Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10790


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO 1LL MUERO 233.
Por qaarleJ pago dentro (ie 10 dias do 1. mez ...ti,,
dem depoi's dos!, "ludias do coiiieco edn tro do quartel. .
Porte ao correio bw tres iezes........... : .
i|000
6|0
750
OARTA FEIRA 11 DE 0DTDBR0 DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das do 1. Hez ,
Porte ao cerreio por um auno........
191001
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?nrtrfno de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joarjuim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fiihos Amazonas, o Sr. leronymo da Costa.
ENGARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
AUgoas, o Sr. Clandino Falco Uias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alvos; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacoes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Ret9rros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacaral, as tergas
feiras.
Pd'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira
Ingazera, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as qaartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agna Preta a Pimen te i ras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comrnercio : segundas e quintas.
Relago : tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Jaizo do comrnercio: segundas as i i horas.
Dito de orphos : tergas e senas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tergas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do clvel: quartas e sabbades a 1
bora da tarde.
4 EPHEMEUIDE DO MEZ DE OUTL'BRO.
4 La cbeia as 8 h., 11 m. e 46 s. da t.
11 Quarto ming. a 1 h., 2 m. e 22 s. da t.
19 La nova as 2 h., 7 m. e 32 s. da t.
27 Quarto cresc. a 1 !>., 30 m. e 16 s. da t.
DAS DA SEMANA.
9. Segunda. S. Dionizio b. ra.; S. Laiz Beltrao.
10. Terga. S. Francisco de Borja; S. Penito b.
11. Qoarta. S. Nicaciob. ra.; S. Samatra.
12. Quinta. Ss. Gypriano e Walfrido bb. rom
13. Sexta. S. Eduardo rei de Inglaterra.
14. Sabbado. S Calixto p. ni.; S. Gaudencio b. ra
15. Domingo. S. Thereza de Jess v. c.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 horas e 30 m. da manha.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTKIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; pan o torta
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, maio,
julho, setembro e novcmbro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa da
Faria & Filho.
PARTE OFFKIAL
GOTOiO DA r&OYIHSl.
Continuiro do expediente do dia 6 de ontubro
de 1805.
Oflicio ao Exm. dezembargaJor provedor da
Santa Casa de Mizericordia.Em vista do que al-
lega, oo incluso requeriraenlo, Joao Evangelista
da Silva, guarda nacional destinado ao servigo da
guerra, sirva-se V. Exc. de mandar admittir na
collegio das orphas, a filha do supplicante de no
me Mara Jos Pereira, de que trata o meu offlcio
de 9 de setembro ultimo.
Dito ao marechal de campo commandante das
armas.Sirva-se V. Exc. de mandar alistar como
voluntarios da patria os cidados constantes da in-
clusa relago, com destino aos corpos nella indi-
cados.
elaco a que se refere o oficio sufra.
No o." corpo:
Leonel Rispo Ramjs de Mederos, 2. sargento
da guarda nacional Joaquim Nunes do Vale, Anto-
nio Paes Cabral, Raymundo Jos de Sant'Anna,
Firmino Manoel Gongalves da Si I va, Joaquim Ig-
nacio Francisco, Pinniuo Jos Venancio.
No 6.' corpo :
Jos Rernardino dos Santos Ramos, Francisco
Benjamim da Lapa.
Dito ao mesmo.Deferindo o requenmento do
voluntaria da patria Lu! Ferreira Maciel Pinheiro,
sobre que versa a sua informagao de 4 do corren-
te sob n. 1,773, autoriso V. Exc. a mandar ellec-
tivar a praga do mesmo voluntario no 3. corpo, a I
que se acha elle addido.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Com as informages, juntas por copia, ministra-
das pela thesouraria provincial e chefe da repar i-;
cao das obras publicas, era 28 de setembro ultimo,
e 6 do corrente, sob nmeros 317 e 321, respondo !
ao offlcio, que V. S. me dirigi em 19 de julho
deate anno, n. 501, ao qual vieram annexos os re-,
qiienraentos, que devolvo, de D. Thereza Gongal-
ves de Jess Azevedo, relativamente aos terrenos
de marinha que possue por deiraz da ra da Im-
peratriz.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
En vista da inclusa relago, a que se refere o of-
fi io do director geral da instruegao publica, data-
do de honiem e sob n. 280, mande V. S. pagar a
quantia de 5703000, em que importa a penso,
correspondente ao quartel de outubro a dezembro
deste anno, dos alumnos internos e meio pensio-
nistas gratuitos do Gymnazio Proviocial.
Diu ao mesnp.Remello inclusos os requeri-
mentos, que rae dirigiram o 2. sargento Germana
de Carvalho Paes de Andrade, e o soldado Manoel
Joaquim Ferreira, ambos do corpo de polica, pa-
ra que V. S era os devidos lempos, mande abonar
ao pai do 1., e mi do 2. o excesso de venei-
meotos a que essas pragas tem direilo, na forma
do artigo 7.' da le provincial n. 611 de 2 de maio
ultimo.Coraraunicou-se ao commandante do cor-
* po de polica.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Goyanna.Deeriudo, de conformidade com
a sua informagao de 22 de setembro ultimo, o re-
querimenlo de Francisco Jos de Barros, .utoriso
V. S. a mandar eliminar do servigo da guerra, pa-
ra que eslava designado o filho do eupplicanie, o
guarda do baialhSo n. i3 sob seu commando supe-
rior Antonio Francisco de Barros, que ser substi-
tuido por oulro que para esse m deve ser desig-,
nado.
Dito ao commandante ao corpo de polica.
Mande V. S. abrir assentamento de praga no corpo
sob seu commando ao paisano Jos Leobino dos
Santos que fui julgado apto para o servigo como
V. S. declarou-me em seu oflicio n. 954 de.-la
data.
Dito ao director das obras militares.Recora-
mendo a V. S. que m aprsente com urgencia um
orgamento dos reparos de que necessita o arsenal
de guerra, enlendendo-se com o respectivo direc-
tor para os convenientes exames.
Dito ao commandante do batalhao n. io da guar-1
da nacional de Barreiros.Respondo ao seu olflcio
de 12 de setembro ultimo declarando l^e que nao
se apresenlaram nsta capital para serem alistados
como voluntarios os guardas n.acionaes Aotonio de
Carvalho e Sebastio Paes Brrelo, de que trata a
guia inclusa.
Dlo ao juz de dlreito do Limoeiro.Com o olli"
ci de Vmc. de 21 de setembro ultimo, receb i
lisia dos cidados que sobrescreveram para a fun
daro de um Asylo de lavalidos da Patria na
corte.
Dando publicidade pelos jornaes desta capital a
mencionada relago, recomniendo a Vmc. que, em
nome do governo agradega e louve quell cida-
daos os sentimenlos de patriotismo e hnmanilade
que os deslinguem.
Dito ao joiz de direilo de Garanhuns Respon-
dendo ao oflicio de Vmc. de 21 de setembro ultimo
son n. 6o, tenho a diier que o tenenle-coronel Ma-
noel Camello Pessoa Cavalcante, est incumbido
de alistar voluntarios para formar urna ou mais
companbias, e que ja a elle me dirig neste sen-
tido.
Dito ao delegado de Pao do Alho, Francisco de
Paula Cavalcante de Albuquerque.Mandei abrir
a'sentam?nto de praga no 5. corpo de voluntario;
da patria ao 2. sargento Joaquim Aunes do Vale,
e aos cidados Antonio Paes Cabral, Raymundo
Jos de Sant'Anna. Firmino Manoel Gongalves da
Silva, Joaquim Ignacio Francisco, e Firmino Jos
Venancio, de que Irata Vmc. em seu oflicio de
hontem datado, que (lea assim respondido.
Portara. O presidente da provincia resolve
conceder a demisso, que solicitou Joo Luiz Ri-
beiro de Farias do posto de capito do 8o batalhSo
de infamara da guarda nacional do municipio do
Recite.Fez-se o necessano expediente a este res-
pelto.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
o que requeren, o 3 escripturaro da thesouraria
de fazenda, Manoel Fonceca de Medeiros, e bem
assim o que a esse respeito informou o respectivo
inspector, era offlcio de 2 do corrente sob n. 727,
resolve conceder jo mencionado escripturaro tres
mezes de licenga com ordenado para tratar de sua
saude onde Ihe convier. Fizeram-se as necessa-
ras communicagoes a esse respeilo.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia do Ma-
ranho. Accuso recebido com o offlcio de V. Exc.
de 20 de setembro ultimo dous exemplaies da col-
lecgJo das leis promulgadas nessa provincia no
corrente anno.
Dito ao marechal de campo commandante das
armas. Declarando-me os voluntarios da patria
do 5o corpo, Joo Nepomuceno Alves Macil e Fran-
cisco Jos da Costa, que renunciam a gratifleago
de 3005000, e a sorte de ierras a que Ihes d di-
reilo o decreto n. 3371 de 7 de Janeiro deste anno
sirva-se V. Exc. de agradecer e loovar aos mes-
mos voluntarios essa prova de patriotismo e desin-
IflNSMa
Dlo ao mesmo. Informe V. Exc. se o sargento
ajudaote do corpo de polica, Flavo Jos dos San-
cos e Silva, est as circunstancias de obler o que
pede do requerimenlo incluso.
Dlo ao mesmo. Remello inclusos os prets dos
vencimentos dos voluntarios da patria alistados l-
timamente na villa do Buique, para que V. Exc.
se sirva de mandar satisfazer com a possivel bre-
vidade a exigencia da thesouraria de fazenda, cons-
tante do offlcio incluso, que me ser devolvido.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. eliminar do ba-
talhao de guardas nacionaes, destinado ao servigo
da guerra, o guarda nacional do batalno n. 3o de
infamara do municipio do Brejo, Manoel Mathias
dos Santos, que casado e com filho. Communi-
cou-se ao commandante superior do Brejo.
Dito ao Dr. chete de polica.Nesta data recom-
commendo ao commandante superior respectivo,
que dispense por em quanto do servigo da guarda
nacional o tenentecoronel Thomaz de Aquino Ca-
valcante, afim de entrar elle no exerceio do cargo
de delegado de polica do termo do Buique, como
V. 5. solicitou em offlcio n. 1533 de 4 deste mez.
Dilo ao mesmo. Para que na thesouraria pro-
vincial possam ser examinadas, e pagas as contas
das despezas fetas com o sustento dos presos po-
bres da cadeia de Tacaral, a contar de junho a
agosto deste anno, faz-se preciso que V. S. exija
do respectivo delegado a remessa das relagoes
de taes presos recolhidos mesma cadeia du-
rante aquelles mezes, conforme solicitou o inspec-
tor da mesma thesouraria em oleius de 22 e 29
de setembro, sob n?. 373 e 391.
Dito ao mesmo. Fica expedida a conveniente
ordem paoa serem apresenladas na casa de deten-
gao, amanha s 6 horas do dia, 25 pragas do cor-
po de polica para escoltarem os sentenciados des- |
tinados ao presidio de Fernando, devendo 15 des-
sas pragas acompanha-los at o mesmo presidio,
e desie modo jalgo ter satisfeilo o que V. S. solici-
tou em seu offlcio de hontem sob n. 1532.
Dito ao mesmo.Constando do offlcTo do inspec-
lor da thesouraria provincial, datado de 22 de se-
tembro ultimo, e sob n. 374, que nao podem ser
all examinadas e pagas as contas das despezas fe-
tas com o sustento dos presos pobres da cadeia da
villa de Flores, a contar de 29 de Janeiro at o ul-
timo de junho deste anno, por nao terem sido en-
viadas as relagoes de taes presos relativas a esses |
mezes, recmmendo V. S. que providencie para
que o deegado daquellu termo remelta com brevi-
dade as mencionadas relagoes.
Dito ao mesmo. Nao tendo o delegado do ter-
no do Ouricury remedido, como Ihe cumpre, as
relagoes dos presos pobres recolhidos respectiva
cadeia durante os mezes de abril a junho deste an-
no, afim de que na thesonraria provincial possam
ser examinadas e pagas as cenias relativas a esses
mezes, das despezas feilas com taes presos, recom-
meado V. S. a expedigo de suas ordens, para
que tenha lugar essa remessa com brevidade, vis-
to assim o haver solicitado o inspector daquella !
thesouraria em offlcio de 29 de setembro ultimo,
sob n. 388.
Dito ao mesmo. Expega V. S. suas ordens, pa-,
ra que o delegado do termo do Brejo da Madre de j
Dos remeta as relagoes dos presos pobres reco-1
Ihidos respectiva cadeia, durante os mezes de i
margo a agosto deste anno, afim de que a thesou-
raria possa examinar e pagar as contas relativas'
aquelles mezes, das despezas feitas com o sustento
de taes presos, segundo consta de offlcios do ins-
pector da mesma thesouraria, datados de 22 e 29,
de setembro ultimo sob ns. 376 e 390. |
Dilo ao mesmo.Em vista do que consta do seu
offlcio n. 1341 de o do corrente, com referenc a
cadeia da villa do Bonito, exija V. S. do respectivo
delegaao um orgamento da dspota a fazer-se com i
osconcertos de que ella precisa, afim de resolver
acerca del les, em quanto nao se procede as obras
da neva cadeia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. .
Restitno a\V. S. os prets que vieram annexos ao i
seu oflicio de hontem, sob n. 737, tirando venci-
mentos para os voluntarios da patria alistados na
villa do Buique, afim de que mande pagar a im-
portancia de taes prets, visto estar satisfeita a exi-
gencia comida em seu citado offlcio.
Dito ao mesmo.Constando de aviso da repar-
tigao da agricultura, comrnercio e obras publicas,
de 22 de agosto ultimo, haver-se requisilado do mi-
nisterio da fazenda a expedigo das necessarias
ordens, afim de que sejam pagos no corrente exer-
cicio os eugenheros em servigo nesla provincia
dos vencimentos que Ihes estao marcados : assim
o communico a V. S. para seu conhecimenio.
Dito ao mesmo.Declarando me os voluntarios
da patria do quinto corpo Joo Nepomuceno Alves
Macil e Francisco Jos da Costa, que renunciara o
premio e a sorie de trras que Ihe sao proraettidas
DO decreto n. 3,371 de 7dejaneiro deste anno :
assim o communieo a V. S. afim de mandar aver-
bar nos assentaraenios daquellas pragas as com-
petentes notas nesle sentido.
Dito ao mesmo. De conformidade com o que '
solicitou o director das obras militares no offlcio
junto por copia, datado de honiem, e sob n. 59,
mande V. S. pagar a Joaquim Jos Ferreira Penha
a quantia de 777,5640, em que, segundo a inclusa ;
conta era duplcala, importaran) os concertos in-;
dispensaves por elle executados no quartel do
hospicio, onde se acha alojado o terceiro corpo de
voluntarios desta provincia.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Recmmendo a V. S. que, em vista do competente
certificado, mande pagar ao arrematante da con-
servaco do 3o termo da estrada do sul, a quantia a
que tver direito, por haver concluido a obra da
estrada provisoria de que traa os 3o e 5o do
art. Io do respectivo orgamento, segundo consta de
offlcio do chefe da reparticao das obras publicas,
datado de hontem, e sob n. 322.Communicon-se'
ao chefe da reparticao das obras publicas.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
- No vapor Manuntguape nha para esse presidio, serao remedidos alm dos
13 sentenciados de que trata o meu offlcio de 26 de
setembro ultimo, mais 3, Joao Ferreira Nepomo-
ceno, Jos Severo do Nascimento e Vicente Fer-
reira Soares. As guias dos dous primeiros aqu
junto-as com as dos sentenciados Theodoro da
Costa Ribeiro, Jos Antonio do Carmo, Francisco
Antonio de Albuquerque e Josepha Mara da Con-;
ceigo, que ah existem sem ellas, e a do ultimo j
se acha nesse presidio, segundo declarou-me o juiz
municipal da 1" vara em offlcio de 2 do correte :
0 que communico a V. S. para seu conheci-;
ment.
Dito ao commandante superior do Recite.An-
nuindo ao que solicitou o Dr. chefe de polica em
offlcio de 4 do corrente, sob n. 1,540, e para evitar!
disturbios, recmmendo a V.S. a expedigo de suas I
ardeos, aiim de que as msicas da guarda nacional.
nao saiam a tocar, quando para isso se offerecer
occasio, sem previa communicagao ao mesmo I
chefe de polica.Communicou se ao Dr. chefe de!
polica.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
! nal de Santo Antao Em resposta ao offlcio de V.
: S. de 30 de setembro prximo lindo, lenho a dizer-
Ihe que continu a mandar proceder ao servico de
i revistas nos batalhoes da guarda nacional sob seu
; commando superior, se assim julgar conve-
niente.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Garanhus.Annuindo ao que solicitou o
Dr. chefe de polica em offlcio n. 1,533, de 4 deste
mez, recmmendo a V. S. que dispense por em
quanto do servigo da guarda nacional, o tenente-
coronel Thomaz d'Aquino Cavalcanti, afim de que
entre elle no exercicio de delegado de polica do
termo do Buique.
Dito ao commandante do corpo de polica.Man-
de V. S. presentar na casa de delengo, amanba,
s 6 horas do dia, 25 pragas do corpo sob seo com-
' mando, para escoltarem at o embarque os senten-
1 ciados de justiga destinados ao presidio de Fernn-
I do, devendo 15 dessas pragas ?acompaohar os mes-
mos sentenciados at o referido presidio.
Dito ao mesmo.Mande V. S. alistar no corpo
1 sob seu commando, se ter julgado apto para isso
em inspeegao de sale, o paisano Joao Felippe,
que Ihe sera apresentado com esto offlcio.
Dito ao mesmo.Concedo a autorisagao que V.
S. solicitou em seu offlcio o. 956 desta data, para
tirar mais dos dlnheiros depositados na caixa di
corpo sob seu commando, a quantia de 4585, para
occorrer as despezas com os 20 fardameotos que
mandou apromplar para a pragas do mesmo
corpo.
Dito ao mesmo.Mande V. S. dar baixa, visto
ter sido julgado incapaz do servico, ao soldado
Chrispim Gomes da Silva.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Habi-
lile-me V. S., cora a sua informagao de modo a po-
der satisfazer o que exige o Exm. Sr. ministro da
marinha em aviso do 1 de setembro ultimo cons-
tante da copia inclusa.
Dito ao mesmo.Mande V. S. apresentar junto
ao ca'es do Forte do Mattos, amanhaa as 6 horas
do dia, as lanchas que forera precisas para o em-
barque de 15 sentenciados e igual numero de pra-
gas destinadas ao presidio de Fernando.
Dito ao conego Francisco Rochael de Brilo Me-
deiros.Tendo designado V. S. para cora o Dr.
Manoel Buarque de Macedo examinar no coocurso
a que no dia 9 do corrente se vai proceder na le
partigo das obras publicas para preenchimento
das vagas de praticantes daquella reparticao : as-
sim Ih'o declaro para seu conhecmento, esperan-
do que aceitara' essa commissao.
Dito ao chefe da repartigo das obras poblicas.
Remella-me Vmc. com brevidade o orgamento pa-
ra a construego da estrada do norte na exlengo
de 200 bragas no engenho Itapirema, comprehen-
dendo-se nessa extengo a ponte sobre o rio deste
nome, afim de que se possa aulorisar aquella obra
como Vmc. solicita em seu offlcio de 22 de julho
oltimo, sob n. 232 a que respondo.
Dito ao raeimo.Pode Vrac, conforme indica
em seu offlcio de 27 de setembro ultimo, sob n.
311,, mandar augmentar com mais 103 lampeoesa
lluminago desta capital, os quaes devero ser
collocados nos lugares indicados na relago que
veio annexa ao seu citado offlcio.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. reconsiderar o or-
gamento de nm lango de 155 bragas de erapedra-
ment na estrada de Bujary a cidade de Goianna,
pois que por falla de licitantes deixou de ser arre-
melada aquella obra, nao obstante ter ido a praga
quatro vezes, segundo constou de offlcio do inspec-
tor da thesouraria provincial de 4 do corrente, sob
D.|397.
Dito ao Dr. juiz de direito da Boa-vsta.=Remel-
ta Vmc. um orgamento da despeza a fazer-se com
os concerlos de que precisa a cadeia da villa de
Ouricury e em ordem a ter a devida seguranga.
Porlaria.O presidente da provincia resolve con-
ceder 5 das de licenga ao voluntario do 6o corpo
Gemimano Pedro Nolasco.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a proposta do Dr. chefe de polica n. 1,517
de 3 do corrente, resolve noraear o major Francis-
co de Barros do Nascimento para delegado de poli-
ca do termo da Floresta, na comarca de Tacaran!.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a proposia do Dr. chefe de policia n. 1517
de 3 do corrente, resolve crear urna delegada de
policia no termo da Floresta da comarca de Taca-
ral.Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita.-O presidente da provincia resolve conce-
der 22 dias de licenga ao voluntario da patria An-
tonio Peretle dos Santos para ir a villa do Buique.
Dita.O presidente da provincia, conterraaudo-
se com a proposta do Dr. chefe de policia n. 1521
de 3 do corrente, resolve deraillr a Manoel Mar-
tlns do'Rego Farias do cargo de Io supplenle do
subdelegado da freguezia de Taquaritinga, por se
achar pronunciado como incurso as penas do art.
145 do Codiyo Penal.Communicou-se ao Dr. che-
fe de polica.
. Despartios do dia 7 de outabro de 186o.
Requerimentos.
Antonio Flix de Moraes. Informe o Sr. Dr-
chefe de policia.
Antonio Jos Francisco. Indeterido em vista
da informagao do marechal commandante das ar-
mas.
Josepha Maria dos Prazeres.Em vista da infor-
magao do marechal commandante das armas nao
tem lugar o que requer a supplicante.
Jos Victorino do Amor Divino.Declare o sup-
plicante em que lempo foi recrutado seu irmo de
nome Jos Beiiedicto.
Ludgero Teixeira Lopes. Infor-me o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
M'.noel Jos Pinto de Souza eves.Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional de Na-
zareth.
Manoel Neves de AlbuquerqueNao tem lugar.
Manoel Candido de Jess. Em vista da infor-
magao do marechal commandante das armas nao
lem Ingaro que requer o supplicante.
Manoel Antonio de Mello.Nao lem lugar.
Coronel Tiburtino Pinto de Almeida.Concedo a
licenga que requer o supplicante.
PERNAMRUC,
RBTISTA DIAIIA.
Hontem, por obra de 8 horas da noite, chegou a
esta cidade a companhia de voluntarios, organisa-
daa Victoria, vindo Ihe aggregada a joven D.
Marianna Amalia do Reg Barrete, que se destina
ao servigo do hospital de sangue no campo de ha-
(alha.
Havendo scencia previa de que chegariam estes
bravos sem falta hontem, logo tela tarde poz-se es-
la cidade era movimento de espectagao, afim de
ver aquella mulber heroica, que sem atlengo
commodos, venceodo a fragilidade femmil,deixa a
familia para ir aligeirar com seus cuidados aos
bravos que ludo do pela patria.
No trajelo da roa Imperial, onde a aguardava
o 5.* corpo de voluntarios, de que faz parte aquella
companhia, al o palacio da presidencia, foi ella
acompanhada por um numero superior a duas mil
pessoas; e j no mesmo palacio a linha precedido
a joVen O. Marianna, em companhia do Sr. eorooel
Tlburlino Pinto d'Almeida, cujos esforgos se de-
ve em grande parte a acquiHgo d'essa companhia
de voluntarios.
Em frente de palacio, cuja varanda achava-se
aquella joven, a par do Exm. Sr. presidente, er-
gueram-se pelo povo differentes vivas; e a estes
accrescenton S. Exc. oulros a S. M. o Imperador,
aos tirios s pernambucanos e aos voluntarios da
Victoria; os quaes foram cob?rtos pelos soos do I
hymno nacional e voz em applauso de todo o povo I
alii reunido.
Aps esta man i testa gao de aprego pelo que
grande e nobre, desfillon d'alli o quinto corpo de
voluntarios, tirando em palacio a joven Marianna.
Acaba de chegar a casa do Sr. Falque dous
quadros em ponto grande, representativos da bata-
Iha naval de Riachuelo e da passagem pela barran-
ca de Mercedes.
Sao dous quadros duas tintas, devidos ao Sr.
1* lente da armada Antonio Luiz von Hoonhollz,
commandante da canhoneira Araguary, e um dos
hroes daquella epopa, que celebrisa o nome
brasileiro.
Devendo ser considerados como a del expresso
dos episodios que representan), sao dignos de ornar
qoalquer sala; e por isso recommendamo los a
atleng* do publico.
Hoje representa pela penltima vez em nosso
theatro o actor Simoes, que to apreciado ha sido
pela nossa pnpulagao, fazendo justiga ao seu mere-
cimento artstico. Assistira', na tribuna presiden-
cial, a joven voluntaria da cidade da Victoria.
O agente Olympio, era seu grande armazem
sito a ra da Cadeia do Recite, n. 36 faz hoje leilo
de mobilias, trastes avulsos, objeelos de oro e
prata, relogios, piannos, urna rica obra de direilo
e outros mullos artlgos que se torne eufadonho
mencionar.
O Sr. Manoel Machado Das, alm do ofte-
recimenlo de seu filho Lino Machado Dias para
servir no 3." corpo de voluntarios da patria apre-
senlou mais para o mesmo lim os Srs. Antonio
Tenorio Cavalcante, Manoel Gervasio Jos Prolasio,
Athanasio Ricardo de Araujo, Pedro Rodrigues dos
Santos, Avelino Jos de Lima, Francisco Pedro
dos Santos, Joo Manoel da Costa, Joo Pereira de
Brto, Paulo Jos de Araujo, Manoel Flix da Sil-
va, Firmino Victorino Barbosa, Joo Baptisla de
Sant'Anna, Joaquim Simoes d'Oliveira, Froncisco
Antonio Teixeira Mucury, e Vicente da Costa
Soares.
Por apresentago dos Srs. Manoel d'Avila
Brnno e Joaquim Ricardo Monteiro de Paiva alista-
ram-se hontem no 5." corpo os Srs. Antonio Fran-
cisco de Vasconcellos, Bellarmino Jos de Lima, e
Antonio Mendes Pereira da Silva.
Foi autonsido o 2. sargento Joaquim Nunes
do Valle a promover o alisiamento de voluntarios
da patria na comarca do Pao d'Alho.
Para reger interinamente a cadeira de ins-
truegao primaria da povoago de Belmonle foi no-
meado, com a gratifleago de 6005000 annual, o
Sr. Joao Baptisla d'Oliveira Monteiro.
Tendo nos publicado em dias do mez findo
urna oceurrencia, que se dera em S. Bento com re-
lago a pristo do Sr. Jos Leopoldino Ponles, nao
obstante haver-se este apresentado desembaragado
pela secretaria da policia e com isengo do recru-
tameuto, o digno Sr. Dr. chefe de polica em alten-
gao a esta publicago solicitou informag5es minu-
ciosas e instantes da respectiva autondade local,
afim de providencia como no caso coubesse. ,
A v.-ta -ri.-i". foi informado pelo Sr. delegado
d'aquelle termo, qua tendo recebido ordem do an-
tecessor do Sr. Dr. Piodahyba de Mattos para
prender ao mesmo Lopoldino Pontes, comraettera
esta diligencia ao inspector de quarteiro Antonio
Ferreira de Mello ; o qual, sem apparalo de tena,
a elle so dirigi e pedio-lhe para que o acomp-;
nhasse a presenga do referido delegado ; mas que
tendo-lhe Ponles exhibido urna resalva da policia,
dispensaran de acompanha-lo a presenga do dele-
gado, tornando-lhe apenas a mesma resalva para
mostra-la a autoridade, que Ih'a devolvem poste-
riormente.
Foram presos em S. Bento os criminosos Jos
Manuel Bezerra e Manoel Bernardo do Nascimento. i
A este attribuida a autora da morte de um seu
cunhado, no termo do Bonito ; e aquelle a da mor-
te de Andr Lino Barbosa e dos terimentos graves
teilos em Narcizo Barbosa e Francisco de tal.
Esta importante captura foi effectuada pelo Sr.
delegado Luiz Paulino de Hollauda Valeuga, na fa-
zenda Caiana, onde o mencionado Jos Manoel!
praticara aquelles delictos, por occasio de mandar
o subdelegado da villa prender para recruta a nm
seu irmo de nome Quirino Bezerra, a quem elle
tomou da escolta sem opposigao desta; e come lo-;
go aps chegasse Andr Lino, e extranhasse o
procedimenlo da escolla em nao oppor-se aquella
tomada, o mesmo Jos Manoel correu sobre o in-
feliz Lino, descarregando-lhe urna faral, a que
elle suecumbio logo, e terrado tanibem gravemente
aos outros dous.
Chegou hontem, procedente de Philadelphia
pelo Maranho, d'onde sabio no dia 4 do crrante,
o aviso vapor de guerra americano IFasp, do
commando do lente \V. A. Kirkland, que val
reunirse a esquadrilha no Ro de Janeiro. Veio
lomar carvo e segu a seu destino, apenas tenha
isso realisado.
Este vapor trouve jornaes do Piauhy at 16 do
passado, dos quaes colhemos o segrale :
Ftl convocada a assembla provincial para o an-
no vmdouro, deveodo proceder-se eleigo dos
deputados no dia 4 de dezembro prximo.
No dia 1. desse mesmo mez deve ter lugar a
eleigo d um deputado assembla geral, em subs-
tituido do Exm. Sr. conselheiro Paranagua, esco-
Ihido senador.
L se ns Imprensa :
t Seguo no dia 12 para S. Gongalo o vapor Pa-
ranagua da companhia de navegaran d'esla provin-
cia, cora destino a villa da Manga, 30 leguas ci-
ma d'aquelle porto, em viagem de experiencia.
E' um comraetiimento que pode trazer muitas van-
lagens a navegago, e por consegrante ao com-
rnercio e iavoura da provincia. O eogenheiro da
provincia Dr. Nevrtoo Cesar Burlamaque, foi n'es-
sa viagem encarregado dos trabalhos hydrographi-
cos e 'experiencia.
Em 4 do andante contratou S. Exc. o Sr. pre-'
sidente da provincia, com o Sr. coronel Jos da
Cunha Lustosa pelo prego de 3:0005000 e prazo de
um anno, a abertura d'uma estrada que ligue a
villa de Paranagua de Santa Philomena, que se
acha a raargera do rio Parnahiba.
< Pretendendo-se levar a navegago do rio Par-
nahiba at a villa de Santa Philomena, a estrada
contratada deve trazer immensas vantagens aquel-
le municipio ligados como ficam os dous focos de
populagp de lo remotas paragens. O municipio
de Paranagua bastantemente populoso e possue
trras ubrrimas, cujos productos se perdem por
falta de vas de communicagao e transporte. A
estrada de que tratamos e a navegago projectada
removem esse grande obstculo ao desenvolvimen-
to da industria no nosso alio serto.
< E' portanto urna medida de grande alcance a
abertura da referida estrada. >
Somos informados, e temos prazer era fazer i
publico, que os voluntarios da patria do 3." corpo,
mencionados na relago que abaixo vai transcripta,
renunciaran) em favor das urgencias do estado a
gratifleago de 3005000, e a sorte de trras, que
Ihes sao asseguradas pelo dec. n. 3,371 de 7 de Ja-
neiro ultimo.
E' urna prova de patriotismo e desinteresse,
que roigamos em registrar, tanto mais quanto pro-
cede de jovens comprovincianos que com o offere-
cimento de suas pessoas ji se haviam peito recom-
mendaveis.
Sao os Srs.J:
Antonio Gracodo de Gnsrao Lobo, Clarindo
Hermetto Lins, Francisco Jos de Almeida Peroara-
buco, Victoriano Cordeiro Lins, Francisco Xavier
Camello Pessoa, Domingos Alvaro Machado Mar-
ques, Jos Ricardo Coelho Jnior, Jesuino Sidonio
de Souza Navarro. Luiz Ferreira Maciel Pinheiro,
Jos Hvgino Duarta Pereira, Manoel Accioly de
Moura Gondira, Olavo Antonio Ferreira, Ignacio
Estoves Moreira da Costa, Australiano de Torres,
Calliodo, Joaquim Rodrigues Pinheiro, Jos Luiz
de Macedo Cavalcante, Antonio de Albuquerque
Paes Brrelo, Vicente Ferreira da Rocha, Pedro i
Baptisla de Moraes Reg, Miguel Ribeiro do Ama-
ral, Americo do Reg Barros, Francisco Menna
Brrelo de Barros Falco, Manuel Fernandos Po-
voa?, Hermillo Aoreliano Chaves de Sonta, Edu-
ardo Alfredo Rebollo Mallos, Antonio Joaquim Ma-
chado, Manoel Flix de Veras.
Pedem-nos a seguiote declarago:
c O major Bellarmino do Reg Barros sanio
honiem no vapor Perstnunga, cora deslino ci-
dade do Aracaty, acompanhando sua irraa e so-
brinhos, mulher e filhos do Dr. Bellarmino Correa
d'Oliveira Andrade/ Durante sua ausencia, que
ser de poneos dias, deixou pqr seus procuradores
o Dr. Joo Alfredo Correa d'Oliveira e Virisslrao
Jos Moreira.
No communicado publicado hontem sob a as-
signatura O cordato deram-se os seguintes
erros ; que conven) mencionados:
A' linhas 37onde se l anino-la-seassas-
sino.
A" linhas 50onde se lindeferida la-se
indefinida.
A'linhas 68-onde se l Nao tem os nossos
avisos ele. la-se Nao tome os nossos avisos
ele. etc.
Repartiqao da polica.
Extracto das partes do dia 10 de outubro de
1865.
Foram recolhidos a casa de detengo no dia 9
do corrente :
A' ordem do Film. Sr. Dr. chefe de policia, Ma-
noel Joaquim de Souza Ventana, para recruta; o
Joo Francisco, como suspeito de ser escravo.
A' ordem do subdelegado do Recite, Manoel Fer-
reira dos Sanios, para correegao.
A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio, Joo
Francisco dos Sanios ou Silva, para recruta.
A' ordem dosubdelegado de S. Jos, Sebastio
Pereira da Silva, por desobediencia; Travassos
Gomes, Maria da Assumpgo dos Prazeres, Anto-
nio, escravo de Luiz de tal, e Rosara, escrava de
Francisca Candida da Silva, por briga.
A' ordem do da Magdalena, Manoel Pedro da
Silva, para correegao.
O chefe da 2" secgo,
Joaquim Gilseao de Mesquila.
Casa de DETENgo.Movimenlo do da 9 de ou-
lubro de 1865. Existiam 362, entraram 10, sa-
hiram 10, existem 362; a saber : Nacionaes 259,
muflieres 6, estrangeiros 23, muflieres 4, escravos
65, escravas o ; total 362.
Allmenlados cusa dos cofres pblicos 183.
Movimento da enfermara do dia 10 de outubro
de 1865. r
Teve baixa :
Manoel Joaquim do Espirito Santo; febre.
Tiveram alta:
Malheus Jos Rodrigues.
Urbano Sabino Pessoa.
Antonio Gongalves Carneiro.
Manoel escraVo de Lourengo Alves Castro.
Luiz escravo de Augusto de Souza.
^^s^a^o^o i m -
CHRONICA JIIDICIARIA
TBIBl'WL DA RELAMI.
SESSAO DE 10 DE OUTUBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SOUZA.
As 10 horas da manha, presentes os Srs- des-
embargadores Santiago, Gilirana, Lourengo San-
tiago, Motta, Assis, Doria, Guerra procurador da
cora, Ucha Cavalcanti, Domingues da Silva e
Barros Vasconcellos. faltando o Sr. deserabarga-
dor Almeida Albuquerque, abrio-se a sesso.
Passados os teilos, deram-se os seguintes
JLGAMENTOS.
Aggravo de petiqao.
O aggravo de petigo, addiado na sesso de 3
do corrente:
Aggravante, D. Joanna Maria das Dores; ag-
gravado, ojuizo Nao tomarara conhecmento.
Habeas-corfus.
Negaram ordem de habeas-corpus pedida por
Manoel do Nascimento Mello.
Afpfllaroes crimes.
Appellante, o promotor ; appellado, Jos Porfirio
de Araujo.Improcedente.
Appellante, o promotor ; appellado, Francisco
Baptista Callaga.Nao tomaram conhecmento.
Affellaroes civeis.
Appellante, D. Joanna Maria das Dores; appel-
lado, Dr. Augusto Carneiro Monteiro da Silva
Santos.Desprezaram os embargos.
Appellante, Gaspar Cavalcante de Albuquerque
Ucha ; appellado, Joao de S Albuquerque.Des-
presaram os embargos.
Appellante, Lino Ferreira da Silva ; appellados,
Jos MendesCarneiro Rodrigues Campello e outros.
Receberam os embargos.
Appellante, Joaquim Ribeiro da Silva ; appella-
do, o juizo.N'ullo o processo.
DILIGENCIA CRIME.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
As appellagoes crimes.
Appellante, Malheus Jos Rodrigues; appellada,
a justiga.
Appellante, o juizo ; appellado, Wenceslao Ris-
po de Araujo.
DILIGENCIA CIVEL.
Com vista ao Sr. desembargador procurador da
cora
As appellagoes cvels.
Appellante, D. Joanna Mara das Dores; appel-
lado, Antonio Joaquim de Mello.
Appellante, bacharel Bento Jos da Costa J-
nior ; appellada, a irmandadede Sania Auna.
Cora vista ao Dr. curador geral
Appellante, Joo Baptisla Accisli Wanderley ;
appellado, Flix, por seu curador.
PASSAGKNS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gitirana
As appellagoes crimes.
Appellante, ojuizo; appellado, Balbno Francis-
co dos Sanios.
Appellante, Joao Paulo de Barros ; appellada, a
justiga.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra
A appellago civel.
Appellante, Fernando Francisco de Aguiar Mon-
taroyos ; appellado, Jos Carlos Teixeira.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
As appellagoes civeis.
Appeilantes, os herdeiros de Francisco Ferreira
de Barros Campello; appellados, os herdeiros de
Caelano de Barros Wanderley.
Appeilantes, os herdeiros de Christovo Dionizio
de Barros ; appellado, Dr. Pedro Pereira Bezerra
de Araujo Beltro.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque
A appellago civel.
Appellante, a trmandade do Santissimo Sacra-
mento do Cabo ; appellado, o vigario Jos Luiz Pe-
reira de Qoeiroz.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti ao Sr.
desembargador Domingues da Silva
As appellagoes civeii.
Appellante, a irmandade do Santissimo Sacra-
mento do Cabo; appellado, o vigario Jos Luiz Pe-
reira de Queiroz.
Appellante, Francisco Gomes Prenle ; appella-
dos, a vi uva de Manoel Gomes da Silva.
Ao Sr. desembargador Gitirana
A appellago civel.
Appellante, Manoel Elias de Moura ; appellado,
bacharel Manoel Firmino de Mello.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vasconcellos
A appellago civel.
Appellante, Jos Domingues Correia ; appella-
da, a ordem terceira de S. Francisco.
Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Santiago
As appellagoes civeis.
Appellante, Luiz Jos Rodrigues de Souza ; ap-
pellada, D. Josepha Leopoldina de Mello Marinho.
Appellante, a fazenda ; appellado, Manoel F-
gueira de Faria.
A'1 hora encele u-ae a sesso.
TIIIHI VVj DO COHJHEliriO
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 9 DE
OUTUBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOS
ANSELMO FRANCISCO PBRETTI.
As 10 horas da manha, oslando reunidos os Srs.
depulados Rosa, C. Alcoforado, Baslo e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente declaren aberla a ses-
so.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Um offlcio da junta dos correlores, desta data,
remetiendo a cotago dos pregos correnles da pra-
ga na semana prxima linda.
Foram distribuidos aos senhores deputados os
livros copiadores de Joaquim Rodrigues Tavares
de Mello e Manoel Ribeiro de Garvalho.
DESPACHOS.
No requerimenlo de Autonio Francisco Leite,
adiado na sesso passada, pedindo ser admettido a
matricula.Como requer.
No de Joao Alves Branco, pedindo o registro da
nomcago de seu caixeiro Jos de Mello Correia
Bastos.Registre-se.
No de Jos Izidoro Marlins, pedindo ser adroitti-
do a prestar juramento, e que se Ihe d litlo de
agente de leiles desta praca, visto ter cumprido o
despacho de 28 de setembro do anno prximo pas-
sado.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Joo Roberto Augusto da Silva, pedindo o
registro da sua nomeago de caixeiro de A. Scbaf-
fi t.Registre-*.
No de Isaac Tavares da Costa, pedindo o regis-
tro da sua nomeago de caixeiro de Jis Joaquim
de Oliveira, de Macei.Registre se
No de Justino Jos de Souza Campos, adminis-
trador da massa fallida de Guilherme Carvalho i
C, pedindo que seja sellado nm lvro que lera de
servir para a liquidago da mesma massa, iode-
pendenleraente de rubrica, a qual deve ser feita
pelo Dr. juiz do comrnercio, na conformidade do
artigo 168 do cdigo e 64 do decreto n. 1597 do 1"
de maio de 1855.Informe o Sr. official-roaior.
No de Antonio de Moura Rolira, cumprindo o
despacho de 5 do corrente, para ser registrada urna
procurarlo em que Mao>el Nunes de Mello no-
meia caixeiros de sua casa commercial a Francis-
co Nunes Teixeira de Mello, Joaquim Francisco
Berlim e Manoel Jacniho de Oliveira. Regis-
tre se.
No da companhia de segures Inderanisadora, pe-
dindo o registro dos seus novos estatuios e do de-
creto e carta imperial que os approvou, visto ter
sido cumprido pelos seus directores o despacho de
28 de setembro ultimo.Registre-se.
No de Antonio Moreira Vinhas, eidado portu-
guez, de 1 annos de idade, eslabelecido na cidade
do Ico, provincia do Cear, com casa de comrner-
cio de fazendas e generes, de conta propria e
alheia, em grosso e a relalho, pedindo ser admetti-
do matricula ; juntando em abono de sua pre-
tengo um aitestado dos coramerciantes Francisco
Joo de Barros, Luiz Antonio Siqueira e Ferreira
A; Araujo.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Antonio Lourengo Teixeira Marques, pe-
dindo o registro da nomeago de seu ciixeiro Pe-
dro Ortiz de Camargo.Registre se.
RESOLL'gAO.
O tribunal resolveu que os rommereianles que
abonarem o crdito e outras quahdades das pes-
soas que pretenderen) ser matriculadas, nao co-
nhecidas por seus membros, viro peranta o mes-
mo tribunal rectificar o conteudodos seus atiesta-
dos em vi'lude de despachos pelo referido tribunal
proferidos.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s 11 horas e meia da
manha.
SESSAO JUDICIARIA EM 9 DE OITL'BRO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Gutmaraes.
s 11 ,' horas da manha o Exm. Sr. presidente
declarou aberla a sesso, estando reunidos os Srs.
desembargadores Silva Guimares, Res e Silva e
Accioli, e os Srs. deputados Rosa, Candido Alcofo-
rado, Ba?to e Miranda Leal
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
so.
Foi lido o offlcio de 4 do corrente, do Exm. Sr.
presidente desta provincia (acompanhado de ura
modelo de mappa), no qual exige do Exra. Sr. pre-
sidente deste tribunal que, para curoprimento do
aviso circular do ministerio da justiga de 30 de
junho ultimo se digne reroelter-lhe, de conformida-
de com o indicado modelo, um mappa dos offlcios
e empregos de justiga que existirem oeste tribu-
nal, prvidos victalicia ou interinamente tanto pelo
governo imperial e presidencia desta provincia co-
mo por S. Exc.
Foi apresentado o offlcio datado de hoje do Sr.
Francisco Accioli de Gouvea Lins commuocando
nao poder lomar parte no jolgamento para o qual
fura convidado, por achar-se occopado, como juiz
de fado, na presente sesso do tribunal do jury.
E o Exm. Sr. presidente crdenou que se convi-
dasse o supplenle immedialo Jos Velloso Soares.
Assignaram-se os acordaos proferidos na ultima
sesso nos teilos entre parles :
Appeilantes, o presidente e directores da caixa
filial do Banco do Brasil nesta cidade ; appellados,
Manoel Alves Guerra eos curadores liscaes de sua
fafenca.
Appellante, D. Carolina Josepha de Almeida; ap-
pellados, a viuva e herdefros de Jos Hygioo de
Miranda.
JLGAMENTOS.
Appeilantes, os administradores da massa fallida
de Rostroo Rooker & Companhia ; appellado, Ma-
noel Dias da Silva Santos. Adiado uas sesses de
2 e 5 do preeente mez. Dssprezaram-se os em-
bargos.
Appellante, Jos uuarte das Nevee ; appellados,
os curadores liscaes da massa fallida de Jos Mar-
ques dos Santos Aguiar & C Desprezaram-se os
embargos.
Appeilantes, os administradores di massa fallida
de Amonm, Fragoso, Sanios & C.; appellado
Piolo Barbosa & Companhia. Despreiaram-e
os embargos.
PASSAGKNS.
Do Sr. desembargador Silva Guimare ao Sr.
desembargador Res e Silva:
Appeilantes, a viuva Neves & Cardoso ; appel-
lada, a directora do Novo Banco de Peroambueo.
Appeilantes, os administradores da massa falli-
da de Araorim, Fragoso, Sanios & C.; appellado,
Jos Rodrigues de Souza.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Accioli :
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appella-
dos, Cardozo & Souza.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. des-
embargador Accioli :
Appellante, Luix Antonio de Souza Ribeiro ; ap-
pellado, Manoel Joaquim Rodrigues de Sonsa.
DISTRIBligAO.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares :
Appeilantes, Jos Jeronymo Monteiro e outros;
appellados, N. O. Bieber & C
I
,-
i



-

Diarlo de Pernaoibaco Qa.irta letra ti de Ondibro de ISttk.
-- -i-r.....i i
AGGIUV0 IJJTEIIPOSTO DO JUIZO ESPECIAL DO
C0MMEUC10.
Aggravante, Francisco Jos da Silva Guimaraes;
aggravados, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos <& C.
O Exra. Sr. presidente negou provimento.
AGCttAVO DE INSTRUMENTO 1NTERPOSTO DO JUIZO MU-
NICIPAL E COMMEI1GIO DE SEBINHAEM.
Aggravante, Pedro Cavalcante .de Albuquerque
Ucha ; aggravado, loaquim Elviro Alvcs da
Silva.
O Exm. Sr. presidente den provimento.
Nada mais houve, e encerrou se a sessao a urna
hora da larde.
.11 K Y DO RECIPE
G de oituuro de 186o.
Presidencia do Sr. Dr. Joo Antonio de Aranjo
Freitas Henriques juiz de direito da primara
vara criminal'.
Promotor publico o Sr. Dr. Jacintho Pereira do
Reg.
Advogado o Sr. Dr. Jos Eutaquio Ferreira Ja-
cobina.
Escrlvo Joaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente.
Re Fidencia Mara da Costa Santos.
Feila a chamada as 10 horas da manha, com-
pareceram 41 senhores jurados, foram dispensados
de serviiem na preseute sessao por doentes os Srs.
Joao Francisco do Reg Maia e Jos Mara Freir
Gameiro ; foram multados em mai 20&00 cada
um dos jurados j multados nos anteriores das de
sessao e a cada um dos senhores seguintes :
Octavian i de Souza Franca.
Joo dos Santos Porto.
Enuli' Xavier Sobreira de Mello.
Dr. Thenoi 10 Francisco do Espirito Santo.
Aberta a sessao, procedeu-se o sorleio do jury
de seutenca, ao qual foi deferido o juramento dos
Santos Evaiigelhos, foi a r interrogada e lido todo
o processo da formaeo da culpa e em seguida foi
desenvolvida a acou*a$ao e defeza e lindos os deba-
tes depois da replica <- treplica foi feto o resumo
da aeeusaco e da defeza, e -propostas as quesioes
de faci que foram eulrettes c.om o processo ao
presideute interino do jury de senlenea que se reti-
rou a sala das conferencias cora os de mais mera-
bros deste as 10 horas da noite d'onde vollou as 10
1|2 com soas respetas que foram lidas em alia TO
pelo presidente ilo jury, em vista de cuja deciso
o Sr. Dr. juiz de direio absolveu a r condemoan-
do a nmuicipalidade as casta*, havenJo declarado
logo depois da leilura das re>postas do jury que ap-
: pella va da deciso para o tribunal da relacao e le-
vantou a sessao adiando-a para o da seguinte pe-
las 10 horas da manhaa em que tem de ser julgado
o crime do mesnio processo Mauoel Jjs do Nasei-
mento.
7 DE OUTIURO DE 1865.
residencia do Sr, Ur. Judo Antonio de raujo Fra-
ts Uewnqaet juiz de direito da primara var-
criminal.
Promotor publico o Sr. Dr. Jacintho Pereira do
Ro.
Advogado o Sr. Dr. Antonio Mauoel de Medeiros
Fu r lado.
Uim Manoei Jos do Nascimento, accusado por
rrtme d homicidio.
-:-.- i\.1.1 Joaquim Francisco de Pauia Esteves
O-niriilr. ^
!-\i; a chamada a< 10 horas da manhaa compa-
recern! '.o senhores jurados.
Foi di-pen levado da mulla em que incorr-reu os Sr. Dr. Ma-
noeJ Kuaniue de Macedo e multados em mais 205
u jurad is 11 multados nos anteriores dias de ses-
so c .1 i a la um dos seguinte- :
Domingas das Neves fexeira Bastos.
Fraoci.-co Mamede de Almeida.
Francisco de Caula Goncalves da Silva.
Dr. Joaquim Jos de Campos.
Abena a sessao procedeu-se o sorteio do jury de
sentenca ao qual foi deferido o juramento dos San-
tos vaugellios, interrogado o reo foi lido o proces-
so da fjrraacao da culpa, desenvolvida a accu'aeao
e defeza, e depois do, lindos os debates u da replica
e treplica foi feto o resumo da accusacao e da de-
feza, e propostas as quesloes de faci que firam
entregues com o processo ao presidente interino do
jury de sentenca que com o< de n ais membros
dele se relirou a sala das conferencia pelas 8 3|i
horas da uoile, il'onJe vollou as 10 com soas res-
postas que foram liJas em alta voz pelo presidente
do jury de seulenca, em vista de cuja deciso o Sr.
Dr. juiz de din lo codemnnou o reo a pena de mor-
te e appellou para o tribunal da relacao, e pedindo
a palavra o advogado do reo declarou que protes-
ta va para novo jolgameoto, requerendo se tomasse
por termo o sen protesto o que foi deferido pelo
juiz que levantoo a sessao >diando-a para o da 9
do correle pela 10 horas da manhaa em que tem
de. ser |Ulgado o reo Honorio Jos da Rocha, accu-
sado por crime de furto.
CA141A lHflttl )0 IBC1FE.
Aos 14 de setemb"0 de 1803, comparecendo so-
mente os Srs. Pereira Simoes, Gustavo do Reg,
Aqu no Fouceca, e Santos, nao houve sessao por
falla de uuintro. Eu Fraucisco Canuto da Boavia-
jgem, secretario o escrevi. Pereira Simoes, pro-
presidente, Fonceca, Sanios, Reg.
1 SESSAO OROLNARIA AOS lo DE SETEMBRO
DE 1865.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Pre>entes osSr.-. Thomaz de Aquioo, Gustavo do
Reg, Sauos e Dr. Villas-Boas, abre-se a sessao :
e iula approvada a acia da antecedente :
L-se j stguinle
EXPEDIENTE.
Fin oJQcio do Exm. presideule da provincia de 9
do correle, coiuniunlcando baver por portara da
mesma cala, e em vista do que requ-rcram Joao
Falque e Antonio Machado Gomes da Silva, resol
vido de coaforratdade com a le provincial u. G38
de 3 de ,'uulio prximo pas.-ado ; rescindir o con-
trato com elle celebrado em 13 desetembrode
1861, para e^abelecirnenlo de carros de praca nes-
ta cidade, assim o coinmuuica a cmara paraoseu
roDhecimeoio.luteirado.
Tina | elicao vinda da presidencia para a cma-
ra informar, ouvmdo o juiz de paz de que trata a
mesma | i-iica.i, na qual Jo- Luiz da Silveira, es-
erivio do juiz de. paz do 2o destric.o da (reguezia
de Murtbeca, provitiooado pela mesma cmara de
conformidade com o art 13 e 42 do regulamenio
n. 120, i II do co.llgo processo, como prova com
o documenta une juniou, se queixa de que agora o
juiz de paz em exercicio, nomeasse oulro es^rivo
reqoer a S. tr.e. para que se digne mandar man-
l-lo em seu empreco, como de direito, visto nao
poder ptrde-lo senao por erro de cilicio Posto em
disscussao, resolveu-se que com urgencia fbsse ou-
vido ao juiz de paz para depois se informar a S.
Exc.
Um offlcio do administrador da casa de deten-
gao, comraunicando ter sido autorisado a transfe-
rir d j deposito dos artefactos das officiuas daquelle
esubelfimeoto, para a loja do sjbrado da ra No-
va n. 61, dava scencia disto a cmara, rogando-
Ibeao mesmo lempo que Ihe mandasse dar a cnm-
peleniemeiile licenca; pagos os dimios nacionaes.
Que se commaUcaase a contadoria para verifi-
car se aquella casa de que se trata, divia algum
imposto.
Oulro do procurador, remeitendo o balancete da
receita e despeza municipal em o mez de agosto
Ultimo.A commissao de polica.
Ouiro do administrador do cemiterio publico,
coramuni 'ando acerca do mas estado em que se
acha a entrada daquelle eslabelecimento, bem como
os paredoes laieraes da bjmba da mesma estrada.
Inteirada, por quauto ja' se acham em praga para
serem anematados os reparos de que precisa a di-
ta estrada, e os paredoes da bomba.
Outro ao engenheiro cordiador, informando o re-
querimentouo qual Jos Santos Gliveira pode para
que llie se_:a permetlido fazei na ca-asilaa ra No-
va, f:egue/.ia de Sanio Antonio, alguna melhora-
menios como sejam cornija, parapeito, cano de es
goto etc. ; diz nada ha que oppor apretencao dope-
ticiooario. Coacedeu se a liceuca.
Oulro do mesmo, informando o requerimento ens
que a vluva Mansel Jos de Jess Amerieo, pede
para que loe seja permettido concluir urna casa
terrea que lora conreada por seu fallecido marido
no seguirnento da rea da Concordia, freguezia de
S. Jos ; declara que indo ao lugar acnou que a
obra em que.-iSo con.-is!.; apenas em alicrces, que
estai, leilosii laiiuhiiiiieiiioconvenienle, portantojol-
ga, quese pode conceder otjae~a peiicinnariarequer,
nma vez que na construegaodacasa guarda o nivela-
menlo do que se acha da esquina ao norte. Con-
cedeuse. no sentido da inforroaco.
Outros do mesmo, informando sobre o requeri-
mento, no qual Gulierrae Ferreira Pinto, proprle-
tario de urna casa terrea sita a ra da Capunga
freguezia da Boa-Vista, pede que ihe seja pnrmilti-
do fazer na mesma casa urna *otea ; diz qu a casa
do peiiciooario tem 36 palmos de largura, mas em
vez de oiloes dobrados, flzeram-lha tres oitSes, sen-
do dous as estremidades e um no meio, todos
sjnsrellos.As posturas em vigor, declara o enge-
nheiro, nao permtiem construir-se soleas em casas,
de oiioes de um s tijollo. mas como a do pelicio- j
uario tem em vez de dous tres oiioes, a c*nara re-
solva o que achar mais conveniente.Concedeu-se,
a licenga, elevando tamoem o peticionario na cons-1
truegao da sota os tres outoes at a coberta.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
communicando que indo visitar a obra da rediflea-
Qo do sobrado n. 32 da ra do Imperador perten-
cente a Jos Joaquim da Costa Maia, observou ter
elle collocado tres portas com seis e meios palmos de
largura cada urna, e como Ihe pareca que nao po-
de flear ao arbitrio dos particulares dar a largura j
que Ihe convier, as portas e janella das que iditi-
carem, consulta a cmara se isto permittido em
visia do que determina o 2o do art. 13 lit. 7* das
postaras de 30 de junho de 1849, que determlnam
lenham as portas seis palmos. Pondera mais o
fisoal que a obra que esta' fazendo, como requereu
Jos Joaqum da Cosa Maia, para a qual segundo
consta, apresentou urna planta, indicando na mes-,
ma, a maneira porque linha de executar a dita
obra, que devia ser igual a casa de sobrado elle
pertencente na ra do Imperador n. 63 tendo este
sbralo tres portas, duas com seis palmos, e a do
centro com oito, assim nao proeedeo na que esta'
agora rediflcando, era vista do que pede a cmara
que resolva o que for justo, e se deve mandar la-
vrar termo de infraccao contra Maria, e contra o
mestre da citada obra em exeeuco. Posto em ds-
cussao resolveu-se mandar declarar ao fiscal que
nada ha a impugnar a cerca da obra de que o mes-
mo trata, por quanlo as posturas citadas dizem que
as portas diverao ter pelo meuos seis palmus,^ que
por lanto esse meio palmo de accrescmo nao im
pona urna infraeeJo aquellas posturas.
Eulra em discusso um ofilcio do Dr. juiz de di-
reito da 2J vara, adiado em urna das sessoes passa-
das, pedindo o pagamento da qnantia de 39^300
de cusas decabidas no tribunal do jury.Mandou-
se ordetn ao contador para passar mandado.
A cmara reconhecendo que o tempo marcado
para as hibiliacoes dos concurrentes a arremata-
| cao de suis rendas no dia 1G do coi rente, era pou-
[ co, resolveu e;pacar dita arraAtlacSo para o dia
25, e ueste sentido ordeoou que se lizessem os an-
n uncios.
Maodou-se remetter a' commissao de polica a
babilitacao que apresentou Flavio Ferreira Calo
para poder concorrer a arrematado do imposto de
alfericao.
Despaeharam-se as pelicoas de Antonio Jos de
Olivera, Bellarmino Alvos de Aroclia, Domingos
1 Ferreira das Neves Guimaraes, Elias BaptlSta da
' Silva, Francisco Candido di Paz, Guilherme Fer-
reira Piulo, Joaquim Pereira de Azovedo Ramos,
Joaquim Vieira de Barroj, Jos Fran -iscof ernan;
des, Joaquim Ferreira Augusto Guimaraes, Jos
Antonio Moreira Das, padre Joaquim de Arago
tbla, Manoei Marinho do N'ascimenlo Valois, Ni-
colao II irterigs, Simao Antonio Rufino, e levaulou-
se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boa Viagem, secretario
a subscrev.Pereira Simoes, pro presidente.
Reg Dr. Villas-Boas. Santos. Pinto. F.on-
,ceca.
8- SESSAO UMNAIUa"0S 16 DE SETEM-
BRO DE 1863.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Srs. Thomaz d'Aquiuo, Gustavo do
Reg, Santos, Dr. Villas-Boas e Pinto, abre se a
sesse e lida e approvada a acta da antece-
dente.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Fm offlcio do contador, informando a petjco na
qual o bacharel Francisco Leopoldino de Gusmao
Lobo, pede o pagamenlo da qnantia de 425230, im-
porlaucia de cusas de processos de.-ahidos na Jus-
tina publica ; declara que leudo examinado os do-
cumentos que acompanharam a dita petico, nada
tem que oppor.-Que fosseouvido o advogado.
Outro do fiscal do Recife, informando o requeri-
meuto d- .Manoei Marques de O.iveira & II, que
pede licenca para assentar um alambique de tolha
para destilar licores e vinagre em a casa n. 31 da
ra dos Burgos: declara que examinando o lugar
em que preieudem os peticionarios col locar o refe-
rido alambique, achou que com effeito o!T rea elle
as necessarias proporcoes, lano mais sendo como
em ponto pequeo.Coucedeu-se.
Oulro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
informando o requerimento em que Paulo Jos Go-
mes & Mayer, pedem para ser eliminados do im-
posto do armasen) que oceuparam na rila do Caes
22 de Novembro, visto que deixaram o dito arma-
zem ; declara que verdade lerem os peticionarios
deixado, mas que licaratu devendo o imposto rela-
ilvo ao exercicio correute de 1864 1865, que
uecessario que o paguem para depois ter lugar o
que rt-querem.Deferio-se a petico nesie sentido.
Outro do mesmo, procurando saber se a vista do
que determina o art. 3 do tt. 8o das posturas de
30 de junho de 1849, permittido as companluas
de Beberibe, Gaz e Cambronne, laz^r escavaces
as ras desta cidade para collocarem os canos ne-
cessarios a sua empreza, sem que oblenham para
isso licenca da cmara, como suppoe querer para
toda e qualquer obra o art. 2o da postura addicio-
nal de 13 de junho de 1855, por iso se nao pode
fazer o quauto determina o art. 2o do til. 3o das ci-
tadas posturas de 1849, e art. 6o dos de 20 de no-
vembro de 1833, por quauto dizem os empreiteiros
dessas companhias nao ser preciso licenca, pois
que esto as mesinas compaobias isentas ; pede a
cmara que o esclareca a respeito.Posto em dis-
cussao, e depois de ter fallado sobre a materia os
Srs. presidente, Gustavo do Reg, Santos, resolveu-
se por firn que fosse ouvido o advogido.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jos, infor-
mando nao haver inconveniente em permiltir-se
que Manoei Jos Marlins, faga como requer, os
concertos de sua casa n. 139 da ra Imperial.
Concedeu-se.
Outro do fiscal da Boa-Vista, informando a peti-
go na qual Francisco de Paula Peixe, pede para
que se Ihe conceda licenca para levantar urna ga-
rapeira junto ao chafariz da Passagem da Magda-
lena, entre as duas puntes ; declara que nada ha
que oppor a semelhanle pretengao, urna vez que
dita garapeira seja levantada de maneira que nao
prive o transito publico.-Conceden se.
Oulro do fiscal da freguezia dos Afogados, re-
metiendo dous conhecimentos ambos da quantia
de 20,5040, importancia que entregou ao thesou-
reiro da Sauta Casa da Misericordia de.-ia cidade,
proveniente da srremataco que loi de gado suioo
que apre.heudra naquella freguezia. Inteirada.
Outro do fiscal da freguezia da Varzea, defen-
dendo-se da iccusagao que Ihe zra o juiz de paz
mais votado da mesma freguezia.Posto em dis-
cusso, resolveu-se que nesie sentido se ofDciasse
ao dito juiz de paz.
Oulro do fiscal supplente da freguezia de Muri-
beca, commuDlcando ter o respectivo proprietario
Ihe passado o exercicio d > mesmo carg, em ron-
sequencia de se achar doenle, pede a cmara que
Ihe declare se pode entrar no mesmo exercicio, e
no caso aflirmalivo que se Ihe mande fornecer um
exemplar de posturas.Que se respondesse que po-
dia entrar em exercicio, e que se llie remetiesse o
exemplar pedido.
Oulro do administrador do cemiterio publico da
freguezia do Poco, remetiendo o mappa dos entr-
ramenos quese lizeram no mesmo eslabelecimento
em todo o mez de agosto passado. Ao procu-
rador.
Outro do administrador do cemiterio da fregue-
zia de S. Lourengo, remetiendo tambera o mappa
dos enterramelos feiios no dito eslabelecimento,
durante o dilo mez de agosto passado.Igual des-
lino.
Despacharam-se as peticoes de Antonio doCarmo
Ferreira, procurador da vinva de Manoei Jos de
Jesus Amorico, Bartholomeu Francisco de Souza,
David William Bowman, bacharel Francisco Leo-
poldino de Gusmao Lobo, Francisca Candida da
Silva, Jos da Silva Olivera, Jos Antonio Basto,
Libanio Candido Ribeiro & C, Manoei Baptista do
ascimento, Miguel Joaquim da Cosa & C-, Paulo
Jos Gomes Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario
a sub.-erevi.Pereira Simoes, pr-presidente.Re-
g. Dr. Villas-Boas.Santos. Pinto.Fonceca.
dos indiferentes, e a jusiica imparcial dos adver-
sarios ?
Pergunta-se se licito a urna auloridade publica
vergar ao peso da mais vilipendiosa aecusago sem
que seus labios se descerren) p ra baibuciar tima
apologa, sem que a sua penna voe rapWa para for-
mular urna defeza, sem que a sua voz echoe con-
victa e apaixonada para proclamar a sua plena
justificago, e responder com as pravas aa sua can-
dura, e innocencia as tremendas aecusagdes dos
seus implacaveis persiguidores ? Para que defen-
dermo-nos, dizem os aecusads, se merecemos a
coDfianga do governo, qoo a todo o transe nos ha
de sustentar ?
Este phenomeno, repetimos, novo e nunca vis-
to nosannaes do velho governo absoluto I Naquel-
les lempos poucoallumiados ainda, nao duvidamos
que as Iheorias do direito peoal fossein mal com-
prehendidas, e praticadas com exeesslvo rigor ;
mas o criminoso era criminoso, o assassino era as-
sassino. o ladrao eraladro. Era injuria de. um ca-
pitao-mr, de um capitao de indicias, de um agen-
te qualquer das ordenangas d'el-rei saber que den-
tro do sea districto dorm i um criminoso I Um in-
dividuo qualquer que fosse aos oihos do povo con-
victo de um assassinato fugia da socledade, torna-
va-se como Caim triste, e vagabundo ; nao appa-
recia nos povoados, o clamor publico o persegua
por toda a parte, muda va de comarca, e at de no-
me; mas, nao obstante, forga de ser rastreado,
pesquisado, espreitado, o perseguido era, mais dia
mans dia, capturado. O povo quando via urna
fera destas amarrada olhava-a com espanto e hor-
ror ; nioguera se Ihe chegava para junio, e copo
em que beba agua, ninguem mais ihe tocava 1
Ai d9 quera se apreseniasse com visos de protec-
go em favor de um tal criminoso 1
Mas hoje (proh I dolor I) hoje, nestes dias de
tanta glorificacao das conquistas da civilisaca, o
da liberdade ; hoje que os cdigos das lels penaes
avultam na razo dcupla : hoje que o funciona-
lismo policial, e judiciano qnadriplicou, havendo
n'uma comarca um juiz de direito, tres, quatro e
cinco juizes municipaes, conforme sua extenso ;
um promotor, um delgalo, e seis supplentes, um
subdelegado, e seis supplentes, e aps estes um
immenso cardume de inspectores: como se ex-
plica a proteegao e multiplidigao dos crimes em
lodos os graos ? Explicase : 1* pelo enfraque-
cimento das leis moraes, e religiosas : 2* pela
impunidade : 3o pela cumplicidade !
Dirnos-ho tal vez : c tudo isto urna declama-
gao oca, e banal. Mas nos responderemos :
falso. Nada dizemos que nao seja uraa verdade,
que palpita no consciencia geral. Quasi todos estes
crimes, abusos, e excessos so praticam n'uma s
freguezia aqui peno da capital. Em Ipojuca, verbi
gratia, vemos um delegado de polica em exerci-
cio, tendo no dorso umasontenga de condemnagao
livratnento ordinario p-lo juiz de direilo da co-
marca. Imposta a pena do suspeigao por abuso de
auloridade, lem illudido a le, e coulina em pleno
exercicio 1 A imprensa por mais de urna vez tem
fallado desse escndalo: pnrveulura ja' oSr. Theo-
tonio da Silva Vieira se defendeu pelos jornaes ?
Ja' foi por isso chamado conlas ? Nao 1 Nem se
raove Naquella mesma freguezia se lem praiica-
: do os maiores excessos ua dsigoago da guarda
nacional : a opiniao publica nao cessa de bradar
coutra as tropelas insensatas do Sr. tenenie-coro-
nel Joo de S : ja' foi contido, e reprehendido em
suas arbitrariedades ? Nao I E que acontece ?
Redobra.de desatinos I Prende um hornera casado
(porque era irmo de um que Ihe havia tomado
um preso), d Ihe muila bordoada, como se diz ge-
ralmente, manda o preso para esla capital, e no
dia seguinte fa-lo seguir para a corte, como recru-
la de marinha, sendo casado, doente, e maior de
quarenta annos I
Paulino de tal, padeiro na villa ) O', arrimo
nico de seis rraaos orphfios, bem procedido, foi
preso como designado, sem nunca ter sido designa-
do I Remeliido para a capital, provou sua exemp-
cao peranlc o Sr. presidente da provincia. Com
elfeilo, S. Exc. Ihe mandou dar baixa, como cons-
ta do expediente do governo de 20 ou 21 do pas-
sado : mas que im levou Paulino ? Voltou para o
seio de seus irmosinhos orphos? Qual I quera
vio 1 la' embarcou para a corle, depois de se Ihe
ler dado baixa 1 Tremem as carnes I
No tempo do governo absoluto se praticava as-
sim ? Nesses tempos se consentiran) em exercicio
autoridades criminosas, vingativas, e infames ? De-
monstra-lo-ha negativamente.
O verdad ir o patriota.
nma certa allbtnca entre o integro juiz o um so-
licitador, que diz seu iutinio amigo. A' parte essa
intimidada que nunca existi, folgamos de reco-
nhecer que o Sr. Dr. Lucena nao tira proveito do
prestigio de sua autjndadc para dlsargar um or-
gulho mal entendido. Affavel para com todos, o
Sr. Dr. Lucena possue o segredo de conciliar a
amahilidade com q respeito que a' sua autordade
devido, evitandoialliancas e aberturas queseriam
em estorvo ao exeitcicio severo dos seus deveres.
Do que ah vai dito,podem dar te.-lemunhoquantos
frequeutam e litigam no foro de Goyanna.
O Sr. Pinheiro, pois este o nome do solicita-
dor a quem alinde o missivista, lera lido nao pou-
cas occasiSos de aggravar, embargar e appellar
de decisSes do juiz municipal. Quando isto nao
fdra, ahi estao os actos do Sr. Dr. Lucena como a
melhore mais pereraptorla resposia vilisstma in-
sinnacao do lal missivista.
O promplo andamento do; processos de inven-
tario, den motivo appareiite para artigo de aecusa-
go, levando o missivista a sua impudencia e des-
comedimento atescrever que anda o enfermo
lula com as vascas da raorte e j se exlrahem
apontamentos para o processo orphanalogico.
Salva a exagertlgao inverosmil dessa levlana
censara, transparece d'ahi o zelo digno de lou'or
cora o que o Sr. Dr. Lucena promove o andamento
dos inventarios. Quanlos e de que valor sao os
interesses que a celeridade desses processos res-
guarda e acautclla, sabem no os entendidos c a
propria lei o recommenda e preceitua sob commi-
nago de penas.
A administracio orphanalogica do Sr. Dr. Luce-
na tem sido um'servigo inestimavel a miseranda
sorte dos orphao*. Preoccupagao conslante de sua
infatigavel acuvitjade, essa administraco tem pro-
duzido reaes beneficios ao interesse desses Infeli-
zes, que a lei obrjga tutela suprema do juiz. To-
madas as contas, importantes recolhimeutos, in-
demnisagese outros actos de severa imparciali-
dade, tem sido o labor ingrato e incessante do dis-
tincto juiz de orphos.
Nos ermos vagos em que foi posta a censura,
seriamos obrigados a dar a este trabalho propor-
goes extenssimas, si quizeramos articular factos.
Verdade que o mis?ivisla declina o nome de
um cerlo lenle Muiiiz, que sendo condemnado
)nda dos orphos a qnantia do
se cora a sentenc que foi dada
|essa indemnisagao foi ou nao jus-
s em face dos autos podara ser
que interesse leria o juiz em con-
a essa reposigao em favor do pa-
os ? O que vislumbra desse acto,
utor conformado com a deciso
icurso cabivel, que essa indera-
rvigo demais a causa desses infe-
izes desproie^iios, cujo tutor mal comprehendera
os seus deveres.
Mais adianie, ) missivista allude vagamente ao!
faci de havere n sido condemnados varios or-1
phaos por dividas injuslificavels. Que desses |
raes nao se declina ?Que dessas |
ma facie se declaram injustifica- i
tratou Pisn em sua excellente obra Historia na-
lurnlis el medica ndice occtdenlalis, seno as
Anlilhas, onde o sueco das folhas e fructos como
aqui, rauito estimado e applicado contra as obs-
truegoes abdomlnaes, principalmente do ligado e
bagj; e se todos os facultativos desta provincia o
nao appliram cora frequencla, isto se nao deve a
nao reconhecerem elles essas virtudes, mas slm a
nao serem encontradas com facilidade e em todas
as estagoes do anno os fructos dessa planta, e a re-
pugnancia, que a presentan) os deentes em fazer
uso do sueco desses fructos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nio desconhecida dos botanistas :
esta planta pertence familia das solaneas, e tem
a denominago de solanum pantcnlatum, que Ihe
foi dada por Lyueo.
Parecendo-nos conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcoolico que pode ser I
applicado em pilulas, mas tamben) ura vinlio, um '
xarope, e um emplastro que pode substituir, em i
certos casos, o de'Vigo ; e estamos persuadidos que j
com isto prestamos um servigo liumanidade e ,
hterapeuiica.
Pisn, tratando da liydropesia, prescreve a de-:
cocgo das raizes da jurubeba, e Mrat e Delens, \
era seu Diccionario de materia medica e therapeu-1
tica, dizem que as Au'ilhas se faz uso do sueco ,
dos fructos maduros dessa planta contra o catar-;
rho vesical ; e a autoridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso estabelecimento essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
A repulaco da jurubeba tal, e os resultados
therapeulics obtidos ltimamente sao lo impor
tantes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, que (lea escripto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
reppr para a faz
8005, c.onforrnou
execugo. Se
la, queslo quej
resolvida ; mas,
demnar a Muniz
trimonio de ornti
e de se haver o
sem interpor o r
nisago foi umsi
orphaos, cujos n
dividas qne pr
veis e injustificadas 7 Que interesse poderla mo-
ver o animo do j
Nao menos
respeito a' susp<
\z a assim proceder 7
ilosa a outra arrusagao (|ue diz
tjavi
so do escrivo Braga. J que
a isto somos obri;ados, vem a' ponto dizer que s
- -- ^ -. itgftM
Ohrigado pela publicagao solicitada hoje na Re-
vista Diaria deste eximio Diario, assignada pelo
Sr. bacnarel F. Quinteiro, em resposta ao nvu ar-
tigo de sabbado ultimo, dirigido jo Sr. Amigo da
juslica, fallo i promessa que fiz de nao tornar a
importunar a S. S., re.spondendo de novo s elo-
quentes mximas do Sr. bacharel Quinteiro.
E' justo, e mesmo digno de louvor, que manien-
do. S. intimas relacoes com o digno fiscal o Sr.
coramendador Caetano Pinto de Veras, o defenda
de algumas aecusagdes que injustamente Ihe sejam
feitas ; mas que S. S. considere o humilde pedido
que nos fizamos s autoridades fiscaes, alim de
providenciaren) as immunlicias despajadas junto
de habitagoes que hooram esta cidade,e prximo a
um bragode mar que os estrangeiros iavejam nao
possuirem as principaes cidades da sna trra na-
tal, urna aecusagao feila a' auloridade fiscal, isso
que pessoa al urna que lenha o uso da razo nao
deve tolerar, e permuta me S. S, que Ihe observe
ler faltado, como bacharel, boa hermenutica
do meu escripto I....
Sim, nos pedimos em bons termos s autorida-
des competentes que providenciassem certas fal-
tas, de grande utilidade publica, e que ellas mes-
mas, por mais restrictas que sejam nocumprimen-
to dos seus deveres, podem ignorar, e estimar que
se Ihes lembre ; pois nao s no frtil e delicioso
Brasil que se fazem semillantes pedidos, e. at
hoja, ainda nao foram reprimidas, como esta' re-
primindo o Sr. bacharel Quinteiro.
Se por ventura alguera ecusurar tanla ttiraosi-
dade em couzas inteiramenle eojoativas, a culpa
s de S. S. que nos tam puxado para digressoes
incoherentes ao nosso fim,e nao de auloridade ne-
nhuma, porquanto ellas, a resposta que entende-
rn) que nos queramos eram as providencias que
ja' pozeramem pratica.Cada um da' o que tero,
diz o ^r. bacharel Quinteiro ; tam razo, era eu
me jacto de ser to diserlo como S. S. ; ea prova
que nao lenhoa satisfago de enllocar margem
do raeu humilde nome, o titulo de bacharel. Nao
me enfado em que S. S. me clarifique degaia-
to ; gaiatos ha que valern por hachareis, e que nao
obstante o nao lerem tantos annos de aturados es-
todos como S.^8., nem talvez bebido no bergo da
infancia lanas instrucgoes paternaes, base funda-
mental de uraa boa educagao, nao deixam de ter
bons sentimeotos, assim romoS. S. mostra ter.
Nao respondo ao seu ultimo periodo, em razao
dos gaiatos serem, na sua mxima parte, baldos
de ideas; e por isso, por mais juizos que formei,
nao me foi possivel definir o contedo das duas
ultimas linhas, que dizem .assim : sendo que nem
importante e arriscada missao sentelhante proce-
der.
No'mais, a tudo dou razao ao Sr. bacharel Quin-
teiro, appellando para o publico que se digne dar
oJus a quem o tiver.
Jos Antonio Rtbeiro.
ompeteneia deu occasio a que
suspenso decretada contra esse
por actos de conhecida malver-
lo credor de correcgflo diseipli-
liz de direito, cuja impa-cialida.la
issivista, nao absolveu a essa.
rimes que moveram o juiz mn-
r-lhe processo de responsabili-
do a este incompetente por ac-
irventarlo o offlcio de tabellio,
r. promotor publico da comar-
te a cabida denuncia pelas mes-
i esta sentenga que nao entan-
nento dos auios tem dado lugar
a' indiligencia de outros pode
lesagradavel resultado.
|ue mais um servigo a' causa
publica presiono negro juiz municipal em instau-
rar contra aquelle funccionarlo o processo a que
se alinda.
A administraco de capailas, capaz por si s de
esgotar a mais im )atiente atividade, tem merec-
: do do Sr. Dr, Lucena acurada diligencia, assim no
| extirpar abusos qo* de longa data se tinham en-
troncado ao patrimonio religioso, como no exigir
de parte, dos seus ministradores conta exacta e
severa de sua gesta i. Este s ramo de suas altri-
buiges grangearia Musir ;renomc para o Sr. Dr.
i Lucena, si a causa ublica nao Ihe devesse j tanto
| como Jmz que de Joyanna, e como delegado do
! governo que tem sil o em varias importantes com-
; misses.
Para nao aloogar )os intilmente, basta-nos re-
j cordar que como jui; de capellas, Ihe sao devidas
i a reedificaco das ig 'ajas de Nossa Senhora do Pi-
i lare Nossa"Senhora la Lapa, sendo as obras desta
[continuadas com rar i diligencia.
O que diz o missivista com respeito a' ordem
Terceira, p-e a'notaum servigo demais. Ahi o
Sr. Dr. Lucena consigui resiabeleaer a ordem,
grave e profunJaineae ameagada, nao se poupan-
do a' medidas de rigor que ti vera m o born effeito
de reconduzir os turbulentos a' linha dos seus de-
uma questiio de i
I fosse levantada a
fuuccionario, qu
sago se ha via fe
nar. O proprioj
' invocada pelo
fnnecionano dos
nicipal a' instaur
| dade ; antes julg
cumular aquello
recoramendou ao
i ca que interpozes^
! mas arguiges.
deu com o merec]
a' impunidade, s
I ser aliribuido lo
Por ahi claro
veres. Que o digam
dos, os homens insus| eilos da comarca.
No locante a's se
Rvd. padre Jos Pauli
competente em grao d
sem tornarraos o enea
nunciar juizo, que de
os legilimamenle inleressa-
tengas proferidas conlra o
o, que pendem do tribunal
appellago, foram como de
. costume dictadas em ce da prova dos autos, e
go de a este respeito pro-
mandara exame e allengo
profunda das allegagt s das parles, smente obser-
varemos que o proprio
[ muilissimo incapaz de
vencido nao raurmurou e
murmurar contra a probl-
dade rgida do juiz qu o condemnou. Das que
respeitam a um cerlo Jernardo, vulgarmente co-
nhecido por Barbeiro, oram actos evidentemente
justos e exampiares, p s sbese que esse malver-
so desbaratara rendas e capellas sem nenhum es-
crpulo, nenhuma cau ella.
Ao concluir, assegui irnos ao missivista que fal-
ta-nos o tempo necessatio para entreter urna pole-
raicd ardente. Como ultima de nossas razoes, ere-
mos vingar de sobejo a reputago do nosso amigo,
a para o mrito dos homens
cionarios, que esto habi-
Lucena urna dedicago de-
ca.
ro de 1865.
U.B.
Monte-Pio Portuguez.
A directora provisoria, acabando de obter do
Exm. Sr. presidente Ha provincia a ipprovaglo dos
estatutos do Monte-Pio, julga convenienie levar
des le ja ao conhecimento de todos os inleressados
alguns arligosdos estatutos, emquanlo trata da im-
pressodestes para serem devidaraente distribuidos.
Assim obrando, enteode a directora levar ao es-
pirito de lodos a conviceo da mxima conveni-n-
ca de cooperarem, por si e por seus amigos, para
a estabilidade e desenvolvimenlo do Monte Pi Por-
tuguez, que podera enio por essa forma corres-
ponder aos humanitarios lins, que teve em vista o
seu benemrito fundador.
Seguein os artigos alludidos :
Art. 57. O socio que, por sua infelicidade, se
achar desempregado, preso ou impossibiliado
de trabaihar, perceber urna preslago mensal
que, nao excedeudo de trlnta mil ris, poderser
reduzida seguudo a maior ou menor necessidade
do socio.
Art. 38. Ao socio, que se desempregar por
molivjs justos, a direcloria por si ou por seus
conhecimeutos procurar emprego adequado as
" habilitages que elle Uver, al duas vezes; e se
elle se retirar para outra praga, promover-lhe-ha
as possiveis recommenda.oes.
Art. 39. A'quelles que por molestia, ou outros
motivos graves, tiverem necessidade de se ausen-
lar, pagra a sociedade as despezas de transpor-
< te cora commodidade e decencia, para outras
provincias do imperio ou para paiz eslraugeiro.
Art. 60. Ao socio que fallecer, a directora
mandar fazer um i ntei ro decente, se elle nao
dcixar meios para isso. O enlerro ser acompao
nhado por uraa commissao uoraeada pela direc-
loria, e esla no stimo da mandara' resar urna
missa (a que assistira' uaia commissao de seus
membros) por alma do fallecido.
Art. 61. A sociedade cuidara' activamente do
livranienio do socio que for preso ; mas s Ihe
prestara' o soccorro de que traa o art. 57, se del-
le necessitar. Dado, porm, no mesmo anno o
caso de reincidencia, ou conhecendo-se que o so-
ci assim pratica por habito ou ma' ndole, a so-
ciedadeoabandonaras coosequentiasdoseu ac-
to, ficando suspenso ao socio o gozo de seusdirei-
tos pelotempoqueadirectoriajulgarconveniente.
Art. 63. Fallecendo qualquer socio, a ua viu-
va e lnos menores, ficando privados de meios
para sua decente suslenlagao, gozarao dos beno-
icios da sociedade da segrale maneira :
i. A viuva, emquantJ se conservar nesse
i estado e se comportar honestamente, receber
urna mensalidade de vinte e cinco rail ris.
2." Os lilhos, legtimos ou legitimados, dez
mu ris por mez, seudo um s ; quiuze sendo
dous, e vinte se forem mais de dous, sio emquan-
to nao chegarem a idade de doze annos.
Art. 70. A contar do Io de Janeiro de 1866
passara a joia (que ale 31 de dezembro deste an-
no de dez mil ris) a ser de 235000 para es que
desde entao forem admltidos, continuando toda-
via a cobrarse a mesma mensalidade marcada
t no 2 do art. 11 (300 rs.) .
Coutinuam a receber-seassignaturas, para o que
ha linas expostas no Gabinete Vortuguez da Leitura
e na ra do Crespo n. 2, livraria do >r. Nogueira de
Souza. Pode ser socio todo o cidado porluguez
era pleno gozo du seus direitos, que liver meios l-
citos de subsistencia e bom pro' ediniento.
Secretaria do Monte-Pio Porluguez em Pernam-
buco, Io de outubro de 1865.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaqnim Gerardo de Bastos,
2o secretario.
Ihe tiiar nenhuma das suas propriedadeg.
Temos o prazer de annonciar hf dossos lcitores, qoe esse resaltado f obtio
o de modo o mais completo por um babil
pharmaceutico de Paris, o Sr. Chevrier, qoe
conseguio desinfectar o oleo de figadr de
bacalho com o alcatrao e o balsamo de
Tolo. As experiencias feitas por moibis de
nossos pratioselec ebres, nos hosp-tas e so-
bre seus doentes particulares, as an.i)yses e
ensaios de cliimicos competentes, nao dei-
xam nenhnma duvida a este respeito.
Relatamos aqui as) prprns palavras de
um juiz rauito eminente e competente Sr.
Dr. E. Ilumbert, laureado da academia im-
perial de medicina, c professor de Chimica.
Submelli a analyse, diz este distocto
professor, o oleo de figado de bocalho na-
tural desinfectado pelo processo do Sr. Che-
vrier, e posso certificar que esse producto
nao pe deu nenhum dos seus pnneipi**
medicamentosos nem cliimicos, qoe se
acliam no oleo de figado de b^calbf' w -
nario. A fraca proporco das substancia
cslranhas que ?e pcm no oleo natural para
dissiniular o clieiro e o sabor desajrrafiaveis,
nao pode de nenlium modo alterar sons
propriedades medicaes e s a torna de uto
uso fcil e mesmo agradavel.
Km resumo, o oleo de figado de baca-
limo desinfectado pelo processo Chevrier
goza de propriedades idnticas ao oleo !:
ligad de bacalho ordinario, que elte repre-
senta exactamente.
Klle muito hem tolerado pelos doeDtes,
os quaes idle nao anoja e i tomado petas '
pessoas cujo goslo e olfato sao Jos av\n> sos-
ce. t veis.
Iluje que o oleo de figado de bacalho
tem-s tornado um dos agentes os mais im-
porlantes e preciosos da therapeotic, qtiem
descobrio o meio de tornar de nm oso Ii-
cil para todos, prestou um verdadei'o ser-
\ico arte de curar e aos pratcos.
Por isso Dio podemos concluir melbor
do que felicitando o Sr. Chevrier por m
rica e til descoberta que merece de ser
propagada, e dizer com meu collega I Sr.
Dr. Hichelat os trabaIhos que ammeM as
descobertas d'esta especie devem ser pro-
tegidos pelos mdicos.
Os importantes irabalhos do Sr. (
sobre o oleo de ligado de I acalho ihe li-
zeram obter um resultado n5o mewcs in-
portante, o qual consiste em ter assojr
ferro ao oleo de figado de baca ho. 0 aJi i
de figado de bacalho ferriginofo de Che-
vrier constittie talvez o melhrirmeio m iw-
se o ferro. Pois o ioduro de ferro anide
deste modo com o oleo de ligado d- baca-
lho se dissolve mais facilmerte nos iiqw-
dos das vias digestivas e por conseqoenen
se assimila muito mais hem do que M
forma de pillas ou xarope. JEattma elle
perde assim suas propriedades irritantes, e
nao provoca a conslipaco. E' assim qoe
os doentes^ cujo estomago nao pode MffW-
tar nenht.ma preparaco marcial, lomam f-
cilmente o oleo de figado de bacalho ferru-
ginoso de Chevrier.
Os senhores Maurrer A C. acabam de re-
ceber um grande sortimenio > cetafcva
azeiles desinftetado de Chevrier e ferrugi-
noso de Chevrier.
Vcnde-se na pharmacia de Pedro Maorer
i C. ra Nova n. 18.
:b:xj]m:
D'llA
Molestia Ulcerosa
Curada.
appellando do mssivi
de bem e dos a los rao
tuados a ver no Sr. Dr
cidida pela causa publ
Goyanna, 5 de outul
El PEDIDO
Monte Pi Pe rtuguez em Per-
nal nbuco.
GMMNIiiADOS.
Um phenomeno sem exemplo na historia do go-
verno representativo, e. sem precedente conhecido
nos fastos da propria monarchia absoluta, traz
agitados o? espirito*, offendldasas consciencas, es-
candalisados os sentlmentos moraes de um povo
Inteiro I Pergunla-se o paiz a si proprio, inqorem
os homen< honestos de todas as procedencias, se a
moral foi proscripta das relacoes polticas, seo de-
coro foi banido das r-gioeg ofllciaes, se. as ideas ac-
ceitas, e vr.igares da criminalidad-', e da innocen-
cia, da suspeico e da pureza, *e confundirn) e
baralbaram por tal arte no senso dos poderes p-
blicos, que j nao haja dstincro entre as con-
ciencias imraaculadase asreputacSes pollutas, que
seja indifferente auloridade o perder ou conser.
var honradez de sua fama, a santidade da virtu-
de cvica, a estima dos concidados, a venerajao
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores.A desenvoltura habitual com
que os correspondentes de cerlo peridico procu-
rara deprimir os mais honestos e conceiiuados ca-
racteres, quando isto pode convir aos seus peque-
ninos interesses locaes, 00091 que por muito sa-
bida e pralicada nao langa menos escndalo nos
circuios desapaixonados e reflectidos. Desde urnas
celebres e iinmoralissimas carias, em que os im-
peclos do insulto grosseiro nao respeitam inda as
ruis elevadas gerarchias, al as humilissimas ras-
cuntas que acodem a's paginas do mesmo peridico
dos mais obscuros recantos da provincia, tudo
all deslavado e iittyudenie.
Isto qoe tanto se sabe, si previne e acautella a
desconsideracao pnblica, nao previne nem a, au-
tella juizos temerarios de espintos inconsiderados
que, de ordinario pouco esigentes e poneo escru-
pulosos diante dos arremessos da maledicencia,
aceitam o silencio resignado a consciencioso do
olfendido como uraa confissao obrigada dos erros e
malversares que Ihe linnara sido argidas.
No intuito de poupar a' esses juizos menos reflec-
tidos a repuiagao inmaculada de ura collega e ami-
go, o severo e probidoso juiz municipal e de or-
phos da comarca de Goyanna, Dr. Henrique Pe-
reira de Lucena, occorreu-oos a idea de sahir ao
encontr de um Sr. goyannista que, a salvo do
responsabilidade e por meio de prfidas allusdes
acaba de deprimir aquello bello carcter, attri-
buindo-lhe desvos que o ezpoa a' censura.
Sem fazer reparo no desalineo da lioguasero,
cora que aquella missiva traduz a impureza de sua
fonte, irnos aos fados sera m^is rodeios.
Oomeca o inlssjy.'sta por iiujnnar a existencia de
A directora provlsi ra tendo de proceder inme-
diatamente arealisacao das quantas assignadas
urzes que se leem inscripto
ndo que nao ser baldado o
facilitar este servco, nova-
1 pelos cidadaos portuij
como socios, e entend
appello que, para mai
mente faz aos humanitarios e patriticos sentimen-
tos dos Ilustres cav;)
a coadjuvaram na acr
se assim credores da
mios ; ousa solicitar
quio de se iacumbire
signadas as lisias q
Ihes serSo entregues
competentes tirmados
Iheiros que lo briosamente
uisigao de socios, tornando-
mais bem merecidos enco-
jlos mesraos senhores o obse-
i de receber as quanlias as-
pe devolvern), para o que
is mesmas listas e os recibos
pelo Sr. Jos A Ivs Lima,
thesoureiro interino da associacao, na ausencia do
Sr.|Bernardin-> Gome.^ de Carvalho.
^oga a directora provisoria aos dignos cava-
Iheiros, a quem confiai esta honrosa misso, o mais
escrupuloso cuidado na occasio da cobranca, aflm
de que os recibos sfj sajam entregues a pessoas
que, conforma dispoem os estatutos, por sua profis-
so ou emprego esteno no caso de ser socios, islo
an de se evitarein diuvidas que para o futuro pos-
sam suscitar-se sobre este ponto.
A directora provisoria, em nome da associacao
que tem a honra de rt presentar, cordialmente agra-
dece a lodos os seus distinctos consocios que lo
cavalheirosamenle se teera prestado a auxilala no
inluit" de fazer germinar e desenvolver o Monte
Pi Porluguez em Pernambuco, antlcipando-lhas ao
mesmo tempo a exprisso do seu sincero reconhe-
eimenio pelo novo servco que solicit a bem da
inslituigo : e roga oulro sim quelles senhores
que ainda nao devolviram as listas, o favor de o
fazerem com as assigi|aturas que houverem obtido,
ou era falla de-tas, cop as suas proprias simples-
mente.
Ao publico.
O conselhr dos professores da Escola Normal
abaixo assignados examinou cora escrpulo as
iSogoes do systeina mtrico decimalpublicadas
por Jos Antonio Gomes Jnior, e por elle sojeias
ao juizo desta escola ; e de opiniao que esla bre-
ve trabalho, destinado a auxiliar as operacoes do
conimereio e os clculos as reparticoes de fazen-
da, salistz as necesidades e preenche as lacu-
nas qoe al aqui se davam nos tratados e opscu-
los sobre a materia,*scriptos antes para os mance-
bos iniciados na sciencia, do que para a classe la-
boriosa do commercio, qoe deseja meios prali-
cosdo fazer os seus clculos com a maior brevi-
dade.
Com effeito o trabalho do Sr. Jos Antonio Go-
mes Jnior, que o cooselho lera em nios, economi-
sa o tempo que cada individuo gastara d'outro mo-
do a rcduzir os anligos pesos e medidas ao syste-
ma que a lei aduptou, pois que por urna simples
operaco de arithinetca se acha a converso dese-
jada era kilogratnmas, litros e metros.
E' portanlo o conselho de parecer qoe aquelle
trabalho que o supplicante ofJerece, de sua compo-
sicao, de grande ulilioade pralica para todos
quelles individuos que sao obrigados a calcular
pelas novas medidas de extem-o, capacidade e pe-'
so, e sob este ponto de vista admissivel as escolas'
elementares da provincia.
Sala das conferencias da Escola Normal de Per-
nambuco, 2 de outubro de 1865.Francisco Ro-
chad P. B. de Medeiros.Maximiano Lopes Macha-.
do.Jorge Dornellas Rtbeiro Pessoa. Miguel Ar-
clianjo Mindello.
(Eslavasellado e reconherids as qoalro assigna-
turas.)

Secretaria do Monte
buco 10 da outubro de
Pi Porluguez em Pernam-
1865.
Joajjuim da Silva Loyo
Presidente.
Joa juim Gerardo de Bastos
2o secretarlo.
AI
As virtudes therapeu
rauito condecidas nao
a ru
beba.
icas da jurubeba sSo desde
b no Brasil, pois que (Jeljas
} i
*
mu
JURUBEBA.
A jurubeba urna das substancias medicamen
tosas, ao reino vegetal, e perience a classe
dos tnicos e desobstruentes, sendo em praga
aa com vantagem contra as febres intermitentes
neompanhadas de engorgilarneniode ligado e baco.
Ella lem sido applicada com inconlaslavel proveilc
conlra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar
rho da bexiga e mesmo para combater a mensirua-
co difflcil, resultante da mesma anemia ou chic
rose.
Exlrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idera.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope id'm.
Vinho Idem de Mam.
Pilulas de ext. idem.
Deposito, pliarmicia de Pinto, ra larga do
sario n. 10.
VARIEDADES
Setnelas e medicina.
L-se na Union Medcale de Paris:
Os jornaes de medicina fallaram por va-
rias vezes de urna descoberta importante
para_ a therapeutica, que consista na desin-
feccao do oleo de figado de bacalho sem
Todos aquellos que se achilo su.irilns so-
frer molestias scrofulosas. ulcerosas, on nthi
liticas, ainda mesmo as reputadas de (ior
Dataran, npenns necessito de ler o trs^mU
caso maravillioso. para qne se sinti intus-
mente convencidos que a sua propria roa,
n5o s meramente possivel mas rn abw>J--
tamente certa.
Joao JoBfc Feuheira Bari'>z.i. rsid-"t
na Cidade de Marnnhilo. tinha todo o um
corpo coborto de ckagas oleeroaat>. e dnranta
algunos annos se achara debaixo do tratamente
de mdicos os mais afamados, tendo amc
durante l(xlo este tem|-o qunsi t/xla a fgr-ec
de m^ccinas que em taes casos empread,
pela fneuldade me obter o menor l>oneficio ou alivio: acbaodoM
pois em tan* apuros elle finalmente reaolTea-
,se, depois de repetidos e baldados eajorpa
fazer uso da]
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
No tpdo elle apena chegoa a t imar drnm
Garrafas de Saltapari-iOia e q>iatro fiasw 4aa
Pilulas Vtgetae* Awicaradtn, e > n lta
foi elle obter una completa e perlera cusa.
Os Befen. FEiREniA i Ca., Drog-nfetaa
Maranliao. foro quem suppriro os aediea-
mentos, e ach3o-se perfeitamente ao iaet*
d'este caso, e^os mesmos Scnhore, nao *> a
achilo promptos A confirmar o nn-saMi. coaaa
tambem em fornecer o actual adres *> do ear.
Barboza, toda e qualqner pesw* qoe pav
ventura se desej informar da verdade.
. Recommenda-se mni particularmente aos
Doentes que tenhSo o maior cuidado na acola
deste excellente remedio, nao asando na A
nao ser a Genuina Salsaparrilha da Briatol,
a qual < exclusivamente preparada por
LANMAN&KEMP.
De NOVA VORk,
pois que todas as mais fio ineffieawa a* hb)
hum prostimo
Vende-se as boticas de Caors d Barbosa
e C. Bravo d C.
G0MMS1CI0.
Kovo li neo de 1'cnaBiirt
O Novo Banco paga o dcimo quinto fi-
lie vindo na razo c8& por *cq*u
4V


Diario de Peraiabn#4> linaria f*tr# 11 le Outubro e i&.
Calla filial do fcaoco do Brasil em
Pernamboco.
A directora desta caixa saca sobro o banco
Brasil no Itio de Janeiro e sobre a cana filial
mcsaso banco na Balii.
Voto banco de Pcrnam-
buco.
O banco descontaletras na presente semana a
fl por ceuto ao anno at o prazo de seis mezes
Caixa filial do buco de Brasil era
rerna 'meo.
A cxa desconta as letras de seu aceite pela
aitia de 60(0 ao auno. v
Oguarda-livros
Ignacio Nonas Correia.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia la9......
Mai do di 10...............
162:4185361
33:9455900
196:301*261
De ordem do llim. Sr. inspector da thesoura
ria de hienda desta provincia, se (az publico a
quem interessar possa, que no dia 16 do correte
mez comecara na referida thesouraria os paga-
mentos das penses do monte po dos servidores do
estado, vencidas ate 30 de setembro ultimo.
Secretaria da ihesouraria d>- fazenda de Pernam-
buco em 10 de outubro de 1865. -Scrvindo de ofll-
cial-maior,
Maooel Jos Pinto.
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se fu publico que nesta data foi ad-
meltido a" matricula dos commerciautes o Sr. Ao-
tooio I. jur.'ur..i Teixeira Marques cicado portu-
guez, estabebcido na capital das Alagoas com ne-
gocio do bisadas em groaso e a retalho.
Secretaria do tribunal do commercir; de Pernam-
buco 6 de outubro de 1865
O ofcial-maior,
Julio Guimares.
Urna pancadaria nova.
Um baixo em si.
Urna requinta.
Um par de trombones.
Um par de chaquuic
Tribunal do*
lmportaeao.
New Port, barca Ingle Edith Manan, raani-
u o segrate a Saunder Brothers & C.:
610 toneladas carvao do pedia.
HOVIMEMTO DA ALFBEGA.
Volumes entrados rom fazendas----- 87
< com goneros..... 340
------- 427
Voknaes saludos cem fazendas..... 97
i con genero*..... 49*
------- 591
Desearrenana boje II do narrante.
Batea IngleaaS*r Uir.-a americanaAnacondafarintaa de trigo.
Brisue InglesLeenferro.
Barca ngl<-za Impciador farioha e mais ge-
nero.
Bngue esDanlwl Corinacharque.
Patacho i.jr'.iiiruiz -iFartodem.
BECSBEOURIA DE HUNDAS INTERNAS GE-
HAES DE PERNAMBOCO.
Renmento do dia.1 a 9 ...... 7:383.5456
dem do da 10................ 1.401*997
LE JIO
Oe uaia taberna nal N>wiy da flag-
dalenn ra doJBem Fica i: 29.
Reg Wevc.
com consenso de eu< crdores e per inlervenco
do agente Cordeiro Sim6;s farao leilao dos gene-
ros, armagao o mais utensilios do sua taberna era
um ou mais lotes a ventada Jos compradores, co-
ma tambera as dividas activas na importancia de
&26#,cujo batanese auna em poder do referido
agente ao ezain des pretendentes, StO
Na mesma lab i na.
PLANO
Para aa'Xtracce*
I %
Approvado pelo
4000 bilhetes a 5*000.
Beneficio, sello e cominis
joimuercio
Lfi.IL.i.0
nal do commercio de
ue tiesta data foi ins-
o registro da escuna
de 161 toneladas, pro-
de Amorioi, e da qual
de Camino.
Pela secretarla do tribi
Pernambuc-j se faz publico
cripto no compleme livro
t Senhora da Conceico,
pnedadede Manoel Marque-
c mestro Lauriano Jaeintno,-
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam-
buco 10 de dzembro de I8Q5.
0 lofflcial-maior,
Julio Guimares.
TJHE liTRO
DE'
EMPREZA--
Quarte-feira 1
de
16
Representar-sc-ha o mu to applaudiJo drama
8:785*453 I martimo em 4 actos
OIMBRA
de outubro
10.
C0N8ULAO0 PBOVINCIAL.
Bendimento do da 1 a 9 ....... 14:2985^42
dem Jo dia 10............... 4:160*483
18:459*325
|B>.-.-. -,.--5:.-.-a(MiK-"srMMmw M-ol-^5- m-> .-"-
Navios entrados no dia 10.
Ifaranho6 dias, vapor americano de guerra
Waif, coinoiantante W. A. Knkland.
Baha5 dias, barca ingleza Ihelum, de 881 tonela-
da-, capitn James Stanuer, pqnipagem 10, em
(sir; a James Ryder & C. Receben ordens e
sigui para Parahyba.
Xew-Port,39 dias," barca ingleza Eielh Manon,
de 317 toneladas, capitio V. Heehell, pquipagem
JO. carga carvao de |iedra; a Sawoders Brothers
. ,-
PluUdelphiaSO da-, barca ingleza Imperador, de
2S| toneladas, capit.io Power, equipagem II,
carpa 3,000 barricas com farinha de trigo; a
MaK'us Ansien A C
Navio saludo no mesmo da.
F.irerpnol pela Parahyba-Barca ingleza Couraa,
capitao \V. M. Alexander; em lastro.
Observarao.
Suspenden do lamarao para MaceiS, o brigne
iaglez Mattland, capltio James Thnft, com o mes-
troqu-t trooxe da Bilua.
a mmm
aicoES
ai
Dar lim ao espectculo a opereta cmica em 1
! acto pela ultima vez
T1'4 1S iZ<
Gomegara' as 8 horas.
Os senhores que encommendaram camarotes e
cadeiras podem mandar ao escriplorlO do theatro
al as horas da tanl \ do dia 10.
Havendo chegdo hontem noite da ci-
dadeda Victoria a herona pernaDbucana, a
Exma. Sra. D. Marianna A. do Reg Brre-
lo, o emprezario deiiberou dar este espect-
culo em honra nobre patriota que tao de-
nodada se apresen1 a a dar mais um exem-
plo de herosmo, provando assim que a
briosa provincia de Pernambuco, sempre
a priraeira a correr as armas; e que no mo-
mento caique a patria carece de setis fillios,
nao s o sexo mascolino, mas tambem o fe-
minino se aprsenla intrpido e valoroso a
repellir o ioimigocommum.
l)e mobilias, pianos, secretarias de Jacaranda, me-
sas ela-lics, ppara'!ore:, trastes avuUos, ob-
jectos de ouro e prata, relogio--, charut s. es-
cravos, Dngussan. obra de direito em 16 volu-
mos e cutios minios arligos.
NO GRANDE ARMAZIvYI DE LELES
Di) AGENTE
OLYMPIO
3GRui (taCadcla jo hp^c -:ii
Urna fsrt vencer em leil > urna parte de umsilio na Capan-
ga que foi do uado Franeisco CMtodio de Sara-
palo, avadada a dita parte em 4:8255"O rs., e to-
do o Sillo em 13:00J, lnl'io rnemo boa casa de
viveuda o sitio com bastantes plaotaceas, boi bai-
la de capim, palreiral et'-., re.
m ai -a se:
No grande arnmcni do iijcute referido.
3GRuada Cadein 1 Premio de........
1 Dito de..........
1' Dito de.
i Dito de.
5 Ditos de 100$00(J
11 Ditos de
22 Ditos de
43 Ditos do
915 Ditos de
Ejm. Sr. presidente
...........20:0003000
5o24 0|0.. 4:8005000
mado...... 15:2005000
'.0-301'
205001
10A0K
6300)
1000 Premio?.
3000 Broncos.
4000 Bilhetes.
N. B. Os premios que
sao, 0 d- 5003000 ao d
l:200;:000e 6:0003000
5 por cent) da le provi
geral.
Thc30uraria das !oter
Antonii
Precl-a-se de urna boi
Seb) n. 35.
6:0005000
1:2003000
5003000
2004000
5005000
4*05000
4403000
43"#i00
5:4905000
---------------15:2003000
OS P1RAG U \YOS
E' a orden do dia Acabar com os Para-
guayos a bayoneta, a mini, a revolver;
fulmina-los com os encouracados armados
! de esporoes, armstrongs e raiadas de 80
; 120; extermina-los inn summa a espada, a
fa-io e a punbal jde que se trata; mas
ninguem se lembrou ainda de esmagar os
Paraguayos coaa as armas que Deus nos con-
cedeu; acabar com elles a taco e a ponta
ps, para o que necessario encouragar esta
parte do nosso corpo cora os formidaveis
rompe-ferro, esmaga cobra, arranca tecos,
quebra marmore e o otros que se venriem
45-RA flJlREIT.445
Alngase o s^gnndo andar do otirado a rna
do Imperador n. 79 : a tratar na rna do Crespo
n. lo. ____________ __________l_________
Precsase de um menin lie t ili ann de idad", para caixeiro : na ruad') Rangel n. 8.
deposiio.
Ama do leite
l'reclsa se de una ama de IdM ; ni
Corpo Santo n. '7.
praea do
Ama.
esto sugeitos a descont
3 por cento, e os de
ho de 17 por cento, sendo
acial e 12 por cento da
as 7 de outubro de 1865.
O thesoureiro,
Jos Rodrigues do Souza
8-5000
patricios......... b#ooo:
para senboras, en- i
feitados....... 5A5C0
com taco e fivella .. 4&S00
50000
Burseguins para meninas bnm i
elast co................. 3000
Sapatos do lona, sola elstica. Ot'O
160'-
I COU
econmicos para se-
&rm
com salto de lustre.. %mo
10600
Precisa-se alugar urna escrava on
saiha coznhar e comprar : na ra do
co uu Mundo Novr> n. 54.
Pre.-isasede dous irabaHMtforrs
para a rldade de Sanio Antao : a trai
Imperial, padaria n. 39.
f rr.i. que
S. Franeis-
oe padaria
ar na roa
Ama
Precisa se de urna ama f>rra para
coznhar para urna praSM : na Ir..
Pedro n. 2, das 0 as y Doras da iiianh:
com ijuem tratar.
r 'mprar e
-"a de S-
*, acharo
COZI.IHEIBA.
coiinheira : na ra do
JStUMM
Teodo-se desencaiuirihado urna carta |>ara ser
dirigida em Londres ao itm. Barao Rotchildes, ro-
ga-so a quem achar'a referida carta, de se servir
manda-la entregar na na larga do Rosarlo, botica
do -r. Birtholumen Fr meisco de Souza, n. 34, ou
n ra da Cadeia do H-cife, luja de ferragens n.
44, pelo que se gratifica .
Aluga-se a ca-a terrea da ra Impe-
rial n. 7i, com 3 qiartos, i salas, quinta'
iijM'JBtCf.
De uina loj de charutos no paleo do
Tcici) n. 2.
Martins fara' leilao da arrnicio e pertences da
loja de charutos do pateo do T^rfo n. 2.
Q linla-fiira 12 do corrente.
As II horas do dia.
murado, cacimba e c
na ra Uireita n. 24
sinlia tora : a tratar
CASA DA
Um comp'eto sortimento de calcado da
trra para homens. senboras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, tai xas de todas as qaali-
dades, fitas para sapateiro, omito sortijas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz cobica ao com[) ador pela baratera.
Attencao.
Perdeu-se hontem 2 de outubro, do aterro da
Boa-Vista at a rna do Crespo, um embmlho con-
loado a qniniia de 6103 : quem o liver anhado e
quizer levar a ra do Crespo 0. 19, ser geuerosi-
mente gratificado.
Precisa fallar a >r. Kphigeni > da Silva a
negocio de seu inleresse; na ra da Imperatriz
numero 9.
Severiano de Siqu.ira'',ivi!iMn'i f7 pnhl'-
co pelo presente qoe litepertenee n n tamw
Caelano, cabra, estatura median?, de r le i'> an-
nos, nao obstante ja leni alguns cali-! >> l.i.viras.
nariz arrebitado e graadV, aernas cwntalH, i-
apalhetadof, com filias de natas en n* nrtri-
zadas de relhn, o qual toftta do (ynstV) Para fre-
guezia de IpoJKa, do poler d.; l> Valeniun
Viera de Helio, de ooem r.-.-ebi c.n p
Recife 9 de outubro de IM5.
Precisa se de una ama para lavsr oengooMna*:
na ra do Trapiche n. 36, segaod ) uJar.
Precisase alugar urna preta ou yret. para
o sertico interno e extern i casa c familia :
em Fora de Portas ra tus Guaran*: n. i6.

IiEIL.40
Arrematando.
Pinda a audiencia do dia 20*do corrente, do juz
a
m
e i
i ,. lieipal da I* vara, escrivo Cnnha, sera arre-
. lo por venda a i|uera mais der, o sillo de ter-
r,. ; >n iminado Forte, as Candeias, com 655 pal-
mo
to
i'
de Madoel Gregorio, tervindo de divisa pelo sul
t: i | il aroeira, e pelo norte um ca.o da mes-
ma arvore, avahado dito sitio por 6003, o qual
v.u a praea em Viriude da execucSo que a santa
,:,. i i misericordia desta cidade move. contra os
berdeiros de D, Anua Benedicta Boaventura do
COMPASEA B.AASILEIRA
DE
frente, SOOde fondo, com 80 ps de coque:- \ Q \ filTJTTFX \ VX POR
terminando pelo lado do sul, com trras JeTAlitlllfia A WArUtt
edro J laquira de Barros e pelo norte com trras Dos p .rtos do sul e esperac
e
perado
at o dia ll do corrente o vapor
Tocanlins, commandaute o pri-
meiro tenente Pedro Hypolito
Duarte, o qual depois da demora
do co-=turne seguir para os portOS do norte.
Desdej recebem se passageirs e engaja-se a
Vi:*' '..O-' U'* u, .-tima iicu'-uiv.w w*\jn. v.u.u* u -. -
Carmo, viuva do coronel A^ostinho Cesar de An- rga que o vapor poder conduzr a qual devera
Mlo ser embarcada no da de sua chegada, encom-
0\{- _j---------------------------_----- j mendas e dinheiro a frete al o dia da sabida as
'_ pjr esta subdelegaeia se faz publico que f>
ram apprehendldas duas canoas que io pela agua
cima, sendo urna de um s pao e. ha-iant* arrui-
i, ., ao lugar da Torre, e outra de carreira tam-
bem arruinada, defronte da camboa dos Remedios:
qii'i .-"]U;!ar com direito as mesmas, provando
seri entregues.
Salidelejiacia da Magdalena 7 de outubro de;
18o.O subdelegado fsupplente em exercicio,
Jos Bercardino eereirade Brlto.
Fiv.ilisac)da fivguezia deSaiU An-
tonio do ticcife
O abano assignaoo, desejando cumprir resfrie-
..mi li'.e o quaulo determina o Art. 8" do Til. 11
das posturas munfeipaes de 30 de junho de 1848,
qu- dizFica prohibido a venda de garapa e be-
bidas que posean arruinar a saude : os infraeto-
r.-- -rao mullidos em 304, e na reincidencia sof-
frero, alera do duplo da mulla, 15 dias e pnsao;
la a toda e qualquer posma que sduber o lu- j jy /-.TTl^TB^O A \J A Al
gar iii que se venda nesta freguezia do Santo An-; JrAlU JUj I JCi5 VlITUCI
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. :
Coinpanhiadas Mensageries Im-
periales.
At o dia 14
H do corrente mez
espera-se da Eu-
ropa o vapor
francez Navarra,
o qual depois da
demora do eos*
^- turne seguir pa-
"'""' ra Baha e Rio
de Janeiro.
Para condicfoes, fretes e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
COSIPANHIA BRASILER7
DE
Movis e otros artitns de gosto
Conielro imes
por conta e risco de quem perteneer far leilao de
urna mohilia de Jacaranda usada, 1 guarda roopa
de dito, 1 guarda lonca, 1 mesa gmde de louro,
cadeiras, commoda-, camas, marquezas, 1 rico am-
parador de inogno, candieiros e outros arligos.
Quinta-feira 12 do corrente as 11 boras.
No armazem a ra da Cruz n. 57.
Leilao
Da casa terrn da na da Ponte Vello
nnmero 23
Sexta-feira 13 do outubro.
Por intervenco do agente Pinto, ra da Cruz
n._38.______________________________________
De dous esclavos, obras de ouro. *r-
maco, ferrageus, pentos de tartuTO-
2a "de todas as quali lades, rovtO
us^da c movis.
Espolio de Hauoel fos Soares
Cruiaarcs.
Martins far leilao por ordem do Illm. Sr. Dr.
Clau lino de Araujo Guimares, cnsul de Portu-
gal, dos escravos, movis, roupa usada, armario,
ferrageos e fazendas existentes na loja de larUru-
gueiro da ra das Trini:h ao espolio do fallecido subdito portugusz Manoel
Jo; Soares Guimares.
Sextafeira 13 do crreme.
O leilao ter lugar na nresma loja da ra das
Trincheiras, as 10 horas da manha, os preten-
denles podem examinar a relagao dos oCjectos uo
primeiro andar do sobrado da ra da Cadeia n.
9, escriptorio. _______________
"leilact
De urna casa terrea na ra do Rosario
n. 42, c duas ditas na ra aira/, da
matriz ns. 30 e3'l, todas na freguc-
zia da Boa-Vista
Sexta-feira 13 do corrente.
Por interveneao do agente Pinto, na ra da
Cruz n. 38, as 11 horas em ponto.
Aos 6:000^000.
SSilhete.s Garantidos.
A kaelicio das i'ajuilas dos briosos
voluntarios r!a pat ia.
A" RA D CRESPO N. 2', E CASAS DO COSTUME
O abaixoassiguadovendn"nos seus mnitofli-
tes mneles garantidos la lotera que se acabos
deextralrtr, a beneficio ta Santa Casa de Mise-
ricordia, oS seg'iinles premios :
Dous quartos nt 1565 rom a sort-> de 60003-
Dous quartos 0. 72 eom a sorte de l:~2O03-
Um meio ii. 1796 com a sorte d-, '00300.
MARITIHiOS
CONTRA FOGO.
i Companhi?i Imlemnisadora
estabelecida nesta praea, loma seguros maritimos
sobre navios eseus carregamentos e contra fogo em
edificios, mercadorias e mobilias: no seu escrlpto-
jio, ra do Vlgario n. i, pavimento Irrreo.
Na ra das Tnneheiras n. 2fi. rwtaaa-sa
escravos para vender em commisNi. ..liUnea-se
o iiom tratamento e prompta v-n :.i.
Joaquun Fernanles Vui:na faz scient ao
respeitavel publico e com espenaiida .e ao corpo
do comroereio qne deiioa de ser eaii>*tri de An
jomo los dos Bel?, por >e aehar doeirte !er de
reiirar-se para o mato a tratar de sua aadr, agra-
d' rendo ao meso) -t>li->r n i mn ir... iieiito du-
rante o lempo qne foi seu caixeir .
e inaom-
E unirs muitas sorte;
1090001.
spossuidores podem
livos premios sem os deboslos das leisnaCasa
da fortuua a ra dci Cre |
de 1003, 403, 03
vir receber seus respec-
Acnam-se a venda os
(3o') beneficio das fau
patria, que se extrahira a
Plt"
Bilhetes .
Helos. .
Quintos. .
Para- as pessnas
Bilhetes.
Me i os. .
Quintos.
que
para
^T


la 3* parte, da lotera
ibas dos voluntarios da
18 do correte.
CO.
. 03000
. 33000
. 13200
omprsren de 100300b
cima.
. 53500
. 23750
. 13100
ManoIel Mahtins FlUZA.
F0GODAR.
No armazem da bola anarella, no oilo da se-
cretaria da polica, reivhem-se encommenJas de
fogo do ar para dentro e Tora da prnvinria.
Ufferece-se um moto
do Forte n. 30.
Omuibus.
No dia 14 do corrente i
mnibus de Claudio Dob
reiras de Apfpcoe, Cachi
prinri|iiar no dia 15 con
para cozuhuuo: ua roa
riucipiam novamente os
ux a trabalhar as car-
inga e Oiinda, em vez de
o se annunciou,por ser
"J5
domingo. No dito dia 14 sobem de tarde os mes-
mos mnibus para Apioicos, e no domingo tor-
nan) a subir s 6 l|2 horas da maohaa nao s
para aquelle lugar, como para o Cachanga, pre-
maneceudo estas horas em lodos os dias santifica.
aos ale segunda deliberaco. Nos das uleis ficam
em vigor as horas do costume. Fiquem porm
entendidos os senhores pasiageiros, que nao Ihes
permittidj levarem em cim I dos mnibus os seos
escravos sem que est-jam calcados, devi-ndo os
respectivos senhores pagar a competente passagom
naporpofao de qualquer outro passageiro.______
E' esperado dos portos do norte
at o dia 20 do correle o vapor
Oyapofk, o qual depois da demo-
ra do costume seguir' para os
portos do sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qua o vapor poder conduzir, a qual dever
ser emblrcada no dia de sua chegada ; encom-
mendas e dinheiro a frete at o da da sahida, s
2 horas : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de uliveira Azevedo & C.
C.ear
O hiate t Dous frmaos : a tratar com Tasso
Irmaos.
toaifl a dita garapa, Ir.e fazer aviso para que em
eoatinenta se faca cumprir o quanto delermina o
arcpn cima declarado
Fiscallsago da fr-guezia de Santo Antonio do
Riicife 10 de oulubro del 863.
Caelauo Pinto de Veras
Fiscal.
Consulado de Portugal
Pr-lo presente sao convidadas todas as pessoas
que lirerem objeetos. em concert ua loja de tar-
taruu,-iro i|ue foi do tinado M*noel Jos Soares
G:iinaries, na ruadas Trincheiras n. 1, para deu-
iro i: i oito das Irem reclama-los do depositario
Jo-i Casimiro da Silva Machado, na ra da cam-
boa do C rio .--rao vendidos em leilao para pagamento des
mesinos i bem como sao conviladas tambem as
peseoas que alli tiverem penhores de ouro, para
irem ura-los dentro do mesmo praso.________
lorreio Reral.
Pe.;a adminislraco do correio desta cidade se I frete, para os quaes tem excellentes commodos,
fiz publico para flus convenientes, que em virtude trata se com os seus consignatarios Antonio Luiz
da tuoenfijSo postal celebrada pelos governos hra- de Oliveira AzeveJo & C, no seu escriptorio ra
sileiri) e francez, serao expedidas malas para En-1 da Crnz n. 1,
ropa no dia 14 do correte pelo vapor ingle/.
Oneida .
As canas serc recebids a'. tres horas antes
da que for mareada para a sahida do vapor, e os
Jornaes at quatro horas antes.
A-iinioislracao de-correio de 1'ernembuco 10 de
outubro de 1865.
Domingos dos Passos Miranda
Administrador.
PARA O
Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o palhabote
nacional Piedade, tem parte do seu carregamento
'] engajado : para o resto que Ihe falta e escravos a
O Hlm. Sr. inspector da thesouraria da fa-
zenda desta provincia mauda f.izer publico que fi-
ca mire ido odia 26 do corrente para o concurso
que si; tem de abrir nesta mesrm thesouraria pa-
ra preenctumentodas vagas de 3o escripturario da
mesma thesouraria. 0< exames versaro sobre as
seguale* materias : theoria da escripeo mercan-
til p ir iiartidas sim^l-s e dobradas e- soas appji-
ci'/>> ao commercio o ao thesouro, taaducco
correla das linguae ingleza e fraaceza ou pelo
mea* da ultima, principios gerass de g-ogrphia
e Historia do Prasil, algebra ate equaces do 2o
grao e pratica do servigo da reparliQo em que o
empreado esliver servindo.
Si-cr^iaria da thesouraria de fazenda de Per-
namiiuco 9 de outubro de 186-5.
Servindo de oflicial maior,
Manoel Jos Pinto.
(ilir.iS publicas.
Pela reparligo das obras publicas convida-se
ao; propneiarlos das casas ns. 16, 24, 32, 38, 40,
84 e 38 da ra' da Aurora, e n. 2 da ra do Impe
r r. em frente das quilas se aoha damnincado
o caicamento em consequ- in'ia do obras particula-
res i-ara que mandem fazer os necessanos repa-
ros, cortos de que, em caso contrario, s.er3o exe-
caiaios por esta reparnc.no, e remettida a conta da
desbeza feita com esses reparos a thesouraria pro-
vincial para ser cobrada pMos meios convenientes,
egundii a ordem do gbverno da provincia.
erretr a da repartico das obras publicas 7
de ootabro de 1865.
Joo Joaquim de S. Varejao.
para a Itahia
>egue com toda a brevidade o patacho nacional
I). Luiz ; para o resto da carga que Ihe falta Ira-
la-te com o seu consignatario Jos Mara Palmeira
no largo do Corpo Santo n. 4.
"Lmtia regular do Brasil
Esperase o brigue francez TVois
fretes, que sabio do Havre no da 6
de setembro ao frete de 25 f. e 10
0(0- Recebe carga para o Havre
fres baratos : a-tratar com os
consignatarios Tissetreres.
Msuner le Jeune & Fils tendo sido preveni-
dos por varios carregadores que haviam receios
de se ver levantar os fretes aos amigos precos,. no
caso de flcarem sos encarregados desle servico,
conro amigamwiie compromettem-se por conlato
a nao lomar mais do que 35 f. e 10 0|0 d'aquelles
que se comprometlerem de sua parte a carregar
loeas as suas mercaduras nos seus navios. O dito
contrato acha-.-e depositado emeasa de Tisset fre-
res que o apresentarSo ao* interessados qne pode-
rao tomarconhecimento delle assignalo se as
condiccoes forem de sua conveniencia.
IEIJLAO
A LEGITIMA
Oo sobrado da ra da Aurora n. 60.
Sexta-feira 13 de outubro.
O agente Pinto far leilao precedida a compe-
tente autorisac,5o do sobra to da ra da Aurora n.
60, as II horas do da cima dito em seu escrip-
torio ra da Cruz n. 38.
Os pretenderes pdenlo obter as chaves da
mesma casa na loja da ra do Crespo n. 21.
)S.
Para o Maranho,
O palhabote t Garibaldi mesire Custodio Jos
Vianna : a tralar com Tasso Irmaos.
J\S JL JLLJ Jt*,JL /
AOS'6:000000,1:2000000
e 500^000.
Novo e encllente plano approvado.
BILHETES A' ^OO, MEIOS A' 20500 E
QUINTOS A' 1,5000.
Acbam-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n. 15, os bilhetes,
meio- e quintos da 3a parte da lotera (35a)
a beneficio das familias dos voluntarios da
patria, cuja extraerlo ser pelo pUnO abai-
xo publicado.
Os premios- de 6:0000000 at 10f)000
ser5o pagos urna hora depois da extraecao
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das lisias.
O andamento das rodas ser na quarta-
feira 18 do corrente mez (so antes desse
dia tiver sabido para os portos do norte o
vapor brasileiro que se espera do sol do
contrario ser ella no dia immediato ao da
eahida.)
\ Henea
A
JU
LE IL OES.
Leilao de instrumentos
HOJE
serao vendidos em leilao no armazem do agente
Olympt1) na ra da Cadeia, os instrumentos se-
guales :
O abaixo assignado faz publico que so Ihe de"
sencaminhoa urna carteira de marroquim, grande,
de 4 boleos, contendo diversos papis e letras, ha-
vendo ectre estas urna da quantia de 638$, aceita
ou endossada pelo sr. Thomai de Aquin i 'Carva-
Iho; em lina de 1863 ou principio de 1864, cuja
letra foi devidamente paga em seu vencimentn, em
mezes do proprio anno do aceite ou endosse, fican
do por isso o dilrj Sr. Thomaz livre de qualquer
reeponsabilnlade sob a referida letra : a pessoa
que-tiver achado a dita crteira faz especial favor
manda-la entresar ao abaixo assignado. na ra do
Queimadd n. 12, visto que a ninguem servem os
referidos papis o ietras. Recita 10 de outubro
de 1865.
Jos Rodrigues da Silva Roch.
OfTerece-se urna mulfier para ama seca de
casa de familia ou casa eslrangira ou mesmo no-
mem solteiro, a qual tem todas as habilitares ne-
ressarias para bem desempentiar as suas obrga-
g5es como bem cosinhar, entiommar etc.: quera
precisar dirlja-se a Fora de Portas ra dos Gua-
rarapes n. 55.
PREPARADA NICAMEiTTE POR
LAMAN & KEIP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando de
propriedades eminentemente depurativas;
approvada pelas juntase academias de me-
dicina ; usadajnos principaes hospitaes, ci-
vis militares e da marinha as Antiihas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctps do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CURA RADICALMENTE
escrophutas, rheumatismo, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercuriaes. chagas
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangne.
Emquanto existem varias imitares e
falsificac5os, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
_______Joo da C. Bravo & C.________
Na ra do Livramenton 19, ha para alugar
urna exrelk-nte escrava para o servico interno de
urna casa por 20$ mensaes.
Antonio Luiz Fernandes Guimares, subdito
o onuguez, rciira-se para a Baha.
Os arrematantes da massa fallida de Joaquim
Viera Coelho & C. previnem nos senhores devedo-
res para que no praso de 30 dias venham ou man-
dem pagar o que esto devendo a' mesma massa,
na ra da Cadeia do Recife n. 3, e que lindo o dito
praso, ns oue nao pagarem, lera o de ver s.-us no-
mes publicados pelo Diario, e se promova a co-
branza judicialmente. R& ife o de oulubro de
!8o.
| DEPOSITO DE GALGADO aj
W. FABRICADO .\A CASI DE DETE.\g.\0 Wl
%J Eliia Sva u. csi.
Ahi se enconlraro obras de di-
versas qualidades, e por proco mui
diminutos, a iclalho e cm porcSes.
?M S se vende a dinheiro.
Wt' ": ^ '--^ 'V:{^;:
.Vlassa fnllida de CUiilheuiic
Carvalho <&_ C.
Os Srs. credores qneiram mandar apre-
sentarsens ttulos para serem verificados
e admittidos na forma do art. 859 do coli-
go comercial: no escriptorio a roa do Vi-
gario n. 13.
O administrador,
Justino Jos de Soti'.a Campos____
Precisa-se de urna ama para o servido inter-
no de urna casa de tres pessoas : na ra "do Hos-
picio n. 61
Aluga-.-e o i" andar do soorado da ra do
Rosario da Boa-Vista n 53, (Bulto fresco : a tratar
ua ra das Cruzes, sobrado n. 9, Io andar.

Na roa da Carimba o. 6, tav
mase com perb ican.
Iost lulo Archeloyieo e fir-ejraph N Per
btiran*.
Havera sessao ordinaria quinta f.-ira l*.do cor
rente, as 11 horas da bmmMm.
iirdcui do da.
Trabalhos e pareivro rte eoMiA.'Sca.
Secretaria do Instituto 9 de nulur.ro de I865.
J. Soares de A*ev.-.-.,
Secretario perpetuo.
Kala para alugar.
Alnga-se urna sala e dous quart' -, bs*laat
grande e multo propiia para u.-cnpi. rio i u ara
algoma senhora viuva : para se Ira na r.i di
Si zal Nova n. 39, latn-rna da q ;ina.
Pcrdeu-*!- n-) di. ii do pi rrem -. i i ".
occasio do Te-Denm da (.-sta di i nii : i- I!
rio no Carino, um !''i ;->ili'la! yr':t i
sit;:1o no meio : a ; essoa qu-' o ar i
restituir,diriji-seaotonv-Titi i Ci \>* ;
gar ao Sr. Fr. Jorge, rjoe ser rtconii m.aA>.
Aluija se para passar a c-titu :. mual
urna excellenteca-apara urandc fin i .,-, \.-.<
comino los, reeduicada df novo, a mure m > i
Capibanbc, na Poite de l'i-iioi joM-i i .'i: :
traiar na rna da Cadeia do ll'-civ n i '. i ]'
Preci.-a-se denm inenioo i --' r
xeiro de loja de qoiaqailharias: aa rna d l: \
numero 17.
Precisa-se de urna ama d-: leite; ni rna ii
Palma n. 41, taberna.
Precisase de um forneiro ; ua ra Direila
n. 69.
Ama.
Precisa-se alugar urna ama para comprar e co-
znhar em urna casa de homens solteiros, prefere-
se escrava : a tratar na ra do Queimado n. 4,
loja de Guimares & Bastos.
Precisa so de djus eaixeiros com pratica de
taberna, de 10 a 14 aunos : na ra larga do llosa-
rio n. IX._____________________________
Precisa-se de una ama para todo o servico
de orna casa.de pejuena familia : no pateo do
Carmo, esquina da ra de Horlas, armazem n. 2.
Precita-se de urna criada para o servido in-
terno e externo 1e una casa estrangeira de pouea
familia, preferlodo se queseja estrangeira : na ra
Nova n. 3, loja.___________________________
A pessoa que quer 3:000$ com hypotheca em
predios ne-ta cidade, annuncie ou v a ra da Con-
ceigao n. 22, as 9 horas .a manhaa, que l se dir
quem da.
Na ra de Santa Rita n. 23, Io andar, precisa se
de urna ama.______________________________
Aluga-se um sobrado ae um an i >r, i ja *j-
llo, co.t commodos para familia, no pat-o da Boa-
Vista ; quera o pretender auouncie.
Jos Joaquim da Cnnha Guima-.!-. ->t>!i:>
porlugnez, retira se para Portiial i 'ai ir I i
saude, d^-ixa por sens procuradora*, e-n i igar
Joao BaptisU Telles, 2' J- Luiz K rrwi i di <'. >
ta, 3 Bento da Silva Rosas.
Precisa-se alugar urna ama oee Mina na
nhai : na ra das Gruzes, em Sjtito Antoni, n 41*
segundo andar.
Aan secca.
N< ra da Imperatriz n. 15, segando andar. i>re-
csa-se de urna ama que lenha acaba I a crir11.
para cuidar de urna crianza, na qnalidada d- ama
secca.
Na ra de Santa Rita n. 88 lav-se e engom-
ma-se bem, e por commodo prego.
COMPRAS.
Ol trece se urna sentiora honesta para encar-
regar-4a da crlacao de um menino ou menina que
esteja as cireumstancias de precisar dos disvellos
de urna mi, inda mesmo tendo a crianca al a
idade de 14 mezes, afianzando a mesma senhora o
bom iratamenlo e cuidado sobre o qne leve velar :
a pessoa interessada poder tratar na casa do pate
de S. Pedro n. 22.
Quem precisar de urna ama para casa es-
trangeira, dirija-se ao pateo do Hospital u. lo que
achara com quem tralar.
MONTE PI POPLLVil PEil-
De ordem da directora convido aos senlnres so-
cios a comparecerem hoje, pelas 7 hora* da noite,
na casa las sesr-o-ts, aftm de reunirem a asseoibla
geral para tralar de negocios ledenles ao Mon-
te Po.
Secretaria do Monte Po Popular Pernambucano
10 de outubro de 1865.
Bernardo Falco de Souza,
t* secreurio.
Perdeu-se desdes ra do Crespo n. 8. atea
prnca da Independencia, cus autos de embargos :
* pessoa que os achou pdeos enlregar no pateo
dj Carmo, esquina da rna das Trincheiras, a Jos
Joaquim da Silva, que dar urna gratificado.
Compra-se efTectivamente ouro e pratt em
otiras velhas, pagndose bem : u; roa larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Silvino Guilherme de Barros mmata veta-
de efTectivamente escravos de amlcs os .-< :
ra do Imperador n. 79, terceiro .indar.
Compra-se ouro, prata e pedias preciosas,
em obras velhas : na ra da Cadeia do r.ecifc,
cja de ourives no arco da Coneeic4o
Na ra do Crespo n. IR, primeiro aodar-
compram-se libras sterlinas moeda- de ouro bra,
sleiras. ____________
Compra-se papel diario para i mbrulho, pa-
ga se bem : na padaria da ra da Imperatriz nu-
mero 66.
Ouro c prata.
Em obras velhas : compra-s na jraca da In-
dependencio o. 22, lija de bilhetes.
Comprase
para una enrommenda urna e-crava preta ou par-
da, com habilidades, principalmente i-m co-tura e
eonoinmado : na ra do Imperador r.. 12. i retire.
andar se dir.
Aiugase a loja do sobrado da la Ua> flores
n. 3 : a tratar no sobrado do pateo de S. Pedro nu-
mereii._______________________________
Aluga-se urna excellente escrava moca e de
boa conduela, com habilldade, s se alug para
casa de familia : a tratar na ra Veiha n. 40.
I) (MDE BAZAR
lina Nova ns. SO e 9.
O proprietario desie esiabelecimento avisa ao
rcipeitavel publico que acaba de receber um ri-
quissimo sortimento de objeetos alo gosto, como
sejam, capachos de laa de caroer) de Iindis9imas
cores, tanto para sala como para cobnr consolos,
riquissimos tapetes, e mullos outros artigos. Este
estahelecimenlo torna-se digno de ser visitado pe-
los apreciadores, onde encontraran apar de melhor
tratamento os mais commodos preeos.
Carlas para os seuliores
Andr Avelino Ribeiro Lima.
Alexandrina Mara do Ri-ario (Oiinda.)
Francisco Luiz da Silva Costa.
Pedro Jos de Pinho.
Theolonio Alves Ferreira.
Virissimo Ferreira Chaves Jnior, na companhia
Pernambucana no Porte do Mallos n. i.
Precisase de urna ama que saiba cosinhar
e engommarpara casa de pouca familia : a tratar
na ra do Crespo n. 18. primeiro andar.
Precisa-se de urna ama que tenha
bastante e bom leite para aimment ir urna
crianc/a : na livraria da praea da Indepen-
dencia n. 6 e 8, se dir quem precisa.
L TAO E
CHUMBO
Compra-se cobre, lalao e chumbo : no armazem
da bola aman-I la, no oiio da secretaria da potieia.
Compra-se carosso (sement) de al^odao: no
armazem de algodao de Saunders Brothers d,
no caes de Apollo. ______
9S20O porcada libra "lfriia
pagase na i-raca da Independencia n. 22
Atteu^ao.
Na ra do Crespo n. 8, e-quina da roa d> lu-
perador, comprase urna machina de costura en
bom estado.
VEHDAS.
Veodem-se dous escravos mocos, proprirw
para todo o trabalho de catnpo : Da ra de Apollo
n. 22._____________________________________
Na cocheira do Sr. major Quinti-iro esta pa-
ra vender-sc um cabriole! de 4 rodas em malo
bom estado e maneiro, ahi dir-se-ha qnem
^4 bio
Vendem-se ps de abio. fructa esUi ja bem co-
nhecida nesta cidade, e a ,-irinei -a do Para i
Maranho : a tralar com o Pinlinbo, na roa da
Palma n. 51.
,1.
i ..ii. i- ^ T
ni ^bw m mm^ a


i
litarle U i'eraanibnc* Cuarta fclra tf z Otilubro de tl*
i ..
-
LIQUIDACAO GEIiAL
"TF
NO
y*
/k. h
GRANDE ARMAZEM DA fcXPOSIQAO DE LONDRES
DE
60 Rua da Cadeia do Recife -- 60.
Todos os artigos abaixo mencionados for'am comprados recentemente pelo dono do estabelecimento as principaes fabricas
de Paris, Londres,.Biriningham, Manchester e em diversas cidades da Allemanha, e tendo comprado ludo as melliores condices
por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inteira-
mente liquidar e ter de partir mui breve para a Euroi a.
Ha neste vasto armazem ric s objeclos com brilhantes, como botes, aDtieis, rosetas etc., e bem assim diversas obras de
ouro, como trancellins, correntes, anneis e muitos outros artigos, relogios deouro inglezes do afamado fabricante Bennetie; com-
pleto sortimento de fazendas Anas e modernas; miudezas, perfumaras unas dos principaes fabricantes inglezes e francezes, como L.
T. PIVER. Lubin, L. Legrand, Ed. Pinaud & Meyer, Delettrez (Perfumerie du mond lgant), Violet, Societ Hygienique, Mompelas,
Mailly, Regenier, P. Guelaud, e inglezas de Eug. Riuimel e outros; ricas galanteras em marfim, madreperola, etc.; fabricadas na
China e no Jap5o; ricas pecas de crvstal fino como ainda n5o appareceram nesta cidade, e bem assim modernos lustres para velas,
ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casticaes, enfeite- e adornos para cima de consolos e para grande loillelte, o que se tem
feito de mais elegante em Paris, Londres, Birmingham etc.; modernos apparellios de metal lino inglez para cha e caf, os quaes em
nada sao inferiores prala, e militas outras pecas do mearan metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de senbo-
ras, excellentes luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana tina para cha ecaf, ditos para j Hitar, e immensos arti-
gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras, etc; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de pan-
no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli <$ C, para se tocar na
ra, ditos com figuras para sales e ditos com figuras em movimento; mode-nos e bonitos instrumentos de physica (mgica) para
theatros ou saloes, ditos de phantasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com vistas novas, dia e noite; stereocopios de nova ra-
vencao e com bello sortimento de vistas das principaes cidades da Enropa; grande sortimento da brinquedos finos para enancas, e
bonecas fallando papae e raamae ; grande sortimento de candieiros a gaa, o que se tem feito de mais elegante e que tem
merecido toda a aceitaco na Europa, grande e magnifico sorii.i.ento de ca;xinbas, cestinhas e outras galanteras feilas da crina e seda,
proprios para presentes; grande sortimento de estampas fin >s coloridas com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com
figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de crystal
proprio para meio de mesa de jantar ou para jardim; entelara fina, como talheres com cabo de metal fino, colheres, thesouras finas, Moendas e
ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, canivet-s e outros artigos, diversos artigos feitos de rame ; completo sortimento de xaixas de
mascaras de vellido, setim, cera, papelao e rame ; doces confeitados e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de todos
os lmannos, lavatorios, etc.; ricos quadros para carles de visita e ditos grandes epequeos para retratos: chapeos de sol, benga-
las, chicotes e ditos para carros; machinas para fa/er caf,'ditas para baterovos, proprias para quem faz pao-de lo, bolinhos, etc.;
pannos par i cobrir mesas, bolsas grandes a pequenis para viagens, e outros artigos, como cobert res, malas, etc.; sortimento de
violos finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galanlarias e outras pecas decharao para loillelte; machinas para varrer o chao,
excellentes machinas para photograpbia para tirar retratos, grandes e pequeas; lindos baloes de papel fino transparente e lanternas
coloridas para illuminacoes moda de Paris; salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quem toma banhos em
lugares fundos; ameixas novas em caixinhas, biscou;os inglezes em latas, queijos, etc., e muitos outros artigos que para ennumera-
los seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e multo barato, no grande armazem da Exposicao de Londres, na ra da Ca-
deia do Recife n. GO.
\
Joao da Silva Ramos, medica, me-
dico pela universidaie e t-oiuibra, jj
d consultas em sua casa das 9 as
11 horas da manhaa, e das 4 as (i M
da tarde. V'isila os doenles em suasMl
casas regularmente as horas para 88
isso designadas, salvo,os casos ur- fl
gentes, que serao soccorridos em **
qualquer occasiao. D consultas aos H
pobres que o procurarem no hos- M
pilal Pedro II, aonde encontrado Hj
diariamente das 6 s 8 horas da g|
manha, iy
|^' Tem sua casa de sade regular- p
II mente montada para receber qual- ft?
quer doente, ainda mesmo os alie- H
nados, para oque tem commodos jTi
fapropriados e nella pratica qualquer fijg
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
us Prmeira classe.. 3i5000 diarios. f
m Segunda dita... 30500 f?
jj Terceira flita .200 ^
$, Esle estabelecimento ja bem $$,
gf acreditado pelos bous servidos que |,
m, lera prestado. 6*
H O propr.eiario espera que elle 3!
* continu a merecer a confianza de ^
&.que sempre tem gozado.
:arteir
ieM-r* >S
mmmmt
Samuel Poner Joltnston A Coinpanhia
Ruada Vnzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fiiadleo de l.ow ffioor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
meias moendas para engenho.
ferro coado e balido para enge-
nho,
e dous cavallos.
inglez.
Arreios d carro para um
Relogios do o-.ru patente
Arados americanos.
Maebinaspara descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
.NO GRANDE
MAZEM.
DA EXPOSir.AO DE
LONDRES.
i
O hachare!
i-aiicisco Uinslo da Cesta
CONSULTORIO MEDIMIRIJRGICU
DO
DR. PEDRO DE rlTTAHYDE LORO HOSCOSO,
MEDICO, PARTEvIHO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 as 11
horas da manhao, e das G e meia s 8 horas da noile, excepeo dos dias santificados.
Pharmacia especial liomeopatliica
No mesmo consultorio ha sempre o mais approprado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymaamisacoes e pelos precos seguan.
Carteiras de 12 tubos grandes. 125000
de 24 tubos grandes. 185000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tudos grandes. 305000
de 60 tubos grandes. 3.j500O
Prepara-se qualquer C3rteira conforme o pedido que se fizer, e (om os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onfa 15000.
Sendo para cima de 12 cuslaro os precos eslabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 res.
fifi % RON.
A mclhor odra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do I)r. Jahr
dous grandes volumes com diccionario............ 205000
Medicina domestica do Ur. Hering........... 105000
Repertorio do Dr. Melj Moraes............ 65000
Diccionario de termos de medicina........... 35000
Os remedios d<;ste estibele;imento sao por demais conhecidos < dispensam por
;aoto de seren huvamente recommendados as pessoas que quizerem us.">r de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha ludo do melhorque se pode desojar, globos de
terdadeiro assucar de leite, nntaveis pela sua boa eonservaco, tintura dos mais arredi-
lados eslabelecimeutos europeos, a mais exacta e acurada preparaco, e portanto a maior
energa e ceneza er\seus effeitos.
Casa de saude para c.scravos
Recebe-seescravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se sulficientemente habilitado.
O iratimento o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa ha mais de qualro annos, ha mu-as pessoas de cuje conceito se nao
pode duvidar, qje podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doenles.
Paga-se 25 por dia durante (O dias e d'ahi em diante 15500.
Asoperacoes serao previamente ajustadas^ se nao se quizerem sujeitar aos prerrs
razoaveis que costuma pedirr o annunc ante.
:
AOV^G/.OC
Ra do Imperador numero 69.
N) bolei italiano, ra do Trapiche d. 5,
egommar,
Para completa Iquidacao vendem-se, por muilo menos do seu valor, perfumaras mnito finas e novas chegadas recentemente cisa-.e de urna pessoa que saiba
de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes: E g Rimmel, R. Matheus & C., Lnbin, Sociedade Hygienica, Piver, oulra que saiba connhar bea._
Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud & vleyer, Regnrer, Mailly, Cillet frre, etc. etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de
Colonia em vidros e garrafas, agua de lavaiide, agua para limpar denles, oleo babosa, extractos em garrafLhas e vidros de difieren-
tes modelos, pos para limpar denles, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer
presentes, e muitos outros artigos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande
armazem da Exposifao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. GO.
pre-
e de
Aluga-se urna escrava ba cuziulieira, donei-
ra i- eiifcoromadeira : a fallar no paleo da Santa
Cruz, sobrado n. 92.
Precisa-se de~3:000,5 a premio sobre hypo-
ibeca de predios nesla praca : quem tixer e qui-
zer d.i-los annuncie. ___
PAIU E,\UOtl4
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o que se tem feito de mais elegante al o presente: vende-se
por menos de seu valor para se liquilar, no grande armazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife 60.
Vendem-se excellentes luvas de pellica, recentemente chegadas de Paris, tanto para homem como para senhora por menos de
seu valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60. .
NA HIJA NOVA N. 6
precisa-se de urna ama
pouca familia.________
para servico
de
casa de
Quem precisar de um coziulieiro para uina
ou duas pessoas, dirija-se a ra do Fogo n. t. que
se dir.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinhar e comprar : qaem tfVer dirija-se a ra do
Sol n. 9.__________
, Exposicao de Londres, roa df Cadeia doR^fe n. 60, 'ra da (mpe.atriz loja de Mr Dubarry n. 8 '^^^Z^IZZZ
as n. 54, vendem-se excelieates vistns para quadros de sala e para aibuns, como: rja Qa rua |arga do Hdsario D t6
No grande armazem da
e na mesma rua loja de miudeza
l'orto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Guimares.
Porto, rua do Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponle da Barca.
Coimera.
VISTAS E PEItNAMBlJXO.
Tiradas na occasiao em que S. M. o Imperador aqu esteve em 1859 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M- o Imperador no da 2 de dezembro,
indo para o Te-Deum no convento do Carmo.
Theatro de Santa Isabe.
Rua da Cruz com a pyramide.
Torre d i Arsenal com a illuminaco na frente.
Passeio publico, na chegada de 9; M. o Imperador.
Rua do Collegio com a tropa.
Pateo do Collegio com o paianque.
TL4GEM A' EUROPA.
Stereoscopios de nova invencao com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como:
Franga.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Vendem-se barato para liquidacao no grande armazem da Exposicao de Londres na rua da Cadeia do Recife n. 60, rua da Im-
peratriz loja de Mr. Dubarry n. 8, e na mesma rua loja de miudezas n. 54.
Precisa-se da quanlia j 3o0 a 400 a jurus:
proi'iirartu.
para pada-
\w%
Precisa-se de j3:000 hvpothecando se urna
propriedade no valor de i 4 a 16:000,5 : para tra-
tar na rua do Hospicio n. 38.
Aluga-se o primelro andar do sobrado da
rua Imperial n. 141 com bastantes commodos para
urna grande familia, e muito fresco : a tratar na
pateo de S. Pedro n. 1.
i3 O Ur. Carollno Francisco de Lima San-
^ tos contina a morar na rua do Impera-
TrR dor ti. 17, segundo andar, leudo alias seu
y gabiuete de consullas medicas, logo ao
^k' entrar, no pnmeiro.
. ^ O mesmo doutor, que se tem dado ao
estudo lanto das operaeoes como das mo-
ct lestias internas, presla se a qualquer cha-
mado, quer para deutro quer para fra
da cidade.
X2t
ODr.CosmedeSPereiraconti- g PhCh DF BANHIS I
nua a residir na rua da Cruz n. 53, bHOH Ut OHI 1UC,
Io e 2C andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3 dos org5os geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
Cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Arreoda-se um silio no Jarar, estrada que
vai para AguaFria, com cjsa de pedra e cal lti-
mamente edificada, com bstanles commodos ; este
sitio lem arvoredos de fruclas de todas as qualida-
des, bom terreno para planlacao, e baila para ca-
pan. Aluga-se. lainliem o armazem do sol na roa
da Concordia, proprio para qualqaer estabeli-ri-
iii uto : a fall.-,r ao solicitador Barroso que mora
no sobrado n. 34, onde est o dito armazem, tanlo! 7^7^ a lo a ponie da
para este quauo para o silio mencionado. ?om l ^ r. Valenca.
Aluga-se a sala do 2 andar do sobrado da
rua do Imperador n. 75 ; a tratar no mesmo andar
al as 9 hores da manha, e depois na taberna n.
46 da mesma roa.
E-CKAVA.
Precisase alugar urna escrava para o servico
interno de casa de familij : na rua da Cadeia do
Recife n 52. terceiroandar.
Rua fia Cruz n. 17.
^ A abaixo assignada, lem a honra de
participar ao publico que o seu estabele-
8 cimenio cima mencionado, acha-se hoje
K funecionando muito regularmente, pro-
i vido de todas as accommodacoes necessa-
? ras e sobre ludo com alguma limpeza.
K Ostarloes firmados por mens anteces.
k sores Cedrim & C sero recebidos at o
S meado do mez de c utubro vindouro, os da
casa tero a firma da abaixo assiguada,
^ e sero como d'anles iransmissiveis.
J Tabella dos precos.
| 1 as.-igu .tura mensal com direito
R a um banho diario a320 rs.. 9,5600
t 1 dita de 30 cartoes transmissi-
B veisa360rs................ IQfSOP
1 l|2ditade 15ditos a 400 rs.... iooo
fi 1 banho avulso, momo ou fri ou
S de chovisco................. 500
R 1 dito aromalisado com agua flo-
tf rida........................ IfiOOO
fe Us medicinaes sero pelo pre^o que se
x convencionar:
;;" O estabelecimento estar' alieno nos
' dias uleis das 6 da manha as 10 da noite
O. 6 nos dias santificados al 2 horas da lar-
K de, bavendo chegada de vapor estara'
aberlo por mais algum tempe.
R Malhilde G. Lessa.
mmmmm wmm mm
Para quem precisar de banhos, cfJerce-se
duas casas com commodos para familia, na ilha
Passagem : a tratar
v tiene!)
i.
1
m
i
Si
g
Casa de banhos
Largo do Carmo n. 26. S
Este estabelecimento lo bem montado 23
Da sua orgem achava-se de ha muito ^\
em quasi completo abandono pelo pouco mk
interesse de sua adminirtracao. ^
Hoje que o novo propietario empre- S
gou lodos os meios para reslabeler a W*
grande otilidade desle estabelecimento, S
pode assegurar ao publico que qualquer '.^
que seja o numero dos concorrentes Sk
Scbarao desde j promptido e aceio nos v*
banhos trios, momos ou medicinaes, a *^A
casa dos banhos se achara abena todos $S?
dias das 6 horas da manha as 11 da ^
noite <
Precos. M
Banho de choque....... 500
Dito fro ou momo..... 500
Dito de farello......... 1,8000
Dito medicinal sert se-
gundo sua quahdade.
Assi^natura.
Por mez banho fri ou momo. 105
25 carioes para banho fri,mor-
no ou de chuvisco..........10
12 carioes para os mesmos... 55
12 ditos para banho de farello. 105
mmmmmm
Gratificacao de
entista de Pernamuuco.
i
gg Bia eslreil do Rosario n. 3, n
ao pe da igrej
^FRANCISCO PINTO OZORIOg
H to!Iota dentes artiflciacs S
pelos syslcmas mal mo- g
8. demos
MEmprega tedos os meios scientficos para jg
conservar os naturaes. Pode ser procura- S
^1 do em seu gabinete das 9 horas da na- P
S nhaa as 5 da tarde.
imam mmmm mmmm
SOCIEDADE
Instituto Philosopbico.
De ordem do Sr. presidente convido aos senhe-
res socios comparecerem qulnta-feira 12 do cor-
rente, as 4 horas da larde, na saia das sessSes,
aliin de assislirem ao cncerramenlo dos trabalhos
desle anno, como j ficou determinado por slsso
anterior.
Secretaria doloslituto Philosophico 7 deoutobro
de 1865.
Frederico H. L. Tavora.
Io secretario.
m
Aluga-se urna casa muito fresca com
silio na estrada do Jacobina (Capunga No-
va,) tendo terracos e canteros para flores
em cada um dos lados da casa, dous portos
de ferro, banm-iro, cocheira, estribara, ga-
linbeiro e quarlos fora, assim com comino-
didades, bast mte fresca, lem cacimba com
^ soffrivel agua e o sitio todo murado : a
3R, tratar na rua do Pilar em Fora de Portas,
R primeiro sobrado a direita logo depois do
WS; arsenal de marnln, ou na rua da Cadeia
Velha (ecife) escriptorio no primelro an-
dar da casa n. 3 Para a casa ser vista pe-
los proteo lenles acharao as chaves no sitio
Ausentou.se da basa n. 59 da rna do Imperador A 5n D.ni;4la v'ipira Rihpim
(outr'ora Collegio) no sabbado 16 do corrente mez junto 00 br. Joao napliata vieira KiDewo.
de setembro de 1865, o escravo pardo denome Joa-1 f f viin3 a
quim, com os signaes seguintes : estatura regular, I A11 ullyUO
idade 18 a 20 annos, sem barba, ps largos, olhos R0ga-se aos devedores do fallecido Fortunato
grandes, cabello corrido, com urna cicatriz graude, Caloso de Gouveia que venham satisfazer seus
e bem visivel na testa, parte dos dentes da frente dbitos em casa do procurador judicial da herdei-
arruinados, e com falta de alguns dos lados, sahlo ra> Dr. Angelo Henriques da Silva, rua do Queima-
com calca de briro pardo e palelot curto de panno, d0 n. 24, para nao serem chamados a juizo, ou na
mas levou mais roopa branca e de cor, muilo roa da Linnoela n. 3.
astucioso, costoma intitular-se forro e andar cal-,
eado ; f >i escravo do Sr. Guilherme Frederico de I
Alug
ga-se
iim sobrado de um andar em frente ao hospital
Pedro II, a margem do rio Capibaribe, aonde os
banhos salgados sao mui recommendaveis e agr-
sitio om 8 cajueiro, 3 sapotizeiros, e muitas ou-
\r.\-i frucieiras, por 255 mensaes : a tratar no lar-
po dos Coelhos com o Sr. Antonio Carneiro da
Cunba.___________________________________
VondtTse um lastro de 22 1|2 ijnelladas de
earvao de pedra, para ferreiro : no armazem na
rua da Cruz n. 38.
O arrematante das dividas da massa fallida de
Amorim, Fragoso, Santos & C, e do espolio do
fallecido Custodio Luiz Gomes, previne aos sonho-
res devedores para que, no praso de 30 dias, te-
nham a bondade de virem salisfazer seus dbitos
no espado dos dia- cima, do contrario seus nomes
sero publicados : a tratar na rua do Arago nu-
mero 3._________________________
Vend se nina casa terrea no lugar dos Ar-
| rombado;, em Ouda, com sala indepeudenle, 4
quartos, cozinha fora, e amurada com lerreoo bas-
tante, e dous beccos, um de oada lado, pertencen-
do um dos beccos o terreno da cas* : quem pre-
tender dirija se ao referido legar para ver, cuja
chave est em mo do Sr. KiniJio Heuriques Ma
fra, e para tratar em Fra de Pjrtas, rua do Pilar
numero 137-
Souza Carvalho, genro do finado Sr. comniendador
Manoel Gon^alves da Silva : rogase a sua captura
a toda* as autoridades policiaes e a qualquer ca-
pllo de campo oa ontra pessoa particular que o
apprehender se gratificar com 50$, alm das des-
pezas de couduccao, entregando-o a seu senhor
Miguel Jos Alvcs, na casa cima, ou no seu es-
criptorio na rui ~ UVAS
chegadas pelo vapor Amazonas, em muito "bom
estado : na rua do Vigano n. 19, primeiro andar.
Vende-se
PARA ACABAR.
Vendem-se as procuradas caixas para tabaco
feilas no Aracaly a 400 e 500 rs.: na rua da Ca-
deia n. 7, loja.
Escravo para vender
Vende-se urn escravo moco e robusto, proprio
para qualquer servico, com especialidade para o
do campo : a tratar na rua do Queioiado n. 46,
loja de Guimares & Bastos.
Vende-se um escravo crioulo, de 28 aono's,
boai cozinheiro, copeiro e estribeiro : na praca do
commercio n. 2.
a taberna da rua do Nogneira n.
9 por seu dono nao poder continuar por falta de Vende-se por preco muito commodo urna
saude, muito boa casa" para negocio por estar bem pequea parte do engenho Conceicao, sito na co-
afreguezada e propria para quem tiver familia por i marca de Porto Calvo, provincia de Alagoas : a
ter bons commodos : quem a pretender dirija-se a I tratir na rua das Cruzes n. 41, I andar, das 10
mesma para se tratar. 1 boras da manhaa As 3 da urde.
0NA1
Compauhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISA.DA PELO REAL DECRETO UE ~1\ E DEZEMBRO DE 1859
ma Gane,: em tiiwlteir., depositado nos cofres do estado, garante a Ua i
minislracao DIBECCO GE.-.AL
Madrid : Rua do Prridon. 19
BANQE1R0S DA COMPANHIA
O Banco de Ilcspanha
Esta companhia lijia pelo systema rauuo todas as combinares de suptrvitecia dos sega-
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripeo de maneira que em nenhum caso WtM f91 ntiutia
gurado se perca o capital era os juroscorrespondentes a estes.
Sao lo suprehendentes os resultados que produzem ;.s sociedades da indoie de A NAOO
AL,que ainda mesmo dimlnuindo urna terca parle do interesse produzido em recentes I quina,
ces ecombnaado-o com a inortalidade da tabella de Oepareieux que e adoptada pela compaih
para seuscalculose liquidares, em segurados de idade de 3 al9 annos, urnaimporsicicannui.
de 100$ produz em elfeclivo metlico:
No i.iu de 5 aunos.......1:119300
de JO........3:94600
de lo........11:2083200
de 20........30:2565000
de 28 .......80:331,1000
Xas id.iies menores de :( trinos e inaiores de30, os productos sao mais considerareis.
Prospecl is e mais informales sero prestadas pelo sub-direclor nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oiiveira, ru da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.U.estabel
ment dos Srs. llaymundo,Carlos,Leitc & Irmao.
DE
J; VIGNES.
X. 55. RIJA DOinPERlUOR 9. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje ass* Mohecidos para que seja necessa.'io insistir sobre a
tna superioridade, vantu^ens e garantas que offerecem aos co:naradores, qualidades estas ioc nUrsta-
veis que elles tem defioitivamente eooqaisUdo sobre lodos os que tem ai parecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado e machinismo que obedecem tolas as vontades e caprichos das pianista, sem
aunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se fello uliimamenie meihoramentos importao-
tissimos para o ellnra deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
veis aos ouvidosdos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
orrespondente de J Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as etpisiciVs.
No mesmo estabelecimento s* achara sempre um esplendido e variado sortimento de mMbm dos
melhores autores da Kurojia, assim como harmnicos e panos harmnicos, sendo tadn vendido por
presos cnniraoiiose razoaveis.
ALCOHOLADO de GUACO
DE N.
O Alcoholado de Guaco de Pascal urna nova preparacSo da qual
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo infalivel do contagio vencrio (ver
folheto para o modo de o impregar).
2o Tem a vantagem de ser o remedio mais cerfo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulccracSes primitivas e secun-
darias, ec.
3o Empregado em injeccOes, o meihor tratamento dos corrimentos
recentes ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da leucorrhea as
mulheres.
4o Emfim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e fe-
riaos de m natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda a accao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaee de Paris, Lyon, Marcelha, ec., e recebeu a approvacao
dos distinctos doutores Ricord, BacHet, A. Richard, Calvo, Diday.
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Pars, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre.Casa de expedicao, PASCAL e C", 33, rua Monsieur-le-
Prince. Paris.
!
ASTHMA ASTHMA ASTHKA
SUFFOCgO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio cfficaz para comba tlir estas molestias, acalmar um a tuque d'asma e inpedir a
volia o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarello) do D' Danet. DeecoberU inieiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos idmi-aveis resal-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, rua do Comercio, Paris-Grenclle, e ea todas m
blicas de Franca e do estrangiro.
Deposito geral em l'ernambuco rua da Cruz o. 22 em casa de Caros de Barbosa.
mmmm mmmm mmm 0 fiel retrato da voluntaria
jff Companhia tidclidade de seguros g
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES BU PEHNAMBUCO
Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo & C,
competentemenle autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de.tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seo escriptorio rua da
Cruz n. I.
r j.'Mb-' \nvt3a <*-^?v'
da patria.
Saques.
Antonio Jos Rodrigues de Souza aia
do Crespo n. !>, saca para o Rio de Janei- ?aliftJ quarlos> COiinna fra> qnlltol e ca
ro a 3 das de vista. a tratar na rua Nova d. 3.
D. Mariana Amalia do Kego Brrelo natural da
cliade da Victoria : acba-se a venda na lithogra-
phia de F. H. Caris, rua 'Ja Cadeia do Recite n.
36 1." andar.
ivnde-se em todas as livrarias, na roa Ifnva
loja do Grande Bazar e no aterro da Boa Vista k ja
do Sr. Ilaj mundo Carlos Leile,
Notas do banco do Brasil e das caixas filiaes
dcscontam-se na travessa das Cruzes n. 8.
CASA
Aluga-se a casa n. 4 da roa do Principe,
i
-*._
'm.
*-
- aAi
,^


w

V
\ >
Diarlo de rernainbuco -- Quaria le ra u cOulnbro de iSfc.
PIULAS CATHARTICAS DE AYER.
Estas pilulas vegetaes sao a-
'daptadas a todos os usos de um
purgante Das familias, pois sao
perfeilamente innocentes, e em
qaanto milhares de pessoas con-
fessam com gratidSo que foram
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ba
'um so caso em que haja suspei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqui alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
AfTecfao cronica do ligado.
Illm. Sr-
Jiiiz de Fura, 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado ura resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-
fermidades do figado e baco, com o uso
das pilulas posso lhe assegurar que estou
bom, pola tenlo desapparecido um grande
engorg i lamento que soffria, muitas dores
sobre a regiao do figado e costas, dores de
cabega, inchaco do ventre, nao podendo
deitar-nie senao do lado direito, isso mei-
mo procurando posicao para ter socego, ho-
je me ado livre d'esse padecimento ; como
por aqui ainda as nao haja, eu como lenho
este proprio que de casa, lhe rogo man-
dar-me alguns videos, e o custo elle lhe sa-
Grande lojaearmazem do fljfln mmi
Ra da Imperatriz n. 60. i Gama & Si.va. L0,,elrM de "^"". C0IB Ci,S
peralriz n. 80. dt Gama &
Tendo os proprici.irios d'oiie estabelecimento de
liquidaren) urna grande poreao de suas fazendas;
at ao Oro do correte anuo, alim defecharem cori-
tas e apurar dinlu-iro, resolveram vender todas as
fazendas com graude abatinienio em pregos, lauto
em porc.fi) como a retalho, e por uso previnem a
todos os seus freguezes, e ao respeilavel publico, e
as pessoas que negociaiu em pequea escalla com
fazendas, que nesie eslalielecimento encontraro
um grande sorliraenio que uiuito Ibes bao de agra-
dar lauto em pregos como em qualidade ; assim
como mandam pelos seus caixeiros levar as fazeii-
das e amostras as casas das familias que nao po-
derem vir a luja, ou dao as amostras deixando li-
car penhor.
cascaveis
e sem clles.
Na ra do Queimado Ioja da Aguia Bran-
ca n. 8, vendem-se co I leiras de marroquim,
pospontaas e com cascaveis, ou sem el les
proprias para cSes e outros bichinhos.
Pennas ingieza&dcaco edouradas.
No novo sorlimento de pennas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, vieram
tambem outras de metal dourado e bicos
mu: bem acabados, e por essas boas e ne-
cessarias qualidados os seus acreditados fa-
bricantes l'erry & C, asrecommendam ais
laniuraias lisas a 3.v)00, Da Ioja do entendedores < apreciadores do bom, valen -
riaiQ jdo mesmo a differenca que ha no preco de
lecas de cambraia
Vendem-sc pegas de cambraia lisa branca e
transparentes, leudo oito e meia vara cada pega,
pelo barato pngo de :i5o00, ditas muito finas, por
45500, 55, G5 at 105, sendo lapadas e transpa-
rentes, assim como cortes de cambraia com lpi-
cos a 25300: isio s na Ioja e armazem do Pavo,
na ra da Imperairiz n. 60 d.- Gama \ Silva.
Bouba branca barata,
pechiucbas do Pavao.
Vendem-se linissimas ceroula? francezas de li-
tisfar, assim bem como do charope -de
cereja, que tive occasio de experimentar; I de'Gama&Siiva.
em um ataque de gucllas que teve urna Chales prelos a I00(0.
preta que com elle curei, faco uso tl'elles j s o Pavao.
t-as tosses em minha familia semprc em L Vendem-se chales pretos de renda1 multo gran-
._______i,j /.-. des de quatro ponas, pelo baratsimo preco de
bom rebultado, e por isso e que pego para, ,0 cad. am ,hlis ,,ranros de lre5 ,,onlas \ 6$.
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-, na ioja e armazem do Pavao, na ra da Impera-
Lulas pode montar a doze, porque tenho irit n. 60 de Gama & Silva. 1
Betoudes a 1-25000.
nho, a 25300 e 35, ditas de bramante de algodao, ment de franjas com borlas e sem ellas
a 15000, camisas francezas com peilos de liuho e para cortinados, todas de DOV08 e bonitos
punhos, a 2^300: isto so na Ioja e armazem do
Pavao, na ra da Imperatriz u. 60 de Gama &
S:lva.
Casimiras escuras,
na Ioja do Pavao.
Vendem-se superiores casimiras escuras, mes-
ciada e infestada,iom seis palmos de largura, pro-
pria para calcas, paleiol- e coletes^-elo barato
pre^-ii d.- 1560 o covadn, assim cofBcrtes da
mes'ma f.zeoda para caigas a 258Wfcms paiibal- r o nrprnx ra-
dinas muito ba Uzeada a [$600: m s na Ioja ca n\ aCn.am-se a *en,ua, por precos ra-
e armazem do Pavao, na ra da Imperatriz n. CO ZOaveiS, caixinbas CODO tabolas de madeira,
que itas diversas pinturas dellas se formam
Otiii'os objectos.
Vindos lamoem para a antiga Ioja de
miudezas ra do Queimado d. 16.
Sapatinhos deselim branco bordados pa-
ra baptisados.
Outros de merino tambem bordados e
igualmente bonitos. I
Meias de seda, correspondente no tama-
nlio dos sapainhos.
Outras mui linas de ho da Escossia e
brancas lustradas.
Lutos finas de to da Escossia brancas e
de cores. ,
Ditas de seda para snhONS.
Ligas de dita para senboras e meninas.
Peines de Urt.ruga mui fortes para des-
embaracar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com aculhas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Caixinhas com allinetes brancos e pretos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de Hubo proprias para ditos.
Caixas com liabas de novel los grande
para crochets.
Trancellim de bonacha preto, redondo.
Bonitas Dvclla grandes de aeo,
douradas, madreperola c tar-
desenhos, cuja commodidade do preco est taruga.
em rclacao a largura : acham-se ellas a ven- A loJa de miudezas ra do Queimac.n
daa ra do Queimado ioja da guiaBran- \> recebeu um bonito sortimetito do
ca n 8 nvellas grandes para cintos, sendo de ac.
Jogo da paciencia ou curioso eatrelcni- doradas, madreperla e tartaruga, asquaes
c ____. estao sendo vendida em dila Ioja por prc-
umas para outras, por que estas se tornara
mais duraveis na continuacao de escrever ;
assim poisquem dellas se quizer ntilisar
compra-las a dinheiro a vista : na ra do
Queimado Ioja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas e sem ellas para
cortinados,
A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
menlo.
Na ra do Queimado Ioja da Aguia Bran-
fcito uso d'ellas
gumas pessoas,
resultado
,mt e g v
para uso da familia
ia d i
son Mdooroieandeoda
De V. S. attensgPs.ar
Francisco FEtuEArmiAit
al-
e
ttltcumatisiiio c ataques lieniorrltoidaes.
Illm. Sn.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso cerlificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser riieumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos) e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco Olivia, e
acompanhado de urna dr no queixo, con-
sullei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; prnm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinlio das mes-
mas pilulas e por minha conta principie! a
toma-!as, e sem as flnalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrlioi-
i agradaveis vistas e paisagens, segundo os
1 desenhos que acompanham. Na verdade
esse um deleitavel en retenimento com o
ijual se despe ta a curiosidade, e apura a in-
teligencia. Os apreciadores dirijam-se
ra do Queimado, a dila Ioja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seao satisfeitos.
Dolidos enfeites para senhoras.
A Aguia Branca acaba de receberu-n no-
'vo e lindo sortimenlo de enteites os mais
modernos e gostosinteiramente agradaveis,
e como seu louvavel coslume os est ven-
Vindem-se ricos retondes de nnda prea, pelo
baraio proco de 125000: isto na Ioja e armazi-m
do Pavao, ua ra da Imperatriz d. O de Gama &
Silva.
Cortes de phantasia a 35OO.
Vendem se os mais lindos cortes d* pbanlasia
i com as mais lindas cures qce lem vin.io ao merca-,
I do, send fazenda transparente que serv(- ai para (dendn har lamente a quem com dmlieiro se
bailes, pelo barato preco de 35500, ditos broncos I dirigir ra do Queimado, Ioja da Aguia
fazenda muito tina a iuO;): isto na 1. ja e arma-1 fjranca n. 8
zem do l'avo, na ra da imperatriz n. CO de Ga-; u'; j is ,...,.,.,..
ma 4 silva. "cas de laa para senhoras.
Percales do pavao. Vendem-se na ra do Queimado, Ioja da
Vendem-se as mais finas percales com os mais; Aguia Branca n. 8.
lindos padroes, sendo das melhores ijne lem viudo Mida HlOSCl
aj mercado a 410 rs. u covado: isto s na luja e ^ 1
armazem do pavao, na ra da Imperatriz n. CO, de INa l0-!a a APld r Gama & >va. |0 papel com compoMcao para dar hm as
t aiubraias de forro.
Na Ioja do pavao.
1 moscas, sendo o modo de usar facillimo, e (
effeilo efficaz : molba-se o papel e deixa se
Veudem-se pecas de cambalas de forro muito ficr n'um prato, e nelle pousando as mos-
boas, pelo barato preco de 25 e 2-5300 a peca : cas, fenti isecem e morrem. Cusa cada fo-
isto s na Ioja e armazem do pavao, na ra da Im- |ha 4(J rjs n, ra j0 QuemadO, luja da
peralriz n. CO, de Gama & Silva. g
aS&. i'"' *^ en,rf lenimeol,
Vendem se superiores coslumes de casimira ja-j pat ribaldina, sendo caiga, pak-tot e colele, pelo barato A Aguia Branca na ra do Queimado n.
e porcelana donrada para almo?' e jan
I pelos baratos prego- de OJ, 7' e W : isto s na [a,, e imiUlS QUlrog jjrinquej^ Je madeirr.
: loja e armazem do pavao, na ra da Imp.ratiiz n. L ___
60, de Gama & Silva. iquese vendem baratamente: na ra u,
Queimad), loja da Aguia Branca n 8.
I Meias pretas de seda para senioras a
Amigo corlo, venerador e obligado,
brigadeiro
Joo BoDniciES Fi:u pe Cauvai.iio.
Gaslrite.
Ouro-Preto, 29 de marro de 1864. Vendem-se superiores caicas de casimira de dille-1
Atiesto que lendo feito uso, aconselhado' remes cures, sendo hienda maito fiua pelo i>ara-
dida| em dila loja por pro-
cos commodos ; ass m como boas e bonitas
fitas de gorgoro athamalotado, proprias pa-
ra ditas fi\ellas.
Oculos de penetra e de outras
qnalidades, para quem soffre
da vista.
A' loja de miudezas ra do Queimado
u. 16, tambem recebeu oculos de peneira
com vidros claros e ekcuros, para quera sof-
fre da vista, assim como ontros de armaco
de ac, sonidos em graos.
Coras e tercos de cornalina.
A antiga loja de
Queimado n. 1G, rec
miudezas a' ra do
beu mui bonitas co-
roas e tercos decjrcalia, os quaes estao
christaos que os qui-
loja : na ra do
a-disposicao dos bons
zerem comprar em tita
Queimado n. 16. 1
Esponjas Unas grandes e pe-
que as.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Diversos o'ijeetos.
A antiga loja de mijidezas ra do Quei-
mado n. 16, caba d receber muitos e di-
versos objectos que I )zem completar o seu
bello sortimento, sent o:
liquidadlo no armazem da
Arara.
O proprietario da loja e irmaz-m da Arara vai
lazer liquldagao de t. da- as az.udas, s para a
purar dlnneirua saber :
LeifM de cassas bruces com barras de cor.
Vende-se leng..s braacos com barras de cores a
ICO rs. cada um. dito e mais delicadas cores 2liu
rs.e brancos a 200 e i40rs. e dito? de Moho a 300 e
600 rs., de BSfDiu ;. 700 rs. um ienco : islo pa-
ra a (calar.
Bretanha ctifcsda.
Vende-se a mais lina bn-tanba oe linho e enes-
lada a 15 a vara, i-endo faZ'Qda que sempre .-e
vendiu a 1,5'itO a vara.
Liuii%ai a 210 rs. o turado.
Vende se 11 m grande riiti nto e Iazinhas a
20, i' 240 rs. o curado, >( para acabar : nu ar-
mazem da Arara, n. 80, M-ndes Guimares.
Gmhraias it teres.
Vende-re urna granule porgao de cambraias de
lores, da mais modernas i|ue lem viudo, ao mer-
cado, e se vende a 300, :i:0, 360 e iOO rs. o cova-
do, sendo fazeudas muito Snas, s na Arara,
(bitas francezas.
Vende-sf rhit> franga* a 260, sSO, 300 3i0
rs., perca'a.- a 360, t iOO rs. u covado, caitas para
coberiasa s40 r, dita ...';, "M 1- ,u cuvado, di-
las enramadas da mascada; a JO r.-. o envido is'.'
para liquidar.
Cimbris para forro.
Vendr cambraia para ;.:: a "2^ a peen, com
8 1|2 vaias.
Caiiiliiifs branca linas.
Vend-se camluaia brai ;. ,. .;. 35500, -iOO0
453110,05 eSS00 muita fina e lapada a
05, 6551.10 75 a pi-ca.
Laa/iiilias 'i-as.
Vende-se laa/inii;:- \,-..-. 1, ia bonitos pradrops
a 500 rs. dila. a 40o. 1 ijo 1-. o covado, s na lo-
ja loja uo Arara u. 50
Lxju'ic.
Vende-se esRuio d- linbo lin-'. a 15ROO a vara.
Ghambrrs para homen.
Vende-se Chambres ;. -n !i -n:--ts. a 'i5 e4j500
cada um, COiaiiiilius de linb; para hornera, que se
vend' a 560 cada un.
Chales de merino a 2-Mp.
Vende chales d-.- merino a -25 cada um, ditos li-
sos. 45, eslampados a 05 -- "5 Mendes Goima-
res.
Colchas.
Vend-se colchas de fusta a 55 dita? de damas-
co a 45, dita de chitas 25210, 25, cada urna, islo
na Arara n. 57.
Vendr- se urna mulata moca, d< M*4i !e ii
annns, punco m-'i- ou mea 1 '-i 1 i.r-.,.. .,
6 ii.iiipi i'piia para 1.15 1 m\ 1 sw
11.mo robusta, 1 jid* 11 |i.-. -,.- -
tratar ua mu da- Ft-'s r. 33.
Vende sh um.i canoa ptu|iiia ii<
arela nulijoiu, orna di!., d-r can ir:
com \0luDio Un It-po M'deilUS (nfli.lll-
riz em Samo Amaro.
.
;tar
! I-
Vende-se tuna rasa de Uipa na .:..
sueldo* .\U<;-.-.f. 11. lj; a iraiar na 1
de Liuaniu i'..u lid-, i'.ibciro.
Vende-se um moleqne emu II f4--
de. e aluga-.-e ouiin para criado, 1,.: r
11111I0 e.-peil.is : Bu Cairedui lii-|i u. IS
I ll.eMiia Casa alu;.a-M- DUtM .mi.-.v.-. i tK-
der na ra e saja ti' '
Vendcm'se 2 tsci.v... sendo ,n i.:..
enpommadeira e com mai; hshifMad >, ,:u..'-
uegrlnbas de uiades i i, 12. M e i4aim<
vo que co.-iuha bem odiario, I dito \,<.. .i,, 1,
ser vico mesmo para sitie, idade 40 utac \t
2C03 : na iravessa do i^rno n. I.
ovidades de apurado goS
A nova loja de: mijdez.i- na da !.n r-; : ,
pin i Ja de um complete -i.--.'iiii.nl-> de A
jrost-1 proprian. nte para enbura. os > ,
mtnci namos alguns do- u. i- praenrad uti
M-jaiii : ricos sintw iwr* -:;'. ira 1 I'." .
para into tena> ela.-' douradas a i''. .:."
dn.i- douradas chapa |jru ::5- ;;,."^c
buflo imibodo laruruga a 25-Vi.O e :
douradas < gust 1 propriamrnte mod n .-. :'. l
:i t 35500 c algomas para 1-5, assim *on >-\-.
ua mestru oja n* mui proeorailot brim
tal a 15500,2C500, 3i e3*VR)Ot diU: 1
::iitaud 1 perol-a 15, 153<0, 1:. .
.lita.- Clavadas com p< d : .-- a 11 i
.pos f'oit:mto as Ei'iias. sTln.raj i. ^
de dar nos a preferencia, 1 os .'i-
servir a conten tamo m j >;. s e bm .
para .-.-im colhi rmos maiui numero :' .
islo 11. luja de Manoe, Jua-iuii h a- 4 1;. 1
Impt-i. Ii7.
Carne -'So ert&o tis g...
Vende-se 4e muito boa ., ilidade : r...
Vigario n :'i. priim ira ;.!,.: *n 1 1
Algodiin Para saceos e roupa de escravos
da fabrica de Perno Velhn. e Je muito superior
qaalidade : vende-e r;c escriploriq fie Manuel lg.
Meto le Oliveira & Filhe, largo do Corpo Santo
numero 19.
F.las finas de sarj
ba at a mais larga, u)
veis cores.
dem tambem de s rja kvrada, de bonitos
da mais estreita que
das de vivas e agrada-
e novos desenhos
dem idem branca^
droes igualmente no\ os e bonitos.
dem de gorgurao
e muito encorpadas,
grandes.
I'1 de seda pretf
r^ .jruar vestidos,
lisas e lavradas, pa-
Calcas cpaletotsiic casimira
vende o pa\ao.
5 A Aguia Branca quer acabar com a por-
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer, ssnio preco de 7*. paletots saceos da ne>rua,| .
1 ,., ,__^p -P .i1 1 -. sendo obra muito bem feta pel baia;ium. prego. V'1" ue ILU,i: i" ,uls ue t,l-ua l'd1*1 scwiiumo,
liquei perfeilamente bom de urna gastnte de ,05000 : isto s na loja e armazem do pavao, e ;
(pie soliia e que pi ivava-me de andar aper- na ra da Imperairit u. OO, de Gama & Silv
lado, boje felizmente nada sinlo.
Al'Cl'STO Goi.l.ATINO DE MELLO.
Talla de apetite.
Ouro-Preto, -2 de fevereiro de 184.
Sendo eu aTectado do ligado ha muitos
annos, e ultimamente solfri falta de apetite, ;de Gama & Silva.
boje dou gragas a Deus por achar-me sao j Cortes |;rail-([nos.
e perfeito com o uso das pilulas catharticas: a lOjkXki, na loja do pavo.
apesar do muito matar pre-.o que Ihecus-
taram e o bom estado em que a inda estao,
Os Golletes do pava1). comtudo'est revolvida a vende-las a 5(0
Vende-se um grande sortimenio de rolletes de rjs 0 n3r> afim (le que ninguem mais calce
odas as <>aai|dades, como de ds-mira de cor di- {?s (, |f0 ra 0.
la pela, do velludo, de meuca-i.'oira. de bnm 1 ., ,. r r ,
branco e pardo, vendendo-se indo isto por um pro- veitarem a qiiadn e duigirem- e a ra do
go que mullo ihes bao de apiadar. isto s na loja Queimado, loja da Aguia Branca n. 8. Tam
e armazem do pavao, ua ra da Imperatriz n. 00, bem vender as brancas a 15 O par, e des-
tas o nico defeiio estaiem um pouco tri-
do Dr. A ver.
Antonio Dent Vieika.
Constipaciio, dores de cabega.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1864.
Atiesto que achando-me atacado de urna
forte constipado ijue trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabega, soffri borrivel-
Vtndem-se os mais ricos corles tiranadino?, fa-
zenda de niuu.i phaniasia que serve at para bai-
les por seren iian-paientes e. com palma de seda e
leeidos com a seda, pelo baralissim 1 prego de 105
cada um : isto ua loja e armazem do pava), ua
ra da Imperatriz n. (50, de Gama & Silva.
Percates cw* mofo.
\n loja do Pavo a 360 rs.
Vendem-se as rnais linas percales com lindissi-
gueiras,
Vende-se um sitio em BemGca a margem do
rio Capibaribe, co;u commodos para urna rande
familia, e com frocteiras : irata-se na ra Nova
n. 24, das 0 horas as 4 da tarde.
iHiizyi
de seda achamalotada,
para cinto de fivellas
e deoulras cores pa-
colletes, palitos, etc.
.aem de 13a iguahAente sorlidas em cores
e para os mesmos fir s.
dem de algodo trancas e diversas ou-
tras cores para vestidos de chita.
dem de borrachaj Brancas e pretas para
soutembarques. vestaos pretos, ele,
Novas e lindas guarnicoes para enfeilar
soutembarques, vestidos prelos, manteletes,
etc., obras do muitoigosto e modernissima.
Tranca de seda com vidrilhos, moldes no-
vos e mui bonitos.
dem idem de coi
moldes e agradaveis
Ut canta e
quemandom
esta
es tambem de bonitos
cores.
Dotos para os mismos fins, sendo pre-
tos de seda matares |e menores, enfeitados
com vidrilhos e pendentes e outros de di-
tersas cores.
dem pretos de veljludo tambem de sorli-
dos lamanhos.
Lonctos de dous vidros i com aro de age, bfalo
e tartaruga.
A loja de miudezas], ra do Queimado
Rival sem segundo
de fazendas baratas de Santos]^ {\Q (Queimado n^. 49 e55, loja de
mente por espago de qualro dias; ento'. (liasc0res para Teslidos de scnbora| lendoum!
um amigo aconselllOU-me que tomaSSC pi- pequeo loque de mofo que larga logo se lave ei
lulas catharticas do Dr. Aver : com ellas fi- liquida-se pelo baratissimo preco de 360 rs. o co-
quei sao e complelamenle reslabelecido em vad: jstosn 'oja do Pavao ra da Imperatriz1
tres das, de sorie que estou no firme pro-
posito de aconselhar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forem aneciadas de
consti pagues.
Pavo.
Agostiniio Jos i>a Silva, negociante de fa- Perior para lenges, toalbis e seroulas 640 e
zendas 7^*rs-a vara ist0 na ''a cto Pav* na rua a
Imperatriz n. 60, de Gama 4c Silva.
Meias para meninas a 2,500
Vendem-se meias para meninas de todos os la-
manhos a 25500 rs. a duzia, ditas de seda prela
para senhoras a 800 rs. o par, dius inglezas para
hinem a 5J a duzla, islo na loja do Pavao na rua
da Imperaniz n. 60, de Gama & Silva.
As caiuisiuhas do Pavao.
n. 60, de Gama & Silv
0 bramante do
Vende-se superior bramante de linho do melhor .
que vidoPao mercado com 10 .palmle iar- ^sV^^ ttsStf Sm^SS
CocLlio, rua do Queimado n.
l), vende se o seguinte:
Lenges de panno de linho a 2,6200.
Unos de. bramante de linho de um s panno pelo
baratissimo prego de 35200.
obertas de chita da India a 25400.
Pegas de cambraia de salpicas branca e de cor
gura a 25600 a vara, panno de
lnitaco do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1861.
Atiesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muilo tempo excessiva irritaco
de estomago, pouco apetite e diflicil diges-
tao, d'ella tenho experimentado sensiveisj
mclhoras depois que tenho feito uso das pi-1
lulas catharticas do r Ayer.
Antonio Hebmocenes Peueiha Rosa.
iropria para cortinado a 115-
Bales de arcos a 35, 35^00 e 45.
Lengos de cambraia brancos pequeos, a duzia
25000.
Diros ditos de dita finos, a duzia 2$600.
liramanle de linho fino com 10 palmos de largu-
ra, pelo baratissimo prego de 5400 a vara.
Aioalhado de linho a vara 25800.
Dilo de algodao 25.
Algodao eufesiado com 7 l|2 palmos de largura
a 15200 a vara.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas propria
a 355(0.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
dascom manguilos, para senhoras sende.as mais P Fj|' ,. m
modernas que lem viudo ao mercado a 45&00, di-, ., c-,\mcn. a i
i tas com manguitos, para acabar, a 15 ; ditas pre- "" m- Wg" **- ,.m m g.
I tas com manguilos para lulo a 15800 rs., mangui- f^^\^X^m!^i
\ ios e go.ba* preU. a !5, *~J****! Kt. 'res'a Sso l '
cambraia branca bordada a O rs., calciohas para ^^ ^ a|gdaOTnho de |ln(ls g0,toSi com 1S
covados, pelo baratissimo preco de 55.
Algodo trangado da Itahia : no armazem de
A. V. da Silva Barroca, rua da Cadeia n. 4.
n. 1G, recebeu um bello sortimento de lo-
netos e oculos de vidros com armaco fina de
afo, bfalo e tartaruga, e os esi vendendo
CAMAS DE FERRO
Grande sorlimento de camas proprias para col*
lego* e tambera para quera quizer passar a festa :
vende-se ua rua Nova n. 33.
l.ombrigas.
Ouro-Preto, 28 demarco de 1864.
AS pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-, menina a 640 rs., romeiras de tilo e cambraia
ram empregadas com grande vantagem por 35S ^JfffHJ^, 4 Pava"> rua: Mad^oo S07la7o"al,Ue oTs TegT
mim em urna menina de dez annos que k!2 h oeuama,. *r9 Bsioin da india oe 4,5 e 6 palmos de largura,
^nlTria rta vprniP inlp>linaps nolandn-sp .. -,-,-*-,"s oraneas aa loja ao ravao propria para torro do sala, por menos preco do que
sonra ue vermes iniesunaes, tioianaose, vande-ae om frauda sortimento de Badapoloes, eoTontia aoaluaer owie
(jue os symptomas que enlao apreser.tava abitas, algodaosiaaoa das melhores marcas, ga- NP,ste armazem tambem se encorara um grande
eram de molestia bastante perigosa. rantindo-se vender mais barato do que em ouira sorIrat.nl.0 0t roupa fejta e por niedida.
Raymundo Nonato DE S. Tiiiago, pharma- qualjupr parle, sendo a dinheiro a vista, na loja do
..... r Pavao. rua da Imperatriz n. 60, de Gama Si'va.
Nerraigia. Lanziuhas da Escossia
Urna carta do Illm. Sr. Francisco A Iva- a 350 rs. 0 covado.
renga de Azevedo. Vendem-se as raals bdnitts ianzinlias da Escos-
------- sia, sendo a fazenda mais moderna que lem vindo ^\l^^,^^i^MWflt-idftnlflfl drU Frttr.^'J
Ha maiS de sete aonOS que SOffria dores aoraercado este auno, por sern, a" imitaeio das fa^^ \l^t
__. .,; ;/: sedas escossezas, com as mais Iradas cure*, pelo laiu-M, .1 esta n>jd ua rud uu yueiuiduu u. 10, ,""';* "c
no hombro e as costas, tomei urna mfini- ,iaraIiC5lin0 preco de 360 r5 0 covado na ,0ja e
dade de remedios sem achar alivio algum. armazem do Pavo, rua da Imperatriz u. 00, de
Dr, angustia, tormento sao palavras for- Gama & Silva.
tes, porm nao exprimem o que tenho sof- Souiliemuarques de cor.
fririn nltmnm.mn Inmpi a riilnh ei- Vcndem-s soulbembarques de cor multo bem
indo, ultimamenu lomei as pi lulas ca- enfeitados a 55, 65 e 7500O para acabar: na loja
tharticas do Dr. Ayer. S faz OltO das, e es- armazem do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
tou completamente restablecido ; ba tres, Gama & silva.
dias que nao sinto a mais leve dr no hom- Organdy modernissimo.
bro nem as COStas Chegaram os mais modernos organdys com os
Eslas pilulas acham-se venda as prin- mais m"'Krn0i pad,5es' sendo quapi ,odos "slra-
cipaes boticas e drogsrias do imperio, e no
Rio de Janeiro, rua Diroila n. i8
Vende-se na rua Direita ns. 12 e 76 e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na
PHARMACIE FRANCAiSE
DP.MAURER&C'f
RUA NOVA W.m
dos, como se usara agdra, com as mais lindas cures
8 tixas; vendendo-se pelo barato prego de 900 rs.'
a vara : na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas a 210 e 280 rs.
Vendem se superiores chitas escuras a 240, 280,
320 e 400 rs. o covado, sendo todas de cores xa.- ;
ditas inRlezas, muito boa fazenda a 2u0 rs. o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, rua da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Chales de merino a 25000.
Vendem-se os mais modernos chales de merino
estampados a 25000 cada um, havendo tambera um
VILLAR
Com loja a rua do Crespo 11. 17.
Recebeu de Pars sedas em corles mui-
lo superiores e bellsimos padioes, a
chales de renda prelos para 105.
Esle importante estab-lecimeoto torna-
se recommendavel ao bello sexo pela va-
liedade de fazeudas superiores e bellos
postos
(Moteja o bello srxo ao Villar
e verao todos a prosperidad?.
II
grande sortimento dos mesmos matizados que se
vendem a 65, 75 e 85000 : na loja e armazem do cado : vend se no armazein de Barros
Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva, iravessa da Madre de Dos 0. 57.
GAZ, GAZ, GAZ.
Gaz em latas, o melhor que lem vindo ao mer-
4 Silva,
miudezas de tres .portas, cslquei-
iti;isilo tildo Iioid ebarat, quem qui-
zer ver e admirarvenham aloja do
Bigoiliulio.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
Grozas de bo'.oes de looga prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de penna de ago fazenda boa a 40 rs.
Pegas de Iranga de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Estovas Onissimas para limpar denles a 240 e
320 rs.
Pegas de Gla de eos estreitas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinlelros de barro, cora superior tinta a 100 rs.
Pegas de cordo para vertidos, fazenda boa a
20 rs.
Bar.ntios muito finos para voltarete a 200 e
240 rs.
Laias com superior banha a 200 rs.
Frascos de macag perula muito fino a 200 rs.
Frascos e garraQnhas corri agua de Colonia a
IOO rs.
Frascos grandes com seperior agua dp Colonia a
640 rs.
Caias cora 12 frascos de cheiros muito finos a
1500.
Sahooetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Duzia de salionetes pequeos cora chairo a 700 rs.
Agua dentfice superior qaalidade a 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
15200.
Frascos cora essencias para tirar noduas de roupa
aOO rs.
Fraseos com cheiros de todos os preces a 160, 200,
240 e 320.
uitos com cheiros finos a 500 rs.
meias muito tinas para senhora a
45800.
Gollinhas muilo finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Pegas de fita de la para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para meuinos a 160 rs.
Buneco? de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonil?s estampas para rap a 100 rs.
Capachos comnridos, boa fazenda a 500 rs.
Grnsas de bnioes pequeos pretos para caiga a
100 rs.
varas de cordo de espariilho a 20 rs.
Novellos francezes com 20 jardas a 40 rs.
Pegas de tiras, bordadas a 640.
Duzias de meias cruas muo fortes e superiores a
31900.
Hom o haratissifco.
Httr. co Crespo i>. .
Collares.
Collares anodinos elfdro magnticas Brier para
as criangas nao morrerem oe convalides pelo ba-
rato prego de45-
ovidades.
Biquissimas pulseiras ou braceletes para senho-
ra e para meninas a 15. -- e 32, assim como lin-
das volias para pescoco a 35-
Enfeites.
Biquissinif.s enfeites pata cabega cousa de mui-
to gto a 155C0, 25, 35, 45, 55, 65 e 75-
Fivelas.
Riqusimas Uvelas de madreperola e de tarta-
ruga, arsim como prcias.
Cruzes.
Biiiu raimas cruzes deursda? porm o melhor
gosto que se pude desejar.
Cascamlhaf.
Bonita* casrarrbas com biquinhos de seda e
aljfar cousa Inleiramen'e nova para enfeites de
vestidos.
liinoculos.
Bonito sortimento de binculos com superiores
vidros para os amantes do ; 'airo.
Assim ct-mo uns pequininos
que serve para enfeite 1.'- re gw mais com exce!-
lente vidro.
Seslinhas.
Biquissimas cesiinhas com preparos para me-
ninas de escuta trazer m braco, assim como de
vidro enfeitadas proprias para minio.
Pentes.
Ripnissimos pentes de borracha com aro bran-
co de metal para menina segurar o cabello pelo
barato prego de 500 rs., o duzia 55, assim como
grande sortimento de todas as qnalidades para de-
sembargar.
Escovas.
Grajide sorlimento de escovas oar?. roupa e pa-
ra cabello, para unhas e para denles.
Lmelas e oca los,
Finissimos lunetos de um e duus excellentes vi-
dros e aro de Lualo e de tartaruga, assim como
oculos com rame dos lados proprio para quera
solfre dos oculos.
Touqtiinhas.
Biquissimas touquiuhas de fil de liuho,| de se-
da e de laa para criangas.
Para o cabelle.
A superior agua para aiiingu os cabellos, as
barbas raneas e fazer conserva-Ios, os frasco>
acompanha om rotulo que t-nsina a formal como
se deve applicar.
I Para caspa.
Superior banha sem goidura com um frasco
com agua propria para limpar cabega, os frascos
acompanha um folbeto que ensina o modo como
se deve appbrar, assim como agua balsmica,
opiata e poz para limpar denles.
Banhas.
Grande sorlimento de banhas em copos, em la-
tas de tulla e em frascas dr ledos es iap>anhospor
pregos menos do qtieem ontra gane, assim como
muitos outros cbjeciosque nao se pode mencionar
por hoje : s no gallo vigilante roa do Crespo nu-
mero 7.
Vende-se na rua d.i Cadeia de Bei..
coiuraodo prego.
.-
II(ni-v HrWi k i.
na rua do Imperad, r n '!, cu a>; 1.1 -
u. -'!, h ni 1 ;.ra vender e segu.
Panuha de Irigo da; melhores marra?
no meicadu.
Maeiiiua- mericanas dr SO. 40,10, 60
r;> para de-caN..i-ar iijiodi .
Motores para o servieo ;.< raaebina-
qualquor trabalho imdt ule ;, 1
Prer.sas ara ensac; i .. i ao.
1!. 1 americanas para cabrio o.
Gaz de piimeira rjualidaoe oilimaiteul
|c! .1 navio Jaln<.i!a <.



l etmetH Sf
machinas americana? d;; ton le p?ra d
algodo : na rua da Senzala ova n. 4:.
Bibliotlieca lnsini
hisloiica, critica e chrooolcglra,
a noiieta dos aotori's poi lunoezri eti.i-
comiozeram, desde 1 icr ; ida proa
da g<;iga al n tempo ioe..i nle, por -.
BOSA MA'HADO, 1741, i gr li. ;. i bra varissin.a. ruja edigo ba mui!
ezgotada. indispensave] a ledo u t.
do 011 de proflsslo scientifica, de qi
pan... 1 ?s letras nacionaes ni 1 podi m*i r.i >.
ser i moradas: vende-se na livraiia u
gnetra de Souza n'i ario il< Santo Anli-i
TTlBt1(|j
Vinde ci'arrr7'- n r- r.yreg m ;
dido em alqai irp ;i ven '; :e d rw 'i 1 '
uo liapiche do Cuaba : para tratar ba r..
gario n. i'J.
As melhores iiilns fiancejas :< -
escoras e Jix;>s a 9eM rs o
l!'
Na rua do Qoeim id ; vend l-
celas escurase fina-- J8t! o covado.
Viftin do !'!: '.;. .
tem para vender Act-mio Lai: deOinvr*.
io C., no seu escriptorio roa Cruz a.
Vo^idaV.
Chegaram os booitos cha le *: ; ; -
re brancos, e vrodi nt-se n.. rua >!.i n
32, Kja da p-11 laiga, de Parec spcrie.
CAMBRAIA.
C-i. braia de for. rom S 1,2 vara i pe;,
esl-se arahando : r,-. Inja d 1 rts targ;. d "
Irnpciaiiiz 11. 52, de Paredes P rto.

'
Laas para vestidos a 240
rs. o covado!!
Na rua do Queimado n. I vendem-se so|
las para vestidos a 240 rs. c eovadu : ei
tes que se acabem. _________________
de Lisboa o mais superior qne ba ':..'
o sacco : ca rua larga do Rosario u 30, ibtca
da esquina, dofroatc daigreja.______
tolla da Baha supeii^r
Tem para vender Antonio Luiz de Az* e I \
C, no seu escriptono rua da Cruz n. i.
Algodao da Bal i
Na loja de Andrade & Rege, rua & Csaana o. ,
esquina da rua do Imperador, vendem si.pefior
algodo da Baha por menos prego do jue rr -i-
tra qualquer parte.
Vndese < sobrado r. t sito na roa 0\ S
Pedro Mailjr em Oiinda>e latee w i^r I
terreno onde se acba edifiearia pvaaV ai
cidade du ltio Formoso, o ajanl terreno ; *-i-auv
da matriz al Irapicnr: a iralar na rea '* m~<
u. 37._______________________________
0 castelio de Gnifcyil)*.
Traduzido do franoei por I. J. f. 4? Ca:
Vende-se este bello roacM :tu >--
tomos pflo harat'rMimn pri > :;t- ^ v '
ua pra?a da [nderenderi-ia. Irra
6 e8.
Vende se urna parte e um predio no sitio dos
Arcos, perla da igreja dos Remedios, o qual pro-
prio para oiaria por ter excediente bar;o, e as tr-
ras quasi todas proprias : a tratar com Joaquim
Jos Gongalves Beltrao, raa do Vigario n. 17, es-
cripiorio.__________________________________
Ch-irutos da Baha
a 15 a ctixa ; ua rua da Moeda n. 43.
BERTHE
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas as irritafSet
do peito.
AVISO
Falsilicaco.es reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Uassa de Berth,
nos obrig$o a recordar que eases productos
lo justamente
nomeados nSo se
entregSo senSo em
bocetas c em fras-
cos com a assigna-
tura aqui indicada. **I
451, OM Saint-Honor, HA PHARMACU DO
k luvkb, e em todas as pharmaciaa. .
Venaem-se no Reci'e em casa de Caor d
Barboza e Joio da C. Bravo A C._________
Vendem-se quatro barras mulo mansas, boa;
de carga e de seda, por prego rotOffiOdo : a tratar
no hotel de Franga.
TERRENOS A" VENDA.
Vende-se um terreno pr pi;-> psr edi:
collocado no centro da cidade, com 68 pa'r -
frente e 218 de fundo, tendo tres Ireni-s. -ra-
ma da Palma, da Pai e o> Coacopaai: pan i
magoes, na rua do ^ol n. :(7.
Luvas de Jouvin.
A Ioja tle miudezas na RM d Q
do n. IG. resebeu-as por esle uiiia.o y
Farinia de niauiiittcr..
Tem pan vender Ant >ph Loii l ::vir.
vedo & C. no sru escriptono rua da Cruz a.
Vende-se urna'burra de ferro gnml*
melhor qualidade que ba, garantida ur< va ri-iui i
fugo e fraude, e que ser ig :al o;: aMnaf
qner burra que exisla nesla proriaea : at-
no esrript irio rua do Trapichen. 40. grinn
Vende se o deposito virtnde de um d s socio- lar u> iaaW'P>n
imperio, a pedido de um irmo : a f-iur a > r
mo ou as cinco Ponas.
Vendem-se cinco lerrem.. cuniicno* a !
da l'nio e Saudade, e o sobrado da rua da I '
io. 47, com buiu rendimento annnal : i mar -
I sea proprietario no Campo Verde n. 18 C.
Vende-se fumo de Garanhuns ramio r
' la : no paleo do Terco n. 21 a ra naja
;compram-se diarios para n;.i..:::',. P.
Vendem-se 30 libras Merlia s ^ 9&f
quem n'm der asta prego rara i
tratar na rua do aondego, ola: n 13, *a>
ras ao meio dia._______________
i Vende-se urna cscrava cr>rula, 1
annss, que sabe engomma^. :'.. ?v t ati
rua do Queimado ij^.' vo!m :"
C. Ioja de miudezas.
/
! I
^
mm.
I



Diario de Pcrnambuco marta letra lf de Ontubro de .
A loja de fazendas de Augusto Frederico dos Santos Porto, acaba de receber nm mni-
to grande e novo sorlimento de cortinados bordados para cama de noivos a 36$, 405, 455,
505000,605000 e 705000.
Lidas mantas para gravata, de variadas cores, a 15500 e 25-
lachinez de la de diversas e bonitas cores a 35500 e 45
Chales de guip, fazenda a mais moderna, a 165, 203,225 e 2o.
Rolondes de guip, lambem os mais modernos a 26$.
Colchas de sJa de cor para cama de noivos a BBJi e 60$.
Alcatifa de linbo para salas, lazeuda larga, bonita e de mulla duracao, a 600 ris o
covado.
Tapetes grandes e pequeos, com ricos desenhos, para sof.
Saias bordadas para senhoras a 7 i. >. 95 e lui.
Cipas e soulembarques de seda preta para senhoras.
oueis, chapeos e chapellinas para senhoras, dos gostos mais modernos.
Chapeos elegantes para senhoras, a 125-
P. tabas de nissima bretanha de llnho a 75500.
Laziuhas de quadros a 320 rs, o covado, setim de Paris a 700 rs. o covado, e cam-
braias francezas de cores a 500 e 700 rs. a vara.
Casimiras de quadros, moire untique pretos o de cores, pannos e casemiras pretas,
crosdeoorole preto e decores, esguioe?, silc>ias e cambraias ee linho, sortimenlo, de diver-
- is Cateadas |iara luto, chapeos de seda para homens a 95 e 105, chapeos de sol de seda,
linios manguitos bordados, e outras nimias fazendas que se vendem por precos razoaveis,
inclusive
&&
Esteiras da India para forrar salas

DAS COfcLlJifBtf AS.
No ultimo vapor vindo da Europa
# Superiores cortes de seda de cores o que tem vindo a Pcrnambuco de melaor gosto
emseda.
Assim como mais algnmas fazendas de bom gosto para vestido.
KA DO CRESPO X. 13
LOJA DE
Antonio Correia de Vasconcellos e C.
puim^0
DUA11TE ALMEIDAv
<
5
o
o

CORTES HE SE.
Chegarara pelo paquete inglez riquissimos cortes de raoreantique da cores, e seda lavrada pa-
droes uleirameote novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RA D9 CRESPO-5
Gregorio Pae? do Aniaral *fc Companhia.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete francez ricas laas
granadinas cora fljresde seda a 400 e 500 rs. o
covado, eslao acabau Jo-se, cambraia preta para
luto. Porta larga unto a padaria franceza, a ra
da Imperalriz n. o.
Paredes Porto
Vende um completo sorlimento de fazendas
brancas, como sejam madaf olo a 45500, 55, 65 e
10-5, pechas de algodao por barato preco, chita fran-
ceza a 210, 280. 320. 360 rs." o covado, precalias
milito fina* a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
'-.' -!> estabelec.imento encontrar o respeitavel a 200 e 240 rs. o covado. Ra di Imperatriz n.
publico um variad.) sortimenlo de fazendas france- si, junto a padaria franceza.
i: glezas, suissas e allemaes, que se venderao Paredes PoitO
r ;reco commodo. Vende gangas de cor propria para roupa de me-
Pa:cues Porto nios a 320 rs. o covado, risr.aio francez fino a
Vende chales de renda de cores que se vende- 320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 52, junto
r..:: a 185 est vendendo por (5, ditos pretos, fa- a padaria franceza, porta larga,
ti 1 nova, 55,65, 85 a 205, um sortimenlo com- Paredes Porto
o- manteletes, eap,^ e soutambanjues 145 a rt-.Cebeu pe!o uItim, pa,mete esparlilhos a pre-
2 .:., Ra l.nperairi/. n 42, junto a padaria fran- u por ^ s;io bonS) |,,nP0S da seda para se.
ceza, arinazem da porta larga. uhora e homem a 1?, ricos cortes de cambraia
larcdes Perlo bordados de 183 a 75, por t-r um toque de mofo,
Receben nm completo sorlimento de liiasinhas a eslao se acabanio, ua ra da Imperalriz n.52, jun-
4'.', e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de to a padaria franceza.
c> a 240 rs. o covado, rispado esrossez para ron- -,"ir------------------------------I
nenin., rusti De linho a 420,4i0 e 500 rs. COlares Royer ou colares ano-
li" da Imperalriz n. 52 Jaut) a padaria franceza,' dloos
armazem da porta larga. para facilitar a dentiga) dis crianzas e preserva
k
ENCICLOPDICA
3 2 Rh; da Imperatriz armazem
da porta Sarga 58.
Suato a padaria t'radccza de
Paredes Porto.
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de precos,
tanto deste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Carino- n. 79, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazem setente ao respeitavel publico, e cora especialidade aos senhores de en-
genhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeled-
meutos em um s annuncio, pelo qual o prego de um ser de todos, promette-
mos que uo iafri agiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os geueros
por um prego, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
ainda raesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serio tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senSo arrepender pessoa
alguma que flzer sua despenda em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento ua sua despeza diaria.
Paredes Pono

las das convuls5es.
Recebeu para cortinados para cama franceza a O feliz resultado obtido immen=as mes pela
i !5 .11. : cambraia lisa fina a 35 45 al 105 a prodigiosa torca magntica dos colares Royer, nos
! ror9: e tarlalana de bonitos gostos a 3J15O0
t 13, cambraia com flor de s.la, gostos ioteira-
1 ovos a 00 e 500 rs. o covado, ni) armazem
d 11 orla larga u. 52, ra ;h Imperalriz junto a pa-
dai ia franceza.
Paredes Porto
Recebeu pelo nllimo paquete um sorlimento de
priues com pedraspara o pesclo, bjnllos caxioels
de laa para pescoeo de ffenhora. Ra da Imperalriz
n Si, armazem da porta larga.
Prele Porto
ende corles d.' gorgorSo preto para vestido com
casos de convuisoes, e denticao das crianzas, tem
altamente elevado o scu bem merecio prestigio,
e hojd j i se p le dizer fjue estilo geralmentc con-
ceiiuados, e estinados de innumeraveis pas de
familias : de uns pormie do uso dssses salutares
colares viram sa1 vos do perigo seos charos filhi-
nho-, e de outrns porque colheram d.iquelles tao
pruflcuo exemplo para igual mente preservar os
seus. Assim, pols, a agola branca, lendo em vis-
tas a utilidad* e iroveil desses prodigiosos cola-
res anodinos ou R-jyer, mandju vir o novo sorti-
menlo que agora recebeu, e continuar a recbe-
los para que em lempo algum a falla dellea possa
21 covad>s cada um U'jJOOO. arsdenaple preto a ser funesta ao-pas de familia, os quaes ficarao
>. I5R00 e 25 o covado, laas lizas linas a 400 certos de os achar constantemente na ra do Quei
1.....ova ''. laas de quadrinho para vestido, enfes- mado, lija d'aguia branca n. 8.
id: a 330 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 5'2. niri niri nin
armazem da porta larga. (lAZi U AL IJAL
Paredes Porio Vende-se gaz da melhor qualidade a
Tem para vender por preco commodo, pe^as de !S.i5alata: nos armazensda ruado llih
spnio de liobo com 10 varas a 75, 85, jianno de pp,rarinr n.i fi i>. ma do Trapiche Nfvon.8.
lint ) para leoges a 60 e 701) rs. a vara, bramau-
te de linho de 4 larguras a 25200 e 25500 a vara.
Paredes Porto
Vende cortes de cambraia bordadas de ricos
costos a 105 e 125, ricos vestuarios para menina
e menino, ricos cortes de cambraia Mara Pia a
105 e 205, tarlatana branca e de cor a 640 e 720
rs. 1 vara. Ra da fanperairix armazem da porta
larga n. 52.
Roupa frita
Roa da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
: 1 ii!in a padaria franceza, encuntrase neste es-
libelecimento um completo sorlimento de palets-
-ac.ns c sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
c;is, colletes, eeroolas, camisas, grvalas, metas,

cha

Vende-se riscadinho francez a 200 rs. o covado,
por ler grande quantidade, esta-se acabando : na
ra da Imperatriz n. 52, loja da porta larga, de
Paredes Porto. .
LOJA DO BEIJA FLOR
Na m do Queimado n. 63.
Tem recebido um sorlimento de cruzes que se
chpjs de sol ditos franceses para cabeca, por esto usando, de diversos gostos ; s quem tem
precos commodos, roupa para menino e outras 0 hcija-flor.
nmilis fazendas por precos commodos, armazem
lia p>irta lar;a.
o ini'sinn etabelecimenlo encontrar o respni-
i iv.-i publico, sempre um completo sorlimento de
i U(ias fritas de todas as qualidades, como sejam
pal lo- de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
>- n (5 e '>5. ditos de brira par Jo a 25800, 35 e
I, iios lino- a 45, ditos meias cazemira a
Tendo recebido variados sortimentos de voltas
de aljofares de di i-ersas cures-, enfeites para se-
nhora de diversos gostos, e mais barato do que
em qualquer outra parte.
Facas e garfoj.
Vende-se faccas e garfas de cabos de baknco de
um hoiSo a 55200 a duzla, ditas de dous botes a
i. 45 e 55, ditos cazemira saceos a 65, 75, 85 ^ul,,ipar! ^f a 5,0- d",as de cabo ff*
- i .:. ditos sobrecasacos a 10 e 125, ditos de pan- l!r> dltas de cabo braaco' e cravado a
ti; saceos a 65, 85 e 105, ditos sobrecasacos a 125 'i*JU- .,..*____, .. .
e 2S5, dil is de merino preto a 65, 75 e 105, cal- Tem cebido variados sortimenlo* de balaios
,- de bnm de diversas qualidades a 15800 45, n".a ,m''ninoside "ota, de forma de pemnhos,
dn brancos a 25500 e C500, ditos cazemira 55 KS e R? \ que S Com a
d e 7& ditos pretos a 55, 65, 85 e 105, ditos v,f,*.be she poto-apreciar, e lambem serve para
cazeroiras a 35 e 45 Siete* de diversas o le.lao do bospiuf portuguez : laas para botar de
latas erratas (ranc. zas de algodao, ditas de d*rsM 2res a ,& a l,,,ra : s no beija-flor.
ditasd bramante a 25 ? 25500, carnizas de feseovas para ronpa.
:.. de lir.lm francezas de 25500 e 35. Gran- Vende-sc escovas para roupa mu 10 linas com
1 ; --lincha ueste genero, grvalas de todas as difireme gustos.a 640 e 15, ditas pera dentes a
q lalidades e braucas para casamento, grande sor- '^. 240, 320 e 500 rs.
lmenlo de meias para senhoras, dilas para homens Papel e envelopes.
a .'J;1, superiores a 35500 e 45. Vende-se paulado papel e catatabas a 680 rs
fj:n comideto sorlimento de cheos de sol de dito de cor a 700 rs., e enmvelopes a640rs. a cai
i i 01 a :!5, ditos de seda a 55, 75, 1P5 e 145, xinha.
d:i s fraccezes para cab 3, grande sortimenlo
a 65.
Fecliincha aJiuiavel.
Sola.
Vende-se 450 meios de sola de boa qualidade :
Grande sorlimento de chamares a 4JG0O e 53, lratar na rua do Queimado 0. 53, lojo de ferra-
le ices de cambraia para homem a 25 a duzia, di- ^21___________________________________
los de inho a 45 e o5. Vende-se um carro (victoria) novo e elecan-
Grande sorlimento de roupa para meninos e ou- ,e cora os arreios competentes do metal principe :
tras muitas cualidades noe sena eofadonho m n- na-pon!e Velha n. 8, (wr preco commodo.
c; in-las. I --------------------------------------------------
Fazeoilis u em M,v'flM pequeas.
Vende se superior'marin r're."o proprio para e ^ra velas de lodos os tamannos-
pa- de seuliora e vestidos a 25. lustrim da China 2'.in
a 15^00 o covado. Rua da Imperatriz, pona larga. Mflfcu'10*
Paredes Port). ^a rua do N,?*T'n n- W, primeiro andar.
Vende em seu i.-stabelrcimenlo tiras e eniremeios > Vende-se um bomsiticTa encruzilhada de
bordados, grnde sortimenlo de corplohos rica- Relem, com grande casa e muitas fructeirase com
mente bordados a 33, 45 o 55- S o Paredes Por- j oaixa de capim, o qual sempre est alunado e
to, rua da loi: 'ratri.- no 52; porta larga junto a :ende-se por prego commoao : na rua do Rangel
p iria franceza. I 7, s?gundo andar.
iHA:TJEIG4
Manteiga i gleza perfeitamente flor ebe-
gada ltimamente de l.oooa l,loo rs. a li-
bra, e em barril tera abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8G0 rs.
a libra e em barril lera abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de primeira o superior qualida-
de a i,800 rs.
dem hyssen o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porcao ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de 1,800 a 2,5oo rs.
a libra.
Biscoutos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a i,2oo rs. a lata.
Bolaehiahas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lat.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados no ultimo
vapor a 2,Soors., lambem ha do vapor pas-
sado a 2,3oo rs. I
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a 1,000 e l,2oo rs.
a libra, francez e suisso a 1,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porgao |
ter abatimento.
Serveja
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagriiiias do
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a 1,000 a garra-
fa e 9,000 a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,000,
3,5oo e 4,000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso cm barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho braneo proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha ranis bai-
lo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Cai xas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,000 rs. a caixa e
7oors. agarrafa.
CAF
Caf do Rio de 1. e 2.a qualidade de
6,800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SI BAO
Sabo maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo I
em caixSo.
Superior serveja Ba*s dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,000 rs. a iiuzia e a 7oors.
a garrafa. Tambera ha de outras marcas
como seja: Victoria c Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azelte doce
Superior azeitc doce de Lisboa a 600 rs. a
garrafa c a 4,6oo rs. a caada.
Massas
Macarrao e taherim a 360 rs. a libree a
5,ooo rs. a caixa.
Passag
Superiores passas a l,5oo o quarto e
o,Soo a caixa de arroba hespanhola e a 32o
rs. a libra.
EVEBR4
Genebra de laranja verdadeira a 10,000 a
du'.ia e 1,000 rs. ao frasco.
Genebra de Molanla verdadeira a 6,000
rs. aftasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a -loo rs. ca-
da ums.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,000 rs. o garrafao. Tambem
ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 600 rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 4io rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
l,2oors. a lata
ALPISTA E PAI.NCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Joio Furtado da Serrias,
MaDoel Peixoto da Silva Nelto, Caslanho &
Filho e Brandan e de outros muitos, os
quaes vendemos pelo mdico preco del.600,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.
Licores
Licores francezes e portoguezes a l.ooo e
l,4oo rs. agarrafa ou frasco.
Boces
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
queos a 7oo rs. e de 00 caixes para cima
a 64o rs. o caixao.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitads, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a 0) 's. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
DE
AZEVEDO FLORES
Rua da Ga<)eia do Hecife, esquina da 1 Ire de De.
O balo vende sempre por menos que em outra qualquer parte, quera jul?ar que
isto nao verdade dar-se ao trabalho de vir apressar qual-juer faznida de que precise;
tambem se manda levar casa, para que as senhoras melhor possam esco'her. Do-se
amostras deixando penlior.
aos sus. be i:\<;r YIIO
Superiores algodes americanos branco, azul e de listas para roupa de eseraros.
MAOAPOIiOES
Superior madapolo fraucez, fazenda especial para camisas e saias de senboras ;
tambem ba inglez de todas as qualidades e precos.
BALdES
Superiores bales de arcos e de panno para meninas e senhoras
Ricos tapetes pequeos e grandes para fofa,
Lindissimas grvalas e mantas para pesccro de homem.
Superiores camisas de meia e meias para homem > senhora.
Calcas de casemira e superiores paletos saceos de casemira.
Lindos cortes de la com riquissimas barras a matiz, o mais modernos que ba no mercado
Camisas francezas e seroulas Dnissimas de bramante.
Superiores coilas largas, escuras e claras de todos o? pn^os.
Superior cambraia branca transparente para vestidos.
Chitas com ricos desenhos para cobertas.
Superiores paletos de alpaca branca.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando M publico ora*
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas sup;>5e sempre ser as mesmas -
,endas.

HINCHA
-
ARMAZEM DE FAZEM
RUA DO QUEMADO N. 27
CUSTODIO CARVAMIO C.
Pecas de madapolo fino francez com 22 c 1|2 varas e com um pequeo toque de
mofo a 83H0 cada peca.
Cambraia branca para Torro a 15600 a peca.
Lencos de cambraia para homem e meninos a 1$600 cada duzia.
Cambraias organdis muito lindas a 600 rs. a vara.
Cassas de cores a 26o rs- o covado.
Laas de cores muito lindas a 3 )0 rs. o covado.
Rua do Queimado u. 29, armazem de fazenda.
Bichas de Hamburgo
91 todos os paquetes da Europa se recebe
jttj dcstas amigas do saogue humano e se
K veDdem a troco de pouco lucro s afim
X de ler sempre cousa nova : a loja de bar-
,1, belro rua estreita do Rosario n. 3, ao p
da igreja.
m

Vende-se
Bramante de linho fino e largo para lenges.
Brim lona encorpado e fino para montana.
Mantas para cavallo.
(Cobertores de algodao de um e dous pellos.
Na casa de Edward Fenton n. 17, rua do Tra-
piche.
RIVAL
'"P
m
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macfias pelo ultimo vapor.
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Fitfos pelo ultimo vapor.
Fructas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos loijdrinos pelo ubimo vapor.
Queijos flamengos frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ul.imo vapor.
Tudo se vende barato nos seguintes armazens:
Rua do Imperador n. HO. verdadelro Principal.
Kna do Queimado n. 9, Unlo e Commerelo.
Largo do Carne n. 0, Progressivo.
ver

24 si a do Qnelmado ns. 49 e a*.
Contina a vender toda's as miudezas que abaixo
declara por precos admiraveis.
Massos de palitos lixados para denles a 100 rs.
Espelhos de molduras douradas a 200,240 e 320 rs.
lionets de oliado para meninos a i000.
Ditos de couro superior fazenda a IjaOO.
Frascos com superior tinta rocha a 240 rs.
Meiadas de Iinha froxa para bordado a 20 e 60
Caixas com 100 envelopes, fazenda fina a 600 rs.
Grozas de pennas deago, fazenda superior ao'OOrs.
Grozas de botes madreperola lios a 500 e
e 640 rs.
Caixas com 50 novellos de Iinha do gaz a 700 rs.
Caixas com superiores brelas de cola a 40 e 80 rs.
Pe^as de fita branca elstica com 9 varas a 280 rs.
Varas de franja de la para enreites de vestidos a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qualidades a 400 rs.
Novellos de Iinha com 400 jardas a 80 rs.
Luros para assenlos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botes para punho, fazenda rica a 420 rs.
Tesouras para costaras superiores qualidades
400 e i. (
Caixas de pennas de calligraphia, fazenda boa a
15000.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 15500.
Caixas com superiores agulhas a 240 rs.
Libras de la sortidasde bonitas edres a 75000.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
tl-idinhas com alfinetes francezes muito superiores
a 20 rs.
Resmas de papel almaco a 25400 e 25800 rs.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 15.
Duzias de tesouras com toque de ferrugem a
600 rs.
Duzias de facas e garfos de rabo preto a 35000.
Talheres muito fino para crianzas a 240 rs.
Pulseiras para meninas a 32trrs.
Ditas e voltas para senhora a 500.
Frascos de Agoa Florida vtrdadeira, a 15280.
Frascos rom superior banha a 240 e 500 rs.
dem de superior oleo babosa a 320 r9.
Caixas Bom lamparn para 3 IRMM a 40 rs.
Varas de babado do Porto a 80 e 140 rs.
Cartas de alfinetes francezes a 100 rs.
Qoadernos de papel pequeo a 20 rs.
(irav-atas de cores, fazenda superior, a 500 rs.
Papis de agulhas, fundo douratto, a 80.
mm -- mm mmmmmmz
\ Eumo da Bahia para
charutos
Vende-se fumo superior de todas as
| qualidades, a retalho e por ataeado e por
i preco commodo : no f.ecie, rua da Ca- |
5 cimba n. 1.
mmmmm kx m mmmmm
Acha-se
a venda na livraria acadmica, na roa do Impera-
dor -, na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Sosto
Antonio ; e na typographia imprrcial. na roa es-
treita do Rosario a oompilago d loda a lefislacao
tendente administraco, arn cada^o e flirnl
sarao dos disfeeirat de orphA03 lefanlof e aosea-
tes, herancas jacentes, legados, etc., contando sao
s o regiment de costas e a lei geral das execo-
efes, como tambem todas as ordens e avisos do
governo, que a tudo tem explcalo, tanto a respei-
to das obrigaces inherentes ao cargo dos dilfarcs-
tes empregados de justica e fazenda, como dmdV
reitos nacionaes e emolumentos que sao devMw.
Este livro enntendo mais ds 700 saginas em ntida
impressSo e bom papel, e prestndole ntilidade
de difTerentes classes, torna-se recommendavei.
Seu custo 105009 por cada exemplar era dot
omos.
E' BARATISSIMO!!!
Grande liquidaran de fa/eorfas e reita
feita nacional, na rua da Imperalriz
n. 72, loja de Ouinsares k Irma*.
Os proprietarios deste estabeierimeDlo tem re-
solvido liqaidarem suas fazendas por prrcoe bara-
lissimos s com o fim de apurar dioheiro. aprovei-
lem as pechinchas.
Vende-se um grande sortimenlo de chitas fra-
cezas largas a 260, 280, 300 e 370 o corado : ditas
percalias mnito finas a 360, 400, 440 e 500 rs. o
covado : isto s na leja de Goimares & Irasio.
na rua da Imperatriz n. 72.
E' muito barato !
Cortes de 13a rara vestido de senhora a 3#.
Cortes de laa a ;i<5.
Cortes de la a 34.
Aos 3,000 covados de 15a,
Vende-se lazinhas deqoadrose de lslrinha* d*
lndissimos padr8 a 220, 240, 280 320 r*. o ca-
vado, vende se assim barato por trr moita jorco
e querer se acabar : Isto s na leja de Gotmaries
& lrmo, roa da Imperatriz n. 72.
Aos 2,000 cbales de merino.
Vende-se chales de merino esumiado a 25000
e 25500, ditos de merino liso a 358tK), 45 e 55,
ditos finos a 65500, 75, 75500 e 85.
Grande sortimenlo de cor es de vestido de on
braja com barra, pelo barato preco de 35, 3#Ht
35500.
Ditos de chita a 25, 25500, 35 e 35500.
Vende-se pecas de madapolo com 24 jardas a
45500, 55, 65, 75, 85, 95 e 105
Dito francez com 12 jardas a 35600, 45,
e55000.
Yende-se um grande sorliroeoto da goil
para senhora e meninas pelo barrio prec,o de
400 e 500 rs. cada urna : Ido s na loja de
maraes & Irtnio, roa da Imperatriz n. Ti.
Roupa feita
Roupa fe la
Grande sorlimento de roupa fetia de tedas as
qualidades, qne se vende por precos baratsimos;
afianca-se que se vende por menos 20 por cesto
de qne tm outra qualquer parte.
\'a nova leja de Calendas de Gnimaraes
Irma*.
lina da Imperatriz n. 99.
Vende-se no escriplorto de Mano*! Ipm-io
de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19 :
Vinhos do Porto muito superiores em caitas d
1 duzia e barris do oitavos e decimos.
Muscatel de Setubal da melhor marca, em caixas
de 1 duzia.
Palmella tinto de excellenleqaaliddi- em caixas
de 2 dnzias.
Vinhos de Llsbm modo superiores da marca PR
em pipas e barris.
Cera era vslas.
Portadas de pedrada Lishea.
Azulejos pira frentes de ciut.
S
nm

M

*x~.


f
Ufarlo de Pera tintineo (]ii.trn felfa II de Outiihro de ISft.
0
GERENTE
rt PUBLICO
em o menor coastran
gimento se entregar
importe do genero que
nao agradar.
t

ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
9M & HUnU ID! S MlMSlt
AO
KESPEITAVEIi PUBLICO.
K apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe do grande arma-
cm da Liga estabelecido ra Nova n. 60 nm magnifico sortimento [de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente do estrangiiro'podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm ,;fllancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2.j Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos pregos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve comarque ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao ponco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
mnitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se loes vender o arroz, o caf, a man-
teiga o assucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, elo sen proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhons que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certameDte muito deve agradar aos senhore>
compradores.
No se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A MNHEIRO A VISTA:
. .,,. ; Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 120 rs. a libra. Uma.
dem e painco de oito libras para cima a K
iOOrs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca mulle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
ATTENCAO
M precoa da aeguiu&t
tabella para todos, po-
eado assim servir de be-
se para o ajuste de ce&tafc
com os portadores;
ESCBAVOS WCi.
Fugio de engenho Taqoari, tr-ro t hM
Aniao, de 28 pnra 29 de trtoatbra prxii
uma eserava de nome Constarte, o m .- -i|:aes
seguintes: cor cabra, cabellos sa aote* mpi-
boa, inda que amarrados e cun mi ra,
or|io, altura de mediana para bailo, 'h i
pequeos, olhos pequeos e vivo, ... ,,. ..
calmo, peitos grande-, rosto boeMrrtad r
um pouco fula, tem allomas man. /i
veis nos bracos, a semelhanca de i .ila..-, fciaf*
pr hendida no Bario, n m disida i l-t .
trar nesia cidade em a noile c ,, i
niez, levuu diversos, vestidos e Mk i ate, rpate
de ouro as relas e intitula--* Uvr : jai m a
: apprehcnder,levando-a a' ru.i N
'dar. sera' recompensado genere
Prerisa-pe de officiaes le
! trica da ra do Can.pello, no
m n J. I ji.-
M .
i- pH ti na 1*-
11- c i .
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da fonecico)
PARA BEM DE TODOS,
-horas, o aceio que presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que ludo a Dromniiriv, im.
dU9% envida a rima visita ao mesmo, certos de qne sem duvida me darSo a nroterrn a nr*L' !
mesuia ha sempiv nm grudi; toril
! ros, tanto grossoseuuo fioo., de Lj- .u-.h*--, c
por preco eommodo.
Senhore'
eza com que serao trat*
Ta dos gneros que precisaren e quando n5o possam vir podero mandar seus portadores, anda que estes seiVrrTnni
pois sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recoramenda-aa **
KIRSCH de Wasser a 2)9 a garrafa.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absy.ntho a 2^000 a garrafa.
em
a lata, e
23000 e
II
BOLACIIIXIIAS do Beato Antonio
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 13800
de cinco para cima a I#700.
dem de so !a em latas grandes a
de cinco para cima a 15800.
Biscoitos inglezes de todas as qualdades a
I#200, 10250 e15300.
Boi.o francez em calimbas a 400 rs. cada
uma.
Batatas inglezas.
Banha de porco refinada.
c
CHOCOLATE francez a GOO rs. a libra.
dem suisso a 1$ a libra.
dem de musgo a (500 a libra.
Chochicas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 2't0 e 2G0 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7#000 a ar-
roba.
Consebvas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de toias as marcas.
Ciiauope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a I#800a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Hegalia, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros, Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 2000,
' 22"0, 25560 t2^800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os lmannos a du-
zia a 25500, 35=00, 45 e 55.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e (5500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
D
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
55RVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
:rvadoce a 400 rs. a libra.
: LATAS com graixa a 80 rs. cada uma.
Letria a 400 rs. a libra.
M
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
Marmklada dos mais acreditados fabricantes.
MacarrAo e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6C0 rs. a lata.
Mostahda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
00 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
3500.
. Mu.iio painco e alpista, sendo mais de 8
latas u- tac
tra pile.
Manteiga ingleza especialmente escclhids a
.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a ,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguigas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs.libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem pratoa 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feij5o verde muito superior s 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem paravinho a24ors.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
,oooe,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em ca xa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
proteceo e preferencia na cora-
les s
afim de que nao vo em
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caxa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vicho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e ooo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 6,000, (5,ooo,
2,ooo e 10,000 a caixa com 1 duzia e 9oo,
1,00o e 1,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,000
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Sal refinado em frascos devidrocom lampa
uo mesmo, a 000 rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oors.
Ch2rut"s ? affamado fabrcame Jos Furta-
ao de Simas, das seguintes qualidades:
Exposico Normal de Ilavana, Imprtaos,
Londrinos, Guasbaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
b,ooo e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fahri-
fnb.
No da ;{
qoal lem os :
sura n guiar, uma pequea ferina
fcserav
do correrte fugio a 11, la Q. ia, a
gnaes seguimes: t.-t.uir.i altt, jrro1-
IIO til)'.
pe direito pela parl de dentro, e un i.r m do .-*
nal de qoeiroadora mire c< peic
proceder ciin todo o rigor da le e rtln
tiver acontada,e paga-Mi geaenwM ie ,;,ch.*
levar na na do Brurn n. 70. egui.j ai
"t
bocea rt-
'<-, t*
iat#.
a
Palitos do gaz a 2,2o a grosa"
Bolachinhas de soda em latas de diversas Toncinho de Lisboa muito novo a 32o rs a
qualidades a 1,3oo rs. libra e 8,5oo a arroba.
Cartoes com bolo francez muito propriospa- Banha de poico refinada a 65o rs
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJoo
de Brito no Beato Antonio, emlata de 6 li-
bras por2,5oors.
Fuglo do Silio ao lado d.-. i,., :;.j,
dos Afilelo?, no dia 3 d i e,r.. >, cr-
enla di; r.ome Felicldade, reprrwaii ti r 2i >rno.
pooco nals on mest-e,liea parect#a, > -ioo
de chita tranco com patoa* rtaae, tu *.. -.- r
seduzda, natural de Macei : rp *.< mu n-
dades e capiliei de campo a sua
mandem ao dilo sitio, cu a ra aa Ca li i ha a.
I, que serao pagos de todo o trahaih.
lana e orara.
Fugio o anno pastado, d; mi. 11 "., -. ra rn.
marca doLiBOfirc, ooia errrava t> mir'i Iiim
triouia, Cade 2o ai.Ci.-, olh-s reinlate*. i.
golar, caa redonda enai ian.lto i u
direitos, porm iovelradot poi me. i
fcha e Mi lio, que ludo MOipie fe
cim ricairizes de rhicole |e:as i..t -. i n. ifc
dotrooflado, julga so anda aqu n,ia r di
Recife : qm m a pegar, tinja-se >. ro d<
cantes, como sejam: Flor do Nortela- ^X^^LtT^Tk^
geneosair.fnte r.ccnp'n.-adi; a>MDii i i i m--
mo abaix a.-.-ignado ptolela c.ni looi iigi
le contra qutm o tiver krwBfado.
Joaquia F. C. o'e Oli> ira.
No da 20 do prximo pasudo moi fnaiva
prea Remana, crioola, de 40 i...... i un, kn a
vestido veiho, tem algumas marea calnea : a persoa qoe a pegar pode leva la a rna
o Caldeireiro n. 2. on wfrnele dn 'covnlo do
a rmo na oficina de Maoorl Malaqoiai msreo.
Fugio de enpenho Pind' ba, fr^pnc/ia de Tra-
cunhaem, um mualo de nome Fram i.-ro, idade c'e.
28 annos, pouco mais od menos, r>m ca Manaes
seguintes : r altura regular ; este mulato hem conhecido Mi
cidade per ter perlmeido ao Sr. Fiancisco t esa rio
de Mello Junirr. e consta aVhar-se homisiado em
Beberibe, onde tem mii e irmos forro : pede aa
a qneni o ippreheender leve-o ao Sr. scrivo ^ii-
ia\de, cu ao engnlio Pindoba, qoe ser gtnero^a-
nilhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a Sooe
,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
1,8oo o cento e ,2oo soltas.
tm
FABINHA S S S de 8 libras para cima a (20
Idem debuta a 320, 400, 500 e 800 rs. fc^^";"g"!*:
bras a 100 rs.
N
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a (#100, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas era quarto a 1.-S400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
a
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QCARTIMIAS OU MORINQUES a
R
RAPE' Meuron a 1,5 a libra,
dem Princeza do Bio a I $200 a libra,
dem francez a 20500 a libra.
8
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 8>.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 400 rs.
T
T0UC1NH0 de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
v
VINHOSIM
Principe Alberto, de 1831, a 5,9000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 2$ a garrafa.
Lagrimas do Douro a (500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
Duque a 0 e (0500.
Chamisso a (0, 10200 e (0500 a garrafa.
D. Luiz a (0 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a (0.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre- D)en,e recompensado
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e ,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a ,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada uma.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
ISO
eradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, .ooo e ,2oo rs. Ameixas francezas em fiasco de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-: lampa do mesmo, a 105oo.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc zas em csixinhas de diversos' Azeitn"asrdeVRvasem ancoretas grandes de
8,ooo a ca.xa e 64o e 7oo ris a gar-: tamanhos com bonitas estn pas na ca-, 8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa
r "?' ,0 u ... xa exterior, a (,4oo, ,6oo, ,8oo e 2,ooo! Azetonas portuguezas a 5oo rs. a carrafa e
Genebra de Ilollanda a 48o rs. a botija de ( cada uma. i<5oo Jda uma ancorela_
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Flollanda a 6,8oo
e i)4o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a I,ooo e (.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez, Champagne da melhor qualdad
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra.
dem americano em latas a (0.500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos*
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa,
dem S. Julien a 600, 800 e 10 a garrafa.
Absynlho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a (80.
Bit ter Maurer a (0 a garrafa,
Vinho figueira em aneoreta a 200.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
caada.
Na offleina de ferrerro da rna do Jasmim n.
ha para vender orna carrosa feila, com esmero
propria para carregar orna pipa com agua, atim
le vende-la pela ra. Na mesma offleina ba tam-
heni nm cabriole! de duas rodas,novo e muito bem
Catangas finos e brlnqnedos
para meninos.
Lhegaram para a toja de miadezas da roa do
Qneimado a. 69, os mais Anos e lindos calungas
^S1 c?g?"!g'5?5y..'. l^.'g tinto para br.oquedo de meoinos como para cima
steabado qoem pretender esles objectos, pode di-1 de ma na"3esma loJa se encontrar bom sor-
timento de miudezis.
jigir-se a mesma que achara' com quem tratar.
Potassa da Eussia
?en^s-se no escriptorio
i
Corpo Santo n. 19;
liOTas de pelllea.
Receben pelo ultimo vapor lindas I uvas de pelli-
ca de cores e brancas para homem e senhoras : so
a 9oo rs. a garrafa e Io:ooo a caixa.
Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra-.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Noes muito novas a (6o rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo, Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a (6o rs.
dem da India a oo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. | a 8oo rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-1 Mostarda. franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a (4o rs. a libra e 4,oooa Lentilhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de uma libra e56o rs. a reta-: 1$ a carrafae (I,ooo a duzia. '
!ho. I Palitos de dente a 14o rs. o maco.
e que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,8oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a (2o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada uma e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes epeque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas era calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a (,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs.
garrafa.
No dia 58 de agosio prximo pamdo de?appare-
ceram do enpenho Parary, Mk) n ron arca
moeiro, os esreavos Fraocitcoe Alex.-nere, ir-r-
tenrentes ao major Claodino Corr ia de Mello. O
primeiro alio," ecco do corpo, uro laot npadatf-
do e de cor cabra, lem a rara beilyi aa, ba.-ian'e
barba, cabellos earaplnhos, \-s mu* e larajra,
saino ve.-tido de ralea e i;ni>a de algrdSo ani,
chapeo de feltro, levando lamben n-maifw una
trouxa ronlendo roupa de oso, a saber: raamai
de chita e calcas brencas e pardas, ]t\ a tan.hem
um cha|o de eouro, mu ladino. Otrunv
preio, crioulo, serr do rorpo, relatora riBuiaj-,
tem falla de denles na frente, tm pi neo halla-
do, e tem |s tinos e hem feiio.-, lan 11 m mcno
ladino. Ambos sao mocos, tendo de lOade oan-
nos, pouco mais ni menos : desronfia se qoe te-
nbam tofilfo para assentar praca arela piovnsnn
cu em cuta qualquer : quim o's ap|rflun.Vr pode
leva-Ios ou ao dito engenho, ou a' rasa de Brnaw
Alvaro Barbosa da Silva, na ra da Cruz n. Ift,
ijue ser bem recompensado.
r\ \i/,
waa
DO AFAMADO JOUVIN.

3
O. i
O l/l
= 7> O "
3 :r =
Vende-se pelo prego de 1 o par luvas.novas de pellica de Jouvin, chegadas no ultimo va por
para homem e senhora : na ra da Imperatriz loja de miudez s n. 54.
' """" i ....... _____3 i .
MACHINAS DEPATEIXT
de trafralkar mo pars
descarocar algodo
FABP.1CA0AS
PorPlant Brothers & Ca
OLDAM
^^ B
a S
a 8
3
2 c o o -i ..
" STo-S 3
m
'Si
2
s
5
assg
EffnP
as 3 co -i
cr. s o tu

g>
o
ce
O. 9 i
S M
y. es _
s
O
CD
- 2
p. os
Q, CD O
CD
atj

3ilis^
CD--J
CD c
' 3 S'B-e
0.S.C1 c
w a5' SI
5. "_. O a,
sr cd "s d> n
a cd
O CS
CD 0.1 M ">
S CD
a 3 n
o. cd s T
S=q 2 o
055 o 3 o
mi
as
-i
-i
o
5
i
Tasso Irmos
Vcndcm no seo armazem roa do
Amorim n. 35,
Licor fino Caracho em botijas o meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com rolbas da
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
San ternes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAeiei lagniol.
numero 63.
Vendem-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem iransplantadas: no sitio morado es-
Biaito nova e rapenor
de Manoel Ignacio flictos
Estas machina!
podem descarocar
qualquer especit
_^i'de algodao serx
r estragar o fio
" sendo bastante
duas pessoas para
otrabalho; pdt
descarocar uraa
arroba de algo-
do em earocx
em 40 minutos.
on 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodc
aupo.
A8sim como machinas para serem movidas por
aoimaes, que descarocam 18 arrobas dealgodac
limpo, por dia; e motores para mover uma, duas
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinai
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem vr e examina-lo, no arma-
xem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sauoders Brothers i C.
X. II, praea do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
Grande armazem de tintas.
HL-A DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito di
producto? chimicos utensis e os mais empregados
e usados napharmacia, pintura, photographia. tin-
turara, pyrotechinia (Jagos de artificio) e em outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaesdropanas de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Aovara e Lisboa, pode offereceer
productos de plena confianca e satisfazer qoalquei
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas sa#far
cem proraplldo qualquer pedido de tintas moidai
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poaeri ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas
e que se enconlram no mercado ero latas fechadas
Tem grande coileccao de vidros de difireme.1
formatos, desde uma oilava at.dezeseis oncas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
rtopriedade e outros; de papis dourados e pra-
peados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de vanas cores
para embrulho, para forro de casa, para desenbo
com fundo j feito; de papel albuminado l,e Brisu,
verdadeiro saxe para photographia'e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
terior ; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linhaga
clarificado, oleo de toiele, secativo de Harliro, ouro
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanho em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para confeitarias ; la de cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella; essencia de rosa superfina, de ne-
roly,jasmim, bergamota, aspice, patchouly, mbar,
bouquet.limo, alcaraiva, melissa, ortela pimental
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
anis da Russia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s eom a vista poderoser mostrados.
Joo Pedro das Neves,
Gerente.
i
aos capitaes de campo e u'
polica
200j$000 f'c gratificar!? ptr rada nm
Desapparereu em principio do n rz de oniuiro
prximo passado, de bordo do palhahoie nacional
Arroio Halo, dous escravos de m nv R. b^rlo, por
appellido Macei, e Miguel, o Io de idade 43 anuos.
pouco mas ou menos, criiulo. cor fula, esiainra
halxa barba cerrada, nm pooro torio das pernas,
e com alguns cabellos brancos, laMo n^ barba co-
mo na cabeca ; o 2" alto, cheio do corpo. sem bar-
ba, falla grossa, reprsenla ler de 25 a "0 aonos ;
cojos escraves desconfiase andarem pelos arrabal-
des desla ridade : quem es appreh< nder, qoeira
levar a ra do Trapiche n. i. ou a tordo d j dito
navio.
en?

P
Aeham-se fupidos os escravos seenlnies : Bento.
mulato, idade de 2o annos, cabellos annelados, se
barba, dentes um pouco limados, secco do corpe,
lesta larga, e falla um pouco descansada ; e Luis,
crioulo, j um pouco velho, altura regular, mnhe
cabelludo, barba rom algnns cabellos brancos, a#>
sim como na cabeca, corpo reforcado, olhos nm
tanto pequeos, falla grossa e as mh finge s*
ronco : pede-se as autoridades policiaes e aos ca-
pitaes de campo qoe os lacam apprehender e eon-
duzi-losa' casa de seu senhor o major Antonio da
Silva Gusmo, que generosamente recompensara,
e Ihes pagar toda despeza qne fizerrm rom a condueco : suppe-se qoe elle? icro ido em >*-
gnimento dos serloes desta provincia, por sera
filhos desse? lugares.
T
ii r'AMwr-i
Framcisoo Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber nm lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lnnetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa,
1 ~~
avariado.
Francez barrica 5000
Portland idem 80500
Em perfeito estado:
Francez barrica 18J000
Portland idem 120000
No armazem de Tasso Irmos caes do1 Apollo.
Fugio no dia 18 do correnif nez o prcio cri-
onlo de nome Isidoro, de 30 anno? ronco mais
ou menos, alto, rosio comprido, sui-sa pouco fecha-
da, ps grande? e chatos, e eos turna andar di alper-
gatas, ievou camisa de algodo, raleas veibaa
rotas, chapeo de palha velho, e tambem nm benet,
carangnejeiro. Se nao andar vagando por erta
cidade provavel que tenha ido para Serinbem
ou Rio Formoso, onde j tem sido capturado por
veze?. Roga-se s autoridades e capitaes de campo
que apprehendam e o levem ao seu senbrr Joio
Cavalcanti Lamenha Lins, residente na Entrada
Nova, sitio de Jeronymo de Hollanda Cavalranii do
Albuquerque, que se recompensar generosa-
mente.
Ao amanhecer do da 2b de agosto futir*
do engenho Camaragibe dous escravos i rioutoa.
ambos carreiro?, sendo nm de norn** Stmeo, na-
tural do serto d Ouricnry, alto e bem feito, cara
redonda, nao muito preto, e soffre de uma hernia;
o ouiro de nome Nicolao, nascido no mesmo eo-
genho, esiaiura ordinaria, secco do corpo e robus-
to, na mesma occasio desappareceram 3 horros
do servico do engenho. de suppor que tenham si-
do levados por elles, ou por algom qne Ihes ser-
vio de guia e seductor, porque na noile precedes-
te a sahida dos ditos escravos foram vistos (loas
bomens em communicacao com o Semclo junto a
entrada do engenho : quem prender e Irotixer di-
tos escravos ser recompensado.
Fugio do engenno Pindoba, fregnezia Je Tra-
cunhem, ha seis mezes, uma eserava crenla, do
nome Severina, de idade de 19 a 20 annos, nejada
de tres a qualro mexes, pouco mais ou menos, de
maneira qoe j deve ter dado a luz, eom os sig-
naos seguintes : alta, bem preta. secca do corpo,
rosto redondo, nariz grosso, tem falu de dous den-
tes na malilla superior e do lado esqnerdo, umbi-
go muito saliente ; consta que dita eserani veto
das melhores marcas, em caixinbas de nma duzia para esta cidade, e pretesta-se pelos meios jndt-
de garrafas para casas particulares, sendo : Lagri- oiaes persegnir a quem a liver em seu poder,
mas do Douro, Duque do Porto eD.Luh ; tambero pede-se a quem a apprehender quelra entiepa-I
tem ancerelas de dcimo encapadas com superior aqu ao Sr. esenv5o Attayde, ou leva-.'s engt-
I vinho, barris de 6 e 10 em pipa : na rna de Vi- nbo Pindoba, que sera generosamente recempea-
j 3ario D. 19, primeiro andar. sado. .
Atlenco pechincha
Sapates de tranca com sola de cnica a 10 o
par : na ra do Livramento n. 5.
Vinhos do Porto




Diarlo de remmmhnen linaria lelra II de Outubro de !*
UTTEMTUM.
THEATRO U GCEHRV.
A nat&lha do Yatay a 17 passa lo sendo, como foi, a exterminio de toda a
columna paraguaya, queoceupava a margeradi-,
reita do Uruguay, havia d"'nt:i Jo sem ossa iadif-
peusr.vol apoio a ontra columna da mesma torca,
qno desde odia* entrara na Uruguayana, aban-
din ida ,>ela guarnidlo brasileira.
K anda isto era o menos: o grave effeilo di
la de Yatay consista era que as torcas do
general Flores, sem inlmigos cora quen de promp-
10 ombater em territorio correotino, traosporia
\ao o Uruguay, e juntando-se a- do general (lana-
barro, que erara outras tantas, ira encerrar a
columna paraguaya de 7,000 horneo? entre lorias
que excediam de 20.000.
Se poucos eram os recursos com que Fidres
contara para etectuar a passagera do largo e cau-
daloso rio, queso era esta de mais alguns das, de
maior irabalho, porm que nao modiieava essen-
ei.itmeule o estado das cousas.
Acreditando sem duvida o general Flores que o
ebefe da columna paraguaya, posto em trauce lo
desesperado, aceitara urna sabida honrosa, pou-
paudo a effoso de sangue, dirigi-ihe urna carta
iinu-offleial convidando-o a reoder-se as torgas
orasileiras que o cercavaui, pois em caso contrario
iranspcna elle o Uruguay com :cu exercito, e
procedera com todo rigor ao accommeiimeoto
ua naga.
guayana traz em si vantageDs polticas, para Sua
Magestade raesmo de ve ser urna i inmensa satisfa-
go ser elle proprio quera intime a rendigo, oo a
iraponha pela torga dos canhdes e bayonetas co-
lumna paraguaya que ousou penetrar no territorio
rlo-grandense.Ser um facto histrico e formoso
no reinado de D. Pedro II.
Que a rendalo da columna paraguaya infalli-
noticias
to.-A presenta do Sr. vice-almirante, que a todo l Como natural, e todos os jornaes d aqu con- trra de Br.zue la. pnmninhia .
esforco conseno tambera subi o salto cora cordara, sua magestade tomar o enramando em Aqu nm a feres coraraanda urna companh.a e
outros dous pequeos vapore?, pois o Uruguay chefe, assislido dos seus generaes, e a presenga tambera nra alferes coraraandaura batalhao,.6 nm-
baixava muito a presenca digo do denodado vis- do Sr. Mitre s irar em resultado adiantar-se co que distingue a superioridad* do chefe e anti-
conde longe de poder demorar o ataque o apressa-' a conferencia que entre o Imperador e o pre- gnldade; assim o altores mais antigo e o coraman-
ria at porque I-vara corasigo novos elementos sidente da confederaco se desejava e se annun- dante do batalhao I
' y ciava c O chefe de todas as Infantinas era um tenente,
Nestas circurasl m as oecorreu um inci lente, Al este momento o que ha da Uruguayana, chama-se Jos Zorrilla; o mismo iue levou a in-
cujas *SE nao sao bem conhecidas, ponto alias onde se concentrara as operacoes de timago do general Flores a' Uruguayana e acaba vel, ,,en, pode ser demorada, as mesraa,
e oi o de ara coneelho de generaes e com- guerra na ultima qulnzena, e que resolvido, como de regressar. cnegaaas. noje o mocara. .
mandantes de eorpos, do qual resultou demo- val ser em poucos dias, serv;r de Dtroducgao as Poa8 Um exercito assim formado e com soldados
rar-se mais aluo; das o aecommettimento de deoilivas operacoes dos alliados contra o exercito dessa |aia ftspenr vsncer tropa a||ia(]as> que
Urognayana paraguayo de Corrientes. )nes sa|,rem ao encontr, em numero ainda supe-
Diz-se que an i "ima foi a disenssilo no' Por sua parte nao parece que esse exercito tenha rior a e|)a3? Parece que na0 razoave| diz lo.
conseibo, opinando os generaes argentinos e orien- tido multa pressa em vir auxiliar a columna da U-'
tses que a orara devia ser logo atacada, e os ruguayana.
brasileiros que nao, convndo esperar as tropas a derrota do Yatahy, de que por alguns dos ugi-
que vinham era marcha do interior da provincia, e ivos ter tido sciencia poucos dias depols, devia
estarna a chegar. fazer-lbes ver o perigo era que essa columna (cava, Ayres para fazer os rep:iros q
Outro ponto mais grave esteve sobre a tela da Do entanto, apenas agora corre a noticia de que ] appare|hos necessitam. Na vej
Barrios ou Robles, lalvez os dous, avancam em di
A nossa esquadra conservase sem novidade
seu actual fundeadouro dorinoo do Soto.
Foi ella diminuida das canhjoneiras Iguatemy e
Parnahyba, que ha seis dias |hegarara a Buenos-
be os seus cascos e
d'scussao, ao que dizem cartas do exercito, e
era: a quera competa a direcgo, e coramando
em chefe de odas a? forjas sitiadoras.
Eu nao posso acreditar que um objecto tao
melindroso e sujeilasse as deliberacoes de um
conselho de offlciaes, pertencentes a naciona
lidades diversas, e apenas presumo que fosse
elle tratado entre os diversos generaes, sob muito
sigillo.
Nem parece raesmo que as estipulacSes do
tratado de allianga tenham deixado lugar a du-
vidas nesta materia : porm, se de facto a diver-
gencia occorrer.. est bem justificado o empenho
dos generaes e chefe brasileiros em que o ataque
rdade o estados des-
foram crticos os lau-
ses navios bera raostra quanto
receo ao Uruguay. I ees da nossa esquadra no Ri.chuello, Mercedes e
Todo este espago de lempo deixaram se os dignos' Cuevas I
generaes paraguayos flear na zona, que ha tres j e como se nao bastassera ai pardas do vida, que
mezes occupamdo territorio eorrentino.e que se es-1 ella ahi soffreu, outras lhe c tusara as enfermida-
tende apenas at ao Rio Santa Luzia.Fizerm des.
marchase contramarchas, porem nenhuraa ope- Da esquadra desceu tamben o li" batalhao de
rago de guerra. voluntarios da Cachoeira ( Bajiia ), que consta ser
Na mesma cidade de Goya, embora desampara-1 transportado Concordia paia reunir-se ao nosos
da das autoridades, e abandonada pela populaco,' exercito. Tambera este batalliao pajoTo seu trl-
anda nao penetrram torgas inimigas; chegando bulo naquellas jornadas raostiandsempre bravura
como chegara a quatro leguas de distancia suas. e saugue fri. Pena nao ten podidj adquirir
avangadas, que que as pode conter? Ser a pre- j maior iostrueco, como nao pidhi acontecer achao-
da nossa esquadra, qoe alii se encontra? du-se distribuido a bordo das canhoneras.
antes cuidara da sua proprla seguranga, levantan-
do forlilicagoes nos passos do rio Santa Lata, que
limitam soa oecupagao. E' o que o governador de
Corrientes coramuniea em data de 5, accrescen-
D0 | tando que ia voltar para Goya, o que a melhor
prova gos. /
Disseram liontem que em Yatay havia indicios
de apparecer urna columna paraguaya ; mas sao
rumores de estrategia cambial (da Drouse) cora que
os jornaes zombam.
se demorasse tres ou quatro dias. Erara quantos
Ao mesmo tempo fazia-lhe saber que uenhum hastavam-para que o Imperador, que nao podia
auxilio podia o chefe Estigarribia esperar do eslar |onge( vesse lomar a direegao de todas as
xercito paraguayo, e era im insinuava que for5aS) porque aleda ninguem se lembrou aqui, ou
seas -eivigos podiara ser em tempo e honrosa- no exerct0, de couteslar-Ihe esse direito, tratan-
seuga
tao
de-se de torgas alisadas que operarem em territorio
brasileiro.
e honrosa-
mente aproveitados. i
Nao foi publicada a carta do general, porque
elle mesmo confessa nao ter deixado copia, c que
nao muito desculpavel tratndose de um docu- men histrico; mas o que deixo indicado era, ou fra delle ) e foi a de que S. Exc. viesse em
x-.gundo as correspondencias do seu quarte' pessoa a Concordia, conferenciar com o general
genera!, o cont-do em resumo da inliraago i Mitre, e ahi resolvessem o que devia fazer-se; pro-
jBsiosa, que Flores entondeu fazer, estando ; vavelmente seria ir esse mesrao general tomar o
amia em territorio correotino; sua data foi de 19 commando em chefe das torgas da Uruguayana, le-
do passado. vando comsigo mais alguns batalhoes para facilitar
A carta foi remettida por um offlcial prisionei. um ataque gcral e simultaneo.
ro ja aegio de Yatay, temendo-se cora razo de ; Assim se verificou.
4ae outro qualquer portador fosse victima da O Sr. vice-almirante, partindo de Uruguayana no
ira do chefe paraguayo; e a resposta dada j dia 3, deseen embarcado al o povoado chamado
eonhecida dos nossos leitores. l federacin, e d'aqui seguio em rpida viagem a
. I cavallo at a Concordia, onde appareceu inespera-
0 faci do chsfe paraguayo responder a uraa
coraraunicacao do Iniraigo era ja um progresso,
pji est provado que o major Duarte que com-
mandava a columna derrotada em Yatay mandou
lancear o fraiKez Antonio Charles, enviado com
Segundo urna carta do Sr. chefe Barroso, coose
guise, a final, incendiar a Jeqitetinhonha. Para
al incumbencia toram expelidos da esquadra, a
melados de agosto, tres mannheiros e um guardio,
embarcados no que por l chamara um igartt.
lo dias andaram elles tentando dar cumprimento
Fra sobejo temor dos navies brasileiros, que
pouca torga de desembarque tem abordo. ,
Ainda a noticia de que o grande exercito para-
guayo se approxima nao incontroversa, at por-
que reapparece pela terceira ou quarta vez.
Demos no entanto que seja positiva : nao che-' aQ seu w urarn A
gara a tempo, porque se as circunstancias o Mi- hnhmha mm CQm a pf6, eQterrada na uU
Urna nica resolugao, proposta pelo Sr. visconde ; girem em um da se decidir a sorte da uro ^ atanilo elles peU DOpk lhe puzeram fogo
guayana, multo ma.s agora, que nada falta para o Qs ParaguayoS( que 1QhamTra lerra p^ dt aru;
a,a(lue- ". Iharia, deram varios tiros, ilorao sigual de alarma.
Demais. o exercito paraguayo nao marcha desas-
uomwj.uciwwwp. b j Anda da esquadra veio tima noticia, que nao e
sombrado, pois que a sua frente o bostilisam cinco! .____ .
. 'F. ... ..... idella, porera que a realisar-se sena importaotissi-
mil correntinos, e o grande exercito alnado, se >
continuar a avangar, como todo faz crer, vira to-
mado de flanco ao chegar ao Urognay.
Em resumo, ou nao acode Barrios a Uruguaya-
na, e a columna de 7,000 homens ahi refugiada
suecumbe, ou vera em sen auxilio, e emo d lu
um carto do general Flores para fallar-lhe era
nooie.
Est provad'i, e mesmo confessado, pois o
diario que esse major l-vava das suas opera-
cojs. e que, acbado em sua carrelilha, todos os
jornaes publicaram, certica esse crime oeioso
e cruel.
Mas nao so Estigarribia responden, seno que
resjicndeu com cortezia, digna do mais Mostrado
general europeo, como a leitura que se acaba de
faz-j: do seu offleio o ter mostrado.
Como, entretanto, a firmeza de sua contestarlo
nao delxava a menor esperanca de chegar-se a
um icordo, o general Flores, depois de conferen
ciar com o bario de Porto-Alegre. que no dia 21
ornara o caminando das torcas brasileiras, resol-
vou transferir suas ropas de infamarla e artilharia
pars o territorio no-grandense.
se
ma. Dizia-se ali, cora referencia a um individuo
espado de Corrientes, que tm Matto Grosso tinham
descido da capital muius torgas em varios vapores
e retomado Cornmb, Dourados e Colmbra, expel,
lindo as guirnigoes paraguayas cora um grande-
U>..a feliz casualuado tmha felto que crescendo
raomentanearaente o Uruguay, duas canhoneiras
brasileiras pudessem subir o Salto, levando
comsigo pequeos transportes, c que uo da 21
ebegasse defronte da Uruguayana tuda essa pe-
qnena esquadnlha. Tao a tempo se considerou
este auxilio que as tropas alliadas receberam
'x. vivas, no Passo dos Livres, o apparecimento
t jos vapores.
0 da 22 foi erapregado era preparalivo?, e
desde o dia 23 coraegou a passagera, primeiro
dos hatalhes brasileiros e orientaes, e depois dos
argentinos, sua numerosa artilharia e alguma
bagiigem ligeira.
As cavaliarias ficaram no territorio correotino,
sendo mesmo desprendida urna torca como de
2,6*00 homens para perseguir, costa cima do
U.uguay, os fugitivos de Yatay, e observar se
paraguayas desciam por essa mar-
era auxilio da sitiada na leu-
damente no dia 4.
Da conterencia que elle leve com o general Mi-
i tre resultou decidir este a sua inmediata partida
, para Uruguayana, levando dous batalhoes brasilei-
ros e um argentino.
Ao mesmo tempo fez que da Concordia sahissem
para o Ajuy, acampamento das torgas argentinas, a
. artilharia, commisssriado e tagagens, de modo a
essas torgas poderem emprehender a marcha defl-
initiva.
O exercito brasileiro, que se achava mais adian-
te, no arroto Mandlsovl, avangaria a sua vez para
a frente.
O caminando do exercito alliado passou-o o ge-
i neral Mitre ao marechal O-orio, ficando no especial
das torcas argentinas o general Gelly y Obes, seu
ebefe de est&do-maior.
Na manbSa do dia i> parti > o general Mitre acora-
panhado do Sr. visconde de Tamandar, chegando
a Federacin no dia G.
Os dous batalhoes brasileiros que levou comsigo
toram, um de linha, e outro de voluntarios da pa-
ria, qw pleiteou com um bata bao rio-grandense
a preferencia, sendo altendido o de voluntarios,
que o eommandado pelo Dr. Pmheiro Guiraares,
porqn" com anterioridade Ih'o prometiera o gene-
ral Osorio.
Na Federae.o! embarcou o general Mitre com o
Sr. vicealmirante, e dous batalhoes; o outro se-
gurado por trra, e na tarde do dia 8, deve ter che-
gado defronte da Uruguayana.
E' oacasio de fazer nm ligeiro commentario: e
foi o genera! era chefe no sito da Uruguayana que
se veio procurar na pessoa do general Mitre? Se
tal foi, grave devia ser a divergencia entre os
generaes, pois o ~:esmo commando do Sr. Mitre
era uraa grande concessao da parte dos brasilei-
ros.
destroco, e incendiando a Anhatnbahy. na qual urna
gar a mais Importantes e decisivas operacoes, era ^ sa refugiaraT Em conIlrma5ao desla
que todas as probabilidades sao a tavor dos alba- ^^ accrescemam T da esquadra de Lopez
nenhum vapor apparecial mais era Corrientes, sup-
pondo-se que todos tives era subido ao alto Para-
dos, a comegar pelo numero e qualidade da tropa'
continuando pela instrnego dellas, e terminando
pelos armamentos.
De facto, a toda a pressa vo-se dissipando as
illusoes que se haviam forjado sobre o poder mili-
tar paraguayo; pelo menos do que tem em Cor-
rientes.
Asseverava-se ha um mez que era de 13,000 ho-
mens a .torga das duas columnas de Uruguay;
derrotada a da raargem direita resultaram 3,000,
e alcangam apenas a 7,000 as que estao na Uru-
guayana.
De 3o,000 homens, a que faziase subir o exerci-
to do Paran, reduzem-o agora multos indicios a
25,000 ou menos. As declaragoes dos prisioneros
nao lhe do mais de 22,000.
E ainda nao isto s; os superiores armamentos
e perfeita instruegao das tropas de Lopez eram ain-
da lltasoe*. As armas tonudas em Yatay todas an-
tigs, e desparelhas collocam o armamento para-
guayos triota annos atraz do dos alliados.
A estrategia dos generaes paraguayos vai-se no-
guay.
E' possivel que alguma cousa baja de Matto
Grosso, mas parece-me que nao ser de tanta im-
portancia e vantagem.
l'Vh ire esta priraeira parle da mnha tonga cor-
respondencia com urna grande novidade : dizem os
jornaes que o exercito dp geuerai Urquiza se acha-
ra reunido em torga de 2,000 homens para o dia
28 do mez. Como elle s agnardava a ordera do
general Milre para o fazer, e esta acaba de ser-lbe
expedida, os jornaes de Entre-Ros certicam que o
general Urquiza comprobar largamente o que o-
ferecenreorganisar as milicias da sua provincia
em torga muito maior da que havia em Basuaido
Assim nao se enganem, elles, e as torgas alliadas
possam contar com mais esse contingente, no mo-
mento em que as grandes operagoes se avisinham.
De resto nao se esperariam por elle para dar
ousadia de Lopez urna (remonda ligo.
Segundo os jornaes de Entre-Ros, o general Ur-
tabilisando pelo que tem de excntrica, e a inslruc- qujza reunia seu grande exercito, tendo recebido
DM POICO DE TIDO.
Um pintor chamado Kleiniz, que viva s com
um macaco, para nao lhe parecer muito longo o
tempo em que nao via urna bonila vislnha, de
quem eslava seriamente enamorado e com quem
eslava seriamente enamorado e com que ja' linha
planeado casamento, imaginar estender alravez da
sua janelia duas cordas entrelagadas (da mesma
maneira que a corda com que se da' teneo a'
folha de urna serra) e passar por entre ellas urna
pa'.
Por esta forma hastava puxar pelo cabo da p
para produzir o impulso com que 'tsetse sallar a
grande distancia os objectos n'ella collocados.
Ora, a casa da amavel vislnha fleava defronte
dessa janella. e do outro lado da casa huvia urna
roa.
Todo os dias, ao almoco pnnha de parte um pra.
to de espinafres que mettia em um cartucho de pa-
pel e atlrav com o auxilio da pa' por cima dacass
da visinha.
E' claro que qnando cahiam desfazia-se o cariu-
cho ainda no ar e os espinafres espalhando se miu-
damente hesuntavam os viandantes.
A municipalidad? nunca podera descobrlr o se-
gredo daquelle phenomeno, e por fim os moradores
da ra visinha tinham-se habituado quillo.
Alguns, consoltando o relogio, diziam .
Sao onze hora?; toca a retirar, porque nao
tarda a chuva de espinafres.
Outros que tinham de sahir necessanaraente,
abriara um guarda chuva.
Havia muito lempo que durava brincadora,
cora grande alegra do pintor e secreta inveja do
macaco, quando um bello dia, a hora do alraoco,
leve o pintor de sahir.
O macaco, audava espreita da occasiao, pegou
era um carto era que havia um desenho de seu
dono, poz-lhe em cima o legume, fez tudo o que vi-
ra fazer, e sem lhe importar o plano era que ope-
rava, puxou com torga e largou o cabo da pa'.
O cartucho foi pelo ar ; mas como fof elle ?
No sentido horisontal.
Quebrou um vidro da casa fronteira, levanlou a
cortina da janella e foi achalar-se as costas da
linda visinha, que eslava avestir-se.
Ella d um grito, leva a mo s costas e tira
com terror a homicida cataplasma.
Horror I
Por baixo do untado desenho liam-se estas pala-
vras -.Kleinnitz fectt.
Nao quiz mai saber de casar.
com mandad a pelo contra-almirante Fabre-Lamo-
relle; a 2*, pelo contra-almirante Saisset; a .,
pelo contra-almirante La Ronciere le \onry. A 1
hora e meia da tarde, a esquadra linha chegad>ao
seu posto; durante eese lempo trocaram-se moitas
salvas, segundo o programma adoptado : salva da
trra, salva da esquadra, salva de urna frahata
austraca, etc., o d'ahi as visitas a bordo.
A esquadra traoceza est fondeada a urna dis-
tancia il tres kilmetros da entrada do porto de
Portsmouth, que ca na sua frente, e que se avista
ao longe.
Els-aqoi a oni>m em qoeeslo^ancorados o? na-
vios das dnas es madras ingleza e fnnoza :
ILIIA DE VIGHT.
/-,"/ i 1' linha : a nao courarada Solferino, que traz o
pavillo do vicealiniraute Bouet, coromandaote
era chef; a Coiironm*, que traz o pavilho do
contra-almirante Saisset: a Provence, comman-
dante Siirville; a Normnndie, qoe Iraz o pavilho
do contra-aimirante Fabre La Maorelle ; a hnen-
cible e a Gloire.
2' Mora : a nao couragada Magenta, qne traz o
pavilho do contra-almirante La Ronciere, eom-
mandante da divisan ennracada do octano : a fra-
gata couragada Heroine; a fragata couragada
Fanc/rr.
CIDADE E POHTO DE PORTSMOUTH.
Esquadra ingleza.
outras torcas
gera do rio
guayana.
lacansaveis
na passagem
se mostraram o; chefes e offlciaes
do Uruguay, e a mesma trop:i
pareca anciosa de cllectua-la. Ainda assim
empregaram-se seis dias, porque all o Uruguay
exeessivamente largo, eslava correntoso, e
cahindo dous dias temporal, pouco ou nada se fez
Miles.
Era flm, no dia 29 eslava o general Flores era
terrurio brasileiro com 7,000 ou, segundo outros,
tf.OOl) homens, em que pouca era a torga de ca-
vallaria, e essa desmontada.
Arada um a dous dias toram empregados era
estudar as posigoes, defezas do immigo, e mais
irahalhos preparatorios de um sitio, a que de
peno seguira o assalto.
Assira os mais pacientes ndicavam os dias 2,
i do correte para prucipiar o bombardeamen-
gao do soldado por demais escassa. Sao pontos
averiguados, sobre tudo na indicada batalha de
Yatay.
Eis a respeito alguma cousa que acho nos jornaes
de Montevideo, escripia pelo ex-secretario do gene-
ral Flores, e actual commandante do batalhao orien-
tal, que foi o que naquella jornada mais leve de
combaier o iniraigo:
t A nudez e pobreza do exercito paraguayo
extrema. Os raelhores arraojados trazem una man-
ta tecda no paz, e um pequeo chirip cora que
se cobrem.
A grande barretina jola inherente ao solda-
do paraguayo, e parece que ella contrlbue para
tornar leutas suas marchas....
t A ndole dos Paraguayos em geral boa : sao
para isto a ordem que agnardava o general Mitre ;
e aqui dlz-se que essa ordem foi s para reunir
2,000, sendo tudo o mais
officiosidade do caudilho
FOLHETIM
0 DEMONIO DO JOGO
pon
HENKIQTJE CONSCIENCE.

(Contlnuago.)
Obrigado por unta bondade, Sr. Torchi, res-
pondeu Deoda'.i. Mea sobrinho Gernimo quem
devia dar-me todas estas explicages; mas elle es-
t all no meio dos seus amigos, e como olha de
lempos a tempos para aqui, est provavelmente
convencido de que nao posso ter companhla me-
lhor nem mais agrada vel do que a sua. Queira
emente dizer-me mais quera aquelle velbo bera
parecido que est na segunda mesa, explicando nao
soi o que a' pessoas que parecem escuta-lo com
muita atlengo.
De redor da mesa estao assenlados os homens
mais sabios daNeerlandia. Aquelle orador de cv
bellos brancos o velbo Graphens, secretario da
cidade de Antuerpia, e autor de muios e boas obras
latinas. O mancebo em cojo hombro arrima o bra-
co seu rilho Alexandre que tambera muito eru-
diclo. Defronte delle est assentado Abraham Or-
teJins grande geographo, tido na conta de Ptoloraeu
de agora. Ao lado de OrleJJns est o seo amigo e
cellaborador Gerardo Mercator que, como sabio
geographo, tambem um dos luminares do nosso
seclo. A uoiea pessoa qoe pelo vestuario podis
reconhecer por Italiano, entre esses sabios neerlan-
deses, Laiz Gaicciardini, cavalleiro florentino que
Sim, ha um tratado explcito, e, quando suas dis-
posicoes nao existissem, haviam consideragoes de fei iva. Prm
ordem superior a .'azer.
Tratavase de operacoes em territorio brasilei-
ro, contra torgas que s tinham operado nesse ter-
ritorio, que oceupavam urna praia brasiieira, que
por forgas brasileiras s tinham sido al ahi hosti-
lisadas ; emnm, eslava presente um general brasl-
i: ,i j da mais alta calliegoria militar, e que como
tal commaodou torgas no territorio argentino,
quando apenas era coronel o mais graduado dos
generaes argentinos ou orientaes, que presentes
estavara. Como negar ao general brasileiro o
commando era ebefe. aiuda mesmo para o dar ao
Sr. Milre ?
A fortuna do Brasil quiz ainda dcsta vez salva-lo
e urna contingencia desagrada vel.
Eis como :
O Sr. general Mitre chegana, como disse, no
dia 8 aefronte da Uruguayana; mas noticias que
neste momento circulara o do como chegado ao
raesmo lempo, seno antes, o Imperador, que em
rapidissima viagem se adiantou as forgas que tra-
zia corasigo.
obedientes, e sao bravos at a teraeridade na de-
ha nelles
outro sentimento que eraiobrega essa coragera com
que cahem beijando a trra sem exhalar um al;
pronunciar uraa palavra de-perdao!
c O soldado paraguayo nao corre na dispersao,
embora se veja muito aperlado pelas baionelas
diante das quaes como que se arropa. Toma um
passo curto, quasi gymnastco, e encolhe-se como
se quizesse diminuir o alvo, e tornar o golpe menos
cerlo. Carrega a arma com ligeireza, e sempre que
atira liza a pontana. Reparei que sempre ao apea-
lar demira um momento antes de fazer fogo, isto
raesmo nos lances de maior aporto.
c O armamento ruim, lodo elle de pederneira,
muito velho e estragado.
e Nao tem destreza co manojo da arma, era
possuem tctica alguma. Sao promptos, l Isso sim,
para a mudanga e flancos, e esto serapre muito
attentos voz do chefe.
c Ka de causar adrairago que 4,500 homens
fossem commandados por um major, porm nao ha
que estranha-lo, cousas mais raras acontecera na
entre-riano.Nao enttndo|ao que isto mira.
Da Uruguayana tambem oo se tioham recebido
na Concordia seno algunas noticias vagas, tra-
zidas por algum viajante, e que alcangam al o
dia 8.
Nesse dia all chegava p general Milre com o
visconde de Tamandar, llevando os vapores em
que elles iara, duas escunas carregadas de tropa.
Parece averiguado .que o Sr. Mitre ia tomar o
commando era chdfe das fofgas sitiadoras; incidi,
porm uraa circunstancia nao imprevista, mas que
ninguem suppunha tao prximaa chegada do Im-
perador.
Eis como isto se refere
Sabendo Sua Magestade as duvldas que occor-
riam sobre o commando em chefe, em occasiao
que chegava ao Algrete, deixou all a columna
com que avanga o conde d'Eu, e trazando, uraa es-
colta de 1,000 homens torgou as marchas, de
modo que em dia e meio chegou a Uruguayana.
Sao 28 leguas \ ,
Chegou antes do general Mitre, e, como natu-
ral, tomara logo o coramanqo em chefe.
A declso do Imperador efn tomar a Uruguaya-1 barcago" s, que se eslava no porto de urna grande
na tao absoluta que, segundo a correspondencia nago martima. .....
do Naciona/, dera cora antecedencia ordem de ar- \ A sai y to. .mraed.ataraente retn-
rasar-se essa povoaco, se fosse necessario. j UA aep|lia(ra ingleza eslava fondeada n'uma s
Velo lempo esta noticia, porque alguns disco- j |nna de batalha paralella a' praia, acerca de tres
los espalhavam por aqui que havia desiotelligencia militas de Portsmouth.
^ ,, 4 ,,,., m, Haviam sido collocadas boias indicando as posi-
entre o general plores e os generaes brasileiros por q(je devjan occupar os nav0j franceZes es-
quererem estes poupar a povoagao brasiieira, sen- sas D0as eram ornadas de bandeirinhas encarna
do que nao tinham tido a mesma caridade cora Pay- das e lomavara lugar enfre a esquadra ingleza e
! a trra sobre duas liuhas, a priraeira de seis, a se-
gunda ee tres navios,
mas que sempre se ga- A esquadra fraHceza compuoha se de tres divi-
ordens do conde Boot-Wuillauraer. con-
commandanie era chefe; a 1*, e
A chegada da esquadra franeeza enseada de
Portsmouth foi urna das mais esplendidas a que
seja dado assistir.
Ao entrar no canal, tinha formado em linha,
tendo na frente a Rein: Hortense com dous barcos
de vapor navegando a bombordo e estebordo; se-
guia-se-lhe a Solferino, nu almirante, etc.
A Franga pode com raso, ufanar-se pela impo-
nente forga martima que aprsenla esta reuniao
tao homognea de navios couracados.
A's onze horas e meia, a linha da esquadra, de-
senvolvida n'uma superficie de 3,600 bragas, avan-
gava para o lugar do seo uodeadouro.
Depois de passar alm do barco que servia de
regis'o, a Solferino saivava a handeira do alml-
rantado com dezenove tiros.
Os vachts coroegaram eolo a surgir de lodos
os pontos, tao ligeiros como os aleyons; viara-se
manobrar destrmente em todos os sentidos, agru-
pados por vezes, navegando outras vezes em li-
ndas paralellas, mas to cerradas que cusiava a
comprehender como nao abalroavara. Navegavara
all s centenas: yachis de hlice, de rodas, ca-
hques, culers, etc., todos mais lindos e pimpes
uns do que os ootros.
Fra infinito o numero das canoas e botes.
Todas estas embarcagoes sulcavam a enseada
em todas as direcgdes, aproveitando com urna
dextresa inaudita urna bria assaz fresca.
Nao se notava a besitago as suas manobras,
nem um sil grito ; corram urnas ao encontr das
outras, evitavarase para recahirra sobre a visi-
nha, que a seu tn-o) lestaraenle se deserabara-
eava.
Conhpcia se, no meio deste forraiguero de em-
Edgard, nao de vapor de 71 pegas, trazendo o
pavilho do contra-almirante Daeres, Hedor, De-
fence, Hlack-Prince, Achilet, Prtnce Consort,
Royal Sovereign, Research.
A esquadra ingUza composta da Edgari e das
sete fragatas cnuracadas, cajos no mes preceden!,
est ancorada n'uma linba paralella da Magenta
e da Solferino.
Na extremidad.- dessa liona fira urna fragata
sueca e a Archiduc Frederic, fragata a vapor aus-
traca
As esqnadras esto fondeadas em viote e seis
metros de agua, sendo o fundo de Ana arela.
A' noite. teve lugar o banquete offerecido ao esla-
do-maior da raarraha franeeza a bordo da nao Durk
of Wellmgton.
A sala do festim, improvisada sobre a robera,
media 25 ps ingles de comprimento e 15 do lar-
gura.
Nao se pooparam despezas para ornar esta sala
inmensa.
A baixella era de urna magnificencia deslum-
brante.
Mr. Hancock, de Brulon Slreet, com urna patrio-
tica liberalidad.' que lhe faz mnita honra, havia
posto a' dlsposigao do almirantado o soberbo servi-
go de mesa qoe fabricnu, ha poneos annos, pelo
prego de noventa e oito contos de ri>, para o prin-
cipe Deroidolf, que com elle ornava os seus mais
fastuosos banquetes em Floreoga.
Este servigo que coota 100 pegas mareadas com
as ioiciaes do principe, adiase actualmente em
poder de Mr. Hancock.
Lord Somerset, acompanhado pelos outros lords
do almirantado e por lord Clareoce Paget, dirigi-
se a bordo da Duke of Wellinglon, um pouco de-
pois das 7 horas, atim de estar no seo posto para
receber os seus hospedes.
Logo que se annunciou a chegada de Mr. de
Chasseloup Loubat. ministro da marrana da Fran-
ga, o duque de Somerset, dirigio-se a porta 4a
entrada para o receber e o coodnzio a sala de
recepgo couligua a sala do banquete.
D'ahi a pouco deo-se o sgnal que o banquete ia
comegar.
Os convivas foram collocados de maneira qne
cada inglez linha a sua direita na oflkial
francez,
Nenhum toast (brinde) a fez.
Depois de se levantarem da mesa, os hospedes
do almirantado percorrerara a nao, admirando o
espectculo que apresentava a enseada resplande-
cen!.' de midieres de luzes que se reflectiaoa tas
aguas.
A' dez horas, Mr. de Chasseloup Laubal despe-
dio-se e regressou a borda da Reine Hortense.
A sua partida foi o sgnal para iliumioago geral
da au, da qual acabava de sabir.
Ao passo que o almirantado baoqoeteava abordo
do Duke of Wellmgton os offlciaes superiores da
esquadra franeeza, os outros, qoe se acbavam em
Spilhead, recebiam a bordo do Prtncipe Negro naa
hosiitalidade nao menos esplendida.
Em 30, os oflicia-'s fraicezes e os raembro- do
almirantado foram ao meiodia visitar os estabele-
cimentos da marinha em trra e os navios arssados
ou no estalelro.
Depois desta inspeccoo, embarcaran! a borde do
Enccanlress, yacht inglez. e dirigiram se a Sou-
tharapion Water para visitar e hospital real e
militar de Netley.
A parte importante do programma da noute de
31 era o banquete do almirantado, que teve lugar
no local do collegio real de raarinhi.
Construiose n'um dos pateos dote edificio ama
sala em forma de barraca, qne liiha 165 ps de
comprimento, oC de largura i M de aliara.
Amanha continuronos a dar mais porme-
nores.
sandd.
Sao intrigoinhas, bem sei
nba em desmanchar a tem o.
Se a presenga do Impera lor no assedio de Uru-
anda a colligir os materlaes para uraa larga des
cripgo dos Paizes-Baixos, e morrnente da podero-
sa cidade comraercial de Antuerpia. Aquelle lio
raem vestido cora slraplicidade, que tem barba pre-
tae um livro na mo, Chrisuvam Plautino que
anda a tratar de fundar em Antuerpia urna ira-
prensa de raaravilhosa importancia. Este estaba-
lecimento ser to vasto que conglobar multas ca-
sas ; centenares de operarios sero oceupados to-
dos os das a compor, emendar e imprimir livros
em todas as liuguas da ebristandade. Nao deve
deixar de ir visitar o estabeleciraeoto deste hornera
eminente -, apezar de incompleto, j lhe ha de dar
motivo paraadmirar-se.
A Neerlandia um paiz abengoado, disse o
velno Deodati. Se o ar aqui nao to brando co-
mo na nossa bella Italia, os homens sao esforgados,
activos, intelligentes, industriosos e sabios, e pos-
suem em larga escala todas as condigoes que po-
dem dar a prosperidade material e o progresso mo-
ral. Admiro, Sr. Turchi, como sendo um estran-
geiro, conhece a cidade e os seus habitantes como
se aqui tivesse nascido.
Ha j alguns annos que vivo aqui, respondeu
Simo. Estes seahores sao os frequentadores ha-
bituaos da casa do Sr. Van de Werve, e tantas ve-
zes os tenho visto que conhego todos como amigos
velhos. Queira olbar para aquelle canto, ao p do
cravo, onde alguns failam alto, e riem e gracejara.
De cerlo conhece que sao artistas aquellos homens
de vestuarios to diversos e to livres em lingua-
gem e maneiras, nao assim f
E' verdade. Nao o Raphael flaraengo, Frans
Floris, aquelle hornera bem apessoado e de feigoes
nobres que os outros parece que cercam com res-
peito?
Exactamente ; o que lhe foi apresentado
hontem pelo Sr. Van de Werve, e que lhe fez com
to ardente admirago o elogio da arte italiana.
Ao lado delle esl um individuo singular ;
a sua postura graciosa e os seus gestos monta a
riso.
E' Pedro Breughel, humorista que concebe
todos os seu quadros de maneira que paree ara ser
feitos por gracejo. Comtudo um artista muito
estimado. Ha pouco tempo vi urna pintura delle
era que representa o Salvador levando a cruz ao
Calvario. Nesse paioel de Pedro Breughel ba pe-
regrinos com couhas de S. Tbiago s costas; sol-
dados hespanhes de gibos golpeados; freirs e
frades que se encontrara nos carainhos ; e at uraa
i estatua da Virgem, dependurada em urna arme :
tudo isso era um tempo em que nao havia christia-
nismo, era S. Thiago de Corapostella, era conven-
tos, era hespanhes.
Cora elleilo exquisito, disse Deodati sorrm-
do. Mas parece-me que essas fantasas inconve-
nientes nao podem ser de muila honra para um ar-
' lista. Nos Paizes-Baixos, alm de outros cesturaes
! mos, ha o de brincar assim cora as cousas mais
santas ?
Nao, senhor, este Breughel urna excepgo.
Os outros artistas que v naquelle canto de redor
do Raphael flamengo i.o homens muito serios. O
de gibo pardo Miguel Coxia, hbil artista que
prima particularmente em retratos de cnulher.
Aquelle bonito rapaz, que esta em p por deiraz
delle, Manioho de Vos, discpulo do mestre Flo-
ris que d as mslhoreii esperanzas. Os outros que
posso reconhecer d'aqu sao Lamberto Van Noord,
Egide Mostaest, Gailherme Key, Bernardo de Ry-
cke, e os dous irmans Henrique e Martina) Van
soes. as
tra-almiraote,
Cleef, celebres pintores de istoria, de fantasa ou
de retratos. Ao lados dos o itros est mestre Grira-
mer, famoso paizagista ; e aquelle com quem est a
a conversar um certo Ack de Antuerpia que pin-
tou as grandes vidragas da
emBruxellas. O velho qu
greja de Sania Gudula,
Os servos derramararase pela sala, e parando
dianle de todas as pessoas preseotes, enumerava os
noraes dos di itrenles vinbos :
- Um copo de malvasia, de vinho do Rheno, de
vioho de Franga, de vinho de Hespanba, oe mos-
e est s e parece rae- i caiei, do Romanea, de Orleans, de Hypocrs
ditar ao p do cravo, Chrlsliano, artista de mar-.' Em quanto essas deliciosas bebidas e mil golodi-
vilhosa habilidade para tocar muitos instrum-ntos, jces eram assim distribuida*, Geronymo nao perdia
mas especialmente viola. E' provavel que u ouga ae v(8|a 0 sr. Van de Werve, e segua-lhe todos os
boje. movimemos com um olbar que diza muita espe-
Simo Turchi ainda deu outras intormagoes ao
Sr. Deedati acerca das pessoas preseutes, e conli-
nuou a conversar familiarmente cora o velho. Este
eslava encantado do espirito e sobreiudo da rara
bondade do seu compatriota que era claro que se
delxava estar ali, e nao ia tomar parte as conver-
sages geraes, nicamente para lhe fazer compa-
nhia.
J por duas ou tres vezes se tinha chegado Ge-
ronymo a seu to; mas este despedira-o de todas
ranga.
Quando emflm o vio sahir da sala, illuminou lhe
o rosto um sorrlso cheio de alegra. Geronymo sa-
bia que o Sr. Van de Werve conceda aos amigos
e coohecidos o prazer de gozarem durante urna
hora a presenga da formosa Mara, e j desde o
principio da noule estivera sempre espera do fe
liz momento era que a donzella appareceria na
sala.
Simo Turchi finga a maior indifferenga, mas
rOUVUlU A SOU MU IM OJW uuo^vwiiw-v v mmmmm i ... I
i as vezes cora amigaveis gracejos, dizendo Ine que a I nao tinha nunca perdido de v,sta o seu rival, vio-
I araavel companhia do Sr. Turchi era muito satis- lhe a expresso radiosa do rosto e coraprehendeu o
factora, e que pretoria continuar a conversar tran
: quillamente com elle.
Entretanto a conversaco entre os convidados
que era que elle esperava.
Mana ia apparecer I Talvez toda aquella gente
j soubesse que as suas horaenagens tinham sido
! tornara se mais geral. F.dalgos e banqueiros, ne- engeiudas, e que Gerooimo trlumphara do podero-
1 gociantes e sabios, foitores e artistas estavara mis- *o administrador da casa dos Buonvisi 1
turados em ramios pontos; gerarchia e condlgo Esse pensamenio foi um golpe doloroso no seu
pareciam esquecidas, e o umo da conversago orgulho. Langou um olhar fulminante sobre Gero-
aoimada soava na sala como o zumbido de um en- nymo, que se tinha vollado para outro lado. Pelo
same de abelhas.
Uns dez criados eniraram, cada um del les com
nm taboleiro de prata carregado de copos de crys-
'al chelos de vinhos de varias cores, ou de doces e
'rucios raros, que eram offerecidos aos convidados
como refrescos.
abale irresistivel da colera e do cime, a cicatriz
de Simo Turchi comecou a inflammar-se, e elle,
senlindo-o, levou uo mo aos olbos para dissimu-
lar a soa commoco.
O velbo Deodati perguntou-lhe com ioteresse:
Que tem, Sr. Turchi ? Est indisposlo T .
Haviam chegado a provincia do Paran', no va-
por Guarany, tres familias de nirt-amerieanos,
compostas de li pesssoas para a colonia do As-
sumguy.
Noticiando esta chegada aeerescenta o Ctmmer-
co do Paran :
Sao pesssoas que dispe de recursos, possnindo
lodos os coohecimentos pralicos da agricultura.
Antes de se decidirera a estabeleeerem-se vleram
estudar o terreno, e na opiniSo delles, o eneootra-
ram superior, e cora (odas as vutageas para se
montarera estabelecimentos agrcolas de prtaseira
ordem.
Felicitamos o municipio de Par a nagua', em
geral a provincia pela brilhante perspectiva que
Ihes offerece a agricultura, esse elemento de rique-
za at agora lo abandonado.
Deus permuta que o governo, acorocoan* as
vistas destes emigrantes, erapregue lodos os asetos
de attrahir outros para povoarem as Masas exten-
sas e ricas matas incultas.
Est aqu um calor insupportavel! ose Si-
mo, esforgando-se por ser superior a agitago.
Calor I murmurou ueodati. Parece-me que o
calor nao muito. Quer que vamos na pouco pa-
ra o jardim ?
Mas Turchi ergueu a cabeea e disse coas airoso
sorriso:
Agradego de todo o coraco o interesas aa,
me testeraunha, senhor. Isto nao foi nada. Tas
estado muito tempo a olbar para agele sastre
grande, e o brilho das luzes fes-aje mal caMca...
Levantemo-nos, Sr. Deodati; ahi veas a formosa
Mana, a blonda maraviglia.
Neste momento appareeia pula a sata Sr.
Van de Werve com sua querida liba pato asi.
Ergueu-se um murmurio da aaoiraco esa lodos
os mogotes, e cada um se apressou a fazer alas pa-
ra deixar passagera livre ao Sr. Vaa de Werve a
a sua Alba.
Em verdade a belleza do Marta Vaa o Werve
era superior ae que sepodu imaginar. Taau a seu
vestuario era um coraprido vestido i
co-argeniino, sem outro ornato
brilhante cilo de Oo de cura Orgia-toa a
urna coroa lecida com os louros obelas, par
os quaes brilnavam perolas de jststora
brancas. Mas o que msis mova a i
os seus grandes olbos asnas, a soa frouta
cura de lyro, a nobre suavidad* das suas :
e mais do qne indo o brando, singello a
sorrir que lhe Iluminara o rosto e brilaava a
olbos de todo* como nm rato de alegra da vida a
de serenldade da lama. '
mrmar se-U.)
PERAMBecO-ftt'. OE M. r.NSP.4 U5


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJCX3F7KQ_W6HPWK INGEST_TIME 2013-08-28T02:20:46Z PACKAGE AA00011611_10790
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES