias do Altissimo e Eterno Deus 11 I
Al < disso, o Exra. e Bevm. Dr. Deao, no arti-
go m[.tillado BiMas falsificadas, declara que tan-
to os vendedores como os possuidores de Biblias
( nao diz Biblias falsas ) Incorrem as penas de
Caia filial do t.aneo do Brasil em
Peina ni buco.
Sao convidados pea ultima ez os credores da
massa fallida de Joaquim Francisco de Mello San-
tos a apreser.larem no praso de tres dias seu- li-
diante.
Boa Dircita.
N. 8publico e 3 particular.. .
lina do i adre Floriano.
N. 49 publico e o particular. .
N. 47 publico e 6 particular. .
N. io publico e 7 particular. .
N. 43 publico e 8 pai ncular. .
Ba do F grales.
N. 34 publico e 12 particular. .
II ua dos Pescadores.
N. 11 publico e 16 particular. .
Ba das Calcadas.
N. 38 publico e 22 particular. .
Itua das Cinco Puntas.
N. 108 publico e, 24 particular. .
Ilua de Santa Tliereza.
N. 7 publico e 31 particular. .
Ba da Imperan iz.
N. 68 publico e 47 particular. .
itua do Azeiie de. Peixe.
N. 1 publico e83 particular. .
Ba da Seuzala Velha.
N. 21 publico e 71 particular. .
Ba Direila.
N. 5 pub ico e 82 particular para
loja do lado da Penda.....
N. 7 publico e 33 particular segun-
do andar. ..."...
Ba do Apollo.
N. 94 publico e 91 particular. .
Itua Velha.
N. 27 publico e 96 particular. .
Itua do Bosario.
N.2Ca 34 luja o. ID.
Os prebndenles compareeam no mencionlo da I
com os seus fiadores ou com carta dos mesmos.
Secretaria da Santa Ca-a de Misericordia do'
iedao
De i4caxs com caslores e fa/en ali,'OilafxavariaJas a bortio di iwv4) Iwa-
steiro fErnuslina, naufragau oa baria
do Acarac.
Sa lili i'lo 25 de novemiir*.
O agente Pinto fara WMa a reqoriiL nr. !
Flix Soiivage 4 C, por auon-aea i d-.
Fianza e por cunta e n.-co e quem pi-ib-n- er Je
14caixa- marca AF&C, com fiz.adas de aigadas
(ea.-tori-) avanadas a bordo d. navio ir
ERNESTINA, naulragado na birra do Ac-ra
LEILAO
De una eserafi ni -i a e US aia*s.
O agente Martins fara' Iwlao por mandado
Illm. Sr. Dr. juiz de dlreilo da primeira
enme e sub-litulo do da f.izenla de n .
de 20 anuos de idade bonita lignra atiendo algn-
ma cousa de co-iura, eo^ioAai eos i leaJ.
Sabbado 2o lo ftrwla.
As II horas junto a Associafo Ctmnvrcial-
LEILAO
! De sobrado de uiuamlirda roa d> L
l'raiinsco u. 72.
O agent- Martins fara' .-Mi legalunnle
sa to do sobra lo de um au I ir di" ra !
cisco n. 72, minen i o jilo palpru wxle owr'era
nioroii o Sr. I ir. S.uoiio, con grandes s#to,
quartos, quintal e mailo bem Culto adn.
Terr;a f. ira U do carrale.
As lidoris n^ o ra da Associar i r. -i
das as noites que tem reprezeutadu e anda uesta f l"-,'"-,ndenies podera examinar o r. =
: comsiguilicaliva gratido.
brado.
Comegar as 8 horas.
4TODS aITIMOS.
CHPa\lli.\ B84SIIEIIIA
DE
PAQUETES VAPO!
! 1 ^Mt<
n,
j esperado d..s purtos do uorie
al o da 7 de dezembio o vai>r
Oyapork, coramaodante o eapitao
lente Castro Costa,o qualdepois
1985000. ~<4SSSUUHHP da demora do costme seguir'
i para os pultos do sol.
De.-de j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor poder condnzir a qttii dever
ser embarcada no dia de sua ebegada, encommen-
das e dinheiroa (rete at o dia da sabida as 2 llo-
ras : agencia ra da Cruz n. 1. escriptorlo de Au-
nio Lnz deOliveira Aze.vedo & C.
Os freies de dinbeiro para Parahiba, Bio Gran-
0001 ^e t' ^'orle> Ceara e Macei, licatn reduzdos a
Diuheiro papel. I|4 |0
Ouro......||4 |
Prata......3|4 0|o
LEILAO
3005000;
H6,5ti00
1005000
1:400,5000
963000
4785000
tolos, aira de seiem verificados e ter lugar o divi- Becife 21 de novembro de 186o.
deudo, i
aLFaNDEGa.
Bendimento do dia la 22......
(dem do dia 23...............
O offkal,
Manoel Amonio Viesas.
478:3(155607
31.0955065
GOMPANHIA BIASILEUU
DE
PAQUETES A VAPOR.
E esperado aos portos do sul
at o da 33 do correnle um dos
vapores da companbia, o qual
depnis da demora do eo-lume se-
'Ot'AdBti^ gira' para os pollos do norle.
Desdeja recenera se passagnlrs e engaja-se i
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no da de sua ebegada, encom-
niendas e dinireiro a fele al o da da saluda a-
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorlo d;
Quitrla-frira '29 Polo ggeole BataMo.
De urna graode pr..pn-dde d' n. 33 ita nra
do Hospicio, conlendo grandes an-omir.f-i
lemlo d.-frenle 7 ponas al para se f.
sobrados iodepcnduMes, por quanto lem rpar-
limentos que se prestan e terreno atai Bala mo-
rado com grande cacimba de boa aitua, ra-a de
li'anho, arvoredos e plaas prspria* de jir>BB.
bello rerreioeoutras vanUgMu, qu- a vi-ta
poderio melhor apreciar os Srs. bmbbIbb, para o
que sao desde ja convidados ao previo exane, afea
0-, fazerein urna compra oiagnilica.
.
vm mwhr*
$
MOV MEMO DA ACFADEGA.
i, e que a constituicao do arcebispado Volumes entrados cora fazendas____
com gneros.....
volumes sabidos cera fazendas.....
com gneros.....
215
324
Descarreuam hoje 24docorwnte.
Barca ingleza Anne haymercadorias.
122
136
-------558
excoinmiiniiai
do Bata DBCBITA que o que vender ou tive'r II-
vros que tratera de coasas sagradas sem nome do
a u tur, no sendo prinuiro revistos e appmtadns
pelo ordinario, INCOBBK em pena de excommlnhao
maioh.
O Diario Oftaal, referindose a emigraco ame-
ricana, procura mostrar que a censtUuigao brasi-
leira ullerece au colono que nao segu a religio Brigue iglez-'//'i Hrucemercado Vas.
do estado garantas da liberdade rihgiosa mais ex- Bn^ue ing.rz-7'Aermu(/ns-carvao de pedra.
lensa qu- se pode desejar. B, ..me ioglezCome H. L,-idera.
Os actos e publicacSes do partido jesutico des Barca Inglexa-Pfenr de Af(iurice=idera.
uiei.tem o Diario Ufficial : e as 50,000 familias se Brigue nacional Amelia diversos gneros,
leinbrarao que bo dia de hoje este partido Cousite Patacho oortuguez-Furfoenarque.
das pessoas mus favorecidas no imperio, e que, se Barca nacional-/iiu/inu-idem.
continuar a ter liceoea de fazer sua vnntade. o co Brigue porloguezImproviso -idem.
Ionio que usar das palavras de Deus (urna vez qne
e-tas a.io sejam approvadas pelo arcebis^o da Ba- iiiiporlai-fio.
hia ou o vigario capitular de Pernamhucj) ser Hiate brasileiro Novo Costo, mirado de Peoedo,
maldito pela igreja do estado, e todos os Baaras- consignado a Joo Mara Massa, manifestou o se
tas que tratare.m de qualquer negocio cora elle, ou guile.:
Ihe pagaren] aquillo que Ihe devera, ser-i por isso De villa Nova.
ineursos era pena de exeommunho maior. Que 80 saceos arroz e 80 ditos miho ; a ordem.
nuda litierdade religiosa '. Que ricos privilegios De Penedo.
para o colono 1 Q le raaiores garantas pode de- 380 saceos milho, 10 ditos teji, 76 dilos arroz
s-jar o colon.) que ni o professar a religio aposto- com casca, 23 ditos algodo, 100 inharaes, 10o es-
lica caiholica romana I teiras de perpery.
Os cidados dos Esta-los-aidos nao sao pardaes Bngue brasileiro Mua Tliereza, entrado do Rio
noviohos que se deixaro apaehar com palha ; e.
Santa Casa da Misericordia do Recife.
De ordem da jauta administrativa da Santa ca-
sa de Mis. ricoroia do Becife convido as nessoas
' cootados dos alaguis a comparecer nesu se- *Lt*lfS*?f u.!Ta n**i -Rl, Gran"
cretar.a as i horas da larde do dia 23 e 30 do cor- e d Nt' .G 8 Mfel Bca0i r*do*W a
rente mez, sendo ditas casas perteocemes aos es-1 p.ni.eiro papel. 1,4 |0
labelecimentos de candar
-nn .aWvi\.iiilCUfcVa UC U*l I iiailO.
SJ BuaDireila.
X. 33 publico e 4 particular.
Boa do Aceit de Peixe.
N. 1 publico e 53 particular.
Ba dos Burgos.
N. 2 publico e 57 p rticular.
N. 13 publico e 38 particular.
Ba do Pilar.
N. 72 publico e 59 particular.
Ba do Pharol.
' N. 72 publico e 60 particular.
Secretaria da Saua Gana de Misericordia do
Becife 21 de noveoibro de 1863.
O offlcial,
Manoel Aotouio Viegas.
"COMPANHIA
DO
%c) sai -5 sa &) *& m,
Sao coBvidados os Srs. accioni-tas desta
Ouro......1|1
Prala......3|4
Para Lis ia
sahira'com brevidade o brijiue porluguez tCoos-
lanle II, recebe carga a freie e passageiros, para
os quaes tem excedentes commodos; traa se com
Manoel Ignacio de Ohveira Fidio. no largo do Cor-
po Santo o. 19, pserintorio.
Rio de Jaaeiro.
A barca Jovem Palmira, de Ia classe, segu cora
brevidade, e recebe .iljuma carga a frele ; traa-
se cora o consignatario Joo Francisco da Silva
Novaes, trave.ssa da Madre de Dos n. 5.
Para o Bio d.- Janeiro segu em poucos dias
0 patacbo nacional F por ler parle de seu
carregameiiti prompto ; para o reslo trata-se com
seu cu isu/oatario Domingos Alves Matheus, ra
do Vigario n. 14.
hira o Rio'de Janeiro
Vai sabir com brevidade o brigue Adelaide
por ler a maior parle de sen carregamento trata-
coiupanhia a reuoirem-se em assembla ge- do e >"""* 'i0* lhft Mu> ,rala s" cm o consig-
ral no dia 25 do corre le me/, ao meio da 5* 7 S***! h> ""5"^ Beitro : na ra
n.. dJcriptork) da meso.a com,.anhia para d V'Barl n:,"' "'^_________________
. de Janeiro, consignado a Framisco Bodngues Pin-, ------r------
sv o governo ou o povo quizer iue venh-m para o to Guimares, manifestou o seguinte : ;em CUinpr.meDtO dos StUS estatut-s delibe- Fara O Foi'tO
mosirarcorao e pode ser patriota e puro, como o Brasil, devera dar alguns passos decididos para 10,42' arrobas de charque, 257 ditas de sebo em ri,r 8hrp as Antait ,\a sPm^.r fin.in ,,, n m* ? L '
era Lincoln, cmdemnandc como injusta sua patria, mostrar que nao perraittirao aos jesutas governar pes, 876 diias de graxa era bexigas e 310 couros tuinas uo heiuestre limO, ap- Deve sahir cora brevidade o brigue porluguez
qualiflcaojo de injusta a guerra que faz a outro, o-Brasil craio governaram o Paraguay, annullando vaceuns seceos. provar o ornamento viri'louro e decretar 0 Esveranea por ter a maior parte de seu carrega-
paz
constauicao do imperio pela cojskituiqao no ar-
E nao era s Lincoln, eram outros deputados cebispado.
tambem, e lembra-me que grande parte da Jm- >^e a- autoridades civis continuarera a sujeitar-se
preosa dos Estado-Uoidos euio condemuava a de mais em mais, como parecem fazer, ao dominio
guerra, e em taes termos que chegou a chamar o dos jesutas, haver em breve no Brasil lana II-
pre-idente da (Juio lailrao dii trra. ber E nao obsiante a guerra fui para diaote, e os Es os luonlsidores de fazerem Jomo quizereo com os
lados Unidos vrnceram e conquistaran), enem por cidadao I I
isto lyinculn foi odiado, e pelo contrario foi sempre 31 o quero prolongar usas observarles por ora,
reeleiio sem interrupcao membro do .ooeresso, al mapergunto : porque osjn uih^mosiram anlo
qu" (ni rile eleito e reeieitti presidente da Joio. odio as proprias palavras de D-us T E respondo
Para documentar o que digo, permiUa-ce traos- que nesias o S.uprkmo assegura de jivici, ao pecca-
crever as seguales linbas exirabi las da tu.igra- dor que confiar ta Jess, a salvago perf-ita; em
pina do nomein eXLraordinario que de leubador e quanto aquelles querem vend la por dinheiro. ou
cortador de sulipas, de canoeiro, de criado de navio aprovitar-se da religio como meio de alcancar
de transporte subindo a agrimensor, < depuis de para si flesmo o poder pojilico; e oude coabeci- J
35 dividendo.
Escriptorio da Companhia do Beberibe
22 de novembro de 1865.
O secretario,
Dr Joo Jos Pinto Jnior,
Subdelegara da Boa-Vista
Pela subdelegada do Io districto da freguezia da
50 volumes e peeas de onjectos de casa ; a Joa- Boa-Vista se faz publico que se acha depositado um
quira Jos Rodrigues da Cunha. cavallo e urna canualha : qnem se julgar com d-
5 amarrados cedro para caixinhas de charutos, reilo, provaodo, Ihe sero entregues.
37 fardos, 160 arroba- de fumo em folha, 3 paos, Subdelegara de polica do 1- districto da fregu-
* e meia arrobas de dito de corda, 7.i0 helas pas zia da ma-Vista 20 de novembro de 1865 0 sub-
vV^Jx500 *l"arlinhas> 15" n.onngaes, 9 canSes, delegado supplente em exercicio,
55,?0 charutos em caixiubas a ordera F. F. Mamas hibeiro
Brigue nacional Amelia, entrado da Baha, con
signado a^Anionio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
manifestou o seguinte :
8 cascos azeite de palma ; a Domingos Alves
Matheus.
730 barricas farinha de trigo ; a Jobnston Paler
& C. '
1 canao 3,500 charutos em caixinhas; a J. B.
da Fonseca Junior.
menlo ja tratado : para o resto e passageiros 1ra-
ta-se com Cunha, Irmaos C, na ra da Madre
de Dos n 1, oucom o eapitao a bordo.
LE IL OES.
I:il%0
HOJE.
Na rita Nova annazem numero 58.
Pelo agente Euzebio.
De urna anu(n, flteiro, palco e mais perten-
ces, tudo sera' vendido ao correr do martello, por
que para entregar as chaves.
Tendo-se publicado por e-tp Diario, no r?ia
quinta feira 9 de fevereiro de I8'3, o annooei>
abano transcripto, toma o ahaixo as-i.n
data, a bem de s..-u direito r.-,.eii lo for;
guinte :
O abaUoassigriado, assia i ,- r
qualld.de de Iwnleiros e repttes^iuwei
nado pai Minu-i i;i..ic>-o Ciinai, ad.ei;.- ao
respailavel poblico, que aiugaem tmmm, p rmatt.
ou faca iransaeeio algoma com a prapti i
nominada S. Jos da Corda Gr i| le. sila n
ca do Bio Pormoso ; eojn venia fo |>..r p>
itlegitimas anounciada n i Dieric de 2* :
por que esta me-ini pro;irieli.|- f
ao pai do anuuiician-, e aind i iioje se arli.i rom
este oous, por esrripiara c-hbrali noc.
anligO tabelho Var lia. por divid qie e>ol h .
seu originario pos-uidor o padre AnI m
valho Leal; e co no o an ran tanu e os oulr
herdeiros pretender c mtmoar a arc-io .ue s*n
fallecido pai linha lentido, para fazer elleriiva
obrlgacao resoltante d < hypoiheca, por isso ites-!.-
ja previoe; esciarec-ndo ob to-ulo, que --\>t- a
mencionada proprieia.le ha ; mas m na.. nMaaa>,
afuera cora pertinacia a negm-iar, iuntra elle se
protesta encaminhar o remedio out'>rgad > na le.
______________Antonio Janiinrio Cabral.
FO MI I Vil A*
DE
PORTA.
As pessoas qn leen eraaiaieR4a-
ilo loliiiiihas ti- nnrta paia df
l Mili, qupiram vir Imsra-las, u livra-
ria da uraca da InileprnaViiria, pai>
<|iir araliaiu de sahir du klt.
Associacrio (/omraercial Ue-
ueficente de Peraarahnco.
Arhando-se prompla a plai.u e o ore.meato
para a decorac-i de predio comprado para a nv*-
ma associacao. convida se a Iotas as pe*as .pe-
se qinzerein encarrecar das obras de pnU*wr,%
comparererera a ra do Trapiche n. 44, a gwiu.
an.lar, aonde, no praso de oito das, leisaraa fcar
as suas proposta em carta fechada.
Associaco Commereial Reneflcente de
buco 23 de novembro de 1863.
O secretario,
______________Candido <1. G. Aleof-irado.
A ambos os sexos
Urna pessoa habiliada ofTerece se para e.i
pnmeras letras a ambos os sexos ero casas mtm-
cnlares (de dia oa de n.,iie) pra mais ornnumi
daquelles que se qnnerem ublisar : a tratar
irtvessa da ra Bella o. 6.
Aviso ao pnhileo.
O prelo Bulino, b ibeim, crearlo .pie foi do Sr.
Jos rte Moraes Gom-s Ferreira, bem conh-eii en-
tre os do seu offlcio, e de vari-a senhores a^sta ci-
dade e fora Oella. tendo id para o mano para tra-
tar se da saude, tem lardado a dar noiieas smw;
e. por isso r -ga a abaixo signada a qu
soulier e onde esteja, de fazer o favor de avfaar
carinrio do laheipoSa, a ru E-lreiu > I
O. 33, o qne muito agradecer'
Iheodora Francisca do espirito


BiBB_BMV___P-_HHQ_BVi
HVHHm
Diario de t#ry..l*Sct *k*i fffr 4 > NorcmSro i*- *'?
-1-----
CURSO ESPECIAL
DE
PREPARATORIOS
para o* c*tiada_tet que sevem
fazt\r aclo em mnrco.
LOTERI
AOS 6:0005000,1:200,^0001
e
aILHETESA' 50000, MEIOS A' 4500 E
Jos Sures de AzevoJo, professor de; corre qulnta-felra 30.
lingua e litt>ratura nacunal no Gynnasio! Acham-se venda na respectiva the?o-
Proviucifl do Re-.ife, tem aberto eiu sua a-' rai'ia ra do Crespo n. 15, os bilhetes,
.,. 37,. pe, d*[-*^Jg- *?** E
segoiates preparatorios, para aqueiles estu- corta cuja extraeg5o ser no da cima
dflntes que tiverero de fazer exame em' puljlicadn. e no lugar e hora do coslume.
'________.
D'ObuRETO DUPLO*
marco prximo :
Lincua Franceza
tacograplila e Historia
Philosophia
Rhetorlca e Potica
As pessois que se quizeren utilisar ilesta
Os premios de :O0u0OU at 105000
serlo pagos urna hora depois da extraceao
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As eneommcndas serla guardadas somon-
te at a noite da vespera da extracgao.
O ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou'.a.
vantagem podem d,ri*ir-se indicada re- q fe ^^^^
si lenca, de maaha. ato as 9 horas, e de Q ^ ^ arinversar0 d( ^Mi-
tarde a qu-dquer hora. ^ lQrl fagar em a nile ^ i/ de 6Qm.
...;ii----------------------- bro prximo futuro.
Sociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
inrm
i
( tuneo Uianca do r*jrti tendoesiahelceid > es
Os elementos que compoem esta preparav3o; o
ferro, o iodo e a quina, a colloco no primeiro
grao das preparares ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos bospi-
taes e os relatnos dos prticos mais eminentes
que confirmrao sua poderosa el'iicacia as se
guintes affeccoes:
DE
CaVALLO
la sociedade lehano de sua inmediata vigilancia
responsihilidade, facilitn a creaeio de capitaes,
Jotes, rendas. pcasOes, isencSes do servig i das ar-
mas etc., por naeio de suoseripcois nicas ou ao*
auaes, as gases coam inscripco s da di-
vi> > publica, de renda nacional, p da mesla forma
os jiros semestraes <|ue d'nllas se forem vancendo,
fleam por iim certo numero do auno* em deposito,
ale qu", finio o prazoestipoMM, gao restituidas
ais siciis eom os interesaos amonloados, hem co-
is qtn pertencerem aos as-ociados falle
.i : que d'estes ro herdelros os sobreviventes.
Pela engeah isa coinhimcao eeouoraica adoptada
tos clenlos de*t sociedade, v-se que, eom urna
entra la aoottil de 305001. por exemplo, ohiem
furtou se tira
do sea dono,
eavailo tem
grossas e ca-
Na noile de 18 pira 19 do c irrente
cavado mellado caxilO, da e-trabana
cun sellini nii-'l '/. qua>i novo; cuj o
cimas e cauda pretas. as cliots sao
hem sobre ambis os lados do pese .co, e t^in urna
ferida pequea na modreita; esta acostoraado a
audar em cabriolet e l>em coohecido nesta pracK
queui dt-lle der noticias certas OU levado a' Estan-
cia, sobrado de doOS andares 11. 2, ser graUBcadO.
ilug*- -se
um sitio na Passagesa oa Migdalena, a margern
do rio Capibaribe, junio ao do Sr. commendador
Manoel Ijjnacio de Oliveira, tem boa casa com sala
iofl $000 Stiinoo. em 10 4:5005000 devintas e gabinetes estucados e esteirados, 4
quariiis, sala de jantar e de espera, colinda e des-.
pensa, >|uarto para prets, um soio com satetas,
estribara e eaea para feilr, urna baixa de capim
para sustentar tres cavallos todo u anno, a'guns
arvoredos fruciif-ros : a tralar no Recife, ra do
Itrum n. G6, armazem de assecar.
Precisa-sede um menino de 14a 16 annos,
cora algnma pratiea da taberna, jara caiieiro na
villa do i;abo : quem precisar dirija se a ra Di-
reita n. 32, que, achara com qnem tratar.______
jPilio""
Da barca ingleza Mira e Celia
fin > anuos
a 2:0003000, -m l"> :i:o(KI5000 a 4:o00000, em
20 8>n0fOO0 .1 IO:00OS'i00, em 25 18:0005000 a
35:0 95010, conforme a idade do. indivi la 1 sobre
qne 11 feil 1 1 segure, pois que nos referidos cal-
cu s e ni '- i eom a maior ou menor probabilida-
de d dora^Sn de vida.
Eta sociedade sobretudo vaotajosa aos ch.'t
de la 1 ilia, vllo que Ihe* facilita f;i sacrificio a
fundaca 1 de um capital on dote i>ara se^is Sitios ou
filha*,segurndoosqaando nascem ou emqu'.nio
sao enancas.
Quem, pois, mais eirenmstanciad'-s InformajSS
dse ir sobK tal socieiade, ou se quiier inscrever
com 1 socio dVlla. dirija se a na da Madre de
Deii* n. 28, onde spodgrt entender com JoaoCar-
io '', elno di Silva, que para isso se acha encar-
regado.
Coiivnlc*rcnfilclon
gu ninloMllafl,
Mii!i-~iiih t-ocrofula-
MI!M,
Paifii'lra,
ObNtrnerAo di* glon-
JltlllH,
lliniiui't-5t fro,
Tii:noroH l>rttncon,
I'. i''M1!hj;mi.
Affccfen i-M-ic, ,!
My|iliilitlf*jm,
FetMTCh ly|)h>lile,
n-.-ils>-. etc., etc.
Mlncon no mingue,
Fmt|iirr.n,
An<-mlu,
CliloroHi-ou Ictericia,
McnHIrno,
Afreec do ulero,
SupprrmincN dan re-
fraH c da-MOr.-leno na
nienNtrimc:io,
Afrcrco pnl;:ionnr e
phlhUIra,
lilil--'. I- O >l(iillS(l.
ln*.lriil;;;aM.
rrrif n |>i-tltc,etc,
Vejaos* os buetins de therapeutica medir
e cirwgica de 30 de novemhre \ 860; a Gazeta
don kospitaes de 8 de julko 1860, etc., ele.
Alem das ululas de iodurcto duplo de ferro s de
quinina de Rcbillon, os Mdicos aconselliao
igualmente o Xarope d'iodureto duplo d
ferro de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao gostao de medicamentos sob Ibr
ma pilular e os meninos. F.ste xarope nao lem
como o xarope d't'orfureto de [erro, o inconveniente
de alterar-sc e de se nao poder conservar.
Peca-se o folheto que se d de graca em casa
dos pharmaceulieos depositarios.
Para se evilarem falsificacSes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmacia Rebillon.
142, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes ?strangeiros, etc.
Pela commissoes em grosso, dirigirse aos S
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFHAD0S
i% VEI3IA EM PERIllfIBIJCO
Em cv dfs Srp. C;n i e Barboza, ra da Cruz n. 22.
>se-: tsr-.2J
} ; -:':- '!*&&M-&
As patiUias digestiva* com a pepsina de
Wasman, empregAo se com successo h j
alguna annos jielas celebridades medicaes de
Pars. Londres Vicua, ele, em todas as in-
commodidades em as qnacsadigcstSo 6 difficil,
penosa, imperfeita ou mesmo impossivel: eis
0 melhor remedio ara oural as.
nim-rlicn* e n confcll-
lliru |>!-"> ':.. i-!.".
lirl.i.M eiAfcnroevefl
iU'feSOn>*n>i los ull-
mrntofl.
r,.ili nl|;h>,
niauepailaa,
Bnabarneoaa^Satrleaa
A saatrlle,
An aff'-ccoe.H orsnnl-
i'mk do eatfimotio, I
Sua (Moflo vhiifica o sanguc e os rlaos de
tal sortc que, alh as pessoas que sem soffivr
as offedees gaslricaa cima mencionadas sao
nicamente iracas ou d'um lonipcrataenlo um
pouco dbil, c neccssiiao substancial alimento
para fortilicar-se, achfto no cm|)n!go das paslil-
has di Pepsina de \'sinan,um poderoso nvio
para a isso chegar.
Avise importan le.-Osuccessodas paOhas
a pepsina de Wftjwuwtdeu causa a se fazerera
Ija^dicai.oes e illl'lacOOSd'eSSe pBlhlClO que os
emulas se quereni desfazer. Pois por falla
d'uma boa proparacSo a pepsina que n'ella
cntr.-i, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'este
inconveniente, cxigindo os compradores que as
pasllias tenhao asiniciaes ti. P. e saiSoda
pharmacia Chevrier.
Depsito SI, Faobourg-Monlmartre, e em todas as boas
pliarmacias c Franca e dos paizes cstranjiciros.
si i
&^^aHfc1^i^.l^^^l, vtf
CURADAS PELOS
XAROPES DO DOUTOR DANET
1. Contra as CoMCAS nos Mi:\i\os ante
e durante a lentlciio
(Xarope de cjnoglosse e de acido suceinido)
M* 3. Contra
TOSSE CONVULSA
NERVOSA
e a tossb
(Xarope de cjnoglosse e de leo Tolalil de succino)
C 3. Contra an COWIXCOES DOS MENINOS
A CHOREA
(Xarope de cynnglosse e de acido voltil de succino)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Pars sao em-
bregados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o tratamento da?molestias do-
meninos cima indicadas, e vier.lo encher nm
viicuo importante na therapeutica, no que loca as
alecgocs da infancia, para as quaes, atbe. boje,
anula se nao pode indicar tratamento racionnal-
ncm infallivrl.
(Pega-se o prospecto em casa dos pharmaceu,
tiros depositarios.)
Preeo do frasco em Paris, 3 Ir.
Para se evitaren) as falsilicaces. exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtulos a
assignalura Ghanteaud.
Depsito geral cm Paris, pharmacia Ghan-
teaud. e em todas as boas pharmacias de Franc?
e dos paizes eslrangeiros.
Al ANSA e XAROPE
DP. CODFfNA

BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magcndie, Barbier d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran. Viga,
C. Dumont, etc., membros do Insoluto de
Franca, mdicos dos hospiues de Paris. lem
provado que a Mansa e Xarope de Br.rth i
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade de
calmar com admiravel rapidez as tos ses rebel-
des e extremamente fatigantes da g"ippe r*
tarrho epidmico dclluxo. eoqoelorhe om
tosse convulsa, bronchite e tsica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
aclio cm lodas as boticas.
Para evitar qualquer
falsific.T;:"e>, exigir em<
rada produlo o nome
c a firma Bertli.
Drposilo geral em Paris, em
d Ullfta,
Ra Slt-Croix- de-la-Bretierie.
HME
U'-'l,
MoIcmIIiim de
A Ictericia,
Polpltiico do cor*ao
Dore* no rlnn,
Os granulos de bismutk de Chevrier em supe-
riores a todas as outras prepararles de bismulh
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
Dlarrhean rhronlcas,
DyasenterlnS,
llores d'cxtomago,
Bjaaiiaali
Drc^e'cobrea, Depdsito geral em Paris, pharmacia Chevrier.
Irriiaroc de beziga e e em loaas as pharmacias ae Franca e dos paizes
da matriz, etc.
v..i- dlaeMtoea,
(.ii-lrllc.
Guatralslas, etc.,
estrangeiros
WILLAERT e BEBGER, comisarios em drogara, 11, ra Saint-Lazare, Paris.
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
.SuffiM-cro nervosa c Oyyrtua*
nico remedio efficaz para combaUer estas mo-
lestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volia o Xarope aromtico de Succin mbar
amarelloj do Dr Danet. Descoberta iDieiramente
recente, este novo produelo se lem propagad
com extrema rapidez gracas aos admirareis resul-
tados que tem sempre prodnzido.
Deposito geral, na botica Chauveand. "i.
ra do Commercio, Paris-Grenclle, e em toda as
boticas de Franca e do esirangeiro.

D
a
vmnmk
festividade da gfo

Ama.
Precis-se da urna ama que compre, coiinhe e
engomme, psra casi do dnas pessnas : j tratar na
ra da Craz, armazem n. 7.
i'ica !e estipe *le siI de f.
: Iqne, ra do Crespo a -*.
N -i.- antigo e aredltade esubeleeimentn acha-
r-e sempre um completo e vanado sorliment- de
cnvi ios de sol deludas a< qnalidades e precos,
lauto le sedas ilpaca, como pao de todas as co-
;... para b imeos, se inoras e meninos, yuanto aos
pr i -j i o; mai- raioaveis posslveis, tambem na
om grandesortl nto de oe^as de seda, alpaca e
pan :>ir;i as pessoas qae quizerem eneommendar
- !' son rUm-se os mesmos. sendo todo este traba ho
feil.i d .ni toda a p-rfeic.vi, presteza e eommodo
pree i: na roa do Crespo n. i-________________
N i armazem da b"!n amarelia no oilao da
laria rta polica recebe-se eneommendas d
a ilo' i ira dentro e fra da prooincia.
GARaAUX f)E LAILHACAR & C.
BRAIRIE FaaNgftlSE
Roa do crespo u .
MVROS NAi'JONAES H BSTR^NGEIROS
Rdijiifii) Philosophia Jurisiiriulnicia Liiiera-
tura Scieucias e arles.
Papelaria, objeelos para escriptorin.
Na praca da Ind- pendencia n. 33,
oorives f .iiqo i-e ooro, praia, e pedras pn
e lambem >e faz qualquer obra de encoinm
todo e qualquer concert. ^^^^^______
eere-
e fogo
lej
i de
cosas,
ai
2i --Caes 22 de n>ven:.ro21.
Paulo Jos Gomes & Mayer, por verem ? mili-
dada que pud ni tirar os proprietariuS de al-
guna terrenos devolntos, qui p* falta de meios pe-
cuniarios, um deixado ue edincar, resolveram-
se arrematar pan- c.irregament de madei-
ra da barca iogleza Mira & Cria, arribada oeste
porto.
A vantagem que oflerece esta inadeira, ser de
urna so biUila, lano era grossura, comprlmento e
largura, tendo 1 pollegada de grossora, 5 a 6 de
laruura e ii palmos de compriraento, e a daziacus*
lar 75. Pui'tauo pde-se faier urna ca co dmlieiro, e trtifrnir se Ineros mensaes, que at
ento nao se pererbia, por filiar este recuso. Mu-
tas casas nos suburbios da eidade, fvitasde palhas
de ftoqueiro, muilo melhor sera' agora, seus pro-
prtetarios substiloi-la- per madeira, porque terio
casa de melhor gusto, duraejLo, sjni >er preciso an-
dafem cunstaotemenfe reformando-as. O ioqui-
bnos Oca rao mais tranquillos, porque os malditos
eros, nao atararao fogo eom tamanba facilidad?,
e por deca' aquella paiha a< snbreditascasas. Mal-
tas outras obras se podero fazer com <:>u madei
ra, que sen 10 para estarem exposlas ao sol e a
chova, nao sao atacadas pelo cnpira, como lemo-
visto, casas s cercan durarem annos sem seren vi-
sitadas por e-tes malditos Paraguayos. GH-tanie-
mente vo para Montevideo earregamonto de ma-
deiras dota qualidade, c nos por vermos a rs
lrsCoque lem ne>ia eidade,compramos c>ta, e no
caso de ler, compraremos a-snn como compramos
carregamenlos da outra, que tem extraccao ne>ia
eidade e que se acnara a venda em uossos rma-
meos. T'-uios tambem grande qnanudade de bar-
eF roles de dilreules grossuras e cumplimentes que
? vieram juntamente cun e.-la madeira.
Antonio Jos Rodrigues de Sonta, na ra do
Oe-po n. 15, alaga sua casa e sitio no Muniero'
em frente ao oia- da igreja, leudo o sillo portio
de ferro, cacimba com boa agua, estribara e cn-
cheira, e a casa 4 salas, 7 quartos, e -otao, a qual
multo desea sla de novo b"m caiada, concer-
tada e pintada : para ver, as chaves esto cm a
casa do Sr. Nicolao Machado na mesma novoacSa.
Na fabrica de charnies e cigarros da ra de
Borlas n. 1 compram-se jornaes; e na mesma lem
para v -nder fumo harlebke e perola de Minas,
em latas de 1 1|2 libra.
- Preeisa-se de 2:2005 a juros e por pequeo
praso, dndose para garanta cinco escravos de
valor : quem os quitar Jar nocuncie para ser
procurado.
Precisa-se alugar on mesmo comprar urna
prea de meta idade, que seja boa qniaodeira : a
tratar na ru. dr Cruz da Recife n. 42, primeiro
amlar.
A luga-se
o sitio que foi da fallecida D. Seraphina, na estra-
da do Monteiro, pelo lempo de fe*tt : a fallarse
com o herdeiro invenlariante Claudino da Silva
Perreira, na casa de sen pairan, na ra do Vlgario,
ou na casa de sua residencia, na ra da Impera-
tri7, Io andar, ao p da Sra. madama L-coote. A
ca?a lem 8 quartos, 2 sala;, 1 gabinete, 1 copiar,
ozinha fra, gran le cacimba com agua de beber e
liomb, miiiDs ps de diversa arvoredo, ele etc. tarnciro Vianna.
~ A'ugase urna grande casa terrea na Ponte g- ehegado a este esUbeleci.ne.nto os seguinles
de Uha, a beira do Rio : a tralar na ra do A- objeelos : cadeira de paltu para enanca com ha
O Sr. Dr. Guillierme Cordeiro Coelho Cintra,
que por vetes ha sido chamado pela Ordm pa
gar a assignalura da mesma, nada deve dessa as-
signalura, visto como acabo de 1er sciencia que
alguem abusara de .-eu nome. para constituirse as-
signante da mesma Onlem, sem sciencia daquelle
senhor, a quem servir a prsenle declaraco de
sadsfaco, que por ial engao Ihe da.
Ignacio Ucuio de Loyola.
Precisa-se de una ama para o servico inter-
no de urna casa de Ires pessoas : na ra do IIis
[icio o. (2._______________^^
rwsa wrgefft martyr
SANTA CECILIA
Venerada aa igreja do Uvra-
meato.
A mesa regedora da rmandade desta gloriosa ;
virgem lendo a h.inra de annnnciar a celebraco
no da 20 da fesU de sua padroeira. entende de sea
dever expor o programla da rne-ma fe-la para
-ciencia dos li Nudia 2o. ao meio da, -era inaufestailo a toda '
esla eidade 0 acto festivo Jo da segointe por gi-
rndulas lie fugeles, que subirn ao ar p ir entre
os SOOS da hauda de mo-na marcial do Io batalhao
da guarda nac.mal ; e a noile llavera veperas.
Na festi havera missa solemne, celebrando o
santo -aciilii-io da missa pela priiiit vei o Revd.
Ui&
.
'M
CONTUA FOGO,
a companhia Indefllnisadora, estabeleci-
Ja nesia praca, toma segaros martimos so-
bre navios e seus carregamenlos, e contra
rVrgrj em ediftCirtS, mercadorias e mobilias:
na roa do Vigario n. i. pavimi'tito torreo.
O testamentelr.j iia lina la Aug-uca Joaquina
;
Sr. padie Aufustu Franklin, e orando o Re d. pa- ; ,)a CunceiSu, pede as autoridades pol ciaes e ca-
dre me.-ire Antonio Manoel ao Evangelho. I pttSes de campo que apprehendan o preto Fran-
A orchestra regida pelo haiol maestro Sr. Golas,
director e regente daqoeha dolheatio de Santa Isa-
bel, execotaraa grande orchestra uma nova missa,
do maestro SetiimiO Baiagha. Serio cantados o<
solos LiiU'lnimis pelo Sr. Tobias ; Qrtias pelo Sr.
Sabino; Uonuiw. Devt pelo artista dramtico Sr.
A. T. de <;. l.i-l>oi ; Q4U0II1S pelo Sr. Trajino, e
Qiwnium pelo Sr. elem.
Ao entoar o celebraue o Gloria in excelsa Ueo,
uma banda de msica marcial locara no corpa do
templo urna marcha bnlhante.seguindo se o Gloria
peta orchestra e canto. Apos isto, a ine-ma orches-
tra execulara a symphunia religiosa coai coro de
votes Os marlyres, cuja msica do maestro Do-
nitetti.
A' noite cantar-se-ba o TeDrnin Lnudamus, com-
po>icau mas cal do maestro Cola-, que o escreveo .
e.-p. cialm.nle para e-la fe.-[a rom a d-nominario r
le TeDruin de Santa Cerilla. Nesttt acto ora O
Revnid. Sr. padre Aulonio d'Albuqaerqoe Mello ; e
lindo elle, differeotes baioes serao laucados ao es-
paco, hem cuino qiiejmar-se-ha um lindo fogo de
artificio, feiio a expensas dos moradores do paleo
do l.r. ramelo.
Pechando esta exposicao, adunia a me>a rege-
dora os seus agradecuneoUM a< banda- de msica,
as sociedades particulares e lodos que concorre-
rem para a maior sulemoi lade da fe>ta de-sa r-
mandade, a todu- os irmios da qual convida a mes-
ma mesa regedora a comparecerem nos aelos que
luin ella de celebrar.
risco, pertencente a ma-sa daquelia finada qu se
acha ausente, e o leve a ma estreita do Rosario n.
17, prru'iru andar, "ii recolha a* casa de deten-
cao. O refert-lo preto bem coohecido nos arra-
baldes des'a cilad, onde vive 3e atrepar coqaei-
ros, e qnando emhri g;i se faz grande alarido.
GMA 01 FORTOi
Aos 6:000;000.
Ililhctes garantidos.
a
Grande Bazar
morm 11. 34.
Aula de inglez
Da< 6 as 9 horas da noite; na ra da Malriz n.
33, 2 andar___________________________________
Precisa so de uma ama. qne.satba cozinhar e
comprar para caa de pouca familia : a tratar na
ra do Pires n. 24._______________
Precisa-se de uma ama para todo o servico
de c un de pouca familia : a tratar na ra do Brum
d. i7, iiherna:________________
i'recisa-se alagar urna eserava ou molequ*
para o servico exleroo d^ uma casa, qua seja Bel :
na ra do Livramenlo n. 41, 2 andar.
Dinheiro
Enpre-ita-se de t-.OOOj a 4:00>4 a juros sobro
-hyp'.il oca de c*a garan-
t 1 : qaem |ireci laneo, hergos de novo modelo tambem de pabia, e
outros mullos rticos de.-ies genero-; peda se aos
senhores que eocommendaram alguns objectos
destes, o favor de vir e-colher logo os que prele-
dem querer.
Objectos de metal das seguinles qnalidades, ur-
nas para cha, cbaleiras para fazer-se cha', apuare-
Ihos de almogo, dito de j-tetaf e todos o- mais ar-
tigos que se podem desejar Jaste metal por prego
muito eommodo, que a lodos deve agradar.
E-pelhos de todas as Dualidades para ornamen-
to de sala, tapetes, alcatif. e ootros moitos artigo*
que por gosto se pode visitar o grande Rizar, o
qual se acha aborto desde 6 horas da manha al
as 9 da n-iiie, nu ra Nova n. 2) e 22.
Trabalhadures.
Na ra imperial n. 1, precisa-e de alguns ira
balhadores portuguezes.___________________
~- Aloga-e um qoa'to para moco solleiro
ra di Rangel n.6 : a tralar no m-smo -obrado.
Precisa-se de umi ama par* andar cun uma
memo 1 e tralar de sua ruupa, seodo liana esa-
dia : .11 ra nova de Stnla Rita n. 55, seguudo
andar, junio ao apotHO de carvo. ______
udiuica de nome
Pratieisco Jos Barbosa, morador no pateo de S.
J is, leudo aeh.do oulro de igual no o, para evi- (
lar eq iivocos, d'ora em diante chamar-se-ha Ja da rinaU)aje, emi 10 de imvembro de 1863.
Offerece-se um mo^o portugoez para calxelro
de qualquer estabeleciinenlp, ou para caixeiro de
, cobrancas, e d fiadores a sua conducta : quem
na 1 pretender dirija se a ra Imperial n. 33 nadara.
I11 I a 1 1 1 -
Tendo a rmandade do Uiviuo E*pin(o-Santo
da igreja do Collegio, resolvido em se conjunta, mandar faz capeila-mr de sua isireja; convido de ordem da
me.-a regedora aqn-llas pe-soas que se acharem
habilitadas a mandar executar semelliante obra,
a examinaren! a planta que e acha exposta na sua
sacrista, e a apre pra-o de 40 4ia- contados de ouan Jos de Barros Barbosa.
Na ma dofgaTio n. 19, primeiro andar,
ezisiem cartas par as Sras. Giomar Kerreira da
Craz. iIIhiu Eugenia da Purilieacao e Mana Rosa,
Viudas do Porlo. ________
AUC'iQOo
Qualquer pessoa que queiri alistar-se como vo-
luipan 1 1 a na tria em um dos haulnoes que se
eslo <> ra d 1 I operador n. 73,1 ja, que ahi se llie ara'
urna bu vantagem.
iVe* isa-se de doas amassadores : na ra
Imperial n. 33, padaria._________________________
AiwetMoa-aa da ca-a do abaixo as-ignado um
mo que chamado Victoriano, pertencenle a Sra.
D. I-i'el a Mana de Barro- Campelio, moradora
BU eiig-nln Merr-, d leoiiica, cnj 1 mizque tem
os signaos segante* : altura regular, s.cco do
corno, leudo as aereas u tanto a^ambeiad^, e
represeota lera idade de 16 a 18 annos: quem
di II- o uialiver e leva-lo a ra daConceieao n.
8, teia'4'enerosamenie granficado.
Jos Gabriel C. da Cunba.
O escrivo.
Francisco felarmino dos Santos Freilas
$ DSP3SIT0 OS 51tM g
m MBWCAOttHA GAS4 0E DBfKICiQ m
^ Ra uv.-i a. 1.
^ Ahi se encimlraro obr^s .le di- mt
\ versas qual 1 ladus, e por preco mui _
'5 diminutos, a -etaltio e em purcoes. 2
^ S se vende a dinheiro.
__Precisase de nfflclae< de marrinefro ; na ra de
Apollo n. 47. Na mesma ca
ama de porta para dentro, paga-se conforme o
ajuste.________________________________
Precisa-se de urna engommadeira :
na ra do Imperador n. 17, segnndo auto.
Hoje entregou se as 6 horas da Urde a um pre-
10, na luja de cirgueiro do Sr. Lima, na ra do
Cabuga', para coudii'ir al a ra do L'.vramenlo,
duas espadas de olficial emhrulhadas em papel
pardo e amarradas, e mais duas cuxmha- de pa-
pelao tambem amarradas, cnntendcada uma del-
tas um bon-l de ollicial com o dxtico V. P., uma
banda de seda, um lalim, uma grvala e um fiel
para espada, e acompaando o mesmo prelo a
pessoa dona de taes objecio-, desappareceu sem
que mais se sonbesso noticias oelle : roga-se a
quem lorem offereci los os mesmos objectos ou
delles liver noticia queira ter a b indale de avisar
na ra OlrcHa n. 84, sobrado de um andar, ou oa
ra do Queimadu n. 52, pie se gratilicira'. Reci-
fe 13 de novemhre de 18f>5.
Em re.-pH.-iaao aviso feno no Diario de Per-
oambocoi de 23 de novembro do correte auno,
tendente a emoarac ir o leilao qua a requenmento
de Aolooio B. Cavalcanti de Albuquerque, adini
nisirador dos bens de sua mulh-r Knnellnda II.
Pires de Figuelredo Gamargo e 1-abel Augusta de
Figueiredti Gamargo da ca-a com sitio no Poco da
Panella, fundado era que nao poderacompreheuder
o leitao todo o predio e snn a parle (jue foi dada
a Hypolilo da Silva, da qual se dedoiira a impor-
tancia de897li9 perlenceute a' fa2eada nacional,
responde-se : que assim seria, se a execoco com-
prehendesse smente aquella parte, ou se fosse
possivel dividir o predio em partes, e delta tirar
uma para se fazer o leilo, se o requerenle, que
reprsenla tres berdeirus, tosse somonte dono da
parte de Hyp diio. Portaoio queira o annunciaole
apresenlar os fnudimeolos que leve para tal an-
nuncio, al odia 25 do co reote, se que os lem.
Antonio Bezerra Cavalcanti de A buquerque
Rogase as autoridades poHciaes e capiles
de campo, lanto desia |iiaga como os d malo, a
appretiensao da escrava B'iiedicta, que est fgi-
da desde o dia 27 de seleinbro, com os siguaes se-
guinles : cor fula, rosto compndo e muilo tino,
le-ta laiga, pouco cabello e muilo pegado que faz
abenas pelo casco, Ma, nadegas em inadas, beico
minio preto que parece ser calor deligido, espa-
duas largas, levou vestido de dula rxa velho,
ramiza de algod&otlobo, cuales de merm velho,
de suppr que ja tenha mudado de roupa, fuma
mnitn cachimbo, minio beberrona, cosiuma ven-
d r agua por esta eidade : quem a peg.r leve ao
passeio publico, Joja n. 5, .que sera recompensado.
A' ROA DO CRESPO -N. 83 E CASAS
0 abaixoassignadovendeu nos seus muito feb-
les bilhetes garantidos da lotera que seacaboo
le AXlrahlr, a benelicio das familias dos volunta-
os -egiintes premios :
Um inleiro u. 1I2U com a surte de 6:0004.
Din- quintos n. 2893 com a serte de 1:2004
Un meio n. 3389 com 1 sirte de 50UJU0.
E "liras maltas surtes de I00J. 405, 205 e
105000.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descoMo das leisnaCa-a
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 4" parte da '' lo-
tera (40') benelicio da Santa Casa da Miseri-
I cordia, que se exirahir qoarta fera 29 do cor- reiro
I reute.
Quiuta-feira 30 do correte.
i PRECO.
Bilhetes .... 65000
Meios. 35000
Quintos.....15200
Para as pessoas que compraren) de 100,?00b
para cima.
Bilhetes.....55500
Meios......25730
Quintos.....15100
Manoel Martins Fiuza.
Jo3o da Silva Ramos, medico, me- .'
dico pela universidad de oimbra,
d consultas em sua casa di-. 9 as -
M horas da manha. e das as C
da tarde. Visita os doentes cm suas...
casas regularmente as horas pao
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, i]ne serao soccorridos ern
qualquer nccasiSo. Dconsoltas aos
podres que o procuraren) no hos-
pital Pedro H, aonde encontrado
diariamente das G s 8 hora- da
1 manha,
Tem sua casa do sade regolar-
* mente montada para reccberqual-
' quer doente, anda mesmn os alie-
I nados, para o que t^m commodos
\ aproj-riadns o nella pratiea qualquer
' opperacSo cirurgica.
i Para a casa de sade.
Primeira classe. .35000 diarios.
i Segunda dita... 3500
Terceira ^ta .2o00
, Este esiabe'ecimento j hem
i acreditado pelos bons servpus que
i tem prestado.
I 0 propnelario espera que elle
. cominue a merecer aconuaoca de
[que sempre tem gozado.
K TCA R URuCAltl
aa
E. 2\ ce vir. *.
Ra aria aa .:.
tem' dios ile Ra
Pr 'i 11" all M.
Pilotas r. ::u' idora*.
R Z il:llV, .
r.
An.-,-. hnil 1.
Salsa .! Bri:
Reme>Ii< s ile Ke|
!l.

Pilll a-~ii r
Aan 1 0 iida.
I'a-!i!ii.i- v.-r:i.;''. I '
Chegados pelo aMrie n-m. violo da aiie
r. I.KOt
O- Sr-. -. 1 i 1 Sati d M '' M"! F*r-
h iti l d .'. p .1 I I n 'I B -e a re-
!> r 1 o : currei tti r-
'. _____________________________
_ preeisa-se 1 ir.
|!.n |i 11 qi --i 11 ntnia '.' .n
ui'-iri) and o da -1 '> >*na N

Pr
nd
la, appar
' inr-i'ii
i-a- ; 'i :i 1::. I Ira-deiro pira
1 >h 'roa, sendo in
r.i na rua u --i
iiIj 11 1. -. :'.>.
1

O Sr. Auloi o
queira apoa'eter na
S ; .
ateca, ma de
hO.STMh '
'.' 11
llW" i'll
Crespa n. 2, pira n wi 1 I a tal f
_ Aloca s- 11 n -iii-i na estaa4< d- J 4a 4- B r-
ros, eom i pian -. -1 n->. 1
baria, e maltas r-jrrj ; ,- nci. 1 ma
Dreia n. 3. I* andar.
Precisa-se de urna ama lire ou captiva para
casa de familia : na rua do Rangel n. 8, deposito
iNa fabrica de charutos e cigarros da rua de
Hortas h. 1, precisa-se de nm menino paracai-
xeiro._______________________________
Aluga-se uma casa na Bua-viagein, muilo
fresc e commoda, e perto do banho salgado : quem
precisar dirija sea rqa de Apollo n. 32, ou ao es-
criptorio do Dr. Fonaeea.
4VI fl
A m
Precisarse de urna ama que suba
na rua do Trapiche n. 36, 2o auUr.
engommar
Francisco Antonio CnreJa Uir.lo*a faz hoje
o quano paga'neuli a seus crelires, de conformi-
rtade eom a sua concrdala.
Aluga-se umi ca<* larra no pleo da ma-
triz de Santo Antonio n I'*, e un segund andar
na rua do Rnano d ll-n V"i na ruadas Crines n. 9, Io andar.
A quem interessar possa previne pelo presente
um dos interessados, que o leilo annunciado pelo
agente Pinto para o da 2o do corrente, de uma
casa terrea com sitio p-i Poco da Panella, perten-
cenle aos herdeiros dt| D. Virginia Candida de Fi-
gueiredo, nao pode eoinprehender toda a proprle-
dade, por quauo iratando-se de execuijao para pa-
gamenio do sello nacional, na importancia de
S975349, para o qu- fui dada a Bypollo da Silva,
bem como para seu qinhao e cu-tas de inventa-
rio, uma parte em dito predio, na importancia de
3:8635345, sunViente o ir a anea, para isso a
parle dada ao me-md Nypohto, e uesse sentido
pende reclamaco anta ojuizo da fazeoda
Aluga-se uma clsa em bom estado e para
pouca familia, na rua do Jasmtm na Bo--Vrsta n.
4 : a tratar na rua da Viracao n. 39.
Ama vara casa
Precisa-se alugar u na ama para todo servido de
uma casa : na neceo das Boias n. 2, primeiro
anaar.
Perdeu se em a
rente, desde a rua da
peratriz, um embrulh
do um de conlas de
1
L
Contrata-se mas 3,-iOl)
roadeiras de qnalidades para n camiuho de
ferro de Apipuciis : quem pretender o.m-
pareca a rua do Imperador n. 5Sf, segundo
ailar,
Precisa se de um oficial de cabellei-
na rua N Alugasea casa terrea 0. 39, ,i rua da
rjniau: quem pretende-la dinja-sa ao Sr.
j5o Bernardo do Reg, era seu armaz-m
.1,, fa endas a rua Nova n. 21.
Aluga-se U_W. escrava para comprar e cozi-
nhar era casa de pouca familia ou hornera solleiro:
quera precisar dirija se em Santo Amaro, sobrado
junto ao cemiierio iuglez.
Casa de bauhos
I^iis* do Caritio 11. 20.
Este tsiaheleeimento lao bem montado
na sua origem achava se de lia muilo em
quasi c.tupelo adaudono pelo pouco in-
"S tere-se de sua administracao.
^ Hoje que o novo pioprieiario empregou
iR todos os meios para re-labeler a grande
utllidade desle estabelecimento, pode as-
til segor*r ao publico que qualquer que seja
H o numero do- concurrentes acharo des-
Vj de ja promptido e acrionosbanhos fn.-is,
. mornos ou medicinaes, a. casa dos ba-
B& nbos se achara' abena lodos os das das
'3 6 horas da manha as 11 da noite.
_5 Precos.
H Banho de choque......... 500
v*f Dito (rio ou morno........ 500
S Dilo de farello...........15000
Dito medicinal sera' segun-
:'ji? do sua quadade.
A-signatura.
j Por mez banbe trio uO momo.
gi 25 cariOes para banho fri,
S morno ou de chuvisco.....
12 candes para os mesmos...
* i2 ditos para banho de farello.
O ali.lx 1 aigna I-. a I .: i- MU i
cilade. l-iido no Diana de !>] ~*i :*
geiros que -eguiraui BO '-.. ir ', '. |
|. r: 1-do norl-, 'lepa'f/0 cu n :- d !> lu-
ist'i IVreira aa Silva, pal i-->
clarar que nao 0 h Ka a--i.-n id 1
que se ira a, e qoe cunlind
O e\--rcirii de sua |w
vembro de 1865.
j... i,.!.-!,i'- ... '1 -
.1 rendir ne-1.1 1 la 1
lufssi 1. ll-'-if-- 21 le a>
m
M
II
m
Mu di a 10 d.i curi.-ne hw*i 1..1' "''
nome Vicem-ia, r"pr-..11 :W 1 1 'i1'.
rosto redon lo, nariz nmUu mal Mi i.-nli
finas, e ps gran I- : caja : r 1. *
Bel 'Tos, e fii cnii|iMla ao S'. Od'i faf M -s
auioridades de fra da rideda ajes ai aaafeaaAMI e
levem a ma Direiii n. '-". -ohrad .
y- D. Seh irinbi BaraaBM dn K-: .nta .*anl.>
alaga por preeo enea nd*, dereaeee awayejta
fe.-ta. o seu -il'io na .-sirali I!- b ritM- : a traur
na rua do Sol. -obrad n ivo em que n\Y>rou le-
nen'e-coronel Seha-lio Lo.-.
Precisase alogir urna aun para ciinhar e
engommar para uma >a-.\ rflaraap< r. de p- |U-m
familia : a irlar na roa X va o 511, I-ja.________
Precisa s- de ora narfavu f>" s-rvien pa-
sado de um hnlel e nm cread : no n -le li iiaao*
rua do Trapiche n. 5._____________________
Quem precisar de um rrtada i
nheiro para o servico diana de umi
se a rua da Concordia n. 33.
II d- UM '-li-
ras < '. dirija-
Ama
m
m
105
105
55
105
Precisase de uma ama para ciraprar ecui-
nhar : na rua do Imperador n. ">7.______
A nif-sa regedora da innaudal- >|eX--
Senhora do Terco convida a s^u- anadoa ex juiz>s,
ex secretar i's ex Ihesee reir' para aa*ee-
rem em nosso eoiai^lorte deirnng 26 do SMe,
pela* 11 horas da manha, afira le havrr avrsa ron-
juma. __________________
frecisa-se de nina ama que r.innli* para ra-
sa de pequea familia : na rua d Qummato n. 17
segundo andar.
Precisa-se de om amansad >r. na padaria era
Santo Amaro, atraz da fondica d Sr. Siarr.
Offerece-se non senhora par. ama uV r*sa
de pouca familia para osurvig inierno de on:
casa : qnem pr- ei-ar dirija se ao lere. da Can-
: boa do Carmo n. 2.
noite de 21 para 22 do cor-
Assuinpco at a rua da Im-
i coulendo tres, rosarios, sen-
o e duas coroas pequeuas,
sendo urna de. marfinl : quem ae.hon, pode levar
a rua dos Acouguinhlis n. 9, que se dar recom-
pen-a. on antin anmj'i-'ie para ser procurado.
111
Por nao se saber
mmmk
Para a ceostrocco de machinas
DE
ALBERTSOX K IMII'f.l.ANN
Nt-w London, Cormeclieur, Esia-
dos-Unidos
Solicilam pedidos de descarocadores de algodo,
adoptados ao alaodo sul-ameriiano. Hao-se de-
dicado a es e negocio durante 25 annos, e atiende-
rao immediaiaraenle a correspondencia que se Ibes
dirigir._______________________________
do
d
SDeiitista de Pernambuco.
Kna estrella lo Rosana n. 3, |
ae p da igreja
Jfiuncisco pintj 0Z0B10
m
icao.
bnde reside actualmente, roga-
Crnne,
Survete de reme hoje ao ineio dia : na rua do
Trapicho n. 18.
se ao Sr. Ernesto Bolelho de Aodrade que mande \ 'J
pagar a sna letra Ja vencida de 2715. pudendo di- *
ngir se para esse t n ao quartel do Hj?picio.__
Jos de Pinl
mente a sociedade
ft Soares, tioha coi
cao do activo e pa
que de hoje em di:
Quem estive
engenho, falle aa i

iII Fft\/FI
o Borges dissolveu amigavel-
pie, sol a ftrraa social Borges
i Agosiinho Jos Soares oa bo
liea sita na praca ta Boa-Vi-ta n. 24, comprando|
a meiaco deste, e Hcaodo eacarregado da bqnida-
wivu do dilo e-labelecimeulo,
nle Ihe fl'-a perlencndo.
C*lloca dcuics arliflfinm
peloai }>tcs_a iuali_i;-
Emprega lodos os meios scieniificos para
conservar us natur.ies. Pode ser prurara-
_| do em eu alnete das 9 huas-da ma-
jg uhaa as 5 da larde. |^
_2 MMMWm SS39B _
AtteHCftw
Preci-jrfelde um c.uxeiro para h-teqnim e eat
OU,i para lale-eTia : as Ciato Pi.nlas n. 93.
martimos e terrestres g i Ma$t.be ra.a n. 6 rB< iu> Pvaarve
estabelecida no Rio de Jaueiro. ; n(lS c,,^nS, nm tmi estad.* d cueart e aee:
agentbs bm PKHNXMBUC0 W a tralar na rua do Baiigel n. 36. -rgnnd andar.
Antonio Luii de Oliveira tzeTedo C ^: Preeisa-se alafsr uma peta uplifi de aflaa-
competenleraente autonsados pela dlree-^ i .1(1| ,.l,ni)u,|8< l(ne seja boa erinaMaira, e qo se*-
toria da companhia de seguros Fideliiia- ^ ,,., flJpr ,.umi,ras : na rua do Pilar o- 6. s.fcraea
de.tomatn seguros de navios, mercado- L.,|Carnado.
rase predios no seu escriptorio raa da | --.
mmmmwmm wmrn'
Da ^e bolos de vendagm as 10 ineas
dia, e paga se a tnsto por pataca : na botica
patee1 do Carmo se dir.
*m&# mmmmmm :c# m
Companhia fidelidade de seguros 3
Crui

habilitado a ser fetor de um
ua larga do Rosario a. 2?.
Preelsa se alugar um primeiro andar no
bairro de Sanio Antonio at 23*. mensaes.: a tra-
tar na rua de Santa Rila, casa, aecexa. a igreja.
O ahaiX" assigi.a n*> otel-nd '< l< "
pes-o:.miente I- os aipfns ;
sua viagem u faz pelo pfesewl
de>ia praca como do centro.
vembro de 1865-
Hygini Firmo das C-fa.
Rerifi
21
o' kfaj
de >v
Ir


Diarlo 4 k*crnaBWuco Sexta fetarC-I de X'..vemibro de t**.
DE
DE
J. VIGNES.
%. 55. RIJA DO IHPEIMDOR 55.
Os pianos desta antiga aferica sao hoje asss couhecidos para que seja necessano insistir 3bre a
toa superioridade, vantugens e garanas que offerecem aos compradores, qualidades estas ioccmtesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-"
suindo ura teclado e macoinismo que obedecera todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
aonca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feko ltimamente melhoramentos importau-
ssimos para o clima deste paiz ; quaoto s vozes, sao melodiosas ensatadas, e por sso muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazemse conforme asencommeodas, tanto nesli fabrica como a do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de i. Yigoes, m cuja capital foram sempre premiados em todas as esposases.
No mesmo estabeleciment se achara sempre um esplendidos variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
preces commodose razoavels.
CONSULTORIO .flEIHMRl'KGIC
D
(lu 4 c!ic:i(3ci nado )
VARELLA-VOZES HA AMERICA
(lu 4 eneadernado.)
Escravo fgido
Ausentou-se da casa de scu seobor ara prete
nacao por nome Maooel, representa ter 40 ana**
pouco mais on menos, eor fula, altura regalar, e
lem seis dedos pm eada nwo : quem o pegar'le-
ve-o a ra do Trapiche n. 36, segundo and.r.oo a
ra do Brum n. 70, armazem,' que sefa ben re-
compensado.
rijitfi
rurtaram da estrada de Joo d* narros doos c-
vanos castanhos, sendo nm castrado, cora o reo
de um dos ps Iraseiros rachado, rujo eavallo fui
do esquadro de cavallaria ; o outro i iateiro teai
um pe aberto, e nma piuu branca no lagar da
sella : quem os apprehender e levar a armazem
da bola amarella, no oilao da secretaria de polici
sera' generosamente reco,pensado,
OTerpce-se urna ama de boas costantes para
cozmhar e engoramar : na roa Augusta o. 100.
POEKI.4.
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, P1RTEIKO K OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundfio 3
0 Or. Lobo Moscos d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 4 i
aoras da manhao, edas 6 e meia s 8 horas da noite, excepc.3o dos dias santificados. S'es Uai-ccos!7\l
Pharmacia especial iiomeopathica
No.mesmo consultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos-avulsos. assim como unturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguales; |
Carteiras de 12 tubos grandes. I2|5Q00
de 24 tubos grandes. .80000
de 36 tubos grandes. 24,5000
de 48 tudos grandes. 305000
de 60 tubos grandes. 350000

Paes de Andrade (M. C.) Flores Paludas, in 4 broch.
Flores Singellas, In 4 en-
cadernado.
Vietra de S -Saudades, in-8 broch.
Pinto Colho Trovas Mineiras, in 8 broch.
A Assumpco Poema, in eneadernado.
Burros (us)Poema, iu 32 ene.
Canforpor Gonc^ilves Dias, in 8 ene.
CaramurttPoema JSpico, in 8 ene.
in 8 ene.
eoc.
Mitinas Inspiracoes poesas, A. M. dos Res, 1 in
4 ene.
Novas Poesas de Francisco Xavier de Novaos, in
4 ene.
Obras de M. A. Alvares de Azevedo, 3 in frene.
Obras de Fihnto Elysio, i i in 4 ene.
Obra de Gil Vicente,1 in 12 ene.
Obras de M. I. da Silva Alt arenga, 2 in 8 ene.
Pacolilha potica, in 8 ene.
Parnaso BrasUeiro, 9 in 8 ene.
! Parnaso Lusitano, 6 in 12 ene.
OBRA DIVERSAS.
0BJ1GTOS PARA ESCRIPTORIO.
0OMP1AS.
A Gonstituinteperante a historia, por F. J. M. t. de Pennas, canelas, lapis, tinta, etc.
Mello. Prensas para, copiar com todos os pertences.
Barbe-Curso Elementar de Pilosoprvia, Pans 1865,: LlWW em branco, etc.
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios poesas de Amerie Eiyseo, i n 8 e-
que 6e pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca I#000.
Sendo para cima de 12 tostarlo os precos eslabelecidos para as earteiras.
Ha tubos mais pequeos eada um a 500 ris.
LITROS.
A melbor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
doos grandes voluntes com diccionario............ 20<$000
Medicina domestica do Dr. Heritig........... 10SOf>0
Repertorio do Dr. Melt" Moraes............ 65000
Diccionario de termos de medicina........... 3000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e doradores: ha tudo do melbor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservarlo, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portanto a maior
energa e cerieza em seus effeitos.
Casa de saude para, escravos
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operago, p ra o que o annuncianle julga-se sufficientemente habilitado.
O iratimento o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qje podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doenles.
Paga-se 23 por dia durante 60.dias e d'ahi em diante 1S500.
Asoperaces ser-; previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
Poesas e Cantos de A. Gama, i in 4 ene.
Poesas Completas de B. J. da Silva utmaraes, 1
n 4 ene.
-'iu 8.
Bomchardat -Manuel de malire medcale, 2 in 8.
Formulaire magistral, in 8.
ChernooizFormulario, iu 8.
Flamiaarionles mondes I naginaires. in 4, 186o.
DufauMlhnde a'observation, in 4, 1866.
Vuilloi -leGnpier Ilalien, iu 4 br.
Mullerhisioire de la liltralure grecque, 2 in 4,
1865, etc., ele.
OBJECTO RELIGIOSOS.
Estampa* religiosas em fumo e coloridas.
Imagens de Sanios colorios, dourados, etc.
Colleccao de estampas vu sacha.
Rosarios e Crucifijos de marrim lavrado, ect.
Manuaes de Missa ricamente encadernados de mar-
(im, velludo, etc., etc.
OB4ECTOS PARA DESECHO.
Papis de todas as qualidades.
Caicas de Untas finaspmceis.
Estojas de mathematica.
Lapis, cragons pelo e de cor.
Obras dos prinapaes poetas brasileos, porlugue- B**amfm rotondas, etc.
zes, francezes, etc., etc., etc. nt ? r B w a
PR1ME1RAS LETRAS
C. Adler'sNorma para escripia.
Carstairs e Butterworthexemplos de escripia
gleza.
GalvoSyllabario Portuguez.
Modo melhodo de ensingr a ler e escrever por A. Ditos para parlicipagao de casamento.
Freir da Silva, etc., etc. Enveloppes de renda para os ditos, etc.
MAPPAS GEOGRAPHICOS.
Globos terrestres, ele.
STEREOSCOPOS.
Vistas para os mesmos.
Colleccoes de photogra|ihias, etc.
ESTATUAS DE BROME.
Tinleiros de bronze.
Posos para papis.
K-tojos do toilette.
Pastas, etc
1.1 VltO* BE 1,1'*O.
Com eslampas finas e ricas encadernacoes, pro-
priospara presentes.
RETRATOS DOS ACADMICOS VOLUN-
TARIOS DA PATRIA.
Silvino Guilherme de Barro> compra e ten-
de eflectivamente escravos de ambos os exos a
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Comprase ouro, prau e pedras preciosas,
em obras velhas : na ra da Cadea do Recife
cja de ourives no arco da Conceicao.
Comprase carosso (sement) de alodo o
armaiem de algodao de Saunders Brothers C
no caes de Apollo.
con.pra-se na praca da la
Ouro r praia.
Em obras velhas : con.pra-se na
dependencio n. ti, loja de bilhetes.
Compram-fe efTeclivamente boliias e aarra-
fas vasias, paga-se a 50 rs. : na roa da Aurora .
/i, taberua.
Compra se nm jofo rte pedras mSSm para
moer milho, por aiafona : na roa do Coiovelio d
2o, ou aonuucie.
nn"^^".mpra Se Dm piano de wmario, osado :
Assignaturas para jornaes da Europa. il'm Uver anounae._________________
Jornal das Familias. Compra-se um cylindro eom os tambores d
Rauta Jurdica. pao, estando em bom estado : quem o ti*r anoon-
Archivo Luterano,etc.
Papel de peso, almasso, greve, II >rette, etc.
Papis de cor e brancos de marca giando
quena.
Enveloppes de todas as qualidades.
Cartoes de visita.
e pe-
FOLIHNHAS PARA 0 ANNO DE 4866.
ALMANAK. LUSO-BRASILEIRO PARA 0
ANNO DE 4866.
Livros de lembranr>s para o auno
de I Mili
BALOES LANTERNAS DE PAPEL DE COR
! PARA ILLUMINACOES.
ce por essa folha.
VENDAS.
TINTUR
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidadao em un
Goveroo Representativo oa principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pmheiro
Ferreira, em 3 vulumes broxurados por 3
cada obra : na livraria n. 8 da pnp da
Independ ncia.
AO (.SILMIE 8. JhlRICI.
Processos aperfeicoados para tingir, limpar e lustrar a vapor
F. A. s i>i\^iu: : c.
29, ra 7 de setembro, 29, defronlc a ra Nova do Ouvidor
\ ende-se urna prela que cosinha, lava e en-
gomma a rasa j da venda se dir ao comprador
no caes do Hamos n. :i casa das rotulas
pintar.
por
Vtudem-se pniras irnperur-, a r-taoo
de serem transplanladas: no sitio r,.orado a e-
querda, dejnis.do becco do Espinheiro. nos Af-
ilelos
=3
Vende-< urna escrava moca e con hifciH
MH : ao ra do Imperaijor n. tJ.
Companliia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRET DE ii DE DEZEMBRO DE 4859
lina anca em dinheir-, depositado dos cofres do estado, garante a boa ad-
ninistrace da coiupanhia.
Os proprietarios d'este estabelecimenlo, o primeiro no seu genero no Brasil, por trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para na ra estrcifa do Rosario n 17 7m!m
tingir e lustrar de que se faz uso na Europa, e ajudados, por alguns dos melhores oQltiaes de Pars e Lyo, podem assegurar seus freguezes T-----.------------:--------!_-'_ .- :___
urna perfeicao de Irabalho a qual seno pode chegar pelos processos ordinarios. IlTltaCO HOS l)lllmnPr nnfri
TiDgera, lavam, limpam e demofara com a maior pereicao e brevidade, qualquer qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam a secco, Y"v vsvo puiuiuc. U11(<1-
sem molhar, as sedas e as vestimentas de senboras e de homens.
BANQUE1H0S DA COMPANUIA
O Banco de Bespanha
DIRECCO GERAL
.ttadirid : Ra do l'rado n. IO
Estacompanhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos segu-
ros sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripcao de maneira que em nenhum caso mesmo por morle do
segurado se perca o capital nem os juros correspoudentes a estes.
S,io to saprehndanles os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACO-
NAL,qoe ainda mesmo diminaindo ama terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
ces ecombinando-o com .1 luortalrlade da tabella de Depareieux que i: adoptada pela companhia
para seosealeulose liquidacoes, em segurados de idade de3a!9annos, urna imposicaoannua.
de 100J produz em effectivo metlico:
No fnn de 5 annos.......1:1195300
de 10 ...'.... 3:9425600
de lo........11:2083200
* de 20 .....". 30:2ii6000
de 2o -......80:3313000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospect is e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Jc-aquim Fiuza de Oliveira, ruadaCadeia n. 52, ou a Roa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabeleci-
| ment dos Srs. Raymuudo, Carlos.Leile & Irmo.
RA 00 BHU^i W. 38.
Altendemlo as numerosas ociasies em que tem succedido aos senliores de en
genho o perderem grande parle de snas safras por infeiicida tes imprevistas que os
deixam sem maio de comp etar as suas moagns; como mortes de aninaes de roda, ar-
rombamentos de agudas, levadas et;., o proprict irio desta fabrica lembra aos ditos se-
nbo es a conveniencia, nestes casos, de fazer collocar urna machina de vapor, por isso
nao s aproveitando a sufra existente e providenciando contra a reincide cia de taes
aconteciment s, mas tambem introduzindo na sua industria um reconliecido melhora-
mento.
Portanto annnncia que est prompto a garantir o assentamento das suas espe-
ciaes e mui acreditadas machinas de vapor, em estado de funccionarem urna semana de-
pois da chegada das peras no engenho. Estas mtchinas podem ser applicadas a moen-
das e meia-moendas j existentes ou pode se mandar com ellas raoendas novas a vontade
do C'impndor. Ellas tem tanques ou depsitos d'agua e boeiros, todos de ferro, e nao
pre.isam p ra seu assentamento de obra algutna, quer de carapina, quer ile alvenaria.
Estas mtchinas de vapor sao construidas especialmente para facilitar a condc-
elo, em provadequ j se achau assentadasem lugares onde se j algo a at ento difli-!
cimo ou irnpossivel fa/.e-las carregar.
No caso <\e desmmtelarem-se as rodas d'agua, ha sempre prompto, rodas de.
ferro que se assentam no mnimo tempo.
Nesta fabrica se acha todo e qualquer objecto de que possa precisar um engenho.
MA GRANDf DESCOBERTA
MEDNLHI
OE
I0NRA
As propiedades medcaos do oteo de figado de bacalao forSo unni-
memente reconhecidas. Mas seo ebeiro e seo sabor tao desagradavtis
tomo o uso d'elle muitr.s vezes irnpossivel, mesmo aos eslomagios
os mais robustos e aos mais coiulcscentes.
Por isso a descoberta Ho Snr. Chbvribr que lhe permettio Ac
desinfectar inteiramente o oleo de ligado de bacalhao sem alterar su&s
propriedades tem sido um dos mais felizes problemas resolvidos pea
therapeutica moderna. I
O oleo de figado de bacalhao desinfectado de ChevrieK
com um cheiro agradavel c um sabor assucarado, o nico que nao
tem nem goslo nem clieiro de peixe.
Objecto de numerosos relatnos scientificos elle goza em Franela
de urna fama bem merecida, c reccitado por todos os mdicos eih
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto 6 as : ;
I
as, tosse, escarns de
sangue, crupo ou garro
tilho, catarro, rouqniclo
e todas as innumeravei nn.l.sii;is que affec-
lo aos orgSos da respiraco
i*a:su'Piui;i i.h
ediante a acro da balsmica e tnoflNi
Molentius rri'oruluiia,
llarhitiitmo,
Oboirucrao das glandes,
Tlaira pulmonar,
MoleNtlas da pclle,
Coaallluicao Ivinphatira,
Anemia, dchllldade, traque,
Murcia,
Pobreza da aangiie,
Lafairanienlo por exeeaaa d
traballio on de praserea,
Molt-Htina doa bronehlaa recen
tes on cbronlcaa,
Toases perlinaaes,
Gastrltcs, gastrnlglaa,
Uores de eatomaa;*.
Elle convem a todas as compleicoes e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorr
para a alimentario das enancas (Yacas e doenles
Um folleto accompanha cada vidro e contem as observacoes medicaes.
Deposito em Pariz, na pharmacia de Chevrier, e em todas ais boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
O Oleo de figado de bacalnuu ut-sinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o meihor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a aeco Uto efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vas digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfirn perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipaco.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparacoes ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quemes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chbvribr, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
sejado ; julgamos intil de os enumerar.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruk n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
AMA
Precisa-se o urna ama para cozinhar e comprar
para casa de pouca familia : na ra da (Concordia
d. li, sobrado do armazem do sol.
O hachare!
SU Francisco Aapsto da Costa
ADVOGADO
g Ra do Imperador numero 69.
Precisase da quantia de 3005 por espaco
de .'J mezes d-se por garanta em urna casa : a
pessoa que queira dar annuncie para ser procu-
rada.
Aloga.se o terceiro andar da casa n. 88 da
ra da Imperatriz, e o sitio n. 1 da entrada do Ar-
raial : no ra da Aurora n. 36,
A ma de, leite.
Preci=a-se de urna ama de leite : na ra do Im-
perador n. 42, terceiro aud3r.
Alugam-se tres casas n povoago do
Monteiro a margem do rio, com muitos
bous cominodos e em muito bom estado
de limpiza : ^tratar na ra do Crespo n.
20, esquina, cujo preco -de alugnel ra-
zoavel.
Na ra do Imperador n. 46, armazem, preci-
sa-se de nma ama para cozmbare engommar.
Notas do banco do Brasil e das caixas filiaes
dcsconum-se na travessa das Cruzes n. 8.
mmm mmmmm m
Jf O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
I tos contina a morar na ra do Impera-
W dor o. 17, segundo andar, tendo alias seu
j$i gabinete de consullas medicas, logo ao
K entrar, no pruneiro.
O mesmo doulor, que se tem dado ao
5 estudo lano das operaedes como das mo-
w lestias internas, presta se a qualquer cha-
k mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.
Cozinhero
Precisa-se de um bam cozioheiro e um copeiro,
no hotel Trovador, ra larga do Rosario n. 44,
paga so bem.
Em casa de Theod Christiansen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agenle no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaux, encontrase ef-
feciivarnente deposito dos arligos seguintes :
St. Julien.
St. Fierre.
La rose.
Chateau Loville.
Chaleau Margaux.
Graad vin Chateau Lafilte 1858.
Chaleau Lafilte.
Han! SautTiies.
Chalean Sauternes.
Chateau Lataur Blaoche.
Chat'-au Yquem.
Cogoac ai tres qualidades.
Azeile doce. Precos de Bordeaur.
m 0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
gg na a residir na ra da Cruz n. 53,
i 4o e 2o andar, onde pode ser procu-
| rado para o exercicio de sua profls-
E sao medica, e com especialidade
SI sobre q seguinte
SI 4o molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orgaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comegando o trabalbo pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 4 0 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
do que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
FABRICA A VAJPOlt
Meia
Urna libra.
Urna
Samuel Power JohnstoD & Companhia
Ruada >enzalaNova n. 4.
AGENCIA OA
Fuadi;o de i.ow Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios d carro para nm e dous cavallos.
Relogios de o:iro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar aigodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Aviso.
Clara Maria da Conceigo Silva, parteira exa
minada, mudon sedo paleo do S. Pedro n. 8 para
a ra de Hortas, sobrado n. 130.____________
Precisa-se de dous trabahadores para pada-1 de-ua.a casa de pouca familia;
ria : na ra larga do osario n. 16. Jdo'CurjieSanto n. 17.
99 RA DO UONOEGO 99
Dcpositj na na Xova n. 5o ija de relojociro.
O dono deste stabelecimento parlecipa ao respcitavel publico que sua fabrica
est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e que pode fabricar
com melbor.perfeico possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e puro,
o que nao se pode ene Mitrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco baixo,
visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PREQO.
PEfTORAL de fcMP.
a anacaluiila mexicana que d o mm,
pecial este incomparau'l rt-meilin, c urna
arvore, cuja madeira pir mmto lenq.n se
ha usado no Tampico para a cura das ^n-
fermidados cima BacioMM. Pti tan>-
bem oiisaiada e approvada p-la academia
medica de Berta 0 peitoral de kemp
um xarope delicioso inteiramente vrede
opio, acido bydrocyanico e oulros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors A Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os etabeleci-
mentos pharuiaceuticos do imperio.
Deposito geral em Pernanibm-o rna da
Crnz a.tl em casa de Caros dr Barbn
ATTEttCAO
\ ende-se as oleras de Jos Carneir da Cunha'
em frente ao hospital Pedro II, e na rna m Pra-
zeres n. 38, lelha sup ri >r d- harro ajina *w a
30$ o milneiro, alve tafia batida 303, < Uril
a 26*000.
Vende s.' nm.i negrinbi d.- id.idj ti H aa
nos : a tratar tu ra da Im, er Si'U'iros e corri-eiros
PEniINCHO
Sola de lustre em perfeiio estado,
meio...........20J000
i-Kna Plrelta45
riMiA.
Vndese urna pula el-rinca para galvaoismo,
por commodo pr^co; na roa de Sania Hita n. 15.
Vende-se urna um lerrea Ma na ra 4o
Nacenle, freguezia de S. Jos n. 34. rh.ios prfos
e bastantes commodos : na ra da Praia I.* andar
n.47.
Vende-se orna casa lerrea sita na rna 4a Glo-
ria o. 81, freguezia da Boa-Vista, rhaos pruprk,
com commodo para una pequea (anilia : na rna
da Praia l. andar o. 47.
Vndese a fabrica de charutos e cigarro*
da ra do Aragao n. M, bem afregeezaJa : a ua-
tar na ra dos Cjelhos n. ij
Na roa do Raogei n 9 vendem-se sacras fav
sios que foram de farinna de trigo.
ibra.
rroba
400
800
19^000
Na mesma fab ii a acaba de se montar urna olcina com serrara a vapor para
obras ele marcineiria prepria para edificio, para o que encarreg -se de fazer portas, ja-
nellas, assoalhos (parqt francez como se usa na Europa,) e armaces, ludo com brevi-
dade e perfeic3o. Tom -se qualquer encoinmenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no I igar.
,/T
Precisa-fe de urna ama para o servico Interno
: a tratar na praca
Caa em Olinda
Aluja se um sobrado ha pomo reedificado na
ra do Amparo da cidade de Olinda : a tratar na
loja do sobrado juoto, tom o Sr. Guilherme Jos
dos Sanios, ou uo Recife, loja n. 43 da ra da Ca-
.deia Velha.
\ova pnlicaeao.
Tabella do veociinenio menal o diario da rom-
panhia dos guardas das alfanOVgas do imperio, se-
guida de laboas do calclo pelo dias ,io wjn : *
veuda na livraria universal, roa do Imp-rador au-
mero 54.
Vende-se
a casa lerrea n. 12, sita na rna do Calaboaeo : a
tratar na ra do Bingel n. 58, 2* andar.
Vende-se nm eserava cabra estiro. sa;>a(eiro
e cozinhero, barato : no collegio di Cmi'-ii;."o eo
Ovillos n. 11 No mesmo eollegio s- alaga nm
grande sitio com mola inicia, banho, ele na Ta-
marineira.
Vende-se aveasa lerrea sita na ra da Per-
oambucanas, na Capnnga Nova, entre a Ineair > o
as casas do Sr. Barlhoiomeu Looreoro, lea bons
commodos para pequea familia e um extenso
quintal com diversos arvoredos : a tratar na roa
do Imperador n. 81.


Diario de ernarabueo Sexta elra 4 de Xovtm
ore de .sa.
PIULAS CATHARTICAS DE AYER.
Estas pilulas vegetaes s3o a
daptadas 'a todos os usos de um
^purgante as familias, pois sao
!perfeilamente innocentes, e em
quanto milhares de pessoas con-
fessam com gralidao que foram
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um s caso em que naja suspei-
tas do mais leve -resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqui alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feltas ltimamente.
Um caso notavel de
AtTegrao ehroniea do ligado.
Illm. Sr-"
Juiz de Fura, 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dra tendo tirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze anuos en-
fermidades do figado e baco, com o uso
das pilulas posso lhe assegurar que estou
bom, po:s tendo desapparecido um grande
engorgitamento que soffria, muitas dores
sobre a regio do figado e costas, dores de
cabe?a, inchacjio do ventre, nSo podendo
detar-me sen5o
Outros objeetos.
Vindos lambem para a amiga loja de
miudezas ra do Queimado d. 16.
Sapatinhos de setim brauco bordados pa-
ra baptisados.
Outros de merino tambem bordados e
igualmente bonitos.
Meias de seda, correspondente do tama-
nho dos sapatinhos.
Outras mui linas de o da Escossia e
brancas listradas.
Luvas Gnas de fio da Escossia brancas 'e
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senboras e meninas.
Peptes de tartaruga mui fortes para des-
etubracar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulbas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Gaixinhas com alune tes brancos e pretos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos.
Caixas com linbas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de borracha preto, redondo.
Bonitas ttvellas grandes de ac,
douradas, madreperola e tar-
Grande loja e armazem do
Pavo.
4Gl]I4BR4l\CA
nado d. 8.
Eua do Uuei
A loja da guia biaDca
novo e grande sortimento de
caba de rectber um
differentes objectos
Ra da Iniperatriz d. 60. de Gama & Silva.
Teudo os proprietartos d'este estabelecimento de
liquidaren! una grande porgo 'de snas fazendas, p
at ao (ui do crreme anuo, aBm de fecharen! cou- de go.-io e ultima moda, sendo
las e apurar dioheiro, resolvern! vender lodas as | botillos enfeiies para ser horas gostos
fazendas com grande abatimcnio em presos, laiilu K~M.li. a^Vj?.
em porgo cerno a retalho, e por isso previnem a
todos os seus freguezes, e ao rcspeilavel publico, e
as pessoas que negocian em pequea escalla com
ioleira-
onias graudes.
Ditos ditos de grade com
Lindas Qvelas grandes par cintos com molde?
agradaveis e diversas qtMljfede?, madreperola
fazendas, que neste eslabeh cimento encontrarlo tai taruga, ago e douradas.
um grande sortimento que muilo lhes ho de igra-
dar tanto em precos como em quadadc; as.-im
cuino mandam pelos seus raixeirs levar as fazro-
das e amostras as casas das familias que nao po-
derem vir a loja, ou dao as amostras deixando fi-
car penhor.
Cambraias lisas a 36000, la leja do
Pa\o.
Vendem-se pecas de cambraia lisa branca e
transparentes, tendo cito e meia vara cada pega,
pelo barato prego de 35500, ditas muito finas, por
4,5500, 55, 05 aj 105, sendo tapadas e transpa-
rentes, assim como cortes de cambraia com salp-
cos a 25500 : isto s na loja e armazem do Pavo,
na ra da Imperatnz n. 60 de Gama & Silva.
As eamisinbas do Pavo.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
das com manguitos, para senhoras, sendo as mais
modernas que tem vindo ao mercado a 45500, di-
tas com manguitos, para acabar, a 15 ; dilas pre-
tas com manguitos para luto a 15800 rs., roangul
ditas,
avradas
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado lS e eolinhas pretas a 15, tinissimas golinbas de
n. 16, recebeu um bonito sortimento de Soa^^
do UdO direitO. ISSO mes- fivei|as grandes para Cintos, sendo de ac, branca bordadaa'l5600 : na loja do Pavao, ra
mo procurando posico para ter sooego, no-. fjuradas, madreperola e tartaruga, asquaes da imperatriz n.60, de Gama & Silva,
je me acho livre d'sse padecimento; como jl>gt3o seaio vendijas em ^ita loja por pre- Chales de merino 1 20000.
)por aqui ainda as nao naja, eu como tenho'^ commodos assim como boas o bonitas1 Vecdem-se os mais modernos chales do merino
steproprio que de casa, lhe rogo man- fltas &gorgorSo acharna|0tado, pr0prias pa-'SSTSSABSWSStSSSi
dar-me alguns vtdros, e O custodie lhesa-jn dilWfhellas. I Stt TST 8WWJTSSSS S
Boas e bonitas litas achaiDillotadas para
Ditos de dita de grosdenapes lisas e
com novos e agradavus dsenos.
Trancas pretas de seda com vid linos moldes
novos e de gosto.
Biros branco; epntos de seda com vidrilhos e
de differentes larguras e bonitos desechos.
Cascarrilhas de sida rom d 'versas cores e lar-
guras, formas inteiramenle ntaas a iniitago de
pafo, babadinho e outra com juma trausinha no
centro o que Ihes d milita gitana.
Outras estrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito gosto. I
Outras de camtiraia de core.
Botes de seda, velludo e ac para enfeiies de
vestidos.
Trancas de seda estrellas e largas brancas e de
cores para enfeites de vestidos.';
Flores finas
CAPELLAS para MENINAS E NOIVaS.
A agoia branca a ra do Queimado n. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas p.ira noivas.
Ditas ditas para meninas, i
Dilas ditas de caixos de flor de taranja.
Ditas ditas de rosas camelias e outras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Divfrsos ramos de flores finas para peito de
vestidos, enfeiies de chapeos ele, etc.
Preparos para flores.
O gallo canta e
queimandom
est
tisfara, assim bem como do Cliarope de Ocnlos de penetra e de OH tras Pavo, ra da Imperainz n. 60, de Gama & Silva, ca vende-se
cereja, que live occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve urna
preta que cem elle curei, faco uso d'elles
as tosses em minha familia sempre em
bom
qnalldades,
da vista.
para quem soffre
Os dates do l'avau.
Vendem-se rlquissimos sintos de fitas de diver-
&'Iniadft mindpras amado nneimafft;Sas cores edooradoscom 6vela terga e dooraa,
Aiojaae miuaesas arua ao yoeimacoiassm comoeofeiietftn cabe?a aos melhores e
u. ib, tambem receben ocukss de peneira maiS modernos qoe tem vindo ao aereado indo
resultado, e por isso que peco paraj.cam vdros claros e oscuros, para qnem sof-' isto se vende por nm prego razoavet que wuito j Aqulhas e linhas para, Crochet.
mandar algans frasquinhos, e mesmo as pr-
'ulas pode montar aHoze, porque tenho
feito uso d'ellas para use da familia e ar-
gumas pessoas, ia d i ,mt e g Je
resultado; sou btdooroieandeoda
De V. S. aftensgPs.ar
FRANOSCe FERREArERAll
fre da vista, assim como ottros
de ac, sonidos em graos.
Coroas e tercos de cornalina.
A antiga loja de miudezas a' ra do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e tercos decjrnaina, os quaes sto
a disposigao dos bons christaos que es qui-
zerem comprar em ita loja: na raa do
Queimado n. 16.
Esponjas Anas grandes c pe-
queas
Bbtmmatismo e ataques bemorrlieidaes.
Illm. Sr.
"Quro-Preto, 30 c marco de 4-864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellenles, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annosl e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um uvido, pois que al j rKMico oma, e totto%ormSfl Vendo*-'
acompanhado de urna top^^^^^^to^^* que
nltei a am dos nossos mdicos ee9te me ha alamaisl3rga, todas de vivas e agrada-
disse que devta fsxer uso da salsa:; iporem ves cfC. 6 B
lendo eu o almftnack do mesmo doutor, Idem tambem de sarja Lvrada.de bonitos
compre em sua casa um vidrmho das mes-' e novos desenl0S
mas pilulas e por minha costa prmeipiei a, Idem i(jem |jrancas
toma-las, e sem as finalisar scho-me sem as dKies almenlt novos e botofL
dores pelo corpo; e sem sentir, sare do: .1_f^-----s ^-j-*.
ouvido, e
daes : portante sao para nsim as taes pilu- ^i
las as melhores que tenho experimentado ;'
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certe, venerador e brigado,
O brigadeiro
JoAo: RonRiGUES Fk de-Carvalho.
Gaslrile.
Ouro-Prtto, 29 de mareo de 1864.
Atteslo q3 tendo feito uso, -acenselliado
por um amig3, das pilulas do Dr. Ayer,
tiquei perfeitamente bom -de umn gastrite
que soffria e que privava-me de andar aper-
tado, boje felizmente nada sinlo.
Augusto Gollatno de Mello.
de armac~59 ,nes ho de gradar : isto's na loja e armazem
i do pavo na ra da Impe ratrit n. 60, de Gama &
As toalfeas de lintw do Pavo.
Vendem-se superiores toalhas de linho das me-
lhores que tem vindo ao mercado pelo baratissimo
preco de DOOOa duzia, ou 800 rs. cada urna, na
loja e armazem do Pavo, na ra da It&peratriz n.
60, de Gama & Silva.
As saits do Pavo.
Vendem-se as mais finas saias boradas asagu-
Iha brancas sendo da melhor fazenda que tem vin-
do neSte genero, tendo mui a roda, pelo baratissi-
mo prego de 105000; ditas bordadas a croch a
VpndP-> na ma intimado i dft; WOW e 8^000, ditas com babadinhos a 9000, na
venoe-se na ra ao gueimaoa, toja ae ^..,, doiPavo, na ra
OMe imiU(lezas n- 16# 60, de Gama & Silva.
Diversos ol>jectos. ~\ms vestidos do Pavo c 10*000.
A antiga loja-de miudezas na do Quei- Chegaram paradoja do Pavo os mais ricos cor-
dado n. 16, acaba de receber nvsitOS e di- tes de vestidos de cambraia transparente com os
versos Objectos que fazem completar O seu Brais delirados bordados de dilTerenies cores a pon-
to de agulha, seudo n este genero a maior novida-
de que tem viada ao mercado, ^arantindo-se o Ce-
reta multa faz.jnda e enleites sullicientes para o I
corpo e manyas, e vendem-se pelo barato preco de j
lOjgOt 0 cada um, na loja do Pavao, na ra da Im- j
peratriz n. 60, Os espartilhos d-Pavo.
Vendem-se na grande e variado sortimento ds
USaS e KJVraclas, pa-'esparlilhos os mais oemfeitos que tem vindo ao
e bonitos. l-ioereads, sendo de todos os taannos pelo baratls-1
dem degorgurao de seda achamalotada, .simo prego de 4fi, s&, e CO'JO, por haver grande
mesmo dos ataques hemorrhoi-! fc encornadas, para cinto de firellas ',"i."BeP10... oj do Pavao, na ra da imperatriz |
dem de seda preta e de outras cores pa-1 Re^aa pretos a 12*001,-
ra debruarvestidos colletes pali.s, etc. Chejarara Z^t ais ricas re-
dem (fe tea igualmente S0rt;d3S em Coree tondas da rreda pretas, seno das mais com|-rdF
e para OS mesniOS fins. |que tem wiko ao mercado, e vendem-se por prpr
dem de-algndo brancas e diversas OU- muito em cc*>ta : na loja e armazejn do Pavao,
tras cores psra vestidos de chia.
dem de borracha raneas e pretas para
soutemharques. vestidos pretos, ele.
Novas e lindas puarnicoes para enfeitar
soutcmbarqes, vestidos pretos, manteletes,
etc., obras do rnuito gosto e-modernissima.
Tranca de seda com vidrilhes, moldes ne-
vos e mui bonitos.
dem idem de cores tambera de bonitos
moldes e agradaveis cores.
Botes para os mesmos Qns, sendo pre-!;"a'd'a um: ,.a ,oji aTmiir,em d0 pavao, ra da
tos de seda maiores a menores, enfeitades imperatnz n. 60, de Gama Silva.
Bom e baratissimo.
Ra do Crespo ?.
Collares.
Collares anodinos el-ctro magnticas licier para
as crianzas nao morrerem de convulsoes palo ba-
rato pr- eo de 45-
Novidades.
Riquissimas pulsciras ou Ir^celetes pa senho-
ra e pata meDioas a 1.5. i& e '-5, assi m orno lin-
das voitas para peseoQo a ;t.
Enfeites.
Riquissimns enfeite para cabeca cousa de mui-
to g.sio a i;-j00, t,, :5, 1. 5, 0 e 7.
Fivelas.
Riquissimas Bvelas de madre|ierola e de tarta-
ruga, arsim conio pretas.
Cruzes.
Riqu ssimas cruzes douradas porm o melhor
gosto que se podedesejar.
Cascarrilhas.
Bonilas cascarrilhas com biqtiitihos de seda e
aljfar cousa iuteiramenie nova para enfeites de
vestidos.
Binculos.
Bonito soriimento de binculos com superiores
vidros para os amantes do th^atro.
Vendem-se na roa do Queitpado n. 8 loja da Assim como uns pequininos
aguia branca,*ssim como aguljias para tranafhar-1 qoe serve para enfeite de relcgio mais com excel-
se em laa.
Na ra do Queimado n. 8, leja da aguia
voni1a.ru *
Papel de cores para rosas.
Dito verde para faltas.
Dito dito e pardo para cobrir os talos das
Musgo em rama.
Folhas para rosas.
bran-
ditas.
Papel de sobrecellente para os
phosphoros hygienieos ou de
segtivanca.
A vista do grande tamanbo das camnbas dos
phosphoros hygienieos on de seguranca, tortiava-se
pouco o ipape que vem em ditas caixinhas, e para
remediar essa falta a aguia branca mandou vir e
acaba de receber esse especial papel, i u a 1 se
dar de sebrecellente a ^y*m -comprar de taes
phospheros e se vender mdistinctamente a quem
delle precisar. O precode cad^ oaisinha de pbos-
phoro continua a ser 100 rs., e vendem-se na ra
do Queimado a. 8, loja da aguia branca.
Seda frouctm pata bordar.
Veode-se na ra do Queimada loja da aguia
braaca n. 8.
Obras de crystal.
'Brincos de diverses moldes.
Outros tambem de-crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e outras cores.
Aderecos de crystal obra de goso.
Rosetas de ditoe cruzes.
Botos de dito,-brancos e d cores para collete.
Dito de dito tambem brancos e de cores para
punhos.
Voltas de ditoe outras qualidades.
Leques de di> ersas futilidades
Ven^^m-se na ra do Queimado n. 8, loja da
agui' rauca.
:spos forte pava baldt.
lente vidro.
Seslinhas.
Riqnissimas cestiuhas com prepares para me-
ninas de escola trazer no braco, assim como de
vidro enfeiladas proprias para"mimo.
Pentes.
Ripuissimos penic< de borracha com aro bran-
co de metal para menina segurar o cabello pelo
barato precode 500 r.-., e iuia ,8, asim cumo
grande sortimento dt todas as qualidades para de-
sembarazar.
Escoias.
Grande sortimento de escoras oara reupa e pa-
ra cabeRo, paraunhas e para denles.
Lunetas e oculos,
Fmfssimos lunetas de um e dous excellenles vi-'
drus-e aro de bfalo o de tartaruga, assim coreo
oculos com rame dus lades proprio para quem
sofire dos oculos.
Tonqninhas.
"Rkfuissimas toaquinlfi de ri de linho, de se-
da -t de laa para enanca*.
Para o cabello.
A superior agua para atlingir os cabellos, as
barbas brancas e fazer conserva-Ios. os frascos1
I acompanha um rotulo que ensina a forma como [
1 se deve applicar.
Para caspa.
Superior banha sem gordura com um frasco
: com agua propria para llmpar a cabeca, os frascos
i acompanna um follieto que ensina o modo como
| se deve. applicar, assim como agua balsmica,
j opiata e poz para limpar denles.
Banbas.
Falta de ajietite.
Ouro-PreO, i de fevereiro de 1864.
Sendo eu alTectado do figado ka muitos com
Cortes do, casimira, pr chincha,
A.2^800, na loja do pavo.
Vendem-se bonitos editas de casimira de cores,
tendo claras-e escuras, e vetndem se pelo bar'iis-
slino prego de 25800 o corte, ou vende-se a tnes-
ma fazi-ndaa 156U0 o covao, tendo 6 palmo? de
largura :>ista na loja e arnic?eni do l'avo, ra da
Imperatriz-n 00, de Gama; Silva.
Os corles de casimira to Pavo"
Vendem-se superiores eres de casimira, sendo
fazenda niaita fina, pelo baratissimo pceoo do-"~'
Vendem-sena ra do Que.msdo loja da aguia!, Gnnde sortimeniode banhas en. copos, em la-
tas de fuiha-e em tra.-cns de todos os lmannos por
presos menos do nueem outra garle, as.-im como
muiios tuiros objectos que nao se pode mencionar
por bote : s no callo vigilante ra do Crespo nu-
mero 7.
branca n. 8.
Cafretis com retroz.
Na ra no Queimado n.8, loja da aguia branca.
Cromacvme para, Ungir ca
bellos,
A aguia branca avisa aos Constantes fregueses
des
Liquida gao geral
Lourenco Pereira Meude Guimarfies, ra da In-
annos, e ltimamente sofFri falta de apetite,
hoje dou gracas a Deus por acbar-me sao
e perfeito com o uso das .pilulas catharticas
do Dr. Ayer.
A.NTOXO BKNTC "^IIEIIIA.
vidrilhos e pendentes e- ostros de CoMipacao, dores de cabeca.
O uro-Preto, 28 de merco de
864.
Lsnziulias a 280 e 320 rs.
Vendem-se lan/.inhas de qaadnnhos a* imitar0
^v**de vel,ud0 ,arabin desor,i- ^T^X^r%H^^^pTJ^.
idos padrfies f. 320 rs., pichincha: na loja do
dos lmannos.
Laudos de&iis vidros coia are dcico, bfalo
e tartaruga.
A loja de .miudezas, ra do Queimado
n. recelK-u um bello sortimento de lo-
netas e oculo, de vidros com armario una de
Atiesto que achando-me atacado de urna aco> bufa|0 e urturuga, e o est vendendu
'orte constipado que trooee-me dres por^pr^os^oaveis: os pret-ndentes diri-
odo o corpo e na cabeca, soffn Iwrrivel-, iaBMe a.esta~fc~ ja na ra do Queimado n. 16.
mente por espago de qu^tro das; entoi --------q.- ,----------------------^----------
um amigo aconselhou-me que tomasse pi- IllVii Sem SCgUIiuO
lulas catharticas do Dr. Ayer: com ellas fl-; Rna do Qucuaado ns. 49 e 55, loja de
JE? 'r?1!f!??1'.!Slab!e&ido era| miudezas de tres'portas, est qnei-
ires das, de -sorte que estou no lirme pro- K .'
psito de aconselhar o uso das ditas pimas I m**Ao l,i,l bom e bii,alS W*m 1HI-
a todas as pescoas que fureta affectadas de' Mr 1W admirar venhan loja do
constipages. Iiiioi!inlic.
Ago.tinho Josr. da Silva, negociante-de fa- Caixas de papel 3iKizade, e sem ella liso e pautado
tzeedas. a 600 rs.
Grozas de botoes de louga prateados fazenaa mo-
derna a 160 x-s.
Duzias de peona de ac fazenda boa a 40 ifi.
l'tcas de tranca de laa lisas e de todas oresa
40 rs.
Escovas GnissiEas lara limpar denles a 249 e
320 rs.
In i'.;.';fui do eslomaoo.
,Ouro-'Prote., 29 de marro de 864.
Attfctto e juro, se necessario or, que. sof-
frendo ha muito teinpo excessiva irritago
de estoaago, poaco apetite e difficil diges.-;
to, dMa tenho experimentado SQDSUeisi
Pegas de fita de os estrellas cora 10 -varas a
320 rs.
Fraceos e
400 rs.
Fraseos grandes
640 rs.
Caixas com 12 frascos de
15*00.
Sabonetas pequeos de bolla
320 r.
Duzia de sabonetes pequeos com eheiro a 700 rs.
garrafinbas cora gua de Colonia a
com superior agua de Colonia a
ctteiros mnito finos a
a 240 rs. e grandes a
melhorae depots que tenho fcilo uso das,p-,caixas com roldielesrancezes, superiores quali-
lulas cattrarlicas do Dr Ayer. dades a 20 rs.
Ant<*O JJeismogenes Pereira Rosa. T'fieiros de barro, coo-auperior tinta a 100 r.
^____^_^_ Pecas de cordo jiara vestidos, fazenda boa a
Loisbrigas. 20 rs.
Ouro-Pislo, 28 de marco de 1864. Sanlhos muito finos jaca vollarete a 200 o
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo- um, snperior baohaa 200 rs.
ram empregadas com grande vantagem por Fraseos de macaca perula mB'to fiuo a 200 rs.
mim em urna menina de dez annos que
soffria de vermes inteslinaes, notando-se
^ue os symptomas que ento apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raymundo Nonato de S. Tiiiago, pharma-
ceulico.
Nevralgia^
Urna carta do Illm. Sr. Francisco AI va- Agua doMiee sufmriDr"o^Hda4e renga de Azevedo. Caixas com euperior p de arroz a 000 rs.
____ Frascos de superiores essencias santal e outros a
Ha mais de sete annos que offria dores rnum com concias para tirar noduas de ronpa
bo hombro e as costas, tomei urna inini- a 500 rs.
dade de remedios sem achar alivio algum. Frascos com ctiros de todos ospregos a 160,200,
Dr. angustia, tormento sao paUvras for- Fr;j?08eSJI08 COincneiros finos aS0Org.
tes, porem no exprimem o que tenho sof- Duzia de meias muito finas para senbora a
frido; ltimamente tomei as pilulas ca- 45800.
tbartieas do Dr, Aver. S faz oito dias, e es- Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
tou completamente restablecido ; ha tres Caiwcom soldados de chumbo para meninos a
dias que nao Si ato a mais leve dr no hom- Pecas de fita de I3a para debrum de vestido, com
bro nem as costas. iO varas a 600 rs.
. Estas pilulas acham-se venda as prin- j* dWbicos superiores, para acabar a 600 e
cipaes boticas e drogaras do imperio, e no Pedrasr^e lousa para meninos, ,M rs#
favo, ra da Imperalriz u.iU. de Gama & Silva.
Os t:Kilos do |i;tvio a l-i Vendem-se cintos de.-fita-com fivelas pelo bara-
Keiimo preco de ifiOOO : na toja do Pavo, ra da
Imperalriz n. 60, de Gama .Silva.
Cuales predas de relia a 8$0OO, na
loja do ptwia.
Chegaram pafa a loja do Pavao os mais ricos
chales de renda (.retos, de .4,ponas e muito gran-
de:. Vi-ndend'-se pelo barali-mo preco de 85006
cada nm para acabar : na loja do Pavao, ra da
KHieratriz o. 60, de Gama t\ Suva.
ber urna nova remessa de cror.iacome, coloricorae
esabao brai portanto podem dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado o. 8.
4 bridores de luvas.
Vendem-se ca ra do Lueirr.ado loja da aguia
branca n. 8.
Porl bouqiiels
de bonitos, moldes, donrados u i-abo de madrepero-
la : acham-se a venda na ra 'ao Queimado loja
da aguia branca n. 8.
Bonitas lotj-'.'-inlias
de fil de liulio, cambraia e Retira lodas mui bem
enfeiladas: vendem-se na ra do Queimado n. 8,
loja da asuia branca.
"iFJi
1
'
rio do grande armazem de fazendas e roupaa feitys,
tem resvlvido fazer una nova liqaldacio de todas
as qualidades de fazendas que existem no seu ar-
mazem, que vender irinta por cento menos do que
em outra parte, afim de se apurar dinheiro e fe-
char contas, por isso pede aorcspeitavel publico de
aproveilar a occasiao, a saber.
Laziahaa chiaezas de quailiinlios
Vende-se laasiunas linas a 200 6 20 o covado,
dita com palmas ;. :i20 e :1C0. cassas o nina scr
a 320 e 360 o covado, dilas ,e palma* i 280 32i,
'360 e 400 o covado : ra ua Imperalriz D. 5G, lleu-
des Guimaraes.
Fazeida de gosto
Vende-se as mais modernas bareges de lia e se-
da, sendo fazenda de gusto pelo baratissimo preco
de o60 o covado.
Saias bunlailf
Vende-se saias herbadas pelo barato prego de
6a0 e 75, liras bordadas a l(. entremeius 800 e
enhores e sonhoras- Il& cada"" ?._...
Os propotarios da nova loja armazem de fa- Rlc0,s cor,es l,ra,l0s1 ,,onl?dos J
zendas e roanas Mas na roa da Imperalriz n. 72 _, ecebeuse bonitos eorta borlados e de cores,
de Guimaraes & I.mo, acabara de reduzir oslde !"8ed,qo* se vende a 8, <)$ e 105 cada
preeps de sua- fazendas menos 20 por cento do
VstdOS ilKltanflS .%V0 na loja -que ern boira quaiqoer par*, aflan de apurar di-i
|i.,-.n aheiro, assim como seja laar.inhas de quadrinhosl
W | VHW. fiend0 escuras a 200 e 220. ditas mais finas a 360 e' 'a
Vendem-se os mais bonitos-corles de vestidos (0 rs, dilas iram-parentes com listas de seda a
indianos, seudo esui fazenda trauma rente e inleira- 32O rs.
mente ova no mercado, e teudo entre elles muitos tumb proprias n*ra a fesla.
proprlos para senhoras que eslao de Vendpm-se as mala bonitas bareges de laa e se-
corte.
diales di uirrio
A pechincha esta su acabando, chales de merino
cortes -rozos
luto; e vendem-se
cada
pelo baratlssiflio preco de 35
da sendo escocesas as mais modernas que tem vin
25-
!ttfi!21?*!tPa a'rua da doao ** <*'" #-" pp>
Imperatcte n. 60, de Gama & Silva.
RAMQ
HlliC
a 3 20 rs. na loja da Pavo.
Laaziubas a 320
Laazinlias a 32o '
Laazinhas a 320.
Riscados escoeezes
Vende-se riscados escoeezes, a 20 e 260 o ce-
vado : s o Arara.
Percalas (iuas
Vende-se percales mniln linas, sendo de muilo
de otO o' bom posto, e lendo de bonitos desenhus com listras
covado, cassas francezas de urna s cor a 320 e 1 a palmas solas,sendo fazenda uteirameute de gos-
30 o covado, ditos com plnas soltas sendo miu-: to, se vende a 460 e 500 o covaoo, chitas escoru
das grauda6 pelo baratisfimo preco de 280, 360, e claras, a 200, 240, 280, 320 e 360 o covado, bro-
e 400 rs. o covado: isto na loja e armazem de fa-1 tanha'de linho de dnas larcuras, a 15 a vara, leu-
zeodas na rua da Imperalriz n. 72, de Guimaraes i qos de cambraia branco, a 25400,2 e 35 a auzia,
& Irmo.
Saias bordadas.
Veodem-se as mais bonitas saias bordadas sen-
do bastante largas e muito bem bordadas pelo ba-
raiissimo preco de 65500 e 7J.
Vestidos de larlalana muito fina sendo brancos
, com barras de cores bordadas de laa e seda sendo
os mais modernos que tem vindo ao mercado e
105.
Vende-se um gi-ude sortimento das mais finas vendem-se pelo barato preco de 95, 95500 e
o -mais bonilas laazinhas matizadas com os mais: Mantas de seda para bornein.
lindos di senhos, seirf.i fazenda que val cinco tus- Vendem-se as rnais lindas mantas de seda para
toes, -e vende->e |l*i baratissimo preco de urna homem tendo de todas as cores peto baratissimo
pataca o covado por ser urna grande porcao desta pre^o de 15300, 1*400 e 15500 : isto na nova Io-
linda fazenda : na loja do Pa van, naruadalmpe- ja de fazendas na rua da Imperalriz n. 72, de
ralriz a. 60, de Gama ie Silva. Guimaraes & Iroio.
Vestidos a 4# Colariubos da linlio para homem.
Veodei-se cortes de vestidos a Mara Pia om Vendem-se colarinhos de linho para homem
barras bordadas, pelo baratissimo preco de 45000 sendo os mais modernos e melhores que ba no
para aeaiar : na loja e armazem do Pavo, rua da mercado pelo baratissimo preco de 55500 e 65 a
imperalriz o. 60. de Gama & Silva. duzia.
Laazinlias a 160 rs, Chales de merino slaoipadus a 2&.
Vendem-se superiores laazinhas transparentes Vendern se bonitos chales de merino estampa-
com bonitos padres, sendo lisas e dequadros, pelo dos pelo baratissimo preco de 25, ditos lizos de
baratissimo preco de 160 rs. o covado, isto para todas as rre> a 3800 e 4j, ditos finos sendo es
rua Diroita n. lo
rua Direita ns. 12 e 76 e
Rio de Janeiro,
Vende-se na
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na
9
iPHARMACIE FRANCAISE
oEP.MAUREIUC'f
rua novan; na
s"
Uunecos de choro e panno a 160 rs.
CaiKfls com bonit?s estampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosas de botdes pequeos pretos para calca a
100 rs.
varas de eordo de espartilho a 20 rs.
Novellos francezes com 4XK jardas a 40 rs.
Pecas de tira* bordadas a 640.
Duzias de meias croas muito fortes e superiores a
3,8500.
Vende-e um cylindro, ama masseira, orna
balanca grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e mais ntencilloa de padaria ; g tratar na
rua pireita d. 24.
acabar : na loja do Pavo, rua da Imperatnz n. 60,
de Cama & Silva.
Manguitas e golas a .'00 n.
Vendem-se manguitos com golas de cambraia
pelo baratissimo preco de 500 rs., islo para li-
quidar : na loja do Pavo, rua da Imperalriz n.
60, de Gama & Silva.
Corles de bita do Pavo
Vendem-se cortes de chita franceza muito boa
com 10 covados a 25400, ditos com 11 covados a
25600, ditos com 12 covados a 2800, istcs
para acabar : na loja do Pavao, rua da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
lampados a G55O0, 75, 75300 e 85.
Cambraias brancas.
Vendem-se pecas de cambalas brancas a 35,
355OO, 45, 45500 e 55, dilas muito finas tendo
urna vara de largura a 95 e 105 isto s na nova
loja de fazendas na rua da lmgeralrlz n. 72 de
Guimaraes & Ii nio.
Risc.dos fseoceczes.
Vendem-se os mais bonitos 1 meados escoceze.
para vestidos de senhora e proprios para roupas
de meninos a 260 e 2'50, chitas francezas escuras
e claras a 240. 260. 280, 300 e 320, dilas percales
muilo linas a 360, 400 e 440 o covado: isto s na
nova loja e armazem de fazendas na rua da Im-
dilos de linho, a 440, 5oO e 600 cada um : Mandes
Guimaraes.
Cobertores de algodao
Vende-se cobertores de algodao, a 800 e 15500
cada um, ditos escarales de laa, a 55 : rua da Im-
peralriz n. 56.
Camisas francezas
Vende-se camisas francezas a 15600 e 15800,
pregas largas a 25, 5240 e itfSOl, tinas a 25800
e 35, brim de linho de cores, se vende a lj>280 e
15 a vara, coi tes de brim de cor, a 15280, 15400.
15600, 15800 e 25, de brim pardo a 640, 700 e 800
rs. a vara.
Konpas feitas
Grande sorlimenio de roupas feitas, calcas de
brim branco a 25, de linho a 35200 e :'.MiO cada
urna camisa 35 e 35500. Dnas a 05 c 75500, pali-
tols de brim a 25. 25500, 25800 V 35 de, casemira
35500, 45. 55. 65, 7js, 85, K500 e 10y, sobreca-
sacos a 125,145 e 16, pretos e de cores, caigas de
brim e de cores, a 15280, 15440. 1S600, 15800,
25, ?55C0 e 35; s Loureue/' Pereira Mendes Gui-
maraes, roa da Imperalriz n. 56.
Arara u. li. Mcudes (iuinaraes.
NOVA LOJA
ENCICLOPDICA
2 Hoa da Iniperatrlz amazesa
da porta larga bt.
tSiinfo a padaria fraderza de
l^irpilfji Porto.
Nesle eslabelecni-ni un :.irara o P-|>eifcv. I
publico nm ariartn > rliir-iiti. oe fazer-fa- 'ri*e-
zas, inglezas, aMapai n alani>e>, que vrafcfM
DOT prego commod.
Pa.rdf* Porl
Vende chales de rtmta de rores qoe atwaala
ram a 185 ana vender.do por 65, diiM (- .'a-
zenda nova, 55,65, 85 a 205, nm MVfhitMl i -n-
pelo de matileletes, rapa e sf-i.'.ir.l it oes 145 s
255- Itua da linperainz o 42, junio a pagarla Un a>
ceza, armazem da porta larga.
Paredes Parla
Recebeu um completo .-ortimento de ia>ibhas a
10, e 280 rs. covados, para acabar, t an tirta .:.;
cor a 240 rs. o covado, risrzdo sw 1 1 r< iv-
M de menino, fuslao de linho a 42". 4 ;V r%
Hua da Imperalriz n. 52 junto a padana tana,
rmozem da polla larga.
Paredes Pcrlo
R-cc'oeu para ciTiinados para carri frar:r/i ,
ii a peca eambraia lisa fina a 35 45 W *
pega, rotc> de lailr!.ir>a de btmito.- p -' ''"l
b 45, cambraia cum flor de s<-, aoM im- i >
nenie rovos a 100 e 500 rs. o covado, n^ anaMM
a 1 dra larga n. 52, rua da Imperalriz BMH ,J-
jaria franceza.
Paredes Parla
Receben pelo ulnn.o paqueie um aacaianaltfa
cruzes com pedraspsra a>pi rcofft b m' r^\<%f:'-,
de laa para pescoco de ser-hora. Rua da uiiprr.ii.u
0.52, airnaz-rn da corta larga.
Puredo Port
Vende rolle* de. gorgniao |MCto para veMicV em
21 covadi-s cada un 355000, ^i>deDaple pr- *
15600, I5R00 c25 o retado, ISas lizas tinas -. '. 0
rs. o covado, lasde qiiaitrmbripsr.'i veslid-. n
tada, a 320 is. o covado. Pa da laperair:> u. .'.'i.
armazem da poita larga.
Paredes Parto
Tem para vender or pieg Nawah, ;<<;-
e-i;ui.".o de linho com 10 v,.ras a 7, 85,1 an.
linho para lencnes 610 e 700 r>. a f I -
te de linho de *4 larpnras a 25^00 e 25500 a tu j.
PMtJn Parla
Vende cortes de cunliraia httttttt d' r-
gusifS a 105 e 125. n e menino, ricos cortra de cambra;;. Hara
105 e 205. tarlataia branca e de rr'.r a MN t ':'
rs. a vara. Rua da Imp> rairiz armaze! da pota
larga n. 52.
Haups frita
Rua da imperan ii n. 52 ara atea 1
ca junto a padaria franrrza, cccoclraM fl
tabelerin cnio um romplrto tarfiteDle d- pel< l -
Sacros t subrerasacf, de lodas as rank 'a.le-, 1
gas. colletes, ceruolas, rimtHW, gra'ai.-.
ebapirs deso, dis fianrtzes patscaavf 1 -r
pregos commedos, rOOta para n nind i
muitas fazendas por pregos ron-n.ud( s. arm
da porta larga.
O misino f--taliu!ecirr,nto rr.run'.rar 0 r.
tavii pul-Meo, .^empre mu cmplelo softinie;!- C-
rODpas ( itas de luda? as pal; los de alpaca pri U > ae cr.'liiis -,.
eos a 45 e 55, ditos de bfias parJn a z-
355t>0, oios linos a 45- dito- n a-
35i,oti, 45 e 55, d'iu cairaaira 1 1
e 105, ditos MlKcasaroa a 10 e 125. tul
no si.cro:- a 65, 85 < 105, Jilos s. i.r. i-
e 255, diP s de nwfia 1 rata a 65, 75 *
cas dr brim de divrrs..s quatl ti >.
ditos trancos a 2500 e f-500, M r3
65 e 75. ditos pretos a 55, 65. HfMi
muas cazemirai ;. -'5 1 i'. 1 l -
qualidades, aerelas (raeewaj de atg.
linho, lila.- de br; n aMe a 25 2X.I '. ram
algodao dr linho francezas de i.'-X* r
de pe-hincha Mate genero, gr'. ;
qoalidadi e brasM. p: 1 rai
timcnio d< meias para smi t-ra-, ditas ir
a 35, soprrn 11.- a 35SC0t 45-
Um eompteto aanteacelo de ci..
alpaca a 35. ditos Je seda a 55. l*
ditos francezes para rab ga, nmt
a 65-
fthL.cha an. I.
Grande loriia \ 1 aasax
lene.' de 1 arni i;-!.i ; \ I :.i a i$
tes linho .1 'i5 ^-
Grande aoiliBirnio it r. "-a pan n.. h
tras riuiias qnlii .. .- j.i. .-:m raf; Ma u
cona-las.
Fazenda.
Vi nde se Hiperi r nMir rr- 1 .
pas de .senhora e vesiidr-s a 15. l-l
a I58(;0 o covado. ltua 0.1 ln.| rntrft, 1 11 .. j
l'iiredes Porl .
Vende em sen estaln I. cin 11 1 I vr- 1
borJadus, grande anrtiaaeMa te
menie bordados a 35, 45 e 55. Me ra
to, roa da Imperalriz n 32; porta lar** jua:-.. j
padaria franceza.
Paredes Prrto
Recebeu pelo oiiimo peajoaOi Imam r-i-.--
granadinas ri-m llores : >.-,!., ,-. : n .. ;>-: -
covado. esli ac.'l.an K--e, rMaVaia pera .- n
luto. Porta arpa [ralo a podarla fnorrta. roa
da ftn|ieraiiz 11. 52.
Piwal Porto
Vtnde um CiinpMo 1 da bi .
brancas, como sej>m madar ''so a 45'
10-5, prcas de alpndaa por beraoi r
ceza a 240, 280. 320. 3W rs ,.,..
muil 1 linas a 360, 4''0 rs. c 1 v
a 200 e 240 r?. o corado. Rua 1! pan .1
52, |nnlo a padaria fr-mcrz.
Paredes P01 lo
Vende gangas de cor propria para mapa i!r v-
ninosa 320 rs. o covad*, rirra!-. iraor*slaa
320 rs. o corad 1. Rua da teaeralrt o. >2.
a padaria franceza, porta larga.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultim paquete e-parii'h.s
guigos'.i por to, sao boa*, MfM de sed |
nhnra e bootrm a I?, ricos corle* de
bordados de 18;: a 7?. por ur um :. ooa esto se arabando, na uu da lutp< rairiz ;:
to a padaria franceza.
Crti^dcrjrircifl barras i
na, fazenda u~iiTTff, a -4-3 cr^la
francez rmuto rnroraow propala
misa 1 I0J8BU urfa, <>u a 4tK
nm. n.aod .
para s->:a-_e ,
r-. a .... 1.
f\ *. I?* '* il- -i*-'. ;}*** /.
.tgasallios para eabega de senhoras.
Vendem-se superiores agasalhos para cabega de Peralr11 72. d Guimaraes & Irmao.
senhora 011 cachins, sendo fazenda mais moderna Camisas franeezos.
que tem vindo nesle geneio ao mercado, pelo ba- Vendem-se camisas Iraucezas a 15500, 15800,
ralissimo prego de 35 cada um : na Inja e arma- 25, 25500 e 35, ditas com peito de cor a 29 e
zem do Pao, rua da Imperalriz n. 60, de Gama 25500 : isto s na loja de Guimaraes A Irmo.
Cbales de renda a 100, ity, 180, 205 e 2o, na LllVlS <6 JoilVO.
loja do Payio. a loja de miudezas na rua do Queima-
Vendem-se chales de renda preta muilo Anos a fj0 n. 46, resebeu-as por este ultimo vapor,
105 e 125, ditos de linho a a5, ditos de seda de --------------------------------------------
linho dos melhores que ha em chales de renda a NoMdade.
20 e 255, ditos brancos de tres ponas a 6, isto Chegaram os bonitos chales e relondxs de guipu-
s na loja e armazem do Pavao, rua da Imperalriz re brancos, e vendem-se na rua da Imperalriz o.
n 60, de Gama &.Silva. 52, loja. da porl? larga, de Paredes Porto.
V
m 4R
No armazem de Mills Latham ."C, ua rua da
Cruz n. 38, veodem-se os seguintes objectos :
Manleiga ingleza.
Cervej,-' branca e preta.
Lc-uga.
Riscoulos ingle/es.-
Oleo de liutiaca.
Folha de flandres.
Sarcos eitos.
Silhoes.
Farioha tic mamiioca.
Tem para vender Antoni) Luiz de Oliveira Aze-
redo &.C., no seu escriptorio rua da Cruz o. 1.
Vende-se urna preta de meia idade : na rua
da Imperatnz n. 23. _
Vende-se urna cadeirinha de bragos, nova
com os compelenius correames : na rua do Impe-
rador n. 45, 3 andar.
ingle7 com 24 jarda-a 45 a pe;, rsnoi ,
sabida de bule a 25-'00, alg"d z>ril rarf
SO jardas a 4ji00 a prcL brarrar.ie -r'
linho para lergrs a 25200 a vara. rMeaj | ,,
zas a 240 o covado, baldes de an 1 -1..,,.
25500, cambraias lisas muito Unas rom S I
ras e cuan mais de ama vara de lareon a M
pega s na rua do Queimado n. 17, ao t da
botica.
i Em No SHfissarv'" avannd; Francez barrica 55 Portland idem 85500 perfeito estado: Francez barrica 1050*'O Porlland idem I250u0 armazem de Taaso Irmacs crs do'.kpdta
Penas d'ago.
Vendem-se superiores penas d'aco bico de lan-
ga pelo barato prego de 320 rs. a groza : na rua
do Queimado n. 40, loja de fazendas.
IIUIDP
Na roa da Imprratrii o. 26. lat ka do rraj --i
de sol, ha para vender nm .-oriimen:. le : > 4*
ourn, como sejam, advregp cotrpleicK eom
meics ditos, alflnete?, nizotoa, btiar ntrrra9r
para roVgio, raroletaa, erozes, luioor aar* p-
nhos, ditos para abertura, e oedves cb.e : *
ouro de diverjas qualidaiirs r f^tm. qt
vende barato para acatar.
GHAXA EM~WMC
Vendc-se graiza rm bezigas da topera* ajo*>
dade, largo da Assemlila armazem dV awoea.
Cera de earaauh;':.
Vende se superior cera i por iaiaw
prego ; na raa do vigario c. .
11 f^vfi I


Diario se PcrnambHfo Sexta elra *4 de Novembro le *

N. 11Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegnram pelo vapor francez ricos cortes de
vestidos de seda de cores dos raais bellos gostos., prop ios para bailes,
pui ti Jas ou casamento.
W C.'.ies dp Guipure pietos e braiicos.
Houets de paliut .da Italia para senhoras.
Moir branco e pieto.^
bonita seda para vestidos,
Oasemiras de quadros.
Epeiras da India para salas.
,:(:dapoloes fraucezes a 400 e 500 rs, a vara,
La as para vestidos de diversas qualidades, e
gostos difieentes,
Q que tudo se vende pelos mais commodos procos.

I
1 '
CORTEA !IE SEPA
Ch -arara pelo paquete iogk-z riqusimos corles de moreaut'que de cores, e seda lavrada
4r3es nteiramente novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RUa D'J CRESPO-5
Gregorio Pae* do Amara! & Conipankia



( -

o
BULE Ib) 6LIBE
Gregorio Paes do Amaral & Companhh.
Para vestidos de enhetra.
Corles de seda de cor de bmn gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
1'.. ns moireantiques de cores.
Gr enaples do todas as cores.
L:ndos poil il chevre fazenda assenada de inleira nnidade.
Lii das dnquezas asselinadas fazenda nteiramente nova.
lernos .'rena.linesde seda oque lera vindo de mais novo.
Gr mije variedade de laas de cores lias e de salpicos.
I r f i dys c ca s;is dominio bnai (jo-to.
Percalias modernas com grande variedade.
Li;i los orles de lia Clotilde com todos os pertences cada um cm seu car- >
novos e outra* minias lW
'
\: "r. ':' lmenle novos.
l : c> tes decaes* con barra tambem inteir-*mj.nle
i las degosto que sena enf:donh > mencionar.
Para homaros de senhn a
Grande variedade de diales, bo'irnonv., retn des c algeriennes de fil
jtuixire a 10, 6, 20, 30, 40, 60 al 803
Modernos soutembarques de seda de superior qnalidade.
nd > bertes de seda ie cor pratos e de cachemira.
.! de caaibrah branca b urdida com muito gosto.
i" unbarques ebournoux de cachimira de cor e oatros mnitos arligos des
... .'QStO.
Parn caheca de simlmra

Superiores chapelinas depalln. Je sedae declina do muito bom gosto a im-
p ratri..
Chapeos fle pdha da Italia grande variedade.
Luid is gorros e bonete de palha de Italia, Imperatriz, Canotier, Clotilde '
;, nte, ebegados de Pars pe o ultimo vapor.
Grande variedade de enfeites defro-o e de flores pua casamento.
- 'perfores vestidos deblonde, e de miireantique brancos. .
'. r\< nvtireantiqnes ranos e s iperores sedas brancas.
Bn s vestidos de tarlatana branco bordados.
Lindas mantas de lil inde c boas capelln.
Bordados.
Grande variedade de ntremelos burilados transparente e tapados.
T as burilada- transparentes etasadas, babadus bordados, saiasbordadase^S
... OUtrt>> mijitos arligos.
--
A tabella abaixo publicada serve de base de pregos,
tanto deste arinazeia como do armazem progressivo pa-
teo do Orino n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n, 40.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidad^ aos senhorfcs_de en-
genhos, lavradirres e mais pessoas do centro, que paramis facilitar suas compras deli-
Deraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeled-
mentos em um s aonuncio, pelo qual o prego de um ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por um prego, e ua occasiao da compra quere em por outro, o-rao socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
anida mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serao tam em servidos como viessera pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
l-ela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
aiguma que 6zer sua despenda em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
Offerecem a lodos os convidados, do expleodi lo baile do Club Pernaafcueano o
seu bello e escolbido sorlimento de fazend consta das seguinles especialidades.
Vertidos Ccsnrina.
I Linda e nova fazenda de l-hrilliant, transparente, com Kstas e flores de seda,
padres do ultimo gosto.
B 3 SUDAS
Lm cortes padroes novo?, escuros e claros.
Em pecis moiretnlique liso ondeado e lavrado.
dem estampado com listas e flores.
Tarlatana.
Resta urna diminuta porco de cortes de tarlatana branca, enfeit idos nprickftM
mente a cores. Todos os amadores de partidas e soirs, ho comprado para sus fat-
uas estes vestidos, j pelo diminuto preco.-ja polo bonito gosto.
EtfFEITES
A imperatriz Eugenia e a rainha Victoria que adaptam com muia elegancia
Jouvin & C.
Reseolia-se o nosso mercado da falta absoluta das verdadeiras titas hmtn.
irnos a satisfacao de poder annuncia-las a nossos fre^uezes pelo prero .le 3JOOO* par.
B grande a economa vista da flexibil dade e bom acaDado/que lites di ola
duracao so^pe as falsificadas. ^^
Trlnta diversos oh jertas
Proprios para o complemento dos enfeites de vesiido como berthes, enalagen
suspensorios, etc., gostos os mais pbantasticos em dentelle preto e brinco, Ufe* etc.
Mandam-se amostras. ^^
,, ademas e peales de tarta rara
B a primeira vez q.,e vem esla fazenda ao mercado,
a convida as Exmas. senhoras a urna breve compra.
r r CUTOS
com ivellas de madreperola gravada, tartaruga, rectal, etc.
Chai de fi de c-es.
Nova remessa. deste chales e retondes a duas e mais cores em xadrez
pode juigar do magnifi o efTeilo destes chales, sem experimentar;
sejarem mand iremos amostras.
E urna infini la le de fazendas de gosto, como sejam:
Chales de fil preto de l|00tt.
Os mais ricos vestidos para menino de 3 a fi annos.
Colzas de croeg e pannos de labyrintlw.
Tif branco e fil de seda.
Superiores baloes de cliua, recommendaveis pela |i nga duraro e bom taibo.
Tudo a
.A pequea porgo que res-
Nada se
as pessoas que os de-
5
I
DO CRESPO 5
ti
.''
.
-
.\



DE iNToNHi f.OBRBl lE VAS ONCELLOS RIA O CRKSPO W. 13

...._.;/' 110 -. '&&
J/j:. da box te na ra da LOJA 00 BEMA FLOR
Imperatriz n, 74. Ka raa doQucimailo n. b3.
ii 6 i j.-o pnfr!5 para cabera a 2$ofl0.
i'.-ai.. p-ei i para alisar a 240.
I .i- com -bapa de moial branco a 500.
U is para dapiBg a ItO. 2U) e 600.
ni ih Unas jurarrwiura a 300, 5u0 e 15-
M iai ,:i .ii Unas para seh ra a 30U e 403 o
.
Cixa c i 30 nvelos de linlia do giz a 703.
<". ov e un O euveloues a 800.
Ci % com papel pautado a "00.
\' i i ii- ;>apel almaco greve a 33200.
Tmu i rHa |Mra eserever bvin a U0.
I eas e jarros ue balango a 33300 e tiio'iO.
i croas para bomnii a 200 e 210 o par.
A.Uu'i-s i>> tdos os lmannos a 100 a carta.
'. : I : linno pega SO e HO. '
'. r lu ,ara vestido a 30 rs. a pega.
U ;.' imperial peca 40 rs.
Clxa cuna obrejas muito boas a 40 rs.
IJaiaino dti 'arlas finas a 2\0.
.. a .ie iiuiao de louca para camisa a 120.
Ditis de madreperola ranito finos a 640.
Caita de corxeie muito bons a 40 rs.
liariao d curzetes muito bens a (iO rs.
Grvalas de seda preta e de cores a 500.
J igo de wi-pora a 800 e 500.
i : r.ijit i finas para rap a 15-
E um completo sor.imeaio de nnonas qne se
vi odein i; meaos do q:ie em outra tjualqner par-
Vi'^: -" apurar dinheiro.
Manteiga i gleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de l.oooa l.loo rs.a li-
bra, e em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHY
Banlia refinada superior a 6io rs. e em
buril ter abatimento.
ca,i
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem liyssen o melhor neste genero a!
2,6oo rs., e sendo em porcSo ter abatimeo-l
to, tambem lia proprio para negocio de t a I
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Sblers Bell. T-F.
Asbe a 7,5oo e 7,ooo rs. a .uzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagro de L'sboa a 2,ooo rs. a
cnida e 280 rs. a garrafa. Tambem lia
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e i,4oors.
a caada.
Azeite doce
Snperio-azeitc doce de Lisboa a Gio rs. a
"~J.
o
o
o
i
e a
2,4oo rs. a libra. j garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.' Massas
a libra. j Mncarrao e laherim a 360 rs. a libra
Bisen-utos 5,000 rs. a caixa.
Latas com superior biscouto inglez de di- Passas
versas marcas a I,oo rs a lata. j Superiores passas a 3,000 o qoarto e
RiE;iehiabas is.fioo rs. a ca xa de arroba hespanhola e a
Latas com holachinhis da acreditada fa-JSoors. a libra,
brica do beato Antonio, proprias para dar a!
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata. | GrEVEBRA.
dem com quatro libras de bolachinha de' Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
soda a 2,ooo rs a lata. j du/.ia e l,ooo rs. ao frasco.
OilPlio1 Genebra de Hollania verdadeira a 6,ooo
UUCJJ, .. rs. afiasqueirae a 56o rs. o frasco.
Queijos flamengos chegidos no ultimo idom de Hollanda em botijas a 4oo rs.ca-
vapor a 2,ooors., tambera ha do vapor pas- ^ ums.
sado 8,2,300 rs- Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
_ chucula lt, Holl.inda a 8,ooo rs. o garr-fao. Tambem
Chocolate hespanl.ol a 1 ooo e l,2oo rs. iu arrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
a libra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra ooors. cadaum.
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Recite, esquina da Madre de Deus.
Grande sorlimento de taewta par amen lo c a rel.lh. e un eaajaleto >#r
eit a^ie tu
cha-se
i vpda na hvraria acadmica, na roa do Impera-
dor ; n 'o Sr. Nogueira, junto ao arco de Santt
Antouio ; e oa lypugraphia imparcial, na ra es-
iri iia rto Rosario a compilajo de toda a legislaca
leo lenl a adn.inistracao, arrecadaco e Oscali-
s.:.;".i: los i'mh-iros de orphSos defunto? e ausen-
les, heraocas j^cenles, legados, etc., contendo nat
so o regiment de cusas e a lei geral das execo
> n> lainDem todas asrdeos e avisos de
goveroo, qoe a ludo tem explicado, tanto a respei-
11;]-.; .)'iri;';ifoes inherenles ao cargo dos differea-
t- emwegitdos dejusti^a e fazenda, como dos di
ri'i os nacionaes e emolumentos que san devido.
K-. i vr iMiitendo mais de 700 paginas em nitid?
i :in-,.;;, i.,.m papel, e prestndole a iililidad-
gfO costo 103000 por cada exemplar em dous
CUTES
Ci**nde pech^acha.
N i rua ila [mperalrk n. 52 pona tarjja de P^re-
di'- Horl i. veode-se clules de merino eslampados a
25 2-5U0 e linos 55, e|io se acabando.
Olordadua.
Ch emi I ji de Par^de porto, roa da Impera-
t'i; i: ',:. um MTiimento 4e caminrihas, gollinhas,
ct ';;' i, rmn ira e siMos, d<> raintiraia branca,
i harato |.r. ci de SASOO, 3fto0 k&, golhnhas
h > '.. r n.-im a 800 e sinins a 800 rs, grande
q:i i'il.ide'l ntremelos a 000 e 800 rs. a pp^a,
c.-i.": si acatando.
1NJGCCA0 RHOW.
Remedio infallivt as agnorrheas antigs
e ivcyiihs. un'co deposito na pnanaacia
fra reza, rua da Cruz n. 22 e ao proco de
30000.
Nesta loja por to los os vapores se recebe luvas de
pellica brancas e decores, lauto para hornera como
para senhi Vo tas, c-nzes e brincos.
Chegou no ultimo vapor um grande sorlimento
de volt.is e ernzes, imitando cornalinas brancas,
assim como brincos da m^sma e d>" crystal do mais
apurado gosto que se pode de.-ejar, ful s qwKi
receben : na loja do (Hija-llor, rua dj Queimado
n. 63.
Enfeites para coque.
Assim.como recebeu enfeiins para coque e eu-
Ira muitas qoalidades, qoe se vendem mais barato
do que em outra qualquer parle.
Bonetes que cliamm iitainai e papai.
Tend recibido um grande sorlimento de booe-
cas que chamim papai e mamai e inovem com os
olhos, muito bnm vestidis.com cib^lleiras, o
que ple haver de gosto neste genero, e veode se
mais barato do que em outra qualquer parle.
Bilaios.
Assim comoum bonito sorlimento de balaios para
menina de escola, tambara ha ramio bons pentes
para desembarazar, guarnecidos de metal.
% Bichas de Hamburgo
todos os paquetes da Europa se recebe 9
HB desias amigas do sangup humano e se 3$
^ vendem a troco de pnuro loern s afim S
7fl de ler sempre cousa nava : a loja de bar- |f|
beiro rua estreita do Rosario n. 3, ao pe ^
"t& da
igreja.
mwwm
e portuguez a 800 rs. a libra, em porcao
ter abatimento.
VI1VHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Dou<-o. Maria Pa, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a I ,ooo a garra-
fa e 9.000 ala ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 1,500 rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ancuretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
< aixas com urna 'duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs agarrafa.
CAF
Caf do Rio de 1.a e 2,a qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SIRiO
VELAS
Velas de spermacete a 61o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de l.ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
lpista e painco muito novo de 3,800 a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Joio Furtado da Sernas,
Manoel Peixoto da Silva Nelto, Castanho &
Filho e Brando e de outros muitos, os
quaes vendemos pelo mdico prego de 1.6oo,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a Ctixa.
Licores
Licores francezes epurtuguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o caixo.
Frotas
Frutas em calda e era latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, peceo, ameixa rainba Claudia, al
menlo de rinna fcita, decasemira edeb im, ludo ptr
ontra qualquer parte: qieaj dHvi lar vniha ver
CAICAS
de lindas e finissimas casemiras escuras e claras, de superior casemira preta de
brins brancos e bom brim pardo.
Paletos
de superiores casemiras escuras e claras, de tina alpaka branca, de superior aloaka re-
la e de brim pardo. p w
rolletes
de boas casemiras prelas e de cores c de fino b-im branco.
AMMAM
Superiores cimisas francezas u> -5 al ;">.
Ceroultis.
Ceroulas de superior bramante de tino linho.
Ulcs.
Superiores bales de arcos para meninas de 2 at 12 annos.
dem superiores para sen hora.
Ciravatas e mantas.
Superiores mantas para pescoco de lu-mem, as mais modernas do mercado.
Xlailapolo.
Madapolao bom a 8& 9$, H>& e l.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda balo a tO&
Fraques de casemira.
Fraques de casemiras, .preta. escura e de eres claras, e nao ha vendo que sirva
ao freguez manda-se fazer por medida e C'.m muita pr<>mptidio.
Todas estas fazendas por precis insignicantissimos, pois o lito do Batao ad-
quirir freguezes.
LOJA DO BALA
DE
AZEVEOO & FLORERO
colares Royer ou colares ano-
di aos
para facilitar a deotico das manca e preserva-
las das convulsoes.
O feliz resoltado obtido immenas veie9 pela
prodigiosa firca magntica dos colares Royer, nos
casos do convulsoes, e dtmtieao das crianza, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
e hoje ja se p'le di?er que estao geralmente con-
ceituados, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de uns porque do uso (tases salutares
colares viram salvos do perigo sens charos filhi-
nho-, e de onlr.i? porque colhTam daqnelles tao
profieoo PXemplo para imalmenie prnswvar os
s>-us. Asim, pois, a agnia branca, tendo em vis-
tas a ntllidade e proveit desses prodigiosos cola-
res anodinos ou R iyer, mmd >u vir o novo sorli-
meolo que agora receben, c continuara a recbe-
los para i|u^ em lempo a'gnm a falla delles possa
ser funesta ao pas de familia, os qnaes flcarao
certos de os achar constantemente na rua do Qoei-
maao, I ja d'aguia branca n. 8.
Vinho do Porto superior em caixa de dnzia,
lem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
lo fi C. no seu esenntorio rua da Cruz n. 1.
Veodevie duas e.cravas rccolhidas, de ida-
de 23 a 2% asaos, excelleute conduela, engommam
|ierf"iiamente e fazem todo o servico de urna casa :
na travessa do Carino n. 1.
Vende-se um sitio em fiemflca a' margem do
rio Capiliagbe, com bastantes commodos para urna
grande.familia : trata se na rua Nova n. 24, das 9
horas as 4 da urde.
Saho maca de primeira qualidade de 180 perche e outras frutas a o> rs. a lata.
a22ors. a libra e de 16o a 21o rs. sendo Tambtm ha latas grandes para l,2oo rs. a
em caixao.
lata.
Vi
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macaas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo nltimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Fitios pelo ultimo vapor.
Fruttas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo uliimo vapor.
No?es pelo ultimo vapor.
Queijos loiidrinos pelo uliimo vapor.
Queijos flamengos frescos pe'o ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ul.imo vapor.
Tudo se vende barato n s seguinles arma/.ens:
Rua do Imperador n. 40. Verdadelro Princloal.
Rua do Queimado n 9, Ueio e Coinmercio.
Largo do Carra n. O, Progressivo.
-JilegiVel
ARMAZEIfl IE I \/J\l)AN
DE
CUSTODIO 1 n\ A I.IIO c.
27 RUA DO QUE'MADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas par
Laa de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos bra eos para algiheira a -iS 00 a duzis.
Fin sperclaras a preco de 400, 4i0a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de |ft| a 3toOOO.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
Paredes Porto receben pelo uliimo paquete nm "completo snrtimen'o V capas
hournns de cores ricamente enfeitido a 1 i*, loje 203 : na rua da Imperairiz i. SI,
loja da porta larga junto a padari^franeza.
G No armazem da rna dnTmperador n. 3
Caes de Pedro H n. 2, tem wr venderse
Ihor gaz existente no mentado. r -*
on nn
o me-
Vendem-ne
machinas americanas de serrle pan Vsearapr
algodao : na roa da Senzala 4voa n. II
CAMBRAIA.
Cimbrara A" forra cmn S l|S ar 1 p#faJiJ.
*m est sealianHn : n* \<\* da i>orl larga 4a raa 4a
tarintia #50 tmKiatnzn. M, de Pare.p,*ia.
Vende-se farinha de mandioca, sacros (rrndes : p^,,,* qV rma .WsWto superior i
no armazem dos Srs Tasso IrmSos, na poote nova' .(nd.'.e na roa o Vsttrw a SI. !
pelo preeo cima mencionados. 1 criptorto-


MWVilMHMBHi
IMBOTBBPHH
m



Diario de pcrnambnco Sexta lelra 9t Je Xovembro de l*.
< .
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
vana mi)Hi ai ais mmmi
AO.
respeitavel publico.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande armt-
zem da Liga estaDelecido ra Nova n. 60 am magnifico sortimento [de raolhados,
que sendo em sua maxruM parte mandados vir directamente do estrangt inTpodem ser
vendidos por precos asse razoaveis.
Sem a fatuidade de'querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm fliancar, com toda a seguranza de que
aenhum ouiro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3." Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posicao social gozaro de certo tratamento, acharo nesta
casa os melbores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que saja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquellas que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
umitas patacas, afreguezaiido-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes on centro, que comprara para ne-
gociar, devern vir, pelo sen proprio interesse, a esle estabelecimento para se convence-
reo d quanto se pode vender barato.
Para os senhor s que corapram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escoltado por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se teca poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIJWI1EIRO A VISTA.*
A Gkaixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a lO rs. a libra. j urna,
dem e painco de oito libras para cima a, K
100 rs. KlftSCH de Wasser a 20 a garrafa.
Arroz de 90 rs. a libra a........i 1,
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra. LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
AO PUBLICO
Sem o menor constran.
gimeato se entregar o
Importe do genere que
nao agradar.
ATTEKO
as prefo da eguint
tabella para todo, pc-
dendo issBi servir de bi-
se para o ajuste de ccnai
com os portadores.
RIVAL
SJEM SJK *>!**>
Ra do Qnelmado mi,. ?. e a*.
Couiina a veuder icda as Bti
declara por presos admira
Massos de palitos luaUo para tftr.H- .- >*>r*.
t.-pelbos demoiduras oourao*
lionels de oliado para imiiii h
Diios de eoaru fUperior uzn...,
Prascoa rom tU|iiior lima larte
Meladas de bafea troxa \*i* \-. 6t>
Ca;xa> rom 100 eovclopt
Gruas de perinas di
l-
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da c oi<-elco)
PARA BEM DE TODOS;
fpnhoras, o aceio que presidio aosarranjns destenovo estabelecimento, e mais qne tndo a promDtido e f
ratij^ envida a urna visita ao mesmo, certos de qne sem dnvida me darao a protercffo e preferencia

- a
rs.
a
. II
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Almos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2000 a garrafa.
El
80LACIIINFIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 13800 a lata, e
de cinco para cima a lt?700.
dem de so a em latas gratules a 2f$000 e
de cinco para cima a i#600.
Biscoitos in^'te/.es de todas as qualidades a
5 5201), 10*50 e 10300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna. .,
Batatas inglezas.
Banha de porco refinada.
c
CHOCOLATE francez a 000 rs. a libra.
dem soisso a 15 a libra.
dem de musgo a 1 #500 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a'240 e 260 rs. a libra, e em porco
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de gmsella, orchaia, etc., etc.
Chicaras e pires a IjJOOa duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Vitoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Esposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, ttegalia, Missi.-sipes,
Panetellos. -\prazivds. Caretas, Brasilei-
ros, Americanos, Fluminenses.
ChA de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, hnxim, aljfar, preto, e
preto pota branca, etc., etc., a 25000,
22"0, 23oii0 e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
tdem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 23500, 3i|8(X), W e 5#.
Clices de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15d0u rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.

DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, iuglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra,
ckvadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 13.500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
Letria a 400 rs. a libra.
31
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 13, a libra.
Marmklada dos uiais acreditados fabricantes.
Macakro e TALH.vitiM a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6i,0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Momio ingles de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiru de Zara a.....
Massas Anas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, era caixas com 9 libras a
3,5500.
Miliio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
m
NOZES a,120rs. a libra.
Nabos ora latas a 800 rs.
O
Osiras inglc/.as e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a 1(5100, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadifiha, linguado, sardinha. etc., etc.,
Peh;iS em latas, excellente preparaco.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas era qiarto a I 5400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quaktiniias ou morinques a
II
RAPE' Meuron a 1)5 a libra,
dem Princeza do Rio a 5200 a libra.
dem francez a 25300 a libra.
S
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 23.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes.
Idem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a ICO rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
v
VINHOS!!!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 20 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 1)5500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa
Duque a 1)5 e 1<5500.
Chamisso a 1)5, 15200 e 1)5500 a garrafa.
D. Luiz a 1(5 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 2(5 a gar-
rafa.
Carcavelos a 1(5.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posico aljamia.
Lauterne a 800 rs. a garrafa.
Hordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a Oou, 800 e 15 a garrafa.
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 2(5 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Vinho flgueira em ancoreta a 200.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
Senhore8
eza com que serao trati
rra dos eeneros que precisara e quando n3o possam vir poderao mandar seus portadores, anda qnp este/sjVm^Donco rni'ir
Pois serao tSo bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que nao v3n em
Ira p?rie.
Aletria, macando e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caisa com 8 libras.
Vinho do Porto muito uno proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Port*. Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3.000 e 3,5oo.
Vinho branco para missaem caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melbores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
ra Secca, Malvazia una a l,ooo, 15,ooo,
12,ooo e 1 o,oooa caixa com I duzia e9oo,
1 ,ooo e 1,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as mcias latas.
Bolacbinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francezmuilo proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Manteiga ingleza especialmente escdbida a
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a '.ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra. .
dem prato ? 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Eryilhas e favas portuguezas ja preparadas
em latasliermeticameiite lacradas a 64o.
Feijo ven e muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapi lados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a di ria.
Idemiden para vinho a24ors.,e 2,4op rs.
a duzia
Chocolate
l.oooe
Espermac
bra e e n caixa se faz ahatimento.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra,
rancez 'espanhol e suisso a 9oo, 'Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l,2oo rs. a libra. I Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
te superior a 6oo e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
posta em latas hermticamente la-
das melhores qualidades depei-
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Sal refinado em frascos devidrocom lamia
uo mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que sem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, O.ooo e 6,5oo a du-
zia.
Cevadioha de Franca muito nova, a 2oors.
Charutos do aflamado fabricante Jos Fui la-
do de Simas, das sepumtes qualidades:
Exposicao Normal de U; vara, Impeiiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisiense, Sus-
' piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n eins.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
ntillas de Havana, intej valles. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ofiiac ingle* das melbores n arcas, a gnoe
l,2oo a garrafa.
Doce da catea de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebullas de Franca muito grandese novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,800 a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, aj melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,oco
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e 4,50o o frasco.
Caixinhas pom fructas em doce secco de di-

. t


Peixe em
eradas
xe a 8o|o, l,ooo e l,2oo'rs. i Ameixas francez;s em fraseo de vidre com
Vinho Bo deaux das marcas mais acredita-1 lampa do mesmo, a 405oo.
das qu(
8,000
rafa.
Genebra
versos tamanhos, muito propinas para
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-1 raimo, a i ,60o. 2,600 e 3,5oo cada urna,
bras por2,5oors. .- .. 1 iiuibos, excellente peixe portugus, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
vem ao nossomercado a 7,oooe'Ameixas franc zas em caixinhas de diversos; Azeitonas de Bivasem ancoretas grandesde
1 caixa e 64o e 7oo ris a gar-
e Hollanda a 48o rs. a botija de
contaedrta.
Frasqueirasde zenebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira era frascos
grandes a l.ooo e H.ooors. a frasqueira.
Caf do Bio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,50o rs. a arroba.
tamanhos com bonitas estn pas na ca- j 8 garrafas por 600 e8oors. a garrafa.
xa exterior, a l,4oo, 1,6oo, 1,80oe 2,nooI Azeitonas portngneaas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. l,5oo cada urna ancoreta.
Azeite doce refinado hespanholouportuguez Champagne da mellior qualidade que v n.
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatar, muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o sigo com 36 libra-.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia. .
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs. .
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,800 a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a 800 rs. o frasco.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-; Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o franco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,000 a Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba.
sopa
a 2oo rs. a libra.
Massade tomatesde superior qualidade a 6 4 o Marrasquino de Zara propriaraente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-' 10 a garrafae 11,000 a duzia.
Iho. 'Palitos de dente a lo rs. o maco.
ao mererdo, a 2,000 e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigu.
Gomma deengommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos emsextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ono a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecppo
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 /roo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lishoa a 4,800 rs. a caado
e 640 rs. a garrafa.
i Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
i garrafa.
Gruzfl de botes MWcprfi
1- (i40 rs.
Caixas rom 30 novelks te Jir:
Caixas vtit Mt>i r 111 <\ i
Vv^n de liu braina Ha.:
Vara* de franja de laa para vari
4<> rs.
Baralhus ti>ura.;< t sin riori 11
NoaeMoa de liria nm 40t jan i ,
Ltrof para a** itlwa 4a n;|.
Fares do Li para awal
Tsouras para caaifcfai mi
400 e i.
Caixas de peonas de railipa; i
U(iO.
Mansos rom spprtleyca pia>n i .
Pares de ai-alu.-de Iranej
Caixac ni i-uprnorea api :
brai de laa foriatoi t I 11
Caixas rom spt-riores (,i-
tludinlias tonianles frsi.c 7- i
a 'JO is.
Rcmui de papel alaaaee a ?4i
Baroaat i aia raspa, aiew I
Duaiaf de l^^'Uls um aaa>
SflO rs.
Duzas de tcgf e fnrfo Talhem norte linr. para ert <
Polaeirai paran n,i: 11 !.- u
Iiiia> e ivllai paranrli ra a ."n
Pian-ot de Apna I h i A .ic; i
Frascos ron sop iii r i>ri
Ion' de siipenr releo i al < .
Cana* (V m lan<) arim i m '' t.
Vi ra di l. I < v da h tk W
Carlas de alfloeiea (raMeaii a i l
QoaoVrooa da papel peaf a ll
(raaia de rorer, f^7ioda m i h
l'ap. i; de apulha.', fur.do i!> li ;
.No ("ia I de de/i mhro pr tu
II horas da n ; lOhaa, li r> I -- ad -r.
Mr. juir. de r.ri'hos, U o .< hrado da rna Nora a. 17,
rrpbaea lt-a du Bajado cepita I' i .,1
da Silva, rujo iwrlpM leaoMtaj ;>
uiro do meana juio.
No armazn!. ilc '
baratas de Saiit* l-teibo
lina do (fjBCfcMMki M. -
Veodr-se. o >e'.'i ni
Cobertas de rima lina a ._,
Dnas de dea a 104801
Lerirj es a> parinu oe linio a il '
Ditoa de duo de ln ho a 2.
Drtoa de biauanle de I.IiO de ki
PaoBO de nli Bao ci rr 9 l2
ra i elu barato pri re Z| oo a i
Bra-anie de IoIm loa rea 1
uia a SJmVM) a ara.
Peras de ran:br:ia com fallan
cores roo 81| vara? a \l'.".
PeC-s de camhraia idl H#i |
cortinado de cama o id 20 var
Baleo ild arces a SjA I .: .",
Ler.i.os de ramlrna lina I 2.i / *.
Ditos de dila i :'-'. I i : zu.
Aihoaltado de linK Bi a fff*
Dito de aicocae a ti -.. ara.
Meidc eofisiado con 7 i,2 pe i
a (200 a vaia.
I'-eas ric hreanha de r 'o ajea 8' :ia
para \;<:,i i :.'"' o.
Fil de I,iiho liso fino a 8W) I*
Dito di (iii"' ni aalaj i i i I
Can.braia de tobe Isa
va i a.
Lories de lazii>ba de lind>- to- ral >9-
Vi ios a ;">-5.
Pecas de madrip lao Idis.-.u. ,
preco de8*1, P*, US t Planeila branca lina ;< roo :-.
lilla de ei re.- Dn i a 888 i
lialoe.- ce mu-silina jara io< i
e 4,Y
Cambraia de f >rr< a :-' ;. ;>
Dila lie;- a 1451
G< ardaoapo de :r. ? 4881 >
Toatbi s de ali dao b4m
Esleir da ludia piura par;- > aj
'r. .* e G paim.s di largara i u
ijue m outra >]ual<|oer parte.
Reala arn.aiem Mil M M CW i i
soriinenlude roupa f-ita e f^r n :
EeTrau de PWpei Bmp.i- .\ ._. i
Vrgano n. vtndem se cavan
fono, ot afamados (abricaates J
liverpiiul.
Vtnde-se um miil.iiinli'i *. ; mt
proprio para p.gem per st t a '
rniiiurla
andar.
;3
a
i
I aalMW a de
ra
- e I
n> ^ 2. ff-S a. 5
BSia^ng^
_ ~ i; ,

'-
na
CD -
O O. C/3
XX
ST o
3
2 s?
n
Atteu^fio.
Caniluaias.
Henry Forster & C, a raa do Imperador n. 3 na' Pare* Porto vende camhra'fas lisas finas, grao
caes do Ramos o.8, teem para vender o rnelhor gaz de sorli.nento, a Zi at $, ditas Victoria muito
existente no mercado e pelo pre$o mais barato do finas, com 10 varas a 6, 6500 e li : Da ra da
qne em outra qoalquer parte. L (mperatru n. 52, jauto a padaria fanceza.
tsu
|-Sll!-?S
ct>22.= E;"'*B':B
a- 3 w ^.-5 2. 9- ~
-----S a a
X
iin
de
l'sr'
^ "^ 'a: -* ^? J.0 2&-(t
a- s g 3 cd o
. u a -
?f!f
o

.
ST?" 3

-i
3
es p
B o 2 n
05 2 o.

3
_
a>
(O
2.
B>
os
O
Tasso Irmaos
Yeiideni no sen armazem roa do
Amorim n. 35,
Licor fino Curarlo em otijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com rolbas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgnnhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
tfL>alhar ni
desearocar aBgodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C
ODA
Estas machina:
Dfs^. podemdescarocat
"" de algodao sen-
estragar o fio
sendo bastam-
duasiiessoaspar-
otrabalho; pd<
desearocar umt
arroba de algo-
dao em carocr
em 40 minutos
ou 18 arroba;
por dia ou B ar
robas de algodx
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algoda
limpo, por dia; e motores para mover ma, duas,
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina.-
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virsm ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte novan.47.
Saunders Brothers k C.
N. II, praca do Carpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
Testamentos em verso.
Continnam a eslar venda, M tyi opra-
pliia dr ra do mnerador n 15, defronte
jjje S. Francico :os lestamenlos da Gali-
mia, do Gallo, do Porto, do Leao, do Gato,
do Per, do Carneiro, ia Onca Ticre, do
Ca, da Hyena, <]o Rato, do Orangulanuo.
do Macaco, do Burro e do Vigario; a Peleja
da Alma com o Dhbo, a 160 rs. cada um,
e a tO<> rs, a quem comprar urna cemr leta ou 25; carias de A B tabo(la^.
catfaecismos, economa da vida humara,
cartilhas, Simo de Nantua, Bit lia da in-
fancia, manuteriptos. traslados, paulas, pro-
curatoes, apudautas, leitras, com ecimentos
para embr ue de escravos, despachos para
a alfandega, papel alniaco pautado e piula-
do de diversos formatos, sendo o pequeo a
30 rs. a folha, o immediato a 40 rs., o me-
dio a 50 rs. e o muilo grande a i O rs.:
i papel marroquinadoe lustroso prande e pe-
queo ; papel para impressao de urna s
cor grande e pequeo ; Virgilio, Horacio.
Salustio, Magnum Lexicn, prosodia, dic-
cionarioa francez-poitugnez e vice-versa,
selecta franceza, eoutrosmuiicslivros, bem
como em hrar-ro de tod w os tamanhos.
s
Chales de renda Mcmm aos eorinhos d nmbraia
Paredes Porto, na ruada Imperatriz 52. poru Vend,em-se corpinhos de carr.brh eom entre-
larga, vende chales de renda, de corea enm peqne- melos a li e 51, esto se acabando : na bija de
no mine de mofo, a 23500 t ifi, fajeada de lOf Paredes Vor*.TOa da tmderatriz a 5?, porta tor-
e 121000. Ea> JQ0 a padaria franceza.
O castello de Grasville.
. Traduzido do francez por A. J. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 300C
na praca da Independencia, livraria ns.
6e8.
Vende-se um sobrado de dotis andaras no
r alrro de Sanio Antonio, o qnal rende para mais
de 1:1001, e urna casa terrea no birro da Boa-
Vista a tratar com agente Olympio em seu arma
zem na roa da Cadea do Kecife n. 34.
I
m^ VILLAR
Con leja raa do Crespo n. 17.
Reccheu de Paris sedas em cortes mul-
to superiores e bellisslicos padrSes, e
chales de renda pretos para 101.
Este importante estabelecimento torna-
se recommendavel ao bello sexo pela va-
riedade de fazeudas superiores e bellos
gostos
proleja o bello sexo ao Villar
fe vero todos a prosperidade.
ALGODAO DA BAHA
Na luja de Andrade & Reg, ra do Crespo n. 8,
esquina da ra do Imperador, cooliua a vender-
se superior algodao da Babia por menos prego que
em outra qualquer parte.
Vndense qnatro burn s mulo mansas, boas
j de carga e de seila, por preco
' no hotel de Franca.
commodo : a tratar


-to
na ru* do Imperador n. V.*>, '
folla 4a Rahia sur i r
Tem para vender Antonio ra >
C, no seu eseripiono ra da Crnz '. I
a t; oiio
o jogo de pedras para moinbos: *e--rf. : a rv
do Vigario n. 14.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receher um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo emais apurado posto da Europa e ocu-
los de alcance para observacSes e para os
martimos.
..UiYIH
ecbiocha
Vende-se riscadinho francez a 800 rs. o covSdo, i
por ter grande quanlidade, esla-se acabando : na!
ra da Imperatriz n. 52, luja da porta larga, de
Paredes Porto._______________________^^_
Breu em barricas pequeefe
Cera em velas de todos os tamanhos. ^
Bogias.
Mercurio.
Na ra do vigario n. 19, primelro andar.
escbaios n
Cralific; cao l 50 .
Ansenl'U f "a casa i>. ."'9 da ri.. i la
(ootr'ora Collegto) no raaOaa W ai
na setenibio do 186o, u etrr.ivo par.
qbw, eoaa o tlfaeaitaojlai: Mtaiaia ,
idaile IS a O anuos, se* barba, |r- ...-
glandes, cabello caiaata, cao ai < *
e btm visivel na testa, jarte la <>'<
arruinados, e com falla de lauu> n 'o
eom calca de brim pardo e palei. i ra
mas levou mais n-upa branca e de ii.: e a
astucioso, cosicma inlili:i-r-se !..!.
cado ; f i esrravo do Sr. Gnilheiiri- F#rd na >
Soi>7a C.-irvalio, penro do bnad. Si o I i
Manoi I (' acalvea da Silva : roga-'r a *a eai ra
a todas as ai oridades policiaes rl M a I >
pilo de campo oo eoira |esso: rail" ar na*
appreherJer se gratificar com HH. a n.
[if7as de coodi'cco, entregand"-'!
Mignel Jos Alves. na casa cima. 'U no s*u **
rriptorio na rus da Cruz ca^a a. 19.
No dia 20 de setembro pvaaWM ^ **<* fa-
gio do eogeaho Terrapreta, do abano >.-'?aarf>,
pseravo Jodio, crenlo, de ahora r.gBfer, c
de 30 aune de idade. p-'nc barta. Ira ail
fetos n pe rna, muito fallante, au m f..'
lem o dedo polegar de orna man c t, <.< rm-
iro, anda rr ni urna carta fechada.
nel Arr.aro Gomes da Cnnha. apadr- :; ii raav
ra foi surrad" este esrravo, foi ^a a re r pra-ls
a Hucha Liana e Guimaraes : qom > : ras v
mesmo engerho on no Recife a" rn:. aa H a'
Alexandre Correia da C. Jonior, que sera ua ra-
compensado.
Aleandre Corre" *< C- 'rn
Fumo no da II de Du%>m''i- raonaj
Monte-Alegre, na comarca de Wa/aiM^. -ri-f
Wenceslao, cabra, de Idade de 15 >,
regular, rheio do eorpo, pooca turba, rab-ibu ra-
rapuihi, ps reforjados, com indir;.>.- ie l-irkiv r
sahio montado em urna besta ca-iai.ha aagaaa, di-
zendo nue dota vei ira para o Pardea : r. ga-
se as autoridades particulares e op.iar> de rana*
a appieseniacao do referido eer<'> lrrr>it-> 10
dito engenho a seo seohor e nes'a praca A .i. ea
Pessoa de Alluiquenioe, a' roa d Aiillv a. 38,
que sera' recompeo>ado.
Desappareceu do> Afflicpie, fino Ap D. Maa)
Carolina Perreira de Carvalho. o muiat Ham m
nome Isidoro, vindo ba pooro d> P-i-ii, id-nla 1
l6al8annos. rabeiloi cachead", -lio-- n-jw-
lar, o qual ifvon vestido can za o> Ha hr*mr%
e caiga lambem hraoea, vefatv, r*>v+" r lrm%
quem o api.rehender 00 deMpr miina m **
cima, spra generoaiMole reeomi n^4
Fugio de casa de eeo aenlior o escravo Aaaa-
nio. crioulo, traralhador de padana. m\ e*rr-vo>
temos sigoarr. segointes : balt",/'<' fTjm,
p apalhetados, e bastante feio, lf v*4o *n\it$
paMtot de casimira a ca'ea da *>e>ma taa4a jaa
usada, gratifica-se com geoero*Maa> qaraa a ir..it-
xer a padaria o. 146 defroote da esta^ao daa Cajjca>
Pontas.
-
Jll FfilVFII L
TT


Diarlo de r emanaba c o Sexta feira 4 de Xotemfo de ***.
Lilil
9
ATP'1?' ^
Trabalhos mdicos.
CUntca if Jca-c"nri/ca io Dr. Cosm (fu S Pe
reir na capital da provincia de Penrnambuco.
UOLBSTU DO BUXO VENTRE.
Sacco hermano savcomatoso snnui.ui lo hernia es-
l' angulada.\l mjos infructferos oara su i re-
dufeio. Peritonitis geral aguda subsequento
c ai v ii .ij";. s.-ro-puraleota.Signaos evi.ient-s
d di. ra prxima, e herniolorai.i incoiunente-
moote praucada.Svacuaca > simples gcjnd
qoarridade de pus peritoneal.e salvago rpida
di> doenle:
Itcspousahiiidade medica ; e fados histoncos.
(Ubservacao n. 238-io annn de 1863.)
(Conliouaeio do Diario n. 203.)
0 fado Clnico qu i vamos dar publicidade nos
parece ser de grande importancia, e Inieresse pa-
ra a scifncia e para a pratica.
Se al aqui em nossas historias s per accidens te-
> chamado a aitengao dos nossos collegas para
algumas circumstaucias que nos parecern) dignas
de reparo nos poneos casos que havemos publicado,
no actual ao contrario, sobre todas as circums,
Uncas occorridas que pedimos a attencao, a refle-
v.'so, e a discreto juizo dos collegas; ludo Ibes io-
teressar.
O que enlao observamos foi to frisan!, e to
Imponente que nao podemos fuarnos ao trabalho,
e i desejo de refen-lc ao publico, e aos collegas em
funicular, como cousa capaz de prender por ios-
laules sua alteaco. Caminhava cu .-obre caminiio
i rrado, guiado pelos principios de sena observa-
-cientfica, e> quando rheguei ao termo des-
te uamraho, fi que reconheci mea erro; mas ja
-n Urde : com oe.-calpell j na mao havia eu abar-
lo sobre o ventre vivo largo camiuh > para una
pe i_.' p gravjss'ma; eolio j Dio poda mais re
cuar ; o mal est;.va feilo, o erro era patente : con-
verter agora este mal em bem, e tirar deste erro
orna verdade para a sciencla, e para a pratica 6 o
que o ieitor vai ver como ; e o lim principal des-
ta historia medica
O doenle de cuja historia nos vamos occapar, es-
lava morreado quando o vimos; morrendo, dir-
in s nos, na signilicaco genuina da palavra, e n >
seo!-.o restricto da sciencia medica ; sua face era
de ora moribundo, descarnada, paluda e cobertade!
"gel lo suor, nariz afilado, olhos encovados e sem
brilh i, voz curta, interrumpida, abafada, e ronque- i
ih i, pelle fra principalmente nos bracos e pernas
sobre < lies corra tambera suor glido; nao exis-
Uj pulso nas arierias radicaes; o doente s dzia .
tenia avista escura ura bocadinho d'agua-----'
Dir-se-ba, nao haver nisio exagemgo alguma?
nio... uao... tu mesmo fui que abr o centre di
doente, e vi que elle ja pouco senta, e o sangtH
(ni- eniiSo derramara nao ensopou a pequea es-
ponja c|ue o enxogava, mals que isto tenho visto
di itar alguos cadveres ; que em ambos o san !
gue ja uao circulava. Portanto o nosso doente es- j
lava morreado liileralmenle fallando; e salvarse.
om doente neste estado nao na verdade um mi-
lagre, mas realmente um caso raro.
Se por es-e lado o quo acabamos de dizer nao
I i-r bastante para tornar importante tiossa histo-
ria, encarada ella anda por um oulro, nada Ihe
; litara' para dar-lhe mrito, pols o que vamos re-
f -rir uos parece nao s novo na sciencia, como tal-
v t friil um boas resultados na pratica.
Quando diurnos novo, porque nao temos co-
nheetOMDla de faci algum igual, ou semelhante
a'qoeile de que nos vamos occapar com sua appli-
cacio a pratica ; alera disto o que occorreu e-t
fra dos preceits enslnados para a pralica pelos
mais acreditados doutores ; assim pots ja nao s
pela uravidade do caso que adiamos Importancia
era nossa historia, tambera pela sua uovidade
n i- annaes da sciencia, e nos preceits que delle se
podem ileduzir para uma pratica nova.
Semio eu chamado para dar o meu parecer em I
conferenciasobre a molestia do doente deque
vamos tratar, encarei-a como dos intestinos; admit-
tido este meu parecer, lornava se neeessaria urna
operarn grave, e que devia ser feita incontinente-
mente; foi-n.e ella confiada, e eu alo demorei-me
era pratica la, e .- depois de feita, que recouhe-
i i que com os dados ministrados pela ob-ervago,
e exigidos pela sciencia havia errado : o que re-,
snltnii porm deste erro ferime com uma luz lio
viva, foi sen resollido feliz tao prompto, e la-, ma-
raviihoso, que mejulgaria indesculpavel se nao o;
dsse a coobecer aos meus collegas cora todas as
circumstancias oceorrdas.
.vio obstante ser maravilhoso o resultado obtid,
cora tu lo nao .levo occultar que fura elle fllho de
um erro ; ora um erro no exerclcio de pratica me-
i i-.i se nao pode ser tido como um crime, por
faltar-lhe a intooco, nem por laso deixa em certas
circomstancias de tornar responsavel aqueile que
o commettera ; e prevalecenrto nos agora desta oc-
io trataremos lambem desta questo; qoestlo
que .inda nao foi suscitada entre nos, mas quepo
il-ttJ i vir a ser, bom sera que adieniemos algumas
palavras a e-se respeito em quaoio lodos fe acnam I
Irn [aillos, e livres de imputagoes.
Antes porm de'dlscreverroos nossa hi.-torla m ;
dir, iligiimos logoem que consiste sua novidade, e
qual o novo me'io a seguir na pratica, do qual es-
peramos f-lizes resultados.
Suppondo que o meu doente solTria de hernia
estraogolada, praliquei-the a heroiotomla; depois j
do que foi que reconheci que ello SOTrla ae perito-!
otl aguda e .'eial com grande exalagao de pus,
o qual leve sabida franca pela parle operada ; nao1
novidade urna hernia estrangulada; nem lio pou-
co a beroiolomia ; mas novidade a abertura do
v -:it e nos casos de pentonitis aguda: e como esta
novidade, embora filBa de um eorro, deu um re-
sulta io ti r?n?, e prompto, mui difireme daquel-
le que se obtem uelos meios communs e cla>sicos
acooselhados pela sciencia, cooclaimos qae genera-
lisando este roelo muno ganharia a pratica medica
em idnticas circum>linnas.
Btplicada as-im a qnestode novidadepas-
saraos a nossa historia,
Otn, cibra de ti annos de Idade, escravo do
Sr. Jos Goncalves F'rreira da Costa, Brasileiro, |
morador em Santo Amaro, eslava residindo ao
tempode sua grave molestia, na ra da Aurora na
ca-a da fixina. Sra. D. Mara Theodora da A-sump
pao, mal do Sr. Jo- Goncalves; que ento viajava-
pea Europa. Andando Oiun na ra e.utiaia no p
: p na de um garfo vellio no dia 6 ou 7 do mez
de jnnho, a qual fra extrahida dous das depois
pelo l>r. Oetano Xavier Pereira de Brilo, que alm
de repouso, prescreveu mais ao doente um purgan-1
le de oleo de ricino.
Tudo marchara o mais regularmente possivel j
por *-spaco de qualro dias, e Olon nada mais
Senta em seu p, pois que havia este bem desin-1
fl unmado. .No dia 12, quinto depois da exiracrao;
da pona de garfo, Otn ainda cons-rvava dieta.)
porque sua seahora ja idosa.mui acautelada e |>re- '<
vidente, a isto o obrigava: nesle dia deu-se a se-
gninte occorreocia. Urna prela vendendo doces en-!
tiara na ra-a em que resida Olon, e este Ihe per-
guuiara que doces veBdia, ella Ihe responder di-
r.erido-llie os que linha, em cujo numero havia o
e abobara. Olon disse, este doce de doente, da-
me um pires, o logo o devoron todo. No da
seguidle que a Extna. Sra 0. Mana soube desta
oecurreocia, por ter ido dua preta cobrar o prego
do doce que nao tinha sido pago.
A ooitiaha do m-'-mn da em que Otn comer
o [lires de doce, seulio dores pelo venlre, que aun-
menlaram bastante ainda, nao obstante oemprego de
varios chas; e tornando se ellas insuporiaveis, foi
chamado o Ur. Caetaoo a i hora da madrugada
para v-lo u meuica lo'. Otn senlia ancias, vmi-
tos, resfriamento geral, dores pelo vtntre com ele-
vai,ao de um tumor na verilna dirtila ; em vista
do qoe o Ur. Caeaoo diagnosticara hernia estran-
gulada. Seja dito de passagem e por nina vez
Orn i herniado de.-de mullos annos, e ja sabia mul-
to bem arran;ar-!>e quando era accommettido pi-lo
seu inenmmodo; e disto eram sabedores todos os
seos senliores, e os seus parceiros.
0 Dr. Caetano recolheu a hernia, nao com pe-
queuo cusi, e observou que uma poroio resta*!
irreducnvel. Prescreveu um purgante de oleo de
ricino, e papas emolientes, sobre o baixo ventre
depois da applicaco de algumas sanguesugas.
Mediante este tralamento, o doente passnu mui-
to bem o restante, da noite, e todo o da 13 e 14;
mas as II hora da noite deste ultimo dia, de no-
vo appareceram em Olon, e de repente, vmitos,
grande anciedade, dores pelo ventre, suores, pe-
qui-nhez de pulso, grande deslnqoetarjao, face pal
lula, decoraposta; este estado f i encarado por lo-
dos corno gravissimo, e o era na realidade; em
consequencia do que foi o doente coofessado, e
uncido, deixaodo de lomar o Viatico por causa dos
seu- n-p -tolos vmitos. Fui de novo chamado o Dr.
Caetano nia mesma hora, examinou logo seu
di .-iii-, e encontrando a bernia da fiarte de fra,
de novo a reduzo, meaos a porcao que ja dons
das lites se mostrara Irrednctivel, e retiroa-se
depois de longo trabalho sera que o doente em cou-
sa algoina flea se ailiviado.
Pea manha do dia 16, visitn sen doente, e""o
encontrando anda em peior estado, pedio uma
conferencia as 10 horas; fui eu chamado para es
ancias, vigilias constantes etc. m que parece o
doente morer a cada i oslante i ae esta operaco
praticada ; ao contrario ella dei ta de ter lugar,
mesrao reprovaa quando prlquena a quaotia
d'agua no rentre accuranlada.
Abrir pois o ventre largament > em om caso de
peritonitis geral agudissiraa, ao Ijuinto dia de sua
se fim, mas nao podendo comparecer a hora indi- da um gro$so caja, de cOr vermelba, de consisten-
cada por ter de assistir a urna outra da qual faziam cia carnosa era lodo elle ; e oaquelle momento,
parte os Drs. Pereira do Carmo e Ramos; flcou ainda cheios de eraojo por nao ter encontrado
aquella para o raeio dia, e a esta hora em ponto, hernia alguma, podemos reflectlr da maneira se-
enirava eu na casa da Exra. Sra. D. Mara Theodo- guile, o releciiraos bem ; para introdurir este
ra, para o lira a que me havia chamado. Esta se- sacco, temos necessidade de fater ama grande di- ^
nhora, depois de feilo os devidos cumprimentos, lalajo nas paredes do canal inguinal, e proceden
foi logo dizendo-me desnecessario mais confe- do assim vamos ainda expor o doente- novos e
rencia, o doente est morrendo; respondi-lhe qae graves perigos, devido a grande abertura abdomi-
no obstante o estado grave de um doente, deve-se nal; e para deixa lo o expomos a eslrangularaento
senifire procurar salva lo, emprendose os meios pelo sacco, e os mdicos que llverem ^de examinar
proprios, e nao abandona lo ; Deus nada impossivel, mas ji nao ha mais re sio, e commettero talvez o mesmo erro que com-
curso paraOlon ; mas se o Sr. quer sempre v- mellemos ; evitemos pois estes dous perigos, dece- mim obtido, quando ja nenhuma
lo ple entrar;entrei e observei o segrate: pando- o sacco pelo eolio; nesla iotencao foi o havia de salva-se o doeute.
Otn eslava extremamente palnd-i, tinha o nariz sacco hemiario puchado docemente para fra do' Sancciooara" a pratica este n^vo meio
afilado, olhos amortecidos e encovados, suava ventre.nesta posicaoalravessaraos seu eolio por uma' meulo da peritonitis aguda...?
extraordinariamente, na face se via as ollas agulha com linha, e com a qual flzeroos um lago fados o dicnliro ; e para esse
do suor correr a eahir uma atr.iz das outras, os frouxo, e tendo assim seguro o sacco, cortamos! podera concorrer as opinies do
bracos, as pernas, as raaos effsps estao frios e sna porcao externa junto a linha ; aproximamos
muiio frios. para o observador esta fri glido, ', ento as bordas da fonda cutnea, e amarramos as
duas ponas da
qne nelle se
uao indicado,
repugnante, cholenco ; nao tem pulso nas ra-
diaes de ambos o-- bracos; de vez em quando repe-
le com voz sumida, as seguimos palavrasa vista
est escura, km bocadinho itugua dase-lhe e s
bebe um ou dons goles com dilliculdade a mao tr-
mula e o vomita logo um liquido verde nauseoso,
com cheiro semelhante ao das fezes, mas nao tem
fez-s seu vomito ; e-te liquido Ihe sai com grande
facilnlade pela bocea, ao mais pequeo extorco, ou
contraccao do didphragma, a bocea se enche del-
le, viscoso, esverdeado, torvoe ftido; tem so-
luco conslantemeiile um aps oulro; respirado
cnriissima e frequente; movimento decoraco per-
turoadissimo; venlre doloroso, mas compressivel,
e mui pouco elevado; a percus-o motra que
do nrabigo para cima ha timpanitis principalmente
do lado direiln, e som obscuro do umbigo para bai-
xo. .\a verilha esquerda nada se nota de anormal,
ah o doenle nao acusa dr alguma, apenasexis
tem pequeos ganglios indolentes; seu canal in-
guinal esta livre. Na verilha direita se observa
; logo a primeira vista uma elevago na direcgo do
canal inguinal, terminada externamente por um
tumor arredondado do tara rano de um grande caja,
' oceupa elle o canal miuinal e impede que por elle
i se possa passar um d^do; est endurecido, a pres-
so desafia ligeira dr na extremidade ventral,
aprsenla um som obscurecido, e nao lera relacao
alguma com a pelie. iMelramente indolente na
extremidade escrotal ; finalmente irreduclivel.
Nada de anormal so observa nos cordes esper-
maiicos, enos testculos. \ p-lle conserva sua cor
e mobilidade naturaes em toda esta regio.
Tendo o doente tomado om laoxante de oleo de
recio a noite, s li/.era um pequeo jacto atea ho-
ra que o observamos, e sendo o vaso que o cooti-
nha logo lavado, nao se pode examinar seu cometi-
do, loformaram-me tambera que o doente passa
ra toda a noite em soiocos, vmitos, extrema an-
ciedade e desinquietaco.
Tal foi o que ento observei, depois do que e sem
hesitar acceiiei o diagnostico feilo peloDr. Caetano
hernia estrangulada ao que ajunleicom jiere-
ttnttis snbsequente.
Qualquer medico por mais Ilustrado que fosse
devia ter errado como eu erreipois que para este
erro o conduziriam fatalmente o qualro todo da
molestia, sua marcha, os Rymptomas objectivos e
subjectivos, e os precedentes do doente em relago
a esle mal.
Sendo este o meu juizo, como consequencia ngo-
rosa-delle devia uma operaco ser proposta, e imme-
diatamente feita, ao que o meu collega respondeu-
tneo doente vai atorrar era nossas mos;nao
importa, Ihe retorqui nossa obrigagao, opralo
em continente; nao espacemosluem um instante.
Acceito pelo collega, meu parecer, passamos a da-
lo a Exm. Sra. D. Mana Theodora para que anuis-
se a isto; e.sta porm rocoson se por julgar morto
seu doente ; mas estando presente seuneto Manoel
Goncalves Ferreira da Cosa, lilho do Sr. Jos Gon-
calves, pedio elle e inston mesmo com sua av pa-
ra que consentisse fazer-se a operaco, visto ser
eMe o parecer dos mdicos ; e depois de inuitas
rcfl'xoes ella ceden; tratou-so logo de mettermos
a obra ; e emquanlo um portador foi a botica bus-
car uma esponja e los, traamos de conduzr o
doente para a sala de jamar, onde o collocamos
em uma mesa prxima a uma jauella e procedemos
do seguinte modo :
Eu recemmendo aos meas collegas o seguate
procedimentotanto mais quaolo temos presencia-
do que nao elle seguido, e talvez que a sua falla
se deva mais de um revez.
Embora o principal meio de curar uma hernia
estrangulada irreduclivel seja a herniolomia, cora
tudo o medico deve ter em vista, e prevenir em
le.upo, os symplomas graves que a acompanbam
e qoe indicara a existencia de alteraces profun-
das da circulaco e da inervacao, as quaes por si
s independeiiu-mente do encommodo hemiario,
podera malar, ou pelo menos vir ajumarte a esle
e loruaro mal maisgraveedemaisdifflcil cura. Otn
foi conduzido com cudalo para a sala e collocado
sobre dita mesa guarnecida de lences e travs-
seros, seu corpo foi esfregado fortemente com pao-
nos seceos ; sna camisa que de sijor eslava enso-
pada e fria foi mudada por outra enchuta, depois
do que se Ihe deu meio calix de bom vinho e se o
abafou : e assim foi conservado at o lira da ope-
raco, durante a qual de seu corpo s estevedesco-
beilo a p ,rle em qoe se operava. (*)
A operaco comecoo 3/4 de hora depois de meio
dia, e a i i/2 hora eslava concluida. Eis o que en-
to obse vamos :
Toda a pelle e os lectdos superjacentes ao lumor
hemiario fi.ram abertos no sentido vertical em
uma extenso de 3 pollegadas, e desta grande feri-
da na.i correu sangue que ensopasse uma pequea
esi"ioja, com que nos servamos para limpa-lo,
(iins dissecoes anatmicas ha cadveres que dao
mais sangue) chegaodo-se ao sacco hemiario, se o
va bem limitado era baixo, dos lados, e no canal
inha em um pequeo rolo de fio?,
posto sobre a pelle ; novos fios foram ainda appll-
cados e comprimidos sobre a verilha, c mantidos
por urna atadura em cruz.
Tratado desta maneira, o doente foi conduzido
para o seu quarto, onde jase achava seu leilobem
preparado ; deu-selhe nova porcao de vinho, em
attencao a sua extrema extineco de torcas, se Ihe
mudou de novo a roupa, se o abafou e se esperou
o resultado da natureza. Devemos declarar fran-
carnete que nenhuma esperanca nutramos sobre
o restabelecimenlo do doenle, ao coutrarlo julga-
vamos que seu mal se achava aggravado pela ope-
raco, esperavamos que uma on duas horas depois
SBanifeslaco, para extrahir o raz
tver accumalado, um fado n
ainda por pratico algum ; um Ipjrocedimento to
temerario e arriscado que nenhum medico onsou
acooselha-lo mesmo iheoricamepie, mas que boje
sera perraitlido faze-lo em face f do resultado por
esperanca quasi
do trata-
eu nao sei ; novos
nlgatnento multo
collegas illusira-
caso por um ou-
r nao no sentido
ira pelo lado da
dos, baseada em suas pratics.
Agora passeraos a eucarar este,
tro lado, nao pratico, quero diz
palhologico e iherapeutico, mas te
responsabilldade medica.
A pouca importaocia social do doente de que
nos oceupamos, oo pode tirar el ment de nossa
historia relativamente a esle segundo modo de
encara-la, ao contrario deve da-a toda, e milita
porque nestas circumstancias poderemos lodos fal-
lar e discutir, sem que o elemenl> posico social,
posico individual, relaces de slreraosas amisa-
des, venha iniervir na questo c*n tola sua f rea,
bem ou mal dirigida, ora faze
erro commettido, deduziudo dell
conequencias hav;das e por bave
ido sobresanir o
todas as mais
, e ora por mes-
ssquioha critica
devja ter elle fallecido comtudo recommendamos' quinho resentirnenlo, ou por m
todo o cuidado em manter o doente em um bom e j dirigida s no sentido de prestar sbrvicos gratuitos
apropriado rgimen hygienico e diettico, isto nao encommendados, oloscar e de oeirir o mrito
quenle e alimentado ; elle conservava sempre os real daquelle que navegando em i lar tempestuoso
mesraos sigoaes aterradores de uma morte proxi- sem bussuia, pode conduzr a por o seguro a nao
ma permaneca a pieza geral, os suores, osvo- prestes a naufragar.
mitos, os sol ticos, a suppressao do pulso radial e a Supponhase que o caso clnico,! quo referimos
decomposkao da face, etc. Prescrevemos pequeos uao se deu em um pardo captivo; mas sim em
caldos aromalisados e momos, alternados com ce- um imperaue uu em um duque, cia Je, marquez,
Iheres de sopa de bom vinho, roupa secca e aqce- ou millonario banqueiro ; os jornaps, as socieda-
cida para mudar as que estivessem ensopadas no des, ajustica tomariam logo conla do tacto e do
suor que conlinuava ser copioso, mandamos appll-: desgracado medico que tal erro conymettera, pnn-
car ciuapismos volantes nas extremidades, acompa-icipalinente se o seu resultado tivet.se sido fatal
nhados de botijas queotes ifbsps. O Dr. Caetano
devia visitar o doente mais tarde, o que fez as
qualro horas, e eu as 6 1/. Eis o que.euto foi
uccedendo :
Da 15 as 6 e 1/2 da tarde, 5 horas depois da
operaco : pulso em arabos os radlaes, pelle quen-
le, menos suor, muita sede, sem secura da Imgua,
vomita ainda os liquides injeridos, instantes depois
de have los tomado; continuara os solucos.
Dia 16 as 10 horas da manha.
Informara-me que o doente passara a noite no
mesmo estado, em que o deixaram boniem a tar-
de. >
Observo porm, que elle esta' mais animado, seus
olbos lera mais brilho, seu pulso frequente e mals
forte, a pelle quenle em toda ella, (memoras consi-
dera veis J Coniinuam os solucos e os vmitos, po-
rm com mais longos intervallos i o ventre esta' li-
geramente doloroso.
A tarde, 24 horas depois da operaco visitado,
e se ouservou pelo estado da lingua, pelo pul-o,
pelo calor geral e pela anlmaco, que o doeute es-
la' inuiii.-siiiiu uieliiur.
Da 17.Pelle quenle, pulso cheio e frequente,
indicando febres, a face sobretodo- esta' inteiraraen-
te mudada para raelhor, o ventre acensa ligeira dor,
e esta' timpnico, em consequencia disto, o Dr. Cae-
tao prescreveu uma garrafa d'agua de Vychi para
ir lomando aos clices.
Dia 18.- Informara que o doepte obrara por ve-
zes durante a noite; seu ventre esla' flacido, po-
rm a dor mais viva nas proximidades do lugar
operado. Dormio bem a noite, tem appelite, o pul-
so bate com menos inteuMdade e frequencia, ha
menos calor na pelle, a lingua esta' hmida e
saburrosa; nenhum vomito e nenhum soluco mais.
Da 19.iNeuhuma feure e nenhum dos symplo-
mas aterradores, observados ante-Donlem ; ventre
mais llacido e menos doloroso.
Da 2U.O mesmo estado.
Dia 'l.O mesmo estado. A ferida examina-
da e se encontrara suas burdas adheridas em toda a
exlen.-o. Antes u'este da ja' se havia examinado
supercialmeute para mudarse ofios, que esla-
vara ensopados no liquido sanguinolento que della
corra.
Da 22 a 30.Tudo caminhou regularmente. O
doenle dorme bem, come com appelite, obra regu-
larmente, levanta-se e passeia em seu quai lo, sen-
t apenas grande fraqueza; elle pois u'este dia
dado como curado de seu gravissiino mal.
Tal a importante e curiosa historia medica que
offerecemos a cousideracao dos nossos ulustraous
collegas, a qual como ja' disse : aprsenla um faci
que talvez veuha ainda a prestar grandes servicos
na pratica.
Pelo que acabamos de expor se v claramente
que o nosso doeute soffreu ue bernia estrangulada,
que foi reduzda pelo di-tinc. > collega Dr. limo,
depois do que Ihe sobreveio uma periloums exten-
ssima simulando pela presenta de um sacco her-
mano carnoso, urna hernia e Uangulada e irnduc-
livel, era poni to grave, que exiga logo uma op--
r.ieao V'ouii'i.i, a qual foi iiurnediaiarneute por mira
platicada ; a operaco, porm fez rt-cuuhecer que
lal hernia lo exista, e sira uma pentouites com
giaude supuraco.
Extrahido o puz pela abertura feila no venlre
para a redueco da herma, lodos os symplomas
aterradores que iudicavain urna morle prxima,
ceder.!ni como por um eucauto; foi no ui.-.-iuo da
poucas horas depois, ou meihor oa mesma hora da
operaco, que lo maravilhoso resultado come-;ou
a cl'.iuu ir se.
Oa, esle maravilhoso resultado, filho como ja'
disse de um erro que loi lecouheciao quando ja'
iugu nal; licava elle para fura e para diante do nil era Ul" possivel vultar, e que me levou a pra-
- ir...__________..._ .... __ ~i... ..-.. h .\i! II, i., i ilni'.l 4|-;lii 't'\|.\[l!i i Illti ll!!liri'..iiiiil>n
cordo esperrnalico, cujas duas velas se viam sum
mmenle entumecidas e tortuosas como nas ma-
Inores injecQes anatmicas.
E-lando o sacco hemiario assirn bem descoberto
e ii.-.n separado comecamos sua abertura pela ex-
tremidade inferior, que era bastante redonda, oque
fui fazendo com toda a vagaren e prudencia, at
licar uiua operaco gravsima,- rae irapre.-siouou
mui proluuoameuie; evia pois nao perder a
litio, aproveitar-me de seu resultado, registra-lo,
Uoiaudu cuio Udehdade lodo o occurrido, e tul o que
Oxmos.
Como resudado final temos ura caso de peritoni-
tis geral, exiensissima com abundante supuraco,
que una porcao de liquido se escapou por umal'ecujo trataineuto exclusivamente erapregado, real,
pequea abertura e por onde passamos logo uma' vautajosissiino foi uma larga aneriuiaque deu
sonda canaliculada sobre a qual dirigimos umbis-i passagem fraucae prompia ao puz accumulado no
ton, e a dilatamos. Venlre.
Abertolirgam-nie o sacco que devia contar a Ora, isto o que chamamos um caso novo na
herma, e derramando uma pequea porcao de li-1 scieucia, porque me uao consta que alguera o acn-
quido toldado que havia em seu interior, nao des-; seinasse, ou o tivesse praticaou: se nos nao ti-
cobrimos com a vista porcao alguma de intestino ; j vessemos errado uo diaguostico que tizemos, de
o sacco eslava vasio : enlao fomos procura lo no cerlo que uao a teamos pralicado; porque mu
eolio do sacco : e qual nao fui nossa admiracao, diferenie u'este o proceJimeuio umversalmente
nao encontralo tambera ani, e achar o eolio fran- j indicado na piaiica em igual caso; e como seu re-
cmente perrneavel ao meu dedo indicador, que |saludo foi prompto, e iao maravilhoso, de sup-
. por que era idnticas circumsiaucias o pratico que
' seguir este uovu camiuho, animado pelo meu exera
I po, tirara' graudes resultados; e lauto mais assim
I Uevera' elle pruceder, quanto excede lufluitaineule
: este resultado a aquelie que se oblem pelo trata
melo classico, emissocs sanguneas em alta escala,
e exa-
sern o menor obstculo o percorreu lodo at o in-
terior do ventre II !...
S ah foi quando reconheci que meu diagnosti-
co fura errado, isto que nao havia herma de
qualidade alguma, e multo menos eslrangularaen-
to. Este reconhecimento nao me deixava suspeita
alguma, pois que fura feilo pela vista, pelo tacto remedios derivativos enrgicos, absorveules
immediato, e em face de uma demoosiraco ana- lames, ele. etc.
tomica, -era uma verdade phystca... e agora o qae para tomar mais sensivel a verdade de que aca-
fazer ? El- como procedemos : Damos de exuor passemos anda em revista, e de
Ao retirar o dedo de dentro do ventre um jorro mdo geral a pratica seguida nas molestias agudas
de liquido purulento saltou tres dedos transversos dos sciosas,
cima do doenle, e logo se interrompeu de novo
introduzmos o dedo no ventre, e ao re-ira-lo nova Todu os mdicos bem sabera que se costuraa
porcao de liquido sanio; ento, introduziraos uma azer a abertura das cavidades naiuraes Techadas
pinta no canal inguinal at o venlre, esta pela sua Para t'1" *u wnnor o liquido que anormal-
elasticidade manteve-) aberlo e por elle coolinuou raeDle uellas se ltunH accumulado, so quando pelo
a sahir o me-mo liquido, que mais corra a medida seu vu'ume e qualidade van causando pango de
que se comprima o ventre, o que se conlinuou a
fazer, estando o doente ora de ventre para cima, e
ora de lado, al que nada mais sahio.
A porcao de liquido apauhada era uma tigella
exceda a tres chicaras, o qual unido ao que se
perdeu poda chegar ou mesmo exceder a qualro
pelo menos ; era elle semelhaate ao que se chama
cha de. ovo Isto ralo, ligeirameole amarella-
do, opaco, cheio de grumos, e sem mao cheiro.
Terminada a evacuaco d > liquido abdominal, e
limpa a ferida dirigimos nossas vistas para o sacco
hemiario, que como ja' dissemos, era do tamanho
vida uu grandes eocommodos ao doenle. Por exem-
plo, no hydrjpencardio a exiraccao do liquido ah
accumulado prla pongao ou pela iiepauai;a >, lera
sido aconselhado pelo Sr. Hioiauo, Seuac, Skieide-
rup e Desault.
Na pleunsia aguda ou chronica a ihoracentbesis
lera sido sustentado e praticado por Trousseau,
Barby, Josephe Byran etc.
A abertura do crneo nos nasos de hydrocepha-
lo ura dos meios curativos empregados por varios
medicos.Duraud Fardel fez uma resenta desles
fados pela qual mo.-irou o grande numero de ca-
sos curados pela ponco, o que outros haviam ne-
(*) A pratica aqui seguida outra. Opera-se o 8ado.
doeuto sobre um sof, ou sobre uma cama de lona, Na hydrocele e nas hydrartroses, pnncipalmen-
ou sobre outra qulquer cousa, estando o medico te na primeira, a abertura 0'estas cavidades fre-
operador sentado era uma cadeira, ou em p, quenle ua urlica de todos os mdicos ; e tanto
porra muito curvado sobre o doeute, e estando no primelro como no segundo caso sao innmeros
esie coberto apenas, por uma camisa cuja fralda s bous resultados favoraveis obtidos pela aber
atirada sobre os putos, cando o venlre e as per- tura d'esias cavidades, por mim praticada, embora
nas descobertas. Nesta p )Sicao nao so nao ha com- nao seja isto geralmente aceito era quanto ao se-
modidade para o medico, como era se empregam guodo.
os bous preceits hygienicos para taes casos acn- Na peritonites aguda de que o novo caso um
selhados ; ao contrario, o medico se fatigara logo exemplo, innmeros sao os meios me Heos que se
e o doenle vera seu mal aggravado por falta do de- empregam para o seu curativo, porm arada nao
vido cuidado. Em Pans foi assim que vi grandes fui aconselhado (que eu saiba) a abertura do ven
oueradores operaren) a hernia, estando o doente, tre para extrahir o paz ah derramado : apenas
porra collocado era leilo elevado e o medico em nos casos de peritonitis parciaes esperarse que
p ; no mais a pralica de l a mesma que aqui j un foco, limitado por adherencias, seja bem esla-
se segu Eu nunca me pode accommodar a esta belecido para ser ento elle aberlo. O mesmo
pralica, me pareceodo mais s.ia aquella que sieo
isto confortando o doente antes de opera-lo, e
tendo-o bem acondicionado durante a operaco,
devendo elle ficar era lugar elevado, claro e cera-
modo para o operador.
acontece na peritonitis chronica.
Na ase i lis, a pon cao do ventre aconselhada
para fazer cessar os incommados devidos ao
grande volume de liquido all accumalado ; e s
nesle caso, isto na preseoca de grandes adigas,
nao se levara era eoota a gravidade do ra .1, s!
por si mortal ; a morte seria sempr'3 attribuida, e
exclusivamente a esle erro da olDcii. Nestas cir
GomstaaclM a diseuesio e a apreciacoo do faci'
nao podenam deixar de ser apaixonidas.
A falta portanto de lodos esses eleraenlos, que
para o caso verleute chamaremos perturbadores,
da-nos toda franqueza para aprecia-lp pelo lado da
responsahilidade medica, vera servir mesmo pela
pouca importancia individual do rfente, de base!
para ura julgaraeuto uesapaixonado e relo desta
grave questo.
Esta provado que uw erro foi commettido, e;
assim como elle trouxe cousequeocias to lison-
geiras, poderia traze-las taoibern as raais tristes,
pois poderia o doente ter morrido, e sua morle ser I
altnbuida a esta operaco; e n'esta ultima hypo-
Unce qual seria a responsabilidade do medico?,
por ouira, supponhamos que um oulro casointei-l
ramete semelhaute a esle appareca, e que c me-!
dico proceda como eu proced, mas que o resulta-1
do seja fatal, sera' este madico responsavel pelas
consequeucias u'este erro i esta a questo que
vamos eacarar, ella importante.
A respousabilidode medica nao foi ainda esta- i
belecida por le alguma em limites fixos, ou em
termos definidos e as questes que al hoje se
tem movido a este respeito tem sido baseadas ni-
camente nos principios gerc.es que regera a har-
mona socialquelle que cansar a oulretn damno-
por incuria, imprudencia, negligencia, errogros-1
seiro, conimellido no exereido de sua profissol
deve ser responsavel pelas suas consequencias :
ora dando-se no caso que figuramos um errono
exercicio professional do qual poderiara provir
graves consequeucias pode-se d'eite erro deducir-
se materia para a responsabilidade ?eu di.'o
que nao; eis era que motivos,. e autoridades me
fuudo para assim pensar.
Sou professional, cora ludo partilho coraOrfila'
a opmio de Dupin 0 diploma do medico ou do
cirurgiao nao deve ser um brevet de impunulade \
em todas as applicacoes de sua pratica medica :=
donde se deve concluir que em algumas applica-i
cues da pralica medica o medico nao pode go-1
zar da irresponsabilidade do seu diploma nestas
circumst-uicias elle responsavel pelo damno que
causar. Mas quaes sao estas applicacoes que tor-|
nam o medico responsavel 1 no- parece impossivel 1
circumscreve-las, limtalas, e defin-las ; e peior
anda sena ampla-las, porque o fileno e livre exer-
cicio professional icaria ento a merc do menor
desagrado, havera sempre motivos para queixas
dos clientes, mxime dos mal ioleocionados e in-
gratos, e como entre dois majes se deve escolher
sempre o menor, uas duas hypolheses que figura-
mosa reslricco a mais circumscripla e definida
a que dar mais segura base para a responsa-
bilidade prufessioual; preciso pois se torna restrin-
gir o sentido das palavraserro, inadvertencia,
negligencia etc.
Nao seremos to ousado para propor-nos a fixar
laes limites, mas calmo como estamos diremos
em quanto a palavra erroque podendo esta com-
preliender muias variedades, como voluntario,
involuntario, grosseiros, vensivcl e mvensivel etc.
a respoosabiiidade m-dica .- deve ser trala dos
erros grosseiros;islo quando se der ignoran-
cia dos triviaes principios que a sciencia ensma
e que sao adraittidos para os casos communs na
pratica e nao para os casos raros, ou fora do
commnm : empelo que diz respeito a expresso
em todas as applicucoes da pratica medicajun
laramos os casos triviaes somante. O medico
pois nao deve ser responsavel pelos erros que
conimelter aos casos fora do commum e tratados I
debaxo dos preceits geraes da sciencia, como se j
se tralasse de urna verdade; e fazendo applicaca > |
destes principios no nosso caso, sendo elle ura caso
nj commum, nao trivial, ao contrario rarsimo,
e embancado, e embora nos dirigi-sitnos por tira
principio errado, mas lendo seguido todos os pro-
cellos da sciencia como se livesseraos de dingir-
uos por uraa verdade, nao seremos responsavel pe-
las consequencias deste erro.
Para me o leilor raelhor comprehenda o que
acabamos de expr, ligurerao* um ootro caso mais
fnzante. Dous mdicos erram no modo da encarar
uma molestia, um dalles, nao obstante o erro-era
que esla, caramba prescrevendo cora rigor, e pru-
dencia o que Ihe eqsina a sciencia ; o oulro ao
contrario, desconchavadainente applica o que quer,1
mostrando ignorar os mais treviaes conhecimentos
mdicos on cirnrgicos, ambos os doentes morreo
victimas desle erro : para nos s o 2 rospoosa-
vel pelo .i mino causado.
Recurde-*e o leilor de que o nosso dopnlesali
vou-se, que suasalvaco foi de vida Com tola a cer-
teza no erroem que caminos, as consideracoas por-
tanto que aqu fazeinos nao tem i.fluencia alguma
sobre minha d-fesa, pois que nao fomos aecusado :
eu fallo portanto somenle ao meu deve.r e a minha
consciencia : m .s como possa mu bera acontecer
que algum ootro caso nao lo feliz, venha a appa-
recer em nossa pralica uu oa dos nossos collegas,
o que lenha de ser apreciado pelos tribunaes ou
pela imprensa, julgamos prudente anlecipar nosso
juizo sobre as coudie -s que devera servir de base
para a responsabilidade medica em tal caso.
Debaixo do mesmo ponto de vista apreciemos
ainda alguns casos de responsabilidade que nos
refere a historia, vejamos as consequencias boas
ou mas resultantes das deci-oes que dorara os tri-
bunaes, a que fram ellos afTectos para decidirera
se havia ou nao lugar a responsabilidade, e sobre-1
tudo vejamos o parecer dos pernos a lal respeito ;
sao factos passados, verdade, porm importa nao
perde los de vista no futuro.
Ura doenle con-uliara-a um medico sobre seus
Incommodos, este Ihe acooselhra, e praticara uraa
sangra no braco : esta deu lugar a saluda d^ ura
sangue mui vermelho que c iu-ou admiracao as
pessoas presantes, as quaes quize*ara garda-lo,
mas o medico oo conseotio, e deilou-o pela jauella
cora o vaso que o cootiuha. Helirouse o medico;
e o doente iicou em sua casa >offreododi sangra
por muilos das, era consequencia do que foi de no-
vo consultar seu medico, o qual Ihe applicou vanos
louicos que nada aprovellaram.
Ura oulro medico foi ento consultado ; reconhe-
eeu esle ura aneurisma proveniente da picada para
a sangra ; lacheou a arteria brachial por quairo
vezes, inutiltemente, e por lira cahindo o braco em
grangrena, foi amputado. Era consequencia deste
desastre, o doente propoz urna acgo de respon-
sabilidade ; correu a questo seu turnos, o tribu-
nal de Bordeaux coodemnon o medico a pagar ao
doenle 600 francos em 8 das, e mais 300 aunuaes
al a morte deste.
A nosso ver esla coudemncao foi justa, n5o por
que o medico errara, cortando uraa vea e uma
arteria ao mesmo tempo ao acto de fazer uma
sangramas sira porque abaudonou o seu doenle,
tendo a certeza do mal que Ihe havia feilo, e dei-
xara de appticar-lhe era lempo epportuao o re-
medio que era laes casos sao empregados e acon-
sejados pela sciencia. Se esto medico tivesse
(cito ama forte coropre,ss.Q sqbre o fenmento da |
arteria, e falliando esle, tivesse procedido logo a
laqueacao da mesmapara mim elle seria irres-
ponsavel pela gangrena do braco, ou pela morte do
individuo saugrado. Esle fado um caso ordi-
i nario -suas regras esto bera estabeiecidas pela
. sciencia, nada lizera o medico para obviar soas
consequencias como devia, no.cumprira com sea
de ver, seu diploma nao d va cobri-lo em ama lio
sensivel falla.
Vamos referir ainda um oulro caso sobre o qual
pensamos diferentemente do juigado.
O Dr. Ilelie foi chamado para assistir a uma se-
nhora que eslava para dar a luz, tendo j a crianca
apresentadoo brajo lora da vulva, o que foi igual-
mente observado pela pteira asslslente. Helle
acbou o caso grave -, e nao podendo venceros obs-
tculos que encontrara para fazer a verso, (talvez
por estar o braco da criaoea ja raulo radiado, e o
tero mui contrahido) Ihe "amputara a braco, de
j pois do que lizera a verso, e tirara uma crianca
; viva a quera prestara decididameulo lodos os soc-
' corros para assegurar sua vida.
Em consequencia de ter o medico corlado o bra-
1 co a cremea viva, seu pn enteulara uma acgo de
. responsabilidade ; o tribunal civil de Doofroot o
coudeinuara a pagar a enanca a anoualidadede 100
francos por 10 annos, e 200 d'ani por diaote.
Esta seutenca ao meu ver foi injusta oo s por
que Helie lizera o que devia ler feilo como roedi
co, para salvar a vida 4a parturiente mu araeaea-
da, e prestara devidamente tolos os recursos Sro
filh); como porque dellajdecorrera consequencias
fuuesiissimas para as infelizes creangas que 00 ac-
lo de seu nasciineuto se acnarem era idntica cir-
| cumslaocia : taes consequencias, na verdade de-
vera ter causado mais de um infanticidio ou por
outra dadu maior numero de enancas moras
com seus dois bracos iuteirosdo que crisnejas vi-
vas co'ii um uraco de menosProveraos.
O Dr. Pajut se bera me record >, era uraa do suas
sabias lices oraes sobre parios que tiveinos a sa-
tisfaga de ouvir, diziaaos seus ouviotes nos partos
eom a presentaqao dobrago vede que leudes em fren-
te de vos uma crianca que vos est pedindo urna
penso por toda sua vida; cuidado.......sendo
poikrdes volta la sem inuilisar seu braco ser me-
ihor que tambem logo Ihe inutiliseis acabeca.
Disse muiio bem o Ilustrado medico francez ;
nestas suas poucas palavras mostrou as consequen-
cias da seoienca conderaoatoria de Helie......e
na verdade vede em que ternvel alternativa sa
achara os mdicos parteiros collocadoou malar,
ou pagar uraa peuco vitaliciaquando julgarem
neessarioa araputaeo de ura braco, em ura par-
lo complicado...... que seus juizes eram leigos
na arte, e que nao pesaram de tira lado a mltengo
pura e honesta do raedieo instruido, lutando com
diliculdades, e desejeso de fazer bem ao lilho e a
mi, e de oulro que authonsando indereclaraenle
ura crime que pode por qualquer medico a salvo
da respoosabiiidade, visto que sera dilQcil, seuj
impossivel julgar de sua inttengo quando pa-
ra evita-la li ver esmagado pelo cephalotribo o cr-
neo creauca, ou o aberlo com o perforador de
Biot.
Entre a vida sem ura brago, ou a morte cora
arabos, a escolha sempre sera feila fcilmente pelos
mdicos conscienciosos, pelos-pais honestos, ou pelas
mis chelas- de verdadeiro amor maternal ; lodos
estes escoihero por dever e-1? caso ; mas os pais
engreos, desles que podera negociar cora as dores
e at com a honra dos Olhos ;e os juizes imprevi
dentes e leigos, destes que na apreciaco dos fados,
s olham para a materia, escoihero o 2*, isto o
tnfanteadlo-..-...........
Oucamos agora a opinio dos dois peritos cnsul*
tados sobre a questo de Helie, e 00 seu parecer
que derara vejamos com que oondices deve ser o
medico responsavel pelos actos de sua profisso.
O tribunal civil envlou a academia de medicina
de Pars a questo de Helie para que ella desse
seu parecer, esla corperaco confiara ao sabio Dou-
ble a respo.-la, e esle em uma parle do seu sublime
relatono, lido na sesso de 29 de setembro do an-
uo de 182!), assim se exprimi.
Nenhuma duvida pode haser, que sao os mdicos
respousaveis pelo culposo emprego dos meios d'ar-
te, feilo cora,sciencia, prems-ditaco, e com prfido
desejo, ou criminosa loieocao ; mas a responsabi-
lidade dos mdicos no exercicio consciencioso de
sua profisso nao podera' ser sujeita ajurisdigo
da lei.
Os erros involuntarios, as faltas fora do alcance-
da previdencia, as consequencias pengosas fora do
calculo nao devem ser sensuradas seno pela opl-
niao publica.
Uebaixo dos mesraos sabios principios o Dr.
Boude era umaitlgo publicado na gazetados inbu-
naes cora toda a energa dizia, em defeza da res-
ponsabilidade medica, iris vos (fallare elle em
presenga de um tribunal,)1, pedir diuneiro em cora-
pen-ac'i ao hornera que nos vendo esmagado vos
houves-e salvado a vida por uma amputaco?-iris
vos inai pedir alimento para voso filho a aquelle
que pa-a salvar a vos e a elle houvesse feito uma
mutilagdo?-
Nesies. casos graves e terriveis a honra dev-
sempre estar enire a eonsiencia do medico e do pa-
ciente ; e estes nao devem ler outro juiz seno
Deus. O medico qu obrou segundo seu saber, sua
consciencia, e honra nao poda obrar meihor; loda
ouira douinna, falsa, oosarei mesmo dize-lo
perigosa para a socii-dade.
Perianto na opmio de-tas autoridades, e segun-
do os saos priuctpios por ellas estabelicidos, nao lia-
vendo culposo- etmirego dos meios d'arte, cora sci-
encia, premediac-i 1 e prfida intengo da. parto do
medno, e de mais tendo este obrado seguodo-seu
saber, sua con.-clencia, e honra, nao responsavel
pelas consequencias do seu trabalho professional.
H die nao deve ler sido condemoado.
Taes seriara poi> as razes ou provas que dara-
mos era uossa defeza se por ventura nosso doente
faliecesse, e por isso fossemos aecusado.
Nao sabemos se algum pleito, sobre a responsa-
bilidade medica teria havido aqu ; julgamos Com
tudo acertado apruveitar a ocsasio para [azerestas
breves Cosideraeoes de pouco iuleresse talvez,po-
rra uteis para o publico, e mais ainda para os m-
dicos.
Tudo quanio havemos ito pensamos que seria
mais que sufflciente para que a justica nos absol-
vesse se por ventura fossemos aecusado; mas isto
anda uao seria bastante para a tranquillidade de
nossa consciencia, se outras rasoes nao podesse-
mos'produzr; on por outro nossa consciencia pi-
dona acenzar-nos, ainia mesmo que a jasiica nos
tivesse absolvido : porm anda por este lado esta-
mos tranquillos.
Ja virara os leitores que nao abandonamos nosso
doente, era elle um escravo, e nao esperavamos
graudes lucros pela salvacao de sua vida ; e nao
obstante sua raeiiocridade* individual, nesta sua
grave molestia fora vc-sitado 4 vezes por diapor
2 mdicos que davam esles loda importancia a
sua molestia.
Sahiudo da casa de nosso doente, nos dirigirnos
imineJiatamente para a nossa ailra de com toda a
calma raeditarmos sobre o procedimeoto que de-
viamos ter era face da compl'cago que encontra-
mos, e podermos cora reflexo e IranqaiUUade es-
tabelecer nosso plano do tratamento posterior.
Tendo gravadas cora vivas cores todas as cir-
curnslancias do faci, cuja historia fica desenpta,
tratamos logo de consultar varios autores de mals
nouieada, e a medida que avancavaiao- em nossa
leitura mais nos convencamos da ler comprido
com o nosso dever, pois que la-mos achando a pro-
va de havermos feilo o que era laes casos convera
fazer-se : e para nao cangar o leilor com citagdes,
basta que Ihe citemos a opinio de uma grande au-
toridad* moderna das mais concoiluadas.
O Dr. Nelaton na sua obra olassica sobre patbo-
logia cirurgica t. 4 p. 230 diz- peritoristis her
n aria aprsenla em seus smptomas uma sem-
Ih'iiu-'i tao grande com o estranglamelo que mili-
tas vezes di/ficil destmguir estes dous estados
mrbidos um do outro. Ali mesmo mostrando as
difficuldades que ha em dyignoslicar uma hernia
estrangulada diz : as vezes as dtficuldades sao tao
grandes que o pratico mais experimentado, e mais
atiento pode ser induzdo ao erro.
En face pois desta leitura eremos que Nelalon
mesmo, ou outro qualquer pratico de igual peso
lalvet errasse como n? erramos,pois que para
escrever o que elle escreveu era preciso ler exem-
plo iguaes ao nosso; melhores nao se podera en-
contrar.
As indagacoes que a este respeito filemos nao se
limitaran) smenle em ver provadas como li-
cam as difflcnldades quasi eovencvais que na pra-
tica se enconlram era casos Idnticos; fomos mais
longoooss diejo era tarabem provar que nao
fomos nos o que commeltemos tal erroporque
oeste caso haveriam minios que dissessem me-
dico da escola brasileira-e Isto basta; o isto o
que nos oo queremos que se diga, pois qoebs m-
dicos das escolas brasileiras pndem errar como er-
rara os mdicos da escola de Pars, Colmhra, Loo-
dre, Vienna etc.; aqu podemo curar nossos
doentes to bem ou to acertadamente como li; e
se as vezes erramosla succede outro tanto: eis
as provas em que nos fundamos.
A. Cooper cita o seguiote facto.(observagao n 208)
Entrou no hospital uma mulher lendo duas her-
nias orqraes e ama um.helica! com todos os simplo-
nas de hernia estrangulada ; nio se deltas se devia escolher para a operaeao ; amo* se
esta para o dia seguiote, porra a doente marren
antes deste praso; a autopsia mostron qae sao ha-
via hernia alguma estrangulada, mas sa, m a
doente fallecer de ama peritooitis. (")
Um doenle entrou para o servigo clnico Au-
gusto Berard, professor de elimica cirorgtea da
faculdade de medicina de Pars, e eirorgio o
hospital da Piedade, apresentnJo ii)dos os Manto-
rnas de herma estrangulada; depois de Set_ .
minado, este ilinslrado e habilsimo clrurgio i
lerminou fazer-lhe a hermotoraia, o qo- pot logo
em pratica em presenga de vanos interno*, ta-
ran] f>i cortndoos tecidos qaecobriam o loaser
como de regralentamente, e por camodas del-
gadas al chegar ao sacco hemiario, e aiwriofne
fosse este, peusando O sabio cirurgio encontrar
a hernia, reoonheceu seu erro encontrando >*n-
te ura ganglio supurado. Hichet conU 'sie fario,
era euto interno da Piedade e um dos qoe a-siv
tira a operago; Richet-anatoma medico-cirur-
gica.
Em 1830 exista no vasto hospital de Pars, cha-
mado Hotel de Deus, ama mulbrr doente ao servt-
go da clnica do sabio professor Sansn; ella
apresentava todos os signaos de hernia estrangula-
da, em consequencia do que Saosoo proceden a
hernolomia, e s depois de ter aberto o saeco her-
niario, raconhaceo qae nao havia hernia alguma,
pois que delle s sahira ama porcao de paz cus o
que cessaram lodos os eacommodos qoe-indiravam
-estrangulamento.Esle caso se assemelba bmu-
to ao nos) em quanto ao diagnostico, ao trala-
mento, e as crasequencus rpidas da salvacao do
doente.
L'm jornaleiro, deu ama queda, depois do sjss
perciben que tinha um tumor em orna das veri-
Ihas. Este tumor oceupava todo o trajelo to cor-
do esperrnatico, e de Val sorte eslava v.;lnn>xo
que se o nao poda fazer passar pelo canal ingui-
nal ;o testculo correspond-ute etava sao, e Ibo
fica va inferior. Estas circumstancias ajodada*
por ouiros ene. mraodos e pela falu de obra por
dous das lucrara crer a Tnke que o tonwr era
urna hernia, e oeste sentido tentn reduz-lo, e
nao consegu ndo, comecou a fazer a operaco
berniotomia; cortados lodos os leridos qoe conri-
rara o tumor, e creudo ter ja chegada a* saceo
hemiario lento o aioda rednzi-lo, dilatando o eaaal
inguinal, e o oo consegualo, abra o tumor, e
s ento recoobeceu seu erro, aneoatrando na tu-
mor sanguneo que evacuado eixou franco o ea-
ual e o cordo.
Pot. euv. cirarg. t. i* cudo por Berard ti
Deaoavellier compendram de cirurgie 1. 2* p
Eis pois provadopela pralica, e pela aotorida-
de a granlissiraa diIDjulJad* em qoe nos acha-
raos em um determinado e inslito caso de nossa
clnica ; e bem assim quaes foram os nossos re-
cursos, e qual o resollado obtido; nao sirva de
exemplo ; mas os qae errarem devem ju-uficar *
como nos o lizemos, ou meihor anda.
V.' esta a curiosa e importante historia para a
qual chamamos a atiengo dos collegas, e eoja
principal questo de medicina pratica. repito an-
da, a seguinte : Era uma peritonitis agadi-si-
ma geral, cora signaes de morte prxima, e datan
do de cinco dias, sera permitirlo ao medido abrir
o venlre do doente para evacuar o paz ah aeco-
mulado?...........
O caso de micha historia respood* qae sira ;
nosso doenle operado nestas circjm>laceu<, quan-
do ja' se esperava sua morte, sal vou-se rpidamen-
te, sem emprego de algum oulro iralameolo.
Mas os nossos collegas decidirlo como meihor
julgarem era sua intelligencia e pratica.
Dr. S Pereira.
(Continuarse ka.)
P. S. Ern agosto do correte aono, voitare
eu de Santo Amaro, aonde fra ver om doeole,
quando em uma casa, que se eslata eoo-tmiodo
eucontrei Olton traba hando de mareioeiro. lafor-
mou-rae elle e o seu>seuhor que, depois de sua ope-
raco, gozava sempre de boa sade : exaroinei-o;
conserva sempre sua hernia, qae se recolbe eom a
maior facilidade possivel :
UM POMO DE TIDO.
Sao de El Zidin estes
OEVAlflIOS.
Em ondas de fogo a trra s'abrasa,
Abriodo seu seos aos beijos do sol...
A Qor desabrocha laugan-lo perfumes
E as aves gorgeo saudando o arrebol.
A trra palpita... os ventos abrasao...
O ar s'embalsama o cheiro da flor...
A' ave cantando s dizalegra.,.
E ludo nos falla sement d'amor...
E eu ra co, ja' sinlo, o sangue que esla
Correrme oas vt'as, ferveodo em cacbo...
Sonhando mulheres.. p rece., que vejo
Mil formas divinas I Que bella viso !...
Quem dera que fosse, das eras passadas
Artista afamado de mago cinzel...
Qual elle, lisera surgir alue
De formas di/inas... de labios de mol...
E ao vela to inda... com beijos ardeoles
A vida Ihe dera e o ser de meu ser...
E enlo Ibe dissera : Anima-te, estatua,
V bem caos pedra mas lila mulher.
E a estatua animada, ao meu, palpitante
Juntara seu seio... corando d'amor...
E eu louefr e captivo. de todo esgolara
Encantes da vida... na taca inda em flor t
Na noite de 10 para II do correle nonve orna
lula sanguinolenta entre ofiiciaes d esereil e
age ules da polica, na praga das Barricadas, ta
Eruxellas.
Eis os proraenores :
Qualro elSciaes addidos secretaria de topogra-
phia do deposito da guerra, e um offlcial dos gra-
oaJeiros saturara, as duas horas da manha, da
casa da sociedade Uiuon Tavera.
Pareciam um pouco alegres da sua vida, e, en-
miuhando, cantavam um tutti lao fortissimo, qpo
ao chegarem a' praga das Barricadas fazua as*
baiulho iri-iilTrivel.
Ura agente de polica, de servigo o'esla esiacao
pedio com boas palavras aos ofBciaes quo se di-
veriissem perturbar por esle raoJo o repouso publi-
co ; mas Col lo mal receblo que mudou o aviso
em arae&g&de auioaineuto de coutraveugo, e li-
gio dos perturbadores que dessem os suas Domos e
profissoes.
Como resp.iude.--em a esta exgenciacoa grace-
jos, o agente cqnvidou ura dos offlc-.aes a seguido a
secretaria da polica, e como se langou-lhe a mi para 1 levar do viva (orea.
Seguio-se ama rixa geral oa qual os onsciaes
veaceram o polica.
Aos seus gritos de soccorro, correu um segunde,
agente, que foi igualmente maltratada
Eutrelaalo o prlraeiro agente, conseguiu >ssa>
baragar-se des seus auUgouislas, broa o sabr da
baioba e feria cora elle, gravemeote o oflkaal n
graaadeiros e levemente o leoeole Mollet.
Tendo accorrido depois mais agestes do |
restabeleceu se a ordem, sendo autoadns
les desordeiros de dragonas.
O movimento de concentraco das tropas
zas nos estados roraaoos devera' eoaecar no Ata
15 de noverabro prximo, segando afflraa na jor-
nal italiano.
As guaruigdes de Frosinoni e Velletr j tiran
entregues as tropas do papa.
(*) Em vista do novo casoesta doente talvez
se salvasse, se fosse operada.
PilENAMBUCo TiP. DK M. P P* r. J *U
^OW*"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAAJLNVHZ_IM5MRJ INGEST_TIME 2013-08-27T22:31:32Z PACKAGE AA00011611_10827
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES