Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10814


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO IL1. ROMERO 257.
Por qnartel pago deatrt de 10 das do 1. mez :..t t ,
dem depois dos 1.' 10 das do comecoe dentro do qnartel. .
Porte ao eerreie por tres Bezos ,".....,..,,:
5J000
8|000
750
QUINTA FEIRA 9 DE NOVEMBRO DE 1865.
49f00f
tfOOf
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o 9r. Antonio Al.?x?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Al ves <&
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Uias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Al ves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e eslages da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bez9rros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
lugazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quartas
feiras.
Serinbaem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segnndas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 Inras.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas
dia.
Segunda vara do civel: quartas e
bora da tarde.
sextas ao meio
sabbades a 1
EPHEMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
3 La cbeia as 5 h., 43 m. e 28 s. Ida m.
10 Quarto ming. a 3 h., 2o m. e 32 s. da m.
18 La nova as 8 h., 40 m. e 22 s. da m.
26 Quarto cresc. aos 38 m. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
6. Segunda. S. Severo h. m.; S. Athico.
7. Terca. Ss. Florencio e Honorato bb.
8. Quarta. S. Nicostrato m. ; S. Carlono m.
9. Quiuta. Ss. (Jrcissino e Agripino bb.
10. Sexta. S. Andr Avelino f; S. Nympha v
H. Sabbado. S. Martinho b.; S. Verano b.
12. Domingo. Ss. Isaac e Cristiano eremitas mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9 horas e 18 m. da manha.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIP.OS.
Para o sol at Atogoas a 14 e 30; para o
ata a Granja a 7 e 2i de cada mex; pan Pe
do uos dias 14 dos mezes de Janeiro, mareo,
julho, setenihro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na Iivr3ria da praga da Il_.
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Fig jeiroa a
Faria & Filho.
Os Srs. assignanles ileste Diario, que
se acham em debito, daf> respectivas assig-
naturas, queiram mandar realisar o paga-
mento deltas; e aquelles que morara fora
desta cidade, tenham a bondade de dar avi-
so de quaes sejam aqni os setts correspon-
dentes," alim de ser solicitado esse pagamen-
to dos mesmos, a quera darlo ordem para
isto, visto corno alguns pretextara a falta
dessa ordem.
PAITE 3FF1SIAL
GYEUfirJ DA FROVlfl'JiA.
Conliuuro do expediente (lo dia 4 de uoTCiubru
de 1805.
OHieio ao marecbal de canijo cemmaudante das
armas. Sirva se V. Exc. de mandar alistar no
quinto corpo de voluntarios da patria, a Antonio
Alberto Marinho Faleao, ^presentado por Custodio
Floro da Silva Fragozo.
Dito ao mesmo. Srvase V. Exc. de informar
acerca do que pede no incluso requerimento Pla-
cido Antonio de Lima.
Dito ao mesmo.Era vista do que solicita o juiz
de orpnos deste termo, em offlcio de 31 de outu-
bro ultimo, sirva-se V. Exc. de mandar dar baixa
e entregar a Vtente Moreira da Silva, o menor
seu tutelado Manoel, que se alistou. na companhia
de zuavos.
Dito ao mesmo.Remetta-me V. Exc. urna rela-
cao nominal dos guardas do segUDdo batalho de
guarda nacional destinado ao servigo da guerra,
cora declarago de voluntarios ou designados e dos
^batallioes a que pertencerem.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. inspeccionar o
guarda nacioual do batalno n. 42 de infamara do
termo de Serinbaem, Constantino Paes Barreto, de
que traa o incluso requerimento.
Dito ao inspecior da thesouraria provincial.
Se esliver em termos a Mha e pret juntos em du-
plcala, mande V. S. pagar ao negociante Francis-
co da Costa Maia, conforme'.soliciiou o comman-
dante superior da comarca do Rio Formoso, em of-
flcio de hontem, a importancia dos vencimientos,
relativos ao mez deoulubro uilimo, dodestacamen
to de guardas nacionaes existentes n'aquella ci-
dade.
Dito ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o
chefe da reparligo das obras publicas, em offlcio
de hontem, sob n. 351, re'.ommendo a V. S. que
mande entregar ao agente liei pagador d'aquella
reparligo, a quanlia de 30050 para occorrer se
a despeza a azer-se no crreme mez com a con-
clusao da obra encampada dos reparos da estrada
do sul, entre o marco doze mil bragas no engenlio
Masafajut.
Dito ao mesmo.Acceitando o patritico oftere-
cimeulo que fez-rae o collector de rendas provin-
ciaes na comarca do Rio Formoso. Francisco Pu-
blio de Albuquerque, para ir pre.-tar os seus servi-
gos na guerra do sul romo segundo tenenle do se-
gundo batalho de artilharia da guarda nacional
d'aquella cidade, assim o communico a V. S. para
que coosiderando-o licenc lado nos termos do art.
17 da lei provincial n. 611 de 2 de maio deste au-
no, trate de providenciar acerca de sua substitu-
gao provisoria, em vista dj paragrapho seguudo do
citaoo artigo.
Portara. O presidente da provincia, confor-
mando-se cora a proposta do Dr. cliefe de polica,
n. 1730 de 3 do crreme, resolve considerar sen
efieito a portara de 2i Je evereiro de 1835, pela
, qual foi Jos Joaquira Correia da Luz, Borneado
sexto suppleute de delegado do termo de Pao d'A-
Iho, por ter o mesmo L-iiz deixado de prestir o
devido juramento. Coininunicou-se ao Dr. chefe
de polica.
Dita.O presidenio da provincia, tendo em vista
o que ioformou o commandaute superior da guar-
da nacional dos municipios do ltio Formoso e So-
rinnaem, em dita de ii de outubro prximo lindo,
resolve conceder ao capitn da qumta companhia
do batalho u. 42 de infamara do segundo d'aquel
les municipios, Francisco Manoel Wanderley Lins,
a passagem que pedio para o batalho n. 43 do
mesmo municipio, ao qual litara aggregado at que
se Ihe designe a companhia em que deve servir.
Cjmmuuicou-se ao cjiniuaiidaule superior.
6
Oflkio ao Exih. Sr. Dr. vigario capitular.Rogo
a V. Exc. se sirva de remetler me al o ultimo de
Janeiro vindouro afumas info'ina^oes sobre ocul-
to publico ua provincia, imlicanJo ao mesmo lem-
po suas mais urgentes uecossidades, para que pos-
sam ser levadas ao cunhecimenlo da assemblea le-
gislativa provincial em sua prxima sess.o.
Dito ao Exm. desembargado!- provedor da Santa
Casa da Misericordia. En vista de sua informa-
gao de 4 do correle, sob n. 4U, auloriso V. Exc.
mandar entregar a Bernardo Jos da Costa o seu
neto de nome Bjllarmino, educando docollegiodos
orphos.
Dito ao marocha! de campo commandante das
armas.Sirva-se V. Exc. de mandar alistar no ter-
ceiro corpo de voluntarios da palna, a Manoel Ta-
vares Gusino U:ha e Joaquim l'nibelino Accioli,
pennellndo-lhes V. Exc. o uso das insignias de
segundo cadete, at que provem a sua nobreza.
Dito ao mesmo.Raco apresentar a V. Exc. os
cidados, Manoel Frauciscu de Oliveira e Manoel
Sebaslio de Meudouga, alim de seren alistados no
segundo blallio da guarda nacional destinado ao
servigo da guerra, aquelle como voluntario, e este
como guarda designado pelo batalho u. 43 de Se-
rioheio, e que devera ser recomido ao depo-
sito.
Dito ao mesmo.Tendo .ceitado o offerecimento
que Uzeram para ir prestar o* seus servigos na
campanha do sul, os olflciaes da guarda nacional
constantes da relago inclusa, assim o communico
a V. Exc. para que o? faga eocorporar ao segundo
batalho destinado ao servigo da guerra.
Relago a que se refere o offlcio supra :
Tenenle do segundo batalho d artilharia do Rio
Formoso, Francisco Pubho de Albuquerque.
Tenenle do uiuvo batalho de infamara, Joaquim
Cavalcanti de Albuquerque.
Alferes do terceiro balalhao, Jos Candido de Bar-
ros Jnior.
Alferes do quarto batalho.Arcelino Jos de Almei-
da Pernambuco.
Dito a ro corpo de voluntarios da patria, o msico de pri-
meira classe, Joo Gomes das Neves, que penen-
cendo ao primeiro batalho da guarda nacional des-
tinado ao servigo da guerra, deixou de embarcar
para a corle por estar doecte.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de informar-
me sobre o que pede no incluso requerimento o
voluntario da patria Jos Antonio Gomes da Si I -
veira.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
dar baixa ao voluntario da patria Antonio Flix
dos Santos, que se acha ali.-tado no 5" corpo.
Dito ao mesmo. Sirva se V. Exc. de informar
acerca do que pede, no incluso requerimento do-
cumentado, Mana Manoela lo Na-cimento.
Dito ao inspector da ihjsouraria de fazenda.
Transmiti a' V. S. os dous prets junios em dupii
cala, que me remetleu o coinmandaute superior in-
terino desta comarca, cora offlcio de hnje sob n.
420, alim de que estando em termos os menciona-
dos prets mande pagar os vencimentos relativos
segunda quinzeua do mez de outubro ultime dos
guardas nacionaes do 1 batalho de artilharia des-
ta capital aquartelado as fortalezas do Brum e
Buraco. Cummuuieou-se ao commandante supe-
rior do Recife.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Era
vista do pret junto em duplicata, que me remetteu
o commandante superior deste municipio, cora of-
licio de 4 do corrente sob n. 419 e nao havendo in-
conveniente mande V. S. pagar os vencimentos
relativos ao mez de setembro ultimo do destaca-
mento de guardas nacionaes, existente na poveago
de Santo Amaro de Jaboato.
Dito ao mesmo.Estando em termos o pret jun-
to em duplicata, mande V. S. pagar a Aleixo Jos
da Luz Jnior ou ao seu procurador, conforme so
licilou o commandante superior Interino da comar-
ca do Bonito em offlcio de 3 do corrente, a quanlia
de 2785380 em que importam os vencimentos re-
lativos ao mez de outubro uilimo do destacamento
de guardas nacionaes existente n'aquella villa.
Dito ao mesmo. Deferiodo o incluso requer-
mentofc Joaquira Roberto Pessoa deBrito, profes-
sor interino da cadeira de instruego primaria do
curato da s de Olinda, recommendo a' V. S. que
mande pagar integralmente os vencimentos do sup-
plicante relativos ao mez de outubro ultimo, consi-
derando assim abonadas as fallas por elle dadas
em o dias daquelle mez.
Dito ao mesmo. Pode V. S., conforma indica
em sua inrbrmago de 3 do correute sob n. 448.
mandar entregar, mediante nanga idnea, ao padre
Antonio Generoso Bandeira, administrador da ca-
pella de Santo Antonio da pivoago de Podras de
Fogo, o cont de res, votado pelo o" art. 15 da lei
do orgamento vigente para as obras daquella ca-
pella.
Dito ao mesmo. Transmiti a' V. S. a inclusa
conta, atim de que, nao havendo inconveniente,
mande entregar pela verba do art. IS da lei do or-
gamento vigente ao agente fiel pagador da repart-
gao das obras publicas, conforme solicitou o res-
pectivo chefe em offlcio de 4 do eorrente sob n.
35o, a quantia de 6925000 para pagamento dos ob-
jectos indicados na mencionada conta, os quaes fo
rara eocommendados para o servigo daquella re-
parligo.Comraunicouse ao chefe da reparligo
das obras publicas.
Dito ao commaulante superior da guarda nacio-
nal de Olinda e Iguarass. Expega V. S. as suas
ordens para ser postada, em frente da igreja ma-
triz da fregaezia de Iguarass, urna guarda de hon-
ra do batalho n. 10 da guarda nacional sob seu
commando superior, alim de assislir festa dos
gloriosos martyres Santos Cosme e Daraio, que
alli se tera de celebrar no da 10 de dezerabro pr-
ximo vindouro.
Dito ao commandante superior da gnarda nacio-
nal de Garanhuns. Deferndo, de conformidade
cora a sua informago de 24 de outubro ultimo sob
n. 117, o requerimento do guarda nacional do ba-
talho n. 28 sob seu commando superior, Manoel
Pereira da Rocha, autorso a V. S. a mandar elirai-
na-lo do servigo da guerra para que fora designa-
do, visto ser aleijado da mo direita, convindo que
seja designado outro guarda para subslilui-lo.
Dito ao tenente-coronel Marianno Xavier Carnei-
ro da Cuoh.Respondo ao seu offlcio de 4 do cor-
rente, sob n. 4, dizendo-lhe que os ofliciaes, a que
allude V. S., devem apresentar-s. primeramente
ao general commandante das armas, a quera se
ter olllciado a respeiio del les.
Dito ao tenente-coronel Joo Paulo Carneiro de I
Souza Lacerda, commandante do batalho n. 39 do i
Cabo Mandei apreentar ao general comman ian-
te das armas, para dar-lhes o conveniente deslino,:
os guardas do batrlhao sob seu commando, Anto- j
nio Jos da Cruz e Valeriano Ferreira da Silva, que
foram designados parrv o servigo da guerra, e a que
alinde o seu ollicio n. 140 desta dala.
uilo ao tenente-coronel Coriolano Velloso da Sil
veira.Dei o conveniente deslino aos cidados Ma-
noel Francisco de Oliveira e Manoel Sebaslio de
Mendooca, que V. S. apresentou-me com o seuoffl
ci de 4"do corrente, aquelle na qualdade de vo-
luntario, e este como guarda designado pelo bata-
lho sob seu commando para o servigo da guerra.
Dito ao director do arsenal de guerra.Em vista
do que contar do almoxarifado, informe V. S. j
quantos lampeos da antiga illuminago desta ci-
dade foram recolhidos nesse arsenal, e em que es-
lado, e quantos foram vendidos ou fornecidos para
satisfazer-se requisigoes.
Dito ao*director das obras militares.Trate V. j
S. de mandar eu>u urgencia concertar os bicos da I
illumiuago a gaz do qoariel d i deposito, os quaes j
acham-se quebrados e deixam por isso escapar j
grande porgo.le gaz, convmlo que nesses concer- :
tos baja o maior cuidad, alim de que nao sejam
elles repetidos to amiudamente com prejuizo da
fazenda.
Dito ao director geral da instruego publica.
Remetta-me V. S. at o ultimo de Janeiro vindouro
urna exposico circunstanciada dos negocios da ,
repartigao a seu cargo no decorso do presente an-
no iudicando os melhorrmentos o reformas que
entender convenientes e as medidas para eTeclua-
las, alim de serem levadas ao eonheeimenlo da
assemblea legislativa provincial ua sua 1.* reu-
Dio.
Diio ao juiz municipal de Cimbres.Estando
terminado o prazo do concurso aberto para o pro
rmenlo vitalicio dos offlcios de justiga desse ter-!
mo, remetta-me Vmc. o requerimento do pre-
tndeme Jesuino Archanjo de Albuquerque Pimen-
tel, que por despacho de 22 de agosto ultimo,
mandei informar, assim com quaesquer outro3 que
Ine tenham sido enviados para o me*mo lira, fa- ;
zendo-os acompanhar depois de convenientemente j
informados de urna relago numrica o nominal
dos pretendentes, tudo de conformidade com o
disposto no decreto n. 817 de 30 de agosto de 1851,
e no aviso circular de 25 de outubro de 1861.
Ditoao juiz municipal de Serinbaem. '"" a
inclusa copia do aviso circular de 12 de ouibro
ultimo, respondo ao offlcio de 25 d'aquelle mez,
em que Vmc. consultou se a douinna do aviso n.
441 de 21 desetembro de 1863, extensiva aos
casos em que os libertos por qualquer outro titulo
que nao o de testamento, tem urna fraego de sua
liberdade sujeita a captiveiro e esta penhorada
por divida do respectivo proprietario.
Dito ao capiao Luiz de Franga Mello Jnior.
Das pragas destinadas ao corpo provisorio de po-
lica, mande Vine. 6 fazer a guarda da ribeira de
S. Jos como solicita o Dr. chefe de polica.
Dito ao rapno Miguel dos Anjos Alves dos Pra-
zeres, commandante interino do batalho n. 23.
Dei o conveniente destino ao guarda nacional do
batalho sob seu commando Interino Jos Alexan-
dre do Nascimento, que Vm. remetteu me com o
seu offlcio de 3 do corrente, com destino ao servigo
da guerra.
Dito ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra.Autorso o conselho de compras do arsenal
de guerra a comprar os objectos constantes do
pedido junto.
Dito ao inspector da saude publica.Convm que
Vrae. me remella at o ultimo de Janeiro prximo
vindouro, urna Informago circumstanciada do es-
tado sanitario da provincia do corrente anno.
Dito ao inspector da saude do porto. Convm
que Vmc. me remella at o uilimo de Janeiro pr-
ximo vindouro, urna informago circumstanciada
do e-lado sanitario do porto desta cidade no cr-
reme anno.
Portarla.O presidente da provincia, tendo em
vista os documentos juntos represenlagao do
commandante superior da guarda nacional dos
municipios do Brejo e Cimbres de 29 de setembro
ultimo, resolve suspender do exercicio do posto o
capito do batalho n. 36 de infamara, Jos Theo-
doro Pureira e determina que seja elle s bmettido
a conselho de disciplina como ocurso as disposi-
goes dos 3. 4. e 5. do art. 99 da lei n. 602 de
19 de setembro de 1850.Conmuoicou-s<3 ao res-
pectivo commandante superior.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vis-
ta o que solicitou o director geral da instruego
publica em offlcio de 20 de outubro ultinn, sob n.
290, e l) 'ni assim o que a esse respeito ir formn o
inspector da thesouraria provincial, em 3 do cor-
repte, resolve abrir um crdito supplementar na
importancia de 4:6003000 para occorrer- pezas que teera de ser feitas com a acquisigo de
movis para as escolas de instruego primaria,
por ser insufflciente a quanlia desiribuida para
esse (im no correte exercicio.
Dita.O presidente da provincia, resol ir conce
der 40 dias de licenga com vencimentos contados
de 16 de outubro prximo lindo, ao juiz de direilo
da comarca de facaralu', bacharel Marc3s Correa
da Cmara Tamarindo para tratar de sua saude.
Despachos do dia i de novemhro de 1861).
Reqtienmentos.
Bacharel Angelo Caetano de Souza Cotissero.
Passe portara concedendo a proroeago que re-
quer.
Alferes Antonio Bertino Pereira de Carvalho.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa
zeoda.
Alexandre Jorge Cornelias.-Passe portara con-
cedendo a licenga que requer.
Candido Jos da Silva.Informe o Sr. comman-
dante do corpo de polica.
Dionisio Francisco das Cbagas.Iodeferido por
nao ter sido julgado incapaz o supplicanto era ins-
pecgo de saude.
Isidoro de Franga Barros.Informe o Sr. desem-
bargador provedor da Santa Casa de Misericor-
dia.
Joo Leite de Araujo. Informe o Sr. tenente-
coronel commandante do corpo de polica.
Jos Vidal de Negreiros.Informe o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Minervino de Miranda Rocba Pitta. Nao tem
lugar.
Pedro Soares de Mello.Informe o Sr. director
geral da instruego publica.
Theodosio Mouteiro Villanova. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional do mu-
nicipio de Garanhuns.
O vapor Parahyba, dacompanhila Pernarabu-
cana, chegado hontem dos portos do norte de sua
escala, foi portador das noticias que eguem :
Aabando-se bastante arruinado o ecilicio em que
fuoe^Jnava a assemblea provincial d) Rio Grande
do Norte, passou ella a fazer suas sessSes na casa
do Atheaeu.
O 2o corpo de voluntarios contava
sendo 75 da e> marca de S. Jos.
No Ceara' e Parahiba nada occorrec
mengo.
Segu hoje, para os portos do
Granja, o vapor costeiro Pemmmga,
no eorreio.
Falleceu hontem pelas 3 horas
ra da Glora, o pardo Paulino de
mente a urna congesto pulmonar, se
clarado era exime medico.
Em Goianinha teolou o preto
Anastacio, a 22 do prximo passado,
zenda Mara da Coneeigao, era quem
DE
GOVGRXO DO DISPADO
l'HHVtNUI'l'O.
SEE VACANTE.
NOVAS DISPENSAS HATHIMONIAES.
Chegaram do Ro de Janeiro as petigoes de
dispensas do primeiro grao igual da linha lateral
e segundo grao attingente ao primeiro de consan-
guimdade coustantes da lista abaixo publicada e
cuja concesso foi autorisada pelo Exm. e Rvm.
Sr. Internuncio Apostlico, em dala de 16 de ou-
tubro.
Podem pois ser procuradas em Olndi na c-
mara ecclesiastica e no Recife, em casa do Illm.
Sr. conego^ da capella imperial Francisco Jos Ta-
vares da Gama, ra da Cruz n. 56.
Olinda, 31 de outubro de 1863.
Conego Joaqun Ferrara dos Santos,
secretario do bispado.
Lista das petifts.
Jes Antonio da Costa e Vicencia Maria da Con-
eeigao.
Jos 'unes Pereira e Alexandrina Mana da Con-'
ceigo.
Manoel Felippe da Silva e Auna Maria da Con j
ceigo.
Joo Jos Sobral e Felicidade Maria de Jess.
Antonio Elias do Nascimento e Maria Joaquina da
Coneeigao.
Jos Pereira da Motta e Albuquerque e Francisca
Fraocelina de Oliveira.
Jos Aleixo de Franga e Luiza Maria da Coneei-
gao.
Francisco Alves dos Sautos e Sevenna Maria da
Concego.
Jos Alexandre Brrelo e Feliciana de Meira Li-
ma.
Candido Lucio Cordeiro e Maria dos t'razeres da
Coneeigao.
Joo Nones Pereira e Maria Clara.
Raymundo Jos do Reg e Maria Antonio do Es-
pirito Santo.
Jos da Silva Rispo e Thereza Mana de Jess.
Deodato Pereira Maia e Marcolina Maria da Con-
eeigao.
Jos Rodrigues da Silva e Antonia Maria da Con-
eeigao.
Jos de AzevedoMello e Rozemira Maria da Con-
eeigao.
Jos Beraldo de Maria e Isabel Maria da Conce-
go.
Manoel Ribeiro de Lima e Isabel Claudina da
Costa.
Loureog) de Araujo Souza e Florencia Maria da
Coneeigao.
Seratim Francisco Donato e Felisbella Mara de
Jess.
Flix Henrique da Silva e Maria Francisca da Con-
eeigao.
Joo Francisco dos Santos e Alexandrina Maria.
Vieram mais as seyuintes prtirues concedidas na
mesma data'.
Joo Rodrigues Sarment e Joaquina Felicia de
S Barreto.
Jos Joaqim da Malta Ribeiro e Isabel Maria de
Jess Albuquerque.
Joo de Souza Barbosa e Maria Isabel do Sacra-
mento.
Joo Onofre de Lucena e Candida Constsntina ae
Lacena.
Joo Pereira dos Santos e Anua Maria do Espirito
Santo.
Cypriano Carvalho Pedrosa e Joanna Maria do
Nascimento.
Andr Jos Baptista e Maria Florenga do Nasci-
mento.
PERNAMROCi
REVISTA D1AUA.
Reune-se hoje o Instituto Archeologico eGeogra-
phco Pernambucano, em sessoordiuana.
No da 15 de onlubro assassinou Claudino
Alves dos Santos, em Santiago, do districto de
Cruangy, a seu cunhado Antonio.
Foi preso o criminoso, e instaurou-se o compe-
tente processo perante a respectiva subdelsgacia.
Como constasse ao delegado de Goianna, que
no dia 20 de outubro prximo pissado. Dous pre-
los de nome Theodorico e Lino, escravos do ren-
deiro do engenho Pituass, haviam tenalo matar
a Antonio Felippe de Mello, criado do mesmo ren-
deiro, dirigise para alli no dia seguinte com al-
guns soldados, alim de proceder as competentes di-
ligencia-. Nao foram, porm, encontrados os cri-
minosos, .-em duvlda por se haverem evadido ; e
nem das indagagoes resultou a existencia na fabri-
ca de cmplices.
Procedida a competente vistoria no offndido, fo-
ram dadas as necessarias providencias pa o co
mego do processo.
Em consequenca de oflensas physicas leves
praticadas pelo rendeiro do engenho Mariuna em
uns meninos que corlavam capira em ierra do
mesmo engenho foi instaurado pelo jaizc munici-
pal de Goianna o competente procosto, sendo ybs-
loriados os offendidos.
116 pragas,
, que merega
norte at a
tirando mala
da tarde, na
al repentina-
;undo foi de-
liberto Jos
malar a Ro-
ileu algumas
facadas, deixando a gravemente ferid;,, segundeo
corpo de delicio procedido.
O delnqueme evadio-se para o dlsiricto da Pa-
ra hyba.
Communicamnos o segulnte :
c Succedeu, no dia 2 do corrente, que em um
dos wagons da 3 ordem do trem da estrada de
ferro, fosse um passageiro accommi llido de um
ataque de dysenleria, e assim por fon; i maior, nao
podendo mais conter-se, se visse obriuado a satis-
fa*r alli mesmo a natureza. Chegado, porm, a
esligo da Escada, foi o pobre hornera intimado ou
para com suas proprias mos limpar
do wagn, para o que se Ihe deu un
Aceitou este partido, e foi victima de
baria, como era mullo natural.
t Por essa occasio se disse e afflrm >u, que fac
tos desta ordem se tem dado, sera qte no entre
tanto haja apparecdo a menor provic
belecendo, como obrigada por forg;
ment, o wagn propno para o serv
taes occasioes se faz indispensavel.
< E' portaolo para reclamar contra e
renga que trazeraos ao conhecimento c
faci, que alias foi testeraunhado por
pessoas. >
De Villa-Bella escrevem nos com
de outubro :
Tudo hoje por estes lugares se resi me no em-
penho de mandar voluntarios para o theatro da
guerra. Ja' por aqu aodou o teneutecoionel Pedro
Pessoa de Siqueira Campos, e entendeu-se com as
influencias do termo sobre a necessidat e ae todas
concorrerem para a orgaoisago do bualho de
que esta' elle incumbido. O Dr. Gong .Ivs Lima,
ex-juiz de direilo da comarca, tal intere ;se tem to-
rnado pela acquisigo de voluntarios, que fez seu
cunhado e sobrinho Samuel aceitar a incumbencia
de organisar urna companhia, para a qikal tambera
se esforga o major Joaquim Pereira da_Silva Tm-
to. O tenente-coronel Braz de Magalhaes, consta-
me que apresentara' um prente seu ara organi-
sar nutra. O delegado e juiz municipal do termo,
Ur. Estevo Benedicto Franga lica coni igual acti-
vidade promoveodo o alistamento del voluntarios.
Por fallar neste doulor, devo dlzer-lhe irapar-
cialrnenle, que tem sabido elle curaprir seus deve-
res, como aulnndado policial. Justiceiro e incausa-
vel na perseguigo de criminosos, tem assim pro-
tegido o direilo de todos.
< Houve tempo era que os horaens da situago
actual consideravam o Dr. Estevo omo orculo
de .-..iy l-na, e lypo de bondade, ejdahi as suas
nomeagoes successivas de juiz munirjipal, delegado
e deputado provincial I Nao se pJe lar maior les-
temunho de consideragao a um indiyiduo I Entr
tamo, s por que o Dr. Estevo, no exercicio d
sua autondade, lera procedido com independencia
e justiga, mcorreii as iras dosstus, anda ha
pouco, alliados e admiradores !
Nao sou amigo do Dr. Estevo,
pavimento
a vassoura.
muita zom-
tnca, esta-
do regula-
o, que em
ssa Indiffe-
o publico o
quasi 100
data de 21
Candido, Pernambuco, 3 mezes, Boa-Vista, convul-
soes.
Norberto Alves Cavaleantl, Pernambuco, 58 annos,
solleiro, Santo Antonio, apoplexia.
Maria, Pernambuco, 12 annos, sollera, Varzea,
tubrculos pulmonares.
Maria Jesuina Pereira Barbota, Pernambuco, 28
annos, solteira, Santo Antonio, tubrculos pul-
monares.
Pedro Pratis, Hespanha, 40 annos, solleiro, Recife,
congesto cerebral.
Rosa, Pernambuco, 2 annos, S. Jos, entrecolite.
Victoria Maria da Coneeigao, Pernam meo, 80 an-
nos, solteira, Boa-Vista, marasmo.
Cypriano, Pernambuco, i annos, solleiro, escravo,
Boa-Vista, febre perniciosa.
Vicente, Pernambuco, 40 anno?, solleiro, escravo,
Santo Antonio, congesto cerebral.
Luiz Jos, Pernambuco, 50 annos, escravo, Boa-
Vista, tubrculos pulmonares.
Antonio do Reg Couto, Pernambuco, 32 annos,
solleiro, Sanie Antonio, ervsipela.
Francisco, Pernambuco, 4 annos, Santo Antonio,
febre beliosa.
Joo Pernambuco, 14 mezes, Recife, convulsoes.
Maria, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos, dem.
Joaquim da Cunha, Pernambuco, 30 annos, sollei-
ro, S. Jos, assassinado.
Germano de Souza Salgado, Pyauhy, 56 annos, Boa-
Vista, varilas.
Firmlno, Pernambuco, 18 mezes, BovVista, con-
vulsoes.
Placida Maria do Rosario, Pernambuco, io annos,
solteira, Boa-Vista, rheumalhismo agudo.
Pedro Ivo da Silveira Brederodes, Pernambuco, 11
annos, solleiro, cralo da S de Olinda, ma-
ligna.
Francisco de Paula Rosas, Pernambuco, 50 annos,
casado, Boa-Vista, blhsyca pulmonar.
Otilia, Pernambuco, 2 annos, S. Jos, brenefestes.
Adriana, Pernambuco, 5 annos, S. Jos ; bronchi-
le capillar.
nem delle de
pendo em cousa alguma ; mas sou orgado a dizer
a verdade. Nioguem mellior de que elle tem cum-
prido suas obrigaroes ; dgam o que quizerem.
Fizeram hornera acto, na Fac ldade de Di-
reilo :
1." anno.
Bernardo da Gama de Souza Francp, plenamente.
Manoel Godofredo de Alencastro Au(ran, idera.
Luiz ue Amorim Lima, idera,
Jo- Damas da Silveira, dem.
Walfredo da Cuuha e Figueiredo, idem.
Alfredo Teixeira Mondes, simplesmeole.
Um reprovado.
2." anno.
Antonio Paulino Cavaleantl de Albuquerque, ple-
namente.
Augusto Pedro Gomes da Silva, idera.
Agesilo Pereira da Silva, idem.
Aurelio Numrico Ponles da Silveira, simples-
mente.
3." anno.
Antonio Pedro Ferreira Lima, plenamente.
Joo Ignacio Teixeira, dem.
Alarico Jos Fuado, idem.
Um ruprovado. .
4. anno.
Antonio Manoel de Siqueira Cavalcanti, plena-
mente.
Francisco da Costa Ramos, idem.
Um reprovado.
5. anno.
Antonio Jansen de Maitos Pereira, plenamente.
Antonio Marliniano Lapemberg, idera.
Joo da Cunha Pereira Bellro, idrm.
Fueram exarae de francez n > dia 7 :
Plenamente.
Simplesmente
Reprovados.
De Geographiae Historia
Plenamente. .
Simplesmente .
Reprovado .
Levanlaram-se .
6
2
4
12
3
3
4
2
12
No domingo prximo festeja a confraria de
Santa Rita de Cassia a sua padroelra com a pom-
pa e brilhantismo cosiumado ; sendo oradires, do
Evangelho o Revm. padre Antonio da Albuquerque
Mello e do Te-Deum o Revm. padre Leonardo Joo
Grego. Na vespera deste da ter lugar bengo
de um sino novo, adquirido de expensas da actual
mesa regedora.
Passageiros do vapor nacional Parahyba, viu-
do do Cear e portos intermedios :
Padre Floreogo de Almeida Pinto, Manoel Pedro
de Moraes, D. Francisca Thereza de Jess, Felip-
pe da Silva Porto, Antonio B. Sea>ra de Mello, Ma-
noel A. Pereira, sipriano A. RoJrlgues, Antonio
Joaquim Teixeira, Francisco Cleto T. de Bnto, Ig-
nacio do R. T. de Brito Jnior, Willian Marlenau,
Dr. Antonio de Souza Garca e 1 creado, Antonio
Ferreira Ballhar, Dr. Manoel de Barros e 1 criado,
Joo ti. Bandeira, Jos Gomes da Silva e i criado,
Vicente Augusto de Magalbes.
HEPAIlTigAOOA polica.
Extracto da parte do dia 8 de novembro de
1865.
Fora recolhdo'a casa de detengo no dia 7 do
corrente :
A' ordem do Dr. juiz especial do, commercio, An-
tonio Emygdio Ribeiro, por achar-Be pronunciado
em crirae de quebra fraudulenta.
O chefe d 2* secgao,
/. G. de Metquila.
CkMITEPJO PUBLICO, OBITUARIO DO DIA 6 DE
NOVEMBUO BB 1865.
C!1R0NIM_JIII)1CIAKIA
TKIiiL'.Vt L DO COM.7IEHCIO
ACTA DASESSO ADMINISTRATIVA DE 6 DE
NOVEMHRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBAROADOR
ANSELMO FRANCISCO l'ERETTI.
As 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente declarou aberta a
sesso.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Offlcio da conservatoria do commercio de Ma-
cei, de 31 do prximo passado, remeltendo copia
da carta de registro que era 20 do mesmo deu a
escuna nacional Macieira, propriedade de Manoel
Moreira de Souza Macieira.Accuse-se a recepgo
e procedase na forma do estylo.
Outro da junta dos corretores, Armado de hoje,
juntando a cotago dos pregos correntes da sema-
na prxima linda.
Foram encerrauos os livros de regislro das hy-
polhecas commerciaes a cargo da se:reiaria do iri
buoal.
DESPACHOS.
Requerimento (visto pelo Sr. deserabargador
fiscal) de Amonio Jos Ribeiro da Silva Guimares
e Antonio Jos Peixoto Guimares, para que se re-
gistre contrato de sua sociedade commercial.
Registre-se.
Itera, de Bartholomeu Lourengo, cidado brasi-
leiro, proprietirio e armador do hiale Paraense,
pe.imd ) que no competente registro se fliesse a
annotago de ter dito hiale mudado de maslreago
para palacho.Como requer.
tem, do comraerciante matriculado Thomaz de
Aquino Fonseca, Francisco Joaquira Ribeiro de
Bnto e Corbiano de Aquino Fonseca, peiindo ser
registrado o contracto commercial que juntam.
Vista ao Sr. desernbargador liscal.
tem, de Joaquira Antero de Oliveira Luso, socio !
de industria na sociedade commercial que leve |
com Antonio Liite de Magalhaes Bastos, sob a fir-
ma da Magalbes Bastos C, pedindo que seja
admetlido a registro a escriptura de venda que It-
zerara do estabelecimento commercial para paga-
mento dos crelores, visto nao ter querido dito Sla-
galhes assignar o papel de distracto social.Vista
ao Sr. desernbargador li-cal.
tem, de Antonio Jos dos Sanios e Manoel Go-
mes de Freitis, que tendo feto addilar o seu con-
tracto social, era cumpnmento do despacho do tri-
bunal de 28 de agosio prximo passado, pediam
que fosse registrado.Registre-se.
Nada mais houve.
DISTRlUfigoES.
Ao Sr. desernbargador Accioli por haver aver-
bado impedimento o Sr. desernbargador Re t
Silva :
Appellantes, Manoel Antonio N'.gue.ra e soa
mulher ; appellado, Joo Pereira Cast-llo Braaea.
Ao mesmo Sr. desernbargador :
Appellante, Francisco Antonio de Oliveira; ap-
pellado, Silvino Goilherme de Barros.
Ao Sr. desernbargador Reis e Silva :
Appellantes, os administradores da massa fallida
da de Amorim, Fragoso, Santos & C appellada,
Manoel Pereira Caldas.
Appellante, JosTereira de Araujo ; appllado.
Jos Alves de Faria.
Appellantes, Joaquim da Costa Lima e outro ;
appellado, Jos Rufino de Souza R^ngel.
Ao Sr. desernbargador Silva Guimares :
Appellante, Henrique Luiz de lluros Wanderley
Lins ; appellado, Gabriel Antonio.
Appellante, Joaquim de Azevedo Maia ; appei-
ladn, Antonio Jo- de Figueiredo.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. pre-
sidente encerrou a sesso urna bora da urde
SESSO JL'DICIARIA EM 6 DE NOVEMBRO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARCADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As 11,'^ horas da manha o Exm. Sr. presidente
declarou aberla a sesso, estando rsunidos os Srs.
deserabargadores Silva Guimares, Reis e Silva e
Accioli, e os Srs. depulados Rosa, Candido Alcofo-
rado, Bastos e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
so.
Foi lido o offlcio datado de hoje do Sr. Antonio
Luiz dos Santos, scientilicando ao tribunal que por
incommodado nao pode comparecer a presente
sesso para tomar parle no julgamento para o qual
fora convidado.
JULGAMENTOS.
Appellantes, Jos Jeronymo Monteiro e Jos
Candido de Barros ; appellados, N. O. Bieber & C.
Adiado na sesso de 26 do mez prximo passado.
Foi reformada a sentenga appellada com urna
advertencia ao juiz.
Appellante, Joao Pinto Regs de Souza ; appel-
lados, os administradores da massa fallida de Amo-
rim, Fragoso, Santos & C. Adiado na sesso de
26 do mez Ando.Foi confirmada a sentenga ap-
pellada.
Appellante, Joaquim Gongalves Ferreira; ap-
pellado, Pedro Cavaleantl de Albuquerque Ucha.
Adiado na ultima sesso. Desprezarara-se os
embargos cora o voto do Exm. Sr. presidente.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellados.
Mello & Irrao. Adiado na sesso passada.
Foi confirmada a sentenga appellada.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Joo Januario Pinto de Azevedo.Desprezarara-se
os embargos. *
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Antonio da Silva Ferreira Santos; appella-
da, madama Rosa Adour.
Adiado o julgamento a pedido de um dos Srs.
deputados.
PASSAGRNS.
Do Sr. desernbargador Res e Silva ao Sr. des-
ernbargador Accioli :
Appellantes, Manoel Ignacio de Oliveira e Jos
Pereira da Cunha appellada, a directora da ca-
xa filial do Banco do Brasil nesta cidade.
Appellantes, Flix Souvage & C.; appellado, o
Pr. Angelo Manriques da Silva, testamenteiro de
\ ictonno Teixeira Leite.
O Sr. desernbargador Reis e Silva averbon impe-
dimento e passou ao Sr. desernbargador Accioli:
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appel-
lados, Cardoso & Souza.
THIIJL'VVL DA HKLAC'lO.
SESSO DE 7 DE NOVEMBRO DE 1863.
PHESIOENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIBO
WWtl
As 10 horas da manha, presentes os senbores
desembargadores Santiago, Gilirana, Guerra pro-
curador da coroa, Lourengo Santiago, Almeida
Albuquerque, Molla, Assis, Doria, Donnognes 4a
Silva e Barros Vasconcelos, faltando o Sr. desern-
bargador L'cha Cavalcanti. abno-se a sesso.
Passados os feilos, der a m -se os seguintes
JULGAMENTOS.
Carta testrmunliatel.
Aggravanb-, Joaquim Jos de Araujo Sooxa ; ag-
piavado. E-devao Jos Barbosa de Moura.Rela-
tor o Sr. desembargada Molla. Sorteados os Srs.
deserabargadores A Nao se lomou eonheeimenlo.
Atgraro de petirio.
Aggravante, Jos Alves Barbosa ; aggravado, o
juizo.Relator o.Sr. desernbargador Molla. Sor-
teados os Srs. deserabargadores Lourengo Saauago
e Guerra.Diram proviraento.
Ilabeas-corpus.
Concederam ordem a Joo Damasceno Pessoa,
para a sesso de i 1 do crreme.
Negou-se soltura a Francisco lo Ribeiro.
ApptUacSrs cirei*.
Appellantes, Jos Rabello Padilha e entro ; ap-
pellada, a fazenda. Julgoo-se prejudxada, e so
mandn appensar a outro processo julgad).
Appellante, Joaquim Antonio da Silveira ; ap-
pellado, Antonio Martins Saldanha.Desorezaram
os embargos.
Appellante, a irmandade do Sanlissimo Sacra-
mento do Cabj: appellado, o vigario da mesma
villa.Reformada a sentenga em parte.
Appellante, Felippe Gomes da Frota ; .-.ppella lo,
Domingos Gomes da Frota.Desprezaram os em-
bargos.
Appellante, Manoel Francisco de Lirra ; appel-
lado, Alexandre de Souza Rolim. Desprezarm os
embargos.
Appellante, Jos Dimiogues Correia ; appella-
da, a ordem terceira de S. Francisco.Despreza-
ram os embargos.
Appellante, Gaudencio Gongalves Chaves ; ap-
pellado, MaiinlM Gomes da Silveira. Rece-
beram os embargos
Appellante, Manoel Patrao do Na-cimento ; ap-
pellada, Marganda Maria da Paixo.Conarma-
da > sentenga.
Appellant-, Jjs Antonio F.rnmdes Fralip.- ;
appellado, Jo- Mend-s de Fieitas. I--.-firmada
em parle a sentenga.
Appellante, Ago>linho Lucas Correia ; appellado,
Pedro Lucas Correia. Confirmada com declara-
gao.
DESIGNACA.) DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento das seguin-
tes :
Appellagies civeis.
Appellantes, Antonio Jos Pires e sea mulher ;
appellados, os herdeiros de llenry Gibson.
Appellante, Francisco Marinho de Albjjuerque
Mello ; appellado, Francisco Jos Vianna.
Appellante, a admim-irari > da massa de Alves
*\ Cruz ; appellados, Silva Leo &C.
Appellante, D. Joanna Mana das Dures ; appel-
lado, Jos Hygino de Souza Peixe.
PASSAliENS.
Do Sr. desernbargador Santiago aoSr. desernbar-
gador Gitirana
As ppellages crimes.
Appellante, o juizo: appellado, Joo de Santa
Anna Jnior.
Appellante, Manoel Bezerra da Paixo ; appella-
da, a justiga.
A appellagao civel.
Appullanle, Francisco Gomes Prente ; appella-
dos, a flava de Manoel Gongalves da Silva.
Do Sr. desernbargador Lourengo Santiago ao Sr.
desernbargador Almeida Albuquerque
Appellagoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Gomes
da -va.
Appellante, o juizo; appellado, Joao Marques
das Neves.
A appellagao civel.
Appellante, Mathias Lopes da Costa Maia ; ap-
pellada, D. Maria de Jess Cordeiro.
Do Sr. desernbargador Almeidae Albuq ler.jue ao
Sr. desernbargador Molla
A appellagao rrime.
Appellante, o juizo ; appellada, Fraa:iseo Jos
de Souza.
As appellagoes civeis.
Appellante, D. Maria da Luz Teixeira Costa ;
appell ido, Jos Joaquim Ferreira de Souza.
Appellante, Lourengo Bezerra de Siqueira Ca-
valcanle ; appellado, Dr. Amaro Joaquim Fonseca
de Albuquerque.
Do Sr. desernbargador Guerra ao Sr. desembar-
gado!' Lourengo Santiago
A appellagao civel.
Appellante, a Sania Cisa de Misereora; ap-
pellado, Antonio da Silva Ferreira Jnior
Do Sr. desernbargador Doria ao Sr. deaeabar-
gador Ucha Cavalcante
A appellagao crime.
Appellante, Vicente Ferreira da Cunha ; appel-
lada, a justiga.
A appellagao civel.
Appellante, Francisco Bjtelno de Andrade ; ap-
pellado, Joo Carlos Bastos de Vascoacell.
Ao Sr. desernbargador Doraingoes da Silva
As appellagoes civeis.
Appellante, Jos Bento de Oliveira ; appellado.
Jo Joaquim de Aranjo Pinheiro.
Appellante, Manoel Monteiro de Maeedo ; appel-
lados, Borges S Mello.
Do Sr. desernbargador Barros Vascoocello ao
Sr. desernbargador Santiago
As appellagoes civeis.
Appellante, Manoel Fernandes Pi menta; a pe ai
lado, Manoel Ferreira de Aranjo Brrelo Jnior.
Appellante, Ursulino Lene de Arrmelas ; ap-
pellado, Jos Maria Cor tez.
Appellante, Antonio Ferreira da Poale ;
lado, Manoel Ferreira da Ponte.
A appellagao crime. ____
Appellante, o juizo; appellado, Jos Coma i
Mello.
A' i Vi horas encerr: aeao.



.....II
tarto de Pernanfmce Qnlnfa felra O de Novenibro de 5 ***
CORRESPONDENCIAS
tnrttidj por ad rogar centra os interesses dos or-
illan?, e nao se justificou do labo, sera duvida,
porgue poda ser pruvado. Escale oais : esle ad-
vocado e curador de orphos foi aqaelle, que deu
parecer favoravel para serem pagas no inventarlo
do Cocadinha das uiuco-Pontas unas letras contra
elle sacadas e acceilas era seu nome pelo irmo,
que foi o seu lestamenteiro; as quaes letras veri-
flcou se que tinham sido selladas em branco e ac-
ceitas depois da roorle do testador. Attenda mais:
este mesmo advogado foi o que desaroparoa ura
pobre constituinte, a quera se recusou de defender
no jury por occasio do sea segundo julgamento,
porque elle, collado, nio teve cem mil ris para dar
era pagamento da segunda defeza, succedendo que
por isso fosse comeado ura advogado dos que se
|
o direlto da parte, que. alias com n su sHeiefo, ou v falla de impugaacau dentro dos a das da le ac- i-eJa-j-. ,, ,_ ,' n:^:n:n
^esceumesmideciso.deixafldoairanMarea hender o mal por nao se ter a principo
Resposta ao Sr. l>r. Costa Ri-
beiro,
Nunca peosei que fazia urna tao grave offensa
ao Sr. Dr. Costa Ribeiro, dlzendo que elle ja min-
iara em algum lempo as flieiras do partido con-
servador, autigamente chamado attaoir. Igno-
raodo os motivos particulares, que tem o mesme
doutor para nao gostar que algnem trate disso, e,
pelo contrarl >, que se diga que elle sempre foi li-
beral, antes e depois dn parto, eslava eu bem lon-
go de suppr que, ao lado do Sr. Jos Roberto de
Afogados, vlria elle coliocar-se, para gratuitamente
ofender me, como me offendeu pelo 0tn.no de 7 achavam presentes no tribunal para tomar a de-
do crreme, dos termos por que se exprimi, fa- fei[a do nfe|jz r0( 0 oa, f()j ai^soivido, talvez por-
zendo um extenso, mas poorc attendido arrazoado que no ammo do ury esse fac,0 nouvesse proda-
para sustentar a these de que nunca Toi conser- tlll) 1||oma mpressao em favor delle. Dando-se
vador. mais a circunstancia de,sabido o motivo por que o
Ora, ainda que se diga, que contra dons nem o ta| advogado se recusava de vir defender o pobre
proprio Hercules, nao posso deixar sem resposta o hompm> e havendo quem a esle dissesse que o man-
meu segundo aggressor, que se quena tao smente dasse Duscar> que pagaria os cem mil ris, assim
deTewler a sua cohn ncia poltica, para desviar que f 0 recado vel0 e||e pressuroso para o jury,
qualquer embarazo s suas conhecidas preiensoes mas foi quando ja- tjnna havido a nomeaco de de-
n supremaca de chefe do partido liberal, lizesse-o fensor feita pe)o presidente do tribunal,
por modo e arte, que nao me fensse, porquanto Esla ,err, Sr Dr ^^ RDeir0i ,em bons pa-
devia logo suppr que, sendo eu aggredido, nao trilas I.....
poda deixar de defeoder-me. Digo agora, qual foi a razio por que este senhor
Confessando o Sr. Or. Costa Ribeiro, qne poderia sahio-se contra mim no Diario de 7 do corrente,
ter pertencido ao partido conservador e hoje nao, pre sera nenhum desar para si, por que emende, que fi pa|.a angariar os votos gueiros da freguezia de
s ha nisso desar, quando se muda ae po mea por Afosados, guardando sempre a inviolabilidade de
conreniencta, parece que, quera assim pensa, nao gCmln0 eu p0rem nao gosto de servir a essas
d o solemne cavaco que deu o Sr. Costa Ribeiro, iacl,:as. g ja- prevejo que elle, entregara' o que
por eu simplesmenle dizer que elle ja fora conser- ,en)0 dil0 ao despreEOi dizendo que nao desee de
vador; a menos, que desconfie, que a sua trans- sua diiiidade para discutir comigo ; mas isto
f rmaco poliiiea se po lancias, que claramente tradnzam o indecoroso de||a muit0 raa| feil0 de corpo_
julgado.
XIII
combatido ; por isso, pois, conveniente
qpe, logo que alguem se sentir atacado de
Aleradist, qual o procos o a seguirse pm *er t*{ mal, deve-provocar a lransp;raro toman-
1 do ao principio uma coll.erinna de cha do
xarope alcohlico de veame dissolvido em
recon
Regulamento das Relacoes r Nao, por que no se
tratava de julgar, qual das autoridades competido-
ras era a compleme para o caso, liri dos conflic-
tos de jurisdlcco, oomo j se disse,e sim de rever
a deciso, que ja tinha Orinado a competencia de
uma deltas.
orna chicara de infus5o de flor de sabu-
gueiro queote, adocaddo-a com mais assu-
car, continuarte!) nos tres dias newe trata-
Seria portanto necessario, que o Eun, Sr. cooe-1 Umenlo, no fim dos quaes usara' do xaro-
lheiro eipedisse um compulsorio para fazer subir pe de veame na forma prescripta no recei-
denovooautosa'Reaa.poissavisiadosau. tuano, tendo todo o cuidado de se abafar,
tos, e das rafes produzdas pelo Juiz de orphaos f pntpmpntp alpm de
que podi* ser reconsiderad a deciso nelles pro- a[im ue b0ar COnvei.ieniemetlie, aiera ae
ferida. E assim iria o mesmo Exm. Sr. presidente conservar o ventre corrente, que conseguir
interrompero curso legal do processona 1 inslan- tomando uma OU duas pillas purgativas do
ca. Seria ainda misier chamar para o novo julga- mesmo VOiame
ment os mesmos Desembargadores, que j tinham Sll,ri,mi.nm An dado a primeira deciso, vislo como s elles, e nao lOOOS quantos SUCCumbem dcsla moies-
outros, que podiam reconsiderar, isto conside- ta se diz :falleceu de erysipella recolhi-
rar segunda vez o que tiaviam feito da primeira, e da ; ao contrario, alguns expositores pre-
ahi tiuhamos fucccionando Juizes, cuia misso, co- sumem ser 0 desenyolvimento da putrefac-
no ja viraos, havia terminado cora aprimeirade- ,.. ,___;.__.
ciso, na forma da lei. Q.ianto arbitrio I Quanto Co nosan.ne, tanto que o lugar nlamraa-
lumuito l Quaota infraeco de lei h do que, entao a sua cor era encarnada, se
t Tantw moiis eral Romanam condere geniem. troca em lvida ou negra, e term na em gan-
,. ^IV m.,u grea, e por ossa raz3o que conveniente
Perguota o arlicnlista-se o presdeme do Tribu- ,' .. ,HL e a
nal du Commereio decidindo por aggravo, que o o xarope alcohlico de veame na infusao de
Juizo Commercial era Incompetente, e recorrendo flor de sabugo, para se conseguir resolver a
por isso a parte ao Juizo do Civel eslava a Rela?o nflamrnaco, OU pelo menos terminar pela
"SeJJlJisupporaco, impedindo assim a gangrena.
Teoho dilo.
Recife, 8 de novembro de 1865.
Marcolino Ferreira da Costa.
PUBLIC1C5ES i PEDIDO
movel, a que elle referio-se. E' sabido o dilado
quem nao deve Dan teme. Por conseguinle o ala-
rido que taz o Sr. r. Costa Ribeiro, sempre que
se Ihe loca, aiuda de leve, oa matadura de ja ha-
ver pertencido ao lado -conservador, um indicio
vehemente de que assim foi, tamo que, quando nis-
so se falla, elle se refastella e vasa-se em justifka-
coes e aecominetle a quem, como eu, incidente-
mente, cai em hqlir nessa tecla, sem saber que ella RE(rn'\Q.\r) 40 ARTIGO D\
bia fenr a sua carda sensivel. kitv 'k mu
Felizmente, que nao fui eu o pimeiro que acer-1 6
tou de tirar pela balda do doutor:elle mesmo
diz que ja uma vez, por este mesmo jornal, em
uma publicaco, que leve razoes para entregar ao
despreso, fez se Ihe a mesma arguico para apre-|
senia-lo como homem verstil, defeito como os de-
mais que aquelles que o teem sao factis
buir.aos oulros.
T1IEMIS PERNAH-
A EPI6RAPHEAXALVSE
AKRAZOADA.
(Gontinuagao.)
VIII
O Exm. Sr. Conselheiro Presidente da Relaco
em attri-!alludindo ao que diz no Manual do Procurador
dos Fetos da Fazenda Nacional 668 o Sr. Dr.
Admira, porm, que nao fizesse agora a mesma Perdigao Malheirosadduzio mais um fundamento
cousa, enir-gando tambem ao despreso o que disse do seu despacho, que para evitarse o conflicto
o pobre Marcolino, quando tratava de defeuder-se ba cautela, como ensmam lodos os escrtptores, al-
Iravadicom uma aecusacao tao calumniosa quauto legar unte o Juiz a sua incompetencia, porque com
cobarde e traicoeira. Mas, nao ; o Sr. Dr. Costa o julgamento em grao de recurso, pea firmada a sua
Ribeiro nao despresou o que eu disse, por que co- jwisdicQao, e nao tem mais lugar suscitarse o con
gilou, que desia vez podia melhor encher o seu lelo.
pote mmba Mista : nao tinha diante si, como da O articulista acorvado ao peso deste Escriptor,
outra occasio um preopinante de quem tanto se que autoridade na materia, esca-se do aperto,
arreceiasse de ficar em a mastreaeflo liberal, e em que se acba, por uma dessas tangentes do seu
sem leme para levar o seu barco novos mares, costume dizendo, t que, alm de nao ter o Exm. Sr.
A verdade que, quando elle soffreu a primeira Conselheiro attendido para o Jj 669, nao fez a de-
argu*;ao, incommodou-se muito rom ella, conles- vida applicacao da doulrma do Sr. Dr. Perdigao
tou-a, sendo que, se nao replicou depois de redar- Malheiros.
guido, foi por qe conheceu que nilo se sahiria Em primeiro lugar cumpre, que exaraioemos o
bem da polmica, tanto que, foi pessoalmente bus- que coulm o 669 do Manual citado, a que.se diz,
car na lypographia o artigo que tinha feito por ha-' uo ter aiiendido o Kxm. Sr. Conselheiro.
ver sido uesse sentido aconselhado a nao publ-, Eis-aqui a sua iniegra Finta a causa pelasen-
ca lo. E, nem ciivel que o Sr. Dr. Costa Ribei-' finja definitiva, j nao tem lugar suscitarse (o con-
ro, sendo, e por quem... pela primeira vez accu- flicio.)
sadu de ver.-atilidade poltica, entregasse ao des-! Naturalmente quer o articulista tirar a conclusao
preso tal aecusacao para proceder como caboclo, do, que pode, suscltar-se conflicto, emquanto nao
que muito depois do caso passado pede satisfaces; ha sentenra, que julgue a causa deliintivamente.
e que as pedisse agora mim, que nao sei como E quem jamis contestn Isto ?
explique o nao haver incorrido tamltem rom maio-' At que haja sentem;a, que ponha fim a causa
ria Oe razo em seu soberano despreso. Eulretan- pode-se, vtrdade, suscitar se o conflicto; mas
to saiba o mea caro doutor, que se eugaoou redon- nos termos, que ticam expostos, isto se anterior-
damente persuadmdo-se de que comigo podia fazer mente ja nao tiver havido deciso superior, que t-
cnico mouies : perdeu se no calculo nha lirmado a competencia.
.Nao pode negar o Sr. r. tosa Ribeiro, que j Ja v pois o articulista, que nao lavurecendo,
foi guabir : appello para o testemunho dos con-
temporan os que o conheceram como alliado do
partido ao qual vulgarmente davam aqaelle nome
e a cuja inflnencia deveu elle, os primeiro^ passos
que <;eu na vida publica Apenas sabido das fa-
cbas acadmicas coovenho q:ie nao podia :quelle
r. lomar attliade saliente em partido algum ; o
que t ceno, porm, que se uoio aos conserva-
dores, aceitando empivgos de polica e exercen-
do-os com muita altivez, qu^n loos liberaos, em cu
jo numero estive.coiniam o pao do de^erro e eram
c imo proscriptos e impossiveis para os cargos de
eoQfi.inc.a.
Das j.alavras do Sr. Costa Ribeiro tiro argumen-
e uem prejudicando a quesio adoutriin consa-
grada naquelle 669, nenhuina oecessidade li.iha
o Exm. Sr. Conselheiro de com elle se oecupar.
IX
Quanto falta de apollcacao do que diz o 668
ao caso vrteme, confessanios, que nunca vimos
nada que viesse tanto proposito, parecendo mes-
mo ter sido escriplo para solver a quesio, que se
agita. Daquelle 668 se deduz,que evita-se o con-
flicto allegando-se ante o Juiz a sua incompe-
tencia. >
Ora, o Juiz dos Feilos da Fazenda e o de orphaos
deste Termo comegaram o inventario Drummnnd,
julgaudo se ambos competentes para o fazer. Ete
to que o confunde, por que, se elle diz que reco- j esla,i0 decouza? poda ter dado lucrar .que algum
Dhece que certa propenso para a ordem e o ser- (dac|uelles Juizes suscitasse o coufliclo. mas o que
vico de ier perseguido rebeldes sao ttulos de re- acuiilece ?
comuiendago que mesmo ioda hoje muito aprovei-1 Vendo a viuva, que os herdeiros maiores.com
tara > quanto nao a|iroveiianam no lempo, em que > ,juanto nao reconhecessem a competencia do Juiz
elle mereceu ser escolhido |iara empregos de po | t Orphaos, todava deixavam de allegar a incom-
licia ? Sem duvida nao o foi pelos seus bellos olhos,' peteuca perante este Juizo, ao passo que o dos
senao por que possuia a tal propenso |iara a or-1 pelt0 ai pazenda prosegua no inventario, apre-
dem, e u servico, ou quando menos as melhores tnta-se ante e?le Juiz, declina le >ua junsdiegao,
disposiefes para punir rebeldes que eaavam entao t desattendida aggrava de petigo para a Hilago
anda ijueiites do sangue da revolucao. ao Districto, que declara ser o Juiz dos Feilos da
Conheco toda a familia do Sr. Dr. Costa Ribeiro; Fazenda o competente para o mesmo inventario,
seus irmos sempre foram conservadores, assim Applicando agora a doulrina do Sr. Dr. Perdigao
coiii-j elle era, e al feram voluntarios. A respeito Malheiros ao que se acaba de expr, qual a con-
de um, que. ca-ou com uma lilha do linado desem- sequencia, que a boa lgica manda tirar ? Sem du-
bargadur Hi ndes da Cunha, dzia e>te, que via em Vjdaj a ()Ue ,jrou 0 gxm. r. Conselheiro, que nao
seu Miro uma circamstancia que profundamente: paja mas |er |U(ar 0 conflicto de jurisdicco, cu-
odesgosuva; era o elle ter sido voluntario em ja apresenlago ao Tribunal sol re a allegago da
18S. IVnanloaquem que diz o Sr. Cosa Ri incompetencia ante o Juiz dos Fetos da Fazenda,
btiro que uunca foi conservador ? A mim e a ou-! e a deciso posterior do mesmo Trihnnal, tinha
tros ereoulos da poltica dest:i trra ? Ora, isto tornado excusada, e desuecessaria, que o que
irri.-uno, e ulau irrisorio ainda a historia que|(jUer dizerautor.
elle cunta da sua tiliaco ao partido liberal em X
e julgar tambem por essa vez o Juizo
competente ?
Respondemos,que eslava sem duvida, por Uro
obstar o principioNon bis in idem;t quando mes-
! mo que a Relago assim julgasseo que se segua
; era que havia um julgamento contradictorio, mas
nunca revogatono do do Presidente do Trlbuaal do
Commereio :
XV
Censura o articulista a advertencia que o Exm.
Sr. Conselheiro fez ao Juiz de orphaosde que de-
va respeitar, e como inferior sujeitar se as deci-
soes dos superiores, cumpri-las, e observa-las.
Quera esliver ao corrente do procedimento, que
tem lido o Juiz de Orphaos, depois que a Relago
decidique nao a elle, seoo ao Juiz dos Fetos da
Fazenda que competa fazer o inventario Drum-
mooddevera convir comnosco.que bem merecida,
e justlssima foi aquella advertencia.
Se nao sabe, deve o articulista saber, que o em-
pregado publico, que deita de cumplir as ordeus
do sea superior incorre em crime de responsabili-
dade previsto pelo arl. 134 do Cod. Crim. E pois
deve dar muitos parabeus a sua fortuna, por ter o
Exm. Sr. Conselheiro applicado apenas contra o
seu amigo o remedio do art. 339 do Cod. do Proe.
Crim., que pelo geito, que as cousas vao levando,
parece nao ter sido muito effleaz.
XVI
Procura o articulista justificar o Juiz de Orphaos
allegando, Io que a deciso da Reiagao nao tem
forga obrlgatona para elle, por ser es'.ranha ao seu
Juizo, de que se oo imerpoz o recurso de aggra-
vo, ou caria teslemunhavel i' qne, suspendendo
ella qualquer procedimento al deciso do conflicto,
que suscilou, cumpre o seu dever, e rende homeoa-
gem ao Tribunal da Relaco.
A defeza improcedente em todas as suas par-
tes. Quanto a primeira, tendo se agitado quesio
sobre qu.-.l era o juiz compleme para fazer o in-
ventario Drummcod, se o de Orphaos, ou o dos
Fetos da Fazenda, e havendo a Relago decidido,
que era este, Inquestionavel, que por conseqnen-
ca necessaria declarou a incompetencia d'aquelle,
que por isso est obrigado a nada fazer em contra-
rio esla deciso, sem comraeller um crime em fa
ce da lei.
O Juizo, em que teve lunar o incidente, sobre que
versou a deciso, ciada pode influir para o caso,
vislo como esta foi proferida sobre a mesma ques-
io, entre as mesmas partes e pelo Juizo superior
de ambos os Juizes.
supponhamos porm por momentos, que a deci-
so nio ohrga ao Juiz de Orphaos, o articulista ha
de concordar comnosco, que obriga a Viuva, e aos
herdeiros maiore>, que foram partes no aggravo. E
pois como querer contrans-los o Juiz de orphaos
a fazer inventario no seu Juizo, quando alias eslo
elles sujeitos jurisdiego do Juiz dos Feilos da
Fazenda por forga daquella deciso superior f
Que extraordinario interesse lem aquelle Juiz
dos Orphaos de fazer esse mamario 1...
(Continnarse-lia)
Nao posso ser indilTerenle ao proceder honrn. do Sr. subdelegado desta villa, dexando de agra-
decer-lhe a parte que. na qualidade de autoridade
cumpridora da le, tomou em viogar o insulto, que
me irrogou Manoel Francisco de Santiago Barro-.
O referido Sr. subdelegado, apezar de militar em
bandeira contraria aquella em que me acho, nao
me faliou com a justiga ; e por Isso Ihe sou
asss grato, e folgo de manifestlo pela imprensa
nesta occasio.
Villa de Maco, 2o de ootnhro de 1863.
Antonio da Stha Fiallio Jnior.
l8o. Diz que foi a sua matriz dar o ?eu voto, ijim-
si iolillereiiie an pleito eleitoral, e a vista das sce-
as que pre>enciou, e que o eneheram dj justa m
Replica porm o articulista, que se os herde[ros
maiores tivessea allegado ante o Juiz de Orphaos,
que piincipiou o inventario, e sobre isso tivesse
dlgoago, fui que se tomou hornera de partido. Ea- havido uma deciso superior, entao sim que se
trelauto nao ha quem ignore que a manifesiagao e tena evitado o conflicto no sentido do Sr. Dr. Per-
a aitude do Sr. Dr. Costa Ribeiro nessa occasio'
foi um faci que a todos sorprendeu, incasive ao
proprio Sr. Dr. Feilosa, que delle s^ aproveitou
preconisaado-o no Liberal IWwnnbucuuo como um
faci de grande e imponante slgniticago.
Passarei agora ao que pariicularineme se nfere
a roinha pessoa, do que disse o mesmo Sr. Dr. Cos-
ta Ribeiro. Nao exaclo o que elle alTirma, de
me haver prendido como indiciado do roubo desse
tal portuguez Juaquim Lobato Ferreira de que fal-
ln ; 6 lambcn falso que a desobediencia que
digo Malheiros.
Para o articulista assim interpretar este Escrip-
tor foi preciso levantar-lhe um falso testemunlio,
de que em consciencia Ihe deve pedir perdi.
Cm elTeito.o Sr. Dr. l'erdigo Malheiros nao diz,
que a incompetencia deve smente ser allegada
ante o Juiz, que iniciou o processo, mas simples-
mente unte o Juiz ; donde se segue.que o pode ser
ante qualquer dos dous competidores, que se jul-
ga competente.
Tanto podiam pois os herdeiros maiores decli-
con.raetti fosse por me ter recusado a responder ao nar da jurisdiecia do Juiz dos Orphjs, c
interrogatorio que elle diz teve de fazer-me. E' i viuva da do Juiz dos Fei
falsa a primeira assergo. e provo que o a vista
da cerudo que ha poneos dias foi publicada neste
Diai to indicando quaes as prisoes que soffri, en-
tre as quaes nao veio esta de que agora se trata. I
E' fal>a asegunda assergo, porque o faci da'
eitos, como fez ; e em qual-
quer caso, proferida uma deciso pelo Tribunal
Superior, vislo, que nao tinham mais estas auto-
ridades, que disputar sobre a competencia.
Convuuos em que nao foram os herdeiros, que
evitaran! o coufliclo, mas tio a viuva segurado o
desobediencia que commeiti para com a autonda- conselho do Sr. Dr. Perdigo Malheiros: mas o que
de do Sr. Dr. Costa Ribeiro, deu-se por oeeasiao de; importa para a quesio saber, se se fez ou nao
eu ir a sua caa despachar urna petigo, como; a cousa, sendo iudiffereute, que tivesse sido feita
procurador de ura homem que eslava preso, dan-
do-se entao a cirenmstancia, de que bem me recor-
d, de nao con.-entir o Sr. Dr. que me seniasse em
por este, oa por aquelle.
XI
Concorda o articulista em
que a deciso sobre
uma de suas cadeiras, provavelmente por que eu aggravo nao admilte recurso ; mas diz, era liberal, pelo que maliratou-me bastante, re- se uo segu, que nao possa ser anda reconsidera-
pellindo eu com forga os seus excessos. Se nesse da, e alinal reformada, pois que inierlocutorias ha,
lempo o ir. Dr. Costa Ribeiro era liberal, era libe de que nao cabe recurso algum, nem mesmo de
ral que proceda assim ; e disto tenho te>lemu- aggravo no auto do processo e entretanto estad su-
Dhas. Se verdade que fui preso como indiciado jeilasa'reforma.
naquelle roubo onde est o processo que eu de- Repelindo o protesto, que j cima flzemos cou-
veria responder ? Se porm ful preso e nao houve -ira o principio de ser inieilocutoria a deciso so-
motivo que aulorisasse o processo nao foi persegu-; bre aggravo, deixamos de entrar no exame desla
gao ? nao fui Iniquldade i nao foi por que eu era quesio, por qne pretendemos demonstrar, que con-
liberal ? Escoma o Sr. Dr. Costa Ribeiro qualquer siderada mesmo como interlorutoria a deciso, de
das puntas do dilemma. (jUe se trata, nao mais susceplivel de reforma,
Confe-so que tenho sido victima da maledicen-' uma vez, que nao adraitte recursoem face da lei.
ca, ao pA&Mi que nao dei nunca motivo s imputa- XII
goes airozes que se rae tem feito, mas por que O principio de que uma interlorutoria pode ser
nesta sociedade ha homens, como o Sr. Dr. Co>ta revogada independente de recurso smente ap-
Ribeiro que nao sabem que haveria menos barba-. plicavel as decisoes da 1* instancia, como se depre-
ria em apnohalar um seu semelhant-j do que em hende da Ord. L. 3 t. fio, das proprias palavras do
pronunciar uma palavra em seu descrdito, a qual articulista ibi iuterloculorias ha que nao cabe re-
repetida, reforgada, transmittida, em breve se curso algum, nem mesmo de aggravo no auto do
transforma era uma calumnia gangrenosa, que processo etc., que sao justamente aquellas, que pro-
suIDcieote para o perder para sempre. Digam po f-rem os Junes interiores,
rra o que quizerera contra mim os meas inimigos;' Mas, concedeodo j de barato, qne aqitelle prin-
poderia mostrar-Ibes que nao sao seoo como ver- cipio seja tambem extensivo as decisoes da 2* ins-
mes, que se nutrem da dilTaraago e da calumnia ;Uancia, pergnnlamos, por que meio podia ter lugar
mas quero seguir cainintio mais curto pare os ea-1 a reforma da de que se trata ? O 2 da cil. Ord.
eber de confusao; quero tapar-Ibes a bocea por o indicaou ex officio, ou a requerimento da parle
esle modo. Fui mo cidado ? Seja ; mas oo sou dentro de dez di.s.
aiminoso ; foi tudo quanto quizerera : pois bem, | O primeiro meio era impraticavel oa especie, por
quae.- sao os aclos vergonhosos e puniveis que bel, que proferida a deciso expirou logo o offlcio dos
praticado he quinze annos 1 Se fui nm mo ho-1 Juizes para ella sorteados, os quaes por isso nada
mem nao posso ter-me corrigido, amargurado dos maw podiam fazer, por nao serem mais Juizes,
nwuserros passades T Nao acha o Sr, Dr. Cosa cooforaie i Direlto.
Ribe ro que lenho por isso algum meree*moto 1 Retiava portante o segundo meio. Mas., quem ,
Ainda que tivesse sido um bandido:; se per espa- i que se anreseatou no Tribunal superior pediedo a
co de quinze aanos me torna se pacifico e Murado I revogago 4a deciso por ella proferida ?
quem nao me acolberia, louvando os meu* bons | Devia ser a jiarle nos termos da supradita or.
iosiraelos 1 2 ibiS a yarle, tonira quem foidada allegar, por
Ab I Sr. Dr. Cosa Ribeiro, ha muita gente que
vive abi arrotando probidade, e quando tem occa-
sio, nao deixa de fazer daquella?, que tamo gostarn
onde haja de ser rasagada, eo Juiz, que a irn achar
per direito, ,que a Aeun revogar.
Pois, saibaai os leitores, que nao foi a parte, que
L
de attribuir aos outros. Olbe; eu conheco uoi ad- se apresentoo, mas sim o /uiz dos orphaos, que as-
Togado que era curador geral de orphaos e oi e- sJfliestidvogAOdo/seraoqu*"er(piameQteo&refliosi)
OfcrcciiEoaoDr. "raociacoBre-
lerodes de A:i tida norte de sen O lio Pedro
i vo da SUvera Brederodes.
Como a estrella matutina,
Que brilhava peregrina
No selim azul do co,
E que aps curto momento
Se escondeu no firmamento
Porque o sol appareceu.
Assim formoso menino
Ouvindo um celeste hymno,
Ua ierra se quiz erguer;
E como um anjo innocente,
Abruido as azas, contente.
Foi as nuvens se esconder t
Que doce e grata harmona,
A dos cantos que elle ouvia
Quando a trra abandonou ? 1
E quanta paz e ventara
Nao fui gozar la rf .Hura.
Ao ps de Deus, que ochamou T !
Recife, 8 de nevembro de 1863.
Erysipella.
O medicamento quo com mais influencia
e energa tem combatido essa terrivel en
fermidade, tem sido o xarope alcohlico de
veame.
Urna escrava da raai do Sr. Francisco Fir-
mino Monteiro, pessoa bem conhecida nesta
ciiUde, achando-se de cama, e com as per-
nas bastante inchadas, e cheia de'lumores,
tomando o xarope de veame, acha-se hoje
boa, prestando servicos.
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
rador na ra Direita n. 51, tendo sido
accommetlida do mesmo mal, acha-se tam-
bem boa.
A Sra. D. Senhorinha Umbelina dos
Santos, moradora na ra das Calcadas n.
38, achando-se atacada de erysipella as c-
xas, com quatro tumores bastante volumo-
sos, no estado indolente, que a privava de
pr-se de pe ha muito tempo, com o uso
do xarope alcohlico de veame epilulas pur-
gativas do mesmo, acha-se reslabelecida, e
no uso dos medicamentos os tumores ter-
minaram pela suppuraQo.
A Sra. D. Rita, moradora na ra de Santa
Rita n. i3, primeiro andar, soffrendo do
mesmo mal ha muitos annos, pois que a ery-
sipella atacava amiudadamente, depois que
tem tomado esse remedio nunca mais Ihe
deu.
Outros muitos fados desta ordem deixo
de mencionar aqui para nao me tornar pro-
lixo eenfadonho.
Sendo a erysipella urna mol stia que sem
duvida effeito de materia gerada no corpo
como expem alguns esenptores de medici-
na, e em consequencia da febre I angada
muiUspes'soas, por n9o se terem eoove-
nienletaente tratado, suecumbem com o
pernicioso so de que, nos tres dias nao d>
Os efeitos do xarope alepholico tle veame
applicado na flor de sabugq ao doente, nao
s de vantagern por sua qualidade diafo-
rtica, como pela anti-septica para imped
a putre:acco as molestias
Na erysipella nao deve o enfermo nos pri-
meiros tres dias us-r de comillas e bebi-
das que possam esqueniar e inflammar o
sangue.
A comida dorante esse tempo deve ser do
reino vegetal, como sag, farinha do Mar-
nhao, pao torrado bolach, etc.
Ainda nao vi expositor de medicim que
aconselhasse que nos primeiros tres dias de
accom i ettimeitos do mal, nao se usasse de
medicamentos ; o que elles repellem sao os
unguenios, {unturas que obstruem mais e
repellem do quepro^novein a evacua;io da
parte ; o que conven trazer o lugar ata-
cado e bem agasalhado para ajudar a trans-
pirado e defender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vende-se
na botica da ra Direita n. 88, de Jos da
Rocha Paranhos.
Tenho recebido cartas de algumas pes-
soas de ou ras provincias que me C"mmu-
nicam ter desla cidade sido remettidoo meu
xaropefasifle-do, que tem dado resultado
ao descrdito de niinha preparaclo, cujo co-
hecimenlose tem verificado depois dos ef-
leitos que taes remedios apresentava ; as-
sim, pois, tenho a declarar ao publico que
no letreiro que vai i regado na garrafa do
xarope, sempre foi assgnado por meu pu-
nho, e daqui em diante, alm desta assig-
natura o farei tambem no papel que cobre
a garrafa. Rogo ao mesmo publico que
quando forero assim engaados, tomem tes-
temunhas, me remetamos rotlos falsifica-
dos e me participem para fazer elT-ctivo o
artigo 107 do cdigo criminal do Brasil.
Jos da Rocha Paranhos.
CURA
DE UMA CHAOA
GANCROSA ROEDORA
ou
POIYPO 1\0 NARIZ.
Uma creada de servir residente em Pemam
buco e pertencente ;'i Ex.* BeOr! Viscondessa
DE Goiaxxa, foi atracada d'iima ten-ivel cha-
ga cancrosa e roeduraou Polypo no Nariz.
A mesma involvi e toman todo a parte in-
ferior do nariz, anieaijando j distruir tanto a
parto cartilaginosa como o mesmo oso ; Come-
ou primeiro [x>r apparecer sob o beio sup&
rior e parte da face, estendendo-s, por tal
forma e com tal rapidez, que em pouco nmea-
9ava transformar lodo o rosto n'uma enorme
cliarga viva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos os recursos medicnaes
que em taes cazos se uzo forao abundante-
mente empregados, sem que. de leve fizesse
parar a marcha lenta e distruidora de tao hor-
rivel en fermidade, e todos os meios e eeforcos
forSo baldados, e no em tanto o mal cresca eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas neste ponto, 6e esperimentou pela
vez primeira a
SALSAPARRIIHA
DE BRISTOL.
O effeito produzido, quasi que instantneo
por esto ineetimavel renitdo foi verdadeiro-
mente maravillioso e sem igual; este grande
purificador do sangtie e dos humores do sys-
tema, immediatamente pOlz um termo i mar-
cha disastroza e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-se atrave's dos tecidos os mais
delicados do corpo, expellindo ate" ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto esparo de tempo produzio
ama
CURA
Completa e Radical.
Este feliz quao admiravel resultado foi obti
do apenas com o simples i|so
D'nma so nica Garrafa!
d'este incomparavel o inapreciavel depuratorio,
recommendamos portanto i todos os Doents
que procurem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira Salsaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De NOVA YORK,
na certeza de que, todas as mais preparados
imitativas no valem para couza alguma
Vende-se as boticas de Caors & Barbosa
e C. Bravo & C.
Extrato alcoolreo de jurabeba.
Emplastro dem. .
Oleo idem.
Tintura dem de dem.
Xarope idem.
Vinno dem de idem.
Plalas de e&t. dem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga
sano o. 10.
(
do
^JSMEICIO.
p
Caixa filial do banco do Brasil em
Pcrnaiiibuco.
A cana descoma as letras de sea aceite pela
tai xa de 6 0|0 ao auno.
O guarda-livros
Ignacio Nuiles Correia.
Novo Banco de Pernambnco
O Novo Banco paga o dcimo quinto di-
devindo na razo de 8-S por acc5o.
Xoto banco de Pernam-
buco.
O Novo Baico descoma letras de praso at seis
meies a 10 por cento ao anno, e toma dinheiro
a praso fixo, ou em coota corrente pelo premio e
condicoes que se conveucionar.
aLFa.NDEGa.
Rendimento do dia 1 a 7...... 132:701*i88
dem do dia 8............... 2o;236*o7l
lB7:9fiaJ08
MOVIMEMO DA ALFADEiA.
Volumes entrados com fazendas----- 83
i c com geueros..... 24o
------- 328
Volumes sahidos cem fazendas..... 96
coai gneros..... 1,605
-------1,701
Descarrejam hoje 9 do corrente.
Patacho nglezHarrietbacallao.
Barca inglesaConstanteidem.
Crigue inglez Carne M. L,carvo de pedra.
Lugre inglez Englishman carvo de pedra.
Barca iuglezaBelle /'oii/=dem.
Brigue portuguez Esperancapedras.
Brigue portuguezLaia 11 idem.
Brigue hespanholThemoteo i=viuhos.
Escuna hollandezaG-zi'nadiversos gneros.
Patacho portuguezFue/ocharque.
ECEBEOHIA DE 11ENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 7...... 9:170*709
Idem do dia 8................ I:llv$6i9
10:2914448
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 7 ....... 14:27o42i(i
dem do dia 8 ............... 1:590*427
15-.86367J
Consulado dePortugaL
Os senhores credore? do espolio do t**m *>
dito portuguez Cnstodie Loiz Gomes, qo ar-
mazem de carne secca oa irawsM do srimaji
guerra n. 7, queiram fazer obsequio apreseaur
seus ltalos neste consolado dentro di prai e fi
dias para serem conferidos.
Anemalarao.
No da tO do correoif, deuois da aodreaei 4o
Illrn. Sr. Dr. jniz de orphaos, ira' a' uraca por vea-
da, com o abale da quima parle, o sobrad i ira
andares e solo da roa do Amor na a. i5, avab em 5:000*000, conforme o eserijM en nao 4o
porleiro.
luspeceo do arseaal de
marinha.
Faz-se publico que a rommisso de perik>. eli-
minando na forma deierinibada n<> r^iilaa*.
atinexo ao decreto n. 1,324 de 3 de feverer Ae
1834,_ o casco, machina, ealdeira, acparelho, ms-
treagao, veame, amarras e ancora.* do v>por
Persinunga da compaahia Pernantbucaoa de -
gaco costeira, achou todos estes objeelos em esta-
do de poder o vapor navegar.
Inspecco do arsenal de inarinta de PeraBV
buco 7 de novembro de 1863.
O inspector,
___________________H. A. Barlfi^ ..* Ali*ida
GORRN fiOUL
Relaco das carias seguras nisteales m
traco do enrrcio desla rid.nlc par w
nliai\u declarados :
Alvaro Carneiro Tavares da Silva.
Dr. Ignacio Vieira de Mello Filho.
Jos Francisco Ribeiro Machado.
Lott Jos de Oliveira Diniz.
Mariano Francisco Belem.
DE
0TIME1ITO BO ?91f O
Afano entrado no da 7.
Babia9 dias, brigue brasilero ,Warm/o lll, de
310 toneladas, capito los Mara .Alfonso Alves
Bacellar, equipagem 16, carga lastro e alguns
gneros ; a Amorim Innao.
Navios entrados no dia 8.
Ciar e portos intermediosO d>as e 14 horas, va-
por nacional Parahyba, de 104 toneladas, com-
mandanle I. I. Martins, equipagem 21, carga
varios gneros.
Baha 10 dias, brigue inglez Jane Brown, de
298 toneladas, capito John Duihil, equipagem
H, em lastro ; a James Ryder i C. Recebeu
ordeDS e seguio para Pjirahyba.
Navios sahtdoi no mesmo da.
Cear pelo o AracaiyHiaie brasleiro Dous Ir-
maos, capito Vicente Ferreira da Costa, carga
diferentes gneros.
Nova-York Patacho brasleiro Jaboato, capito
A. C. da Cunha, carga assucar e couros.
EBITiES.
Pela inspecco da alf.mdega se faz publico'
que em virlude da portara da thesouraria de fa-
zenda sob n. 140 honlem datado, precisa se contra-
tar o concert de uma parte da cubera do edificio
por cima do armnzem o. o, cujo ornamento na im-
portancia de rs. 329*280 acha-se na mesma repar-
tico, onde os prelendeutes o podero examinar,
alini de organizarem suas propostas, que dever.io
ser entregues em caria fechada at as 2 tv-ras da
larde do dia 10 de novembro prximo.
E para contar se passa o presente. 4* seccao
da alfandega de Pernarnbuco 27 de oulubro de
1863.O 4o escriturario,
Joio de Assis Pereira Rocha.
EMPREZA- OIMBRA
BENEriCIO DOS ARTI;T \
CamilU tioreira Oniiuares e Aalaai
Jos peixoto (iuinart.
Sexta-feira 10 de novembro
de 1865.
Depois que a orrhesira tiver eveatado aaia
bella ouvertura subir' a srena o sempre aap'aa-
dido drama em 4 aclos original por.ufoez
o mm no ouro.
Dar' fim ao espectculo a moilo etuslosa co-
media em 1 acto
O marido no prego.
Comecar a 8 hora.
O resto dos bilhetes po-lem ser procurado? aa
casa do beneficiado oa ra Bella o. 5 oa no es-
criplorio do thealro.
THETRO
DE
SA\TO A\TO^IOi
(CAPU.NGA.)
Sociedade draiualica Thalia Perr.aai-
bucaRa.
Era cumprimento da ordem qoe reerbi do III*a.
Sr. presidente de-la sociedade, parlicipo aos 9rs.
socios que o espectculo deste mez ten logar aa-
bado, 11 do corrente, e que podeir. desde j t*te-
ber do Sr. thesoureiro, asede da socielade, soas
partes de bilhetes.
Secretaria da sociedade dramal.ca Tha/i Prr-
nambucana, 6 de novembro de 1865.
O 1* secretario.
Epaminondas P. B. e ccioli de Yasconceihs.
JURUBEBA.
A jurubeba urna das substancias medicamen
losas, ao reino vegetal, e perience classe
dos tnicos e desobstrueui.es, sendo em prega
aa com vantagern contra as febres intermitentes
acompauhadas de eogorglamento de fjgado e baco.
Ella lem sido applicada com inconteMavei proveitc
contra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar
rho da bexiga e mesmo para combater aaienstrua-
co difflcil, resultante da meema anemia ou chlc-
fse.
De ordem do lllro. Sr. tngenheiro em chefe da
reparti^oo das obras publicas se faz publico que o
coocurso para o preenchimento das vagas de pra
ticanles desta repartidlo, tera lugar no dia lo de
dezembro vindouro, as 10 horas da manhaa.
Os exames versaro sobre lingua nacional,
abraDgendo a escripia, leitura e analyse gramrea-
tical, desecho linear e de aquarella, arithmetca
era todas as suas operacoes, e geometra linear.
Os rquerimentos para inscripgo dos candida-
tos deverao ser apresentados al o dia 13. e pode-
ro ser instruidos com quaesquer documentos os
ttulos scientiVos que abonera a capaeldade dou
mesmos candidatos.
Sec.etaria da repartico das obras publicas 19
de oulubro de 1863. No impedimento do secre-
tario,
Joao Joaquim de Siqueira Vsrtjao.
Consulado <)c Portugal.
Neste consulado preci^a-se fallar com o Sr. Joao
Mendes de Araujo : roga se a quem liver conhe-
clmento deste senhor o favor de indicar a sua re-
sidencia..
A inspectora da alfandega desta cidade, em
virlude da portara da thesouraria de fazenda n.
141, desta data, precisa contratar para o expedien-
te da mesma repartico no corrente anno traancei-
de 1863-1866 os objeclos abaixo" declarado? : os
pretendentes deverao apresentar suas propostas
em carta fechada at o dia lo deste mez 4" sec-
cao da alfaudega de Pernarnbuco 6 de novembro
de 1863, a saber :
Para a guardamoria.
Lonas, bros, bandeiras para signaes de 2 e 3
panuos, oleo de linhaca. tintas preparadas a oleo,
ditas em p, breu, alratro, veroiz, fio de algoJo,
lijlos para impar ferragens, piassava, estopa, etc.
Para lacragao.
Graxa, sebo, cera em grume, cadarco estreito,
azarco, laxas de bomba, cabos de diffrrentes qua-
idades e grossura, azeite de carrapato e de coco,
lanternas ou pharoes, faquetas de ferro, correntcs
de differenies grossuras, ferros de differentes tama-
nhos, remos de 12,14 e 16 ps, louca de cozinha.
Para servico de capitana.
Livros em branco paraos armazens, azeite doce
para os guindastes, tima roxo-terra em p, broxas
para pinturas, vernlz de carvo de pedra.
Para o expediente das secces.
Quademos de papel pautado para extracto dos
napeas, papel greve pautado, dito liso, dito de li-
nho, dito malta-borro, pennas de ac, ditas de
aves, lapis preto, ditos de cores, tinta preta e rxa
para escrever, dita mezim, area preta, obreias,
reguas, cadarco, caivetes e raspadeiras.
O 4 escriplurario,
Joo de Assis Pereira Rocha.
Arremato gao.
Fnda a audiencia do dia 17 do corrente, do jui-
zo municipal da 1* vara, escrivo Cunha, ser ar*
; rematado por venda a quem mais der, o sitio de
j trras denominado Forte, oas Candeias, com 653
, palmos de frente, 800 de fundo, 81 ps de coquei-
> ros, terminando pelo sul com trras de Manoel
Gregorio, servindo de divisa pelo sol um p de
roeira, e pelo norte um capao da mesma arvore,
avahado dilo sitio por 6OO5OOO, o qual vai a praca
\ com o abate da le, servindo por isso de base a ar-
reraalaco a quantia de 480*, e ser adjudicado
se nao hoover laucador, em cuja execoco exe-
quente a Santa Casa de Misericordia desta cidade,
e executados os herdeiros da fallecida D. Auna
Benedicta Boeventara do Carmo, viuva do coronel
, Agostinlio Cesar de Andrade Mello.
Com|anhia das Neasagcrie lan
pcrlales.
Air O du ti
e do eurr-ar mez
e?[iera e da fca-
ropa o vapor
fraorez turaxe.
o |oai Iraaai *%
demora d*> ro>-
tuTi* MgaM pa-
ra Babia e Itk-
de Janeiro.
Para freles, condic{i"i.s e passagens trata e aa
agencia ra do Trapiche n 9.
COMPAMHA FERNAMBUC tRA
DE
Navegaco etitriii par Mr.
Parahyba, Natal, .Maco, Aracaty, Cear e
Acrate.
O vapor Persiimnya, rommaa-
'^-'iv'dx ^aD,e ^ouza' se8ne no *'a *
; T^.convnte as 5 horas da larde. Re-
jtijia&Lceb'r carga at o dia 8; racca-
9^S^^B3B?m-'ndas. pa>sgeiro e dinbeirr a
frele at o da dasahida as 2 horas : e-^npK'rir:
no Forie do Mato- d. 1. _________________
COMPANHIA BEASILEIB1
PAQUETES A VAPOR.
F, imperado dos[Kirlu.-J 1. r|f-
eti-->*leN. al'' ,Im '" ^ c""r*',,, '
1 .',"|/jT>^, '''"''""'. cuum:ind inte o r^attan
^ de lrij.li Ai: ti -nio J
, Sania Barbara, o i,nal depM- z
demora do costume seguir' para os portes dr
sul.
Desaoja recebem se aataaaatn e eagap a
carga que o vajior poder conduzir, a inal devrr
ser embarcada no dia de sna ebegada, eaeoai-
mendas e dinheiro a frete at o da da sabida ae
2 horas : agencia na da Cruz o. 1, escnpK>rw d
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C
ftiMAMIA KASILEIKA
DE
PAQUETES A VAPOR.
^i. K' esperado dos portos do *ml
at o dia 14 do crranle vaasj
Galgo, o qual depcis da di aura
do costume stgira para w pat-
io- do mrt-.
Desde j recebem-se passageiros e eaaaja-s a
carga qne o vapor poder conduzir 1 qaal dewra
ser embarcada no dia de sna cnegada. eacoiaawa-
das e dinheiro a frele al o dia da ^hida as S ao-
ras : agencia rna da Croz n. i. escriptorie da *a-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
^PARA~0
Rio de Janeiro
pretende seguir com mua brevidale o p ai lala a?
nacional Piedade, tem parte do ea earre
engajado : para o resto qoe Ihe f ta e
frele, para os qoaes lem exrelleaias
trata se com o seas consignaUrios Aoioaw
de Oliveira Azevedo & C, do seo eseripaarta 1
da Cruz 0. 1.
Para wSSmT
sahira' com brevidade o bngoa portogara
tanie II, recebe carga a frrta e pm os quaes tem excellenle* eomasotlos: rala r*a
Manoel Igoacio de Oliveira Kilho. a- Urao diir-
po Santo n. 19, esr.riptorio.
PARA LISBOA
vai sahir com brevidade o patacho portaaaez Ba-
ria da Gloria*, capito A. B. Volaot receaa car-
ga e passageiros : trata-se com o coi
R. Rabello, roa do Prapiche a. 44.
Cear
O hiate 1 Dona Irraos > : a tratar
Irmaos.________________________________
Para
Segu ao Indicado porto cosa a aoaainl
de o veli-iro hiate Lindo Paquete : pata
tase com o consignatario Antonio de
mes, roa da Groa n. 23, l* andar.

J


4
Diarlo de pernaiubne Qnlnin ??ra
Xovrnibro de !&.

COMPANHIA PRRNAMBRANA
DE
Ntepcao Gotiteira por vapor.
Tamaadar, Barra Grande, Porto de Pedras,
Cwaragibe, Macei, Penedo e Ara-
caj.
O lipor-Parahiba, desia campa-
nhia, sahira' pra os porto* snpra
do dia 14 as 5 lloras da tarde. Re-
J Imenrias, passageipos e dinheiro a
'tele at as 3 horas do dia da sabida : escriptorio
da compaataia no Forte do Mattos n. 1. .....
tara o Rio de Janeiro
Vai sabir cem brevidade o briguo Adelaida
por tv a maior parte de seu carregamento trata-
do ; t para o qua Ira falta, trata so coro o consig-
natario Joaquim los Gongalves Bellro : na ra
do Vigario o. 17, Io andar.
lotera cm Bl FORT i
Aos 6:000$00.
LEUDES.
na lo|a de calcado da ra larga do Rosario n. 35,
embargados a Joo Ferreira de Garvalho, ao meto
dia em ponto de sexta feira 10 de novembro.
Os preteodentes poderlo desde ja examinaren!! k f\a n,()()() ti ftftl, 1 f>AftU_Vf
o inventario no escriptorio do referido agente. j aVJ V,\JyjV1p\J\JV, L,Zi\JUff\JUW-
1 EIIOE* e 500$000.
DE BILHETES A' 5-j.OOO, MElOS A' 20.00 E
Trastes a ."! i i Corre segunda-fe!ra 13.
pletas, objeclOS (Mt OUro, pra- Acham-se venda na respectiva thesoo-
tae brlhantes,relogOS, can- raria ruado Crespo n. 13, os birtote.;
dieiros a gaz, marinos e u~ (38a) ^mtto das fam[,is (ios-voiunftt-
trOS muOS artigos rios ta patria, ouja estrado ser no lu-
Sexla-feira 10 do corrente gar e hora do costme-. .,-.-,_-
GRANDE ARMAZEM DE LEiLESl Os premios de^rOO^OoO ate 10*000
DO AGENTE serao pagos urna hora ilapots da xtraccao:
at as 4 horas'crataMe, 6 os uutros deptfc
da distrH)tiicSo:das'iist:is.
As encomniends serao guardadas somen-
^
NO
OLYMPIO
Leilo de predios.
Sendo duas grandes e elegantes caas terreas
de pedra e cal, bem construidas e modernas, sitas
na travessa da Ponte de Uchoa para Santa Anna,
a margem do rio Capibarib'e, em chaos proprios,
com grandes salas, jan-Has no oilao, quartos, ura
grande soto cora quartos em urna dellas, cosi-
atws. eacheiras, estribaras, rauitos arvoredos e
baila para eapim, cacimba com inuito boa agua
fjara beber.
urna meia agua n. 2 defronte do arsenal de ca-.
Intia com frente para a ra da Seozala.
Um sbralo de 2 andares e sotao n. 4. na ra
da Assumpgo, terreno proprio.
tima meia agua n. t no becco do Calabouee,
terreno proprio, rende 8.-3 mensaes.
ioje:
As 11 horas na porta da Associago Commercial,
pelo agente Martins. ______________________
LEILAO
De uma grande casa na lina do Retiro n. i A,
cjm 5 salas, o juario, copiar, eosinha fora e mais
ara quarlinho alen da costana, terreno proprio
com 39 palmos de largara e 30!) de fundo.
Una dita ua rua de S. Jos Q. 8, com salas,
1 quito, cosinlia dentro, quintal murado com ca-
cimba, tueeira.
HOJEa
O agente Martina fara* leilao dos predios cima
na porta da Associago Commercial as 11 horas
do di.
36- -36 t at a noite da vespera j^-1
LEILAO
De o ni cava lio com s Hoje 9 do corrente as 11 horas.
Na praga do Commercio.
Por tntervengo do agente Pinto.
tDe fazend avariadas
Sexta-feira 10 de novembro.
Southall Mellor & C. (ario leilo por interven-
cao do agente Pinto e por coma e risco de quem
pertencer dedilferentes temidas avariadas a bor-
do da galera iugleza mrmioni, as 10 horas em
ponto do dia cima dito em sen armazem ra
Trapiche, nesta mesraa occasio vendero algumas
fazendas de lei para fechar coatas.
Antonio Jos fio lgues de Son/.a.
Club pernarabucauo.
A panilla do mez de novembro tera' lu-
gar na noite do dia 15.
Jos Lwelg retira-se para Kuropa._______
G-org Hufnagel.'Barhara Ruchelzlnusen vio
para a Bahia.________________
Jos Ferreira dos Res, subdito portuguez,
retira se para o norte do imperio._____________.
4rOga-se
O i 2 andaj*--dJ casa das Ciifo l'ontas n.
do 86, ersquina^lotifecco d>A S. Joo, por cima do ar-
mazem p>ophta. com muitos commoJos e com
do t,ivramento/ nu-
Aiuga-se uma casa em
com/1, de-Til. Reg. __________
X Precisa-se de urna ama que saiba cotm
engnnmar, part casa de pouca familia : a tratar
leilao a requerimenlo de na rundo QueM*nk> n. al, luja,
da Fonseca, inventariinte
LEILAO
DE
WWBM
Cordelro Niuioes
a re((uerimento dos administradores da massa fal-
{ila de Miguel Gimes da Silva e mandado do Illm. I
Sr l)r. juiz de direito especial do commercio le-
vara pela-terceira vez a lullao os 5 mulos de di-
vids aa quantia de I:i(i97 l perteiiceute a mes-
n:a massa servmdo de base a offerta obtida no
Ieilude3t de agosta, Isto
8 *t 9.JMW33
Qaiata-feira 9 do corrate ;ts 11 horas
No armazem a roa da Cruz n. 57.
LEJLAO ~\
t'' ata eabriotel amerieaio le 4 rodas
coiu asseoto j)ra 2 p-ssoas, {mella-
do por uat tiu do:is cavallos.
BOJE.
O argenta Pinto fara' hjil>por eonta e risco de
quem pertencer do cabriole! cima mencionado e
au* periences, as ti tioras do da cima dito em
frente aAssociaeJio Commercial._______________
lao
De um tscravo
Sexta-feira 10 de nov mbro ao meto dia.
O agente Pinto far
filippe Menna Callado
e tutor de seus netos menores e por despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz de orpho-, de um escravo ca-
bra de nome Manuel, perieneente aos mesmos
menores, ao meio da ilo da sexta-feira 10 do cor-'
rente em seu escriptorio ra da Cruz n 38______
LEILAO
De vestuarios para neutles as tildes, grande pccliincha para os
pas de ramilla.
Sexta-feira 10 do corrente.
O agente Mirtms vender em leilao ricos ves-
tuarios de casemirae de lita para meninos de to-
das as iJades, os mais ricos qu; t;m vindo ao mer-
cado.
Em seu escriptorio raa da Cidea do Recife n.
9, as 11 horae. ______________
Leilao
Da Ciiclicira de canos da ra do Sol
numero 27
Coustntndo de
3 carros quasi novo- com seus pertences.
7 parelhas de cavallos.
agua e paz : a tratar na ra
mero 88.
Beberibe : a
ttllhetes garantidos
A' iUAfBOOSESfO N. 83* CASAS 1)0 COSTUVE
#eHIritr^rstgttadtfvendeuiio seas mnltofell-
zes bilhetes garaolidoda lotera qoe se acabou
daditflfahiii.'a'ijeh'tlcioda Sania Casa da Mise-
ricordia, os seguate* premios:
Um meio n. 2697 cora a sorte de 6:0005000.
lIn>inteiron. 1709 com a sorte de 1:2005
Dow quintos n l'JW com a sorte de 200^000.
K -.Mitras muitas surtes de 100*, 40*, 20* e
tOdOOO.
Ospossaidores podem virreceber seus respec-
tivos premios sem os descoutos las leisnaCasa
da Fortuna ra d > Crespo n. 2:t.
Aotaaiii-ae a venOa os da a" parte da lotera
(38) beneficio das 4milias dis vjluntanos da
yairia, que se extralur segunda-feira li do cor-
PRECO.
ilhetes .... 6*000
Meios......3*000
QuinMs.....1*200
Para as pessaas que eomprarem dr 100^000
para cima.
Bilhetes.....5*500
Meios......2*750
Quintos.....1*100
Maboel Martins Fiza.
Casas em Oliiida
Alugam-se duas casas terreas em Olinda pelo
lempo de festa uu porinno, sendo uma na ladeira
(l > Varadouro a '-penltima do ladoesquerdo ao su-
bir e a outra no lim da ra de Malhias Ferreira |
prxima ao pateo de S. Pedro Apostlo, multo
p'ropria para os banhos salgados : os preteodentes
dirijam-se a roa do Imperador segundo andar do
sobrado n. 16 prximo a travesa do Uuvidor.
Uma portuguesa de idade se off-rece para
j companhia de uma senhora : quem a pretender
dirija-se a ra Augusta n. 112.__________
CHIPE
DE
SOL
MANOEL %. C.
tem a honra de scientificar aos senhores mgociantes a relnlho, que lint semr-re no $a
armazem sortimentos para satisfazer qualquer pedido em pofflo* ciw s j,im :
Chapeos de sol de seda, de grosdenaples, de sarja e nobreza de rt. \ e 1(5 asteas
e de todos os tamaitos,
dem de alpaka.
dem de brim de linho, tambem de todos os tamaitos e fdlks.
dem depai.ninbo de cores com armaroes de balota e junco.
Todos e-tes objectos sao vend'dos por prec s os mais commodos do aerlo,
os quaes podero ser verificados pelos pretendentes.
ralar OITerece se um bom cosinlieiro para dentro
j desta pra^a para casa e-lrangeira de homem sol*
' leiro : quem precisar dirqa-se a i ua da Cruz n.
8 'i, que se dar as informales uecessarias.
Preiwto-se d um nina qoe
afea* e comprar : a tratar na ra
saiba bem cW.i
d Pires n. 2i
Leil
De
qaeijos suissos
110*392.
O geote Pinto tara leilao por coala e ri-co de
-id', u pertencer de difiereutes queijos suissos para
rechar coma, as 11 horas do dia cima dito no ar- as hW" fm l"nl"-
tu .'.-ni do Sr. Aunes, era treme da alfandega.
Francisco Torres Costa
fara* leilao por intervengo d) agente Cordelro
Simoes, dos carro-, cav.illos e nuis pertences de
sua cocheira ?ita na ra do Sil n. 27, visto reti-
rar-se pira Europa afim de tratar de sua saude,
I cojo leilo sera'effectuaio na mesma coebetrane
dia
Quarla-fii-a 1S do corrale
Precisa se de um coziriheiro para casa de
pasto : a tratar na ra do Rangel u^J8.________
Ama
Offerwe-s* ama ama eMelMnte ci-inlteira : I
qnem a pretshder dirija'se a ra da Al-^ria casa j
junto a de n. 1. ____________
Preca-se de una ama de4MW>! na rutrtloj
Imperador n. 50,-.-et;ini io andar. '
Preci.-a se de um moleque O'- 1% 10 anuos: |
a Iratar na padaria da ra larga do R"-ario n. -i6.
Lino Antonio Saralva pede ao Sr. Manuel Fi-
gueiroa de Faria que declare pelo >eu tDiario t
qual o negocio que lera com o suppHeant*
Elistiodo na na da Senzaia nova uma assig-
natnra deste Diario eom o nome de Beruardlno
Ja- da Silva Braga, e vindo uma mudanca desta
assignatura para a ra do Ouro n. ao eom o nome
de Lino Antonio Saratva, e nao aefeando o distri-
buidor e-te nome naqnella na, convidamos ao re-
ferido Sr. Saraiva para ratificar a sua morada, a
estesenhor dignou-Se vir a nos-a casa declarando
ser engao, que nao morava nesta ra, e nao ti-
nha asignatura algama ; no entretanto qu- a mu-
danca Falta com o noran de Linj Antonio Felippe
da Silva. ^________________
Preeisa-se ue urna ama pira tomar conla de
casa de homem soltelro, noervico donmsiieo, pre-
ferindo-se reeolhlda o dando aaddr a sua oa loo.
ta : na ra do Crespo n. 8, esquina d.i ra do Im-
parador;_____________________________
ALliA-S
por 165000 a casa i ni I i di rui dos Praze
res do bairro da Boa-Vista.
Desappareceu DO dia 4 de novembro um ca-
valinho ruco snjn, gpn) ferro, feio de corpo, tem
frente aberta at o meio da cabeca, com cangalha
sem capa, tem marca de cangalha com cabellos
(trancos, idade de 7 annos: quem o pegou, queren-
do euftpar na ra do Imperador n. 50, se recom-
pensara bem.
ibentssta de Pernambuco.jS
'M n
f| {ua estrella o {osai-io n. 3, *g
ao p da ii^reja I
Sfbancisgo hnto ozoaiof
Coiloca idciitcs ariifleities
pelos ^y? deruos
Emprega todos os meios scientifieos para
conservar < naturaes. Pode ser procura-
do em >eu gabineW das 9 horas da ma-
nhaa as 5 da tarde.
8tt
i:?'
1
m
m
\%
Moa-
MCWKCA. -.- -*!* "' .*1**~M* r<*
Dean sobrado ua ra da-Concordia
nainer IH.
O agente Martins Tira leilSo competentemente
amurisdo de um suba i de um andar silo na
rea da Concordia n. 13, eju sals, S quartos,
eosiatia fora, leudo oo andar terreo os mesmos
coflmodos, com d ns bous qmntaes e cacimba e
toi i elle muito bem irai ido pois as salas esto for-
rla- de papel (chao foreir) e rende auuualmen-
le 600>.
As II horas na pona da'AssoeiagaoCommercial
Leilao
Cm contioia^o.
ftuvinhd titilo em piyas, o" e 10
ifISOS IHUMS.
Deeja-se fallar ai Sr. Jos Ferreira de
ra, que veio de Portugal em nov- bro de 1864
na ra doQueinwd) n o.
a^**B mMmwmwm
^Imperial Institua de to&sa
0| uarada Bm ilonaelho.
Curso de ferias.
SS As aulas 'teste rnrso abr<"in se a
de novembro. Os Srs. estudaotes de
paratorios que se quiterem habilitar pa-
ra prestar exame em marco, podem des-
de i vir dar seus uuines matricula. Os
"- viajara
Guimaraes i\ Lima, em liquldacao, faz scieu-
te. que ficou ein efleito a procuragao que elle- de-
ram ao sr. Domingos francisco llamaiho para co-
brar ainijavel oo ju licialtnente de Jos Piolo da
Cosa o que este lle- deve. e desta data em diante
nenhuma validado tera ludo que em virtU'le da
dita procuracao lizer o dito senhor Hamalho. Re-
cife I de novembro de 1868. ____________
Precisa-se de. dous trabalhadures forros ou
captivos*que emendara perfeltameate do fabrico de
pan e bolacha, nao >e aavida dar um bom ordena-
d > ao que melhor desempenhar o sen lugar; tam-
bera precisa-se de um bom canoeiro para conduzir
lijlos de alvenariada piarla dos Remedios, parten-
cente ao abaixo as-ignad'i : c|U' m se ulijar habili-
ta'!! para esse tim. venb* a' ra do- Quartels n. l,
a iratar com Maooel Antonio de Jess.
CONSULTORIO XpiCIHlIRllBfiK
DR. PEDRO DE 4f T&HYDE LODO MOSa^SO^
ni:ico, PAHTKIKO K OPBRinOU.
3 liua da Gloria, casa do Fuido *3
O Dr. Lobo HOSCOSO d consultas gratuitas aos pobres todos o? das daa 7 s II
aoras da maDhao, edas G e meia s 8 horas da noite, exct-p-fio dos das sanft&pdos.
Pharmacia especial homeftpnl/iica
No mesmo co isaltorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tobos avulsos, assim como tinturas du varias djmnamisacoes ; pelos preros segiiiotes.
Carteiras de l tubos grandes. !3|0M
de 24 tubos g.andes. Is-SIKIO
de :iG tubos grandes. 25000
de 48 todos grandes. 300000
de u tubos grandes. Jttjuoo
Prepara-se qualquer catteira conforme o pedido que se fuer, e cr-ra que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de 12 custaro os precos eslabelecidos para as catrina
Ha tubos mais pequeos cada urn a 500 ris.
IiFinaWKi.
A melhor obra da homsopatltia, o Manual de Medicina Moni- >
dous grandes volumes cota diccionario............ -ny-UJn
Medicina domestica do Ur. Hering........... !"
Repertorio do Dr. Mel Moraes............ *"
Diccionario de termos de medicina...........
Os remedios deste estaDelecimento sao por demais eoohecidos e
tanto de serem novamente recommetidados as pessoas que qsi/ernn Bsai
verdadeiros, enrgicos e doradores: ba tudo do melhor qoe se pode d -', r, -
verdadeiro assitcar de leile, Dotaveis pela sua boa consenoTn>. linlnn -
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparaij.jo, e j <; i.i: t<- a ca:.-r
energa e cerieza em seus effeitos.
C.asa de xaud** para ese,-tiros
Recebe-se escravos para tratar de qaalqoer'enfennidade oo i-aqner
operacao, pra o que o annuncianle julga-se suicientemente iiabiiita i- .
O iratamento o meili ir possive, laoto na parte alimentar, puBM na m&\tc, o
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha mui u peMM de caj i eMcai se tm
pode duvidar, q ie podem ser consultados por aquellcs que desejawsa anssf ssaa
doentes.
Paga-se 2.? por dia durante (JO das e d'abi em diante IrviOO.
As operarles ser) previamente ajustadas, se nao so quizerea soj lar
razoaveis que costuma pedir o annonc atiie.
Ii3
SC-1
15
pre-
ATT BC
Na ra Direita h
O
te ja vir
lentes sern "
lias passadu.
mesmos do curso de fe-
?>?
Pergttnta-se ao
Paos Brrelo se pode
HOJE
TneodoroChrtstiansem n.io concluindohontem
por interveoco do ajenie Pestaa, o leilo do vi-
di i ilute, o fara" boje em lotes a vontade dos li-
ettaates, as 10 horas da maoliaa em poulo no lar-
go da escadiuha da alfandega^_________________
L CURSO ESPECIAL
DE
PREPARATORIOS
para os estudaotes que devem
fazer acto em mareo.
Jos Siares de Azevedo, professor de
lingua e litteratura nacional no Gymnasio
Provincial do Recife, tem aberlo em sua ca- lei concede semelhante abuso
sa, rita 15ella n 37, um curso especial dos
seguinles preparatorios, para aquelles estu-
i dantes que tiverem de fazer exame em
margo prximo :
Lingaa Franceza
Cicogs'aphia e Historia
Philosophia
Rhetorica e Potica
l&ft
Gorgonio
logar de
wmmr*
Sr. Jos
exercer o
subdelegado do segundo dislricto de Cras-
cttipe, como actuaiment' es. exercendo,
morando elle no primeiro dislricto e se a
k.v x&e&2i8&2&B*
:>6, terceiro andar, preparam-
se bandejas de bolos lo armacoes ricamente enfei-
lidas, cun bouquets if litas bordadas a turo; as-
>im runo tambem se fazeni v-inl-.s iara casan;- ;i-
10, e unir >s de qualquer qualidade, do melhor uos-
to possive e ultima moda, e roopas para criancas,
para ba.-lisados, passtios, etc., etc.; enfeilain-se
vela? para ba plisado <|o meth-,r posto que possi-
ve eufeilar-se, e faz-.-ie toda e qualquer encommen-
da de flores de cera, ,patino e papel, ludo multo
mais barato do que *m outra qualquer parle.
casa de p> LEILAO
As pessoas que se quizerem utilisar desta
vantagem, podem dirigir-se indicada re-
sidencia, re manliaa at as 9 horas, e de:
Hoje quiuta-feira.
Rab. Sc'ornjttii k C. unalifflrao o sea leilo de ,
tacadas ueste da. era o qual reservaraai as de tarde a qUdlquer hora.
Sii|i-nore-. qualidadi-s. '" "_________
familia ou nie>nio de
eee-se nina inulher purtugue-
tgommar : a tratar na ra da
'.
Paia
homem soltelro, offei
za para coxinbar e e
Cadeia di Bec.fe n,
Deseja-se com
em segunda man :
drlja-se a roa das I
quem compra.
Cyliu'lijos auiericanas
Aiuda existem 2 de resto: na
reta n. 84, pad; ria. ____
"Sat:
rr.r una pedra de brilhante
piem tiv r e queira vender,
arangeirat u. 1, que sa dir
ra Di-
tiAO
pra io de G mezes.
Izotes de una pipa para cima.
Quinta-feira 10 do corrente.
Largo il i:arpa Santo.
(Com lanche)
asente Pestaa fara leilo pr conta e risco
de quem pertencer de pipas de vinho tinto da
varea TGC, as 11 horas do indicado dia no trapi-
che Itarb06a largo do Corpo Santo._________
TeilAo
DE
Fazendas avariadas.
Sex-a-feira 10 de novembro as 10 horas
em ponto.
O asento Pinto far' leilo por conta e risco de
quem pertencer de cerca de 3J0 peQas de mada-
polio avariado a bordo da galera ingleza Hermioni,
capito Grezory, as 10 horas om pooto do
Instituto Arehpolagico e Gcographicai
Pern-intu cano.
llavera sessao ordinaria quinta-feira 9 do cor-
rente, as II horas da manhia.
onoEM DO da.
DiscussSes de pareceres e trahalhos de commis-
soes.
Secretaria dq.Iostituto 6 de novembro de 186-5.
O bacharel Jesotno Lopes de Miranda con-
vida aos seus prenles e amibos e aos do
seu finado pai o major Candido Jo^ Lopes
de Miranda, para nuvirem uma missa que
ha de mandar celebrar na matriz da Boa-
Vista no dia 11 do correte, as 7 horas, pe-
lo su repouso eterno.
0 lH!1
No arinaZ'-m de
Cruz n. .'8, venden
.Manttiga ui^iez
Cerveja branca i
Louca.
liiscoutos inglez s.
Oleo de lindaba.
Folha de flandr
Saceos teitos.
Silhes.
Povoaito los lontes (Una.
Pergunla-se a Illm." cmara municipal da villa
de Agua Prea se deu alguma authorisacao ao Sr.
tenente-coronel Joaqnlm Lucio Monteiro da Fran-
ca para abrir um eximso e largo vallado no meio
da ra mais publica e de maior concurrencia que
ha no Povoado dos Montasf vallado esle que nao
so de grande prejnizo ao commercio dos seus
i moradores, como de immenso perigo para a vida
OOCieiiaCle (le 8eSfUrOS lllU- a-aquelles que sem saberera da ex.stenca de se-
melhanle ratoeira no me o de uma roa, podem
J. Soares de Azeved",
Secretario perpetuo.
sobre a vida
noite cairem dentro delta, e
perua ou mesmo o pescoco.
quebrarem
O Vicente.
a
alguma
Sociedade recreativa Nova
Uio.
Por deliberado da directora, tomada em sessao
de bonlein, convido a todos os senhores' socios para
comparecerem na sala da sociedade, as 10 horas
do dia do prximo domingo 12 do corrente mez,
lorio a ra da
O banco Allianra do Porto lendo estabelecido es-
ta sociedade dehaixo de sua immediata vigilancia
e responsabilidade, fjcilitou a creacao de capitaes,
dotes, rendas, penses, isen?5es do servico das ar-
mas etc., por meio de subscripc3;s nicas ou an- j para era assembla geral disculirem o approvarem
nuaes, as auaes convertidas era inscripfoes da di-: os novos estatutos.
il'i' a'ci- vida publica, de renda nacional, e da mesma forma Sala das sessoes da directora da sociedade re-
Cruz n. 38,' os joros semestraes que d'ellas se forem vencendo, creativa Nova Uniao em Peroambuc
ios, havetido mais
iras dentadas, as
um completo surt
bo que ha na Eur
ao respeilavel pub|iico cora
fauti-s acadmico
abotuajuras de cr
outros objectos de
Precisa-se
premio, dand i-.-e
que os quuer darj
ser procurada.
Mills Latham i 0., na ra da
-se os segaiotes objectos :
preta.
tteu^ao.
i
Chegaram a nova loja de miudezas de Manoel
riia da Imperalriz, um elegan-
te srtimenio de nivelas de madreperola para sin-
eutras de simi-Urtaruga e ou-
i ti como veio pelo ultimo vapor
ment de enfulle.-- o mais raoder-
pa e jumamente participamos
especialida>le aos in-
que temos as mu procuradas
stal para collele, as;ira como
;oslo. __________
dous a tres conlos de ris a
I or garante hypothsca em tres
grandes propriedales fora desta praca : a pessoa
DE
?** >-e -
- DE
J. YIGNES.
W. 55. RUI DO lUPBRAMM %. 5.,.
O pianos desta amiga fabrica sao hoje asss conbeeidos para me ja MCLu^rm
raa superloridade, vanlngpus e garantas que offereceni aos comedores, |iiaaia ela que elles tem deflollivamente conquistado sobre todos wqwieni a^pwrtdo ****
mindo um teclado e inachraismo que ohedecein totas a votadw a capnea O | -. i
aunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ler-se feito nNtamaMa mMmnm r
'.issimos para o clima deste paiz ; qoanto s vozes, sao melodiosas u flautadas, |Kr i-- -
eis aos onvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as ene immendas, tinto bosU faliri^a corno nn do Sr. taaM, i f
sorrespoadente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiad s em l las :,< -w -i._" -
No mesmo estabelecimento se achara sempre um expien-tido e varia i" -.ni.- >-n'-i i
Jielhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos barmoDir f m
precos commodos e razoaveis.
I '
~T*
Companhia
5
eral liespanhola de
sobre a vida
seguros mutut*
UIKECgO EIiAL
Madrid : Ron do l'ndoo.ll
de
aunuacie por este jornal para
oe-u mesma eccasii vender aigumas pegas de : fleam por um certo numero de aooos em deposito,
fechar conta. at Ia8- findo P.raz0 estipulado, sao resliluidas
9 de novem-
bro de 18G5.
algodo azul para
LEILO
De um escravo.
Sexta-feira 10 de novembro as 10 1|2 horas
em ponto.
A' requerirnento de I). Nympha de Mello Fonse-
ca e por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos,
o agente Pinto fara' leilo do escravo crioulo Igna-
cio. iKsnenceols ao seu casal, as 10 I|-2 horas do
dia cima dito era sen escriptorio ra da Cruz nu-
mero 38.
Nesu mesma occasiao vender' ura outro escra
o pinlo de m>ia idade, por eonta e ordem de
IM uira pessoa.
Dt laja de eile-idt da raa largt dD Ro-
sa rij n, 33
Sexta-feira 10 de niverabro ao meio dia.
O ajiente Piolo fara' leilo a requerirnento de
AUe* H-tmbuger A i^ e por mandado do Illm.
8r. Or. juiz especial do commercio da armaeao,
eiodiiros a sajiitoo e mais objectos existentes
Gomes de Amorim,
Io secretario.
aos socios com os interesses amontoados, bem co-
mo as que pertencerem aos associados fallecidos, Aloga-se ura preto para todo o servico de
visto que d'estes sao herdeiros os sobreviventes. casai sjtj0> ou para srvenle de pedrer", do que
Pela eugeohosa combinagao econmica adoptada l(l(n praicl : na rua estreita do osarlo o. 14,
aos clculos desta sociedade, ve-se que, com uma
entrada annual de 50J0O0, por exemplo, obtera se
em 5 annos 4503000 a 3505000, era 10 1:5005000
a 2:0003000, em 15 3:5005000 a i:5003000, em
20 8:0005000 a 10:0005000, em 25 18:0005000 a
25:0005000, conforme a idade do Individuo sobre
quem feito o seguro, pois que nos referidos cal-
culos conta-se com a maior ou menor probabilida-
de de duraran de vida.
lista sociedade sobreludo vantajosa aos chefes
de familia, visto que Ihes facilita sem sacrificio a
fuodagao de um capital oa dote para seas fllnos ou
fllhas, segurndoosquando nascera ou emquauto
sao cnaucas.
Quem, pois, mais circnmstaneiad's informagoes
desejar sobre lal sociedade, ou se qoizer inscrever
como socio d'ella. dirija se a rua da Madre de
Deus n. 28, oode se poder entender com Joo Car-
los Coelho da Silva, que para iso se acha encar-
regado,
PreeKvse alugar um moleque para compras
e recados : na rua do Cibuga' n 19, sobrado qu
tem entrada pelo pateo da matriz.
loja.
Aluga-se um soto no becco da Viraco n.
23, oito de S. Pedro, para uma pessoa solteira de
boa conducta.___________________
Aloga-se a loja u. 9 na rua Direita, propna
para, qualquer estabelecimento : a iratar no pri-
raeiro andar.
Precisa-se de um.i ama para casa de pouca
lamilla : na rua do Palacio do Bispo n. 40.
Precisa-se de um caixeiro para padaria, se
nao tiver prallca e tendo a de taberna lambem ser-
ve, dando conheciraento de sua conducta : na rna
Direita dos Afogados n. 66 A.
Antonio Jos Rodrigues de Souza, na rua do
Crespo n. 15, aluga sua casa e sitio no Monte.ro
em frente ao oit> da ireja leudo o sillo porto
de ferro, cacimba com boa agua, estribara e co-
cheira, e a casa 4 salas, 7 quartos, e sotar, a qual
rauto fresca e esta de novo bem caiada, coacer-
lada e pintada : par ver, as chaves esto em a
casa do Sr. Nicolao Machado na mesma povoagaa.
PAfilIlllO
Precisa se de mu homem que seja perito em to-
do o servigo de p daria, para ir tomar conta de
uma padaria em Penedo : quem pretender din a-
se a rua dos Quarteis n. 22, loja de sapatos para
fazer o seu ajusle._ ____________
Claudio Dobiex precisa alugar um cosinhei-
ro forro ou coptivo : a iralar era seu escriptorio
na rua do Impera lor. _____________
Precisase dt
Aurora n. 32.
Precisa se
Hortas n. 106.
ra ajudarem uma
tem escravos : na
Precisase alugi|
bem tolo o servig
excepto coziohar :
52, terceiro andar)
1
um bom coziubeiro : na rna da
ugar uma escrava : na rua de
Aviso.
Precisa-se de una ama ou servente homem, pa-
casa de pequea familia,
rua de Hortas n. 14.
e que
ESCRAVA.
r uma scrava que saiba fa er
interno de nina casa de familia,
na rua da Cadeia do Recife n.
Notas do babeo do Brasil e das caixas flliaes
doscoutam-se na travessa das Cruzes n. 8.
erdeu-se
oro sinto de fila anu com uma fivela de ouro la-
vrado, da porta da, casa de banhos al a igreja do
Carmo : quem a llver achado dirjase ao segundo
andar do sobrado a. 16 da rua do Imperador pr-
ximo ao beco do Ouvidor, que ser iecompen-
sado.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
oorives, compra-stouro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se fai qualquer obra d* e/icommenda, e
todo O qualquer concert.
Joaquim Fiuza de 0\h
Aos rs. do commercio e em-
pregados de fazenda.
O bacharel Americo Fernandes Trigo deLourei-j
ro, tem aberto na casa de sua residencia, i na da |
Saudade n. 9, das 6 s 8 horas da larde, do princi-
pio de novembro era dianle, para as pesoas acuna
indicadas, um curso theorico e pratico das linguas
nacional e franceza ; o qual consiste em : explica-
gao theorica e applicago pratica das regras da
grammatica nacional, relativas a cada uma de suas
partes (rom especialidade a parte orthograpbica) ;
e regencia, ou analyse lgica e grammatical das
orages, por meio da leltura de autores cissicos
da liogua porlugueza; e em pronuncia ; traduego
de prosa e verso ; escripia ; composgao; regen-
cia e locugo da liogua franceza.
Os pretendentes dirijam-se a dU casa, para se
nscreverem. das 9 horas da mauha ao meio dia,
ou das 3 as 5 horas da tarde.
Em casa de Theod Christiansen, roa do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bor leaux, encentra se ef-
fectivanienie deposito dos artigos seguales :
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Chateau Margaux.
Grand vin Chateau Lafilte 1858.
Chateau Lafilte.
Haut Sauteroes.
Chatean Samemos.
Chateau Laiaur Blanche.
Chateau Yquem.
Cogoac em tres qualidades.
Azeile doce. Pregos de Bordeaux. ___
Na rua do Queimado n. 22 precisa se de uma
ama para coziohar e comprar para casa de pouca
familia._________________________________
Precisase alugar urna preta captiva para o
servigo interno de uma casa de pouca familia :
as Cinco Ponas, loja de marclneiro n. 27.
AUTORISA.DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZE.MBUO DE 1859
lima tianca em dinheiro, depositado nos cofres de eeta4#, aar*n!e a a>a a#-
ministraeo Ha companhia.
BANQUE1ROS DA COMPANHIA*
O SBanco de Ilcspaaha
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoe? de scr-erviverria tos srg-
ros sobre a vida. __
Nella pode se lazer a subscripgo de maneira que em nenhnm ca^-o ma | r.ne 4>
segurado se perca o capital nem o juros correspondentes a estes. __^
Sao laosupreheodeotes os resultados que produzem as sociedades .1 mane *> SAj^ -
NAL que linda raesrao diminumdo uma terca parte do interesse pr.diuid- tai raaaMH liiiite
coesecorabuuado-ocoma raortalidade da tabella de Depareieux que adoptada \-. roi
para seus clculos e liquidaeftes, era segurados de idade de3al9auuos, umain., .bmm.
de 1005 produz em electivo metlico: -----
No fim de Sanaos.......1:1195''
de 10........3:9*6Mi
. de 15 .......H:_im5ilH
, de 20........30:i.-60"-.-
, de 25 .......80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os producios sao mai- liiimrt..
Prospecta e mais informac5es serao prestadas pelo sub-director nesta provinna.
veira, rua da Cadeia n. 32, ou a Boa-Vista rua da Imperalriz n. 12, estafceen-
meuto dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite A Irmo.
1
3~'
l
_S O Dr. Carulino Fraurisco oV Lima :
los coolintia a morar na rua d i Impera-
dor n. 17, segundo unO-r, Irada iBi -
SK gabinete de ronsullas medir.-, iofo a
K t-iitrar. do primeiro.
'O mesmo doul'.r, que se t-rn (fado a
Srt esludo tanto da* operagdes rotno djs niv
MK lustias internas, presta se a ipialquer rtia-
mR mado, quer para de airo qoer para fora
M da cidade.
Precisa-se de uma ama que saiba mciabar a
engommar : na rua da Goia, sobrado a. a qaal
I seja escrava._____________________________ _
Precisase de uma ama para andar raa. ama
menina e tratar de sua rcnpa. mA> c^. hm-
pa : a iralar na rua nova de anta Rita i. 55. m-
gundo andar, entrada pelo becco, oade sr fai-ia
canoas.___
o
Precisase de ama ama para
mera solteiro : na rua do Apollo
andar.
ra dr aa bo-
n. -i-" MM.ua
Alaga-sr a rasa n. 28 'la roa Mutoeotoai-
b nos Afogados, eom commodos para aarat*..*a
familia, grande quintal eoai moitas araaraa **
frocto : a iralar na travessa da VaJra da Ptar.
armazem n. 5. ____________________
Em quaulo o Sr. acsdemio Antonio da Cae-
tro Alves nao mandar p|r 635000 qoe davr m
aluguel da casa en que rooroa aa roadus (oea-*-
vera' o seu nome aeste jornal. ___________
Attenclo.
Precisa-se de uroa negrinha para MM
uma criinga: na rna do Raafel a. ,
andar.
IIFGVEL
!


Diarlo de vcmamiivco <{u(ota tetra 9 de \vcml>ro de .<*
}

^ffiRk
D'IODURETO DUPLO
de FERRQe QUININA
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A VE\D1 EH FEUYAJim CO
Em casa dos Srs. Caois e Barboza, ra da Cruz n. 22;
Os elementos que compoem esta preparacao. o
ferro, o iodo e a quina, a col loca o no primciro
grao das prepararocs ferruginosas, basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes. e os relatnos dos prticos inais eniincnles
que confirmro sua poderosa efficacia as se
guintes affeccoes:
Mlngoa no aangur,
FmqurM.
Aiir nilM,
Clilorom- su Ictericia,
Mcnatruo,
Aflirrfdra do ulero,
SappreMoen ilaa re-
graa e deaordena na
menntruaf o,
Affcrrio pulmonar e
phlblnlca,
Moleallaa il elmago,
Gastralgias,
rerda d'aapctl(e,e(c,
Conviileaceneade Ion
gan moloNllMk,
MuIr-llMM i--.rmf.il.i-
ana,
Pu|iclra,
OI)!iuri;io iIun Rlnn-
dulas,
Humores Irlos,
Tumores l>runcoM,
Ilaclilllsmo,
AITcecOeS r il 111 ero.'.
< yphllMleas,
Fcbrc-* CyihoI Beslgas, ele, ele.
Vejos: os bulletins de Cherapeutica medica
e cirurgica de 30 de novembre 1860; a Gazela
dos hospitaes de 28 dejulho 186", etc., etc.
Alm das pilulas de todurcto duplo de ferro e de
quinina de febillon, os Mdicos aconsclho
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao gostao de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tcm
como o xarope d'iodureto de [erro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folhcto que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para se evitarem falsilicacoes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paris, pharmacia Rebillon,
142, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes estrangeiros, etc.
Diorrlif-ii* o a ronstl-
|inc:io irmliiKlilni
Im-I.im 4-luEfomro(-N
iii- reltuoaaa do*.l-
menlos.
canaSi5-5
xamaammammBOM
As pastiUius aujeslivus con a pepsina de
Wasman, empregao se com successo lia j
alguns annos pelas celebridades medcaos de
Paris, Londres. Vienna, etc., em lodas as in-
cemmodidades em as quacsadigesiao dfieil,
penosa, imperfeila ou inesmo impossivcl: cis
o melhor remedio para cural as.
Gaatralslaa,
nlM|>(-|lhiaM,
l-Iitihin iiro*^;Mlrl<-ON
A gaatrlti,
Aa uff.Tces urjiinl-
ni** do t'Ktiim.i*;!,
Sua ac-vo vivilica o sanguc e os rg.os de
tal sorte que, ith as pessoas que sent sofhvr
as nlTeccoos gstricas cima mencionadas sao
nicamente tracas ou d'um temperamento uin
pouco dbil, c necessilo substancial alimento
para fortiticar-se, achilo no emprgo das pasiil-
has dcyepuina de \\'uhian,mn poderoso mcio
para a sso ebegar.
Aviso imprtanle.0 successo das paslilkas
i pepsina de fYasmtmdea causa a se fazerem
falsilicacoes e iuiilayoesd'esse producto que os
mulos se querem desfazer. I'ois por falta
d'uma boa preparacao a pepsina que n'ella
entra, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'cslc
inconveniente, exiginuo os comprudoresquens
pastilhas tenhao as iniciacs B. P. c saiao da
pliarmacia Chevrier.
Depsito geral era Paris, pbarmaca Ohevrier,
21, Kaubourg-Montmartrc, e em todas as boas
pharmncias le Franca c los paizes estrangeiros.
DOENGAS
DOSMEJINOS
CUBADAS PELOS
XAROPES DO DOUTOR DANET
K' 1. Contra aa CLICAS DOS MENINOS antee
e duraste dentleo
{Xarope de cynoglosse e de acido succinido)
N* 2. Contra a
TOSSE CONVULSA
NERVOSA
(Xarope de cynoglosse e de leo yolatil de succino)
N* 3. Contra aa CONVULCOES DOS MENINOS
A ('.non '.
(Xarope de cynoglosse e de acido Tolatil de succino)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sao em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o tratamcnio das molestias dos
meninos cima indicadas, e vicro encher um
vacuo importante na therapeutica, no que toca as
affeccoes da infancia, para as quaes, ath hoje,
ainda se nao pode indicar tratamento racionna,
nem infallivcl.
(Peca-se o prospecto em casa dos pharmaceu,
ticos depositarios.)
Prcco do frasco em Paris, 3 fr.
Para se evitarem as falsilicacoes, exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtulos a
assignatura Chanteaud.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chan-
teaud c cni todas as boas pharmacias de Franc*
c dos paizes estrangeiros.
MASSA e XAROPE
DE CODENA
DB
BERTH
experiencias clnicas e compai
\
As experiencias
dos Snrs Magendie, Barbier d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin S<
e a tosse c. Dumont, etc., membros do Instituto de
Franca, mdicos dos hos|
provado que a Massa e \arope de Berth

BISMUTH
DE CHEVRIER
Moleallus de liudo,
A Ieterela,
Pnlpltaeao do eoraeao
Dir non ras,
Opurcseoes,
Ddres <: rabeca,
Irrltacoes de bealg
da matriz, etc.
Pelas commissoes em grosso, dirigirse aos S
Os granulos de otsmu/idcChevrierem supe-
riores a todas as outras preparacoes de bismuth
empreadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
Dlarrheaa chronlcaa,
DjasentcrlnS,
Doren d estomaga,
Dyapepalaa,
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
e e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
Man dlgealea,
Gaatrltea,
Gastralgias, etc.,
o remedio o mais segur
dores nervosas e tendo
calmarcom admiravel rap
des e extremamente fatigantes da grippe (ca-
tarrho epidmico), dcllujo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchite
A Massa e Xarope de Berth, se
aclio em lodas as botica:
Para evitar qualqucr
falsificaran,exigir em(
cada produto o iiome
e a firma Berth.
Deposito geral em Paris, en
Ra SU-Croix-de-la
comparativas
Ion, Aran, Viga,
itaes de Paris, tem
contra todas as
a propriedade de
dezastossesrebel-
casa de MENIER,
Drelinnerie.
ASTHME
IOS PARAGUAYOS
E' a ordera do da l Acabar com os Para-
! guayos a bayoneta, a mini, a revolver;
j fulmina-los com os encouracados armados
de esporoes, armstrongs e raiadas de 80
120; extermina-los em sumraa a espada, a
fa> io e a punhal de que se trata; mas
ninguem se lembroa ainda de esmagar os
! Paraguayos com as armas que Deus nos con-
cedeu; acabar com eles a lacao e a ponta
i ps, para o que necessario encouracar esta
parte do nosso corpo com os formidaveis
1 rompe-ferro, esmaga cobra, arranca tt eos,
quebra marmore e outros que se vendem
45-RA UIRE1TA45
GUR8S
MARTIMOS
85000
50000
para senhoras, en-
feilados....... 5500
com laco e fivella .. 4(5800
81000
Birseguins para meninas bom
30000 20000
Sapatos de lona, sola elstica.
106OH
10600
econmicos para se-
0500
com salto de lustre.. 20240
Chineloes do Por o.......... 10600
!! ASTHMA
e Oppresflo
ASTHMA ASTHM
Suflbcceo ervo
nico remedio efficaz park combatter estas mo-
lestias, acalmar um attaqui d'asma e impedir a
volta o Xarope aromatici de Succino (mbar
amarello) do Dr Danet. De icoberta inleiramente
recente, este novo produc o se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre prodtizido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54,
ra do Commcrcio, Paris-G enelle, e em todas as
boticas de Franca e do estr ingeiro.
WILLAERT e BERGER. comisarios em drogara, il, ra Sainb-Lazare, Paris.
Gasa de banlios
L;\r<; ti Carme n. 26.
Esle estabelecimeoto lao bem montado
na Ma origen) ochava se de lia niuito cu
qoasi ampielo adandtmo pelo pouco in-
BH teresse de sua adminisiraeao.
as Hoje - lodos os meios para restabeler a grande
utilfdade deste estabelecimento, pode as-
m
l
va?
ir.
n
i
w
m

*%>
NO
GRANDE ARMAZEfl DA LXPOSICAO DE LO^IDRE
j.,.: segurar ao publico que qualquer me seja
r9< numero do* eoncurrentea acbarao des-
de ja promptido t aceiouusiianhos fro?,
m
. moros ou tni-dicinaes, a casa dos ba
w; nhos se acbaia' abena todos os dias da:
^ G horas da manhaa as 11 da noite.
Prejo?.
Banho de choque......... 'OO
Dito Irio ou morno........ 500
Dito de farello............1JU00
Dito medicinal sera' segun-
do sua quadade.
Asignaiara.
Por mez banhu (no iu momo. 10>
23 cario s para baalio fri,
morno ou de chuvisco.....
12 candes para os mesmos...
i ditos para b.nio de farello.
Grande arniazcn de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
producios cJiimicos utensise os mais empregados
e usados na pharmacia, pintura, photographia, tin
81
TM
Slli, Sil!T
Um comp'cto sor'.imei.to de calcado da
trra para liomens. senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taixas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz cobica ao comp ador pela barateza.
mmmmm -m mm i mm
|g DEPOSITO DE CALCADO i
M FABRICADO NA GASA DE DEENCO
\M Rua .\'ova u. tit.
^ Ahi se eucontrarao obras de di- a
2 versas qualidades, e por prego mu "
S diminutos, a retalho e em porgues.
I S se vende a dinheiro.
i
m
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabel.vi-
da nesta praga, toma seguros maritimes so-
bre navios e seus carregamentos, e colra
fogo em edificios, mercadorias e moliilias:
na rua do Vigario ti. i, pavimenio terreo.
xNa rua Aova n. 6.'i, .rgunilo andar, preei^a- alugar um aMravo fiel para todo scric.-.
-No 1 andar do sobrado n 50, sito na rua de
Aguas-Verdes, deseja-se fallar com os herd-firoa *>
fallecido JoaqtumJos de Saot'Ann.
Prei-isa-se de urna ama para WietM mt-r-
no e externo de urna casa : aa ru > dos Martirios
sobrado junto a igrej*. pnmeiro an-iir, n. Ii '
Gunnaraes d Lima, em lupiiuco, declara,
ao annuncio do Sr. Domingos Frwneo I'iwiHju
no Diario de PernamNuec de hojp, ijae >prxr recibo da quantia que receben do Sr. Jo Pmin d
Costa, para vi.-u delle ser paga a su pore-au-
gem, urna vez que c recibo declare que estaaos
entregue de qualquer quanlia.
Precisa-se de urna ama de leite, forra aa es-
crava : na rua do Fortes n. i.
Aluga-se a casa terrea da rua d Sinu ftna
n. 60, junto a igreja. concertada ha poaeo e cora
bons commodos, quintal e cacimba : a tratar aa roa
do imperador n. 81.
Aluga se a casa terrea da rua C'aCtip
n. 83, com bons commodj:, quintil e ca.-imba. .
chave est na olaria junto a mesma : a tratar aa
rua do Imperador n. 81._________
Manuel Luiz Duarte Filgueira jm ajH
compron para o Sr. Luiz Manuel Filgoeira ob.lh.;
te de n. 2726 em favor das familias oVi voluou-
rios da patria, que tem de correr era 13 do er-
ren le.
m
m
i- !
GO Eua da Oadeia do Becife ~ 60..
^' Todos os artigos abaixo mencionados foram comprados recentemente pelo dono do estabelecimentc
Sp de Paris, Londres, Birmingham, Manclicster e em diversas cidades da Allemanna, e tendo comprado lodo
g por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mu principalmente por querer
^. mente liquidar e ter de partir mui bieve para a Euro; a.
Ha neste vasto armazem ric s objeclos com brilhantes, como boloes, anneis, rosetas etc., e bem i
105
-5
15
Para a censtruccao de machinas
TJE
AIiKKKT80% I) IMtK.liSS
-New London, Cormectieur, Esta-
dos-Unidos
Solicitam pedidos de descarocadores de algodao,
adoptados ao alodao sul-ameriano. Ho-se de-
; djcado a ese negocio durante 2o annos, e atlende-
rao immediataiiiente a correspondencia que se Ibes
dirigir.
Na rua Imperial n. 160 existe para
ser alugada por commodo prego, urna casa
nova com 2 salas, 3 quartos, cosinha fora.
quintal muito grande murado, com um
grande telheiro, com portao e cacimba : a
tratar na mesma rua n. i.11 ou na rua Di-
reda nL84, padaria.
0 padre Flix Brrelo de Vasconcellos pre-
as molhnrps r ni dir-es: Cla de um -ourado de um andar com bastantes
s aeommodacoes, ou de dous andares nao sendo
muilo grande, e nem (ora da fregoezia de Santo
Antonio : quem tiver e quizer alugar, falle ao ao-
nuncianle na rua do Imperador n. :ti, segundo
andar.
--

__reper(
"&< e no JaPao> ncas Peas (le ci y?tal fino como ainda nao appareceram tiesta cidade, e bem assim mode
ditos para gaz e para petrleo, serpenteas, castigaos, enfeite e adornos para cima de consolas e para grande
feilo de mais elegante em Paris, Londres, Birmingham etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para
nada sao inferiores prata, e muitasoulras pegas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda
ras, exccllenles luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e cale, ditos para j:
gos de porcelana ii.a dourada, como ricos vasos para llores, figuras, ele; calgado dos principaes fabricantes d
no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Pleyel, Woll & C, realejos nfodernos de Gavioli
turara,pyroiechinia.fiigosdeartiticiojeemoutras rua, dilos com figuras para sales e ditos'com figuras em movimento; mode-nos e bonitos instrumentos dt
' Mntalo em grande escala e suDorindo se di- theaLros ou "P" rectamenteoas principaes drogaras% Paris) Loa- .vencao e L'.m b,ell sortimento de vistas das principaes cidades da Enropa; grande sortimento da brinquedos finos para trancas, e
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer bonecas fallandopapaeemamSe ; grande sortimer-to de candieiros a gaz, o que se lera feilo de m lis elegante e que tem
productos de plenaconfianca e satisfazer qualquer merecido toda a accitagao na Europa, grande e magnifico sor.i etilo de ca xinhas, cestinhas e outras galanteras eilas d crina e seda,
preeo proprios para presentes; grande sorlimcnlo de estampas fin s coloridas com o fundo preto e de outras de tod.
figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramts, finos e bem graduados vidros para cosmoraraas, um be
proprio para meio de mosa de jantar ou para jardim; cutelaria fina, como lalheres com cabo du metal (no, cul
ditas modernas paraalfaiates, navalhas finas, canivetts e outros anigos, diversos artigos feitos de rame; c
as principaes fabricas
O Sr. Joto Garaaaao de Paula dlrija-se a roa
esreila do It i-arj. n. 2i, Ma.
Fugio do enn-inho Ampar.. 5 fr-/n-zn termo de Sanl-j Anulo, ns escravos rrioalos i,
me Francelino, de 2J a 20 ano-jj d*. i.l.d-, fean
cor bem preta, cabellos carapinho*, testa p^.airiw'
sobrancelhas arqueadas, olhos regulares e pardo'
nariz frosto e de i,om Uroanno, b-w-ra regalar*
belos regulares, dentadura t-xla perfeita I alva'
barba fechada, corpa regatar, pernas e t.r
grossos, muito ladino qoando hila ; e Anaa, 4e';0
a 24 annos, cor fula, cabellos carapinho* e rrb>,
tesia, sobrancelhas e olhos regulares, mata p-\\w'-
noe entre-gross->, bocea p>o-o.-. mta i han,
mulher do mesmo Franceliuo, os .jues) fuirara
no da 2 do corrente mez de outtibro, da rnaapiahn
do abaixo a^-ignado, tutor dos orphos liux >
fallecido lente coronel Manoel Du.rt-; da Co-u ;
portanio roga se a qualquer aulori Mr, aapMa
de camtio, ou qoaesqaar outras fmmm, v*re-
beoaao dos ditos escravos, pela captura !
os plumos si-rao \wxa recompen-auVi-, e os priraei-
ros salisfeitiis de quaesquer despeas q-ie .Vijtc-
rern de fazer, o;i aptortaar a faz r.
fcl Vicente da Silva.
ssim diversas obras de
ricante Bennetle; com-
es e francezes, como L.
Ilygienique, Mompelas,
a, ele. fabricadas na
rnos lustres para velas,
oilleile, o que se tem
ha ecaf, os quaes em
(para trancas de senho-
itar, e immensos arti-
Pans e ditos de pan-juma casa
1& C, para se tocar na; andar.
- Aluga-sea ca-a terrea n.39 na rua Uniao:
physica (mgica) para
mascaras de yeludo, setim, cera, papelao e rame ; doces confeitados e chocolate em caixinhas e cm vidros; ca as de ferro de todos
apeos de sol, benga-
s os santos, ditas com
o chafariz de cryslal
aeres, tbesouras finas,! jS
implelo sortimento de
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptido qoalqusr pedido de lintas muidas
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder* ser examinada pelo consumidor, o qu
n.io fcil fazer com aquellas que sao importadas. ,
e que se enconiram no mercado em latas fechadas! ?s l:,m:l|lll0s. lavatorio:,, etc., ricos quadros para carloes de visita e ditos grandps e pequeos para retratos;
Tem rande coiieccao de vidros de diifcnutes 'as- chicles e ditos para carros; machinas para faier caf, ditas para baterovos, proprias para quem faz po-ll-l, bolinhos, etc.;
.iagens, e outros artigos, comocobert res, malal, etc.; sortimento de
! outras Degas de charao para toillelte; machn; s para varrerocho,
Jese pequeas; lindos ha'es de papel fino trasparente e lanternas
peados e foihas iie gelatina para ornamento: de coloridas para i:lominacoes moda de Paris; salva-vida de born.cha, para homens e senhoras, proprios para q tem toma banhos tm
papel grande epequeo frmalo de vanas cores lugares fundos; ameixas novas em caixinhas, bisanuos inglezes em latas, queiios, etc., e muitos outros artigos que para ennumera-
SmNadjUeiCde^ e lodos se ven,lem ***> e maito **** n0 ^^ armazem da Exposigao de L odres, na rua da Ca-
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar, ^ neciie n. OU.
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de |
espirito i>ara madeira, copal para o nipnor e ex-
tei ior ; oleo graxo, oieo seccalivo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de loiele, secativo de Harlim, oufo
verdadeiro em p ; praia, ouro, e estanho em fo
ihas de varias cores; tintas vegetaes, inolfensi-
vas proprias para confeitarias; la de cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa
ra
rol
bo
lou
LIIIIItlE r'JNQlISE
Rua do Crespo uuuaero 9.
E-to promptos para serem deslribuidos aos
Srs. assignautes, vinte exemplares de
_______Vauei.i.a: cantos k phahtamas.
Ama para casa
Precisa-se'alugar urna ama para todo servico d-"
na becco das Bolas n. 2, priiueiro

S 0 M P1 i
i
Silvino liuilheime de Barros roir.i.ra e ren-
de effectivaineuie escravos de ambos os sexos :
rua do Imperador n. 7'.*, terreara aa4ar.
Compra-s ouro, praia e peiras prca-**,
emolirs venias : na rua da Cadea i, I
cj." ile uurives no arco da Coamfc_.'...
Ouro e prata.
Em obras velhas : con pia-.-e na praca da Ib
dependencin i., -j-j, |,.ja de MUjaMjP.
Ooropra-se earosso (sement; d ai-. ~
armazem de algodao de Saunder ftMtan A I
no eaes de Acoilo.
WBBEL TAOE
CHUMBO
l'ompra-se cobre, la'ao 8
da bola amarilla, no oi'i'i
chumbo : n-i anaawta
la wrm irh i
m
NO GRANDE AR-
MAZEM.
Para completa liquidagao vendem-se, por muilo menos do seu valor, perfumadas muilo Gnas e novas ch
DA EXPOSIGAO DE
LONDRES.
bgadas recentemente
Lubin, Socieda le Hygienica, Piver,
anis da Rossia, canella, cravo e muitos outros ob-
jeclos que s com a vista poderiio ser mosirados.
lodo Pedro das Neves,
Gerente.
||j Companhia fidelidade de seguros ^
^g martimos e terrestres
B estabelecida no Rio de Jaueiro. H
AGENTES EM PEH.NAMBUCO "5
jj5 Antonio Luiz de Oliveira Azeredo iC, ^
yL competentemente autorisados peladlrec- w
S loria da companhia de seguros Fidelida- a
|H de, tomam seguros de navios, mercado-
5g5 rias e predios no seu escriptorio rua da
^k Croi n. 1.
mmmmmmmmmmmm
Samuel Power Johnston & Companhia
Rua da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fuadiv&o de JLow Noor.
Machinas a vapor de 4 e t cavallos,
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios d carro para nm e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma hias para descarogar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
mmm mmm-mmmmmwM
O hachare! 8
quaes ha grande si
em garraLhas
tes modelos, pos para limpar denles, banhaem potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas ebalainhos com pe fumarias para fazer
presentes, e muitos outros artigos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos em geni
rmazem da Exposigao de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
rlimento d'agua de
vidros de differen-
xistentes no grande
)resente: vende-se
PARA SEYIIOKAM.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para iranga desenhora, o que se tem feito de mais elegante at o
por menos de seu valor para se liqui Jar, no grande armazem da Exposigao de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
IiUVAS NOVAS 1E JOUVIN.
Vendem-se excellentes luvas de pellica, recentemente chegadas de Paris, tanto para homem como para senliora por menos de
seu valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposigao de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
Mr Dubarry n. 8
m
Francisco Augusto da Cosa B
Ali'."'"".A[l(l yt
* Rua do Imperador numero 69. ^
Ama.
Precisa so de urna ama que compre, cozinhe e
eog unone, pra cas* do doas pessoas : a tratar na
tua da Cruz, armazem n. 57.
So
ques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam sobre
Lisboa : no largo do Corpo Santo n. 19.
PHOT^GR i PHI/i.
No grande armazem da Exposigao de Londres, rua da Cadeia do Recife n. 60, rua da (mperatriz loja de
e na mesma rua loja de miodezasn. 54, vendem-se excellenles vistas para quadroi de sala e para albuns, como:
Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Guimar3es.
Porto, rua de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimbra.
YI8TAS UE PERNAJ-1BU<;0.
Tiradas na occasiSo em que S. M. o Imperador aqui esteva em 1859 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M. o Imperador no dia 2 de dezembro,
indo para o Te-Deum no convento do Carao.
Theatro de Santa Isabel.
Rua da Cruz com a pyramtde.
Torre do Arsenal com a illuminag5o na frente.
Passeio publico, na chegada de S. M. o Imperador.
Rua do Collegio com a tropa.
Pateo do Collegio eom o palanque.
VEACEH A' EUROPA.
Stereoscopios de nova invengao com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como
Franga.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Vendem-se barato para quidagfo no graede armazem da Exposigao de Londres na rua da Catlij do Recife n. 60, rua "da Im-
peratriz loja de Mr. Dubarry n. 8, e na misma rua loja de miudezas n 54.
| O UR. CASANOVA
? pode ser procurado a qualquer lio-
5 ra em seu consultorio homeopa-
M tilico, largo da matriz de Santo An-
m no n. L2
No mesmo consultorio tem sem-
pre medicamentos em tinturas e
glbulos em carteiras e avulsos de ^
Catellan eWeber e muito em conta. -
Aviso.
Acha-se fgido o escravo Vicente, cabra, com
falta de tres dedos em ama mo, o qual intilala-se
ter sido praca doezercito, cujo pertence a francis-
co Jos Campos P., morador na rua Imperial, que
gratificar a quem o trouxer.
Joo da Silva Ramos, medicoi me-
I dtco pelauniversidaie de Coimbra, 8
d consultas em sua casa das 9 as 1
[ H horas da manhaa, e das 4 as 6 I
I da tarde. Visita os doenles em suasl
casas regularmente as horas para S
isso designadas, salvo os casos ur- ]
i gentes, que serSo soccorridos em m
qualquer occasi5o. D consultas aos S
pobres que o procurarem no hos- I
pital Pedro II, aonde encontrado H
diariamente das 6 s 8 horas da M
manhaa,
Tem sua casa de sade regular- i
mente montada para receber qual- I
quer doente, ainda mesmo os alie- jj
nados, para o que tem commodos 2
apropriados e nella pratica qualquer
opperago cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .35000 diarios. M
Segunda dita... 3,5500 U
Terceira dita .2(5000 I
Este esiabelecimento j bem P
acreditado pelos bons servigos que ^s
tem prestado. I
0 proprielario espera que elle H
continu a merecer a conGaoga de ,g
Eque sempre tem gozado.
ipi'
-.m
Compra-fe tima duzni dr es r,.
usadas de amarillo: as Cincu I.rjt ...i :.i d- uiar-
cineiro numeio 7
Compra-se urna pona usada, qn- u\j sen
muito pequea : na ra do llan?e| n. 17.
Compra-se un escrav -le meia ihde que
tenha boa conlm-u, mo rlcw a actjuaj 'idade algnoa e que entrnda de piai
a iraiar na rua di Vmrfo c l>.
to
Compra-se um
com carrosa quem
da Concordia n. (i,
com iiutiii iraiar.
cavallo oroprii para an lar
tiver pile diriir-se a rm
>aJari ;o g,z, ifofl aehar.
UWnpra se um bol manso jara carreja : na
rua da Ci uz n. GO.
YENDA
AtteiiCio
Na noile de 28 de ooiubro prximo (lodo furta-
ram do engenho I!ento-Velbo, em Santo Antao,
(onde nao ha delegad) distneio de tabocas (onde
nao ha polica) furiaram dons cavallos rucos, sen-
do um potro anda bravo, tendo se j fuado esle
anno, mais 10 quarios de roda e servico do mes-
mo engenho, sendo uns rucos, outros castanhes, e
todos castrados,; uns comprados com diversas
marcas e outros crioulos, todos ferrados com um i'
manuscripto, do lado, de que usa o respectivo pro-
prietario. Consta que os ladrdes dalli os vo tro-
car e negociar por Pedras de Fogo, loga, Flores,
Agua-Preta e Rio Formoso : roga-se as autorida-
des em geral, e a qualquer pessoa que os encon-
trar, os tomem ou embarguem, e mandem partici-
par ou conduzir ao referido engenho, onde as des-
pejas e trabalho serio devidamente satisfeitos.
Quando quereaam os nossos deputados soccorrer
a pobre lavoura, reduzindoo crime delurto aclas-
se dos crimes pblicos 1 Pobre direito de pro-
priedade, smenle inviolavel e aagrado as pagi-
nas da conitituicao 11
Vende-se urna escr.tva moga e com as habi-
lidades de cozinhur, lavar e engommar : na rua do
Imperador n. 27.
Ftvellas de erysia-
A loja da Aurora na rua larga do Ro*rio n. "S
receben riqaissima livellas de crysMi p3m ciio<,
diUs de madreperol.1 tainbem de muilo li,.a q,u.>
dade, tanlograndos para .-nliora, croo ramn-ni
pequeas para meninas, recebeu Umbrm livellas
douradas com pedras, ditas douradas lisai, 4,us de
bfalo, boloes de vidro a imilaro de cry-ul pitra
cohete, dilos de cryslal muilo finos para eoilete, bo-
loes de osso pretos para calca a I O r. a groza,
cartas de altinetesa 100 rs. a carta, reqoi*>im.> s >r-
tirnenlo de fitas de todas qualidades isio ludo m> na
loja da Aurora na rua larga do Rosario n. 38 de
Lopes & C.
Vende-se superior H> de algodao feito para
coser em machina, e proprio para bm.iI de assu-
car : na rua do Vigario n. 26.
SU-o.
Venje-se o sitio noRjsannho n. 2, junto da ca-
pel la, com casa de pedra e cal, boi agua de Mar,
nimias fructeiras, baila de capim. estribara e jar-
dita, Tambem se permuta por casas M*J praca:
a tratar na rua Nova n. 5o, on no Reife, roa da
Cadeia n. 1.
Vende-se urna elegante e mnito ta escrava
crioula, de da le 23 anno?, perita engomniadeira
e cozinheira : na travessa do Carmo o. I.
E' muito barato.
Vende-se vinho linio a 2'i0 a ranada
garrafa : defronte da matriz da
esquiua do Hospicio.
e 320 a
M-VM ,
Atenga
.
Quem precisar de urna ama para cozinha, sendo
casa de ponca familia, dirija-se a roa dos Bnrgos,
casa terrea n. 15.
Farnha de mandioca.
Tem para vender Antonio Luiz de o,reir Aze-
vedo A C, no sen escriplorio rna da Croi I.
Luvas de Jouvin.
A loja de miudezas na roa do (ueitaa-
do n. 10, resebeu-as por este ullimo vapor,
Vende-se um taixo grande : quem vrrt*w*r
dinja-se a Capunga, rua das Crioolas a. 23, t*
achara com qnem tratar. ___________
ALGODAO DI BAHI4
Na loja de Andrade & Reg, ru i do Cre-po B. ,
esquina da rua do Imperador, contina a rea-ter-
se superior algodo da Babh por menos preco q-ie
em oura qualquer parte
I:ni 4 fosado
vende-se um sobrado de um andar con qiini.il
grande e murado, cacimba e algumas froet iras
na na Direila dos Afogados n. 7 : a Iraiar era
Lamino de HoTMt Pinheiro, na roa de A^oll- m-
mero 47.
Vende-se 20 moradas de casas terreas, ao-
vas e bem construidas, em boa local dade : > rua
da CnHcordia n. 4._______
Vende-se um sobrado de doas atar bo
bairro de Samo Antonio, o qual reode para bbm*
de 1:2004, euma casa terrea ao fcirr a Bbb-
Vista : a tratar com agente Olympi > ea aaa aran-
zem na rna da Cadeia do Recife a. 3L
-




Otarlo de -ernaotbuco 4|uiua ie ta 8 t .\oveiubro dt ;s.
PiLUUS CATI1ARTICAS DE AVER. (J^fo fo^ e armazem Qq
Estas plalas vegetaes s5o a-, Pavln
daptadas a todos os usos de um AVtlu.
purgante as familias, pois sao i R"^ Imperalrizn. 60. de Gama & Silva.
L..r;.o.., ;nnn<.aoo Q <*m Tendo os propnetarios d es to es abe ecimelo de
perfeitamente innocentes, e em iiquidareiD 5 Krande porcj0 de suas Pendas,
quanto milhares de pessoas con- at ao Gm do crreme anno, fim defecharem con-
fessam com gratidO que foram ^ e apurar draheiro, resolvern! vender lodas as
curadas por ellas de molestias '"endas.com grande abatimeoio em pregos, unto
pui c" em porgao como a retalho, e por isso prevmem a
severas e pengosas,nao na lodos os seus fregUeZf;i t, ao respeitave publico, e
um S caso em que haja SUSpei- as pessoas que negociaiu em pequeua escalla com
tas dO maS leve resultado inju- fazendas, que nesle estahelecimento enconiraro
' um graode sortimento que rnuito I lies ho de agra-
dar lano em presos como em qualidade; assim
como mandam pelos seus raixeiros levar as fazen-
das c amostras as casas das familias que uo po-
derem vir a toja, ou do as amostras deixando Pi-
car penhor.
noso por seu uso.
Publicamos aqui alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
Aflecco chronica do ligado.
Illm. Sr
Jai de Fura, 17 de fevereiro de 1864,
KirVi
Colleiras de niarroquim, com cascaveis
e sem elies.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, vendem-se coileiras de marroquim,
pospontadas e com cascaveis, ou sem elles
proprias para caes e cutres bichiuhos.
Pcmiasingczsdcacoedouradas.
No novo ortimento de "pennas de ac que
a Aguia Brnca acaba de rcceber, vieram
tambem oulras de metal domado e bicos
mui bem acallados, e pur essas boas e ne-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-
bi cantes Perry 4 C, as recommendam a->s
istios tibjeetos.
Viudos tambem para a amiga loja de
miudezas ra do QtiBimaclo n. 16.
Sapatiubos desetitn branco bordados pa-
ra baptisados.
Ouiros de merino lambem bordados e
igualmente bonitos.
Meias de seda, correspondente no tama-
nho dos sapatinhos.

sr*
iVo
fe
s&
anBzem de tazeu
d o da Escossia e
Escossia brancas e
llubraiiis lisas a 3.>'0OO, ca loja do entendedores e apreciadores do bom, valen
Pavao. do mesmo a differenca que ha no preco de
VeDdem-se pegas do cambraia lisa branca e um.as Para OUtras, por que estas se tornam
transparentes, teudo oito e meia vara cada pega, mais duraveis na coniinuago de escrever;
neln haratn nr*#n A& "iANOA Hita! mitltn r...-,.. am *...:_ -,:______ j_h._ _. ... .,
rathsriic^s &a kx SffE/uff800* V. T nDas' |,or asSim P0,s iendo feto uso das pilulas catnarucas 45000,55, 65 at 105, sendo tapadas e irauspa-: _fia a VI- rentes, assim como fortes de cambraia com salp-:^*111^" d ,Pneiro. v'Sia n
na ra do
AVer, que me fea favor de dar UBI VI- rentes assim como cortes de cambraia com salpi-;~3*" "," 1" v a" ,ua u"
Siendo lirado um resultado nao m^^^^XtJ^mZ%^mTMr^\f^ loja da Aguia Branca n 8.
'__.... .___S nn na ra da Imperatm n. 60 de. oama A Si va. rl'atlias Cfllii hnibis r UM p las r;ip;i
IBSS&JUr lf0ZrfS .. Cortes de pbantasia a 3*500. ""**' ?' 5" "" **"
de Ayer, que me fea favor de dar um
dro>
do? .
fermfdades do figado e baco, como uso vea^sri^m^tiaTw^litt'^nbtniafitl cortinados.
das pi lulas posso lhe assegurar que estou com as mais lindas cores qte temando ao merca- A Aguia Branca recebeu um bello sorli-
bom, pois toada desapparecido um granda jdo. sendsazenda transparente que serve al para ment de franjas com borlas e sem ellas
ngorgitamento que soffria, maltas ddws ^ffliT^/I^fSj^l'^J?^ para cortinados, lodas de novos e bonitos
sobre a regiao do figado e oslas, dores de temdoPavao, na ruada impratrii n.M d'eGa' desenhos, cuja commodidade do preco esl
cabefa, inchago do ventre, n?w podendo
deitar-me senao do lado direrto, isso mes-
mo procurando posifao para ter socego, bo-
je me acto livre d'esse padecimento ; como
por aqui anda as nao haja, -eu como tenho
este proprio que de casa, lhe rogo man-
dar-me -alguns vidros, e o custo elle lhe sa
lisiar, assim bem como do cliarope de
cereja, que Uve occasio de experimentar;
em m ataque de guel'as que te ve orna
ma Silva.
(arabraias de forro.
Na loja do oa\ao.
Veudem-se peQas de catnbraias
bois, pelo barato preco iso s na loja e armazem perairiz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes gi-aiudinos.
10)5000, m loja do navio,
Vendem-se os mate fieos rrtts {ran3inos, fa-
senda de muita phamasia que serve at para bai
era relacao a largura : acliam-se ellas a vea-
da na ra do Queimado ioja da Aguia Bran-
ca n. 8.
Oulras mui finas
brancas lislradas.
Luyas finas de io da
de cores.
Ditas de seda para sdnhoras.
Ligas de dita para se
Pentes de tai t .ruga i
embaracar.
Carriteis com retroz r
Carteiras com agulha
Agulhas francezas, as
Caixinhas com aliineti
Haspas de baleia para
Fitas de linho propria
Caixas com linhas d
para crochets.
Trancellim de bonach
Bonitas flvellas gija'des de aeo,
donradas, madi-epcrola e tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, recebeu um bonito sortimento do
Ovellas grandes para cintos, sendo de ac.
nboras e meninas.
iu fortes para des-
reto e outras cores.
afamadas.
s brancos e pretos.
vestidos.
& para ditos,
novellos grandes
a preto, redondo.
mt' H la petad... curios, treta* %^gZXC'$'f
ment.
eos commodos j assim como boas e bonitas
baratas de Sim I
Etna do iui'lutado m. 19.
ic
l
Ir
;*--
iva rea do Queimado loja da Aguia Bran-; fitas de gorgorito acbamak lado, proprias pa-
ca n. 8, aobam-se a venda por precos ra- i ra ditas fivellas.
zoaveis, caLxinbas com tabolas e de outras
para, |tiein soffre
mandar alguns -frasqnmhos, e mesmo as pi-
lalas pode montar a doze, porque terihs
feite uso d'ellas para uso da familia e al-
gartas pessoas, a d i,mleg.Je
rosa liado ; sou btdooroioandeoda
De V. S. attensgPs.ar
Fnv.t.cisco FERREArERAlt
As caciisinlias dn I'avati.
Ilheumatismo c ataques heinorrfeoidacs.
Ilui. Sn.
Ouro-PretOj 30 de marco de -ISCi.
Posso cerUfirar-lbe que as fBtUlas ca- eofeiados 55, 65 e 75000 pan acabar:
'lliarticas do r. Ayer sao excellenles, pois. armaiem do favo, ra da Imperatriz n. 60, de
que soffrendo eu dores pelo corpo, o que Gama S;lva-
suppunha ser Fbeumatismo, (molestia esta Organdv sMOermom..
queja havia sotTrido ha annosVe-sotrendo $*& E^S^S % <
tambem de ateques hemorrtoidaes, e de | dos, csese oum agnra, com es mai< lindas cores
quedas diversas pinturas dellss se formam quail5i*!es
agradaveis visias e paisagens, segundos! da vista.
erdade A'loja de miudezas irua do Queimado
sent com o n. 16, tambem recebeu malos de peneira
pura a in- com vidros claros e escaros, para queta sof-
te!l.geecia. Os apreciadores dinjam-se fre da vista, assim como oiftros de armacao
Mendem-se as mais modernas caatfsmhai borda- ra Q Queimado, a dita loja da Aguia Bran- de ac sonidos em eraos
das com mangudos, para senhuras, seuJo as mais ^ n o 0l)p Sfl|1,, 03.;,^* 5 ueaio, soruuos em graos^l
modernas que lem viuda ao mercada a 4500, di-, d q, hC' i Coroas e t reos de cornalina.
tu com manguitos, para acabar, a >.&; ditas pre-| Ol 1 los CUlCIlCS para SfllllOraS, A atitiga loja de miudezas a' ra do
is com maogeitos para lulo a t'*o rs., maugui-, A Aguia Branca acaba de receber um no-.Queimado n. 16, recebeu mu bonitas co-
vo o lindo sorlimenio de enteites os mais roas e tercos de cornalina, os quaes estao
modernos e gostosinleiramente agradaveis, I a disposico dos boncbriitos que os qui-
e como seu louvavel costumeos est ven- zerem comprar om dita loja: na ra do
dsndo baraiamente a Quem com dinheiro se Queimdo n. 16.
tos e golinhas gretas a 1,5, linissimas gulitilta? de
cambraia branca bordada a 500 rs., calc.inhas para
j meuina a 640 rs., romeiras de l; e cambraia
branca bordada a iJKJOO : na loja do Pavao, ra
da ImperatrK n. 60, de Gama & SHva.
JoulbciuLai ques de Vendem-se southembarques de cor muito bem
na loja
ueimd
um ouvido. pois que al j pouco ouvia, e
acompanhado de urna dr no quoiso, con-
ullei a um des nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
a lixas; -vsodendo-se pelo barato prego de 900 rs.
a vara: -ni loja do i'avio, ra da Imperatriz n. 0C.
de Gatna & Silva.
Chales de mcrinc 2^000.
Veodem-se os mais modernos chales de merio
estamp3os a 25000 cada um, -bavendo tambem ura
-dirigir ra do Queimado, loja da Aguia
branca n. 8.
Ueas de i A a -para senhoras.
Vendem-se na rus do Queimado, loja da
Aguia Branca n. '8.
Kaki mosca.
Na loa da Aguia Branca ac!ia-sc a venda
o papel" com cou.po.-irao para dar fim as J obJectos ^ue fazem
moscas, sendo o>modo de usar faoHmo, e o !
eTeito efBcac: moma-se o papel e deixa se
imado, loja de
onjas finas grandes c pe-
quenas.
Vende-se ama do Qu
mmdezasn. 16.
Diversos ohjtietos.
A antiga loja de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, acaba de receber mui los o di-
:ompletar o seu
O gallo canta e est
(ueimandom
Bom e baratsimo.
Hua do Crespo n. 7.
Collares.
Collares anodinos el.(tro magnticas Roitr para
as enancas nao morrertin de convultoes pelo ba-
rato prtgo de4.
Navidades.
Riqnissimas pnlseiras ou braceletes pa senho-
1a e para meninas a 15. i e 3, assim om o lin-
das vuitas para ptfcco ^ 'A&.
Eijfeiles.
Riqnissimos eofeites para caliera eousa de mui-
to g sto a I90OO, i'5, 3*. H, S, 6 e 75.
Fivelas.
Riquisslmas Hvelas de mndreperola e de larta-
ruga, arsini como preas.
Cruzes.
Riqu mas criucs dourtdas porm o meiher
gOflO qu-J .- pude desejar.
Cascarrilbas.
Umiins i-ascarnlbas com biquinbos de seda e-
aljfar ronsa intelrainen'e nova para eofeites de
vestidos.
Binculos.
Ronito sortirriento de binculos com soperiore
vidros para os amantes do lh<>airo.
Assim c< mo uns pequininos
que serve para infcile de reltgio mais com excel-
lente vidro.
Sestinhas.
Riquissimas cestinbas com prepares para me-
ninas de escola trazar no braco, assim como ie
vidro eufeitdas proprias paramimo.
Penles.
Ripuissimos peinas de borracha com aro bran-
co de metal para menina segorar o cabelio pelo
barato preco de 800 rs., e duzia -j. nnim

Vendeja o **tnintc :
'lobeiUf d. chita li:i *J5> j Linas de dita a S|400t
< l.eo^ es de paiiii da l.r.l.o a 2J9MI
1 i>:r js de dlloeta lis i u-3.
Ditos de bramaoli ^e linho de am ti ana
:3#0O.
; Panno di licli ruin i,: 19
ra reto barato prt .-ilw nn
Bi iiianle de ::: a 1 r
ira a S|SO0 a vara.
Pecas de cambraia
m. .- iom 8 i|2 vair-..- .1 ii.''.:.
Pecas de cambraia .; ,
.'cr!iiailo ie rana c. m 20 ara* 1
l'.i'te- 1!,. :.i..- a -y. '11.
I.tn'.os de cambraia Osa 1 -iii a tntm.
Ditos de dita ; 2 a danta.
.Athoalhado de. Iir.l, !',n' a 251*00
Dito de lrodn a a ^ari.
Algcdo eofesladu n m 7 Ii2 .:. -
a i;2(0 a vara.
P(C>s de bretanha de relecen M)i 1
para ?a,a a 3|S0O.
'" de I 1:. liso Di 1 -' 0 1- a *
D.fy de dito i'-rn ?al| "1 .". I- 1 raa
C n.lraia de liuhi lina a J3 <. 1 ''.' n
C: '.< e laiintta lioi a |ui
vad a ;<.
I '1 cas di madapi la a niafia
1 rco 85, v, u,it ii,*.
i-'lanea branca Un a M l. o cavante.
lua i!e .i re.- fina a "SO r.>. a
Baldes de n u.-stlina :.ra be b ra a
e4J.
Cambiara d.- furro a ', re>-a.
Dita lina a '.";'". 1 7- 1 >;*.
' 'i na po de } -.. :
1 aihas de alfi d: '' :
I.'-' ira da India r 1 1 .;, ara rr-
i. 1 6 paln 1.- fl 1 1 : 1 r a 1
.\- -ie armaiem i- r-: 1
si '..'. 1 ni" u,' 1 io a f-ia e i r rm I
-

EDlfA

Si>
t Uada Emperatriz
da porta larca t ?-
Sisio a |!:i Paredes Pnrto.
?.' -I- ftilielecuri"--' ;.'
uaiaiu ursuo ue oa; rs., i- uuza .. :.-r!:;! 1' ; 1 .
gran^soTUmenio de .odas as qnadades para de- g %
ocr pre^n commod<.
; f!.
V nde chales 'i. 1
epa-
F las finas de sarja da miis estreita que
vivas e agrada-
Comprei em-saa casa um vidrinho das mes- 8rat|de sortimenlo dos mesmos matizados que-ce
mas pilulss e por minlia conta princiniei a I ntrll c?' ?* e 8^00: ty*2 armaiemra
tomabas, e aj as linalisar acho-mc sem as P^ "at^Ta SSa *
OUMdo, C mosmo dos ataques .hemorrlioi-; sas-cores edourados com tivela larca e donrada,
daes : porlanlo sao para uiim as taes pilu- .assim cerno enfeites para cabeva dos melhores e
las as melhores que tenho experimentado; mais modernos que tem vindo ao cercado ttdo
isto em abone da verade. Son
De V. S.
Amigo serio, venerador e obligado,
O brigadeiro
Jcg Rodiiioiks Fbu r. Ca;valu.
Gaslrte.
Ouro-Preto, 29 de morco & 1801.
Atiesta que tendo feito uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
fiquei perfeitamente bom de -urna gastrite
que solria e que privava-me de miar aper-
lado, boje felizmente nada sinlo.
&CCST0 GOLLATINO DE IELL0.
taita de apetite. ,
Ouro-Preto, -21 de femreiro da 1801.
Sendo eu affectado do figado ha muiloi
anuos, e ltimamente sofri falta de apetite,
hoje dou grasas a Deus por acfaar-me sao
isto .-ao vende por um preoo reoavel que muilo
Ibes hc de agradar : isto s na loja e armazem
d As lunillas de linho do l'avao.
Vendem-se superiores loaibas de linho das me-
r Ihores ijiie tem vindo .10 mercado pelo baratissimo
I preco de'63000 a duzia, ou 880 rs. cada nina, na
loja e armazem d" Pavao, r.a ra da Imreratriz o.
I 0,-de-Gana A Silva.
As Miaa do Pir.r.o.
Vendem^ee as mais linas satas bordadas asaga-
Iba 'brancas sendu da indlior fazeods que tem vin-
dofliste genero, inndo mua reda, pelo taraiissi-
mo prego de 10000; ditas bordadas a croch a
C<;)0 e-85000, diiar; com bahadrahos a 91000, na
luja e armazem do Pavao, ama da Imperalriz n.
1 60, de Gama & Silva.
; Vmm vestidos na loja do Barcia a lO^COO.
Cheparam para luja dn l'avao c> mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia
fic-r n'om preto,-e nelle pousando as mos- joa.ale.a ma'Sarga, todas de
cas, entristerem e morrem. Cusva cada fo- Teis cores-
Iba 40 ris: na ra do Queimado, loja da Idemtamoem-de sarja Lv.
Aguia Branca ii S. -e novos desenhos
dem idem brancas, lisas
Diversos briirfjttedos c ciitrctenimeRtoLJSfKJSS
* droes igualmente novos e bonitos.
para eriaoCaS. j dem de gorguro de seds achamalotada,
A Aguta Branca na ra do Queimado n. e muito encorpadas, para c nto de flvellas
8, recebeu diversos brinquedos para crian- grandes.
cas, sendo estradas de ferro, barcas e patos; ^ de seda preta e-de outras cotes pa-
electncos, appareluos de metal, leuca pinta- ra -': iuar vestidos, colleles, paliis, etc.
da e porcelana donrada para almo? e jan- ...t.m de 15a igualmente sor idas em cores
lar e muttos oatros brinquedos de madeir.'L 0 pira os niesmos ins.
que se vendem
Qucimad
baratamenl
o diversas ou-
ta.
na ra uo dem de slgodo-brancas
oja de Aguia Branca n 8. tras cres para vestidos de ch
Veas prefasdeeda para senhoras a! dem de borracha hrascas
8 ; A Aguia Branca qner acabar vea a por-! Novas e lindas guarn-ieocs
Co de meias poetas de seda para senhoras, soutembarques, vestidos preto manteletes,!.
e apesar do mailo maior pre.o que. lhe cus- lc-. obras do muilo gosio e modernissiraa.!' m* ( 0,)' l0Ja
sembara^ar.
Escovas.
Grande sortimento de escovas aara ronpa
ra cabello, paraunhas e para denles.
Lmelas e ocu.'os,
Finlssimos lunelos de um e dous excellentes v-
dros e aro de bfalo e de. tartaruga, a-^ini como
oinlos com rame dos lados propno para quero
solTre dos oculos.
Totiijuirihas.
Riquissimas lonquinbas de ti de linho, de se-
da e de laa para criancas.
Ptira o cabello.
A superior agua para atnpir va ca! ellos, as
barbas brancas e fazer couse va-los. (- Irascos
acompanha am rotulo que eusina a forma com
se deve applicar.
Para caspa.
Superior banha sem gordura em um ftif0
com agua propria para limpar a cabeta. t> frascos
acompanha um folhelo que ensina o modo como
se deve applicar, assim como agua baba-nica.,
opiata e pot -para limi-ar denles.
Banhas.
Grande sortimenlo de banhas em copos, im la-
tas (te folha e tm frascos de todos us tamanhi pi 1
presos menos do quecm oulra garle, assim com
muiios ootrosobjectosque naose pole meocl oai
e prelas para f01" ,1(lie : F0 no gallo vigilante ra do Crespo di
. ele, 1mero 7- _____________________________
fiara 'enfeitar | Riyaj Sfm SO>-um[0
ada, de bonitos
e lavradas, pa-
laram e o bom estado em" que anda estilo, i Tranca de seda com vidrilho 1, moldes no-!
cpmtndo est resolvida a vendejas a 5< 0 vos e mui bonitos.
ris o par, afim de.que ninguem mais calce' 'dem idem de cres tambejn de bonitos,1
meias pretasde algodo, ag>ia pois apro- aoldes e agradaveis cres.
vjeitarem aqaadra e dirigirem-e ;i ra do; Botoes para os mesmos fins,
de que tem-vindo ao mercado, garant
rem omita fazemla e enfeites sufDcienles para u
e peileito com o uso das pilulas ralbar ticas corpo e meneas, e vendem-se uelo barato preco
do Dr. Ayer. IOG,0 cada um, na loja dn Pa-iao, na ra d Im
Antonio Bento Vieiba. ; t*ralTz f!- d ^ama i Silva.
- .. ~ 7. ~ s esparlilhos du Pmo.
Coikiii ara,, dores de cabrea. Vendem-se um grande e variado sortimento de
Uuro-ProCO, 28 de marco e (801. espartilhos og mais bemfeiios quebm vindo ao
Atiesto que aehando-me atacado de uma mercak, sendo de iodos os tamauhus pelo baratis-
aKEBSrSWJK da Aguia Branca n. 6. Tam.;.s de seda
to de agulhz, sendo n'este g.-nero a maior novida-! nei!! v<>0dera as brancas a 15 0 par, e des-, m vlflnHMB e peni
ndo-se o te-; las o nico deleito estarem um xtuco iri-'-wrsas cres.
tnaiores e menore
lentes e o
miudeziis de lies portas, est quei-
mando tudo bom ebarato, ijucm qui-
zer ver e admirar veabam loja de
Bigadinho.
SCndO pre-' Caixas de papel amizade, e sem ella liso e paulado
1, en reliados a c.OO rs.
Uros de di- i Grozas de botSes do louca prateados fazenda mo-
i derna a 100-rs.
I Wem pretos de velludo lambU de sorti-; ttJSST S Z ttf. l '"--.
.....__;-oos lmannos. 40 rs.
O 3riliQ.ZCl (IcltirUrtl GStifl- t*n,,,ns ,le dus vidros com aro de: a^o, bufuld | Escovas finsimas para limpar denles aS40e
Zendo liqimda^iO detodaSi A loja de miudezas, % di Queimador*Sor6 i,a de r6s es,reilas Cl'ro t0wasi
nc nnlll'llflpc; r]a fq---'-iiHnG ** <5, receDeu ,im bello sortimenlo de lo- Caixas c'om clcheles francezes, superiores anall
tlO L[UullU peiras,
forte constiparlo que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soflfri horrivel-
mente pur espago de quatro das; entio
urn amigo aconselhou-me que tomasse pi-
lulas catharticas do Dr. Ayer: com ellas fi-
quei sao e completamente reslabelecido em
tres dias, de sople que eslou no firme pro-
posito de aconsemar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forem affectadas de
constiparoes.
Agostinho Josi': da Sb^va, negociante de fa-
zendas.
Irritarlo ^o estomago.
Ouro-Preto, 9 de marco de 1864.
, Attesto e juro, se oecessario fr, que. 6of-
freadO ha muilo lempo excessiva irritago
de-estomago, pouco apetite e difficil diges-
to, d'ella tenho experimentado sensiveis
simo preco.dei5, u5, e (550O, por haver grande
sonimenlo, na .oja do Pavao, na ria da Imperalriz
n. 00, .de Gama Silva.
Veudem-se superiores meias cruss inglezas pelo
baratissimo pre^o de 4(00 e ,5000 a duzia, ditas
de lodas as qualidades para senhora, menioos e
meninas, na loja do Pavao, na ra da Imperalriz
n. 60, de Gama .& silva.
I
Porto
le n r. :
r..... .; i--- est ^' .. por ;'*.. ;
le Ja aova, 55,C, 8Ja :':i-3, am
pie tu de mantetries, as a setMa 11 i
o#. fina da Imnetairij n VI, junt i
.imazem da i ; .-_..
Pared Parta
ltceben um rompli tu riinarnl >d
i'. '. :s:|i i-, re a 240 rs. ii c v:. ..-.. ,
:.: ( menino, fe>l.i.j u
Roa iia Imperalriz n. J2joai3
armazem da perla h re.
Parta
: para ceriu pira n<
! :. : i ;.i cambrai i sa tin.-. i
>- i., [es .i^ i...-'.. |* i,, ra ,.
e caii.br;.la r> :. ;" ,- >
oaei i i-- a < .,.
ja ;i ra larga n. 52, rea da Inq .
dara franceza.
i is Parta
: I '' relo ultim i i. ;. nn ,
. cim pedras p;r.
le I i para pecrrn :;. ra. R
3. o.', ariia.'-m da ; i:.: i
Pared*: I
V nde cortes r .... preto
I c, ral ra um -'.S'oo.




.
; Si ....
: .
Ha l'lia da ImOerariz D. 56 at- faufal e tartaruga, e os esl\endendo Il,.esirof f,a1r.r"' com -^P"''^ tinta a too rs.
........n..j: .7^^^"^V Vr nar nrp^ne r^m.-.ic n nrt.#,.ibnio. am. I PvPJ de *>rao para veslidos, fazenda boa a
L3uren5o Pereira Meudes Guiarles, dono do Por Pfecos razoaveis: os pret-ndientes diri-
frrande esiabeleciment, tem resolvido vender as jam-se a esta leja na ra do Queimado n. 16.
fazendas por menos do que em outra qualqoer
Pechioch
a 3SO rs. ua loja do Pavao.
Laziuhas a 320
Liazinlias a 32o
Lazinlias a 320.
Vende-se um grande sortimento das mais fieas
e mais bonitas lazinhas Balizadas com os mais
lindos desenhos, sendo fazenda que val cinco los-
Loinlirigas.
Ouro-Preto, 28 demarco de 18G4.
a 320
Liaiinhas garilialdinas, s Pafo vfnde
i e 400 rs.
- -- I Chegaram pelo uliimo vapor as mais bonilas
As pilulas (lo r. Ajer ^catharticas), fo latinbas garibaldinas eom fio de seda, sendo io-
ram empregauas com grande vantagem por dos os padroes miodinbos com as mais lindas co-
rnial em uma menina de dez annos que
soffria de vermes intestinaes, notando-se
que os symptomas que ento apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raimundo Nonato de S. Thiago, pharma-
ce utico.
Remigia.
Uma carta do illm. Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
o hombro e as costas, tomei uma infini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
tou completamente restablecido; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pilulas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e drogaras do imperio, e no
Rio de Janeiro, ra Diroita n. 15
Vende-se na ra Direita ns. 12 e 76 e
Hospicio n. 40.
Vende-se eai Pernambaco:
na
1PHARMACIE FRANCAISE
^deP.MAURER&C1!
RA NOVA N"
res a imitacao das sedas de quadriohos, e acabam-
se pelo barato preco de um cruzado o covado, isto
pechincha : na loja do Pavao, ra da Imperalriz
n. CO, de Gama & Silva.
Vestidos a i.->
Vendem-se cortes de vestidos a Mara Pia om
barras bordadas, pelo baratissimo preco de 45010
para acabar : na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinbas a Hit) rs.
Vendem-se superiores lazinhas transparentes
com bonitos padres, sendo lita* e dequadros, pelo
baratissimo prego de 160 rs. o covado. isto para
acabar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Cama & Silva.
Manguitos e golas a oOO rs.
Vendem-se manguitos com golas de cambraia
pelo baratissimo preco de S00 rs., isto para li-
quidar : na loja do Pavo, ra da Imperalriz n.
60, de Gama & Silva.
Cortes de cbita do Pavo
Vendem-se cortes de chito franceza muilo boa
com 10 covades a 2,5*00, ditos com 11 covados a
25600, ditos com 12 covados a 2J800, Isto s
para acabar : na loja do Pavo, ra da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
.Igasalhos para caneca de se nboras.
Vendem-se superiores agasalhos para cabe?a de
senhora oo cachins, sendo fazenda mais moderna
que tem vindo nesle genero ao mercado, pelo ba-
ratissimo preco de 33 cada um : na loja e arma-
zem-do Paro, ra da Imperalriz n. 60, de Gama
& Silva.
Cbales de renda a 10, m, 1S& 200 e 2, na
loja do Pavo.
Vendem-se cbales de renda preta muilo finos a
105 e 125, ditos de linho a 135, ditos de seda de
linho dos melhores qne ha tm chales de renda a
20 e 26'J, ditos brancos de tres pontas a 69, isto
parta, menos 30 por cento.
Camliraias brancas lisas a 3,->000.
Vendem-se camliraias brancas lisas a 35000
35_n(X),45, 45300, 35, S53C0 e 6J>, tapadas a 65300
e 75 : JUendes Guimares.
Chales de merm a 2000.
Vendem-se, chales de merino estampados a 25,
merm l:so a 35800.
Cobertores de algodo
Vendem-se cobertores de aigodo a 800 rs., di-
tos bons a 5600, 25 e 35300.
Cambraias de uma s cor
Vende-se a mbraia de uma > cor a 320 rs. o co-
vado.
Saias bordadas
Vendem-se tatas bordadas pelo barato prego de
Corles de camurfia
Vendem-se os mais modernos cortes de cam-
braia bordados, seedo fazenda de gosto, a 105000 e
125000.
Riscados escames a 2S0 o covado
Vendem-se riscados escoeezes a 280 o covado,
tiras bordadas a 15, ntremelos a 800 e 15.
Lazinlus a 220 rs.
Laa*inhas linas a 220, 210, 280, 320, 360 e 400
rs, o covado.
Corles de cambraia
Vendem se cortes de cambraia com barra a 35
" 35300, ditos sem barra a 25800 cada corte, Men-
ds Guimares.
Chambres
Sen lidies c senhoras
Os proprietarios da nova loja e armazem de fa-
zendas e roupas fritas na ra da Imperalriz n. 72
de Guimares & Irmo, acabam de reduzir os
pregos de suas fazendas menos 20 por cenlo do
que em oulra qualquer parte, alim de apurar di-
nheiro, assim como seja lazinhas de quadrmhos
sendo escuras a 200 e220, ditas mais finas a 360 e
4C0 rs, ditas transparente*'com listas de seda a
320 rs.
Panadas proprias para a fesla.
Vendem-se as mais bonilas bareges de laa e se-
da sendo escocezas as mais modernas que lem vin-
do ao merca-Jo pelo baratissimo prego de 360 o
covado, cassas fnncezas de uma s cor a 320 e
360 o covado, ditas com palnas solas sendo miu-
das e graudas pelo baratsimo prego de 280, 360
e 400 rs. o covado : isto na loja e armazem de fa-
zendas na ra da Imperatriz n. 72, de Guimares
& Irmo.
Saias bordadas.
Vendem-se as mars bonitas saias bordadas sen-
do bastante largas e muito bem bordadas [ elo ba-
ratissimo prego de 65500 e 7#.
Vestidos de larlataoa muito fina sende brancos
com barras de cres bordadas de la e seda seudo
os mais modernos qne tem vindo ao mercado e
vendem-se pelo barato prego de 95, 95500 e 105.
Manas de seda para homrm.
Vendem-se as mais lidas mantas de seda para
homem lendo de todas as core* pelo baratissimo
Vendem-se chambres para homem a 45, e s
para acabar, pellos de linho a 900 e 15 lenco de! prf de ,'5300' l&i00e '>M>0 : i.-lo na nova Io-
linho linos a 500 e 640 rs, colaririhos de linhoa ? de ,a?eniU\Ba rua da I,nl'eri"r'z ?*> de
300 rs., camisas francezas a 15400, 15800, 250OOJ buimaril" Ir.a,ao-
25240, 25500 e 25800 : s Lourengo Pereira Men-j Colarinlios da lindo para homem.
des Guimares. Vendem-se colannhos de linho para homem
Corles de ia sendo os mais modernos e melhores que ha no
Vendem-se cortes de la a 35, 35500 e 45500; i mer.cado |,el baratissimo prego de 55500 e 65 a
Cbales de merino eslampados a 2A.
Mendes Guimares.
Chitas para coberla
Vendem-se chitas para coberla a 240 rs., france-
za a 300 rs. o covado.
Cambraias de cores
Hecebeu-se um grande sortimento de cambraias '
de cores que se vende a 300, 320, 360 e 400 rs. o'
covado.
Casemiras
Vendem-se casemiras a 15280 o covado, fina* a
25240. 3*800 e 35 o covado.
20 rs.
Baralhos muito linos para vultarete a 200 e
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de macag perula muito fino a 200 rs.
Frascos e parralinhas com agua de Colonia a
OO rs.
Frascos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Caixas com 12 frascos de cheiros muito finos a
15400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Duzia de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua dentifice superior qualidadea 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
152OO.
Frascos com essencias para tirar noduas de roupa
a 500 rs.
Frascos com cheiros de todos os pregos a 100, 200.
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 5C0 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a
45800.
Gollinhas muilo finas para senhora a 200 rs.
Caixas cora soldados de chumbo para meninos a
160 r&
Pegas de fita de la para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Bnnecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonit?s estampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosas de boioes pequeos pretos para caiga a
varas de rordao de espartilho a 20 rs.
Novellos franre7.es com 20r ardas a 40 rs.
Pegas de liras bordadas a 640.
Duzias de meias cruas muito fortes e superiores a
35500.
Sebo.
Sebo em barricas e em caixas de uma arroba,
vende-se no armazem da rua da Cruz u. 33, no
llecife, por prego mdico.
tAIIHIOI.ET A VENDA.
Vende-se por 1505000 um cabriolet de duas ro-
das novo anda, pintado, moderno e com arreos :
na rua da Senzala Velha, cocheira do Sr. Thomai
Payne.
Vendem-se duas escravas recolhidas, de ida-
de 23 a 24 annos, excellenle conducta, engommam
Vendem se bonitos chales de merino estampa-
dos pelo baratissimo prego de 25, dilos lizos de
todas as cres a 35800 e 4$, ditos finos sendo es-
tampados a 65500, 75, 75300 e 85.
Cambraias In ancas.
Vendem-ce pegas de cambraias brancas a 35,
355OO, 45, 45300 e 55, ditas muito finas tendo
uma vara de largura a 95 e 105 isto s na nova
loja de fazendas .-a rua da Imgeratriz n. 72 de
Guimares & Iimo.
Riscados rscoccczcs.
Vendem-se os mais bonitos riscados escoceze
I para vestidos de senhora e propnos para roupas
de meninos a 260 e 280, chitas francezas escuras
i e claras a 240. 260, 280, 300 e 320, dras percales
' muito finas a 360, 400 e 440 o covado: isto s na
I nova loja e armazem de fazendas oa rua da Im-
peratriz n. 72, de Guimares & Irmo.
Camisas fraacezos.
Vendem-se camisas fraocezas a 15300, 15800,
25, 255OO e 35, ditas com peito de cor a a e
25500 : isto s na loja de Guimares & Irmo.
Colla da Baha superior
s
s
n fio rt^r/m?!1^, d Pavao' rua da ImPeratriz perfeitamente e fzem todo o servigo de uma casa : i Tem para vender Antonio Lui de Azevedo &
d. w, de bama & Silva. | Qa travesea do Carmo n. i. 1 c, no seu escripiono rua da Cruz n. i.
Com loja rna do Crespo n. 17.
Recebeu de Paris sedas em corle? mui-
g lo superiores e bellissircos padres, e
I chales de renda pretos para 105.
ust importante estabelecimento torna-
se recommendavel ao bello sexo pela *a-
gy liedade de fazendas superiores e beos 1
^ gostos
g proteja o bello si-xo ao Villar
83 e vero lodos a prosperidadp. I
mmmmmmmmmm'Si-mmm
DOCE
Vende-se 'le caj em calda, laranj.i, a bobera e
grnzella a 500 rs. a libra : na rna da Senzala-nova
numero I._____________________
Vende-se um sitio em Bemlira a' margem do
rio Capibaribe, com bastantes commodos para uma
grande familia : traase na rua Nova n. 24, das 9 guypor'^ JarT^" ie'nos~de seda ~pv
nhora e homem a 1, ros certa de avaaWaa
'
' lo, l; !.'< : '
tarja, a 3:0 1-. om lina da '.a ,
,:.. ; 7.: 1 >'; porl 1 I.
Pa ta PW 1
T r;> 1 ra vei -< : fii
iie lioriu ro !Oi 7
linho para 1 c, ','.' 7011 -. 1 1
iDlio^h' '; I ifl i 3
ra Pana
Vende i", res d ... i r ia I
. st< 105 12 S : 1 loa -
r PI il 1 : : > ciill 1 a :
K>5 21 '. larUtens 1 rica 1 : 1
rs. a vara. Rua da In ; ra ; m i
arpa n. Si.
Reapa feiu
Roa da Imperalriz p. 53 araaaaeaa .
ca unto a padaria franceza, ene nin 1
'abelecimeDto urn rompido serliseeal 1 aV .
;ac,'os i- siil.reca.-acos, c u das .i- .,
;as, cul leles, cern:.-, eamis, 11
chapeos de sol, ditos rraorrtn pai cal
pregos coronado*, roopa pan n. : n 1 tira
muitas fazendas por jirecos roibiiv ii. >. tm
da pona larpa.
o mesmo e-tabelerimentj encontrar r
tavel publico, sempre urr. comp'eto .ortrm-'n
roopas feitas de lodas as qauisMes', er mo m -,
palitos de alpaca preta e de cdr,4ii s ',
cosa 45 e 35. ditos de hnro par Jo a i-l"1 i
:I5300, dilos finos a 15. ditos aaeias r .
353OO, 45 e 55, dito- cazemira atceoa a 65. To. H
e 105, ditos sobreeaaac a 10 e 125. UM i; ru-
no saceos a 65, 5 8 105, M sobr taraiw a I i
e 255, ditos de merino preto a 6,3, "5 I". <
gas de brnn de diversas quaiiJades a I >
dilos branci.s a 2550U e 6500, mt" i;.;i bm
65 e 75, dilos pri-tos a 5, (;5, ^i 1 ln.
meias cazemiras a .'!5 f 45. cielos de div
ooalidades, seroulas franc-zas ue .-.'.- 13 >, tit ti,
llobo, ditas de bramante a 25 e Ij|fi00, raaaa
aiBodu di- bobo franetzas Je 2534.-0 e .5. 6fae>
de perhirii'ha oeste geoero, grvalas qoalidades e brancas 1 >-a ra-meni.. traod -
lmenlo de meias para .--. nb' ras, duas para BMBtsa
a :>5, superi.r>-s a Xi:,. u < i.J.
t'm com ii-t 1 sortimento df rhw i
ain.ua a 35, clii^s de .-eda a 55. 7-5. I(J5 1
uos francezes para iab ga, grande sorum-aa*
a 65-
PeellifiCbl a!iur;nc!.
Grande sr.imi';::.1 .; cbaronres a i5i->i .>:
lenges de cambraia para homem a 2-5 a doz'-'.
ios de linho a 45 e 9$.
Grande aottimenlo i!o ronpa para mennc-
ras muitas qoalidadesqaia seria eLfadoobo nu;.-
eiona-las.
Fnzendas.
Vende-se anperk r mtriod areH prop.-io para ;
pa> de senhora e v-slids a 25. lu-ltim da Cl..n.-.
15800 o covado. Hua da Impera!; iz, perla 1
Paredes Poit>).
Vende emseu rstabelecimento tiras e enir^rreic
bordados, grande soriimnto de (watahH 'H-
menle bordados a :15, i5 e 35- S a Par>-d^- '
to, rua da Imperalriz ao 52; porta larga jui:iia
padaria franceza.
Paredes Porto
Recebeu pelo uliimo paquete franrez ricas 15.
granadiuas com Aereada s-da a O 54 r> n
covado, estao aeahando-se, cambraia preta 1
luto. Pona larga junto a padaria fraaetza, a ma
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Vende nm completo sortimento de IstMutai
brancas, como sejam madacotlo a IfMI, 55. l>5 t
10, pegas de algndi.i ir barato rre.'o, rhua '
ana a i, 180. MO. 380 rs. ocrarK \**<*%*s
muilo finas a 360, 400 rs. o covad rhila :i_: -.
a 200 e 240 rs. o covado. Hua da Imperatriz .
52, junio a padaria fnnceza.
Paredes Po to
Vende cangas de cor pronria para roopa Ar m
nios a 320 rs. o covado, ri*t*< frmi-iz iiri 1
320 rs. o covado. Roa da mperainz o. 32, |ajajaa
a padaria franceza, p ra la
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo D3 ;.t :te e-r>anPhns a ; re-
horas as 4 da tarde.
Vinbo do Porto superior era caixa de duzia, bordados de I8 a 7?, r" t-r um t qoe de m tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve- estao se acabando, na \ i [m;-rra,.r:: -j "2, po-
do i C, do seu escriptorio rua da Cruz d. 1. to a padaria franceza.
II
FfilVFI 1^


Diarlo de Pernamluo Quinta ttlr* 9 de .\oveinbro de 1 *
A Iota de fazeod^s de Augusto Fredirico dos Santos Porto, acaba de receber um mni-
to grande e novo sortimento de cortinados bordados para cama de noivos a 35, 40& 4o#,
5^o Lindas mantas para gravata, de variadas cores, a 1*500 e 2*.
Cachiuez de la de diversas e bonitas cores a 35500 e 4*.
Chales de guip, fazenda a mais moderna, a 16,5, Wi 22* e 2o*.
Roiondes de gup, tambem os mais modernos a263.
Colchas de seda de cor para cama de m.ivcs a 53* e 605.
Al.-at.fa de linho para salas, fazenda larga, bonita e de multa duracao, a 600 res o
Tapetes grandes e pequeos, cen ricos deseuhos, para sof.
S;j:s bordadas para seuhoras a 75, 5. 95 e 105-
Cafas e souleiubariiues de seda preta para senboras,
Boaets, chapaos o chapellinas para senhoras, dos gostos mais modernos.
Chapeos elegantes para stnhoras, a 125.
Pccinhas de linissuna bretanha de Huno a 7*o00.
[ aazinhas do .(uadros a 320 rs, o covado, setim de Pars a 700 rs. o covado, e cam-
braias francezas de cores a 300 e 700 rs. a vara.
lindos manguitos bordados, e outras multas fazendas que fe venden por precos razoave
inclusive ,
Esteiras da India para forrar salas
CORTES I*E SEBIA
Chegaram pelo paquete mglez riquissimos corles de moreantniue de cores, e seda lavrada pa-
irees nteiramet.te novos. 1BAA* J
Seda de quadros por 1$000 o covado
5RA DO CRESPO-5
Gregorio Paes do Amara! fe Coiupanhla.
S^ "> X ----------
piexm^
RUARTE HSSEbkz
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de pregos,
9B4BHS8fiS^S^{tttto deste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Carino n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Receberam Gregorio Paes do Amaral & C. mais um completo sortimento de
FILO lET
Manufacturado em Challes
Points
Algeriennes.
Itotondcs.
Africaines.
Annamites.
Pompadoan, ele, etc.
Desde 105000 a R050CO,
CIIAPKOS A KXFOSCAO
Novo modello de chapeos ingleza de li.iissiini palna para senhora com una
ampia banda de tifo de cores.
CAPAS
de la preta e de cores proprias para luto, ou passeio pelo diminutissimo preco de 10$.
Seda matisada em pegas
padrees modernsimos pie faz o effeito de um vestido de subido preco. Assim como :
ricos cortes de moireantique brancos, 'o cores, de gorguro lavrado de BlonJ para ca-
samento.
Magnificas grinaldas e mantas.
Colchas de seda portuguezas.
Cortinados para cama e janellas.
Camisas bordadas,
e outros muitos objectospara noivado.
CORTES ME TAKIiATAULA
com enfeiles de cores da mesma fazenda, o que lia de mais moderno,
CACHENEZ
de muitos bonitos padroes e feilios diferentes.
E outras muitas fazendas por precos commodos que venden
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
5 RA DO CRESPO 5

Para vestidos re senhora.
!3 de seda de cor de bom gosto e superior quajidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
I, ns rooireantiques de cores.
Grosdenaples da todas as cores.
I i |ospoiU"cbevre fazendaassetinada de mteira nmdade.
i las duquezas assettaadas fazenda inteiramente nova.
Modernos greaadines de seda o que ten viudo de mais noi
Gr.iriJe variedade de las de cores litas e de salpicos.
i h |{4>dys e <-a sus de muito bora go>to.
Pereas modernas cem grande variedade.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en- j
genbos, lavradores e mais pessoas lo Centro, que para mais facilitar suas compras deli-
f) beraram os proprietarios dos trs grandes armazens, reunir todo? os sens estabeleci-
Hi atentos em um s annuncio, pel> qual o preco de um ser de todos, promette-
&P |aS que nao infringiremos a tabella que abaixo va i publicado, annunciar os gneros
jx, por um preco, e na occasio da compra quererem por outro, como socede constante-
aS mente em outras muitas casas, porm nos nossos estahelecimentos nao se dar isto
off) ainda mesmo cora prejuizo nosso, qualqner pessoa poder mandar seus fmulos que
3JS; serlo tanv.em servidos como viessera pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos ern cartas feixadas; para evitar qulquer engaos, remetiendo nos urna conta
% cela qual se ver os procos ..tal qual annunciarmos, o qtie senao arrepender pessoa
ty:$i alguma que fizer sna despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
e
o
4m
cada um em seu car- &
lii i ii i'.rir mente novos. aw
B .ns .res de cassa co.n barra tambem inteiramente novos e outras mudas
. i
I t
5rtes de laa Clotilde com todos os perte
5 por cento na sua despeza diaria.
fazenda
de gosto
id
ne seria enfadonho mencionar.
Para hombros desenhoa
(.rao le variedad.- de chales, bournoux, retondes e algeriennes de
guipurt! a 10. 16, 40, 30, 40, 00 al 80(51.
M : rnos utembsr ues de seda de superior qualidade.
I. nd is bci tes do seda de cor pretos e de cachemira.
. de cambraia branca bordada com mnito gosti
Saulmbarques e bournous de cachimira de cor
fil e
liom gosto.
Clotilde':
e outros muitos artigos de<|&
w
Para cabera re senhora jg
Sup irior. s chapelinas de palha, de seda e de crina de muito bem gosto a im- '~if
i' ralrfo. J&
Cl.aiieos de | ha da Italia grande \anedadc.
Limfis gorros e bonets de palha de Italia, Imper. ni/., Canotier,
e i;r,nte, chegadns de Paris pe'o ultimo vapor.
Qr :l |e v,;.. |a |. de enfeites defroco e de llores para casamento.
S [i : i tres vi stidos de blon le, e de m ireantique brancos.
. ., i mtiqnes brancos e s.iperiores sedas braocas.
I.. ,s ve i: i.'- d tarlatana brancb bordados.
Luidas mantrs de blonde e boas capellas. <
Bordados.
Grande v riedarln de entremeios bordados transparente e tapados.
T as bordada* transparentes e tapadas, buhados bordados, saias bordadas e
utros muitos artigos.
iNToNln i ORREU ME VAS ONCKI.LOS & C.
Itli l> CRESPO m. a
i

) E

J2B
L
i

boa f
Imperatri n, 74.
na ra dal LOJ 00 BUA FLOR
'i- { riles para cabida a 2?5>"l)0.
-i alisar > iO.
U i .'"i i Irajia .le metal hraoco a 500.
;,.. deotes a lO, SM) e 800.
ni [i ri para i-optara a 300, SO e 15-
".- mi U Unas para seah ra a 30L' 6 MW o
\a roa lo Qneima:1o n. 63.
Nesta loja por to los os va^ res s receba luvas de
pellica braocas e decores, tanto para homem como
>ara senh. ra.
Vo'l's, c iizes0 brincos.
Cnegoa no qIiiujo vapor um graode sortimento
de rollas e cruz s, imitando cornalinas branca?,
isa "!1 n > i'1- lo gaz a 700.
100 eovelopcs a 00.
ni ipel pautado a 700.
na le );.pel almaco greve a -^00.
r ta >ra esc 3o 110.
.- i1 garlos de balauco a iiUO tifijiH).
i >- cruas para hon..iii a 2i.O .; O o par.
. -tes de todos os lmannos a 100 a carta.
iinho peca SO i0.
a > para vestido a 30 r>. a'peea.
, uperial pe; a W rs.
com ubreias muito boas a 40 rs.
; rain i (n cartas linas a 2i0.
i ,. Je iiiiao J- looca para camisa a 120.
i : le madreperola rooito fios a 640.
(,\- rte corxele muito bons a 40 rs.
ln ccrxeles muito b ns a 60 rs.
. .vatas .!* seda prela e de cores a 500.
' i .....a a 800.
,i- muil i linas para rar;. !.
' i m n pelo sor intento ,: i> por ni -n is iio (|ue em oulra qualqner par-
ra se aparar duilieiro.
. assim como brincos da mesma e de crystal do mais
apurado gosto que se pode desejar, fol s quem
receben : na loja do beija-fior, ra do Queimado
u. 63.
En'cilcs para coque.
Assim como lecebe enfeites para coque e ou-
! tras umitas qualidades, qae se vendem maii barato
' do oue em oulra qulquer parte.
[fanecas qu ehamam mamai e papai.
Tsndo recebido om grande sortmeoto de bone-
| cas que cliamam papai e mamai e movem com os
: olhos, mnito bem vestida?, com cabelleiras, o
j que pode baver de gosto oeste enero, e vende se
' mais barato do que em ontra qulquer parte.
Bilaios.
A>si:n como um bonito sortimento de balaios para
menina de escola; tambem ha muito bons pentes
para desembarazar, guarnecidos de metal.
Venderse barato o sobrado n 21, sito na ra
de S. Pedro Martyr, em Olinda; e um terreno onde
se acha edificada grande parte da cidade do Rio
Kormosn, o qual terreno estende-se da miitriz at o
trapiche : a tratar na ra da L'niao n. 37.
MAMTEMiA
Manteiga i gleza perfeitamsnte llr che-
Igada ltimamente de l.oooa l.loo rs. a li-
bra, e em barril ter ahatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8Go rs.
a libra e em barril lera abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a Gio rs. e em
barril ter abalimento.
Cha uxim de primeua e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hysssn o melhor nest genero a
2,6qo rs., e sendo em porc3o ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio
2,4oo rs. a libra.
dem preto's'uperior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
ISi.seoiitos
Latas com superior biscootn inglez de di-
versas marcas a 1,2oo rs a lata.
B:^ehln!ias
Latas com bolachinlns da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a hit i.
dem com qaatro libras de bolachinha de
soda a.ooo rs a lata.
Queijos
Qaeijos flamengos chegados no ultimo
vapor a 2,5oors.,
sado a 2,3oo rs.
CIincOLATE
Chocolate hespanhol a !,ooo e I,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porcao
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredf*
tadas marcas, comosejam: Madeira Secca,
Hoque do Porto, Jfelho Secco, Lagrimando
Douro, Mara Pia D Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e O.ooo a 12 ooo rs. a dazia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a loo c aoo rs. a garrafa, e a 3.ooo,
3,5oo e l.ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a Gio
rs. a garrafa e a 4,ooo rs. a caada.
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers o* Bell. T. F.
Ashc a 7,5oo c 7,ooo rs. a 'uzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a o.ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
cnida e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais biixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite dore
Superior azeite doce de Lisboa a Goo rs. a
! garrafa e a 4,Goo rs. a caada.
Massas
Macarro c talaerim a 3G0 rs. a libra e a
o,ooo rs. a caixa.
PftMflg
Superiores pissas a t,5oo o qr.arto e
5,5oo a caixa de arroba hespanhola e a 32o
rs. a libra.
1
O
QEEBRA
Genebra de laranja verdadeira a Io,3ooa
du'ia e I,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Dolanla verdadeira a 6,ooo
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
ldom de Hollanda em botija; a 4oo rs. ca-
tambem ha do vapor pas- ja ums.
- Garrafies cm 24 garrafas de genebra de
Hollanda a ,oco rs. o garwfSo. Tambem
ha garrafijes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
G,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermarete a Goo rs. a libra.
dem de carnauba dlo a l2,ooors a
arroba e de 3Go a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em 'atas j preparado de I,ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e paitico muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 1G0 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Ch'irutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: JoSo Furtado da Serrias,
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Recite, esquina da Madre de Deus.
Granile soimenlo de blendas par aUinHo c a retalho. t um efmlet') srli
mcnlo de penpa fciln, ilecascinira edeb'im, tu! por men- qie ea
oulra qulquer parle: quem duvar venlia ver.
CALAS
de lindas e finissimas casemiras escuras e claras, de superior caseroin preta, de fnes
bros brancos e bom t-rim pardo.1
Paletos
de superiores casemiras escurase ciaras, de lina alpaka branca, de superior alpaka pre-
ta e de brim pardo.
Collcej*
de boas casemiras pretas e de cores c de lino brim braceo.
CAMISAS
Superiores emisas francezas de 2-> ate -$.
Cero tilas.
Ceroulas de superior bramante de lino linho.
13: Superiores baldes de arcos para meninas tle 2 at 12 ani.".-.
dem superiores para senhora.
Cira va tas c mantas.
Superiores mantas para peseoro de homem, as mais modernas do OMok
Madapoln.
MadapolSo bom a 8& 0$, 104 g I2,s.
Chancos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda bailo a 105.
Fraques de easemlra.
Fraques de casemiras, preta, escura e de cores claras, e nao havendo que sirva
ao freguez tnanda-se fazer por medida e com omita prompdSo.
Todas estas fazendas por precos nsigniQcanlissimos, pois o lito do Nb ad-
quirir freguezes.
LOJA DO BALAO
DE
AZEVEDO & FIOIU:**.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em M.'^oe| peixo"t() da Silva Nelto, Castanho 4
anchetas de 8e9canadas a 24,ooo rs. a an-|FJ|h0 e Brnn(ir,0 e je outros muitos. Os
coreta. qnaes vendemos pelo mdico preco del. Goo,
Superior vinho nranco proprio pmj*"|s, 2,800, 3,5oo, 4,oon, e o,ooo rs. a caixa.
Idcores
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ba mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
Caf do Rio de 1.a e 2,a qualidade de
6,8oo a8,2oo rs. a arroba, e de 24oa28o
rs. a libra.
Ninlo
Sabo maga deprimeiraqualidade de IXo!perche e outras
a22ors. a libra e de 16o a 21o rs. sendo Tambera ha latas grandes para l,2oo r*
lata. v
Licores francezes e purtnguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces.
Doce da casca da poiaba e caixocs pe-
queos a 7oo rs. e de oo caixes para cima
a Gio rs. o caixo.
Frats
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem rafeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
frutas a o) s. a lata,
a
1ac
o dos iliTihi rus de orphSos defunics c swpd-
i ';-. |acpntP5, legado?, etc., rontrndu ri.ii
ii nto tfe .listas e a le geral das exi en
orno tambem todas asorden* e avisos di
; ludo 'i;1 explicado, unto a respfi-
das obrijiac6>s Inherentes ao carpo dos dilferen-
le empregados de juslica e fazenda, como dos di-
k r.r-'-nna. : e emolumentos que san devidns
!v i c rilando mais aV 700 paginas ero ntida
ress brm papel, e prestando-se a ntllidadc
di dlTerenles classes, lorna-se reeommendaval
ii.-io 105(X)0 por cada ejemplar em dou*
-
Veoile-se oa ilagi-st para passar a fesla, e
mo pw auno, una grande casa e sitio com ar-
. retos d frncio, ooira .lita pequea junto a po-
ida Var/.'a e lo rio Caplbaribe a tratar na
. de llnrtas o. 2, Io andar.
ClhLES
brande peehineha.
>'. rua da'Iraperatrli n. 32 porla larga de Pare-
des Porto, vende-se etoles de merino estampadla a
-500 e finos SJ>, e.-iTm se arabando.
Rordados.
CtWffHi a loja de Paredes Pito, roa da Impera-
l:; n. i>2. um sertimento de camizinhas, gollinhas,
ih romerras c sintn<, dn rambraia branca.
' -.ralo T'Qode i',500, 3abOO e 4J, gollmlias
31 r.. roinciras a 8(-0 e sintos a 800 rs, grande
Mjde de entremeios a 600 e 800 rs. a poja,
esto se acabando.
r% de ler sen.pre cowa nova : a loja de l.ar-
>', l.eiro rua estrella do Rosario n. 3, ao p
&, da i?reja.
*
Farinha a 3#5' Vender farinha de mandioca, saceos grandes :
nn armazem dos Srs 1 asso IrmSos, na ponte nova'
pelo preco cima mencionados.
colares Roycr ou colares ano-
dinos
para facilitar a dentico das crianzas e preserva-
las das convulsSes.
O felii resollado oMido immen=as vezes pela
prodigi isa f>rca magntica dos colares Royer, nos
casos de convnlsoes, e dentieao das crianzas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
e hoje j se p'lc di;er que estao geralmente eon-
ceituados, e estimados de rnnumeraveis pas de
familias : de ur.s porqne do uso d*sses salutares
colares viram salvos ao perigo seus charos filhi-
nhos, e de outro? porque colheram daquelles lao
proficuo exempln >ara iiialmeoie preservar os
seus. Assim, pol-, aagoM branca, tendo em vis-
tas a utilidad.; e pr.-veit- desses prodigiosos cola-
res anodinos ou R'.yer, maod)U vir o novo sorti-
meLto que agora recebeu, o continuar a recbe-
los para qne em lempo algiim a falla delles possa
ser funesta ao< pis de familia, os qoaes flarao
certos de os acharconsiantemente na roa-do 0'
i tnaao, kja d'aguia branca n. 8.
em caixao.
CSf
m
m>-^m^^
^
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macaas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Fruttas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos lor.drinos pelo ultimo vapor.
Queijos flamengos frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo uliimo vapor.
Tudo se vende barato nos seguimos armazens:
Rua do Imperador n. 40, Verdadelro Principal.
Rua do luelmado n Unln e Commerclo.
Largo do Carino n. O, Progressivo.
ILEGVEL,
n>%M
HINCHA
NO
AMMAmWHL 1#E WAXEmBMM
RUA DO QLF'MADO N. 27
CUSTODIO CARVAI.IIO C.
Peras de madapolo fino francez com 22 e 1|2 varas e com um perpieno toque de
mofo a 85000 cada peca.
Cambraia branca para forro a 1600 a peca.
Lencos de cambraia para homem e meninos a I 600 cada duzia.
Cambraias organdis muito lindas a 600 rs. a vara.
Cassas de cores a 26o rs. o covado.
Laas de cores rcuilo lindas a 3>0 rs. o covado.
Rua do Queiniado n. 7. armazem de fazendas.
Qga ^>,, rsa &axg~>{Gfi ssta- _aaa
A10DA.
Paredes Porto rtcebeu pelo ultimo paquete ura'completo sortiment de capas e
bournus de cores ricamente enfeitadn a 12?, 155 e 20* : na rua da Iraper.ilriz d. St,
loja da porta larga junto a padaria franceza.
No armazem da rua do Imperador n. 3 ou no |
Caes de Pedro II n. 2, tem para vender-se o me-
lhor gaz existente no mercado.
~Vende-se um eylinlro, urna masseira, urna
balanza grande e urna ditx pequea, com todos os
pesos e mais utencilios de padaria : a tratar na
rua Direita n. 24.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descaroear
algodo : na rua da*Senzala Aova n. 42.
CAMBRAIA.
Cambraia de forro com 8 If2 varas a pega a 25,
est-se acabando : na loja da porta larga da rua da
Impcratriz n. 52, de Paredes Porto.
C3-
Vende-se urna taberna
Vista d. 12.
na praja da
avarindo.
Prancez barrica 5*000
Porilanri dem 8*500
Em perfeito estado: ____
Francez barrica 10*000
Portland dem 12*000
No armazem de Tasso Irroios ees 4o.'Ap Notidade.
Chegaram os bonitos chales t relondas 4*
re brancos, e vendem-se na ro da Imperatnz a.
52, loja da port? larga, de Paredes Porta
Chales de renda
PaffOs Porto, w rtra da tePUtrl I?, pactt
largC vende enates o> reada de rea en* *-
oo tgu de mofo, a 3|SW 4*Vlnca* a **
K I
I


Diarlo de remataba* Quinta letra de XoTcmhr de *. **
s


60 PUdUCO
aem o menor constran.
glmento se entregara o
Importe do genero que
nao agradar.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
\~
HEWPEIX.lVEli IH BI.ICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
lem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 om magnifico sortimento 'de molhados,
que sendo em sua maxim parte mandados vir directamente do estrangunTpodem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm affiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2.; Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharSo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
nanitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo prego que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio inieresse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do qtianto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A MMHEIRO A VISTA:
i
tabella para todon, pu-
dendo attsim servir de h&-
se para o ajuste de contat
com os portadores.
JVIMI
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Concelco)
PARA BEM DE TODOS,
Senhore
eza com que ser;
rra dos gneros que
pois sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afi'm de" ^ da vil
ta rarte. *a em
Manteiga ingleza especialmente esctlhida a. Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
Ra do uvituau um. & e .*.
Continua a tender loa- as mwcu
declara por presos Massos de fiahtos nados pan trates a [ < -..
i Espetaos de molduras domada.- a iu\ J4U
Houets de oliado para menino; : I
Ditos dt couro soperivr faiteada a I. B.
: Frascos com suptriur dula n raa ? i4u r-.
Sitiadas de Imha froxa para iorc;.'
I Calas coa IOS wfkfw.JMcadi I ti \
Crozas de peonas deac, lutada
rozas de Lotes maoreteri a (.tos a
e 4U rs.
Caixas com 30 novellos de iw!.
Caixas com superiores- obreas C. ..
P( i;a> de tila branca elstica n l
Varas de franja de la para ttU
4o rs.
Haraltioa dourados tsperlore aa; j ,
Nuvellos de liiiha rom 400 jardas i I
Litros para asenlos de roapa l..-, > tOOn
Pares de toldes para junte., 1*71: r
Tesouras para costinas superu-i* -
400 e l.
Caixas de peonas de calligraplo., ,m-,
i000.
Maesos com sui rk re crampos a :; -
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito iibras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a......
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os l-
mannos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
' a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2000 a garrafa.
II
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a i#800 a lata, e
de cinco para cima a 10700.
dem de so la em latas grandes a 2000 e
de cinco para cima a 1>S00.
Btscotros inglezes de todas as qualidades a
ltuo, 10250 6 10300.
Bolo francez era caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas ingle/as.
Bamia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a GOO rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a i #500 a libra.
CiioLiucAs muito novas a HO rs. a libra.
Caf a 240 e 200 rs. a libra, e em porco
se far abatimeuto.
Ideal de primeira qualidade a 7)5000 a ar-
roba.
Conseivas em frascos a 320 ra. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orebata, etc., etc.
CmcAttAS e pires a 1^800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timeuto.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais aereAadas marcas, co-
mo sejam : Normas dTlavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Begalia, Mississipes,
Panelellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, bysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 2^000,
22"0, 2:vin0 e 2>800.
Copos lisos de lodos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 20300, 35500, 45 e 55.
Cauces de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Ro, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
Graixa era latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
SCH de Wasser a 25 a garrafa.
LATAS cora graixa a 80 rs. cada urna.
Letiua a 400 rs. a libra
11
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
M&rmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas unas para sopa branca e amarella a
GO rs. a libra, era caixas com 9 libras a
35500.
Miliio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
m
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras ingleas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a I#(.00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
ras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadiuha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em q jarlo a I#400.
dem muilo novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
<*
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINIIAS OU MOIUNQCES a
II
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 1-5200 a libra,
dem francez a 25500 a libra.
S
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
fjz aba ti ment.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 8#.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a -100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e prela para escrever.
V
VINHOSI
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Viuno do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de S caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e ooo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missaem caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a I6,ooo, I5,ooo,
12,ooo e 1 o,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
l,ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartoes com bolo francez muilo proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a .libra,
dem bysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz'abalimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra,
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feij5o verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez bespanhol e suisso a Ooo,
I.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li- j Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo |
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Reato Antonio, em lata de 6 li-
cradas e das melhores qualidades de pei- bras por2,5oors.
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francezas em raco,de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a 10500.
lani| a
Rudlohas i-0Dia!(jL>ies frMcesn r. : HtpttftM
a O rs.
Resmas de papel alosado a ?;''
Escotas para roupa, lateada be* 1 iSII !.
Duzias de ttscuras lom loum :r ...<-
600 rs.
que vem ao mercado, a 5oo, 56o "e Oto tSSJSlUt^m
a garrala, e 5,800, 6,000 e 6,5oo a du- Pulseiras para u eaiua?*< rs
Zia. Hilas e vollas para su.iia 560.
Sal refinado em frascos de vidro com
do mesmo, a ooo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas ,!lizia? de faras e fitU,
Cevadtnha de Franca mu lo nova a2oors ^fcA*MF*Mt*rt"Ki
f.hariiiric .imiT.*.,. a luuuva/ azoori. Frascos com superior femfca a tt :< -
unarutos do aflamado fabricante Jos Furta- td.n, .1, FOBtnot oleo t,ai.1 -a a 3-1
a imrm
fraDCezes' etc- elc! Smisso 1* /SSb
D. Luiz a 15 a garrafa.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
irvadoce a 400 rs. a libra.
FARLNHA SS S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15-500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
Moscatel verdadeiro de Selubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelo6 a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posico alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Rordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 10 a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 18(5.
Bilter Maurer a 15 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 205.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
caada.
Attencao.
Cambraias.
Parede Porto vende camLrajas lisas nas, gran-
de sorii.-nenio, a 3 at 64, ditas Victoria muilo
finas, com 10 varas a 65, 650 e 75 : na ra da
Impertirii n. 52, junto a padaria faaceza.
Sellins inglezes com borrenhas e lisos, silnoes ._________ ____
para montana de seulwra tarabem iguaes, chicotes' TT ~i T 7~
para carro e cabriole!, e para montaria, todos de ChCrUCrB aOS COI'piDhOS de Caillliraia
faaleia, fundas cora elaslicidade para ambos osla- Vemtem-se corpinhos de carobraia com entre-
dos, e uniros muitos objectos inglezes, e brides de meios a 4 e bi, eso se acabando : na ioja de
Ipojuca : lodo* estes objectos vende-se na ra da Paredes Porto, ra da Imderatriz n. 52, poria lar-.
Cadeia do Recite n. 31, Ioja de selleiro. ga, jun.o a padaria franceza.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
piros Delicias, a 4,000, 4,500, 5,000, GravaaTde'rrVs,'hu<\i -r'(M.'i
0,000 e 7,opo a caixa ou em n eias. Papis de aguihas, fundo iomt. feo.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Ilavana, inlervallos. Vencedores,
Panalellas e Suspiros, a 2,000, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melliores marcas, a 800el
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cb para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8ooo cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a fioo rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemenletem viudo ao mercado, a 2,000
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo,e l,5oo o frasco.
Caixinhas com frtelas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l.Ooo, 2,Ooo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellenle peixe portuguez, em
Larris pequeos ou a relalho, a vista se
far o*preco
ISTOL
a caixa e 64c e 7oo res a gar-
a 48o rs. a botija de
8,000
rafa.
Genebra de Ilollanda
cpnta certa.
Frasqueirasde frenebra^de Ilollanda a 6,800 a Ooo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
e 64o rs. o frasco. I Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
Genebra de laranja verdadeira em frascos! o gigo com 36 libra-.
grandes a 1,000 e 11,000 rs. a frasqaeira.. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio de i1 qualidade a 28o rs. ali-i 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. j Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-1 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8o a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza ros melliores fabricantes,
arroba. i a Soo rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-1 Mostarda franceza cm potes j preparada a
roba. 400 rs. o frasco.
Painco e alpisa a 14o rs. a libra e4,oooa Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. ^ sopa, a 200 rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 6 io Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta- 15 a garrafae 11,000 a duzia.
lho. Palitos de tiente a lio rs\ o maco.
Ameixas franc^ zas cm camillas de diversos. Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
tamanhos com bonitas esta:; pas na ca- 8 garrafas por Goo e 800 rs. a garrafa,
xa exterior, a i,4oo, l,6oo, 1,80oe 2,ooo j Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa c
cada urna. 1,80o cada urna ancoreta.
Azeitedoce refinado hespanholou portuguez,Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,8oo a parrafa, e
24,ooo e 26,000 o pigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosemsextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Ralaios para ronpa suja, grandes e peque-
os, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a O lo rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs'. a, garra-
fa e a l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a parrafa.
Vinagre branco j engarrafado a oo rs. a
garrafa.
&$
'v

mm
DO AFAMADO JOUVIN.
Vende-se pelo proco de 2J o par luvas novas de pellica de Jouvin, chegadas no ultimo va por
para homem e senhera : na ra da Imperatnt toja de miudez s d. 54.
i 1
eZt
C5 tf.
Vi
IfrSIl
CD S
B.I
B .
-a "
o
3
i?
M
i
X 09
, O cnoq
o 3 =-a S--o
3.9 & a g. o g.
_ o Q- 5
a. i
C O -J <*< ?o o?
m(t fl o 5 Q,(t
?? v. "O o: _i
O 03 -1 <; CO"
O 1
1S.3
1 S-.a'Z
6? C
en
o

3
2 w
en <
u
B =.
O)
o ir. &:
o ~
a

"i
b>
ss'
-I
a,
3
la
s
a
en
2.
S"
OQ
-
f[
BI
trafralhar mo
descaro^ar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C
BLDA1
i
liara
Tasso Irmaos
Veodem no sea arinazem ra do
Amorim 11. 33,
Licor flno Curago em iwtijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com rolnas di
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Cbamberiin.
Hermitage.
Horgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Vendem-se palmearas imprias, era estado
de serem transplantadas: do sitio morado es-
querda, depois, do Lecco do Espicheiro, aos Ai-
nietos
Estas machina!
podem descaroca?
qualquer especi
de algodao seu
i estragar o fio.
' rS^rfjJi sendo bastante
__ duas pessoas para ,
^otrabalho; pd* | cor grande 1
descantear unu
arroba de algo-
do em caroc(
em 40 minutos.
ou 18 arrobas
por diaou 5 ar
robas de algodc
limpo.
Testamentos em verso.
Continuara a estar venda, na typogra-
phia dr ra do Imperador n 15, defronle
de S. Francisco :os leslamentos da Gali-
nha, do Gallo, do Porto, do Leiio, do Galo,
do Peni, do Carneiro, da Onca Tigre, do
Cao, da Hyena, do Rato, do Orangulango,
do Macaco, do Huno e do Vigario ; i Peieja
da Alma com o D'ubo, a 160 rs. cada um,
e a 10U rs, a quem comprar una ollcccao
cem leta ou 25; cartas de A R C, taboadas,
cathecismos, economa da vida humana,
cartilhas, Simao de Kanlua, Biblia da in-
fancia. msriuscii|iU>s, traslados, paulas, pro-
curacijes, apudautas, lettias, conhecimentos
para embar ,ue de escravos, despachos para
a alfatidega, papel Imaco paulado e pinta-
do de diversosbrmilos, sendo o pequeo a
30 rs. a folha, o immediato a 40 rs., o me-
dio a 50 rs. e o muilo grande a O rs.;
1 papel marroquinadoe. lustroso grande e pe-
' queno ; papel para impresso de urna s
pequeo ; Virgilio, Horacio.
Salustio, Magnum Lexicn, prosodia, dic-
cionarioa francez-portuguez e \ice-versa,
selecta franceza, eoutrosnuii cslivros, bem
como em branco de todos os tamanhos.
PREPARADA NCAHESTZ PCR
LAM i\ i EKIP,
NOVA YORK.
Composla de substancias .-
propritdades eminenti bci.i 1 j,
approvada peiaa juntare ar;i'B .-. j,-
dicina; usada nos principa**;
vis militares e da mariina 1
no continente americano 1
facullativusos mais distinct :.
Brasil e da America bepai
CUEA RADICALB ;i
escrophulas. rbeomafomo, 1
fermidades venreas emerc
antigs, moi plica e todas as 1.
Tenientesd'um estado vicioso di
Bmqoantoexisten varias in,;. talsificacoos, preciso a maior ca ii< '. -:
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol <
CAOTtS 4 BARBOTA
OAO DA C. BRA vii d C.
Joo da C. ravu C.
Heposito geral em Pernanr-ac rw H
l'roi n.22 em casa de Can- I w
Peonu d e^a demoilo mii ,
vende-se na ra do Vigario 11 -. :
criplorio*

ESCBAT05 FLC;
H" I
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarosam 18 arrobas de algodt
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e eiamina-lo, no arma-
lem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sauiilers Brothers G.
IV. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste palt.
Br'eu em'barricas pequeas
Cera em velas de todos os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na ra do vigario n. 19, primeiro andar.
-t Vendem-se quatro burras mulo mansas, boas
de carga e de sella, por preco commodo : a tratar
no botel de Franca-
O castello de Grasville.
Traduzido do francez por A. J. G. da Cruz.
Vende-se est bello romance em quati
tomos pelo baratissimo preco de 300C
aa praca da Independencia, livraria ni.
6 e8.
Vnde-se o deposito da ra f\ova n. 58 e
tambero vende-se s a armaro : a tratar no mes-
mo pois faz-se todo negocio era virlude de um dos
socios estar prximo a sahir para fura do imperio.
Framcisco Jos Germano
BA NOVA N. 22,
Au-eniou-M-i'. i:lui o Jauia', :;
ohaem, no da 18 do evfreBfe 1 elul
mulatiiiho acaloilado dp tum- S:i: 1 "> 1
.-enia ter II muios 4* ul,o.. | ,. <
cor claia, cabellos eurrfc .-. (' M
de&farcailo, levon vestido tu Al ,
caifa de riscado e ct>po de 1 1
bi comprad. ao Sr. Cialto d*Fu
rador em Csriris noves, pelo Sr. r < I
Guilherme oe barro*, BMtaaf m 1
este' vendido ao abaixu aMifosu. 1 1
lalinhu lalvez >e ttntia iMMnladc Ion
ptim eombcj prueore refnir 1.1. 1 ,.
res : a pesco: que o apiicl-r nui 1 u ..
liria naqueile etfeBfeo. ao abaao a- ia
nesta cidade aos Srs. Cuaba, iiu;.-
genero.-autute rocon pea lado.
Escruvo [uyiilo,
Kugio da Ponte de l'cboa rm t ir, eam 1
preto crioulo.de nome Ka\mundi>, repre M
ter 30 anuos, de atlnra resillar, rh.10 rto r,
enKfi comprida, barba debaiM di ajaena, to'ta
a pa*M largo, Ifvni raini>a de chita r .
cas, jaiju- la do (auno pn l". eba|rf 1 : -i ha
e mais una troiixa eontendo reopa di o-- >m
Irin.oi de algodaorinho. A i/o ai
Hecife, de suppr que sfgnisse a din
Campia Grande, dYnde iialura' : aai nn f
ra-lo ou delle der noticia, .era r-i 1 -, '.-l a
largo do Corpo Santo n. 17, Io aod.ir.
(ijtlilitacao f!c iiOS.
Ansentou^se da casa n. .j9 da rn.. do 'mf-era.-tr
(outr'ora Colleaio) no nbbado IC m correle atei
Se selembrode 1865, o escrata nardo di mm-
quim, com os signaesseguinie: estafara rapa] r,
idade 18 a 0 annos, sem barba, pdl iarg*, dbo?
grandes, cabello corrido, com urna notrn i:"aii*
e bem viivel na.testa, parte dos dmu- As (r-nre
arruinado.-, e rom falta de algui u* lado*,
com caiga de t.rim pardo e palelot rui >* paRoe,
mas levou mais roupa branca e de aflr, mm
astucioso, cosloma intitular-se fono e andar ai-
^ado ; foi escravo do Sr. Guilherme Prrerki eV
Souza Carvalho, genro do finado Sr eoiiirmud:
Hanoel Goncalves da Silva : rogase a ^.; caprora
a todas as autoridades policiaca e a sjBsjtaaaf ea-
pio de campo ou MMraaesioa aarlira m ';,l-, c
apprehender se gratificar com S^>. alm das
etas de conduccao, entregando-o a seo 1
Miguel Jos Alves. na casa cima, ou no ata
'criptorio na nu da Cruz casa n. 19.
No dia 20 de setembro prolimo passad a
gio do engenho Terraprea, doabaixo jgaadll. o
escravo Juliao, crioulo. de altura recular, ai
da 30 annos de idade, pouca barba, lem os 14
acaba de receber um lindo e magnifico sor- fejtos e pemas, muito falini-, ate se h
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul- tem o dedo polegar de urna mi cabido pa.-;.
timo e mais apurado gOStO da Europa e 0CU- tro, anda com urna carta fechada, do teneote cre-
los de aicatice para observacoes e para OS e'Amaro Gomes da Cunha, apadrinhand o. nen
martimos.
" "" ca foisurrado este escravo, foi ha moilo cmprala
. a Pocha Lima e Guimares : qoem o pecar I-ve 10
"~~~~~ mesmo engenho ou no Berife a* roa da R da a'
I Alexandre Correia da CJonior, qoe sera bem re
compensado.
Aleandre Correia d* >tro.
- No da 31 do passado fogio a e>cra Ce
lina, parda, alta a ma^ra, qoe perieocea aa Sr.
, Amaral, empreg,ado na reparticio do sello ; es
Vende-se rUcadinho francez a 200 rs. o covado, escrava foi no dia 1 do correle queiiar-se as 'r.
por ter grande quanliJade, esta-se acabando : na Dr. delegado por ler sido castigada : quem a pe-
oa da Imperatriz n. bi, Ioja da porta larga, de gar e entregar na ra da Cadeia n. 62 seta km
redes Porto. recompensado.
C.1MNDE
I*e el li cha


Diarlo de rernnnibnro Quinta lelra 9 de Xovenibro de IS*
UTERATRA.
a pareza necessarias, para que eu possa completar jante. Conserva-se em Valenga o de Santo Agos-
0 ruvslico das vestimentas sacerdotaes c dos mo-
vis da groja.
I
Vestimentas sacerdotaes.
Prohibir a vestimenta sagrada dos ministros do
sil,;, nao foi urna das menores liviandades com-
meltldas pelos reformadores, ha tres seclos ; os
u jrstts bem o sabem, e, convencidos disto, p^u
e) a pouco adiniltem-n'a. O rei poe sua cora e
sua rapa, quaudo so assenta no tlirono, o ma>;s-
iraco veste sua beca para subir ao pretorio, o mi-
litar seu uniforme para ir ao combate, o maire de
aldeta cinge >ua charpa rnas occasioes solemnes.
E s o sacerdote nao teria insignias! Supprimi-
das e?tas, nao resta do soldado, do magistrado 011
da monarcha, seno o hornern. O vestido basta
para cubrir a nudez, os enfeites o nico acompa-
Bhamento da belleza, as insignias o indicio neces-
sarto da diguidade ; ellas idenlilicam o homem
com o sen papel, e o transformam tanto a seus
proprios ulhos como aos da multido. Se sob Q
1 into de vista philosophico, una das grandes mi-
senas da humanidade, deveinos resignar-nos e to-
'era-la, pois que como todas as outras, um cas-
tlg i imposto ao homem. O pobre sob seus andra-
os vale mais, se virtuoso, do que o rico ciberto
Je vellidos fastosos ; dizem desde o principio do
mundo, mas sem se corrigirem, porque as alten-
e respeilos vo sempre para o lado da pompa;
para mudar um pouco tacs erros, seria preciso
ir.iiar a uatureza bumma.
O proprio Deus quiz que o pontfice da antiga
lei trouxcsse no exercicio das suas funcges vesti-
mentas de uotavol largura e de exliaordinaria ri-
queza, com o nico fim de bnlhar e distinguir-se :
ortam et decoren (Etod, XXV111, 2); a seda,
i parpara, o lino linho, nada se poupava, o ouro
e as padras preciosas eram empregadas profusa-
mente. Os simples sacerdotes jamis pegavam no
thoribuio, sem trazerem mitra e estarem reverti-
dos de sua turnea de fino linho cingida de um cin-
to de jacintos com franjas de ouro.
I'.ier-se hia dizer que estes ritos sendo familia-
res aos apostlos e aos primeiros christos, elles
firam naturalmente induzidos a mita-Ios, a re-
prodnii-los em parte as suas ceremonias; porm
tambem ha razos de urna ordcm mais elevada, as
quaes iudiearemos. O uso de vestimentas sacer-
dotaes desde os lempos apostlicos, alias demons-
trad pela historia, e para nao citar seno urna
pas.^agem, Hugo de Cluni, na sua vida de S. Hu-
go, Uz mciicao de urna casula de S. Pedro conser-
vada at eulo em Pars.
Digamo-lo desde j, a forma amiga da casula
difiena muito da de hoje : sem roda, inleirica, ig-
nominiosamente aberta at os hombros; era urna
cap^ de todo fechada, pendendo igualmente para
lodos os lados, a qual ficava erguida nos bracos,
suslida por cordoes ou pelas maos do dicono e
subacono. Estes, tambem revestidas de casulas
por cima da tnica e da dalmtica, levantavam as
jas pela frente, deilando para as costas todas as
dobras. Elles as tiravam para canlarem a Epsto-
la e o Evangelho (Ordo rom, de qualil param
M. G.J
S 'gundo a conlisso de todos os lilurgistas, esta
vesmenta, por causa da sua largura, era um
symbolo de t3ridade : da caridade de Jess Chns-
ti, que cobre o universo como urna capa, e estn-
de ?e a lodos os homens sem distinccao de justos e
percadores, caridade de que os seus ministros sao
os instrumentos neste mundo.
Deve-se convir em que a casula moderna nao tem
nada do commam com am tal symbolismo. Foi nn
dcimo segundo seculo que se priui-ipiou a chan-
ca la nos bracos, pois que o abbade Ropert nao
fai anda menco disto no seu livro dos oflcios, e
s progressivameule chegou-se a) limite actual, que
nao pode ser excedido. Em sua antiga forma, ella
era mais elegaule e feta de estofos mais ricos, a
Julgar pelos nudelos amigos, que (icaram para pro-
rem contra o mau gosto dos scalos posterio-
res eprepararem a volta s traecoes da ven;ravel
acl guidade.
O prelado que vai pontificar, reveste as bragas,
.- tndalias, o amicto, a alva, o cinto, a cruz peito-
ral, a estola, a taaieella, a dalmtica, as lavas, a
cabala, o p.ilho, se arcebispo, a milra, passa o
sea anael pastora*, toma o bienio, e se Ihe ata o
rn inipulo ao |ij do altar. Elle deiza a estela pen-
ii me deambos os lados; o sacerd ite a crusa sobre
.i pito collocan.ioolado dlreito sobre oesquerdo. O
a rdote tem de commam cora o hispo o amicto,
a alva. o cinto, o manipulo, a slala, a casula. Va-
:n tratar de cada una deslas vestimentas em
particular.
O uso de bragas de c;remonia nao urna novi-
lade: Amalaire, S. Gregorio papa, lnuoceneio III,
. Uidoro dePerusa fazem meucao deltas; nao
um j/aratnculo intil: J o symbolo da missao que
incumbe ao bispo. Messageiro do Evangelho, elle
d.-ve levar o divino faeno e a graca da redempgao
a todos os lugares onde o Espirito-Santo o condu-
. -le reeeiieu opre'-eito daani.tr eensinarte,'
o/mes gentes (Math. XX.VIII, 19), e a orago :
,yje recita pondo esta primeira vestimenta, Ihe
recorda a sua significagao.
Elle calca depois sandalias, em lembranca dessa!
recummendagao do Senhor a seus apostlos quan-
do osenviou a envagelisar as ciJades da la-
dea : Nao vos premunass pelo caminho nem de
alferge, nem de pao, nem de dinheiro, nem de ves-
timenta de reserva, coateotai-vos com uma,varinha
em vossa mo e com sandalias em vossos ps (Marc-
VI, 9). Haban-Maur, em seu tratado de iostituigoes
clericaes, ensina que os apostlos se couformaram ,
litleralmeute, desde eulo e para sempre, com esta
DFescripeiO do divino Mestre : na verdade ella
mudo plausivel, e depois foi constantemente obser-
vada na igreja. At mesmo o seu uso devia ser
muito mais considerave antigamente do que hoje,'
pois que deu lugar n > dcimo segundo seculo, a
heresia desses iudividuos, que preteudiam que bas-
tava trazer sandalias como os apostlos e viver
urna vida igual a destes, para ter o direito de pre
gar e poder consagrar. O que faziam de confor-
midade com a sua domrina. Alm da origem
evanglica, o calcado de ceremonia do bispo tem
por lim recordar aaagogicamente esse outro divino
calcado de que o precursor se declarava indigno
de desatar os cordoes, humildemente prostra-
do. Assim deve elle, regularmente, ser preso ci-
ma do tornozelo por cordoes (Gavant. ln missal,
part. II, til. I, n. 6, nota, X).
O amicto um ornato de origem oiienlal; os
Arabos anda se servem delle; pue-se primeiro
sobre a cabeca. Myst icamente, o capacete que
prenune o ministro do altar contra essas temacoes
de Satanaz que o apostlo S. Jo3o denomina orgu-
Ibo da vida; superbia vilm (S. Joo, II 16). Pon-
de, senhor, o capacete saluiar que me garantir
contra os golpes do diabo, diz elle pondo-o.
A alva, por sua cor, significa a candara d'alma,
a innocencia de ama vida sem mancha, que torna
o ministro digno do altar, o pastor digno do respei-
to do rebaobo. E nao sao vaos simulacros, esteris
apparencias: as santas vestimentas sao bentas
para produzirem o que siguificam, a f do ministro
que as reveste; como adjutorlo da sua efflcacia, a
oraco que elle dirige a Deus oo poderia deixar
de ter resaludo: tDii, senhor, diz elle, tomando
a alva, minha alma a candidez e a mea coracao
pelo sangae de Christo a purlflcacao suprema que
rae collocar no numero dos vossos escolhidos. E
a signiflcacao anagogica da vestimenta: Christo
transfigurado eslava coro vestimentas brancas; o
autor do Apocalypsa nos representa os santos no
cir igualmente vestidos de branco; ambutabunt
mecum i altis, quh digni sunt (Apoc. III, 4 e
seg.). Allegoricameota a alva representa a vesti-
menta branca dada a Christo por Harodes em signa1
de derlsio; bemaventurado insulto de quo resulloa
a salvaco do mund).
A alva, significan!o urna pureza total, devia des-
crateos p; masnijse lemiiraram disto; ella nao
de-.ce sempre at o sinto; alfectada? e quasl sem.
pre improprias guarnices suh.iituiram-n'a. Com-
prelieuderiamos bordados na cambraia, ao menos
linaria a alma; mas naocoraprehendemos urna subs-
tituico de tulle ou de rede; d contrario rubrica,
asigmlieacao litrgica da vestim mta e quasi sem-
pre ao bom gosto, o que um menor peccado.
Sobre a alva se p5e um sinto que rene as pre-
gas, e o symbolo da actividade e da continen-
cia.- S. Jlo, no Apocalypsa, nos representa o lilho
do homem cingido de um cinto de ouro nos cus
tinho, e em Boloe o de S. Isidoro de Sevllha. A
poma ama agailhada, a haste um encost, orna
regua, urna vara, a exfremldade um gancho para
attrabir e reler ; assim dizem :
Curva trahit quos virga regit, par$ ultima pun-
Ou com o papa Ionocencio 111 :
Cotlige, sustenta, stanula vaga, norbida, lenta.
O bispo recebe o bculo do soberano pontifico
em sigoal da sua autoridade sobre o rebanho que
Ihe confiado ; o papa no se serve de bculo, por
que tem directamente de Jess Christo o seu poder,
e por que ( o pastor dos pastores, que nao se re"
gem com a vara.
O annel o signal da allianca do bispo com a
sua igreja ; casamento indissoluvel por sua, insli-
luicao, como o de Jess Christo com a igreja uni-
versal o pela graca, e que segundo a lei canni-
ca, nao pJe desfazer-se se nao por causas grav-
simas. O aanel episcopal traz-se na mao direita
este bravo e Intelligenle
grao-duque os apontament
militar, apresentou ao
bs biograpbicos de S. 1t.
imperial o Sr. D. Pedro Iv, que fra encarregado
de collfgir, por ordem do i lini.terio das obras pu-
blicas.
Ao relirar-se o Sr. Cbab
Bradestein, camarista:* e (o bario Schach, conse
Iheiro intimo, os mais alT
manifestando-lhe o quanto
illustracao ; e tambem em
duque, a venera do grao
militar da coroa das Wehdes, cuja inscripcao
Per spera ad astra.
O grao duque honrou e
to portuguez, no Sr. Claud
recebeu do cavalheiro
ctuosos cumprimentos'
era apreciado pela sua
nome de S. A. o grao-
e cavalheiro da ordem
ipreciou assim oexerci-
o Chaby, um d:s seus
mais bemquistos e iotellig ntes membros.
Os le5es liverara nm f jirmidavel inimo em Julio
Gerard.
As vboras teprn tambem!
por que o bispo esposo, e por que, segundo o uso' carnicada inimiga, a Sra.
s s esposas compete traze-lo na mo esquerda. Champlilte.
Mas a verdadeira razo que a direita a mao
de mando, e o bispo manda em nome de Jess
pela sua vez, urna en-
iBoussier, do canto de
Esta mulher jurou dar i
enconlrasse.
(Apoc, I, 11). As dins extremidades cabidas sig- Christo ; assim chama-se o annel sob esta relacao,; Anda loaos os dias a' Pro
nilicara a justica e a f, por allusao prophecia de
no estylo litrgico, a cora sagrada da mao do pon- pelas orlas dos bosques e
Isaas dizendo do Messias: A justiga e afidelida- tiHce. Considerado como sigoal de allianca do 'arde pelas que tem exposi
de formaro um cinto ao redor dos seus rios (Is. m'spo com sua igreja, chamase annel do coracao. Pel cneiro sabe condece
XI, o). 11 Senhor, diz o bispo passando-o a seu dedo, dai as s5 habitados por urna ou
O bispo pSe depois sua cruz peitoral; imagem | m^os (' ,neu coracao e do meu corpo o poder e a Descobrindo que as ha e
abo de quantas vboras
tura dellas, de manhaa
: posta ao nascente e de
ao para o poenle.
1 se os buracos que v
mais vboras,
a qualquer buraco, pro
que ella foi substituida pela lamina de ouro ins-
cripta com as palavras doutrina e verdade, que o
grande sacerdote dos judeus trazia sobre a fronte,
porque a suave lei de Jess Christo est gravada
nos coraces dos fiis (Is. L, 7), ao oasso que a lei
antiga devia estar escripia tambem as maos e
sobre as frontes, temendo se que nao fosss ella
erta para Ihe morder,
quido, cuja composi-
o de modo a ir introdu-
ixiado, eeuto a mulher
kta 45annos, ja' tem ma-
10,000 vboras.
O somno apodera-se s
exterior do sentiraento de quo est penetrada a sna 'frca- As maos do coi<, expresso enrgica cura atli ahir-lhes a atten< io, e quando alguma se
alma. Esta cruz, enriquecida de reliquias, nao 1ae significa as obras que a caridade inspira, por approxima com a bocea a
un simples ornat) nem um puro emblema : urna 1ue nao bastara ao pontfice amar o seu rebanho toma um bochecho de um
couraca diante do inimigo, sao celestes introducto- com um araor estril. O annel trazido no dedo gao s ella sabe, e repucha
res preseoca de Deus. S. Gregorio papa, Joo 'Qllex> exceP'o n momento em que Jess Christo zir-se na guella do reptil.
dicono, Innocencio III, fazem mencao della (Greg. representado presente no altar, e se o bispo o tira Este fica atordoado, aspfi
XII, 7 Joao diac. sub. GOi). Ionocencio III diz | ento> na0 como o dizem alguns rubricistas, pelo esmaga o a'sua vodtade.
temor de contacto com as santas especies, mas por A Sra. Boussler, que co
que em presenca de Jess Christo nao ha outro su- lado desle modo mais de
perior, a Jess Ctiristo nico pertence a honra e
gloria : nao ha raals emblema em preseoca da rea-
lidale ; ora, a pedra preciosa que forma o engaste
deste mesmo annel o emblema de Jess Christo, dos com urna tal persistencia, que Ihe d todas
pedra viva sobre a qual est construida a Igreja. as apparencias da lethar|ia: vida animal nulla
esquecida (Deut. XI, 18). O bispo assim munido IE' Por '-10 1ue nao Pde trazer nem figura, nem vida orgnica redazida ai
do signal da cruz, cnsente era tomar a estola; o 'nscr,Pca> sendo ella propna um emblema. E respiracao quasi insensiv
sacerdote a crusa; afira de abrigar igualmente seu j esla a razao Pr 1ue os ^ei a beijam devotamente! seosibihdade absoluta e cbntraccao geral.
peito sob esta armadura salotar.e colloca o laao di- es,e De'J ^ ao mesmo tempo um acto de 6 e del Sabemos de ama Pars ense, madama X..., de
reito sobreoesquerdo, em memoria dasubuituico amor Para com *esas Christo e um.acto de com". vinte e qualro anuos de ilade, a qual dormiu por
de um poro a um outro, da lei da graca lei do munhao para com o bispo ; de sorte que se elle ca- i espago de quarenta dias ios dezoito annos, e cin-
captiveiro. Esta rubrica nao c daquellas que se hisse publicamente em schisma ou heresia, o beijo' coenta dias aos vinte an ios, depois do seu casa-
chamara directivas, porque indicam smente a! "0 annel seriaum acto schismatico. ment, em 18t9, cincoenta dias de urna triste la
maneira de obrar; obrigatoria, por causa da sua O prelado recebe o manipulo no seu braco es-1 de mel / Ella adormeceu lovamente em 1862, no
significaco cheia de mysterio. A estola, antes querdo ao p do altar. Na sua significagao primi- i domingo de paschoa, paraso resuscilar ero margo
ornato que vestimenta, era usada pelos povos antt- liva> apalavra manipulo se applica ao punhado de de 1863.
vezes de certos indivi-
mimmum, pulso lento
, evacuaces rallas, iu
gos tanto por homens como por mulheres indis-
espigas que o cegador bota sobre o seu brago es- Estes factos attestados belo sabio Blandel, da
tiDctamte, mas parece ter sido reservada, ao menos querdo, depois de t-las cortado com a mao direita academia de Paris, e confirmados por outras sum-
eutre os llmanos, para as pessoas de ordem ele-' E,n sua accepgo commum, com a porgo de linho | mldades medicas, repetiram-se ha pouco em Eran-
vada. As pinturas de catacumbas apresentaro' (Iue nomeni bellos modelos. A estola o symbolo terrestre da I sbre o braco esquerdo para eaxugar as maos ou o dos foram mais frequenles.
rosto em sua accepgo litrgica, o maoipnlo o' Segando um rea torio publicado, lia um inJiv-
signal da collidita apostlica. do que esta s acordado p ir espago de sete a oito
(Continuar-se-ha.)
vestimenta de gloria dos escolhidos nos eus, dizem
os ministros que as revestero, ceus dous lados
figurara as duas vida=, activa e contemplativa,
unificadas no sigoal da cruz.'
O bispo revesle a tnica e a dalmalica, orna-
mentos proprios para o dicono esubdiacono, porque
tem a plenitude da ordem, cujos primeiros graos
autores sao o diaconato e o subdiaconato. A tu.":
nica e a dalmtica, na sua disincgao e forma pn"
mitiva, eram vestuarios de trabalho : o subdiacono
Lil POUCO DE TIDO.
E' traduzido de um jornal inglez o segrate :
COMO SE PROSPERA NO COMMERCtO.
Em primeiro lugar pensai bem no que empre
' horas, ao passo que o soran >
i a cento e trila e oito horas.
Adormeceu o tal sugeito
dez horas da noite, para s
i dezembro s quatro horas
se Ihe prolonga onze
im 28 de novembro s
acordar era dons de
tnut i minutos da tar-
de; adormeceu de novo no mesmo da s onze ho-
; ras, e nao acordou seno nd
e trila minutos da tarde
delle de novo as onze horas
e o dicono sao servos sagrados empregados no ser- henderdes escolhpi umi nroAttZn nra a mi al ti. L ,. -
vico do altare as obras de caridade ; e diacoao : veX ^ para a qaal t, ; deZerabro as caco horas da arde; tolal quatrocen-
' i' u.-, e vinte e sete boras, das
para acompanhar o sacerdote ou o pontfice, o sub-
diacono para ajudar o dicono. A forma destes
ornamentos foi modificada de urna maneira lo In-
Todas as dilBculdades se vencera pela dil gencia cjnco cousagradas a dormir)
eassiduidade- | e cinco por cento.
i\ao receeis trabalhar cora vossas proprias maos Ao ,coniar 0 nflhre dura
feliz como a da casula ; em lugar de as recortar,' e com a maior dillgencia.
descoseram-se, mangas e ludo, de urna pona ou- j Um gato de luvas nao apanha ratos.
tra ; os bispos sao os nicos que conservaram as, Aquelle que se conserva no raoinho moe, o mes
formas antigs, menos os ricos bordados. O seu rao nao succede quelle que vai e vera.
Euiregai-vos ao vosso trabalho, nunca o confiis
i mogo, senlia-se cangado;
! durante o somno, a mais con pela insensibilidade
uso de long> data, pois que os s.ubdiaconos re-
vestan! a tnica anteriormente ao papado de S.
Gregorio, o Grande, que Ihes prohibi o seu aso.
S. Cypriauo e o papa Eutychiano fazem mengao da
dalmtica ( Duraud 11, 9 ).
O u;o das luvas para os hispes nao menos an-
ligo, eile al o de mais lempo, se verdade, como
ensina o papa Honorio ( in Gerama, 1, 215 ), que
remuuta-se aos apostlos. O hispo cobre as suas
maos com esta vestimenta, que suppSd a s'jppres-
so do trabalho manual, pois que o torna impossi-
vel, para mostrar que ellas eslo d'ento em diante
consagradas as obras mais santas.
A csala ao ciesmo lempo urna vestimenta, um
ornato e a insignia da dignidade sacerdotal.
E' o jugo de Jess Christo suave e leve.
Sobre a parte anterior est figurada essa colum-
na de f que inabalavel; sobre a parte posterior,
a cruz de Jess Christo, signal da salvagaoe nica
esperanca da ierra. A cruz sobre os hombros do
ministro do altar, recorda aqudllaea que Jess
Chrito cousummou o sacrificio que seu ministro
teuova.
A mitra um ornato de origem asitica, sua for-
ma secular comea, o Omnipotente e o monar-
Cbaatrazem em forma de cone truncado, tendn em
logar de ponta urna flor de lodo com tres petalos .
as (jessoase divindades de segunda ordem a trazem
convjima_borla na ponta.
Tal no-la representara os monumentos do Loa-
vre. A flor de lodo o signal da vida no symbo-
lismo oriental ; tres o mais santo dos nmeros
mysticos, por que exprime a grande e divioa tria-
de que creou o mundo, que o conserva e que o go-
verna. Os pontfices da nova lei adoptara cedo
este ornato symbolico modificando a torma. A mi-
tra ecclesiastica, por sua dupla ponta, figura as
duas alliangas, unidas na pessoa de Jess Christo.
O lado posterior, n e sem ornatos, figura a antiga,
d.irai.ii; a qual ainda nao liuha sido dada a graga
Urna cruz deve brilhar entre os da frente, para sig-
nificar que por Jess e sua cruz que se operou a
recoaciliago do co com a trra. O bispo a pe
para pregar e para abengoar, por que cumprindo
estas funegoes doulor e pastor; elle nao a toma
para consagrar, por que ento nao elle quem
obra, e siro Jess Christo, de quem o instrumen-
to que obra por elle.
Faz-se mengao da mitra desde o quarto seculo ;
Eusebio de Cesrea a denomina cora de gloria
( hist. X 14 ), Amroien-.Marcellin cora sacerdotal
(liv. XXIX ), Santo Agostinho a designa sob o no-
me de apex em sua cidade de Dens ( 11, 15 ).
Conserva-se em Roma, na igreja de S. Martinho in
montorio, aquella de que o imperador Constantino
f z presente ao papa i. Silvestre, ella parece se com
um diadema ; em Valenga, no Piemonte, a de San-
to Agostinho, um pouco mais elevada. O douto
cardeal Baronius faz remontar o uso da mitra at
os apostlos ( sub. ann, 34 ).
Os dous manpulos, que alguns rubricistas toma-
ram por fitas servindo para segura la, se acbam
taes quaes nos toocados phygios, sendo este o pro-
prio nome della, e nos monumentos orientaos com
urna significagao myibologica ( 1 ). No Cbristia-
nismo, significara a razo, e a f, raios da luz ci-
vma, descendo da face do Eterno para esclarece-
rem o homem.
O bculo o cajado do pastor e o bordio do via-
(1) No mythismo oriental, o Eterno represen-
tado sob o emblema de oro sol que deixa cabirem
alguns raios sobre a ierra. Os dous manpulos da
mitra de Ostrls, dizem as legendas egyptiacas, Te-
presemaro suas duas irroes, Iris e Neplis : a luz e
a fecundidade.
a respiragao era quasi
ment era geral.
mpe
da sete s tres horas
o sorano apoderu-se
at ao da dezeseis de
quaes quatrocentas e
isto mais de oilenta
nhoco, que ainda era
fcomtudo anreseniava,
ceptivel e o entorpec-
Esta idaque muto se assemelba da chrysa-
lida, na qual nada se gasta, achando-se simples-
; mente suspensa a acgo vi taitorna -se o alvo dos
estudos de muilos sabios. o| quaes andara era pro
a cura dos meios de prolongar a nossa existencia.
B. Maupertuis, fundando-pe sobre a vida do p5'
a oulro.
Urna panella que pertence a muilos, mal me
eluda e mudo peior cosida.
Sede frugal.
Aquelle que nao fizer
_ ; lo dentro do ovo, perguntab se, por meio de urna
Econoraisai os pennys, e as libras se guardarao ,,.,_. -__, I. .
r asphyxia incompleta ou pilo eutorpecimento devi
oor si raesmas. I
^ do ao fro ou a qualquer butro agente, nao seria
,s,u .... possivel obstar o desgastan! enlo interno: o proprlo
Aquellos que sao mu.to delicados preferero ser Franklin acaric|0U ~ L por causa da resar-
meodigos. reigo de rauitas moscas qi e pareciara moras.
Levautai-vos cedo. N-um copo de vjnh0 da
A raposa que dorme nao apanha ave. I nimarain.se corapletamenld
Lavra com actividade emquanto dormem os pre-; ejposQao ao so, ardeDte dc
guigosos e vos tereis trigo para vender e para
guardar.
Tratai(a todos com re.speito e civildade.
Tu lo se ganhl e nada se perde por cortezia.
Uoas maueiras asseguram bom resultado.
Nao aspiris fortuna de oulra fonte que nao se- temperatura, at ao ponto de reduzir o reptil a
O Dr. Grusselback, prof,
versidade de Upsal, achou
lib\tum e de reanimar, coid
ladeira, as moscas rea-
depois de Ires horas de
mez de julho.
ssor de chimica na uni-
nen de entorpecer ad
o auxilio de urna as-
perso estimulante, urna i
Obleve este resultado pela baixa gradual da
ja o trabalho; especialmente nao contis ser possui-! urn completo entorpecirae lio.
dor de heranga alguma.
Aquelle que espera por sapato de defunto arris-
ca-se a andar por multo lempo cora os ps des-
calgos.
Aquelle que corre aps de urna sombra, tem urna
carreira muito penosa.
cima de ludo nunca desesperis.
Deus est onde estava.
ElleajuJa quelles que verdaderamente N'elle nos
Cuntiam. Muilos
O sabio allemo propoz
perlencia desle genero u
ultima: nao sabemos se
Ih'a fazer, seria de sumui(
Seria, na verdade, urna
maravilhosa, se o homerA podesse achar
de viver e morrer sua v intade.
Viver alguns dias e ad irmecer por alguns an-
O Jornal de Lisboa, acerca dos actos porque o
grao-duque do Mechlemburgo Schwerin se distin-
gui no pouco tempo que se demorou na capital.
ha que pagara i com milbes a deseo-
berta deste segredo.
equena serpete.
Jue se tentasse urna ex-
um sentenciado pena
consentiram em deixar-
interesse para todos,
cousa surprehendente e
o meio
Esta poesa foi reci
por occaslao da partid
s
itadali
la dc
escreve o segrate, depois de ter dito que S. A. of- que abi foram alistados pata servirem sob o com-
fereceu a S. M. el-rei j). Luiz o collar da ordem mando do honrado e bravj tenente-coronel Fran-
militar da tCora das WenJes brinde a que S. M. 'cisco de Albuquerque Mar
correspondeu offerecendo-lhe o collar da Torre-Es-
pada :
O grao-duque reinante de Mecklemburgo Sch-
weriu esleve ha Loucos dias entre nos, como dis-
seraos, hospedado no hotel de Braganga.
Em lio curto espago de lempo quo permaueceu
nesla capital provou o quanto era, nao s amador
do que nos dizia respeiio, mas apreciador do mri-
to dos inve-ligadores e compiladores das nossas glo-
rias militares.
Com lo uobres intuitos procurou sua alteza pes-
soas que Ihe podesse salisfazer a este louvavel de-
sejo.
Foi porianto o Sr. capito commendador Clau-
dio Chaby convidado, por pessoa da comitiva do
grao-duque, para, segundo os seos desejos mani-
festados, conferenciar coro sua alteza sobre a his-
toria militar do paiz e mormente sobre a guerra pe-
ninsular.
Ficou o Sr. Chaby sobresaltado cora ste convite
a que a sua incontroversa modestia, nao Ihe per-
mlllia em que pensasse; mas instado pelo encar-
regado da missao de salisfazer aos desejos do grao-
duque, prometleu, nao obstante o seu mo estado
de saude, annuir ao convite com que era honrado;
enviando por essa occaslao a sua alteza o primeiro
volumeda sua excellente obra Excerptos histri-
cos da guerra do Roussilon e Catalana.
-Na tarde de domingo ultimo foi o Sr. Chaby ao
hotel de Uraganga receber as ordens do grao-du-
que.
Esleve obra de duas boras e mela cora S. A.
conversando acerca dos feitos gloriosos das nossas
armas, demonstrando petos mappas, os pontos onde
se tinbam dado as mais feridas batalbas.
Haveodo S. A. manifestado desejo de levar re-
cordago de alguns factos referidos pelo Sr. Cbaby
Hoje Goyanna se
na cidade de Goyanna,
voluntarios da patria
nho Cavalcante.
rgulha
Da conduca de se is filhos I
A sua c'ra de gle ia
Vai scintillando m lis brilhos
Sao elles que, ven
Por um tyranno u
Sempre os seus br
o a patria
rajada,
gos olfrecem
P'ra que ella seja Mingada.
Briosos, nao poden ver
Os bros della ofieo lidos,
Valentes, temer n > podem
Os combates mais i enhidos.
Hroes, como deve
Que de hroes sao
Pela patria lude faz
O seu sangue do c
ser,
escendentes,
m,
ntentes.
J p'ra a guerra ra ilos delles
Marcharam deste lo ar,
P'ra a guerra tarab ro agora
Outros muilos vo n archar.
Todos, todos coraje
Cumpriro o seu de
E os seus feitos ser;
Quanto grande o
os,
rer,
o grandes,
eu poder.
Saudemos, querido ovo,
Saudemos com ufan a,
Os nossos dignos irn los
Que nos deixam nen e da.
Sim saudemos estes
Que muito tem exal ado
Desta nossa Ierra o i
Honra a vos, voluntarios,
Qne Ides a patria vingar
L nos campos da batalba,
Onde haveis de triurapbar I
A vos, a qnem consagramos
Toda a estima, todo o amor,
Pelo vosso patriotismo,
Pelo vosso alto valor I
Recebei desta comaijca
As bengaos, que merecis,
Que vos ho de acompanhar
Onde quer que vos acheis.
Hoje Goyanna se orgulha
Da conducta de seus filhos I
A sua c'ra de gloria
Vai scintillando mais brilhos 1
Viva a nagao brasileira I
t Viva S. M. o Imperador I
Vivam os briosos e valentes voluntarios da co-
marca de Goyanua I >
h2-*<
Foi esta poesia recitada pelo Sr. F. G. R., na ci-
dade de Goianna, poroccasio da partida dos volun-
tarios da patria que, pelaterceira vez. ahi se alista-
ram, devendo servir sob o ominando do digno
Pernambucano, o Sr. lente coronel Francisco de
Albuquerque Maranhao Ctvalcante, a quem a
mesma poesia dedicada em signal de eslima e ad-
ra irago.
Cada vez avulta a gloria
Desia Goianna afamada,
Que na hostera lera' sempre
Cma pagina duurada :
Eis que della novos bravos
P'ra o Paraguay vo marchar,
Vo a injuria castigar
Que ao Brasil foi atirada I
O' dlslinctos voluntarios,
E' o vosso proceder
Que desia illusire comarca
O renome faz crescer,
Mostrando que os Goiannists,
Patriotas denodados,
Da patria fiis soldados.
Nao cessam de a defender I
E assim prova que da patria
O snelo amor nao se esfria
Nos seus peitos generosos,
To cheios de valenta,
Que os s^us bragos esforgados
Nunca, nunca deixaro
De sustentar da nago
A luura, a soberana 1
Mil louvores merecis,
O' voluntarios briosos,
Em iodo o tempo serio
Os vossos nomes famosos I
Marcbai p'ra a guerra, marchai,
Ide cobrir-vos de louros,
Que sao p'ra os vossos vindoures
Us legados mais honrosos.
De louros as vossas frontes
Nao deixareis de adornar :
Sois descendentes de hroes,
Que certo haveis de imitar I
Do altivo leo do norte
Sois filhos, filhos temidos.
Que jamis foram vencidos,
Que s sabem triumphar 1
Sois, em summa, os voluntarios
Por quera sera' bem punida
A offensa vilmente feila
A' nossa patria querida I
E co'os grandes feitos vossos
Esta comarca honrareis,
A bengoados seris
Pela patria agradecida.
Nos, portante, aqui presentes,
Com emogo vos saudamos,
E a mais prospera viagera
Desde ja' vos desejamos ;
Saudamos o cidado
Que vos tem de commandar,
E era quem deveis confiar,
Como nelle confiamos.
Agora por despedida
O nosso adeus vos dizemos.
Dos votos acompanhado
Que por vos ao co fazeraos.
Proteja o Deus das batalbas
As vossas armas valentes I
Permita que nos contentes
Em breve vos fleciteraos!
L
bravos,
orne,
Que ser sempre loo rado.
N'uma revista, diz a Narao, lemos o segulnte
acerca dos actores lyncos que nao achamos mal
cabido ollerecer aos panegeristas dos progressos do
seculo XIX :
... sem embargo pelo estudo da arte do can-
to, mais do que a oulra coisa deveram os famosos
artistas do seculo passado a sua reputago : oque
tem succedido s escholas de Peli em Modena, de
Paila em Genova, de Gasparini e Lotli em Veneza,
de Fdi e Amados! em Roma, de Brivio em Millao,
de Redi era Floreoga, de Pistocchi e Bernachi era
Bolonha, de Scarlatti, Gizzio, Feo, Porpora e Leo
em capoles ?
O que Ihe succedeu foi o esqueclmenlo completo
de todas as regras, sem compaixo para os ouvidos
dos miseros mortaes, e a declamacdo dramtica es-
sa preciosa indefenivel com que pertendemos en-
conrir a nossa Insolente ignorancia.
No lempo destes maestros os estudos se executa-
vam com formalldade.
Porpora impunha aos sens discpulos seos
annos de esludo para o mechamsmo do canto,
em cujo lempo os fazia executar escalas dia-
tnicas e chromaticas, intrevalos, trinos grupeili,
appogiature, intrecciati opature e difhculdades de
vocalisago, reservando para o sexto anno as II-
ges de articulago, pronuociago e declamagao.
Deste modo nico o seculo XVIII foi fecond0
em admiraveis cantores como Siface, Guadagni,
Mattucci, Carlani, Guarducci, Pas, Mmelli Caffarel-
li, Ferrl, Farinelli, Conti, Gizzielo Porporino, Cres-
cintini, Pachiarotli, Marchessi, Gabrielli, Mingotli,
Banti Faustina, Grassini, Coltellini e tantos outro-
como regisla a historia.
Nao obstante, o golpe mortal, preciso confessa-
lo por muito que nos custe a dize-lo, foi o abando-
no da msica de Rossini e da sua eschola, e a ad-
misso quasi exclusiva era nossos theairos das pri-
ineiras obras de Verdi, que nao exigem mais que
forga e nao purtamento.
E aonde se encontra hoje am Galli, um Tacchel-
h, um Rubrai, uro Tamburini, am Lablache, nm
Duprez, um Tachinardi, um Garca, um Davide,
um Brdogni, uro Donzelli, uro Ausam, um Mandi-
ni, um Viganoni, um Crivelii, urna Catalam, urna
Mar, urna Pisaroni, urna Malibran, urna Persiani,
urna Pasta, urna Soutag, urna Fdor, ama Gaffosi-
rlni, urna Malanorlti, urna Marcolini, urna Mariani,
urna Grisl e nestes, apezar das suas qnalidades
eminentes era a sna execugo mais ou menos in-
correcta, mas n'estes se encontravam ainda os
vestigios da eschol del bel canto ?
O que nos resta sao algumas sombras dessas
sombras se se elimina a Alboni, Mario, Tamberlick
e alguma outra rarisssima excepgao.
;
Um francez estando ama noute n'uma rennio
cosmopolita quiz meller, n'um cumprimento dona
da casa, am trocadilho engenhoso.
Aproximando a sua chicara onde a dima deita-
va cha, disse-lhe : V. Exc. como esta chicara,
ebeia de bon th I (em lugar de bont bondade).
O dito foi muito festejado por toda a ce-tupa-
Bbia.
Uro dos presentes que era allemo, quiz servir-
se da phrase que oavira ao francs, n'um jaotar
de etiqueta ; e na primeira occaslao que teve,
disse para a dama mais prxima d'elle V. Ese.
como esta gicara (apontando para am cepo de
cristal ) geia de pon caf.
E' escusado dizer que a dama nao entendea o
cumprimento e tomou o bom do allemo por om
lonco.
L'ma correspondencia de Londres diz o Jornal do
Commercio de Lisboa, contera as segointes inie-
ressanies noticias acerca dos revolucionarios ir-
landezes conhecidos Curo o norae de tenanos :
Londres, 4 de outubro. Digam o que quizerem
os jornaes estrangeiros, nos inglezes estamos li-
vres do espanto. Era 1848 os mesmos jornaes
queriam assustar-nos plniando-nos o da de ama-
nha como ameagando uiu cataclismo. Descobrio-
se a conspirago dos carlistas, processaram-se os
conspiradores, e conderanaram-os ao desterro per-
petuo, nao sera consignar na sentenga o absurdo
do piano que os conspiradores tinham de se apo-
derar de Londres. Era 1832 indu'tou-os a ramha
os seus partidarios receberam-nos cora bandei-
ras deseuroladas e muzica, acompaohando-os d'es-
te modo pelas principaes ras de Londres.
N'outros paizes a autoridade teria prohibido si-
milhante deraonslragao. Nao tiramos aqu a nin-
guera o direito de langar ludo isto no ridiculo.
Percorreram os carlistas as ras de Londres
com grande azafaraa, como se livessem alcangado
algum iriumpho ; toda a gente se rio delles, e
ainda buje se ri. Tem decorrido mais de treie
annos e ji nin^uera se lerobra d'aqnelle recelo,
nem pensa n'aquella revolugo annunciada pelos
jornaes eslranguiros.
Provavelmente acontecer o mesmo com os fe-
niaoos. Era Inglaterra gosamos do bem estar qne
produz a falla de polica secreta.
Na Irlanda existe essa polica, mas obrigada
a comparecer em juzo e a revellar all o qae sabe.
Um empregado dessa polica, chamado Pierse Na-
gle, que havia perteocido ao gremio dos fanianos,
foi quem descobrio o trama. Saabe-se por elle
que o plano dos fenianos era assassmar os grandes
proprielarios da Irlanda e acabar com a aristo-
cracia.
Stepheus O'Leary, Luby, e Demery, todos ho-
mens obscuros eram os chefes dessa conspiracao,
destinada nada menos do que a converter a Irlan-
da em repblica por m*io de ara degolamenlo ge-
ral. Era summa, j sabemos agora qne nao era
urna tragedia de alta escola, mas sim nm sanete
trgico qne se iratava de por em scena na Irlanda.
Nao se quera produzir terror e lastima, mas
horror e profasia. A denuncia evitoa o horroroso
espectculo, e desta maneira s apparecea em sce-
na o ridiculo. Peixem fallar os jornaes estran-
geiros, especialmente os francezes. Nos aqu
rimo-nos delles e dos fenianos. Estes condemna-
ram-se a desterro perpetuo, e passado algum lem-
po a rainha os iddullara como fez aos carlistas.
Os presos sao 187 ; d'estes 8 foram apanbados
na Inglaterra, o resto na Irlanda. Entre elles nao
figura pessoa alguma notavel.
E' verdade que se tem aprehendido armas e di-
nheiro ; mas nem por isso se jactar o governo
de ter salvado a sociedade, como costumam fawr
os francezes; basolia a que tambem se tem atido
os os hespanhoes e outres paizes cojos governos
bebem asaspirages as aguas do Sena.
Di verte-nos muito ver um sargento, ou am poli-
ca qualquer commelter urna barbaridade e jactar-
se logo de haver salvado a sociedade e a religiao
e outras cousas mais.
Aqui todos lembram a famosa allocngao qne
Nelson dirigi aos marinheiros da Trafalgar :
i Inglezes, a luglaterra espera que lodos bao de
cumprir com o seu deve.
Cumpram com o seu dever as autoridades e
ninguera se atrever as jactancias irrisorias. E"
isto que agrada aos inglezes.
Msn^s^pjnm
Deu se recenlemeote em Franga am caso extre-
mamente curioso : o das exequias fnebres as
quaes um capilfio de cavallaria oceupa o lugar do
sacerdote. Es o caso :
Um militar do segundo regiment de cagadores
ficou ferido em duello, e sendo transportado ao
hospital ali expires minutos depois.
O clero fez constar que seria intil levar o de-
funto a igreja, por que nao seria ali admillido.
Um capitao, designad) pelo coronel, rhety.u con
a sua gentf. Fez se urna ultima tentativa junto
do bispo, o qual respondeu por um iioii possumn.* :
era seguida foi ocaixo levado ao cemitero no meio
do mais profundo silencio. Ali, o furriel leu em
voz alta as oraces dos morios, e logo qne se fi-
zerara as honras militares ao defunto, o capito e
os seas boraens vierta a om por um langar alga-
mas gotas d'agua benta sobre o turnlo.
Bem sabemos que o clero nao fez mai, nesta
triste conjuntura, do que seguir as sua- regras
cannicas ; resta saber m Ihe teria s.do prejudi-
cial usar de menos rigoF
Quantas bengaos nao teria arrecadado a saeer-
doto que tivesse implorado a misericordia divina
em pro da victima de um cmbale singular t
Um esludanle de medicina, mais cabula do qae
quantos rezara as memorias acadmicas, foi fazer
o seu lerceiro exame de dtutorando. Este exaoM
versou sobre sciencias accessorias, por cima tas
quaes elle linha passado como gato por brazas.
Ao pobre estudaote a meia hora do exame pa-
receu-lhe seculostantos foram os estendtrrtes qoe
deu, quer em malhematica, quer em physica, qoer
em chimica e botnica.
A victima estava ronderonada irrevogavelmente.
Comtudo os examinadores para Ihe nao tornaren
lo amargos os poocos minlos qoe a ampulbeta
indicava faltar, bzeram-lhe perguntas de facilima
resposta. Baldado empenbo I
Apresenlaram Ihe nma .-rie de plantas das mais
vulgares, entre outras um p de tabaco.
Repare bem, diz um dos professores, aqoi
est urna planta de que o senhor faz uzo qnotidia-
namente. Vejamos, como Ihe chama T
O estudaote cogou a orelba, puchou pelo nariz
afagou as gnias do bigode, e depois de scismar por
algum lempo, diz de repente, como se fosse aceom-
mellido de urna iospirago :
Ah j sei !... E' de um p de cenve I
De um mappa official publicado pelos jornaes
americanos, resulta que, desde o anno de 1847, al
o 1* de selembro de 186o, a Europa fomecea
3,266,858 emigrantes aos Estados-Unidos, pele por-
to de Nova-York smenle. Este altansmo ecoa-
poe-se do seguinte modo :
Irlanda........ 1,387:838
Allemanha..... 1,168:764
Inglaterra.----- 390:014
Escocia....... 80-.!
Franca........ 65:033
Snissa........ 50:365
Hollaida..... 51:768
Diversos...... 97:916
Total..... 3,556:568
Estes algarismos sao demasiado elocuentes per
si para precisaren) de demonsiraco. "
PERNAMBUCO r P. DE M. P DE P. <* FILBO
-



- i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E47V3W8KE_GEDL3E INGEST_TIME 2013-08-27T20:20:44Z PACKAGE AA00011611_10814
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES