Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10818


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO ILI. HOMERO 261
Por q na re I pago dentro de 10 das do i, mez : t .
dem depois dos i.0'10 das do comecoe dentro do qaartel. .
Porte ao correio por tres mies ...,.,.,.,,,:
5|000
610D0
750
TERCA FEIRA 14 DE MEMBRO DE 1865.
Por anno pago dentro deludas do 1. mez
Porte ao correio por um anno ..,.,..

19J0W
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Al3X?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos d
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazona?, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL
Alagoas, o Sr. Claodino Falcio Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves;
Ribeiro Gasparinho.
Rio de Janeiro, e Sr. Jos
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quartas
feiras.
Serinbem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relagao: tercas e sbados as 10 horas.
Fazenda : quimas s 10 hdras.
Juizo do commercio: segundas'as 11 horas.
Dito de orphos: tergas e sextas s 10 hora.
Primeira vara do civel: trras sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
bora da larde.
EPHEMEMDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
3 La cheia as 5 h., 43 m. e 28 s. da m.
10 Quarto ming. a 3 h., 25 m. e 52 s. da ra.
18 La nova as 8 Ji., 40 m. e 22 s. da m.
26 Quarto cresc. aos 38 m. e 22 s. da m.
DIAS DA SEMANA.
13. Segunda. Ss. Arr-adio e Pautillo v. m.
14. Terga. S. Allio diac; S. Gorjas m.
15. Quarta. S. Gerlrndes v.; S. Clementino ra.
16. Quinta. S. Gonealo de Lagos; S. Elpido m.
17. Sexta. Ss. Alfo e Zacrho mm.
18. Sanbado. S Obdon ab.; S. Rareella m.
19. Domingo. S. Isabel viuv. rainha de Hungra.
PREAMAR DE BOJE.
Primeira as 1 horas e 18 m. da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIRO.
Para o sul at MfBN a H e 30; para o
ala a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Per;
do nos dias 1 & dos mezes de Janeiro, margo, ioaio,
julho, setembro e noveicbra.
ASSIOXA-SE
no P.ecife, na livrara da praga da lndef eDdaadl
ns. 6 e P, dos propietarios Manoel Figoeiroa U
iFaria & Fllbo.
t.
Os Srs.'assignantes deste Diario, que
se acham etn debito das respectivas ssig-
naturas, queiram mandar realisar o paga-
mento dolas; e aquellos que moram fora
desta cidade, tenliam a bondade de dar avi-
so de quaes sejam aqui os seus correspon-
dentes, afimde ser solicitado esse pagamen-
lo dos mesmos, a quem dao ordem para
isto, visto como alguns prctextam a falta
dessa ordem.
EXTERIOR.
PARTE QFFIfilAL
GOTOJO 04 PROVW !4.
Expediente do dia 10 de noembro de 1863.
Offlcio ao general commaudante das armas.
Sirva-se V. Exc. de informar acerca do que pede
no incluso requerimento Liberato Tiburtino de Mi-
randa Maciel.
Dito ao mesmo. Urna vez que o guarda nacio-
nal do batalhao n. 20 de inaularia do municipio
de Nazareth, Cindido Pereira do Espirito Santo,
aprsenle substituto que se ache nos termos da
le, pode V. Esc. aceita-lo mandando elimiuar o re-
ferido guarda do servigo da guerra para que fra
designado.
Dito ao mesmo.Transrattindo a V. Exc. para o
iin couvnieute a iuclusa guia de soccorrimento
dos voluntarios da patria do Piauhy Malaquias Fer-
reira dos santos e Clementino Pereira da Silva,
que por dcenles desembarcaram do vapor Tocan-
luis, para serem recolhidos a enfermara militar,
recommeudo a V. Exc. que os mande considerar
addidos ao 3 corpo de voluntarios da patria, abo-
nando-se-lhes os veocimentos a que tiverera di-
reilo.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc de mandar
inspeccionar o guarda nacional do batalhao n. 42
de infanlaria do municipio de Serinhem, Justino
dos Santos Lyra, de que trata o incluso requeri-
mento.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar eli-
minar do servido da guerra, para que fura desig-
nado, o guarda do batalhao n. 20 de Nazareth, Jos
Severino Billa, visto ter sido indevidamente desig-
nado, nao constando o seu nome da respectiva qua-
lificago, segundo a ioformago do commanJaute
daquelle batalhao annexa aodo respectivo comman-
dante superior de 28 de outuhro ultimo.
Dito ao mesmo.Srvase V. Exc. de informar-
me acerca do que pede no incluso requerimento
Mara dos Anjos.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Esc. de informar
acerca do que pede no incluso requerimento o guar-
da nacional do batalhao n. 43 do municipio de Se
riohera, Vicente Ferreirade Barros, ouvindo o le-
nente-corooel commandante daquelle batalhao.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de em vista
dos documeotos annexos ao incluso requerimento
do voluntario da patria Francisco Xavier Alvares
do Quintal, per.uitir-lhe o uso das insignias de ca-
dete a que tiver direito.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.Ao
negociante Joao Antonio de Almeida, mande V. S.
pagar conforme sohcitou o chefe d; policia em of-
flcio de honlem, sob o. 1,758, a quantia de 12^960
proveniente da etapa abnala aos qualro recrutas
constautes do pret junto em duplcala, os quaes
tendo viuda do lermo do Bonito foram destinados
ao servido do exercito com excepgo somente do
de nome Joao Alves da Silva, que remetleu-se para
a companhia de aprendizes marinheros.Commu-
nicou-se ao Dr. chefe, de policia.
Dito ao in-peclor da thesouraria provincial.=
Annuindo ao que solicilou o chef; do polica em
oOicio de honlem. sob n. 1756, recommendo a
V. S. que mande levar em conta ao delegado do
termo de Caruar a quantia de 1935100, despen-
dida c iin o sustento dos presos pobres da cadea
daquelle termo durante os mezes de. julho a setein-
Lro deste anno, utna vez que estejam em termos
as inclusas contas e relagoes que para esse um
vieram anuexas ao cilado olllcio.
Dito ao bario do Livramento.Deferindo a re-
presenlacao que me dirigiram varios donos de co-
cheiras, commerciant-s e outros, autoriso V. S. a
mandar construir, de conformidad*: cun o orna-
mento junto por copia, urna rampa no caes da ra
do Sol em prolongamiento da da Concordia.
Dito ao commandante superior da guarda na
cional de Nazareth.=Em vista de sua informago
de 28 de outubro ultimo, daaa acerca do requeri-
mento do guarda nacional lo batdhao n. 20, sob
seu commando superior Jos Severino Billa, tenho
resolvido que seja elle dispensado do servigo da
guerra para que f.ra designado : o que commu-
nico a V. S. para seu couheciuienle, e afim de que
o faga quanto antes substituir por outro.
Dito ao commamlante do corpo de polica.
Faga V. S. apresentar ja ao ,'eneral commandante
das armas o guarda nacional do S" batalhao de
infamara Jos l.uiz de Frasea, que se acha reco-
lhido nesse quarlel pelo commandante superior
deste municipio, a minha disposigo para o servido
da guerra.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. satisfazer o incluso pedido do tenente-coro-
nel commandante do 2o batalhao da guarda nacio-
nal destinado ao servido da guerra.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Man-
de V. S. alistar na companhia de aprendizes art-
fices o menor Donanciano V'ieira da Silva, de dade
12 annos, e filbo legitimo de Nicolao Vieira da
Silva.
Circular a todos os juizes de direito. Transmit-
i a Vrac. para seu conhecimento e execucao, um
exemplar impresso do aviso circular do ministerio
dajusliga, Je 12 de outubro prximo Ando, re-
commendando a mais stricta observancia do de 7
de fevereiro de 1856.
Portara.U presidente da provincia tomando
em consideracao oque expoz o chefe da repartgo
das obras publicas, em offlcio de 28 de outubro al*
timo, sob n. 341, resolve alterar a portara de 25
daquelle mez, pela qual foi encampada a obra da
conservago da estrada do sul, somante na parte
relativa a multa imposta ao ai rematante Francisco
Alves de Miranda VarejSo e seus fiadores, pois que
nos termos da 2a condicao do contrato daquella
obra, essa multa deve ser de 10 o/O sobre o valor
da arremalago, no prazo de 6 mezes, e u.io em
toda a importancia desta, como se evidencia da
mencionada portara.Communicou-se ao chefe
da repartirlo das obras publicas.
Dita.O presidente da provincia resolve, de
conformidt.de com o artigo 10 do regulainento an-
nexo ao decreto n. 2,551 de 17 de margo de 1860,
nomear a Gelinj Coelho de Serpa Brando, para o
lugar de cobrador da recebedoria de rendas inter-
nas desta provincia.
Dita.O presidente da provincia em vista dos
documentos que apresentou o tenenle da 2* com-
panhia do batalhao n. 51 do mutycipio do Pao
d'Alho, Joo da Costa Nogueira, e do que informou
o respectivo commandante superior em olllcio de
hontem datado, resolve dispensa-lo do servigo de
destacamento para que estava designado, por ha-
ver provado ser tilho nico de muiher viuva a
quera serve de arrimo.
Dita,O presidente da provincia attendendo ao
eme requereu o capito da 4' companhia do bata-
lhao.* 3 de infanlaria da guarda nacional do mu-
nicipio do Recife, Jos Mariano de Albuquerqu,
resolve cooceder-lhe 6 mezes de licenca para tra-
tar de sua saude.
COKHE8POX1U31VCIAS 10 IA
UIU VIS PER.VV5IHIJCO
LO.\DRE.
23 de outubro de 18Go.
A mala de Brdeos nao nos Irouxe as noticias
que alias esperavamos receber do Brasil; por quan-
, lo se contava aqui saber que o^ corpo de exercilo
| Paraguayo estacionado em Urugayana houvesse j
1 cabido em nossas maos.
Entretanto essa circunstancia nao lem sido in-
lerpretada em nosso desfavor, por que o publico
terase habituado a ver que damos sempre golpes
decisivos em'nossas operagoes militares, entenden-
| do pois que por motivo bem fundado que temos
: deferido o assalto daquelle ponto.
Algumas folhas tem mesmo dito que essa de-
mora provem de haver o commandante em chefe
, dos alliados dado um prazo aos Paraguayos para se
j entregaren), pelo desejo que elle tem de evitar
urna efldso de sangue desnecessaria; sabe-se de
mais que as forgas alliadas sao por tal modo supe-
riores, que nao resta duvida alguma quanto ao re-
sultado desse esperado combate.
Por noticias posteriormente vindas de Buenos-
Ayres consta nesta capital que conierara o assalto
daquella praga, e estimos anciosos pela chegada do
prximo paquete de Southampton para recebermos
informagoes exactas acerca de mais esse successo
i militar.
Fez muito effeito aqui o saber-se que sua ma-
| gestade o Imperador marchava sobre Urugayana
i afim de assistir ao cerco dessa cidade ; circums-
taucia que ha de necessariamenie augmentar o en-
thusiasmo do exercito alliado.
As noticias alludidas nao modificaram notavel-
mente o prego dos nossos fundos cuja cotagao a
| seguinie : os de 5 Oo eslao a 93, e os de 4 1|2 0|o
iieam de 69 1|2 a 70 deduzido o ultimo dividendo
que foi pago recentemente.
O novo emprestmo continua a premio de S 3 a
a? 3 l|4, e os accionistas d'elle tem entrado regu-
! larmenle com as competentes cha nadas; os fundos
pblicos do Brasil se acham porra n'uma condi-
gao anormal, e nem melhoraro durante muito
lempo de condigao pela razo dos enormes compro-
j missos em que temos entrado, sendo que se pela
tcontinuagaoda guerra tivermos de recorrer anda
a praga de Londres, a nossa situago fiaanceira
! sera anda peior.
Esta a verdade que nao convem dissimular,
por que isto lera a vantagem de esclarecer o nosso
publico acerca de um ponto que interessa a bolsa
i dos conlribuntes.
Os fundos inglezes 3 0|o licam a 89 1|4. A ren-
da franceza 3 0|fj a 67 francos 85 c. Os 6 0|n de
Buenos-Ayres de 86 a 88. Os 3 0|o portuguezes
de 45 l|4 a 46. Hespanhes 3 Ojo 45. Russos 5
0|0 93. Mexicanos 3 Ojo 25. Gregos o 0|o 22. Ita-
lianos 5 0|o 63 1|2. Consolidados turcos 6 0|0 48
; 1|2. E 4 0|i) turcos garantidos de 99 a 100.
O algodSo de Pernambuco fica de 25 d. a 26 d.
por libra ; o de Macei a 25 1|2 ; e o da Babia a
24 d. 1|2 por libra.
As especulaces sobre este pro-lucio lera sido
[ avuliadas, e o 'deposito era Liverpool limitado,
pelo que pode osperar-se que aquelles pregos favo-
raveis se sustenlarao por algum lempo.
Cacao do Brasil de 39 s. a 50 s. per cwt.
Pao Brasil 70 s. por tonelada.
Couros seceos do Rio 8 d. 1|2 por libra, e salga-
dos do Rio Grande a 5 d. I|4 por libra.
Ma ultima quinzena houve o seguinte movimento
martimo :
Da Parahiba Theresina (10) a Liverpool ; da Pa-
ranina iloncj lora (11) a din; do Rio Grande
Mana Carolina (12) a Grawesend : de Pernambu-
co Orion (12) a Liverpool ; de Pernamjuco Hato-
tuston (15) a dilo ; do Maranhao Lonise (15) a di-
to ; de Macei Tasman (15) a dito; de Pernambu-
co Zircon e Simen (17) a dito ; e do Rio Grande
Con/idfntia (21) a Liverpool.
De Liverpool Blite (17; para a Baha ; de Liver-
1 pool Mflita (14) para a Baha; de dito Ann Ray (14)
j para Pernambuco ; de dito ftonafd (21) para Per-
I nambuco.
Contina na Irlanda o processo dos t fenians,
; baveodo sete desses implicados sido j remetlidos
ao jury que lera de condemna-los ou absolve-los.
O governo proseiroe com energa no descobrimenlo
I daquelles criminosos e tenciona pedir por interme-
I dio do mini.-terio publico todo o rigor das leis con-
\ ira os que forera iulgados criminosos pelo mesmo
, jury.
A esquadra ingleza da Man:ha enlrou em Que-
, ensiownn, onde deve estacionar algum tempo ; pa-
rece que es convenceros afiliados da'iuella associagao revolu-
cionaria de que sero baldados quaesquer esforgos
, no sentido de fazer triumphar na Irlanda o movi-
l ment insurrecioml projectado nos Estados Unidos.
O arcebispocatholico de Uublin publicou urna ex-
cellente pastoral, chamando os seus subditos obe-
diencia da autoridade legitima, e conderanando os
principios do t fenianismo esse documento tem
; produzdo aqui bom effeito, e em geral tem agra-
dado muilo a conducta patritica que o clero catn-
lico tem observado as ctreurastancias difflceis era
| que se acha a Irlanda.
Com pezar cumpre-rae annunciar aos leitores a
noticia da morte de Lord Palmerston, que teve lu-
gar a 18 do correte pelas 11 horas e um quarto
da manhaa, em Brockett Hall, Hertfordshire. O
primelro ministro da Gra-Bretanha falleceu de um
attaque de gota, complicado com urna forte consli-
Ipagoque o havia recentemente accorameitido, sem
I que os esforgos da scienca medica podessem nada
em favor do Ilustre enfermo.
Henry Temple, visconde Palmerston, nasceu era
; 20 de outubro de 1784, e contava 18 annos quando
tomou posso do seu titulo.
Foi educado em Cambridge, e era 1806, por oc-
casiao do fallecimiento de Mr. Pitt, foi eleito raem-
ln o do parlamento pelo Borongh de Horshan. En-
trn em 1807 na admimstragao do duque de Port-
land, como um dos lords do alrairantado ; foi no-
; meado secretario da guerra em 1809 sob a adrai-
; nistragao de Mr. Perceval, por occasio da derais-
I sao de I. i d Wellington em 1830; foi depois noraea-
; do secretario de estado dos negocios estrangeiros,
j conservando-se no exercicio destas funcgSes at que
i foi dissolvido o gabinete whi? em i83i ; enlrou no-
vamente para o ministerio no anuo seguinte, e pe-
| dio a sua demissoera 184-1. Quando o partido II-
: beral reassumio o poder em 1846, acompanhou-
o elle ainda na administragao como ministro dos
negocios estrangeiros, conservando se neste lugar
at 1851.
Desde entao a carreira diplomtica de Lord Pal-
merston bem conhecida, e por isso nao carece
mos de recorda-la ; era elle um dos melhores es-
tadistas praticos que a Inglaterra se lisongeia de
ter possuido.
A sua immensa experiencia dava-lhe urna supe-
rioridade real sobre lodos os seus contemporneos
| diplomticos, ainda mesmo na especialidade a qoe
o talento de cada um o chamava, seus mais arden-
tes adversarios polticos erara os primeiros a reco-
nhecer a verdade desta assergao.
Se Lord Palmerston tivesse vivido mais dous
dias, teria completado 81 annos.
O Visconde Palmerston era primeiro ministro da
Inglaterra, cavalieiro da muito nobre ordem da
Jarreteira, gro-cruz da ordem do Banho, commen-
dador da Torre Espada de Portugal, e lord guarda
dos cinco Portos da Gr-iiretanha.
A morid de Lord Palmerston deve exercer ama
grande influencia na poltica exterior. Nos ulti- comstancias difllceis e perigosas era que se acha a
mos lempos representava elle a teudencia mais fa- capital do reino, agora que essa augusta seobora
voravel allianga eutre a Inglaterra e a Franga, e esta n'um estado de gravidez assas avangado; sen-
uma atlilude systematicamente hostil Austria e do demals que ja residia fra de M.idrid, quando
mesmo a toda a Allemanha. i appareceu o flagello.
* E'importante a substituicao do Lord Palmerston.! O incidente relativo as observagoes qoe provo-
Seo conde Russellassumir apresidencia dogabioe- oou da parle do governo americano, a forraago de
te,e Lord Clareudon entrar para a direegao dos ne- on corpo egypcio deslloado para o Mxico, contl-
gocios estrangeiros, sera que se interroropam as boas na a oceupar a imprensa franceza.
relagoes com a Franga, a poltica ingleza ser mais As folhas muisteriaes de Paris allndem j a esse
reconciliadora e de principios raais conciliaveis e
mais favoraveis a boa intelhgencia entre a Ingla- ricana annuuciada pelo Tunes.
Ierra e a Allemanha. Alera disto este o desejo ar- No entanto alguns correspondentes de Paris sus-
dente da raiuha Victoria, que ltimamente con- tentam que realmente existe urna' nota sobre os
cordava menos com Lord Palmerston, pela poltica alistamentos da Alexandria, mas que nesse docu-
deste contraria a' Allemanha : a familia real ingle- meato o gabinete de Washiogton nao faz mais do
za, Intimamente ligada as da Blgica e Prussia, dit- que reiterar era termos amigaveis as observagoes
ficilmente parraittira' qne a Franga augmente o seu que ja apresentou anteriormente, e que sao identi-
por mm que na ma.oria dos casos as pravas de al-; UDera ambos os monar(fba<. 0
Vm ifrS^m,n'fadaS pela pohm o5IV1- Sea fazendo *"lafei.cii
nam de fundamento para qualquer magistrado in-
glez. Afflrma este jornal que a policia appresenla
ao juiz urna carta dirigida por um Irlandez a outro
qualquer, e qne sufflciente que nessa carta se
lea alguma expresso pouco clara para ser toma-
da orno urna prova de feoianismo, sendo manda-
do para a cadea aquelle que a escreveu, e aquelle
a quem era dirigida. Continuam dizendo.
documento, e contestam a existencia da ola ame-- appresenlou a um magistrado um escrpto em que
se fallava de um tal Rafferty, e como nao fora pos-
sivel encontrar tal individuo, a policia prendera, e
entregara aos tribunaes um individuo chamado
Mallighane, pretextndose que os dous appellidos
oeriencera ao mesmo individuo, e que o primeiro
era apenas um nome de guerra pelo qual era eo-
nhecido entre os associados; accresceuta o Mor-
territorio do lado do Rheno, e nesta parte o povo cas as que a Inglaterra apresentou a Franga sobre i ning Slar qoe o Sr. O' Breunam, redactor do Pa
inglez esta' de perfetto accordo cora a sua sobe- o mesmo assumuio.
rana. i O ministro dos Estados-Unidos foi recebido no
O conde Russell foi encarregado por S. M. a rai- dia 16 do correnle por Mr. Droura de LHuys, e diz-
nha de reorganisar a actual admmistragao, e pare- se que as explcagoes dadas por Mr. Bigelow ao
ce que ficara' com o cargo de primeiro ministro, ministro do imperador foram julgadas salsfacto-
emquanto que Lord Clarendon passara' a exercer ras, pelo menos em parte.
frila, fora tambem preso s, porque se Ihe en^on
traram na carteira alguns manusenptos qne elle
rei da Italia re-
pela felicidad*: e eoyrarte
cimeulo do imperador e de su familia, e que tt
sempre disposto a estreitar iiiuoto fr po*sivei as
boas relacoes entre a Italia e o X-xico.
O presideute dos Estados UaiJos e da Ameri-
ca amnlsliou mais de mil e dusentos *Dar.ti4Us,
pela maior parte ricos proprietanos com gnmte
importancias polticas. Johosoa resposd^a a ma
r-2 depuiagio a favor do amigo ebefe cuaMarado
Davis, assgurando-lhe que o governo ao teta
sede alguma do sangue.
O cxircito americano, segando ansa esUltira
oOkial, foi reduzido a 200 mil horneas seade 19)
rail soldados brancos e 70 mil de cor.
lia aniU a maior incerteza a respeito da reorga-
msagao da Unio americana, por i?m qoe as
opinies dos diversos estados >e maoifeslaat de
maneara muito di-unna.
Foi levantado o estado de sitio do Keaioby.
SaeSiTr S?ar Ztt dissolvlda^^oec^o t^t^ZT^.
equenca de serem demasiado bostis ao governo g5es l8rSo ,Kugar D0 pnme|ro de rteiembro ^^^
J, do-se o novo parlamento a 27 daquelle lo
Dizem de Nova-York que o vice presidente con- mei. O ministerio O'Donnell desde que foi rulan
o de ministro e secretario de estado dos negocios Entretanto cr-seferalmente sera embargo da ; federado Sle hens Garc^ d^s f;nJan d v^Zmtt^w*L^^^^!r^
estrangeiros. Gladstone sera' leader da cmara dos reserva da diplomacia, que na America ha certa ga(1sara nma S0Ciedade no Canad comiiosta de
communs, symbolisando a poltica de progresso in- indisposigao contra a Franga, e receia se que sur: grande numero de fenianos os quaes parliriam pa-
ternamente. Tanto Lord Russell, como o conde de
Clarendon, perteoce a' cmara alta.
Esta' convocado para 26 do correnle um conset
Iho de ministros pleno, em que se dar' conta dos
arranjos feitos para a nova roorganisago minis-
teria
Jam compiicagoes serias de urna oceupago mui
demorada de um paiz visinho dos Estados-Unidos
pelas trapas francezas.
Cila-se como prova dessas disposigoes pouco ami-
ra a Irlanda.
Os esforgos empregados pela Austria e pela
Prussia junto do senado de Francfort, contra as in-
vectivas que a imprensa daquella parle da Alloma-
gaveis urna alteragao que se prepara no modo de nna dirge as duas potencias prt|a sua poltica, e
percepgao dos direitos da alfandega nos Estados- conlra a convenao de Gaslein carain sera resu|-
"" ,j.^.-~rv-' ,~W"T -----,""---------."--- .ouiid a couvengao ue uastein ncaram sera resui- u cnoiera tem diminuido em Madrid, i
O partido ton ou conservador espera lucrar com unidos, e que era por elleito co. ocar os proaucios, tado 0 seado regetou unnimemente o pedido de outubro falleceram 68 pessoas seod-e 28
j____________._ ,... .r_,__.__.__j._____ franrp7P n Urna nnsiPM desvn aiosA nos merca- ,.:...__...__^:__.__ j. ___ r,.^,:S _-_ r.,% .. ^^.. _
o desapparecimento de Lord Palmerston da arena francezes n'uma posigao desvantajosa nos merca-1 fej[0 pe|os gaDne[es de VlenDa
poltica, contando com o apoio que Ihe prestara'a dos americanos. ...
cmara dos corarauns; mas os liberaes buscaro Pode todava esta providencia ser applicada por
Iludir taes esperangas, e a atlilude que nos ltimos necessldades Hscaes, sem que se precise de attri-
tempos tem assumido Mr. Gladstone destiuada a ( huir-lhe um carcter hostil, muito de proposito cal-
afasiar cada vez mais a raaiuria da nago das opi-' culado :
nies conservadoras. Entretanto creio que a ma- O paquete das Antilhas, entrado em Southamp-
nulengao dos liberaes no poder depender' muito ton a 14 do correte, trouxenos noticias do Paci-
da proposta que tem de fazer na prxima reunio lico.
do parlamento acerca da reforma eleitoral, medida j A esquadra Hsspanhola sob o commando do al-
que a opinio publica reclama com urgencia e para girante Pareja linha deixado Callao, dirigindose
satisfazer a qual o governo actual deve envidar to- i para o Chile, afim de apoiar alli as reclamagSes do
dos os seus esforgos. gabinete de Madrid.
O parlamento nao sera' aberlo antes do princi- Do Per consta que Arequipa se declarara em
pi de Janeiro prximo, principalmente agora que favor do governo, emquanto que os rebeldes se di-
a morte de Lord Palmerston veio talvez traostor-; rigiam sobre Lima, que tenconavam atacar. Mon-
nar as corabinagoes mnisteriaes. Parece que Mr.; tero oceupava as ilhas Chinchas, onde permit-
Denison sera'uovamenle noraeado presidente da lia a exportago do guano, havendo por esse modo
cmara dos communs, se bem que se esperava a collectado j importantes sommas.
As noticias dos Estados-Unidos chegam at 14
e de Berln, nao
para ailrahir os seus adversario- polticos ao cam-
po constitucional, e especialmente, para por tero
a longa abstengo do partido progresista, O par-
tido progressisU acha se dividido; ii.rur.un alfuas
Dumes como chefes, mas o que lem maior popu-
laridade o do amigo regente o general Es-
parten.
O cholera tem diminuido em Madrid, ao dia 22
horneas.
nomeago deste alto funccionario para um lugar
na cmara dos pares, por haver preenchido duran-
te urna legislatura inteira o cargo da presidencia, o
que segundo os estylos Ihe dava direito ao pa-
ralo.
A cmara dos cumrauns tera' de oceupar-se nos
primeiros dias depois da sua reunio, da verifica-
gao dos poderes bem como da organi^agaa da mesa.
Posteriormente votara' o discurso da cora, em que
se fara' sem davida honrosa mengao da perd que
o paiz acaba do soffrer na pessoa do visconde Pal-
merston.
O governo deseja tambem annunciar nesse do-
cumento o restabelecimenlo das relagoes potincas
entre a (ra-Bretauha e o Brasil, cora a circums-
lancia de se acharem ja' no exercio de suas fe-
os respectivos agentes diplomticos as duas
do correnle.
O premio do ouro fica va em Nova York a 145, e
o cambio sobre esta praga a 158 1|2.
O secretario Stanton reassumira as suas funegoes
no ministerio da guerra, e proceda agora, anda
com maior activdade, ao desarmamento geral.
Na semana ultima deu-se ordem para desmante-
lar todas as ortificacd>s em volla de Washington,
a exeepeio da batera Rodgers e do forte Foot, si-
tuados na margera do Polomac do lado da Virgi-
nia.
Assim Gcar completa a obra do desarmamenlo
comegaila lia lempo.
Os offlmaes do estado maior do general Hastein
foram licenciados pelo ministerio da guerra.
O presidente Johnson annystiou Mr. Slephens,
29 raulberes e II creanga. Diz a berm que a^
irmaas da candada nao lem concorndo a prestar
os seus serviros aos enfermos cholencos de Ma-
drid. A rainha babel sedeu um milhao de reales
em beneficio dos cholencos pobres.
Km Portugal era regular o estado saoitario.
Em Eiras in dia 2foi atacada ama s pessoa do
cholera, nao falleceu nenhuma eacn.vara *t 2pe-
soas em tratamento e curaram-se daas.
No dia 6 do correte verificarse hia em Lisboa
a sessao real extraordinaria do parlamento para o
goes
cortes; o que provavelmente podera' fazer, visto que fra vice-presidente da Confederago; e, res-
que at Janeiro prximo cabera' no tempo concluir pouden-Jo a urna deputago da Carolina do Sul que
o que resta para a completa solugo do conflicto viera sollicilar o perdi de Mr. Davis, prometten tas prisoes em Verooa, verificando ao mesmo tem-
que ha perto di 3 annos separou o Brasil da Graa- seguir urna poltica concillante sem comludo acce- po numerosas visitas domiciliarias.
Bretanha sua amiga alliada. A tal respeitb corre der formalmente a essa petigao. O imperador da Ilnssia resolveu que os re-
aqu que Mr. Thornlon a partir do Rio de Ja- O pre-idmte linha recebido em audiencia publi- crutas levantados na Polonia, s-jara alistados nos
novo ministro do Brasil em ; regimentos que fazem a guarnicao naquelle paiz.
A Yoffi G'izeta da Prussia declara estar autonsa-
da a desmentir o que se lem dito sobre a resolu-
obstante um outro terem declarado que tomaran)
as medidas que jnlgassem necessarias se nao fossera
atlendidas as suas instancias.
A poltica das duas grandes potencias contina a
encontrar grande opposigao na Allemanha ; os ha-
hitantes dos ducados protestan) iacessantemente
contra a convengo de Gasteia. O duque de Augus-
temburgo em toda a parte recebido com enthu-
siasmo ; quando este principe foi visitar o duque
Carlos de Pluksburgo, recebeu na sua passagem
era Eckerupoude urna verdadeira ovagito popular, juramento de S. M. el-rti D. FeranJu como regen-
As casas daquelle cidade do Schleswig estavam te do reino.
guarnecidas com bandeiras nacionaes, e os deiega-: El rei de Portugal e S. M. a rainha chegaram n.)
dos da municipalidade foram comprimentar o du-' dia 25 do pausado a Turin, onde tiveram ana rt-
906. cepgao eulbusiasiica. Eram esperados a I de mo-
A imprensa allemaa contina a dar noticias con-' vembro em Klorenga em compana de el-rei Vic-
tradictonas a respeito da viagem de Mr. de Bis- \ tur Emmanuel.
mark a Biarritz, e das relagoes entre a Austria e a j No dia 26 achavase S. M. el-rei D. Lau em Ta-
Prussia; neste ultimo ponto nota se o raesrao des- j rin e S. M. a rainha em Oresde.
accordo entre as folhas mimsieriaes prussianas. A Diz-se que SS. MM. regressario a Lisboa mais
Iievue de Berln orgao do partido feudal, falla de' depressa do que leocionavam e ja' se prepara em
urna maneira pouco favoravel a respeito das poten- Lisboa urna recepgao condigna a lio estimam mo-
cias naoallemas que precisam da allianga prus- : narchas.
siana, ao mesmo tempo que ama correspondencia I Diz-se que el rei D. Luiz sabeodo o melindroso
de Berln publicada na Agencia Ilavas, declara estado sanitario de Portugal, nao deseja estar aa-
que vio ser recomecadas as negociages entre os senle da sua patria em occa-ia que a sua presea-
gabinetes de Vienna edMBerln. ga pode ser grata aos s.-us coocidados.
Assegura-se que a Innuencia russa tem dimtuui- Nosso correspondente de Lisboa diz-nos a ul-
do muito na Prussi, e que o governo prussiano lima hora :
procura tornar mais intimas as suas relacoes com < Deve chegar hoje (29) a Lisboa o marquez de
a Franga, pela sua parte o governo austraco trata Salamanca. Diz-se que o abastado fiaanceira vera
de ganhar as sympathias da Inglaterra, nica po- coulralar a consirucgo da luih t frrea do Porto a
leticia, que, no estado financeiro daquelle imperio Braga. Tambem, seguudo se afflrma, vem tratar
opde livrar de urna bancarrota. A Austria, por'-o mesmo capitalista da con-truegao da ponte do
exigencia do partido hngaro procura negociar I Dauro que ha de ligar a estagao de Villa-Nova coa
tratados com a Franga e com a Inglaterra. I o Porto.
No dia 11 de outuhro a polica austraca fez mui- j Dizem
ca o Sr. Azarabuja,
Washington.
neiro para o Bio Grande, afim de apreseniar-se all
a S. M. o Imperador no caracler de enviado da In-
glaterra em misso especial, para preliminar como
sabido para e reslabelecimento das relagoes pol-
ticas entre os dous governos.
Por este expediente o governo britannico busca-
ra ainda provar ao gabinete do Brasil o seu ar-1
dente desejo pela reujvago das antigs relagjs Pelo vapor francez Guienne recebemos cartas e
de amizade, buscando vencer pjr aquelle molo a jornaes da Europa, alcangando : de Hamburgo a
demora que lem haviJo iuevitavelmente naquella 20, de Paris o Londres 13. do Porto a 27 e de
DIARIO SE PERNAMBUCO.
as folhas estrangeiras chegadas esia
manhaa, que el-rei o Sr. I), l.uiz 1 servir de in-
termediario para a paciticaga > da Italia com a -au-
la s, e que inuilissiraos cabero as suppicas da
jovem raiuha de Portugal D. Mina Pa, que ali-
Ihada do santo padre. Diz-s- que a sabida do ear-
deal Herode do gabine'-, foi motivad* pelas di-po-
sigoes que vio para a reali-aci d-'-le projectado
cao em que e-l o imperador Alexandre de levan- accordo a favor do qual parece estar bem disposto
lar o estado de sitio ni Polonia no 1 de Janeiro do o cardeal Anlunelli.
reconciliaco.
Aqui seacredita que o governo imperial nomea-
ra' o bario do Penedo seu ministro em Londres,
nomeagio que seria tanto mais a propo-ilo quanto
ceno que Mr. Chrisiie, boje posto era disponbi-
lidade, nao seria por modo nenhum nomeao para
a corte do Brasil; esse contraste seria, peis, tolo
era nosso favor.
A Imprensa ingleza tem-se oceupado calorosa-
mente das reclamagjs feitas par Mr. Adams ao
Lisboa a 29 do passado.
A sabida do Sr. Merode do gabinete romano,
considerada em Pars como um*indicio de que o
governo romano pretende entrar no caminho da
conciliagae e que se bropoe renovar brevemente
negociages com a [tafia. Esta molificago mi-
anno prximo.
A Polonia continuar pois sob o rgimen mililar,
al se conseguir abafar o sentimento nacional e
patritico daquelle infeliz povo.
Algumas correpondencias de Dresde fallam
iNo dia 31 deste mez, pela 1 hora da tarde, na-
! ver recepgao em grande gala, no pago das Neres-
sidades, por seroanniversario do fausto nasciraen-
to de S. M. ei-rei o Sr. D. Luiz I.
O cortejo pelo anniversarin natalicio de S. M.
as
nlsterial era esperada ha muito lempo; assegnra- pedirs frequonles invasoes do cholera, foi receb
se que este passo foi motivado pelos ltimos des- j da em Londres com alguma desconfiauga; recor-
pachos do Sr. Merode acerca das guernlhas. | dam alguDs correspondentes que quando o czar
Publicou se urna circular d'aquelle ministerio Nicolao se quiz apoderar da Turqua declarou que \ traiamemo 9 ; curados 2.
gabinete de Londres" acerca dosprejuuos soffridos de eslado era que se recoraraendava aos comman- o sultao estava enfermo ; e por isso recelan) que a guarda.B guiar no dstrcto, o administrador
pelo commercio federal em virlude das depreda- dantes das forgas militares pontilieas na fronteira Franca se oceupa agora da enfermidade do cholera do concelho de Pinhel nao responde, mas eoasta
no proposito em que esta el-rei Joo de Saxonia,' raiuha, que era a 16, foi aj.iia.lo para -ii.como
de abedicar a favor de seu filho o principe Alberto, tambera o de S. M. el-rei regente o Sr. D. Fernando .
A proposla feita pelo governo francez para se ja 29 que tambem passou para 31 do crreme.
convocar urna conferencia diplomtica em jjue se I i Noticias sanitarias ultima hora:Os distric-
trate da maneira porque deve ser melhorado o re- tos de Aveiro, Beja, Braganga, Castello Branco,
gimen sanitario no Oriente com o proposito de im- ] Coimbra, Faro, Leiria, Pon, Santarem, Vianoa,
Villa-Beal, e Portalegre, excepto Elvas, boas.
elvas.Atacados de cholera-morbos ni da i',
3; fallecidos 2 dos anteriormente alacvlos. Em
ges dos corsarios confederados. que nao considerassem; como inimigas asguern-icom intencoes polticas reservadas. Suppe-se que
Segundo annunciei aos leitores ja' por vezes o lhas reaes; mas alllrma-se que esta circular apo- i o governo inglez se recusara' a acceitar a proposta
gabinete de Washington suscitara em tempo a' cripha, sendo porm verdadeira, urna circular no franceza, e que nota que sera'sufflciente para as
quesio de urna indemnisaco daquelies prejuizos mesmo sentido expedida por mgr. Scapisla, dele- medidas sanitarias que a Franca 'e a Inglaterra re-
por parte da Inglaterra, a quem Mr. Sewari, sa gado. icommendara a sua adopgao a vice-rei do Egypto.
cretarlo de estallo do presidente Lincoln e Johnson. Mgr. Pila foi substitqido na gerencia dos neg-1 O governo italiano j deu a sua adhesao a esta
tera attribuido a responsabilidade daquellas per- cios do reino por mgr. Devitten. 'conferencia diplomtica, e segundo se julga dos
das: entretanto o gabinete da rainha havia rejei- A imprensa ingleza mostra profunda conviego termos em que se acham concebidas as notas tro-
lado constantemente essa inslita pretengao, cora de que S. Saulidade reiovar brevemente as suas cadas entre os diversos governos da Europa, pare-
o que o governo americano pareca haver-se con- relagoes com a Italia, fundando emaque na sua ul- ce que as propostas feias pelo governo francez
testado. Agora, porm, que a guerra civil era que tima allocugo o santo padre nao lizera urna nica serio aceitas.
se achava langada aquella repblica terminou, Mr. allusao ao reino de Italia. j U cholera tem diminuido mais em Franga; o
Seward julgou a occasio opportuna para renovar Urna correspondencia de Roma afflauga que lo-; imperador e a imperatriz dos Francezes tem visi-
essa reclamago, olerecendo ao conde Russell li- go ijue as tropas francezas abandonen) as provin- tado os hopilaes dos cholericos; e sido recebidos
quida-la por meio d'ura arbiiraraent); mas o ga- cas romanas, rebenlar urna insurreigo; diz o ; cora demonstrarlo de urna sympathia e enlhusias-
binete de Londres, que regeitou sempre o funda- correspond nle que teid i residido successivamen- mo. O arcebispo de Paris tambera tem visitado os
ment com que o presidente dos Estados-Unidos le em todas as cidades onde ha guarnigio france- hospitaes.
exiga aquella indemnisagao, nunca reconheceu tal za, lera por toda a par e ouvido dizer os habitan- A quesio da venda dos bens do clero deu
direito, e consegointemente repelle a idea de qual-, tes que s esperam a sabida dos francezes para lugar em Constantenopla a urna modificaran minis-
quer transaegao acerca d'um ponto, que para o
governo inglez nao raais duvidoso.
O Times e outros jornaes inglezes de importan-
cia apoiara o governo nesta conjuntura, declarando
que a nagao inleira esta' disposta a coadjuyar o
ministerio para repellir essa insolente instancia do
gabinete de Washington. Demais, natural que o
conde Russell se tenha ja' entendido cora o gabi-
nete dasTuIherias a respeito dessa reclamago,
que eventualmente pode tambera ser dirigida a'
Franga ;^nao me parecendo provavel que Mr.
Drouin de L'Huys venha jamis a aconselhar esse
ministro inglez a curvar a cabega sob a prepoten-
cia do presidente Johnson. Qualquer que venha,
porm, a ser o resultado, naojulgoque Mr. Seward
se atreva a realisar a ameaga que fizera de confis-
car nos Estados-Unidos tanta propriedade brilan-
nica, quanta for preciso para nderanisar aquelles
prejuizos dos Subditos americanos; porque isso
seria urna violencia de tal ordem, que a Inglaterra
nao poderia supportar sera grave quebra da dignl-
dade nacional.
O cholera morbus que felizmente nao progredio
neste paiz, contina a fazer estragos em Paris e na
Hespanha, sobretudo em Madrid d'onde emigraran)
mais de sessenta mit pessoas.
O imperador Nopoleo apresentou-.se no dia 21
do correnle de improviso ao Hotel Diea; visitou
por espago de urna hora todas as enfermaras, fal-
lou com os cholericos, nolou com satisfagan que
muitos d'elles j estavam em convalescenga, que
bavia algumas camas desoecupadas e que por con-
segrante declinava a epidemia.
Retirou se expriralndo o seu agrado as irmaas
de caridade e aos mdicos e enfermeiros do hospi-
tal, pelo modo cora que se teem havido no desem-
penho das suas funegoes.
Em Hespanha a rainha tem-se conservado lora
de Madrid, no real sitio da Granja; pelo qoa os
jornaes da opposigao ten increpado altamente a
conducta d'aquella soberana.
O ministerio O'Donell nao consentira porm que
proclamaren) a sua anexagao ao reino da Italia ; t--ri.il- O ministro que diriga a repartigo por
e que al mesmo ha ce ades em que isto se fez em onde este assumpto devia ser tratado foi stibstilui-
1860, em presenga do: francezes, tranquillos es-do por Meheraed Ruchdipacba, homem bem conhe-
pectadores deste plebiscito Improvisado. Julga o cido pelas ideas liberaos.
correspondente que o lexercito pontificio nao ter O vice-rei doEgypto parti para o alto Egypto
forga para impedir este Imovimeoto; que- immen- em consequencia de ter rebentado urna revolugo
smente fraco e que acredita que os esforgos que em Soudam. Marcharan) tropas para aquelle* pon-
se eslao fazeudo para o augmentar bao de ser qua- to para combatler a revolta.
si esteris. As ultimas noticias do Per sao desfavora-
rebeldes. A cidade de Arequipa, fe-
as portas e prenuncioo^e a favor do
guerrifAagew, em que naoifesta as suas ideas so-governo; Cuzco e Truxlho seguiram
Turin urna carta com o
O deputado italiano Boggio inserio um jornal de | veis aos
titulo de A santa s e a cbou-lhes
bre os diferentes pontos
que assegnra que o gov<
vorecer as guernlhas, a
lamidade.
da questo romana, e era exemplo; estas tres cidades sao as mais importan
rao pontificio longe de fa- i tes do-Per a excepgo de Lima,
considera como urna ca-1 Pisco, onde os insurgentes operaram em sua
junego um ponto pequeo e Insignificante: os
Os jornaes francezes publicam a oragao fnebre insurgentes nao teem artilharia, e sera ella nao
proferida pelo bispo de
por occasio das honras
neral Lamoriciere que
em chefe do exercilo pohliticio
Veriflcaram-se na
para depatados; de 1 (
tencem ao partido libei
gao constitucional, e 5 as partido clerical.
Houve no arsenal de
dio, que causou ionum
o mesmo
foi oulr'ora commandante
Orleans mgr. Dupanloup,' podem marchar sobre a cavallarla.
fnebres pelo fallecido ge- q commandante da esquadra dos insurgentes
Montero, estava disposlo a bombardear Callao,
mas os representantes das potencias europeas
Italia as eleigoes geraes; obstaran) a este acto. A sua intervencao salvou a
membros eleitos 90 per-1 cidade em que se achara estabelecidos muitos eu-
al moderado, 45 opposi- ropus. Julga-se que a revolugo poder ser
N'apoles um grande incen-
iraveis peras, Mandeu-
se proceder a um inquerito, para se conhecer se
fora devido a malevelem ia ou ao acaso.
O Morning Post a severa que a poltica es-
trangeira nao mudar t m consequencia da morte
de lord Palmerston; e accresceota que tendo a
rainha encarregado lorc Jobn Russell de reconsti-
tuir o gabinete tado ind ca que se chegara a um
accordo satisfactorio
O Morning Star pnbllc i ora artigo em que diz
dominada.
Afflrraa-se que o governo francez pensa em
por brevemente lermo intervengo no Mxico,
mas ainda se nao fixa o praso, apesar de se dizer,
que todos os das os bandos juanslas sao battidos o
derrotados.
Segundo as,melhores opiniSes, o governo fran-
cez quer retirar as suas tropas, para evitar qual-
quer pretextos para um comflicto com os Estados
Unidos.
E' desmentida a noticia dada pelos jornaes ame-
ricanos, sobre a declarago feila jaelo general
que um irfculto ao systoma de governo vigente Grant de que o governo federal pensava em inler-
em Inglaterra terem se suspendido todas as leis; vir nos negocios do Mxico,
civis para reprimir uro movimento de to pequea O ministro do Mxico quando apresentou as suas
importancia como feniamsrao; diz que a le credenciaes ao rei da Italia, raanifestou o grande
sobre alta traicao applica.a Irlanda nao pode jus- affecto que o imperador Maximiliano professa a
tincar de modo algara o incrivel procedimento dos {Vctor Emmanuel, e o desejo que o anima o impe-
sua mageVtade "re^reasaase aqoeTle pinto" as cr-4 magistrados i queo> Qram submetdos oj presos, rador. a, estrellar 03 lajas de boa amisade que
que nao se tem dado novo accominellimenlo mr-
bido, respeito na cidade.
lisboa.No disl icio oriental.continua o mesnu
estado sanitario.
No districlo occidental se observara bstanles ca-
sos de febres intermitente* e anda alguns de diar-
rhas.
. Debatem-se as candidaturas para as vereagoes
municipaes.
< Era Mamila (Escola Normal) da' amanhia
urna festa escolar de di-triouigao de premios.
Eis os ltimos lelegraraioas all recebidos :
< Madrid 27, as 10 boras da manhaa.Em Se-
vilha a epidemia causa numerosas victimas.
t Londres 26.O Morning Post e o Times publi-
ca arligos contra a intervengo da Prussia e da
Austria junto do senado de Francfort.
< Os jornaes conservadores premetum o seo
apoio ao gabinete Russell, se os radicaes se retira-
ren) e se esse recusar a reforma parlamentar.
Madrid 27 as 4 boras da urde.Paris 26.
No Banco de Franga os rfieilos de carteira dimiaoi-
ram 18 1/4 milboes e os bilnetes 6 4/5 nilhues.
Praga de Londres 27.Os consolidados reali-
saram-se a 89 1/8. Os 3 por cento ponuguen
a 46.
Praga dePaiis 27.Os fundos de 2 O/o eotv
ram-se a 68, 02 ; e o de 4 l/i O/o a 96.
Praga de Madrid 27.Os fundos consolidados
ticarara a 39,70 ; os di Heridos a 36,15.
Chegou hontem pela raanbaa o vapor iaglez Rko-
ne, procedente da Rio de Janeiro e Babia, alcaa-
gando os jornaes de que foi portador : do I* a 8 a
da 2' 12 do correte.
Ro de jAXKino.Eis o que dio os joraaes por
suas dalas :
- 5
Entrou honlem do Rio da Prata o paquete inglez
Mersey.
Est se realisando o que as nossas ultimas cor-
respondencias diziam, isto qoe anala a po sigas
dos exercilos afilados e o movimento qoe os para-
guayos estavam operando, nao ser tao cedo qua
se pelejar a batalha que ha de abrir as portas de
Assumpcao s forgas libertadoras.
O ioimigo tendo abandonado a linha oue oceu-
pava sobre o Santa Luzia, vai-se retirando a mar-
chas largadas, nao se sabe ainda se sobre Cman-
les, se sobre o Paran, afim de eninncneirar-sa ao
seu territorio.
Sahindo de Santa Luzia no dia 4 ou 5 eslava afta
sete dias depois no Empedrado, a IX l/i luan da
capital da provincia de Corrientes.
Iam-lhe no encalco o general Caceras, com a
vanguarda das milicias correouaas, % aa retaguar-
da destas o general Hornos com o groaso das ra-
feridas forgas.
A batera de Caers, ceotra da linha aa a Mi-
['
J


ferio de ^CTnapjbiMK crfa felfa f 4 de Xovcibro de f S&
roigo occopou, fo tambera abandonada, indo toda gemine enm ofBcios pera o tonsul Bleeche, o qu i
a artilhana por trra, a excepgo de algumas pe- era conferencia cora Pareja, olferecera a mediaeSe
cas de maior calibr) que SiqHra, Antonio Hennques.de Miranda Reg, lareza daqueNjs obras, e fl. irnos convencidos de roana pela Associarao Commercial r m relar-ia a
Francisco de Ooeiroz Couiinho Malinso da Cmara oue musa i*.rf. a tL~. ii, ,. h_____Z .._...?.. A*snc'"ao commercial eo:n religan a
dos vapores, que para ese flnv descerara de Ha-
man.
Acerca do Paraguay e'screve a Nacwn Argen-
tina :
O Semanario estygmatisa o procedimento des
agentes dlplomau'cos estrangeiros, que, era vei de
se irem estabelecer era Assumpgo para raelhor
prolegerera os subditos de suas nag5es, deixam-se
licar adormecidos era Buenos Ayres, as delicias
dessa opulenta, mas desgragada jdade.
< l";n diplmala da Bolivia, enviado ao Paraguay
fura recebiilo em Assumpgo cora todas as honras
nacao pacifica da questo.
Asseveravam as tenas de Valpiraizo, a' ultima
tiora, qoe Pareja responder que, no estado a que
haviam chegado as quesies da Hespanba cem o
Chili, nao bavia mediago possivel.
Definitivamente o bloqueio estava estabelecido
nos portes de Valparaizo e Caldera.
Em Caldera haviara sido aprisionados de?, navios
chilenos.
Nos portes do sol da repblica nao se estabele-
cera bioqueio anda
A irnpreusa pedia o internamente dos hespa-
e inagnibeencia de que era permiltido aopaiz dis- nhes residentes no Chili, e a raais severa vigilan-
cia das costas para evitar que a esquadra bespa-
nhola possa prover-se de vveres.
por.
A chegada deste agente Assumpgo trouxe-
nos lembranga que ha algumas semanas urna es-
cojla de cerca de 2i paraguayos atravessava a re-
gio do Chaco, habitada por indios selvagens, e di-
rlgia-sa para a tronteira da Bolivia ; essa escolta
ia sem duvida de gualda a um agente paraguayo
que se eucaminhava ao Alto Per. Ha alm disso
Francisco de Queiroz Couiinho Malteso da Cmara, i,
Joo Jos Tei-xeira, Luiz Pedreira de'Couto Ferraz,
e Candido Rodrigues Ferreira.
A quaru turma sera' composta de vareadores da
Illma. cmara municipal.
Secretaria de estado dos negocios do imperio,
era 4 de novembro de 186.Fausto Augusto de
Aguiar.
O vapor francez Carmel -esta' fazendo em Mon-
tevideo, cora toda a actividade, as reparagoes de
que necessita.
Calculava-se ali que Acara' promplo a tempo de
emprehender a sua viagem do mez crreme.
- 6
Em presenga dos Srs. ministros da marraba e da
jue nossa estrada de ferro e
Como fica dito, agradou
do quinto vimos desde esta cidade
serra; mas, era relago a In-
coa] os planos inclinados, <
obras sao de lal na ureza
amelhirdo impeno. construeco de docas oeste porto.
nos sobre-maneira Ju- ET verdade que enlo apenas consignamo la pura
kllll I ilo. rtl.i'ilii que espantan) e fazem adral ar a onsadia huma-
na ; conveocendo-nos de qu bem merecido o
aome que tem a Inglaterra le priraeira nago do
mundo para emprehender t exeeutar obras. Ha
muitos cortes sobre rocha v va, de volurae esean-
loso, com aterrados igualme He grandes.
As machinas lixas sao u iras admiraveis. Nel-
I .---------------------------------- ------ j.. .. ai' n^.iu, naja u kuioiuu iiijuci itl uc iei:oi!Sl
Us ve-se nerfoiamente a gr radeza da raechanica. derar a medida que teuha por ventura tomado ou
Hadas dentro de c sas construidas com haja de tomar em definitiva.
alicorees e preles de monsl
agricultura'de varios ebees das diversas repart- -das. As diversas pecas de
'aosas pedras lavra-
Programma para a recepeo
Imperador em seu regrss
Pedro.
O signal, dado pelo lelesrraph
se acbar a vista a embarcag
que desde rauito tempo correm boatos v gos de Sua Magestade o Imperador, sera, sguiao ae urna do hymno nacional. ca ludo nu occnr're rnmh irnm ni
allianca ofensiva e defensiva eutre os govarnos da g.raado-la de foguetes solta do mesmo telegrapho E' o segundo navio encouracado que se coostruc O,ZluS S-Ti 1ZL i ti\ ?resl" D,do Sr M"rnay H LuQdres- ahl fora Com -
Bol.vu e do Paraguay. correspondido pelo de tres uros de peca JTO Lo? ISZ^^Z^^TJ^T!^ JwCSmEhM tSSt^Jl '''"JeJfaQ'"f P'^ para r,ali>agao de tal em-
Nao 6 fcil calcular o que pod-ra resultar de ra a batera da tenaleza da ilha das Cobras. ao lado do ramantiar uue ia" se acha as aeuas trera V, n!w rnnJpf S Lf/S?! '",e *sU. Preza ; a qual, sem onus pecuuiano para os cofres
urna tal allianca ; o governo -la Bolivia es.a pre- O signa, de que a referida embarcago se acha I do Pra.a, ae.u oTelo e ac Ivdade d Sr ffi" Sraol PulafSSS mSs de arrobas 2Xti,ZTZ!Sl ^ "''S** 2 S00*6*'
sentemenie a uracos cora ura exerc.to revolucio- oas aguas da fortaleza da S. Joo com direceo a' das offlcinas de machinas e d mntrn-Sn n*Li ZmnZ\Ju2!l!2S? mllhareb e arrobas s.ao de se.refn nav.os carrenados e descarrega
nano, que tem por alma a dama liornli, a Iliterata" barra, sera' aoounciado por tres giraodolas ataca- Broconot-e Level.
argentina e viuva do exar ou- das do referido leletfrapho, e por nove tiros de pe-' encouraeado
ca, disparados damesma fortaleza da Ilha das Co-; mede um terco mais da di'raensoes do Tamandar lli adJDira^'cwjuunwaS o l
,' "- 'e devera' montar pecas raiadas de calibre 140 e de nheiro e a nencia do obreirt E' urna nonte enm
Logo que a embarcado que transportar aS. M. 70. A ma.or parte da suacouraca ja' esta' assen- truida sobr0P urna barroca"d g deP rotandi-
o Imperador ch^gar a' barra, tedas as fortalezas e tada, e brevemente seguir' a nova corveta a reu- dado feita cora enormes pe 5eV de oedra e s" bre
^TS^^t^Z^iSS ""Se eSqUadra D0 H da Pral1- Cada Um deU" ^ "columnas d! fer o
radas, esalvarao com 21 tiros, con.ervaodo-seem-; h -,. i perfciumenle travaxfeenTre si por barras tara
hntrou honte de Montevideo por Santa Calbarina oem de ferro.
tro laio o governo paraguayo est mui seriament
oceupado eonraosoo para que possa ir em s iccorro
de seu alliado.
Entretanto as desgranadas ramillas de Corrien-
tes, que tem sido levadas para o Paraguay sollrem
as mais horriveis privacoes e vivem na mais la-
mentavel miseria, em urna pobre aldea, onde n^-m bandeiradas, e repelmdo a msraa salva as
Nao menos digno de alte ngao, senao mais -s-
tarroso, como ja noticiamos, pantoso qoe tudo, o viadu -te da Grota Funda.
horas
se quer receem os soccorros que os paraguayos do costume no resto daqnelle da: o mesmo se pra-! o transporte a vapor Jaauaribe
receberam de seos pareDtes com promessa de Ih'os
fazercm levar. Os vveres reverteram em provei-
to de urna soldadesca esfaimada. A viuva de um
raajor Urona morrea litleralmente de fume e mise-
ria ; a esposa de um Sr. Cbalo?, moga que gosa-
va de grande reputacao, de belleza e elegancia, en-
louqueceu.
Jicara em lodo o dia do daserabarque, se este "nao As noticias que trouxe de Montevideo nao adian
nuai >* ,' -, ,,ara as iue vieram pelo ira. De Santa Calha-
chere de polica dar todas as providencias, nna nao recebemos folhas.
para que no dia do desembarque, e at a hora em ; __ 7 __
que se effectaar, nao transitem carros oem carro- i acampamento junto povoac.o de cuhuzo cuati
gas pela ra Uiroila em toda sua extensao, era em corrientes, II de outubro de 1865.
se conservera seges paradas as portas por mais | O exereito contina em sua* marchas regulares
U exereito alhado estava anda em marcha para lempo do que o necessario para deixarem ou rece-; diariamente., com o fim de aproximar se do aumi-
beiem as pessoas que cooduzrera. gos e bate-lo.
Um baialhao da guarda nacional fara' a guarda Estamos, segundo uns, a 30 leguas da Concor-
de houra no arsenal de marinha, e formaro alas dia, e segundo outros a 25
desde esse lugar al a ntrala da capella imperial Isto de leguas castellanas varia muito, e nao se
toda a guarda nacional e o corpo policial. pode precisamente avalia-la*.
A embarcado que conduiir a Sua Magestade o Oque apreciavel, que nenhum incidente tem
imperador atracara no caes do ar.-enal de raa- apparecido na continuado de nos>as marchas, gra-
""* j gas a boa disciplina de nosso exereito.
.No desembarque de Sua Magestade o Imperador O comesliveis lm subido excesslvamente de
todas as embareagoes de guerra nacionaes e forta- prego depois que pisamos territorio corrientrao e os
lezas salvante com 21 tiros. fazendeiros recusam-se vender gneros, carneiros
Qnando Sua Magostado o Imperador se dignar e outros objeetos ao exereito, abandonando algun's
de dar suas urdeus ao porleiro da imperial cama- suas cassas ou oceultando-se
ra
os
Mercfdes.
O general Mitre com o estado-maior acompanba-
va a 2* columna do exereito da vanguarda, o qual
havta atravessado nos das 9, 10 e 11 o Miriuay,
achando-se a 16 a 2 legoas de Mercedes.
A ij,'ual distancia desta povoago estavara
exercilos dos generaes O^orio e Gelly y Obes.
As torgas argentinas lara ser organisadas em
duas divisoes, urna commaodada pelo general Emi-
lio Mure e outra pelo general Gelly y Obes*
Em todas as povoages das Missoes, terreno dis-
putado ha largos aun js ao Paraguay pela Confe-
deragao, fluciuava ja o pavilhao argeuiino.
O general Castro, alm desta vaotagem sobre o
fniraigo, consegnira tomar Ihe. :JO,000 cabegas de
gado vaceum e civallar arreljatadas aos fazendei-
ros de Corrientes e Rio Grande, e que os para-
guayos conservavam invcroadss no riucon da Can-
delaria.
A nossa esquadra tiolia subido o rio. Permane-
ca em Bella-Vista.
O Sr. viscoode de Tamandar anda se achava
no Uruguay.
_ al o alto da e siraplesmenle scierwa do publico ; mas e fize-
pressao que solTremos mos cora o proposito de toroar a' apreciagao desta
tudo zero. All as deliberado, quandopor nos melhorestudada a sua
lera proporges taes, materia, e vi .ios os motivos determinantes.
E-te corapromisso, contrahirao-lo para coinnosco
mesmo, lendo attengo a materia ponderosa, a quo
se liga o seu objecto ; e como agora estamos visto
na qucstai, quer em si mesma, quer em suas diffe-
rentes relagoes, forga abrir algumas considera-
goes acerca della, para que, apreciadas em toda a
sua extensao, baja o governo imperial de reconsi
Com elTeito, presume-se que tei contratada com
o Sr. Eduardo Mornay, segundo plano por este se-
Hoje o agente Cordeiro Simes lira' l-ilau dd
movci>, chapeo *i Onh, 120 p-ras le aigutezi-
nbo brancu e azul, louga, vidro e outros ..ru,!.-,
era seu arinazern a ra da Cruz n. 57, as 11 t*x?'.
dos as docas, e pela percepgo da armazenagem
dos gneros e merca lorias.
Tomadas estas condices assim soladas, nada
mais conveniente do que tal contrate ; porm at-
tendendo-se as suas conseqoencias, lendo-se em
visia a connexSo que ha entre elle e as circums-
tancias dilTerenles, que se prendera a sua execugao, Phncip.aram huniam os exames
outro .-era o juizo acerca dessa conveniencia, que nos d^ 1 auoo da Encola Normal ln>to
bem pode ser capilulada de problen.aiica, e tradu- examinados 6, que oMfm. .2 ruLle :
. zida alo no tuneo Junaos el dona {renles do poeta Kranci-co de A Mnnivir p- ... .,./-, V
As madres sao gradas r russimos de ferro, e laUno S T 1l- onteiro Putea, rranciro Cari 1
o vigamenlo de madeira de I uualidade. E' ludo Com teto, prm, no vanlS ao ponl de deseo- t ^n, nX UlunZi'r^'r M 'LT, *Z
perreltameote arraojado, de iodo que a sua soli- nhecer as vaulageus, que resnllam das docas : \SZ5^W?iJ!&&Jl*&+. i"
E, p. ra prova disto, ba,ta ne.n ainda que um con'.rato em taes cond.ges seja ^^.T^' U,M?. ""P M'"'' **
aizer que nossos companber s lodos enlraram uos d conveniencia, quando a elles se aaureguera ou-
vagoes e passaram pela Grot -Funda, nao obstante tras especiaes e que se ligara a circurasiancias
Seglo hontem para a Europa, borJe o
paquete inglez HHone, o Sr. F. ?. Borges, 1 .,Q>m
foi confiada a gerencia da c rnipanhia IVrnamrMi-
cana, e que forga da mais severa e esernpn*a
economa, e das mais rwm cnmbind* wnfai.
tem conseguido colloca-la no estado ero que se
acha actualmente.
Somos 1 o formados qoe vai o Sr. Borges erar-
regado de razer acquisico de navios aa>s
para a navegagSo de-te e dos demais porto* or
onde escalam os vapores da companhia sot> oa
gerencia.
Como d'antes, na ausencia do Sr gerente
Borges, continua o Sr. Justino J. de S. I lampos
dirigir os negocios da companhia.
O Sr. Jos Bonifacio dos Santos .Mergoln
alistou-se hontem no 5* corpo do voluntan*-,
aprejentou para o mesmo corpo e [orara iliilieVi.
mais 13 cidados.
Com destino ao 6" corpo de voliuurio Ut-
ram apresentados pelo Sr. Man- d'Avila Braeo
os segrales cidaiaos : Jjs Wenceslao de Je^uX
Vereda, Amaro Jo UoAraaral, e Joao Sirai.tik
Pereira da silva.
Amanhaa da o Club l'einambmcano a na
partida uo correte mez, a qual deve ser oocor-
nda.
em nossa passagem,
1 gira' o prestito do arsenal de marinha pela s^m duvida porque nutrem seolimentos paraguayos,
na Oireiu al a copelia imperial, na ordem se- Diversamente esies procederain os Entre-Bianos
guilo : 1 que cominerciavam coinnosco, vendendo sempre
Urna guarda de archeiros; urna banda de mu- queijos, manieiga, cavallos, carneiros o outros pro-
sica militar ; os porteiros da cmara formando duelos da provincia,
alas; lodas as pessus seculares, militares e eccle
siaslica-, sera dislinrgao nem precedencia que qui
zerein ter a boina de acompanhar a Sua Magesta-
de o Imperador, urna vez que essas pessoas se I
apreseiiiera vestidas a' corle de farda ou de hab-.
Noticias recentes davam a esquadra, inimiga for- llJS [a|ares jaiaeg dtj hefe d d ,
7 vapores escapados do Riachuelo, de dos, subdelegados, Illma. cmara municipal, ma
gislrados, senadores, deputados, presideule da pro
um construido uliimamenle era Assumpgo e de al-
gumas chatas.
Tinnam os paraguayos suspendido o vapor Para-
guary, mas eiicouiraram-o era estado tal que para
pouco poda servir. Com o Jrqnilinhonha foram
mais iufelizes : o vapor nao satura do fundo do
rio.
Ao encerrar-se o coogresso argentino, pronun-
ciara o Sr. vice-oresideute da confederago o se-
guinte discurso :
Senbores senadores e deputados.
O eommando em chefe dos exercitos alliados,
a que foi chamado o Sr. presidente da repblica,
proporciona rne a honra de dirigir-vos a palavra
no-u solemne occasio.
V.niio ilespedir-rae dos e-colhidos do povo ar-
gonliiio ; e cumple nesta occasio o dever de rna-
nifesiarvos o reconnecimento do poder executivo
nacional pela Ilustrada e patritica efflcacia com
que o 1 orles apoiado as importantes medidas que
se lornavam necessarias para a guerra, a que foi
lao Iraigoeiramente provocada a repblica, e que o
governo evitou com delicadeza e constante atten-
cSo, em qoanto foi isso compativel com a seguran-
ci do territorio e com a honra nacional.
' Venho pedir-vos que, regressando ao seio de
v .-sos comprovincianos, uaocesseis de animar seu
patriotismo, afim de que multipliquem seus (^sfor-
Cos para levar a termo promplo e" feliz a empreza
i- honra em que a naco esta' comproroettida.
ni que as amarguras da guerra e os duros
eaeriflelos que ella impoe, nao nao de >er esteris
nem para a paz fuiura, uem para a prosperidade,
nem para a gloria de nossa amada patria. C-rii-
licai-lhes que aquelle peder mystenoso, erguido
durante meio seclo as silenciosas florestas do
Paraguay pela sombra insptracao, e a arabigo in-
sensata de tres geragoes de despulas, nao lera po-
dido resislir ao claro da eivilisago e da liber-
dade.
Mostrai-lhes como essas legioes do barbaris-
mo, aniquiladas ou vencidas na presenga de tres
nages cultas, to torpemente aggredidas, tem da-
do Ja mostras da eapacidade militar do exereito
sem Historia, sem tradicao de gloria, e sem o fogo
Felizmeute, gragas a' raoralidade o disciplina do
exereito brasileiro, o direilo de propriedade tem si-
do garantido em toda aplenitude, por toda parle por
onde transitamos.
Seguod > inforraagdes e boatos que correm, os
Paraguayos esto coocentrando suas forgas dentro
do territorio da repblica, cora o fim de de collo-
carem-se na defensiva, desmoralisados pelas derro-
vincia do Rio de Jaueiro, inogos lidalgos, fidalgos 'as successivas que tem supporlado.
cavalheiios, mdicos da imperial cmara, ofQciaes Presumo com bjra undamenli (a ser verdade o
menores, guardas roupa, titulares sem grandeza, que dizem), que as portas da cidade de Corrientes
olliciaes-mres da casa rapen il, veadores, geulis- se bao de abrir aos exercilos adiados pelo mesmo
borneas, grande do imperio, couselheiros de esta- modo porque se abriram as da cidade de Uru-
do, porleiro da imperial cmara; S. M. o Imperador guayaua que se achava fortificada em poder dos
debaixo do pallio, o qual sera' cooduzido pelas pes- iunuigos.
soas coustantes da respectiva relagiio, segundo a E, qnando porventura lenhamos de encontrar re-
ordein que Ibes competir, e entre alas formadas siotencia, esla nunca sera' forte diaute do valor
pela guarda imperial de archeiros. Suas altezas experimntalos dos alliados, acostumados a levar
reaes os :>-. coude d'Eu e duque de Sav tema- de vencida essas hordas de selvagens do Para-
rao o lugar de honra que por Sua Magestade o lm- guayos,
perador Ibes for designado. Esperemos. *
Alraz do pallio segoiro as pessoas empregadas Ha pouco chegou a este acampamento o general
noservieode Sua Magestade o Imperaior, e de Antonio Manoel de Mello, cujaillustrago militar e
sua- altezas reaes durante a sua viagem. Fechara' pericn couliecida inspirara iuleira cuiitiauga' ao
o batalho que hzer a guarda de honra no lugar exordio.
do desembarque j S. Exc. foi nomeado commandante da divisao de
_ Logo i|ue Sua Magestade o Imperador chegar; artilhana, e acha se no exerclcio de seu iraporlan-
a capella imperial o parque de ariilbana postado j le cargo.
no largo do Pago salvara' com 21 uros. 1 Parte hoje (14) cora de-lino a Buenos-Ayres, u
As titulares, damas e agaalas seguiro parabas, Sr. cnurgiao mor de brigada Dr. Malheus AJves de
suas tribunas, das quaes ^erao assi-lir a este Andrade enc.irregado da sauco do hospital mi-
litar ambulaute, constituida na 3* divisao do exer-
eito.
ser aquelle o primeiro emaio sobre, urna ponie
cuja altura de 200 ps bastar a para infundir ter-
ror, a nao ser a solidez que a
a E ella corresponden
Fez-e o ensaio do modo m;
vagoescarregados de ferro, e
urna linba.
A perfejgo desla obra
devida pericia do emprej
o qual, infaligavel, velou na
balho.
Assim por nossa parle e
com as obras da nossa estrac
certos de que ella vai ser grt
< Lamentamos smenle qi
teja gozando das vantagens
de offerecer. Pedirnes aos
providencias para que o t
irla da. provincia nao continuara privados desse be
Defiera.
E' necessario aniquilar
guns individaos propalam
para aquella empreza.
Ha mu i lo pouco tempo
trada de ferro mal projectadaj
obras eram irapossiveis; vir
obra annuui'ia.
confiauga de todos,
is feliz-, pas-aram os
ella nao oscillou nem
em grande parte
ado James uffield,
execugao deste tra-
tamos contenlissimos
a de ferro, e eslamos
odiosa.
e a provincia nao es-
que desde ja nos p-
poderes competentes
minercio e a indus-
ma f cora que al-
holicias desfavoraveis
des pralicadas; passaram a t izer que as obras es-
lavara fetas muilo iigeiraim
luosas. E' necessario
nidos.
Para que as obras nos n
fianga basta observar que ell
por pessoa de cipacidade ex|
genheiro era chefe das obras
Bruufees, veio pessoalmeote
balhos, e os approvou. E el
contenlou com os exames
correua picada.
Para a execugao das obr;
lizia-se que foi a es-
que muitas de suas
km as impossibilida-
locaes.
Ora, apreciadas as cousas com a calma precisa,
dar-sc-ha effectivamenie esta conveniencia?
Por precisar o nosso porto de docas, couse-
quenle. que sejaui ellas coustruidas indifferenie-
inenie, sem escolha de lugar adaplavel as necessi-
dades do coramercio ?
Ao contrario, isto cousa de que se nao pode
prescindir em taes deternnnacoes, tanto mais
quaulo sendo as docas urna lacilidade ao coinraer-
cio, nao deve ser este de.-atteodido em seus com-
uiodos, que nao repugnara com a escolha de sita-
gao harmnica para cousirucgao daquelles seus
auxiliares.
E, poi deesiranhar, que tendo se de resolver
sobre materia tilo intimamente ligada com o com-
mercio, nao se dignasse o governo imperial de ou-
vir a Associaruo Commercial desta praga, que como
represeMaote delle. como mleressada primarla no
que Ihe seja a bem, deveria sugeitar a considera-
gao do mesmo governo todos os inconvenientes
praticos, queresullam do plano do Sr. Mornay ;
e assim meditados elles em sua procedencia, se-
riara por certoallendidos, de sorte que, combinados
os inleresses recprocos, nao ter-se-hia de ver a
zmo de Alouquerque Maranlio, siiu,.i.-iueni-.
A repeligo da Actm IMni 00 BaMjad oi-
limo foi mais urna noile de .-eusagoea agrad 1-,
que a Sra. I). Adelaide Amaral proporci-^owi ao
nosso publico, a i|ueinrlleclivaueoie exiastoo coro
o trabalbo de artista coinp.ela, qoe apre-culn,
idenlilieando-se com .0 papel da -urnmidade uea-'
tral queretratava oa mais mieira seruelbanga.
A sociedade dramtica Thalia Ptrnamhueana
'leu a sua recita mensal.
0 irabaluo sceu co-ciireu rom regulndole.e a
satisfago dos convidados foi completa.
Tocou nos mtervallos a mu-ira particular Em-
terpe Nacional, que obsequiosamente se pre-t-o ao
convite da sociedade. manifestando assim om.i har-
mona sempre grata entre mocos que se MfjaMM
Chegaram hontem : o vapor de goerra mglez
Linnel, procedente de Porismouth, e coro d->lin.)
II una e Blo de Janeiro; e u vapor lnujtite, da Ii-
uha de Liverpool, procedeuie do Rio do Janeiro e
Babia.
Fizeram acto hontem na Faculdade de Direi-
to os segu o tes i-studanles :
ute, e por isso
l. anno.
Leopoldo Cezar Berredo. filenamente
'h'. Joo Podra Colares Morelra, idTm
defei ('Ue reVcla desconsideragao a Assocuno Commer-
desprbzar lio ridiculas opi- 2"" Kd"! Sfl T'"1'1'1 l,uha 'BKr'>':'
do aprego do governo imperial.
E' forga. portaulo, coDessar que no contrate a
eregam completa con- qU(! nus referimos, deu-se sulfreguido indesculpi-
s foram projecladas Vel, seuo eensuravel mesmo.
perimenlada ; e o en- Sem o slttdo preciso, se lorinou urna cadeia de
inglezas, o Sr. James obrigagoes, cuja exienso se uo melio pelo exarae
* previo, como cuuvjuha; e assim, quando urna par-
le velava, a outra dorma, compioineliendo-se sera
cousciencia talvez do que fazia.
Cora tlTeto, o lugar que se assignala para a
cunsirucgo das docas, o menos proprio para isto.
O espago euire o ca'es do Ramos e suas adjacen-
cias e u projecgo ao sul nao tem elleciivameule
propoigoes capases de comportar nvios car're-
gados, quer a' entrada, quer a' sabida. Ha ah mui-
las coroas, que impedem a navegago ; e sobre is-
to, ha anda a falta de profundidade da inar para
e para isso nao se
dos pertts. A p, per-
s, tivemos o Sr. Hen-
derson, que profissional, be n conbecido por pe
da America. Se nao
soas habilitadas da Europa e
acredilar-mos em taes homet s, nao acreditaremos
em mais ninguem.
E nem se diga que elles
balho por nao ser feto para s
O contrato desta obra ten condigoes bstanles dar-Ibes livre transito nes-e movimento, de sorte
para que s inglezes aqu re
companhia, coojunctarnenle
cal, por nossa
perfeitas. >
parte, nao ai mittam obras seno
BkJ.-r
is miui.
para os
STo rEond"ca,sas'que iospira a abDega- '^Sa^TSM^Sm
. i,,.. I...J '.......,a.... ______........ pessoas que deseiarem beijarsua augusta
acto as esposas e lillia- dosTrTiui.-irus e secretario
de oslado, dos couselheiros de estado, grande do
imperio, genlis-hoineus, veadores, olliciaes-mres,
seuadores, deputados, titulares sem grandeza, li-
dalgos, cavalbeiros, mogos lidalgos, guardas-ri-u-
pas e mdicos da imperial cmara.
Os membros do corpo dip omatico e consular es-
trangeiros oecuparo com suas esposas e filbas na
capella imperial as tribunas que costumam a ser-
Ibes destinadas.
llavera' tamben] tribunas reservadas
membros da assembla geral legislativa.
I'ni'lo o acto religioso que nesta occasio deve
ter lugar, sua magestade o imperador, ajompanha-
do nicamente das pessoas de sua corte e casa, se-
guiro na forma do esiylo para a sala do docel pelo
interior do pago.
A este lempo, achando-se j postada a tropa no
largo do paco, dar esta as salvas do estylo, e pas-
sara em continencia, depois da qual saja magestade
o Imperador se dignara de receber o cortejo do
eiro, e das
jarem beijar sua augusta mo.
O porti-iroda imperial cmara, serviudo de raes-
tre-sala, dar as providencias, para qhe as oessoas chegara
que oceuparem as tribunas da imperial capella, douro
anua que nao p-rtengam a corte e casa imperial,
oem ao corpo diplomtico e consular eslrangeiro,
possam ser opporlunainenle adiniltidas a augu.-ta
presenta de sua magestade o Imperador se deseja-
rem ler esta honra.
O Sr. Dr. Malheus vai investido de urna commls-
sao importante que entende-se cora os interesses do
publico servigo.
Em homeoagem a verdade devo dizer-lhe que
esie nistinto e perito medico brasileiro havia sido
nomeado Io cirurgio do exereito, e que em todo
tempo que esleve na companhia prestou importan-
tes e valiosos servigos numiuidades enferma, sa-
bendo sempre suavisar as dores dos enfurmos cora
palavras delicadas e consoladoras, a par de urna
medicaco sempre proveitosa.
raot
Ira
Dizei Ibes que os soldados argentinos apre-
seotam-se com honra nos campos de baialha, de
par com os seus nobres alliados.
Oi/ei-lhes que esta" muilo porto o dia em que
um lirado de jubilo, defundin lo se por todo o m-
bito da repblica, festeje o ultimo tnurapho com
que as armas da allianga serao coroadas no termo
da lula.
Dlzei-lhes, finalmente, que o sangne dos ar-
gentinos de todas as provincias, vertido a' sombra
ha Slfc&SXbfE, SLS "0,"ra,de l"'1*' 1 lra"s"" *" *i de "nannha at a capel
lnnaeK .- n ,ndes,r.acl,Vfl' v,ncu-' imperial seja fe.ta era canuigens, estas entrarao
e um l'n, Tr^' eso'"'UJo l,,l'ux,,mf'.< "o mesmo arsenal e dal.i deslila o, logo que o
Ju^ Vivando n, 1 r^?'1",a Pr,v,dtnc'a D"! '"esmo augusto senhor determinar ao seu estribe!
vmaf saivanoo-nos em provas dilucels, pondo em
nossas mos tanlos e to valiosos sentimemos de
prosperidade, e as.-egurando nos o gozo inestimavel
da! 'Cra tenh iVnZuT '.'"m re','em- ,- ,iucvao uue ""Tem ler a honra de acompanhar a
cerrada aV^estrenn^n a Ern*0 e"" sua *&>>** Imperador,.co.n tanto que se apre-
pegara a Buenos-Ayres o encouragado Timan- ,ares eoche do porleiro da imperial cmara, guar-
Ciim rtesiinn a [Tman.uin* ., a., k a'roul,a raC'1'1^ e capello mogos da eslribeira ;
ParaTconcor0d,aa, a3oT\rSpTt PrS ff/KT 5ffi :CChe "S L^
a breada bahian vereador ; dous coches com os mioistros e
As ltimas noticias da Bolivia diziam que os re- liTT d.?est"" P"ia"leS d,e cavallaria co'
voluconanos da paz, sob o corarnando l corone! ttSSTtlrEZri* ^
Fomos obsequiados com folhas do Rio Grande do
Sul at 27 do passado, viudas pelo patacho Adelina,
entrado houlera.
S. M. o Imperador e SS. AA. os Srs. conde d'Eu
e duque de Saxe chegaram ao Jaguaro no dia 21, e
a Pelotas no dia 24 e a 27 partirara para Porto Ale-
gre no vapor S. Miguel.
Eis o que a tal respeito escreve ao Commercial
o seu correspondente de Pelotas:
S. M. o Imperador Suas Altezas e comitiva
m a 24, pelas i horas da larde, ao Sangra-
ao passar porSanta'lsabel deram fundo os
vapores de guerra'que transporlavam o sequilo im-
perial, desembarcando Sua Magestade e mais pes-
soas que o acompaohavain naquella freguszia, sen
do ah entusisticamente recebido pelo povo,
frente do qual vinha grande numero de senhoras
Sobre Londres sacarara-se
26
esle paquete a cerca de '20
26 e 27 1/8 d.
Sobre Parts, as operagoes
boje, foram importantes a 360
do a totalidade das transacgCes para o
tremos
cerca de frs. 1,000,000 aos
367 rs.
Sobre Hamburgo sacaram-s somenle
b. de 660 a 675 ris.
De aupliees geraes de 6 "/,
no lote a 93, e outro de aegoe
a 3000 de premio.
Fizeram-se vendas pequerbs
950o0 e 93130.
EXPOHTAgAO DE HRifa BE 1 A 7.
Se por causa do lempo ou por outro qua.quer tfSEZZSti^MtZZZEEm
ovo, sua magestade o Imperador ordenar que o agradaveis de v.vas, msica e foguetes, se dirigi
aiisiio desde o arsenal de marinha ale a capella a iorpi, a ,,, ,,' ,,, ":/"; c \,n ,'"?T
ro-mr, segurado o prestito esta ordem
Mu-ica,-piquete de cavaaria, baledores da casa
imperial, carruagens de lodas as pessoas sem dis-
Castro Arguedas, coiitrauavam mtrincheirados, era
numero de 1,500 homens, sert atreverera-se a dar
um passo ao encontrado inimigo.
O presidente provisorio, general Melgarejo, esla-
va em Oruro com ura exereito forte de 2,000 a
2,500 homens, oque dera lugar a que no Polosi
apparecesse novo memento em favor da revolu-
<;ao, organisando se em breves das urna divisao de
00 a 1,000 nomens.
A' vista disso, Melgarejo resolver deixar o
xercito em Oruro com o coronel Montero, e se-
guir em pessoa para o Polosi, a' frente de urna di-1 Avalar
vi-o 1 bgeira de 500 homens.
Veniicara-se o encontr ; a aegao durara pouco,
eos insurgentes, aos primeiros tiros, dispersaram-
se, deixando Melgarejo senhor do campo.
Os fugitivos haviara passado para o territorio ar-
gentino.
Em virtude disso seguir para Sallo e Jujuy o
a igreja, e aps disso foi offerecido a S. M. o Impe-
rador um excedente copo d'agua, que S. M. o Impe
rador se dignou agradecer, embarcando urna hora
depois para Pelotas, onde chegou s 7 horas da
noite.
S. M. o Imperador foi recebido nesta cidade
com o maior enthusiasmo que possivel imaginar,
no porto de desembarque, alm das autoridades e
povo que o esperavara, estavara as senhoras mais
gradas do lugar, e segurado S. Magestade a p at
a cidade, eocontrou esia primorosamente il,omi-
nada, sobresanindo a praga do mercado e tbeatro.
O povo em ipassa nao deixou durante a noite
as ras, bandas de msicas o um sera numero de
fogueies abrilhaolaram durante a noite a recepgo
de S. M. o Imperador.
No dia 27 deve S. M.o Imperador seguir para
a capital da provincia, aonde se demorara' de 3 a
4 dias, vindo depois para essa cidade.
S. A. o Sr. conde d'Eu chegou alguma cousa
lente guarnigo de mogos da cmara, archeiros e
rangos da eslribeira formando alas o ajudanle ge-
neral e seu estado-maior ; um corpo de cavallaria
da guarda nacional.
As carruageus, depois que. tiverem deixado a' -
eoirada da capella imperial as pessoas que condu- laeommdado, porm sem que inspire cuidado,
zirem, seguiro pela ra da Misericordia e iro n 8
postar-se na praia de D. Mailbel. vaDOr Mersey sahe amanha para Southamp-
0 dia do desembarque de sua magestade o lm- l0Q com escala uela Bahia, S. Vicente e Lisboa, a
I perador no porto desta capital ser de grande gala. mala Para e?tes PrlQS recebida na agencia do
Secretaria de estado dos negocios do imperio, em crrelo inglez hoje al as 1 horas da tarde.
4 de novembro de 1865. Fausto Augusto de
O patacho nacional Amrica, sabido deste porto
Relago das pessoas nomeadas para pegarem oas Para Santos no dia 26 do mez passado, perdeu-se
varas do pallio, debaixo do qual sua magestade a0 demandar^ aquella barra na pona de Taip.
o Imperador ha de transitar desde o lugar do seu A tripolagao foi salva.
de-embari|ue no arsenal de marinha al a ca-
pella imperial* P'al relago se refere o aviso Recebemos honetm datas de S. Paulo at 4 do
desta data. corrente. O que de mais importante oceorreu de-
Paquete inglez llione.
Southampton :
Manoel Godinho da Costa Ni
& C. (em barra)..........
Lisboa:
A. Dordan por 12 passageiro
moeda).................
Paquete brasileiro Presiden
Montevideo :
Mau Mac Gregor" & C.
ongas)................
RECAPITULA'
^O
relaxaram
11 paiz.
o traba-
identes por parte da
om o eogenheiro lis-
que sem ter o porto a eapacidade. precisa para ad-
miilir navios de grande calado d'agua. se nao licam
nesla silagao inulilisadas as docas, s.i todavia ue-
I galivos os seus etTeitos para o coinmercio.
i Nao cogitou, pois, o projeelo do Sr. E. Mornay
boje quantias pouco desta circunstancia, que a es-encial ua materia;
importantes a 26 d. papel bancano, e a 26 1/4 e e lomaudo pur base delle a constiucgo smente de
.,.{.. ..'.,.6 parl!eUJa.res.'. ^'11,1??.1?0- 0S sa.1UAS P"a I docas ,,a locahdade assignalada, nao Bonsideroo na
profuudidade da barra e (rauca entrada para qua
OJO aos extremos de
r e hontem tarde e
e 361 ris, spmman
Rhone em
de 351 a
30,000 m.
rendeu-se um peque-
do banco do Brasil
de soberanos a
Oaro.
graes
e.
Deslino.
Southampton.........
Lisboa..............
Montevideo...........
I
2:;
( em
2:391i8IO
4:8005000
1,053
AO.
. 31:6901000
Ouro.
arra.
91*840
Moeda.
2:
Era caf, assucar e courefe
lar.
Entraram hoje de Santo
goda 1, dos quaes cerca de ^00 por
portadores.
Colamos o de S. Paulo d(
iras procedencias 1.5 menos
Ha em ser cerca de 2,20(
800 ditos.
Ex porta rain-se durante a
Para Brdeos......
> Havre.......
Liverpeol....
> Soulharaptora.
4,770
Sahiram para Pernamb|nco a barca prusslana
iano Sara Alida, no
cnsul da Bolirla, afim de promover o desaVma- d,ar'Se"h0 qUa,r lUrmaS deW peSS>S M" &* P.--~a-d-----ra C0rrei C0DS,a das car
ment dos sediciosos.
A'eerea da questo do Chili com a Hespanha,
referem as folhas de Buenos Ayres que o almiran-
te Parejas pedir no seu ultimtum reparago de
offensas feitas ao governo e a' nago hespanhola,
entre as quaes figuram algumas que exigiam lar-
ga discusso, e que portauto o prazo concedido
de quatro dias fora insufflciente para resposta me-
ditada.
Suppunha-se que o bloqueio estendera-se a
tas que licam transcrip as.
A priraeira rarma do lugar do desembarque al L'se no Diario da nltima data :
ra dos Pescadores. ^ d'a 2 do correle, a convite do Sr. enge-
A segunda turma desta ra at a' da Alfandega. oheiTo Joao Henderson, viajamos pela estrada de
A lerceira turma desta ra a' do Ouvidor. ferro at viaducto da Grota Funda. Foi nosso
A quarta turma desta ra a" capella Imperial. nm principal assistir ao primeiro ensaio da passa-
As tres pnmeiras turmas sero compostas das gem do trem por essa grande obra.
pessoas seguintes, as quaes subsliluiro urnas as c Acompanhararanos neste agradavel passeio
outras, em suas rallas, na mesma ordem em que os Srs. J. J. Aubertln, Madeley, Welbi, Hutchiogs,
vo relacionadas. Os ministros e secretarlos de Sampson, Giphardl e Dulley. Desla cidade foram
estado, viscon le de Abaet, visconde de Sapucahy, corauoscoos Srs. Dr. Martinho Prado, seu filho
Coquimbo e outros portes da costa chilena do Pa- visconde de Jequitinhonha, visconde de Itaborahy, Caio, H. Schroeder, engenheiro Goraide! Pedro" is"
cinco. \ i visconde do Uruguay, Miguel de Souza Mello e Al- mendes e estudante Francisco Silva.
Cuma qoe o governo do Chili estava disposto a vira, Jos Antonio Pimenta Bueno, Manoel Felizar- O Sr. engenheiro em chefe residente D Fox
conceder cartas de corso, e que varios agentes ha- do de Souza e Mello, Bernardo de Souza Franco, vindo de Santos, nos encontrn na Grota Funda
viam ja partido para a America do Norte com pie- baro de Prados ( presidente da cmara dos depu- Fizemos em hora e meia a viagem da Luz ao va-
nos poderes para distribuir cem dessas carias. tados ), raarquez de S. Joo Marcos, marquez de duelo. E' este passeio dos mais bellos que se do
Ui negociantes esirangeiros residentes no Chili Itanbaera, conde de Baependy, conde de Iguass,
haviam-se reuoido na praga cora o proposite de visconde de Barbacena, visconde da Caehoeira, vis-
Molloy, e o brigue havove 1
da 6.
Achavam-se carga
brigue Sorpreza, os brigues
marquez Elisa, a barca hand
ten e a barca porlugueza Gi"6
Haiiia.Estivtrain mais n
canboneiras hollandezas, co
A Balet, do comraando do c.
Irnncoyvoo Briogel. monta
Brl.do comraando do lente van Manreret, mon-
ta 5.
0 vapor inglez Rhone
quer navio, sera atiender a que sao estas eireums
tandas todo para a exequibilidade das vantagens
promellidas pelas docas.
(Jue presumo tero estas se os navios nao pode-
re w chegar ale elas pela obsiruego do porte
Que servigo faro se smenle navios de pequea
calado poderem entrar para ellas?
E' visto, assim, que ponstltuindo um privilegio
para a empreza, nao curou o governo de contraba-
lanca-lo em devidos termos, reservando-se a i.-eu-
gao do onus do meiliorameulo do porto ; no qual
lera' por tanto de continuar a despender capilaes,
ou sera' forgado a lazcr um novo coulialo para es-
se melhoramento at ao ponto das docas, contrato
que pela dependeucia de objecto cabera' a mesma
empieza, que dest'arte licara' duplicaJamenle ar-
mada sera uulidade publica real.
Temos para ns que nesla materia, antes de
qualquer resolugo, devera preceder a audiencia
nao s da Associacao Commercial desla praga, co-
mo ja o ili.--e.iii-, seno tambera do governo da
provincia, da inspectora da alfandega, e de outras
autoridades com quera ella euleude mais directa-
mente, abra de que com a consulta deltas se podes-
se assenlar no que mais couviesse a' interesses
que se prenden) to intimamente.
Resolugoes tomadas a pundade em taes casos
nao atiingem ao fim directo do objecto, a que de-
vera drigir-se; apeuas chegaro a ura pomo de
convergencia, que ainda nao qoalifinaremos, urna
imaum '"" 1utJ baseamos as nossas cousideragods ein da-
31:6o03000 du> hypothetleos.
A falla, pois, dessa audiencia to oecessaria deu
em resultado deixar-se a' parle um projeelo sobre
o mesmo assumpte e que satisfaz amplamente, vis-
to nao ter negiigenciado o esludo da coa emente
localis^go das docas ; o que por certo uo cousa
secuudaiia na materia.
Deixuuse a' raargein, com elleilo, o projeelo do
Sr. Dr. Barros Barrete; e no entretanto profissio-
naes o dizem preferivel. Nao temos prelengo a
dogmatisar era nossos pensaineutos ; mas vamos
com esses que assim julgara lal projecto, urna vez
que elle allende a' cou-as, que uo podera ser pre-
tendas, harmonisando a collocagao das docas com
os interesses legtimos do bairro do Recife.
Parece prefer vel arada esle projeelo, porque col-
locando o porto desta capital entre os tres bairros,
que a formara, corta por maior dispeudio, e resol-
ve a grave questo do rompimeote do isthrao de
Olinda, questo que. tanto inleressa a' nossa popu-
lagao, e sobre a qual nao se tomou todavia ainda a
precisa providencia, sem embargo de goveruo im-
perial ler mandado urna coramisso de engeuheiros
esluda-la.
A vista de todas estas consideragoes que se nos
offerecem ao espirito, muito avisada andou com of-
felo a Associaco Commercial Beneficenle resol-
vendo representar ao governo imperial contra o
presumido contrato do Sr. E. Mornay; e eslamos
que o governo ha de reconsiderar a materia, como
couvm, fazendo cessar os motivos de queixa que
ora se levantara, por nao haver na resolugo te-
mada a atlengo oecessaria aos inleresses geraes.
!918i0 36:4505000
nada temos a no-
1,004 fardos de al
conta de ex-
22 a 235, e das ou-
fardos, e em Santos
fauinzena :
100 fardos.
765
2,30o
1,600
ara Peroambuco : o
oglez Gleaner e dina-
veriana Lad Wurs-
hdao.
1 porto da capital duas
n destino Balavia.
pilo lenle Chilford
10 pegas \ \ a Den
levou para a Europa
76 oitavas e 16 graos de diai iantes.
O cambio regulava : sebre Londres 26 7|8 e
27 d.: sobre Paris 360 rs. ; sobre Hamburgo a
703 rs. e sobre Portugal do 110 115 %
L-se no Jornal:
1 S. Exc. o Sr. presidente na provincia, em vis-
ta do requerimenlo que Ibe dirigi F. Ryard, sub-
dito francez, peaindo que fosse nomeada uraa
commisso para dar seu parecer acerca de um
apparelho quadriloogo. que, depois de arduos es-
tercos, conseguio eslabelecer po engenho Pitinga,
do Sr. baro de Matuim, o quall fabrica diariamen-
te para mais de 140 arrobas tie assucar, melbora
a qualidade, augroenta o renldiroeolo, econoraisa
muitos brago e dimraue o gasto do combuslivel, e
julgaodo digno de exame e e.-iudo serae I liante me-
nomearem uraa commisso permanente que os re- conde de Caraam, viscoode do Borafim, visconde
presenta.-se as circurastaneias aciuaes. I de Ypaneu.a, baro de Lages, baro de Suruhy, ba-
a pedido dessa commisso, dirigir o corpo con- rao de Munba, Jiaro de Maroim, baro de ltama-
sular urna nota ao almirante he*panhol, pedindo- raty, baro de Nova-Fnburgo, baro de S. Gongalo,
Jhe a designagao dos portes sobre que deveria re- baro do Pilar, baro de Pirapama, baro de Mon-
cabir o bloqueio. teserrat, D. Antonio de Saldanha da Gama, D. Jos
Apezar da auitude verdaleiramente seria da de Saldanha da Gama, D. os de Assis Mascare-
parte dos dous goveroos, espera-se que todas as nhas, D. Maboel de Assis Mascarenbas, Augusto
ameagas nao seriara pjstas em eiecogo, algum Duque-Estrada Mayer, Jos Joaqulm de Siqueira,
arraujo pareca possivel | Manuel Hygino de Figueiredo, Jerooymo Martms
Noticias mais recentes, do | do corrente, davam de Almeida, Micolao Antonio Noguelra Valle da
a chegada ao Cbilj de um expreso do governo ar., Gama, Fernando Olas Paes Leme, Joaquim Jos de
Ihoramenio que pode produzir ma notavei e gran-
*%&%. Jl? SSS0T excava5ese de vangem no fabrico do assucar, por acto de 8
0 do corrente noraeou uraa commisso composta dos
aterrados mmenso*
de magnificas e variadas vistas para lodos os la-
dos. Muite nos agradou a boa ordem que reina
naquelle servigo.
Os empregados de estagoes eumn/em soas
obrigagoes com presteza admira vel, e os encarre-
gados da concluso das obras da estrada empre-
gara o maior desvslo para faze la slida. Tera-se
multiplicado os dmenles e laogado lastros de
modo que, em breve, tera a estrada eapacidade
muitas vezes maior do que a oecessaria para a
sua rnaxtma carga. Tivemos explicagoes minu-
ciosas, de professionaes n5o suspeitos, sobre a oa-
proprieiarios Drs. Jos AugusU Chaves, Pedro Mu
mz Brrelo de Arago e coimendador Thomaz
Pedreira Geremoauo, afim de |iroceder ao referido
exame.
No domingo leve lugar a fesiade NossaSeoho
ra do Bom Successo dos Navegantes, na igreja do
Pilar, com bastante pompa e brilbaotismo, solan-
do-se durante o dia e noite crescido numero de ba-
loes aereostaticos. O templo eslava elegantemente
decorado, e em toda a ra haviara muitas bandei-
ras que a ornavam.
A bengo da bandeira do 6o corpo de volun-
tarios da patria, deve ter lugar no dia 26 do cor-
rete na igreja do Espirito Santo.
A sabida do vapor Oyapock, para as provin-
cias do norte, foi transferida para o dia 12 do cor-
rete.
Estove hontem no lamarao, afim de largar o
pralico da costa, procedente do Ceari com 5 dias
de viagem, o vapor americano de goerra Lincoln.
que vai para o Rio de Janeiro com escala pela Ba-
bia Monta elle 6 pegas e 1 rodizio e tem 62 pes-
soas de tripola^o.
PERNAMRUCO
'
O vapor francez Ouirnne trenxe da Eoropa
226 passageiros, sendo 18 para o nosso porto, 1 pa-
ra a Bahia, 61 para o Rio de Janeiro, 14 para Mon-
tevideo e 122 para Buenos-Ayres.
REVISTA
Nao ba auno que noticame
O vapor inglez Rhone trouxe dos portos do
sul 78 passageiros, sendo 8 para o nosso porto e
a deliberado lo- 67 para a Europa.
Jos Jarinlhn de Souza Filho, dem.
Antonio Silvio Ferreira de Cramo, simplesmnte.
Joo Ferreira de Almeida Guimiraes, pleoamente.
' Alexandre Jos da Cuan Valente, dem
Francisco Augusto da Fonceca e Silva, siroples-
meote.
Manoel Joaquim Cavalcaoti de Albuquerqoe. ple-
namente.
2.* anno.
Arminio Adolpho de Pontes e Souza, plenamente.
Nicolao Rodrigues da Cumia Lima, dem.
Jo- Roberto Vianna Goilboo, idem.
Terencio Jos Cnavaues, dem.
3.* anno.
Firmino Gomes da -ilveira, (llenamente.
Francisco Jo- de Souza, idem.
Eduardo ngulo de Aguiar Bello, idem.
Benedicto Rayinundo da Silva, idem.
4" anno.
Antonio Ribeiro Pacheco d'Avila, plenamente.
Ignacio Jo- d'Oliwira Arruda, dem.
Joaquim AlfOS da Silva, simplesmenle.
3 anno.
Esperidio Zamiro de Souza Lopes, plenamente.
Ernesto Odilon Maciel Moiiteiro, dem.
Jeflerson Mirabeau de Azevedu Soares, dem.
U escrivo dos prole-tos de letlras, Alves d#
Brito, esta de semana.
Remetiera nos o seguinte, pedindo a publi-
cagao :
Animados pela ulili-sima recommendaca.p que
S. Exc. o ilustradissimo Sr. |ire< denle dfc Ti'Vin-
cia acaba de lazer a Illma. cmara MHMfSH e
mais autoridades competentes desta cidade, s.,bre
os montes de liso que existera em diversas locali-
dades, lembram is a quera competir, a existencia
dii lixo srdido que certos moradores todos M das
vo despejar junio do portan e muro do quintal
'iue tica a direita da ra da Palma, e entre a ra
Paz.
Admira, que n'uraa cidade onde j prir.cipion
a raiar o faeho da civili-agao, anda se vejam a
luz do dia, certos moradores irem fazer o* >ie>
pi i os domsticos junto dos muros da casa do sea
visinlio. A ezhalago pes ifera de taes iinroondi-
cias bem patente a quem por all passa, para no
nao deixar faltar verdade. >
Acerca da 7Visso B'asilian GoldComHin>j en-
contramos no Mining Guzetle:
c A companhia brasileira das minas de nurode
Tasso (Tusso brasilvm Gold ( ompang) com o ca-
pital e 200:000 em arges de o publicou o
seu prospecte. O objecto desta ernpreza adpjoi-
nr as possessoes lerntoriaes do Sr. Jos Jan-mt
Tas-o, situadas no centro do disincte aurif--ro da
Parahyba, e explorar as minas de ouro ao norte d>>
Brasil era uraa escala (diz o prospecto) e rom um
macbinisino to aperfeigoado que se formara uraa
empreza de immediata e grand.o produego.
< II i j muitas minas desroberus, e a i on.pa-
nhia obiera do g.iverno brasileiro o privilegio da
expl .r.pci.i e compra de miias as provincias da
ParahylM e Pernambuco. Tera se eiio raaMni p-n-
saios : o primeiro |iroduzio I oz. 9 dwis. 21 grs.
por tonelada de metal, e 5 amostras t blidas de dif-
fereules parles da mua B ia-Esperanga deram 2
ozs. 9 dwts. 13 grs. de ouro por tonelada. Oa ou-
tros en-aios forain fetos pelos Srs. Gudherme Reay
e Thomaz Andrew, e algn- mais recentes apre-
seutaiu resultados mais satisfaciorios : por ex-ra-
plo, uraa amostra que o Sr. Carlos Martin ensai. u
produzo 3 ozs. 10 uws. 13 grs. de ouro e 18 dwis.
de prata por louelada de metal, e oulra 12 oes. 5
dwts. 13 grs. de nuro e 3 ozs. 13 dwts. de prata
por tonelada. Outra amostra ensatada pelos Srs.
Johnson e Mallhey produzo 6.350 ozs. de onro
4.230 ozs. de rata por tonelada.
i Recommenda-se a empreza, porque a Ierra so-
bre que ella tera direitos contera as mais ricas rapi-
as de ouro do imperio, porque na localidad*
abundara minas aurferas que se oblero por pos-
eo cusi, porque o terreno em Pianc de lacil
explorago, porque o paiz populoso e frtil, e o
trabalbo barato, e alera d'is-o uraa ptima '-irada,
por onde conduzida grande parle do algodo ea-
portado de Peroambuco. passa pelo sitio 4a coa>
cessAo em Pianc. Tudo faz crer que com ansa
moderada despeza se tiraro grandes lucros. Cal-
cuiou se que anda que se reduzam 30 tonela-
das de metal por dia daro um lucro sC'bre o cos-
to da obra de 46.300 por anno. Os termos m
compra sao. que nenhum pagamente se (ara at
que os terrenos lomera a ser examinado-, e o oar
encontrado em quantidade adequadas velos as-
pregados da companhia; e que o Sr. Tasso, V:pis>
de ser reembolsado das despezas feitas cotn a ae-
quisigo dos terrenos e direitos de explorago e eos
accionistas terem recebido o premio do seu drahei-
ro, participar com a companhia dos lucro na es-.
plorago. Dizendo-se que o Sr. Carlos Capoer
(pres dente d is docas de Southampton) o pr**t~
denle da companhia, e que no ronsetho fifi
Srs. E. Johnslon (director do ernton ral I
Venir), Sebaslio Pinto Le te (director la
nhia universal de seguros martimo), e Boneray
Price (director da companhia das ninas OV >mr
de S. Joan del ivo) superfluo accresceolar eje a
dirergo altamente respeitavel. Das MUtH ae-
goe-, capital da companhia, serao eimuida* ja
20.000, das quaes s 14.000 sao offerecidas ao ara-
Mico. O deposito de urna ai no acto d> pedi,
outra ft na occasio do raleio das aees.
Eis as ulUmas noticias comnercrae da raa-
ropa :
Breroen, 19 de oatofcro :
< O algodo melhorou de valor; rnl>rarr i di
Pernambuco e Parahyba de 35 a 48 |t. de Ma-
celo de 41 47 e o de Maranhio de 45 a 90 gis.
Os couros de Pernambuco vendnra-w Ui
14 gis.
c Hamburgo, 20 de ootuaro.
c 0 assucar tem (ido aniraago e procura, t ra>-
_____________:--------------,----------------------------------------------f ---------------------,---------------------------------------------------------------.
*


filarlo de pernambarctr Terca Ur.tz f J ie !Vt*renif>ro ote 9.

por 100 libras. Citamos o brinco
de 19 ti e masca vado de 17
to 8 schillings
de Peroimbueo
18 sch.
t Os couros salgados seceos vea.djaram-se de 3
l; 6 sch,
Havre, 22 de outubro. > uij ,(-., .
Veuderara-se 1381 balas do Brasil de frs. 230 alguns dos-homeos dhioa .desta cidade, os quaes j o tinado Antonio da Costa topo Monteiro .
Pssseiv.parao'StiPBm vapor
rano.
de guerra amerl-
pela pfi-
310.
c O cacao do Para* obteve frs. )0 os 50 kil.
Os conros foram procurados aos precos de frs.
39 85 os 50 kil.
Porto, 27 deoutubro.
<* O assnrar de Pernambuco procurado aos
exposico verdadeira desse faci, assim como dos bla provincial na Iwiura do expediente quanlo rae
outros a ijue se allude, sineaie serve paraeonfuh- disseram que urna pessoa procorava-me (fol a pes-
0.1 que sempre prncorou-roe a respeito desse ne-
gocio eno uta) para dizer-me que o Sr. B^nto
i
oBsiUsass.
do
^aiila lasa ib Misericordia
Ketife.
A junta administrativa da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife manda fazer publico que no da
9 de Janeiro do anuo vindooro havera concurso
neito nassarei acrora a narrar o occorrido na se-! tem ehegado ao meu eonhecimuato : e nwo forem menr; porua absoltido oo segundo den-ip-af*!-
iTihiii iiMlii I *. "> ootroB os faetos a que o Sr. Dr. Sa quiz laco d parte adversa e a refeeo o mandn- no-
Havendoo irmaoministro na parte temporal e o alludir, S. S. lera a borfdato de Indcalos, e peco- vo jury. Quaodo se apitalmatt a poca da r,-
Rvm i,LX commiasano oa esuiritual anda que < lite que o faca com a pdssd vel preiIo. | vocacao deste, o- Sr. Ifeotal mandn* saber se eswa
X tranquilidad* de -suas conciencias, do consultarem urna pendencia que bou ve najuizo d orphSos ra aue.maiidasse- pagar me
eos dnitos .desta cidade, os quaes \ o tinado Antonio da Costa Re?o Monteiro : na ver tira defeza.
Hmrdes uue ao irmo Jos Pinto de Maga-, dade attribuo principalmente a esse negocio minha Nrogn mi me affweceu mals da parle desse se-
ihaesooBM substituto do syndico eleito o anuo ezoneraoo do logar do curador de orphaos, mas a ohor, ale que n uro-a manliaa en eslava r
protlmo passado, nao perience o logar de defini-
dor discreto este anno, e por conseguinie, que esse
lugar nao podia ser oceupado por outro, sem que o dir a calumnia
irmao Tiburcio Valeriano Baptista, syn lico elelto Antonio da Costa Reg Monteiro havia nido tutor
Breos-- braneo de 1*950 a 2400, smenos de do anuo passado, dupois de ser avisado, delse de.dri u-u rapaz de nome Claudioo i. A de Amorim.
liftO a 1*900 e o raasoavado de 1$400 1*600 comparecer a duas sess5es ; sob pena de nullidade Este ja havia sido emancipado e r^eh.do seus beuf
n a nos actos da actual mesa pasando recibo ao seu ex tutor, quando dirigi ao
. I Istias V) deoutubro O irmao ministro certo de que a materia nao Sr. r. Sebastio do llego Barros Lacerda, ento
. Vendern, se iludan 4 r n por arra- de .nterpeiS. nem mesmo a mesa regedora p-: jniz deorphios, queixas contra o modo porque seu d.reito sobre quem era seu advogado e propondo
. Yenderam.se ..a' *"8'a? V0 de del berari conservacodoirmao Jos Pmto co- ex-tutor linha administrado seus bens e tinba com Ibe o mesmo juiz o adiamanto de seu julgamcnlo
^ITlVwfwM^Tw^icSii tZ^o^eWoZAm acto ltenla- elle ajustado certas cunta, O Sr. Dr. Lacerda por se fosse necessarioistopara queseu advog.docom-
^^Xmkll^^unM orlo contra a Vi que rege a ordem, enlendeu a seu despacho nos autos mandn quaeu como cura- parece se respundeu elle flue quena ser julgado
salgados de 1( por "l. be,n da me-ma e fundado as raines de direilo,, dor a vista das queixas de Amorun re.iu.resse con- naque le da mesmo, que e i hav.a de.xado de ser
4oa e Por, Ac"s c vel como espiritual acabar com um ahu,o tra B.go Monteiro o que fosse de dire.to. R cuse.- seu advogado e que >o l.v a advogados em quanto
1 me a isio, allegando que j estando Amorim eman- teve dioheiro. Eu nao onti Isso ; foi o que se me
cipado e no goso da ainancipago, nao me cabla disse.
requerer p^r elle em juiro. Devo declarar que antes de mim o Sr. Rento le-
^fini.lnr me e' direito deiermiumdo uue o! Devo declarar para ser completo que nesse tem- ve por advogados outros Jislinetos collegas, dos
frm?o Jos ?Pin!?cedVs d suaSnrrm infunda poo Sr. Dr. Lacerda milita na. poltica da pro- quaes um sei que. at ha pituco tempo eslava por donlrina rhn-.aa f.O, colleccao e compeud.os pa-
da lfi.nMi. ii9rr7 abuac )fa W e n ora o vinca e llego Monle.ro era presidente de urna so- ser pago dos trabalhos que he prestou. assim como ra as aulas de prime ras letras oO, elementos de
-. i ciedade poltica adversa ao partido do Sr. Lacerda, o eslou eu, pela defeza qua Ihe i, nao o haven lo : geographia universal 2o, economa da vida huma-
eslava no jury a espera de que eu o fosse defen- nesla secretaria para provunonto do lugar je es-
der. Sahi da assembla apenas asabei de ler o ex-1 crivo : os pretendentes poderfio dirigirse a mes-
pedienle e lu para o jury :
que o Sr. Bento interpelado
ah chegando soube
pelo S?, Dr. juiz de
Eslavam a' t-arga para
Hamhurgo. Ida Charlotte ; e em
Aran
Laia
Lu
Passatfeiros do v.ipor|francez Guiennc, vindos
de Bordenx e portos intermedio:
Geuranni Feozeuzano, Bruno Gniseppe, Faraco
mhurgo Ida Charlotte ; e em Li-boa e Porto, nao so civel como espiritual acabar com um abu,o ,
minJa Un/io, Retampigo, Soberano, Florinda e que de cerio seria funesto no futuro, deliberando I
ta I- para o Maranho Malta, Formosa e Marta que o irm.io secretario lavras iza: para o Para" Adelaide, Vniao, Linda, Li- o irmaoTiburcio para ir tomar posse em nvsa como |
' r~ __ J.I--.1.I-.. ... k <.. A n I .- ,,-n -i n 1. i unan
na secretaria para as precisas infonnacoes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
e>fc 11 de uoveinbro de ISO
OulDcial,
Manuel Antonio Viegas.
Arsenal de guerra.
O consclho de compras do arsena
precisa comprar o seguinie :
Para aula do presidio de Fernando.
Carlas de A B C UO, laboadas 1U0, a.ilbineticas
praticas para nso da^ escolas 100, compendios de
de guerra
Andrea, C. W. Wamse.uuaceber, Ilull Henry, Ma-
xuniaoo Febronio Esmeralda, Antonio Cassemiro
da Tnudade, Jj;io Mauoel da Veiga Seixas.
Passagetros do vapor loglez Rhoue, vindos
Jos portos do sul:
Tbomaz J.-ITeris, Miguel Raegio, Francisco da C.
Araujo Pereira, Rufino Anl<>uio de Mello. Joao Al
que
enceirou a ses>n. A vista pois do expend
do ninguem de Iwa ( podera' censurar
nistro.
O irmao secretario depois de incerrados
balhos declaiou que nao cumpria a ordem
nisiro : veremos, pois julgamos que reflectindo,
nao querera' sobrecarreu'ar cora a responsahilida-
de imii.ediata, poiquanio esta sua desobediencia
ves da Cruz Jo'o Correa Pinto, Antonio Corra de concoire para a nullidade dos trabalhos da mesa ;
Va co:icellos,Cassiano Andr Calmen. e se essa nullidade persistir acarretar prejuizos
Passaseirus do vapor fraocez Guienne, sahi-. a ordem, alguem os ha de pasar,
dos para os portos do sul : O ir.nao Jos- Pinto, fuodamentou o protesto que
Bernardo da Gama de Souza Frapco, Eduardo fea, e prosegue com a ac^ao no juizo conpeten-
V> usto da Silva, Luiz Pereira de Araujo e 1 es- te. AqueUe., porm; que uao se convencerem
eravo Robert.. de Barros, Agostidho Dias de Lima, com o expendido e com o diteilo do irmao minis-
1 Marcelino deSouza.Oynlloda Cosa e i fiiho, tro, esperem pelo julgamento liml, e nao entejara
Au"ii-o <\<- CarvaJho, Franeisoo da Co-ta Ramos, perturbando a quem de boa fe e gratuitamente es-
George Hufuagel, Barbara l'.uckelshusen, Ilerfrtila- ta' resolvido a preaar seus erviyos a
no M. Franco, Demetrio Jos Teixeira, Jo- Per-, Para convencer a afuera que esta
reir Franca, Manoel FeruanJes da Molla Pereira q*e alguma
e criado. I "do nico, de que a recusa do
Passageiros do vapor ioglez Rhone, sabidos
incommodado com a exigencia do
na 25, thesouro de meninas 25, historia de Simao
.. ... j j i____ __ i. .... ...'.
o mi-Ida qual eu fazia parte. Nao quero atlhhnir a sent- ate o preseute ._........._
! ment poltico o procedimenlo do Sr. Dr. Lacerda que me deve. de Nanlua 2o, os dever.-.s do h>m.m 2o, selectas
os tra-! para com Reg Monteiro: mas nao me era agradavel Ahi esta'o Sr. lenlo; inlerpellemno, indaguem classicas 25, o bom menino 2o, compendios de
do mi-' requeror entra este em juizo quand- o dever do delle .|uanlo quiz-rem : acredito que, elle nao con- grammatiea porlujjueza oO, traslados sorUOOi HK),
' raeu cargo nao me obrigava a isso. Comprehendo tramra' a verdade do que Bca expendido e no que pedras de lousa 50, creSes 200, papel almaco, res
dever, nada mus restava- me parece nao haver nada que rae desaire. I roas 8, p-noas de afo 4 caixas, peonas lapfl 4 dn-
Eis abi toda a verdade a respeilo dos pontos so- zias, caetas lO, iinleiros de chumb;, pares 12.
hre us quaes pens versarem as prfidas insina- Para provimeulo do almoxanfado.
coes : se sao ouiros, ja proroquei e torno a provo- 11,000 metros ae bnm braneo, e 5,500 ditos de
car o Sr. Dr. Teixeira de S a precsalos: nao re- algodoznlio.
ceio da syndii-aiic.ii a que esla' sendo submultida
a minha vida i.ublica e particular.
Sr. Dr. Teixeira de Sa, uro homem de bem nao
escreve contra outrem nslnuacoes infamantes como
que se lora esse o meu
me fazer, seno cumpri-lo ou deixar o cargo ; mas
llmiiel-me a nao cumprir a tarefa de que o Sr. Dr.
Lacerda me incumba por ter consciencia de que
o meu dever me nao obrigava a curapri la.
O Sr. Dr. La.-er.1a in.ist.o na sua opin.ao e eu
na mioia, coulinuando a pendencia com o juizo
cx-ofliciu.
Algum tempo depois, tendo o Sr. Dr. Lacerda de
largarla vara de orphaos pir occasio de sua no- essas que ahi fi.am desfeitas a nao estar conven
meaciio para juiz de direilo, exonerou-me do cargo cido dolas : mella a mito na sua eonsci.ncia e jol-
ordem. de curador sem qne na portara de demissao se
persuadido, contenha urna s palavra que possa justificar a ca-
j tem'o irmao Jos Pinto, uo sen-' lumniosa imputaco que refuto,
ex-syndico Tibur I Aitribuo minba demissao a al
co, importa urna ausencia ou morle, ou mesmo que poderla ter licalo no Sr. Dr. bMdaM
qnndo este nao quera lomar posse do lugar de lude daquelle meu procedimenlo, e aos pedido-
definidor discreto, aquelle perteuce o lugar que
oceupapasso a descrever o que contm a tal res-
pello o ari. 7o dos addicionaes :
Arl. 7." As faltas dos deliuidores discretos de
que trata os arls. I i e W, que deve ser tirados do
i vice-miuistro, secretario e syndico que acabara,
Extracto das parte dos das 12 e 13 de noverabro suas Mus serfio prehenchidas por outros que te-
!S(j5. nham servido Cargos iguaes sem dtsUnr.yio :......
Foram recolhidosa casa de delencaono dia 11 rio ..............................-----.....
correBle ->,:',0 iratarei, nem lao p.mco aualysarei.de urna
.V ordem do Dr. delegado da capital, Mana Fran- nova questio de nullidadeque ante honiem tato-, ^^ ^ ^ ^^.^ ^^ proprl Sr.
.Dr. Lacerda, a nao ser o facto qne acabo de refe-
fiara a Eur. pa :
Dr. Birtholomeu Torquito de Sonza e Silva, An-
tonio da Silva Lima, Francisco Ferreira Borges,
Jos Cietano de Carvalho, Joao Jacinlho de Souza,
I is M irgado Portella, Jos Ribero Bemfjilo, Jos
Luiz, Sebastio da Silva Mariha.
BSPABTICO DA rol.lCIA.
12
vir-
que
leve de parentes seus mu chegados para que antes
de deixar a vara de orphios nonvasse curador ge-
ral o Sr. Dr. Joaqu.n de Souza Res, pedidos que
poderiam ser oSSciosos e independentes da vontade
do Sr. Dr. Res. Retiro esla cireumstaneia nao por
que .deseje dirigir a mnima o(Ten>a nem ao que
me demiltio nem ao que me subsigui; mas por-
que a uecessidaJe de luiuha defeza obriga-me a di-
zer loda a verdade.
Servi o cargo -le curad .r desde 1853 at 1858,
durante o exereicio de div rs is jaizes, com que_rn
cisa da Conceicao, por ferimentos. rada ao conheclmento do respectivo jai/.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio. Ga- las; nao s por julga-la secundaria, como lauUwm
briol, escravo de Jos Cavalcanti de Albuqnerque
e Bernardino, escravo de Joo Jos Heuriques, por
jagos prohibidos; e Gabriel e Clara, escravos de
Francisco Barios Pires, a requenmeiito deste.
12 -
A ordem do subdelegad) do Recife, Alexandre,
ingles, por disturbios.
A' uniera do de Santo Antonio, Antonio, escravo
de Barros e Silva e Raymundo, e=cravo da viuva
d.. Dr. Rocha Bastos, poronga.
A" ordem do da B la-Yisla, Francisco, escravo de
Joao Cavalcante, pr fgido; Jos, escravo dos
hei deiros do Dr. Antonio Lucio Alves, para cor-
rer oo Aleivo, africano iivre, por bnga.
A' ordem do dos AITo/ados, Francisco Ramos da
Silva, como uesertor.
O chefe da 2* seccao,
J. G. de desquita.
- Cas* iik dbtkmqo.
Moviiueut. do da 12 de novembro :
Exisllam 337 ; eutraram 8 ; sahirao 10; existem
335 ; ,i .-aber : nacionaes 229, mulneres 5; es-,
trang ros J8, mulliers 3; escravos G7,.escravas 4;
total 338.
Alimentados cusa dos cofres pblicos 180.
Mono cuto da eufermaria uo da 13 :
Tiveram alta :
Jos Alves da Silva.
Albiuo Jos da Silva.
Antonio Francisco de Lima.
desairosa para os convictos de seu conteul > ; Vis-
to qHe tendo se prestado juramento de cumprir e
fazer cumprir os estatuto- da ordem, s agora que
Ibes loearam na corda senoel, que querein aca-
bar com os encargos de consciencia. Descausem a
consciencia, ja' i|ue dao demoiistracoss de uo te-
reni o tino preciso para bem interpretar o- estatu-
tos, pois alguera lites 'ara' ver o nenhum funda-
mento de lao estulta preteaco.
Um umao.
Recife, 13 de novembro de 186o.
COMMUmCiDO!
Ordem terceira de S.
cisco.
Fran-
l'ma queslao de orden e de direito se suscita
a< lualmente na ordem terceira de S. Francisco
desta cidade, a qual esta' seudo adulterada no sen
tido unico de se alcancar adeptos compre, pois,
I. v .r os fact'S ao conhecimento na i s dos respec-
tivos raaos, como tambero do publico em geral,
aii n Je que nos e outros a jolguein com cooheci-
m-ut > de causa, e fagam devida justica estigma-
Usando aquelle oa aqoelles que, naj querendo ver,
rynicamente sustentara urna questao i-or dentis
injusta e al perniciosa aos intere-ses da inesn.a
ordem.
A' actual mesa regedora, era sua segunda ou
ter.-eira s-ssao, ful pruposta urna iodieacae de or
dem. -obre a legalidade ou illegalidade de um de
membro;, que wm a ser o ter o irmao Jos
substituido por tres mezes
Nao disse em meu coinmiinioado, trans-
cripto no Jornal do Recife de 11 do cr-
tenle, que o Sr, G. L. Cambronne havia di-
rigido repre^entacao a seu governo para m-
lervir com o brasileiro, atim de que fose
execut :do o seu contracto: o que d sse, foi
o que ouvi a um dos protectores desse con-
tracto ; islo que o Sr. C. L. Caubronne
tinlia caria do ministro francez, o Sr. de Saint
Geurges, que Ihe dizia o que refer.
Mais de urna pe.-soa sabe disto, e afrmo
qu* ouvi oque referi a quem, segundo creio,
mais tem ata liado o Sr C. L. Cajibroinej
em sea contracto, fzendo desapparecer as J
diffieu darles que surgemde tempus a tem-j
pos; deve idoacrescentarque na mesma oc-.
casian nv disse essa [ii's-o.i. que jlgava que;
; a presidencia da provincia nao precisaval
de autorisa-.-o da assembla provincial para;
'.modilicar o contracto do Sr. C. L. Cam-,
bronne.
provavel que actualmente a pessoa, a
q :e me reporto, nao queira autorisar-me a
nr; e ape'.ar.de-ii hiver terminilo posso dizer
que desaviado com o Sr. Dr. Lacerda nio me coos-
tou jamis que elle dissesse de mim causa alguma
que possa justificar a prfida iosinuaco.
O sr. Dr. Lacerda nao se acha pa provincia ;
mas nao sera diOloil ao r. Dr. Sa obter delle tolas
as informacoas.quH qolzer.
Ahi esto os carinos a disposigo do Sr. Dr.
Teixeira de Sa, revolvaos, examine ludo ; de
sua honra di/.er quaes esses orphaos contra cujos in-
teresses advognel sendo curador dalles : pro i etto
nao ehama-lo a respocsabilidade a respeilo do que
o Sr. Dr. Sa publicar irrn ido com o .seu nomo; de-
gejo explicar ludo peranle o publico, para que nem
me tisne a calumnia.
Peio appellido nao sei quera seja_ o iudividuo a
quem se refere a segunda insinuacao e em cujo
inventario eu concurdasse no pagamento de tettr.is
accedas depois da morte do devedor ; mas a peili
gae-me. Reflicta no papel que esta' (asendo; nao
d lugar a que se diga de S. S. que pretende lucrar
con o prejuizo de minha repulaca ., quanto a pro-
fls-o que ambos exercemos !
Podem os Srs. Dr. Francisco Teixeira de S e te-
nenie-coronel Manoel Joaquira do Reg e Albu-
querque continuar a descompor-me e insultarme
sob a assignalora, que o publico ja' c nhece; nao
darei mais resposta seno ao que rmarein com
seos nomes, se o que publicaren) for digno de res
posta.
Recife, 11 de novembro de 1805.
A. J. da Cosa Ribriro.
P. S.Som-nte no sabbado(ll) pela nu-nlm
pude levar typographia o escripto supru porque
itvo necessidade de procurar autos para recordar
com precisaq alguma? das circumstancias que era
mistar referir.
Pasdlhas veruiifiigas de :*eit j>.
Chamamos a aitenco de todas as mais para o
remedio mais agradavel e til que se conbece para
fazer expedir as lotnbrigas : as pastillias vermfu-
gas de Kemp
Em vez de todos esses immundos e perigosos re-
medios vermfugos, eomposlos de toda a casta de
mineraes, apresentamos um delicioso confrito ve-
getal prompio e infallivel na sua operacao, nao cau-
sando causeas nem encommolos de qualidade al
goma, produziudo sem,ire o seu ellelo de una
maneira suave e completa, nao carecendo depois
assistencia de qualquer outro purgante : uiil como
am excedente meio de fazer remover as obstine-
THE \ r no
DE
S. ISABEL
EMPREZA-- -OIMBEA
RecMa extraordinaria em benrfri4a
obr s da ijtreja Ar, i. S ) Tere
Tercu-feira 14 de novembro
de 1865.
Representarse :ia o drama em *> irl>^.
0 CEG EOCORCUNDX.
Finalizara' o cspecticolo a coniedi > 'ni I iru
TO torquato
domeara a H horad.
mm maxmmi.
CHPiMH\ HKWHIlA
goes do venlre, mesino no caso de nao existirem
da insiuuaco creio que a reprodcelo da queja yermes alguns, e finalmente lornam-se ellas dianas
me foi dirigida era outr.i occasio e uas cirenms- p r tl)jos os re!ipfttos da confianza e approvacao
taocias que pas-oa referir. de todos os pais de familia, os quaes acharan estas
Em 18'i9 o Sr. Rernardo Jos de Barros, Porlu- pa.tilhas eleganlemente acondicionadas dentro de
guez com taverna na ra das Aguas Verde.-, procu-
rou-me para acceita'r su defeza na accao qua Ihe
propuiitia certo inliviiuo para haver d^lle a im-
portancia de urna letra que o Sr. Bernardo dizia
estar falsicida. Afrmo que jara us couheci o Sr.
Bernardo senao de.-de o dia em que pr .urou-me
para este negocio.
Acceitei a cusa e e upenhei-me com esforco oella i
porque eslava profundamente conv.iucido da frauda
praticada contra o raeu constituate, e vi-roe obri-l
gado na susleolacao da .-.ansa a procurar fazer pto-
va na que a parle, adversa por seus precedentes era
cap iz do que se Ihe atlribuia
A iniuha dedieaeao por essa causa custou-me boa
j dse de insultos da parla adversa, a qual para fe-
l hr-raU)em como ao meu cliente, juniou aos aulos
umas^rtides para mostrar que havia quatro an-
| nos linha eu como curador de orphaos concordado
oo pagamento de urnas leiras de que era portador
frasquinhos de crystal.
Vndese as pharmacias de Caors & Barbosa
e J. C. Bravo 4 C.
As pessas que qnizerem vender dilos artigos
apresentem suas propostas na sala do conseiho, as
11 horas da mnhaa do .lia l'i do crreme.
Sala do conseiho de compras do arsenal de guer-
ra 11 de oovembro de 1865.
O encarregado da escripturacao
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Arrematado.
No da 14 do correte, depois da audiencia
do Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos ir a praga por
venda com o abate da a" parle o sobrado de tres
andares e s.to da ra do Amorim n. i">, avahado
em 5:0005, conforme o escripto em inuo do por-
lelro. _____________________________________
Consulado piroviucial-
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que no dia li do corr.-nie mez se bao de arre-
matar ero ha.-ta publica, a' perla desta repartirn,
ao meio dia, > escravo Flrmlno, cabra, idade de ~ii
anuos solteiro e sem profissao, e avahado por-----
1:100$, appreheodido aos coromerciantes Abren *
Veras pelo official externo da secretaria da p. liria
Jos de Vasoueellos, e 70 cairos de cabra curti-
dos, 30 m-ios de sola e 6 peiles, apprehendidos a'
Tbomaz Times pelo guarda desta mesa Francisco
Jorge de Souza.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
9 de novembro de 1865
Antonio Carneiro Hachado Itios
Administrador.
A inspectora da alfandega desta cidade, ero
vinude da portara da iue.-oun.na de fazenda n.
141, desta data, precisa contratar para o expedien-
te da niesma reparlicao no correte anno Onancei-
de 1865-1866 os objectos abaixo de.-larado- : os
pretendentes devcio apreseular .-uas propostas i
em carta fechada at o da 15 desta mez V ser- j
cao da alfandega de Pernambuco 6 de novembro
de 1865, a saber :
Para a guardamoria.
Lonas, brins, bandeiras para signaes de 2 e 3
paiiuos, ol-o de linhaca, tintas preparadas a oleo,
ditas em p, breu, alcatrao, veruiz, lio de aigoJo,
tiiolos para li.npar ferragens, piassava, estopa, ets.
Para lacraco.
Graxa, sebo, cera em grume, cadarzo estrello,
azanao, laxas de bomba, cabos de diffrrentes qua-
lid ules e grossora, azeite de carrapalo e de coco,
linternas ou pbaroes, faqnelas de ferro, correules
PflOUTEs"EA VAPOR.
E'esperado d..s iwios
al o da 19 do corrate o tafrur
Oynpoik, cominanjaiii C-ir >
Co.-ia, o qual d voi- da demora
do cuslume seguir' para o*
portus do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e eaja-s a
carga que o vapor pi. ir ce. lu..- a qu.l d->^a
ser ambareada no di., de sua efergada. maMnao-
das e dinbeiroa frele al o da da -aluda i 0.-
r.s : acencia ra da Cruz n. 1. -srriptono de Aa-
nio Luiz deOtmira Aievcda A (-
tara o Rio de Janeiro
Val salnr cora brevidada o i.ritue A.lrlaMk
por ter a raaior parte de s^u cu reg.ni'-ii i trata-
do ; e par 0 qua Me falu, trata s<- r >m a ron-ig-
nalario Joaqun) lo- lion.jalves IMtrao : m roa
do Vinario ii. 17, ." andar.___________^^__
PARA 0
Rio de Janeiro
pretende sefdir com ir.ui' i br : |. .lha^ le
nacional l'iednde, tem (.arle do <- cu.:
engajado : para a re-io Jf-p- I! I
frete, para >d qoaes tet? -arrll ir .-.
traase rom os seo- c n\ju'natrio- .'. l
de iiveira Azevedo A C ,
da Cruz n. 1.
-.. a
00 s'-u esiripl-r,
COMMEL
u.
Ciw lilial 'lo banco du Brasil
Pei'iiaiii tuto.
A ca xa descoma as letras de seu
em
aceite pela
taixa de 7 0|0 ao anno.
Osnarda-livrns
Ignacio Nunes Correia.
\ovo baueo de E'eruan
buco.
O Novo Baueo descuuta letras de praso at seis
mezes a 10 poreento at- auno, e toma dinheiro
a praso lixo, ou ero conta correte pelo premio e
conjIc&BS que se coovencionar.
Eu poileria ac-
mas abstenho
me iie faze-las.
13 de novembro de 1865.
Dr, Joaqnim de Aquino Fonceca.
Pinto de Magalbaes substituido por tres mezes e
alguns lias do anno prximo passado as faltas do consegllisse O filll ilesejado.
ydico, e estar de posse na mesa actual de um dos cre5Cnt;,r a st0 reflexOes ;
lugare de definidor, discreto, que em direito per-
teaee uoicaroente ao syndieo eleito o anno pas-
sado.
Esta radicagao fol timada na devida conji lera-
co, especialmente pelo illustre irmao ministro,
que como chefe cumpre-lhe de facto e de direilo
velar pida regularidad^ e boa orden dos trabalhos
da mesa a que preside,adra deque as dellberacoes
da mesma nao se lomera nudas; a vista do que
eoleodeu a h"m da ordem encerrar a ses.-o, afim
de que considerada a materia econsultada ua par-
te do Qireito, fosse decidida com justica e reclido:
conira o que o irmao Jos Pinto de Maealh-s pro
test m. O expendido a historia fiel do prnneiro guuda vara
rio |iara exhibirem o respectivo aulographu, pois
Xovo Banco de Pernambuco
U Novo Baueo paga o dcimo quinto di-
declarar seu nome; mas don minha pal.vra|0 dito'Bernardo no inventario de Jos da Silva' dovindo na razo de8? por aego.
aun refer a venale, e poderci dizer em Moreira, estando o saque antedatado, porque sella-.
r. .. Or r I ri.nl.cii.nt. nii^n p das em Lrauc.o.em 4 de maio de 18-j.j, o saque de
conQanca ao Sr. L. L. Caul .oi.ne q ea t; u[na e.UvH auledHlajo umdia,eodaouira quinte;!
essa pess- a. Lstou persuauao que ella .ne preienleudsede.iuzr dessas circomstaocaspre-
n30 ne^arl 0 que me disse ni ra do Impe- sumpgoes contra a nteireza de meu carcter,
rador, em urna man-., quando eu me enea- Eu t.nha perfidia insolencia de minha .nnoceu-
i o .. -- mKl& ..mvinci-.l ca ; mas era mister Je-fazeresie artefacto da mais -
minliava para d dbS' mblea provincial. | wtaBMIa 8 dl nwi prfn)a perversidade.
Nefando ) Sr tLJL Cambronne o que me (;ra ,,ossiVe| qe o Sr. Be nardo ou aiguem por el-
foi dito por essa/peasoa, nao faz mais do, i houveese requerido ai nue mostrar de que meOS se urevalcciam mente de modo que eu como curador podes ter
raleares d,lu con.rac.0 ,,, e,l= *"-*. ;^Z^Z^^Z
pblicos que inl'.rvieram no inventario, e cuja res-
ponsabililade nao era menor que a minha* mas fe-
lizmente veritiquei, como o publico vai ver. que
nao foraraos illuddos, que o debito de que se trata-
va era verdadeiro.
[inmediatamente procurei os autos do inventario
de Jos da Silva Moreira ; examinei-os e vi que
delles conslava ter o inventariado fallecido em
Portugal em 17 de maio de 1855 ; que antes de
partir para Portugal Bzra aqu testamento no-
meando seu irmao seu primeiro teslamenleiro, le-
gatario de sua terca e tulor di um lilho ; qne a
etra de que se trata tlnha sido acceda pelo seu
ai.FaNDEGa.
Reudimento do dia 1 a 11......
(dem do da 13...............
218:7893310
7.77.J62
226:o59702
Tendo lido no Diario de Pernambuco de 3 do
crrenle mez, urna publicaco assijjnada por Ma-
rianno Jos de Souto, na qual sou calumniado pela
maneira mais grosseira e indigna, bem como os
Srs Jo- Bernardo de Carvalho e Rodolpho Gomes
em audieucia
MOViME.NTO DA ALPADBiJA.
Volumes entrados coro fazendas----- 416
cora gneros..... 264
v*oiumes sahidos cem fazendas..... 10
t coro geueros..... 342
680
------- 352
^SrZ^^^^^^
desla cidade OS editores (U mesmo Dia
pretenda proceder com todo o rigor das leis con
Ira lao balso detractor.
Os srs. editores, porm, craparecendo audien-
cia apresentaram o autograpuo assignado por An-
tonio Jos de Souto e nao Marianno Jo.- de Souto,
como sahio na publicaco alludida.
Nao cooheco nem sei que exista individuo al-
gum com os nomes cima referidos de Marianno
ou Antonio Jos de Souto, o vejo, p ds, que o meu
calumniador feria cobarde e deslealmente por traz
da mascara que Ihe proporciouava um nome in
ventado.
A' vista disto provoco solemnemenle por meio
desta a"est.e covarde detractor para que apparega
francamente em publico, se capaz, assomindo a
respousabilidade de quanto diz, porque ento re-
cebera dos tnbunaes do paiz a merecida repres-
so.
Recife, 13 de novembro de 1865.
Floripes Adolpho de Vasconcellos.
de carta de ordens daquelle ento
que a petir;3o para
como
lellra
em Portugal
Ca-o.
Antes de traannos do mais, julgamos conve-
tiieiite copiar textualmente os artigos dos estatutos
que ri fin a materia em questflo.
f Arl. 16. Para o lugar dj, ministro, procurador
geni e os seis definidores discretos o.io se deve se-
guir-a mesma form.lilale, pirque a eleicao da-
q i leve ser Iivre a' vontade dos ele!lores, a do
procurador geral nao se faz uecessano urna nem
outra nasa por dever ser o ministro que acaba,
com > e.costume, e em quanto aos seis definidores
discretos serio lirados do procurador geral que
acaba at syndieo inclusive, sendo completo o nu-
mero com irmios ex-ministriis ou vice-rainistros
pro|iots pelo Rvra. padre commissario de accor
do com o ministro............................
Art. 104, comhmado om o disposto no art. 67.
t Era casos de morte ou ausencia para fra da
provincia, sendo autes dos seis primeros mezes de-
pois di posse, se fara' nova eleicaoconforme o art.
2-1 ; e depois de passado esse tempo se rogara' ao
par 0 lugar pelo resto do lemp qne faltar.......
..............................
' N.io querendo-se attender a disposicSes lao ter-
minan-es, allegara que, o irmao syndieo do anno
nrox.mo nassado no lim de 8 ou 9 mezes, fflciou lumniado em urna
r*" declarando, uao servir o resto'do lempo pnWiaadftM Diario; correspondencia escripia
completar o anno electivo ; peloSr. Dr. Francisco Teixeira de Sa e publicada
p-nal nos estatuios a mediante a intervencao e a cusa do Sr tenente-co-
fazer t de certo, o que fez a mesa ronel Manoel Joaquina do Reg e Alhuqaerqu*.
d ,-o 7 viqs"i que executou od.sposlo na seun- Nao teho outros motivos para explicar o proce-
Ja n do ai. 67 combinado coro o que datar mi- d.men.o desses senhores senao, a responsab, idade
l0i- qne carrego <^^.^j aprsenle contra mim as provas qi
I), que tica expendido resulla que, se o syni.co (reflro-me ajr..nvem^de Pjr^'^.i.tm *.?a me noune. se a verdade nao esta
-dentro dos primeiros seis mezes se ausentar para
Descarregam hoje 14 do crreme.
Vapor inalezOlinda mercadorias.
Escnua mglezaCfara=idem.
Lugre inglez Eivjiishm'in carvo depedra .
Crigue ioglezCarne M. L,dem.
Barca inglezaBelle />ou/=idem.
juslilicacao dessa divida i Barca mglezaConstan/c-idem.
da de oulro credor eslava escripta por! Pataeln americano John hrystal farinha de
muilo conhecida do Sr. lonoeencio da trigo.
Caoba Goianna. escrevente por muitos anoos Barca portugueza\ do Sr. Dr. Joaquim Jos da Fonceca e que nunca bolas e farelo.
foi meu escrev,-nte; que na petico se dizia que a1 Escnua mglezaBlank onny-carvao de pedra.
letra provinha de gneros que Bernardo remetiera i Pataciio oortuguez f.ir/o.na/que.
CMPANHA BUSIiHIA
DE
PAQUETES \ VAPOR.
E' espera lo l- ,"'
at o .lia I" Oo t
l'.inihii. commindiu: i
de fragata Auidomj I na >ij
Sania Barbara, o qn-i '
demora do costme seguir' para o- |
Mil.
Desde j i'ec.'l"'!)) se pass.ig-ii.- e eiiiaja-se a
carga qm o vapor poder eoaduzir, ra
ser embarcada no da d-- -o ..,i..en......<-
mendas e oinheiro a fre.- al o da da sabida
2 horas : agencia ra da CnH n. I. escnplorij da
\ntouio Luiz de OMveira Azevedo 1 C
COMi'AXilIA PEIIXASIBC'.V.NA
0F.
Xavc^cfio coslf.ira por Wftr.
Paraliiba, Natal, Maca'), Araoaty, i^jar.i
Acarac.
Segu no dia 22 do eumaO* a vaoc Mim-ini*'-
pe, coinmaiidanle Ralis. iWeb- erg.
de dilTeienlesgrossiiras, tarros de differente-lama-i^! Encoinmendas, passag-iros e dbabalTC i btfa
uhos, remos de 12,14 e 16 ps, louca de cozinha. |li)ras ,|, ,ar(je ,j0 jj, |ja ,ahida : esrri
Para servicp de caidtania. nrt porlR rto nal.* n. 1.
Livros em braneo paraos rmateos, azeite doce
paraos guindastes, tinta roxo-terra em p. broxas
para pinturas, verniz de carvao de pedra.
Para o exaiienie das seccSes. I Nave-dCM COSlHra por>9br.
Quaderuos de pa(ieT pautado para extracto dos YamaBdare. Marra Granad, Porlu di p.-lns,
mappas, papel grave pautado, dito liso, dito de li
uho, dito inalta-borro, peonas de ac, dltaa del
aves, lai is prelo, ditos de cores, nota prela e rxa j
para esrrever. dita meziin, area prela, obrejas, |
GOMPAXHIA PF.RXAMBH:aXA
DI
idare.
lamaragibe,
Pen^d-i e At-
reguas, cadarco, caivetes e raspadeiras.
O 4o escriplurario,
Juo de Assis Pereira Rocha.
Directora das obras militares
A directora das obras militares leudo de man-
dar proceder ao concert de que neces.-ila a ponte
da lortaleza do llrum, convida as pessoas que qui-
zerem incumhir-se de lal concert, a apreseoUrem
suas proposlas na dita directora, nos dia- lt, 13
e 14 d) correte mez, das 10 horas ao meio dia,
onde podem receber os esclarecimentos de que
precisarem.
Dir loria das obras militares 10 de novembro
de 1865.
M. I. Bricio
Director.
Hg-aai
frete at a
^ue Ih faltava para
mas nao havendo dlsposicao
fra da proviocia, roorrer ou Ihe acontecer cas..s
Idnticos, isto casos que produzam os mesmos
eff-nns no sentido de haver conscencia da imp)s-
silolidado do desempenho de seu mandato, elege-se
um 80.VJJ svu lio, d-v-lhe ura succes-or, e o pri-
ahsolutamenie de o ser ^mas, se essa
lorie ou me-mo casos imprevisto-- se de-1
t( dos seis meza-, ou se o imp dimento
f, entai chama-se um substituto para fa-
zer -Uas-veies e. o irimcir contina a ser o syn-
ir.t.HVr couseguinle a ter todas as vautagans,
piinls:wse regalas inherentes ao lugar, urna das
(juae cartam-uie o ser de direilo
c,ret-i #aono sepilile
E te cart.) nem
porqne, do contrar
mesan ao bom senso o q
um que serve olio ou njve raezes, para a da la
que n syndieo elelo foi obrgado
proceden, nao por casos precarios
a Jos Moreira no Porto e que isto depozeram as
tesiemunhas, o que dava-se tambem a respeilo de
nutra justilieacjio; uue meu despacho foi que se li-
zesse justica avisla das provas; que o juiz que en-
to era o Sr. Dr. Abilio julgou a justifJcaco pro-
vada e que o Sr. Dr. procurador fiscal, ao principio
o Sr. Dr. Feuelon, depois o Sr. r. Bulino interina-
mente, assistiraro ao mvenlario e nada oppozeram
quanto a' divida de que s trata ; e vi mais que se
haviara descripto no inventario os gneros que
se haviaro reinettido para Portugal e de que provi-
nhara as duas dividas justificadas.
Nao satisfeilo com isso iodaguei doSr. Beroard)
Jos de Barros a origera desse negocio; e elle
apresentou-me as carias escripias de Portugal pelo
propno Jos da Silva Moreira exigindo a remessa
dos gneros de que era proveniente a letra e outra
carta d'onde contava a ctiegada la' desses gene
ros, sendo esta carta de Joaquim da Costa Fana, do
Porto, para onde se expedio precatora atim de
a'i.honiin 1 seren arrecadados esses bens.
Essas cartas estn reconhecidas e juntas aos au-
tos lindos em qua foi appellaule u dito Bernardo
Jos de Barros pelo cartorio do Sr. escrivo do
tribunal do commorcio Alves de Bnto. Os autos
do inventario de Jos da Silva Moreira existem no
cartorio do Sr. Facundo. Rogoao Sr. Dr. Teixeira
deSa-, eu o provoco mesmo, a que examine tudoe
que colher : nao
me poupe, se a veruaae uao e esta que aqu apr-
senlo, refteme, deixe essa figura atraz da qual se
esconde, venha discutir como cavalleiro.
Quanto ao pobre ennstituinte cuja defeza aban-
donei no segundo julgamento por nao poder dar-me
cem mil res pela defeza que linha de fazer-lhe,
com quanto se nao declare o nome do individuo a
quera isso acontecen, pens que a calumniosa im
putaco nao pode ler referencia' seno ao que se
passou corrugo a respailo do lerceiro e ultimo jul
RECEBEDOKIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Reudimento do dia 1 a 11...... 13:424*693
dem do dia 13................ 1:775*896
15:200*591
lOHRESPOIDENCIAS
Fui grosseiramente iusultadj e perdainente ca-
rne liga a urna das pessoas que exercein autorida
de na freguezia dos Alojados, com as quaes, como
sabido, tem estado o Sr. Reg e Albuquerque em
continua luta.
Se o Sr. Reg e Albuquerque jlga-se multo mo-
lestado com as palavras linaes do meu primeiro
commuu'ado, nao tem razo para isso : o qua se
disse acerca de minha pessoa oa primeira publica-
co a que tive de responder, e principalmente o
disse, consuma urna aggressao,
ou eu nao poda deixar de var d'onde parta ; e gamento aque respoodeu oSr. Bento Alves da Cruz;
quem vai aggredir outrem, ainda que encapotada- nico facto de que rae leinbro, a que a malevolencia
mente.naodeve agastar sede que se Ihe d o troco, pode ter dado aquellas cores.
lor d-s-1 S o amor de minha reputaco, que mullo preso, Fui chamado pelo Sr. Bento para defende-lo por
! e o resueno uue voto' ao juizo publico, fazem com occasio do seu segundo julgamento. O Sr. Bento,
devem conhecer,
igues Ferrei-
em juizo, nao
fallar me para
r.'slo noderia deixar de ser assiro, que nao deixe sem a devida refulacao as prfidas que mullas pessoas desla cidade deve
SIS ,n-.nuac5es, que naquella correspondencia se en- contendor do Sr. F.rimaoo Jos Rodn
ttXSfSt&C,* con,ram\,ffensivas do tneu carcter....... ., ?JT2SLfSSSST
labeO, de
deraltiido
Nao sei onde jamis se me atlrou o
, sabeodo-se que nao me pistificasse, de haver sido
a proceder como de curador de o'phos por advogar contra os inte-
ou offensivos a resses desles : os meus detractores que o digaro.
Para poder refular as in-inuacSes
um desvalido; nem elle mandou
que o defendesse.de graga.
as vesperas do julgamento mandou-me o Sr.
Bento dizer que nlo poda mandarme naquelles
tem-ine sido dias o honorario ajustado; nao obstante Isso fai
35SS'JRWXirtirSl^?K^4S,rt!SS^S*5S^r.-i-- -.rfipi^l-i^-ii-ania-t.-
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da l a 11....... 24:025*167
dem do dia 13............... 2:603*126
26:630*293

10VIMENT0 DO POETO
Narios entrados no dia 12.
Lisboa42 dias, barca portogueza A'opa Mariana.
de 254 toneladas, capito Francisco Jos de
Ab eu, equipagera 12, carga vinho e outros g-
neros ; Manoel J. de Olive'ra A Filho.
Bordeaux e portos e intermedios18 dias, vapor
francez Guienne, de 1,167 toneladas, cororaan-
danle A. de la No, equipagera 116, carga fa
zeudas e ouiros geoeros.
Entrados no da 13.
Rio de Janeiro e Bahao dias, vapor ing ez Rho-
ne, de 1,954 toneladas, commandanie Woole-
vard, equipage'm 130, carga differentes gneros.
Portomowih -54 dias, vapor ingles de guerra Lm-
net, commandanie I. Solwey.
Rio de Janeiro e Baha7 dia<, vapor ioglez Imo-
gene.de 411 tooeladas, capito W. Le, eqmpa-
gera 28, carga caf e ouiros gneros; a Saun-
ders Brothers 4 C.
Liverpool 47 dias, barca ingleza Chama, de 332
toneladas, capito R. B. Fiulay, equipagem 13,
carga carvo; a Tbom Rurkiuyuung Roberts.
Seguio para os portes do sol.
Swansea38 das, bngue inglez Tormnf Aes, de
229 toneladas, capito Johnson, equipagem 10,
carga carvo ; a Wilsero & Helt.
Nucios sahidos no mesmo dia.
Southampton e portos intermedios vapor ingle*
Rlione, commandanie Woolevard.
Pela subdelegada do Peres foi mandado 'e-
colner a' casa de deieocao o preto que diz chamar-
se Claudiano e eslar fgido, e que sua seohora
I). Mana, que mora nos A fugados: a quem ao
mesmo tiver direito comparece, que provando seu
dominio Ihe sera entregue.
Subdelegada do Peres 13 de novembro de 186o.
O subdelegado,
Alexaodrrao Marlins Cirreia darros.
O Mim. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia minia fazer publico a todos
os habitantes da mesma provincia, que em viriu-
de da circular do tribunal do thesouro n. 42 de 4
de outubro ultimo, acha se abena na mma the-
souraria a subsiituico das noias de 53000 da 5*
estampa, e que em tempo conveniente se annun
ciar o dia em que deve principiar o descont
mensal de 10 Od) no valor d s notas que at en-
to nao liverem sido substituidas.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco 13 de novembro de 1865.Servindo de offl-
eial-maior,
Manoel Jos Pinto.
lus|ec$3o do arsenal de
marinba.
Faz-se publico que a commissao de peritos, exa-
minando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1,324 de 3 de fevereiro de
1834. o casco, machina, caldeira, apparelho, mas-
treaco, veame, amarras e ancoras do v-por
Mamangnape da compaahia Pernambucana de na-
vegacao cosleira.achou todos estes objectos em esta-
do de podar o vapor navegar.
Inspecco do arsenal de marrana de Pernam-
buco 13 de novembro de 1863.
O inspector,
' H. A. Barbosa de Almeida
Perante a cmara municipal desla cidade
estaro em praca nos dias H, 13 e 13 do corren-
te para serete arrematados por quem maior preep
offerecer, os alugueis das cjslnhas ns. 15,18 e 19
da ribeira da freguezia de S. Jos, as quaes dei
xaram de ser arrematadas; aquelles que preten-
deren] concorrer a arreinaiaco podem apresen-
lar-se nos mencionados das, no paco da mesma
cmara, munidos de cartas de fianza para o dito
flm. Paco da cmara municipal de Recife 8 de
novembro da 1865.
Luiz Jos Pereira Simes
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem
Secretario
CQfIREIQ GERAL
Relacao das crts seguras vindas do sul para os
senhores abaixo declarados:
Dr. Antonio B >rges da Foneca Jnior.
Antonio Jos Teixeira Menlmca Belem.
Capito Antonio de Souza Noia.
Claudio Dubeux.
Tenente-corooel Hemetero Jos Velloso da M1-
veira.
Joaquim Marinho Cavalcanti de Albuquerque.
Joao Ignacio Teixeira.
Joi Nepomuceao Alves Macil.
Jos de Almeida.
Maceto,
c j.
O vai.or Panihih-t. 4MB C rni?-
nhia, satura' p-ra os p, .
n-> dia 14 as 5 fiaras ,u anal I
cebe carga at n du I '. : :i
inendas, pasageii>>s -iini r
3 horas do dia da sabida : a>riq>u>ri >
da companhia no Forte do Mallos a. I.________
Para Uabsaa
saldr'com brevidade o bngue aafftofaei '
tanie II, recebe earaai fre a aaaMfl
os quaes lero excellenies aaaaaaaB* : tnto -
Mano-1 Ignacio de Oliveira Fuo, no larao
po Santo o. 19, esrriptorio.
PARA LISBOA
vai sabir com brevid.de o putarb Ma-
ra da Gloria, capilo A B. V dan) r. rar-
gae passageiros : Irata-Moata eaavajMaart E.
R. Rabello, na do Prapiche n. ii
4ssu" e 'ear
Sjguepor estes dias a harc.c i iDan Aaalpaa*,
ainda pode radaber alguma aaffa;a tr..ar m
caes de Ramos n. 34. ____
Cni r
Dous Irisaos : a tratar c,m
Tas-o
Rio de Janeiro e Bahia vapor francez Guierme, Jos Antonio Floresta Bastos.
commandanie A de la No.
Liverpoolbrigoe4nglez G*rrtd, capito, Bnock,
carga algodo.
Observaco.
Suspende do lamaro para Liverpool o brigue
nglez aaiffand, capito James Therfi om a mes-
Dr. Jos Bernardo tialvo Alcoorado Filho.
Jos Ferreira Djas dos Santos.
Jos Ferreira Marinho.
Jos Rodrigues de Souza.
D. Mara DelQna de .Menear Alcantarino.
Manoel Elias de Moura..
Ricardo PteLca da Costa.
0 hiate
Irados.
Para o Rio d.- Janeiro MgW o I I
o patacho nacional F por ler parla de seu
carregamento proropto ; para n resio *> com
seu cuusigoatario Domingos Alves Matlieu-, ra
do Vigario o. 14.
Companhia >1e paquetes a >apr ari-
canos entre os Est ils-i aM e
Brasil. '
Esperase d-; NeW-York at o di i 2"
um dos vapores americana, o qual depois da I -
mora do costume, sagaira' para os |-..-t.- i
Freles, passagens a tratar na agencia, roa
Trapiche n. 8. ^_^^_^^__
Coinpanhi Periambocaa.
jMMM.
Os Srs. carregadores de fazenlas n pie-n r
ouiros gneros para o Acaracri peto vap-.r Wnw-
guape, sao convidados a mndalos ambare .r ju m-
lo aoles, por isso, que sao
bordo.
os ltimos a salar tfa
LE IL OES.
LEILAll
tr
i:ni eoatlaaafi*.
Du vinho lint ea p'pis T
wm
Theodoro Chnstian>em nao tenl.) acabado de
concluir por iotervenco d leilo do vinho tinto, o fara' hoja em Iota a von-
tade dos licitantes, pelas 10 horas da msMhaa
em ponto no lamo da e~ca linha da alfandafa.
Leilo
De 250 qnintaes de ferro a Sirria
en barra.
iio.ii:
O agente Pestaa nao tendo cncluido h- nteaj
leilo do ferro da Soecia em barra, r.mr-*-
qnencia dos vapores, o fara hoje em lo*** a n-
tade dos compradores, pelas 11 bora* da n.air.ru
em ponto no armazem do Sr. Azevedo defr-ata
da escadinha da alfaadeca.____________
LEILO
DE
Urna mobilia de Jacaranda a Liiz XV, I M oV
aroarello, 1 cama franreza, I mesa elstica d
amarello, 1 sancluano le jacsramla", I borr*
de ferro, cadeira, mesas, sofs. mar.|oeao
outros muitos objectos da mamaoiria a.>va
usada, caliies^ apparelho de alm">y _^jaaar.
candieirn gaz e vender' tambem 100 rna-
pos do Chili etc.
cordelr ntme


Dlt!u <* Mernaa-buco Terca fclra 14 ate Xeveabro de t*
por coDta e risco de quera perteocer fara' leilao
dos movis e mais objecios cima meuo:ooados,
isto
HOJE
Terca-feira 14 do corrate as H horas
No armazem a ra da Cnu n. 57.
LBILifcO
De 200 pecas de algoiioiinlii branco
de 20 jardas.
10 ditas de dilo azul de 30 jardas
Cordelro m lines
por conta risco de qaem perteocer fara' leilao
das pegas de algidao acira i mencionados, islo
Hoje as 11 horas.
No arraazera a roa da Cruz o. 57.
Leilao
Da cocheira de canos^da ra do Sol
numero 27
Constando de
3 carros quasi novos cora seus perlences.
7 parelhas de cavallos. t.
CURSO ESPECIAL
DE
PfTEP ARITOMOS
para os cstudantes que (leve
fazet* acto cm marco.
Jes Soares de Aievedo, professor de
lingua" e literatura saciqnal no Gymnasio
Provincial do Recite, lera aberto em sua ca-.
:sa, rua ella n 37, um curso especial dos
I seguintes preparatorios, para aquelles estu-
dantes que tiverem de fazer exarae em
marco prximo :
Idagtia IVanceza
Cicograpliia e Historia
Pkilosopkia
Ilhetorica e Potica
As pessoas que se quizerem utilisar desta
vantagem, podem dirigir-se indicada re-,
idencia, de manha at as 9 horas, e de j
tarde a quxlquer hora.
LOTERA
AOS 6:00^000,1:2000000
ridiicisco Iones Coala (3 500$000.
fara" leilao por intervencao do agente Cordeiro nifjiii'Tpc 4 KXnnn \ipna a' 9Jtr.(\n p
Siraoes.dos carros, cavallos e mais perlences .le IL,t Uv> .^T' A, !LA *jU b
(JUINIUS A 10000.
CASA DA FOHTOA.
Aos 6:000$0($.
Bilhetes garantidos.
A beneficio das familias dos volunta-' ~^~h7
rios da patria.
e raais pertence
sua cocheira sita na ra do Sol n. 27, visto reti-
rar-se para Europa alim de tratar de sua saude,
cnjo leilao sera' elTectuado na raesma cucheira no
dia
Quarla-fira lo do corrale
as II boras em punto.
LEILAO
Do brigue francez Caroline cora todos
Corre terca-feira *l.
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n. 15, os bilhetes,
meios e quintos da 0a parte da lotera
(39a) a beneficio das familias dos volunta-
rios da patria, cuja extraccao ser no dia
e hora do costme.
Os premios de 0:000^000 at iOOOO
seas perteuccs tal qaal se acha an-jsero pagos urna hora depois da extraccao
corado aeste porto. j at as 4 horas da tarde, e os outros depois
Qoarta-feira 15 de novembroas i l horas da distrihnicao das listas,
em ponto.
KO CONSULADO FRANCEZ RUA 110 TRAPICHE N. li.
O agente Pinto fara' leilao por or.ln e era pre-
senta do lllm. Sr cnsul de franca, com previa
panicipaca do liim. Sr. inspector da aifandega,
com assistencia de um erapregalo da mesrna re-
partico para o misino lirn ooraeado e por coula e
risco de quera pertencer do casco, apparelho, so-
brecellentes e mais objectos pertedftntes ae bri-
gue francez Carolitu, tal qual se aclia ancorado
oeste porto, onde fui legalroente condemnado por
innavvgav.'i, podendo os pretndenos desde j
exitnini-lu em face dos inventarios existentes nao
A' ROA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaixoassignadovendeo nos seas muitofeli-
ies bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
de ertrahir, a beneficio das familias dos volunta-
rios da patria, os seguintes premios :
U Ulhete inteiro o. 84o com a sorte de 6:0005
'O oilhete inteiro n. 3673 com a serte de 1:200$
lu meto n. 2145 com a sorte de-00,5000.
E oulras muitas sortes de 1002, 404, 205 e
109000.
Ospossuidores podem virreceber seas respec-
tivos premios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 6* parte da lotera
(39*) beneficio das familias dos volaotarios -patria, que se extrahir terca-feira 21 do oor-
reote.
PRECO.
Bilhetes.....62000
Meios...... 35000
Quintos.....15200
fara as pessoas que compraren) delOOjJOO
para cima.
Bilhetes.....55500
Meios......25750
Quintos.....15100
Manoel Martins Fiuza.
Precisa-se de urna ama qiie s iba coser, engora-
mar e lavar, para casa de familia : na ra do Im-
perador n. 45. 2 andar.
_norando-se onde se acha hospedado o Sr.
Miguel Joaquim do Reg Monteiro Vasconcellos,
roga-se ao mesmo senhor o obsequio de se dirigir
a ruadaSenzala Velha a. 84, a negocio de seu
mleresse.
rna
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba, lavar, engom-
ar e coz'nhar : na ra da Cruz do Recife o. 16.
^Hjgjle

Cremc\
Sorvete de creme hoje ao roeio dia : na ra do
Trapiche n. 18.______
Precisa-se de urna ama forra paraTcomprar
e cozinhar : na ra do Livramentoa. 25, segundo
and; r.
Precisa se de um menino porluguez para cai-
xeiro, preferindo-se dos ltimos chegados de pou-
co : na ra da Roda n. 48.
As encommendas sero guardadas semen-
t at a noite da vespera da extraccao.
O thesourciro,
Antonio Jos Rodrigues deSou-a.
A Semana [Ilustrada e o Bazar Volante do
Rio de Janeiro assignam-se na ra do Crespo n. 4*
Tambera ha coll^rcao do Io de julho era diante.
Precisa-se de um bom copeiropara urna casa
estraugeira : tratase na ra do Vigario n 2, es-
cripiono.
m
SRS
g DEPOSITO DE GA LADO *
FABRICADO NA GASA DE DETEXCAO
Rua Nova n. I.
Ah se encontrarlo obras de di-
versas qualidades, e por preco mui
diminutos, a retalho e em porcoes.
S se vende a dinheiro.
AO MILICO
Est de morada nesla cidade chegado ultima-
mente da Bahia Paulo Antouio Capurro, interprete
dos idiomas italiano, inglez, hespanhol e francs, e
tambera de geographia, caligraphia e arlthmetica ;
ensinando esses idiomas prammaticalraente, nos
quaes tem profundos coohecimeni'.s : poder ser
procurado no hotel Italiano a qualqucr hora do dia ;
a presos commodos.
Pessoa alguraa faca negocio com Antonio
Francisco de Borges respeito a casa terrea da Casa
forte, sem que elle aprsente o direito que Ihe as-
siste, por isso que tem parte na casa suas cunha-
das, cora quera elle anda nao fez partilha.
Ama secca.
O
Sr. BernardinoJos da Silva Braga,
s no consolado francez como no escriptono do' que teve taberna na rua da Senzala Nova
^nuS^Xal^S^i,, u. -22, queira vir a esta lypographia des-
O leilao sera t-fljcluado as II horas em ponto do --.k,_ u;...s_- e i
do manchar as oujecgoes que poz na referida
ponto do
raueez rua
da 15 do correte, no consulado
Trapichen. 14, segundo andar.
LEILOES
DE
Mobiltas, trastes aculs s, relo-
gios g algibeira e parede,
objectos de ouro e prata, ca-
bri ilet com arreios, escravos
de ambos os sexos, crystacs
e grande quant ida de de ob
jectos do uso domestico
Qaarta-feira lo c seita-feira 17 do
corrale.
NO GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
DO AGENTE
assignatura, visto como a pessoa que hoje
est com ella diz que a tomou no corrente
mez e nao com atrazados.
OLYMPIO^
36
Kiia laC'atleia LEILAO
De 2 cava'los de se la c algamas pecas
de esteiras para forro de sala
|ar<;i-f*iM |.'i|o crtente.
\"0 fivVnR utMAZ'.M nOAGBVTE
OLYMPIO,
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Silo Francisco.
Pela sapertQtendencia desta companhia sao con-
vidado, os Srs. accionistas a receber o 2o e 3o di-
: videndos das suas aecSas perteocentes aos semes-
tres lindos em 30 de i'uoho e 31 d-; dezembro de
18fiS.
E Ponas 11 de novembro de 1865.
G. O. Mano,
__________Superintendente e thesoureiro.
Fabrica de chapeos de sol de a.
Faquc, rua <> u 1.
Neste antigo e acredltad^stabelecimcnto acha-
se sempre um cmplelo e variado sortimento de
chapeos de sol de todas as qnalidades e precos,
lauto de seda e alpaca, cjjtno pao de todas as co-
res, para homens, seuhoras e meninos, yuanto aos
presos sao os raais razoaveis pos.-iveis, tambera ha
um grande sonljento de pegas de seda, alpaca e
pao papt-*M}Pssoas que quizerem encommendar
chapeos de sol e mandar cobrir armacoes servidas,
cune rtam-se os raesmos, sendo todo este Irabaiho
feito com toda a perfeiclo, presteza e commodo
pre^o : na rna do Crespo n. 1.
Veaeravel ordeai 3a do Carino.
A commissao abaixo assignada, ejicarregada da
reedificacao do sobrado incendiado na rua das
Cruzes, convida os mestres de pedreiro e carpina
que quizerem encarregar-se das obras precisas, a
comparecerem na rua Nova n. 63, afim de ah se
lhes dizer quaes as obras que quer, para darem
seus orcamentos.
Jos Joaquim Lima Bairao.
Joaquim Pacheco da Silva.
_____________Antonio Bernardo Quinteiro.
Tendo a irraandade do Divino Espirito-Santo
da igreja do Cullegio, resolvido em sesso de mesa
conjunta, mandar fazer de marmore branco fino a
capella-mr de sua igreja; convido de ordem da
mesa regedora aquellas pessoas que se acharem
habilitadas a mandar executar semelhanle obra,
a examinarera a planta que se acha exposta na sua
sacrista, e a apresentarem as suas propostas no
praso de 40 dia contados desta data. Consistorio
da irmandade, era 10 de novembro de 186o.
O escrivo.
_______Francisco Belarmino dos Sanios Freitas.
Precisa-se alugar urna preto que sabe cozl-
nhar e engommar : quem a tiver dirija-se a rua
de Birtholoraeu, sobrado defronte da cadeia n. 69,
ou a rua da Palma n. 41, taberna.
aa rua do
FABRICA VAPOR
99 RUA DO MONDEGO 99
Deposito ca na Mora n. 50 i o Ja de relojoelro.
dono deste estahelecimento partecipa ao respeiUvel publico nao c3 a^te
visto os producios serem do paiz. Na etiqueta tem sompre urna acuia
PRECO.
Meia libra.....*. qq
Urna libra......... ^q^
Urna arroba........19^000
Madre de Dos n. 36, sobrado.
Precisa-se de urna ama para todo o servico |
de casa de peuca familia : na travessa da matriz
de Santo Antonio n. 8.
-- Perdeu-se no quartel de policia urna patente
de capito reformado do ejercito : quem achou,
querendo restilui-la favor, pois ella s serve ao
dono, que rJcar summamente agradecido.
SO POR CENTO DE
LUCRO.
Garante se a quem d 4:0005 a 8:0005 para
execubr urna emprexa garantida : quera quizer
fazer este negocio avise sob letra B. W. a esta ly-
pographia, onde pode ser procurado.
*i mesma lab ica acaba de se montar urna oflicina com serrara a vapor D-ra
obra, de marcme.r.a propr.a para edificio, para o trae enrarreg -se de fazer portas 13
(parque francez enmone usa na Europa.; ludo com brevidade
nellas, assoalhos
i fei^ao.
collar-se no lugar.
too^ i^Wc^.s'sri^iS.ii's^TS^^C^K
Um coalo de ris.
Precisa-se pir algum tempo, com boa fianga e
juros: quem quizer dar, avise a esta lypographia
sob as i.'iras A D, onde lile ser procurado.
O abaixo assi^nado, na qualidade de procu-
rador da Exm" Sr* 1). Lucila de Jess Soares Bo-
lelho, moradora era Lisboa, deseja fallar cora o Sr.
Francisco de Paula Careiro, .morador no lugar
denominado Lucas, freguezia da Varzea.
Jos Theodoro Gomes.
S\
DE
SOL
Precisa-se de urna ama para cozinhar e comprar:
na rua do Imperador n. 57.
MANOEL & C.
I tem a honra de scientiGcar aos saibores negociantes a retalho, que tem sempre no sea
armazem sortimenlos para satisfazer qualquer pedido em porcao, como s jam :
Chapeos de sol de seda, de grosdenaples, de sarja c nobreza de 8, 12 e 10 a^t^as
Jos Laetano de Carvalho, socio da casa com-, e de todos os tamanhos. --"^^
dem de alpaka.
dem de brim do linho, lambem de todos os tamaitos e feio*
dem depaunmho de cores com armacoes debaleia e junco.
Todos estes objectos sao venddos por precos os mais commodos do mercado
os quaes poderao ser verificados pelos^irelendenlcs.
mercial que gyra nesla praca com a firma de Bar-;
tholomeu Fraucisco de Souza & C-, nao podendo
pessoalmentedespedir-se de seus amigos e conhe-
cidos pela rpida viagem que val fazer a Lisboa, o
faz por este meio, offerecendo-lhes o seu diminuto
presumo daquella capital. Pode fallar-se com seus
procuradores na rua larga do Rosario n. 34, bo-
tica.
Precisa-se de urna ama de leite
Imperador n. 30, segn 10 andar.
MiriMii
No armazem de Mills Latham *C., na rua da
Cruz n. 38, vendem-se os seguintes objecios :
Mantelga ingleza.
Cerveja branca e preta.
Lonca.
Biscoutos inglezcs.
Oleo de linhaga.
Folha de flaudres.
Saceos feitos.
Silhes.
3(i itiii d i
>dela do itecife3t
Precisa-se
Leilao
Vigirio n.
da Boa-
ns.
Do sobrado de 2 andares da rui do
33, edificado era chaos proprios.
De urna casa terrea di rui do Rosario
Vista n. 12, em chaos foreiros.
Duas ditas da rua da railriz da Boa-Visia
30 e 32.
Urna morada de ca i terrea da rua de Santa
Therezaera Oliada n. II, cora muas accommo-
dacoSC '
Sexla-feira 17 de outubro.
O agente Pinto Ugilmente aatorisado fara lei-
lao da* casas acini i m socionad i-, as 11 horas do
da snpradit-3 era seu escriptirio rui da Cruz nu-
mero 38.
mm ums.
ViARITIMOS
E
deum caixeiro que tenha muia pratica de loja
d,; fazendas. O que esliver nestas condiccoes e
qnizer dirjase a rua do Crespn. 17.
Precisa-se alugar dous escravos, sendo urna
preta que cozinhe e engomme com perfecOo, e um .
moleque para o man servico, preferindo-se um que da nesla praca, toma seguros martimos SO-
tenha principio decozinba : na rua do Trapiche n. bre navios e seus carrecamenlos, o contra
4a, andar, escriptona____________________ f((g0 em e(Ji!ici()Sj mer(|doras e mebilias:
Precisa-se alugar uraa ama, prefere-se es-, na rua do Vicario n.
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
Aluga-se urna ama de leite forra ou escrava
que seja sadia : na rua Diralta n. 3, Io andar.
A tugarse uraa excellente escrava moca, ro-
busta e de boa conducta, com habilidades, s para
fazer servicos de casa de familia : a tratar na rua
Velha n. 40.____________________________
Para tomar banlios iid m.-i-,
Aluga-se em Olmda a casa terrea n. 16, esquina,
na ladeira da Misericordia, a qual muilo fresca
por ler a frente para o nascente, era seguiraento a
rua do Bomfim, Rpr onde se pode ir em direiiura
al o mar; lornahdo-se mais perto e commodo :
os pretendentes para ve-la acharan as chaves na
taberna n. 1 da rua de Mathias Ferrefra, e para
tratar na aifandega com Jos Mara Seve.
Na rua Formosa u. 25 ha um criado para
alugar-se. ^^^^^
Precisa-se de urna ama que engomrae : na
rua da Palma n. 41, sobrado. ^
Precisa-se de urna ama para casa de familia:
na rua da Paz n. 2.
O Sr. Antouio Garcia tem urna caria viada
de Santo Antao, na praca da independencia n. 8.
Hoga-se ao Sr, Trajano Careiro Leal, (cai-
xeiro) de vir a rua Nova o. 51, a negocio que S. S.
nao ignora.
Ama.
Precisa se de urna ama que compre, cozinhe e
engorame, pira casa do duas pessoas : a tratar na
rua da Cruz, armazem n. 57.
Precisase alugar urna escrava : na rua de
Ilortas n. 106.
Em casa de Tbeod Christiansen, rua do Tra-
piche-novo a. 16, unic agente no norle do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordean!, encontrase ef-
fectivameme deposito dos artigos seguintes:
St. Julieo. y~
St. Pierre.
Larose.
(raateau Loville.
Chateau Margaox.
Grand vin Chateau Lafnte 1858.
Chaleau Lalitte.
Han! Sauternes.
Chatean Saulerne?.
Chateau Lataur Blanche.
Chaleau Yquem.
Cognac era tres i|ualidades.
Azeite doce. Precos de Bord.aux.
Guarda- livrot
Urna pessoa que dispoe de algumas horas no da
encarrega-se de fazer escripias avubas ;---im por
partidas simples como por partidas ittfatm, a-
segura-se aceio no irabaiho e modi.-i.iaJe no'pr-
co : quem precisar dinji carta fritada a' esti
lypographia cora as iniciaes J. M. V.
Xa praca da Independencia o. .'(.'!, i..;i ,i i
ouriws. eompra-.-e ouro, prata, e pudras pnai
e lamben) se faz qualquer obra de eocommen
todo c qualquer cuncerio.
O Ir. Carolino Francisco de Linia San- M
los contina a un.:.h na na ,:.. !n
ir n. 17, segundo andar, tenia atta
gabinete de consoltas nwlKnt,
entrar, no pnmeiro.
O mesmo dont
-u
logo 3f>
Attenc-no.
Precisa-se de urna negrinba para
- Aluga-se a casi terrea n. 52 da rua da Glo- um wianca : na rna do Rangel
n. 25,
andar com
segundo
crava, para o servico interno de urna casa de
ponca familia : as Cinco Ponas, loja de raarci
ueiro o. 27.
4,
pavimento terreo.
Ao coiibecimeiilo do lllm. Sr. Dr. provedo?
juiz de capella.
Sitia nnrii niiiiinv Illustnssimo senhor, levamos ao conhecimenlo
otilo paia amgar de v. s< 0 e5tad0 em e Stacha a. e. de Nosga
Aluga-se um grande sitio com fructeiras na Pas- j Senhora do Rosario do bairro da Boa-Vista, pelos
sagetn da Magdalena, a margem do rio Capibaribe,; seguintes factos que se tem dado :
com excellente casa, 2 salas, 8 quarlos, cozoha! Senhor, a raesa regedora daquella irmandade no
lora quarto para eteravoe estribara : a traiar najanno de 1863, passou a ser juiz-o juiz Francisco
rua da Udea n. 4, ou no sitio do Sr. Barroca. j Silvestre de Mello, e deixandodescr thesoureiroJoSo
O abaixo assignado leudo de proceder a in- Fra"Cisco do -Nasciraento, o qual por meio de suas
ventarlo por morle de sua esposa D. Mara Erun-1 admoestacoes deixou de fazer entrega de dous
dina Jacorae Pessoa couvida a quera se julgar ere- ] rosarios de ouro de Nossa Senhora, e era o juiz
dor do seu casal a apreseolar suas comas no pra-1 euiPregou meios afim de que o ex-thesoureiro dsse
so de oito das, a contar desta dala, afim de serem C0,lla-S e sira o conservava de mesa. O gerai da
convenientemente at'.endidas. Recife 11 de novem- Ir(r)andade Cantillo da Silva Gama, foi quem alro-
bro de 1863. pelou o ex-thesoureiro alim de prestar cootas dos
Custodio Jos da Silva. !dous rosarios de Nossa Senhora, e elle muito
,___. ; acouxado trouxe um rosario era raesa e fez delle
a,Z Pr /reC mU" P0Jmmod0 um a W JoSo Francisco Silvestre de Mello
n.^nrt'0Tf^d'1CaSad''-V,veilda- lerrT Wiaudooutro; nao obstante isto, Sr.V. j"z de
t*SS3&S3i 0 VaCCaSde.M.oiuii.ncna -nao do rosario o fidelle
le.ie a tratar no largo aa feuha n. 10. entrega ao mesmo ex-thesoureiro, por um simples
Os abaixo assignados. moradores em Baxa- concert que careca, nao- considerando que o
Verde de Paje de Flores, fizeram sociedade com- ex-thesoureiro t alguma mereca, visto a baoda-
rnercial por dous annos, contados desla data, cuja Iheira que tem feito. Como elle Ihe deposita Unta
firma social Pelico Jos Malheus, podendo cada : confianga, em Ihe reentregar o rosario, claro esta
vida publica, de renda nacional, e da msma Forma u.m dos SOC10S aceitar e dar qaitacio a quaesquer! (lue na corabraaco entre elles, o exihesoureiro o
Sociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
O banco Alhanra do Porto tendo estabelecido es-
ta sociedade debalxo de sua immediata vigilancia
e responsabilidade, facililou a creago de capitaes,
dote*, rendas, penses, isencoes do servico das ar-
mas etc., por rneio de subscripcoes nicas ou an-
Diiaes, as quaes convertidas em inscripcoes da di*
i forma i
os juros semestraes que d'ellas se forem venceodo,:lllulos commerciaes teudentes ; mesma sociedade.
ficam por um certo numero de annos em deposito,'i Ra'X'-Verde 6 de selembro de 1865.
at que, findo o prazo estipulado, sao restituidas Antonio Gomas de Campos Petico.
aos socios com os interesses amontoados, hem co-1__________Jos Matheos Coimbra Campos.
rno as que peneDcerem aos associaoos fallecidos,] Precisa-e de urna escrava para todlToTerv-
vist) que d'estes sao herdeiros os sobre vvenles. 150 inierno de urna casa de tres pessoas : na rua
Pela engeohosa comliioago econmica adoptada | do Hospicio n. 62.
nos clculos desta sociedade, ve-se que, com una i____________________________________
entrada annual de 504000, por exeroplo, ol.tem se
em 3 annos 1505000 a 3504000, em 10 1:5004000
a 2:000.3(100, era 15 3:5004000 a 4:8001000, era
Jo 8:0004000 a IO:0004UK), em 23 18:0004000 a
- .ni'oiOiiO, conforme a idade do individuo sobre
quem feito o seguro, pois que nos referidos cal-
culos conta-se cora a maior ou menor probabilida-
de de duracao de vida.
k%!a sociedade sobretudo vantajosa aos chefes
de familia, visto que lhes facilita sem sacrificio a
fundaco de um capital ou dote para seus filhos ou
na : a tratar no armazem da rua da Moeda n. 9.
Roga-se a pessoa autonsada nesla cidade, ou
procurador do Sr. Joaquim Jos de Alraeida, com
botica em Macei, de apparecer na rua Nova n.
31. a negocio cora o mesmo. t
COMPANBIA
DE
Seguros Martimos Utilida-
de Publica
A directora, de confarmidade com a parle do
artigo 41 dos estatutos, convida aos senhores ac-
cionistas a se reunirem no dia 15 do correte, ao]
meio dia, no escriptorio desta companhia, rua da I
Cadeia n. 42.
Recife 10 de novembro de 1865.
Os directores
Feliciano Jos Gomes.
Dominogs Rodrigues de Andrade.
andar.

:r, qne se tem dad 1 ao I
estndo tanto das operantes com m mo- j
ieslias internas, presta-se a fnakfMr ekav ^
mado, quer para d. otro quer [ ara f.'.ra J0.
da cidade. W

.
seguros
^ Companhia idelidade de
^ maritimos e terrestres
B estabelecida no Rio de Janeiro. ^
AGENTES EM l-EH.NA.MLCO s>
jp Antonio Luiz de Oliveira Azcvedo k C, jK
Mfi competentemente autorisados pela direc- ^
S loria da companhia de seguros Fidelida- H
$t de, tomam seguros de navios, mercado- Wm
M ras e predios no seu escriptorio rua da Sfl
3R Crui n. 1.
Aluga se urna escrava muito sadia, e com
muito bom leite, para alimentar
a tratar na rua
COM HAS.
Silvino GuiHierne de Ranos .-, I;
le effectlvamenle escravos de amfc 1 -.;s ; _
^ ruado Imperador n. 7'.. i-Ti-nm andar.
Cumpra-se ouro, prata e jiclias peu wm,
em obras velhas: na rua da Cadeia do Recife,
qa de onrves no arco da Conceiean,
uro e prata.
Em obras velhas : con pra-e na praca da In
de|ieiiJenrio n. 22, b ja de biiheies.
Compra-se earosso (sement) de algiNlao : no
armazem de algodao de Sauoders Brothers C-
Qo caes de Apollo.
na rna da
Para
COMPANHIA
de machinas
conslrucco
DE
A MI KIITSO"\ i: DOCCLASS
New Londoo, Cormectieur, Esta-
dos-Unidos
Solicitara pedidos de descarocadores de algodao,
t adoptados ao aluodSo sul-ameritano. Ho-se de-
finas," segurndoos quando nascem 00 emquanto dicado a es'.e negocio durante 23 annos, e atlende-
so enancas. 1 rao immediatamenie a correspondencia que se lhes
Quem, pois, mais circumstanciadss inforraacoes d'r'g|r._________________________________
de-ejar sobre lal sociedade, ou se quizer inscrever r-iv:illi fiii-t-tdn
como socio d'ella. dirija se a rua da Madre de
Deus n. 28, onde sepodera entender cora JoaoCar-
raandasse para a Parahyba, e Nossa Senhora ficou
sera seus dous rosario-: por laoto esperamos na
grande benevolencia, mandar urna commissao to-
mar coohecimeoio de ludo isto, porque outras
cousas mais se descobre, nao obstante terem feito
eleicao no dia 5 do correle, para os novos eleitos,
sera reunir as alfaias para eotregar a nova
mesa.
Manoel do Nasrimento Rosa.
Joo Duai te de Farias Tebaus.
Canuto Basciano hamos.
los Coelho da Silva, que para isso se acha
regado,
encar-
1865.
I-'urtarara na madrugada do da 10 para 11 do
corrente do engenho Cassupim, na freguezia da
i Escada um cavallo com os signaes seguioles: rus-
| so talhado e inteiro, clioa e tiopete cortados, a cau-
; da npada at o meto deixando um espaaador, tem
a orelha direita cortada e na anca direita o seguiu- Livrameoto n. 20 segundo andar,
te ierro J. B. : a qualquer pessoa a quem o appre-
hender e leva-lo ao referido engenho oo nesla pra-
ca a seo correspondente, na roa estrella do Rosa-
\pparelho Dubroni de Pars.
Ptiotograpliia de algibeira
Os excelleotes resultado- oblldos cora este sim-
ples anparelho, fazem com que se tenha vendido .
era loda a parte era humero coosideravel, pois no n. 47, se gratificara' com 204000.
Motta & Ribeiro, scientificam ao publico que
SOClEhbE
DOS
ARTISTAS MECIIANICOSELIRERAES
DE
PERNAMBUCO.
De ordem do lllm. Sr. vice-director sao convida-
dos todos os senhores socios a comparecerem a
sessao extraordinaria terca-feira li do correte,
as 7 horas da tarde, 00 lugar ja iodicado.
Secretaria da sociedade dos Artistas Mechancos
Antonio Jos Rodngoes de Souza, na rua do p-a-i-k^- ,i n -.n,nhp,n
Crespo n. 15, aluga sua casa e sio no Monteiro! Auroran 1* coz.nheiro
em frente ao oito da igreja, teodo o sillo porio ___- _____l-______^_____
de ferro, cacimba com boa agua, estribara e co-' ESCRAVA.
cheira, e a casa 4 salas, 7 quartos, e sotao, a qual i Precisase alugar urna escrava que saiba faer
muito fresca e esla de novo bera caiada, concer- Dem ldo o servico interno de urna casa de familia,
lada e pintada : para ver, as chaves esto em a! excepto cozinhar : na rua da Cadeia do Recife n.
casa do Sr. Nicolao Machado na mesma povoacao. oi, lerceiro andar.
. Albino Baplista da Rocha, relo- *M8i S0MS ^^
joeiro e dourador porluguez, na: x
praga da lodepeodeocia o. 12, faz >^<
qoalquer cooceno perteocente a;' jflgg
sua arte por precos mais baratos ^<
do que outro quaqner e responsa-
billsa-se pelo seu irabaiho, assim *
como tarabem compra relogios em segunda mo, tac
espera proteccao de seus amigos e compatriotas. S
Compra-se um esrravo de meia idade que
, para alimentar qualquer enanca, ftS12l_,__ da Cruz do Recife n 48 I' dad' algnma 8 ** enll'n,la l,p plani.c.o de si-
ua t,rnz oo weciw n. *g.________0 a ,ralar na ^ua do^ylgarjo |n
C}'In4rOS americanos. Xa fabrica "de charuloVTc^arrts da rua de
lionas n. I compram-se jornaes a li rs. a libra,
e na mesma tem pan vender latas rom fumo ame-
ricaoo e do Rio de Jaueiro, de libra e meia libra.
Anda existem 2 de
reita n. 81, padaria.
resto: na rua Di-
?END1S.
Casa de banhos
Largo
Ao publico.

Acaba de sahir do prelo tNacoes dosystema m6-1
trico decimal por Jos Antonio Goues Jnior,
obra muito til nao s s pessoas do comraercio,
mas tambera aos officiaes das reparlicoes publicas;
veode-se a 14 cada exemplar, as livrarias uni-
versal, acadmica e franceza, rua do Imperador, e
na econmica, 00 arco de Santo Antonio.
itenc
i.-'
Ignacio & Medeiros, com prensa de algodao no 1 S
Forte do Mallos, declaram aos Srs. commercianles f^
e negociantes exportadores de algodao, que nao j
facam transaccao alguma com um recibo de 10 2
saccas de algodao perteocentes ao Sr. Manoel Jor-1 |H
Liberan, de Pernarabuco em 11 de noverabro de E_^S^.2T JSL^S?^. SZ JZ2SH .2
Basilio Barros
Io Secretario interino.
Precisa-se de urna ama de leite, na rua do
Ama para casa
mesmo Sr. Neves tomou por conta das msmas 10
saccas a' quaotia de 2004, e no mesmo recibo se
acha declarado a prefereocia de compra s ditas
saccas.
O Dr. Felippe Nery Collaco torna a fazer pu-
blico que nao comprando cousa alguma para o
gasto de sua casa, qur em lojas, qur em arma
do Carino a. 20.
Este estahelecimento lao bem montado
na sua origem aehava se de ha muito em
quasi completo adandono pelo pooco m-
) teresse de sua administracao. .
Hoje que o novo proprietario empregoa
todos os meios para restabeler a grande -
utilidade desle estabelecimento, pode as- <$
segurar ao publico que qualquer que seja S
o numero dos concurrentes acharao des- %
de j promplido e aceio nos banhos fros, ffl
momos ou mediclnaes, a casa dos ha- K
nhos se achara' abena todos os das das SS
6 horas da manha as 11 da noite. k>
Precos. 2S
Banho de choque......... 500 K
Dito (rio ou momo........ 500 TS
Dito de farello............14000 ~?
Dilo medicinal sera' segn- H
do sua qualidade.
Assignatura.
Por mez banho fri ou momo.
25 carloes para banho fri.
momo ou de chuvisco.....
12 cartoes para os mesmos...
12 ditos para banho de farello.
___
Fumo da trra.
Vndese o bom fumo da ierra na rna da
Imperatriz n. 88.
No Corredor do Rispo o. 15. veedem-se doos
moleques flor, raoilo booitos e esperto, com 15 e
16 annos.
,*. : Fardo a 4|f e A^.oo
M saceos de 90 libras, ditos de milho a 44 : no ar-
mazem da estrella, largo do l'ar.nzo n. IV.
Peonas de ema de muito snperior qualidade :
vende-se na rua do Vigario a. 24, andaj, es-
cripiono-
104
54
104
Vende-se 20 moradas de ;easas terreas, ao-
vas e bem construidas, em boa localidade : na rna
da Concordia n. 4.
Farinha a 3$5 o
Vende-se farinha de mandioca, saceos grandes :
no armazem dos Srs. taan Irmos, na ponte nova'
pelo preco cima mencionados.
muw
que qualquer pessoa pode tirar retratjs e paisa-
Kens com a maior faciltdade. chegou a rua do
Crespo o. 4 urna segunda reraessa destes appare-
Ihos, previne-se, pois, aquellas pessoas que deia-
ram de comprar por nao acharem mais, do preve-
nir se cora tempo ; a porcao pequea : na rua
do Crespo u. 4.
o Sr. Domingos Joaquim de Farias oao c mais seu
caixeiro desde o da 30 de outubro prximo pas-
sado. '
Club peruambucano.
A partida do mez de novembro lera' lu-
gar na noite do din 15.
THEATRO
Pede-se ao digoissimo emprezaro do theatro de
Santa Isabel qoe leve a' scena o bellissimo drama
O Agilaque se garante grande cchente.
Alguns apreciadores.
Samuel Power Joknslon & Companhia
Ruada SenzalaNova n, 4.
AGENCIA 0A
Fuudic&o de Lov Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
zens, qur en vendas, sem que' seja' inmediata-! Moeudas e meias moendas para engenho.
O tira nodoas por exerlleuria
Vende-se por 14500 os frascos grandes, WO
rs. os menores : na rua do Imperador n. 57, ar-
mazem allianca.
Vende-se
andar.
outros.
- Precisa-se de 2:2004 a juros e por pequeo
praso,dndose para garanta cinco escravos de
valor : quera os quizer dar anouncie para ser
procurado.
Bartholomeu Torquato de Souza e Silva ten-
do-se retirado para Lisbme nao tendo podido des-
pedir se das qessoas que ine honram com suas re-
lacdes, pela precipitago de sua viagem despede-s-
pelo preseote, offerecendolhes seu.prestimo na- -
queila cidade, ou era qualquer parte onde se ache. gado.
pnrneiro, seu Dome, qur vocalmente, qur por escriplo, as-
sim sobre estes objectos, como sobre quaesquer
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba lavar e engom-
mar : na rua do Trapiche n. 36, 2 andar.
Jos Baplista Mendes deixa de ser caixeiro
dos Srs. Pereira & Caduff, e agradece-lhes o bom
tratamento que receb^u emquanto foi seu empre-
a o,
Arreios de carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodao.
Motores para ditos.
Machinas de costura._______________
Notas do banco do Brasil e das caixas filiaes
doscontam-se na travessa das Cruzes n. 8.
os grandes quadros representando a batalha naval
de Riachuelo e passagem das Mercedes : na rna
do Crespo n. 4.
Vende-se urna mobilia de amarello ja usada:
na rua estrena do Rosario o. 17, 2* anr.
Veode-se a fabrica de charutos e cigarros
da rua do Arago o. 32, bem afregoezada : a tra-
tar na rna dos Coelhos n. 2J
Vende-se pedra jaspe era p para ralear
hotins, a 640 rs. a libra, e em arroba se dar mii*
barato, e sendo em pedras de duas arrobas a 560
rs. por libra, assim como ha para vender 400 fras-
cos que foram de genebra a 24 o ralo, na roa da
Senzalla defroote do becco do Campelo n. 124
primeiro andar.
Vende-se urna grande casa terrea nn logar
da CapuDga esquina da rna das Deosa?, com rha-
fariz na frente, loda murada.com grande qomul,
cootendo diversos arvoredos, cacimba e tanqne
para banho : quem a pretender pode ir examinar
e tratar na rua estreita do Rosario n. 13.



Diarlo de Ccrnamftuco Terva em 14 de \o\embto de 18*.
ESTABELECIDO A RUA NOVA N. 60
AO
HESPEITAVEL Il 1M.IC O.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
sen da Liga estabelecido ra Nova n. 60 om magnifico sortimento .'de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente do estrang ifo^podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e intercssante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm affiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes" promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sna posicao social gozara de certo tratamento, acharSo nesu
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidedo. etc., etc.
Qualquer que seja a cndilo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao poooo favorecidos da sorte faro mensaimente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se uesta casa, onde se ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo prego que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebades ou centro, que compram para ne-
gociar, devera vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se coavence-
rem o quanto se pode vender barato.
Para os senhores -que compram para tornar a vender existe um sortimento <'spe-
cial, -escoltado por pessea entendida que creamente muito deve agr Jar aos senhores
compradores.
Nao se tem poapado sacrificis, ncm se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
| Gbaixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
K
KIRSCH de Wasseh a 20 a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
LETiiiA-a 400 rs. a libra.
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 1$, a libra.
Mabmm.ada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6O rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Moliio inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarelia a
00 rs. a libra, em caixas com 9 libras c
3eOO.
Milho painco e alpista, sendo mais de 8
bras a 100 rs.
N
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
W PUBLICO
em o nieuor eonstran
glraeiito se entregar
Importe do genero que
nao agradar.
^ ftJTEMgAO
prevos da Mtjfptlntf
tabella pa" iodo*, re-
deudo asslm servir de fo--
e para o aju*2c de contar-
com os portadores:
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Concelcao)
PARA BEM DE TODOS,
hores sfnhoras, o aceio qne presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que todo a nrommiriv, m*K*
jserao tratados* convida a urna visita ao mesmo, certos de quesera duvida rae darao a-proteccSo p nrVrZoZ,-, tv- Pi11f'
RIVAL
sem SEL1:*a*o
IX ua do .o:.;iiia a veadt-r i declara por prtfo n'.miriti.
Uafnn de palitos lixados par.i crnis a J*H> rt.
Bpellkrl dt-mi.ldui.is Donis de oliadn par k i a S'no.
Uno.- :lt rearo .-uprncr rBi a aak
l-r.'iu- cen .- i r UBi4 t rba a "'.o rs.
Sitiadas de lihl .'.ola tu IwffeoY a :>,-
I ,. ...- C.I.. I 1/ J. ., u (< ,t
. d i eni.as ..- ;
urnas dt, Uiiots l t
! r liU I.-.
I Canas cora 'M so*lu de Rata it r.
. Caixa^rom tuperieri > '... .
Pee* de lila t-rabea tU;ra tim ; vara
\ar$ da .-franja de Iaa |;,:,. vi
." i.
Baii lho douradoa .-ui.eri..re.-1.....
.N' reiloi de libha rcm-iOO -
iLi Faies de belfos, paia |utt.o,la/mda r .a ii n.
iTesouras para eceiam supn;,.-.- t,. ,
Caixasd4 pennas de aiprail.ja, t7 tllli.
Senhores
ezacora queer5o uaHu^uw-iua a v mu >i3i> ra dos gneros que precisare e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, a inda que estes sejam ponco pralicS oS? ^
Masvos com -\,i, rk*s u-' f - Pares de sapios i iracra ,,:, a 'Cu
m m | ei res agoltia ^ lil r*.
^os sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao ifim a! ,
tra rrrte. au ue que nao\ao em
Manteiga ingleza especialmenteescolhida a Aletria, macarro e talbaiim a 4oo rs. a
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras psra cima a'
100 rs.
Aiiiioz de 90 rs. a libra a....... .
Amendoas, casca inoHe, a 280 rs. a libra.
Avellas a 210 rs. a libra.
Amexas francezas em latas de todos os ta-
inanlios.
dt3m dem em potes de todos os tamanhos.
dem dem em boceas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidsde a 5G0 rs.
a garrafa. x
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2;i000 a garrafa.
B
BOLACHINHAS do Beato Anteaio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 1800 a lata, e
de cinco para cima a 13700.
dem de so la em latas grandes a 2,-)000 e
le ciaco para cima a 13800.
Biscorros inylezes de todas as qualidades a
I209, 1,5250 64(5300.
Boi.ofraacez em cakinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banha de porco refinada.
c
CBOCOLATE francez a GOO rs. a libra.
dem suisso a l-$ a libra.
dem de iciisgo a 1#>00 a libra.
Ghooricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porco
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7#00 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Chaaope Ue grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 13800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 300 rs.
a garrafa, eem duzia se Caz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposicao,
Flor do Brasil. Parisienses, oelicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Kegalia, MissUsipes,
Panetellos. Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros, Americauos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, bysson, huxim, aljfar, preto, e
{.reto ponta branca, etc., etc., a 23000,
22"0,2^860.6 24S800.
Co!n;s lisos de todos os tamanhos de i20 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 2^500, 33300, 4 e U.
Cauces de todos os tamanhos.
Cognac superior a 13 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
bra e 6,ooo a clxa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarelia a 04o rs.a libra'e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a I
32o, 4oo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excelleute quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em Vinho do Porto das melhores marcas aue
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra,
dem prato ? 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem viudo
ao mercado a G4o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde, muito superior a 640 rs. lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo c ,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinhc a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Choco late francez hespanhol e sursg a 9oo,
l.ooo e l,2oo rs. s libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e-cm caixa se faz abatimento.
Peixe era posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidadss depei-
^e a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita
vem ao mercado como sejam: Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e 1 o,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superiorqualidadea16,ooo
a duziae l,5oo rs, a garrafa.
Sardinhas de Nantes a too rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,000 a
barrica e 320 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vitlro
do mesmo, a oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que \ em ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, G,ooo e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Charutos do alfamado fabrcenle Jos Furia-
do de Simas, das seguintes qualidades:
fcxposicao Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
b.ooo e 7,ooo a caixa ou em n:eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilha^de Havana, ntervallos. Vencedores,
Panafellas e Suspiros, a2,ooo,2,ooo e
; 3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores carees, a Sooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,oco a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.

rti .
-:
'< m m.j irii r< > <..
R liabas con ail otte fr2Dizt>
* a 20 r=.
tlesmas de papel aior.sfo i --".
com tam| a swrai para rcuj a, hmi u a "M if.
IDozias e Iicui;.; rn-. (oasm t \<
000 [?.
Duw! de (ac c rarfti c rafc f r : *
Talbfrrs n>u:io Ocm ira rriaafas a >
I !ft Ira* p: ra n i: Das ; ;." n
ia-. e viii.-..- para nrh rl Rft
Ptiitti d A.i..: ; i da rtidadi ;-,. : :':.
Pras-cos rtm soji rer l.?r.l JS
Idiiw (!, fb| em I. :. I-i a : iO r.
Can; ^ m:. fcn |arfes ;..:. :. satitaa I
varasi d< latadn di Ir: : ,lf' ;.(
Cari;. de ailii.nes Irar.reae.'- a MC i-,
Qoad< rui i da i apel i etjw u> 10 i.-.
Gra^a.'n di i Or i. ifnds i .-
Papis de acuidad, fundo ;' u.-.-i :. ; t-.
r.-.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a 1,8oo o cento e 1,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Bolacninhas de soda em latas de diversas ^oucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 650 rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhio muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com frudas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Ostras inglezas e
O
nencanas.
PEIXE em posta, latas grandes, a 13(00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmio, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para teniL1: a !20 rs. o ewco muiid
grande.
Passas em quarto a 13400.
dem muito novas a 400 rs. i libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a (00 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINHAS OU MORi.NT'UES a
R
RAPE' Mearon a 10 a libra.
dem Prinoeza do Rio a 13200 a libra.
dem francez a 23500 a libra.
m
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
f,)z abatimento.
Sal refinado em frascos a oOO rs.
Salame de Len a 25?.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Steahlnas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a -100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate era latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOSI
qualidades a l,3oors.
CarRes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Pastas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimoa.3,ooors.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Mf'o ?e nendoas a 5oo rs Caixinhas com fructas em doce secco de di-
Bolachinha d agua esa, da fabrica deJoao versos tamanhos, muito proprias para
de Unto no Beato Antonio, emlata de 6 h-1 mmo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
por 2,5oo rs. .Ruibos, excellente peixe portueuez, em
. ,xas francezas em frasco de vidro com barris pequeos cu a retalho, "a vista se
lampa do mesmo, a looo. far 0 nrero
das que vem ao oosso mercado a 7,00c e, Ameixas francezas em caixinhas de diversos' A/itonas deRivas em anrorr-ia. *r* <\*
8ooo aca,xae04o e 7oo res agar-; tamanhos com bonitas. tan pas na ca-: 851fi porolFe So^a a Sfa
GeSr, de Molida a 48o ra.a botijado 5fJ~'t*^l^l*^i-~^^
cont r^rta k JIa^I r j u i l,5oo cada urna ancorla.
cuiiwt^iw. ; Azeite doce refinado hespanho.ou portueuez rhamna-mc fii maiiinr mni;,!,,! ,.
Frasque^asde gonebra de HoHaria a 6,8oc a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixaf C a0 n frcado ?J ooo e 3 ?o SLTt
e (.4o rs. p fraseo. Batatas muito novasa 8o rs. a libra 62,500 54 ooo e ?fi ooo o lo a garrafa' C
Genebrffle laranja verdadeira em frascos o pico com36iibra-- r,m i! Bp ,
gandes a l,oooell,ooors. a frasqueira.' ConservasTglezas a 75o rs. o frasco e Gom** ^e engommar mu.to alva a 12o rs.
Cafo do io de 1* qualidade a 28o rs. a I-' 8,5oo a duzia.
p^rae 8,800 rs. a arroba. Vassouras deescova para e&fregar casa a
Cafe do Ceara muo superior a io rs. a li- .400 rs.
bra e ;,.')00 rs. s arroba. | Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do MaranhSo de l4 qoafidade a loe, Molho inglez cm garrafa de vidro com roma
rs. a^libra e 2;8go a arroba. j do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda iagieza dos melhores fabricantes,
arroba. \ a g00 rs 0 frasco>
dem de Um a So rs. a Iiora e 2,4oo a ar-1 Mostarda francesa em potes j preparada a
r0D3- i 4oo rs. o frasco,
unco e arpista a lia rs. a libra e i,oooa Lentilhas francezas. excellente. legume para
e peque-
arroba.
sopa, a SoO rs. a libra.
Massa de tamatesde superior qualidade a 4o Marrasquino de Zara iiropriamente dito a
rs. a lata de urna Hbra e 56o rs. a reta-1 15 a rrarrafa e 1 f .000 a duzia.
!h0- 'Palitos de deste a 14o rs. o maco.
a libra.
Figosemsextinhas a 80 rs,cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa soja, grandes
nos. por diversos precos.
Amendoas confeiladas a 6o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa ea l,4oo e 2,000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
j Vinagre branco j engarrafado a 000 rs. a
1 garrafa.
PARA A CURA HA
ESCKOFO.I
c tf4ar m r i> 11:.
i'K.vcnicru de lia
:da as busIc'; .. dr
[icffc
ebfrsijrilas. Mmks, atoras,
sarna .
BasdM, f n; Imi : <
! EIMATISMO
SYPI1II.VS
em tocas as seas rrma, nrm m ;,,t,
o mal que provc'm do roo 11
MERCURKi
t'fcerT^?o to r::* ?..
e em i.mma todos os males que l....
origem na
IMPUREZA LO SAKOUE
E um alterante p.iderotii pan t
RENOVACAe PO s.w-
e para dar novn forca e gor u
enfraquecido 1 ela doen Vcnde-se na pharmacia fran
rer & c, roa Nova n. is.
AGENCIA CENTRAL
fi. Una Di-ch;> a.>
RSO BE .3A\i;[RO
Vende-se em Pernar .1
na




(*
PHARMAC1E Fl
deP. MARJ
RA trOVA N

...
r5 MHV
:
1 I



o> c r: < r1 -pa
% F" 2; c c o
^ f-^. -..00 a3-
C O o -1 rr'--v as O
7- ~- =-*> = =r. -t x
=i9-3 = =nS5
05
s ze-o

O n X
(T> CO
1 a>
= 2
C^ r/i ^ & 2. "" ~* ~
o"o^o3i V3
mkml
uiiio uLr aIK
de (raUalhar a nio
descaro^ar algodo
.N
'T
para
FAJIT.ICADAS
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ikvadoce a 400 rs. a libra.
F
FARINHA SSS de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feuo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Bio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15.500
Principe Alberto, de 1831, a ^OOO a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 10500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 2$ a garrafa.
portuguezes, ingiera, francezes, etc. etc. I ?uqu? a lJ. 2 HS2 <
iChamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por d5o ter com-
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa,
dem S. Julien a 600, 800 e 15 agarrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Farello ha sempre em deposito de 500 a vinho figueira em ancoreta a 205.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. l caada.
BLl SSi lia siss
(D.. .C5--lOO-!- W O!
? 3 D o 5,0.^. *
5 3"
Por Plant Brothers & C,
OlilA
fi 2 2 2
-=> "S. 3 1 2
s
<
iTB 1
3 .S
<5 m<
O u
as
V3 .
4S
"
c
5
3
o
O)
o
3
moo
sIi|
a. P
o
39
o
Ti
Estas machinas
^ podem descaroca;
Yi.aW'Wffia^: iualqoer especi
'i! rt^_S,de aigodao sem
*4|,] estragar o fio,
* eon'1n bastann
sendo
^j, duas pessoas para
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
do em earocc
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
iimpo.
Attenco.
Cambraias.
Parede Porto vende cambraias lisas finas, gran-
de sortirnento, a 35 at 6J, ditas Victoria muito
linas, com 10 varas a 65, 62500 e 7*5 : na ra da
(mperatriz n. 52, junto a padara fanceza.
Sollins ingieres com borrenhas e lisos, silhoes____________
para montara de senhora tambem iguaes, chicotes I ; "7----\---------r~
para carro e cabriole!, e para montara, todos de ClietUeill aS COP[MIlllOS de Cainbraia.
baleia,fundas.com elssticidade para ambos osla- Vendem-se corpinhos de cambraia com entre-
dos, e ODtros muitos objectos inglezes, e bride de meios a 4J e 35, estao se acabando : na loja de
Ipojuca : todos estes objectos vende-se na ra da Paredes Forto, ra da Imderatriz n. 52, poria lar
Cadeia do Recite n. 31, loja de selleiro. ga, jun.o a padaria franceza.
Tasso Irmaos
Vendera no seo armazem roa do
tnorim n. 35.
Licor fino Curado em^botijas e meias botijas.
Licores tinos sortidos em garrafas com rolbas dt
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chamberiin.
Hermitage.
Rorgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Rordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
O castello de Grasville.
Traduzido do francez por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3<500C
aa praca da Independeoela. livraria ns.
6 e8.
Assira como machinas para serem movidas or
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodac
hmpo, por da; e motores para mover urna dua<=
entres dessas mchica. '
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinai
mencionadas ; para o que convida-se aos Sr^
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
wm de algodo, 00 largo da ponte nova n.47.
Sannders Brothers & C.
M, II, praca do Corno Santo
. RECIFE.
Os nnlcos agentes neste paiz.
Fivellas de crysaT
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 33
recebeu rquissmas fivellas de cryslal para cintos,
ditas de madreperola tambem de muito boa quali-
dade, tanto grandos para senhora, romo lambem
pequeas para meninas, recebeu lambem fivellas
acuradas com pedras, ditas douradas lisas, ditas de
bfalo, botSes de vidro a Imilacao de crystal para
collete, ditos de cryslal muilo finos para collete, bo-
toes de osso prelos para c^lca a 120 rs. a groza,
cartas de alinelesa 100 rs. a carta, requissimo sor-
timento de flus de todas qualidades isto ludo s na
loja da Aur#ra na ra larga do Rosario n. 38 de
Lopes & C.
Testamentos em verso.
Conlinuam a estar venda, na tvpogra-
phia dr ra do imperador n. 15, defronte
(le S. Francisco :os testamentos da Gali-
ana, do Gallo, do Porto, do Leao, do Gato,
do Per, do Caracho, da Onca Tigre, do
Cao, da Ilycnn, do Rato, do Orangutaugo,
do Macaco, do Burro e do Vigario; a Peleja
da Alma com o Diibo, a ICO rs. cada um,
e a 100 rs, a quem comprar urna cem leta ou 25; cartas de A B C. tahoadas.
cathecismos, economa da vida bomapa,
carlilhas, Simao de Nantua, Biblia da in-
fancia, manuscriptos, traslados, pautas, pro-
curaces, apudautas, leltras, conhecimentos
para embargue de escravos, despachos para
a alfandega, papel almaco pautado e pinta-
do de diverses formatos, sendo o pequeo a
. 30 rs. a folha, o immediato a 40 rs., o me-
pordiaou 5 ar- dio a 50 rs. e o muito grande a ^0 rs
ilgodc papel marroquinadoe lustroso grande e pe-
queo ; papel para impresso de urna s
cor grande e pequeo; Virgilio, Horacio.
Salustio, Magnum Lexicn, prosodia, dic-
cionarioa francez-portuguez e vice-versa,
selecta franceza, e outros nuiles livros, bem
como pin linnco de todos os tamanhos.
DE COR CIIEIBO E SABOR AGUADA1 E75
Inlinitamenle mais eSom do qm :
os mais remedios tierigos<,s eanaeai
que existem para a expulso daslon.l:
Nao cansan dores e produzco! stu eff
sem precisar lugo depoi de pwgfj
nhum c trioincitantes em >| arroda
ciosas em gesto, qiu> ascriancaa ,
promptasa tomar mais do que marca s n>
ceita.
L'teis como um excellente mm it
removers obstrueces do vnlrc, m
no caso de Dio existirem venu MfH
PAJklLHASVEBJilFCGAa M lian if BfHf
tas einfalliveis na sua operario e por 1 ..
os respeitos dignas deconai ra e appri n -
Cao de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman A d
Nova York.
Deposito geral em Pernn,^r.c. m ,
Cruz n.22 em casa, de Caros & Barbo-a
m
O VILLAR
\cndein-se quatro burras mulo mansas, boas
de carga e de sella, per preco eommodo : a tratar
no botel de Franca.
Vende-se om sobrado de dous andaras no
l-airro de Santo Antonio, o qual rende para mais
de11:200, euma casa terrea no bairro da Boa-
Vista : a tratar com agente Olvmpib em seu arma
i zem na ra da Cadeia do Recife n. 34.
Vendem-se palmeiras Imperiaes, em estado
de serem trasplantadas: no sitmrnurado es-
querda, depois do becco do EspitSftiro, nos Af-
fliclo
Cum loja ra do Cropo u. 17. '
Recebeu d* P.iri sedas em ro/tes r..ni -1
lo copedarea e beliissrr* s padroe. c i
chales de n-uda pretos para 103.
tile importante ettibtktmtUU lrr.a-
g se recommendavcl ao bello sexo p?la va- 9fe
gg nedade de fazendas superiores e bclic 5
gg. gostos
proteja o bello sf xo ao Villar !
SS e vero todos a pro.-^eridade.
Luvas de Jouvio.
a loja de miudezas na roa do Queima-
i do n. 16, resebeu-as por este ultimo vapor,
Framcisco Jos Germano
BA NOVA N. 22,
acaba de receher um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ecu-
los de alcance para observarles e para os
martimos.
KAIVJI
'"' **** **" V>MiCl Na rua da Imperatrii n. 26. fab ca de ,. de sol, ha para vender um sonim.>nm (!, rhra-d>
Vende-se nscadinho francei a 200 rs. o covado, onro, como sejam, aderecos com lelos co.n 1
por ter grande quantidade, esta-se acabando : na,, meios ditos, alfinetes, roietaa, Mae cormN
rua da Irnperalriz n. 52, loja da porta larga, de para relogio, cacoleus, cruzes, b,.tGes para po-
Faredes Porto. ,__________^______^_____ nh0s, ditos para ahertora, e ontros objern.s d>
Breu em barricas pequeas. ,oorn de diversas qualidades e gustos, qoe ludo m
Cera em velas de todos os tamanhos. Ten.d^ barato para acabar._____________
Bogiasv Vinbo do Porto superior em caixa de duzia,
Mercurio. tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Kft-
fta rua do v igario n. 19, primeiro andar. do & C, no sen escriptorio roa da Cruz u. i.
T---------


N. 11Ra do QueimadoN. 11
A toja de fazendas de Augusto Frcderico dos Santos Porto, araba de receber nm mni:
to grande e novo sortimento de cortinados bordados para cama de uoivos a 365, 405, 435,
50#000,6O#000e7O#00O.
Lindas mantas para gravata, de variadas cores, a UoOO e 25-
Cachinez de la de diversas e bonitas cores a 35300 e 45-
Chales de guip, fazenda a mais moderna, a 165, 205, 225 e 25'5-
Uotondes de guip, tambem os mais modernos a 265.
Colchas de seda de cor para cama de noivos a 555 e 605.
Alcatifa de liubo para salas, (Meada larga, bonita e de muita durarlo, a COO ris o
covado. ,.
Tapetes grandes e pequeos, ccm ricos desenhos, para sora.
Saias bordadas para senhoras a 75, S, 95 e 105-
Capas e soutemnarques de seda preta para senhoras.
Bonets, chapeos e chapellinas para senhoras, dos gostos mais modernos.
Chapeos elegantes para stnhoras, a 125.
Pi-cinlias d6 Qnissima bretanha de llnho a 75500.
Laziuhas de quadros a 320 rs, o covado, setim de Taris a 700 rs. o covado, e cam-
braias francezas de cores a 300 e 700 rs. a vara.
Casemiras de quadros, ntoire antique pretos e de cores, pannos e casemiras pretas,
"rosdenoiiole preto e de cores, esguioes, silesias e umbralas ee linho, sortimento, de diver-
jas fazendas para luto, chapeos de seda para homens a 95 e 105, chapeosdesol.de seda,
linios manguitos bordados, e outras muitas fazendas que se vendem por precos razoaveis,
inclusive ,
Esteiras da ludia para forrar salas
CORTES1 1MB NEI1 %
Chegaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de rooreintiquc de cores, e seda lavrada pa-
dres inteiramente no vos. A. ,
Seda de quadros por 1#00 o covado
5-RUA DO CRESPO-5
Gregorio l*ae? do Amaral t& Companhla.
Diarfo de PoraanbBto 9m9ftt I. 14L4.fl*vet
nbro 4r I 8*
AO RESPfilTAVEL PUILICO
A tabella abaixo publicada serve de
tanto deste armazem como do armazem
teo do Orino u. 9, principal armazem
dor n. 40.
!

Para vestidos de senhora.
Corles de seda Je cor de botn gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bons moireantiques de cores.
Grosdenaples da todas as cores.
Lindospoild'chevre fazendaassetinada de inleira nmdade.
Lindas anquezas assetinadas fazenda inteiramente nova.
Modernos grenaiiines de seda o que tem vindo de mais novo.
Grande variedade de Lias de cores lisas e de sal picos.
Orgai ilys c ca sas denmiio bom go>to.
Percalias modernas com grande variedade.
Lin los orles de la a Clotilde com todos os pertences cada um em seu car-
base de precos,
progressivo pa-
ma do Impera-
Receberam Gregorio Paes do Amaral & C. mais um completo sortimento de
FIL PRETO
Manufacturado em Challes
Points
Algeriennes.
Hotondcs.
Africaincs.
Annamites.
Pompadoan, etc, etc.
Desde i 05000 a 805000,
CHAPEOS A KXPOSIC'All
Novo modello de chapeos ingleza de li.iissiint palna para senhora cora nina
ampia banda de Ufe de cores.
CAPIS
de 12a preta e de cores proprias pira luto, ou passeio pelo diminutsimo preco de 10$.
Seda matisadi em pecas
padroes modernissimos que faz o effeito de um vestido de subido preco. Assim como :
ricos corles de moireantique brancos, de cores, de gorgorito lavrado de Blond para ca-
samento.
Magnificas grinaldas e mantas.
Colchas de seda portuguezas.
Cortinados para cama e janellas.
Camisas bordadas,
e outros muitos objeetnspara noivado.
CORTIL UE TAUIjTAXA
com enfeites de cores da mesmu fazenda, o que ha de mais modernot
CACIIENEZ
de muitos bonitos padroes e feilios differentes.
E outras muitas fazendas por precos commodos que vendem
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
5 RA DO CRESPO 5
Fazera sciente ao respeitavel publico, e com especialid de aos senhores de en-
genhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais fac litar suas compras deli-
oeraram os propietarios dos tres grandes aitnazens, reunir t
atentos em um so annuncio, pe' qual o prego de um st
uios que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicad!), annunciar os gneros
por um preco, e na occasiao da compra quererera por iratro, puno sucede constante-
mente em outras muitas casas, portu nos nossos estabelecim ratos nao se dar isto
aiuda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder m
sero tam1 em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos (
pedidos em cartas feixadas ; para evitar- qualquer engaos, re aettendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual anuunciarmos, o que se tito arrepender pessoa
alguma que fizer sua despenga era nossos estabelecimentos;
5 por cento na sua despeza diaria.
' tan inteiramente nevos.
ii IS C
,'irtes deca-st com barra tamb'm inteiramente novos e outras muitas
~- fazendas de gosto que sena enfadonho mencionar.
Para homhros desenho'a
e de i
Grande variedade (lechales, bournonx, retondes o algeriennes de fil
guipiirc a 10,- 10, 20, 30, 40, 00 at 80*.
Modernos sootembarques de seda de superior qualidade.
Lindos bettes de seda de cor pretos e de cachemira.
1 lera do cambraia branca bordada com muilo goslo.
Sautembarqnes ebournonx de cachimira de cor e outros muitos artigos dep;
hora goslo.
I'a ra ca beca de se, n h o ra gfe
^tporiores chapelinas depalha. de'sedae de crina de muito bom gosto aim-3j?
- p'ratriz. ** (
Chapeos de pdha da Italia grande variedade. cMj
Lindos gorros c bonete de palha de Italia, Impernlriz, Canotier, Clotilde W
e 'lame, chegados de Parispc'o ultimo vapor. 3m
Grande variedade de enfeites de froco e de flores para casamento. ^F
Superiores vestidos de blonde, e de moireantique brancos. .
Bons moireantiques brancos e superiores sedas brancas. SrE
Bons vestidos de tarlatana branco bordados. r?i
Lindas mantas de blonde e boas capellas. Sm
BSorflados. '#"
Grande variedade de ntremelos bordados transparente e tapados.
t*
V.
as bordada
outros muitos artigos.
transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordadas e 3H
.
DE

NI" i ORUKU l>B VAS OXCCLLOS & C.
RL A O CRESPO IV. 13

Loja da boa fe na ra da
Imperatri n. 74.
Vendero-se ricos enfeites para cabeea a 2,8300.
Pentes prelos para alisar a 210.
D in- com chapa 'le metal branoo a 500.
E-covas Un is para (lentes a 120, S40 : 300.
Tesouras finas pira costura a 300,900 e 15-
Mi as muito Boas para sent ra a 300 e 400 o
Caixa con 50 nvelos de linha do gar. a 700.
Caixa ''"in 100 envelopes a 800.
Caixa cun papel pautado a 700.
Resma de papel almago greve a 35200.
; lili .rria para escrev^r boiao a 150.
c is e garios de balanco a 35500 e G55'X).
Melas rruas para homein a 200 e 2i0 o par.
Alhoetes de todos os lmannos a 100 a carta,
la Ir linho pega 50 e 120.
lio para vestido a 30 rs. a peca.
Ditu imperial pega 10 rs.
Caias com obrejas muito boas a 40 rs.
i: iralbo de cartas linas a 240.
i de boiao de louga para camia a 120.
Ditos de madreperola muito finos a 640.
r iiia Me comete multo bons a 40 rs.
Cartao de coetes mtnto bins a 00 rs.
Ora va tas de >ela preta e de cores a 500.
J lio de Vspera a 800 e 500.
Caixas muito finas para rap a 15-
E nm cmplelo .-r.intento de miodezas qu/ se
en ni por menxs do que em outra qualquer par-
l" para se apurar dinheiro.
Acha-se
. -la na livraria acadmica, na rua do Impera-
dor ; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Antonio ; e na typographia imparcial, na roa e-
d i Ros irio a coropilacao de toda a legislagac
i i lente administracao, a arrecadagao e fiscali-
- di!,bir"S de orpbos defontos e susen-
: herancM laceles, legados, etc., contendo nac
so o regiment de castas e a lei geral das execn
50 ira lamben todas as ordens e avisos do
roo, ijiie a nulo tem explicado, tanto a respei-
11 d i- obrigagoes i.i!; rentes ao cargo dos difieren-
n>| regados de ustlca e fazenda, como dos di-
:.....is oaeiooaes e emolumentos que sao devidos.
Este livro contendo mais de 700 paginas em nitida
impreasao e b >::i papel, e preslando-se a utilidad*
-ni- differentes classes, torna-se recommendavel.
Seo casto 105000 por cada exemplar em dou>
: II -
I-runde pech^ncha.
No roa da Impentriz n. 52 porta larga de Pare-
des l'orto, vende-se chuls de merino estampados a
25 >j00 e finos 55- Jlo se acabando.
Ilordados.
i'.iiegou a loja ne Paredes Porto, rua da Impera-
Iriz n. 5-J, um soitimenio de camizinhas, guliinhas,
eoipioboa, rouierfS e n'mtn, de cambraia branca,
pelo barato pregode 25500, 3500 e 45, gollinhas
5u0 f-., romeiras a 800 e gintos a 800 rs, grande
qnantidade de eptremeios a 600 e 800 rs. a peca,
e-M i se acabando.
MHhfflli
V.oidem-se barricas com sebo do Porto, de 7 a 8
.arroba-, assim como se compra um fole e bigornia
para ferreiro : a tratar na rua 'Ja Senzala Nova n.
4, refinago.
LOJA DO BEUA FLOR
Na rt io Queimado n. lilL
Nesta loja por todos os vapores su recebe luvas de
pellica braocas e decores, tanto para hornera como
para senhora.
Vo'tis, c uzes ft brincos.
Chegou no ultimo vapor um grande sortimento
do voltas e cruzas, imitando cornalinas brancas,
assim como brincos da mesma e de erystal do mais
apurado gosto que se pode desejar, foi s quem
receben : na loja do fjeija-flor, rua do Queimado
n. 63.
Enfeites para coque.
Assim como receheu enfeites para coque e ou-
tras muitas qualidades, que se vendem mais-barato
do nue em outra qualquer parte.
Itoneciis que Hiaiinin mamai epapai.
Tend recebulo um grande sortimento de bone-
cas que charaam papai e mamai e movem com os
olbos, muito bem vestidas, com cabelleiras, o
que p le haver de gosto nesle genero, e vende se
mais barato do que e.m outra qualquer parte.
Balaius.
Assim como um bonito sortimento de balaios para
menina de escola, tambem ha muito bons pentes
para desembaragar, guarnecidos de metal.
1 Bichas de Hamburgo m
^5 todos os paquetes da Europa se recebe f
?2jjS destas amigas do sangue humano e se |K
g vendem a troco de punco lucro s afim 5
jsfe de ter sempre cousa nova : a loja de bar- g
^ beiro rua estreiU do Rosario n. 3, ao p ^L
W da igreja. Wt
^Mmni mm mmm*
colares Rover n colares ano-
dinos
para facilitar a dentigo das criangas e preserva-
las das convulsdes.
O feliz resollado obtido immenas vezes pela
prodigiosa forga magntica dos colares Royer, nos
casos de convuisoes, e dentigo das criangas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
e hoje j< se pode difer que estao geralmente con-
minados, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de uns porque do uso desses salntares
colares viram salvos do perigo seus charos filhi-
nhos, e de outros porque collieram daquelles tao
proficuo exemplo para igualmenie preservar os
seos. Assim, poU, a aguia branca, tendo em vis-
tas a uiilidade e proveit desses prodigiosos cola-
res anodinos ou R >yer, mandiu vir o novo sorti-
mento que agora recebeu, e continuar a recbe-
los para que em lempo algum a falla delles possa
ser funesta aos pas d' familia, os quaes flearo
cortos de os achar constantemente na rua do Quei
raado, loja d'aguia branca n. 8.
""AHABESE A mamnha-
Sao para vender
50 jogos de moinhos, tanto por junto, como a
retalh. afiangando se a boa qualidade da pedra,
sendo por junto a 55500, a retalho a 6a ; a tra-
tar na rua do Vigario o. 14. taberna.
Em casa de Phipps Brothers & C, ra do
Vigario n. 2, vendem-se cofres de ferro, prova de
fogo, dos afamados fabricantes Milner 4 Son, de
i Liverpool.
Manleiga i gleza perfeitamente flor che-
gada uliimainetite de l.oooa i,loo rs. a li-
bra, e em barril teta abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxiin de primetra e superior qualnla-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o mclhor neste genero a
2,6oo rs., "e sendo em porcao ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,ooo rs.
a libra.
Itiscoutos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a 1.2oo rs. a lata.
Bolaehinhas
Latas com holarhinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de ,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados no ultimo
vapor a ,5oo rs., tambem ha do vapor pas-
sado a 2,3oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l,ooo e I,2oo rs.
a libra, franeez e suisso a l.ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porreo
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, I). Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l.ooo a garra-
fa e 9.000 a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3.ooo,
3,5oo e i.ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a G4o
rs. a garrafa e a 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,000 rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
(aixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. agarrafa.
CAFE
Caf do Rio de 1.a e 2,a qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SA BAO
Sabo maga de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
em caixao.
ndar seus fmulos que
favor de mandar seus
pois poupar mais de
r5
Se:*veja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como seja n: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,00 rs. a ouzia e a 7oo rs.
a garrafa. Tamben ha de outras marcas
como seja: Victoria Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a gai rafa.
vii agre
e Lisboa a 2,000 rs. a
garrafa. Tambem ha
rs. a garrafa e l,4oors.
Superior vinagre
caada e 80 rs.
mais baixo para 2oo
a caada.
A zeu
Superior azeite doi
garrafa c a 4,600 rs. i caada.
Massas
Macarrao e talarii 1 a 360 rs. a libra e a
e doce
e de Lisboa a 600 rs. a
1 0,000 rs. a caixa.
l'assas
Superiores passas
5,500 a caixa de arn
rs. a libra.
Genebra de laranj
duzia e 1,00o rs. ao fi
Genebra de Hollar
a l,5oo d*quarto e
ba hespanhola e a 32o
verdadeira a lo,ooo a
asco,
la verdadeira a 6,000
Hollanda a 8,000 rs
ba garrafoes com 5 e
t.ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermact te a 600 rs. a libra.
rs. afiasqueira e a 5 5o rs o frasco.
ldom de Hollanda m botija- a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafoes com -24 arrafas de genebra de
o
o
H
o garr.ifao. Tambem
14 garrafas de 3,2oo a
dem de carnauba
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
Pl
Peixe em latas j
l,2oo rs. a lata
ALPISTA
Alpista e painco
4,000 rs. a arroba
bra.
CHA
Charutos dos mai
tes, como sejam: J
.Manoel Peixoto da I
Filho e Brando e
quaes vendemos pelo
de lo a 12,ooo rs a
;ixe
preparado de I,000 a
E PAINCO
muito novo de 3,800 a
de 14o el60 rs. a li-
RUTOS
k acreditados fabrican-
do Furtado da Sernas,
ilva Nelto, Castanho &
de outros muitos, os
knodico prego de 1.600,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5'11, e 5,ooo rs. a caixa.
IA
Licores francezes 1
l,4oo rs. a garrafa 01
Doce da casca
quenos a 7oo rs. e d
a 64o rs. o caixao.
i'i utas
Frutas em calda e
mlicamente, muito 1
do pera, pecego, ame
perche e outras fri
ores
portuguezes a l,ooo e
frasco.
goiaba e caixoes pe-
So caixoes para cima
i Tambem hlalas gra ides para l,2oo rs
;lata.
m latas fechadas her-
em enfeitadas, conten-
xa rainlia Claudia, al
las a o is. a lata.
a
c3r9^ "w* t&s* N?** ^sb? tmo
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macas pelo ultimo va
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor
Frudas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos londrinos pelo ultimo vapor.
Queijos flamengos frescos pelo ultimo vap
Presunto fiambre pelo uliimo vapor
Tudo se vende barato nos seguintes arnaaiens
lina do Imperador 40, Verdadelro r*rla Rna do Quelmdo o. 9, Uolo e Coi amrelo
l.argo do Carme n. O, Progressivo.
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Oadeia do Piecife, esquina da Madre de Deus.
Grande, sorlimenlo de Enzendas por atacado c a retalht, e un completo sor ti
ment de ronaa feita, decasenira adebrim, ludo por menos que em
outra qualquer parle: quem duvidar venha ver.
de lindas e finissimas casemiras escuras e tiaras, de superior casemira preta, de finos
bros brancos e bom brim pardo.
Paletos
de superiores casemiras escuras e claras, de lina alpaka branca, de superior alpaka pre-
ta e de brim pardo.
C'olletes
de boas casemiras pretas e de cores e de lino brim branco.
CAMISAS
Superiores camisas francezs de 2$ at ").
Cero 111 as.
Ceroulas de superior bramante de lino linho.
Cales.
Superiores balos de arcos para meninas de 2 at 12 annos.
dem superiores para senhora.
bravatas e maulas.
Superiores mantas para pesclo de homem, as mais modernas do mercado.
lladapolo.
Madapolo bom a 8$, 9(5, l''i5 e 123.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda balo a 105.
Fraques de casemira.
Fraques de casemiras, preta, escura e< de cores claras, e nao havendo que sirva
ao freguez manda-se fazer por medida e com muita promplidao.
Todas estas fazendas por precos insigfylicantissimos, pois o ftto do Balao ad-
quirir freguezes.
LOJA DO BALAO
DE
AZEVEDO AltUIAZEUI DE FAZE1VOAS
DE
CUSTODIO CARVALHO & i.
27 RUA DO QUEMADO N. 27
Madapolo franeez muito fino, tendo pouro mofo, cada peco com 27 varas por
10,5000.
La de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preoj de 800 rs a vara. ,
Lencos brancos para agiheira a 2(5' 00 a duzia.
Fin >s percharas a preco de 400,
Ricos corles de laa de barra de 103 a 30.>000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
Parefos Porto receheu pflc ultimo paquete um'completo sortimento de capas e
bournus decores ricamente enfeitados a 12?, 155e 205 : oa rua da Imperalriz n. 52,
loja da porta larga junto a padaria franceza.
No armar.em da rua do Imperador n. 3 ou do
Caes de Pedro II n. 2, tem para venderse o me-
Ihor gai existente no mercado.
"Vndese um cylindro, urna roasseira, urna
balanga grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e mais ulencilio^ de padaria : a tratar na
rua Direita n. 24.
Vendem-se
machinas americanas de serrote pira desearocar
algodio : na rua da Sentala Nova n. 42.
CAMBRAIA
Cambraia de forro com 8 l|2 varas a peca a 55,
est-se acabando : na loja da porta larga da rua da
Imjortra n. 52, de Paredes Porto.

Vende-se urna esrrava criolla, moca, e com
habilidades i na rua da Penha n. 17, 2* andar.
avanado.
Franeez barrica 55000
Portland dem 8*500
Era perfeito estado:
Franeez barrica 105000
Portland dem 125000
No armazem de Tasso Irmos caes do.'Apollo.
**
Nfttidade.
Clocara os bonitos chales e retonilis d fnipn-
re hranens-, e*endenvse na rna da ianperatriz n.
52, loja da port" larga, de Paredes Porto.
Chales de renda
Paredes Porto, na rua da Imperatrlz n. 62, porta
larga, vende chales de renda de cores com pwjoe-
no tonne de mofo, a 35900 e 45, faiemla de tOf
e 125000. '


Diario de Pcrnamtmeo Terca felra 14 de Xovenibro de t *
4GIU BRANCA.
Colieiras de marroquio, com cascaveis
e sem elles.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, vendem-se colieiras de marroquim,
pospon tadas e com cascaveis, ou tem elles
proprias para caes e outros bicbiohos.
Felinas inglezas de ac e douradas.
No novo sortimento de'pennas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, vieram
tambem outras de metal dourado e bicos!
mu bem acabados, e por essas boas e ne-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-
bricantes Perry entendedores'' apreciadores do bom, valen-
do mesmo a differenfa que ha m> preco de
urnas para outras, por que estas se tornam
mais duraveis na coniinuacao de escrever ; [
assim pois quem dellas se quizer utilisar
compra-las a dinheiro a vista : na ra do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas e seiu ellas para
corlinjtdos.
O gallo canta e est
g ue mando m
Bom e baratissimo.
lina do Crespo u. 9.
Collares.
Collares anodinos el'otro magnticas Roier para
as enancas nao morrerem de ennvulsoes pelo ba-
A Aguia Branca recebeu um bello sorti- rPftsode.
ment de franjas com borlas e sem ellas Rq0iS8lDMS polselras ou bracfileteS pa senho-
para cortinados, todas de novos e bonitos n e para meninas a 15,2* < 3., assim omo lin-
desenhos, cuja commodidade do preco est das Voias para peseoco a 35.
em relacao a largura : acham-se ellas a ven- Enfeites.
da na ra do Queimado loja da Aguia Bran- Riqoissimos enfeites para cabefarons do mni-
* to gosto a 15300, 25, 35, 45, 55, 65 e 75.
ca n. 8.
Joge da paciencia ou curioso cnti elcni-
mento.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, acbam-se a venda por precos ra-
zoaveis, caixinhas com tabolas de madeira,
que das diversas pinturas dellas se formam
agradaveis vistas e paisageos, segundo os
desenbos que acompanbam. Na verdade
esse um deleitavel eo retenimento com o
Fivelas.
Riquissimas ti velas de madreperola e de tarta-
ruga, arsini como pretas.
Cruzes.
Riju simas cruzes dourad-is porm o melhor
gosto que se pode desejar.
Cascarrilbas.
Bonitas rascarrilhas com biquinbos de seda e
aljfar cousa inteiramentc nova para enfeites de
vestidos.
Binculos.
Bonito sortimento de binculos com superiores
qual se despe ta a cunostdade, e apura a in- vidros para os amates do ,,,,..
telligencia. Os apreciadores dinjam-se a Assim como uns pequininos
ra do Queimado, a dita loja da Aguia Bran- que serve para enfeite de reicgio mais cora excel-
ca n. 8, que setao satisfeilos. .lente vidro.
Bonitos enfeites paca senhoras. Sestmhas.
. n ___. __ Riquissimas cestinhas com preparos para me-
A Aguia Branca acaba de receber un no- ninas de escola Ira7Pr n assim Fcomo de
VO e lindo Sortimen'O de enteiles OS mais vidro enfeitadas proprias paramimo.
modernos e gostosinleiramente agradaveis, Pentes.
como seu louvavel COStume OS est ven- Ripuissimos pentes de borracha com aro bran-
dendo bara lamente a quem com dinbeiro se ti, mHal p.ara'^iua W"-5 cabell Pel
/i;i.;n-n a n i ir, ,\n k ,.;, barato preco de 600 rs., e duzia
ingir a ra do Queimado, loja da Aguia r8na> sortimento de todas as qualidades para de-
Branca n. 8.
Meias de laa para senhoras.
Vendem-se na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
lala mosca.
sembaracar.
. Escovas.
Grande sortimento de escovas para roupa e pa-
ra cabello, para nnhas e para denles.
Lunetas e-oculos,
Finissimos lunetos de nm e dous excellentes vi-
dros e aro de bfalo e de tartaruga, assim coreo
oculos com rame dos lados proprio para quem
sofre dos oculos.
Touqtiiobas.
Riqusimas touquinhas de fcl de linho, dese-
Na lo.a da Aguia Branca aclia-se a venda
o papel com coniposico para dar fim as
mo.^cas, sendo o modo de usar facillimo, e o
effeito eflicaz : molba-se o papel e deixa se
fie r n'um prato, e nelio pousando as mos- cas, entristecem e morrem. Custa cada fo- Para o cabello.
Iba 40 res: na ra do Queimado, loja da A superior agua para attingir os cabellos, as
Airt'.ia Branca n 8 barbas brancas e fazer conserva-Ios, os frascos
',.T acompanha nm rotulo que. ensina a forma como
Diversos bnnqaedos c enlreteniniente sedeveappiicar.
par. enancan. Para caspa.
A Aguia Branca na ra "do Queimado n. Superior banha sem gordura com nm frasco
0 ir l <"',(i) agua piupna para limpar a caneca, os frascos
8, recebeu diveisos bnoqaedos para cnsn- a!.UIH,aDi,a ,, tomew ()Ul. er,..iiia o'modo como
$as, sendo estradas de ferro, barcas e patos se deve applicar, assin rano agua balsmica,
elctricos, apparelbos d^ metal, louca pinta- ewataepoi para iimpar denles.
da e porcelana doeada para almocf e jan- Banhas.
tar e muitos outros brir.-juedosde madeira, G\^\\ :mT?t0 ^ ^^em c\'ll*'lm'r
tas e folba e em frascos de todos os lmannos por
que se vendem baratamente : na ra do
Queimad.;, loja da Aguia Branca n 8.
Meiati preas de seda para senaras a
500 ris e par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
fo de meias prctas de seda para senhoras,
e apesar do muilo maior pre o que lhe eos-
taram e c bom estado em que anda eslo,
comtudo est resolvida ?. vende-las a y O
proras menos- do qoeeni outra garle, assim como
munos cunos objectosqoe nao se poje mencionar
por boje : s no gallo vigilante ra do Crespo du-
mero 7.
OIZES E FIVELAS
plegaran a' loja do miudezas 0. 30 A da ra
da Cadeia do Recife ricas crines de madreperola,
bim fcono lirelas de tartaruga e de outras quali-
dades, as quae< se venden por menos que em
res o par, am de que ningucm mais calce qu3iquer omra parte ha tamben um completo
meias preas dealgodSo, ag ra pois apro- sprtimeato de miadezaa.
veitarem a ou.-ira e dirigirsm- e ra do
Queimado, toja da Aguia Branca n. 8. Tmn-
otan venderi as brancas alio par, e des-
tas o nico teleito estaietn um pouco tri-
gueiras,
Vende-.--' superior lio
NiTAHMi
nmm
o
Rival sem segundo-
Roa do Queimado ns. 49 e 55, loja de
miudezas de tres portas, est quei-
mando tudo bom c barato, quem qui-
zer ver e admirar vculiam- loja do
Uiimiinlio.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e pautado
a 600 re.
Grozas de botoes de louca prateados fazend.. mo-
derna a 160 rs.
Dnzias de penna de a?o fazenda boa a 40 rs.
Pecas de tranca de laa lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas flnissimas para limpar denles a 240 e
320 rs.
Pecas de fita de cs estrellas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles francezes, superiores.quali-
dades a 20 rs.
Tinleiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Peca> de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos muito finos para voltarete a 200 e
240 rs.
Latas com superior banha a "200 rs.
Frascos de macaca perula muito fino a 200 rs.
Frascos e garralinhas com agua de Colonia a
400 rs.
Frascos grandes com superior agna de Colonia a
640 rs.
Caias com 12 frascos de cheiro.- muilo finos a
15100.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a ;
320 rs.
Duza de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua denliflee superior qualidadea 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
15200.
Frascos com essencias para tirar noduas de roupa
a 500 rs.
Frascos com cheiros de lodos os precos a 160, 200,
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Dtizia de meias muito finas para senhora a
45800.
Gollinhas muilo finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Pecas de fita de laa para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lonsa para meninos a 160 rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonit?s estampas para rap a 100 rs.
Capachos eomnridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosas de botSes pequeos pretos para calca a
100 rs.
varas de cordao de espartilho a 20 rs.
Novellos francezes com 20' ardas a 40 rs.
Pecas de tiras bordadas a 640.
Bailas de meias cruas muilo fortes e superiores a
35500.
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelho
Kua do Queiiuado u. 19.
Veode->e o seeuinle :
Cobertas de chita fina a 2800.
ias de dita a O no.
Lencoes de panno de linho a 25200.
Ditos de dito de linho a !>.
Ditos de bramante de linho de um so panno
35200.
Panno de linho fino com 9 1|2 palmos de largu-
ra pelo barato prego de 25-iOO a vara.
Rraiiianie de linho fino ron 10 palmos de lar-
gura a 255OO a vara.
Pecas de cambraia con salpicos brancos e de
Coles com 8 1|2 varas a 455UO.
Pecas de cambraia adamascada propria para
cortinado de cama com 20 varas a 115
Balee" do arcos a 25OO, 35, 35.ViOe 45.
Lengos de cambraia liua a 2$600 a uza.
Ditos de dita ;> 25 a duzia.
Atboalhado d<- linho Qno a 25800 a vara,
Dito dn algodSo a 2 a vara.
Alpodo eofcsiado com 7 1|3 palmos de largura
a 15^00 a vara.
Pecas de breanha de rolo com 10 varas propria
para sa,a a 35500.
Fil de. linho liso fino a 800 rs. a vara.
lil" de dito com salpicos a 15 a vara.
NOVA LOJA
ENCICLOPDICA
t Hita da Impera!riz armazem
da porta larga ftft.
Juulo padarla; fradeeza de
Paredes (Porto.
Neste estabelecimento eni|ontrar o respeitavel
pnbfco nm variado sortimeibto de fazendas (rane-
las, incleas, suissas e allemaes, que se vendeao
por prego coniinodo.
Paredes prto
Vende chales de renda de cores que se vende-
ram a 18a esia vi-ndendo pclr 65, ditos preos, fa-
zenda nova, 55,65, 85 a 205, um sortimento com-
pleto de manteletes, rapas ti soutambarques 145 a
255- Ra da Imperatriz n W junto a padarla fran-
ceza, armazem da porta largo.
Paredes \'\\ lo
Recebeu um completo sortimento de lasinhas a
240. e 280 rs. cavados, para (acabar, cambalas de
cor a 240 rs. o covado, riscado esrossez para rou-
a 420. 400 e 500 rs.
a padaria franceza.
pa de menino, fustao de iinh(
Ra da Imperatriz u. 52 juut
armazem da porta larga.
Paredes Porto
Recebeu para cortinados pira cama fraureza a
15 a peca cambraia lisa fina a 35 45 ale" 10,5 a
nitos pistos a 35500
i'i:.i. goslos ioteira
oeca, cortes de. larlatana de b
a 45, cambraia com flor de
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da [orla larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes Poiito
Recebeu pelo ultimo paquete! um sortimento de
go, benitos caxioi--
Rua da Imperatriz
lo para vestido com
brsdenaple preto a
as lizas finas a 400
para vestido, enfes-
la Imperatriz n. 52,
de algoiiio feto para
eojer em maebta, b proprio para saceos de assu-
car : aa ra de Vigario n. 26.
Chegou verdadeiro vinho verde de Rosto, es-
colhio'o pela proprio vendeJur na ra to Amo-
nm n. 36.
Cambraia de linho lina a 45500, 60680 e 95 a
vara.
Cortes de'laazinba de lindos gostos com 15 co-
vados a 55-
Pegas de madapoliio finissimo pelo baratissimo
pnco de. 85, '.'5, 105 e 115-
Flanella branca lina a 600 rs. o cavado.
Dua de core.- lina a 880 rs. o covado.
Baloes de musseliua para mtnina a 35, 3oU0
e45-
Cambiaia de forro a 35 a pega.
D.la fina a 45500, 05 e 7- a pega.
Goardanapos de linho a H5800 a duzia.
Toalhas de algodo felpudas duzia a 125-
Esieira da India propria para forro de sala de
4, o e 6 palmos de largura por menos prego do
que em outra qualquer parle.
cruzes com pedras para o peso
de laa para pescogo de senhora
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Por
Vende corles de gorguro pr
21 covados cada um 355000,
15600, 15800 e 25 o covado, l{
rs. o covado, laasde quadrinho
tada, a 320 rs. o covado. Ra 1
armazem da porta larga.
Paredes Pori|o
Tem para vender por prego tonunodo, pegas de
esguio de linho rom 10 varas a 75, 85, panno de
linho para lenges a 640 e 700 |s. a vara, braman-
te de linho de 4 larguras a 25-2U0 e 25500 a vara.
Paredes Porli
Vende cortes de cambraia bordadas de ricos
gostos a 105 e 125i ricos vestm nos para menina
e menino, ricos corles de cambraia Mara Pa a
105 e 205, tarlatana branca e (e cor a 640 e 720
rs. a vara. Ra da Imperairiz armazem da porta
larga n. 52.
Pioupa feita
Ra da Imperatriz n. 52 armalzem da porta lar-
ga junio a padarla fraDceza, encontra se neste es-
tabelecimento um completo sortinenlo de paletos
saceos e sobreeasacos, de todas ss qualidades, cal
gas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sel, ditos fraucezes para cabega, por
precos com modos, roupa para nenino e outras
muitas fazendas por pregos comjnodos, armazem
da porta larga.
o mesmo eitabelerimento encontrar o respei-
tavel publico, secapre um complelo sortimento de
roupas fe.uas de todas as qualidades, como sejaro
paletos de alpaca preta ede cor, litos sobreeasa-
cos a 45 e 55, ditos de hriro pardo a 25800. 35 e
:5500, dito linos a 45, ditos inoias cazemira a
35500, 45 e 55, ditos cazemira socos a 65, 75, 85
e 105. dito.- sobreeasacos a 10 e 1 !5. ditos de pan-
no saceos a (5, 85 e 105, ditos solirecasacos a 125
e 255, ditos de merino preto a 65 75 e 105, cal-
gas de bnm de diversas qualidades a 15800 a 45,
dilos brancos a 25500 e 6500, riitjs cazemira 55,
65 e 75, diios pretos a 55, 65, 85 e 105, ditos
meias razemiras a 35 e 45, C0I1 les de diversas
qualidades, seroulas trancezasde nlgodao, ditas de
linho, dita de bramante a 25 e 2kiOO, carnizas de
algodo de linho franelas de 25500 e 35. Gran-
de pechimha neste genero, grvalas de tedas as
qualidades e branras para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para homens
a 35, superiores a 35500 e 45-
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 35, ditos d'1 seda a 55, 75, U'5 e 115,
ditos francezes para cab ga, grande sortimento
a 65-
l'ecliinclia admiravel.
Grande sortimento de chambres a 45600 e 5$,
lenges de cambraia oara homem a 25 a duzia, di-
tos de linho a 45 e 55-
Grande sortimento de ronpa para meninos e en-
tras muitas qualidades que seria euadonho men-
ciona-las.
Fazendas.
Vende-se superior merino preto proprio para ca
pa> de senhora e vestidos a 25. luftrim da China
a 15800 o covado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende em sen estabelecimento liras e ntremelos
bordados, grande sortimento de corpinbos rica-
mente bordados a 35, 45 e 5$. S 0 Paredes Por-
to, ra da Imperatriz no 52; porta larga junio a
padaria franceza.
Paredes Porto
Receben pelo nllimo paqnele francez ricas laas
granadinas com flores de seda a 4C0 e 300 rs. o!
covado, eslo acabando-se, cambraia preta para '
luto. Porla larga junio a padaria franceza, a ra j
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas!
brancas, como sejam madarolo a 45500, 55, 65 e
10)}, pecas de algodo por baralo prego, chita fran-
ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o covado, precalias
moflo Anas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Paredes Poi to
Vende gangas de cor propria para roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado, ri-caln francez fino a
320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 52, junto
a padaria franceza, porla larga.
Paredes Puno
Recebeu pelo uliimo paquete espartilhos a pre-1
guigoso por 3j>, sao bous, lencos de seda para se-
nhora e bomem a l.i, ricos cortes de cambraia
bordados de 18 a 7c, por ler um toque de, mofo,
esto se acabando, na ra da Imperatriz n. 52, jun-,
to a padarla franceza.
Liquidago final.
Na loja da ra da Imperatriz n. 70, alm de al-.
;uus dos objectos j annunciados; vende-se os se-
guintps para acabar.
Estampas grandes e finas a 400 rs.
inias meias a -iu rs.
Ditas pequeas a 160 rs.
Retroz preto e de cores ( bom e.-tado ) oitava a
80 rs.
Alfioeles caria a 40 e 80 rs.
Colxetes earloes, duzia a 210 e 300 rs.
Ditos em caixinhas de urna groza a 400 rs.
Creoes, massu de 100 a 100 rs.
Lixa o centoa 25200 rs.
Abotuaduras finas para pnnhos a 160 rs.
Enfiadores com fronleiras para espartilho a 40 rs.
Papel de cor folbas grandes o caderno a 50 rs.
Escovas finas para cabello a 500 rs.
Ditas a 300 rs.
Ditas para roupa e chapeo a 600 rs.
Ditas muito finas 800 is.
Rosarios pretos, duzia a 240 rs.
Comas prelas o masso a 40 rs.
Phosforos de seguranga, caixa grande a 100 rs.
Rordoes para viola a duzia a 210 rs.
Meias brancas para menina a duzia a 25000.
Dilas pretas para senhora o par a 280 rs.
Ditas pretas para bomem a 180 rs.
Fita de sejte n. 1 1/2 a pega a 200 rs.
Dita de Ma n. 2 a pega a 360 rs.
Dita de seda n. 4 a pega a 500 rs.
Dita de seda n. 6 a pega a 900 rs.
Dita escosseza de algodio a vara a 160 rs.
Dita escosseza de algodo a vara a 240 rs.
Dila de reiroz a peca a 280 rs.
Dita lavradan. 12 a vara a 320 rs.
Dita lavrada n. 6 a vara a 200 rs.
Dita achamalotada n. 4 a vara a 240 rs.
Dila de sarja preta n. 6 a pega a 15000.
Dita de sarja preta n. 5 a pega a 900 rs.
Dita de sarja preta n. 4 a peca a800rs.
Dita de sarja da lina n. 16 a vara a 500 rs.
Rotoes pretos de louga para camisa a groza a
80 rs.
Lacre verde fino o pao a 100 rs.
Dito de diversas cores em caixinhas de urna du-
zia a 160 rs.
Renda de fil a vara a 20 rs.
Canolilho a caixa a 640 rs.
Sapatinhos de laa para criangas 320 rs.
Occulosde cangalha linos o par a 120 rs.
Hitos de armago de melal a 200 rs.
Ditos de armaco de aeo a 400 rs.
Froeo de cores em bom estadi- a pega a 120 rs.
Wavalhas para barba a 160 rs.
Vendem-se dous moloques de 16 a l-7anoos,
um cabrinha proprio para i-agein por ser muilo
bonito, boa conducta, com 14 a 15 anuos, um mu-
lalinho de 10 anuos, moito lindo e esperto, e dous
negros para enxada, urna negra moga muilo robus
la e sabe engommar e cozinhar b^m, urna cabri-
nha de, 18 annos, perfeila engommadeira, cose e
cozinha, tres negros mogos sem habilidades, pro
prios para enxada, urna molatinba de 14 anuos,
cora principio de costara e engommado, urna ca
brinha com 6 annos, muito limU e esperta, e urna
onira negra moga perfeila^ngoinmadeira : na ra
do Imperador n. 45.
8it*cn
Vende-se o sitio no Rosarinho n. 2. iuntrfHa ca-
pella, rom casa de pedra e cal, boa agua de beber,
muitas froeteiris, baixa de cap m, estribara e jar-
dim. Tambem se permuta por casas nesia praca:
a tratar na ra Nova n. 55, ou no Recife, ra da
Cadeia n. 3.
ALti' U\() \)k BAShA
Na loja de Andrade & liego, ra do Crespo n. 8,
esquina da roa do Imperador, contina a vender-
se superior algodo da Rahia por minos prego que
em outra qualquer parte.
Dola da Baha supmor
Tem para vender Antonio I.uiz de Azevedo &
C, no seu eseriptorio ra da Cruz n. 1.
GUAXA m BFXIGl,
Vende-se graixa em hexigas rt upemr qon'i-
dade, largo da Assembla armazem de awwf.
Vendem-se duas escravas wolbidas, d ,rtv
de 23 a 24 annos, excedente coodu'ta. eng ror-am
perfeitamenie e fazem todo o serTig de ama caa
na travessa do Carmo o. i.
Vende-se um sitio em itemlie : .1 ....,r,. J
rio Capibarihe, com bastante- nm* od< pa Mma
grande familia : tratase na ra Rota n. ti. h I
horas as 4 da larde.
Fariuha h manilinr,-
Tem para vender Antonio l.ui/ fjaw >
vedo & C, no seu escriplono ra u CfM !
jscEA^os mw>,
Fugio do engeiiho Ampar'; 0.1 Fregoeaia t
termo de Saotu Antiiu,.,- tMrat r-
11.c Francolino, de 25 a 26 ama I se-,
cor bem prea, cabellos caratMM, lt>la pi nnrit).
sohrancelhas arqueadas, oNMWprg rdo,
nariz grosso e de 1 10 laaMBlt. 1 | r.
beigos regulares, dentadura toda pit .w. \\.
barba fechada, rorpj regular. |, .1..-
grossos, muilo ladino quando falla : t Ai 1 .- -1
a 24 annos, cor lula, tabeiUn cai..,i. -
testa, sbralo ulbas e olios regular -. u I
noe entre-jroseo, bocea pi^uiBa rreca 1
mulber do me.-mo Franrehuo, |M > n 1
no da 2 do correnle mez de ouiuioo. o., .. n,,. i.hci
do abaixo a.-signado, tul-1 o > m;
faliei-idj leneute-cuionel Manoel D..r' Jal. U :
poitanio roga se a qualifuer aniu-
de campo, 011 quaesqoer outras \,< ..-. a iQOW-
hensao dos ditos eseravos, pe!,i ca 1.1. .
os ltimos serio bem recoi pi 1
ros ,-aiisfeitos de quaesqoer i!e-o.;.i- o:
rem de fazer, tu aulonsarem a fa r
__________ Jus Vicent-- o i .-.,,..
Esimwo hipT
Fngin do poder de abaixo tmkjm 1 -era-
vo Amaro, crioulo, cor averno lliai...
lar e. de idade pouco mais mi m-n-
costuina andar bem resNdo, d- e*a 1 .
de cor, e chapeo do Chile, tern 1 i-1 o
bstanle grosso e dobrado. Roft-s 1
de dito escravo e sua^captura. sera' geaei -im -ate
recompensada.
Recife, lo de novembro de I8M
los da Silva I. 1 \ '.
Bscravo fgido.
Fugio da Ponle de Uco m, 2 o- rorr l
prelo emulo,de 111 o o RaysBwaaV,
ter 30 annos, de altura regular, rb < t\ .
cabega comprida, baria deharie di 1 Mtts
a pasao largo, levi n cam:-a de chi' I raa>
cas, jaiiuiia da panno preto, ekapu prrt di ;<,lw
e mais orna tronza contmdo n <. -i bm
lencol de algodaozinbo. A nao anoar Ttftmtu m<
Recife, do supqr que seguis-e a lo-nJode
Campia Grande, i|, nde nalural i:iom r' fo-
ra-lo ou delle der noticia, sera rec mr-u.-ado. a>j
largo do Cui|io auto n, 17, I* andar.
(iialilic cao de SH<
Aosentoolse da casa o. 59 da roa i 'rr.
(ouir'i ra Collegio) no sallado | <] rOnie njei
de Miembro e 1865,0 ecra*0|>ard di i* u ;--
qoim.com os signaes.-eginnie.- : rftalnri refniir
idade 18 a 20 annos, sem barba, pe- ;.n_
grandes, cabello Ci rrltfo, coni urna
e bem vi.-ivel na lesia, parle o id da ir-ai'
arruinados, e com falta de algn- -1
cim calca d> brun paidu o pakWI roilo ; ,
mas lev ,u rnais roupa branca e ii> rr,
asiucio.-o, cosinma iDMular ^e lurro awtar rni-
cado ; f 1 escravo do Sr. GoMterSM Prrddjim di
Sonza Carvalbo, genro do tnado Sr r nm
Manoi-I Goncalves da Silva ; rovx--. .. -iu,.
a Indas as autoridades pnliciaes a nal.r.-f ra
pitan de campo ou ootra pes.-o. pariirnltf
apprehenler s* gratifnara ron Bl .
pezas de coroiiiccan, enireganib -o rn I
Miguel Jos Aives. na caa anana, 111 no .-
cripiono ua ro da Cruz ca-a n. 10
No dia 90 de setembro prona
gio do ennenho Terraprea, ioabnil
escravo Jiniao. criniilo. de aluna rgobr, ai
de 30 annos de idade. p ora barba, l m o 1 m
fetos e |ierna<, mui'o fallnl<\ al se fi?
tem o dedo pnlcgar de urna mo r> idw tar:
tro, anda ci m urna caria fechada, do fc-m
nel Amaro Gomes da Conha, anadrii I l 1
ca foi siirradi este escravo, f t.a r 'u
a Pocha Lima e Guimara>-s: iju--m B#*ar I -
mesmo eng-nho ou no Renfe g" ma da Roda *
Alejandre Correia da C. Joan r, que compensado.
__________ Alejandre Orre- d. r t
So da 31 do passad fugiu a e-.- a 1 fea
Una, parda, alta e magra, qui perieacra ., r
Amaral, empregado na reparligo do *e I -ta
escrava fui oodia 1 do corrente qot-iiar-x ae Sr.
Dr. delegado por ler sido ca-tigad. : qoea
gar e entregar na ra da Cadeia o. di te a Letr
recompensado.
DOS PUEMIOS
DA 0.
LISTA GE11AL
38:
PARTE DA LOTERA, CONCEDIDA T0R LE PROVINCIAL N. 605, A BENEFICIO DAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PATRIA, EXTRAHIDA EM 13 DE NOVEMBRO DE 1865.
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. 1 NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.'NS. PREMS. INS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
2 (4 176 65 349 205 535 65 741 65 908 65 1107 65 1277 65 1462 65'1634 65 1851 65 2014 65 2218 65 2398 65 2666 65 2878 65 3106 65 3341 65
3 78 55 105 36 42 11 8 82 65 2051 59 . 58 46 1005 22 2400 __ 74 81 13 43
16 79 __ 61 65 46 51 19 10 83 66 65 71 _ 59 50 65 25 2005 1 m, 75 ' 85 20 49 405
17 _ 80 64 47 55 20 11 85 69 82 62 105 54 26 65 6 __ 80 87 23 57 205
lo* ^ 85 205 66 __ 54 - 59 21 __ 12 87 70 83 63 65 61 27 9 mtm 81 92 23 58 65
29 _ 91 65 73 __ 55 105 61 26 14 89 72 84 105 64 66 30 15 __ 83 1005 93 34 39
31 __ 95 78 __ 62 65 62 27 405 15 92 75 85 65 72 69 31 16 94 65 2902 __ 35 66
33 __ 97 __ 81 ^_ 63 67 35 65 16 94 77 87 74 75 32 24 2707 _ 8 __ 36 67
34 __ 98 __ 84 69 70 205 36 19 96 78 88 78 - 80 105 34 405 35 8 __ 13 __ 37 68 205
35 _ 200 86 __ 79 77 65 44 21 1300 _ 80 94 80 81 65 36 65 43 9 ^_ 17 __ 38 74 105
40 _ 2 89 80 78 105 45 _ 22 _ 2 _ 88 95 81 92 42 49 205 12 _ 28 _ 40 - 77 65
42 __ 8 91 85 80 65 48 44 3 _ 92 105 96 105 84 93 45 50 65 17 __ 29 _ 46 79 405
1 105 12 404 88 808 __ 52 45 6 _ 95 65 99 65 85 96 46 54 18 32 47 105 81 65
4 65 13 _ 11 89 10 m^ 53 55 7 1504 1701 ^_ 93 105 2104 60 - 57 27 38 51 405 82
4. 15 12 96 11 mmm. 56 64 8 _ 7 6 __ 98 205 6 67 67 28 __ 39 __ 55 65 83
48 16 17 99 12 __ 63 66 9 _ 9 105 8 __ 1904 65 15 70 69 30 40 62 105 3402
49 18 _ 18 _ 602 13 405 76 67 20 10 65 10 205 8 205 21 77 77 37 44 69 1005 10
52 1005 19 _ 19 3 14 65 79 69 21 __ 16 12 65 10 65 24 84 78 39 55 71 105 11
55 65 25 ^^ 20 8 21 81 80 22 17 16 18 26 87 90 40 60 73 65 13
62 28 m 21 _ 18 22 ^^^ 82 83 23 19 19 - _ 22 27 89 95 - 43 61 76 ~- 22
68 29 65 33 19 25 _ 84 88 25 25 23 28 29 92 99 52 62 77 23
69 33 35 22 26 _ 85 92 26 30 105 27 _ 36 32 95 2510 __ 54 66 95 29
70 39 40 25 28 _ 87 94 29 38 65 32 __ 37 34 96 105 15 57 - 67 96 - 31
78 - 41 _ 41 _ 30 30 mm 88 1200 mm^ 31 105 46 37 _ 39 37 99 65 19 58 68 97 36 -
80 - 45 20 43 ^_ 31 31 _ 91 1 33 65 47 205 42 41 105 38 2309 t- 21 ^ 61 73 105 3200 37
88 - 48 65 44 _ 32 32 _ 93 3 50 50 65 47 47 65 43 15 35 62 74 65 6 40 105
89 - 51 45 _ 42 33 1004 6 _ 53 51 49 49 45 5005 24 39 68 85 23 41 65
90 53 _ 46 . 46 105 35 _ 15 11 61 57 s= 5o 52 47 65 25 T- 40 - 71 86 - 29 46
94 55 ^_ 64 205 49 65 45 6:0005 18 ^^ 13 _ 66 61 56 54 48 26 45 75 87 205 34 48
98 56 _ 66 105 54 46 65 24 _ 17 _ 73 62 59 62 50 . 29 46 86 99 65 38 53
108 6 __ 82 65 56 50 27 ^ 22 M 74 68 61 205 71 54 31 49 96 3004 40 61
12 7> _ 83 58 105 53 30 _ 23 1 77 77 6$ 65 72 55 32 4 64 2802 1 i 42 68
14 10j 4 _ 85 __ 59 65 60 32 _ 24 105 79 81 67 76 57 34 65 9 9 44 71
18 m > _ 86 _ 62 62 33 ^ 28 65 80 82 81 77 63 37 86 13 11 45 405 72
19 f>i 8. B/m 96 _ 67 65 34 __ 30 80 83 m 90 79 66 42 t- 88 20 21 9 46 105 74
20 86 a 99 _ 68 67 35 32 _ 86 87 - 92 88 69 43 89 21 - 49 57 65 82
25 300 405 65 502 76 76 37 __ 33 _ 87 90 1802 m0 92 70 49 -r 2610 25 63 58 83
28 1 3 77 77 38 205 34 mmm. 92 97 5 405 93 72 51 ^ 18 29 65 59 86
33 2 6 78 79 40 65 35 _ 1403 98 6 65 9000 73 52 20 35 68 70 98 mm'
35 - 5 10 105 65 82 83 43 38 __ 8 1601 7 5 78* 105 61 - 22 36 105 69 82 3505
36 - 6 13 84 86 44 mmm. 40 _ 11 _ 8 9 _ 8 83 105 67 27 37 65 70 105 89 21
43 - 15 14 87 87 45 ._ 46 _ 19 17 12 . 9 85 65 69 29 46 71 65 95 105 22
NI - 16 _ 17 95 89 60 _ 48 ka! 22 23 13 12 91 Ta** 72 36 81 76 " 99 b* 25 -
47 - 17 - 18 97 90 61 __ 50 mm 24 24 19 _ 14 97 Jp 76 37 52 - 80 3302 205 37
50 21 20 wm 709 ^_ 91 63 -_ 55 1 28 34 - 22 15 99 o**] 81 ff* 44 54 91 3 65 39
51 - 23 J 21 ^^ 20 _ 94 67 pp 65 _ 29 105 36 28 30 2201 10 88 54 86 93 5 40
55 - 28 - 26 _. 24 ^ 7 72 mJk 66 105 30 65 37 rt^ 31 31- 4 65 91 54 61 - 97 6 - 41
06 - 35 -128 Ha 32 __ 99 78 _ 70 65 34 39 34 36 6 93 62 WJ 64 - 99 29 52
62 - 38 -J31 www 35 _ 904 97 73 37 43 36 41 205 7 95 63 68 3100 32 83
78 - 41 20 #1 1 m 40 7 99 105 78 60 1 50 39 43 65 12 105 97 64 76 4 34 88
NS. PREMS. NS. PREMS.
3369 65 3776 65
70 78
74 205 79
77 105 80
81 65 81
82 94
90 95 105
3601 98 6*
4 99
28 3800
32 1 205
47 6 65
55 10 __
60 12 __
62 14
. 68 23 _
71 - 30 __
73 1:2005 32 1005
74 65 36 65
80 38
81 42
82 205 51 __
83 65 55 Mhl
83 69 _-
86 72 mm
88 73 mm
89 76 __
91 79 _
93 80 ...
94 105 83 ^p_
96 65 89
3701 90 ---
2 97 105
4 99 65
6 3908
10 13
17 16
20 18
21 24
38 ti
43 39
44 47
45 86
53 105 63
86 65 72
89 74
66 79 -
70 81
72 91
74 _ 94



Diarlo de rernambnco fferea le Ira II de Vovrmhro de A8*.
LI
i-
DH POLCO DE TUDO.
L se no Cearenst a segalnte carta do Dr. Conli-
nhc, diriga ao Dr. Zosimo :
Solimes.Bordo do teamiaba, 18 de seterobro
de 1865.
Aqu vou sulcando as aguas do gigante america-
no, na proximidades de nossa frontera.
"sumos quasi completando 600 leguas de nave-1
g.v.o parece-meque estou onviudo aexclamaco
que ba do .-.urdir de seu corago cearense.
1. Qual deva ser o fim da associacio ? Quaes varao exactamente os sagrados ritos, evitando vol-
podem e devem ser os roeics de associacio T tar a cabeca para urna e ontra parte, mormente
| 2.* Do trabalho, das suas consequencias hygie- quando assistirem ao santo altar,
nicas e moraes, e da obrigago do trabalho para: 2." Tero caidado de aprenderem bem o que de-
todos. vem responder, ao acordte na mis;a e as oniras-
3." Do trabalho das mulheres e das criangas as \ ceremonias e pronunciar com pausa e piedade.
e da deshonra os moralistas da sociedade ; violenta energa este animal dos animaos que desemfreiado
as naeoes poado-as era absurdas reformas ; aa a vem at introduzir-se no fundo dos claustros onde
espada do suicidio ; irapoe deveres, como um des- s se deve respirar sabedoria, e virtude.
pota insensato, e caprichoso ; arranca dos bracos Virtude e sabedoria sao cousas to oppostas
paternaes a fllha amada, que se dislustra; rouba. ociosidade que nem se pode imaginar ao menos
da companhia da mulher o marido extremoso que ura s momento de harmonisa-las; mas como pare-
fabricas, debaixo da ponto de vista sanitario e 3. Servindo na fgreja, deverao lembrar-se fre- se corrompe; expelle de casa a dspoza, que se co- cem se confundir boje I neste seclo em que indo
moral. ;quenlemente qae f.iem na terraoofflclo dos anjos *>re com o sujo veo da corrupto; sobre os mais vaidade, ludo luxo, tudo mentira, ludo inveja,
4. Da pobreza ; meios para a combater.
o.* Da associago; seu principio e suas applica-
coes.
G. Das relacoes do trabalho.
7.' Tratados de comniercio.
8. Dos exercilos permanentes, debaixo do ponto
Ah I quem dera que a minha trra coutivesse a de vista da produego.
vigessima parle o Amazonas I pois saiba meu ami-
go, quo a agua faz tanto mal como a secca.
No Ceara em qualquer canto podo o homem fir-
mar o p, levantar casa e cultivar a trra. Aqui nao
assira.
As vezes n'uma exlenso de 10 a 20 leguas nao
possivel nem niesmo fazer ogo. As aguas tomam
ludo.
A canoa a casa do indio ; e muilas tribu s vi-
ren) sobre jangadas, indo a ;erra smente de pas-
seio!
Nao inveje pois o aguao amazonense; nao arre-
negue da secca. O Ceara' tudo deve as seccas. Pa-
reee um absusdo, mas a verdade.
9. A moral disiincla da religio?
10.* Forniago de crdito internacional; sua for-
mula e o seu syslema de operario.
II.* Podemos e devemos crear um banco inter-
nacional com emlsso de garanda.
12. Do Imposto directo e indirecto.
13.* Da cooperaco distincta da associago.
U. Da redcelo das horas de trabalho; seu Ora
e suas consequencias moraes.
lo. Do principio da narionalidade.
16. O sentimenio da justica procede do homem
ou de um principio superior ao homem ?
17. A idea religiosa.
Era geral, dizera os jornaes que, por esse pro-
gr. rama, os operarios nao parece resolverem os
os quaes no co servem inmediatamente a mages- altos e alcatifados degraus do palacio do rei; en- tudo orgulho, tudo crime
tade divina. Deverlo tambero ter a intencao de lra na casa do pobre, que entregue aos cuidados Um instante de reflexo basta e se rasgara' o
reparar por sua fidelidade as innumeraveis offensas da v'da se 'aPSa as azas dos mundanaes prase- veo do engauo ; a verdade ser descoberta nos
Agora mesmo sinto eu os inconvenientes da in- problemas que necesariamente apresentam taes as-
nuudago. Os mosquitos carapandas piuns e nao sumptos na economa social.
sei que mais flagellos da humanidade, cercam-me Mas esses mesmos jornaes accrescentam que as
por todos os lados. deas de religio e moral applicadas ao trabalho,
.;,., ,.-nn! inni do ao programma de Londres um interesse de
OrioesUnesiemomentouamxima \asanle,aqu ., 2
. ,____. j ..a. i.win pnmeira ordem, que chama attencao dos homens
peno de Tabatinga grandes bancos de rea e lodo ,itj v
se veeui a descoberto nos cabaos das libas, e mes- ( a ,...... m
mo no meio do rio, onde os indios e os moradores
das villas e freguezlas se achara acampados para | FuDdoa.se recentemente na capital do catho-
I :scar tartarugas, pracays etc. i csmo uma SOCiedade que tem por fim remover o
O peixe abunda extraordinariamente, e grandea contagio dos raaos livros e ms folhas peridicas.
bandos de aves aiuaticas crusara-se nos ares, fazen- \ Uma idntica associago se havia formado em
do ouvir o seu canto desconcertado.
Veneza no anno passado, a qual foi approvada e
animada pelo santo padre.
E este o lempo da anundanaia e da alegra.
lloatem estiva na freguezia de S. Paulo, na mar- i A de Roma nao se propOe somonte impedir a
geni direita dos Solimoes. Alli toda a popularlo leitara dos raaos livros, tambera devebaihar na
falla a Imgua geral. E' uma aldea de Indios, po-' diffusao dos bons.
rom tem vigano, delegado, subdelegada, capites, A sede da associago esta'estabelecida na igreja
tenles, alteres, etc. de S. Carlos Catinari onde se venera Nossa Se-
As eleicoes fazem-se com tanta velhacaria, que nUora Auxiliadora (Auxilium Christianorum) que
ale o da de serem enviadas as actas, mudam-se os a sua principal protectora e como os padres Bar-
eleitores l
E tudo falla o tupy I
Faliemos em outras cousas.
nabitas a quem perlence a igreja invocam ao Apos-
tlo S. Paulo como patrono titular da sua ordem, a
associaeao toma o titulo de Sociedade preservadora
O professor Dr. Agassis vai extasiado com tanta [ da Ititura dos mos jornaes, debaixo da proteccao
randeza. Temos-at agora mais de 300 e de peixes, entre estas 100 e tantas novas.
Vamos ao Per em Janeiro. De tabatinga volta-
mos ao Tell onde nos demoramos um mez segura-
do epois a Manaos, Rio Negro, Madeira, Mus,
etc.
J conheco ludo isto, por isso o prazer dobrado
dobrando as irapressoes.
Adous, a praga nao me deixa mais continuar.
Um abraco do amigo affecluoso.-S. Coutinho.
Verilkuu-se ha pouco em Londres um meeting
entro aiguns operarios ingiezes, francezes, alie- j
nes, suissos e belgas, com o proposito de formar !
o programma de um congresso operario que deve
euuir-se em Guova no mez de raaio de 1860.
Segundo o regulamento provisorio do meeting,
trata-so de fundar uma associaeao internacional de
^erarios.
O assumpto desta associago est tragado as
aeguintes liabas exlrahidas do citado regula-
monto.
Esta associacio, assim como todos os individuos
oa sociedades, que adherirem a ella, praticarao,
como ponto de partida as suas accoes, a verdade,
a josiiea e a moral sem distinecao de cor, de cren-
Paulo.
Um prelado nomeado pelo Sr. cardeal vigario
sera' o presidente j o parodio da igreja de S. Car-
los vicepresidente, e bavera' quatro conselheiros
escolhidos d'enlre os parochos de Roma e superio-
res de casas de educacao.
Os associados obrigam-se a nunca 1er mos li-
vros, nem favorecer sua diffusao, mas antes traba-
Ihar por inspirar aos oulros horror para com taes
obras.
Faz-se convite neste sentido sobre tudo aos im-
pressores echefes dosestabelecimentos pblicos.
As mulheres tambera sio admittidas.
Por breve de 13 de janeiro ultimo sua sanlidade
o papa enriqueceu com indulgencias esta obra, a
que chama pia e muito til aos fiis. Por decreto
do Sr. cardial vigano de 21 de abril foi erecta ca-
nnicamente conforme a bulla de Clemente VIH.
Na mesma cidade acaba de fundar-se outra as-
sociaeao imito piedosa e sawlawl.
E' urna sociedade de mancebos com o fim de se
dedicar ao servico das igrejas.
Tomam para seu protector o B. Joo Beschmans
da companhia de Jess, que, como se sabe, moslrou
o mais profundo respeito para com o lagar santo,
onde permaneca sempre de joelhos e na attilude
do recolhirnento, qualquer que fosse o numero de
Sao estes os seus estatutos.
ca ou de nacionalidade.
" Han de todos considerar como uma obristacao re-1 missas a que era convidado a ajudar.
i lmar o direlto do homem e cidado, sempre que A nova associaeao eminentemente parochial e
cumprirem fielmente com os seus deveres. ; naturalizte se colloca debaixo da direegio dos
Os pontos mais culminantes do programma de- parochos.
rara lugar a alguma discuvo. Tambero se appro-1
vou uma serie de pergunta?, em que os membros 1." Os mancebos que fizerera parte da associa-
do futuro congresso terao que inlervir, emittindo cao, observaro as igrejas o raaior respeito e urna
iivromente a sua opinio a respeito dellas. Estas perfeita modestia. Evitaro quanto for possivel as
perguntas pertencera ao capitulo que se deno- palavras desnecessarias ; faracflevotamente genu-
mina tos operarios da actuahdade sao as seguin- flexo quando passarem diante do SS. Sacramento.
No ajudar a' mlssa e as outras ceremonias obser-
tes :
qoe Nosso Senhor recebe da parte dos impios.
4. Toda a conversacao indevida sera' evitada,
principalmente na sacrista ; se alguem ousar fa-
ze-la, o reprehendero livremente.e, se necessario
for, preveniro o superior.
5. Frequentaro os sacramentos ao menos lodos
os quinze das e nao deixaro de commungar no
dia da festa do B. Joo Berchmans; e at devero
preparar-se para esta festividade por uma no-
vena.
6. Reunir-se-ho uma vez por mez perante o seu
parocho, ou outra pessoa por elle designada, para
receber uma instruccao sobre algum ponto de mo-
ral chrlslaa, ou sobre ceremonias.
7. Recitaro todos os dias a seguinlo orago em
honra do B. Joo Berchmans :
< Bemaventurado Joo Berchmans que fostes to
puro, to modesto, to respeitoso para com a igreja,
to devoto da Sanlissima Virgem e de S. Luiz Gon-
zaga, alcangai-nos a grana de imitar estas virtudes,
de sorte qne aquelles que nos virem na igreja pen-
sem ver-vos a Vos raesmo, e dem a Deus e a Vos
a devida gloria, Padre Nosso, Ave Mara, e
Gloria.
Vimos hontem no palacio da exposicao, diz o
Jornal do Porto, ao eolio de uma mulher, um ho-
mem extraordinario.
Nao tem bragos nem pernas.
O tronco enfesado e rachitico, nao apresentan-
do mais desenvolvimento que o de uma creanga de
seis annos.
Tem no dorso uma grande protuberancia.
O tronco nao mede mais do que de dous palmos
de alto, e estreitissimo.
A cabeca tem perfeilo desenvolvimento, com
quanto carega de barba.
A intelligencia desse rapaz nao se recente do seu
acanhamento physico.
iNo denuncia idiotismo, nem seqner estupidez.
Interrogamo-lo e respondeu-nos que tinha vinte
e tres annos, e que era natural da cidade da
Guarda.
Tem uma voz clara e vibrante, posta que al-
gum tanto femenil.
Sabe ler e escrever correnteraente, servindo-se
dos denles para segurar a penna.
E' pasmoso como se vive e se adqulre tal desen-
volvimento intellectnal com um corpo to defei-
tuoso.
Nunca vimos tao completa deformidade.
A Mi deste rapaz trouxe-o do Porto com a Mea
de obter algumas esraolas.
Cremos que nao se demorara' nesta cidade, por-
que a autoridade nao Ihe permittio exercer a raen-
dicidade.
Alguem Ihe comproa o blhete que Ihe fran-
queou ingresso no palacio, onde algumas pessoas
Ihe deram dinheiro.
E* do Sr. A. J. R. Filho o seguinte escripto so-
bre a
OCIOSIDAD^
Olhando cora cuidado para a humanidade, sinto
que ludo o que nella se passa, digno de admi-
racao.
Vejo que ella marcha ; porm manca, e coxa
como o paralytico ; vejo que vai de quando em vez
tropecando, e tropezando, diz o que foi, o quo o
que tem de ser. O que tem de ser, este o seu
destino ; o que fui, nao direi, porque recordar
uma historia de morios ; o que a socisdade ac-
tual o confessa.
Eivada de grossseiros absurdos, centaminada de
cerlos prejuizos, e prejuizos que fazem corar a
quem os observa, nella nao deixam de morar os
vicios; e a ociosidade ura delles donde parece
partir loda a sua ruina.
A ociosidade dorme no leito com os perversos ;
ella quebra os lacos da lei ; transvia o hom^m do
caminho da virtude ; leva ao patbulo da infamia,
res; assenta-se nos bancos escholares; penetra enredos do modernismo ; e o genero humano dar'
os collegios; lauca por trra as portas do templo, mais tardo um passo em frente, e zombara' de tu-
e l a p firme, ella nao olTenJe, senao a Deus... do islo, desvirtuando porem ainda no lempo pre-
Vicio terrivel, que, abandonado da virtude, e da sent com risos injuriosos, as sagradas leis do
justeza, nao respeita nem aos proprios ministros cbrislianismo.
da casa do Senhor, adorado do mancebo, e do an-
ciao, do rico, e do pobre, do rei, e do vassallo, do
pai, e do filho, da mulher e do marido, do juiz e
do reo, do meslre, e do discpulo, do ministro, e do
povo, e da sociedade em resumo elle nao ousa sa-
hir jamis da companhia do bello, do Justo, do de-
cente, do bom do til e at do sagrado----
Vicio infame I I do bro, e da honra sanguina-
rio matador I encolhe essas azas de veneuo (si as
tens), de senruga esse dorso todo espinho, e vai
ver longeda humanidade o tmulo fusco e embos-
cado de teus dias : sim, vai, afim de que deixando
essa marcha de serpente, nao mordas, como a v-
bora o corpo do homem, que suffre paciente os
transvios da soi te, qualquer que tenha vindo das
mos do Creador.
O hornera que, cora as proprias mos faz se oc-
cioso, forma contra a justicia Divina ama segunda
rebellio semelnanle aquella que aconleceu na
tena do primeiro homem ; outra desobdiencia
to grande, e to feia que nao se pode qualificar ;
por quanto disse Deus : In sudare vultus tui vesc-
ris pane. (1)
Rebellar-se pols o hornera contra til mandato,
pena do primeiro peccado, por-se n'uma esphera
to consideravelmente alta, que ao depois delta nao
podera' baixar sem grande estampido.
D qui se conclue lgicamente que a ociosidade
nao senao instrumento de que se servem os ho-
mens para guerriar ao creador, como d a enten-
der S. Ambrozio ; mas miseravel instrumento !
A ociosidade um desses ventos abrasadores de
Lamenais, que passando pela alma a marcha ;
na phrase de D. Raphael o tear onda se tece todas
as ruindades ; a seraentelra de todos os vicios ; o
resvaladouro de todos os bons ; a o precipicio de
lodos os mos ; a ferrugem que consom o vigor
do animo; a traga que roe a robusteza do corpo ;
o letiiargo mortal dos vvenles, a a insenslvel rui-
na dos reinos.
E por estas palavras que o escriptor citado nos
faz ver o perigo da ociosidade.
O homam ocioso, falla Bordalone, nao cumpre os
deveres de sua propria proflsso ; elte perverte a
ordem das cousas ; porque o discango se deve me-
dir pela natureza, e qualidade do trabalho.
A humanidade nao podera dar mais um passo
que seja de gigante, por que ella discanga de mais.
A sociedade lindara' sua carreira de fogo por que
outra cousa houve que apagou o seu ardor.
Debaixo destas sentencas terrlveis, ella vai ver
a seguranga de sua salvago, o meio de exiliar o
mais detestavel e vergonhoso dos vicios.
O trabalho poi*, que (como j disse alguem) o
germe da felicidade nesta vida, e na cutra; o
nico remedio applicado pelo medico absoluto para
curar esta ulcera que molesta a humanidade.
E' com o irabalho que o rei propugna pelo direi
to de teus vassallos, os vassallos se submettem ao
re; o pal cuida na educago dos Clhos, os filhos
obdecem aos seus pas; o pobre procura em o cam-
po os meios da vida ;. o rico dispa de seus bens,
como pede a caridade, e os bons costuraes; e ali-
nal os l.ivradores do campo de Minerva applicam-
se gostosos emperrados culliva-lo ; per isto que
diz elocuentemente Lacordaire : que o trabalho
o germe do oem ; a raadurece o pensamentos de-
pois de enlr'abri-lo : no sulco que quotidianamente
approfuoda, a naiureza semeia o verdadeiro, o bel-
lo, o grande, e todas as faculdades, cuja idea pre-
existe em nos porm que a mo creadora da refle
xo espera para transformar em vivas realidades.
E' precisa porQtanto que este monsiro de ap-
les morador, (sogundo um annimo) esta derrota-
dora de Satorao, o rei sabio, perega aos golpes ins-
tantneos e desapiedados da deligencia, e do traba-
lho, pnciso que se faca passar pelas torturas da
E' do Sr. \V. de F. esta poesia :
Feliz daquelle que tem
Um corago que raantem
Por elle divino amor :
fi' viver no paraizo,
Vi ver smente de risos
Ser amado com ardor I
Se neste mondo ha pureza,
Se nene ha smgeleza
S em ti posso encontrar.
Foi em teu seio anhelante,
Que tmido e palpitante
Eu aprend a cantar.
No correr de minha vida
Tristonha, sempre dorda,
Nenhuma consolago I
Hoje flores, e alegra,
Surgidas todas um dia
Ao de tua apparigo I
Se reclinada janella
Te vejo qual rosa bella
Ostentando o seu frescor :
Eu te envo um pen>araento,
Que traduz o sentimento,
Do mais puro e casto amor.
Se d'ahi para c^piano,
Com porte airoso e ufano,
Eu te vejo encaminhar :
Meu coragao estremece,
Te, jura, mas n'uma prece,
A li smenle adorar.
Se passa a brisa llgeira,
Ella me mensageira
Do raaior culto a render :
E' um puro e doce beijo,
Que s exprime o desejo
De s contigo viver I
FOLHETIM.
AS PR07AEDE ALEEN.
SUENAS DA VIDA IIILA.NDR4.
(1) Genes, cap. 3 v. 19.
L-se no Jornal do Commercw da corte, o se-
guinte :
V1S\0 DE ALEM TIMLO POR AMKD GOUBT.
Uma noite entrou no meu quarto um meu ami-
go, que morrra ha seis mezes.
Assistira eu ao sen enterro, tinha-lhe langado
agua-benta na cva, e ouvra o caixo de pinho re-
soar cora as lgubres ps de trra...
Boas noiles, disse-me elle, satisfeito como
um Roger-Bonlemps, eomo passas T
Bem... E tu? respond eu, procurando re-
sistir ao analo de sorpresa que esta apparigo me
causava.
Melhor, multo melhor, obrigado, tomn o
meu amigo. Desde que fallec, j nao tenho as
fnebres ideas que rae tornavam insupporlavel a
vida. Aclarou-se-me o cerebro, e por consequen-
cia tornou-se melhor o estomago, a o peilo excel-
lentecomo ura verdadeiro saxofooio. E' mesmo
uma maravilfia I Nao sera razo que dizera que
a raorte cura todos os males.
Desatou a rir, e as suas eslrondosas gargalhadas
fizeram tremer as vidragas, como para aitestarera
a poderosa sonoridade do instrumento que Ihe fa-
zia as vezes de peilo. O mesmo Sax teria exlre-
mecido.
Era fixo o meu olhar, como o que Kean empres-
ta a Macbeth diante do espectro de Banquo.
Venho pedir te um obsequio, continuou o
meu amigo. Vou casar-me.
Casar-te I exclamei eu, como se estivesse so-
nhando.
Sabes como eu amava Carolina?
Na verdade, foi por ella...
Que morri. Pois bem, caso-me com a sua
irraa Julinha.
O ULTIMO A1TEI.I.0.
A manha estiva escura e nublada
a violencia
mesma historia velha, que nao agradavel repe-
tir.
Ella repllcou com tacante docura :
Ha poucas cousas agradaveis para ns ues-
tes ltimos tempos; mas, Ulick, deveis darme
melada de vossas penas, como o farieis com os vos-
sos prazeres.
Ella nao tardou em resolv-lo a dzer-lhe tudo.
Elle tinha do, a mais de doze milhas, s trras de
da veutania linha-se acalmado, porrn havia al- um certo Mac Shane, para obter um emprego. Ahi
guia cousa de mais pesado anda do que na ves- se faziam era grande estala irHhoramentos e ex-
pera, as navens cmzentas quasi cortando o cimo periencias, e Ulick sabia que, se o Sqoire quizesse
das colimas. A humidade penetraute da atmos-, experimentar suas habilitacoes, (icaria encantado e
pnera enregelou a Aileen quando ella sabio da sua nao o deixaria mais sabir. Erafirn elle tinha con-
cal a a passos lentos, depon de uma noite de vi-1 seguido v-lo. M. Mac Shane Ihe dirigir muitas
gilia. Uma penu-na chuva, fina e continua, co-
a' approximacao deste invern ameagador. Eu o
soube voltando a' noile passada. Encontrei Bar-
nez Blake no fim do valle, e elle me disse que
Pearce tinha dado ordens para que nao se deixasse
mais a nossa velha mi apanhar turfa no pantano
vizinho.
Era a ultima gotta do calix de amargura, e a
pobre Aileen roupeu em solugos Ella era ordina-
riamente to caima, to comedida, que esta torren-
te de lagrimas sorprendeu a Ulick tanto quanto a
E a lembranga do manso e ao mesmo tempo fir-
me velho Ihe fez derramar novas lagrimas, recor-
dndole da resoluta ternura com que elle diriga
sua mulher e seu filho, ambos to impetuosos.
Ella estava ajoelhada e ainda chorava, quando
dous pequeos bragos magros e delicados enlaga-
rarn seu eolio, e urna voz affavel murmurou a seu
ouvido :
Nao choris querida Aileen. Jess e Maria
nos socorrerlo, ou ao menos nos faro morrer ; o
alligio ... Eile se esforgou em tranquillisa-la, ero que me alegrara muito.
reanima-la com palavras chelas de ternura, mas
ella pareca completamente anquillada.
Oh I a pobre velha mi I exclamou ella
emfim, e as pobres criangas I Que vamos fazer ?
Aileen abragou a menina amorosamente, t O
Gracia, a morte tambera me faria ficar contente t
Mas orai por Ulick, amiguinha, orai muito hoje.
mecava a catiir; mas Aileen se contentou com col-
locar sua capa azul mais hermetemente ao redor
de si, e contiuuou a caminhar ao acaso. Nao era
possivel estar mais inquieta do que ella por causa
de Ulick. Que quena elle dzer com essas palavras
Ulick sahio. O coragio da Aileen pareca des-
perguntas- para assegurar-so dos seus conhecimen- ]E Gracia que to fraca desde a sua uliima fe-: fallecer. Mas, que poda fazer para preservar esta
tos a tal respeito c evidentemente estava satisfeito br6 Ulick. n*o o digis a' nossa rai Podereraos alma to querida ? Nada. Moyua tinha lieado. Ai-
cora as suas respostas. Tudo achava-se quasi ar-1lalvei ftter alguma cousa; deixai-rae pensar nisto, i leen tentou cora a sua perspicacia natural, e con-
ranjado e convencionade, quando o Squire Ihe Ulick> Dtas tera piedade de ns; ao menos nao. tendo sua pnpria agitago
fazer fallar a velha.
disse :
t Ah mas, meu amigo, nao sel o vosso no-
que Ihe tiniam occasionado em snas orages tanta me, e gosto muito de conhecer as pessoas que em-
pertorbacao e pezares ? Uraa cousa Ihe pareca prego e tambera de ter nformagoes acerca dellas.
corta : era uma ameaga de vlnganga contra ojbo- Dliek Ihe disse o seu nome e enlo o Squire pro-
mem, o agente obj^cto de sua culera to ardente, seguio :
to furiosa. Ella ja tinha visto outr'ora a Ulick in-1 O' Donnel I nao lendes nada, eu o espero,
thmmado de justa indgnagao a proposito de ura com esse O' Donnel que foi despedido da proprie-
acto do tyrannia desse Pearce, que fizera pesar seu dade do lord D.***.
furor sobre a familia do um homem, cujo nico
crime era desagradar-lbe, a a quera elle prohibir
todo o irabalho as propriedades de lord D."* ca-
jos bens adrainistrava. Dennis O' Donnel tinha
sido muitos annos rendeiro do lord, e a repulago
Mas Moyna sabia calar-se quando julgava a pro-
posito ; assira Aileen langou mo de outro meio, e
poz-se a fallar da crueldade do agente a respeito da
! turra.
Os olhos de Moyna faiscaram ; ella torceu vio-
Deus
Ih'o digis.
i Ja' Ihe fallei nisso, respondeu elle insensi-
velraente.
Ulick, Ulick, como podestes taz-lo I
E ama raultilo de presentimentos e terrores
passou pelo seu espirito. Ella tinha muitos moti-1 lentamente o brago, mas nao respondeu nada at
vos para assim pen-ar. Conhecia-o lo perfeita- qae Aileen tivesse dito com tora resoluto : De-
mente, que nao duvidava de que elle tivesse refe- vese fazer alguma cousa.
rido tudo a' sua mi na certeza em que eslava de j Ento ella voltou-se vivamente e respondeu :
- Sou eu mesmo, Vossa Honra, respondeu o exaspera-I e na esperanga (ceriamente realisada): A(j! afinal despertastes. Sira, deve-se la-
rapaz ; ura nome que nao me envergonha, e eu de a por do lado da vinganga. Ella sabia, como se : zer alguma cousa, e eu sei o que tenho a fazer Im-
proprio nada fiz que o deshonre. | estivesse presente, quanto o filho e a mi se teriara je mesmo.
Vs o pensis, foi a resposla; mas as opi- excitado reciprocamente, e tambem estava certa do Pobre Aileen I paiecia-lbe que nsava de dlo
nioes differera. Adrairo-me somente da vossa au- concurso que Moyna prestara a' Ulick era todos tentando assim conhecer os projectos da pobre
e a memoria do pai, assim como suas proprias \ dacia era pedir um emprego a algum gentilhomem os seus projectos vingativos, por mais negros e ter- Moyna.
qualidades, ganhara a Ulick, sobre seus compa-
nheiros uma influencia multo superior aquella que
era de esperar da sua pouca idade. Elle era muite
intelligente, ptimo trabalhador e resolutissimo.
Estas qualidades Ihe davam uma especie de popu-
iaridade. Elle se aproveitara della cora a impru-
dencia propria da juventade, para contrariar a
Pearce, esquecendo-se de que o agente de um lord
pude condemnar ura campono irlandez a morrer
de fome. Ento saa indignago nao conheceu li-
mites, e grande foi a afilicgo na cabana quando a
ella ebegou semelhante noticia ; sem o trabalho de
Aileen nao haveria mais recurso. Sua dor e sua
energa ajudaram e consolaram seu noivo e sua
mi; mas nao tardou em vir a reaego, porque,
como o dizia Moyna, era contra a naiureza e a ra-
zo que ella fosse o mododevida de todos.
E agora Aileen linha-se voltado sbitamente, por-
que ouvira atraz de si as pisadas tao conbecidas
de Ulick. Ella poz as mos e mirou-o eom olhos
supplicantes.
t Querido Ulick, declara-rae tudo; a duvida
e a angustia despedagam o mea corago; declra-
me todo, pelo amor de Deas e de sua Santa Mi I >
Ja' vos respond, Aileen, qae sempre a
deste paiz. Vosso nome bem conhecido, posso riveis ^e foss-im. Sua propria influencia, ella o i E o que querida mal ? Deixar-mo-heis
vo-lo afHrmar e de certo tendes liberdade de pas- sentia, tornava-se estril; apezar de toda a terna- car comvosco em tudo isto, nao verdade ?
sear e procurar em um espago de vinte milhas ao ra 1ue u,ick lhe ,inna. elle nau atlendem presen- Ento ouvi : esse infame scelerado que des-
redor, sem que isto da nada vos aproveite a nao temente a ra:oes de brandura e caridade. Ella gragou meu filho e quer fazer perecerera os Qlhos
ser de gastar a sola dos vossos sapatos. Nao ha tambem era uma victima, a ella consid-raria co- da minha pobre filha, deve descer ao valle hoje e
nm lugar no Galway em que vos saja possivel nio um verdadeiro dever fazer-se-lhe justiga. abaixoda collina, junto da taverna, deve encon-
como aos mais. A pobre rapariga coraprehendia a trar-se com Pat-Calaghan para tratarem um bego-
sua fraqueza. ci. Elle nao levar muito terapo a conservar, res-
Oh I quanto ella dsejaria encontrar o velho sa-'' pondo-vos por isto, procurar ganhar sua habita-
cerdote no tira do valle, e receber seus conselhos e Q*o antes da chuva, essa bella casa onde ura bom
consolagoes I Mas, por nada do mundo, quereria fogo e um conforlavel jantar o esperam. Mas an-
perder de vista a Moyna um s instante. Portanto tes, ouvira alguma cousa e sera a mais terrivel
Ella parou, lembrandose das palavras qae pro- voltoa com Ulick para a sua choopana, silenciosa raaldigo da rai que injarioa, cujos filhos quer
vavam to claramente a injustiga que Pearce Ihe e tranquilla na apparencia ; porm sua alma falla- que morrara, a quera tirou todos os meios de sub-
flzera espalhando mentiras ou exagerando vergo-1 va a seu Deus n'uma sublime braco. Quando sistencia, e de quem nao se envergonha de despe-
nhosamente a sua contenda; o ento Ihe disse sus- i chegarara a' choupana, ella precipitou-se no sea dagar o corago. E o Deus da viuva e dos orphos
adiar trabalho por um dia, quem vo-lo diz sou eu. >
Aileen ouvla-o coramovida c cheia de sympathia :
t Vergonha para elle, disse ella pegando na
rao de Ulick, ou antes, vergonha para esse calum-
niador que ousou manchar o vosso nome. Mas,
Ulick, querido Ulick, nao ha outros...
pirando:
< ueas esta cima de todo. Que elle seja loa-
vado I
t Sim, Deqs, existe, replicoa Ulick, e elle
nao deiiar o oppressor tnumphar. Ha cousas,
Aileen, que nao se pude supportar, e vou apontar-
vos uma dellas. Nao basta atormentarme e arrui-
narme. Ainda preciso qae se nos tire o misera-
vel fogo qae aqaecia a viuva e as orphas, e isto
quarto, e ajoelhou-se, abragou o crucifixo, aper- se levaatar, e o atterrar, e a sua propria casa
tou-o contra o corago, e orou como jamis tinha ser offuscada pela desgraga e logo seus filhos or-
orado. Pedia a Dos que preservasse seu noivo phos..
do peccado, cuja vontade nelle presenta. Ella paroa vendo a lvida pallidez que cobria o
Tudo, excepto Isto, dizia ella. Mea Deus I rosto de Aileen ; mas o proprio terror restitua as
somos ja' to miseraveis. Oh I nio deixeis o or forgas i pobre menina que apresentou Moyna a
me cahir sobre nos. Podis soccorrer-nos e es- sua capa e que disse Ihe com voz tranquilla : Vln-
tou to abandonada! O' mea pai, seestivesseis de, mi, fariaraobem, se partissemos j; nao nos
comigo I i demoremos, poderiamos faltar...
Porm nao a amavas...
Has tenho o sea amor. E ocrorreu roe a sa-
bia reflexo de qne devemos casar antes coro a
mulher que nos ama. Essa pora os seos cuidados
em fazer-nos feliz, emquanlo a outra pelo contra-
rio nos roubar a felicidade. E' esta ama reOe-
xJo de alm-luraulo. o cheiro da mortalba, mea
amigo, inspira a sabedoria.
Eu olhava, escutava e responda com a cabera,
ipnundado de suor, como debaixo de um pesa-
dallo.
Fazei-me o favor, disse Ibe, pissando a avo
pelos olhos, de acabar com lo odioso gracejo.
Quem suis, senhor ?
Chegou enlo ao mea amigo a vez de encarar-
me com pasmo. Em seguida entregou-se a ana
louca exploso de riso.
Ah I Ah I muito bem, ptimamente To-
raas-me por um phantasma, por urna alma do oa-
tro mundo, pelo irrao da Preira ensanga^niaria
talvez, eu por lord Ruthwen, o vampyro de By-
ron. E' natural...
Estavamos sendos cada um do sea lado o fo-
go. Um lampear, caberlo com um qner.ra Mk o
papel verde, allumiava o quarto. e parecame U'-r
no rosto do meu amigo ama expressao de iroaia.
Quanto ao mais eslava o defunto mais gordo, liaba
a cor rosada, os olhos vivos e o ar aleyre e feto.
Tirou do bolso uma charateira, abno-a. e olfe-
receu-me um charuto orlhodoxo, que comiado re-
cusei por um gesto.
Antes de reclamar o lea auxilio, tomoa elle,
-me dever contarte os saccessos e mpressoes da
minha viagem habitaco dos morios a cojas
praias tiveste a bondade de acompaahar me.
Acendeu o charuto, langoa do quarto algumas
bafuradas de alvo fumo, e prosegoio:
Lembras-te de que eu tinha o carcter me.
lancolico. O meu nariz, como o do padrp Aobry,
farejava a tumba. Fallava eu orna l.ncrms-m fa.
nebre; Yong, o autor das .VmYm, o pie dos ee-
miterios, ao p de mim, era nm folgazo autor de
entremezes.
Comludo amava en Carolina, a mais ioiJol^nfe e
leviana d'enlre as jovens; era ama borbolla, ama
ave sempre cantando, correado c .iluado, eoai
uma vivacdade e travessura lao encantadora- qoe
fascinavam. Como poda eu, tri-te n-erophilo,
amar este capricho encarnado, esta phantasia r-
deme e folgaza, em quem a vida trao-bordava *
um modo extravagante T nao o sei explicar. I
amor nao a lgica. Adorava-a como Aleest?, >
mysantropo, adora a garrida Celimene, sera saber
porque, e talvez que em virtade da le providen-
cial dos contrastes; a laz era ella, en a soaibra;
eu era a dr, ella a alegra.
Fui ter com o pai de Carolina, medico Temo o
um pouco sardo, mas motto sabio, duplicado peri-
go para mim. Habilava em Cnaillot, ama casa
exquisitamente construida e cercada de altos ata-
ros, o que me nio aiemorisoa muito. Magro, da
elevada estatura, linha elle um ar de semi canda-
ra, em que me Qei de mais.
Levava por apresentante ama carta e aaiafta
av, que Ibe entreguei e qae elle abri. Besara
assim segundo depois o soube :
Prezado dcolor.E' portador desta aea neto,
victima de uma alienago de corago qae s vos
podis curar. Elle vos explicar a caoa, e, co-
ndecida ella, espero que de boa vootade enprefa-
reis os vossos esforgos para Ihe restituir e socego,
isto assegurar-ilie a felicidade.
Creio que a vossa provada estima nao me recu-
sar isto.
Fura no coego on le eslaa minha irra'a qoe
eu conheci Carolina. Encontrara-a depets aa so-
ciedade. onde a levava sua ta ; mas era pela pri-
mera vez que va seu pai, qoe s se entregara i
sciencia.
Senhor, aisse-lhe ea, ignoramlo ente o eon-
teddo da carta, communicon-vos minha ar > ter-
ne afTecto que aqui me Iraz. Nao pode ella, po-
rm, exprimir-vos a violencia desta arViro qne
dia e noite me persegne, e que ora me arronba,
ora me faz sofTrer dores crois, conforme a espe-
ranca ou o deslenlo me dominan).
O velho medico, que chamaremos Jicoh. ritoa-
rae no rosjo com a atiendo de ura pbrenelogista
allemo, mandou-m-j st-ntar, e, tom.indo-oe a
mo:
liniMniiimaa
Aileen nao fallou mais
at que tivessem feito
um pedago de caminho, ento tragando o signal da
cruz sobre o corago por debaixo das pregas da
sua capa, e elevando sua alma a Deus em uma
oraco silenciosa para implorar soccorro e forca,
ella disse : c Mi, ha mulo tempo que nao vos te-
nho pedido nada, nao podereis recusarme presen-
temente porque o mea corago est triste, Deus
sabe a que ponto, por vossa causa, de Ulick e das
duas criangas.
A voz to terna da donzella locou o corago de
Moyna, e quando Aileen accrescentou : Por amor
daquelle que j nao existe e que me amava como a
Larry. A velha mandou-lhe que allasse Con-
seoli-me smente dizer uma palavra primeiro que
vs a esse rao ; pensai as criangas e deixai-rae
tentar esta vez.
A perraisso loi concedida postoque com repug-
nancia ; e Aileen rendeu gragas em silencio. Che-
garam logo ao lugar; dous ou tros esuvara era p
a entrada do valle, elles forara ao encontr da
mi de Ulick O'Donnel e de sua noiva, desejosos de
Ibes ouvirem denunciar a crueldade que solfriam,
e promptos, ah I a aligar a colera da velha Moyna
em ardente chamma. Era impossivel a' Aileen di-
zer uma palavra ; ella cobrio os olhos com o ueu
capullo e assentou-se a' beira da estrada, com a
cabega inclinada e os bragos cruzados. Como An-
ua < fallava com o corago, seus labios moviara-se,
mas nao se ouvia a sua voz. De repente tremeu
a poz a mo em cima de Moyna. Mi, lembrai-
vos da vossa promessa, elle chega.
Ouvirara todos attenlamente. Tendes bas ou-
gas, disse um dos homens. > Mas logo o ruido das
rodas da um carro tornou-se mais distinelo e o
agente parou. Elle inclinou-se para um dos lados
do seu cabriole!, maneando negligentemente o chi
cote,vJem quanto fallava a Pet-Callagban. Aileen
linha-se levantado e esperava que a {conversa se
acabasse. Sua capa azul tinha cahido e deixava a
descoberto sua cabega loura, suas faces estavam
ligeramente animadas, seus olhos tinham um bri-
Iho febril; comtudo conservava-se tranquilla e sem
impaciencia ao lado de Moyha.
O < lyrio do Valle-Escuro > nao poda escapar
a' observago.e Pearce exclamou cora saa voz im-
petuosa e grosseira : Que quer esta rapariga ? >
Enlo ella avaogou cheia de modesta e tranquil-
la dignidade.
t Vim, senhor, para dizer-vos nma palavra
cora a vossa permisso. Oh 1 pelo amor de Deas
deixai-rae fallar.
c Bem, minha filha, mas aviai-vos, se possi-
vel. Pens adevinhar um pouco o vosso designio.
Amis esse O'Donnel qae para nada presta, me pa-
rece.
Um vivo rubor cobrio o sea semblante todo, e
ella recuou ara passa :
"7Son despozada de Ulick O'Donel, vossa honra,
mas nao acerca delle qae desejo fallarvos.
{ContiMHarseha.)
Que queris ento ?
Smente pedir-vos, em memoria da vossa
propria mi, que poupeis os seu* cabellos bran-
cas, i e ella mostrava a Moyna, << rogar-ros pato
amor que leudes a vossos lilhos, >|ue vos e .mp --le-
gis de orphos de quem ella a nica ai e ca-
ira que esta' no cu ; dizer-vos quo vos lem^ns
da vossa casa to conforlavel e de todas bea<;os
que Deus vos concede ; e pedir-vos que n.V> 'aris
o fogo que aquece a no*-a fra cabana. Oh pelo
amor de Deus, nao rae recosis
E Aileen segurou as r.deas do carillo qr*j elle
quera fazer avangar.
Para atraz, rapariga E com um .urametto,
rcpcllio para longo a trmula Aileen
Era um instante Moyna linha-se t.-vantado. Ella
collocou-se tao directamente na f.-eo'e do crvallo,
que Pearce nao pode laze-lo parlir; e ea> coa
as mos esleodidas e com voz forte e poogeae qoe
soou de um modo estranho ap> as aceent* sop-
plicanles de Aileen, ella o amatdig v.u con loda a
expressao e energa proprias ao Irlandez Poe-
sa a berva cobrir o limiar da vossa casa possaa
vossos filhos ser logo orphos deconolJos suspi-
rando por pao para a bocea e por uma Ja d'agoa
que aingaem Ibes dar' Possa Aqo le qne Je-
fende a causa do pobre e do opprim i julgar-an
hoje mesmo I E a terrivel torrent-de impreea-
goes corra precipitadamente dos sJs labio, aa
mesmo lempo que ella se deixava Cir de joelhos
e elevava as mos para o cea. Qondo ees-'oa de
fallar, houve um momento de sil*cio ; Atleea li-
nha-se prostrado por Ierra toda timla e ocealla-
va o seu roslo. Pearce atordoado momeaio. ao
fallara nem movera-se em quar> as iaspreca^oes
de Moyna soavara a seus oavid> i mas agora, l-
vido de furor, levanta ao ar oo chicote e des-
carrega-o sobre a cabega gn>ha de Movaa : de-
pois, cada vez mais coleric^He agoala cora forca
o seu ca vallo que se ppepu com espantosa rapi-
dez por entre as testemuibs desta sceaa.
Quando Aileen levant>a* para dirigirse a' aa
mi e aperta la era seo bgos, ella vio eom terror
o semblante lvido e deserrado de Ulick indina-
do sobre Moyna, ao passque o sea braco vigoro-
so a arraslava.
Vinde mi, vlr para casa.
Depois voltando-se-ara os espectadores radlg-
nados e apaziguaodo'm aro gesto as mnraaragSaa
c Presentemente sinc,. ""eos amigos, dbee eNe ;
trataremos disto es D0',e> em lempo propicio a aa
praga velha. Ei Aileen vio qoe a erlse estafa
prxima, e qae S*""1 Perce era nm M eoa-
demnado.
(Continuar t*-km)
pIramb^ np. db m. p de f. 4 ruao

r."___r.__i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX4NRIGKK_RQO03K INGEST_TIME 2013-08-27T21:41:07Z PACKAGE AA00011611_10818
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES