Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10804


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r
AMO ILi. jjjjjO 247.
Por qnarlel pago dentro de 10 das do I,0 mez i i 5J000
dem depois dos i. "'i Odias do comecoe deotro do qoartel. 61000
Forte ao ctrreio por tres mezes .,',,..,,,,,, j 750
SEXTA FEIRA 27 DE 0DTDBB0 DE4861
Por anno pago dentro de 10 das do 1. mez ,,,.%, 191001
Porte ao correio por um aono. ,.....* J$00Q
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahvba, o Sr. Antonio Alex?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear.i, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Har, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
FUtos; Amazonas, o Sr. Jeronyrao da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Uias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueho e Ex, as quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, B'ar-
reiros, Agua Preta, Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaco : tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas! sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da larde.
EPHEMEU.IDES DO MEZ DE OUTUBRO.
4 La cheia as 8 h., 11 m. e 46 s. da t-
11 Quarto ming. a 1 h., 2 m. e 22 s. da t.
19 La nova as 2 h., 7 m. e 52 s. da t.
27 Quarto cresc. a 1 h., 30 m. e 16 s. d l.
DAS DA SEMANA.
23. Segunda. S. Joo de Capistrano f.
24. Terca. S. Raphael arch.; S. Fortunato m.
2o. Quarla. Ss. Crisplm e Cnspiniano irs. rom.
26. Quinta. Ss. Evaristo e Floro mm
27. Sexta. S. Elesbo imperador da Elhiopia.
28. Sabbado. Ss Si mo e Judas Thadeo app.
29. Domingo. S. Euzeljia v. ra.; a b. BemviDda.
PREAMAR DE BOJE.
Primeira as 10 horas e 54 m. da maaha.
Segunda as 11 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIP.OS.
Para o snl at Alagoas a li e 30; para o
ala a Granja a 7 e 22 Je cada mez; para Persas-
do nos dias li dos mezes de janeirc-, margo, mti-
julho, setembro e novembro.
ASS1GNA-SE
no Recife, na lirraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Fgueiroa ds
Faria & Filho.
mmo da riowrcu.
Conlinnico do expediente do dia 20 de oulubro
de 1865.
Oflico ao Exm. conselheiro presidente da rea-
cao. Tendome dirigido o juiz de orphaos desta
capital a representado junta por copia expondo o
conllicto de jurisdigo suscitada entre o sen juizo e
o dos feitos da fazenda, por occasio de proceder-se
ao inventario dos beus do finado brigadeiru Gaspar
de Menezes Vasconcellos Je Drummond, transmiti
a V. Exc, nos termos do art. 61 do regulainento
de 3 de Janeiro de 1813, nao s a citada represen-
tado mas tambem a inclusa copia do parecer do
deserabargador procurador aa cora e sob-rania
nacional, a qoem ouvi sobre a questao ; aiiin de
ser esse conflicto submetlido a esse tribunal para
sobre elle resolver como entender em sua sabe-
doria.
- 21
Ofcio ao Exm. marechal de campo commandan-
te das armas.Sirva-.-e V. Exc. de mandar alista
no 5 corpo de voluntarios da patria a Joo Anto-
nio de Oliveira, e no 6o a Antonio Raphael Ma-
chado.
Dito ao mesmo.Slrva-se V. Etc. de informar
acerca do que pede no incluso requeriraeulo Mara
Joajuina dos Prazeres.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar
acerca do offlcio incluso do director da colonia mi-
litar de Pimenteiras.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. dar baixa do 3o
corpo de voluntarios ta patria a Joo Cavalcanti
de Albuquerque Jnior, visto ser menor de 16 an-
nos, como provou o seu pai Joao Cavalcanti do Al-
buquerque no requeriraento sobre, que V. Exc. in-
fonnou em offlcio de boje, n. 1,957.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Annuindo ao que solicitou o director do arsenal de
guerra em offlcio de hontem, sol n. 440, recom-
mendo a V. S que em vista da conla e documen-
tos juntos, mande pagar a Bernardo Muniz de Sou-
za a quantia de 68,3000, que se Ihe est a dever,
proveniente do aluguel de carrogas, que forneceu
para conducgo da bagagera do Io bataluao de guar-
das nacionaes destinado ao scrvigo da guerra, da
Soledade para o arsenal de marinha, quando em-
barcou para a corte o mencionado batalhao.Com-
municou-se ao director do arsenal de guerra.
Dito ao mesmo.Faga V. S. recolher aos cofres
dessa thesouraria a quautia de 125000, que existe
era poder do director da colonia militar de Pirnen-
"eiras, proveniente de sepulturas concedidas no ce-
rnierio daquella colonia.
Dito ao mesmo.Hespondendo ao ouTmo de 20
de setembro ultimo, sob n. 698, em que V. S. im-
pugnou o pagamento dos vencimentos constantes
dos dous prels, que devolvo em duplcala, e relati-
vos a duas escollas de guardas nacionaes, que con-
duzirara recrutas cora destino ao exercito, de Gr-
vala para esla capital, tentio a dizer que, em vista I
da informago por copia, ministrada pelo enraman-
danta superior da comarca do Bonito, mande V.
S. elfec.tuar esse pagamento a pessoa indicada em
ineuolHio de 18 do citado mez de setembro.
Dito ao mesmo.Transmillo a V. S. para os dns
convenientes, as inclusas contas de receita o despe-
na da enfermara militar, relativas ao mez de se-
tembro ultimo.
Dito ao inspector d thesouraria provincial.
Era vista do qae requeren o 3o escripturaro do
consulado provincial, Abdias Bibiano da Caoba
Sales, mande V. S. pagar-lhe os vencimentos, que
'.i ver percebido como langa ior interino do mesmo
consulado, desde o dia em jue eotrou no ejercicio
desse lugar, para o qual fa nom.-ado por parlara
desta presidencia, senda os vencimentos os mesmos
que nuil i o langador Joao Paulo Ferreira, o qinl
deixou de percebe-Ios nos termos do art. 17 Io
da le n. 611, de 20 de maio ultimo, por ter sido
nomeado commaodaate do 5 cor,io de voluntarios
da patria.
Dito ao mesmo. Restituindo a V. S. as contas
te, sob n. 421, relativas as des.i zas feitas cora o
sustento dos presos pobres da Cadeia de Ouricury,
durante o> mezes de Janeiro a margo des'.e anno,
i.enlio a dizer era resposta ao citado offlcio, que
mande pagar smente a importancia das contas
correspondentes aos mezes de Janeiro a fevereiro,
cora eKduso do preso Alexandre Rodrigues Ca-
valcantl, qae alo veio incluido as relagoes apre- [
sentadas pelo delegado da jjeile termo, licando a
Jo mez de marco para ser satisfiita depois que o
prediio delegado romeiler a relacao de taes presos, |
recomend a cadeia durante esse mez.
Dito ao mesmo.Constando de offlcio do chefe
da repartica das obras publicas, datada de hontem
e sjb n. 340, haver o arrematante dos reparos e
embarreamento de 2,093 bragas jj estrada do sal,
a partir do marco de 8,000 bracas at o porto da
barreira da ponte dos Caminas, executado o Io
terco das obras do sea contrato, recommeudo a V.
S., que em vista do corapeieute eirtiticajo, mande
pagar ao mencionado arrematante a importancia
da primeira prestacao a que tem direitj.Cm-
municou-se ao chefe da reparlicJto das obras pu-
blicas.
Dito ao mesmo.Declaro a V. S., para seu ca-!
nbecimento, e atina Je que o faga constar a quera
compet r, que no re (ueriment o de Carlos Luz Cam-
bronne, sobre que versoa a sua informage de 10
do crrente, sob n. 401, dada com relerencia a do
administrador do consalado provincial, iancei o
despacho seguate :Iadeferido smente quanto
aos impostes sobre o carro de sua propriedade e !
uso particular, e deferido quanto ao mais avista do
art. 42 do contrato.
Dito ao mesmo.Transmitto V. S. os inclusos
prets em duplcala, alim de que, nao havrado in-
conveniencia mande pagar ao cabo Antonio Ara-1
brosio d'nveira, conforme solictau o coramaodan-
te superior da comarca do Cabo, em offlcio de 17
do correte sob n. 136, os vencimentos, a contar
do 1. de setembro a 15 de oulubro desta anno,
do destacamento de guardas oacionas existente em
Ipojuca.Communicou se ao> commandante supe-
rior do Cabo.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional do Recife. Constando de informagao da
thesouraria de fazenda, que existem pagos pelos
cofres geraes, viole e oito cornetas da guarda na-
cional de-te municipio, a saber; 6 no 4." batalhao,
12 no o." e 10 no 6., reoommendo V. S. que ex-
pega as suas ordens para que dous d'aquelles cor-.
notas vao com urgencia servir no 5.a corpo de vo-
luntarios da patria, em quanlo estes nao embarca-
ren! para a corte.
Dito ao director do arsenal ds guerra Mande
V. S. admittr na companhia de aprendices desse
arsenal, o mehor de nomo Ildefonso, llho de Epi-!
phanio Caetano Guedes, sobre que versa a sua in-
ormagao n. 441 de 23 do correte, urna vez que
seja satisfeito a disposigo do art 4." do regula-,
ment de 3 de Janeiro de 1842.
Dito ao commandante do corpo de polica Pode
V. S. fazer engajar para o sarvico do corpo sob seu
commando, o paisano Sebaslio de Souza Ribeiro,
qoe foi para sso julgado apto, cemo consta de seu
offlcio o. 1009 desta data.
Oito ao juiz municipal do Bonito. Inteirado do
que me communicou Vmc. em seu offlcia de 6 de
etmbro prximo lindo, tenho a dizer-lhe que!
designo o da 22 de novembro vindouro, para a
reunio- do coaselho^ muaicipal de recurso desse
termo, cuja convocagao dever Vmc. fazer d? P9B'
formidade com a lei.
Portara.O presidente da provincia, resol ve
nomear o tenente reformado do exercito Henrique
Tiberio CapsiraOo, para servir em ceramissao o
; posto de majrr do 3. batalhao do guardas nacionaes
destinado ao servico da guerra, e que se acha em
organlsaco na comarca de Garanhuns Fez-se o
necessano expediente a este respeito.
Dita. O presidente da provincia, resolve nomear
0 tenente do exercito Julio Pompeo de Barros Lima,
para servir em commisso o posto de raajor do o.
corpo de voluntarios da patria.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a proposta do Dr. chefe de polica, n. 1427
de 21 de setembro ultimo, resolve exonerar a Se-
veriano Rodrigues Coelho de Macedo, Jos Bonifa-
cio d'Azevedo Arapongaz e Jos Alexandre Rodri-
gues Coelho dos cargos de subdelegado, e 1." e 2.
supplenles do districto de Pontal oa freguezia de
Sania Mara da Baa-Vita, o 1." por estar ausente e
ter deixado o lugar em abandono, e o 2." e 3. por
terem mudado de domicilo, e para os substituir
nomea :
Subdelegado.
: Marco da Costa Mauris.
Supplenles.
1." Malinas Rodrigues Coelho.
2." Jos Honorio de Souza.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se c.im a proposU do Dr. chefe de polica, n. 1427
de 21 de setembro ultimo, resolve nomear para
subdelegados o l. e 2..supplen.es do nevo districto
de Caraibas \ freguezia de Santa Mara da Boa-
Vista, os cldadaos seguntes:
Subdelegado.
Felippe Antonio da Conceigo.
Supplenles.
1 Francisco de Paula Freitas.
2. Jos Tiburcio Muniz de Freila.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a propala do Dr. chefe de polica, n. 27
de 21 de setembro ultimo, resolve crear mais ura
districto de subdelegada na freguezia de Santa Ma-
ra da boa-Vista da comarca do mesmo nbme, com
a numeragao de 4." e a denomioagao de Riacho de
Caraibas, tendo por limites os do districto de Paz do
mesmo norae.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a propasta do Dr. chefe de polica n. 1427
de 21 de setembro ultimo, resolve nomear Jos
Bonifacio d'Azevedo Arapongas para o lugar vago
de subdelegado do districto de Pelrolina, na fre-
guezia de Santa Mara da Boa-Vista.
Dita.O presidente da provincia, altendendo ao
que requereu a Sociedade Monte Pi Popular Per-
nambucano, instituida nesta cidade, e em vista do
que dispoe o S. do art. 29 do decreto n. 2711 de
19 de dezembro de 1860, resolve nomear para o
lugar de director da mesma sociedade, Olegario
Francisco Mendes.
?P- 4 COMANDO DAS ARMAS.
Quarlel general do eomraando das armas de Per-
nambuco na cidade do Recife, 26 de outubro
de 1885.
Oitlem ilo da n. 139.
O marechal de campo comman lante das armas,
de accOrdo com o que panderou o director encar-
regado da enfermara militar, seientiflea aos Srs.
coinmaodantes dos corpos em organisagao nesia
cidade, que sdevero mandar recolher a refer\da
enfermarla, as pragas vaccinadas, quando as vacci-
nas se forem desenvolvendo ; por quauto at en
to nao sentindo ellas symploma algura mrbido,
rao to somente perturbar o silencio que deve rei-
nar naqnelle estabelecimento.
Devem entretanto os mesmos Srs. commandan
tes providenenr de modo que aquellas pragas ob-
servem a possivel dieta era seus quarteis, durante
o periodo do apparecimeuto da vaccina
(Assgnado.) Francisco Sergio d'Olijcira.
Est conforme.Antonio Francisco Duirte, 2.
tenente-ajudante de ordens interino encarregado
do detalhe.
(ier:'.':^^vz3R ?tfwi
EXTERIOR.
COBSLESPOrfDEffCIAS O DIA
i:i i>e a'fEKVimiccu
PORTO.
27 de setembro.
(Conclusao.)
llavera quatro graus de recompensas : raeda- |
Iba de honra, dila de 1* classe, dita de 2", e men-
gao honorfica.
A a'ljudicago destas recompensas sao confiadas
um jury imito internad mal composto de jurados,
tirados das nigas que concorreram exposigo,
na proporgo de urn jurado por cada viole exposi-
tores, despre=andu-se quaesquer fraegoes que pos-
sa-n haver do dito numero vinte.
As i*i classss era que esta' dividido o program-
ma offlcial para exposigo formam 12 grupos para
o lim de fiearem os productos pertencentes a essas
clas-es assim reunidas em cada grupo, sujetas ao
exame e deciso de um s jury especial.
Cada jury especial tem um presidente, um vice-
presidente, urn secretario e um relator. As nacio-
nalidades dos expositores sao representadas, quan-
do possivel, pelos presidentes ou vice-presidentes.
Estes jury-, nstallaram-se, como ja' dissemos,
no dia 18 do corrente, e comegaram os seus traba-
Ihos no dia 19. Esioassim constituidos.
Io grupo, industria mineira e metallurgca, das-
ses 1" e 12' bis : presidente Carlos Ribeiro, vice-
pres Jente e relator Joo Baptista Schappa de Aze-
vedo, secretario Chrisliano Kopke da Fonceca e
nove vogaes.
2 grujo, productos coloniaes de quai^uer que
seja a classe a que pertengam : presidente Antonio
Julio de Castro Pinto de Magalhes, viee-pre.-idente
Mr. Aubry Le Comte, relator Francisco Luz Go-
mes, secretario los Barbosa Leo e 7 vogaes.
3o grupo, agronoma e silvicultura, classe 2, e
12 : pres. Joao de Andrade Corvo, vicepresiden-
te Rodrigo de Muraes Soares, relatar Sveslre ber-
nardo Lima, secretario Amonio Giro e 10 vo-
gaes.
4o grupo, productos agrcolas e seus derivados
aliramlicios, classe 3 e 4 : presidente conde de Fi-
calho, vicepresidente R. L. Swifi, Esq., relator
Joo Pereira Lapa, secretario Antonio Ribeiro da
Costa e Almena e 17 vogaes.
o grupo, industrias chimicas, cermica e vitri-
fica; cirurgia e, hygiene, classes 6, 20, 37 e 38 :
presidente viseonde de Villa Malar, vice-presiden-
te e relator Agostinho Vicente Loureiro, secretario
Agoslinho da Silva Vieira, e 10 vogaes.
6o grupo, engenhara e machinas, classes 8, 10,
11, 13,14 e 13 : presidente F W. Sheilds, Esq.,
vice-presidenles Jes-.de Pirada e Silva Leito, re-
lator Jos Mana da Ponte e Horta, secretario Alva-
ro Kopke ds Barbosa Ayala e 11 vogaes.
7o grupo, instrumentos de preci^sao, classes 16,
17 e 18 : presidente o conselheiro Joaquim Tor-
quato Alvaras Ribeiro, vice-presidente Mr. Sautler,
relator Joao Alien, secretario Alfredo de Carvalho,;
e 9 vogaes.
8o grupo, msica, elucacao, typograhia e conne
xos, classes 19, 31 e 32 : presidente Mr. P. de Ge-
rando, vlce presidente Dr. Antonio Ayres de Gou-
vea, secretario e relator Jos Luciaoo Simdes de
Carvalho, e ') vogaes.
9o grupo, industria texts e tntuaria, classes 21
a 27 : presidente o conselh.?r9 Amonio Jos "Ociar-
te Nazareth, relator Jos Joaquim Rodrigues de
Freitas Jnior, secretario, Florido de Vasconcellos
e 11 vogaes.
10 grupo, artefactos para uso pessoal, modas e
I mobilia, classes 9, 28, 29, 30,33, e 39 :"presidente
Mr. Fourdlnois, vice-presidentes viseonde de Perei-
ra Machado, relator e secretario Eduardo Moser, e
11 vogaes.
11 grupo, industria dos m?taes e pedras finas,
classes 34 a 36 : presidente Mr. Carcenac, vice-
presidente Jos Victorino, relator Gaspar da Cu-
nta Lima, secretario Joao Marques Noguiera Lima
e 12 vogaes.
12 grupo, bellas-artes, classes 40 a 43 : presi-
dente marquez de Souza Holstein, vice-presidenle
Jos Courado Chlemicky relator Joaquim Pritro,
secretario Joao Eduardo Malheiro, e 16 vogaes.
Como se v da conslituigo dos jurys, admit-
tido o mesmo jurado a servir o cargo de presiden-
te e relator cumulativamente ou de relator e secre-
tario. Segundo o regulamento s lia incorapalbi-
lidade as funegoes de presidentes com as de se-
cretario.
As deliberagoes do jury sao tomadas por maioria
relativa, estando presentes pelo menos metade e
ni lis um do numero total dos vogaes de cada jury
que nao estiverera ausentes da Porto. No caso de
empate tra' o presidente voto de quahdade.
Se algura jury nao poder funecionar por falta de
nmeros legal de jurados compete ao cooselho de
presidentes nomear os jurados supplenles necessa-
rios para preencher as vagas referidas.
Cada jury poder no decurso dos seus trabalhos
decompr-se em secgoes on comits para o esludo
e exame minucioso dos productos de certas classes
ou snb-classes em que convenha essa sub- livisao;
porm as suas decisoes serac sempre collectivas
de todas as secgoes ou comits do mesmo grupo ou
jury e sempre fundamentadas na acta*respectiva.
E igualmente permttido a qualquer jury ouvir
a opinio das pessoas que julgar-lhe podem minis-
trar informagoes tendentes a tornar inais justa e
rigorosa a apreciago dos objectos sobre que tem
de pronunciar-se, anda que essa pessoas sejam es
tranhas ao corpo dos jurys da exposigo. Tambem
admisivel a qualquer "dos jurados de ura grupo
entregar por escripto a algura dos jurados de ou-
tro grupo as informagous que entender convenien-
tes a bem da justiga, com relagao a algum ou al-
galia dos productos pertencentes a esse outro
jury.
Terminamos esta parte da nossa carta cora a re-
lagao nominal dos expositores do Brasil.
RIO DE JANEIRO.
Gumaraes & C, madeiras do Brasil, tabacos, ci-
garros de papel e palha.
Antonio Jo9 Gomes Pereira Bastos, cerveja.
Eduardo Leopoldino da Silva Ribeiro, vinagre.
Frandsco da Silva Castro, charutos.
Joo Antonio Rodrigues, cerveja branca e preta
e cognac.
Manoel Jos de Araujo Souza, tabacos.
Paulino Barbosa, rap.
Peixolo Braga & Irrao, licores diversos eaguas-
ardentes.
Joo Augusto Ferrelra de Almeida, vellas, e
sabao.
Tribbiano (F.,) vernizes para movis.
Flix Farant producios pharmaceuticos.
Jos Bernardno Das Medronho, um projecto de
bomba de extinguir incendios movida por mani-
vellas,
Antonio Mara de Mascarenhas, varios appare-
Ihos de phisica.
Jos Manados Res, varios instrumentos de pre-
ciso, sessenta o seis amostras d'oculos e lunetas
de ouro de lei; e urna palmeira de prata.
. Joanna Gildardina Maria Donando, um quadro
wordado.
I), fetromlha Augusta Correia Texeira e D. En-
gracia Augusta Correia Teixeira, ura quadro de-
nominadoAttsncao perigosa. bordado cora difle-
rentes fios e ouro!
Tarquinio Theotonio d'Abreu Gumaraes, tres
sellins elsticos de couro de porco.
Costa Braga & C, diver-as qualidades de rha-
peas de,seda e pellos de lebre e castor, ele.
Goncalves & Braga, chapos.
J. A. Motta, quatro chapos.
Servetti : Silva, diferentes qualidades do cal-
cado.
Manoel Joaquim de Oliveira Juuior, urna garra-
fa com tinta violeta.
Antoulo Araujo de Souza Lobo, um quadro a
oleo (noile de loar); um dito (cabega de velio); um
dito, esbogo, (un passeio de voluntarios); um
quadro a pastel (un retrato); um dese.nho (vista
de parte do Ro de Janeiro). Este ultimo oltere-
cido a el-rei D. Fernando.
Diogo Lui r.ypriano, um quadro com urna mi-
niatura em ma-"lim.
Joaquim Insley Pacheco, quatro paisagens a oleo, |
pbotographias, dois quadros (desenho a craio.) j
Jos Tiiomaz da Costa Gumaraes, Mater Doloro-
sa (copia a aguarella de um quadro de Van-Dick);
miniaturas, copia ds Brochar e de Landelle ; re-
trato em miniatura de Faustino Xavier .'Sovaes ;
desenho a lapis (copia de gravura.)
Joo Francisco Carneiro, armas reaes porlugue-
zas abertas em vidro de espelho estanhado pelo
novo systeraa, argenlum nitnrum. (Cora dedicato-
ria mpressa a sua magestade el-rei o senhor D.
Luiz I.
Quiutlno Jos de Faria, medalhas de prata diffe-
rentes.
Bernardo Jos Pacheco, photographias de costu-
mes brasileiros.
Van Nyvel, Gumaraes & C, idiotographias.
BAHA.
Joaquim Lourengo Alves, charutos.
Schnorbusch (G.,) charutos.
SA.NTAREM DO PARA.
Joaquim Honorio d Silva Rebello, vinho de ca-
j, vinagre do dito, agurdenle do dito. (Offerece a
S. M. el-rei.
AMAZONAS.
Manoel Joaquim Teixeira Primo, urna cobra de
Guaran e urna rede de cipo, etc.
CAMPOS.
Antonio Francisco Torres Jnior, espirito fino
desinfectado, espirito nao desinfectado, caf e as-
sucar.
RIO CRANDK DO SOL.
Jos Thomaz Pereira Soares, araruta.
Domingos Jos da Silva Faria, dous chifres mons-
truosos, dous pares de redeas de tranca de couro,
brancas; urna diu preta; cabegadas, rebenques e
outros ariigos de obra de selleiro tambem de tran-
ca de couro, quatro pegas de cabo de couro, ludo
fabricado na dita provincia ; um chifre monstruo-
so de boi, da provincia de S. Paulo, dous ditos di-
tos de veado, da provincia do Rio Grande.
SANTA CATIIAHIXA.
D. Rita Adelaide Soares, um quadro com flore)
de escama de peixe.
s. PAULO.
Birrenbach 4 Irmo, chapeos.
PORTO AJuBQBB.
Joaquim Pinto Vieira, botinas e botns.
MINAS GERCES.
Adelino Amancio Moreira, objectos de dfleren-
tes madeiras. (Offerece a sua magestade o senhor
D. Fernando, aquelle que sua magestade se diguar
acceitar.)
Joo Constantino Pereira Goimaraes, tabaco cres-
po, para cigarros e cachimbo.
Saaa magestadae el-rei D. Luiz, a rainha ase-
uhora D. Maria Pia, el-rei D. Fernando e sua alte-
za o infante D. Augusto entrarara nesia cidade ao
anoitecer do dia 16-do corrente. Trabara sahido
de Lisboa, em comboyo especial na manhaa des-
se dia.
Foram esperados na estacao das Devezas pela
earaara mnnicipal de Villa Nova de Granja, gover-
nador civil do districto, generaes da terceira e
quarla divisos militares e respectivos estados raaio-
res, alguns agentes consulares, varios titulares e
! oulras pessoas distinctas, e como de presumir,
por rauilo povo. Um esqoadro de cavallaria faza
neste local a guarda de honra.
Depois de suas raagestades e altezas receberem a
felicitago da cmara de Gaia parltram para a ci-
dade.
A forlaloza da Serra do Pilar e o vapor de ge-
ra Lynce sal varara com vinte e um tiros quando a
real comitiva aproxiraava da ponte pensil sobre o
Douro.
xNapraga da Rbeira eslava levantado um pav-
Iho para a ceremonia da antiga usanga da entre-
ga da chave da cidade. Nelle esperavam suas raa-
gestades e altezas a cmara municipal do Porto,
os cnsules de Italia, Brasil e i^spanha, alguns ti-
tulares, etc.
Os reaes hospedes foram recebidos debaixo do
palio pela cmara, e depois tomaremno pavi ho os
lugares respectivos, o Sr. viseonde de Lagoaga, pre-
sidenle da municipalidade leu o seguale felicita-
gao :
Senhor I Anda se nao completaram dous an-
' nos que neste mesmo lugar tivemos a honra de re-
,ceber a vossa magosta acompanhado da nossa ado-
rada rainha. Vossa magesta que em ludo segu os
, exemplos de sua augusta mi e de seu excelso ir-
, mao, ambos de saudosissima memoria, que sem-
: pre conslderarame distinguiram o Poitoconi repe
tidos actos de benevolencia, dignouse tambem
; honrar-nos naquella occasio, cora a sua visita, fa-
! cuitando nos igualmente a ventura daqui podermos
. saudar e apresentar as nossas respeiosas homena-
1 gens neta do magnnimo monarcha Carlos Al-
. berto, e como mals uraa prova da sua conslante so-
i licitude pelo progresso das nossas industrias, leve
| vossa magestade por bem visitar a exposigo agri-
. cola que naquelie anno teve lugar na capital da ri-
, ca provincia do Minho.
t Hoje apraz a vossa magestade conceder-nos
igual honra viudo assistlr naugurago da nossa
! exposigo internacional, abrilhantando com a sua
augusta presenga esto commettimento arrojado,
mas glorioso, devido iniciativa de uraa direcgo
briosa que se nao tem poupado a diligencias e sa-
crificios para que a festa do trabalho corresponda
ao norae que o Porto tem sabido adquirir, e para
justificar mais urna vez as honrossimas e benvo-
las palavras com que se dignou dbtinguir-nos o
nunca assaz chorado re o senhor D. Pedro V,
quando se inaugurara a primeira exposigo iudus-
trial que houve no paiz em todas as iniciativas
uteis e fecundas sempre o Porto a primeira.
t Por fortuna nossa e para mais considerago ve-
mos ao lado de vossa magestade a seohora D. Ma-
na Pa, digna esposa de vossa magestade e rainha
de Portugal, ao prncipe real a quera pela primei-
ra vez nos cabe a honra de beijar a mo, e quem
um dia deve presidir aos destinos da nagao, sendo
por isso o penhor mais caro da nossa constante
ventura a el-rei o senhor D. Feruaodo a quem por
justo titulo o paiz denomina rei artista eqoe lano
direito tem ao nosso respeito e reconheciraento
pelos seus relevantes servigos nagao, e finalmen-
te o serenissimo infante D. Augusto que merece to-
da a sympatha dos portuguezes, e mais um pe-
nhor da conservago da augusta dynaslia de Bra
ganga de que essencialmente depende a felicidade
publica.
A tanta prova de benevolencia e amor que
vossa magestade se digna mostrar pelos seus sub-
ditos, corresponde esta invicta cidade cora o mais i
profundo reconheciraento e resneitosa dedicaco e
lealdade.
t Esta povoacao, senhor, que se ufana com as
suas gloriosas tradiges, e que se est sempre dis-
posta a pugnar pela sua independencia e pela ma-
nutengo das liberdades patrias para a restaurago
da qual fez tantos sacrificios, nao se empenha me-
nos no expleudor do throno e em tudo o que pode
concorrer para a prospendadede seus legtimos so-
beranos, senie o mais subido jubilo por ver e pos-
suir dentro de seus inexpugnaveis muros os netos
de dous monarchas magnnimos, cujos nomes es-
to sempre gravados no cora gao dos P.>rluenses
com reconhecimento e saudade, e folga por ver
junto a elles os augustos principes que uos sao to
caros, e exulla igualmente por ver que vossa ma-
gestade dedicado sempre ao bem da patria e a
promover o progresso das nossas art- s se empe-
nha em dar todo o expleudor e linimento ao certa-
me agrcola industrial para que foram convidados
e estrangeiros e no qual esta compromettda a hon-1
ra, dlgnidade e brio do nomo portuguez, porm,
de que louvores ao auxilio que enconlrou nos po-
deres pblicos, e as diligencias de urna admins-
trago illustrada, haveraos de sahir victoriosamen ;
le. juntando assim mais ura padro de gloria aos,
mullos que o Porto possue.
t Digue-se, senhor.acceiiar para vossa magestade,'
para sua magestade a rainha, para o priucipe real, \
para el-rei o senhor D. Fernando, para o serenis-
simo infante D. Augusto e para toda a familia real
as nossas rendidas homenagens, e permittindo nos
a honra de beijar a sua real mo, digne-se acce- |
lar as chaves da cidade como lestemunho da nos-
sa dedicaco e lealdade. >
S. M. el-rei O. Luiz respondeu o seguinte :
< Venho orgulhoso assistir a festa dos que amara
o trabalho e poem no futuro a mira dos seus cui-
dados. A historia contempornea desta Invicta el-!
dade bastara por si s a dar renome aos seus ha-1
hitantes, ainda que desajudada fosse das tradigoes
do passado.
a O Porto di-lo a fama publica, a cidade das
heroicas emprezas e dos altivos commeitimentos.
Meu avd achou nella homens a altura do sou ani-
mo esforgado e meu irmo, de quera acabaos do me
avivar as saudades, comprazia se em reconhecer
aos portueoses a grande virtude da lenacidade que
supera os obstculos e converte em realidade o
que era julgado utopia. Do que sois e do que
valis leudes aa imana familia dous autorisados
juizes.
O Porto que foi o bergo das libesdades patrias
e vio crescer dentro dos seus muros a fama do meu
augusto avfl, o Sr. D. Pedro IV de gloriosa memo-
ria, acatou tambem no seu espontaneo exilio o mag-
nnimo rei Carlos Alberto, avd da excelsa rainha,
minha rauilo presada esposa.
< A vossa historia, j rica de feitos que a Ilus-
trara, enriquece-se hoje com mais uraa pagina bri-
Ihante. Acordar a rivalidade honesta dos que tra-
balham cimentar o amor do bora e do bello, e as-
pirar pelo estimulo as pacificas glorias dos trium-
phos industriaos, os raais conformes a ndole da
aossa poca, e ao bem estar das nagdes.
c Ao charaaraeoto patritico da cidade invicta, a'
grande festa da civilisago,acudi jubiloso como por-'.
tuguez e como re, para em ambas as qualidades '
Ihe dar ura lestemunho publico de que sei presar
os esforgos dos que trabaiham pela prospendade
da nossa patria e pelo engrandecimenlo da sua in-
dustria.
c A presenga de toda a minha familia na cidade
do Porto, esperando que se descerren] as portas do
palacio, em que se accumulam as provas da vossa:
actividade industrial, inequvoca deraoostrago
de que sabemos avahar as|vossas (adgas e deltas |
tiramos justificado orgulho.
Agradecendo a cmara muaicipal desta glorio-
sa cidade, as leiieitagoes que me dirigi, eo muito |
que contribulo para a roalisago desta festa nacio-
nal, espero confiadamente^ que nao ser a ultima
vez qqe tenha de applaudir 9 cqsadia r]a,s. omprezas I
desta nobre cidade e a f robusta com que sabe
realisa las.
Pego a cmara municipal do Porto que trans-
muta aos seus habitantes, ss votos que faeo pela sua
presperidade
Finda a recepgo SS. MM. e AA. com a sua co-
mitiva e mais pessoas que os acompanhavam spgui-
ram para a real capella de N". S. da Lapa.
El-rei D. Luiz, vesta a farda de marechal do
exercito, e o infante D. Augusto a de major de lan-
ce i ros. Vlnham a cavallo e rodeados do estado-maior
de el-rei.
A rainha D. Mara Pia cora o principe real no
regago e el-rei D. Fernando vinham n'um carro
descoberto.
Seguiara muitas carruagens que conduziam as
corporages e individuos que haviam esperado a
real comitiva aa eslagao das Devezas e no pavilhao
da Blbeira.
Chegaram a capella da Lapa era j noite.
A' porla do templo esperavam SS. MM. e AA. o
cabido da diocese, a mesa da irmandade da Lapa e
o resto dos amigos voluntarios da rainha cora os
seus velhos uniformes.
Faza a guarda de honra um batalhao do regi-
ment n. 18.
Eoloado o Te-Deum, emque ofDciou o Exm. his-
po dirigiram-se SS. MM. e AA. para o pago, onde
entraram eram 8 horas.
As ras por onde passou o cortejo real estavam
alcatifadas de verde e as janellas adornadas com
cobertores de damasco e banderas.
SS. MM. e AA. partiram para a capital na tarde
do dia 21.
uurante a sua curta estada nesta cidade visitaran!
varias vezes a expesigao, e alguns estabelecimentos
pblicos.
A sociedade do club porluense deu um baile a
que SS. MM. e AA. se dignaran! assistir. Foi bri-
Ihante como era de esperar.
Para nao tornar d-masiadamente extensa esta
carta somos obrigados a calar algumas particulari-
dades com referencia a visita da familia real a esla
cidade.
O trigesslmo qnnto anniversaro pela raorte do
Sr. D. Pedro IV coramemorou-se esle anno no da
23 por cahir ao domingo o dia 24.
Como sabido, os suffragios fnebres sao feitos
na capella da Lapa.
Olciou o Rvra. chantre da S o Sr. Dr. Miguel
Joaquim Gomes Cardas. A missa foi acompanhada
a grande instrumental. Recitou a orago fnebre
o Rvm. Augusto Cesar da Cunha Menezes. A igre-
ja estava ricamente adornada. Eram novos e de
grande elfeito o risco da ega e do sarcophago.
Assistiram as exequias a cmara municipal, to-
das as autoridades eivls e militares, offlciaes dos
corpos da guarngao, alguns cnsules, e entre elles
o do Brasil e muitas pessoas de distinegao e do
povo.
Fez a guarda de honra o batalhao de cagado-
res n. 9.
A fortaleza da Serra do Pilar, o caslelle da Foz
e o vapor de guerra Lynce deram tiros de quarto
em quarto de hora.
Suas magestades entregaram ao Sr. governador
civil 1:0003000 ris para ser destribuido 6005000
reis aosesiabelecimentos pos do Porto e 4000000
res por pessoas necessitadas.
Concluio se a fundigo da estatua de D. Pedro V
para o monumento levantado na praga da Batalha
pelos artistas portueoses. A estatua foi fuudida
n'esta ciJadd por artistas portuguezes. J nao foi
sem lempo.
O Sr._viseonde de Leiria, commandante da quar-''
la diviso militar ( Porto ) parti antehonlera para
Lisboa. Acompaohara suas mageMades na sua
prxima viagem ao estrangeiro.
Diz-se que o Sr. viseonde de Lagoaga, presiden-
te da cmara municipal, (ora elevada" a conde do
mesmo titulo.
Falleceu no da 17 o Sr. Manoel Joaquim Tei-
xeira Carduzo, natural do Rio de Janeiro, e pro-
pnetario da padaria Agula de Ouro d'aquella ca-
pital.
Urna erysipela na peina esquerda que degene-
rou era ura lypho, levuu-o dentro de poucos dias a
sepultura.
Tmha vindo a Portugal em viagem de recreio
com sua esposa a Sra. D. Leonor Orsal, que ah
deve ser conhecida por ter sido actriz no thero,
brasileiro.
Consta-nos que a Sra. D. Leonor parte, para a
capital do Imperio no paquete inglez de outu-
bro.
O estado sanitario do Porto continua a ser ex-,
eellente.
O Sr. Jos Marques Loureiro, dono do estabeleci-
mento hortcola, na quinta das Virtudes, offereceu
a sua magestade a rainha uraa arvore genealgica
da casa de Braganga desde o Sr. D Pedro IV, fei-
la com flores de cera, imitando dezoito camelias'
portuguezas de primeira ordem, uascid'S na refe-j
rida quima, e ainda nao conhecidas no mercado.
O Sr. Marques, tratando das suas camelias, esco- j
Iheu dnzoito das mais notaveis e chrsmou-as cora
OS nomes dos membros da familia real bragaotina
que vinham ao sou intento, e assim teem os ama-
dores de flores camelias Luiz I, D. Maria Pa, i
D. Carlos, D. Pedro IV, D. Isabel Maria, D. Leopol-
dina, D. Amelia (imperalriz do Brasil ) D. Amelia
(sua lilha ) D. Mara II, Fernando II, D. Pedro V,
D. Estephania, D. Joao, I). Maria Auna, D. Fernan-
do, D. Antonia, D. Augusto.
A arvore genealgica comega no senhor D. Pe-
dro IV,collocando-se as respectivas posigoes as pes-
soas, segundo as idades. Coroam, porm, a dila
arvore el-rei D. Luiz, a rainha D. Mana Pia e os
dous principes seus filhos.
Vasos de porcelana da fabricada Vista Alegre-
cem os nomes das pessoas reaes; conteem os ar-
bastos enxerudos em estufa a franceza pelo Sr.
.Marques, cujo trabalho est exhibido na exposigo
e recommenda-se pela idea que presidio a sua con-
fecgo.
Abri termo de carga :-em 21 o patacho Dcr-
val, para o Rio Grande do Sul.
Emrou :era 20 a galera Amizade, do Rio de
Janeiro.
Sahiram :em 18 o brgne Esperanca, para
Pernarabuco ; em 23 a barca Nova Palmeira, para
o Para.
Sahio da Figueira em 12 de setembro o patacho
Jos, para o Rio de Janeiro, cora varios gneros.
REVISTA mkllL
Rcunio-se hontem o Instituto Archeologico o
Geographco Peroambucano em sesso ordinaria
sob a presidencia do Exm. monseahor Muniz Tava-
res, e com assistencia dos Srs. Drs. Joaquim Por-
tella, Soares de Azevedo, Gusmo Lobo, Wltruvio
Pinto Bandeira, Soares Brando e Amaro Joaquim,
padre mestre Lino e major Salvador Henrique.
O Sr. secretario perpetuo d conta do seguate
expedieote.
Varios nmeros do Diario de Pernambhco offe-
recidos pelo coasocio commeudador Figueirda.
Recibidos com agrado, maudou-se archivar.
A quinta forma aa Bibliolheca Literaria, o (le-.
recida pela respectiva redaego.Recebida com
agrado, mandou se archivar.
Um offlcio do consocio baro do Livramento dan-
do os motivos de sua falta de comparecimento. i
Inteirado.
Outro do Sr, Dr. Jos Bernardo Galvao Alcofora-1
do, em nome dojconselho director do Instlalo Fi-
lial dos Advogados Brasileiros, enmmiiniean*> a
respectiva rerastallago nusta cidade. -Inteirado
mandado responder.
Vera a mesa a seguinte indicacao :
Indico que o Instituto se dirija a cmara Mu-
nicipal d'esia cidade, convidando-a a rever os no-
mes cura que sao conhecidas as rnas e pracas
desta cidade, afim de substituir por outras, que fe-
cordem feitos patrios dignos de nota e a memoria
de varoes (Ilustres, aquelles que traduzem acmte-
cim-ntos e fados sem real valor histrico, como
tantos ha ah que tiramorigem de mindezas loca
indignas de passarem a postendade ; isto a "ra-
pio do que isso as capita.s europeas e do que
acaba de ser feilo no municipio neutro.
Para este efleilo, poderiaa IHMrbstan cma-
ra delegar de seu seio urna commisso que, enten-
dendo-se rom outra do Instituto, e por esle me
combinadas e conduzidas as necessarias explora-
goes archeologicas formulasse um prnjerto qae se
submettesse approvagai do poder competente.
Sala do Instituto, 26 de outuaro de 1863.
F. L. de Gusmbo Lobo.
Depois de algumas consideragoes do respectivo
autor, approvada a indicago.
Em seguida l se esta proposta :
Proponho ao Instituto para que aalorise ao res-
pectivo thesoureiro a comprar de todas as loteras,
que se eztnhir aqui na provincia um meio bilhe-
le, encommendando e escoltando de preferencia o
n. 1862, poca da naugurago do mesmo Instlalo.
Sala das sessoes do In-tiluto Archeologico 16
de oulubro de 1863.
< Amaro Joaquim. >
I Va i a commisso de fundos e orcameatos.
O Sr. major Salvador llennqoe," como relator da
commisso especial de estatuas, declara nao ter si-
do possivel por motivos justos dar parecer sobre a
indicago que Ihe esi affecta.
Igual declarago faz o Sr. Dr. Witravio Pinto
Bandeira, como relator da commisso de admisso
de socios.
E levantase a sesso, sendo designado o da 9
de novembro para prxima reunio.
Amanha vai a scena no Santa Isabel o bello
drama Fortuna e Trabalho, que faz a sua estrea
no palco.
E' composigSo do festejado escriptor portnguez
Ernesto Biestre, que o e-creveu especialmente para
dedicado classe typographica, era cojo beneficio
foi representado pela primeira vez em l.i?boa sob
0 estrepito dos applausos, que sabem conquistar as
produegoes de Biestre pela finura do a nceito, por
umaedicgofluente e encantadora, e pela belleza
com que atavia os seus pensamentos na forma ma-
terial, que Ihes d.
(rata a associago tvpographira Li-bonense ao
Alustrado autor desse'bello drama, offereceu Irw
urna peona de ouro, que por certo Ihe era devida ;
pois suas produegoes s de penna de ouro podem
sahir.
Foi o abrago sympathico da intellgenca com o
i instrumento da sua manifestag.ao ; e quanto nao ;
elle bello... quanto nao tem de expressivo I
E' para este o drama, a cujo desempenbo tere-
mos amanha de assistir.
Teve lagar na quarta-feira a partida do Club
Pernambucano.
Esteve bastante animada toda a funeco, reinan-
do a'ella a desejave! regularidade.
O Sr. capito do 3." corpo de voluntan i J.
Ricardo Monteiro de Paiva, apresenlou hontem a
noulinha a S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
alguns voluntarios que alistou na villa do Bonito.
Com elle vieram do mesmo lugar, urna moga de
14 a 16 anuos, acompanhada de sen pai e om tio,
para se ahstarem como voluntarios.
Constamos que S. Exc. nao est res-lvido acei-
tar essa nova voluntaria, visto a ultima delibera-
gao do governogeral, em relaco do Piauhy.
Numeragao dos bilhetes da lotera 37.J r.f.
ferecdo pelo Sr. thesoureiro das loteras Anto-
nio Jos Rodrigues de Souza para as despezas da
guerra :
Bilhetes ns. 1463, 22V3, 3643.
Meios ns. 648, 930, 1212, 1318, 2631, 3I8, 3386,
3811.
Quintos ns. (94, 249, 391, 798. 1332. 1693, 1947,
209, 2349, 2581, 3845, 3049 3493. :7'i'J, :i"M6.
Os billi'-les das loteras II.* a 36." produzram
1:5983400.
Hoje (27) effectua o agente Pinto o leilao de
movis, obras de ouro e louga, na ra da Cadeia,
armazem nove, em frente do becco Larg >.
Passageiros do vapor ingle Ptoiomy, entra-
do do Rio de Janeiro, Bahia e Macei :
Domingos Jos de Souza Peixolo, Jls Guedes
Nogueira, S. Barroso John Bosthni3nn, e fflSM
Cavalcante de Albuqoerque.
Passageiros do vapor brasileiro l'arahyba,
sabido para Acarar e pi ros intermedios :
Fr. David da Natevdada de .1. Senhora, Janoa-
rio Nunes Thomaz e 1 filho, 2 pragas e I cabo. 3
pragas de polica, Francisco Jos da Silva, Fran-
cisco Gomes da Silva, Idalino Fernandes de Souza,
Jocome de Araujo, Amaro de Barros orra, rene-
g Joaquim Mximo da Casta Pinto, Thomaz Anto-
nio Ramos Zasie, sna senhora e I prima, (luilherme
Rodrigues Brackenfeld, Ignacio de A. Maranhao e
1 escravo, Joo Fernandes Prenles Vnona. sua
senhora e 1 lilha, Antonio Candido Antunes de Oli-
veira, sua senhora, 1 lilha e 2 escravas.
RepartiqXo da polica.
Extracto da parte do dia 26 de outubro de 1863.
Fora ti recomidos a casa de detengao no da 23
do corrente :
A' ordera do subdelegado de S. Jos, Joao oa
Joaquim Antonio da Sllveira, por en me de furto ;
e Amonio escravo de Jos Martins d'Andrade, por
disturbios.
A' ordera do delegado do 2.' districto, Frederico,
escravo de Jos Gomes dos Santos Pereira, por cri-
rne de tentativa de morie.
O chefe da 2* s#cgo,
i. G. de Metifuila.
CeMITERIO PUBLICO, OBITUARIO DO DIA 24 D3
OUTUBRO DR 1865.
Joo Baptista Rosa, Pernambaco, 30 anuos, soltei-
ro, S. Jos ; phtysica pulmonar.
Jos dos Santos Costa, Para, 28 anno*, solleire,
Boa-Vista : intente.
Belarmino Joaquim Viaoua, Pernambaco, 30 as-
nos, casado, Boa-Vista: anasarca.
Maria Laurinda de Benevinda, Pernambaco, J9
anuos, viuva, Boa-Vista ; schirrb.
Mauncia Maria do Sarrarrento, Pernambaco, 119
aooos, solteira, Boa-Vista; ery-ipela.
Emilia Mara da Conceigo, Pernambjico, 35 anno?,
viuva, Boa-Vista ; ascite.
Feliciana Mara da Conceigo, Pernambaco, 33 an-
uos, solteira, Boa-Vista ; phtysica pulmonar.
Igoacia, Pernambaco, 45 aanos, solteira. Boa-Vis-
ta ; tubrculos pulmonar.
Maooel, Peroambuco, 1 anno, Boa Vista ; es-
pasmo.
Isabel, Pernambaco, 3 mezes, Santo Antonio ; coo-
vulgSes.
Francisco, frica, 40 annos, solleiro, eseravo. Boa-
Vista; phtysica.
2o
Pedro Nolasco Baptista, Pernaaboeo, 50 asnos,
solteiro, S. Jos; phtysica.
Francisca das Chagas Luna, Pernassswo, 34, aa-
nos, solteira, Santo Antonio; pbiystea.
Maria Magdalena, Peroamhuco, 36 annos, solteira,
Boa-Vista; estopor,
Pedro, Afrjoa, 65, auno, solteiro, eseravo, Recife t
hpattte,

V
1


'
Mario de iPernanabuco Sexta Cetra 19 de Outubro de !*.
TfVI Kl \ V I. 1M> COWWBBCf
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 23 Db
OITUBK DE 186*.
fRESIDEJCU DO EXM. SR. OESEMBAnGAOOR
ANSKI40 FRANCISCO PBBKTT1.
s 16 horas da manh; a, oslando wumdos os Srs.
deputados Rosa, O AJcoforado, Basto e Miranda
Leal, e prsenle o Sr. desembargador fiscal, o
Exm. Sr. presdeme declarou abena a sesso.
Lida, foi approvada a acia da sessao antec-
deme.
EXPEDIENTE.
A. 57. o socio que, por sua ineiicidade, se Elle muilo bem tolerad* pelos doeates,,
adiar rlesempregado, preso, ou impossibihtado de os quaeg u u5o anoa e lomado p^:
-"bera urna prestacao mensa! que,
de 304000 rs., peder ser reau-
trabalhar, parceber
cao ercedendo
'ida, segundo a maior ou menor necessidade do
socio.
Art. 58. Ao socio que se desempregar por mo-
Si^V^^^ AS5.,lS, Portantese preciosos da teraputica, quera
bilitacfos que elle tiver, at duas vezes; e se se' descobno O meiO de 0 tomar de um USO fa-
retirar para outra praca promover-Ihe-ha as possi- cil para todos, prestou um verdadero ser-
pessoas cujo gosto e olfato sao dos ruis sus-
cejtiveis.
Hoje que o oleo de ligada de banalhbo
tem-s tornado um dos agentes os mais ro-
yis recomraeudacoes.
t Ari. 59. A'quelles que por molestia, ou outros
motivos graves, liverem necessidade dse ausen-
tar, pagar a sociedade as despezas de transporte
Um offlao do secretario do mentissimo tribunal com coinmodidade e decencia, para outras pro
do commercio do Maranho, de 13 do torrente, vincjas do jraperio ou para pAll estrangeiro.
acompanhad da relacao dos commercianies ma- Arl 6f) Ao S0C1 je fa||eoer a directora
triculados naquelle tribunal nos mezes de Julho a mandarit hier um el,.rro decente,.se elle nao
\ ico arte de curar e aos praticos.
Por isso n^ podemos concluir melhor
do que felicitando o Sr. Chevriecpor suaj
rica e til descoberta que merece de ser
propagada, e dizer com meu collega o Sr.'
Dr. Richelat os tralialhos que conduzem as
!- nhado por uina commissiio nomeada pela directo- tegidos pelos mdicos.
a junta dos correlores, remetiendo nesta ria e esla no j, dia mandar rezar urna missa ; fii imnnrlintP* inhallini rln Sr f.hflww
An. 61. A sociedade cuidar
livramento do socio que fr
qoe trata
no mesmo
activamente do zeram obler um resultado nao menos im-
r preso; mas s ihe portante, o qual consiste em ter associado o
rata o art. 57 se delle ferro ao o|eo d(J fi lo de |jaca||,0> 0 oleo
do termo do
flanea prestada pelo mesmo agente
DESPACHOS.
No requerimento deJoaquirn de Paria Macha-
do, pedindo que IDe seja transferido O livro Diaria
que havla sido sellado e rubricado para a tirina de
Santos c\ F.uia, da qual era socio, e que so dissol-
vcu por mor te do socio Santos.Cuino requer.
No de Amonio Jos Leal Res, pedindo o registro
da procuraco do Bauco Mercantil Porluense..
Registre-se.
o de Jos Marques dos
tnguez, de 30 annos de i
setembro do corrente acno.Accusada a recepcao, deixar meios para isso. O enterro ser acompa-; descobertas d'esta especie devem ser pro-
archlve se.
Oulro da
dala a cgI
semana Onda.
Foram distribuidos aos senhores depulados os
livros Diarios de entradas e de saludas e o de ron-
tas correntes do agente de leudes Jo> Izidoro Mar-1 prestar. 0 SOCcorro de que trata o art. o/, se oei f, fi
tins, e o Diario de Vicente I-erreira da {.osla & necessitar. Dado, porm, no mesmo anno o caso =" "iBuuugj
F.lbo. de reincidencia, ou conl.eeeudo-se que o socio as- de fi9do de bacalhao ferrtgtnoso de Che-
Compareceu o agente de leudes Jos Izidoro Mar- sn, pralca j,ur nilil0 on ma ll0|ei a sociedade o vrier constitue lalvcz O melhor meiO de dar-
tins, e presiou juramenlo. abandonara as cons quencias do seu acio, fleando se O ferro. POS O iodTO de ferro unido
Kemetteu-se a ll.esourarla copia do termo do snspen80 au soc0 0 ^ do< seus direitos pelo desle m0(,0 com 0 oleo de fl^do de baca-
^ir^^^Z^^^ 'hose dissolve mais fcilmente nos liqui-
va e Blhos menores, ficando privados de meios dos das vias digestivas e por consequencta
para sua decente sasteotacao, gozarSo dos bene- se assnnila muilo mais bem do que sb a j
(icios;iU sociedade da seguinte maneira: forma Je Diluas OU xarope. Emfim elle
a 1." A viuva,emquanto se conservar nesse ___ r K, ., I
estado, e se com'orlar honestamente, teceber perdo assim suas propriedades rntantes, e
urna niensalidade de 23OOO. nao provoca a conslipaco. E assim que
Os finios, legitimo8 ou legitimados, 105 03 doentes, cujo estomago nao pdesuppor-
tomara fa-.
bacalhao ferru-
cei com leja de Cateadas por grosso e a retalho, ~ A-rT C'J "lodo a'cidadoporlutjuczemcircums- ginoso de Chevrier.
pedindo ser adniellklo matricula, e abonando sua tmem lh ser soc0> resili,.ntl, nesta cidade, que Qs senliores Maurrer & C. acabam de re-
preteocau com una j^uiicacao prestada nojuizo rectuar entoar mura anmk da moeia^o, nao m-,n,\p snrlimnnln il.,s r.'lehres
municipal e do corainercio caquella cidade.-\ isla IOller m lm ^J, m adiniludo> nem ter di- c
reilo (i bcivfiins le qualqtur nalureza.
t Art. 70. A contar do 1. de Janeiro de 186G. noso de Chevrier.
passar a jola (que at 31 de dezrmbro do corrente, Veide-so na pharraacia de Pedro .Maurer
lino i ie 10K10) a ser de io& para os que ^ .. N .^
desde eotao fon ni adroitlidos, continuando todava
a cobr. r se a mesina mensalidade marcada no
,u .... ...... a.. us mnos, legtimos ou legmmauo.-, iu# 03 uoentes, cujo estomago nao p
fc santo, carregal Pr- g?r,B,ez sedo u,,n s1')' lS*^lt 0l,f' ^*X?,' lar nenUt.ma preparaco marcial
ios banws cdiiet,ai, i i se forera mais d.< dous, iaU emquanlo nao chega- i v
dade, estabeleeido em Ma- rt.m a ii;i(e do, j2 aiinjs i ctlmerite o oleo de figado de bacc
azeiles desinfectado de Chevrier e frrrugi-
Na -erysipella nodeveo enfermo nos pri-
moiros tres das usar de comidas e bebi-
das que possain esquentar e inflammar o
saufe.
A comida durante esse tempo deve ser do
reino vegetal, como sag, farinha do Mara-
nho, pao torrado, bolacha, etc.
Ainda nao vi expositor de medicina que
aconselbasse que nos primeiros tres dias de
accommettimeotos do mal, nao se usasse de
medicamentos ; o queelles repellem sao os
unguentos. Junturas que obstruem mais e
repellem do que promovem a evacuado da
parte ; o que convm trazer o lugar ata-
cado e bem agasalhado para ajudar a trans-
pirafo e defender do ar.
O verdadeiro xarope de relame vende-se
na botica da ra ireila n. 88, de Jos da
Rocha Paranhos.
Tenho recebido cartas de algumas pes-
soas de ouiras provincias que me commu-
nicam ter desla cidade sido remetlido o meu
xarope falsificado, que tem dado resultado
ao descrdito de minba preparaco, cujo co-
nhecimento se tem verificado depois dos cf-
feitos que taes remedios apresentava ; as-
sim, pois, tenho a declarar ao publico qne
no letreiro que vai i regado na garrafa do
xarope, sempre foi assignado por meu pu-
nho, e daqui em diante, alm desta assig-
natura o farei lambem no papel que cobre
a garrafa. Rogo ao mesmo publico que
quando forero assim engaados, tomem tes-
temunhas, me rtmettam os rtulos falsifica-
dos e me participem para fazer eTtctivo o
artigo 107 do cdigo criminal do Brasil.
Jos da Rocha Paranhos.
>-s--rsa
ao Sr. desembargador fiscal.
No de Diogo Jos da Silva, portuguez, de 30 an-
nos de idade, estabeleeido no Ceara rom casa de
commercio de mercaduras em grosso e a retalho,
pedindo ser admetlido a matricula, ejuniando em
abono de sua pretencaoum attestado dos coinmer-
ciantes Stngleorsl Abren & C. e J. L. Vasconcellos (lo art. 1 l"{;j0 is.) A jus-llbcfoa.
& Hogties.Vistt ao Sr. decambargador Bscal. Art. 76. Das qoaollas subscriptas, embora. As virtudes therapeulicas da jurubeba sao desde
No de Domingos Alves Maiheus, pedindo ore- aQlla n;0 arreL.adildaSi ai ser, m po,tos em exe- muito conhecidas nao s no Brasif, pois qoe deltas
glstro da procuraco de seu consintile Jo>e uap- cuf;-10 os presentes esutntos, o que exceder do iratou Pisn em sua excellenle obra Historia Mi-
lisiada Fousera Jnior.Kegistre-se. valor da joia considerar-se-ha como donativo, ten- (uralts el medica Innkr occidental^, seno as
No de Severiaoo Ribeiro di Conna, Brasiieiro, do 0 d3ador direito inscriptao do eu uome-. Autilhas, onde o sueco das folhas e fructos 6, como
de 34 annos de idade, estabeleeido no usara com ^am qua.0 com a desigoaco da qnaatia que ul- aqol, muilo estimado e apphcado contra asos-1
io de meri adoria^, _eni grosso ^a trapassar a imporuocia da joi. Igual direJto ca- troeges abdomlnaes, principalmente do figado e I
bacj i e se todos os facultativos desta provincia o
nao applicam com freqaencla, isto se nao deve a
nao reconhecerem elles essas virtudes, mas sim a |
nao serem encontradas com facilidade e em todas j
Cootinaam a receber-se asslgnatnras para o que as estacoes do anuo os fructos des-a plaHta, e a re-
ha li>ias expostas na ra do Crespo n. 2, livraria pagnancia, que apresnlim os deenles em fazer
do Sr. Nogneira do Souza, e no Gabinete Porlu- a<.0 do .-uceo desses fructos, em consequencia de
gnez de Leilura. ser extremamente amargo.
Pode ser socio todo o cidadao portUgUOX era I A jurubeba u;io desconhecida dos botanistas :
pleno goso de seus direilos, que livor rneios lcitos Psia planta pertence familia das sotaneas, e tem |
de subsistenciae bom comportamento. a denuminacao de solanum panaalatum, que Ihe |
Secretaria do Monte. Pi Portuguez em Pernam- f0| dada por Lyoeo.
Parecendo-ns conveniente facilitar o uso do
. suceo dos fructos da jurubeba, que o mais em-
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcoolico que pode ser
applicado em pilulas, mas lambem um vinho, um
i xarope, e um emplastro que pode substituir, em
JURUBEBA.
retalho, pedindo ser admettiJo matricula, ejun- be aqi,e||es (|Ut i,0Uverem angariado socios, indi-
tando em abono de sua pretencao uin altesudo dos ^^i^, a0 (,uadro competente o numero dos que,
commerciautes Singleurst Abreu vV t. e J. I.. vas-. com (( ,,a(!;imfin[0 da ,llVi rauiicarem a sua assig-
concellos & Hughes.Vista ao Sr. e.-einbargador nalura ,
fiscal.
No de Jo> liidoro Martins, apresentado ao Exm.
Sr. presidente, e pelo mesmo Exi.i. Sr. deferido
em 20 do corrente, autorisan lo-o a fazer auuun-
cos de leilis que deviam ser elleinados quando
houvesse preem-bido todas a.- formalidades nece.
sartas para obtencao do titulo de agente de leiles
que Ihe foi mandado dar em sesso de 9 do lefe-
rido mes, para o que j havia pago o respectivo
imposto. tribunal Cica scieute do despacno do
Exm. Sr. pre.-ldeute deste Inluual ; seja registra-
do o conheciment do imposto.
Vistos pelo Sr. desembarsiador fiscal :
No de Bento de Barros Feqo, pedindo ser admet-
tido a matricula.Como requer. "" Iaris i>a ihoiosNuSs Leite. pedindo tam-' HespOSta O br. AlODlO Jo.tqUII Sil- ^K^SJ^'^^
buco, 2."> de oatubro de ISii.
Jos da Sitca Logo.
Preside te.
Joaquim Gerardo de Bastos.
i" Secretario.
A jurubeba urna das substancias medieamen
tosas, ao reino vegetal, e pertence classe
dos tnicos e desobstruentes, sendo em prega
oa com vantagem contra as febres intermitentes
acompanhailas de engorgitamentode figado e bajo.
Ella tem sido applicada com inconlestavel proveitc
contra a anemia ou colorse, e hydropesia, catar
rho da bexiga e mesmo para com ta ter a menstrua-
cao difflr.il, resultante da mestna anemia ou chic
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho idem de id< m.
Punas de ext. idem.
Deposito, pharnibcia de Pinto, ra larga do
sano n. 10.
^>^-ir--
A tencao
bem ser admetudo a matricula.Ficou adiado pa-
ra mlorinaeoes.
No de Amonio Jos Duarle da Silva Braga, pe-
dindu igualmente ser admetudo a matricula.Co-
mo requer.
.No de D. Gleinenlina Tbeodora da Silva, pedindo
o registro da escriptura de autorisaco que deu a
seu Bino Luiz Goncalves da Silva para poder cum-
merciar.Gomo requer.
No de 1). Tbereza de Jess Azevedo, pedidlo
carta de registro para o seu hiate Mara Ametta.\-
Como requer.
No de D. Francisca Freir da Costa, pedindo q
registro da procurajio que d.ju a irineu Janoario
de Oliveira.ltegi>tie-se, e seja publicado
nhecunento dos interessados.
Nada mais havendo a Iralar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso as lt horas e nidada
maoha.
gado.
Acoordao em tribunal do commercio, etc.
Que deprehendendo-se dos recibos de fl. II" v a
fi. 130 \. passados pelo appeltado Ponceca, que
este flcou de pos-ip do estabelccimenlo em qoeslo,
sem que possa admittir-se a qualidade c prep isto,
una vez qoe'nenhmna cireumsuncia se-lava para
assim entenderse ; e estando provadn pelo novo
arrendamento de fl. 9't, que o predio em qoe est
o referido estabeleciraento passon a ser arrendado
pelo refjndo Ponceca, e que este fez intimar ao ap-
pellado a entrega dos utencilios, como prova o do-
cumento de II. 96 ; evidente, que o segundo ap-
eo-1 pellante soinente o responsavel pelo alu^uel pe-
ndido al a data em qne se fez a ntimacjiu judicial
Viara o sooredito deposito, enest- sentido reformam
a sentei ca appellada, para coiidemnarem, como
SESSAO JUDH3ABIA EM 23 DE OL'TUBUO
DE lSlio.
l'KESIDE.NCIA DO EXM. Sil. DESEHBABOADOB
A. F. I'EHETTI.
Secretario, Julio Qutmaraes.
s 11 'j horas da manliia o Exm. Sr. presidente
declarou abena a sessao, estando reunidos os Srs.
desembargadores Silva Guimares, liis e Silva e
Accioii, e os Srs. de|>c lados Kosa, Candido
Alcoforado, Basto e Miranda Leal.
Lida, foi appiuvada a acta da precedente ses-
so.
Assignaram-se os acordaos proferidos na ultima
se^sao nos feitos entre partes :
Appellanies, a viuva Ncvs A; Cardoso ; appel-
lada, a directora do Novo Bauco de Pernambuco.
Appellaute, Virginio Barbosa da Sdva ; appella-
dos, Carduzo i\ Souza.
AHpellanie, Jos Bibeiro Gastos; appellado, Joa-
quin Luiz Vieira.
JULGAME.MOS.
Appellaute, Francisco Amonio de Bn'o : ap-
pellados, Itocba Miranda Fnhos & Companhia.
Adiado as ses-es de 10 e 19 do corrente mez.
Receberamse os embargos com o vol do Exm.
Sr. presidente.
Appellaute, Joaquim Martinho da Cruz Correia ,
appeliados, D. Felicia Relaves e a fazeoda provin-
cial.Adiado na sessao passada, adiou-se de novo
a pedido do outro Sr. deputadu.
Appellaute, Helarmino Alves de Arxa ; appel-
lado, Manoel Pereira Mouleiw. Desprezaram-se
os embargos.
Appellaute.-, Luiz Fonseea de Macedo e Joo
Alves de Houra ; a>pellailo, Antonio Joaquim Sal-
gado.Adiado as sesses de 16 e 19 do presente
mes.Foi confirmada empae a senlenca appellada
e em parte reformada com o vol do Exm. Sr. pre-
sidente.
PASSAGENS.
Do Sr. desembarsador tleis e Silva ao Sr. des-
embargador Silva Guimares:
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Sanios & C.; appellado,
Joao Januario Pini) de Azevedo.
Do Sr. desembargador Hlva Goimarej ao Sr.
desembargador liis e Silva :
Appellantes, Jos Jerooymo Monteiro e oulro ;
appel lados, N. O. Bieber &*C.
Appellaole, Joao PintJ Regs de Souza ; appel-
lados, os administradores Ai massa fallida de Amo-
rim, Fragoso, Santos A C.
DlSTIllllLICOES.
Ao Sr. desembargador Siiva Guimares :
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appel-
lados, Cardoso & Souza.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Antonio Ja Silva Ferieira Santos -, appella-
da, madama Bosa Adour.
Ao Sr. desembargador Res e Silva :
Appellaute^, Manoel Antonio Nogueira e sua
mulher ; appellado, Joo Pereira Castello Branco.
Appellantes, os administradores ra massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & '"
Luiz de Moraes Gomes Fn reir
& C.
Ao Sr. desembargador Accioii :
Appellante, Bento Jos da Costa
Marianoa Dorotliea Joaquina.
ACGBAVO INTEnPOSTO DO fOHO ESPECIAL DO
COMMERCIO.
Aggravante, Joaquim Juvencio da Silva ; aggra-
vado, o curador fiscal da massa fallida de Guilher-
me Camino & C.
O Exm. Sr. presidente oegou provimenlo.
AGGRAVO DE INSTRUMENTO 1TERP0ST0 DO JU1Z0 MU-
NICIPAL E COMMERCIO DA CIDADE DA VICTORIA
Aggravante, Antonio Goncalves de Azevedo;
aggravado, Jos Paes de Lyra.
O Exm. Sr. presidente deu provimenlo.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. pre-
sidente encerrou a sesso urna hora e meia da
tarde.
appellado,
e Baha Irmos
appellada, D.
'Ji-L-IUM!
PILICACQIS A PED]).)
Monte Pi Portuguez.
A directora provisoria, em qoanto trata da m-
pressSo dos estatutos da sociedade para serem de-
vidamonte distribuidos, julga conveniente levar
desde ja ao conbecimento de todos os interessados
os seguales artigas dos estatuios;
bterapeudea.
Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-1
coegao 'las raizes da jurubeba, c Mrat e Dteos,
em seu Diccionario de materia medica e theraprti-
tica, dlzem qoe as An'ilhas se faz usn do sueco
dos fructos maduros de-sa planta contra o catar- j
rho vesical : e a autoridade dos nomes desses me-'
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por i>to cuidaremos de ter em
nosso estabeleclmento essas raizes, para que possam
ser experimentadas.
A repniacao da jurubeba tal, e os resultados
therapeolicos obtidos ltimamente sao lao impor
tantos, que nos parece intil dizer mais do que
isto, quo tica eseripto.
Deposito : pharmaria de
Joaqiiim.de Almeida Pinto.
qooderfloan ao segundo appellante Fonseea ao pa
il.r.. -.iA it Erysipella.
O medicamento que com mais influencia
e energa tem combatido essa terrivel en
ftecife, 26 de outuhro de 186-5.a. F. p'iretti, cora ftrmidade, tem sido o xarope alcohlico de
voto.Accioii,vencido quanto a responsabilidadei .
a.i 16 ii,l|., ,in __ Qlli flnimarSao __ Mirsnil* >tldulc.
Urna eserava da mai do Sr. Francisco Fir-
gVamenlo do alugnel do Io de setembro at o da do
deposito ; ficando absolvido o primeiro appellante
Honra, a quem pagara' o appellado as costas res-
pectivas, sendo nestas lambem ron demnadoo se-
gundo appellante e appellado em proprirco.
do l6 aipellaote. Silva Guimares. Miranda
Lea, venrido.qnanto a respon.-abllidade do Io ap
pellante, C. Alcoforado
mino Monteiro, pessoa bera conheci da nesta
cidade, a.hando-se de cama, e com as per-
e clieia de tumores.
Para triumphar s ha agora um remedio, Sr. I,.. ,
Salgado: tome o nosso cooselho envista contrana WMante tciiate,
os ml-mbros do tribunal do commercio que votaram ; tomandi O xarope de veame, adia-se llOje
contra S. S-, do mesmo modo porque tem aggredido boa, prestando servidos.
a Honra e acedc, seus advogados e procuradores,
escrives, lesiemuuhas, contador dojoizo, promotor
publico, juiz muuicipal da Ia vara, etc., etc.
A aore da samte
Com ; mesma certeza com que o veneno deupas
da Batavia mata, o balsmico sueco de urna arvore
do Mxico, chamada anacaholta cura. O muilo
afamado 'vitoral Anacaliuita de Kemp, composto
elaboradamente preparado por este maravilhoso es-
pecifico vegetal. N^nhuma losse, catarrho, ou en-
fermidde dos bronchios, podem resistir a sua sua-
ve e benfica influencia. Fortalece de tal modo os
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
rador na ra Direila n. 51, tendo sido
accommeltida do mesmo mal, acha-se tam-
bem boa.
A Sra. D. Senltorinha Umbelina dos
Sanios, moradora na ra das Calcadas n.
38, acliaiulo-se atacada de erysipella as c-
xas, com quatro tumores bastante volrno-
sos, no estado indolente, que a privava de
pr-se de p ha muito tempo, com o uso
orgaosda respiracao, que em pencas horas desap. !d sar0Pe alcohlico de veame e pilulas pur-
parece a intlammacao, que impeda sua ace&o salu-: gativas do mesmo, acha-se restabclecida, e
tar. Oallivio4 infallivel e immediato. A irrita-'no uso dos medicamentos os tumores ter-
cio e inflammacao dos pulmoes queja principia-1 ,naram pela suppuracao.
vam a presentar urna certa tendencia a ulcerarlo ,, R. moradora na rnn dA fiantfl
se abate e modifica para desde logo, e sua operado A bl a- u- "lla> morauora na ra ae santa
maravilhosa os cura e Ihes restitue o seu vigor e'ntta n. 13, primeiro andar, SOlirendO do
elast'-eidade primitiva. Na sua delicada e elabora- \ mesmo mal ha muitos annos, pois que a cry-
da composicao nao entra acido prussico antimonio,: sipe||a atacava amiudadamente, depois que
nem ner.hum dos agentes delctenos que de ordi- |A .___. _. _~- ~~ maia ihQ
nano se encontrara nesses xaropos e peones re- tem tomado esse remedio nunca mais Ihe
los de frucias, e qne quasi sempre produzem laojdou.
(ataes e funestas conseqoencias. Outros muitos fados desta ordem deixo
Acha-se a venda as pharmacias de Caors Bar- e mencionar aiiui para nao me tornar pro-
bosa & C. i- e j i l v r
mti ltxo e enfadonho.
17 I nl? k r\T^? Sendo a erysipella urna mol stia que sem
V AI li.lLHA lIjuiS duvida effeito de materia gerada no corpo
5$clcucius e medicina. icomo expoern alguns esenplores de medici-
L-se na Union Medcale de Paris: '. na, e em consequencia da febre lancada
Osjornaes de medicina fallaram por va- na pelle, onde produz inflrmmacjo, e qne
rias vezes de urna descoberta importante muitas pessoas, por nao se terem conve-
para a tiierapeulica, que consista na desin- nientemente tratado, suecumbem como
feceo do oleo de figado de bacalhao sem pernicioso uso de que, nos tres dias nao de-
llie tii ar nenhuma das suas propriedades. jvem usar de remedio algum, o que faz-se
Temos o prazer de annunciar hoje as- estender o mal por nao se ter a principio
nossos leitores, que esse resultado fui obtio combatido ; por isso, pois, conveniente
do de modo o rnais completo por um hbil' que, logo que alguem se sentir atacado de
pharmaceutico de Pars, o Sr. Chevrier, que tal mal, deve provocar a transpiracao toman-
conseguio desinfectar o oleo de flgado de i do ao principio urna colherinha de cha do
bacalhao com o alcatro e o balsamo de j xarope alcohlico de veame dissolvido em
Toln. As experiencias feitas por muitos de | urna chicara de infusao de flor de sabu-
nossos pratioselec ebres, nos hosp taes e so- gueiro quente, adocaddo-a com mais assu-
bre seus doentes particulares, as analyses e car, continuando nos tres dias nesse trata
ensaios de cbimicos competentes, nao dei- tamento, nofim dos quaes usara' do xaro-
xam nenhnma duvida a este respeito. 'pe de veame na forma prescripta no recei-
liclatamos aqui as proprias palavras de tuano, tendo todo o cuidado de se abafar,
um juiz muilo eminente e competente o Sr. afim de soar conveiientemente, alem de
Dr. E. Humbert, laureado da academia im- conservar o venlre corrente, que conseguida
perial de medicina, e professor de Chimica. tomando urna ou duas pilulas purgativas do
Submetti a analyse, diz este distincto mesmo veame,
professor, o oleo de figado de bacalhao na-1 Todos quantos suecumbem desta moles-
tural desinfectado pelo processo do Sr. Che- tia se diz :falleceu de erysipella recolhi-
vrier, u posso certificar que esse producto da ; ao contrario, alguns expositores pre-
no perdeu nenhum dos seus principios sumem ser o desenvolvimento da putrefac-
medicamentosos nem cbimicos, que se cao no san-ne, tanto que o lugar inflamma-
acham no oleo de ligado de bacalhao ordi* do que, entao a sua cor era encarnada, se
nario. A fraca proporcao das substancias troca em lvida ou negra, e trra na em gan-
eslranhas que -e p5em no oleo natural para grea, e por essa raz3o que conveniente
dissimular o cheiro e o sabor desagradaveis, o xarope alcohlico de veame na infusao de
nao pode de nenhum modo alterar suas flor de sabugo, para se conseguir resolver a
propriedades medicaes e s a torna de um inflamraaco, ou pelo menos terminar pela
uso fcil c mesmo agradavel. supporacjo, impedindo assim a gangrena.
Em resumo, o oleo de figado de baca- Os effeitos do xarope alcohlico de veame
Iho desinfectado pelo processo Chevrier applicado na flor de sabugo ao deent, nao
goza de propriedades idnticas ao oleo de s de vantagem por sua qualidade diafo-
figado de bacalhao ordinario, que elle repre- retiea, como pela anti-septica para imped
senta exactamente. i* putrefacto as molestias.
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabeleeido com botica na ra Direila n.
88 em Pernambuco.
Este xarope incontestavclmenlesuperior!
a todos os xaropes depurativos, de cuja
composigo o seu maior ele; ento a salsa
parrilha, pois que se. tem conhecido ser o
veame mais energic) para a prompta cura
das moleslias, cuja base essencial depende
da purificaco do sangue ; assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se
achavam de.-enganadas, as quaes acbam-se
hoje restabeleciilas cura o referido xarope
alchoolico de veame; entretanto que al-
guns, leudo usado do xarope de Curinier,
de Larrey.de salsa parrilha, de saponaria,
oleo de ligado de bacalhao, e outros agentes
desta ordem nada conseguirn!. E' elle de
fcil digesto, agradavel ao paladar e ao ol-
pbato. Alguns mdicos desta cidade e da
de Macei o teem recommendado para a cu-
ra das
Impigcns, tinha, cscioplmlas,
Tumores, ulceras, escorbuto,.
Cancios, sarna degenerada, Iluxo alvo.
Fodas estas afleccoes provm de una cau-
sa interna; nao ha pois razao alguma em
crr que ellas se podem curar com remedios
externos. Tamliem se prescreve o xarope
alchoolico de veame para o tratamento das
afleccoes do syslema nervoso e libroso, taes
como:
Guila, lieumatismo, paralysia, (
Dores, impotencia, eslerilidade,
Marasmo, hypocondria, emmagreciment.-
xarope alclioolico de veame sobre
tudo, da maior utilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheuma-
tismo.
Adverte-se que o verdadeiro xardo es se
vende nesta cidade na botica cima indica-
da, do abaixo assignado; e em outra qual-
duer parte que se tem annunciado nao da
mesma composigao e nem o abaixo assigna-
a.
a Rocha Paranhos,
du se responsabili
Jos
60M
1 caixa vidros, candieiros e accessorio?, 1 dita
crisiaes, 1 dita agua de colonia, i dita vidros, 1 di-
ta calcado ; a A. Gamillo de Hollanda.
1 dita e 1 barril productos cbimicos ; a Eugenio
& Mauricio.
5 cestos cerveja, 1 caixa papel; a Lehman
freres.
1 caixa calcado ; a Antonio Rodrigues Pinto.
i dita vasos, 2 ditas caicado; a Ch Leelere.
2 ditas calcado; a Antonio A. dos Sanos Porto.
7 ditas brioquedos; a V. Dubarry.
1 dita modas, escovas e pomada; a Ferreira &
Ara ojo.
1 dita confeitaria, 1 dita tecidos, 1 dita crinoli-
nas ; a J ;io Antonio Pinto Serodio.
4 ditas pannos, brins e sa>as ; a Ferreira & Ma-
theus.
4 dita pannos camisas e tecidos, 1 dita perfu-
mara, 1 dita raleado, 1 dita papel e panno, 1 dita
mercearia ; a Mello Lobo & C.
18 ditas genebra, i dita quinquilbaria a D. P.
Wild.
3 ditas couros e perfumaras; a Vaz & Leal.
18 ditas velas, guarda-comida, peles de hxa, en-
velopes e quinquiiharia ; a Prente Viauna & C.
4 ditas drogas, xarope, louca do barro o oleo ; a
B. F. de Souza.
2 volumes vinho champagne e espoletas; a Juao
Pereira Moutinho.
6 barris branco de zinco, 1 caixao asiua de Sel 12,
4 barris vidros, 4 ditos branco de medon ; a Joa-
quim Marlinbo da Cruz Correia.
1 caixa perfumara, i dila papel, 1 dita penles,
I barrica alfineles ; a I-mael Cesar Uuarte Ki-
beiro.
1 caixa culilarla, 2 ditas perfumaras, 1 dila ces-
tos ; a C. Jos A. Guimares
1 dita mercearia, 1 dita mobilia, 4 ditas marrao-
re, 2 ditas papel, 1 dita algoda ; a Isidoro NettO
&C. ,
1 barrica porcelana ; a Joaquim Antonio Perei-
ra Sobrmho.
60 barris e 60 meios maotega, 200 cextos bata-
las ; a Manoel Pedro de Mello.
4o barris e 30 meios maotega, 1 caixa espoletas;
a Tasso Irmos.
10 caixas sardinhas; a Vicente Ferreira da
Costa.
2 caixas mercearia, 1 dila lecido de algodao, 1
dita couros; a Otlo Honres.
I caixa papel ; a Juao W. de Medeiros.
5 caixas acido, medicamentos, vidros, escovas,
etc., 2 barris barrilha e sal de chumbo ; a P. Mau-
er & C.
1 caixa liras de couro, t dita chapeos de veruiz,
3 ditas ditos de la, ditas ditos de seda, etc. ; a
Chri.-tiani freres.
t caixa chapeos de palha, 2 ditas ditos de seda,
1 dita bonetes, pelucia, seda, etc.; a Joaquim J s
de Souza Maia.
I caixa acido, o ditas vidros, 1 barril porania
arbica, I dito crvas medicinaes ; a Caors & Bar-
bosa.
;*i00 cexlos batatas, 1 caixa boloes de porcelana,
1 dila ditos de madreperola, vidros e penles, 1 dita
caximbos, porta-charutos e bengallas, I dita botoes
de calcados, oculos nbrta-ebarntos, calimbos e la-
pis, I dita thesouras, prampos e escovas, 1 dita per-
fumaria, I dila pregs, 1 dita flores ; a ordem de
diversos.
lirigue hamburgoex Emma, entrado de llambur-
go, manifestou o segurnte :
i picote obras impres-as; ao consulado da.
Prossia.
i caaa objectos de borracha, 94 garrafes ervi-1
j Ihas 77 ditos sap, 100 saceos arros, 300 ditos la-1
relio, 20 caixas pickles, 10 lastros de carvo, 30
assoalhos, 3 caixas obras de madeira. 1,428 caixas (
genebra, 10 ditas genpibre, 50 rolos e.-u-iras, 1 cai-
| xa chai utos, 2 ditas livros, 1 dita vinho, 106 ditas i
cerveja, 2 caixas e 12 presuntos avulsu:-, 1 caixa
livros e retratos, 18 ditas vidros, 100 barris chum
bo de municiio, 2 caixas pelles de bezerro, 10 ditas
sardinhas, ti ditas biscoutos; aTneodoro Clins-
tiansen.
1 caixa ouro para dourar ; Bartholomeu F. de
Souza.
8 caixas vidracas ; a J. J. Antunes.
1 caixa vinho, 3 ditas oliapos, 1 dita bolos e go-
Indicias, 2 barricas cerveja, 1 caixa conserva-, 1
dita mobilia, 1 dita contas Impressas ; a Christiaui
x Irmo.
4 caixas presuntos, 2 ditas ferragens, 2 fardos
pannos para vellas, 7 caixas conservas, 4ditas miu-
dezas, 3 ditas mobihas, 1 dita amostras ; a Otlo
Bohres.
1 caixa armnicas, 1 dita couro de bezerro, 2 di-
tas dito dito envernizado, 1 dita retratos; a Vaz Si
Leal.
12 caixas gpnebra ; a Francisco Guedes do A.
1 caixa cartas para jogar, 1 dila loalhasde iinhn, ,
2 ditas chitas, i pegas de cordagem, 7 caixas agoa
de seltz,M0 ditas vinho, 2 ditas biltern, 2 ditas la-
pis e miuJezas, 3 pacotes amostras; a Manoel J. II.
e Silva & Genros.
20 caixas vidros, 2 volumes amo-tras ; a Ladis-
lao J*- Ferreira.
10 barris chumbo de municao, 100 caixas velhs
de ppermacete, 10 ditas sardinhas, 2 ditas ferra-
geas, 12 ditas loucn, I dita amostras; a I). A..M.
4 caixas perfumaras ; a S. T. Bastos & Irmos.
20 barricas alvaiade de zinco, o duas alvaiade,
l dita miodezas ; a Joo da Silva Faria.
4 caixas ferragens; a J. A. M. Dias.
2 caixas bonecas 4 ditas brim de algodao, 1 pa-
cote amostras; Schaplieilhm J C.
84 barricas potassa; a Manoel Ignacio de Olivei-
ra & Filho.
3 caltas couros; a N. O. Bieber & C.
23 caixas fazendas de algodao, 1 pacote amos-
tras ; a Carneiro 24 fardos fiapel, 1 caixa perfumara, 16 ditas
miudezas 1 dila charutos, 2 ditas fazendf.s de la,
1 pacote amostra- ; a Alves Hamburger i C.
1 fardo fazendas de la, 1 pacole amostras; a
Monhard & C.
KECEBEDOBIA DE RENDAS INTERNAS GE-,
RAES DB PERNAMBUCO.
Rendiraento do dia 1 a 25..... 43:6144433
dem do dia 26................ 63351%
Juizo municipal de Ipojoca > de ooui>ro>
de 1885.
Pelo juizo municipal de Ipojura se faz pnbfic*
que se acha preso e recolhido i cadeia t* ter-
mo o pardo Antonio, qoe diz ser estrave *? \gma-
cio Marques de Araojo, morador do engeabo Ca-
malio do Norte : quem for sen dooo, eopare?a
neste termo, que provando Ihe arra entregue.O
juiz municipal I* supplenle eeaessrnrio,
____A. Peregrino CavalcaaN Je Albaqoerqpm.
De ordem do llrn. Sr. inspector da ihe- .ora-
ra de fazeoda desta provincia, aio ebamaJo te
foreiros dos terrenos de marinea abaixo declara-
dos que transfenram partes de eu3 Icrreao
anda nao requereram os titaleedas parles restan-
tes, que tem de ser expedidos na enoformidade de
aviso do ministerio da fazenda de 3 de ooiobrode
I806, a solieitarem os referido litnh desrtro do
prazo de lo das contados de-la dala.
Secretaria da Ihesmirana de fazenda de Ttw-
nambuco era 24 de oulubro de I8*6.
Servmdo de oSrial maior,
Manoel Jos Pinto.
Nomes Jos foreiros a que se refere o amaer
cima.
Alexandrina Teixtira Sonto.
Antonio Jos Coelho d Rosario.
Antonio Jos Gomes do uorreio.
Clara llerminda da Silva Cirdeal i mai. berdafcas
de Antonio Dias di Suva Cardeal.
Francisco Jo> Marlms da Cofta.
Franci.-i-o Serpio du Mallos.
. Hnnrlque Jorge.
. Berdeir.is de Francisco Xavier Pereira O Bzilx
| dem de Egnaeio N-ry d Fun^eca.
, dem de Joao Maria Seve.
Idem de Jos Gomes Villar,
dem de Jos da Silva M ndonca Vawaj.
i dem de Lmza Tbereza de Jasa Larbosa.
; dem do Dr. Manoel Texeira Pinto.
Idem d" Maria Robera da Omceico.
dem da Unalba de Abren lb-'ir >, Con-
i ra Joaquina Rib'iro e Maria Joaquina Jfibewv
| dem de Joo Pinto de Leora Jonior.
i dem deJoaqaiffl da Silva Lupes.
Jos Hipuio de Miranda.
Luiz Jos Nones de lastro.
| Manoel Antonio de Jen.
Manoel Firmino Ferreira.
Maiheus Austin 4 C. _-
Tuevrit
DE
f f| 1
EMPREZA- < OIMfiSA
Sabbado 28 de outtiba
de 1865.
Subir a scena pela primeira ve< nesi? !'.
o mapnilico drama em 5 acto", ongina! por:ugu?z
do Sr. Ernesto Bie>ter.
FORTUNA E TRABA HO
r-ERSONAGEHS.
Ipnez......................... D. Jraa.
j Magdalena..................... D. hrop.
Eugenia....................... D. Carsela.
Viscoo.1es Aulonio Vi-ira................. Aitocdn
! Francisco Gomes, typograpno..... Lisboa.
Pedro Miranda, negociante....... Peno.
Estevao Miranda, joruaiisU...... Borge<.
Maiheus Ferreira, guarda livro- de
Miranda..................... Piobx
Anselmo Leite.................. Teixeira
Um compositor................. Pf.xoi).
Um noliciador.................. Goiraari
lin distribuidor..... ........... Saatt fha.
Um aprendh................... Aogosto.
E.iocaAetualidaJe.
Este excellenle drama foi dedicado pelo sea -
tor a dislinctissima classe lypographiea. A U*".
inicialMusli pe^'i fazer rejlcar na coiw orr-a
das classes op-'iarias que ntrenos mai* -J i-rr.
apnmorado.
Foi ne-ta magoillea cunpoiicij bjm a alai m la-
pogranhica presentioo o seo btar anal urna rra
peua de ouro, galar moroso trabaho que tantos elogio? merecen na :av
prensa portugueza.
Dar' lira ao e-pectaculo o sempre apptaoiata
vaudeville em 1 acto
A corda sencivel.
Comerara as 8 %' r*s.
*?
7IS0S MWTIMGS,

EiSIO.
Gaia fllial do
Pern!
A caixa desconta as
daitxa de 60|0 ao annol
Igl
Novo Banco
neo tio Brasil em
mbuco.
letras de seu apelaitec
Oguarda-lvros
acio Nuues Correia.
de Pernambuco
O Novo Banco papb o dcimo quinto di-
devindo na razo de 1$ opr aeco.
Moto banc le Pernam-
b neo.
0 Novo Banco desee ita letras de praso at seis
ao anuo, e toma dioheiro
la corrente pelo premio e
endonar..
mezes a 10 por cento
a praso fixo, ou em co
condigoes que se cou
ALF lNDEGa.
Rendiraento do dia 1 > 25.
dem do di& 26-----
MOV MENT
Volumes entrados cora
t com
516:9614251
20:88646
537:8474874
DA ALFADEGA.
fazendas----- 83
gneros..... 424
------- 507
Volumes sahidos cem
t com
Descarregam
Patacho portuguez
^generes e lagedo.
Patacho hamburguez
azendas..... 97
gneros..... 1,534
-------1,431
oje 27 do corrente.
lana da Gloria diversos
Emma diversos gneros
Polaca hespanholaF irtollas vinhos.
Brgue inglezllalclu
Barca ingleza/? Galera inglezaHerm
Brigue dinamarquez-
Barca france/aSanli
hacarvo de pedra.
Manonidem.
oneidem.
Uanette farinha de trigo.
AiKrcraercadorias.
Brigue inglezGcrn desmercadorias e ferro.
Patacho portuguez 1
freres, entrado do Ha<
3 volumes um carn
de latao ; a Meuron i
8 caixas calcado ;
2 caixas eixos e ror
i dita chicote; a M muel & C.
6 ditas brins ; a B.
6 ditas lecido de al(
a J. F. Lopes.
1 dila cachimbos
2 ditas fumo, 1 dita
mar, 1 dita papel; a

II

artocharque.
i ni I lortaco.
Continuaco do man feslo do brigue francez Trois
re :
de 4 rodas, 1 caixa chapas
C.
J. P. Arantes.
fts; a E. Bourgeois.
COIPWIIU BlUSIliU...
DE
PAQUETES A VAPOR.
HU
E' e-perado dos porto- do
at o dia 30 do corrate o
Galtjo, o qual depois da
do o-turne si gira para ce faf-
tos do nort-.
Desde ja receliem->e passageiros e eagaja-e a
carga que o vapor poder condazir a qutl -it
ser embarcada no da de sua chegada. eocmmea-
das e dinheiroa frete .-.te o dia da sabida as t au-
ras : agencia ra da Cruz n. I. escriptorio de Aa-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C
COMPANHI BaASILElii
44:47#629
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 25....... 43.020*404
dem do dia 26............... 2.U664727
VAPOR.
DE
PAQUETES A
Dos portes do norte e\ejsraaV
at o da 31'do correateNo
i '*" fsuT^ Tocuntins, commaod.mfc- o
45:0874131
MOYIMKNT U POETO
pri-
meiro t-nenie Pedro T?ipnH
Duarte, o qual depois da btaeara
do costume seguir para os portos do sol.
Desdej recebem se passageirs e eagaja se a
1 carga que o vapor poder conduzir, a qani Je uta
ser embarcada no dia de sua chegada, eneoai-
mendas e dinheiro a frete al o dia da sabida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. I, escrptorto db>
Navios sahidos no ma 26.
New York-Patacho austraco Gratitudine, capitao Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4
Perezza, carga couros e outros gneros.
Liverpool Vapor inglez Gladiator, coinmandante
\V. Guard. carga algodao.
Observaro.
Fundeou do lamarao ura patacho bremense, mais
nao leve communicacao com a trra. Nao houve
rain entradas.
PARA O
Rio de Janeiro
DECLAUCOES.
No dia 27 do corrente, depois da audiencia
do Sr. Dr. jmz municipal da 1' vara vai pela ulti-
ma vez a' praca um terreno na ra do Corredor
do Bispo cora 20 palmos de frente e 52 de fundo,
ue qual est edificada a casa n. 38, cujo terreno
foi penhorado a Jos Francisco Cesar por ezecugo
de Joaquim Jorge de Souza.
De ordem do Illm. Sr.
engenheiro em chefe da
reparticoo das obras publicas se faz publico que o
concurso para o preenchimento das vagas de pla-
ticantes desta reparlicao, ter lugar no dia 15 de
dezembro vindouro, as 10 horas da manhaa.
Os exames versaro sobre lingua nacional, ,urae seR"ira
abrangendo a escripia, leitura e analyse gramma- >c
tical, desenlio linear e de aquarella, arithmetic
em todas as suas operacoes, e geometra linear.
Os requerimeotos para inscripcao dos candida-
tos dvero ser apresentados al o dia 13. e pode-
o ser instruidos cem quaesquer documentos os
ttulos selentiflros que abonem a capacidade dou
mesmos candidatos.
Secretaria da reparlicao das obras publicas 19
de outubro de 1865. No impedimento do secre-
tario,
Joao Joaqoim de Siqueira Varejio.
pretende seguir com multa brevidade o
nacional Piedade, tem parte do seu carregae
engajado : para o resto que Ihe falta e eseravaa a
frete, para os quaes tem excedentes eororaodar,
trata-se com os seus consignatarios Antonio Lato
de Oliveira Azevedo 4 C, no seo escriptorio raa>
da Cruz n. 1.
Comp.iD.hfa das JleaMagerles labT
periale*.
aflb 3b dr
corrate awaee-
pera-se daa par-
lo* do sed m-
por Iraaen Jb-
daaie HaaaaaaL
o qual arpis da,
demora do cea-
para.Rordeaux tocaado era Tl-
isboa.
Em s. Vicente ha um vapor em eorr
com Gore.
Para eondiccoes, fretes e passagens traa :
agencia roa do trapiche n. 9.
C0H1SEI0 GEK4L
Pela administrarlo do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convenco postal
celebrada pelos governns brasileiro e francez, sero
expedidas malas para Europa no dia 30 do corren-
te mez pelo vapor francez Navarre.
As cartas sero recebidas at as 2 horas antes
da que for marcada para a sabida do vapor, e os
odao, dito de la e camisas ; jornaes at tres horas antes.
i Administrado doc:rreio de Pernambuco 21 de
i E. da Cunta Medeiros. ontubro de 1865.
cachimbos e artigos de fa- O administrador,
B. dos Reis. Domingos dos Passos Miranda.
Schmettau & C
Cear
O hiate < Dous Irmos >
Irmos.
a tratar
Linlia regular do Brasil.
Espera-se do Havre a galera 9a
ferino, ao frete de 23 f. 10 Jr. Ura
be carga para o Havre a fretes
los : a tratar coas a
Tissel-freres.
Para l.l
satura' com brevidade o brigue aortagars
tan te Ib, recebe carga a frete e pamegi'-a
os quaes tem excellente* comaodee : trata
Manoel Ignacio de Oliveira Filan, ao largo
po Santo n. 19, escriptorio.


Ufarlo de pernamhneo -'-- *exia fe la *3 Je O in?>ro de !&.
LEILES.
Be ama ti-jbiiia de Jacaranda', 2 candieiros a
gaz, i jarros, i locador. 1 grande apparador, 1
ata de jantar, cadeiras de bataneo, cadeiras es-
tufada5, utarquez&s, cadeiras, malas de viagem, f
ios outros objeets.
iliaca appareuio? de l..uci niva pira juntar, 12
appareltios para tjilets, differeutes canecos de lou-
51 e outros artigus.
1IO JIE.
Por ntervengao do agente Pinto.
N.i armaiem novo da ra da Cadeia em frente
Aa Becco 'Largo.
Principiara' as 10 huras.
GiaWFEU
De pianos de armara e mesa, 1 mohilia branca
com umpo de pedra tnarmore, relogios de pare-
d-', de cima de mesa e algibeira, santuarios de ja-
caranda, I mesa elstica grande e nova, guarda-
louca, apparadores, camas francezas, marquezas
largas e eslreitas, 1 realejo com 40 pecas de mu
sica, carrete* Meadas de ouro para relogios, ob-
jeets de ouro e prata, unu porco de pecas de
easemira de cores, mnitos trastes avulsos e gran-
de quantidade de objectos d< usi domestico.
a-Mr -.WM33
NO GRANDE ARMAZEM DE LELES
DO AGENTE
OLYMPIO
36Kua da 1'atleia do ttcciie G
LEMLA
D nm rico aderezo com brilhantcs, atinis,
c .rentes, traacelias,, relogios, eriucs
com brilhaules e 1 fliuta.
II O.II:
Por nterenc5o ilo agenta Pinto, ra da Cadeia,
armazem em frente do becco Largo.
Leudo
De ai rico aderezo tic oure com cr-
ea de 6*0 lii'iihaitcs veladeros al-
gatis dos qaaes bem grandes e es-
GASA DA FOITA
Aos 6:000#000.
Bllhetes garantidos.
A' RA 1)0 CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTME
O abaixoassignadovendeu nos se
res bilhetes garantidos da lotera I
j de extrahir, a beneficio das familia! dos volunta-
rios da patria, os seguiutes premios*
Um meio n. 2155 com a sorte de J6:O00,50OO.
Tres ipiintos n. 160i com a sorte de 1:200*.
Um inieiro n. 1163 com a sorte de 500*000.
E outras muitas sortes de 100*, 40*, 20* e
10*000.
OS PARAGUAYOS
E' a ordem do da Acabar com os Para-
guayos a bayoneta, a mini, a revolver;
fulmina-tos com os encourarjados armados
de espores, arrastrongs e raiadas de 80
s muito feli-j 120; extcrmina-Ios em summa a espada, a
1 faci e a punhal de que se trata; mas
ninguem se lembrou anda de esmagar os
Paraguayos com as armas que Deus nos con-
ceden ; acabar com elles a tacao e a ponta
ps, para o que necessario encouracar esta
parte do nosso corpo cora os formidaveis
en-
Ospo'ssuidores podem vir receber seus respec- rompe-ferro, esmaga c< bra, arranca ticos,
tivos premios sernos descontos das leis na Casa quelira marmore e outros que SC vendem
da Fortuna ra de Crespo n. 23. 45 RA MIKEITA4.
Acham-se a venda os da 3" parte da o* lote-
ra (37) beneficio da Santa Casa da Misericor-
dia, que se extrahira sahbado 4 de novembro.
PREGO.
Bilhetes. '. 6*000
Meios......3*000
Quintos.....1*200
Para as pessoas que eomprarem de 100#000
para cima.
Bilhetes.....5*500
Meios......2*750
Quintos.....1*100
Manoel Martins Fiuza.
.4 dinhnro
pe na es.
HOJE
27 do correte a urna hora em ponto.
Por iulervenco do agente Pinto, no arraazem
ara i*, ra da Cadeia em frite ao becco Largo,
011 ie Havera' leilao de movis e louei.
LEIii%0
49 barricas com serveja
Sabb.id 28 de outubro.
O agente Pinto fara' leilao por conla e risco
-jii :u aerteuuer de 19 barricas com gairatas
servoja branca, as 11 horas do da acuna dito
anaae/n do Aunes em frente a alfandega.
LEILAO
De Bina taberna nos Coelhos.
Segunda-feia :i0 do correte.
i. galmente autorisado o agente Pestaa fara
, ;r coma e risco de qn>>m uerteneer da ar-
rr, 1 i >, gneros e ntencilios existentes na taberna
sil n is Coelhos em um oa mais lotes : segunda-
fe 30 do correte pelas 10 horas da manhaa na
mesma taberna.
LEILAO
Sexla-feira 3 de novembro as 11 horas, na
ra da Cade a armazem n. 53.
Pela ageste Euzebio
D las casas terrea< m liba 'I1 Retiro Jnnto
a grande di Passagem da Magdalena, com
para o rio, sao novas, feltas a moderna.
ni frescas por ser do lado do oasceate, tena
lacS s pira familia numerosa, 11:11a prin-
mate que maior teodo gabinete, alm de
; murado ha mais terrea) aproveitavet para
bai i ite eapim : m pretndante* rjaeiram anteci-
par-se a ir examinar, o lempo proprio de gozar-
se (t > uanhos, das 't ai 0 horas da tarde estara
an 1 paraassim prestar-se a quem quizer fazer
boa acqufsico.
A pessoa que arrematou as miodezas existentes
na loja da roa da Emperatriz n. 70, quereado ac-
! bar logo com as mesmas, vende por menos de me-
tade de sen valor os seguimos objectos, a saber :
Aljofares, masso a 2i0 rs.
Aberturas para camisas, urna a 320.
Alamares para capotes, duzia a 500 rs.
Argolas para imadros, duzia a 240.
Balota para vestidos, libra a 700 rs.
Brinco, pretos a balo, duzia a 3*.
Boldes pretos (ie osso, proza a 120 rs.
Bico de blonde hrgo, v.ira a 500 rs.
. Oito de dito estrello, a 120.
Dito preto largo, vara a 100 rs.
Dito dito estreito a O rs.
Baados para toalhas, vara a 80 rs.
Gordas para viola, duzia a 120
Clcheles em caixinhas, duzia a 360.
Ditos em caixinhas, da ierra, duzia a 5i;0 rs.
Colberes de ferro, roza a 3*o00.
Ditas de chumbo para sopa, duna a 400 rs.
Ditas de dito pira cha, duzia a 240.
Franja de algodo de cor pira toalhas, vara a
40 ris.
Dita de lito branco para toalhas, a 30 rs.
Dita de seda, vara a 200 rs.
I-na de la, peca a 200 rs.
Dita para coz, peca a 160.
Proco de cofes, peca a 160.
Pivelas para rllele, duzia a 320.
Fila de retroz preto e de Ores, peca a 280.
Fivelas douradas para calca, duzia a 500 rs.
Fita com clcheles, vara a 100 rs.
Linhas de carmel de 200 jarda, Alexander, a
40 ris.
Lapis, duzia a 100, 200 e 240 rs.
Limparinas de seis mezes, caixinha a 50 rs.
Latas, libra a 1*800.
Linha de peso, meada a 60 rs.
brelas de maesa, caitas duzia a 409 rs.
Pentes d.i massa para atar cabello, duzia 3*.
Ditos de dita dito a 900 rs.
Itenda de fil, vara a 20 rs.
Suvelas para sapateiro, masso a 1*400.
Suspeusonos para escrotos, um 300 rs.
Trancinha de la e seda, peca 800 rs.
Tranca prela com vidrilho, vara a 120.
Dita de, seda, pega a 1*80;.
Dita de la de cores, peca a 240.
Voltas pretas a Hara Pa, urna 1*.
E oa tras muitas miodezas lambem em bum es-
tado, que pela grande quantidade nao possivel
descrever-se.
Aluga-se a casa que foi do fallecido Guerra,
na povoaco do Monteiro, o qual tem muilo bons
commodos para familia : a tratar no pateo dj Cor-
po Santo n. 21, escriptorio, ou oa ra de Apollo u.
I, segundo andar.
Precisa-se de dous irabalhadores depadaria, *0i
que enteodam perfeitamente do fabrico de pao e ;'
bolacha : 11a padaria da ra dos Quarteis n. 16,
acharo con quena tratar.
Borseguins Bordeaux.....
patricios.....
para sen horas,
feitados.......
com lago e fivella ..
Sapates encourafados.......
Borseguins para meninas bom
elast-co.................
Sapatos delona, sola elstica.
avelltidados.........
de (ranea...........
econmicos para se-
nboras...........
com salto de lustre..
I Chinefes do Por:o..........
Um completo sortimei to de calcado da
trra para homens. senlioras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taixas de todas as cuali-
dades, filas para sapateiro, muito sottidas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz cubica ao comp ador pela barateza.
Quem prpci.-ar de 11ra jardinheiro 011 fcit.ir
para um sitio, dirija-se a ra de Hurtas n. 142, Io
andar, que achara' com quem tratar.
85000
5,5000
555C0
45800
5f$OCO
3^000
2(5000
t,S60i>
1/5600
&W0
2-2W
1/5600
v
JMA GRANDE DESCOBERTA
1 defig id
As propiedade
memente reconh
lornao O uso d'i
os mais robustos
Por isso a de
desinfectar intein
propriedades ten
therapeutica mod
O oleo
com um clieiro a
tem nem goso n
Objecio de nu
de urna fama bei
lugar do Oleo d
propriedades do
nos mesmos caso
Molmllaa exe
RnohiliMiiio,
Uburiircao Iom
Tinlr pulmn*
MulellHS da
Con1lluiro lyi
Aneiula, deb
Elle convem a
fcil menie pelas
para a alimentac
Deposito em
DVEUS,
A Semana Illastrada e o Bazar Volante do
I Janeiro, assignam-se em casa de J. Falque,
ra la Crespn, i : os seohores assignaotes que
i un o Bazar Volante directamente do Rio, e
I ii rem continuar, >leven assignar na casa
acim i.receb ndo lo;:o os primeiros nmeros do ter-
e:. ano que prim-ipiou no Io de outubro cor-
m
O hachare.
M Francisco Augusto da Costa
ADVnGADO
.^ Ilua do Imperador numero 09.
W^f^W^ W
M 0 cabelleireiro.
M Cerlos Dubois mudou 0 seu eslabeleci-
B ment da praca da Boa-Vista para o so-
brado o. 18 da ruada Imperalriz.
Offerece-se um mogo para cozinheiro: na ra
do Forte n. 30.
Alugase muilo em conta o sobrado da rua
de S. lenlo, defronte de S. Pedro Velho, em Olinda
concertado e pintado de novo, tem muitos commo-
dos e bom quintal, muito fresco e fica perlo do
bauho: a tratar na rua do Imperador escriptorio de
Claudio Dubeux._____________________
Precisa se de um caixeiro de 12 annos de
idade para taberna, com pralica ou sen) ella : no
paleo da nbeira r.. 23.
Notas do banco do Brasil e das caixas filiaes
dcscontam-se na traves>a das Cruzes n. 8.
Aluga-sd a casa terrea n.39 na rua da Uniao:
O solicitador Pedro Alejandrino da Costa
Machado contina a encarregar-se de cohrancas
nos termos do Cabo c Ipojnca, e no desta cidede :
pode ser procurado na rua estrella do Rosario
numero 34.
medcaos do oleo de /gado rft bacalao forao snani-
cidas. Mas seo cheiro e seo sahar tao desagra.aveis
lie muitas vezes impossivel, mesmo aos estmagos
1 aos mais condescentes.
icoberta do Snr. Chevrier que Ihe permettio de
mente o oleo de ligado de bacalliao sem alterar suas
sido um dos mais felizes problemas resolvidos pela
6rna.
o de bacalhao desinfectado de Chevrier,
radavel e um sabor asuicarado, o nico que nao
m cheiro de peixe.
lerosos relatnos scientificos elle goza em Franc
1 merecida, e receilado por todos os mdicos cir.
ligado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmaa
leo de Cgado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
isto as :
rol lloxim,
luudr*,
Fobrrza do nangiir,
Enfairanirnto por exeeMM ilr
trulrnlho ou de prny.t'rt-M,
MoIeMliN ilon lironrhlOH recen-
te- oa ehroniean,
Tmm pcrlinnzen,
GmiIrUeM, KHMlralKiaa,
lloren de i'loinu;u
odas as compleicoes c a todas as idades, e tomada
cssoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
o das crianzas iracas e doentes
lid >d
le,
iphatle*.
e, frnqiiez,
O Oleo de fig'ido de bacalhau desinfectado ferruginoso ie
Chevrier constitue o mellior iikmo de administrar o ferro. O
ioduro de ierro reunido com o oleo >'. ligado de bacalhau,
augmenta a aceo to efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vas digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando 6 tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipado.
As pessoas as mais delicadas que n5o pedem supportar as
preparares ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos palzes quemes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderSo com a nova descoberla do Snr. Chbvbwk, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeulicos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevhier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
sejado ; julgamos intil de os enumerar.
TJm folleto accompanha cada vidro e contem as observagoes medicaes.
ariz, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pnarmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pcrnambuco rua da Cruz r. 22 em casa de Caros Barbosa.
USA 0. ,._ m
Kua a
*k a abaixo a>sign
- .. .'U..!..!' -.-,..I *", '" ". II III .'I Vil*
^ participar ao puW co que 0 seu estab'de-
iciniiado, acha-se hoje
cimento cima un
? funecionando niui ^
vida de todas as a
5 ras e sobre ludo r.
Os i-artdes ttrma
^ sores Cedrim t\
h ..: meado d> mrZ il
*
p
.ni/, n. 17
da. tem a honra de
casa ter;io a firma
e serio como d'anl
Tabella
l asslgn itura meo
i um baiil.'t da
V-' 1 dila de 30 cario
S veis a 360 rs...
li^ 1|2 dita de lo ditu-
^6 1 banho avulso, m
rS de chovisco....
,5 1 dito aromaiisado
nda...........
Os iiietlicinaes si
^| convencionar:
"j u eslabeleoimen.1
l'J ^'as u*e'8 ('a'i '*
jQ e nos dias santifica
1 |tf de, haveodo clieg
^5 aberlo por mais al;
m m
<
regularmente, pro-
commodaedes necessa-
tmi algnma limpeta.
lus por meus anlec.es- iSS
sero receltidos at o
iii:iliro vindonro, os da
da abaixo as-ignada,
transmissiveis.
dos prcros.
al cun direito
ioa320rs.. 9,5'iOO
;s transmissi-
............ 105800
a 100 r<.... 000
rno ou fri ou
........ 500
Icuin agua fio-
....... 15000
rio pelo pceo que ,-e
m
m
m
: ai
m
"--"'3?- '4S4AVW ;'
DEPOSITO DE CALCADO
FABRICADON CASA DE IETEXg40
Rua \ova 11. ai.
Ahi se cncontraro obras Je di-
versas qualidades, e por proco mtii
diminutos, a retalho e em porcoes.
S se vende a dinheiro.
&4I
kC&JV
m
1 m AGR
m
w

f
TERA
AOS 6:000/1000,1:2000000
e 500^000.
BILHETES V 55000, MEIOS A' 23500 E
QUINTOS A' 15000. *
Clone sal)!iad4 de novembro.
A : uin-se j venda na respectiva tliesou-
r.nii na do Crespo n. lo, os bilhetes,
ni'':i-ti quintos da 3* parte da 5a lotera
(:!7\i a beneficio da S-rita Casa da .Mis r-
corlia. coja extracto serano lugar chora
do cosame.
Oa premios de 6:0000000 at 10^000
pagos una liora depois da extraccao
at -: 'oras da tarde, e os ontros depois
da dtsl il)uic3o das li.-las.
ki eoi oinmen las ser i guardadas soman-
te al a Quite da vespera da extraccSu.
O tbesoureiro,
Amonio Jos'; Rolrigiies de Sou*a.
Precisa-se de urna ama c.ue saiba cozinhar
bem comprar : a tratar na ru i do Pues n. 21.
1 i i Jacinlb ) de Sonza subdito purluguez
r l-se para a liba de S. .Miguel.
Aluga-se um escravo e unu escrava : na
rua -y> n. 40
C. Lump, subdita francea, val para Europa.
Ifyplilla chal]-r vai pra Europa.
OIT"rece-se ama ama para casa de pouca fa-
milla : na rua do Amonen n. 20.
Fugio oa uoite de 8 do cor rente a escrava
Luzia com os siguats seguinles: mulata, moca.j
alta, secea, cabellos corridos como de cabocla, e'
crescidos, olhos papudos, rosto redondo, macaas
salieutes, nariz curto e rumbo na eitremidade,
bocea pequea, be-co iufenor meiu cahido, denles
cerlos, niaos largas, bragos compridos, pernas
grassas, ps grandes, trajava vestido de chita usa-
do e chale branco : quem a apprehender. queira
le-a-la a sua senbor, no largt) do Paraizo n. 18,
segundo andar, (ue se Ihe recompensara.
m
Aluga-se por prego commodo um terceiro
andar do sobrado da rn da Senzala Velha n. 48 :
a tratar na loja. ___________
Precisase de urna ama para o servico de
duas pe=soas : na rua estreita do Rosarlo n. 18,
primeiro andar.
cozinhar e
Precisase de urna ama que saiba
engommar liara casa de pouca familia
na rua do Queimado n. 51, loja.
a tratar
Precisa-se de
duas pessoas : na rua
primeiro andar.
urna ama para o servico
estreita de
Alugam-se as casa* terreas as. 4 e 20 da rua'
Samuel Power Johnstou & dompanhia
Ruada seozalaNova n. 4.
AGENCIA DA
FaaJlco de Low Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
de Moendas e meias moendas para engenho.
Rosario "n. 18, Taixas de Ierro coado e batido para enge-
nho.
D se e terreno peces
i car um engenho para d
se convoclooar, no loj
cuja- h'rras sao tle um;
Mi-a distante u-eia legoa
| de l'aiienieiras, por out
ras, e cerca de legua e
Benedicto e Panelas ou
. referidos povoailos ha f
| rentes dias da semana
sos e se encomrain mer
prcp- de negocios, alen
betas, e.-tacati terminal
lerreuo menciohado dis
Ir,i la nal. cojas marp|
moradores e fazendas n
sito nimiamente agrada
de cinco a mais fot has
poder contratar esto
Rosario n. 28.
de Hennque Dias, vulgarmente conhecida por Es-: Arrals a.. rarrn n.AT.x nm p
taccia, bem como o sitio denominado lina, no bec-1 ~T\eWk a. tan0 Pdra nm e
co do mesmo nome n. I, e a casa terrea da rua do elogios de Oi.ro patente ID|
e dous cavallos.
glez.
Domingos Pires n. 54, todas com commodos para Arados americanos,
familia: os pretndanles podem dirigirse a rua .\Ja hias para descarocar algodo.
da Cadeia d Hecife n. 39.__________________ Motores para ditos.
Desojare alagar urna casa terrea, que te- Machinas de costura.
[Dentista d(
isa estreita
i
estara' aborto nos mb
naoha as 10 da noite ii
los al 2 horas da tar- ?3j|
da de vapor estara' 9
nm ti-mpo. g;
tbilde ti. Lessa. |B
CULTURES.
ario a q it-m quizer edifl-
slructa-lo pelos anuo? que
tar denomina lo Balsamo,
produecu prodigittsa, o
por u.n lado, da colunia
D, da povoaco de Capoei-
ia da< povoa{9es de S
Perra Nova ; em todos os
iras regulares e em d:ITe-
inde se achan boas r--cur-
tli- para as diversas es-
da grande Hr;i de Trom-
da via-forrea, da qual o
I tle 6 a 8 legoas pela es-
ns estao guarnecias de
rae-, que tornam tran-
I : qiit'm quizer lucrar
orna planta de canna
;ocio na rua estreita do
a
mm*mmm
':3
Peraambuco
ilo J'.osaiio n. 3, sg
RANCISCG
a o p Ja gfeja
nha quintal, no bairro de Santo
tiver annuncie.
Antonio : quem
I
O inspector da companhia de seguros mutuos so-
bre a vida, denominada a PREVIDENTE, tendo
em muila considera^o o proporcionar a todos os
associados teda a facilidade possivel no pagamen-
Preci>a-se aiugar urna preta que sirva para
vender na rua : quem tiver dirija-se a ru da
Praian.i7.________________________
Precisa-se de urna ama para andar com urna
meniaa : na rua da Imperatriz n. 34, primeiro
andar.
-- A p sso que anannclou precisar da qnantia
de I0J a premio, dand i garante, appareca na rua
das '>uzes n. 2t, 1' anlar.___________________
Desappareeea 'la carteira do abaixo asignado
oma letra de 1:0871011, sacada pelo Sr. Joaquim
Ignacio Ribelro Jnior, e aceita pelo sr. Nicolao
Tolenlino de Carvalho, em da'a de 20 de fevreim
de I -Ci!, a vencer se a 20 de r-vcreiro de 1860 ; e
estando e aceitante e n saeador prevenidos p^ras
a pagarem ao abaixo assignado, prevenimos disso
ao puliiico, e pedimos a quem a achoa de a resti-
tuir.-.!. :\. de, Br ti B*-tos.
CllPAMIIK
Pa
Soli
adopta
dicai -t
rao im
dirigir
ra a cpastru-cfi) de machinas
DE
:. STKTSO V K IMH.IV^S
N iw London, Cormectiear, Esta-
1 JS Ulidos
,;,, pe l! I t|ft descafocadore< de -dg 115o,
l-is ao algodio sul-amehiano. Ho-se da-
a s:e negocio duran! \ i' aanii^, e attende-
n Ji.iuueutc acor^pj.leijcia que se Ibes
Grandes melhcras
as ni a cli i n as imperiaes de coser-
Aruiazem n 53S Broad-Waj New York.
Estas machinas sao construidas ptr um novo
systema, com muitas e importantes melhoras, e
--.I i examinadas por habis peritos foram julga-
das de summa perfeico. A agulha direila e cose
perpendicularmentf, com o ponto de lacada, que se
nao desmancha n*m embarara e que igual de
to das annuabdades, resolven nomear recehednres ambos os lados; faz costuras' perfeitas em toda a
da dita companhia nesta locahdade, os Srs. Mar- qualidade de. tecidos, desde o couro at a mais tina
qees, Barros & C. Os subscriptores que nao qui- cambraia, lendo flos de, algodao, de seda ou de h-
zerem fazer os seus pagamentos na caixa da Pre- ho, desde o mais grosso at o mais delgado. Co-
vidente no banco allianca do Porto, o podarn fa- mo nao ti-m rodas dentadas, por se ler evitado a
zer na ca.-a destes senhor^s, na conformidade do menor atrito possivel, trabalha com facilidade e ,
artigo 18 do.- estatutos de que por mao estado de cambio eu outra qualquer HUIDO AI.GU.M.
T. J. Uc ARTHR & C, fabricantes e proprte
tunos na casa supra. ________
Instniccao primaria.
Dm professor Jubilado se offerere para leccionar
em algum engenho perla da ddade : quem preci
sar dirjase a rua Velha n. 17, que achara com
quem tratar.______________
Aluga-se por muito menos de seu valor urna
No da 29 do corrente lera' lugar a festa do pa- casa terrea anda nova e com sollriveis commodos.
circumstancia o nao facam at a poca desiguala
as suas apolices, o poderio faz anno e um mez. pagando mais tres por cenlo por
cada tremestre e-n traso, ti--, conformidade com o
artigo .'IG dos ditos estatuas.
Programma da festa de S
Orispim e S. Crispiuiano
a quem adiaolar um anno de alugnel : tratase na
rua Augusta n. 5i, das 6 as 9 horas da manhaa
triarcha S. Crispina e S. Crispiniano erecta na
igreja de Nossa Senhora do Carino desta cidade ;
no da 28 ao m^iodia sera' annunciado o dia da
festa por gyrandolas de fogo, e as 5 huras da ma-
drugada do dia 29 subir'ao ar una salva real
em cuja occasi&J sera' arvorada a b.inleira acom-
paahada de um grande concurso de joven* meni-
nas, tocara' a msica do terceiro hatalho da guar-
di nacional pelo distincto professor Antonio Fran-
cisco das Chagas, pelas 11 horas do dia entrara'
a fesla. ora o Evangelho o Illm. e Rvmd. Sr. pa-
dre mestre Antonio de Alouquerque Mell, e no
TVrDeum o lllm. e llvmd Sr. padre mestre Ra- alllgar appareca na rua da
phael Anion'o Coelho, depois de fmdo este acto
sera' lirada a han leira pelas m-sma- formalida-
des e tera' um escolhido lo{0 de artilicio feito por
um artista distincto.
Convento do Carino em consistorio aos 25 dias
do mez de outubro de 1863.
M. J. Pereira,
Secretario.
Prerisa-se da quantia de 7005 a juros com
boas firmas : quem tiver para dar deixe carta nes-
ta typographla.
Precisa-se alugar dentro do Recife
as ras da Cadeia, Vigario, lr,ro da rua
da Cruz, Apollo, Senzala, um armazem que
seja enchuto e nao hmidos para recolher
fazendas de aiffodao : quem o tiver e quizer
Cruz n. 53.
Aluga-se um solio com commodos para fa-
milia, o qual tem varanda para a rua e escada in-
depend-nte : na rua larga do osario n. 31, se-
gundo andar.
Aluga-se urna casa com commodos para fa-
milia, na rua da Mangueira n. 8 : a tratar na rua
da Queimado n. 38.
Colloca de te artificiaos
pelos .j'-i
demos
Emprega todos o.-
conservar os natoi
do em sen gabii
nhaa as 5 da tard
eiuas naais ino-
meios scientificos para
aes. Pode ser procura-
ele das 9 horas da ma-
Precisase de um
Aurora n. 32.
Um gnarda-livros
ra, prope-se a fazer a
partidas dobradas com
trabadme commodidad
vier os seus servidos, i
pographia desie Jornal
jom cozinheiro : na rua da
que dispoe de algumas iio-
gumas escripias assim por
simple-, garante aceio no
no preco : a quem con-
uxe carta fechada na ty-
com as iniciaes A. I.
Aluga-se o segun>
do Rangel n. 7 : a trat
Precisa-se de um
familia : oa rua do Noi
Fugio no dia 2i
critiula por nome Felic
grande, testa grande, c(
olnos grandes, bocea e
perla e hem fallante, el
querdo bastante enxadc,
a appreht-nder leve-a
loja de raarcineiria'n.
Silva Oliveira, que sen
Precisa-se de um;
no : na rua estreita do
de pouca fannha.
Antonio Demetrio
recentemente do Para a
liquidar os seus negoci
a sua casa n. 67 sita c
Portas, e o spu sobrado
defroute de S. Pedro Vi
na rua do Imp-rador,
beux.
Alogj-se a segn
illia do Retirj, tem coi
ferro : a tratar com
rua da Cadeia n. 12.
Ft
perlo da praca, prf-re
casa propria e boa pari|
PINTO OZGBIOi
CNSULTOUIO IC0-(]tRGKl5
DO
)R. PEDRO DB\TT\JIY)E LO0 V10SC0S0,
3 Rua da Gloria, casa do Fundao '
0 Dr. Loho Moscoso d consaltas gralnitas aos pobres lodos osdins das 7 s H
aoras da manhao, das e meia s 8 horas da imite, excepro dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopathic
No mesmo co.isultorio lia sempre o mais appropriado sortimenlo de earteins
rabos avulsos, assim como tintaras de varias dymnamisaces c pelos preros seguales.
Carleiras de l'l tubos grandes. I2&O0
de i\ tubos grandes. ." 8;>0o0
de 36 tubos grandes. mX)0
de 18 tudos grandes. 30;>OO
de 60 tubos gran les. 3o000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remed i
jue se pedir.
Um tubo avulso ou frasco d9 tintara de meia onca 1(5000.
Sendo para cima de \ custaro os prec s eslab los para as cartn.. .
Ha tubos mais pequeos cada nm a 500 ris.
LITROS.
A mellior odra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopatliico do Dr. Jar
dous grandes volumes com diccionario............ ii
Medicina domestica do Dr. Hering........... b
Repertorio do Dr. Mell Moraes............ i 0 0
Diccionario de termos de medicina........... :;;!>i
Os remedios deste estabelecimen o so por demais conhecidos e dispensam por
.auto de serem Dovamente recommendados as pessoas que qui-erera usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha ludo do mellior que se pode desejar, glob* s de
erdadeiro assucar de leite, notaseis pela sua boa eonservacjSo, tintura di s mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacSo, e portanto a maior
nergia certeza em seus effeilos.
Casa de mude para es eraros'
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lbe qualquer
>perac3o, p.ira o que o annunciante iulga-se suDcientemente habilitado.
0 iratamento o mellior possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo concedo se nlo
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
lenles.
Paga-se2;$ por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 14500.
Asoperacdes sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos presos
razoaveis que costuma pedirr o annnnc;ante.
DE S^ V
m
DE
J. VIGNES.
X. 55. IIM DO HPUIIIDOII ti. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje as-s condecidos Dar que seja necessario Insistir sobre a
ua superioridade, vantugense garantas que offerecein aos compradores, qualidades estas incontesta-
eis que elles tem dednitivamente conquistado sobre todos os que tem. apparecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importao-
ussimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tann nesta fabrica como na do Sr. Dlondel. de Paris, socio
orrespondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposiejdes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimenlo de mosicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmonios, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
o andar do sobrado da rua
r no mesmo sobrado.
ama para casa de pouca
ueira n. O, taberna.
de outubro urna escrava
,estatura regular, cabello
ni marca de urna cicatriz,
wriz pequeo-, muito es-
eia do corpo, tem o pe es-
por isto anda mal : quem
rua estreita do Rosarlo,
i. a seu senhor Jos da
recompensado.
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida

AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE Si DE DEZEMBRO DE 1859
ma flanea era ilinieir, depositado nos etfres do estado, garaale a boa 4
ministraco ;i com|>anli^k.
ama para o servico inter-
Rosario n. 18, para casa'
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Ilespanlia

WREI^AO GERAL
ISaJrhl: una do Prado n. I
da Silva Laranja, chegado
esta cidade, e onde vem
s, vende muito em conta
i rua do Pilar em Kra de
ito na rua de S. Beato,
Iho, em Olinda : a tratar
scriptorio de Claudio Du-
a casa a' beira do rio na
i fra com cancellas de
tiguel Joaquim da Costa,
itor.
Precisa-sede um feior para nm pequeo sitio
se casado, e por isto se. d
morar, sendo porm pes- i
soa cipa?, dando boas [iilormaQoes, tanto pela pro-
bidade como pelo seu l abalno : a quem convier,,
Esta companhia liga pelo systema mutuo toda^as eoiubinacoes de ?upcrvin.cia dos segu-
sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripcao de r.ianeira que em nenluim ca>o n.esni|(i itlftlca
gurado se perca o capital nem os juro'scorrespondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que prodozem as sociedades da ndole He A NACI
DAL,que ainda mesmo diminuindo urna terca parte do interesse produzido em rcenles liqnidai
coes ecombinando-o r>m a mortalidade da tiliella de Oepareieux que e adoptada pela rnmpauh
pala seus clculos e liquidaces, em segurados de idade de 3 a!9 annos, urna imporsico anona.
de'lCO produz um effectivo metlico:
No fita de o annos.......1:1194.100
de 10 .......3:!>'i2if)00
de lo .......11:2085200
i de 20 .......30:2:;6000
de 2o........80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considera veis.
Prospeetis e m^.is Informaedes serio prestadas pelo sob-direcfor nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oliveira, ruada Cadeia r,. oi, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.'2,e,-iabe
ment dos Srs. Hay mundo. Car los.L-.ute & Irmao.
iliija-se a rua Nova n
enea
Creme<
S trete de ere ie hoje a.i nfeto Jii : na rua do
Trapu'be n. 18.
O abaixo assignado faz sciente ao publico de que
se evadir de -cu engenho En veja o seu tutelado
Jos Evaristo Barbosa da Silva, levando em sua
companhia nm seu escravo de nome Sutorio, para
que nenhuma pessoa faga com olio negocio acerca
do dito escravo.
Joao Barb isa da Silva.
Precisa-se de urna preta ou preto para o ser-
vico interno e externo de casa de familia : ua rua
dos Guararapea n. 26.
freeisa-se de urna escrava para andar com
nina tablela, que o senhor afiance a conducta : j
na rna do Imqerador n. 71. segundo andar, se dir
quem quer.
Precisase de 200.3000, dando-se garanta :
quem quizer annuncie para ser procurado.
Precisa-se de um
do servio de r-'fin toao :
trabalhadnr que entenda
na rua Direila n. 10.
alugar um preto: roa da Praia
Precisa-se
n. 47. *
Aluga-se uma boa casa terrea com commo-
dos para familia, em bom estale,, na rua da Ale-
gra n. IG : a tratar na rua da Matriz da Boa-Vis-
ta l.
19, 1 andar.
I). Mana do Lori o de Barros Campello caca I
t>s (poderes da proei racao que passon ao Sr. \
Francisco de Avila Mmdonca, licando, portante,'
Kvre da respoosabilid >ie, de qualquer acto que,
coma seu procurador, lito senhor pratique, visto
como nesta data nada leve ao mesmo Sr. Mendon-
ca e nem a qualquer c itra pessoa. Beeife 2o de
outnbro de 1805.
mimm
Aluga-se o segu do andar da casa n. 33 sita
na rua da Guia : a tratar na rua da Cadeia n. 41,
segundo andar.
Precisa-se alugar
te : na rua do Range
nm preto que seja possan-
n. 9.
Aluga-se urna casa em Beberibe : a tratar
com J. I. de M. Reg.
Prerisa-se alugar um moleque para o servico
interno e externo de casa de pasto : na rua da
Moeda n. 33.
Acbanvse alsenles do poder do abaixo as-
signado, desde odia 23 do corrente os seus escra-
vos de nome Faustino, pardo, baixo e grosso, le-
vou roupa de algodozinho : quem o pegar queira
leva-lo em Santo Amaro, ou na praca do Corpo
Santo em casa do abaixo os^ignado.
Manoel Custodio Peixolo Soares.
* Precisa-se de urna ama de meia idade para
fazer o servico interno de casa de pouca familia,
menos engoauaar i na rua Direila, loja n. 47.
Os arrematantes da raasa ftiffia de Jonajuil
Vieira Coelho 4 C. prevfctl aos >"i: ti'-veiio-
res para que no praso de 30 dias venham o man-
dem pagar o que esio devendo a' me c.a ma-*a,
na rua da Cadeia do Recife n 3, e qne lindo o dito
praso, ns que nao pagarem, ter) de ver un li-
mes publicados pelo Diario, e se promover a e-
branca judicialmente. Betife 5 de ontabro de
1803."
Para quem prensar de banho, onWeW-
duas casas com commodos para familia, na itha
do Retire, junto a ponte da Pa-sagem : a tratar
-om L. M. R. Valeoca.

II ^^.aT 1MI


i
Diario 4* fc'eraantbaeo Sexto. Iclr* *e t.tiibro de 1S&
0 Dr. Cosme de S Percira conti- jj
na a residir na ra da Cruz n. 53, |
Io e 2o andar, onde pode ser procu- i
rado para o exercicio de sua prois- 5
sao medica, e com especialidade 25
sobre seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos orgaos geni- g
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se- g|
rao examinados na ordem de suas g
entradas come^ando o trabalho pe- I
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das fg|
6 as 10 da manhaa, menos nos do- B
mingos. B
Praticar toda e qualquer opera- i
Sc3o que julgar conveniente para o
prompto restabeleeimento dos seus j|g
doentes. *
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam sobre
Lisboa : no largo do Corpo Santo n. 10.
arratix, re Catltyacar (ie
Ra do Crespo 1^. O
LIVROS NAGINAES E ESTRANGEIROS
Rcii|o, philosophia, jurispm leacia, litler&lara, sciencias e arles.
PkPELARIA, OBJE< TOS PARA ESCRIPTORIO.
arraitt% it Caljacar tt C,c
HISTOIRE DE JULES CESAR.
TOME I
l'm vol, tn i e atlas.
Na noile do dia 13 do rorrete fui roubado e
urna sala cjue Sea nos fundos do sobrado de un?
andar na ra do Seve, freguezia da !! a-Vista, no
1111.11 mora o abaixo as-ignado, os segrales objec-
tos : Iprelogio de ouro sabonete n. 28424, patente
joglez, mostrador de louca seura, eom cadeia e
chave de ouro, e com <;ulra mais liua tambem ile
ouro com chave de dar corda, utn par de ra.-lieaes
de prata lavrado com anglicas, una esenvaninha
de praia em forma de concha, pralo e espeviadai-
ra de prata, urna crrante do mesmo metal com
diversas chaves miudi.s, quatro ODCas de euro,
294 em prata masco de laa ile cor branca o verde. 8ospela-se
que o ladro entrara por urna o'as jmilas que
deila para o quintal do referido sobrado, abaixo
das quaes li.'a o (eibado que sirve de robera a co-
zinha, que c no pavimento terreo: pede-se, pol?,
as autoridades policiaes para que empreguem os
mi-ios necessarios para desoohriiem o ladro, bem
assim aos senhores ourives e inais pessoas a quem
forem < lerecidus os objectos roubados, para a, pro
hender como roubados. Oflerece-se a fratiflcacSo
je S00 rs. a qnalqoerque descubra o aulor 'do
roubo. Joao Fernando da Cruz.
Recife l(i de oulubro de !8G5.
Precisa-se de urna ain;. para servico inlerno
e externo : ua ra larga do Rosario n. 21, primei-
ro andar.
ggg
Jofio da Silva Hamos, medico, me-
neo pela universidaic de .oimbra,
9 da consumas em sua casa das 9 as B
\ II horas ila manhaa, e das i as i
da tarde.
Visita os doentes em suas?
casas regularmente as horas para ^
isso designadas, salvo os casos ur- \
t gentes, que sero soccorridos em W
| qualquer occasiio. D consultas aos m
*| pobres que o procurarem no hos- H
> pital Pedro II, aonde encontrado jjf
i diariamente das 6 as 8 horas da J
f manhaa, ^
Tem sua casa de sade regular- '.'
, mente montada para receber qual-
|p qiier doente, anda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
": apr^a-riados c nella pratica qualquer
;:,; opperaco cirurgica.
Para a tasa de sade.
Primeira elasse. .34000 diarios.
Segunda dita___3>J00
Tereeira' dita 25000
Este Stabelecimento ja bem
acreditado pelos bous serviros que
km prestado.
propnelario espera que elle
continu a merecer f: confianza de
que sempre tem gozado.


,,-
m
A'uga-se o segundo andar do sobrado da ra
do imperador u. 7'J : a tratar na ra do Crespo
n. 13.
CONTRA FOGO.
Coiripanhia Indemuisadora
establecida tiesta praea, toma seguros martimos
sobre navios eseus carregamentos e contra fogo em
edificios, mercaduras e mobilias: no seu escripto-
jio, ra do Vigario n. i, pavimento terreo
' "'- "-.-;"* -J'-"-': ''
O Dr. Garolino Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera- ftr
dor n. 17, segundo anclar, tendo alias sea
gabinete de consullas medicas, logo ao s?
?&. entrar, no pnmeiro.
** O mesmo iloulor, qne se tem dado ao
I estudo tanto cas operacoes como das mo- "H
^ leslias internas, presta se a qualquer cha- vgy
mado, quer para deulro quer para fra M
d;i cidade.
I'recisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinhar bem e comprar : a tratar na ra da Cruz
n. 6 prim-iiro andar.
LamartineV*e de Cesar m 4,18G3.
Drmersay (L A.)Histoire conomique etpolilique
du Paraguay, 2 in 4 & atlas.
Brosstird- Itpubliques de la Plata, in 4.
liurandllistoire politiquedu Rio de la PlaU, o 4.
lieauchampHisioire du Brsil, 3 iu 4.
Dems Le Brsil, in 4.
Doyl'impire do; lrsil, in 4.
Rendu le Brsil.
Saint-lliluiieVoyagcs au Brsil.
Chevaltrr\e Mexique, io 8.
UuluullyCampagnes de l'Amerique du Xorle,
in 8
Laboulaye-Pars eu Amerique, in 8.
burln Voyage aux grands lacs de l'Afriquc orin-
tale, III 'l.
Yvet d'Erreux-Voyage dans le Norddn Brsil fait
dovant les annes 1813 et I8.
AtibeSt. Juslin philosophe et martyr, in 4.
UersotDoctrine de St. Auguslin, in 4.
fEncucljueel les Evqnes de Franca, 2* edition,
1803, ni 4.
l'Encycliqueet l'Episcopat Prancais, 18C-5, in i.
PaineltEspo&ition et Enchainement du Uogme
Caiholiqne, 2 iu 4.
Perron~lutroduciion philosophique l'bistoire ge-
ii-iale de la Religin.
Maliynonla libert dans la foi catholique, 18C4
i o i.
PlanlurConferences donnes N, D. de Pars, in i.
Rua ci Crespo IV. 9
Ponjnulatle Pre de Ravignan. Sa Vieet ses teu- Vertir du SilvaVa
vres, in 4. cas, 2 in 4.
Sigitier Grandeur du Catholicisme, 2 n 4. Obras de A. Ilerculaho
Rtiyneau Essai sur le Christianisme, In 4. j Gonzaga, TU. braga,
Iratt-de la Prdication par le Cur de St. Sul- Pellelan (Eugene)-i
ProudhonfJ. P.j-del
pice, 6a edllion, 1863.
UEcvres de Alzog, Balms, Banluin, Bossuet,
Bourdalone, Brundl, Chaignon, Si. Pranarit de Sa-
Criada.
Precisa-se de nma criada para cuslnbar e w-
prar em casa de homem solteire c a ra do Quei-
mado n. 32, loja. __________
Precisa-se de urna ama para todo o servido
de casa ne pouca familia : no pateo da matriz de
Santo Antonio n. 8.
ttteisco.
Ninguem faca negocio com a taberna n. 39
da ra do Baugel sem que se eatenda na ra do
Imperador n. 46, armazem, e faz-se o presente an-
nuncio para nao chamarse a ignorancia.
Quem precisar de urna ama para casa de
/
Sellins logices cem borrenhss e lises, ilfcres
para montana de senhora tarntim ijcaes, chicotes
para carro e cal riolel, e para MMHla, ttdcs de
caleta,fundas rcm elsMicidade para amLos ojia-
dos, e cntros muiles objtrtos iic'1 *";-*^ t
Ipojnca : todos estes (bjct. s vmo.-se m. ,^_w
Cadeia do llfcife n. 31, toja de selU tro.
Vende-e a abrra do largo da Santa Cruz
edades Luteranas e Politi-
se
du
LIVatttM 11
Andrade PintoAltnb
Provincia, in 4, 1865
Cdigo CommercialA
pleta de 1864.
Cames, Barros, Cotilo
le, ele.
.Mere, in 4, 1865.
Capacit potique des clas-
onvrieres, in 8 1863.
principe de l'art, in 8, 1803.
13 PRATICA.
toes dos Presidentes
Precisa-so de urna ama
para pouca familia : na ra
numero 17.
que saiba cozinhar
nova de Santa Rila
yuem precisar ae urna ama para casa ae n tfi denominada n ii. ,i. ------TZ77T'
pouca familia, dirija-se a ra das Aguas-Verdes Jer drij-se l rneTrna ')llem **+
iclias de Hflmlur^o l
W lodos os paquetes da Eunia se rirele V
81 d(,!;'as amigas do sangne bu/rano e se a
l verdem a troco de ponco Incro t afim I
de ler sem| re cousa nova : a loja de kar-
beiro ra estrella do Rosario n. 3, ao p 7
>-...'. da igreja. U
Acha-se
venda na hvraria acadmica, na ra do Impera-
dor ; na do Sr. Nogueira, junio ao arco de Salte
Antonio ; e na lypographia imparcial, na roa es-
trena do Rosario a compilacao de toda a hftahpi
les, Fcnelon, Gratry, Gmtlois, Lamennais, MarUnet,
Massillon, Montatembert, Nourisson, de Palier, Re-
bawlengo, Ribadeneira, Rodrigues, Ventura, Ve-
ntllot.
Aleares de Azevedo Obras, 3 vol. in 8.
Alencaro Guarany, 2 vol. in 4.
as Azas de ura Anjo, comedia, 2* edigao, j Doulrina das Accoes-
1863. i edijao, 1863.
> Mal, Drama, 1863. ry"'l'I'l 'Ti ti %
Antonio Ferreira-Olras Completas, i" edico, 2 ,, ....
in 8, 1863. u.bras de Ampere, Ba
Almeidn Garrdt Obras Chateaubriand, Cousm,
GumarSti (J. B. da Silva)-Poesas, in i. I8GS. ROH.i.M'EN.
Manoel Bernarda'-Exeerptos, 2 in 8, 1863. 0bbas ,,e Dl-ac Be,
KagoMes-nal^tBi. .,,,.. Cooper, Fenol, GozSm, K
Suspiros Poticos, in 4,3' edicao, 1863.
Pactos do Espirito Humano, in 4.
Tragedias, in 4.
Silva Antunes A Irme participara ao publi-
co que o Sr. Antonio Jos Loureiro desta data em
diaute nao mais seu caixeiro. Recife 25 de ou-
lul.ro de 1863. __________
Deseja-se saber se existe nesta provincia ou
em oulra qualquer do imperio o Sr. Daniel Pereira
Braga, n-turat de Braga, lilho de Joo Custodio
Pereira Braga e de Luiza da Rosa, o qual veio pa-
ra Pernambuco em o aano de 1816, e que esteve
em casa do Sr. Joao Antonio da Madre de Dos,
na ra do Azeite de Peixe, e depois foi por man-
dado do mesmo senhor para o Rio Formse, liara
o engenho Paraizo, d'onde voltoa no fira de 13
raezes para casa do Sr. Antonio Mendes no Recife,, 'endent administracao, a arncadacao e liscali-
e de l dizem que foi para o mato ; assim mais se sao dos dinheiros de orphaos defuotos e ansen-
vivo ou morto : a iuformar no armazem da ra ,e,s> herancas jacenles, legados, etc., contendo nao
da Cruz n. 33. so o regiment de cusas e a le geral das extra-
coes, como lambem
todas as ordens e avisos do
casa da roa da Aurora n. 3 : quem^reltXll i ffZMiillS f,plirado^ "T 22*
de podediriglr-semesma que achara' com nmm *?.d?? *ri9fc" '"renles ao cargo dos differea
Guilherme Joaqnim da Silva liraga, aljga a
n. 5
que achara' com quera
motado, nica edicjio cum-
>or J. H. Correa Telles, 6"
ante, Capepgue, Chasles,
Gathe, Guisol, ele, etc.
Confederado dos Tamovos, in 4.
Sucedo (J. M.) -Theatro, 3 in 8.
Dous Amores, 2 in 8.
Rosa, 2 in 8.
O Moco Louro, 2 in 8.
a Moreninha, in 8.
Romances da Semana, in 8.
Historia do Brasil, in 8.
Pereira da SdcaPlutarco Rrasileiro, 2 in 8.
Jeronymo Corle Real, in 8,18G3.
tard, Campfteury, ttmas,
ur Alery, Murger. Kock,
Sand, Sotili, Soniestre, tic., etc.
1M3 Si A.
Obras de Ariosle, Baruier, Chenier, Dante, Het-
ne, llomre, Hugo, Lomarme, ele, etc.
Livitos de luxo dutiriMs t ricamente encaderna-
dos pron tos para presents.
tratar.
OlMPlS.
ALMANAGK IJ
IXSO-BRASILEIUO, par
FOLHINIIAS DI
PARA O ANN(
LEMBRANQA.
O ANNO DE 1866.
LAEMMERT.
de 1866.
Compra-se effectivamente ouro e prata era
obras velhas, pagando-se bem: ua ra larga do
Rosario n. 21, loja de ourives.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effectivamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 7!', terceiro andar.
Compra-se ouro, prata e pedias preciosas,
era obras velhas : na ra da Cadeia do Recife,
cja de ourives no arco da Coneeicao.
Na ra do Crespo n. 16, primeiro-andar-
comprara-se libras slerlinas e raoedas de ouro bra,
sileiras.
Compra-se papel diario para cmbrulho, pa-
ga-se bem : na padaria da ra da Imperatriz nu-
mero 66.
Ouro c prata.
Em obras velhas : compra-se na praga da In
dependencio n. 22, loja de bilhetes.
tes empregados de jnstica e faienda, romo dos di-
reitos nacionaes e emolumenlos que s > devidos.
Este livro contendo mais de 700 paginas --m ntida
impress,io e bom papel, e pre*lando-se a utilidad.!
de dllferentes classes, tornase recomm^-ndavel
Sen cusi lOJOOe por cada exemplar em doua
omos.
Vende se urn escravo flor rom 16 annoj de
idade, muito sadio e fone, muito esperto, tambem
se aluga oulro da mesma idade : no Corredor do
Rispo n. 15, a ver a qualquer hora. Xa
casa precisa alugar-se urna escrava que ielrM
aiba vender na ra.
iB-raa
e
Vendem-se capellas de aljfar para -. rem collo-
cadas nos tmulos, catacumbas, sepulturas, no dis
2_do vindouro novembro (uados) rom as inscrip-
caes seguintes : meo pai, minha mai. meu '>spoo,
miiiha esposa, meo filbo, minha filba. saudades etc.
-------------------etc., e tambem se vende nma eapella riqm-sima
Compra-se carosso^semente) de algodao : no ce marmore : na proeja da Independencia loja de
armazem de algodao de Saunders Brothers & C,
no caes de Apollo.
NO
p
:
aZEB/l DA EXPSITO DE LONDRES
Sf3^
SK
Compra-se urna mobilia completa de qua-
quer qualidadecom tanto que esteja era bom esta-
do : a tratar na ra do Alecrim n. 2.
dallados ns. 37 e 39, as nicas que ha no mercado.
De
CHOCOLATE
f I ff B S.
Musgo de Islndico
Vndese na bolica de
P. ftfarjrer & C, ra Nova n. 18.
juina i
um vestirlo de blonde para noiva, com veo,
eapella e ramo para o peito : na ra do Ca-
bugloja deCascao & Pontual.
principaes fabricas j Vende-se urna escrava crioula, moca, e com v'5 de ""'a casa.
Jlielliores condicoes: habilidades: na ra da Peona n. 17J segundo | Vende-se um sitio em Bemfira a' margem do
andar.
60 Ra da Cadeia do Recife 60.
Todos os artigos abaixo mencionados foram comprados recentementc pelo dono do estabelecimento na;
de Paris, Londres, Birmingliam, Mancbester e em diversas cidades da Allemanha, e tendo comprado tudo as
por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente bor querer inteira-
mente liquidar e ler de partir mui breve para a Europa.
lia neste vasto armazem ric s objectos com brilliantcs, como botoes, armis, rosetas etc., e bem assii diversas obras de
ouro, como trancellins, correrites, anneis e mohos outros arligos, relogios de ouro inglezes do afamado fabric nteBennetle; com-
pleto sortimento de fazendas finas e modernas; miudezas, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes francezes, como L.
T. PIVER. Lul.in, L. Legrand, Ed. Ptnaud & Meyer, Delettrez (Perfumerie du mond lgaot), Violet, Sociele Ily
Mailly, Regenier, P.Guelaod, e inglezas de Eug. Rimmel e outros; ricas galanteras em marim, madreperola,
China e no JapSo; ricas pechas de crystal fino como anda nao appareceram nesta cidade, e bem assim modernrs
grande to lette, o que se tem u o Sr. Jos Affiuso Ferretr, na aTfandega'
z para cha ecaf, os quaes em ___________Joao Francisco do Bego Maia.
tliepem tos rorpiohos de ranbraia,
Vindemse eorpinnoa de caninaia cem entre-
meios a h e b&, eslao se acabaido : oa loja de
Paredes Porto, ra da Imderatriz n. i, poria lar-
ga, jun.o a padaria fianreza.
Na ra do Brom n. 38 vende se um moleqoe
de 10 annos de idade com algum principio do ser-
propr
itas modernas para alfaiates, avalhas finas, caniveb s e outros artigos, diversos artigos feitos de rame; coi
mascaras de velado, setim, cera, papelao e rame ; doces confetados e chocolate em caixinhas e em vidros; cau
os tamanhos, lavatorios, etc.; ricos quadres para carloes de visita e ditos grandes epequeos para retratos; cli;
las. chicotes e ditos para carros; machinas para fa?er caf, dilas para bater ovos, proprias para quem faz po-d
pannos para cobrir mesas, bolsas grandes e pequeas para viagens, e outros arligos, como cobert res, malas,
violes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galanlarias e outras Decas de charo para toillelle; machinan
los seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e muito barato, no grande armazem da Exposico de"Lo
deia do Recife n. GO.
NO
GRANDE AR-
MAZEM.
Vendem-se diversas casas de pedra e cal,
urnas na povoacao de Apipucos e outras muilas
perlo della, enire as qnaes quatro coustruidas a
moderna e bem acabadas, de muito bous commo-
dos, bastante frescas, prximas do rio Capibaribe e
rio Capibaribe, com bastante commodos para una
grande familia : trata-se na ra Nova n. 2i, das 9
horas as 4 da tarde.
Colla da baha superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azi.vedo i
C, no seu escriptorio ra da Crnz n. 1.
ma moda paia Iranias de senho- Conlinua-se a vender doce de caj em calda,
ras, cxcellenles luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelbos de porcelana fina para cha e caf, ditos para jante e immensos arti- laranja, jalea e grozella a ou rs. a libra : no pa-
gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para llores, figuras, etc; calcado dos principaes fabricantes de P iris e ditos de pan- fumm'2' *
no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Plcyel, Wolff& C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na
roa, ditos com figuras para sales e ditos com figuras em movimento; modernos e bonitos n&trumentos de p
thealros ou saldes, ditos de phantasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com vistas novas, dia e noile; ster
vengao e com bello sortimento de vistas das principaes cidades da Enropa; grande sortimento da brinquedos
bonecas fallando papae emame ; grande sorlimerto de candieiros a gaz, o que se tem feito de mai:
merecido toda a aceitado na Europa, grande e magnifico sortin cuto de caixinhas, cestinhas e outras galanteras fe
proprios para presentes; grande sortimento de estampas fin s coloridas com o fundo preto e de outras de todos
figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramas, tinos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bcllc
roprio para meio de mesa de jantar ou para jardm; culelaria fina, como talheres com cabo de metal fino, collu
i / -y i CA.MBIt.AIA.
lysica (,magtcaj para | Cambraia de forro com 8 l|2 varas a pega a 25,
OCOpios de nova n- est-seacabando : na loja da porta larga da ra da Grozas de boioes de louca pratead^s
Impciairiz n. '2, do Paredes Porto. derna a lO rs.
nos para mangas, e;
Rival sem segundo
Ra do Qucimado ns. 49 e So, loja de
miudezas de lies pauta, est qaei-
Diaitdo ludo liom e barato, quem jii-
zer ver c admirar unhan \>-,: to
Bigadiiha.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e pauuc
a 600 rs.
fazenda ao-
elegante e que tem
tas de crina e seda,
os santos, ditas com'
chafariz de crvstal
Normas para escripia
Vcn'Jem-se normas para escripta por C. /.lers,
proprias para meninos, em colleccoes de ns. 1 a 6,
e tambem collecgoes de ns. 1 a 12 : na livraria
res, thesouras finas, universal n. 54, na ra do Imperador.
ppleto sortimento de Vende se urna 'arte e um predio DO sitio dos
as de ferro de todos Arcos, perla da igreja dos Ri medios, o qual pro-
Duzias de penna de aeo fazi-nda boa a '.! r.-.
Pecas de tranca de laa lisas e de todas cora a
40 rs. *
Estovas fiuissimas para limpar dectes a 2iO e
:0 es.
Pecas de fila de cus eslretas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles francezes. superiores qoali-
dades a 20 rs.
pos de SOl, henga- nri0 P ''a l'"r lf'r excellenle barro, o as ler- Tinieiros de barro, com superior lima a loO r
J ras quasi todas "
muito
IiS ^ns Ptc ...-"--, proprias : a tratar com Joaquim pecas de cordao
iu, muuuuo, co., jose Goncalvcs Ifeltrao, a ra do Vigario n. 17, es-'
etc.; sortimento de criptorio.
para varrer o chao, | Vende se oa arrenda-se o engenho Maa
carente e lanternas distante da praca quatro legoas e meia da povua-
U'in toma banllOS em cao de Jaboatao, o qual est moente e correte,
para vestidos, fazenda Ua a
linos para voltareie a 200 o
que para ennumera- 'amIiem cercado, suOlcientes trras, matas, e todas
irlrps na rna rli Ti as propor^Ses para um estabelecimento int<-ressan-
", te. Tambem se vendem alguns escravos do servi-
co de campo, cavallos de roda e bois mausos, as-
sim como a safra presente, on sobre ella se far
qualquer negocio com o comprador ou rendeiro :
a fallar no mesmo engenho com o proprietario.
DA EXPOSICO DE
LONDRES.
20 rs.
Baralhos
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de macaca perula muito lino a 200 rs.
Frascos e garra'nhas com asna de Cotona a
_ 400 rs.
Fia-eos grandes rom superior agua de Colunia a
010 rs.
Caixas com 12 frascos de cheiros muito finos a
1,3 i 00.
Sahonetes pequeos e bolla a 2i0 rs. e mmt i a
3X0 rs.
Alugam-se duas casas na povoacao do Mon-
fero a margem do rio, as quaes estao pintadas de
Irosco, e tem bons commodos : a tratar ua ra do
Crespo esquina n. 20.
Aluga-se o primeiro andar da casa n. 9 sita
na ra Dreila : a fallar na mesma.
m mmm Km$u
^| Eompanhia lidelidade do/- seguros ^
maritirnos e terrestres &
astabelecida no Rio Je Jaueiro. *
% AGENTES EM PBHRAUBDCO
^j Atitiiiiio Luiz e Oliveira Azevedo i C, '<$
lM Ci,mP''ten'ementeautorisados pela direc- x
H loria da companiia de seguros Fidelida- (gj
t de, tomara segaros de navios, mercado- fS
~ ri^.s o predios no seu escriptorio ra da S
Oui n. i.
WBmW
tes modelos, pos para limpar denles, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas e balainhos com pe
presentes, e muitos outros artigos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral
armazem da Exposigao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
PARA SEimORAS.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o que se tem feito de mais elegante at
por menos de seu valor para se liquiJar, no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do R
LUYAS NOVAS ME JOUVIff.
Vendem-se excellenles luvas de pellica, recenlemenle chegadas de Paris, tanto para homem como para se
seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Vnde-se urna taberna na ra da Casa, For- Duza de sabonetes pequeos com rheiro a 700 T3.
te junto aos acougiies, propria para principiante Agua dentifice sup-iior oaalidaeiMOr.
por ter poucos fuudos e ser em ptimo lugar e Caixas cora superior p de arroz a 800 rs.
fnmnrias nara fa7ar: A l0Ja ('c oiiudezas na ra do (Jueima- .
limaras paia taer rfiSph_n.a. nliin.n varmr Fn*co* benitos com cheiros Ooos a 500rs.
xislentes no grande ao_njJ re&eDtu-db por csie ultimo vapor, Duzia d
GiZ.
No armazem da ra do Imperador n. 3 oa no
^n-nr.,n i Cae& de Pedro n- 2 tem Para venderse o me-
presenle: vende-se Ihor gaz existente no mercado.
beife n. 60.
meias ramio linas para .enbora a
Gollinhas muito linas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninc-s a
ICO rs.
Pecas de fila du laa para debrnm de vestido, cero
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a fcOO t
800 rs.
ahora por menos de
e na mesma
PHOTOGR I Pili %.
No grande armazem da Exposiciio de Londres, ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da Imperatriz loja i
sraa ra loja de miudezas n. 54, vendem-se excellentes vistas para quadros de sala e para albuns, como
-----------------------------------. z___________ caixas com bomt.-s estampas para rape a 100 rs.
As melhurcs chilas francezas de cores ^i"1^ eonmrfos, boa fazenda a zoo rs.
brosas de bolies peipjenos prelos para cal^a a
e .Mr Dubarry n. 8

m

!RSt
EltlilllA
c.
O abaixo assignado faz puhliro que perdeu urna
ira de seu aceile, sacada por Souza. Andrade &
em 28 de marco a seis mezes de praso, da
qoantta de rs. 3,351*750. cuja letra loi paga|pelo
abauo assgnado aos saeadores, como consta do
recibo dos meamos, que tem em seu poder, e por
isso nada val, pelo que protesta que nenhura va-
lor lera qualquer Iran-acao que por ventura al-
gaem que a achar tente fazer com dita letra.
Apolinaaio Liberato de Mello.
Deseja-se saber se exsteesu" provincia ou
em outra qualquer do imperio, i negocia de ^eu
interesseosubHo portiiguez Antonio Luii Ifendes,
natural de Villa RphI do Reino de 1'uitugal, lilho
legitimo de Joo Lui Mendes, que em Janeiro ao
corrente auno embarcou com destino a esle porto,
e em marco prximo passado consta por cartas
que ndorecou a familia achar-se no Maranh,
poruoto pede-e ao mesmo senhor ou a quem del-
le noticia liver o eiqiecial favor ele dirigir-se a ra
da Ma Ir de Dos n. 18, a enten ler-se com Fraga
& Rocha, ou aununciar pelos jornaes que se in-
demnisara' qualquer despeza feita para tal flra.
Precisa-se de urn criado : a fallar com o te-
nan'e-coronel Barata.n;tl!e das Trincras n. 30.
Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Guimares.
Porto, ra de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimbra.
VISTJtS OE PERNAMRtWO.
Tiradas na occasio em que S. M. o Imperador aqui esteve em 1859:
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M. o Imperador no dia 2 de dezembro,
indo para o Te-Deum no convento do Carmo.
Theatro de Santa Isabel.
Ra da Cruz com a pyramide.
Torre do Arsenal com a illumi'nacao na frente.
Passeio publico, na chegada de S. M. o Imperador.
Ra do Collegio com a tropa.
Paleo do Collegio com o palanque.
TIAUJBJI A9 EUROPA.
Stereoscopios de nova invencao com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como:
Franca.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Vendem-se barato para liqudago no grande armazem da Exposgo de Londres na ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da Im-
peratriz loja de Mr. Dubarry n. 8, e M mesma ra loja de miudezas n 54.
escoras e ias a 280 rs. o
covado
Na ra do Qucimado n. 1 vendem-se chitas fran-
cezas escuras e finas a 280 o covado.
Vende se ou aluga-se um Mlio no principio
da estrada do Arraial, com boa casa, a qual tem
muitos commodos, o sin.i lem muitos arvoredos,
bom banho, baixa de caplm, diversas plantagoes
ele, etc., toma-se recommendavel para passameu-
to de festa por Bear perto do Parnameirira, onde
passam os mnibus e breve passar a estrada de
ferro: a ralar na ra larca do nosario sobrado
n. 22.
100 rs.
varas de cordao de esparlilho a 20 rs.
Novellos francezes com M jardas a O rs.
Pegas de liras bordadas a 610.
Uuzias de meias cruas muo fortes e superiores a
33500.
CAMAS HE FERRO
Grande sorlimentode camas proprias para i !
lecio e lambem para quem quizer passar a l
vende-se ua ra Nova n. 33.
mmmmmnwsmmwm]
^H> VILLAR l
Com loja a rna do Crespo n. 17.
Iteciben de Paris sedas em corles mui-
g lo superiores e bellissircos padrs, e
}jjg chales de renda pretos para 10*.
Bj KsUj importante eslabelt cimento torna-
g se recommendavel ao bello sexo pela va-
m riedade de fazendas superiores e bello* aU
agostos
Proleja o bello mo ao Villar j
jt} e vero todos a prosperidade.
CtRAivui;
ecliiiicha
Vende-se ri^cadinho franeez a 200 r?. o covado,
-------------------__--------.--------.----------.----- 1 por ter grande quantidade, esu-se acabando : au
Vende-se urna taberna bem afreguezada, no ra da Imperatriz n. 52, loja da porta lana e
paleo da Paz n. 9 : quera quizer dirija-se a mesma. Paredes Porto.
JNa ra da Imperatriz n. 2 vendem-se bonitos
apparelhos de porcelana Una, brancos e dourados,
para almoco e jantar, assim domo chicaras e pra-
tos avulsos por menos que em outra qualquer par-
te, tambem se vendem elegautes cadeiras de ba-
laoco para senhora e outras para descanso.
Vonde-se um fogo de ferro com todos os
pertences. urna grade de ferro para porta e urna
porcao de pedra marmore de 10 polegadas: na
i ra do Imperador n. 4.
Vende-se para ora da proviucia urna escrava
crioula e urna Ulna com idade de 2 mezes, cuja
escrava tem as habilitacoes segrales : lava, en-
gomma e perfeila costureira de bordar e mar-
car ; o motivo da venda se dir ao comprador:
na ra do Nogueira n. Ifi.
Atten#io
Vende-se urna preta crioula de 18 a 20 annos de
idaile, com habilidades, nao tem vicio era acha-
que, muito ada e posante, propria para casa
de grande familia : a tratar na ra da Matriz da
Boa Vist* n. 54.


r*


Diario d A-*rttiHimet sexta i6itfft J de uiaru de !.
:... _-.--. n
0 PUBLICO
Hcm o menor cotts aa
gimcnto se entregara o
itupoir-tc do genero que
nao agradar.
' : V-,
t

TTEUCW
*5& piremos la tegalBU
tabeifia psi todo*, k>-
rritacao dospuhnfer. aojar
na?,' tosse, escarr
;ie
I
sanguc, crupo ou
tiiho, citano, loiitiiinao
!e todas as inmimerau-; n\>'"
desdo assim servir de t-- uto aos orgaos da respiracio
se para o ajusle de ccu cot os portadores;
ediante a
i
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
RESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
sem da Uga estabelecido ra Nova n. 60 am magnifico sortimento !de molhados,
qae sendo era sua mxima parte mandados vir directamente do estrang<.iro"podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em sen genero, pde-se porm lliancar, com loda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto campamento das seguines promessas:
L' Delicadeza no trato.
2,; Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posiclo social gozam de certo tralamento, acharilo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos flnlssimos manteiga e cha sempre de
primaira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja acondicSo do freguez, ele deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aqaelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalment urna economa de
SlGitas ps'.acas, afreguezsndo-se nesta casa, onde se Ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
>!.em ou nao querem vender.
Os senbores de fra da cidade^ dos arrebeldes ou centro, -que compram para ne-
gocia:., devem vir, co sen proprio interesse, a este estabeIecfercnto para se convence-
7em do quanto se pede vender barato.
Para os sechorts que compram para tornar a vender asiste ora sortimento espe-
cial escolbido por pessoa entendida que ceramente muito deve agradar aos senbores
coapradores.
Nao se lera poapado sacrificios, nem se deixar de azer a diligencia para agra-
4k a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
A ; Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 126 rs. a libra. urna.
dem e painco de oito libras para cim a! u
100 rs. :: KIRSCH ee Wasser a 2J a garrafa
Arroz de 90 rs. a libra a........'
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Amkixas francesas em latas de lodos os l-
mannos.
dem idem em potes deptodos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os lma-
nnos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce do primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Almos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 000 agarrafa.

BOLACHINHAS do Beata Antonio en latas
grandes e pequeas,
dem do Principe Alberto a 10800 a lata, e
de cinco para cima a 1-3700.
dem de sola em latas grandes a 2000 e
de cinco para cima a l#800.
Bisgohos inglezes de todas as qualitades a
1*200, l30e i 5300. :
Boi.o francez cm caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banua de parco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 000 rs. a libra.
.dem suisse a 1 # a libra.
dem de musgo a 13500 a libra. ,
uHOORigAS muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 200 rs. a libra, e em porco
se far abatimento.
tiern de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Conservas em fiascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
[dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de lodos as marcas.
Chabope de grosella, ardala, etc., etc.
Chicaras e pires a 10800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
nto.
.; Victoria IJr.s tres X e de nutras marcas.
Charutos das raais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposico,
Floi 1.1 Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, negaba, Mississipes,
Panol.'ib?, \praziveis, Varetas, Brasilei-
ros, Americanos, Fluminenses.
Ca de todas as qualidades e de todos os
procos," bysson, huxim, aljfar, preto, e
preto poeta branca, etc., ele, a 20000,
202 ..'2-:-.:i;'e2->800.
Copos usos de lodos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 1*500, 31500, 40 e 55.
Cauces de lodos os tamanhos.
mac soperior a 14 e 10300 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco maeinbos. >
D
DOCES de todas as quaiidades: brasileiros,
portaguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
ERY1L.HAS seccas a 120 rs. a libra.
tavAOOGE a 400 rs. a libra.
RA DA CADEIA DO
(Logo passando o arco da Conceico)
PARA BEM DE TODOS,

..
RECIFE N. 53
Senhore? r^nhoras, o aceio qae presidio aos arranjos deste riovo estabelecimento, e mais que tndo a promptida"o e intol-
ezacom que sero tratados,, .-.nvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccSo o preferencia na coro-,
rra dos gneros que precisaren e quando n5o possam vir poderao mandar seus portadores, ainda qne estos sejam pooco praticr?,
rois sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacio, afim de que nao vao em
Ira y ai lo.
Manteiga incleta especialmente escullida a Aletria, macarro e lalhai m a 4oo rs. a li-
bra e O.ooo a caixa.
Massapara sopa : estrelinba

%
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letuia a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 10, a libra.
Marhhlada dos mais acreditados fabriesnte?..
Macarro e talkarim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostauda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a .
Massas linas para sopa branca e am."rella a
60 i rs. a libra, em-carxas com 9 libras a
30500.
Mh.iio painco e alpista, sendo mais de 8 I
bras a 100 rs.
M
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.

PEIXE em posta, latas grandes, a 000, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadinha, lnguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente prepararlo.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passa; em quarto a 10400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 'SO rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
Mem SQ8S08 a 600 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUAKTlNllAS OU MORiNOUES a
R
RAPE' Meuron a 10 a libra,
dem Princeza do Rio a 10200 a libra.
dem francez a 20500 a libra.
8
SARAO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25?.
Sardimias de Nantcs de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
iOO rs.
Sag muito novo a
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azui e prela para escrever.
V
VINHOS
11
FAR1NHA S S S de 8 Horas para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. aJibra.
Feuo verde em latas a '600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fono do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 10.500
Farello ba sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
Principe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velbos.
Vellio secco a 20 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 10500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garraa.
Duque a 10 e 10500.
Chamisso a 10, 10200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao aiguoia.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeiux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 c 10 agarrafa.
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a2J, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Vinlio figueira em ancoreta a 200.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
caada.
, pevide e rodi-
04o rs.a libra e
excelleDte quali-
rrafa e em cana-
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha bysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,0oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Coseiletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem sisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portugeezas ja preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muilo superior a 040 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e64o rs. a-li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Teixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e l,2oc rs.
Vinho Rordeaux das marcas mais acredita
das que vem ao nosso mercado a 7,oco u
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Holi?.nda a iSo rs. a botija-de
conla c^rta.
Frasqoeirasde goaebra de Ilol'anda a (i.Soo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de lararja verdfcdeira em feasaos
grandes a l,ooo e 11 ,ooors. a frasquelra.
Caf do uo de 1R qualidade a 28o rs. ali-
fara e 8,5oo rs. a arroba.
Cafe do Gear mofeo superior a 24o rs. cu-
bra e 7,000 rs. a arroba.
Arroz do MaranhSe de 1* qualidade a too ; Molho inglez em garral|a de vidro com ro'.ha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. de mesmo, a 16o ni
[dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos nelhores
arroba. I ?. 8oo rs. o frafeo.
Jem de Jr.va a Sc-rs. a libre e 2,4oo a a-- Mostarda franceza em
roba. i 4oo rs. o fraseo.
Punco e alpista a Uo rs. a libra e i.ooea Lentfihas francezas. e?
arroba. i sopa, a 2oo rs. a li
.vlf;ssa de oaatesdesuperior qu.i;dadea 64o Marrasquino de Sara
rs. a lato de urna libra eoCo rs. a rea-; 10 & arrafae jo. Palitos de dente a i 4c
nha branca ou amarella a
3,5oo a caixa com 8 libris.
Vinho do Porto muito fir o proprio para
engarrafar, em ancoretas
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figjueira e Lisboa a I
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de
dade a 4oo e 5oo rs. a gfj
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa erji caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a
Vinho do Porto das melhpres marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porlo, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, 1). Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina i 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e lo,ooo a caixa oml duzia e9oo,
l.ooo e l,5oors. agarr fa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4o rs. os quartos e
64o rs. as meias latas. I
Bolachinhas inglezas multo novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda erl latas de diversas
qualidades a l,3oors.f
Carlees com bolo france:!muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas emjcaixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs
Passas de carnada a 8,
a libra.
Figos de comadre a 24
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Milo de amendoas a 5( o rs.
Bolachinha d'agua e sa
dePritono Beato An
tir}l; por2,5oors.
" .xas francezas em
lampa do mesmo, a
Ameixas franezas em
tamanhos com bon las
xa exterior, a l,4oo
cada urna.
Azeite doce refinado he
a 9oo rs. a garrafa
Batatas muito novas a
o gigo com 36 libra'
j Conservas inglezas a
8,5oo a duzia.
i Vas&ouras de escova
4oo rs.
1 Nozes muito novas a
o
celiente legume para
propiamente dito a
o a dosia.
rs. o maco.
m
WfB
^O^^V %
wmwm

^a
Veade-se pelo preijo de 2^ o par luvas novas do pellica de Jouvic, c\.z
para bomein e seu-ora : na raa da Imperatriz loja de piiudez.s n. ii.
2| I ;f il-i frigia
Oh
*? a M a> ti
g"5? <
** ,Ji ?
O"
X _
CO .O fij
,'- O
Qi "3 tt
D.'
ce
'3 s
- a 3 3 % 5.3
^
o
|3E S.gS-..|.|.gj
CD
-
o 2. a
o
s
Brides e picadeiras de cal,,nga8pa;r^eneiilSsr.,n,|,,ed09
Ipoj
nica
Vndese na ra do Queimado
Azevedo & Irmao.
Lhegaram para a loja de miudezas da roa do
Queimado n. 69, os mais tinos e lindos calungas
n. 32, loja de lanto para bnnqoedo de meninos como para cima
de me-; : na mesma loja se encontrar bom sor-
. timento de miudezss.
CiiniltraitS. Vende-se barato o sobrado n 21, sito na ra
Parede Porto vende cambraias lisas finas, gran- de S. Pedro Martyr, em Olinda, e nm terreno onde
de soriiinento, a 35 at 6. ditas Victoria muilo se acha edificada grande parte da ridade do Rio
finas, com 10 varas a 65, 65500 e 75 : na ra da Formoso, o qual terreno estende-se da matriz al o
Imperatriz n. 52, junto a padaria fanceza. i trapiche; a tratar na ra da Unmo n. 37.
_
-1
o
CD O

a
13
O U
fi>
&>'
-
B
S
o_
--
co
IB
30
3
CO
'i 3
""3"S
2 o
___.(!
^- -i
i-a
TS Ct)
W 1

CD
r
x
Ba

1
-5
O
s
-> o
O
>
>
W
O
>
e
n
trabalhar n>o
descarla raSgodo
PABRIC lDAS
PorPlant Br)tiiers & C3
OLDL
Sal refinado em frascos de vidro com lampa
do mesmo, a Soo rs.
Qerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a Soo, 56o e 6io
a garrafa, e ;i,8oo. 0,ooo e6,5oo a du-
zia.
Cevadinba de Franca muito nova, aVinors.
Cbarutos do aflamado fabricante Jos Fnrta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
ExposicSo Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panalellas e Suspiros, a ,ooo, 2,ac e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores ir prca.1:, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Fr?n?a muito grandes e novas
a i ,8oo o cento e 1,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refina!.'! a 6Jo rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do MaranhSo muito alva e ebeirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e i,8oo o frasco.
Caixinhas com frnclasem doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Buibos, excellente peixe portugoez, em
barris pequeos ou a retalbo, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Bivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
1,6oo, i,8oo e 2,ooo' Azeitonas portuguezas a Soo rs. a garrafa e
i,oo cada urna ancoreta.
panbolou portuguez Champagne da melbor qualidade que' vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,Soo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa saja, grandes e peque-
nos, por diversos preros.
Amendoas confeitadas a (lo rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pora, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28r r;. a garra-
fa e a 1,4oo e 2.ono rs. a caada.
Azeite dore de Lisboa a 4,8oo rs. a ranada
m< xicana

a anacal
pecial este incoRpara^e i i t- iir.
arvore, coja onadi ira 11: ..'. |
ha asado no Tampico para a i
fetmidades cima mincM'ii.'-das. Fu '*-
bem cnsaiada e approvada p< .. a
nedica de Berlim o \ il
; ,
un xaropo
opio, acido

oo a caixa e 4oo rs.
b rs. a libra.
da fabrica deJoo
onio, em I ata de 6 li-
fi asco de vdro coc
f#5oo.
fcaixinbas de diversos
estaii pas na cai-
delieioso inleiramen
hydri'iyariico > < il
dientes nocivos.
A* venda nas dri gai tas i'et i
boza, Bravo A ti. e en lwl< >
m*-iit('S jiharm. ci
Deposito piral cm 5't- .dii*i
Cruz n.i'J en casa de Can
paba a era i ;
e todas as W*
provrnlei. : 11
mil i
loda as wolr.Hz' ir.
pcllc
ckervsiffllw, iiiw rfs i
nasrid:.
REUMATISMO
HYrnhrr
as as suas i> rmas, i
joe proven MERCITUO
I'Iocraro do f!i'
iimma lodos oc Mdca q -u<
erigem na
IMPUREZA f O SA5< "
L un alterante p">dTf* ~
RENOVAO DO S.iFCl :
e para dar nova forca e viper
enfraqnecido pea doenca.
Vi nde-se na ph.irmari.i fr.v .
rer & C, ra Xo?a n. tH.
AGENCIA CEXT1
15 IU:\ Blr '(
reo ni: axei:* o
Vende-se en hna
em
o ma
e em
o:ooo a caixa.
rs. a libra e2,5oo
75o rs. o frasco e
>ara estregar cast a
6o rs. a libra.
j com
fabricantes,
potes j preparada a
e 640 rs. a garrafa.
I Vinagre branco ja engarrafado a Soo rs. a
I earrafa.

A Henead
m
Senheres c sei horas.
Os proprietario* da nova h'p o armazem de fa-
zendas e roapas feilas, ra da Imperatrix n. 72, de
i Giiimaraes i: frmSo, acah; ni i)'. reduz r os preco;
3 olkiB va por : de SMS fazeraB mm)S 2Q o/() ,, ( qne cn) "^
qaalqner parte, nm de apurar dinheiro.
Lauzinhiis de todos os pdrdes por haralo proc'-
por ter grande porfo, a saber, 2^0 e 240, 280 e
320 rs. o covado ; vende-se lamliem ota grande
sortimento de 200 rs. o covado ; ditas drancezas larcas a 240
e 200, 280, 300 e 320 rs. o covado ; ditas preciaras
muito finas a 3C0, 4(0, 440 c 'CO rs. 0 covad .
isto s na nova rja e armazem de fazeodss e rcu-

i
para

i
"-o,
Estas machina.'
i^^^ pedera descaregar
^qualquer especi
_^do algodo sem
estragar o fio.
seado bastante
duas pessoas para
o trabnlho; pd
descarocar nma
arroba de algo-
dao em earoet
em 40 minuio.
ou i 8 arroba?
por da ou 5 ar-
robas de algodar
Jimpo.
-*.
U*:.ff>
. .
Approv.dMg .n.::. Ac'. ft. J de '
Resulta [icios duns rdaHlfM,
ictdemia ein 1S*0 e *m lS5&, :
GLis e cuN'i ti So o nc!br en i tf.
ferruginoso pan mrara chiorcsii Wi '
fluxos brancos, a fraquea de coKpwnao
sexos, e tambem para ajuriar a mer,.:
Estas Grsj-'as n*o so r^nida n
ou tidros eobwtoi eon rotiloe f- '
lerando a firma do depositario Mal -
harmai'iutico. ra BoiirbotL-FUU*'--
Venoem-se no Recite em ca
Barboza e olo da C. Bi a
K1VAL
fiSL t* W%m .
Ra lio i>ueiw-.zdi i*-
Coollni ; i : '.


declara .
Assira como machinas pkra serem movidas por
inimaes, qae descarogal 18 arrobas de algodac
ara mover urna, duas,
Tasso Irmaos
Veudem no seo armazem ma do
Ainnrim n. 35.
Licor fino Caracho em.Jjotijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com reinas da
vidro e em lindos frascos.
Vinhosi;heres.'
Sanlernes.
Chambertin.
Hermitape.
Borgonbe.
Champagne.
Muscatei.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
am
limpo, uor dia; e motores
eutres dessa machinas.
Os mesmos tem para vender
por que pode fazer mov
mencionadas ; para o
agricultores a virem ver <
l de algodo, no largo
Saundcrs Br Uhers k C.
JM. II, pra RECI
Os nicos agentes neste
um bellissimo va-
r seis destas machina
|ue convida-se aos Srs.
iiamina-lo, no arma'
ponte nova n.47.
hers k C.
Corito Manto
E.
paiz.
luenas.
tamanhos.
Breu em barricas pe.
Cera etn velas de todos os
Bogias.
Mercurio.
Na ra do vigano n. li, primeiro andar.
Vendemse quatro burras muto mansas, boas
de carga e de sella, per pi
no hotel de Pranga.
eco commodo : a tratar
0 castello d
Vendem-se palineiras imperiaes, em estado
de serem transplaotadas : no sitio murado es-
querda, depois. do tecco do Espinheiro, nos Af-
lictos
Tradnzido do francez {r A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bell) romance em quatr
tomos pelo baratissii 10 preco de 3^00C
na pra?a da Indepe
Ge 8.
Grasville.
pas feilas de Guimarats iv Irmao, ra ta Impera-
triz n. 72.
E' baratissimo.
Pegas decambraia branca a 3 o 3J5C0. dita-
maisflnas s4 e48500ai 9Jf, cambraia orp.-:n-
dysde lindsimos desenhas a 320 e 360 rs. o co-
vado, ditas mutas tiuas a 400 e 140, isto s na
loja 4e Guimaraes & Irmno. ra da Imperatriz
n. 72.
Aos 2,000 cobertores.
Vende-se cobertores de algodiio a IJ, ditos me-
lhores a i^GOO, 2 al 6#, grande sortimento dn
chales de merino pelo barato preco de 2f e 200
3, 3500* 4?,.ditosfincsa Sy, 6$, 8;, ditos de
renda, os mei!;ores, que tem vindo ao' mercado,
por baratissimo preco : isto s na loja de Gui-
maraes & Irmao, ra da Impfralriz n. 72.
Ol que pecbincba.
Cambraias de una s cor, fazeoda n'iiito mo-
derna, a 390 e 3li0 rs. o covado, vende-so pur este
prego por ter un pequeo loque de mofo ; grande
sormenl dsaiasbordadas que se vende' muito
barato : isto s na loja de (Mimaraes & [rmlo,
ra da Imperatriz n. 72.
Os mais modernos vestidos de cambraia borda-
dos, fazenda inleiramcnte nova, por pieco muito
barato; tambem chegarsm as mais modernas
mantas de seda para peseoeo, e vende.se por com-'
modo prego : isto na loja de Guimaraes & Ir-
mao, ra da Imperan iz n. 72.
Pechincha admiravel.
E>te. novo estabeleelaienio receben um grande
sortimeiito de n'scadinhos escossezes muilo pro-
prios para vestidos de senhoris e meninos, a 320
rs. o covado ; vndese um grande sorumeDlo de
entre-meos e babadinhos, e tiras bordadas, or ba-
rato prego.
Roupa feita.
Vende se nm grande sortimento de rotipa feita Tj'iQ
de todas a.> qualidades, palitots, calcas e colletes, ,-",a-,
camisas c seroulas: tudo isto s
Xa nova loja de fazendas de Coimares
k Irmo.
H
Hassos te paiil is fixadi i par
Bspelhos d
Bonels de olado para meni
bitus de i ouro sope t faww!a
Frascos com srp< rior ita reta
Heiadas de h nha
"'
Groz?s de ; nnas .:. _
Crozas ti..- | j .
e CO rs.
Caixas cora 30 Dovela .:. i;-. ,
Caixaseom ., ri re .. asil
Pegas de fita brama i >tica e
varas de franjad
40 rs.
Baraihos dourados sai n
Novellos de liaba con. LOO
Lr
u ; pai i asstnfos de i
,l/r,>
fSlras.J,,ra co:
de ca grapbii
Rna da Inperatfrlz n. 72.
dencia. vraria ns.
Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C, no seu escriptorio roa d^a Cruz n. 1.
Farinha de mandioca.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
400 e 1,5.
Caixas de >onnas
IJOOO.
Masaos com superiores graoatM
Pare-; do sapatos de Irac .i i .,
Caixas com snperiorei i albas a i
Libras de laa sonidas de boniUi ,..
Caixas com soperiores o!,reia< i
Rw^seoraalOiietofraiaHiaa di
Resmas de papel almaco a 2iJ40O i !":*;.; r
Escovas tiara roopa, (azenda h* > :. i.'
Duzas o ttsuuras eoui toque i nn
bOO rs.
Huzias de facas e garfa de ca! |
Talheres mnito fino para erianajas a
Polseiras para meninas a
Pitas e voliaa parasrahora i
Frascos de Agua RorMa rda
Frascos com superior banha a 250 ,
dem de soperior '. r i bal
Calas com hoiparioas par i
Varas te bsbado do I rt-i I r .
Carlas de aUbwtaa Irateetes i HW
Qoaderoes de papel patio no .i M r-
Gravatas de cores, faeoda
Papis de agalbaa, fu-..!. dooto*
para vestid(!sT?">
rs. o covado!!
Na ra do Queicnuo c. I veis* <;
litas para vestidos a 240 rs. u evad< ; a
tes que se acahem.
gaz, (az, g.\:7
Gaz em latas, o melhor que tem nade an mm
cado : vende se no armazfm de Brr.s i y
travessa da Madre de Den n. 57.
- Vendem-so verdadeir-"* chrrot s da n*vrdT
feitoa rom fnmo de Bavana : n> arm?
te Olympio,tna ra da Cadeia do Recife c. 36.
~3 I ****


TINADOS BO
N. 11Roa do QueiinadoN. 11
A luja de fazendas de Augusto Frederico dos Santos Porto, acaba de receber um mni-
lo grande e novo sortimento de corliuados bordados ara cania de uuivus a 35. 405, Ut,
300000, 600000 e 700000.
Lindas mantas para grvala, de variadas cores, a 15500 e 20.
Caeluuez de l;ia de diversas e bonitas core? a ;3o00 e &0.
Chaies de guiji, fazenda a mais moderna, a li;0, 200, 220 e 235.
Ilolondes de goip, tambem os mais modernos a 265.
Colchas de seda de cor para cama de polvos a 955 e 600.
Alcatifa de linlio para salas, lazenda iarga, bonita e de niuita duracao, a 000 ris o
covado.
Tapetes grandes e pequeos, com ricos desenlia,,para sof.
Satas bordadas para senhoras a 75, 85, 95 e 1O0.
Ciipas e soulerabarques de seda prela para senhoras.
liouets, chapeos e chapellinas para seuboras, dos gestos mais moderno*.
Chapeos elegantes para senhoras, a 125.
Pecinhas de linissima bretanha de linlio a 75500.
Laazinhas de quadros a 320 rs, o covado, setini de Pars a 7U0 n. o covado, c cam-
braiai francezas de cores a 500 e 700 rs. a vara.
Casemiras de quadros, moire antique pretos e de cores, pannos e casemiras pretas,
grosdenopole preto e decores, esguies, silesias e cambraias ec lioho, sortimtnlo, de diver-
sas fazendas para luta, chapeos de seda para homens a 95 e 105, chapeos de sol de seda,
lindos manguitos bordados, e outras mullas fazendas que se veudsm por preco* razoaveis,
inclusive
Diarlo de Pfrnambaro -*- esta lelra if de Ou abro d 4
Esteiras da India para forrar salas
8b

mu n u
DAS C&WJLVMWM.
No ultimo vapor viudo da Europa
Superiores cortes de seda de cores o que tem viodo a Pernmbaco- do melhor
em seda.
Assim como mais algunas rateadas de bom gosto p.ira vestido.
MO"A no
AO KESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve d(
tanto deste armazem como do armazem
teo do Carmo n, 9, principal armazem
dor n. 40.
CRESPO IV
LOJA DE
Antonio Correia de Vasconcelios e C.
TES BE SEA
Cltgaranj pelo paquete inglez riqaissimos cortes de moreantiqas de cores, e ce-Ja lavrada rs-
i; ..-. inteiramente noves.
Seda de quadros por 1#000 o covado
5-RUfl DO CRESPO-5
ComgamM.
^5
"1
base depregos,
progressivo pa-
rua do Impera-
ade aos senderes de en-
ir\?gorlo Pac. do A niara 1
Paredes Por lo
Recebeu pelo ni timo paquete fracce: rici's laas
granadinas com fljres de seda a 403 e oOO rs. o
covado. esto acabando-oe, eambraia preta para
luto. Porte, larga unto a padaria francesa, a ra
da Imperatriz n. SS.
Pared:?. Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madapolao a 40SCO,'o0, 65 e
10), pecas de algodo por barato preco, chita fran-
ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o ovado, precalias
muito tinas a 360, 400 rs. o covado, chita iagleza
a200e2l0rs. o eovado-. >'U3 da Icaperathz n.
52, junto a padaria trancan.
Paredes- I*oi o
Vende gangas de cor prepria pura napa de me-
ninos a 320 rs. o covado, risuaJo frasees uno .a
320 rs. o covado. Ra da Bmperatriz n. i'2, junte
a padaria franceza, porta l3rga.
Paredes Be
R-'cebeu pelo ultimo paquete i?spartii;-,os- ^re-
guicoso por :t?. sao bons, tengas de sev para se-
nbora e horr-em a I?, rices cortes de sombren
bordados de 18 a 7#, por '.i r um toque de me.
Fazem setenta ao respeitavel pubiko, e com especial,
gentos, labradores e maispessoas do centro, que para mais fat litar suas cerners deli-
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir I idos os ser estabeleci-
meetos em um so anauncio, peto qual o preco de um stra de todos, iromette-
j que abaixo vai publicad), aonoociar os gneros
oreo socede conslante-
bntes nao se dar islo
ndar seas fmulos que
favor de mandar seus
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro,
mente em outras muilas casas, peseta nos dossos estabeleci'm
anda mesrao com prejuizo nosso, qualquer pessoa poden m
sero tamiiem servidos como viessem pessoalraente fazendo-uos
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, raihettendo nos urna conta
pea qual se vera os preces tal qusi annunciarraos, o que se ao arrepender passoa
aiguma que fizer sea despenca em ae-ssos estobeecimentoj-;
5 por ccnlo na sua despeza diaria.
ENCIOLOPEDIOA
S9 ilisuda Imperatriz aruiazc-m
da porta lar;a &9.
Jnnto a padaria firadceza de
Paredes Porto.
te estabelecimento enconlrar o respeitavel
id ji.i variado sortimento de fazendas france-
;s. nplezas, suissas e allemSes, que se venderao
I reco cvimodo.
Paredes Porio
i hales de renda do cores que se vende-
. I83 est vendendo por (.3, ditos pretos, fa-
. nova, ."o. Ii2, 85 a 205, um sortimento rom-
de manteletes, capas e soutambarques .5 a
- da Imperatriz n 42, junto a padaria fran-
ai mazem da p >rta larga.
Paredes Porto
n am completo sortimento de ISasinhas a esOo se acatando, na ra- Jn Imperatriz a. SftsMKr
S i 1-. c ivados, tiara acbar, cambraias de to a padaria franela.
HO rs. o covado, riscado t-soos lenin fusiao de linho a MO iOO e ^00 rs. (j aniiazeiil U ^HiTl V& &-
m|n ratriz n. 52 junto :. padaria frauceza,
r sem ia :.>ria larga.
Paredes Porto
i! para cortinados para cama franceza a
' cambraia lisa fina a 3-5 i5 at 103 a
coi e larlatana de bonitos gostoe a 3>500
i" i i coro flor de seda, gosto; inteira-
ov is a IOO i) ."'lo rs. o covado.no armazem
larga n. 32, ra da Imperatriz junto a pa-
franceza.
Paredes Porto
1 'Ceben pelo ultimo paquete um sortimento de
- r :n pedraspara opescoco, bonitos caxisels
: para pescoco de senhora. liua da Imperatriz
..'. iz :.i da porta larga.
Paredes Porto
n le rortes de gorgorito preto para vestido com
i cada nm 353OOO, grsdenaple preto a
', 1, I J800 o 2$ o covado, lias lizas tinas a 400
eova lo, las le quadrinho psra vestido, enfes- tosbone a 13600, 25 e SImOO
120 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 3,
zendo liquiacrlo detodus
as ({iialidades de azeadas,
aarua da ImfDratriz a, 56
Leureno Perefra Hendes truimaraes, dono do
graude a-tabtieriiiieuto, tem resolvido vender as
fazendas por mrnos do qae ea> outra qualquer
parte, menos .'O por cenUh
Cambraias brancas 'isa* a 3;JC'O.
Vandem-s- cambraias brancas lisas a 33000
33300,, .53300. ;.j, gjgoo e gg, upadas a a35W
e 7-: Mendos Guicnares.
Chiles de mei j*
Vendom-iC cbales de merind
merm lis a ."!3800.
Cliertorcs ie aigede .
Vendem-se cobertores oe aigodo a 'dO- rs., di
Manteiga gleza perfeitamente flor cha-
fada ltimamente de" l.oooa l,too rs. a li-
bra, e em barril ter ."batimento.
Manteiga franceza da safra nova- a 86o r3,.'a
a libra e em barril ter abatimento.
BAFfflA
Banha refinada superior a 6io rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim t'e prime ir?, e superior palida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o melhor ueste genero a
2,6oo rs., e sendo em porcaoter abatimen-
to, tambem lia proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra. ,
dem preto superior de l,8oo a 2,?e rs. I
a libra. !
pois poupar mii
DE
_ n a g AZEVEDO FLORES
Kua da Udea do Recite, esquina da Madre de Deus.
Grande sortimenlo de fazendas por atacado c a retalho. e um cmplete *rt
nenio de reapa feita, decasemira edehrim, tudo por menos qae eai
outra qualquer parte: quem duvidar venlia >er.
de lindas e finissimas casemiras escuras e claras, de superior casemira nreta de finos
bnns brancos e bom brim pardo. t ^ u
de superiores casemiras escuras e claras, de fina alpaka branca, de superior alpaka pre-
ta e de brim pardo. v ^
Colletes
de boas casemiras pretas e de cores e de fino brim branco
CAMISAS
superiores camisas franeezas de 25 at >&.
Cero ii las.
Ceroulas de superior bramante de lino linlio.
KalAes.
Superiores baloes de arcos para meninas de 2 at .12 annos.
dem superiores para senhora.
Grvalas e mantas.
Superiores mantas para pescogo de liomem, as mais modernas do Bureado.
Jladapolo.
Madapolao bom a 8^, 9#, IV$ e 123.
, Chapeos de so!.
Superiores chapeos de sol de seda balo a t<).
Fraques de -asentir.
Raquea de casemiras, prela. escura e de cores claras, e nao hateado nur- sirva
ao oregnez manda-se fazer por medida e som muita promptido.
Todas estas fazendas por precos insignificantsimos, pois o lito do Ba;?o ad-
de quinrfreguezes.
Sei
Superior serveja
bricantes, eomo sajan
Ashe a 7,f>oo e 7,ooo
garrafa. Tambem
veja
iass des melhores ft-
: Shlers \ Bell. T. '.
rs. a du::ia e a 7oors.
ha de outras marcas
LOJA DO BALAO
DE
AZEVEDO 4c FLORES.
como seja: Victoria e ;kope a j,ooo rs. a du--,
zia e a 5co rs. a garrifa.
\'lm jre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
aaiscoutos
Latas com superior biscalo inglez & di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
lloSaehinhas 'd,3oo
caada e 280 rs. a {
mais baixo para 2oo rs
a caada.
Azule
Soperior azeile doce
garrafa e a i.rjoo rs. a
Mas*
r.Iararro c ialnerim
rrafa. Tambem ha
a garrafa el,4oors.
doce
'. Lisboa 3 Bao rs. a
aada.
as
300 rs. r. libra e a
HINCHA
NO'
u^soo rs. a car::Sv
t; o priores
PauaiM
Latas com bc-achinlns da acreditaos, fa- rs. a libra.
xisas
a caixa uO arroba
2;>000i
eatam^fidos a. 2>,
l 10'
Cambraias ic urna s cor
Vende-s&caiabraia dt ama .- cora J20 rs. o co-
vado.
Saias. sordaJas
Vendem-se saias Loriadas pelo barate pre?o de
j ^000.
Cortes i caailir.'ia
Vendenvse os mal?. raoderDos cjrtes de eam-
iraia bordados, senao azenJa de corto, a 105000 e
1*5000.
Riseados esc-K'tnes a 2S0 e-evado
Vendem-se riscadoe eseoceies a 280 o covado,
tiras jordadas a 15, ntremelos a800e 15.
I.aai J:a.s a 220 rs.
Laazinhas Daas a 220,840, 289, 320 360 e IDO
rs. o covado.
Cures decaiubraia.
Vendem-se cortos, de cambraia com barra a 5
o 35500, ditos sem.barra a 25S0Q cada corle, Mcu-
ils Guimarcs.
Cliaiibres
Vendem-se chambres para. :iom?m a 45, e s
por pregos cominodos, armazem para acabar, per.cs de lintio a 900 e 15, lencos de
linho tinosa 500.e G40 rs r.olarinhos de ifnho a
. n d. porta larga.
Paredes Porto
i m para vender por preco commodo, pecas de
le linho com 10 varas a 75. 85, panno de
I ara lences a G40 e 700 rs. a vara, braman-
i linho de "i larguras a 25200 e 25300 a vara.
Paredes Porto
nde cortes de carnbraia bordadas de ricos
\ a 10-3 e 125, rices vestuarios para menina
i 'nio, ricos cortes de carnbraia Mara Pa a
Z 205, l irlatana branca o de cr a 6W e 720
ara. Kua da lm.orairiz amazem da pcta
. n. 52.
lioiipa feita
R la da Imperatriz n. 52 armazem da porta iar-
brica do beato Antonio, prepms para .lar
doeates de 2,ooo a 3,ooo rs> a lata. CB'X'E
dem com quatro libras de-bolachinha-Jo Genebra de laranja ve
soda a 2,ooo rs. a lata. dozia e l.ooo r* aofrast
OiiAin
uuojjwo- rs. aftasqueirae a o(5o
Queijos flameagos chepdes no u.Umo Kom de noanda em
vaper a .uoorj., tambem-ha do vapor -jos- da ums
sado a 2,3oo rs. Garrees cora 24 gar
CHOCLA ;E Hollaada a S,eoc rs. o
Cnocolatc hcspanhol a l.ooo e l,2co rs. ha gafra|es cea o e 14
a libra, trancez e smsso a i.ooo rs. a ;ibra| oors cadaaa
e portuguez a 800 rs. a libra, em posefio' 'V[>r A
lera abatimento. Vetes de spriBaCete'
INHOS
Superior vicho do Porto das mais aaredi-
tadas marcas, cojposejnnn.: Madeira Secca,
Duque do Poro, Velho Seeco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e c-utras marca3 a l.ooo a garra-
fa o 9,ooo a -12 ooo rs. a dnzia.
Vinho Figueira e Lisboa das mslbores
marcas a 4oo e Soo rs. a garrafa, e s.3,ooo,
3>5o e 4,oco rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,5oo a> ;caada.
Superior v-iaho de Ljsboa e Figieira em
I anchetas de 8 e 9 caadas a 24,ooe.rs. a an- ?
cereta.
i,5oo o :jcarto e'
hespanhola e a 32o;
rdadeira a o,Soo a
o.
verdadeira a 6,ooo
3%- o frase o.
botijas a toe rs. ca-
:as de ginebra de i
jarrafao. Tamberef
jarrafas ee 3,2oo ai
JkRMAWSBM DE FAZENDAS
RA DO QEiMttDO N. il
C'USTOIIIO CARTAIiIM C.
Pecas de madapolao fino francez com 22 e 1|2 varas e com um Deqoeno toque da
mofo a 80D0 cada peca.
Carnbraia branca para forro a i $000 a peca.
Lencos de carnbraia para hornera e meninos a l$000 cada duzia.
Cambraias organdis muio lindas a 000 rs. a vara.
Cissas de fres a 26o rs, o covado.
Las de cotes muilo lindas a 300 rs. a covado.
Kua do Inclinado n. 2 9, armazem de fazpoda.
jSs%
MODA.
Paredes Porto recebeu pelo ultimo paquete nm "completo sortimento de capas e
bonrnus de cores ricamente enfeitados a 12J, cre 205 : na ra sfc mfmttk a. 52
lejtda porta larga junto a padaria franceza.
a
dem de carnauba de
arroba e de 30o a 44o rs
y-
Ooo rs. i libra.
lo a i2,000 rs_
alibra^
i i padaria franceza, encontrase, ueste es-
nto um completo sortimento de paletos.
isacos, de todas a f|uali.lad-.'s, cal-
lletes, cerolaSi camisas, grvalas, meias,
>ol, dito; fraucezus para cabea, por
imrai dos. roupa para menino e outras
- i izeodas
rta larga,
i ;mo o-iab-:!'-cimento encontrar
. -ivnpre um completo sortimento
o re>pei- 300 rs., camisa:, (rancezas a lTViOO, 15800, 25o00,
uento de 15140, 5300 ifgfXi: .s..Lourenco Pereira Men-
aes Guimanic
l* .i.i"- II *W- uit"' iUKiaa LUI.L>
, :, e 55, ditos cazemira saceos a l>5,
i obrecasacos a 10 o 125, ditos
[ellas de todas as quaiidades, como sejam
de alpaca preta ee cor,ditos sobrecasa-j Corles. k> taa
:, ditos de brlra pari a 25300, 35 e Vendem-sc; cortes de iaa a 35,.35oOO a 45500;
l'ti is linos a 13. ditos meias cazemira a Hendes Uui:aarV-s.
7- 83 i Chitas, pin berta
w pan-; Vendem,ie chitas para caberla a 40.ES., (ranea-
-* za a 300 ;s. o covado.
Gaabrtias de'cores
Itecebsu-se um grande sortimento de cambraias
de coros ijuo se ':t^3e a :J0O, 30, 3l>0 e 400 rs. o
covado*
Casemiras
PEIX
Peixe era litas ja praiarado de l.ooo a
i,2oo rs. a lala
AtPISTA E AIXQO
Alpista e painco muio novo de 3,8co a
Meo rs. a arroba e de i 4o e !60 rs. a li-
charutos
Charutos do& maid- acrediados fabiiean-
tos, como sejam: Seo Furtado da Serrias
Manoel Pei.toto da Silva
e Brando 9 de

mm
Superior vinho braneo proprio para mis--
sa a 640 rs, a garrafa, tambem lia mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs>. a garrafa e 3,2oo ai
3,5oo a. caada.
Caixa&com urna r'uzia de garrafas de str
pertor vinbo Bordeaux a 7,ooo- rs. a caixa 9
7oo rs. a garrafa.
CAF
Caf do Rio de- l.1 e 2,-' qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SABIA
Sabao maga deprimeiraquafidado de 18o
a 22o rs. a libra e de 46o a 21o rs. sendo
em caixao.
quaes vendemos pelo mod
2, 2,8oo, 3,uoo, 4h.5oo, e
LlCOI'f M
Voudem-se casemiras a 13-280,0 covado, finas a
2540 25500 35 o covado.
C-atares Royer oa eolaivn ano-
dipaa
Licores franceses e por
l,4oo rs. a ganan o fra
locei
Doce da casa da goi
queoosa 7oors. ede Be
a 64o rs. o caixao.
Fruttks
Frutas era calda e em
moticamente, muito. bem
do pera, pecego, aiaeixa 1
perche e outras frutas
piguezes. a l.ooo e
>eo.
NeUo, Castanho &
botoos muiios, os
copreco"dol.6oo,
fsooo rs. a caixa.
iba e enfades pe-
caixQas para ciraa
Tambem ha latas, grandes
lata.
atas lachadas Ler-
nf&iiadas, contcn-
aiaha Claudia, ai
>) 's. a lla.
para i,2oo rs. a

i de merino preto a 65, 75 e 105, cal-
briin de diversas quaiidades a 15'800 a 43,
neos a 25500 e6500, ditos cazemira 53,
. ,, : pretos a 55. 65, 83 e 103, ditos
ras a 35 e 45, coletes de diversas
1 la : .-, seroulas francezas de algodo, ditas de
, : bramante a "> e 35500, carnizas de
le linho francezas de 25300 e 35. Gran-
-nincha este genero, grvalas de todas as
I .a l. s e brancas para casamento, grande sor-
;, ito de meias para senhoras, ditas para horaens
res a 35500 e 43- ; para facilitar a deatlcao (Jas criancas e preserva-
m 1 sortimento de chap)-; de sol de las das oonvnlsSes.
, 5, ditos de seda a 35, 75, 185 e 145,' O Miz resultado obiido immeasas vezes pela
para eab 5a, grande soriiiivjn'.j prodigiosa forga magntica dos colares Royer, nos
; casos de convuises, e dentico das criancas, tem
altamente elevado o sen bem merecido prestigio,
e hoje j se pode di;er que MtSo geralmente con-
ceituados, e estimados de inntimeraveis pas de
familias : de ons porque do uso desses salutares
colares viram salvos do engo sena charos filhi-
anos, e de outros pori|tw colherara daqoelles tao
pcoScuo ejemplo para iguabnenie preservar os
los, Assim, |K)!>, a aguia branca, teuo em vis-
tas a uliade 3twov,-it desses prodigiosoa cola-
! res anodinos on Riyer, mandiu vir o novo sorti-
: metto qae agora ceben, o continuara a recebe-
los para que em lempo alguoi a falla dellea possa
' sei funesta ao- pas de
IV'ihincha mlmiiavel.
si tim nio Je chamares a &CM o 59,
1 bomera a 23 a duzia, di-
45 e 53.
s utimeol 1 de roana aar;; meninos e oo-
lualidades que seria enfadoubo meu-
1
a-'a.eenil>M.
.; ... Ur merino p "eto proprio para ca
.culi ra '. vest los a 25, la-trlm da China
c v Roa da [mjeratrix, porta larga.
Paredes foit).
familia, os ijuaes Ocaro
gtab di cimento tiras e ntremelos cerlos de os arhar conatantememe na ra do Quei
mado, toja d'agaia branca n. 8.
bordad 5, grande sortimento de corplnhos rica-
3*, ':"> o -"-l S6 o Pan-d-is Por-
la [rnperatrn ao Si; porta larga junto a
. [raoeeza,
Charutos da Oahia
a 13 a oaix; na ra difoeda n. 43.
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Maras pelo ultimo vapor
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Frudas seccas pelo ultimo vapor.
Fruclas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Receberam Gregorio Paes do Amaral C. mais um coaoisto sortimento de
FIJLO BaKKXO
Manufacturado em Challes
Points
Algeriennes.
Rotondas.
Africaines.
Annamites.
Ponfradoan, ele, etc.
CHAPEOS A I POSIf iO DESD1C IOS A
Novo modello de cliapos ingleza de fiissima pa.'Jia para senhora com urna
ampia banda de ufe de cores.
CAPAS
de la preta e de cores proprias para lutJ, 011 passeio pelo diminutissimo preco de Mfl
Seda matisada em pecas
padrees modernissimos que faz o effeito de um vestido de subido preco. Assim corno :
ricos cortes de moireantique brancos, ce cores, de gorgurao lavrado de Blond para ca-
samento.
MagniOcas grinaklas e mantas.
Colchas de seda portuguezas.
Cortinados para cama e janellas.
Camisas bordadas,
e entres mudos objeetos para noivado.
CORTES DE TA KXAT.t V%
com enfciles de cores da mesma fazenda, o que ha de oais moderno.
CACHENEZ
de muitos bonitos padrees e feitios differentes.
E outras muitas fazendas por presos commodos que vendena
Gregorio raes do Amaral & Oompauhia.
5 RA DO CRESPO 5
Vende-se
m. JV
Queijos londrinos pelo ubimo vapor.
Queijos llamengos frescos pe'o ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ulMmo vapor.
Tudo se vende barato nos seguales armazens:
tt?a do Imperador u. 40, Verdadciro Principal.
Hita do 4|iieimado n. 9, l'nio e Comuiert
Largo do Carino n.
O, Progressivo.
lo.
Bramante de linho fino e larpo para lences.
Brim lona encorpado e lino para montara.
Mantas para cavado.
Cobertores de algodo de um e dous pellos.
Na casa de Edward Feotn n. 17, ra do Tra-
piche.
Vender o engenbo Fumas, sito na fjeizoe-
zia de Santo Amaro de Jaboalao, bom d'agua e
tem proporcOes para 2,000 pies annuaes: os pre-
tendentes dirijam-se ao ergenho 8. Bento, a tratar
com o proprietario, que todo o negocio se faz a di-
nheiro ou a praso.
Cal de Lisboa.
Vendem-se barns com cal de Lisboa a 65 cada
um : na ra do Brum u. 66, armazem de assucar.
lia I tle LitBoa.
Ka ra do Yigario n. 19, Io andar.
avaHado.
Francez barrica 5J0O0
Portland dem 86O0
Em perfeito-estado:
Francez barrica lOjOGO
Portland idem 12JOOO
No armazem de Tasso Irmaos caes doJApoilo.
NoTidade.
Cheearam os bonitos chales e relondas de frnipa-
re brancos, e vendem-se na rna da Imperatm n.
33, loja da porl? larga, do Paredes Porlo.
Ghales de renda
Paredes Porto, na ra da Imperatriz n. 52. porta
larga, vende chales de renda de con s com peque-
o toqne de mofo, a 32300 e 4}, fazenda de 101
e 125000,
'

P
-
, ..-r


M
Diarlo de Pcrnsmbnco Sexta letra tv de Ontubro de t8*
Grande loja e armazem do
Pavo.
Roa da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Tendo os proprielarios d'cste estabelecimento de
liquidaren) ama grande porgo de suas fazeodas,
at ao lim do corrate anno, firi de fecharem ton-
tas e apurar dinheiro, resolveram vender todas s
fazendas cora grande abatimenlo ora presos, tanto
em porcao como a retalho, e por bao previnem a
todos os seus freguezes, e ao respeitavel publico, e
as|pessoas que negociara em pequea e-calla com
fazeodas, que neste estabelecimento encontraro
um grande sortimento qoe muilo Ihes bao de agra-
dar tanto em precos como em qualidade; assim
como mandam pelos scus caixeiros levar as fazen-
das e amostras as casas das familias que -au po-
derem vir a loja, ou dao as amostras deixando fl-
car penbor.
Cambraias lisas a 3.000, na toja do
pava.
Yendem-sc pecas de cambraia lisa branca e
transparentes, tendo oito e meia vara cada peca,
pelo barato prego de 35300, ditas muito finas, por
45500,55, 65 at 105, sendo tapadas e transpa-
rentes assrrn como cortes de cambraia com salpi-
co* a 25500: isto s na loja e armazem do Pavao,
na ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cortes de pbantasia a 3(5500.
Vendem-se os mais lindos cortes do pbantasia
com as mais lindas cures qte tem vindo ao merca-
do, sends fazenda transparente que serve at para
bailes, pelo barato prego de 35500, ditos brancos
fazenda muito fina a 45000 : isto na luja e arma-
sen) de Pavao, na ra da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva.
Cambraias de forro.
Na loja do pavao.
Ycndem-se pecas de cambraias de forro muito
boas, pelo barato prego de 25 e 25500 a pega :
istc s na loja e armazem do pa\ao, na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes granadinos.
A 104000, na loja do pavao.
Vendem-sc os mais ricos cortes granadinos, fa-
zenda de muita-phantasia que serve at para bai-
les por serem transparentes e com palma de seda e
tecidos com a seda, pelo baratissimo prego de 105
cada um : isto s na loja e armasen! do pavao, na
ruada Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As camisi ibas do Pava*.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
das com manguitos, para senhoras, sendo as mais
modernas que tem vindo ao mercado a 45830, di-
tas com manguitos, para acabar, a 14 ; ditas pre-
tas com manguitos para luto a 1,5800 rs., mangui-
tos e golinhas pretas a 15, Boissimas golinhas de
cambraia branca bordada a 500 rs., calcin'.ias para
meuina a 040 rs.. romeiras de fil e cambraia
branca bordada a 15600 : na loja do Pevao, ra
da Imperatriz n. 00, de Gama & Silva.
Son'Sifmlinrqucs de cor.
Vendem-se southembarques de cor muito bem
enfeitados a 55, 65 e 75000 para acabar : na loja
e arniEzem do Tavo, ra da Imperatr: n. 60, de
Game>& Silva.
Organdy moaerntssimo.
Chegaram es mais modernos orgaedys com os
mais modernos padroes, seEdo quasi todos listea-
dos, como se usam agora, com as mais lindas cores
o bzas; vendendo-se pelo bsrato prego de 900 rs.
a vara : na roja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60.
de Gama & Silva.
Chales de roerm a 25006.
Vendem-se os mais modernos chales de merino
estampados a 25000 cada um.havendo tambem um
grande sortimento dos mesmos matizados que se
vesdem a &, 75 e 85000 na^oja e armazem da
Pa7o, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os si utos do pavao.
Vendem-se rlquissimos siotos de litas de diver-
sas cores e tourados com (vela larga e dourada,
assim como snfeites para rabega dos melho^es e
mais modernos que tem viudo ao mercado tudo
isto se "venda por um prego razoavel que muito
Ibes bao oe agradar : islc-s na lojt e armazem
do pavo n?. roa da Imperatriz n.J60, de Gama .
\ toalhas de liiilso do Pavo.
Vendem-se superiores tosihas de liaho das me-
lh"res que f?m vindo ao mercado pelo baratissimo
prego de !)OO0 a duzia, ou 800 rs. cada urna, na
lo]a e armazem do Pavao, na ra da Imperatriz n.
6".', de Gama A Silva.
As saias de Povfia.
Vendem-se as niats finas aias berdadas asagrj-
Iba brancas sendo da me mor fazenda que tem vin-
do neste genero, tendo mua roda, pelo haratissi-
mc preco do 105000; ditas bordadas a croch *
65CO0 e 85Cuo, dias com babadinher, a 95000, na
loja e armazem do Pavo, na ra dr. imperatriz a
60, de Gama & Silva.
Kovos vc-slidos na loja de Paio f. 10^000.
Chegaram para loja do Pavo os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente com os
mais delicados bordados de iflereales cores a pon-
to da agulha^endo n'esle geoero a roaior novida-
de que tem vindo ao mercado, garanlicdo-se o te-
rem muila azeoda e enfeitei; suffic'.entes para o
corpo e mangas, e vendem-se pelo barato prego de
I05C00 cada un, na loja do Pavao,.ca ra da Im-
peratriz n. 6C: de Gama & S\&.
Os espartilhos do Pavo.
Vendem-se um grande e variado sortimento de
espartilhos os mais bemfeitos que tem vindo ao
mercads, sendo de todos os tamanhos pelo baratis-
simo prego ele 45, 55, e 65000, por haver grande
sorlimento, na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Vendem-su superiores meias cruas inglezas pelo
baratissimo prego de 45000 e 55000 a duzia, ditas
de todas as qualidades para senhara, meninos e
meninas, na loja do Pavao, na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
GRAMO
Pecbinch
AGU4 BRANCA.
Collciras de marroquim, com cascaveis
e sem files.

a 330 rs. na loja do Pavo.
Laaziuhas a 320
La a/.iiili as a 32fJ
I.aaziiilias a 320.
Vende-se im grande sortimento das mais finas
e mais bonitas lazinhas matizadas com os mais
lindos desenhos, sendo fazenda que val cinco tus-
tes, e vende-.-e pelo baratissimo prego de urna
I pataca o covado por ser urna grande porgo desta
; linda fazenda : na loja do Pavo, na roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Laazinhas yai ibaldinas, s o Pava vende a 320
e UO rs.
Chegaram pelo ultimo vapor as mais bonitas
laazinhas gai ibaldinas com los de seda, sendo to-
dos os padres miudinhos com as mais lindas co-
j res a imilagaD das sedas de quadrinhos, e acabam-
l se pelo barato prego de um cruzada, o covado, isto
; pechincha : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Vestidas ai.)
Vendem-se cortes de vestidos a Maria Pia caro
barras bordadas, pelo baratissimo prego de 45000
i para acabar : na loja e armazem do Pavo, ra da
! Imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
kaziuuas a 160 rs,
Vendem-se superiores laazinhas transparentes"
com bonitos padroes, sendo lisas e de quadros, pelo
baratissimo prego de 160 rs. o covado, isto para
acabar: na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Cama A Silva.
Manguitos e golas a 300 rs.
Vendem-se manguitos com golas de cambraia
pelo baratissimo prego de 500 rs., isto para li-
quidar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, do Gama & Silva.
Corles de chita do Pavo
Vendem-se cortes de chita francesa muito boa
com 10 covados a 25400, ditos com 11 covados a
25600, ditos com 12 covados a 25800, isto s
; para acabar : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. SO, de Gama & Silva.
Aijascios para rabera de seuhoras.
Vendem-so superiores agasalhos para cabega de
; seohora ou cachios, sendo fazenda mais moderna
que tem vindo neste genero ao mercado, pelo ba-
ratissimo prego de 35 cada um : na loja e arma-
zem do Pavao", ra da Imperatriz n. 60, de Gamc
& Silva.
Ctales de renda a 190,125, IS) "2-W e 23$, na
loja do Pavo.
Vendem-se chales de renda preta muito 6nos a
105 e t25, ditos de linbo a t55, ditos de seda de
linlio dos melliores que ha em chales de renda a
20 e 25, ditos brancos de tres ponas a 65, isto
s na loja e armazem do Pavao, ra da Impercriz
n. 60. de Gama & Silva.____________
LOJA DO O FLOR
Na ra do Qneiuredo n. (i.3.
Tem recebide um sortimento de cruzes que se
esta usando, da diversos gos03 i s guem tem
o heija-flor.
Temi recibido variados sorlimentos de ollas
de aljofares de diversas cores, enfeites para se-
nlxira de diversos gostos, e mais barato do que
em qualquer outra parte.
Facas e gaffof.
Vende-se faccas e garios de cabos de balaaco de
i'.m kotaoa o 200 a duzia. dit.-.s de dous baldes a
65500. dita pr ra doce a 5J460, ditas de cabo preto
a 352OO, ditas de cabo braceo, religo e cravado a
S5"00.
Tem reeebido variados sortimento de balaios
para meninos de e=cola, de forma de peisinhos,
patlnbos e oulras de diverso gosto, que se com a
vista bem se oode apreciar, e tambem serve para
c eilo do hospital portuguer.: lias para bo'.ar de
diversas cores a 75 a libra : s no beija-fior.
i.'c-ova.s para i-oupa.
Vende-sc esrovas para roupa' muito finas com
differentes gostos a 640 e 15, ditas pera denles a
20,240, 320 e 500 rs.
Papel e envelopes.
Vende-se pautado papel e caixinhas a 683 rs.,
i:o de cor a 700 rs., e enmvelopes a 640rs. a ca
siha.
Vende-r-f: carne do serl.0 muito nova a 400
rs. a libra, e de oito libras para cima a 360 r-s.: na
roa de Santo Amaro n. 8, t na travesea da ra
Le!:a n. 8.
i Outios objeetos.
Vindos tambem parla a amiga loja de
'miudezas ra do Quemado n. 16.
Sapatinhos de setim liraoco bordados pa-
ra baptisados.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-: Outros de merino tambem bordados e
ca n. 8, vendem-se colleiras de marroquim, igualmente bonitos,
pospontadas e com cascaveis, ou sem elies Meias de seda, correspondente do tama-
proprias para caes e outros biebinhos. nho dos sapatinhos.
Peniia8Dglezasdcacoedouradas.* Outrasmui fmas de
No novo sortimento de'pennas de ago que brancas listradas.
a Aguia Branca acaba de receber, vieratn Lnvas finas de lio da
tambem oulras de metal dourado e bicos de cores,
mu bem acabados, e por essas boas e ne-' Ditas de seda para sehhoras.
cessarias qualidades os seus acreditados fa- Ligas de dita para sejnhoras e meninas,
bticantes Perry & C, as recommendam aos Pentes de tartaruga tmi fortes para des-
entendedores c apreciadores do burn, valen- embaracar.
E
o da Escossia e
scossia brancas e
do mesmo a diflerenca que lia no preco de
urnas para outras, por que estas se tornam
mais duraveis na continuado de escrever ;
' assim pois quem dellas se quizer utilisar
1 compra-las a dinheiro a vista : na ra do
, Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas e sera ellas para
cortinados,
A Aguia Branca recebru um bello sorti-
' ment de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, lodas de novos e bonitos
desenhos, cuja commodidade do preco est
em relagao a largura : acbam-se ellas a ven-
da na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8.
Jogo da paciencia on curioso cntreteni-
menlo.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, acbam-se a venda por precos ra-
zoaveis, caixinbas com tabolas de madeira,
que das diversas pinturas dellas se formam
agradaveis vistas e paisagens, segundo os
desenhos que acompanham. Na verdade
esse um deleitavel en retenimento com o
qual se despe ta a currosidade, e apura a in-
teligencia. Os apreciado! es dtrijam-se
ra do Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seao satisfeitos.
Bonitos enfeites oara sennoras.
A. Aguia Branca acaba de receber um no-
!vo e lindo sortimen.o de enteites es mais
modernos e gosiosinteiramente agradaveis,
i e como seu loavavel costume os est ven-
dendo baralamente a quem com dinheiro seQuemado 16.
dirigir ra do Queimado, loja da Aguiz
Branca n. 8.
Meias de la para senhoras.
Vendem-se na-rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8,
Nata mosca.
Na Iota da Aguia Branca acha-se a venda
o papel com composico para dar fim as
moscas, sondo o modo de usar facillimo, e o
effeito efScaz ; molha-se o papel e deixa se
ficar n'um prato, e nelle pousando as mos !
cas, entristei em e morrem. Custa cada fo-
Carriteiscom retroz reto e outras cores.
Carteiras com agulba
Agulhas francezas, a? afamadas.
Caixinhas com allinetfes brancos e pretos.
Haspas de baleia par? vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos.
Caixas com linhas e novellos grandes
para crochets.
Trancellim de bonalcha preto, redondo.
Bonitas Ovellas randes de ac,
don radas, madrcpcroEa c tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, recebeu um lonito sortimento de
Ovellas grandes para cintos, sendo de ac,
douradas, madreperola e tartaruga, as quaes
estSo sendo vendidas em dita loja por pre-
cos commodos ; assim como boas e bonitas
utas de gorgoro achamalotado, proprias pa-
ra ditas flvelias.
Oculos de penetra e de outras
qualidades, para quem soffre
da vista.
A' loja de miudezas ra do Queimado
u. 16, tambem recebeu oculos de peneira
com vidros claros e escuros, para quem sof-
fre da vista, assim como outros de armaco
de co, sonidos em graos.
lo roas e tercos de cornalina.
A antiga loja de miudezas a' ra do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e tercos deornalina, os quaes esto
a disposico dos bons christaos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na ra do
No armazem de azenda^
baratas de SaiitosCoelh,
Ra do tiicimndo u. 19.
Vende-se o s* guintc :
Cobertas de chita fina a 2*800.
Ditas de dita a 2*100.
Lene, es de panno de linho a i.'"".
Ditos de dito de linho a 2*.
Ditos de bramante de linho de um m -no
- I -


lha 40 ris: na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Diversos brinquedos e entretenimento
para criascas.
A Aguia Branca na ra do Queimado n.
8, recebeu diveisos brinquedos pira enan-
cas, sendo estradas de ferro, barcas e patos
, elctricos, apparellios i metal, leuca pinta-
da e porcelana dourada para atrnocu e jan-
tar e mitos outres brinquedos de madeira,
que se veodem bartamenle : na ra do
QottOMsdo, loja da Ajuia Branca n 8.
Meias [tretas de seda para enhoras a
500 ris o par.
lspotajas flnas grandes e pe-
queas.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Diversos ohjeetos.
A antiga loja de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, acaba de receber mui tos e di-
versos objectos que fazem completar o seu
bello sortimento, sendo:
F tas finas de sarja da mais estreita que
ha at a mais larga, todas de vivas e agrada-
veis core?.
dem tambem de safta kvrada, de bonitos
e novos desenbes.
dem idem brancas, lisas e lavradas, pa-
dross igualmente novos e bonitos.
dem de gorgurao de seda acbamalolada,
e muito encoi-rjadas, para cauto de fivedas
gratules.
dem de seda preta e de outras cores pa-
ra debruar vestidos, colletes, palitos, etc.
dem de laa igualmente sortidas em cores
e para os mesmos ns.
dem de aigodiio brancas ve diversas ou-
tras cores para vestidos de chita.
dem de borracha brancas e pretas para
A Aguia Branca quer acabar com a por- ^soutembarques. vestidos pretos, etc,
?5o de meias pretas de seda para senhoras,; flovas e |n(jas guarnicoes para enfeitar
e apecer do muito mator pre(0 quelhecus- soutembarques, vestidos pretos, manteletes,
taram eo bom estado em que anda esto, .eic.; 0i)ras 0 rnuito gosto e modernsima,
comtudo est esoivida a vend-las a 5t 0. Tranca de seda com vidrimos, moldes no-
ris o par, aOm de que ninguem mais calce! vos e mui benitos.
O gallo cania e est
q mimando m
Bom e baratissimo.
Ra do Crespo n. 5.
Collares.
Collares anodinos electro magnticas Koier para
as crianzas nao morrerera de convulsoes pelo ba-
rato prtQo de ;.
Novidades.
Riquissimas polselras ou braceletes para senlio-
ra e para meninas a l. 23 e '.1$, assim como lin-
das voltas para pescogo a J.
Enfeites.
Riquissimos enfeites pata cabeca coosa de mui-
to gjsto a IfOOO, 25, 35, 4. 5|5, O e 75.
Fivelas.
Riquissimas rivelas de madreperola e de tarta-1
ruga, arsim como pretas. 1
Ctuzes.
Riqu .simas cruzes douradas porm o melhor j
gosto que se pode desejar.
Cascarrilhas.
Bonitas cascarrilhas com biquinhos de spda e
aljfar cousa inteirameme nova para enfeites de1
vestidos.
Binculos.
Bonito sorlin.eulo de binculos com superiores
vidros para os amantes do theatro.
Assim como un? pequininos
que sprve para enfeile de relcgio mais com exr;l-
lente vidro.
Sestinhas.
Riquissimas Gestionas com preparos para me-
ninas de escola ti azer no braco, assim como de
vidro enfeitadas proprias para mimo.
Pentes.
Ripuissimos pentes de borracha com aro bran-
co de metal para menina segurar o cabello pelo
barato prego de 500 rs., e duzia 5,8, assim como
grande sortimento de lodas as qualidades para de-
sembarazar.
Escovas.
Grande sorlimento de escovas oara roupa e pa-
ra cabello, para unhas e para dentes.
Lunetas e oculos,
Finlssimos lunetos de um e dous excellentcs vi-
dros e aro de bfalo e de tartaruga, assim como
oculos com rame dos lados proprio para quem
solfre dos oculos.
Touquinhas.
Riquissimas touquinhas de bl de linho, de se-
da e de laa para mangas.
Para o cabello.
A superior agua para atlingir os cabellos, as
barbas brancas e fazer conserva-Ios, os frascos
acompanha tira rotulo que ensina a forma como
se deve applicar.
Para caspa.
Superior banha sem (rordura com um frasco
com agua propria para hmpar a cabeca, os frascos
acompanha um follieto que eo>ina o'mrdo como
se deve applicar, assim como agua balsmica,
opiata e por para limpar dentes.
Banhas.
Grande sortimento de banhas em copos, em la-
las de folhae em frascos de todos os tamanhos por
precos menos do queem outra garte, assim como
muitos outros objectos que nao se pole mencionar
por hoje : s no gallo vigilante ra do Crespo tu-
mero T._____________________________
.....
Panno de linho Ono com 9 l|2 ralm
ra pelo barato prego de 2J40 a va'a
Itrauante de linho fino com 10 r. >
gura a 2&500 a vara.
Pegas de cambraia com salpico-
cores com 8 l|2 varas a 4J5O0.
Pegas de cambraia adamascada |.
cortinado de cama com 20 varas > III
Ualo.s da arcos a 24300,34. 34-x> l
Lengos de cambraia lina a 2.76OO ; u*.
Ditos de dita a 24 a duzia.
Athoalhado de linho lino a 24800 a v.in
Dito de algodao a 24 a vara.
Algodao efrslauu coin 7 l|2 |>
a 14200 a vara.
Pegas de brelanha de rolo com t> -pri
para sa,a a 345(Xi.
Fil de buho h>o tino a 800 rs. a tai
Dito de dito com salnos a l a
Cambraia de linho lina a 4-3500,
vara.
Corles de laazinha de lindus |M 4
vados a 4-
IVra.i de madajilao iii;.--n.. p-.i-j
prego de 84, 04, 104 e 114
Plancha branca lina a 600 rs. o ravad->.
bita de cores lina a 881) rs. u eova 1 .
Baldee de OMWieHt para nuDina a :4.
e44-
Cambraia de forro a 34 a pega.
Dita lina a #0, 64 e 7- a peca.
Guardanapo de I111I10 a 14800 doa
Toalbas de algodao felpudas duzia o l-j
Esleir da India propria para farra t -
4,5 e 0 palmos de largura per nv :
que em outra qualquer parte.
.Neste aiinazem latubn se eaeeatr; .1:
sortimenlode roupa falla e por nb'la.
ai
I
-1.1
,->..

iscufM nn

meias pretas de algodSo, agir pois apro-
veitaretn a qtiadra e dirigirem- e ra de
Queimado, loja da Aguia Brancs n. 8. Tam
bem vender as brancas a 1$ o par, e des-
Idem idea de cores tambem de bonitos
moldes e agradaveis cores."
Botoes para os mesmos fins, sendo pre-
j tos de seda maiores e menores, enfeitadoc
tas o nico defeito t-estarem un pouco tn- U,,, vidrirbos e pendentes e outros de dt-
guetras, | versas cores.
dem pretos de velludo tambem de sorti-
aos capitaes de campo e
polica
200s000i.'c sialificaro p.r ra4a %v.
De^apparoceu em principio do >.
proxinio passado, de I.oidodoi
Arroio Mulo, dous eseraifM de n SM I", b- i i-. tv
appellido Macelo, Miguel, o \* >'
pouco n>a>s iiu mtn'S, emulo, rr fu.-, t- .
baixa barba cerrada, om pouco tuto du tem
e rom alguns eabellos brancos, bale n 1 I I
roo na cabeca ; o 2* alto, rbeio >!
ba, falla grossa, representa ter de U a 38 anoc- :
cojos escrav des desta ridade : quem os frefeeder
levar a ra do Trapiche n. 4, 00 ?. Ir! 4c tU
navio.
Gratiftcafo Ausentoojse da basa o. 50 da ra r'.
(outr'ora Colbgiol no sabhado 16 ^ r : 1.
de selembrode I8G3, o e>cravopard>. dt-orme !<
quim, com os sigoaessegoiotes : isUlora
idade 18 a 20 anuos, sem barba, i* ._ jiIk,.-
grandes, cabello corrido, com orna ce |
e bem visivel na testa, parte dos d
arruinadas, e com falta de alios i
com calca de brBD pardo e paleto! 1
mas levou mais ropa branca e de
astocloso,coslooia intitular-:-" farro
gado ; f i estrato do Sr. GnHfefrBe fr*en* *>
Souza Carvallio, genro do finad.. Sr 1 r
Manoel Gonga'.ves d.; Silva : rogare a
a ("das as autoridades poliches e a
pifio de campo ou ontrr. > sso 1 M< m n
apprehenler se gratificar c^rr Mf,
pezas de conduegao, eotregando-o a -
Miguel Jos Alv s. na ca>a cima, ea M
criptoi io na rui da '!ruz caa n. It.
Aigno Irangado a Babia : r.c armazem de 1
A. V. da-Silva Barroca, raa da Cadea n. 4.
idos tamanhos.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo emais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observacoes e para os
martimos.
Acharo se fgidos os escravo se^um:
mulato, idade de 25 annos, eabellos 1
barba, denles um pouco limados, -
testa larga, e falla um pouco desea; cada : f L-3
crioulo.ja um pouco velho, altura 1
cabelludo, b.-.rl a com aigou. caLel
sim como na cabega, corpo reforrado.
tanto ppquenos, falla grossa e as ?>> M-
roiico : pede-se as autoridades paM
pitaes de campo que os (agam appn h >rdi r
duzi-los a' casi de seu senhor o saajor
Silva Gusmao, que generosamente r r a 'r>et
1 e Ibes pagar toda tapen que fiz rpm ei m j sn
conducgo : snppoe-se que piles lefio :d' ev W
. gnimento dos sertoes desta provincr-, or sena
I filhos desses lugares.
LISTA GERAL.
:,i
GS PREMIOS DA *t. PASTE DA LOTERA, CONCEBIDA POR LE PROVINCIAL N. 605, A BENEFICIO DAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PATBIA, EXTRAHIDA EM 26 DE OUTUBRO DE 1803.
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. INS. PREMS. NS.. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. Ins. prems. INS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
i 64 194 64 423 64 59o 64 800 64 I0C4. 64 1234 G4 1413 64 1588 64 1806 64 2054 64 2253 64 2447 65 2652 64 2863 65 3044 65 3203 65 3424 65 3573 65 1783 "'
5 96 27 98 33 66 35 _ 25 - 97 8 56 54 .- 49 204 55 66 49 4 29 83 105 95
6 104 206 30 606 _ 34 68 40 ,--- 28 1600 _ 13 _ 08 104 76 51 6* 67 67 54 9 30 88 65 9i
13 104 10 _ 31 11 204 35 72 41 204 33 4 1:2005 15 60 64 78 53 el 70 78 63 10 32 93 97
16 64 11 __ 32 12 1004 36 85 46 64 34 7 64 16 62 81 ~ 65 71 79 65 12 34 98 98
22 _ 16 _ 34 13 04 40 90 __ 48 36 10* 9 17 63 82 61 79 83 72 16 38 3002 __ 3804
27 21 _ 3o 14 54 93 _ 51 38 64 15 ^^ 21 69 84 . 64 82 85 205 73 205 24 39 8 __ 9
29 28 __ 47 22 _ 57 98 52 104 40 24 ^_ 24 70 90 '-i 75 84 86 105 74 65 25 41 11 _ 16
30 33 _ 48 27 58 1112 58 64 44 25 __ 27 74 99 82 85 91 65 76 29 42 1005 14 18
36 __ 40 M, 52 33 62 15 59 45 104 26 104 36 75 104 2303 ... 84 93 92 78 32 45 65 15 26
42 404 42 __ 06 34 70 16 60 49 64 29 64 62 77 64 4 __ 85 99 93 80 - 33 47 24 28
* 47 64 44 mm 58 38 74 104 20 204 62 50 32 69 80 5 86 2703 m. 2900 99 - 45 48 26 32
48 50 _ 66 41 _ 78 64 21 64 63 _ 53 47 _ 70 87 6 _ 91 204 4 2 3100 105 46 49 " 30 33 '~
53 52 _ 73 47 ~ 79 27 65 63 49 __ 77 92 7 -- 92 65 5 4 1 65 49 1004 50 40 36
65 54 _ 82 53 Si 28 _ 67 71 52 H 83 95 12 94 6 6 3 51 104 61 41 41
74 65 83 60 904 __ 30 68 __ 72 1004 57 MM 90 97 17 -- 2501 7 7 4 .^ 58 64 62 45 43
80 66 _ 86 65 7 _ 31 ^^ 71 73 204 58 9o 2100 _ 23 1005 3 19 9 5 __ 59 68 M 405 44
84 _ 73 II 90 70 __ 8 __ 36 72 74 64 69 _ 96 - 1 _ 27 64 7 22 10 105 6 __ 65 70 105 55 64 46
87 79 M 97 90 9 __ 40 _ 78 80 71 --- 1902 _ 14 a^ 34 9 104 27 104 17 65 10 M 68 76 64 67 53 105
91 85 _ 99 91 204 11 . ^ 41 _ 79 86 78 104 6 _ 25 _ 39 12 64 40 64 25 11 204 69 79 65 2005 58 204
92 96 501 _ 94 64 17 _ 42 _ 80 88 83 64 7 _ 29 404 49 14 45 37 13 64 70 82 66 64 63 5
95 305 , 2 95 20 ^ 48 _ 83 90 85 16 _ 33 64 50 19 46 38 16 7i 84 69 72
f 97 12 mLL 3 702 _ 22 mm 49 .w 84 94 89 21 _ 34 81 104 22 47 40 17 * __ 78 94 72 76
102 _ 15 104 12 5 _ 29 __ 60 __ 86 96 92 26 __ 36 ^m 52 64 36 49 41 20 __ 87 99 73 79
3 21 64 15 12 mm 34 53 M 1302 _ 98 94 33 .__ 41 __ 56 38 53 42 23 88 3501 77 87
5 23 19 _ 13 __ 47 55 7 _ 1503 95 ^m 36 104 50 58 39 60 104 45 24 89 4 _ 80 89
17 26 _ 20 _ 14 _ 49 56 10 _ 5 _ 96 _ 37 64 54 60 40 73 64 46 27 97 10 _ 81 92
19 37 21 ^^ 23 54 57 17 10 __ 1702 __ 48 55 6:0004 62 46 76 52 30 3311 12 ^_ 83 93
24 44 28 _ 30 _ 65 204 61 22 __ 12 __ 5 49 59 6J 63 51 77 65 33 12 _ 16 104 85 99
26 50 ~ 32 204 31 59 64 63 5004 23 17 7 ^^ 50 67 64 -~ 52 80 67 39 15 ^_ 17 64 89 3901 __
28 _ 52 38 64 36 _ 63 64 64 28 _ 18 __ 8 404 51 68 66 53 84 69 40 18 H 19 96 3
30 __ 53 40 38 --- 64 68 34 23 204 9 104 56 72 77 mm 69 87 71 ^m 43 19 20 99 18
34 _ 54 46 104 42 _ 66 70 35 __ 24 64 15 64 58 75 78 104 71 88 71 46 26 _ 21 3717 27 _
36 ^^ 61 47 64 44 --- 67 71 36 _ 25 19 62 87 79 6* 72 91 74 205 54 28 _ 25 204 19 35 _
39 ^^ 63 48 45 104 68 78 47 28 204 20 104 67 97 82 ^~ 73 92 80 65 57 29 -- 30 64 21 43
47 ^_ 65 404 49 _ 46 104 70 79 50 104 47 64 39 64 70 98 87 """ 77 98 81 86 * 59 48 --- 33 27 44
49 _ 72 64 59 104 51 64 73 204 80 61 64 50 49 76 2201 88 " 78 2801 * 60 49 104 36 29 51
58 ^^ 73 61 64 53 85 64 84 104 62 :> mm 60 OM 88 ~ > * __ 94 204 83 2 90 91 92 96 Mi 63 61 64 40 32 62
60 M. 75 104 62 57 1002 __ 88 G 69 57 _ 54 __ 89 6 OH 2402 64 92 4 ^ 68 62 105 42 33 63 104
61 _ 76 6, 64 mm 59 3 97 75 58 57 90 9 4 94 - 13 ** 69 66 65 43 204 35 67 5
62 80 65 Mto 60 14 1201 82 404 61 61 e- 98 13 _ 7 97 15 205 | 71 71 45 65 49 69
64 88 66 *M 62 17 11 85 64 63 104 64 2004 _ 18 404 11 404 98 18 65 3000 77 * 79 54 53 72
71 _ 92 68 ^ 65 21 _ 12 _ 92 64 64 65 7 n 21 64 14 64 2602 20 i 405 80 84 58 60 81
73 . 403 ._ 70 _ 69 22 13 94 65 70 21 104 27 16 % 3 ' 24 5 105 81 88 63 61 405 85
76 5 71 70 25 15 97 69 74 25 64 28 17 11 27 22 65 82 ^" 94 64 65 65 86
79 _ 7 ._ 73 _ 74 _ 26 _ 16 99 a 71 _ 77 28 35 _ 23 26' 33 24 83 * 3401 66 67 ' 91
81 _ 11 M 74 _ 76 _ 42 MB 19 _ 1400 mm 75 _ 87 39 37 28 30 42 404 28 93 * 6 67 70 92 105
_ 12 __ 75 _ 79 M 44 __ 17 __ 2 104 80 _ 90 47 _ 38 30 42 43 65 30 97 10 68 73 95 5
84 16 _ 86 84 __ 50 31 _ 3 64 83 91 51 43 - 41 45 84 35 98 13 70 76 t7
86 SI 69 N S4 33 11 85 99 63 45 -| 45 1 \ \ 49 s 205 ?3 105 320? 18 n 81 98
T" [
mmm



Diarlo de Ptrm&Ah Se Ka felra 19 de Outubr< d i* 64
LffEHATDHA.
CARTAS AO DR. TUEODORETO.
L. X. Fagiinde varella.
CANTOS B PHAKTASIAS
Ue toI.ciu 12(arraiu, de Lailiaacar & C.
II
Meas gtratt.
As doncellas Troyanas, antes de amarrotarem o
ntido veo de sua pudicicia, antes de deixarem ca-
hlr da fronte enrubeclda o tremolo diadema da in-
nocencia ]ue se despede, vinham ao Sycaraambro,
envoitas no escuro veo dos seus negros e genlis
cabellos, inergnlhando na agua sussurranle os pu-
dibundos contornos de vrgem. Quando as ondas
iam levando as ultimas flores que cahiam das suas
hmidas cabeca?, quando u p dourado da cutis
I hericava-se ao fri contacto da agua, e o salgueiro
E' pela voz da poesa que a hamanilade discute da "urgera como um amante apaixonado deixava
eom a homanidade, que o mundo dirge-se ao mun- a soasonbra relectir-se nos bracos ns das encan-
(o e que o homem se entrelaca aobomem. As po
re. Aquella fronte assim : passou pelo cadinho pbes desse pequeo poema de amor, de rnysterio,
da natureza e pela thesonra delicada da arte. Al" de explendida aspirado e do arroubo exptendido!
va e loira como a de H. Heme. O carcter potico da lyra toma por um novo aia-
A sua ndole litteraria manifesta-so risonba e jo- |bo: escola Lamarliniana prende-se o vdo artis-
vial s vezes como a de H. Morcan, s vezes Ian- tico e altivamente modelado do poeta das Crien-
guida, triste, melanclica como urna lagrima de toes. E' como na poesa romntica do XVI secn-
Laraartine ou urna estrophe do Henry Murger e lo : adivinha-se o amor pelo aroma imbriante de
Gerard de Nerval. duas azas invisiveis que ttatem no ar calmo :
O livro que os editores Garraux; de Lailbacar &
C* tao graciosamente ofertaram s nascentes e
gloriosas iettras do paiz urna collecgo de cantos
na maior parte inditos, e com mais classismo de
tadoras nyades, ellas erguiam-se, litavam o hori-1 forma do que as Vozes da America, mais segurn-
dome e o rio, lembravam-se de sua mi, do lempo ca no pulso e na inspiraga corarnedila do que as
e parecem contemplar ainda os magnficos destro- dj|"feucia, dosfolguedos de outr'ora que chora- tristonbas folhas dos Nocturnes.
+ E's a sultana das brasileas trras,
A ros a mais balsmica das serras,
A mais bella palmeira dos dsenos ;
Tens nos olharesl do infinito as festas
Davarri'3e as providencias para que essa povoa-
go ficasse de novo babitvel, circumslaocla que
tinba perdido nos 41 dias que a ocenparam os Pa-
raguayos. As casas sem portas, nem janellas, que
tudo foi queimado nos fogoes e encas de immun-
dicie, muitas em ruina, e anda muitas arrasadas,
eis o que nos devolveu Estigarribia do que foi a
Uruguayana.
O doqae D. Fernando, conde de Arraylos, go-
vernou por mnf.'o lempo, e com acolo e valor, i
praca de Ceuta, em tempo de D. Doarte.
O dnqne D. Jaime foi a conquista de Azaator,
em lempo de el-rei D. Manoel, e levou 4,000 to-
rneos de p e 500 de cavallo.
D. Constantino governoa a Iodia eomo viee-re.
Os duques nao recebiam o titulo de eoosernc iros
de estado, mas quando vinham i corte erara sem-
pre chamados a conselho, nos negoci graves ; o
tiuham direiio de eolrar, aioda que nao Uve
cas primitivas erguem-se do naufragio di passado
{os dos seus poemas legendares, as altivas ruinas vam ,alv na saudosa penumbra dos quinze annos,
do templo da sua immortalidade.que os ventos des- e respirando um u!mo sorvo de ar selvtico mur-
moronam sob a carnada do scalo e que o futuro mura vam s vagas enternecidas:
procura cimentar debalde com as recordares pun- Ahi vai a minha virgindade : recebe-a no ten
gentes dos das da perdida gloria, das horas de teto, Sycamandro, recebe a minha tirgindade .
tnumpho irremediavelmente perdido, dos momeo- Esse rio, essas limpidas aguas temos nos na mo-
toa de victoriosa aspirado que pouco a pouco des- eidade. Pujemos filaras oudas azues que fogem es-
apparecera no luto de um horisonte tempestuoso : tetradas de chimaras e de aspiracdes, podemos con-
Umbra et Nih I flar-mo-uo:; a essas vagas melodiosas, que cantara
A humanidade falla humauidade anda : a pbi- i ,alTez a nenia das esparanfas moras, e atirar-
los ; -ia exhala o solitario gemiJo na pavorosa am- ,no*;ln,i3 a Dssa alma como urna perola que se
E a mocidade et
Na frescura dos
rna das florestas
labios en tro-alertos.
O poeta abre-nos tres pbases disuadas : divide
o seu ultimo volume em tres brilhantes colleceoes : i Porque Deus fes-te assim ? Que brilho esse,
Livro das Sombras. Melodas do 0* ora incendease,
ora desfallece
pli iao da antlgnidade e os primeiros bardos lentam C0Dlia ao 3"10 da booan5a. s que se confia lam
i as bambas cordas da lyra e ajustar fronte i)em i0 venl0i da lempestade e da ruina,
o impoeirado caposte das batallias abandonadas : Ha urna poesa que nao raorre. Nem a> de Ctnld
-Platio e Sophocles-Homero e Virgilio -Euripi- Barold devanando o mundo como o anjo do scep-
dos e Escbylo. | (cismo, nem a de IX Juan gravando na fronte da
Os genios sao os marcos mlliarios, que vem at innocencia o beijo da deshonra e do crime. Essa
testar as especies que dospoulam a passada exls. poesia vem de Deus quando se ama e se er io
tencia das geracSes extinctas. Os Niebulungen sao presente de testa que o Creador enva ao miseravel
os nevoeiros que se esgargaro ao primero beijo do 3^e o supplica e que se engrandece ojoandO mer-
:i.. :.;io oda revellaco. Ossian apona ain.!a para*gulha as maos vidas no thesouro ambicionado.
o sacado gaelico em que elle esculpi com o san- &-* poesa fez chorar Petrarcha, fez sonhar La-
gos as vaporosas irradiares alcemdoradas as martine, faz tremer c mundo s palpitar a humani-
uoalanbas eseos.czas : os idealismos do cantor de *ade como um grande coragao de vinte ancos.
Salina sao mysticfes nebulosos, ednicos como os
mysterios dos gazlifs persianos, suaves e deslum-
bradores como os amigos poemas de Edda ou os se-
culares epinicios dos bardos da mais remala era
alientan.
Juvenil ta.
Esli. i Nessas pupillas doudals de paixao T
Juvenilia poosue aquella pureza do imagem o de Quando as enxergo ju'go nos silvados
estylio to natural na nascente poesa franceza e j Ver palpitar nos lyrio i debrugados
que Taillandier aprecia admiravelmente em H. As borboletas negras
Heine.
Juvenilia a mais feliz expressao do sentimento
na arte, do espirito idealisador dos versos regu-
lados.
A alma para lendo e6sss versos saudosos, como
alguem que merguiha a vista no ma* calmo, e v
na superficie azul a sua imagem silensosa e triste
I que o contempla como urna segunda a;ma. O infe- Quando la fallas lercbr
liz quer carainhar e fugir, mas do seu seio enne. Dos vergeis de dulcis3i
l voado escapa-se um gemido melodioso e 3uave, co- Onde cantata tarde o
, mo o do aleyon que despede-se do ninho aSandona- Ai I deixa-me chorar e
do em que deixa as suas nicas felicidades ao Nao, nao dissipes a sanbade nfinda
Par"r I Que nesta froate bafejande' est
lo serto.
O rochedo mzido onde ia torrente
Bate alta noitc rpida t fremente
De teu preto eabeilo inveja a edr...
E que aromas, meu Dens I o esto in?!o
Parece que levanu-se lagueiro
Cbeio de sombra e cant eos de amor 1
rae da infancia,
ha fragrancia
sabia I...
falla ainda.
III
Varella : Canias e pkanlasios.
Esa poesa destilla-so pagina por pagina ca m-
mosissimo volume dos Cantos t PhanUuiat qae os
| editores os Srs. Garraux, de Lailhaear & C.: offer-
Os cantos etbieos e cosmognicos da velha Sean- laram-nos n'uma elegante edicao parisiense.
dinavia Fearis Ygdrasil Mimir desvendam
aos oihares faminto? dos modernos investigadores
jo passao as paginas mal folheadas das suas le-
g:. !...-, especie de Apoc^lipse, que como a ctiave
magiea da revellaco abrindo, cscaucarando a al-
ma de um poro que gosuu, brjlboo, ergaeu-se para
contemplar de mais alto as cinzas em que linha do
revolver as suas azas moribundas.
O poeta que asagoa essss paginas 6 o Sr. L. K.
Fagnndes Varella. Desse rcesrrro talento a imprea'-
sa j noliciou as Nocturnas, o PaviUtao Auri-Verde
e as Vezes da America.
* Lembraa-te, Inab ? Bello e mago
Da nevoa por entre o manto,
Erguia-se ao longe o canto
Dds pescadores do lago.
Oh I primavera sem termos I
Brancos luares dos erraos I
Auroras de amor sem lira 1
Fugistes deixando apenas.
Por ierra esparsas-as pennas
Das- azas de um seraphim I >
Lembra3-te de Loreley d H. HeiDe ?' Nao ha
as estrophes que citei como qne um vago perfu-
me d'aquellas can;oes dolorosas do poeta de Heise-
bilder, aquelia angustia do nauta perdido na noite
e no silencio pela mgica voz da bella alma ena-
morada que o chamava no nevoeiro 1
Todo o i
Nao sao tao apaixona los esses versos T Dir-sesc
que correu por elles o
kspiare aos vint? anno
soprO de Goethe e de Sba-
O passado parece em'
canto da primeira collecgao do voln-
Saudando-o peco-te que sajderaos juntos em pri
meiro lugar aquella mocidade acadmica de S. Pau-
lo, aquella lagio dos bravos da intelligeocia, em
cuja vanguarda desdobra-se o estandarte da fraler-
A Danubla, a Grecia, Spana, Persia, Scandiuavia Di,lade. em cujas armas scintiiao verbo do tlenlo ">e 6 mysteriosamente encantador, e vem carrega-
mal soffooam a torrente das suas iradicc,oes e le- je do pensair.*nto, em cujas veas tomultua o saogue do dos verdaderos aromas da poesa do norte;
gandas. As legendas sao o testamento de um povo: Idos hroes da peona e da cabe^j-legiao que cor- O poeta chera expalhando Aeres em redor de
as legendas preseute-e a aureola que coroou a|re ca0 a victoria que se ergue"das ruinas fuaegac--' si : por cada lagrima perdida cae urna perdida
r.arao dispersa e as nodoas qu>i ptrventura man- i Xe-> nao a Cl"Hi's edificada nal angu!as a vic- ptala; a lyra exhala um adeus eum ai de conso-
cbaram a tnica flaetnante da vestal paga, mona ili,na e nas estopidas visagens do cocquislador ; lagao que vem banhar o espirite de qnem escala
parificada nas chammas eternas do christia- mas ao ldal'a ar8' victoria ^ue n.To degrada, em todas as vagas do somnambulismo da recor-
aos campos explendidos da poesa- e da scieneia. dagao melanclica:
Eu creei-meentre elles: esteii(J3-lhes por eima de
todos as minbas recordagoes e saudades a minha !
mao franca e amig-a : um dever que me faz ba-
nas
Ha nomos naqueila porgo de- xevlregiados que
o duvida? parece talbar no mirmore partido do snstentam-se cima do tempo e a3 discu&socs lit-
fendalismo primitivo o brazao da democracia e a tararlas e que eu record sempre com o orgulho
seu trplice diadema
grasada.
L-
Bisrao.
A poesa, repito, so'.elra lettra por lettra o Gene-
sis do passado s nacoes que despontam.
0 elemento destruidor nos byraoos seandinavos, i ,er 0 pejl0 como n;s '^
partindo o diadema do poder soberano e levantan-1 mais doces horas de fe|icjdade_
do da poelra a liberdade desvalida parocequem
omnipotencia do povo.
Mimir o ocano, Ygdrasil o mundo. A sacer-
doiisavalgaprophetisando no aliar do sacrificio
aprsenla as vagas emmarulbando-se vivaces e
explendidas sobre o lenco! movedico das praas; e
o mutdo agltando-se como o carvalho trmulo sob
as copadas frondes.
Rig o sacerdote do futuro : o raysterio exp'll-
ando e esclarecendo o mysurio. Lembras-ie das
admiraveis excursdes de Rig pela humanidade ? as
especias nascriido e evaporan Jo-se coreo as ondas,
e nas novas espantas edificando-senovos herdeiros
epcpularoes novas?
Tado isso o qaejevello? Os jogos infatigaveis
da homanidade. Quem ordena ao universo, vaga
do teinpu, ao sol no horisonte e ao simoun nos
dei rtos incommensaraveis da trra? A poesa.
Poesa ou philcsophia; poesa ou scieneia; poesia
ou sabedoria. A philosophia de Scrates vale tan-
to como a poesia de Juveual; a scieneia de Galilo
o arrojo extraordinario do Daute. O sombro
phamasma do Spezia proiurou o socego nas cham-
mas do inferno : o oulro, sentio a trra tremer sob
seus ps, estendeo os bracos e foi recebido nas le-
' anas da inquisico pela mo dos algozes :
p/- se mime I
A poesa a verdade : toda a fronte que se en-
nobrece deve bauhar-se nas oudas acrisoladas
do p. .vii leptismo : toda a alma que se cmpre-
le iievo procurardesfenr o vo no vo lumino-
so uas sagradas harmonas e ver de perto a eterni
dado e -eullr ao contacto dos espiritos a decifragao
do enigma da iiomortalidide, a luz ea palavra do
ceo que vem assignar o quadro tempestuoso da
existencia mundana.
Ha na aouga froia urna legenda que Demosthe-
nes reo irdava aos Athemenses congregados, espa-
ll.ando por cima de todas aquellas curiosidades
vidas o perfume selvagem da poesia primiliva :
Se depois de immensas dores.
No seio ardente de amores
Eu nao pudor apertar-te,
Quebrando a dura barreira
Deste mundo de poeira
Tal vez, luab, bei de acharte f
O canto seguinle expressivo e correcto: 3'ios-
de quem ses ente feliz em trgalos sobra um papel Pirago segu o rybmo como o corpo segu a som-
morto embera a penna que corra sobra as Iettras ^ra- Ha nas estrophes do terceiro canto urna ini-
no possuaocondodeconvencsr nern o de atlra- raitvel expressao de lerna magia que comeos
hir. sonhos d'uma mocidade soffredora, que proeararo
! cortar a luminosa atbmospbera da aspiracin 1o
Tu qne ests quasi a galgar o almo degro que mor purificado nas lagrimas da consolacao:
te affasta d'enlre nos e portanto entre elles, tu
que j os podes ver da extrema co caminho como *" T" es a ara8era perdida
quem se despede de um paiz onde viven muito **' espessura do pomar :
tempo, onde gastou muitos minutos de vida e de Eu sou a fcha-cabida
chiraeras, podes comprebender que sao sinceras as *ae leva3 sol)re as azas ao pausar
miohas palavras e que nao me coube em parlilha o! ^n' voa> voa> 1,sma enmpriret:
pedautesco previlegio de enramalhatar phrases s6 ^e sega'rci.
com o intuito fatal de graogear um norae de em-
prestimo, que Rabelais concedea a muitos___fe-
lizes.
Assim pens, assim escrevo. Quizcra que fossem
intimas estas cartas e que o fri olhar do publico
deixasse de analysar ao menos esta ultima pagina,'
que tu mais do que todos coiaprelienders na sua
essencia e nudez.
t T s a lenda brllhante
Junto do bergo cantada,
Eu sou o oavido infame
Que o somno esquece' ouvicdo-le a toada :
Ah I canta, canta, a sina cnmprirei:
Te escutarei.
T s a luz crepitante
Que em. noiie trevosa ndela,
Eu mariposa offegaate
Que em torno chamica trmula voeia,.
Ah I baja, basta, a sina cumprirei:
Me abrazare:.
No meio dessa mocidade encontrei o poeta dos
Cantos e l'hantasias, como aqai no centro da Ve-
neza Brasiieira foi me dado aportar pela primeira
vez a tua mao e conhecer de perto as notabilida-
des acadmicas de Pemambuco.
Ha bem pouco tempo tu o sabes, enfastie o pu-
blico n'uma Introdiicrao admiravel traduego do I
Cntico dos Cnticos do sympalhico poeta Cyrillo
de Leraos. Festejei-o como festejare! sempre
nossa brilhante primavera litteraria, traga ella o i
nome de Cyrillo de Lemos, de L. N. F. Varella, de |
i'.,.-..'doreto Carlos, de Tobas Brrelo, de Joo
Hibeiro de Castro Alves, Almeida Cunha, Milln, e
tantas outras intelligencias que se me fogem agora e de phrase : a meu ver urna das mais bollas
lembranga da penna nao escaparo certamente a poesas de Juvenilia e da collecgao completa,
memoria itleraria da Academia e do paiz. ltecorda os melhores momentos poticos de Deu-
O auther dos Cantos e Phantasias um dos mais mier com o sentimentalismo profundo de Laprado-
brilhantes talemos poticos que conheceraos. Ha O poeta canta como poeta e sent como homem.
frontes talhadas na perfeigo das linhas creadoras O canto VI magnifico de pintura e de verdade.
como Phidias o fazia nas veas azuladas do marmo- Nao resUto vontade de escrever algumas estro-
As ostrophes seguales comegara assun:
c Teus olbos sao negros,negros
Como a noite nas florestas...
Infeliz do viajante
Se de sombras lo fonostas
Tanta luz nao rebentasse I
Conserva sempre o mesmo vigor de pensamento
FOLHEIIM
O DEMONIO DO JOGO
ron
HENIftUE CONSCIENCE.
IX
(Continuagao.)
Julio, abysm ido em profunda preoecupagao,
nao ouvio o qne Gernimo Ihe disse. Com os olhos'
pr ..'"los no cilio, murmurou em tom dedesespe-l
racao :
Situagio horrorosa I A'beira da sepultura, |
p:de a I) us a sMvago da minha alma l E eu hei
de derramar o seu saugue I... Mas nao ha outro
nieio; nao, nao ba outro meio I
Gerooimo noiou a lucia ra que eslava Julio.
Saecumbindo, por assim dizer, soba anciedade e a
esperaoca, oeixou-se cahir no chao e quiz arrastar-
se aos pos do i -u inimigo; mas este aterrou-se,
vendo o "> goio de Gernimo, apanhou a faca pe-,
gou oo candi ir) e disse tristemente, dirigudo-se
para a p rta da adega :
E' intil, senbor; a fatalidade pode mais do
que dos >', apezar de lucannos maito contra a sua
inexoravel Fentenga, cumprir-se-hal Vendo-o sof-
frer lano, perd o animo... Vou cobrar forgas.
Nao tarao aoai. Prepare-se, porque desta vez, em
um abrir e fechar de olhos, r,cabar-se ha ludo.
FecbOQ \ porta por fra e aflastou-se a passos
lentos pe) corredor subterrneo.
Chegado a sala que j o leltor cenhece, poz o
candieiro sobre a mesa, crnzou os bragos e ficoa
per nuito lempo immovel (: cabisbaixo. As vezes
ba'.ia o p com colera; murmurava palavras des-
esperadas; baa com o punho na testa e berrava
impaciente porque o seu espirito rebelde nao Ihe
snggeria am bom conselbo. Eoto, cansado or
esse assalto de tempestuosas ideas e sobreexcitado
por viva aganio nervosa, poz-se a correr no quar-
to a passos largos, como doudo. Fazia com a mo
''estos de irritado, parava e tornava a correr; em-
tim, esgotadas as forgas, deixou-se cabir sobre
urna cadera ao p da mesa, dando um profundo
suspiro.
Assentado, no meio de alto silencio, dirigi um
olhar fixo para o canto mais apartado da sala e pa-
recen perguntar ao espago o que Ihe cumpria fa-
zer. Contrabiase Ihe o rosto ora por expressao
de dor, ora d? angustia, ora de raiva. Lutava
cem de.-esperago contra a necessidade de matar e
soltava de tempos a lempos um queixume intelli-,
give ou amargas palavras contra a sorte: mas
deba'de lorturava o cerebro; nem um raio de luz
illuminava a sua duvida e o desapiedado.E' pre-
ciso I apparecia-lhe constantemente com cruel,
irona.
O uiii.ii' cahio acaso sobre as duas garrafas que
estavam sobre a mesa, nao longe do candieiro.
Primeiro conteuiplou-as com indifTerenga; mas
breve foi como se ellas Ibes dissessem alguma cou-
sa, porque Ihe desponlou nos labios urna espesie j
de sorriso alegre e fez com a cabeca um gesto de |
approvaco.
De repente, como se houvera tomado urna reso-
lucio importante, deitou a mo a urna das garrafas,
desiapou-a e bebeu al ihe faltar o folego. Depois
respirou e de^pejou o resto.
Com os olhos tilos no pavimento e em completa
iiMiiul.il 'I.i e, Julio pareca medir a influencia que
o viuho desenvolvera sobre o seu espirito. Assim
esteve muito tempo.
Quando levantou a cabeca e pegou na outra gar-
rafa, vivo rubor Ihe tingia as faces e estranha luz
Ihe hrilhava nos olhos.
Mal engulio mais de melado do liquido da se-
gunda garrafa, tirou a faca da bainha, pegou no
candieiro e caminhou para a adega, murmurando :
Agora nao me ha de faltar o animo. Nada
de palavreado, um golpe s e est acabado tudo.
E' preciso feri-lo pelas costas, porque tem o peilo
encouragado,...
Desceu a toda a pressa a eseada, alravessou de
corrida o corredor subterrneo e abri a porta da ,
adega. Sem dizer nada, poz o candieiro no chao,
e levantando a faca com ar ameagador, fot direito
ao pobre G;ronrao, que estendia as mos para el-
le, gemendo, como se quizesse affastar de si o as-
sassino.
A dous passos da sua victima, Julio soltou um
grito do espanto e parou, como se tivesse um ac-
cesso de imraobilidade.
Filava um olhar interrogador em nmobjecto que
Gernimo tinha na mo e que estendia para elle,
como se cresse que esse objecto o podia salvar do
golpe mortal.
Era urna medalha de cobre, no centro da qual
bavia urna cruz e outi'os emblemas, e que estava
presa a urna delgada cadeia de ago.
Julio, esquecendo o que alli ia fazer, deu um sal
lo, agarrn na singular medalha, chegou-a aos
olhos, voltou a de um e de outro lado, e exclamou
por fim no raaior espanto.
Meu Deus i este arauletto nas maos do Sr.
Gernimo l Que quer isio dizer, senhor? D'onde
Ihe veio isto ?
Gernimo estava ainda muito abalado pelo ter-
ror da raorte para poder responder; esforgou-se
para respirar e parecen lutar com um desfallec-
ment imminente.
Diga, senhor, diga d'onde Ihe veio este amu.
letto? quem Ih'odeu?
Foi na frica... urna mulher cega... bal-
buclou o mancebo em voz quasi inintelligivel.
Na frica I Como se chamava essa mulher?
griiou Julio, tremendo de impaciencia.
Mostajo... Thereza Mostajo.
Este nome abalou Julio profundamente. Levou
as mos a fronte e exclamou:
Thereza Mostajo I o nome do minba pobre
mi cega I
Dcixar-mehas vivar, Julio? pergantoo Ge-
rnimo, suspirando. Ainda haver esperanza?
Esta cova aberta nao se fechar sobre mim ? Ob,
gragas vou dou. Deus de misericordia, que envis-
tes a minha supplica t
Mas Julio, sera dar allengo as palavras do man-
cebo, tinha os olhos pregados na medalha e diza
pensativo-:
THEATKO
Em nma sarta escript
pelo Sr. Bustamante,
moldurar de nevoas e i e saudades o vulto adora-
vel de Lilly o a pallii a figura de Julietta com o
(e noiva, de virgem e des-
P. Gl'DHllAES JtnnMi
(Connu.)
)A GUERRA.
a Tribuna de Montevideo
edaclor da mesma foltia e
que actualmente comma ida um corpo de volunta"
ries-do Estadj Oriental, l-se o seguate :
Anle-hontea noite (.1 de selembroj, apezar de
mo lempo, foram expel idas da Uruguayana as fa-
milias all existentes, er numero de cecto e tantas
pessoas.
Era quanto permane erara dentro das trinchei -
ras nao foram maltrata! as, mas, desde que chega-
ram as guardas- para ;uya3, muitas deilas foram
violadas e saqueadas, ao ponto de ebegarem ao
nosso acampamento coa pletameote nas.
Nao se Ihes perraittii trazar nada.
Fallei com urna seo! ora de urna das primeiras
familias de Uruguayana, cu;o norae nao devo re-
velar, a qual foi viciim; da violencia, e o que mais
horrorlea que essa vii
iencia atroz foi perpetrada
a grandeza e a magnificencia que teve, quando
aiuda estava longe da coroa.
Eram os duques de Braganga verdadeiros mo-
narebas nas suas ierras, e viviam a le da realeza.
O seu primitivo estado c patrimonio se forraou
dos bens e terraf, com que o condeslave! D. Nuno
Alvares Pereira dotou sua lilha D. Brites, para ha-
ver de casar com D. Alfonso, fiibo natural d'el-rel
D. Joao I, e das trras e bens com que este- dotou
o filho, concedeodo-lhe o mero s mixto imperio,
todos os fro9 e exerapgoes, regalas e privilegios,
como se elle proprio Ioss9.
Teve mais a casa de1 Braganca o senhorio de
Bt-aga, Villa do Conde, Montarte, Pacerla, Alter do
Chao, ilha do Corvo e a merc da cldade do Port
que uo chegou a realsar-se.
O padreado ecclesiastico abrangia collegiada
de Sama Mana, de Guimares, urna das mais pri-
vilegiadas das Hespanha?; a sollegiada de Barcel-
los; apresentava 80 grejas e mullas deilas bem
pingues; 4i commeodas; o padreado de lilferen-
tes mairizes e conventos.
No seeular, provia 18 alcaidarias-mres,. 4 ouvi-
dorias, comprebendeno 1:300 calcios de jalifa e
fazeoda.
Erara duques de Braganga e Barcellos, e de Gui-
mares, marquezes de Vlenga e Villa-Vigosa,, con-
des de Ourera, Arraylos, Neiva, Paroe Fana.Pe.
nafiel, e sanhores de Monforte, Algrete, Villa do
conde e ouiros lugares.
Passaram, alm da cdade de Braganga, 21 vil-
la* das melbores, afora os lugares '.fue erara infi-
nitos; s no termo de Chaves, tinhain 187 lugares
e no de Braganga 202, e as villas de Guimares,
Monle-rar o .Novo, Alraada, Vidgueira, ele.
Em 140 ;inba o duque mais de 80:000 vas-J,
salios.
Era ara memorial que aduqueza E>. Ca*.barin->
dirigi ao re Felippe II de Castella, e I de Portu-
gal, no qual requera o ducado de Guimares core
todcs os seus pros e precalgos para o duque seu
fillio e do duque D. Joo, allega que, alm de mui-
tos servlcos que o duque D. Joao fizera cora de
Portugal, eram muito notorias as grandes despezas
em que entrara para bem do reino..
Na primeira armada que el-rei D Sebastian ln-
lentou mandar a frica, o infame D. Duarte devia
ir por general, e teve o duque embarcados 700 ho-
mens sua cusa ;e da primeira vez que o desdi-
loso monarcha passou as trras africanas, o duque
teve GOO homens de cavallo,e da segunda e ia-
felicisima jornada, em que o duque ficou captivo,
levou 800 criados e soldidos, que foram de Lisboa
em mais de trinta navios frelados e pagos pelo du-
que. Esteve o duque captivo dous anuos, e pagou
o seu resgate e o dos seus soldados e criados, e
deu pensSes s raulheres, ilhos e irmaos dos que
por l morreram; isto tudo alm dos dinheiros
que abonou ao re 1:
Destes servigos>diz a duqueza, nao deu satisfa-
gan el rei D. Sebaslio por acabar na batalha de
Alcacerquibir, nem el-rel D. Henrique, porque
uunca Ih'a pedio, por ler em seu tempo oalras
pretences muito diflerentes desta.
Alludia sua pretengao a' coroa, pela parte do
nfante D. Duarte.
Por estes servigos pedia a merc da villa de Gui-
mares com toda a jurisdigo, padroados, dada de
ofllcios de juro e herdade, e o ttulo de duque della,
como o Uverara os duques D. Fernando, D. Jaime
e D. Theodosio.
Este deu a villa em dote a' infanta D. Isabel, sua
irma, quando casou com o infante D. Duarte seu
lio, irmSo de D. Calhanna, e por fallecimento delle
vagou para a corda.
A merc pedida nao se verificoa.
Os Pilippes olharam sempre com maos olhos os
frauca singeleza tem sa ddo captar a sympatia de duques de Braganga, sem embargo de apparentes
todos os que se loe ap iroxiraam, habilidade que amisades.
nao tem outros compatriotas seus, que, longe do Os duques de Bragaoga algumas vezes mostra-
theatro da lula, maldiifem da allianga, clamando ram que Ihes girava nas veas o generoso saogue
que o Brasil nao necessilava della. do coudestavel e.do mestre de Avaz, porque se
Receberara-se noticias da Uruguayana posterio- houveram como boas cavalleiros em diferentes
O Imperador e sua comitiva nao poderam ah
ficar, por no haver um quarto limpo, urna cama.
Todava era a Uruguayana a mais joven, a mais
linda e a mais rica povoago da nossa fronteira ; sido convocados,
pois foi fundada em I8i3. Tinham os duquoj estado para o sea servim i
Na Uruguayana acharam-se cerca de 1,000 sol- mam-Ira da casa real, tendoem sua ea
dados e ofnciaes paraguayos doenles, que tem sido mos foros de fidalgos cavalleiros, escudeiros c
tratados com disvello pelos mdicos do exercito al- ?os da cmara, que os res tinham; e o rei nomea-
liado- va os criados do duque pelos mesmo i mos
Tambera serao vestidos os prisioneiros, para os tinham na casa dos duques.
quaes chegarao muito a tempo as remessas de rou Se os duques janlavam a' mesa do rei, eram-ter-
pa que dabi e da Concordia se fazem ou fizeram. vidos pelos seas proprios ofUcaes, e n pelos o
rei.
Usa vam de arautos com cotas d'rmas, e de sor-
cm polco de roa teiros de maa-
a .... j. t> ^ PaC.0S ofilciaes dos duques tjrban m ^-
A casa de Braganga foi um verdadelro polenta- ms preeminencias que os SL
do, e apezar de hoje oceupar o tbrono, nao cstent
que
mulheres)
povoago,
saquear as
e nc se com
pelo padre Duarte, bla > phemo que se intitula mi-
nistro do Altissirao I
A pobre seohora v n alerrada : vio acoutar
asas mais respeila^eis da
ietteram maiores abasos,,
afluencia que alli tem os
Orientaes que seguem is suas bandeiras, e aos
quaes, era geral, j os P raguayos vo abominan-
do depois de Yataby, por uo dizem-se trahidos por
elles, visto que Ihes fizeran crer que os Uruguayos
eram alliados do Paragua
Disse que os Paraguay
para capitular.
O que te afflrmo que
promptos primeira voz
Consta-nos que o duque
genros do Imperador, e qi e o acompanham, propo
zeram combinar um ala
>s pedem pazes honrosas
lemos ordem para estar
de Saxe e o conde d'Eu,
que simuitaaeo sobre a
Uruguayaoa, pondo-se oa dous frente da empre-
za. Nao sel se a proposta foi aceita.
O Sr. H. Varella, re actor da Tribuno de Bue-
nos-Ayres, era urna das c rtas qua escreveu de Uru-
guayana, diz o seguate
As entrevistas entre
sao frequentes.
Ha entre todos porfeiu
cordialidade.
O presidente Mitre difese-me que o Imperador
um homem altamente in
conversago agrada e int
Ao ver nossos soldados
preza, tecendo grandes
exercito acompanhado do
e de um immenso estado
Ainda vestido com toda
Imperador e os generaes
Blligente e instruido, cuja
ressa.
leve urna agradavel sor-
logios ao seu pone e dis-
ciplina, bem como aos s is uniformes.
Hontem, quando cheg ie, percorria a linha do
generaes Milre e Flores,
maior.
a simplcidade, e por sua
res a rendco da pragr

Este amuletto a
deta natal; vejo o meu
como eu era antes que
caminho do vicio o do
este talismn de Jerusal
muitos perigos, salvou
violenta... E ainda h;
amulelto que impedio
Ihe entrar no peilo ? Es
conj une turas.
resenta a meus olhos a al-
pai morlo, minha raai, toda
a minha mocidade, os nens amigos, e vejo-rae tal
a corrupgilo me levasse ao
eccado. Meu avo trouxe
era; protegeu meu pal era
ninha raai de urna raorte
poneos dias, nao foi este
) puohal de meu amo de
anho o mysterioso poder,
que se colloca ameagido entre a victima e o al-
goz!
Dizendo estas palavras
olmo para enlregar-lhe
Ihe os joelhos e gritou c pplicaute :
Julio, lira-me desl
n5o me matars. Que
ps o homem cujo nom
cega I
Socegue, senhor
ceie nada contra a sua
sentara a minha cabeg
erros da minha vida,
gota do seu ;-angue.
tinha so chpgado a Gero-
i amulelto. E-te abragou-
i duvida terrivel I Diz que
ncontre compaixo a teus
abengoado por tua mi
respondeu Julio. Nao re.
ida; mais depressa apre-
justiga para expiar os
[11 que derramara urna s
minha razao desvalra-se ;
a. Deixo-me reflectir um
cifrar o enigma da nossa si-
me deixe pensar,
ira traz e, com a cabega en-
cahlr sobre o pedago de
pie j estivera assentado. Ahi
a meditar sem qne o mais
peqaena palavra aecusasse
Gernimo litara nelle um
tenho trevas na cabe
pouco ; lalvez possa dij
tuago. Pego-lhe que
Deu alguns passos p
tre as maos, deixou se
tronco de arvore em q
eHeve por largo tempej
leve gesto nem a mais
os al,alus de sua alma.
Por alguns instantes
olhar de felicissiraa esperanga; mas por fim o seu
rosto toldouse com u na nuvem de tristeza e es-
panto ; parecialhe que Julio fechara os olhos e
adormecer. MaseDginava-se. Julio abri emrim
os olhos, ergueu-se e disse-lhe :
Agora ja' vejo ui i pouco mais claro... quero
salva-lo, senhor mas pareceme que intil que
para isso eu seja depe adorado na forca. O que
preciso que tenha [ aciencia at amanha. Ho
de ser agora nove horas da noite. Sora' preciso
esperar muito, bem sei. Seja como fur, cumpre
que se sujeite a' condigo, porque necessaria
: conservagao da minha vida ; amaoha, ao romper
do da, fujo da cdade. Quando for, liri-lo-hei
! d'aqui e Ihe darei a liberdade... Nao, nao trate de
, me Cazer mudar de resolugao. Oilie quo a duvida
pode melter me outra vez a faca na mao. Agora,
senhor, ea reliro-me e pode esperar tranquillo o
seu livramento.
Gernimo jun'.ou as maos e murmurou com voz
Iremula :
Oh, obrigado! Em loda a minha vida pedirei
a Deus que tenba misericordia de ti, como tu lens
d de mim I Ainda quizra implorar um favor>
um beneficio a' tua boDdade; mas nao me
atrevo...
Diga, senhor; que mais quer?
Ha ja' muito tempo que sahi do meu somno
de morte nesta negra sepultura ; dias ou semana?
nao sei. A sede e a fome rasgam me as entranhas;
lu reanimasie-me a vida com o generoso licor que
me dste; mas agora o meu corpo pede alimentos...
Um bocadinho de pao.
Pao I repeli Julio espantado. N3o baada
nesta casa que possa comer-se.
Gernimo Blou em Julio olhos brilhantes ocheios
de expressao de supplica.
Pois bem, disse Julio, ainda nao muito tar-
de e sahirei para verseacho em alguma parte urna
luja aberta. Al ja'I Nao saia d'aqui nern so in-
quiete, senhor I
Pegou no candioiro, sahio da adega, fechou cui-
dadosamente a porta por fra e caminhou vagaroso
pelo corredor subterrneo.
Gtiegando cima, pouson o candieiro na mess,
cruzou os bragos e murmurou :
E' espantoso I aqnelle joven negociante que
defendeu, com risco da sua vida, minha mi con-
tra a crueldade dos musnlmanos, quecomproua
sua liberdade e a livrou da escravidao... tquele
joven negociante era o Sr. Gernimo f O amuletto
CQllocou-e, por urna forja royslerlosa, entre o seu
da easa real,
e eram sempre pessoas da primeira grac-deza, e d
sua casa sahiara para os principa js cargos de
reino.
Martim Alfonso de Sooza, gtvernador dz Iodia,
D. Aleixo de Meoezes, aio de el-rel D. Sebietiao',
Francisco do Lucerna, secretario de estado, e oo-
iros foram criados dos duques de Braganra.
A capella do pago ducal gosava dos mesmos pri.
vil-;gios e grabas apostlicas da capella real, e a*
ceremonias com os duques eram as mesnaas que
se usavara coro os res.
Qaando os duques visilavam os res, esles le-
vanta7am e adnntavam-se dous passos para os
receberem, e nao sonsentiaa qae Ibes *erja*seni a
mo.
O primognito da casa, o Jaque os- Bareello*,
gosava das mesma? honras.
A etiqueta no palacio daca! sra em ttvic igual
da corte.
E' cariosa a Wlntjja da etiqueta da cas do ta-
que D. Theodosia I, filbo do dc um regiineoio contendo as obrigaee* de todos os
of3ciaes da casa.
Era costume das pessoas da grandeza, no seclo
XVI, ao levantar, toraarem ama porco de assu-
car rosado, e beber goles d'agua, 3 am offlrial es-
lava encarregado de apresenlar c assucar e agna
O regiment, nas obrigagd.'S de mpeo da goaria
roupa, diz o segainle :
Era guarda da- pessoa do duia?, e de sea ea-
sa; tinha cuidado de ver as portaj da cmara, se
estavam fechadas, ao recolher, e cerria loda a easa,
e via debaixo dos leitos se estava r.goma cousa; e
esta diligencia fazia todas as noutes. como o dciue
se deitava, e lude deixava a bom recado e psflsn
fechadas, seoo a da cmara, qas vinha para a
guarda roupa, onde elle dorma, peron s etla
lieava absf ta.
O raesma fazia caguarda-roopa-, e fechadas as
portas e janellas, se deitava coic ama espada oa
montante a ilbarga da cama.
Nas atrigagoes do mogo das chovas, diz o se-
guate : .
Todas as neutes p-nha cabeceira da cana de
du'jue, in grade do letto, ara reubolo de Nosso
Senhor Jess ChrislC' crucificado, per deiraz da
corliua, que tinha um gancho e uoa cadeia, oude
se peoduravo.
E assim um montante cabecea jauto da ca-
deira; e da parte da ilharga de laMo coacra a
parede, ooa cadeira rasa, e sobre ella anu-saia
de malba e um somhretto de casco (armadura de
guerra.) lisias tres coBsas levava ordinariaoMat
cora o duque para onde elle ia, e Jtra awim dous
cadeados direitos, cora armellas de parafoso, para
se porem nas portas da cmara onde o Juquo
dorma, se nao (inba fechos.
Quando c duque vi ma de fra, oa havia necessi-
dade. maodava por am cruzeiro da prau, o am.-..
salva com perfumes, oa oassoula, na cmara, oa
casa, onde o duque bavia de estar.
esumiodo as obrigages do oargo de veador,
diz o regiment :
Com estas providencias e com ostras de oatros
ofilciaes, na corte, cas jornadas ?ne faz, cjk as
priocezas na raa, e em graades fastas i|ae em sen
lempo houve, e assim nos caminhos e em Villa
Virosa, foi o melhor servido principe qae boa**
em seu tempo, e nas cousas to granJi >>:.-, qju
soavam em todas quatro partidas do mondo.
O veador tinha sob seu gov?rno 120 pesseas,
que erara offlciaes da mesa, uchio, servidoras da
toalha, escrives da cosioha, apesemador, compra-
dor, cevadeiro, mogos dos ofDcics, m iros da cma-
ra, das lochas, recados etc., reposteirs, porteiros
da cana, araulos e passavantes. marisca, ooe in-
lendia no ervigo das azeraolas, azemeis, cbarane-
las, irorabetas cusidheiros.
di'Mie, quando ia a caca, levava nma comitiva
de UO pessoas, iocluindo i\ cavalleiros da guarda
da pessoa do duque e o page.m da tac a.
Todos os dias ao levantar, SJHSfli JOtriva o ,
camareiro com a agua, entra vam tambera os ateos
d^lgos- e alguns fidalgos mancebos; e qoaado es-
tava vosiido e tomava a sopa, entravim no aposen-
to todos os mais, que eram muitos.
Todas as soasas que Ihe eram apraseziiadas, oc
ao vestir, ou ao comer, e n'omras ocnsioes, oc
officlacs quo Ib'as aprescatavam panlixn o joelhc
em trra.
Um judeu quiz vender a D. .\ffoos>. rei de Ara-
gao, um quadro que representara S. Joo, por
qcinhentos ducados : o rei Ibe d>6Sd :
Can-a-me espanto o maito que saper em
avereza os teus aniepassados.
Vend-ram elles por trmta dinheiros a pessoa do
su Divino Mestre, e t, ag^ta desalmado, preten-
des Vrnder por qiihenlos ducados a imagem do
discpulo I
coracao e o punhal do sea vingaiivo ioiaiigo... e
no momento em que quero mata-lo, apparece de
novo o amnisto para par.ilysar-me o braco. E' iu-
comprehensivel I
Depois da ler por algas tempo e em silencie
meneado a caboga, mudoa a direcgo aos seus pen-
samenios. Pegou na garrafa msiij-vasia, e beben o
que anda contloha.
E' estranho, disse elle, eomo urna commocao
diminue a influencia do vinbo. Bebi o preciso
para esur completamente fra de mira e tenho a
razo lio lucida e clara como se amaohcese ago-
ra. Comludo, conhego qae este resto qae acabo de
beber me aquece um pouco o milo... Entao est
decidido que meu amo e Sr. Simo Turehi mor-
ra no cadafalso ? E' desagradavel para elle e
e para mim, mas nao sei o que bei de fazer-lhe.
Quando se me acabarera as duzeelas coras qae
sera' de mira ? A necessidade ba de obngar-ma a
procurar ouiros recursos, mesmo cem risco de (or-
ea, e provavel que a minha cabe^ passe eronra
pelo n fatal. Emboral Se isto esta' talludo la'
em cima, quera podera' impedir que aconteca? Mea
amo e ou, temos o que merecemos... Mas ja' me
esquecia que aquelle desgragado que la' esta' em
baixo quer ao menos um bocado da pao I ET pre-
ciso sabir e procurar alguma cousa de comer que
o allivie. E' urna boa occasio para ir beber a to-
da a pressa am qnariilho de viuho no Cysne coroa-
do ; la' ho de abrirme a porta porque os jogado-
res nao se retiram cedo. S um qiiartiibo de pas-
sagem I porque se eu me deixasse agora desvairar
com bebidas, quera sabe o qae adolecera? Mas
Do ha nada que recear; a minha vida esta' em
jogo... Varaos depressa; em mia hora esloa
aqu.
Apagou o candieiro, atravessou o jardim as es-
curas enasto.
.

(Contmnar-st-ha)
PEKNAMBCCQ T\P. DE M. F. DE P. 4 PILHQ
I



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3KE6YXJ7_S6FYXS INGEST_TIME 2013-08-28T01:08:45Z PACKAGE AA00011611_10804
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES