Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10817


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO IU HOMERO 260
Per qnartel pago dentro de 10 das do 1, mez : i .
dem depois dos 1."' 10 das do cmicoedeutro do qnartel. .
Porte ao correio por tres iiezcs..........,!
5|000
6|000
750
SEGUNDA FE1RA 13 DE MEMBR0 DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das do 1. mez ,,,.... 191001
Porte ao correio por um anno.............. S|009
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alexpudrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Prea, todos os dias.
Iguarass e Goyanoa as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala. Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoero, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salguen o e Ex, as quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, AguaPreta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relaco: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel:
hora da larde.
quartas e sabbados a 1
EPHEMER1DES DO MEZ DE NOVEMBRO.
3 La cheia as 5 h., 4:t m. e 28 s. da m
l Quarto ming. a 3 h., 25 m. e 52 s. da m.
18 La nova as 8 h., 40 m. e 22 s. da m.
26 Quarto cresc. aos 38 m. e 22 s. d m.
DIAS DA SEMANA.
13. Segunda. Ss. Arcadio e Pautillov. m.
14. Terca. S. Abilio diac; S. Gorias ra.
15. Quarta. S. Gertrudes v.; S. Clementino m.
16. Quinta. S. Guncalo de Lagos; S. Elpidio m.
17. Sexta. Ss. Alfo c Zaccho mu.
8. Sahbado. S Obdon al>.; S. Barcella ra.
19. Domingo. S. Isabel viuv. rainha de Hungra.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as O horas e 30 m. da tarde.'
Segunda as O horas e 84 miamos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at AttfOM a 14 30: para o
ata a Granja a 7 e 22 le cada mez; para Fernan-
do nos dias i dos mezes do Janeiro, marre, na\
julho, Miembro a novembro.
ASSIGNA-SE
noRecife, na livraria da praca da lnderendenc.a
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel PiKueirna
Faria & Filho.
__Os Srs. asignantes deste Diario, que
se achata em debito das respectivas asig-
naturas, queiram mandar realisar o paga-
mento deltas; e aquellos que moram fora
desta cidade, tenliam a bondade. de dar avi-
so de quaes sejam aqui os seus correspon-
dentes, afimde ser solicitado esse pagamen-
to dos resmos, a quem dao ordem para
isto, visto como alguns pretextan! a falta
dessa ordem.
'PARTE 0FFIGIAL
MINISTERIO I A .11 STI V
Circular.-Ministerio dos negocios da jusilla.
Rio de Janeiro, 28 de oulubro de 1865.
Teodo o governo imperial a intt-ncode apresen-
tar ao corpo legislativo na prxima lulura sesso
urna proposta creando no Brasil as sociedadesde
responsabilidade limitadacomo existem na Ingla-
terra desde 1835, e ni Franca desde 1863 ; e que-
reudo sobre materia to importante industria e
ao commercio do paiz preparar a opinilo publica e
Ilustrar o voto do parlamento cora as opuiid-s das
pessoas competentes : ha por bem qae esse tribu-
nal, ouvida a praca do commercio, d sea parecer
sobre o incluso prujeclo, cujas disposicoes podero
ser modillcadas vista da soluco das seguintes
questoes, sobre as quaes o governo imperial cha-
ma a nttencao desse tribunal o da praca do cora
mereio.
1" Convir que o capital s)Cial tenha um mxi-
mo lixo como na Fcaora (finta milhoes de fran-
cos) ou que nao teuha limite algum como a logia-
trra?
2- Devendo o capital social ter um mximo lito,
qual deve ser esee mximo entre nos?
3* Asceles devem ter ura mnimo determinado
como em Franca, ou uenliura limite como em lu-
glaterra ?
4o Deven lo as accoes ter nm limite como na
Franca, qual deve ser elle nos?
o" Convir que a estas sociedades seja prohibo o
terein porobject) os seguros e operaeoes bancarias
como era na Inglaterra pela lei di 1838, derogada
pela le de 1862.
6o Convira, outrosim, que esta sociedade seja re-
servada para asoperaceseemprezas commerciaes
e industriaes, ou deve ser tambera applicada as era-
prezas civis, como a agricultura ?
Se a industria ou o commercio para o seu dos-
envjlviraento carecem da associacao dos caplaes,
porque devera ser a agricultura privada deste re-
curso prodigioso?
7 Sera essencial que para eonstituiclo destas
sociedades o capital social seja todi subscripto co-
mo em Franc-?
8 E' tambera essencial, como em Franca, que
para a constituicao destas sociedades urna parte do
capital seja electivamente depositada?
0 Se pela allirmava, qual a parle que deve ser
depositada, ura quarto como exige a le francesa,
ou um quinto como quer o projecto incluso ?
10. As accoes devera ser serapre nominativas co-
mo na Inglaterra, ou s nominativas at c seu pa-
gamento integral como na Franca ?
11. Para que as acedes sejam negociaveis basta,
como era Franca, o paga nenio de 2 -'/:, d> seu va-
lor, ou precio, como na Inglaterra, o pagamento
total de seu valor?
II Sera efficaz a sanecSo que o projecto al p-
tou, seguinte a legislacio ialeza, ou proferivel
a priso que a le franeeza fulmina ?
Deve esse tribunal saber que a sociedadede
responsabilidade limitadajue. o governo imperial
intenta crear, nao deruga as especies de sociedade
que o cdigo commercial estabelece; nina outra
forma alm das formas que o mesmo cdigo ad-
miite.
A sociedade de responsabilidade limitada nao
asoeiedade em norae collectivoporque nenhum
dos seus socios solidariamente responsavel.
Nao a soeiedade anoinyraa porque bao depen-
de da autorisacao do governo.
Nao a soeiedade commanJla porque nella
na i ha gerente solidariamente responsavel, e nao
prohibido a nenhum socio ntervir na geslo da so
ciedade.
A sociedade de responsabilidade, urna nova
forma de sociedade tendente a realisar a liberdade
de associacao, como a vida da associacao.
Assim, aqaeUe que nao quizer coinprsmelter-se
na repoosabilidade solidaria e imprevista da socie-
dade em norae collectivo ; que temer as formalida-
des lentas e embarazosas da socieda le anonyma ;
que nao confiar ra omnipotencia do gerente da so-
ciedade coramanilila cando inhibido de interven-
cao no> negocios sociaes, procurar a nova forma
de sociedade de respoasabllidade limitada.
A nova sociedade est bem caracterisada e defi-
nida no meloso projecto.
Responsabilidade limitada do individuo.
Garanlia dos socios e lerceiros, nao s pelas for-
malidades exigidas, sob pena de null lade para
constituicao de sociedade, como pela ampia publi-
cidade que o projecto determina no art. 7.
Tendo o governo imperial de onvir s seccoes
reunidas de |ustica e fazenda sobre o projeelo, de-
pois de preparado e Ilustrado cora os pareceres
das pessoas competentes, corapre u n esse tribunal
d o seu voto com a inaior brevldade possivel.
O projecto vai aeompanbado da lei franeeza de
1853, e de um resumo da legislas io ingleza.
Deus guarde a V. S.Jos Ikomaz Sabuco de
Araujo.Sr. presideutc do tribunal ib commercio
de...
PROJECTO DE Le
Art. I. Podem eslabelecer-se sera a approvaco
ou autorisacao exigidas para as sociedades anony-
mas, outras sociedades, em as quaes nenhum socio
olirigado alm Ja sua quota.
Io Estas sociedades ser i den imnadassocie-
dades de responsabilidade limtala.
^ 2o Nao teo firma social mas sero designadas
pelo objecto a que se destinara.
3o Podem .er por objecto qualquer openeao
ou empreza commercial ou civil.
4o Sao sujeitos a jurisdccao commercial ou
seja comroercii.l ou civil o seu objecto.
o* Em todos osannuncios, publicacoes e quaes
quer actos, ttulos ou documentos eo aadas destas
sociedades, a designaco social ser precedida ou
seguida das seguintes palavras escripias em lettras
bem dislinctinctasSociedade de responsabilidade
limitada.
6 A oramisso desta clausularesponsabili-
dade limitada,sujeita o agente responsael a mul-
ta de 1005 a 1:0005, e responsabilidade pessoal
pelo acto ou ltalo em que tiouver a omisso.
7o O numero de socios nunca sera inferior a
se le.
8* Se a sociedade continuar suas operacoes du-
rante seis meies sem ter este numero elfectivo e
real, qoalquer credor podera' pedir sea pagamento
integral a qoalquer dos socios, os quaes ueste caso
licam solidariamente responsaveis.
Art 2* O capital social dlvide-se em aceces, e
estas em fracedes.
AsaccSes erao nomlnalivas at seu Inte-
gral pagamento.
2* Podem ser negociadas depois do pagamen-
to de 2|5 de seu valor.
3* Os subscriptores, nao obstante qoalquer
estipolaco em contrario, sao reapoosaveis pela
importancia total das acses sobscriplas.
4* A transferencia das accoes ser conforme
a dsposicao do art. 297 do cdigo commercial.
Art. 3" Para que a sociedade seja constituida
delictivamente essencial.
8 1 A subsenpeo total do capital social.
2o O deposito 'effeetivo de 1|S do raesmo ca-
pital.
3o A installaco da assembla geral e a no-
meaco dos administradores.
4 O registro uo tribunal do commercio verbo
ad verbum.
Io Da escriptura ou estatutos da sociedade.
2o Da lista nominativa dos subscriptores, desig-
nando o numero descres e o estado das entradas
de cada um.
3a Da i-erlMao do deposito do quinto" da capital.
4" Da acta da installaco da assembla geral e
nomeacao dos adrtiinisiradores.
3o A publicaco nos jornaes de um annuncio
da installaco da"sociedade aeompanbado de ura
extracto coutendo :
1 Os noraes, protissoes e moradia dos adminis-
tradores.
2' Designadlo da sociedade, seu objecto e sua
sede.
3' Declararlo da responsabilidade,limitada.
4 Mencao*do capital social cora especifleacao
do quanto em numerario, e quanio em outros ob-
jeclos.
5* A quoia anoual do fundo di reserva.
6" A poca em que a sociedade comeca e acaba.!
7 A data do registro da sociedade no tribunal
do commercio.
8 O annuncio e extracto serio assignados pelos
administradores.
3 O" Nenhum contrato ou operacao ter lugar
por conta da soeiedade genio depois de constitui-
da ella pela forma que este artigo determina.
7 Os actos anteriores constituicao legal da
sociedade Scario sob a responsabilidade dos seus
fundadores ou administradores, salvo se, consti-
tuida a mesma sociedade, a assembla geral tomar
sobre s a responsabilidade dos actos.
8o Todos os actos e deliberares relativas.
1* A' alieracao dos estatutos.
'2o Ao augmento do capital.
3* A'coniuuacao da sociedade depois do seu
termo. |
4 A' dissoluco antes do seu termo.
o Ao modo da liquidac-o.
Sao sujeitos ao registro e puWicidade dos para-
graphos antecedentes sob pena de nullidade, a!
qual todava nao poder ser opposta pelos accio-
nistas aos lerceiros.
9 E" nullo de pleno direito e de nenhum
effeiio a sociedade que fr constituida sem as for-
malidades dos !, 1, 2", 3, i-e 5*.
Art. 4* As sociedades de responsabilidade limi-
tada serlo administradas por mandalarias tempo-
rarios, rovogavetSj reelegiveis, socios ou nao socios
assalariados, interessados ou gratuitos.
I" Os administradores serio substituidos de
tres em tres annos na razao do terco do seu nu-
mero.
2a E" prohibido aos administradores sob a
pena de destituico, ter interesse directo ou indi-
recto era qualquer operacao feita com a sociedade
ou por conta da soeiedade.
i 3" Os administradores nao tera responsabili-
dade pessoal pelos actos da socio i >Je, sao, porm,
responsaveis para cora a sociedaJe e para cora os
lerceiros. !
1" Por todos os damoos resultantes da infraccao
desta lei e respectivo regulamenlo.
2o Pelas fallas comraetlidas era a sna gestao.
4 O administradores que, nao obstante a m
solvabilidade da sociedade ou fundados em inven-
torios fradulento-, reparllrem dividendos nao de-
vidos, sao pessoalinente obrigados a restituirem ;
caica social a somma dos meamos dividendos, su-
jeitos alera disto s penas criminaes em que in-
correrem.
Art. .o" A assembla geral nomeara annualmen-
te um ou mais scaes, socios ou nao socio, encar-
regados de fazer o relatono do anno seguinte, tendo
por base o bataneo, inventario e coalas da admi-
nistracao.
1 E- nulla a deliberacao da assembla geral
approvando as canias e o balango nlo sendo pre-
cedida dorelatori do fiscal.
2 No caso de naoserem os fiscaes nomeados
pela assembla geral, ou no caso de impedimento
oa nao aeeitacio dos nomeados, compete ao tribu-1
1 nal do commercio, a requenmenlo dos adminis
iradores ou de qualquer socio, a nomeacao dos
mesmos liscaes.
3 Os liscaes tera o direito de examinar os li-
vrjs, de verificar o estado da calxa e da carleira ;
de exigir nformaeoes aos administradores sobre
as operaeoes sociaes, e convocar extraordinaria-
ui".iit.i a 'assembla geral.
i" OsefteRos da responsabilidade dos scaes;
para com a sociedade sao determinados pelas re-
gras do mandato.
Art. 6" llavera em cada anno urna assembla
geral dos accionistas cuja reuniao ordinaria sera
fixala nos estatutos.
Io N'esta reuniao ser lido o relatorio, apre-
s intados e discutidos o balanco, comas e inventa-1
rio, e Osado, se fr possivel, sob proposta dos ad-1
ministradores, o dividendo que se deve repartir.
2o A assembla geral ser composta de ura ;
\ numero de accionistas que represente pelo menos
lo 4 do capital social.
3 Se este numero se nao reunir, urna nova
reuniao sera convocada e eotao se deliberar qual
Djoer que seja a somma dos captaes representados
pelos accionistas presentes.
4 Todava a assembla geral que deve deli-
berar sobre os casos do art. 1 7o para ser vali-
damente constituida carece de um uumero de ac-
conistas, que represente pelo menos melade do
' capital Social.
o* A convocacao da assembla geral extraor-
dinaria ser sempre motivada.
6 Nos estatutos se determinara a ordem que
se deve :er as reuuioes da assembla geral ; o
numero de accoes que necessario ler como pro-
prielarin ou mandatario para ser admittido em
assembla geral; e o numero de votos que com-
pete a cada accionista na razao do numero das
accoes que possuir.
7. as primeiras reunoes da assembla ge-
ral todos os accionistas lm voto deliberativo.
Ari. 7. Um mez antes da reuniao ordinaria da
' assembla geral sero depositados na secretaria do
; tribunal do commercio e sujeitos ao exarae dos ac-
[ conistas e dos lerceiros que o quizerem :
Copia do inventario conlendo a indicaco dos va-
1 lores movis e immoveis da sociedade e de todas
as dividas activas e passivas.
Copia da lisia nominativa dos accionistas cog o
numero das accoes respectivas e estado do paga-
mento dellas.
, l No mesmo prazo sero publicados pelos
jornaes o balanco mostrando em resumo a situaco
da sociedade.
O relatorio dos fiscaes-
S 2." Quinte dias depois da reuniao da assem-
bla geral a acta respectiva sera tambem publica-
da pela imprensa.
3 A qualquer pessoa se dar sem inquirirse
qual o interesse que tem, certido dos actos regis
irados na forma do art. e dos depositados con
forme este artigo.
Art. 8." No caso de oerda de metade do capital
social os administradores devera consultar as-(
sembl geral sobra a conveniencia de urna liqui-
daco anticipada.
fo caso, porm, de que a perda seja de tres
recommendado a cmara municipal desta cidade
que pelos meios ao seu alcance, providencie sobre
o asseio da cidade mandando remover os montes
de lixo que existem em diversos lugares e sobre-
ludo em alguns ponlos juntos aos caes, fazendo
cumprir as pasturas relativas a salubridade publi-
ca, como convm sobretudo agora que o cholera
est reinando na Europa, e se devem tomar todas
as medidas preventivas contra aquelle mal ; que-
ra V. S. recommendar as autoridades policiaes
que auxiliem a cmara municipal na execucao da-
Continuifao do expediente do dia 8 de uoTnibro quellas posturas e bem assim em ludo aquillo que
'uario- da capital social, qualquer accionista pode
requerer a liquidacao judicial da sociedade.
Art. 9. O governo aatorisado a dar os regu-
lamenlo necessarios para o desenvolvimento e
execucao desta lei, impondo multas que nao exce-
dam a 5:0005, e marcando o processo dessas mul-
tas. JohscoTinazNabu co de Araujo.
GOYERNO DA PROYM.
de 1865.
Officio a raareehal de campo commandante das
armas.Sirva-se V. Exc. do informar acerca do
que pede no incluso requerimento, o voluntario do
3o corpo Bartholomeu Tavares de Souza, mandando
novamente inspeccionado.
Olo ao mesrao.Sirva-so V. Exc. de inforniar-
dellas dependerem e poder concorrer para eolio-
car no estado o mais satisfatorio as condicoes hy-
giencas desta capital.
. Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti a V. S. a inclusa folha em dupiieata,
que me remetteu o commandanle superior desle
municipio com officio de hontem, sob n. 430, alim
de que, nao havendo inconveniente, mande paitar
me acerca do que pede no incluso requerimento, o os vencimentos relativos ao mez de oulubro ultimo,
barreira da Capunga e Manguinho, Joaquim Jos
da Costa, urna praca do corpo sob seu cominando,
aqual devera' permanecer all at segunda ordem
desla presidencia.
Dito a Flix Fernandes Portella.Additando o
meu ollicio de 9 de outubro ultimo, em resposta
ao de Vine, de o do mesmo mez, tenho a declarar-
la para os devdos effeitos, que a Associacao Pro*
1 -i ira das Familias dos Voluntarios da Patria, se-
Hondo declarou-me o respectivo presidente em of-
lirio de 6 do corrente, j matrlculou com urna
pensao mensal a cada urna das familias dos volun-
tarios Joaquim Jos l'ereira e Pedro Jos de Lima,
nao tendo ainda estas recebido as penses por nao
se terem apresentado seus procuradores, alim de
ser-Ibes entregue os respectivos ttulos.
Dito ao subdelegado da fr^guezia de Correales,
Mauricio Lopes Lima.Transmiti a Vrac. copia
do officio que me dirigi o director da Associacao
Protectora das Familia dos Voluntarios da Patria,
servlco, de uiilidade geral-, pota ao pama >ioe dVlla
resulla proveilo aos carregadores de productos aa-
conaes, acontece tambem que um me:o de im-
pedir o despejo por esses lnjares.
Em malas do engenho Solido foi ferido leve-
mente Pedro Fiii'lis por um seu compauh-iro de
cacada. A autoriJide competente ia proceder as
necessarias averiguacoes, alim de verilear se tara,
accidental, como se er, o referido ferimento.
Hontem o 3" corpo de voluntarios da patria,
do enramando do Sr. coronel Lobo, foi a mis-a,
dando em seguida um passeio militar pela -id- V.
Agradarara geralmente o garbo e a disciplina das
pracas e respectivos offieiaes.
guarda nacional do batalhao n. 42 de infamara do
municipio de Serinhasra Canuto Alves de Lima,
ouvindo a esse respeito o lenenle-coronel commaa-
danta daquelle batalhao.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar j
alistar no 2" corpo de guarda nacionaes destinado .
ao servio da guerra o 1 sargento do 3o batalhao I
de infamarla desle monicipio Manoel Cyr.llo de consUm do orQaoiento DC,US0 por co(lja.
Oliveira Jnior, que se offereceu para servir naquel- D(0 raesmo._AlteQ(,endo ao qiie solici
le corpo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. pagar sobjjkinha responsabilidade,'
nos lermos do decreto 3^,884 do 1* de fevereiro j
de 1862, visto nao haver crdito para esse fim, a
quantia de 335000 que se est a dever a Jo.- de
Castro Brandao Cordeiro, por tira porlao de ama
relio que forneceu para urna das companhias do
quarlelI das Cinco-Pootas como se v da conta jun- i mMes d(, selembro olul(ro d(i;t0 anno.
ta em duplcala que me remetteu o director das a ao me,mo._Em jvisla da folna e
obras militares com olficio de 6 do corrente, sob '
dos oulciacs do 1 batalhao de artilharia da guar-
da nacional desla capital, aquartt-lados na fortaleza
do Brum.Comniunicou-se a) commandante supe-
rior do Recife.
Dito ao mesmo.Mande V. S. por em arremata-
Cao com o prazo de 3 dias os concertos, pintura e
caiadura, de que necessiia o lazareto do Pina e
nto incluso por copia.
qne solicitou no
incluso requerimento Alfonso do Reg Barros, aju-
danle do guarda-mr da alfandega desta capital,
recominendo a V. S. que mande pagar sob minha
re-pousablidade, nos termos do artigo 5o do de-
creto n. 2,884 do Io de fevereiro de 1862, visto nao
haver crdito para essel lira, os vencimentos que
competirem ao supplicanle por haver exercido in-
terinamente o lugar de guarda-mr, durante os
Na sexla-feira a' noute obsequioa oSr. Fran-
cisco Mamede de Almeida aos seus amigo* ern
urna b>dla reuniao, em a casa de sua residencia,
por occanio de hacharelar se seu filho o Sr. II n-
, rique Mamede l.ins de Almeida. Esteve animada e
em 6 do crreme, adra de que sejam prestados concorrida, dan.-ando-se at qualro horas da ra
por Vine, os esclarecimentos nelle exigidos com nhaa.
Sabbado, por ser o dia anoiversario do pa-
samento de S. M. F. o Sr. D. Pedro V, conserva-
rain as casas consalares e os navios surtos no porto
as bandeiras em funeral.
a. 68.
Dito ao mesmo.Sob mioha respoasabilidade,
nos termos do decrelo 2,884 do Io de fevereiro de
1862, mande V. S. pagar a Jos da Costa Brando
Cordeiro a quantia de 195840 qae se Ihe esta a de-
ver, proveniente do concert que, por ordem desla
presidencia, fez no chafariz do quartei de cavada-
ria. como se v da conta junta em duplcala, que
me remeiteu o director das obras militares com of-
ficio de 6 do corrente, sob n 69.
Dito ao msmo Attendendo ao que no incluso
requerimento expoz o Dr. Ludgero Goncalves da
Silva, recomraendo a V. S. que mande pagar inte-
gralmente os seus vencimentos, relativos ao mez
de oulubro ultimo como juiz de direito da comarca
do Hio Formse, coosiderando-se assim abonadas
as faltas por elle dadas, a contar de 22 al 30 da-
quelle mez.
Dito ao mesmo. Expeca V. S. as suas ordens
para que ao capilo d- corpo de guarnico do Ama-
zonas Manoel Joaquim da Costa, sejam pagos os
seus veucimentos como pele no incluso requeri-
mento que o marechal commandanle das armas
irouxe ao meu conhecimeuto cora officio de 6 do
corrente, sob n. 2,041, visto haver se concedido
permissao ao pred i lo capillo para residir nesta pro
vmcia at que o governo imperial resolv acerca
de sua reforma, por ler sido julgado incapaz do
servico em iuspeccao de saude.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. A
Francisco Ludgero Nunes Vianna, mande V. S. pa-
gar conforme solicitou o chefe de polica em officio
de 6 do corrente, sob n. 1,736, e nao havendo in-
conveniente, a quantia de 845^00, despendida du
ranle os mezes de selembro e oulubro desle anno,
pret jun-
tos em duplcala e nab havendo incon"emente,
. mande V. S. pagar os ve ici raen tos relativos ao mez
de oulubro ultimo dos oTlciaes e pracas do o cor-
po de voluntarios em oiganisacao nesta provracia.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
' Em vista do que expoz i chefe de polica era offl-
;ciodehoji\ sob n. 1,76), declaro a V. S. que a
despeza feita cora o fon eciinento de luz e agua
' para o quartei do destai amento le guardas nacio-
\ naes, existente no termo do Bonito, a contar de 13
de juiho al o ultimo de selembro deste anno e de
que irata o meu officio le 2 do crrente deve ser
paga a Jos Victorino >le Vasconcellos Pereira e
nao a Joao Victorino de 'asconcellos Pereira, como
se escreveu no citado oificio.
Circular aos commam antes superiores da guarda
nacional.Transmiti i V. S. para seu conheci-
meuto e alim de que I es d a inaior publicidade
possivel alguns exempbres impressos dos decretos
ns. 3,308 de 30 de agost), concedendo aos guardas
nacionaes designados pira o servico da guerra, os
mesmos favores coucelidos aos voluntarios da
patria, e 3,309 de 12 de setembro deste anno, sen-
tando do recrutament' e do servico da guarda
nacional o guarda qut der por si para servir no
exercilo urna pessoa ido ea.
Dilo ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Garanbiius.Em
n. 120 de 2-> de outubro
raenio do guarda naciooij
do Jos Felosa, o despa
pensado at que se recoi
o supplcant-.O que c
couhecimeulo e direecic
Dito ao director ge
ca.l'de V. S. satisfaze
Norte, de um exempli
inslrueco publica desla
Fica assim respondiijo
correte sob n. 300.
Dito ao mesmo.Be
peticoque Ihe lenha ii
blico de inslrjccao pri
reth, padre Francisco
com o sustento dos presos da cadeia de Olinda,; ur. Augusto Carlos de
como se r da inclusa cuota.
Dito ao Dr. Tn-tao de Alencar Ararine e Joa
quiui Francisco da Silva Jnior.Aceitando o olfe-
recimento que por intermedio de Vs. Ss., faz a so-1
Ciedide humanitariaConciliaco-da quantia del
900$ para ser applicada s despezas do Asylo de'
Iuvalidos, bem como de umt bandeira para o 3o
corpo de voluularios da patria, cbeme dizer-lhes
para fazer constar a mesma sociedade, que louvo e
agradeco esse seu acto de generoso patriotismo, depender de deciso dest
que bem d:m rastra os nobres sentimentos que a Dito ao director do ai
animara, podindj mandar recolher a c.aixa do no- y. S. fornecer ao teneni
vo banco nesta provincia a referida quantia, para Holanda Valonea, 200
o que nesti data fe etpedem as necessarias ordens. fias, 200 gravats e igual
Fez-se neste sentido o n-cessario expediente. balalbo de guardas nade
Dito ao director do arsenal de guerra.A pessoa coronel est organisando
que se apresenlar antorisada pelo tenente-coronel
Pedro Pessoa di Siqueira Campos, mande V. S.
entregar 200 frdelas brancas e igual numero d>)
calcas, bonets, grvalas o chapas para seren dis-
tribuidas pelas pracas que forem sen lo alistadas
vista da sua informara >
lultiino, lancei no requer-
I Jesse municipio Leonar-
ho seguinte : Seja des-
ira a classe a que pertence
nmunico a V. S. para seu
al da instruecio publi-
o pedido que Ihe fez o
morim Garcia director da
instru<'cao publica da pr vincia do Rio-Grando do
da lei e regulamenlo da
provincia.
o seu Llli-'i'i de 8 do
referencia aos voluntarios, da patria dessa fregu-
zia Antonio Thomaz Salermo, Antonio Jos da Sil-
va e Pedro Antonio dos Sanios.
Dito ao agente do correio da villa de Cabrob.
Aceito e agradeco o olfereciraento que Vrac. acaba
de fazer em seu ollicio de 10 de outubro ultimo,
de 10 por cenlo de seu ordenado annual para a
despeza da guerra em que se acha o imperio com
a repblica do Paraguay, durante o lempo em que
ella durar; (cando Vmc, certo de que nesta dala
expeco as convenienies ordens a thesouraria de
faxenda, para proceder nos devdos lempos a arre
cadacao da referida offerta.-Fez-se o necessario!
expediente.
Dito ao agente do correio da villa do Granito.
Nesta dala sobmello a deliberacao do governo im-
perial o requerimento qae acompanhou o seu offi' j
co de 9 de oulubro ultimo, no qual Vmc. pede li-
cenca para prestar seus servicos como voluntario
da patria na guerra em que 'se acha o imperio
com a republico do Paraguay.
Portara,O presidente da' provincia resolve que
o alferes do batalhao n. 42 da guarda nacional do
municipio de Serinhem, Elias Jos de Mello, fique
addido ao 6 corpo de voluntarios da patria, alim
de insirui-lo.Fizeram-se as necessarias commu-
nicaedes.
Dita. O presidente da provincia resolve nomear
o lenenle-coronel da guarda nacional Francisco de
Albuquerque Maranho Cavalcanti, para servir em
commissao o posto de commandante do 6o corpo
de voluntarios da patria.Fizerara-se as necessa-
rias communicacoes.
Dita.O pr. sidenle da provincia resolve nomear
para servirem em commi.-so no 6 corpo de vo-
luntarios da patria, os offieiaes seguintes :
Alferes ajudaute, Jos d'Avila Biltencourt Neiva.
Alferes secretario Manoel Eloy Mendes.
Alferes quarlel mestre, Sebasllo Antonio do Reg.
Fizerara-se as necessarias communicacoes.
Dita. O presidente da provincia em vista dos
documentos que apresentou o alferes do batalhao
n. 41 de infamara da guarda nacional do munici-
pio do Cabo, Pauli Fili|ipe de Salles Abreu, e do
que informou o respeeuvo commandante superior
em officio de 7 do correnle, sob n. 136, resolve
dispensa-lo do servico de destacamedto para que
eslava designado, por haver provado e ter a seu
cargo familia numerosa.
Dita.O Sr. gerente da Companhia Pernambu-
cana mande por a dsposicao do ollkial chefe de
scelo da secretaria do governo Francisco Lucio de
Castro, al a cidade do Aracaty, todas as passagens
de r e proa destinadas a passageiros de estado no
vapor que seguir para o norte no dia 23 do cor-
rente.
beita me V. S. qualquer
lereeado o professor pa-
liara da cidade de Naza-
irissimo Bandeira, e que
provincia.
enal de guerra.-Mande
p-cnronel Luis Paulino de
rdela- de brira, 2U cal-
numero de bonets para o
aes, que o raesmo lente
na villa de S. Benlo na
comarca de Garanhuns.
Dilo ao raajor Joaquim
sando recebido o seu olfic
mo, tenho a dizer-lhe era
no 4o corpo de voluntarios da patria, de cuja orga-
nisacoacha se o mesmo
gado.
tenente-coronel encarre-
era organtsaco dous cor os de guardas nacionaes
para o servico da guerra, e qualro de voluntarios
la patria, aceitarei cora sUisfacli o seu patritico
olfereriraenio urna vez < le V. S. se resolva a
Francisco Dinz.Accu-
o de 30 de oulubro ulti-
resposta, qu-' achandose
COMANDO D\S ARMAS.
Quarlel ijeneial do eommando das anuas de Pcr-
namliucu u cidade do Recife, 11 de noveinbro
de 186a.
Ordem do da n. 150.
O marechal de campo commandante das armas
faz publico para os lins convemenles, que a presi-
dencia resolveu por portara de 10 do corrente
dispensar do servico de destacamento para que
eslava designado, ao Sr. lente do batalhao n. 31
do municipio de Pao d'Alho, Jlo da Cosa No-
gueira, visto ler provado ser filho nico de mulher
viuva, a quem serve de arrimo.
(Assignado.) Francisco Sergio d"Oliveira.
Est confirme. Antonio Francisco Duarte, 2."
teneule ajudanie de ordeus interioo eacarregado
do detalhe.
Dito ao mesmo.Expec V. S. suas ordens para reunlr-se com os guardas acionaes ou voluntarios
que nesse arsenal sejam recibidos os objectos que f|Ue alistar a qualquer dos referidos corpos.
estavara a cargo do 2o batalhao da guarda nacional Dito ao juiz de direito da 1J vara desta cidade Dr.
desle municipio duraute o uitimj aquanelamento, joao Anlouio de Araujo Fieias IlenriqUes.Nesta
e que se acham depositados no quarlel das Cinco data subraetio ao conliecii enio do governo impe-
l'ontas, conforme solicitou o commandante supe- r3| a materia do seu oIII o de 6 desle mez, com
rior respectivo em officio 427 deste mez.
Dito ao professor publico da cadeira da fregue-
zia de Nossa Seohora do O' de Goianna. Nao po-
dando ser aceite o ollerecimento feiio por Vrac.
referencia ao inventario Sos bem deixados peb
brigadelro Gaspar de M nozes Vasconcellos de
Druminond, como Vrac. ne le solicitou.
Dito a cmara municipi I do Recite.Tendose
para prestar os seus >ervicos na guerra do sul com desenvolvido actualmente i m alguns paizes da Eu
as vamageus da le visto a isso seoppr o artigo 11 ropa o cholera-morbus, e coovindo quanto antes
da lei n. 611 de2demaiodo correnle anno; de- tomarem-se medidas preventivas, a semelhantc
termino a Vmc. que siga quanto antes para o exer- respeito atientas as relictos commerciaes que
cicio de sua cadeira.
9 -
Officio ao marechal commandanle das armas.
Sirva-se V. Exc. de informar acerca do que po-
dem nos inclusos requeriraentos Mara Francisca
da Porciuncula e Francisca Mara.
existem entre aqueles paizes e esta provincia, re-
comraendo mui encarecidamente a cmara muni-
cipal do Recife, que tomando este assumpto na
mais seria altenco procure com a inaior solicitude
providenciar sobre o asseio da cidade, fazendo re-
mover tudo quanto possa coocorrer para a sua
Exc de maodar! iosalubridade, empregando para isto os raeos ao
ias^ccionanreomfurriel SVm^S Jo.u^marios! "*'"" ^f- as mediJas "ue depeD'
da patria Thelesphoro Eduardo *^^Ti?S&l4 mesma cmara o
officio expedido por esta presidencia em 11 de maio
prximo lindo, sobre o f existe prximo ao hospit I Pedro II, e acerca do
ledirme providencias o
Sania Casa da Mise-
lcala
quasi todos os caes, que
onde se conliua oa patrie
de se fazerera despejos, e
que alm de deporera coni
vilisaclo, sao uniros tanto
de*ein ser removidos.
Encarecendo a cmara
o guarda do 2 batalhao de artilharia
nacional do municipio do Rio Formoso Manoel Ao
Ionio da Silva.
Dito ao mesmo.-Queira V. Exc. mandar inspec-,
clonar o guarda nacional do batalhio n. 42 do in- }u nv*m5nt PanCva,'ade,
fantaria do municipio de Serinhem Jlo Pereira deserabargador provedor d
da Costa, de que trata o incluso requerimento que. "corma,
me ser devolvido.
Dito ao raesmo.Sirva-se V. Exc. de informar
acerca do que pede no incluso requerimeale Anna
Mara do Reg Barros.
Dito ao mesm. Sirva -se V. Exc. de informar-
me acerca do que pedem nos inclusos requerimeo-
tos Antonio Jos dos Santos, Francisco Luiz Wan- i
^lSSttffi*. informar acr-i-ces dade ft, ,e proraove
ca do que pede no incluso requerimento Candido da SSiXl^L
Ferrol de" Moura, cabo de esquadra da 7- corapa-! ^!?&
nhia do baia.ho a. 23 de guardas nacionaes do J2^2LS^!5lfcLiT
municipio da Escada de que trata o Incluso reque-1
rmenlo, devendo V. Exc. man lar inspeccionar o
supplicaole, e remetler-me o resultado da ins- ]
peceo. (
Dito ao mesmo.Urna vez que o guarda naci-1
nal do balalho n. 24 do municipio da E-cada Mar-
celino Jos dos santos, aprsenle substituto que se
ache nos termos da lei, pode V. Exc. acetalo,
mandando eliminar o referido guarda do servio
da guerra para que fra designado.
Dito ao mesmo.Expeca V. Exc. suas ordens,
para que seja inspeccionado de saude, o alferes
secretario do batalhao n. 42 de infamara da guar-
da nacional do municipio de Serinhem, Joo Ou-
vidio Rigueira Pinto de Souza de que tratara os
inclusos papis e remeiia-m.} o resultado da ios-
peceo.
Di(o ao Dr. chefe de polica.-Tendo nesta qata.
manifesta p
qae serapre
cipes
Dito a cmara municip
rado do que me communic
da Villa Bella em seu offi
prximo lindo, cabe me
expeco as necessarias o
desse termo para convoi
dentro do praso de 13 di!
de recurso do referido
ainda funecionado no con
a mesma cmara em seu c
Dito ao conseibo de cora
ra.Autorso o conselho d^
de guerra a promover a c
taotes do pedido junto sob
Dito ao commandanle d
ade mais tambem em
ircundam esta cidade
abusiva e prejudicial
kistem monloes de lixos
a o nosso estado de ci-
focos de inf-cco, que
municipal do Recife, a
com urgencia o asseio
uraprir rigorosamente
barte relativa a sade
com a solicitude e zelo,
lo bem de seus raun-
licia.Maode Vmc aprest >tar aq irramatante das
I da Villa-Bella.Inlei-
a cmara municipal
io de 18 de outubro
lizer-lhe que nesta data
Jens ao juiz municipal
ar nos termos da lei e
; o conselho municipal
Tino visto nao ter este
ento anno, me declarou
ado officio.
ras do arsenal de guer-
compras do arsenal
mpra dos objectos cons-
n. 101.
corpo provisorio de po
_____PERNAMRUCOs
RKVISTA DIAIIA.
Apezar de ter hontem fundeado no lamaro, s
3 l|2 horas da tarde, o vapor francez Guiene, e de
ter vindo a' trra o commissano, uao veio a mala,
com ura ve detrimento do commercio al s 8 i|2
da noute.
O ihesoureiro das loteras nos autorisa a de-
clarar que a exlraccao da quinta parte da lotera
concedida era beneficio das familias dos volunta-
rios da patria (28'), annunciada p*ra boje, s lera
lugar larde, depois que largar o paquete francez,
por ter este de levar para o sul bilhetes de dia
lotera.
Consta-nos que a Exma. Sra. Viscondessa da
Boa-Vista com ouiras excellenlissimas senhoras de
sua amisade pretendem olferecer a bandeira, que
deve servir de symbolo de hoora ao 6." batalhao
de voluntarios, de que commandante o Sr. tenen-
te-coronel Francisco de Albuquerque Maranho
Cavalcanti.
A iniciativa da Exma. Sra. Viscondessa da Boa-
Vista, digna de todos os encomios, merecendo
guaes elogios a acquiesceocia que Ihe presiaram
as excellenlissimas senhoras, que se associaram ao
seu acto de patriotismo, que mais Ilustra o carc-
ter dedicado e nobre das pernambucanas.
Com o fim de tomar a gerencia de sua casa
commercial em New-York, seguio para all no vapor
americano o Sr. Henry Forster Hitch, socio geren-
te da casa commerciai desla praca Henry Forster
& C, e presidente da Associacao Commercial Be-
neficente.
Em seu embarque recebeu o Sr. Hitch as provas
mais evidentes da consideraco, era qua era tido
raesta cidade por seu carcter probdoso e estima-
veis qualidades pessoaes.
No engenho Barro-branco. do dislriclo poli-
cial de Crasuipe, foram brbaramente degollados
pelo proprio pai duas cranciuhas, de 13 mezes a
3 annos de idade, e depois de praticado este acto
de insania, enforcou-se o misero louco em um dos
caibros da csa em que morava.
Tanto o pai, corao os filhos, assim imraolados
allucinaco d'esie, eram escravos do propietario
daquelle engenho.
Verlllcou-se ser a loucura a causa de tao lamen-
tavel desgrasa, que affecia aos sentimentos de hu-
manidade e de commiseracao.
Reraettem-nos a seguinte communicacao :
Existindo duas barcas de excavaco neste por-
to, urna permanente na entrada da barra, e ontra
em locomoco por differenles pontos do ancora-
douro, seria conveniente que a reparlico compe-
tente ordeoasse um gyro por esta a principiar em
frente da Lingoeta o trapiotie do algodo.
i Com|esta medida far-se-bla um importante
Fzeram acto no sabbado na Faculdade de Di-
reito os seguales tstudanles :
1." anno.
Gervasio Rodrigues Dantas, plenamente.
Roberlo Sabiniano d>- Barros, dem.
Francisco Pires de Carvalh) Aragio Jnior,-ii-
plesmente.
Rozendo Mauricio Lobo, dem.
Joaquim Simoes Daltro e Silva, plenamente.
Jos Duarte de Magalhes, siraplesmente.
Antonio de Castro Alves, dem.
Alcino Baplista Mooleiro, plenamente.
2. anno.
.1 '-! Januario Pereira de Carvalbo, plenamente.
J ne Joaquim Alves de Albuquerque, simpiesmenle.
Luiz Antonio Morera de Men Jo ic. i, plenamente.
Joaquim de Macedo Accioli, simplesroeote.
3." anno.
Francisco Jo.- de Medeiros, plenamente.
Jlo llarbaiho I'rlioa Cavalcanti, dem.
Cicero Anaiolio v'ieira do Brasil, dem.
Vicente do Reg Toscano Brrelo, idem.
4.* anno.
Pelino Francisco de Carvalho Nobre, plenamente.
Jos da Molla Nunes, idem.
TiioLivo Viera Doria, simplesmente.
Um reprovado.
3.* anna
Theodorrto Carlos de Fanas Sonto, plenamente.
Manoel Francisco do Nascimenlo Sobreira, idem.
Manoel Leite Cesar Loureiro, idem.
Fzeram exarae de francez no dia 10 :
Plenamente. 4
Simplesmente .
Reprovados... 3
De Geographia e Historia
Plenamente. .
Simplesmente .
12
9
3
Passageiro do patacho americano John Chry-
tal, vindo do Philadelpha :W. C Wettins.
Passageiro do brgue escam nacional (ri-
cosa, sahido para o Maranho :Jos Ferreira
Res.
Rrparticao da polica.
Extracto da parle do dia 11 de novembro de
1865.
Foram recolhidos a casa de detencao no dia 10 Jo
corrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polich, Pedro
Lopes da Silva, por se adiar pronunciado no art.
169 do cdigo criminal ; Manoel Joaquim .\ ine-,
como guarda nacional desgnalo para a guerra; e
Rogerio Agostinho Soares, para recruta.
A' ordem do subdelegado da Boa-ViM, Minoei
Flor Dornellas, por crime de tentativa de morte ;
Dainilo da Silva Coitinho, para correceo There-
za Maria de Jesuz, Tneodora Mara da Conceiro.
Angelina Maria do Espirito Santo e Brites JJaruda
Conceco, para averiguacoes sobre o mesmo ci-
rae de tentativa de morte.
O chefe da 2* secrio,
J. G. te Mesqtula.
foi approvada a acta da sess'n anteee-
CHKOMCi JlDlOiKIA
TSII111 \ Al, UO COJISIEttCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 9 DE
NOVEMBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESMSAR..ADO*
ANSELMO FRANCISCO PBUTn.
s 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
depulados llosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, o Eira. Sr. presidente declarou aberta a
sesso.
I.ida,
denle.
EXPEDIENTE.
Ao Sr. depulado Alcoforado foi dislrrmidoo ii-
vro Copiador de Antonio Goncalves de Azevedo.
DESPACHOS.
Requerimento (ja visto pe Sr.desembarg.idor
fiscal) de Thomaz de Aquino Fonseca. Francisco
Joaquim Ribeiro de linio e Corbiano Je*s\quino
Fonseca, pedindo o registro de seu contrae! > Je
sociedade.Registre-se.
tem de Justino da Silva Boa-Vista, commerrian-
te desla praca, pediodo que se mande registrar a
procuraco que junta, a qual Ihe fot oaiorgada por
Joaquim Ferreira Valente.Registre-se.
dem, de Jos Martins da Silva, laabem com-
merciante desla prac, pedindo que se admita a
registro a procuraco que tambem Ihe oulorgara
Joaquim Ferreira Valente.Registre-se.
tem, de Joao Bernardino da Costa Reg Moo-
leiro e Joao Rodrigues de Moura, brasi eiros. pe-
dindo que se mande registrar o contracto que jun-
ta m por elles celebrado, para que lenna a terca *
lei em toda as suas disposicoes. Vista ao Sr.
desembargador fiscal.
tem, de Thomaz Fernandes da Cuaba Jnior *
Silvestre Pereira da Cumia, para qae sejregi.-ira-
do o contracto commercial que juntara, celebrado
por elles, afim de que produza os devdos effeitos.
Vista ao Sr. desembareador fiscal.
Itera, de Franceiino Xavier da Foosera, Man. el
Januario de Azevedo e Joaquim Geminiano de Ar-
roda, que tendo feilo as alterar oes, consuaie do
documento qne juntara, no seu eootract > social ja
registrado, pedem que laes alleraeSes lamlmm se-
jam registradas. Vista ao Sr. ese.abargador
fiscal.
Sendo concluso o sumraario instaurado ex-ooV
cio conlia o agente de leudes Aureluno Angosto
de Oliveira, o tribunal den o seguinte despacho:
O -ummariado salisfaca o parecer seal para sor
atleodido.
Sendo igualmente concluso o do agrls t lev-
loes Luiz Antooio Rodrigues de Almeida,
nal proferio o seguale despacho :Burabia
pa do libello do Sr. desembargador Iseal,
ta-se ao suramariado para responder em cinco
improrogaveis, sendo dita edpia entregue pato ofi-
cial de justca que a certificar.
Nada mais honre.


Mario de Pernanbnco Segunda fe ir l
SESSAO fHCIARlA EM 9 DE NOVEMBRO
DE 186o.
PRESIDENCIA DO EXM. Sil. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As 11X horas da manhaa o Exm. Sr. presidente
declarou aberta a sesso, estando reunidos os Srs.
desembargadores Silva Guimares, Res e Silva e
Accioli, e os Srs. depulados Rosa, Candido Aicofo-
rado, Bastos e Miranda Leal, e supplente Antonio
Luiz dos Santos.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
so.
Foi lido o officio de 6 do crrente do Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda, solicitando do Exm.
Sr. presidente que se digne dar saas ordeus ao
escrivo Jcste tribunal Alves de Brito para que
aprsente ao adminislradorda recebedona os autos
sem sello existentes no seu cartorio, nos quaes offl-
cou cofoo escrivo o fallecido sesveuluano.
Assignaramse os acordaos proferidos na ultima
sesso nos feitos entre paites :
Apellantes, Jos Jeronymo Monleiro e outro ;
appellados, N. O. Bieber & C.
Appellante, Juao Pinto Regis de Snuza ; appel-
lados, os administradores da massa fallida de Amo-
rim. Fragoso, Santos & G.
Appellautes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Joo Januario ni i de Azevedo.
JULGAMENTOS.
Appellante, Candido Morelra da Costa e outros;
appellados, Antonio Guedes Gundim.D.-.-pieza-
ram-se os embargos.
Appellanles, os administradores da massa falli-
da de Antonio da Silva Fereir Santos ; appella-
da, madama lU-sa Aduur.Adiado na ultima ses-
so.Foi confirmada a seu tenga appellada.
Appellante, Melifique Luiz de Barros Wanderley
Lius ; appellado, Gabriel Antonio. Ordeuou-se
urna diligencia.
Appellautes, Flix Souvage C. ; appellado, O
Dr. Augelo Henriques da Silva, testameuteiro de
Victorino Teixeia Leile e Jos Teixeira Leile.
Desprezaramso os embargos.
O Sr. desembargada Accioli apresen'ou ao
Exm. Sr. presidente o feto entre parles appellau-
tes D. Jusepha Justina de Jess Gonealves e OOtros,
appellados Isaac Curio & C, solicitando providen-
cias para que possa ter andamento a presente cau-
sa : e o mesmo Exm. Sr. cfficiou ao Sr. deseinhar-
gador Gitiraha para que se Oiune vir receber o
presente feilo, no qual o mesmo Sr. desembargador
juiz certo.
PASSAOSNS.
Do Sr. desembargadur Res e Silva ao Sr. des-
embargador A;cioli :
Appellanles, os administradores da massa falli-
da de Amortan, Fragoso, Santos S C. ; appellado,
Luiz de Horaes Gomes Ferreira e Baha Irmaos
& C.
AppeUaale, a raa**a de Bastos 4 Leos ? ap- rho vesical; e a autoridade dos Bornes desses me-
pellado, baettarol Antonio Jos da Costa Ribeiro. dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desetnbar-
gador UchOa Cavalcante
A appellacao crime.
Appellante, Lzaro Francisco Beterra ; appella-
da, a justica.
As appellacoes ctveb.
Appellanles, Guimares & Alcoforado ; appella-
da, Maria do Carmo Rocha Costa.
Appellante, AntoBio de pellado, Jo Flix Pereira de Burgos.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti ao Sr.
desembargador Domiofines da Silva
As appellac.des civeis.
Appellante, Antonio Carneiro de Quelroz ; ap-
Dellados, os herdeiros de Francisco Bernardo da
Caoba.
Appellanles, os herdeiros de Francisco Ferreira
de Barros Campello-, appellados, os herdeiros de
Cactano de Barros Wanderley.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargadur Barros Vasconcellos
As appellacoes primes.
Appellante, o juizo ; appellado, Bernardino de
Senua de Almeida Lisboa.
Appellante, Matheus Jos Rodrigues, appellada,
a justica.
A revisla civel.
Recorrente, o menor Joao ; recorridos, Francis-
co Maria de Brito e outros.
Recurrente, Manuel Jos de Souza; recorrido,
Luiz de Siqueira Rangel.
A appellacao civel.
Appellante, Manoel Monteiro de Macedo ; appel-
lados, Borges & Mello.
Appellante, Francisco Antonio Alves Mascare-*
nhas: appellado, Jos Antonio Ferro de Figuei-
redo.
Ao Sr. desembargador Santiago
A appellacao civel.
Appellante, D. Joanna Maria das Dores; appel-
lado, Itaziliano de Magalhiies CaMro.
A' 1 hora encerare je a sesso.
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso esubelecimento essas raizes.para que possam
ser experimentadas.
A reputacao da jurttbeba tal, e-os resuitadoe
therapeuticos obtidos ltimamente sio to impor
tantes, que nos parece intil dizer mais do que.
isto, que flea escripto.
Deposito: pharmacla de
Joaqutm de Almeida Pinto.
HXT3MC
CASO HOlfEL
perde assim
ao provoca
os doentes, i
3 de \oveiubro de *.
suas propriedades irritantes, e
dem branco.......
dem refinado......
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ........
dem de coco
caada


arroba
D'l'JIA
Molestia Ulcerosa
Curada.
a constipaco. E' asstm que
ujo estomago nao pdesuppor-
tar nenhnms preparaco marcial, tomam fa-
eilmente o oteo de gado de bacalho ferru- \ dem de mamona
ginoso de Chevrier. Batatas alimenticias ....
Os senhorts Maurrer A C. acabam de re-j ^^J jjinaria'prPria *"
ceber ura grmde sortimento dos cefebres dem fina"6'. '. '. '. '. '. '. ',
azeites esin tetado de Chevrier e ferrugi-j Caf bom .....'.'.
noso deCheviier. dem escolha ou restolho.
Vende-se na pharmacia de Pedro Maurer -Mem torrado......libra
VC. ira. novan. 18. W. ; ; ; ; ; ; ; ; robt
------r-" ~^m j dem branca .... >
Xarope tnico refrigerante de veame e de'Carnesecca(xarque) ... t
ferro preparado pelo pharmaceutico Jos {firneiros ......Um
i*ftt,^&Tl%h' '.:: aumaba
do Recift p -ovincta de Pernambuco, ra Cera de carnauba em bruto. libra
Direita n. 18. dem idem em velas ...
Este xarope, que d tom ao movimento {|a..........
sua qualidade frrea 6 ao Sarcos) ". \ \ '. um
purgativo pela parte do ve- Cocos (seceos)......cento
CORRESPONDENCIAS
i
Srs. redactores.Acaba de chegar-me As mos
o Diario de Pernambuco n. 252 de 3 do correte,
em que deparei com um amoutoado de injurias
que eram assacadas por um individuo desta povoa-
cao debaixo da .-- :_-ii^i::t;i de Mariano Jos de
Sonto ; e como em semelhanie amontoado de des-
composturas bota-se mioha reputacao pelas ras
da au.argura, apresso me .em escrever estas pou-
cas linhas para o seu conceituadu jornal, no inlui-
to de rogar as pessoas que me nao conhecem, que
suspendam qoalquer juizo desfavoravel, que por-
veniura se possa f^zer, em faces de um libellodif-
Do Sr. deseribargador Accioli ao Sr. desembar- famatono, qual o que se puhlicwu no Diario cima
gador Silva Guimares : referido; porquanto trato de culher as provas de
Appellante, Francisco Santiago Ramos ; appel- '|uem o autor do cilicio, correspondencia ou quei-
do, Joaquim Elviro Alves da Silva.
DISTRIBUYAS.
Ao Sr. desembargadur Reis e Silva :
Appellante, Juo Pinto de Lmios Jnior ; ap-
pellado, Autoiiio Peregrino Cavalcanti de Albu-
querque.
AGGHAVOS INTEIirOSTOS DO JL'IEO ESPECIAL
DO COMMERCIO.
Aggravanie, Manoel Alves Ferreira ; aggrava-
do, Joaquim Elviro Alves da Silva.
xa ingerta em dito Diario, para, chamandoo a
barra dos iribunaes, convence-lo de tratar da re-
putacao alheia.
Gnapre-me lambem declarar que Mariano Jos
de Soulo eQiidade descunhecida, e que por certo,
algum calumniador tratou de accberlarse com
esse anonymo.para assim fugira responsabilidade,
que na teve coragem de a>siimir.
Appareoa, portanto, a descoberto esse ente ab-
jecto, porque nao desejo enlender-me com homens
Aggravautes, o Dr. Jaciniho Paes d Mendonca de palha.
e Paulo de Ainurim Salgado; aggravado, o Vr.| Com a in-ergo destas poucs linhas muitoagra-
Benlo Jj> da (Justa. dec.erao, Srs. redactores, a s-u constante leiior.
O Exm. Sr. presidente negou provimento. Peoras de de Poro, 7 de nnvembro de 1865.
AGCRAVO DE INSTBIMENTO INTERFOSTO DO JlIZO MI- /todoljlItO GomeS da Sl/l'O.
nicipal e do co.mmeiicio do nio F0RM0S0. (Eslava rcconhecida c sellada).
Aggravaule, o Dr. curador geral de^orphos;
aggravado. Ju.- Juaquim Gomes de Abren.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais huuve, e eneerrou-se a sessao a urna
hora da tarde.
TKIKUXAL l>A IIKE.AC A O.
SESSAO l)l II DE NOVEMBRO DE 185.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CO.NSEI.HElItO
SOUZA.
reiSrus de Fogo, 9 de iiotciii-
bro ne 1805.
Srs. redactores.Ao calumniador infam o irai-
coeiro nunca faltam meios de exercer essas nefan-
das maldades : sendo justamente o que araba de
praticar o suppostO Mariano Jos de Souto, em sua
clandestina correspondencia lacerta oeste seu con-
eeitnado Diario de t de presente mez.
Nao exisiinilo nesia povoafo, nem na mesma
As 10 horas da manhaa, presentes os senhores fregaezla.de que eila faz parte, esse, Mariano Jo
desembargadores Santiago, Gilirana, LoureucuSan- de Soulo, da maior evidencia que o autor no seu
liago, Almeida Albuquerque, Multa, Assis, .Duria,
Ucha Cavalcanti, Domingues da Silva e Barros
Vasconcellos, fallando o Sr. desembargadur Guer-
ra prorurador da corda, ibrio-se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os segoiotes
IOLGAHKNTOS.
Ilabeas-corpus.
Negaran) crdem pedida por Ananias do Amor
Divino de Helio, e eoncederam soliura a Juao Da-
masceoo Pessoa.
AppeUacfiei crimes.
Appellante, o jmzo: appellado, Juo
Auna Jnior.A novo jury.
accesso hydrophotiico Ranino, omiltio o proprio
uome e servio-se de ootro, mm que nella se as-ig-
nou : admirando pnrm. a lodo-, achar de promp-
um escrivo d'alma to elstica, que nocouhecen-
do a dentldade da pessoa daqneile Invsivel cor-
respondeBte, vendesse sua f publica por ICO rs.
no reconhecimenlo de sua lirma !'!___
Appareca esse niea lo inflme, como cobarde
deirator, a quem eiiprazu para no competente tri-
bunal provar o deduzidu em seu dito lihelio infi-
matorio : appareca, e se assim nao fizer, sera desde
de Sania Ja jnlgado pelo mais infame, cobarde e vil ralum
niador, limitando-me por ura a everter-lhe Intac-
Appellante, o juizo ; appellado, Joo Marques tas as injurias e calumnias que me assacou, certo .--------------____T-
Todos aquellcs que se achao suieitos sof-
frer molestias scrofulosas, ulcerosas, ou syphi-
liticas, aiuda mesmo as reputadas de peior
natureza, apenas necessitao de lr o seguinte
caso maravilhoso, para que se sintao inteira-
mente convencidos que a sua propria cura,
nao c s meramente poesivel mas sim absolu-
tamente certa.
Joao Josk FKiutEiltA BARuoza, residente
na Cidade de Maranhao, tinha todo o seu
corpo coberto de cliagas ulcerosas, e durante
algunos aviins seacliava debaixo do tratamento
de mdicos os mais afamados, tendo usado
durante todo este tempo quasi toda a especie
de medecinas que em taes casos empregada
pela faculdade medica, porem debalde sem
obter o menor beneficio ou alivio: achando-se
pois em taes apuros elle finalmente reeolven-
*e, de]x>8 de repetidos e baldados esforyos
fazer uso da
Salsaparrilha
OE BRISTOL.
No todo elle apenas chogou a tomar Cinco
Garrafas de Salsaparrilha e quatro frascos das
Pilulas Vegette Azucarada, e o resultado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os Sefirs. Ferreira & Cia, Droguistas de
Maranhao, foro quem supprirao os medica-
mentos, e achiote perfoitamente ao facto
d'este caso, e os meemos Senhores, nao s se
C&Co promptos confirmar o mesmo, como
tambem em fornucer o actual adreseo do Scr.
Barroza, toda o qualquer pessoa que por
ventura se desej informar da verdade.
Recommenda-se mui imrticularmentc aos
Doentes que tenhao o maior cuidado na escolha
Oeste excellente remedio, nao usando outro i
nao ser a Genuina Salsaparrilha de Bristol,
a qual 6 exclusivamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De NOVA YORK,
pois que todas as mais sao ineflicazes e de nen
hum pr-stno
Vende-se as bolicas deCaors A Barbosa
e C. Bravo & G.
muscular por
mesmo tempo)
lame que ene
te acida, alm
luco e combi
pelo acido fica
sim o mais solth
ibra
<
urra, e refrigerante pela par- Coila
da precisa para perfeita so- Couros de boi, salgados,. .
iacaodo ferro; este atacado gj J espichados
em extrema dtvisao, e as-, dem idem cabra cortidos .'
ivel que possivel, de sorte' dem idem de onca
queja nao 13) dependente de ser digerido poces seceos ....'.'.' libra
pelos aciaos fr eos, que se acham no sueco ^jj ? Ke.le* ou massa
; gstrico durant i a d'.gesto. Os expositores EspanaAm grand's" '
i de medicina s io de opiuio que o ferro e, dem pequeos ....
j todas as suas preparaces gozam das virtu- Esteiras para forro de estivas
des eminrtntcmi nlp. trinicas nnp. anrnvpil:
um
um
0*120
2000
15600
15000
15200
35000
75000
5000
65000
Vio
360
280
580
35200
45000
15000
35000
300
300
15-MNI
25500
155000
45000
600
155
240
100
350
IO3OOO
I5OOO
320
500
45000
25000
!des eminenterai nte tnicas" que aproveita' de nav0: ......cento
& ,,rL,ar;^ stPa nacional .....arroba
e com effeito acbo exac- dem de aramia
mas nao dado o ferro em Feijao de qualquer qudlidade
arroba
em todas as m leslias que s3o caracterisa- F3aTe de mand"ioca
das por fraquez;
ta essa opiniao;
substancia pelo kio resultado que tenboob- rechaes .....lim
servado, (e que
determinadas mt
mia, e febres in
tas vezes por ankzarca, que accumulacao'GaiJmhas
de serosidade no lescido cellul;
do est entre a [ elle) e depois
155000
15600
alqueire 1500
MOf IMEITO BO P01T0
Navios suktdee no da II.
Rio Grande do NortePatarho intjez Harriel, ca-
pitao George Gili.ert, em lastro.
MaceiBarca ingleza Editk Manon, capilio JL-
chell, em lastro.
Nao hoove entradas.
Xarios entrados no Um 12.
Baha9 das, brigne narioul hnperv f.*r',
de 210 toneladas, capillo ViM Jos 4 Uam,
equipagem II. carga 11,512 arrobas de cae :
a Maia di EN pinto Sanio.
liah|a-W dias, barca nacional Joten Pahmwm, to
254 tonelada^ capitao Manoel A*.so a OMa.
equipagem 13, ra.-ya differentes gneros-a Joao
Franciscu da Silva Novae.
Philadelphia30 dias, patacho amerioao M>*
Chrystat, de iio toneladas, rapuan J. Baaar*,
equipagem 9, cartra 2,100 barricas com fanal*
de Irigo : a Hmry For-ter A C.
utios sahidos no mesmo din.
Illo da PrataBrigue nacional IMizario, raptlao
Manoel Marciano Ferreira, carga madeh-a to
pinho.
Maranhao- Brigoe escuna nacj. nal Granom. ca-
pitao Juaquim Jus da Silra Ralis, carga rtiS-rra-
tes genero?.
Ceara llrigne hambnrguez Emi.in, capitn I*.-
ckes, em lastro.
*-^ IJMJU
EDITiIS.
dropesia do ven
serocidade no pe
E' sabido que
mais importante
pare e aperfeici
seguinte o mais j
envolvimento de.
elle um efficaz e
nente, claro
que se espera, e
monstrado sem
nhas.
Os effeitos do:
fiz publicar) em certas e ^VrdinS uTstolho
le tas; por exemplo : ane- dem em rolo bom .
ermitentes, torminam mili- dem ordinario ou restolho. .
Gomma
lescido cellular (agua quan- ^'cuanha (raz
elle) e depois ascite ou hy- Ceaha em achas
re, que accumulacao de Toros ....
tono Linhas e esteios .
o ferro um dos agentes 'Jj0 mel^
bara que o sangue se pre- panagais .' .'
devidamente, e por con- Pao Brasil .
roprio para impedir o des- Jdem de jangada,
tas molestias; mas sendo
citante, sorbente e secer-
ue s associado como se
arroba
urna
arroba
1
cento

um
caada
arroba
um
quintal
um
urna
t
0 Ilim. Sr. director da escola Normal
zer publico que por dehDoraeao do ee
marcado o da 13 do crrenle para meto
principio os exames do 1 am.. rn lurn... I
alomos, e logo que f.rem lind-s pnnripiar.i> 1
do 2o anuo em turmas de igual numen, >'
os que pretenderen) examinarse pagar ate
II do correte na e, arlicao eunip*leo*, a tep'je-
da pre-lac;io de soas inar colas.
Manda lainliem faii r pulilH-o para a io CM*e-
nieules, que o- Srs. FHipf Sanhago to Sr
Machado, Ueucleciano Ferreira dos Sani-s. a-
ipinn Mena Cardoso, Olympio FraneisOu H-.r>
Manoel Joniau de Va-c ocellos, Joaqmm Tnaoni
lino de Lemos Hurte, Minervino de Miraatfa Ma-
, cha Pina, ;> Auu.niu Seiferl, Fraacix to Paa-
' la Caneiro, M-nc '
45000
25M)
55000
145000
85000
85010
05OOO
600
25500
255000
25000
Pedras de amolar
dem de filtrar
Idem de rebolo
Piassava........molho
acba neste xar ipe, pode dar o resultado Ponas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento
Pranches de amarello de dous
costados.......um
I dem de louro ...... >
promover Bap.........libra
a ex
risco
ncia me tem de-
offender as entra-
(50011
240
15500
:(ioo
55000
55000
800
400
15000
120
35500
2050
105000
incitantes, sao : promover Bap.........ibra 15000
as secrecoes, aLsorges, augmeniar o ca- |a,a0......... ,l?
lor natural, e rt mover aquellas dores que t_ ','],,.......lqueireaP-.n^n
______ ; ,, Jj Salsaparrilha. ., arroba 255001)
nascem da falta los movimentos irrttattvos. Sebo em rama .... >
tambem aquelles agentes,; dem em velas...... .
am os movimenlos irrita-, S!a em,vaqueta. _.....urna
duzia
b absorco, e os s cernen- Tabai,(?fimarel10'
v diversas .
Os sorbenles s(
os quaes augmeu
ti vos, que forma
tes aquelles que igmentam os movimentos^apjocs'
onstituem as secresties. Tatajoba ....'...'. quintal
que sem a precisa combi- Travs.........urna
lonoiode ser elle appli-l'hasdebo ......cento
te. Multas vezes o ora- HgfS*^?**
tlCO deixa de fazo applicacao do ferro por Ditas de carnauba
cunuecer ej.uspeitu que ofigado, o bofe ou Vinagre
Augu.-lo Vieira de Aiaonrr
liamelviro de Ca.-lru Fonseca e J o V-n*n to.
Bocha, perdrram o primeiro t00 tm njmw sm H-
iihain mairicul-do: bem como os -e^utolf- %ba 4*
segundo aun: Manuel da tk>u Pereira. Jal
Cesar M riel Monleiro, Fraakiia Fraoci-ru \Ut;t-
lo e Jo-Tav*re> I), rnellas Pessoa Junwr.
Secretaria da Iw-ola Normal de Plrwew, !
de noveiubro de IM>-">.
O seeretarto.
Mu miae Lopes Mmtmmat-.
3ECLiRAfE!.
irritatives que
Assim, pois, v-sc
nacao e modiicac
cado indistinctam
>
caada
pulmo, orio esencial da respiragi, ou
ou'ra entranba e t offeodida: enttetanto
que, se se vesse appttcado em tempo se
poderla ter evitado o desenvolvimento da
molestia. Assim, pois, o xarope prepara-
do como (ica expoi lo se pode usar sem ris-
co por nao offender as enlr. nhas. As mo-
1-istias contra as quaes o xarope tnico re-!
frigrante pode ser applicado com pruveito,
sao: as ameiiurrb as, ou suspenfao do llu- Bendimento'do"a^aTa"lo
xo menstrual das imiheres, anemia, ou di-; dem dodia 11..........
minificad da ma.-sa do s^ugne e sua consis-i
tenciaalterada, dotes de estomago, debili-
dade dos orgSos digestivos, faslio, fluxos
Alfandega de Pernamuco, 11 de novembro de
1865.
(Assignados):
O i. conferente, Joaquim Aurelio Wanderley.
0 2." conferente. Cicero Brasiletro de Helio.
Approvo.-Alfandega de Pernambuco 11 de no-
vembro de 1865.A. Eulalto.
Conforme. O 4 escripturano, Joao de Assis
Pereira Rocha.
55000
75000
25000
140*0001 erivio i
875000
35000
250OO
650' 0
200
105000
85' MM)
6500O
500
"vtnhi Casa da Miserieunlia 4*
Heciff.
janla administrativa da Santa Q*m to %n
cordla do Becife manda fazer pub ico iiae uf*
9 de Janeiro do anno vindoiiro havera rvnrarjc
nesla secretaria para provimoalo do loyar to rs-
preteudentes podero dirigir se a
ma >ecretaria para as prensas mf -rmaces.
Secretaria da tuto Casa de MiM-rkorOa K
cife 11 de novembro de I86.'>
O oficial,
Manoel Anioio V"*.,,_^
RECEBEDRIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
12:570514-;
8563W
mucosos, flores bra
do sexo femenino
13:424*695
da Neva.A novo jury.
Appellacoes ricis.
Appellanles, Antonio Jos Pires e su mulher
appellados, os herdeiros de Henry Gibson.
Nullo o processo por inco-iiDelencia da aecb.
Appellante, Frannis^f Muinn i d- Albujuerque
M-li -. appellado, Praacis-w Jjs Vianna.$ece-
b ira n iinbargos para declarar o accordo.
Appellante, Manoel Elias d^ Mmra appellado,
bacnarel Manoel Firraino de Mello.Desprezaram
os embargos.
de que sua baba pecoohenia nao chegara' at mira
para manchar a reputacio que felizmente goso.
Rogalh-1, Srs. redactores, a inserco destas li-
nhas o seo atiento venerador fi-l criado.
Jos Heanlo de Carvalho.

*UiiAJia A XiiJ
VA RE O A DES
^ciencias c mctlicin.i.
L-se na Union Medale de Pars:
Osjornaes de medicina fallaram por va-
rias vezes de urna descoberta importante
para a tberapenlica, que consista na desin-
feccao do oleo de figado de bacallio sem
Conli'imfo nos direitos queme sao confe- "e tirar nenhuma das suas prooriedades.
piudo^rancilcoS vlaln'Sc^E ridos n" ^ A" "*"" com o go- Temos o prazer de annonciar boje as-
verno, e as justicas do p.,i/., declaro que nossos tenores, que esse resultado foi obtio
at boje anda nao dirig representado ai- do de modo o mais completo por um hbil
guia ao meo governo, para o fim de nter- pliarmaceutico de Pars, o Sr. Cbevrier, que
vir com o governo brasileiro, para execu- conseguio desinfectar o oleo de figado de
cao do contrato cima indicado, equenun- bacalho c-.m o alcatrao e o balsamo de
carecebi, nem diss que bavia recebdo, Toln. As experiencias feitas por muitos de
caita do ministro francez residente no Rio nossos pratioselec ebres, nos hosp'taes e so-
de Janeiro offerecendo-me sua mediagio, l>re seus doentes particulares, as analyses e
cimo diz o Sr. Dr. Joaquim de Aquino Fon- ensaios de cbimicos competentes, no dei-
seca no seu artigo, publicadolioje no Diario xam nenlmma duvida a este respeito.
sent:nca.
DESIGNACAO OE DA.
Assigoou-se dia para jolgamento das seguin-
tes :
Appellacoes elveis.
Appellante, Jo- Bento de Oliveira
Jo Joaquim de Araujo Pinheiro.
DII.IGE.N01A CIVEL.
Com vista ao Dr. curador geral
As appellacoes civeis.
Appellante, Lourenyo Jos das Neves
do, Jos da Rocha Paranhos.
Appellante, Franklin Leopoldo Alves d Almei-
da; appellado, Patricio Jus Freir Maris.
PASSAGEXS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Giliraua
As appellacoes civeis.
Appellante, Luiz Jos Rodrigues de Souza ; ap-
ICaS, Clilorose, moleslias Itendimento do da 1 a 19
caraelerisada por lan- Idein d0 dia u
guor geral, accloriiacao paluda da cor ou
esverdinbada, empiibrecimento do sangue,
eofartes-ehronicos dAs visceras abdominaes,
alporca- ou escrophilas, escorbutos, opila-
C'to, |iallidez, e os estragos produzidos pe-
las molestias sypbiliticas: asthenia ou falta
de foi cas; fraqnezalgeral: e ha bydrope*
sia anazarca e ascites; tendo-se o cuidado
de observar nestas das ultimas molestias;
principalmente, ecmjtodas as outras, que
s dolo xaropo 6 te-
s urinas deseaibara-
CONSCL.V-O PROVINCIAL.
11
18:5 15910
5:3:10,5257
24:025516"
PRAgA DO RECIFE
appellado,
appella-
do llecife.
Hecile, 11 de novembro de 1865.
Ch. L. Cambronne.
Afl\lC4.l 'UAW.
pellada, D. Jur-epha Leopoldina de Mello Ifarinbo. Ja u;io tenlu no mundo mais prazeres,
M'iufada a propria vida,
Tal a crua surte, a desventara
D'uma alma perseguida.
Na solidao, meu bem, que me circunda,
Mil monstros me laceram;
Tormentos, que me rasgam o peito afllicto,
Vivas saudade. geram.
Assim vo se passando os curtos dias
Do meu duro vivar:
Appellante, Manoel Comes de Almeida Butelho ;
appellado, Manoel Jos da Gr.ica.
U Sr. desembargador Gilirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago
A appellacao crime.
Appellant", Manoel Bezena da Paixao ; ppella
do, o juizo.
Ao Sr. desembargalor Guerra
A appellacao civel.
Appellante, Francisco Gomes Prente ; appella-
dos, a viuva de Manoel Gongalves da Silva.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr. Porque sanhudo quer o fado hirto
desembarjldor Almeida Albuquerque Qu'cU Pee a' morrer.
A appellacao crime. ~ .
Appellante, Antonio de Souza Lopes ; appellada, Tr,le ace;,a- ^ ma.,ne4r: ns lnstes sons
a justica Tangidos pela dor ;
As appellacoes civeis. Sao eroido do vate ainda moco,
Appellante, a fazenda ; appellado, Manoel Fi- Vibrados por-am.>r.
gueira de Paria.
Appellante, a Santa Ctsa de Misericordia ; ap-
pellado, Aotonio da Silva Ferreira Jnior.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr desembargador Molla
A appellacao crime.
Appellante, o juizo ; appellado. Manoel Gomes
da -ilva.
A appellacao civel.
Appellante, bacharel Manoel Firmino de Mello
appellado, Francisco Jos Sveira.
Ao Sr. desembargador Assis
Pernambuco, 12 de novembro de 1865.
Petromo Nstor de Souza Magalliaes.
Relatamos aqu as proprias palavras de
um juiz muito eminente e competente o Sr.
Dr. E. Ilunibert, laureado da academia im-
perial de medicina, e profesor de Cbimica
Submetti a analyse, diz este distincto
professor, o oleo de figado de bacalho na-
tural desinfectado pelo processo do Sr. Che-
vrier, e posso certificar que esse producto
nao perdeu nenhum dos seus principios
medicamentosos nem cbimicos, que se
acham no oleo de ligado de bacalho ordi-
nario. A fraca proporco das substancias
estranhas que e poem no oleo natural para
dissimular o cheiro e o sabor desagradareis,
nao pode de nenhum modo alterar suas
propriedades medicaes e s a torna de um
uso fcil e mesmo agradavel.
Em resumo, o oleo de figado de baca-
lho desinfectado pelo processo Chevrier
goza de propriedades idnticas ao oleo de
figad) de bacalho ordinario, que elle repre-
senta exactamente.
Elle muito ben tolerado pelos doentes,
os quaes elle nao anoj e tomado peas
pessoas cujo gosto e olfato sao dos mais sus-
ce tveis.
Hoje que o oleo de ligado de bacalho
\ juriibcba.
As virtudes. Iheiapeuticas da jurubeba sao desde
muito condecidas nao s no Brasil, pois que dellas
Iratou Pisn em sua excellente obr-Historia na- tem-S tornado um dos agentes OS mais im-
turatis et medica nuce accidentis* seno as j portantes e preciosos da therapeutica, quem
Antilhas, onde o sueco das folhas e fructos e, como pccnhrin nm Aa ,. tm-nor Z m Jn n_
aqu, muito estimado e applicado contra as obs-
descobrio o meio de n tornar de um uso fa-
um dos effeitos saluta
ro-ventre correte, e
Cadas.
modo de usar-se regular-se vai
cripto no letrero preginlo no frasco.
\ ende-se nicamente na botica da
Direita n. 88 de
Jus da Wocha Paranlios.
des-
rua
CGMMS
ICIO.
o (io Brasil em
Caia lilial 'lobam
i'ei'iiambtco.
A caixa desconla as letras de sea aceite pela
taixa de 7 0|0 ao anno.
Oguirda-livros
Ignacio Nunes Correia.
Sovo Banco de Pernambuco
O Novo Banco paga o iSecimo quinto di-
devindona razo de 85 poraeco.
.\'ovo banco de Pernam-
bucoi
O Novo Banco descouta letras de praso ata seis
mezes a 10 por cento ao anno, e loma dinheiro
a praso xo, ou em coola coi rente pelo premio e
condigoes que se convencionar.
ALFANDEGA.
Beodimento do dia 1 a 10......
dem do din II............L.
201:45:15379
17:3355961
218:9895310
MOVIMENTO DA ALFAEGA.
Volumes entrados com fazendas----- 563
com gneros..... 274
Volumes sahidos cem fazendas..... 78
coai gneros..... 439
- 837
Descarregam hoje 13 do correte.
Vapor inslezOHndamercaderas.
Escnna inglezaC/ar Escuna inglezafiant Bonnijcarvao de
Barca inglezaBelle l'oul=\dtm.
-------517
Arsenal de gaerra.
O cun precisa comprar o >egumie :
Para aula do presidio Je Fermmio
Cartai praiicas para nso da> ocolaa \ d.mirilla clm-laa 10. Culleccao He romprudieo po-
ra as aulas de primeiras letras 50, elemeMu to
geojtrapbia universal 23, econ -mu da vida hnmte
ni i'\ thesouro de menina- io, iii-tofa dr m.
de Naniua 25, o* deveres do h-im-io 45, setrrt?
claend*> **
.'rarnmalica porlucueza 50, tra-la4os orli
pedras de lousa 5:i, errie* oo, >)jpel almajo, r-
ma- ><, peuua- de a; > % eaoaa, p-^him iap- V 4b-
zias, canelas loo, liuleiro- de chumbo, pares it
Para i-ruvimeiiio d,, almoxarihito.
11,000 metros ue orim bran;o, e '>,:*
algodauzlnho.
A< peaaM que -pnzerem vender dit >niyw
aprsentelo suas propostas na saU ilo nm*tipm. at-
II horas 'la mnltia do da I" Jo rorrele.
Sala do coiiseijiode compras do arsenal to gaar-
ra 11 de oovembro de IH*>.">.
O eocarretrado da escriptarafio
Manoel Jos de Az^ved Sanio?.
Arrematando.
No dia 14 do corrent", i- li :
do Hlm. Sr. Dr. joiz de orphio* ira a prae.i nmt
venda com o alni^ da ir parta n sobrado to irrs
aodares e s to da ra do Amona n. i-"., rt
em 5:0005, conforme o escripto em mao do por-
teiro.
Consiliario pi'oviaciaf-
Pela me-a do coo-ulado provincial s* Un poM-
co ue ho dia l i do coi rente me; bao ile rn
malar r 11 hasta publica, a' jmiu dela rej*-..,-a>
10 iii'io dia, o esciavo Firmin, cale-a, idad^ iHr It
anuos M-lti-iro e sem prolis-a.>. e avallado por. ..
1:10(1?, appiehenlido aos cmiueicnnles A: re ,*
Veras pelo ofleial etierao da Ncromna da y r*
Jos de Vascuneellos. ~\4 eoor*M de cabra ert-
d"S, 30 ni- io- d..- -ula e li |p-!i -. i[ [,r h
Thooiai Time.- pelo uarda de.-U mesa ttamtwto
Jora* de Souza.
Mesa do consulado provincia! di pero rribTf
9 de novembro de ISfr'i
Antonio Carneiro Ma hado Re
Admini-tralor.
A inspectora d.i alfandega d---U rid..-le, *k
viriode da porlaria da iheynonna to f..?. : s
lil. de.-la dala, pne-a coniiaiar para -N
te da no .ma reparlica > B rarrtoli anno minore.
de 1865-INC6 os obleClos abarlo declarado" : e-
(cando em deposito 104.000 ar-'J preten lentes deverao apreselOf -oas pntpm:
robas, e a do Bio da Prata de | ''"i fia fechada al o da 15 OsN ir.ez V tt-
c:io -la alfndegJude Pernambuco 6 de nuveakrc
de 1805, a saber :
Para a puardamoru.
Lonas, brins, baadriras para si^naes de 2 r 7-
panuos, ol- o de liohaca, tintas preparadas a ika,
ili[;i> em i-u, breu, alcatrao, veroiz, fio de al|c,>f
lijlos para impar ferrageos, piassava, estopa, ele
Para lacracao.
Graxa, sebo, cera em prume, radarco tftn'to.
aiarcio, tasas de bomba, cabos de d ffrrente* rjoa-
lidadis e frostora, azeiie de carrapato e de vt*.
laniernas uu pharues, faquetas de ferro, rorresMTr
de (iffereutt-s froasoras, lema de difVreav*s l^ma
ulvis, remos de 12,14 e 16 [ es, louca de roxioaa
Para serrino de capitana.
Livros em branco i ara os armazen*, azeiie don
paia^is guindastes, tinta ruxo-lerra em pd. brexat
para pinturas, veruizde carvao de podra.
Para o expediente das secees.
Quadernos de papel paulado parh exlrar. mappas, papel greve pautado, dito liso, dJlodels-
uho, dito matta-borrao, pennas de ico, dila* da-
aves, lapis prole, ditos de cures, tinta prrla e rOft
para i>cii-vir. dila niezim, rea prea, vbrc reguas, cadarzo, caivetes e raupodesro.
;i V- e.-ci Ipiulario,
Juao de Assis Per ira Hofta.
A'STRESHOBAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........Sacou se sobre Londres a 27 ',.
27 X- 27 ,'. 27 /,, 27 Vi, 27
Vi e 28 d. por 15000, subn- Pa-
rs de 318 i 350 rs. por fr. e
sobre Lisboa a 100 por rento-de
premio ; montando os saques ef-
feciuados nesla semana em
120,000.
' Algodao......... O de Pernambuco vendtu-se de
185500 a 20000 por arroba, o
de Macei. posto a bordo, d-
195500 a 215000 e o da Para-
hyba de 205500 a 2150O, tam-
bem posto a burdo.
Assucar........ Vendeu-se o branco de 45000 a
15100 por arroba, o somenos a
35200, o mascavado purgado a
25800 e o bruto de 25500 a
25600.
Agurdente..... Vendeu-se a 75{000 a pipa.
Couros ........ Os seceos e salgados vendern)
se a 135 rs. por libra.
Carnesecca.....A do Ido Grande do Sul vendeu-
se de 25800 a 45200 a arroba,
pedra.
A appellacao civel. trueces abdominaes, principalmente do figado e c'' Para todos, prestOU um verdadero Ser-
Appellanie, Malinas Lopes da Costa Maia ; ap- bacj; e se todos os facultativos desta provincia o' ico arte de curar e aos praticos.
pellada, D. Mana de Jess Cordeiro. n.io applicam com frequencia, isto se nao deve a Por isso nao podemos concluir melhor
uosr desembargador Motta ao Sr. desembar- nao recuohec.erem elles essas virtudes, mas slra a n iiip flieiiniln n o_ pi,,,..^. nnp C1 Barca inglezaConslanfe-idem.
gador Assis nao serem encontradas com facilidade e em todas i a. que It"cl*anU0. br" ^lievr|er por Sua I Crj mlei_Carrte M. ,-ldeo.
A appellacao crime. as estafos do aono os fructos dessa plaBta, e a re-!nca e lU" uescoDerta que merece de ser 'Brigue hespanholT/i-mofco /=vinhos.
AppeUanle, o juizo ; appellada, Francisco Jos puguaucia, que apres nlam os doentes pm faer propagada, e dizer com meu collega 0 Sr. Lugre inglez-E/ijisAmn -carvao de pedra
Dr. Richelat os trabadlos que conduzem as i Escuna hollandeza-G^inadiversos gneros.
descobertas d'esta especie devem ser pro- Patach0 nortaaez ^rto-chirqot.
tegidos pelos mdicos.
Os importantes trabalhos do Sr. Chevrier
de Souza. uso do sueco desses fructos, ern consequencia de
As appellacoee civeis. ser extremamente amargo.
Appellante, Manoel Lobo de Miranda Henriques; A jurubeba nao deseouhecida dos botanistas :
appellado, Manoel Ulias de Moura. esla planta pertence familia das solaneas, e tem
Appellante, D. Joanna Maris, das Dores ; appel- a denominacao de solanum pamculalum, que lhe
lado, Antonio Joaquim de Mello. foi dada por Lyoeo.
Appellan-.e, Domingos Jos da Silva ; appellado, Parecendo-ns conveniente facilitar o uso do
Benedicto Marques da Silva. ; sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
Appellanl -, Joaquim Carneiro Machado Bios; pregado, nos propojemos e conseguimos preparar
appellado, hraociseo Xavier Torres. com elle nao s um extracto aicoolico que pode ser
Appellante, Albino Jos Ferreira da Cunha ; ap- applicado em pilulas, mas tambera um vinbo, ura
pellada, a fazenda. aarope, e um emplastro que pode substituir, em
Do Sr. desembargador Assi ao Sr. desembarga- i certos casos, o de Vigo ; o estamos persuadidos que
dor Doria eoro isto prestamos um servico humanidade e
Ai appellacoes citis. hlerapeuiica.
Appellante, D. Maria da Luz Telxeira Costa ; I Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
appelhdo, Jos Joaquim Ferreira de Souz. coeco das raizes da jurubeba, e Mrat e Delens,
Appellante, Lourenco Beserra de Siqueira Ca- em seu Diccionario de materia medica e therapeu-
raleante ; appellado, Dr. Amaro Joaqaim Fonseca iica, dizem que as An'ilhas se faz uso do sueco
35000 a 35400, iican-lo em de-
posito 5 000 arrobas.
Arroz.......... Vndense o pilado da India a
25500 por arroba, e o do Mara-
nhao a 25500 a dila.
Azeiledce......Vendeu-se o de Lisboa a 25600
o galo.
Bacalho.......Em atacado vendeu-se a (45 por
barrica, e a retalho a I45500,
llcando em deposito 7,0a0 barri-
cas.
Cerveja........ dem de 55000 a 65000 a duzia
de garrafas.
Farmlia de trigo. Retalhou-se de 225000 a 235 a
barrica da de Pniladelphia e
New-York, de 215000 a SlfOOO
a de Baltimore, de 205000 a 225
a de Triesle, a 85000 o sacco com
100 libras da do Chile ; licando
em deposito 1,400 barricas da
primeira,4,000 da segunda, 1,000
da terceira, 3,500 da quarta
e 5,000 saceos da quinta.
Louca.......... A ingleza ordinaria vendeu-se
com 300 por cento de premio so-
bre a factura.
Manteiga.......Vendeu se a ingleza a 840 rs. a
libra, e a franceza a 750 rs. a
dila.
Massas......... Venderam-se a 65000 a caixa.
Oleo de linhaca.. Vendeu-se a 15700 o galo.
Passas......... dem a 65800 a caixa.
Presuntos.......Venderam-se a 165000 por ar-
roba.
Sabo.......... O inglez vendeu-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a 240
rs. a dita.
I Toucinho.......Vendeu-se o de Lisboa a 125000
a arroba, e o do Bio-Grande do
Sol a 95500 a dita.
de Albuquerque,
LFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS PIlEgOS DOS GNEROS SUJEITOS A DIREITOS
sobre o" oleo de figado de bacalho lhe fi-1 DK exportaqXo.semana db 13 a 18 do mez de Vinagre........ole" PorTuga vendeu-se de 905
zeram obter um resultado nao menos im- KOraMBRw "JL -^.J_ ~________ a 1405000 a pipa.
portante, o qua. consiste em ter associado o Abanos. MerCad0mS-. "l Vfi V,nhM.........tgTmXS
ferro ao oleo de figado de bacalho. 0 oleo Agurdente de cana .... caada 800 tros paizes de 1505000 a 160,? a
de figado de bacalho ferriginoso de Che Idem restilada ou do reino > 800 |tj.
orier constitue tal vez o melhor meio de dar- J; 22S-'..... |
se o ferro. Pois o iodnro de ferro uoido .dem alcodoa espirito de aual '
deste modo com o oleo de figado de baca- rdeme .......
Iho se dissolve mais fcilmente nos liqui- Algodao em caroco .... arroba
dos das vias digestivas e por consequencia Adrermzecr,acmsCan em 15a
se assimila muito mais bem do que sb a idSn dSScSo o pilado .' .* "
dos fructos maduros dessa planta contra o calar-' forma de pilulas OU xarope. Emfim elle Assucar mascavado
45500
185000
15500
25600
25400
Velas..........As de composigo venderam-se
a 600 rs. por pacote de seis ve
las.
Descntos.......O rebate de letras regulou de
9 a 12 por cento ao anno.
Fretes.......... Para o Canal ioglez 526 5 %
{ara Liverpool em navio de vela
d. por libra sem prlmagem, e
va apor 1 d. X Por liDra 5 "/
<;o.litlO i,.;ul
Pela admiiu-irac.i.i do crrelo ae faz publico que em virtude da roavea(>
lebrada pelos ^vernos brasileiro e fraecea,"
expedidas malas para Europa no dia 15 do troo
le mez pelo vapor inglez Rkont.
As cartas sero rerebidas al as hnr* asna-
da que l'ur marcada para a samda do vapor, fie
jornaes al tres horas nl AdminisiracAu docirreio de Peroamboe tTmm
novembro de 186o.
O administrador,
Domingos dos Pa.ss.js 1
Directora das liras ilitare*
A directora das obras militares nasa 4 soao>-
dar proceder ao concert de qne necessita a feto
da lurlaleza do Brum, convida ao saatMoa sjoe mto-
zerem incumbir-se de tal cooeeito, a apawnotmiB
suas propostas na dita directora, nos dio* M, 13
e 14 do cor rente mez, das 10 horas wmssn.
oode podem receber os esclartriamioi 0> tftmt
precisarem.
Dir torta das obras militares io
de 1865.
M.I. Brido
Director.



Diario de ^roibncd s nada lera 13 Je Xovembro de !&.
Rinda a audiencia do Sr. Dr. provelojwlos
^1
teiidanti se procrdera* a arretnatac&o de doto^es-
*rvo< farros na melada pelo testamento de Ang-
lica Candida de Albaquerque, no dia 11 do cor-
real.
Cear
Bous IrmSos : a tratar com Tasso
O hiate
Irmos.
Para o Rio d Janeiro segu em poucos dias
o patacho nacional c F > por ter parte de seu
carregamenlo promplo ; para o resto tratase com
Perante a cmara municipal desia cidade
asurao em praca nos dias 11, 13 e 15 do corren-
te para serum arrematados por quem maior preco [ sea cuusignalario Domingos Alves Matheus, ra
aierecer, os alupueis das casinhas ns. 13,18 e 19 do Vigario n. 14.
da ribeira da freguezia de S. Jos, as quae? dei- ._________
CURSO ESPECIAL
DI
PAEPAll TORIOS
para os estudantes que devem
fazer acto em marco.
Jos Soares de Azevedo, professor de
Ofe PA KAG U A MIS
E' a ojW"iiD ia AcaD;lr com os Para-
gita a bsrfc nela a Hlilli' a revolver;
fulmina-los com o> encouracados armados
do esporoes, armstrong* e ra'a 120: exiermma-lr* em ini^3 a espada, a
fa io e a panbal de que Be irata; mas
UILfll
Leilao
lingua e liiteratura nacional no Gymnasio oiognem se lembrot anda de esmagar os
j Provincial do Recife, tem aberto eui sua ca- Paraguayos cojo as arrwas que Deus nos con-
!sa, ra Bella n 37, um curso especial dos' *Aea; ac;,bar cnm elles'a laL'a0 e a ponta
i ____. pes, para o que e necessan encoaracar esta
seguintes preparatorios, para aquelles estu-p8rte do no^so Cm forn,il]ave3
I I I 1 1 1 i i i i l 1 C .... a n _^n a a------* _
xarara de ser arrematadas; aqaelles que preten-
derea concorrer a arremalaco podem apresen-
tw-se nos mencinalos das, no pago da mesma
amara, nucidos de carias de flanea para o dito
fina. Pac.o da cmara municipal o Recife 8 de
' La Jos Pereira Simoes Da 250 quilaes de ferro ta Suf-cia dantes 9ue. liverem de fazer exame emjl^aip^-^^n^cob^wfii^kcosi
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem
Secretario
De ordera do lllm. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se fa>. publico qne
:i>> da 18 d) corrente mez, as i horas da tarde,
perante a junta da mesma ihesouraria i rao a pra-
;a para serem arrematados por quem menos
zer os coocerlos, pintura e catadura de que ne-
cesita o lazareto do Pina. O ornamento ser mos-
trado a mesma thesoureira aos pretendentes. As
pessoas a quem convier a sobredita arrematacao
dererao comparecer nestt mesma thesouraria a
hora e dia indicados. Secretaria da thesourana
4* fatenda de Pernambno em 10 de novembro de
Servindo de offlcial maior,
Manoel Jos Pinto.
em barra.
HOJE
O agente Pestaa Cara' leilao por conta e risco
de quem pertencer de 250 quintaes de ferro da
Suecia em barra, o qual sera' vendido em lotes a
vontade dos compradores : serundafeira 13 do
corrente pelas 11 horas da manila no armazem
do Sr. Azevedo defronte da eseadinha da aifan-
deg._______________________________
LKiiii
l Jai coatlnuacSo.
margo prximo
Lingna Fraaceza
Cicographla e Historia
Philosophla
Rhetorlca e Potica
As pessoas que se quizerem utilisar desta
vaotagera, podem dirigir-se indicada re- B irseguins para
i sidencia, de manha at as 9 horas, e de elasteo.....
Sapatos de lona.
quetira marmore e outros que se vendeu?
4A-HIA Mllll?I I A 44
Borseguins Bordeaux.
patricios.........
para senhoras, en-
feitados.......
com laco e fivella ..
Sapatoes encouracados.......
meninas bom
8,5000
5,5000
54300
40*00
5000
Do vialio liuto em
pipas,
->
e!0c
TiiGvra;
DE
P'
Theodoro Chnstiansem nao teodo acabado de
concluir por intervenQo do agente Pestaa, o
leilao do vinho tinto, o fara' hoje em lotes a v m- i
lade dos lidiantes, pelas 10 horas da manha
em ponto no largo da escadinha da alfandega.
Leilao
De queijos smssos
Segutida-feira 13 de novembro.
O agente Pinto fara' Idilio por conta de
pertencer de alyuns queijos suissos, as II
do da supradilo ni armazem do Sr. Aunes.
qoem
horas
EMPREZA--0OIMBRA
Sedta extraordinaria em beneficio das
br*s i!a igreja tte I. S. do Terco TTuAO
Tei^a-feira 14 de aoyiiibpo*Mu*bmum*n& em garrafas
de 1865. e meias ditas de liass engarrafadas
Bi'preenti.r-se ha o drama em lacio?, ornado por (i'd .Iones
Srtgunda-feira 13 de novembro as 10 horas
tarde a qualquer hora.
Sociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
S
3dU00
20000
1S60U
l<5r.OO:
APiVIDiTi
sola elstica.
avelludados.........
de tranca...........
econmicos para se-
nhoras........... 500
com salto de lustre.. 2#240
Chineloes do Poro.......... 15600
Um completo sor timen to de calcado da
trra para honraos, senhoras e meninas;
assim como bezeiro francez, couro de lus-
tre, marroquins, tauas de todas as quali-
dades, (tas para sapateiro, muito sortidas,
de msica
AS RECORDAQOES
Fioalisan' o espectculo a comedia em 1 acto
TO T03QUAT0
Gomecar a< 8 horas.
em ponto,
Thorn Boukinyoung iSt Robera fario leilao por
conta e risco de quem pertencer e por intervengo
do agente Piolo ca cima meucionada, no dia e hora supradilos
em frente aa annazeni do Sr. Anues em frente a
alfandega.
O banco AlUanqn do Porto leudo estabelecido es-
ta sociedade dehaixo de sua immediaia vigilancia
e responsabilidad, facllitou a creacao de rapitaes,
dotes, rendas, pensi
mas etc., por meio
nuaes. as uuaes convertidas em ioscripedes da di- j
villa publica, de renda nacional, e da mesma forma 2??5 -* ''--' '* w* ^ '"
os juros somestlDM ^|^,, d'ellas se forem vencendo,
ficam por um cerlo numero de annos em deposito,
FABRfJA A VAPOR
99 RA 00 MOM0E6O 99
Deposko na ra HMa n. 50 ioja de rrlojoelro.
O dono desle eslahelecimenio partecipa ao respeitav.d publico que sw fat.nn
est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e que pNl fabricar
com melbor perfei(,o possivel. Todo o choeulate desta fabrica est garantido, e i poro
o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende porprero Sol
visto os productos serem do paiz. Na etiqi eta tem sempre urna aguia '
PRECO.
Meia libra......... ii.o
....... 800
Urna libra.
Urna arroba
tn,->(XX)
( ......i"ii <% \j o. i" uo i'Ouiiai-.".
iscs, isencoes do servido das ar- solil e couros que ludo visto necessariamen-
o de subscriptos unirs ou n- te faz cobica ao comp ador pela barateza.
comp ador pela
DEPOSITO DE GA LADO 1
LEILAO
DE
, i tii a- I Urna mobilia de Itcaranla a Lnil XV, 1 dita de
5r-1 amareilo, 1 cama franela, I mesa elstica de
'." i voto
Antonio Jos Duarte Goimbra, mui digno
OOtprezario do tliealro de Smta sabel.
A mesa regedora da ir muida le do N. S. do
Terco, e.mpenhida na coacluso d,s obras da sua
Igrejja bateu a iiorta di lllm. Sr. Goimbra e e>te
nao s Ibes conceden gratuitamente um beneiicio
pan a continaaco dessas obras, mas empennan-
sen mu dijiri) esposo, cel.-ram estes lambem ge-
nerosamente o seu auxilio para tao louvave.l ftm.
Vai a Beeoa aminbaa terca feira I i do corren-
te i drama -Rj:onlac,o-.s da Moim ladeconforme
o (irofjraiBma annunciado.
A mesa re^elora fazeod*j esta poblicaijao em-
penda teeontos de mata seas irmios e amigos a
-!ia lir a'esse acto visto >|ue o sen producto destina-
do para um lim tao meritorio.
Aceitero p>rtanto pelo presente os mals sinceros
3iadeciineiitos.
4fIS0S MAaiTIMOS.
tara o Rio de Janeiro
Vai sahir com brevidade o brigoe Adelaide
por ter a maior parte de s^u carregameiito traa-
do ; e par o -yv< Ihe falt, trata-se com o eoosig-
aaurio Joaquim los Giooalves Beltcao : na ra
da Vigari n. 17, Io andar.
PARA U
Rio de Janeiro
pretende segoir com multa Itrevidade o palhabote
aarional Pi'dadr, (em paite do >eu carregamenlo
engajado : para u resto <|ue Ihe falta e escravus a
.Vrfe, para os juaes tem excellenles commodos,
trata se com os seus consignatarios Antonio Luiz
di Oltveira Azevedo & C, no seu escriplono ra
da Cruz n. 1.
amarello, 1 sanetnano de Jacaranda', I horra
de farro, cadeirac, mesas, sofs, manjuezas e
outros muitos olijeclos do marcineiria nova e
usada, calixes, apparelhos de almoco e jantar,
candieiros a gaz e vender' tambem 100 cha-
peos do Chili etc.
orleIro alindes
por conta e risco de iiuem pertencer fara' leilao
dos movis e mais objecios cima meucionados,
i>to
Tcrca-feira 14 lo corrente as i I horas
No armazem a ra da Cruz n. 57.
Leilao
Da cocheira de carros^^a ra do Sol
numero 27
Coustactlo de
3 carros quasi novo.- com seus perteoces.
7 parelhas de ca val los.
r'i'diicisco Torres Oosla
fara' leilao por intervenQo do agente Gordeiro
SimSes.dos carro*, cavados e mais pertem-es de
sua eocheira sita na ra do Sol a. 27, visto reti-
rar-se para Europa alim de tratar de sua saude,
cvjo kilosera' effectuado na mesma cocheira na
dia
Quai'la-fi-ira lo do correle
as 11 horas em ponto.
LEILAO
GOMPANHIA BASILEIRA >" l'''ge fi'ancez Caroliie cora tolos
PAQUETES\ VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at o dia 17 do corrente, o vapor
Paran, commandante o capitn
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do coslume seguir' para os portos do
sul.
Desdeja recebem se passageirs e engaja-se a
carga qne o vapor poder eonduzir, a qoal dever
s^r embarcada uo dia de sua chegada, encom-
meodas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
i horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luizde Oliveira Azevedo & C.
Ol A MU BKASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do sul
al o dia 14 do corrente o vapoj
Galgo, o qual depois da demora
do eostutne seguir para os por-
tos do nort--.
Desde j recebem-se tiass.ig.'iros e enaja-se a
;ara que o vapor poder eonduzir a qual dever
aw embarcada no dia de sua chegada. encommen-
Jas e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
nio Luiz de Oliveira Azevedo COMfANHIA PERVAMBLANA
M
Xave^acao cosleira por vapor.
Parahiba, Natal, Maco, Aracaty, Cear e
Acarac.
Segu no dia 22 do corrente o vapor Mamangua-
y., c.irntnandante Ralis. Kec.ebe carga at o dia
21. Bneommeodas, passag-iros e dinheiro a frete
at 2 horas da tarde do dia da sahida : escriptorio
no Forte do Matos n. 1. .
GOMPANHIA PRRNAMDUCAIfA
DE
\;ive",arao costetra-por vapor.
Tamandar,'Barra Grande, Porto de Pedras,
Camaragibe, Macei, Penedo e Ara-
c j.
O vapor Parakiba, desta compa-
nhi-i. sahira' (ura os portos supra
do da 14 as 5 horas da tarde. Re-
cebe carga al o dia 13 ; encom-
Imendas, passag'ipos e dinheiro a
frete- al as 3 horas do dia da sahida : escriptorio
.da compantiia do Porte do Mattos n. 1.
rara Lisboa
sahira' cnm brevidade o brigue portuguez tCons-
tante II recebe carga a frete e passageiros, pan
* quaes tem eicellentes commodos: trata se com
Mamtel Ignacio de Oliveira Filho. no largo do Cor-
, po Saot i o. 10, escriptorio.__________________
PARA LISBOA
vai eahir com brevidade o patacho portnguez 'Ma-
ra da Coria, cap to A. H. Volante, recebe car-
ga e pa-saueiro : (raase com o consignatario E.
B. (tabello, roa do Prapiche n. 44.___________
Para
Segu ao Indicado porto com a possivel brevida-
deu'vH i'o hiate lindo Paquete : para carita ira
ta-se rttm o consignatario Antonio de Almeida Go-
oms. rn.i da Croa o. 23. 4* andar.
AsoC e Cear
S^ue por estes dias a barcada tDous Amigos,
aiada p le receber aifama carga i a tratar no
s.de Ramos a. 14.
sens peitenccs tal qual se acha an-
corado nesle porto.
Quaita-feira 15 de novembro as 11 horas
em ponto.
NO CONSULADO FRANCEZ BA DO TRAPICHB N. 14.
O agente Pinto fara' leilao por orden e em pre-
senta do lllm. Sr cnsul de Kranga, com previa
participacao do lllm. Sr. inspector da alfandega,
com assistencia de um empregado da mesma re-
partico para o me*mo Qm nomeado e por conta e
risco de quem pertencer do casco, apparelho, so-
brecellenles e mais objectos pertencentes ao bri-
goe francez Carohne, tal qual se acha ancorado
neste porto, onde foi legalmente condemnado por
ionavegavel, podendo os pretendent-s desde j
examnalo em face dos inventarios existentes nao
s no consulado francez orno no escriptorio do
agente encarregalo da venda.
O leilao ser efectuado as II horas em ponto do
da lo do corrente, no consulado francez ra do
Trapichen. 14, segundo andar.
LEILOES
DE
Mobtas. trastes avuls s, relo-
gios ile alyibeira e purede,
objectos de ouro c prata, cu
bri det com arrcios, escravos
de ambos os sexos, cystaes
e grande quantidade de ob
jectos do uso domestico
Quarta-feira lo e sexta-feira 17 do
corrente.
NO GRANDE ARMAZEM DE LE.LOES
DO AGENTE
OLYMPIO
36Rna da C adela do H.ecie-36
at que. lido o prazo estipulado, sao restituidas
aos socios com os interesses amooloados, bein co-
mo as que pertenci-rem aos assoelados fallecidos,
visto que d'esles sao lierdeiros os sobreviventes.
Pela engeuhosa combinaban econmica adoptada
nos clculos desta sociedade, v-se que, com urna
entrada annual de '0000, por exemplo, obtem se
em a anuos 4503000 a 350(K)0, em 10 1:3005000
a 2:O0Oo(JOO, em 15 3:3003000 a 4:3005000, em
20 8:000,30110 a 10:0005000, em "23 18:0005000 a
23:000OO, confirme a idade do indivj uio sohre
qoem feilo o segur, pois que nos referidos cal-
culos conta-se com a maior ou menor probabilida-
io de duracio de vida.
Esta sociedade sobretodo va ota josa aos chefes
de familia, visto qdt Ihes facilita sem sacrificio a
fundacao de um capital ou dote para leas filhos ou
Gibas, segurando os quando nascem ou emijuanto
san enancas.
Quem, pois, mais circnmstanci.i I s informa^ues
desojar sobro tal sociedade, ou se quizer Inscrever
como socio d'ella. dirjase a ra da Madre de
Deus n. 28, onde sepoder entender corn Jo;io Gar-
los Goelbo da Silva, que para isso se acha encar-
regado,
A vinva, iinii, e mais prenlas do fallecido
Francisco Antonio Cavalcaoii Coosseiro, do intimo
d'alma aradecem a todas as pessoas qne se leem
dignado sorcorrelas no estado de dlsvalimento em
que se acham, e mu especialmente ao Exm. Sr.
vigario capitular, ao livm. padre-nirstre Francisco
Jos Tavares da Gama, ao lilm. Sr. cor
Jos Pires Ferreira, ?o Ezm.'Sr. barSo do Livra-
mento, e aos lllrns. Srs. Joaquim Monleiro da Cruz
e Sympnronio Olympio de Queiroga.
Club permimbuciuio.
A partida do mez de novembro lera' lu-
gar na noite do dia 15.
A Semana [Ilustrada e o Bazar Volante do
Rio de Janeiro assinam-se na na do Crespo D. 4.
Tambem ha colleceo do Io de julho en diante.
Aluga-se a ca*a terrea da ra do Ifendego
n. 65, com bous commodos, qoiitlal e cacimba, a
chave est na olaria junto a mesma : a tratar na
ra do Imperador n. 81.
Aluga se a casa terrea da roa de Sania Rita
n. 60, juuto a igreja, concertada b.i pouco e com
hons commodos, quintal e cacimba : a tratar na mi
do Imperador n. 81.
Precisa-se de um bom copeiropara urna casa
eatraogeira : trata-se na ra do Vigario n 2, es-
criptorio.
so nos
ARTISTAS MECHAMCOSEUltERiKS
DE
PERNAMBOO.
Deordem do lllm. Sr. vice-director sao convida-
dos lodos os senhores socios a comparecern) a
sess.io extraordinaria ler{a-feira 14 'lo corrente.
as 7 horas da tarde, no lugar indicado.
Secretaria da sociedade dos Artistas Mchameos
e Liberaes de Pernambuco em tl oe novembro de
18G3.
Risilio Barros
Io Secretario interino.
m
:
m
PABUCDAN CASA l)E DETENgO
Ra \nva a. I.
Ahi se encontrarao obras de di-
versas quali.lades, e por preco mui
diminutos, a retalho e em porces.
So se vende a dinheiro.
m
m
Na mesma fab ica acaba de se monlyr urna oflicina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para ediflcio, para o que encarreg -se de fazer portas, ja-
nellas, assoalbos (parqu francez como .se usa na-Europa,) ludo com bre\idade e'per-
feic5o. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, rnlil|W|| m promn>a i
collar-se no lugar.
AO PUBLICO
Est de morada oesta cidade chegado ltima-
mente da Batiia Paulo Antonio Caparro, interprete
dos idiomas italiano, Ingles, hespauhol e francez, e
lambem de geograptiia, caligraphla e arithmetica ;
ensinando es-es idiomas grammaticalmente, nos
quaes tem ptjofndos c m.'iec.iment >s : poder ser
procurado no hotel Italiano a qualquer hora do dia ;
a precos commodos.
Precisa- e de urna oserava para todo o servi-
do interno de urna casa de tres pessoas : na ra
do Hospicio n. 62.
gimn i. Mmmm
^ O Dr. Carolino Francisco de Lima San- Wt
9 tos continua a morar na ra do Impera- >sx
M dor n. 17, segundo andar, leudo alias seu *|
;.: gabinete de consultas medicas, logo ao -^l
'M' entrar, no pnmeiro.
w O mesmo doutor, qne se tem dado ao i(
' I estudo tanto das operacmes como das mo- ;$jj
tjtt leslias internas, prestase a qualquer cha- mm
p mado, quer para dentro quer para fra M
.^ da cidade. V
wwm mmmm mi
Venwavel ordein 3a Carnt.
A cnmmissi abaixo assigoada, encarregada da
reedUcacio do sobrado incendiad > na ra das
Crnzes, convida os meslres de pedreiro e carpina
qu-- quizerem enoarregar-se das obras precisas, a
comparecerem na ra Nova n. 63. alim de abi se
Ibes di/.i-r quaes as obras que quer, para darem
seus ornamentos
Jos Joaquim Lima Bairao.
Joaqnnn Pacheco da Costa.
Ten lo a irmandade do Divino Espirito-Santo
da igreja do Collegio, resolvido em sessao de mesa
ronjiinta, mandar fazer de marmore braoco lino a
eapella-ir de sua icreja; convido de ordem da
me-a regedora (|u-Uas pessoas que se acharen
habilitadas a mandar executar semi-lhante obra,
a exaniinarem a plaa que se acha exposta na sua
sacrista, e a apresentarem as uas propostas no
prao de 40 dia< contados desta dala. Consistorio
da irmandade, em 10 de novembro de 1863.
O escrivao.
Francisco Belurmino dos Sanios Freitas.
m
I ,*a ^?:
ASTHMAt! ASTHMA ASTHIA!!
suffocqAo nervosa e oppressAo
nico remedio efcaz para combatr estas molestias, acalmar um attaqne d'asma e impedir a
volta o Xan'ipe aromtico de Succino 'mbar amarello) do r Danet. Iiescoberu inieiramente
rceme, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gravas aos admiraveis resal-
tados que tem sempre produzido.
Deposito eral, na botica Ghauveaud. ")i, ra do Comercio, Paris-Grenelle, e era Wlas
boticas de Franra e do eslrangeiro.
:
LC0H0LAD0 de GUACO
O Alcoholado de Guaco DE Pascal urna noya preparario da opal
basta mencionar suaspropriedades para appreciar sua imporlancia.
Em primeiro lugar um preservativo inlalivel do contagio vmerio (ver
folhetn para o modo re o impregar). .
2 Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphititicas de toda a especie, ulcerac5es primitivas e secun-
darias, ec.
3 Empregado em injeccOes, o melhor tratamento dos ctrrtmmtm
recentes ou cliroiricos na pessoas dos dous sexos c da leucorrhea n..-
mulheres.
4o EmOm como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas fe-
ridns de in natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das perno*,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda aacco mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvac&o
dos distinctote doutores Ricokd, Bauchet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre. Casa
Prince. Paris.
de expedido, PASCAL e C", 33, ra Monsieur-Ie-
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
- :i-t-
;
.-
MANOEL & C.
ATISOS HITEMOS.___
LOTERA
AOS 6:000#000,1:2000000
e 500^000.
BILHETES V 50000, MEIOS A' 2500 E
QUINTOS A' idOOO.
Corre (e-ea-felra SI.
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n. 15, os bilhetes,
meaos e quintos da 6* parte da lotera
(39*) a beneficio das familias dos volunta-
rios da patria, cuja extraecuo ser no dia
e hora do COStume. .Aan res, para homens, senboras e meninos. Qoanto aos
Os premios de 6:0000000 ate iO,>000, pr;?s s5o os mtl r,7.osveiS possiveis, tambem ba
serio pagos urna hora depois da extraccao um grande sortluento de pecas de seda, alpaca e
at as 4 horas da tarde, e -OS outros depois ; pao para as pessoas que quizerem eocommendar
A* rlistrihnir-ao das listas chapeos de sol e mandar cobrir armacSes servidas
da dtStriDuicao aas usas. eonc rtam-se os mesroos, sendo todo
As encommendas serao guardadas somon- fejl0 ^m toda a perfeicao, presteza
te at a noite da vespera da extraccao.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodr:^ues d Soaia.
Ao conbeciineiito do lllm. Sr. Dr. provedor
jniz de rapclla.
[Ilnstrissimo senbor, levamos ao conhecimento
de V. S. o estado em que seacba a igreja de ftossa
Senhora do Rosario do bairro da Boa-Vista, pelos
seguinles factos que se tem dado :
Senbor, a mesa re^ediira daquella irmandade no
auno de 186'!, passou a ser juiz o jniz Francisco
Silvestre de Mello, e deixando de s r thesoureiro JoSo
Francisco do Nascimeuio, o qual por meio de suas
admoesiacoes deizou de fazer eutrega de dous
rosarios de ouro de Nossa Senhora, e nem o juiz
empregou meios alim de que o ex thesoureiro dsse
contas, e sim o conservava de mesl. O geral da
irmandade Camiilo da Silva Gama, foi quem atro-
pelou o ex-thesoureiro alim de prestar cuntas dos
dous rosarios de .\ossa Senhora, e elle mullo
acouxado trouxe um rosario em mesa e fez delle
entrega ao juiz Joo Francisco Silvestre de Mello,
faltando onlro; nao obstante lito, Sr. L)r. juiz de
capella, o juiz lan^ou mo do rosario o fez delle
entrega ao mesmo ex thesoureiro, por um simples
concert que careca, nao considerando que o
ex thesoureiro f alguma mereca, visto a banda-
Ibeira que tem feilo. Coma elle Ihe deposita tanla
conQauca, em Ihe reenlregar o rosario, claro est
que ha eombinaeao entre elles, o exthesoureiro o
mandasse para a Paral)y ba, e NosM Senhora licou
sem seus dous rosario: por lano esperamos na
grande benevolencia, mandar urna commisso to-
mar coohecimenio de ludo isto, porque outras
cousas mais se .descobre, nao obstante terem feito
eleic,ao no dia 5 do corrente, para os novos eleitos,
sem reunir as alfaias para entregar a nova
mesa.
Manoel do Nascimento Rosa.
Joo Duarte de Farias Tebaus.
Canuto liasciano Ramos.
apparelho Dubritoi de Paris.
Pholographia de algibeira
Os excellentes resultado- obtidos com este sim-
ples apparelho, fazem com que se tenha vendido
em toda a parte era numero consideravel, pois
que qualquer pessoa pode tirar retratas e paisa-
gens cora a maior facilidade. chetiou a ra do
Crespo o. 1 urna segunda remessa destes appare*
Um-, previui'--c. pois, aquellas pessoas que deixa-
ram de comprai por nao acharem mais, de preve-
nirle com lempo ; a porreo pequea : na ra
do Crespo u. 4.__________________
Na fabrica de charutos e cigarros compram-
sejornaes a i'M rs. a libra, e na mesma tem para
vender latas de 1 l|i libra com fumo americano e
fumo do Rio de Janeiro,
rubrica le chapeos de sol de ).
Falque, roa do Crespo n 4.
Neste antigo e acreditado estabelecimento acha-
se sempre um completo e vanado sortimento de
chapeos de sol de todas as qnaiidades e presos,
tanto de seda e alpaca, como pao de todas as co-
O bacharel SS
Francisco \u411sto da Cosa W
AOV0OADO 91
Kua do Imperador numero 139. j|
te a. irM::-x m m mm m m mmm
Precisa-se alogar nma preto qne sabe col-
nhar e engommar : quem a tiver dinja-se a roa ,
de liirthoiomeu, sobrad defronte da cadea n. 69, armazem sorlimentospara satislazer qualijuer pedido em porco, como s jam :
ou a ra da Palma n. 41, taberna.
Chapeos de sol de seda, de grosdenaples, de sarja e pobreza de 8, 12 e 16 astea*
e de todos os lmannos.
dem de alp.ika.
dem de brim de linho. lambem de todos os tamaitos e feiiios.
dem de paininho de cores com armacoes de baleia e junco.
tem a honra de scientificar aos senlbres negociantes a retalho, que tem sempre do se
O im.jor Antonio da Silva Gu-mao fa. srieo-
te a quem convier, qm elle senbor e possuidor
das ierras denominad tsCaehoeirae outras de-
nominadas Torre eir. Pianc, provincia da Pa-
rahiba, cujas ierras limitan) com o rio, que as se-
para das do Sr. Jo- Jacome Tasso : fazendo tal
advertencia tem s por flm prevenir qualquer du-
vida que possa ter alguem que isso ignore, e des-
de j protesta contra qualquer acto de extorsao em
(lilas suas trras.
ffll
Dentista de Pernambuco.
^ Kua estrcila do Rosario n. 3, >
ao p da igreja
*JFR4NCISC0 PINTO OZORIOj
Hj Colloca lenles artiQeiaes *
pelos systeinas aoals mo-
@ liemos 9R
Emprega todos os meios srienlieos para 9S
2 conservar os naturaes. Pode ser procura-
fiK do em >eu gabinete das 9 horas da ma-
S nhaa as 5 da larde.
Aluga se urna escrava muito sadia, e cora
muito bom lene, para alimentar qualquer enanca,
a tratar na ra da Cruz do Recife n. 48.
Jos Bapnsta M-ndes deixa de ser caixeiro
dos Srs. Pereira & Caduf, e agradece-Ihes o bom
tratamento que recebeu ernquanto foi seu empre-
gado.
Albino Baptista da Rocha, relo-
joeiro e dourador portuguez, na
praga da Independencia n. 12, faz
qualquer concert pertencente a
soa arte por precos mais baratos
do que outro qoaquer e responsa-
'billsa-se pelo seu irabalho, assim
como tambem compra relogios em segunda mo,
espera proteccao de seus amigos e compatriotas-

Grandes 'melhc ras
as machinas imperiaes de coser-
Armaiem n 53G Broad-Waj New York.
Estas machinas sao construidas p?r um novo
systema, com muilas e importantes melhoras, e
sendi examinadas por nabeis peritos foram julga-
das de sumnu perfeicao. A agulha direlta e cose
perpendicularmente, com o ponto de lacada, que se
nao desmancha nem enbaraca e que igual de
ambos os lados ; faz costuras perfeitas em toda a
qualidade de tecidos, desde o couro at a mais Boa
cambraia, tendo os de algodao, de seda ou de li-
nho, desde e mais grosso at o mais delgado. Co
mo nio tem rodas dentadas, por se ter evitado a
sendo todo este trabaiho menor airi0 possivel, trabalha com facilldade e .
e commodo Sftm conlradico-UMA MACHINA QUE NAO FAZ
preco: na ra do Crespo n. 4._______________ RUIDO ALGM.
T. J. Me. ARTHUR & C, fabricantes t propne
Preci-a-se de urna ama de letle, na roa do
Livramento o. W segundo andar.
tvrios m caa supra.
Todos estes objectos sao vend dos por precos os mais commodos do mercado,
'os quaes podero ser verificados pelos pretendentes.
ULTOKIO lYIEDICO-CIRtRGICIt
D
DR. PEDRO DE 4TTAHYDE LORO VIOSCOSO,
MDICO, PARTUIRO E OPERADOR^
3 Ra da Gloria, casa do Fuiido 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 as 11
i doras da manho, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepto dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortimento de cartoim
rabos avulsos, assim como tinturas de varias dymnaThisaces e pelos precos seguales.
Garteiras de 12 tubos grandes. 125000
de 24 tubos grandes. 186000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tudos grandes. 301000
i de 60 tubos gran les. 3.OUU
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedioc
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 1(5000.
Sendo para cima de 12 cuslarSo os precos elabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LIVItO*.
A melhor obra da homeopalhia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jafcr
dous grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering........... iqtOoO
Repertorio do Dr. Meh Moraes............ MOOO
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedios deste estibelectmento sSo por demais conhecidos e dispensan por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que qui/erem usar de renedios
"erdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, plobr-s de
verdadeiro assucar de lente, nolaveis pela sua boa conervaclo, tintura drs mais acredi-
tados estabelectmentos europeos, a mais exacta e acurada prepararlo, e portaito a Maior
energa e certeza em seus effeilos.
Casa de saude para, escravos
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-sa-lbe qoaquer
operaco, p ira o que o aonunciante julga-se sufficienteroente habilitado.
O tratamento o melbor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
fdnecionando a casa ba mais de quatro annos, ba mui as pessoas de cujo conceilo se wk
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquelles que desejarem manear w
doeotes.
Paga-se 20 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
Asoperacdes se rao previamente ajustadas, se nao se quizerem sajeilar ao precae
raioaveis que costuma pedir o annunc'ante.

T* 1


MMfl d Veraaa-bne* segaada Cetra 13 Xavembro de 18*.
GASA DA FORTOH
Aos 6:000,j000.
Bilhetes garantidos.
A* RA DO CRESPO N. 53 E CASAS DO COSTUME
O abaixo assignado vendeu dos seus imiilofeli-
tes bilhetes garantidos da lotera que se ac bou
de eitrahir, a beneficio da Santa Casa da Mise-
ricordia, os seguintes premios:
m meio n. 2697 com a sorte de 6:000*000.
Um inteiro n. 1709 com a sorte de 1:2004.
Dous quintos n. 1948 com a sorte de 200{000.
E outras militas sortes de 1004, 404, 204 e
109000.
Os possuidores podem virreceber seos respec-
tivos premios sernos descontos das leisnaCasa
da Fortuna a ra da Crespo n. 23.
LIQUIDACAO GERAL
NO
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSIQAO DE LONDRES
DE
60 Ra da Cadeia do Recife ~ 60,
Todos os arligos abaixo mencionados foram comprados recentemente pelo dono do eslabelecimento as principaes fabricas
de Paris, Londres, Birmmgham, Manchester e em
mnm\k t
de machinas
Para a censtrueco
r5E
tl.HHIITSOV E IMM (I tSS
New London, Cormectieur, Esta-
Solicitam pedidos ^TdeTcrocadores de algodo,'' J'f01 p'eU e de crM < "o esUdo 1 *
Liquidacfto fiiaL
Na loja da na da Imperatrii a. 70, alen de al-
guna dos ohjeetos jaaonnnciados ; vende-se es se-
gutntes para acabar.
Estampas grandes e finas a 400 rs.
Ditas meaas a 240 n.
Ditas pequeas a 160 rs.
adoptados ao algodo sul-amerkano. Ho-se de-
dicado a es:e negocio durante 23 anuos, e atiende-!
rao immediatamente a correspondencia que se Ihes
dirigir.______
Aluga-sda casa terrea n.39 na ra da Uniao:
Ama para casa
Precisa-sefalugar urna ama para todo servigo de
diversas cidades da Allemaaha, e tendo comprado ludo as memores c ondteoes urna casa: Da becco das Boias o. 2, primeiro
Acham-se a venda os da 5* parte da lotera Dor ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inteira- andar.
-.. k>ljiit>> i__ #.>Mi*a Afta i- .1 iinlan'" **" ...
13 do
(38*) beneficio das familias dos voluntarios da
; mente liquidar e ter de partir mui breve'para a Europa.
Ha neste vasto armazem rics objeclos com brilhantes, como botoes, Dneis, rosetas etc., e bem assim diversas obras de
i ooro, como trancellins. oorrentes, anneis -e muitos outros artigos, relogios de ouro inglezes do afamado fabricante Bennette; com-
i pleto sortimenlo de fazendas finas e modernas ; miudezas, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e francezes, como L.
Quinlos.....'^r00, ,_ T. PIVER, Lubin, L. Legrand, Ed. Pmaud & Mever, Delettrez (Perfumerie du mond lgant), Violet, Sociel Hygienique, Mompelas,
de 1OU0WU .,-., Da.10r,Qr D ^n_on,l
patria, que se extrahir segunda-feira
PRECO.
Bilhetes .... 65000
Meios......3O00
Para as pessoas que compraren)
para cima.
Bilhetes.....54500
Meios......24750
Quintos.....14100
Manoel Martins FlUZA.
PVIIIIKO
Precisase de um homem que seja perito em to-
do o servieo de padaria, para ir tomar conta de
urna padaria em Penedo : quem pretender diri a-
se a ra dos Quarteis n. 22, loja de sapatos para
fazer o seu ajuste.
Aluga-se o grande sitto do Montero denomi-
nado o sitio da Porta d'Agua, sendo na melhor po-
Mailly, Regenier, P.GueJaad, e inglezas China e no Jap3o; ricas pecas de crystal fino como ainda n5o appareceram nesta cidade, e bem assim modernos lustres para velas,
ditos para gaz e para pexoleo, serpentinas, castigaes, enfeite< e adornos para cima de consoW e para grande loilleite, o que se tem ^ do m ^ -^^ ^^
de mais elegante em Pars, Londres, Birmingham etc.; modernos apparellws de metal lino ingiez para cnaecafe, os quaes em | sena|aj estribara, etc., etc.: quem o pretender
2 andar, ou no pro-
quem tratar todo ne-
Pergunta-se
ao Sr. Jos
Precisa-se de urna ama de leiie : na ra do
Imperador n. 50, segn io andar.______________
ALUGA-5E
por 164000 a casa n va n. 1 U da ra dos Praze
res do bairro da Bj.vVista.______________
Aluga-se um soto no becco da ViracSc n.
23, oilo de S. Pedro, para urna pessoa solteira de
^^cisa se de urna ama para casa de pouca merecido toda a aceitadlo na Europa, grande e magnifico sortin ento de ca xinhas", cestinlas e outras galanteras feitas (to crina e seda, lei concede semelhante abuso ?
familia: na ra do Palacio do Bispo n. 40. proprios para presentes; grande sortimenlo de estampas fin is coloridas com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com j precisa-se de 2:2004 a jo
K*xs* >_<:>_<_<:*x _ ..i__:. n_________.-11_____-_ .v- a------._i r.-~ .aIi,^ n,nr.. nnc valor : quem
procurado.
Gorgonio
feito de mais elegante em Pars, Londres, uirmingnam etc.; mooernos appareiuos ue metai uno ingiez para cnaecate, os quaes em 1 seDzaia, estribara, etc.,
nada sao inferiores a praia, e muitas outras pegas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de sen no- dinja-se a ra Direita d. 29,
ras, excellenles luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf, ditos para jmtar, e immensos arli- prU sitio, que achara' com
! gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para llores, figuras, etc; calcado dos principaes fabricantes de Pars e ditos de pan- g__
no com sola de borracha, pianos dos'celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C\, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na
ra, ditos
t thealros ou
vengo e com _
bonecas fallando papae e mame ; grande sortimento de candieiros a gaz, o que se tem feito de mais elegante e que tem morando elle no primeiro disincto e se a |
SrRjSk-SSK'
_mmi
Casa de banhos
proprio para meio de mesa de jantar ou parajardim; eulelaria fina", como tal he res com cabo de metal fino, colheres, thesouras finas, ^
ros e por pequeo
rantia cinco escravos de
ancuncie para ser
m
m
I
i
m
I^argo do Carmo 11. 26.
Este eslabelecimento lio bem montado
na sua origem achava-se de ha muito em
quasi completo adandono pelo pouco in-
teresse de sua administracao.
Hoje que o novoproprietario empregou
todos os meios para reslabeler a grande S
utilidade deste eslabelecimento, pode as- a|
segurar ao publico que qualquer que seja .
o numero dos concurrentes acharao des-
de j promplidao e aeeiunostianhos fros,
momos ou mediclnaes, a casa dos ba-
nhos se achara' aberta todos os dias das
6 horas da manhaa as 11 da noite.
Precos.
Banho de choque......... 500
Dito fri ou murno........ 500
Dito de farello............14000
Dito medicinal sera' seguu-
do sua qualidade.
Assigneiura.
Por mez Lanho fri 011 morno. 105
25 carios para banho fri,
morno 011 de chuvisco.....
12 cartes para os mesmos...
12 ditos para b.tnho de farello.

Aluga-se urna casa em um sitio a marpem
do Capibaribe, no lugar da Torre, sendo inleira-
mente fresca e limpa, e com cacimba de famosa
agua de beber : a tratar na ra da Itjda n. 18.
Precisa-se de urna ama para o servieo inler-
, ditas mo'dernas para alfaiates, navalhas finas, caivetes e outros artigos, diversos artigos feitos de rame ; completo sortimento de
&! mascaras de veludo, setim, cera, papelo e rame ; doces confeitados e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de todos
f1 os tamanhos, lavatorios, etc.; ricos quadros para cartoes de visita e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos de sol, benga-
Sllas. chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para baterovos, proprias para quem faz po-de-l, bolinhos, etc.;
\ pannos pam cobrir mesas, bolsas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobert res, malas, etc.; sortimento de
violes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galanlarias e outras pecas de charo para loillette; machinas para varrer o chao,! Do e externo d ama can : na'ra"dos'Mari'r'ios,
excedentes machinas para photographia para tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos bales de papel fino transparente e lanternas, sobrado junto a igreja, primeiro andar, 142.
M coloridas para illuroinaces moda de Paris; salva-vida de borracha, para bomens e senhoras, proprios para quem toma banhos em; PrPM^I-SP
jH: lugares fundos; ameixas novas em caixinhas, biscou^os inglezes em latas, queijos, etc., e muitos outros artigos que para ennumera-i x towioo w
^Hos seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e muito barato, no grande armazem da Exposicio de Londres, na ra da CH^fr^ oq
?$! deia do Recife n. 60. j quizer dirjase a ra d > Crespo n. 17.
m
m
.
NO GRANDE AR-
MAZEM.
Ama
DA EXPOSICAO DE Precisa se de urna ama que saina coziuhar com
! perfelcao. para casa de familia : a tratar na ra
LONDRES. .do Codorniz o. 8.
Precisa-se alugar dous escravos, sendo urna
liquidacSo vendera-se, por muito menos do seu valor, perfumaras muito finas e novas chegadas recentemente Pre.,a 'iue cozinhe e eDorame Com Perfeiil0'e ,n
55
105
54
104
mam
Samuel Power Johnston k Gompanhia
Ruada Vnzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fuudl^o de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e meias moendas para engenta).
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios d carro p?ra nm e dous cavallos,
Relogios de onro patente ingiez.
Arados americaios.
Ma hias pan descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Para completa iquioagao veuuem-se, pur uiuiiu metius uuscu roiui, penuuiaiida uiuuu utido c tiwvoa uicjjauas mcuwuiwn moleqtie para ornis servieo, pref.riudo-se a que
de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguinles: E g Rimmel, R. Matheus & C, Lubin, Sociedade Hygienica, Piver, ienha principio decozinha : na ra do Trapiche n.
^ Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud & Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frre, etc. etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de 44,2 andar, escriptono.
^ Colonia em vidros e garrafas, agua de lavando, agua para limpar (lentes, oleo babosa, extractos em garral has e vidros de difieren-:
$a? tes modelos, pos para limpar denles, Lanha em potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer
i presentes, e muitos outros arligos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande
\ armazem da Exposigo de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
t...
Joo da Silva Hamos, medico, me-
dico pela universidaie de Coimbra, j!
d consultas em sua casa das 9 as i
II horas da mmihaa, e das 4 06 C
da tarde. Visita os doenles em suas'J
M
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soecorridos em
qualquer occasiSo. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital, Pedro II. aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manhaa,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
S3! nados, para o que tem commodos
[ apropriados e nella pratica qualquer
opperagao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .35000 diarios.
Segunda dita___3($">00 >
Terceira dita .23000
Este eslabelecimento j bem
*>3
-
m
-

M* acreditado pelos bons servigos que ^
}$ tem prestado.
f O proprielario espera que
elle
!j continu a merecer a confiaoga de
l^que sempre tem gozado.
Atteuclo.
Ciegaram a nova loja de miudezas de Manoel
PARA SEXHORAS.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranga desenbora, o que se tem feito de mais elegante at o presente: vende-sel
por menos de seu valor para se liquiiar, no grande armazem da Exposigo de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
UVAS WOVAS ME JOIJVI1W. I
Vendem-se excedentes luvas de pellica, recentemente chegadas de Paris, tanto para homem comd para senhora por menos de
seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposigo de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
riIOTOGR IMII1U
No grande armazem da Exposico de Londres, ra da Cadeia do Recife n. 00, ra da fmperatriz loja de Mr. Dubarry n. 8
e na mesma ra loja de miudezas n. ?>, vendem-se excellenles vistas para quadros de sala e para albuns, como:
, Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de GnimarSes.
Porto, ra de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coinrra.
VISTAS PE PERMAMBSjrO.
Tiradas na occasio em que S. M. o Imperador aqui estove em 1859 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M. o Imperador no da 2 de dezerabro,
indo para o Te-Deum do convento do Carmo.
Theatro de Santa Isabel.
Ra da Cruz com a pyramide.
Torre do Arsenal com a illuminago na frente.
Passeio publico, na chegada de S. M. o Imperador.
Ra do Collegio com'a tropa.
Pateo do Collegio eom o palanque.
VIACEM A' EUROPA.
Stereoscopios de nova invengo com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como
Frango.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Vendem-sc barato para liquidago no grande armazem da Exposigo de Londres na ra da Cadeia do Recife n. 60, ruafda Im-
peratriz loja de Mr. Dubarry n. 8, e na mesma ra loja de miudezas n 54.
WBamxsmamausmri n iriini anwrar lfdyaatj,
Joao P rancisco Monleiro, Francisco Kir- a
mino Monteiro.Maria Avelina Monteiro e An-
tonio Francisco Monteiro.sincerimente agra-
decen] a todas as pessoas que se dignaram
acompanhar os restos mortaes da sua mui
presada mai e av Antonia Maria Monteiro,
da ordem terceira de -. Francisco ao cemi-
terio publico, c de novo convida nao s a el-
las, como as da amitade da fallecida a as-
sistiretn na terca-feira 14 do crrente, pelas
7 horas da manhaa a visitaco da cova na-
quella mesma ordem terceira.
1 11 iiimii mm3tssMMaMmi-\r\rn^:.im?UmF
Aluga-se urna ama que salba comprar e co-
zinhar: em Santo Amaro das Saltoas, rasa do Sr.
Antonio Gomes do Crrelo,onde fuocciona a aula
publica.
Precisa-se alugar urna ama, prvfere-se es-
I crava, para o servido interno de una casa de
' ponca familia : as Cinco Ponas, loj;i de marci-
neiro n. 27.
Alfloetes carta a 40 e 80 rs.
Colaetes cartes, duzia a 240 e .160 n.
Ditos em caixinhas de orna greza a iOO rs.
Credes, masso de 100 a 100 rs.
Lixa o ceoloa 2200rs.
Abotnadaras fina* para pannos a !> rs.
Enfiadores com frnoteiras para esr>artlno a iOr.
Papel de cor toldas grandes o r^dirnoa ''*) r-.
Escovas finas para cabello a 500 n.
Ditas a 300 rs.
Ditas para roupa e chapeo a 600 rs
Ditas muito linas 800 rs.
Rosarios pret..s, duzia a 240 rs.
Comas pretas o mas-o a 40 r.
Phosforos de seguranza, eaixa fraude a 160 rs.
Bordos para viola a duzia a 210 rs.
Meias brancas para menina a itn/'.i 2,1000.
Ditas pretas para senhora o par a 280 rs.
Ditas pretas para homem a 180 rs.
Fila de seda n. 1 1/2 a peca a 21)0 rs.
Dita de seda n. 2 a peca a 3CO rs.
Dita de seda 11. 4 a per* a 500 rs.
Dita de seda n. 6 a prca a 900 rs.
Dita escosseza de algodo a vara a 160 rs.
Dita escosseza de algodo a vara a 2V> rs.
Dita de reiroz a peca a 280 r.
Dita lavradan. 12 a vara a 390 rs
Dita lavrada 11. 6 a vara a 900 rs.
Dita arhainalolada n. 4 a vara a 240 rs.
Dita Dita de sarja i^u n. 5 a peca a 900 rs.
Dita de sarja prela n. 4 a peca aHOOrs.
Dita de ?arja da una n. 16 a vara a .jOO rs.
I! -tu. s pretcs de louca para canwsi a croza a
80 rs.
I/i' re verde fino o pao a 100 rs.
Dito de diwrsas cores em caixinhas de au zia a 160 rs.
lleuda de til a vara a 20 rs.
Can lilli') a caixa a tilo rs.
Sapalinhos de la para enancas a 320 n.
Occulos de cmgalha fino- o par a li) rs.
Uitos de armario de metal a 200 rs.
Ditos de armario de ac a MH> rs.
Froco dt cures em bom estad- a peca a 190 rs.
Aavalhas para barba a 160 rs.
Em caa de Phpps fir >thers A C., roa do
Vigario n. 2, veoVm-se cofres d<* frrro, pr<*ra de
fogo, dos afamados fabricantes Milaer % Soa, de
Liverpool.
S Cirredur do Rispo n. I, ve-i-l^na se -t i-
moleques flor, muito bmitos e i-spert >-, roo 15
16 annos.
arel al e *g:A
saceos de !H) libras, ditos de miibo a i : ao ar-
mazem da estrella, largo do Paran a. 14.
Pennas de ema de muito superior qualidade :
vende-se na ra do Vigario a. 4, 1 adaj, >-
criptorio-
Vndese 20 moradas de ea>as terreas, ao-
vas e bem construidas, em boa localidad'*: aa rni
da Concordia n. i.
C)lifldros americanos
f Ainda existem 2 de resto: na ra Di-
reita n. 84, padaria.
^f! Precisa-se de umborn cozinheiro : na rna da
I Aurora u. 32.
Ama.
ESCRAVA.
Precisase alugar urna cscrava que saiba fa-er
Jo iquira Dias & C., riia da Imperatriz, um elegan-1 bem todo o servigo interno de urna casa de familia,
Precisa se de urna ama que compre, cozinhe e
engomme, pira casa do duas pessoas : a tratar na
ra da Cruz, armazem n. 57.
Precisase
Hortas n. 106.
alugar urna escrava : na ra de
*
te sortimento de livelas de madreperola para sin
ios, havendo mais outras de simi-tartaruga e ou-
tras (Miradas, assim como veio pelo ultimo vapor
um completo sortimento de enfeiles o mais moder-
no que lia na Europa e juntamente participamos
an r--|i'-lav.-| nublico com especialidade aos in-
fantes acadeimcos que temos as mui procuradas
aboluaduras de crystal para collete, assim como
o'-itros objeclos de gosto.
*$ nuil mmm
Wm Companbia fidelidade de seguros ^
S maritimos e terrestres
cstabelecida no Rio de Jaueiro.
AGESTES EM PEHNAMBCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Crut n. i.
'tmmmmwr
"ATTP
No armazem de Mills Latham 4 C, na ra da
Cruz n. 38, vendem-se os seguinles objeclos :
Manleiga ingleza.
Cerveja branca e preta.
Loaga.
liscoutos inglezes.
Odo de linhaca.
nli.i de flandres.
Saceos feilos.
Silhdes.
excepto cozinhar : n
32, lerceiro andar.
da Cadeia do Recife n.
Notas do banco do Brasil e das caixas filiaos
desconlam se na travessa das Cruzes n. 8.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
ourives. compra-: e ouro, praia, e pedras preciosas,
e lambem se faz qualquer obra de eocoininenda, e
todo e qualquer concert.
Povoado tos Sientes (la.)
Pergunta-se a lllm.* cmara municipal da villa
de Agua Preta se deu Intima aulhorisacao ao Sr.
lenenle-coronel Joaqun) Lucio Monteiro da Fran-
ca para abrir um extenso e largo vallado no meio
da ra mais publica e Je maior concurrencia que
ha no Povoado dos Montes? vallado este que nao
s de grande prejuizo ao commercio dos seus
moradores, como de immenso perigo para a vida
d'aquelles que sem saberem da existencia de se-
melhante ratoeira no me o de urna ra, pod>'in a
noite cairem dentro della. e quebraren) alguma
perna ou mesmo o pescogo.
0 Vicenle.
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio detMiveira & Filho sacan sobre
Lisboa : no largo do Corpo Santo n. 10.
Aluga se*; loja n. 9 na ra Direita, propna
para qualquer estab.-leciraento : a tratar no pri-
meiro andar.
Ao publico.
Acaba de sahir do prelo tNacoesdosystema m-
trico decimal por Jos Antonio Goa es Jnior,
obra muito til nao s s pessoas do commercio,
mas tambem aos ofllciaes das reparligoes publicas;
vende-se a 15 cada exemplar, as livranas uni-.
versal, acadmica e franceza, ra do Imperador, e i 200.S'(J00 de grallflCaco por Paila UBI
Sitio para alugar
Aluga-se um grande sitio com fructeiras na Pas
sagem da Magdalena, a margen) do rio Cajubarihe,
' com excedente casa, 2 salas, 8 quartos, cosloha
. fra. quarto para escravoe estribara : a tratar na
ra da Cadeia n. 4, ou no sitio do Sr. Barroca.
O abaixo assignado tendo de proceder a in-
ventario por morte de sua esposa D. Maria Erun-
dina Jacome Pessoa convida a quem se julgar cre-
dor do seu casal a apresenlar suas coutas no pra-
so de oito das, contar dos la data, afim de serem
convenientemente atlendidas. Recife II de novem-
bro de 1865.
Custodio Jos da Silva.
Arrendase por prego muito commo.lo um
grande silio com grande casa de vivenda, terreno
para grandes planugoes e chaces de vaccas de
elle : a tratar no largo da Penha n. 10.
Os abaixo assigoados. moradores em Raixa-
Verde dePaje de Flores*fizeram sociedade com-
merclal por dous auuos, contados desta dala, cuja
firma social Petico & Jos Matheus, podendo cada
um dos socios aceitar e dar qnitacu a quaesquer
ttulos commerciaes temientes ; m.-sina sociedade.
Baix;-Verde 6 de setembro de 1865.
Antonio Gomes de Campos Petico.
Jos Matheos Coimbra Campos.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba lavar e engom-
mar : na ra do Trapiche n. 36, 2 andar.
Sfi
aos capitaes de campo e a
polica
huilln de mamiiflca.
Tem para vender Anl-ni 1 Luiz de Oliveira Axe-
vedo & C, u seu esrripiono ma da Obi b. I.
Vende-se maufiar ti 1 de alg<>lo fe') para
coser em machina, c proprio para sacr>js *e a*-n-
car : na ra i> Vigario n. i(>.
ACRESE A MAMiXIIA "
Sao para vender
50 jogos de bmWbW, Unl>j por joaio, roaao a
retadlo, afianzando se a l>a quabil.ide da pdra.
sendo por junio a 5J500, e a reulhi a da): a tra-
tar na ra do Vigario n. li. taberna. _____
MES E FIYEL\S
Chegaram a' l.ija de miudezas n. 30 A aa rna
da Cadeia do Recita ricas rrazes de madrean***,
bem coao Mrela< de larlaruga e de ootra* <*!*-
dades, as quae- se vendem por m-nos qoe em
qualquer outra parte; ha Uin>ein uu i'.unpM >
sortimenlo de miul-.-zis. ___ ____
Yende-M urna eanMahi A* haaam nova,
com os bragos e crrelas : na rna 4o Imperador
n. 13, 2o andar. ______
GR4XA EH
Vende-se grana em b-'xigas de < iperinr quali-
dade, largo da Asseml.la armazem de assarar.
Vendrin-se iln.i- i de 23 a 2' aun s, excedente conducta. rngmnum
perfeiiarneiilo e fazem laria > servieo 0> orna casa :
na travessa do Carino n. I.______________
Vende-se um sili-> em IWnilna a' aurgew do
rio (_t>ilaril>e, com bstanles commodos para nina
grande familia : traa se na rna Nova a. tt, da< 9
oras as 4 da tarde.
na economioa, no arco de Santo Antonio.
Aluga-se urna mei-agua na travessa do Forte
n. 20 : a tratar na ra da Matriz n 14,
Atiene
Ignacio & Medeiros, com prensa de algodo no
c**vgiWK*7 i Forte do Mallos, declaran) aos Srs. commerciantes
Precisa-se de urna ama para casa de um ho- e negociantes exportadores de algodo, que nao
mem solteiro : na ra do Apollo 11. 3o, lerceiro : fagam transaego alguma com um recibo de 10
andar. 'saccas de algodo perlencentes ao Sr. Manoel Jor-
ge das News por nos assignado, por quanto o
mesmo Sr. Neves tomou por conta das mesmas 10
saccas a' quautia de 200,4, e no mesmo recibo se
acha declarado a preferencia de compra s ditas
saccas.
Precisa se de um forneiro
dara da ra Imperial n 51
a tratar na pa-
Sociedade
recreativa
Uniao.
Nova
Por deliberacao da directora, tomada em sesso
de hontem, convido a todos os senhores socios para
comparecerem na sala da sociedade, as 10 horas
do da do prximo domingo 12 do correte mez,
pai a em assembla geral discutirem e approvarem
os novos estatutos.
Sala das sesses da direcloria da snciedade re-
creativa Nova Uniao em Peroambuco, 9 de novem-
brode 1865.
Gomes de Amorim,
Io secretario.
Aloga-se um preto para todo o servigo de
cas?, sitio, ou para servente de pedrero, do que
I i.r.,-|.-a : na ra cotiuia do Hosarlo n. 2i,
Em casa de Theod Chrisliauseo, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico ajenie no norte do Brasil,
de Brandenhurg (reres, Bordeaux, enconlra se ef-
lectivamente deposito dos artigos seguinles:
Si. Jolien.
St. Pierre.
La rose.
Chateau Loville.
Chateau Margaux.
Grand vin Chateau Lafilte 1858.
Chateau Lafitte.
Haut Sauterues.
Chatean Sauternes.
Chateau Lataur Blanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeitedoce. Pregos de Bordeaux. PillDa MUI I
-^~Auga-se a casa n. 28 da ra do Motocolom- j UIMI A11IIIA
b nos Afogados, com commodos para numerosa' Dfc ttj.'I'J
familia, grande quintal com raudas arvores de SAO-nrOS MantllTlOS Ltld&-
rructo: a tratar na travessa da Madre de Deus, ^>^tr>ULyjo ^-0>liliu\j^ ^iiuiun
armazem _.5._______________________ derUllCa
- Precisa-se de um caixeiro para padaria. se, A drectoria de confarmidade com a 1 parte do
nao tiver prattea e tendo a de taberna tambem ser- artigo 41 dos eUalutos, cooida aos senhores ac-
ve, dando conhecimento- de sua conducta : na ra cionJslas a se reunlrem no dia 15 do corrente, ao
Direita dos Afogados n. b6 A. j me0 dia> n e Cadeia n. 42.
Desappareceu em principio do mez de outubro
prximo passado, de bordo do palhabote nacional
Arroio Malo, dous escravos de nome Roberto, por
appellido Macei, e Miguel, o 1 de idade 45 annos.
pouco maja ou menos, criculo, cor fula, estatura
baixa barba cerrada, nm pouco torio das pernas,
e com alguns cabellos brancas, lano na barba co-
mo na cabega ; o 2* alto, cheio do corpo, sem bar-
ba, falla grossa, representa ter de 25 a 30 annos ;
cujos escravos desconria-se andarem pelos arrabal-
des desta cidade : quem os apprehender, queira
levar a ra do Trapiche n. 4, ou a bordo do dito
navio.
Aluga-se urna ptima casa muito fresca, na
Capunga. ra das Criouias : a tratar no paleo da
matriz de Sonto Antonio n. 8.
O Dr. Felippe Nery Collago torna a fazer pu-
blico que nao comprando cousa alguma para o
gaslo de sua casa, qur em iojas, qur em arma-
l zens. qur em vendas, sem que seja inmediata-
! mente page, falso todo o pedido que for feito em
seu nome, qur vocalmente, qur por escriplo, as-
; sim sobre estes objeclos, como sobre quaesquer
! ontros.
G0MP11S.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effectivamenle escravos de ambos os sexos :
ruado Imperadorn. 79, lerceiro andar.
Comprase ouro, |irata e pedras preciosas,
em obras velhas: na ra da Cadeia do Recife,
cja de ourives no arco da Cooceicao_________
Ouro c prata.
Em obras velhas : compra-se na praca da In
dependenclo n. 22, loja de bilhetes.
Atf^.lo.
MARHiMOS
CONTKA FOGO,
A companhia Inderanisadora, estabeleci-
Uuarda-livros
Urna pessoa que dispoe dealgumas horas no dia
encarrega-se de fazer escripias avulsas assim por
partidas simples como por partidas dohradas, as-
segura-se aceio no trabalho e modicidade no pre-
da nesta prar;a, toma seguros martimos SO- to : quem precisar dirija carta fechada a' esla
" typographla com as iniciaes i. M. 7.
Recife l de oovembro de 1865.
Os directores
Feliciano Jos Gomes.
Dominogs Rodrigues de Andrad.
Precisa-se de urna ama, pagase bem
ra da Imperatriz n. 24, primeiro andar.
na
bre navios e seus carregamentos, e conira
fogo em edificios, mercadorias emobilias:
na
- Quem precisar de um criado para copeiro e 1 baslairt ^ress0 e jobrado. Roga-se a aprehendo
ruado Vigario n. 4, pavimento terreo, que tambem emenda de coznha, dirgae a m> de dilo e#oraa e sua captura sera' eenera._B6ate
da Cruz n. II, confeitaria do &r. Pinte.________ .recompensada. '
menor idade JRecife, iOdeasvpmbro de 1865.
' Jos da Silva LoyoA C.
Precisa s? de unid uegnoha para andar com
urna cunea : na roa do Raogel n. 25, segundo
ESCRWO FGIDO. Aio,,Ild. as
.__tftfSK_?_57Wt^
lareV.dade pouco mais ou minos 30 annos, em frente ao 01 a, da igreja, tendo o sillo portan
costn andar bem vestido, de caisa de flaoel de ferro, cacimba com boa agua, estribara e co-
de cor, e chapeo do Chi e, lem o beigo superior cheira> e-a casa 4 "l. 7 quarloa, o totao, a qual
Comprase carosso (sement) de algodo: no
armazem de algodo de Saunders Brothers & C.,
no caes de Apollo.
COBRE L4TA0 E
CHUMBO
Compra-se cobre, lato e chumbo : no armazem
da bola amarella, no oilo da secretaria da polica
Compra-se um escravo de meia idade que
tenha boa conducta, sem vicio e achaques de qua-
lidade alguma e que enlenda de plantago de si-
tio : a tratar na ra do Vigario n. 10.
Comprase urna duzia decadeiras que sejam
usadas de amarado: as Cinco Pootas.loja de mar*
clneiro numero 27
Vuiho do Porto superior em caixa de 1
lem para vender Antonio Loiz de Oliveira Aaave-
1o A- C, no sen escriptorio rna da Croa n. L
Fanha a 3|5 "
Vende-se faiinha de mandioca, .-acra* (rraode* :
no armazem dos Srs. Taana Inno-, na ponte nova'
pelo prego cima mencionad*^.____________
Lourengo PereiraMendo Gnimare, rna da Im-
paratriz n. 56, loja e armazem da Arara, proprieta-
rio do grande armazem de fazendas e r-upas frita*,
lem resol vido fazer urna nova liquidago d> todas
as qualidades de fazendas que exMem n > se ar-
niazem, que vender trinia porrelo men* dqne
em outra parte, afim de se apurar dinrteiro e fe-
char conlas, por isso pede ao respeitavel pol.lico de
aproveitar a occasio, a saler.
Vende-se Bastan*! finas a 200 e 20 o eovado,
dita com palmas a 320 e 3C0, cassas de unta sd rir
a 320 e 360 o covado, ditas d-? palma* 2W 320,
360 e 400 o covado : ra da Imperatriz n. 3d, Ven-
des Guimaraes.
Vende-se as mais modernas bareges de |a so-
da, sendo fazenda de gosto pelo baratissiroo prero-
de 560 o covado.
Vende-se saias borbadas pelo barato preco d*
64500 e 75, tiras bordadas a 1*5, ntrenselos 800 e
l cada lira.
Receben se bonitos cortes borlados e rom,
de la e seda, que se vonde a 8, !> e lOJ cada
corte.
A pechlncha esta se acabindo, chales de avrra-
a i&.
Vende se riscados escocezes, a 240 e 210 ca-
vado : s o Arara.
Vende-se percales muito linas, sendo de _*_>
bom gosto, e tendo de bonitos desearlos em luaru
a palmas sodas, seudo fazenda inleirameoie mu-
lo, se vende a 460 e 500 o covado, mitas anwaa
e claras, a 200, 240, 280, 32U e 360 o covado, are-
ianha de linho de duas larguras, a l a vara, ton-
cos de caubraia branco, a 2400, i e H a Oo_a,
dtios de linho, a 440,500 e 600 cada ana : _aiaa
Guimaraes.
Vende-se cobertores de algodo, a 800 e l*5>
cada um, ditos escarales de la, a 5: rna da la>
peratriz n. 56.____________________
Vende-se orna escrava rrtoola, bmcO, o um
habilidades: na ra da Peona n. 17, f aadar._
Ferros de encrespar
bailados; para acabar vendem-se de-tl-s forros a
500 rs cada um, o que se vende em outra parla a
800 rs., lambem lera outros modelos diversos por
800 e 1 j cada um : na roa do Crespo a. i.
Vende-se
VENDAS.
No 1" andar do sobrado n. 50j silo na ra de
Aguas-Verdes, deseja-se fallar com os herdeiros do
fallecido Joaqun) Jos de Sant'Anna.
Precisa-se de um caixeiro de
para taberna : na ra imperial 0. 246.
muito fresca e esla de novo bem caiada, concer
lada e pintada : para ver, as chaves eslao em a
casa do Sr. Nicolao Machado na mesma povoagj.
Precisa-se de urna ama de leile, forra ou es-
xrava : aa ra do Fortes n. 4.
Fumo da trra.
Vende-se o bom fumo da Ierra na ra da
Imperatriz n. 88.
os grandes quadros representando a baialha naval
de Riachuelo e pattagm das Mercedes : na rna
rto Crespo n. 4.
Vende-se urna mobiiia de amroslo ja osada:
oa ra estrofa do Rosario n. 17, 2* andor.
Vende-se a fabrica de charutos e enjarro*
da ra do Arago n. 32, bem afrefoezada : a tra-
tar na ra dos Coelhos o. 2| _____________
Vende-se pedra jaspe em p para ralear y
boiras, a 640 rs. a libra, e em arrota *e dar* bm
barato, e sendo em pedras de doas arroba* a 3*
rs. por libra, assim como ha para vmder 400 fra-
cos que foram de genebra at}o eeaio, na roa da
Seozalla defroute do becco do Campe lo a. lia
primeiro andar. ^^________________
Vende-se urna grande casa terrea no tnpr
da Capunga esquina da ra das Deasas, 1
fariz na frente, toda morada, com grande
conleodo diversos arvoredos, cacimba o
para banho : quem a pretender nodo ir e
e tratar na roa eslreita do Rosario n. 13.


KHarla de Penaamhiuo segunda /eir 13 de Xovewbro de Se.
A MOLESTIA OU infeccSO ^afiCU-
lial conhecida pelo nome W s-
crofula ura dos males mais
prevalecentes e universaes que
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que sofre o
Grande loja* e armazem do
Pavao.
Ra da Imperatriz n. GO. de Gama & Silva.
Tendo os proprietarios d'este estabelecimento de
liquidarem urna grande porgao de suas fazendas,
al ao flm docom-nte anno, alim defecharem con-
genero humano : dlSSe um cele- las e apurar dioheiro, resolveram vender (odas as
bre escriptor da medicina que fazendas com grande abalimeto em pregos, tanto
m>i Ao nma tprca narlp de era porco como a relalho, e por isso previoem a
mais ae urna terca pane lodos os seus tl^uvl(% e ao respeitave publico, e
tOdOS aquelles que morfem .Unes as pessoas qUe negociam em pequea escalla com
da velhice Sao victimas, OU dir- razendas, que nene eslabelecimenlo encontrarlo
ta ou indirectamente da Escrofu- ""> grande BorUmeoto que muilo ihes bao de agr-
\a -_nnr si nan ln des- dar lanto em pregos como em qualidade; assim
\a .por si nao e no oes. como mani]afI, pei0! $cus caixeiros levar as fazen-
ti va, poi'm a principal Causa de muitas das e amostras as casas das familias que nao po-
outras enfermidades que nao lhe sao geral- %?$loia' oa dio asaraos,ras exaudo 0-
mente attribuidas tatalil lisas a 3*000, oa loia do
E uma causa directa da phthystca pul-, **
monar, das molestias do finado, do estoma-\ .. v L
__, tr, j t f-t o ,.,,t. Vendem-se pecas de cambrnia usa branca e
So e affeccoes do cerebro :-Entre os eus IDSpareilk.8f 'fo oilo e mei. vara cada peca,
DUtHerosos symptomas acham-se OS segUin- pelo barato prego de 35500, ditas muilo finas, por
tes: falta de appctite ; o semblante pal- 45500,55, G> at 105, sendo tapadas e transua-
lidoesvezes inchado, s vezes Se Hma r^tes assim como cortes de cambraia com salp-
-/.....,. ,,.__ ___, : cos a 250OO : isto so oa loia e armazem do Pavao,
atona transparente e otitras corado ,e a- na rua da im|,cralrir D. 60'de Garaa & Sllva>
marellento ao redor da bocea ; fraqueta e Cortes de phantasia a 31500.
molleza nos msculos : disgeslo paca e i Vendem-se os mais lidos cortes de pbantasla
AGUIA MANCA,
< ollciras de mairoquim, com cascaveis
e sem elles.
Na ruado Queitnado loja da AguiaBran-
ca n. 8, vendem-se eolleiras de marroquim,
pospontadas e com cascaveis, ou sem elles
proprias para caes e outros bicliinhos.
Penuas ingleztts tic ac e douradas.
No novo soriimcnto de peanas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, vieram
tambem outras de metal dourado e bicos
mui bem acabados, e por essas boas e ae-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-
bricantes Perry 4 C, as recoiametidam aos
entendedores e apreciadores do bom, valen- embarazar.
Outros objectoa.
Vindos tambem para a antiga loja de
miudezas rua do Queimado a. 16.
Sapatinhos desetim branco bordados pa-
ra baptisados.
Outros de merino tambem bordados e
igualmente bonitop.
Meias de seda, orresnonderite do tama-
nlio dos sapttinlios.
Outras mui linas de fio da Escossia e
brancas listradas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seila para senhoras.-
Ligas de dita pata senhoras e merlinas.
Pentes de Urtirpga mui fortes para des-
do mesmo a diflerfenca que ha no preco de
urnas para outras, por que estas se tornam
mais durareis na coniinuaco de escrever ;
assim pois quem dellas se quizer utilisar
compra-las a dinheiro a vista : na rua do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas e scni ellas para
cortinados,
A Aguia Branca recebeu um bello sorli-
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com apulhas.
Agulhas fraricezats, as afamadas.
Caixiahas com allinetes braacos e pretos.
Haspasde baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos.
Caixas com linhas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de borracha preto, redondo.
appetite irregular, falta de energa, venlre m as mais lindas cores qoe tem vindo ao merca-, .
e evacuarn irrraular miando o do' s,"ds fazenda transparente que serve ale para ment de franjas com borlas e sem ellas ""** ucaa.i* gr^Due ae t\,o,
L?^.!?T!?jJ^JyMl, pelo barato preco de 35500, ditos brancos para cortinados, todas.de novos e bonitos
douradas, nadreperola e tar-
taruga.
A loja de miudeias rua do Queimado
inchado
mal tem m assen'to sbreos nulmoes. ume i arroa.
cor azulada mostia-se em roda dos o)los ; zem do Pavao, na rua da imperatriz n. 60 de Ga- esen 10!> TUJa comoiodidade do preco est
quando ataca os oreaos digestivos os olhos ,ma Silva> ^ra relatao a largura : acham-se ellas a ven-,
Cambraias de forro. ^na rua do Queimado ioja da Aguia Bran- \f> recebf "> bon.to son ment de
can 8 fivelfas grandes par;; cintos, sendo de ac,
de forre multo Jogo da paciencia o curioso entreleni- Jff2fiJE,la e p.^"*8
.^..oo inmi ~ v,. estao sendo vendida.' em dila loja por pre-
l0, '<,/1* cnmm/virto ass m como boas e bonitas
tornara-se avermelhados:o hlito fttido,
a lingna carregada, dores de cabeca-, ton-! Na loja do pavao.
/cras etc. Vendem-se pe?as de canvbraias
Na< nessnas d dknn 2-3J'"0 a {'ca
J pessoas ue aisposrcao e&crolulcsa ap- | jst0 0 a loja e arma7eil, rt0 pavao Da rtta ii lm.
parecem frequenteweTrte erupcoes trn pelle' pentrk o. 60, de Gama & Silva.
da cabera e outras partes do corpo, sao pre-1 trlcs ira;;(linos.
disposlas as affeoedes dffs pulmdet-, do figa-
do, dos rins e dos orgaos digestiros e ule-
A 10#000, m loja do pavc.
Vewtem-se os mais ricos cortes graeatJinos, fa-
rinos. Portante, n5o smente, aquelles reDd;| de muita pbanasia que serve *t para bai- agradaveis vistas e
eos commodos .oo wUi/ v.o v uu..,.o
I\a rua do Queimado loja da Aguia Bran-; fitas de gorgorSo ach amalotado, proprias pa-
ca n. 8, acham-se a venda por precos ra-ra ditas fuellas
zoaveis, caixinhas com tabolas de madeira,! Oculos de pen ;lra e de ou
quedas diversas pinturas dellas se formamj quadadcs, lara quem soffre
enfeilados a US, G e 75000 para acabar-: na loja
e armazem do Pavao, rua da quelles em cujo sangue existe e virus laten-! As caRisiuas dn Pavie.
te d"este lerrrvel fgello (e snezes heri-
ditario) esto expostos tambem
enfermidades que elle causa
A phtkgsica, tdeeraedes do.jigaiio, do es- las com manguitos'p'ara"luio"a" SO rs.,"mart(ru]-
tomago e dosrhts: empeen e enfermida- *08 e folinbas.preias a 15, Hni:>.>imas goliDiHu> de
des ernpi-as da cutis ; roscn crtisinela, VZ^J^at,,ordada- a 50? r;:;.caldlllli,f.',,ra
i,n^/,../i-...... / ^ i meuina a 6-iO rs.. romeiras d dio e eaMbraia
Ooibulhas. punidlas nasetdas, tumores, rh- branca bordada a 15G0 : na toja do Pavw, rua
cumacarbuncuks, ulceras c c/iagas, rheu- da Imperalriz o. 60, d Gama &-Silva.
ma tierno, doroe vos ossos, -izas costas e na siilhcmliarques Oe cor.
cabeca, debilidades femininos, flores bran- Vcndem-se._southen.barques cas camoda pela ulcrame interior, e en-
fenmaaaes uterinas, nydropesia, mdtgee- Gama & Silva.
ta, infnu/iwciment e del-ilidade geral.
Aos pulmoes a escrofulr. produz tubrcu-
los e finalmente consuntpco pulmonar:
as glanulas ella produz inchacoe's e tornam-
se nJccras: nos orgaos digestivos oausa
desarranjos que produzem indigestao, dis-
pepsia, mdtestias do figado e nos rins::
na pelle preduz erupcoes e affeccoes cut-
neas.
Todos-estes males tendo a mc-sma -cri-
gem, careoem do mesmo remedio: -sa-
ber : purificar e fortaaccr o sangue.
A snlsa parrilka de Ayer
composla dos antdotos mais elhcazfr- que' "," dourados com (.vela iaia
ciencia medica tem podido descobrir, Sf-SSfS SSSFJZ
para esta Molestia assondora e para a cura tstoaeTeaik
telhgenf.ia.
paisagens, segundo os d vista.
Na verdade A'loja de miude|as rua do Queimac'o
ment com o D. i pura a in- com vidros claros e scuros, para quem sof-
._j-apreciadores einjam-se fre da vista, assimc ?ros.
os de cornalina.
miudezas a' rua do
A Aguia Branca acaba de receber um no-lOjuemado n. 4 vo e lindo sortimenio de enteites os mais i roas e tergos decDi iialina, os quaes esto
A
&Z):
O
est
modernos e gostosinteiramente agradaveis, ia disposigo dos boi
e corno seu louvavel costme os est ven*; zerem comprar em
deinlo baratamente a quem com dinheiro se Queimado n. 16.
dirigir cua do Queimado, loja da Aguia
liranca n. 8.
Befas folia para senhoras.
Esponjas Dn
Vende-se na rua
Oryandy nioderrissimo.
Chefiaram os mais modernos org.indys com os
mais modernos padroes, sendo quasi todos lislra-
dos, como se usam agora, com as mais lindas coree
8 Ozas; veodeudo-se pelo barato proco de 90(1 rs.
a vara : na toja do Pavao, rua da Imperatriz n. G,
de Gama A Silva.
Ctales de m ; i:;.' a 20G0.
Vendem-se os mais modernos diales de merino
estampadora 25000 cada IMH, havendo tambem-um
grande sor'.mienio dos mesmos roalrcados que se
vemiem a-C5, 75 e 5000: na loja e armazem do
Pavao, roa da Imperatriz a. 60, de Gi.ma & Silva.
Os sin'os do pavao.
Vendem-se rlqoissimos sintos de filas de dwer-
e dourtda,
melhores
Vendcm-se na rua do Queimado, lojada miudezas n. 16.
Aguia Branca n. 8.
s christos que os qui-
diU loja: na rua do
ks grandes e pe-
onas.
do Queimado, loja de
galio canta e
queimando,
Bom e baratissimo.
Hua do Crespo n. 9.
Collares.
Collares anodinos electro magnticas Roier para
as criangas nao morrert m de eonvuboes pelo ba-
rato prtgo de45-
Novidades.
Riqusimas pulseiras ou braceletes pa senbo-
ra e para meninas a 15. -5 e '-'. assim orno lin-
das voltas para pescoro a ^5-
Enfeites.
Riqusimos enfeitcs para cabeca cousa de mui-
lo g 810 a 15300, 25, 35, 45. Sf, C e 1&.
Fivelas.
Riquissimas tlvelas de madreperola e de tarta-
ruga, artirn como pretas.
Cruzes.
Riqu ssimas cruzes dotiradi.s porm o melhor
goslo que se pod desejar.
. -^ Cascan ilhas.
Benitas cascarrilhas com biqoinhos de seda e
aljfar cousa inleiramen'c nova para enfeites de
vestidos.
liinoculos.
Bonito sorlimento de binculos cora superiores
vidros para os amantes do tlieatro.
Assim como uns pequininos
que serve para enfeite de rekgio mais com encl-
lente vidro.
Sestinhas.
Riquissimas cestinhas com prepares para me-
ninas de escola trazer no braco, afim como de
vidro entenadas proprias para'mimo.
Pentes.
Ripuissimos pautes de borracha com aro bran
No armazem de tazendus
baratas de Santos Coei;
Rua do C|u< iiuailw n. I.
Veode-se o sroale :
Cobei la- de dula lina a 5800.
Ditas de dila a 25400.
Lene/>es de panuo d linho a 25JO.
Ditos de dito de liiiho a 25-
Ditoa de br^mantode linbo de om so m*
S5J00.
Panno d< linhy fino cem '. i|2 palm#s d<* largu-
ra | co barato preco de 5,5100 a vara
Bramante de linho fino rim lo palmos > Kr-
gura a 35300 a rara.
Pecas de carnbratl com sal icos br.tcos tr.-
cores com 8 i|2 varas 45300.
Peta d- rambran aamaraca prtfvn tu
cortinado di rana cem 30 vara1 a H
Italia-: do arcos a 35oCt', 35, 313 (e 45.
Lencos d.' rambrala lina a 23600 a doza.
Ditos de dita 25 a rtoiia.
Ainoalhario .!,- !u,ti. i 9/ttt j vara.
Dito de ilgodio I 25 ;. vara.
Algodo eDffsiado com 7 Ii2 palmos de la.-jti
a I52(KI a vara.
Pi cas de trataaba de rola com so smm profna
para Fa,a a 35300.
Pil (fe bi'f.'i imi finos 800 T9. a vara.
Dila de diln c m salpirm a l a v.
Cmbrala de linho tica a 45SOO, 65300 e &5 a
VP.I.I.
Cortes de laaaiaba i!e lindos :
vadosa 35.
Prcas e mariap 1.1o fioissimo i
preco de 85, '.'5, t" e 115
PlaneHa branca lina a M r. o t\io.
Dita de cores Da a IN r?. o (Main,
l:.!oes d.' mu-ilma para irinu 35, ->'0
e 45.
Cambraia de (arre a 35 a PCJ-
Dita lina a 430O, f5 e 7.; a peca.
Gnartanapos de Imiui a ;i8'0 a dra.
Toalhas ile aljiodao felpudas istia a !-.'"-
Esb Ira da Indis niria para tmn t i*ia ','e
4,5 e G palmos de lareura pr nicm- .r de
que i m outri qnalijoi r [arte.
N-.-ti: .ri'.azi in iiiiib'pi >c enconra m
sortimintodc r ,-.. a -ita c por aaedMa.
ENCICLOPEDIA
't l\u. da li-. + vrairlz nrwuutm
da porta larga i9.
Fciuio a |>:;d;:t*la fraderza de
"sreiea Porto.
Nesle eslabeJecimeii! encontrara i r
Milla II10SC4J.
Na toia da .\guia Branca acha-se a venda m0 n- {*>' }lCi,Da
o pai>el com compoi?3o para dar fim as re!",sos ob3eGtos Q"
moscas, sendoo modo de usar facillimo, -e o bell sorlimento, ft
Divei'M s ojelos.
A antiga loja de
niudezas rua do Quei-
de receber muitos e di-
effeile efBeaz:: lolha-se o papel edeixe se
ficar'R'um prale, e nelle pousando as mos-
tas, entristecen e morretn. Custa cadafo-
Iha 40 ris: na na do CHieimado, loja da
Agua Branca r. 8.
Diversos brinquedos c entretcnimouto
ara criaocas.
A Aguia Bronca na rua "do Queimado n.
F las -finas de sa
ha at a mais larga,
veis cores.
dem tambem do
e novos dem idem branebs.
e muito encorpadas
que tem vindo ao encadondo i^'/^X0 <*S'Sos brinqaedps para crian- grandes.
por um preco razoavet que muito |^,! s?nao esiraas ae ierro, batas e patos i ldi>^ (]q seda nrella e de outras cores pa-
oe todos os males provenientes d'ella que Ibes bao de*gradar : istos na loja e arnuzem elec.ncos, apparelhos de metal, louca pinta- ra -:.,, uar vestidos
contm virtudes verdaderamente extranidi- du i,:'vaow-rua da imperatriz n.;r,ivde Gama & da e porcelan'donrada para almoc<- e.jan-
co de metal para minina segurar o cabello pelo' publico nm variad- si rlimeaMe de taz-
barato preco de 300 r>., e (uzia 55- a?sim como tas, inglexas, sois.-" e ;.;!-mes, que --: .t.
grande sorlimento de todas as qualidades | ara de- por prefn eomDod .
sembaracar. Parrlra Ptrte
Escovas. Vende chales d'1 r ida de eores que fvi
Grande sortimento de escovas para roupa e pa- ram a l."a est venciendo por 65, dite-
ra cabello, paraunhas e para dente;. renda nova, 55,05, 85a 05, nm MTIh
Lmelase OCU^OS, |pleto de maniel'-n-.-. ,n esoatamb:-.
Finlssimos lunetos de nm e, dou? exceentes vi- S55- Hna iia lm -i dios e anide bfalo e de tartaruga, assim como cea, armazem da ; n.~. i.rga.
fazem completar 0 seu oculos rom rame dos lados proprio para quem
ndo:
ja da mais estreita que
todas de vivas e agrada-
droes igualmente n vos e bonitos.
dem de gorgur) de seda acbamalotada,
sotlre dos oculos.
Tooqoirrbas.
Riquissimas lonqjulDbas de tl de linho, de se-
da e de I3a.para criaeas.
Para n cabello.
A svpenor agua para attiogir os cabellos,
barbas I raneas e fazer conserva-Ios. os frascos
isas e lavradas, pa-jacompauba um rotulo que ti- i. a forma cerno
sarja K.vrada, de bonitos
'an in
Ri eb 'o um completa
540, e 280 ry. cov;
240 rs. n < vi '(-,
pa (i- mciuu -. fnst de
i
eaaal ra. > di
esri 7 ; r u-
a '.-- m
para cinto de Uvellas
!se4e^i3 applicar.
Tara caspa.
Superior banha sem pordura
11'.u;. 'la Iinpcralri'. n. 3}ttnti a ;<; :
..laranzem da porta Lrp,
lauflfs Parla
R ceben par:, i....; .-.ra tae^a :.
!i iapi:; cambraia lisa tai a || -'
pec. i les de la rtid P
c.vm um frasco
e 45, car.-.braia ti m ffr de d. pesl :
mei

com agua propria para limpar a canec, os Irascos "'*' ",M> "' '' fcva..'.
acompanba um folbeto que eo.-ina o modo como 1" '' r.,a ,''^l-'^, n- ,ua (la 'mper;.;n, jua;..
nanas e provado inconteslavelmente-pelas r A oMd*. Curas nnlavf'k r- hpm r-inlipeidns niP-i/m'.. Ven cu db noLUtla. e l)em ontiectas que em llmres que in vindo ao mercado.neto baraljssimo
icilo de tumores, eruprons cutneas, eiysi- preco de<)500Oa dntia, ou)0 rs.' cada urna, na
pelas, borhilkas, Hastiaos, Chagas antigs, loja e armazem do Pavao, na rua da Imperatriz n.
ulceras, rkeuma, sarna, parchas, igdrone- 6u' de Gi,BW A Silva-
aw, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debibdade ge-
ral : Indigestao, Syphilis
As saics >( Puvao.
Vendem-se as mais1 finas saias bridadas asogu-
Iha brancas sendo da mi-llior fazenda que tem vin-
tar o muitos outros brinque-dos de madoir.i.
que se vendes] baratamente : na rua u
Qojimado. loja da Aguia Branca n. 8.
Hielas pretos de seda para semioras a
iOO ris o pKP.
A. Aguia Bronca quer acabar com a por-
p5o de meias ptelas de seda para senhoras,
colleles, palitos, etc.
v.-ia de laa igualbenle sortidas em cores
s.
brancas e diversas ou-
u para os mesmos i
dem de algodo
tras cores para vesti los de chita.
i "Ves a 100 I : -. o ccva.-V ;
i
balsi'nlcadararnc'
runmrmm
i,
Pare:a>*arai
R -ci ku pelooltii ;,
dem de borrach;
soutemharques.vesl
Novas e lindas gi
soutemarques, vest
.\ovos vestidos na luja do Paci a IG^uGO.
Ciiegaram paca loja do Pavao os mais ricos cor-
de enfertoidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as ceitides no Alma-
nack
se d
se
Este remedio O fructo de longas e I abo- rem' muiia biwada e enfeites suSieientes para < .
riosas.experiencias, e ha abundantes provas crp0 e ma"Ka*.6 veudem-se pelo barato preco de
inslf, oiia cirpi-pri/lr, ,0*;-0 cada aro, -na loja do Pavao, na rua da Im-
iriz n. 00, do'Gama & Silva.
parrilha, e
composto de diversas planta, algumas das t* esw&rlilLos do Pava*.
qnaes sao superiores a melbor salsa narri- ^n^'n-se nm^randee variado sortimento de
llii nn spii ru'l.T liprm.to espartilhos os mais bemfeitos que tem viudo ao
p m i, i ir aven flieroad<'sendo de luos "s ,aina"hS Pe, iaratif-1
fbliOllrd Dh l.l.lll.lt m, AM.lt. *imo prego de 45, 5, e G5000, por baver grande :
Cura promptainenle a asthma, bronchite, sortimento, na loja do Pavao, na rua da Imperalriz1
Loeae, 4e8axo, angina, .coqueluche, n. co, de Gama i Silva.
par, alim de que ninguetn mais cal.oe! iQem iaem ae cor
niits prolas de ahjodo, agera pois apro-: moldes .e agradaveis
raneas e pretas para
dos pretos, etc,
arnices para enfeitar
dos pretos, manteletes,
gosto e modernissima.
com vidrilhos, moldes no-
s tambem de bonitos
Cores.
veHarem a qtiadra c dirigirem-.e rua do Botos para os mismos lins, saido pre-
das suas virtudes: poste que olferecido '*lr
ao publico sob o nome de Salsa parrilha,
Queimado, loja da Aguia Brancg n. 8. Tam- ilos de seda maiores
bem vender as blancas a 1$ o par, e des- com vidrilhos e pen
-1 tas o nico defeilo estarem um pouco tri-; versas cores.
blem pretos de vel
dos tamanhos.
Lonelos de, dous vidros
A LEIITSMA
li'tlr.-va primaria, .tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etloos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmoes pdem ser curadas 6m pou-
eo lempo pelo peimbal df. cerej oo dr.
avkii.
A' venda as prineipaes boticas e droga-
ras do mperid. e na agencia central do
Pao de Janeiro rua Dircita n. t.
Ve:ide-se e:n Pernambuco:
na
8?
Veudem-se superiores meias cruas inglezas pelo
baratissimo prego de 45(00 e 5000 a duzia, ditas
de todas as qualidades para senhora, meninos e
meninas, na loja do Pavio, na rua da Imperalriz
n. 60., de Gama & Silva.
l\l

Pechiuch
c menores, enfeiuidos
udo tambem de sorti-
com aro de aro, bfalo
A luja de mtudeza:
e tari roca.
|n. 16. receiieu um bilo sorlimento de lo-
netas e oculos de vidn s com armaco fina de
acc, bfalo e Urtaraj
poi presos razoaveis
jam-se a esta leja na ru j .do Queimado n. 16.


ce franqaise
oEp.MDRER&C'f
RUA NOVA NE1
(iraade iiriiia/.ein RtIA DO IMPERADOR N. 22.
0 armazem de tintas um prande deposito de
productos c.himscos utensis e os mais embregados
e usados napharmacia,pintura, pholographia. tin-
turara, pyrotechinia(fogos de artificio) oea outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaesdrogaras de Paris, Ivjo-
dres, llamburpo, Anvjrs e Lisboa, pode ofereceer
producios de plena confiaoca e salisfazer qualquer
eneomoiendf. a grosso trat e a retalho, porpregos
razoaveis.
Prvidos de macbioas appropriadas satisfar
com promptldao qualquer pedido de tintas moidas
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes podera ser examinada pelo consumidor, o que
n5o fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande eolleeco de vidros de difTerentes
formatos, desde uma oitava at dezeseis ongas de
capacidade -, de vidros para vidragas e diamantes
para corta-Ios; depinceispara fingir madeira coa
rtopriedade e outros; de papis dourados e pra-
peados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel prande e pequeo formato de vanas cores
para embrulho, para forro de casa, para desenbc
com fundo j feito ; de panel albuminado l.e Brisui
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira. copal para o interior e ex-
teiior ; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de loiele, secan vo de Harlim, ourc
verdadeiro em p ; prata, uro, e estando em fo
Ibas de varias cores ; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para confeitarias; la decores,*
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos t
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly.jasmim, bergamota, aspice, patchouly, mbar.
bouquet,limo, alcaraiva, melissa, ortela pimental
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
ans da Ruisia, canella, cravo e muitos outros ob-
jeitos que se com a vista poderao ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
PREPARADA NICAMENTE POR
LAMAN & KBIP,
a sxo rs. na loja do Pavo.
Laaziubas a 320
Lazinhas a 32o
Lftazinlufi a 320.
Vende-se un grande sortimento das mais finas
mais bonitas lazinhas matizadas com os mais
(iodos desenhos, sendo fazenda que val cinco tus-
les, e vende se pelo baratissimo preeo de uma
pataca o covado por ser uma grande po'rcSo desta
linda fazenda : na loja do Pavao, na ruada Impe-
: ratriz n. 60, de Gama & Silva. pro
. Laaziubas garibaldiitas, so o Pavo vende a 320 approvada pelas juntase academias de me-
i dicina; usada.nos principaes hospitaes, ci-
E
Senliam <
NOVA YORK.
zendas e roupas friua na
de Guimaries & Irmilo,
pregos de suas fatendas i
que em cuna qualqu.T p;
oneiro, assim como seja
sendo escuras a 200 e 220,
4CO rs, ditas transparente
320 rs.
Falcadas propria
Vendemse as riis bon
da sendo escocezas as mai.
\ do ao mercado pelo barati
covado, eassas fr.ncezas d
360 o covado, ditas com p
das e graudas pelo barattn
rua do Queimado
a. e os est vendendo
os pret-ndentes diri-
wm
eaharas'
Os proprietarios da uov i loja e armazem de fa
rua da Imperatriz n. 72
acabam de reduzir os
leos 20 por cento do
te. afim d apurar di-
aziubas de quadrinhos
ditas mais finas a 360 e
com lisias de seda a
se deve applicar, assim corno agua
opiata c poz para limpar dente?.
Danhas.
Grande sortimento de anbas em copos, em la- 'rn.z.eS! e,m P""' !'* o psn^
tas da fulba e em frascos de ti dos o? tamanhos por e '" '';,ra l'eM'' ,: 'befa. Roa a
arte, assim como a52,armama porl .;'.rga.
I'itrde* Perl*
Vende corte- di prrg :.' p l ; -
1 covados cada nm 354000, grsd r-m:
l|600, 00 o:',", o .-.vado, l?- Una laau
rg. o covado, lias de quadria
t;i!;.. a 320 rs. ( i. r d Roa c .
ari: aiem i^a polla larfa.
Pal '(frs Porte
T-m para n n er por srepi oa n lo. {
espnio de linho n ;: i" taras a ~. I
linho para leocoes .i t,.o t Ton r. a -.1 r,....au-
tede linho de i a 2-3OC i i ji
I';:, i i !' i '
Vende enre? gOSfS a 10,") e 1?,^. n^S v.-'uar'o | .
- menino, neis cortes de cambr./.i I
10,5 i- 20JI tarlalana branca c a lira '.'. 'j
rs. a vara. Rua da tapen n: armazcui da ;
!ar^a n. 52.
Rnupa frita
Roa da Imperatriz n. oi armazem -11 tSJNi r
ga junto :i pailari.i (raaeen, saMMttravst i -
I labelecin.eutu u......mpl, o i-uitim. i
I saceos e solrecasiee-.-, i!-'tf-das as quaiid
i fas, colleles, eeroola, naisti, en ;.tas, i
I chapeos de sol, dito* france?
comnn dos. rooaa para m.
precos menos do queem outra garle, a.-.-im como
muitos outros objectos que naos( poic mencionar
por boje : s nogal(gvigilanle rua do ;.|o nu-
mero 7.
Rival sem segundo
Rua do Queimado us. 49 e o5, loja miudezas de tres portas, e&t.tuci-
itiando (utlo lioiii e barat, quciu qui-
zer ver e admirar venhan loja do
Bigodiaha,
o e pautado
Caixas de papel amizade, e sem ella
afiOOrs.
entes e outros de di- Grons de boes de louca prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzia.- de penna de ac fazenda boa a O rs.
Pegas de tranca de laa lisas e de louas cores a
40 rs.
Escovas finissimas para limpar denles a 240 e
320 re. -
Pecas de fita de cs estreitas era 10 vara? a
320 rs.
Caixas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pecas de cordo para vestidos, fazenda boa a' precos
Composta de substancias, gozando das e 40rs- covado: isto na loja e armaze
opriedades eminentemente depurativas ; T,^0*rua da ,m',eralrl 72> de G
; Irmo.
Saias liordbdas.
Vendem-se as mais bonit s saias
para a fesla.
tas bareRes de laa e se-
moolroas que tem vin-
sirno pre.;.. de d60 o
uma s cor a 320 e
reas solas sendo miu-
|imo prego de 280, 300
azera de fa-
uimaraes
laaSs^rina^L'nnf aILa''JSS'S VS lililare6 da marin'ha as ntilhas e do bastante largas e muito I em be
! SSB.ff!SaS SiV& SZ atinente americano ; receitada pelos | '^SL^fftSPil^
bordadas sen-
pelo ba-
res a imadas sTdaTde ^Xi^tlSbuZ facullativosos mais distinctos do imperio do ...!e^idf.,^^ntVmul fi.Da..5ends .branc?s
se pelo barato prego de um cruzado o covado, isto Brasil e da America hespanhol
jiechincha ; na loja do Pavo, rua da Imperatriz : ~ ---------------------
n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos a .i:->
Vendem-se cortes de vestidos a Hara Pia c
com barras de cores bordadas de laa e seda sendo
os mais modernos que tem rindo ao mercado e
vendem-se pelo barato prego de '.>&, 9500 e 10,5.
Mantas de seda para liomein.
s venreas emercuriaes, chagas mm*gZ&Zt*imaMm*- SPdapara
CUEA RADICALMENTE
eserophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
coni bonitos padroes, sendo lisas e de quadros, pelo
baratissimo prego de 160 rs. o covado. isto 6 para
acabar: na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60,
de Cama & Silva.
Manguitos t golas a 'OO rs.
Vendem-se manguitos com golas de cambraia
pelo baratissimo prego de 500 rs., isto para li-
I multas hundas por pre{i s eocoancJi -. an
muito linos para voltarete a 200 e d* P0""'3- lsrR-
I Xo mesnioe-labe'reimento encontrr.ri ir
I tavel publico, sen>| re um c mcele s rln M .
i roupas fetas de todas < qwaWes, r
paletos de alpaca prela ede cor,di: -
i eos a i$e o, ditos il^ brim pari a 2* Frascos grandes com superior agua de Colonia a' 3'0O, ditos linos a '$, ditos m
640 rs. I 3*1800, M e o, dit.K ntenira i c. ,a 64. %
Caixas com t2 frascos de cheiros muito finos a a, ditos sobrecasar.w a 10 e 125. dil. s > | an
15100. i no saceos a 65, ^5 105. dito ?nbr-rasacr-
Sabonetes pequeos de bolla a 210 rs. e grandes a e 253, ditos de merio preto a 6-5, ',', t I "
320 rs. i gas de brim de atier#s ipattataaOs a UM
Duzia de .abneles pequeos com che'ro a 700 rs.' dilcf bnos a 25500 fi-jiN. Sil
Apea dentifice superior qualidade a SOO rs. M p 73, ditos pretos a 55, 6#. 85 t I f
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
20 rs.
Baralhos
240 rs.
Latas com superior banha a 200 r?.
Frascos de macaca perula muito lino a 200 rs.
Frascos e garralinhas com agua de Colonia
400 rs.
Frascos de superiores essencias sania! e outros a
13200.
Frascos com essencias para tirar noduas de roupa
a 500 rs.
Frascos com cheiros de lodos os precos a 160.200.
240 e 320. '
Fn.scos bonitos com cheiros finos a SOO rs.
Duzia de meias muilo finas [.ara senhora a'
45800. ;
Golliuhas muito finas para senhora a 200 rs.
meias cazemiras a : t 45- r. i.;.- A*
qualidades, aerelas (raneend alenda, o i
linho, dita-de bramante a 2 taYOK, faaawza- .!-
algodo de IiuIki franrriu de ^ajh e :5. ,rai-
de perhiiiclin iic.-te genero, grav.:,s .1.
qualidades S bram-as (...ra ea-amr.:. traBd.
timenio de meias para >. niu rajgdii...- ;arj :.,.rjes
a ;t, superinr.- :i.'i l'rn coinnlet.1 wriimeitlo de cbop da
alpaca a :t5. diloa di aeda a ?, ::, \. '_, ;i
francezes para rafe ea. .
a u-
PechiHcba aaaalraveL
Grande sortin nt.> de Chambre ? i#800
lenees de cambraia para homem a 25 a doria, dr-
e
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Pegas de fila de laa para debrnm de vestido, com
10 varas a 600 rs.
K00 de b'C0S superiores' para kcabar a 60 e te? de linho a 43 e 53.
dj rS' i Grande sutimi'i.in ,i roopa para meainose o
Pedras de lousa para meninos a 160 rs. tra5 naiu qualidades qoe aeria enfados* n*m
Bunecos de choro e panno a 160 rs. eiona-la?.
Caixas com bonitas estampas para rap a 100 rs. I i'-w*inta
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
pequeos pretos para caiga a
60erGamal0asHvaPaVa' rM da Imperatriz n- iCraz n.Mem casa de Caros d^Barboza
M TaiMa' M
mmn
o
Corles de chita do Pavo
Vendem-se cortes de chita franceza muito boa
com 10 covados a 25400, ditos com H covados a
23600, ditos cora 42 covados a 25800, Isto s
para acabar : na loja do Pavao, rua da Imperatriz
n. CO, de Gama & Silva.
Agasallios para caliera de senhoras.
Vendem-se superiores agasalhos para cabega de! nro'n."36.
senhora ou cachios, sendo fazenda mais moderna
que tem vindo neste genero ao mercado, pelo ba-
ratissimo prego de 35 cada um : na bija e arma-
zem do Pavo, rua da imperatriz o. 60, de Gama
Silva.
Cbales de renda a 100,120, 150, 203 e 2o)&, ua
loja do Pavo.
Vendem-se cbales de renda prela muito finos a
103 e 123, ditos de linho a 155, ditos de seda de prios para enxada, urna mulatinha de 14 a
linho dos melhores que ba em chales de renda a com principio de costura e engommado, uma ca
20 e 255, ditos brancos de tres ponas a 6, jato brinha com 6 auno?, muilo linda e espert, o uma
so na loja e armazem do Pavao, rua da Imperatriz > ontra negra moga perfeita engommadeira : na rua
n. 60, de Gama dr Silva. | d/j imperador n. 45.
evita os engaos, (sendo os roai5 ra0()erD0S e ^|horeg
A legitima salsa de Bnstol vende-se por mercado pelo baraiissimo prebo de 53500 e 65 a
CAORS BARBOZA i dazia.
JOAO DA C. BRAVO & C. Chales de merino esttapados a 20.
Joo da C Bravo & C Vendem se bonitos chales kle merino estampa-
Deposito geral em Pernamr/uco ma da\tt2SE^&&JS
tampados a 65500, 75, 75500 k 83.
Camliraias liraicas.
Vendem-e pegas de cambraias brancas a 33,
35500, 45, 45500 e 55, ditas muito linas tendo
uma vara de largura a '.15 e lOp : isto 0 na nova
i loja de fazendas aa rua da Imperatriz n. 72 de
Guimares & Iimo.
Riseados escnccczcs.
Vendem-se os mais bonitos riseados escoceze
para vestidos de senhora e pro, mus para roupas
de meninos a 260 e 280, chitas rancezas escuras
e claras a 240, 260, 28o, 300 e 20, ditas percales
j muito finas a 360, 400 e 440 o r ovado: isto s na
I nova loja e armazem de. fazendas na rua da Ln-
I peratriz n. 72, de Guimares & Irmo.
Camisas fraticeio.
Vendemse camisas fraacezas a 15500, 15800,
25. 25500 e 35, ditas com peil) de cor ai) e
25500 : isto s na loja de Guimares Irmo.
Grosas de botoc
100 rs.
varas de cordo de espartilho a 20 rs.
Novellos francezes com 200 jardas a 40 rs.
Pegas deliras bordadas a 640.
Duzias de meias cruas muo fortes e superiores a
35500.
s
VILLAR
Chegou a verdadeiro vinho verde de Rosto, es-
colhido pelo proprio vendedor : na rua do Arno-
Vendem-se dous moleques de 16 a 17 annos,
um cabrinha proprio para pagem por ser multo
bonito, boa conducta, com 14 a 15 annos, um mu-
latinho de 10 anuos, muito lindo e esperto, e dous
negros para enxada, uma negra moga muito robus
ta e sabe engommar e cozinhar bem, uma cabri-
nha de 18 annos, perfeita engommadeira, cose e
cozinha, tres negros mocos sem habilidades, pro
Colla da Baha si perior
Tem para vender Antonio Lufz de Azevedo &
C, no seu eecriptorio rua da Ct uz n. 1.
Vende-s" soperirr merinr>p'eto irefftJ p-ri n
pa> de Mfiban a vestidos a 23. !n-;rim da tTlai
a 15800 o corado. Kna da Imprr.itnz. noria raraa
Paredes Porto.
Vende cm =eu r.-tabebcimento tir.-?- p nir'nr
bordados, grande snriinientn de rorplnho* r-
menle bordados a .f-J. 45 e 55. S < ft)ra>! Por-
10, rua da Imperatriz no 52; pars lirga ju:
pealarla tr.inceza.
Paredes Parla
Receben pelo ullimo paquete rr.ntti rica- las*
granadinas com ti >res de seda a 1(0 e 500 r*. i
BoeadO.esliacafcaaadeas, eaoribasaa prea tara
lulo. Porta larga junto a padaria (ranceza, a rua
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Vende um coptela sortimento de farend.i:
brancas, como sijam mada otta a t^ni). 55, 'i a
105, pecas de algud.) por barato prec >,rhua '
ce7a a 240, 280. 320. 360 rs o erad .. prr.
muito linas a 360, tOO r>. c >v.-.d>, rhia lajatja
a 200 c 240 rs. o s*adak Rua da Imperatriz o>.
52, junto a paaria franceza.
Paredes Pc:to
Vende gangas de cor propria para opa *> me-
ninis a 320 rs. o covado, ri.-cj.io fraoeei fr.o 1
320 rs. o covado. Hu da Imperatriz n. Si, junio
a padaria franceza, perla fcaras.
Paredes Ntlai
Na roa da Imperatrii n. 26. fab ica de chapeos R"ceben ?> u!limi ^ e'"n!2?. pr*"
de sol, ha para vender um sorlimento de obraj de "'C081 f ^ *10, bon?' ,e"T; '""'
onro, como sejam, aderegos completos com coral, ^"r.\e hmrm,a '*<>* r"rt,\ ?"**?!*
meios d.tos, alfloetes, rozeUa, brincos, correntes horados de 18j a/^ por urumlq-ieaV!
para relogio, cagoletas, cruzes, botes para pu- f^tao se acabando, na roa da Imperatni.ai,.
nhos, ditos para abertura, e outros objeclos de a Padarta franceza.________________________
ouro de diversas qualidades e goslo?, que ludo se "* Ainda se acba p.ira vente- a sacra a de 15 a
vende barato para acabar. 16 anuos : na roa da Cruz n. 7,3' andar.
Com loja na do Crespo n. 17. 18
Recebeu de Paris sedas em cortes mui- ^ajB
to superiores e bellissircos padroes, e 1
g chales de renda pretos para 105.
B liste importante estabelecimenlo torna- a
se recommendavel ao bello sexo pela va- 9*
^F; riedade de fazendas superiores e bellos SS
~* gostos
Proteja o bello sexo ao Villar |
j|8j e verao iodos a prospehdade.
Mmmmmwmmmwm-mm


A loja de fazendas de Augusto Fredericodos Santos Porto, acaba de receber um mn
to grande e novo sortinento de cortinados bordados para cama de uoivos a 36, 405, 4o,
50,5000,605000 e 70*000.
Lidas manas para gravata, de variadas core?, a 14500 e
Cachinez de la de diversas e bonitas cores a 35300 e 4.
Chales de guip, fazenda a mais moderna, a 165, 205, -25 e 255.
Rotondes de guip, tambem os mais modernos a 2B.
Colchas de seda de cor para cama de noivos a 555 e 605.
Alcatifa de linbo para salas, tazenda larga, bonita e de muita duracao, a 600 ris o
covado.
Tapetes grandes e pequeos, com ricos desenhos, para sof.
Saias bordadas para senhoras a 75, 5. 95 e 105.
Capas e soutembarques de seda prela para senhoras.
lioueis, chapeos e chapellinas para senhoras, dos gostos mais modernes.
Chapeos elegantes para stnhoras, a 125-
P.cinhas de linisima brelanha de llnho a 75500.
Laaziuhas de quadros a 320 rs, o covado, setim de Pars a 700 rs. o covado, e cam-
braias Irancezas de cores a 500 e 700 rs. a vara.
Casemiras de quadros, moire antique pretos e de cores, pannos e casemiras pretas,
grosdenopole prdo e de cores, esguies, silesias e cambraias ee linho, sortimento, de diver-
sas fazendas para luto, chapeos de seda para homens a 95 e 105, chapeos de sol de seda,
lindos manguitos bordados, e outras raudas fazendas que ?e venden) por pregos razoaveis,
inclusive
Esteiras da India para forrar salas
CORTES DE SEDA
Chegaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreantique cores, e seda lavrada
dr3es inteiramente novos. -
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RUA D3 CRESPO-5
Paes1 do Amaral fc Coinpanhia.
Gregorio
AO RESPEITAVEL PUBLH
;o
A tabella abaixo publicada serve de bas
tanto deste armazeni como do armazem pro$
te o do Orino n. 9, principal armazem ra
dor n. 40.
:
.-


h
novos e outras militas
Para vestidos de senlinra.
Corles de seda de cor de bom gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinlios.
Bmismoireaniiques de cores.
Grosdenaples da todas as cores.
Lindos poil d chevre fazenda assetinada de inteira nnidade.
Lindas daquezas assenadas fazenda inleirameote nova.
Modernos greaadines de seda o que lem vindo de mais novo.
Grande variedade de lias de cores lisas e de salpicos. (
Organdysc ca-sas de muito bom go>tn.
Percalias modernas com grande variedade.
Lindos cortes de laa a Clotilde com todos os pertences cada um em seu car-
lan inteiramente no\os.
Bons cortes de cassa coa barra tambem inteiramente
cS. fazendas de gosto que seria enfadonho mencionar.
Para hombros desenli'a
Grande variedade de diales, bournoux, retondes e algeriennes de fil e de
Vguipare a 10. 16, 20, 30, 40, GO al 80.
v Modernos soutembarnnes de seda de superior qualidade.
L ndos licites de seda de cor pretos e de cachemira.
'dem fie cambraia branca bordada commailo gosto.
Sautembanjoes c bournoux de cachimira de cor e outros muitos artigos decrb
1 om gosto. q(|j
Para cabega de senhora ft
Superiores cbapelinss depalha. ile seda e de crina de muito bom goslo aim-3?
; p ratriz. jj
f^ Chapeos de palba da Italia grande variedade. aM
Lindos gorros e boneta de p.dba de Italia, Imperatriz, Canutier, Clotilde
.-;. c ;i Urante, ebegadosde Parispe'o ultimo vapor. j&
(iranio variedade de enfeites defroco c de llores pira casamento. f-%P
Superiores vestidos de blondo, e de moireantique brancos. &
Bonsmoireantiques brancos o superiores sedas brancas. 3m>
Bons vestidos de tarlatana branco bordados. '*P
Lindas mantas de Monde e boas capellas. (^
Kordaidos. ^J5
Grande variedade de ntremelos bordados transparente c tapados. JJl
Tu as bordada transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordadas eSB
nutro-; tnuitos artigos.
S,*M\ IMS COIiUMMAS
DE NTNI<> ORRE14 l>E VAS' ONCELLOS & C.
RA IO CRESPO If. J3
Fazem seiente ao respeilavel publico, e cora especialidade ao
genbos, lavradures e mais pessoas ilo centro, que paramis facilitar
|beraram os propietarios dos tres grandes armazens, reunir todos ob
| mentos em um s annuncio, pelo qual o prego de um ser de
| mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, ann inciar os gneros
i por um prego, e na occasiao da compra quererem por outro, como
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos
anda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar
sero tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remellen
pela qual se ver os precos tal
alguraa que fizer sua despenga t
5 por cento na sua despeza diaria.
qual annunciarmqs, o que senao ar repender pessoa
nossos estabelecimentos; pois
&
Vil
IB
k;

Loga da boa fe na ra da
Imperatre n. 74.

Vendero-se ricos eofeites para cabeca a 255ii0.
Peales pretos para alisar a iO.
I1 tos cora chapa -ie metal branco a 500.
ENcovas Bn is pan. denles a 120. JV) e 500.
T -Minas lin.is p.ra costura a 300, 600 e 15.
Meias nuiito tina* para sech ra a 300 e 400 o
Caiza coa 50 nvelos de liona do gaz a 700.
Calza ce ni 100 envelopes a 800.
Caixa com papel paulado a 700.
Uesma de papel aimaco greve a 35200.
Finia prcta para eserever boiio a 140.
F.cas e garios oe balauco a 55500 e 05500.
Meias cruas para bomrm a 200 e 20 o par.
1 lindes de todos os lmannos a 100 a carta.
Fila de linho peca 30 e 120.
Cirdo para vestido a 30 rs. a peca.
Dito imperial peca 40 rs.
(laixas irom obreias muito iioas a iOrs.
Raralho de carias linas a 240.
froza de Inunde louca para camisa a 120.
Ditos de madreperola muito linos a 640.
Caiza de corxeie muito bons a 40 rs.
('.arlan de sonatas mnilo bi ns a 60 rs.
Grvalas de seda pela e de cores a 500.
Jugo de wispora a 800 e 300.
Caixas minio finas para rap a 15.
i; um"completo tur.imeoto de nnudezas que se
.!'..I -m por menos do que em outra qualquer par-
le para se apurar dinheiro.
Acha-se
venda na livraria acadmica, na ra do Impera-
dor; na do Sr. Nogaaira, joDto ao arco de Santc
Antonio ; e na lypographia imparcial, na ra c^-
ir i do I,"-ario a oompilaciu de toda a legisla^ao
' i lente administraeao, arrecada^o e fiscali-
ajo dos dirihiirns daorpbaus derunios e aaseo-
i heraneas jacentes, legados, etc., contendo nc
. o regiment de custas e a lei geral das ezecu
-. como tambern todas as ordens e avisos dt
Eoveroo, qae a ludo (em explicado, tanto a respei-
lo das obngaedes inh-rentes ao cargo dos differeu-
es empregados de justiga e fazenda, como dosdi-
ifilos nacionaes e emolumentos que sao devidos.
Este livro contendo mais de 700 paginas em ntida
icuuressao e b-wn papel, e presiando-se a Qtilidadt
ri i differenies classes, lorna-se recommfndavel
Seu ciisin lOOOt por cada ezeuiplar em dou-
j:i'S.
" lhlES
Cirantle peehkncha.
Xo ra da Emperatriz n. 32 porta Urga de Pare-
' i'nrio. vende-se chiles de merm eslampados a
25 e 2j500 e tinos 55. esiao se acabando.
Bordad*}.
Cbegoo a luja de Paredes l\>rlo, ra da Impera-
iriz n. 52, nui sortimento de camiinhas, gollinhas,
eorpiohos, rouieiras e sintos, de cambraia branca,
lelo barato pr^go de 25500, 3*300 45, gollinhas
500 r-., romeiras a 800 e sinioe a 800 rs, grande
qaantidadfl de enlremeios a 600 e 800 rs. a ppca,
t.:a i se acabando.
PMHlMllh
Vemlem-se barricas com sebo lo Porto, de 7 a 8
arroban, asaim como se compra nm fole e bigornia
i ira ferreiro: a tratar na ra Ja Senzala Nova n.
4, diara i.
LOJA DO BtUA FLOR
\& na Kosta loja por tolos os raporesse recebe luvas de
: pellica brancas e decores, tanto para hornero como
; para senhora.
Vo'tas, c uzes e brincos.
Cbegou no ultimo vapor um grande sortimento
1 de voltas e cruzes, imitando cornalinas brancas,
I assim como brincos da mesma e de cryslal do m^is
apurado gosto que se pode desejar, foi s qmem
receben : na loja do beija-flor, ra do Queimado
ru.63.
Enfeites para coque.
Assim como receben enfeites para coque e ou-
tras muitas qualidades, qiiese venden) mais barato
i do nue em outra qualquer parte.
Honecas que Hiam .111 mami e papai.
Tendo recebido um grande sortimento de bone-
eas que chamam papai e mami e movem com os
olhos, muito bem vestidas, com cabelleiras, c o
que pie haver de gosto neste genero, e vende se
mais barato do que em outra qualquer parte.
Bilaios.
A.'sim como um bonilo sortimento de balaios para
menina de escola, tambem ha muito bons pentes
para desembaragar, guarnecidos de metal.
1 Bichas de Hamburgo
Fi todos os paquetes da Europa se recebe 0r
%M. destas amigas do sangue humano e se |f
ij vendem a troco de pouco lucro s aOra S
^g de ler sempre cuusa nova : a toja de bar- U
JL, beiro ra estrella do Rosario n. 3, ao p %
M da -reja. |||
colares Royer 011 colares ano-
dinos
para facilitar a denticao das crianzas e preserva-
las das cunvulses.
0 feliz resultado oblido immenas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de convolsdes, e denticao das enancas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
e hoje j se pode di/er que esto geralmente con-
ceituados, e estimados de mnumeraveis" pais de
familias : de uns porque do uso desses salutares
colares viram salvos do perigo seus charos filhi-
nho*. e de outros porque colheram daqoelles to
proficuo exemplo para igualmente preservar os
seus. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
tas a utilidade e proveif desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandin vir o novo sorti-
mento que agora receheu, e continuara a recbe-
los para que em lempo algn a falta dellea possa
ser funeta an pas de familia, os quaes iearo
eertos de os achar^onstantemente na ra do Qoei
mado, loja d'aguia branca n. 8.
AVAPOR
Vende->e farinha de milho mnida a vapor mui-
to lina e propria para pao, cangica, bolos, cuscus e
ang e outras comidas de milho deque se torna
muito til: na ra Direita junto a parlara da
i viova Machado 4 Fi'ho n. 86.
Servej
Superior serveja Bass
bricantes, como sejam: SI
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a
a garrafa. Tambem ha
como seja: Victoria e Alforje a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
de presos,
ressivo pa-
do Impera-
vm wmm
Receberam Gregorio Paes do Amaral & C. mais um completo sortmoto dt
I LO NIETO
Manufacturado em Challes
Points
Algeriennes.
Rotondes.
Africaines.
Annamiles.
Pompadoan, ele, ele.
Desde 105000 a 800(0,
CHAPEOS % i:vPOSIt AO
Novo modello de chapeos ingleza de liaissim palna para senhora com
ampia banda de tife de cores.
CAPAS
de la preta e de cores proprias para lulo, ou passeio pelo diminatissimo preco de 100.
Seda matisada. em pecas
padrees modernsimos que faz o cffeito de um vestido de subido prero. Assim como :
ricos cortes de moireantique brancos, de cores, de gorgurao lavrado de para ca-
samento.
Magnificas grinaldas e mantas.
Colchas de seda portuguezas.
Cortinados para cama e janellas.
Camisas bordadas,
e outros muitos ohjectospara noivado.
CORTES OE TAItrilAVA
com enfeites de cores da mesma fazenda, o que ha de mais moderno.
CACHENEZ '
de muitos bonitos padres e feilios dilTerentes.
E outras muitas fazendas por precos commodos qoe venden
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
5 RA DO CRESPO 5
senhores de en-
|uas compras deli-
seus eslabeleci-
lodos, promette-
ocede constante-1
3o se dar islo |
Iseus fmulos que!
de mandar seus
[lo nos urna conta
poupar mais de
dos melliores fa-
lers & Bell. T. F.
duzi e a 7oo rs.
Be outras marcas
fina a 2,ooo rs. a
fa. Tambem ha
irrafa e l,ioors.
IflAMTElOA
Manteiga i gleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de l.oooa l.ioo rs. a li-
bra, e em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANIIA
Banha refinada superior a Ci rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a ,8oo rs.
dem hyssen o raelhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porc.o ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de a
2,4oo rs. a libra. gariWa e a 4,600 rs. a cana
dem preto superior de 1,800 a 2,5oo rs. Massas
a libra. Macarro e talaerim a 3C|0 rs. a libra
Itiscoiiios 15,ooo rs. a caixa.
Latas com superior biscouto inglez de di- j Passas
versas marcas a t.2oo rs a lata. j Superiores passas a l,.s
Bohiehinhas 5,000 a caixa de arroba hes^panhola e a 32o
Latas com holachinhis da acreditada fa- i rs. a libra,
brica do beato Amonio, proprias para dar a __
GEMEBItA
Vlllgr
Superior vinagre de Lis
caada e 280 rs. a garr
mais baixo para 2oo rs. a gl
a caada.
A zee
Superior azeite doce de [|
gar

O
o
oce
sboa
da.
a 600 rs. a
e a
00 o quarto e
eir a io,5oo a
dadeira a 6,ooo
doentes de 2,ooo a 3,000 rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,000 rs a lata.
Queijos
Queijos flamengos cliegados no ultimo
vapor a 2,oo rs., tambem ha do vapor pas-
sado a 2,3oo rs. 1
CHOCOLATE
Chocolate hcspanhol a 1,00o e l,2oo rs. ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo ai
a libra, francez e suisso a 1,ooo rs. a libra 6,ooors. cadaum.
Genebra d3 laranja verda
du/.ia e 1,000 rs. ao frasco.
Genebra de Hollanla ver
rs. afiasqueira e a 56o rs. n frasco.
Mom de Hollanda em b(itia- a loo rs. ca-
li a ums.
Garrafoes crm i garrafas! de genebra de
Hollanda a K.ooo rs. o garr fao. Tambem!
VELAS
Velas de spermacete a 6orj rs.
dem de carnauba de lo
arroba e de 36o a 44o rs. a
a libra.
la 12,ooo rs
bra.
e portuguez a 800 rs. a libra, em porcao
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a 1,00o a garra-
fa e 9.000 a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3.000,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
cor et a.
Superior vinho branco proprio para mis- g 2 g 3 5 4 5 5 ^
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-1 iiVrns
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a'
3'CaixasCacomauma duzia de garrafas de su- 4'4o rs" a B^~*-
perior vinho Bordeaux a 7,000 rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
CAF
Caf do Rio de 1.a e 2,* qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
S.lH.iO
Sabo maga de primeira qualidade de \80
a22ors. a libra e de 60 a 21o rs. sendo
em caix5o.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
i,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAIfCO
Alpista e painco muito n )vo de 3,800 a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acred lados fabrican-
tes, como sejam: Joo Furl ido da Serrias,
Manat Peixoto da Silva Ne to, Castanho &
Filho e Brando e de outros muitos, os
DE
AZEVEDO FLORES
ftua da Cadeia do Recife, esquina da Madre de Deus.
Grande soi-limento de Tazemlas por alacmlo c a rclalho. e un enleto trti
menlo de roiipa feila, decasemint edebiim, ludo por mrnos qie tu
ontra qualquer parle: quem toridtr veulia ver.
(AL(AS ^
de lindas e finissimas casemiras escuras e claras, de superior casemira preta de fiaof
brins brancos e bom hrim pardo.
I*a lelos
de superiores casemiras escuras e claras, de lina alpaka branca, de superior alpaka pre-
ta e de brim pardo.
colletes
de boas casemiras pretas e de cores e de lino brim branco.
CAMISAS
Superiores camisas francezas de 2-5 at 55.
Cero nas.
Ceroulas de superior bramante de lino linho.
11 aloes.
Superiores bales de arcos para meninas de 2 at 12 annos.
dem superiores para senhora.
Ciravatns e mantas.
Superiores mantas para pescoco de bomem, as mais modernas do mercado.
Madapolo.
Madapolo bom a Bfi, 9^, 10(5 e 125.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol oe seda balito a 10(5.
Fraques de easemlra.
Fraques de casemiras, prela, escura e de cores claras, e nao bavendo que sm
ao freguez manda-se fazer por medida e com muita promptido.
Todas estas fazendas por precos insignificanlissimos, pois o
quirir freguezes.
LOJA DO BALA
DE
pois o tito do Balo ad-
AXETEDO AR9L1ZEM I>E FAKCI
quaes vendemos pelo mdico
trecodel.Ooo,
caixa.
Licores francezes epurtuguezes a l,ooo e
Doce da casca da goiaba
quenos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o caix5o.
Frotas
Frutas em calda e em latas
meticaraente, muito bem enfetadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a ob 'S. a lata.
Tambem ha latas grandes pata l,2oo rs. a
e caixoes pe-
fechadas her-
* c.
de
CUSTODIO C A It VA MI
27 RA DO QUEiMADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
1OpOOO.
Laa de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a pre?o de 800 rs a vara.
Lencos brarcos para algibeira a W 00 a tem.
Fin18 perclaras a preco de 400, 440a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de lia de barra de 10,5 a SPiOno.
Chales de fil preto e 011 tras muitas fazendas.
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo oltimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Fructas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo oltimo vapor.
Queijos lomlriiios pelo uhimo vapor.
Queijos flamengos frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ullimo vapor.
Tudo se vende barato nos seguintes armazens:
Ra do Imperador n. 40. Verdadeiro Principal.
Ra do lueisnario n. 9, l nio e Coinnereio.
Largo do Carino m. Progresslro.i
ULTIMA MODA.
Paredes Porto receben pelo ultimo paquete um "completo sortimeato d> i-apas
hournus de cores ricamente eneiudos a 15a, 154 e 30* : na rna da Imperatriz n. St,
loja da porta larga junto a padaria franceza.
GiZ.
ou no
o me-
No armazem da rna do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. i, tem para venderse
Ihor gaz existente no mercado.
Vende-se um cylinJro, urna mas?eira, orna
balanca grande e urna dita pequea, com todos o
pesos e mais oteneilios de padaria : a tratar na
ra Direita n. 24.
aro
Vendem-se
machinas americanas de serrle para destrocar
algodo : na ra da Senzala Aova n. 42.
CAMBRAIA.
Cambraia de forro com 8 l|S varas a peca a 23,
est-se acabando : na loja da porta larga da ra da
Imperatriz n. 52, de Paredes Porto.
Vende-se urna taberna
Vista n. 12.
ca praga da Boa-
avaao.
Frase barrica 5JM
Poriland dem MIW
Em pereito estado:
Francez barrica I0JC08
Portland idem 12*00
No armazem de Tasso Innaos ce a
iln.
Che^aram os bonitos chales e reloaia* re brancos, e vendem-se na roa da
52, loja da port-- larga, de Parean P)rta.
Chales de renda
Paredes Porto, na roa da Imperatriz a. Si, |
larga, vende chales de renda ae con-a cata aeajaa-
no toque de mofo, a 3J5O0 e 4f, fxaa 4a W%
e 12*000.


Diarlo de Pernnnebiioo Segunda lelra 13 de Yorcsalro de !Sft.
0
GERENTE
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
UESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciacao dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
era da Liga estabelecido ra Nova d. 60 um magniflco sortimento [de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente do estranguro''podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
_ Sem a fatuidade de querer que este novo e nteressante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm affiancar, com toda a seguranca de que
nenhnm outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas :
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posicao social gozara de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos Gnissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorle farao mensalmente urna economa de
nanitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga o assucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devera vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhon s que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escoltado por pessoa enteodida que certamente muito deve agradar aos senhore>
compradores.
Nao se tera poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A MNHEIRO A VISTA:
ALPISTA IM rs. a* bra. j a". '^ mUl 'a' 8 "*
dem e painco de oito libras para cima a
100 s-^ ,L i KIRSCH de Wasser a 20 a garrafa.
Arroz de 90 rs. a libra a........ ^
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra. | LATAS cora graixa a 80 rs. cada urna.
0 PUBLICO
Sem o menor eonslran
gimento .se entregar
Importe do genero que
o agradar.
o
ATIERO
< precos da seguiiit<
tabella para todo, pu-
dendo assim servir de t>&-
se para o ajuste de contar
com os portadores; u
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Concelco)
PARA BEM DE TODOS,
Senhore'
'-nhoras, o aceio que presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais oue indo a nrnmr.,-.
era COTO que serao IMttfssj rnvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a nratanST1JE2?!_-
ibra.
atas "de todos os ta-
Avellas a 2i0 rs. a
Ameixas francezas em
manhos.
dem idera em potes de todos os tamanhos.
dem idera em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molbo.
Absyntho a 2^000 a garrafa.
B
BOLACIHNIIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 13800 a lata, e snTva -,
de cinco para cima a 1,51700.
dem de so la em latas grandes a 2000 e
de cinco para cima a I800.
Biscoitos inglezes de todas as quslidades a
i0200, I'&50e 15300.
Bolo francez era caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglesas.
Banha de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a GOO rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 10300 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 200 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Conservas era frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
CincARAS e pires a 15800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejara : Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, uelicias, Gua-
oabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetcllos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxira, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000,
252"0, 256G e 25800.
Copos lisos de lodos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35300, 45 e 55.
Cauces de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15300 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
|
I
DOCES de "todas as qualidades: brasileiros,
portugueses, inglezes, francezes, etc. etc.
Letria a 400 rs. a libra.
n
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
Markelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarrao e taliiarim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a tiCO rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molbo inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
00 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35300.
Micho painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
N
120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras ingle/.as e americanas.
rra dos teneros que precisara i
Pois sero to bem servidos como se viessera pessoalmente,
Ira p?rfe. -^
Manteiga ingleza especialmente escdliida a Aletria, macarrao
I,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem pratoa 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
to mercado a 4o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior s 640 rs. a lata.
e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, anda q'uelstes^eiam
tetando para com estes toda recommendAr'n nfim a* :
i ^< e intel
l preferencia na eom-
pouen praticos.
RIVAL
S1.J91 *:u; mm>
Mu a do 4ucinad a. 49 e m
Lonima a vendtr lesas as asadeza* ,a* v T
declara por precos admira* ei.
Massos de palitos luados para denles a fm
Espedios de molduras dourada- : ,
llonels de oliado para nienir.i s a lilVo
Ditos de couro superior fazesda a
Fraseos con loptrior una ro ha a *! rl
, Meladas de linda froxa para bordad.- -. zl" f ut
Caixas com 100 rotoso, U i m
Grojas de peanas deac,, (;,2,r, % ,ll(.,,.,,, ^
Orozas de boloes Biacrep e 640 rs. *"* "
{ Caixas com 50 no\ellos de hi.ij k,., .
Caixas com inferiora ol'im -
Veas de lita fama rfMHra i
Varal de fraDja de la Mra en.
4o rs.
Uaraliios dourados superiores
.Novellos de lioha con, 400 jar. as Sbn
Li'ros para ass. i.o,.- !e rosoa k*
Pares de botdct pora MBS, tw r;ra ni
400reSl'ra C0M0'aS "UP""" '' ***" "
Ca*oooe fmm de tt*m '
Massos com snreriores pramres a .10 r-
Par= de sapatos de tranca tf> : .
Caixas com soperiora asalta j ;.
Libias ue lia sorlidas de k>oHai ..
is com ssscriort obinai de n;
: -- | .f /re?
: n.
tu
.
PEIXE era posta, latas grandes, a i 5000, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargn, salmo, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc.,
Peras em latas, excedente preparado.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em qnarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. :i libra.
Pomada muilo nova a 280 rs. a duzia.
4
QUEIJOS fiamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
Mera suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINIIAS OU MORINQUES a
M
RAPE' Mearon a 15 a libra.
dem Princeza do Rio a 15200 a libra.
dem francez a 25300 a libra.
e taliiarim a4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinba, pende e rodi-
nha branca ou amarella a 64o'rs. a libra e
3,5ooa caixa com 8 libras.
Viho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de > caadas a
33,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excedente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em caa-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missaem caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainlia de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Ualvazia fina a 16,ooo, I5,ooo,
12,ooo e I o,oooa caixa com 1 duzia e9oo,
1 ,ooo e i,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae I,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Rolachinbas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinbas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartees com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,000 e 3,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
dem dem para vinho a 24o rs., e 2,4oe rs. Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez 'nespanhol e suisso a 9oo, | Figos de comadre a 24o rs. a libra,
l.oooe I,2oors. a libra. 'Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Sal refinado em frascos devidrocom tami>
uo me-m" a~-
a 20 rs.
! Resmas de pspel almaco a ?J
5oo rs.
:fi
i
Escovas para roupa, fa'renrta toa a ;-.( i,
smo, a .
Cerveja branca das marcas mais acreditadas ,
bdiidid, c o,oo, 0,000 e6,5oo a du- Polveiras para ursinas a 3*
ZI3. | Dilas e
Cevadinha de Franca muito nova a2oor.
Charutos do affamado fabricaVn." T:"1; '"" l*** ImS.
1 rs
volias parasenlura a U
Fi afros de Apua Fli i lea v, ida. nra a K1SS.
ante Jos Fnrta- id.n. de snpenor oleo bab
do HoCJimar. aZ.--------"<* '""" o' --uperor oleo 1,8,,,, a ;,..,,,
ao de Simas, das seguintes qualidades: Caixurcm lamparle, Para3^
t-xposifao ^or^lal de Ilavana, Impeiiaes \JU" rie ,,Lado d" r^'o > *o t M ra,
Londrinos, Guanabaras, Parifienses Sus- S..*'^'Mwiw^serwfsisti.
Diros Delirias a ha M K Quari.rnos de papel perjmno a t> r.-.
4,000. 4.500. 5.000. Grava-as de cores, Menta sn,, ,,
Papis de aynlhas, fundo domad... a mi.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
Milo de amendoas a 5oo rs.
. a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
b.ooo e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, inlervallos. Vencedores
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da carca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excedente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a l ,8oo o cento e i ,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muilo novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Rolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tcm vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5no c f,5ao o frasco.
bra e em caixa se faz abatimento. I Bolachinlin'd'agua" e i' da fabrica de Jlo ^SS? ^Z^S^SS^
Pe.xe em posta em atas herme ir ament la- de Brito no Reato Antonio, cm lata de 6 li- mimo | "oo 2 6oo e 3%Kda urna
eradas e das melhores qualidades de pe-! bras por 2,5oo rs. Rnbos Xf; p"
xe a Soo, 1 ,ooo e 1,2oo rs. Ameixas francezas em fi afen de vidre com l
Vinho Bordeaos das marcas mais acredita- tampa do mesmo, a 15?ioo.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc zas em caixinhas de diversos >
ooo a caixa e 6 4o e Too ris agar-! tamanhos com bonitas .n pas na es,- sJSfi SorWeS?lSS?
xa exterior, a i ,4oo, 1,6oo, 1,8oo e 2,ooo: Azeitonas portuguezas a Soo rs. a garrafa e
cada urna. ,)00 cada urna arirrela.
?^^^^Pi^^tt^M!^amP"?ne damelhor qualidade que ven.
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo OgigD.
o gigo com 36 libra-.
Sif VenJe-se osilio r,( Rusarir.ru. o. I. ,
pella, o meas;, de pedra e ral, boa i n Sa I
muiias rrnneiris, baila de ca m, *n
dio. Tambes) m peis.au pi ,. ,
alralarna ra Nova r. 53, as a Reril rs^
Cadeia n. 3.
ALGFdaO J IAIA
Na loja de Andrarle & akS, IW a> ii.-i. o e
esquina da na o Isipnaor, n r! ... i
se. superior alfu d<. da Bahia por s>so i
em outra qoalqui r pane.
I': ni % fugados
vndese um s, brao dt um ano-r um rniiatai
Brande e murado, cariosa e ai#msai I
na ra Direila des ArossSai n 7 : a ir.iar c n
Laurino de Moran Rasuro, na roa le a Hu ca
mero 47.
escbio mu
Genebra de lollnnda a 48o rs. a botija de i
con lacerta.
Frasqueirasde genebra de Ilollanda a 6,8oo' a Ooo rs. a garrafa e Io:ooo a caixa.
e 64o rs. o frasco. | Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo
Genebra de laranja verdadeira em frascos
peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
bra, em caixa se
500 rs.
SABO massa a 160 rs. a
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a
Salame de Len a 2??.
Saudiniias de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
100 rs.
a 75o rs. o frasco e
grandes a l.ooo e H,ooo re. a frasqueira.' Conservas inglezas
Caf do Rio de ia qualidade a 28o rs. aii- 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Cafe do Cear muito superior a 24o rs. ali- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a I6o rs. a libra.
' qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo. a 16o rs.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos emsextinhas a 8o rs,cada urna e
a duzia.
72o
rs.
R de rampa da Barra da J^r,p;,da i .- ni ira i
prehrnsSR da e-crav* Bmeairia, > m
sepumies: corista, mato romprki msi
Im ici. n uiin pelo ijue i-arrea itf raU otljMa,
poocorariellor moilo papsioSM 1/ aiwru-
cantos, alia, sadrgai rmpSjeasi -,: ama
cas piln r'sin <|i.e parece luxipa. '. r. li l
lioiiiu nais ou Biesaa, ie e li. ci im>a de aiSMiatiBSo, < i
amarello velho ; e.-ia upida o>- .
leobro, juica se andar por e.-O D| re
-i.lo de la, onde Km fillu-. < .' .->
em oolra orraiiao, SaHaste ooerri n i
muilo cM'himlifi: qm m a ptfjai ... i.
Passeio I'ulil co, que aera' gen.
pemari.i.
Fupio do eripenho Ao>| i
lermu de Santo Aniao, or- > neri
ir^e Francelino, de 28 a ti ina
ii r 1.1 ni pn la, i "I ellos i M i
da li .-.
.
rs. a libra e 2,8oo a arroba,
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Painco e aloisia a 14o rs. a 1
arroba.
Massa de tomatesde superior qnalidade a 64o
rs. a lata de urna libra e56o rs. ? roc-
ino.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4no rs. o frasco,
ibra e 4,oooa Lentilhas francezas, excedente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de. Zara propriamente dito a
15 a garrafa c ) 1,00o a duzia.
Palitos de dente n lio rs. o maco.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Ralaios para roupa saja, grandes e peque-
os, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 6'ro rs. a libra.
Latas com fructas em alda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a Sor,
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e> 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs.
garrafa.
m l.ranceihas arqBradas, ola s r; 1
nariz grosso t de boas lamas**, I cri :
belfos ripnlan?, denladnia h.
barba erhada, eorpo recalar. ;
prosM.s, muilo ladino ajMSa falla :# A01.
a i ganos, ror lula, cabellos e r\ .. -
lesia, si brancellias 1 olhi.- 1 gi.'. 1 1
noe entre-aroao, Loira p. ,im..
mulher do mesmo Kranceiino. o- u
no da Sdo ci nenie ni-Mleiiiui ,.
do abano asslgnado, lino doa crpia
;. i!, e- i i id 1.1 nie-rori n Haaoal I .r' aa l
porlanio 1 ga re a qoalqoer avh .
de campo, 011 quaesijuer OOBJaf | a* as. ^ .1
hensu dos ditos esrrati -. pela r. tura 1
os-ltimos sero bem reeompema
ros .-alisfeins de i|iiaesi|uer d--s|.,
reci de laier, ou auii risarem a (
J..s Vic- ni*- na Silva.
cd rr aa ?a ^. -^ \^-^ T^ ^s ^-. *^
ffi D"B a
~> tt"-
S S = o o
5 ~ j= o
^*:S
' -1 -
- a
a 3 >
3 a> g
Ci.cn _,
cd as
2 5
CD
c i2. e*2
_ o o
M Si ~ R "
B9
O
CD
, =

5 '*
CB

Vi
Sag muito novo a
T
TOUCINIIO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOS
IM
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
srvadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA SSS de 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
^-Figob de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 1,5.500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
Principe Alberto, de 1831, a 5000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 20 a garrafa.
Lagrimas do Douro a I #500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
Duque a 10 e 10500.
Chamisso a 10, 10200 e 40500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por n5o ter com-
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julieo a 600, 800 e 10 a garrafa.
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 200.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
caada.
B.fi-3 s
O *" 8
M W lf
O
CD ^
&3
a
o ->
5" 3 .
O US
- S -a "2 2. _. S
"T **J (*3 ^^ ^^ >.
o
2
O wDq
j> -
P a
cr- s o -2. "
CD O.
D
a Zl. CD u>
=
3

S o a- S
o.
MCBINASBEPATEN

de trafrnlhar Bino
desenrocar algodo
pa
FABRICADAS

Por Plant Brothers & C.
OLDAI
CD
'3
v <
CD
en
a 3*2
-* ?
j.
ct>
.
-
a.
CD O
-~
CD C3 ,
CD
cu

'j.
CD
<5
O
ir.
CJ
0>

su
VJ
-a
-1
si
"i
O.
B
w
3
o
CD
CD
a
3
B? 3 ff
R o 2
co
es
-
o
rs
-i
O
es
o
a.
o
1=

B3
CD
--
Testamentos em verso.
Continuam a estar venda, na tvi ogra-
phia dr na do imperador n 15. defronte
de S. Francisco :-os testamentos da Gali-
nha, do Gallo, do Porto, do Lcao, do Galo,
do Peni, do Carneiro, da Onta Tigre, do
(ao, da Ilvena, do Rato, do Orangulanpo.
do Macaco, do Burro e do Vigario ; a Peleja
Estasmach,naIfa-)rf|aC(",'0,J:,,0'a,(0 "* "f0?'
-^ podemdescarocar |e a 10U rs- a luem comprar urna mlleccao
-qualquer especie CMQ| leta ou 2o; cartas de A B C, Uiyadas,
cathecismos, economa da vida humana,
carlillias, Siman de Nantua, Biblia da in-
fancia, manucriptos, traslados, pautas, pro-
curacoes, apqdaotas, lellras, conbecimentos
para embargue de escravos, despachos para
a alfandega, papel almaco pautado e pinta-
do de diversos formaos, sendo o pequenua
30 rs. a folha, o immediato a 40 rs., o me-
dio a 50 rs.
.de algodao ser
estragar o fio.
seado bastanu
_., duas pessoas para
" o trabadlo; pd
descaroear ums
arroba de algc-
dao em earoc
em 40 minutos,
ou 8 arrobas
por dia ou o ar
AU.-elili>ll-.e do illferiln J. :,
Dhaem, bo dia 18 do ci-rreuie nei .. i
malatiobo aeaboelaSu da n> n fal ni, ,ue rejre-
seDla ler 14 anno? de id:de, pi im t
ror elai a, cabellos enrridis, deiiii ,-.,\.-. r i
desfarcado, levon veMido ran ;
ral(a de rircado e el-apo da rrari .
fui romprad .ae Sr. Ciniin de F i RaafrL ma>
rador em Cariris noo, pelo Sr. i;;, s
Goilberme de llarros, mora r i
e.te vi ndidn ao alsrxo a*Mfi a O n
lallnho lalviz te tenha isbtnlaSS tana, a t* i\-
pnm einliiy prornre reasir para
res : a pe5$0i que n api rehender "ii ti< He !cr e>
lina naqueile entenhn, ao il.aix a--
ne>ia eidaile aoa Sis. Curii..i, Iraaac 4 '-
generosanidite ryconjensado.
e o muilo grande a rO rs.
Attenco.
Cambraias.
Parede Porto vende cambraias lisas finas, gran-
de sorlirnento, a 3 al 64, dilas Victoria muito
finas, com 10 varas a 65, 64500 e 74 : na rna da
_.,.,, ,. mimm Imperairn n. ^2, junto a padaria fancea.
Sellms ingleies com borrenhas e lisos, silboes
pas montara de senhora Umbem ignaas, ehicotes i "--------------------,~T----------------,;_
para tarro e cabriole/, e para montara, todos de pegUC!!! JtOS COI'piflhOS t Caillliraia
J&aleia, fundas com elasticidade para ambos og la-, Vendem-se eorpiohos de carobraia com entre-
dos, e ontros mullos objectos inglezes, e brides de meios a 44 e 54, eslao s acabando : na Iota de
Ipojuca : lodos este objectos veode-se na ra da Paredes vorto, ra da Imderatriz n. 52, noria lar-
Cadeia do Recife d. 31, Joja de ieJleiro. ga, juao a padaria franceza.
Tasso Irmos
Vendem no sea armazem roa do
Amorim n. 35.
Licor fino Coracio embotijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com roibas da
vidro e em lindos frascos.
VinbosUheres.
Santeroes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
0 castello de Grasville.
Traduiido do franeei por A. J. C. da Crni.
Vende-se este .bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3500C
aa praca da Independencia, livraria os.
6e8.
robas de algodt papel marroquinadoe luslroso grande e pe-
1 po# j queno; papel para impressao de urna s
Assim como machinas para serem movidas por Cr ^ran(le e pequeo ; Virgilio, Horacio.
ammaes, que descarogaoa 18 arrobas de algodc iSalustio, Magnum Lexicn, prosodia, dic-
u"aWmaa?P*ram0W,MM' M* 252*? fran(,ez-Prlul,ei.e vice-versa,
Os mesmos tem para vender um bellis^imo va- franceza, e outros muts hvros, bem
por que pode faier mover seis dess machina; Icnmn em '""nen de tod > os tamanhos.
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
rem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saanders Brolhers&C.
W. II, pra^a do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste pait.
Flvellas de crystal.
A loja da Anrora na roa larga do Rosario n. 33
recebeu riquissimas flvellas de cryslal para cintos,
ditas de madreperola lambern de moilo boa quali-
dade, tanto grandos para senhora, como lambern
pequeas para meninas, recebeu lambern flvellas
douradas com pedras, ditas douradas lisas, dilas de
bfalo, botoes de vidro a imilacao de crystal para
collele, dilos de crystal muilo Onos para collele, bo-
toes de osso prelos para calca a 120 rs. a groza,
cartas de alfinelesa 100 rs. a carta, requissimo sor-
timento de fitas de tudas qualidades isto ludo s na
loja da Aurora na ra targa do Rosario n. 38 de
Lopes & C.
Vendem-se quatro burras mulo mansas, boas
de carga e de sella, por preco commodo : a tratar
no hotel de Franca.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observacoes e para os
martimos.
Escravo fgido.
Fugio da Punte de l'iha era? do rnrreni-
prei.i criiulo,de BOSM Itajmundo. rsstaarsl
ler 30 asnos, de altura recular, rheio do r p
cabrea comprida, barba dehaixo dn ssslss, ?n-ia
a pa-.p(i largo, levi.o ramisa de chila. raleas hrra-
cas, jaquila di. panno pr. lo, rh; \ i \ r. i..'.!. !
e mais un a ln uxa toulrndo n ui a de u.-n ai
lencol de algodai.;inho. A >.5'i andar rr-gar*) a
Itecile, de supir que arfaSiiu a drre-ro Se
Campia Grande, dYnde 6 narnral: qnm rapfav
rain ou delle der m liria, sera rer. mpen.-soV,
larg" do Corpo Sanio n. 17, 1 anl.ir.
braliiicaras de ii(s.
Ansenlnu>e da casa n. 59 da roa do firper'rfoT
(ouirVra Oiilegio) do sahbado U rio fnrreaie mez
de seiembiode 1865, o esrravopardr re wat? h*-
qnim, rom o> >ignaessegointe> : eaaMsaa regatar,
idade 18 a 20 annos. sem barba, (- largos, nfaaa'
grandes, rabel lo corrido, com orna anean g'raaSa
e bem visivel na lesla. parte dos d.ate da fren
arruinados, e rom falla de algn- '
com caifa de brim pardo e palrtoi rr rio de pama,
mas levuu mais roopa branca e de r,r, mutn
aslucloso, rosioma inlilular-e f..rr> e andar rat-
eado ; f i escravo do Sr. Goilherrne Frederwo da
Souza Carvalho, genro dn finado Sr n.nund-d <
Manoel Gonralves da Silva : NfB-M :, .-ua i-apiura
a ijida as au!orid.-.des policiaes e a ijualjoer ca-
pito de campo ou entra pessoa par-rentar favo
appreheuder se gratificara roa 504, atea da n-
pezas de ri.niliirr.in, enlregando-o a sea
Miguel Jos Aires, na casa cima, oo sa sea i
rripiurin na rm da Crui casa a. 19.
<-!MYII
Vende-se um sobrado de dous andaras no
bairrodn Santo Antonio, o qual rende para mais
de 1:2004. e urna casa terrea oo bairro da Boa-
Vista a tratar com agente Olympio em seu arma
J lem na ra da Cadeia do Recife n. 34.
Vendem-se palmeiras imperlaes, em estado
de serem trasplantadas : no sitio murado es-
querda, depois, do becca do Espmbeiro, nos Af-
flictos
Luvas de Jouvin.
a foja de miadezas na roa do Queima-
i do n. 16, resebeu-as por este ultimo vapor,
3 *
eelu
cha
Vende-se riscadinho francez a 200 rs. o covado, compensado,
por ler grande quaulidade, esla-se acabando : na
rna da Imperatriz n. 5t, loja da porta larga, de I ""
Paredes Porto.
No dia 20 de selembro proumo passaaV fs-
gio do engenho Terra-prea, dohai\n asignado,
escravo Julio, crinlo, de ahora regalar, graass,
de 30 annos de idade, posa barba, tem os p ara
feilos e lernas muito fallante, al taz rtnea,
tem o dedo polegar de urna man ra id para >a-'
Iro, anda com urna carta fechada, do teneote coro-
nel Amaro Gomes da Cnnha, apadrinhaaV. sos-
ca foi anrrado este escravo, foi ha moit-,- rorr.pra.lo
a Hucha Lima e Goimares : qrjrm o pegar leve as
mesmo engenho ou no Recife a* rna da Ifc.da '
Alexandre Curreia da C. Jnior, que sera
Alexandre Corrci rt ^ilro.
Bren em barricas pequea*
Cera em velas de todos os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na ra do v igarto n. 19, primeiro andar.
No da 31 do passad fogio a e-crav^ i
] tina, parda, alta e magra, que penase a* Sr.
I Amaral, empregado na reparlico o sella ; esta
, escrava foi no dia 1* do eorrentp qoeixar-se ao Sr
Dr. delegado por ter sido catigada : asjes) sa>
, gar e entregar na ra da Cadeia a. f> sai a asas
. recompensado,


I
Diarlo de Pernattbac* Segunda fefra 13 de Novembro de
~7
ITIERATURi.
iS
DOUTE ET VEUITI.
Qaadralure du cerc.le, vent voile, -
ce monde la fin si souvent annnce,
Problme cach qua Dieu seul a le pouvoir
De ffsoudre l'instanf, fail uolre dcsespoir!
O re liaba a cruz da ordem do mrito militar
da Prussia, que o nico de lodos os soberanos
da Europa, que a possue. '
Os ministros, os chafes do palacio levavam, na
sua maior parle, a raedalba do sitio de Garla. O
conde de Slolberg, anounciado pelo gram-mestre |
de ceremonias, fez depositar o escudo aos ps de'
SS. MM. e pronuuciou em francez o seguiute dis-
curio
Senhor : Ha qualro anuos que V. M. e S. M.
Leshommesenleurorgueilveleiittoutentrcprendre a rainl)a SB (iigDaram acceilar do princjpe de Sayn
De la divimt que du cid font descendre Wiugaosteio una eiposlcjto assignada por muitos
al les dugmes, ct la thologie,
Vuulaot nous onseigner ce qui est incompris,
Dsserlent savammant pour remplir la lacune,
.Nous donneut les noyaux, et eux maugent la prune.
3 l'libreu, du laliu un traduit, onl cril
Quarante volumes, puur ne rien avoir dit;
Et trouipent les humains leur prometlant d'avance
La chalunent du c.iel ou bien la recompense.
Dj' le monde iuccnuu ils inventen! uu enfer,
Pour puuir iesmecuauts appelle Lucifer;
Sactunt parfaitemeot qu'au del de la vie
Uu Dieu nous punia ? hardimeut jo le nie.
La bout divine pour les pauvres peheurs
Nous meltra 1'aJWl de vos folies riguenrs.
Et -i l'liomme est ae Dieu le trava el l'image,
v'oudrait il de ses matns dtruire soo oavrage!
Malgr les prophcies du savaut Strademus,
Nous avous chaqui! anne douze m m, rien de plus-
Eu (Jpil du vouloir de la docle Sorbonne,
Los croyances en vers Dieu je les crois toutes bonues.
Quo ce son uu russe, mu uu grec.ou un latin,
L'n juif, un protestan!, ou un luthrien,
Hconnaissant en ieu l'auteur de loules choses,
Le fait est bien lojique, il va droil la cause.
Consuliao't vos cents on y volt avec peine
Que i'tre loui puissant e.-t un croque-mitaine.
El que loin d'lre bon, il est vindicalif,
; a cre l'homme faible, mchaut, cheti.
L ul dei animaui sur cene pauvre ierre,
Que le tyrau poursuil son heurc dernire.
Si -A tot termin le voyage au long cours,
La ierre prend le corps Tesprit soulre toujours.
En coccluanl que ieu en sa sainte colre,
Puur le pech d'un seul il a maudil la ierre.
Nona omines redtvables aprs quatre mille ans
Du pech .-ensuel du pauvre tere Adam.
Et, pour nous racheter, la pieuse phalange (chrrage
Que veut-elle? uu peu d'or-, soudain Michel Ar-
Pei rasse Lucifer. Sildats de Jess Chrlsi,
Saint Pierre vendrait-il les clefs du paradis?
De la divinil tenez-vous la balance,
Pour inftiger la peine ou bien la recompense ?
La vie cote a l'honnne d'inmnabrables labeurs,
Nos jours sont coinpts par le divin Crateur.
La pauvre huioanil inarcbe sur des opines
Voil tout ce qu'on sait de la pense divine.
L. Plgi.
JdB ET CRISIS.
A quoi te sei 11'orgtR, ce vilo geuie du mal,
Trisie pgme, qu'es lu avant de rendre l'me?
Ton corps est un gout, un rservoir de lame;
Ct mort il ne vaut pas 'e cuir d'un animal.
De tousles animaux un seul rst parfait l'homme;
Le bou Dieu lui permel d'amasser uu peu d'or;
S'il ne vil que pour lui, nous voil bien d'accord,
!l vaut moins, beaucoup moins que la bete de somme.
L'gi 1-te crassecx, au pied du colTre fort,
La Parque le surprend ; il veulsauver son ame,
Son repentir tardif est un bla.-pheme inlme
Jet aux snrvivants l'heure de la mort.
E do Sr. Joao Candido G. S. e?ta posia. offereei
Beancoup d'or mal acquis ne vaut pas l'indigeuce 'aa a0 Sr. Flavio Jos dos Sanios e Silva.
centenares de cidadaos de toda a Alleinanha ; nes
la exposigao permeltiamos nos apreseutar a VV.
MM. as nossas homenagens para fazer constar,
que seno eslivessemos presos por lagos sagrados
aos nossos soberauos, teriamos acudido todos com
a espada na mo a tomar parle na heroica defeza
de Gaeta, e morrer ali pelo sanio principio da le-
gilimidade.
Na mesma. exposro pedamos humildemente a
VV. MM. Iicem;a para Ihes olTerecer un escudo,
como recordado da defeza do Gaeta.
Esia exposigo, senhor fui concebida pelo prin-
cipe Emilio de San Wiltgenstein, pelo principe
Garlos gon de Furstemberg, pelo conde reinante
de Leihingen Bixghein, e pelo conde de Everarde
de Slolberg W'eruigerode, meu irino ; eu fui o
eucarregado por aquellas senhores de depositar o
escudo aos pus de VV. MM.
De-empenhanuo esla nisso, atrevo-me a rogar
a VV. MM. se dignem acceitar, com esta humilde
recordacao, as nossa mais respeitosas e mais leaes
homenagens.
O re respondeu tambem em francez :
Senhor conde : Estamos muito comovidos, a
rainha e eu igualmente, em consequencia do pea
sameuto, que liveram na Allemanha, de me fazer
urna ollera como recordado de Gaeta.
Julgamos ter cumprido entao com um dever sa
grado, ligado nossa quaiidade do soberanoo e de
cidadaos. Defendendo a autonoma das Duas Sici-
lias, julgamos ter defendido e.n principio a causa
de todo o soberauo e de todo o povo.
Tinheis-nos dito que, se nao tivesseis sido detti-
dos por lagos sagrados aos vossos soberanos, terieis
vindo todos a Gaeta. Isto jbastante para que vos
manifestemos o nosso vivo agradecimento, e para
que vos provenios a nossa admirago; porque con-
correr em auxilio de principes ede povos que nao
sao os vossos, seria mostrar que sois os verdadeiros
sustentculos dos vossos soberanos,dos vossos povos-
Nao nos vencemos de modo com illusoes enga-
adas a respeito do futuro, mas temos a mais lirme
confianza uesse futuro.
No espago de cinco annos os horneas da Italia
septentrional nada t;em fundado de bom, nem de
solido e de duradouro uo meio da, as povoacoes
do sul nao se fundiram com as do norte para cou-
sa alguma til.
A Europa ha de abrir os olhos: emquanto que a
Italia nao deixar tambem de despertar do seu so-
nho ; preciso esperar este dia. Saber esperar
a nossa tafera, mas urna latera bem cruel.
llecebei, Sr. conde, as expressoas do nosso mais
vivo agradecimento para comvosco, e para com
aquelles que aqu vos mandam. Dignai vos irans-
mittir as nle^mas seguraocas, ao principe de Sayn-
Wiltgenstein, e aos demais signatarios da exposi-
cao, como tambera a todos os que contribuirara pa-
ra esta maguitica olTereuda. A sua memoria Aca-
ra gravada uos nossos corayoes e o escudo se con-
servara sempre na nossa familia como urna pre-
ciosa recordado de honra.
De l'honnte artisan, qui, courb vers le senil,
Aime ses semblables, el, mprisaat forgueil,
Dit au riche, qui meurt l'galil commenco.
Tes rves de bonheur (seroni) superflns, done
Orsus, si le rmords te ronge la conscience ;
L'homme charilable pourra compter d'avance
O'ttre bien aecueilli au numbre Jes lus. ^~.
llonteuse pauvret, orgueilleuse opnlence,
Fortune et misero nsufragint au cercueil;
Et chaqu pulsation nous pousse vers l'ecueil,
O se brise i'orgueil, o lioit l'indigence.
L. Plgi.
Ol POICO S TLtO.
Chegou a liorna urna deputar.ao da aristocracia
ailemaa para apreientar aus eK-reis de aples
um escudo, como prova da alta consideragao que
merece.
Eis aqu como descreve a Gi3c(rt de franca a
ceremonia daapresentaco d'aqudle escudo, traba-
lho que o dito jornal qu&liflca de d'gno das maos
de Uenvenuto Celliui, dizendo que elle oceupou por
os pago de mais de tres annos os melhores artistas
da Prussia.
O cunde Theodoro de Stolberg-\Vernigerode>
commaudaute reformado das guardas do corpo do
rei da Prussia, teve a lioura de ser delegado para
ir a Roma offereccT o esculo de prata a SS. MM.
sicilianas.
A recepi;ao teve lugar com grande solemnidade
no palacio Thames na sala pintada por Annibal Ga-
recci.
Euibora os villes estultos
Nos deem vinagre a provar;
Embora os ladroes oceultos
Estojara sempre a roubar;
Embora em dures se estorba
A uacao, que ja sera forca
Inclina a face pia o chao :
Levanta-se o p e a Ierra !...
Urasil sustenta a guerra,
Co'um vivo gladio na mao I..
E' que o valor apparece
Inda mesmo em-languidez :
Quem grande foi, nunca esquece
De que teve esta altivez I..
A flor cbeiroodelintia :
Mas, du perfume que liuha,
Sempre um resabio licou.. .
A espada, que ja foi forte,
E' sempre o sabr da morte,
Que nunca a pona quebrou I..,
A' c da aurora de bro,
Levauta-se um batalhao I
Mede a palmo o desafio,
E alto diz :-Napuleo I...
Hinchara corees, c as espadas
Formando mil cutiladas,
Derramara chispas de luz 1...
E a valenta souhando,
Falla, no leito rolaudo :
Que bellos I que peitos ns!.
Inda que se reconhec/i,
Que vai-se lombar no chao,
Levantar-se alto a cabera,
Para esmagar um leio ;
Erguer-se ferro ctelo,
P'ra ferir Riachuelo,
A' face de todo o horror....
E' dar-se a prora mais pura
Da mais completa bravura,
Do mais completo valor.
Quaodo o homem se levanta,
P'ra sua patria vingar,
Vai ao co, e a Imagem Santa
D-lhe um sceptro a segurar 1..
Os prados dSo-lhe mil flores;
As mulheres dio Ihe amores,
E o mundo d Ihe um lloro !..
A' forga de tanta grag,
Por onde o seu genio passa
V-se arvorado um pendo I..
Bonaparte estende os bracos,
E a campa se pode abrir :
Olha nuven', que as espacos
Vem de sangue colorir I...
De raiva tica convulso I
Toma de gloria o seu pulso,
E pouco o seu te bater I...
Quando se er na demora
Elle diz : bateu a hora I----
Oh elle quera vai morrer I...
Um dos membros d'aquelle cooselho emiltio a
opiniio de que se nao devia consentir amina dos
habitantes do estado livre, com os quaes a colonia
tem tantos interesses corarauns, e que por esla vez
era necessario por de parte o principio da nao in-
tervencao preconlsado pela metropole.
Outro fez notar que a divida do estado livre para
com a colonia nao era inferior a dous milhoes de
libras, e que nao liavia um nico branco, que nao
ficasse exposto, em virtude das suas operaedes, s
consequencias da guerra.
Ainda um terceiro merabro do conseiho disse
quo era obrigado a concordar que as circumstan-
cias juslificavam o governo do estado por haver de-
clarado a guerra, cuja causa se deve altribur
na adminislracao do governo colonial.
Com tudo propoz o acraiaraenti da discusso para
quando o guverno tivesse recebido novas informa-
ges.
Esta mogo foi approvada.
i ii i-1 i*i i-
c,o que melhor correspondesse aos seus fins poli.
ticos.
Nao existe pois motivo que torne necessario por
a coberto a responsabilidade da Austria as con-
sequencias da nova posicao em que a Hespaoha
acaba de se collocar, pols que as teolativas feitas
para com o governo francez em 1861, nao s flea-
ram esteris, mas al nao poderam estabelecer,
como acabo de indicar, comproraisso nenham para
a poltica ulterior dos dous paizes.
Son levado a julgar que assim tambem o com-
prebendeu o gabinete austraco, porque na com
monieacio feta pelo conde de Mensdorl ao encar-
regado dos negocios em Madrid nao ha alalo ne-
Osjornaes inglezes publicam as seguintes no-
ticias, extrahidas do jornal da colonia, o Can-
briam :
Romperam as hostilidades entre os colonos do
estado livre de Oran8e ( hollaudezes ), e o chefe
dos barutos, Moshesh.
Depois do regulamento da linha frooteira, os
boers ( colonos ruraes), pelas suas manelras arro-
gantes, e pela severidade do seu procedimeoto, ir-
ritariam os barutos, e foi isto que produzio a guer-
ra. As exigencias impostas a Moshesh e a seu fi-
Iho Molapo foram regeiladas como menos rasoa-
veis.
Nao se tendo nenhura dos chefes entendido, o re-
sultado Immedialo foi urna declaracao de guerra
por parte dos boers.
Os barutos estavam preparados. Nao espera-
ram que os atlacasseqi, e tomaram a posigao de ag-
gressores.
Em con>equencia dos seus moviraentos, um dos
districtos foi logo devastado. Todas as herdades
uas immediacoes de Smithfleld foram destruidas
pelo fogo, e trucidado um grande numero de fa-
zendeiros.
A sabida das ultimas noticias, estava a cinco mi-
Ihas de Smiilifleld um numeroso corpo de tropas
dos barutos. Esperava-se ver cahir aquella cida'
de era seu poder, se effectivaraente tentassem atta-
ca la.
Gem mil carneiros e numerosos rebanhos de ga-
do bovino e outro j linhara sido apprehendidos.
Ainda que a guerra livesse sido declarada de. i
pois de maduras deliberares, os habitantes do es-'
lado livre pareciera mal preparados para urna luta
sanguinolenta. Uizia-se que Moshesh tinha posto
em p de guerra 20:000 boraens.
No caso de derrota ser-lhe-hia fcil concentrar \
as suas tribus uas margena inaccessiveis das mon-;
lanhas chamadas Maluti, a pouca distancia da sua
capital Thaba-Rosis.
All, gracas a naturia do terreno, poderiara de-1 ""
.aliar as forcas que fossera em sua perseguido e E- e5la circu|ar que defin9 polj,ca da Hes.
forraarem occasiao opportuna guerrilhas, para to- panha e da Austria, em relaco a' Italia, o que
marera a sua represalia contra o iniraigo. expedio o Sr. Bermudez de Lastro aos lepresentan-
UosheaQ puhlicou urna proclamago em que ex- tes hespaohes no estrangeiro.
poz a seu modo a origem da contenda. Fez reca-1 ......
hir toaa a censura nos b,ers e proraetteu dar as1 Exm- Sr- per,odlco de V,enDa- a '"P"*.
ordeos ma,s severas para que, se a victoria se de mais um ou *" Ptriodic0i de Paris- liiem al
clarasse em seu favor, nenhura dos inglezes que ""mentarlos relativos aoassnmpto de um
iicasse as suas herdades, fosse molestado, era in- oDCI0' qUe Sr conde de Mensdorl dirigi ao
terrompido no coso da sua prosp;r.dade. Disse encarregado dos negocios da Austria era Madrid,
que nao promova a guerra cora a rainha ou cora do qaal es,e ageQle rae dea ^necimealo.
os seus subditos. Oque quero proteger o seu Ao raesmo lempo que alguns peridicos tem
povo contra .as aggressoes do governo do estado considerad,) esl9 ofcio como ura protesto formal
HVre contra o recoohecimento da Italia pela Hespanha,
Desde que no Capetowa se conheceu a declara- Memorial diplomtico esforCase em interpretado
cao de guerra por parle dos boers, o governador ~mo u,na P^idencia adoptada pelo gabinete de
advertio os colonos para que nao lo.nassera a rae- V.enna, cora o flra de separar a poluica austraca
E' do Sr. Cyrillo de Lemos :
QUANDO ? AI I QUANDO ? I
As aves passam cantando
A primavera saudando
No seu vrente matiz...
Era tudo reina a alegra...
Quando? ai I quando vira tambem o dia
De eu ser feliz ?!
De aromas peja-se a brisa,
O sol das folbas matiza
O cambiante vernlz...
Tudo luz, tudo harmona...
Quando ? ai I quando vira tambera o dia
De eu ser feliz ? I
As borboletas farinosas
Sobre as flores odorosas
Se espanejam mais gentis,
Sorvendo mel, ambrozia...
Quando? ai I quando vira tambera o dia
De eu ser feliz ?J
Debrugando-se indolente
Sobre as aguas da correule
D-me vidal i a flor Ihe diz
Com voz saudosa e macia...
Quando? ai I rjHaudo vira tambem o dia
De eu ser feliz? I
A meiga raiii lardinha
Sorrindo anima a filhinha
Nos seas jogos infantis...
Quantoamorl quanto magia I...
Quando ? ai! quando vira tambem o dia
De eu ser feliz?!
Ali I nao pode haver ventura
P'ra quem vive n'amargura,
Para qaera ama infeliz I
Urna estatua muda e fria I...
Para raim nao vira jamis o dia
De ser feliz I
Finalmente, eis desponlada
Essa brilhante alvorada
Por que tantos votos flz I...
Eu te amo I eu te amo, Maria !
Raiou, raiou emfira tambern o dia
De eu ser feliz!
ntiuuia nem directa
feitas em 1861.
era indirecta s tentativas
Eis arjui os pontos principaes do programa con-
cordado :
1. Base dem cratica da coostitoi^ao e da atai-
nistracao dos diversos estados; soffragio oaiversal
e directo; governo parlamentar; admioisiraco 4
povo na commuoaedistricto; sobstitaico doexer-
cilo permanente por um armamento geral do povo;
educacao do povo para que lodos adequiram im-
portancia poltica, e a liberdade moral;
2." Nada de poder prussiano, nem au-triaeo a
testa da cunfederacaio ; unio federativa de lodos
os estados e povos iguaes em direilos. rom ura po-
der federal, e uini n*presentado nacin .1 -operior
aos
vernos pai (Hilares ;
3.* as relac/V-s com aj de mais oacoes, reeo-
nhecmento reciproco do seotimenlo da narionali-
A deciso, que se tomou do reconhecer o reino jgjg e 0 direito para dispor de si Droprio ; da to-
da Italia, tendo sido annunciada pelo governo da berdade e da jusiiga.
rainha e tendo se communicado esta deeiso ao A asStmbla esUluJ0 ,ambem u ^^^^
gabinete de Vienna pela parlicipacao feita pelo re- as medjdas DtceS:ariai para ob|er aheS(>s m,
presentante da Hespanha ao conde de Mensdorff,
n'uma copia que dirig em data de 26 de junho ul-
timo ao embaixador de sua magestade em Roma ;
o ministro dos negocios estrangeiros do imperador
julgou conveniente enviar ao encarregado dos
programma em todos os estados allemaes aflm d
organisar o partido, do ijual o- que forroavam a
pruaeira reuniao constituira a commisso perraa-
neule.
Ducidio-se que se sustentassem todas as associa-
negocios de Austria em Madrid um offlcio, de que -
" coes dedicadas aos interesses populares, laes toan
me deu couhecimento, e que foi causa dos com- ...
.... a a.-sociacao do trabalho, do crdito de gvrauaslas
mentarlos da unprensa de que acaao de fazer .... '.
de atiradures; ciue a fulha semanal ailemaa nnen
mencao. ... ..... .
Nesle offlcio o Sr. conde do Mensdorl fazia nolar P^lica em Manheiin fosse orgao do pan.do ^e
que a priffiera raanifestacu da poltica do gabine- \l0"'3 "lul dti ',ar,do "Pular ^f'"' "
... ,, .,,., .. se provocassera reuuioes entre os jorualisUs dopar*
le presidido pelo duque de Tetuao nao havia cor-1 / t ^ '
... .i... t'do para se adoptar uraa marcha coinmum.
respondido as esperanzas do goveruo austraco:
or parte na lula.
Urna brea de baratos, s ordens de David Mi
roefa, um dos tilhos de Moshesh, assassinou todos
os homens e enancas do sexo masculino de urna
tribu de inetis protegida por ura armisticio, e levou
coinsigo um grande numero do mulheres. As de-
mais, cora as suas Ulnas, foram abandonadas, sera
meios de vi ver.
de todas as consequencias que paderia trazer com-
sigo a posic,ao tomada pela Hespanha e pela Aus-
tria, em virtude das notas simultaneas enviadas
por seus agentes ao governo francez era 28 de mai
de 1861.
Estas duas apreciaces sao inexactas. Alim de
; vos esclarecer sobre todas as circumstancias que
i se referem a este negocio, e para vos guiar na
Os barutos conduzem se do mesmo modo para I nnsulta que podereis ter a este respeito com o mi-
com os boers.
frucidaram tambem todos os homens o rapazes
que cahirara em seu poder.
O presidente de fransonal deu ordem sua gen-
te para ir em auxilio do estado livre. Parllram
pois era grande numero, acompanhados de muitos
fazendeiros hollandezes da colonia do Cabo.
Na vespera da sahida do Cambriam, sabia-se
por ura expresso que os boers, tinham derrotado
nistro dos negocios estrangeiros e os membros do
corpo diplomtico, julgo conveniente dar-vos co-
nhecimenlo dos antecedentes, que convm nao es-
quecer no caso em questo.
A coincidencia da recepcao das duas notas citadas
pelo Memorial diplomtico,e at o accordo com o qual
a Hespanha e a Austria procederam nesta poca
que va cora sentimento a intenc,ao da Hespanha
modificar a sua ppsicio na questo da Italia, sobre
a qual o Sr. Mensdorl julgava existir urna idenli-
.i.l- de Oteresse entre os dous paizes -. que apezar
das reservas, com que se tinha rodeado o reconhe-
cimento da Italia pela Hespanha, este fado s de
per si bastara para collocar o governo hespanhol,
emquanto a questo de Roma, n'um terreno de tal
modo de difireme do que oceupava a governo aus-
traco, que a sua cooperado ulterior em um nego-
cio to imprtante para os dous paizes, tornar-se-
hia muito mais difflcii: que se o governo hespa-
nhol pensara que renovando as suas relacoes com
a Italia, se" collocava em situago tal que perrailtis-
se exercer a sua iniluencia era favor do pontifica-
do, o governo imperial receiava ao contrario, que
era urna alluso esperar que um acto de condes-
cendencia, tal como o recoohecimento do remo da
Italia, viesse a dar maior peso a inlluancia da Hes-
panha nos negocios da Italia, porque acceitando o
principio em nome do qual se fez a revoluto ita-
liana, torna-so muito mais ditficil oppor-se as conse-
quencias que delle resultan).
Passando a oulras considerares, o Sr. conde de
Mensdorff nao disfargava o seu receio de que o
triumpho do principio revolucionario na Italia nao
viesse a ser una ameaga contra o throno de sua
magestade a rainha, e este receio apoiava-so sobre
o perigo de una eoncesso feita a ideas qus se es-
forzara era propalar na Europa e que teme que nao
sejatn de mais na Hespanha. Segundo estas eonsi
deragoes e em consequencia do recoahecimeolo da
Italia pela Hespanha o Sr. conde de MensdorlT per-
gontava se uao iiavena razo para contestar a op-
portuuidade de um acto, que, sanecionaudo de al-
guia moda as alternativas suceedidas na penn-
sula italiana, ia encorajar os partidos que conce-
bem oulras semelhantes, e se era prudente enfra-
quecer o respeito devido a principios que mal sao
conhecidos, e que entretanto sao o mais forte ba-
luarte contra as paixes anarchicas. Basta, ac'
crescentava o Sr. conde de Mensdorff, indicar estas
quesloes para Ihes reconhecer toda a importancia,
e julgava elle que o governo hespanhol Ihes tinha
dedicado toda a a.tencao que era para desejar. O
ministro do imperador terminava o seu ollicio pro-
lestaudo que estas rellexoes Ihe erara apeuas sug-
geridas pelo sentimento de interesse amigavel para
com a Hespanha, e pelo vivo desejo que tinha de
proceder de accordo com o governo de sua mages-
tade n'uma questo to importante para os dous
paizes.
Para responder a franqoeza com a qualoministro
dos negocios estrangeiros da Austria exprima a sua
opiniao com.rela^aoaonossointentoreconhecero re"
no de Italia, julguei conveniente dirigir ao repre-
seutauleda rainha era Vienna um offlcio.cuja copia
acharis inclusa.edoqual dei conhecimento ao Sr.
conde de Mensdorff. O conleudo deste documento
servir para esclareoer-vos sobre o verdadeiro ca-
rcter da correspondencia acerca da questo pen-
dente ; por elle veris que nem o governo da rai-
nha, nem as suas observacoes deram lugar a outra
cousa que nao fossera francas explicacoes que tra-
zera o cunho da cordialidade de que esli sempre
selladas as boas relagoes que conservamos e dese-
jamos conservar com o gabinete de Vienna.
Estaes autorisado a dar conhecimento deste of-
cio, etc. (Assignado) Manoel Bermudez de
Castro.
Urnas quarenta pessoas pertencentes ao partido
democrtico extremo da Allemanha meridional, de
Saxonia e de Schleswig-Holstein, e que desappro-
No momento em que os esDintos se preoeeoparo
tanto em Roma ionio na lialia, com a questo da
execugo do couveuio de 15 de setembro, chega-
nos urna noticia que nao deis* d ter akaaee
l'arece que o cardeal Aulmelli fez junto do mi-
nistro dos negocios estrangeiros em Frao>;a ama
tentativa com o lira de conseguir que Iicasse era
Roma ura niilho de soldados francezes, os quaes
formariam urna guarda de honra encarregada Ja
velar nicamente pela seguranza pe^sual do papa.
Accrescenta-se que Mr. Drouyn de Lhavs ref ji-
tou com toda a coriezia esta proposta, dizeodo que
a franca estava ligada por um acto diplomtico,
do qual nao tinha nem direito nern poder 4c ss
subtrahir, e lembrounea occasio aqollo que ja
por vetes tem repetido, isto que o tratado (na-
co-italiano era um assumplo mu grave, que seria
lealmenle executado, e que a corle de Koma lese-
ra pensar em tomar medidas para fazer face a to-
das as eventualidades.
Esta noticia, sendo exacta, provaria qae no Va-
ticano se deposita urna confianza mai limitada as
tropas pontificias.
Por esta nica vez somos da mesma opima >.
eremos que melhor (ora nao augmentar o amero
dos soldados papalinos.
Se, depois da partida dos francezes, rebentar
urna revolucao, nao bavera' exercito algam do
mercenario, por mais numeroso que fosse, capai
de a suffucar.
Seria mais um pesado encargo imposto ao ttoe-
souro do papa e poderia talvez foroecer auxiliares
a insurreico.
No ultimo consistorio o santo padre julgou de-
ver reprovar as sociedades secretas e fulminar par-
ticuiarmente a maronaria, a qual, no entender de
su saulidade, nao tem outro fun seno a ruina da
igreja e dos governos temporaes.
Os simples cidadaos, assim como os altos func-
ciunanus e urna grande quaniidade de horneas
emiueutes na administraco, no exercito eaas os-
sas assemblas polticas, ho de Ocar mni sorpren-
didos quando souberein que iramavan. a per da da
igreja e do estado, pelo facto de estar filiadas
nessas sociedades maronicas, e que p>r isso raes.
DO sao excominungados, porque i com ama ex-
communhao formal que termina a alloeucjio pon-
tifical.
Afira de inspirar aos liis um justo horror, Pi
IX. lembra os my=terios que a maronaria cele-
bra e os juramentos que ella mpoe aos seas
adeptos.
O yanto padre conhece sem da vida eses mte-
nos e juramentos ; parm acreditamos que pooros
bavera' entre os filiados na maconana que se pas-
sam gabar desabor tanto.
estabelecer compromisso nenhum entre os dous
governos, e afbda menos estabelecer da urna ma-1 vam a marcha do Nacional-vrelo, reunirara-se em
um grande corpo de barutos e recobrado urna neira expressa ou tacita um pacto qualquer que Darm.-iadi, e eoocordarara n'um programma novo
grande parte do gado.
Os barutos invadiram o Natal, e as tropas ingle
zas linhara marchado para a fronteira.
pozesse peias a' sua acejio poltica. A Hespanha,
asim como a Austria, ficaram em completa lber-
dade para obrar a* futuro como Ihes aconselhass-
No cooselho legislativo apresentou-se urna mo- 0 seu respectivo interesse, sera laca) algum que as i Mrs. Hofmauu, de Darmstadt, Neergard, de Riel e
gao, cujo flra era prestar auxilio ao estado livre. impedissa de tomar n'esta questo a deliberar o Dr. Luiz Bucliner.
do partido democrtico.
Esta reuniao foi presidida pelo director Eckardt,
de Maunheim, e notaram se entre os assignantes
i
FOLHETIM.
AS provacoesIde AILEEN. !
SLE.NAS Di VIDA IRLANDfEA.
A HAUTACO DOS O'OON.NEI..
Estava-se em urna glida e lgubre noile de in-
vern. Nveos pretas como a tinta de escrever
varriam incessutemente os reos perturbados. A
la pallida e escurecida, que de vez em quando
apparecia alravs dos raros otervalloa das nu-
vens, concorria para tornar a scena mais selva-
gera e sorabria. Qaanlo a noile melanclica
quando as rajadas de vento, dando ais pungentes,
engolfam-se as florestas e agitara os ramos dos
caminos, oDrigando-os a gerner e lamentar-se co-
rto creaturas que vivem em afUcc.ao, ou quando
estas mesmas rabanadas de vento acoutam a su-
perficie ao grande Ocano, tran>furraando as va-
gas em espuma saltante que depois arrojan) contra
os rochedos escrpalos I Porera semelhante me-
lancola ainda atliugir mais alio grao no espect-
culo que a nossa histeria nos aprsenla.
Elle representa-se u'um dos mais incultos terre-
nos do incultsimo departamento de Connemara;
urna profunda cavidade, um boqueiro entre
duas montanhas que se estendem muito ao longe
de cada lado, cobertas de grandes pantanos, onde
nenbuma arvore, nenbura regato ou lago, alegra
os olhos,o mais horrendo logar que se possa
imaginar, u mar nao est muito afastado. e a en-
joanie frescura qae all se respira, aecusa a sua
vizinhanca; mas todava elle est algumas milhas
distante e fura do alcance da vista; assim, debal-
de vos fatigaos em escalar esses picos infecundos
para descobrirdes urna vaga ou urna branca vela-
S vedes escurido, tristeza e desolaeao; e alguns
raros viajantes qne atravessam o Valle-Escoro, >
como chamara no, impacientes apressam os pas-
sos, para deixarem aps si esta natureza, lgubre
sem grandeza, selvagera sem pinturesco.
Seriara precisos, ha vinte anuos, olhos muito
perspicazes, ou acostumados com a escurido dos
paizes d'Oe.te, para descobrirem os traeos de uraa
habitagao humana ne.-te terreno sera vegelacao, a
menos de adivinhar-se que existia umasobessas
pilhas de madeira condnzida sera duvida do brejo
vizinho, preta e tosca, e amontoada sem gosto na
parte mais afastada da cavidade. Certamente, al-
l, coberta de relva cinzenta e definbada qu se
accumulava ao redor e que a leria feilo confundir
cora as pequeas collioas adjacentes, se nio fosse
a espessa linha de fumara azulada escapulindo-se
do que chamaremos por civilidade urna cbamin,
achava-se a cabana da familia O'Donnel. O inte-
rior da habitagao corresponda pouco mais ou me-
nos ao exterior. Era difficil de imaginar ama mo-
billa mais miseravel -, todava ahi viam-se indicios
que liahiam uraa certa affectago no meio mesmo
desla pubreza.^-.l'm grosseiro tabique parta em
duas a cabaoa. L'ia dos lados era subdividido do
maneira a fazer desta choca tres repart raemos,
duas dos quaes serviam de quartos de dormir pa-
ra a familia. Mas em nenhuma parte se encontra-
va o cochino to geralmente indispensavel as ca-
sas dos Irlandezes pobres; ah I a razo era, que
foltavam os meios para se sustentar um. Os res.
' tos de urna posilga que se descobriam mais ao lon-
I gt.'alteslavam que em tempos melhores o ani.
| mal > nao tinha estado de todo to s, como hab-
tualmente em urna cabana irlandeza. E com effei-
to era cerfo que os O'Donnel tinham tido outr'ora
urna melhor sorte.
tilles viveram quasi confortavelmenle, em nma
pequea herdade perto de Loch Corrib, onde Deu-
nis O'Donnel era considerado e respailado de to-
dos, porem tempos pelores tinham vindo, e em se-
guida a molestia, occasiooada pelos cuidados e
miseria. Depois essa antiga e triste historia da
oppressao e tyraooia que a lei inglea e protestan-

te faz pesar sobre a Irlanda catholtca, historia da
qual vamos tragar um dos inuumeraveis episodios;
hiam em anneis. Esta sobi nha nrpba ttnha sido
o thesouro mais intimo do cor- g.lo do velho Oen-
finalmente a morte que pousara sua mao cicatri-: nis; mais querida talvez do que o bello Ulick, seu
zante sobre o corago atribulado do velho Dennis, lho nico, de quem Aileen era a desposada. Ulick
que desfarte s vio o principio de semelbaotes era tudo para Moyna, tambem mais por elle do
perturbages e desgragas. j que por s pr0pria ella amava a donzella. Nos
- Moyna, nosso fiho est fleando grande e dias prosperos da fam|a> a pobre Moyna passava
por urna mai altiva e idolatra. Nao se deve cen-
sura-la, diziam os vizinhos, porque seus tilhos sao
forle. Deus o abengoar I Elle sera a vossa con-
solago e amparo quando eu nao existir mais. E
to bom quanto bello, o nosso Ulick; sustentar
sua mi e tera cuidado das duas pequeas. Tem-
pos mais felizes viro, Deus louvado; portanto
tende coragem, Moyna. Depois, vos bem o sa-
bis, ahi est Aileen. >
bellos e alentados rapazes; e Cauth O'Donnel a
mais formosa donzella de c-nnemara.
Decorreram alguns annos, e Larry t o primo-
gnito dos alentados rapazes > morrena de urna
molestia epidmica; a pobre Cauth, abandonada
Assim fallou o moribundo sua rnulher, e ella ; por seu marido, viera com o corago angustiado
Ihe respopdeu : acabar os dias na sua prime-ira habitagao, deixan-
t Si m, sempre Aileen. Que Deus a pro- do duas filia alias entregues aos cuidados de sua
leja t > mai e ainda mais aos de sua amavel prima.
E quem era Aileen ? Ella est presente, e va- i Aileen s conhecera a casa de seu tio, este e
mos examnala, assim como sua companheira,; Moyna tinham sempre sido para tila um pai e urna
tanto quanto no lo permiltir a luz vaclllaUJe do fo- mi, tanto de coragJo como de nome. A distiocgo
go. A velba Moyna est assentada em um dos an-1 natural do seu espirito e das suas maneiras fra
gulos do fogo, movendo-se para um e oulro lado,
suspirando e solugando; ainda assim ella parece
achar allivio no brando apeno da mao que segura
as suas, e de vez em quando iolerrompe suas l-
gubres lameotages para acariciar a sedosa cabeca
que repousa affectuosameote no seu regago. Ai-
leen esbelta e laura, de oaos azues; < o lirio
do Valle-Escuro, > como chamara-u'a no paiz, e o
nome assenta Ihe. A innocencia e suavidade de
sua expresso vos commovem primeira vista.
Suas fegoes sao raiudas delicadas, sua saboga
graciosa e bem posta sobre um eolio talvez algu-
ma cousa delgado; a sua pessoa toda elegante e
original no mais alto grao; mas todo Isto esappa-
recia ao primeiro olhar de Aileen ; inmediatamen-
te nao terieis pensado en sok belleza, e na al-
ma to pura, to celeste, que se revetava nos sens
grandes olhos de um azul desmatado e sobre sua
fronte larga e calma onde sen cabello loaros w-
cultivada e desenvolvida no convento ; porque ha-
va urna communidade de Ursulinas perto da anti-
ga e feliz habitagao dos O'Donnel; e Aileen apren-
der com as boas religiosas mais do que nao era
cosame ensinar-se s donzellas da sua condigo.
As principaes ligues d'entre todas, ligues de urna
solida devogo, ella as aprender de boa vontade e
com amor : era to profunda e sinceramente de-
vota, que muitos pensavam que escolheria a vida
monaatlca. Mas Ulick e Aileen tinham-se proraet-
tido um a outro, quando ainda meninos, segundo o
costume do sea paiz, e o padre John consolou as
boas irmas da perda de sua discipula dizendo-lhes
qne ella seria < o aojo da guarda desse lindo ra-
paz de Ulick qne sem ella corra o risco de per-
verter-se. > Ella adquerira no convento um talento
que muito ajudou a sua familia em sua penuria ;
era excellente bordadora; sea irabalho delicado
era regularmente enviado as Ursulinas que logo
j -
Ihe achavam emprego. Sobretudo oestes ltimos
lempos, isto tinha sido o principal recurso da po-
bre familia.
t Paciencia, querida mi, nao vos atormen-
tis assim ; as couzas nao tardaro em melhorar.
Alm de que as minhas obras vendem-se muito
bem, sabis ? Sror Maria Jo> fallou-me u'uma
grande dama de Dublin, cujo casamento ter la-
gar pela primavera, e que me far urna encora-
menda consideravel. Na verdade, esqueci o nume-
ro de saias e outras cousas que devem ser guar-
necidas. Nao me admirarei, se tiver trabalho para
todo o invern.
Moyna altrahio a si a donzella e mirou-a com
singular mistura de affeigo e dr.
Tereis irabalho para todo o invern, nao ?
e vossas tristes laces to paludas ficam mais alvas
e mais descarnadas de da em dia com este traba-
lho lo rude.e com tantas vigilias; e o brilho dos
vossos olhos desapparece, e o vosso andar torna-se
cambaleante, cada vez mais. Oh I de accordo, na
verdade, gom a natureza e a razflo que urna sim-
ples donzella trabalhe como urna escrava, ao pas-
so que um corpulento e forte rapaz como Ulick
esteja de bragos cruzados ?
O macillento rosto da donzella se colorio viva-
mente :
c Mi, se Ulick podesse... nao se Ihe deve
fazer censuras.
E sobre quem devem recabir, disse Moyna
augraenlando-se-lhe a excitago, seno sobre esses
miseravms de alma negra que Ihe roabara todo o
trabalho, a elle, e o pao s mangas ? Que minha
maldlgo...
A mao de Aileen tapou-lhe a bocea.
t Oh I mi, nao acabis; nao tornemos as
cousas peiores e mais difflcels de supportar, indo
contra a vontade de Dos. Mi, boa mai, e ella a
abragava. Isso me fcil, eu o sei, a mira que sou
moga e que devo pertencer-lhe ; e saa voz tor-
nava-se mais meiga fallando en) Ulick ; ao pas-
Huuve hontum, em I. ir, menme acerca do
qual s temos al agora os seguales pormenores :
Um homem daquelle sitio linha nma fflha de 13
annos, que outro individuo do mesmo lagar pre-
tenda requestrar ou a requestava.
Advertio-lhe o pai da menina, qae isso Ibe des-
agradava, e pedio-lhe que abardonasse a mteacft
por ser a joven ainda muito nov.
O homem porm te i mon
O pai da rapariga, segundo uns, oa o na mora-
dor, segundo oulros, procurava encontrar o sea iai-
migo, para ajustar com elle as cootas como fra
dos sitios policiados se costamam liquidar.
Ou o pai da menina espern o perseguidor della
ou este do pai, o caso que o adorador da jovrn
se converteu em assassino matando as lacadas aao
s o homem que desejava abracar coiao sea a-
gro, .mas um irrau deste, que pretenden acudir-
Ihe 1 !
O assassino, commettido o crime, fogo, e oai-
mos que lora para a Pavoa, onde havia ora ir-
rayal.
Ahi esteve, mas como o perseguiaro em ludas as
direccoes, foi anal capturado no Lamiar, e entrn
boje uo Liaioeiro.
so que penoso e cruel para vos que sois ama
viuva ; e com elTeilo muitos pezares vos acabra-
nham, porm tudo isto nos enviado pela mao da
Deus que soffreu amia muito mais dolorosameaie.
Confessai que eu a verdade. Oh I pelo amor a
Deus Porque Aileen temia esse olhar aso
desesperado de Moyna, e a prova qae Ihe pareca
mais dura entre todas era este espirito Je retueua-
cia da mi e do lilho ; ella o senta talvex mais r-
danle nelle, porm em urna mulher pareca Iba
ainda menos natural. De repente, estremecen e
afrouxou os bragos que apertavam o eolio as
sua mai.
i Ei-lo, que Deus sejalouvado I > E Ha car-
oeu para a porta, abrio-a e ficou exposta, sem re-
parar oisso, violencia do vento. Houve ura ns-
tame de silencio, urna aegao de gracas era rais
voz, e os pezares de Aileen foram um raomeata
esquecidos emquanto Ulick a aperuva em seos bra-
gos. Mas logo seus temos o tristes oibos exarimf-
r.un a nquielagao e anciedade quando vm mma
sombra era a nuvem que obscureca a freata a
seu noivo. Depois o apeno de sua raao era lia vi-
goroso, que ella quasi grita com a dr aaaaaatMi
respoodeu sua perganla :
Qae noticias, Ulick ?
Noticias ? Nao ha nada*de novo, qae lio
seja a historia velha ; mas digo qae a oltima ves
que se fallar a este respeito, nio ha mais qoem
pense comigo. Isto, assim. nao ir loage. >
a Que Deus nos perde I reseoaaea Ha a
Ulick. Ha um melhor mondo do qae este, e M ra-
das as injusticas sero reparadas.
Elle a encarou um instante ae modo eatraaao,
quasi com furor.
c Sim, mas ha certas injusticas qae devem
oer reparadas nesle mando, e isto,
qae tiquemos mais velho, ainda
dias I >
(CoWimw-*f-a)
PERNAMBUCO-HP. DULF DI F. 1*M)
->


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESY7UWOLV_S7V8SE INGEST_TIME 2013-08-27T21:25:19Z PACKAGE AA00011611_10817
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES