Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10787


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
AMO IU. MJEfiO m
"----------------------------------!---------------------------------------------------------------------------------------------"--------------------"-----------------------------------
Por qoarlel pago dentro de 10 das do 1, mea i 51000
dem tepois dos 1.* 10 das do comecoe dentro do qaartel. 61000
Porte o correio por tres mezes ..*.,..,,..', i 750
, w. -
SABBADO 7 DE OUIOBBO DE 1861
Por anno pago dentro de 10 das do 1. mei 191099
Porte ao correio por om aano.............. lloOtf
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o 3r. Antonio Alex->)drinn da Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos-i de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fiihos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagos, o Sr. Claudico Falc.io Das; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Fibeiro Gasparluho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e astages da va frrea at
Agoa Preta, lodos os das.
Igtiarass e Goyanna Das segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Alliuho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamaodar, Una, Bar-
reros, Agua Preta Pimenteiras.nas quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Jnlzo docommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos : tercas e sextas s 10 horas.
Primein^varado civel: tercas
dia.
Segunda tara do civel
hora da larde.
quartas e sabbadas
P411TE 9FFICIAL
mmm u psoviiuci.
Expediente do dia de oiilnbro de lSC.
O.cio ao E^m. marechal commandante das ar-
ma^. -Fagoapresentar a V. Exc, para seren alista
dos no batalhao de guarda naclonaes destinados
ao servico da guerra, os guaras meuciouados na
relacao junta.
Dito ao inesmo. Autoriso V. Esc. a mandar
eliminar do batalhao de guardas naclonaes desti-
nados ao servico da guerra o guarda do 6 bata-
lhao de incautara do municipio do liedle, Ray-
mando Nonato Carreia de Mulo, aceitando em sen
lugar o paisano Joao Daraasceu", que, segundo a
sua informaco, n. 1737, de 3 do correnta, foi jal-
gado apto em inspeccao da sode, para substituir
i Antonio Gregorio Leite e Lniz Francisco de Azeve-
do Brasil para servirem em commisso, aquelle
no posto de lente, e este de alferes do b." corpo
em organlsaco; o que tudo constou de officios da-
tados de 3 e 4 deste mez.
(Assignado.) Francisco Sergio d'Oliucira.
Est conforme.Antonio Francisco Duarle, 2.
tenente-ajudante de ordens interino encarregado
do detalhe.
Ordem qddirional n. lio.
Tendo a presidencia providencial em ordem a
ser eleva la a guarnidlo da fortaleza do Brura e
considerada como destacamento permanente, o
marechal de campo ommandante das armas de-
termina que esse destacamento em das alternados
faca exercicios de bateras, e encarrega o Sr. 2.
tenante commandante da companhia de artfices
Honorio Dominguesde Menezes Doria de seraelhau-
to instrugao.
O destacamento do forle do Buraco ser por
igual maofira instruido em taes exercicios, sob
oKSSt+m* raelusoo requeriraen-'
to que me euderec-au o sol Ja lo do 3o corpo de vo-
luntarios da patria.
Dito ao raasmo. Srvase V. Kxc. de informar
aerea do que pede no incluso reijuerimento J>s
Luiz de Macedo Cavalcanli, subiiiciteudo-o a nova
inspecro.
Dito ao mesrao. Mande V. Exc. alistar no 3"
cotpo de voluntarios da patria a Flix Antonio
Francisco, que lite foi apresentado como rec.nita do
exercilo, tkaudo V. Exc. na Inlelligencla de que
es;e individuo, segundo declarou-me seu pai em
requeriroento, renuncia o direito que tem de no
lira da guerra de receber a gratificago de 3005
rs., e a so: te de trra concedida por le.
Dito ao inesmo.Queira V. Exc informar acer-
ca do ijue pedem as pesias can relacao, nos requerimentos que aqu junto.
Diteao mesmo. S' for ulgado apto para o ser-
vico da guerra o guarda do 2" batalhao d; infama-
r.a do municipio do Recife, Angelo Custodio de
Atreu, mande V. Exc. alista-lo no betalhao de
guardas mcionaes destinado quelle servico em
suhstituicao do guarda do muoicipio de Cimbres
Cirios Jote Guedes, que deve ser eliminado.
iitoao mesmo. Maule V. Etc. eliminar do
ba'alho de guardas nacionaes destinados ao servi-
co da guerra, o uarda do batalhao n. 21 de infao-
nel Jos Mara Ildefonso Jacome da Veiga Pessoa e
Mello.
O mesmo marechal de campo declara exonerado
nesta data do lugar de ajudanle da fortaleza do
Brum para qu; lora interinamente nomeado, o Sr.
2." tenente Jos Rahello Padilha, visto como cessuu
o impedimento do Sr. lente Joao de Serqueira
Campello
fAssinado.) Francisco Sergio de Oliveira.
Est conforme. Antonio Francisco uuarte, 2o
tenente-ajudante de ordens uterino encarregado
do detalhe.
EXTERIOR.
i S^OV
EP^IEllIDE DO MEZ DE OUTUBRO.
4 La cbia as 8 h., 11 m. e 46 s. da t.
11 Quartoming. a 1 h., 2 m. e 22 s. da t.
i!) La nova as 2 h., 7 m. e 52 s. da t.
27 Quarte>xresc. a I h., :0 ni. e 16 s. da t.
2. Segunda. S. Leodogarro b.; S, Gcarino m.
3. Terga. S. Maximiano b.; S. Eusliquio m.
4. Quarta. S. Francisco de Assis fundador.
o. Ss. Placido e seus somp. mm.-, S. Alhrlano b.
6. Sexla. S. Bruno fuDd. da ordem cartoia.
7. Sabbado. S Marcos p. S. Sergio m.
8. Domingo. S. Brgida princeza de Nericia v.
PREAMAR SE IIOJE.
Primeira as 6 horas e 6 m. da manhaa.
Segunda as 6 horas e 30 miautos da tarde.
=
PARTIDA DOS VAPORES COSTERO.
Par o sul at Allgoas a 14 e 30; p~ra o Mrw
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nosdi3s 14 dos mezes de Janeiro, mrqo, Bato,
julho, setneme Jiovernbro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na vraria da praga da IMtopaaftidl
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manon) Pigoeirba.di
Faria & Filho.
A corveta sirna Bandeira acompanhara o Jim-, examioar devidamente qualqner producto que se
Mo na vagem de el-rei. submettesp a lanco,eaquelle senhor muito se cora-
Dil urna folha estrangeira que o imperador Na-: prazeria em ver lanjos soberbos pelos objectos que i
poleoollerecera a S. M. el-rei D. Luiz I, o palacio] se arremalnssem.
de Compigne, para residir, em quanto esliver em i Nada nos parece mais fcil e conveniente do que !
Franca. collocar se um geme em cada eslremidade da i
S. A. o principe Amadeu, irmo de S. A. a rai-j masa, que pelo seu grande comprmanlo d bas-;
nha D. Maria Pa, tem sido muito obsequiado em | tante espaco para ambos poderem desafogadaraente
Madrid. Falla-se muito em Allemanha no proxi- | apregoar as prendas.
CflfiflNICA JliltlAlUA
:n enlace matrimonial d'aqublle principe com a
liilia primognita do D. Isabel II. Parece que S.
A. se demorara naquella corte cora a real familia
hespanhola at se verificar a prometida visita do
imperador dos francezes rainha em Biavrnz.
Diz-se tambem que o imperador vira u'alli a Por-
tugal para visitar a exposico do Porto.
Dizem alguma folhas portuenses que um dos
membros da commisso francesa na exposigao in
terna-ional do Porto recebera de Pars um tele-
TKfBI TV*!, A nKLWln.
SESSAO DE 3 DE OUTUBRO DE 1863.
PHESIDENCIA DO EXM. SR. CONSF..HEIRO
i SOUZA.
as i horas da mauha, presentes os Srs- des-
embargadores Santiago, Gitirana, Lourenco San-
luforraam-uos que o Sr. Francisco Ignacio Pin-; tiago, Almeida Albuquerque, Motta \s*is Doria
to, um dos agentes de nossa praca, promplifka-se i Doanugues da Silva e Barros Va'sconcel'los fal-'
com todo goslo o generosamaote a secundar o seu tando os Srs. das3mbargadores Guerra procurador
collega n'este servigo, para o que J no domingo da cora, e Ucha Cavalcant abrio-s a sesso
passado sa offeracra. Seria muito bem aprovei-, Passados os feitos, deram-se os seeuintes'"
lado esto olfarecimenio, porqoe lodos nos sabemos Jlgamkntos.
as maneiras atleociosas, e as relagoes de amisade Aggravo de vetkao
que entretem na noss sociedade o Sr. Pinto. Aggravante, u. Joaona Mara das Dores ae-
Muito folgaremos que se realse esta combina- gravado, o juizo. Relator o Sr desembargador
gao, sobre modo vaniajosa, a que a concorrencia Domingues da Silva.Sorteados os Srs des^mbar-
.No da Francisca Freir da Costa, pedindo q-i'
seja registrada a prociirar;;io que aprsenla.-->'i>ta
ao be desembargador fiscal jiara dar seu parecer,
urna vez que consta estar com allencia aber'a :\
pessoa ronsliluida na procuragao junta.
No de Antonio de Ml,ura Rolim, pedindo o r?7is-
t'o da procuragao 1e Antonio Nunes de Mellor'aa
qual nomeou caiseiros de sua casa commercial na
provincia do Cear a Fraocisco Nunes Teixeira de
Mello, Joaqun Francisco Berhm e Manoel Jacimh
Mi Uliveira.A procuragao que o supphcante iuni..
e de Manoel Nunes de Melb, a a petigo diz sei
de Antonio Nunes
engao, volle.
gramma participando-lhe que o imperador chega- ao Hospital Portwjuez, no dia de amanhaa, seja em gadores Assis e Doria.__Adiado
ra a Lisboa no dia lo e que ao dia 18 estar no ludo igual a que bou ve no primeiro leilo.
Porto.
Hontem porm, chegou a Lisboa o desmentido ~ espectculo de quarta-feira, 4 do corrate,
da noticia. corresponden especiaiiva do publico.
Chegou no dia i a Lisboa o Sr. D. Francisco' Ainda P^r urna vez demonstrou-se vivamente
Fabio, ministro do imperador do Mxico, que tra I verdade do nosso succiuto, porm imparcial
para S. M. el-rei o Sr. Luiz o grande collar da! iQI?. a respeito do merecimento d'essa compo-
Aguia Mexicana. i s'Cao.
El-rei o Sr. D. Luiz, S. II. a rainha o ser- desempeaho corren agradavel.
nissimo principe real, S. M. el-re D. Fernando,; Ern 8er;'' hou* devida comprehensao da par-
pai de el-rei, e S. A. o Sr. infante Augusto par-1te d?s "guras, que foram felizes ua respectiya exe-
tem vara o Porto no dia 15 do correte as 7 no cucao.
ras da manhaa para assistirem abertura da ex-1 ,.A Plalea applaudio com frentica manifestacAo
posigao. i diversos landes de expressao imponente, de mais
A real familia tencin regressar no dia 26. Pa- f,d.8 ima^nagao e atavio de forma,
rece que o baptisado de S. A. o infante recem-; E de um espectculo seductor o drama,
nascido ser no dia 27 deste mez, e que no da 28 ''ouve tambara esmero e bom gosto e cuidado
haver baile no real pago d'Ajuda para solemnisar i acerca da sua collocago da harmona das vistas,
o aniversario natalicio do principe real D. Carlos. I *Mjlnrentas e imMentes pticos.
_Tinha-se lito que o baptisado do infante seria a
15 ; parece porm que em conse juencia de nao
haver anda chegadi o enviado do imperador Ni-
poleao, que vem tocar por padrinho, aquella cere-
monia so se realisar depos de regressar-a familia
real do Porto.
A partida d'el-rei para o estransteiro verificase
ou 2 d'oulubro prximo.
COKBHSPOiWElflAS 1>0 IA-
HIO DE fEBlTAJIIlllJCO
IASKB+A.
13 de seirmbro.
Pelo Amazon de Liverpool, Ins c:mmuniquei a
queda doi ministerio S-Avila, a a organisago do! no da i ou 2 d'oulubro prximo." Acompanhara
gabinete de 4 do correte, a que preside o honra- j 0 soberano S. M. a rainha a S. A. o principe real,
do conse heiro de estado elTectivo Joaquira Anlo-' Vao a Italia, Franca e Inglaterra, e tenc.onam
niode Agotar, que foi ministro do Sr D. Pedro (V. demorar-se nesta viagem dous mezes. A comitiva
tana do municipio do Limoeiro, HenriqueTavares bste cavalheiro esta encarregado da pasta do reino. da real familia compor-se ha de duas damas as
hazeuda o sr. Amonio Mana de Puntes Pereira de Sras. condes.-a de Souza e D. Gabriella Linhares ;
Mello. Justiga o Sr. Augusto Cesar Uarjona de de duas retretas da rainha, as Sras. I). Isabel Fer-
reiias. Guerra o conde de Torres Novas. Es- rera e I). Alexandrina, de urna retreta do priuci-
trangeiros e obras publicas o conde de Castro. Ma- pe a Sra. I). Barbara Franchi ; de um ajudante de
rinlia o visconde de Praia Grande de Macas. campo> de um veador e do medico o Sr. Jfagalhies
.No da de sua apresenlacAo as cortes, nao com- Coulinho
parecen o conde de Torres Novas, por estar oasua i Parece'que os Srs. duques de Saldanha c de
quima de Carril, em lorres Novas, tratando-se de Loul companharao tambem el-rei.
um liyeiro encommodo de saude.
A apresentaco do novo ministerio foi no da 5.
A recepcao fui lisongeira. Tomaram a palavra na
cmara dos deputados os Srs. Martins Ferrao sien-
des Leal, Vieia de Castro, Santos Silva, Govicho, nada
Turres e Alrueida, Antonio de Serpa e Salgado. o ar do reino vscoude de Fonte Arcada, na
Fallaran) d entro os novos ministros o presidente Dltlma sessao daquella casa do parlamento fez
srs. tontes, conde de Castro e Bar- igual pergunta, a que o governo respoadn aue.se
fosse preciso o recurso de mehs extraordinarios
que nao fazia para a vlagem de el-rei os pedira s cortes oppor-
iraes era que tunamente, mas que esperava nao ser preciso pe-
de M-lio, que provou ser ca.-alo e com limos.
Ddo ao :nmo. Sirva se V. Exc. de mandar
eliminar do batalhao de guardas naclonaes des-
eado para o servico da guerra o suarda do l* ba-
talhao de intantarii d> municipio do Recife, Elias
los Rodrigues, aceitanJo em seu lugar o paisano
Frincisco Komao da S Iva, por elle oflereeid) pira
substituid), urna vez qaa est-j elh as ondices
da le. i
Dito ao mesmo. En deferimenlo ao requer-
manto eJoio Fraociso d) Nascimento.manda V.
Ex :. eliminar do servleo do I" biialho da guarda
naeionar destinado a guerra a Joaqwm Francisco
L'i icio de Sania Anna.iilh i d) mesmo Nasciment),
Visto ser menor de 15 ano >*.
Dito ao inspector da tiies uiam de f.izenla.
Remeti inclusos os reqner i meatos que me dirig
ram os offlciaes do corpo de poli :ia e do batalhao
d: guardas naclonaes destinado ao servico da gner-
No se Ihe pode contestar a magostada do appa-
rato.
lia lines k actos em que principalmente a isso
se deve o effeito eloqoente, que se Ihe destaca
para prender a attengo do espectador.
Aquella do OI timo acto, quando depois de des-
trocada e apresada a fragata corsaria, abalroa com
fila a galera S. da Bonanca e rasga-lhe com a
quiln o bjo, e surge em scena a proa della,
trazenJo desganada no topo da quiha a efflgie da
Santa, prodnz nm nao sai que de admiravel e doce
sorpreza.
A iliuso augmenta com a projeegao da luz ar-
tificial sobre a menina Luiza, que o engeitado to-
mava pela senhora, pela seraelhang das roupas f^M16' JUIZ0
vestido branca e manto azul. Anoellate
E', em urna palavra, multo para sa ver a repre-
Aggravame, D. Joanna Francisca de Mello Caval-
cante ; aggravadu, o juizo.Relator o Sr. dasem-
nargauor Barros Vascoocellos.Sorteados os Srs.
desembargadores Santiago e Gitirana. Negaram
provimento.
Recursos crimes.
Recrreme, Dr. Manoel Duarle de Faria ; ro-
recorndo, o juizo. Relator o Sr. desembargador
Doria.Sorteados os Srs. desembargadores Barros
\asconcellos, Gitirana e Almeida Albuquerque.
improcedente.
Appelaeoes crimes.
Appellanle, o promotor; appellado, Jacintho Ma-
noel da Hora Mandes.A novo jury.
Appellaole, o juizo ; appellado, Jos Maria da
Silva.A novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Bernar-
do de Bnto.A novo jury.
Appellaces civeis.
Appellante, Monica Iguez da Silva ; appeUada,
l hereza Gatbarina da Couceigao.Desprezaram-se
os embargos.
Appellante, Francisco Leite de Azovedo; appel-
lado, Manoel da Paix&o Regis. Confirmada a sen-
tenga.
Appellante, Antonio Correia Pessoa de Mello ;
appellado. Manoel Francisco da Amorim e filbos.
Desprezaram-se os embargos com declarago.
DILIGENCIA CHIME.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
As appellaces crimes.
appellado, Joao Marques
de Mello, pelo que corrigido
-^
Com intormaea") do Sr. desembargador fiscal :
fto de Antonio Francisco Leste, cldado brasile-
ro, domiciliado em Macei, pedindo ser admettid.-
a matricula.Picoa adiado para se proceder s ne-
cessarias indagagoes.
Nada mais havendo a tratar, o Exra. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s 11 horas e meia da
manhaa.
SESSAO
UDICIARIA
o juizo ; appellado, Jos de Santa
o juizo ; appellado, Jos Correia de
SS. MM. (segundo se dii) faro a sua custa as
\ despezas da viagem.
O jornal realista do antigo rgimen a Naco ja
andava perguntando cusa de quem era a jor-
d > conselho, os
joa de Freitas.
O presidente do conselho, di>-
programraa porque ha principi
V. S.' lodos concordara,
ra, de que trata a relago junta, para que V. S. lodos concordara, e s pode haver divergenc.a na di los.
era os devid >- lempos: mande abonar as consigna' applicacaodelles ; que o gabinete espera caminhar i a pergunia da NacSo e a simpleza do Ilustre
Anna Jnior.
i sentagao de lao linda pega, que sendo hoja repel- Appellante
' da, o continuada amanhaa, d lugar ao nosso pu- \j,q|0 '
; Mico ir aprecia-la n'essas e n'outras muitas bel- naiii.t
lesas, que nos escapara penna nesta breve ex-;; ^^"JJjJJ Manoel Bezerra da Paixa0 4PPella
p0S'?a0' t Appellante, o juizo; appellado, Manoel Gomes
SST9" hea i'formadaBt,,''''eCa:uuApj)olanle.oiulzo: .milad, Francisco Jos
Da Cap*mga commnoica-nos pessoa fidedigna diligenciv civel
aseguinte noticia, cuja materia carece de urna; Ao Sr. promotor de apellas
! providenciare possa sanar o inconveniente apon- A appenaca0 cve|.
:,ado.": ,. ,i Appollante, a Santa Casa de Misericordia; ap-
' SJ?. ?.0!s.eq.,10 did,lz.er.al,'u,!,al.c.ot ? I l>eU*A, Antonio da Silva Ferreira Jnior.
DESIGNAGAO DK da.
pretenden) deixar de seu> sidos
QOBS que elh
nesta provn -ia.
Dito ao mesmo. Keeommendo a V. S. a expe-
dicao de suas ordens, para pi.' nessa thesouraria
sejam pagas sub rainha responsabilidade, ale ulie-
rior daliberagao do govarno imperial as despe-
is miadas e rom o pessi al d i arsenal de guerra,
vi-i) nao haver mais crdito para esse lira, segun-
do consta de ofllcio do respectivo director datado
de 30 de selembro ultim <. sobn. 419
Dito ao mesm Em vista do pret unto em du-
plcate, e nao havendo inconveniente, man' V S.
pagar os venciinentos relativos a 2" qumzeaa do
m:z de selembro ultimo, dos guardas do i' batalhao
dj artjlharia deste municipio destacados no forte do
Buraco, segando consta de oflO do do commandante
superior interino desta capital datado de hoja, e
sob n. 366.
Dito ao mesmo. Trasmittindo a V. S. s inclu-
sas relagoes em duplcala, recommendo-lhe qu, se
nao houver inconveniente, mande pagar a Simpli-
cio los de Mello, para i-so indi :ado pelo comman-
dante nterin) do batalhao numero 36 de Infama-
rla da guarda naci mal do municipio do Brejo
Madre de D >us, a importancia na i o dos venc-
meatos abouados a onza guardas do mesmo bata-
lhao, que se destinaran ao servico da gu irra, mais
tambem da escolia que os condazio d'aqaella villa
para esta capital.
Dito ao mesmo. -Estando em termos os inclusos
documentos, que vierara anneos ao ollicio do ma-1 deram explicacoes muito satisfactorias,
rf chai commandante das armas, datado de hontem i|ue os seus amigos dedicados izeram-l
na sen Ja constitucional, bustando o apoio dos cor
pos legislativos, e que cada um dos seus collegas
no ministerio exporia as suas ideas sobre os nego-
cios das suas respectivas pastas
U Sr. Footes, ministro da fazenda, disse que o
governo est unido no ponsamento que o presiden-
le do conselho espozera ; que a situagao Inaugura-
da toda de paz, de ordem, de coneiliago e de
progresso ; que pouco podia dzer sobre os nego-
cios a seu cargo que examinara 03 trabalhos do
seu antecessor e adoptara as medidas necessarias,
esturcando-se por fazer economas, manter o cre-
d.lo publico e satisfacer os encargos do estado. O
miuislrodas obras publicas, conde de-Castro, agr-
deceu a benevolencia da cmara ; declarou que
todas as circumstaocias publicas aconselhavam um
addiamento da cmara, e respoodendo a varias
perguntas, disse que quera lberdade do commer-
cio dos cereaes e dos vinhos.
Foi prometlida tambem pelo conde de Castro na
quahdade de ministro dos negocios estrang'iros
a revisan dos tratados pelo ministro do reino,
providencias promptas sobre os arrozaes, pelo di
da : justiga, a
as quaes
dos seus bneficos resultados
electividade das conservatorias, sera
nao poda produzira lei hypolhecaria
promelleu ivforraa
I visconde nao fizeram b ira eleiio no puble
Di/.-se ijii! el-rei ea real familia asststiram
no dia anniversario da morte do Sr. D. Pedr) IV,
as exequias que na capella da Lapa, do Porto, se
costumam celebrar cora multa pompa e lutimento
; por alma do duque de Braganga. E' sabido que
: na Lapa qu existe o COracSo que o Sr. Pedro
legou a cidade invicta. O anniversario a 24, mas
1 por ser domingo, celebrar-se-hao a i'> as exequias.
S. A. o Sr. infante D. Sebastij de ti mrbou,
qne lixou definitivamente a sua residencia era Lis-
boa, acceitou o lugar oe vice presidente honorario
da sociedade promotora das Bellas Artes, om Por
tugal, para que f ira unnimemente eleito. O pre-
siden' o da coramina) que amunciou a i serenissi-
rao infante hespanhol, nosso hospede, este leste-
munho de con^idaraco, foi o visconde de Menezes
extremado cultor da's bellas arles e pintor dis-
tineto.
Dn-se que por estes das apparecera' um no-
vo peridico politice, intitulado O Ftisiowsii.
A Opmiao suspenden novara ule a sua publica-
cao, mesmo autes da formaoao do novo Kabinele.
llavia sustentado que o ministerio devia esperar -
para retlrar-se quando se discuiisse a resposta a' I tod')S-0s !cus torcos, nflm de que
falU do throno, no caso de ter urna votacao cun-
do systema penitenciario, etc., etc. Emlim os mi- iraria.
nstros nao apreseotaram programma. mas per- Eram estas as ideas dos su-re iacture.s e tara
guutadus sobre varios pontos da administrago na- bem as do conde d'Avila.
quella ritual sabhatina do primeiro da de governo, No mesrao dia era que appareceu aquelle artigo,
da modo pedia o marquez de Sa a sua exonerac.lo a el-rei
" a apo- e a todos os seus collegas no ministerio, mesrao a
si b n. 1739, mande V. S. pagar us vennmentos dos, mese prematura sobre as palavras mellitluas que despeilo do voto em contrario do ministerio da fa-
olliciaes e izagas do terceiro corpo de voluntarios i soltaran), e os que se suppe serao adversarlos po- zenda.
dosta provincia, sendo os d'aquelies relativos ao^siiivos, disserara era diversos tous que esperaran) ojo
mez de selembro ultimo
quinzenna do mesmo mez
os destas a secunda
Diio ao mesmo. Recomraendo a V. S. que, es-
pelos aclis do ministros para se prouunciarem,
reservando-se loda a lberdade de accao.
E realmente antes de u;n s acta mioiterial, que
lando em lemos as inclusas relagoes em duplica- asruressio seria justificada? E mesmo sabmdo
la, mande pagar a Sympllcio Jos de Mello, con-1 que as cmaras seriara logo addiadas, que razao
fi.rme solicitou o tenente coronel commandante do I parlamentar haveria para roraperera as hostili-
batalhio numero 35 de infantera da guarda naci- i dades t
nal da comarca do Brejo, em offi-io de 26 de se-j Na cmara dos pares, no dia seguate, foi igual-
timbro ultimo, nao s os vencimentos abonados mente favoravel a recepgo do novo governo.
pelo mesmo tenente-noronel a dezoilo guardas do Apenas um par do reino, marquez de Niza de
predito batalhao, que vieram d'aquella villa, com elarou abertamente que Ihe faria opposico. Fal-
destioo ao servigo da guerra, mais tambera da es-1 laram os Srs. Sebasiio deCarvalbo, viscondede
colla que os conduzio al est capital. i Fonte Arcada, e marquez de Sabngosa.
No dia 7 foi lido as camarjs o decreto real ad-
diando as cortes att 5 de novembro prximo.
Dito ao rnesmo. Defenndo o incluso requer
ment, recommendo a V. S. que mande adiantar
ao foguista engajado pira o ssrvico da guerra,
Joo Manot-I Pacheco, um mez de seus vencimen-
tos ara s despezas de viagem, visto ter elle de
S( gair brevemente para a curte.
Dito ao inspector da ilvsouraria provincial.
Cammunico a V. S. para os fin> convenientes, que
nesta data mandei passar para o corpo provisorio
as pragas do corpo da polica, constantes da rea-
gao junta.
Portara. O presidente da provincia, resolve
conceder quioze das de licenga aos voluntarlos do
qainto corpo, Joao Paulo da Silva, Pedro de Alcn-
tara Moreira e Antonio Severo, os quaes vao a ser-
v,go ao muoicipio deS. Bento. Communlcou-se ao
commandante das armas.
Dila. O presidente da provincia, resolve no-
noraear provisoriamente o voluntario da patria,
Antonio Gregorio Leite, para o posto de tenente do
quinto corpo de voluntarios Gomruuuio u-se ao
commandante das armas.
COMANDO DAS MAS.
Quarlel general do commando das armas 'le Per-
nambnco na cidade do Recife, 5 de oiilnbro
de 1S65.
Ordem do da n. 133.
O marechal de campo commandante das ar-
mas, faz stiente a guarnigo para os convenientes
los:
1. Que a presidencia designou na data de 3 do
crrante, o Sr. lente Cantillo Augusto Ferreira
da Silva para servir na 7." companhia do 1. bata-
lhao da guarda nacional destacado para o servigo
de guerra, em subsliiuigo ao Sr. lente Manoel
Pereira da Silva Lins que a 27 de julho ultimo foi
ilespensado de lal servigo.
2. Que a mesraa presidencia nomeou por porta-
ras datadas de hontem aos voluntarios da patria
jornal ministerial desde logo suspenden, por
que nao era compalival a sua continuagao com
aquelle acto do gabinete que defender.
Oengenlteiro Sr. Iguacio Julio Pereira de Car-
valho, que por muitos annos foi inspector dos in-
cendios em Lisboa, e director interino do instituto
industrial, esta' elalurando a planta do edificio pa-
ra o novo correio geral, que se ha d i edificar no
terreno que Ihe foi destinado no aterro da Boa-
Vista.
Ficara' um edificio sumptuoso.
Gomecou ja a demolico da estaco central
provisoria dos carniohos de ferro de norte e leste.
( Continuar-se-ha.)
sua coieeituada Revista em favor dos pobres a In-
felizes habitamos da Capunga, que ha dous dias
nao tem agua para beber, porque o chafariz, que
aqu so coilocou ha pouco tempo, s a d por mui-
to empenho, e essa mesraa extraordinariamente
cheia de ferrugem.
Ignoro a raiio disto, no entanto sou morador
aqu de pouco tempo, e ja por duas vezas t*nho
recorrido aos visiohos, ond: ainda existe alguma
cacimba, que mais ou menos a tenha supporlavel,
para nao raorrer sede.
Tendo comparecido no dia 2S da setembro, alera
dos Srs. Dr. Francisco Augusto da Costa e Amonio
Jos Teixeira de Mendouca Bal era, somente os Srs.
Drs. Ignacio Joaqun) desonza Leo, Bernardo Pe-
reira do Carino Jnior e commendador Manoel Ca-
ntillo Pires Falca-, socios da sociedade Auxiliadora
da /ndustria Nacional: e nao sendo este numero
suffleieute para se tomar qnalquer deliberaco
acerca da creacao de urna sociedade filia- aquella,
da novo os dous primeiros Srs., para isto cominis-
siooados devidameate, convidara a todos os socios
residentes nesta provincia afim de que compare-
gam no escriplorio ra do Iraperidor n. 69, no
dia 7 do corrente ao raeio dia, para o referido ob-
jecto, esperando que os mesmo* socios envidem
se realise a ins-
tallago dessa sociedade lo til ao paiz.
Urna carta da villa do Brejo do Io do cor-
rente, a de pessoa fidedigna diz o seguinle :
c As nomeagoes de delegado e subdelegado des-
te termo proJuziram tn-te irapresso. N'uma qua-
dra era que enmpria collocar nos cargos pblicos
pessoas prudentes, moderadas, conciliadoras e mo-
ralisadas, foi para sentir que fosseiri nomeados ho-
raens, que, segundo a voz geral, nao gozam desles
predicados. Nao sei orno possa ser idneo para
deleg ido ura cida lao, qae ja foi pronunciado por
falsilicago de firmas, e nomeado subdelegado ou-
tro, que acensado, e nao sei se convicto de sa
ulilsar de cscravos alheios I Estou convencidissi-
mo de que houvedeslealdade da parte de quem in-
dicou taes noraes ao Illm. chefe de polica, a quera
eu pedira que se dignasse de examinar se os fac-
tos que indico sao verdadeiros. Desejra ser des-
mentido ; digo o que eu ouco geralmenta nesta co-
marca, onde taes oomeacoes hSo irritado al mes-
mo a pessoas do credo progressista I
Neohuraa folha poltica estranhoa este acto do
novo ministerio, porque fasto que os novos mi-
nistros, embora versados as cousas publicas, te-
nh un a'gum lempo para formularom em propos-
tas aquellas medidas que julgam mais efficazes
governacao.
Forara nomeados pares do reino os Srs Jos
Mana do Casal Ribeiro, ministro de estado hono-
rario a o general vscoude de Leiria.
Damingo 3 do corrente, fot perturbada a or-
dem em Villa Real por motivos politicos. Us par-
tidarios do novo ministerio festejaran) a sua ele
vacio ao poder. Os do partido contrario oppoze-
rar-se a d'ahi nasceu o conflicto de que felizmen-
te nao resulluu desastre algum.

mmn mama.
No certame era que corajosamente se erapenha
o Hospital Portugus de Beneficencia, as luzldas
exposicoes que faz annualmente, por occasio da
solemnisago dos seus anoivjrsariosde installago,
observase nao s a porlia
desenvolvem em soccorrer
recolhidos aquelle po est
rivalidade que dignamente
belleza e valor dos aslefaclos
No onselho d'Arruda dos vinhos tambem houve i plago vida dos que espool
ao bazar de prendas, que esl
domingo prximo passado
as 4 horas da tarde, como
desrdeos pelo mesrao motivo.
Fui nomeado eovarnador civil deSantarem
o Sr. Joao Real da Costa Cabral (filho do conde de
Thomar). Esta nomeago foi feita pelo ministerio
transado e publicada agora na folha cflicial. Ex-
tranhou a imprensa ministerial, com rulo, que o le, a mor parte d*
e emulago que se
enfermos indigentes
belecimento. como a
se ostenta no primor,
exhibidos a contem-
ineamente coacorrera
anno pnneipiou no
continuar amanhaa
' i-luin .
Alm dos objectos delicados e magnficos que
. admiramos no bo-pital, no
ministro do reino que estava para pedfr a sua de- I por caridosas patricias nossa i, consta-nos de pessoa Konyier, Jacob Selberbero
da Paula Esleves
Clemente.
aorados senhora, 2 lilhos, 1 ama e 1 escravo, Juniou Leve | Foi presente pelo offlcial thesourelro ura recibo I MnW omes da Silva, aecusado por crimo de
Joo Alves da Cruz e da quantia de lOOOO, que havia sido deduzida do ebl
misso, eslivesse a ultima hora nomeando empre-
gados de confianca. Credo, quia abswdum. Es-
las o outras que arrastarara a queda da sita-
cao.
Foi publicada na folha offlcial a carta de lei au-
torisando S. M. el-rei o Sr. D. Luiz I a sabir do
reino para visitar alguns soberanos da Europa-
cando S. M. el re o Sr. D. Fernando, seu augus-
to pai, a reger o reino na sua ausencia.
bem informada que amanhi
fusao de quinquilleras da exquisito gosto, (boga-
dos recante e espressamente
Sphere, bem como um leito
toda a sorle de doeutes.
Este leito, cujos desenhos
muito ingenhoso e digno de
novidade entre nos : pare
los indispensaveis a todos o
O vapor de guerra Mindello veio no dii 8 para Em virtude da enorme qi antidado de objectos
nbia, quernos pare-
defronle do arsenal de raarinha, afim de se Ihe
fazerem convenientes arranjos para a vagem da
el-rei o sua augusta esposa.
Para Belem, era subslituigao do Mindello fui ser-
vir no registro do porto a corveta Sagros, que es-
tava para sahir era vagem de iostruego para as-
pirantes e guardas marranas.
que devera ser expostos araaj
cer que so nao fiualisar o I< ilo respectivo, ainda
mesrao que este se prolongui al 10 horas da noi-
te, se o Sr. Peslana, a quem
este servigo, nao for ajudadoj por um seu collega,
com o que muito atilisaria ( ;stabeleciraento, por
que haveria mais tempo par i se poder otferecer e
**p

oraiogo l. do corren-
Assignou-se dia para julgamento das seguln-
tes :
Appellagoes civeis.
Appellante, a fazenda ; appellado, Manoel Luiz
da veiga e outros.
Appellante, Francisco da Cunha Araujo Pinhei-
ro ; appellado, Manoel Francisco tle Souza Leao.
Appellante, Franklin Leopoldo Alves de Almei-
da ; appellado, Patricio Ju- Freir Maris.
PASSAGE.NS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gitirana
A appellag.o crime.
Appellante, o promotor; appellado, Luiz, es-
cravo.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago ,
_ A appellagao crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel da Pai-
xao Regs.
As appellagoes civeis.
Appellante, o juizo ; appellados, Joao Fabricio
da Costa e outros.
Appellante, a Irraandade do Santissimo Sacra-
mento do Cabo ; appellado, o vigario Jos Luiz Pe-
reira de Queiroz.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr. desembargador"Moita
Appellagao crime.
Appellante, o juizo ; a'ppellado, Antonio da Ro-
cha Bezerra.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Assis
. A appellagao civel.
Appellantes, os herderos de Christovo Dionzio
de Barros; appellado, Dr. Pedro Pereira Bezerra
de Araujo Beltrao.
Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
dor Doria
A appellagao civel.
Appellante, D. Maria Sancha da Conceigao Ca-
vbante ; appellado, Dr. Joao Francisco de Arro-
da Falcao.
A meia hora depois de meio-dia encerrou-se a
sesso.
A rmaalade do Sr. Bom Jess dos Passos,
erecta no Corpo Santo, celebra a fasta do seu pa-
droeiro amanhaa, com toda a pompa possivel;
orando ao cangelho o Rvra. Antonio Manoel da
Assumpgo e ao Te-Demn o Rvm. Antonio de Me
lo e Albuquerque, e regendo
Primo Feliciano Tavares. O templo acha-se pri-
morosamente ornado, e consta-nos que a ir"" "da-
de tudo tem envidado, para que nao seja .testa
do corrente anno inferior as dos antecedentes.
Hoje se extrahir a 2o parte da 2* lotera da
Santa Casa de Misericordia, para a canalisago
u'agua e gaz no hospital Pedro 11(31"), sendo o
maior premio 6:0005000.
Passageiros do vapor brasileiro Paran, salu-
dos para os portos do sul:
Major Fernando Machada de Souza, sua senhora,
e i IIhs, anspecada Joo Agostinho e sua filha, ca-
bo da esquadra Antonio Bispo de Sani'Aona, solda-
do Jos Antonio Lisboa, Jos Targiuo Gongalves |
TBIBUMAX O COMHEBCIO
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 5 DE
OUTUBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEM11ARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
s-10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
EM 5 DE OUTUBRO
DE 1865.
MtKSIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. K. PERETTI.
Secretario, Julio Gmmaraes.
As M '.,' horas da manhaa o Exm. Sr. presidente
declarou abena a sessao, estaudo reunidos os Srs.
deseiiibarj{adores Silva Guimares, Res e Silva e
Accioii, e os Srs. deputados Rosa, Candido Alcol'o-
rado, Basto e Miranda Leal
Lida, foi approvada a acta da precedente
sao.
Assignaram-se os acordaos proferidos na ultima
sesso nos feitos em que sao :
Appellantes, Estanislao Bapista Rodrigues de
Souza ; appellado, Antonio de Arruda Cmara.
Appellante, Joaquim Salvador Pessoa de Siquei-
r-i Cavalcante appellada, a directora da caixi
tillal do Banco do Brasil nesta cidade.
Foi apresentado o ofuYio de 2 do corrente mez,
; doSr. Jos Jeronymo Honteiro, cemmuoicando que
achando-se encummodado nao podia tomar parte
no julgamento do feito entre parles :
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Seve Filtras A C.; appellado, Francisco Xavier
de Oliveira.
E o Exm. Sr. presidente ordenou quise convi-
daste outro Sr. supplente para este fim. *
J'XG\MENTOS.
Appellantes, o presidente e directores da caixa
filial do Banco do Brasil nesta cidade ; appellados,
Manuel Alves Gaerra eos curadores flseaes de sua
fallencia. Adiado na ultima sessao.Receberam-
se os embargos.
Appellante, Carolina Josepha de Almeida; ap-
pellados, a vi uva e herdeiros de Jos Hygino de
Miranda.Adiado as sesses de 28 do mez prxi-
mo passado a de 2 do crranle.Proposta pelo jniz
relator a preliminar se competa aojuiznn..
tomar conhpo:'"i>o (como faz) dos <-''K,,s 'n-
mugentes do juljtadu o.!te innunai passou por
unaniraidade que ficasse sem elfeito a deciso pro-
ferida por esse juiz sobre taes embargos. E sendo
proposia outra preliminar de nullidade Anuul-
lou-se o processo por falta de coneiliago com o
voto do Exra. Sr. presidente.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Rostron Rooker A.- Companhia ; appellado, Ma-
noel Dias da Silva Santos.Adiado na ultima ses-
so, adiou-se de novo a pedido do ouiro Sr. depu-
tado.
PASSAGEH.
Do Sr. desembargador Accioii ao Sr. desembar-
gador Silva Guimares :
Appellantes, Luiz Fonseca de Medeiros e outro ;
appellado, Antodio Joaqun) Salgado.
AGGRAVOS INTERPOSTOS DO JUIZO ESPECIAL
DO COMMERCIO.
Aggravante, Antonio Climaco Moreira Tempo-
ral ; aggravado, Bernardmo de Mirauda e Albu-
querque.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Aggravante, Polycarpo Jos Layme ; aggravado,
Antonio Norberto de Souza Lealdade.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais houve, e encerrou se a sesso a una
hora da tarde.
i 1,89 -J1
IIRY DO RECIPE
4 DE OITUBRO DE 1865.
Presidencia do Sr. Dr. Joao Antonio de Araujo
Freitas Benriques /mis de direito da primeira
vara criminal.
Promotor publico o Sr. Dr." Jacintho Pereira do
Reg.
Advogado o Sr. Dr. Jeronymo Salgado de Cas
tro Accioly
Escrlvo Joaquim Francisco de Paula Esteve3
Clemente.
Reo Manoel Jos da Silva, aecusado r^1" Time
de compcidade de roubo.
Feita a chamada as 10 horas da man :om-
pareceram 38 senhores jurados.
Foram dispensados a bera do servico publico e
relevados das multas em que incorreram os Srs.
Alfonso do Reg Barros e lenle Joo de Siquelra
Campello e forara multados em mais 205000 ca-
da um dos jurados j multados nos anteriores das
e sesso e a cada um dos segnintes:
Euzebio Xavier Sobreira de Mello.
Firmino dos Santos Vieira.
Abarla a sesso, precedeu-se o sorteio do jury
de sentenga, ao qual foi deferido o juramento des
Santos Evaogelhos, foi o reo interrogado e fez-se a
leiiura do processo e em seguida desenvolvida a ac-
cusago c ilefeza e lindos os debates depois_ da re-
plica e treplica feito o resumo da aecusago e da
defeza foram propostas as questoes de facto ao jury
de sentenga retirando se este com o processo a sala
das conferencias as 3 horas da larde d'onde voitou
nrhasirs "rtvm i deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda :
"" Leal, o Exm. Sr. presidente declarou aberta a ses- *.* cm sas apostas 1^ foram l.das em alta voz
sao.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Ura officio do
pelo presidente do jury de sentenga, em vista de
cuja deciso o Sr. Dr. juiz de direito condemnou o
reo a 2 annos de gales, e na mulla de oto e um
tergo por cento do valor ronbado e levaniou a ses-
manha do dia
Exm. Sr.'conselheiro presidente i s3 adiando-a para as 10 horas da
3 do corrente, remetiendo ura ; segrate era que tem de ser julgad:
da provincia, de
exemplar irapresso do aviso circular do ministerio
da justiga de 14 de agosto ultimo, recommendando
as autoridades judicianas que passem recibo da
correspondencia offlcial que recpberera dos agentes
do correio.Accuse-se a recepgo.
Foi distribuido ao Sr. deputado Alcoforado o li-
vro Diario de Sei xas Azevedo & C.
Comparecendo Manoel Marques de Amorim, pro-
o o reo Jos Go-
mes da Silva, aecusado por crime de eslilionato.
5 DE OLTIBRO DE 1863.
residencia do Sr, Dr. Joao Antonio de Araujo Frei-
tas Hennqaes juiz de direito da primeira vara
criminal.
Promotor publico o Sr. Dr. Jacintho Pereira do
Reg. *
Advogado o Sr. Dr. Egidio Fraucisco das Cha-
Fialho, Antonio Alves Guimares Cutia, A. de Tor- prietario da escuna Senhora da Conceico, prestou | 8aej ... p
ros Bandeira, padre Joo Soares de Albuquerque, i juramento a asslgnou termo de responsabili-| _.'
e 1 criado, Jos Epiphanio de Almeida Duro, sua: dada.
a ha uraa grande pro-
Je Franga na barca
haechauie adaptado a
vimos n'um quadro,
er-se, e eremos qae
e ser um dos utenci-
bospitaes.
se
2 criados, Antonio Joaquim da Faria, Manoel Fran-
cisco Tourinho, Antonio Domingos Vianna, francis-
co Jos Lopes, 1 escravo de Luiz Puach, Vicente
Ferreira de Panla, Francisco Duarle das Neves,
Dr. Luiz Feiippe de Sauza Lao e 1 escravo, Jos
Correia de Mendonga Sobrinho, bacharel Bernab
Elias da R .cha Calh-iros a 1 escravo, Dr. Antonio
dO Silva Valle, sua senhora, 4 filhos, 2 escravos e
1 criado, Manoel Vieira Ferrinho, Francisco Perei-
ra da Silva, Jos da Silva Ferraz, 1 praga de poli-
ca, 12 recrutas para a armada, 1 desosrtor, 12 en- luido durante o lempo que Ihe resta da licenga que
gajados para a ermada, Paulo, africano livre, Joo i obteve, o seu preposto Joo Dawley Jnior, por Je-,
Jos Claudirairo, Joo Manoel Pacheco, Pedro Jos suino Barroso de Mello, que se raostra habilitado,
e cuja nomeago aprsenla.Como requer.
saldo do exercic.o lindo, e ficara em caixa para I rei" Y"" as .10 hfa5 ,da man.aa Cm?-
ser applicada ao pagamento do docel que cobre o receram 45 senhores jurados, foram dispensados
quadro cora a efflgie de Sua Magesiade o Impera-ida Preenle se dor a o panno da mesa dos despachos do tribunal ; 'nc,orr2? w Srs, D,r" Ju"'J ,AuIS8U>Dd!l ^Unha
despeza esta autorisada por aviso do ministerio da Guimares e Manoel Jj^qnim da Silva l.ibeiro e
justiga de 16 de margo do corrente anno.-Mandou- multados em raais -205000 cada um dos jurados
archivar 'a multados nos anteriores das de sessao.
df.sp\ciios. Sorteiado o jury de sentenga foi deferido ao
dos Santos Evangeluos, foi o
No requerimenlo do corretor Antonio Botelho
Pinto de Mosquita Jnior, pe-lindo que seja substi-
Sorteiado o jury
mesmo o juramento
Rodrigues, Dr. Joo Jos de Moura Magalbes.
N6 do corretor Henrique Guilherme Stepple,
apresentando o conhecimento do imposto do seu
offlcio.Registre-se.
reo interrogado e lido o processo da forraago_ da
culpa, era seguida foi desenvolvida a aecusago e
defeza, fiados os debates foi resumida a materia da
aecusago e da defeza, e proposias ao mesrao jury
de sentenga as questoes de faci que foram entre-
gues com o processo ao presidente interino do mes-
mo, que se relirou a sala das conferencia a meia
hora depois do meio d'oude voitou a 1 hora da tar-
1 IPM .d^. m mmmm


de com snas respostas qne fui liJ* era alta yoz pe-
lo presidente do jury de senieuca, etn visla de cuja
decisao o Sr. Dr. juii de direilo Condemaou o reo
a pena de 3 airaos e 3 mezes de pnso cora traba-
Iho e mulla de 12 por eento do valor sobre o ea-
vallo que versou o estelionato e levantou a.sessao
adiando-a para as 10horas do dia segninte, em que
lera de serem julgados os reos Fidencia Maria da
Costa Santos o Manoel Jos do Nascimento, accusa-
dos por crirae de homicidio.
COMMNIGDOS.
obediencia, o Exm. Sr. bispo perdoou ao padre Jos
Antouio, e o ad rumio d novo no palacio, promet
tendo S. Rvma. ser d'aili em diante subraisso e
humilde como convinha. E o Sr. padre Jos An
tonio assim o cumprio, guardando para melhores
tempos o desenvolvimeoto dos seus planos.
Assim proceda o Eira, hispo D. Joo quando
anda robusto governava por si mesrao a diocese
que Ibe fura confiada. Depois, passoa-se o tempo,
decorreram os annos, e o venerando prelado, aba-
tido pela idade, alquebrado pelas molestias, dei
da a sua proviso de visita
penhar os seus ltimos esf ircos cora o fluado his-
po para realisar-sa a reei irada no convento de
Olinda da recolhida que
aquera ja' se bavia referido)
fectiva e onicaraente pelo
Sabbado 5 de Outubro de Sftft-
1 jr, obrigava-se a en-
delle havia, sabido, a
tResponda que.e-
prazer qua tara de ver
que aquella noraeacfio haiia sido promovida pw
aquellas mesmos que conl ra ella se haviam pro-
nunciado.
7.*Pergunlado se havia julgado boa a sabida
da dita recolhidado convenio em que es'.eve se rea'-
uuu \iatn luaue, aiqueorauo peas muiesua, uci- iiiiiiiiwn'jiiiii Huoi,.j i-
xou-se dominar por pessoas que viam nelle, n3o mente ella era causa da defeharmonia entre as re-
lia hispo, nao um successor dos apostlos, nao um colindas no mesrao conv rato 1Respondeu que
berafeitor extremoso, porm um reio asado para disto nao tinlia coohecimei
Bus ambiciosos; um Instrumento dcil para as 8.'Perguntado quem ti
! raals nefandas perseguicSes! Nao havia amiade zer entrar no recollumento
! ao pobre ancio, nao havia affecto, nao havia gra- senhora ?-Responden que
. tido ao protector generoso e constante, que conta- a requerimento da parte.
9.'Perguntado como
de E podero acaso imputar-se ao Ilustre prelado nham influencia para fazer
to.
iha jurisdicco para fa-
e sabir delle qualquer
era o bispo dioccesi.no
jue os ditos conegos ti-
nomear o dito vigario
O Monte Pi Portuguez.
Temos actualmente em Pernambuco duas insti
tuieoes para as quaes contribuimos, o Gabinete va ento mals de oitenta annos
Portuguez de Leitura e o Hjspial Portuguez de E poderao acaso imputar-se
Benecf ncia: e tanto urna como outra teriam lia as decides e as medidas extorquidas a sua fra-, Gamillo visitador da provn ;ia de Alagoaj, apeur
muito desapparecido. se a sua existencia dependes- queza? Poder" acaso a narracao de alguns desses de o haverem pmlado cobe to de crimes, e caj li-
sa somonte do* exforcos empresarios pelos nossos fados embaciar o esplendor do seu nome ? Nao por: nham mOuencia para fazei entrar no convento a
compatriotas certo. O Exm. prelado diocesano baixou aotumu- recolhida de quem ja' falloc ?-Respondeu qus na-
E' esta urna verdade amarga, mas dever con- lo coberto de das de gloria; e accusa lo pelos ul- da roais liaba a dizer senb o que expoz em sua
fessa-la aos Portuguezes sensatos e quelles que timos actos do seu governo, fra accusar a natu-, declaraco. i
de ba f se deixam arrastar pelas ideas de pes-, reza humana de nao formar todos os homens dota-. A requerimento do notificante, respondeu que a
soas que dar associacdea com o vaidoso pem-ameno do se cu.-ar a natureza humana de quebrautar com a ye- venlo, razao pela qual ella ,deixou de realisar sua
encherem de balofo orgulho e collocarem-se na Ihice as torcas e o vigor do homem o roais bera in- entrada. ;
erimpa do edificio embora depois o vejam desa- tencionado. A recordado por tanto de qualquer 10.'Perguntado como que foi premovida pe-
bar com lano que'seus noines ligurem us perio- acto do governo do Exm. prelado nos seus ltimos los mencionados conegos a nomeaco do sobrecura
ics como custume. diaa f servir' para provar como elle toi raartyr, vigario Gamillo, islo que meios empregaram el-
0 Gabinete ja nao subsistira ceriamenlo se os da affeieao e da conlianga mal collocadas ; s ser- les para a realisarem '/Respondeu que aprsen-
los subscriptores que nao sao portuguezes, nao vira' para mostra-lo victima da mais requintada in- lando ao mesmo bispo os documentos de que ja
oncorressem com seu quaulilativo de ires coutos; gralido I allou, os quaes como ja" disse justiQcavam plena-
mente o sobredito vigario dos fados que Ihe eram
atlrbuidos por quelles conegos.
11.*Perguntado sebastavam os documentos pa-
ra a justiQcacao do vigario Gamillo, qual a razo
porque forara apresentados ao floado prelado pelos
conegos que eram desafectos ao mesmo vigario, e
nao por elle respndeme, que havia pedido a no-
socios
concorressem -.
de res annuaes para a sua sustentado. | E anda assim eu por certo nao rae atrevera a
O Hospital lamtem nao se leria sustentado, se tocar nesse passado funesto, se o Sr. padre Jos
attenderse que a receila que provm da sociedade Antonio nao fosse o primeiro a levantar o veo, e a
a quem cabe o dever de sustenta-lo Oca a quem \ recordar aquillo de que s devia lerabrar-se para
demais de dous tercos-de sua indi-peusabel despe-i pedir perdo a Deus e aos homens.
za, sendo a-'xcedeute fornecido por esmolas de, E (ao indecoro-o era omndo porque o Sr. padre
bemffitores e benemritos que na mxima parte, Jos Antonio tratava em juizo a memoria do seu
nao '3o portuguezes. protector, que o proprio juiz o adverlio da incon meacao do mesmo e como tal era nella inleresa-
Pelos relatnos de ambas as instiluic.oes se de- veniencia das suas palavras... e S. R-ma. Ihe res- do?-Respondeu que s os ditos conegos podiam
prehende claramente, que nao podendo a colonia pondeu c jm lodo o cynismo que t ponco lhe impor- dar a razao disso.
portuguesa aqu residente sustentar por si s esses tava, que quera defenderse lili efender-se de E por nada mais dizer, era Ihe ser pergont.do,
esiabelecimeulos, muito. menos podera' contribuir que?quem foi quem o aecusou? quera
para ura terceiro
quando para dis
arleira
pelos
despezas m
Meuilera bein os uossos compatriotas em nossas dirig ao merilissirno Sr. Dr. juiz municipal da 2
palavras, suugendas nicamente pelo crdito que vara, que cerlaraente nao confirmara com o seu
desejams se maulenha aquellos esiabelecimeulos, despacho o allegado do mesmo requerimento a nao
que facilmeule virao a couh-.cer quanto elies per- ser verdade luver dado o Rvd. Jos Antonio essa
derara com a creacao d'essa nova e tercoira socie-' respo.-ta dade, os quaes com bastante sacrihvio no-so e rio. E queixa-se o Sr. padre Jos Antonio dos
cranle cooperacao de diversas nacionalidades le- males que odre t
nos sustentado. Permiltaj-w leitores que en d pubcidade ao
Com ludo Deus nao lia de permiltr que tanto o documento quaoonim essa resposla, digna de eler-
Gabinele como o Hospital estacionen! ern sua mar-, ua execracao, e qual me abstenbo de fazer mais
' reflexoes.
Era seguida publico hoje o rr-sto do depoimento
do Sr. padre Jos Antonio, isto as perguoiase |
resposias que tiwram lugar depois da declarago
que S. Rvma levou escripia, e apresentou no tri-
banal para ser inserida, com foi, uo seu depol-;
ment.
O Sr. padre Jos Antonio publicou essa declara-
iuer-se uo q pui uaua mais uitci, uciu jiic aci pcijuuwuu,
foi que o | non ve o juiz este auto por lindo, no qual depois de
> fisto 'iiara- Monte Po,- e' agredi,""para S.'Rvra.'se defender'? Islo na ver- lido, e acharem conrorme, assignaram com o res-
uislribuir os beneficios, que lalvez dade o sufra summum da imprudencia; e depois ponrfente, o procurador do notificante e as teste-
raineule se proraeitem, e se obriga a prestar de se me referir um tal requinte de ingratid.o ede munhas presentes, Francisco Manoel de Almeida e
estatuios sera'uecessatio fazer annualmcnte audacia, eu s pude dar-lhe inteiro crdito quando Caetano Alberto Carrilho.
as enormes I... vi despachado o requerimeulo que nesse sentido Eu Guilherme Augusto Athayde, esenvao, es-
crevi.
Francisco de Aran jo Barros.
D. Jos Antonio dos Santos Lessa.
Ayres de Albuquerque Gama.
Francisco Manoel de Almeida.
Caetano Alberto Carrilho.
cha beuelica e humanitaria.
A' frente do Hospital que sem duvida o raais
importante dos nosses paiiroes de glora acham-se
caracteres dignos do lugar que oceupam ; conlie-
iiii is iiVils, uxiliera'o-los com malores c ntribui-
co !, i ie. ii'esie, mesmo pi insliiuto, partir' a rea-
Iim ;ao das ideas consagradas n'esse projecto
i.-i ii-.s ilf-iecido p-lo Moule Po.
de
|j'c.-u .-ole serao vencidas todas as difflculda-; ^5o no Diario e 9 do corrente, e omitlo o interro-
des, e >e desvanecer' a idea de alguns de nossos
compatriotas que animados por espirites, se nao
maligno.*, poueo refleeUdos, chegam.al a acreditar
que s Ua rieacao do Monte Po, poderao ylr Ues
beneficios i inbra resulte a decadencia d'aquella
famosa associacio.
Nada pois e precipiatao : reflicta-se emquanto
lempo (ce atsim se evitara' serio, e tardio arre-
pendinienio.
Alguns Portuguezes.
^--*<^
A declaracao do Sr. padre Jos Antonio dos
Santos Lessa.
Vil
Talv-z que a algumas pessoas pareca inconve-
niente a coiiiinuagao da anaiyse que eu faco ao de-
poimento do Sr. padre Jos Antonio : lalvez que
ja' me u.xem de demasiado severo, e quica receiem
que a narracao de alguns fados possa de certo
modo embaciar a gloria do venerando prelado que
ltimamente baixou ao tmulo. Eu porm respon
do que, proseguindona analyse
dare lodas as conveniencias, como
*~m eonlinuarei a cingir-me quanlo for possivel 1
ao que o di. ,. ..., in poimento, occupauOu-nfc uw someot naanelleS'
fados que tem connexao intima cora o que expo-i
nhi-, oa que servem de provar a verdade do que'
digo, sem ser necessario juramento. A'quelles que
me laxaren) de demasiado severo, responderei que, i
quando elies forem arcu-ados falsamente de baver
teiio ti'an>acoes; quando forem calumniado?,
quando Ibes for imputado o que nunca fizeram,
quando virem um depoimento feilo em juizo e sob
juramento espontaneo contra as suas pessoas, epo-.
dendo desmascarar o falsario, e provar um por umj
o contrario de ludo quanto elle jurou em juizo, o
n;o fuerera e se cimieniarein com dizer Olio-
gatorio, o qual eu agora aprsenlo ao publico, pois
desejoque saia luz do dia tud quanto diz res-
peito-aos juramentos e limpeza de palos que fez
o Sr. padre Jos Amonio dos Santos Lessa. Alguns
desses juramentos ja' se acharo refutados, e a sua
falsidade cabalmente demonstrada : os outros le-
ro igual sorte quando Ihes ehfffar a sua Vez.
Olinda, 30 de setembro de 1863.
Gonego Joaqutm Ferreira dos Santos.
REQUERIMKNTO A QUE SE REFERE 0 ARTIGO AClMA ;
DESPACHO DO JUIZ, E ATTESTADOS DAS TESTEMU-
NIIAS.
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 2* vara.O cone-
go Joaquim Ferreira dos Santos, constan lo in> que
no dia 30 de agosto, depois da audiencia deste jui-
zo, por occasiao de dar o Rvd. Jos Antonio dos
Santos Lessa as explicacoes exigidas pelo suppl
cante acerca da poblicacao, que appareceu no Dia-
rio de Pernambuco de 8 do mesmo mer, V. S., con-
tristado pelo molo ponco decoroso porque era tra
tada a memoria do Exm. finado bispo D. Joao da'
Purificacao Marques Perdigao, dirigir ao Rvd.
Elrico das juizas, escrivas e mordomas, que
ho de festejar a F.uelsa Senhora da Con-
ceico da Escada, na igreja da mesma Se-
nhora dos Militares para o anno de 1S66.
Julza por eleicao.
A Exma. Sra. D. Anouncida Emilia Jorge.
Juiza por devocao.
A Exma. Sra. D. Candida Lins Paula.
Juiza perpetua.
A Exma. Sra. D. Olympia Lins Ribeiro.
Juizas protectoras.
As Exmas. Sras.:
A consorte do Illm. Sr. tenente coronel Joaquina Ro-
drigues Cielho Kellis.
D. Carolina Lins Meira de Vasconcellos.
D. Hermina Adeiaide Gampos.
Escriva por eleico.
A Exma. Sra. n. Josephioa Adriana.
Escriva por devocao.
A Exma. Sra. D. Rufina Dolores Maria Candida da
Silveira.
Hemfeitoras.
As Exmas. Sras. :
D. Alexaodrina Rita do Amparo.
D. Maria da Silva Ramos
D. Josephina de Aguiar.
Mordomas.
As Exmas. Sras-:
D. Anna Joaquina de Brito Silva.
Compulsando as paginas da historia antiga e mo-.
derua destes dous panes, lao eniliusiastas propug-
nadores de snaliberdade e independencia, quanto,
humildes e submissos aos preceitos da religio re-
venada, s vemos em cada urna dolas um monu-
mento de ricas tradicoes, um padrao de gloria para
os que se o/anara de perlencer-lhe.
Portugal enchendo o mundo de assombroe es-
panto em suas pocas de conquista e descobrimen-
tos; Portugal vencedor, uuuca vencido, fazendo
tremolar sempre victoriosas as quinas de seu es-
tandarte as lides marciaes com estranhos Inirai-
gos, ou as justas da liberdade cora os furores do
atroz despotismo : e o Brasil, que nao contente
com se haver ja tanto assigoalado eennobrecido as
memorias de suas passadas eras, se esforca hoje
mais que moito por tstenmenos irrecusaveis de
seu valor e de sua heroicidade, tomo sobre manei-
ra o alteslam o Salto, Paysand, Yatahy, Uru-
guaiana, e o feilo nunca [alo do inexcedivel com-
bale de Riachuelo; o Brasil que est perconisado
para gravar com mais um trago a lista das grandes
monarchias, que tanlo primara a historia uuiversal
do genero humano : estes dous paizes, dizemos,
nao sao menos dignos de pasmo e admirado, se
Ihes contemplarmos a infinidade dessas piedo-
sas instiluices, desses asylos de mendicidade e
de infancia desvalida, essas congregac.oes de or-
phandade, esses monUs de soccorro e de caridad,
que cobrem o abencoado slo, a que se prende o
nosso nascimento, e a que cada ura dos lilhos des-
tas duas nacoes chama sua patria.
Mas aiuda nao tudo.
A fraternidade entre estes doujnfcos, sim,
por certo o dora mals sublime do 9SP> nelles se
admira.
Se Portugal se empenha em urna lula, ou se v
a bragoscom urna adversidade, o Brasil sent e se
angustia, como em causa propria, o l vai era soc-
corro de seu irmo.
Se o Brasil estremece nos fundamentos de sua
integridade, ou gerae sob os horrores de urna ca-
lamidade publica, l est Portugal promplo a qual-
quer reclamo e seus Clnos dedicamente dispostos a
minorar-lhe os soffrimenlos.
Se urna instiluicao brasileira reclama protercao
e auxilio, os bolos da caridade e philautropia de
ambas as nacionalidades se misturara e confunden)
na niesiiia bolsa da beneficencia.
Se porlugueza a iuslituigao, como entre ns_o
Hospital Portuguez pe Beneficencia, oh I ento
passa alm do maravilhoso a porfla, que ahi se
manifesla, especialmente entre as sennoras brasi-
letras, na contribuicao das joias, dos raimo?, das
esmolas, e de tudo quanlo pode concorrer para ali-
vio dahumanidade enferma e desvalida.
O Bazar de prendas que leve lugar naquelle
hospital, domingo prximo passado, a prova mais
cabal e exuberaute do que acabamos de esbogar.
A infinita variedade dos artefactos de miro, de
prata, de seda, de linho e de aigod,as delica-
dsimas obras de cera e de massi,a perfeigo
dos bordados a cabello,a mestria das jnnturas e
dos dfsenhos,o espirituoso dos segredo?,o en-
genhoso nos trabalhos da agulha e do tear, e a
multiplicidade de um sem numero de objectos da
arle e nalureza, que alli se virao expostos, sao ou-
tros tautos testeraunhos da verdadeira asser^aj do
quanto temos adianlado.
E sealguem ha que nao partilhou ainda do pra-
zer de um espectculo to augusto e edificante,
nos os convidarnos a comparecer alli araanha, pe-
las 4 horas da larde, onde acharao era continuago
essa feira da caridade, e ainda urna sorprndeme
exposigo de novas e bnlhantes prendas destina-
das ao mesrao lira humanitario, verdadeira festa
de cordialidade e amor do prximo, que assim se
uero e estreilam em amplexo fraternal.
B. R. P. J.
I respi miente mui judiciosas observagoe?, ponde- [). Maria dos Anjos de Souza Leao.
at acora l'iei! rando 'iUe' coirioJuiz' nSo lhe imporiava que elle \). Anna Rosa de Arnorim Lima.
1 dissesse o que bem quizesse ; mas i|ue todava, d. Thereza de Jess de Amonm Lima.
merecendo estima e resucito o amm do ve- p Hortulana Maria do Amorim Lima.
.. ....! ..r-imlo, convidava o Rvd. respondenle | Mana dos l'razeres jorge Reg. i
o quo reflectisse se lhe licava bem expor os acn- D. Maria Francisca das (.hagas Rellrao.
tecimeatos, de modo que parecesse andar o dito. d. Antonia Amalia da Cunha Barros. .-
t tinado feilo joquete de parles inieressadas ; que d. Francelina Dornellas Fessoa.
isto ira projectar alguma sombra sobre a glo- o. j.jaguiua Carneiro de Albuquerque Lacerda.
na da regencia e governo do fallecido bispo. p. Senhorinha Emilia Jorge.
Constando inaisao supplicanleque o Rvd. Jos An- p. Gliceria Leopoldina d'Oliveira Mello.
tomo responder a to prudentes admoestages p. n,la do Cassia Pereira Vianna.
que lhe .nao imi'oiitava isso, ole o ule QUERA p. Anua Balbiua de Souza Bacalho.
era defender se, e que o seu depoimento como Procurador geral.
t eslava esrrijito seria publicado no iarw, ainda j0; Firmmo d'Oliveira Regs.
quando nao se lhe ollerecesse occasiao, como en-__________
to se lhe oITcretjia, dedicia-lo em audiencia
mem est lonco ; nao se deve fazer caso do que elle, end')l co" da .; ento pego a esses senhores que apparecam do lst0 de modo f or1! fi" "^rido, vem rogar a
para dar conchos melhores do que os do Espirito- JJM d|g"e Permittir que os soll.citadores
Santo, que nos manda defender a nossa reputago, A"U'D' Car'0s deur^s de LTiJ"a"
as rinuezas Barrozo de Mello e Manoel Domingues de San-
t'Anna, que presentes se achavam nessa ocrasio,'
e a pee cima de toda
Quinto aos aconlecimentus
que tiveram lugar:
Eleico dos juizes, escrivos e mordomos, que
ho de festejar a Eieclsa Senhora da Con-
ceicao da Escada, na igreja da mesma Senhora
dos -Militares para o anuo de 1866.
Juiz por eleigo.
nos ltimos annos do govprno do Exm. Sr. D. Joao
da Parificaban Marques Perdigao, a narracao que
me for necessario fazer de um ou oulro, longe de
manchar a gloria do venerando prelado, servir'
lao somenle para mostrar o carcter daquelles que,
abusando da fraqueza e do abatimenio a que os
annos e as enfermidades haviam reduzido o anciao
venerando, que presidia aos destinos da igreja per
na.Tibucana, o levaren) a pralicar actos que con
trastavam inteiramenle com o seu corago por na-
tureza temo e compassivo, e ara de encontr rec-
tido e a' loslica que haviam presidido sempre ao
seu dilatado governo.
E de letto. quem ha ahi que, tendo conhecido o
Ezm. Sr. bispo D. Joo, sabeodo quanto elle era
amante da rettido e da ju.-liga. lhe possa attribuir
um so dos actos irregulares que a' sombra delle se
praticarara no? nllimos lempos do seu governo?
Quem ha ahi qne tendo couheeido quanto elle
era inimigo de perseguico, possa crer que esse
prelado vuluiitariamenie sanecionasse as persegul-
coes que se faziam f
Quem ha ah que lendo-o visto por muitas vezes! ecife, 20 de selembro de i86o.
derramar lagrimas a^ouvir a narrago de qual- j\Antonto Carlos Pereira de Burgos
quer desastre ou infortunio porque passava
atiesten) se verdade o que o supplicante mencio-' Juiz por devogo.
O Illm. Sr. Dr. Francisco Jos Cyrillo Leal.
Juiz perpetuo.
O Illm. Sr. Dr. Alexandre Pereira do Carmo.
Juizes protectores.
Os Exms. Srs. :
D. Abbade.
na nesta petigao. Pede deferimento.E R. M.
Despacho Sim.
Recife, 16 de setembro de 1865.
Araujo Barros.
ATTESTADOS.
Atiesto que em verdade, estava eu presente,
quando o Sr. Dr. Francisco de Araujo Barros, dig-1
I no juiz municipal da 2a vara, como que indignado Vigario capitular,
de ouvir o Rvm. Sr. padre Jos Antonio dos Santos I Esenvao por eleigao.
Lessa referir se ao finado Exrn. diocesano, obser-! O Illm. Sr. tenente Manoel Antonio Viegas.
vou judiciosamente a inconveniencia de involver Escrivao por devogo.
sem necessidade em suas exidlcacoes o venerando O Illm. Sr. Antonio Augusto de Moura Novaes.
nome deste veneravel pr' lado de saudosa memo- Procuradores,
ria, ao que respondeu o mesmo Rvd. Sr. Jos An- \ Os films. Sr?.:
lio, com algum arrebaismenlo que elle se defen- | Flix Jos
BU, e assim o fazia sob jiramento (I)
E' isto o que tenho era lembranga, nao podendo
relatar miudadamente o mais que occorrera, por
HOSPITAL PORTUGUEZ
DE '
BENEFICENCIA EM PERSAM- ,
BICO.
Nao sendo possivel no domingo prximo passado ,
concluir a troca das prendas offerecidas em bene- ,
ficio dos pobres enfermos deste hospital, em razo
da grande quantidade dellas, havera' no prximo ,
domingo 8 do corrente, pelas 4 horas da tarde, a ,
continuagao do bazar em exposig, no qual tero ,
de ver-se no vos objectos de gosto e curiosidade,
enviados de Paris pela barca franceza Sphere, ,
chegada ao nosso porto no dia Io, motivando as- ,
sim a impossibilinade de terem sido expostos na-
quelle primeiro leiio.
O hospital estara' patente em todos seus com- ,
partimentos visita dos concurrentes: e emuma ,
de suas salas se expora' pela priraeira vt-z urna
cama mecnica para operacoes e curativo*, do ,
mais moderno e aperfeicoado" systema usado nos ,
moihoies nospllaes d Franga, o que fez merecer ,
a seu autor. Monsieur Babiot, muitos premios em ,
diversas exposigoes.
feEste importante apparelho digno
observago pela utilidade que presla
que delle possam precisar, pois serve a' collocar
o enfermo em toda a sorte de posigoes, senta-lo,
levanta-lo, desce-lo ao banho, etc., etc., sem auxi-
lio de pessoa, nem o menor ineommodo do corpo.
Esperamos, poruolo, que a concorrencia do pu-
| blico naquelle dia nao seja inferior do antece-
dente domingo ; e que de animo disposto a' bene-
ficencia, alli se apresenlera a permutar tantas
prendas primorosas, que a henignidade do sexo
gentil, com tanta dedicagao e esmero liberalisou
em favor dos desvalidos.
Urna msica marcial, colloeada em frente ao
edificio, tocara' diversas pegas de gosto para tornar
anda mais aprazivels e deleitaveis as pessoas que
aili aflluirem, essas horas de passatempo e de re-
creio.
Secretaria do Hospital Portuguez de Beneficen-
cia em Pernambuco 1 de outubro de 1865.
O secretario
Joo Pereira Babello Braga.
i riii i
de exame e
aos doentes
Ao publico.
O conselhc dos professores da Escola Normal
abaixo assignados examinou com escrpulo as
oges do systema mtrico decimalpublicadas
por Jos Antonio Gomes Jnior, e por elle sujeitas
ao juizo desta escola; e de opinio que este bre-
ve trabalho, destinado a auxiliar as operagSes do
eoramercio e os clculos as repartigoes de fazen-
da, satisfaz as necessidades e preenche as lacu-
nas que at aqui se davam nos tratados e opscu-
los sobre a materia, escriptos antes para os mance-
bos iniciados na sciencia, do que para a classe la-
boriosa do coramercio, qne desejameios prati-
cosde fazer os seus clculos com a maior brevi-,
dade.
Cora effeito o trabalho do Sr. Jos Antonio Go-
mes Jnior, que o cooselho lera|em mos, economi-
sa o tempo que cada individuo gastara d'outro mo-
do a reduzir os amigos pesos o medidas ao syste-
ma que a lei adoptou, pois que por urna simples
operagao de arithmelica se acha a converso dese-
jada em kilogrammas, litros e metros.
E' portanto o conselho de parecer que aquello
trabalho que o supplicante offerece, de sua compo-
sigo, de grande utilidade praea para todos
quelles individuos que sao obngados a calcular
pelas novas medidas de exlenso, capacidade e pe-
so, e sob este pouto de vista admissivel as escolas
elementares da provincia.
Sala das conferencias da Escola Normal de Per-
nambuco, 2 de outubro de 1863.Francisco Ro-
chad P. B. de Medeiros.Maxinuano Lopes Macha-
do.Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa.Miguel Ar-
citan jo Mindello.
(Eslavasellado e reconhecidas as quatro assigna-
turas.)
Monte-Pio Portuguez.
A directora provisoria, acabando de obler do
Exm. Sr. presidente da proviocia a approvago dos
estatutos do Monte Pi, julga conveniente levar
des Je j ao cooheciinento du todos os interessados
alguns artigosdos estatutos, emquanto trata da im-
presso destes para serem devidamcnle distribuidos.
Assim obrando, entende a directora levar ao es-
pirito de todos/ convicoao da mxima convenien-
cia de cooperaren], por si e p ir seus amigos, para
a estabilidade e desenvolvmento do Monte Pi Por-
tuguez, que poder ento por essa forma corres-
ponder aos humanitarios lins, que tete ern vista o
seu benemrito fundador.
Seguem os arligos aiiudidos :
Arl. 57. O socio que, por sua infelicidade, se
t adiar desempregado, preso ou impossibilitado
de trabalhar, percebera urna prestacao mensal
que, nao excedeudo de triuta mil ris, poder ser
! c reduzida seguudo a maior ou menor necessidade
1 do socio.
Arl. 58. Ao socio, que se desempregar por
c motivjs justos, a directora por si ou por seus
conhecmentos procurara euiprego adequado s
t habilitages que elle lver, at duas vezes ; e se
t elle se retirar para outra#praga, promover-lhe-ha
t as possiveis recommenda.oes.
t Arl. 39. A'quelles que por molestia, ou outros
, t motivos graves, liverem necessidade de se ausen-
lar, pagara a sociedade as despetas de iranspor-
. te cora commodidade e decencia, para outras
t provincias do imperio ou para paiz eslrangeiro.
. Art. 60. Ao socio que fallecer, a directora
. mandara fazer um enterro decente, se elle nao
. deixar meios para isso. O enterro ser acompa-
. nhado por urna commisso nomeada pela direc-
. loria, e esta no stimo da mandara' resar urna
a missa (a que assistira' u.ua commisso de seus
c raembros) por alma do fallecido.
Art. 61. A sociedade cuidara' activamente do
livramento do socio que fr preso ; mas s lhe
prestara' o soccorro de que traa o art. 57, se del
le necessitar. Dado, porm, no mesrao anno o
caso de reincidencia, ouconhecendo-se que o so-
ci assim pratica por habito ou ma' ndole, a so
t ciedade oabandonar s consequencias do seu ac-
< to, ticando suspenso ao socioogozo de seusdirei-
tos pelo tempo que a directora julgar conveniente
Art. 63. Fallecendo qualquer socio, a ua viu-
t va e tilhos menores, ticando privados de meios
t para sua decente sustenlagilo, gozarao dos bene-
licios da sociedade da seguinte maneira :
. 1." A viuva, emqnanto se conservar nesse
c estado e se comportar honestamente, receber
. urna mensalidade de vinte e cinco mil ris.
t 2." Os lilhos, 'legtimos ou legitimados, dez
< mil ris por niez, sendo uro s ; quioze sendo
dous, e vinte se forem mais de dous, isto emquan
to nao chegarem idade de doze annos.
. Art. 70. A contar do 1" de Janeiro de 1866
pascar ajoia (que at 31 dedezemhro deste an-
* no de dez nftl res) a ser de 2oUiR) para os que
desde entao forem adiniltidos, continuando toda
va a cobrar-se a mesma mensalidade marcada
no 2 do art. 11 (300 rs.) .
Continan) a receber-seassignaturas, para o que
ha listas expostas no Gabinete Portuguez de Leitura
e na ra do Crespo n. 2, librara do Sr. Noguera de
Souza. Pode ser socio todo o cidado porlugoez
em pleno gozo de seus direitos, que tiver meios l-
citos de subsistencia e bom procedimenlo.
Secretaria do Monte-Po portuguez em Pernam-
buco, Io de outubro de 1863.
Jos da Silva Lo y o,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastos,
2o secretario.

Oleo dem.
Tintura dem de idera.
Xarope dem.
Vmho dem de idem.
Punas de ext. idem.
Depesito. pharmacia de Pinto, ra larga do
sano n. 10.
Monte-Pio Portiumez.
Manoel Mindello Pinto Filho.
Jos Francisco de Paula Costa.
Jos Miguel de Lira.
nao ler prestado muita attengfio ; estando bem Ion- Jos dos Santos Moreira.
ge de pensar, que mais larde seria invocado o meu
testeraunho.
a me-
nor das suas ovelhas, possa crer que, estando pr-
ximo a' morte, os seus ouvidos se lornassem sur-
dos aos males alheios, o seu coragao se endureces-
se, a sua consciencia se embotasse, e a sua natu-
ral.reciido degenerarse algumas vezes em clamo-
rosa iDjustiga ?
Nao : todos aquellos que conheceram o Exm.
Sr. bispo D. Joo, fazem jusliga a' sua memoria, e
sao unnimes em dizer que nSu se deven) imputar
a elle os actos irregulares de que foram victimas
sacerdotes e seculares : actos que perturbando a
diocese de Pernambuco iara despenhando-a no
abysmo.
Ah nos ltimos annos faltou ao Exm. Sr. D.
Joo urna parle daqueile vigor e energa com que
em oulras eras percornu lodas as cinco provincias
de que ento se cornpunha esta vasta diocese :
faltou-lhe urna centelha daquella intrepidez que o
levou a emprehender urna dilatada e mcommoda
viagein, e atTrontando innmeros perigos, ir
com os rbanos, cuja cuerra desastrosa e ja' por
dems dilatada, elle fez cessar com as suas pala-
vras, cora a sua pregagao, com a sua natural afTa-
bilidade ; pedindu umeameuie ao governo geral,
em recompensa de to assignalado beneficio, o per-
do para os revoltosos que depozessem as armas!
Faltou Ibe 6im, faltou-lhe essa energa nos seus
ltimos annos; porque em quanto a leve, a recii-
do e a Justina presidirn) ao governo da igreja
pernambucaoa : em quanto a leve, nincuem no pa-
lacio da Soledade lhe irapoz leis : uinguem alli
fallou mais alto do que elle ; e quando em urna oc
casio o Sr. padre Jos Antonio, tomando mal as
suas medidas, e tentando ja' nesse tempo exercero
seu predominio, fallou com o respeilo ao seu prela-
do, e le respondeu imperiosamente, este nenhuma
dUMili leve t-m expeli-io immediatamente d > pala-
Co, enbora ja' fosse noiie. E o Sr. padre Jos An-
tonio, conhecendo o erro que havia commetiido,
foi valer-se do negociante Francisco Das (boje fal-
lecido), que o reeolheu em sua casa, e lhe promet-
teu empregar lodo o seu vaiimento, alim de accom-
modar as cousas, e resiilui-lo s boas gragas do
Exm. bispo.
Couitudo, Francisco Dias, apezar de muito amigo
do txru. prelado, cao se achou com animo de pe-
dir-lhe que tornasse a admiltr o Sr. padre Jos
Antonio ; e foi ler-se cora o Sr. conego Tavares da
Gama, expoz-lhe o que bavia succedldo, e lhe pedio
que se empenhasse com o Exrr, Sr. D. Joo, alim
de que esle perdoasse ao padre, e tornasse a ad-
milli-lo no seu palacio. O Sr. padre Gama dirigi-
se a' Soledade em companbia do mesmo Francisco
Dias, e fallando ambos ao venerando prelado, jnter-
Ponce de Len
Por ler estado na audiencia, e haver presencia-
do, affirmo ser verdade o que se allega na petigao
e no attestado do Sr. Burgos.
Recife, 20 de setembro de i86o.
Ignacio Barrozo de Mello.
Subscrevo inteiramenle o que se allegou na pe
lgo e no attestado supra, pois estive
audiencia, e presenciei tudo.
Recife, 20 de setembro de 1865.
Manoel Domingues de San?Anna.
CONTINUACAO DO DEPOIMENTO OMITTIDA PELO SR. PA-
DRE JOS ANTONIO NA PLBI.ICACAO DE FEZ NO DIA-
RIO DE 9 DE SETEMBRO.
!.* Pergunta (depois do depoimento escriplo.)
Esendo-lhe pelo juiz perguniado que motivo o mo-
ver a fazer pelo Diarto de Pernambuco a declara-
gao de que se traa, e se entre elle respondenle e
os ditos conegos >antos e Gama existe alguma in-
disposigo, e porque ?Respondeu que a nomea-
go do vigario Gamillo foi muito mal recebida, sen-
'('.r* -do que para declinar de si a responsabilidade del-
ta, que fez a dita declarago ; que entre elle e
os ditos conegos nunca existi, nem existe indis-
posigo alguma.Sabe apenas que o conego San-
tos o tem hostilisado muito.
2'Pergunlado porque fados se conbece essa bos-
tilidade ?Respondeu que todo o publico atlribue
Mordomo?.
Os films. Srs. :
Dr. Bernardo Pereira do Carmo.
Os alumnos do collegio de S. Bernardo.
Pedro da Costa de Anuda Mello.
Joo Ferreira Ramos.
Dr. Francelino Bernardo Quinteiro.
Tenente Manoel Joaquim Machado.
Alferes Joaquim Velloso da Silveira.
Jos Jeronymo de Souza Liraoeiro.
tarabem na Dr. Miguel Archanjo Mindello.
Rufino Luiz do Reg.
Jos Antonio de Souza.
Joaquim Piulo de Barros.
Major Antonio Henriques de Miranda.
Dr. Tiburcio Raymuododa Silva Tavares.
Luiz de Franga Souto.
Luiz Clementiuo Carneiro Lima.
Major Antonio Bernardo Quinteiro.
Bernardino de Sena Guimares.
Lenidas Tilo Lonreiro.
Manoel Goncalves Agr.
Capilo Miguel Bernardo Quinteiro.
Andr.tlenriques Ramppe.
Rufino anoel da Cruz Cousseiro.
Isidoro vaz de Siqueira.
Luiz Antonio da Silva Pereira.
Manoel Carmenouis.
O vigario Venancio Henriques de Rezende.
Procurador geral.
Jos Firmino d'Oiiveira Regis.
a elle conego Santos a demora na tomada das cen-
ias, relativas s obras da nova matriz de S. Jos,
das quaes elle respondenle era incumbido ; e bem
assim a suspenso de ordens, que sem causa justi-
ficada esta' elle respondenle soffrendo ha mais de
auno.Em reclilicago diz que nao refere-se a to-
sea
O Hospital Portuguez e o
Bazar le prendas.
Nao sao conjecturas vas, e multo menos meras
hypolheses de pnaotasladas presumpgSes, que vo
do o publico, mas sim, ao que lhe tem constado djrjg|r n0ssa penna, guiar-nos em nosso escripto ;
por diversas pessoas. nao : a pora realidade dos fados offerecidos
3."Perguntado qual a lazo porque nao fez publica conteraplago pela familia luso-bras leira,
a dita declararo ao tempo em que se deu a no- que nos arranca ura brado de admirago, e nos
meacao, de que se trata, e sim depois que ja' nlo frga a curvar com profundo respeilo, anle as in-
era visitador o mencionado vigario Camillo? Res- numeras provas, altamente proclamadoras do es-
pon eu que o fez nesse tempo, porqoe ento sou- pirito guerreiro e ao mesmo lempo caridoso, com
be que ella havia sido muito mal recebida. que tanlo se dislinguem e ennobrecem os filhes das
4.*Pergunlado quaes os crimes qua diz have- duas nagoes irmas.
rem sido attribuidos ao sobredilo vigario Gamillo
pelos conegos Sanios e Gama ?Respondeu que s
os ditos conegos o podiam responder, visto que
elies eram quem diziam que o sobredilo Gamillo
linha a balina.....(Veja o Diarto de Pernambuco
de 9 de setembro.)
5.*Perguntado se na occasiao da noraeago do
sobredito Camillo nao linha eiio respndeme inte-
resse nella ?Respondeu que nao.
6.'Perguntado porque motivo ento, a pedido
do mencionado vigario Gamillo, se havia encarre-
gado de ser o agente da transaegao, a que se refe-
re, a ponto de dizer ao vigario Camillo as palavras
cedehdo ambos pelo perdo e es jueciraento da des-1 que ja' referi, iso que s quando visse assigna-
E sera querer enumerar, e menos ainda repro
duzir os acios de herosmo e de beneficencia, que
cada dia mais e mais se ostentam e elevam trium-
phantes, para atiestar s geragoes futuras, que os
portuguezes e os brasileiros do presente seculo,
souberam enramar em suas coroas cvicas, os im-
marcecveis louros de gloriosos feitos com as fra-
grants flores de urna moral puramente evangli-
ca ; nao podemos comtuJo fortar-nos no prazer de
registrar quelles que mais fallam ao nosso cora-
go, e que ainda hoje estao despertando geral en-
pnthusiasmo, e movendo phreneticos applausos,
onde s$ fazem notados, e onde quer, que sao conhe-
cldos.
Ainda que ja' parega um tanto nauseabunda es-
ta nossa correspondencia infructfera, sobre os im-
providenles despejos que diurnamente se fazem en-
tre as ru;v, da Paz e da Palma, cujasugidade dam-
nifica lodo aquello lugar, nao podernos eximirnos
de mais urna vez corresponderroos ao ameno Sr.
Amigo dajustira,louvando a sua dedicago pelo
engrandecimento do progresso rural desta fregue-
zia, defendendo conspicuamente a parle do dignis-
simo fiscal da mesma.
Nunca procurei fenr a pessoa nenhuma, fosse
qual fosse a sua posigo social : dizer que urna
' parte do asseio que hoje se v pelas ras desta ci-
] dade devido aos dooos dos estabelecimentos, var-
rendo e regando todos os das as testadas das suas
I casas, urna verdade de que, no meu fraco enten-
; der, nao tde ser contestada, nem to pouco ferir
i a autoridade fiscal.
Conhecendo de perlo o probo e respeilavel Sr.
fiscal da freguezia de Santo Antonio, dispensamos
ao distlncto Sr.Amigo da jusligatodos os lou-
vores que S. S. lhe queira fazer ; porque, tanta de-
dicago da parle do Sr.Amigo da jusliga, pelas
cousas da fiscalisago, induz-nos a crer que S. S.
a nao ser a propria autoridade fiscal, e sem duvida
patrocinado por ella.
Pena que S. S. manifestando-nos um inlellec-
tus to apreciavel, nao nos comprehendesse; nos
nao queremos syndicar se os agentes municipaes
cumprem ou nao os seus deveres ; nos s deseja-
ms que as Illmas. autoridades liscaes nos dem
as providencias que pedmos, e nada mais. Con-
vidar-nos S. S. a compulsar os Diarios que allega
no seu artigo, e a fazermos excursdes pelas suas
raasexquisitas e beccos, perder o seu lempo,
porque nos la' nao iremos O nosso fim s pedir :
se forros atiendidos, o proveilo nao s nosso ; e
se nao forraos atlendidos o mal se eslendera' por
muitos. Argumentar com o Sr.Amigo da jusli-
gadesde ja' lhe dizemos que nao queremos ; pois
que para isso nos falla o dom da palavra, e a ra-
telligencia precisa para a esclarecer.
Nao posso ser mais justo do que sou, fallando-
lhe nestes termos. As palavras evanglicas que me
I dirige, sopponho nao ter faltado a ellas; pois, se-
; gundo me parece, nunca tlrei nada a imperador ro-
j mano nenhura ; porque sendo eu ainda mnilo mo-
go, ainda nao tive occasiao de ir a Roma ; e mes-
I mo, ainda que eu agir la' fosse, estou certo que
'ja' la' nao encontrara cousa alguma do talCesar.
' Emquanto o eu dar a Deus o que delle isso
I que eu nao sei como ha de ser; porque elle disse
I que s quera que o amassemos, e que tudo nos
daria, at o seu proprio corpo e sangue; e como lhe
hei de eu dar o que delle tenho recebido ? S Ih'o
poderei restituir rendendo-lhe gragas, e rrendo
nelle eternamente, nao acha, Sr. Amigo da jus-
tiga,espero que me faga jusliga.
Termino aqu esta uarrago fastidiosa, certo de
que S. S. me desculpara' o nao lhe responder non-
tem, ern razo de ter havido muilo que escrevnhar
no meu llvro das culpas, e s ter o prazer de ler a
sua deleitavel correspondencia, quando era ja' noi-
te ; porm, o que posso assegurar lhe que nao o
tornare! mai< a importunar, agradecendo-lhe a be-
nevolencia com qne se digoou ler a minba anterior
cachographia, e pedindo-lhe desde ja' indulgencia
para esta. Sem mais aquella, sou de S. S. o mais
obediente e del dos seus fmulos.
O epidmico.
A directora provisoria do Monte-Pio Portuguez,
i no intuito de desempenhar a misso que lhe foi con-
fiada, tem a honra de convidar para urna reunio
j no Gabinete Portuguez de Leitura, s 11 horas da
manha do prximo domingo, 8 do mez vigente,
1 toaos os subditos portuguezes que se interessarem
, pela organisago do mesmo Monte-Pio, e desejarem
! que to til associago, devidamente coostiluida,
v creando solidas raizf(s.-para poder vr a prestar
aos associados lodos os beneficios, a que estes teem
direito.
Esle convite, abrangendo todos os subditos portu-
guezes a quem sympathica a fundago do Monte-
Pio, dirige-se muito especialmente a todos quelles
que, tendo prestado a sua assignalura, mostraran)
expressamente querer pertencer ao gremio da pre-
dita associago ; e lisongeia-se a directora provi-
soria que lodos os signatarios benvolamente at-
teodero esle convite, ja comparecendo no Gabine-
te Portuguez de Leitura no da supra indicado, o
que revelar o louvavel proposito de ratificaren) as
suas assienaluras, j concitando para igual fim os
seus amigos, e induzindo-os aaggregarem-sea urna
to til sociedade, pela demonslrago das vanta-
gens que em diversas emergencias podem, como
socios, vir a auferir.
Secretara do Monte Po Portuguez ero Pernam-
buco, Io de oulubro de 186 j.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastos,
secretario.
Agua de Florida do Murruy e
Laninan.
Nao difDculloso distinguir se a senhora de de-
licado e refinado gosto, pela qualidade dos perfu-
mes de que geralmente usa. Tanto as senhoras da
moda como as seulioritas da America Central e do
Sul, do urna indisputavel preferencia Agua de
Florida de Mnrray n Lanmanem lugar de qual-
quer ura outro perfume para o leogo ; e teem-se
aferrado ao mesmo para mais de viole annos es-
ta parte, a custa do inleiroe completo abandono do
extracto de Lubn, assim como de muitos outros
perfumes e essencia europeas, raais ou menos
agradaves, mas em nenhum caso ti > aromticos
e de propriedades to snaveis e refrigerantes.
As nossas propnas beldades, sao hoje as primei-
a justificar a ajuizada senlenca passada pelo publi-
co da America do Sul, em favor dessa riquissima
essencia floral, a qual vegeta e se propaga pelo
mundo inteiro altiva e sem rival, adquirindo con-
tinuadamente novos triumphos.
(Para que uinguem seja engaado na escolha e
aquisigo deste inestimavel perfume; bom ser
examinarse e ver que os Domes de Murray e Lan-
man se acham inscriptos e gravados sob cada en-
voltorio, letreiro e garrafa, e na falta dos mesmos,
fcil suppor'a falsidade da mesma.)
Acha se a venda na pbarmacia de J. da C. Bra-
vo & C.
JURUBEBA.
A jurubeba urna das substancias medicamen
tosas, ao reino vegetal, e perience classe
dos tnicos e desobstruentes, sendo era prega
oa com wantagem contra as febres intermitente
acompanhadas de engorgitamenio de ligado e bago.
Ella tem sido applicada com inconteslavel proveilc
conira a anemia ou chlorose, eji^dropesia, catar
rho da bexiga e mesmo para combater a menstrua-
go diflleil,-resultante da mesma anemia ou chic
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem,
VARIEDADES
Setnelas e medicina.
L-se na Union Medcale de Pars:
Os jornaes de medicina fallaran) por va-
rias vezes de urna descoberta importante
para a therapeutica, que couaistia na desin-
fecto do oleo de igado de bacalho sem
lhe litar nenhuma das suas propriedades.
Temos o prazer de annunciar boje aos
ossos leitores, que esse resultado foi obti-
do de modo o mais completo por um babi!
pharmaceutico de Paris, o Sr. Chevrier, que
conseguio desinfectar o oleo de figado de
bacalho com o alcatro e o balsamo de
Toln. As experiencias feitas por maitosde
nossos pratioselec ebres, nos hospitaes e so-
bre seus doentes particulares, as analyses e
ensaios de chimicos competentes, nao dei-
xam nenhnma duvida a este respeito.
Relatamos aqui as] proprias palavras do
um juiz muito eminente e competente o Sr.
Dr. E. Humbert, laureado da academia im-
perial de medicina, e professor de Chimica.
Submctti a analyse, diz este distincto
professor, o oleo de figado de bacalho na-
tural desinfectado pelo processo do Sr. Che-
vrier, e posso certificar que esse producto
nao perdeu nenhum dos seus principios
medicamentosos nem chimicos, que se
acham no oleo de figado de bacalho ordi-
nario. A fraca proporco das substancias
estranhas que -e pem no oteo natural para
dissimular o clieiro e o sabor desagradaveis,
nao pode de nenhum modo alterar suas
propriedades medicacs e s a torna de um
uso fcil e mesmo agradave.
Em resumo, o oleo de figado de baca-
llao desinfectado pelo procesio Chevrier
goza de propriedades idnticas ao oleo de
figado de bacalho ordinario, que elle repre-
senta exactamente.
Elle muito bem tolerado pelos doentes,
os quaes elle nao anoja e tomado peas
pessoas cujo gosto e olfato sao dos mais sus-
ceptiveis.
Hoje que o oleo de figado de bacalho
tem-s tornado um dos agentes os mais im-
: portantes e preciosos da therapeutica, quem
i descobrio o meio de o tornar de um uso f-
cil para todos, prestou um verdadeiro ser-
s ico arle de curar e aos praticos.
Por isso rlo podemos concluir melhor
do que felicitando o Sr. Chevrier por sua
rica e til descoberta que merece de ser
propagada, e dizer com meu collega o Sr.
Dr. Richelat os trabalhos que conduzem as
descobertas d'esta especie devem ser pro-
tegidos pelos mdicos.
Os importantes trabalhos do Sr. Chevrier
sobre o oleo de ligado de bacalho Ibe fi-
zeram obter um resultado nao menos im-
portante, o qual consiste em ter associado o
ferro ao oleo de figado de bacalho. O oleo
de figado de bacalho ferriginoso de Che-
vrier constitue lalvez o melhor meio de dar-
se o ferro. Pois o ioduro de ferro unido
deste modo com o oleo de figado de baca-
lho se dissolve mais fcilmente nos lqui-
dos das vas digestivas e por consequencia
se assimila muito mais bem do que sb a
forma de pilulas ou xarope. Emfim elle
perde assim suas propriedades irritantes, e
nao provoca a constipacao. E' assim qne
os doentes, cujo estomago nao pode suppor-
tar nenhuma preparaco marcial, tomam f-
cilmente o oleo de figado de bacalho ferru-
ginoso de Chevrier.
Os senhores Maurrer & C. acabam de re-
ceber um grande sorlimento dos celebres
azeiles desinfectado de Chevrier e ferrugi-
noso de Chevrier.
Vcnde-se na pharmacia de Pedro Maurer
& C. ra Nova n. 18.
comebcTq]
PilACA DO RECIPE.
Colacdcs offlclae.
O de outubro.
Algodao primera sorte 155000 por arroba.
Cambio sobre Londres90 d/vista 23 1|2 d. por
1:000.
Frete de algodao da Parahiba para Liverpool
13/16 e 5 0,0 por libra.
uubourcq Jnior,
Presjdente.
Guimares,
Secretario.
Novo Banco de Peroamboce
O Novo Banco paga o dcimo quinto di-
videndo na razao de.8$ por accSo.
Gaixa filial do anco do Brasi) ta
Pernambuco. '
A directora desta caixa saca sobro o banco
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial
mesrao banco na llahi.
\ovo banco de Pernam-
buco.
0 banco descoma letras na presente semas* a-
9 por cento ao anno at o prazo de seis mtits
Caixa filial do banco do Brasil ea
Pernamliiico.
A caixa desconta as letras de sen aceite pela
taixa de 60|0 ao anno.
Ogoarda-livros
Ignacio Nunes Correia.
aLFANDEGA.
Rendimento dodia la5...... 102:3081320
Idem do dia 6............... 22:084*077
124.-092*89;
MOVIMENTO DA ALFADEGaT
Volumes entrados com faiendas----- 93
c cora gneros.... 275
------368
Volumes sabidos cem fazendas.... 79
i cora gneros..... 1:551
-------1:630
Descarresam uo dia 7 do corrente.
Barca inglezaSeraphinaraercadoria.
Brigoe inglezionraercadorias
Brigue hespanhol Corinacharque.
Smportaco.
Vapor brasileiro Paran, entrado dos porto* de
norte, inanifestou o seguinte :
Do Para.
80 barris e 24 caixas banha, 11 ditas agurden-
le de cereja, 1 caixole luvas de 'castor, 1 cana
mereadorias, 3 ditas rap, 4 volumes chapeos Qtt-
ly, 17 rolos salsa, 2 duzias de cuias pintadas -,a or-
dem de diversos.
Do Maranho.
1 caixa casimira em cortes, 1 dita botinas para
homens e mulher ; a Joo Keller & C.
Vapor brasileiro Mamanguape, entrado do pol-
ios do norte, manifrstou o seguinte :
Do Acarac.
32 saceos algodao, 130 meios de sola ; a Jos de
S Leilo Jnior.
5 barricas gornma; a Antonio Goncalves de Aie-
vedo.
Do Granja.
120 meios de sola, 1 caiiotinho ignoro; Jos de
S Leilo Jnior!
Y
*!
II'
7T

f..____* /H"
'--
---------------


Diarlo de
tas, 8 fardos fumo e 3 caixas rtulos; aos mes-
08.
UECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMDUCO.
Rendlmenlo (Jo da t a 5...... 4:196l2o
dem do dia 6................ 933I16

5:129,5241
220 meios de ola ; a viuva de Manoel Goncalves
da Silva. '
Do Aracaty.
18 saceos algodao, 30 ditos gorama ; a Jos de S
Leitio Jnior.
39 saceos de algodao; a Francisco Gomes de
llattos Janior.
3i saceos de algodao ; a L. A. Siqaeira.
30 dilos dito ; a Domingos Rodrigues de An-
drade.
180 meios di sola, 190 saceos algodao ; a Paren
le Vianoa A C.
De Natal.
16 saceos algodao ; a Reg 4 Silva.
I) Maco.
,. 2 barricas sebo, 4 couros salgados ; a Antonio
Aires de Moraes.
48 mullios com 1,200 esleirs; a Antonio Jos
Pedro Goncalves. --------------------------------------------------------------
. D lear?- Navios nitrados no dia 6.
Icaixa ar.gos para chapeos de sol, 28 saceos Balimoire-43 dias, barca americana Anaconda, de
cafe pilado, 10 ditos gomma de mandioca, 26 ca
xas viaho de caj ; a ordem do diversos.

Pcrnanibuco Sabbado 9 Je Oiitubro de !*,
TM1TR0'
DE
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 5....... 7:5034i47
dem do dia 6 ............... 3210118
7:824J365
MOf mmr m ioeto
Brigue brasileiro Bdizario, entrado do Rio de
Janeiro, consignado a Marques Barros & C. mani-
esiou i segu ole :
Genero estrangeiro.
400 saceos farelo, 300 barris banha, 300 fras-
queiras genebra, 9 caixas agua da Florida e oleo
de fijado de hacalho, 1 dita chumbeiras de como,
40 caixas cha, 30 pipas valias, 3 peras de cabos
de cairo ; a urdem.
Gneros nacionaes.
lObarrieas sebo, 10 ditas colla, 9 caixas rap, 1
caixao cha, 50 caixas velas, 1 dita lampioes de ke-
rosene, 18 barricas, i gr,) e |{ caixoes vi tros, .'0
jacMeN toncinho, lS rolos e 50 latas faino, I8
saceos caf ; a ordem de diversos.
Barca ingl-za SerajMna, entrada de Liverpool,
consignado a J. Pater & C. manifesiou o seguiuie :
100 saceos arroz; a D A. Mallos.
2iK) ditos dito ; a M. P. de Mello.
100 ditos dito ; a F. G. Aranjo.
.".8 volumes cohre ; a ordom.
30 meias.caixas cha ; a J. Paler & C.
130 glgos louca; a J. Pater.
20 dos dno ; a ordem.
8 ditos dito ; a A. Fonceca.
10 rolos fumo em foiha ; a ordem.
!."> toneladas cobre ; a J. Cnmher.
4 volumes mielen i ; a Mello Lobo.
i pe '.'as cilios; a Prenle Vlanna.
li cofres de ferro ; a Phipps.
u)0 barris raanlelga ; a J. Paler.
6i volomes machinas, 26 laxas de ferro ; a Bow-
iinan & C
547 barra* ; 239 amarrados e 192 pegas ferro ;
a Johnstoo Paier <5c C.
8 volumes hienda de linho ; a Adamson.
7 ditos dit i dito ; a Scotl.
2 Jit di! i dito; a Patn.
t dilo dito dit; a S. Mellors.
13 dilos dilo dito ; a J. Pater.
I. ditos dito de algodao ; a Bieber & C.
2 dilos dito dito ; a J. Paler. te-
23 dilos dito dilo ; a Adamson.
14 ditos d lo dito; a ordem.
:ii ditos duo diio ; a Etabe.
0 ditos dito dilo ; a A. C. Abretl.
11 ditos dilo dno ; a Braca.
ti ditos dilo duo ; a Mello Lobo.
1.')' dilos dito dilo ; a S. Mellors.
1 lito ditfl dilo; a Sempson.
ditos dito dilo ; a J. .Mello.
10 barrica.- ferragens; a M. Lopes.
38 dilas ditas ; a J. I'ater.
17 ditas dita ; aSaunders.
00ditas dilas; a Prente Vianna.
383 toneladas, capito G. C. Chapman, equipa-
gem 12, carga 2,500 barricas com fannha de
trigo e outros gneros ; a Henry Fosler <& C.
Nueva Baha (Patagonia)27 dias, barca ingleza
Mimosa, de 409 toneladas, capito Pepperell,
equipagem 16, em lastro ; a Eduardo Fenton.
Bahia3 das, brigue ingles iaitland, de 360 to-
neladas, capillo Jamas Tnrift, equipagem 9, em
lastro ; a Wilson St Hett.
Navios saludos no mesmo da.
Aracaty Hiate brasileiro Santa Rita, capito Ma-
noel da Silva Santos, carpa difiranles gneros.
Livi rpoolBarca insleza Nbula, capito J. Fes-
hurek, carga assucar e algodio.
Liverpool -Barca ingleza Fioating Cloud, capio
C. P. Freend, carga assuear e algodao.
Pertos do sulVapor brasileiro Paran, comman-
danle o capito de fragata Santa Barbara.
Oosrrifao.
Passou para o norto a galera brasileira Mindelo,
e para o sul a galera iogleza Ariel.
EMPRE,
Recita
Sabbado 7 d
Terceira represen
drama martimo em
'A--0OIMBBA
4xt**aordinariia
Autubro de 1865.
agio do muo apparatoso
BO
propria para qoalquer principiante por ter perneo
fundo e estar muilo bem collocada.
HOJE.
As 11 horas do dia, o balando pode ser exami
nado em sen escriptoro pelos prelendeoles das 9
horas da manhaa as 4 da larde.
LEILAO
DE
Um sitio no Hosarinlu.
CLUB PlfiAMRllfi mo,os paraguayo
n JpillwiWliU 11V | E' a ordeta do dia Acabar com os Para-
omuigo8do correle'rwerreunio de i guayos a bayoneta, a mini, a revolver ;
laminas._________________________ Julmina-los com os encouracados armados
Aluga-se a casa terrea sita na ra de esporoes, armstrongs e raiadas de 80
Imperial n. 213, com 2 salas, t quartos, 120; extermina-los em suuima a espada, a
cosinba fura e quintal com cacimba: a tra- \ h- aoea punbal de que se trata; mas
tar na mesma ra n. 211 ou na ra ireita rfinpuem se lembron ainda fie esmagar os
aelos
MURA
Dar' lira ao espec
ire-acto comoeo orn
Os b
turne.
*
culo, pela ultima vez, o en-
o de msica
DR LONDRINO
acham-se veuda no lugar do cos-
Comecara' as 8 horas.
AMANHAA
Domingo 8 de onliibro de 1S65.
Recita extraordinaria.
Represeniar-se-ha o aparatoso drama martimo
em i actos
DECUllCES.
. 15 dilas dila ; a J. Neito & C.
'.I fardos saceos para assucar; a Jefferies.
& ditos ditos; a P. Nash & C.
: barricas canos de chumbo ; a ordem.
IT barrica- estanto; a ordem.
7u dilas enxadas : a J. Netlo.
SO ditas dila ; a Jolinsion.
8 harris oleo de lnhaga ; a Burle & C.
i caixas hiscoutos ; a Jos F. Lima.
90 amarradas 'ps; a Prente Vianna & C.
2 caixas pbosphoros; a Johoston.
' ditos dilos; a J. Netto.
4 ditas dilas ; a Silva Cardozo.
1! volumes objectos diversos; a Fontes.
.'O'barris banha ; a J. A. da Silva.
bO ditos" salitre ; a Johnslon.
Barca franceza Sphere, entrada do Havre, consig-
nado a. Tisset freres, man festn o seguinte :2
barris rame de lilao aos consignatarios ; 700 gi-
gjs mutas ros raesm >s; 500 dilos dila a M. P. di
Mello ; 100 dit)s dita, a ordem ; 35 ditos cerveja,
aSchmann A- ('.. ; 3 caixas chapeos de sol, a Fal-
que ; I dila ditos; a J. F. Lopes ; 5 dilas chapeos
diversos, a Christaosen ; 1 dita ditos, a A. C.
Abren : 2 ditis dito, a A. A. de Olivera ; 2 dilas
conservas, a ord;m ; 2 ditas cartas de ogar, a D.
P. \\'il [ : 2 ditas calcado, a A. Silva Pinto ; 2, ditas
dito, a P. Piat>; 7ditas dito, aJ. P. Arantes; 2
ditas ditos, a Campos & Peresra ; l dita ditos, a
J. Paler: 2 dilas dilos, a ordem ; 2 ditas christaes,
a M. G. Vieira Guimares ; 1 dita ditos, a Prente
& Via una ; 18 volames drogas, a Caors 4 Barbo-
sa : 7 ditos ditas, a Cruz Correia ; 22 ditos ditas, a
P. M nirer ; l dito d'tas, a F. T. Bastos; 2 ditas
espedios, a Tasso Irmaos; 2 ditts ditos, a Pereira
Houiinho ; 2 ditas e poletas a A. llamburg r ; 5 ditis tecidos de algo-
dao, a T. Chritiaosen, 7 ditas ditos a Schafnei-
tJin 2 dilas ditos, a J. F. Lop-'S ; i dila dilos, a
T. M.iestraii ; 1 dila ditos, a Cesar de Abreu ;5
dilas ditos, a J. Keller ; 2 ditas ditos, a Ligtbourn ;
2 ditas, a A. Hambnrger; i caixas tecidos de lia,!
Arsenal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segainte :
Para d5p >sito dos recrutas.
1 livro de 300 folnas para registro.
100 bonets redondos. |
100 manas de la.
Para o 6 corp|j de voluntarios.
50 bonets redondos.
Para provimento
20 caixas com (binas d
ca I C.
10 arrobas de pregos
gadas.
10 ditas oleo de linhadn.
4 dunas de costadlnlv.
As pessas que quizt
apresenlein suas |iroposl
II horas da mantisa do
Sala do constdbode co
ra 5 de uutubro de 186
Oen.;ar
Manoel i
Repartico
Por ordem do Illm. Sr.
publicar o termo abalxo
ti em algumas notas cor
do almoxarifado.
tlaudres, pequeas, mar-
rancezes de 2 a 2|1 pole-
s de pao carga,
rem vender ditos artigos
s na sala do conselho, as
ia 7 do corrente.
[npras do arsenal de guer-
>.
egado da escripturaQiio
i e Azve lo Santos.
SENH M Di BONANGA
Dar lim ao Bspectaeoio o ent e acto cmico or-
nado de msica pelo Sr. Simoes e a Sr.a Eu-
genia
0 descasca niilho,
Os senhores que encommendaram billutes po-
dem mandar buscar.
Comecar as 8 horas.
Sabbado 7 do corrente as 11 horas.
OLY.HIBlO
vender em lelaoum silii no Rosarinlio (encru-
zilhada de Belm) com 470 palmos de frente e
1,200 de fundo, omitas fruetelras, em chaos pro-
prios, rom casade vivenda tendo a mesma 2 sa-
j las, 2 quartos e cosinba fora, perlencenie a viuva
do finado Manoel Alexandrino de Mello Albuquer-
que. Ser effeciuado o leilo no grande armazem
I do referido agente, ra da Cadeia do Recife nu-
mero 36.
LEILAO
A 10 do corrente.
N. O. Bieber & C. succersores farao leilo por
intervenco doagenle liveira, do seu esplendido
sitio rom linda casa de vivenda contendo accom-
modagoes para grande familia, terrado gradeade
| e com porto de ferro, tendo o sitio murado em
. tres lados, baixa para capim, um bom jardim, ar-
varedos fructferos, cacimba de ptima a^ua com
tanque para banho e finalmente com casa para fe-
tor, estribara e eocbeira, a sltnacSo a mas pi
toresca a agradavel possivel, e sobremodo til por I
: ser mnilo alegre e e>lar enllocado na estrada de '<
Saul'Aniia, antes dj chegar a Casa Forte, em fren-
te do antigo sitio do finado commsndador Antn o
da Silva, por ond? actualmente transitam os m-
nibus, e em breve tem de passar a e.-irada nova
de ferro em con-irucgo.
Terca-feira 10 do corrente
, ao meio dia em ponto, porta da Assocagio Com-
mercial desta praca.
a. 84.
CASA DA FORTi
Aos 6:000/?000.
'i 4
BSlheteft garantidos.
A" RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaixoassigr.adovendeu nosseus muitofeli- BorsegUDS liordeaux
zes bilhetes garantidosda i'iteria que se ac bou
deextrahir, a beneficio do Instituto Archeulogico,
os seguintes premios:
Um meio n. 822 com a sorle de 6:0008000.
Um quario n. 170 com a sorle de 1:200}.
E ouiras militas sorles de 1008, 4Ufi' 205 e
108000.
Ospossuidores podara vir recuber sens respec-
tivos premios rom os descont-das leis na Casa
da Fortuna a ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2* parte da 2' lotera
(3i*) beneficio da Sania Casa da Misericordia
Paraguayos coai as armas que eus nos con-
j cedeu; acabar com elles a tacio e a ponta-
' ps, para o que necessario encouragar esta
1 parte do nosso corpo enm os fnrmidaveis
1 rompe-ferro, esmaga c bra, arranca ticos,
qaebra marmore e ontros que e vendem
4*RA lilil V45
8,5000
patricios......... o,-?000
para senhoras, en-
feitdps....... 5,5500
com lago e livelia .. 4#8(X)
SapaloB cncourafados....... 5#0C0
B'irsegRins psra meninas bem
elast co.................
Sapatos de lona, sola clstica.
Pedro
MISOS
da Poilela.
Dr. ehefe de polica, fa?o
irauscriplo, do exame fei-;
de rosa do Banco do Bra-
sil, do valor de 303, qoei na corle appareceram na
circularlo, e foram reputadas falsas pela directo-
ra do mesmo Banco, segundo foi a esta repartico
commanicado pelo Dr. tefe de polica da referida
corle, em olDcio de 10 do mez prximo passado.
Secretaria da polica de Peraambueo, 2 de ou
lul.ro de 1865.
O 9ecrelario,
Eduardo de Barros Falco de Lacerda.
Illms. Srs, directores do B toco do Brasil, mera-
bros da commissa i de emis-i. Tendo analysad )
a nota falsa .lo val >r de 3"5 de s -gnu 1a serie, que
para semelliaule lim me lu entregue por Vv. Ss.,
passo a tfxpr as dillerengas resultantes da compa-
ragio della com a n' ta verdadeira.
A nota em si, olbada sem prevencao, contm ele-
~"~"~ ;~r """J"*/ Por qnanto a crimino-
;sa industria pode produz-la gapMo^.im.H
melhante a verdadeira.
Odiada, porm, com o espirito prevenido, e exa
minada com alinelo, fcilmente se reconhece a
diflerenca que ha d urna para oulra. O papel das
notas verdadeiras de urna consistencia regular e
contera irabalhos d'agna que o tornam bem dis-
tinetos, como sejam urna ramagem que o cri-
cunda, e a legendaBanco do Brasilno sitio em I
que assentam as assignalnras.
O papel da nota falsa nenbum trabalho dagua
tem, menos consistente e mas transparente. A
estampa das notas verdadeiras tem todos os traeos
ancucos bem pronunciados e descriminados. Na
estampa falsa ha ura simulacro desses tragos, tudo
muilo superficial e de certo modo confuso.
A e-lampa verdadeira de impressao ntida e
regular, e a sua tinta lina e brilhante. A tinta
da estampa falsa grossa o sem brilno, o que d
dos caractersticos da mesma estampa um aspecto
mas escuro e confuso.
O emblema da estampa verdadeira, producto de
um trabalho esmerado e de primeira ordem, ma-
n festa se bem pronunciadamente em todas as suas
parles componentes. Ahi se v cora a nitidez da
impressao correspondente a do geral da estampa, o
horisonte. os morros, o templo, os edificios e todos
COMPANIIIA PERNAMBCANA
DE
Xavegaco costeira por vapor.
Fernando de, x. ironba.
. S"goe no dia 8 do corrente as
aal-<\ '0 horas da manliia o vapor Ala-
inanguape. Recebe carga boje
l^-S-*^ (6) o a raanha. Encomraendas,
aar- passageiros e dinheiro a frete at
o dia 7 as.'! horas di larde : aseriptorio no Forte
do Maltos n. 1.
" COMPANIIIA PERNAMBCANA
DE
Vavcgaco costeira por vapor.
. Parahybi, Natal. Mac;u, Aracaty, Cear e
Acarac.
Segu no dia 9 do correntd as
5 horas da larde o vapor Per-
HKi nunga. Receba carga boje (6) e
*" amanhaa. Bneommendas, pas-
rageiros e dinheiro a frete at 2
horas da tarde do dia da sabida : escriptoro no
Forte do Mattoi n. I.
As-ociucao
do costme
COMPAMU BlSILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos p irlos do sul esperadn
al o da 14 do correte o vapor
Tocunlins, commandante o pri-
ineiro leuente Pedro lly, I i-.
Duarie, o qual depois da demora
uira p ira os porlos do norte.
Desde ja rewiiem se passagelrs e engaja-se a
carga que o vapor podH|- conduzir, a qnal dever
ser embarcada no dia de sua ebegada, encoai-
raendas e dinheiro a frute atd o da da salnJa as
9. horas a:,..nea rna .i criu i escnplorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPAIIA BlASILERl
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at o dia 20 do correte o vapor
Oyapnrh; o qual desos da demo-
ra do coslume seguir' para os
portos do sul.
Desde ja n-cebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua cnegada ; encom-
mendas e dinheiro a frete at o da da sabida, as
2 horas agencia, ra da Cruz n. 1, escriptoro de
Antonio Luiz de uhvelra Azevedo j C.
Maninlia<) e Par
O brigue escuna nacional Graciosa, tendo ja'
parte do seu carregamento, pretende seguir com
Tynggranhica Pcniainlui-
cana.
De. ordem di Sr. presidente convido aos Srs.
membros do conselho director a se reunm-m ero
sessao extraordinaria domingo 8 do crreme, as
10 horas da manhaa, alim de se tratar de negocios
i de milita iraponanca social, e de ser mareado o
j dia em que dever ter lugar a eleieo do novo
' conselho O Sr. presidente reeommeuda aos srs
I socios qne tenham em multa consideragao o di;*
posio nos arts. 66 e 70 dos nossos estatutos.
Secretaria da assocucAo Typographica Pernam-
'buc;na 4 ileoiitubro de 1863.No impedimento
ido secretario, la- Symphromo da Silva Bastos.
jOTERIJ
AOS 6:000^000,1:200*000
e 500f?000.
^nvo o, pxcellpnte Vano approvade.
BILHETES A* 5^000, MEIOS A' 20oOi) E
QUINTOS A! 1*000.
Acham-se venda na respectiva theson-
raria ra do Crespo n. lo, os bilbetes,
meio> e quintos da 3a parte da lotera (35*)
a beneficio das amiliis dos voluntarios da
i para canalisagao d'agna e gaz no hospital
H, que se extrabira sabbado 7 de ouiubro.
PBECO.
Bilbetes .... 75000
Meios......338Q0
Quartos.....19U0
Para as pessoas que compraren de 1005000
para cima.
Bilhetes.....64500
Meios......35750
Quartos.....15700
________________Manoei. Martins Fii:za.
i;iss;i fallida le C^iiiihenue
Carvallio & .
Os Srs. credores queiram mandar apre-
seutarseus ttulos para serern verificados
le admitti.los na Corma do ait. 8o9 do co si-
go comercial : no escriptoro a ra do Vi-
gario n. 13.
O administ ador,
Justino Jos de Sou-.a Campos
35000
25000
15600
15000
avellndados.
de Iraoca...........
econmicos para se-
nhoras........... 5500
com alto de lustre.. 25240
Chinetes do Por o.......... 15600
Um competo sorime: to de calcado da
trra pura bomen?, senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, mairoquins, taias de tudas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muilo sortidas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz eobica ao com) ador pela barateza.
<9
mmmmm
'-JL
Sociedacle de seguros mu-
tuos sobre a vida
m
-
S DEPOSITO DE CALCADO i
m F.HIRIC \D0 \A CASA l)E DETBNgAO
H Una .\ova a. fl.
gH Ahi se encontrarao obras de di-
S versas qualidades, e por preco mu
W diminutos, a retalho e em porcoes.
9 S se vende a dinheiro.
J. Mercier, alfaiaie franeez, precisa de olTi-
caes de obras graudes ; a tratar no largo do Cor-
po Sanio n. 27. ,
Saques sobre Lisboa.
Manoel I naci de Olivera & l'ilno sacam subro
Li:boa : no largo do Corpo Sauo n. 19.
Na ra da Paz n. i offerece-se urna senhora
para fazer companlna em urna casa de pouca fa:
milia.
- Preci-a-se de um hometn ipie entenda para
corlar soln na fabrica de calcadas no largo da ri-
beira n. 25 ; na mesma precija-se de um menino
para caixeiro.
Ao amanheccr do dia 4 fu si o tuna escrava
pama cuja extraccao sera pelo phno aba-|de Dom8Laiza, levando cms.go un rilhn 10 .
XO publicado. ; me Quelna laubem escrava, seedo os signaes da
Os premios de 6:0005000 at I000 preta os segnintes : alta, nm pouco descarnada do
serSo pagOS lima hora depois da extraern i rosto, 6 natural de Sobral: quema pegaron della
iii i L... i., i i i der noticia, eve-a a ra no-a de banla tila n. 1.,
ate as i horas da tarde, e os outros depois auo 5era rcompnnsado.
aa distribuicaodas listas. i------:-------;-------r~ni-------n--------r
n v. Na ra larga do Bosario n. .!!, segunil i nn-
O andamento das rodas sera na quarta- dar, lava-se e eugoninia se ronpa ttnto de boinem
fcira 18 do corrente mez (se antes desse como de senhora, min perfeleao, por prego cus
do
da
dia tiver sabido para os portos do norte o mo^ : taml)e'" se i** ',)lla 'piainiade d,- roupa.
vapor brasileiro que se espera do sul
contrario ser ella no dia inmediato ao
iiina.j
PLANO
Para as extracedes
fundada e administrada pelo banco Alhanca do
Porto. Nenhuma das compinbias exi-lentes pode-
ra' offerecer aos seus asseiados garantas como as
que Ihos nfferece a Previdents; que ?So rs......
i:OfJO:00050O, capital du banco AliU.a, <|ue na
conformidade do arl. Gl dm estatutos U:-sia socie
ilade, r;-sin.n-av i ala boa adoinr.-iraei da sua
gerencia, bem assim or lodosos .- o- einpregados
e representantes.
Alem dis.o extraordinaria a vaniagem nue
^ leem aquellas pessoas que -o inscri-verem e.-te an-
;-4ft no nt>u snciedade, pub que vo a-sociar-se a um
grande capital subscripto desde o 1" de j.int iro at
esudala. O humem que du"idar di sorprehen-
denle resultado que olfirece esta s,-i i.-dade, ignora
inteiramente a materia, e maneira por qne se re-
R6.7I estas institoices ; norque par: h-Mruir toda
e qnalqoer mcreduhdade, bastam lembrar-e que
l"dos estes capilaes sS convertidos em insericces
da divida pnblira e renoa nacional ; #da mesma
forma os juros seme-tres que deltas se forem en-
cendo, e .U'1 os individuos de que se compem
esta associaco pela maior parto tem contratado
que os somos sobreviveiites sejam berdeirus- dos
capi.us e inleresfes dos socios fallecidos.
Qul sera", pois, o pai que ao nascer Ihe nw !i
Iho dfixe de in.-ci'Vi-r o seu n me na Previo i
com 50 por auno par* qnando elle lver -..". .
rcci-li r um di le de 2.T 0005. pouc ikhs i u li-
no-, qoaniia esia que de nenhuma una fuii.a p >
dera' conseguir com lio pequeo deseinVid.-i
sem sacriliclo aleum; ide paes de iiolia, i e\ -i-
tai parte do fruto de vussas ecotiojofos uetla til
til e mnrali.-a ora inslituicao; vetrtS as- >......
poucu lempo um futuro cheio de ventura p; ra x -
ou para os rules ijue vos sao mas i-lian s r.
ii.nodo.
Em casa dos Srs. Valle Porto &. C. m' dai! i gra-
tis os estatutos o prospectos do.-la companlna.
Urna parda escrava, contando 20 aiiiios du
idade, que tem algum dinheiro para a Ma alforri,
hvpotlieca os seus servifis pelo traballio interno
de urna casa a quem completar a quaniia saiie
Vteucao.
i.
Perdeu-se nontem 2 de ouiubro, dj aterro da
Doft-Vlsla al a roa On C-nspO, Um einljiulho con-
! cozinhar, t-ngommar e ensaboar : quem se dignar tendo a quantia de 0105 : quem o liver adiado e
sio fazer auuunce por esle jornal para
curado.
DE
'TV.'-:)!..
::j i
ser pro- quizer levar a roa do Crespo n. 19, ser generosa
mente gratificado.
Offerece-se para ama urna crioula que en-
gomma, cozinha e lava de sabao : na ra das Flo-
res n. 7.
pprovado pelo Exm. Sr. presidente
4000 bilhetes a 55000.............20:0005000
Beneficio, sello e comtnissao 2i 0|0.. 4:8005000
Liquido...... 15:2005000
1 Premio de........
1 Dito de..........
1 Dito de...........
1 Dito de..........
5 Dilos de 1005000
uient*.
! mais redondo do que
ditos, Carneiro & N guaira, 1 dita ditos mixtos,
a T. Cnnstiansen ; I dita ditos, a Schafheitlin ; 2
ditas ditos, a J. R Lipes ; 2 ditas ditos, a D. V.
"WiM ; ItO'J harneas fannha, aos consignatarios ; 1
caixi fumo, a J. L. liourgard, 20 ditas genebra, a
J. T. Silva Junior ; 1 c.aixa ostrumentos de msi-
ca, a J. A, de Azevedo ; t dita modas, a J. Keller ;
i diu dila, a Schafneitlin ; I dita dita, a T. Chris-
liansea 1 dita dito, a A. Ilamburger; 3 caixas ,
marmore, a Itldoro Netto ; 3 ditas movis, a Tasso ,"em os morros, e tao somente um
Irmaos ; 1 dita dito, a L. de C. P. Andrade; 1 diiaifJa tcos confusos, sobre aneselo reproduz.das
livros a J. U de Mello 1 dita ditos, a Falque ; 1 tos".8 superficialmente os demais objectos que
dito ditos, a O. A. Maiheus -. t dita ditos, a Jos
N. de Souza ; 29o barris e 355 meios maoleiga,
aos -ousignatarios; 20 ditos e 40 meios, a T.
numeracao raais grosseira e o typo
na estampa verdadeira.
Finalmente as assignaturas e a rubrica esto
grosseramente imitadas.
Para se distinguir inmediatamente a nota falsa
da verdadeira, me parece sufflcieote o seguinte :
1." o papel nao tem ramagem circundada ncm
a lpenlananeo do Brasilem llnha d'ana ;
2 No emblema da estampa nao se v o lionson-
fundo escuro
a Sodr : 20
Chris:iansen : 25 ditos 25 meios, a aiwre i ------ .
ditos e 10 meios, a P. Sero lio ; 45 ditos e 60 meios \ r^sa ? e4m'sSil0 do Banco do Brasil, em 4 de se-
__ *___ rm I .1 I 1 1 I 1 T* '. fifi lWK
tosca e superficialmente os demais
compoem o mesmo emblema;
3." O aspecto geral da estampa mais escoro,
fazendo cora que mal se leiarn us diteres dj cen-
tro da nota.
PARA O
Rio de Janeiro
pretende seguir com mulla brevidade o palhabote
nacional Piedade, tem parte do seu carregamento
engajado : para o resto que Ihe falta e escravos a
| frete, para os quaes tem excellentes commodos,
tratase com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptoro ra
da Cruz n. 1.
a Almeida Gomes; 75 ditos e 75 meios, a Costa Si
Filhos ; 70 dilos e 100 meios, a J. Paler ; 20 ditos
e 40 meios, a ordem ; 20 ditos e 40 meios, a J.
Keller & C.; 50 ditos e 100 meios, a A. L. de Ol-
Teira Azevedo ; 30 ditos e 3 mei >*, a I-idoru Netto ;
10 ditos a 10 meios, a M. P. de Mello ; 35 ditos e
30 meios, a Tasso ;63 volumes obras de farro ; a
F. Dubarry ; 1 dito objectos diversos, a irraa Le 5a0 ae Lacerda.
zal; 7 ditos ditos, a J. B. dos Ileis ; 1 dito dito, a
J. F. Lopes ; 2 ditos dilos, a L. Puech ; ditos di-
tos, a FelisbertoJ. de Oliveira; 2 ditos ditos, a E.
Bourgeois; 7 ditos ditos, a Mello Lobo ; 3 ditos
ditos, a Manoel A C.; 12 diiis ditos, a & Lai-
Ihacaz ; 3 ditos ditos, a I. W, de Medeiros ; 25 di
tos ditos, a Vaz 4 Leal ; 12 ditos ditos, a L. Wild ;
4 ditos Utos, a J. da Silva Farla ; 3 ditos ditos, a
Antonio da Silva Faria ; 6 ditos ditos, a Ferreira
& Araujo -. 10 dilos ditos, a A. Haraburger ; 5 di-
tos ditos, aHennque & Azevedo ;4 dilas dilos, a
Chrisiiansen ; S dilas ditos, a Carneiro & Noguei-
ra ; >i ditos ditos, a i. Keller ; 8 ditos, a D, Wil 1;
2 ditos objectos de armario, a A. Haraburger ; 1
dito ditos; a iiieb ;r ; 1 dito dilos, a Schafheillin ;
1 dilo ditos, a Freir 4 Primo ; 1 dito ditos, a F.
D. Mi ditos, a J. F. Lopes ; 1 dito dilos, a I. Netlo -, 2 di-
tos duo-, a Tasso ; 1 dilo ditos, a Menlero Lopes:
2 ditos ditos, a Heorique & Azevedo ; 3 ditos ditos,
a Carneiro & Nogueira, 6 ditos ditos, a Prenle
YiauM : 1 dito ditos, a Cunna Medeiros ; 2 ditos
ditos, a C. J. A. Guimares ; 4 barris vinho, aos
consignatarios; 1 dito dito, a Caors 4 Barbosa ; 32
caitas velas, a Theo Ctirunseo ; 50 ditis, a Bren-
der a candis ; I dita dita, a J. J. Alves; 1 dita
dita, a Cirneiro & .\ogueira ; 1 dita dita, a Manoel
I ('.. -. I lila Jira, a Bourgeois ; 70ditas sardiniias,
a TiiMl i 10 ditas dius, a Costa & Filhos; 50 di-
tas ditas, a J. Keller di C.; 20 ditas ditas, a M. P.
Mello ; I caita papel, a Delouche ; 7 barricas pir-
celana, a Tasso Irmaos; 1 dila dita, a Duarle Ri-
iwiro ; i) cairas pelles preparadas, a Monteiro
Lopes; I dila ditas, a Bieber : 2 caitas queijos, a
Denker i Barrse ; 2 ditas ditos, a L. Wild ; 3
ditas ditos, a M. P. de Mello ; 2 ditas perfumaras,
a M. P. Lipes ; 1 diu dilas, a Rohert & Filhjs; t
dita litas, a Adour ; 1 dita dilas, a Henrique &
Azevedo ; 1,800 pe.lrasde calcamento, ao barao do
Livraiii-itio; 8 ca tas vldros, a Isidoro Netlo & C.;
i dilas ditos, a Duarte Ribeiro.
Barca americana Anaconda, vnda de New-York,
consignada a Foruler & C, manifestou o seguinte:
2361 barricas de fannha de trigo e 150 meios di-
lembro de 186o.
(Assignado.)Antonio Jos Vicente da Costa, en-
carregado da emisso.
Est conforme.O secretario do Banco, Manoel
Marques de S.
Conforme.Francisco Jos de Lima.
Conforme.O secretario, Eduardo de Barros Fal-
para a Bahia
segu com toda a brevidade o patacho nacional
D. Luiz ; para o resto da carga que Ihe falla tra-
ta-; e com o seu consignatario Jos Mara Pal mei ra
no largo do Corpo Santo n. 4.
Lnia regular do Brasil
Espera-se o brigue francez Trois
freres, que sabio do Havre no dia 6
de setembro ao frete de 25 f. e 10
0|0- Recebe carga para o Havre
a fres baratos : a tratar com os
consignatarios Tisselreres.
Masurier le Jeuoe & FiL tendo sido preveni-
dos por varios carregadores que haviam receios
A TV<QLllQUIO. de se ver levantar os fretes aos antigos pregos, no
Finda a audiencia do da 20 do corrente, do Juz cas de ficarem sos eocarregadas desle servigo,
municipal da f vara, escrivo Cuoha, ser arre- como amigamente compromettem-se por contrato
matado por venda a quem mais der, o sitio de ter- : a na" tomar mais do que 35 f. e 10 0|O d'aquelles
ras denominado Forte, as Candeias, com 655 pal- que se comprometieren de sua parte a carregar
mos de frente, 800 de fundo, com 80 ps de coqum-1 &* as suas merca lorias nos seus navios. O dito
ros, terminando pelo lado do sul, cora trras de contrato acha-se depositado em casa de Tisset fre-
Pedro Joaquim de Barros, e pelo norte cora trras i r?s que o apresentaro aos interessados que pode-
de Madoel Gregorio, servndo de divisa pelo sul 'r*' lomar connecimeuto delle e assigna lo se as
ti Ditos de
22 un. i., de
43 Ditos do
915 Ditos de
1000 Premios.
3000 Brancos.
405000
205000
105000
65000
6:0005000
1:2005000
5005000
2005000
5005000
4*05000
4405000
43U5000
5:4905000
---------------15:2005000
Na ra uo Livrament n 19, ha para alugar
urna etcellenle escrava para o servigo interno de
urna casa por 105 mensaes.
0 Dr. Oasanova
IR pode ser procurado a qnalqoer hora
P| em seu consultorio lioiueopathico,
^ largo da matriz de Santo Antonio
gs n. 2. --"
No mesmo consultorio tem sera-
B l)re medicamentos em tinturas e
$B glbulos em carteiras e avulsos de
^ Catellan eWeber e muito em conta
I
(aixeiro.
Offerece se um caixeiro para taberna e que tem
bastante pratica e da fiador a sua conducta : na
esquina da ra do Rangel Progres so n. 49.
m
CONTRA FOGO.
A Companliia Indemnisadora
4000 Bilhetes.
JtiuiBE!*,qaA e-l5 sugfosa d^sconl0 iba.
1 2toOOO S?.ZV r.c7ftnl'J> e de y Precsa-se de urna b,a cozinheiri
t.auuauuu e t>.0005000 ao de 17 por cenlo, sendo o-vft n
5 por cenlo da le provincial e 12 por cento da !
geral.
Thesouraria das
eslabelecida nesta praca, toma seguros maiimos
sobre navios eseus carregamentos e contra fono em
edificios, mercadorias e mohilias: no seu escripto-
Offerece se um menino com pratica de laber- Jio, ra do Vigario n. 4, pavimento terreo,
na : a tratar no becco dos Ferreiros n. 5.
Precisa se de dous eopeiros : no hotel trova-
dor, ra larga do Rosario n. 44.
na ra do
Emprego.
O homem velho ou de meia idade, de conducta
moral, sem molestias, que quizer oceupar um lu-
gar de pouco trabalho, appareca na ra da Cadeia
do Recife n. 49, deposito de charutos.
FEITOR.
loteras 7 de outubro de 1865. Precisase de ura feitor capaz eirabalhador para
O thesoureiro, um si,, Pftrt0 da Praca : a 1uem convier dirija-
Antonio Jos Rodrgaos 'de Souza. se ama Novan. 17, foja.______________________
Os credores de Jos de Castro Redendo sao
oonvidados a maular eceber o primeiro dividen-
do : ni ra lo Amonm n. 41.
Mtmj
iCA
virgen!
ura p de aroeira, e pelo norte um cap3o da mes-
ma arvore, avaliado dito sitio por 60 15, o qual
vai a praga em virio le da execugo que a santa
casa da misericordia desta cidade raove contra os
herdeiros de D, Anna Benedicta Boaventura do
Carmo, viuva do coronel Agostinho Cesar de An-
drade Mello.
Hoje 7 do corrente, depois de finda a audien-
cia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 2a vara, tem
de sr arrematada era praga publica urna relacao
de dividas descriptas no inventarlo da finada mu-
Iher de Lourengo Ribeiro da Ganda Oliveira, para
de seu producto liquido seja dedazdo o sello da
fazenda nacional.Escrivo BapUsta.
condieges forera de sua conveniencia.
Para o Maranhao,
O palhabote Garibaldi >, mestre Custodio Jos
Vianna : a tratar com Tasso Irmaos.
UILOES.
Correio.
Os Srs. Joo Franciscj Xavier Paes Brrelo e
JooMarques Bacalho, queiram dirigir-se a repar-
tico do correio ou maodarem, adra de receberem
carta recoramendada vinda di Rio de Janeiro.
Arrematago
Terga-feira 10 do correte na sala das audien-
cias, as 11 horas do dia, perante o Illm. Sr. Dr.
juiz de orphos se vender' em ultima praga o so-
brado de 3 andares sito na ra do Amorim n. 25,
avadado em 5:0005.
LEILAO
De ama victoria de 4 roda com ar-
reios.
Sabbado 7 do corrente as 41 horas.
Na prar^a do Commercio.
pri.o Aflwre
OLYMPIO
I1J1 aO
Da leja de mindezas da rna da liaprra-
iriz a.' 70.
Marllnsfara' leilao precedida a competente au-
torisagao da loja de roiudezas da ra da Impera-
triz n. 70, contendo um he-i sartiateaio e muito
Programma da festa da
excelsa Senhora do Rosario nojjj
convento de Carmo.
Hojo 7 do corrente pelas 12 horas da
manhaa sera' annunciada a festa por di-
versas gyrandolas de foguetes que snbi-
rao ao ar, tocando na mesma occasio a
msica do segundo batalhao da guarda
91 nacional a qual dirigida pelo distincto
gatf professor Hermogenes.
As 4 horas da madrugada do dia 8 ba-
SK vera' missa, depois que for acabada
m benzer-se-ha a bandeira da mesma vlrgem
K do Rosario que conduzida por virgeos
M trajando de branco pereorrera' o pateo
|i| da igreja do Carmo e depon sera' eleva-
gS da a um mastro que para esse din se
53 acha collocado no paleo da igreja.
fAs 11 horas do da entrara' a festa e %
as 7 da noile o Te-eum, sendo orador do S
Evaogelho e do Te-Deum o Rvd.Sr. padre j(R
^ mestre Leonardo Joo Grego, que mais JK
g urna vez dar' provas do quaoto capaz, c
A devogo pede encarecidamente aos i
jfiC moradores do pateo o favor de ilumina- jM
2 r,'m as frentes de suas casas as noites
I de 7 e 8 e desde ja' agradece cordialmen-
|W te a todas as pessoas que assim o fizerem. M
mmmmm mmmm mmmmm
Aluga-se a casa terrea da roa Impe-
rial n. 74, com 3 quartos, 2 salas, quintal
murado, cacimba e cosinha fora : a tratar
na ra Direita n. 24.
O abaixo assignado convida os amigos do
fallecido Manoel Jos Soares Guimares a
eomparecerem no dia 9 do corrente, pelas 7
horas da maoha, no cemiteno publico alim
de assislir a urna missa por sua alma.
Jos Baplista Braga.
Os arrematanles da massa fallida de J>.a%oim
Vieira Coelho A C. prevmem aos senhores devedo-
res para que no praso de 30 das venba* ou man-
dem pagar o que esto devendo mesma massa,
na ra da C-ideia do Recife n 3, a que lindo o dito
praso, es que nao pagarem, lera 1 de ver seus no-
mes publicados pelo Diario, e se promover a eo-
branga judicialmente. Recife o de oniul>ro de
186o.___________________
. .Notas do banco do Brasil e das caixas Oliaes
doscontam se na travessa das Cruzes n. 8.
Aluga-se um quario propno para mogo sol-
leiro, na ra do Raugel n. 6 : a tratar no sobrado.
Sitio para a logar.
Aluga-e o sitio qne foi do Sr Valenea no lo-
gar de Bem-fica, com graude casa, contendo 2 sa-
las, 8 quartos, cosinha lora, estribara etc., a mar-
gem do Capibaribe e cora porto para a estrada :
um sobrado de um andar em frente ao hospital a tratar com a viuva no lugar da Magialena de-
Pedro II, a margem do rio CapfWMhe, sonde os frdbte do sobrado .grande ou no Recife na ra da
banhos salgados sao mu: recommendaveis e agr- Cadeia n. 4.
daves, o qual tem 3 salas, S quartos e estribara, \-ft~-i-------7 ,----------i-------------.
sitio com 8 cajueiro, 3 sapotlzeiros, e muitas ou- () fffil jTOtf&tO Af VOllIlltarl
tras fructeiras, por 25 mensaes : a tratar no lar- v 1101 ii/iow/ Utt vuiuutaiia
go dos Coelhos com o Sr. Antonio Carneiro da fjo Hft'fnfl
Lourenco di Reg# Li na, tendo perdido um
bilhete de hieria da provincia que deve correr
hoje n. 604 : rogase ao Sr. the-oureiro nao pague
o dito bilhete, caso saia promido, sen.lo ao an-
nunciante.
ESCRAVA.
Precisase alugar urna escrava para o servigo
interno de casa de f imi i_ : na ra da Cadeia do
Recife n. 52. tereeiro andar. _________
Precisase de urna ama para todo o servigo
! de casa de pouca familia : na travessa da matriz
de Santo Antonio n. 8.
Aluga-se
Cunha.
Precisa-se de dous amassadorss: na ra do
Rangel n. 9._______________________________
Francisco Jos da Costa Guimares comprou C9 I* anda
por ordem do Illm. Sr. Joo Secundine Pereira Pa- -------------
checo, negociante na praga do Aracaty, ura bilhe-
te da 2* parle da 2* lotera concedida a favor da
santa casa de misericordia do Recife n. 631.
D. Mariana Amalia do Reg Brrelo natural da.
el :ade da Vicioria: acha-se a venda na IHhogra-
phia de F. H. Caris, ra da Cadj_a do Recife n.
. H. Caris, ra da Cadju
Para Macei-
Na ra de Saota Rita n. 68 lava-se e engom-
ma-se bem, e por comraodo prego.
Ama secca.
Precisa-se de 3 trabajadores de padaria; a
tratar com Jos Duarle das Neves.
Furtiram bentem 3 do corrente em Agua
Fra na cidade de Ohnda dous cavados com os
signaes seguinles : ferrados com as letras ac, om
A. I. Stern, tendo de relrar-se para Europa,
I faz saber o publico qne deixa por seu procurador
bastante o Sr. David Plach.
O padre Flix Brrelo de Va scoocol I os, na ra
do Imperador n. 35, segundo andar, precisa no
centrada freguezia de santo Antonio de um sobra-
do com bstanles commodos, podendo ser de um
andar somente com soto, ou de dous andares sao
sendo muito grande : quera o ti ver e quizer alu-
gar, falle ao annuaciante.
Na ruada Iraperatnz n. 15. seguudo andar, pre- ru0' andaar baixo.corcudo, lesta branca e ea-
cisa-se de urna ama que tenha acabado a crlago,
para cuidar de urna crianga, na qualidade de ama
secca. *
Pede-se a pessoa que tirou urna carta do cor-
reio, vinda pelo vapor francez no dia 30 de setem-
bro. com o nome de Rosa Mara da Concelgao Pa-
dilha, o favor de enttegar no mesmo correio, on
pado; o outro alazo, peqneno, taranem anda
baixo, tem marca branca na testa, raleado do p
esquerdo, e mteiro : quem os aprehender porte
entregar no lugar cima ou no Forte do Mallo
prenga dos Srs. Lobo & Filho que ser bem re-
compensado.
Manoel Francisco Paredes scieotiOca ao res-
oa ra do Ouelmadojoja n. 34, que te Ihelicar peitavel publico ou a quem maiswuvier, aae_dts-
obrigado.
Haslca de Olloda.
O Sr. mestre Maihias Machado queira ir a' Ca-
punga, casa n. 0, concluir o solo que nao acabou.
Roga-se ao Sr. Jos Jorge de Siquera Filho,
acadmico do 2 aDoo, natural de Sergipe, o obse- "e sua casa
de o da 5 do corrente deixoo de ser caixeiro do
Sr Joo Alves de Moura : approvcita no entretan-
to o ensejo para manifestar ao mesmo Sr. Moura
e a sua Exm*. familia os seus protestos de gratido
pelas maneiras Ibanas e urbanas com que sempre
foi tratado durante todo o lempo que foi emprega-
quio do apparecer na ra larga do Rosario, esta- Aluga-se a casa terrea da ra do Cotovello
belecimento da esquina, defronte da botica do Sr.: n. 8, com commodos para familia: a tratar na roa
Baittwlom.eu,, a negocio que nao ignora. Velba a. 57.
ft.


burla d* tcnaabieo abbado ie Oitt libro de !*.
CONSULTORIO MEDICO-CIBJJttGico
OR. PEliO DE A.mHYP^ LOBO MOSCOSO,
3 Ra da Glori^ eaSa ^0 FUEda0 3
0 Dr. Lobo Moscoso d 'onsulla gralnitas aos pobres todos os dias das 7 as 1 i i
horas da manhao, e das 6 (j meia s 8 boras da noite, excepgo dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopathica
No memo consultorio ha sempra o mais appropriado sortimento de carteiras
tobos avulsos, assim como tintaras de varias dymnamisacoes e pelos procos seguales.
Carteiras de i2 tubos grandes. 12#000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
. de 48 tudos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Frepara-se quatquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo auilso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 ouslarao os precos establecidos para as carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 50O ris.
LI VICOS.
A meliiur odra da horaeopatbia, o Manual de Medicina Homeopatbico do Dr. Jahr
tlous grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 100000
Repertorio do Dr, Mel Moraes........... 65O0O
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais coohecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que qui/.erem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, nolaveis pela sua boa conservarlo, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e portanto a maior
oergia r certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos
Uecebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lbe qualquer
operaco, p ra o que o annunciante julga-se sufficienteraente habilitado.
O iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funccionando a casa ha mais de quatro annos, ha muias pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
oentes.
Paga-se20 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
Asoperaces sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma peilirr o annunciante.
LIQUIDACAO GERAL
NO
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSIQAO DE LONDRES
Compankia geral liespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ica fanca em iinlteiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
ministtaco da companhia.
DIRECgO GERAL
Madrid : Ra do Prado n. 19
BANQUEIROS DA CMPANHIA
O Banco de Hespanha
Esta companhia liga pelo systema muluo todas as comtiinacoes de supervitiuia des *fu
sobre a vida.
Nella pdese tazer a subscripco de rnaneira que em nenhum caso r.t.-n< |n Dolidos
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Saotao suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que anda raesmo diminuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquidai
coes ecombinaudo-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pea companh--
para seus clculos a li de i1.^ produz em effectivo metlico:
No fim de 5 aonos.......1:1195300
de 10........3:9425600
i de lo........11:2085200
de 20........30:2.',>000
de 2o .......80:331000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oliveira, rudaCadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.12,estsbel
ment dos Srs. Raymundo.Carlos.Leite & Irmao.
DE
J. VIGNES.
W. 55. RA OO inPBIliUOR 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao lujo ass conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
toa superioridade, vantugense garantas que olTerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem delinitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
suiado um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nanea falhar, por seren fabricados de proposito, e ter-se frito ultimameute melhoramentos imporlau-
tissimos para o clima deste paiz ; quaoto s votes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes.
No mesrao estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
coelhores autores da Europa, assiro como harmnicos e panos harmnicos, sendo tudo vendido por
presos commodose razoaveis. \__________________________________
ALCOHOLADO de GUACO
:de N
O Alcoholado de Guaco de Pascal urna no\a preparacao da qual
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo infalivel do contagio venerio (ver
folheto para o modo de o impregar).
2 Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias sypliiliticas de toda a especie, ulceracSes primitivas e secun-
darias, ec.
3o Empregado em injeccoes, o melhor tratamento dos corrimerttos
rcenles ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da leuconhea uas
mulheres.
4' Emlm como antidoto dos virus, soberano na cura das chayas e f-
tidas de tn natureza, chagas gangrenosas, datttos, ulcetas das petnas,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ec.
Este especifico vegetal, izento de toda a accao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Pars, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvacao
dos distinctos doutores Ricord, Bauchet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Pars, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre. Casa de expedicao, PASCAL e C, 33, ra Monsieur-le-
Prince. Pars.
ASTHME
ASTHMA ASTHMJm ASTHMA
SUFFOCgiO NERVOSA E 0PPRESS0
. nico remedio efficaz para combattir estas molestias, acalmar ura attaque d'asma e impedir a
vol'.a o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Uescobcrta inleiramenle
recont,^Me novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas ios admirareis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenelle, c em todas as
boticas de Franca e do estraageiro.
Deposito geral em Pernambaco ra da Cruz d. 22 em casa de Caros & Barbosa.
Os abaixo assignados fazem sciente ao
respeitavel publico e com especialidade ao
curpo do commercio que em 30 de setem-
bro prximo pascado dissolverara amiga-
veimente a sociedade que tinliara no arma-
zem ra da Atteda n. 45, que gyrava sob
a lirnn de Silva 6t Pinto. t>c do socio Miuoei .Marques Pinto todo o acti-
vo e passivo da extinga irma. Recite 2
deoutubro de 1865.
Esteva) Candido da Silva
Maooel .Marques Pinto.
Companbia fidelidade de seguros j$>
martimos e terrestres j^
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGK.NTES EM PBHNAUBUCO
Autouio Liix de Olireira Azevedo k C,
competentemente antorisados pela direc- %g
loria da companhia de seguros Fidelida- W<
de, toraam seguros de navios, mercado- j|
ras e predios no seu escriptorio ra da !
Cruz d. .1.
Aluga-se
Saques.
o grande sobrado de um audar sito nos Coelhos n.
8, piolado ltimamente e prompto para receber l
(jjj juer familia : a tratar na ra Bella o. 36.;

Antonio Jos Ro Irigues de Souza roa
do Crespo n. 15. saca para o Rio de Janei-
ro a 3 dias de vista.
60 Ba da Cadeia do Recite 60.
Todos os artigos abaixo mencionados foram comprados recntenteme pelo dono do estabelecimento as principaes fabricas
de Pars, Londres, Birmingham, Manchester e em diversas cidades da Allemanba, e tendo comprado tudo as melhores condices
por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inleira-
menle liquidar e ler de partir mui breve para a Euroi a. <.
Ha neste vasto armazem ricos objectos com brilhanles, como boles, aunis, rosetas etc., e bem assim diversas obras de
ouro, como trancellins, correnles, afinis e mui tos outros artigos, relogios deouro inglezes do afamado fabricante Bennette; com-
pleto sortimento de fazendas finas e modernas; miudezas, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e francezes, como L.
T. PIVER, Lubin, L. Legrand, Ed. Pinaud & Meyer, Delettrez (Perfumerie du mond lgaut), Violet, Societ Hygienique, Mompelas, I
Mailly, Regenier, P. Guelaud, e inglezas deEug. Rimmel eoutros; ricas galanteras em marfim, madreperola, etc., fabricadas nal
China e no JapSo; ricas pecas de crystal fino como ainda n3o appareceram nesla cidade, e bem assim modernos lustres para velas,
ditos para gaze para petrleo, serpentinas, caslicaes, enfeite e adornospa^^ima deconsolos e para grande loillette, o que se tem!
feito de mais elegante em Pars, Londres, Birmingham etc.; modernos ;ippBfellios de metal fino inglez para checaf, os quaes em
nada sao inferiores prata, e umitas outras pegas do mesrao metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de senho-j
ras, excellenles luvas de pellica do afamado Jouvin, apparellios de porcelana fina para cha e caf, ditos para j ntar, e immensos arti-
gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para llores, figuras, etc; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de pan-;
no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Pleyel. Wolff & C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na!
ra, ditos com figuras para sales e ditos com figuras em movimento; modernos e bonitos instrumentas de pbysica (mgica) para
theatros ou sales, ditos de phantasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com vistas novas, dia c noile; slereocopios de nova in-:
venco e com bello sortimento de vistas das principaes cidades da Enropa; grande sortimento da brinquedos finos para < rianeas, e
bonecas fallando papae e mamae ; grande sorlimer.to de candieiros a gaz, o que se tem feito de mais elegante e que tem
merecido toda a aceitaco na Europa, grande e magnifico soni i ento de ca xinhas, cestinhas e outras galanteras feitas du crina e seda, j
proprios para presentes; grande sortimento de estampas lin s coloridas com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com'
figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello cliafariz de crystal
proprio para meio de mesa de jantar ou para jardim; cutelaria in3, como talheres com cabo de metal lino, colhercs, tltesouras finas,
ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, canivet s e outros artigos, diversos artigos feitos de rame ; completo sortimento de
mascaras de veludo, selim, cera, papelo e rame ; doces confeitados e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de todos
os tamaitos, lavatorios, etc.; ricos quadros para cartes de visita e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos de sol, benga-
las, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para baterovos, proprias para quem faz po-del, bolinhos, etc.;
pannos para cobrir mesas, bolsas grandes <: pequeas para viagens, e outros artigas, como cobert res, malas, etc., sortimento de
violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galanlarias e outras ecas de charo para toillette; machinas para varrer o chao,
excellentes machinas para pholographia para tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos ba'oes de papel fino transparente e lanternas
coloridas para illominaces moda de Paris; salva-vida de borncha, para liomens e senhoras, proprios para quem toma banhos em
lugares fundos; ameixas novas em caixinhas, biscouios inglezes em latas, queijos, etc., e muitos outros artigos que para ennumera-
los seria um nunca acabar, e todos.se vendem barato e muito barato, no grande armazem da Exposiciio de Londres, na ra da Ca-
deia do Recie n. 60.
NO GRANDE AR-
MAZEM.
DA EXPOSICAO DE
LONDRES.
Para completa quidacao vendem-se, por muito menos do seu valor, perfumaras muito finas e novas chegadas recentemente
de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes: E g. Rimmel, H. Matheus & C, Lubin, Sociedade llygienica, Piver,
Violet, L Legrand, Deletrez, Pinaud & Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frre, etc. etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de
Colonia em vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em garrafrahas e vidros de difieren-
tes modelos, pos para limpar dentes, banhaent potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas ebalainhos com perfumaras para fazer
presentes, e muitos outros artigos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande
armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
PARA SEXHOlt IN.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o que se tem feito de mais elegante at o presente: vende-se
por menos de seu valor para se liqui Jar, no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
IUVAN SO VA 8 iE JOLVIH.
Vendem-se excellentes luvas de pellica, recentemente chegadas de Paris, tanto para homem como para senhora por menos de
seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
PHOTOGR \ 1*1111.
No grande armazem da Exposico de Londres, ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da Imperatriz loja de Mr Dubarry n. 8
sina ra toja de miudezas n. o, vendem-se excellentes vistas para quadros de sala e para albuns, como:
Porto. .
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Guirnaraes.
Porto, rao t SdillU AlllOniO.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimbra.
Joo da Silva Ramos, medico, me-
dico pela universidaje de <:oimbra,
Ida consultas em sua casa das 9 as
11 horas da manha, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as boras para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em
qualquer occasio. D consultas aos
, pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
I diariamente das 6 s 8 boras da
fmanha,
Tem sua casa de sade regular-
, mente montada para receber qual-
I quer doente, ainda mesmo os alie-
$ nados, para o que tem commodos
tapropriados enella platica qualquer
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Prime ira classe. .3|500u diarios.
Segunda dita___3500 >
Terco ira dita .2000
Este estabelecimento j bem
f acreditado pelos bous servicos que
tem prestado.
fO proprietario espera qoe elle
continu a merecer a confianca de
que sempre tem gozado.
Samuel Power Johnstoii fc Comianhia
Ra d ^enzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de Lov loar.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendas e tueias moendas para engeoho.
Taixas de ferro coado e batido para eiige-
nbo,
Arreios d carro para um e dous cavados.
Relogios de o ro patente inglez.
Arados americanos.
Ma binas para desraioca algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
m mmm-mmmm
O bacharel
Francisco Augusto da Costa
S ADV0GADO
^ Ra do Imperador numero 69.
mmmm mmm m^mmmm
Na na do Imperador n. 83, .egondo andar,
| ii.-i'ja se saber e Miar com a Sra. D. Jaciotha do
Re^o Bprges, natural da ilha de S. Miguel: quem
portanto soolter dar alyuma noticia, ijueira diri-
girse a referida casa, pelo que mono se agradece
Offcrece-se um rapaz portuguez para criado
ou feitor de iiualimer sitio e d Ih1 ducta : a irai.ir na travrssa dos Expostosn 18.
No liuiei iialiano, ra do Trapiche n. 5, pre-
cisare de una pessoa que aiba c-ngommar, e de
ouira que saiba colindar tu-ir..
l'recisa-se de um caixeiro para deposito e
que turilia boa conducta : a tratar na ra Imperial
numero 51.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 20
da ra Lireita, com 2 !-ala- e 3 quartos : a tratar
na mesma ra n. 84.
Precisase de ofliciaes de marcineiro : a fal-
lar na ra Nova n. 30.
*
e na mesma
Precisa-se de um trabalbador: na rtGuaci
da ra nova >\t Saula Itia d. 53.
Aluga-se urna escrava boa cozinheira, docci-
ra e < ri^on.n a<:< :ia : a (aliar do pateo da Sania
Cruz, sobrado n. 92.


UXEM
Precisa se de um caixeiro : no armazem de mo-
, loados da ra d > Imperador n. 57.
Precisase d< 3:0005 premio sobre hvpo-
theca de preJios uesla praca : queiu tirer e <|i-
zer da-los annuncie.
i
VI8TAS HE PCRIVAjVjSBCO.
Tiradas na occasio em que S. M. o Imperador aqui esteve em ib59 :
Pal.cio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M. o Imperador no dia 2 de dezembro,
indo para o Te-Deum no convento do Carmo.
Theatro de Santa Isabel.
Ra da Cruz com a pyramide.
Torre du Arsenal com a illuminacao na frente.
Passeio publico, na chegada de S. M. o Imperador.
Ra do Collegio com a tropa.
Pateo do Collegio eorn o palanqne.
TIACEM A9 EIROPA.
Stereoscopios de nova invencao com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como :
Franca.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Vendem-se barato para liquidarlo no grande armazem da Exposico de Londres na ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da Im-
peratriz loja de .Mr. Dubarry n. 8, e na mesma ra loja de miudezas n o i.
M M NOVA c
precisa se de urna ama
: peuca fanitla.
para servido de casa de
\Vaudr\asillo de Mello Lins faz sciente qoe
,comprou a Bernarda de Cerqueira (lastro Moaleiro
urna litliographia e tudo quanto exista na mesma,
', sita na ra da Cadeia do Recite n. 8 : se algue
se adiar com direito a ella, apresente-se no praso
de tres das, a contar di data deste.____________
Pncisa-se de um escravo de meia idade para
servico interno e externo de urna tata : na ra do
SebD n. 8.
O Dr. Cosme de S Pereira conti- J@
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu- |
8rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade !
sobre o seguinte B
JH Io molestias de olhos;
2o de peito :
3 dos orgos geni- g
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se- !
rao examinados na ordem de suas M
entradas comecando o trabalho pe- I
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das g
6 as 10 da manha, menos nos do- o
mingos.
Praticar toda e qualquer opera- M
cao que julgar conveniente para o I
prompto restabelecimento dos seus H
doentes. Q|
mmmmmmmmmmmmmm m
Aluga-se urna escrava moga, robusta e de'
boa conducta, a qual faz todo servico de urna casa,
interno e externo : a tratar na ra Velha o. 40-
Francisco Jos da Cosa Guirnaraes com.
prou por ordem do Illm. Sr. Joao Secondino Perei-
ra Pacheco, negociante na praca do Aracaty, um
bilhete da 2* parte da 2* lotera concedida a Bivor j
da Santa Casa da Misericordia do Recife.
Arrenda-se um sitio no Jacar, estrada que !
vai para Agua-Fra '">in casa de pedra e cal jlli-1
mmente edificada, in bastantes commodos; este
sitio tem arvoredos de fructas de todas as qualida-
des, bom terreno cara plantaco, e balxa para ca-
pim. Aluga-se tamhem 6 armazem do sol na ra
da Concordia, proprio para qualquer eslabet-ci-
mento : a fallar ao solicitador Barroso que mora
no sobrado n. 34,onde est o dito armazem, tinto
para este quanto para o sitio mencionado.
CASA DE BANHOS.
Ra <'a f.ruz n. 17
A abaixo assignada, tem a honra de >T
participar ao publico que o seu estabele- ||k
cimento cima mencionado, acha-se hoje ^
funccionando muito regularmente, pro- ^|
\ ido de todas as accommoda^des necessa- jfe
rias e sobre* tudo com alguma limpeza. |*
Os i artoes rmados por meu anteos- H
sores Cedrim & C. serao recebidos at o ^
meado do mez de cutubro vindouro, os da y;
casa tero a firma da abaixo assignada, ~&
e sero como d'anies transmissiveis. j
Tabella dos presos.
1 assignatura mensa! com direito
a um banho diario a320 rs.. 9&6O0 sE?
1 dita de 30 carioes transmissi- Jfi!
veis a 360 rs................ 10*800 *g
1|2 dita de lo dilosa 00 rs.... 65000 ^
1 banho avulso, u o no ou fro ou JES
de chovisco................. 500^
i dito aromatisado com agua flo-
rida........................ 13000 S
s medicinaes serao pelo prego que se ^
convencionar: JR
O estabelecimento estar" aberto nos Sj*
dias uteis das 6 da mantiaa as 10 da noite j"g
e nos dias sanliticados al 2 horas da lar- Wf
de, havendo chegada de vapor estara' *^
aberto por mais algum lempo.
Mathilde 6. Lessa.
: jmmm mzm mmm
Precisa-se alujar uina escrava para todo
servigo de urna casa de duas pessoas ; para trataj
na ra de Heras n. 66.
P^ra qoem precisar de banhos, offerce-se
duas casas com commodos para familia, na ilha
do Retir, junto a ponte da Passagem : a tratar
^om L. M. R. Valeaea.
zs
4 \
O arrematante das dividas da uiassa fallida de
AftPTir'MO i Amorm, Fragoso, Santos it C, e do espolio do
xa.bi>v>uv Na Piranga no sitio do Sr. Millet precisa se de res devedores para que, nj praso de 30 dia, te-
alguns irabalhadores._________________i nnara a U0Ddade de vireni satisfazer seus dbitos
- Aluga-se a sala do 2 audar do sobrado da no espaco dos dias cima, do contrario seos nomes
ra du Imperador n. 7a ; a tratar no mesmo andar sero publicados : a tratar na ra do Arago nu-
ai as 9 llores da maoha, e dep is na taberna n.. mero 3.______________________________
46 da mesma ra.________________________| j. Mercier, alfaiaie francez, previne ao res-
" Deomedes Francisco das Chagas pretende re-; peitavel publico e a seus fleredores qae nao pa-
tirar-se da villa da Escada e acaba com seu esta-' guem seus dbitos ao Sr. Joao Jos Ferreira visto
belecimeoio de taberna : quem se julgar seu e- nao ser mais seu caixeiro desde o dia 4 do cor-
dor, tanto ahi como nesta praca, apieiente idas rente, e sita ao Sr. Antonio Xavier Beierra que o
contas at o dia 8 de outubro deste correnle auno, substituto.
Casa de banhos
Wk Largo do Carmo a. 26.
W*j Este estabelecimento to bem montado
m na sua origem achava-se de ha muito
Wx em quasi completo abandono pelo pouco
|| interesse de sua adminislracao.
Hoje que o novo proprietario empre-
" gou todos os meios para restabeler a
M grande ulilidade deste estabelecimento,
- pode assegurar ao publico que qualquer
Nk que seja o nnmero dos concorrentes
BK adiara-, desde j promptidao e aceio nos
banhos trios, mornos ou medicinaes, a
^ casa dos banhos se achara aberta todos
^g dias das 6 horas da manhaa as 11 da
noi,e
Banho de choque....... 500
* Dito fro ou momo..... 500
m Dito de farello......... I000
Dito medicinal ser* se-
gundo sua qualidade.
Assignatura.
Por mez banho (rio ou morno.
25 cartoes rarabanho fno.mor-
no ou de chuvisco.......
it carioes para os mesmos.
12 ditos para banho de farello.
mmnmmmm mmMmmmm
(ralilicacao de 30$.
Ausentarse da basa n. 59 da ra do Imperador
(outr'ora Collegio) no sabbado 16 do correnle m,ez
de setembiode 1865,0 escravo pardo donme loa-
quiin, com os signaesseguintes : estatura regular,
idade 18 a 20 annos, sem barba, ps largos, olhos
grandes, cabello corrido, com urna cicatriz grande
e bem vjsivel na testa, paite dos dentes da frente
arruinadi.-, e com falta de alguos dos lados, sahio
com calca de brim pardo e paletot curto de panno,
mas levou mais roupa branca e do cor, muilo
astucioso, costuma ,.intitular-se forro e andar cal-
cado ; M escravo do Sr. Guilherrae Frederico de
Souza CarvaHio, genro do finado Sr. commendador
Manoel Concalves da Silva : rogase a sua captura
a todas as autoridades policiues e a qualquer ca-
pito de campo ou outra pessoa particular que o
apprehenter se gratificar com 50, alm das des-
pezas de cooduccao, entregando-o a seu senhor
Miguel Jos Alves. na casa cima, ou no seu es-
criptorio na ra da Cruz casa n. 19.
QMP&iS.
Compra-te effeclivamcnte ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na roa larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.__________
Silvino Uuilherme de Harros compra e-vea-
de efiectivainenie escravos de ambos os sexos : a
ra do Imperador n. 79. ttreeiro andar.
Compra-se ouro, prata e pedras piecio-as,
em obras velhas : na ra da Cadeia do Kecife,
leja de ourives no .reo da Conceico.
Compra-se rarosso (temenle) de algodo : no
armazem de algodo de Saunders Brotbers & C,
no caes de Apollo.
Na ra do Crespo n. 16, primeiro andar-
compram-se libras sterlinase moedas de ouro ora,
sileiras.
Comprase papel diario para embrulho, pa-
ga-se bem : na padaria da ra da Imperatriz nu-
mero 66.
0j>
5*
10,5
Na travessa rio Queimado o. I, comprase
um balco ainda mesmo com algum nso qoe Mrva
para taberna.
Ouro c prata.
Em obras velhas : compra-se na] praca da Io-
dependencio n. 22, loja de bilhetes.
Comp
rase
para urna encommenda urna escrava preta a par-
da, com habilidades, principalmente em roblara
entornillado : na ra do Imperador n. -2. lerceiro
andar se dir.
YENDAS.
Aluga-se para escriptorio ou residencia de
pessoa wlteira urna boa sala com quarto, ludo in-
dependenle e com jaoella para ra, no primeiro
andar do sobrado da ra do Queimado n. 2, e que
faz esquina para o becco do pelxe frito._______
UVAS
chegadas pelo vapor Amazonas, em muito bom
estado : na ra do Vlgario n. 19, primeiro andar.
Bibliotkeca lusitana
histrica, critica e chronologica, com prebende odo
a noticia dos autores portngnezes e das obras que
compozeram, desde o lempo da promulgaco da lei
da graca at o tempo presente, por DhJGO BAR-
BOSA MACHADO, 1741, 4 groases volumes em fo-
lia ; obra varissima, coja edicao ha multo se acha
exgotada. E indinpensavel a todo o homem leitra-
do ou de prollssao scienlifica. de quem a Insoria
patria e as letras nacionaes nao podem nem leves
ser ignoradas: vende-se na livraria de Jos No-
guelra de Souza no arco de Saolo Aoloasa.
Vendem-se escravas pardas e gretas, e dous
pretos, sfndo um pprfco cirrciro : a tratar la
ra das Cruzes n. 18.
Vende-se a loja de calcado da travessa 4
Cruzes n. 12 : a tratar na mesma.
Vende-se um escravo mogo, Idade 27 annos,
proprio para todo o trabalho, unto da praca como
do campo por ser robusto e sadio: a tratar na ra,
do Pilar n. 143, ou135, taberna. ____
Vende-se o deposito da ra Nova n. 58 en
virtude de nm dos socioi ler de sabir para lora 4
imperio, a pedido de um irmo : a tratar no roes-
ao oo as Unco Ponas.
TABERNA.
Vende-se a taberna sita na roa dos Codito*, de-
trs da igreja de 8. Goncalo, llvre de todei os d-
bitos e desembarazada, pela pessoa se querer reti-
rar para tratar de sua saude : a tratar na
..
J

*




Diarlo de t craaaabtito -- Sabbado 9 de Oiilubro de iSft*.
PILULAS VECiETAES
DO
DR. AYER.
Nao ha necessidade mais
Grande liquidado a dinheiro.
i\a luja eanuazca do pavo.
Hua da Inipcrairiz n. OdeGa-
ge uia & Uva.
ral em todos OS paizes do que a P? d0DOS ?esle eslat'e'ecimento tem resolvido li-
W V*50" bara"ssimt,s. s i ca n. 8, vendem-se colleiras de mal roquim,
de ura purgante que seja ao
mesmo tempo innocente, elficaz
e digno de toda a COnGanca. j das, ?< nesia loja e armazem encontrarao om
As pilulas que ora offerece-!eraDde sortinit|,l por pre?os que muito Ibes Ido
AGUA BRANCA.
Colleiras de marropim, eom cascaveis
e sen elles.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
com o fim de apurar dioheiro, e previnem as pe-
soas que negociam era pequea escala com fazen- i pOSponiaas e C0D1 cascaveiS, OU >em elles
proprias para caes e outros bichinbos.
renai ioglczas de neo e douradas.
mosao publico"preenchem estas;ieber8-radar' ttnl ^ Cm *****
Pois pdem ser ^-1 Cambraias de torro a 2$000
Vendem-se pegas de cambraia branca para for-
sua comp^TrnTi^aro |5^!tft!!.I'Ml0 rua da lm',eralriI "
outro ingrediente nocivo tjn- Moreanlique bramo
composto dea- VeodMe
madas pelas pessoas mais fracas
sem perigo algum, nao tendo em
de, mas sendo
gentes vegetaes mui fortes,
efficientes e activas para purificar os corpos GamT&'siva*
Percates eom
superior moreanlique branco para
sao bastante veslidos de noiva a 25500 o covado, pechmcha :
na loja do Pavao na rna da Imperatriz n. eO, de
mais robustos.
Estas pilulas exploram e purifican) toda
a extensao do canal alimenticio, e do vigor
a todas as partes do organismo, corrigindo
sua accao viciada e fazendo recuperar sua
vitalidade.
Um remedio inestimavel contra dr de
mofo.
\a loja do Pavo a 3G0 rs.
Vendem-se as mais finas percales com llndlssi-
mas cores para vestidos de senlioras, tendo um
pequeo toque de mofo que larga logo
E' BARATISSIMO11!
Grande iiquidaco de la/tildas e roupa
feita nacional, na roa daliuperatnz
n. 72, loja de (iuinuires & Irmo.
Os proprietvios deste estabelecimento tem re-
solvido liquidarem suas fazendas por preces bara-
HssiOios .-6 rom o fim de apurar diuheiro, aprovei-
lem as pechiui has.
Veude-se urn grande sortimento de chitas fran-
cezas iargas a 200, 280, ."JU0 e 370 o covado ; ditas
No novo sortimento de pennas de ac que percatas muito finas a 360, 40, 440 e soo r?. c
a Aguia Branca acaba de receber. vieram cova,l ,s\0t> na ''Ja m 6nimarie 4 Irnuo.
tambem outras de metal abofado c bicos 'te!r?u
min bem acabados, e por essas Loase ne- (lirt,K ,1,,?,, ,. ,-\ i i
censaras qualidades os seu* acreditados fa- Crles de la 1 f ^^ F^ *'
bricantes Perry C, as reconimcmlam a-.s WM ies e "*J f' .. .
entendedores e apreciadores do bom, valen- ~ flAfl ... r?1*8 ae 1
liWn,.,, na h, *LM A A? d{M0 CO\UlOSde 33,
\ende-se laszinbas de. qu.-.drose de lisiriiihasdt
se lave e
liquida-se |ielo baratissimo prego de 3C0 rs. o co-
vado : isto s na loja do Pavao rua da Imperatriz A Aguia
cabrea nervosa, enxaqueca, priso do ven- D,' -0, dft.(,ama & s,lva\ ment de
tre, hemorrhoidas, molestias do figadot fe- LaazmkS a 200 rs O COVado.
do mesmo a diflerenca que ha no prego de
urnas para outras, por que estas se tornam
mais duraveis na coniinuago de e.screver;
assim pois quem dellas se quizer utilisar 6
compra-las a dinheiro a vista : na rua do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com boflas e sem ellas para
lindissimos padrocs a 220, 240, 280 c 30 re. o co-
vado, vende se assim barato por ti r minia porcac
e querer se acabar : isto s na loja de Guimares
& Irmao, rua da Imperatriz n. 72.
Aos ,000 chales de merino.
Veude-se cbales de merino estampado a 25000
e25500, ditos de merino liso a 38tlO, 4 e 'i,
(rliii-ulK dltos nnos a 8*500, 7, 7300 e 8.
. ..i iiii.um. i Grande sortimento de cor es de vestido de cam-
Branca recebeu um bello SOiti- braia com barra, pelo barato prego de 3$, 320 t
franjas com borlas e sem ellas 35oo.
bre gastro-ltepalka, e todas as- molestas,
biliosas que teem sua origem no entorpeci-
mento do ligado que causa a escassez da
bilis na inflammacae d'esle orgao que [iro-
duz derramamiento da bilis no estomago ou
em um desarranjo geral dos orgos diges-
tivos.
A Ictericia
produzida pela absorp^So da bilis no
sangue, dando .'i pello c aos ollios urna cor
amarellenta ; nao somonte dolorosa por
si, purrnconduz aos mais serios soffrinien-
tos.
para cortinados, todas de uovos e bonitos Pril0-'(e cni,a a 2& UoQO,ty e 3,1500.
desenhos, cuja commodidade do p.eco est Jttttttff!*?" ** Jard3S
Na loja do Pavo.
Vendem-se laazinhas transparentes para vest- em i elacao a largura : acliam-se ellas a ven- Dito Trancez com
^e^d^^^^od^K^^^ d^n, rua do Queimado loja da Aguia Bran-UW. J-rda.a-.wai, *, Ca n. 8. Vende-se um grande sortimento de gollinhas
Innn ila .* Jogo da paciencia ou curioso enl rete- 400 e soo rs. cada nma isto s na loja de go-
Diento. maraes & Irmao, rua da Imperatriz n. 72.
Na rua do Queimado loja da Aguia Bran- RouPa feila .
ca n. 8, acham-se a venda por precos ra- __, .. Roupa feita
ZOaveis caixinhas imtahnlas Ati marleira ('rand,e sortimento de roupa feita de todas *
"veis, caixmnas com UDOiaS ae maaeira, qUalidades, que se vende por preeos baratisslmos;
que iias diversas pinturas dellas se formam ( affiaucase que se vende por menos 20 por cento
agradareis vistas e paisagens, segundo os do que em ootra qualquer parte,
desenhos que acompanham. Na verdade
esse um deleilavel en reteniment com o
qual se despe ta a curiosidade, e apura a in-
teligencia. Os apreciadores dirijam-se
rua do Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
ao mercado pelo baratissimo preco de 200 rs., ditas
com palminhas de seda a 240 rs. : isto s para li-
quidar, assim como laazinhas mogambiques com
os mais bonitos padrn-: a 240 rs. : i.to na loja do
; Pavao na rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos indianos a 3$
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos in-
dianos tendo 7 1|2 varas capa corte sendo fazenda
transparente do novos gestos que servem at para
biles e partidas, vendem-se pelo baralissimo pre
co de 35 cada nm por ler-se comprado urna gran
Lencos de seda a\$
Vendem-se superiores lencos de sfda
de porcao : na loia du l'avau rua da Imoeralriz n.
Para cura-la toma-se de t a i pilulas to- eo.de Gama & Silva.
das as manhas, isto bastante para mover-
0 ventre smenle al que se recupere a ac-
eSn mi ln vciotm i \endem-se superiores lencos de seda para no-
vu -y 00 b}Sicilia. mens e senhoras a )$ : na loja do Pavao na rua ca n. 8, que seto satisfeitOS.
Mal do figado, febre gastro-licpatica, da Imperatriz d. (0, de Gama & Silva.
dianhea
tem *viT'fnmPPA*i,Hm rl^rTriin^Tft.lT A M U e 65 V0 e iino sortimenlo de enteites DS mais I de wntassendo estas cravadas com pedFinha's o
seu comeco n um desarranjo da 0,l,s. ^^ ^ $**** espan||hos com modernos e gostos inteiramente agndaveis, | Mh bonito ?ue se pode ver c ainda restara ai
Bonitos enfeites para senlioras.
., _____',__ .,____ x. i.-i:. ka can ^ e ''"do sorttmenio de enteites os
Na nova loja de fazendas de Guimares
& Irmo.
Rna da Imperatriz u. 99.
Noviddes da moda.
Chegou a nova loja de miudezas rua da Impe-
ratriz, um completo sortimento de brincos de crys-
no-
tal e perolas o mais elegante que se pode ver nes-
te genero, assim como tambem lindas pulseiras
A obsercaco dos duelos da &i7m faz esta
vol er ao sangue, com que circula de pois
vem todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie innu-
meravei de males.
Todos estes incommodos sao curados com
as pilulas do Dr. Ayer.
Direcces minuciosas acompanham cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-
rer & C, rua Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 Rua Dircila I*
Ro di; .i \\i:i tu.
Veude-se em Pernambuco:
na
as competentes litas para aportar pilos baratsi-
mos preeos de 4, 05 e li^ por ter chegadn uras
grande porcao para 3 loja do Pavo: rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Turtalana (rranca a 64" rs.
Vendo-se larlataaa branca ramio lina a C40 rs. a
vara, ditas de|todas as cores a 8UU rs. a vara, di-
tas de salpico a 1,8, dita lisa a 800 rs. a vara : na
loja do Pavo na rua da Imperatriz u. 60, de Ga-
ma & Silva.
e como seu louvavel costume os est ven-: &.?sinlos.e ftvrelas para "s mesmos; Pediraos as
i i k .. i- i txmas. senlioras que manden) ver tacs obiectos
dendo bara lamente a quem com dinlieiro se,anles que S acabem, isto rua da ImperSStS
dirigir rua do Queimado, loja da Aguia jade Manoel Joaquim Dias^C.
Branca n. 8.
k
0 bramaute do Pavo.
Vende-se superior bramante de linho do mellior
Heias de la para senlioras.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Mala mosca.
Na Iota da Aguia Branca acha-se a venda
o papel com componcao para dar fim as
i

PHARMACIE FRANCAISEI
deP.MAURER&C1.^
RUA NOVA N
m
Tumo da Babia para
Ullttl utus
Vende-se fumo superior de todas as
qualidades, a retalho e por atacado e por
pre^o commodo : no hecife, rua da Ca-
cimba u. 1.
Mmmmwm
rariaia de mandioca.
Tem para vender Antonio Luiz de Gliveira Aze-
vedo & C., no seu escriptorio rua da Cruz n. I.
Noiididc.
Cliegaram os bonitos chales e retondas de guipa-
re braneos, vendem-se na rua da Imperatriz n.
5% loja da portMarga, de Paredes Porto. tos e gulinhas preUs
que tem viudo ao mercado com 10 palmos de lar- i moscas, sendo o modo de usar facillimo, e o
gura a 25600 a vara, panno de linho muito su- j effeilo efficaz : molba-se 0 pa[iel e deixa se
perior para lentes, toalhas e seroulas a 640 e,ficr ll'lim pratO, e nelle pousando iS mOS-
1 700 rs. a vara : isto na loja do Pavao na rua da -. .ntrUtP.'r>m o mnrrAin rneta r iH-) fn
! Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
IM e ios para me n i as a 2,501.'
Vendem-se melas para meninas de todos os la-
; manlios a 5",uo rs. a duzia, ditas de seda preta
. para senlioras a 800 rs. o par, di'as inglesas para
j hornera a 53 a duzia, isto na loja do Pavo na rua
' da Imperaltlt n. 60, de Gama & Silva.
Corliuudos para oanias.
Vendem-se ricos cortinados para camas pelo ba-
rato preco de ilj o par. Dilos bordados muito r-
, eos a 24JL colchas de fusto para cama a .j5'(M) e
6-3 : na loja do Pavo rua da Imperatriz n. CO, de
Gama & Silva.
Us balocs do Paio a 200, 3,-> e >ow
Vendem-se os melhores baldes de arcos ameri-
canos, sendo com 20 arcos a ifSOO, ditos com 25
arcos a 33, ditos com 30 arcos a 33500, ditos uara
meninas de todos os tamaitos a 2-500 e 33, su-
periores baloes de bramante e muiceliua com
cauda, sendo bastante grandes a 53, i.-to na loja|^ao e mcias Pactas (le seda para senlioras,
do Pavo, rua da imperatriz n. 66, de Gama &e apesar do muito maior prei.0 quelhecus-
taram e o bom estado em que anda esto,
comtudo esl resol vida a vende-las a oO
llia 40 ris: na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n 8.
Diversos brinquedose cntrcteiiimento
para ctiaiicas.
A Aguia Branca na rua "do Queimado n.
8, recebeu dive.sos brinquedos para enan-
cas, sendo estradas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelbos de metal, lougc pinta-
da e porcelana donrada para almoc* e jan-
tar e inuitos outros brinquedos de madeira.
que se vendem baratamente : na rua u>
yueima>, loja da Aguia Branca n 6.
leias pretas de seda para senlioras a
500 ris o par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
Algodo Para saceos e roupa de cscravos
da fabrica de Feroo Velho, e de muito superior
qualidade : vende-se no escriptorio de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, large do Corpo Santo
numero 19.
Vende-se a casa terrea da rua de S. Jos n.
8, chaos forciros: a tratar, na praca da Indepen-
dencia n. 22.
As mellircs chitas francezas de cores
escuras e ti vas a 280 rs. o
covado!!
Na rua do Queimado n. 1 vendem-se chitas fran-
cezas escuras e finas a 280 o covado.
Vende se urna parte e um predio no sitio dos
Arcos, perte- da igreja dos Remedios, o qual pro-
prio para olaria por ter encllente barro, e as tr-
ras quasi todas proprias : a tratar com Joaquim
Jos Goncalves Beltro, rua do Vigario n. 17, es- muiln encorpadS,
criptorio.
al.r
Charutos.da Babia
i...ixa ; na rua da Moeda n. 43.
CAMAS HE FERRO
Grande sortimentj de camas proprias para col
legio e tambera para quera qniter passar a fesla
vende-se na rua Nova u. 33.
\ende-se urna casa de taipa com bom sitix,
de 80 palmos de fundo e 60 de frente, rom aljru-
mas fructoiras, luc.lusive Sr fs de Uraii};eiras e
com xeellente banho, procimo a povoacio de Pa-
ratibe. freguetia de Maraqgoape : a tratar na
meiina povoaro com Anteuto Vicente P'eneira, branco de
ou na roa do Crespo n. 18, loja.
Vende-se urna taberna na entra la da Casa
Ferie n. I, eom poneos fundos bem ulreguecada
prepria para principiante : a tratar na mesraa.
~S CAMMAIA.-
Cmbrala de. forro rom K l|2 varas a peca a 25.
A8l-seacabando : na loja da porta larga da' rua da
'imni-iairiz n. 52. de Paredes Porto.
Silva.
As cainisiiihas do Pavo.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
das com manguitos, para senlioras, sendo as mais
modernas que tem viudo ao merca
tas com manguitos, para acaba
tas eom manguitos para luto a 13800 rs., mangul-
a 13, linissimas glinbas de
i cambraia branca bordada a "
i meuina a 640 rs., roraeira
; branca bordada a 15G0O : na loja do Pavao, rua
da Imperatriz n. (SO, de Gama & Silva.
Palelots pelos a t^
Vendem-se superiores palelots saceos de panno
preto, boa fazeuda, a 63 ; ditos sobre-casaros a
123, superiores calcas de. casimira de cor a 73 e
83, ditas pretas a 65, 7 e 63, palelots de meia
casimira a 53 e 65, ditos de casimira a 10, caigas
de meia casimira a 4 e 43500, ditas de brira
rano e de cores, eoleles de todas as
ris o par, afim de que ninguem mais calce
eradoTMaoOfl- meias l)retasilea|g"d"10. aR-a pois apro-
r, a 15"; ditas pre- veitarein a quadra e dirigrem- e rua do
Queimado. loja da Aguia Branca n. 8. Tam
bem vender as brancas a i# o par, e des-
sdVfiCaeC'cambraia ; tS ? U"C0 defeil eslarem um P01IC0 tri"
- t J \ -.i 11 r>.
chincha
Vende-s ri-cadintm rancez a 200 rs. o covado,
por ter grande quantidade, esta-se acabando : na
rua da Imperatriz b. Si, loja da porta larga, de
Partdes Porto.
Vende-se um bom -sitio na encnuilhada de
Helero, com grande casa baix de c.apui!, o qual sempre est alujado e
vende-se por oreco cornmoio : na rua do >Kangel
n. 7, s'gnndo andar.
Algodo trancado (U U^nia : o armm de
A.'V. da Silva Harroca, roa da Cadeia n. 4.
Ma cocheira do Sr. wajor Quinteiro e pa>
ra venderse um cabriolee 4 rodas em mu>to
bom estado e maneiro, ah -dir-se-ha quem vende.
Breo em barricas pequeas.
Cera ere velas de todos os umauhos.
Hogias.
Mercuri.
Na ru do Vigario n. 13, primeiro andar.
qualidades. Todas estas obras se vendem por
preco muito em conta, s com o fim de apurar di-
uheiro : n* loja do Pavo, rua da Imperatriz n, 60,
de Gama 4 Silva.
Fazendas brancas na loja do Pavo
Vende-se um grande sortimento de madatmloes,
chitas, algodozinhos das melhores marcas, ga-
raniindo-se vender mais barato do que em outra
qualquer parle, sendo a dinheiro-a vista, na loia do
Pavo, rua da Imperatriz n. 66, de Gama Silva.
Ricos diales pelos de renda.
Chegou pelo ultimo v; por frasees um grande e
variado sortimento dos mais neos chales pretos de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elles mullos de pona redonda a imitaco de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se a 50 a vara.
MHRShZyi
de fazendas baratas de Santos
Coelho, rua do Queimado n.
19, vende se o seguinte :
Lenees de panno de linho a 25200.
Unos de bramante de linho de ura s panno pelo
baratissimo prego de 35200.
Loberas de chita da India a 25400.
Pecas de cambraia de salpicos branca e de cor
com 8 l|2 varas, pelo baratissimo prego de 43500.
Pecas de cambraia adamascada cora 20 varas,
propria para cortinado a 115-
Baldes de arcos a 35, 35500 e 45.
Lencos de cambraia braneos pequeos, 1 duzia
250OO.
Ditos ditos de dita finos, a duzia 2j*600.
Bramante de linho fino com 10 palmos de largu-
ra, pelo baratissimo prego de 25400 a vara.
Aiualhado de linho a vara 25800.
Dito de algodao 25.
Algodo enfestado com 7 1|2 palmos de largura
Vmho do Porto superior era caixa de duzia,
.; para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
.0 & C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
Vinhos do Porto
das melhores marcas, em caixinhas de urna duzia
or (.-,. 11,.r,.- (i 11,1 tasa particulares, seuoo : Lagri-
mas do Donro, Duque do Porto e D. Luiz ; tambem
tem ancorelas de dcimo encapadas com superior
vinho, barris de S9 e 10 em pipa : na rua do Vi-
cario n. 19, primeiro andar.
~GAZ, gaz, gaz.
Gaz em latas, o melhor que tem vrado ao mer-
cado : vendo se no armazem de Barros S Suva,
travessa da Madre de Dos n. 57.
Liquidado no armazem da
Arara.
Outros objectos.
Vindos tambem para a antiga loja de
miudezas rua do Queimado n. 16.
Sapatinhos deselim branco bordados pa-
ra baptisados.
Ouiros de merino tambem bordados e
igualmente bonitos.
Meias de seda, correspondente no tama-
uno dos sapatinhos.
Outras mui linas de bo da Escossia e
brancas listradas.
Luvas finas de no da Escossia brancas e
de cures.
Ditas de seda -ara senlioras.
Ligas.de dita para senlioras e meninas.
Pentes de lart embaracar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulhas.
Agulbas francezas, as afamadas.
Caixinbas com alnetes braneos e pretos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para dilos.
Caixas com linhas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de borracha prelo, redon'io.
Bonitas ltvcli;;s grandes de aoo.
douradas;, madrcperola c tar-
taruga.
A loja de miudezas 1 rna do Queimado
n. 1(5, recebeu nm bonito sortimento de
flvellas grandi-s para cintos, sendo de aro,
douradas. madreperla o tartaruga, asquaes
esto sendo vendidas em dita loja por pre-
eos commodos ; assim como boas e bonitas
fitas de gorgorSo.achamalotado, proprias pa-
ra ditas fitellas.
Ocelos de pencira e de ontra.s
qualidades. para quem sofffre
a vista.
A' loja de miudezas ,i rua do Qneimai'o
0.16, tambem recelen (culos de pencira
com vidros claros e escures, para quem sof-
fre da vista, assim corno outros de atmaco
de ac, sonidos em graos.
Coroas e tercos de cornalina.
A anliga loja de miudezas a' rua do
Queimado n. 10, recebeu mui bonitas co-
roas e tercos dcornalina, os quaes estao
a disposico dos bons cliristos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na rua do
Queimado n. 10
Esponjas tu:s grandes e pe-
qucuas.
Vende-se na rua do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
OlTersos objeetos.
A antiga loja de miudezas rua do Quei-
mado n. 10, acaba de receber muitos c di-
versos objectos que fazem completar o seu
bello sortimento, sendo:
V tas finas de sarja da mais estreita que
ha ale a mais larga, todas de vivas eagrada-
veis core?.
dem tambem de sarja Lvrada, de bonitos
e novos desenhos
dem idem brancas, lisas e lavradas, pa-
drOes igualmente novos e bonitos.
dem de gorgurSo de seda achamalotada,
para cinto.de fivellas
grandes.
dem de seda preta e de outras cores pa-
ra debruar vestidos, colletes, palitos, etc.
dem de la igualmente sorlidas em cores
e para os mesmos fms.
dem de algodao brancas e diversas ou-
tras cores para vestidos de cima.
dem de borracha francas e pretas para
soutcmbnrques. vestidos pretos, etc,
Novas e lindas guarnicoes para enfeitar
soutembarques, vestidos pretos, manteletes,
etc., obras do muito gusto e modernsima.
Tranca de seda com vidrilhos, moldes no-
vos e mui bonitos.
dem idem de cores tambem de bonitos
moldes e agradareis cores.
Botes para os mesmos fins, sendo pre-
tos de seda maiores c menores, enfeitados'

sOrs.
i
vy rs.
i
m r.

RIVAL
Bm to Umetmadm i-.a. n e <
Cunliiuia a vn#cr lodlu- a* u niitru r.t ati;
dciiara [er preces admirar* ..
Ma.-sos ile pililos iHtadM | a:., i. MU a | -
Et|iellios iemoMorac < u!o..:<^ a 200. .:
booets de oliadu para mtnicoi a Ifutlf
Dito* de COOrfl M|.-|io: rZefif'.. a >
Prascos com auptuor tinta rtM a sio ti.
Heiadu de l.niia lima i-ara |. ic.*u, ni,
Caixas com 1(0 mu;,., .,UtzU Una
Grozas de peonas deaci, fazcntp i 4 ,...r
brozas de bolGe^ uiaarri-eioj Iil
e iO rs.
Ganas com 50 novello i.aixascom superior; brela* it ttiti
l'ecas de lila braiira elsfti.a com 'J \- .'
Varas de franja de laa paia rMertei
i rs.
Barallios dourados superiores qoftltfe
.Aoveilos de linhs eom 4f0 iardaa a Mr
Lnros para asientos de robra Pavada ,
Pares de boloes para pnnl.o, biMfj .-
Tesooras para costuras MMrfoni
iOO e l.
Caixas de penna.v
iH\H).
Ma.-sus rom superiores gn mnos a 30 rs.
Pares de sapatos de .rao,; h'tapete a 1-3"!
Uiva- rom .-u-i;-i.-. anoiha ; io r.-.
Lili!as de laa > rtidas de 1 uaitas c6ri 1 ''OC
Can.;:> roo. M|rr-- i,|4fiij| mi!S Uti n
K-)d:nlias com allic le: Irafj' 11
a 30 is.
de papel aiotac. .. ;v Uk(n T9k
para n-np.-., f;.?.r,!.. if.; a /-.'' :/.
de t-MM,v. nm ,. -mmr
000 1 f.
fjuzias ce tica- e gaiftw de rafeo prrlr.
;,;l i"'- 1 nil Bnu 1 ara rru.rn's u. -x:
I'ulMiia.- pata ii.pnioa.i ;
ilas e voltas parastnti ra
Fr asCOS Fi
Idem de -..;.. rioroii'O tiau^a a: &n.
Canas ci o I; mparim s ;.,-
Varas di- ,-.l. :i< .'.. y \\>
Carlas di- ailinetes Ir anee? r; a KOrs.
Qnadern > de papel pequi:.,. ;, SO :-.
Grbalas de rrey, (trta* -:;!.. .
Papis de agnlhcr, [uadu li irada, .
de ralligraj.iiia, ueBthma
mui:-.- i'..-.-;: as
Escovas
Duzias
pC
-i. ,
.r.\-;.v
,-
a SU '.
seos f,. Apua Florida < ida* ira a l.:>"
i-.k ruin superior ba.'it.a a i,'' e 900 r-.
r-
MASSA E UO?
B E R T H
1
CttKl 1

COM ODKIX-V
l'icconizados ptr todos osi*^!
as Dtfluxos, a ttlppat lodts .
i'.c peilo.
AVISO
FalsificacScc rep el tonm ac
successos do Xcrept eda Mmsm u
nos obrigo a rcecrda qcc esses
to juslan:entc
nomtados n3o e
cnlrcgio senSoem
boectas e em frut-
ees (om a assiyna-
tura aqui indicada. >-.,*.-
a^pcg
\cnutm-se do Bi;cie em casa de
Bar.07.:; e loao da ''.. Broto A C.

Luv

Jonvi
A loja de !i1ini'7a k, roa i
do n. I (i. resebeu-as per isl i
-V.'r-"*-
'.----
si
Hi
-^T* w
'f. ,-
por preeos muito em conta por terem sido manda-
dos vir de conta propria pelos dorios da loja do pa-
vo, rua-da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lanzinhas da Escossia
a 3G0 rs. o covado.
Vendem-se as mais bonitas lanzinhas da Escos-
sia, sendo a fazenda mais moderna que lem viudo
ao mercado este atino, por serem a' imitaco das
sedas escossezas, com as mais lindas cores, pele
Silm'V o*0!dC 36 "? WVad-: ""Jl'V propria para frro ** sala. Por menos prego t que
ao. rua da Imperatriz n. 60, de em outra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encontra um prande
sortimento de roupa feita e por medida.
l'ecas de brelautia de rolo com 10 varas propria
para saia a 350Q.
Fil de linho liso tino, vara 800 rs.
Uilo com salpicos a 1,5.
Cambraia de linho fina, a vara 4^500, 6,500, 9J.
i Flanelia branca lina a 600 rs o covado.
Dita de cores a 880 rs.
Cortes de algodozjoho de lindos gostos, com lo
corados, pelo baratissimo preco de o.
Madapolao fino largo a 'i e 10$ a pega.
Esleir da India de 4, 5 e 6 palmos de largura,
Keirj Forsur k C.
Gama & Sitea.
Cbales e relondas.
Vendem-se cbales pretos de renda, sendo de 4
pontas, e as mais modernas re4ondas, por preco
baratissimo: na toja e armazem do Pavao, rua da
Imperatriz n. CO, de Gama & Silva.
Seutheiubarqucs de ow*.
O proprietario da loia e armazem da Arara vai
lazer liquidado de toms as fazendas, s para a
purar dinneiro a saber :
Lenros de cassas braucos com bar ras de cor.
Vende-se bmcos braneos corn barras de cores a
160 rs. cada um. dito de mais delicadas cores 200
rs.e braneos a 200 e 240rs. e ditos de linho a 300 e
600 rs., de esguiao a 700 rs. um lenco : isto pa-
ra a [cubar.
llrelanlia entestada.
Vndese a mais fina bretanha de linho e entes-
tada a 15 a vara, sendo fazenda que sempre se
vendeu a 15400 a vara.
Laazinhas a 210 rs. o covado.
Vende se um grande sortimento de laazinhas a
220, e 240 rs. o covado, s para acabar : no ar
raazera da Arara, n. 36, lleudes Guimaiaes.
Canibruias de cores.
Vende-se urna grande porcao de carnbraias de
cores, das mais-modernas que tem viudo, ao mer-
cado, e se vende a 300, 3:0, 360 e 400 rs. o cova-
do, sendo fazendas mmto finas, s a Arara.
Chitas francezas.
Vndese chitas francezas a 260, 5O, 300 e 320
rs., percalas a 360, e 400 rs. o covado, chitas para
cobertas a 240 rs, dita largas 320 rs, o covado, di-
tas encarnadas da mascadas a 320 rs. o covado isto
e para liquidar.
Cambrais para forro.
Vende-se cambraia para forro a 25 a peca, com
8 i|2 varas.
Cambrahs branca finas.
1 Y^ld"Se Mmbraia branca a 34, 35500, 45000
#800,35 e o500, e sendo tnnila fina e tapada a
65, 65500 e 75 a peca.
Laiinbas lisas.
com vidrilhos e pendentes e outros de di-! Q 00,11 > COlt i* i Iti
versas cores. '-
dem pretos de velludo tambem de sorti-
dos tamanhos.
I Loados de dous vidros corn aro de ac, bfalo
e lartartiifa.
I A loja de miudezas, ;i rua do Queimado
n. 16, recebeu um bello sortimento de lo-
; netos e oculos de vidros com armaco fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os esl vendendo
por preeos razoaveis: os pret^ndentes diri-
jam-se a esta leja na rua do Queimado n. 16.

Born e bars'issin .
Hua do C r<*|ro n. 9.
Collares.
Collares SBOdin el.ilru ri-.r as ciian^as nao nmrrerea M'tMnMu yt
rato prego de 4.
Noviiiad-;>
Itiquissimas pabeiras nu I riceltlej 1.
ra e para meninas a 15. ii > 35, mmm .
das voltas para pescoco a :'5.
Knfeitcs.
Hiquissimos etilriies p.ia i-i era cousa -
fiivalsem segundo
Rna do Queimado na. 49 55, loja dej,0 *SI ,*w. -; > ^5. e
miudezas de lies perlas, eslquei-; RquiSim5S ,Vf,..,,',:,': V:.,e-*i
malulo tullo liOI barat, Ijuem qtli-. ruga,'arsim como prnas.
zer ver e admirar venliam loja do ^I1'7''-,-
"0. gostorjue >; pode dftejar.
amizade, e sem ella liso e pautado; CascarrII
Bonitas rasrarrillia< d-oi !
fazenda mo- aljfar consa n!eiram.-i,v m i : ira
vestidos.
UilH CUlo.
Bonito sortimento de MdpchI i ni
vidros para os amantes do ;f.c..

Caixas de pape
a 600 rs.
Grozas de botes de louea prateados
cu i na a 160 rs.
Duzias de penua de ac fazenda boa a 40 rs.
Pecas de tranca de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas linissimas para limpar dentes a 240 e
320 rs.
Pecas de fila de.-eos estreitas com 10 varas a
320 rs.
Caixas Cum clcheles (rance2es, superiores quali-
dades a 20 rs.
j Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
; l'ecas de cordao para vestidos, fazenda boa a
,n i..:",1is"s??'..seoda bonitos nradresi 20 rs.
en. .

rr-
Aftim o mo ir i
; ,i iru i

I
;ar -
MMfB
FAKELO
Vendem-se souihemharques de cor muito bem
ea na do imperador n. 3, ou o caes de Pedre II enfeitados a 35, 65 e 75000 para acabar :
>n. 3, tem para vender o seguinte : e armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
anab de rigo das melhoret marcas existentes "a,l,a & Silva.
o mercado. Cassas fraacezas a 280 rt
MftdHOU americanas de 20, 40, SO, 60 e 120 ser- Vendem-se finsimas cassas franoezas com mo-
rae para descarogar algodao. | demos padroes a 280 e 320 rs. o covado: na loia
auna para o servido das machinas ou outro e armazem do Pavao, rua da Imperatriz u. 60 de
qttilquor tr^tialho tendente a rodagem. Gama & Silva.
Prencas para asacar algodao.
Hoeas araericanss;para cabrio'ei.
Oryandr modernissimo.
Chegaram os mais modernos organdye com os
ne/"atoaU.5od-ad, UlUmiUi*nte Chegad0 jTmSiSnoI padrfieTTeX q^a^lodosTs'tra-
pelij aivio
Luis para vestidos a 240
rs, o covado!!
dos, como se osam agara, com as mais lindas cores
e iixas; vendendo-se pelo barato preco de 900 rs.
de Lisboa o mais superior que ha 45300 e a 35000
o sacco : na rua larga do Rosario n. 30, taberna
da esquina, defronte da igreja.
Colla da lialiia superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azevedo &
C, no seu escriptorio rua da Cruz n. I.____
Algodao da Baha
Na loja de Audrade 4 liego, rua do Crespo n. 8,
esquina da rua do Imperador, vend-se superior
algddo da liahia por meos preco do que em ou-
tra qualquer parle.
Vende-se o sobrado n. 21 sito na rua de S.
Pedro Martjr em Olinda, e vende-se tambem um
terreno onde se acha edificada grande pane da
a 600 rs. ditas a 400. e 440 rs. o covado, s na lo-
ja loja do Arara n. 56
Esguio.
Vende-se esguiao de linho fino a 15800 a vara.
(lumbres para uoinem.
Vende-se chambres para homem a M e 4$300
cada um, colarinhos de linho para homem, que se
vende a 560 cada um.
Chales de merino a 2)000.
Vende chales de merino a 25 cada urn, ditos li-
sos. 45, estampados a 65 e 75 Mendes Guiraa-
raes.
Colchas.
Vende-se colchas de fnsto a 55 dita? de damas-
co a 45, dita de chitas 25240, 25, cada urna, isto
na Arara n. 57.
de Gama & Silva.
Chitas
a 240 e 280 rs.
Sa rua do Queimado n. 1 vendem-se superiores i Vendem se superiores chita* e-curas a 240 *80
laa< para vestidos a 240 rs. o covado ; a ellas, an- 320 e 400 rs. o covado, sendo todas de cores lka> '
tes que se acabem.___________________________j ditas inglesas, muito boa fazenda a 200 rs. o eova-
Vendem-se quatro burras mulo mansas, boas i d : na loJa (' '"mazem do Pavo, rua da Impera-
de carga e de sella, por prgo commodo : a tratar |,ni n- t de Gama & Silva.
no hotel de Franca.___________ Chales de merin a 25000.
"Na rua da Cadeia de Heejfj n. i, terceiro Vendem-Se mais modernos chales de merino
andar, vendem-se borzeguins a 3j000 e 45000 ^!a^_,aJ*?00"da "m,i'av^do ,ambem um
o par.
da matriz al o trapicne: a tratar na rua da Unio
n. 37. ^_____________________
0 castelio de Grasvilkr
Trailnzida do francez por A. J. C. da Crui.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 30OUC
aa praca da Independencia. livraria ns.
6e8.
Vende se urna olaria para fazer tenas e lij-
las, b* povoaco de Sanio Amaro de Jaboatao :
quem a pretender dirija-se ao Passeio Publico, loja
de fazendas n. 7 para tratar.
Vende-se um sitio era Bemrica a inargem do
rio Capibaribe, co.n commodos para urna grande
familia, e com fructeiras : tratase na rua Nov-'armazen do Pavao, ra da Imperatriz:. 60~deGa-
n. 24, das 9 horas as da tarde. J roa & Silva.
grande sortimento dos mesmos matizados que se
vendem a 65, 75 e 85O00 : na loja e armazem do
Pavao, rua da Imperatriz n. 60, d Gama & Silva.
Silesias a 000.
Vendem-se superiores pegas de silesia, sendo
fazenda muito fina e propria para saias e carnizas
de senhorg, e tendo e tendo 12 jardas cada pega,
pelo;baratis6mo prego de 45000 a pega: na loja o
TERRENOS A' VENDA.
Vndese um terreno propno para edificagSo,
collocado no centro da eidjde, om 68 palmos de
frente e 218 de fundo, tendo tres frentes, para a
rua da Palma, da Paz e da Concordia : para infor-
mag6es, na rua do Sol n. 37.
Vendem-se dous escravos mogos, proprios
para todo o irabalho de campo: na rua de Apollo
n. 22.
ava rindo.
Francez barrica 5OO0
Ponland dem 85500
Em perfeito eslado:
Francez barrica 105000
Portland idem 12^000
No armazem de.Tasso Irmoscaes do Apollo.
Vende-se no escriptorio de Manoei Ignacio
de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19
Vinhos do Porto muito superiores em caixas de
1 duzia e barris de ojiaros o decimos.
Muscaiel de Setubal da melhor marca, em caixas
de 1 duzia.
Palmella linio de excellente qialidade em caixas
de 2 duzias.
Vinhos de Lisboa mudo superiores da marca PRR
em pipas e barris.
Cera em velas.
Portadas de pedra de Lisboa.
Azulejos para iranes de casas.
illenco a pechinclia
Sapatos de tranga com sola de cnica a
par: na rua do Livramento n. 3.
IJo
Baralbos muito linos para voltarele a 200 e
240 rs.
Latas com superior harina a 200 rs.
Frascos de macaca perula muito fino a 200 rs.
Frascos e garrafinhas com agua de Colonia a
400 rs.
Frascos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Caixas com 12 frasees de cheiros muito finos a
15100.
Sabonetes pequeos de tolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
buza de saboneies peuseflo com ebeiro a 700 rs.
Agua dennfice superior qoalidadoa 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores esseneias santal e outros a
15200.
Frascos com essencias -ara tirar noduas de roupa
a 500 rs.
Frascos com cheiros de todos os pregos a 160, 200,
240 e 320. '
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a I
45800. i
Golnhas muito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Pecas de fita d* laa para dtbrum de vestido, cr.m
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para mininos a 160 rs.
Bunecos do choro e panno a ICO rs.
Caixas com bonitas estampas para rap a IJO i-.
Capachos compridos, boa azenda a 500 rs.
Grosas de boioes pequeos pretos para calca a
100 rs.
varas de cordao de espartilho a 20 rs.
Novellos francezes corn 20 ardas a 40 rs.
Pegas de tiras bordadas a 640.
Uuzias de meias cruas multo fortes e superiores
35-500.
qne serve para enleite dr re pa mars me
lente vidro.
Scstiiit; i.
Riqnissimas ce-iinha~ con
ninas ile escola V a;, r ni...
vidro entenadas pn pra i ara
Pcatff.
Ripuissimos pentes 4a borsadH eom i
co de metal para menina sgra
barato preg.j de 500 is.. e ii.ui.i M MriB
grande sortimento de toda- ^s qual.Jades ws *-
sembaragar.
E.Si'0v.'i.
Grande sortimento de escovas aira rout; i*
ra cabello, para unli.is e para deMt*.
Llllli'tHS | oc O.
Finlssimos luo<-i s Je um e djas nttiltt-
dros earo .le hualo e de iirrira^a, *.*! n*.-
oculos rom rame dos lados proprto para i>-;.
solfre dos oculos.
Toui|tiir!iia.--.
Riquissiroas InopUfeN rt, I
da e de 15a para crianra-
iVra i bMo
A superior agua Hta MM|M o> ari
barbas trancas t fazer MMMK
acompanha um r1 lulo que en^ua a hn i
se deve apphrar.
Para caspa.
Superior banha sem perdura f.rn aa
com agua propria para l.mpar a ra!
acompanha um f.dhelo qu-- ( :-i:.
se deve ajqdu-ar, assm. coa agua t.
opiata epot para limpar d: l.-.
BaiL; 5.
Grande =i>ri!iieniode b..r.t^ eui rav-o*. >:
tas de f.lha e em frasa.s re todos i* *.
pregos menos do i|ueem outra garle. M
ti. ir niHrwi;-
->'' i j a '. .,
mero 7.
Je limV,.

t r-m
' "T .
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodq : na rua da Sen:sla >cva n. 42.
Vende se arroz com can;, prrgoea
dido em alqoeire a ventad* u. cowpr,
no trapiche do Cucha : para trsar na
gario n. 29.
re i
---.----


Vende-se urna fabrica di \t.i* p x c.aaodk
prego : na roa dos Goararaixi o, t.


Dlarl" de Pernanibuco atibado 9 de Outubro de 8*.
i.
%m-i
i mm a q4BaMg
TINADOS BOR
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A loj de fazendas de Augusto Fredericodn; Santos Porto, acaba de receber um mni-
to grande e novo sortimento de cortinados bordados para cama de noivos a 36$, 405, 4S>
oO000, 1)0,5000 e 70*000.
Lindas mantas para gravata, de variadas cores, a 15500 e 25.
cachinez de la de diversas e bonitas cores a 35500 e U.
Chales de guip, fazenda a mai.s moderna, a lli, 203, 225 e 233-
Itutondes de goip, tambem os mais modernos a 26*5.
Colchas de seda de cor para cama de noivos a 553 e 603-
Alciiti^de linho para salas, fazenda larga, bonita e de multa duraeao, a 600 ris o
covado.
Tapetes grandes e pequeos, com ricos desenhos, para sota.
Saias bordadas para senhoras a 73, S3. 95 8 105-
Capas e soutemban]ues de seda preta para senhoras.
Booets, chapeos e chapellinas para senhoras, dos gostos mais modernos.
Cha) eos elegantes para senhoras, a 123-
Pecinosa de linissima bretanha de linho a 73500.
Laazinhas de quadros a 320 rs, o covado, setira de Pars a 700 rs. o covado, e cam-
iraias francezas de cores a 500 e 700 rs. a vara.
Caseiniras de quadros, moire antimie pretos e de cores, pannos e casemiras pretas,
;rosdeno|K.le preto e de cores, esguioe?, silesias e canibraias ee linho, sor
-as fazendas para lulo, chapeos de seda para homens a 95 e 10,5, chapt
linios manguitos bordados, e oulras muitas fazendas que se vendem por
inclusive
imento, de diver-
s de sol de seda,
)recos razoaveis,
Esteiras da India para forrar salas
mmm.
*.v>>
a. i. U
RAS COIiLUHUVAS.
No ultimo vapor vindo da Europa
Superiores cortes de seda de cores o que tem vinlo a Pernambaco de melhor gosto
era seda. L .-i
Assim como mais algamas fazendas de bom gosto para vestido.
RITA DO CRESPO N 13
LOJA DE
Antonio Correia de Vasconcellos e C.
i
whwhhs
CORTES RE SEDA
Chegarara pelo paquete inglez riquissiraos cortes de moreaauque de cores, e seda lavrada pa-
iroes inteiramentn novos.
Seda de quadros por 1$000 o cavado
5-RUfl DO CRESPO-5
Sregoro Paee do Amara! Jfe Companliia.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete francez ricas laas
granadinas com fl >res de seda a 100 e 500 rs. o
covado, estao acbaodo-se, cambraia preta para
luto. Porta larga unto a padaria franceza, a ra
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Vende um compU'ti sortimento de fazendas
brancas, como spjam madapolao a 45300, o&, 65 8
10-3, pecas de algodao por barato prego, chita fran-
ceza a 210, 280. 320. 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400. rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Paredes Poito
Vende gangas do cor propria para roupa de me-
ninos a 320 rs. o novado, risealo francez fino a
320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 52, junto
a padaria franceza, porta larga.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete espanilhos n pie-
guicoso por 33, sao hons, lencos da seda para se-
nhora e homem a 19, ricos cortes de cambraia
bordados de 18? a 73, por tcr um toque de mofo,
estao se acabando, na ra da Imperatriz n.52, jun-
to a padaria franceza.____________^
ENCICLOPEDIA
3 ' da porta larga 59.
5:is;o a padaria fratlceza de
Paredes Porto.
N'esi^ estabelecimenlo encontrar o respeitavel
lico um variado sortimento de fazendas france-
-- inglesas, suissas e allemes, que se venderito
reco commodo.
Paredes Porlo
' d le chales de renda de cores que se vende-
rn a 18$ esta vendendo por f>3, ditos pretos, fa-
n v.i. .'i.', 65, 85 a 205, um sortimento com-
rte manteletes, capas e soutambarques li-5 a
i da Imnerairi- n 42, junto a padarli fran-
..1. armazem da porta larga.
Paredes Porlo
' o um completo sortimento de lasiohas a
240, e 280 rs. eovados, para acabar, cambraias de
o! a 240 r*. o covadn, riscado escossez para rou-
p le menino, fusliio de linho a 420, 400 e 300 rs.
:< ila Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza,
itmaiem da porta larga.
Preles Porlo
i para cortinados para cama franceza a
11" ; pee* cambraia lisa tina a 33 -45 al 105 a
'. cortes de larlatanade bonitos gostos a 33300
cambraia com flor de se la, gostos inteira-
vos a 500 e 300 rs. n covado, no armazem
na lar,; n. 32, na da Imperatriz junio a pa-
daria franceza.
Paredes Porlo
Recebeu pelo ultimo paquete um sortimento de
ro?'- com pedraspara opascoco. bonitos caxineis
de lia para pescoeo de senhora. Ra da Imperatriz
a. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porlo
Y n' cortes de gorgorito preto para vestido com
2! eovados cada um 33500i), grsdenaple preto a
56 -i. 1-HOO e25 o covado, las lizas finas a 400
. covado, laas de quadrinho para vestido, enfes-
lada. a 320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Paredes Porlo
Tem para vender por prego commodo, pegas de
psguio do linho com 10 varas a 75. 85, panno de
linho t'ara engesa 610 e 700 rs. a vara, braman-
te de linho de 4 larguras a 23200 e 25500 a vara.
Paredes Porto
Vende cortes de cambraia bordadas de ricos
zostos a 105 e 125. ricos vestuarios para menina
i menino, ricos cortes de cambraia Mara Pia a
("Se 205, tarlatana branca e de cor a 640 e 720
rs. a vara. Ra da Imperairiz armazem da porta
larga n. 52.
Ronpa feita
Ra da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
?-i junto a padaria franceza, encontrase neste es-
tiblecimento um completo sortimento de palets-
,aeros e sobrecasaros, de todas as qualidades, cal-
is, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabega, por
irec'< cnipmodos, roupa para menino e outras
s Fazendas por prejos commodos, armazem
i ; rta larga.
No nie-iinoetabel^cimento encontrar o respei-
tavel publico, serupre um completo sortimento de
...- f-itas de todas as qualidades, como sejam
pal t' de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
.i- i 15 55, ditos de brim pardo a 25800, 33 e
0, Mitos finos a 45, ditos meias cazemira a
35300, 45 e 55, ditos cazemira saceos a 65, 75, 85
o 105. ditos sobrecasacos a 10 e 125, ditos de pan-
no saceos a 65, 85 o 105, ditos sobrecasacos a 125
e 255, ditos de merino preto a 65, 75 e 105, cal-
gas de brim de diversas qualidades a 15800 a 45,
ditos brancos a 23-500 e 6500, ditos cazemira 55,
5 e 75, ditos pretos a 55, 65, 85 e 105, ditos
ni cazemiras a 35 e 43, coleles de diversas
qualidBdes, seroulas francezasde algodao, ditas de
i. ditas derramante a 25 8 25500, carnizas de
algodo de linwo francezas de 25500 e 35- Grn-
elo BechfnetM neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
lmenlo de meias para senhoras, dilas para homens
a 35, superiores a 35300 e &JL
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 35, ditos de seda a 55, 75, 1M> e 145,
ditos francezes para cab ga, grande sortimento
a 65-
Pechincha aniiravcl.
Grande sortimento de chambres a 45600 e 5'J,
lences de cambraia para homem a 25 a dozia, di-
tos de linho a 45 e 55-
Grand- soilmenlo de ronpa para meninos e ou-
tras muitas qualidades que seria enfadonho mn-
ci .na-las.
Fazendas.
Vndese snperior merino preto proprio para ca-
pas do senhora e vestidos a 23. lu^trim d China
a 15800 o covado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende em seu pstabelecimento tiras e entremeios
bordados "rinde sortimento de corpinhos rica-
mente bor lados a 33, 43 e 35- So o Paredes Por-
to, ruada Imperatriz no 52; porta larga junto a
padaria franceza.
colares Royer oh colares ano-
dinos
para facilitar a denlico das enancas e preserva-
las das convulsoes.
O feliz resoltado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forg magntica dos colares Royer, nos
casos de convnlsdes, e dentigao das criancas, tem
altamente elevado o sen bem merecido prestigio,
e hoje j* se pote di?er que estao geralmente con-
ceituados, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de uns porque do uso desses salutares
colares viram salvos do perigo seus charos filhi-
nhoj, e de outros porque colhram daquelles tao
proficuo exemplo para ijualmenie preservar os
seus. Assim, poli, a aguia branca, tendo em vis-
tas a ntllidade e proveit" desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, raandou vir o novo sorti-
mento que agora receben, e continuar a recbe-
los para que em tempoalgum a falla delles possa
spr funesta aos pas de familia, os quaes ficarao
certos de os achar constantemente na ra do Quei
mado, loja d'aguia branca n. 8.
AttenQao o barateiro de ob-
jectos chegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous grandes lustres de vidro finos
com 24 luzes, do melhor gosto e por prego razoa-
vel; assim como apparelhos para cha e para jan-
tar, brancos e de cores differentes; ditos de por-
celana dourados e pintados e brancos; apparelhos
para jantar de porcelana branca; tamnem se ven-
dem em pegas separadas, como os freguezes qul-
zerem, compoteiras lapidadas para doce, clices
para vinho, ditos para champagne, copos para agua
e para vinho finos e ordinarios, em caixao e a re-
talho; lanternas de todas as qualidades de vidro;
ditas de casquioho inglezas muito finas; candela-
bros de vidro e de bronze; serpentinas, vasos de
porcelana e de vidro paradores; bilhas hambur-
guezas para resfriar agua; barricas com appare-
lhos de mesa para jamar; gigos com apparelhos
para cha; e outros muitos sortimentos de todas as
qualidades e pregos commodos vonlade dos com-
pradores, que se vendem na roa da Cadeia do Re-
cife junta ao arco da Conceigo n. 64, e na ra
Nova no grande armazem de louca e vidros junto
iifreja da f.onc.eican dos Militares n. 45)_______
LOJA DO BEIJA FLOR
a ra do Queimado o. 63.
Tem recebido um sortimento de cruzes que se
estao usando, de diversos gostos ; so quem tem
o heija-flor.
Tendo recebido variados sortimentos de voltas
de aljofares de diversas cores, enfeites para se-
nhora de diversos gostos, e mais barato do que
em qualquer oulra parle.
Facas e garfo?.
Veode-se faccas e garfas de cabos de bataneo de
nm boto a 35200 a rluzla, dilas de dous boioes a
65500, dila para doce a 55100, dilas de cabo preto
a 35200, ditas de cabo tu anco, roligo e cravado a
35"00.
Tem recebido variados sortimentos de balaios
para meninos de escola, de forma de peixiohos,
patlnhos e outras de diverso gosto, que s com a
vista bera se pode apreciar, e tambem serve para
o leilao do hospital portuguez : las para botar de
diversas cores a 75 a libra : s no beija-flor.
12 seo va* para ronpa.
Vndele eszovas para ruupa minio finas com
diFTi-rentes gostos a 640 o 15, ditas pera denles a
120,240, 320 e 500 rs.
Papel e cnvelopes.
Vende-se pautado papel e carnudas a 680 rs.,
dito de cor a 700 rs., e enmvelopes a 640rs. a cai
xiuha.____________________
Sola.
Vende-se 430 roeios de sola de boa qualidade :
a tratar na ra do Queimado n. 53, lojo de ferra-
gens.
%S^S^
^DUAETE ALMEIM
^
O
^3
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de presos,
tanto deste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Carmo n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazem setente ao respeitavel pnblico, e com especialidade aos senhores de en-
genhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
mentos era um s annuncio, pela qual o preco de um ser de lodos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os gneros
por nm preco, e n occasio da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
ainda mesmo com preiuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tambem servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que seno arrepender pessoa
alguma que Gzer sua despenca era nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
Vende-se um carro (victoria) novo e elegan-
te, com os arreios competentes de metal principe :
na Ponte Velha n. 8, por prego commodo.
UIANTEIGt
Manteiga ingleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de l.oooa l.ioo rs. a li-
bra, e em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8Go rs.
a libra e era barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha ux'im de primeira csuperior qualida-
de" a 2,8oo rs.
dem hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., c sendo em porco ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Biscontos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehinhas
Latas com bolaehinhas da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Serveja
Quei jos
Queijos flamengos chegados no ultimo
apor a 2,5oors., tambem ha do vapor pas-
sado a 2,3oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a 1,000 ei,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porc5o
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a i,000 a garra-
fa e 9,ooo a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha maisbai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,000 rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
CAFE
Cafe do Rio de i.1 e 2,4 qualidade de
6,800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SAI! A O
SaMo maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
em caixo.
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers A Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria c Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 600 rs. a
garrafa e a 4,600 rs. a canaria.
Mansas
Marnrran e taherim a 360 rs. a libra e a
0,000 rs. a caixa.
Passas
Superiores passas a l,5oo o quarto e
15,5oo a caixa de arroba hespanhola e a 32o
rs. a libra.
GE\EBR1
Genebra de laranja verdadeira a 10,000 a
duzia e 1,000 rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,000
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,000 rs. o garrafao. Tambem
ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 600 rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de l.ooo a
l,2oors. a lata
ALPISTA E PAINQO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Jo3o Furtado da Serrias,
Manoel Peixoto da Silva Nelto, Castanho &
Filho e Brando c de outros muitos. os
quaes vendemos pelo mdico preco de l.Ooo,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.
Jeores
Licores francezes e portugueses a l.ooo e
l,4oo rs. agarrafa ou frasco.
Doces
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixes para cima
a 64o rs. o caixao.
Frats
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeiladas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a loo is. a lata.
Tambem hlalas grandes para l,2oo rs. a
Uta.
DE
AZEVEDO FLORES
Roa da Caricia do Uecifo, esqninn da Madre de Deis.
O balo vende somprc por menos que em nutra qualquer parlo, qnem jalgar que
isto nao verdade dar-se ao trabalho de vir apressar qual pjor fazenda de que prens:
tambem se manda levar casa, para que as senhoras melhor possam osco'her. D9*e
amostras deixando penhor.
AO SRS. BE i:\C-I YIIO
Superiores algodes americanos branco, azul e do listas pan roupa de esemos.
UIADAFOLOES
Superior madapolao fraucez, fazenda especial para camisas o, saias de senhoras ;
tambem ha inglez de todas as qualidades o precos.
BAIidES
Superiores bales de arcos e de panno para meninas e senhoras
Ricos tapetes pequeos e grandes para solas.
Lindissimas grvalas c mantas para pesrero de homem.
Superiores camisas de meia e meias para homem 1 senbora.
Calcas de casemira e superiores paletos saceos de casemira.
Lindos cortes de la cora riquissimas barras a matiz, os mais modernos que ha no mercado
Camisas francezas e seroulas finissimas de bramante.
Superiores chitas largas, escuras e claras de todos os precos.
Superior cambraia branca transparente para vestidos.
Chitas com ricos desenhos para cobertas.
Superiores paletos de alpaca braoca.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao pnblico novas
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas suppoa sempre ser as mesmas fa-
.endas.
UIENNE
Receberam Gregorio Paos do Amaral & C. um variado sortimento de novidade
como sejam:
NOVOS PADRES EM COSTES DE SEDA
colchas nw niwiscn
Portuguez e francez, de seda e de laa e seda.
Lindo sortimento de lequcs de maore-perola, marfim e osso, transparente e de
seda com mimosos bordados.
VELLUDOS
Verde-salsa.
Azuleno.
Cor de vinho.
Carmezim.
IiUVAS E JUVIIf
Brancas e de cores para senhoras e homens.
GRAVATA $
Mantas de meia, de seda, de retroz de duas voltas largas e muito estreitas de
urna s volta.
Grosdeneples de todas as cores.
curras
Com fivellas de tartaruga esmaltadas, madreperola e cobertas de seda, feilas para
as mesmas, etc.
CHALES DE FILO DE CORES
Gostos inteiramente novos, ainda nao vistos neste mercado.
CASEMIBAS
De quadros miudinhos e largos.
Enfeites
O melhor e mais moderno sortimento de enfeites proprios para Kocke com bous
penles de tartaruga e sem elles.
Chapeos de castor branco nmito finos da ultima moda,
disimules para meninos
de gorguro de la de diversas cores, bordados com muito gosto.
Penteadores para senhora.
Camisas para senhora.
Ditas para homem.
Vestidos feitos para senhora.
Tmlo por precos razoaveis.
5 RA DO CRESPO 5 u,
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
GRANDE PECHINCHA
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macaas pelo ultimo vapor.
Ameixas pelo oltimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Fru tas seccas pelo ultimo vapor.
Fructas em calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo ultimo vapor.
Queijos lomlrinos pelo ultimo vapor.
Queijos flamengos frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre pelo ultimo vapor.
Tudo se vende barato nos segrales armazens:
ma do Imperador n. to. Terdadeiro Principal.
Ra do Qnelmado n. 7, UniSo e Cominero!o.
Largo do Carmo n. Progressivo.
ARUIAZEM DE FAZEMDAS
RA DO QUEIMADO N. 27
CUSTODIO CARVAIiHO C.
Pecas de madapolao fino francez com 22 e 1|2 varas e com um pequeo toque de
mofo a 8(5000 cada peca.
Cambraia branca para forro a 10600 a peca.
Lencos de cambraia para homem e meninos a 10600 cada duzia.
Cambraias organdis muito lindas a 600 rs. a vara.'
Cassas de cores a 260 rs. o covado.
L2as de cores muito lindas a 300 rs. o covado.
Roa do Queimado n. 29, armazem de fazendas.
1 Bichas de Hamburgo
jlt todos os paquetes da Europa se reoebe f
-M destas amigas do sangue humano e sttfi
S3 vendem a iroco de pouco lucro s aum 9
jfj de ler sempre cousa nova : a loja de bar- JH
X l>eiro ra estreita do Rosario n. 3, ao pe ^.
3 da icreia. 2*
mmmmmmmmmmimmm
Vende-se
Bramante de linho Bao e largo para lences.
Brim lona encorpado e fino para montara.
Mantas para cavalio.
Cobertores de algodao de am e dous pellos.
Na casa de Edward Feotn n. 17, ra do Tra-
piche.
Acha-se
i venda na livraria arademira, na roa do i
dor; na do Sr. Nogneira, jnnto ao arco i*
1 Antonio ; e na typographia imparcial, na roa
1 ireita do Rosario a compilacao de tola a le
tendente administracao, i arrecadaeao e
saco dos dinhwws de orphaos defuntos e i
les, herancas Jacenles, legados, afe, eool
s o regiment de costas e a lei geral das i
coes, como tambem todas as ordens e avisos i
governo, qoe a lodo lera explicado, lano a rcipai
to das obrigaedes inherentes ao cargo dos dibWtn-
tes empregados de juptica e fazenda, cono Sos-
reltos nacionaes e emolumentos qoe sio devMos.
Este livro contendo mais de 700 paginas em aHS
impressio e bom papel, e prestaado-se a ntilMaSa
de differentes classes, tornase recommeodaveL
Seo custo 10(008 por cada exemplar en oos
omos.
V



Diarla de Pernambaco .abitado 9 de (tatabro de isa.
0 NOVO GERENTA
60 PUBLICO
ein o menor constran
Cimento se entregar
Importe do genero que
nao agradar.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
VSUI A IIDIYA 0)1 SI Diilt bina
RESPE AYEL PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
tem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento [de molhados,
que anido em sua mxima parte mandados vir directamente do estrangtiro"podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm .iffiancar, com toda a seguraoca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimeoto das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
ATTENg
tas presos da segnintt
tabella 6 para todos, po-
dendo assim servir de bi-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Coneeico)
PARA BEM DE TODOS,
i servidos como se vie inte, havendo para com estes toda re'commenda{iTaimte m?eSo vSo**'
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharSo nesta
casa os melhores queijos londriaos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condic5o do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se Desta casa, onde se ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo sea proprio interesse, a esle estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A* VISTA:
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
para cima a
libra.
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a .
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os l-
mannos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em hcelas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Almos a 200 rs. o molho.
Arsy.ntho a 2#000 a garrafa.
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas,
dem do Principe Alberto a I #800 a lata, e
de cinco para cima a I #700.
dem de soda em latac grandes a 2#000 e
de cinco para cima a I#800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
1J200, loaOe 1,5300.
Bolo fraucez cm caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglczas.
Banha de porco refinada.
c
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 1$ a libra.
dem de musgo a 15300 a libra.
Ciiouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em por?ao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7)5000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao mu lo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a l#800a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, ExposicSo,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, MissUsipes,
Panetellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxira, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 2000,
22"0, 2#560 e 2)800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 2^500, 33500, 40 e 50.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 10500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinbos.
urna.
K
KIRSCH de Wasser a 20 a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letkia a 400 rs. a libra.
11
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 10, a libra.
Mah.melada dos mais acreditados fabricantes.
Macarrao e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 ; rs. a libra, em caixas com 9 libras a
30500.
Miliio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
H
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a I0COO, de
todas as qualidades, como sejam savel,
ge ras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadinlia, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparacao.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 10400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS Oamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartinhas ou morinques a
R
RAPE' Meuron a 10 a libra,
dem Princeza do Rio a 10200 a libra,
dem francez a 20500 a libra.
H
SABAO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25?.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes.
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 400 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
Senhore'.
eza com que serao
rra dos gneros que
roissero tao
tra parle.
Manteiga ingleza especialmente escelhida a
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Aletria, macarrao e talharim a loo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,coo, 15,ooo,
12,ooo e 1 o,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
1 ,ooo e 1,5oo rs. a garrafa. .
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,oo0
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francezmuito propios pa-
ra mimo a 64o rs.
em
Sal refinado em frascos ole vidro com lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 0,ooo e 6,5oo a du-
Z13.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs. I
R i
Com loja ra do Cre>po n. 17. fg
Recebeu de Paris sedas em ores mui- 3
to superiores e bellissimos pdi5<> c sm
I chales de renda pretos para i" .
HEste importante estabriecin-fi i rna- r
se recommendavel ao bello sixu pia va- oS
g( riedade de fazeudas superiores e bvllot SM
^ gostos l
Proteja o bello sexo o Y i !!;; /I
jftl e vero Iodos a prosrendade. i.',
Vende-se urna taberna na na h C'-nqui M
on trave.^a do Progres>o : a ir?!:. i
Tambera se vende na mesma urna ( qoi '. i
e a po>se de urna b.iixa de capim,
vende porque o dono se retira para I
ESCBA70S Fgftli
Fugio do sitio ao lada da cap-Ha di ntrxb
dos Afilelos, no dia 3 da cur/ente, nma \ittlt < n-
oula de nome Keleidade, reprsenla !-r 22 ;.nr.o-
pouco mais ou mea.*, bem parecida, levon v, -id
de chita brinco com palmas rolas, juigasc r
si-duzda, natural de Mam : rev ;i ,
dades e eapitacs decampo a sua apj.reh n i.> n
mandem ao dito sitio, ou a ra da '
1, que seo pacos de todo o trabalho.
^Dfie-
No da Io do crrenle desappai a -
nho Limoeirioho o escravo Cuan en u.->, ..
a 17 aunos de idade, com oa tigna
nao muito preto, bem fallante, tem >. wboa \.i-
;os, levuii camisa e ceroulas de *lgod zjI ; re-
commenda-se as autoridades polici.,'. e -apiVs
de campo que o pegar levem ao di!, tiigeobo qaa
?erao generosan.ente recomp. nsado.
Urna ecrav,.
Fugio o anno pastado, dt eDgcel n p i -, ra ro-
j Charutos do aflamado fabricante Jos Furia-!.
do de Simas, das seeuintes nualiiladps- *rr ,,lt:,.n'' un,a efrr< '' tinta,
ExDOsicao Nnrma lH.,!.qi rr'.0,)la-lda!e Ji :rn *>ltl' rp- n r<-
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
dem dem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs. | Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
eradas e das melhores qualidades de pei-
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, emlata de 6 li-
bras por2,5oors.
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francezns em fiasco de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-1 tampa do mesmo, a li5oo.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e i Ameixas franezas em caixinhas de diversos
8,ooo a caixa e 64o e 7ob ris a gar- tamanhos com bonitas estn pas na cai-
_ rafa- \ xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
Genebra de Hollanda a 48o M. a botija de! cada orna.
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo I
Londrinos, Gnanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, o.ooo,
0,000 e /,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do or le, Ma-
mlhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panalellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Malte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cherosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fruclas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6on, 2,600 e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorea.
direitos, porcm foveirados per w..ir?.* t
toba e bicho, que ludo simpre goMm O" ftuW,
ctm cicatrizes de chirote reas tci. rr
descr-nfiadr, juica se andar aqoi Bf.-t? radc So
Recite : qnem a pegar, dirija-se a roa do Qoi (na-
do d. 13, rasa de Adiobo de Soma O iveirr, ona
seo legliimo Hnbor no engiiilo P*:w. ite ?rra
generosamente rfcon-peDsadc; anmrtn.i < rr
mn abaixo assignado pirte-ta erm fodi or'gcrda
lei contra quem o Hver trootado.
______________Joaquini P. C. de Oliveira.
No da 29 do prximo pactado mtx ugioa
prea Remana, crioula, di 40 ar.n<.-. ba >.;.. koo
vrstido velho, trm algumas mareas de (ridaa La
cabeca : a pe.-soa que a pegar pode leva-la ra
do CMdeireiro n. 2, cu derivte o eu>vtnlo do
Carmo na calcina de Manuel Malaqaias. Camargo
I80
VINHOS
e 64o rs. o frasco. Batatas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oo
Genebra de laranja verdadeira em frascos o gigo esm 36 libra;.
grandes a 1,000e 11,000rs.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio de 11 qualidade a 28o rs. ali-J 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. j arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Cafe do Cear muito superior a 24o rs. a II- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. j Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo; Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,800 a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e 2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a g0o rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba, 400 rs. o frasco. '
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,oooa, Lentilhas francezas. excellente legume para
arroDa- sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-. 15 a garrafae 11,000 a duzia.
M0. 'Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez | Champagne da melhor qualidade que' vem
a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixa. ao nmrta. a 9 r, 0 3 k o ...r.
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o r
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e. 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confetadas a 64o rs.' a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
R rs'
Vinagre de Lisboa a 20o e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
No dia 28 de agr.to prximo passado desappare-
ceram do engenho Paran, sito na ci marca oc Li-
moelro, os esrravcs Krafi>ro e Alexannre, p*r-
lencenles ao najrr Claodino Corre>* de Meito.
primeiro alio, secco do rorpo, um laab ob4mv
do. e de cor cabra, tfm a cara btxigi -a. basir.t'e
barba, cabellos carajinhos, ts ruriis e (arfes
sabio vestido de caiga e camisa fe alp.diio 'iai.
rbapo de feliro, levando tambem n mofo om*
irouxa conlendo roupa de uso, a saber: fimiiai
de chita e cabras brtncas e pardas, leB lastre
um chapeo de couro, mm ladino. OHfniai
pelo, crioulo, secco do rorpo, e.-ian-ra rrtular,
tem falla de dentes na frente, um i^un barba-
do, e tem ps finos e bem feiios, tanben ir.mio
ladino. An.bos sao mocof, lento (t idadt 'M r-
i.os, pouco mais m trenos : denonfia s* q te-
nbam fucido para afsentar (.raca nevia pi^vircs.
i u em cuna qualquer : junn O ai 1 rehender t M
leva-Ios ou ao dito tngenho, ou a' casa de Brea
Alvaro arbosa da Silva, na ra da Cruz l. W,
que sera bem recompensado.

aos eapitaes de campo e a
polica
200s000 de |ratifca$M par rada aru
De'ap|iareceu em principio do mez de 1 niobio
prximo passado, de bordo do palhabote nacional
Arroio Mnlo, dous eseraros de n me IV beii-, por
appellido Maceio, e Miguel, o Io de Idade t anoos.
poucb ma s ou menos, crii ulo. cor tola, esiatura
balxa barba cerrada, nm pouco toito das ternas
e com alguns cabellos rranets, tanto in barba co-
mo na rabera ; o 2* alio, rheio do v(.<\. sem bar-
ha, falja gro'ssa, representa ter de T < :0 an
cojos bscrav 8 desconfa se andarem pi los arrabal-
des deMa cidade : qutm os appreh'ni!er. qneira
levar a ra do Trapiche n. 4, ou a bordo fli dil
navio.
DO AFAMADO JOUVIN.
Vende-se pelo preco de 25 o par I uvas novas de pellica de Jouvin, chegadas no ultimo va por
para homem e senhora : na ra da Imperatriz loja de miudezas n. 54.
2?S2cooi ~< m o o oj S"
AGUA FLORIDA
^P^
Si
o^
CJ
&3 S5 3 ^3
rg g Q-CO OB
111
D
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
irvadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 1 5.500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
Principe Alberto, de 1831, a 5#000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 90 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 1#500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
Duque a 1# e 1<5500.
Chamisso a 10, 10200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 10 agarrafa.
Absynlho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 180.
Bit ter Maurer a 10 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 200.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
caada.
S O
,." 3 3 w S
- M 8 f E-a .-S
O 5* 3 O W
< B CLS ~ *
0-3
= as
en Q.g*
O. a co
a S"
-
g^
S.o
CA
-O
ct>
3 a
os
sri
2 CD
0)
lili
fifi
OS O*
i" 2
2. -S-
i, i
2.
i.0.5*8
o. 9 s "^
s*sf I
25-P
as
g.I 5' e: s
->o a> g? a>
S g w o
S52f5
Q.B""*
S*9S.g SSa^
o o. 2 f S
ir.^w-1-q
MACHINAS DEPATEN
de trafralhar nio para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & Ce
OLDAH
CT>
o 5?!
M
cu 1
3.5.
&
ZJ
Na offleina de ferreiro da rna do Jasmlm n.
ha para vender urna carrosa feiu, com esmero
propria para carregar urna pipa com agua, afira
de vende-la pela ra. Na mesraa offleina ha tara-
bem um cabriole! de duas rodas,novo e muito bem
acabado ; qnem pretender es-tes objectos, pode d-
rigir-se a mesma que achara' com quem tratar.
Potassa da Russia
muito nova e superior : vende-se no escriptorio
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do
Corpo Santo n. 19j
Calnngas Unos e brlnqaedos
para meninos.
Lhegaram para a loja de miudezas da ra do
Queimado n. 69, os mais Anos e lindos calungas
tanto para bnnquedo de meninos'como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezas.______________________
Lavas de pellica.
Recebeu pelo ultimo vapor lindas luvas de pelli-
ca de cores e brancas para homem e senhoras : s
quem receben oi o beija-flor, ua roa do Queimado I qnerda, depols 1 do
gomero 63. Hielos
>
P
>
i

Estas machina!
podem descarocar
qualquer especit
de algodo sem
o
**
ttencao
<
3>E2
MURRAY & LANMAN
do
Tasso Irmos
Vende 111 no seo armazem roa
Amoiini d. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com rolbas d
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Vendem-se palmeiras imperiaes, em establo
de serem transplantadas: no sido murado ca-
beceo do Espinheiro, eos At-
Assim como machinas para serem movidas por
animaos, que descarocam 18 arrobas de algodo
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode faier mover seis deslas machinai
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-Io, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saunders Brolhers & C.
IV. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
A agua florida de Murray & Lanman
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparacoes
eslraear Ao.as mais custosas: conserva seu aroma, co-
2X I mo se formasse parte da prenda a que ella
1 se applica.
Sua eflicacia tao delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleices, depois dse haverlavado; al-
livia a irritaco de erupcoes ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casia de ebuliges, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua effi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos coa-
cursos
Acharase fgidos os rsrravos secnintes: Be&to.
mulato, idade de 25 annos, cabellos anneladcs, s
barba, denles um pouco limados, seren do rorpn,
lesla larga, e falla um pouco dscarcaHa ; p Lnij,
rrionltyia um pouco velbo, aliura regular, muio
cabelludo, barba rom alguns eabellos braMos, n-
sim como na cabeca, corpo reforcado, oikot ca
lanto [lequpnoF, falla grossa e as vezes finge +
ronco : pede-se as autoridades poliefMS e aos ca-
piliies de campo ijue os facam apprehender r.^3-
duzi-losa' casa de seu senhor o major AMoaii da
Silva Gusmao, que generosamente recompensara,
e Ibes pagara toda despeza (ue fizcrun cem a sea
conduccao : suppoe-se que elles terso ido em s-
pnimenin dos serios de.-ta provincia, por sereno
filhos desses lugares.
duas pessoas para
o trabalho; pd*
descarocar urna
arroba de algo-
do em earocc
em 40 minutos,
ou 18, arrobas
por dia ou S ar-
robas de algodc
limpo.
Fugio no dia 18 do corrente mez o preto cri-
oulo de nome Isidoro, de 30 annos pooco mais
ou menos, alto, rosio comprido, snissa pouco fecha-
da, ps grandes e chatos, e costoma andar de albr-
galas, levou camisa de algodo, calcas Tenas -
roas, chap* de palha velho, e tambe rr nm ttmt,
caranguejeiro. Se nao andar vagando ror estt
cidade provavel qoe tenha ido para Serinr; na
ou Rio Formoso, onde j tem sido capturado por
vezes. Roga-se s autoridades e capi.ies de CMM
que appreheodam e o levem ar seu senhor JcSo
Cavalcanli Lamenha Lins, residenle na Estrada
Nora,sitio de Jeronymo de Hollanda Cavalranti d
Albuquerquo, que se recompensar generosa-
mente.
Ao arnanhecer do dia 26 de agt.-to fugiran
do engenho Camaragihe dons esrravos crenlos,
ambos rarreiros, sendo nm de nome Serreo, na-
lural do erto d Ouricury, alto e bfm teiio. cari
redonda, nao moito preto, e soffre de orna bernia;
o ontro de nome Nicolao, nasrido no MM ea-
genho, estatura ordinaria, secco do awpa e robus-
to, na mesma ocrasiSo desappareceram 3 I nrnu
do servido do engenho, de suppor qne u-r.ham si-
do levados por elles, ou por algom qne Ihes ser-
vio de guia e seductor, porqoe na noite preceda-
te a sahida dos ditos escravos foram islos dea
homens em cemmuniracao rom o SemeSo junio a
enlrada do engenho : quem prender e trooier >-
tos escravos ser recompensado
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa,
Fugio do engenho Pindoba, freeuezia deTra-
cunhem, ha seis mezes, urna escrava crioula, da
nome Severina, de idade de 19 a 20 annos, irjada
de tres a quatro mezes, pouco mais oc meno, da
maneira que ja deve ter dado a luz. com os =if-
naes seguintes : alta, bem preta. secca do corpa,
i rosto redondo, nariz grosso, tem falu de dons dea-
e assembleas numerosas, as loca-' tes na masilla superior e do lado esquerdo, ombf-
lidades infeccionadas, na alcova de um en- go muito saliente ; consta que dita asenwa vev>
fermo, assim como um antidoto excellen- para e?,a ***>e protestase pelos me ios judw-
te Dar os dfsmains rtmaat* nnr rana/>n ciiies Perseguir a quem a tiver em seo poder, a
a .* causados por CMlSaCO pede-se a quem a apprehender queira entrega-la
ou suffocac5o. Preparada nicamente por aqu ao Sr. esernio Aitaydo, ou leva-la enge-
Lanman & Kemp, Nova York, c a venda por nno Pindoba, que ser generosamente rtccirpea-
Caors & Barbosa. sadi:_______
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambuco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
iid a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e ra do Trapiche Novon.8.1 im recompensado.
Fugio de engenho Pindoba, fregnezia dTra-
cunhem, um mulato de nome Francisco, dd* de
28 annos, pouco mais ou menos, com (SMfnaes
seguintes : rosto redondo, cabellos rarapinhos,
altura regular ; esle mulato bem eonVcido D*-?ta
cidade por ter pertencido ao Sr. Franeisco (esa rio
de Mello Jnior, e consta achar-se boroisiado eaa
Beberibe, onde lero mi e irmaos forros : pede sa
a quem o apprehender leve-o ao Sr. serivo Air
tayde, ou ao engenho Pindoba, que ser generosa-


Diaria de fernambato *n*bate 9 de Outnbro de !
Uma divisan de 6 000 sida lo- brasilelros s or- mo gasto de desarranjar-se frequentemente, 9 que
dos do conde d'Eu.jnro de Imperador D. Pedro podena fazer por maligoidade, as circumsunclas
II, veio engrasar as flleins do exercito alliado que' em que nos achavamos.
Uia 29 de agosto.Amanheceo lindo.Br sa ao
sol, que pareca soprada pelos anjos. Mas ((ahln-
do das nuveas) aosso barco nao tiaha velas. Qaal,
porra, nao foi nos satisfaga-), quaodo ao stibtr a
tolda, viraos maslros levsntados por todos os lados
e velas improvisadas para elles. Idea raagestosa do
almirante.
LiflERTORA.
THEATRO DA GUERRA.
No domingo chegou o Tcve'-e, escreve a Tribuna,
de Montevideo, de 7 de setembro prximo pas
sado.
As acucias que Iroaze uada adiaalam s que ti-
abamos.
'. esta hora nao na uada qu3 leona un carc-
ter d tisivo.
O Inimigo, que pareca disposto a resistir a todo
transe, se fortificava.
Os caohoes iam troar no da 31.
Veremos o que se passa depois.
O ene sabemos que a noticia do triumpho nao
tardara" a chegar trplice allianga lem mus um sol-: o pratico que tinhamos tomado para o Alto Uro-
' S esta carta de Chancu : dld' e ^*^lasJ,c0 oerreiro da frica eocoo-1 guay, eslava succumbido pelas contrariedades da
Campo, agosto" 29 de 186J'.Estimado Dr. e
sitia a Uruguayana, e que em breve dar' conta dos
barbaros que a defenJem.
Este reforco um excesso' de garanta e sega-
ranca para o xito feliz e. nfpido da operacao.
O conde d"Eu tem i. atrela invejavel : pa-
rece que na:-ceu com-destino de combater a barba-
ria em todos os clima:- e em tolas as regies.
A's 9 horas o Uniao comegou a seguir varillan-
Na guerra de Marrocos tffereceu seu brago te ; us o acompaonamos e abrlndo as nossas azas
causa da civilisacao, easerviocom. bnlho. idus- (que pouco dlfferiam das de uedalo) vencemos a
liando sen nome c m - thosiasmo. em ,jUe navegamos perfeilamente por mais de 1
Il'j'i vem desempeohir Igual raissao do Rio da i hora. O remauso um-oasispara o viajante
Prah.
destes rios.
amigo.Escrevo-ihe i poucas liguas da cidade de
U. aguavaua, ondo esta' refugiado o inimigo era
unmero d6 6 a 7,0 0 homens. Araanhaa creio
que sera' o tu que a Divina Providencia as-igoa-
10a para o esterminio dessa chusma indmita que
serve M dspota paraguayo.
rara as batalhas da liberdade novos laureis para i vespera; chegou a dizer ao almirante, que se nao
ua fronte. se oescarregasse o navio era impossivel subir-se a
O Correio Mercantil publica este diario da subi-
da ao Salto nos das 28 e 29 de agosto prximo
passado, a bordo do vapor Onze deJnnho:
A's 10 horas da manha do da 28 approximava-
mo-nos das torrentes caudalosas do Salto. A' Pro-
40 peca e immeusa fuzilaria saudaro a praga, PrCao 1ue se augmeanva a presso as ca|-
dontro Me cojos muros raorderam o povo esses as- deiras, a marcha do vapor OnzcdcJunho, dimi-
queresos reptis, e a honra porteaba e de toda a re- nu!a-
publica sera' viogada. Aqu preciso abhr un parenthesis. O Salto
Quaoto anhelo o dia em que o pavilhao argenti-' grande do ra*ua>' Ul,u e$cad de chedos, da
uros ue Humana esse dia exlengao de mais de urna 1 -ua.
no tremulara' nos m
parece qao val chegar raui prompto.
No ultimo recomo que tlvemos na Restaura-
(So, 19 Paraguayos receberam urna ligio que uuo
de olvidar; elles j sabem quanto pode o
valr argentino, quanto ha sido ultrajado era sua
llODI
0 vapor Uruguay enconlrou no dia 30 de agosto,
a oa 7 leguas acuna do Salto Grande, o vapor
brasiieiro Onze de lunho.
.. a seu bordo o almirante Tamandar.
Nos p;.rece opportuno reprodnzir boje a .seguinte
eommunicaco interceptada a Duarte, em que se
roe ii.iuv-ndava a Robles a degollagao dos prisionei-
a i A differenga de nivel d) leito do Alto Uruguay
para o do liaixo talvez de 20 30 ps iagletes.
O primeiro degrao de.-' aseada, para quem sobe,
6 assignalado por dous roebedos elevados que se
chamam os Frades.
Quando o rio esta baixo o Salto se cobre apenas
da um leocol de espema; quando, porm, as aguas
engrossam, em agosto e setembro, ni/elam-se as
duas partes do grande rio.
Do? ou tres leguas abatxo da queda, a corren-
teza do ro comeca a jxceder de quatro milhas de
velocidade.
No momento em ]ue tnuspunliamos osFrade?, e
entravamos entre duas fileiras de rochedos cober-
Sc as seguiotes as expressoes desse documento ,0?(,e robustosarveredos e que formato urna ala-
meda regular e esqoistta, o vapor estacou por al-
guns minutos, depois do que .-eguo oasi insensl-
velmente.
Quando passavaruos a ultima daquellas arvores
rogando com a borda nos seas galbos, quebrrnos-
me alguns ramos cora a mSo, os quaes algamos
com ar triumphaot como palmas de urna vic-
toria.
paraguayo :
r. bngadeiro general D. Wenceslao Robles.
Causes 3 de juabo de 1865.Meu querido yene-
!';!'.Recebi ordem do marechal presidente para
a;-sc!ar cora V. S. sobre o procedimoolo que de-
v.-.v.' i tegulr para atacar os defensores de Mitre.
ttioha posicio bastante m, porque nao posso
,.r mais adianie, porque temo qoe me cortem
. 1.;.rada, e nos fajara um curral, e iiji tteerrem
cento r. cabras.
1 0 marechal me ordena que derrube todo o
gado uj encontrar e que male a todos os pristo-
ni 1 os ni? cahirem em meu poder, e que persiga os
>.- is t aos anttgo de Mitre : V*. S. por la deve
.airo tanto !
Correulinoi -fu uns tantos que nao querera
le, o preferera ser escravos de Mitro, a' re-
Beber-i*n a liberdade qua Ibes offerece o ma-
re1 .r.:.
Xo posso escrever mais largamente porque
'. .no.: o inimigo multo de perto.
Sou, amigo de V. S. Pedro Duarte.
lodobitavelmente e Sr Duarte, depois de tal
procedimenlo, nao aguardara tao geoero.-o acolhi-
ment dos vencedores do Yatap
Porm em algama eousa se ba de differencar a
civil -acao da barbaria.
C barbaros degoam seus prisioneiros, os ho-
meu; civilisados, os homons d coraeSo ihes do
-n acolhimento generoso.
Nao sabamos que j Crrente redobrana de in-
tensidade pouco mais cima.
Montando urna peqoeoa ponta de trra, com ex-
trema ditculdade ansiamos pela nossa proa o va-
por Unido (brasiieiro) o qaal vencido na lula, se
amarrara a um grosso tronco ua margem do rio,
para nao ser precipita lo. J havia quebrado todos
os cabos e espas (jue podiam coadjuvar a torca da
sua maehioa.
Uiffleiimente e disputando palmo a palmo a ve
loeldade das aguas, c :: gimos prestar um soc-
corro eliicaz ao doso companheiro de viagem, aii-
rando-ihe duas fortes -:-; as para substituir as que
tlnha perdido.
Na mesraa oecasiao eramos a nosso turno ven-
cidos pela correoteza : o .avio adquira um movi-
mento retrogrado^ e era traslado iuevitavelmente.
A. rneaoo lempo, .. pressac tepdo-se elevado fra
da liaba, as nossas eaideiras, queimou-se urna
vlvula. O machi ni-: a maniou incontinente reti-
rar todo o fugo das fornalhas.
A agua que os foguistas ancavam sobre o car-
iospedam 'em estancas sumptuosas e mobi-j v2 ""*""" i':ir-' paga-lo, vaporava-se era
,,,;, im inxo. i mrblIhSes, os que fe/, crer aos soldados inexpeneo-
ire o exercito J vanguarda o mesmo jornal tes ',ue tmos bordo' 'lae era umaexplosao. Che-
la esta carta do seu correspondente : igaram lues,uo a diZtT ;1 hav,a incendio a bordo.
' iiipameoto geral em marcha p^ia costa do a!miraDte'1ue l5ava entao, deu placido as
Arr >lo (Brasil), 28 de agosto de 18. Querido !suas orden*.
Don-ias depois da batalha de I7'apre-' Chegmos a crer, p;r momentos, que eramos
sentaram se no porto da Restaaracao dous vapores! prezas de dous perig3s iramlnentes : do incendio
o Taqnary e Dada marinba bra.-ileira. oda torrente; pelo menos aos nossas disposi-
s nos servirara exlraordiuariamente para i*0" de ;ini,n) er3m a- *-' c3i0 ?ae se nos flgu-
passar tropas, pesas, etc., pelo no Uruguay, e anda rava-
qoe ) mi lempo nos tenha prohibido de que iodos Quando o macblaista i ".j ontender-se com o
os petrecbos estejara de.-te lado, creio que dentro jcumraanJate para dizer-lhe o que havia occorri-'
,ic oacos das mais sj elfectuaia' o ataque do ni-; do, desvaneceu-se a preoecupaeo do incendio;
nos porque o nosso posto em cima, e nao e nao
nada bonito um ofBcial oestas occasiSes met
se embaixo, e demais abala de artilharia tanto f
mal em baixo como em cima.
O oos30 Beberibe, como ja disse, nao perdeu nin-
guem, mas soffreu alguma cousa no casco e mas-
treaclo;*3 balas o tocaram, tendo algumas atra-
vessado o casco. A artilharia que tnhara era 4^
differentes calibres, seodo o maior 30 j destas po-
rm tiuhara poucas. Creio baviam na barranca
de 30 a 10 pecas; contei at 20, porm depois que
prncipiuu o fogo a fumaca nao me deixou volas
mais.
Nao obstante sempre pude cora o uosso rodiso
de proa dar alguos tiros; como pode-se com elle
fazer para os lados, isto para pupa e proa maio'
res montaras, apontando na drecgao da proa, as
balas tocavam no cirao da barranca, passando no
aeuldo loogetudinal, que mais efTeito faziam. Os
outros navios sempre perderam alguns homens,
sendo ae total entre raortos e feridos uns 30.
O Sr. capitao da mar e guerra Alvim, que lti-
mamente commandoua estago da Bahia, esta aqu,
. chegou ha uns 15 dias. E' elle quem commauda
-OhI porventura all esta escr.pto 4 *'*M!,qB a3 diviso da esijuadra, composta Jos navios
perder toda a esperanca de tronspor aquelle de- \. y,por Mmbg Beno^ Mearim e Ypiranga.
grot Assim idalisamos alguma resposta lerral-
nante que Ihe deu o almirante, de que havia de ----- m
empregar todos os esforgos possivels para nao mal-
lograr-se a nossa expedlQao. Eslivemos soffregos M POLCO DE lltO.
para cheg-r ao BOTO timbo.. E- joSr.Joao da Silveira Borges Tavora este
O Unmo, seguindo pela nossa proa, commecava escripto acerca da consclencia, razao, t Den na
a provar as aguas amargas do Ferreiro e p;.ssou. n/(!,.pr(,(lf(io das M.
Nossas esperancas, todava, nao se desvane:eram n, mn. i...,.. ;. .-
Os maus interpretes uas eis, vician) os processos,
eslraga'n o direito, e cITendem a Justina.
caehoeira da ilha do Ferreiro, annuociando naquel-
| le ponto urna torrente anda mais caudalosa que a
do Sallo, e que nao permittia o auxilio das espas.
pois, por amor propno >u conviegao, pareca-nos
que eramos melhores marchadores que nosso com-
panheiro.
Emdm (esta palavra prematura aqui) o Umao
rompia a marcha impetuosa da catarata, e avan
1;.iva lentamente com a raagestade de um balao
aereostatico, quando toma o primeiro impulso.
Pouco a pouco approxlmava-se do remanso, e
em meia hora j deslisavase gentilmente sobre el
A illustracao, a probidije, e o criterio sao as
coadiooes fuudameutae, que na arte de interpre-
tar as leis, trazem necessariamente a verdade
subjecliva, que a razao de convencer.
A illustracao opposta ignorancia, a probida-
de, a corrupgao, e c criterio confuso; porque o
interprete que nao sabe destinguir o verdadeiro do
le. Nunca confiamos tanto em nosso triuraplio. O falso, decide, mas nao convence.
Uniao passou, nos havemos depassar : isto ros pa- A medicina, que por excedencia a sciencia da
recia malhematlco. Quando nos achamos dis- vida, urna das mais nobres e das mais transceden
tancia de urna qoadra da ilha o Onze de Jur.ho fo- tes, tambera a que mai esporimenta a falla de
retardando sua marcha, atf qae parou. Cinco hoi criterio de seus interpretes, e por isso que na
ras lutamos com a torrente no rnesrao lugar. Era | sciencia de curar as cousequencias desta oraissao
urna luta de Titans. sao mais graves do quo era outra qualquer aliento
Era a resideocia do ferro^contra o ferreiri, se- o seo objecto.
gundo ouvimos dizer por um companheiro ; nao n ,- .,
seise espirituoso. As phisioooraias se transforma- Q"e?lao-duvida; ***>. e razao, sao os princi-
vara a cada instaole.ora exprimilo o prazer de P'3 ,?" "V S ,uterpre!es; Prf",e
avancar urna liaba, ora contrahindo-se com a de-! ZT ***, T,. iaterpre'ar nao e,iver Pre"
- j j n ua : sent a qualquer de es, canea soui nrovoito e enm-
cepcao de retrogadar se duas. Os sentidos parece i
que se apurara era taes occasioes; coohecian per-
fetaraente quando perdamos um miliiraetn con-
quistado em horas de esforco.
prometa a luz da sciencia.
A questo o motivo para descorrer, a duvida
o crina!, e a decisao termina a duvida dispoodo os
espirites a receberem o prove o, que e a sal sfaco
Abnal, a tenacidade, a perseverancia, e sbrela-i______. v
, commura e a mesraa razao de convencer.
no estudo do direito, na applicacao das leis, e no
desempenho da jastiga; oeste caso indiquemos
sabios^outra linha, qoe como aquella oao ioqoete
|^:oo%iencia, qoaodo se hoover de dar, a lei pela
lei, o direito por direito, e a justiga por as-
tiga.
Pelo menos a fiel execugao destes preceitos nao
irriti, e nem aflige ao conoemnado, prova endent
de que se outr.i fosse a origem da inlerpreUCio
das leis, elle quebrara era consciencia a acgo do
julgador, como se este cora o julgado Ihe houvesse
tocado com fogo na paciencia, o quo nao humauo,
e nem aceita a razao de couvencer.
lnterpretem-se as I ;s, como um pai interpreta
os padecimentos de um lilho que anda nao falla;
nem mais, e nem menos poder com boa esplica-
gao, fazer o interprete; e se mais flzer excede a
medida da justiga da lei, vindo a ferir a suberana
le da justiga.
O bom interprete o mostr da lei, quando uo
iranisa a sua acgo enervando o seu sentido.
A le falla a couscieucia; e como falla? Falla
com voz humana, nem quer o rigor da pena, e
nem a impunidade, mas a verdade do rneio termo
que resulta da influencia semullanea dos dous
extremos.
Aquelle que pensa, sabe que erra; o hornera
pen=a, logo o homem sabe que erra; ora isto sen.
do urna verdade Instltufliva, d'onde vem pois o
direito um tiraoeie eudurecer a disciplina da le
por ititerurelagao, contra seu semelhante ?
E do facto de um interprete nao ter crmes de
certa ordem, segue-se que os nao tenha em algara
sentido ? t quem lera criraes em algum sentido
de que regra se devo servir para julgar os criraes
albeios f
Entre o rigor da pena, o a impunidade ha um
uifiu termo, que o camioho mais curto para se
chegar a verdade jurdica ; por este camioho ao-
dara os sabios, e pelos extremos andam os
brutos.
Os sabios embaragados na abscuridade do ardil
e artificio humano preferem impuoidade ao
rigor da pena; ao passo que a lei dos brutos
estragaran as leis era sua justica applicago por
effeiios contrarios as mesmas leis; porque em
regra os maus interpretes sao austeros e capri-
xo-os como os bruto?, e oao podeo. fazer o bem, o
primeiro dever do homem.
I Sao estes os que viciam os processos, estragam
' o direito, e ofTeudera a justica ; e quem os tiver
, em seus negocios, lera urna cruz de ferro sobre os
hombros, e urna braza viva na paciencia.
Fica pois enteodido, que, seja quem fr o inter-
prete no exercicio de qualquer regra de interpre-
tagao, deve ter por objecto ronscienci?, a r.izo,
e Deus; Deus pela sua Omuipotencia, razao para
eonhec lo, e a ctnsclencia para tem lo no mo
exercicio, e na hora incerta.
do a idea de que a oossa expedigao tinha por flm
reiviodiear um pouto de oossa patria dominado pe-
las hordas barbaras do inimigo, poderara vencer
tao graodes obstculos, e s 5 horas da tarde, a
mais grata emocio palpitava era oossos peitos Com
um sorriso expressivo de alegra lodos parecan!
Sem satisfagao commura, falsa toda interpreta-
gao na applicacao das leis ou de algum preceilu de
qualquer sciencia que como as leis deva ser obser-
vado.
As leis obrigam em consciencia porque sao dis-
mlc.
:. je consta o exer :to de 18 a 20 mil homens,
qae se com 3 do mod i seguinte :
''-.otaria 8 a 9 mii.
Cavallarla 10 a ii rail.
Temos 50 eanboes de varios calibres, e con-
o minhaque os Paraguayos nao resistirao 2i
.
odou-se des mbarcar dous canhes de 86 do
Tamandar, que foram os raesmos qae bombar-
u.-.; ira Paysand.
L imperador D. Pedro II esperado dentro de
poneos dias, o dizem quo traz 8 a 9 mil homens :
fazem quatro dias que eslava em Algrete.
Os chefes brasileiros rae tem visto o porte e dis-
ciplina dos nos- i-tos fazem-lhes os maiores
elogias.
No dia 22 chegre esta porto o general barao
de Porto-Alegre \ t j 1: csrao que comraaodou em
Caseros as tropas brasi'.i -ras.
Era resumo, tudu temos, e nada nos falta para
dar a'nossa querida patria algum dia mais de
gloria.
Sobre S. A. oSr. -onde d'Eu diz a dacin Ar-
gentina o seguinte :
i
FOLHETDI
0 DEMONIO DO JOGO
HENHIQUE CONSCIENCE.
IV
(Contlnuacio.)
a molher de Brofferlo asseutoa-se ao p da me-
mas, dizeodo o machiuista que eratorcoso parar a
machina, tornava se maicr o ri?co de seriaos engo-
lidos pelo sorvedouro.
U almirante ordenou que se conservasse o navio
pela popa do UriSo, ordem e?ta que talvez oo fos-
se execuiada cora a proroptidio que exigiain as
circutustancias se o pratico Echbame, gil e des-
tro como um passaro, nao estivesse aqui, para exe-
... ..la.
Aooiteceo, e com noite o ceo tornou-se oublado
e escuro; prometiendo tmanla.Assim passaraos
uoite.
u ruido das aguas ao redor do vapor seria talvez
propicio ao somoo, seno estivessemos embarcados
emum navio frgil, exces-ivameate carregado, e
cuja segnranca eslava na raz da arvore em que o
amarramos : era quasi ter a vida por um fio de ca-
bello, como se costuma dizer.
CcDtodo dormio-se : se foi por descado 011 con-
lianga, nao sei. E' verdade que fomos alguraas
agradecer applaudir ao almirante pelo xito feliz posigoes iguaes para todos, e a iaterpretacao que
de nossas f i ligas repouso das nossas preoecapigSes. satisfaz a consciencia commum, desigual e
A mo de Deus parece ter feito um aceoo sobre nio obriga por ser opposta as mesmas leis.
uos- O poder de decidir negocio que cabe a to-
A's 6 horas, debaixo de um cu estrellado, e do dos; mas o poder decoavencer, qoe a belleza do
claro doce de uin bello luar, o Onze de innho des- ra i cinio e afflrmagao autorsada do espirito, este
lisava-se sobre as aguas j tran juillas do Alto- poder Oca suspenso era muitas cabegas qejul-
Uruguay. gam e disto que oasce para os espiritos menos
Assim, em trlota e tantas horas, podemos dizer escrupulosos abragarem erro, em vez de se porem
que passaraos por todos os supplicios de que fal- na posse da verdade.
la a mytologia, inclusive o das Daoaydes, pois o A, IeSjfIue se inIerpreUra umas pcla3 M ouln
Onze de Junto fazla lama agua que uuoca foi pos- | d5pi,si5eS( por disposcoes, subsequentes por an-
sivel esgota-la. tecedeotes; todo isto se curva a preguiga e igno-
29 de agosto de 18iio.A's 11 horas da ooite. rancia dos interpretes, que perdidos no romo logi-
Uma caria escripia por um dos aossos otl.eiaes co das leis, offertam dedsdes que nao decidera, e
de raarinba d Rio i' iran, em lo de agosto, diz o seoteogas que nao convence.
seguate sobre a passagem de Cuevas : Entender, e interpretar as leis, sao cousas dis-
Mars urna vez tivemos depassar por barco do [mcIaSi ane SOineo,e M aju,tara o cont.ribuera
fogo inimigo. para Ull, fim que raanter a jus,|ga. Q prjn)tjr0
Os Paraguayos tioham se reunido perto da cida- acto o baptisrao das leis, e o segundo a sua con-
de de Corriente*, raos'rand) que ah se demora flrmagao.
vara algum lempo, avaogaram era lias do raez pas- j 0 raaislrado qae no en(ender as |e M nAo
sado, e era principios deste oceupavam a Povoagao po,Jcr4 inlerprttar ddClde por ,em 0 der
de Bella-Vista; segoirara pouco mais para baixo decidir> nao como verdadeiro in-erprete; mas
ate amas barrancas ua beira do rio denominado como uma ,avauca> olftijenda a jus!j e al)rQd0
las Cuevas, e ahi formirara urna grande batera a arvore do djrej[0.
com o (ira de cortarem as commnnicagoes da nos- A autoridade do julgador nao consiste sement
sa esquadra, como ja fizeram quando estavamos ;no poder dtj dricidirj ljurg pnpm m M opo
perto do Riachuelo. uidade) i||us,raCa0l 6 criterio; porque o espirito
O alm.raute logo quo leve coobecimento disso pr0bo e Ilustrado naiuralraeote moderado, e
ruaodou ordem para a esquadra descer e vir aneo- raras vezes se eogana.
rar abaixo das referidas barrancas.
Com elleito, no dia 12 passaraos pelas barnneas A PrecePilaCri e a gnoraoca, se sao diflereotes
oode soffreinos bastante fogo da batera, empregan-,em SUa 0^lgem S'M iguaes em seu e,Teil0S erra
do elles a artilharia, fuz.lanaefoguetes a Coagr-;OSab'p0rprecepltac5 e ma f; e erra o igno-
ve,proprios para incendiar. Felizmente o uosso ranle Por vlcio da 'revas de sua intell.geoca e
empre por factuidade.
Quando os exercitos alliados da Austria, Prussia.
Russia a outras oagoes europeas, commaudados
em pessoa por algous dos seus soberanos, oceupa-
rara Pars em 181i, sOCCeden um facto curioso, que
pjssamos a relatar :
Passeavara por aquella grandiosa metropole da
Franca os estraogeiros que dalia se Habano apode-
rado, e uo cessavam de visitar 03 seus edificios
notaveis, os seus celebrados monumentos, os seu;
froodosos passeios, os seus amenos jardins, os seus
museus, bibliothecas, academias, e antros estabele-
elmentos scientificos e Iliterarios.
Um dia tres esirangeiros de maneiras dsinctas,
que passeavam a p, nternarara-se demasalo pe-
la cidade, e perderam-se no camioho.
N >-la critica sftuagao tiveram a fortuoa de depa-
rar :n um joven elegante, e de suma intelligen-
cia, o qual era um polyglota consummado.
Infirmado o joven francez des apuros dos es-
trangeiros, off-'receu-se-lnes para os acompanhar
at a praca da Concordia,
Em quanto so encaraintiavam para esse ponto
central de Pars, os quatro passeantes travarara
uma alegre conversagao, e chegados all, despedra-
se o joven francez de rada um delles, manifestan-
do-Ibes cortezmente o seu prestio.
Os tres desconhecidos corresponderam ao seo
guia no mesmo tom. e uns aps outros Ihe aperla-
rara as maos.
tu, disse o primeito sou o rei da Prussia.
Eu sou o imperador da Austria, -Jontiauou o
segundo.
En, disse o ultimo, sou o imperador da Russia.
Os tres interlocutores eram realmente o que di
tiara; porm o joven francez'julgou ser vctima
de uma cacoada burlesca, e disse, tomando um ar
mu grave :
Pois eu sou o imperador da China.
Cahi sera sentidos. Foram bn?car a extrema
uogo.
Entretanto, tornel ao meu estado normal, e cqs-
tou-me e reconhecer o logar oode eslava.
Mostram-me o barrote que rae ferira :
Va' la' I disse eu, apalpaodo a caneca ; en qne
nao morrl que teoho de ser homem de bem, ;
um bom mosico.
Escusado dizer que jamis propliecia algam
tao sorprendentemente se realiazou
-------------------j^a i
E' do Sr. Cynilo d.' Leraosesta poesa :
AMAS-MI !
Se acaso saber podesses
Que prazer no peito laoga
A certeza ou a esperaoga
De ser um dia feliz,
Os traosportes cooheceras,
Os doces, puros transportes
Que dos rebeatam tao fortes
Que dio ai cessos febris.
Sou amado I e achas pouro
Para no rosto me ver-
Os delirantes pnzeres
De uma alegra sem fim *
Se conchego qae os teu< olhos
Quando era mira se fitam ind:-
Prometiera gosos Infiodos.
E a tua bocea diz -sim ?
Se todo, todo estramego
Quaodo em meu peito paipita
Entre o saogue que se agita
Mais ardeute o corac.io,
Se 00 inoocente bn.i-juej.
Ten olhar em mim se pou;a
E apaxonada repou-a
Sobre a minna a toa mao f
Ah nao sabe, innocente,
E nem confaeces, crianca,
Qae doce e calma bOMliea
Da um sorrisode amor :
B' sora de frauta longingua.
S80 Ineffaveia delicia-
Das adoradas caricias
Das virgens do Creador-
O Jornal do Cominercio da oirte, puiica e- a
a|ioniamentos :
SoDre as estradas que, proceden-Jo de Lot-rabi.
dirigem-se a Cuyaba', passaodo pela cidad d'
Goyaz e outras mais ao sal, por SaotAnna, antigo
destacamento de Pequiry, Pantana!, etc.
Pela estrada que passa por Goyaz conta-se :
De Uberaba ao porto de Santa Rita,
oono Parauahyba............. io leguir.
A'cidade de Goyaz............. 60
Ao rio Aragoaya................ 50 ,
A'cidade de Cuyaba'............. 115
163
Pela estrada de Sant'Anna, passaod) pelo aot ;-.
destacamento do Pequiry, etc. :
De Uberaba a Sant'Aona (alm do
Parnahyba tres leguas.......... 7| bjnas.
Ao major .viartins................ 30
Ao Jaur........................ s
A' encruzlhada (enjo ramal esqoer-
do passa na Coxim)............. 10
Ao rio Taquariy................. ^i ,
Ao amigo destacamento do Pequiry 7 .
Ao Pantanal.................... 7 ,
Ao rio S. Louieogo............... 29
A' Cavaba'...................... 30 ,
216
Pela me-ma estrada seguindo-seoramal que pas-
sa pelo Coxim :
De Uberaba a' encruzlhada.......
Ao Coxim.......................
A' Francisco d l.ara.............
A' Manoel Vicente................
A' S. Loureoco, na lazeoda de Ale-
gre......................... J6
A' S. Joilo, alm do rio S. Lourpnco I i
A' (azenda da Salina............... 30
A'Cuyaba'....................... |J ,
252
Ainda pela mesraa estrada, porm airavessaodo
o Paranahyba em S. Jeronymo, passando pela-
Aboneras, e unindo-se a' estrada me-tra atm do
major Martios :
De Uberaba ao Paraoahyba em S
Jeronymo..................... 36 legoi...
A' uniao rom a estrada no rraiAnna 80
Ao Pantanal...................... 38
Ao rio S. Lourengo............. 26
A'Cuyaba*..................... 30
m
139 leguas.
12
'i1
7
Quando taes vicios acta na magistratura, estao
quebradas lodas as linhas da sciencia do direi-
to. o direito, como a justiga que nao rauda era
sua relago universal, um so de nago a nago,
Beberibe no perdeu uma s praga.
A fortilicagao destas barrancas muito vaotajosa
para o inimigo. Os navios tem de passar t3o oerto
delles, que a sua artilharia nao pode ofTender os
inimigos, queao contrario de cima nos fazem fogo
de artilharia e fuzilaria com todo o proveito. 0 me- le povo povo, e de hornera hornera; a raes
Ihor raeio de passar por ellas cora toda a feote j ma jostiga cora este oome.
metlida em baixo, ficaoflo apenas em cima alguns Quem olleode o direito olleode a justiga, quem
homens para disparar as pegas quaodo as poetaras olfeode justiga olleode Dos, quera offeode a
podem dar em cima da barranca. Com o paooo do Deus offeodea ao prximo e quera olleodeu ao
navio e saceos de farinha faz se uma boa tnnchei- j prximo oleode si mesmo.
Isto o5o um simples aggregado de ideas,
1 ra para o homem de leme ficar defeoddo, e o pra-1 lsl nao nm simples aggregado de ideas, e
ezes importunados por um barulhn que toleramos ,co. Dera um raero cor[ejd de palavr,s> mas uma sere
de bom humor as outras r.oiles. Era a correle
do leme que passa ao lado de nosso camarote, e
que batia as anteparas.
Alm destas pessoas vao em cima o commanlao-
danle e os olllciaes, o coramandante pela responsa-
bilidade que tem do navio e mais por ser o seu
Ora, isto lembrava-nos que o nosso leme tem o posto de honra, que elte nunca deve abaudooar, e camioho do justo oo exercicio de soas faculdades
de preceitos, que uoem o direito lei, a lei justi-
ga, a justiga ao hornera, e o homem a Deus.
E se esta oo a lioha, cujas ponas mostram o
Eu uma venda de aotographos, appareceu lti-
mamente um manuscripto de Grite, que revela
curiosos pormenores sobre os seus priraeiros
anuos.
Eis aqui, por exemplo, como elle conta um lan-
ce por qoe passou, quando toha 12 annos :
Na minha trra costuma-se dizer aos filhos
qae Deus jamis uega o que se Ihe pede do dia da
primera commuoho.
Resolver rogar-lhe, ha muito tempo, que me li-
rasse a vida no dia desta augusta ceremonia, se
oao eslivesse desiioado a ser homem de bem e dis-
dincio na miaba arte..
No mesmo dia vi a raorte junto a mim.
Depois de jamar, tendo ido ver tocar os sinos,
de que nao tinlia a mnima idea, cahin sobre mira
um barrote que pesava 300 ou 400 arralis.
O anno passado, em Inglterra, o imposto pago
pelos ricos, para pod-rem ter lacaio? de cabelleira
empoada, mootoo a 5:1380800.
O imposto para o porte de bmfto 1 armas pro-
duzio 307:804*800.
A licenga para ter cralos readeo ris.....
10,507:3335800.
Adas carraagens 17:9484826.
Finalmente, o imposto sobra as carta de jof ar
produzo a quantia de 4i:635<500.
Brofferlo assomoa .1 porta do quaito e olbon (la, e nada de rodeios. Parece que estaes atrapa-
com descoofianga para quem o lzera deixar o. Ihado eioquelol Cuidaraes que estaes a fallar qoer dizer nada : o mea offlcio guardar segredo
\ com um mu homem ? Nada de sustos ; em minha as cousas mais graves. Nada de sustos ; oo sou
Nao te ioquietes por te coohecer ; isso nao
Viajan um estrangeiro em Hespanha, risitando
os monumentos mais oolavei?.
Foi a magestosa cathedral de Burgos e. entre
muitos objeclos notaveis, moutrou Ihe o cicerone
urna eavelra muito graode.
De quera esta caveirn? pergontoo o fraa-
eez admirado.
De Sanio Agostioho. responden o cicerone.
E aquel a oulra mais qequenna? inqoerio o
estrangero.
O tceme ijue ignora va a quera ella persen-ero
respoodeo:
Era do rnesrao santo, quaodo ainda
Era um hoin=ra de estructura gigaotesca; para icasa uoguem te bolir em um cabello.
entrar no quarto tjnha de carvar-se. Andavacom! Esta promessa deo alguoia cooliaoga ao estrao-
a cabega iaclraada para traz, poisada a mo com I geiro, cuja voz comecoo a soar mais distiocta :
ar ameagador uo cabo de uma faca que traba j Sr. Brufferlo, saDera que teoho ara ioiroigo
cila. Um chapu de abas largas sombreava-lhe o que me offende, rae persegae e ameaga-me com a {m vamos a 'lue5lao- QuaDta PeJe Para fazer des"
rosto; todo o fato era de paooo pardo escuro, cor i minha perda. apparecer para sempre o meu inimigo do meu ca-
das sombras da ooite. Debaixo das sobraoceluas loteodo; qoeres vingar-te, e queres que eu
homem que te airaigoe.
S passados iostaotes pode Julio aoiraar-se para
fallar.
Cusla-rae que saba quem eo sou, mas era-
sa, pegou na faca e 110 paooo e couliouou o seu i salientes brilhavam-lhe uos olhos pequenlnos, e de te vingue.
trabatlio, deitando jihos desconfiados para o es-
trangero.
Este tinha crrega lo o capuz sobre o rojto, e
calado, com o olhar vagaeando no espaeo, estiva
cinc um hornera qae se enfada por esperar muito
tem,-0. Eslava muito agitado, e de lempos a tem-
pos corria-lhe um eslremecimento pelos merabros.
redor da bocea volteavaibe um sorriso cruel e in- e- verdade. Quantas coroas de ouro pede
cisivo. para is.-o?
Fez ura sigual imperioso mulber apootaodo- E' conforme a qualidade da pessoa e a gra-
ihe para apolla. Ella sabia do quario resraun- vidade do caso. Urna boa dse de pancadas, uma
gando, mas sem lesteaiuohar por ouiro modo o seu arraohadura na cara ou algumas picadellas as
descoutentamenio. costas nao cu9tam taoto como um golpe mortal.
O meliaole fechou a porta por d:niro, asseotoo-: Mas preciso um golpe mortal,
se e disse ao esiranho com uma voz grossa e cava | E quera o tea inimigo? Bdalgo ou bur-
guez 1 rico ou pobre ?
K' fidalgo e tem uma fortuoa que nao qoal-
E t que has de pagarme, quem
Cada vez que olbava para o lado da mesa eocoo
tr?.va o olhar Investigador da medooha megra qoe)' que pareca sabir de uma pipa valia.
continuando a limpar a larga folha da faca, o exa-. Porque rae Incommodas ? quera s t ?
raloava dos ps eabeea e pareca querer ver Ihe E^la perguula poz o hornera do capuz era grao- i,uer C0U:,a-
o intimo para saber qiem era e rom que intengao des embaragos. Responden gaguejando : j I'idalgo
all viera. E'preciso saber o meu oome para me fazer es t ,
.. r Sou um pobre criado desarrumado.
Por fim, nao pjenlo resistir mais a sua raquie- um servigo que Ihe pagare bem ? ; 0 me|anle sorriu se com ar de iocredulidade.
tago, levantou-s, e disse : Brufferio levou um dedo a testa como se pensas- j An t disse e||e com ronia) am pobre criado
.Mulher, ponha-me l fra, porque Do p3sso se conhecer a voz da sua visita; roas oo coot-'deSarruraado. Vamos, lira l esse capoz. T teos
esperar mais; voltam manha de dia. ; nuou essa reflexo, e disse : i cabe||S ruivoSi jogas rauilas veze8 os dadoSi ,,ha.
Ja oogo BrnTerii a assobiar na roa, respoa-; Vamos, diz de pressa o que queres de mira,
deu ella. La melle a chave na (echadura. porque eslo mioha espera no > Dado de Pra-
Como se esse aoooucio fosse para elle de satisfa- ta oo posso perder t-.rapo.
gao, deixou-se cahir nacadeira com umsospiro: Trata-se de ura negocio de importancia, se
abafado, e eacutou cora ancia os pesados passos' nnor Brufferio.
de boraem que aziam gemer os degrus da es- j g' verdaae qae cae disse minha mollier que
cada.
i era cousa de ganhar algumas coroas de ouro. Diz Ihe disse em tom tranquillisador:
mas-te Julio, e estaes ao p Ja poote da Vinha em
casa do si*oor Simflo Turchi. Para que queras
enganar-me ?
Julio, assim reconhecido de improviso, pareca
modo de terror, e, era tremuras, titava os olios
em Brufferio, que oo se.mostrava irritado, e at
mioho ?
O leu ioirago I disse Brufferio a rir. Um 11-
dalgo leu ioimigo 1 .viuda queres eogaoar-me \
outra vez ? Charaa-lhe ioimigo de tea amo.
Nao ; meu ioirago pessoal, que diz de mim
a meu amo mil calumnias e quer que elle me po-
oha fra de casa cora deshonra.
E offerecesme coroas de ooro I Agora os
criados sao assim ricos ? Mas varaos, um gol-
pe mortal era ura Odalgo, uo assim ? Pois has
de dar-rae quioze coroas de ouro.
Qaioze coroas I exclamou Julio com Ungido
espanto. Uma quantia tamanha I Nao posso, nao
tenho tanto.
Para eocurtar razes, fago-o por doze; mas a
paga adiaotada.
Pago j, aotes de sabir d'aqui.
Itera, Julio ;d c a tua rao. Est feito o
contracto. Agora diz-rae claramente o que o que
ta e leu amo querera de mim.
Nao meu amo ; sou eu s.
Pouco importa. Que bel de fazer e quaodo?
E' mesmo o'esta uoute.
N'esta noute I Eoto preciso renunciar
minba partida de dados com o marioheiro portu-
guez. Sao alguas carolos de ouro que parco.
Sr. Brufferio, o negocio o seguate : Esta
uoute, s onze horas, ura cavalleiro, acompanhado
por dous tocadores de alaude, ha de sahir das pro- '
ximidades do convento dos dominicanos e dobrar a
esquina da roa do Priacipe, para o lado da Cra-1
paudiere, tomaodo aepols para a igreja de S.
Thago. Por cooseguiote ha de passar ao p do \
pogo de pedra que est eDtrada da ra Hobokeo. j
Escooda-se alraz do pgo com alguns companhei-
ros seguros, ataque-o e raate-o quando elle passar. j
Isso est bem pianeaao, observou o meliante.
E' uma cousa que eu faria s; mas j que assim 1
o queres, levarei coraigo om par de camaradas de
pulso. Como hei de conhecer a pessoa que deve
morrer ?
Pelo facto escoro e por ama pluma braoca
no chapeo. Na sombra ba de ver s a ploma
braoca; ara .-igual certo.
Brufferio abaoou a cabega reOecliodo e per-
guotou :
Mais oada ?
II Tambem qoero dizer-lhe, para qoe Ihe sirva
de aviso, que hei de ir oa corapanhia do fidalgo, e
que logo que elle esteja em trra Ihe tirare um
objecto, cuja descoberta pode fazer-me correr
graode perigo. Recoobecer-me-ha por esta capa
hespaohola, e farei mono barulho e gritarei moilo I
alto para que o Sr. Brufferio e os seus corapaobei-
ros saibam que um sou um inimigo.
Agora, onde estn as coroas de ouro ?
Eoto acceita a iocurabeocia ?
E hei de desempeoha-la como se trabalhasse
para mim.
Julio tiroa do bolso algumas coroas de ouro, de-
pois cootinuou a tirar anua uma al ter dote na
mo. Esforgava-*e por oceultar a Brufferio qoe
tinha uma quaoiia maior do que a do ajaste v ma
este adiviahou-lhe a intengao, porrue sorrio e
disse de modo que fosse ouvido :
Tu aioda tens mais. Eu bem o sabia, por-
que oinguera vem a minha casa para estes aego-
cios cora uma quantia deterraioada. Nao tens qae
escoader de mim. Da-rae o que ajustaoao* ; nao
te pego mais.
E logo que ooutro Ihe deitou o dinhoro na m.V>,
Brufferio foi ao p do candieiro e examinoo e to-
mou o peso a cada cora.
bom dioheiro. Vai descansado Jalk>. Voa
procurar os meus camaradas. J n.To tornos mui-
to lempo, porque Dao poderei dispor do muito mais
do que meia hora.
Julio despedios* de Brufferio, e allumiado por
elle ia sahir da sala, oas aioda parou e disse :
preciso que oo diga aos seus eamaraaas
quem foi que o eocarregoo d'esta obra.
Nocosturao dizer nada aos camaradas Pela
bocea perde o peixe, diz o dilado.
Eotao, sabe bera o que ha de fazer, nao as-
sim ?
Sei, sei. As oDze horas, atraz do pogo na
ra Hobokeo ; um cavalleiro mogo com uma pio-
rna branca 00 chapeo. Vai descansado ; serei eu
que darei o golpe e oo ha de falhar. Adeos.
Acorapaobou o criado at a porta da roa e e-
chou-lh'a iogo oas costas.
(Qontinuar u-ka.)
PERNAMBUCO-TTP. DE SL F. DE F.dxflLBO

-----------

11 r- **\ jp- i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1WJ0CSDH_EHOSOS INGEST_TIME 2013-08-27T22:26:56Z PACKAGE AA00011611_10787
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES