Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10797


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO ILL lUIEIO 240.
**.
Ht fiarle! jago deitrt de 14 diasik 1, ez ...ti.. {p|G80
dem eieis des 1."' 40 das de carnecoe deutr do partel.... 6|000
ftrt.tmitHr tii............s ; 750

(PIT FEIRA DE WTBBfiO DEM.
.i
Per une pago dentre detfrdias do i. mti 19Mff
Perte ae cerreie por ane
-. i
' .
?
ENCARRRGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyha, o Sr. Antonio Alex>nrtrmo de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lentos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maraohao, o Sr. Joaqnim Marques Ro-
drisues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeroriytno da Costa.
ENCARREGAROS DA RUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falcao Uias; Baha, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Rbeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estages da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Jguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altmho, Garaiihnns, Buique, S. Bento, Boro
Couselho. Aguas Bellas e Tacarat, nastergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago : tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
^
Primeira
dia.
*Z

civeJ: tercas sextas ao meio
DAS DA SEMANA.

,16. Segunda Ss. Mariiniano, Elvsoe Saturnino trs
Segunda jara do nivel: ftuartas e.sabbades a 1 17. Tersa.. S. Florentino b.; s. Mariano ra.
hora da tar 19. Quinta. S. Pedro de Alcntara f.
EPHEMEWDES DO MEZ DE OLTUBRO.
' > '
4 La cha a; 8 h., 11 n. e 46 s. da t.
11 Qnartojniw. a i h., tjm. e 52 s. da t.
19 Lna ora as h., 7 m. e 52 s. da t.
27 Quarto crea*: a i h., 30 m. e 16 s. da t.
120. Sexta. S. Joo Canco ; S. Crapazio n>.
121. Sabbado. S. t'rsula e suas comp. w. mm.
|22 Domingo. S. Ladislao f.; Ss. Heraclio e Alodia.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 3 horas e 42 m. da tarde.
Segunda as 4 horas e 6 minutos da manha.
PAR7IDA DOS VAPORES COSTKHC8.
Para o snl nfi Alsjroas a 14 e 30; pan o
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Pento-
do nos dias 14 dos metes de jaoeiro, margo, auto,
julho, setambro e noverobro.
ASSIGNA-SE
noRecifo-, aa livraria da praga da Inderendsaea
ns. 6 eJ, dos proprieiarios Mano.il Figoeiroa.ia
Faria & Filho.
PAUTE
iFFIGttL
10YI8.10 DA miflUGI.
Exuedieule du dia 16 de outaliro de I SG3.
Olicio ao marechal de campo commaiidante das
arma*.Faga V. Exc. eliminar Jo batalho de
guardas nacionaes destinados ao servtco da guer-
ra a guarda do batalho n. 33 de infamara do mu-
nicipio do Brejo Jo* Jernimo de Parias que se-
gundo o seu ofllcio n. 1893, desta data, foi julgado
incapaz d'aquelle servigo em nspeego de saude.
Goinmunicou-se ao ciramaudaute superior da
guarda nacional do Brejo.
Dito ao mesmo.Mando V. Exc. eliminar do ba-
talllo de guardas naciooaes destinados ao servigo
da euem o guarda do b italllo n. 35 de infamara
do municipio do Brejo Manoel Malinas dos Sanio*,
que casado e com Unos.Commumou-sa ao
resiiectivo commanJante superior.
Dito ao mesiiio.Mande V. Exc. dar baixa ao
cab> de esquadra do 3ctrpo de voluntarios da
patria Jos Leovildo dos Santos, que segundo V.
Exc. declarou-rae em seu oflleto n. I8i6, de II do
crrente, foi julgado incapaz do servigo em inspec-
gao de saude.
Dito ao mesmo.-Mande V. Exc inspeccionar o
paisano Leandro Pereira de Luna, que o suarda
do 8o batalho de infaataria do municipio do Recife
Antonio Francisco Cavalcante, olereee para subs-
litui lo no batalho destinado para servigo da
guerra, e no caso de ser julgado apto faga V. Exc.
ai isla lo eliminando o referido guarda.
Diloao mesmo.Mande V. Exc. inspecionar oo-
vanienle o msico do 4o batalho de artillarla ap
Manuel Escoci do Nascimento, que se ada nesta
provincia, allm de que eu possa resolver arerca do
requerimenlo que elle me enderecou sobre que
versa a sua iuformago n. 1867, de 13 do cor-
reate.
Dito ao mesmo.-Mande V. Etc. eliminar doba-,
t&lho de guardas nacionaes destinado ao servigo
da guerra o guarda do batalho n. 26 de infamara
do municipio do Bonito, Severino Jos Gongalves
que foi julgado incapaz do mesmo servigo em ins-
pecgo de saude, segunde V. Exc. declaroo-rae em
sea oOcm n. 1823, de 10 do correnta
Dito ao mesmo.Habelile me V. Exc. com oses-
clarecimeutos necessarios de modo a poder infor-
mar acerca do que pede no incluso requerimento o
soldado do 2 batalho de infamara do exercilo I
Manoel Florindo Bordes.
Dito ao mesmo..Srvase V. Esc. de mandar}
eliminar do batalriao de guardas nacionaes desti-
nado ao servigo da guerra o guarda do batalho n.
16 de infanlaria do municipio do Pao d'Allio Joaoj
Antonio Ferreira que tem i-oogao em seu favor.
Pito ao mesmo.Sciente peio sen ollicio de II
do crrante sob n. 1838 de haverem os 17 rolan-1
tarios de cujos, nomes fez mengio em dito otflcio,;
ranuuciado agraiiticagao de 300$; e a sorte de ter- j
ras-a que leem direilo em face do decreto n. 3371,
de, 7 de Janeiro desle anuo, recommeodo a V. Exc.
que louve e agradega aqueiles voluntarios essa pro-
va patriotismo e desiieresse.
Dito ao mesmo Mande V. Exc. dar baixa ao
soldado do o" ccrpo de voluntarios da patria Arse-
nio Gomes de Alboquerqae Grangeiro, visto nao
ter a idade exigida por lei como consta da informa-
(3o do commandaute do mesmo corpoa que allude
o oftlcio de V. Exc. de 12 do crreme.
Dito ao mesmo.Em rasosla ao oIBcio de V.
Exc. n. 1816, de 9 do corrate tenio a declarar;
Ihe que o commandanie da companhia decavalaria
deve considerar como voluntaria praga do sida- j
do Francisco dos Sanios Nevos, que foi transferido
do corpo de policia para a referida companhia.
Dito ao mesmo. Communicando me o Dr. che-
le de polica ^m olllcio de 13 do crrante, que fez
apresentar ao comniandacie do batalho de guardas
nacionaes destinado ao servigo da guerra os gnar-
das Manoel Peraira do Carino, Jos Jernimo Go-
mes, Victor Manoel >da Kociia e Manoel Joai|ulm
dos Santos, os quaes'foiam presos pelo delegado do ;
i- districto desle termo, assim o declaro a V. Exc.
para seu conhecirneuto
Dilo a mesmo.Remello incluso o requerimen-
to que me dirigi o soldado do corpo de volun-
tarios da1 patria, Jos Ueroardiuo dos Sanios Ramos, |
allm de que V. Exc. se sirva de alteude-!o no di-
reito que liver ao que pede.
Dito ao r. chefe de polica.Para cumprimenlo
de aviso do ministerio da justiga de 23 de setem-
bro ultimo, rernetla-me V. S. com brevidade un j
mappa numrico dos escravos embarcador nesla I
proviucia, no decennio decorrido de Janeiro de
l-s.ji a dezAibro de 1863, a bordos dos vapores da
compaobia Brasileira de paquetes a vapor, com
destino a serem vendidos na corte, alim de poder
organisar-.se a respectiva estalistica na secretaria
de estado daquelle ministerio.
Dito ao inspector da ihesourana de fazenda.
Nao havendo inconveniente, mande V. S. pagar ao
capito de voluntarios Alberto de Unto Cavalcanli
Arco Verde, em commlssiio nesta provincia, os seos
vencimenlos, a contar de 8 de setembro ultimo ale
8 do crreme, como pede no incluso requer-
memo.
Dilo ao mesmo.Em vista dos inclusos documen-
tas que me remelleu o com mndame das armas,
com oIBcio de 13 do coi rente, sob n. 1,869, e nao
havendo inconveniente, mande V. S. pagar os ven-
cimeutos dos olciaes e pragas do 3o corpo de vo-
luntarios desta provincia, sendo os daquelles rela-
tivos ao mez de setembro ultimo, e os destas 2',
quiozeoa do mesmo mez. como se v dos mencio-
nados documentos.
Dito ao mesmo.Devolvo a V S. os inclusos do-
cumentos que vieram annexos ao seu oIBcio de 10
do correte, sob o. 743, relativos ao aloguel da
casa, que desde o Io de Janeiro at lo de julho
desle auno, servio de qnartel ao destacamento de
guardas nacionaes existente na cidade da Victoria,
alim de que, nos termos do parecer da contadoria
dessa thesouraria, mande pagar esse aluguel, a
contar somente de 20 de fevereiro prximo lindo
em diaute, sendo que a parte relativa ao exercicio
de 1864 a 1863 em bqui lagao, deve ser paga sob
mioha re>pmsabildade, visto nao haver crdito
para isso, segundo consla do seu citado offlcio, que
fica assim respondido. 1
Dilo ao mesmo.Remello inclusos os reque r-
menlos que me eoderegaram o lenle Euze o
N*poleo de Siqueira e alteres Arsenio Amo io
Carneiro da Cunha Miranda, do batalho de gu r-
das nacionaes desliuado ao servigo da guerra, p ra
que V. S. mande abonar em os devidos lempo; a
consignagao que elies pretenden! deixardestus
sidos nesta provincia.Communicou-se ao ce n-
mandante das armas.
Dito a> inspeetjr da ibesouraria provincial
Recommendo a V. S. que em vista do pret ju ito
em duplcala, que veio annexo ao ofRcio do ci m-
man Jante superior da comarca do Pao d'Alho, "la-
lado de 13 do crranle, e nao haveodo inconve-
niente, mande pagar os vencimenlos relativos a 2a
quinzena do mez de setembro ultimo, do destaca-
mento de guardas nacionaes existente naquella
villa.Communicou-se to commandanta superior
do Pao d'Alho.
Dito ao mesmo.Transmuto a V. S. o pret junto
era duplcala, tirando reocimenios para urna es-
colta de guardas Sacionaes que veio do termo de
Barreiros conduzindo presos de justiga para esta
capital, adra de que nao havendo inconveniente,
mande pagar a Francisco Tavares Lima, conforme
eolicitou o tenente-coronel commaodante do bata-
lho n. 43 de infamara, a quamia de !7040, em
que importara taes ven:iraenlos. Commuoieou-se
ao predito commandaoto.
Dilo ao mesmo. -A' Franklio Saraiva de Araujo
Galvao, mande V. S. pagar os vencimenlos, a con-
tar de 21 de agosto at 21 de setembro ltimos, do
destacamento de guardas nacionaes existente na
villa de Pesqueira, urna vez que esteja em termos
o pret )unto em duplcala, que para esse fim veio
annexo ao oIBcio do commaudante superior da co-
marca do Brejo, datado de 2 do crrante.-Com
municouse ao commandanie superior do Brejo.
Dito ao mesmoSe nao houver inconveniente,
mande V. S. adiautar professora nomeada para a
cadeira de instrucgao primaria da villa do Brejo di>
Madre de Deus, L'oncia de Luna Freir, a quanlia
de 400,5000, para ser raensalmente descontada de
seus veocimentos, como pede no incluso requer
rnento.
Dito ao mesmo.Restituindo a V. S. as duas in-
clusas tontas que na importancia de 1615 vieram
anexas ao seu oIBcio de 13 do torrente, sob n.
411, relativamente as despezas feitas com o susten-
to dos presos pobres da cadeia da cidade da Victo-
ria, durante os mezes de julho e agosto deste anno,
lenho a dizer que de c nformidade com o parecer
da contadoria dessa thesouraria, mande pagar a
Jos Amonio de Frailas para esse m indicado em
rneu ollicio de 23 de selerabro ultimo, somente a
quanlia de 162 por ter de deduzr se da conta cor-
respondente ao citado mez de julho a de 2$ que se
despeodeu demais com o preso Flix Moraes Joas
de Lima.
Dito so commandaute superior da guarda nacio-
nal do Recife.Reitere V. S. as suas ordens para
que dotis cornetas da guarda nacional sob seu com-
mando superior va j servir no 3o corpo de volunta-
rios da patria por algum lempo, como recommeo-
dei em olhVio de 20 de sei-mbro ultimo.
Dito ao mesmo.Declarndome o Exm. Sr. mi-
nistro da jusliga em aviso de 30 de setembro ulti-
mo, que emquatilo durar a guerra uo pode ler lu-
gar o abouo da graticagao mensal de 305 QUO o
capito secretario geral desse commando superior,
Firmmo Jos de Oliveira requereu : assim o com-
munico a V. S. para seu conlieciraenlo e para o fa-
zer constar ao mesmo capito.
Dito ao commandanie superior da guarda nacio-
nal ile Nazareth.Em resposla ao seu olllcio n. 223
de 3 do correle, lenho a deciarar-lhe que o guar-
da do batalho n. 20 desse municipio, Beilarmino
deSouzi Lyra.que assentou praga voluntariamente
no corpo de polica, deve ser contado no numero
dos que tem de dar o mesmo batalho para o ser-
vigo da guerra o que V. S. far constar ao respec-
tivo commandante.
Dito ao mesmo.Mande V. S. passar ao alteres
do batalho u. 18 de infamarla da guarda nacio-
nal desse municipio Salviano Bandeira de Mello, a
guia de que irata o arl. 43 do decreto n. 1,130 de
12 de margo de 1853, visio que segundo a sua in-
formago de 3 de selembro ultimo, traosferio a sua
residencia para o termo de Limoeiro.
Dito ao commandanie superior da guarda nacio-
nal do Limoeiro.Se o lenle do balalir. > u. 21
da guarda nacional desse municipio Joaqu. ii Ole-
gario Gomes da Silva liver transferid a sua resi-
dencia para a comarca de Queixaramobim da pro-
vincia do Cear, como allegou em seu requerimen-
to, mande V. S. passar Ihe a guia de que trata o
art. 43 do decreto n. 1,130 de 12 de margo de 1833.
Dito ao commandanie superi do Bonito e Ca-
nard.Faca V. S. vir quanto aut para esta capi-
tal um guarda para substituir o do batalho n. 26
Je infaotaria do municipio do Bonito Severino Jos
Goncalves, que mandei eliminar do batalho desli-
uado ao servigo da guerra por ter sido considera-
do incapaz do servigo em mspecgo de saude.
Dito ao commandanie do corpo de polica.Man-
de V. S. inspeccionar cora urgencia o soldado do
corpo sob seu commando, Amonio de Albuquerque
Pita Cavalcanli, que se ac^.a recolhido ao hospital
Pedro II, e rne remella o resultada da inspeego.
Dilo ao mesmo.D V. S. as suas ordens para
que a guarda da ribeira da (reguezia de S. Jos
seja composta de 6 pragas do corpo sob seu com-
mando, como solicitou o Dr. chefe de polica em
otUcio de 9 do crreme.
Dito ao viga i,i da reguezia de S. Lourengo da
Malta.Kemetto incluso o modelo que Vine, em of-
ficio de 12 do correte soliciiou para poder dar
cumprimenlo a circular desta presidencia de 27 de
novemorp de 1862.
Dito ao Dr. Paulo Marlins de Almeida, promotor
publico do Cabo.Transmuto a Vmc. o incluso de-
ploma de lubilitago do cargo de juiz de direilo
que recib da secretaria de estado dos negocios da
justiga, para fazer chegar a seu destino.
Diloao lliesouraro das loteras.Attendendo ao
que requereu Jos Soares de Azevedo, secretarlo
perpetuo do lastiiuto Archeologico e Geographico
Pernambucano, autoriso Vmc. a mandar entregar
ao thesoureiro do mesmo Instituto Sr. Dr. Gervasio
Rodrigues Campello, depois do praso da I-i e inde-
pender de anga o benelicio da lotera ultima-
mente extrahida em favor do mencionado Insti-
tuto.
Portara.O presidente da provincia resolve au-
lorisar o cidado Alexandre Jo- Mara de Ilollan-
da Cavalcauti, a promover o alistamento de volun-
tarios da patria, e .recommenda as autoridades po-
lica, -s e cheles da guarda nacional a quem esta
for apresentada, que o auxiliem no desempeuho
dessa commisso.
Dita.O presidente da provincia, em vista da
inforraaco do commandaute superior da guarda
nacional dos municipios de Barreiros e Agoa Prea,
datado de 12 do crreme, resolve nornear capito
da 8* companhia do batalho n. 46 do segundo da-
quelles municipios, o capito aggregado Jos Anto-
nio Seraphico de Assis Carvalho.
Dita.O presidente da provincia conformndose
com a proposta apresentada pelo tenente-coronel
commandanie do batalho o. 43 de intantaria da
guarda nacional do municipio de Serinhem, sobre
que informou o respectivo commaodante superior
em ollicio de 10 do crreme, resolve noraear olll-
ciaes do mesmo batalho os cidadaos abaixo men-
cionados :
Estado maior.
Tenente quartel-mestre, o alferes porta-bandelra
Jos Pedro Velloso da Silveira Jnior.
Alferes porta-bandeira, o guarda Jos Flix da Sil-
va Lobato.
5' Companhia.
Alete*, o guarda Antonio Bertino Pereira de Car-
valho,
Communicou-se ao respectivo commandante su-
perior.
DitaO presidente da provincia, attendendo a
que nao comparecern! os ofBciaes abalxn declara-
dos, os quaes foram por portaras de 10 de junho,
25 de agosto, 14 e 27 de setembro ultimo, designa-
dos para o servigo de guerra, resolve nos termos
do decrelo n. 3,306 de 4 de agosto deste anno, sus-
pende-os por tempo indeterminado, e determina
que sejam snbmettidos a conselho de disciplina,
como lcanos as penas do art. 100 da lei ni 602
de 19 de setembro de 1850
Capito Francisco Antonio de S Padilha.
Dito Jos Gomes de Mello.
Dilo 11 mino Baptista Maranho.
Tenente Martinho Rodrigues da Silva.
Dito Hermloo Egidio de Figueiredo.
Alferes secretario Francisco Gomes de Oliveira So-
brlnho.
Alferes Minervino Bandeira de Mello.
Dito Jos Tavares de Lyra.
Dito Jos Mauricio de Almeida Bastos.
Dito Vasco Pereira de Moraes.
Dito lago Rodrigues Lins.
Dito Conrado ferreira da Costa.
Dito Manoel RoraJo Corra de Aranjo Jnior.
PER DUBIODENAMBUCO.
i Anda temos precisSo de outras muitas con-as, desequilibrio produz o transtorno de urna socieda-
sendo urna d&Rle maior alcance a conservago de ,- ::.-.-' _-...... r.
Ante, porm, de encerrar este ultimo artigo, ra-
do inteira. As institnigoes polticas, diz B. Cons- clocinemos por um pouco : o qoe que me levara
um vapor de (erra na pbno desta ilha, como de- tant, sao verdaderos contractos; da natureza a mim ou ao Rvm. Sr. conego Tavares da Gama a
dos contractos o estabelecer limites fixos. Ora, o
Pelo Gladiator recebemos jornaes de Liverpool termina 0 afV 2^;do regulameoto que baixou com
at 21 e de Lisboa 29 do passado. As ultimas noticias da Europa dizem que segn- correle anno; sobre este regulamento que ja esta
do adlrmam cartas fidedignas de Roma, sua sauti- sendo em pafte executado. na'primeira occasiao
dade proferir no prximo consistorio urna allocu- direl a Vmcs!,*rs. Redipiores, o que pensa omeu
gao na qual haver allusocs que digam respeito a bestunlo a respailo de algumas de suas disposig5es.
o estabelecer limites fixos.
ariMtrio, sendo precisamente o opposlodoquecons
tltue um contracto, mina pela base toda a insti
tuigao poltica. O arbitrio a maior ferida que so
abra no corpo das leis ou a prova mais forte de
que ellas sao insuficientes; e quand) o governo
misso de que, por parte da Italiano! encarregado ". Acaba d sr festejada nsta presidio a San- diz ao povo : Vossas leis so'insufflcleofesex-
ocomraendador Vegezzi, applaudindoo santo pa- |llss,nfiKv,rfrm dos Remedios (orago), pad^roe^ra olama o grande publci>ta-autorisais ao povo a
dizer : Se nossas leis sao insufflcientes, queremos
outras ; e estas palavras, toda a autoridade
legitima se poe em duvida.
dre os esforcos que'Vicior Emmanuel tem empro-1 desta llha)fcejo levaniamento de bandeira era o da
gado para a recoociliago da igreja com a Italia
Dizum tambera aquellas correspondencias que
quem moveu o samo padre a esta raanifestago
ra nma carta aothographa de el-rei de que fot
portador o deputado Boggio. Este mensageiro es-
lava de volta para Florenga.
O imperador d'Austria convocou a dieta de Hun-
gra para 10 de dezembro.
El-rei Guilherme da Prussia devia ter ido re-
centemenle ao Lauemburgo com o Sr. de iJi-mark.
O acto de juramento, de ddelidade, nao se efTectua
ainda desta vez.
A polica da Russia continuava muito empe-
nhada na captura dos incendiarios desertores e re-
fractarios.
O aprislonamento do general americano Bal-
govne por parle do governo da China, faz prever
um rompimento ntreos dousgovernos.
O governo da Serva acceitou quantas propos-
Jas de indemntsago Ihe foram feitas por Fuad Pa-
cha.
Era Consiantinopla a datadas ultimas noticias
eslava a arder parle da cidade. Mas de 28 horas,
tinhara sido pasto das chammas, sem contar cora os
edificios pblicos e estabelecimentos notaveis que
tinnam sido destruidos pela conllagrago.
Diziam de S, Domingos que o geuoral Cabral,
que ltimamente tomara posse do governo resumi
n'estas palavras o seu progrJVma poltico. < Dis-
lincgoes de qualidade neohuma, seguranga in-
dividual para toda gente, liberdade, iguaidade e
fraternidade. >
Por mais actividade que a polica ingleza te
22 d* setrtH*o prximo passado, novenas queso
segukam, e fasta no l' do crrante foram festeja-
I dos com a pqpsivel pompa, sendo por todos guar-
1 dados a decencia e acalamenlo devidos ao culto di-
vino; otBcioti ern tildo o Rvd. padre capello deste
presidio, Manoel da Vera-Cruz, capi ao do corpo
' ecclesiasiico, com aquelje esmero e uneco ovan
gelhica de que dolado, dando fim a toda a (esta
na ultima noll urn bello, balo aerosttico. Muito
conebrreu rfara taes festejos o actual esenvo Jos
Antonio de Moraes, incumbindose da direcg-, ar-
mago e -mais arrranj da igreja, pelo que Ihe
prodigaliso oi'meus elogio*.
Este presidio fica tranquillo, gragas Divina
Providencia.
interessarmo nos pela nomeacao do Rvd. vigark.
i Camill'i para visitador das Alagoas t Diz o Sr. pa-
1 dre Js Antonio que o objecto da trassaceao fot a
entrada da irma do Sr. Amaral pan o reeoHti-
mento. Porm a irma do Sr. Amaral nao p-
renla minha nem do Sr. padre Gama, nunca leve
relagoes com a familia desle, sendo qoe o propno
Sr. Amaral poucas comraunicagoes tem comnosco,
e s frequentou a casa do Sr. padre Gana qnaado
leve de tratar da defeza de sua irma. u Rvm.
conego provisor se encarregoo des la defexa coica
* I as nicas protectoras da innocencia, as unieas re
No anquftcio que hoje publicamos da admi- lagoes dos homens entre si... as formas eraflm
nistrago do correio, sobre a relago das cartas sao a salva-guarda do cidado opprimido.
viudas do exercito, por engao foi declarado no t- E nos accrescenlamos : as formas sao as solem-
tulo serem seguras, quartdo nao eram. | nidades, que consagrara a sanego das leis, cuja
No dia B do crreme Jo< Thimolheo da Fon-: Torga repressiva se traduz em processos regulares,
ceca, que se aehava oceulto uo mallo para nao ser A responsabilidade dos agentes do poder, que
preso como gaarda nacional designado para o con-1 abusara, que escarnecem a dignidade do cidado,
tiogeme de guerra, do termo de Barreiros, ferio que Ihe invadem o domicilio sem as formalidades
mortalmente com duas facadas Francisca Maria requeridas pelas leis, deve ser um dos primeiros
do Espirito Samo, 9ua araazia, quando esta Ihe le- cuidados dos magistrados superiores. O acto da
Quando o governo tolera o emprego do arbitrio, osimplesmente por amor da>ustiga : e a mesma
contina B. Constan!, sacrifica o fim de sua exis- jusliga que elle sempre profesin, a sua ron-unte
tencia aos raeios que adopta para conserva-la. recudi de principios, jamis Ihe permiitiriaoi pra-
>. Porquo exiRimos que a autoridade reprima os licar um acto que fosse de encontr a soa coasciea-
que aiacam as nossas propriedades, a nossa liber- cia, ainda mesmo quando se tratas-e de salvar nma
dade, ou a nossa vida 1 E' para que esses gozos pessoa da sua propria faastlia, quanto mais sendo
nos sejam garantidos. Mas se sao ameacados, par- apenas para fazer vollar ama recolhida para o sea
turbados e feridos pelo arbitrio da autoridade, qoe recolhimento.
proveito tiramos de sua protecgo ? Demais, parece-me qne occorre a qualquer pes-
* O grande preservativo do arbitrio a obser- soa que se tivesse havido com effelto essa transac-
vancia das formas; as formas sao as divindades tu- gao, eu havia de segurarme primeramente havia
ares das associagoes humanas; as formas sao de previnir-me, e lomar lodas ^s precao^es pan
vou a comidas Foi preso est sendo processado.
Anto-lioajem, as 9 1|2 horas da noile, na ira-
nao ser logrado nem Iludido. Entretanto o qoe
foi que aconteceu ? Foi nomeado o Sr. vigario Ca-
ntillo visitador das Alagoas, sem qoe a irmt do
Sr. Amaral enlrasse jamis para o reroihiniento.
A ser verdadeira a Iransacgo, devia Sr. ^Jra
Josi' \ntonio accrescentar no sen depoirri-nr^ que
eu .-ou o homem mais nescio ou mais simpiorio do
mundo, pois me deixei lograr mist-ravelnwnn*
Alera disso o Rvd. vigario Canillo stof.i no-
meado simplesmente visitador da i Alagoas : o Sr.
padre Gamillo foi nomeado visitador e vigario ge-
gravo das leis offendidas n'um membro da com
vessa da G jiabeira, da freguezia de S. Jos desta munho socal.
cidad-, foi Dionisio de ial, praga da companhia de o tantas vezes citado B. Coostanl diz ainda : a Os
arlilices, assassinado em seguida a urna allercago, amigos crlam que os lugares manchados pelo cri-
responsabilidade j o primeiro passo em desag- ral daquella provincia, a qual ficoi como qn* des-
que leve com Jos Manoel do Nascimento, em casa
de Seraphim (Jomes do Nascimento, onde se acha
vam, dando causa a Isto urna vela dn carnauba.
do
ana desenvolvido pou;o lera apurado em relacio v Fora,n ',resWi- conw indiciados, Jo< Manoel de
aos conspirados [emane. Parece porm estar ave- ^ascmieoto, Alexandnn4 .Mana da Conceigeo e Se
riguado tundo sido a conjuracao actual concebida e
organisada na America, foram os marinheiros, ern
virtude das relagdes commerciaes entre os dous
paizes os que serviam do intermediarias entre a
America e a Irlanda levando de urna para outra
parte dioheiro e cartas.
Era Portugal continuava a exposigo interna-
cional na cidade do Porlo. A coucorrencia de es-
trangeiros nao corresponder, por ora a decima
pafte do que all se esperava. El-rei e a raiuha
partiran) para o estrangeiro no principio de oulu-
bro.
Esperavara-se do novo gabinete medidas impor-
tantes, taes como a extinego da alfandega munici-
pal (vetra), oulra reforma das alfandegas e urna re-
forma das pautas.
A noticia de um empreslimo de 33 mil contos de
res, que o novo ministro da fazenda tratara de
conlrahir, nao Tora desmentida pela folha oulctal
portugueza, nem pelos peridicos ministenaes.
Duia-se era Madrid que a rainha tenciona
confiar ao duquo de Teluan a formago de um mi-
nisterio antes de consentir na dissolugo das cor
tes.
A Correspondencia de Espaa desmenta 3 boa-
to. O governo hespanhol continuava a ser argido
severamente pela imprensa.
Noticias de Nova York dizem que se e>tavara
preparando as tropas federaes para abandonar Mis
me deviam solTrer uraa expago, e eu taoibem
inembrada do bispado, e nteirameote fra da ja-
risdiego do vigario geral da diocese, e sojeita lio
= mente ao Rvd. vigario Gamillo, que foi reve-nd >
uo poderes extraordinarios, de poderes id umter-
sitatrm cnusarum. aulorisado para julgar era prl-
desia violago das formas, digo comigo : t aquello
povo pode desojar ser lvre ; pode ser digno de o
ser; mas ainda desconhece os primeiros elementos
da liberdade.
Nao sera isto a vera imagem do que se est pra-
licando em todo este vasto imperio?
A lei de 13 do germinal foi to providente em
materia de priso arbitraria, e varejos em casas de
7 de setembro, ja em parte comido pelos si-j cidado, sem ser em flagrancia de delicio, que no
; art. 169 estatu o seguinte :Fra dos casos de
raphim Gomes do ftascwenio.
Assistiram is pesquisas feitas no local do crime,
os Srs. Drs. chele de polica e delegado e subdele-
gado da freguezia.
Estando, ua noile de 16 do corrente, dormln-
do sobre o paredo do caes do Capibaribe, um j
guarda nocional do 2* balalhio de infamara, cahio
ao no ao acordar, com tanta infelicidade que s i
pode ser euconlrado ao anoilecer de 17 jumo
ponte "
ris.
Depois dos competentes exames, foi homem se-1 flagrante delicio determinados pelas leis, a polica
paitado. | nao poder prender nenhuin individuo, se nao em
Na noits de 17, FrJix Francisco do Nasci-1 virtude, ou de um mandado de prisao, segando as
memo, praga do corpo de polica, espancou a Eran-' formas prescriptas, ou de condemnacio julgada
cisco Xavier Gameiros, na freguezia do Recife, i ele...
sendo preo m ordera doSr. Dr. chefe de polica.! As nossas leis nao sao menos restrictas nesle
Numerago dos bilnetes da lotera 36." olfe- ponto : mas que imporla, se nao sao executadas, e
racidos pelo Sr. th-soqreiro Antonio Jos Ro ames escandalosamente nfrigidas ahi pelos delega-
drlgues de Souza, para auxilio das despezas da dos e subdelegados, que profanam a toda a hora
8uerra- da noile e do dia o asvlo do cidado, preodendo-o,
Bilhetes ns. 1103, 226, 3299. incarcerando-o, sem que se lhes fagara eflectivas
Me"/s ns. 646, 1247, 1323, 2193, 2409, 2680, \ as penas da responsabilidade legal, da qual zom-
3338,3883. bam impudentemente, porque ha quem lhes diga :
Quintos ns. 180, 269,306,736, 1073, 1621, 1923,1 Podis commeiler as maiores iniquidades no
creio que o solo ferido por um acto arbitrario tem meira instancia as causas crimes, as causas de di-
necessidade, para ser purificado, da exeraplar pu- vorcio, ele, sem que delle se poderse appellar aea
nigo do culpado ; e todas as vezes que no seio de para o vigario geral do bispado, nem para o Exm.
um povo eu vejo um cidado arbitrariamente pre-. bispo ; sendo apenas concedido appellar-se delle
so, incarcerado, e nao vejo logo o promplo castigo [ para a relago metropolitana I Nanea, nanea hou-
ve nesta diocese visitador algum, nem algum vi-
gario geral forneo que gozasse de to extensas
prerogalivas : pr- rogativas to extraordinarias, to
fra do commum que os Alagoanos,espantados eom
13o elevado poder, cbamavaro ao Rvd. vigario Ga-
millo o Sr. padre bispo. Acerasen mais qoe o ter-
ritorio sujeito jurisdicgo do I.vm. vigario Ca-
ntillo se ia ampliando de dia para lia; pois mundo
fallecen o Exm. bispo D. Joao ):.' o Rvd. Gamillo
havia passado a esta provincia, e exercia aa fre-
guezia de Papacara as fnnrgoes de visitador e vi-
gario gira como as Alagoas.
Ora, todas estas preregal'vas e regalas, todo esse
acerescimo de territorio sojeito ao Rvm. vigario Ga-
millo, ludo isso, digo, seria acaso promovido por
mim ou pelo Rvm. Sr. conego Tavares da Gama, o
qual pelo con>nrfo sempre se oppos a essa ampti-
do de poderes, concedidos em detrimento da viga-
raria geral do bispado e da nnidade da disciplina
da igreja ? Ter se-hia acaso effet loado toda essa
aiierago no rgimen da diocese nicamente para
que a irma do Sr. Amaral enlrasse para o recolhi-
mento, para onde nunca mais enirou?
Tudo isto e muilo mais linha eu qoe examinare
sissipi. Em breve seriara licenciadas as (oreas fe-
deraes de negros que esto de guarnigo na Virgi- ''?.:i0"reiro *M
na, Florida, Luiziania, Arkauzas e em Texas. rer' ,?*) ,.
Hoje taz leilao o agente
2032, 2369,1570, 2S8I, 3070, 3437, 3709,3993. exercicio do vosso emprego, ou fra dalle; podis: discutir extensamente ; mas quer-se qoe en pasma
Os bilbetes das loteras 11." a 33.' produzram bastn ir, esbofelear, encarceraros cidadaos, frau
1:3933000. da los nos seus direitos, e traa los como os pro-
Sahi a sorte de 0 cpntos em um dos quintos' cnsules de mais omin isa recordago (ralavam os
ts bilhetes offeridos paral as despezas da guerra, escravos das provincias conquistadas. Podis l-
as loteras, da que acaba de cor-
PERNAMRUC.
RBViSTi DIABU.
Segundo o trabalbo de calculo astronmico do
Sr. capilo-teuente, Joo Soares Pinto, lemos hoje
um eclipse do sol, cuja raagnitude de 4,3 digilos.
Este eclip.-e, invisivel as latitudes auslraes
maiores de 21 gras. parcial n'esla provincia, e
anuullar ao sul dos Eslados-L'uidos.
O seu principio s 2 horas, 22 minutos e 18
segundo?.
O raei as 3 horas, 36 mioutos e 36 segundos.
0 lira s 4 horas, 48 minutos e 43 seguodos.
Tempo rae lio em nosso observatorio
Primeira impresso a 123 graos e 47 minutos do
ponto mais alto do sol para o oeste.
Estreara hoje no Sania Isabel o Sr. Pedro
Joaquira e sua mulher D. Adelaide Amaral, que no
papel de Margarida Gaulhier vai dar a copia mais
bnlhanle do seu talento, sustentando alm disto a
forga da bella composigo de Dumas Filbo.
Estamos cortos de qm o publico desta cidade
apreeiara os dous estreantes na altura do seu me-
racmenlo, reconliecido e sagrado pela opinio do
publico fluminense cora applausos constantes.
Be Fernando de Noronha escrevemnos era I n,r*m c11516111
data de 13 do corrente o seguinte :
< A graud.j dilliculdi.de de lodos os commaudan-
les desle presidio era o derramamento de casas e
choupanas pelo interior da ilha, por ser custoso ou
quasi unpossivel aomlnt-las a polica; mas o ac-
lual commandante eslreou a sua carreira lazendo
logo desaparecer urna semelhante difficuldade, e i
com e tino administraiivo, e forga de volitado de
que dispe, em muito pouco lempo fez transplantar
para a povoago do presidio (que d'ora avante cha-
marei villa) quantas casas por fra haviam, era
numero de duzentas ou mais, formando por esta
forma as novas e bellas ras doSol e daAu-
rora, fleando os terrenos que taes casas oceupa- !
vam destinados plantago do estado, resultando
de to acertadas medidas vantagens incalculaveis,
como sejam : melhoraraento da polica interna do
presidio, mbellezamento da villa com o augmento
de novas ras o casas, podeodo assim seus habitan-
tes ser melhormente protegidos, e soccorridos cor-
poral e espiritualmente em casos de pfeciso; e
finalmente o cresciraento dos terrrenos para plan-
lagoes da nago em maior escalla, como succedeu
este anno, que a mandioca, o rallho, o fejo mula-
tinho e ntacassa, e o algodo, (orara plantados em
tanta abundancia, que, a nao ter sido to raesqoi-
nho, ou quasi oenhum, o invern este anno, a co-
Iheita seria fabu'osa, o que bera prova ter-se colhi
do assim mesmo mais de dous mi
milho.
Estabeleceu mais o Sr. Luiz
Cordeiro Siaioes de
escravos, cabriole!, carrocias, cavallos, movis, pra-
la e urna porgo de catangas para menino brincar,
1 em seuarraazera a ra da Cruz n. 57, as 11 horas
I em pomo.
REPAIITIQAO DA rOLICIA.
Extracto da parle do dia 18 de outubro de 1865.
Foran recolhidos a casa de deteogao no dia 17
do corrente.
A' ordem do Illm. Sr Dr. chefe de polica. Vi-
rissimo Monoel e Albino Jos Garcia ou Gomes,
viodO do presidio de Fernando, por terem linalisa-
do as suas sentengas.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Viceule
Desir, como suspeito de ser desertor da armada.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Um
; belina Paulina da Silveira e Marcelino Candido,
a primeira por desordem e o ultimo para recrula.
a' ordem do de S. Jos, Luiz Ignacio de Frailas
e Antonio Manoel Villa Nova, por serem deserto-
res ; Benedicta Maria dos Prazeres, Constantino
Libralo, por disturbios: Silvano Marques, e Jos
(menor) per furto; Serafira Gomes do Nascimento,
Alejandrina Maria da Cooceigo e Jos Manoel do
Nascimento, como indiciados em crime de morte.
O chefe da 2" sessao,
J. G. de Me'qmta.
Casa db detbnqao.Movimentodo da 16 de ou-
tubro de 1863. Exstiam 334, entraa 10, sa-
338; a saber
iquis
do, porque, quando vos quizerera por vossas mal-
feitonas, aecusar e perseguir nos tribunaes, seris
conservador, no vosso emprego, teja qual for a vos-
sa sentenra 1 i
Parece urna tiego, mas urna realidade I Quan-
do Verres ua Sicilia mandava punir cora feixes de
varas, pela rao robusta do liclor, ura romano iner-
me, em cujas carnes verberadas verta sangue a
magesiadeda repblica, ofTeudida no mais humil-
de dos cidadaos, a victima bradava sempre, como
que protestando contra a illegalidade da punigo :
civis romanus sum sou cidado romano.
E Verres, apesar do oiro que esparzia cora rno
larga, e apesar da immoralidade do poder em Ro-
ma, nao pode forrar-se acgo dos tribunaes I
Qui potest capere, cupial.
0 cordato.
A dVdararo do Sr. padre Jo.-i' Antonio dos
Santos Lessa.
IX
(COMC/MSO.)
Forgoso rae terminar por uraa vez a resposla
que dou ao depoimento do Sr. padre Jos Antonio:
portanlo, resuraindo a quanto me possivel, limi-
tar-pie-hei a dizer que o Sr. conego Tavares da
Gama, nao conseguio a entrada da Sra. D. Auna
ClaUdina para o recolhimento, e perdeu muito da
forga moral de que gozava junio ao Exm. prelado;
. sendo este o resultado que se pretenden obter de
Nacionaes 230, i0 pornada lula. O Rvm. conego provisor quiz
mulheres 3, eslrangeros 33, muIheresS, escravos retirarse por urna vez da Solelad, porm os seus
63, escravas 4 ; total 358. amigos Ihe disseram que nao zesse tal, que a sua
Alimentados cusa dos cofres pblicos 189. | presenga no palacio anda era urna garanlia para
Movimento da enfermara do dia 16 de outubro : t,om rgimen da diocese : ponderaram-lhe alm
de 1863. I disso que um rompimento entre S. S. e o Exm. Sr.
Passageiro do vapor inglez Gladiator, entrado
de Liverpool por Lisboa
John H". Boxwell.
^
IJ9MMNICADQS.
Estamos em perfeita anarchia moral. J np ha
respeito pelos principios, e, o que mais escanda-
loso anda, j nao ha nem vestigios de apparenle
deferencia pela raoralidade. Governar chegou a ser
dominar, abusar, e aproveitar todas as influencias
legaes e illegaes era beneficio da parcialidade ou
da faegao, que urna vez pode conquistar o poder, e
mante-lo a todo o transe contra a sentenga da opi-
nio, contra o dctame claro das leis.accumulando
os favores sobre os amigos, e exerceodo as mais
covardes persiguigoes ontra aquelles que ainda
podem representar a legalidade, e a moral.
Apesar de que ainda temos as exterioridades do
systeraa representativo ; apesar de que a impren-
sa ainda pode soltar suas protestages
bispo, depois de o ter ajudado as suas funegoes
| por mais de triula annos, e no estado em que S.
[Kxc. enlo se aehava, causara um grande abalo no
Exm. prelado, e talvez Ihe occasionasse a morte.
O Sr. conego Tavares da Gama cedeu a to ju-
diciosas ponderaces ; cominuou nos seus empre-
gos junto ao Exm. diocesano, porm limitou-se
d'alli em diaute ao mero expediente, ea responder
s consultas que o Exm. Sr. bispo Ihe fazia, o qual
obrava sempre como entenda.
Passados lempos me procuran o Sr. vigario Ga-
millo, com quem sempre enlrelive relages, e me
apresenlou pela primeira vez uns documentos ten-
deules a certas imputagdes que Ihe eram feitas, pe-
dindo-me que os lsse com atiengo, e os mosirasse
ao Rvm. Sr. conego provisor. Li os, e os mostrel
ao Sr. padre Gama, que pouca attengo lhes pres-
tou. Pedio-rae mais o Rvm. vigario Gamillo que
por obsequio mostrasse aquelles documentos ao
Exm. Sr. bispo. Nenhuma duvila tive em fazer o
que elle me pedia, e apresentei a S. Exc. os ditos
papis, dizendo-lhe que o mesmo Rvd. vigario Ga-
millo me pedir que Ih'os apresenlasse. S. Exc.
polos de lado para depois os examinar.
Ao.ui lermraou toda a minha intervencao a res-
peito desses papis : pedio-me o Sr. vigario Ga
sus protestages enrgicas
alqueires de ; contra os actos illegalisslmos, com que se est pros-
titu ndo o poder, conservando se, e chamando-se
Jos Monteiro para sua gesto homens, perdidos, ercados de lo- .
pontos em redor da ilha (alm dos que ja haviam), das as celebridades do clrime ; apesar emlim de lo- i millo que os apresenlasse; isto fiz, sem que tivesse
que tornou inteiramente impossivel a fuga dos sen- do esse apparato de formulas com que tenciados ; e o caso que, ha mais de anoo e meio > sam os actos mais arbitrarios, o systema constitu-1 um favor que a meu ver era muito pequeo. O
que governa, anda urna s fuga se nao deu. Fez' conal est sendo quolidianamente degradado, e Sr. padre Jos Antonio, porm, tira d'aqni argu-
raais: entendeu que devia reformar quasi todo o
systema econmico do presidio, e assim o fez, com
o que muita gente se cossou e remecheu mas o O primeiro carcter Jo systen representativo
horaem, que uo de recuar, foi sempre sen carai- j a severa liscalisago dos dioheiros pblicos ; a
nho, chegando hoje a um resultado de estarem : obediencia dos governos as leis financeiras ; a
quasi todos satisfeitos, segundo lenho visto e ouvi- escrupulosa submissao dos ministros s formulas
vido. constitucionaes ; a sua delicada susceptibilidade
i Muitas outras obras de grande importancia quando despendem os dinheiros: a seriarespon-
tem elle feito, como sejam edificios, estradas, etc. i sabilidale que lhes incumbe, quando distraem dos
< Acha-se boje salisfeita urna das maiores ue- I cofres do estado sommas, cujo destino s lera por
polluido por aquelles que esto douraodo a verda- ment para altlrmar que houvi transaccao : e no
de do absolutismo com a hypocrisia da liberdade.; empenhoem que esta' de fazer-me autor da nomea
cessldades desle presidio, que a residencia de
dous mdicos no lugar I Deus queira que tal medi-
da seja permanente para consolo dos miseros habi-
tantes deste raalfadado presidio, taote mais quanto
estes Srs. Drs. Francisco Gongalves de Moraes e
Joo Honorio Bezerra .je M-nezes sio pem repula-
dos,
justiicago o arbitrio ministerial, o nepotismo de
seus clientes, e a munificencia criminas, das fac-
goes.
Nao s isto. O systema coostitoeioaal a fa-
so da realeza com o pavo a elaboragao activa
e effecliva destes dous grandes elementos, em cu
' ''.
ja sabia ponderaco fesjde a ordem social, e cojo exposta invaso do exercito.
gao do Rvd. vigario Gamillo, da' a essa a presenta-
gao de documentos urna importancia sobremodo
espantosa. Sim : pergunlando-se-lhe era juico que
raeios haviam os empregado para fazer nornear. o
Rvd. vigario Gamillo visitador das Alagoas, res-
pondeu o Sr. padre Jos Antonio que apre-
sentando ao Exm. Sr. bispo os documentos que
iusiilicavam o dito vigario. (Vejase no Diario de
7 do corrente a resposla 10* pergunta.) Pelo
que vejo, esses papis apresentados por mim live-
rara a virtude das trombelas de que falla a escri-
tura sagrada, as quaes sendo tocadas pelos sacer-
dotes de Israel, lixeram cahir por ierra as ioexpug
naveis muralhas de Jerich, e deixaram a cidade
termo a esta questo. Pois bem, en a termino hoje
mesmo, citando em resumo de lado quanto ainda
tinha para dizer, a judir.iosa raftVxo de um autor
contemporneo muito ronhecido : t Se qweret sa-
ber quem o criminoso, diz esse sabio eseriptor,
indaga a quem o crime aprovalen. Estou longe
de dizer que a nomeago do Rvm. vigario Gamillo
para visitador das Alagoas foi um Time; mas pan
tirar toda e qualquer suspeita de '.ransaceo a meo
respeito, aprsenlo as seguales cartas, para cada
urna das quaes chamo a allenga dos benvolos
leitores. Podia publicar muitas outras no mesmo
sentido ; mas para certificar o poblico de jne o
mesmo publico ja' sabe, basiam as que hoje po-
blico, que sao de pessoas bera embeodas da cida-
de do Recife.
Ahi vo as carias por mira dirigidas, e as respos-
tas que me deram :
Illm. Sr. Bernardino Jos Monteiro.FUxr>
a V. S. que se sirva declarar-me se sabe cora cer-
teza que o Sr. padre Jos Antonio dos Santos Les-
sa, em vida do Exm. Sr. bispo, recebera do Hvra.
vigario Gamillo de Mendonga Finado avalladas
quantias de dinheiro.
Rogo-lhe mais qoe declare se tundo por morte
do Exm. prelado o llvd. pa Ira J -> Antonio pedio
a V. S. que Ihe abonasse a .|-i-mu de liUUOiOO")
para entrar cera elle- pan u cofre da mura, visto
como todo o dioheiro qu > hasta eslava por elle pos-
to em gyro, repugnando V. S. abonar essa qnaatia,
o mesmo Rvd. Lessa Ihe assegurou qne nao reeeas-
s, que o seu dinheiro eslava segtro, e a soa firma
garantida, visto que ja tinha mandado chamar a
toda a pressa o vigario Gamillo (que enta se aeha-
va tambera de visitador em Paparan), e qoe e-te,
logo que chegasse, loe havia de entregar a el e pa-
dre Jos Antonio a quanlia de 10:00o com qo-
solvera quasi lodo o debito.
Queira V. S. declararme se tudo isto assim se
passou, bem como se com a chegada do Rvd. viga-
rio Gamillo se realison a entrega desle dinheiro, oa
se pelo contrario se verilicoa o qoe V S. mu jui-
ciosamente havia pensado e predlcio mesmo ao
Rvd. Lessa; isto que os lempos naviam mudado,
e que o Rvm. vigario Camillo nio dara agora a
elle padre Lessa essa quanlia por quanto delle
mais nada espera va. Da sua respe su me per uti-
r fazer o uso que me convier.
Sou com toda a consideragao, De V. S. amigo
ajfectuoso e altalo criado.Coo reira dos Santos.
Recife, 24 de agosto de 1865.
Illm. e Rvm. Sr.-Em resposla ac que V. S.e mim
exige na presente carta, respondo : Que quanto ao
primeiro quesitp, s sei por ouvir dizer qo-* o Rvd.
padre Jos Antonio dos Sanios u-n tinha trassae-
goes com o Rvd. vigario Gamillo Parlado de Men-
donga. Quanto ao segundo quesilo respoado qoe
depois da morte do Exm. Sr. D. Joao disso me o
Rvd. padre Lessa que para ajostarsoaseootas eom
o governo do bispado precisa va o> 1t:099||t>00, pa-
ra cojo fim pedia-me que Ihe garaatisse Mras pa-
ra tirar dita quanlia de um dos bancos; ao oe lo-
go nao aonui por que j estn raspoosavel por
10:OOO, qoe em daas letras Ihe tinha garant*) :
respondeu-me que Ihe valesse em tal apare ama
eslava, pois eu tica va garantido nao s eom os pre-
dios que possnia, como com a qnanlia de Ifrflltp
que linha sua disposlgo em mao do Rvd. vigario
Camillo ; e tambem por que se prestava a Irmar
ditas letras como acetame o Sr. Aaiomo Ramos ;
ao que Ihe respond que o lempo ara moito dife-
rente daquelle era que ra vivo o Exm. Sr. .
Joao; ao que me responden o Sr. padre Lessa, qoe
fieasse eu descansado, que nao havia dovida algu-
ma, qoe as letras eram pagas ao d de seos ven-
cimenlos : vista do que roe exuox, e atlesmcad
sua conslernagao e desmoralisaco em qoe ftnva,
garanti-lhe duas lettras de 6:0004 cada ama;
por cujos favores to mo pago ote lem dado; pas-
sado das me ooastoa que liona r gressado ia sao
commisso o Rvd. vigario CamiHo; dingi-ma a pa-
lacio da Soledade (onde depois d i marte do lia,
bispo o Sr. padre Jos Antonio anda mena loa a
mex seguinte) a saber do negocio dos dea aaaaaa oo
riis, respondeu-me o Rvd. padn Lesea, ejsw o pa-
dre era um Jadeo; ao qoe ea me dase aja se ti-
nha verificado o oue Ihe liona pro

-~r


:a :
:s
RlartB de f,eTaaafco Qnlota feira IB de
exposigao cora verdade iiio ple-*er ceuusuda, Afuonuncia 4a Sr.-li*beHe-: respetto essas razdes:
por isso pode V. S. awr della o uso que melbef roas o que Tio posso deixai de torear bem pateo-1
ihe anvier. *e que Rogerio Mergutto, sem embargo da mui-
Sou com (oda a esrima o consideragoDe v. S. ia estima e coaFideracao em que o troha Sr. ftrt-
amigo swHo altento enerador obrigado criado- bello, tal foi a tvidencta das pretas, ene foi por el-
Bernardino Jos Monteiro. ,e pronunciado, julgando assim procedentes as ae-
ll'm. Sr. Amonio Ramos.Rogo a V. S. que se cosacSes dos adversarios polticos, sendo alias oSr.
sirva declarar-me se sabe com certea que o padre Hisbelio ailiado poltico de.Rogerio Mergulbol E
Jos Antonio dos Santos Lessa, em vida do Eiej-i vera aqu a proposito lenbrar, que o processoins-
bispo D. Joo recebera do Rvd. vjgario CaaniUo de taurado contra Rogerio Mergulhao foi, se me nao
Mendonga Furlado avultadas quaotlas de dinbeirn engao, em viriude de ordens positivas do governo
a titulo de empreslimo ou por qualqoer outro mo- geral pelas falsillcagdes, que visivelmente consla-
tivo. vanJ das acta da eloicaol
Rogo-lhe mais que declare se quando por morte Ora, pergunto en ao Dr. Brito : o Sr. Hisbelio
do Exm. bispo o mesmo padre Jos Antonio pedio pronunciando a Rogerio Mergulhao se mostrara
a V- S. que acceitasse jontiroente com elle doasle- menos independenie do que c Sr. Barros Lacerda ?
tras na quantia de il:W0#, visto como o Sr. Ber- Aposto que o Dr. Brito nao contesta a independen-1
nardiuo Jos Monteiro assim exigia para sua garan- cia do dito Sr. Hiabello, que a menina dos olhus \
tia, repungnando V. S. prestar a sua assignalura, o da familia progressista, e creio qne tambera um
padre Jos Antonio ine assegurou que nao receias- dos informantes ero favor de Rogerio, e Joaquim
se, pois que logo que ehegasse o vicario Camillo Tavares I Aposto nao menos que o Dr. Brito nao
havia elle (padre Jos Antonio) de termuito dinhei- disconcordar comigo em que, muito arriscado
10, e bavia de satisfazer essa divida. pr-se a polica de um termo as maos de um ho-
Queira V. S. poi amor a verdade declarar me se mem, que j urna ver foi pronunciado por um juiz
ludo isto assim se passou, e permitame fazer da amigo, como falsificador de papis pblicos, e que!
sua resposta o uso que me convier. por esse facto incorrendo as suspeig5es do povo,
De V. S. amigo e aliento criado.Joaquim Fer- jamis sahir da cabeca deste a idea de que qem
eir dos Sanios. falsifica urna acta elenoral, ou outro qualquer do-
Recife, 'Jo de agosto de 1865. cumenlo, capaz de falsificar autos, pelo principio
Illm. e Rvm. SrSalisfazendo ao pedido de V. de que : cesteiro que faz um cesto, faz um cento\
S., passo a responder ao que de mim exige: sei Ainda mais: ser de fina educacao e de nobres
por me haver dito o Sr. padre Jos Antonio qoe al- instinctos um individuo, que, em qualidade de sub-1
gumas vezes recebera dinheiro do Sr. vigaiioCa- delegado daquelle termo, epancou publicamente,!
millo, sob que Ulules ignoro: em qnanto ao segn- dentro da villa, do dia 28 de setembrodo anno pas-
do qoesito, verdade que quando recusei a minha sado, a Estevo Jo> de Souza, que conservou pre-
assigoaiura as duas lettras, disse-me o dito Sr. so por 28 dias, e estara por mais lempo, se nao
padre Jos Antonio que eu nao tivesse receio, pois fosse solt por Habeas corpusl
que elle esperava muito dinheiro tanto do Sr. viga- Sera' de fina educacao um individuo, que metteu
rio Camillo, como de outras pessoas, o que eu nao tambem na cadeia, por oito dias, a Seineo Jos
tirana compromettido. Ferreira, s por que este censurou a barbaridade
Pode V. S. usar como lhe convier desta minha com que era espantado o referido Estevo ?
declararan. j Sera' de fina educacao um individuo que, em
De V. S. muito atiendo venerador e criado.An- menos de dous annos, prendeu e metteu na cadeia
Ionio Hamos. \ caito e quarenta e lautas pessoas, por mero recrelo
Recife, 2 de setembro de 1865. i e espirito de perseguigo, conservando alias impu-
Sr. Antonio Manoel de Sonta. Coslumandoj nes a Joaquim de tal oaixa, a um irmo de Jar-
Vmc. em vida do Exm. Sr. bispo D. Joo, e mesmo dim, e a diversos ouiros, cujos corpos de delicio se
depois da morte deste estar em contacto immediato
com o Rvd. padre Jos Antonio dos Sanios Lessa,
rogo-lhe que por amor verdade declare se sabia
que o mesmo padre Jos Antonio recebia do Rvm.
vigario Camillo quanllss avuludas: se elle padre
Jos Antonio lhe fallava por vezes a Vine, nessas
quantias;ese oro algumas occasioes se queixava
de que o Rvm. vigario Camillo lhe nao dava quan-
to elle pedia, eutregando-lhe pelo contrario as
quanlias aos poucos e por vezes. E da resposta me
permittir fazer o uso que eu entender.
Seu aliento venerador e obrigado. Joaquim
Ferreira dos Sanios^
Recife, 24 de agosto de 1865.
Illm. Sr.Em resposta carta de V. S. lenho a
dizer-lhe que o Sr. padre Jos Antonio por vezes
me fallava em dinheiros que recebia do hr. vigario
Camilo ; e afumas vezes se queixava de que elle
|lie andava trazendo o dinheiro em parcellas, e nao
iodo de urea vez.
Ue V. S. muito atiento v
jnio Stonoel de Souza.
R*cife, 2ti de agosto de 186o.
ti-i;:s canas, rujas firmas, nao obstante serem
d- pessoas muito contiendas na cidade do Recife,
estilo todava reconhecidas pelo tabellio e sella-
das, (team depositadas Beata typographia para po-
derem ser lidas e examinadas por quem quizer.
Motivo1 imperiosos e independemos da mmlia
vouiade me obrigam a terminar isla questo;
pelo que. me recoiho por agora ao silencio, persua-
dido de que. pelos rticos que publiquei e pelas
provas qoe uelles addusi, lira bem clara e patento
acham em ;eu poder?
Sera' de fina educaeo um Individuo, que tolera
a seu irmo Zuca, que por ciumes de urna mulher
casada, que tirou do poder de seu marido, como
publico e notorio naqueile termo,e com a qual vive
teda e manteada, quiz assassinar ao alteres Manoel
Rodrigues Franca, as 11 horas da noite, na ra da
Cacimba, em fevereiro deste anno. como se lhe
queixou o dito Franca, sera que uenhuraa provi-
dencia dsse ?
Sera' de fina educacao nm individuo, que con-
sent a Manuel Antonio Bezerra, conhecido por Ma-
noel marinheiro, andar armado de chicote insultan-
do pelas ras, e at espancando, como f lo na fal-
lecida Barbara ?
Ser de fina educacao um individuo, que forln
a Joao da Costa Pinh'eiru a passar urna lettra a
Francisco Clemente, da quantia de quinhentos mil
ris, sob pena de mell lo na cadeia, como ja o dis-
se por este Diario o Sr. lente-coronel Francisco
enerador obrigado.An- Berenguer.cuja honrada (alavra nao foi eonlestada
at hoje ?
HUMA VIDA SALVA!
Nao temos oonhecmeiito algum d nenhum
caso que tto perfeiUmrnto mostr Cuma me*
neira a mala clara e persuasiva o poder da
Seitnda Medica sobre a molestia; qual seja o
de Antonio Joaquim Pkrxiba, da Babia.
Este liouiem infeliz bavia mais d'nm anno qxie
soflria as dores as mais atrozes pnngentce
proveniente de
Treze
Terriveis ('hagas Abertas
espalhadas por sobre dilFerentes partes de sea
corpo, sendo urna das quaes sobre o peito do p
urna funda e maligna chaga, a qual o privara
de andar, cauzandb-lbe as dores as mais agon>
santes quer de dia qner de non te ; continuada-
mente atormentado por taes affliccoes e dore,
e quasi que aborrecido da continua$ao de sim-
ilbante vida, tendo posto de parte toda a f
confianca emmedecinas, e na realidade parec
qu para elle nao lbe retitava mais esperanca
alguma; asshn pois resignado esperava con-
paciencia o termo final de seos mutiplicadoa
soffrimentos, eis que milagrosamente por for-
tuna sua lhe receitarao o grande puriflcador
do pangue
A Salsaparrilha
DE BRISTOL
e mediante a sua grande eficacia e excellencia
elle se achou dentro de pouco tempo, livre de
seu irremediavel estado de desespero, e a doce
e risonha esperanca tornou de novo reviver
em seu coracao; sob a podrroza e benvola in-
fluencia deste admiravel medicamento, as suas
chagas em breve principiarao assumir um ca-
rcter favoravel diminu mo o aspecto de sua
malignidade A massa do sangue e mais
humores do svstema tornou adquirir urna
apparencia clara e saudavel, as dores ator-
mentadoras d'outro ora o deixarao, e urna doce
e suave tranquillidade principiou precorrer
todo o seu systema, restaurando-lhe a desejada
paz e socego d'espirito; as chagas urna urna
se forao fecbando at que finalmente se cica-
trizarao d'um todo, e hoje acha-se perfeita-
mente sao, gosando d'nm perfeito estado de
?=
ifn1>ro de 1S.
awvegeta!, como spg, fwinia do Mara-
nhlo, po torrado, bolacba, etc.
Anda nao vi expositor de medicina que
aconselbasse que nos pfimeiros tres/lias d Jos^^n'toai'rde*AraujJ.'
Rarca ingleza Gertrudita, entrada de Liverpool, < ruas d. pinr^niin imB.,,i -wj.
eonsigaada a Pa(on Nash & C, manifest .ae- &\%$^^*!&l
Scorreatee, 1448 tipio, 50 pecas de cabo; a P"-'"100'0 oiHeip.1. eo(
accomneettimeotos dolmal, nao se usasse de
medicamentos; o queellesrepellem sao os
ungentos, |unturas que onstruem mais e
repeliera do queprociovem a evacuapao da
parte ; o que convm trazer o lugar ata-
cado e bem agasalhad) para ajudar a trans-
pirarlo e defender doi ar.
O verdadeiro xarope de relame vende-se
na botica d* ra Direia n. 88, de Jos da
Rocha Prannos.
Tenho recebido caitas de algumas pes-
soas de ou ras provincias que me commu-;
nicam ter tiesta cidad sido remettido o meu
xarope falsificado, que tem dado resultado
ao descrdito de minia preparacao, cujo co-'
nbecimento se tem vdrificado depois dos ef- recebedria" de" renas'TnteInas "ge-
leilos que taes remet|ios apresentava ; as- \ RAES DE pernambuco.
4 volumes vidros, 20 cafxSes phosphoros, 20 vo-
lumes ferro, 10 barris breu, 1 volume fazendas de
Isa, c 5 volumes saceos vazios; a Patn Nash
& C.
122 gigos louca, 1250 caixas sabio, 39 volumes
fazendas de algodao, 10 tonelladas ferro em gusa;
a Saunders Brothers & C.
5 caixas phosporos; a Duarte & C
50 barris chumbo de munico, 32 toneladas car-
van de pedra, 15 caixas folhas de Flaudres; a or-
dem.
251 pecas de ferro, para a ponte de Motea
lomb.
12 pecas machinismo; a Tasso Irmos.
10 barris manteiga; a V.-F. da Costa & Filhos.
6 volumes fazendas de la; a Gibson.
1 dito ditas de algodlo; a Sehafhtitlim 4 C.
3 ditos ditas de dito; a J. F. Lopes.
5 ditts ditas de dito; a Adamson Howie & C
Beet-Tista, a>
cretana acompanhados logo de seos fiadore!-,
de que uns eoutros assigoea m termo de
trate.
Secretaria da cmara municipal po Recife 171
outubro de 1863.O secreiarie,
____________Francisco Canon Roa vi. cea.
Sania Casa de iserwtrdia d
Recife.
De ordem da Illm* junta adratoMraliva da Sania
. Casa de Misericordia do Rscif face pobiico roe
foi reeolhidoao hospital Pedro II osa preto de Boase
Antonio, gravemente -mfenno, oqjo.il as.-evera ser
j escravo do Sr. Tbomaz, morador na roa ato Qoar-
: tel, e pelo prsenle previne ao senhor do dito es-
cravo que Oca responsavH pelas de^pezas o res-
I peclivo iratamento, a razae de tJfJO por dia.
Secreana da Sania Casa de Misericordia do Re-
| cife 18 de ouiuhro de 1805.
0 escrio,
F. A. Caralcanti Cmueiro.
sim, pois, tenho a de
no letreiro que vai i
xarope, sempre foi asignado
tlarar ao publico que lR,endime10 ,do0 dia *a 17-
, ^, dem do da 18...........
regado na garrafa do
nbo, e daqui em diar
te, alm
por meu pa-t
desta assig-
natura o farei tambis no papel que cobre
a garrafa. Rogo ac mesmo publico que
quando forem assim anganados, tornera tes-
temunhas, me remet am os rtulos falsifica-
dos e me parlicipem para fazer eftctivo o
artigo 167 do cdigo criminal do Brasil.
Jos- da i \ocha Paranhos.
CONSLAnO PROVINCIAL.
Ilendimento do da 1 a 17
dem do dia 18........
29:033,5243
............. 6025237
29:633i'80
Santa *.'; sa da iserictria
do Recife
m. Sr. eoromendador Jos Pires Ferreira.
27:211^213 (hesoureiro da Santa (^sa de Mi ======a= I cife manda fazer publico que no dia 10 do correa-
I te, pelas 9 horas da maiiha, na casa dos esi
23:799502 i
3:411*389.
Atti
Xarope alchoolico
ncao
de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na ra Direita n.
88 em Pernambuco.
Este xarope incontestavelmente superior
a todos os xaropesj depurativos, de cuja
composico o seu imaior eleiento a salsa
parrilha, pois que se tem conhecido ser o
veame mais enrgico para a prompta cura
das molestias, cuja IJiase essencial depende
da purificaco do slangue; assim pois se
movimehig m nm
Navios entrados no dia 18.
Terra-Nova --32 das, brigue inglez Jane, de 210
toneladas, capito Daniel Me. Neil, equipagem l
carga 2260 barricas com bacalhao ; a Johnston
Pater & C.
Liverpool por Lisboa'3 dias, sendo 18 dias do ul
timo porto, vapor inglez Gladiator, de 467 tone-
ladas, capitao James Guard, equipagem 23, carga
fazendas e outros gneros ; a Thornaz Jelferies
ObservarSo.
Nao houveram sahidas. Bordeja no laraarao um
; brigue fraDcez.
EB

Sera' de fina educacao um individuo que
basia por agora. Nao me faltara' occasio de dizer
o que por ventura lioar no linteiro. O publico, e o
governo que avaliem por aqu a idoneidade do ho-
rnera, que o Dr. Brito apresentou com o Dr. His-
belio, segundo corre, como o mais apto para ser
delegado do Brejol Assim que se abusa da boa
f do governo I
Quanto a Joaquim Jos Tavares de Souza nao ha
queui tire da eateca do publico daquella comarca
que humera de raaos costuraos, ja pelo facto do
(|U0 q(je aude, depois de se ter visto privado d'este
a injostiea com que o Sr. padre Jos Antonio me furto do molequo pertencente ao finado Jos do
pruvorou. Comtudo, a rainha condescendencia Reg, como de outro em Paje de Flores, onde cor
nao me levar a fallar ao compromisso que coa- re por muito certo que fra preso, meitido na cadeia
trahi quando no meu primeiro artigo publiquei a no termo de Ingazeira, e d'alli remettido para
celebre carta em que o Sr. padre Jos Antonio diz Flores, de cuja priso fugira, vindo depois prttea-
que o Exm. bispo eslava malsalisleilo cora o Rvra. loria para o prender no Brejol E um houiem que
vigario geral Dr. Antonio da Cuoha eFigueiredo. ver
C'inprometli-me a provar ponirario no decurso
da minha aualyse, e mostrar que o Sr. padre Cu-
nha e Figueiredo mereceu omelhor couceito e a
con flanea do Exm. Sr. bispo al o dia da >ua mor-
fe. I'rescindindo, como meu proposito, da narra-
cao ou exposicao circunstanciada de quaesquer
netos, direi que quando o Sr. Dr. Figueiredo foi
com licenca corte do Rio de Janeiro em 1839, o
Exm Sr. hispo lhe dirigi era carta de 18 de ju-
lho do mesmo anno as segrales e bem significad-
vas expresabas : Queira V. s. dar-me noticias t
suas, certo de que as sabere apreciar; nao se j
esquecendo de ref,'re^sar a esta capital quanto :
t antes para contiuuar a prestar os servicos
Igreja e ao eslado, como louvavelmente tem pra-
ticado.
E>la carta foi escripia apenas dez mezes antes
daqu-lla que o Sr. padre Jos Antonio me dirigi, j
como se ver do meu primeiro artigo.
Quando o Sr. Dr. Figueiredo leu as express5es
menos attenciosas a seu respeilo, que o Rvd. viga-
rio Cal isto Correa Nobrega empregara no reque- i
rmenlo que dirigi ao Exm. prelado, peaindo-ihe!
para dar de suspeito o vigario geral, e nornear juiz
ad hoc na causa crime que pelo juizo ecclesiastico
corria contra o mesmo Rvd Correa Nobrega,
quando o Sr. Dr. Fifiueiredo teve conheciinento do
qoe se allegara, digo, r'quereu immediatamenteao ;
Exm. prelado para que ordena sse ao vigario Calis-1
to que explicasse as expressoes coulidas no seu
requerimento, atim de ser devidaraente responsa-
bilisado em juizo : e S. Exc. Rvraa. deu o segura-
te despacito com dala de 27 de Janeiro de I8G%
(ires mezes autes da sua morte): O Rvd. sup-
plicante contina a merecer a Nossa confianca
verga a taes impulacoes pode ser autorilade n'um
termo? Pode ser; mas s o oestes lempos des-
granados I
E a que vem o Dr. Brito trazer balia o assas-
sinalo do tenente coronel Cordeiro (o primeiro no-
mem do Brejo !) e do Cardeal ? Isto nao merece
resposta, lano mais quauto a Ilustrada redaccao
ja de antemao noz termo a qualquer discusso a
tal respeilo. E o Sr. Dr. Brito quem ainda falla
nesses factos I
Basta por hoje, senhores redactores.
Recife, 18 de outubro de 1865.
Jos Coma de Araujo.
grande gozo durante mais d'nm anno. Elle
durante esta sua cura,, apenas fez uso de
Desasis garrafas da Gen ana Salsaparrilha
de Brisiol, preparada exclusivamente por
LANMAN & KEMP,
De NOVA YORK.
Recommenda-ee mui particularmente aos
Doentes d'ambos os sexos, que empreguem
toda a cautella na eecollia d'este admiravel
remedio, afim que nao obtenbao outra com-
posico qualquer, que nao seja a Salsaparril-
ha Genuina de Bristol, pois que todas as
mais preparayoes e imitac5es d'esta natureza
sao falsas nao possuindo virtude alguma.
Vende-se as boticas deCaors A Barbosa
eC. Bravo | VC.
E' dispensa vel

Proposta.
Ery>ipelk
O medicamento que com maisj infltioncia
e energa lem combatido essa lerrivel en-
fermidade, tem sido o xarope alcoLoicode
veame.
Urna escrava da mai do Sr. Francisco Fir-
mino Monteiro, pessoa bem conhecida nesta
cidade, afbando-se de cama, e com as per-
quando a
gencia T
ivel a expedicao de mandado de busca, n, u,.,^,, ,. .
uloridade assi.te ou preside a deli- s ba^nte indiadas, e cliea de. lumores,
acha-s- hoje
tem verificado por rauitas pessoas que se
achavam desengaadas, as quaes acham-se Peranle a camara municipa, desia cidade esta-
tioje reStabelectdas fcom o referido xarope rao novamente em praca publica nos dias 21 e 28
alchoolico de velaine ; entretanto que al-' do corrente mez, para serem arrematados rom o
guns, tendo usado do xarope de Curinier, abale da "i"'"'3 i,a,te Pel lemu0 de u,n anD0- Por
(1p I arrpv Ac sais- narrilha Ip sannnaria i I"6 mals ""'ecer, OS impo.-tos Segrales :
(ie Larrey, de sais, parrilha, de saponaria, 0s a|Ugueis oa casa iu D0 pat0 d0 GorPo Santo
Oleo de ngado de bacalhao, e OUtros agentes' na cidade do Recife onde se acha a Associago Com
deta ordem nada conseguirn!. E' elle de merdal por 6453 i
fcil digestao, agrat avel ao paladar e ao ol- "iZ1,1 ? do caP'm de P|an,a Por %0^.;
phato Algunsmtdicosdesla cidade e da 473So5s de produc5ao para neg0CI por.....
de Macei 0 teem recommendado para a CU- Alfericoes de pesos e medidas, sendo o arrema-
ra das tante obrigado a afferir os da mesma cmara, sem
indemnisaco alguma por 6925;
500 ris por cabeca de gado vaceum por...
3843000;
Mscales e boceteiras por 27,8200 ;
Casinhas da Ribeira por 107,5200 ;
100 ris por cabeca de gado recolhido no curral
por 38800:
Repeso do ac/rague por 8,8400 ;
Gado ovelhum por 13308.
Os pretendentes podem comparecer nos mencio-
nados dias cora seus fiadores habilitados na forma
da lei.
Paco da camara municipal de Olioda, 14 de ou-
tubro de 1865.
Joaquim Cava/cante de Albuquerque,
Presidente.
Marcoltno Dias de Araujo,
Secretario.
O cidado Joo Jos de Albuquerque, juiz de paz
do 2 anno desta freguezia de S. Jos do Recife,
em exercicio no Io em virtude da lei, ele.
Impigens, linha, escrophulas,
Tumores, ulceras, (scorbuto,
Cancios, sarna degenerada, fluxo alvo.
Fodas estas affeo;oes provm d- urna cau-
sa interna; nao ha. pois razo alguma em
crr que ellas se p( dem curar com remedios
externos. Tambem se prescreve o xarope
alchoolico de veame para o tratamento das
afieccues do syslema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheiimatismo, paralysia,
Dores, impotencia, eslerilidade,
Mirasmo, hypocondria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre
ludo, da maior ujulidade para curar radi-
calmente, e em ptnco tempo o rheuma-
tismo.
Faco saber aos que a presente carta de editos vi-
Adverte-se que o verdadeiro xardo eso se j rera ou dPna nnlicia ,vtrem,em como Monteiro
vende nesta cidade na botica cima indica- Lopes & C. melizeram a peticodo theor segrate:
da, do abaixo aSS;ghado; e em OUtra qual! Di;em Monteiro Lopes & C, que querem fazer
duer narte nnp se tem annnnriado nao da cilar a claudiano Oliveira, tiara que pague amiga-
uuer pane que se tem annunctaao nao e ua 6:6485758, saldo de 8 letras
mesma composicoj e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisn.
Jos ita Rocha Paranhos,
JURBEBA.
tam-
Muilo e bem contreveriida como est a questo
da proposia em autos, que teem adquirido no foro
urna certa edebndade, temos difflculdade em ex-
primir, ainda que sob censura, a nossa humilissi- accommettida do mesmo mal, acha-se
raa opiniao. bem boa.
No em lanto, e j que se nos exige parecer, ahi \ gra D
vai era substancia o que pensamos. cm^, ~, .J.
O art 195 do cod. do proc, combinado com va- ^nl0s' miradora na ra fes Cilcadas
rios outros da lei de 2 de dezembro de 1841, resol-
ve nosso ver a questo por modo espaocar
duvidas. Attnbuindo officiaes de juslca. e nao
funecionarios de outra classe, competencia para ,
a execucao do mandado de busca, claramente dei- Por*se (le Pe muitn tempo, com
tomando o xarooe de vel-itne a ha-s^ hnin A Jurubeba oraa fas substancias medicamen
h'' a,nas' "Je tosas, o reino vegrlal, e perience classe
Doa, piestando serviros. Idos tnicos e desobsltruentes, sendo em prega
A mana do Sr. Jis Francisco Piulo, mo-iua com vantagem contra as febres intermitentes
rador na ra Direita n. 51, leudo sido: 2,'"ompanha(,as deengqrgitamentode figado e baco.
Ella lem sido applicadla com inconiestavel proveitc
contra a anemia ou cl|lorose, e hydropesia, catar
Senhorinha Umbelina dos
n.
38, achando-se atacada de erysipella as c-
xas, com quatro tumores bastante volutno-
sos, no eslado indolente, que a prima de
'ramracTdesraedntidaS lideii- ?*? &**"!"* ** ?* ShK, ll. xar0Pft alcohlico de veame' e Dilulas pur-
quo o expede, podendo ser invocada por motivos gativas do mesmo, acha-se resUbe'ecida, e
de conveniencia publica, nao formalidade subs no oso dos medicamentos OS
lancial da busca,, e por ahi nao pode ser dispensa-
do o mandado, ainda nesta hypolhese.
Occorre-nos trazer como exemplos, por bem
tumores ter-
minaram pela suppuracao.
A Sra D. Rin, moradora na na de Santa
andar, soffrendo do
toes do seu cargo com
dade : portante se noneamos juiz ul hoc, foi
nicamente para tirar a Rvd. supplicando lodo
pretexto de oppresso, e nao por duvidarmos da
rectido do Rvd. supplicanle, que poiier mandar
Sttp.i^reete^esuTaS^T ^^^^^^^'^T0^^]^ n- l3' '
ledade, 27 de Janeiro de 1864. Asslgnado : lrtm*n, 'de ma
Joo, bispo de Pernambuco. amoridade que (aes deligencia
No acanhado es,,aCo que me circunscrevi neste Eolre as altribuK.Ses ^(|Ue COMrpeVem7e"slo est tem tomado esse remedio nunca
definido em le, as autoridades de polica e judicia- deu.
rias. comprehende-se, sim, a de expedir taes man-; Outros muilos bfltna IpIji nnlpm
dados com os requisitos legaes, mas em nenhuma a '"1 C .em
das disposicoes orgnicas do processe deparamos ^e ******* ^t para nao me tornar pro-
fundamente em que se possa commetter a taes uxo e enfadonho.
me circunscrevi neste
ullimo arligo limilo-me a citar era abono do Rvra.
ex-vigano geral a carta e o despacho do Exm.
prelado. Estes dous documentos se acharao igual-
mente nesta lypograpria onde pedi ao Rvd. Dr.
Cunha e Figueiredo que os deposilasse por alguns
dias.
Basta.Sioto que na minha resposta me fosse
necessario fallar dos disturbios que oulr'ora se
deram no recolhiinento de Olmda ; mas eu o fiz
tao somenie para mostrar o verdadeiro motivo por
que o Sr. conego Tavares da Gama tanto se inte-
ressou pela causa da Sra. D. Auna Claudina. Per-
suado-me que nao faltei s conveniencias fallando
nessas occorrencias, as quaes cessaram de urna
vez desde que com o governo prudente, esclareci-
do e reparador do Exm. Sr. Dr. vigario capitular
da diocese reappareceu a calma e a paz no reco-
Ibimento, que eoulioa com a regularidade que
de ve ter um estabellecimeoto daquella ordem.
Olinda, 12 de outubro de 1865.
Cooego Joaquim Ferreira dos Santos.
CORRESPONDENCIAS
0HP1rfnena'Ver fe,us in,iePea,,leQ- mesmo mal ha muitos annos, pois que a ery-
mandado, anda mesmo presente a 0;,ii. ,. i J
e taes deligencias autorisasse. s'Pelld atacava amiudadainente, dep.is que
mais lhe
deixo
autoridades a execuc i do mandado.
Assim nos parece. E, a nosso juizo, encontra a
questo facilima solucao as disposi^es prenota-
das. Aguardemos, porm, que o superior e Ilus-
tradsimo tribunal, a que foi sujeitada a materia,
venha firmar por sua deciso a verdadeira doutri-
na a seguir, como tanto convm a uniformidade da
jurisprudencia, e a manienca da seguranca indi-
dual.
Sub censura.
Recife, 14 de outubro de 1865.

A jarubeba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
Sendo a erysipella tima mol stia que sem
duvida effeito de materia ge rada no corpo
como expoeta alguns esenptores de medici-
na, e em conseqnencia da febre lancada
na pelle, onde produz inflcmmaco, e que
muitas pessoas, por nao se terem conve-
nientemente tralado, suecumbem com o
pernicioso uso de que, nos tres dias nao de-
vem usar de remedio algum, o que faz-se
estender o mal por nao se ter a principio
combatido ; por isso, pois, conveniente
que, logo que alguem
rho da bexiga e mesmo para combaler a menstrua-
cao difficil, resultante da mesraa anemia ou chic
rose.
Extrato alcoolico d jurubeba.
Emplastro dem.
Oleo idera.
Tintura idem de idi m.
Xarope id-m.
Vinho idem de idem
Plalas de ext. ideal.
Deposito, pharmici de Pinto, ra larga do
sano n. 10.
c;o
MI
10.
.\'ovo banco de rernani-
bnco.
O banco desconta letras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de seis mezes
Rovo Banco de Pernambaco
O Novo Banco paga o dcimo quinto di-
devindo na razao de.85 por accjSo.
Cai.va lilial do banco do Brasil era
l'eniaiiibu co.
A caixa desconta as letras de seu aceite pela
paitxa de 60|0 ao aunx
Ogoarda-livros
Iinacio Nunes Correia.
LPANDEGA.
ilendimento do dia 1 a 17......
Idem do dia 18...,
; Antilhas, onde o sueco das folhas e fruclos como
' aqu, muito estimado e apphcado contra as obs-
>e*hores redactores.Nao admiro que o Dr. Cae- truccoes abdominaes, principalmente do figado e
tao Xavier Pereira de Brito swgise pelo Diario bacj ; e se lodos os facultativos desta provincia o
de hoje a fazer a apologa de Rogerio Lucio da Sil- nao appcam com frequencla, isto se nao deve a
ya Mergulhao, e de Joaquina Tavares, visto como nao reconhecerera eiles essas virtudes, mas slm a
foi elle, segundo estou informado, urna das pessoas nao serem encontradas com facilidade e era todas
que muito se esforcaram por acreditar estes dous as estacoes do anno os fructos dessa planta, e a re-
radividuo perante o goverao da provincia, como pugnancia, que apresenlam os deentes em fazer
idneos e capazes de serem nomeados para os car- uso do sueco desses fructos, em consequencia de
gos de polica do termo do Brejo: admiro, porm, ser extremamente amargo.
al com sorpreza, que o Dr. Brito se apre^entasse A. jurubeba nao descouhecida dos botanistas :
com o maior displaoie, e seguranca a preconisar a esta planta pertence familia das solaneas, e lem
fina educacao, o cavalleirismo puro, o prestigio illi- a deoominaco de solanum paniculatum que lhe
mitado, t a popularidad: tem rival do seu amigo foi dada por Lyoeo.
Mergulbo, objecio at de idolatra no termo do Pareceudo-nos conveniente facilitar o uso do
BreJ' i sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
ii i rl0' aSiim 'lue se oraba da boa f pu- pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
tilica I G)mprehendo que o Dr. Brito, habituado a com elle nao s um extracto alcoolieo que pode ser
applicar vesicatorios em casos extremos, nao hesi- applicado em pilulas, mas tambem ura vinho, um
tasse, por meio de .estimulantes fortes, eu promo-' xarope, e um emplastro que pode substituir, em
ver na opiniao alguo.a rearco em favor de seus certos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos que
dous amigos, por mira documentadamente aecusa- com isto prestamos um servjco humanidade e
dos pelos seus feitos peranle o publico, e o gover-i hterapeutica.
no ; comprehendo, sim, al que ponto o devia Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
preoceupar a necessidade da irapossivel defeza, que coeco das raizes da jurubeba, e Mral e Delens,
tentou ; mas nao comprehendo como quizesse fazer: em eu Diccionario de materia medica e therapeu-
de Rogerio Mergulhao urna poestadede lano valor' tica, dizem que uas AnMIhas se faz uso do sueco
moral e poltico no termo do Brejo E assim se es-1 dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
creve a historia I rho vesical; e a autoridade dos nomes desses rae-
Entre os documentos com que instru a minha dieos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
representago ao Exm. Sr. presidente da provincia suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
figura a certido de urna pronuncia proferida con- nosso eslabelecimento essas raizes, para que possam
tra Rogerio Mergulhao pelo juiz municipal de euto, ser experimentadas.
Dr. Hisbelio Florentino Correa de Mello, por crime I A reputacao da jurubeba tal, o os .resultados
de falsificacao de actas ekitores, gentileza a que, therapeulicos obtidos ltimamente sao tao impor
recorreu o Sr. Rogerio Mergulhao em p'rova de sua tantas, que nos parece intil dizer mais do qot
grande influencia poltica no termo do Brejol Nio.islo, que flea escripto.
entro nem devo entrar na apreciaco das razSes .Deposito; pharmacia de
que levaram o Sr. Barros Lacerda a n3o suslentar I Joaquim de Almeida Pinto.
se sentir atacado de
muito conhecidas nao s no Brasil, pois que deTas! f' mal' deVfl Pr0V0Car Iranspiracao toman-
Iralou Pisn em sua excellente obra -Historia na- 0 ao Pr|ncipio lima COlherinha de cha do
'rafi el medica India occidenlalis, seno as | xarope alcohlico de veame dissolvido em
urna'chicara de infuso de flor de sabu-
gueiro quente, adocaddo-a com mais asso-
car, continuando nos tres dias nesse trata-
301:6304076
11:978*276
313:6084352
MOVIMEiNTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas____ 13
c con) gneros..... 124
wilumes sabidos cem faz.endas..... 121
com .gneros..... 97
-------137
tamento, no fim dos quaes usara' do xaro-
pe de velarae na forma prescripta no recei- Descarrepam tioje 19 do corrente.
tomo, tendo todo o cuidado dse abafar, j *2f M* "M de
afim de soar conver ienlemente, alem de Brigue inglez-/lgma[-diversos gneros,
conservar o venlre corrente, que conseguir Vapor inglez Gradwpr-mercadorias.
tomando urna ou duas pillas purgativas do Pafach. inglez-Sprat/l-bacalho.
mesmo veame.
Todos quantos suecumbem desta moles-
tia se diz :falleceu de erysipella recolhi-
da ; ao contrario, alguns expositores pre-
sumem ser o desenvolvimento da putrefac-
to nosan-me, tanto que o lugar inflamma-
do que, entao a sua cor era encarnada, se consignado "a
troca em lvida ou negra, e term na em gan- seguinte
-------218
trigo e
Brigue inglezAexaidraidem.
Brigue inglezGertru tesmercadorias.
Sumaca hespanholai gustina vinhos.
Barca inglezaSei-aph naierro.
Brigue tiespanhol Corinacharque.
Patacho portuguoz Furtoidem.
Importado.
Brigue inglez Alexatflra, entrado de Terra-Nova,
Pater & C, manifestou o
grea, e e por essa raz5o que conveniente
o xarope alcohlico de veame na infusSo de
flor de sabugo, para se conseguir resolver a
inflammaco, ou pelo menos terminar pela
supporaco, impedindo assim a gangrena.
Os effeitos do xarope alcohlico de veame
applicado na flor de sabugo ao doente, nao
s de vantagem por sua qualidade diafo-
rtica, como pela anti-septica para impedir
a putrefaccao as molestias.
Na erysipella nao deve o enfermo nos pri-
meiros tres dias usar de comidas e bebi-
das que possam esquentar e inflammar o
sangue.
A comida durante esse tempo deve ser do
2472 barricas bacalhao; aos mesmos.
Patacho inglez Sprai, entrado da Terra-Nova,
consignado a Johnston i >ater & C, manifestou o se
guite:
2800 barricas bacalhi.o; aos mesmos.
lirigue ioglez Aquii, entrado de Glasgow, con-
signado a Wilson & Heit, maoiteslou o seguinle:
1600 barris de quario plvora; a ordem.
123 e melas toneladas carvo de pedr; a Wil-
son.- & H.-tt.
11 fardos saceos vasicis; a Patn Nash & C.
18 ditos ditos, 8 volt mes fazendas de lioho. 5
ditos ditas mixtas, 4 diu s ditas de algodao, e 250
barricas cerveja; a Ada nson Howie & C.
10 volumes fazendas < e algodao; a Schafbeillira
& C.
420 barricas cerveja; a Saunders Brothers
50 barricas cerveja; i Sumpson & C.
aceitas pelo supplicado, por conta das quaes j re-
ceberam os supphcaotes o que Ihes coube dos di-
videndos que se fkeram da massa fallida do sup-
plicado por occasio do processo de sua fallenria :
como o supplicado esleja ausente em lugar incerto,
requerem os supphcantes a V. S. para que se dig
ne admiitir que seia justificada sua ausencia para
o fim de ser citado por editos de 30 dias, para a 1*
audiencia deste juizo, sob pena de revelia, dando o
escrivao declarago do resultado, sendo o supplica
do condemnado as cusas. Pede a V. S. Illm. Sr
juiz de paz da freguezia de S. Jos assim lhe deli-
ra e,receber merc.Joao Caetano de Abreu, pro-
curador.
E mais se nao contraria em dita petieo na qua
dei o despacho seguinte :Como requer. Fregue-
zia de S. Jos do Recife, 13 de outubro de 1865.
Albuquerque.
E mais se nao continha em dito despacho, em
virtude do qual produiirara os justificantes suas
testemunhas, e subindo-me os autos conclusos dei
a sentenga do theor seguinte :Vistos estes autos,
etc., e attendendo aos depoimentos de folhas a fo-
lhas, julgo justificada a ausencia do supplicado em
lugar nao sabido, e mando que se passe carta de
editos com o praso de 30 dias, para o fim requeri-
do na petico a folhas 2 ; paguem os justificantes
as cusias. Freguezia de S. Jos do Recife, 16 de
outubro de 1865.Joao Jjs de Albuquerque.
E mais su nao continha em dita sentenca aqu
copiada, por forca da qual o esenvo que esta es-
creveu passou a presente, pela qual e seu theor se
chama, cita, e hei por citado ao supplicado Clau-
diauo Oliveira, para o m declarado ua peticao aqui
transcripta, para que compareca por si ou seu bas-
tante procurador a 1* audiencia deste juizo, que
ter lugar a immediata depois de (lodo dito praso,
para conciliar-se a respeito do que tica expendido
na mesma petiejio, sob pena de revelia : pelo que
toda e qualquer pessoa, amigos, parentes, ou co-
nhecidos do justificado o podero fazer sciente do
que cima tica declarado.
E o porleiro do juizo afflxar a presente nos lo-
gares do costurae e ser publicada pela imprenta.
Dada e passada nesta freguezia de S. Jos do Re-
cife, aos 17 de outubro de 1865.
Eu Jos Goncalves de Sa, escrivSo de paz a es-
crevi.
Joo Jos de Albuquerque.
O Dr. Eduardo Augusto Pinlo d'Oliveira, juiz mu-
nicipal e do commercio do termo de Olinda, por
Sua Magestade Imperial e Constitucional o Sr.
D. Pedro II, a quem Dos guarde, etc.
Fago saber pelo presente, que no dia 19 de outu-
bro prximo vindouro, depois da audiencia respec-
tiva, se ha de arrematar por venda a quem mais
dr, em praca publica deste juizo, um sitio deno-
minadoFundoem Beberibe-debaixe, do termo
de Olinda, em terreno proprio, cora casa de viveu-
da de pedra e cal, com duas sallas, quatro quar-
tos com gabinete ao lado, de taipa, cozioha e des-
pensa tambem de taipa, com .lelheiro emaberlo;
com diversos ps de coqueiros e arvoredos de fruc-
to, conteDdo urna capoeira, onde se pode tirar le-
nba e estacas para o mesmo sitio, o qual divide,
pelo nascente, com o pantano de Olinda, pelo sul,
com o sitio de D. Senhorinha, mi do finado Anto-
nio Claudio da Silva Guimares, pelo norte, com o
sitio denominadoCraveiros, e pelo poente, com
o beeo que serve de estrada do mesmo sitioCra-
veiros e trras do finado Henrlque Gibson :
achando-se a coberta da casa do referido sitio em
mo estado; avahado por 4:0004000, pertencente
a Antonio Nobeito de Souza Lealdade, e a este pe
nborado por execucao de Antonio Botelho Pinlo de
Mesquiia, e nao havendo licitante, sera a arremata-
gao feita pelo prego d'adjudicagao, e com o abaii-
mento respectivo da lei.
E para que ebegue ao conhecimenlo de todos
maodei passar editaes que sero aunados nos lu-
gares do costme.
Dado e passado nasta cidade de Olinda, aos 22
dias do mez de setembro do anno do nascimento
de Nosso Senhor Jess Christo, de 1865, quadrage-
simo quarto da iudependencia e do imperio do
Brasil.
Eu Kelippe do Nascimento de Faria, escrivo, o
subscrevi.
Eduardo Augusto Pinto d'Oliveira.
BECLliUCOES.
Pela secretaria da camara municipal desta
cidade sio convidados os senbores arrematantes
dos alugueis das casas da praga da Independencia,
fara' pagamento das im-osalidade venct.ia al o
ultimo de setembro, aquellas ama* qw forem
acorapanhadas das respectiuvs. enancas.
Secretaria da Santa Ceu da Misericordia o R- -
cife 18 de outubro de 1865.
O escriTio,
_______________F. a. Cavalianti Coasseiro.
Santa Casa da Misericordia
do Kecife.
De ordem da Illm* junta administrativa da Santa
Casa de Misericordia do Recife fajo pablro que
das 10 horas da manha as 6 da tarde do dia 19
correte, ser franca a entrada a todas as pes-
soas qoe quizerem vi-itar o hospital MR u\
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cife 17 de outubro de 1865.
O escrivo
F. A. Cavalcanli Coosseiro.
Coa.velho de compra* arae.
O coni-elbo promuve em 20 Uo correle mez, s>b
! as cuiido-o do estilo, a compra dos bjertos abai-
xo declarados, e convida aos que queiram vnde-
los a apresentarem uas propostas nesse da al
a's 11 horas da manha pm cartas fechadas :
Objerlos.
8 lenges de ferro de l,\ de grossura10duzas
de iapes -10 arrobas de mialhar brinco3 arro-
bas de pregos ripares de cobre2 grosas de para-
usos de metal i arrobas de pregos ripans de
ferro 6 duzias de Uboas de co-Udioho de aaa-
rello 3 duzias de Uboas de'assoalho de amarelio
de 3 palmos de largura 40 dunas de laloas o*
louro para forro 20 duzias de Uboas de de amarello10 duzias de limas chalas de 16 a 20
pollegadas10 duzias de limas meia cana de 16 a
20 pollegadas 2 arrobas de tachas de cobre 4
arrobas de agua-raz 24 garrafas de iidu dr e-
crever12 duzias de uboas de pinteo de 3 poliffa-
das10 baodeiras nacionaes de 5 paanoa- 10 lao-
deiras nacionaes de 4 pannos 10 bandeira! oa-
ciouaes de3 pannos 10 baodeiras de gau de t
pannus 30anrluwl de qualidadeferro bruto
para fundigo e madeiras de cooirorg para
um transpone de guerra.
Sala do conselho de compras navaes, 16 de ou-
tubro de 1865.
O secretario,
________ Alexaodre Rodrigues dos Anjos.
Subdelegacia de polica da freguezia da Boa-Vista
18 ilHoutnl.ro de 1865.
Foram apprehendidas a um menor nm par de
areolas de curo com dous diamantes, que se sop-
poe terem sido fuadas, visto como o memo Me-
nor as andava vendando por baixo prego : quem
pois se julgar com direito as mesmas argolas. lian-
do os signaes ou provando. ser-lhes-h. entregue?.
O subdelegado,
______________ Decio de Aquino Fonseca.
CaftftEIQ GErUL. "
Relarao das cartas segaras rxteetes na adwi-
lslrarn do correio drsta eiaer, para as si-
ntieres aliaiio declaradas :
Antonio Antero Alves Monteiro.
Antonio de Castro Alves.
Or. Felippe Lopes Nello.
Francisco Rufino Correia de Mello.
Dr. Joao Mauricio Cavalcanli da Rocha.
joo de Freitas Guimares.
Cap tao Joo Jos Rodrigues.
Leora Well.
Luiz Fernandes de MesquiU.
Manoel Antonio Santiago Lessa.
Manoel de Queiroz Monteiro Regadas.
TII1TRO
DE
. ISABEL
EMPREZA--COIMBRA
O emprezano tem a saiisfagao de annonnar ao
respeilavel publico que crrairatoa al o Km da ea-
preM deste anno, os excellente^ artistas D. Ade-
laida do Amaral e seu marido Pedro Joaqnia do
Amaral, de reconhecido mrito no Rio de Jaaeiro
e Baha. Faro a sua e-lrca no magnifico drama
de Alexandre Duma- FilhoA dama das eaotelias.
O emprezario orpulha-se sempre quando pode
apresenlar aeqnisigoes desta ordem aq-illostrado
publico desta capital, sempre apreeiadw dos tena
artistas.
Quinta-feira 19 de outubro
de 1865.
Eslrca dos artistas D. ldrlaide i Aaaral t Pe-
dro Joaquim do Amaral.
Represenlor-se-ha o magnifico drama aa* 5
actos, de grande espeelaeule, por Alexamir* Da-
mas Filho
A DAMA DAS CAMELIAS
Mmiuaa
Margarida Gaathier (Dama das
Camelias.................. D. Adelaida.
Prudencia Duvernay.......... D. i auna.
Nichelte..................... D. Camilla.
oiympia..................... D. Leopcidioa.
Nanine ..................... D. Jesuioa.
Aramando Duval............. Araoedo
Jorge Duval.................. Pedro Joaqnia.
Gasto Ricus................. Guimares.
Saint Gandens................ Pialo.
Conde de Geray.............. Porto.
Varville..................... Lisboa.
Gustavo..................... Teixeira.
O doutor..................... Borges.
Arlhur...................... Peixolo.
Um carteiro.................. Sania Rosa.
Convidados, etc., etc.
A scena passa-se na pctualdade.
Comegar as 8 horas.
ATISOS MAMTDIM,
PARA O
Rio de Janeiro
pretende seguir cora mulla hrevidade o
nacional Piedude, lem parle do seo mrre_
engajado : para o resto qne lhe ralla e esrras
frete, para os quaes tem excedentes em
trata-se com o seos consignauries Ant>
de Oliveira Azevedo & C no sen escriptorto rna
da Crnz n. I.
GOMPANHIA BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos por los do aorta
al o dia 20 do corrente o vapor
Oyapoclc, o qual depois da desta-
ra do costme segoira' para es
____ portos do sol.
Desde ja recebem-se passageiros e esf aja -se a
carga qne o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de soa enejada ; raro
mendas e dinheiro a frete at o da da sabida, as
2 horas : agencia, roa da Crnz n. I, escriptorio s
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C
.>
.
i


mmmmmmmmmmm
Ufarlo de pernamMurff talte -tetra
wfrtfrr de 1%S.
kracay
0 hiate < Graciosa a vai sahir com muila brevi-
dade, recebe carga a frete ; a tratar do trapicha do
aluodo cora o mestre._______^^^^^^
para a Baliia
segu com toda a brevidade o patacho nacional
D. Luiz ; para o redo da carga que he falla tra-
ta-e com o seu consignatario Jos Mara Palmeira
no largo do Corpo Santo n. 4.
Cear
O hiate t Dous Irmaos : a tratar com Tasso
Irinos.____________________
COMPNH PERNAMBUCaNA
DG
Nnvcjaco costcira por vapor.
Maoei e escalas, Feneci e Ara aj.
O vaoor Mamanguape, segu
oo dia 20 do correute as o horas
da tarda, Becebe carga hoj (18)
e amanha ; encoramenda.-., pas-
sageiros o din.T'iro a frete al o
da da sahida as 2 horas: escriptorio no Forte do
Mallos n. i.________________________
Linlia regular do Brasil
Epera-se o brigue francez Trois
freres, que sabio do Havre no dia 6
de setembru ao frete de 2o f. e 10
- fr^JJrJMa-'1'1.1- B-'cebe carga para o Havre
^m|TMS'' fretrS baratos : a iraiar com os
: mEBIB,'ii[in|Vi] i".i i Tissetreres.
Masurier Id Jeune & Kils teodo sido preveni-
dos p ir varios narren flores 'Ia" haviain reeeios
de e ser levantar os fretes aos antigos pregas, no
casi de licarem sos enrarrecados deste servido,
como amigamente comprunettem-se por contrato
a nao lomar oais do que :io f. e 10 0|0 d'aquelles ,
que ?e comprometieran de sua parte a carregar
I i< a< suas merca lorias nos seu-; navios. O dito
contrato acha-se depositado em casa de Tisset fre-
res que o aprasentario ao- ioteressa los que pode-
rio tonar conhecimeolo dallo e assgnalo se as
condieces furem de sua conveniencia.
Para o Maranhao,
O palhatote Garibaldi mesire Cusi lio Jos
Vi moa : a tralar com Tasso Irmaos.
LEILAO
De mobilia-s de anare-lln, gaarda roa-
pis, gaarda loacas e otros artigos
Cordeiro Slmffes
por conta e risco de quem pertencer ara' leilao
de mobilias da amarello completa, guarda roupa,
guarda Ion,m, marquezas, cadeiras, louca, vidros,
e outros mullos artigos de gosto.
1IO JE
Quinta feira 19 do correte as II horas
No armazem a ra da Cruz n. 57. _________
TLEILAO
Da casa terrea com solo na ra do Nascente n.
34, freguezia de S. Jos, edificada em chaos pro-
prios e com quintal.
Urna dita ua ra da Gluria n. 81, com quintal e
tambero em chaos proprtos.
iio.ii:.
Por Intervengan do agente Pinto e era seu es-
criptorio roa d Cruz n. 38. As 11 horas em
ponto..
Do escravo crioulo de nome Ignacio, pertencen-
te ao casal de Nymuha de Mello A. Fonseea
viuva do Dr. Ignacio N. da F raseca, a requer
ment da ni-sma e por despacho do Iilm. Sr. r.
julz de orphos.
Aracatv.
IIOJjE
Por intervencao do agen! Pinto e em seu escrip-
torio ra da Cruz n. 38, as 11 horas em pomo.
De um sitio no Bosarinho era chaos proprios com
470 palmos de Frente e 1,200 de fundo, toditas
fracteiras com casa de vi venda, com 2 salas, 2
quartos e cosinha fora. sendo a casa de laipa,
eujo sino pertence a viuva do fiuado Manoel
Alexandriuo de Mello e Albuquerque, senio
vendido pelo maior preo obtido.
HOJE.
Quin'a-f'ira 19 do orrcnte as i! horas.
NO GlUXnR AUMaZRW DO AGENTE
O LY NI PI
Gullhermino Rodrigues do Monte Lima avisa aos
officiaes e pracas de todos os baialhSes qu- rece-
ben um completo soruineato de todos os ajectos
como sejam : bonets, tallos, cananas, banda, ta
labartes, charlateiras, espadas e galio de todas as
larguras, e vende-se inais i>arato do que era outra
qualqaer parte, na mesma loja coocerta-se qnal-
quer objecto tendente a mesma arte : na praca da
Independencia n. 17jonlo a loja de calcado do
5r. Arantes.
Precisa-se de nma ama para nasa de pouna fa-
milia : a tratar na na do Bangel u. 10, 2o au lar.
O abaixo assignado venda a -na taberna sita
na roa Augusta n. lli,ao Sr. Jos d) Couto Gui-
mares, livre e desembarazada.
Antonio de Souza Pe-eir.
O abaixo assignado declara ao corpo com-
mercial que lemjusloa compra da taberna da ra
Augusta n. 114, pertencente ao Sr Antonio de
Souza Perelra livre de dividas, nao s de gneros
como de impostos, portanto se alguem se jnlgar
com direilo a mesma dirija-se ao pan da Ribeira
n. 15, oestes 3 das. Recife 19 de outubro de
1865.
Jos do Couto Guimaraes.
M& Koga-se ao Sr. Z'-ferino Boteiho de Au- i
H drade. (esludante.) de dirigir se a ra do
>3r Rosario da Boa-Vista o. 43, a m-g<>co
y& que nao ignora, isio no prazo de 3 das, ~"M
"3 do nouirario declarar-se ha qual o ne S
R eocio. )M
Aj&'-W&Wtik WMMWMWM
Aluga-se muito em cunta o -obrado da rna
de S. Bento, defronte de S Pedro Velho, em Olio-
da, concertado e pintado de novo, ten mullos
cominodos e boro quintal, muilo fresco e n>a
perto do hanho: a tratar na ra do Imperadores
criptorio de Claudio Dubeux.
rnambiieaBO.
A psriida do rab& de oatubro- lera' lujar o B0-
>o dia 25.
Acha-so justh e contratada a armagao da loja
decalgadn da rualdo Livramento n. 39, se alguem
se julgar c >ui direilo a olla cmnpareca n praxo de
tres das, na na Wireita u. 50, loja. Paz-se o pre-
sante para que niruuein se chame a ignorancia.
Precisase di urna ama di meia idaoV para
asa de homem solteira : a ira-
ja Amaro n. 8.
A negocio qte n> Igoora, deseja se fallar
no pateo do Parai i n. Id, com o estudanie Dur-
8-
CONSULTORIO lEftlCO-CIBlRGIfd
DO
cozm.iar em .ima
lar na run Oh Sao
val de Meuezes Fr
Iheiros (tara so re
sala da- respectiva
reme, palas ti hora
Secretaria do co
POTlHililiZ
De ordcm do III
deliberativo, cooviijo a lodos oe senhores conse-
BIMETE
IIK Lhl.'u-- Eli l'Eft-
IkAHBfiO.
n. Sr. presidente do conselho
inrein em sassAo urdinarina
sessdes, sexla-feira 20 do cor-
ita urde.
Iho deliberativo do Gabinete
Pertoguez de Leituira em Pernamboco 17 deou-
lubrn de 18Go.
|Di'iningos Jo- de Arnorim
Io secretario.
Aluga-se por
andar ilu sobrado il
a tratar :i: Iojb.
Precisase de
e engoiiiuiar para
do Crespo o. 18
prego rommodo um terceiro
mi d.i Sdosala Veliia n. 48
una ama que saiba cosiuhar
isa de Banca familia : na ra
i unciro andar.
Voluntalia da patria.
Aeha-se a venda i
N6va esquina da d
carles : \isiu da
lia do le-1 Barn-lo.
AVISO
i pholograpina aru.-lica, ra
niiii ilo Carmo, o retrato em
olunlari.i da patria D. Ama-
em ponto grande.
- Aluga-se tina cochcira no largo do
Parai/.o n, G : qu 3m a pretender dirija-se
ao in-snu sobrad
Segu no dia 21 do mez correte com a carga
jue tiver a burdo o hiate Sobratense : para o res-
to e passageiros lrata-sa copj Caetaoo Cyariaco da
CosTa Hereira i Innos, no largo do Corpo -anio
D. S',._________ _____________________
Para Msiioa
saliira' com brevidade o brigue portuguez Cons-
tante II, recebe carga a fete e passageiros, para
os qaaes tm ezcelleoies comraodos: trata se com
Manoel Ignacio de Oliveira Filho, no largo do Cor-
po Santo u. 19, escriptorio.
pii ii i iiim ii mi iiii" r~
bSILOIS.
Q
LEILAO
De um cabi'iole le i rodas e em boa
e,>i.tilo cuiu lulos os perlciiccs c I ca-
va Ilu para dito.
Cordelro Miuies
por conta e risco de quera penencer far leilo
-do cabnolet e cava lio cima mencionado, isto
a* a cat^0 sts:
Quinta-fein 1!) do o irrente as 11 horas.
No armazn a ra da Cruz n. 57.
LLILAO
HOalE.
uiut-fcira 19 de utubroasl i horas
raa da (adeia arnaza u. o3.
Pelo agente Euzebio.
De um sobrado de n. 47 sito a ra da Roda fre-
guezia de Santo Antonio, rende por anno 8045,
chao roprio.
Id-mi de n. 27 sito ra da Moeda freguezia de
S. Fre Pedro Gonealves, rende por anuo 540,
cOao proprio, as chaves deste predio esto jonto
no armazem u- 29.
De nina casa terrea de n. 32, sita a' ra da
Prau ao CaMeireiro lera solea de 3 janellas, c
(eiu a moderna, rende por anno 4085.
Mera dita de n. 34 sita a mesma ra e junto da
de n. 32. de esquina, tambera com soto e )anel-
la, esta reparada a pouco, sao do lado da sombra,
renda por anno 4323, estas quatro nicamente (o-
retras a marinha.
Ditas lui> no meio da ra de Deteneo, rende
cada nina por anuo I>?5-
l'ma dita de n. io sita a ra da Crioulas, chao
proprio, rende por anno 3005-
Doas ditas de n. 39 e 41 sitas a ra das Criou-
i Capunga, chao proprio, rende por auno
21O5000.
36 -Raa la Cadeia lo iceifc i i
Leilao
De ama cscrava defdtde 40 annos
com habilidades e 1 carroca com
cavallo.
Cordeiro Mluies
por conta e risco de quem per.encer lar leilao da
escrava, carrosa e cavillo cima mencionados.
HOJEAS 11 HORAS.
No armazem a ra da Cru' n. 57.
Leilao
De 280 oitavas de praU de lei em ro-
lliercsquasi nvsg e mtis aun por-
cao de tfuinquilharias e t mlieui
ina bomba pira jardn.
Cordeiro lines
far leilo por conta e risco de quem perlencjr
dos objeclos cima mencionados.
HOJE AS 11 MORAS.
No armazem a ra da Cruz n. 57.
LEILAO
De 3,0"0 chamins d cryslal para
caadieiros a gaz.
IIr>je 18 de outubro as 11 horas.
NO GRANDE ARMAZEM 1)0 AGENTE
OLYHPIO
36-RL'A DA CADEIA DO RECIPE-36
iISOS DITE1SS.
LEILAO
De mobilias, trastes avi|lcos, objectos da ouro e
praia, saociuariOS de Jacaranda', relogios deou-
roeprala, l realejo e tos artigos.
BOJE.
NO GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
DO AGENTE
OLYMPIO
3(5-ltu daCiitle lo Kecne-^G
LEILAO
De imanarle do siii-i na Capunga que
fui do lina 'o Samp-aio.
1IO JE
Xo iiriunzeiu da i-ua da Cadeia
n. :h.
OLYMPIO
acha-se auilionsaao a veuder em leilc publico
ama (larte do sitio do finado Sun aio o qoal ex-
ireraa com os sitios dos Srs. Dr. Ferreira e Paulo
Jos Gomas, avallada dita parta era i:8255 e todo
o sit o ein 13:0005, lendo emelleote casa de vi-
veoOacwn 2 salas, 10 quartos, cosinha fora, sotoo
enviiracado, ceeneira,estribarla, casa de banho
etc., e o sitio boa baixa decapim, grande jardim,
um grde parreiral, inuitis fracteiras, lendo a
frente para a raargem do rio (chaos proprios) os
preteadentes podem examinar o referido sitio vis-
to adiarse alugaoo.
LEILAO
Da galera ingle a Dmican Dunbar com
sen ca Tegumento de a/eiidas e g-
neros
Quita-feira 19 de outubro ao meio dia em
(rente da Assoaflo Conamereial.
J. U. Swanson, capit.lo da galera iugleza Uuncan
Dunh ir, far leila i era presenta do cnsul de S.
M. Briaoaica, por intervenco do agente Pinto, e
por cottU e risco de ira -ra perleocer, do casco (lo-
Ucj {'74 tooellaJas), mastros, velas, carrega-
m":.iti oais portenees da referida galera, tal
qual s acha as r jcas perla da Una de FerneuJo
od; uaufragoj na sua vagem de Londres para
Aosiialu.
O f ^lio ser effectuali ao muio dia do da 19
do otrrente na praga d ) eommercio, podeodo os
.prete.ntes eiaiainirem desda ja' a natureza e qoa-
li.la 11 da carga oei i manifest eiisteute no escrip-
torio dos Srs! Wilson i Hett, consigaatarios da
dita galera.
iio
Uma casa terrea ita na travessa do Caldei-
reiro n. 1, em ehSos proprios, com 1
sala, 1 guari e cosinha, rende 8,5 tnen-
sae-
H?JK
jiiinla-fcira 19 da correte as 11 horas.
U GRANDE ARMAZEM DO AGENTE
OLA n PI
36 lluada Cadeia do ReeU 56
Instituto Flial dos Advogados Brasi-
leiros.
Para conhecimenlo dos membros do Instituto,
faz-se publico o programma remettido a' coramis-
sao de jurisprudencia, que dave servir de Ihema a'
prxima discusoao:
PROGRAMMV.
Feito o inventario por mirle de um dos
conjuges, Tica estabeleclda a pendencia do joixo
para o segundo inventaro, sej quu for a con-
c dic.io dos herdeiros, e sem attencao ao juizo
privativo ou especial que fr designado por lei
para fazer este -egirado inventario?
i No caso afflrmativo, relativa esta pendencia
i assim ao esenvo como ai joiz, e da-se, seja qual
c fr o juizo, em que se tenha feito o primeiro in-
t ventarlo, ou a razao que determinou esta corn-
il pelencia t
Sala do lusiituto, 16 de outubro de 1865.
O secretario-adjunto,
F. L. de OutmSa Lobo.
LOTERA
AOS 6:000;?000,1:200?000
e 500^000.
Sovo e excellentep'ano approvado.
BILHETES A' 5)000, MEIOS A' 2^500 E
QUINTOS A' 13000.
Corre quiuta-feira 26.
Acbam-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n. 15, os bilhetes,
meios e quintos da 4" parte da lotera (36a)
\ a beneficio das familiis dos voluntarios da
patria, cuja exlraccao ser no lugar e hora
do costume*
Os premios de 6:0003000 at 103000
I serio pagos uma hora depots da extraccao
at as i lioras da larde, e os outros depois
da distribnico das listas.
As encommendas serao guardadas somen-
te at a noite da vespera da extraccao.
O tbesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou/.a.
Isaac Esnaty, subdito francez, vai para o
I lio. ________'____________________________
CASA DA FURTOS \
Aos 6:000^000.
Bilhetes garantidos.
A beneficio das familias tos briosos
voluntarios da patria.
.V RA DO CRESPO >". 23 E CASAS DO COSTUME
0 abaixoassignado vendeu nos seas mnitofel
es bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
de extrahir, a beneficio das familias dos volunta-
rios da patria, os segnintes premios :
Tres quintos n. 1653 com a sorte de 6:0005.
Um meio n. 2I4C com a sorte de 1:200,5.
Um meio n. 340 cera a sorte de 6005000.
Dous quintos n. 2312 com a sirte de 2005000.
E outras muitas surtes de 100$, 40$, 20A e
10j000.
Ospossnidores podem virreceber seos respec-
tivos premios sem os descootos das leisnaCasa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 4' parte da lotera
(36'J beneficio das familias dos voluntarios da
patria, qut se extrahr a 2ti do corrente.
PREGO.
Bilhetes. .... 6*000
Meios......35000
Quintos.....1*200
Para as pessoas que comprarem de 1003000
para cima.
Bilhetes.....55500
Meios......2*750
uintos.....15100
Manoel Mabtins Picza.
Franca e Brasil.
J. Mercier alfaiate francez precisa de bons al-
faiales e bias costureiras : largo do Corpo Santa
n. 27, primeiro andar.__________________
~~^- Precisa-se de um amassador de padari*.: na.
rna do Baogel a. 9, paga-se Lem.
r.
i. Hooder, tendode retirarse desta praca roga
aseus devedores que tenham a bondade de mau-
darem pagar suas comas na ra da Imperatrz
sobrado n. 19, onde mora o Sr. Frederico Chaves
que esta com os poderes necessarios para receber
e fazer as quitacoes oecessarias, sob pena os que
nao mandarem pagar at o lira deste corrente
mez depois serao chamados a juizo para pagar.
Fugio do engenho Bamburral.na noila do dia
16 do crreme, o escravo Antonio, crioulo, preto,
baixo, grossura regular, oaos grandes, barba pou-
ca, ps apalhetados e seceos, uma perna inais cur-
ta, que n andar d dem rastraeo, lera ama cica-
triz na testa, era uma das pernas uma marca de
ferida na can rila, veste roupa de algido ; dito
escravo talvez siga para o Recite, visto lar sido
preso na estacao de Alegados na noite de 12 do
corrente : quera o tren lar dirija se a este engonho
ou a casa de meu correspondente, ni Recife. ra
da Cmi n. 43, segundo andar, que sera' recom-
pensado.
g 2EP0SIT
S i'aucauo:
Kl
m
m
versas ijuali
ilimiiiulus, a
S su vendo
Xa rila de S. Fran
para rozlnhar e co
vicios.
4) m CALCADO
A :asa DE ElEXgO
hiiova n. .
Ahi se ene mtraro ubr^s de di-
SUS
dfs, e por prego mili
ulalho e em poryoes.
[iuheiro.
\raa.
seo, ou Mundo-Xovo n.
iprar, que seja fiel e:
A lili
Precisa-se de runa
lene para acabar de
rna de O 1111112 is |>jr
Aluga-se uma casa com grande sitio em San-
t'Anna, confronte ao antigo sobra lo do finado Bel-
lem, tem mullos arvoredos, e bem localisado por
flear na beira da estrada por onde passa o mni-
bus : quem pretender dirija-se a ra da Cadeia
do Recife n. 3.______________________________
Har pnxs'ir a, fusta.
Aluga-se a excelleote rasa da i I lia di Retn n
3, muito fresca e bons conunndos: a tratar na ra
Nova n 38. Tambera se vende.
Na ra Forra >sa. esquina do beeco dos Fer-
reiros, sobrad) de ora ao lar e sato, aluga-se uma
escrava para casa de familia._________________
Aniga se um 111
para criad 1 : ua ra
mmmi.
5t -y,'u l'ei-co do I
g; dos Copiares, se
Precisa-se de di
i
54,
em
DR. PEDRO DEATT4HYDB LORO HOSCOSO,
ij:k. v\Kri:ino k oi*i:h idor
3 Kua da Gloria, casa do Fundao '6
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas gralnitas aos pobres todos osd.u das 7 as II
oras da manhao, edas 6 e meia s 8 horas da noile, excepeo dos dias santificadf>s.
Pharmacia especial komeopmtkm
No mesmo consultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaeoes; c pelos prn.-us sgainlej.
(arleiras de 12 tubos grandes. liWKK)
de i tubos grandes. 185000
de 3o* tubos grandes. 244000
de 48 tudos gratules. :i0000
de 60 tubos grai. le* :?;;3000
Prepara-se qualtjuer carteira conforme o pedido que se lizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onra 15000.
Sendo para cima de \i custaro os precos eslabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
A melbor odra da hompopathia, o Manual de Medicina HoneopMlrico dr. Dr. Jahr
: dous grandes voluntes com diccionario............ 205000
Medicina domestica do Dr. Hering........... |O#0 0
Repertorio do Dr. Mol Moraes............ 65000
Diccionario de termos de medicina........... 35000
Os remedios deste estibelecimeitto sao por demais conbecidos e iiispetiaam i-nt
:anto de sercm novamente recommenaades as pessoas que qoi/erem osar de remedir.s
verdadeiros, enrgicos e doradores: ha tudo do melhorque se pode desojar, globos de
*erdadeiro assucar de leite, mHaveis pela Ma boa conservado, tintara < s mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparare, e ortaotM maior
i energa c certeza em seus effeitos.
Casa de mude pura, esc raros
Recebe-se escravos para tralar de quaiquer enfermidade ou fazer-se Ihe qnalquer
operac'io, p^ra o que o annunciante julga-se sufcientemenle habilitado.
O iratamenio 6 o meihor possivel, lano na parte alimentar, como na medica, e
; funecionando a casa ha mais de Quatro annos, ha muias pessoas de cajo n nceito se no
pode duvidar, qie podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
; doenles.
Paga-se 25 por dia durante 00 dias e d'ahi em diante 1->:JOO.
As operaces ser) previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos. precos
razoaveis que costuma pedirr o annonc'ante.
6 leite.
ama ine tenha
li.ir nm menino
n. W.
muito hom
: a tralar na
il-.iiniio de IV minos, proprio
da Imperatrz n. 2.
bato n. 3 ootr'ora ra |
precisa de urna ama *g
m
jmm
ha ama para coiinhar e en-
gominar : na ra do mperadur n. 22, primeiro
andar.
BBW

1
t;
A pessna que preci
tica de laberna ou pai
ment, cujo caixeiro i
ana a bondade de Jei
ciaes A. A. A. : na pr
wB
BO li'O
O abaixo assignado protesta contra a prescripcao
em qnalquer tempo de urna letra da quaoiia de
40G300, principal com seo competente jaro*, ha
muito vencida, que a houe por transaccao de ne-
gocio, aceita por Jacintlio Jos Amaral Aragao,
morador na provincia de Alagoas por ter sido par-
lieipado por escripto a dar curaprimenlo de seu
debito, nao querer responder.
Manoel dos Sanios Bererra Lfite.
Conirtta-sn a venia de *i-) a i>0 pipas cosa
excellenie niel de foro : a tratar no escri|>tori i de
Jos Pereira Vianna, na prtca do Oirpo Santo n. 6:
Na fundicao do Bowman preeisa-se de ina-.
Ihadores e serventes_______________________
Precisase da 2003 a juros a i 0/0 sobre pe-
nhores de ouro, pelo tempo de quatro mezes, pa-
gando-se todos os mezes um tamo al o importe :
na ra de Aguas-Verdes n. 21, ou anniincie.
O abaixo assignado faz publico que nao
mais procurador dos Srs. Uagathaes, Bastos 4 u ,
e nem doSr. Antonio Leite de Itagalbes Bastos. (
Recife 18 de outubro de 1865.
Antonio Domingos Pinto
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam sobre
Lisboa : no largo do Corpo Santo n. 1^________
lenrique Luiz Cavalcauti Waudcrley
Avisa que sobre sua banca foram deixadas ha
dous dias duas letras sacadas p-lo dito Sr. Wan-
derley, a quera o annuuciante. nao tem a honra de
couhecer, ignorando quera s tivesse deixado em
seu escriptorio na ra estreita do Rosario n. 3i ;
assim como observa que poneos dias faliam para
se nao poder sellar ditas letras sem revalidaco.
Precisa-se de 100 ou IS'*$ a premio, dndo-
se segnranca : quem quizer dar aonuncie que se
paga o impor'e do annuncio.
Precisa-se de um criado prefere-se escravo:
na ra das Cruzes n. 22,2' audar.
Aluga-se una ama escrava : ni ra dos Pra-
zeres n. 22, nos Coelhos.
0 advogado AfJTonso de Alliuqnerque Mello ao Sr.
No pateo do Terco n al, pre isa-se alugar
uma escrava para o servico de casa de familia e
paga-se bem ; assim como se vende um bora es-
cravo ni'h; i e bonita ligura sem dtfeito algum.
Quem precisar de I 5005 a juros sobre hy-
potheca de om pre lio nesta praca, dirija-se a ra
do Imperador u. 38, botica.
Grande armazem RA 110 IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos utensis e os maisempregados
e usados napharmacia,pintura, photographia.tin-
turara, pyrotechinia(fogosdeartificio)eem outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaesdroganasdeParis,Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer
productos de plena confianca c salisfazer qnalquer
encommenda a grosso trato e a retalho, porpregos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas sadufari
com promptldao quaiquer pedido de tintas moidas
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas qne sao importadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande colleccao de vidros de differentes
fermatos, desde uma oilava al dezeseis meas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamante;
para corta-Ios; depinceis para fingir madeira coro
rtopredade e outros; de papis dourados e pra-
peados e folhas de gelatica para ornamento; de
papel grande e pequeo frmalo de vanas cores
para embrulho, para fono de casa, para desenlio
com fundo j feito; de papel albuminado le Brisio
verdadeiro saxe para phctographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
tei ior ; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de liohaca
Clarificado, oieo de mide, secativo de Harlim, anro
verdadeiro em |> ; prata. uro, e estanho em fo-
lhas de varias cores; tintas vegetaes, inoffensi-
vas proprlas para cnnfeitariss; la de cores, e
ollios de vidros para imagens; tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas eia pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly.jasniim, bergamota, i.spire, patehouly, mbar,
bu<|uet,linio, alcaraiv, melissa, ortelaa pimenla,
ouro,cere)a, alfazem, jiinpcro, Portugal, lima,
ans da Russia, caaetla, c avo e muitos outros ob-
jectos Hfx* s.6 coro a vista iioderao ser mostrados
Joo Mn das Neves,
ereule.
m
u Dr. Cosm
uta a residir n
l*e i andar,
rado para o ex
sao mlica,
sobre <-. seguii
>ixeiro.
ar de un caixelro com pra-
tnutro qnalquer eslabeleci-
ia.lor de sua conducta te-
ar carta fchala com as loi-
ca da Independencia ns. 6 e8
m
3o
Em seu escr
: de S l'ereira conti-
i raa da Cru;'. n. 53,
nide pode ser proco*
ireicio de sua profs-
i com especialidade
te
I* moles ,ias de olhos ;
de peito :
dos igaos,geni-
ti urinarios,
ptorio os doentes se-
rao examinado s na ordem de suas
entradas come :ando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar cnsul as todos os dias das
6 as 10 da mar la, menos nos do-
mingos.
a e quaiquer opera-
conveniente para o
elecimento dos seus
Praticar toi
cao que julgai
prompto res tal
doentes.
lina
Precisa-se de uma a
menino e fazer mais a
so : na ra do Quein
mwm

na secca para cuidar de um
;um servico que seja preci-
ado n. 39, luja de fazen-

^m
O h ithurvi
Francisco
m
\ua do Impe
mmumm
Aluga-se a loja
n. Ci par prego multo i
| eommod^s : a tratar m
mu sobrado.
uististo (la Costa Wi
MUDO >V,|
ador numero (i9. 5^
sobrado da ra Imperial
fizoavel, e com muito bons
primeiro andar do mes-
Cerlos Dubois m
ment da praga
brado n. 18 da rna
0 cab*
DE
VIGNES.
-\7. 55. RIJ.% UO 1.UP12R.4UOI1 \. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje as-s conhei-idos para que seja boom aria ins:-nr sobre a
ua superioridade, vantagense garantas queoDereeeni aos eompraoores, qaalidadaa asas ioeoat>-*u-
eis que ellos tem delinitivaraenle conquistado sobre todos os que lem appareeMa nesta prafa : kjs-
suindo um teclado e machinismo que obedecen) todas as vontades a eapnrhns das pianistas, -m
uunca falhar, por seren fabricados de propo.-iio, e ter-se feilo uliimaraenle melboramentfs Importan-
ussimos para o clima deste paiz; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por uso muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Faiem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blonelel, oe Paris, .
correspondente de J. Vignes, em coja capital foram sempre premiad is em todas as eipsig.i-s.
No mesmo estabelecimento se achara sempr i um explemlido e variado ortimasMa aV mu'm-
'jielhoresamores da Europa, assira como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tuJ-> v li!
pregos comraodos e razoaveis.
J
Oompanhia geral hespanhola de seguros mutur^
sobre a vida
AUTOWSADA PKLO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBltn DE 1859
raa lianca era dBheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
miuistrnco <4a corapaniia.
BANQUE1I10S DA COMPAXHIA
O Banco de llespanha
DlltECCAO GEltAL
Hadrld : Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de sujerviiiici iu.- segu-
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripcao de maneira que em nenhum caso mesn.c i u dui.
gurado se perca o capital era os juro'scorrespondentes a estes.
Sao tao supreliendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A KAC!<
DAL,-que anda mesmo diminuindo urna terga parte do nleresse produzido em recentes li |u
ces ecombinan lo-o cora i mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela com:
para seus calculse liqaidacSes, em segurados de idade de 3 al9 annos, uma imporsigajaDDUa.
de 100 produz em effeclivo metlico:
No fim de o auaos.......1:1195300
d; 10 .......3:9425600
. de 15 >.......11:2085200
de 20 .......30:2565000
de 25 .......80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informagoes serao prestadas pelo sub-direclor nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatrz n.12,e*ia ei
ment dos Srs. Kaymundo.Carlos.Leile A Irmao.
Eoubo.
leireiro.
dou o seu estabeleci-
a Boa-Vista para o so-
la Imperatrz.
ufferece-se um nioi
do Forte n. 30.
o para cozioheiro: na ra
Claudio Dubeux, a
, metrio da Silva Laranja.
i Para, vende a casa n. 6*
i Fora de Portas, proprie.
! para tratar na ra do Itr
do mesmo Claulio Dub
Itorisado por Antonio De-
residrnte da provincia do
sita na ra do Pilar em
ade do mesmo Laranja :
arador u. 43 escriptorio
IX.
Aluia se muilo e
de S. Bento, defrnie de
concertado e piulado de
dos e bom quintal, mu
banho:.:a tratar na ra d
Claudio Dubeux._____
i couia o sobrado da ra
Pedro Velho, em Olioda
ovo, lem muitos commo-
fresco e (lea perto do
Imperador escriptorio de
Na noute do dia lo do corrente, fo roubado de
uma sala, que tica nos fundos do sobrado de um
andar, da ra do Seve; freguesia da Boa-Vista, no
qual mura o abaixo ai-siynado, os seguinles objec-
tos: 1 relogio de ouro sabunete, 25,424 patente n-
glez, mostrador do louga escura, com cadeia e
chave de ouro e com outra mais lina tambera de
ouro com chave de dar corda; 1 par de castigaes
de prata, lavrados com angelical: 1 escrivaoinba
de prata em forma de concha, prato e espiviadei-
ra de prata; I crrente do mesmo metal com di-
versas chaves miudas; 4 ongas de euro; 2915em
prata, que se achavam u'um sacco de damasco de
laa cor branca e verde : suspeita se que o hdro
j entrara por urna das janellas, que deita para o
j quintal do referido sobrado, aDaixo das quaes fica
I o telhado, que serve de coberla a cosinha, que no
| pavimento terreo: pede-se pcis as autoridades
i policiaes para que empreguem os meios necessa-
I rios para descobrirem o ladro; bem assim aos
senhores ourives; e mais pessoas a quem forera
offerecidos ns objectOS roubados, para aprehender
como ronbados: offerece-se a graliflcacao de 2003,
a quaiquer que descubra o autor do roubo. Recita,
16 de outubro de 1865
Jnao Fernando da Cruz.
Quem precisar de um jardinlieiro ou eiiar
para um sitio, dirija-se a ra de Horlas n. 142, Io
andar, que achara' com quem tratar.
l-OJ.l
m
AGUA i RETA
Declarase pelo pesen e que ninguem faga ne-
gocio algnm com os anin aes do engenho Florele,
sito em Agua Preta, que ilem de eslarem com o
ferro triangulo, dentro de qual se distingue uma
forma de forquilha, sn a
iSo piles de cauda, dinas
assim serem conhecidos.
ica e queixo direito, es-
e orellias cortadas para
Precisa-se alugar ur a escrava que saiba re-
tratar na ra da Cruz
ajobar bem e comprar
n. 56 pnmoiro andar.
Os arremalanies da m:
M RELOJOIRO, I
ssa
%1
falinia de Joaqulm
h\
victok un i\nivi
. N. O -Una da Cadeia do llecife- 40 %gg
. 0 proprictario deste es- ^
tabeieciinento, premiailo %
M ^^/-H ''"" a medalha da expo- -^g:
UP sigo universal de Paris "*
no anno de 1855, tem ex jH
posto a venda em sua lo- aag
ja, um grande sorlimento ^R
de relogios para aigibeira como sejam de g|
ouro e prata, sendo dos melhores fabri- -^
aleantes, de patentes inglezes, suissos e 01
aK onsnntaes. Tambera lem uma grande "-0
*** quantiilaile de relogios para parede, a ^3
, B que balem horas, ditos para embarcages
Samuel Power Johnston & Compnnhia
Ruada >enzalaNova n. i.
AGENCIA 0A
Fundif ao de Low Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava I los.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d.- carro para um e dous cavados.
Relogios de oro patente inglez.
Arados americanos.
Ilai hias para descarofar algalac.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
mwmwm mmm e mwm
Attencao.
jfH Todas as pessoas que se jnlgarem cre-
M doras do fallecido Julo Jos de Carvalho
S Moraes, por conlas miudas, ttulos ven-
:S cidos ou a vencer-se de quaiquer naiure-
>*' za que sejam, queiram aprsenla los na
H ra d'Queimado n. 13, no prazo da 8
>! das, a contar da dala deste para serem
,dtf examinados o pagos pelo inveaian'ante
S do mesmo casal Joao Jos de Carvalho
3| Moraes Filho, nao obstante ter o fallecido
*Af declarado em seu testamento nada di-ver
JS nesta praga e nem de sua eseripturagao
fS| consta divida alguma, pelo que ba pre-
>jK sumpgao ae falsa toda e quaiquer letra
*5 ou ttulos que apparerem assignados pelo
fallecido. Recife 13 de outubro de 1865.
mmMMmmwmmm
i
m
m
m
i
m
%Tk%*
Precisa se de nma ama para casi, de rapazes
solleiros que saiba bem cosinhar, engommar e fa-
zer o servigo de casa : a tralar na ra Nova n.
37, loja.
dHknimi&:l arca\cJ rxa\
Vieira Coelho 4 C. prevm ra aos senhores devedo- *
res para qua no pn.so de
dem pasar o que esto de-
na ra da Cadeia do lid if
praso, i s que nao pagaren
mes publicados pelo Diari
branca judicialmente. B
1865.
0 das venham ou man-
endo a' mesma massa,
n. 3, o que rindo o dito
lera i de ver seus no-
e sn promov-r a co-
fciife 5 de ouiubro de
Aluga-se o segundo
de Santa Bita n. 25, caiad
com commodos para gran
no primeiro andar do a.-
carne secca ha rna da Prx
__\ r
1

ndar do sobrado da ra
e pintado de novo, e
le fa.i ilia : a tratar ou
mo,' ou no aruiazem de
i n. 44.
e para cima de mesa, todos estes relogios
sao dos mais bonitos modrlos. O mesmo
roncera relogios de todas as qnalidades
existentes, assim como tambem ennrerta
~i ehronometroa de aigibeira e mariiimos
JH recebe sempre por tolos os vapores, um
completo sortimento de correles e Irn-
calina, sendo ludo de ouro de lei a de
fl^ modelos os mais modernos. jjJ
ff!** mwm* mmmmm
O Sr. Francolino Carneiro de Lacerda,
queira apparecer na ra do Crespo n. 1C
primeiro andar, a um negocio de seu inte-
resse.
entista de Pernambuco.g
H Kua estreila do Uosario n. 3, p
ao p da igreja
^FRANCISCO PINTO OZORIO*
'. C'olloca deotes arllfieiaes :
pelos y.-.temas uiais rao- |
Emprega todos os meios scianiltcos para
5 conservar os naluraes. Pode ser procura-
tiaf do em seu gabiuete das 9 horas da na-
SM nhaa as 5 da tarde.
Precisa se de um caixeiro de H annos de
idade para taberna, com pralica ou ssm ella : no
pateo da ribeira s. 23.


Btark *. VeriHUMbne*'Cfetftata leira alubro e f
UMA GRANDE DESCOBERTA
OLEO
de FIGADO de BACALHAU
DESINFECTADO
MEDALH*
DE
HONR
BACALHl
DESINFECTADO FERRUGINEO
:.
As propiedades medcaos do oleo de ligado de bacalao forio unni-
memente reconhecidas. Mas seo cheiro c seo eabor lao desagradaveis
orno o uso d'elle militas vezcs impossivel, mesmo aos estmagos
es mais robustos e aos mais condescentes.
Por isso a descoberta do Snr. Chbvribr que lhe permettio de
desinfectar inteiramente o oleo de figado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tcm sido um dos mais fclizes problemas resolvidos pela
teraputica moderna.
O oleo de figado de bacalhao desinfectado de Chevrier.
com um cheiro agradavel e um sabor astucarado, c o nico que nao
tem nem goslo nem ciieiro de peixe.
Objcelo de numerosos relatnos scienlifteos -elle goza em Franca
de urna fama bem merecida, e receitado por lodos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mosmas
proyriedades do oleo de figado de bacalbau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as :
Malratlaa crrul,
lttf4-llittHHiO.
Obalrucfaa da itUn.lr.,
ristra pulmonar,
Molmdm pi-llr.
I oiilllnicao 1 mphatlta,
Anemia, dbilWladr, fraquria.
Ma*n i,
Pobreza da cana;iic,
'..riiiruuK-uic por extern le
Irulinlbo oh lie arasen-a,
Mol rallan lea ou elir*Mira,
Tonar perli nanea,
Gnatriira, .aatr alKlas,
0 Oleo de figado de baailhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a aceito tSo efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vas digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando temado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., en fin perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipaco.
As pessoas as mais delicadas que nSo podem supportar as
preparares ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quentes, tem mu tas vezes grandes inconvenientes,
poderSo com a nova descoberta do Snr. Chbvribr, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes (teraputicos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chbvribr, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
Dore de ratania^.
Elle convem a todas as compleicoes e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimenlacao das enancas fracas e doentes
Dm folleto accompanha cada vidro conten as observacoes medicaea.
Deposito em Pariz, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz tu 22 em casa de Caros & Barbosa.
LIpIDAC^GRAL

OS PARAGUAYOS
E' a ordm do da 1 Acabar com 6 Para-
guayos a bayoneta, t mini, a re volver:;
fulmina-los com os ebcouracados armados
de esporoes, armstron js e raiadas de #0
120; extenama- os en summa a2spada, a
falo e a ponhal ce que se trata; mas
nioguem se lembrou ainda desmagaros
Paraguayos com as arnasque Deas DOS con-
cedeu; acabar com el
ps, para o que neceisario encour-acar esta
SEGUROS
MARTIMOS
en-
parte do hosso corpo
rompe-ferro, esmag.
quebra marmore e ou
4&-RUA oill
Borseguins Ikudeaux.L...
patricios.....
> para senboras,
feitados.......
com laco e Ivella ..
Sapatoes ncouracados......
B irseguins para meni as bom
elast co................
Sapatos de lona, sola
avelludados.,
de tranca...
econmicos pfira
nhoras....
com salto de
CONTRA FCfcO.
a IIUC 1WB lUS CUU- rt 1 T 1 1 ,w.iiiMiia ,,*i t <:ui ll> Cl.
es a tacao e a pona A UOllipaillllll lndemniSaClOra Gai ?e l"ineira nuajidade ltimamente chegad
' .. r ..i pelo navio tJaboatao.
fipin on^nurn/'oe noli aina naclu nr-ipa hivi caanrnc miniimAi I ^-1__^.^_^-^___^_^__^_^__
Vendem-se
Heirv Forsfcr k C.
na ra do Imperador n. 3, ou do ce? de Pedro I!
d. 3, tem para vender o seguinte :
Fannha de trigo das melhores morcas existentes
no mercado.
Machinas americanas de 20, 40, 50, 60 e 120 ser-
ras para descarogar algodao.
Motores para o servigo das machinas ou ootro
qualquor trabalho tendente a rodagem.
Prensas para ensacar algodao.
Roeas americana? para cabrio e.
O
com os fwmidaveis
cebra, arranca tocas,
ros que se vendern
EITA45
85000
0U0
eslabelecida nesta praga, toma seguros martimos
sobre navios eseus carregamentos e contra fogo era ]
edificios, mercadorias e raobilias: do seu escripto-1
jo, ra do Vigario n. 4, pavimento terreo. machinas americanas de serrote para descarocar
[ algodo : na ra da Senzala ;Nova o. 42.
0 GUINDE BAZAR
Rua \ova ni 8 c 99.
O proprietarlo deste eslabelecimento avisa ao
5f$500 respeitavel publico que acaba de receber um ri-
4#800 auissimo sortimento de objectos de posto, como ; cezas escurase Qnas a 280 o covadj.
As melliurcs chitas fraiice/as de cores
escuras e iixas a 280 rs. o
COVado
Na rua do Queimadon. 1 vendem-se chitas fran-
lastica.
se-
ustre.
50000
35000'
2dO00
100|
1,5000,
5500
2,5240
11600
sejam, capachos de 13a de caroeiro de lindissimas
cores, tanto para sala como para cobrir consolos,
riquissimos tapetes, e mailos outros artigos. Este
eslabelecimento tjrnase digno de ser visitado pe-
los apreciadores, onde encootrarao apar de melhor
tratamento os mais commodos precos.
Ama de leite
Precisa se de urna ama de leite ; na praca do
Corpo Santo n. 17.
\
NO
GRANDE ARMAZEM DA LXPOSIQAO DE LONDRES
vm
,A% &
St
fe
60 Rua da Oadeia do Recife 60.
Todos os arligos abaixo mencionados foram comprados recentemente pelo dono do estabelecimenlo as principaes fabricas
de Pars, Londres, Binningliain, Mancbester e em diversas cidades da Allemanha, e tendo comprado ludo as melbores c ondices
por ser a dinlteiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inteira-
mente liquidar e ler de partir mui breve para a Euroi a.
Ha neste vasto armazem i ic s objectos com brilliantes, como boloes, aoncis, rosetas etc., e bem assim diversas obras de
ouro, como Inincellins, correotSes, armis e muilos outros artigos, relngios de ouro ingleses do afamado fabricante Bennette; com-
pleto sortimento de fazendas linas c modernas; miudezas, perfumaras finas dos principaes fabricantes ingleses e francezes, como L.
tem
_ para
ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, castieaes, enfeite- e adornos para cima de consolos e para grande lollelte, o que se
fcito de mais elegante em Pars, Londres, Birmngham etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para cha e caf, os quaes em
nada siio inferiores prala, e muitas outras pi cas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de senho-
ras, excellenles luvas de pellica do afamado Jouvn, apparelhos de porcelana fina para cha ecaf, ditos para jmtar, e immensos arti-
gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para llores, figuras, etc; calcado d s principaes fabricantes de Paris e ditos de pan-
no com sola de borracha, panos dos celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na
rua, ditos com figuras para saldes e ditos com figuras em movimento; mude-nos e bonitos instrumentos do physica (mgica) para
tbeatros ou saloes, ditos de pbantasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com vistas novas, dia e noiie; stereocopios de nova in-
veneao e com bello sortimento de vistas das principaes cidades da Europa; grande sortimento da brinqoedos finos para iriancas, e
bonecas fallando papae c mame ; grande sorUmecto de candieiros a gaz, o que se tem feilo de mais elegante e qu tem
merecido toda a aceitacSo na Europa, grande e magnifico sorli i cato de ca xinhas, cestinhas e outras galanteras feitas de crina e seda,
- proprios para presentes; grande sortimento de estampas lin s coloridas com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com
figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramas, finos e bem graduados videos para cosmoramas, um bello chafarte de crystal
propro para meio de mesa de jamar ou para jardim ; entelara fina, como talheres com cabo de metal fino, colheres, tbesouras finas,
ditas modernas para alfaiates, navalbas finas, canivet-s e outros arligos, diversos artigos feitos de rame; completo sortimento de
mascaras de veludo, setm, cera, papelfio e rame ; doces confeitados e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de todos
os lamanhos, lavatorios, etc.; res quadros para cartes de visita e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos de sol, benga-
las, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para baterovos, proprias para quem faz po-del, bolinhos, etc.;
pannos para cobrir mesas, bolsas grandes e pequems para viagens, e outros arligos, como cobert res, malas, etc., sortimento de
violes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galantaras e outras necas de charo para toillelle; machinas para varrer o chao,
excellenles machinas para photographia para tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos baloesde papel fino transparente e lanternas
coloridas para i'ltimnacoes moda de Paris; salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quem toma banhos em
lugares fundos; anieixas novas em caixinhas, biscoutos inglezes em latas, queijos, ele, e muilos outros artigos que para ennumera-
los seria urn nunca acabar, e todos se vendem barato e muito barato, no grande armazem da Exposco de Londres, Da rua da Ca-
deia do Recife n. GO.
Chineles do Porio.
Um completo sontrjeito de calcado da
trra para homens. sftnhoras e meninas
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taixa de todas as qual-
dades, fitas para sapatt ro, muito sortdas,
sola e couros que tudo risto necessariamen-
te faz cobija ao comp ador pela barateza.
g CASA DE JANHOS*!
Ruaa Cru n. 17
*R A abaixo assigoada, tem a honra de 3R
j^ participar ao publico q e o fea estabele- ^
ffi cimento cima mencioi ado, aclia-se hoje ><
^ funecionando muito n galarmeote, pro-
jjj vido de todas as accon modacoes necessa-
as ras e sobre ludo com a guin.i limpeza.
sianoes firmados i or meus anleces-
^ sores Cedrim & ;. serio reeebidos al o
** meado do mez de culut ro vindouro, os da
5 casa tero a firma da abaixo assiynada,
m
m
m
*:

atf
e serocomod'anlesir
Tabella dos
t assigmtura mensal c
a um banho diario a
t dita de 30 carious t
veis a 360 rs........
1|2 dita de lo ditos a uo rs
1 banho avulso, morno |)u fri ou
de chovisco
i dito aromalisado com
rida...............
Us medicinaes serao
convencionar:
U eslabelecimento e.s
usmissiveis.
precos.
brn direito
320 rs.. <)600
aDSOliSSi-
105800
05000
S00
agua IV.-
..'...... 15000
pelo prego que se
tara aberto nos
das utels das 6 da manha as 10 da noite
e dos dias santificados
de, baveodo chegada
aberto por mais algum
Pra quem precisar
duas casas com commodos
do Retiro, junto a ponte da
om L. M. 11. Valenca.
Joo da Silva Ramos, medico, me-
dico pela universidaie de coimhra, j
; d consultas em sua casa das 9 as
: \ 1 horas da manhaa, e das 4 as j
i da tarde. Visita os doentes em suas
I casas regularmente as horas para j
! isso designadas, salvo os casos ur- ]
r gentes, que serao soccorridos em
i qualipier occasiao. D consullas aos
i pobres que o procuraren) no hos-
! pital Pedro II, aonde encontrado
i diariamente das 6 s 8 horas da
i manha,
I Tem sua casa de saide regular- i
I mente montada para receber qual- |
5 quer doente, ainda mesmo os alie- I
i nados, para o que tem commodos i
} apropriados e nella pratica qualquer '
? opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
', Primeira classe. .3)5000 diarios. |
i Segunda dita___35500
Terceira dita 2(00
Este eslabelecimento j bem j
i acreditado pelos bons serviros que 1
j tem prestado. I
O proprietario espera que elle
I continu a merecer a confiauca de I
jaque sempre tem gozado.
W S
a
Framcisco Jos Germano
rua nova r^. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo emais apurado posto da Europa e ocu-
los de alcance para observacoes e para os
martimos.
Vendem se dous relogies para senhora, e
dons patentes para homem, dous aderecos e um
alfinetecom brilhanles, urna pulseira com brilan-
tes, ludo de euro : na rua do Vigario n. 8.
VENDE-SE
m
um sitio nos lVuiedios, a margem do rio Capiba-
rilie : quem qntaer dirija-se a rua doCald- reiro n.
68, ou na rua da Aguas Verdes d. 46, 2o aodar, a
tratar cora Julio Pires Perreira.
Vendem-se capellas de aljfar para seren oollo-
cadas nos tmulos, catacumbas, sepulturas, no da
2 do vindooro novembro (finados) com as insrrip-
caes seguintes : meu pai, minha tri. meu esioso,\
fninha esposa, raen filho, minha filhs, saudades ele.
etc., e tambem se vende urna capella riqoltsima
de marmore : na praca da Independencia toja de
calcados OS. 37 c 39, as nicas (jue ha no mercado.
l 2 horas da tar-
Be vapor estara'
empo.
Mathilde G. Lessa.
MfMlttb9l *mx.ysfm
banhos, ofierce-se
para familia, na ilha
Passagem : a tratar
m
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na rua do Impera- ^
% dor n. 17, segundo andaf, tendo alias seu **
H gabinete de coosultas |medicas, logo ao 3&
& entrar, uo primeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao 5**
estudo taoto das operares como das mo- ZM
lestias ioteroas, presla sb a qualquer cha- S
mado, quer para deotio quer para fra R
da cidade. X*'
RHR &!&&%&
I e das caixas filiaes
Cruzes n. 8.
Notas do banco do Bra
descontam-se na travessa da
Criada.
Grande bazar
Precisa-se de urna criada para cosinhar e ora-
prar em casa de homem solteiru: na rua do Quei
mado n. 32, loja.
COfflPS.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na rua larga do
Rosario n. 24, luja de ourives.________________
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de, efectivamente escravos de ambos os sexos :
rua do Imperador n. 79, terceiro andar.
Rua \)va 11*. O t S9.
Cameiro Vianna, proprintario desie imporlaofe
estabelecimenlo, tem a satisfacao de sciemilicar ao
rospeitavel publico, que acaba de receber as uli-
lisslmas canelas magnticas, as quaes tem a pro-
priedade de tornar firme a mo qie com ellas es-
crever : est portanto sanado o mai tao commurr
a' pessoas de dade avancada, ou atacadas de mo-
lestias nervosas.
Colla da Baha superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azevedo &
C, no seu escriptono rua da Cruz n. i.
0 castello de Grasville.
Traduzido do francrz por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quati
preciosas, tomos pelo baratissimo preco de 3600C
Compra-se ouro, praia e pedras
era obras velhas : na rua da Cadea do Recife, aa pra^a da Independencia.' MvrariVnV.
cja de ourives no srco da Conceicao. R !, v v
NO GRANDE AR-
MAZEM.
DA EXPOSIC.AO DE
LONDRES.
,a comP,eta l'quidaclo vendem-se, por muilo menos do seu valor, perfumaras muilo finas e novas chegadas recentemente
de Pars e de Londres dos mais afamados fabricamos seguintes: E g Kimmel, R. Matheus & C, Lubin, Socedade Hygienca, Piver,
violet, L. Legraml, Deletrez, Pinaud & Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frre, etc. etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de
Colonia em vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em garrafinhas e vidros de differen-
tes modelos, pos para limpar dentes, banda em pules e em vidros, pomadas, ricas caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer
presentes, e muilos ouiros artigos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos era geral existentes no grande
armazem da Exposico de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
PAttA SESHOR.-tg.
Ricos e modernos penies de tartaruga para (ranea de senhora, o que se tem feito de mais elegante at o presente: vende-se
por menos de seu valor para se liquiiar, no grande armazem da Exposico de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
MJVAS tfOVAS ]>E JOUVIH.
Vendem-se excelientes luvas de pellica, recentemente chegadas de Paris, tanlo para homem como para senhora por menos de
seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposico de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
lIIOTtt&K?lIII.t.
No grande armazem da Expo.Mcao de Londres, rua da Cadea do Recife n. 60, rua da (mperatriz loja de Mr Dubarryn. 8
ma rua loja de miudezas n. 54, vendem-se excelientes vistas para quadros de sala e para albuns, como:
e na mesma
Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Guimaraes.
Porto, rua de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o ouro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimora.
VISTAS HE PERNAJUB(JC;0.
Tiradas na occasiao em que S. M. o Imperador aqui esteve em lfc.59 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M. o Imperador no dia 2 de dezembro,
indo para o Te-Deum no convento do Carmo.
Theatro de Santa Isabel.
Rua da Cruz com a pyramide.
Torre d 1 Arsenal com a illuminaco na frente.
Passeio publico, na ebegada de S. M. o Imperador.
Rua do Collegio com a tropa.
Pateo do Collegio com o palanque.
VIACJKH A' EUROPA.
Stereoscopios de nova invencao com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como:
Franca.
Inglaterra.
cao.
Chegaram a livraria encyclopedica de Jos Bar-
bosa de Mello, rua da Cruz n. 52, as seguintes
obras do Dr. Chernuviz :
Formulario 011 guia medica,
que contera a descripgo de todos os medicamen-
tos, sexta edigo, cora 121 figuras no texto que re-
presentara as plantas medicibaes ; 1 volume de
820 paginas, encadernado, preco 6,j.
Diccionario de mediriiia popular
que contera a decripgao das molesiias e o seu tra-
tamento, terceira edico, com 231 paginas; 3 vo-
lumes encaderuados, preco QS.
Historia natural
para os meninos e meninas, ou conversarlo de
um pai com seus filhos sobre muito? aniraaes e
vegelaes; 1 volume encadernaido, com 154 figuras,
prego 4000.
Sahio a luz em Paris, e vende-se na mesma livra-
ria b imillas e sermoes parachiaes para lodosos
domingos do anuo por J. I. Roquete, 2 volumes,
encadernado, com o retrato do autor.
GASA
Aluga-se a casa n. 4 da rua do Priocipe, com
salas, 3 quartos, coznha fra, quintal e cacimba
a tratar ua rua Nova n. 3.
Para se passar a testa nfio lia
melhor
Aluga-se a bem conhecda casa denomi-
nada Cana-fistula, que foi do finado Xisto
Vieira Coelho, a margem do rio Capibaribe
no Monteiro, a.sim como a pasa que foi do
Sr. major Baixa. na povojtgao, com boas
commodidades para grande familia: a tratar
na rua do Crespo com Andrade Reg.
Aluga-se para se passar a festa um
sitio c m urna boa casa com bastante com-
modo, caiada e pintada e at lavada, no
lugar da Torre e muito fresca ; a tratar na
padaria da Torre.
Aluga-se um sitio na forre para se
passar a festa com alguns commodos, caiada
e pintada e muito fresca pori barato prego :
a trajar na padaria da Torra
6 e 8.
Vendem-se verdadeiros charutos da Babia,
feitos com fumo de Ilavana: no armazem do agen-
te Olympio, na rua da Cadeia do B'cife n. 36.
Normas para escripia
Ven'Jem-se normas para escripia por C. Adlers,
proprias para meninos, em collecgCes de ns. 1 a <>.
e tambem collecgftes de ns. 1 a 12 : na livraria
universal n. o't, ua rua do Imperador.
Comprase urna cadeirinha com dous bracos A nFWPlPlll fll'ltpQ flllA QA
que esteja em bom uso : quem a ti ver annuncie Api U\ CUCHI tttUCB (jUC 5C
ou dirija-se a livraria encvclopedica de J. B. de 'K'lllP
Mello, na rua da Cruz n. 52, Becife. v ,. "v'tu't'
-----7;---------------------;---------- ->a loja da rua Direita ri. 57 ha para vender-se
Comprase carosso (sement) de algodao : no uma fe,r;indt porc5 (l, biC(M e r(,ndas da terra e
armazem de algodao de Saunders Brothers & C., por preCos muilo commodos : as pessoas .,ue qui-
do caes de Apollo.___________|____________ zerem mandar ver se darao as amostras aos por-
Compra-se uma escrava moga, que nao tenha tadores. Na mesma loja tem bramante de linho
achaques e nem vicios, e que seja cozinheira e en- muito Bno de uma s largura a uti rs. a vara, fa-
Na rua do Crespo n. 16, primeiro andar-
compram-se libras slerlinas e moedas de ouro bra,
sileiras.
Comprase papel diario para embrulho, pa-
ga-se bem : na padaria da rua da Imperatrlz nu-
mero 66.
Oiiro c prata.
Em obras velhas : coiflpra-se na praga da ln
dependeocio n. 22, loja de bilhetes.
gommadeira : para tratar na rua
Nova, casa n. 3.
Compra se om candieiro de paz em bom es-
tado : na rua da Senzala Velha n. 48.
de Santa Hila zeuda muilo propria para lenges.
Pechincha.
Vende-se 30,000 lijlos de alvenaria balida da
melhor qualidade que possivel a 2'> o millieiro :
quem quizer aonuocie.
Vende-se barato o sobrade n 21, sito na rua
de S. Pe,dro Martyr, em Olinda, e um terreno onde
se acha edificada grande parte da tidade do Hio
,. -i! 1 Formoso, o qual terreno estende-se da nutriz at o
LhCJuCra aOS COrpiUllOS (le Cambfaia. trapiche : a tratar na rua da Uuiao n. 37.
Vendem-se corpinhos de cambraia com entre- Veode se uma machina movida a cavallo, a
meios i4|e o^, eslao se acabando : na loja de qUal serve para differenles misteres, como seja.
Paredes Porto,, rua da Imderatnz n. o, pona lar- paja padaria e descarogar aliiodao.e arioha : na
V EID A S.
ga, juQ.o a padaria franceza-
rua do BaDgel n. 9.
Gambraias.
Parede Porto vende cambraias lisas linas, grao-
de sorliioeDto, a 3> al 6J, ditas Victoria muito
finas, com 10 varas a 6, 6oOO e "> : na rua da
Imperatriz n. S2, junto a padaria fanceza.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidde a
li a lata: nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e roa do Trapiche Novon.K.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Na rua do Brura n. 38 vende-se ura moleque
de 10 anuos de idade, com algum principio do ser-
viro de nma casa.
mmmm wmmm mmmm
m Companbta fidelidade de seguros U
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMDCCO
Antonio l.iiiz de Oiiveira Azevedo & C,
competentemente autorlsados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercado- |
has e predios no seu escriptono rua da SS
Cruz n. 1. M
mmmmmmmmmm mmmm
Aluga-se o segundo andar do sobrado da rua
Vendem-se barato para liquidaffio no grande armazem da Exposico de Londres na rua da Cadeia do Recife n. 60, rua da Im- ^1I|"Peraaor n- 79 : a ,ralar na rai do CresP
peratriz loja de Mr. Dubarry n. 8, e na mesma rua loja de miudezas n 54.
ft*ANI>.E
ec hincha
Vende-se riscadinho francez a 200 rs. o covado,
por ler grande quaolidade, esta-se acabando : na
rua da Imperatriz n. 52, loja da porta larga, de
Paredes Porto.___________________________
Bren em barricas pequeas.
Cera era velas de lodos os tamaitos.
Bogias.
Mercurio.
Na rua do vigario n. 19, primeiro andar.
Vende-se uma casa brrea sita na rua dos
Pescadores n. 29. contendo 2 salas, 4 quarlos, coz-
nha fra e um grande quintal com sabida para a
praia de S. Jos : a tratar com Cussy Juvenal do
Bego, na rua Direita n. 20, Io andar.
CAMAS DE F>
Grande sortimento de camas proprias para col-
legio e tambem para quem quizer passar a festa ;
vende-se ua rua Nova n. 33.
p^ssk^ mmmm mmmm
VILLAR :
Com loja rna do Crespo n. 17. H
Reci I eu de Paris sedas em 1 orles mui- aa
S to superiores e bellissimos padroes, e "
I chales de renda prelos para IOJL
SKsle importante estabelecimenlo torna-
se recominendavel ao bello sexo pela va- aW
I riedade de fazendas superiores e bellos jH
gostos
proteja o bello sexo ao Villar i
IB e ver.i todos a prosperidade. al
GAZ, GAZ, GAZ.
Gaz em latas, o melhor que tem viodo ao mer-
cado : vende se no armazem de Barros & Silva,
travessa da Madre de Dos n. 57.
Cal de Lisboa.
Na rua do Vigario n. 19, 1 andar.
Na rua do Rrnm n. 38 wnde-se nm moleque
de 10 annos de idade com algum principio do ser-
vigo de uma casa. ____________________
Vende-se uma casa terrea na rua da Palma
D. 71: a tratar no pateo do Carmo n. 3.
Venciese
n. 15.
Atten$io.
Perdeu-se hontera 2 de outubro, do sierro da
Boa-Vista at a rua do Crespo, um embrulho pon-
iendo a quanlia de 610 : quem o tiver achado e
quizer levar a rua do Crespo n. 19, ser gecerosi-
mente gratificado.
Len Chapelin tem exposto a' disposigao do Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 1
publico o retrato da voluntaria da patria a Exm-. ,da rua do Encantamento .e a casa terrea n. 3 da
D. Marianna A do Reg Brrelo em cartS;s e rua do Hospicio : a tratar e rua do Eocantamen-
grande formato. to n. II.
Massa fallida. ,
Alves, Horaburger & C, administradores da'
massa fallida de Guimares Irmo?, pedem aos
credores da massa, que Ihes apresentes seus titu-1
los, no praso de 8 dias, (indos os quaes procedero
I ao dividendo. Recife, 16 de outubro de 186a.
BOTICA
Precisa-se de uma ama para o servlgo interno e
externo de uma casa de pouca familia : a tratar
Preeisa-se de um offlcial de pharmacia que tenha na rua da S:ozalla Velha n. 22 i' anlar.
bstanle pratica, e que seja activo e diligente, oara-----------
tomar eviata de um estabelecimenlo em Guarabi-
ra : a fallir aa rua larga do Rosario o. 34. bo-
tica.
Attencfio.
Na rua da adela ci Recife n. 40 precisa-se
de uma ams de ma idade, que saiba engommar
com perfeigo.
Quera quizer prestar-se ao servigo do contigente
da guarda nacional destinada ao sul do imperio,
em subsiituigao a ura guarda eaeional e medanle
boa graliGeagao, pode dirigirse f casa u. 121 da
rua Direita. um .chara com qcem saitr.
nm cavallo rugo muito bom de carroga : na co-
cheira de Ignacio Catiral, junto ao passadigo.
Vende-se ura sitio era BeniOca a' margem do
rio Capibaribe, cora bastantes commodos para uma
grande familia : tratase na rua Nova n. 24, das 9
horas as 4 da tarde.
Laas para vestidos a 240
rs. o covado!!
Na rua do Queimado n. 1 vendem-se superiores
laas para vestidos a 240 rs. o covado ; a ellas, an-
tes que se acabem.
I CAMBRA1A.
Cmbrala de forro com 8 1|2 varas a pega a 15,
est-se acabando : na loja da porta larga da rua da
Imperatriz n. 52, de Paredes Porto.
Cal de Lisboa.
Vendem-se barris com cal de Lisboa a 6 cada
um : na rna do Brum u. 66, armazem de assncar.
Vendem-se escravos de ambos os sexos, al-
guns dos quaes com habilidade : ns. rua das Cru-
zes n. 18.
Vende-se uma boa escrava crioula muito sa-
dia e sem vicios, cozinha e engomma : a tratar na
rua de Aguas Verdes n. 21.
Chales de renda
Paredes Porto, na ruada Imperatriz n. 52, porla
larga, vende chales de renda de core* com peque-
no i<> ni* de mofo, a 3500 e 'i5, fazenda de K>J
e 125000.
Vendem-se mais barato do que em qualquer
parle para liquidar, dous bonitos motures para 2
t'y I i lluros. e 4 cavallos, os quaes sao proprios pira mover rna-
Na rua Direita n. 81 ha para vender cylindros chinas de descarogar algodao, cylindros dt pada-
americants para padaria, chegados ltimamente da ra e outras quaesquer machinas : a ver e tratar,
amenca. na fabrica da travessa do Carioca o. 2, caes do
Bamos.
RETRATOS.
Veatfem se retratos de Estigarrbia a 500 rs.
na raareila do Rosario o. 11, photographia.
Vendem te quatro burras mulo mansas, boas
de carga e de sella, per prego commodo : a tratar
no hotel de Franga.
v



i


DUrU tfltMihMi -- ulula fe r i 4t Oiinur* 4e .
V

40 PUBLICO
Mem o menor constran
glmento s* entregar
Importe do
nao agradar.
ATTENC&
M p re vos da cguiutc
tabella 6 para todo, pu-
dendo assSui servir de h--
se para o ajuste de cen?-*
coeu os portadores.
A LEGITIMA
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
raa & m^nau. idi si bou tua
ao
RESPEITAVlili PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
ico da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sormenio 'de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directameate do estrangtiro"'podem ser
vendidos por precos assas razoaveis.
Sem a fatuidad* de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm nffiancar, coca toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguimos promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.* Sinceridade nos precos.
A.s pessoas que por sua pstelo social gozara e certo tratamenlo, ckar&o nesta
tasa os melhores queijos lonrino-s, cerveja, vinlios feissimos manteiga e cha sempre de
primeira qulidade. etc., etc.
Qualquer que seja a onndtco do freguez, Me deve contar que ser sompre mui-
to bem servido.
Aqaelles que sao pottoo favorecidos da sora faro mensalmente urna conomia de
sitas patacas, afreguenndo-se nesta casa, onde se liies vender o arroz, o -csT, a man-
teiga o assucar, etc., efe de toa qualidade pelo preco que em alemas partes nao po-
ma ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, tes arrebaldes ou centro, 'que compram para ne-
^ocisr, devem vir, pelo seu proprio interesse, a este estabeleoteiento para se convence-
ren! do quaoto se pode venfier barato.
Para os Mohorcs foe compra para tornar a vender existe um sortimento tai, escolido por pessoa entedid* que ciertamente muito -deve agradar aos senhorc*
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, ncm se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DMHERO A VISTA:
ALWSTA MVN. Am. i em lat3S' mUt DVa' 3 8 C3da
dem e paiaco de oito libras para cima a a
100 rs.
Arroz de 30 rs. a libra a......
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avell.s a 210 t. a libra.
Amexas franceza6 em latas de todas os ta-
manhos.
dem iem em petes de todos os tmannos.
dem dem em'bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de tedoe os tama-jMA^A de tomate a 600 rs. a lata.
nhoe. Mostasoa ingleza a 800 rs. o frasco.
Aterre doce de.primeira qualidede a 560 rs.jMoi.HO inglez de todas as qualidades.
Mar'asquino verdadeiro de Zara a.....
Mas-as finas para sepa branca o amarella a
61* rs. a libra, em caixas coci'3 libras a
30500.
Minio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo pastando 0 arco da tonecido)
PARA BEM DE TODOS,
Senhore* s>nhoras, o aceio qne presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que ludo a promplidao e tntel-
esacom que serSo tratad-)** >onvida a urna visita ao mesmo, certos de qne sem duvida me daro a proteccao e preferencia na com-
pra dos gneros que precisare e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam ponco orticos
r>ois serSo t3o bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacav, afim de quenSovSoem
ira |?)1p.
: KIRSCH .be Wasskh a 25 a garrafa.
I L
I LATAS-com graixa-a 80 rs. cada urna.
Lenua a 400 rs. a libra.
.11
MANTEIGA ingleaa e franceza de .primeira
qualidade a 4$, a libra.
Mammulada dos mais acreditados fabricantes.
Macarso e TALKARixia 320 rs. a libra.
Manteiga ingleza especialmente escollada a
l.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatmento.
Idemfrance-z-aa mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril oiuneios.
Cha hyssofi de superior qualidade a 2,600
rs. a lifcra.
Cha peroa o mais superior do mercado a
2,8oe rs. a libra.
dem liysson muilo superior em latas de 15
libras muito proprio pjranegocio a 2,000
rs. a libra.
letona hysson nacional em Utas de 1 e 2 li-
bras a l.Goo rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Alelria, macarro e-talliarim a 4oo rs. a li-
bra e,6,000a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Fgueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a loo c 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,ooo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Linguicas muito novas a 800 rs.a libra eem Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e 10,000 a caixa com 1 duzia e 9oo,
l,ooo c l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,000
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
a garrafa.
Ames a 200 re. o molho.
Abst:tho a 2-jGOO a garrafa.
B
BOLACHINHAS do Beato Anionij em latas
grandes e pequeas,
dem do Principe Alberto a 1(0800 a lata, e
de cinco para cima a 1^700.
dem de so Ja em latas grandes a 2#000 e
de cinco para cima a 1(5800
Biscoitos ingleses de todas as qualidades a
10200, 1^250 e10300.
Bolo francez eos caixinhas a 480 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Ean:u de poree refinada.
c
CHOCOLATE feeocez a 600 re. a libra.
dem suisso a 10 a libra.
dem de musgo a 10500 a libra.
Ckouricas muito novas a 800 fs. a libra.
Cap a 240 e 269 rs. a libra, eem porcao
se far abatimenio.
dem de primeira qualidade a .7^000 a(ar-
roba.
sao muito novas
dem bglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 10800 a duzia.
Cervfja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garre fa, e em duela se faz grasde aba-
tmento.
dem Viotoria Bas tres Ke de outras.marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'tiavana, Exposico,
Flor o Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panotellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de tod&s as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc. etc., a 20000,
202'O, 2056Q e 2i800.
Copos lisos de lados os tamaitos de 120 a
320 rs.
klem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 20500, 30500, 40 e 50.
Clices de lodos os Lmannos.
Cognac superior a 10 e 10500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 re. o maco
de cinco mactnbos.
I
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
tras a 100 re.
n
NCZES a 120-rs. a libra.
Aabos em latas a 800 rs.
O
Oiras inglezas e americanas.
P
REIXE em posts, latas grandes, a ffCOO, de
todas as quahdades, como -yejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, .pescado e
.pescadinha, linguado, sardinha. ele, etc.,
Peras em latas, excellente preparare.
Palitos para deates a 120 rs. o mace cnuto
grande.
Passas em qaarto a 10400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nava a 280 rs. a dozie.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 8>( rs. a libra.
dem suissos a 600 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUiLRTINHAS OU M3RINQUES a
R
RAPE' Meuron a 40 a libra.
dem Princeza doRio a 10200 a libra.
dem francez a 205*00 a libra.
SABIO massa a 160 rs. a libra, em caixase
faz abatmento.
Sal retinado em fraccos a 500 rs.
Salame de Len a W.
Sardinhas de Nantes ^e todos os fabricantes.!
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 re.
Stearikas a 600 rs. o raaco.
Sag muilto novo a 100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a S20 rs. a libra.
Tomate esa latas a 600 re.
Tinta azul e preta para eccrever.
barril se fat abatmento.
Chouricas e paios a Seo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para, fiambre.
Queijos do reino efeegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem loRdrinos nsito frescos e de superior
qualidade a $09 rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e nteiro se faz
a batimento.
dem suisso o mais superwr que tem vindo
no mercado-a 64o rs. a libra. .
Ervihas e favts nortuguezas ja [rre^aradas
era latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijio verdemuito superior a 640 ps. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,oo e 5,5oo
rs. a duaia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
ChocoIate:rancez !espanhol e seisso a 9oo,
l.ooo-e l,2oo rs. a libra.
Espermarate superior a 600 e4o rs. a li-
bra eem caixa se faz abatmento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a Soo, l,ooo-c l,2oo rs. .Axas franoezas em frasco de v'dro com
Triho'i)ordeaux $ls marcas mais acredita- 'ampa do mesmo, a 105oo.
das que vem ski nosso mercado a 7,ooo c Ameixas frapc-zas em caixinhas de diversos
8,ooo a cai*a-e64o e 7oe ris agar-i
rafa.
Genebra de IMhuda a 4So es. a botija de' cada nma.
Sal refinado em frascos devidrocom tamp
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditada
que \cm ao mercado, a 5oo, 56o e (c
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,000 a do-
na.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2<-.
Charutos do aflamado fabricante Jos Furia-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposico Normal de Ha vana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nlhas de Havana,intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo,2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores nanas, a 800e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a l,8ooocento el,2oo solas.
j Paulos do gaz a 2,2oo a grosa.
Bolachinhas de soda em latas de diversas Toucinho de Lisboa milito novo a 32c rs. a
qualidades a l,3oors.
Cartoeseom bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,000 rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa c 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Ameadoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
I Mielo de amendoas a 5oo rs.
Bolacbinha d'agua e sal, da fabrica deJoo
c Rrito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
'' > por2,5oors.
con ta certa.
libra e 8,Soo a arroba.
Banha de porco refinada a 63o rs. a libra.
Bolachinba Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,000
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de divers
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellenle pexe portupuez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
tamanhos, com bonitas estn pas na ca-1 8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
extanqr, a l,4oo, 1,600,1,80002,000' Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
e 64o rs. o frasco.
Genebra de irania verdadeira em fraseos
Frasqueirasde ^eriebra deHoanda a 6,800 a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixa
Batetas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo cohi 36 libras.
raides a 1,eooe 11,ooors. a frasqueira. Conservas ipglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio jef* qualafe, a 28o rs. ali-| 8,5oo a duzia.
me >e 8,5oo rs.a arroba. Vassouras e escova para esfregar casa a
Cafds Cear awao superle.'a 24o rs. a.!i-i 4oo rs.
bia e 7,Soo a arroba. Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Arroz o Maranl>o de i* .qualidade a 4oa. Mol he inglez em garrafa de vidro cok rolha
M.4I libra.e,io a arrca. ; do mesmo, a fSo rs.
Wem amiba. i a-8o rs. o frasco,
btem e Java -8o rs. a itera e 2,ioo a ar- Mostarda france/.s em potes j preparada a
POka. 400 rs. o frasco.
PaiBCC-e alpistae 14o rs. libra ei.ooca Lentilhss franceras, excellente legume para
antfea. sopa, a 2 MaftSK-itritomatesiesuperi^fualiuadeadie Marrasq.iinn de Bera propriamente ito a
rs. -c 'ata de>2ia libraS60 rs. a reta- 10 a arrifae H-,ooo a duzia.
Ifco- Falitos de dente a 1io rs. o mace.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez | Champagne da melhor qualidade que vem
W*
;o>^^
ao mercado, a 2,ooo e 3,8oo a parrafa. e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
'Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosemsextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 ?. resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs.'a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2.000 rs. a ranada.
Azeite doce de Lisboa a V,8oo rs. a caada
efiW rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oori. a
garrafa.
PREPARADA XICAMENTE POR
LAMAN & KEIP,
NOVA YORK.
Composta de substancies, fnn-.d ;s
propriedadesem'meiilenei'ie epin"-: .
approvada pelas jiinia'C ai-rd i; fes de n <-
diiiiia"; usadajnos principaes hospilae c
vis militares e da mariha as Antilha. e
no continente americano : recei.tada pelos
focnltativosos mais distinctos do imperio de
Brasil e da America he>panbol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorl-ulo eo-
feiuidades venreas emercuriaet el
antigs, morpbea e tod.'.s r:s molestias in-
venientes'!";.m estado vicioso do sang i
Emquantoexistem varia.- mitins, e
fa]sificacoos, preciso a maior cautela para
evitar os encanes,
A legitima salsa de Bristol v*n()e-se pui
CAORS c BARBOZA
JOAO DA C. BBAVO A C.
Joo da C. Bravo & C.
PARA A CUBA HA
fiNCROFUI,. I
e todas as molestas
proven lotes tle-i
todas as mole.%fin da
pelEe
ciervsipellas, taeres, i!n rs-
sarnas,
uscidas, rmpingens,
REUMATISMO
em tocas as soas formas, assim como lodc
o mal que provm do uso excessivi t!i
MERCURIO
UlceraeSo do Bg-.ttif
e em .Himma lodos os males que tem sua
geni na
IMPUREZA 110 SANLE
E um alterante poderoso para a
HENOVACAO DO SANGUE
e para dar nova torea e vigor ao corpo j
enfraquecido p( la doenca.
Vnde-sena pharmacia franceza de Mau-
ra* 6 C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CEXTBAi.
15 Ra Dirrita l.v
RIO di: 41V>.-|h.
Venr'e-se em Perii.,.. neo:
na
m
>>*
wmmERiw
RANYAN?
*%
i

;^'.':^:,
Resulta pelas
DO AFAMADO JOUVIN.
Ventease pelo,pre$o de Ofiir luvas novas de pattiea de ouvin, checaas no ultimo mmt
liara noiiiero-e senhsra.: na ra dii-aiperatriz toja de.njiB32 s a.M.
------------------------------------------------------------1----------------------_- a _
o? q 4* o 50 sr>- > r> ae fic*^3 -i s
2 3 2 &&* B = S fi *
z:
rs
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
Ei-.vA.uwjK a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400,500 e 800 r%.
Figos de comadre a rs. a libra.
FeijAo verde era latas a 600 rs.
Pavas em latas a 500 rs.
Fumo do Ro a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 1)5.500
Fakello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidade*. de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
VINHOSt
Principe Alberto, de 1831, a 5^000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a i& 2 garrafa.
Lagrimas do Douro a 1500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
Duque a i& e 1,9500.
Chamisso a i 6, 15200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carca velos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicio aiguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julieo a 600, 800 e II a garrafa.
Absyniho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Vinho flgueira em ancoreta a 200.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
caujJa.
^ = ^
6
0.05
su eo
**Z*
rP"llff3i
O K.OQ 0.~M p "
* 1 si-a B
I'S
&. = ** & T- a ^
& 8 S 5J"-05 sB c'
CO V JES ti. a ^.~"f^t
ib
3 I
Ripfltk.
de trabaEJbar nao par
tcsearocar atge l IMBRICADAS
Por Pkiit Brothers & C.
OLDAH
es q, 9 ce
5 31
0 a.
en __o
5.:
OfSS
ti

CK5 O
B

STB I.
6
O,
O
c a
U
a
Potassa da Eussia
Catangas finos e brlnquedos
para meninos.
mono nova e superior : vende-se no escnptorio L-hegaram para a toja de miudezas da rna do
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Qaeiraado n. 69, os mais Anos e lindos calnngas
Corpo Santo n. 19 janto para bnnqaedo de meninos como para cima
1 de mesa : na raesma toja se encontrar bom sor-
Brides e picadeiras de
Ipojuca
Vende-se na roa do Quelmado 0. 32, toja de
Azevdo & Irmo. I
timento de miudeiss.
Agua de Mabar
Vende-se esta agua para liocir os cabellas bran-
cos e snissas : na livrasia universal, ra do Impe-
rador n. 51.
09
O
o
s
8
Tasso Irmos
Veodetu no sea armazem rna do
Amorim n. 35.
Licor fino Curac*o em botijas e meias botijas.
Licores finos soru'dos em garrafas com rol has d
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santemes.
Chamberlin.
llermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatei.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
pAezei lagniol.
Estas macbmai
podem desea rocar
Syjnalquer especi
j-de algodao sem
*% estragar o fio,
** sendo bastan!
duas pessoas para
otrabalho; pdt
dscarocar urna
arroba de algo-
dao em earocr
em 40 mDnto.
oa S arroba
por da oa 5 ar-
robas a algodar
iimpo.
Asm como machinas para srem movida por
animaesf /jue desifarocam 18 arrobas de algodc
Iimpo, par da; e mlotores para mover urna, duas
eutns d6as machinas. '
Os mesmoc lem para vender um bellissimo va-
por que pode azef mover seis destas machina
mencionadas ; par* o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-to, no arma-
tem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Saandef Brothers AC.
.*. II, praea do Corpo Sanio
pECTFE.
Os aicos agentes peste paiz.
Vmde-se urna ifscrava moca que engomm,
lava < cozmha exceUent^meate : a tratar na tola
da ra do Queimado n. li.
Vende-se ama mulata 0105a, de idade 24 an-
cos, ponco mais ou menos, bonita 6gura, a qoal
muito propria para o servido de campo por ser.
muito robusta, c ven.de se p.or preco commodo : a |
tratar na ra das Flores n. 33.
Vendem-se palmeras imperiaes, em estado
de serem transplantadas: no sitio murado es-
querda. depois do becco do Espinbeiro, nos Af-
iliaos
A Menead
m
Sentares ; seuhoras.
Os propietarios da nova loja e armazem de la-
zendas e roopas eitas, roa da Imperairiz d. 72, de
Guimares & (rinS. ara ha m de reduzir os precos
de suas fazendas menos 20 q/0 do que ero oulra
qualquer parte, afim de aparar dinheiro.
Lanzinhas de todos os j.adroes por barato preco
por ler grande porcao, a saber, 220 e 240. 280 e
320 rs. o covado ; vende-se tambera um grande
sortimento de chitas eslreilas. pelo diminuto preco
de 200 Tf. o covado ; ditas franrezas largas a 210
e 260, 280, 300 e 320 rs. o covado : ditas preclaras
muito finas a 360, 400, 440 e 500 rs. o covado,
isto s na nova loja e armazem de fazendas e rou-
pas eitas de Guimares & Irmo, ra da irnpera-
triz h. 72.
E' baratissimo.
Pecas de cambraia branca a 3s e 3J5G0, ditas
mais linas a tj e 4sii00 ale 3$, cambraia organ-
dys de lindissimos desenhs a 320 e 360 rs. o co-
vado, ditas muitas finas a 400 e 440, isto s na
toja de Goimaraes & Irmao ra da Imperatriz
n. 7JL
Aos 2,000 cobertores,
Vende-se cobertores de aleodao a Ijf, ditos me-
lhores a l&M, 2#at6, grande sorlimento de
chales de merino pelo barato preco de 2; e 25500.
3, 3500 e 4?, ditos finos a 5j-, fift 8?, ditos de
renda, os roelhore. que tem vindo ao mercado,
por baratissimo pr#co : isto s na toja de Gui-
mares g trmo, ra da Imperatriz n. "i.
Oh que pecbinclia.
Cambralai de una s cor, fazenda muito mo-
derna, a 30 e 3fiO rs. o covado, vende-se por este
prefo por ler um pequeo loque de mofo ; grande
sorlimento de saias bordadas (jue. se vende muito
barato : isto s na loja de Guimares & Irmao,
roa da Imperatriz n. 72.
Os mais modernos vestidos de umbrala borda-
dos, fazenda inicuamente nova, por prego rnuitu
barato; tambera chegaram as mais modernas
manta*; de seda para pescoco, e vende-se por com-
modo preco : isto s oa loja de Guiraaries & Ir-.
mo, ra da Imperatriz n. 72.
Pechincha admiravel.
: Y .:-:' y-'
^ :-: '" "
nnnnnnBaaagi gxi
*rier.cits feitas '... p'.
Fraoca pelo3 mais atamados mediens > :ifs .-
LAS e O XAROPHde HTDBOCOTyi 'i \-\v. :
. lpi\k sao o opiimo remedio contra toda
efea de impigf.ns on HBRPGSe outras ni',.
peile, at as Kais inveteradas. iss:n como a ; .
U MORI'IIEA, a SirillLIS, as MOI.'ESTIAS I
nrLosAS, os Riiri matisiios ebronicoi. ew
Deposit* geral em Parir, em casa de FOCV.
Ibloxye, ra Bourltn-"ilUriev?t. vi.
Venaem-se no Recite em casa ce (Jaors 6
Barboza e Joo da C. Bravo d- C.
Rival sem segundo
Ba doQueimado ns. 49 coi), loja t}
miudezas de lies perlas, eslijun-
mando ludo bom ebrat, quem qui-
zer ver admirar veuliam : .-
Bgodiobe.
Caixas de [iaj>el amizade, e sem ella liso e tarta:
a 600 rs.
Grozas.debo'.Ses de ucj plateados faztuau.^
derna a 160 rs.
Dnzias de peona do ac fazenda boa a 40 r \
Pecas de tranca e Ia isas cdeibdas
40 r&
Estovas Bnissimas .ara limpjr d.-ril-.- 2ie
.2(1 rs.
PejM de fila de (('.< eslreiti
o 20 rs.
Caixas com eolrheies franrezes. s
dades a 20 rs.
Tlnteiros de bario, com superior tinta a 1 ( r
Pff.-.s de cordo para vestidos, fizend^ L;
C. 10 m;.
;;)?-
muito fines para vtate* a 20Ci
de
20 rs.
Barallios
240 rs.
Latas com superior banha a 200 r?.
Frascos de macaca perula muito tino a 2iVi
Frascos e garrafinhas com agua de Colonia .
Frascos grandes com superior agua de Cotoois -
CaI.a,sfwleora l2 tT!-ros de cheiros muilo fines
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e Danta a
jsQ rs.
Uuza de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs
Agua deotifice superior qualidade a 800 rs.
Laias com superior p de arrot a 800 rs.
Francos de superiores essencias santal e onw
Frascos com er-sencias para tirar noduas d> roura
a oOO rs. '
Frascos rom rlkiros de todos ospregos a IS- iv.
Mil t >*(.
F.-te novo esubelecimento recebe o um grande
ento de riscadiohos escossezes muilo pro-! Frseos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Vende se uma,parte e um predio no sitio dos
Arcos, perta da igrea dos Remedios, o qual pro-
prio para olaria por 'ter excellente barro, e as tr-
ras qoasi todas prolprlas : a tratar com Joaquim
Jos Goocalves BeltrBo, ra do Vigarlo n. 7, es-
criptorio.
son
pilos ..ira vestidos desenhor.s e meninos, a 320
rs. o covado ; vendo se um grande sorlimento de
entre-raeos e babadinhos, e liras bordad;-;, por ba-
rato prego.
Roupa feila.
Vende-se um grande sortimento de roepa fea
de todas ai qualidades, palitots, calcas e Golletes,
camisas e seroulas: tudo isto s
Na nova loja de fazendas de Gnimares
& Irma.
Rna da Imperatriz n. St.
Vinho do Porto superior em cana de duzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azev-
do & C, no seu esrriptorio ra da Craz n. I.
meias muito finas para tmken
- Ifead'M urna preta
ra do Imperador n. 2.
com habilidades : na
Duzia de
i:300.
Goliiohas muita finas ,->-.ra senhora a 200 rs
in5 coni sol(ladoS de chambo para menina a
ICO rs.
Pecas de fita de laa para debrum de vestid r.
10 varas a 600 rs. '
Ditas de bicos superiores, para acabar a M i
oo rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Bunecos d.1 duro e panno a 100 r.-.
Caixas cen bonitrs estampas pararam- a 100 rs.
(.apachos coropridos, boa fazenda a SW rs.
Grasas de bcljes pequenc* pretos pira ntai i
1O0 rs.
varas do cordao di-espartilho a 20 rs.
Novellos francezes com 20 jardas a 40 rs.
: Pejas de tiras bordadas a 640
Tem para vender Antonio Luiz de Ouveira Aze- uiias de meias croas muito Lrirs e superiores a
3*300.
Farinha de mandioca.
atonio Luiz de Ou...
redo & C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.


-------
Diario C ?4MrW*buo -* OviaUa elr 1 de Oatubro de i $
$m
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A loja de fazendas de Augusto Fredericodos Santos Porto, acaba de rereber nm mili-
to grande e oovo sortimento de cortinados bordados para cania de noivos a 35, 405, 455,
505000, fjOJOOO e 70,5000.
Lindas mantas para gravata, de variadas cores, a 15500 e 2$.
("achiuez de la de diversas e bonitas cores a 3,3500 e 45
Chales de guip, fazenda a mais moderna, a 165, 203,225 e 25#.
Holands de guip, tarobem os mais modernos a 26$.
Colenas de seda de cor para cama de noivos a 555 e COsS.
Alcatifa de liulio para salas, (azenda larga, bonita e do muita durarle,
corado.
Tpeles grandes e pequeos, cooi ricos desenhos, para sof.
S.mis bordadas para senhoras a 75, 85. 9-3 e 105.
Capas e soutembarques de seda prela para senhoras.
Bonets, chapeos e chapeliinas para senhoras, dos gostos mais modernos.
Chapeos elegantes para senhoras, a 125.
P.cinlias de flnissima brelanha de linho a 73500.
Liaiiub&s de quadros a 320 rs, o covado, setim de Paris a 700 rs.o covado,
braiai francezas de cores a 300 e 700 rs. a vara.
Caseroiras dequadros, moire antique pretos e de cores, pannos e casemiras pretas,
grosdenofiule preto e de cores, esguies, sileras e cambraias ee liuho, sortimento. de diver-
sas fazendas para luto,chapeos de seda para hom-ns a '.'3 e 103, chapeos deso de seda,
lindos manguitos bordados, e oulras muitas fazendas que se vendem por preeos razoaveis,
inclusive
Esteiras da India para forrar salas
^5
O
o
o
DAS CCHLLCMtfAS
No ultimo vapor viudo da Europa
Superiores cortes de sedad8 cores o que tem viudo a P.rnambuco de melhor gosto
ero seda.
Assim como mais algumas fazendas de bora gosto para vestido.
RA IO CRESPO HF. 13
LOJA DE
Antonio Correia de Vasconcellos e C.
aaa. astb^sssx aa&L s_\ q&s *_}____ a&__ s& &_%_js_}a_%__\_\
s bbt *&& &&* "fcJtsSr "ss1 $f ^jgci W^WBJsBft
CORTE DE SED*
Cbegaram pelo paquete tuglez riquissirms cortes de raoreaatiqae de ores, e seda lavrada pa-
roes mtelramente oovos.
Seda de quadros por IjJQOO o cavado
5-RA BO CRESPO-5
Gregorio Paes lo Amura! fe Companhla.
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Oadeia do Recite, esquina da Madre de Deus.
Grande sortimcnlo de fazentl; s por alocado c a rclalho. e uin cosuplelo sarti
ment de milpa frita, de casemira e de brim, ludo jor Man pi em
outra qualquer parle: quem duvidar venha ver.
CAICAS
tic lindas e finissimas casemiras escuras e clan, de superior casemira preta d* fines
bnns brancos e bom brim pardo.
Paleto
de superiores casemiras escuras e clara, de flua alpaka branca, de superior alpaka pre-
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de presos, nm pa' coiiete
tanto deste arniazem como do armazem progressivopa-;de boa8C^^
te o do Carino n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
ENCICLOPDICA
~,'i Hua da Imperatriz aruiazeni
da porta Sarga 58.
J-mo a padaria fradeeza de
Paredes Porto.
Xeste estabeleeimento encontrara o respeiuvel
poblic i nm variado sorticnenlo de fazendas franee-
-, inglesas; suissas e allemes, que se vender"}
por preco commodo.
Preles Pnrlo
Vende chales de renda de cores que se venJe-
r.'.m 'i 1S..T i.-.-in vendendo por 65, ditos pretos, fa-
3:.. o iva, 5-3, 03, 8a 205, um sortimento com-
1 de mi nt ileles, rapas e soutambarques l'5 a
-l mi da Inperalnz n 42, junto a padarla fian-
eza, ai mazem da pona larga.
Paredes Porto
[Weban nm completo sortimento de iaasinhas a
SiO, e 280 rs. covado.*, para acabar, cambraias de
>";, a 2i0 rs. i i*ovado, riscado esros:-ez para rou-
de nenin fastu de linho a 420, 400 e 500 rs.
, ia da (mperatr n. 52 junn a padaria ranerza,
a; oazem da porta larga.
Paredes Patio
ee i iu liara cortinados para cama Trancen a
i l i .i peca cambraia lisa fina a 35 4-5 at 105 a
' ri' le tarlatanade bonitos g -tos a 35300
mbi rom ('ir de seda, gostos inleira-
i" i' i1"! e .')i"> r-. o covado, no armazem
i la larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
ia rranceza.
Paredes Porto
tPrv-!-mi pelo ultimo paquete um sortimento de
rote n podras .para opescoco, bonitos caxineis
I; ira pescogo de senhora. Hua da Imperatriz
.'. armazem da pona larga.
Paredes Porlo
n'. corles degorgorao preto para vestido coro
'- cila um :i->5000, grsdenaple preto a
1' v :. I500 e -J-5 o covado, Lias lizas linas a WO
. las de qaadrinho para vestido, enfes-
a 320 o covado. Roa da Imperatriz n. 32,
a : rta larga.
Paroles Porto
Recebea p^lo uitim paquete francez ricas laas
granadinas rom 11 iros de soda a 400 e 500 rs. o
covado, esli acahando-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franeeza, a ra
da Imperatriz n. J'J.
Paredes Porto
Vende um completa sortimento de fazendas
brancas, como sejarn madapolo a 45500, 55, 65 e
103, pecas de lgodlo por barato prego, chita fran-
eeza a 240, 280. 320, 300 rs. o covado, precalias
muito linas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a200e240rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
5'2, junto a padaria franeeza.
Paredes Porto
Vende gangas de cor propria para roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado, rica lo francez fino a
320 rs. o covado. Ru da Imperatriz n. 52, junto
a padaria franeeza, (torta larga.
Paredes Porto
R'cebeu pelo ultim i paquete espartilhos a pre*
guijoso por.'!?, sao bons, lenco? de seda para se-
nhora e honi-m a 19, ricos corles de cambraia
bordados de IH a 7jf, por l r um toque de mofo,
eslSo se acabando, na ra da Imperatriz n.52, jun-
to a padarla franeeza.
Fazem setente ao respeitavsl publico, e cora especialirlade aos senhores de en-
gentaos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar stias compras deli-'
beraram os propietarios dos tres grandes armazens, reunir tollos os sens estabeleci-!
mentos em um s aununcio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-1
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os gneros:
por um pre?o, e na occasio da compra qnererem por outro, como socede constante-1
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo i
ainda mesmo cora prejuizo nosso, qualquer pesso.i poder mandar seos fmulos que'
serao tami'em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o, favor de mandar seus!
pedidos em cartas feixadas;
CAMISAS
Superiores camisas fraacezas de # at 6.
Ceronlas.
Ceroulas de superior bramante de fino linho.
Bale.
Superiores baloes de arcos para meninas de 2 at 12 annos.
dem superiores para senhora.
Gravadas e mandas.
Superiores mantas para pescoco de homem, as mais modernas do mercado.
Madapolo.
Madapolo bom a 8, 9$, 10 e 125.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda bati a 10l.
Fraques de casemira.
Fraques de casemiras, preta, escura e de cores claras, e nao ha vendo que um
s teixauas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta'
pela qual se ver os preeos tal qual annunciarraos, o que seio arrepender pessoa ao freguez manda-se fazer por medida e com muita prompdo
alguma que Bzer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de! Todas estas fazendas por preeosrosignificantissimw dos
8 por cento na sua despeza diaria. quirirfreguezes.
s o Oto do Balo ad-
Manteiga i tgleza perfeitamente S0r che-
gada ltimamente de l.oooa l.loo rs. a li-
bra, e em barril ter nbatimento.
Manteiga franeeza da safra nova a 8Go rs.
a libra e em barril lera abatimento.
BANIA
Banha refinada superior a 6io rs. e era
birril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de primeira e superior quali de a 2,8oo rs.
dem hysson o mehor ncsle genero-a
2,6oors., e sendo em porgar*ter abatimen-
to, tambem ha proprio para riegocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
(doro preto superior de f,8ftr> a 2,oo r?-.
a libra.
Biseontos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas mr-rcas a 1,2oo rs. a lata-.
Bfilapbinhas
Latas com bolachinl'is da acreditada fa-
0 armazem da arara esta fa-;bnca d0 hento Antomc- propn para dar a:
r.n^A^ U. i j i- j ;doenles de2,ooo a 3,000 rs. a Isia.
ZendO liqilldaCaO deOdaS dem com quatro libras de brlachinha de'
Sejrveja
Superior serveja Bass dos melliores fa-
bricantes, como sej;|m: Shlers & Bel!. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,orlo rs. a dozla e a 7oo rs.
a garrafa. Tambeih ha de outras marcas
comoseja: Victoria o Afeope a ,ooors.adu-
zia e a ooo rs. a gai'rafa.
%'in:iSre
Snperior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs-. a
caada e 280 rs. a 'garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2v> r$. a giirrafa e 1/toors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeitc docfl de Lisboa a Coo rs. a
j garrafa a a 4,Guo rs. aj caada.
Maisas
Macavr3o e talaerirfr a 360 rs-. a libra e a
i 5',ooo rs, a caixa.
Pas as
! Superiores passas a l-,5oo o> qnarto e
13,;Joo aeaixa de arroba hespanhela e a 32o
rs-. a libra'.
LOJA DO BALAO
di;
AZEVEDO as qualidades de izeadas,
na ra da Imperatriz n, 56
Lourenoi Pcieira Maodes GnimaraVs, dono do
Rraude estabelesiuieoto, tem resolvido vender as
fazendas por meos do que em outra qualquer
parte, menos ,'t por .
Cambraias bramas lisas a 3000.
Vendem-se eambraias brancas lisas a 3000
3.".00, i5, i#60O, o&, RISOO e 65, lapadas a 6300
e 7 : Mendes fioimares.
Chais* de merino a 2)000.
Vendem-sc diales de merino eslampados a 2,
merm liso a :iS00.
Coberlores de algoilao
Genelira de laranja verdadeira a> lo,5oo a
3oda a 2,ceo rs. a lata. 14hwa e I ,coo rs. ao frasco.
QnAns Genebra de Molanla verdadein a 6,000
U JjDS 'rs. a fiasqueira e a 56o rc. o frasco.
Quoijns namengos chegados no ultimo 1Jom G uolbnda ra botijas a 4oo rs. ca-
vspor a 2,5ioors., tambem ha df-vapor pas- daums. ]
sado a 2,3co rs. GnrraSoes cora 24 garrafas le genebra de
CHOCOATE ;HoIlanda a H.ooo rs. o garrafo. Tambem'
hespanhol a'l.ooo 3-l,2oo rs. h garrafes cora o e {4 garrafas de3,2oo a!
8,000 rs.. cada'uoa.
VELAS
NO
AEM1ZEM HE FAXilfDA^
RA DO QUEiMADO B. 27
CUSTODIO iltVALlIO A V.
Pecas de madapolo fino francez com 22 e 1|2 varas e com tm pequeo toque de
Dstb a 85000 cada peca.
Cambraia branca para forro a 1600 a [)efa.
Lencos de cambraia para bMQ6tn emeninos a l<$500 cada duzia.
Cambraias organdis muito lindas a 600 rs. a vara.
Cassas de cores a 26o rs. o covado.
Las de cores muito lindas a 3 )0 rs. o covado.
Ra do dfcueiuiado n. 2 3, arraaze
< ^^^> ^BP- '*%& VZ* Q$r?V,
a libra, francez e suisso a l,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, sm porcao
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das-isate acredi-
Paredes Porto
'.' m para vender por preco rcmmodo, pecas de
di iho com 10 varas a 75, 83, panno de
i para leoces a 640 e 700 rs. a vara, bramau-
lialn !: 'i larguras a 25200 e 23500 a vara.
Paredes Porto
Vende cortes de cambraia bordadas de ricos
. slos a 10j e 123, ricos vestuarios para menina
menino, lieos cortes de cambraia liarla Pia a
|l S 203, tarlatana branca e de cor a 640 e 720
. v ii. Hua da Imperairiz armazem da porta
,. n.32.
Roupa feita
"na da Imperatriz n. ">i armazem da porta lar-
;. i / ,i padaria franeeza, encontra-se neste e<-
, ment um completo sortimento de paleis-
sobrecasacos, do todas a< qualldades, cal-
>reulas, camisas, gravaus, nietas,
. is de i, ditos franceses para cabec.*, por
i. commedos, ronpa para menino e muras
fiiitis fazendas pur pr.-gos commodos, armazem
.i ila larga. '
Xu ra -'i! lalwleclmelo encontrar o respei-
ivi: publico, sempre um completo sortimento de
u is fetas de todas as qaalidades, como sejara
pal t- de alpaca preta ede cor, ditos sobreoasa-
13 e r)-5, dil >s da brim pardo a 23800, 35 o
155 H), ditos linos a 1-5, ditos meias eazemira a
. i l, 'i5 .*i-5, ditos eazemira saceos a 63, 75, 83
t, ditos si breeasaeos a 10 e 125, ditos de |ian-
a i sac ;o' ;. (3. 85 e 105, ditos sobrecasacos a 125
;');. ditos iiu merino preto a 6-5, 73 e 103, ea-
: nm de diversas qualidades a 13800 a 13,
3 23300 e 6500, ditos eazemira 33,
i i e 73, ditos pretos a 53, 65, 85 e 105, ditos
m las cazemiras a !'3 o 45, coletes de diversas
I lalidades, froulas francezas de algodo, ditas de
1 : dil isde bramante a 25 e 23300, carnizas de
i ln de linho francezas de 23300 e M3. Grao-
. ectiincha neste genero, grvalas de todas as
I ali i.. les e brancas para casamento, grande sor-
tmenlo ds meias para senhoras, ditas para homens
33, superiores a 33300 e 13-
i, c imi i -ti sortimento de chafjs de sol de
ica a :3, ditos de seda a 33, 75, 1P3 e 143,
di! is fraecezes para eab fa, grande sortimento
Pechincha almiravel.
Grande sortimento de chambres a 5600 e5;,
leca n rafapara homem a 25 a duzia, di-
inh 11 5 e 53-
mde sortimenti de roupa para meninos e ou-
tas qualidadesqoe seria enfadoobO m.-n-
ci^na-h .
Fazendas.
, le se snperior merino i r>-i: proprio pan ra
I a- !; ira e vestidos a 2-5. lu-irim da China
c ivado. Hua da Imperatriz, porta larga.
r Paredes Port >.
Vi nde einseu estabed '.".uto tiras e. i-r.tremei >
bordad >, grande soriimeolo de corpiobos rica-
is a 35, 45 e 35- S o Pared is Por-
tos bon3 a I5C00, 2.-5 e 55.
Cambraias de urna s cor
Vende-se cambraia de urna s cor a 320 rs. o co-
vado.
Saias bordadas
Vender-se saias bordadas pelo barato preco de
73000.
Cortes de cambri.ia
Veniem-se os mais modernos corles de cam-
braia bordados, seaao fazenda de gosto,.a 1O5OOO e
125000.
IlM-a ."s escocezes a 280 o eevade
Vendem-se rscados escocezes a 280 o covado,
tiras bordadas a 13, ntremelos a 800 e 15-
Lazinhas a 220 rs.
Laazinhas finas a 220, 240,280, 320, 360 e 400
rs. o covado.
Curtes de cambraia
Vendem secones de cambraia com barra a 35
e 355OO, ditos sem barra a 2,5800 cada corte, Menr
ds Guimares.
Catabres
Vendem-se chambres para homem a 45, e s
para acabar, peilos de linho a 90O.e 15, lencos de
linho fiuos a 500 e 640 rs, colarinhos de linho a
300 rs, camisas Francezas a 13400, 13800, 23i0,
23140, 25500 e 23800: s Lourenco Pereira Men-
des Guimares.
Corles de '-i
Vendem-se cortes de la a 33, 33500 e 43300.;
Mendes Guimares.
Chitas para soberta
Vendem-se chitas para coberla a 240 rs., franee-
za a 300 rs. o covado.
Cambraias de cores
Itecebeu-se um fraude sortimento de cambraias
de cores que se vende a 300, 320, 350 e 400 rs. o
covado.
Casemiras
Vendem-se casemiras a 15280 o covado, Moas a
25240. 2;500 e 33 o covado.
colares Royer 011 colares ano-
dinos
para facilitar a deiMteSo dis maneas e preserva-
las das convulsoes.
O feliz resultado ohtido immen=as vezes pela
prodigiosa forca mtgnetiM dos colares Royer, nos
casos de convulsoes, e daMifio das crianzas, tem
altamente elevad 1 o seu bem merecido prestigio,
e hoje j se pode der qne eslo geralmente con-
cekuados, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de un< porqoe di) uso d"ses salutares
colares viram salvos do. oerigo seus charos filhi-
nho<, e de outros pirque C'jlheran daijuelles lo
proficun exemplo para igualmente preservar os
seus. Assim, pot, a agaia branca, toado em vis-
tas a uiililad e prov'it Jrses prodigiosos cola-
ras anodinos ou Royer, mandiu vir o novo sorti-
mesto que agir rer-ebeu, o continuar a recebe-
los para qjie^m ljmpo a'g'im a falla delles possa
ser fune>la ao^pais de familia, os quaes ficarao
cortos de os a-:-hir constantemente na ra do Quei
mado, 1 ja d'agula Lrai. ;. a. 8.
Velas de spennacete a rJoo rs. a libra.
dem de carnauba 1 de lo a 12,ooors
arroba t-de 36o a 440 rs. a libra.
Paredes Pcrto receben pelo ultimo paeuete um Vomplelo
bonrnns de cores ricamente enfeitado* a 12J, 153 e 203 : na ra
loja da porta larga junto a padaria franeeza.
Vendem-se cobertores Je aigudo a 300 rs., di- tadas marcas* como sepm: MadeHra Secca,
Duque do Porto, Vellio Secco, Lagrimas do
Douro, Marta Pia, D. Lbz,.Pedro V, Lagr-|
mas Doces o outras marcas a 1 ,coo a garra-
fa e 9,000 a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figneira e sboa das- melhores-
morcas a 4oo e 5oo rs^a garrafa^ e a 3,ooc>.
3,5oo e 4,000 rs. a caada.
Superior vinho charaisso em barril a 65o
rs a garran e a 4,5oo re. a caada.
Superior vinho de Lisboa e- Figueira om
anceretas de 8 e 9 caadas a 24>ooo rs. a an-
eo reta.
Superior vinho branco proprio para rais-
sa a 640 ?s. a garrafa, tamben ha mais. bai-
xo para 4oo, 5oo rs a garrofa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
PEIXE
ja preparado
de I-,ooo
. i i dalmp ratriz no 52
padaria !ra.:eza.
porta larga junto a
1
Charutos da llahia
: a 15 a caixa ni ra da M.eda n. 43.
Peixc em lata
l,2oo rs. a lata
ALPISTAlE PAINCO
Al pista e paireo muito novo de 3,8oo a
4,000 ra; a arroba e de lio e ICO rs. a li-
bra. !
GHAUUTOS
Charutos dos maisi acreditados fabrican-
tes, eomn sejam,: Jnflio Fartado da Serrias,
Mancel Peixoto- da Si (va Netto, Oastanho &
Fillio e Brando e de outros muitos.
quass vendemos^pelo mdico preco de 1.600
2, 2,8oo, 3,?oo, 4,50(1, e 5^000 rs. a caixa.
licores
Licores fraacezes e purtuguezes a l.ooo 8-
sortimento d rapas
da Imperatriz n. 5
, 38HsG&js> gssu.ass,.-*i., --faaas. IUV3L
SBfiUIM
f&ua do <|ueinaodo ns.
4 e a*.
que abaisd
Caixas com urna duzia dft garrafas de su-
perior 'oinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs-. a garrafa.
CAF
Cal do Rio ds i.* e- 2,* qualidade de
6,800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
i,4oo rs. a garrafa ou, frasco.
Doce da
queuos a
a 6 lo rs.
Roces
casca da potaba e caixcs pe-
5o caixes para citaa
loo rs. e de
o caixo.
Frtas
Contina a vender todas as miude:as
declara por pregos admiraveis.
Massos de palitos tizados para denles-a 100 rs.
S>pelhos de molduras douradas a 200,' 240 e 320.r&
Bonets de oliado para meninos a 15000.
Ditos de couro superior fazenda a 13300.
Frascos com superior tinia rocha a 240 rs.
Meiadas de linha froxa para bordado a 20 e 60
Caixas com 100 envelopes, fazenda-fina a 600 rs.
OS! Grozas de pennas deago, fazenda superior a 5003.
(rozas de boloes madreperola linos a 500 a
e G40 rs.
Caixas com 50 novellos de lin!., do gaz a 700 rs.
CaJxascom superiores obreiasde cola a 40 e80rs.
Pecas de lita branca elstica cou 9 varas a 280-ps.
Varas de franja de la para enjutes de vestidos a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qualidades a 406 rs.
Xuvellos de linita com 400 jardas a 80 rs.
Litros para assentos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botoes para punhofazenda rica a 20 rs.
Tesouras para costuras superiores qualidades a
-400 e 15-
Fumo da Baha para
charutos
Vndese fumo superior de todas a
8 qualidadt?, a retalho e por atacado e por
preco commodo : no t vile, ra da Ca-
r cimba n. t. ,
Frutas em calda e em latas fechadas her- Caixasde peanas de calUgraphia, fazenda boa
Sab5o maga de primeira qualidade de 18o! perche e outras
a 22o rs. a lra. e de 16o a 21o rs. sendo Tambem '
! enticamente, muito btmenfeitadas, conten-
ido pera, pecego. ameiva rainha Claudia, al
esa caixao.
lata.
ha latas grar
frutas a o) is. a lata,
des para l,2oo rs, a
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Mactas pelo ultimo vappr
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Fru tas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozcs pelo ultimo vapor.
Queijos loC'lrinos pelo ultimo vapor.
Queijos llanaenges frescos pc!o ultimo vapof.
Presunto fiambre pelo ultimo vapor.
Tudo se vende barato dos seguintes armazens:
Ra do Imperador n. S>. Verdadciro Principal.
lina do Qiieim^do n. 9, Unio e Com inercia.
Largo do Carino
n. Progr psslvo.
r..
15000.
Massos cosa superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 13360.
Caixas com superiores agulhas a 240 rs.
Libras de la sortidas d bonitas cores a ?5000.
Caixas cora superiores obreias de massaa 40 rs.
Rodinbas com alfineos francezes muito superiores
a 20 rs.
Resmas de papel almajo a 25400 e 25800 rs.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 15-
Duzias de tesouras com toque de ferrugem a
600 rs.
Duzias de facas e garfos de cabo preto a 35000.
Talheres muito fino para criangas a 240 rs.
Pulseiras para meninas a 320 rs.
Ditas e voltas para senhora a 500.
Frascos de Agua Florida vtrdadeira a 15280.
Frascos com superior banha a 240 e 500 ra.
dem de superior oleo nabosa a 320 rs.
Gaizas com lamparinas para 3 mezes a 40 rs.
Varas de babado do Porto a 80 e 140 rs.
Cartas de alfinetes francezes a 100 rs.
Quadernes de papel pequeo a 20 rs.
Grvalas de cores, fazenda superior, a 500 rs.
Papis de agulhas, fundo donrado, a 80.
ms
m
Acha-se

'ia
r$!MnS.
"Bichas de Hamburgo 8!
todos os paquetes da Eurniu so recebe ,5$;
destas amigas do sangue humano e se Vt{
vendem a troco de pouco lucro s aflm ffl
de. irr sempre cousa nova : a loja de bar- >t&
beiro ra estreita do Rosario n. 3, ao pe s'
da igreja. / v
venda na l.vraria academia, na roa do Impera-
dor ; na do Sr. Noguem, junio ao arco de SmIo
Antonio ; e Da typographia iaiparcial, na rea es-
treita do Rosario a compilarlo de i ida a leg;- lacao
tendente administrarlo, a arrecadacao e Sseali-
sac-iu dos dtabeiros de orphios defaolos e aos*-
tes, herancas Jacenles, legados, etc., eonleodo lo
s o regur.>mto de cusas o a le feral das wmcd-
coes, como larubem todas as ordens e avwo 4
goveroo, que a tudo tem explicado, tanto a respet-
lo das obrigacjfos iahmBtM ao cargo dos UiflereB-
tes empregads de justija e fazenda, ooo dos*-
reitos na Este livro contendo mais de 70 paginas .ni cutida
impresso e bom papel, a prrstando-se a aiilidad-)
de dlffereutes classes, loraa-M r.-i-i niji^odavei.
Seu rusto 105000 por cada exemplar em dotu
oraos.________^^
Vndese no escfiptorio de Maccal Ignacio
de Olivtira & Filho, Irj-go do Corpo Saalo a. 19 :
Vinhos do Porto muit> superiores era caixas do
i duzia e barris do oitavos e dcimo?.
Muscatel de Selubal Ja melhor marca* em caixas
de 1 duzia.
Pahnella tinto de excellente qualidade em caixas
de 2 duzias.
Vinhos de Lisboa muito superiores da marra PRR
em pipas e barris.
Cera em velas.
Portadas de pedra de Lisboa.
Azulejos para frentes de casas^______________
ava rindo.
Francez barrie 5*000
Portland idem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland id-m 125000
No armazem de Tasso irmos caes do ApoUo.
Vende-se
Bramante de linho lino e largo para lencoes.
Brim lona encorpado e tino para monlana.
Mantas para cavalln.
Cobertores do algodo de um e dous pellos.
Na casa de EdwarJ Feotn a. 17, ra do Tra-
piche.
Luvas de Jouviu.
Vender o eogenho Fumas, silo na fjegoe-
zia de Santo Amaro de Jaboatao, bom d'agna
tem proporrSes para 9.GO0 pes annnaes : oa pre-
, *- -^-.i____n ..i- j n,>:m !tendentes dirijam-se ao engeuho &. Bento, a tratar
A toja de mtudezas na roa do Queima- com 0 proprietario, que todo o ngocio se fax a di-
do n. 10, resebeu-as por este ultimo vapor, nheiro ou a praso,


Diarlo de PeraMb.bBce Quinta rete* 19 de Onfunro de 84*
Grande loja e armazem do
Pavao.
Rua da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Tendo os proprietarios d'este estabeleeiroealo de
liquidarem urna grande porfi de suas azendas,
at ao flm do crreme anno, afim de fecharen) con-
tas e aparar dinheiro, resolveram vender todas as
fazendas coro grande ahalimento em prego?, tanto
em porgao como a retalho, e por isso previnem a
todos os seus freauezes, e ao respeitavel publico, e
as|pessoas que negociara em pequea e-calla com
fazendas, que neste estabelecimento encontrarao
um grande sortimento que muito lhes hao de agra-
dar tanto em precos como em qualidade; assim
como mandam pelos seus caiieiros levar as fazen-
das e amostras as casas das familias quo nao po-
derem vir a loja, ou do as amostras deixando li-
car penhor.
Cafflbraias lisas a 3,<0OO, na loja do
pavao
Vendem-se pecas do cambraia lisa branca e
transparentes, tendo oito e meia vara cada peca,
pelo barato prego de 35500, ditas muito finas, por
44500,34, 6* at 10*, sendo tapadas e transpa-
rentes, assim como corles do cambraia com salpi-
co a 24500: islo s Da loja e armazem do Pavao,
na ra da Imperatnz n. 60 de Gama 4 Silva.
Casimiras escuras,
na loja do Pavao.
Vendem-se superiores casimiras escuras, mes-
clada e entestada, iom seis palmos de largura, pro-
prias para calcas, paletots e coletes, pelo barato
prego de 1560. > o covado, assim como cortes da
mesma fazenda para calcas a 24800, ditas garibal-
dinas muito La fazenda a IffiOO : isto s oa loja
e armazem do Pavao, oa ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Betondes a 125000.
QVendem-se ricos retondes de renda preta, pelo
barato preco de 124000: islo na loja o armazem
do Pavao, na ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Sirva. y-
Crtes de phantasia a 3#500.
Vendem-se os mais lindos cortes de pbantasia
com as mais lindas cores qoe lem vrado ao merca-
do, sends fazenda transparente que serve al para
naes, pelo barato preco de 3,5500, dilos brancos
fazenda muito fina a 43000 : isto na lja e arma-
Chales pretos a 10)5000.
S o Pavao.
VenMM chales preos de renda muito gran-
des de qnatro ponas, pelo baratsimo preco de
10 cada um, ditos brancos de tres pomas a 69:
na loja e armazem do Pavao, na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Southembarqucs de cor.
Vendem-se sonlhembarques de cor multo bem
enfeitados a 55, 65 e 75000 para acabar : na loja
e armazem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Organd modernissimo.
Chegaram os mais modernos organdys com os
mais modernos padres, sendo quasi todos listra-
dos, como se usam agora, com as mais lindas cores
9 ftaas; vendendo-se pelo barato preco de 900 rs.
a vara : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas a 240 e 280 rs.
Vendem-se superiores chitas escuras a 240, 280,
320 e 400 rs. o covado, sendo todas de cores fixa.<;
ditas inglezas, muito boa fazenda a 200 rs. o cova-
do : na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Chales de merino a 20000.
Vendem-se os mais modernos chales de merino
c-lampados a 24000 cada um, havendo tambem um
grande sorlimenio ds mesmos matizados que se
I vendem a 65, 75 e 85000 : na loja e armazem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os simos do pavao.
Vendem-se riquissimos sinlos de filas de diver-
sas cores e duurado? com (vela larga e dourada,
assim como enfeites para cabeca dos melhores e
mais modernos que tem vindo ao mercado tudo
isto se vende por um preco razoavel que muito
lhes hao de agradar : isto s na loja e armazem
(i > pavao na ra da Imperatriz n.60, de Gama &
As toallias de linhe do Pavao.
Vendem-se superiores toalhas de linho das me-
lhores que lem vindo ao mercado pelo baratissimo
preco de 95(100 a duzla, ou 800 rs. cada urna, na
1 loja e armazem do Pavao, na ra da Imperatriz n.
60. de Gama A Silva.
As saias do Povo.
Vendem-se as mais finas satas bordadas asagu-
ma brancas sendo da melhor fazenda que tem vin
do neste genero, tendo mui a roda, pelo baratissi-
tazenaa mu.io una a wuw : isiomm i..iaie arma- mm m *& a croch a
zem do Pavao, na ra da Imperatnz n. 60 de Ga- ^ \ gjoooTEcom babadinhos a 9500, na
ma a Miva. loja e armazem do Pavao, na ra da Imperatriz n.
Percales dO pavao. 60, de Gama & Silva.
Vendem-se as mais finas percales com os mais Rovos vestidos na loja do Pavo a 10-5000.
lindos padrSes, sendo das memores que tem vindo Chegaram para loja do Pavo os mais ricos cor-
ao mercado a 440 rs. o covado : isto s na loja e les ,je vestidos de cambraia transparente com os
armazem do pavao, na ra da Imperatriz n. 60 de | mas delicados bordados de differentes cores a pon-
Gama & Sil-va. to de agulba, sendo n'este genero a maior novida-
CainbraiaS de forro. de que tem vindoao mercado, garaotindo-se o te-
Na loia do navao Irera mu'!a fazeDda enleites suficientes para o
i__,_ 1__..;, corpo e mancas, e vendem-se pelo barato preco de
k IeD!tL28 TS JSJf 2? !30OO*, na loja do Pavao, na ra da tan-
tas, Peto barajo preco de,25 e 25500 a peca_. pe*lril w> d Gan & Silva.
Os esparlilhos do Pavo.
Vendem-se um grande e variado sortimento de
esparttlhos os mais bemfeitos que tem vindo ao
merceds, sendo de todos os lmannos pelo baratis
m\\ MANCA.
isto s na leja e armazem do pavo, na ra a Im-
peratriz o. 60, de Gama &'Silva.
Costumes para liomens.
A 13)5000, na loja do pavao.
Vendem-se superiores costomes de casimira ga- simo ,pr' *0 de 41 55 e 65000, por haver grande
ribaldina, sendo caiga, paletote colele, pelo barato sor,jrrH.nio, na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
preco de 135, ou vendem-se separado, secdo caiga n qq de (jama.j gilva
da mesma fazenda por 45, palelol da dita a 65, co- ; Jete da mesma a 3, cacas de cassinetc. fazenda 1 ,. v.u *w* "" ___
de urna s cor a 45 palSots da mesma a 65, e h Vendem-se superiores ias croas inglezas pelo
um grande sortimenio de ralea* de cas.mira preta baraussimo preco de 45000 e o*000 a duzia, ditas
felof ba^os precos de-6*. ?7* : isto 2 na ; f fSSfSLtT^ ""*""" '
loja e armazem do pavao, na ra da Imp.-ratrlz n.
60, de Gama & Silva.
Calcas e paletots de casimira
vende o pavao.
Vendem-se superiores calcas de casimira de diffe-
rentes cores, sendo fazeeda muito fina pelo bara
tissimo preco de 75,
meninas, na loja do Pavao, na
n. 60, de Gama & Silva.
ra da Imperatriz
se
lem -
LOJA DO BEUA FLOR
Na roa do Queimado u 63.
Tem recebidH um sortimento de cruzes que
paletots saceos da mesma, estaj usando, de diversos gosos ; s quera le
sendo obra muilo bera feita pelo baratissimo prego le heija-flor.
de IO5OOO : isto s oa !oja e armazem do pavao, Tendo receido variados sertimeutos de voltes
na ra da Imperatriz n. 50, de Gama Silva. jde aljofares d diversas cores, enfeites para se-
Os COlleteS dO pavft mhora de diversos gostos, e mais barato do que
Venae-se um grande sor.imento de colletes de ^ (lua,,'Qer m{T^T.
todas a^ cualidades, como de casimira de cor, di-
Facas e garfo.
ta preta, de velludo, de meta-casimire, de brim Vende-se flecas e garfas de cabos de balaagc de
branco e pardo, veudeodc-se tudo isto ror um pre- J co que omito lhes hao to agradar : isto s na loja i 5*00, dita para doce a o503, ditas de eabo^reto
n 60 : a -''5200, ditas de cabo braceo, rolico e cravaco a
'; 35000.
Tem recebido variados sortimentos de baliios
| para menino? oe escola, de Horma de peixiciios,
panhos e ontfas de diverso-gosto, que s com a
VMtt bem se pode apreciar, e tambem serve -para
O'leiiio do hospital portugus : laas para botar de
diversas coras a 75 a libra : s uo beija-flor.
liscevas para ronpa.
Veode-sc escovas para roupa muilo floac com
differentes sontos a 640 e i5,ditas pera den; a
i20,i4O, 320 e tOO rs.
Panel e envelc-pes.
Vende-se paulado papel e caixinhas a 680 rs.,
dito de cor a 700 rs., e ennivelepes a 640rs. a ca
xinha.
t armazem do pavo, ra da Impereiriz
de Gamc & Silva.
Cortes granadinos.
1 lOfjOOO, na do ja do pav&o.
Vendem-se os mas ricos corles gracadinos, fa-
zenda de rauia phaniasia que serve at para bai-
les por sereai iranparentes e com palma de seda e
tecidos com a seda, pelo-Laratissimu prego de i05
cada um : isto s na loja e armazem de pavj, na
ra da Imperatriz n. 60, de. Gama & Silva.
As caiiiisiulm do Pavao.
Mendcm-s? as mais modernas caratstahas borda-
das com manfljilos, para senhuras, sendo as mais
modernas tas com manguitos, para acabar, a 15 ; ditas pre-
tas rom manguitos para luio a 15800 rs., mangui-
tos e goliohas pretas a 15, inissimas gelinhas de
cambraia branca bordada a 300 rs., calekihas para
meuina a 640>r&, romtiras de lil e cambraia
branca bordada a i 5600 :
da Imperatric a O), de Gama & Silva.
.'i'judo Para saceos e ronpa de escravoe
da fabrica de Feroao Velho, e de muito superior
qualidade : vende-se no escriptorio de Manoe! Ig-
na loja do Pavio, ra j nado s Olivara Filho, largc do Corpo Santo
I numere 19.
Colleiras de marroquim, com cascaveis
e sen el les.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca d. 8, vendem-se colleiras de marroquim,
\ pospontadas e com cascaveis, ou sem elles
proprias para caes e outrus bicliinhos.
Peonas inglezas de ac e douradas.
No novo sortimento de'pennas de aro que
j a Aguia Branca acaba ele receber, vienim
tambem oulras de metal dourado e bicos
mui bem acabados, e per essas boase ne-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-
.bricantes Perry cv C, as recommendam aos
! entendedores apreciadores-do bom, valeu-
: do mesmo a difleren^a que ba no preco de
urnas para outras, por que estas se tornam
' mais duraveis na coniinuacao de escrever ;
assim pois quem dolas se quizer utilisar
compra-las a dinheiro a vista : na ra do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas e sem ellas para
cortinados,
A Aguia Branca receben nm bello sorti-
mento de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, todas de novos e bonitos
desenhos, cuja commodidade do prego est
em relacao a largura : acham-se ellas a ven-
da na ra do Queimado loja da A guia Bran-
ca n. 8.
Jogo da paciencia oa curioso entreleni-
mcnlo.
Na rua do Queimado leja da Aguia Bran-
ca n. 8, acham-se a venda por precos ra-
zoaveis, caixinhas com tabolas de madeira,
que das diversas pinturas deltas se formara
agradaveis vistas e paisagens, segundo os
desenhos que acompanbam. Na verdade
esse um deleitavel en'retenimento com o
qual se despe ta a curiosidade, e apura a in-
telligencia. Os apreciadores dirijam-se
rua do Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seao satisfeitos.
Bonitos enleites para senlioras.
A Aguia Branca acaba de receber u:n no-
vo e lindo sortimeno ele enteites os mais
modernos e gostos inteira mente agradaveis,
e como seu louvavel costume os est ven-
ciendo baratamente a quem com diDheiro se
dirigir rua do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meias de la para senhoras.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Nata mosca.
Na loja da Agota Branca acha-se a venda
o papel cora composiejio para dar fim as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, eo
effeito efficaz : molba-se o papel e deixa se
ficar n'um prato, e nelle pousando as mos-
cas, entristeoem e morrena. Custa cada fo-
Iha 40 ris- na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Diversos brinquedos e enlretenimcote
para enancas,
A Aguia Branca na rua do Queimado n.
8, recebeu diveisos brinquedos para crian-
fas, sendo-estradas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelbos de metal, louca pinta-
da e porcelana dourada para almo?o e jan-
tar e mui tos outros brinquedos de madeira,
que se vendem baratamente : na rea do
Queimad >, luja da Aguia Branca n 8.
Meias pretas de seda para senhoras a
500 rcis -o par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
c3o de meias pretas de seda para senhoras,
e apesar da muilo maior pre,o que Ibe cus-
laram e o bom estado'eca que anda esto,
comtudo est resolvida a vende-las a 5i 0
ris o par, afim de que nioguem mais calce
meias pretas de algodao, agora pois apro-
veitarem a quadra e dirigirem-.'e rua do
Queimado, loja da Aguia Branca n. 8. Tam-
bera vender as brancas a 10 o par, e des-
tas o nico defeilo estarem um pouoo tri-
gueiras,
Algodac trancado da lia ;;a : no arma-sai de
A. V. da Silva Barroca, rua da Cadeia u. 4.
Ontros o Rectos.
Vindos tambem par
i a anliga loja de
mudezas rua do Que mado n. It3.
raneo bordados pa-
Sapatirrhos de setira 1
ra baptisadOs.
Outros de merino t
igualmente bonitos.
Meias de seda, corres
nho dbs sapatinhos.
Outras mui finas dt
brancas listradas.
Linas finas de fio da
de cures.
Ditas de seda para sei
Ligas de dita para sei
Pentes de tartaruga n
embarazar.
Carriteis com retroz plelo e outras cores.
Carteiras com agulhas
Agulhas francezas, as
Caixinbas com allinete
mbem bordados e
tondente no tama-
fio da Escossia
^scossia brancas
horas.
horas e meninas.
ui fortes para des-
Lonrtos de dons vidros com aro de aeo, bando I
e tartaruga.
A loja de miudezas, rua do Queimado:
n. 16, recebeu um bello sortimento de lo- j
netos e oculos de vidros com armacao fina de:
ac, bfalo e tartaruga, e os est vendendo |
por precos razoaveis: os pret^ndentes diri-
jam-se a esta loja na rua do Queimado n. h 6.
Haspas de baleia para vestidos.
afamadas,
brancos e pretos
Fitas de linho proprias
Caixas com linhas de
para crochets.
Trancellim de borracb
Bonitas flvellas gr
douradas, madrt
taruga.
A loja de miudezas
n. 16, recebeu um boni
fivellas grandes para cint
douradas, madreperola e
esto sendo vendidas em (
para ditos,
novellos grandes
preto, redondo.
pndes de ao.
perola e tar-'
est
ua do Queimado
o sortimento de
)%, sendo de ac,
artaruga, asquaes
ila loja por pre-
cos commodos ; assim co no boas e bonitas
fitas de gorgoro achamale
ra ditas fivellas.
tado, proprias pa-
Oculos de pendra
qualidades, para
da vista.
A' loja de miudezas .
u. 16, tambem recebeu o
com vidros claros e escure
fre da vista, assim como o Uros
de ac, sonidos em graos
Comas e tercos
A antiga loja de miulde
Queimado n. 16, recebeu
roas e tercos deornalina
a disposigao dos bons chr
zerem comprar em dita
Queimado n. 16.
Esponjas finas grbnd
quenas
Vende-se na rua do
miudezas n. 16.
Diversos ob
e de outras
quem soffre
ua do Queimado
ulos de peneira
s, para quem sof-
de armaco
e cornalina.
izas a' rua do
mui bonitas ec-
os quaes esto
kos que os qui-
oja : na rua do
es e pe-
imado, loja de
ectos.
Qje
A antiga loja de miudeas rua do Quei-
mado n. 16, acaba dereeeber mui tos e di-
versos objectos que fazos i completar o seu
bello sortimento, sendo:
Fitas finas de sarja da
ba at a mais larga, todas
veis crei.
dem tambem de sarja
e novos desenhos
dem idem brancas,
droes igualmente novos e
dem de gorguro de
e muito encorpadas, par
grandes.
dem de seda preta e e
ra debruar vestidos, col I
dem de laa igualmentt
e para os mesmos fins.
dem de algodao bran
tras -cores para vestidos e
dem de borracha tan
soutembarques. vestidos
Novas e lindas guarn
soutembarques, vestidos
mais estreita que
de vivas e agrada-
vrada, de bonitos
i as e lavradas, pa-
bonitos.
: cila achamalotada,
cinto de fivellas
e outras cores pa-
i fes, palitos, etc.
sor'tidas em cores
as e diversas ou-
e chita.
ncas e pretas para
i retos, etc,
;oes para enfeitar
iretos, manteletes,
etc., obras do muito gosfo e modernissima.
Tranca de seda com vi
vos e mui bonitos,
dem idem de cores
Iridios, moldes no-
ambem de bonitos
moldes e agradaveis cores.
Botes para os mesme
s fins, sendo pre-
Vinhos do Porto
tos de seda maiores e tenores, enfeitados das melhores marcas, em caixinhas de urna duzia
e outros de di- ,^e garrafas para casas particulares,sendo : Lagri-
'. mas do Douro, Duque do Porto eD. Luiz -, tarntem
tem aurrelas de dcimo encapadas com superior
I vinho, barns de 5e e 10 em pipa : na rua do Vi-
8ario n. 19, primeiro andar. ,
com vidrilhos e pendeiit s
versas cores.
IdeH pretos de vellude
dos tacianhos. <
LISTA GERAL
DOS PREMIOS DA d. PARTE DA LOTERA, CONGEDID.V POR LE PROVINCIAL N. eOo, A BENEFICIO DAS FAMILIAS IOS VOL.VTARIOS DA PATRIA, EXTRAHIDA EM 18 DE OUTTJBRO DE 1865.
NS. PREMS. NS. PHEMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. 1
3 6 2 i3 s# 431 6* 601 c* 863
5 62 32 10 66
8 40 64 10* 37 - 14 69
11 61S 68 6* 33 28 ;o
17 75 44 30 71
30 _ 77 53 33 84
38 _ 78 55 38 85
41 __ 89 60 39 87
43 _ 94 62 55 93
53 __ 95 66 _ 63 94
61 ^^ 99 70 68 20* 97
75 _ 301 mmm 72 69 6* 98
77 _ 3 __ 73 71 900
78 5 10* 75 77 3
83 6 6* 76 98 11
84 7 77 700 14
85 9 _ 78 6 19
90 19 10* 86 12 20
94 21 6* 87 10* 14 23
98 23 88 6* 17 26
100 24 89 20 20* 29
1 27 91 22 6* 35
2 29 10* 93 29 37
5 38 6* 99 33 38
7 39 503 35 41
10 40 500* 7 39 42
11 45 6* 8 40 43
13 49 9 41 45
18 53 17 52 _ 55
26 58 19 , 56 56
29 - 59 21 59 10* 59
31 61 22 66 6* 60
35 62 29 10* 72 62
46 64 34 100* 77 10* 69
47 69 36 6* 80 6* 72
57 76 _ 37 84 76
63 80 __ 39 85 82
. 65 88 _ 48 90 84
70 89 _ 53 97 89
73 93 ^m 56 99 92
70 401 _ 58 801 1002
% - 6 __ 65 5 16
98 7 ^_ 71 15 11
204 10 72 20 12
9 1(5 14 2U 82 37 20* 14
10 W 17 6* 83 41 6* 15
11 18 85 46 17
22 22 92 53 27
26 26 95 55 29
30 30 6C0 57 33
6*
10*
6*
100*
6*
10*
6*
40*
6*
10*
40*
6*
NS. PREMS.
1038 6*
44 -
45
46 -
56
57
75
78
80
84
91
1104
5
6
8
9
17
27
31
32
41
48
49
53
58
62
71
75
78
79
80
82
83
88
1203
6
10
15
17
22
27
28
32
35
40
41
43
44
46
1004
20*
6*
10*
6*
NS. PREMS.
NS. PREMS. NS. PREMS.NS. PREMS.
1248 6* 1422 20* 1614 C*
51 26 6* 15
52 10* 27 16
53 6* 37 21
64 _ 38 25
66 49 26
71 _ 50 10* 27
78 204 56 10* 32
83 6* 57 6* 38
89 wmf 58 39
95 _ 59 42
96 _ 63 50
99 _ 68 204 53 6:000*
1302 3 - 69 71 40* 6* 51 61 6*
7 80 71 ^^
9 82 10* 76 _~
11 14 84 88 6* 82 85
16 ^_ 90 86 __
19 __ 91 89 _
21 p 94 92
25 20* 99 94 40*
28 6* 1504 96 6*
29 6 97
33 _ 12 1703 ^.
39 _ 14 10* 5
43 10* 18 6* 9 __
45 6* 27 14 __
50 30 24
51 _ 33 25 _
52 _ 34 29 wm
59 _ 47 - 30
69 m 52 34 ^
70 _ 53 43 _
74 _ 68 44 _
78 _ 59 47 m^
82 _ 64 48 _
87 i*. 69 51 _
88 _ 70 55
93 _ 76 57
94 __ 81 62
1400 _ 92 65 --
4 ^m 95 66 --
6 jp- 99 68 --
12 1604 70
13 7 71
14 - 8 78
17 _ 12 94
21 13 95
1800
1
6
10
14
27
31
35
36
39
44
48
52
54
55
58
60
62
65
67
69
71
73
74
82
84
85
92
1900
6
9
16
" 22
27
28
42
45
49
51
54
61
66
74
76
79
80
92
2000
13
22
6*
10*
6*
40*
6*
NS. PREMS.
6*
10*
6*
10*
10*
6*
20*
2025
27
28
30
37
47
48
51
52
57
59
60
63
64
68
69
70
80
85
87
88
90
2100
8
12
15
16
21
23
36
40 1:200*
42 6*
46
48
50
52
87
58
59
60 .
63
64
69
70
74
81
82
83
86
100*
6*
10*
6*
NS. PREMS.
2192 6*
94
97 -
98 -
2206
7
17
20
21
23
25
28
30
34
38
39
44
47
50
60
67
68
69
77
86
87
90
93
2304
9
12
20
28
34
35
39
42
50
54
74
76
79
80
88
92
2402
3
5
8
9
200*
6*
10*
10*
O gall; canta e
guei mando m
Bom e baratissimo.
Rua do Crespo n. 9.
Collares.
Collares anadinos eliclrn magnticas Roier para
as crianzas nao morrerun de convulsoes pelo ba-
rato precio de 44-
Novidad.es.
Riquissimas pulseiras ou braceletes para senho-
ra e para meninas a 14. 24 e 34, assim como lin-
das vollas para pesenro a 34.
Enfeites.
Rif|iiissimos enfeites para cabrea cousa de mui-
to g'-sio a 14300, 24. 34, 44. 34, 64 e 74.
Fivelas.
Riquissimas livelas de madrt perola e de tarta-
ruga, arsim como pretas.
Cruzes.
Riqu ssimas cruzes douradas porm o melhor
gosto qne se pode desejar.
Cascarrilhas.
Bonitas cascarrilhas com biqtiinhos de seda e
aljfar consa inteiramente nova para enfeites de
vestidos.
Binculos.
Bonito sortimento de binculos com superiores
vidros para os amautes do thaatro.
Assim como uns pequininos
que serve para enfeite de relcgio mais com excel-
lente vidro.
Sestinhas.
Riqusimas cestinhas com preparos para me-
ninas de escola trazer no braco, assim como de
vidro enfeitadas proprias para mimo.
Pentcs.
Ripuissimos penles de borracha com aro bran-
co de metal para menina segurar o cabello pelo
barato prego de 500 rs.. e duzia 3*, assim como
grande soriimenio de todas as qualidades para de-
sembarazar.
Escovas.
Grande sortimento de escovas para roupa e pa-
ra cabello, para unhas e para denles.
Lunelase ocu'os,
Finlssimos lunetas de um e dous excellentes vi-
dros e aro de bfalo e de tartaruga, assim como
oculos com rame dos lados proprio para
sollre dos oculos.
Touquinhas.
Riquissimas touquinhas de fil de linho,'
da e de laa para mangas.
Para o cabello.
A superior agua para aitingir os cabellos, as
barbas brancas e fazer conserva-Ios, os frascos
acompanha um rotulo que ensina a forma cerno
se deve applicar.
Para caspa.
Superior banha sem gordura com um frasco
com agua propria para limpar a cabega, os frascos
acompanha um folheto que encina o modo como
se deve applicar, assim como agua balsmica,
opiata e poz para limpar denles.
Banhas.
Grande sortimento de banhas em ropos, em la-
tas de folha e em frascos de todos os iamanhos por
! precos menos do queem outra garte, assim como
; muitos oulros objectos que oao se poie mencionar
' por hoje : s no gallo vigilante rua do Crespo nu-
I mero 7.
no mm
de fazendas baratas de Santos
Coeiho, rua do Queimado n.
19, vende se o segnvitc :
Lences de panno de linho a Ij
Hilos de bramante de linho de um s .Muo pa
baratissimo preco de 34200.
Loberas de chita da India a i- '.i n.
Pegas de cambraia de salpico branca < ite < r
com 8 i|2 varas, pelj baralisaiu \ m_ r '; > Pegas de cambraia adamascada cvuWvatM
propria para cortinado a 11*.
Bales de arcos a 3*, 3*500 e 4*.
Lengos de cambraia brancos pequenue, .. Mtt
24000.
Ditos ditos de dita Baos, a duzia t: 6(10
Bnimaole ile linlio lino com 10 i ..-. Ittja
ra, pelo barali.-simo prego e 2(>w a .ra.
Atoalhado de lindo a vara 2*800.
Dilo de algodao .',".
Algodao eufeslado com 7 i|2 punios je lataara
a I400 a vara.
Pegas de brelanha de rolo com 10 v^ras prapri
para saia a 34500.
Fil de linho liso lino, vara 800 rs.
Dito com salpicos a 1*.
Cambraia de linho Ana, a vara 4*500, .'-AX 0*
Flanella branca fina a 600 rs o estafo
Dita de cores a 880 rs.
Corles de algodaoziuho de lidos fO.-t.-s, MBJ B
covadus, pelo baratissimo pr- <;o
Madapoln fino largo a '.'& < 104 i"
Esleir da India de ', 0 e I pataios k !?'*ora.
propria para forro de sala, pw NkM ,i (0 ui ajan
em oulra qualquer par'-.
Neste armazem tambem se enconlra i.cn grao-I
sortimento de roupa fela e por medida
NtriMe.
Chegaram os bonito- chales i retond de fw\
re brancos, e vendem-se na ruda taaperatfisa
52, loja da pon." larga, de Pare4es Pofto
ESC1UYG rui
7TIW
\
quem
de se-
aos capitaes de campo e u
polica
200s00 ce iratifrtfit f;r 'Ha n
Decapparereu em rincipio d< u.n ir rcsatoi
prximo passado, de bordo do \?.[h, > narioMl
Arroio Malo, dous esclavos le n- n R I
appellido alacei, e Miguel, o Io de id d< ISarm
p(-oco.ma>s ou menos, crii uio. ro fula,
baixa barba cerrada, nm ponco r das [-mas
e com alguns rabel lis bneos, lula n barita <
mo na cateca ; o 2 alio, cheio fi<. ( *\ >. sem ba
ba, falla grossa, representa ler de .j a .JO tsn
cujos escraves desronfiase andart-ir. y \-1 mi.Lar
des desta cidade : quem es apprrir* r. qoer
levar a rua do Trapiche d. 4, ou a bordo do du
navio.
Gralilicatao de 508.
Ausentou'se da basa n. 50 da rna do frrperr>4or
(outr'ora Cnilegio) no sabbado 16 do earfriNi ir.ej
de setembro de 1865, o escravo pardo dt m me la-
quim, com os signaesseguintf^: estelara regolar.
idade 18 a 20 annos, sera baria, r1" iarg.-s v,ibc
grandes, cabello corrido, com urna emana arand-
e bem visivel na testa, parte dos dente? da fenle
arruinados, e com falta de algn- Isa lados, MUI
com calca de brim pardo e pnlet-1 rui> de panno.
mas levu mais roupa branra e de rr. e nrr.iii
astucioso, costoma intitular-se lorra a talar tata-
gado ; J i escravo do Sr. Goilherme Fr-dpnro de
Souza Carvalho, genro do tinado Sr. n nirrendd-.r
Manoel Gongalves da Silva : rogase a >na raaMn
a todas as autoridades policiaes a >u-ilqner ra
pito de campo ou outra pesaaa par rular aaa
appreheoder se gratificar com 50*, aim das dt*
pezas de conduegao, enlregando-o a -ir. scMM
Miguel Jos Alves, na casa arima, ou oo '*-o es
rriptorio na rua da Cruz casa n. 19.
enero
tambem de sorti-
Acham-se fgidos os escravos itflalti : I
mulato, idade de 2o anuos, cabeiloa ua I .
barba, denles um pooco limados, serr do ratas.
testa larga, e falla um poica desraizada ; e Lu.
criouloja um pouco velho. allura regular, n:ntrf.
cabelludo, b>rba com alguns cabei: I un.-, ao-
sim como na cabega, corpo reforcsiio, ulnos ua
tanto pequeos, falla grossa e as maa kpaj
rouco : pede-se as autoridades poliriars e aos ea-
pites de rampo que os fagam apprtftraacf t af>
dnzi-losa' casa de seu scnh"r o Bajos Ant. no aa
Silva Gusmo, que generosamenle r. r o-pensar.
e lhes pagara loda despeza que Ozmn. um a .-ua
conduegao : suppoe-sc que elles lero ido em >?
gnimenlo dos sertoes dt.-ta provincia, por serea
fllhos desses lugares.

l
2415
16
17
18
O
5
7
10
14
15
19
lO
43
44
51
52
53
63
68
69
76
78
89
91
93
94
2500
8
15
18
19
21
25
26
27
28
31
43
48
51
53
57
59
63
64
65
69
77
86
89
PREMS.
64
204
6*
10*
20*
NS. PREMS.
2594
96
97
2602
5
6
10
12
14
16
24
27
50
51
55
59
60
69
79
81
84
86
92
94
95
97
2705
8
9
14
17
18
21
22
25
27
36
37
40
42
55
57
59
60
63
66
6T
71
.78
80
6*
10*
6*
10*
6*
10*
6*
NS.
2782
PREMS.
6*
10*
91 6* 99
94 3005
2803 10* 12
6 6* 13
18 14
22 10* 20
23 64 23
24 30
27 - 31
29 35
30 38
31 - 45
41 46
59 49
60 50
62 68
67 70
69 204 74
71 64 7fi
80 77
82 204 84
87 6* 90
94 " 91
2902 97
4 __ 3101
8 3
14 __ 6
22 21
25 _ 33
28 _ 35
32 _ 41
33 43
34 10* 47
42 40* 52
45 6* 53
47 61
50 __ 69
52 _ 71
54 _ 72
55 B^ 79
58 _ 88
69 _ 95
74 - 97
76 3200
78 5
87 6
91 40* 12
93 6* 16
NS.
2994
97
PREMS.,NS. PREMS.
10* 3220
6*
/
20*
6*
10*
23
so
31
32
38
47
80
55
61
74
7o
78
82
83
92
%
3301
3
5
9
10
15
19
23
25
26
27
29
30
31
36
37
44
51
54
55
62
65
70
76
77
80
83
85
86
94
95
99
3406
40*
6*
40*
6*
NS. PREMS.
10*
6*
3415
29
32
3 i,
37
39
42
52
55
59
60
62
64
65
68
69
79
83
88
94
98
99
3506
9
10
15
16
25
33
38
54
58
63
71
82
89
93
95
96
97
98
99
3606
10
11
14
18
19
20
22
6*
10*
6*
NS. PREMS.
20*
20*
6*
20*
6*
3631
32
36
38
41
42
46
48
53
54
57
59
61
64
69
80
8o
86
88
91
92
94
95
97
98
99
3703
5
16
17
24
25
26
31
34
36
41
44
45
46
50
56
58
68
73
75
76
80
83
91
6*
10*
6*
NS. PREMS.
3794 6*
99 -
3800
4
6
7 -
20*
6*
10*
6*
I
N
li
14
25
27
37
38
42
H
M
67
74
76
81
84
86
87
95
99
3905
23
25
27
45
46
49
51
54
56
59
62
63
64
72
75
77
79
80
82
86
91
94
99
10*
6*
100*
6*
20*
20*
6*
10*
6*
40*
6*
10*
6*
I


Diarlo de reruaaibnco tu tata le Ira te de Oiitubro de i**
JURISPRUDENCIA
O Furnm.
E' cerlo que taes escravos (orara encontrados as contrario tenbo ouvlqo sempre fazer-lhe muito boas
immedlagoes de mea engenho por ara morador, ausencias a sea res? lo. Son, etc. Eogenbo Ma
que por ordera minha determiaou-lhes qae so afas- sanass, 6 de cotubio de 1865. Mareionillo da
tassem daqui, pois eo nao quera contacto ilgum Silveira Lins.
com os fmulos do Sr. Joao Paes, qae infelizmente c Satisfazendo ao pedido de V. S. exarado em
argido de acontar escravos alheios, taes como saa carta retro, devo responder-lhe o seguinte
nae V. S. occoltasse em saa
que me falla (os do Sr. Joo
sao;por raim tratados com rauita tolicituie t bon-
daae.
Pouco importa a pocba em qae o Sr. Joo Paes
sob Manca do Sr. Ttiomaz de Aqaino Fonceca, fo
mettido na adminislrago do engenho Hupaa por
Foi-nos remettida a exposigo que abaxo se l, sen pa a meu sogro, que, segando consta de ama
em resposta a dous pequeos communicados inser- carta nunca percebeu rendas, passando entretanto
W3 no Diario, referindo-se ura delles ao que disse- um T,en0 je||as por instancias desso seu filho pri-
mos no Forum acerca da questo entre parte*, Ma- m0genj;o e de mals outra pessoa.
no?l naci de Albuquerque Maraulio -i Joao Paes A verdade que a]n(la em vjda de meu sogro
Brrelo de Lacerda, sobre a arremalago do engfi- f(lj aqUnt,oado no sobredto engenho por fallec-,
libo .".upan. ment da minha sogra. Ainda tive ahi oulro quin-
Na ia arcrescentareroos a essa resposta. Ella bao no inventaro aroigavel d os bens de meu sogro
conten (actos que dispensara argumentos, e que inventario cuja annullago o Sr. Joao Paes promo-
devera ser bera conhecidos porquera os refer', e ; veu apezar de hav lo assignado com tanta scien-
sc comprometi a prova-Ios. ca e coasciencia do que faiia.
Apezar disto, talvez que o autor do primeiro ar- j Depois que suecumbio mea respeitavel sogro,
ligo aiuda contiuue a descrer da imparctalidade do' pai sempre indulgente para cora seu tildo prmoge-
Forum. Pois olhe que faz urna grave injusta se I niw M este deixando deteriorarse e ficar de fogo flla cond,UI,,r. 'inmediatamente a casa do subdele- suagy. DeseJo qoe 7. s. e soa Exma. fami|iai etc.
acaso duvida das boas iotenges dos respectivos re-1 morto o engenho Mopan, em que ja' hoje nao tra
Feliciana do finado Mantel Xavier de Vasconcelos, Nao me consta
consenhor que fol do eogenbo Arariba de baixo, e casa os escravos de
o preto Jos que partencia ao finado Jos Aitonio Paes), antes eslou ceho de que isso nao pode ser
de Oliveira, e foi visto em to misero estado que exacto em attenco aos honrosos precedentes de V.
s por empenbos pode dispensar a intervengo da s. incompativeis com
polica Paro aqui, prometiendo ir alm se
porventura for Instigado...
Tambem veio baila a preta Germana, a cujo
respeito o que se passou foi o seguinte. Sabendo
eu que ella fura encontrada em casa de um mora-
dor meu, procurando mercurio para curar l'eridas
senn I han te proceder. DeV.
S., etc. 11 de outurJro. Andr Das de Araujo.
(E' o Sr. do eDgenbc
Era resposta.
uaciores.
Esteja, porm, cerlo de que sobre os factos por
nos citados, fuudarao-nos era esclarecimentos lide-
dignos, e al ruesmo em ioformaces colindas cora
o ni ais paciente escrpulo. Ainda assira deixinos
de a:er certas revelacoes iraportanles que por em
uunto nao erara iudispensaveis para a sustentarlo
dodtreilo, epodiam parecer impertinentes aosolhos
jo G-aimunicaulo incgnito.
O 3r. Joao Paes apresenta-se como urna victima.
Entreunto seu contendor que al hoje lera lula-
do at mesnio com a inercia do nosso foro. E' de
inais:
U :>r. Dr. Montarroyos deu-se de susp?ito, pas-
tando OS autos a oulro supplente. E depois de se
jar corso prolongado a um incidente fcil de re-
solver, foi o proeesso entregue ao juiz ellectivo, sera
tor havidosentenca.
Ma sraa persegue a justiga da villa do Cabo 1
.-.credilaraos que o Sr. Dr. Baeellar, actualmente
>ut eseieicio, estar convencido de que mais apro-
vena as partes a njustica prorapta, que admiti os
recursos legaes, do que a jusliga demorada que oc-
easiona perda de lempo, de paciencia e de di-
nbeiro.
i1 Sr. Joao Paes Brrelo de Lacerda ou algaera
, ir elle oceupou-se commigo em dous coramunica-
Ic asertos nos Diarios de 2~ de selembro e 13 do
corrate, prelendendo mostrar sob a f someote de
$aa norada palavra:
Que elle casado, e tem Hitaos, ainda que leg-
timos.
Que ha mais de vinle annos reside no engeubo
i?upao, onde foi collocado por seu pai, azendo all
impurtanles beuofetorias.
Que si tenbo mais de um engenho.
Que se Mupan esl de fogo morto, porque os
;uus escravos, Pedro e Mara, com que conla o Sr.
load Paes para o cosleamento, esliveran oceultos
na senzala do meu engenho, donde se passaram
para um rancho ou mucambo, relirando-se depois
por inlimago minba, visto ler saiiido a sentenga
em favor delie; >endo que estas mesmas cousas,
;. neo mais ou menos, declararan! os escravos aos
eapitaes de campo, como se v de um auto de per-
cunla- que esta moslra era certa casa.
Que perante o delegado do Cabo requer vestoria
3 interrogatorio sobre castigos rigorosos um urna
uscrava futida, tem motivo algum, do poder do Sr.
loao Paes em principios de selembro; e que essa
auloridado ucou envergonh.ida da ml.-eria que pre-
senciou, e despedio me com mo humor e ao meu
adwgado, manJaudo comludo recolher a escrava
i caJcia.
Uatii lira o Sr. Joao Paes argumento para deJu-
zii os moios honestos de que me sirvo para laca-
lo .ora de Mopan; e pergunta su aiuda continuarlo
meus apreciadores a dar eredito as miohas inter-
tnioaveis historietas
Depois do que disse a meu rtspeilo a redaccao
do Forum na oitava pagina do Diario a. 118 de 23
ae taaio deste anno, o Sr. Joao Paes guardou um
Bill ocio to completo e prolougado, que pareca im-
portar conli.-so de ludo quanto acerca denos
ambos *e allegara. Agora porm que se approxi-
ma o termo de miabas cansadas demandas, emen-
den o Sr. Joao Paes que era tenipo de prevenir os
nimos.
De urna su vez me cecupare com os dous cora-
municadoa, nao tendo remedio seno incommodar
o publico eomqueslSes que eu nunca traria a lume
si nao fosse tao provocado por urna pessoa que
alm de andar M-rapre desaviado cora seus pareo-
assentoa de incommoda-los mcessantemenle
com pleitos jiiiliciaes.inculcando-se a nica victima,
como si orna familia numerosa fqsse toda coropos-
ia d; algozes que s andam a torlurar urna inno-
cente1 creatura.
Vamos por partes.
Nunca neguci que o Sr. Joao Paes fosse casado,
ncm que tivesse filhos Ilegtimos. Mas neste pon-
i elle deve ter ennsciencia da vaniagem que eu
levara na comparago do procedimento de nos
ambos. Vivo em companhia de minha mulher;
cont sete filhos, sendo quatro mocas, e todos a'
exc*p;o de urna casada, resida* no lar paterno, e
provenientes de castigos rigorosos de sea senhor, gr. Joao Paes, esiivessem em seu engenho Aras
fl-la conduzir immediatamente casa do subdele- suagy Desejo qae V. S. e sua Exma. familia, etc
gado do 2 dislricto, o Sr. major Candido Jos Lo- Eogenbo Arariba-de-baixo, 8 de ontnbro de 1865.
balha. nem deixa que os mais trabalhem. P*3 de Miranda' aflm de m *is">'-ada- *" a I
O peior de ludo qae recusa pagar-me as ren- P>gres8la destruico dos bens que haviam .ocado
das de seis annos que me sao devidas, e para isso! ao Sr- Joao Paes- era dever roeU' aflm de l,0UPar
allega urnas decantadas berafeilorias realizadas ain- maior PreJU110 a meus fllho. vis, 1ae lae bens
da era vida de meu sogro, sem consenlimento des-
te, nem meu, que entretauto o Sr. Joao Paes jal-
gou necessario o auno passado, mandando-me ci-
tar para ver fazer novos reparos na propriedade.
Consistem as taes bemfeitorias u'uma casa de
vao ser novamente inventariados em conseqiaencia
da aenullacao de que cima fallei.
Acbava-se presente o Sr. Manoel Jerooymo Bar-
reiros Uangel (senbor do engenho Pimenta) nuando
me apresentei em casa do Sr. major Landido, que,
circunstancias que reflro, declara o Sr.
valcaoti que indo o
este interrogar o e<
adoraco (de laipa) unida de vivenda ; urna es-: querendo pr-se a coberto de qualquer suspeila de
trlbaria, taraoem de laipa, e dispensavel, pois que parcialidade, julgou conveniente que a vistoria fos-
havia oulra ; e ualmente urna eslufa. Ja'naoexis- se eila na Vllla- em presenCa do delegado, que
lera as casas de tenas para lavradores, e a temada elTectivaraente raandou recolher a escrava a'ca-
das aguas. Damniliearam se ou destruiram-se ou- deia-
De volta do Recife onde ento se achava, 9 Sr. de meu engenho :
Joao Paes levou a escrava para o engenho.
Noruega).
baria supra de V. S. tenho a
declarar que nunca trnvi dizer por pessoa alguma
que V. S. acoutasse escravos alheio,e nem lambcm^
que os escravos Pee ro e Maria, propriedades do
, Joao Lniz Gooc.aIves Ferreira.
Tambem tenho outra carta extensa do Sr. Joao
Cavalcanti de Souza Leao, proprietario do engenho
Santa Rila. Nessa carta, confirmando diversas
Joao Ca-
asa do Sr. Joio Paes ouvlra
cravo Pedro apprehendido, o
qual disse que aptnas se dirigir a urna filha e
prenla que tem na senzala do Arassuagy, pedin-
do alguma cousa para comer, mas nunca se apre-
desse engenho :qoe de Joao
Paes Cabral ouvira < ue eu havia mandado dizer ao
dito prelo que se relirasse, pois do contrario o faria
prender, constando-oe que elle andava em maltas
tras obras e utensilios, taes como urna roda e va- De volta do Recife onde ento se achava, 9 Sr. de meu eDgeBho : que elle, o escravo, de seu
sos de cobre que o Sr. Joao Paes recebeu ao tomar Joao Paes levou a escrava para o engenho. motu-proprio fra para Gaib, d'onde se pas-
conta do engenho, moente e corrente V-se um R|o se do resu,udo da v,stora) Qem do fun}3. sra para a pr0vjnci:l das Alag;aSr 0m carla de
pilar em rumas, e o cavouco e a levadora mu es- men(o da en(rega 0 qm ai3eguro que na ca9a uma seDl)0ra D. Maria. A estas respostas assisti-
tad- do Sr. major Caudido a escrava, fgida de poucos ram tambera um preo ferreiro, e o ajudante do ca-
A imporiancia das beini'eitorias alludidas, e o das> deiIOu fapnr, que ainda ninguem conside- pilo de campo fgna w. Nessa occasiai dizendo o
rou como prova de bom tratamenl. Sr. Joao Paes que es las respostas nao corabinavam
E' bem possivel que o delegado se tivesse indig- cora o que ja' (inha sido referido pelo escravo, este
nado com esta miseria. O que neg que elle me esaiou a chorar,
tivesse despedido a mino e ao mea advogado, com
mo humor. Nao havia direrto-, ne pretexto, ao
menos, para tanto.
A autoridad.; policial, que alias nao ae mostrou
convencida da sem-razao da vistoria, poda ter-se
contentado em fazer alguma admoesta^o- camara-
rla ao Sr. Joao Paes, evilando-lhe a vergouha de
ara precesso, e a perda de forra moral perante seus '
dominio que ueilas lera o Sr. Joao Paes sao pontos
ja' corapridaraenle discutidos no (oro. Basta di-
zer que a relacao do dislricto nao reconheceu a
quera perteuciara taes obras, e raandou que os in-
teressados disputassem seu direilo competentemen-
te, apezar do empeubo com que o Sr. Joao Paes
pretendeu privar o jus que linba as berafeilorias,
e no qual firraava a sua inteuco -da nao ser o
eugenho arrematado por outrem I
Eu possuo mais de ura engenho, diz o Sr. Joo
Paes, com o fim de inspirar corapassivo interesse
por sua oessoa, que pobre, ao passo que eu sou l'oV.
rico e poderoso. O estratagema ja' mui corr-1
queiro entre os demaudistas carecedores de razo,
Sao as declarantes esseneiaes
adata de 10 do corrite.
LITT
da carta, no tem
EftATRA.
TEATSO DA GERUA.
Er asa a noticia dp> feito de 18 de setembro de
engenharia, qae com presteza foram efTectnados, do ,mperio do ^^m Angelo m^ ^ ^ f-
pois e"m menos de meia hora eslavam assentados [ raz ,
e ebeios os sondes e levantadas as bateras.
1865, segando o boten* do eteretto em opera?oes
SI os-aetos que cita sao- os nicos a qoe pode na provincia do Rio Grande do Sul, publicado no
soccorrer-se o Sr. Joao Paes para mostrar os acoraparaeuto Junto v-iihv de Uruguayanna, 19 de
Tenho cora effeito o engenho Brejo, que nao me meios honestos de que lauco mo para expelli-lo de selembro de 1863.
tocou por heranca de meu sogro. Eslou em Aras-: Mupan, devo estar tran>(uillo com a justi?a que No dia 18 de selembro de 186o designado para
suagv pequeo engeoho que me havia cabido no 3em duvida me faro os meos apreciadores,, nao 0 ataque do ioimigo ((ntriocheirado na bella villa
inventario que a relacio aonullou. Mas esse e ou- por causa de historietas (em que to fertii meu | de ruguayanna, couforme as ordeos- do general
tros bsns confundem-se no monte commum sujeito cunhado) maa pela for^a irreslsttvel dos fastos e i em chele, o Exm. Sr; barao de Porto-Afegre, a's 6
a" nova diviso, era consequeucia do jnlgado da- documentos- que tenbo oxhibido, e continuarei a horas da manha, ja se acbavam formados em uma
quelle tribunal. E porUnto, a' excepcaodo Brejo, exhibir, si preciso for. icocbilha a' margem wsquerda do rio Imbaa' todas
e de uma parte de Mupan, uo qual tambera meus ., a^ (arcas do exercilo iraocrl.
E sempre repugnante urna Iota entre prenles. as lorv,1> uu o*"l-u "F>-"
Sirva-me, porm, de justificado perante o publico' ^ numero de 4,U00 pravas a nossa inantaria,
a longanimidade com que eu e ouiros membros-da ncluindo 2,000 boraens d cavallar.a armados co-
familia temos 3ofrido do Sr. Joo Paes, que em mo infantes, marchoa em ooiuamas conugoas em
qualquer temP9 e lugar nao nos- poupa in9c- cinco brigadas, acorapanhando artilhana com
(vas... : 10 boceas de.fogo e a eslalivas, e dirigi-se > villa
A paciencia tem seus limites : e depois, trala>se ^8 Cruguayana.,
de reslabelecer a verdade dos factos-, adulterados! s. M. o Imperador, principe conde de Eu, o mi
em meu desabono. miuistro da guerra, o general em chefe, ajudantes
Tanto nao sou levado pelo capricho de infelicitar de campo de Sua Magesiado 9 comitiva, oecupavam
o Sr. Joo Paes, nem lanca-lo fra. de Mupan, que' a. frente da forga.
eslou prompio a deixaresse meu cunhado em san- a diviso oriental ao mando do general Flores,
la paz, uma vez que elle pague as rendas que me e a argentina commandada pelo general Paunero,
Affirma c Sr. Joao Paes que nao faz safra porque duvei ( d 1aQCa as fu[uras Umbem em.c0|UmnaH contiguas, e na ordera em
llie oculto escravos. Aiuda eu morava na fregu- ...mnnii' ..m,; nnmeira na
z. i de Santo Amara Jaboaf.o e elle auenas azia a niuilo que amigos meus,. que nao tinbam W* achavara, acarapadao.jslo a P"ae'ra na
zia ae santo Amaro laooauo, e ene apenas uzia >h ...Aa esuuerda, e a segunda no esntro, seguirara a mes
ento alguns poucos paes de assucar, pagando-me a menor indisposigao com elle, tentaram debalde
a renda por parcellas, e at cora bois veluos, de- uma accommodago. Depois de consentir n'ma
pois de repelidas instancias roinhas. base, o Sr. Joao Paes arrependea se, como outr'ora
Queixe-se de sua iuact.vidade, de seu genio1 se arrependra, doinventario amigavel, e redobrou nava inv^llda'nte^am^,e daua
rispido que afugenta os bracos livre,.. e do sys-; *> ~ p. M. ^ I- ,cupleto em P^*^-^ Si LZZ
tema singular de promover lulas e desavengas que doprove.to meu. ordnar|o das trJDcheJfas do niinigl)) can.
o embaracam, embaragando tambera os oulros. ^^ ArassuagVi |6 de OQlubro de 1865._ dQ eu[re as mesmas lrQCheiras, e o cemUer.o, que
Ma sraa persegu meu cunhado Os seus ires Manoel Ignacio de Albuquerque Maranhao. Qca fora.da vilfa : a diviso argeulina oceupava o
cravinhos andara sempre escondidos, ir-se hia Eis as carias a que cima refiro me, e que pu-' centro, e-a oriental a esquurda.
que o raau trato os conserva arredios da morada blico com perraisso de seus autores. Collocou se toda a cavilara a esquerda da li-
de seu senhor. Respondendo ao seu favor, tenho a d2er~lhe nha, e a retaguarda ua posigo conveniente de
Afrraar-se, porm, que os oceulto, lalsidade que em quanto aos escravos do Sr. Joo Paes, esse proiege-la
clamorosa, contra a qual protestara os documentos senhor disse-me em casa do Sr. Manoel Jos- de
Sani'Aona Araujo que o Pedro se achava na mo-
rada da Exma. Sra. baroneza de Ipojuca (*); ao
lilbos livar.'.m ura legado, coulo apenas com direl-
tos que vio ser liquidados. E' o que acontece ao
Sr. Joo Paes, com uma diilerenca : elle apenas
tem uns dous escravos, como confessa, e nao pode
costear ura eugenbo de grande Torga, o qual precisa
de importantes beneficios para dar lucros; sendo
talvez por isso que meu cunhado pretende arrenda-
lo, e faz-rae a guerra prefenndo algum estranho...
Eu porm, gragas a Deus, tenho fabrica suficien-
te, e disposigao para trabalbar, como devo, por
amor de uma familia numerosa e legitima, para a
qual esftuolhaudo com desvelo.
ma direego.
Ao meio dia menos 11 minutos
ja
a praga se
a torga dis-
abaixo transcriptos e firmados por meus visi-
nhos, e visinnos tambem do Sr. Joo Paes, que pro-
vavelmente nao recusara' o testemunhode propie-
tarios respeitaveis, antepondo a eiles a declarago,
erabora forgicada, dos capiles de campo.
A propria narrago do Sr. Joao Paes contm cir-
cunistancias iuverosimeis que revelara a faculda-
de inventiva do raeu cunhado, e fazem duvdar da
exactido do que elle atiesta. Si eu oceultei os es-
cravos, perqu razo mandei-os embora esponta-
naaioente ? A senlenga que houve foi a annulla-
go do inventario, e o accordam para que o enge-
nho fosse a' praga por arrendamento, como eu
pretenda. Em que que essas lides, em quanto
pendentes ou depois de decididas, podiam iufluir
para que eu occullasse ou raandasse embora os es-
cravos do Sr. Joo Paes
Ao approxnr.arem.se a& torgas a ossa posigao,
adianlou-se o general em chefe baro de Porto-
!W"
FOLHETIM
0 MMOfolo JOGO
POR
HSTEaiTE CONSCIENCE.
Vil
(Couuuaacao.)
0 Sr. Van de Wervecontemplava cora olhos h-
midos sua lilha e o angustiado velno. Mas soube a
sua commogo e disse :
Mara, pedi-le que te deixasse estar no teu
quirto, p>rque nao sabes moderar a expresso da
la dor. Poste de encontr a minha vontade. Per-
doo-i'o, minha filha, attendendo desgraga que pa
rece ameagar-nos \ mas se queres passar mais al
Alegre, e por si s fz um reconhecimenlo apro-
que loe respond que nenhuma defeza fazia a essa &> s lriocneiras iomi^ As forgas pa-
senhora, bera counec.da por sua prob.dade. N5o em nainer0ide.6i00e gUarneciam o para-
de hoje que lemos amizade, e s.m desde a nossa, *? -^ trincneira9> que em linha 80tinua envol-
infanc.a, e ha mais detrrata anoosque resido aqui; & arai( Unhaiu ^ben, assestadas
sempre o tenho reconhecido zeloso por sua honra, | oinBO boccas dfi fogo_
era nao acoular escravos alheios: e a pura verdade I v mandou imraediatameDte
ludo quanto fica dito, pois sou franco emmanifes-! v* ,, R, P____ ^.___r*\
. A ,. bamar o major Rufino Eneas Gustavo Gal vao,
tarosseuuraenlosdoraeucoracao De V-S. etc.; ^^ de eogeaJieiros, e o capiio
Engenho^^ Mundo-Novo, o de ou.ubro de 186o.-Caa- ^ da Garaa Lobp d-E,a, eoraraandan.e geral
dido Jos Lopes de Miraada. das baierjas do exerc|lQ ^^ e ,hes Qrdenou
c Em resposta ao prezado favor de V. S., cura- escolhessem a mis conveniente posigo para
pre-me dizer-lhe que nunca me constou ter V. S. co||ocar.se a artiltiar. O qae feito, marcharam
oceulto escravo de nmguem em sua fazenda. Ao | {ogQ dU. bataln5es dfe loaottrU para a frent, e
distancia, e por
os trabalhos de
Da diviso argentina vieram quatro boceas de
fogo para reforgarem a nossa artilharia.
O general baro de Pono-Alegre, ministro da
guerra e generaos Mitre e Flores, conferenciaran!
mui perlo das irincheiras inimigas, e fizeram um
novo reconhecimenlo.
O Imperador, a despeilo das observagoes do seu
ministro da guerra, do general em chefe e do vis-
conde de Tamandar, que tambera se achava pre
sent, esteve sempre na linha, junto do mesmo ge-
neral, e respondeu s mesmas tbservagoes, que
oceuparia a posigo digna de si.
Investida a praga, mandou o general em chefe o
seuajuJanie de ordeos, capito Manuel Antonio da
Cruz Brilbante, como parlamentario, levar a se-
grale nota ao comraandanle da praga :
A prolongagao do rigoroso silio em que se
achara as forgas sob o commando de V. S. devera
por cerlo te las convencido de que senliraentos me-
ramente bumauilarios relem os exerctos altiados
em operages nesla provincia ante o ponto do ter-
ritorio que V. S. oceupa.
< Estes sentimeniosque nos animara e sempre
nos dominaran), qualquer que seja o resultado da
guerra a que lomos levados pelo vosso governo,
me obrigara a ponderar a V. S. que semeibanle
posigo e estado de cousas deve ler ura paradeiro,
e era nome do Imperador e dos cheles alliado-a a-n-
nuncioaV. S. qus denlro do prazo de 4 horas
nossas operages vo eoraegar.
Toda a proposigw que V. i. fizer que nao
seja a de reuderem-se as forgas do seu commando'.
sem condigdes, uo sera* aceita, visto que V. S.
repellio as mais honrosas que Ihe foram pelas for-
gas adiadas oficrecidas.
i Qualquer que seja, porm, a soa resoluco,
deve V. S. esperar de nossa generosMade o irata-
raento consenlaneo com as regras adraiitidas pe-
las nagoes alijadas,
Deus guarde a V. S- Acampamento junto aos
muros do l'ruguayana, 18 de selembro de 1865.
Baro-Ae Porto-Alegrt.ko Sr. coronel Esigarri-
bia, comraandanle da diviso paraguaya en> opera-
goes sobre u rio Uruguay.-
Passadas as duas horas maedou o comraan-
danle da praga pedir mais rae hora, porque
eslava era- conselho de cfflciaes reselvendo sobre1 a
resposta que devia dar a' referida nota : toMbe
concedida.
Expirado esse prazo ahegou a reoposta do co-
ronel Estigarribia concebida nos sejwinles ter-
mo:
O comirnndante em ctufe da divisas paraguaya
offerece render a guarnigo da praga de Uruguaya-
na debaixo das seguintes coadigioes :
i.* O commandante e a forga paraguaya en-
tregara a divio e o comroando desde sargento
Inclusive, guardando os exerctos adiados para com
ees todas as regalas que as- leis da guerra pres-
crevera para cora os presionen >s.
i t." Os chefes, officiaes e empregados de dis-
tnogo sahire da praga com suas armas s-baga-
gene>. podendo escolher o ponto a que qtuerem
diriyr-se, deveudo o exercito alnado suslenla-los
e vosli-los durante a presen gfierra; ss esco-
lhesm oulro poni que nao seja o Paraguay sero
para ai i i enviados-por coula do mesrao exercito,
e pur conla propria se preferirera o Paraguay..
t %' Os chefes, e os officiaes orieutaes rjue es-
to uesta guarnigo, e a servigo do Paraguay,
Ucarao prisiooeiros de, guerra do imperio, guar-
dndole todas as consideragoes de que orem ere-
dores.
c Silio de L'ruguayana, seterr.bro 18 de 1965
Antonio Bstigarmbia.
Assim que foi recebida essa resposta, o general
em chefe baro de Porto Alegre mandando logo
chamar os geoeraes em chele azi torgas adiadas, a
entregou a Sua Magestade, con- quem todos os
generaes, ministro da guerra, e visconde de Ta-
mandar, conferenciaram a respeito, e concorda-
ram fazer resiricgoes as condigoes proposias, e o
ministro da guerra olTereceu-so para se entender
pessoalmenle cora o commandante da prac&j o que
fez, dirigindo-se logo para a mesma : tiveram or-
dera do commandante em ehefe para acorapa-
nharem a S. Exc. o chefe do estado maior ge-
neral Joo Frederico Caldwel, major Miguel Pe-
rorra.de Oliveira Meirelles, secretario do comraan-
do em chefe, e o capito Antonio Jos de Amaral,
ajudanle de crdens e offlcial de gabinete do Exm.
ministro.
Depois do qae immediatamente as toreas para-
guayas depuzeram as armas e duOtoraa em
columna serrada pare fra da preca em preseaea
de Sua Magestade o Imperador e de todo o exercito
alliado.
A evacuago da villa prineipioa as 4 horas da
tarde, e s 6 ainda sahiam os invasores, ftearam
em poder do exercito cinco boceas de fogo, lo-
do o armamento e munigo de guerra, e sele bao-
deiras.
A villa foi logo occopada por don; batalhes bra-
silpro?, o l. de voluntarios e o 2 de infamara
de linha.
Deram-se todas as providencias para a segoraa-
ga, commodidade e bom tratamento de lodos os pri-
sioneiros.
Sua Magestade recommendou muito aos difieren-
tes ebefes, que nao consenlissem que os priooei-
ros fossem maltratados nem perseguidos.
Tero reinado sempre a mais perfeita harmoaia
entre os chefes e forgas adiadas, e todos se acaa-
vam disposlos ao combale e muito animados pela
presenga imperial.
Bileriam como leoes, se houvesse resislenria,
vencern) porm sem combater e li lurapbaraa sal-
vando-se os principios da humanuhde.
UM POLCO DE TLDl.
Coula a zeta deAugsburgo, que na sbera aas-
ceu ura menino cora as exireinidaJe dispostas de
maneira que parece ura quadrupece.
O que na de singular oeste phecomeno ttvalolo-
gico qu em vez de naos e pos, i io patas muito
semelhanles as dos rurainaaies ; e a vj qu-: leas.
La o canto do gallo.
A mai um robusla caroponeza des arredorts
de Tobolsk.
O meuino paree?vavei, maa a mu tesnni gran -
de dssgosto, porque alguera a potera suepeilar de
ler seguido os exemplos a raufter de Micos.
Se i-'.o verdade, este raeniuo a ler oeseido na
nossa ierra, seria um prodigio de (elbcidade, por-
que estara exempto do recrulmanlo, sera que o
pai volasse na lisia do- administrad r, e esta-r de-
pois f-Ml- deputado cora concertez:, pela sut c;u-
ligurago especial.
E quem sabe se era vista da voz particular qoe>
possue, nao vlria a ser depois o ji^fcda casa, quer
dizer o chele da raaiora.
Parece-nce-raaranho I mas eraQm elle ha -na-
sas por esse mundo, louvado Deus, qu* oioguerr ja
pode dizer, djsta agua nao Iwberei; isto erm-
applicago ao caso, eu n Jeitare!
: forraaram se em columna a'
(*) Ora o escravo esta' na minba senzala, ora
na de minha cunbada, irma do Sr. Joao Paes I grandes divisoes, e aifobertaram
: AJIi deciro das muralhas da Uruguayaua o mi-
nislro depois de conferenciar, com o coronel Es-i-
garribia, concordaram aas restriegies conformo o
documeato seguinte:
i Os generaes adiados conceder, e admitiera a
!1.' e 3." condicOes sem restriego alguma. Quan-
to 3.', admitlem-a oom as seguintes. restrioeCes :
1/, os officiaes de qualquer categora se rende-
ro, nao podendo sabir da praga com armas, sen-
do-lhe livre escolher para sua residencia qualquer
lugar que nao pertenga ao territorio do. Paraguay.
Urnguayapa, 18 de setembro de 1865. As 2 /
horas da tarda.
Pelo chefe dos adiados, o ministro da guerra
Era LlauduO-io, cidale s;ioada as rostas de
poiz de Galles; que (em sido recentemecte escotlii-
da para banhos pelos banhislas da alta ar?!seraeia,
lera havido urna serie de fesias ao ar livre, d bai-
les eom mascaras- e sem masearas ao cltro de ar-
chines, de illuminagoes de partidas de cr-ttel.
Phamava sobreiudo a attengioger^l oom refor-
ma introduzida co syslema do-banhos domar.
Ufardamento de zuavo foi garalroenlo adoptado
pelos banhislas, demoio que m damas s s eava-
Iheiros da mesma sociedade pedem, sem faltar 5
c.nvonleiiciaSj reenr-se to Lvremente aa praia
do cceano como n uma sala.
Um grande numero de senhera* aprendern a
nadar, e raultida, qoe da pra contentpfava as
suas evoiugo-.-s coaveaceu-se da superoridade
desse espectculo safe e o da corrida dentro de no
sacco, que era ha muito lempo considerad o mv
plin ultra dos pa;.aicinpos na> cidades Je banao
iufl leas.
ltimamente um-esquadu da damas d primei-
ra sociedade se entregava a variad is evoluvoes nas-
ondas, na companhia de seus pas, irroaos e ami-
gc e M. Halley, um gentlemn nadador de prioui--
ra forga, leve a idea de propor urna uad ilka.
A pioposla lo-, acolhida cora sntausiassao.
Em raenos de cinco minus os nadadores t
ambos os sexos eslavam collocaddos aos pare, ans
em frente dos oulros, nadaras, ama qoadnlba tfe
ura genero ioleirmente novo, cora grando- sali* go dos espectadores, cuja adrair.ar.io era sefefMav
'do excitada por uma chain* ha- damts da anas
gracisas.
i
Por occasio da ebegada Jo vapor GcJqo- do nor-
te, noliciarocA a viada de 14- escravos, que pelo
prior do cou'trato do Canco du Phra erara sJIere-
cidos para ni irem praca de voluniario.s evea-
do as carias de liberd.vle" dos referidos oscratos ser
passadas pelo provincial da l-m na Acontece-agora que o dito provincial reprova o
acto da oflarta, e ja' requisilou do St. miaislro Jo
imperio a entrega dos escravos.
Noticiando este succsso accresesata o Diario de
Rio de Janeiro :
Convm que o publico saiba possue bens no valor de viote rl cont, e qoe,
cora quanio esteja onerada coa un divida de
dous rail, a lberdade de qaartoae irmaos de Je*a>
Christo nao corapromeuia o sea (uturo tinanceiro.
c Mas emfim tudo para a maior glara da>
Deus!
menos como possivel que Gernimo apparega sao e remos. Essa voz soave, minha lilha, alliviou a mi-! tornou Deodat. Nao seise tem alguma comraunica- ^ como se esperasse que
salvo. nha dor. Queira Deus restituirme o meu pobre gao particular a fazer-me, mas pareca quo me que- orna importante noticia
E' aquelle caso do banqueiro Liefmans, mea sobrinhol A felicidade que eu ousava sonhar para ra revelar algum seg-edo. A chegada de alguns
pa ? os meus ltimos das ainda podena vir a ser uma j negociantes seus coah cidos nao o deixaram abrir-
E' verdade. Liefmans tambem linha desap- realidade. Maria Van de Werve, pura magera de' se coraigo. Estivo quisi a ter uma quesiao com o
parecido de Improviso ; depois de quioze dias de bondade, de f e de amor, seria minha Alba I E Sr. Turchi...
buscas inuteis, seus prenles tinbam mandado ce- quando o velho Deodati peadesse asuacabega para j Uma questo I d|sse o Sr. Van de Werve
sempre, ve-la-bia cora Gernimo, um a cada lado admirado.
do seu leito, como dous aojos a mostrarem a sua E' verdade, mas uma questo honrosa para
alma o carainho do co..... Oh, nao, nao, mui- elle. Pois nao rae dispe elle que tinha a intengo
to ; a caneca desvara......E, com tudo espere- de Ir ter com o juiz para proraeller uma grande
Oxala' que osse isso o que acontecesse a Ge- j mos I quanlia ao primeiro jqua dessa noticias de Gero.
ronimo disse Mana, fingindo-se animada pela es- Maria eslava vivamente comraovida com a pin- nimo ? I
peranga para auxiliar seu pai as suas generosas1 tura da felicidade que julgava perdida para sempre. Ah, quanto devo i sua generosa araisade I
' As faces tremiam-lhe e os olhos estavam rasos de disse Maria, suspirando:
lebrar una missa pelo descanso de sua alma, quan
do elle foi achado vivo em orna adega, onde os sal-
teadores o tinbam fechado, para o oorigarem a pa-
gar urna grande quanlia.
nlengoes.
Deodati meneou a cabega com incredulidade.
Maria apertou-lhe a mao cora ternura e disse I se houvesse alliviado cora uma violenta exploso de andome g
com uma voz a que seesforgava por dar certo tom dor, se seu pai cora ora olhar severo nao a desper-1 nhecimeQt0 por ^idea> dec,arei.ihe que eu
o recem-chagado trouxesse
Van de Werve e Deodati tambara foram ao sea
encontr. Maria apertou-lhe as. mos com invor
luntajla efluso e todos tres ao nwsmo lempo olha-
ram ?ara elle com ar interrogad.
Ah, meus amigos, nao sei nada, nada I die-
se Turchi com uma voz quo pareca o ecco de ura
coracao dilacerado. Todos os meus esforcos sao
sem resultado. Promelti na presenga de Deus nao
poupar fadigas nem dnheiro para descobir o que
feito do meu infeliz amigo ; mas trovas mpene
sassino ao ouvir as doces affectu^sas paUras. Je
Mara.
Cora effeito essas palavras davam-'te logar a
esperar que reaJisaria compleamenie os seo pia-
nos. Traba tirada a obrigacao das dez md eoras
ao mancebo assassinado ; linha escondido aa escu-
ra adega as prova-. do seu crime mas isso ao
era bstanle. Para se julgar bera pago do borro-
roso assassinalo do seu amigo, para Bear rteok
grande e cheo de honras, era-lae preciso aleaacv
a mo de Mara Van de Werve. Bem sabia qua
isso nao poda ser breve ; comludo, desde a dia
de certeza e confianga :
guns infantes cora o Sr. Deodati, esforgate por Nao desesperemos ainda. Oh, se o Senhor
ser superior a' dor, para nao me obrgares a
chamar a aia para que te acompanbe at ao teu
quarto.
E acrescentou logo com meiguice :
Mana, pego-te, supplieo-ie que fagas por cora-
prebeuder o dever que teas de curaprir aqu;
preciso que sejas ferie e derrames alguma conso-
laco no curago do nosso iufeliz araigo.
Maria fez sobre si um heroico esforgo, e erguen-
da a cabega, balbuciou entre lagrimas :
Tem razo, meu pai; estamos a afligirnos
como se nenhura raio de esperanga podesse suavi-
sar a nossa dor; mas...
E parecia abafar debaixo do peso do softhmento
que se esforgava por opculiar; mas tambem vencen
essa delorosa comraogo e continuou :
Ah, senhor, quem pode saber... Deus to
bom e (eropirao linha um Horacio to puro...
Com effeito, minha filha, mnrmurou o velho,
Deus bom ; mas os seus decretos sao iocompre-
bensiveis. Se eu pudesse ao menos adiar um mo-
tivo possivel que explicasse a ausencia do mea po-
bre sobrinho... Mas nada I
O juiz, observoa Van de Warve, dea-nos es-
ta manba orna razo plausivo! para termos ao
mos de fazer ? Esperemos que o juiz ordinario e
os seus agentes sero mais felizes do que eu, qae
para dirigir os meas passos s tenho a minha af-
E claro que eU| nao quiz consentir, eonu-, {ei^Q e a minna anciedade.
Estas palavras de Sirao Turchi foram amargo
tasse para a consciencia ia situago e para o senil
ment do dever.
OSr.Van de Werve, que julgou possivel dar cora *T
traveis envolvem o terrivel segredo. Que have- do crime, comegra a calcular e a nedir toda* as
- suis palavras e acgdes, de. maneira qoe viesse ia-
fallivelraenie a oceupar um dia, unto quaaso Issaa
possivol, o lugar de Gernimo no cora.o de Ma
mesmo a porla em exec^igo. Deixei o Sr. Turchi
lu casa da cmara para
pela sua misericordia quizesse permittr que nose | u ar. van ue werve, que ju.gou ,,. u., Uef uma reoompesa ao prmeiro que desse I
real.sassem os nossos tristes recelos I... Que ar- ento outra d.recgo a'conversagao, disse a Deo- ^.^ dfl meu sobripho. raas raostrarara-me
denles expresses de reconhecimenlo dirigiramos dan : uma ordem g proc,aa,aX do bargo-mestre e dos
pare o co durante o resto da nossa vida, nao ver-1 Havemos de esquecer, senhor, que somos ho- vereadores pela qual o prometiidos trezentos
I ef.!l?^7! S^^^ orins carolos a quera poder dizer o que feito de
Gernimo. Fallei cora o juiz ao raeio da. Disse-
0 ancio meditabundo fez com a cabega um sig- menina possa ter o diraity de curvar-se sem re-
nal aQlrmativo e raorraurou : i slslenca ao peso de dolorosa incerteza f Nao
Sira, sira, durante o resto da nossa vida 1... soube nada desde esta manha ? Nao vio o Sr.
e eu amatara o meu corpo paralitico a Nossa Se- Turchi ?
ahora do Loreto para exprimir a milagrosa raado'! Fallei com o Sr. Turchi antes da abertura da
na o mea reconhecimenlo sem limites. Mas se fe- bolsa, respondeu o velho fldalgo mals socegado.
rio um ferro homicida I... Que bom mogo elle I ainda parece mais lili co
Esta supposigo fez estremecer Mara, que, com- do que us. Mentas, cinco dias tem emmagrecido
tudo, inierrompeu o ancio : tanto, que nem parece o mesmo. Nao descansa um
Gernimo possuia um amuletto, senbor, que momento. Desde pela manha at a' noite afadiga-
j linha estado no tmulo do salvador, e eslava : se, corre, procura, como se Gernimo fosse para
sissima desilluso para Maria, que recuou vacl-
lante e deixou-se cabir em urna cadeira, dando
um profundo suspiro.
Turchi assentou-se ao seu lado, conteraplou-a
com a expresso da mais profunda compaixo e
disse :________
Pobre menina I a sua dor
convencido de que o livraria sempre de uma morte
violenta. Nunca deixava de o trazer sobre o
peito.
Sai em que circunstancias esse amuletto Ihe
foi dado. Rerpondeu Deodati. Tambem en tinha
alguraa f no poder desse talismn, porque era a
recompensa de urna boa accao; mas nada nos pro-
va que estvesse bera certa da virtude do amuletto
a mulber qae o deu a Gernimo. Comtado, espe-
elle um irmo muito querido.
E' bem verdade, disse Maria ; ha naquelle
corago um Ihesouro de generosidade. Pobre Si-
mo I e eu nao tenho sido sempre justa para com
immensa, nao e
verdade ? Sinto por mim quanto o seu corago de-
ve estar lacerado por esta cruel incerteza I
me que, apesar das buscas mais activas, nao se ti- A yirgem ergueu para elle os olhos e viu que
nbam podido descobrlr rastos da mulher nem dos pe|as faces |he corrjam duas lagrimas. Eolio
caraaradas de Brufferlo.J Parece que toda essa j ,arabem rompeu em pranto copioso e balbuciou
maldita gente sahiu dsta trra logo depois da |-entre so|a?os
morte do malvado. Mas hoje de tarde ha de rece-1 ebrigada, senhor! Pedre a Deus que Ihe
ber o juiz ura relatorio obre importantes pesqui-, M Q Ra,ardo da sua boa atTeJQo da sua gene.
zas que foram ordenadas pela manba. Se souber | rosdade_
alguma cousa que possa inleressar-nos, vira elle Q rog,0 de Sim5o apreseni0u nesse momento
mesmo dar parte. Parece-me que do cinco horas uma no,ave| partlctl|aridade. gm quanlo a d5r
Turchi nao pode lardar. |h(J cobfja de pa||JdM as faces> am sangue majs
5es, Maria permanecer quenle parecia affluir aos labios da cicatriz; por-
ua igreja visiuha. O Sr.
Durante estas explica
imraovel e com os olho; baixos. Provavelmente que essa marca de antiga ferda corria-lhe sobre o
mal ouvira as ultimas p lavras, porque tinha o rosto como uma linha rosada. Era porque o mal-
elle i mas na desgraga que aprendemos' a conhe- olbar filo no pavimento eleravisivel qae os seas vado finga excesslva tristeza e tinha bastante po-
pensamentos voejavam poif longe. der sobre si para obrigar o rosto a empallidecer e
S qoando um criado abriu a porla da sala e os olhos a verter lagrimas; mas a cicatriz nao se
annuncioa em voz alta o Sr. Simo Turchi que sujeilava tanto ao imperio da saa vontade, e de-
ella se ergueu vivamente e correa para a porta, nunciava a alegra qae afogava o corago do as-
cer os nossos verdadeiros amigos. Agora em quan
to viva for, s terei para elle.respeito e reconheci
ment.
Elle ba de procurir-me aqui depois da bolsa.
ria. Do conseniiraetuo do pai eslava elle certo.
porque era para o obier que Uorna excessiva ftrts-
teza e derrama va silenciosas lagriaas Blando os
olhos em Maria, como se os sorTr.asenlos deita Mm
despedagassem o corago.
Pegou na mao de Maria, qtw continuara a cho-
rar, e disse-lhe :
Nao se afflija tanto; o*> esli perdioas todas
as esperaocas. Esta noute tive ama idea... ansa
idea bem estranha. Se esta inspiraeao nao ate es-
gana, ainda ha bem fundados motivos para aspa
rarmos o feliz apparecimenlo de Geroaioto.
Ob, diga o que disse-lhe Varia cosa aaa
sornso cheo de anciedade. Diga, qoe aoa saaa
foi a que leve T
Turchi >baixou a cabega com fingido ernaarag
e murmurou :
E' irapossivel, sennora, nm segredo qna
nao me perlence.
Ah, nao me dado ler essa coasotaejae f dsa-
so Maria com desespera^io.
Vamos, senhor, seja anda mah>
Que vale alegrar-nos e despertar a bomi
dade para depois nos entristecer coas o sea
cioT Nao cite noraes; mas deixe-aos aai
divisar at qae ponto podemos ler eiperaaras.
(CoHtiHuar-H-ka.)
PBRNAMBUO) -TiP. DE M. P. DE F. di fUW
a


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESIW2NXUT_F193YI INGEST_TIME 2013-08-27T22:40:08Z PACKAGE AA00011611_10797
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES