Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10825


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO ILI. HOMERO 2tt.
Por qnartel pago dentro de 10 das do 1. mez ,..u,
dem depo/s dos 1." 10 das do comecoe dentro do qnartel .. .
Porte ao eorreio por tres aezes.....?? z
51000
61000
750
OOARTA FEIRA 22 DE NOVEMBRO DE 1865.
Xor anno pago dentro de 10 das do 1. mez
Porte ao correto por um ant.......

. 19$0H
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
P.arahyba. o Sr. Antonio Alex?ndnno de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
6r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maronhiio, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
fillios; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
E.NCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO SOL.
Alagoas, o 6r.GlandinoFalr.ao Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
'fl.iheiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundase sextas fei ras.
Santo Anto, Grvala, Becerros, Benito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Beoto, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pud'Alho, Nazarelh, Liraoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ei, as quartas
feiras.
Serinbem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, nas quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do coinmercio : segundas e quintas.
Relami: tercas e sbados is 10 horae.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as li horas.
Dito de orpbos : tercas e sextas s rO horas.
Pnmeira rara do civel: tercas sextas -ao mek>
dia.
Segunda vara dj civel: quartas e sabbades
hora da tarde.
EPHEMER1BES DO MEZ DE NOVEMBBO.
3 Loa cheia a 5> n., 43 m. e 28 s. da m
10 Quarto mina, a 3 h., 25 m. e 52 s. da m.
18 La nova as-81 h., 40 m. e 22 s. da m.
26 Quarto cresc. aos 38 m. e 22 s. di m.
DIAS DA SEMANA.
20. Segunda. S.Feltede Vallofsroi*d._dos Irinos.
B. Terca. S. Celso n. ;.S. Honorio m.
*. Quarta. S. Cecilia v. m.; S: Pleme m.
23. Quinta. S. Clemente p. m.;.S. Cezino.
24. Sexta. S. Chrysojuo m.; S. Firmina r. id.
25. Sabbado. S. Cal bar i na v. m.; S. J-ucanda v.
26. Domingo. Ss. BeNoo e Pilas bb. mro.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 7 horas e 42 m. da manhaa.
Segunda as 8 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o mi! a'A Alaen* a 14 e 30; para o
ata a Granja .-.7 e 22 de cada mez; para
do nos dias I'.'(os roezes de Janeiro, marco
julho, setemhro e Dovembro.
ASSIGNA-8E
no Recife, na linaria da praca da Indrpiadnatla
ns. 6 e 8, da* proprietarios Manoel Figoeiroa 4*
Faria & Filbo.
Os Srs. assignantes desle Diario, que
se acham em debito das respectivas assig-
natnras, queiram mandar realisar o paga-
mento deltas; e aquelles que moram fora
desta cidade, tenliam a bondade de dar avi-
so de quaes sejam aqu os seus correspon-
dentes, afim de ser solicitado esse pagamen-
to dos mesmos, a quem daro ordem para
isto, visto come alguns pretextam a falta
dessa ordem.
conforme solicitou o capito do porto, em offl ;io citado patente no prezo legal.Communicou se ao
de hontera, sob n. 223, a quanlia de 1:4004 Pra
pagamento dos premios a que tem direito o* 10
pnmeiros marinheireiros e cinco grumetes, cons-
tantes da mencionada folha, os quaes eogajaram-se
para o servio da armada, bem como da gratifica-
Cao que compete a pessoa que agenciou taes
engajamentos.
Dito ao roesmo.Transmiti a V. S. para os fias
convenientes as inclusas copias dos actos do conse-
lho de compras do arsenal de guerra datado de 2,
7,13, 26 e 30 de outubro ultimo.
Dito ao mesmo.Annniodo ao que solicitou o
marechal commandante das armas era ofDcio de
, hontem, sob n. 2,150, recommendo a V. S. que,
estando em termos o pret junto em duplicata, man-
! de pagar os vencimeotos relativos a pnmeira qui
respectivo commandante superior.
Dita.O presidente da provincia em vista dos
motivos allegados pelo teneote da '>' companhia do
batalhao n. 6 d- infamara da guarda nacional do
municipio do Recife, Jos Pereira da Cunha Jnior,
e doqueinforraou o respectivo commandante supe-
rior, em offlcio de 14 do corrente-sib n. 436, resol-
ve dispensa-lo do servico de destacamento para
que estava designado.
Dita. O presidente da previneia. attendendo ao
que reijuereu o capito do 8* batalhao de infatua-
ra da guarda nacional do municipio do Recife, Jo-
s Francisco Pereira da Silva Jnior, resolve dis
pensa-lo do servico de destacamento para que esta-
va designado, visto ter sido julgado incapaz do ser-
vico em iuspecc,\o de saiide^corao constou do ter
tOWW SU FSOVIMU.
Coiitinuifao do expediente do dia 16 de uorenibro
de 1805.
Offlcio ao general commandante das armas.De-
ferrado os requerimentos que me foram aprsenla-
dos sirva-se V. Kxc. de mandar dar haixa aos vo-
luntarios da patria, corpo Antonio Caetano e Manoel Geraldo Pereira.
Dito ao mesmo.Cooformando-me com a infor-
i zena deste mez das pracas do 6o corpo de volunta- rao annexo ao'offlcio do marechal de campo cora-
rlos desta provincia.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar os venc
i mentos, relativos a primeira quinzena deste mez
| das pracas alistlas no 5o corpo do voluntarios
desla provincia, urna vez qac eslej em termos, o
' pret junto em duplicata, que me rem"tteu o mare-
' chai commandante das armas com offlcio de hoje
I sob n. 2,159.
Dito ao mesmo.Mande V. S. ajustar coatas ao
teneote reformado Epiphanio Bjrges de Menezes
i Doria, como pede no incluso requerimenlo, visto
mandante das armas, de n. 2156 desta data.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vis-
ta a proposta .do tenenle-coronel commaodaote do
batalhao n. 19 de infamara do municipio de Naza-
reth acerca do qual informou o respectivo com-
mandante superior em data de 18 de abril do cor-
rente anno, resolve nomear para o posio de alferes
portabandera do mesmo batalhao o sargento Ale-
xandre de Souza Arraes.Coramunicou-se ao res-
pectivo commandante superior.
Dita.O prvsiiemeda provincia, deferlndo o re-
maran de V. Exc. de 13 do correte, sob n. 2102,; ter de seguir para a corte, na quali Jada de tenante querimoto do capltao da 2* companhia do batalhao
dada com referencia ao requerimenlo de Maria Ma-; secretario do corpo de polica. n. 43 d t infamara da guarda nacional do munici-
noela do Nascimenlo, autoriso-o a mandar ellmi-' Dito ao inspector da thesouraria provincial.Se po de Serinhera, Vicente Elias Cavalcante de Al-
nar do servico da guerra o Qlho da supplicante, esliver em termos os inclusos prets, mande V. S buquerque, resolve transfer lo para a lista de ro-
que ni'' serve de arrimo Francisco Jos de Sania pagar os veneimentos a contar de 5 a 15 do correte, serva por ter sido julgado incapaz do servico acti-
Aona, guarda designado pelo 2. batalhao de arli-Idas pracas do 4o batalhao de infamara deste mu- vo em inspeccao de sade, Meando aggregado
Iharia do Rio Formozo.Communicou se ao com-1 nlcipio destacadas as freguezias da Varzea e Paco seccao do batalhao de reserva do mesmo muoici-
mandante superior do Rio Formozo. i da Panella, bem como na povoaco da Capunga, pi at que se destine a companhia a' que deve
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. I visto assira o haver solicitado o commandante su-1 pertencer. Corainuoicpu-se ao respectivo com-
pe-ior desta capital, em offlcio de hontem, sob mandante superior.
n. lo. Expediente do secretario do governo do dia 17
Dito ao mesmo. -Tendo o arrematante dos repa- de norembro de 186o.
i ros das 250 bracas de empedrameoto entre os mar-1 Offlcio ao inspector da inesouraria de fazenda.
eos de 5 a 8 mil braga- na estrada da Victoria feito S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda trans-
T'9 h 0,a,0,~-v 'edLl .'"*! ^m; ?*, ?r?I vico correspondente, a 2" prestaco do seu con miUir a1 V. s. as 4 inclusas ordens do thesouro ua-
ta de 4l*3o res correspondente a quinta parte ,ral0>vMguQ(,0^ eonsU de offlcio do chefe da repar- dooil sob n. 148, 15D, 151 e 152.
dos vencmen os de chefe de seccao dessa repart- ,j0o ooras b|icas aaUdo de nonlem e SOb I
Cao a contar de 27 de selembro ale 31 ae oulabro 365 assjm cornn)UUJCO a y. S. para seu conhe-
deste anno, e a que (em direito o pnme.ro escr.plu- Kment0 e aflm de que em vista do competente
rano Joaquim Pereira Bastos por haver durante certlficado mande pagar a, predit0 arrematante a
e,se lempo exerc.do interinamente acuelle lugar. ja de mim em que importa a menciona-,
roais tambera a que for elle vencendp do crreme da preMaco.-Coramunicou-se ao chefe da repar-1
tn.'o das obras publicas.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S, nos termos de
sua informacio de hontem, sob n. 463, a mandar
ools sero dias-de moito sangue; porra esta lem-
branca nao faz arrefecer os nimos dos Brasileiros,
principalmente daquelles que se acham aqu ; os
quaes almejain. a chfgada desses dias, que serao
em novembro.
t Feito IslOt isto ,depois de obtermos a victo-
ria, vollaremos ao seip de nossas familias (os ^ue
escaparen)).
< Crea o raen amigo, que este servico da-blo-
quei i o mais terrivjel e massame possivel. Mas
deixemos tte massadaL e vamos a noticia lina!.
Como tica dito, etamos tundeado na Belia-vis-
ta; e a collocacao efta : Na vanguarda da. linha
esi o Ma Mara
Rodriguen ^ em seguila a Itajahy, depois a Ara-
guary, e l < i a Ivahy!. Pela i>opa desta canrtooeira
o vapor argeniino Guarda Nacional eom o pavi-
Iho do- chefe Muratoije; segue-se a Amazonas com
o pavilho do chefe Barroso; e a esta para a rec-
laguarda o Ypuanga, o Mearim. a Belnonte, fe-
chando esta linba o Beberibe com o pavlhao do
chefe .M vi ni.
Sei que veo conferenciar com o ctwfe Barro-
so a ultima hora o chefe poltico de Bella-vista; mas
nada posso dizer do (|ue trataran).
Doos plantadores Americanos dos estados
do Sol passaram no vapor americano Noith Ame-
rica para o Rio de Jai eiro, oode vo. veriflear pelo
exarae ocular se Ihos convem transportaren) se
cora sua-, familias pan o nosso paiz.
Ja sahio a publioidade o volume de poesas,
denoraioado Flores Peludas, do Sr. M. de C. Paes
de Andrade; e acha-te exposta i apreciaco dos
amantes das lettras n j livraria dos Srs. Garroux de
Lailhacar & C, a ra do Crespo n. 9.
Cnhecido na repblica das leitras o talento do
Autoriso V. S era vista do parecer da contadoria
dessa ihesouraria, a que se refere a sua informa-
Cao de hoje, sob n. 824. a mandar pagar sob mi-
nha re -o'.' do decreto n. 2884 do 1." de fevereiro de 1862
Sr. Paes de Andrade
reza, que ja vio a lu
tendedores, com relai
raos que nao desmere
lor producQc de igual natu
11 dia com applauso dos eo-
lio a presente, apenas dire-
e do fruelo anterior, recom-
mendando-se anda per ser um donativo patritico
do poeta s familias de
vor das quaes reverte
mez era dame pelo mesmo exercicio dentro do cr-
reme anno nanceiro, como pede no requerimenlo
que devolvo.
Dilo ao mesmo. Inleirado do conteudo do offl-
cio >iue V. S mi dirigi hoje, sob n. 831, tenho a
dizer em resposia que a^provo a deliberado, que,
segundo consta do citado olflcio, tomou o inspector |
:la alfaodega desia capital, de empreitar, na falla
de licitantes, com Rufino Manoel da Cruz Coussei-1
entregar, mediante flanea idnea ao vigario da
freguezia do Pao d'Alho, Antonio Domiogues de
Vasconcellos Arago, cont de res, votado pelo
| 5o art. 13 da le do orcamemo vigente para a3
obras da igreja matriz daquella freguezia.
Dito ao mesmo. Accuso receido o offlcio de
lOVHK\-0 DO HIMPillO DE
PERNAMBUCO.
SEDE Vii;\ME.
Expediente do dia 18 de novembro de 186o.
Offlcio ao vigario de S. Jos.Com o seu offlcio
de 13 do crreme recebi o termo de impedimento
Felicitamos, pois, a o Sr. Paes de Andrade, cuja
prodmvao assume ass ra ura duplo carcter de im-
portancia.
Ja hontem come mu a funecionar o signa I
convencional de have-espectculo era Sania Isa-
o dio urna bandelra eocar-
alro, e noite um globo de
mesma baodeira.
m com deslino a corte o 5'
opposto ao casamento de Joo Baptista da Costa
com Anania do Amor Divino Mello, sendo o impe-
dimento apreseatado por ura parete da oubente ;
e nesta data o remeti para a cmara eclesis-
tica.
a ala direila do corpo
mero de pracas.de qi
Formando esta fo
d'ahi parlio para o ei
to, pela quantia de 3299230 res, e medanle as n^-1 honlem SD 46i m que v s par,Cipou haver Dito ao vigario do Bom Jardm.-Attendendo ao,
-cessar.as garantas o coucjrto urgeote de que pre- JuS(-, de yorits G,,mes perreira, dando por fiador que V. Rvma. me expSe no seu offlcio de 13 do i
cisa aquella reparncao. |0 proprietario Luiz de Moraes Gomes Ferreira, correte, concedo somente que d as heneaos nup-
uno ao mesmo.h-lando em termos o pret juo- arreniatado com 0 aDaie de um por cento no preco ciaes aquelles oubentes que se casarem durante o
em duplcala, que me remetieu o marechal com-, do resl,ecllV0 orcaa,eto a obra da bomba do Ra- preximo advento.
mandante das armas om offlcio de hoje, sob o.
2137, mande V. S. pagar os vencimemos corres
poodentes a primeira quinz-ma desie mez das pra
^a> alistadas na companhia de zuavos em orgam
sagao neta provincia.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que,
tan lo em termos o pret junto em duplcala, man
de pagar os vencimeotos relativos a primeira quin-
zena deste m-z, das praca- do 3 corpo de volun-
tarios, visto assira o haver solicitado o marechal
commandante das armas, em offlcio de hoje, sob n.
2136.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Providencie V. S. para que sejam posto em ha ta
publica os reparos urgentes, de que precisa a es
irada do Dojary a G n mi' servinlo de base aessa
arr.-niatag.io o ore; iment i e ciau-ula*. jumo por co-
pia e que para esse lira rae reraelteu o chefe da
repartidlo das obras publicas com offlcio de noa-
tem n. 364 coo-tmle da copia lainbcm junta.
Dito ao coronel Manoel Goncalves Pereira Lima
ommandante do batalhao n. 23 da K-cadt.Res-
pondo ao seu offlcio de 5 d) corrent-*, dizendo-lhe
que me d a razo por que so reraelteu nove guar-
das para o servico da guerra, quando locou ao ba-
talhao sob seu commando dar 38, conforme diz
Vmc. em seu citado offlcio.
Dito ao director do arsenal de guerra.Man Je
V. S. encalxotar e devolver m'a* allm de ser-iin re-
metidas a reparticlo da agricultura, commercio e
obras publicas as 3 raadidas de madeiras e 3 de fo-
Iba que a este acompanham.
Portarla. -O presidente da provine a resolve no-
mear o vigario collado da freguezia de Aguas-Bel-
las padre Antonio Eustaquio Alves da Silva, capel-
lo alferes de voluntario, e determina -ue elle siga
para a corte com a ala direita do corpo de polica.
Fizerara-se as necessarias commuuicacoes.
17
Offlcio ao general coramandants das arma*.
Queira V. Exc. infrmar acerca do incluso offlcio
do ins.lector da thesouraria de fazenda de 16 do
correle, soh n. 829, apreseotando a tabella do ar-
bitramento para a etape das pracas dos corpos do
xercilo exi-lenles nest* provincia, do pao alvo
para os doenies das enfermaras militares, e da
forragem para a companhia lisa de cavallaria no
semestre, de Janeiro a juoho prximo futuro.
Dito ao mesmo.Faco aoreseutar a V. Exc. pelo
1 cadete Julio Cesar de Carvalho Araujo, allm de
Iheiro presidente da
mandante das armas,
cia, commandante sui
qual bem como o Si
remenlo
>.hoMd deCavallo no 6 Unco da ramificac-lo
: da estrada do Cabo, e em resposta tenho a dizer
que approvo essa arrematado.
Uno ao mesmo.Estando em termos o mappa e
; conta junta em duplicata, mande V. S. pagar a Joo
| Bapusta dos Guiraares Peixolo, conforme solici-
tou o delegado d > termo de Garanhuns, em of-
flcio de 2 do correte, sob n. 21 a quantia de
2445600, despendida durante o mez de outubro
prexir
Dito ao mesmo Chegou-me s maos o procla-1
ma de Jos Braz Sonoo impedido por Joao Eloy
Cavalcante de Albuquerque, acompaohado do seu
offlcio de 13 do correte, a que espoodo ; remet- j
tendo ao mesmo lempo o impedimento para o ca-
mar ecclesiaslica.
Dito ao vigario da Serra do Teixeira. Depois
de ter recebido a estatislica dessa freguezia, ela-
borada cora cuidado, che.mu me s mos, com o
s voluntarios da prtria, a fa-
o producto da edico.
b-l, estando cada tod
nada na fachada do th
fogo em substituido a
Embarcou hont
corpo de volnntarios Ida patria desta provincia, e
de policio, formando o nu-
e hontem flzeraos raeucao.
Ca uo Campo das Prlncezas,
nbarcadouro no arsenal de
marinha, seodo prece lida dos Exms. Srs. conse-
provincia e marechal eom-
e dos Srs Dr. chefe de poli-
erior da guarda naciooal ; o
coraraan lauto das armas
eram acompaohados le um luzido estado-maior,
0 acto.
1 corpo de voluntarios e d)
nacional com destino a guer-
panhainento, exlendendo em
fem dos corpos expediciona-
ultimo, com o sustento dos presos pobres recolhi- seu offlcio do 1." do prximo passado, um mappa
dos a cadea daquelle termo.Commuoicou-se ao topographico dessa mesma freguezia, com todos
delegado de polica de Garaohuos. os lugares capellas, e oulras miouciosidades e
Dito ao commandante superior da guarda naci- povoacoes mais ou meos imporlames, situacao
nal do Recife.Sirva se V. S. de expedir as suas das diveras capellas, e outras minuciosidades alias
ordens, para que urna guarda de honra de um dos mui necessarias para o perfeilo coohecimeoto des-
corpos da guarda nacional sob seu commando su- ses lugares.
perior, seja posta la em frente da igreja do Pilar,! Agradeco sinceramente essa prova de zelo que
aflm de assislr a fesla do Martyr S. Sebastio, que mostra ao mesmo lempo ntelligencia esclarecida
all se tem de celebrar no da 19 do crreme. e verdadeiro interesse pelo que perlence boa ad-
Dit ao mesmo.-Deferindo o requerimenlo do j ministragao ecclesiaslica.
guarda do Io batalnao de artilharia da guarda na- Espero que V. Rvma. continuar a dar-me
ciooal deste municipio Manoel das Neves Teixeira parte de qualquer alieraco que se der nessa fre-
da Trindade que se acha destacado no Forte do Bu- goezia
que mais abrilhanlav
A offlciahdade do
2 batalhao do guarda
ra fazia parte do acn
diversas liaras em fr
ros.
Era urna manifestaefeo de apreco aquelles a quem
tero de seguir em poi co.
O povo apinhava as ruis, por ende desfllava a
tropa, dando assim o adeus de despedida aos ir-
mos que se iarn em d saffronia da honra nacional,
ollendida.
S. Exc foi a bordo, e ahi despedio-se daquella
porco de bravos per lambucanos, que deixando
comraodos, correra ao leclamo da patria, daodo-lhe
o que de muito caro te n.
De Sennhiein remeltem-nos o segrate :
c Na corainunicago que Ihe fizemos da partida
do tenente-coronel Marilaoo, entendemos dever con-
tar-lhe o facto em si, romeando soraenie os tai-
mo, e doente, como consta de offlcio n. 419, desse
, coramaodo superior de 16 docorrenle, autoriso V.
! S. como solicitou a subslitui-lo por outro.
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.Con-
; formando me com a informaco de V. S de non-
| tem datada, sob n. 1,020, dada com referencia ao
: reqnerimjnlo, que devolvo, de Rila Emilia de Je-
ss Ferreira, autoriso-o a mandar alistar na cora-
de aprendizes artille** desse arsenal o me-
panliia
oor ii.h i da supplicante de notne Eugenio Luiz Ma- da viagem do inclyu e perpetuo defensor do
rraho, uraa vez que se ache elle nas condiges do peno a' provincia de S. Pedro do Rio Grande
20 -
Olflcio ao presidente interino do coro da cathe-
dral.Tendo Sua Magestade o Imperador regres-
sado a' corte do imperio, depois de ter expellido
do territorio nacin I as borlas paraguayas, que
o haviara invadido, tenho determinad) celebrar,
no dia 23 do correte pelas 10 X horas da ma-
oha na cathedral desta cidade, um TeDeum em
aeco de gragas ao Todo Poderoso pelo feliz xito
in-
do
dadores da idea, sera q
mos que outros distinc
corrido para consecuc
levamos em vista nao f
respectivo regulamento, segundo declara V. S. em Sal, e pela couservago de seus preciosos dias, no
dita informaco. meio dos perigos e privacSes, porque passou : o
Dito ao commandante do corpo de polica. De- que communico a V. S para o fazer constar a to-
ferindo o reqerimento do sol lado do corpo sob dos os Rvras. capitulares e mais empregados da,
seu commando Jos Goocalves M mteiro, autoriso cathedral, aliin de que todos coraparegam a esta ;
V. S. a dar-lhe a baixa que pede, se for julgado solemnidade.
apio na forma da le o substituto que offerece Si- Dito ao vigario da Muribeca. Ne.sia data remet-1
mo Francisco Guerra. lo para a cmara ecclesiaslisa o impedimento op-
Dito ao Dr. juiz de direito de Olinda.Ioforme posto a Lourenco Barbosa da Silva, natural dessa j
Vmc. se j respondeu ao jury o reo Benedicto freguezia da Muribeca, e actualmente residente oa
Tnomaz Pereira, soldado d > 1 balalno de arli- cidade do Recife, o qual esta' correodo os procla-
mara do exercito, que estando no presidio de Fer- mas para se casar com Maria Joaquina da Sol-
n ni lo foi para aquello Um requisitado pelo juiz dade.
municipal do termo de Olinda, providenciando Vine. Fica assim respondido o seu offlcio de 14 do I
em caso negativo para que seja elle julgado na correte, que acorapaohou o referido irapedi-
ser.-m ali-ta tos no 5* corpj de voluntirios da pa
tria os cid tdos constantes da inciu-a relagao.
Relago a que se refere o offlcio supra.
Jo- Paulo da Silva.
Francisco ^evermo Roque.
Gaudino Apolomo de Mello.
Joo Fraocisco Regs.
Jo? Pereira dos Santos.
Francisco Lopes Lima.
Joo Baptista dos Santos.
Manoel ieira da Silva.
Dito ao rnesmo irva-se V. Exc. de informar-
me se asseniaram effeetivamenle praga no 3 corpo
de voluntarios da patria os individuos constantes
\ primeira opportunidade.
memo.
Dito ao Dr. juiz de direito de Nazareth.Infor-
me Vmc. com urgencia se o soldado do 4 batalhao
de artilharia do exercito Luiz Francisco do Sacra-
: ment, que foi suhmeltido a julgamento do jury
desse termo, est enmprindo sentenca, e qual ella ;
(ou se pende de algura recurso o seu processo,
: providenciando logo neste ultimo caso para que te-
tina o andamento devido.
Dito ao vigario da fregueth de Una. Tendo
exigido em mioha circular de 9 de outubro ultimo
o mappa dos bitos havidos nessa freguezia dorao-
te o aun i prximo passado, e oo o do correte an-
no que Vmc. me eoviou com o seu offlcio de 9 do
da relago ioclusa que me sera devolv.da, assigna- correnie, devolvo o, allm de que organise o daquel
da pelo tenenle-coronel Jos Francisco de Farias )e anno e remeUa com a possivel brevidade.
Salles. Dito ao capito Luiz de Franca Mello Juoior.
Oiio ao mesmo. Qoeira V. Exc. raorraar acer- paco a,,resentar a- vmc. os Individuo de ames
ca do que pede nos inclu-os papis o guarda na- joaqUim jorRe de Almeida e Antonio Pelolro, aflm
conal do batalhao ov 42 de Serinhem, Jeronymo de serem a|,sla(jos na companhia sob seo com-
maodo.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. per a' disposico
do arrema ante das barreiras da Capunga e Man-
guinho, Joaquim Jo.- da CosU, mais urna praca do
i corpo provisorio da polica.
uito ao eogenheiro liscal da ponte de ferro do
Recife.Remeti por copia a' Vmc., para seu co-
Fooceca, The-! nheclmeoto, o aviso de 4 do corrente sob o. 37, em
e Aotooio Va- que o Exm. Sr. ministro da reparlicao da agricul-
tura, commercio e obras publicas declara oio po-
jse Gregorio.
Dito ao mesmo.Remetame V. Exc. urna re-
laco nominal dos offlciaes do 2o batalhao da guar-
da nacional destinada ao servico da guerra, com a
deelarago do< baialhes a que perteocem e de
serem designados ou voluntarios.
Dilo ae mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar-
me acerca do qce pedein nos inclusos requeri
mentos, Nympha de Mello Accioli
reza Eiieves Moreira da Costa
leolim.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar der, pelas raz5es expostas no citado aviso, acceder
eliminar do servico da guerra para que fra de ao que Vmc. propoz era seu olflcio de 21 de seteno-
signado, o guarda nacional do municipio de Igua- bro ultimo, relativaraene a' necessidade de serem
ras-, Jos Aotooio dos Sanios, visto ler sido jul- cheias de betn as columnas da poote de ferro do
gado incapaz do servico em inspecce de sau le, Recife.
segundo coosta do termo aooexo ao offlcio de V. | Portarla. O presideote da provincia, tendo em
Exc. de 16 do corrente, sob n. 2,141. vista a proposta do teneote-coronel commaudante
Dito ao roemo Nesta dala providencie para do batalhao n. 19 da Infamara do municipio de Na-
que leoham o. devido andamento os processos das zareth, sobre que informou o respectivo coraman-
pracas meociooadas oa relago junta ao offlcio de dame superior em data de 18 de. abril do corrente
V Exc. 0.1,921 de 20 de outubro prximo' anno, resolve promover ao posto de capuao da 4
fi'ndl, corapaohia do referido batalhao o tenenie da 5"
Dito ao Inspector da thesouraria de fazenda -Re-; companhia do batalh) o. 20 do mesmo municipio
comraeodo a V. S. que em vista da foiha junta em i e arma, Aotooio Bernardo Lopes L'ma, licando pri-
duplcala, e nao haveodo iocooveoleote, mande vado do posto de capito da referida companhia
entregar ao f leneote Ernesto Ignacio Cartjlm, I Manoel Cabral de Oliveira Mello, por oag ter soli-
wmmm
PERNAMRUCO,
REVISTA DI1KU.
VAmanha reuoe-se em sessao ordioaria o los-
titulo Archeologico e Geographico Peroambucaoo.
Pretende c Club Pernambucano festejar o an
niversano de sua mstallaco, dando ura l.aille no
dia Io de dezembro prximo futuro.
A funeco anouncia-se esplendida, e concorrida
da flor da nossa sociedade.
Na altura do cabo de Santo Agostioho foi en-
contrada no domingo ultimo a galera poi lugueza
Mona, que em viagem do Rio de Janeiro para Ma-
ranii -, trazia 16 das.
E' noticia dada pelo capito do brigue portuguez
Improviso, o qual addicioua que tudo ia bera a bor-
do daquella galera.
Ue pessoa pertencente nossa esquadra vi-
mos urna carta, da qual fazemos os seguiotes ex-
tractos, que se recoraraeodam a leitura publica pe-
la materia que expdem:
< A esquadra eslava fuodeada oa bocea de
Goya, mas com o aviso da aproximado do exerci-
to, que aehava-se no dia 14 do andante (outubro) a
viole leguas de Bella-vista, resolveuo chefe Barro-
so vir coadjuvar os movlmenlos, suspeodendo do
aocoradouro referido, para fuodear mais cima, li-
cando por taoto a esquadra a trinta milhas de Cor-
rientes a espera to smeote que o exercito se
commuuique, adm de tornarmos a suspender e ir-
mus dar o ataque oo antro da fera indmita, a
quem tereraos de fallar cora a lgica cerrada do
caoho.
< Isto ser oo Passo da Patria, lugar pouco ci-
ma de Corriente-;.
Ahi teremos de lutar nao so com a esquadra
ioimiga composta de 16 vapores, como tambera
com foronda veis bateras col locadas ai hoa para
evitar a passagem do exercito. Esse dia ou das,
serao bem amargurados par) mi'hargs de familias,
ue com isto porem negasse-.
os patriotas livessem con-,
i de lo nobres flns; pois!
zer urna nomenclatura pa-
ra nos tornar nn-s inte. Para prova portanto do
Sr. rectificante que no'tivemos tal intento. n> s
confessamos que os noraje por elle lembrados sao:
dignos de mengo, corno tarabem aceresceniamos
que outros multo lizerain ; e menciono anda o Sr. j
Joo Baptista de Barros jWanderley, qne procedeu '
como verdlideiropatriota
De Gamelheira coramuncam-nos o seguinte: |
Tendo o subdelegada de Duas-barras mandado ,
prender a um prelo,escravo do Sr. Francisco Paes!
Brrelo, do engenho B )in-nome, e que se acha,
pronunciado, deu isto lujar a um conflicto, de que |
resultou o ferimeoto de um d>h offlciaes de justiga.
O criminoso logrou evadi-se ajudado por urna se-
nhor moco. D'isto lavroujse o competentenle ter-
mo de resistencia, e o referido subdelegado prose-
gue na perseguigo dos criminosos.
Numerago dos bilhjeles da lotera 40" offere-
cidos pelo thesoureiro das loteras para auxilio das
despezas da guerra.
Bu heles 1400, 2287. 3267.
Meos629, 1371, 2107,2432, 2965,3187, 3588,,
188'i
Quintos 105, 541, 738L 1003, 1341, 1629, 1963,
2032, 2343, 2540, 2836, Ot, 343, 37*3, 3944.
Os biHieles das loteras 11" a 39" produziram
1:6394800.
UEPAnTIQAO DA NUCA.
Extracto da parte do dia 21 de novembro de 1865.
Foram recolhidos a' casa de deiengo oo da 20
do correte:
A' ordera do Illra. Sr. Dr. chefe de polica, Joo |
Manoel dos Santos, Laurijnlino Jorge Barcellos, e
Viceole de Paula Ferreira, para rec rutas ; e Can-
dido, menor, para averiguag5es sobre sua verdadei-
ra condigo.
A' ordem ao Dr. delegado da capital, Fortunato
Jos da Eacaroaco, por
da estrada de ferro.
A' ordem do subdelega
raraeco do regulameoto
do de Santo Antonio, Ma-
noel Jos Firmioo, para 'ecruia ; e Jos, Africaoo
livre, para correegao.
A' ordera do de S. Jos, Rosa Mana Joaquioa,
Igoacio Francisco de Frenas, Jos Aotooio Boielho,
Aotooio da Costa Barbalho, Antonio e Miguel, es-
cravos de um Fulano Damas, por disturbios.
A' ordem do da Capunga, Jesuioo Guilherme
Dias e Bibiaoo Andi A'felino, para correegao.
A' ordera do do Poco,; Jos Francisco dos Santos,
para correegao.
(0 chefe da 2* seccao,
J. G. de Mesquila.
Passageiros do vajwr brasileiro Uyapock, sa-
ludo para os portos do porte :
D. Carolina Alves Ferreira e 3 escravos, Igoacio
M. da S. Sobral, Antonia Beoevides S.de Mello, Dr.
Jos Peres da Fonceca,1 Augn>lo C. Mello Rocha e
1 escravo, a familia do cirurgio de brigada Jos
Sergio Ferreira, sua setyhora e 4 fllhos, 1. ao Pedro
Collares Moreira, Dr. Ladislao Pereira da Silva, J.
H. Ardman, Dr. Anstides Augusto Coelho 8llva,
Antonio Francisco do Reg Barros, Dr. Maooel
Fernandos Vieira e seu escravo, padre Florencio
de Almeida Pinto, tanol Pedro de Moraes, Igna-
cio do Reg Tosca no de tirito Jnior, bacharel
Felippe Honorato da Gieha Marioho, 1 fllho me-
nor e 1 escravo, Ricardo Jos Teixeira Filho, Dr.
Raymuodo Joaquim E. Mala e { escravo, Antonio
Pereira da Silveira Casiello. Branco, Jes Aotooio
Ernesto Para-Assu, Jpsi| Roberto Vlanna Goima-
rao, D. An|onio Q^sajs,

UIMCA .ILMUAiiU
Tltllll \V3, UO COKinEKCIO
ACTA DA SESSA'ADMINSTRATE VA DE 20 DE
N0V3MBR0 DE 1865.
PRKSIDKNCIA QOEXM. S8. DBSKMaARCADOR
ANSELMO FRANCISCO l'ERETTI.
As 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, G. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, e tarabem o-Sr. desembargado* fiscal, o Exm.
Sr. presidente declarou aberla asessao.
Lida, foi appnowada a acta da sessao antece-
dente.
EXPKDIENTB.
Offlcio da juMa.dos corretores, acompaohado da
cotaco dos precos cirrentes da praca durante a
semana prxima, ftnda.Archive-se.
Aos senhoros deputados foram distribuidos os
seguintes livnos s
(Copiador dos commerclantes Antonio Correia de
Vasconcellos ^ C, ao Sr. C. Alcoforado.
Diario, des coromerciantes Rabello & Branco, ao
Sr. Baslo.
tem, dos commerciantes Izidoro, Netlo \ C, ao
mesmo Sr. iasto.
tem, dos commerciantes Antonio Correia de
Vasconcellos & C, ao Sr. Miranda Leal.
DESPACHOS.
Na pe*cao de Kalkmann Irmos C, do Cear,
pedindo que se mande registrar a nomeaco de
caixeir despchame que deram a Domingos dos
Santos Silva Registre se.
Na de Eslevao Jorge Baptista, para que seja re-
gistrada a coota que juota.Regstrese.
Na de Moohard (X C., pediodD que se maode re-
gistrar a procuraco bastaote que juotam Regis-
tre-se.
iSa de Domiogos Jos Pereira da Costa, para que
se admita registro urna conta, que juota.Re-
gi3re-se.
A' ioformagiio dada pelo offlcial-maor da secre-
taria exigida por despacho de 16 do corrente, exa-
rado na peiigo de Francelioo Xavier da Fooseca e
outros.Registre-se.
A* duvida opposta pelo mesmo offlcial-raalor ao
registro do cootracto com que Jos Pereira dos
Saotos comprara o estabelecimeDto de miudezas da
ra da Cadea do Recife n. 21.Procede a duvida
quanto ao documento junio era segundo lugar.
Sendo concluso o summario ex-offlcio intentado
cootra o agente de leiloes Aurelaoo Augusto de
Oliveira, o Iribuoal deu o segrate despacho :O
tribunal marca o dia 27 do correte como o ultimo
do praro de oito das para que o summariado apre-
seote o conhecimenlo do imposto, sendo este inti-
mado pelo offlelal de justiga.
Sendo lambem concluso o do agente de leudes
Luiz Antonio Rodrigues de Almeida, o tribunal
proferio o seguinte despacho : O tribunal atlen-
deudo que o summariado nao provou asallegagdes
consuntos da resposta que Ihe foi exigida respei-
to de oo ter apreseotado o conheciraeoto do im-
posto do seu offlcio de agente de leudes, relativo
ao corrente anno floanceiro, e tendo em vista o
disposto no artigo 13 do decreto n. 858 do Io de
novembro de 1851 mandado observar nesta pro-
vincia pelo decreto n. 939 de 20 de mirco de 1852,
e o aviso de 14 de dezembro de 1859, condemna o
mesmo summariado em suspenso das funecoes do
seu cargo al o ultimo de dezembro do corrente
anno e nas custas.
Nada mais ha vendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
deote encerrou a sessao s 11 horas e meia da
manhaa.
SESSAO JUDICIARIA EM 20 DE NOVEMBRO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARCADOR
A. F. PEIIETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
s 11,t horas da manhaa o Exm. Sr. presidente
declarou abena a sessao, estando reunidos os Srs.'
desembargadores Silva Guimaraes, Reis e Silva e '
Accioli, e os Srs. deputados Rosa, Candido Alcofo- i
rado, Bastos e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
sao.
JULGAMENTOS.
Appellautes, Maooel Antonio Nogueira e sua
mulher ; appellado, Joao Pereira Caslello Branco. j
Adiado o julgaraeoto a pedido de um dos Srs.
deputados.
Appellantes appellados Julio Colombier como tu-!
lor dos fllhos menores de Hyppolito Dumood e
Joao Cals aio ; appellada, Mane Augusline Leo- ;
ole Cals.
Ordeoou-se urna diligencia.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimarei ao Sr.
desembargador Res e Silva :
Appellantes, os administradores da mas-a falli-
da de Ainorim, Fragoso, Santos & Corapaohia ;
appellado, Manoel Rodrigues dos Santos Moura.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. des-
embargador Accioli :
Appellanle, Jos Pereira de Araujo ; appellado,
Jos Alves de Faria.
Appellantes, os administradores da massa fallida
da de Amorlm, Fragoso, Santos & C.; appellada,
Manoel Pereira Caldas.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimaraes :
Recrreme, D. Anna Luisa de Mello Brrelo ;
recorrida, a commisso administradora da massa
fallida de Gomes & Filhos.
Appellantes, os adininisliadores da massa fallida
de Amorira, Fragoso, Saotos & C.; appellado,
Samuel tlalliday.
Appellantes, D. Maria Rila da Cruz Neveseoulros;
appellados, os directores do Novo Baoco de l'ernam-
buco.
DISTRIBUYES.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorira, Fragoso, Santos & Companhia ;
appellado, Amonio Alves de Moraes.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Appellantes, os administradores da predita mas-
sa fallida ; appellados. Marques Gomes 4 C.
ACGRAVO INTERPOSTO DO JUIZO ESPECIAL DO
COMMERCIO.
Aggravante, a dlrecco da companhia Vigilan-
te ; aggravados, Wilson S Helt.
O Exm. Sr. presidente negou provirnento.
Nada mais ha vendo a tratar-seo Exm. Sr. presi-
sidente eocerrou a sessao a meia hora depois do
meio-dia.
TRIBUNAL DA RELACAO.
SESSAO DE 21 DE NOVEMBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SOUZA.
s 10 horas da manhaa, presentes os seohores
desembargadores Santiago, Gitirana, Lourenco San-
tiago, Guerra procurador da corda, Almeida Al -
buquerque, Molla, Assis, Ucha Cavalcaoti, Domin-
gues da Silva e Barros Vasconcellos, faltando o
Sr. desembargador Doria, abrio-se a sessao.
Passados os feilos, deram-se os seguiotes
JULGAMENTOS.
Aggravo de pelicCw..
Aggravante, Dr. Joaq lira Jos da Campos ; ag-
gravado, o juizo. RaJalor o Sr. desembargador
Santiago. Sorteados os Srs, dasembargadores Dj-
mingues da Silva a Barros Vasconcellos.Deram
provirnento.
Aggravante, Antonio Sergio da Cruz Muoiz ;
aggravado, o Juizo. Relat >t o Sr. desembargador
Guiraoa. Sorteados os Srs. desembargadores As-
is e Barros Vasconcellos.Negaram prRYirnepto.
Aggravaoies, o padre commisMrio, miwnro t
outros ; aggravado, o joizo Relator o3r. evem-
bargador VC.ncellos Sorteados o Ss. c.e
bargadores- Santiago e Domingoes da Silva.De-
ram provirnento.
Recursos crtmet.
Recrreme, Coostaoiioo Nuoes Pires; recorri-
do, Amonio Manoel Gomes.Relator o Sr. 4t>*rm-
bargador Gilirana. Sorteados os Srs. *nrmbmr-
gadores 'celta Cavalcaoti, Mulla e Assis.Deraaa
proviraeoU).
Habeas-corptu.
Concedern) soltura ao prelo B^aedicto, esrrav*
de Jos Ai) ves de Barros.
Apellantes criwtt*.
Appellanle, o juizo ; appellado, Jos de Correia
Mello.A novo jury.
Appellanle, o joizo ; appellado, MaMti Gaan
da -ilva. Improcedente.
Appellaote, Maooel Bezerra da Paixo ; appella-
do, o juizo.A novo jury.
Appellares rirei.*.
Appellanle, Aliono Jos Ferreira da Casita ; a#-
appeliada, a fazenda. Receeram-w os ewfcir-
gos.
Appellanle, D. Joanna Mana das Dores ; appel-
lado. Jos Hygino de Sonza Peiie. Desprnartm
os embargos.
DESIGNACAO DI DIA.
Assignou-se dia para julgamcMo das e-
tes:
Appellafes civeis.
Appellanle, a Sania Gasa de Miserirordia; aa-
pallado, Antonio da Silva Ferreira Jnior.
HNMa
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. deseator-
gador Gitirana
A appellaro erMae.
Appellanle, o juno ; appellado, Luiz A atonto do
Nascimenlo.
Do Sr. desembargador Gilirana ao Sr. desembar-
gador Guerra
A appellacao eivel.
Appellanle, Paulino da Silva Miodello ; appella-
da a Santa Casa de Mrericordi.
Afi Sr. desembargador Loaraae" Santiago
A appellacao crime.
Appellanle, Manoel Feh Barbosa ; appellada, a
jusiica.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. deseaMtar-
gador Molla
A appellacao civel.
Appellanle, Manoel Monleiro de Macedo ; appel-
lados, Borges A Mello.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr desembargador Molla
As appellacoes erimes.
Appellanle, o juizo ; appellado. Malinas da Silva
de Mara.
Appellanle. o joizo ; appellado, Joao Severo Mar-
ques.
Do Sr. desembargador Mona ao Sr. deeiaaar-
gador Assis
A appellacao civel.
Appel ante, Francisco Jorge de Souza ; appella-
do, Francisco Marioho de Alboqoerqoe Mello.
Do Sr. desembargador Assis aoSr.deseaaharfa-
dor Doria
As ppelUcoes erimes.
Appellaote, o joizo ; appellado, Jos Joaqoim de
Jess.
Appellanle, o juizo ; appellado, Wenceslao Bis-
po de Araujo.
A appellacao civel.
Appellanle, bacharel Manoel Firraino de Mello ;
appellado, Francisco Jos Sivira.
Do Sr desembargador Barros VaseoaceRas aa
Sr. desembargador Santiago
As appellacoes erimes.
Appellanle, Manoel Gomes de Mallos ; appella-
da. a jusiic.
Appellanle, o juizo; appellado, Sebaslio Ribei-
ro de Mello.
A' 2 horas encer'rc ^e a sessao.
fllRnilMCI'ML mi RECIFE.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 3 DE NO-
VEMBRO DE 1865.
Presidencia do Sr. Pereira Simes.
Presentes os Srs. Aqoioo Foos-ea, Gustavo do
Reg, Sanios e Pinto, abre se a sessao, e fui lida a
approvada a acta da antecedente :
Leu se o segoime
EXPEDIENTE :
Urna petico viuda ra informar, na qual Bazilio Alvares de Mir Varejo solicita anda a .vr >m n-nlaca i relativa-
mente a quesio da Ribeira da frrgorzia da Baa-
vista, e pede a S. Exc. a nomeaco de arluiros pa-
ra esse lim.Posla em diseuss, resolva *r ia-
formar que a cmara por -ua parte jul* desaere-
sario submeiler a quesio a deciso de arauros,
visto como arada esla disposia a fazer a Wgl ae-
commodaco, urna vez que o peiicioaario reeefta a
quanlia proporcionada ao valor do terreno, e roa-
forme ao julgado, e oo que atienda someate a soa
exageraco com manifest prejuizo da muaieipali-
dade que era caso aiguoi potera exr-der >* iimiies
da ultima seotenca que pende p..r appe lac*'.
Um ollicin da commisso encarregada da offerta
de urna espada de honra a S. M. o Imperador o
Senhor D. Pedro II; por *n felix regresa dos
campos da guerra, pedio lo a cmara para fa per
si, por seus mumcipes e pelas de mais cas
provincia concorresse com as qoaalias
approuver, abro de reatisar-se lio joia, paipwaaie
e grandiosa manife-iaco, remetiera para i*so m
listas nas qoaes deviam a.ignar aquella que
taes quamias offerecerem. Pu?to em ducaeeo *-
solveu-se ofBciar, oo seolido do pedido feito peta
csmmisso, a todas as cmaras desta proviari?,
mandando-lhes alguraas das lisias citadas, e pedia-
do-lhes que Hzessem reme*sa das quamias qoe eoa-
seguissera obier, aflm de qoe a cmara las dsa
o deslino recommen lado pela commisso ao aaai
do dito oSBcio.
Depois resolveu se nomear as commi*es qae
deviam agenciar a subscnpco oeste amainp. e
o Sr. presidente os oomeou, e caram
postas:
Para a freguezia do Recife, os Srs.i
Thomaz de Aqoioo Fon*era, e Silva do RraeM.
Para a de Sanio Antonio os Srs. Pereira Simies
e Costa Monleiro.
Para a de S Jos os Srs. Dr Vil as-aoaa Pfaa
e para a da Boa-vista os Srs. Gustavo da Rrfa a
Feliciaoo Joaquim dos Sanios.
Outro do secretario perpetoodo la>MataMAaa>
lgico Peroambucaoo, Dr. Jos Soare de V
commuoicaodo ter o mesmo iastiato, soa a
Cao de um de seus membros, resoinda
de 23 de outubro ultimo, convidar a r*mt
ver os oomes das roas e praca* v>u <
de qoe sejam sobsliloidos por uniros que
a actual geracao, e as qoe depois de oo* nete, i
fetos heroicos de nossos malores, e as glorio.* i
patria.Posto em discu'so, resolvea-sc
con vi le, e o Sr. presidente aomeoa. loga ai
sao para eoleoder-se com a qoe fussa aaaMaaa pa-
lo insilulo para o flm xpoio, e (aeaWad a aa-
roeacao nos Srs. Feliciano JoaquUa
Gustavo do Reg, raand u-se seteatiHesr aa i
lustiimo por intermedio, da seo respectiva |
lario.
Outro do advogado, dizeado aao i
tendivel a reclamado que faz a i
Luiz da Silveira, em vista do qoe 1
pax e que corroborada pelos daa
tou a dita informaco, e do qoe diieis a a art Ja
dq Qodigo do Processo, art t do decrete de


Diario de Fernaeabueo (loarla letra 99 de ItfOYembre de *.
de dezembro de 1832, qn* na forauvoem podan)
nnsiderar-se revocados p?l o.iioe dispoe o a.vi*o de
7 de marfil de 1853, que so refere a aceumulacaodo
escrivao de paz com o do subdelegado. Posto era
discussao, deliberou ge uuti.se inforraasse ao gover-
do a petico de Jos Uoiz da Silveira oeste sentido,
remelleodo-se copias da ioforraaciio do juiz de paz,
dos documentos e do parecer do advogado.
Oulro do juiz de paz do 4o anno do 1* districlo
da freguezia da Boa-vista Bernardo J<.s Marlios
exercicio do
que o doton a rjatoreza. -Na) queimamos incens
a li onja, porque a detestamos, e com a commuoi-
.cacao, por vezas, que temos tido com S. Exc. jul-
gamo-oos autorisado refutar proposicSes semelhan-
tes a aquellas, que forain annunciadas pelo nobre
autor do artigo, o qual n<1o conhecemos, mas que
o nao acreditamos sobre o que escreveu. Temos
assra concluido.
Recife, 19 de novembro de 1865.
O Pemambucano.
P. S.No primeiro communicado, que fizemos
Pereira, communicando achar-se era
mesmo cargo visto estar doeute o 1* vi.tado, como inserir ueste Diario, deram-se alguns erros typo-
Ihe parlicipou,e t.r fallecido o do 2a anno, e rao- graphieos, sendo os mais uotaveis os seguiules
rar fra do disiricto o do 3"; pede a cmara proyi-
dancie.Oue se chamasse o 1 supplenle paraju-
e mafs podiam impresionar depozessom seguida
mente, cuno nao depuxeram, par.anijali6cuuins
tancia de interrupcap do processo por modestia
inexper'ada do de'egado, que sabAo.depuis boro, e
bom continuou a passear no mesmo diall!
.Nao obstante toda essa parcialidafje e prolecefio
do Dr. chufe de pohcia, Sebastio Cardoso e do seu
delegado, fui recolhido a pri>o o mandatario do
crime, o leo Nicolao Autonlo Meudes dos Santos,
iicaodo porm em liberda,de o mandante, Jjs An
lomo e. Alraeida Guimaraes II...
Indo com vista esse processo ao Dr. Miguel Fi-
licio, promotor publico desta
ramenlar-se.
Oulro do engenhelro cordeador, informando o
requenmenlo em que D. Rosa Goncalves de Jess,
pede para que Ihe jeja concedido fazrr de novo a
coberta de sua casa sita a ra d) Apollo n. 57, le-
vantando urna impena a altura da iirpena da casa
visinha, diz nao ha ver racen veniente na pretencao
da peticionaria. Conceden se.
Oulro do mesmo, duendo que dirigindo-se ades-
trada do Carhang para o flu de dar cordeacao a
D. Maria Carueiro do souza l.acerda Villaseca,
repita!, deraunstrou
Uo que possa em localidadesleia-sedo que se este, em sua esclarecida e jurideu promoco gue
passa em localidades. Tema conhecimeutoslea- havia indicios vehementes e prova> [e que tiuha
seTemos cnhecimentodeveria fazer urna veaco sido assa-siuado o infeliz negociante Aotouo de
em lugar de dizer sedoveria fazer urna reac- j.Azevado May, sendo autores desle deudo Jos An
gao despidas de criterios, infundados e nimiamen-
te injustosleia-se despidas de criterio, infunda-
das' e nimiamente injustas.
EXM SR. CONSELHEIRO JOS THOMAZ NA-
BoCO DE AIUUJO, MINISTRO E SECRETARIO
DE ESTADO DOS NEGOCIOS DA JSTig.A.
I ni grave crime de morle e roubo foi perpe
trado, na manha de 8 de margo do correnle anno,
achou o couceito que a peticionaria pretende fazer Da |agl)a d sn| dtla uroviuda, a cuja margein Q
na. precisa de cordeagu, pois que limita-so aos
oiloes externos das casas.Cmieedeu-se.
Outro do mesmo. informando o requerimento em
que Manoel J laquim Biptista proprietario da rasa
de sobrado n. 37 sita a ra Nova, pede para que
Ihe leja permitido substituir na porta da escada do
mesmo sobrado urna hombreira nova que actual
ment existe e que se acha arruinada ; diz que na-
da ha que oppOr a serueliaoto prdengio.-Con-
cedeu-se.
Ouiro do mesmo, informando o requerimento no
qual Francisti) da Costa Maia pede Ihe seja conce-
dido fazer um cano na parede do oitao do segundo
andar do sobrado n. 62, sito a ra da Cruz do Re-
cite, afim de por elle sahir a fumara do fogo da
cozinha existente no mesmo andar, d-z que o so-
brado em que.-lo tira entre outras casas, e que
posto a fumara que venha a sahir pelo cuno que o
peticionario p'retende abrir nao possa eocommodar
a quem transita pela ra, lodayia cou/orme soprar
o vento pode vir a eueotiimodar as casas frouteiras
oa ra da Senzalla.Concedeu-se.
Oulro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
dando a razo por que havia proseguido na remo-
gao do entulho em frente da ra da Paz, nao obs-
tante ter recebido ordem em contrario do Sr. pre
sidente da cmaraPosto em discussa>, resolva-
se mandar estranhar o pr.icedunento menos respai-
to-.o do flseal a ordooi que recebeu para nao con-
tinuar a remov r enluihos existeules em um terre-
no particular, tanto mais quauto a autori>aco que
te ve fol para empreitar urna carroca e com ella re-
mover os enlultios dos diversos lugares da mesma
freguezia, dimlnuiudo duraute esse servigo o nu-
mero dos serventes occnpados na limpe:.a das ras,
sendo que t-ssa aulori>ago nao se esteodia a em-
preiladas como aquella que fez para remover s-
menie o entulho de um terreno particular, e que a
cumpriro mesmo flseal com o seu dever, intimara
ao proprietario do dito terreno para mralo, sob
pena de Ihe impiir a mulla urna e mais varas que
nao cumprisse elle a disposigao da postura a tal
respeilo.
Que se dssesse mais ao flseal, que achando-se
o servigo feito, a cmara o mandava pagar para
nao desmoralisar o seu uncrionaric, e Ihe rerom-
mendava que quaado recbese ordem era contra-
ro a qualquer providencia ja dada, a cumprisse,
p>ri|tianto o S'-u presdeme sempre eslava autori-
sado a prevenir qualquer occorrenna que aconte-
cesse nao estando a mesma cmara reunida.
Oulro do fiscal da freguezia de S. Joan, informan-
do na i haver inconveniente em permitlir-se que
Bemar liuo Jos de Medeiros & C. faga um peque-
no fogo na nasa n. 39 da ra de Borlas para nel-
le torrar caf, eolloeaodo sobre e.-te fogo um cano
de Cerro para a espediga da fomaga.Concedeu se.
Toado o Dr. Manuel de Figneira Faria arrem-
tame das lajas n. 6e 8 da pragada Independencia,
requerido para transferir a de n. 6 a Manoel Fer-
reira Pinto, nff iveendo oara as despezas do muni-
cipio a quanliu d,- com mil ris, a cmara conre-
deu a transferencia requerida, assignaudo o novo
inquehno o termo de contrato.
A cummhso de p< liria aprsente o parecer
acerca da pretencao do ex-fiscal la freguezia dos
Afogados Joaqun) Jos Bello, relativamente a sua
aposentadora.Ful approv.id, e mandou-se in-
formar a preside acia rom rupia do mer-mo parecer
a pelicao do referido ex-fiscal.
Despacharam se as peiigoes de D. Josepha Gol-
Ihermina de Me-quila Lftile, Joao de lnto Correa,
Jos Mana Gongalves Vieua Guimaies, Josepha
Maria da oneeieao, Dr. Manoel de Figueiroa Fa-
ria, Rusa Maria dos Prazeres, Tiburcio Valeriano
Bapusia, Traoqeliao Uoaoel de Faria, e levanlou-
su a sesso.
Ba Francisco Caoato da Boa-viagem, secretario
a snbscrevi.
Declaro em lempo que quando so tralnu de ofll-
ciar as demais (Minaras da provincia acerca da
subscripr.io para a olTeria ae urna espada de honra
a S. M. o Imperador, esta cmara resolvea que se
dissesse as mesmts cmaras que devolves>em as
listas com as assignaturas para serem remedidas
para a rrte.Buaviagem o declarei. Pere.ir Si-
mus, pro-presidinte. Sanl'S.Cosa Monleiro.
Reg. Fcuseca. Pinto.Dr. T. Villas-boas.
COMMIIJAOOS.
Prometiemos no communicado de 11 do crren-
te, impresso neste Diario, respund-r ao artigo
transcripto no Biado Nacional de 11 do mc.-m i
mez, onde se pretend.-u desconceilaar a adrarais-
traeio do Esra. Sr conselheiro Paranagoa' de um
modo descommunal e summamenteinju-loa admi-
nislraco, que ronsrienriosamente defendemos,
sem preten termos ser contiendo, porque nao te-
mos era vistas recompensa pelo servico, que pres-
tamos ao Ilustre con>elbeiro.
No decurso da uossa vida publica e particular
nuiriraos um pensamento, que por considerago
algnma, olvidaremos >isto como manda a justiga,
drtestamos a lisonja e o inleresse mal entendido,
porque prexamos a digr.idade pessoal, respeitamos
os direilos aleras, e desejarlamos que os nossos
horaens polticos censurando os abusos do governo,
fossem justo* nessa censura, porque sem justiga
nao concebemos liberdade.
Eolretanto, nao se persuada alguem, que qneira-
mos o servilismo e que nao se censure os desvos
do governo, quando elle s torne merecedor por
actos reprovados, e abuse fazendo o mal que po-
der, em lugar do bem, que deve fazer.
Explicado o nos.so pensamento, satisfagamos o
que promeltenios. O autor do artigo,que tem por ti-
tuloO Sr. conselheiro Paraoagua'assas-iuando
oceupou-se em estigmatizar o Exm. conselheiro
por diversos termos, improprios do carcter do
illustro adminisirador, fazendo persuadir que o
seu governo drle>tael aos olhos do aut r do arti-
giem questo, assim dirigido como para obler
algum baronato, e que por i de contas, a dignidade e e nem duvida ir reduiin-
do amiseria e a proslituigo, tantas familias Per-
narahucanasI!
Urna proposlgi.o semelhante nao tmente injus
ca a antiga cidade das Alagoas.
E.le enrae duplo de que foi victima o rico nego-
ciante infeliz Antonio de Azevedo Miia, que oceu-
pava na sociedade e no commercio urna posigo
distincta p lia, foi revestido de circum>tani as laes que recla-
niavam urna investigaco niuito prompta, acliva,
imparcial e luteiligente.
Porm infelizmente, Exm. Sr., nada disto bou ve.
O actual chefe do polica desta provincia, Dr.
Sebasliao Cardozo, lirailouse a inaudar tirar um
procvsso pelo delegado de polica das Alagoas, e
nada mais fez.
O juizo publico, a conscieticia intima de todas
as pessoas de bem viram neste crime duplo o re-
sultado de urna combmagao tenebrosa, peia qual
um amigo desleal e prfido do infeliz Maia linha
creado urna situagao ademada a lodjs os respeilos
para se de.-fazer de um (redor, a quem estava abri-
gado por urna avallada compra de assucar e la,
cojo producto suba a urna qu rana enorme I
Esse dovedor era Jos Antonio de Almeila Gui-
arles, c.iinmerciante asjabeleejdo nesta capital,
onde casado em urna familia de podero e prepo-
tencia, a quera veio recomraeudado, e com quera
entretem as mais iniimas relagoes de amizade o
chefe de polica Dr. Sebasliao Cardozo.
Entretanto, esse Almeida Gaimaraes foi com-
mercanie na villa de Sanio Aut>, provincia le
Pernambuco, onde praticou abomiuave- depreda-
goes, tas ganes existen) documentos autbenticos
que tem de apparecer no tribunal do juigamento,
aonde nao querem que cliegue o processo.
A promotaria publica deia capital, representada
pelo Dr. Miguei Felicio Bastos da Si.va, tem arros-
tado lodos os esforgos da araeaga, e do einperio
para seguir, sem exageragao, mas com imparciali-
dade e calma, na iuvestigagao do delicio e dos de-
linquenles.
Acha se provada a transaegao entre Almeida
Gaimaraes e o iufeliz Maia, provada a intervengan
tenaz daqu-lle em um negocio de ajuste de contas
do infeliz rom seu socio, o negociante de PernaiL-
baco Joao de Cerqueira Ferrao, provado que Al-
meida Guiuiares sui.trabio de um bab deste al-
guns documentos que o coraproineltiam, motivo
porque Fe rao deixou de ser seu hospede, e o aban-
d'iiiou : provado que o remnro Nicolao, de quera
servio se Almeida Guimaraes como iiisirumenlo d.i
crime, livre, romo depuis do acouleciraeoto de-
ciaron Almeida Guimaraes, e. nao captivo, como
agora susteula, para l lo sob a pressao do capti-
veiro, e impedir a maiiifesiagao de novas circums-
taucias que o possam corapruinelter anda mais:
provado que o infeliz Maia ti tilia remeiro seu ne-ta
cidade, um certo individuo couh-cido por T..inha :
pi ovado que o emborcamnto da canoa, declarado
pele remeiro Nicolao, ,de pura iuvenr.u : por-
quauto a testemunha do processo, capia> Antiuio
Francisco Maia, pessoa rouceiiuada e morador em
Alagoas, primeiro que se enconireu c un Nicolao
no lago, u'aquella rcanbaa vio a canoa desembar-
cada, o que era impossivel ter sido feiui por Nico-
lao t, sera ajuda de outrem, easo livesse havido
emborcamnto, como elle disse, por =er o lugar
muilo fuii i. vio dentro dessa canoa laboa, esleir,
diuiieiro de cobre, iravesseiru e lodos os objectos
que lam, menos vela que diz alias Nicolao ter sido
o que causn o einborcamenlo I
Provado esta ao processo que Nicolao mostrou a
esse eapitao Francisco Maia enxutas urnas cartas
que le va va no chapeo, com as puntas apenas mo-
hadas I
Provado est que pela forga da mar e do vento
que duminavam na hora do gupposlo emborcamn-
to da cauda, o cadver de Amonio Maia deveria
ter sido rejado pata o porto do caes U'aquella Ci-
dade, e nao ao inverso da oruein natural, para o
sitio Uangainno, muito cima, onde foi adiado :
provado esi que Mata nao linha negocio algum
em Taperagua', para onde disse Nicolao ter elle
maiidadu vollar a canda, sendo isto um pretexlo
cooi que se quiz explicar o emprego dessa vella da
canoa que luinra apparocen : provado esta' que
Nicolao recebeu do Uado Maia as 9 horas da noi-
te do da 7 urna cexia com comidas, viuho, etc.,
d'alli sabio para a casa de Jo.- Guimaiaes com es-
I ses objeco-, la' usleve e s embarcou com Maia as
10 horas d'essa noite; e nao cuino disse Almeida
Guiuiaiaes a Perrito, que a ultima vez que vio Ni-
, colao foi na tarde do da 7 I
Provado esta' que o infeliz Antonio Maia nao re-
cebeu os se.ssenla e tantos coulos de ris, de que
tiuha letras de Jos Guiniares, por quauto apenas
tinha em seu cofre um couto e tanto, e nao appa-
receram as letras I
Diz Jos Guimares que pagou-as das antes de
seu vennmenlo, e as rasgn depis de pagas l!l
Mas nj mostra recibo d'essa quanlia, recibo que o
ciedor era obngiulo a passar-lhe, como determina
o cod. com. art. 431.
Piovados todos estes factos, e mutos oulros que
do processo constan), e provados cora otestemuuho
de pessoas gradas, diguas do f, iudepeudentes e
imparciaes, revoliou a priso do mandalano, sup-
poslo escravo de Jos Guimares, Nicolao Antouio
Meudes dos Santos, jue no processo instaurado na
cidade das Alagoas declarou ser livre, nao Ihe foi
dado curador, e aqui na capital declarou ser es
cravo I
Accresce mais qu^ Jos Guimaraes pretendendo
provar uo juizo coininercial ijue nada devia a Au
tomo Mata, decahio d'essa juslificago.
Em viriude disto maoduu aluciar urna testemu-
nha Miguel Soares Moreira de Araujo, e tentn no-
va justiliragao.
Esia leslemonba, obedecendo aos dictames de
sua rouscieucia, apresrntou em juizo o dinheire
que Ihe tralibn dado para jurar falso, expoz todo
juramento que Ihe haviam insinuado, e depois ju-
rou a verdade dos facioslll
Esse jurameuto falso coincidi justamente com o
jurameulo de um certo Alexandre, qoe foi o inter-
mediario de quem se servirara os prenles de Jos
Guimaiaes para corromperem Miguel III
Esia coincidencia Exm. Sr. a prova do allicia-
mauto, a demonstrato viva da corrupgao de Jos
Goimaies e dos seus paientes filos, que prelen
Ionio -de Almeida Guimaraes e Nicolao Aatuuio
Mendesdos Santos.
Es la promogao fol lavrada ha mais de mez, e
al o prsenle ainda nao foram pronunciados os
RR., por que, achando-se vaga a delegacia de po-
hcia, di-sde que fol demitlido. a pedido seu, aqnelle
delegara, bacharel Vasco, anda nao houve um
supplenle que quizse tomar a n-spoosabilidade e
carregar cora o odioso de urna despronuncia, que
dizem, e bem parece que imposta pelo chefe de
polica Dr. Sebasliao Cardoso I
Verdade que, leudo ido o processo concluso ao
supplenle tenente-coronel da reserva Joao Alvos
Brauco, dias depois, vagou na cidade a noticia dj
que linham sido despronunciados os RR o os pa
reules de Jos Guimaraes davam-se e recebiam os
parali-ns da despronuocia.
Entretanto voitou e processo ao cartn o, trazen-
do um despacho de juramento de suspeigio, e ci-
ma deste urna escripturagao riscada, com a nota
RisqueiAlves Branco.
Este fado tem desapontaJo o Dr. chefe de poli-
ca, e o Exm. Sr. Barros Pimeotel, presidente des-
ta provincia.
De achar-se a delegada de polica de urna capital
vaga, e vaga a tanto lempo, sem que pessoa alguma
de considerago a queira exercer: de nao achar-se
um s supplenle dessa delegada que a queira to-
mar : de ter esse processo percorrido tolos os
supplentes, um a um, e nao ter havido quera o
Ae.o ferro. Pois \) od.iro de ferro unido
esle uiudk) com o1, oleo de fijado de baca-
Ibio se dissolve njais fcilmente nos lqui-
dos das Mas digestivas e por consequencia
se asstmila muilo mais bem do que sb a
forma de pillas pu xarope. Emfim elle
perde assim suas p-opriedades irritantes, e
nao provoca a coslipaco. E' assim que
os dueutes, cujo estomago .uao pdesuppor-
tar nenbbma preparaco marcial, lomatn f-
cilmente o oleo de jigado de bacalho ferru-
ginoso Ae Chevrien
Os senhores Maurrer & C. acabam de re-
ceber um grande sortimento dos celebres
azeites desinffctado de Chevrier e ferrugi-
noso de Chevrier.
Vende-se na ph;>rmacia de Pedro Maurer
V G. ra Nova u. 18.
A julrubeba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
muito conhecidas nao sx> no Brasil, pois que deltas
i Iratou Pisn em sua eicellenle obraHistoria na-
turalts et medica India occtdenlahs, seno as
Antilhas, onde o sueco das folhas e fructos como
aqu, muito estimado e applicado contra as obs-
trurgoes abdomloaes, I principalmente do ligado e
bagj ; e se lodos os fajcultalivos desta provincia o
nao applicam com frquencla, isto se nao deve a
nao recoohecerem elli s essas virtudes, mas sim a
i nao seren encontrad, s com facilidade e em todas
as eslagoes do anno o> fructos dessa planta, e a re-
pugnancia, que apresniam os deentes em fazer
uso do sueco desses rudos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao diescou'necida dos botanistas :
esta planta pertence i familia das solaneas, e tem
a denominaran de solanum paniculalum, que Ihe
fol dada por Lyneo.
conveniente facilitar o nso do
jurubeba, que o mais era-
|no6 e conseguimos preparar
10, carga 345 barris com plvora ,e coitros gene- i
ros; a Patn Nash&.C.
Liverpool54 dias, barca ingleza Avena, de 326
toneladas, capitao Henry Dale, equipagem 12,
carga carvao ; a ordem.
Navios saludos no mesmo dia.
^ew-YorkBarca americana Anacowla, capilSo
George Chappman, carga assucar.
Porto.* do sul Ve por nacional .Paran, comman-
dante o capilo de fragata Santa Barbara.
Parecendo-nos
sueco dos fructos da
pregado, nos propoze
despronunciasse como quer o sr. Dr chefe de po com ene n0 s Um e lirado alcoolico que pode ser
licta : de ter o Sr. teoeqle-coronel Rranco repelli
do de si o odioso de urna Lmposleo indebita e op-
pressora : de teremagora sido nomeados alguns
supplentes, empregados pblicos ou (lessoas to su-
bordinadas, que nao poiem ter opiutao sua, caso
em ijue se acha a subdelegada, exercida pelo ama-
nuense da secretaria de polica, o Sr. Alipio Annes
da Silva Freir : de tado islo, Exm. Sr., s se po-
dem tirar consejuencias desfavoraveis admiuis-
tragao da justiga policial confiada presentemente
nesta provincia ao Sr Dr. Sebasliao Cardoso, e o
Exm. presdeme Barros Punentel.
E para que saiba V. Exc. a desraonlisaeio que
lavra nesie ramo de servigo uas Alagues, bastan-
te diz:r se ijue acabam de ser deraillidos esse- sup-
plentes, que se envergouharam de desprununciar
Jos Antonio de Almeida Guimaraes III...
Eis-aqui, Exm. Sr., o modo como o chefe de po-
lica desta provincia, Dr. Sebasliao Cardoso, reln-
bue os briudes e afteigoes que tem recebido dos
pareutes afins do criminoso de raorte e roubo Jos
Antonio de Almeida Guimaraei, parceiro de valla-
rete de S. S., seu conmensal e amigo, a cuja fa n t
lia veio consignado II...
Saiba, porm, V. Etc., que tantas e lio altas pro-
vas tem dado do muilo que se interessa pela regu-
lar admlni'dragao da jusliga neste paiz, que este
escandaloso e cynieo procediraeuto tem revoltado
urna populagao inleira, cuja indignagao se lera ma-
nifestado coulra to abotninavel corrupgao.
Macei, 16 de novembro de 186a.
Um Alagoano.
applicado em pilulas,
xarope, e um emplas
certos casos, o de Vigp
com isto prestamos un servigo
lilerape.ii ira.
Pisn, tratando da
cocgo das raizes da
em seu Diccionario d
tica, dizem que n dos fructos maduros
rho vesical ; e a autd
dicos, Bierecidamenit
suas palavras, e por
mas tambem um vinho, um
ro que pode substituir, em
estamos persuadidos que
bumanidade a a
(bydropesia, prescreve a de-
iurubeba, e Mrat e Delens,
materia medica e Iherapeu-
{Amilbas se faz uso do sueco
dessa planta contra o catar-
ridade dos nomes desses me-
celebres, nos leva a crer em
isto cuidaremos de ter em
nosso estabeleeimeun essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
ubeba tal, e os resultados
ltimamente sao to irapor
intil dizer mais do que
A reputagao da ;
therapeucos oblidos
tan tes, que nos parece
islo, que fica escriplo
Deposito: parmacla de
Joiquim de Almeida Pinto.
CQMGII1CI0.
i :- >-.i ._" ^.*vr
-wr.f>uTWa
^tlSUCCOB
PRACA DO RECIFE.
Cotaccs ofciaes.
21 (le novembro.
Assucar mascavado americano 550 por arroba.
Assucar mascavado purgado 25650 por arroba.
Algodo priraeira sorie 184000 por arroba.
-90 d/vista 27 5|8 d. por
Cambio sobre Londres
ljOOO.
O abaxo assgnado nao podendo despedir-se
pessoalmeute de seus amigos pela brevidade de
sua viagem, o faz pelo presente, nao s oidaqui.
desla praca como de outra.
Hygino Firmo das Chagas.
JURUBEBA.
uubourcq Jnior,
Presidente.
Guimaraes,
Secretario.
Gaia Qlial do uiuico do Brasil cm
Feroamijuco.
A caixa descoma as letras de seu aceite pela
taixa de 8 0|0 ao anno.
Igua
guarda-livros
Icio Nunes Correia.
Novo Banco de Peroaubnco
O Novo Banco p?ga dcimo quinto
A jurubeba urna das substancias medicamen
tosas, ao reino vegetal, e perience classe
dos tnicos, e desobstruentes, sendo em prega
na com vantagem contra as febres intermitente*
i iiinpanhadas de engorgitameniode figado e baco. >
Ella tem sido appiicads com incontestave proveitc | devmdo na razao de 8, por accao
contra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar
rho da bexiga e mesmo para combaier a menstrua
gao dilllcil, resultante da mesma auemia ou role-
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba. -
Emplastro dem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinno idem de idfm.
Pilulas de ext. idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga do
sario o. 10.
di-
,\ovo banco
bu
O Novo Banco desconti
tro mezes a 11 por cento
a 12 por cento, e toma di
em conta correnle pelo
se convencionar.
de.Pernani-
.
letras de praso at qoa-
o anno, e al seis mezes
pheiro a praso fixo ou
[ remio e condigoes que
VARIEDADES
^ciencias e medicina.
L-se na Union Medicle de Pars:
Osjornaes de medicina fa I laram por va-
rias vezes de urna descoberta importante
para a tlierapeutica, que cousistia na desin-
ALFANl
Rendimento do dia i a 20
dem do dia 21.......
EGA.
Sania Osa 4a INicowlia
do ucc-ilV.
De ordem da junta administrativa da Santa Casa
de tiii_-eiicol .lii. do Recite convido as pessoas que
quizerem arrendar as casas abaixo declaradas, fa
zendoos concerios a sua cusa para serem descon-
tados dos alugueis, a compareceerem nesta secre-
taria as 4 horas da larde do da 23 do correnle
mez, sendo ditas casas perteucenles aos estabele-
cimentos decaridade.
Ra do Azeite do Peixe, casa de dous andares n.
53, particular, e 1 publico.
Ra Din-ta, casa de um andar n. 4 particular,
e 33 publico.
Secretaria da Sania Csaa da Misericordia do Re-
cfe 14 de novembro de 1863.
O offirial,
__________________Manoel Auluuio Viesa.__
Sania Casi da Misericordia do ccife.
A Ii.ni." junta admiuislraliva da Santa Casa de
Misericordia do Recite manda fazer publico que
uo dia... do crreme pela 4 horas da larde as
salas de suasses>o--s tem de ir a praga as rendas
das casas abnixo declaradas por lempo de 1 a 3
anuos a contar Uo 1" de julho do correnle anno por
dianie.
Ra Direita.
N. 8publico e 3 particular.. .
Ra do I adre Fiorno.
N. 49 publico e o particular. .
N. 47 publico e 6 particular. .
X. 45 publico e 7 particular. .
N. 43 publico e 8 particular. .
Ra do F gundes.
N. 34 publico e 12 particular. .
Itua dos Pescadores.
N. 11 publico e 10 particular. .
Ra das Calgadas.
N. 38 publico e 22 particular. .
lina das Cinco Ponas.
H 108 publico e 24 particular. .
Ra de Santa Thereza.
N. 7 publico e 31 parucular. .
Ra da lmperalriz.
N. 68 publico e 47 particular. .
Ra do Azeite de Peixe.
N. i publico e 33 particular.
Ra da Seuzala \\ lia.
N. 21 publico e 71 particular. .
Ra Direita.
N. 3 publico e 82 particular para
ioja do lado da l'.nlia.....
N. 7 publico e 33 particular segun-
do audar.........
Ra do Apollo.
N. 94 publico e 91 paiticular. .
Ra Velha.
X. 27 publico e 96 particular. .
Ra do Rosario.
N.26a 34 Ioja n. ID.....
Os pretendeuies comparegam no mencionado dia
com os seus fiadores ou cora carta dos mesmos.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite 21 de novembro de 1863.
O offical,
Manoel Autonio Viegas.
Sania Casa da .Misericordia do Recife.
De ordem da junta administrativa da Santa ca-
sa de Misericordia do Recite convido as pessoas
que quizerem arrendar as casas abaixo declaradas
fazendo os coneertos a sua rusta para serem des-
contados dos alugueis a comparecerem nesta se-
cretaria as 4 horas da tarde do dia 2-J e 30 do cor-
rente mez, sendo ditas casas perlencenles aos es-
labelecimentos de candade.
Ra Direita.
N. 33 publico e 4 particular.
Ra do Azeite de Peixe.
N. 1 publico e 33 particular.
Ra dos Burgos.
N. 2 publico e 57 p-rlirular.
N. 13 publico e 38 particular.
Ba do Pilar.
N. 72 publico e 59 particular.
Roa do Pharol.
N. 72 publico e 60 particular.
Secretaria da Sania Ca-a de
Recife 21 de novembro de 1803
O offical,
_________ Manoel Antonio Viegas.
i.067,5000
1862000
186)1000
I
1G92000
145000
2IG00o
157000
2315000
198*000
300^000
ii6ooo
168*000 ]
10050001
1:4005000 j
965000
4785000
Misericordia do
MOVIMEiNTO D
Volumes entrados cora fazehdas----- 60
t comgentros..... 132
Volumes sahidos cem fazeo as
com gene
os.
Continuara em praga nos dias 18, 20 e 22 do
correte, peranle a cmara municipal desta cidade,
442:9084722 OS alugueis das casas ns. 15, 18 e 19 da rile-ira
da freguezia de S. Jos, na importancia de 965 ra-
da casa; os preiendenles arreinatagao podern [
comparecer no pago da mesma cmara nos dias
indicados, munidos de carta de llanca que os habi-
lile para esse fin.
Pago da cmara municipal do Rec fe, 16 de no-
vembro de 1865.Lulz Jos Pereira Simdes, pro-
presidente.Francisco Canuto da Boaviagem.secre-
tario.
____ 19.8965536
462:8035258
ACFADEGA.
------- 192
122
433
-------555
Descarregam hoje 22 do rorrente.
Brigue inglezElla Bruce-
feccao do oleo de ligado de bacallao sem ^^Z^-^^
he tnar nennuma das suas propriedades. Brigue hespanhoiTiiemotet
Temos o prazer de annunciar hoje as-; Barca portuguezacor nossos leitores, que esse resultado foi obtio'^riUe **- fkemmllui-
do de modo o mais completo por um hab.l ^,^^2L
pliarmaceutlCO de Pars, Obr. Chevrier, que Escuna raglezaC/ora=iden
conseguio desinfectar o oleo de figado "de
bacalho com o alcatrao e o balsamo de
Tolo. As experiencias feitas por muitos de
nossos pratios.'lcc ebres, nos hosp lies e so-
bre seusdoentes particulares, as analyses e | iVmTsrmam'fesou ""segni
3,160 quintaes de carne
harque.
m.
?5o.
ensaios de chimicos competentes, nao dei-
xam nenhnma duvida a esle respeito.
Relatamos aqui as proprias palavras de
um juiz muito eminente e competente o Sr.
Dr. E. Humbeit, laureado da academia im-
perial de medicina, e professor de Chimica.
Submeili a analyse, diz este distincto
professor, o oleo de figado de bicalho na-
tural desinfectado pelo processo do Sr. Che-
vrier, e posso certificar que esse producto
nao perdeu nenhum dos seus principios
medicamentosos nem chimicos, que se
acham no oleo de gado de b I nario.. A fraca proporcao das substancias
" *** v i' pa i cusca aniuc, deram rom uma testemunha comprada provar fai- j estrannas que e poem no oleo natural para
sidades, das quaes decabiram n'aqudie juizo pela,1 dissimular o cheiro e o sabor desagradaveis,
ta, 6 com razo'digna de ser repelhda com a mior segunda vez, vindo a produzr as duasjustiHcag5es nao pode de nenhum modo alterar suas
indignagao narra um fado nico, que refere, pra- IntrosM e inadraissiveis era elTeilo negativo d'a-. nron,.p(]a,]po mPfliropo P cA a tnrna !a na
ticado com Joaquim Francisco da Silva, malricu- queiie que preleudeu elle provar. I piupi leudueb meoicaes e SO a torna fj
lado oa capitana do porto, e guarda nacional de 9 delegado de polica desla capital, bacharel' uso lacl1 e mesmo agradavel.
Iguarass. Joo Vasco Cabral, manifestuu a mais escandalosa Em resumo. O oleo de figado de baca-
Nennuma ezplicacao procuremos obter a cerca parriahdade e prolecgo na formago da culpa, -Ihdo desinfectado pelo processo Chevrier
desse faci, porque, isso nao importava menos, que prodigalisando ao reo Jos Antouio de Almeida a nrAupoHaloo tornarmo-nos conhecido do Ilustre conselheiro; Uuimaraes Imraunidades e privilegios qoe sao des- u "" P'i" V ues,.JueHllca ao Oleo ae
por em pelo conheciraento, que temos das b'/as couhecidos, e al coarclaudo proraotona publica Oga) de bacalho ordinario, que elle repre-
qualiilades de que dolado, nao pode o caso ter a exercicio de ;eus deveres sagrados de esmen-
assim sucxedidi, uma vez que o genio e a educa- loar as circurastaunas e factus conducentes ao des-
gao do nobre cooaelheiro em acolher a todos, que o cobrim-nto do delicio, e dos delinquentes.
procuran) com brandura ecivibdade repellem um De sorte que o reo Jjs Guimaraes, mineasen-
procediraento, que nao se concilla com essa> qua- tou-se no lugar que Ihe era destinado como reo, e
lidades e cora a posgao do seu to emprego, no '"ll era uma banca eulre as proprias testemunhas
qual s temos observado seolimentos proprios do quaudo juravam, seus advogados, prenles eespec-
liomem de bem. ladores; podendo acontecer, pelo coutacio que pro-
Procure o nobre autor do artigo, que responde curava ter, que adver'.isse ou fosse advenido do
pelo individuo, que com a mo na conscienria que se passava na audiencia, as perguntas e res-
quizer ser imparcial, communicando o Ilustre postas que erara dadas n'aquelle aclo.
conselheiro, que dotado de um genio dcil, alm Alera disto, no modo de redigir os depoimento?,
da educago que recebeu, na > pode querer seno a o delegado nunca exiradava fielmente o que poda
moralidade e o brnn comportamentosera distenrgao ser contrario aos aecusados, nem tomava consecu-
nas pessoas, quaesquer que ellas sejam, sendo que iivameole duas testemunhas das mais importantes,
o nobre conselheiro achando-se collocado na ele- intercalando sempre os jura
vada posigo -ocial, em qne o vemos, nenhum de alguinas que nada sabiam dos factos, para que
acto indigno pode ser por elle praticado com a in- nao los.-e nascendo aigoraa impresso mais desfa-
tengo de obter maiores ttulos, alm dos que tem, voravel contra o aecusado Jos Guimaraes.
e quando assim fosse necessario era incapaz.de Foi assim que, seguindo para uma sllela de au-
com infamias pretender baronatos. diencias na casa do chefe de polica, aquello dele-
Has continua anda o nnbre autor do artigo, ob- gado Vasco, e atraz deste, debaixo de vars a teste-
ecto da oossa resposta,dzendo que o desejo do no- muoha Justino Esleves Alves, o referido delegado
ir conselheiro de apn sentar um grande numero inesperadamente deu parte de doenle, e deixou-se
de pracas, com o nome propno de voluntarios o nVr conversando no primeiro andar com o chefe,
tem feito obrar pela forma que descreve eparaprova e depois com Jos Guimaraes, que tambem subi,
da sua allegaco respondemos, informarse roelhor sendo nease dia e por tal motivo interrompido o portante, o qual consiste em ter associado o
e sera convencido do contrario do que aflrmou. seguimeoto do proce>so, visio ter jurado anterior- fprrn ,n"n|ftn a<. fg^c, a* hacall.n n nln
A educago abranda o genio daquelle, que o tem mente o capilo Antonio Francisco Maia, e nao 'er a 'eo ae ngaao ae Dacailiao. Voleo
mo, e o bomem de boa ndole adiando.e na gran convir que duas testemunhas mais concluientes e ae ftg01'0 ae oacalnao ferrtgtnoso' de Che
eza cao pode desmentir as qualidades boas de de maior excepoao, que melbor sabiam dos factos, vrier constitue talvez o melhor raeio de dar-
Patacho portguezFartoi
Barca nacionalMalinaid
Import
Brigue porluguez mprovis
video, pelo Riu de Janeiro, consignado a Amorim
60 couros vac
mercadonas.
Iho.
/=vlnho.
versos gneros,
carvao de pedra.
idem.
JMo ince=idem.
Liverpool,
manifestou o se-
s
cu os seceos ; aos mesmos.
Brigue inglez Ella Bruce, fjntrado d
con-ignado a Mills Lathan
guinle :
81 volumes tecido* de algoi o, 200 saceos arroz,
25 caixas phosphoros, 75 bairis baona, 8 barricas
ferro e 32 toneladas carvao ; aos consignatarios.
20 caixas phosphoros, 120V
de ferro ; a S. P. Johnston..
29 volumes tecido de lnho
a J. Pater & C.
9 volumes tecido de algod^, 3 cofres de ferro
a Phipps Brothers & C.
Santa Casa da Misericordia
do Kflcife,
A unta administrativa da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife lendo feilo e continuando a fa;er
grandisshnas despezas, ja om o cosleiro, j com o
melhoramento dos estabelecimentos pios que eslo
a seu cargo, manda avisar aos seus devedorrs em
atraso, e tambem aos fiadores destes, que breve-
mente fara publicar pelo Diario a relaco dessas
dividas, e promover sua cnbranga pelos meios
judiciaes.
Convido por tanto a todos aquelles que nao qui-
enlrado de Monte-: zerem ser chamados pelo Diario, nem atropelados
pela iusliga a trataren) quanto antes de salvar
seus dbitos.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cite 15 de novembro de 1865.
Oofflclal,
Manoel Antonio Viegas.
cea,
i caixa de aietria.
16 libras cha da India.
2 >accas com caf.
2 arrobas doce de goiaba.
6 barricas farinha de irigo S98.
8 caadas de vinagre.
36 garrafas vinho do Porto i* qoalidade.
8 lubras farinha de tapioca.
4 arrobas loncinho de Lisbaa.
2 bacas grandes de rame,
-i ditas pequeoM dita.
3 diias de Ierro bando para kraar roslo.
30 pratos de folba.
50 tuiellas dita.
50 cocos diia.
6 lainp.Vs de qnatro bicoc
1 esenvanhia de lato.
32 esrarradeiras de metal.
3 lavatorios de ten.
6 copos grandes de vidro.
6 dito* pequeos duo.
25 orinoes com lampas.
40 canas de relreita.
6 bauquelas.
100 camisolas de brim.
20 camisas de flamella.
100 fronhas de brnn.
200 lenres de brim.
38 toalnas para roslo.
I-' talhtres.
50 maulas de laa.
1.000 papeletas im|>ressas.
500 lunas dita.
500 alus dita.
1,100 mappa^ diario dito.
130 dilos senianaes dito.
1/8 acido arreiiii.su.
2 libras dito tartrico.
12 vidms agua de llores de laraogeir-
12 garrafas de labarreque.
6 duas agua de meli->a.
8 libras de alralro.
40 garrafas alrool de 36*.
2 libras amoniaco liquido.
2/8 arremato de soda.
4 arrobas a-.-ucar rry>ialisado.
2 libras bagas de zimbro.
2 ditas balsamo da meca.
2 ditas dito de lil.
1 arroba banha de porro.
2 libras bicarbonato de soda.
200 caixas para pilulas.
2 libras caraphora.
2 ditas capuana.
2 ditas carbonato de polassa.
12 ditas cera amarella.
12 ditas branca ero grumo.
4 ditas crem r de trtaro.
2 vjdros creifSute cliiorotermisado.
1/0 diarcordio.
36 encerados de Le Pe ilriel a. I, 2 e i-
4 libras cnaofre sublimado.
1/0 ergotina.
i libra extraio de belladona.
8/0 extrato de fumaria.
8/0 extrato de jurubeba.
2/0 iliiu de opio.
2 libras llores de rnica.
2 ditas ditas de malvas.
2 dilas ditas de paplas.
2 duas ditas de rosas.
6 dilas ditas de sabugeiro.
1 arroba Qos de pauu de lnbo.
12 furnias do lado direiu.
4 libras galhas.
2 ditas geogibre.
2 dilas gnrama arbica em p.
2 ds hyssnpo.
4 ditas luivn-n.
1 dita iodureto de polassa.
2 ditas ipecacuauha.
4 dilas jalapa.
2/0 lactucario.
4 arrobas linhaga.
- libras de mana.
1 libra manila.
8/0 Massa de rynoglossa.
8 libra> mel de abelha.
2 di'as musgo iran ni o.
4 dilas nitrato de puta-sa.
20 dilas oleo de amen loas doces.
16 ditas dito de ligad de bacalbo.
12 vidros ditos de masirugo.
8 gales atoo de Ohveira.
30 libras oleo de ricino.
1/0 oxulo branco de antimonio.
6/0 dito negro de ferro.
12 vidos pasiilnas de Santooioa.
20 dilos pipulas de Blamard.
20 vidros pipulas de \alel.
2/0 prolo chlorureto de terro.
2/0 proio Iodureto de mercurio.
2 libra pedra uma.
2/0 per-rhliruri-to de ferro.
8 libras rezina de augico.
800 rolhas de cornea.
2 arrobas salsa pamlha.
12 vidros salsa de Bristol.
200 saogue>ugas de hamburgo.
12 sondas comeas de gomma elstica ns. 1, i,
e 4.
12 ditas de metal de n. 1 a 12.
6 Seringas de metal para ebuter.
8 libras senne.
8/0 lartaro emtico.
4/0 tiutui.i de carabina.
8/0 dila de colchico.
4/0 dila de succino.
1/0 tlieriaga.
i/8 valeiianato de atropina.
40 garrafas vinho branco generoso.
30 ditas dito do Porto.
2 rolos visicalono de Albspure.
6 vilros xarope de Digltdes Labelonye
12 ditos dito de naf da Arabia.
6 ditos dito peiioral de Guy.
20 garrafas diio de ponas de espargo.
I alambique pequeo de cobre eslanhadb.
i appaivllio para aguas ga-osas.
1 ropo de gradear de 12 mira-.
2 fum/ de vidro sende um maior.
1 iral de porrelana.
4 peneiras de cabello
1 espanador.
As pessoas que quizerem vender ditos artigo*
apre-eniein suas propostas na sala do con-elbo as
II horas da manhfu do da 22 do correnle.
Sala do conselho de ro opras do arsenal de guer-
ra, 17 de novembro de. I86">.
Manoel Jos Azevedo Sanios.
O conselho de compras do arsenal de roer-
Subdelegada da fregiiezia dn Poco da ",? vr,lrlde ?I t ^KVHr
Y| 'de 11 de margo, e ordem da presidencia de 11 do
l'aiiellu. j mesmo mez e do crreme anno, precisa comprar o
Pela subdelegada da freguezia do Pogo da Pa-i segrale :
neha se faz publico que desde o dia 3 do crrente, 5J40 metros de panno a mez se acha recolhido a casa de detengo um pre- 6600 ditos de algodozinho.
to que declarou rhamar-se francisco e ser escra-| 1630 dilos de aniagem.
vo de Antonio Loureugo, morador na Lagoa-secca,; As pessoas que quizerem vender ditos artigo-,
dstrictu de Nazarelh. apresentem suas pro^o-tas na sala do ronll m
^ul)delegacia de polica da freguezia do Poco da 11 horas da manha do da 22 do eorreMe.
21 volumes tecido de algodao, "J ditos dito de laa; paQei|a 20 de novembro de 1863.-U subdelegado Sala do conselho de compras do arseaal degner-
barras e 120 feixes
3 caixas biscoutos;
Adansin C.
2 volumes tecido de algodao; a Lchafheitlin & C.
4 volumes tecido de algodao
3 volumes louga;a Theodo
5 fardos sarcos vasios ; a 1
a Monhard &
to Christiansen.
Forster A C.
Senta exactamente.
Elle muito bem tolerado pelos doentes,
os quaes elle nao aneja e tomado pelas
pessoas cujo gosto e olfato sao dos mais sos-
ce, ti veis.
Hoje que o oleo de figado de bacalho
tem-s tornado um dos agentes os mais im-
portantes e preciosos da therapeutica, quem
descobrio o meio de u tornar de um uso f-
cil para todos, prestou um verdadero ser-
> ico arle de curar e aos praticos.
Por isso nao podemos concluir melhor
to sempre os juramentos d'ests cora do que felicitando o Sr. Chevrier por sua
rica e til descoberta que merece de ser
propagada, e dizer com meo collega o Sr.
Dr. Kichelat os trahalhos que conduzem as
descobertas d'esta especie devem ser pro-
tegidos pelos mdicos.
Os importantes trabaIhos do Sr. Chevrier
sobre o oleo de figado de I acalho Ihe fi-
zeram obter um resultado n3o menos im-
ira.
12 volumes
Azevedo.
5 volumes tecido
a Izldoro Nelto & C.
5 caixas biscoutos;a Palmi
2 barricas cerveja ; a Goncalves.
50 barricas ; a J. J. Leite.
18 volumes ferragens, i di
a J. A. Araujo.
8 volumes oleo de linhaga ;
9 volumes tecido mixto; a
6 volumes tecido de algodu; a Mello Lobo.
7 correnles, 150 pesos, 306
mes ferragens; a Prenle Viar na & C.
9 volumes lecido de algodo
supplenle,
C.
Joo Lucio da Costa Monleiro.
ra, 20 de novembro de 1863.
Manoel Jos Azevedo Santos.
Subdelegada da Boa-Vista Aten^O.
Pela snbdelegac.a do 1 districlo da freguezia da No dia 2i d, corrente, sexta-feira, ao me a,
tecido de algtdao, a Hennque & Boa-V.sta se faz publico que se acha depositado um na mU (las audiencias, Onda a do Il.m. Se.!!*:
h* .lami-m 9 diin fcrroon. e S2 cau"alha : ('ue", Jul8ar cum d'- juiz municipal da i* vara, se ba de arrematar por
de algodso, 2 ditos ferragens; re.to, provaodo, Ibe serao entregues. Jvenda ,/, drt ppdr e cal assobraada.
Subdelegada de polica do 1- districlo da fregu- na rua Rial da ffegnezia da Boa-Viu, com grm-
zia da ooa-\ isla 20 de novembro de 1803.-0 sub- de sHI0 e arV0res de fruelo, avahada por SfttMfc
delegado supplenle em exercicio,
F. F. Marlios ttibeiro.
o tecido de algodo ;
E. A. Burle & C.
l|onteiro Lopps.
- O lllm. Sr. inspector da thesouraria de fa- Rf,a,ao jaSMrUl sfgiiras rileatf*
zenda desla pr< viucia manda fazer publico a todos
panellas e 50 vela-
a Braga Son & C.
23 volumes tecido de algodo, 6 ditos dito de ll-
ano, 10 ditos dito de la, 57 ba
fogareiros, 74 gigos tonga, 1!
orne barbante, 2 barricas bra idi, e iOO saceos ar-
roz; a ordem de diversos.
RECEBEDRIA DE RENDAS INTERNAS GE-
rricas enxadas, 300
caixas metal, 1 vo-
BAES DE PERNA MBUCO.
Rendimento do dia I a 20.
(dem do dia 21...........
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da i a 20-----
dem do dia 21............
22:2554136
1:036*919
22:29205o
51:3174091
1:4734405
52:7904496
MOflMEHTO BO POBTO
os habitantes da mesma provincia, que em virtu-
de da circular do trihuna do thesouro n. 42 de &
de ouiubro ultimo, adiase abena na mesma the-
souraria a substituira das nuias de 5000 da 5*
estampa, e que em lempo conveniente se annun-
ciara o dia em que deve principiar o descont
mensal de 10 0|0 no valor ds notas que al en-
to nao tiverem sido substituidas.
Secretaria da ihesouraria de fazendade Pernam-'
buco 13 de novembro de 1865.Servlndo de offl-
cial-maior,
Manoel Jos Pnto.
Siibdelegaeia da Boa-Vlssa
Pela subdelegara do 1 districlo da freguezia d
Boa-Vista se faz publico que desde o da 12 do
corrente mez se acha recolhido casa de detenco
um preto que declarou rharaar-e Francisco, e ser
escravo de Joo Cavalcanti, senhor do engenho'
Monjope, do termo de Iguarass.
Subdelegacia do Io disirici da freguezia da Boa-
Vista 16 de novembro de 1865.. O subdelegado
suppieme em exercicio.
F. F. Martins Ribeire.
C-QrlftglO irUt
tiras Mi sla cidade para
Navios entrados no da 21.
Liverpool37 dias, barca ingleza Annie Kay, de
209 toneladas, capilo Boberl Seweil, equipagem
t
O conselho de compras do arsenal de guerra pre-
cisa comprar para o presidio de Fernando do No-
ronha, o seguiote :
16 arrobas de assucar.
2 saccas com arros.
8 libras araruta.
Iracao do frrfie d
abaiio declarados :
Antonio Aomste Ferreira Lima.
Antonio Itnrino Severino da i'.onha (lia
Dr. Geminiano Rrasil de Oliveira Goas.
Dr. Jos Juaiinim Rimo Perrmra.
Manoel Gomes de Figudredo Castro.
Coronel Manoel Ignacio Brieic
TIIE vrRO
S. ISABEL
EMPREZA-'^OIMBRA
AMAIVHA
uinta-feira 23 de novembro
de 1865.
Achando-ge reslabelecida da grava aJprmi*a
de de que fra accora met ida a ae irla a laa. .
Aliviante Amaral, e sendo pooeo aro -
pectaculos que tem de dar-se at o era % a eaa-
preza acelera-os, laocaodo ala a m raaaa a
I


-*"

Marte de Pcraaur.bnr* QHarta fetr* de Storenhro de **n*

qual msroa actriz aprsenla, umaide suas me-jj
lliores ereaco< s.
Subir' a seeuao raagoiilco drama divididoem
5,actos, do bim coulwcidos escriplores franeezes
Anicet Bourueol e Adolpho d'Eooery, e legante-
mente traduzi lo pelo Sr. Or. Achules Varejo.
A FILHA DO L
O papel de Joanna Chumplma desempenhado
pelagra. D. Adelai le Amaral, o de Champloux la-
brador pelo sr. Pedro Joaquim.
Cornecar a*Choras.
CURSO ESPECIAL LOTERIJ
A0 6:000#o5o, 1:200$000
* 5000000.
Ama
na ra do I.)
atiss Mmma.
COMfAXHIA PERNAMI1ULANA
DK
Naveg*cf> costeira por vapor.
Parahiba, Natal, Maca >, Aracaty, Cear e
Acarac.
Segu no dia 2J do crranle o vapor Mamangua-
pe, commandante Ralis, ttecebe carga al o dia
21. Encommendas, passageiros e dinheiro a frete
at 2.horas da tarde do dia d sahida : escriptorio
no Forte do Matos n. i.____________________
Para Lisboa
sahira' com brevidade o brtgue portuguez cCons-
tante II, recebe carga a frete e passageiros, para
os quaes lem expeliente* commodos: trata se com
Manoel Ignacio de Oliveira Filbo, no largo do Cor-
no Santo n. 19, escriptorio-_____________________
Rio de lanelro.
A barca ]ovetn.P brevidade, e recebe alguma carga a fete : trata-
se com o consignatario Joo Francisco^ da Silva
Novaes, travessa da Madre de Dos n. 5.
Para o Rio di Janeiro segu em poucos dias
o patacho nacional F por te.r parte de seu
carregamento prometo para o resto trata-se com
seu cuasigoatario Domingos Alves Malheus, ra
do Vigario n. 14.
tara o Rio de-Janeiro
Vai sabir com brevidade o brigue Adelaide
por ler a maior parle, de seu carregamento trata-
do ; e para o quo lite faita, trata so com o consig-
natirio Joaquim los GonealTOS Ueltro : na ra
do Vigario n. 17,1 andar. _________________
Para o Porto,
eve sahir cora brevidade o bngue portuguez
Biptremea por ter a maior parle de seu carrega-
mento ja' tratado : para o resto e passageiros ira-
U-se com Cuuia, Irmos & C, na ra da Madre
de Dos n. 1, oucom o capito a bordo.
1E
A.
LELAO
De movis, laura e cnstaes
Como sejaen :
Urna motlia de Jacaranda, i relogio de parede,
2 jarros para dore-, \ i|tMros, 1 uuarda vestido,
1 guarda lone.i. 1 mesa'de jantar, diferentes ca-
deiras, 1 coin'ouda, loica, videos e outros objectos
existentes na casa terrea da travessa do Pociuho
numero------ ____
vvojnBi
O jente Pinto far le;li> a rejuerimonto de
H'nrique Jorge inveataraulodjs nens de sna ti -
mili tuna Herraina Adelalle dos Santos Campos e
por mandado do Itlcn. Sr. Dr. jojl de orphos, dis
objeclos cima mencionados e*i-tentes ni casa da
rin 11 Pocinho, em que moraba a ~esmi Rnads,
as 10 ti .ras d r lia acuna dito ni referida casa, em
frente da qual se achara' una laboleta aonuuciaa-
do 1 leilio, visto nao ter numere a mencin ida
cara.
o i lio das obras de ooro, prata e eseravos
pprteaceotes \ mesma Hitada (o iiaal devera' se
efiVtuar no R-eife) sera' aonunciado pelos jor-
naes.
LEILAO
De 46caius cuiu cerveja superior.
O agente Martina fara' leilo por coma e risco PREPARATORIOS
de quem penencer de 36 caitas de superior cer- para 3 estudaues que deven
veja allema. t .
As l. JSK 2 nSmt Aunes de- T T*"" T ^ ""^ BILHETES A' 5J0UO,] MEIOS A' 25500 E
Jos Soares de Azevedo. profssor de corre q..l_lta-Iel a 30. Mog* s^adom oinn, no ***da
lingu c lilteratura nacional- no Gytnnasio Acham-se a venda ia respectiva thesou-! ladeira di Misericordia, na esquina da ra do
Provincial do Recife, tem aberto em sua ca- raria ra do Crespo
sa, ra Bella n 37, um curso especial aV'; c quintos da |- parte da SMoteria
i (40a) a beneficio dbanla Casa da Miseri-
seguintes preparatorios, para aquelles estu- ^^ C(jja exlraccri|) ser n0 dia aoiraa
fronte da alfaadega.
~]Lii2iii\
Scxta-fcira 24 de novembro.
Na ra Noca annazem numero 88.
Precisa se de urna ama w lelle
vramente o -20*segando andar.
PassaiMut de fusta e
k?
Pelo agenle Euzebio.
Di uma armago, titeiro, baicm e mais perten- uantes que iiverem de fazer exame era pu'-licado. e no lugar
ees, tudo sera' vendido ao correr do raarlello, por marco prximo :
que para entregar as chaves.
jLingua Franceza
Cicographia e Historia
Pbllosophla
Rhetoi'ica e Potica
LEIJLAtt
I),; ama casa com si ti. no Poco da
l'auella
Sabbado 25 de novembro as 11 horas.
O agente Puno rara'leito a requenmento de As pessoas que se quizerem utiltsar desta
AntooioiB. Cavaicanti dt Aibaiiaeniue, .dminis- vantagem, podem dirigir-se indicada re-
tradorde sua inulher KrmindaH. Pires de Figuei- .. .' _. .
redo Gamargo, e Isabel a. Pires de pigueiredo sidencia, de manha ate as 9 horas, e de
Camargo e por mandado do IIIm. Sr. Dr. tarde qualquer hora>
jui dos leitos da fazenda, da ca terrea co-x si- i ^ "
lio no Poc> da Panelia, que perteneeu a fallecido
D. Virginia Candida de Figueirede Gamargo, para;
pagamento da e&ecucao promovida pela fazenda
provincial pelo sello ao heraooi da dita casa : 0
leilio sera' eflectuado no escriptorio do mesmo:
agenle itia da Gruz n. 38, sanbado 25 do correle.
e.hora docostume.
Os premios He 0:( O^OUU at 10,5000
serSo pagos una hora depois da extracc3c
at as i lioras da tarda, e os outros depois
da distribuido das lis as.
OS PiRAGU *i YO
E' a ordem ira vos a bayoneta, a miiui>, a reveHtr;
fulana-los cmn <> enci'iinr*!i>> trmnk
de espores, anmitrungs e raudas ile 80 a
120 ; i. la So e a pn-.lul de j'i! se trata; w
niogtii'in se I i,ioim ainla . i5, os bilhetes, I Bomllm, mnito Ireaeo, ecom muito d.k v*u para Par guajpi 60 u as armas iji>e I)usnos en>
' o mar, com bastantes commn.los para familia, com ,;e(|el|. y(-..,!)ar c, ^t a ia.-ao e a O* Ma
duas coztnhas, no andar torreo no SsOn, todo ,................-M..........,,^
reiillcado de novoe muito l.em idiiiid,), e...n >,-., IW},> l,afJ 'l,,e e ne #.irio en. onr*^r esa
loUl e porto com sabida para a ruadoBun parte do nosS'i i:ur|iO C>>B OS V fmtAtHM
m : quem o pretender- dirija se a ra de Santa rooipe-fcrro, esmaga c bra, arranca Wroe.
Thereza n. 50, ou falle.om n Sr. Joao Canelo, era qUei,ra iiiarinor; c ..'.Ims u.- se venden i
2
ii
Olinda, na ra de .Malinas l-Vrreira, junto ao Sr.
Tonch.
45 III A ':EIII-:iTA 4
l5orsej,'tiins Bordeaux........
patrian.........
para ,-i'iilif.ras, en-
lejiados .......
com laco ; livella ..
mero 30.
iuenmas x.m
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
LEILO
lina lo Crespo n. 9.
LIVROS Nacioxaes e estiungeiros
Religio Philosophia Jurisprudencia Litlcra- quer obra de-agulha i
Precisa-se alugar ou mesmo comprar urna
preta de rneia idade, que s.-ja boa qiiitaodeira : a
As encommendas SC^o guardadas SOmen- | tratar na ra dr Cruz da Recife n. 42, primeiro
te it a noite da vespen da extracg5o. aD,1*r' ____
'O ihesoureiro Precisa-se do um caixeiro para lomar conta
Antonio Jos Rodrigues deSo'u.a. liSSrXSKVLTSS^ i****?****" \'"
D. Marta Pelippa Sbuto scientiflea aos Srs.
pais de suas alumnas e ao respeitavel uublico que
acaba de transferir sua aula de instrucQo prima-1
ria do terceiro andar da casan. 5 roa do Viga-
rio para o terceiro andaV da casa n. 3 contigua |
aquella na mesma ra, on conliua no exercicio I
de seu magisterio, e a rectiber alumnas tanto exler-
as eomu internas, pensionistas e meir-pensionis-
tas, para o quo a casa offeirece grsndes e excellen-1
tes atTirniinoda^oes.
Igualmente scieutifica que se encarrega de qual-
1
tura Sciencias e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Preci^ase de urna ama que cozmhe eeugmn
Qa.>rla-feira 29 de novembro*
Pelo agente Euzebio.
De urna graude. propriedade de n. 33 sita na ra
do Hospicio, contendo grandes aceommudacoes, ao jfffj5g gjl IQJa-------------------------------,
lendo de frente 7 portas at para se fazer dous Antonio Jos Mirtins Lima, morador na villa
sobrados independestes," por quanto tem os repar- do Cabo, tem para vender dous sevados : quem
timemos que se prestara e terreno alm todo mu- precisar dirija-se a mesma villa._________
rado com grande cacimba de boa agua, casa de
banho, arv.ireJos e plantas prjprias da jardim.
bello recreio e outras vautagens, que so a vista
poderao raelhor apreciar os Srs. predentes, para o
que sao desde ja convidados ao previo exame, alim
Oe fazerem uma compra magnilica.
ria, issim como conlintii
promntidao o bemleito-
a ve.-lir aojos para pro-
eissoes com asseio e gosti, para o ijue lem novos
e bonitos votuano--. Quam, pois, a qnizer hoiir^r
me para casa de pouca familia : a iraiar ua ra casa indicada, certo de qi le os irecos sao bastante pessoa que queira dar anuuncie para ser procu
es-
MISOS DfTEMS^.
Instituto Archcologico c Georjraphieo Pernam-
linean.
Haver sessao ordinaria quinta feira 23 do cor
rente, as 11 lloras da inanbaa.
Ordem do dia.
Pareceres, rotatorias e mais trabalhos de com-
missoes.
Secretaria do Instituto 21 de novembro de lbo.
J. Soares d Azevedo,
Secretario perpetuo.
'"FOEjHIXIIAS
DE
POaTA.
As pessoas qn teeni e-coromemld-
ilo rolhinhas dep.ii-li paa omiiio **e
1866, qiieii'am r busca-las, na livia-
na da pr.ica da hidepen^aeia, pois
que acaban de sahir da p'-lo.
SoSedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
ni t i
Precisa-se da nra cozinheiro, preferese
cravo : na ra da Cruz n. 7. .__
Precisa se de um rapaz porluguez at a ida-
de de 20 anuos para caixeiro de uma taberna na
Parahyba : quem uuizer dirija-se an cstabeleci-
mento de Barros & Silva, na na da Madre de Deus.
Na praca da Indejeudeiicia n. 33, loja de
ourlves. compra-.-e onro, prata, e pedras preciosas,
e lambem se faz qualquer obra de encorntnenda, e
todo e qualquer concert.______________________
Precisa-se de um caixeiro : no annazem de
louca da f.brica de Barbalho; no pateo do Terco
numero 39.
Aluga se urna grande casa terrea na Ponte
de Ucha, a beira do Rio : a tratar na ra doA-
monm n. 54.
razo: veis
m
Precisa-te de urna ama que saiba min-
5 lo bem cosinhar e faca as compras pira
g casa de pouca familia : na ro da Gruz
as do Recife n. II, segundo andar.
S Prtcisa-se de olkiaes de alfaiate para JSJ
& i bra ininda. pagando se 2 i or cada ^p
|? caiga : na ra da Cadeia dj Beeife n. 38, *
fe primeiro audar. ?R
nwr&mm mm mammm
Precisa se da quanlia le 3005 pur e-pa<;o
85000
5*000
M
M*"0
50UO
3OPO
ttu.o
IdvTOO

com sua conliauga, lenlia bondade de se dirigir a de 3 mezs d-se por garant-a em urna casa : a
Club Perumbucauo-
0 baile do anniverario de sui installa-
c3o lera lugar em a noite do 1." de deem-
bro prximo futuro.
CAViLLO
rada.
Ainda est para alugar-se um sitio na Tor-
re, com muilos commodos para grande familia,
e muilo fresco, e tambem se vende por barato pre-
qo : a tratar na padaria do mesmo lugar._______
Com comida esugeiQio
Gai-anlese I.-.'2(111 por dia.
Aluga-se eseravos que tenham offieio de sapa-
teiro, assim como toma-se molques para aprende-
rem o mesmo oftku na luja de sapato da ra do
Rosario n. 22, junio a de funileiro._______________
Ama
Proclsa-se de ama ama, preferindo-se escrava :
as Cinco Pontas, Inja de marciueiro n. 27.
Na noite de 18 pira 191
cavallu mellado cuito, da
coinsellim ingle quasi novo; cuj) cavallo tem
cimas e cauda preta*. as
hem sobre ambos o< ladisi
ferida pequea na mi di
andar em cabiiolet e be:n conh-cido nesta praga:
quem delle der noticias c irlas ou lvalo a' E-tan-
cia, sol rado de dous andares n. 2, sera graUficaon.
Candida lialliina da
ra partiealarde inslrncci
menino, participa aos paisj
mndon orovi-oriamente
i c irrente furton se um
entrabara do seu dono,
AMA
Preeisa-se 'o uma ama para cozinhar e comprar
para casa de pouca lamilla : nft ra da Concordia
o. 34, sobrado do armazem do sol. ____
Notas do banco do Brasil e das eaixas liliaes
dcscontam-se na travessa das Cruzes n. 8.
'&&.
ur. uarunno rrancisco ao urna oan- ___,__ | va.-ao uiui uiuho h-j m-.-o k.-
;ontina a morar na ra do Impera- vsg [ isso ilesigiaas, salvo >s cws wr-
n. 17, segundo andar, tendo alias seu M gentes, iiue seo Sncmrulos ?m
SfL^S"" """^ l80aS S qualinier occas,*,. D,c.^uit...s M
.linas sao grossas e ca
do pese ico, e lem urna
eua ; esta acostnmado a
Paixao MBclia, proesso-
i primaria do sxo fe-
de suas alumnas une
a aula da ra do Han-
ge! d. 5'j para a de Santa Rita n. 10, oule
na em sea magisterio ;
COtltl-
LJEILJkO
De mobilias completas, cadeiras avulsas,
guarda roupa, satictuario3 (te ji",ai"inil,
pianos de mesa armario, mesas elsti-
cas, sofs, can lieiros a gaz, relogios, ca-
deias p>ra os mismos, perfumaras e
outros maitos arligos.
Hi < -" ara
Quarli-feira22 donviile as 11 hotos
NO GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
DO AGENTE
OLYMPIO
315Hu;i ta .Uitela ao itc-aic -3t
LEILO
De miude gens,
V iz & I.eal farao leilu por intervengo do agen-
te Pinto, de um completo e variado sortment de
miudezas e ferngense nmitas outrss mercaduras
existentes em seu armazem a' ra da Cadeia n.
19, o .:eesp ram a con^urreneia de sena (rogue-
tea e amigos as 10 lloras em ponto do dia qu irla-
feira 22 do corren'e.
BUrpiji
1
r
O banco AHianc.'i do Port lendo estabelecido es-
ta sociedade debano de sua inmediata vigilancia
e responsabilidad*, facihtoa a ereacao de capilaes,
dotes, rendas.pensoes, isencoes do servico das ar-
mas etc., pir meto do sabscripeSes unieas>on an-
nuaes, as Quaes convertidas era iuseri|igoas da di-
vida publica, de renda nacional, e da mesma furnia
us joros semestraes que d'ellas se forem vencendo,
fleam por um certo numero de annos em deposito,
at que, lindo o prazo estipulado, sao resumidas
aos socios com os ioteresses amontoados. hem co-
mo as que perieuceivm aos associaoos falleeidOS,
v|t > que d'estes sao herdelros os sobreviveutes.
Pela engenhosa combio icao econmica adoptada
nos clculos dest= entrada annml de 5OWO0, por -xonnlo. olitom se
em o annos 504000 a 5504000, em 10 UoOOjWOi) I
a 2:000jtHM), em lo 3:oOD-3000 a i:500J000, em
20 8:(I005000 a 10:000Ji!00, em 2-> 18:0005000 a
2.>:0l)00.!0, couf.inne a idade do iodivi luo sobre
qoem 6 feito o segure, pois que nos referidos cl-
culos conla-se com a maior ou menor probabilida- j
de de dnracao de vida.
Esta sociedade sobretodo vantajosa aos cheles
de fa i ilia, vi-to que Ihes facilita sem saerifteio a
fnodaco de um capital oo dote para seas lilnos ou
fliha-, segurndoos quando nascem ou emquanto
sao truncas.
Qoem, pois, mais oircnmslanciad-s informaci5'"s
Amonio Jn- Rodrigues de ouza, na ra do
Crespo n. lo, aluga sua casa e sitio, no Monte:ro
em frente ao oitfu da rija, tendo o sitio porto
de ferro, carimba con boa agua, estribarla e co-
cheira, e a casa 4 salas, 7 quartos, e iota, a qual
tsuttofresca cesta de novo bem calada, cooeer-
laja e piulada : pura \r, as chaves e>tao em a
casa do Sr. Nicolao Machado na moma, povoacaj.

_
m
9
DEPOSITO DE SALADO
FBflIGiDO XA CASA M DETEXgAO
Ra \ov:\ a. 4*1.
Ahi se eocootrarSo obras de di-
versas qua'i'laMes, e por prego mui
diminutos, a retalho e em porgoes. *
:-^ S se vende a dtnlieiro. Si
Ama para casa.
Precisa-sejalugar urna ama para todo servico de
uma casa : na tteCCO das Boias n. 2, primeiro
andar. ________'_____________________
Precisa-se de uma ama que saiba bem com-
prar e cosinhar para casa de pouca faiuilba : em
Santo Amaro casa do Sr. Antonio do Cerni onde
funecionn i aula publica.
Ifc
! -,
\,. I ( J
No da 17 do correte (|)i a' praca por mandado
do Illtn. Sr. Dr. juiz muuipipal da 1" vara, um ter-
reno na >ua dos Ossos, e uma casa terrea na roa
do Carino, pertem-enles aj.Manoel Joaquim da Sil
va Ribeiro, por execugo ijue contra o mesmo rno
ve Antonio Jos Wira. Ignorando qaem foss*o
mo Viera, casuaimelo i.ouU*mos.sur um crioulu
pai de familia, que a custf de minias economas
i p le grangear a pe iieiniquaniia que tem motiva
do asta questo: entoetanla apjMsenta-se agora o
Sr. lego prom ivenda qsstSo contra o meem Ri-
beiro, e eonlaja' com umh >enleiica avoravel, pa-
ra entrar em raleio no referido terreno e can. Na>
sanando o- dirciios quol assrsiem ao Sr. Reg,
aguardamos a final decicao do Hlm. Sr. juiz, a
quaa rmpele liara seniengi. confiando que d" a
Cesar o que de Cesar, e a Deus o que de Deus.
O observador.
Pede-se ao Sr. Dr. cfae de polica lance as suas
vistas para a ra das Larangeiras, onde, a notle,
una suca emende d- fazer da ra o lugar de lo
mar fresco, obstruindo o passeio com cadeiras,
obrigan : i os viandantes a desrerem a calcada,
como se isso fosse permillido pelas posturas mu
nicipaes.
^ O Dr. Carollno Francisco de. Lima San- ^
a tos con
^R dor
^ gabinete
>*_ entrar, no primeiro
M O mesmo doutor, que se tem dado ao *
%> estudo tanto das operaees como das mo- |Q
g leslias internas, presta se a qualquer cha- j^
3k mado, quer para dentro quer para lora JS>*
~Sj& da cidade. _j
mmm Mmmmm mmm
Em casa de Theod Christian-en, ra do Ta-
piche-novo n. 16, nico ajenie no norte do Bras I,
de Brandenburu freres, BordMux, encoiiira se tf-
fectvamenle deposito dos artigos seguiulcs :
Si. Julien.
Si. Pierre.
La rose.
(tiateau Leoville.
Chateau Maruanx.
Graud vin Chateau Lafllle 18o8.
Chateau Lalille.
Haul Saiit-rnes.
Chatean Sauternes.
('.hatean Lalaur Blanche.
Chateau Yqnem.
Ognac em tres qualidades.
Azeile doce. PrecOS do Bordeaux.
B Tseguins [>ara
e'ast co.................
Sapatos de lona, sola elstica.
avt Hadan*.........
de l ranea...........
ecdomicos para str-
nhoras...........
com sallo de lustre..
Cliineles do Por o..........
Um competo sor.inie lo de calante da
trra para homens. senlioras e ncaas;
assim ci-
tre, marroquiis, tai*as -le li^'as as _n>
dades, fitas [tara sajjateiro, muit<>
sola e cornos que tudo fisto n*res>ari
le f.iz cubica ao comp ader pela l.ar.iie/a.
Joao da Silva llamos, medico, im-
r.ic.o pela univerMa ;e ile oimira,
*" d consnltis em sua casa da- 9 as
M II hoias da ni'i.lifH. e das i as 6
'. da tarde. V isita us iloeoMi ni >ua;
enn rcgularnieiile na hnn para


quaiq
pobre- (pie o procurarem no bnv
|iilal Pedro H, amule
diariatLente das (i s S horas la ^|
mantiaa,
Tem sua casa de sade rfgtilar- t
mente noatada para rnelfr < :al- y
(juer donte, ain :a rnenm ali**-
IimiIiis, p;ra n ;;: c M tt \
aprot nados e nelia pratir.' ipja!,
opperacSo cirurgka.
Para a casa de nde.
Prineira ci^sse. .':' u i
Se-mda dita... 3|900
Tereem ita .mi
Esle es abe'ecinew ja Im,i
acreditad i pe os i ns si r.ic 'i'ie
tem preatado.
O propnelari-i espera qoe elle
continu a nciiu.r a c naiica e

i-
%
mk DA FOHT i
iios 6:00$U.
ilictefi i;r:iatldos.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO GOSTME
O abaixoassignadovendeu nos seus milito feli-
deseiar sobre tal sociedade, ou so quner inscrever es bilhetes garantidos da lotera que se acabou
" de extrahir, a beneticio das familias dos volunta-
,<( ip i>ac~arei
M francisco \ugusto da Cosa
AOVoGAUO
Escravo fiujilo
Dos flns de outotoo prximo paseado para o
principio de novembro corrent?, fngio a eseravn
Joaquina, com os sigoaes seguinin : cor lula, es-
lalura regular, ps largos, nariz chalo, tem uma
cicatriz no beico encostado ao aam, prov-.iiente
de um taino, toma tabaco, secea do e >rpo, e ja
Idosa, levoo dlfferenies roupas : roga-se as auto-
ridades polteiaes e capites de campo que appre-
hendam e levem nesta praca a Manoel Jos da Sil-
va Onveira, ra do ncantamento n. 13, on no
eng-nho Boin Successo, fresueila da Bscada, a
Claudios Maria da Paixao, onde lavradora e mo-
:/ que >empre lem "oadii.
-
.-:
Ama,
Precisase de ana aunque compre, rnili
cngoinii ra da Giur, ani.-.ii-ni v. 57.
mmt
martimos
COiMHA 0(10.
A companhia Indemnisadon. -' l>*
da nesta praca, lonu Kfatn narianji
hre navios e seus carmpne
radora, quo em qualqot* um dos lugares sera bem fon en edlBCK, ui.>y;i,o i m+mm.
recompensado.
Precisase de urna enpin-.m:d>-ira peifeita-
na
forra ou captiva : no QoUegia do
ra da Aurora n. 50.
Bom Gonselbo, <
Aluga.se o terceiro andar da casa n. 88 da
rui da ImperatCR, e o sino n. I da e-trada do Ar-
laial : no ra da Aurora n. 36,
como socio d'ella. dirija se ama da Madre de
Deus n. 28, onde se pilera entender com Joo Car-
los Goelbo da Silva, que para isso se acha encar-
regado,
Fabi'iea Se c'..>ieis le sol de i.
F.tqsic, ra to Crespo u 41.
N>ste auligo e arredilado e-tabei-eim. -nto adia-
se sempreum completo e variado sortimenlo de
chapeos de sol de todas as "qualidades e precos, Fortuna a ra do Crespo n. 23.
I_EI.fi AO
De vinlio tint>>.
MM
Oiiarta-feira 22 do corrente as 10 horas.
TisseJ Kreres iran-ferio o leilio do vinhj tiutj,
Dor rnterveocaodo avente Pestaa, o qual se efr
fciuar ouioia-feira 23 do corrente em lo.es a
vuiitile dos comprailores, pelas II horas da ma-
nila i em ponto no armatem do Sr. Azevedo de-
froniii da escadinha da alianuega.
Leilao
De m.OVeis, eSCraOS, loUCa, Q-\to, ran"de cosinaa ion um ptimo lerraco, gran-
. de quintal com parrciral, e excellente agua para
d''OS e OUlT Cordetro fluies i pronrieuno na wa do H pteio n. o).
por conta e risco d quem pertencer fara' leilao Ignacio Ferreira fifattos, subdito puriugu>-z,
do o iludas de Jacaranda'eamarello, mesas elas- retira-se para a Europa, alim do iraiar de sua
ticas, camas francezas, marquezas, cadeiras, ap-1 saude.
Aluaa-se urna casa na Bba-tiagem, muito
fresca e commoda. e perto do banho snlgado : qnem
precisar dirija sea ra do Apollo n. 32, ou ao es-
criptorio do Dr. fonseca.
rio* da patria, os segointes premios :
Ion inteiro n. 1120 com a sorie de 6:0003.
Dous quintos n. 2893 com a sorte de 1:2003
Um meio n. 3389 com a sorte de 3005000.
E outras militas sortes de 100J, 405, 20J e
10J000.
Ospossuidores podem virreceber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
tanto de seda a alpaea,como pao de todas as co-
res, para homens, se .horas e meninos. (Juanto aos
precos sao os mai- raioavei pos.-ives, tambem ha
um graudesorll coto de pecas de. seda, alpaca e
pao para as pessoas que quizrem encommendar
chapaos de sol e mandar cohrir armacoes servida',
conc rlam-se os misinos, sendo tolo esle trabaiho
feito com lo la a p-rfenjao, presteza e commodo
preco : na roa do Crespo n. t.___________________
Aluga se a eicellente casa terrea n. 20 sita
na ra da Florentina, com bous commodos para
grande familia por lor t salas espacosas, fi quar
parellios pan almo?) e jantar, garrafas, copos,
caliees ele, na mesma occaslo vender' uma
moiat de idade 16 a 18 anuos, co, coMnha, lava
o. ven le na ra e com mais algumas habilidades,
islo
Quinta-feira 23 do corrente.1
as I! horas no seu annazem a ra da Cruz nume-
ro 57.
Do, niiudeas, perfumaras, ferragf,ns,
cule'crias e chapns.
Qumta-feira 23 do correte.
Mello, l.abo t G. farao leilao por intervencao do
gnia l'estana e por conla e risco do quem per-
lencer de um completo sortimento de miudezas,
perfumarias, ferragens atelomae e chepos : pelas
11 li iras da manha em seu armazemi. na r,ua
;.i CillZ (I. 63.
OS nVRCWEIiDS
Precisa se de oIBclaes de marcineiro ; na ra de
Apollo n. 47. Na mesma casa se precisa de uma
ama de porta para dentro, pagase conforme o
ajuste. ^__________________________
Na fabrica de charutos e cigarros da ra de
Hortas n. 1 comprain-se ornaos; e na mesma tem ,
para v-uder fumo harlei.eke e perola de Minas, s 9 da nite, na ra Nova n. *J e 11.
em latas- da t t]i libra. ________________
GaMi em Olinda
Alugaisa um sobrado ha pouco reedificado na
nu dAm4lrodacnj(^ de Olinda': a iraur na
; luja do sonrado roovo, com o Sr. Gliilherme- J:>s
Acham-se a venda os da 4' parte da 5* lo-
tera (40') beneficio da Sania Gasa da Miseri
cordia, que se extrabir quarla l'oira 29 do cor-
rente.
paseo.
Bilhetes .... 65000
Meios......35000
Quintos.....15200
Para as pessoas que comprarem de 100^000
para cima.
Bilhetes. J 55300
Meios......25730
Quintos.....15100
Manoel Martins Fiuza.
Grande Bazar,
Caruciro \ huma.
E' chegado a esta e objeclos : cadeira de palhi para enanca com ba-
tanen, bergos de novo modelo tambem de palha. e
outros mullos ainos destes geoeros; peda se aos
senhores que encommendaram alguns objectos
destes, o favor de vir escolher logo os que preten-
den! querer.
Objectos de metal das segaintes qualidades, ur-
as para cha, cbaleiras para fazer-se cha", appare-
! Ihos de almoQO, dito de jintar e lodos os mais ar-
tigos que se podem desejar deste metal por preco
mnito commodo, que a lodos deve agradar.
E-pelhus da todas as qualidades para ornamen-
to de sala, tpeles, alc.aiif. e outros muilos artigos
que por gosto se pode visitar o grande Bazar, o
anal se acha aborto d>-sde 6 horas da mauhaa al
Trabal hado-res.
Na ra imperial n. 1, precisa-.-e de alguns tra-
bajadores portuguezes. ____
LEILAO
De 20 llameas com salitre refinado.
O agente Marlios far leilao por conta e risco
de qoem pertencer de 20 barricas com salitre re-
finado de 4 arrobas cada uma.
Quinta feira 23 do corrente.
As 11 horas do dia na porta do armazem do
Anues.
Leilao
De tinas escravas.
Cordel ro Niaies
Offereeese um mogo porluguez para- calrelro
de quahiuer eslabelecimentp, ou para caixeiro de
dos Santos, ou no Recife. loja n. 4o da ra da Ca- cn|,ran^aSi ,. da fiadores a sua conducta : qnem
deia Vellia___________________________________| pretender dirija se a ra Imperial n. 33 padaria.
ltitttl Vi' Fugio de casa de s?u senhor o escravo Anto-
f, * o sitio que foi da fallecida D. Serapliina, na estra- tem os signaos sejtuinies : baixo, grosso do corpo,
da do M taire) pelo tempo de festa : a fallar-se ps apalhetados, e bastante eio, levando vestido
j cora o herdelro invenlarianle Glaudino da Silva palilot de casimira e ca'ca da mesma fazenda ja
I Ferreira, na casa de seu pairo, na ra do Vigario, usada, gratilica-se com generosidade quem o irou-
ou na casa de sua residencia, na ra da Impera- xer a padaria n. 146 defronto da estajeo das Giuco-
iriz, Io andar, ao p da Sra. madama Locante. A Pontas.
; casa tem 8 quartos, 2 salas, 1 gallineta, 1 copiar,
cizinha fra, grande cacimba com agua de beber e
bomba, rouitos ps de diversos arvoredos, etc. etc.
Precisa-se deumaama livre ou capliva para
casa de familia : na ra do Rang"l n. 8, deposito.
um sitio na Pssagem oa Magdalena, a margem
du ufa r|iifcnihnj junto ao do Sr. commendador
Manoel Ignacio de Oliveira, tem boa casa com sala
do visitis e gabinetes estojados e estelrados, 4
quartos, sala de jantar e de espera, cozinha e des-
(ieosa, quario para pret.is, um soiao com 1 saletas,
estribara e caa para feitnr, uma baisa de capim
liara sustentar tres cavados lodo o anno, alguns
arvoredos fructferos : a tratar no Recife, ra do
llrum n. 66, armazem de assucar._________
com alL'uma pratica de taberna, para caixeiro ^ ^ _!FR4NCI&C0 PINT) 0Z0RI0
BDentista de Pemambuco.
S Hua eslreila do osario n. 3,
ga ao p ia igreja
roa do Vicario 11. '%. pavimetitit t*rrei.
Casa de lwii.^
I.-.i do Carnio n. it>.
Este'suIm rciir.'-pi 1
na sua origMi ai h .-. 1
quasi c iiiplel', no p i \i- u-u la- /n
l^re--e de sua adininis r'i >.
:
53
villa do Cabo : quem precisar dirija se a ra Di
reiia 11. 32. que achara com qoem iraiar.
I
i Colloca deatcs artificlaes f
pelos ^y^teiuas uiaU uio- g
Emprega todos os meios srienlincos para _g
'-* i-,,i,-.'-rv.;r ns i lnars. I'de ser procura- ^
H do em -eu gabinete das 9 horas da ma- Sa
,J nhaa as 3 da larde.
H>je que o nuv.|.r ri faii 1 |Kew
j3 >*< lodos o meio- par r- -t-1. !.-r a %twtm ^J
.ai ulilidade desie PstoMcrMBi l>e>i* jf|
*S Sl'"ur''r t0 l'u'1'"-" 'I" "'J3 t
.<*< o nnniero do- runcntri **- >
'M de ja prompliilao c acri. aaa MaMe fn<*. ff^
*^ moros ou medicinar-, a r*aa 4 :jB W* nlios se achara' alirru bi** o* **
m&mmwmm9
Da barca maleza Mira e Celia
21 Caes 22 de norcmlro21.
Paulo Jos Gomes & Mayer, por verem a utili-
dade- que podiam tirar os propietarios de al-
guns terrenos devolulos, que por falta de m.ios pe-
cuniarios, t?m deixado de ediflear, resolverain-
se arrematar parle do cirre-jamenlo de madei-
ra da barca ingleza Mira t Ce>ki, arribada neste
porto.
A vantagem que ofTerece esta madeira, ser de
uma so bilnl.1, tanto em grossura
|arg.WoMpalmde-eomprimen^;et'dn^ l milito bolll eala.lo
tar 75. Portaoto pde-se fazer uma casa con, pon- i de lifBOdza : a tratar na na- QO uespo n.
co dinheiro, eusofruirso luerosmensaes, que al 20, eSiJUina, ClljO preiji) de alllgnel ra-
enlo nao se cercehia, por faltar esle recuso. Mu-; 7riffoi
.___r...i___1;.. j. i,l...l f...i.... H n.lhac ZUdVCI.
.i ma de, leile.
Precisa-se de uma ama de leile : na ra do Im-
perador ii. 42, terceiro audar._____________
Alogam-se trs casas na povoagao do
etimprimeiito e : ^ Q rnarijeuL do rio, coin inuios
argura, tendo I pollegada de grossura, 3 r tr-m;''
_| 6 horas da inanh as II da uite.
"2 ran
Banho d? cho.pn-'......... Jn>
Dito (rio ou moroo........ ^>a
Dito de far.ll...........IJOO
Dito medicinal sera' sr^nn-
"S do sua qnalida.lf.
a*naana
Por nvz l.anh-i tilo u mura*. M)i
23 cario- s para bftafea Ir. <.
inoriui on de i ----- l'C
15 rarlV. para os ni.- '&
1 difaM para b nho de btri'.o. H
m
C0>IPA%HI\



tas casas nos suburbios da cidade, follas de palhas ; __
de coqueirn, muilo melhor sera' agora, seus pro- Aluga-se a casa da ra Imperial n. l, pro-
prielanos subslitui-la< por madeira, porqne terao pria para rellnagao ou uutro qualquer estabeleci-
ca*a de melhor gosto, duraco, sem ser preciso an-! monto, por ter muilos commodos e quintal grande
darem constantemente refrmando-as. Os inqui-, muradn e portan para fra : a tratar na ra DI-1 adoptados ao ainodao laliaiiH^im
linos [Icario mais tranquillos, porque os malditos reila n. 8* 1 u na mesma na n. II.
eros, noatacarao fugo com tamanha facilidade, j orvete a 3-O rs
Fara a cons-lra-cao de na< hia
H
ALRKRTMO E BOICLIN
.N> W Luudon, Gorinrclieur, ita
,h>' I'ill'l' <
Solicilam pedidas de Jcscar.-cadorp *> aif-i^
II, --
dicado a ese negocio durante 25 n>, e ;
rio imniediaiainente a correspoodrneta 1
e por de ca' aquella palha as sobreditas casas. Mu
tas outras obras se poderao fazer co'm esta madei-
ra, que sendo para estarem empostas ao sole*!1-
cbnv 1, nao sao ataeadas pelo cupim, como temos
vista, casas e cercas durarem annos sem serem vi-
sitadas por e mente vao para Montevideo carregamento de ma-
deiras desta qualidade, e us por vermos a ex-
tracto que lem nesta cidade, compramos esta, e no
Todos ns dias de 11 horas em diante, na ra da ; '.r!gl '-------_.----------------_____
Da ?e bolos de ven.lagMn a< I
dia, e paga se a tustao i>r paura : m
Precisa se de um moco de dezeseis annos,
com alguma praticade moldados, e qoe afflance
boa conducta ; que
paleo do Carino se 4ira.
m stiver as cond.coes cima; MM/tf ij J__Q>
, roa da Gruz n. 50, 1- andar Wg*^ MiSTS
tteeaouareeeu do* Affliclos, sitio de D. Maria
Carolina. Fflrreira de Carvalho, o mulato claro de
caso de ter, compraremos a^slm como compramos nn_e |siaMlMj yj-ft ha p meo d Paj", idade de
carregamentosdaoutra, que tem extracto nesla i 16 a J8 Anno% cabellos cacheados, estatura reuu-
cidade e que se acham a venda em uossos arma- |ap 0 ua) |eVoU ^audo carniza da II nella branca
zens. Temos tambem grande quanudade de bar- j g c'.| lamnem branca, velhas, e chapeo de feltro;
rotes de dilf-reules grossuras e compriraentos que QUenJ 0 ap|,rrhender ou delle dar noticias no sillo
vieram juntamenle com esta madeira.
GORREIi""
Os Srs. Afltonio Sabim do Monte e Manoel Fer-
- ;Na fabrica de charutos e cigarros da ra de
.porconuerlseodequeiupertencerfira leilao de precisase de nm menino para ca-
uma eserava de idade 40 annos com todas habili- n
dades, propria para casa de familia, t dita de Ida- '
de j annss com habilidades, isto
Quinta-feira 23 do corrente as II horas.
o armazem a ra da Cruz n. 57.
Antonio Francisca Itoio mudou sea estabele
cimento de deposito da ra das Cinco Ponas d.
59 para a mesma roa. n. ~.
O Sr. Dr. Guilherma Goden Coelho Cintra,
que por vezes ha sido chamado pela Ord-m a pa-
lar a assignatura da mesma, nada dve de-ssa as-
signatura, visto como acabo de 1er srhsneia, que
alguem abusara de sen nome para constiHiir-se as-
signante da mesma QrAem, sem selencia daqnelle
senhor, a quem servir a prusente deelaragao de
,salisfago, qoe por tal engao Ihe da.___________
. P/ecisa-se de uma ama para o servico inter-
no de ama casa de tres pessoas : aa ra do Hoa-
| pteio tu 6
cima, sera generosamente recompensado
Os abaiTo assignado*, fazem publico que, no I
da 31 de ootuhro prximo pausado, _j igavelmen-
aands de Tanjo Jorge queir.m dirigir-se a re- \ te dissolveram a sociedade que at entao gyrou nes-
partlcao do correio alim de receber carta recom-: ta praca sob a firma de Vioira S Netio, licando a
mondada_______________I cargo do primeiro abaixo assknado, a Mqnida;o
Precisa^e^SWjTjuToT^or pequeo dojctivoj, passivo nj^MM jny
prasc dndose para' garanta cinco eseravos de I bem assim, por sua conta
Sa?or : qnem os quizer dar anouncie para ser mrc.an..s que l.verem lu
procurado. ^^^ .
gar da referida data em
Aluga-se
a cas da ma do Pilar n. 10, caiada.e pintada :
tratar na ma da Cruz n. 3o.
Aluaa-seTTtercero andar do sobrado da ra
da [i!>eratriz n. 34, com commodos para grande
tamWia : trata-se na loja do mesmo sobrado.
__ Para casa de pequea familia ou de homem
solleiro offerecese uma mulher portuguea para
engommar ecozmhar: trata-so na ra de S. Fran-
ciscoo-J______-_________^________.
" COZINHEIRO.
Prcesa-se de uma boa cozinheir*. prefere-se
capliva, e paga-se bem : na ra do Hospicio n. 36.
Precisa-se de um cozinheiro; na ro*. do
Crespo n. VL
diante.
Recife, 20 de novembro de 1865.
Manoel Antonio Vieira.
Narciso Jos Ifctto.
Tendo a irmandade do Divino Espirito-Santo
da igreja do Collegio, resolvido em sessao de me.-a
conjunta, mandar fazer de marmore branca fino a
capella-mr de sua reja; convido de ordem da
mesa regedora qu-llas pessoas que se acharem
habilitadas a mandar eiecutar semelhante obra,
a examinarem a planta que se acha exposta na sua
sacrista, e a apresentarem suas proponas no
pra da irmandade, era 10 de novembro. do 1863.
O pscrVvio.
Francisco Briarmina. dos Santos Frritas
Precisa-sa de uma ama. para easa de marido
e muloer : na roa Augusun..4&
(Darilimos e terrestfes
cstabelerida no Uso de Jaueirav
Mnvna m nmfumme
$ Antonio Luiz do Olivrira tzrvrda C
I compeienlemenic autonsados p#lad*~it-
J loria da com^aiiiiia de segu
|ft de, lomam seguros de na*,
3 rias o predios no sen e*ernori ra<
1 Crin n. 1.
mrnmmmmmmm
BOTICA K DROGARA
DK
B. F. de Mola dk C.
Ras larva da Rasara n. II
Remedios de R*luvay
Prnmpto alivio.
Pitillas reguladoras.
RtKlotivo.
Remedios de Kerap
Anacabnita.
Salsa de Brlslol.
Pilulas assucaradas.
Agua florida.
Pastilhas vermifogas vefeivs.
Chegados pelo nlli-o navio viw
Ama
Precisa-se de uma ama
ca familia, para eozlnbar e
Rangel o. 10.
fura para ana


T*
Diarlo d k'ernaaafraeo tuartr. fdra de Xovcuibro de !*.
CA VALLO.
-Queai aonanciou querer comprar um cavallo
eosiumado a cabriole*,-dirija-se a roa do Hangel n.
f-7, das 6 as 9 horas da tnanha.
Aluga.se a casa a. 6 da ra dos Piazeres,
nos Coelhos, em bom estadj de coocerlo e aceio :
a tratar na ra do Banxel n. 36, segundo andar.
Na ra do Imperador o. 46, armazem, preci-j
sa-se de urna ama para cozinhar e eogommar.
Precisa-se. alogar urna preta captiva de alian-
{cada conduela, que seja boa cozinheira, e que sai-!
ba ner compras: na ra do Pilar a. 6, sobrado
encarnado.
de
(IB 4 eneadernado.*)
VAUELLA VOZES HA AiMERIGi
(IB leiicadernado.)
Ou(ros objeetofl.
Viudos tambern para a anuga loja
rntudezas ra do Queimado n. 16.
Sapatinhos deselim branco bordados pa-
ra bap Usados.
Outros de merino tambera bordados e
igualmente bonitos.
Meias de seda, correspondente no tama-
nbo dos sapatinhos.
Outras mui finas de fio da Escossia e
brancas lislradas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas
COMPRAS.
l'OJJWi.
Paes de Andrade (M. C) Flores Paludas, in 4 broch.
Plores Singellas, in 4 en-
cadernado.
Vinra de S Saudades, inv8 broch.
Pinto ColhoTrovas Mineiras, in 8 broch.
A Assumiirao Poema, in 8-encaderuado.
Burros (os)Poema, i o 32 eoc.
Cantospor Goocalves Das, in 8 ene.
CaramurPoema pico, in 8 ene.
Marilia de Dtrcu Poema, 2 ni 8 ene.
Meades LealCanucos, i in 4 ene.
Minhas nspiracoes -poesas, A. M. dos Hels, i in
4 ene.
Novas Poesas de Francisco Xavier de Novaos, in
4 ene.
Obras de M. A. Alvares de Aievedo, 3 in 6 ene.
Obras de Filinto E'ysio, II in 4 ene.
Obras de Gil Vicente, 3 in 13 ene.
Obras de M. I. da Silva Alvarenga, 2 in 8 ene.
Pacotilha potica, in 8 ene.
Parnaso Brasileiro, 2 in 8 ene.
Parnaso Lusitano, 6 in 12 ene. .
Poesiasde Ame ico Elyseo, i in8 ene.
Poesas e Cantos de A. Gama, l in 4 ene.
Poesas Completas de t. J. 4a Silva Guimaraes, i
m 4 ene.
Obras dos princtpaes poetas brasietros, portugue-
zes, franeles, etc., etc., etc.
PR1.HEIR.4S l lltlS
C. Adler's -Norma para escripia.
Carslairs e Buttei worthejemplos de escripia in-
gleza.
Gallito Syllabario Porluguez.
A'ot'o tnelliodo de ensinar a Ver -e escrecer por A.
Freir da Silva, etc., etc.
OBRA DIVERSAS.
OBJECTOS PARA ESCRITORIO.
A Constituate peranie a historia, por F. J. M. H. de Pennas, caetas, lapis, tinta, etc.
Mello.
Barbe -Curso Elementar de Pilosophia, Pars 1863,
Sin 8.
BoucharUat Manuel de maiire, medcale, 2 ia 8.
Formulaire magistral,-in ti.
CliernovizFormulario, in 8.
Flammartonles mondes J oaginaires. in 4, 186o.
DufauMlhode d'observalion, in 4, *866
Venillot leGopier Iialiec. in 4 br.
Mtillerhistoire de lailiitrature grecque, 2 in i,
1863; etc., etc.
OBJECTOS RELIGIOSOS.
Estampa* religiosas em fumo e coloridas.
Imagens de Santos coloridos, dourados, etc.
Coileccao de estampas vi sacha.
Rosarios e Crnafixos de martlm lavrade, eet.
Manuaes de Missa ricamente encadernados de mar-
lim, velludo, etc., ete.
OBJECTOS PARA DESECHO.
Papis de todas as qualidades.
Caixas de tintas finas pineets.
Estajos de malhematica.
Lapis, cragons preto e de cor.
Estampas coloridas, ete.
PAPELARIA
Papel de peso, alinasso, greve, fljfette, etc.
Papis de cor e. brancos de marca grande e pe-
quea.
Enveloppes de todas as qualidades.
Carloes de Visita.
Ditos para participacao de casamento.
. Enveloppes de reuda para os ditos, etc.
Prensas para copiar com lodos o pertenecs.
Litros em bronco, ete.
MAPPAS GEOGBAPHICOS.
Globos terrestres, etc.
STEREOSCOPOS.
Vistas para os mesmos.
Collei'coes de photograpiias, etc.
ESTATUAS DE BROXZE.
Tinlelros de bronze.
Pesos para papis.
E-tojos de toilette.
Pastas, ete
LITROS
Com estampas linas e
priospara presentes.
RETRATOS DOS ACADMICOS
TAKlOS DA PATRIA.
Assijnalui-as para jomaos da Europa.
> Jornal das Familias. .
Revista Jurdica.
Archivo Lillerario,etc.
FOLHINHAS PARA O ANNO DE 1866.
ALMANAK. LUS0-BRASILE1R0 PARA O
ANNO DE 1866.
Livros de Ifiulii aleos para o auno
de 1866
BALDES LANTERNAS DE PAPEL DE COR
PARA ILLUMINACOES.
Silvino Guilhenee de Barros compra e ven-
de ellectivamenie escravos de ambas s sexos : a
ra do Imperador n. T, terreiro andar.
Coropra-se ouro, j>rata e pedras preciosas,
a obras velhas : na ra da Cadeta 4o Recife,
cja de ourives no srco da Conceicao.
Comprase carosso (sement) de algodo : no
armazem de aigodae de Saunders Brothers & C,
no caes de Apollo.
= Compram-se
'Cruz n. 1.
libras teilinas : na ra da
E I.IV.
ricas eocadsrnacSes, pro-
VOLUN-
Ouro e prata.
Em obras velhas : coa-ipra-se na praca da
dependencio n. 22, loja de bittietes.
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras e meninas.
Pentes de tartaruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulhas.
Ag ii i has francezas, as afamadas.
Caixinhas com allinetes brancos e pretos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos.
Caixas com linhas de novellos grandes
i para crochets.
Trancellim de bonacha
preto, redondo.
In Bonitas vellas grandes de ac,
donradas, madreperola e tar-
Compram se etTectivamente botijas e garra-i taruga.
fas vastas, paga-se a SO rs. : na ra da Aurora n. | A loja de miudezas ra do Queimado
74, tai*.-------------------------------------------Q 16j receeu um bonito sorUiuento de
Compra-ge 'Gvellas grandes para cintos, sendo de ac,
Um ohrado de om andar, que seja na freguezia douradas, madreperola e tartaruga, as quaes
de Santo Antonio e em boa ra; na hvraria econo- c-SliO sendo vendidas em (lila loja por pre-
mura se ir quem preciza. pg ronimodos ; assim como boas e bonitas
Compra-se diarios para embrulhos a 4000 utas de gorgorito achamalotado, proprias pa-
a arroba ; ua ra da Imperatrlz n. 38, loja de cal-1 ra fjitas Q\ ellas.
'----------.----------------- culos de penetra e de outras
Compra se um jogo de pedras grandes para ; analldiilp nari minn snfre
moer milho, por atafona : na ra do Colovelio n. nanaaties, para quee l soiire
23, ou annuncie.
YENDAS.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidado em um
Governo Representativo ou principios de Queimado n. 16, recebeu mui
institucional Administra- roas e tercos deornalina, os
ilveslre Pinheiro a disposicSo dos bons chrislaos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na ra do
r\
riNTURARIA
AO (IIAM; 8. HAUIICIO.
Processos aperfeigoados para tingir, limpar e lustrar a vapor
F. *. N *i \.iti: Je c.
29, ra 7 de setcmltro, 29, defronlc a ra Kova do Ouvidor
Os proprielarios (Teste estabeleciment, o primeiro no seu genero no Brasil, por Irabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para
tingir e lustrar de que se (az uso na Europa, e ajudados, por alguns dos melhores oulcises de Paris e Lyao, podem assegurar seus freguezes
urna perfeicao de irabalhn a qtial seno pode chegar pelos processos ordinarios.
Tiogem, lavam, limpam e deninfam com a maior perfeicao e brevidade, qualqutr qualidade de fazendas, tiram nodoas e lirapam a secco,
sem mulhar, as sedas e as vestimenlas de senhoras e de homens.
tivo e das Gentes, por Silvestre
Ferreira, em 3 voluntes brozoradus por
cada obra : na Hvraria n. 8 da praca
Independencia.
da vista.
A' loja de miudezas ra do Queimado
u. 16, tambem recebeu oculos de peneira
com vidros claros e escuros, para qnem sof-
fre da vista, assim como ootros de armacao
de ac, sorlidos em graos.
Coroas e tereos de cornalina.
A amiga loja de miudezas a' ra do
bonitas co-
quaes estao
35
da
Vendem-se paimeiras impenaes, em esiado
de serem transplantadas : no sitio murado es
querda, depois ,do becco do Espinheiro, nos Af-
flictos
Vndese urna cadeirinha
com os compeieotus correames
rador n 45, 3" andar.
do bracos, nova
na ra oo Impe
Vende-se urna escrava moca e cora habill-
dades : no ra do Imperador n. 27.
Vende-se urna mobilia de amarello ja usada:
na ra estreifa do Rosario n. 17, 2 andor.
UMA GRANDE
deFIGADOdeBACALHAU
; DESINFECTADO
MEDALHA
OE
HONRA
As propiedades medicaes do oleo de igado de bacalao forSo unni-
memente rrconhecidas. Mas seo cheiro e seo sabor to desagradaveis
torniq o uso d'elle muitas vezes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robustos c aos mais condescentes.
Por isso a descoberta do Snr. Chevrier que lhe permettio de
desinfectar inteiramentc o oleo de figado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tem sido um dos mais felizes problemas resolvidos pela
therapeutica moderna.
O oleo defigado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um cheiro agradavel e um sabor assucarado, o nico que n5o
tem nem gosto nem clieiro de peixe.
Objccto de numerosos relatnos scientificos elle goza em Franca
de urna lama bem merecida, e receitado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as :
Molr.liin <->rrorulona,
llurlilixiMO,
ohairnrrao da* Rlandea,
Tlsira lulmonar,
MolestlMH da aelle,
( oimlll iir:io I 5 m pliatlca,
Anemia, dcbllldade, fruqnrin,
PobreEa do HDgur,
Enrairanirnta por cxeeaaa de
trabalbo ou de praserea,
Moleatias doa branehlOH reren-
tea ou ebroalcaa,
Tonsea perlinaxea,
Gaatrltea, Katrnl|claa,
Doren de entornado.
Elle convem a todas as compleicocs e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimentafao das crianzas iracas e doentes
O Oleo de figado de bacalliau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a acc5o t5o efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vas digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e n3o
provoca a constipaedo.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparaces ferruginosas ordinarias, as quaes, principalmente
nos paizes quentes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
Um folleto accompanha cada vidro e contem as observarles medicaes.
Deposito-em Porta, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros A Barbosa.
O Dr. Cosme de S Pereira conti- _
na a residir na ra da Cruz n. 53, I
Io e 2o andar, onde pode ser procu- j
rado para o exercicio de sua protis- !
sao medica, e com especialidade J
sobre p seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos org5os geni- a
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se- g
I r5o examinados na ordem de suas I
I entradas comecando o trabalho pe- flj
8 los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manha, menos nos do- 1
* mingos. s
Praticar toda e qualquer opera- 1
I cao que julgar conveniente para o H
I prompto restabelecimento dos seus jj
S doentes.
wmmmmmmummmmm
baiButi Puwer Jolinsioii & (Jomparihia
Ruada Sensata Nova n. 4.
AGBNCIA DA
Fuadie&o deLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nbo,
Arreios d carro para um e dou cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma binas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
FIBBUM A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito ca ra Nova o. 50 laja de relojoe
O dono deste esUbelecimenio partecipa ao respeitavel publico
est mouda com as melhores machinas que existem na Europa, e q
com melhor perfeicao possivel. Todo o chocolate desta fabrica est gara
o que nao se pode encomiar naquelle que vem de fura, e que se vende dor pi eco baixo,
visto os producios serem do paiz. Na etiq eta tem sempre urna aguia.
PREGO. .
Meia libra......... 4^0
Una lilira......... 800.
Urna arroba........19000
que sua fabrica
e p^do fabricar
Un. i; l puro,
Aviso.
Clara Mara da Coneeico Silva, parleira exa-
minada, raudousedo pateo de S. Pedro n. 8 para
a ra de Horias, sobradp n. 130._____________
- Precisa-se de urna ama ; na ra de Santa
Rila P. 25, i' andar.
a vapor para
Na mesma fab ica acaba de se montar urna oflicina com serrana
obras de marcineiria propria para ed.ficio. para o que encirreg -se de farar portas, ja-
nellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) ludo com b evidade e per-
feicao. Toma-se qualquer encommenda para fura da cidade, entregando -se prompia a
co.lar-se no lugar.
Precisa-se de urna ama ^ara o servico interno
de urna casa de pbuca familia : a tratar na praca
do Corpo Santo n. 17.
\^\*
I*
Precisa-se de nma ama que sala lavar, engom
BARATAD
Ka loja de Joaqnim de Fara Hachado,
ra d< Queimado n. 4o.
Neste acreditado eettbalecimeoto enconirarao
os compradores um computo sortimento de fazen-
das baratas, bem como roupas fetas e por medida
a vonlade dos freguezes, para o que ha boas case-
miras, brins, etc.
Eiilre as mullas qualidades de fazendas ha as
seguintes :
Madapolo francez muito encorpado e largo para
saia, vara 440.
Saias bordadas com 4 pannos a 4500.
Ditas bordadas muilo finas com 5 pannos a 9$.
Baldes de arcos, modernos a 2, 25uo e 35.
lutos de mursulina para meninas guarnecidos de
biro a 3.
Bramanie de linho alvo, com 9 palmos de lareo a
2,5200 a vara.
Lences de bramanie de linho alvo um s panno
a 3&-
Ditos de panao de linho a 2.
Cuberas de chita frameza superior a 25500.
Guardjnapos de linho adamascados, duna 3,8500.
L-icos de canVbraia branca para algibeira, duzia
15600 e2Sf*0.
Ditos de dita d> linho, duzia 55-
Algodo enfeslado com 9 palmes de largo, vara
I5OOO.
Cambraia para forro, muilo larga, pega 25800.
Dita muito fina, peca 45, 45500 e 55.
Dita adarrascada para rorliuados, peca de 20 va
ras 11,5.
Cortes de lazinhas, padroes novos com 15 covados
a 45500.
Ditos de. dita com barra, modernos, a 75-
Cambra
Tarlatana verde, cor de rosa, azul e branca, vara
800 rs.
Grosdenaples preto muilo superior, covado 15G00
e 25OOO.
Chales de renda pretos de bonitos goslos a]!05.
Rotondas de renda preta, da ultima moda a 125.
Cortes de cambraia branca e de cor com flores
bordadas e modernas, a 75000.
Pereailes muito finas, de lindos desenhos covado a
560.
Grvalas de cores e preas a 500, 640 e 800 rs. 1
Manteletes de gros pretos e enlejiados de cor a 125,
Ventem-se os estabelecimentos, sendo venda
e casa de pasto, sitos a' ra do Trapiche n. 28 : a
traiar nos mesmos estabelecimentos.
Vende se nma escrava perita engommadaira
e faz todo o servico de urna casa, um escravo bom '!
coznheiro do diario, um dito mestre marcineiro e
carapioa, urna negrinha muilo linda de 12 annos :
na iravessa do Carmo n. 1.
Vende-se a taberna da ra Direita dos Afo-
gados n. 22, com poucos tundos, e bons commo-;
ios at para morar familia, ou a dinheiro ou a
praso com boa Arma : a tratar na mesma casa, ou
na ra do Hangel n. 61.
Vende-se Una morada de casa terrea com
bons commodos, no becco do Pocioho n. 20 : quem
pretender dirjase a mesma Que achara com quem
tratar, a qualquer hora doidia.
Home barato.
Manteiga ingleza flora 15 a libra, franceza a
840, arroz do Maranhoa 100 rs, painco a 120,
amendoas a 2'i0, rafe do Rio bom a 240, vinho da
Figueira a 400 rs. a garrafa, e 35 a caada, Lis- enfraquecido pela doenca.
Queimado o. 16.
Esponjas Unas grandes e pe-
queas.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Diversos ofrjeetos.
A antiga loja de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, caba de receber mui tos e di-
: versos objectos que fa/.em completar o seu
I bello sortimento, sendo:
1 F las finas de sarja da mais eslreita que
ha al a mais larga, todas de vivas e agrada-
veis cores.
dem tambem de sarja L vrada, de bonitos
e novos desenhos
dem idem brancas, lisas e lavradas, pa-
droes igualmente novos e bonitos.
dem de gorguro de seda acbamalotada.
e muito encorpadas, para cinto de fivellas
grandes.
dem de seda preta e de oulras cores pa-
ra debruar vestidos, colleles, paliis, etc.
dem de 13a igualmente Surtidas em cores
e para os mesmos ins.
dem de algodo brancas e diversas ou-
tras cores para vestidos de chita.
dem de borracha I raneas e pretas para
soutembarques. vestidos pretos, ele.
Novas e lindas puarnicoes para enfeitar
soutembarques, vestidos pretos, manteletes,
ele, obras do muito gosto e modernissima.
Tranca de seda com vidrilbos, moldes no-
vos e mui bonitos.
dem idem de cores tambem de bonitos
moldes e agradaveis cores.
Botoes para os mesmos fins, sendo pre-
tos de seda maiores e menores, enfeitados
com vidrilbos e pendentes e outros de di-
versas cores.
dem pretos de velludo tambem de sorli-
dos tamaitos.
Lonelos de dous vidros com aro de aro, bfalo
e tartaruga.
A loja de miudezas, ra do Queimado
n. 16. recebeu um bello sor tmenlo de lo-
netas e oculos de vidros com a rmacSo fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os cslii vendendt
por precos razoaveis : os pret 'ndentes din-
jam-seaesta leja na ra do Qu simado n 16
PARA A CURA DA
ESCRFULA
e todas as molestias
provenientes del la
B311IP(:(D!2S
todas as molestias da
pellc
ehcrvsipdlas, lumorrs, ulceras,
sarnas,
nascidas, enipinyens.
REUMATISMO
SYP1IILIS
em todas as suas formas, assim como todo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
Ulceraeo do ligado
e em summa todos os males que tem sua
erigem na
IMPUREZA DO SANGUE
E um alterante poderoso para a
RENOVACO DO SANGUE
e para dar nova torca e vigor ao corpo j
Liquidadlo geral
Loareoce Pereira Mrnov- Gairaar>. raa la-
parairiz n. 56, loja e armazem da Arara, araartn.
rio do grande armazem de hiendas n-uaa fcaav,
tem res. Ivido Inzer nma miva |ii|uidtao da Adas
as qualidades de bzenda que eiisl^m ao ata ar-
mazem, que vender irinia prtenlo iea. > dnaae
em ontra parle, alim de s* apurar diaaeira la-
char comas, por isso pede ao re|iiavel patuco da
aprovnlar a oecaiio, a salar.
Lazinhas chine zas de idibaai
Vende-se Bailaaai Haas iixi jo 0 corado,
dita com palmas a 320 e 360, ca>*a d* aau sarir
a 320 e 360 o covado, dius d.- palma* aSa> 3,
360 e 400 o covado: roa da Imprraim 54 %t
des Guimaraes.
Fazrndas de fasto
Vende se as mais ajaaafaai i.arrpes de lia e e-
da, sendo fazenda de gosio pelo barairsstaw ar.ro.
de 560 o covado.
Saias bardadas
^.Y^Ide"*e sa,as boro*" p-le barato areea da
14.)00 e JA, tiras bordadas a l. enlreaeias 88
i cada lira.
Rices cartea araaces aereadas
Recebeuse bonitos corles borda,* e de rom,
de la e seda, que se vende a 8J, 'Ji e tul rada
corle.
Chales de serias
A pechlncha e.-ta se acabando, rhales da 1
a 24.
Riseadea escecexes
Vende-se riscados escoceies, liWeMti
vado : s o Arara.
Percala* faas
Vende-se percales muilo finas, seado da
bom posto, e tendo de bonitos descaaos roas Imras
a palmas solas, sendo azeada intnrameoie de aas-
lo, se vende a 460 e 500 o eoato, rmus ex-ans
e claras, a 500, S40, 280, 320 e 360 eo*ado, fcre-
lanha de linho de duas larguras, a 11 a tara, lea-
eos de cambraia braoeo, a 2A00, H e 3* a aaxia
dnos de linho, a 440, 500 e 600 cada na : aVaacs
Guimaraes.
Cebertores de alfada*
Vende-se cobertores de ala,,dan, a 800 e I500
cada um, diios escarales de la, a 5: rna da las-
peral nz d. 56.
Caaisas fraaeeiat
Vende-se camisas fraacezas a lSOU a 1MO,
precas largas a 2, ^240 e i.0 fiaas a 2JHJ>
e 3, brim de linho de cores, se venda a IjttO e
l a vara, corles de brim de eor, a tSMl. Iafa),
600, I 800 e 2, de brim pardo a 640. 700 e 8W>
rs. a vara.
Reatas fritas ,
Grande sorlimento de roopa* frita, raleas da
brim branco a 2, de linho a 320U e 3500 rada
urna camisa 3 e 3500. finas a 6 e 7300. aali-
tots de brim a 2. 250U. 2800 r 3 aV, easenura
35j00, 4, 5. 6, 7a, 8, h#500 e IO, softfrea-
sacos a 12, 14 e 16, pretos e de cores. eales da
brim e de cores, a 280, l440. ls00, l>*>
2, 2o00 e 3; s Loureuco Pereira Meades ^si-
maraes, ra da Iroperalriz n. 56.
______Araraji. 56. Meades aianraes.
Sfliores e seaaaras-
Os propiielarius da nova loja e armazem de b-
zendas e roupas fritas na ra da Imperitria a "i
de Guimaraes & IrmSo, arabam de redour os
precos de suas azeodas aMM 20 aaj rrato d
que em atura qualquer parte, afim de aparar di-
nheiro, assim 1 orno seja lazinhas d>* qoadriaao
sendo escuras a 200 e 220, ditas mais finas a .160 e
4T0 rs ditas transparentes cero li-ias de seda a
320 rs.
Fazrndas proprias para a frsta.
Vendem-se as mais bonitas barejies de laa e se-
da sendo escocezas as mais moderna* qc trm ia-
do ao mercado ptiu barati-simo prejo de 5>0 a
covado, rassas frncezas de nma rr a 320 e
360 o covado, ditas com palizas solas .rado Mia-
das e graudas peto baratsimo presa de 200. -la*
e 400 rs. o rovad : ito na loja > armazem de to-
zendas na roa da Imperalnz n. "i, de Guiar*-*
& Irmo.
Saias bordadas.
Vendem-se as BMH boawfaa .-ata aaiaaaS sea-
do l.a-i.-.ui.' largas < nimio .n, InjrJkda- i elo ba-
rassimo preco de ll0 e 79.
Vestidos de larlauna muito fina endo braaecs
com barias de rore bordadas da Jaa r seda -eaao
os mais modernos que leal vmdo aja aterrada t
vendem-se pelo barato t>-e -le !i. !Thio e n>
Mantas de srda para bstnrai.
Vendem-se as mai> Baatos BMaaal d.- >eda para
horuem tendo de todas as cores peto barstissiato
prtfo de I300. 400e l0H : frto m aaaa k-
ja de fazenda.- na ra da Imperalnz a. 72, de
Ciuiiiidi.il > & Irj o.
(.0larii,los da linbt para beatraa.
Vendem-se rolarinhos de linro para ananas
sendo os mais modernos e melhores cae ba a
mercado pelo baraiissimo prero de 5500 e a
duzia.
Cbalrs dr meria rslaaipados a H.
Vendem se benitos chales ue menoo r.-uaspa-
dos pelo baraiissimo preco de 8, di ios liaos da
lodas as cores a 3H 0 e 4?, ditos linos seada es-
lam|i Caaibraias In ancas.
Vi ndem-te |,ecas de cmbralas brancas a 3.
3,3000, 4, 4.')00 e 5, datas n.oiio linas irado
urna vara de largura a U e I0 : Ma aa aova
loja de fazendas M roa da Imgerainz a. 72 da
Guimaraes & limo.
Riscados rscactfies.
Vendem-se os mais bonitos riscados esraerz
para vestidos de senhora e proprios para roopas
de meninos a 260 e 280, cimas francezas esroras
e claras a 240. 260. 280, 300 e 320. duas perralas
muilo linas a 360, 4(0 e 440 o covado: isto > aa
nova loja e armazem de fazendas aa roa da Im-
perairiz n. 72, de Guimaraes & Irmo.
Camisas fraacezas.
Wndem.se camisas Iraucezas a 500, lOO0,
2<5, 2500 e 3, ditas com peilo de rr a fy a
2o00 : isto s na loja de Guimaraes & Iraao.
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelbo
Kua do tut-lanado |fj>.
>o paaoo
mar e coiinhar
ro6.
na ra da Crut,
do Recife nume-
boa a 360 a garrafa, e 2600 a caada, azeite doce
a 600 rs. a garrafa, vinagre de Lisboa a 200 rs. a
garrafa, e IjdOOu caada, queijos do ultimo vapor
a 2300 : na roa das Cruzes n. 24, esquina da
Iravessa do Ouvidor.________________
Vende-se ama preta de meia idade : na rna
da Imperairiz o. 23.
Vende-e urna casa terrea sita na roa do
Nacenle, freguezia de S. Jos n. 34, chios proprios $
e bastantes commodi- : na ra da Praia I. andar Z
D-47' i
Vende-se nma casa terrea sita na ra da Glo- SI
ria n. 81, freguezia da Boa-Yisla, chaos proprins, 1 ~
com commodo para urna pequea familia : na ra W*
da Praia t. andar n. 47. \-
Grandes incineras
luis machii.;is imperjiaes de cuser-
Armazem 11 li'M'i llrnad-ttav NewYerk.
Estas machinas sao construidas p-,r um novo
sysiema, com muilas e impiirlantes raelhoras, e
send) examinadas por habeisl peritos foram julga-
das de summa perfeicao. A agplha direita e cose
perpendicularmente, com o poito de lacada, que se
nao desmancha nem embarara e que igual de
ambos os lados ; faz costuras perfeitas em toda a
qualidade de tecidos, desde o cjuro al a mais fina
cambraia, tendo fios de algodo, de seda ou de li-
nho, desde o mais grosso al c mais delgado. Co
mo nao lem rodas dentadas, por se ter evitado a
menor atrito possivel, trabalha com facilidade e
s*m eoniradico-UMA MACHI aA QUE NAO FAZ
RUIDO ALGUM.
T. i. Me. ARTHUR & C, fabricantes e propne
tonos na casa supra.
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-
rer A C, roa Nova n. 48.
AGENCIA CENTRAL
i. Rna Direifa 15
RIO DE JANEIRO.
Vende-se em Pernambuco:
na
PHARMACIE FRANCAISE
DEP.MAURER&C'f,
RA NOVA N
eda
para
A Henead,
Vende se o sitio junto ao porto do Lasserre na
Capunga. perlencenle ao herdeiro de Jio Cancio
Pereire Freir, com commodos iara familia, co-
cheira e quarto em separado da casa, os preten-
demos poderao entenderse com o procurador do
mesmo herdeiro Augusto Genuino de Figueiredo.
Vndese a fabrica de charutos e cigarros
da ra do Aragao n. 3, bem afregoezada : a tra
tar na ra dos Coelhos n. 2]
Vende-se um mua linho de 6 a 17 annos,
proprio para pagem por ser muito bonilo e de boa
con-Jucta : na ra do Imperador n. 4o, terctiro
andar.
Ceta de carnauba.
Vende se superior cera de carnauba por barato
preco ; na roa do vigario n. 26.
Vende-se o segoinie :
Cuberas de (-hila Tina a 280U.
Dilas de dita a 2,5 no.
Lencoes de panno de Moho a 2200.
Ditos de lito de linho a 2.
Ditos de bramante de bono de om
3200.
Panno de linho fino com 9 IjS palaies de brea-
ra pelo barato preco de 2400 a vara
Bramanie de linho fino rom 10 palmos de lar-
gura a 2oOO a vara.
Pegas de cambraia com salpico brancos
cores com 8 |2 varas a 4500.
Pec-s de cambraia adamasrada propria
cortinado de cama com 20 varas a 111
Balee- do arcos a 200,3, 30Oe i.
Lencos de cambraia lina a 2c600 a doza.
Ditos de dita a 2 a duna.
Atnoalhado de linho lino a 28O0 a vara.
Hito de algooo a t a vara.
Algodo eofestado com 7 Ii2 palmos de larrora
a 200 a vara.
Pegas de breaoha de rolo rom 10 varas propria
para sa,a a 32500.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito do dito com salpicos a l a vara.
Cambraia de linho lina a 45O0, 6500 e ft|a
vara.
Cortes de lazinha de lindos goslos com 15 ca-
vados a 5.
Pecas de madapolo finissimo pelo baralis-io
prego de 8, 9, I0 e il
Flanella branca fiua a 600 rs. o cavado.
Una de core.- lina a 880 rs. o corado.
Baloes de musselina para menina a 3,
e4.
Cambraia de forro a 3 a peca.
Dita lina a 44500, 6 e 7-5 a peca.
Guardanapos de linho a 3800 a dozia.
Toalhas de alitodo felpudas duzia a 2.
Esleir da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura per menos preco da
que em oulra qualqner parle.
Neste armazem tambem se enconira am graada
sorlimento de roupa fela e por medida.
Vende-se urna taberna com poneos faadas,
livre e deseinharaeada, na roa da Casa Parto jasa
ao agougue, propria para qualquer
a tratar na ra do Imperador n. 46,;
300
Vende se ama carroca para earallo, ei
lo bom esiado : a traiar no Caminho Novo,
I da de terreiro.


l>i? riofde PtrnBi
AO PUbCU
Hem o menor
glmento se e
Importe do
nao agradar.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
fflffi JIlT-li El 93 DUMItlim
AO
RESPEITAVEL PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
da l,lga estabelecido ra Nova d. 60 am magnifico sortimento 'de molhados,
que sendo em sua max ra i parte mandados ilr directamente do estrangtirtTpodem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabetocimento seja o
pnoneiro e nico em aeu genero, pode-se porm i mancar, con toda a seguraBca de que
waium ouro o exceder no restricto cumprimento das segaintes proaessas:
L" Delicadeza no trat.
2,] Fifolidade no peso.
3." Siaoeridade nos precos.
As pessoas que por sua eosicjto sscal gozam deoerto trataroento, acwrro nesta
casa os taelhores qaeijos londrraos, cerneja, vinhos finissimos masteiga e cb sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a ceadico do freguez, He deve contar que ser^empre mul-
to bem servido. !
Aquelles que sao pouoo favorecidos da sorte ferio meosataente urna-economa do
maitas patacas, eceguezaDdo-se nesta asa, onde se ibes vender o arroz, o caf, a mac-
teiga-oassucir, etc., etc. de toa quaHdade pelo preco que em algumas pertes nao pe-
dem ou nao querern vender.
Os sensores de forana cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem *ir, pelo seo proprio tnteresse, a este estabeleamento pare se conTeeae-
reafSo quantose pode vencer barate.
Para os senhon-s qoe compram para tornar a vender existe um-eortimento "*?e-
cial.escolhido ipor pessoa entendida que certamenle muitodeve agradar aos senbores
compradores.
Nao se dar a todos.
PELOS SEGINIS PRECOS S SE VENDE
A DIMHE1RO A" VISTA:
GftAMA em lates, muito nwa, a 80 rascada
ARMAZE
eza com
aTTEMCaO
constran.
njtregar o
genero que
* preco da aegulnt*
tabeila t p"* tooa, |t-
dendo asslm servir de hi-
e para o ajiittte de coma*
com os portadores.
RIVAL
Sl]l >Etil\O
Hiia to (tuelnaado no. 4ft e *>-
Contina a vender inla> as imuiiezas :. aiazxc
dei lar | or pregus MMaraMto.
Ilassos de |ahius luados para lenirs a V
LhUs diii.Lluias oouiadasa 201, i** ..wrs.
Donis de uliadu |'>ia wu iiiw* a 1-1
Uilt-t dr romo .-uperior lazrbda a ltO.
tfnrv (tin Mipuioi nula i-da a 240 rs.
Mi i;.i:;- de I bba liona | ira I ii -.O- i t$ U
CaiMk ooui ou tr.veoi t,!k;(i.c ut *(,
Gio/as de peLua? Ci.gi, ><'): a : mor I rf.(< rs.
Giwas de L-oiti feaurfrMa iius a .>t>
r40lS.
1 tanas rom JO no\eilis de lu a Ci \.i : 79% rs.
Caixas rom taperan 11 n > r. rrk ;. .' i N rv
j Fe^a^ de lila braixa ^ia^llra :Kb,
: Varas de fi.i.j.. de Ia |;.i u
4U r.
Daralhos domado nytt(ti q< < ti n.
Nuvellos de libia nm 4M) jai a Mr r
Li'ios paia WailtJ ii' nn|a \* Paiea de Loloes ^*l* iulIu, lanuda r.ia Iztf n.
Tifooiai i ara cfjMaraanffiMrts a>a|MHa
I 4U0 e 1*.
Cdixas ilc Lenra. de rsllici) l i, '*.<. \-.i
M.^( ccn. Minicies ttants a 3t i>.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando jre da Coneelcao)
PARA BEM DE TODOS;
Sfttiores if>nkoras, o aceie que presidio aos arranjos teste novo estabelecimento, e mais one tnrin a bmmii. >. ,- E"?"dt' "**" '**J ?* '
(pie serSo tttttdft^dfavkh a urna visita ao mesmo, cert.rsde que sera duvida me darSo a nrnfprrSn JSSXSS? Ffs" ^"?,:| ".V'V'J'"'^ : :' -..,
^erosqaeprecisareii e qundo5opossam virpoderlo mandarseusportadores, Sn^^TeM^,l^ZTM
os serio t3o bem set mos como se viessera pessoalmente, faavem o para com estes toda recommendacao ifln A* *, *l
lio 1'flllP l'IlJ uC (|UL ldOVrfC
Sal refinado em frascos de vidro com Umi a El ttn* I "M ,("i "tdi ,oi* *
do mesmo, a ioo rs. ,Dl.V*-! iV RMUia> "," f '" ""i
urna.
ALP1STA a-ta#rs. a libra.
dem e paiace de oit bras para cima a
l0!>S'nK ik KIftSCH DE *f**BB* a U a garrafa.
. Akroz de 90 k. a libra a...... .. j L
Amendoas, casca molle. a 580. 4 libra. | LATAS com gra LertiA a 400 rs. a libra.

MAATEIGA ingieza e franceza de pi mura
qualidade a M, a libra.
Mabilada dos mais acreditados fabricantes.
Maoarro e taliarim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6C0 rs. a lata.
Mostarda ingieza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de rodas as quididades.
Markasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para opa branca e amareila a
60 rs. a libra, em caixascom 9 libra* a
3o00.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas franeosas em lates de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de ledos os iemanhos.
dem idem em bocetas d 'todos os tama-
ohos.
dem idem em frascos de todos es tama-
obos.
Azeite doce de primeira qtfiidade* S60 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 k. o molbo.
rAKSY.NTHo a 2#G00 a garrafa.
B
-ROLACHINHAS do Beato Antonio -em latas Ml!'" i,a,"50 e alpista, sendo oais det-
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 15800 ailata, e
de cinco para olma a 15703.
ildem de so la em latas gramles a 2^000 e
de cinco para cima a l^SOO.
r'.i.-coi rus inglezee de todas as qualidadss a
15200, 15250e15300.
'j.'.i) francez em caiiinbas a 400 rs. cada
urna.
Oatatas inglezas.
8.v.\HA de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 000 rs. a libra.
idem-suisso a 15 a libra.
ildern de musgo a 15500 a libra.
Chooojas milito novas a 800 rs. a ibra.
'Iak a iO e 260 rs. a libra, e em porcao
se fa: abatimento.
(em de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
CoMBBavAfl em frascos a 320 rs. cada al,
sao cuco novas
dem oglesas, frascos grasides.
Cbakpagne de todas as mancas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicabas e .aires a 15800 a duzia.
Gervba dasiaperior marca Kenate a 500 rs.
a garrafa, Af duzia se az grande aba-i
timeala.
dem VtetatiM fias tres X e de outras marcas.
Ohahutos das mais acreditada-s marcas, co-
mo sejam : Morolas d'llavana, Exposico,
Flor do firastl. Par sienses, ueliciafi, Gua-
naharas. Trovadores, hegalia, fiiissiseipes,
Paneieo*. Apraziveis, VareUs, Brasilei-
ros, Americaoos., Fluminenses.
Coi de toda; as cualidades e de iodos os
precos. by.-isoo, buxim, aljfar, preto, e
pi^lo pouta branca, etc., etc., a 25000.
UM. 5560 e 2K00.
320 rs.
dem lapidados de lodos os tamanbos a du-
zia a 25500, 35500, U e 55.
Caliccs de todos os lmannos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Km, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco madnbos
Manteiga ingieza especialmente escolino* a
1,080 e 8oo rs.-a'lora e em barril seaz
abetimento.
dem franceza a meis nova do oreado ^6o
ts. a libra e 00 rs,. em b*ril ouweios.
Ob hysson de superior qoabdade a 8,600
rs. a libra.
(& perola o mtis superior do mercado a
2,8oo rs. a 'libra.
dem hysson nwito superior em lates de 15
libras mitepropriopawtnegook)a 2,ooo
rs. a libFa.
dem hysson nacionajleo latas do 1 e 2 li-
bras a '1J6oo rs.
Aletria, macarrao e tlalbarim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massapara sopa : estr^linha, pevide e rodi-
oha branca oaamarlla a 64o rs.a libra e
3,5oo a oaixa com 8 libres.
Viobo do Por*o muito fino proprio para
engarrafar, m ancof-eias de S caadas a
35,000 rs.
Vrifeo empica: PorU .Figueira e Lisboa a
82o, 4oo -e 5oo rs. a garrafa, e emeanada
a 2,5oo, 3,ooo e 3s8oo.
Viaho branoo de Lisboa de excelleote quali-
dade a 4eo e 5oo rs, a garrafa e m caa-
da a 3^060 e 3,5oo.
CCO if.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas' iw d,
que \em ao mercado, a 5oo, 50o e 04o Taihur.. nuito Im i mi niaofM a Vi* n.
a garrafa, e 5,8oo. O.ooo e6,5oo a du- Efcirat|.araisrtaMM
na.
Cewdinha de Franca muito nova, a Son rs.
Gtaroios no aflamtdo fabricante Jos Fua-
do
!>
l>iia> e olla; pan i i I: la a SfOt
Fi:iii'iAi|,i:i;:r; iiicii'i ra a lS>0
Ki.i' a ti; .-i!p)i;i \t\> i 5i0 e Mi r^
Idi ru di -ut ttKtitt la', i'- i 3.0 r.
dem preto o que se pode desejer neste ge- ITnhobranco para mis^emcaixas de 1 do-
ero a 2,ooo e 2,2oo'rs. a libra. zia a &,ooo e 68o n. a garrafa.
Linguieas muito novas-8oors. a libra eem ^finho do Porto das nelhores arcas qoe
barril-se faz abatimento.
Chouri^as e paios a doo rs. a libra.
Costelietas inglezas a 64ots. libra, serve
para temperar pabella ou para fiambre.
Queijos do reino ebegados'neste ultimo ve-
por- 2,2oo rs., dfios de'navio devdllaa
2iOeo rs.
dem loadrinos muito fresees e de superior
qualidade a 8oors,-a'libra.
dem prato? 8oo rs,!libre, e inteiro ee;lbz
abeiimento.
dem suisso o mais superior que tem vmdo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervivs e lavas piwtuguczas j preparadas
vem ao mercado octno sejam : Lagrimas
do-Dowo, Duquedo Porto,Ramha dePor-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecc, Malvazia pa a 16voo, 15,ooo,
12*000 e 1 Qjoooa caba com 1 duzia e 9o,
l.oooe l,5oo rs. garrafa.
Vinho Gfcerex de superior qualrdade a 1 ,-ooo
a duzia e l.,5oo re. a garrafa.
Sardiobes de Nantes a 4oo rs. os quartes o
64o pg. as meias'fets.
Bolacbwltas inglezas fiuito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a 1
Bolacbichas de soda
qualicadesa l,3oors.
ez muri proprios pa-
ero1 ialas hermet*eawefl3 lacradas a 64o. I Cartoes oom bolo fron<
Feijo*erde muito superior s 640 rs.>a lata.! ra mimo a 64o re.
CapoG lapidados para agea a 5,ooo e a,oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para .mimo a 3,oos rs.
Passas de carnada a f^,ooo a caixa e 4oo rs.
a libea.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca jrjole a 4oo rs. a ibra.
Milo de Imendoasi oo rs.
I
DOCES de toda as qualidades : brasileiros,
portuguezes, inilezes, francezes, ele. etc.
B
ERV1LHAS seccas a 120 rs. a libra.
iKVADoce a 400 rs. a libra.
FARINHA SSSde 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15.500
Farello ba sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanbos e de todos os precos.
NOZCS a 120 rs. al.ra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras ingle/.as e americanas.
P
PEIXE em posta, latas^i andes, a 5L00, dflj
todas as qualidades, como sejam sa\'el,:
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadinba, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparae.
Palitos para denles a 12G rs. o maco uito
grande.
Passas em quario a 15400.
dem muito novas a 400 rs. i libra.
Pomada muito nova a 280 r. a duzia.
I
QUEIJOS flamengos.'
dem prato a 800 rs. a libra.
Mam suissos a 600 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUAttTINHAS OU MiilM.UT.S a
R
RAPE' Meuron a 15 a libra.
dem Princeza do Rio a 15200 a libra.
Idm francez a 25500 a libra.
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal relinado em frascos 300 rs.
Salame de Len a 29.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas amito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra
Tomate em latan a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VIN H O S I! I
rs. e duzia.
Idenr idem para vifibo s 24o rs.,e ^ioo-rs.
a dona.
Chocolate francee hesjKniol e suisso a 8ao,
1,003 e 1,2oo rs. a' libra.
Espertnicete superior?. 6oo e64o rs.-ali-
fara c em caixa se fa abatimento.
Peixe -oai
erada*
te-a'oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinbo liardeaux da6 marcas mais acredii?-
dae^ae vem ao ooss? mercado a 7,oou<: Ameixas fianc- zas em! caixinbas de diversos
8.000 a caixa e 64o e 7oo ris agar-! tamanbos com boilitas
raa.
;em caixa se fa abatimento. Bolachinba d'agua eal, da fabrica deJoao
m posta em latas hermticamente la- de r?-iv no Beato Antonio, em lata de 6 li-
*s e das melbores qualidades de pe-[ hr..- ,*or2,5oors. I
s.
A.r- fixas'rrancezas.ecji frasco de vidro com
lampa do mesmo, k 155oo.
inb;
estn pas na ca-
a Ooo rs. a garrafa; e ^o:ooo a caixa.
Batatas muo novasa|8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libr
Genebrn de Hollanda 48o rs. a botija de
cont crta.
Frasquewsde genebca Hollanda a 6,63
e (4o.r. o frasco.
Genebra ranles a i oonel,ccor.s.a frasqoeira.jomsems ragks al 75i rs. o frasco e
Cafe do mo de 1* qualiade a 28o rs. ali-; 8,5oo a dirzia.
bra eo^flO rs.a arroba. Vassouras deescova! para esfreear casa a
Cafe do Ceara muito superior a 24o rs. ali- 4oo rs.
bra e 7,Sw rs. a arrobe. som ra'il0 n)36,as al6o rs a |ibra
arroz do Macaiibao de 1* qualidade a loei&olbo inglez e!iarrjifa de vro comrolha
rs. a libra 4 ,8oo a amiba. do mesmo, a 4o .
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilbasde Havana, intervallos, Vencedores
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2.5co e
a,ooo a caixa.
ognac inglez das melbores n ai cas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinba de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Mattcexcellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
al ,8oo o cento e 1,2oo soltas.
Dra- .. p*lHos do gaz a 2,2oo a prosa.
em latas de diversas Toucinliode Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e8,5oo a arroba.
Bantia de porco retinada a 65o rs. a libra
Bolachinba Alberto, as meihores que pre-
sentementetem viodoao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinbado Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinbas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a |,6o, 2,fioo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellenie peixe portuguez, em
harris pequeos ou a retalho. a vista se
far o preco
Azeitonas de Rivasem ancoreras grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
AGUA FLORIDA
Sf a MT <'60' *' 2'0|'A2eit0DM IWWWH a 500 rs. a carrafa e
. ., V c u .Soo cada urna ancorea.
^^f^^^^^^^^^^m damelbor qualidade que vem
ao mercado, a 2,000 e 3,Soo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Goiruna deengommar muito alva a 12o rs.
MURRAY&LANMAN
a fibra e 2,8oo a Mostarda ingieca dos
meltiores fabricantes.
Uem da India a loo n.
arroha- a 8oo rs. o fraseo.
dem de Java a 8o rs. a (ttea e 2,4oo a ar-1 Mostarda franceza -eej potes j preparada a
n,na- *no rs. o frasco.
Painjo e alpisa; a 14o rs. a liibra e 4,ooo a; Lentwhns francezas.
aiB-oba. so/a. a 2oo rs. a
Massxde tomate&esuperiorqcalidade a 6io Afanasduinn de Zara
ra. a lata de tama libra eSCo rs. a reta- \& garrafa e i .rjo a duzia.
10- PalHoa de dente a 14 rs. o maco:
r.cellente lpame para
libra.
firopriamente dito a
'p
2D-iBf = 0- j---- M p O <" o
MUM* ftllM
.1
w 9
a
a
-?So
a5.j"
5
a
&-oS.!*
CD
s.
|FliiHlriffi9i
8 % |sl. -
ISliiS
oO
cv
ai a.
w v S
9
S I
2 *
3 2
a. 2
o
O)
-I
u
B 3 -s-
Principe Alberto, de 1831, a 50OOO a gar-
rafa ; d vida aos velbos.
Velbo secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 1>J500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
Duque a 16 e 1500.
Chamisso a 1^. 1,5200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a I -5 a garrafa.
MosrateJ verdadeiro de Setubal a 24 a gar-
Carcavelos a 1(5.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. JuI en a 600, 800 e 10 a garrafa.
Absynlho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermoutb a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a (0 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 200.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
caada.
w o
3 2.8
F"

-1
a.
B
w
B
o_
a.
9
S.|ft
fli
3 S
=,-?? i
i'SS,
3 ?
o
y
a
-
o
o
Fg
a libra.
Figosem sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. 8 duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roopa soja, prandes e peque-
os, por diversos precos.
Amendoas ennfeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecepo,
damasco, rainha Claudia e cerej. a 8o
rs.
Vinagre de Ligba a 2oo e 28o rs. a parra-
fai c a 1,4oo e 2.ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a l,8oors. a ranada
e 640 rs. a parrafa.
Vinagre brancojS engarrafado
parrafa.
A agua florida de Murr.v. A i. u un
olhsda timo un aifiyo itakm :<
liin podido fr igBabi pes fr| i..r,s
as mais cusIok : ti wnvn .-tu ;i. a. co-
nio se formas^e jaie da |i..
se applka.
Sua (fficacia .' \~< Mhada, ai ^r-
tes sao seus molti| liradas i .
en pregada ((no artife .'. in ,.,.
no uso do bando, < u rm ,u
pello, depois pe . j para limpar ps gi ngivas i p i i< r r,
balito.
D soavidade, bnlho e rtM....., ;S
cempleicef, dci o dse \,\n
livia a irriiaco de iro| r6>S oird'i
defapjrecer o efafmbvei ,
pannos, das sardas, do rosto, n.. i
casia de ebolices, a d e ra
. t
aa k de em em-
a ooo rs. a
MACHINAS
ds irabalhaa- niiio
descaro^ar algodo
IEPA1ENT
para
KtBRSCADAS
-
3 %

Velas de composicao
Libra de seis velas por IIOj-k.
IInrain seis lloras.
Arroba on 192 velas por 12 :|oa ra do Tra-
piche, armazem d. 14.
Cambraias.
Parede Porto vende cambraias lisas nas, gran-
de sorlnenlo, a 3 at 6J, ditas Victoria muito
linas, com 10 varas a 64, 6500 e 7 : na ra da
(mperatriz n. 52, junto a padaria fanreza.
AtteilQilO. Cheguem aos corpiobos de cambraia
Henry Forster & C, a roa do Imperador n. 3 ouf Vendemse corpinhos de cambraia com entre-
caes do Ramos n. 2, teem para vender o melhor gaz meios a41 5J, esto sh acabaudo : na laja de
existente no mercado e pelo preco mais barato do Paredes Porto, ra da Imderatriz n. 52, poria lar-1
que em oulra qualquer parte. ga, juo.o a padaria franceza.
Tasso Irmaos
Veodem no sea armazem roa do
Amorim b. 35?
Licor tino Cu rae A o em botijas e raeias botijas.
Licores tinos sortidos em garrafas com rolbas da
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chamberlin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Por Plant Btethere & C.
OLIAM
Estas machn!
podemdescaroca
qualqoer especii
. i,de algodao sen
|L! estragar o fle
r"^ sendo bastanl
ftr^z duas pessoas pars
otrabalho; pd<
descaro^ar ums
arroba de algo-
do em earocc
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou 5 ar-
robas de algodr
limpo.
.ara serem movidas noi
auimaes, que descaro^aih 18 arrobas de algodo
limpo, oor da; e motores bara mover urna duas
eutrjs deesas machinas, f '
Os mesmostem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o abe convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver d examma-lo, no arma-
xemde algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sauoders BrblhersAC.
M. II, praca dol Corno Sanio
RECIFE.
Os nicos agentes neste baiz.
Testamentos em verso.
Continan) a estar venda. Da tv;ogra-
plna drrua do imperador n 15. defronte
de S. Francifco :-os (estamentos da Gali-
nna do Gallo, do Porto, do Leao. do Gato,
do Pei. do Carneiro, da Onca Tigre, do
Cao, da Ilyena, do Hato, do OranguiaiiRO,
do Macaco, do Burro e do Vigario ; .i Peleia
da Alma como Di.bo, a 160 rs. cada um,
e a 100 rs, a quem compiar urna itilleccao
cemj leta ou 25; cartas de A B C. taboadas,
catecismos, economa da vida humana',
caililhas, Siman de Nantua, Bit lia da in-
fancia, manucriplos, traslados, paulas pro*
curacoes, apndautas. ledras, cont orinientos
p*rai embargue deescravos. despachos para
a alfandega, papel almajo paulado e pinta-
do de diversos formatos, sendo o pequeo a
30 rs. a folha, o inmediato a 40 rs., o me-
dio a 50 rs. e o muito grande a 'O rs.;
papel marroquinadoc lustroso grande e pe-
queo ; papel para impressao de urna so
cor grandt- e pequeo; Virgilio, Horacio,
balustio, Magnum Lexicn, prosodia, dic-
conanoa francez-portuguez e \ce-versa,
selecta franceza, eulrosmui ts livros.bem
como em hr.mco de tod os tamanhos.
parle onde qoer que se app,
ciencia e eleganria
veis nos casos em que M'ji |
la como estimlame e aniisrpli>-i
CUISOS c assembii a. mjiikI' Si >,
lidades infeccionadas, naalrava
felino, assim como um anfi : n alhav
te para (s desmaoi canaarfi i m r, -kap>
ou suffocacao. Preparada ntamnte por
LanmanA Kemp, Nova-York, i
Gaors 4 Barbosa.
Joo da C. tomv C
Deposito geral ea NntMMi r- *
Crma.M em casa de Caros & Rart ^
Rival sem segundo
lia , if;; a
miudt'z;.s ieIreapwlaa, taMtjari-
manilo luiio km r baral qaeni i^ai-
zei- ver e admirar ubIihi a Wy. im
Bi"(!linlio.
i fi
rara
!inpr iHMei a !',n -
ros artraNH f. M Mgi
rom superior
Cot. *
agua df CMl na ?
n
Tillar
Com loja ra do treupo n. 17.
Recebeu de Parissedlas em enrice mti.
to superiores e bellis'irtr.s padiOc*, e
l
O castello de Grasville.
Traduzido do francez por A. J. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3500C
aa praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
chales de renda pretos para- l.
Este importante estat decimenlo torna- S
se recommendavel aobtllo sexo pela va- Si
rit-dade de fazendas su ieriores e bellos m
gostos
Proleja o bello gfxo ao Villar
JU e vero todos a prosperidade.
ALCiDAO 1)4 BAHA
Framcisco Jos Germano
BA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de orulos, lunetos. binculos, do ul-
timo emais apurado gosto da Europa e ocu-
los dcalcat.ee para observaroes epara os
martimos.
.ruv^m
Na luja de Andrade A Rege!, ra do Crespo n. 8,
esquina da ra do Imperador,! contina a vender-
Vende-se um sobrado dedooi andaras nolso suPerior algodo da Bahia por menos preco qne
tairrode Santo Antonio, o qoal rende para mais i em ou!ra 1>JalQr parte. f
de 1:200*. e urna casa terrea no b&irro da Boa-1 Vendemse quatro burrak molo mansas, boas
Vista a tratar com agento Olympio em sen arma- de carga e de seda, ptr preco eommodo a tratar
'do hotel de Franca
eciftifi
cha
Caixas de pajel amizade, e nm ella j :
a 800 r~.
Grozas de liooes de iuur.i prateai. r7- -
derna a iO rs.
Uuzias de \ nna de ac fazenda d .a
l'ecas de ir.-.nca de 15a i-sas e de
40 rs.
Escotas tinisimas
320 rs.
Pegas de fita de
320 rs.
Cainas com clcheles trancen. sni-erii
dads a 20 rs.
Tinleiros de barro, com superior lin;
Peta* df cudo para Cffiiw, ,.it
20 rs.
Baralhos muito linos para vol?r-1- i
240 rs.
Latas com superior banha a SOO rs.
rrasros de marac perula muito lii. .. -.
fraseos e garrafinhas com aei.a de Cok-u
0o rs.
Frax-o? grandes
6i0 rs.
Caias cora 12 frseos de cheiro> mam fra.
l#WO.
Saboneies pequeos de bolla a 2i0 r-. araVe
320 rs.
Uuza de .alineles pequeos com rarira 71 r-
Agua dentifice superior qualidade a MW r-
t-aixas com superior p de arroz a 800 r-.
K!SJ* superiores cssencias santal e onirr.
1 aillo.
Frascos com essencias para lirar n^nas de n
h <) rs.
Frascos rom rheiros de lodos os pr^. i.,. -_.,,
2u t 320.
Fras<-..s bonitos com cheiros finos .' o r<
Du,?a de ""-'as muito finas para seftfer a
Gollinhas muito linas para senhora i M r
Caizas com soldados de chumbo psra UMM ,
160 r.-.
Pecas de fila de l.ia para dtbrnm d^ *esli*,, nm
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar s KO -
no rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Ounecos d choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas estampas para ran a If r*
Capachos c^mnridos, boa fazeafe a 500 rs.
"'IflO* *' *""iw P1^'-- aretos para ral^a a
varas de cordao de esparlho a 20 r=
Rovi'llos francezes cora 20f jardas a iO r
Pegas de tiras bordadas a 640.
DMma meiascrDS moi,for"* Bprrwr's *
I im oa ra da Cadeia do Recie o. 34.
u- ..
ni wrnKtrrt I"
Era casa de Phipps Rrolhers C. roa .*>
Vende-se riscadinho francez a 200 rs. o covado, ?^"do.'/hiaS*" ** '
por ler grande quanidsde, esla-se acabando : na Liverpool
i da Imperatriz n. 52, toja da porta larga, de ; ~_g
rio
fabricantes Milner & & ,
Paredes Porto.
Bren em barricas pequecay
Cera em velas de todos os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na ru do vigario n. 19, primeiro andar.
ua do Vigario n. 24. andar, esrrirtn
vende se um escravo de 22 nnos, l^m eara
do e de boa conducta, muito sadio, proprio
qualquer casa de familia, oa esUbelerimeaio. ^r
ser muito fiel e habilitado a qualqoer i-aba fea ; r
prego razoavel ; a-lralar com Frannsco ioa a
Costa Guiraares.


Piarlo de Peraambuco <|_arta {cija 8 2 de ;\>veinbro de 8*
* m f
5
iiiiilO mil ll
-Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor francez ricos cortes de
vestidlos de seda de cores dos m>is bellos gostos, proprios para bailes,
partidas ou casamentos. t
Chales de Guipure pretos e brancos.
ftouets de palha da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Oasemiras de quadros.
Esteiras da ludia para salas.
adapoloes ftancezes a 400 e 500 rs, a vara,
lites" para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos mais cmmodos precos.
cortes MW SBII%
Cbeeararo pelo paquete ingiez riquissiims cortes de moreautiijue de cores, e seda lavrada pa-
dres iriieira-uent-! nevos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5RA DO CRESPO-5
Cregor2o Pac da Amar al & Conipanliia.



Para vestidos de senhnra.
Corles de seda de cor de boin gosto e superior qualklade.
Lindas spdas de qundrinhos.
B ds moiieanliques de cores.
Grosdenaples da todas as cores.
L:ndos poil (i chevre fazi'nda asomada de inteira nnidade.
Lindas duqoezas assetinadas fazenda intciramenle nova.
Modernos s-renadines de seda oque tem vindo de mais novo.
Gr nde variedade de laas de cores Ii>as e de salpicos.
lys e casas demuito bom go.-tn.
l .dias modernas com grande variedade.
DUARTE ALMEIDA,
i _i '.aiiog aia/wt ** %^r ^...^.w .......... -^ w.
i. i.lfis -- tos de 13a Clotilde com todos os pertences cada ura em seu car-
: ir- ii.i ir.

m
:

. mente novos.
I' se tes do ca fazendas de gosto quesera enfadooho mencionar.
Pa ra homk>'<>s desenh o a
ande v riedade decln'es, boornoiu. rctondes o algcriennes de fil e
guipare a 10, !(. 20, 30, W, 00 al 800..
i i mossoutembarques de seda de superior qualidade.
L n! s 11 tes de seda de cor pretos e de cachemira,
i!.'iu de cambraU branca bordada com muilo gosto.
Snuiembarques cbourn -ux de cachimira da er e outros mnitos arligos do i:;-.
.,.. isto. aH
lla ra ca beca de se n h o ra tft
Superiores chapel'inas de palha, de sedae de crina de muilo bora gosto a im-^O
-&
Chapeos de pdha da Italia grande variedade. <.
Lind >s gorros e bou. is de palha do Italia, Imperatriz, Canotier, Clotilde "
e ilrnnte, chegadosde Paris pe o ultimo vapor. >g|
Gr: a le variedade de enfeites de froco e de flores para casamento. *$V
ri .res vestidos do on le, e de moireantiqae branco3. A.
Bms n lireantiqnes brancis e s iperiores sedas brancas.
r
.. :
vestidos dd tarlatana branco bordados.
i
.-
'>'
Luda-, ni mi s de bl .nde c boas capellas.
Bordados.
Grande vriedad i de ntremelos i; irdados transparente e tapados.
. .- i. !:,i transparentes e tapadas, babados bordados, satis bordadas e
m il is ai lig is
>
V
i
W i NI
1


iNl > HOBRRU lE VAS ONCELLOS
IV IaO CRESPO X. 13
..."'
Lojii da boa fe ua ra da
pratri/5 u. 74.
r| 5 enfi-itcs para cabera a 2500.
V: i i : 11 a isar a 240.
D tos & ni i i.i de mplal branoo ;i iOO.
,- ira deotes a 120. SiO e 500.
-- iHt.-.s pira ro tara a 300, ">' o e 13.
io il aas para se:.h ra a 3lM) e 403 o
:
i nvelos de lin'ia do giz a 700.
i: 100 envelles a 00.
1 :: ni papel paoUdo a 700.
\ >i ^opel almaco greva a ."tOO.
11 ira escrever buio a 14o.
I' i c garfas de balanj i a -"ioOO a OSo'iO.
'!. i .- i ru is para boov 'i a ilO a 20 o par.
\ fia les I'1 todos os lmannos a 100 a carta.
. > i i'i'n pega 50 1:20.
i;.:.'a-) uara vestido a 'M rs. a pega.
. al pega 40 rs.
i obreias mullo boas a 40 rs.
Baraitij da i-artas finas a 240.
liOio de louga para camisa a 120.
i niadreperola mallo linos a 640.
'/>\ i da corsete milito bons a 40 rs.
Cartao 'I" corxeles mullo b ns a 00 rs.
:; aval; s ue se la puta n de cores a 500.
1 wi-pon a 800 e 500.
. > dii linas para rap a 15.
npl ti or.imeoio de miudezas. que s>
.;. ni | .i man is flo que emoutra qualqner par-
, apurar dlnheiro. _________^_^^
Acha-se
venda O ivraria acadmica, na roa do Impera
d^r; na du Si.Nogoeira, jiiDlo ao arco de Sanie
Antonio ; e ua lypograpliia imparcial, na roa es-
II i !-. u;irio a co'npilagao de toda a leyislaeae
l n ole :i ..drninistrago, arrecadagio e liscali-
M( 'los diLhfiros de orphaos defuntos a ausep-
tes, heraneas jaceries, legados etc., contendo ;i
so n fegitiiPCle de cusase a lei geral das exectv
r" s, c nTn tojas as onlens e avisos de
governo, que a tudo lem explicado, tanto a respei-
lu i: f3es inherentes ao cargo dosdiflaren
s de nsllca e fazenda, como de di-
r, Uo i : .i.i ;; e emolumentos que sao devidos.
Este livro contando mais de 700 paginas em nilids
6 b 'ii ['pe, e preslaodo-se a utidan-
de !'- i'"iv:-' '!is=es, torna-se rpcummpodav,!
Seo c por cada eiemplar em dou>
o,v> *.____________^_____ _____
' hTTes
<*-:'ir?ie pechlncha.
N > rna 11 (meeralril n. o porta hrga da Parp-
d >* i1..11 '. vi-oda-ta atestes de merino estampados a
1 e |8 ) ;1 ii i Sf, esli se acabando.
Kordatlos.
r.hagnn a lo]a r"e Paredes Purlo, ra da Imppra-
liiz o '^, ti tu sor i ment de eamrlnhas, gnilmbas,
eorptnh -, fouieiras e sintos, de camhraia hrancH,
paln barato pr. < i de KJ560, 3*5o0 > 45, golllnhas
ftOO rs., romairas a. 80 e sinlosa800 rs, grande
quaoli lade de anlreifleios a G00 e 800 rs. a pog.i,
e.-ia i se acabando._____________________
INJECCSO BROW.
Remedio infaivel as agnorrheas antigs
e n con!' s, unwo deposito na pliarmacia
frace/.a, ra dr. Cnu n. 22 e aopreco de
3(5000.
LOJ DO BJh FLOR
Na ni 3.
Xesta loja por tolos os vaporessg recebe luvas de
pellica brancas e decores, tanto parahomem como
para senbora.
Vo tr., c-nzes e brincos.
Chepou no ultimo vapor um gran-le sorlimento
de voltas e erases, imitando cornalinas brancas,
astm como brincos da mesma e de crystal do mais
apurado gosto que se pode desejar, fui s quem
receben : na loja do beija-flor, ra do Queiraado
n. 63.
Enfcifes para coque.
Assim como receben enfeites para coque e ou-
tras muitas qualidades, qae se vendem mais barato
do uue em oulra qoabjuer parle.
Houecas que chaman mama i e papai.
Tendo recehido um grande sortimento de bone-
cas que cliamam papai e mamSi e raovem com os
olhos, muito b-m veslidis.com cabelleiras, 6 o
que po le baver de goMo ueste geaero, e vende se
mais barato do que em oulra qualquer parle.
Balars.
Assim como um bonito sortimento de balaios para
menina de escola, lamb^m ha muito bons penles
para desembaragar, guarnecidos de metal.
Bichas de Hamburgo I
M todos os paquetes da Europa se recebe H
;/ desias amigas do sangue humano e se ^
'<%: vendem a troco de pouco lucro s afim
0% de l.r sempre cousa nova : a loja debar-
vj., beiro ra estreila do Rosario n. 3, ao p ^
B da igreja. M
mmm mmmmmwumm
COIarcs Roycr ou colares ana-
diaos
para facilitar a denligao das criangas e pwswva-
las das convulsdes.
O feliz resoltado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forga magntica dos colares Royer, nos
caaes d convulsocs, e denligao das criaBgas, tem
altamente elevado o seu bern merecido prestigio,
e boje jS se pode dizer que estao geralmente con-
ceiiuados, e estimados de runumerav.-is pas de
familias : de uns porque do uso desses salutares
colares virarn salvos do perigo saus charos filhi-
nho=, f. de outros porqne colheram daquelles to
proficuo ejemplo para igualmeme preservar os
seus. Assim, pols, a aguia branca, tendo era vis-
tas a utilidad* e pcoveit- desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Rofer, mandju vir o novo sorti-
mento que agora receben, e continuar a recebe-
lus para que em lempo a'gum a falla delle.s possa
ser funesta aos pas de familia, os quaes ficarao
eertos de os achar constantemente na ra do Quei-
rnado, I ja d'agu;a branca n. 8.
Vmho do Porto superior em caixa de duzia,
tem para vender Antonio Luiz deOliveira Azeve-
1o ft ('... no sen ascriptoriorna da Cruz n. 1.
Vandera-se duas escravas recolbidas, de ida-
do 23 a 2i annos, expeliente conducta, engommam
perfeilameute e fazem lodo o servigo de urna easa:
na travessa do Carino n. 1.
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de pregos,
tanto deste armazem como do aruiazeui progressivo pa-
teo do Caruio n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidad aos senhores de en-
genhos, lavradt/res e mais pessoas do centro, que para iaais facilitar suas compras deli-
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todo i os seus estabeleci-
mentos em um s anouncio, pelo qual o pre^o de um ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede conslante-
Daente em outras muilas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serao tam em servidos como viessem pessoalmenle fazendo-nos o favor da mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, rcmettendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
alguma que 6zer sua despenda em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cent na sua despeza diaria.
0 BULE m CLUBE PWJBICAM
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
Offerecem a todos os convidados, do expleodi lo baile do Club Pcmaaboeaao o
seu bello e escolhido sortimentc do fazendis de plianlasia, rhegadas pelo r.tnu*, que
consta das seguintes especialidades.
Ve*i Iilos a Cesarla.
Linda e nova fazenda de ll-brlliant, transparente, com Kstas e llores de seda,
padroes do ultimo gosto.
SEDAS
Em cortes padroes novo?, escuros e claros.
Em pecis moireant'ujue liso ondeado e lavrado.
dem eslampado com listas e flores.
Tarlatana.
Resta urna diminua porfi de cortes de larlatana branca, enfeitados caprichr.s-
menle a cores. Todos os amadores de partidas e soires, hao comprado para seas anu-
lias estes vestidos, j pelo diminuto prefo, ja pelo bonito gosto.
EMFEITES
A' imperatriz Eugenia e a rainlia Vicioria que aibptara com rauda defs>ria
ao kok.
Jouvin k 0.
Resenlia-sc o nosso mercado da falta absoluta das verdaderas Un i*. Jomtim.
Temos a satisfazte de poder annumia-las a nossos fregnaw pelo prefo de 3JO0O o pr.
! grande a economa vista da llexibil dade e bom acabado, que Ihes da dopla
duracao obre as falsificadas.
Ti'iut di Tersos o!>jfct>s
Proprios para o complemento dos enfeites de ves!ido como bertbes, costaren,
suspensorios, etc., gostos os mais pliantasticos em dentelle preto e bramo, tafea etc.
Mandam-se amostras.
1'ademas e penles de tartaruga.
E a primeira vez que vem esta fazenda ao mercado. A pequea porcio qne re-
a convida as Exmas. senhoras a urna breve compra.
ciftToe
Com fivellas de madreperola gravadas, tartaruga, rr.elal, etc.
Chales de filo de eres.
Nova remessa, desles chales e retondes a duas i mais cores em xadrez Nata se
pode julg?r do magnifico effeiio destes chales, n'tn experimentar ; as pessoas qoe os de-
sejarem mand iremos amostras.
E urna inlini lade de fazendas de gosto, como sejam:
Chales de fil preto de 100000.
Os mais ricos vestidos para menino de 3 a fi nnnos.
Colxas de croeg e pannos de labyrintho.
Tif branco e fil de seda.
Superiores baloes de clina, recommendaveis pela loriga durar'to e bom talbo.
Tudo a
IfIA_TEIG4
Manteiga i gleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de -l.oooa l.too rs. a li-
bra, e em barril tora ahatimento.
Manteiga fraoceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANH.Y
Banha refinada superior a 6io rs. e em
barril ter abatimento.
C_B._.
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hyssen o mclhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porrao ter abatimen-
to, tambera ha proprio para negocio de t a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de I,8oo a .SJoors.
a libra.
Riseoiitos
Latas com superior biscouto inlez de di-
versas marcas a 1,2oo rs. a lata.
Bolaehlnhas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a It.ooo rs. a lat.
dem com qualro libras de bolachinha de
soda a2,ooo rs ahita.
Queijos
Queijos flamengos chegidos no ultimo
vapor a 2,ijoors., tambero ha do vapor pas-
sado a 2,3oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate bespaohol a l,ooo el,2oo rs.
a libra, francez e suisso a 1,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porfao
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, 1) Luiz, Pc>lro V, Lagri-
mas Doces e entras mareas a l.ooo a garra-
fa e 9.000 a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e Soo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e l.ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 6io
rs. agarrafa ea i,ooo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 2 i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. agarrafa.
CAFK
Caf do Rio de 1.a e 2,a qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SI BAO
Sabo maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
em caixao.
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers A Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a .mzia e a 7oo rs.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
corao seja: Victoria c Alcope a 0,000 rs. a du-
zia e a 000 rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Supericazeite doce de Lisboa a 64o rs. a
> garrafa e a 5,000 rs. a caada.
Massas
Macarrao e talierim a 360 rs. a libra e a
i 5,ooo rs. a caixa.
Pmmm
Superiores passas a 3,ooo o quarto e
; 12,000 rs. a ca xa de arroba luspanhola e a
i 5oo rs. a libra.
QlSM-SSil \
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
du/ia e l,ooo rs. ao frasco.
! Genebra de Hoanda verdadeira a 6,000
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botija- a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafes com 24 garrafas de genebra de
j Hollanda a 8,000 rs. o garr.-fao. Tambera
n garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 6o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
l,2oors. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e pango muito novo de 3,800 a
4,000 rs. a arroba e de lo e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: J0S0 Furtado da Serrias,
Manoel Peixoto .da Silva Netto, Castanho &
Filho e Brando e de outros muitos, os
qnaes vendemos pelo mdico preco de I.600,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,8o, e 5,ooo rs. a caixa.
Ucoi-es
Licores francezes e portuguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
noces
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
quenos a 7oo rs. e de 5o caixes para cima
a 64o rs. o caixao.
Frutas
Frutas em calda e era latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a 01 is. a lata.
Tambem ha litas grandes para l,2oo rs. a
lata.
5 RA DO CRESPO 5
o
o

DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Recife, esquina da Madre de Dens.
Giantle sniliineolo de azeoili*s por atacado r. a relilh. e ara comaieh str
menlo de peaa Paita, deeasenira fdeb>m, tudo por Braas ^ae tu
outi-fi qualquer parte: que11 diniar venlia ve*.
CAICAS
de lindas e finissimas casemiras escuras c tinas, de superior casemira preta, de fSnos
brins brancos e bom brim paruo.
Balets
de superiores casemiras escuras e claras, de lina alpaka branca, de superior alpaki pre-
ta e de brim pardo.
Collees
de boas casemiras pretas e de cores e de lino b-im branco.
CAMISAS
Superiores omisas francezas de ti at ">>.
CerouSas.
Ceroulas de superior bramante de lino hnho.
II loes.
Superiores baloes de arcos para meninas de 2 at 12 ar.nos.
dem superiores para senliora.
(bravatas e ninntas.
Superiores mantas para pescoco de bomem, as msis molernas do marcado.
linlajoo.
Madapolao bom a 8,?, 9^, {<$ e' 12:.v
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda bailo a 103.
Fraques de casentlra.
Fraques de casemiras, preta. escura e de cores claras, e nao havendo qoe sirva
ao freguez manda-se fazer por medida c com muita prmpli lo.
Todas estas fazendas por precos insigniflcantissimos, pea o fito do Bato ad-
quirir freguezes.
LOJA DO BALAO
HE
104000
ARMAZEM 2^E FAXES HAS
CUSTOBIO AKVAMIO C.
27 RA DO QUE'MADO N. 27
Madapolao francez muito fino, tendo pouco mofo, cada pega com 27 rana par
Vende-se um sitio era liemca a' marpsm do
rio Capibaribe, rom bstanles cmmodos para urna
grande familia : traale na ra Nova n. 24, das 9
lloras as 4 da urde.
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Fbos pelo ultimo vapor.
Frats seccas pelo uitimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
^3a%
Queijos londrinos pelo uhimo vapor.
Queijos flamengos frescos pe'o ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ul.imo vapor.
Tudo se vende barato us seguintes armazens:
Ra do Imperador n. 40. Verdadelro Principal
Ra do Quelmado a. 9, Unlo e Contnierelo
Largo do Carino n. O,.Progressivo.
"5SS&
Laa de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia francesa a 260 rs. o covado.
Finos organdis a prec/> de 800 rs a vara.
Lencos bra-cos para algibeira a 2 00 a duzia.
Fin sperclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 103 a 9Q#D0O.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
'23_, _

Paredes Porto reeeheu pelo ultimo paqnete um "rompilo sorlmelo i* epa*
bournu de cores ricamente enfeitidos a tij, loje 233 : na ra da Imoerairia n. 55,
loja da porla larga junto a padaria ranceza.

-.
GiZ.
No armaiem da ra do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 2, lem para venderse
Ihor gaz existente no mercado.
ou no
o me-
FaHnha o3|5'
Vndese farinha de mandioca, saceos graudes
Vendem-se
machinas americanas de serrote para ieacaropr
alfrodao : na ra da Soniala Aova a. 19.
CAHBRAIA.
Cmbrala d forro roa 8 l|5 vara* a kc3 a 9X.
ee acabando : na lja da porta larga da m 4a
Impciatriz n. 52, de ParedM Porte.
Pennas de ema (te moilo sopanar
no armazem dos Srs. Tasso Irmaos, na ponle nova' 1 vend^-se na roa do Vgari) n 14, t*
pelo proco cima mencionados. I cripiorio'

III FGIVFI


piarlo de pernnmbaco Qnarfo felra 8* Je Xovembro de 1 .
:
Grande loja e armazem do
Pavlo.
Ra da Imperatriz n. C). de Gama Silva.
Tendo os propietarios djesle estabelecimenlo de
liquidaren) Dina -grande pargao de suas fazendas,
al ao fim do crreme annol alim defecharem con-
tas e apurar dinheiro, resol|eram vender todas a>
fazendas coro grande abaiin'iento ero pregos, tamo
em porgo eorao a retalho, por isso previnem a
lodos os seus freguezes, e ao respeiiavel publico, e
as pessoas que negocian) em pequea escalla com
fazendas, que neste estabelecimenlo encontrarao
uro grande sortimente que muito Ibes hao de agra-
dar tanto em pregos como em qualidade; assim
como mandam pelos seus caixeiros levar as fazen-
das e amostras as ca-as das familias que nao po
Os ciatos do pavo a 1000.
Yeodem-se cintos de lita com flvelas pelo bara-
ti.-iimo prego de 12000: na loja do Pavo, ra da
Iniperatrlz n. 60, de Gama & Silva.
Choles pretos de renda a 8$0OO, na
loja do pavo.
Chegaram pira a loja do Pavao os mais ricos
chales de renda pretos, de 4 ponas e muito gran-
des, vendend.i-se pelo baralis-imo prego de 82000
cada nm para acabar : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos indians a 300, na loja
do Paio.
Vendem-se os mais bonitos cortes de vestidos
" i indianos, sendo esta fazenda trasparente e inleira
5sS?^*T~**>\ttr2rtt&ugs3Si
car penhor.
GRAMDE
l*eckinch
~ ,. oma\ i i lulo; e vendem-se pelo baratissimo preco de 35
CambraiaS lisas a 35000, la leja dO cada om psra acabar: na loja do Pavao, ra da
PaVO. I Imperatnz n. 60, de Gama Si Silva.
Vendem-se pegas de cambraia lisa branca e
transparentes, tendo oito e mela vara cada peca, |
pelo barato prego de 3*500, dilas muito linas, por
42500,52, 62 at 102, sendo lapadas e transpa-
rentes, assim como cortes de cambraia com satpi-
cos a 22500 : isto s na loja e armazem do Pavao,
na rna da Imperatriz n. 60 di' Gama & Silva.
As camiMubas do Pavo.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
das com manguitos, para senhoras, sendo as mais
modernas que tem vindo ao mercado a 42500, di-
tas com manguitos; para acabar, a 12 '. dilas pre-
tas com manguitos para luto a 1*800 rs.. mangui-
tos e goliDhas pretas a 12, oissimas golinha.-. de
cambraia branca bordada a 500 rs., calumbas para
menina a 640 rs., romeiras de lit e cambraia
a 3O rs. na loja do Pavo.
Laaziuhas a 320
Lazinkas a 32o
Laazmlias a 320.
Vndese om graode sorlimento das mais finas
e mais bonitas lazinbas matizadas com os mais
l>ndos disenhos, sendo fazenda que val cinco tus-
tes, e vende se pelo baratissimo preco de tima
palaca o covado por ser urna grande porg3o desla
branca bordada a 126 0 : na loj* do Pavao, ra jnda fa?enda |oja do ^ na rVda Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales de merino a -J-jiio.
Vendem-se os mais modernos chales de merino
eslampados a 22000 cada um, havendo tambem um
grande sommenio dos mesmos matizados que se
vendem a 62. 72 < 82000 : na loja e.Wmazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cintos do Pavo.
Vendem-se riquissimos tintos de fitas de diver-
sas cores e dourados com Ovela larga e dourada,
assim como enfeites para cabega dos melhores e
mais modernos que lem vindo ao aereado ludo
isto se vende por um prego razoavel que muito
lhes hao de agradar : isto s na loja e armazem
do pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
As toalhas de linlio do Pavo.
Vendem-se superiores toalhas de linho das me-
lhores que tem vindo ao mercado pelo baratissimo
prego de 92000 a duza, oo 800 rs. cada urna, na
loja e armazem do Pavo, na ra da Imperatriz n.
CO, de Gama & Silva.
As saias do Pavo.
Vendem-se as mais finas saias bordadas asagu-
Iha brancas sendo da melhor fazeoda qoe tem viu-
do neste genero. lendo mui a roda, pelo baralissi- |
roo prego de 102000; ditas bordadas a croch a
6*100 e 82000, ditas com babadinhos a 92000, na
loja e armazem do Pavo, na ra da Iinperalnz o.
60, de Gama & Silva.
Notos vestidos do Pavo a 10-5000.
Chegaram para loja do Pavao os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente enm os
mais delicados bordados de differeoles cores a pon-
to de agulha, sendo r.Vste genero a maior novida-
de que tem vindo ao mercado, garanlindo-se o te-
rern multa fazenda e enlejes suflicienles para o
corpo e mangas, e vendem-se pelo barato prego de
10200 cada um, na loja do Pavao, na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os esparlilhos do Pavo.
Vendem-se um grande e vanado sorlimento de
esparlilhos os mais bemfeitos que tem vindo ao
mercads, sendo de todos os lamanhos pelo baratis-
simo prego de 42, 55, e 65000, por haver grande
sorlimento, na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama Relondas pretas a 12000,
Na loja do pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor as mais ricas re-
tondas de renda pretas, sendo das mais compridas
que lem vindo ao mere ido, e vend-m-te por prego
muito em conta : na loja e armazem do Parlo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Corles de casimir, pichincha,
A 2^800, na loja rio pavao.
Vendem-se bonitos cotes de casimira de cores,
tendo claras e escuras, e vern lem se pelo bar-.tis-
simo prego de 2481X1 o corle, ou vende-se a mes-
ma fazeuda a 15600 o covado, leudo 6 pilir.os de
largura: Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Os corles de carinira d Pavo5
Vendem-se superiores corles de casimira, sendo
f nenia muilo lina, pelo baratissimo prego de 55
cada um : na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, Je Gama & Silva.
Laminas a 280 e 1120 rs.
Vendem-se lanziuhas de qu drmhos a' imitagao
das sedinbas de quadros pelo barato prego de 280
rs. o covado; dilas garlbaldinas cora os mais lin-
dos padres a 320 rs., pechincha : na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos a 4->
Vendem-se cortes de vestidos a Maria Pa om
barras bordadas, pelo baratissimo prego de 45000
para acabar : na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinbas a 160 rs,
Vendem-se superiores laazinhas iransparenles
com bonitos padroes, sendo lisas e de quadros, pelo
baratissimo prego de 160 rs. o covado, isto para
acabar: na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Cama & Silva.
Manguitos e golas a 500 rs.
Vendem-se manguitos com golas de cambraia
AGUA BRANCA
Eua do Queimado d. 8.
A loja da aguia branca acaba de rece'ber um
novo e grande sortimnto de diferentes objectos
de gosto e ultima moda, sendo :
Bonitos enfeites para senboras gostos inleira-
mente novos.
Ditos ditos de grade com coolas grandes.
Lindas (velas grandes para cintos com moldes
agradaveis e diversas qualidades, madreperoia,
tartaruga, ago e douradas.
Boas e bonitas lilas achamalotadas para ditas.
Dites de dita de grosdenaples lisas e lavradas
com novos e agradaveis desenhos.
Trangas pretas de seda com vidrilhos moldes
novos e de gosto.
Bicos brancos e pretos de seda com vidrilhos e
de difiVrentes larguras e bonitos desenhos.
Cascarnlha. de seda com diversas cores e lar-
guras, formas inteiramenle novas a imitagao de
palo, babadinho e outra com urna transinha no
centro o que lhes da muita graga.
Outras estrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito gosto.
Outras de camnraia de cores.
Boides de seda, velludo e ago para enfeites de
vesiidos.
Trangas de seda estreitas e largas brancas e de
cores para enfeites de ve.-lidos.
Flores (as
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A aguia branca a ra do Queimado n. 8, rece-
beo para vender :
Delicadas capel las brancas para noivas.
Dilas dilas para meninas.
Ditas ditas de caixos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camelias e outras.
Ditas ditas on ramos de trigo.
Diversos ramos de flores finas para peito de
vesiidos, enlejes de chapeos ele, etc.
Preparas para flores.
Na roa do Queimado n. 8, loja da aguia bran-
ca vende-se :
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dilo dito e panto para cobrir os talos das ditas.
Musgo em rama.
Folhas para rosas.
Aaulhase linhas para crochet.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8 loja da
LOJA
O galh cinta e est
qiiemandom
Bom e blratissimo.
Hua do C >-cs|>o u. 9.
Col ares.
Collares anodinos el c ro mapnelicas Roier para I
as mangas nao morrereii de convulsoes pelo ba-
rafe prego de 45.
Novicades.
Riqulssimas pulseiras
ra e para meninas a
das vollas para pescogo :
Enf
u braceletes pa senho-
5 e 35, assi m orno iin-
32-
ites.
Riquissimos enfeites pa a cabega cousa de mui-
" 42. 52, 62 e 72-
as.
1 ladreperola e de tarta-
pelo baratissimo prego de 500 rs., isto para li- aBuia branca, assim como agulha* para iranalbar
anidar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. fe em 'aa-
60
de Gama & Silva.
Cortes de chita do Pavo
Vendem-se corles de chita franeeza muilo boa
com 10 covades a 22400, ditos com H covados a
25000, ditos com 12 covados a 22800, isto s
para acabar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama Silva.
Agasalhos para cabega de senhoras.
Vendem-se superiores agasalhos para cabega de
senhora'ou cachins, sendo fazenda mais moderna
que tem vindo nesle genero ao mercado, pelo ba-
ratissimo prego de 35 cada um : na loja e arma-
zem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Chales de renda a iG-$, 12j$, 130, 200 e 255, na
loja do Pavo.
Vendem-se chales de renda preta muito finos a
105 e 125, dilos de linho a 155, ditos de seda de
linho dos melhores que ha em chales de renda a !
20 e 25'5, ditos brancos de tres ponas a 65, isto [
s na loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.___________________
avariado.
Francez barrica 52006
Portland idem 82500
Ero perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irmos caes do Apollo.
I
Na rna da Imperatriz n. 26. fab ka de chapeos
de sol, ha para vender um sorlimento de obra de,
ouro, corno sejam, adereces cmplelos com coral,;
meios ditos, allineles, rozetas, brincos, crrenles
para relogio, cagoletas, cruzes, botoes para pu-
nhes, ditos para abertura, e outros objectos de
ouro de diversas qualidades e gustos, que ludo se
vende barato para acabar.
G AXA m BEXSGA.
Vende-se graixa em bezigas de superior quali-
dade, largo da Assembla armazem de as.-ucar.
Luvas de Joiivin.
A loja de miudezas na ra do Queima-
do n. l, resebeu-as por este ultimo vapor, ida aguia branca TT
Papel de sobrcediente para os
phosphoros hyyienicos ou de
seguranca.
A vista do grande tamaoho das caixlnhas dos
phosphoros hygienicos ou de seguranga, tornava-se
: pouco o papel que vem em dilas caixlnhas, e para
remediar essa falta a aguia branca mandou vir e
acaba de receber esse especial papel, o qual sa
dar de sobrecellente a quem comprar de laes
phosphoros e se vender indistinctamenie a quem
delle precisar. O prtgo de eada caixinha de phos-
; phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na ra
I do Queimado n. 8, loja da aguia branca.
Seda froucha para bordar.
Vende-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Outros tambem de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e outras cores.
Arieregos de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e cruzes.
Botoes de dito, brancos c de cores para rollete.
Dito de dito tambem braucos e de cores para
punhos.
Vollas de dito e mitras qualidades.
eques de di- erss qualidades
Veudem-se na ra do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
Aspas forte? para baldo
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Car retis com rctroz.
Na ra no Queimr.do n.8, loja da aguia branca.
Cromacomc para Ungir ca
bellos.
A aguia branca avisa aos constantes freguezes
de*a excedente tintura, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de cromacome, coloricome
esabo branco, necessano para lavar os cabellos,
porianio podem dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 8.
Abridores de luvas.
Vendem-se na ra do Lueimado loja da aguia
branca n. 8.
porl bonqncls
de bonitos moldes, dourados ecabo de madrepero-
la : acham-se a venda na ra ;do Queimado loja
to grito a 12500, 25, 32,
Five
Riqusimas livelas de
ruga, arsim como pretas.
Cru
Riqu ssimas cruzeS don
gosto que se pode dse jar
Cascan
Bonitas cascarrilhas coi
aljfar cousa inteiramentt
vestidos.
BTIOC
Bonito sorlimento de htl
vidros para os amantes d*
Assim como u
que serve para enfeite de i|eibgio mais com excel
lente vidro.
Sestin as.
es.
adas porm o melhor
ilhas.
biqmnhos de seda e
nova para enfeites de
Utos.
ofulos com superiores
tbeairo.
hs pequininos
Riquissimas cestinhas c
m prepares para me-
ninas de escola trazer no irago, assim como de
vidro enfeitadas proprias | ara"mimo.
Pent s.
Ripuissimos penles de b
co de metal para menina
barato prego de 500 rs., e
grande sorlimento de toda;
sembaragar.
Esco\|as.
Grande sorlimento de e;
ra cabello, para unhas e \n
Lunetas e
irradia com aro bran-
egurar o cabello pelo
Iduza l'>, assim como
as qualidades para de-
ovas d ra reupa e pa-
ra denles.
ocu'os,
Finlssimos kmetos dn dt e dous excedentes vi-
arlaruga, assim corno I
dros e aro de bfalo e de
oculos cem rame dos ladjis proprio para quetn
sofJre dos oculos.
Touqui mas.
Riquissimas louquinhas
da e de la para criangas.
Para o c;
A superior agua para a
Je bl de linho, de se-
bello.
tingir os cabellos, as
barbas brancas' e fazer i|onserva-los, os frascos I
ensina a forma como
acompanha nm rotulo que
se deve applicar.
Para c?
Superior banha sem ge
com agua propYia para Iin
acompanha um folheto qu
se deve applicar, assim
opiata e poz para limpar dehtes.
BaDhis.
Grande sorlimento de b;
tas de ful ha e em frascos ti
pregos menos do que em c
muilos outros objectos qu< nao se po le mencionar
por boje : s no gallo vigi ante ra do Crespo nu-
mero 7.
I
NovidL.de
spa.
rdura com um frasco
par a cabega, os frascos
ensioa o modo como
como agua balsmica.
nhas em copos, em la-
e todos os lmannos por
ulra garle, assim cumo
Cortes de chira com bar 19 a' Imperatriz Euge-
nia, fazenda superior, a 42 cada um, ir.andapulo
francez muito encorpado proprio para saias e ca
misas a 105500 a pega, ou a 400 rs. a vara, dito
inglez com 24 jardas a 42 ja pega, caxines para
sahida de baile a 25500, algodnzinho largo com
20 jardas a 4$200 a pega, bramante entestado de
linho para lenges a 25200 a vara, chitas france-
zas a 240 o covado, baloes; de arcos superiores a
25500, cambraias lisas mullo finas com 8 1|2 va-
ras e com mais de urna v. ra de largura a 82 a
pega : s na ra do Queimado n. 17, ao p da
botica.
g:
ENCICLOPDICA
5 2 Ruada Imperatriz armazem
da porta larga &.
fuulo a pad.trla fradeeza de
Paredes Porto.
Neste estabeleciment encontrar o respeitavel
publico um variado sortimnto de fazendas trnce-
las, Ingieras, suissas e aliemes, que se veudeao
por prego commodo.
Paredes Porto
Vende chales de renda de cores que se ven de-
ram a 18j> est vendendo por 62, ditos pretos, fa-
zenda nova, 55,65, 85 a 205, um sortimnto rom-
pelo de manteletes, capas e soutambarques 145 a
252- Ra da Imperatriz n 42, juuio a padarla fian-
ceza, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Recebeu um completo sortimnto de laasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para roo-
Mi de menino, fusio de linho a 420, 400 e 500 rs.
Roa da Imperatriz n. 52 Junto a padaria franeeza,
armazem da porta larga.
Paredes Porto
Recebeu para cortinados para cama franeeza a
115 a pega cambraia lisa lina a :i5 45 al 105 a
peca, cortes de larlalanade bonitos g slos a 35500
e 45, cambraia com flor de seda, gostos ioteira
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria frauceza.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete um sorlimento de
crozes com pedras para o p'-scogn. bonitos caxineis
de la para pescogo de senhora. Ra da Imperatriz
o. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgoro pr< to para vestido con,
21 covados cada um 3500'i, grsdenaple pretn a
12600, 12800 ei>2 o covado, las lizas finas a 400
rs. o covado, las de quadrinliopara vestido, entes-
tada, a 320 rs. o covadu. Ra da Imperatriz 1.. 52,
armazem da porta laigd.
Paredes Perlo
. Tem para vender por prego commodo, pegas de
espolio de linho com 10 varas a 75. 82, panno de
linho para lenges a 640 e 700 rs. a vara, braman-
te de linho de 4 larguras a 25^00 e 22500 a vara.
Paredes Porto
Vende cortes de cambraia bordadas de rices
postes a 102 e 125, neos vestuarios para menina
e menino, ricos curtes de cambraia Maria Pia a
102 e 202, tarlatana branca e de cor a 40 e 720
rs. a vara. Ra da Imperairiz armazem da porta
larga n. 52.
Rnupa fcita
Roa da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga jonlo a padaria franeeza, encontrase neste es-
lablecimenio um completo sorlimento de paletos-,
saceos e sobrecasacus, de todas as qualidades, cal-
gas, codetes, ceroulas, canosas, grvalas, mi us,
chapjs de sol, ditos francezes para cabega, pi.r
pregos commedos, ronpa para menino e junas
muitas" fazendas por pregos commudos, ara&xem
da porta larga.
No mesmo elab-ieeimento encontrar o respei-
tavel publico, sempre um completo sorlimento de
roupas fetas de tudas as qualidades, como sejam
paltts de alpaca preta ee cor,dilos sobrecasa-
cos a 45 e 55, dilos de brim parJo a 25800, 32 e
:I5500, ditos linos a 45. ditos meias eazemra s
35500, 45 e 55, ditos cazemira s ecos a 65, 75. f <
e 102, dilos sebreeasaeos a 10 e 125, ditos de pan-
no saceos a 62, 85 e 105, dilos sobr-casacus a 15
e 255, ditos de merino | reto a 65, 72 e 105, ca;
cas de brim de diversas qnatfdades a 15800 a 45.
ditos brancos a 22500 e 6500, ditos cazemira 55,
62 e 72, ditos pretos a 5, 65, 85 e 105, dit..-
meias cazemiras a 32 e 45, coletea de diversas
qualidades, seroulas francezasde algodao, dita do
linho, ditas de bramante a 25 p 22500, carnizas di
algodo de linho francezas de 22500 e 32- Gran-
de pechincha neste genero, grvalas de ludas as
qualidades e brancas para clmenlo, grande si 1
lmenlo de meias para sent ras, dilas para hmeos
a 35, superiores a 32500 e 12.
Um completo sortimnto de chapeos de sol de
alpaca a 32, ditos de seda a 55, 72, lt'2 e 145,
ditos francezes para cab ga, grande sorlimemo
a 65-
Pechincha afmiravel.
Grande sorlimento de chambres a 45C00 e '..
lenges de cambraia para homem a 25 a duzia, di-
tos le linho a 45 e 55-
Grande soitimenlo de roupa para meninos e oo-
tras inuitas qualidades que seiia enfadonho nu-n-
eiona-las.
Fazendas.
Vende-se superior merino feto proprio para ca-
pa> de senhora e vestidos a 25. lustrim da Chira
a 12800 o covado. Ra da Imperairiz, porla larga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabeleeim nto liras e entremeios
bordados, grande sortimnto de corpiuhos rica-
mente bordados a 3-3, 42 55. S o Paredes Por-
to, ra da Imperatriz no 52; porla larga junto a
padaria franeeza.
i Paredes Porto
Receben pelo nliimo paquete fran"z r>i Bm
granadinas com Aires de seda a 1.0 500 r.
covado. estao acabando-se, easafera] ra'a
lulo. Porta larga jo alo a padaria Irasi -u. a ra
da Imperairiz n. 52.
Paredes Perto
Vende nm cumpl-to sorttatmn f- Tni4i.i
brancas, como sejam madarolan a k&W**. "i. 2
10?, pegas de alindan |or barato ,- r
ceza a 240, 280. 320. 360 r>. o r..
muilo fioas a 360, 40 rs. o am gilm
1 200 c 240 rs. o covado. Ra da ; a.
52, junto a padaria fran Paredes Po to
Vende gangas de rr propria : 1 ur-
ninosa.320rs. o covad, ri-i z Hrt-> a
320 rs. o covado. Ra di I .' ma
a padaria franeeza, p. ra lartia.
Paredes Porio
Receben pelo nliimo paquete- c [.. ~ a -re-
guignso por 39, sao bons, lenco- Ir 1 j : -e-
nbora e homem a I ri( u> ctrt M r*a as
bordados de 18,' a 7?, por ter u. ; -i1
estio se acabando, na rna da lmp> 1, 1 52, jo-
lu a padaria franeeza.
No annasesn de Mina Ladasa n m
Cruz n. 38, vendem-se os se?u:.:
antrfga iogteta.
Cerwja bianca e preta.
L uga.
RimoiiIo" inglezes.
Oleo de Unbaca.
Fi.lha de flandre?.
Saceos feitos.
Silboso.
Chales de rent-*!
Paredes Puto, na ruada [ri-,. i -"i 1
larga, vende chales de lend., n,
110 lo.ine de mufu, a 3250)> e 45, 1
e 125OOO. _________
.No'idide.
Chegaram os bostftos chales e re!
re brancos, e vendan-se na rna di
52. I jj da iMrt-lar^aTJP-Pi^!' I
Vi noe-se um cvlmiru, urna
balanga grande e una dita peata -
pesos e mais utencilios de paawH iuil
,ua D.ieita n. 21.
rt* da
:
tolla da Hi Tem para vender Ariii-i.io Lata 7
C, no eu escripiono la da (-ro n. .
'h 6sfl00
o jogo de pedras para moinli >s : v, : 1
do Vigario n. 14.
Farinha t*e dijer
Tem para vender Antoni 1 Ka
vedo & C.,no seue.-criplii'. toad l
mum fw;.'
Gialifif; cao de ollS.
Aosenton'se da casa 11. 59 da rn S> 'n i-rs-r
(oatr'ora CoUefic) no rabiado 16 < -r
ce setembtode 1865,o esrtasopsodi 1 -a a l---
qoim,com os ssgoaeste$mlauta: r .
idaue 18 a 20 annos. sem barba, c -
gtanriVs, cabello corrido, cem orna i-m-im/ % nrfe
e bem visivel na lesl, parle dos n 1 1! [r-rri
arri mados, e com falla de algn. -
pool caica sV brim pardo e prlei-t rtrsa i \
mas levuu m^.is ronpa branca ere 1. r. e
asloeloso, cu.-iorra b)Mubr-r< bri
fado : f i 1 .-cravo do Sr. fioRkeraw '
Soiizi Carvalho, genro do tmtu Sr r n 1-1 ? r
I Goticalves da Silva : rffa-s <
a ioiii> ;, autoridades jioliria! i rr-
I ito de campo on onira a*ssoa r-a- 1 1 1 oe o
bii rebenier >e pralifiara com IM\". > \---
ppzas de n nducgo, firrgaodp 1.....ahr
M'cik'I Ji s Alves. na rur-n cima. r o -ei >-
ciipiorio na 1 ui da t.ruz ra-a n. 19.
No dia 20 de seterr.hro iron (j-
gio do MHtowtW Terra prela, doB< n
eseravo Jolio, erioolo, de almra 1
de 30 ai'Uos de idade. p oca I ai! a. t ai
feitos e pernos, moilo fabnie, ai, 1.
tem o dedo p dejar de un atl |5 I f* p-
iro, anda a m urna rarta b ciada. : 1
riel Amaro Gomes da Canba, apsa* I 11 n
ra fui surrado ert eseraTo, f i ba n.utt-1 '-
a Porhs Lima e Giiimai.vs : i;i n I ao
mesmo encobo oo no Recite a* ria IMs I
Alejandre Curreia da C. Jnior, ou I ro fe-
n 1 1 .11 .
Alexandre O rr i '' .
- No da 31 do passad i foeio > r <
tina, parda, alia e magra, qaw pe Sr
Amaral, empregado na repartid -sai
escrava foi no dia Io do mrrmts v.
Dr. delegado per ter sido ra*lajp I
gar e entregar na ra da Cadeia 11. besa
recompensado.
39!
DOS PREMIOS DA V. PARTE DA LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 60o, A BENEFICIO DAS FAMILIAS D0S| VOLUNTARIOS DA PATRIA, EXTRAHIDA EM 21 DE NOVEMBKO DE 1805.
VS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. XS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. "NS. PREMS. f= N'S. 1 'REMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. XS. PHE
i 62 194 62 433 202 664 62 886 65 1043 62 1222 65 1422 65 1003 6* 1829 65 2055 62 2264 62 2495 6* 2698 65 2948 65 3114 62 3283 62 3447 65 3623 62 3830 l
2 98 43 65 65 87 46 24 23 6 35 __ 59 67 2303 116 99 49 24 84 31 24 31 .:..
5 204 49 68 9* - 50 25 27 105 8 43 _ 63 70 2708 __ 60 25 83 52 27 33
7 9 57 69 96 56 27 28 6* 23 44 __ 66 83 _. (17 10 __ 67 30 92 _ 53 28 34
8 10 62 71 97 6 i 29 31 37 47 71 88 9 17 68 >J 93 ' 56 32 40
12 - 16 64 72 - 908 205 69 33 34 40 48 79 96 7 23 69 33 3306 _ 57 33 41
19 17 65 77 - 11 65 70 43 40 42 55 86 97 102 $8 30 40* 71 36 7 _ 58 40 42
22 18 67 82 14 83 105 44 20* 42 43 57 88 23'2 62 I1 31 6* 74 41 8 61 41 44
24 21 70 ' 84 15 85 62 46 6* 44 47 58 89 10 105 ^ 33 77 43 405 10 _ 67 49 51 10*
35 1002 37 205 72 90 19 __ 89 49 45 102 50 39 90 13 6* 38 79 44 65 12 _ 69 50 60 6*
38 62 42 62 73 98 38 .^ 90 50 51 6* 53 61 __ 97 16 ."J'J 39 83 49 13 _ 70 51 64
40 44 76 701 39 mm 92 53 57 59 65 99 202 21 _ fjl 41 88 50 14 ._ 75 54 102 68
43 45 78 4 41 __ 93 55 61 105 61 66 2106 65 25 _ 64 47 10* 89 31 30 __ 76 - 63 62 73
48 48 93 7 49 __ 91 56 64 62 64 68 9 102 26 200* 78 51 6* 95 64 31 _ 84 64 76 --
54 55 105 94 9 51 _ 95 65 66 65 70 11 62 33 20* 73 66 10* 96 66 35 ^a 89 67 88 402
56 58 62 95 11 52 102 99 68 67 66 73 12 38 6* 74 67 10* 3002 68 36 ^_ 92 74 402 89 6*
58 60 405 96 16 . 53 62 non 73 68 69 81 19 _ 39 7$ 68 6* 5 _ 69 105 38 mm 96 76 62 3900
64 88 65 501 ^_ 24 - 54 2 74 70 71 87 22 _ 45 _ a 71 12 , 81 65 39 -- 98 88 2
68 90 4 25 56 _ 14 79 74 102 74 89 24 0m 47 ^ 90 72 14 ^_ 82 42 3505 _ 89 6
72 94 7 _ 29 58 202 18 82 76 62 77 92 26 __ 48 M 1 79 16 85 47 10 96 7
n 301 8 mm 33 62 62 19 _ 84 95 78 94 27 52 93 80 20 a 86 40* 48 100* 14 3702 11
V4 5 _ 20 __ 34 65 20 6:0002 87 96 81 1906 _ 29 __ 54 __ 9i| 81 22 __ 87 6* 53 6* 16 6 12
75 202 13 , 24 ^ 38 66 -_ 22 65 88 98 82 13 ^_ 33 _ 59 --- 260(> 92 25 _ 90 56 202 19 8 14
;6 62 18 mm 34 ^_ 41 69 ^^ 29 91 1502 88 ^ 19 _ 38 md 65 --- 11 _ 93 29 ^_ 93 60 62 24 10 17
77 205 21 _ 41 __ 50 74 __ 31 93 3 95 32 _ 41 __ 70 --- 1S i:i 97 31 __ 97 102 62 25 13 18
81 62 23 __ 42 ^ 54 76 102 33 _ 94 4 1706 33 _ 47 76 40* 2804 - 33 _ 3206 6* 69 26 14 19
90 24 __ 45 _ 62 77 62 34 __ 96 6 205 7 __ 38 __ 48 92 6* l _ 6 39 13 73 27 16 102 22
91 28 50 __ 63 78 37 - 98 8 65 10 402 40 __ 56 _ 99 8 44 17 83 102 35 17 6* 23
102 30 53 64 102 79 39 1305 11 li 62 49 57 2109 2(| 20* 13 50 23 _ 85 62 38 27 10* 29 1
3 _ 31 56 ' 65 62 81 41 9 18 16 51 64 12 27 6* 21 51 28 _ 88 40 28 b* 30 10*
6 32 58 73 86 43 _ 22 19 20 54 74 13 29 36 53 31 _ 89 5002 44 30 36 6*
7 _ 40 64 85 87 47 23 21 26 62 76 10* 17 _ 34 __ 48 55 34 mm 90 62 43 31 38
12 43 71 92 1002 90 83 41 22 402 29 64 80 62 20 20* 33 _ 53 56 36 _ 92 46 32 41
17 __ 49 74 102 97 65 93 57 46 . 26 62 44 72 82 25 6* 37 __ 56 63 37 __ 96 50 41 47
35 202 56 75 62 99 1000 50 47 28 45 74 90 28 42 __ 59 64 39 _ 98 39 42 49
42 62 62 76 803 __ 3 67 _ 55 29 52 - 79 96 * 35 _ H _ 60 63 - 41 __ 3400 __ 62 102 43 65
45 70 80 4 _ 4 69 57 _ 36 57 102 80 99 40 m^ s\ m 61 10* 72 47 1 n 69 102 44 67
49 79 81 18 a. 5 _ 72 67 38 59 62 85 2212 _ 43 _ 53 62 6* 73 49 _ 3 --- 71 62 45 68
52 _ 85 85 _ 19 __ 6 ^m, 74 68 39 65 90 18 _ 5? ^^ 60 63 80 51 _ 4 --- 76 49 70
54 . 95 G06 . 22 _ 8 ^^ 79 73 44 72 91 21 n _ 61 20* 69 10* 84 53 HB 10 _ 81 202 53 71
ii-J 96 8 .. 29 _ 9 202 89 81 45 74 96 102 25 ^ 59 __ 63 6* 79 62 85 55 --- 13 84 102 55 72
61 _ 400 Mi 12 . _ 34 102 12 62 91 88 61 75 99 6* 27 ^_ 65 __ 7 81 86 63 --- 17 102 86 102 56 76
63 _ 2 __ 13 36 62 18 92 90 70 85 2001 _ 28 MH 66 . 74 92 90 64 --- 20 62 88 62 59 77
66 3 10* 18 .^ 40 25 __ 1202 ^_ 96 73 89 3 102 33 _ 78 7d 93 1:200* 92 65 23 89 67 79
67 5 20 23 _ 47 27 3 1400 77 1801 13 402 37 . 79 81 2911 102 94 69 25 94 92 * 87
80 1002 8 2 37 51 30 4 m 7 10* 79 7 15 62 41 80 Vi 20* 16 6* 99 71 26 3605 94 20* 91
88 62 12 39 _ 57 _ 31 _ 8 9 62 80 14 29 202 48 85 9 6* 28 ' 3103 402 74 33 202 7 3802 62 93
89 18 __ 49 1002 66 mmm 33 aa 10 ^0 10 83 20 37 62 54 --- 86 95 29 9 62 75 --- 35 62 9 14 95
90 24 59 62 74 37 13 16 102 93 22 39 102 59 88 9(5 32 10 79 37 17 15 97
91 27 63 10* 82 40 16 18 6* 1602 25 ~ 48 6* 61 "" 93 97 46 ii 80 39 20 17 99



Diarlo de rernanl>nco linaria le ira tt de Norembro de t9a*.
JURISPRUDENCIA
"conceder flanea-nos tentadores, e compliets aquel-
le crime; sem duvida considerando d'accordo com
| os Av. N." 217 Je 2 Setembro de 18W, e N. 268
Consulta Jurdica. d.e ,3 de NV,,mhro d,831 ~ !" ro mttfm
' das penas, em que poiem estar mcursos os autores
l. O |>ai ter o usufructo dos bens adventicios i-aqHenei ou de outro qnalquor crine inaffianra-
dos lilhos cohibientes em dinheiro, em face da V(l_i 0 ,.egulado,. das fi(Xncas e aleadas.
deliuigo de usufructo dada pelos Romn. s,e abra- ,,,,,,. ...
. ,. ..... ., hiitrelanlo, de passajjem seja dicto ad perpetan
cada pelos nossos Praxislasr i .
' > ,i a u.i, .nmnri.han.littA no ''"oria?, que esta verdadeira decisaodelao
2. O crime de estelionato eoinpieiieodiuo oo >
5 4 do an. 26i do Cod. Criminal aflmllllr lenta- 'lustrado Tnbuual contra,ia a que fra profe-
liva.a.tonio o principio de que a tensiva deve ler "<". ha cerca de de* annos, por outro de igual
os me>m elementos do crime ? ealtagorw em um recurso interposto de urna pro-
3.-A auiondade policial podera instaurar nr.i uu"cia e,n crime inaftciancavel, fundando-sena
proceso em crime alHangave, cer.ieaudo o ofi- "" iotelUgencla e applicago do Av. M> 42
cial de Justiga, que deixou de notificar o Reo, por dd V*.* dtf l9SSt coino dtf SUi propria le
uao acha-io em casa ?
4 o Juiz formaaor de culpa podera despronun-
ctar o calumniador, que provar o fado criminoso
imputado, na conforraidade do a t. 231 do Cod-
Criminal 1
'6.a Amelle que disparar um tiro em outrem,
deixaudo de mala-lo por circumstancias mdepeu-
dentes de sua voniade, e em acto continuado lizer
le memos (com instrumento contundente), que
os Facultativos nao considerarem moilaes lera
comipeltido tentativa da morle, e ferimeolos graves,
ou tentativa de morle somenle ?
I
Hespondo.
Ao primeiro qnesito da presente consulta E-
tra aitenlainente se recunhece.
De outro modo, poslergar-se hia a sabia e su-
blime distingo, estabelecida no philosophico Cod.
Criminal Brasileiro entre o crime do autor, eo do
cmplice, cousliiuindo iada um delles crine espe-
cial ou suigeneris.coitto opinaran) os principaes
advogados de urna das mais illustradas capilaes do
Imperio, e o deelarou pessa proeminenie, e enlo
devidamenleaulorisida na Corte, quetn M Pr-
lameuto quiz discutir, e pedir explicages sobre
esse pun tu.
III
Ao 3. Que para mim inqueslionavel a adms-
sibilidade de instaurarse processo nos erimes
alliangaveis durante a ausencia do delnqueme'
ou mesmo proseguir em seus ulteriores termos
a
teclivamenle, ha atufado de dinheiro, por quan- verificndole ella depois da respectiva instaura-
to, embora o objecto delle seja -sobre cousas fun- ^ por (|uaQl0 Mm ^ Jo Av de D
g.veispropriaraeiUH ditas ( Usufrnctus est usatieni bro de 1830. explicativo do arL 233 do Cod. do
ment, fruendi, salva rerum suostanUa leg. 1 Prc. Criminal, admissivel o julga.nen.o- a re-
f. de usufruct., Inst. m pr. de mufruct.), todava ... am mu a re
' ., ,. velia em laes erimes, quer se tenha ou nao pres-
ea) sua lata accepcao tambera se acha comprehen- ,. ** ^cs
... ... -. tado banca, acto sem duvida mu grave, e imoor-
dido u dinheiro, que pode dar um premio, ou ju- ,, ,, ir -
... ,., taa'e P^r seus tffeit is para o mesmo de raquele,
ro, sem alterar a sua substancia, ou const.lu.r-se a com majorh ^ asslm pralicar.se '
espectiva rest.iulgao em igual epec.e (quan- reipe|0 da simp,es ^^ ^^ pQ.
taie, quatidade, e valor), lnst. L. 2, tit. 4, S 2 U|leriorraente offerewr-se-hio largas
de usufruct., IT. U 7 lit. i I. 3, tit. 5 I. 2 J 1, e I. B
n
sua
que
de-
6, Ord. L. 4 tit. 33 2. Es(a doc,rina dad[U Q dj Ay dtJ ,2 de Ag()glo -|
D.i!ii procede denominar-se usufructo impro- de 1833, e lera plausivel fundamento na disposi
piianenle dito, ou quasi usufructo.Assim consi- Qo do art. 97 do Cod. do Proc. Criminal, quando
dei i se, porque o dinheiro e reputado da me;,T i faculta ao Reo requerer a repergunta das teste-
uitureza, que as costis fungiris, urna vez tu! munhtu inquiridas en sua ausencia, com oque
de alguma forma se cousomme pelo uso por | elle podera' desinacarar a urdidura, que, durante
mel da troca continua, como se deuz das citadas ella houver-lhe sido tramada, e por conseguate
4Bposi$dea, e do art. 387 do Cod. Civil Franc, e nada solTrer em sua liberdade individual,
da opioiao correnle dos Jurisconsultos Coelho
da Uoclia L 608 d'accordo com o 81; e o Exm.
Sf. (onsnlheiro Dr. LoureiroInst. de ir. Civil
fira. 306 etc.
O Senado Romano por ulilidade da sociedade
civil estatuiu, e impoz como meio azado para
IV
Ao 4o Que nao pode haver duvida, vista do
Aviso de 16 de Fevereiro de 1834, que distingui a
missao do Juiz formador da culpa da do Jury, de-
clarando, que aquelle Juiz por forga do arl. 144
do Cod. do Proc. Criminal so ple apreciar a exis-
garantir, ou assegurar o usufructo em dinheiro,, tenca do crime, e do seu agente, e a este Tribunal
escravos, auimaes a obrigago do usufructuario jcompete exclusivamente a discussao plenaria, e re-
prestar cauc.au para restituir o valor da cou-a,| guiar, o am^lo conheciraeuto do facto, eajustili
guando o mesmo usufructo esliver preenchido, uo c.gao do mesmo crime ; pois s assim nao ficarao
.iciliado.
Demai. este ponto hoje nao mais conlrover
impunes, e abafados pelo patronato, retirando os
da competencia, e jurisdicao da instituigo do Ju-
tido pela legislago patriaa vista do art. 12 ry ; embora dessa restricta interpretago doutri-
g p do U<;c. u. 136 de 28 de Abril de 1842, e do j cal ja ten lia resultado de vr-se a barra do
art. 13 4 do l)ec. n. 2708 de lo de ezeratro de I mesmo Tribunal o tristissimo espectculo de
1860 que manta deduzir expresamente a laxa' comparecer um louco, e urna creanga para serera
(fe herat'jas e legados nos usufructos de dinheiro julgados por homicidios casuaes.
dos juros-da le, quando o usufructuario o conser-, E pois com mas alguma paciencia o calumnia-
ra" em te* poder, ou dos juros estipuladas, ou cor.\ dor de que se trata, obtera mui provavelmente os
rentes no cuso de o ler em gyro.
II
Ao 2." A" meii ver, dar-se-ha tentativa de es-
Mlwnato desde que houver principio de execu-
gj de q i iquer artificio fraduleuto, a i|ual venha
a mal!o...i-se por alguma circunstancia iovo-
luulai la do respectivo agente. Se por exemplo :
Pelro tentar vender uina casa, que liavia hy-
pothycaJo a Paulo, s"-i d'.elarar-lhe a preexis-
tencia desse onus, e n assiguarse a res-
pectiva escriplura uaj .. .:tuar-u esse contrac-
to por acudir o liypotliec.iriouessa occasio com
mi despacho do Juiz prolimindo-o, veriticam-se
neste fado todo- os elementos cousilulivus da ten-
taltOa do crime de eslellionalo (art. 2 2 'accor-
do com o 2 dii arl. 264 do Cod. Criminal), por-
que houve o principio de execugo, asaz manifes-
tada por actos exteriores da parle do liypolhecanle
Pedro para com o comprador, oecultando-lhe a
circum>tancia da hypotheca no mencionado predio
pira por esse artificio fraudulento extorquir-lhe o
prego.conveacionado na respectiva venda, pois
sendo elle informado dessa obrigagau por certo
nao o comprara; oque veiu a mallograr-se por
aquello acto judicial tolo alheio da vontade, e
expectativa do mesmo Paulo.
Consta me, que oesse mesmo sentido ha arestos
proferido^ pelos Tribunaes desla Provincia.
E tanto reconhece-se a existencia da tentativa
de estellioaii, que acabo de lr um opsculo (lo-
eabracao Inmiaosadeam dos mais di gados da Curte do Imperio), no qual se menciona,
que a Rolaco d'aquelle Uislricto-cotnposta de
louros da sua licenga no tnbuml do Jury, onde
rarissimos leu sido coudemnados; di mesmo mo-
do, que tem saludo quasi sempre triumphaoles os
injuriadores, por urna supersticiosa inviolabilidade
ua observancia das formulas do respectivo pro-
cesso.
V
Ao 3. Que considero tentativa, de morle o fado
de disparar um tiro sobre aiguem, ede ferir em
seguida o mesmo individuo, embora nao grave-
mente.
Para essa quaiicaco coocorrem tidos os ele-
mentos esseociaes d'aquelle crime, U'te o prin-
cipio de execugo, manifestada por actos exterio-
res, e maliograda p^r circumst incias independen-
tes da vontade do ageule segundo o art. 2 2
do Cod. Criminal.
No caso vdente nao ha por cedo a impossibili
dade, que reconluceram Rossi Curso do Cod.
Penal, Ligo 9 e Rauter Tratado Theorico,
e pratico do Direito Criminal Fr. tomo 1 o. lOi,
etc., de determinar os caracteres precisos para veri-
/icaaw desses elementos, porquanto inconte que quem sobre outrem dispira umi arma de
fogo, e immediatimente corre-lhe um ferro in
tenia mala-lo, execuia esse seu perverso de>ignio ;
sendo que apeuas o ao complotou a despeito
do emprego d'aquelles dous meios (para isso mais
que sutlicientes) por motivos unito alheios de
sua vonlade, ou para melhor dizer por uimia
fehcidade do pacienie Ul conw uao acertar
o tiro, e de uao seren graves os ferimeolos, os
quaes aiuda forain praUcados para consummar,
Pelos Cdigos de outras Nagdes tambern cuitas-
como o das Daas Slciliasart. 69 e 70, da Raviera
art. 58, Prussiaarl. 31, Franga arl. 2, dos
Paixes-Baix.os arl. i, da Hespanha arl. 3, de
Portugal arl. 6 e 7 (e j anteriormente a Refor-
ma Judicial desle Reioo art. 1097, 1130,1159
Ord. L. 5 tit. 33 24, tit. 45, Le de 20 de Outubro
de 1763 3) aquelles factos-nao constituem so-
monte a tentativa de homicidio, como alias succe-
de pelo art. 2 2 do Cod. Criminal Brasileiro, mas
sim o proprio delicio frustrado, porque o deln-
queme envidou lodos os seus esforgos, fez ludo
quanto eslava ao seu alcance, e com plena perse-
veranga para consummar o seu damnado intento.
E si o nao pode conseguir foi por circunstancias
independenles de sua vontade, ou para elle insu-
peraveis; sendo que por quasi toda essa legislago
peual sempre mais moderada a pena entre esse
delicio frustrado, e o delicio consummado, porque
felizmente nao tem vigorado no e.-lado de civilisa-
go actual as doulrinas de Filangieri tomo 4,
cap. 1 que a tentativa deve ser punida rom as
mesnas penas do crime consummado, nem a de
Chauveau (ed. Belg. i. 1 cap. 10) de pue o crime
frustrado deve ser punido com a mesma pena do
crime consummado, fundaudo-se elles talvez para
isso nos 3 e 4 das Inst. de lege Aquilia.
VI
Em verdade inqueslionavel, que, embora o
elemento moral, ou a inlengo seja a mesma, o ele-
mento material, tambern constitutivo da criminali-
dade nao igual em qualquer desses actos delic-
tuosos, o damno, a influencia do alarma causado
na sociedade sao distinctos, nao se pdem equipa-
rar, e por^conseguinte diversa, ou alias propor-
cional deve ser a respectiva pgnalidade.
Por isso dizia Bertauld no Curso do Cod. Penal
Fr., ligao 9. No Direito Penal agitam-se questoes
nao s relativas mtencao, e moralidade, como
tambern acerca da seguranca social, que regulan
os fados materiaes, e impnmem Ihes o seu venta-
deiro carcter, sob o ponto de vista da repressao
cabivel.
Sao estes notaveis melhoramentos ha pouco in-
troducidos na Legislago penal das Nagoes civili-
sadas.
Tanto assim, que etlre os Romanos, cuja legis-
lago tem servido d t modelo universal em ontros
pontos nao bavia um;
tentativa dos cranes
connatus delinquendL
Ibeoria fixa, e geral sobre a
nao se conhecia mesmo o
Todo o seu Direito Crimi
n.l era coraposto de disposices especiaes, e leis de
occasio, principalmi ote na poca da Repblica,
de connatu v. g. L. 6
de parricidas, Julia de
Assim pens, e opino,
Recife, 30 de outu n
Dr. Antonio dt Vascoi cellos
como allirma Lelivn
D. de furtis, Pompeia
adulta ns, et stupro.
Em summa a L. 6
guiles termos diz :
sedvulneravit ut ote
dum.
Is cum lelo ambul^verit hommt necandt causa,
occiderit, legis Cornelia; de
sicnriis pena co ercetr ; actos estes applicaveis s
e exclusivamente ao erimes a que se referiam, e
nao aos demais.
Cornelia de sicartis nos se
- Qui nominen non occidih
dat. pro homicidio damnan
salvo melhor juizo.
o de 1863.
Menezes de Drummond,
Magistrados iuu-liigentes, e ntegrostem mandado ou .^rnar iufallivel o premeditado homicidio.
i
FOLHElItt
AS PROVACOOE AILEEN.
S&NS 1M VIDA IltLWDrZA.
(Conlinuagao.)
VIH
S('l NO Ml'NUO.
Durante a sua estada no Convento, Aileen rece-
bera urna visita que llie tinha ao mesmo lempo
sorprendido e locado : era de Emma Pearce, cujo
inleies-e p>-la joven camponeza >e mudara em pro-
fundo recoobecimento e ardeute amizade. A frvi-
da e .-yuipatlnca douzeila qui/. persuadir a' Aileen
a vir nucir com ella ua quaiidade de criada gra-
ve. Eiia se suspenda a seu eolio com affeigao, o
que Aileen ueixava agora luzer sem recuar de
horror.
As maueiras aifaveis d'Einma eram clieias de
encanto, e ella nao desprezou uenhum dos seus
raelnores alfagus para fazer Aileen dar o seu con-
seutiiiieoio.
t Terete um quarto junto do meu, urna cum-
panheira e una amiga que quero achar em vos e
nao urna criada.
c Nao me fallis assim, mioha chara made-
moa.olia, o que me peds, unpossivei. Eu ja-
mis poderia u'ceita-lo ; nao a vida que me esta*
destinada ; ma< agradego-vos sinceramente. E na
verdade, e urna grande bondade da vossa parle o
pencar assim a meu respeito, e eu vol prometi,
sera' de joelhos que a' uoitu e de manba orare
por vos.
Emma abragou a' Aileen e insisti anda. De-
pois pensando em seu pai, exclamou :
< Chamavam-'n'o um bomem cruel, mas pa-
ra iiiiin elle nunca o foi; sempre bom e temo, po-
bre pai I iNo importa o que se possa dizer delle,
jamis esqgecerei a' sua ternura. Eu nao o posso,
Aileen e vos, uina piedosa e generosa donzella co-
mo o sois, nao me impellirieis nunca a esquecer
este pobre pai. Oh I pensai na sua morle terri-
vel I
Pensar nisto, a iofeliz Aileen poda deixar de fa
ter 1 Nao tiuha ella preciso de toda a sua f pa
ra nao enlouquecer quando tinha lo constante-
mente oante dos olhos essa lgubre scena de Gap
de Gieutaue, essa triste larde que toroou Emma
orpha e Uuk assassino ? Ella tremen e occulton
o rosto um instante ; depois com sua dogura ha
bitual, venceu sua fraqueza para consolar a' Emma.
J,ITT8ATRi_
l'M PJDCO DE TL'O.
Sobre o evaogeiho de S. Joo, c ap. 4 v. 46 a 53
Se nao virdes milagres e prodigios nao er Jes T
escreve o Cruzeiro do Brasil o segointe :
Jess Chrislo tem apenas comegado a sua divina
misso e considerndose que se trata do segundo
milagre que obrava em confirmago de sua celes-
tial doutrina ; pois que a pouco manifestrase Elle
como o Messlas prometlido, vaticinado pelos pro-
phelas e cora anciedade esperado pelo povo esco-
Ihido, nao admira que o Regulo de Capharna, que
veio de proposito aoode se achava o Divino Salva-
dor alim de obter a graga da cura de seu filho gra
vemente enfermo, pensasse que s estando Jesos
Coristo presente poderia operar a cura, e assim
ioslasse, com reiteradas supplicas, para que o Di-
vino Meslre se apressasse a ir com elle a salvar-
Ihe o Blho, o filho nico que elle tanto eslimava, e
que por isso o increpasse Je.-us Chrislo, di-
zeodo:
Se nao virdes milagres e prodigios nao
crdes?
O que admira que, nao s esse povo eleito,
depois testemunha de tantas obras prodigiosas, o
desprezasse e o sacrifijasse, como anda mais que
nos, adoptados por seus filnos e regenerados as
aguas do baptismo; nos que professamos a sua f,
vivamos como que completamente esquecidos da
sua le ou indfferentes s suas ameagas e promes-
sas, e por sso sem f, sera esperanga e sem cari-
dade I
< Querida mademoasella Emma (ella nao poda
decidir-se a chama-la pelo nome de seu pai), uo
vedes que o que peds, impossivel. Ouvi-me nin
pouco. Vos jamis poJereis esquecer, dizels, aquil-
lo de que acabis de fallar, e eu, cries que possa
esquece-lo ? e por causa disto, nao nos tornaramos
reciprocamente nfelizes amando uos ? Os desig-
nios de Deus nao podan ser por nos comprehen-
didos, e perdemo-uos em nossos pensammlosqun-
do queremos indagar porque Elle deixa que cerlas
cousas subsstam, porque enva to grandes prova-
goes a alguus. Seu rigor apparenle comvosco e co-1
migo uina das cousas que supe am o nosso en-
teudimenio e devemos entregar-nos inielramente
sem restriego" alguma, a' Aquelle que infinita-
mente saino e paternal ; porque nao somos seno
crealuras tiara- e cegas que nao podemos nada
ver no futuro, e Elle, o soberano juiz, o Pai cora-
niuin. Gloria a Elie I
E Aileen persignou-se devotaineute e encarou a'
Emma que respondeu com lom submisso :
t Pensis melhor do que eu, querida Aileen, mas
orareis por mim, nao 1
Conversaran) aiuda um instante, e Aileen con-
venceu logo a' Emma que cumpria-lhe ir para
Londres para a companhia de urna sua tia viova
que a pedia. Quanto a ella, o seu lugar era junto
da mi de Ulick, de Gracia e de Aoty. < Vos o
vedes, mademoaselia, Deus nos musir o nosso de-
ver como nos enva a nos-a cruz.
Porlanto ellas se despedirn), essas duas don-
zellas, cujas vidas tinham-se cruzado por algum
lempo de um modo to lerrivel, e que presente-
mente deviam ser separadas para sempre oeste
mundo.
Aileen, apezar da sua coragem apparenle, sen-
lia-se toda desoiada. Um estraoho sentiraento de
abandono a opprimia. Uina nova vida se abra
diaote de seos olhos, parecia-lhe que a sua antiga
e priraeira habrtago uo a receberia mais. Ella
tinha fallado em vollar a seus deveres d'oulr'ora,
mas era esse presenlimesto do futuro que Ihe fa-
tia descobrir una mudanga completa, um cami-
nho incgnito e que a encheu, quando transpoz o
liraiar do convento, da impressao de que ella nao
pertencia mais a nlnguem sobre a trra, que esla-
va s oeste mondo I
IX
SEM ASYLO NOITE.
Sim,Aileen estava desolada, parecla-lhe que com-
prehendia pela priraeira vez quanto amava a Ulik.
O Reguo de Carphana! nao pertencia certa-
mente a esse extraordinario numero dos seus in-
crdulos compatriotas, que nao s zombavam do
Divino Redemptor e da sua celestial doutrina,como
anda constantemente arma^am-lhe diadas com o
sinistro fim de o soprenderem em alguma coqlr.
diego com a le i e o perdern)
Nao, o su procedimento tornou s un) digno
exemplar para nos servir dejregra e norma ndes-
empenho dos nossos deveres1 como christos lilhos
de Jess Christo, remldos com o seu preclosissimo
sangue.
O Regulo tera apenas noticia do primeiro milagre
operado pelo nosso Divino Salvador nesse mesmo
lugar, onde elle agora o vemj procurar, quando por
occasio das bodas de Cana da Galilea converteu a
agua em vinho, e nada mais: foi preciso para que
elle tivesse tanta f, que, apenas o Divino Salvador
Ihe diz :t Vai para la casa, que teu filho vive ,
elle obedece o parle immedialamente I...
Encontra, porra, em caminho os criados que
Ihe vem ja' trazer a boa nova do restabelecimenlo
de seu filho, e verifica que o curativo se realisara
justamente na hora era que Jess Chrislo Ihe dis-
sera :
Vai, leu filho vive.
Nada mais preciso para que, com elle, sua fa-
milia acredite sinceramente que Jess Christo era
o Hessias Filho de Deus.
Nao foi urna converso inleresseira, pois que
eslava o milagre operado : foi sim bem voluntaria,
como Deus deseja que Ihe offeregamos nossos co-
rages para que nada nos sirva de embarago e es-
lorvo.
Foi toda livre e s baseada na f nascida da evi-
dencia do divino poder de Jess Chrislo, manifes-
tado no seu primeiro milagre, e nao na sua mull-
plicago, como nos acontece.
Entretanto nos que ja' nascemos na sua f, que
fomos remido- com o preciosissimo sangue do seu
Unignito, que formamos essa igreja militante, pe-
renne milagre do ilimitado poder do nosso Deus,
pois que a perseguigo a faz sempre crescer, bus-
caraos alguma vez o nosso Deus para que nos guar-
de da tumultuosa e to perigosa agitago desle
mundo, e nos defenda de milhares de ciladas que
nelle incessantemeole nos arma o demonio para nos
perder ?...
O Regulo, s pela priraeira noticia do milagre
que Jess Chrislo operou as bodas de Cana de
Galilea, logo que se vio em afUicgo nao hesitou
um : momento, segu ebeio de f e eperaega a
recorrer a Jess Christo, por isso sua alma foi
cheia de alegra noSenbor pela concesso da graga
pedida.
Imitamos os por ventura o seu exemplo, quan-
do Deus, para nos advenir do pessimo fim que nos
espera, nos visita cora os trabalhos, com as afilie-
ges e mortiflcagoes da vida, voltandonos rame-
diatameote a Elle, que nao quer condemnar o que
resgatou, por isso nos chama pelos trabalhos a lem-
brarmonos delle?
Como, pois, scrmosouvidos oas oossas supplicas,
se quaodo mesmo as fazeroos sao tibias, ou com
urna fra resolugo de empregarrao-oos d'ah em
diante no seu sanio servigo ; ou mesmo, o que
mais provocador, com Sos puramente terrenos,
para melhor gozarraos das vanlagens de nossa po-
sigo, fortuna e deleites mundanos I...
Oh I... E' a troco desle amor, desta gratido e
desta fidelidade que devemos a nosso Pai celeste e
a seu Uoigenilo Filho Nosso Senhor Jess Christo
que nos rerolo com seu preciosissimo sangue, que
queremos arredar de nos a sua divina severa
justiga T
Nao cortamente...
E' preciso um sincero conheciraento do quanto
merecemos todos os males pela gravidade de nos-
sos peccados, termos delles verdadeiro arrependi-
mento, purificar no tribunal da penitencia a nossa
cooscieocli gravemente maculada e proteslarmo
na huraildade do nosso corago repararmos tedas
as nossas iogratides para com Deus pelo constan-
te exercicio das virtudes, e enlo seremos attendi-
dos como o Regulo que promptamenle obteve a
graga anciosamente desejada.
Crepsculos gentis, da minha patria enfeile,
Que mais que vos seduz e prende T sim, que mais?
Ao ver-vos o estrangeiro embriaga-se em deleite
Assombrado do co dos climas tropicaes I
Que qalurea augusta I Poticos luares,
Cadeas de mooiaohas, suavissiino arrebol,
Campias matizadas, arvores seculares,
Que natureza augusta I...
Era ao cahir do sol.
Ei-lo I Sentado ssinho,
Olhos cravados no ch5o
Amega de vezem qnando
A cabera do seu cao.
E o animal por tal carinho
Fita-lhe os olhos anciosos ;
E, quando o seu senhor cessa,
Chama o pesaroso uivando
Chega se e lambe-lhe a mo.
Quem ? Tem a fronte calva,
Pelo rosto rugas mil;
A barba cumprida e alva,
A mo trmula, senil.
Os olhos fixos e bagos.
Os olhos j nao tem luz I
Novo Jess
Ergue os bragos,
Caminha com la cruz I
J vistes acaso um da,
Das malas virgens no meio,
Alguma arvore gigante
Que entre as ouiras cahir veio ?
A coma se amarellece,
As folhas cahem por ierra,
E perde de instante a instante
A pouca seiva, que encerra ;
A raz, que Ihe restava,
locha, delioha, apodrece ;
E o gigaote desmochado
J nem arvore parece I
Pois como arvore cahida
J sera vida
E sem vigor
Assim o velho alqubrado
Bebendo o calis da dr I
Ah bem pouco Ihe fallava I
Do tmulo eslava
A' beira :
Que a morle j Ihe sorria
Velaodo-lhe cabeceira.
E ei-lo s, triste; scismando
Lembra os lempos que l vo,
E ameiga de vez emiuando
A rabera de seo cao.
XV
O sol j desee em busca do poente ;
J me nao vem qoeimar.
Vaire da creagoresplandecente I
Quem sabe se araanha tea raio ardeate
He vira visitar ?
Nao mais te vejo os frocos de scintillas
as horas do arrebol I
O praoto e a dor queimaram-me as papillas...
Nao mais te vejo oh I sol 1
t Nem la, nem estrellas f Nem as cores
De poros cos zoes,
Nem florestas, oem arvores, oem flores,
Nem montes, nem paues I
Ceg, ceg I Nao vejo Ceg, ceg I...
Senhor, eu quero luz 1
D-me que eu veja quaotas vezes reg
Os ps de vossa cruz I
Chorar... E eu choro ?Viram rae de bragos
Vem mais poder fallar...
Converleram-se os prantos em solugos....
Ja' nem posso chorar 1
t Vamos I Antes que me venha a morle amiga
Quebrar-me o coragao,
Quero que esla ennscieocia inda me diga :
Velho, resignagao I
Rio de amargor e calou-se ;
as maos a fronte pousou...
Rio de novo ; levanlou-se
E o seu cao lgubre uivou.
Nova estatua do tormento,
Barbas esparsas ao vento
Teve-se um pouco, e fallou.
Todas as suas victimas, se nao se rtn D.
Ignez ou D. Elvira, teem o nona ie Celia* a Ga-
ra, e se nao sao em extremo fonaosaa t Mmm 4*
familias disuadas, figuras na ciaste de i
de boas casas, seosiveis cosioreiras. Me.
Leger incendiava Ibes o sm anaor a i
e com astucia e perseveranca otHinaia i
ro que, junto ao valor de prendas coa tiln t
perseceraoga obtinha d'ellas dinheiro q*>, JMta ao
valor de prendas com que o mimosea**,
para alegres banquetes que dava aos seas'
radas.
Em orcasies de apuros, redigia orna eircafar,
assegurando a cada ama das suas adora
o seu commandante Ihe exiga
cessario para conceder-lhe o direito e i
e pedia-lhes 5 oa 10 ou 20 francos, segonde ao ao-
cessidades da occasio, para em breve poer ar a
cada ama o nome de sua esposa.
A posta interna eocarregava-se de distriboir ao
circulares, e do da segainte etckia-se o fcoteo 4o
gendarme.
Has como nao ha nada qoe ao venia a
se, a comedia leve o sea desenlace, as vtctinaas
confederaran)-se contra o algoi, no,
provaram a sua culpabilidad*, e o D. Joa oa av
rimba foi condemoado a doas anoos de oriseo.
E" do acadmico J. A. de Almeida Cunha o se-
grate fragmento de um seu poema indito intitu-
lado Leonor :
CANTO VI.
III
Era ao torabar do sol, nessa hora to saudosa
Em que alma chora amor nos bragos da tristeza,
Hora cm que se reclina a enrubecida rosa,
E a ave murmura o canto, o adeus natureza.
Era ao lorabar do sol... No cofraojas douradas
Como recaraos de prala, azues, rubros lisloes;
>a trra brizas mil de aromas impregnadas.
Rumor morrendo aos poucos, ultimas cangoes.
O famoso typo do D. Juan andava ltimamente
era ura quartel de Pauz.
Appareceu na figura de um soldado de polica,
mas contaminado com o espirito especulador da
poca.
O tal soldado, chimado Leger, um bom mogo,
mas apesar de todas as suas b.*as qualidades leve
ha das de responders aecusagoes que Ihe formu-
lou a estatua do commeodador, transformada para
elle em conselho de guerra.
u y l i
Em certo caf de provincia eslava i
gordo, decentemente vestido, cootando dtnheiro qoe
ia tirando das algibeiras, e empuando em einaa oa
mesa, junto da qual se sentara.
Chegoa-se a elle am hornera, e diste loo :
O senhor imprudente.
Imprudente. Porque T
Sim, senhor. imprudente, imprudentissimo.
Procedeodo assiro, fcilmente o nao de roubar.
Has....
Nao tem que responder. Quem qoe se lem-
bra de vir contra dioheiro em um caf.
E' quetenho aqu ao lado este paoso sera
sacudir quero quizer roabar-me. Seis e tres, ao-
ve, e cinco...
Ouga-me. Olhe que apezar disso o roubao.
Nao teoho medo.
N > tenho medo, nao. Mas sei que o seaaor
capaz de deixar-se roubar sem dizer palana.
Ora essa I
Vai ver. Soppooha qae esta' aqoi oa la-
t rao, eu por exemplo-----
O senhor ? que loocora.
E' a fingir. Soppooha pois, qoe eo seo larao
e que fago assim (e o sojeito lirava o enanos o
approximava-o da mesa, coa* o teoso nara serse).
Sim I E depois ?
Continu a suppor qae fago islo (a
rando o dinheiro e fazendo-e cahir
cbapo).
Ora I Deitava Ihe as mios ao oeswfo.
Qual deitava Continu anda a sol
en me levanlava (levantando-se) e m
nada me ia embora, (indo se em quinto o
esperava ouvirlhe dizer : co qoe faria o se-
nil ir ?)
Mas esperou sem qoe o ladro voliase*.
Primeiro deisou de rir como al eotao, e
a sorrir.
Depois tornou-se serio.
Depois zangou-se.
Depois encheu-se de raiva e correo a' serta.
Era larde ; o ladrao desapoarecera.
Durante o mex de agosio do correte aaao asr-
deu a marinha mercante dos Estados-Untaos 3S na-
vios sendo 3 vapores, 6 galeras, 16 aereas, 3 ali-
gues e 7 embarcagdes menores.
O valor total destes navios era de 5,0<)0:0na
Desies 35 navios, 17 foram quemados pele cor-
sario confederado Shenaniomh.
Nos seles primeiros mezes de 1865 9 aajajaa>
tes perderam 243 navios no valor de M.OQO WO
No mesmo periodo de 1864 perderam-se 3MB na-
ve,-, valeodo 32.O00.uOOJ,
Nos primeiros sete mezes de 1863 foraa 308 os
navios perdidos, no valor Oe 34,000.000*.
L-se era ama carta de Vieoaa qae ea oa aso
das da semana passada om cao qae aeoaoaoaava
um caixo de defunlo, com grandes ivos de dor,
moveu a atiengo geral em am di- imnilittr) o*>
quella capital.
Chegado ao cemiterio, o aniaai arreae.toase
por muias vezas sobre o esquife j eesddn acn,
e foi muito difiJcil afasta-lo d'alli.
O finado era um negociante hngaro ea estado
de falleocia, que Msoia aquelle n ka aste
annos.
Na primavera passada o fallido, otorijrado seta
I miseria tiuha tentado suicidarse, e foi o rio qoe o
salvou com os seos uivos, perqu fez appareeer ai-
guem a lempo de se corlar a corda coa ano se oa-
forcava era urna arvore.
Atravessando tmidamente as ras (tristes e solita-
rias pensar-se-hia em geral ; mas a pobre filha de
Connemara nao as achava seno muito frequenta-
da*), ella s desejava sahir com a rnaior presteza
da cidade.
O seu rosto eslava oceulto em parte sob o ca-
pello do seu manto, e ella pareca to cuidadosa
de evitar ser vista, que ninguem procurou impor-
tuna-la com atlenges que a teriara constrangdo
Que Deus vos leve em paz ou que Deus vs con-
ceda uraa feliz viagem com os santos anjos por
guia foram as nicas palavras que se Ihe diri-
girara.
Nao ha povo, eu o digo anda, qae tenha um
tacto lo vivo como o Irlandez; porque este tacto
tete a sua fonte em urna grande delicadeza de sen-
tiraento.
Eraflm Aileen deixon a cidade e achou-se n'uma
estrada plana, bordada de grandes sebes ; medi-
da que caminhava com passos lentos, toda a sua
vida at enlo lo calma, desenrolou-se a seus
olhos. Ella vio-se alegre crianga na casa de seu
to, protegida pelo amor temo e paternal do bom
velheque jamis Ihe deixara conhecer a significa-
go da palavra orpha. Lembrou-se de como, an-
da mesmo nos das da sua prlmeira infancia, Ulick
e ella linhara sempre estado juntos, jamis se w-
paravam, a mesa ao lauo um do outro, lendo no
mesmo livro, rezaodo sobre as margeos lo ver-
des do Liogh Corrib, ceifando, respigando juntos,
sempre juntos. Ella ouvia anda a voz do velho
ueonis chamando a Ulick e dizeodo ao v-la :
Ah I sois vos, minha joia ? Ento Ulick nao
esta' ionge.
Um milho de lerabrangas passavara assim por
seu corago, ergueado oodas de amargura e de
pesar. A tranquilla igrejinha em que ambos ti-
nham rezado, o querido convento era que ella ia
a' escola, e a cuja portara, quando o sino aouuo
ciava a hora da partida, Ulick a esperava para con-
duzi-la a' casa. Ella vi, como se estivesse presen-
te, o rapaz de cuja affeigao, apesar das suas ma-
ueiras reservadas e calmas ella se moslrava to
profundamente altiva ; talvez am pouco vivo e
imperioso para os outros, mas sempre affectuoso
para ella.
Lembraogas lernas e lembraogas sombras inva-
dirn) o sea espirito. Ella recordou-se do dia dos
desposorios, assim como da morle de seu to ; de-
pois tornou a ver a sceoa do crime e abysmou-se
na dor.
Todava, pouco a pouco, Aileen flcou mais tran-
quilla, e poz-se a considerar em face do futuro que
se Ihe offerecia. Era um horisonte fri e triste,
semelhante aos sitios das suas montanhas de
Connemara, vistos em urna manha chuvosa de
novembro, sem um raio de sol para esclarece los;
urna longa e estrella liulia estendendo-se a mallas
milhas, em certos momentos mais rude o mais
quebrada do que em outros, porm sem que urna
flor, urna arvore ou o menor regato faga descansar
e alegre a vsia era toda a exteuso de terreno que
possa alcangar. Comtudo a preta linha acaba por
encoutrar o co, e ahi comega esse brilho, essa
belleza que jamis detona lindar. Aileen aceitou
em silencio e sem hesitar essa vida com Moyna no
Valle-Escuro, Que' provago lerrivel qual a de
ter por companheira de lodosos das essa cruel e
intratavel velha I Oulr'ora, era fcil ; Ulik nao
eslava com ella ? Sem elle, e com esse peso esraa-
gador de alllicgao em seu corago, como poderia
ella supponar as palavras deshumanas e amargas
qae viriam sem cessar ferl la ?
Peosava em Gracia e Amy, em ludo quanto faria
e sena para estas pobres mangas. Depois Moyna
a persegua com esse olhar odioso que ella ja tinha
presenciado quando a velha Ihe disse estas pesadas
palavras :
t Nao vejo em que o vosso amor Ihe lera' servi-
do hoje. >
Mas ella era sua mi, e ludo supporlaria por
amor delle e principalmente pelo amor do Divino
Salvador.
Nao descreveremos a triste volla d'Aileeo, cami.
nbava at cansar, descaosando enlo a' beira da
estrada, ou eotraohando-se era alguma planicie so'-
litara para recitar o seu rosario. A' noute pedia
um abrigo em alguma choupana, e jamis pedia
era vo. J-mais mesmo o mais pobre quereria
aceitar ura fiord da sua pequea bolsa quando,
cora palavras de bondade e de affeigao, se Ihe de-
sejava urna feliz viagem. Tambera quasi sempre
um pedago de pao e algumas batatas fras Ihe eram
ofTerecidas.
Que'as bengaos do Senhor e da Sua Sao
lissima Mi vos acompaohem, pobre menina, por
que leudes grandes dr e extrema afficgo I Que
Deus se compadega de nos todos. >
Finalmente-, passados tres das, Aileen O'Don-
nel chegou ao Valle-Escaro,
A noute eslava fra ; o vento suspirava e sopra
va no estreilo valletinhoem baforadas nielaoeholc
que lam quebrar-se por entre as hervas seccas e
inteingadas pelo gelo, com essas notas moaotonas
que elle possue quando se faz ouvir era um paz
igual e plano. Fina e con iensada nev comegava
a cahir, e o Valle Escuro pareca anda mais triste
e inhspito. Aileen tinha-se esgotado de fadiga,
seus ps quasi utis estavam moidos ; e, apezar do
terror nervoso que Ihe faria experimentar a sua
entrevista com Moyna, desejava chegar a' choga,
que cha mava sua casa, para ler um abrigo e aque-
cer seus merabros eniorpecidos. Quando se apro.
xiraava da cabana, notou um claro mais brilhaote
do que era de costume, e vio logo que at a janella
linha urna bella e verdadeira vidraga, depois nao
obstante a obscundade da noute pode descobrir
que tambera a porta eslava reparada cora asseio.
t E'obra do joven lord, pensou Aileen, lera-
brando se das palavras do padre Mahoney. Que
Deus o recompense I >
Olhando para dentro vio que essa luz extraordi-
naria proviohaoo s de ura grande fogo de turfa
mas tambern de urna bella candela (verdadeiro
objectode luxo uo paz) e demais vio sobre a mesa
os restos de urna ceia que deveria ser abundante.
Moyna eslava asseniada no seu lugar do costume,
com as costas para a janella, inclinada para diaote
por cima das brazas e raoveodo-se de um lado para
o outro. Aileen parou um instante, com a mo
sobre o ferrolbo, para rezar um Paler e urna Ave,
depois tirou o ferrolboe eoirou ; Moyna nao mu-
veu-se. A pobre donzella tremendo de fro e de te-
mor avaogou :
Mi, disse ella com voz fraca.
Moyoa nao fez ueunum signal. Aileen levantou
suas maos para o co e disse com voz desesperada :
t Minha mi, fallai-me, pelo amor de Deas. >
E poz ama das suas fiias maos sobre o hombro
da velha.
Eoto Moyoa saltou sobre os ps, lilteralmeote
sallou. J .nais se imaginaria que um corno lo
fraco pn-.esse achar tanta forca e vigor. Ella m
roa a' Aileen cara a cra e langou-lhe olhos cheios
de colera.
t E sois vos T exclamou com ama voz qae o fu-
ror toroava rouca. Sois vos mesraa tuetende bastan
te ousadla para virdes aqui,aqui.nesta casa para on-
de trooxesles a vergonha, a dor, o desespero; aqoi,
para a mi desse infeliz que perdesles e eoviastes
a urna vida de miseria que nunca acabar, excepto
quando a morte o tiver esmagado e tirado desle
mundo, e antes elle raorrese do que ter o sen po-
bre corago lo altivo, consumido
ta fortaleza em qoe o metteraa, em qoe ni eaa-
lesles, vos que affirmaveis aosa-lo, vos qoe elle
amava,esiranha loocora da sao parte.v* ano
nao temestes vjlur-vos contra aquelle* se sos
aumentaran) e educaraa coa a vossa alegre caro
cheia de falshlade e vossa liogaa adoneada ano
nao seno urna lingoa de vbora f Oh f sas, sua
muito grande santa para salvantes a vida ds asa
pobre rapaz, quaodo para Uto .- era prwia ansa
palavra ; porque nao calpa vossa se aoje o -ea
corpo nao esta reduzdo ao estado de cadver. Nao
tenis al mesmo levantado a vossa ao nara elle;
urna s palavra, nao a pronunciaste*. E caaaees
a isio amor. Meotis. se cooheeeis a aiaav aajs
desta palavra.
Ella deu urna eslranha gargalhada ac
fallar. Aileeo nha cabido a seos ps i
to abatimento, nao poda articular orna
Todava lentou com om movimento de loeaoet dar
cubrir seu rosto com o vestido de Moyaa. Vas a
velha, cujo furor augmentara, reaetlio eea s a
Aileen ajoelbada adianto de si.
Nao me loqoeis nem coa o dedo,
me, fraca como sois, de qoe nao leaaais
de vir abrir a minha porta, olhar nara ata cara a
cara, e cooservar-vos debati da aifcaas Maaa ; d
pela ultima vez. Levaotai-vos e part,
O'Uonnel. Oh I o qae mais ae iWigs,
levar este nome.
Aileen levantou-se e Ikoa ea pe, |
nula. Moyoa a tornou pela cintura, a >
para a porta que escancaroo, e, rMeodu-a I
um instante por ama forte eressae dan:
Aqui se eslende o mando
uina grande amiga dos padres o a i
religiosas que vos flzeraa to i minee e nal
aquelles que vos eram aais proiii
do. Sera duvida elles vos acnarao i
ide, ped, implora!, porque
obngara.
Depois, sempre lendo a ii
tura, derramou sobre ella
cagues e maldigoe* que Aileeo i
mano lempo. Ella arrancn-$* das i
na.e.dando um grito rouquenoo 4
precipilou-se para Ionge desta
sem asylo na obscuridad* e trio i
(Cia- m km.)
PRBNAMBUCO HP. DC H. F Of f: rMQ



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E59WLH8VF_JST2KQ INGEST_TIME 2013-08-27T21:59:27Z PACKAGE AA00011611_10825
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES