Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10796


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO IL1. HOMERO 239.
?or qoartel pago dentro de 10 dias do 4, mez ...ti.. 5|000
dem depois dos 1.'ludias do couecoe dentro do qaartel. 6J00Q
Porte ao correio por tres aezes ......... : 750
QARTA FEIRA 18 DE 0DTDBR0 DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das do 1.a mez ,,,.... 19
Porte ao correie por un anno.......... SfOOO
EX GARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o *r. Antonio A!ex?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
OJiveira ; Marauhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Amonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPGAO DO SL
Alagoas, o Sr. Claodino Falcao Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Itezsrros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as qnartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agna Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comroercio: segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo docommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do cive
dia.
Segunda vara do civel
hora da tarde.
EPHEMERIDES Dfj
4 La cbeia as 8 b., 1
11 Cuarto ming. a 1 h.
19 La nova as 2 h., 7 *
27 Quarto cresc. a 1 h.,
PARTE OFFKIAL
GoraiiO da rioiraici.
Expediente do dia 11 de ontubro de 1863.
Otlleio ao Exm. marelhal de campo commandan-
e das armas.Sirase V. Exc. de mandar alistar
no corpo de voluntarios da patria a Manoel Ger-
mano da Molta Pimentei e Joaquira Jos de San-
l'Anna. .
Dito ao mesmo.Remeti por copia a v. Exc.
para seu conhecimento. o aviso da reparligo da
guerra de 13 de setembro ultimo, mandando pagar
a Caetano Gaspar Lopes de Azevedo Villas-Bdas,
vencimentos como major reformado do exercito,
por contar 35 annos de servico.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recite.ao oficio que V. S. rae dirigi, sob
n. 335, e data de 19 do setembro ultimo, respondo
declarando-lhe q>e em data de 2 do corrente com-
municoume o commandante das armas haver expe-
dido ordem para ser restituido ao 3o batalho de
infantaria deste municipio, o armamento por que
eram responsaveis os guardas do mesmo batalho
Manoel da Conceigo Santos e Joo Baptista dos
Santos, que assenlaram praga no 3o corpo de vo-
luntarios da patria.
Dito ao commandante superior do Rio Formoso
e Serinhem.A vista dos documentos com que o
guarda do batalho n. 42 de infantaria do munici-
pi de Serinhem Canuto Jos de Lima, instruio o
seu requeriimnto sobre que versa a informago
desse commando superior de 10 do corrente, re-
solfi dispeosa-lo do servico de destacamento para
que estava designado. 0 que declaro a V. S. para
que, com urgencia faga apreseutar oulro guarda
em substituido quelle.
Dito ao inspector do arsenal de marlnha.Mando
V. S. apresentar ao capitao do porto alim de ter o
conveniente destino, o remador da barca da esca-
vano Manoel Joaquim Ferreira, que segundo o seu
oficio, n. 981, offereceu-se para servir como mari
nheiro da armada por tempo de dousannos Com-
muuicou-se ao capito do porto.
Portara.Os Srs. agentes da companhia Brasi-
lera de paquetes, mandem dar transporte at o'
Para no vapor Tocantins, em lugar de r destinado
a passageiros de estado ao r. Cunta Mininea pro-
motor publico daquella capital.
Expediente do secretario do governo.
UCQcio ao inspector da thesouraria de fazenda.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda trans-
mitir a V. S. a inclusa ordem do thesouro nacio-
nal, sob n. 129. '
liOVUUXO DO HISPADO DE
ii;si\Aii!trc o
SEDE VACANTE.
Expedicnie do dia 2 de outubro de 186o.
Oficio ao vigario de Goyanna. Pelo meu des-
pacho de 30 do prximo pastado, proferido na pe-
tigao de D. Maria Chrisliana Bastos Vanna, e que
deve ser apresentado a V. Rvma., fica solvida a
duvida, que me propoe em seu oficio de 29 de re-
ferido mez, o qual lica assim respondido.
Oficio ao escrivao da cmara ecclesiaslica.
Estando impedido por motivo de molestia o primei-
ro oficial da cmara ecelesia-lica, o nao sendo
possivel que V. Rvrna. com o segundo oficial sa-
tisfacen convenientemente ao grande e diario ex-
pediente que est actualmeme a cargo da mesma
cmara, resolv nomear a Francisco Xavier do
Couto para substituir o refer Jo oficial, emquauo
durar o seu impedimento, vencendo a graiilicago
mensal de triuta mil ris, desde o Io do corrente,
o que cominunico a V. Rvma. para sua iutelh-
gencia.
Oficio ao vigario de Santo Autao. Achando-se
cesta secretaria a pelico de dispensa de Francis-
co Bernardo da Cucha, e Rosa Carolina de Paula
e Silva, o nubente natural e morador dessa fre-
guezia, e a nubente natural e moradora da fre-
guezia de Santo Amaro de Jabala.., e sendo esta
peticflo das que tem de seguir para o Rio de Janei-
ro, cumpre que V. Rvma. avise a familia do nu-
bente, alim de que este comparega nesta secreta-
ria, ou mande pessoa competente.
Igual mutatis mutandis ao vigario de Santo Ama-
ro Jaboalo.
Dito ao vigjrio de S. Lourengo da Matta.A bem
do seruico publico baja V. Rvma. de passar e re-
metler-ne as certidoes dos casamentos dos guar-
das Francellino Angelo Francisco de r^ouza, e
Francisco Antonio de Lima.
Oficio ao vigario de Santa Luzia do Norte.
Re-pondo ao seu oficio de 28 de setembro de-
clarando que deve V. Rvma. contiuuar sem a lie-
siiago que se deprehende de seu dito oficio, nao
so a promover os reparos da igreja matriz, j
principiados como a reger *ssa freguezia eaiquan
to o coutrario llie nao or oficialmente determina-
do ; cumprindo com as obrigagoes inherentes ao
cargo que Ihe foi condado, como zeloso e vigilante
pastor, sem attender ao lempo mais ou menos pr-
ximo, em que Ihe ser dado successor.
Annuindo ao peJido de V. Rvma., nesta data
autonso ao Rvd. Antonio Gomes de Mello para nu-
merar e rubricar, depols de competentemente sel-
lado, o livro destinado para o lancamenlo dos as-
sentos ile baptisados dessa Ireguezia.
Quanto coosulu que uo ine-ino oficio.me faz
V. Rvma. acerca do portogoe: Guilherme Augusto
de Barros, tecelo da fabrica Ferno Velho, esta
belecida nessa provincia, o qual dizendo se viuvo
em seu paiz, quer contraiiir segundas nupcias com
urna parocluana dessa freguezia, devo dizer-ihe
que, uem o contrato d-i engajamento celebrado eu-
tre os cnsules brasileiro e portuguez, onde se diz
ser dito Barros viuvo, uem as cartas, e testemu-
nhos de pessoas, que o afirmam, sao titules jur-
dicos, que fago prova legal, e produzain a certe-
za, que as leis ecclesiasticas exigem em laes casos.
Deve pois o sobredito Barros justificar peranie mim
que do seu paiz saino no estado de viuvo, livre e
desempedido ; e para evitar o grvame que causa-
ra ao justificante e s teslotnuuhas o virem depr
nesta cidade, nao porei duvida em dar commisso,
se m'a requerer, ao Rvm. vigario da vara de Ha-
ce i 'i para tomar a justicago.
Dito ao Rvd. Antonio Gomes de Mello.Aulori-
so a V. Rvma. para numerar e rubricar por esta
vez, depois de competentemente sellados, os livros
destinados para assentos de baplisados, de casa-
mentos e obtitos, da freguezia de Santa Luzia do
Norte, que ihe lorem apresentados pelo Rvd. paro-
cbo respectivo.
Oficio ao coadjutor pro-parocho da freguezia do
Poco da Panella.Pelo seu oficio de 25 de setem-
bro tico inteirado, de se haver elTectuado regular-
mente o laogameuto nos livros respectivos dos no-
vcenlos e setenta e nove assentos de baplisados,
casamentos, e bitos, que se achavam avulsos, e
bem assim de ler V. Rvma. assigoado os setecen-
tos e setenta e sete assentos, qua exiatiam nos li-
vros sem assignatnra do Rvd. parodio : prefazen-
do todos o numero de mil .decenios e cincoenta
e seis assentos 1 que, por inqualincavet e escan-
daloso desleixo dos seas antecessores, eiistiam por
laucar, oa por assignar, com grave prejuizo dos
fiis. Censurando tamanha relaxagao nessa fre-
guezia, distante apenas ama legaa da capital, nao
posso deixar de loovar o zelo e pontualdade eonj
que V. Rvma. curaprio as rainhas determluacSes,
reparando to grave falta, e pondo em dia todos os
assentos da parochia.
Dito ao vigario de Rio Formoso. Tenho prsen-
le o oficio de 18 de setembro prximo passado,
em que V. Rvma. me communica, haver celebrado
no dia 17 do mesmo mez com a pompa e solem-
ndade possivel a benco da capella do cemileno
dessa cidade, e da Imagem do Sagrado Corago
de Maria, sendo esta condtfzida em solemne pro-
cisso da matriz para a referida capella.
E' para mim sempre grata a noticia da cons-
truego de qualquer igreja era honra de Deas e
dos seas santos, porque urna prova inequvoca de
que a propaganda anti-calholica nao tem feito con-
quistas nesta importante diocese, onde o espirito
religioso freqnentemente se manifesta por actos de
devoco cbnsta e piedade religiosa. Continu
V. Rvma. com o seu zelo e dedlcacao pela causa
da igreja nao s a reparar as ruinas da casa de
Deus, seno tambem a promover por meio da pa-
lavra e do exemplo os inleresses esplrituaes des-
sa porco de fiis confiados aos seus cuidados.
Fico inteirado de ter V. Rvma. publicado o santo
jubileo nessa freguezia, e marcado o dia 17 de se-
tembro para principiar o mez, dentro do qual de-
vem os liis lucrar a indulgencia plenaria.
Dito ao vigario de Serinhem. Pelo seu oficio
de 18 de setembro prximo passado, tico inteirado
de haver V. Rvma. feito a devida publicar.o da
minna pastoral annunciando e jubileo concedido
pelo nosso SS. Padre Po IX, e bem assim dos
ponderosos motivos, pelos quaes marcou o dia 9
de noverabro para eonwear o mez, dentro do qual
devem os fiis parochianos lucrar o mesmo ju-
bileo.
Quanto licenga que me pede, para vir a esta
cidade tratar pessoalmente comigo acerca de ne-
gocios tendentes sua matriz, eu Ih'a concedo,
licando a regencia da freguezia a cargo do Rvd.
coadjuctor.
- 7
Oficio a-i Exm. presidente da provincia.Tenho
a honra de aecusar o recebi ment do oficio de 30
do prximo passado, em que V. Exc. me communi-
ca haver naquella data recommendado a ihesou-
rana provincial que, mediante (langa idnea, en-
tregue ao Rvd. Manoel Joaquim Ferreira de Se-
pulved o cont de reis, que por le provincial fo
votado para os reparos da capella de Abreu, na
freguezia de Barrelros.
Dito ao secretario perpetuo do Instituto Archeo-
logico e Geographico PeroarabucananoRecebi o
oficio de 3 do corrente, em que V. S., por parle
do illustre Instituto Archeologico e Geographico
Pernambacano, rae pede permisso para abrir o
carneiro que existe na igreja da Misericordia des-
la cidade; e que se diz encerrar os restos mortaes
de JoSo Fernandes Vieira, aQm de verificar, se
elles ah descancam com effeito, oa se o jasgo foi
violado como s presume, procedenlo cora a so-
lemnidade que o acto requer, e o respeito devido
a sepultura de homem illustre, que o Instituto in-
tenta honrar.
Em resposta tenho a honra de communcar a
V. S. para o fazer constar ao nobre Instituto, que
de bom grade dou a permisso que de mim soli-
cita : e fago votos para que, seja coroado de feliz
successo nesta investigago, como o tem sido n'ou-
tras, o seu zelo patritico e ofat;i?avel em Ilustrar
a historia patria, tirando do olvido js monumentos
da nossa gloria.
Expediente do secretario do hispido do dia 6 de
setembro de 1865.
Oficio do 1 secretario da cmara municipal da
cidade do Recife. Coramunicando-me V. S. por
oficio de 27 do prximo passado, que nao havia
chegadoaoseu destino o oficio que o Exm. viga-
rio capitular dirigi cmara municipal desta ci-
dade, em data de 31 de ago.-to. julgo satisfazer
mais exactamente ao que V. S. pede no seu citado
oficio enviando, em lugar de copia, urna 2' via do
oficio do Exm. vigario capitular, datado de 31 de
agosto.
-------------- ^ COMANDO DAS AMAS.
Quartel general do eonunando das armas de Per-
nainhuco ua cidade do Recife, 17 de outubro
de 186o.
Ordem do da n. 129.
O marechal de campo commandante das armas
se desvanece em fazer publico a guarnigao para
seu coubecimento e conv.mieutes linf> que a presi-
dencia resolveu em i;:io datado de 16 do cr-
reme, que fossem elogiados e se agrad-'esse aos 17
voluntarios da patria do 3 corpo, abaixo mencio-
nados, pelo teslemuuho de patriotismo edesinte-;
resse que acabara de exhibir, renunciando era fa-1
vor do estado para as despeza* da uerra contra a
repqbliea do Paraguay, a gratificago de 300, e a ;
son de ierras a que Ihes da' direilo *o decreto n.
3,371 de 7 de Janeiro do corrente anno.
Jos Bygino Duarte Pereira.
Manoel Accioli de Moura Gondim.
Olavo Amonio Ferreira.
Ignacio Estoves Moreira da Costa.
Auslricliuiano de Torres Galindo.
Joaquim Rodrigues Pinheiro.
Jos Luiz de Macedo cavalcante.
Amonio de Albuquerque Paes Brrelo.
Vicente Ferreira da Rocha.
Pedro Baptista de Moraes Reg.
Miguel Ribeiro do Amaral.
Americo do Reg Barros.
Eduardo Alfredo Ribeiro de Mattos.
Hermillo Aureliano Chaves de Souza.
Francisco Muniz Brrelo de Barros Falcao.
Luiz Francisco Macel Pinho.
Manoel Fernandes Povoas.
(Assignado.) Francisco Sergio d'OUoeira.
Est conforme.Antonio Francisco hurle, 2."
tenente-ajudante de ordens interino encarregado
do detalhe.
PERNAMRUCO.
RBYiSTA DAI1A.
Reunio-se ante-hontera em sessao ordinaria,
na sala que serve para os irabalhos do jury, o Ins-
tituto Filial dos Advogados Brasileiros sob a presi-
dencia do Sr. l)r. Alcoforado e com assistencia dos
Srs. Urs. Joo Alfredo, Campos, Joaquim e Manoel
Portella, Feilosa, Aguiar, Teueira de Sa. Fonseca
Gusmo Lobo, Pinto Pessoa, Paula Pena, Hermino
do Espirito Santo, Amero Furtado, Augusto da
Costa, Pernambuco, Vanna, Joaquira Miranda e
Amynthas Moura.
Urda a acta da sessao anterior, approvada sem
dbale.
Vem a' mesa e sao lidas pelo Dr. secretario as
seguintes propostas : Do Sr. Dr. Braz Florentino
Genriques de Sonza para membro electivo, assg-
nada pelos Srs. Dr. J. Alfredo, Alcoforado e Cam-
pos. Do Sr. Dr. Lourengo Avelino de Albuquerque
Mello para membro de igual classe, pelos Srs. Drs.
N. Fetosa, J. Campo* o Joao Alfredo. Dos Srs. Drs.
Joo Antonio de Araujo Frenas Henriqu, Manoel
Jos da Silva Neiva e Ernesto de Aquino Fonseca
para socios honorarios, pelos Srs. Drs. Joo Alfre-
do, Alcofowido e Fonseca. Do Sr. Dr. Claudino de
Araujo Guimares, confu de Portugal nesta cidad-,
para socio de igual classe, pelos Srs. Drs. Alcofo-
rado, Fonseca e J. Campos.
O Sr. presidente as designa para serem votadas
qa primeira sessao, na forma do regiment.
O Sr. Dr. Joaquim Portella, membro da commis-
so de funJos, declara, e fica casa Inteirada, de
que o proprietario da casa sita a' ra do Impera-
dor, para onde deve o Instituto transferir a sua s-
de, Ihe assegura'ra dar avi-o ao Instituto, logo que
o predio seja desoecupado pelo actual inquelioo.
Inquirida a commisso de jurisprudencia sobre
a apresentaco do sea parecer acerca da consulla
que Ihe fora submettida em sessao anterior, e deso-
jando o Sr. presidente certificarse se poderia des-
de ja designar para ordem do dia o mesmo pare-
cer, toma a palavra o Sr. Dr. Fetosa e faz judicio- \
sas observagoes sobre a inconveniencia de se esta-
belecer discussao no seio do Instituto sobre urna
hypothese de direito dos tribunaes. Depois de ob-~
servagoes dos Srs. Drs. Joo Alfredo, Gusmo Lo-
bo, Campos, Aguiar e Pinto Pessoa, o Sr. presiden-
te declara que, nao bavendo indicagao sobre que
corra a votago, deve o caso regular-se pelos esty-
los em voga.
Sendo entregue a' mesma commisso copias de
urna proposta de interesse particular do juizda ve-
nera vel irraandade de Santa Rita de Cassia, o Sr.
Dr. Maneel Porlellajreclaraou a attengo do Sr. pre-
sidente para o precedente de longa data estabele-
cido no Instituto, e constando de urna de suas ami-
gas acias, de exigir-se por taes irabalhos o honora-
rio devido. Mediante observago dos Srs. Drs. Pin-
to Pessoa e Dr. Campos, resolveu-se que assim se
continuasse a' proceder, sendo fixado em 100$ o
mnimum desse honorario.
Neste sentido ordenou o Sr. presidente que pela
secretaria se fizesse o necessario expediente, d&n-
do-se scienaia desta resolugo ao prenotado juiz.
Nada mais havendo a tratar-se, e nao bavendo
materia para ordem do dia, o Sr. presidente encer-
rou a sessao a's 3 i horas da tarde.
Domingo ultimo, ao oscurecer, foi ferida na
Cabanga, com duas faccadas, Alexandrina Maria
da Conceigo por Manoel Jos dos Santos, cora
quera viva araasiada a offendida.
Podendo evadirse o offensor, foram expedidas as I
ordens precisas para a sua captura por parte do
Sr. Dr. chefe de policia, sendo recolhida ao hospi-
tal Pedro 11 a olfendida.
Sobre exigencia do Sr. Dr. chefe de policia,
cuja solicitude para regularidade do servigo publi-
co folgamos de reconhecer, fui informado pela de-
legaca de Pao d'Alho, com relagiio a priso de Fr-:
mino Soter de Araujo, que noticiamos por coramu :
nicago d'alli feita, que o fado se passara do se-.
guite modo constante da mesma informago.
Havendo por ordem daqaella autoridade pren-
dido o inspector Joaquira Nunes do Valle para re-
erla a ura Manoel de tal, Gzera-o deter por ura
paisano em quanto ia chamar soldado, que o con-
duzisse a' priso; no entretanto, porem, na esperan-
ga de evadirse, enlrou o recrutado em luta cora o
paisano que o detinha, e alinal logrou cooseguir
sua evaso, sendo nlsio ajudado por aquelle Soter :
e sea patro a porta de coja luja deu-se o fado.
Ora informado da oceurroncia, o delegado, nem
como de existir homisiado all o recrutado, dirigi-
se a casa do patrao de Soter, e nella proceden a
urna busca da qual nada resullou por ter o recru-
tado mudado ja de priso. Mas como julgava as
condigoes do recrutamento a Soter, que alm disto
havia concorrido para a fuga daquelle individuo,
prendeu-o para tal, mandando o alinal por em li-
berdade, visto terera-lhe sido exhibidos documentos
que provavam a sua isengo.
Do Rio Formoso remettem-nos as seguintes
buhas, cuja publicago se nos pede :
i A assembla provincial na lei do orgameoto do
anno passado e do presente, compenetrando-so de
necessidades de ura melhoramento, a que incon-
testavelraente tmiia direito esta cidade do Rio For-
moso, consignou urna verba para as despezas da
illurainago publica d'aqui elevando a 30 o nume- ;
ro dos respectivos lampeos. Consta-nos que aber-
ta na thesourana provincial a concurrencia para
tal servigo, ja fra elle arrematado a rauitos me-
IOS. Entretanto al o prsenle anda vive aquella j
cidade as irevas I
t Qual ser a razao disso?
Por ventura esta cidade nao merece que os
poderes pblicos della se lembrem f Deve ser aban-
donada? Nao lera ella tambem direilos?
E' incoulestavel que desta cidade, por sua nu-
merosa populago, por sua extenso, pelo grande
numero de ras que tem em consequencia do des-1
envolvimento das edilicagoes, por seu animadocom-
raercio, nao pode ser conderauada a flcar a's es-
curas.
Ede mais, quem nao v que hoje mais que
nuuca urgente que se execute aquelle melhora-
mento ?
Na ausencia de tropa, e quando os reos de po-
licia e malfeilores vao erguendo o eolio, contaudo
cora a impunidadde, nao de grande vantagem pa-
raeliesque nao haja illuminago T Sabendo que
com a escurido podem mais fcilmente escapar a '
aeco da policia, nao sera' isso um grande mal pa-1
ra os habitantes destacidade, que anda nao perde-1
ram o direito a' sua tranquilidade e seguranga indi -
vidual ? .
Nao podemos na verdade atinar com a verda-
deira causa do esquecimento, a que parece se quer
condemoar esta cidade, mas perguntaremos sem-
pre : nao foi arrematado a juche Jservigo ? Por
que razio nao tem sido o arrematante obrigado
o seu contrado? Perdeu-se elle por ventura no
seu contrato ? Perdeu-se elle por ventura no mes-
mo contrato e tem receios de prejuizo ? Mas isso \
nao o pode favorecer, por que cumpria-lhe pensar
e refleciir bem nos seus inleresses ames deoTere-
cer sua propposta e assignar o contrato, o qual nao
pode ser rescindido a seu bel prazer.
E' de esperar que nao fique mais em olvido |
esse negocio, e que se conslrauja o arrematante a
dar execugo ao servigo que contralou.
O Exm. Sr. conselheiro presidente da provin-
cia, deferrado o requerimento do lente reforma-
do do exercito Henrique Tiberio Capistrano, resol-
veu por portara de hontem dispensa-lo das func-
ces de ajudante do 1 batalhlo da guarda naci-
v il destinada a guerra, e para o substituir nomeou
c tenente ajudaaleem commisso o cidadio Manoel
Ferreira Encovar,
i.hegou hontem do presidio de Fernando de
Noronha o vapor Mamanguape, deixando ludo em
paz o tranquil I idade.
No dia l do corrente leve lugar a festa de Nos-
sa Senhora dos Remedios, com toda a pompa.
Passageiros do vapor nacional Mamanguape.
entrado da "liba de Fernando pela Parahyba :
Luiz do Carmo, Thereza Maria de Jess, Maria
Nobre do Nascimento e 1 (lina, Leonor Maria da
Conceicao e I filha, Francisco Gomes Andr, Joo
Gongal'ves de Macedo, Joo da Silva Augusto, 4 sen-
tenciados militares, 8 pragas de artfices e i-avalla-
ra, 1 voluntario da patria, 6 sentenciados de jus-
liga, 1 sargento e i i pragas de policia.
Hojesetxtrahira' a 3' parte da lotera (35*)
a beneficio das familias dos voluntarios da patria,
pele novo plano.
lil-.l'Ai;Tli,: V DA POLICA.
Extracto da parte do dia 17 de outubro de 1865.
Foran rccolhidos a casa de detengo no dia 16
do corrente.
A' ordem do subdelegado do Recife, Joaquim
Matheos, para correegao, John Baker, Janes M.
Niay, John Wi.iiau, \V. Craford.e Josef Hoeberg,
a requisigo do cnsul inglez.
A' ordem do de Santo Antonio, Izidoro, escravo
de Maria Theodora da Conceigo, para averi-
guaco.
A ordem do de S. Jos Manoel Joo Simes e
Thereza Mar-a da Conceicao, por disturbios, e Ma-
noel, escravo do padre Joaquira Wanderley, por
offensas physicas,
0 chefe da 2' sessao,
J. G. de Metqutta,
Pl F< c M Pl
M O B* a X
J
C/l -1 -1 3 -i
A) 3 i 3 3 : 1
i; . . : i
1: : 1
i. . : . 1
ss - l >* i cr.
os H> 00 1 o CK 1
ex
-< I 00
: tercas sextas ao meio
quartas e sabbades a i
MEZ DE OUTUBRO.
m. e 46 s. da t.
2 m. e 22 s. da t.
. e 52 s. da t.
30 m. e 16 s. da t.
DAS DA SEMANA.
16. Segunda Ss. Martiolano, Elysio e Saturnino trs
17. Terga. S. Florentino b.; s. Mariano m.
18. Quarta. S. Lucas evaog.; S. Theodoro m.
19. Quinta. S. Pedro de Alcntara f.
20. Sexta. S. Joo Cancio ; S. Crapazio m.
21. Sabbado. S. rsula e snas comp. vv. mm.
22 Domingo. S. Ladislao f.; Ss. Heraclio e Alodia.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 54 m. da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSIHROS.
Para o sol at AV-goas a 14 e 30; pan o
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; pan Parean-
do nos dias 1 \ dos me?es de Janeiro, mareo, malo,
julho, setembro e oovenibaor
ASSIGNA-SE
no Recife, na Iivraria da praga da ladepcndaaeia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Fignetroa.da
Faria & Filbo.
o
>
>
O
O
>
! Insculino.
emtnino.
>
3
9
l asculino.
-lu
f eminino.
asculino.
f minino.

o
m
sculino.
Fi minino.
-I I
81
om i
os I -
1 i 1 -
. a
1 is
1 o>
a 1 go
U isculino.
ADVER' ENCA.

V Si
: o
>
minino.
a
i
>
TO 'AL.
9
9
"O
e
S
o:
sexistem 172, sendo 106
rinarias estes dias :
61|2, 6 1|2, 6 1|4,pelo
8 3|4, 9 i|i, pelo Dr.
Na lotalidade dos doent
bomens e 66 mulhcres.
Foram visitadas as enf
As 7, 6 l|4, 6 I|4, 6 \\i
Dr. Hamos.
As 8, 7 1|4, 8, 9, 8 l|2j
Sarment.
Fallecern! :
Paula Maria do Nascimenlb ; febre typhoide
Remigio Jos da Fonceca apoplexia,
Silvina Mana da Conceii So ; tubrculos pulmo-
nares.
Maria Ignacia da Conceigo ; tubrculos pulmo
nares.
Maria Luiza ; hepatile chrionico.
Vcencia Maria da Concei ao; tubrculos palmo-
nares.
Bernardo da Silva ; canc o no escroto.
Casa dk hi:ti:n;\d.M> rimentodo dia 15 de ou-
tubro de 1865. Existiat 351, entraran) 6, sa-
hiram 3, exislem 354 ; a
malheres 3, estrangeiros! 7, mulheres 4, escravos
64, esccavas 4 ; total 354.
Alitfemados custa doi
Movimento da cnfermai
de 1865.
Teveram baixa :
Lino Jos de Moura, tumi.
Jos Antonio Correa de M
Ti vera m alta:
Joo Paulo.
Antonio Flix de Moraes.
Cemiteiiio publico,
outubro K 1865.
Jos da Cunha, porlugal,
Vista, totano esponiane
Maria Luiza dos Santos, P
sada, Boa-Vista, plhsyca
Maria Francisca da Paix<
viuva, Recife, plhsyca.
Francisco, Peruambuco, 5
pasmo.
Claudiano, i'ernambuco,
larrho suffocante.
Joaquina, frica, 40 annos
lera sporadico.
saber : Nacionaes 252,
cofres pblicos 189.
ia do dia 15 de outubro
lio, colite.
obituario do da 16 DE
O annos, solteiro, Ba-
i,
rnambuco,22 annos, ca-
pulmonar.
.Peruambuco,45 annos,
dias. Santo Antonio, es-
annos, Boa-Vista, ca-
escrava, Boa-Vista, cho-
de Barros ; appellado, Dr. Pedro Pereira Bezerra
de Araujo Beltro.
Ao Sr. desembargalor Guerra
As ajpellagoes civeis. 41
Appellantc, Manoel Francisco de Lima ; appel-
lado, Alexandre de Souza Rolim.
Appellante, Vicente Mendes Wanderley ; appel-
lada, a parda Guilhermina. -,
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
A appellago civel.
Appellante, Gaudencio Gongalves Chaves ; ap-
pellado, Martinho Gomes da Silveira.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vasconcellos
A appellago civel.
Appellante, a irmandade do Santissimo Sacra-
; ment do Cabo -, appellado, o vigario Jos Luiz Pe-
reira de Queiroz.
A' 11 hora encerTU-ae a sessao.
TBIB1 VAL UO GOHHEBf. IO
ACTA DASESSAO ADMINISTRATIVA DE 12 DE
OUTUBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, e presente o Sr. desembargador fiscal, o
Exm. Sr. presidente declarou aberta a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Dous ofBclos do secretario do meritissimo tri-
bunal do commercio do Maranhao, datados de 12
e 27 do mez prximo passado, con mnnicando ficar
de posse dos que Ihe foram dirigidos por parte
deste tribunal era 7 e 11 do referido mez.Archl-
vem-se. i
Ao Sr. deputado Alcoforado foi distribuido o li-
vro copiador de Rabe Schamettau & C.
DESPACHOS.
No requerimento do administrador da massa :
fallida de Guilherme Carvalho & G., informado
pelo Sr. oIBcial-maior, pedlndo que seja sellado,
indepeodenle de rubrica, um livro que deve ser-
vir para a liquidagao da referida massa. Seja
sellado, sendo porm rubricado pelo Dr. juiz de
direilo especial do commercio.
No de Joaquim da Cunha Freir e Jos Barroso,
pedindo o registro de urna declaraco que apre-
sentam, de haver terminado a socledade que li-
nhara sob a firma de Joaquim da Cunha Freir &
Primo Vista ao Sr. desembargador fiscal, junta
a competente procorago.
No Manoel Vieira Bernardos Jnior, pedindo cer-
tido de ser matriculado o commerciante Manoel
Vieira Bsrnardes.Certifique-se.
No do corretor Frederico Lopes Gui maraes,!
apresentando o conhecimento do imposto de seu!
ofllcio.Registre se.
No de Antonio Francisco das Neves e Francisco
Pedro da Cruz Neves, pedindo o registro do dis
trato de sua sociedade. vista ao Sr. desembar-
gador fiscal.
No do corretor Francisco Jos Silveira, apresen-
tando o conhecimento do-imposto do ofllcio de seu
preponente o corretor A, B. Pinto de Mosquita Ju-
nior.Registre-se.
Cora inlormagSo do Sr. desembargador fiscal:
No de Antonio Moreira Vinhas, pedindo ser ad-
metlido matricula.Como requer.
Na duvida proposta pelo Sr.olBcial-maior, sobre
a pretengo de Barbosa & Vasconcellos, proprie-
tanos do trapiche Novo, sito em Mai.ei.Proce-
dea duvida, e satisfagan) o parecer fiscal.
RESOLUCAO.
O tribunal resolveu por unanimidade dar a effec-
tividade do lugar de amanuense archivista da se-
cretaria a Fraucelino Augusto de Hollanda Cha-
con, que o tem exercido interinamente ; proceden-;
do-se a respeito na forma da le.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessao s 11 horas e meia da
manhaa.
**--
CIIUOMGA_.
TKIUL'.VVli 1
SESSAO DE 14 DE 01
PRESIDENCIA INTERINA DO E
SANTIi ;o.
As 10 horas da manhaa
embargadores Santiago, G
tiago, Almeida Albuquerq
UDiCUKIA
i BELAlO.
TUBRO DE 1865.
IM. SR. DESEMBARCADO!)
presentes os Srs. des-
grana, Lourengo San-
e. Molla, Assis, Doria,
Ucha Cavalcaali, Dmini aes da Silva e Barros
Vasconcellos, faltando o Si
ra procurador da cora, a
Nao houveram julgamen
DESIGNAg.VO
Assignou-se dia para j Igamento das seguin-
tes:
Appellardcrime.
Appellante, o juizo; aj Miados, Joo Fabricio
da Cosa e ouiro.
Appellacac
Appellante, D. Maria ti icha da Conceigo Ca-
valcante ; appellado, Dr. Je io Francisco de Arru-
da Falco.
DILIGENCIA
Com vista ao Sr. desem
justiga
A appellagc
Appellante, Antonio de S tuza Lopes; appellada,
a justiga.
VASSAGI
Do Sr. desembargador Gi
gador Lourengo Santiago
A appellagi
Appellante, Manoel Elias
bacnarel Manoel Firmino di
. dessmbargador Guer-
Tio-.se a sessao.
os.
DE DIA.
Cn [ME.
argador promotor da
crime.
NS.
irana ao Sr. desenojar-
lo civel.
de Moura; appellado,
Mello.
As appellagt s crimes
Barros appellada, a
lado, Baibino Francis-
Appellante, Joo Paulo d
justiga.
Appellante, o juizo; appe
co dos Santos,
i Do Sr. desembargador Lo irengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida A buquerque
A appellag i civel.
Appellante, Jos Antonii
appellado, Jos Meudes de I
Ao Sr. desembargador M
A appellag
Appellante, a administre gao da massa de Alves
;& G.
Do Sr. desembargador Ali eidae Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta
A appellagb crime.
Appellante, o juizo ; api
xo Regs.
As appellag
Appellante, Vicente Ferrt ira da Silva ; appella-
Fernandes Fradique ;
eitas.
bita
i civel.
ellado, Manoel da Pai-
s civeis.
SESSAO JUDIGIARIA EM 12 DE OUTUBRO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
s U>i horas da manhaa o Exm. Sr. presidente
declarou aberla a sessao, estando reunidos os Srs.
desembargadores Silva Guimares, Reis e Silva e
Accioli e Doria, os Srs. deputados Rosa, CaDdido
Alcoforado, Basto e Mirauda Leal, e o supplente
Jos Velloso Soares.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
sao.
Assignou-se o accordo proferido na ultima ses-
sao no (eilo entre partes :
Appellantes, os administradores d massa fallida
de Ainorun, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Piulo Barbosa & Companhia.
JULGAMENTOS.
Appellantes, os administradores da massa fall-
da de Amorim, Fragoso, Santos 4 C.; appellado,
Jos Rodrigues de Sonta.Despreiaram-se os em-
bargos.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Seve Filhos & C. ; appellado, Francisco Xavier
de Oliveira.
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appella-
dos, Cardozo & Souza.
Appellanies, a viuva Neves & Cardoso ; appel-
lada, a directora do Novo Banco de Pernambuco.
Appellante, Jos Ribeiro Bastos; appellado, Joa-
quim Luiz Vieira.
Adiados a pedido dos Srs. depulados.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Accioli :
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Araorim, Fragoso, Santos & Companhia ;
appellado, Ernesto Gongalves Pereira Lima.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Accioli :
Appellante, Fraucisco Antonio de Bri'.o ; ap-
pellados, Rocha Miranda Filhos A C.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Doria
Appellante, Salvador Leile Vidigal; appellado,
H. George Denlo.
AGGRAVOS INTERPOSTOS DO JUIZO ESPECIAL
DO COMMERCIO.
Aggravantes, Rabe Scnaramellau & C.; aggra-
vado, Servulo Pereira da Silva.
Aggravante, Jos Duarte das Neves, aggravaao,
Jos Baptista da Fonseca Jnior.
Aggravante, Joaquim Coelho Cintra ; aggrava-
do, Jeronymo Joaquira Fiuza de Oliveira.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Aggravante, Oclaviano de Souza Franca ; ag-
gravado, Jos Francisco de Barros Reg.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Nada mais havendo a tratar-se o Exm. Sr. presi-
sidente encerrou a sessao a meia hora depois do
meio-dia.
as Correia; appellado,
s da Frota ; appellado,
la Silva.
oria ao Sr. desembar-
a.
do, Antonio Querino de Mou
Appellante, Agostinbo Lu
Pedro Lucas Correia.
Appellante, Felippe Gom
Domingos Gomes da Frota.
Appellante, Francisco Bo elbo de Andrade ; ap-
pellado, Joo Carlos Bastos
Do Sr. desembargador I
gador Gitirana
As appellagcBS civeis.
Appellante, Joaquim Ao onio da Silveira ; ap-
pellado, Antonio Manir Sallanha.
Appellantes, os nerdeiros de Christovo Dlonizio
GOMMNICADOS.
A correspondencia que o Sr. comraendador Do-
mingos de Soma Leo fez publicar boje, no intuito
de oppor a sua honrada palavra a um dos tpicos
de mtnha carta ao Jornal do Commercio, escripia
em dala de i% do prximo lindo mez ; obriga-me
perante o publico a declarar o segrate :
Nao tenbo o habito de inventar noticias. Accei-
to a transmiti para aquelle Jornal as que acho em
sirculago. Se disse ue o Sr. commendador Do-
mingos de Souza Leo e oolros tentavaa, como :
crreme, desviar o major Jos Rodrigues da Mo-
raes do proposito de olferecer-se ao expresidento
Castello-Branco, para organisar nm corpo de vo-
luntarlos da patria ; fund-i-me no que na BMHtos
ouvi repelir, no que, sem cooteslaco, dedaroo
pela imprensa o Sr. deputado Godoy, e, principal-
mente, na asseverago deum digno militar, vindo
ltimamente de Tacarat, e cojo nome nao rae pa-
rece necessario citar, de que ao proprio major Mo-
raes ouvira que, era caminbo para esta cidade, re-
rebra cartas do mesmo Sr. commendador e de ou-
tros, no sentido de o retirar da idea que Iraiia.
Isto nao obstante, nao in-istirei contra a palavra
do Sr. commendador Domingos de Sonza Leo.
Dou mi,uto valor a palavra albeia ; ale porque ca-
lendo que, um hornera de honra, nao a arruca de
balde.
E as im deixo que em mim se desvaoeca a ai
impresso que guarda o meu espirito acerca do
fado de ter havido um presidente de provincia qne
deu, em jucho de 1864, a sua palavra ao goveroo
imperial, de ler retirado os delegados militares, ao
passo quo estes se manliveram em exerekio al a
eleig.io de 7 de setembro.
Recife, 17 de outubro de 1865.
O correspondente contestado.
CORBESPONDENCIAS
Senhores reductores. Lendo era osen eooceitua-
do jornal, ns. 230 e 237, de 7 e 13 do correnl*.
deparei uo primeiro cum ura trecho da Revista
Diaria, em que seu redactor relerindo-se a urna
carta receida da villa do Brejo da Madre de Deas;
anuuocia, que as receutes nomeagoes de delegado
e subdelegado daqu'lle termo, tinbam produzdo
all a mais triste impresjo, por haverem ellas
r aludo era individuos, que, alm de carecerem
dos predicados que a siluaco requer oos agentes
pulirla.-.-, deraais, eram laes, que ja Unhan soffrido
pronuncias, aecnsages, etc., ele, e no segundo,
com urna correspondencia, e urna penca, qne o
aiferes J j.-.j Correa d'Araujo, dirigi ao Exm. coa-
selheiro presidente da provincia, contra as referi-
das autoridades, pedindo providencias, no sentido
de garanlir-lhe a existencia, e a tranqoillidade do
termo, que no seu dizer, se acbam gravemente
ameagados pelas raesmas autoridades.
E' por certo doloroso ver cidados estimaveis,
que na quadra difficil e espinhosa, como a pre-
sente, sacrificara commodos, inleresses, e repooso,
para exercerem pesadas funeges do cargo publi-
co : serem fcilmente delrahidos perante a opimo
publica, e o primeiro magistrado da provincia, por
individuos que enlendem que as cousas vo sempra
muilo mal, quando nao marchara a medida de
seus desejos o conveniencias, e qao menos zelosos
da repuiago alheia, nao trepidan em mnchalas
com a calumnia quando assim o exige o desabafo
de paixes pequemnas.
Sem esiar bstanle habilitado para refutar cabal-
mente, as allegages, quo nos citados documentos
se fazem contra as referidas autoridades, cura-
pre-me todava dizer o que sei a respeito, alim I
que o publico, e o Ezra. conselheiro e presi l M
da provincia, suspendan) o seu juizo, at que e>tas
mesmas autoridades venham desfaier, essa trama
urdida por inimigos menos generosos.
O cidado Rogerio Lucio da Silva Mergulh.io. a
quem tenho a honra de cooneeer de perlo, uro
perfeilo cavalheiro, une pelo prestigio de sua fami-
lia, |iela educago lina que leve, e suas qualidaJ -
moraes, conslitue um dos caracteres do termo do
Brejo; all gasa elle, nao s de nraia populan la-
de, no que talvez ninguem possa com elle compe-
tir, o que provou-o assas as eleigdes geraes de
1860 e outras, em que leve de lular contra as
bayonetas da polica; bem como lem siJo sempre
considerado por diversos magistrados que para all
tem ido de fra.
O Dr. Hlsbello Florentino Correa de Mello, actual
juiz de direilo de Cabrob, que all exercea o car-
go de juiz municipal e orphos, por dous quatr-.en-
nios, sempre cullivou, e anda cultiva com elle a
mais intima amisade
O distincio juiz de direilo Dr. Seaasti do Reg
Barros Lacerda, Ihe da va lana con: ideracao, a
ponto de qualilica-lo o cidado mais prestimoso do
termo: o actual promotor publico da comarca,
assim como lodos os seus antecessores, mum
apreciam.
Assim nao sei, como que a aomeacao de no
cidado tal para um publico, peana ea alarma o
termo de sua jurisdigo.
E' verdade, que c.-ntra este inimigo, j se enten-
tou urna aegio criminal, por crime de W*iaeaci>
de acias de eleigo; em virtmle de qu -ixa ou eV-
nuncia dada pelos seus adversarios polines, aaats
tambem verdade, que ella cahio no juiw do men-
cionado juiz de dirilo Lacerda, cuja hoaradW,
probidade e independencia, nj soffrem eoatesta-
lago, e isto se deu apesar do referido juiz, ser de
poltica adversa.
E a circunstancia d>> -er este o nico (acto espe-
cificado, de que o alteres Jos Correa acensa ao
meu amigo, prova bem. que elle i un de ennaes
e fados, que o desabonen), pernote o concito
publico.
A qne vem esta reraemoracao, qne fat o aMaras
Jos Correa, de fados to amigos, roa da mor te
do inleliz Trajano, do roano an Maaz e oa-
tros ? poca ama em que o
creaoga. e que influencia alguata |
Se fossemos revolver as cin
gro de partidos, ento irariamee o tarante aaane-
sinato praticado no primeiro homem aquella co-
marca o meu infeliz lio o tenenle-coroael Antonio
Francisco Cordeiro de Carvalho, do Cantea! e do
outras victimas immoladas ao bacanurte ''' aue
isto oo convm oa poca actual, em que se trata
de conciliar os nimos, e nao de irrita-los. (*)
Qoaoto ao subdelegado Tavares de Sonza, leaao
a dizer que nao conhego pessoa!unto, naas ajas
segundo me informara, nm cidado Honesto o pa-
cifico : e nao posso crer que o actaal delegado do
termo do Brejo, se sugeite a servir enea nm saaat-
terno qne nao tenha idoneidade para aoxilia-lo em
sua argio policial. Esia aceaaacjia jae tae faz o
aiferes Jos Correa de ja ler sido elle denunciado
por furto de escravos, nenhum valor todo xer per
que essa denuncia, alm de haver parido de seas
rancorosos ioimigos. nenhum envite predazio eaa
juizo, visto como o Dr. I mbelino Ferreira Cato,
magistrado integerrimo a loda a prova, entio juiz
municipal do termo investigando do ta-^to cesso sumraario, nem ao meaos para vroaaaeia
achou materia.
Eis Srs. redactores, o que par ora me casare
(*) Nao foi sem muita rrpaeaaacM me adaina-
mos a Insergo desle trecho; peraae, versaadje so-
bre um fado j to disentido, e averiguado, ao sa-
bemos com que lira truido ao|e k duu*sio,
quando, nao tundo relacao algurna o m i
da correspondencia do Sr. Dr. Brilo, e .-
geralmente sabido, nlbo de orna tnsw i
lancia exlranha poltica, nao desejaraoBos sasci-
tar discusses inoleis, e sem proveo para nn-
guem, anda mesmo para quem de tal helo proca-
ra tirar pretexto para recrimlnacye*. Fizeaaos sca-
nr esias inconveniencias a pea*oa inluramnaa ;
mas como insistisse ero evocar esse lri.-ie acteseo,
e nao queiramos de modo algont prestar as nuwas
columnas a desabafo, e por coasegmate reatasa-
lias, alias justas, jugarnos conciliar a caasae, fa-
zendo em nota esias consideracoes.
particalarr36nie ao assassinalo do
Cordeiro.
anana era aiada
nadMtsr?
desse passado ae-


IW
Qi kQI
Diario de Pernarabaco -- guara fefia 18 de Otitttbro de i*
dizer em favor das aalaws autrfdao*es "do Bfep : 1 'fogo 6~vTvT-isTmo', crteTro e mortiphero, porcon-
tm lempo opporluno ellas farao o mesmo. segualo irrespondivel o niaiigo (P) infame,
Recife, 16 do outubro de 186o.
Dr. Galano Xavier Pereira de Brito.
trai^aeiro, oovarde, ingralo e hbil ua gataoisse
nao olha meius, s almeja o lira 1 portanlo a
epooha d'gurra entremos era aeclo, a viclo-
ria certa___
Est na memoria publica o incendio e roubo sof-
frido pela Sra. D. Joaqun* Mara Pereira Vianna no
sobrado ao paleo do Ltvramento, na occaslo de se
acharfra da ridade, passando a Testa ebem assim,
Senhores redactores. Venho pedir Ibes hoje um
pequeo espaco para tornar patente o movo por
tjue no da a do correte raet, por1 Tolla de 1 hora
!?SSafargo 2.%^u!?de di- Proveitounessesdias seu desorintamelo
Iig"o iaSeSua agora vagZnl os meas es,ra- *** Pr esw es.rondoso tacto para se ob-
vos L.borio e Domingos, dos qaaes linda eu desig- f como se obleve doacao de seos cerosos be
oado deposito perante o uito de orphos, sendo es- J. de particulares a dos hosp.taes de candade
sa dehgenca effeciuadaem virlude de ara manda- Jf^"^ e Je ""'.o -, K'ST.VZ
do expedido pelo Sr. Beroardioo de Senna Dias O" adoptiva, a quera ja tioha peraltado e dotado
Jnior, como jai. de orphos suppleole. "^Jf" :-por_eserlptnra publica I... era
Em lempo em que nesla cidade exercia o cargo "." ^aquella doacao tocou nicamente (coila-
de miz de orphos o Sr. Dr. Froocisco de Paulados du.ha)a de Mace.o o caiebre n. 38 a roa das
Santos Alleluia fui, bem contra a miha voaiade. Cinco Ponas, na qual a mo.los annos se acha (e
nomeadoiotor defleoriquea Dustanea de Lima 'a) montada minha paclana,-sn que apareces-
Carvalho, orpha absolutamente desvalida. .se contestado I .
A muito elforgp consegu que o Sr. Antonio Car- ^ *. "B1*0 *ncrnt*o o genro da mes^
oelro da CanhaTcontra quera ento appareciam ma ^ora (Dr. Luiz Rodrigues Villare,) vendse
queixas em realcSo a essa menor, queias cujos deSjado da taracea de sua espoza requereu em-
undameutosao me .abe apreciar agora,adoUsse brb' e,m 'dos os bens doados, andando mais acer-
coro quantia de 4:300 para ser-lhe entregue por! *< a santa Casa desta cidade assienando o depo-
occasio de casamento da mesroa. ; s,, Anda, ero tfcfaco as visias do juizo de or-1 <** Macera, nem o sea predilecto p ocu-
pbos, consegu que, entrando essa menor para o or aqu rez.denle, a respeito de seu cazeb.
reco himeneo de Nossa Senhora da Gloria, abi a l'if m.dade e conciencia que, nnirem des-
conservaste, recebendo de mun para ana Mstenla- ;aa.|u.cao I... ii tendo a itasraa!Snta Casaer-
cao 15* mensalmente, para o que ao juro de um e; ** *?" ^ ^n^",aTi:, fSSTiS
um quarto mez empreguei a inesma quantia, de le (documenlo 2) nao voltou corja e uem pagou
cujo reodiroimeoto tiz sernpre entrega a' miotia ^ co<,as; conservando-se na ^f Pf"m
tutellada, como (sem ser posto era duv.da) prove *wida, do resultado das outras que toe, penden
em juizo e isso por espaco de tres annos, quaado, "SJ mesmo lodos os tribunaes entre reTertdo
por entender alguera qde devia especula?coma "'%S"iie ea m* collega, sobre a malfadada
credutidade dessl menor, nao tarde! em ser incom- fe^fe, (fWpM sao bens de s*cr.stao !... Docu-
modado para entregar ,n continenti essa quantia, J *J ^ doj docamcnlos abajx0 pub|icado?i
para
que por mira havia sido empregada para produzir
o mencionado lucro.
Apezar de rainhas. allegarles, mandou-se proce-
der a seqaesiro em bens ljeos, ao que proropta
mete me prestei, sendo o proprio a offerecr os
seus referidos escravos. Allnal, logo que foram
despresadas ditas
nada quantia de
opposto pelos raeio
sentado em juizo
nao do juro legal do duheiro de orpNRos, mas sim
o de 13 -/. ao anuo pela demora relativa ao lempo
decorrido desde a notiflcaco que me fol feia, at
a data em que fiz entrega da quantia de 1:2005,
apezar de ser fra de duvida que desde a ntima-
qio tratei logo de haver a' mim essa quantia para
cumprir a ordem do juizo, urna vez que definiti-
vamente fosse decidido csse negocio, tanlo mais
quanlo preciso me era chamar, como cliamei, o Sr.
Anlouio Carueiro da Cunha para fazer declaracoes
a respeito do desllno dessa quantia, apezar de es-
tar embargadaia senlenca que me obngou ao pa-
apreeie o leilorque legitimo proprietano
os taesL... Macedo eMoura '. to legitimo como
o sao da padaria !!!!
Duvida alguma haque o interessede ir o L...
Mace lo, as AlagOas aluqar as qnalro paredes em
tendo a Santa
gera vai i.o longepara alugar um caxao de ca-
sa I tendo-as aqu completas e fechadas, e que l
se inculcuu dono della, como na cmara, para
obter a Iruca da colela do raen nume parao seu !
sem ter comprado a padaria (documento o) tam-
bera nao lera replica I t ao contrario jamis o ob-
leria -era ser eu ouvido, e dar-se-ino a preferen-
cia como anligo inquilino e proprielario do esta-
bolecimento : assira pratica a Sania Casa desla ci-
dade, e os proprietarios que se nao raedera pela hi-
tla dos taes L...
Ninguem ignora que predios de taes corpora-
amemo dos juros na ra'zo'de 145 /. na importan-' &***0 se arreudam as escondidas era tiasia
ca de cento e sessenta e tantos mil ris; eml.ora lMta, precedeudo aonunclos nos jornaes para
depositados para garanta os dous escravos Domiu- ciencia dw interesados, cora approvacao do pre-
o!n L.borio; embora ainda seja COU--a sabida que, s-dente da provincia, nos contratos por e*cr tera
de r,tirar-me de>ta provincia, em commis- publica formalidades ind.spensaveis, e que
; >ad
sao do governo, deixo aqui reinha familia e bens :
tjHzar de luJo is.-o, oigo, a pretexto dessa retira-
aa, iHinii-reu-se remocio de deposito, e quandoja
stava asignada pelo Sr. Uereardiuo Jnior a guia
i.ir.i lecoltirr-.-e a deposito publico, e a requeri-
m-nto meo, a quantia couda, isto duzenlos e
vinte e tantos mil ris dos juros e cusas, foi man-
ii.iiiiiiigas, de valor superior a 1:0005, mas tam-
beni 'le um Pililo desta de nome Liboriolll ludo
para garanta de denlos e tantos mil ris (que se
rcham ja reeolbidosa deposito), levando-se o pro-
posito de injuriar-Ole a ponto de, em minha auseo-
'ia.se nao apreseular a' pessoa alguma de minha
familia 0 u andado para seren entregues os escra-
vos, esperndose ao contrario que elles fossem en-
contrados na escada para ah seren agarrados, co-
mo foram, no meio do alarido, que, assim appre-
hendidos, naluralmenie deviain fazer, comoBzeram,
ditos escravos.
O publico que aprecie esse modo de proceder a'! 'luel.Sm contradicho no Jornal do Reaf,
diligencias e veja se o homem honesto pode estar a IIem,1"'0 de 18W e levereiro de 18bi l
salvo de taes ultraje* ^ claro, como a luz mei-idianna, que nnquanio
Fu, a recompensa que afiual recebi de haver ac-1 ao lindaros letejos pendentes sobr;; a casa, o
editado essa tutora e de ir empregado constantes' responsavel por ella, e os alugueis estipulados no
esforcos para que minha lutellada nao licasse re-',er,n" de deposito-sou eu como successor deJoao
dozida a'miseria e a alu-uma cou Paro aqui, senhores redactores, na esperanc.a de Ja prova na occasiio da quebra e fuga
me nao ver obngado a narrar cora toda a niinuclo-: dos referidos Andre & Narcizo, e em 1800 pois
sidade as peripecias desse negocio desde que o Sr. Vel a minl1'' resi l-ncia o procurador das rendas
Antonio Carueiro da Canha ez esse dote al hoje, das Alagoas (Jos Gongalves de Alhn.juerqueje
e pedindo a Deus que minha extutellada continu declaron-me que o Audre l\ -Nar
a encontrar da parle de seus protectores todo o zc-
fallara
ao tal papel sujo do L. Macedo, que nem ao me-1
nos esla reconheciila a firma do T. que o passou
por oulro desta cidade 1 pelo que nenhuma f rao-
rece, e o tal L... est tao eonveBcidc di.-so, como
eu, tanto que nao cumprio,torno repetir, a dous
aunos uo pagou ura real de aluguel de casa a tal
proprietana legitima 42 (para onde volla o frade
o capello !...) o plano talvez o mesmo Je Andr
4 Narcizocalotear me no aluguel que poderem,
e depois espaldar que rouuel a padaria viuva e
herdeiros de Nauzer!... qiundo este quebrou
nella era i8, sobre a firma de Audr & Xarcizo,
Cdloleaudo a praca em vinte cunios de ris, e a
mira era perlo de seis anuos de alu^ueis (nao co-
las I e.-t.u alerta I...) No entretanto quebrou elle
(Nauzer) era outra, no Alerro ua Boa-Vista (e que
por aquella forma tambera da sua viuva e her-
deiros, pois foi vendida como a rniuha, p-l s ere-
dore.-) i-em que b ola sido in^ommodado u actual
possuidor por parte dos taes L... como ja expli-
de de-
I doada ao hospital de M^cei I 1 I... 6 bem assira
iiin sabir ter eu depositado alutirels da ca'sa era
11860, como Ihe linba proraetttdo... quando s
rae largou a porta, pela vsriflcacio desse deposi-
to I... pelo que nao se Ihe admita desculpas, jurn
mals outras couzinhas, para me car regar a fflSo,
que muito sinto nao se terem escriplo (parece ter
parlona crianca I)
i c Estes dous innocentes, caro leitor, juraram de
urna forma tal... que ni.o estar tao relaxada a
prova testemaohal (e deve ;er banda ja' o ja' mor-
mente no crime I) e os dignos julgadores (honra
Ihe seja feita) darein-lhe o valor conforme o mer-
cado d'onde vem I leria sido sacrificado 1... alera
de despojado do meu eslabelecimento 1 que era o
plano dos taes L... (nem na Mea). E ente 1 meu
velliinho tratante; nao parece que fica impone 1..
ha de marchar encangado (unido) com os oito com-
pauheiros 1 para nao baver accordos, e tocara' na
procisso excellentes pe^as este org.io... e tenho
: f renascera' era voz para sempro a memoria I...
Deve saber que quando trato de desaggravar
minha reputarlo ultrajada nao me importa cora
. odiosidades de ninguem II...
(5 doc) Em virlude do despacho supra, certifico
: que revendo os iivros da collecta da freguezia de
S. Jos, delles consta ter sido sempre collectada a
' padaria n. 38 ra das Ciaco-Ponlas at outubro
de 1863 em nome de Antonio Joaquim Salgado, e
que dessa data em dianie tem sido collectada era
nome de Luiz Fonceca de Macedo ; certifico final-
mente que a mudanea do nome do collectado foi
feita a requenmenlo de Luiz Fonceca de Macedo
(2), que a ubteve por despacho da Illma. cmara
; em sessao de 8 de outubro de 1863 ; o referido
| verdade, e aos referidos Iivros me reporto.
Contadoria da cmara municipal do Recife28de
; agosto de 1865'.O contador, Caetano Silverio da
j Silva.
(i) O mesmo praticou em todas as reparlicoes
j fiscaes! I deixando de se agradar de tantas pa-
darias boas, que por ahi ha, (com receio de algura
vergalho), para se agradar da rniuha !... pois bem,
ainda se ha de averiguar, ss por esse procediniento
estir ,] [,|,r--!.i-n-li lo uos arliguinhos 2o8 e 26i do
c. c., visto nao terem sido apreciados estes fados e
as circutnslaucias de se achar a padaria funecio-
| nando com lodos os utencil.os, simoladameule de*
| positados... e por depositar 11 I
t E como allegam entre os comparsas da em-
preza que nao incluirn) no fingido deposito o for-
no, telheiro, chamin, globos, arraodellas, colloca-
mento do gaz, candieiros, bilhas, ele, etc., por se-
ren obras da casa, porque sao os propietarios
della I 11 (como o sao da padaria)... Leiam o do-
cumento infra que inuitu os apoia nessa extrava-
gante pretencao, grandississimos L...
Joaquim Jos I'ereira dos Sanios, escrivao vitali-
cio docivel, ele, certifico a requerimento do pop-
plicante que a doacao feita por I). Joairaina Maria
Poreira Vianna ao hospital de carldade da cidade
de Macei, fui nica e simplesmente da casa ter-
rea n. 38 ra das CineoPontas da regueza de
S. Jos, oo valor de tres conios de ris; o referido
verdade e aos referidos rne reporto. Kecife, 28
de agosto de 1865 (3). Subscrevi e assignei em f
de verdade, Joaquim Jos Pereira dos Santos.
(3) Vede... a casa foi doada por 3:01,0,5... a
padaria nao se da' pelo duplo 1 sera' isso extraor-
dinario?... esta rao nella amarrados que a nao
possans entregar 1 quererlo ser raeus tutores ? I...
Esto a espera da saneco no meritisslrao tribunal
do coramercio? nao assim ?... pos estejam cer-
tos, que tambera espero faze-los amargar o passo
que derain... Al breve.
Recife, 13 de outubro de 1861
lnfoii) Joaquim Salgado.
professor, o oleo de fi| ado de bacalho na-
tural desinfectado pelo >rocesso do Sr. Che-
vrier, e posso certifica que esse producto
nSb perdeu nealium
medicameotosos nem
dos seus principios
chimicos, que se
achara no oleo de figaijo de Iwcallio ordi-
nario. A traca propo
eslranhas que e pem
dissimular o clieiro e o
nao pode de nenluim
pode
propriedades medicaesj
uso fcil e mesmo agr lavel.
Em resumo, o oleo
' Iho desinfectado pelo
goza de propiedades idnticas ao oleo de
ario, que elle repre-
so das substancias
no oleo natural para
abor desagradare i s,
modo alterar su
e s a torna de um
le figado de baca-
processo Chevrier
irado pelos doentes,
i e tomado pcias
to sao dos mais sus-
(igado de bacallao
ligado de bacalho ordit
senta exactamente.
Elle muito beca tol
os quaes elle nao anoj
pessoas cujo gosto e olf;
ce,liveis.
Hoje que o oleo de
tem-s tornado ura dos igentes os mais im-
portantes e preciosos da therapeutica, quem
descolori o meio de o twnar de um uso f-
cil para todos, prestou um verdadero ser-
vico arte de curar e aos praticos.
Por isso nao podemos concluir melhor
do que felicitando o Si. Chevrier por sua
rica e til descoberta ]ue merece de ser
propagada, e dizer con meu collega o 9r.
Dr. Richelat ostralialhos que conduzem as
descobertas d'esta espetie devem ser pro-
tegidos pelos mdicos.
Os importantes iraballios do Sr. Chevrier
sobre o oleo de ligado de lacalhao Ihe fi-
zeram obter um resultado nao menos im-
portante, o qual consiste em ter associado o
ferro ao oleo de figado dp bacalho. O oleo
de figado de bacalho eruginoso de Che-
vrier constitue lalvez onelhor meio dudar-
se o ferro. Pois o iod ro de ferro unido
deste modo com o oleo ie figado de baca-
lho se dissolve mais fcilmente nos lqui-
dos das vas digestivas e por consequencia
se asstmila muito mais bem do que sb a
forma de pillas ou xarope. Emlim elle
perde assim suas propritdades irritantes, e
no provoca a conslipacfio. E' assim que
os doentes, cujo estomago nao pode suppor-
tar nenhuma prepararlo marcial, tomam f-
cilmente o oleo de /gado e bacalho ferru-
ginoso de Chevrier,
Os senhores Maurrer C. acabam de re-
ceber um grande sortimento dos celebres
azeites desinfectado de Chevrier e ferrugi-
noso de Chevrier.
Vende-se na pharmacia de Pedro Maurer
& C. ra Nova n. 18.
11 na (iireceo de seus negocios.
Recife, 7 de ouluoro de 1866'.
A. A. de Fras Villar.
Senhores redactores.No Diario de Pernambueo
de 30 de seiembro prximo rindo, appareceu um
communicante assignande-Speetore com a lio-
gnagem mais virulenta derramou loda sua bilis
sobre o mador Lourenc) Soares Crdeiro de Mello,
na e>p'raor sua bem firmada reputacao.
Se o ciinraunc.ante tivesse asslgnado o s-u
nome, rereberia incontinente urna resp >sta capaz
de o confundir, a menos que nao fosse um desses
detractores, que nao merecem repostas dos ho-
raens que se preso: mas nao setend) tto conhe-
cer, e nem assuminido a responsabilidade do seu
libello deffamatono, nao ple ter a convenieate
respostt.
Entretanto em respeito ao publico, e para retirar
qualquer impresso menos justa, que aquelie com-
muncadn podesse 1er causado nos que desconhe-
cem a marcha dos negocios desta comarca, couvem
como inquilino da casa eraeu e quando assim
i uao (o-se, ninguem me poda despojar do eslabele-
cimento... (e muito menos os taes L...) que vale
, o duplo da casa ie nao se da') alm delle lenho as !
bemfeilonas para Cotiservaco della, sem as quaes
s exiatiriara as paredes :entre ellas a frente de j
casa para i travessa do Dique que mandei cons-l
truir, poneos dias autes de partir para Ma -ei o
tal L... (Macedo ;) obrigado pelo ex-fiscal, o qual
j para e.-las couzas sabia ser eu o dono da padaria,
l esquecendo-so logo d-pois da chegada de Macelo !
i do tal L... a quera deu informacoes ajeiladas (ja
I foi recompensado) para o L... obter na c... tran- ,
zacu a trocada colela (como ja di?se) andando es-
tes manejos lio a jeito... que uio se encootrou na
caixiuha, no dia da troca o meu requerimento, no
(jual prote->tava contra essa mudanza, e provava
ser o L... Macedo mero irabalhador na padaria,
coiQj socio de Moura.deigracasa Dos... nao serj
mesmo eucontrado... e ser-me entregue sera des-1
pacho l!l e por boje basta, e varaos aos docuraen-
tos :
1." Julgo nao ter o juiz aqui feitoaggravo ao ag-
gravante com a deeisao de lis. 19 v. que regeitou
a excepcio de fls. 11; porquanto vistos os autos,
declarar que o raajor Cordeiro raandou prender e conhece uue o a ueel ,, loe a cao de que Vrala
preeessar a ura inspector de polica, que espancou I ^^SL^I^J'X^^^^^
e ferio gravemente a dou
prenden
em extremo vilenlo, soffre imiiulagoes taes, qaa a
n5o ser ura capricho offensor da raoralidade pul
; nao e de urna casa, mas do eslabelecimento de pa
Jld'v'('"' *.';*J,Hem : dara, que nella se acha e esta' seraelhante loca-
.ararecrula. inspector, que alm de ser | ^ ,^pri.hend.da as disp. do t. 10 do cdigo
" 3o do
co, nao seria conservado noexercicio do cargo que
ceeupa.
roajor Cordeiro esl prompto para responder
por todos os actos da sua vida publica, qner peran
te a opini.io do paiz, quer perante as autoridades,
que Ibes sao superiores, cerlo de que nao se enver-
gonzara dos actos, (ne como autorldade lenha
pratnado.
Oulro lanip, porm, nao poderao dizer os que
sustentara e 'rirotcgem a inspectores como Antonio
Ferreira de .paitos, e Manoel Ga'dino da Costa ll-
neles, celefcurrmos pelas suas tranquibernias poli-
ciaes, send^^n ultimo estelionaiario publico, alm
de fazer da policamndus vivendi.
N'So ha muilo, que tendo preso ura recruta, rece-
ben cent e dez mil ris para solta-lo, e effeclva-
mente o fez de auloridade propria, etc., etc.
.S'uma palavra, quer o communic nte discutir
os artos da vida publica do major Cordeiro? De-
serabuce-se, assuma a responsabildade, e fique
certo, qae se estiver as condicSes de merecer as
honras de urna discusso pela inprensa, sera
acompaehado e entao poderemos fater grande ser
vico a comarca, discutindo os actos de todas as
autoridades, e mostrando ao publico, quaes as que
mas se tem descarreado, servindo-se da posieao
offlcial para exercer vingancas, ou para estentar
proteccaj, offensora dos bous costumes e raoralida-
de publica.
Liraoeiro, 10 de outubro de 1863.
Christovao dat Rocha Cunha Soulo-Mawr.
Srs. redactores e benignos leitores I bom dia 1
Houve movimentos do polo ? I I ordem de ho-
je -desalojar o L..Luiz Fonceca de Macedo, da
legitimidade a que tanto e agarra do arreedamen
to da casa, era que esla montada minha padaria, el
embora nao seja essa a ques-io que esla affecto ao
meriiissimo iribnnal do comuiercio, (docomeot.jp.
1) aonde tanto teme o L... s&r depreciado 1 II
Legitimidade que tanlo tem apregoado, e tem
vergonha (d'onde Ihe vina f) de. declarar
do com. pelo que nos termos dos arts. 19
Ululo nnlCO e 10 e 13 do regiment n. 737 de 25
de novembro de 1860, o juiz especial do cora-
mercio competente para o conhecimealo desla can-
sa, que deriva de contrato de locaeao mercantil
"; ue.audo portauto irovimento au aggravo iolerpos-
to, maudo que subsiga a deciso aggravada, e pa-
gue o aggravante as custaa.
Recife, 10 de junho de 1864. -Anselmo Francis-
co Piretti.
c S a in f, ou crassa ignorancia poda susej-
lar o presente aggravo ; por quanto a questao
uao cora o proprietario da casa (que o nao tem)
c e Mm com djus L... que querem exercer esse
t direiio, sera Ihe competir.
2." Considerando que nao sao permittidos em-
bargos seo.lo depois da sentenca definitiva, e os
que servem de conlestacao as aeces suinmarias,
art. 14 das disp. provisorias, desprzo os_ de Os.
porque, sao oppostos a msinuaeao da doar-o cons-
tante de lis. a lis. que nem sentenca definitiva,
nem tambera aegao summaria a que elles sirvam
de conlestacao : comtudo considerando que a au-
'. r i i conferida pida presi Jencia das Alagoas ao
agente das rendas da inesma provincia, por forca
da qual letn este tndeci lamente representado o
hospital da cidade deMacei, nao sullcienle, por
quanto somenle a adinmislra^ao respecliva poda
autorisar por raeo de procurcSo Judicial ao refe-
rido agente, e este pela inesma forma constituir
advogados e procuradores, oque sendo assim, a
autorisagao constante do ofiicio a fls. 4, nenhuma,
por conseguate o convite pelo citado officio de
fls. 4 : por estas razes julgo nulla a insinuacao, e
condemno o agente da provincia das Alagoas as
cu.tas.
Recife, 6 de outubro de 1836.Francisco de As-
sis Oliveira Maciel.
(3o doe.) Accusando a recepcao de seu ('fflcio de
FgfHGAgOjj m MBBO
Para Exe. ver.
Tendo Antonio Malaquias de Macedo Lima, ex-
arremaiante dos empedramentos entre os marcos
6 e 8000 bracas da e.-trada da Victoria requerido
ao Exm. Sr. conselheiro presidente da provincia o
pagamento de 184^300 que se Ihe deve, a thesou-
rana provincial informou a S. Exc. segundo cons-
ta, que esla coma esta paga, e quereudo o abaixo
assignado provar o contrario, nao do que assevera
a tbesoiiraria mais o escndalo dos documentos em
que se basea a thesouraria, ls|o como o exa-
dante do engenheiro Feliciano llodngues da Silva,
encarregado da fiscalisacao daquella obra, e for-
necedor dos ditos documentos, n.io s locupletou-
se do dioheiro do arrematante, como do dinheiro
do governo, por isso supplica o abaixo assignado a
S. xc. se digne suspender o seu juizo a rweitf,
em quamo o abaixo assignado |irova o contraro.
Recife, 16 de OOtUtND de 1865.
Joo Ilypolito de Meir-a Lima.
- laein-jj
Da Escada nos escrevero, que no dia sabbado
14 do corrente, apenas chegou um tbelegramma
dando a gloriosa noticia de que se linham entrega-
do ao nosso monarcha, a columna paraguaya que
se achava no cerco da Uruguayana ; reuniram-se
os negociantes desta villa e mais habitantes, e cora
os poucos recursos que oflereee a loralidade na
arte de msica, percorreram as ras desta villa, e
com o eslaudarle Brasileiro em frente do paco da
cmara, que eslava com urna lgeira illuminaciio,
assim como muilas casas, ahi depois de ura discur-
so recitado pelo Sr. Muniz de Souza e uraa poesa
patritica por oulro Seuhor pelo regosijo que uos
coube pelos feitos de nossos soldados, e cavalhei-
risrao do nosso monarcha, em respeilar os inireigos,
deram-se dilTerentes vivas, subindo ao ar algumas
gyrandolas de fogueles, nao pudendo continuar por
mais lempo esla paceila, devido a noite invernosa.
Ja a segunda vez que < s escadenses gloriam-se
com seus irmaos do imperio pelolriumpbo de nos-
sas armas.
Aguardamos novos festejos para a entrada dos
nos>os bravos na cidade da Assump?ao.
A jariib(fba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
muilo conhecidas nao s no D "asil, pois que deltas
Iratou Pisn em sua excellent! obra Historia na-
turatis el medica India! occv entaltt. seno as
Aniilhas, onde o sueco das folhas e fructos como
aqui, muito estimado e appheado contra as obs-
trueees abdominaes, priucipblmente do figado e
bac.j ; e se todos os facultativos desta provincia o
nao applicam com freqnencla, isto se nao deve a
nao reconhecerem elles essas virtudes, mas sim a
nao seren encontradas com facilidade e em todas
as estacoes do anno os frucios
dessa planta, p a re-
das solaneas, e tem
que Ihe
pognaocia; que apres-ntam o deentes em fazer
uso do sueco desses fructos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao desconhecida dos botanistas :
esta planta pertence familia
a denominacao de solanum pa^iiculatum,
fol dada por Lyneo.
Parecendo-nos conveniente I faoilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais era-
pregado, nos proponemos e conseguimos preparar
com elle nao s ura extracto alcoolieo que pode ser
applicado era plalas, mas tan bem um vmbo, um
xarope, e um emplastro que ipde substituir, em
cerlos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos que
com isto prestamos um servico humanidade e
hiera peuiica.
Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
coccao das raizes da jurubeba, e Mral e Delens,
em seu Diccionario de materia medica e tlierapeu-
tica, dizero que as Aniilhas efaznso do sueco
dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
rbo vesical; e a auloridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso estabelecimento essas raizes, para que possam
ser experimentadas.
A reputacao da jurubeba tal, e os resultados
therapeuticos obtdos ltimamente sao tao impor
tantos, que nos parece intil tizer mais do qut
islo, que fica eseripto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
Xarope tnico refrigerante
de veame e de
23 Jo corrente, tenho a dizer-lhe que uo o auto
risei immediatamcnte a tratar dos negocios judi-
ciaes relativos a doacao feita pela Sra. D. Joaquina
Maria Pereira Viaunao hospital de caridade desta
cidade. por ignorar 'ne existan grandes letigios a
sem duvida, porque nao pagoa .> um seilil de respeito de semelliunte dougao, e persuadir-n que
aluguel da casa em vsrlude do simulado arrenda- tudo te achava liquido, mas em vista de seu sobre-
ment, que ja contou deus annos de vida I I dito oficio autoriso em nome do hospital de cari-
Presio este servico, para iranquilisar os eoHejras dade desta cidade a constituir nessa capital um so-
que possuen grandes estubellecimetios e fabricas bcitador, adra de tratar da insinnacao da referida
enraizadas, em predios alujados \... e que naj
tendo eorogem de rezislir a L... ternera Ihe appare-
algum amndamento de predio forjaio atraz da-
doaciio. approvando tambera o advogario por Vmc.
indicado, Dr. Gervasio Goncalves d Silva, que o
Lducarregado de-sa questao por parte dos esiabele-
porla I... ou mesmo o la! L... Macedo, que ot-^ciiueutos de caridade dessa provincia, ao qual agra-
tinadamente nao quer largar a preza a que esla
agarrado como ostra ao rochedo (h) de largar a
ferro de cova I...)
fortanto estejam tranquillos os collegas e alten-
dam,que os estabeleeimenlos e fabricas eommer-
ciaes, sao distinctos dos predios :-estes pagam
dcimas, e aquelles diversos impostos...
E a moda de possuir-se padarias sem dinheiro,
nao pegara desta vez... morraente com as que es-
tiverem as eondices da minhaque garantida
no lugar em que se acha por leis especiaes deS de
jnoho de 1837 e postura municipal de 29 fie abril
do mesmo anno;-quer em um, quer em outro
sentido I... .
Feita a presente digressao, esteja o eharo Ietor
atiento e firme era seu posto durante a peleija<
decera* era raeu nome seus bons ofcios ; final-
mente tenho aiuda a sigruficar-lhe que nao s ap-
provo as despezas que se tornaren) de misler para I
o aodainento dessa questao, como a que fez Vmc.'
cora o proprio porta lor de seu officio.
Deus guarde a Vmc. Palacio do governo de
Macelo. 30 de julhi de 1833.Roberto Calheiros
de Mello.Sr. Jos Gjncalves de Albuquerque (I),'
agente procurador das rendas desla provincia.
(!) E -le veneratel anciao, muito falto de
memoria I... em todas as folhas dos autos se v a
sua respeitavel assignatura I... no entretanto era ,
1863 dando em juizo, como fuorcionario publico.
seu eonsemcioso depoimento contra mim, de ac-1
cordo com o L-.. Macedo, na falsa queixa do L... I
Moura, juro* ignorar baver letigios sobre a casa'
Agua de Florida de Murray e
JLanman.
Com qnasi toda a certeza pode por em duvida se
as mil e urna variaveis flores que adornavam e
derramavam to delicioso perfume sob o verdes-
cenle jardiiu do Paraizo espalhavam urna fra-
graucia mais pura e delicada na atinosphera, do
que aquella gue se diffunde e enche o gabinete de
veslir, ou Boudoir, no qual se haja alieno ura fras-
co desta odorfera e deleilavel agua de cheiro.
Comparada com o passagero e voltil cheiro des-
sas E-senciast ordinarias, o seu mimoso e delicio
so aroma pode-se chamar inextinguivel, inapaga-
vel, emqnanto que por outro lado a verdadeira
auinta essencia era seu geuero, que d'uraa maneira
a mais viva, nos faz agradavelmente recordar, tra-
zendo-uos a' menle o deleitavel e genuino perfume
das aromtica? e floresceoies flores ; n'uma pala-
vra nella existe e floresce a belleza e o encanta-
mento.
O volume do delicado aroma espargido de alga-
mas gotas derramadas sob o lenco, e verdadera-
mente maravilhoso e deleilavel ; e como um agr-
dvel meio de resiabelecer desmaios, vertigens e
dores de cabeQa, assim como servindo de odorfero
adorno a' pessoa eao paladar, quando usada em di-
luico como ura exagoaraenlo de bocea ou cosm-
tico, ella por cerlo nao tem seu igual entre todas as
mais aguas cheirosas importadas.
(Haja sentido, pois, em se examinar e ver que os
nomes de Murray e Lanman se achara inscriptos
e iinpres.-os sob cada envoltorio, letreiroou garrafa,
pos que na falla dos racemos nenhuma verda-
deira.)
Vende-se as pharmacios de Caors & Barbosa e
J. C Bravo & C.
VARIEDADES
Setnelas e medicina.
L-se na Union Medcate de Paris:
Os jornaes de medicina fallaram por va-
rias vezes de urna descoberta importante
para a therapeutica, que cousistia na desin-
fecto do oleo de figado de bacalho sem
Ihe tirar nenhuma das suas propriedades.
Temos o prazer de annunciar hoje as-
nossos leitores, que esse resultado foi obtio
do de modo o mais completo por um hbil
pharmaceutico de Paris. o Sr. Che.-rier, que
conseguio desinfectar o oleo de figado de
bacalho om o alcatro e o balsamo de
Toln. As experiencias feilas por muitosde
nossos pratioselec ebres, nos hospitaes e so-
bre seus doentes particulares, as analyses e
ensaios de chimicos competentes, n3o dei-
xam nenhnma duvida a este respeito.
Relatamos aqui as proprias palavras de
um juiz muito eminente e competente o Sr.
JDr. E. Humbert, laureado da academia im-
perial de medicina, e professor de Chimica.
SubmeUi a anatyse, diz sste distincto
ferro preparado pelo pb rmaceutico Jos
da Rocha Paranlios, estab decido nacidade
do Recife provincia de Pernambuco, ra
Direita n. 88.
Este xarope, que d tom ao movimento
muscular por sua qualidace frrea, ao
mesmo tempo purgativo pola parte do ve-
ame que encerra, e refrigerante pela par-
te acida, alm da precisa pira perfeita so-
lucao e combinaco do ferro: este atacado
pelo acido fica em extrema diviso, e as-
sim o mais soluvel que possivel, de sorte
queja nao to dependente de ser digerido
pelos cidos fracos, que se icham no sueco
gstrico durante a digesto. Os expositores
de medicina sao de opiniao que o ferro e
todas as suas preparares gizam das virtu-
des eminentemente tnicas, que aproveila
em todas as moleslias que o caracterisa-
das por fraqueza; c com effeito acho exac-
ta essa opinio ; mas nao dido o ferro em
substancia pelo mo resultad' que tenho ob-
servado, (e que j fiz publicar) em certas e
determinadas mole tias; porfexemplo: ane-
mia, e febres intermitentes, terminara mili-
tas vezes por anazarca, que accumulaco
de serosidade no tescido cellu ar (agua quan-
do est entre a pelie) e depoii ascile ou hy-
dropesia do ventre, que aitcumulago de
serocidade no peritoneo.
E' sabido que o ferro um dos agentes
mais importante para que o sangue se pre-
pare e aperfeice devidamenl', e por con-
seguinte o mais proprio para impedir o des-
envolvimento deslas molestia*; mas sendo
elle um efficaz incidente, oriente e secer-
nente, claro que s associado como se
acha nesle xarope, pode da- o resultado
que se espera, e a experiencia me tem de-
monstrado sem risco de offitider as entra-
nbas.
Os effeitos dos incitantes, sio : promover
as secrecoes, e ab-orces, augmentar o ca-
lor natural, e remover aquellis dores que
nascem da falta dos movimenlos irritativos.
Os sorbentes sao taruhem aquslles agentes,
os quaes augmentam os movimenlos irrita-
tivos, que formam absorco, e os s cernen-
tes aquelles que augmentara OS moimentos
irritativos que conslituem ak secreses.
Assim, pois, v-se que sem a precisa combi-
naco e modificaco nao i de spr elle appli-
cado indislinctamente. Muitas [vezes o pra-
tico deixa de fazer applica?ao o fer^o por
conbecer esuspeilar que o figado, o bofe ou
pulmo, orgo essencial da respiracSo, ou
outra ntranha est offendida entretanto
que, se se tivesse applicado eia tempo se
poderia ter evitado o desenvolrimeolo da
molestia. Assim, pois, o xarope prepara-
do como -fica exposto se pode usar sem ris-
co por D5o-offender as SntMnbas. As mo-
lestias contra as quaes o xarope tnico re-
frigerante pode ser applicado com proveito,
sao : as ainenorrbeas, ou suspencao do flu-
xo menstrual das mulheres, anemia, ou di-
minuico da massa do sangue e sua consis-
tencia alterada, dores de estomago, debili-
dade dos org3os digestivos, fastio, fluxos
mucosos, flores brancas, chlorose, moleslias
do sexo femenino, caraclerisada por lan-
guor geral, acclorisac5o paluda da cor ou
esverdinhada, empobrecimento do sangue,
enfartes-ehronicos das visceras abdominaes,
alporca oa escrophulas, escorbutos, opila-
cao, pallidez, e os estragos producidos pe-
las molestias syphiliticas: asthenia ou falta
de forcas; fraqueza geral: e ha hydrope-
sia anazarca eascites; tendo-se o cuidado
de observar nestas duas uliimas molestias
principalmente, e em todas s outras, qne
um dos effeitos salutares de^te xaropa te-
ro-ventre corrente, e as urinas desembara-
Cadas.
O modo de usar-se e regular-se vai des-
cripto no letreiro pregado no frasco.
Vende-se nicamente na botica da ra
Direita n. 88 de
Jos da Rocha Paranhos.
SQMMSICIO.
\vo banco de D'ernain-
buco.
O banco desconta letras oa presente semana
9 por cento ao auno al o prazo de seis niezes
Novo Banco le Pcrnamliuco
O Novo Banco paga o dcimo quinto di-
devindo na razao de 85 por aeco.
Caixa filial dubauco do Brasil era
Pernaintioe*.
A cana descoma as letras de seu aceite pela
paitxa de C0|0 ao anno.
Oguarda-livros
Ignacio Nunes Correia.
LFAXDEGA.
Kendimento do dia 1 a 10......
dem do dia 17...............
282:0273760
19:6020316
301:6303076
MOVIMIENTO DA ALFAD-EGA. _
Volumes entrados com fazendas----- Si
t < com gneros.....
Volumes saludos cera fazendas
cora gneros....
------- 426
78
132
------- 210
Descarregam hoje 18 do corrente.
Barca inglezaScrop/i/naferro.
Barca mgleza Impeador farinha de trigo e
mais gneros.
Barca francezaSp'ici'?bacalho,
Briguo inglezAlexandra idem.
Brigue inglezGerlrudesmereadorus.
Brigue inglezAqiuladiversos gneros.
Bi igue hespanhol Carinacharque.
Patacho portuguez Furtoidem.
Importaco.
Vapor francez Navarre, entrado da Europa ma-
mfeslou o seguinte :
4 caixas armas, a D. A. Malheus 1 dita espde-
las, a J. Joeve ; 1 dia vidros, Brawo ; 2 ditas fa-
zendas de algodo, a J. Kdler ; 1 dita couros, a
Sauvage ; 2 ditas chapos, a Christiam ; 1 dita bi-
jouleria. a Lehman ; 1 dita conservas, a Puech ; 4
dilas dilas, a Mcndebour; 3 ditas ditas, a J. da
Silva Fara ; 1 dita Iivros, a B. da Macedo ; 1 dita,
a G. & Lailhacau ; 1 dita dilso, a Bnessard Millo-
chau ; 1 dita ditos, a ordem : 70 dilas queijos, a
Bieber & C.; 40 ditas dito, a Corga Jnior ; 3 di-
tas dito, a uarle ; 22 dilas dito, a V. F. da Costa
& Filho. 50 dilas dito, a Teixeira Bastos; 31 ditas,
ditos, a J. Pater; 21 dilas dito, a Almeida Gomes;
lo ditas ditos a B. a Brandes ; 93 ditas ditos, a
Tasso Irmo; 3 ditas modas, a Schaflieitlin ; 6
ditas ditas, a Keller ; 1 diia dita, a Cbrisliausen ;
t ditas ditas, a Borle ; 1 diadita, a Magalhaes&
Irmo ; 2 ditas dilas, a Izidorio Nelto ; 1 dila dita,
a rudem ; 2 ditas dilas, a Adour ; 1 dita ditas, a
J. A. Guimaraes; 1 dita ditas, a Thomaz T. Ba
tos; 1 dita dila, a L. A. Siqueira ; 1 dila dita, a
Vai & C.; 1 dita ditas, a Manoel & C.; I dit-
dila, a Henrii|ue & Azevedo ; 2 dilas ditas, a Sau-
v-ige ; 2 dilas ditas, a M. I) Rodrigues ; 1 dita di,
tas, Monteiro Lopes; 1 dita ditas a Amorim Ir-
mo ; 1 dila dita, a Manoel Jos dos Santos, 3 di-
tas objectos diverso5, a Irmiio Magnon 1 dita di toa
a P. Wild ; 2 diia< ditos, a A. L. de Oliveira Aze-
vedo 1 dila ditos a Irmao Lezat; 7 dilas ditos, a L
Wild 2 ditas ditos, a Carneiro & Nogueira ; 2
dilas dilos, J. W. de Medeiros; 1 dila ditos, a E.
Bourgiois ; 1 dita ditos a J. N. de Souza'; 10 di-
tas ditos, a F. Dubarry ; 1 dila ditos, a Monteiro
Lopes ; 2 dilas ditos, a Alves Hamburger; 1 dila
ditos, a J. P. Mcndonca ; I dita etilos, a Th. Car-
neiro ; 1 dila dilos, a Lulere ; 1 dita ditos, Pecoem ;
1 dila dilos, a Falque ; 3 dilas dilos, a E. & Mau-
ricio ; i dita ditos a Sauvage ; 2o caixas sardmlia,
a J. da Silva Faria ; 20 dilas ditas, a J. Keller; 100
harris raanteija, a Tisset; 1 barril vnho, ao Santo
Esprit; 1 dito dito, a Bamos e Silva & Genros ; 50
caixas agurdeme, a Wilsoo ; 3 dita.-, licores, a Men-
deboux ; 12 ditas vinho branco, a Luiz Puech;
1 dila fruclas, ao mesmo ; 1 dila reoslos, a Leb-
m.im;2 dilas fazendas de la, a Keller; 1 dita
roupa, a T. Christiam ; t dila modas, a Santo
Pinto ; 2 ditas objectos diversos, a Sbaphlllin;
lliate nacional consignado a C. C. da Costa Moreira, manifeslou o
sesninte :
17 saceos algodao; a Domingos Rodrigues de
Andrade.
30 ditos dito a Andrade & Reg".
19 ditos gorania, 1 dita cera amarella: a Fran-
cisco Gomes de Mallos Jnior
71 saceos algodo; a J. Paler ( C.
16 molhos esteiras, 1 sacco pennas; a Joao Fer-
reira dos Santos.
14 couros salgados, lio saceos algodo, 27 dilos
gomma, 3 barricas cera amarella, 38 meios de sola;
a Jos de S Leilo Jnior.
Vapor americano Britama entrado de Philadel-
phia consignado, a Malheus Austin &C. manifeslou
o seguinte :
i volumes objetos diversos, a Manoel Joaquim
Ramos e Silva & Ganros.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE
. RAES DE PERNAMBUCO.
Reudimeiito do dia 1 a 16...... 19:382*095
Idem do dia 17................ 4:il"3329
23:7993621
CONSOLA00 PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 16....... 28:1373750
dem do da 17............... 835393
29:01332i3
MOYIMENTi' M KM
Navios entrados no dia 17.
Para pelo Ass 37 dias, sendo do ultimo porto
12, escuna nacional Georgiana, de l49lodeladas,
capito Antonio Goncalves Torres, equipagem
10, carga sal e outros gneros, a Tasso & Ir-
mo.
liba de Fernando pela Parahyba 53 horas, sendo
do ultimo pono 18 horas, vapor nacional ma-
manguape, de 337 toneladas, commandanle Tra-
jaoo da Cosa Mello, equipagem 17.
EDITAES.
Peranle a cmara municipal desta cidade esta-
ro novamente em praca publica nos ds 21 e 28
do corrente mez, para serem arrematados cora o
abale da quinta parte pelo tempo de um anno, por
quem mais offerecer, os impostos seguinles :
Os alugueis da casa sita no pateo do Corpo Santo
na ridade do Recife onde se ada a Associaco Com-
mercial por 6459 ;
uizimo do capim de planta por 9603 ;
Coqaeiros de producco para negocio por.....
4723000;
Affericoes de pesos e medidas, seado o arreaa-
Uato obrigado aafferir os da m*rar ca.ira, seta
indemnisacio alguma por 6923:
300 ris por cabeca de gado vacenm per...
384*090;
Mscales e boceleiras por 27*200 ;
Casiohas da Ribei;a per 107*200 ;
100 ris por cabeca de gado raeoIbkJo ao corral
por 38*800:
Repeso do acongue por 8*i09;
Gado ove:liidii por 1*308.
Os prelendeotes p< dem comparefr nos menn -
nados dias cora seus liadon s habilitados Ba (orina
da lei.
Paco da cmara municipal mbio de 1863.
Joaquim Caralcante de Albuquerque,
PreMdeole.
Alarcoltno Das de Aran jo.
Secretario.
Faculdade de dlrciio.
De ordem do Exm Sr. director fajo publicar 53
fallas nao juslilicadas em >c!embro passado t cutn-
bro corrente,conforme foi julgado na ultima stt-~->
da congregaco.
Terceiro anno.
Segunda cadeira, Antonio Estevo le Oliveira, 1
sabbalina e 2 faltas.
Antonio Goncalves Ferreira, 1 sabbalina.
Franei^c do Reg KapiiHa, 1 nlem.
Franciecu Gi(ine> Prenle FiIIm, i idem.
Joo Adolpbo libeiio da Silva, 1 dem.
Pedro Born de Araujo Beltrao, 1 idem.
Jos Joaquim de Almeida Nobre, I idea.
Candido Alves Machado, 1 idem.
Joaquim Rogerio de Oliveira, I idem.
Jos Cardoso da Cimba, 1 Idem.
Augusto Alves Guimaraes, 1 dem.
Augusto Colho de Moraes, i idem.
Eduardo Auguro ua Silva, 1 dem.
Reinaldo Gomes de Oliveira, 1 dem.
Miguel dos Aojos llamo. 1 sabbalina, e f fa::
Octaviauo Xavier Couirim, i sabatina.
OuarI i anno.
Joaquim aria Carneiro Vilella, 6 'altas iaciust-
ve 2 salihalraas, na l1 cadeira.
Joo Carlos Borgea, 1 saaaaaa na 2* cadeira eto
setembro.
Mauoel Kernudes de Araiqo Jorge, i na I* e 3
na 21, as da 1* em oulubro, e as da 2* em *e-
terabro.
Amonio Manoel de Siqueira c-.valcaaie, i aa 1*
em setembro.
Amancio Googalves dos Saulos, 6 aciasuve i
sabbaimas ua 1" em oulubro.
Victoriuo Antonio do Sacramento, I sabkaiina
na 1" era setembro.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, 18 iaelwive J
sabbatinas em setembro e 8 incla.-ve i saUaiioa*
em outubro, na i' cadeira.
Tobas de Souza Lima, 4 inclusive 1 sabbalina
em outubro na 1.
Manoel do .Nasciinenio Teixeira, i ea setamro,
na I.
Jo- Pedreira Franca Jnior, I m lasive 2 sab-
batinas em selembro, na 2* cadeira, onde ctatitc-
va a tallar.
Antonio Ribero Pacheco d'Avila 1 em setembro,
na 1' cadeira.
Quinto anno.
Joo Alves Pereira de Lyra, 2 e om quarto oa 3-
em setembro.
Bolvar Teixeira Mendes, 1 sabbaliaa e 1 falla,
idem.
Thomaz Lourengo da Silva Piolo, 2, id#m.
Jos Thom da Silva, 4 inemsive I abartiaa.
Jos Joaquim de Oiiveira Fonseca, 2, dem.
Joaquim Jos Ferreira da Rocha Juator, 1 sab-
balina.
Ildefonso de Andrade Mello, 4 inclusive 1 sabba-
lina, idem.
Menelao dos Santos da Fonseca Los, 10 inclusi-
ve 3 salibatinas.
Miguel Gomes de Figueirdo, 4, idem.
Laurino de Moraes Pinheiro, 3, idem.
Luiz da Silva Gu.-mo, 8 inclusive 2 sabbaiinas,
idem.
Jos Joaquim Riboiro de Campos, 2, idem.
Antonio Raymundo Tavares Ueiforl, 1 sabbatina.
dem.
Joaquim Patriota Paes Brrelo, 2, idem.
Antonio Borges da Fonseca Jnior, 2, Hermes rlinio de Borba Cavalcaole, I, idem.
Joo da Cunha Pereira Beltrao, 3, idem.
Henrique Mamede Lias de Almeida, 2, iUm.
Jos Antonio Nuoes, 3, idem.
Manoel Francisco do Na.-cimento Sobreir,::.
dem.
Manoel Lcite Cesar Loureiro, 2 e doos qoartos.
idem.
Ernesto Odlon Maciel Martin*, % dem.
Tiburlino Barbosa Nogueira 2, idem.
Paulino Nogueira Borges da Fooseca, 8 inrln-i-
ve 3 sabbaliuas.
Jos Francisco de Araujo, 3, idem.
Joo Capistrano de Almeida, 5 ioclosive 2 sab-
batinas.
Antonio da Silva Aolunes, 7 inclusive 3 sabba-
tinas, idem.
Manoel Jos Monteiro. 2, idem.
Joao Joaquim Ramos Ferreira, 8 iDclosiTe 2 sab-
batinas, dem.
Benedicto Marques da Silva cana, 3 iBclusive 2
sabbaliuas, idem.
Miguel Augu-lo do Nascimento Feilosa, 2. dem.
Joaquim Pereira da Silva Guiraare?, 4. h',*m.
Jos Francisco de Barros Reg Jnior, 2, nlem.
Jos Vicente da Cosa Bastos, 3 ioclosive 1 .al-
balina, dem.
Manoel de Si e Souza Filho. 1, idem.
Francisco Theotonio de Car va I ho, i, idem.
Manoel Barata de Oliveira Mello, 2, idem.
Maximiano Jos de Inojosa Varejo, 3 inclusive 1
sabbalina, idem.
Luiz Caetano Muniz Brrelo, i, idem.
Ivo Magno Borges da Fonseca, 2 sabbatinas,
idem.
Joaquim Francisco de Arruda, 3 inciusiv I .-b-
Dalina.
Antonio Dias de Pinna Jnior, 4, idem.
Matliias da Veiga Ornellas, 2 sendo 1 de sabba-
lina, idem.
Joaquim Moreira da Silva, 3, idem.
Antonio Silveno Barbosa da Silva, 2. dfm.
Fredenco Marinlio de Araojo, 1 sabbalina. H'em.
Francisco Xavier de Mallos T. lies J- M.raes, 3
inclusive 1 sabnati>>a, dem.
Joao Baptisla Pinheiro r.ri- Real, 3, idem.
Por e?ia mesma occasiio se faz publico (|oeno
da 21 as 10 horas da manhSa se reunir a roogie-
gaco afim de julgar as lul.ilitacOes dos estudeles
que devem ter admillidos a exames.
Secretaria da Faculdade de Dreito do Recife, 17
de oulubro de 1863.
O secretario,
Jos Honorio Becerra m Mnezer.
BECUfeGES.
Santa Casa da Misericordia
do |{ecife
De conformidade cora as orden* da lllrr.* junta
administrativa da Sania Casa de Misericordia do
Recife faco publico a todos os devedores de toros
de terrenos e sitios pertencentes ao palrmoaio da
exmela misericordia de Olinda, que dentro o
praso de 3U dias, contados da data desle, deven
dirigirse ao respectivo c brador Luiz do Reg
Barros, regente do hospicio de alienad x em Mia-
da, e a elle pagarem os seus dafxtos, soto p-na de
serem demandados.
Secretaria d^ Santa (3asa da Misericordia do Ri-
el fe 13 de outubro de 1865.
O escrivao,
F. A. Cavalcaoli Cousseiro.
Santa Casa de Misericordia do
Recife.
De ordem da lllin* junta administrativa da Sania
Casa de Misericordia do Recife >cmi tico ao* p-
renles ou interessados dos orphos, abaixo aeela-
lados, que no praso de 15 das, conu.dos da Jta
de^le, devem ir retira-los do respechvo eoilepic
sob pena de rindo dito praso serem elles, de eoa-
forraidade com as ordens do Exo. Sr. areta>aif
da provincia, remettidos para o arreavt de guerra,
Manoel Argemiro do Nascimento.
Albino Jos Gomes de Alencastro.
Luiz de Franca Tavares de Mello,
Carlos Godofredo Luchuw.
Secretaria da Santa Casa de Mlniii aun aa Be-
cife 13 de oulubro de 1866.
O eserivaa,
F. A. Cavakanti CouMtiro.
Tribunal docommercio
Pela secretarla do tribunal do cummercio 4a
Pernambucj se faz publico que nesla dala foi in*-
cripto no livro da matricula dos commerciaaoin a
Sr. Antonio Moreira Vinha, cidado porta*;vea, de
44 annos de idade, estabelecido na cidade d<> IrO,
provincia do Ceara, com casa de commeroiof 4a


Mario de jpernambneo -- fienla* e diversos gneros, por
alheia, eni grosso e a relalho.
Secretaria do tribuual do commercio de Peroam-
baeo 17 de ouiubro de 1865.
O offlcial-hiaior,
___________^_________Julio puimaraes
coQla propria e JorKe Duval.................. Pedro Joaqun?.
Gasto Ricos................. Guimaraes.
aula (lasa (la ilisei'icertlia
(ln itecife.
De ordem dalllm' urna administrativa da Santa
Cas de Misericordia do Recita i'hqo publico que
ia 10 horas da waaha.i as O d t lardo do dia 19
corree, s-ra franca a entrada a todas a* pes-
sou ni quizen-m v. liar o ho-pital Pedio H.
Secretaria d.i SauiaCisa do Misericordia do lie
rife 17 de outubro de 18(55.
O esciivo
_______F. A. Cavalcami Cousseiro.
Conselho de compras navacs.
O consela promove em 20 do crranle mes, sob
as condicoes do estilo, a compra dos objectos abai-
xo declarados, e'convida aos que queiram vnde-
los a apresentarem .-;n- propostas nesse dia at
a's 1( horas da uuuhaa em caitas fechadas :
Objectos.
8 leneos de ferro de 1|4 de grossura lOduzias
de lapes -10 arrobas de mialhar branco3 arro-
bas de prego* ripares de cobre2 grusas de para-
fu-os de metal i arrobas de presos ripares ilo
ferro C dadas de laboas de co.-tadiolio de aroa-
relli 3 duzias de t.iboas de assoalbo de amarello
de 3 palmos de largara 40 duzias de laboas de
louro para forro 20 duzias de ladeas de assoalbo
de amarelloHi duzias de limas chatas de 16 a -JO
poilci ida> 10 dunas de limas meia cana de Ib" a
20 Dllegadas 2 arrobas de tachas de cobre 4
arrullas de agua-raz 24 garrafas de tinta de es-
crerer12 duzias de tabeas de piobo de 3pollega-
I is18 baadeiras u a inaes de o pannos10 ban-
deras nac inaes de i pannos 10 bandeiral na-
onaea de 3 pannos lObandeiras de gaupe de 2
pinnas SOeaenams de qualidadeferro bruto
para ton ticio e madeiras de constroc$i j para
um traasporte de guerra.
Sala do conseibo de compras amas, 10 de ou-
tubru de 186o.
O secretario,
___^_ Alexindre Rodrigues dos Alijos.
desta
Saint Gandens................ Pite.
Conde de Geray.............. Porto.
rville..................... Lisboa.
JStavo..:.................. teineira.
O dootor..................... Borges.
Arthur....................... Peixoto.
Um carteiro.................. Santa Rosa.
Convidados, etc.. etc.
A scena passa-se na pciualidadc.
Gomecar as 8 horas.
gg"l,g*J-J- ."I______.....
fISOS MiBITIMOS.
PARA O
Rio de Janeiro
pretende seguir com multa brevidade o palhabute
nacional Piedade, tem parle do seu carregamenlo
engajado : para o resto qne llie falla e escravos a
frele, para os quaes tem exeellentes coininodos,
tratase com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
da Cruz D. 1.
Aracaly
O hiale Graciosa vai sahir cora muita brevi-
dade, recebe carga a frele a tratar no trapiche do
algodo com o rneslre.
Para a llalli a
segu rom toda a brevidade o patacho nacional
O. Luis ; para o resto da carga que Ihe falta tra-
ta-se com o seu consignatario Jos Hara Palmeira
no largo do Corpo Santo n. i.
Duas ditas no meio da ra de Deteiicao, rende
caifa n*m* por auno i91$.
Cma dita de n. profiri, rende por anuo 300.
Duas ditas de o. 39 e 41 sitas a ra das Criou-
las na Capunga, chao propno, rende por apoo
Bojeoo.
tarta-se
^Aluga-se o sitio dnnotainadoTacaruaa''com casa
elructeiras: i tratar nalilw dos Batos) roa da
COLUTORIO MEfflflO-CIRjRGIM
Pela secretaria da' tmara municipal
eidade sao convidado* oh senhores arrematantes
do- alaguis das ca>as da praca da Indepeudeucia,
da ras da Florentina, Imperial e Soledade, e das
ribeirasdas freguezias de S.Jos e Boa-Vista, do
patrimonio nvinicipal, a eo nparecer na mes na se-
cretaria acorapanhalos log) de seus liidores, alim
de qae uas eoairo- .i--igu)in os termos de con-
trata.
Secretaria da ciraira municipal po Uecife 17 de
outuro de 1865. O secretario,
Francisco Canuio da Boaviagem.
~~ QiffaiiiQ) sirm '
Rtltr) das carias segaras eslentes na admi-
nistrar) do eorreio desta eidade, viudas do
f trrjilo piu jicraroes nos Clnipes do sul para
os salhares abaho declarados :
Alexaadrina Mana di Jesu.
Arcnangela Angelina da Luz Rrasileira.
Asna Joaquina de Poutes Uannho.
Aona Mana da Conceiijo.
Adriano RoZ'Udo Santiago.
Aagosto de Sa Albuqaerque.
Aogusto Jos Mauricio Wauderiey.
Antonia Potiearpo Rodrigues de Salles (2).
Antonio Pricirio dos Santos.
Antonio Fausto de Abreu.
(: : .i liu i liWria dj Si r rneaij.
,Cao ida Petruuilla Rosa de Sonta.
Candida Jos da Puuseca.
Caalidiaao Francisco de Oliveira.
i.ijiio de Manos Simo'-.
E igenio Francisco das Cbagas.
Eiininno E(iie>lo de Mello Firmino.
Hariioiano da Silva Carneiro (3J.
Y ippe de Sa' Albuquerqoe.
Flix Marques Bacalho.
Fl irencio Jos Barhosa.
FraucisCo Autanio Marlins.
Francisco Xavier Uavalcanti de Albujuerque.
Fiaocisco ijoucalves de Oliveira.
Frau'iio UjrotiiHU Rodrigues.
(j.ii lino Pinto alariios (i).
ti.ii iiio Soares l'nneotel (2).
Cuj I Curiado de Melldon^a.
Hdfiuiao Piulieiro de Mendouca Mallos.
Dr. Jalio Cesar Gomes de Cuatro.
Juvoaeao.
Joi |uim Ignacio da Ponseea.
J a Uanoel Mendos da Silva.
i n alendes Guimaraes.
Joa i Baptiza Ferreira.
J la i Paes liarrelo de Mello.
Jo.i Nicolao da Costa.
J Francisco Hamos.
Jos Paniphilo Civalcaoti.
(o-''- Pedro Celestino de Mendonca.
1 C letano de Uedeiros.
I Firmioo llibeiro (3).
i :ioG. do Nascimento Feitosa.
1). Hara Senhorinha da Silva Leite.
Mana dos Anjos Lima.
Mana Senhorinha da Silva Leite.
Mana Joaquina de Jess.
l> Mara 7.-ferina Pontes Lima.
li Uaria Hagdaleoa de Oliveira Mello.
Mao i-I Feliciano.
Maa le Joa pum Paes Rarreto.
Mar dio da Costa.
Manoel Pereira da Silva.
II. .-i Baptisla Bruno.
riieotouio Tiimrcio da Costa.
\'> i n M irques dos Santos.
Vicente Ca od i no Alves.
C'OITCIO.
RelarSi) das carias safaras viadas do sul pelo
rapar iaglex -iim-ida- e das existentes na ad-
mioistraela dacarreio desla eidade para os se-
nkeres abaixo declarados:
Antonio Autero Alves Mooteiro.
Antonio de Castro Alves.
Antonio Luiz dos Santos.
!i anilina Metra Lins.
Ilr 'elippe Lopes Xelto.
Fru io Hurto > Corroa de Mello.
Dr. Jo.o Mauricio Cavalcauti da Rocha.
ji i de Freitas Barbosa.
i ura da Costa *oar -.
I la Silva Loyo i\ C
SVeille.
l>.-. Luiz Go o Pereira.
Luiz de Paula Lop is.
Lmz Fernandes de Mosquita. .
Dr. Maximtaoo Lopes Machado.
Mano-i Antonio Santiago Lesna.
Man i*l Tooraaz do Nascimento.
I de Queiroz Monteiro.
i Bm>liano Meira de Vasconcollos.
Simo s Lopes.
COM?AMIA BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos porlos do norte
al u da 20 do crrente o vapor
Oyapor.lc, o qual depois da demo-
ra do cojlume seguir' para os
porlos do sul.
_ Desde ja rocebera-se passaf;eiros e engaja-se a
carga que o vapor poder couduzir, a qual dever
ser embarcada uo dia de sua chegada ; encom-
mendas e dinheiro a frele al o da da sahida. as
i horas agencia, ra da Cruz n. I, escriptorio de
Antonio Luiz de Olivera Azevedo & G.
LEILAO
De una pane do sii na frti (lu ;ina-io .Saiiij) io
Quinla-l'tjra i!) do crtente.
No armazem d\ ra da t niela
u 3*.
LYMPIO
ipdade o. 1.
Precisase de urna ana forra onescrava para
coziuhar, e fa;;er lodo o paais servido inierno de
! orna rasa : a tratar oa na Direila n. 91.
ltio Grande do Sul.
Segu rom brevidade a barca
nu, receb i algoma c.rga a frete
do Trapiche n. 4.
nacional frica-
tratase na ra
i tara
Dous Irmaos : a tratar com Tasso
O hiate
Irmaos.
"COMPANH
PERNAMBUG A.NA
DE
ftavegaiNio cosleira por vapup.
Macei e escalas, Peoedue Ara aj.
O vapor MaMauqitape, segu
s. no dia SO do correte as 5 horas
da tarde. Recebe carca hoja (18)
e amaoha ; eucumuieuda?, pas-
sageiros e dinn>'iro a (rete at o
da da sabida as 2 horas: escriptorio no Forte do
Mallos n. 1.
Linha regular do Brasil
Esperase o lu igne francez Tros
freres, que sabio do Havre no dia 6
de seleuiiiro ao frele de "!'> f. e 10
0(0- Recebe carga para o Havre
a frets baratos : a tratar com os
consignatarios Tissetreres.
- Masurier le Jeune & Fils leado sido preveni-
dos pir varios carregadores que haviam receios
de cas o e licarem sos encarreeados desie servico,
como anligaiceule comprjm>tlein-se por contrato
a nao lomar mais do que '' f. e 10 0|<> d'aquelles
que se comprometieren! de su i parte a carregar
toeas as suas merca lorias nos seus navios. O dito
conlrato acha-i-e depositado em casa de Tissel fre-
res que. o apresentaria ao- ioteressados i|ue pode-
ro tomar conhecimento delle e assigna-lo se as
condiccoes forem de sua conveniencia.
Para o Maranliao,
O palhabote Garibaldi mesire Custoiio Jos
Viaiina : a Iratar com Tasso Irmaos.
acba-se aulhorisadi a vender em leiiac publico
urna parle do sitio do linaJo S*m aio o qual ex-
trema com os sitios dos Srs. Dr. Perreir e Paulo
Jos Gomes, avhala dita parle em ':8i'3 8 todo
o sitio em 13:000,8, tendo sxcellente cusa de vi-
venda c un 2 salas, 10 quarlo-, Bosiuia fora, sotao
envidraba Jo, cocheira, esinnina. casa de banlio
etc., o o sitio boa baixa da capim, grande jardim,
um grande parreiral, multas fructeiras, leudo a
frente para a margara do rio (chaos proprios) os
protegientes podem examinar o referilo sitio vis-
o ai har-se alugado.___
Da galera ingle Muucau unba' com
sen ca: ri'g'init'ttlo (le la-eud s e ge-:
oeos
Quinla-feira 19 de oulubroao meio dia em:
frei.tc da As J. B. Swan-un.cipililo da galera injjleza Uiincnn
unbar, far leila em presenta do cnsul de S.
M. Uritaiinica, por iuterven;ao Jo agente Pinto, e
por oonta e rlseo de quem pertencer, do casco (lo-;
tacao 1374 touellaJas), mastros, velas, carrega-
menlo o mais perteuees da referida galera, ta
qual se a-hi as rocas parto da lina de Fernendo
onde naufrayou na sua vjagem de Londres para
Australia.
Oleilao ser. elfeclualo a3 meio dii do da 19
do correte oa praca do commercio, poJeodo os
pretenies examinaren) desde ja' a natureza e qua-
idade da carga ueio manifest existente no escrip-
torio dos Srs. VVilson 4 H -ti, onsigoitartoa da
dita galera.
LELAO "V
De mobitias de amarello, guan \ rou-
lias, guarda loucas e eulro.". arligos
Cordelro iaues
por conta e risco de quem pertoacer fara' leilao
mot'iiias de amueili) eoin.doi s. gaart roupa,
No boceo doXobaw n. 3 ouir'ora ra
^ dos Copiares, se precisa de urna ama
I 'f& secea.
i Precisa-sa de urna ama para coziuhar e en-!
gommar ; na ra do Imperador n. 2z, priraeiro ;
andar.
Club pernambucauo.
A panida do mal de puiubro lera' lugar na noi-
te do dia 23. [
Aelia-se ju>la e cJnlratada a armago da luja j
de calcado da ra do Lfvrainento n. 2!), se alguem
sa julgar com dimito a lella compareca no prazo de
tres dias, na ra Direim n. 30, loja. Faz-se o pr-
senle para que ningueti se chame a Ignorancia.
Precisa-so de umi ama de meia idade para
cozinaar em nina casa de hornern solleiro : a ira-
lar na ra de Santo Amaro n. 8.
Aluna se o 2o andar do sobrado da rus do
Hospicio n. 2i, pmpiio para familia : a tratar no
mesmo.
DR. PEDRO DEATTAHYM LOBO OSCO*
Milico, l>AltTI-:iAO K 01*2H VBeiu
3 Rm\ da Gloria, casa do Fuudo 3
0 Dr. Lobo Moseoso d consultas graitiitas aos pobres ludo o-.i i.is
ooras da manlin, odas e meia s 8 horas da u.iiie, excepto doa das
?' ha i "m acia especia! tu neo ta U*
No raesiuo consultorio lia senipre o mais appropriado sorlimunto d.
mbos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisarcs e pelos pr>-.->s
das 7 s I!
aaiititira/l s.
arteiras de l tubos grandes. .
de i tubos grandes. .
de U tubos grandes. .
de 48 tudos grandes. .
de 60 tubos graj les .
Prepra-se qualquer carteira-cooforme u pedido <|ue
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onpi 5000.
earb'i ns
se:iiin: $.
150(MI
:8;>(M K)
Ji*U00
-:0500o
setizer, e cora os renii m

GASA D FORT
Aos 6 OOO^O.
U i.:
fiSHhecs
benelit'io das
Dr. Jabr
II
'.-(CIO
3
voluntarios da patria.
A' RA DO CKESI'O .N
* K CASAS 00 COSTLrMfc
0 abaizoassignado rendeu nos seus milito feb-
les bilbetes garantid
I de eslrahir, benefle
que se acaboo
Gasa de Mise- i
isda lotera
io da Santa
riciiMia, os seguiutes premios :
Oous quartos n. l'ii i com a surte de (kOOOS-
Dousqoarlos n, 72 l-.om a sorle de l:iJ0.
Ura meio n. 17% c|m a sirte de OO^OOO.
E outras multas' sdrtes de 1003, 105, 505 e fnnccionando a casa ha mai ,'
guarda lonca. marqueza*. eadeiras, I mea, furos,
e oolro' muitos arligos de gOto.
Quinta letra 19 do correte as II horas
No armazem a roa da Cruz n. 37.
LEILAO
103000.
Ospossuidores poiieiu virreceher seus respec-
tivo; premios sem os descoolos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acliaiu-se a venda os da 3* parte da lotera
(33*) a beneficio das familias dos voluntarios da
patria, qae se exlraiiira a IS do correte.
PREGO.
. 65000
. 3,5000
. 15200
lie eoiiiprarem de 100(3000
p ira cima.
. S5300
. 25730
. 15100
ANOEL ManTINS FlUZA.
Sendo para cima de 12 cuslaro us pre$Osi eslabelecidos para as carteir..
Ha tubos mais pequeos cada um a 50O ris.
A mellior odrada homeopathia, o AIiiraai d-^ Medicina llomt-opaibiro .i..
doos grandes volomes com diccionario............
Medicina domestica do Dr. [iering......... .
Repertorio do Dr. VIel Montos........'.'.'.'.
Diccionario de termos de medicina.........
Os remedios deste esttbeleoimoiilo sao por domis condecidos e dispenjsam r
nto de seroin nwamente recoramendados as pesseas que jiii/en-m usar de med s
duradores: lia ludo d. pude desejar, nU>\>
'erdadeiro assucar de leite, notoveie ieia sua boa consrr\?(;5i>, linlora d a mais acreili-
tados estabelecimentos europeos, a mais e.\acta eacnraoa preparaSo, e fra Ua i
energa i< certeza em seus effeitos.
Casu de naude vara eseraros
Recebe-seescravi.s para tratar de qualquer enfermidade ou hwraiBw qua
operado, p:ra o que o annunciante julga-se stdBcientemente babMado.
memo .i meihor possivel, tanto na parte alim. .,:.r, como na medica, e
e'quatro annns, ba muas pe.-s s de cuju o neeil
garaatidos.
familias dos briosos verdadeiros, enrgicos e '
qae podera ser consultados por acuelles q.-d desejarem
Bar ur seca
Para
llhetes
Molos. .
Quintos.
a> pessoas
Btlhetes.
aleios. .
Quintos.
Aracaty.
Segu no dia 21 do raez crrente com a carga
que liver a bordo n hiate SoDrat>n : nara o res-
to e passagelros trata-se com Caetano Cyariaco da
Costa Uereira Irmaos, no largo do Corpo Sanio
n. 23.
Da casa terrea com sotao na ra do XascBnte n.
3i, freguezia de S. Jos, edificada em chaos pro-
prios e com quintal.
Urna dila na ra da Gloria n. 81, com quintal e
uini.iin em chaospruprios.
Quinta-feira 19<)e oulubio.
Por intervencao do agente Piulo e em seu es-
criptorio ra da Cruz n. 38. As II hora? em
ponto.
Pogo da casa
' nho de nomo Manuel.
pode duvdar,
doentes.
Paga-se | por dia durante GO dias e d'ahi em diante 15300.
Asoperacoes ser) previamente ajustadas, se nao se qutaerea suj-lar a- presos
razoaveis que costuma pedirr o ann.unc ante.
calcas de bi im pard
nscado azul tambera
ve o a iua d) Qu<:im|J *
pensado.
A negocio que
no pateo do Paraizo
val de Menevs Kraaji.
lo abaixo assiguado o mulati-
de idade 12 anuos, levando
i ja desboladas, e camisa de
esbotada : quem o pegar le-
u. 20, que sori recom
VIGNES.
RA OO INPBII \I)5"l
1
n> ignora, deseja-se fallar
n. 16, com o esiudanle ur-
Os pianos desta amiga fabrica sao iioje as- conhecidos para que neja iMeesMnoiar- -m .
ma snperioridada, vanlugens e garant is que ulf-recem ao- compradores, o.i ilhtodes i*l -
veis que elles tem deHnltivainenle conquistado sobre tolos os que i.....i>pareedo nesb
?oindo um teclado e machmismn qae obodecem tolas as vonlad-s raprtebes da* pi
aunca falhar, pnr serem fabricad de proposito, e ler-so feiio uliimam-mt.- m*Hwwn( -
;
LEILAtl
Do escravo crioulo de nome Ignacio, pertencen-
te ao casal de D. Nyinpha de Mello A. Fonseca
viuva do Dr. Ignacio X. da Fanseea, a requeri-, deliberativo, cou*-ido, a lodos
ment da m -ma e por despacho do IIIra. Sr. Dr.
julz de orphans.
Quinla-feira l'J de oulubro.
Por inlervenc'i do agent- Pinto e em seu escrip-
torio ra da Cruz n. 38, as 11 horas em ponto.
poaTfiiz m Lb.iiut EMPa-
r\)kl*BUC0.'
e ordem do lllm. Sr. presidente do conselho
oe senhores conse-
tissimos para o clima deste paiz ; nanlo s vozes, sao melodiosas e flaul i
veis aos oovldos dos apreciadore>.
Fazem- orrespnndenle de J. Vignw, em cuja riplial fnram sempre p -miad em < tfais a
No mesmo estabelecimento s ach ir i m um espen lidoe
melbores amores da Europa, assim e^mo harmnicos e pianos narmonr
pregos com:uudose razoaveis.
par i--1 r.
ndel, :
e\pO-r;
.-
!-
m
Hipo: 1-
a2 11-
"i -til d-'
, sen lo tu :
i,S':ii^4^
De um sitio no Rosarinho em chaos proprios com
470 palmos de frente e 1,200 de fund, muilas
frui'leiras com ca>a de vi ven la. com 2 salas, 2
quartos e cosinha fora. sendo a casa de laipa, a iratar na laja.
cujo silio pertence a vio va do tinado Manuel
Alexandriuo Oe Mello e Albuquerque, en lo
vendido pelo maior preo obtido.
Quin'a-feira i9 do corrente as i I horas.
\0 (ltaXni AltM-\ZKM DO ACRN'TE
Iheiros para se reuqirem em sessilo ordinaria na
sala das respectivas sessoes, sexiafeia 20 do cr-
reme, pelas 6 horas da tarde.
Secretaria do conpelho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambuco 17 de ou-
tubr i de l8o.
Domingos Jo de Amorini
Io secretario.
andar do sobra lo da rna di Senzali Velha n. 48 :
Alusja-se o si-uuJo andar .'o sobrado n. 1
da ra do liu auiainenlo e a casa terrea n. 3 da
ra do Hospicio : a tratar na ra do Encantamen-
to n. li.
^Bt irrtSJeiy- -..-- .~tr u^awrji../,.. -.:. &na cata.
s

SS.
Leilao
De objectos martimos.
IIOJE.
O agente Pestaa fara' leilao por conla e ri-co
de quem pertencer de diversos ubjeclos para na-
, vios com sejam : vergas, mastaros e paos de cu-
t tello, cadernaes grandes e pequeo?, bronzes, 1
, farol em bom estado, 1 guincho, porgao de sapa-
| tiohos grandes e pequeos e outros mnitos onfac-
ios que se arharo patentes : qnarta-feira 18 do
crreme pelas 11 horas da manhaa (la ra do Vi-
gario n. 1.__________________
LEILAO
De mobilias, trastes avulco*, objectos de ouro e
praia, saoctuarios de Jacaranda', relogios de ou-
ro e prata, I realejo com 40 pecas e outros inul-
tos arligos.
Quinla-feira 19 do corrente.
Quaila-leia 18 do corrente as H
horas.
NO GRANDE AR-VUZEM DE LEiLOES
DO AGENTE
OLYMPIO
3(5ma daCadcla io ilccife-36
OLYMPIO
36 Roa da Cadela do lleelfe36
LEILi)
Urna casa terrea sita na travessa do Caldei-
reiro n. I, em chaos proprios, com 1
sala, 1 quario e cosinUa, reale 8.? man- .Para,z0 -b.: 1uem a pretender dinja-se
saes-
Precisa-se de urna ama que saiba cosiuhar
e engomraar para nasa de pouca familia : na ra
do Crespo n. 18, primeiro andar.
Voluntaria da patria.
_Adiase venda na pluiographia ani.-tica, ra
Nova esquina da Gamboa do (Marino, o retrato era
carios visita da voluntaria da patria D. Ama-
lia do Kego Barreio, em poulo grande.
- Aluga-se urna cocheira no largo do
ao ni:sino sobrado.
Quinla-feira 1!) do earreatfl as II horas.
NO GRANDE ARMAZEM DO AGENTE
OliYiti PI
36nada Cadela do Reclle-36
Atteuoao
Vendem-se superiores linguas em calda, do Rio
Grande, em barris e a retalho, por presos muito
comino Jos: n. ra do Rangel n. 24, luja de louca.
LEILAO

DE
0 leilao anuunciado par lio]e da loja de laria-
rugU'.irofoi transferido pjr un.leJimenlo do lei-
loeiro.
Leilao de instrumentos
Hjje serao vendidos em leila-) iu ormaz^m do
agenie Oiymp" ua ra da Cadeia os instrumentes
seguintes :
1 pancadaria nova.
1 clarinelo.
l par de trombones.
1 dito de s.ixhorns.
Previne-.se que os instrumentos de raetU achara-
se iodos liropos e azeilados.
EMPREZA--JOIMBRA
irezan > lem a satisfaQSo de annunciar ao
respeitavel publico que eontratoo al o (m da em-
preza desieanno, os excelleolos artistas D. Ade-
Itl : (i i Amara! e si-u marido Pedro Joaquim do
Aniiiii do reconbecido mrito no Itio de Janeiro
e H ibia. Paran a sua a.-lra no magnilico drama
o -xaudr.- Rumas FilhoA dama das camelias.
O emprezario ornolha-se sempre quando pude
presentar acqiiisicoes desta crdem ao illusirado
pul.u o desta capital, sempre apreciador dos bous
ar: si'S.
Oaita-feira l) de outubro
11
___Taso -gromsos.
Instituto Flial A\ s Ailvogado> Brai-
leiros.
Para conhecimento dos memhros do Instituto,
faz-se publico o programma remedido a' commis-
so de jurisprudencia, que deve servir de thema a'
prxima discusoo:
PIlOGUAMMA.
Feito o inventario por m irte de um dos
ronjoges, fica estabeleclda a pendencia do juizo
t para o segundo inv-m'ario, seja quiiforaeon-
t dicao dos herdeiro?, e sem attengo ao juizo
t privativo ou especial que for designado por lei
t para fazer este -egundo inventario?
i Xo caso alBrinativo, r-lativa esta pendencia
t assim ao escrivaocrimo ao jnil, e da-se, sejaqual
t fr o juizo, em que se tenha feito o primeiro ih-
t ventano, ou a razo qu> determinou esta com-
1 potencia f
Sala do Instituto, 16 de outubro de 1865.
O secretario-adjunto,
F. L. de Gusintla Lobo.
LOTERA
AOS 6:0004000,1:200000
e 5000000.
Novo t rxcelliMile p'atto apirov.ido.
BILHETES V 5:5000, MEIOS A' 23500 E
QUINTOS A' 1300D.
Corre qnlnta-felra 26.
Acham-se venda na respectiva tliesou-
raria ra do Crespo n. 15, os hilhetes,
- Ama na leite.
Precisa-se de nma ama que tentia
lene para acabar de criar um meuiuo
ru;> de Dommuos Pires n. 'i.
muito bom
a lalar na
1
m
LEILAO
Up um Cabriole! (le i roIas e ce bom rneiose quintos da 4a parte da lotera (36a)
estado (um lo los os uerteuces c t ca- 3 btneficio das familias dos voluntarios da
volt a n-ii-i .lit.i patria, cuja extraeco sera no lugar chora
do costume-
Os premios de 6:0005000 at 10;5000
de 1805.
Istrri das ai lisias I). Malaid d'i Amaral e Pe-
lln Joaquim li Aiuaral.
Iiii'-sonii-i -se-ha o miKui'ico drama em o
d crande especlacule, por Alexaudre Du-
mas -Pilho
BAMA BAS CAMELIAS
PEBS0NASBM8.
Margarida Gauthier (Dama das
Camelias.................. D. Adelaide.
Pm leocia Duvernay.......... D. loanna.
Ue .................... D. Camilla.
Olynpia..................... D. Leopoidina.
Xanine ..................... 1). Jesuina.
bramando Duval............. Amoedo.
*im5es
pertencer fira leilao
meneionado, isio
Corlelro
por conla e riso de quem
do cabriola e cavado cima
Quinta-fein I!) do correte as 11 horas
Xo armazem a ra da Cru n. 57.
LEILAO
Quiii t-feira 19 de mluliro as 1 \ horas
ma da Cadeia arnazem t. 53.
Pelo agente Enzebio.
De um sobrado de n. 'i7 sito a rni di Rol fre-
gnetia de Santo Amonio, rende por anuo 864-5,
chao proprio.
dem ile n. 27 sito A ra da Hoeda Iregoeaia de
S. Kre Pedro Gonc cOaoproprio,as chaves dest-i predi) e no armazem n- 9.
De urna casa terrea de n. :12, sita a' ra da
Praia d> Cald-ireiro leo sita de :t janeHas,
feila a moderna, ren le por aun o 10H5.
Id-in una de n. 34 sita a mesma ra e junto da
de n. .'(2, de e-quina, tambera com sotan o vnel-
la, est reparada a penco, sao do lado da sombra,
rende por annb 43, estas quatro miioiiaeate fo-
reiras a marinha.
sero (lagos una liora ilepois da extraci;o
at as i horas da tarde, e os oulros depois
da dislrihuioo das listas.
As encommendas serao guardadas somen-
te ;ite a noile da vespera da extracSO.
O ihesoureiro,
Antonio Jos Uo Irigues de Sou'.a.
ls
Rio.
ac Einaty, subdito francez, vai para o
A luga se um uiuldiiubo de 14 anuos proprio
para criado : na ra da Imperairiz u. .
tencfio.
Quem qulzer prestar-se ao servico do contigenle
da guarda nacional desuada ao sul do imperio,
em Mul.-iituifao a um guarda nacional e mediante
boa jraiilicar;o, pdu dirigirse a' casa u. ll da
ra Direila, qoe achara com quem tratar.
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
I e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de ollios ;
de peito :
3o dos igaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comegando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Platicar toda e qualquer opera-
i;o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Ama
Precisa-se de urna ama seeca para cuidar de um
menino e faier mais algum servico que seja preci-
so : na ra do Queimado n. 31), loja de fazen-
das.
<> hachares %&
ri'.nicisco Aiijosto da Costa
ADVnGADO
Hua do Imjierador numero t>9.
c
Companhi
geral hespanhola de
sobre a vida
I
j
seguros
mi:
ma
AUTORISADA PELO REaL DEi.llET DE 21 DE DLZEMB1U- l>t
fianza em dinlieiro, 4epsitad nos cofres do estado, arable
minislifao da "ompanhia.
DIRECCAO GERAL
it;
a ln
BANQUE1R0S DA COMPAXHlA
O Jaasco de espartha
TadrM : Kua do l*ra
Estacompanhia liga pelo sysiema mutuo todas as combinarles de MnnrriMcia -
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripgo de maneira que em aS&BSfii ca;o nr*n.o | i (i
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondenles a estes.
Slo to snprehndenles os resultados qne produiem as sociedades da indoie de .\ ?
DAL,que anda mesmo dimlnnindo urna terca parle do interesse prodnzHb em rtent.
cues ecorabinando-ocom a mortalidide da tabella de Depareienx que e adoptada pe-. .pa
para sensclculos e liquidarnos, em segurados de idade de 3 al'J annos, orna \mot
de lOOj produz em elleclivo metlico:
No fira de o annos.......1:1195300
de 10 .......3:942*600
de la >.......11:2085200
de 20 .......30:256,500
de 2o........80:3315000
Xas idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais c m-id rsveis
Prospectis e mais informaedes serao prestadas pelo sub-dreclor m-sia pr'Vinria
Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.li.e-- >
ment dos Srs. Raymuudo.Carlos.Leile & Irmao.
Ana.
Na ra de S. Francisco, ou Mundo-Novo n. 34,
para coziuhar e comprar, que seja fiel e sem
Massa fallida.
VICIOS
Na uoule do dia lo
de urna sala, que (ca nos fundos do sobrado de
um andar, da ra do Seve; freguesia da Uoa Visla,
no qual mora o abaixo asignado, o< seguinles
objectos: I relogio de ouro abnele, pa'en'.e m-
glez, mostrador do louca escura, com cadeia e
chave de ouro e rom oulr-i mais lina tambem de
ouru com chave de dar corda ; I par de castieaes
de prata, lavradps com angelical: 1 escrivaoioha
de praia em forma de concha, prato e espiviadei-
ra de prata ; 1 crrenle do mesmo metal etira di-
versas chaves miudas; 4 oncas de ouro; 294}em
praia, que se achawm u'um sacco de damasco de
laa cor branca e verde : snspeita se que o I idilio
entrara por nma da< jaiHIas, qne delta para o
quintal do referido sobrado, abaixo das quaes fica
o telhado, que serve de robera a cosinha, que no
pavimento lerreo: pede se pcis as autoridades
policiaes para qne empn-gueni os molos neces-a-
nos para descobrirem 'o ladro; bein assim aos
senhores ourives; e mais pessoas a quem lorein
olTerecidos os objectos roobados, para aprehender
como roubados: offerecc-so a gralidea^o de 2005,
a qualquer que desrubra o autor do rou no. Reclfe,
16 de outubro de 186o.
Joao Fernando du Cruz.
Alves, llomburger A; C., administrad
mas-a fallida de Gomarles Irma..-, patam -
I credores da massa, qne Hiea ayre." nm "a
nte, loi rijado '"s- "" 9nso d'" s lin,1"s T""- Pr '' "" ~"J
Itecif.-. 16 d- nntubro d-- 1 --.
ao dvldend
0 Sr. Francelino Carneiro de La na.
qneira apparecer na ma ioGroopn
primeiro andar, a um negocio de n
resse.
Protesto.
0 cabelleireuo.
Cellos Dubois mudou o sen rsl >l
monto da praca Ja Boa-Vista para
Prado n IS di rna da Imp-ralri/.
mmmmmuKmwM
Alngae urna sala e quarl i, pro;.r pa
criploriu ou pesaoa s>lteira, roja sala k
para a travessa do Pene Knto. no ntrade a. .
esquina d' ra do Queimado: a iraiar na sala li
frente do Io andar do dito sobrado.
Precisa-se de orna ama para rasa de honv m
sol le ro, que saib.i cozmhar e en^ommar : oa raa
da Praia n. 37. _____
fferocp-se um moco para MtsaMvn: na rna
do Forie n. 30.
5
\ !
Antonio Sergio da Cruz Muuiz, Joao Jos da Cruz
Muuiz e Miguel ArchaDJo Muniz proie.-i.on cootra
loda e qualquer altenacSo, qur parllcnlar, qur
em leilao, de b-T.. nhores Manoel de Mosquita (lardoso e sua senhora,
sitos nesta eidade, porgue lodos elles eslao sujeitos ,
ao onns de um arresto judicial, pelo car tur lo do
escrivao Cunba, procedido a requerimenn dos
protesianies e oulros, o qual se acha em sen pleno
vigor para os mesmos protestantes que nao assig-
naram e nem entervieram no acto da desistencia,
do mesmo arresto, feita por algons dos colitigan-
tes ; e nem lao puuco desistirn) da aceto priuci-!
pal queamb-m moviin contra Osprotestos 6
que quanlo ao arresto, esl elle pendente de urna
appenaCao inierposta para o tribunal da relaeao; e
quanlo a aecao principal est ella em sen vigor; c |
TtHlitlo.
Antonio da Silva It un >s, pede por e-[i^eial t -
or ao dono de urna Irave i)ue e-ta na ra do N >
gueira em frente a p >rta d. -cada !- i -
do, mandar lirar dita trave | emana
na ma a entrada para o sonrao.
Igual pedido ao euurar;ilo qu t"ve Mteaa
za de por tambem no meto te rao e m I
portii una aucora de ferro, Ulvez pttrsu.i IMi
aquella ra tambera ancoradooro, p<>r h.a> i->
aqui.
Claudio Dubeux, antoraao p AaMaM l>
melrio da Silva I.iraiqa, re-idrnl te pr vim
Pai, vende a ca-a n. (17 -lia na ru.i d I" : .
Fora de Corlas, propriedaile do me-mo !
para Iratar na rna d Imi-rador n. t' m
do mesmo Clan Ha Dnh-'iiv

i
m&
iUBRE L4T\0 E
CHUMBO
Comprase cobre, latao o chumbo : no armazem
da bola amarella, no oito da secretaria da polica
FOGO DO Ali.
No armazem da bola amarella, no oitao da se-
n. 2 do becco das Bolas, fas ver ao respeitavel pu-1 crelaria da polica, recehea-se encommeudas de
buco uue niio uiaadou publicar tucuncio algum. | ogo do ar para dentro ? (ira da provincia^
Declara-se pelo presente qne ningucm f-"ca ne-
roco algpm cnni us animaos do engentvi l-'l-ireni-,
silo em Agua Preta, pie alera de esterera eora o
ferro triangulo, dentro do qual sp distingue urna
forma de forqunha, na anca >i queixo direito, es-
130 elles de cauda, clioas e nrelhas cortadas para
assim sere-m conheeidos.
A pessoa que ocenpa o Io andar do sobrado
que fa/em publico para que uinguein possa allegar I Atuga se minio em cma a mand
em lempo ijnoi-anria_______^^^ ___________ de g |l>|l( ^ dl>fr ,,. ,|,. S. Pedro V.'!:i .
Aluga se a casa a. 36, subradada, a ra da conct-rlado e piulado de novo, laa mnil a **>>
Alegra ; propria para familia e para os Srs. ac- ;dose bom qmiiial, muito fresco rP> i.
demicos : a miar a ra do Mondego, Olaria n. l3.'hanho:?a Iratar na ra te Iroperad-r es n atete
- Precisa-se de urna ama para compraTTcosi-1ClaU'110 g*tolB'___________________________
nhar : na rna de Horlas n. 46.
Ama.
Precisa-sede urna ama que saiba cozinhar e en-
gommar, para casa de urna familia de duas pes-
soas : ra da Bella n.5.
Precisa se de um caixeiro de 12 annos de
idade para taberna, com pratica ou sem ella : no
pateo da nU-ira r. 2:>.________________________
Quera precisar de ura jardiobeiro ou feiior
para um sitio, dirija-se a ra de Hurtas n. 142, 1
andar, que achara" cora quem tratar.
Aluga-se a loja do sbrate te ru .
n. 65 por preco nimio raiosveJ, e i i t,ri*
commodo* : a tratar no priioeiro aatef -i i mes-
mo sobrado.
Caixeiro.
A pessoa qne precisar de um eaixetf i i
lica de taberna ou paraoiiir quiln i r -
ment, cujo caixeiro da' Hadorte .-ua te a i
nha a bondade de deixar caria f chala n a-
ciaes A. A. A.: na praca da Independencia Ba 6 -
~^T"Precisa-se fallar com o Sr. Antonio Jos i. _
mes Jnior : na ra da Gloria n. 114.
II I All fP-l


;
Mario U i'ernankbuce Qu*rc tetra i4e %*_>ro de i*
UMA GRANDE DESCOBERTA
0*-*0
de f I GADO de BACALHAU
INFECTADO
MEDALHA
OE
HONRA
DE BACALHAU
pESffECTADP FERRUGINEO
As propiedades medicaes do oleo de figado de bacalao forio unni-
memente reconhecidas. Mas seo cheiro c seo sabor to desagradaveis
lorno o uso d'clle muitas vezes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robustos c aos mais eondeseentcs.
'Por isso a descoberu do Snr. Chevrier que ltae permettio de
desinfectar inteirarr.cnte o oleo de ligado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tem sido um dos mais felizes problemas resolvidos pela
therapeulica moderna.
O oleo deflgado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um cheiro ugradavel e um sabor assucarado, o nico que nao
tem nem gosto ncm clteiro de peixe.
Objccio de numerosos relatnos scientificos elle goza em Franca
de urna fama bem merecida, e receitado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as :
rahrria da angur
Eafalfameata
Rarhltlama,
Okilrurrna da* (lindr,
Tsica pulmonar,
Maleadas da alle,
Caaailtuirua Ijraabatlea,
Anemia, drbllldadc frasjMesa,
-Tin
le
par exeessa
trabalha de araseres,
Meleatlaa alas braaehlaa rcee--
lea ta ehraalras,
Tasses acrflaaaee,
Gastrltes, Kastralajlas,
larra ale ramaa.
Elle convem a todas as compleiedes e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimenlacao das criancas fracas e docntes.
Um folleto accompanha cada vidro e
0 Oleo de figado de bacalhau. desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a accao tao efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipadlo. ~^\
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparares ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quemes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderSo com a nova descoberta do Snr. Chbvrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chbvribr, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
sejado ; julgamos intil de os enumerar.
contem as observacoes medicaeg.
Deposito em Pariz, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernamboco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros < Barbosa.
OSPAlt AGUAYOS
E' a ordem do ia I Acabar com os Para-
guayos a bayoReta, a mini, a revolver;
fulmina-los -com os eneouracados armados
de esporoes, rrmstroftgs e raiadas de 80
120; extormina-los em summa a espada, a
faci e a tpunhal de que se trata; mas
nioguem se lembrou anda de esmagar os
Paraguayos com as armas que Deus nos con-
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
Preeisa-se de orna >mi que rosinhe para ca-
sa de lamilla : no Caes do Ramos n. 4, Mirado.
COMPRAS,_____
Compra-se efectivamente onro e (trata em
obras velhas, pagando-se bem : na roa larga do
Rosario n. .4, loja de ourives.
Silvino Guilherme de barros
l'aragu&jos cuw as armas que ueus nos con- r t i a shviuu uuniieime oe narrw rom
cedeu; acabar com elles a tacao e a ponta A uOmplIllilil lIi(ieiIlTllSa(lOra de efectivamente ewntoa de ami* m
ns, para O que necessario encouracar esta estabelecida nesla praca, toma seguros martimos ra do Imperador n. 7.). lun-em andar.
compra e va-
selos : *
pes, para o que e necessario encourac .
parte do nosso corpo com os tmMw^i^^^*!^^^^^*^^^^
rempe-ferro, esmaga cubra,arrancaticos,
qoobra marmore e oiilros que se vendem
45 161 X i'lllliin 45
edificios, mercaduras e molilias: no seu escript-
jo, ra do Vicario n. i, pavimento terreo.
Berseguins Bordeaux........
> patricios.........
para senboras, en-
feilados.......
com laco e flvella ..
Sapatoes eneouracados.......
B'rseguins para meninas bom
eiast co.................
I Sapatos de lona, sola elstica.
avtlludados.........
de tranca...........
econmicos para se-
nhoras...........
com salto de lustre..
85000
0(5000
0 lilUMIE BAZAR
5*500
4#S00
5,5030
IIlia \ova uh. SO elt.
0 proprietario deste eslabelecimeoto avisa ao
respeitavel publico que acaba de receber um ri-
quissimo sortimento de objectos de posto, como
sejam, capachos de la de carneiro de lindissimas
cores, tanto para sala como para cobrir coosolos,
I riquissimos tapetes, e mullos outros artigos. Este
35000! estabelecimento lorna-se digno de ser visitado pe-
uj/tQQ los apreciadores, onde encontraro apar de melhor
i s 5600 Ama de leite
Precisa se de urna ama de leite na praca do
500 torpo J!aj>too.J7.________________________
25240 i
16600!
irtM(&-i;
Comprase ouro, praia e pairas prenoaaa,
em obras ve I has: na ra da Cadeia do Recif,
cja de ourives no :rco da Cwceico.
Na ra do Crespo n. Mi, primt-iro andar-
coropram-se libras Mrrliaa*. e moeda* de ouro bra,
sleiras.
Comprase papel diario para embr ulho, pa-
ga-se bem : na padaria da ra da Imperalriz Da-
mero 66
Onro e prata.
Em obras velhas : compra-s na praca da In-
dependido n. 22, loja de bilhete.
Chineles do Por;o..........
Um competo soriimento de calcado da|
trra para liomens, senhoras e meninas; 0s rremauniM da massa faiii.ia de Joaqoiai
assim i-inm heverrr, franrp? eaara d<> lni- Vleira Cohl" & l>revinem aos senhores devedo-
res para que no praso de 30 dias venham ou mao-
Compra-se
para urna encommenda urna escrava preta ou Bar-
da, com habilidades, principalmente em rosiara e
engommado : na ra do Imperador o. 42. t-rrriro
andar se dir.
Compra-se urna cadeirioha com doos braco
que esleja em bom uso : quem a liver aonarte
ou dirija-se a livraria enciclopdica de J. B. de
Mello, na ra da Cruz n. 58, Recife.
Comprase carosso (sement) de algodao : ao
armazem de algodao de Saonders Broihers h C,
uo caes de Apollo.
Comprare urna escrava moca, que nao"leaha
tre, marroquins, tauas de todas as quali- den panroqoeestao datando a'mesma massa,
dades, fitas para sapateiro, muito Surtidas, na ra da Cadeia do Recite n. 3, e que lido o dito achaques e era vicios, e que seja coziobrira e ea-
SOla e COUrOS que tudO visto necessariamen- Praso. s.iue Dio pagarem terao de ver seus no- f P*W tratar na ra de Santa Bia
<- i moc tinKIaJasaftaa.; ...!. Ii..i> ... a oa
te faz col i ira ao comp ador pela barateza.
mes publicadus pelo Diario, e se promover a co-1 'lova, casa n. 3.
branca judci: 1865.
I CASA DE BANHOS.
S5 Ruada Cruz n. 17
Compra se um candieiro de gaz em w5 r s
tado : na ra da Senzala Velha o. 48.
LIQUIDACAO GERAL
NO
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSigfiO DE LONDRES
M*5> 5J
60 ~ Ra da Cadeia do Recife ~ 60:
Todos os artigos abaixo mencionados foram comprados recentemente pelo dono do estabelecimento as principaes fabricas
de Pars, Londres, Birmingham, Mancliesler e em diversas cidades da Allemanb, e tendo comprado ludo as melhores c ondicoes
por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inteira-
mente liquidar e ler de partir mui breve para a Europa.
Ha neste vasto armazem ric s objectos com brilhantcs, como botes, aunis, rosetas ele., e bem assim diversas obras de
ouro, como trancellins, correntoes, anneis e muilos outros artigos, relogios de onro inglezes do afamado fabricante Bennette; com-
pleto sortimento de fazendas finas e modernas; miudezas, perfumarius finas dos principaes fabricantes inglezes e francezes, como L.
T. PIVER. Lubin, L. Legrand, Ed. Pmaud & Meyer, Deletlrez (Perfumerie du mond lgat), Violet, Societ Hygienique, Mompelas,
Mailly, Begemer, P. Gueland, e inglezas de Eug. Rimmel e outros; ricas galanteras em marfim, madreperola, etc.. fabricadas na
China e no Japo; ricas pecas de crystal fino como ainda nao appareceram nesta cidade, e bem assim modernos lustres para velas,
ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, castigaes, enfeite-i e adornos para cima de consolos e para grande loillette, o que se tem
feito de mais elegante em Pars, Londres, Birmingham etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para checaf, os quaes em
nada sjo inferiores prata, e muitas oulras pecas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de senho-
ras, excellenles luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf, ditos para jantar, e immensos arti-
gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para llores, figuras, etc ; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de pan-
no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Pleyel, Wolff&C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na
ra, ditos com figuras para saldes e ditos com figuras em movimento; modenos e bonitos instrumentos de physica (mgica) para
theatros ou sa!5es, ditos de pliantasmagura; lanternas mgicas, cosmoramas com vistas novas, da e noite; stereocopios de nova in-
venc3oecom bello sortimento de vistas das principaes cidades da Enropa : grande soriimento de brinquedos finos para i naneas, e
bonecas fallando papae e marne ; grande sortimento de candieiros a gaz, o que se tem feito de mais elegante e que tem
merecido toda a aceitaciio na Europa, grande e magnifico sorti ento de ca xinhas, cestinhas e outras galanteras feitas de crina e seda,
proprios para presentes; grande sortimento de estampas lin s coloridas com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com
figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramas, linos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de crystal
proprio para meio de mesa de jantar ou para jardim ; cuidara fina, como talliores com cabo de metal fino, colheres, thesouras finas,
ditas modernas para alfaiales, navalhas linas, caivetes e outros arligos, diversos artigos feitos de rame ; completo sortimento de
mascaras de veludo, setim, cera, papelao e rame ; doces confeilados e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de todos
os lmannos, lavatorios, etc.; ricos quadros para cartes de visita e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos de sol, benga-
las, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para baterovos, proprias para quem faz pao-de l, bolinhos, etc.;
pannos para cobrir mesas, bolsas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobert res, malas, etc.; sortimento de
violes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galantarias e outras rjecas de charo para tollctte; machinas para varrer o chao,
excellenles machinas para photographia para tirar retratos, grandes e pequeas; lindos bales de papel fino transparente e lanternas
coloridas para Itiminaces moda de Paris; salva-vida de borracha, para liomens e senhoras, proprios para quem toma banhos em
lugares fundos; atueixas novas em caixinhas, biscoutos inglezes em latas, queijos, etc., e muitos outros artigos que para ennumera-
los seria um nunca acabar, e lodos se vendem barato e muito barato, no grande armazem da Exposcio de Londres, na ra da Ca-
deia do Recife n. 00.
NO GRANDE AR-
MAZEM.
DA EXPOSICO DE
LONDRES.
Para completa liqntdacSo vendem-se, por muilo menos do seu valor, perfumaras muito finas e novas chegadas recentemente
de Pars e de Londres dos m^is afamados fabricantes segunles: E g. Rimmel, R. Matheus & C, Lubin, Sociedade Hygienica, Piver,
Violet, L Legrand, Deletrez, Pinaud & Meyer, Regnrer, Mailly, Gllet frre, etc. etc., dos quaes ha grande soriimento d'agua de
Colonia em vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em garrafinhas e vidros de differen-
tes modelos, pos para limpar denles, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer
presentes, e muilos outros artigos que se vendem p->r menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande
armazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
IMBtA SEXlIOI&.tK.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o que se tem feito de mais elegante at o presente: vende-se
por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
IiUVAS I.OVAS 1E JUVI1.
Vendem-se excellenles luvas de pellica, recentemente chegadas de Paris, tanto para homem como para senhora por menos de
seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
iiiotoci i ra...
No grande armazem da Exposicao de Londres, ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da mperatriz loja de Mr. Dubarry n. 8
e na mesma ra loja de miudezas n. oi, vendem-se excellentes vistas para quadro; de sala e para albuns, como:
Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Guimares.
Porto, ra de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimbra.
VISTAS HE PEKNAMBUC'O.
Tiradas na occasiao em que S. M. o Imperador aqu esleve em (fei>9 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M. o Imperador no da 2 de dezembro,
indo para o Te-Deum no convento do Carrao.
Theatro de Santa Isabel.
Ra da Cruz com a pyramide.
Torre do Arsenal com a lluminacito na frente.
Passeio publico, na chegada de S. M. o Imperador.
Ra do Collegio com a tropa.
Paleo do Collegio com o palanque.
TIAGEM A' EUROPA.
Stereoscopios de nova invencao com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como :
Franca.
m
m
m
A abaixo assignada, tem a honra de
participar ao publico que o seu estabele-
ciiriLiiio cima mencionado, achase boje
funcrionando muito regularmente, pr-
vido A* tudas as nccnmtnodaeoesnecesa-
ria* e sobre tudo com alguma limpeza.
Os artoes trmados por nieu.-. auteces-
si res Codrim Si C sero recebidos at o
meado du nei de cutubro vmdouro, os da
cas lero a firma da abaixo asonada,
e serao como d'antes iransmissivcis.
Tabella dos pr(us.
4 assignatura mensal cum direito
a um banho diario a 320 rs.. 9^600
i dita de 30 cartes traosmissi-
veisa360 rs................ 10*800
1|2 dila d 15 ditos a 400 rs___ 65000
1 banho avnlso, momo ou fri ou
de chovisco................. 500
1 dilo aromalisado com agua flo-
rida........................ ffOOO
Os medicioaes serao pelo preco que se
convencionar:
O esiabelecimeuto estara' aberlo nos
dias uteis das 6 da manha as 10 da noite
e nos dias santificados al i horas da tar-
de, havendo chegada de vapor eslara' W
aberlo por mais algum tempo.
JM Mathilde G. Lessa. J&
wmmmm mmmm mmmm
P^ra quem precisar de banhos, offerce-se
duas casas com comrnodos para familia, na ilha
do Retiro, junio a ponte da Passagem : a Iratar
-ora L. M. R. Valeoca,
nm
m
i DEPOSITO DE CALCADO \
Ra \(>va a. SI.
Ahi se eucontraro obrs de di-
versas qualidades, e por preco mui
**s diminutos, a retalho e em porcoes. 3
SU S se vende a dinbeiro. ^
mm^m %m sxmm mmm
Severiano de Siqueira Cavalcauti faz publi-
co pelo presente que Ihe perteoce hoje o escravo
Caeiauo, cabra, estatura mediana, de idade 25 an-
oos, nao obstante Ja tem alguns cabellos braucos,
nariz arrebilado e grande, peruas cambetas, ps
apalhetados, com faltas de unhas e costas cicatri-
zadas de relho, o qual fugio do eogeuho Para Ire-
guezia de Ipojuca, do poder de Jos Valentim
Vieira de Mello, de quem recebi em pagamento.
Recife 9 de ouiubro de 1865.
VENDAS.
1
I
m
m
m
m
O Dr. Carollno Francisco de Lima San- W
los contina a morar na ra do Impera- a
dor n. 17, segundo andar, teudo alias seu W
gabinete de consullas medicas, logo ao K
entrar, no pnmeiro. S
O mesmo doutor, que se tem dado ao
esludo tauto das operacoes como das mo- j^
leslias internas, presla-se a qualquer cha- ^
mado, quer para dentro quer para fra *B
da cidade. 4|
mm&mmMmmmmmmm
.Nulas do banco do Brasil e das caixas filiaos
desconlam-se na travessa das Cruzes d. 8.
Cal de Lisboa
Na ra do Vigario n. 19, Io audar.
Traspassa-se ou aluga-se urna padaria
prompta a trabalhar : trata-se na ra Direi- rs"iudu d
ta n. 2i._______________________________
No hotel de Italia, ra do Trapiche n. 5, pre
cisa-se alugar um criado que seja escravo de 18
a 20 annos de idade.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para bservares e para os
martimos.
Vendem se dous relogios para senhora, e
dous pateles para homem, dous adert-r-x e diz
aIGnetecom btilhanles, urna pnlseira com*bnlfiao-
e ouro : na ra du Vigariu o. 8.
VMIE-SE
m
cao
Chegaram a livraria eneyclopedica de Jos Bar-
bosa de Mello, ra da Cruz o. 52, as seguintes
obras do Dr. Cbernvik :
Formularia ou guia medica,
que contm a descripaao de todos os medicamen-
tos, sexta edicao, com |121 figuras no lexto que re-
presentan) as plantas | medicinaes ; t volume de
820 paginas, encadernado, preco 6.
Diccionario dt nicdirina popular
que conlm a dei-cripgio das molestias e o seu Ira-
tainento, terceira ediC4>, com 231 paginas; 3 vo-
luntes encaderuados, p -eco 205-
Historia natural
para os meninos e muinas, ou conversacao de
um pai com seus fllhoi sobre muito> animaes e
vegetaes; 1 volume ene ademado, com 151 liguras,
preco 4#)00.
e vndese na mesma livra
parachiaes para lodos os
J. I. Roquete, 2 volumes,
ato do autor.
Sahio a luz em Paris,
ra li.milias e srmoes
domingos do anuo por
encadernado, com o re
Joo da Silva Ramos, medico, me-
i dico pela universidade de Coimbra,
f d consultas em sua casa das 9 as
I 1 i horas da manha, e das 4 as 6
I da tarde. Visita os doentes em suas
[ casas regularmente as horas para
, isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em
[ qualquer occasiao. D consultas aos
f pobres que o procurarem no hos-
[ pital Pedro II, aonde encontrado
, diariamente das 6 s 8 horas da <
' manha,
Tem sua casa de sade regular-
| mente monlada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
! nados, para o que tem comrnodos
[ apropriados e nella pratica qualquer
opperacao cirurgica.
i Para a casa de sade.
Primeira classe. .3^000 diarios.
Segunda dila------30500
Terceira dita .24000
Este estabelecimento j bem
| acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
' O proprietario espera que elle
f continu a merecer a confianca de
[^que sempre tem gozado.
um sitio nos Remedios, a margem do rio Capiba-
ribe : quem quizer dirija-se a ra do Caldrreiro a.
68, ou na roa das Aguas-Verdes n. 40. V andar, a
tratar cum Julio Pires Ferreira.
fll
m
&&&&* m
Vendem-se capellas de aljfar para s^rem nH*v
1 cadas nos lumulos, catacumbas, sepoltura. do da
2 do vindouro novembro (finados) com as inserip-
! caes seguintes : meu pai, minha m3i. meu esposo,
minha esposa, meu Uno, minha fllha, saudades ele
I etc., e tamhem se vendo du e.ip' m\ rlajai .-....
de marmore : na praca da Independencia loja d
calcado. os. 37 e 39, as nicas que ha no mercado.
Grande bazar
Rila \ova us. 20 e tt.
Carneiro Vianna, proprietarki de-le imp' riaofe
estabelecimento. lem a sali*facao de srieniificar ao
rospeiiavel pubico. que acaba de recelar as oli-
lissimas canelas inaiinetka, as quaes lem a pro-
priedade de lomar lirme a mo qur cm ellas es-
erever : est porlanlo saaado o inai lo i:i>minan>
a' pessoas d Idade avancada, ou atacadas dr mo-
lestias nervosas.___________________
Colla da l.iliia sipeh*r
Tem para vender Amonio Luii de Azevedo &
C, no sen escriptono ra da Gru n. I
0 castello de Gra^ville.
Traduzido do francer por A. J. C. da Cre.
Vende-se este bello romance em ijiiitr
tomos pelo baratissimo preco de 3*OOC
Samuei Power Jolmston Companhia' ua praga da Independencia, livraria ns
Aluga-se a casa n. 4
salas, 3 quartos, cozinhi
CASA
a tratar na ra Nova n. 3.
la ra do Principe, com
fra, quintal e cacimba
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Para se passa
menor
Aluga-se a bem a nhecida casa denomi-!
nada Cana-fistula. qi
Vieira Coelho, amar.
i
commodidades para
na ra do Crespo co
Aluga-se para
sitio c-rn urna boa c.
modo, caiada e pint. da e at
lugar da Torre e mu o fresca
padaria da Torre
Arreios d carro para um e dous cavallos.
Relogios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
a testa naO a | Motores para ditos.
Machinas de costura.
foi do finado XistOj
em do rio Capibaribe,
Attencjio.
6 e8.
no Monteiro, assim cimo a osa que foi do
Sr. major Raixa. n povoaco, com boas
rande familia: a tratar
Andrade Reg.
6e passar a festa um
sa com bastante com-
lavada, no i
a tratar na

i
m
Aluga-se um si
passar a festa com a
e pintada e muito frefe
a tratar na padaria d
io na Torre para se
uns comrnodos, caiada
ca por barato preco :
Torre.
Na ra do Brum n
mm
Todas as pessoas que se julgarem ere
doras do fallecido Joo Jos de Carvalho ^
Moraes, por cuntas miudas, ttulos ven- J
cidos ou a vencer-se de qualquer nature-
za que sejam, queiram apresentalos na
9| ra d> Queimado n. 13, no prazo de 8
H das, a contar da dala deste para serem
yj examinados a pagos pelo invenlariante
gS do mesmo ca^al Joao Jos de Carvalho
S Moraes Filho, nao obstante ter o fallecido nj
gf declarado em seu testamento nada dever 10
5 nesta pra^a e nem de sua escripluraco
|S consta divida alguma, pelo que ha pre-
>j/ sumpeo e falsa toda e qualquer letra ^
B ou litlos que apparecem assigoados pe[o
mx fallecido. Recife 13 de outubro de 1863.
tmtmmmmwtmmmmr
PARA ACABAR.
Vendem-se as procuradas caixas para Maca
feitas no Aracaty a 100 e 500 rs.! na roa da Ca-
deia D. 7, loja.__________________________
-r NTcocheira do Sr. major Quinteiro est pa-
ra vender-se um cabriole! de i roda> em mu'to
bom estado e maneiro, ahi dir-se-ha quem vende.
Faiinha de maididca.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C, no seu escriptorio roa da Cruz n. I.
Cli trillos da Baha
a 12 a caixa ; na ra da M> eda n. 43.
g|- Vende-se a loja de calcado da irav-$sa das
Cruzes u. 12 a vuniadr do comi>rad.>r : a iraur
ua mesma. |_____________________
Vendem-se verdalriros chamiu l Bahii.
feitos com fumo de llavam : no ar Mkwni aa^a-
5 le Olympio. na ra da Cadeia d" K -cile n. 36.
de 10 annos de ioade, co n algum principio do ser
vico de urna casa.
Precisase de um c
nha alguma prauca de
fora da cidade : a Iratar
38 vende-se um moleqoe
Companbia fideli iade de seguros
3N
Precisa sede uma ama para casa de rapazes
solteiros (|ue saita bem cosinnar, engommar e fa-
zer o servico de casa : a traiar na ra Nova n.
i mmmmmmmmmmmmm
Agua de Mabarn
Vende-se eau agua para tingir os cab-lri l.rao-
cos e sui-sas : na livrasia univer>al, ruajlo fmpe-
rador n. oi. ^^^_^_^^__^_^_^^^ ______
Normas para escripia
Venlem-se normas para e-cripl.i proprias para meninos, em rollecces de os. I *,
e tambern colleccoes de ns. 1 a !i : na luraru
universal n. 51, na ra do Imperador.
Alyodao Para sacc*s e roeta ir rscravas
da fabrica de Fernao Velho. e de Mi MpaVaaf
qualidade : veode-se no escriplorio de Maooei Ig-
nacio d. Oliveira & Filho, largo do Corpo Santa
numero 19._________________
ixeiro porluguez que te-
iiiendas, para urna loja
a ra da Cadeia n. 35.
Inglaterra.
Italia,
Lisboa, etc., etc.
Vendem-se barato para liquidaco no grande armazem da Exposicao de Londres na na da Cadeia do Recife n. 60,
peratriz loja de Mr. Dubarry n. 8, e na -mesma ra loja de miudezas n 54. ________ _____ _____________
ra da Im-
CAIXEIRO.
Attencjlo.
Perdeu-se hontem 2 de outubro, do aterro da
Boa-Vista at a ra do Crespo, um embrulho con-
leudo a qumiia de t 105 : quem o liver achado e
quiter levar a ra do Crespo n. 19, ser generosa-
mente gratificado.
~~j7eon~Chapeln lem exposto a' disposicao do i Prerisa se de um forneiro para o Rio-For-
public o retrato da voluntaria da patria a Exin".; moso, pref-.re se estrangeiro : aqoelle que quizer ,
D. Marianna A do Ileeo Darreto em cartn edirija-sea loja di Ismael Cesar Duarle Riheirq.-ai de urna ama de meia idade. que
grande formato. ra da Cadeia, que achara' com quem traiar.
Precisa-se de um menino de 12 a 46 annos de
idade, com alguma pratica de taberna, sendo que
qneira ir para uina das estacoes da via-errea : a
tratar na Punte Velha n. 10.
martimos
estabelecida no
AGENTES EM
Antonio Luiz de 01
competentemente au
loria da companhia <
e,toman seguros db
ras e predios no se
Croz n. 1.
m
------------------------.------------------------------------- Aluga-se o segundo
do Imperador n. 79 : a Ir.
Rl.TIf-i n 3_____
II* 9 IviMl Aluga-se e tambem
Precisa-se de um oDcial de pharraacia que tenha do Retiro passagem da Ma
bastante pratica, e qoe seft activo e diligente.uara ra Nova n. 38.
lomar conta de um estabelecimento em Cuarabl-
ra : a fallir na ra larga do flosanio n. 31, bo-
tica.
terrestres
1\0 de Janeiro.
PERNAUBCCO
veira Azevedo 4 C,
orisados pela dlrec-
e seguros Fidelida-
navios, mercado-
escriptorio ra da
ftC# mnm*
indar do sobrado da ra
lar na ra do Crespo
Na ra da Cadeia do Recife o. 40 preeisa-se
saiba eao_mar
sem perfeicao.
e vende a casa da ilha
alea n. o: a traiar na
Dentista de Pernambuco.
Ra estrella do Rosario q. 3,
ao pe da igreja
FRANCISCO PINTO 0Z0RI0
Co.loca deutes aritlc.acs
pelos sydCenias tuis mo-
dernos
Emprega todos os meios scienlicos para
conservar os naturaes. Pode ser procura-
do em teu gabinete das 9 horas da ma-
nha as 5 da larde.
m
MA
Precisase de urna ama para o servico interno e
externo de urna casa de pe ica familia : a traiar
na ra da Senzalla Velha n 22 2 anclar.
Os administradores da massa fallida delrineu
Januario de Oliveira, rogam a todos os Srs credo-
res de apresenlar-lhes os seus ttulos afim de que
possam proceder como determina o art. 859 do cod.
do commercio, devundo esta apresentagao ter lugar
no praso de 8 dias no armazem de Joo Amonio de
J Araujo C
proveiteni antes que se
acabe,
Na loja da ra Direita n. 57 ha para urna graude porco de bicos e rendas da ierra e
por procos muito comrnodos : as pessoa< que i|m-
zerem mandar ver se darn as amostras ; inf-
ladores. Na mesma loja lem bramaiit- d-- liuM
muito lino de urna s largura a 560 rs. a MO, U-
zenda muim propria para lences.
Brides e picaUeirai de
Ipojuca
Vende-se na ra do Queimado n. 32. loja de
AzeveJo cV Ir mi. ______
Pechiucha.
Vende-se 30,000 lijlos de alenara baiida Ja
melhor qualidade que possivel a 25J> o milheiro :
quem quizer annuncle.
Nende-se urna preta com habilidades : na
ra do im: erador n. -.
Veode-se urna machina movida a avallo, a
qual serve para differentes imsleres, c-xno n..,
paaa padaria e descarocar algodo, e M__ : a-
rua do Rangel n. 9.
Vende-se barato o sobrado n II, _>i ra
de S. Pedro Martyr, em Olinda, e nm terreno oaj:ie>
se acha edificada grande parte da cidade do Rio
Formoso, cujo terreno eslende-se da miriz al o
trapiche: a tratar na ra da Uoo o. 37.


f
otarlo de ferft>mc -- QuarU fe ra i8 de Oui
PULLAS CA l RTICAS DE AYER.
Estas plalas vegetaes s8o -
daptadas a todos os usos de um
purgante as familias, pois sao
perfeitamente innocentes, e em
Grande loja e araiazem do
Pavao.
Ra da Imperalriz d. GO. de Gama & Silva.
Tendo os propietarios d'esie esiabeleeimento de
i liquidarem urna graude porco de suas fazenda?,
quanto miluares de pessoas con-; al ao ftn do crrente auno, lim defecliarem con-
fessam com gratidSo que foram las e aparar dinheiro, resolveram vender todas as
curadas nnr plla rlft mnlfistias 'arendas cora grande abatimenio em presos, tanto
curaaas por euas ae^ moiesuas m porgio mno a reta|ho> e por jsS(rpr^vnem a
severas e pengOSas ; nao na [0(|os 0s seus freguezes, e ao respeitavei publico, e
um S caso em que haja SUSpei- as|pessoas que negociam em pequeua escalla com
tas do mais leve resultado iniu- fazendas, que ne.Me esiabeleeimento encontrarao
rOSO por seu USO. m 8raDde sortimento que multo Ibes h.io de agr
Publicamos aqu alguns dos
attestados que temos de curas
AOihlMCA.
Ulleias demarroquim,comcascaveis
e sem el les.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, vendem-se colleiras de marroquim,
pospontadas e com cascaveis, ou sem elles
proprias para cues e outr< s bicliinhos.
Peuuas ia^le/as de ico e don radas.
No novo sortimenlo de pennas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, vieran
tarabem outras de metal dourado e bicos
mu' bem acabados, e por essas boas e ne-
Olltl'OS O IjCCtOS.
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
Affeefio chrouica do ligado.
Illm. Sr.
dar tamo em precos como em qtialidade; asslm
como mandam pelos sens caixeiru;. levar as Calen-
das e amostras uas casas das familias que nao po- ,
derem vr a loja, ou dao as amorras deixando ti- cessanas qualtdades os seus acreditados fa-
car penbor. bricantes Perry & C, as recommendam a>
Cambraias lisas a 3.S00, na loja do entendedores apreciadores do bom, valen -
pavao d mesmo a differenca que ha no preco de
Vendem-se pecas de umbrala lisa branca e mas para outras, por que estas se tornara
... P. .- ,., ... i transparentes, tendo oito e tnela vara cada peca, mais duraveis na continuaco de escrever ;
Jmz de Fra, 17 de feveretro de 1864. pel Mra|0 pre(;o de m00, ditas muito finas, por assim pois quera dellas se quizer utilisar
Tendo fe.to uso das plalas catharticas 45300,55, 65 at 105, sendo tapadas etraospa- compra-lasa dinheiro a vista: na ruado
dr?Jtendoqtifadmoeura reid'o nf 2e SS*" Seffi XSLVO& g"eimado ***+ ranea 8.
d0; xs?tairffsrLKnarada"ssaAsr* ** ,Franjas co,n irs:sera e,,as para
fermidades do figado e baco, com o uso I naToiaSoK cortinados,
das pilulas posso lhe assegurar que estou ; Vendem-se superiores casimiras escuras, mes- A A8"ia Branca recebeu um bello sortt-
bom, pois tendo desapparecido um grande ciada e entestada,tom seis palmos de iargura, pro- ment de franjas com borlas e sem ellas
engorgitamento que soffria, muitas dores |Prias para caiCas, paietots e eoletes, pelo barato para cortinados, todas de novos e bonitos
sobre a regio do figadoe costas, doresgZ.tStmSSsVS%$$*& S!^ST^^UIT^
cabeca, nchacao do ventre, nao podendodinas muitobGa fszenda ai60O: isto s "na loja em relaeSo a largura : acham-se ellas a ven-
deitar-me seno do lado direito, isso mes-! e armazem do Pavo, na ra da imperatriz n. 60 daa ra do Queimado loja da Aguia Bran-
mo procurando posicao para ter socego, lio-|de Gama Silva. ,ca n. 8.
je me acho livre d'esse padecimento ; como LDales |J^**J"#* u- Jogo da paciencia ou curioso entreleni-
resuliado ; sou bldoorojeandeoda
De V. S. attensgPs.ar
Francisco FERREArERAit
Rbeumalismo e ataques hemorrltoidaes.
Il.l.M. Sil.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos^ e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e
acompanhado de urna dr no queixo, con-
sultei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das raes-
por aqui ainda as nao haja, eu como tenho vendem-se chales'Vetos 7e' renda muito gran-i ment.
este proprio que de casa, lhe rogo man- des de quatro ponas, pelo baratsimo preco de j Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
darme alguns vidros, e o custo elle lhe sa- i *05 cai um, ditos braveas de ires ponas a 63: ca n. g> acbam-se a venda por precos ra-
tisfar, assim bem como do charape to\n*SSLtSS? "* '"" da lmpera\ cavis, caixinbas comtabolas de madeira,
cereja, que Uve occasiao de experimentar; i Rctondes a 126000. que das diversas pinturas dellas se formam
em um ataque de guellas que teve urna 1 Vendem-se ricos reioudes de renda preta, pelo; agradaveis vistas e paisagens, segundo os
preta que com elle curei, faco uso d'elles; barato prego de 12,8000 isto na loja e armazem 1 desenhos que acompanham. Na verdade
as tosses em minha familia sempre em J f**"0' na ra da imperatriz n. 00 de Gama &, esse um deleitavel en reteniraento cerno
bom resultado, e por isso que peco para ^a' Qrtes ^e p|,antasia a 3^500 ^ua^se ^esPe ta a cur'osi(lade, e apura a in-
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-1 tendera b os mais lindos cortes'de pbaniasia; diligencia. Os apreciadores dirijam-se
lulas pode montar a doze, porque tenho; com as mais lindas cores qte tem vindo ao merca-; ra do Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
feitO USO d'ellas para uso da familia e al- do, sends fazeuda transparente que serve al para ca 0. 8, que SCiao satisfeitOS.
munic npssnas in .1 i mt >r i., bailes, pelo barato pr.co de 31800, ditos brancos
' fazenda muito fina a 4000 : isto na l,.ja e arma-
zem do Pavao, na ra da Imperalriz n. 00 de Ga-
ma A Silva.
Percales do pavo.
Vendem-se as mais finas percales rom os mais
lind. s padroes, sendo das melhores que tem vindo
ao mercado a 440 r>. o covado : isto s na loja e
armazem do pavao, na ra da Imperalriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cambraias de forro.
Na loja do pavao.
Vendem-se cecas de cambraias de forro muito
boas, pelo barato prego de 1> e 25300 a peca :
isto s na loja e armazem do pavao, na ra da Im-
peralriz n. 60, de Gama & Silva.
Costumes para hoiucns.
A 130000, na loja do pavao.
Vender.) se superiores co ribaldina, sendo caiga, palelol e colele, pelo barato
prego de I3, ou veudein-se separado, sendo caiga
da mesma fazenda por 4, paletot da dita a 05, co-
lete da mesma a 3#, caigas de cas.-ineta fateoda
mas pilulas e por minha conta principie! a de urna s cor a 4J, e paletots da mesma a 65, e
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as Sn?rad^Af"Pmto,fc-?lV.dcr,n,-ira p-reta I bersos brinqnedos e enlrcteniuento
(> nflr> rairtM <. com ^ilr B..M: ^A *os baratos prego de 65, 7 e 85 : rse so na
puT cnaicas.
Bonitos enfetes para senhoras,
A Aguia Branca acaba de receber um no-
vo e lindo sortimenlo de enteites os mais
modernos e gostos inteiramente agradaveis,
e como seu louvavel costurae os est ven-
dendo baraiamente a quemeom dinheiro se
dirigir a ra do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meias de la para senhoras.
Vendem-se na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Mata mosca.
Na Iota da Aguia Branca acha-se a venda
o papel com compoMcao para dar fim as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, e o
effeito efficaz : molba-se o papel e deixa se
ficar n'um prato, e nelle pousando as mos-
cas, entristecen) e morrem. Custa cada fo-
Iha 40 reta: na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n 8.
dores pelo corpo ; e sem sentir, sarei do teja e arrnazem d pavSo>-Da rua da"[mp.ratMz n.
ouvido, e mesmo dos ataques bemorrhoi- 'feo, de Gama & Silva.
daes: portanto sao para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado,-
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certa, venerador e obligado,
O brigadeiro
Joo RppniciEs Feu de Carvauw."1
Caslrile.
uuro-i-reto, 2y demarco de 1864.
Atiesto que tendo feito uso, aconeolkado
Calcas epaetols de casimira
vende o pavao.
Vendem-se superiores caigas de casimira de diffe-
rentes cores, sendo fazenda" muito fina pelo bara-
tissimo prego de 75, paletots saceos da mesma,
sendo obra murto*em feila pelo bar?.;issimo prego
de 105000 : istoi na loja e armazem do pavao,
na rua da ImpeFaoiz n. 60,^e Gama iv Silva.
Os cohetes do pavo.
Vender um grande sortimenlo de colletes de
todas as (|ualidades, como de casimira de cor, di-
ta preta, (le veliudu, d- nieia casimira, de bnm
A hpm Branca na rua do Queimado n.
8, recebeu diversos brinquedos para crian-
cas, sendo estradas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelhos de metal, louca pinta-
da porcelana donrada para almoco e jan-
tar e muitos outros brinquemos de mayJeirr
croe se vendem baratamente: na rafoo
deeimado, loja da Aguia Branca n. S.
leias pretas de seda para senhoras a
oOO rers o par.
A Aguia Branca quer acabar ccui a por-
Vindos tan.t em parh a anliga loja de
miudezas rua do Que inado n. 16.
Sapatinbos desetim 1 raneo bordados pa-'
ra baptisados.
Outros de merio tjunbem bordados e
igualmenie bonitos.
Meias de seda, correspondente no lama-
nlio ilos sapitinbos.
Outras mui linas de o da
brancas listradat.
Luvas finas de rio da
de cores.
ubi** tile *8t*.
0 armazem da arara esta a-
zendo liquidadlo detodas
as qiialidades de-azeiidas,
na rua da Imperatriz u. 56
\>nde-p u:ti IWfmMt.yw },.
collura.ln n. nMf. r i -.
frente e 2l8 dr '.-. :. ,j, ; i i,
la da I :i i
Louren^o Pe eir Meude
Escossia
Esaissia brancas
nhoras.
nhor.is e meninas.
nui fortes para des-
unas de seda para st
Ligas de dita para s
Penles de lartuoga
embaracar.
Carriteis com retroz breto e outras cores.
Carteiras com a^ulh
Agulhas francezas, ais afamadas.
Caixinhas com allineies brancos e prelos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de lindo proprias para ditos.
Caixas com linhas [de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de bonacha preto, redondo.
Oonltas vcllas fraudes de a^o,
doiiradas, madreperola c tar-
taruga. I
A loja de miudezas rua do Queimado
n. 16, recebeu um bonito sortlmento de
fivellas grandes para cintos, sendo de ac. rs. o covado
douradas, madrepero a e tartaruga, as qnaes
estao sendo vendidas em dita loja por pre-
cos commodos ; assim como boas e bonitas
fitas de gorgoro achamalotado, proprias pa-
ra ditas fivellas.
Orillo.* de penetra e de outras
qualidades, [ara quem soffre
da vista.
A' loja de miudezas rua do Queimado
o. 16, tambem recebeu oculos de penetra
com vidros claros e e coros, para quem sof-
fre da vista, assim co no ontros de armagao
de ac, sonidos em r ros.
tontas e trrros de cornalina.
A anliga loja de miudezas a' rua do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e tercos de con alia, os quaes esto
a disposicJo dos boa christaos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na rua do
Queimado n. 16.
Esponjas finas grandes c pe-
quenas.
Vende-se na rua lo Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Diversos objeetos.
A antiga loja de m udezas rua do Quei-
mado n. 16, acaba de receber muitos e di-
versos objeetos que fazem completar o seu
bello sorttmento, sen lo:
Filas finas de sarj; da mais estreita que
ha at a mais larga, t idas de vivas e agrada-
veis cores.
dem tambem de s irja kvrada, de bonitos
e novos desenhos
dem idem brancas!, lisas e lavradas, pa-
droes igualmente novbs e bonitos.
dem de gorgurao de seda acbamalotada,
e muito encorpadas, ipara cinto de fivellas
grandes.
e de oulras cores pa-
jcolletes, palitos, etc.
ente sorlidas em cores
es Guimaiaes, dono
grande eslabeleciu etilo, tim revivido vender t
lazendas por menos do que em ou.ru
parte, menos :ut imh cn:>>.
Cambraias brancas lisas a ;.*ot'.
Vendem-se Mmferaia> braiieas \M* a 140-0
3.MKi, i, iaOO. :, S430 i C, iap/W* h G 0
e 7 : Vendes Gin.aroes.
Hales de uterino
niacor-. ua n:a
a na rua d? nj
a< fT:Ci-
qfijOtr Fwtinba dr ir-.wif-
< lio tjjjrail "

r
'..iracas a >
"' ni

por um amige, das pilulas do Dr. Ayer, I branco e pardo, veidemlu-se trnJo is.o p>,r um pr- :.^0 Je meias airelas" 'Ipsp(1-i nara sfolifir-"?
quei perfeitaEienle bom de urna gagit qoe""^*es"^ dearad!rr: ist0 s "Vu LZ,a!.J-fl ^!lP5*.!.u'!. !'
que soffriae me prima-me de andar aper- de'SS*Stw.,,50j "a rua da,,R>p tado, boje felizmente nada sinlo.
AnsusTo Goulatino de Mbblo.
"Cortes gcanad'ROS.
A fOiJOOO, na loja do pavo.
~ apesar do mtiito mak-r preco que lhe cus-
' taram e o bom estado em que anda estao,
comtudo est resolva a vende-las a S0#
, ris o par, ^fim de que ninguem mais calce
Vendern-e os mais ricos crtfs granadinos, fa- meias pretas de aigndiio, ag ra pois apro
; zenda de mita phaniasia que serve at i>ara tai- veitarem a quadra e dirigirem- e rua >do
Falla de apetite.
Ouro-Preto, 24 de f
Sendo eu afectado
aunes, e ltimamente
hoje dou gracasaDeas por achaiHEe sao!
e perfe.to cera o uso das pilulas catrticas | mmimJl'TSSJ^SLoim,rda-
ao ijr. ajo. dasm manguitos, para seokuras, sendo imw
Amonio Bento 'Vivir. "ninaias-oa* tem viudo o mercado a 4500, di-'
gueiras,
C(tsi?(i|iarSo. dlrw de cabera.
Oaro-Prelo, 28 de marco de 864.
m m\im
tas oom aauguitos, para acatr, a !5 : ditas pre- ,i s^ ., ,j / ,-
Us i tos e fiiliaha.v pretas a <, bnissimas poliaiia> de,
, eae^rai, branca bordada 'mt rs., calcinU*, para I CV>ko, Tim do QuCWuidfl fl.
AUesto que acliando-me alacado de umainwwoa a6i0rs., raowiras de lii e caiB.-aia
19, ende se o sequinte:
Lenes de panno de Iinhoa3200.
Ditosde"bramantcde linhode um s paoae pelo
baratissimo preco de 35200.
Gobertas de chita ta India a 5400.
Pecas de eambraia de salptees branca e de cor
com 8 ti|2 caras, pelo baratisskxo preco.de ^SMO.
Pecas de eambraia adamascada com fl veras,
propria pats cortinado a I1JL
Baldes de arcos a S5, 34S0O e 4,5.
Lencos de eambraia brancos pequeos, a duiia
25000.
Ditos ditas i dita finos, a duzia 2$600.
Agostinho Jos da Su:a, negociante -de fa- \ vara : 'na 'Ja do pavt rua da Imperatric a. 60, Bramante de liohono com 10 palmos de iar$u
zendas. 1 de Caaaa.4?Sihra. =ra, pelo baratissimo pinjo de 25400 a vara.
forte COOStjpac30 que trouxe-me dores por bTK& bc-rdada a 15GO0 : ie loja da Pawo, raa !
todo 0 eor)o e na ctjeca, soffri borrivel- *Bi,era,'",-),de6ama k Silva,
ment por espaco de quatro dias- ento- v a s,"""*fPu''r.
nm mion pr.nsohnii-ma .L Z-- vocdem-se southembarques de cor BMKo haai
um f migo aconselOB-me que tomasse pi- enfeitados at5, 65 e 75000,paca acabar : na loja
lulas catliarUcas do Dr, Ayer : com-ellas fi- earmazera do Pavo, ru.a dailmperatrii. 60, de
quei sao.e completamente restablecido em Gamft & Silva-
tres dias, de sorte que estou no firme pro- '6rgandj m^ernissimo.
posiU) de accnselharo uso das ditas Diluas -S?^S2 os pais.nwde>s organdys ana1
a tonas is n->ssoas mw f,\S1 57? mai> '",oJeos padroes, senda quasi lodwilsUa-
1 lOUSS as pessoas que lotem alTectadas de dos, como se usara agora, com as mais liadas cores
iSt.pacoes. a fixas; vendendo-se pelo b*Nta preco de :S0 rs.
Id- i de seda prcuj
ra r- Isruar vestidos,
. !em de la igualnl
t para os mesmos fin i.
Mem de algodSo 1
tras cores para vestid
dem de borracha
raneas e diversas ou-
ds de chita,
raneas e pretas para
s Novas e lindas gutrnicoes para enfeilar
soutembarques, vestidlos pretos, manteletes,
etc., obras do muito gosto emodernissima.
Tranca de seda corp vtdrilhos, moldes no-
vos eironi bonitos,
dem idem de cnfes tambem de bonitos
moldes e agradaveis
Botoes para os me|
tos de seda maiores
res.
naos ftns, sendo pre-
! menores, enfeitados
dem pretos de vel
dos tamanbos.
UMm de dous vidros
A loja de miudeza:
com vidrillios e pendientes e outros de di-
versas cores.
o/lo tambem de sorli-
<.m aro de ac, bfalo
e tartlarmia.
rua do Quetmado
cons
GbiUs a 2IOe:3?*rs.
bliUflia do eslontago. Veodemse superiores diitasascuras a *tt),. 280,
Guro-P-n'to, 29 de marco de Iftii "?0 e.Aao rs- eovado' tedo tods de cores fixa. ;
Atten-o e uro se netvssiri r,- o Lf ]lUs"*&***> aito Doa tnm***00 rs.oova-
AlteMiO e J ra, se neoessano fot, que. SOf-; do: na toja e armazem do Pavao, rua da la^era-
frendo ba mto terapo excessiva inriiacao i trit a. de Gama & sil
de estomago, .pouco apetite e difficil diges-' Cual* de "" a^OOO.
tao, d'cfca ler.o expenimentado sensweis'
'melhorasdepoifi que tenho feito uso dagfr-
calas catharlicas do Dr Aeer.
A.NTOWO fiWOOENBS PEnEIRA ROSA.
Vendem-se os eiais moderos diales de merino
I:.:;.l! '. a 25001
grande sortimenlo
^Atoalhado de linhoa v^ra 25800.
Hilo de atgodao 25.
Algodio entestado com 7 Ii2 palmos de larocra
15200 a vara. H
Pecas de bretaona ie rolo con 10 varas pro;.-r.'a
para saia a 3*5(fl.
i'il de linno liso v.o. vara 800 rs.
iBllo rom saipicos a i&.
eaumpad. a W* cada um, havando tambera graede sort.men.o dos menos matizados qoe se dSJ?,S??Sb ? ^ C0Vad-
vendem a.*.?7*.;aj000 : na 4oja e armazlm do aSSSSL
Pavao n-t di i,n....-.ir ,. i-., j f___ o.,__ corita ae aigorU'jziunv
n. Ki. recebeu umtiello sortimenlo do lo-
netas e oculos de vidp-)s com armacao fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os est vendendo
por precos razoa veis ; os precedentes diri-
jam-se a esta leja na rua 4o Queimado n. 6.
Rival sei^i segundo
ftue. lo Quciuiado juiL 49 e o, loj 4t
Kiiudezas de Ires-ferias, estqoei-
oaiido ludo don -eltaraf*, quem pi-
ter ver admirw vuhaoi loja do
Bfitdiftho.
a ;J0.
Vendem se chales d.Mner'ic e.-tarr.padf)s>2
merm liso a 35800.
Coln lores de alyodo
Vendem-se cobertores ue aigudao a 800 rs., ai
los bons a 15600, 5 e S5o00.
Cambraias de unta s ror
Vende-se eambraia de urna BO eor a J20 ts. o co-
vado.
Saias bordadas
Vendem-se saias bordadas pelo (jarato braco de
75000.
Corles de cainbr. ia
Vendem-;e os mai. moderuus cortes de a;i.-
braia bordados, senao fazenda degottv, a K'WO -
125000.
Kiscados esrocezes a 2>0 1 cova'lo
Vendrin-st recado escuct^e^ a 2M> o covado,
tiras bordadas a 15, miieuiii.- a feOU e 5-
Laziultas a 220 rs.
Laazinhas Oua a 220, IW, 28(, 20, 3661 100
Corles de eambraia
Vendem ^ecortes dr eambraia com barra a .>
e 35000, diios sem bi ra a 256c0 cada < '.e. <.r..
des Guimaiaes.
Cita ubres
Vendem-se chambres cara homema i, (
para acabar, pellos <'e iinho a 900 i- 15, n ;<- de
iinho tinosa 500 (10 r>, eoliinh oOO rs., camisas frDCeias a I5i0>-, l58v^, :
25410, 25500 e ^0o : s Loure^j Vrnra M-:-
des Guimares.
Corles de ii
Vendem-se cortes de la a 35, 35510 e tfSOO ;
Mendes Guiraarns.
Cbitas para coberta
Vendem-se chitas para coberta a 2iu rs., f.ane-
za a 300 rs. o covado.
Cambraias de cores
Hecebeu-seum grande wrtiiMDM de cambraias
de cores que se vende a 300, 310, 360 t iO rs. o
covado.
Casemitas
Vendem-se casen.ira.- a 15280 o covado, linas a
J52W. 2$500 e 35 o covado._______
Madura.- n
r;i^ i'i.i. j.-._;....
M. i-r< > par >'.- "
^ut -nor^r**':!!!
l'lChs;.4"pj.li:4jL-
Roj-as .iy,[;i.c.jia.s ,.i eabQBQ|
u..y..d j.iin..ira ,1. ...ade ilHaM.'-i.
[Clu naviu J.ili::.!u.
*.gv
nafa*
Temfvm-xe
machinas americanas de serrote para des
-(.'od.in : na roa da Sen/ala vm d. 42.
w

til.
~E% t"? 5,'-." &"2
3 S S5 5
= ? =-5
5.3
O
est
Caixas de papel amizad<
a60C rs.
Grozasde bo'.oes de loma
derru a 160 rs.
Duziasde penna de ac
Pe^as dt, tranca de l
40 rs.
Escovas rlnissimas pata jtamar denles a 240-e
320. rs.
Pavo, r* da Imperatriz n. 60, de -Gama & Srtva.
Os si ules do pav9.
Vendem-oe rlquissrr.ios sinlos de iSias de diec-
iombrigas.
Ouro-Prele, 26 demarco de 18G4.
k^ pilulas
ram empregsdae
mim em urna menina de dez annos que i?io se vende por um preco razoavei
SOlria de vermes intestinas, notando-8c lhes ho de ag-adar :isto s na loja e armazem
que 0E svmptomas que ento apre*eniva d0 P3vao.na r.da Imperalriz n.:60, de Gama&
eram de molestia bastante periffosa
BayUC*0 Nonato m S.ThuL. nh.rm,- ^LtTSMSSSSS; %
lgodau2inhi de lindos gastos, com S
covsdos, nelo baraOssimo preco de 55.
Kadapolo oo largo a v e 105 a \, -;a.
Esleir da India de 5 e 6 palmos *de largura,
do'or" Iv (ath r icasY fe. *== =iarg^" ^^\^^Z^^^^^^^
?da6.tomgranevantaS'^:^^^^
M menjna de dez annos que lito se vende no? um pre?o razoavei que 1
uc ermes inteslinai3s, notando-se lhes hao de ags-adar :.nu s na loja e aroi
symptomas que ento apresentava d0 p3va."iro1da 1TE1? 3':<2' de Gai
1 molestia bastante perigosa. VonHls t**fcas. de ** d" ?**
ortirneu^ de roupa (.-ita -a por medida.
Algsdao trancad., da Babia : no armazem de
/.. V. da&lva Barroca, rut da Gadeia o. <.
m.- C 'l,- Mraiuies.uu'iiab ue nano aas i
aas o. i 'Hugo, pnarma- feorea que tem vwdo ao mercado pelo baratiss
ceuticc.
Nevralfia.
Urna caria do Illm. Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
pr5000a duzia, ou 00 rs. cada ma, na
loja e armazem do Pavao, na rua da Imoa.-a.lriz n
60, de Gama A Si tea.
As siuis do Hacia.
Jaadem-se as mais finas saias bordadas aagu-
Iha brancas sendo da ,melhor fazenda que lem vin
Ha mais de sete annos que soflfia dores do oeste peero, tendo amia.roda, pelo baratasi-
mn pre*-) de 105000 ; dias bordadas a croch a
O50OO e 85000, ditas coa habadiobos a 95000, aa
loja e armazem do Pavo, aa rua a Imperalriz o.
60: de Gama & Silva.
no hombro e tas costas, tomei urna infini-
dade de remedios sera achar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao paiavras for-
tes, porra nao exprimem o que tenho sof-
frido : ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es- les^deVes'ws'd eambraia 1
tou completamente retabelecido ; ha tres raa* delicados bordados de ditVreoies elees a pon-
dias que nao sinto a mais leve dr no hom- t0 de 'i"111"',-edo nVsle (enero a maior novida-
hrn ripm rn p !?V, ^ nA tem ramu buutt e en,eiles uflfceatea para o
Estas pilulas acham-se
cipaes boticas
Rio Je Janei..
Vende-se na rua ireila ns. 12 e 76 e s esPar,i"">*d Pa>-
Hospicio n. 40.
Vende-se era Pernambuco:
na
CAMAS DE FERRO
Grande sorimento de cania; proprias para col-
legio e tambera para quem qoiaer passar aefia :
vend-i-se na rua Nova n. 33.
m
Novas eatidos na loja de Pavo a 10,5000.
Chegaram para loja do Pavas os mak ricos cor-
cora os
0 VILL4R
Pecas de fila de coi
320 rs.
Caixas core clcheles frknceaes
dadrs a ia rs.
Tinteiros dearro, com
Pteas de oordo para
20 rs.
Baralhos muito Unos
240 rs.
Latas com superior banlja a
Frascos de macaca pero
Frascos e garrafinlias
(Mr
Agua dentrfice supeiinr
, o son ella liso e pautado
pts-teados fazenda me-
ta zen da boa a 40 rs.
It.-as e de todas cores.a
estreita com 10 varas a
superiores quali-
uper.ior tinta a 100 rs.
vestidos, (azenda boa a
para vollarei* a 200 e
200 rs.
a nuntu nao a 900 rs.
com agua de Colonia a
Fraseos grandes com superior agua de Colonia a
O rs.
Caitas com ft fraseos le cheiros muito finos a
15400.
Sabonetas pequeos de tolla a 240 r?. e graodesa
320 r,
Duzia de bonetes peqm nos com rheiro a 700 rs.
ualidade a fcOO rs.
C&fii loja r...j do Crespo 11. 17.
Reeeben de P-ris sidas em curtes mui-
to superiores e bellissimos padrSes, e
chales de renda preos para 105.
fcste importante eattbeleetOMiUo loma-
se recomroendavel ao U-llo sexo pela va-
riedade de azendas supriores e bellos
gostos
Proleja o bello stM ao Villar
vero todos i n/osperidade.
m
galla canta e
que imando m
Bom e baratissimo.
Una do Crespo n. 7.
Collares.
Collares anodinos ehrtro magnticas Roter para
as criancas nao morreretn de couvulsoes pelo i -
rato prego de 45-
Novidades.
Riqnissimas polseiraa ou braceletes para senho-
ra e para meninas a 15. 25 e 35, assim cerno lin-
das voltas para pescoco a 35-
Enfeites.
Riquissiroos enleites para cabeca censa de mui-
to gisto a 15500, 25, 35, 45. 55, 05 e 75.
Fivelas.
Riqusimas rivelas de madrt-perrla e de tarta-
ruga, arsim como pretas.
Cruzes.
Riqu Mimas cruzes douradas porm o rrelhor
gosto que se pode desdar.
Cascan ilbas.
Ruuitas cascarrilhas com biquinhos de .la e
aljfar cousa inteiramente nova para 'eites e
vestidos.
Binocols.
Bonito sortimenlo de Maoeiilos com superiores
vidros para 01 amantes do theatro.
As^im como uns pequininos
que serve para enfeile de relcgio mais com encl-
lente vidro.
Sestinhas.
Riqnissimas cestinhas com prepares [ra me-
ninas de escola Uazer n braco, assm como de
vidro enfeitadas proprias para mimo.
Pentes.
Ripuissimos peules de Jjoi racha cam aro bran-
co de metal para menina segurar o cabello pelo
barato precede .WO rs., e duzia 55, assim como
grande sortimenlo de todas as quahades para d
sembaracar.
Escovas.
Grande sortimento de escovas oara re upa e pa-
ra cabello, para uohas e para denles.
Lunetase oculos,
Finlssimos lunetos de um e dous exceectes vi-
dros e aro de bfalo e de tarlaruga, assim como
oculos com rame dos lados proprio para qoetn
sollre dos oculos.
Tottquinhas.
Riquissimas (ouquinhas de Co de ItDbo,' de se-
da e de lia para criancas.
Para o cabello.
superior agua para atiingir os cabeos, a?
barbas brancas e fazer conservados, pg frascos
acompauha urn rotulo que ensina a forma' cono
se. Para caspa.
loperlor banha sem gordura com .m franco
com Agua propria para limpar a cabera, os ,'rascos
acompacha um folhelo que ensina o modo como
se deve applicar, assim como agua bahamiea,
ppiata e poz para limpar denles.
Banhas.
Grande sortimcnto de banhas ern copos, em ia-
tas de folbae esa frasccis de lodos :: lamanhoi por
precos menos do qneem onlra parle, assim com.i
muitos outros lAjcrtos que nao se poae mencionar
por hoje : tb uo gallo vigilante rua do Crespo nu-
mero 7.
Bibiiotheca lusitana
bietoriea, cnica e chrooologica, comprehendendo
a nolicia dos autores portuguezes e das obras que
DEPURATIVOS
D#DfSERYAX,ieParii.
Pharmactuli'co de 1* elms**, tx-
interno dos hoipilaet, premiaio\
rom a medalha dt bronz*.
Desde muito terapo o paNea
:! .j tul o) 11. o u- > das pre|i,.r.ir-ic-
iniituladas depurativas conberiiias
sob o nome do Arrobes, Xaropes
le Salsap.irrilha composlos, ele
Cuja iiri.". ruaior parle das v ezes
nulla. e n'.ilcums casos perigosa.
O; COMtlf llUTHOSTtW" 1 I1C1
t o costo Muanai co^t <" ti
stenawa igiiCmi saaswa .>i
* ajea o u -ouo m mt*
IMLTCII1VEIS.
O stirrestto ajsjij emtem c
rriiiKoi-.tlteroarm Prar,
Ca sob e p.ro: inio das priocipae
celebridades medicas, os aaaj cima
de ludo quanto tem e\. aih
boje.
Cura rpida sem o soco,
de nenlu ni i.n tro remedio nv
leino, Ja? escropbulas .
herpes, aieccoes syphi-
liticas bjpertropnias
dos tessidos celular s.
hydropisiaa e em pera
lorias as molestias produzidas
pela alleratao do sangue ; tal
o resultado que queramos
conseguir e que temos aera
pre obtido.
Lima c. :acao accompaba cd.i
Nidio.
BaailiallMI ll. das fa'::|ic..ri>r>et Bli-
Ufies.
Para as cncomtnd.it dii ifir m os
Snrct. BDZSSOM ST C'% 18, B< Princt
EuzenefParit.
GRAGEASdeCUBEBINA
ccmCOPABAdeLABELONYI
Estes confeilos que tem por base o prin.
cipio activo da vi metra cubebn junto roo:
a cupahi/ba pura, nao natisen o eslomspa.
Elles fazem parar immedialamenle s man
rebeldes gonorrhas, mesmo as que res st-
ram a cubeba o a cupabyba isoldamente.
Vendem-se no Recife em c*** tie iJam *
Barbza e JoSo da C. Bravo A C.
Vende-se armaeau !-la etmdtsrad
pria para qualqner neg. co, r brn V rabia.:; or
commodo pti,\ : na r.a Direita n. .">>, oarJr -
trata do ajust-.
As elhoi-i'< el
escuras
patria e as letras nacionace nao podf rn nem devem
senhora a 200 rs. ser fiooradas : v.-nde-se na livraria de Jos No-
humbo para meninos a ^neira de Sliza lin arco de Santo ArJtocio.
ilulas acham-se a venda as pnn- corpo e maogas, reodem-se pelo barato preen de JBtlIK^aWMifi ffllSIS-^
cas e drogaras do imperio, e no 105000 cada um, na loja do Pavao, na rua da ii- ^***,w"^^^|** mmimmm tnmm
leiro rita Dirnila n lf peratriz n. 60, de Gama 4 Silva. hA/-' G.W.. G.\.
? .1 I"8. _-.a -.a. Os eaaartUha. da M G" fm 'ala!. ellwr que tem uto ao nier-
HARMACIE FRANCAISE
deP.MAURER&C'
RUA NOVA Ni
\endem-se um grande e variado sortimenlo de
esparlilhoi os mais bernfeitos que tem vindo ao
mercads, seudo de todos os tamanhos pelo baratis-
simo pr^c' de 45, 0.3, e 05000, por haver grande
aorlimentc, na loja do I'avao, na rua da Imperalriz
eado : vende se no armazem de Rarro* & Silva,
iravessa da Madre de Dos n. 57.
Laas para vestidos a 240
rs. o covado!!
n. 60, de 'ama Silva.
.Beias cruis JiOOO o iiOOO -Na rua do Quei(La(l0 > vendem-se superiores
Vendem-se superiores meias cruas inglezas petoi^^JSlL3 24 CVad e"ag' aD-
baralissim. preco de 450OO e 35000 a duzia, ditas l
de todas as qualidades para senhora, meninos e
meninas, ua leja do Pavao, na rua da Imperalriz
o. 00, de Gama & Silva.
Vendem-se quatro eseravos mocos e sem
deleito?, proprio* para o campo, por commodo
i preco ; na rua do lirum n. 70, 1 andar.
Pecac de liras bordadas a GiO.
Unzias de meias cruas mui.
35500.
Vendem-se quatro bu
de carga e de sella, per pre
no hotel de Franca.
.exgotada. indispensavel a "todo o hornea) lellia-
a do ou de proHssao irieoUflca, de quem a historia
Caixas com superior p r e arroz a 800 rs.
.Frascos de superiores esencias santal e ontros a
15200.
Frascos com essencias pa a tirar noduas de roopa compozeram, desde o lemp-i da promnlgacio da
a 500 rs. da graca al o lempo presente, por DIGGO BAR-
Frascos com cheiros de ledos os precos a 160 200 "^A HACHADO, 1741; i grnsos volantes tro fo-
240 e 320. lio ; obra variasirua, cuja edicao ha mallo se aeha
Frascos bonitos com chirjs finos a 500 rs.
Duzia de meias rntnto finas para senhora
45800.
, Gollinhas muito finas para
Caiitas com soldados de <
160 rs
Peca* de fita d.> la para d|ebrum
10 varas a 600 iv.
Ditas de bicos superiore
800 rs.
Pedras de louss para meni
Bunecos de choro e panno:
Caixas com bou i ir s estampa
Capachos compridos, boa fa
Grcsas de botoes pequen'^
100 rs.
varas de cordo de es.artilho a 20 rs.
Xovel|..s francezes com 20
(as anvf?as df ff!-
f {xas a 280 rs. o
coi ..de !
Na rua d-,. Qsetmadqaul wsjdtnvx rail fr-*.
eezai escuras e 0na a 8 o cueadu.
.\efidade.
Cbegarara ...;.'.- t ;.-, deMM
rebram-i.s. v:,.:.rn>. na r0a da laaacraam a
5-. '-'Ja da i ; !;;a, de P..ts P.rtu.
C-mbrai;. de f
estte aeauand
Imperaitiz n. ". de
CAHORAIA.
rom 8 l|S vari- .i ;,c,. i J
Da I ja da i ir;., larga
P.Meies i'. r:.i.
Ca! de Lid>>,.
ATfiBiKBAiO
Vendcm-v- bsrris cjm ra -l> F.i-I
um : nn roa do rum u. Gi>. arnaai i '.-
Vil hos >fo PortA,
cas melhores mareas, en. raiaplas
de narran ; .ra ra* pari'Volares,
mas di Donro, Doqoe di !... ji.
tem ancrelas J .'.cin.c tc;-|.ad. > rr
e !('
em p'pa : i
Vende se arroz rom casca, preQu ero vi Da,
dido em alqrjefrea vootade do comprador
no trapiche do Cunta : para tratar
gario n. 29.
:a rn..
m -
tst
o Vi-
ardas a 40 rs.
o fortes e superiores a
viiilio, barris de .",
Sarjo n. !'.', primero are ir.
Veodemse cscrafd* deaifca -
uiin* i'.- i;."...- i h ;.' zea d. 18

('lales de renda
de vestido, com'
para acabar a 600 e'
pos a ICO rs.
160 rs.
para rap a 100 rs.
"peu/parT ca.ca afcUCIO nos Ct^ioloT-i'I:^^ ffXr!T&~
Vendem-se eorpinlios de eambraia com entre- no loqne de mito, a 3Mft a i ... tJ. 4 Vi
meiosa 15 e 55, estao se acabando : na loja d- e 12,30"mi.
Paredes l'orto. roa da (mderatriz n. l>i, poria lar- ..
a, juo.o a padaria franceza. "~ Np,,d''ilJ' n''-% '",r"iJ 5a '"' ''"
p i parte para iijciJar, dous .' uit ni -t r-
i.-1.1 M JIKIs e 4 cavados, os (juae^ >:io ;.i iprtes aan m.v r m..
Parede Purto vende cambraias !^as f)r,as. gran- chinas de des i u ilg S.\ rvlindros r anda
ra6 mulo mansas, boas de SOMiuteniD, a 35 al 05, ditas Vteturu moilo :m tr.i- ; n .1.1. : a .-,-r tr. ;a-
;o commodo : a tratar finas, com 10 varas a 65, 65500 e 75 : na rua da na fabrica da (r >-a ; u. i,
imperalriz n. 52, junto a padaria fanceza. Raaos.

h M
I I I
A/
\ I
TSk ixn a r%

.
, .
-------------------:--------.w -
^Bk. mmmm
~)


Dlari* de Perninbuco Qunrta leira i dt Oittiibro de *
N. 11Ra do Queimado N. 11
A loja de fazeud&s de Augusto Fredericodos Sacio Porto, acaba de receber um mn-
to orando e novo soriiineuto de cortinados bordados para cania de noivos a 31)3, 40$, 45$.
50OOO, 60000 e 70000.
Lindas mantas para grvala, de variadas cores, a 1 $500 e 2.
Cachioez de la de diversas e bonitas cores a 3350o e 4.
Ciales de guip, fazenda a mais moderna, a l-3, 203, 225 e 253.
liolondes de ku, tambera os mais modernos a 2G3-
Colillas de ^la de cor para cama di' nuivos a 555 e 603-
Alcatifa de iiutio para salas, tazenda larga, bonita e de muita dcracao,
covado.
Tapetes grandes e pequeos, cora ricos desenhos, para sof.
Saias bordadas para seulioras a 75, 85, 95 e 105-
C^pas e soutemuanjaes de seda preta para senioras.
Bonete, chapeos e cbapellinas para senboras, dos gestos mais modernos.
Chapeos elegantes para senboras, a 125.
l'u'tnias de Quissima brelauha de liobo a 75500.
Laailahas de qaadros a 320 rs. o covado, setim de Paris a 700 rs. o covado,
braba Irancezas de cores a 500 e 700 rs. a vara.
Casemiras de qaadros, inoire anlique pretos e de cores, pannos e casemiras pretas,
grosdeniipole prelo e de cores, esguioe, silesias e cambraias ee linho, sormento, de diver-
sas fi7.c-i.ilas para lulo,chapeos de seda para homens a 95 e 103, chapeos deso de seda,
lindos manguitos bordados, e outras muitas fazendas que se veudeai por preces razoaveis,
fj|L1 inclusive
g Esteiras da India para forrar salas
w&^m

No ultimo vapor viudo da Europa
Superiores cortes de seda de cores o que lem vicido a Peroambnco de melbor
em seda.
Assim como mais alguraas fazendas de bom gosto para vestido.
gosto
X. 13
RA DO CRESPO
LOJA DE
Antonio Correia de Vasconcellos
e 0.
C> ZgP JS&5 v&l* S
Ci&-:ff?"J355^X
CHH&TES 15E SEDA
Chegaram pelo paquete inglez riqusimos cortes de mor3aatique de cores, e seda lavrada
.'roe: mteiramente novos.
Seda de quadros por 1^000 o cavado
pa-
5
Gregorio
RA D3 CRESPO-5
Pac. do Amara! & Companhia.
Paredes Porto
Receheu pelo ullim) paquete francez ricas laas
granadinas com fl ires de seda a 400 e 309 rs. o
covado. estao acabndose, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a ra
da Iraperatriz n. 32.
Paredes Porto
Vende um completo sortimenlo de fazendas
brancas, como sejam madapolo a 45500, 35, 63 e
103, pecas de algodo por barato prego, chita fran-
ceza a -40, 2S0. 320, 3t0 rs. o covado, precarias
maito finas a 3G0,400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 c 210 rs. o covado. Ilua da Iraperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Paredes Por lo
Venda gangas de cor propria para ronpa de me-
ninos a 320 rs. c covado, lscalo francez fino a
320 rs. o covado. Ra da Iraperatriz n. 52, junto
ENCICLOPEDIA!
i',': fuiMa iniperariz armazem
da porta larga &.
r?;ialo a padaria fradeeza de
Pareces Porto.
Neste eslabelecimenlo encontrar o respeiuwl
publico nm variado sortimeoto de fazendas france-
inglezas, salssas e aemaes, que se venderao
prt-co commodo.
Pa-nl"s Porto
nde chales de renda de cori>s "jue se vene-
l a 18$ esl vendando por 65, ditos pretos, fa- a Mdariafrauceza'pora" larga.
i aova, o. G-5. S> a 203, ura sortimenlo com-
i Je manteletes, capas e soulambarques li3 a
' : i da Iraperatriz o 42, junto a padaria fran-
ceza. si mazen da p irla larga.
Paredes Parto
!' I mi nm completo sortimeoto de ISasinbas a
3 I, 80 rs. covados, para acabar, cambraias de
240 rs. 'ovado, riscalo escossez para ruu-
finn fusliii >' linho a 120. 400 e 500 rs.
: 11 I peratriz n. 32 iiut; a padaria franceza,'
ai.. ra larga. '
Paredes Purio
ft-eeSeu para cortinados pira cama franceza a
lI. .. ; -i;. rambrai i 1- Bn i a 33 -3 at 105 a
porte le tari llana le b nitosi stos a 33300
' .. ( ambr lia ion fl ii de .-.' i, gostos inteira-
'"iv -.i Sofl 50 rs. o covado, no armazem
ra larga n. 52, ra da Iraperatriz junto a pa-
di. i. rauceza.
Paredes Porte
: 'ceueu relo ultimo paqoete ura crtimento de
n pe raspara op-scoco. bonitos caxineis
d | ira pescoco de senhora. Ra da Iraperatriz
y. rn iz m da porta larga.
Paredes Porta
Receten pelo ullim paquete espartilhos a pre-
guicoso por 3j>, sao bons, lencos de seda para se-
nhora e hornera a 1?, ricos cortes de cambraia
bordados de I8J a 7;, por t-r um toque de mofo,
estao se acabando, na ra da Iraperatriz d. 52, jun-
to a padaria franceza.
colares Royer oji colares ano-
dfuos
para facilitar a lentica i d s criaDcas e preserva-
las das convulsSes.
O feliz resultad) obtido immun-'ae vezes pela
prodigiosa forra magntica dos colares Royer, nos
casos de eonvolsdes, o dentijao das crianeas, teni
altamente eleva:.) o ?eu bem merecido prestigio,
e hoje j fe p>te di?er qne estao gera!njente con-
ceitoados, e estimados de innuraeraveis pais de
familias : de un- porque do uso a>sses sahitires
colares Tirara salvos do perigo seus charos Blhi-
nho-, e Je outros porque oolherara daquelles to
proficuo ejemplo para igualraenie- preservar o-
seus. A>sim, pols, a aguia branca, tende- era vis-
tas a utilidade eproveil desses prodigiosas cola-
res anodinos ou R.,yer, taandju vsr o now> sorli-
' melo que agora receben, e continuara a recbe-
los para que em lempo algum a falta- dell^s possa
ser funesta ao- pas de familia, os quaos- ficarao
Pare les Por!)
V 1.1 .'Ores de gorgnri ; preo para vestido com
. ida ura 335000, grsdonaple prelo a
i 561 l, i l 10 1 i| o cova io. laas lizas finas a 400 certos de os aehar constantemente ae roa do Quei
rs. o c I la is de qnadriaho 1 ara vestido, enfes- mado, 1 ja d'aguia brinca n. 8.
i : o covado. Ra da Imperatril n. 52. ~. rt n n 7
' P.r,a V (jAZ hAL hu&Jj
ParedesPtrle Vende-se gaz d.i melhor qiuMAa
para vender por pr?co commodo, pecas d ii;5 a lata : nos armnzensda ruado lm-
. de linho rom 10 varas a 73, 83, panno de tirador nM6 e na do Trapiche Novod.8.
-. letces a G'iO e 700 r*. a vara, braman-:
inho de '4 larguras a 23200 e 23300 a vara.;
Paredes Porto
Vende corles de cambraia bordadas de ricos
- a 103 e 123, no> vestuarios para meniDa
ricos cortes ie cambraia .Mara Pia a !
^i1"}. tarlatana branca e de edr a (>U) e 720
rs. ivara. Ilua da Imperairiz arraazem da porta
n 58.
ftenaa Wta
ciat.tViM;
eci
n
cha
1
;
-
da iraperatriz n. 52 arraazem da porta lar-
1, 1 padaria frauceza, encunlra-se oeste
Ven.le-se riscadinho francez a 200 K. o covado,
por ler grande qsantidade, e:a-se acabando : na
ra da Iraperatriz u. 52, loj^ da porta larga, de
Parete i'orto.
LOJA DO Btlja FLOR
Na rila !o Qupiaiado n. 63.
Tem recebid') um sortmnto de crazes que
sol, dito rrancetes para cabeca, por I esto asando de diversos costos s s. anem tem
nodos, roupa para menino e nutras 0 iieija-flor.
>io nm completo sorttmento de paleos-
e ibrecasacos, de I >das a- qualidades, cal-
billetes, ceroolas, camisas, grvalas, raeias,
iS iie
- COm M'.ii'i>, iuu|u ',.ii .1 iitciiiuu o umids q ^ej|
faz.....''- porprecoscon arraazem rendo.reeobido variados- sortimentoe de voltas
ita laiga. i de aljofares de diversas cores, enfeites para se-
snbeitabelecimento encontrara o respe-1 Dhora de diversos gostos, e mais barato do que
i,i;,!.., sempre um c impleto sorttmento de em (|Ual<|ucr outra parto.
i !-!i,s de todas as qnaiidades, como jijara | Facas e "arfo*
.1, alpaca preta e de tr ditos sobrecasa- : y d f ^ ^ dft M fc
... ..,, i, ,. .i, o parJ a 2**10 33 a |im U|.. 3r,m ,)j(as i|(| j]ous b^ ,
.sitaos a W, ditos meias tiMm i e^SOO, dita para doce a jflOOk. tas de eabo prete
, e 53, ditos em mira accos a U, /#, 8j :,Si00 tf, d c^ ,)rmco> h mv0
.: casa a 10 e Ii3- di tu de panj 34000
Tem recebido variados sorlimentos de baJaios
i- ai<3, ^"> fl I03i ditos sobrecasacos a 123
. .' le merino preto a Gj, "-S e 103, cal-
;- hura de diversas qualidades a 13800 a ''<.
a 2350O e 6300, ditos cazemira 63,
1 5, ditos pretos a 55,63, 8-J e 105, ditos
'miras 1 '''> e l", eoleles de diversas
. >i alas fran izas de algod&o, rfitas de
\ bramante a 25 e 23500, carnizas de
. p i 1 uho/raneezas de 23300 e 33. Grau-
nii ha oeste genero, grvalas de todas as
I e br ocas para casamento, grande sur-
le meia para senhoras, ditas para bomens
upem n a 33500 i 3.
' : rtimei 1 chapeos de sol de
33, htos I seda a 53, 73, 193 o 113,
franceses para cab ca, grande sortimenlo
chincha a imiiavel.
ie sortimenlo de imbn a iJffiOO e 53,
lia paia .. ..-:.! a 23 a duzla, di-
1 1 1 i i v.',';.
i-- so ti nenio de roupa para meninos a oo-
:,.. tas qualida les ; 1 seria enl 1 I m o-
ei i"
Fazendas.
V :! ; 1 superior merino 1r 1
pa- de se .i: ira e vestidos a 23. Urlfim d 1 China
10 o c va I 1. Ra da Im -ratrii, | na larga.
Paredes l'ui' .
v.;; i; i>i!i e'i es^lielf'cimento tira.- '.' TiCio
ho rtiinento de c r :;.'. rica-
meo-' iorJ los a 33, iS < 53. S o Paredes Por-
to, ruada I Wz no 52; po": rgi junto a
ir! 1 f : za.
liara meninos de *cola, d forma de peisjnhos.
patlubos e outras de diverso gosto, que s com a
vmia bem se pode apreciar, o tambera serve para
o leilSo do hospital portbflaei: laas para botar de
diversas cores a 7-3 a libra : s no beija-flur.
Escovas pura ronpa*
Vende-sc escovas para roupa multo toas com
differantes gostos a 40 e 13, ditas pera denles a
120,840, MO e 306 rs.
Pape! e envelopes.
Venda-se paulado papel ecaixinhas a 680 rs.,
dito de cor a 700 rs., e eomvelopes a C40rs. a ca
xinha.____________^__
So/a.
Vonde-se 450 roeios i.- sula de boa qualidade :
a tratar na ra do Queimado n. 53, lojo de ferra-
- 11.-.
Vende-se um carro (victoria) novo a eiegan
le com os arreios 1 ui ptenles de metal principe :
111 Pon e Velha n. -!, ; r preeo commodo.
I'.r.u era barricas pequeas.
Ora en velas de lodos os iiiiiiiihos.
Bogias.
Uorcuno.
;.'. ra '" vigano n. 19, primeiro andar.
Vende-se ora bom sitio na encruzlbada de
Beloro, cora grande casa e muitas fructeiras e com
jaixa de capim, o qual impre esta alugado e
ende-se por prefeo eotamojo : na ra do ftangel
7, s-gjndo andar
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de precos,
tanto deste arniazem como do armazeni progressivo pa-
teo do Carino n. 9, principal armazem ruia do Impera-
dor n. 40.
Fazem sciente ao respeitavcl publico., e com especialiJade aos senhores de en-
gehos, Iavradorese mais pessoas do ceutro, que para mais acilit;r suas compras deli-
beraram os propietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeeci-1
mentos em um s armando, pelo qual o preco de um ser de todos, proraette-
moa que rrao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, bnnunciar os gneros |
por um preco, e na occasiSo da compra quererem por ouro, como socede conslaEte-
mente em outras muitas casas, porm nos oossos estabelecimentos nao se dar isto
aioda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Hecife, esquiti da M^dre de Deas.
Grande sortimento de fazendas por atacado e i retalho, e nm completo sorti-
menlo de roupa fetta, de casemira e de brim, Indo por menos que em noira qualqoer
liarte; quem duvidar venlia ver.
de lindas e finissimas casemiras escuras e claras, de superior casemira preta, de finos
brins blancos e bum brim pardo.
Paletos
de superiores casemiras escuras e claras, de tina alpaka branca, de superior alpaka pre-
ta e de brim pardo.
tollete
' de boas casemiras pretas e de cores e de fino brim branco.
CAMISAS
Superiores camisas francezas de 23 at 53.
Cero nas.
Ceroulas de superior bramante de fino linbo.
Baldes.
Superiores baloes de arcos para meninas de 2 at 12 naos.
dem superiores para senhora.
Ciravatas e mantas.
Superiores mantas para pescoco deliomem, as mais modernas do marcado.
Hadapolo.
Madapolo bom a 8,?, 95, 10# e 125.
Chapeos de sol. .
Superiores chapeos de sol de seda balito a lfl|.
Fraques de easemlra.
Fraques de casemiras, preta, escura e de cores claras, e no bavndo qae ttn
serio tam'.em servidos como viessem pessoalmente fazendo-no o favor de mandar seas ao freguez manda-se fazer por medida e ewn muita prompdo.
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remattendo nos urna conta j Todas estas fazendas por preros insignificantissimos, pois o filo do Balo e ad-
o arrepender pessoa quirirfreguezes.
pois paspar mais de
3
pela qual se ver os pregos tal qoal aonunciarmos, o que sen-
alguma que Szer saa despenda em nossos estabelecimentos;
5 por cento na sua despeza diaria.
Manleiga iigleza perfeitamente (Br che-
gada ltimamente de l.oooa l.ioo rs. a li-
bra, c em barril ter batimento.
Manleiga franceza da safra nova a 86b rs.
a libra e em barril ter alwtimento.
MNHA
Banha refinada superior a Gio rs. c 3in
barril ter abatimocto.
CU 4
Cha xim de primetra e superior qualidfe*-
de a 2,8oo rs.
dem liyssen o mellior ntste genero a
2,6oo rs., e sendo em porco t-rr abatimen'
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de 1,80c- 3 2,5oo rs.
a libra.
Biscosrto
Latas convsuperior biscouto inglffz de di-!
versas marcas a l,2oo rs-. a-lata.
Bolaehahas
Latas com bolachitilas da acreditada
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooors.- a lata.
dem com juatro libras-de-bolaabinha de
seda a 2,000 rs. a lata.
Queijoe
Qtieijos flaniengos ebegados no ultimo
Serteja
Superior serveja Ipaos dos raefhores fa-
breantes, eomo sejanj: Shlers A Bell. T. F.
Asbe a 7,5oo e 7,ooo|rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem| ha de outra marcas
comoseja: Victoria e Alcope a5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs-. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre te Lisboa a 2,000-rs. a
caada e 280 rs. a garrafa-. Tambera ha
mais baixo para Sfco is. a garvafa e l,4oors.
a caada,
AzeUe doce
ke de Lisbea a 600 n. a
a caada.
Mfssas
Macarrloe lalaerica a 360 rs, a libra e- a
;ooo rs. a eaixa.
PMMS
Superiorej passap a l,5oo c- qtiarlo 3*1
i5j5oo acaixa de ariosa hespanhela e a32o\
fa-' rs-. a libra.
LOJA DO BALAO
di:
AZEVEIM 4? FliOKESo
. Supericrazeite d:
garrafa e a- 4,Goo rs.
t
H1GHA
NO
AMMAmm 1>E FAKEMDA
RA DO QUEIMADO .\. 7
CUSTOUIO CAHVAIiHO C.
Pecas de madapolo fino francez com 22 e-1|2 varas e com imi pequeo tcpie de
mofo a 85000 cada peca.
Cambraia branca para forro a 15600 a pera.
Lencos de cambraia para homem e meninos a tfiOO cada duz.a.
Cambraias organdismuito liu-Ias a 600 rs. a vara.
Cassas de cores a 26o rs. o covado.
Las de cores muite lindas a 3 0 rs. o covado.
Una do Queimado u. <9, arasazem de fazsi
idas.
vapor a 2,3oors., tambe ha do vapor pas- a ams.
OK\I3li
Genebra d larana vordadeira c- lo,5oo 3
dezia e l.ooo rs ao irasco.
Genebra de llllanla verdadeira-a 6,000
rs. aiasque'm e a p6o rs. o frasco.
Idom de Iloanda em. botijas a toe rs. ca-
sado a 2,3oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate h,panliol a l,ooo e I..2oo rs.
a libra, francote suisso a--l,ooo rs; a libra
e poFtuguez a 800 rs. a libra, em por?3o
ter abatimento.
INHOS
Superior vinho do l'ort das mak>-aeredi-
tadas marcas, comosejanv: Madeir-5- Seeca,
Duque do Porto, Velbo Secco, Lag-.xmas do
Douro, Maria Pia, D. Latas Pedro % L^gri-
mas-oces e outras marcas- a l,oo a garra-
fa 8 9.000 a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e L^boa das- melhores
marcas a 4oo c 000 rs. a garrafa,. 3 a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a cana.ia.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,5on rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ar.ceretas de Be 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Garraloes c^m 24
IJem de carnaul
garrofas de genebra d
o garrafao. Tambem [
14garrafas do3,2oo ai
Holl.inda a 8,oeo r
ha garrafes cem 5
6,000 rs. cada-jm.
MELAS
Velas de spermaclete 2600 rs. .-.libra.
n5Q Q^!- K2 i
MODA.
a de lo a 12,000 rs. a
Paredes Porto receben pelo r.itimo paquete um "completo sortimenlo de capas
hournu decores ricamente enfeitados a 1231, 15 3 205 : Da ra da Impsratriz n.
lojada porla larga junto a padaria. franceza.
as^.-
arroba e de 3i:..- .i i lo r& a libra.
FEIXE
P&ixe em latas- j(i preparado de 1,000 a
l,2oors. a lata
ALFSTA E PAIISLO Contina a vander todas as miudezas que ahaixc
Alpista e painfOl muiiO novo OO 3,800 ai declara per presos admiraveis.
4,300 rs. a arroba dc-l'to o 130 rs. a 1-! Massos de ponos (liados para deates a-100 rs.
NEM SEGrlJ^
1 3&ua do Itueiuiado- ns.
-49 c &*.
bia.
CHARUTOS
Charutos dos mais acroditados fabrica-
tss, como sejr.m: Joa Furtadoda Serrias,
Manoel Peixotr da Silva. Nelto,.astanho &
iF:i'uo e Brando e e outro& muitos. os
1 qoaes vendemos pelo-mdico proco de 1.6co,
uper.or vmho-branco propr:o par -l^^goo, 3,3do, 4,r,oo,.e 5,oco.rs. a cafca.
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha. mais bai-
5oo rs,. a garrafa o 3,2oo a
Mra 1 U" ,S- a 8d"a'a "''^ a Licores tenH e-portugeezes a l.coa e
^,500 a canaa. j t 400 rs. a garrafa ou frasco.
Caixas com. umn tuza de garrafas de su-; noces
Doce da casca da- goiabft e caixocs- pe-
queos a loo rs. e de 3o caixoes para sima
psrior vinho Bordesux a 7,000 rs. a caixa ^
7oors. agarcafa.. -
CAFE
Caf do Rio de 1.a e 2,"
6.800 a 8,2go rs-. a arroba, e
rs. a libra.
SAKl&O
Sabo maga de primeira quulidade de* 18o
a 22o rs. a libra e de i60
em caixa3.
qaalidade dej
de 2io a 2-So
a 6io rs. o caixao.
IntM
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, amoixa rainha Claudia, al-
perebe e outras frutas a o ?s. a lata,
a 2lo rs. sendo Tambem ha latas grandes para i,2oo rs. a
lata. 1
?^-^A <3f$ ^W^W^^W?*^
pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Ifacas pelo ultimo
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Frats seccas pelo ultimo vapor.
Fruclas em calda pelo ultimo vapor.
Nocs i>e!o ultimo vapor.
v^
vapor
ipelhos de molduras douradas a 200,240 e 320.rs.
Itonets de otado para mecios a 15000.
Ditos de couro superior faaenda a 15300.
Frascos com superior tinta, rocha a 240 rs.
Meiadas de linha roxa para bordado a 20 e GO
Caixas com 100 envelopes,fazenda fioa a 600 rs.
Grozas de peonas de ac, /azeuda superior aoOO rs.
Grozas de boloes mareperola boos a 500 o
e 6 40 rs.
Caitas coai 30 novellos de linlia Jo gz a 700 rs.
Caixas coa) superiores >oreias de cola a 40 e 80 rs.
Pecas de Sita branca elstica cun, i) varas a 280 fs.
Vana db rauja de l& para eoteUd de veslidi>>a
40 rs.
Baralhcs dourados superiores rjtzalidades a 400 rs.
Novellos de linha coa 400 jardas a 80 rs.
Livros para assentosde roupa i-avada a 100 rs.
Pares de botSes pa?a punho, fo?enda rica a 12J rs.
Tesooiias para costuras superiores qualidades a
400 e 15.
Caixas de peonas de cailig;aphia, fazenda boa a
moa
Massos com superiores graoipos a 30 rs.
Pares de sapatcs de irania e tapete a ]5S0.
Caixas com superiores agulhas a 240 rs.
Libras de laa surtidas de bonitas cores a 7,5000.
i Caixas com superiores obreias de roassa a 40 rs.
' Rjdinhas coui alfinetes francezes muilo superieres
a 20 rs.
i Resmas de papel almaco a 2i00 e 25800 rs.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 1.
i Duzias de tesouras com to jue de ferrugem a
OO rs.
Duzias de facas e garios de cabo preto a 35000.
j Talheres muito fino para enancas a 240 rs.
Pulseiras para meninas a 320 rs.
' Ditas e voltas para senhora a 500.
j Frascos de Agua Florida vtrdadeira a 15280.
! Frascos com superior banha a 210 e 500 rs.
1 dem de sup-noroleo babosa a 3"20 rs.
Caixas cun lamparillas para 3 mezes a 40 rs.
| Varas de babada do Porto a 80 e 14o rs.
, Cartas de alfinetes francezes a 100 rs.
Quadernos de papel pequeo a 20 rs.
Grvalas de cores, fazen-la superior, a 500 rs.
Papis de agulhas, fundo lloarado, a 80.
;
I v/f
Fumo da Babia para
charutos
Vende-se fumo superior de todas a
qualidadrs, a retalho s por atacado e por
preco commodo : no hecife, ra da C>
cimba n. 1.
I
Acha-se
L\
>i
.-.
3
N
i\\b>

Ifil
.- ......
Queijos lor.drinos pelo uhiino vapor.
Queijos llmenlos frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo til imo vapor.
Tudo se vende barato n-s seguinles rmaseos:
Rna do lijjpador n. -SO. Verdadcls-o Principal.
Ilua do 4ftue!iado n 9. iTnio e Corauirelo,
l.arso do Carino n. 9,
M Bichas de Haraburgo {
^i todos os paijuetes da Encopa se recebe
|jj destas amigas do sangue buinano e se
K vendem a troco de |iouco lacro s afim
B de. lar sempre cousa nova : a loja de bar-
beiro ra estrella do Rosario n. 3, ao p
K da igreja.
m

ProgressSvo.
Luvas de Jouvin.
IW
*i^'
A iota de miudezas na rea do (Jueima-
Ido n. 16, resebeu-as por este ultimo vapor, nheirooa s pwse,
i venda M livraria acadmica, na roa do lapera-
\ dor; na to Sr. Nogueiri, junio ao areo de Santr-
Antonio ; e na typographia imparrial, Da rtn -
ireita do Rosario a eonpilacao de lodaa tasMPf
tendente administracao, arrecadacao e fisca-
saeo dos dioheims de orphSos definios a ausen-
tes, heranras Jacentes, legados, elc^ cooteado lio
s o regiment de cail e a lei geral das execu-
coes, como larobem todas as ordeos e avisos do
governo, que a tudo tem explicado, tanto a respai-
lo das obrigacoes inherentes ao cargo dos diferen-
tes empregados de jusca e faztnJa, cjmo dosdi-
reilos nacionaes e emolumentos fine si> devidos.
Este Hvro contendo mais de 700 paginas en nitida
impressao e bom papji, e prestantio-se a uiiIk*!-*
de deferentes rlasse-, Lirna-se r Sea usto 105000 por rada exe:np!ar em doos
omos. ^^^_____________
Vndese no cripmrlo de Vlaaoel Ignacio
de Olivara & Filho. largo do Corno Sant) n. 19 :
Vmbos do Porto muito superiorr e caixas da
1 duzia e barris de oilavos e decaos.
Muscatel de Setubal da melhor marsa, em caixas
de 1 duzia.
Palmella tinto do excellente qual:Jde era caixas
de 2 duzias.
Vinhos de Usina muito suferioras da marca PU
em pipas e barris.
Cera em velas.
Portadas de pedra de Lisboa.
Azulejos para frentes de casas.________________
ava> indo.
Francez barrica 5JOOO
Porlland dem 83500
Ere perfeito estado:
Fnnce? barrica NRM
Porlland dem ISjiOOO
No armazem de Tasso limaos caes do Apolla.
Vende-se
Rramante de linho fino e largo para Iences.
Brim lona encorpado e riin para montana.
Mantas para cavalio.
Cobertores de alodio de ura e d.ms pllos.
Na casa da Edwar.i Fenlon n. 17, ra do Tra-
pirli*._____________________^^__^_____^^^^^
\Vndese o enpeaho Furna?, sito na fiegoe-
zia de Santo Amaro o> Jaboalo, hom d'agna a
tem proporeoes para 9000 pa> snssnes : os pre-
tendeoles dirijani-se ao eogeoho *. testo, a tratar
cora o propnwario, que lod > o aegocio se fai a -

i



f.
Mario ie Permaiabiico Qaarfa fera i 8 de Onuhro 9c | r-*
<1
0
AO PUi
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
asm & hhmm idi si MnuBma
AO
ItESPEIT1VEI PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da liiga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento 'de molhados,
que sendo em sua maxim. parte mandados vir directamente do estrangtiro"podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
priineiro e nico em seu genero, pde-se porm afliancar, com toda a seguranca de que
nenhdm outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
i V Delicadeza no trato.
^2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por saa posico social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os. melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc. V
Qualquer que. seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mili-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga o assucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
. Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certameote muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, ncm se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A" VISTA:
A Gkaixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA. a (20 rs. a libra. urna,
dem e pataco de oito libras para cima a |
100 rs. KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa.
Mein o menoi.* consran-
gimento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
9 presos da cgninti
tabella para todo, po-
dendo assiin servir de pu-
se para o ajuste de contafe
com os portadores.
AGUA FLORIDA
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Conce!e*o)
PARA BEM DE TODOS,
Sennore*- choras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptidac e intel-
ezacom que serao traM^v^"'nvida a.urna visita ao mesmo, certos de qne sem duvida me daro a protecciio e. preferencia na com-
rra dos gneros que precisara. e quando nlo possam vir poder3o mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco orticos,
rois serSo to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vao en
tra paite.
Arkoz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 2i0 rs. a libra.
Ameixas fraacezas em latas de todos os ta-
Aianhos.
dem idem em potes de todos os tamanos.
dem idem em bocetas de todos os lma-
nnos.
dem idem em frascos de lodos es tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade e 60 rs.
a garrafa.
Alhg-3 a 200 rs. o molho.
Absvktho a 2000 a garrafa.
; b
B0LACI1LNIIAS do Beato Antome em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 1(5800 a lata, e
de cinco para cima al 700.
Idea de soJa em latas grandes e 2>000 e
de cinco para cima a 1S00.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
15200, 1250 e13300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Baniia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 600 re. a libra.
dem suisso a 13 a libra.
dem de musgo a 13500 a libra.
Ckouiucas muito novas a 800 re. a libra.
Caf a 210 e 20 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7$$O0 a ar-
roba.
Consehvas em frascos a 320 n. cada una,.
sao muilo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Chauope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 13800 a duzia.
XIekveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa? e em duzia s faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Miesissipes,
Paaetellos, Apraziveis, Varetas, Brasei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as cualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 23000,
232"0,23360 e2800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 23500, 33500, 43 e 53.
Clices de tojos os tamanhos.
Cognac superior a 13 e 13500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.

DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
ERV1LHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Fehao verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra.^
Mem americano em latas a 13-500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
LATAS cora graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 13, a libra.
Marmliada dos mais acreditados fabricantes.
Macarko e talharim a 32C rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostapda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a .
Massas finas para sopa branca e amarella
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
33500.
Mn.no painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
N0ZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PEIXE om posta, latas grandes, a 13CO0, de
todas as qualidades, como sejam sav
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadinlia, linguado, sardinha. etc., etc.,
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco muifc)
grande.
Passas em quarto a 13400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
n
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINHAS OU MOUIN'SUES a
R
RAPE' Meuron a 13 a libra,
dem Princeza do Rio a 43200 a libra,
dem francez a 23500 a libra.
S
SABO massa a 160 rs. a libra, em cates i
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 2$.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o mago.
Sag muito novo a 400 rs.
T
TOUCINHG de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em la las Sf600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOS!
Principe Alberto, de 1831, a 53000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velbo secco a 23 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 13500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 23 a garrafa.
Duque a 13 e 13500.
Chamisso a 13, 13200 e 13500 a garrafa.
D. Luiz a 13 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 23 a gar-
rafa.
Carca velos a 13.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posieo alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 13 agarrafa.
Absyntho a 23 a garrafa.
Kirsch a 23 a garrafa.
Wermouth a 23, e a caixa a 183.
Bitter Maurer a 13 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 203.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 23500 a
caada.
Na officina de ferreiro da roa do Jasmim n.
ha para vender ama carrosa feita, com esmero
propria para carregar urna pipa com agua, afim
de vende-la pela ra. Na mesma oCflcina ha tam-
bero um cabriolet de daas rodas, novo e muito bem
acabado ; qoera pretender estes objectos, pode di-
rigir-se a mesma que achara' com quem tratar.
Potassa da Kussia
muito nova e superior : vende-se no escriptorio
de Manoel Ignacio da Olivar & Filho, largo do
Corpo Saojo o, 19.
Catangas finos e brlnqnedos
para meninos.
Lhegaram para a loja de miudezas da rna do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
; tanto para bnnquedo de meninos como para cima
, de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de rniudezas.
Lavas de pelllea.
Receben pelo ultimo vapor lindas luvas de pelli-
ca de cores e brancas para homem e senhoras: s
quem recebeu Coi o beija-flw, ua ra do Queimado
numero 63.
Manteiga ingleza especialmente escullida a
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
- abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de I e 2 fi-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato e 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Aletria, macarrao e talhaijim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa. i
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em1 ancoretas de S caadas a
35,ooo rs
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das m'elhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e lo,oooa caisa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda tm latas de diversas
qualidades a l,3oorsl
Sal refinado em frascos devidrocom lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja bracea das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, ,ooo e 6,ooo a du-
zia.
MURRAY & LANZAN
A agua florida de Morray Se I.motan
olliada romo um arlij/f- <' i i lu
lem podido ser igualada ptfea trr.-srnf rs
as mais custosss: conserva sei n n ;>
mo se formasse parle a ji/e efn
se applica.
Sua eflicacia liio delirada. Ti' > >p?r-
tes s'io seus moltiplicadM >
empregada como artigo Je le m
no uso do banho, ou como HnSStfM da
pelle, depois que e tenl.a frito :\ Iir.rl.
j pata limpar as gingivas tm mi at-jsr
balito. .
D suavidade, biilho e eto ircuia:* as
compleire?, dej oi< di' ? ma I: a-
livia a irrilacao de ruperieso Mri 'az
desapparecer o (ie-apra-laxe' -\ ,< >
pannos, das sardas, fio rosto, ruas e !ot.i
Cartes com bolo francez muito proprios pa-1 Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
boo a caixa e 4oo rs.
ibra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata, ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs. Passas de carnada a 8,
a duzia.- a libra.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,; Figos de comadre a 24b rs. alibra.
l,ooo e l,2oo rs. a libra. 'Amendoas de casca mole a 4oo rs. a
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5i|o rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Peixe em posta ewi latas hermticamente la- j de Brito no Beato Anjonio, em lata de 6 li-
cradas e das melhores qualidades de pei- bras por2,5oo rs. i
xe a 8oo, l,oooe l,2oo rs. Ameixas francez;is em rasco de vidro com
Vinho Bordeaux das maTcas mais acredita- lampa do mesmo, a J35oo.
das que vem ao nosso mercado a 7,oooe Ameixas franc zas em cbixinbas de diversos
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris agar-, tamanhos com bonilps estn pas na cai-
rafa. xa exterior, a l,4oo, ,6oo, l,8ooe 2,ooo
Genebra de Hllanda a 4o rs. a botija de cada urna.
conta certa. I Azeite doce refinado hespanhol ouportuguez Champagne da melhor qualidade que vem
Frasqueirasde genebra dellollanda a 6,8oo; a 9oo rs. a garrafa e Jo:ooo a caixa. i ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
e 64o rs. o frasco. Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo | 24,ooo e 26,ooo o gigo.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.: casla ^ 'hulicoes, e di ^ig re sn a
Charutos do aflamado fabricante Jos Forta- Pai,c oni!e 'lui'r 'l1"' ""' ;ii'ip "i1
do de Simas, das seguintes qualidades: cieDcia e elegancia sao irtialm i
Exposifao Normal de Habana, Impe iaes,
Londrinos, Gtianalaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, o.ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, inlervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melliores marcas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra c 8,5oo a arroba.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,ooo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8uo rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
Genebra de Itranja verdadeira em frascos o gigo com 36 libra--.
grandes a ,oooe 11,ooors.a frasquerra. Conservas inglezas a 75|o rs. o frasco e
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-! 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. sli-: 4oo rs. I
bra e 7,5eo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs. I
dem da India a loo rs. alibra e2,8ooa Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a 8oo rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda france/.a em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,eoo a Lcntilhas francesas, encllente legume para
arroba. -^ sopa, a 2oo rs. a libra.
Massade tomates de superior qualidade a filo Marrasquino de Zara proplriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta- 15 a garrafa e 11,ooo a duzia.
lho. 'Palitos de dente a 14o rs. Dmaco.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a So rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
ViDagre branco j engarrafado a
garrafa.
veis nos casos em que seja | n cws ( lifa-
la como estimulante e anii:i ii ri *.|i-
tuisos e assemblas Bnronti, su Ca-
lidades infeccionadas, asah..\;i de Mie*
ferino, assin como um ar.iil< u< i-ile-
te para os desmaos cansados i.
ou suffocaro. Preparada nni ?w#\ [
Lanman ^ Kemp, Nuva Tofk, e a >.i.,. | ,
Caors & Barbosa.
Joao da (.'. Brato & C.
Deposito geral em Pen-in.Mi> ru
Cruz n.22 em casa de Czn* i .<
u
Fncio do fitio aobSt dos Afilelos, r,o da 3 d" cinmti. ni Mtn
oula de corre Felicidad*, icfmtMi W -i iae.
poncomaisooBfBt-,!( awci i >...,?
de rliita brsnrd nrri ftlmtt p'is-, ju ^n -.
fednzida, natura: d' Mam : r*fa-M ^ >nlr-
(ladt ? e c;i|'iii' ? di i ;.i) 11 a mandem ao do filio, di a ina a i aOia v< ta a
I, que '![>! jUffit ti U< o iralii.
l'ua eaeraTa.
Fugio o amo pMMdo, oo copetn. Pal-, rta
marea do Linttrirc, nata tntvtt rte smm Ii
rriou'a. itarie 26 3DD15.'!! f ir. .>-. i.
guiar, eara redooda e nariz larr 11 ip n <
direitos. porm trveirado. fin r i! raii-
boba e birho, qoe todo 'iopre | i
cem fleatrifs de el.irde |e:
defetnliad. jtilpr. fe andar aqti ar i:>
Iteeile : quem a | fpar. diiija-f- ; ;
do n. 13, rafa de Anu nie ? S biI r a
seo legitimo fenhor r.o r. ih f .-. qo- -tra
penerosan tnle nren p*--i >' na MSM
mo alaixo >signadc i:ie-i nn M ft til
lei contra quem o liver >ei uiarfi.
Joaqun F. C. fe f
Vf S
DO AFAMADO JOUVIN.
Vende-so pelo prer;o de 2,5 o par luvas aovas de pellica de Joavio, chegadasj no ultimo va por
para hornera e senbora : na rea da Imperatriz loja de miudecas n. 64.

l!|&tt.
Vi T C- SIS
0*2 =j> w u. cr ce 2
O O M
IES8 2S
- o OT
3 S
crx e/a
d
..
a o
O O) w
5-a
01
rr 11
o
5-.c
ce
u
ga

zj

H
ce
T3
O
3,- a> 2
3. 3 ~
O-S 3
3T n "O
s s
S S
-1 O m O. 53
c
CD
C ce co
ce -.
< ce
0 n
S-cr
0 2. -
2.0
OS C
5. o ce
O.
^ g *
0.0
o
B
O.0 ce
-I o o t
9 ~ -a
p
lia
ce .0
ce
as _
1
en
S"B.
3
B P
as
u'
"i
a.
B
B
o_
c
ce
ce
S
ce
j
09 1
oq O
g"B "2
. fi ce
-j "
m
e
se
*n
n
O
s
33
o
o

o
o as
o i
:- ai
13 ce
u
c
ce
ce a
o.
o
>
o
10
o
Tasso Irmaos
Vendem no sea armazem roa ds
Amorira n. 35,
Licor liuo Curado em botijas e meias botijas.
Licores finos surtidos em garrafas eaa rolhas do
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Cbambertio.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Too.
PAezei lagniol.
-- Vendem-se palraeiras imperiaes, em estado
de serem trasplantadas : no sitio morado es-
querda, depois 1 do becca do Espinheiro, nos A-
flictoa 4
MACH?
de
IT
par
trafralhar l mao
desoaroearal.godo
FABRICADAS
PorPiaiit Broters & C.
OLDAM
Estas machinai
podemdescarocar
cualijuer especU
/de algodao sea
estragar o rio,
sendo bastante
duas pessoas para
otrabalho; pd*
desearo^ar urna
arroba de algc-
do em earocc
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da oo 5 ar-
robas de algodac
limpo.
erem movidas por
irrobas de algodao
mover urna, duas,
Astaa como mchicas para
animaos, que descarojam 18
limpo, por dia; e motores para
cuir ;s dessas machinas.
Os mesmos tem para vender
porque pode fazer mover
mencionadas ; para o que
agricultores a virem ver e exajmina-lo, no arma
A Uengad,
Senhores e senhoras.
Os proprietarios da nova leja
um bellissimo va-
ffeis destas machinas
onvida-se aos Srs.
ote nova n.47.
lem de algodao, no largo da pr
Sannders Brolhjers&C.
IV. II, praca do Crpo sauto
RECIFE. I
Os nicos agentes neste paip
Vende-se uma^scrava 1
lava e cozmha exceflentemen
da roa do Queimado o. 14.
Vndese urna mulata njoca, de idade 24 ao-
nos. pouco mais no menos, b
muito propria para o servic(j
muito robusta, e vende-se pq|
tratar na ra das Flores o.
e armazem de fa-
zendas e roupas fetas, ra da Imperairiz n. 7z, de
Guimaraes & Irmo, acabam de reduiir os prefus
de suas fazendas menos 20 o/O do que em outra
qualquer parle, afim de apurar dioheiro. '
Lanzinhas de todos os padroes por barato prego
por ter grande porcao, a saber, 220 e 240, 280 e
320 rs. o covado ; vende-se tambem um grande
sortimento de chilas esireitas. pelo diminuto preco
de 200 rs. o covado : ditas franeezas largas a 240
e 260, 280, 300 e 320 rs. o covado ; ditas preclaras
muito finas a 360, 400, 440 e 600 rs. o covado,
islo s na nova loja e armazem de fazendas e rou-
pas feitas de Guimaraes & Ir mao, ra da Impera-
triz o. 72.
E' baratsimo.
Pecas de cambraia branca a 30 e 3500, ditas
mais tioas a 1 c 4&600 al 9$, cambraia organ-
dysde lindissimus deseolus a 320 e 360 rs. o co-
vado, ditas muitas finas a 400 e 440, isto s na
loja de Guimaraes & Irm3o ra da Imperalriz
n. 72.
f Aos 2,000 cobertores.
Vende-se cobertores de algodao a Ij, ditos me-
I lhores a 1^600, 2 al 6?, grande sortimento de
chales de merino pelo barato preeo de 2 e 2,5500,
38, 38500 e 4y, ditos fines a 5, 6#, 88, ditos de
renda, os melhores, que tem vindo ao mercado,
i.por baratsimo preco : isto s na loja de Gui-
maraes & trmao, ra da Imperatriz n. 72.
Oh que pechincha.
Cambraias de urna s cor, fazenda muito mo-
derna, a 320 e 360 rs. o covado, vende-se por este
prego por ter um pequeo toque de mofo ; grande
sortimento de saias bordadas que se vende muito
barato : isto s na loja de Guimaraes & Irmao,
ra da Imperatriz n. 72.
Os mais modernos vestidos de cambraia borda-
dos, fazeoda iotetramente nova, por preco muito
barato; tambem chegaram as mais modernas
mantas de seda para pesero, e vende-se por coro-
modo prego : isto s na loja de Guimaraes & Ir-
mao, ra da Imperatriz n. 72.
Pechincha admiravel.
Este novo estabelecimento recebeu um grande
sortimento de riscadiohos escossezes muito pro-
prios para vestidos de senhor.s e meninos,
No da 29 do proiion' unido mu fttpwa
prea B(mana, rruula, di 40arr.i?. 1 % vou
vestido velho. lem alpun as narrar- im.'. bi
cabega : a pe?oa qne a pegar redi 1 .-!a iea
doCaldeireiro-o.9, oo tttom* i r-vr&m d
Carneo na cOrina de Maoml VaUqi <*> '' r*woo
aos capitaes de campo e
policia
200.s000 de gralifrtcia tsr rali r
Dc*appar?ceu em rin :o di rr" '
prximo passadp, de I., nlo do paf ( i-arwoal
Arroto Malo, dous esrrav d d n rf
appellido Macri, e MifBYi. < I* de....... M -r.u
ptueo n.a s uu UCBOf, rr\< Di n r -wr*.
balsa baila cerrada, 1 m pene> 1 << ^ a*
rom alfOBS cabellen Iran.*, SM r- tarb* ro-
mo na cai/eea ; o t*Stto. rl lo S
ba. (alia tTOffa, repre.-rnia Mf de i'-< 1 M k .
cujes esrravrs desconfas* indartn Rai-
des desia cidade : qutin <- *\;i'X 1 -r. r
levar a ra do Trapiche n. i. 111 a I rd l di*
500 rs. a navio.
Gralificiiio de l.
AOMI(ou)se da basa n. '09 da roa du atp x;m
(outr'ora Coepi") no sabhadc I> i- n rx-Mr utn
de setembro de 1865, o ucun par*' o- m BM !-
quim. con; os >ignae>seautoie.- : flBMBva ir*
idade 18 a 20 annos, sem brb.i, ps laf|
grandes, cabello corrido, rom croi
e bem visivel na testa, parte dos dett--- o f-tle
arruinados, e rom falla de alpuns do* Udi'S -sfc
com caiga de brim pardo e paleto! cena fc ; .rae.
mas le vou mais roopa branca e de Mr, rr.rrn
astucioso, costoma intitular-?' forro e odar ral-
eado ; f i travo do Sr. Gcilherme Fir.l.;.
Souza Carvalho. genro di. finado Sr. fmmrnfa r
Manoel Goncaives da Silva : rogase a >oa ra tur 1
a todas as autoridades policiaes e a qoa'qoer ra-
pito de campo oo outra pessoa particular <;* o
apprehender se gratificara com 50, alero da? n
pezas de condorgao, entregaodo-o a seo .estar
Miguel Jos Alves, na casi cima. 00 so seo
rriptorio na ra da Cm OM n. 19. "
>-.
Iten.-f

*
oga que engomma,
e : a tratar na loja
nita Agora, a qual
de campo por ser
prego commodo : a
rs. o covado ; vende-se nm grande sortimento de
entre-meios e babadinhos, e tiras bordadas, per ba-
rato prego.
Roupa feita.
Achara se fgidos os eseravo* .euinie*
mulato, idade de 26 ancos, cabello? .imn 'ad -
barba, dentes om pouco limados, tarro 1 'orps,
testa larga, e falla nm ponen desrancada ; o Lato,
crionlo, i um pouco velho, ahora regular, msiw
cabelludo, barba com algons cabello* Iranro*. a*>
sim como na cabega, corpo r.f(ir<;ad<. rita* ss
tanto pequeos, falla pwsa e as ti su Aso
ronco : pede-se as aotoridades p< liria*-. a-' eav
pites de campo qoe os facam a[prfrroVr r
duzl-losa' casa de sen sentar o ssjor Ai
Silva Gusmo, qoe generosamesle reonnpe
e Ibes pagar toda des;eza qoe fuerera r..o. h_
conduegao : supp5e-se que elle* wtiu ukb ?
gnimento dos sendos desta proviseia, ser wrsj
filhos desses lugares.
Fugio no dia 18 do rorr- me s-et o prr*> rn-
oulo de'nome Isidoro, de .10 asso poner san
00 menos, alto, ros'p romprito, soissa ponro 'refes>
da, pc grandes e rhaf15. ecotnma andar d> alser-
gatas, levoo camisa de a'godao, ralea if*lm>
rolas, chapeo de palha vp||w>, r tf.mberr no> tasn.
caranguejeiro. Se nao andar afasdo por
cidade prqvavel que lenha ido para Strisr.i
cu Rio Forrno-o. onde ja lem sido r.->rlurarfo sor
vezes. Roga-e as aotoridades e rapie 4r rsass
.'^ 1 que apprehendam e o levem ar seo -estar
Cavalranli Lamenha Lins, midente rs F.'.ri
Nova, sitio de Jeronymo de Ib llanda Cavalcton d
Albuquerqae, que se rrrompessar generisa-
mente.
Vende se urna parte e im predio no sitio dos
Arcos, perte da igreja dos R medios, o qoal pro-
prio para olaria por ter excr lente barro, o as tr-
ras qoasi todas proprias: a tratar com Joaqnim
Jos Gongalves Beltro, ra do Vigarlo o. i7, es'
criptorio.
Vendem-se pembos de 'arias ragas e cores
an taberna da Iba dos Rato: se dir' pe.,\mouenb
P
i
--------------------------------w--------------------------.
Vende-te um graode sortimento de ronpa feita ~ **?*?*' r? 6 de 9fwt0 tofT
de todas as qualidades, palitots, calcas e colletes, do f*enhu Camarag.be doos esrra.-? Mks,
camisas e se?oulas: todo isto s S SSSlfSn 'n m K?! T- 2
in_ -..,_ i:. 4 r n. j. j- r .__i- ,ural do sertao d* Ouncurv.allo e bem fe*' rara
Nl BSVa isja de fazendas de Guimaraes redonda, nao mi10 preto, Vun de oraa tarca,
k ll'IllilO u,r de come Nicolao, nasrido so raesno es-
Rna da Imperalriz n. ?t.
Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C, no seu escriptorio roa da Croa o. i.
Atlence a pechincha
Sapatos de tranca com sola da cortina a \f> o
par ; na ra do Livramento n. 5.
lo, na me.-mr. oecasiao desappareceram 3 r 1
do servigo do eogenho. de soasar sjoe iroMsi si-
do levados por elle;, 00 por avara oe e
vio de guia e seductor, porque na
' te a sabida dos ditos escravos foran
homens em eommuoiracao esa o tmtti jetto a
entrada do engeoho : qoem prerder e trooxer dj-
. los e?cravos sera recompensade


Mario de feruabiet Qnaria tetra 18 e Otitubro de !*.
x
___LITTEBATfti._
THEATRO DA GUERRA.
E esta victoria esplendida, que poz em nosso po-
der 6.000 iuimigos, que nos reslitnio oslo invadi-
do da patria, e que nos prometi as mais risonhas
couseqaeacias, uo custou a' humanidade urna so
gota de saogue, nao produzio o infortunio de uin-
guera ; porque aquelles mismos inimigos trocaran!
a vida ignominiosa do osera vo pe.1, vida palpitante
do i: mera livre, pajarara las trevas para a luz,
perderam um senhor e ganharam ama soberaol?,
de que uiais tarde liies ajudareuies a fazer uso pro-
ficuo.
E, se os orientaes e os argentinos se entregan)
c.o 11 lodo o ardor e expauso as inais vehementes
demoastragoes de alegra, que entogos, que trans-
portas d'almas nao devem agitar a nos Brasileiro?,
que reconquistamos o nosso lar, e que vemos na
pumeira fleira, la' uo extremo sul do seu vasto
imperio, destacar-se o inagesioso vulto do defensor
I arpera*] flo Brasil?
E' pra eneber de crgulho e de feiicidade, e para
se leuvar a Providencia em primeiro lugar e de.
po.s adedicago do mouarcha por este desenlace
glorioso,que eolloca una cora de ouro na fronte
do governo o dos nossos bravos.
Uruguayana, villa soineute conhecida pela sua
posic.au vantajosa por ser o eentru de urna nova
provincia brasileira, tornou-se celebre pelos acon-
tecinientos de que acaba de sor o theatro, e que
vao marcar urna nova era, nao su para o Imperio,
como pata lodos os paizes platinos.
Esta quebrado o prestigio do Paraguay, e descor-
tinados os seas mysterios.
Ja sabemos que, quando combaten) seus solda-
do?, ctnbora valemos, suecumbem superioridade
das armas e pericia dos alliados; que se rendem
sem GOfflbaler; que, emm, seus exercitos devem
ser computados sempre na me'.ade da forga que se
lie empresta.
P.i a isto basta recordar Corrientes, Riachuelo,
1 iuy e Uruguayana, quatro marcos gloriosos ja' as-
sentado? uesia gloriosa canipaulia, que vo ser os
gotas de nossos bravos na marcha que lem a per-
correr anda para cliegar a' Assnrapgo.
Brasil inleiro deve levantar-se ebeio de jubilo,
porque a resolucao do problema da Uruguayana
coulm udo quaulo poda satisfazer as suas mais
Honres e iegilimas aspiragoes.
Se fora entregar me ao arrebatamento que me en-
ieva, bSo cumpnria o dever de noiiciador, e antes
que a curiosidade e avidez de todos me censure
esta digres-o vou relatar o que occorreu depois
da mintia ultima correspondencia, porque assim
.necessario para comprehenso do que preerdeu a
entrega de L'mguayana.
E' ja' sabido que o general Flores, nosso digno
adiado, se julgou cotn direito ao commando em
chefe do exercito que sitiava Uruguayana, nao obs-
tante a letlra clara do tratado, que o transiere sem-
pre para o general do exercito era cujo territorio
teem lugar as operaeoes.
Para evitar as difflcaldades que esta preleacao
poderia facer nascer, se fosse sustentada, o riscon-
10-Alegre, ao que parece, veio rpidamente a Con
cordia, nao tanto por causa das toreas de infantaria
que ilai levou. mas sim para fazer-se acompaunar
do iiemem, que poderia estabeiecer a concordia
por um momento a oslada, que era o general Mi-
tre.
Este, embora o que disseram os jornaes de Bue-
nos Ayres e daqui, promptamente adherio a idea
do DOsSO almirante, nao para estabelecerootra com-
petencia, mas sim para mostrar com o sen proprio
esetnplo t ntetligeoeia real do tratado de allianga.
Previdente, porm, como e grande poltico, em
log de deixar ocommaudo do exercito alliado
aos -ampos de Mandisov a seu ministro da guerra,
o lubil general Ueliy y Obes, eutregou-o ao mare-
chai Usorio.
Desta forma facilitara o dar-se-lhe tambera o
commando em chefe no territorio brasileiro, sem
rfaebra da nossa digotoade, porqae eile o havia
transiendo antes a um chefe brasileiro em territo-
rio argentino.
Providencialmente, porm, chegou S. M. o Impe-
rador no dia 12, e de faci e de direito constituy-
se o general em chefe das forcu ..liadas.
A chegada de S. M. e dos principes do dia 12 foi
saneada com alvoroco no acampamento brasileiro,
i s g tiera.!.- Mitre e Flores, com sua comitiva, fo-
ram esperar o Imperador e coroprimenta-lo anda a
cavallo.
O Sr. conselbeiro Ferraz linha-se adiautado e ha-
via chegadu na vespera.
Apezar do temporal do cliuva e vento que desa-
buu, Sua Magestade e os principes, em coinpanliia
do n uso almirante, que recebeu as mais publicas
e honrosas provas de disiuicgo do monarcha e do
general bario de Porto-A' gre, fizeram um reco-
nhecimento em toda a llnha.
O lia 13 loi destinado por S. SI. para visitar o
general Mitre, que se achava residinaoa bordo do
vapor Once de Junho, e ahi passou todo o dia em
rl*MII.I.UiTiM1MBM
\ conferencia com os generaes e ebefes do exercito
e armada pira combinar nos melos do ataque.
Ja a refer ua.passada correspondencia que estes
generaes haviam feito umaintimagao a Estigarribia
propondo-lbu condigoes honrosas para a entrega da
praga.
Nao havia entao certeza dos mantimentos de qne
o inimiho dispnuha na praca e do tempo, por con-1
segunt-, que pedera anda resistir, ns diziam
que elle estava reduzdo a comer seas cavallos ma-
.tos, oulros afflrmavam qne tinha achado abundan-1
te.sopprimento accumulado pelos fornecedores do
exercito brasileiro naquelle lugar, que fra esco-
Ihldo pata deposito, porque Canavarro e Jacuhy ti-
ni-am commettido o grave erro de nao inutilisar
estas munigoes de bocea.
O proprio secretario do general Flores, coronel
Bustamente, que coramanda um corpo da volunta-
ros ostrangeiros, sustentava na Tribuna esta al-
tima versao, e ainda no dia em que chegou a Bue-
nos-Ayres a noticia da rendicao da praga aquello
jornal publicava urna correspondencia do mesmo
coronel insistindo na existencia do grande deposito
e lamentando o tempo que estava perdendo diante
della, sem assalta-la, sem se lembrar que seu chefe
triuinphou na revoluco oriental por que perdeu
muito tempocorrendoacampanha innmeras vezes
e em todos os sentidos.
A proposites sensatas Estigarribia respondeu
arrogantemeuie, coraparando-se a Lenidas, e re-
cordando as mais bellas paginas da historia grega.
Quena corabater sombra do fumo dos nossos ca-
nhoes, assim dizia elle, e na uliima resposta, inci-
tado pelos Salvauachs plagiou o systeraa de insul-
to ao Brasil e aos Brasileiros seguido sempre por
l.-aadro Gomes.
Por estas respostas brilhantes se devia esperar
urna lula tenaz e mortfera de parte a parte ; mas
por outros incidentes e indicios havia razoes de
erer que ellas nao passariam de bravatas, para ver
se arrancavam condigoes mais suaves ainda.
Desde que cBegou o Imperador se resolveu aper-1
tar o sitio e atacar. Esta resoluto, conhecida do
inimigo, o obrigou a dirigir no dia 13 ama nota ao
general Mitre, annunciando-lhe que se achava dis-
posto a ouvir novas proposigoes, a qual ficou sera
resposta.
Assim con-inuaram as cousas ai o dia 17 ; dahi
por diante as noticias que tivemos.
Foram referidas extensamente.
Offlcio do coronel Estigarribia, respondendo a inti-
mago do Bario de Porto Alegre e que servio de
base a capitulaco.
i Viva a repblica do Paraguay I
< O com mandante em chefe da diviso para-
guaya era operacoes sobre o ro Urugay.
Sitio na L'iuguayana, seterabro 18 de 1865.
< A S. Exc. o Sr. uommaudaote em chefe do
exercito de operagoes na provincia do Rio Grande.
i Cora data de 13 do corrente, dirig ura officio a
S. Exc. o Sr. brigadeiro Mitre, general em chefe '
das forjas alindas, pediodo-lhe que se dignasse en-
viar as proposices para a rendicao desta.praga.
Nenhuma resposta tenho tido apezar de meus
vehementes desejos de poupar sangue, porm agora
que V. Exc. me intima sua ultima resolucad, tomo
a liberdade de dirgir-lhe a que toraei em consalho
geral de chefcs ofBcia,*s.
i V. Exc achara junto a esta na folha inclusa.
Deus guarde a V. Exc. mu i tos annos.Anto-
nio Estigarribia.
Folha a que o coronel Estigarribia se refere :
< O comraandante em chefe da divisao para-!
guaya cfferece render a guarnicao da praca da
l'ruguayana sob as seguintes condicoes :
< I." O coramandante da forca paraguaya entre-
gar a diviso que coramanda, de sargento inclu-
sive para baixo, guardando os exercitos alliados
para com elles todas as regras que as leis da guer-
ra prescrev.'m para com os prisioneiros.
i 2." Os cheles, oDlciaes e erapregados de dis-,
'inegao sahirSo da praga com suas armas e baga-
; .-i-, poden Jo escolher o ponto aonde queira diri-
gir-se, dsVf udo o exercito alliado sustenta-los e ves-
li-los em quanto durar a presente guerra, se esco-
Ibessem outro pomo que o Paraguay, devndo ser
de sua conta encaminha-los para esse lugar, se as-
sim o prefenssem.
3." Os cliefes e emigrados orientaes que esto
na sua guarnicao ao servigo do Paraguay, ticaro
prisioneiros de guerra do imperio, guardando-se
com elles tocas as consideragoes a que forem ere-
dores.
t Sitio da L'ruguayana, setembro de 1865.An-
tonio Estigarribia.
O coronel Estigarribia preferio ir residir nessa
corte, e segu no paquete Mersey com o primeiro
ienente Francisco Jos de Freitas, encarregado de
despachos do ministerio da guerra e do viscoode.
O padre Duarle vem para Buenos-Ayres, e os dous;
Sibanachs e Rispistria, Orientaes, vao tambera para
essa corte depois.
Fui promovido no da 16 a alferes de commissao
por sua magestade, o Imperial marinheiro de se!,
gunda classe Guilhermino Manoel dos Passos Ra-
mos, que tanto se distingui em Paysand, pelo que
foi condecorado com o habito de Christo.
Estigarribia tem bonita presenga, nao destitui-
da de dignidade. E'alto, moreno, e tem os cabel-
los mu negros. Enumera elle todas as furris do
Paraguay em 55,000 homens, e diz que hoje nao
restam-Ihe mais qne 35,000 combatentes, estando
a melhor gente em Corrientes, cajo exercito de oc-
cupago tem 16,000 homens. O nico chefe de al~
guma importancia o coronel Rasquin ; Barrios,
nao passa de um brbaro estpido e crnel.
Em Uruguayana ficou todo destrocado. Para
voltarem as familias a seus lares deve-se primeiro
desinfectar a cidade onde s havia ama casa habi-
ta vel, a que oceupavam os Salvanacns, que foi onde
sna magestade jantou no da 18 noite.
Os Paraguayos haviam construido mais de cin-
coenta chalanas para se evadir, com armarios,
commodas, caix5es, etc., em menos de tres dias, e
estes curiosos vehculos eram forrados exterior-
mente com gonros calafetados.
Os nossos dignos alliados, generaes Mitre e Flo-
res receberam das raaos de S. M. o Imperador grao
cruz do Cruzeiro como ama deraonstragao de ami-
sade e consideragao, e pareceram ficar satisfeitos
com esta distinego.
Nao tardar que o Pueblo grite que o contrato do
Brasil corrompe, e que as virtudes republicanas
soffrem abalo.
O almirante parti cora sna magestade para S.
Borja no dia 25, e dahi voltaria a Uruguayana com
pouca demora, pensando acbar-se no Sallo no dia 1
de outubro prximo, com 800 prisioneiros para-
guayos, que devem seguir para essa corte no vapor
Apa sua magestade irla aepois para Porto Alegre
por Santa Anna do Livrameuto e Baj.
O exercito sitiador de Uruguayana ja' tinha co-
megado a passar para o territorio correntmo.
Ha noticia da esquadra at 22 do corrente, nen-
buma novidade tiazem, com o que Oca desmentido
o boato de que a esquadrilna do Paraguay vinha
attaca-la. Pelo contrario, devendo ja' ser conheci-
da de Robles a rendicao da Uruguayana, coolava-
se que elle se apressana a levantar a batera de
Cuevas, a nao querer dar tempo aos exercito allia-
dos para se encarregarem desta tarefa.
O Sr. Barroso, de quera li ama carta, mostrase
perfeitamenle tranquillo sobre tentativas do inimi-
go e s desejoso de poder subir o Paran' em sua
procura.
flm principal era assegui ir-se a coadjavacao do
Brasil.
Se o Brasil estivesse disposto a conceder-lhe esse
auxilio, poderia sem duvi
porariamenle no Uruguay
ria a intervengo armada
a ter predominado tem-
mas teria sido necessa
para expellir Flores, e a
experiencia j tinha prova lo ao Imperador, que essa
interferencia teria levant; do contra elle todos os
antlgos precoaceitos do F ata, sera assegurarlhe a
gratido permanente do (
te seguio elle sabiamente ma poltica independente
goes civis do Uruguay.
de Aguirre sem duvida
elle governo o eslabeleci-
illidade na frontera pela
com os raeios de que p >
dos partidos e das comint
A fraqueza do gov<>rn
toroava inuito difflcil aq
ment de ordem e tranqi
sua proprla autoridade
dia dispr.
Mas o Brasil admittio
difflculdade.
O seu enviado extraijrdinario, preparado para
este resultado da fraquei i daquelle governo, pro-
e providenciou para esta
curou evita-lo formando
un plano para a termina-
gao da guerra civil e a p icificago do Uruguay.
A esta tentativa merit. ria associou-se o governo
da Confederado Argent
nlstro ioglez era Buenos-
Era principios de mai<
O governo de Aguirre
apoio em oatra parte, e r ijeitou este plano.
Procnrou a intervenga
manuel um protectorado
mandou urna misso ao
Falharam os primeiro
timo, porm, encontrn i
na, e o Sr. Thornton mi-
tyres.
de 180 foi sabmettido
ao governo de Aguirre u n plano conjuncto, que o
teria Armada no poder,
goes contendoras, por qn
ment de Flores, e o lerifi habilitado a fazer justlga
ao Brasil.
llena reconciliado as fac-
tinha receido o assenti-
porm, preferio procurar
i dos governos de Franga
e Inglaterra, propoz ao i overno do rei Vctor Em-
tatiano sobre o Uruguay :
'araguay.
b segundo projectos, o ul-
o bom acolhimento, que
Aguirre preferio arriscar se a um rompimento eom
o Brasil.
Rejeitou o ultimtum i este, despedio o seu cea-
sal geral era Montevideo e queimou publicamente
FOLHETDI
0 DEMONIO DO JOGO
POR
HENHiaUE CONSCIENCE.
Vil
(CootinaagaoO
Mara Vao de Werve eslava no seu quarto, ajoe-
Ihada diaute de um crucitixo de prata, e como es-
magada sob o peso de urna grande dor. A cabega
descahira-llie sobre o geuullexorio, pousando pesa-
da e sem vida sobre as raaos juntas. Tiuha chora-
do copiosamente, porque os signaes das suas lagri-
mas ainda appareciara na estante do genuQe
xorio. *
Quera houvesse surprehendido Mara n'aquella
postura, julgara que a resar tintia sido vencida
pelo sorano ; mas o seu seio que s ergua e aba-
xava, e as suas andadas aspiragoes que conserva-
vara certo som de amargura e lamento, testemu-
nhavam que ella velava e que s estava cabida em
abvsmos de dor ioetlavel.
Por de'r>: d'ella, a ires ou quatro passos de dis-
tancia, estava assentada urna raulher velha, do ro-
sario na rao. Era a sua aia e directora.
Kssa mulher tinha os olhos Otos era Mara com
erpresso de compaixo profunda. De lempos a
lempos abanava a cabega ou lirapava ama lagrima
a escapar dos olhos, quando os suspiros se desata-
vam do seio de Mara com um tom mais pun-
gente.
If: va ja' mu lo tempo que reinava naquelle
quarto o mais profundo silencio; a dor da pobre
menina parece mesmo um pouco socegada, quando
de repente, movida por um pensamento que Ihe
cortou o coragao, ergaeu os bracos para a imagem
do Christo, e exclaraou agitada :
Mea Deas e mea Salvador, pelo vosso precio-
so sangue poupai-lhe a vida I Pela vossa miseri-
DH POICO DE TIDO.
No Morning Herald, d Londres, l-se o seguate
sobre o Brasil e o Paragoay.
Temos lido em dous ou tres jornaes liberaes de
menor formato, apreciagoes to enexaclas acerca
das oceurreacias que esto lendo lugar no Rio da
Prata, que estamos persuadidos que os nossos con-
temporneos nao lera lido eom altengo a corres-
pondencia sobre esteassumpto apresentada ao par-
lamento pelo governo de S. Magestade.
Dizem estes jornaes,quakjuer que seja a res
ponsabibdade do Paragaay pela guerra do Prata,
o Brasil verdadeiro autor dessa guerra, por que
adoptou a causa de Flores no Uruguay, e derribou
o governo de Aguirre naquelle Estado.
Nao ha duvida dizem ainda, quo o Brasil tinha
queixas mais ou menos bem fundadas contra este
governo, mas estes nao deviam ter sido aprsenla-
dos era occasiode guerra civil no Uruguay.
O flm do Brasil apresenlaodo estas reclamagoes,
proseguem elles, era adquirir mais influencia, pelo
menos no lado oriental do rio ; e para regular
esta araeaca de perlurbago do equilibrio de poder
que o Paraguay interveio, sabiamente ou nao.
Este argumento completamente contraditorio
com os factos referidos pelos ministros da Inglater-
ra am Bueaos-Ayres o Montevideo, na correspon-
dencia citada.
O auior originario da guerra foi realmente o pre-
sidente Aguirre, recusando com insolencia oslen-
losa aquellas exigencias dereparagao, apresentadas
palo Brasil, dos aggravos que o governo da Coafe-
derago Argentina informou ao Sr. Thorotou, erara
justos e bem fundadas.
A guerra civil no Uruguay havia produzido um
tal estado da perlurbago as fronleiras daquella
repblica e da provincia brasileira de S. Pedro do
Rio Grande do Sul, que o governo do Brasil nao
tinha outra alternativa seno pedir a attengo
prompia e etactiva do governo do presidente Aguir-
re para o assumpio, ou permitir que os seus subdi-
tos daquella provincia se prategessem asi mesraos,
procedimento este que, inlabtavelmente, teria re-
sultado na adopgo, por estes, da causa de Flores.
Insistindo pois era chamar a attengo do presi-
dente Aguirre para a questo destes disturbios na
fronteira, o Brasil procurou seguir urna poltica
que, ao passo que defenda os interesses dos seus
subditos, teria, sendo sustentada por Aguirre, evi-
tado perfeitamenle que Flores rScebesse auxilio ou
acorogoamento de S. Pedro do Sul.
Assim chegamos a dous factos importantes -pri-
meiro, que a guerra civil no Uruguay exiga al-
guma acgo da pane do governo do Brasil ; e que
a poltica que este se propoz a seguir era distincta
e separada da causa de Flores, cora a qual nenhuma
ligago liuha.
A facilidade da situagao nesta conjunctura esta-
va na fraqueza extrema do governo de Aguirre.
.Na sua fraqueza attnbuia ella a forca do movi-
mento de Flores a auxilio externo, derivado prin
cipalmente da Confederago Argentina, e o seu
es seus tratados com o B
som ao conde Russell, de
razoavels de Montevideo.
Estas oceurrencias tiv
1864, e a sna explicago
da presidencia de Aguirr
asil, isto, diz o Sr. Lett-
gostou a todos os homens
ram lugar no vero de
que a autoridade legal
b expirando em principios
de 1865, elle procurou pe r estes e oulros meios il-
citos prolongar o seu pe 1er.
E' bem conhecida a ra idez com que aqnelle po-
der desmoronou-se no int vallo, e nao caree- aqu
ser repetido. Mas, ainda quando Montevideo esta
va a incro": da esquadra 1 rasileira, e a presidencia
de Aguirre tinha expirad i legalmente, mostou ella
multa adulancia em enin ;ar a autoridade de que
E com elle o Brasil nao s renovoa o sea com-
promiso de raaoter a independencia e integridade
daquelle estado, como tambem esireitos os seas la-
gos com a Confederago Argentina.
En todos os respeitos, pois, a segaranca e posi-
co do Uruguay esto mais garantidas depois do
qne occorreu.
Quo affrontis tem, pois, que vlngar o Para- |
guay ?
Que direitos que fazer valer?
Que tratados que defender ?
Que causa de guerra?
Nenhuma absolutamente.
A poltica de Lpez tem sido de injustlficavel
aggresso, de caprichosa inimisade, de guerra por.
amor da guerra
Armado at aos dentes como am Mataio, nao es-
t elle fazendo seno peloticas; agora iovadindo o
Brasil, logo a repblica Argentina, depois o Uru-
guay.
Nem Argentinos nem Orientaes tinham esquadras
oa exercitos para assaltar o Paraguay; a sua poli-
tica era de paz e progresso interno.
Tinha o Brasil alcangado no Prata todos os seas
flns legtimos, e ter-se-hla dado por feliz retirando
d'alii os seus navios e forgas de trra. Mas Lpez
em rpida successo atacou todas as tres po-
tencias.
Seguro dentro do seu proprio territorio por gran
des fortalezas, invadi o dos seu9 visinhos em to-
das as direcgdes, allegando razoes que parecem
delirios de loacnra. Assim, nao deixou elle aos
alliados senSo um nico alvitre, rebater-lhe as ex-
travagantes prelengoes, repellir-lhe a invaso, e
assegurar a livre navegagao do rio Paragoay de-
moliodo as fortalezas.
A isto comtudo se limita a allianga, e forman-
do-a, insisti o Brasil como condigo essenciallssl-
ma na manutengaoda independencia e integridade
do Paraguay.
Em razo da sua maior forga e nesta allianga o
Brasil primus nter pares, mas tambem a poten-
cia moderadora.
As ideas ambiciosa, que prevalecen), existera, a
correspondencia apresentada ao parlamento o pro-
va, em Buenos-Ayres, e nao no Rio de Janeiro; e
se foram subordinadas a um limitado m commum,
que a prudencia o agradega ao Brasil.
Bastante e mais do que bastante Oca sem duvida
demonstrado neste rpido retrespecto para provar
quo ociosa c chimerlcas s;ie> as impatagdes qtw o
nosso contemporneo faz poltica do Imperador
do Brasil.
utia abusado, e a nao set
rautes iuglez e francez, a
assigoalada pelo bombard
a que a sua obslinaco ob
leiro. Felizmente, purm
ae instancias dos almi-
suaconclusao teria sido
amento daquella cidade
igava o almirante brasi-
evitou-se essa catastro-
phe;. Aguirre, obrigado p ela le, retirou-se do po-
der -T e o seu successor p
so e capauidade, segunde i
tempor enteudeu-se com F ores e assim lerminoua
guerra-no Uruguay.
Flfes apressuu se lamiera am dar saiistacao ao
Brasil, e era restablecer os tratados entre o Uru-
guay e o imperio.
Assim vero nossos leil
direito a autoridade legal
certo Aguirre.
Deixou elle de ser presiente, por terminar o seu
tempo e fugio.
Nao deixou partido s u ; mas tem procurado
proloogar as commoges i
gando-se nos bragos do P; raguay.
Quando os nossos cont
raguay como tentando, a;
taurar urna presidencia
cem-se completamente qu
que Aguirre havia form
x verno ao Sr. Villalba, l(No caso que estes jor
naes apresentara como al ruma justideago do I'a-
; raguay nao lem de faci
A autoridade de Flores
em sobra de existencia,
m Montivido reconhe-
cidameut; provisoria; ma i se O seu governo fr
comparado com o de Agu
feliz, reconhecer-se-ha qu
ovisorio, hornera de sen-
Sr. Letlsom, nao- perdeu
res que se alguem tem
no Uruguay, nao por
ivis naquelle Estado lan
mporaneos pintam o Pa-
pessoa de Aguirre, res-
gal no Uruguay, esque-
ella havia terminado,
Imeute entregado o go-
re no seu momenlo mais
o governo de Flores
um melhoramento immen ;o.
Assegurou a paz intern; aquello estado ; fe re-
viver a confianga em M< itevido; abri as com-
muuicages entre a capi! leo iuterior; j apre
sentou urna serie de proj
ment dos recursos da p
' cora os seus vizinhos ma
' argentino e o governo do
Necessanamente ioi log> reconhecdo pelas po-
tencias europeas.
Flores, porm, nao erbatura nem instrumento
ctos para o desenvolv
ovincia, e est em paz
poderosos, o governo
brasil.
do Brasil; e pelo contrari
saro o inimigo daquelle ii iperio.
Quando for a eleigo d i presidente legal, pode
elle deixar o poder.
Unindo-se ao Brasil e I enfederago Argentina
I contra o Paraguay, fallo p- rque o Paraguay pre
I tende derriba-lo e restaui ar Aguirre, que agora
nenhum direito tem aute
foi antigamenle adver-
idade no Uruguay.
RM
cordia permitti que elle apparega I Nao cerris ou-
vidos a voz da minha alma dilacerada I
E deixou descahir oatra vez a cabega sobre as
mos, como se essa ardente supplica Ihe tivesse
esgotado as forgas. A aia aproximou-se d'ella, pe-
gou-lhe em ura brago, e esforgando-se por levanta-
la, disse-lhe em tom imperioso :
Menina, preciso que se levante ; basta de
sapplicas. IMr assim de caso pensado a sua sau-
de em perigo cousa que pode desagradar a Deus.
Vamos, obedega-me.
Maria deixou-se levar, sem dizer urna palavra,
para o sitio onde a aia Ihe indicava ama cadeira,
e assentou-se. Estava paluda, e os olhos testemu-
nhavam que chorara muito e por maito tempo.
Depois de ter ainda por um pouco contemplado a
donzella com ar de compaixo, a aia pegou-lhe em
urna das mos e disse-lbe em tora de consolaco:
Minha filha, isto nao pode continuar assim.
Esse excesso de dor pode abreviar-lhe os das da
vida. E quanto o Sr. Gernimo nao se quexaria
a Deas, se, quando aqoi voltasse, a achasse con-
demnada a urna vida curta e deflnhada I Pelo
amor que Ihe tem, seja superior a ddr I
Quando aqui voltasse disse Maria suspi-
rando e erguendo para o co os olhos rasos de la-
grimas.
Que ti sabe o que ha de ser ? tornou a ala.
Para que se ha-de desesperar antes de haver a cer-
teza da desgraga que se recela ? Tem succedido
cousas mais extraordinarias.
J ha cinco dias, cinco secuto* de Incerteza
e de terror I respondeu Mara desfazendo-se outra
vez em lagrimas. Ah, Petronilha, que medonha
I foi esta noite para mim I Vi Gernimo estendido
1 em trra, com a palidez da morte no rosto, ama
j grande ferida ao peito e os olhos embaciados filos
em mim, como se ao morrer me dirigisse am su-
premo e lamentoso adens...
Sao lllusoes que a dor Ihe suscita.
Assim o tenho visto rauitas vezes; e intil
tudo o qoe fago para escapar 4 terrivel viso, que
nao
dia.
desapparece seno qnando raia a luz do
A aia deixou correr algans instantes; depois
apenando com ternura a mi de Maria disse-
lhe :
Fez muito mal em exagerar assim as coosas
da sua dor. O que a noite ihe lem mostrado nao
mais do que o reeio dos pensamenlos que dei-
xa desabrochar na menie durante o dia. Tambem
eu em sonhos tenho visto por mais do que urna vez
o Sr. Gernimo...
Tambem tem visto Gernimo, Petronilha?
exclamou a virgem em voz de augustia e terror,
como receando a confirrnago do seu sinistro
sonbo.
E porque nao ? Parece-lhe que pens n'elle'
menos do que a menina ?
E vio-o moribundo, nao verdade ?
Pelo contrario, menina, tenho-o visto com
grande legria correr aos bragos de seu lio e aos do
Sr. Van de Werve. E menina, via-a ajoelhar
nesle mesmo banco e dar louvores e gragas a
Deus por ter permiltido que os sonhos nao fossem
mais do que fallazes iliusoes.
Mara olhava nsonha para sua aia, ouvindo com
prazer as suas palavras consoladoras; mas logo
que Petronilha se calou Ceixou descahir a cabega
sobre o peito esmagado por dolorosa desilluso, e
murmurou tristemente :
Est aenganar-me por araisade 6 por com-
paixo; agradego-lhe mu.o, minha boa Petronilha,|
mas digna-me a que pode attribuir a ausencia de'
Gernimo 1 Vamos; appalle para a sua imagina-'
gao; ah, pego-lhe ama explioagao possivel, pro-;
vavel I
A aia perturbada por esta lembraoga inesperada
abanou a cabega com tristeza.
Nao d tratos imaginago, disse Maria, nao
ba razoes plausiveis a allegar.
A velha Petronilha, no maior embarago, balbu-
ci algumas palavras sobre urai viagem imprevis-
ta, sobre cousas secretas que poda baver, e disse'
mesmo que alguos amigos de Gernimo lalvez o
tivessem movido a tomar pirte era um divertimen-
to longe da cidade ; mas tu lo as suas palavras
bem via que ella nao
explicasse a ausencia
agora mais abundantes
ia do Sr. Gernimo
era to duvidoso que Mara
achava urna razo seria qui
de Gernimo.
As lagrimas corriam-lhe
pelas faces.
Oh I Petronilha, disse era voz lamentosa e
afQicta, a luz da minha ida est extincta para
sempre. Gernimo anda lo novo, lo bondoso,
de coragao to nobre infeliz victima de mys-
tenosos assassinos I Horrivi l pensamento I E nao
ba fundamento nenhum pa a urna esperanga I...
Meu Deus, meu Deus, mise icordia I O raeu cora-
gao despedaga-se. Ai, nunc mais n'este mundo o
vero meus olbos 1
E dando ura grito de a agustia,cobrio o rosto
com as mos.
Confesso que a auseni
ioexplicavel, disse a aia com esaoimago ; com tu
do para que se ha de sempre ter por provavel o
peior e o mais terrivel ? Bem sabe que ha quatro
dias se fazem lodos os es< rgos possiveis para se
saber onde elle est e o qi e feito delle. O Sr.
Van Sctioonhoven comprora iiteu a sua palavra de
honra para a descoberta do Sr. Gernimo, morto
oa vivo.
Maria chorava em silencio e pareca nao ter ou-
vido o qu a aia acabava de dizer-lhe.
E quera.sabe, mioha flltia, tornou Petronilha,
se hoje mesmo nao 59 de; cubrir o enigma que
tanto nos faz soffrer ha cinco dias? Nao cerr r>
seu coragao a esta pequea esperanga.
cea procurar-se urna pessoa
as, e por flm achar-se viva,
amigos j tinham orado pe
ma. Ainda esa manha o
nesse acontecimento de que
mente, apezar de ser aind.
ouvi a meus pais. Acontece1 com um sugeito que
se chamava Liefmans, baaqfleiro que passava por
ser muito rico.
O' Nevo-York Times publica o seguate:
Ehvio-nos ura correspondente algumas inters-
santos inforraagoes sobre a projectada emigrag
dos nossos estados do sul para o rico e magnifico
imperio do Brasil.
Uus vinte agentes de diversos estados do sul par-
lirara a 12- passado para o Rio de Janeiro aflm da
visitaren) os dominios de D. Pedro II, e na volta
informarem sobre as vantagens que elles offerecem
para estabelecimento dos sulistas.
Calcula o nosso correspondente que mais de
50,000' dos nosso patricios do sul esto j proinp-
los para emigrar para all, e se forem favoraveis
as informan";e daquelles agentes, acredita elle aue
este numero subir muito.
E' do avadeuiico A. A. Milln :
MOTE DE AMOR.
Nem. ura astro, se quer I Escura noute
Sobre a ierra esleodera um astro vu...
O raae do vento ao furioso agoate
Se empina va em subido, alto esearcu :
Cursis de fogo que galopeavam,
Os coriseos as nuvens fuzilavara.
Do co caba a ehuva era mil trrenles
Sobre as pedras cora ttrico gemido,
Qual de alia catadupa alvas correles
Que precepilam-se em feroz bramido :
Se ouvia a voz medonha do trovo,
Como estouro ao romper de algura Tutelo
Entre a brumosa e densa escuridade
A luz d'um lampeo qne balangava
Em as desertas ras da cidade,
Ardenta do mar assimilhava :
E o piar dos muchos agourento,
Era de morios fnebre lamento...
Mas de chofre o trovo se rareara :
Lirapo e sereno o Co era lomado :
O soberbo ocano se deilra
Era seus lenges d'espuraas enroupado :
Em divas perfumados de molleza
Dormitava tranquilla a nalureza.
Qual rompe o sabia com seu gorgeio
Das maltas a calada em branda nota :
Como do lago no argentino seio
Quebra a mudez urna gentil gaivota :
No silencio da noute era escutado
Um canto de mancebo apaixonado.
Era am canto de atroz preseniimeoto.
Era am canto de amor fogoso, arnate :
Loucura qne cgava a ponnnnsenio,
Lyrio qae se Banva langatmeate:
Licor qne embriagavt-lh'os sentidos
E os labios Ihe escara enfenrencidoi.
Ao ouvi-lo linda e paluda donzella
Se vai do branco leito levantando...
Di-la-hieis de certo loa bella
D'entre os frcos de nuvens se elevando;
Oa garga que das aguas reswga
Onde ao fri Ment adormeca.
As clieirosas e lnguidas melenas
Escuras como a noule Ibe ondularas
Pelas espadaas lindas e morenas
Que ura sculo de amor desaiavam :
Rescendia oro aroma embalsamado
Como a virgem na noate do noivado.
E o p na I Qae lindeza I Nem mais bello
Fora o qae Slenio no convento vio t
Nem mais forraosa eslava Consuelo
Quando aos gosos do amante o seio abri...
Pirou... Era ao mancebo que escalara.
Que em febre de paixo assim cania va :
Qaando o sangue estancar-rae as arteras.
No peito repousar-me o coragao,
E qual cedro estalado por tormenta,
Mea cadver dormir na cal do cbo :
Quando liver gelado lgida toasa
Dos sonhos a febril, doce illiuo ;
E na morte voar a miar esp'ranca,
Como a foiba as asas do tufao :
O' tu' que odiaste era quanto en viro,
O' celeste visao dos meus amores,
Vai ao menos, por Deus, na minha campa
Um pugillo espalbar de marchas Sores.
Teus labios que p'ra mim nem um sornso
Desprenderam se quer de compaixo,
Fac.am do cemiterw os tristes icios
Repetirem por raia triste orago.
Teus olhos qae jmai em mim langaraat
Um volver seductor de paixao,
Urna lagrima soltem que fervente
V oa tumba aquecer-me o coragao.
Tu' langaete, mulher. insana magna
Nos vapores subtis do mea viver:
Mas ante o Co, a trra, o mar, o rento,
Hei de amar-te, eu te joro, at morrer...
Al morrrr-----repele laogaemente
Urna voz argentina suspirando :
E sentir o- mancebo docemente
No peito um seio de muHier arfando:
Tinha ella brancas roapa d'alabastro.
Era mas linda qae da noute o astro...
E depois.. Um gemido convulsivo
Perden-se na suave e branda aragem.
Como de rolas um suspiro esquivo
Qae beijam-se escondidas na folhageo...
E mil juras- de amor ouvira o vento,
Dous coros gotejando nm saor lento. .
Quando a ierra de luz banhara a aurora
Ergueranvse do doce abuimento...
Ellacomo a cecm quando descera;
Ellecom o rosto fro e nuc liento...
Adeus, disse-lhe elle am beijo dando,
Disse-lhe ella adeus um ai sohaodo...

;
E o canto era to doce e lo sentido
Coma doce o marullio da corrente;
Como a voz do balel longe impellido
Pelo vento que sopra mansamente :
Mas triste como o canto do ceveiro,
Qual de enfermo o suspiro derradeiro.
Ja aconte-
durante muitas sema-
quando todos os seus
o descango de sua al-
uiz fallara a seu pai
me record perfeita-
i pequenina quando o
i
Maria ergura a cabega e olhava para a aia com
ares de interrogago e de duvida.
Ento acharam-no ao cabo de algumas sema-
nas de ausencia? Tinha ido fuer alguina viagem
sem dar parte a ninguem, nao assim?
. Nao, minha filha, descubr ram-no na adega
de urna casa do bco do Sabugueiro. Alguns la
droes tinhara-no esperado de noite, e o tinham met-
tido bem amarrado na adega para obterem delle
um grande resgate. Foi l qua o acharam os agen-
tes da polica, e elle voltou para sua casa sao e
salvo. Se Deas assim o tivesse querido, nao pode-
ria ter acontecido o mesmo ao Sr. Gernimo ? En-
to que isso I Beixa descahir a cabega sobre o
peito e cala-se? Nega a possibilidade de provir a
desapparigo do ?r. Gernimo de igual concurso
de circumstaucias ? Nao, nao pode negar; mas
deixa-se tomar ua desesperanza, eao passo que pe-
de a Deus cousolagdes, repelle com obstinago as
que se lbe apreseutam sera ser esperadas.
Mana respondeu suspirando:
Tenha d de mira, Petronilha; as suas boas
palavras alliviara um pouco a mioha tristeza, mas
aao rae atrevo a abrir o coragao a essa feliz espe-
ranga. Se a acolhesse e viesse a saber depois a
morte de Gernimo, teria de soffrer de novo esse
golpe horroroso. Nao, nao, deixe-me aotes na con-
viego de que ja nao ha esperangas.
E' irapossivel alcangar della alguraa cousa t
murmurou a aia triste e desanimada, resol vida a
por termo os seus esforcos e a deixar Maria entre-
gue sua dor.
Haviam alguns instantes que ia no quarto o
mais profundo silencia, quando se ouvirara voaes
ao rez do cbo.
Ougo fallar o Sr. Deodati, disse a aia ; talvez
traga algumas noticias...
Maria levantoa-se apressada e qulz correr abai-
xo -, mas a aia conteve-a e disse-lhe :
Por compaixo por am pobre velho atribu-
lado, esforce-se por comprimir a sua dr. Cont-
nba-se, mioha filha. Hontem cada ama das suas
palavras era urna puaha'ada no coragao do S.r,
Em Monlefurte, territorio napolitano, o saltea
dor Monda, foi morto por ama rapariga ea casa da
seus pais no momento em que elle eslava assenU-
do a urna mesa.
Foram entregues a herona 8005. prego este qne
tinha sido prometlido pela cabega daquelle mal-
feitor.
Se a conducta desta valorosa donzella fosse imi-
ta Ja pelo bello sexo das Duas Sicilia, o cancro
que roe aquellas ricas provincias; o brjanosme,
tena deixado ha muito tempo de existir.
'
Sempre se julgou lo diflkil contar os cabello
de urna cabega como contar as estrellas do firma-
mento, os graos de areia do mar appareceo, I-
naluienle, um sabio allemo (nao pedia deixar da
ser allemo) que eraprehendeu esta tarefa, qne a
executou sobre quatro cabega de mulheres de de-
ferentes cures, e que de mais a mais, della soobt
tirar deduegoes praticas.
As quatro cabegas sobmettidas a esta esperten
ca derara os seguintes resultados :
Loira 140,449 cabellos.
Caslanha 100,440 idem.
Preta 102,962 idem.
Ruiva 87,740 idem.
Averiguou-se qae as quatro cabelleira*. pM>
que desiguaes em numero, eram qoasi ignaes no
peso, sendo a differenca do numero [eosnpensada
por um augmento oa grossura.
Termo medio, o peso da cabelleira de- orna:
Iher de 14 OKU,
Deodali. Seria cruel e at criminoso ir arrancar
ao bom velho mais lagrimas qne, na sna idade,
quebram as forgas e abreviara a vida.
Nao, Petronilha, oceultarei a aainaa dor.e la
girel que sou torte. Bem vi qae o ioMs reino nao
estava longe de suecumbir a anciedade e triste-
za. Deixe-me ir; nao posso resistir ao desejo da
saber se o Sr. Deodati iraz aguma noticia.
A aia acuipanhou-a at a porta da sala aade a
Sr. Van de Werve estava em conferencia coa Doe-
dati; mas deixou-a entrar s.
Quando Mana enconrou o olbar ao ancia nao
vislurabrou n'elle alegras, deu nm grito abalado
de angustia. Cingiolhe com os bragos o peseocp,
e vencida pela dr pousou Ihe a caneca sobre' o
peito.
O Sr. Deodali, movido at ao fondo da aliaa,des-
prendeu-se-lhe dos bragos, murmurando paiarraa
de consulago, e levou-a para ama cadeira, e as-
sentando-se ao lado della, disse ihe coa ros ctwu
de tristeza e de allectuosa compaixo :
Mraba boa menina, anda nao ha notician do
nosso pobre Gernimo. Somos bem infelices, nao
verdade ? Ah, por qae que Deas nao me lroa
deste mundo ja' alguns annos! Cumpria ajan ea
sahisse da Italia e riesse beber a asta ierra o M
que ainda havia no fundo do clice da miaa nda ?
Se eu assim podesse chorar, miaba aHt. taitas
achasse a'essa eiTuso algnm allirio a' amas dor
mortal; mas a velhiee seera em ma o manan-
ca! das lagrimas. Ai de mim I onde estar' a
meu pobre Gerodimo, o fllho de mea irmii, o Mu
que Deas me tinha dado para me cerrar mu i
oo leito da morte ? Dara a minha fortuna para sai-
va lo, e o resto da minha vida s para saber ana
ainda esta' rivo I
Surdo e doloroso suspiro se desprendas do sato
da virgem, qae inclinou outra rez a cabega sobra
o pello do velho para esconder a torrente de
mas que lbe arrancara a sua pungente I
( Contistmr-M-k*.)
PERNAMBUCO -TYP. DI M. Y. OB # 4 hUfcfJ.
i
Luu


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKV4LBWZD_AZ1ZQX INGEST_TIME 2013-08-27T22:03:25Z PACKAGE AA00011611_10796
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES