Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10778


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XU flOMEfiO 221.
Pr qaartel fago dentro de 1 Odias do 1, mez : r .
dem desos dos f." 10 das do comecoe dentro do qaartel. .
Porte ao correio por tres nezes .* ,......., j
i ft n
. 51000
1 750
-
DIAR
OARTA FIRA 27 D SETEMBRO DE 1865.
Por anno pago dea tro de 10 das do 1. mez
Porte ao correio por um anno ..,,,.,
>
'
19f000
i|000
DE PERNA
ENCARREGADODA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?ndrfno de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaqai'm Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. "Geraldo Antonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSGRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claodioo Falcao Das; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves;
Ribeiro Gasparinho.
Rio de Janeiro, e Sr. Jos
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacoes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Igaarass e Goyanna as segundas e sextas feras.
Santo A mo, Grvala, Bezerros, Bonito, Carqar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tefgas
fe i ras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesquera
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Oaricnry, Salguen o e Ex, as quartas
feiras.
|Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimentelras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comrnercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do comrnercio: segundas as i i horas.
Dito de orpbos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do eivel: tercas e sextas ao mel
da.
Segunda vara do clvel: quartas e sabbades a i
hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
S La cbeia as 11 b., 32 m. e 16 s. da m.
-12 Quarto ming. as 2 h., 37 m. e 52 s. da m.
19 Lna nova as 8 h., 26 a. e 10 s. da t.
28 Quarto cresc. aos 27 m. e 10 s. da m.
DAS DA SEMANA.
25. Segunda S. Justina v. m.; S. Nilo- tan.
26. Terca. S. Cleofas; S. Firmlno b.
27. Quarla. Ss. Cosme e Oamio irs. mm.
28. Quinta. S. Wenceslao duque monge.
29. Sexta. S. Miguel arch.; S. Fraterno .
30. Sabbado. S. Leopoldo ni.; S. Urso nv.
1. Domingo. S. Remigio b.; s. Verissjrae m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 m. da manha.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o su I at Alagoas a 14 e 30; para o aort
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Ferian'
do nos ilias 14 dos mezes de Janeiro, nargo, nuio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, salivraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel FigoeinH.d*
Faria & Fimo.
PARTE 9FFICIAL
DO-
GOYBRNO DA PR(W!UCI.
Relatarlo com que o Eim. Sr.
Dr. Antonio Borges Leal Cas-
tello Branco passon a adminls-
traco desta provincia ao sex-
to Tice-presidente i:\iii Sr. ba-
rio do Rio Formoso.
(Continuaco.)
HOSPITAL DE PEDRO II, HOSPITAL DOS LASAROS, HOS-
PITAL DOS ALIENADOS, CASA DOS EXPOSTOS, COL-
LECIO DOS ORPHAOS, COLLEGIO DAS ORPHAAS
Funccionava entao a assembla provincial: en- j que devem prender agradavelmente a attengo dos
I tend que, para poder fazer no contrato todas ar> espectadores pelo bem entretido do enredo e pelo
' alteracoes que por ventura podessem ser reclamaV i chiste da phrase.
das para a possivel perfeigo do servigo, precisav E' um bello sero que o digno emprezario offe-
de autorisago, sendo que algumas dessas raodifij' rece ao nosso publico, cuja concurrencia portante
cacSes poderiam trazer onus e despezas maiores1nao pode ser duvidosa.
A revista eivel.
Recrreme, Josapbat Lourengo de Souza ; recor-
, rido, Donato Jos Martins.
O dia de apparecer.
Appellado, Joaquim Lulz Vieira; appellante,
! Jos Francisco Biltancourt.
para a provincia e para os particulares.
Proposta a questo de autorisaco perante as-,
sembla, todos a davam ; mas, us queriam que,
se conservasse a clausula de serem obrigados os |
particulares receber os aparelhos, e outros que
isso Ibes fosse facultativo.
Nesse ierren >, embora a maioria fosse_ do pri-1
meiro aviso, prolongou-se tanto a discusso, que,
apezar de prorogacoes, ficou indecisa a questo, e
nao se votou a aulorisago.
Nestas circunstancias, persislindo o contrato'
obrigalorio para os particulares, e por consegran-
Do relatorio do muito digno provedor, o Exm. te o direito do empresario de executa-Io, e de sol-
dezerabargador vice-presidente Anselmo Francisco citar da admnbtragao o apoto preciso : coi
Pretti, ver V. Exc.'o estado de cada um delles
e pois, me limitarei a dizer que, sob seus desvela-
dos cuidados, e da zelosa junta administrativa,
funccionam regularmente.
examinar se esse contrato poda ser modificado de
urna maneira que o tornasse mais vantajoso, e
adoptar-se outro systema de limpeza, sem augmen-
to algum de onus e despezas para os particulares
Por solicitacao desta exonerei em 22 de marco a e para a provincia
rei Pedro da Purificago Paz e Paiva de vice-di- Para esse exame noraeei urna commisso cora-
recior e capello do collegio dos orphaos. posu dos mdicos, rs. Jos Joaquim de Moraes
Tendose dado escndalos deploraveis neste col- Sarment, Sabino Olegario Ludgero Piuno, Joa-
legio, nomeou a junta administrativa urna commis- quim de Aquino Fonseca; e dos engenheiros Ger-
sao para examina-los, assim como as respostas de vasio Rodrigues Campello, Manoel Buarque
Depois d'amanha se extrahir a 1"
1* lotera do Instituto Archeologico (33*),
maior premio 6:0005000.
A Assoctacao Commercial Beneficente deixou
hontem de funecionar, por falta de numero de so-
cios suficiente.
Boje s 11 horas faz leilo de movis, objec-
tos de ouro e prata, escravos de ambos os sexos,
trastes avolsos, entre elles neos santuarios de ja-
caranda, mesas elsticas e outros muitos artigosdo
oso domestico, em sen grande armazem a* ra da
Cadea do Recife n. 36.
REPARTIQAO DA POLICA.
Extracto das partes do dia 26 de setembro de
1865.
Foram recolhidos a casa de delengo no dia 25
dc> crreme :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Jos
Igoach da Silva, Felippe Jos de Sanl'Anna e Fran-
cisco Jos da Silva, para recrutas.
da capital, Cesario,
parte da i Do Sr. desembargador. Ucha Cavalcanti ao Sr
sendo o desembargador Domiogues da Silva
As appellacoes crimes.
Appellante, Raymundo Jos de Santa Anua ; ap-
pellado, o julzo.
Appellante, Severmo Rozendo da Silva; appella
da, a justica.
Do Sr. desembargador Doroingues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vasconcellos
A appellago civei.
Appellante, Joo de Souza Leo; appellado, Jos
Mendes Carneiro Rodrigues Campello.
Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Santiago
A appellacao eivel.
Appellante, Manoel Gomes de Almeida Botelho :
appellado, Manoel Jos da Graca.
A'IX hora encer'cc-ue asesso.
TRIBUNAL DO COSIIIERCIO
IV ordem do Dr. delegado -
escravo de Carolina Lins Meira de Vasconcellos,: ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 25 DE
diversos empregados, a qual nao s reconheceu a
existencia dos factos, como a criminosa incuria o
ineptido do director e do pedagogo, apesar do
que declarou-me o provedor que a junta nao pro-
punha demissoes nem empregados novos, ponde-
rando-me porm que nao podiam ser demitlidos de
chofre todos os empregados, e indicando apenas; geiras differencas, sem mais onus para os partcu-
para o lugar vago de vice-director frei Joo Bap
de
Macedo, Jos Tiburcio Pereira de Magalhes e I
Manoel de Barros Barreto.
Essa commisso, depois de estados e conferen- I
cas sobre a materia, chegou a um accordo com o
emprezario, que se compromette a substituir o sen
systema pelo adoptado na corte do imperio com li
para correccao.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Bap-
tist( Catharineta e Antonio, escravo de Jos Amo-
nio Bastos, para correeco.
A' ordem do da Boa-Vista, Augusto Carlos de
Lemos, para correccao.
O chefe da 2* scelo,
Joaquim Gilseno de esquita.
Casa de detenqao.Movimento do dia 26 de se-
tista do Espirito Santo.
Parecendo-me porm que a primeira necessida-
de do estabelecimento era ter um ebefe que Ihe
imprimisse a conveniente direcQo, o que certa- i
mente nao poderia fazer um empregado subordina-
do, como o vlce-director, que teria sempre de
lutar com as difflculdades que Ihe creasse o direc-
tor, resolv djnittir este, e nomear para substi-
tui-lo o refjndo reverendo Joo Baptista, de cujo
excellente carcter e aptdao eslava convencido
pela informacao da junta, do provedor, e de mul-
tas outras pessoas.
Ao novo director incumb de informar-me de
pessoas habelitadas e de sua confianza para os ou-
tros cargos, cujo pessoal conviesse mudar, deixan-
do eu de desde logo demittir o pedagogo e outros
empregados por conformirme nesta parte com o
parecer da junta, e ser diulcillimo encontrar cora
rapidez pessoal idneo para taes estabelecimentos.
De conformidade com o disposlo no artigo H da
lei provincial n. 611 j citada, mandei admittir
nos referidos collegios as menores Jovina, Alexan-
drina e Mara, e os menores Juvenlino Policarpo
Alves de Lima, e Francisco de Britto Cavalcante
lares e para a provincia do que aquelles que j es- tembro de 1865.Existiam 368, entraram 8, sa-
to estabelecidos no seu conirato; e nesse sentido I hiram 14, exslem 362; a saber : Nacionaes 265,
me env;ou a commssao o seu muito bem elabora- mulheres 6, estrangeiros 21, mulheres4, escravos
do e desenvolvido relatorio, cujas ideas nao reduzi
logo a contrato, modificativo do existente, porque,
quando examinava os detalhes, chegou a minha
exonerado.
estrada de ferro.
As aguas das ultimas chuvas roraperam o agnde
ou reservatorio do engenho Olinda a raargem
da estrada, precipitaram-se com torga sobre varios
pontos da via permanente e despedagaram o ponli-
Iho de alvenana e linbas de ferro do lugar deno-
minado Zamboa.destruirn) um aterro de 150
ps de extenso, e na profunddade de 30 ps par-
tirn) o boeiro do sangrador daquelle engenho, e fl-
zeram outros pequeos estragos, interrompendo o
transito em quasi toda a extenso da linha.
De participacao. porm, de 17 de julho constou-
me que estabeleceu-se all o trafego, eom excepgo
da parte comprehendida entre as estacos de Ipo-
juca e Olinda, onde os reparos reclamaran) demora.
POSTE DE FERRO DO RECIFE.
Contina em andamento e nao tardar muito a
dar livre transito ao publico.
62, es>ravas 4 ; total 362.
Alimentados custa dos cofres pblicos 190.
Movimento da enfermara do dia 27 de setem-
bro dd 1865.
Tiveram baixa :
Norberto Fabricio da Silva, contus"es.
Benedicto, escravo de Manoel Luiz dos Santos,
bubo.
Franco, escravo de Jos Ignacio, hernia.
Teve alta :
Prudencio Gomes da Silva.
Cemiterio puslico, obituario do da 25 DE
SETEMBRO DE 1865.
Joo Jos de Carvalho Moraes, Pernambuco, 72 an-
nos, viuvo, Boa-Vista; pneumona.
Francelina Mara de Jess, Pernambuco, 30 annos,
solteira, S. Jos ; asphixia.
Senhoripha, Pernambuco, 2 annos, Recife ; con-
vulsoes.
Sabina,
chaco.
Pernambuco, 2 annos, Santo Antonio ; in-
Jeqnilib : as duas primeiras fllhas do sargento de I Por aviso, porm, do ministerio d'agricultnra,'
polica Antonio Saraiva de Araujo, a 3.* fllha de comrnercio e obras publicas, de 17 de julho, foi
Henriquela Mara do Nascimento, o 4.* lho do al- declarado, e em 15 fiz constar aos respectivos em- j
eres d'aquelle corpo Joaquim Milito Alves Lima, preiteiros que o governo imperial nao se dignou at-,
e o 5." GI,ho do indio nomeado alferes do corpo de tender ao accrescimo de obra, consistente na cello- i
voluntarios Alberto de Brillo Cavalcante. i cacao de cantoneiras para solidez do soalho da mes-
Pretenda aproveitar-me dos meios concedidos ma, que se resolvern) a fazer, sujeilando se ul-;
por aquejla lei para dar. maior desenvolvmen^o, tenor deliberado do mesmo gov.-rno, nao obstante
como merecen), aos estabelecimentos de educaco a resposta que eu Ihes havia dado por nao poi'er |
->-
CHR0?1ICA_JIDIC1AR1A
TRIBUIVAL DA BELA^XO.
SESSAO DE 23 DE SETEMBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SODZA.
s 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
da Santa Casa, introduzindo nelles certos melhora- tomar deliberacao contrara ao aviso de 29 de u- embargaldores Santiago 'tirana Lourenco San-
raentos de grande importancia anda nao conheci- |ho do anno passado. tiago, A5sis, Doria, Guerra procurador da corda,
dos aqui, como as salas de asilo para a infancia, (Continuarse ha.) Uchoa Civa|canlii 'oomingues da Silva e Barros
PERNAMRUCO,
m\m D7AR1A.
a gymoastica, a compreliecso theorica e pralica
de certas industrias e especialmente da agricula
no ensino primario, a adopco para este, conve-
nientemente desenvolvido, do methodo Braun, que
vi praticdo com summa vantagem as escolas da
Blgica ele.
Para ludo isso havia mandado procurar profes-
sores na Europa e eslava quasi contratado para a
ultima parte um excellente de que lomei conheci-
mento em Lisboa ; mas a curta duraco de minha
adminstracao, e os cuidados do afanoso expedien-
te diario, nada me permitlirara realisar.
iiepartiqxo d\s obrvs publicas. das as cores polticas, com o lim patritico de ac-
Nomeei o conceituado engenheiro Gervasio Ro-: cordar-se nos meios de ser promovido o alistaraen-
drigues Campello para o lugar de chefe desta re-! to de voluntarios do modo o menos oneroso para a
parlico, que era interinamente oceupado pelo en- populacao daquella freguezia.
genheiro Antonio Vicente do Nascimento Feitosa I Para esta reuniao dirigi o referido Sr. conse-
Junior, a quem conced a demisso que pedio de Iheiro Sa e Albuquerque, sem excepgo de pessoa,
ajndante d'aquelle chefe, dando-lhe por substituto nemseleccao de partido, a carta circular seguate :
interino, e sob proposti do mesmo chef o 2." te- Hlm. Sr. F... Eugeaho Arataogy, 20 des-
llente do corpo de engenheiros Jos Tiburcio Pe- tembro de 186'i. -Condcscendendo com a vonlade
reir de Magalhes. d Exm. Sr. c uselhciro presidente da provincia,
Nomeei igualmente sob proposta do chete Jacin- aceilei a agradavel incumbencia de vir para esta
tho Paes de Menionca Jaragu para o lugar de freguezia com o proposito de entenderle com os
engenheiro encarregado do 3." districto das obras propnetarios d* mesma, fim de proraover-se pelos
publicas.
Joo Henriques de Albuquerque
os Srs. dessmbargadores
Molla, abrio-se a ses-
e
Mello para
escrevente interino por haver pedido e obtido exo-
neragao Joaquim Jos Moreira, que servia o lugar.
Jos de Azevedo Souza para guarda apontador
em substiluicao de Manoel Pereira do Canto, de-
mittido por proposta do chefe merino.
Feliciano Pinto de Vasconcellos para guarda
conservador por ter sido demitlido em virtude de
proposta do chefe interino Joaquim Pedro Barreto
do Reg.
Vasconcellos, faltando
l Almeida Albuquerque,
! sao. .
Passados os feitos, deram-se os seguinies
JULG AMENTOS.
Carta testemunhavel.
.No da 34 do crreme por convite do Exm. Sr. Agravante, Basilio Alvares de Miranda Varejao;
conselheiro Sa e Albuquerque, solic.tago de S.: agravado, o ju.zo. Relat.r o Sr. dembargador
Exc. o Sr. presidente da provincia, houve na fre-1 Gu.rana rSorteados os Srs. desembargados San-
guezia de Ipojuca urna reuniao de propnetarios ] "38 A|ssis.-Deram provimento.
dalli, composta de 24 senhores de engenho de to- : Kecursos crimes.
Recrrante, Manoel Gregorio Barroso de Mello ;
recorrido, o juizo. Relator o Sr. desembargador
Uchoa Ca'alcanli.Sorteados os Srs. desembarga
dores Doningues da Silva, Lourenge Santiago e
i Assis.Wegaram provimento.
Habeas-corpus.
Negaran) soltura pedida por Francisco Lopes de
{ Souza.
Appellacoes crimes.
Appellante, Jos Guilherme da Silva ; appellado,
o juizo.Improcedente.
Appellante,Luiz Baptista; appellada, ajustiga.
Improcedente,
meios que parecessem uns convenientes, o alista-' Appellaole, Manoel Fernandes dos Santos ap-
mento de voluntarios pellada a |sl.ga.-Improcedente
E como eslou persuadido de que o patriotismo Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Jerony-
e a influencia de V. S. pode auxiliar muito efflcaz-1 mo de Ment,zes-7^.no,yTJ^1
mente ao goveroo oesse empenho, rogo V. S. o
obsequio de achar-se na povoago de Ipojuca no
dia U do crreme ao raeio dia, na casa do jury,
alim de tratar-se do assumpto ex posto.
Nesta data convido aos outros proprielarios
para essa reuniao.
Aproveito a opportunidade para repetir que
Assignourse
tes
DESIGNACAO DE DIA.
dia para julgaraento
das seguin-
Francisco de Araujo C-ldas Lima para feilor es-! sou com estima e consideragao.-De V. S., amigo e uapiisia i^aiiaga.
AppellagSes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Bernar
do de lirito.
Appellante, o promotor ; appellado, Francisco
criado ltenlo e obrigado, Antonio Coelho de S e
Albuquerque. >
Na reuniao a' que alludimos, propoz o Sr. conse-
lheiro Sa' e Albuquerque a idea de cada proprie-
tario convidar alguns dos seus moradores mais ap-
tos para o servigo da guerra, na proporgo do nu-
mero delles, alim
pecial das obras por adminstracao.
Pedro Antonio Balaio e Marcolino di Silva Mia-
delo para guardas das pontes de S. Joo e de Ta-
caruna.
Additei o artigo 11 do regulamento de 23 de
agosto de 1859 para execugo do 17 do artigo 37
da lei provincial o. 473 de 5 de raaio do mesmo
anno, conferindo ao ebefe da repartigao a attribui- rios, cessando desta sorte toda a intervengao das |
cao de impr multa de 10 a30J00O pela infraego autoridades locaes n'esse movimento; e esta idea/
do supradilo artigo. cuJa importancia decorre de si propria, foi acolhi-!
Determinei ao chefe de polica que mandasse da, como o devra ser, por todos os senhores all'
proceder contra o cobrador da barreta de Una pe- presentes, e s-lo-ha tambem sem duvida pelos de-
los insultos e ameagas feitas ao conductor da re- mais cavalleiros, que, sendo convidados, rteixaram
partigo, encarregado da estrada da Victoria Ju- de comparecer por causas de cerlo jns:.-, c que \
lio Pompeo de Barros Lima. na importara a denegagao de sua acquiescencia
Manoel Gongalves Nunes Machado, tendo obldo ao motivo e fias da reuniao.
da assembla provincial autorisago para a prest- O appello ao patriotismo dos Ipojucanos nao ha
dencia o dispensar da responsabelidade pela con- de ser estril, pois, se all ha resentimenlos, estes
servago da estrada de Goyanna, de que foi encar-
regado, dirigio-me nesse sentido a sua petigo, que
indeferi, era Tisia da informago do chefe das
obras publicas.
Dos qualro documentos juntos relativos a esta
repartigao, vera V. Exc. quaes as obras feitas ou
contratadas por arrematago, quaes as despezas
feitas com estas e com as executadas por adminis-
trago, e quaes os estudos e trabalhos preparados,
que se mandaran) fazer, ludo nos 6 mezes da mi-
nha administrago.
ESGOTO E LIMPEZA DA CIDADE.
A limpeza de urna cidade populosa a primeira
condigo da sua salubridade, e um signal evidente
A-i P uilicP^tA **A ostno kahlonlaa ii oantiniillA
Appellagdes elveis.
Appellante^ Francisco Gomes Prente ; appella-
dos, a viuva de Manoel Gomes da Silva.
Appellante, Joo Manoel de Barros Accioli; ap-
pellada, a preta Cypriana.
Appellante, Manoel Calisto do Nascimento ; ap-
deal"stare"m-se"oomo"volunta- pellados, Luiz Gongalves Ramos e outros.
Appellante, Antonio Luiz Alves Pequeo Jnior;
appellado, Amonio Francisco de lirito.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gitirana
A appellago eivel.
Appellante, Vicente Ferreira da Silva ; appella-
do, Antonio Querino de Souza.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque
A appellago eivel.
Appellante, Manoel Lobo de Miranda Henriques;
appellado, Manoel tilias de Moura.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
se callam, quando a voz imperiosa do dever se le
vanta, para oslar pela unio de todos.
Presente ou ausente, o mesmo.
Esle se associara' quelle afim de fazer urna e dr oria
harmnica a resolugo tomada de dar a' patria o
concurso de seus esforgos, que por ella pedido. Appellante,
Quando o estrangeiro nos offende, a questo ret0-
alf ron-
de seus habitantes, u senliraento
de brio; e quando o brio provocado por
las, lodos devem vinga-lo priraeiro, para ao depois
se lembrarem de que na lamilla ha disidencia.
E outro nao o typo caracterstico da familia
brasileira.
Em pouco, portanto, a freguezia de Ipojuca dar
um teslemunho manifest do sea amor a' integri-
dade do imperio, enviando seus Albos para compe-
desta'verdlidTdetermnou^ tirem das glorias que as armas brasileiras vo ob-
Luiz Cambrone, que, mediante certas condig5es, tendo nos campos do sal.
se obrigoa a fazer a limpeza das casas, ras, caes Cartas de Flores de 16 do crreme diz o se-
etc desta cidade guiute :
sysiema, porm, convencionado, e que pile No dia 10 deste mez foi assassinado barbara-
comegou a executar, desagradou geralmente; e mente um pobre rapaz, no lugar de Bom Conselho,
por iso, o anno passado votou a assembla pro-; sendo carregado de familias. Os assassinos cha-
vincial urna lei derogando as posturas municipaes, mam-se Euphrasmo de tal e Manoel Joaquimi: foi
anteriormente por ella approvadas, qae obrigam tambem assassinado um guarda-costa do subdele-
os particulares a aceitaren) em suas casas os apa- gado Isidoro Mascareobas por outro da mesma
relhos de Cambrone. ; pandilba : o assassinado cnamava-se Job : al
Essa lei nao foi sanecionada ; mas, apesar disso [ quando se ba de matar gente nesses lugares T
teve, segando Cambrone, malfica inlluencia sobre Falleceu o tenente Jos Luiz de Souza Barros,
a empresa, que nao pode levantar era Londres os qae waexceileate P^soa. -
capitaes de que precisa.
Reconbecendo no entretanto Cambrone que con-
vinha modificar o seu systema, ou adoptar outro,
offereceu-se-me para isso.
A appellago crime.
o juizo ; appellado, Lulz Alves Bar-
As appellagSes civeis.
Amanha reune-se o Instituto Archeologico e
Geographico Pernambacano era sessao ordinaria.
Hoje da' o Santa Isabel um espectculo va-
riado, composto de algumas comedias mieressaates
Appellanlas, Augusto Carneiro Monleiro e ou-
tros ; appellado, Jesuino Ferreira da Silva.
Appeilantes, Manoel Luiz da Veiga e outros;
appellada, a 'azenda.
Appellante, Damio Gongalves Rodrigues Franca;
appellados, F rancisco Jos Viaona.
Appellanti, Antonio Gongalves Ferreira Cascao
appellado, Joaquim de Souza Leo.
Appellante, a viuva e filbo de Joao Pedro da Ro-
cha ; appellada, Thereza Catbarina da Conceigao.
Appellante, Antonio Correia Pessoa de Mello ;
appellado, Manoel Francisco de Amorim.
Appellante, Manoel Patrilo do Nascimento; ap-
pella la, Marganda Mara da Paixo.
Ao Sr. desembargador Ucha Cavalcante
A appellago eivel.
Appellaotes, a viuva e filhos de Luiz Gomes Fer-
reira ; appellada, a fazenda.
Do Sr- desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador (Soma
As appellagdes ctveii
Appellante, Jos Pereira ae Andrade ; appella-
dos, Jos Antonio de Arruda e outros,
Appellante, Elias Emiliano Ramos; appellado
los Ctetano da Rocha.
SETEMBRO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente declarou aberta a ses-
sao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Um offlcio da junta dos corretores, acompanha-
do da cotago dos pregos correntos da praga na se-
mana prxima Onda.Archive-se.
DESPACHOS.
No requerimento de Jos Matheus Ferreira, pe-
diodo o registro da nomeago de seu caixeiro Ma-
noel Pereira da Cunta.Registre-se.
N'outro do mesmo, pedindo certido de ser com-
raerciante matriculado.Como requer.
No de Francisco Gomes da Silva Saraiva, reco-
Ihendo a carta de registro do brigue Feliz Destino,
que foi desmanchado por incapaz de navegar.
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Joo Antonio do Amarai, portuguez, de 45
annos de idade, eslabelecide na capital do Cear,
cora casa de Comrnercio do mercadorias em grosso
e a retalbo, pedindo ser admettido matricula, e
juntando como prova de sua capacidade commer-
cial um attestado dos commerciantes matriculados
all residentes Singlehurst Abreu & C. e Joaquim
da Cunba Freir. Vista ao Sr. desembargador
fiscal.
No de Estevo Jos da Motta, pedindo certido
do theor do registro do balance da extincta firma
de Silva 4 Motta.Como requer.
No de Jos Gomes dos Santos Crrela e Joo
Manoel Puntual Jnior, adiado da sessao passada,
pediado o registro do seu contrato de sociedade^
"Mandou-se registrar, era vista das consideragoes
apresentadas.
Com informacao do Sr. desembargador fiscal:
No de Jos Joaquim da Costa Leite e Manoel Jo-
s Gongalves, pedindo o registro do seu distrato de
sociedade.Regstrese.
No de Arminio Pessoa de Albuquerque e Henri-
que Xavier de Araujo Saraiva de Mello, pedindo o
registro do distrato de sua sociedade. Regis-
tre-se.
O Exm. Sr. presidente apresentou duas certidSes
n'uma das quaes se v que o corretor desta praga
Antonio Botelho Pinto de Mesquita Jnior assignara
na qualidade de camarista de Pesqueira, urna re-
preseniago ao Exm. Sr. presidente da provincia ;
e oulra, mostrando estar o mesmo corretor quaiifi-
cado juiz de fado, e ter sido all sorteado e notifi-
cado para servir na sessao do jury de 29 de maio
do crreme anno.O mesmo Exm. Sr. presidente
nomeou os Srs. deputados C- Alcoforado e M. Leal
para tomaren) conhecimento do que ha a seme-
Ihante respeito.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessao s 11 horas e meia da
mauba.
SESSAO JUDICIARIA EM 2o DE SETEMBRO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Gutmaraes.
s ilj horas da manha o Exm. Sr. presidente
declarou aberta a sessao, estando reunidos os Srs.
desembargados? Silva Guimares, Res e Silva e
Accioli, e os Srs. deputados Rosa, Candido Alcofo-
rado, Basto e Miranda Leal, e sopplente Antonio
Luiz dos Santos.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
sao, ordenando o Exm. Sr. presdeme, para sanar
um erro que sa deu em dita acta, que se nscreva
na presente a seguinte declarago :
Ordenou-se urna diligencia nos autos de appel-
lago entre parles : appellantes os administradores
da massa fallida de Amorim, Fragoso, Santos & C,
appellados Pinto Barbosa & C, e nao, como por
engao se disse, nos autos que pendem de appella-
go entre partes : appellantes os administradores
da massa fallida de Amorim, Fragoso, santos & C,
appellado Jos Januario Pinto de Azevedo, feto es-
te que o Sr. desembargador Reis e Silva passou ao
Sr. desembargador Accioli : e tambem iica sem
efleilo a parte da acta antecedente que diz que se
assignou o primeiro dia til para o julgaraento do
feito entre partes os administradores da massa fal-
lida de Amorim, Fragoso, Santos & C. e Pinto Bar-
bosa & C.
JULGAMENTOS.
Appellante, D. Candida de Mello Lins; appella-
da, D. Zeferina Mara de Jess.Adiado na sessao
de 18 do presente mez. Foi confirmada a sen-
tenga appellada.
Appellantes, os administradores da massa fallida
da de Amorim, Fragoso, Santos 4 C.; appellada,
Joaquim Jos de Abreu Jnior. Desprezaram-se
os embargos.
Appellantes, Sampaio, Silva & C. e outros ; ap-
pellados, os administradores da massa fallida de
Manoel de Azevedo Pontes e eatros. Despreza-
ram-se os embargos.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & Companhia ;
appellado, Joo Guilherme Romer. Despreza-
ram-se os embargos.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado,
Joo Januario Pinto de Azevedo. Foi confirmada
a sentenga appellada.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado,
D. Benta Mara de Jess. Desprezaram-se os
embargos.
Appellante, Manoel Joaquim Rodrigues de Sou-
za i appellado, Jos Gomes da Silveira. Despre-
zaram-se os embargos.
Appellante, Basiliano de Magalhes Castro ;
appellados, Ges, Bastos & C.
Appellante, Manoel Ignacio de Siqaeira Caval-
cante ; appellado, Joaquim Salvador Pessoa de Si-
queira Cavalcante.
Appellante, Candido Moreira da Costa ; appel-
lados, Antonio Guedes Gondlm e outros.
Adiados a pedido dos Srs. depatados.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Acctori :
Appellante, Jos uuarte das Nevee ; appellados,
os curadores fiscaes da massa fallida de Jos Mar-
ques dos Santos Aguiar 4 C.
Appellante, Manoel da Silva Torres Cravo ; ap-
pellado, Manoel de Souza Tavares.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao-Sr. des-
embargador Accioli :
Appellante, Jos Ribeiro Bastos ; appellado. Joa-
quim Luiz Vieira.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Rostron Rooker & Companhia ; appellado, Ma-
noel Dias da Silva Sautos.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
desembargador Reis e Silva :
Appellantes, Estanislao Baptista Rodrigues e sua
mulher; appellado, Antonio de Arruda Cmara.
Appellante. Bernardioo Jos de Carvalho ; ap-
pellados, Seixas & Azevedo.
DILIGENCIA.
Appellante, o Dr. Ignacio Nery da Fonseca; ap-
pellados, os administradores da massa fallida de
Siquelra & Pereira. '
O Sr. desembargador Silva Guimares ordenou
urna diligencia.
DlSTRIBUigO.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Appellante, Luiz Antonio de Souza Ribeiro ; ap-
pellado, Manoel Joaquim Rodrigues de Souza.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares :
Appellantes, a viuva Neves & Cardoso ; appel-
lada, a directora do Novo Banco de Pernambuco.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellantes appellados Julio Colombier como tu- !
tor dos filhos menores de Hyppolito Dumond, ap-
pellada Marie Augustme Leonie Cals.
AGGRAVOS INTERPOSTOS DO JUIZO ESPECIAL
DO COMMERCIO.
Aggravante, Joo Jos Pereira ; aggravado Fran-
cisco Jos Germano.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Aggravante, Lourengo Puggi; aggravados Schaf-
feitlln & C.
O Sr. desembargador Silva Guimares deu pro-
vimento.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. pre-
sidente encerrou a sessao urna hora e meia da
tarde.
GOMMNICADS.
Com que desprazer lemos o communica
do do Sr. Dr. Godoy, publicado no Diario
de 21 do corrente, principalmente na parte
em que o Ilustre representante do povo se
nos despede da discusso, = por Mo haver
lealdade em estar discutindo sb a sua as-
signatura comnosco, alias, sob o anonymot
Que quer o Sr. Dr. Godoy com o< nomes,
quando tanto o incommodam j as ideias ?
Nao Ihe achamos razo. Fizesse S. S. ou-
tro tanto, qoe nos; ma- nao se arrependes-
se Uto tarde de ter firmado discusso to
conveniente, seno para elle to obrigada.
Deixando, porm, de parte este trecho,
que de certo nos fez desgosto, passemos
a responder ao Sr. Dr. Godoy j em retirada.
E acredite o illustre deputado que deixa-
nos saudades.
Quando escrevemos para o Ilustrado pu-
blico o nosso primeiro communicado, Vive-
mos nicamente por fim fazer um appello
sincero e opportuno aos senhores deputados
geraes e provinciaes, lembrando-lheg con-
veniencia, para clles loo feiamenle esqueci-
da de reunirem seu povo nos Astrictos elei-
toraes, seu povo que os elegeu e de cujos
grandes interesses ora se trata.
E entao fazendo-lhes ver o estado melin-
droso, em que se acha o paiz, nao tivemos
in mente chegar a impolada altura, do no-
bre marquez de Olinda, nem Uto pouco fa-
zer a eneida do Sr. Dr. Gastello Branco e
das commissoes nomeadas por este senbor
para agenciarem voluntarios.
E pois, as razes em despedida do Sr.
Dr. Godoy nao nos satisfazem, nem tem,
nos parece, relacao alguma com a questo
que discutimos. E' por certo obrigaco qae
corre a todo o Brasileiro em crise como esta
e para fim to justo a de coadjuvar o go-
verno na guerra actual.prende immediata
e principalmente aos sennores deputados
pelo duplo dever que teem de assim prati-
carem, j por serem elles os escollados da
provincia, e taute mais porque acostumados
a dirigirem a palavra ao povo em tempo de
eleicis. deveriam dar-Ibes agora o consolo
e a salisfacjto de ouvir seus verbos inspira-
dos e sempre osculados pelo genio do pa-
triotismo.
Se o Exm. Sr. marquez de Olinda chorou
em ambas as cmaras, quando teve de apre-
sentar o programma da guerra; era dever
dos senhores deputados enchugarem essas
lagrimas, sinceras ou nao, mas que em todo
o caso, ao m nos, exprimiam devida ho-
menagem dor funda que ora sent a nacto.
Mas o Sr. Dr. Godoy em vez de acalen-
tar o velho marquez, prefere fazer-nos res-
ponsaveis pela sinceridade do pranto vertido
em pleno paiz por to venerando ancio.
Quando o Sr. major Joo Rodrigues de
Moraes partia de Tacarat para entender-se
com o Exm. Sr. Dr. Castello Branco a res-
peito de um batalho de voluntarios, que
se propunha elle organisar, e a maneira que
ia approximando-se a esta cidade choviam-
lhe cartas das altas personagens ligueiras,
deputados, bardes (presentes e futuro) ex-
presidentes, etc., instando para que elle
voltasse, e nao viesse fazer ao governo tal
; o fie r ce i ment.
Este tpico do communicado do Sr. Dr.
, Godoy magoou-nos anda ouvir-Ine, e nada
mais importa do que evidente prova, de
que infelizmente existem homens to faltos
de sincero patriotismo, que se atrevem a
dissuadir outro de intences to puras e no-
bremente desinteressados.
Se ao devessemos acreditar a palavra
honrada do Sr. Dr. Godoy, duvidariamos do
fado; porm devemos-lhe toda o crdito, e
lamentamos com elle que tal se houvesse
dado, e que mos exemplos encontrem in-
felizmente Uto fidalgos imitadores. A con-
hssao, qoe o Sr. Dr. Godoy fez de sua cul-
pa para nao ser ao depois victima innocente
de alguma dignatario d talvez a entender
que a graoidade natural s faz fortuna em
materias etetloraes.
Ha pois hi, Sr. Dr. Godoy, miserias que
revoltam e abysmos tremendos.... E em
verdade.como para estranhar, que influen-
cias verdaderas ou apregoadas, e que de-
veriam mais contribuir para desaffrontar a
honra nacional, sejam os que azilem sb o
manto de suas mmunidade os designados
pelos conselhos respectivos-, para persegui-
rem de preferencia aquelles outros que a
lei isentou, sem fazer excepeo dos que com-
mungam ideias polticas diffierentes...
Saiba o Sr. Dr. Godoy que nunca advo-
gamos as ideias pol ticas da poclia, mas
lambem saiba que para nos, em tratando-se
da honra nacional, nao procuramos saber
qual a poltica que se acha no poder, qual
o nome do homem do leme; conjuramos a
tempestade com quem quer que seja,
E agora que o Sr. Dr. Godoy j sabe que
nao estivemos na cmara ou na corte quan>
do o nobre marquez chorou, insistir ainda
em retirar-se da discusso com o
Imparcial ?
i i a iew
A declarara do Sr. padre Jos Antonio dos
Santos Lessa.
U
Nodepoimento do Sr. padre Jos Antonio, jurado aos
Sautos evaogelhos para merecer f, encomram-se
i-tranhas peripecias incoherencias espantosas-, pois
ao passo que em uus lugares S. Rvma. se ostenta
era todo o vigor de urna intelligencia extraordina-
riamente esclarecida, prevendo o futuro (veja-se o
art. 4) de modo que causarla inveja ao melhor
adevinho em outros lugares aprsenla urna igno-
rancia espantosa dos factos mais comesinhos que
se passam entre nos, e sobretudo dequal a opi-
nio publica a respeito de S. Rvma.Entremos na
analyse.
Declara o Sr. padre Jos Antonio no seu depoi-
menlo que entre elle e os conegos Gama e San-
< tos nunca existi, nem existe indisposico algu-
ma. Sabe apenas que o conego Santos o tem hos-
t tilisado muito.Pergunlado porque factos se co-
< nhece essa hostilidade ? Respondeu que todo o
publico attribue a elle conego Santos a demora
na tomada das contas relativas as obras da nova
a matriz de S. Jos, das quaes elle respndeme era
incumbido; e bem assim a suspenso de ordens,
t que sem causa justificada e.-la elle respndeme
< solTrendo ha mais de anno > (Palavras texluaes
do Sr. padre Jos Antonio jurado aos Santos Evan-
gelhos.)
Eu poda responder cora um traco de peona a
este trecho dodepoimento; poda dizer simples-
mente que, apezar dos conbeciinenlos que S. Rvma.
aprsenla da sciencia do futuro, neste lugar se en-
gaa completamente a respeito do passado e do
presente; por quanto o publico, longa de me attri-
buir a mim os males que S. Rvma. tem soffndo
desde a morte do Exm. Sr. D. Joo da PuriQcaco
Marques Perdigao, pelo contraro os atinbue mes-
mo a S. Rvma.; diz que castigo de dbus I diz
que a mo da Providencia que pesa sobre s.
Rvma. e o pune severamente pelos males que cau-
sou a tantas pessoas e diocese de Pernambuco,
pelas amarguras por que fez passar o seu protec-
tor, o seu prelado, principalmente nos ltimos dias
de to decrepita velhice; e sobretudo pelo ioquali-
licavel abandono em que o deixou hora da mor-
te / E" isto o que diz o publico; e como eu escrevo
para o publico, seria bastante esta resposta. Porm
nao : o Sr. padre Jos Antonio mencionava dous
factos: o Sr. padre Jos Antonio attribue a mim a
demora na tomada das comas, attribue a mim a
sua suspenio, e necessario que eu prove em to-
la a evidencia a falsiade de cada urna dessas as-
sergoes. Principiemos pelas contas; vejamos qual
foi a causa da demora na tomada dallas, e fique o
publico sabendo o que al hoje ignora va a este res-
peito.
O Sr. padre Jos Antonio, depois de envidar to-
dos os esforgos, afim de subirahir-se prestaco de
contas perante o Exm. vigario capitular, dizendo
que estava na disposiciio de presta-las ao Sr. Dr,
juiz de capellas (I); depois de pertinaz reluctancia
da parle de S. Rvma., a ponto de escrever final-
mente o celebre ofUcio que poz termo paciencia
e longanimidade do Exm. vigario capitular, e Ibe
arrancou a portara de suspenso (i) de que S.
Rvma. se queixa; entregou finalmeute as contas da
sua administrago no da 29 de agosto de i86i.
Recebidas estas contas por S. Exc. commisso
encarregada das obras da nova matriz de S. Jos,
a qual commisso as mandou examinar por um
guarda-livros assaz connecido na praga do Recife,
onde muitas vezes tem servido de perito em contas,
e de juiz arbitro no foro commercial da mesma ca-
pital. J v S Rvma. que as suas contas foram
confiadas a pessoa muito habilitada, qae proceden-
do a um exame rigoroso, apresentou ao Exm. vi-
gario capitular, em nome da commisso e assigna-
do por esta, o seu parecer sobre taes contas.
Porm nesse parecer se dizia cque a mor parte
t dos documentos que S. Rvma. apresentou, eram
c simuladas; que S. Rvma. careca de justificar
em que empregou a quanlia de 60:665,J>437 (III)
por quanto entre os papis que offereceu, s se
encontram provas vehementes de fraude e crimi-
a nosa connivencia de pessoas que de m f ou I-
i ludidas se associaram para tal fim. > Sao estas
as proprias palavras do primeiro parecer que rece-
beu o Exm. vigario capitular; e neste mesmo pa-
recer se pedia a S. Exc. que impedisse a venda dos
bens do Sr. padre Jos Antonio, os quaes podiam
garantir os dinheiros destinados para a fundago
da igreja matriz de S. Jos, e que foram_ distrahi-
dos para outros fins. Nunca tive intengo de pu-
blicar este parecer: mas como o Sr. padre Jos An-
tonio rae attribue a demora na tomada das contas,
quero convncelo do contrario, e por isso Ihe com-
raunico o que S. Rvma. talvez nao soubesse.
O Exm. Sr. vigario capitular porm, que, longe
de querer perseguir de modo algum ao Sr. padre
Jos Antonio, o que desejava era tomar em paz as
contas da nova matriz de S. Jos, sera ser obrigado
a langar mo de meios extremos e desairosos, nem
mandou embargar os bens do Sr. padre Jos Antonio
como se Ihe pedia, nem deu pelo parecer que Ihe foi
apresemado. Pelo contrario, chamon a si as contas
e os documentos; e com quanto visse que muitos
Oestes nao estavam em regra, e com razo pode-
riam ser classificados de falsos, todava considerou
que na realldade bavia mao de obra, havia mate-
riaes comprados, embora era menor escala talvez,
embora mesmo os documentos de taes compras nao
fossem bem legaes, e podessem fcilmente ser im-
pugnados ; porm s. Exc, s tendo em vistas a
rectido e a jusiiga, e querendo qae ambas pendes-
sem quanto fosse possivel para a benevolencia,
(1) Veja-se o Diario n. 191 de 32 de agosto de
1864, onde se acbara publicados no Expediente do
Bispado os officios que nesse sentido foram dirigi-
dos a 10 e 18 do mesmo mez e anno, em resposta
aos de S. Rvma. de 7 a 17, todo do dito mez de
afosto de 1864.
(i) Veja-se o Diario n. 194 de Vi de agosto de
186* na parw-Expediente do Bispado.



-
Diaria dr Pernaiabnco Qnarta felfa J de ftetemhro de t*.
dar-lhe o Dora, d'ahi em diante, om lagar de offl- ( V'aja final mentete quem foi rk lerobraoga de
cios inaodou-lhe Portaras. Agora pur, nao i por tndo em pratos Itmpoi (9), aera aconseilmn
querendo continuar cana s Portaras, mas nao S. Rvma. a vir bdircomigo, qua eslava soeegado,
esejando tambara eipor-se a ser-lhe recambiado que nanea o tnha offeodido, e qoasl oen me iera-
um iifflcio porque nao levava n tratamento de Don, brava oais de S. Rvma. :
Veja quem sao todas essas diversa* pessoas qae
mandou pedir ao Sr. Jos Anloaio Goaus Jnior,
tambera muilo condecido no Recita pela sua peri-
cia era ma.erias de conUbilidade, que t xatniaasse
de novo aqaeNas costas cora toda a equidade e be-
nevolencia, e sobretodo Ihe recomroeodou que so
deixasse de adraiUir aquelles documentos que tos- mandn que eu offlciasse a S. Rvma., o qae flz,
sera cookecidameote falsos, e que s glozasse sem Ihe dar o tratamento de Dom que por le com
aquellas verbas que era consciencia nao pudessem te a -v Rvma. e inie tra et calumnies.
ser admittidas. Pois bem, prometi a S. Rvma. nanea mais Ihe
E com effeito, procedendo o Sr. Gomas Jontor a dirigir offlcio algum, nem sobro conta- nem sobre
tim minucioso exaroe, e tendo era vistas as recora qoalquer oatro objecto, e deste mndo, nio ihe dan-
roeodagoes positivas que Ihe foram Celtas da parte do nem Ihe tirando o que for lei Ihe compete, dei-
do Eira, vigario capitular, admillio lodos os doca- xarei de acorrer na sua iadignaco.
meatos que sem grande escndalo podiara ser ad- Quanto a suspeuso qae S. Rvma. soffre, creio
mittidos, glosoa muilo pouc.is verbas (3) e era te- qoe nae neces>iio de frovar qoe nao de mim
garda quantia de 69:665*437, qae no primero que deve quenar-se, visto como os motivos que le-
parecer se dizia dever o Sr. padre Jos Antonio varara o Exm. vigaria capitular a lancar arto des
matriz de Jos, m.mlrou que S. Rvma. devia apenas te meto extremo, estao bem patentes na Portan*
a quantia de 3:0435651. (4) que ih'a intimou. E tanto se prova a ma f com
Apreseolado ete novo parecer ao Exm. vigario que S. Rvma. se tjaeixa agora do mim, calumnian-1
capitular, ainda S. Exc. nao quti conformarse cora de o respeilavel publico, e dizendo que elle me
elle; por quanto, ;ulgando o Sr. Gomes Jenior que ttnbue u que sunca me altribuio; to perfeita-1
todos os objectos que liaba viudo da Europa pa- mente conhece S. Rvma. quaes os motivos porque
alfandega li- foi
doos ascravos smeoto, estes dous mesraos (como
se evidencia de. mu auto de perguntas feitas, a re-
qoerimeoto do mesmo Jlo Paes, pela delegacia de
polica desta cidade, em 18 do mez passado, aos
dons escravos Pedro, e Mara, que haviam fgido
do seo poder em dezerobro do anno passado, e aos
Ibe tem dado to mos couselhos, e assenle de capites de campo Roberto Lfns dos Santos, e Igna-
pedra t cal qoe esses, e nao eu, sao os qoe o hot- ci Rodrigues dos Santos, que os haviam capturado
tttisam, sao seos verdadeiros niroigos, que com "
a capa da amizade o vo poniendo cada vez mais.
At logo.
OHnda, 43 de setembro de 1865.
Conejo Joa^mm Perpetra ios Santos.
no taboleiro do Pinto da provincia das Alagas)
esti verana oceultos na senzala do engenho Arassna-
gi, propriejade e residencia de Manoel Ignacio de
Albaquerqae Maraoho, cunhado de Joo Paes, e
foram depois para um rancho prximo a casa de
vivenda do mesmo engenho, onde esliveram tam-
bem algum lempo, retirando-se depois por ter Ma-
; noel Ignacio mandado dlzer-lhes que nao podiam
estar mais ali, por isso que a sentenga havia sahi-
Em um dos Diarios do mez de malo ultimo, sanio J"" (a.v?r de 8eu ahor Jo5 Paes. e loz da pubhciJaJe um facto altamente inmoral, pa- DU-
Un acia d jaaUfa da Ixm. Sr. 'jaria
capitular.
praticado
moso.
Tal vez
do: nao.
Correu
por ora sacerdote da cidade do Rio-For-
qae esse faci flcou ao olvi-
se
Os dous capules de campo declararam que ouvi-
rara dos ditos escravos, pouco mais ou menos as
mesmas cousas, quando capluraram a estes.
E para que nenhuma duvida haja or parte dos
leitores acerra do qae vai dito, previne-se ao res-
ra a nova matriz tinham passado na alfandega li- Toi suspenso, qoe na replica que apresentou ao I p-rr. ,._,_. a n -?._ n,rin
vres de direitos, e havendo glosado atgumas ver- Exm. Sr. vigano capitular, m< rde-aawaibrP .Jgg^JJ^PL* gg?. JLLS?'^giT* peitavel publico que o auto de pergunias, a que se
bas Armado nesse presunto. S. Exc. Ihe fez oh- de 864, poroceaslo de Intentar um coocurso ^al Ju""'"t2"c^$r" *'lTfmOi a ule, ek.sta em poder de Pedro Alejandrino de
servar que nem todos os ubjedos importados hr.- cora, *. Rvma. expressoo-se deste modo. *: bachardiId.. S? N ^ Barros Cavlcanti de Lacerda, qne esta prompto a
viam sido Hvres de direils, e forneceu ao Sr. Go- Portara 4e suspenso de ame se trata conttm urna i ^/m^nnf.^,r "',.,. saPprflnl(, mostra-lo a quem o queira ver na casa de sua resi-
mes Jnior um mappa aulnent.es ministrado pela serie de motivosptrleitamente apreciaveis. Pois i JSSmTTmm a^ta^aZtoriarillauma- dencia' a rDa da SauJalle *
alfandega, em qne estavam designndos os objectos se S. Rvma. confesa qoe a soa saspenso fo. ba-; gjna^s a ^ai 'fJ", Xcura Sr _______m
que haviam sido isetftos dos direitos daimportacao. seada tmmmmqm.pmf*mmw* n podemapre- i ^S laP^SMS^at as iniSaue atfr^ --------TZZZZZESZZZZTm---------
O Sr. Gomes Jnior teve de examinar novameu- car, e que S. Rvma. qu.z qae o governo .mperial l 2 Z^JitX^otiSZ por CORRESPONDENCIAS
te o seuparecer, econfronta-lo com o uosse map- apreciaste, como a que diz agora queui eu a cau- ""l" ^^^TJ^^^gV^u^ i maflliarUflmiHUUa _
pa, a vista do qual conheceu qne devia er levada sa da sua suspendo ? Eolao ja desapparecerara V Z' !!L : /,^h! !^, amn .Jn!--------------------------------------------------------------
em couta a quania de 434583" ; a dedatiado a da os motivos que S. Rvma. confesiu serem aprecia- ilVrf^S^'J^^tTm^nr^ Z, Srs' rfdaetons.-lo Diario de Pernambuco n. 14
d.vtda do Sr. padre Jos Antonio, con esta redo- w1 Eu ja tenh dito mais de urna vez que ao '" "*?? nX,i^mCfl eZnhos na a de l6 d corrente> pablicon-se um artigo, am que
zida a 2-.590J8I1 (5), como ludo se pode verificar quem jura tanto como S. Rvma. deve ter muilo P'';S"^C^,^^1^^ M^AnA^l !pp,receo meu oome como Plalos no Credo; po^s
no mesmo parecer publicado no Diarie de 20 de boa memoria ; do contrario pode dar lugar a que j":'" ,.^s nl, 2 ?.^mA u Zw cert0 1ue> nao mG l,,ndo envolvido directa, nem p r--
iumo do correte anno. aigoem duvid da veracidade do seu juramento. ^?11^ ',avenl desse mbra mais do que PUDIU- P^ mouvos ae crirae; como se laga con- iig0 da iesiemunh0 nan havia razo plausivel para
v Sd<> Presentes a S. M. o Imperador o offlcio de carador, se este nao tiver poderes especiaes para o
LfnL 1, reLeh"d JulzAdedlr't0- manda o auto, e que a prxocagao nio poder ser dada
n^tn^,^ ^Ihaute em .ton,?rm!date 5ra os pesSa que geja devedorVao faldo, nem um mes-
51 L'l^cbea,?,dHS Da CirCU'ar da,a,)"de no- -o procurado? representar por doas diversos cra-
if.p,n?^,mr" qU6 asauur,dade*jud' ldores; Mrosim qoe sero aaidosaos volos da
vern^imS^n/v P^0aC0?heCimem d-g' dos aradores presentes os dos credores
ZZll^L A^hI XC- dc>o mesmo jan quedeizarem de comparecer. Sendo esU convo-
fcE 'JleJ1JZ \ T^*/ 1 jul8ame0l ,da "S30 '&"< v,sto os credoraa' nao comparecerem
fnt^f0? e,DteD.der' ? Vlsta da ,ei- e dos Prln: no dia O do correte, marcado para a continaacio
i c >. ,kT' rt CeTT' .eom con,em-a das diligencias determinadas pelo citado arligo
jnsiica publica e aos reos, a Incerteza e indeeisao i E para que chegue ao conhaciraento de todos, o
desie negocio .sendo que nao licito aoja demo-l presente ser publicado pela iraprensa, e aluzado
rar a adm.n.stracao da justlca a espera da deciso D0S |0gares do cosiume.
do noverno imperial que no tem competencia para I Recife 21 de sete(llbro de |865 Eu Manoe, Ma.
decidir casos pendentes e sujet-.os ao poder Jd-, ra Rodrigues do Nascimeato, escrivo, o sobscrevi.
Deus guarde a V. Exc.-Jos Thomaz Nabuco de------------ Trislao de A,encar Ar,ripe-
Araujo.Sr. presdeme da provincia do Piauhy.
.....a......
Para o Fxra. Sr. pre-idete das Ala-
gas lr.
Tea lo pelo Diario de 8 ou 9 de agosto do tor-
rente anno mostrado, que acompanhia Pernamba-
cana nao cumpria o contracto feto com a provin-
cia das Alagas, a havendo-se pedido desta mesma Tiburcio Aniunes de Ollvelra, que elle credor da
occasiao proviclencias ao Exm. presidente da mes-, viuva e herdeiros do finado Manoel Antonio da Su-
ma provincia, esperava-se, visto o pedido ser natu- va Aniunes, por urna leira da importancia de
ral justo einconieslavelmenle de intereses para pro-, i:800j090 reis.aim dos juros estipulados na letra
vincia que os abusos da companhia nao se reprtdu- ja vencida e protestada e cedida ao sapplicante por
sissem o que pormsuccedeu ? Joao Keller & C, e por que esteja a venrer-se o
No dia 23 do correte as 5 horas da raanhaa prazo da presenpeao e dous daquelles herdeiros se
achando-se oa barra de Camaragibe, um dos por- acham ausentes d'esta cidade os quaes sao Joo da
tos da escala, Joaquim de. Souza Silva eGunha, Ro- Silva Antunes em lugar incerto e nao sabido, e
salino Jos Sivirino, Jos Sibo.io de Albuquer- Hannque da-Silva Aniunes era Pedras de Fugo,
que, e mais dois homens que conduno os ba- qur o supplicante protestar conira a prescnpQo
is dos rnesmos passageiros, apparecen o vapor da mesma leira n^ parte relativa aos dons herdei-
0 Dr. Trislo de Aleocar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz de direito especial do
commercio, n'esla cidade do Recife de Pernam-
buco, por sua magestade impenal etc.
Fago.saber aos que o presente edital virem e del-
le Delicia tiverem, que por parte de Tiborcio Ao-
tuoes de Oliveira, me foi dirigida a segoiote peti-
o :
lllm. Sr. Dr. joiz de direito do commercio.-Diz
Ora est claro que todas estas revisecs de con- Se porm S. Rvma. sao se lembra w>wr curren
tas.eoovasrev.soes, Malyses e noves analys-s, d.sse na replica, a que me retiro, e deseja saber X00enjo,d^
Tejados desse irabaiha tiuham outras oceupacoes a' missao, publicare* oso s a replica como o primei-' ,auPe'" ., *1" urm,= ^1 JSrS.
<,ue nao podiam fallar. Alm disso, o Sr. Colares ro requerimeoto, e os despachos que obleve do TS**_8. (&*.V&3*Sl2 fjfe?
levou pela escriptura^rio dessas coatas a quantia Exm. figario capitular.
las (6) ; ao pfasa qe os que as examinaran), o 8- fago : e t-utendo mesmo que quem escreva para o
zerain de graca. Sir.i: tanto o guarda-livros que publico deve tratar da saa pessaa o menos que
primeiro as examiBou como o Sr. Gomes Jnior, Ihe for possivel. Porm, jurando o Sr. padre Jo-
nao receberam estipendio algum pelo enfadonho Antonio qoe eu o leuho Hoslilisado, preciso me
que se rae pozesse em exhibicao peraote o publico
por um modo cooira o qoal nao posso deixar de
protestar.
as minhas tristes circunstancias e anda qae
eu nao detaslasse a polmica dos jornaes, nao a po
trahalho de rever as cuntas, e examinar um por
um mais de oiiocentos documentos; e por tanto
nao se podia exigir delles a prompta conclusao des-
-se trabalho.
Do que lira exposto se conclue com toda a evi-
dencia, que, longe de se poder altribuir a mim a
demora Da tomada das contas do Sr. padre Jos
Antonio, pelo contrario proveio essa delon(a do
escrpulo com que o Exm. Sr. vigario capitular
proceda a respeiio do exame dellas, e do desejo
que linha S. Exc. de nao perseguir o mesmo Rvd.
Jos Antonio, nem incommoda lo nos seus bens.
Era desnecessario que o pablico soubesse destas
particularidades, e do conceito ijue merecerm as
conlas do Sr. padre Jo Antonio tendentes s
obras da matriz de S. Jos ; porm como o Sr. pa-
dre Jns me arguio a respeilo da demora na loma-
da dessas contas, preciso me foi explicar donde
proveio tal demora. Se S. Rvma. me quer fazer
respon.savel pel fui eu que en. data de 14 de jullio ultimo officiei
a S. Rvma. remettendo-lhe em original o parecer
do Sr. Gomes Jnior, declaro-lhe que se engaa
completamente pois enlrei no negocio das suas
conlas romo Plalos entrou no Credo Eu me expli-
co : S. Rvma. deve e.^tar lembrado que no ultimo
offlcio que no anno passado dirigi ao Exm. viga-
rio capitular, Ihe declarou que < nao acenaria ja
mais offlcio algum que pela vigararia capitular Ihe
fosse dirigido sem Ihe dar o tratamento que por
lei Ihe competa, isto o tratamento de Dom. Ura
o Exm. vigario capitular qoe nao tem conheci-
mento algum dessa lei (7) nem eslava disposto a
(3) No exame a que procedeu o Sr. Gomes Jo-
niar lorna se principalmente novel a maneira ca
rae evidente rom que se prova que o vigario de
5. Jos nada ficou devendo da sua administrado
quando a passou ao Sr. padre Jos Antonio. O
Rvm. conego da capella imperial Lourenco Correa
de Sa, Domeado vigario da freguezia de S. Jos do
Recife, administrou por alguns annos ?s obras da
sua matriz ; al que, alqaebradu de forgas e aca-
hrunhado pelas molestias, nao pndendo continuar
por mais tempo em dita adnunisiragao a passou ao
Sr. padre Jos Antonio em ouiobro de 1856. Hrtja
que este vigario se acha em cima de urna cama,
paralitico, desmemoriado, sem conhecimento do que
se faz ou se diz junto dalle, e sem reminiscencia
alguma do passado, appareee as contas do Sr. pa-
dre J"s Antonio como devedor da quantia de-----
):844576o rs. I Interrogado o enfermo pelo> Rvds.
ChrMov.io de Hollanda Cavalcanli e Joo Jos da
'Costa Ribeiro, seus verdadeiros amigos, nada en-
tended, nada comprehendeu, nada pode responder.
A familia drlle, que nao sabia de divida alguma,
resp >ndeu com lagrimas e solugos.
O Sr. Gomes Jnior, porm, examinando as con-
tas e documentos do Rvd. Jos Antonio dos Santos
Lessa, deinon>trou exuberantemente que ess? im-
polaco era intelramentefalsa, qne o Rvd. vigario
nada devia, por quauto leudo, ao passar a admi-
nistracn pira o Sr. padre Jos Antonio em outu-
bro de' 1S36, entregado de saldo a quania de....
137543o rs. : e no Io de dezembro do mesmo anno
havendo entregado mais por olvido de contas de-
pois de exaninadas setenla mil ris, esta' claro
qne as snas contas foram liquidadas, e qoe o Rvd.
vigario nao pode ser hoje considerado devedor de
quautia algoma. (Veja se o Diario de 20 de jnih >
do correte aono, pagioa I*, columoa 5", no prin-
cipio.)
Looveres, pois, integridade do Sr. Gomes J-
nior, que pugnon pelo homem honrado, que pros-
Irado no leilo da dr, nao inlia ag>>ra
fal-idade da divida qoe Ihe era imputada, e a pro-
bidade e reclido com que se houve sempre da ad-
mim.-trag.io das obras da sua matriz : louvores ao
Sr. Gomes Jnior, que. livrou una familia pobre,
porm honesta, de pagar o que nao devia.
() Veja-se o Diario de2nde julho ultimo.
(5) O Exm. Sr. vigario capitular pardeo este
.mesmo saldo qoe se verificou haver contra o Sr.
padre Jos Antonio, mandoo-me o parecer em ori-
ginal, que S. Rvma. tem de devolver, devendo de-
clarar igualmente se aceita ou nao a remisso da
lvida.'Eie parecer, coja ultima dala de 6 de
jnnho, fniremeltido ao Sr. padre Jos Antonio a
14 de julho.
Em data de 27 do mesmo pedio o Rvm. Lessa
que Ihe fosse entregue o livro, em qoe se acham
angadas as soas eonlas, afim de verificar de que
procede a differeoga entre o resoltado das ditas
i comas e o da commissao de exame. >
O Exm. Sr. vigario capitular, porm, ero lugar
de mandar eDlregar-lhe o livro, ondeooo qoe fosse
este depositado em casa duSr. Gomes Jnior, afim
de que vi>ia do autor do parecer pudesse S.
Rvma verificar o que pretenda. G-fir. padre Jos
Antonio alli se dirigi no dia (6 de agosto com o
Sr. Collares eum advagado, exanwauu oque quiz.
e se r.-lnou sem allegar cousa alguma, e at hoje
ainda nao devolveu o parecer, nem respondeu se
aceita ou >nao a remisso : porianto, a demora na
iquidago das cooias de (,. Rvma. proveo agora
unicameoe.do mesmo-Sr.,padre Jos Aatumo.
(6) Desde o dia 1 de fewereiro de 864, em que
se diz ler-se .pa-ssado o papel de ajuste ou tracto
da escripturagao at 49 de dgosio, em <|ue foram
entregues as contas na secrataria do Disuado, de-
correram mais de seis mezes.Advirlo que na no-
ta ao meu quarlo artigo, pubkcado no iartc de 16
do correte, traiando das adviahages exlrawdina-
. rias que se deram^per occaio ci-me de dizer que e papel deste contrato nao>ta
.sellado
relatar um fado, que prova
trano, e no meu pensar, destr.e qualquer duvida
que anda pudessa restar a esse respeili, depois
di que deixo dito sobre as conlas e sobra a SOS-
peuso.
Demorndose oSr. padre Jos Antonio em pres-
tar as contas e eatragar as chaves da nova matriz,
o Exm. Sr. vigario capitular, que nao quera mo-
lestar S. Rvma. com aovas exigencias de contas
mas que ao mesmo tempo desejava comecar logo
as obras para a abertura da nova matriz, offlciou
ao Sr. padre Lessa era data de 29 de julho, dizen-
do-lhe que no espago iraprorogavel de ires das
eotrega>se as chaves da igreja a commissao encar
regada das obras, exigindo della um recibo dos
matenaes que eistiam no templo, e que quanto
as contas, S. Rvma. as daria quando pudesse. G
"r. padre Jo- Antonio nem resposla deu a este
offliMo 1 U Exm. vigario capitular contrariadj ao
seu erapeoho de abrir o ternpio naquelle anno,
anda .ssnn esperou doze dios I at que a 10 de
agosto dirigi a S. Rvma um offlcio era que es-
tranliava oseo piocedimento, intimava-lhe que
dentro de 24 horas entregas se a commissao as
chaves da igreja de S. Jo-. ameagando-o de, no
caso de resistencia, recorrer a autori ade civil.
Ba fui encarregado de chegar esse offlcio ao seu j
destino, e de tomar outras medidas, no caso de'
relutaucia. Birigi me ao Recife, mas, poderaudo
assignKturas de ciiaogas de iOannos de idade,
ootando-se, eolretaoto, a recusa que de suas assig- deria sustentar, sera prejudlcar "a subsistencia de
turas taem-lhe feto as pess.as da mais conceito dezoito pessoas, quo sustento com o meu traoa-
daquella cidade. jno.
* vi?ta disl0- na0 nos Podemos coater sem dar | Limiur-me-hei portaoto, a explicar o facto que
pubhcidade a ura tal proced.mento; e julgando a meu resoeito se relerio no mencionado arligo, e
inieiramente o con- %** "ra serviC ao PHbllC0 do R'o-Formoso e ao proleSlo na0 V|Ur a esU odiosa queslao. E- oerlo
j Exm. Sr. vigario capitular, pedios a S. Exc. que que assignei um recibo de om cario numero da
procure informar-se sobre a conducta de ura cario can6as de areia> bera como asgne, oulros muitos
sacerdote daquella cidade, commette e continua a recibos de quannas, que erara recebidas do Sr. pa-
commetter crimes aboraioavels, bera como: dre D Jos Ant0D0 d0s Sautos Le
ssa por pessoas
i.' D.scobre segredos obtidos no confes.-ionario analpabetas, que me pediara por ellas escrevesse
sobre a cousa a raais sagrada deste mundo, a honra e assigna^se.'^" r com o compriraento do contrato cima refarlJO
"fcOilB" | Succedeu porm, por mera omisso minha, que,deu:se njs,mezes de junlioou julho.
cooteudo os livros das agencias
da clariasse yiroo pelo sul igando a bujarrooa e para que se digoe maodr tomar por termo seu
largando o lalioode proa e em seguida de r, la se protesto, e iolima lo por cartas editos ao ausente
vai pela volta do norte, deixando na praia os pas- Joo da Silva Antooes, e por caria precatoria allen-
sageiros como espasmos oo moote. rlque da Silva AoiuDes; a cujos termos requer a
E' na verdade irrisorio dizer-se qna se indagan- i V. S. o admita designando dia e hora para a in-
do do commandante o molivo, pelo qual nao havia quirigo : pede a V. S. deferimento e receberi mer-
se dignado a esperas que de lodo clariasse o da, c.Melquades Antunes de Almeida, procurador,
elle respondeo que linha visto diversas pessoas em Na qual dai o despacho do iheor segrate :
trra, mas que vendo bandeira suppusera nao haver Tome-se e justifique a ausencia no dia 4 do cor-
alli passsageiros. rente mez, depois da audiencia.Recife 1 de se-
Por ventura ser obrigago igar-se baodeira nos tembro de 1865 Alencar Araripe.
portos da escala ? Que disposigao do contrato au- Em virtude do qual fora a m*sma petigao des-
lorisa o Sr. commaodaota assim proceder ? tribruida ao escrivo deste juizo Manoel Mara Ro-
Julgamos somente que o dispreso ao que se cha- drigues do Nasrimento, fez lavrar o termo de pro-
raa lei do nosso paiz. teslo do theor seguinte :
Um facto nao menos importante prova at que Termo de protesto,
poni tem chegado a relaxago da companhia para Ao 1." de setembro de 1865, em mea carlorio por
2. Redicularisa e daiza redicularisar na sua vesse deixado de declarar, oesse recibo da impor-
presenga o santo sacrificio da missa, cora escndalo tancia das canoas de arela, que assignava a
dos que a ouvem ;
3. Diz que seredade e discrigo em padre
bypocrisia;
4." Vive cora urna muiher que o discompoe a
injuria publicamente, rindo-se elle dessas gra-
tas ;
5." Finalmente, diz qoe o matrimonio nao ara
sacramento, prega pasquios contra familias hones-
tas, ntroduzndo a discordia entre eila, e coramette
Uina mala
parle do supplicante compareceu o sea bastante
procarador Melquades Antones de Almeida e por
do esie fora dilo peraote mira e as testemunhas lofra
Og0), Passo de Camaragibe, Porto i alvo e Barra da Sao- assignadas qae reduzia a protesto o| contedo de
como fazia com todas as outras pessoas. Nema t0 Aut nio, era levada aseudistioo por om dos va- sua petigo retro, a qual offerecea como parle do
minha omisso cousa que oo soccede as pessoas Pres da companhia, qoe a laogoo aa praia da preseole, em qae se assigaou com as ditas testerou-
mais cuidadosas, nem de extraohar que, estando. "arra de Camaragibe, donde um dos baicaceiros nbas.
eu no palacio da Soiedade onde se realisavam quasi', do Srs Joaquim de Souza Silva e Cuoha, conlusiu-a Eu Secundioo Eleodorio da Conha, escrevente
lodos os pagamentos de malenaes para as obras ad-1 ao seu destino. juramentado o escrevi.
ministradas pelo Sr. padre D. Jos Amonio, fosse I
por multas
bos.
Para arredar qualquer
veses rogado para assiguar reci-
suspeita a este respeito.
muilos oulros crimes e faltas iojuslilicaveis era um devo declarar formalmeole que, com toda a minha
sacerdote. pobrez e vivendo era orna certa depeodencia das
Esperamos que S. Exc. proceda igualmeole acer
ca desies facios e de uniros da que autor o ta
sacerdote
Dobre
clero.
pessoas quo cercavara o fallecido Sr. bispo D. Joo,
sempre merec a estima mais parlicolar daqoelle
i 0Diu|A D lUbl Dbl a (.-o OKi uiiii. paoibuioi unijuini.
i; a assim fazeodo, continuara no seu venerando prelado, e que, no pilacio da Soiedade,
imporiante proposito de meralisar o conservei-me sempre ou completamente extranho,
Kio-Formoso, 20 de setembro de 1865.
O Dr. Patmadinhas.
P. S. Depois de estar esta escripta chega a
nosso conhecimento que o padre Pedro, lendo man-
comigo mesmo o escndalo que isto ia causar, e o ""?" ""!^"" ** >* "-"". =- .....- os Det0cios do t
dezar que d'ahi provmha aoSr. padre Jos A'olo. da,, pur.d|ver>af Pssoai amedromar e ameacar dada me deixem viver tranquillo
n,o, em lugar de exec"ar as ordens que recebera, c"m Prisao a mulner inem representou ella o
ou pelo manos ndifereute e neutral a ludo que nao
era da minha obrigago
Fazendo esta declarago, qoe estou cerlo oo po
dera ser cootestada, pgo s pessoas qoe diseulem
os oegocios do palacio da Soiedade, que por cari
oa minha obscu
ridade.
dirigi-me ao Sr. Bernardino Jos Monteiro, de
o que se havia passado, disse-lha o quecontinlia o
offlcio, e eocarregoei de ir apreseota-lo eiie mes-
mo ao Sr. padre Jos Autouio, pouderar-liie quan-
to andava errado, e dier-lhe qae, se qoizsse en-
tregar as chaves dentro das 24 horas all marca-
das, podia devolverme o offlcio, que tirana romo
ao teudo sido entregue, oem seria publicada no
expediente ; coo como um acto espoutaoeo de S. Rvma.Com ludo.
Uve o cuidado de advirlir ao Sr. Bsrnardino Jos
Monteiro que iratasse como entendesse com o Sr.
padre Jos Autoeio ; mas que era elle Bernardino
Monteiro quem (cava respoosavel para comigo
pela entrega das chaves, ou ento, se nada pudes-
se obter pur bem, deizasse icar o offlcio, que seria
publicado, e se procedera como de direito.
O Sr. Bernardino de boiu grado se eucarregou
desta commissj, a daln a da>* horas nio devol-
veu o offlcio abertj, e me asseguroo que as cha-
ves senam entregues do tempo marcado, como oa
realniade foram, deixando por lamo da >er publi-
cado o offlcio, como ea prometiera. Dei cootas
Recife, 22 de setembro de 1865.
Sou, etc.
Jos de Azevedo Souza.
quadro vivo, se ella oo se dasmentisse. requereu
ao delegado snppleute em exerclcio, o celebre San-
tos Vital, e de accordo com este foi interrogada a
tal muiher; mas nao se sabe anda o que houve,
pois o negocio lica em segredo, constando, porm,
que a muiher, muito amedrootada..pnacipiara a
retratar-se; mas nao sendo arada salisfalorias as
suas respostas, o lal delegado deo o oegocio por con-
cluido, duendo a muiher que breve maoda-la-bia
chamar para de novo interroga-la.
Ao passo qoe assim proceda o padre Pedro, se N. 70.Jusiiga.Aviso de 7 de fevereiro de II
Qui poiest capere, capiat.
inculcando victima da urna calumnia de seus per-
seguidores, requer ou por elle requerem ao Exm
Sr. vigario capitular, o levntamelo da suspenso,
allegaudo-se que elle esta arrepeodido.
.Nao ba lal, Exm. Sr. vigario capitular, o padre
Pedro oo est de modo algum arrepondido; pelo
conirario, cada vez se ostenta mais relapso.'
Em concluso, pedimos ao Exm. Sr. vigario capV j
!ular que nao faga a moralidade publica e ao clero
iiioralisado o mal de perdoar a deminuta peoa que
iinpz ao padre Pedro, por um faci lo exlraord
Ao presidente da provincia do Rio de Janeiro.
Decide que as representacoes f officios do chefe
de polica, juizes de direito, juizi-f municipues,
delegados e subdelegados das provincias, rxpundo
ao governo imperial as duvidus, obstculos e la-
cinias que encontram na execuio do cdigo cri-
minal e do processo devem vir instruidos e in-
formados segundo prescrevem os rls. 495, 496 e
497. do regulamenlo n. 120 de 31 de Janeiro de
i 842.
3" secgo.Circular.Ministerio dos oegocios
em 7 de fevereiro de
Causa admirago este procedimeuto, alm dos | Eu Manoel Mana Rodrigues do Nascimento, es-
mais, por que aavendo um contrato entre a com- crivo o oubscrevi.Melquades Antones de Almei-
panhia e a provincia das Alagas, diviao ser mais, da.Jos Antonio Silva Araujo.Frederico Chaves,
zelados os mleresses desta provincia, mesrao para E lando o supplicanle produzdo soas testemo-
bem da companhia. nhas, sellados e preparados os autos subiram mi-
Em vertude pois, do esposto, e coovencido qoe nha c mcluso e n'elles dei a sentenga do theor se-
neuhuma atteugo merecemos da companhia, pedi-
mos ao Exm. presidente das Alagas como o uoico
competente para salisfazer a to justas reclama-
ges, que dizem respeito aos ot^resses da provin-
cia, que governa e da qual fliho, que lance as
niaa vistas para estes abusos.
Esperamos, pois que S. Exc. como administra-
dor zeloso de sua provincia nao deixar aos olvi-
do to justas reclamares.
Um paciente.
dl-
oario; ;.o contrario conveniente a elle proprio da justiga.Rio de jaueiro
cumpri-la integralmenta, resullando-lhe d'ahi salu- 1856
tares effeitos. Ento condecora elle por esse curto lllm. e Exm. Sr. S. M.
ment.
Ora quem se porla desta modo, quem, leudo
omsaao de perseguir ao Sr. padre Jos Antonio,
de po-lo lalvez debaixo da argo da jusiiga, em
lugar de assim pioceder, contraria as ordens que
receben, loma sobre si a responsabilldade de fazer
desapparecer um officio euviado pela autoridade su-
perii*, e con^egue que tudo termine em paz;
quem procede assim, pergunto, poder ser aecu-
.sado de liostilisar o Sr. padre Antonio, quando os
faltos provara inleiramenie o conlrao ?
Depois de jurar que todo o publico attribue a
mim a demora oa tomada das contas, e a su-pen
sao que s. Rvma. soffre, o Sr. padre Jos Antonio
mostrar a reeole pela primeira vez na elasticidade do seu ;
jurameuto, e achando-se um pouco trop fart,tz
urna currergo ou reciiticago, e diz que t nao se
refere a lodo o publico mas ao qae Ihe lem coos-
tado por diferas pessoas. (Patarras do iapai-
meikte,).
fois declaro Ihe que o qoe lem perdido S. Rvma.
dar ouvidos a essas pessoas. Sim : o seu sys
lema de relirar dos homens de bem, e cercar-se de
parsitas, de aduladores, de Irapasseiros, que nada
leudo qoe perder, e achando-se desconceiiuados
ou Hiten menle de-mora'isados pelas boas obras
que tem Jeito, desejam que S. Rvma. participe del-
tas, e lurve as aguas, a fim de Ins dar occasiao
Imperador, ha por
faga subir
represeotages
de direito,
legados dessa
qoe oo faz caso della, nao mosiraudo vontade de provincia, expondo as duvidas, ob5taculos e lacu-
corrigir-se, nao s urna incoherencia, o que nao as que eocoutrara oa uxecogo do*cdigo criminal
podemos admiltir as decisoes do Exm. Sr. vigario e do processo, sem que venham competentemente
capitular, como az-lo voltar aos seus antigos nabi- instruidas e informadas segundo prescrevem os
tos, que anda de modo nlgum esqueceu. aris. 495, 496 e 497 do regularaeuto o. 120 de 31
luforme se S. Exc. sobre a conducta deste sacer- de Janeiro do 1842. Manda ootro sim o mesmo au-
dote, e se conveocer de oae o qoe dizemos oo gusto senhor
filho de senlimentos m nos dignos, mai do propo-
Agua de Florida de .llurray
l.aunan.
Que os poetas embora fallera dos ares odor-
feros da balsmica arabia porm apezar de ludo
pde-se muito bera por em duvida, se ja mais al-
gum desses florescentes bosques de cannelleiras ou
laraojaes pioduzro ou derramaro acenso e per-
fume mais refrigrame e deleilavel, do que aqnelle
delicioso e delicado aroma que exbala e dimana
desta admiravel essencia, colhida dos campos vir-
ginaes de Flora. A alraosphera, a qual rouba e
diveste a fragrancia quasi todas as mais aguas
cheirosas, parece produzr bem pouco effeito subre
a exquisita randada d'este aroma, a qual perlence
por excedencia esta preparago sublime e refri-
gerante.
Eila encerra era si, por assim dizer, o condensa-
do respiro e vida das Qjres as mais exquisitas e
odorif ras do reino vegetal e sua fragrancia parece
guinta
Procede justificago, pelo qae sejam os sappli-
cados aojles citados cora prazo de 30 dias, para
o fim requerido, passando se editaes, e pagas as
cusas ex causa.
Recife 9 de setembro de 1865.TristSo de Alen-
car Araripe.
Por forga do qual o referido escrivo fez passar
o presente edital pelo qual chamo cito e hei por in-
timado ao dito supplicado para qoe tbmparega oes-
te juizo deotro do radicado prazo afim de allegar o
que for de jostlga.
E para qoe chegue ao conhecimento de lodos
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e afflxados nos lugares do costurae.
R-cife 12 de setembro de 1865.
Ea Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe offlcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de diraif' especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernambu-
co e seu termo, por sua magestade imperial e
constitucional o Sr. D. Pedro II, a quera Dos
guarde etc.
Fago saber pelo presente, qae no da 23 do mez
de outubro do correte anno, se ha de arrematar
por venda a quera mais der em praga publica de-
pois da audimcia r>-spec'iva, a casa de sobrado de
um andar n. 18, sita a ra das Trincheiras, com
varanua de ferro, duas salas, quatro quarlos, cosi-
raexhaurivel, inesgotavel, mesmo depois de ter si- nha fora e um pequtno Sll|ao," qoratal murado, e
do exposta a urna prolongada evaporagao ou diffu- cacraba propr.a, c,ujo quintal deia para a Carabea
sao- I do Carino, avahado ern 3:000,-.00u o qual vai a pra-
N este respeito ella se assemelha a origical agua ga por execogo de Manoel Ribeiro Bastos, conira
da Collooia de Fanoa, e preferida por loda Ame-1 Manoe, Lobi) de Miranda Henriqoes, saa muiher, e
rica do .-sul e nos Aotilha% oao ob-daote o valor e 0olros.
costo dohrado daqoelle ootro perfume. E Q faUa de |cilaoleS sera a arrematagao
sito em que estamos de nao mais soffrerraos em
silencio os seus innmeros erros e defeiios, saben-
do que. temos em S. Exc. um juiz verdadeiro e im-
parcial, que nao pactua com os crimes detestaveis
de seus subordinados.
Rio Formoso, 21 de setembro de 1865.
O Dr. Palmadinkas.
Joo Paes Rarreto de Lacerda e seu cunbado
Manuel Ignacio d' lliuquerqne Haranbo.
Na 8* pagina do Diario de Pernambuco o. 118
de 23 le maio do correule anno, sob o tituloO
; Kurumle se o segrale :
Joo Paes, sem filho", lendo apenas uns doas os iribuuaes superiores de decidirem
escravos para moer um engenho que, pudendo
produzr qualro rail pes de assucar, apenas faz
dos vinte e cinco (o que importa estar quasi de
fogo inorioj obslioa-se era permanecer na posse do
1. Que a forma e-tabelecida pelos citados arli-
gos seja applicavel a todas as autoridades e exteo-
siva tambera as leis civis e do processo respectivo
sendo ouvido quanto as leis rommerciaes, o pres-
danla do tribunal do commercio dodislncto em vez
do presidenta da relago.
i.' Qu-, compeiindoao poder judiclano a appli-
cago aos casos occorreules das leis penaes, civis,
cotnmerciaes e dos processos respectivos, Crsse o
abuso que commettera minias autoridades judicia-
rias deixando de decidir, os casos occorrentes e su-
jeitando-os como duvidas decso do goveroo im-
perial ; pela qual esperan), aluda que tarda seja,
sobr'eslaodo < demorando aadininisiragoda justi
ga, que cabe era soa autoridade, e pnvaodo assim
em grao de
eiig-ubo Mupan, por ser, diz elle, o primognito
para poderem pescar; e.se pessimo systema e que de |gnaei prancisco rtlc. ,
tem sido causa de lodos os males que S Rvma. Nao e0(|o 0 flM p(J,Juena pub|icacao abalar
vIU ''"er conve,n!"er_pe de!,la "e'Oaoe 0 raerecimenio de urna ezposigo to imparcial e jurisdiego das raesraas autoridades, seoo aos que
Veja S. Rvma. quem foi qne o aconselhou para
recurso e curapeleotemeote as duvidas queoccor-
rerera oa apreciago dos factos e applicago das
leis.
3." Qoe V. Exc. faga seotir as sobreditas autori-
dades, gue os litados arts. 495, 496 e 197 do regu-
lameoli n. 120 de 31 de Janeiro de 1842 oo se re-
feren) de nenhuma maneira aos casas pendentes da
(7) No anno passado, pelo te.mp* justamenle.em
que o;Sr. padre Jos. Aatopra pugna va fortemeote
pelo >eu Dom, sosellou-se Da cidade-do Recife urna
^oesin eotre om subdito hespaDhol, um celebre
A-ludillo Bussams, que e intitulan doutor ern
medicina, e a polica, que cio o qoereado rec-inhe-
c-'-r romo lal, ezgia a aprevena gao do eu diplo-
ma de medico. O Sr. A>tudiUo, ou algueai por elle,
veodo-se anda mais emiaragado com a exhihigao
do diploma de medico, do que eu me vejo com os
juraoieni >s dofir. padre Jo- Aolonio, sahiuse di-
Zenlo que douttr em medicina quera dizer Dom
em metUnna, e qoe o e>rrever-e doulur eco lagar
de Orna fra lapse da penna.
conscienciota, iimitar-se-ha o seu autor a declarar tem havido, e era cuja decso ha occorrido duvi-
gue fechasse a porta da Igreja de S. Jos, e se au- ao publlC(J e. fl S(J ,, conhHCI(lo obstculos e lacuoas; seodo
sentasse com as chaves no mez de juiho do aono i Joa Paes casado e iem fiinos ainda que ilIe. que 0 govern,, |mp,na, nao podt seua0 pur raudo
fe,,?, 1"; ,''! U Exn?' "f"? Cap'1U"' T'' 8,limos 5 "'. e reguiaraaour decidir sobre essas duvidas,
,h R. .* gr,,'d p pnmeira vez, loi onn- Que, ha mais de vate annos, reside no engenho obstculos e lacunas que se encontrara na execo-
a, hln.J J rf e nrov^r, f SZ2 .P Um Car,"Da ^T mU onde foi collocado por seu pai; e os processos respectivos ; por quaolo. se as soas
i -n^ ",qUe P0UC ad,anlou' Qoe seu cuohado Maooel Igoaeio tem mais de decises versassem sobra os casos individuaes e
vislo como eocontrou os con^stonos e sacristas, uni engenho-
feichadas, seodo-ihe apenas permiudo ebegar ao E SSm que, se Joo Paes tem engenho de
coro
fogo morto, na opinie doForam, porque,
| occorrentes, daara aso a conflictos e collises co-
mo poder judiciario, ao qual essencialmente cern-
ir, ... ...._. t~.____ .-i.. ... lUUUTIlUIlU, Ud OU4UI4W UU---rU UHJ, O OUIUUC,
JSm q^m 'o. queo aconselhoa para qoe lulas- [eyudl) ee, urabem oo dizer do referido redactor
se c.oin o Exm. vigario capitular, afim de nao_________________________________________
prestar as conlas a elle,
capel las :
Veja quem aconsrlhou S. Rvma.
aqueiie celebre officio, que com data de
pele por sua ualureza a applicago das sobreditas
leis e apreciago dos casos occorrentes.
4.a Que era consecuencia, e se alguma autorida-
de, era vez de decidir os casos que Ihe sao su jeitos,
quizar, sob pretexto de duvida, subioette-los ao
recursos que couberem para os tribooaes supe-
riores.
Deus guarde a V. Exc-Jos Thomaz Nabuco de
Araujo.Sr. presidente da proviucia do Rio de Ja-
neiro.
e sim ao Sr. Dr. juiz de Rvma., e depois aodou de mo era mo, sem re
serva algoma, al que foi presentado oa secreta
a escrever ra do Pispado, por causa da um legado de 3:0004' goveroo imperial, deve V. Exc. d'evolver-he as re"
woeagos- que sendo deixado pelo faliecidoSr. bispo para logo, presemaedes e offlcios respectivos, para qoe ella
o do anuo passado eav.ou ao Eam, nganio cap.- J^fa da sua roerte ser cumprido pelo Rvd. Jos'jalgue cJoforme a lei, e jurisprudencia, diodo os
lolar, menoscabando a sua autoridade, repr-eben- Antonio, em cujas mos se acha essa qoaoiia des-
deodo os sensatos, a ameagando-o de nao receber de 1859, arada al boje oo fui execulado.
mais offlcio algn se oo o Iratasse por Bm: o Sr. Beroardioo Monteiro, doendo-se da ingrali-
Veja principalmente qoem, contrariando no aol- ds0i e oraito raais das injurias e das reticencias,
mo de S. Hvoia o> saos conseloos qae Ibe davara prucUrou chamar a juizo o Sr. padre Jos Amonio,
as peoas prudentes .a-respeito desse messmo offl- afim de declarar oque lioha elle Bernardino pra-
co, o r. solveu flnalmeuie a remeite-lo ao seu des- ,cado que S. Rvius. nao se atreva a dizer. uesta
uno;euao satisfeiio comesss proeza, digna de vez nao houve depoimenlo eseripto em casa, nem
meihorresultadu, ir ler a copia delle nos salees jurameulo ; porm surgi um qudam, que com o
de &. r rauc seo ; Sr. Bernardino Monteiro nunca lave dares nem to-
Veja quero o aconselhou para que no relatorio mates_ e propoz ao m^mu Bernardino urna ques-
que fez aos seus credores, o que mandou leroa to por abuso de confianoa, dizeodo que haveodo-
reoo.a.. de 8 de evereiro convocada por S. Rvma. Jhe entregado um pao?/ particular cora a exposi-
roaiirauss aos-seo prolectores, os Srs. Beroar- cao d0s negocios do Rvd. padre Jos Antonio, o
ouio Jo.e Mooe.ro e Aotooio Ramos <8), que tan- Sr. B-roard.no bavu tirado Uma publica forma,
tos beneficios Ihe haviam prestado : ^ Wofc..M oe 0 sujpUo nuoca eiUreguU ul pape| ao
Sr. fiercardino Monteiro.
de acorogoar a S. Rvma. oeste como em outros A qoe4ao tomn se nma especie de cacoada, o
pontos, o fez convencer cada vez mais de qne na autor pedjo al lerceira dilaego que Ihe foi con-
realidade traba Dom, que este (racamento Ihe com- cedida, o advogadodoaoior declarou no autos que
peliapw direilo, e eis o Sr. padre Jos asignan- oo poda coounuar oo patrocinio da causa, o r
E>te faci veio referido no Diario de Pernnmtut do-sn poJjlicamente Dom Josa Atoiio dos Santos disse qoe a pretenco do autor era extico, porm
co d- 6 de setembro de 1864, se a memoria me n j Lbssa, e nos bitheiesou cartas familiares assigoan- ludo lem ldo de^pacbo, ludo tem continuado, os
falha. O Sr. padre Jo Antonio lambem, vendo no I do de rubrica- DOM JOS. autos subiram 4 concluso era 30 de agosto, e n
de camareiro a palavra Dius,abre-1 (8) OSr. padre i-t Antonio no re a lorio que meriissimo juiz municipal da vara do Recife
Doumus senhor, traduzbea p.ir Dom ; apresentou aos seus at-dores na reuoio convoca- tem de decidir se a exposigao dos oegocios de om
( Reparai bem que os Domes de Murray e Lan-
mau se achem inscriptos sob cada euvoiiorio, le-
treiro e al mesmos embutidos oo proprio vidro
da garrafa era na falla do? mesmos toda a mais
falsa ).
Vende se em casa de Caors & B. e J. C. Bra-
vo & C.
COMMEICIQ.
(laia filial do liaoco do Brasil eiu
Pernambuco.
A directora deslacaixa saca sobro o baneo
Brasil no Rio da Janeiro e sobre a caixa filial
mesmo banco na Babia.
Voto banco de Pernam-
biaco.
O banco desconta letras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de seis mezes,
\ovo Banco de Peroambaeo
O Nuvo Banco paga o dcimo quinto di-
videndo na razao de 80 por aefao.
fel'a
pelo prego da adjudicago com o abalimeoo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente edital, qae ser afflxado
nos lugares do costurae e publicados pela im-
preosa.
Dado e passado oesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 43 de setembro de 1865.
Eu Maooel de Carvalho Paes de Aodrade, escri-
vo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
9GUU(02S.
ALFANDEGA.
Rendimeoto do dia 1 a 23......
dem do dia 26...............
30l:0344f!R4
: 1645731
326:1904315
(lorreio peral.
Pela adminislrago do correio desta eidade se
faz publico para (ios convenientes, que ero viriade
da couvengo po>tal Celebrada pelos governos bra-
sileiro e fraocez, sero expedidas malas para Eu-
ropa no dia 30 do cnente pelo vapor fraocez
t Guyenne >.
As cartas serc recebidas al tres boras antes
da que for marcada para a saluda do vapor, e os
jornaes at quatro horas anles.
Admiuistrago do correio de Pernambuco 23 de
setembro de 1865.
Domingos dos Passos Miranda
Administrador.
guerra-
748
eu titulo
vi tura d
e i-io persuadido de que tem Dom, e egigrodo por
f rea este tratamiento, a poln-ia, >|ue lauto per goiu o Sr. AstudiJIo por lapso da penna, deixou in-
clume Sr. padre Jos Amonio cora n seu lapso
de traduccao, e oem aomeoo o advertio de que a
sua jgAoiaocia do lalim o fazia loeorrer as peoa
coiniuadas no au. 301 do cdigo cruranal. Como
a o licia cao brigou roai S, Rvma., julgou-se S.
Rraa. com direito de brigar com aquellas que Ihe
oo da va ni o Iralamento qae llu competa por In,
dizia S. Rvma.
A impunidad,e iraz destas eonsequencias, e alero
da por S. Rvma. no da 8 de fevereiro do corre-
te anno, afim de expr peanle elleso catado em
que se actiavam-O* seus negocios depois que falle-
cer o Exm Sr. bispo D. Joao, rnaltratuu omito
aos Srs. Bernardino u- Montolro e Aatoeto Ra-
mo.-, dos quaes se liuha valido para poder obter a
quantia de dte conlo de ris, que estandolaoca
homem que so(T>eu na sua ca prejulzojida perante os seus innomeraveis credo-
res, e que dcoois anda pelas mos (lestes e de ou-
lros, considerada um papel publico ou parti-
cular.
(9) Vejase o Diario de 8 da agosto prximo pas-
sado, onde o Sr. padre Jos Antonio promeiteu por
los nos livros rte eonlas da mitra na nrraiaom tudo em pratos hmpos, entretanto qoe rae foi pre-
que morreu o Exm. prolado, oomludo oioenstiam Ctfo cuauia-to a iojzo para saber qu Impeza de
em caixa. pratos era esside que S. Rvma. se oeeupa,va, ds
Esle parecer, cora toda as injurias qoe conti. pm* de haver despejado o palacio da Soledadv por
nha, foi lido perante os numerosos credores de S. morte do Exm. Sr, bispo D. Joao.
N. 74.Justiga.Aviso de 8 de fevereiro de 1856.
Ao presidente da provincia do Piauhy. De-
clara que o juiz de dtreito interino da comarca
da capital da dita provincia deve ex'cutar como
entender, vista da lei e dos principio* de direito
ojulgamento da relago que annullando ludo o
processo em que foram dous i eos conilemnados
e um absolvido mandou proceder a novo jury.
3* secgo.Mlnistei io dos negocio- da jusiiga.
Rio de Janeiro em 8 de fevereiro de 1856.
lllm. e Exc. Sr.-Remetto a V. Exc. com o seo
offlcio n. 322 de 22 de maio do anno prximo pre-
trito, o o juiz de direilo mterion da comarca des-
sa capital propondu a segrate duvida : que tendo
subido a relago do Marauho um processo por
a, pellago iolerposta pelo promotor publico da so-
bredita comarca, era o qual foram dous reos coo-
demnados e ura absolvido pelo jory do termo de
Ueyras, sendo a appellago por causa da absolv
gao, deeisao da relago qu annullou todo o pro
re*so. e mandou que fosse a causa submetlida a I
novo Jury, comprehende todos os reos ou som-nte
aquella que foi absolvido, e por caja absolvigo
bou ve appellago T
Apezar, porm, de entender o juiz de direito que '
a deeisao da relago versando sobra as milbdades
sub>laociaes do processo, e nao sobre
peeiaeg do reo absolvido, era
nao somente a elle, procedeu
MOVIME.NTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados coro fazendas----- 485
< com gneros..... 263
Volumes sahidos cem fazendas..... 67
c com gneros..... 63
------- 701
Desca'rregara no da 27 do correte.
Brigoe portuguezConsone IIdiversos gneros
Patacho nacional Jaboatao farinha de Higo e
outros gneros.
Barca ragleza Conrad -idem.
Brigue hespaDhol Corinacharque.
KECEBEIxmA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEKNAMBUCO.
Rendimeoto do dia 1 a 25...... 29:570*639
Idemdodia26................ 1:050*299
30:620*938
CONSULADO PROVINCIAL.
hendimentodo da I a 25.
dem do dia 26.........
43:50*6i9
7:092*770
52:673*491
MOVIMENT M PORTO
Navio entrado no da 26.
Babia-H das bana inlet Conrad, de 428 to-
neladas, capilo W. M. Alexan ier, equipagem,
13, carga 6,000 sacros com farinba de lugo ; a
Johnslon Pater & C.
Observacao.
Nao bouveram saludas.
EDITIS.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, "ffiVal da im- \
perial ordem da Ro do commercio desta cidade do Recife de Per-1
nambuco, etc.
Pago saber aos que o presente edital virem, e
motivos es- delle noticia liveiem, que no da 27 do i-orr.nie,
apphravel a iod>- e as 11 boras da manha, na sala das audiencias,'
todava como proee- tera logar a r-nnio dos credores da niass* fallida
deram os seus antecessores ba 5 anuos, isto na- de Caminti 4 Fiinos, adm de se cumprir o diKpoa-
da obrou e decidi, fleaodo anim, e sem eeugo lo no ari. 812 do cdigo commercial; aJvpriindo,
o jolgamenlo do tribunal superior. porm, que nenburo credor sera admitiido por pro- i
Arseual de guerra.
O conselho de compras do arsenal de
precisa comprar o seguinte :
Para provimeoto do almoxanfado.
110 feixadaras para eaixdes.
110 pares de dobradigas para caixoes.
5 arrobas de carDe verde.
10,000 pregos de as.-salho.
10,000 ditos batis pequeo*.
5 duzias de taboas de louro de assoalho.
30 duas'da ditas de pinbo de3|4 de grossara.
Para o 5 corpo de voluntarios.
8!) -10 metros panno alvadio.
2,310 metros dilo azul.
3,434 metros dilo dito para capotes.
63 metros cas-mira azol clara.
1,617 metros baeta verde.
7,700 melros brim de linho.
3,850 metros algodozinho.
1.599 metros dito para forro.
399 metros aniagem.
bandeira imperial de sedae seas pertences.
17 cornetas.
17 corddespara as ditas.
26 dos para inferiores.
27 bonets para msicos.
27 pares cbarlaieiraspara ditos.
700 bonets redondos.
700 di los a cavaohaqae.
700 mantas de la.
29 bandas de la.
2 cordas para divizas
2 espadas de metal.
2 tallos da couro envernizado.
27 ferragens par* cinturjes de msicos.
20 malas forradas de sola.
I dita com tres 'echaduras.
12 livros com 200 foi has.
15 ditos com 100 ditas.
10 ditos com 50 ditas.
As pessoas que quizerem vender ditos artigo
apresentein suas propo-tas coro as competente
amostras, na sala do conselho de compras, as ID
boras da maobaa do da 27 do correte.
Sala das sessoes do conselho de compras do ar-
senal de guerra 22 de setembro de 1865.
0 eucarregado da escripiaracaO,
_________________Manoel ios de Azevedo Santos
Arsenal de guerra.
O cooselho de compro do arsenal de goerra
precisa comprar o segoime :
Para o terceiro corpo de voluntarios.
1 flautim.
1 requinta.
4 cirmelas.
5 pistdVs. '
2 ir..inpas.
2 fombones.
r

ty
4

i

<
)





--------


tUart,ta|t jm&W(k> tyvf* vp .M# AflHWt #* rt8>**.
3 baixo-.
1 bombo completo. *-
1 caixa de mo.
1 prato do metal.
2 triangules.
1 arvore de campauhias.
A pessoas que quizerem vender ditos artigos
apresentem suas prbpostas na sala do consclho, as
10 Bom do da 27 do correte
Sala do conseibo de compras do arsenal de guer-
ra 23 de setembro de 1865.
fjeucarregado da escripturacio
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Convida-se as pessoas que estao as
ondifoes do servido militar, a etigajarem
oo corpo de polica e gozarem das vanta-
gensdi lei provincial n. 611 de 2 de maio
prximo passado, que sao as seguiutes :
IfllOOrs. diarios de sold, serem seus -
Ihos menores recolhidos aos estabelecimen-
tos provinciaes de educac3o e o tempo que
estiveremna guerra ser contado pelo duplo
para o caso de aposentadora, e alm destas
GOMPANHIA BRASILERA
para o caso ae apasenia-ioria, o alem destas DE
tem todas as raais vantagens que sao con- PAfifTFTEX i IfiDAl)
cedidas aos voluntan is di patria. O te-^ ^-m ^ *^ "3 \ IJirUn
COMPANHIA PERNAMBCANA
M
flavegaeao eosteira por rapar.
II ha de Fernando.
No dia 28 ao meio dia egne
um _dos vapores da cumpaotila
para o porto cima indicado. Re-
cebe carga at o dia 27. Eo-
____ commendas, passageiros, dinhai-
ro a frete at as 10 horas da mantta do dia da
sabida : escrtplorio no Forte do Mattos n. 1.
Iiuha do Havre a Per-
nambuco.
Esperase a barca Sphere que
sabio no dia 10 de agosto ao frete
de 25 frs. 10 |. Recebe carga pa-
ra o Havre a fretes baratos : a
tratar cora, os consignatarios Tis-
et frares. .
01 M
De um sobrado de um aodar de a
ra Imperial, foreirorende por anno 3..
Sao portanto os Srs. pretendentes convidadas ao
previo exameafim de quenaqaelle lia e hora s .
achera habilitados a se proverem de prflJi eu-
jos rendiments garantem um Juro razoa>el. ''
VISOS BIVEBSOS.
Bazar volante.
Pede-se aos senhores assignanles que recebem
esta folha directamente do Rio de Janeiro, o faver
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
SSa^K,?n^^S^j.W,oM.; '"Ltf^Z90 CTos fomiaveis
roa do Crspo n. 4, unico elicarregado em Peruam- "
E' a orden do dia t Acabar cota os Pra-
S**J0& a bayo|ta, a. niai, a retolver;
frjfoaiMt>l(w com -o encorace* a#mados
de esporSes, armstrongs e raiadas de 80
120; eifermma-los em summa a espada, a
fa lo e a pnnhal de que se trata; mas
ninguem se lembrou anda de esmagar os
Paraguayos com as armas que Deus nos con- *
cedeu; acabar com ellos a taco o a punta A UOIlipaTlIllil lllQemillSaaOra
ps, pai*oque necessario enconracar esta estabelerida nesta pra^a, toma seguros martimos
buco, onde se entregar os recibos, e onde se as-
algna.
rompe-ferro, esmaga c< bra,arrancati>cos.
quebra marmore e outros que se vendem
44 IHA tlllllITA-15
pat
nente-coronel commandante do corpo de
policia, Alexandre de Barros e Albuquer-
uqe.
Obras publicas.
Pela reparti das obras publicas se faz publi-
Dos portns do sol esperado
at o da 30 do corren te o vapor
Tocanlins, commaud.inte, o pri-
meiro lente Pedro llypolito
, Duarle, o qual depois da demora
do cosume seguir para os portos do norte.
Desde j recebem se passageiros e engaja-se a
Borseguins Bordeaux......
patricios.........
para senhoras, en-
eitados.......
com laco e fvella ..
Instituto Archeologioo e Geagraphic Pcnian-
bucano.
Havera sessaoordinaria quinta-feira 28 do cor-
rente, > 11 horas da manha.
OIIDEM DO DIA.
Pareceres e mais trabalhos do coramissoes. .
Secretaria do lustitulo, 23 de setembro de 1865. *,patoes encUrafad0S
J. Soares de Azevedo, Borseguins para meninas bom
______________Secretario perpetuo. elast co.................
r/'l fTr1~TH~Wir~ ^ SaPatos de lona, sola elstica.
j\J x Juj xv 1 A! ,da,,os-
AOS 6:0000000.
Corre depois d'amanhSa.
Acbam-se venda na respectiva thesou-
aos propriarios dos predios do largo do Corpo carKa 1,lft vapor poder conduzir, a qual dever
Santo, ra do Trapiche, travessa da Lragoeta, seT embarcada no dia de sua chegada ; encom-
caes de 22 de Novembro, entre a travessa do mftndas e dinheiro a frete al o da da sabida, s
Ouvidor e o largo do Collegio, e ra larga do 2 nora.s 't "Seneia, ra da Cruz n. I, escritorio de raria ruado Crespo n. 15, OS bilhetes,
Risario, que Ins marcado na forma do re- Antonio Lim de Ulivelra Azevedo & C._________| meios e quartos da 1* parte da Ia lotera
com malla brevi- (33a) a bsneScio do Instituto Archeolog:co,
de tranca..
econmicos
nhuras...
com salto de lustre..
para se-
Chineloes do Por o.
8300f>
S^lOO
50510
4*(!0
5,3000
zmoo
2^000
I<560'
1,5600
0500
20240
10600
sobre navios eseus carregampntos e contra fogo era
edificios, raercadorias e moMlias: no sen escripto-
Jio, roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Na roa da Florentina n. 36 prepara-se comi- j
da com aceio e prompiidflo e por prego razoavel. j
Pharmacia especial homcop;illiica, do
Dr. Sabino 0|p;ario L. Piuho.
mja \n\ \ m. 43.
Vendem-se por prepon commodos, os melhores
medicamentos homeopalhicos em glbulos elintu-
Loja do gallo vigilan e roa do Crespo
omero 7,
Nesle estabelerimenlo enconlrar o respeitavel
publico um grande fortnenlo de galanteras e
ia ; vidros tubos, glbulos inertes, chocolate lio-: objectos de muito posto que tem rhecado nestes
meopaihiro, escovas elctricas, apparehos para la-! uliimo* navios e vapor de sua oropria conta
var es olhos, etc., Me. que por isso mesmo vemlera pel^ meots preco
Vende-se o Thesonro homeopalhico, a melhor que Ihe for possivel, cuino- sej m :
obra que existe para a patrie* da homeopathia. lenes
visitas aos domicilios serapre que as cirenras-!
tandas as eiigirem.
gulamento de27de julho de l86i, expedida para Para a Bhiadevn seanir .
execugao do art. 57 da M provincial n. 596. o pra- dade o cter nacional Equadr, por se adiar com
so de .30 das para a construccao de respectivos pane do seu carregamenio prompto, paia o resto
pselos das suas propriedades. a frete trala-se oo'escnpiorio de Amonio Irmos
bec.etaria da repanicao das obras publicas 23 ra da cruz n. 3, ou com o capilao Anselmo Pe-
de eteiubro de 186o.No impedimento do secre- res na praca do Commercio
Os pobres sao tratados gratuitamente.
"'
Ama.
Para o servico de urna casa de urna s
tario,
Joao Joaquim de Siqueira Varejo.
De ordem do Illra. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desla provincia se faz publico que
no dia 30 do correte me, as 2 horas da tarde,
peranle ajuma da mesma thesourarla, irlo a pra-
ca para serera arrematados por quem mais der os
medicameolof, drogas e utencilio do exmelo hos-
pital militar, constantes do inventario que sera'
apre coovie- a sobredila arremalago. devero compa-
recer na referida thesouraria no dia e hora indi-
ada.
Secretaria da thjsourara de fazeoda de Pernam-
buco 23 de setembro de 1865.
Servindo da olDclal-maior,
Manoel Jo- Pinto.
B- Quinta feira 28 do correte, p-'las 2 horas da
tarde, na porta do Sr. juiz de paz de S. Jos, na ra
Augusta, vai a' praga de vanda um boi manso de
carro, avhalo em i0, por execugo de Ignacia
Mara Tbereza de Jess contra Manoel Alves dos
Santo?.
Finda a audiencia do Dr. provedor de rezi-
dos se arrematam hoje dous es t;um-. libertos na
melade, pertenrente a' testamentaria da finada
Anglica Caodida de Albuquerjue.
Consulado provincial.
O administrador do consulado provincial manda
publicar para eonhecimento dos deve^ores dos im-
pastas cobrados por langarnento pertencent^s ao
exercicio findo em liquidagao de 1861 a 1865 a
portara do Sr. luspeclor da thesouraria provincial
em que ordeua que o pagamento de seus dbitos
s podero ser elfeciuados at o dia 30 do crreme
ao meio dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 12
de setembro de 1865.
Antonio Caroeiro Machado Ros.
Portara.
O inspector da thesouraria provincial recommen-
da ao Sr. administrador do consulado provincial
que faca annunciar urna e mais vatru que o pa-
gamento dos Impostes do exercicio prximo irado
em (iquidaco, s sera admettido at o meio dia do
dia 3(1 do carrete mez, para que as duas horas,
ao mais tardar, fsteja recolhida a renda que se
bou ver cobrado at-ssa da.
Thesouraria rovincial de Pernambuco 2 de se-
tembro de 1865.
Jos Pedro da Silva.
Inspecco do arsenal de marrana.
0*arsenal de marrana enpaja machinistas e fo-
guistas-Rara o servigo dos vapores da armada.
COMPANHIA BASILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR.
L esperado dos portos do norte
at o dia 5 de outubro, o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costme seguir' para os portos do
sal.
Desdej recebem se passagelrs e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qnal dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antogio Luizde Oliveira Azevedo & C.
Illia de S. ttigyel
A escuna portugueza Erna preleude sahir impre-
teriveimente at o dia 30 do crreme mez, e para
passageiros e carga trata-se com o consignatario
Joo do Reg Lima, na ra de Apollo n- '4.
Um completo sortime'to de calcado da
- EEL *omens- senh0raS eme,ni"as; oessoa.se precisa de urna ama que engom-
cuja extraecoser no dia supra menciona- *^^ f"?* ZL*! ,S'iuee Csinl,e' V** b da Cruz IW ** pnpm Pra m.mo, assim eomo
nado no lugar e hora do costume. ire^, marroqums, tai xas de todas as quali- n 16, segundo an iar. "!xLnn:.'s ^'i'"/"* com msica tanto de veio co-
Albuns.
Albuns muito finos com capa de madreperola e
de tartaruga com goaroiean de prata para P0 e
100 retratos, assim como de ouiros mais inferiores
de 20 a oO retratos.
Musics.
olas ricanaent; eufkiladas tocando duas
mimo, assim
mo de dar carda.
Vestuarios.
Aluga se urna boa casa nova, muilo fresca,
de varios commodjs para familia, quintal graude Riquisslmos m
e murado, boa cacimba de agua de. beber, no me- assii
>e 1. para eriangas
Os premios de 6.-OOO0ODU at 100000 e8 tas para sapateiro, muito sortidas,
seo pagos unta hora depois da extraccao 8ola e cou.ros flue tu^ vsto necessariamen-
at as i horas da tarde, e os outros depois tejaz cobica ao comp ador pela barate/a. T)e. asiil
da distribuifao das lisias. Quem precisar de um caixeiro para cobran- 'lhr jugar da Capunga : a tratar na travessa da de seda. '"' "'a,,nn";> 'neiasrahas
Cape'las.
1 Riqnissiroas espellas braneas d flores para noi-
Precisa-se de urna cozinhe.ra, com preferencia vas> ass,ra Cma "'"'^ d-seda brancas.
As encommendas s r5o guardadas so- Cls u para tomar coma de urna taberna por ba-'matr'zaeS9toAn^'"o"-
mte at a noite da vespera da extraccSo nm 1l. ia"" lem Pra"'Ca' diri,'"se *** d Am'' witt.
LEILflES.
IEIIAO
e, urna casa terrea qu> va, toado 2 salas, quartos.
cosi alia, cacimba tum ter
mente
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues deSouza.
Jos Maria de Moura, subdito portuguez, re-
tira-se para fora do imperio.
Domingos da Silva Ramalho, portuguez, re-
tira-se para o Rio.
Dr. Henry Kraus mudou Sua resi-1 sendo escrava i na ra do" Hos'p'ici'n. 36.
2E21S5 ^ ,mPeHrlrlZ,D- 3 I i Prec.sa.se de um caixeiro ^bU^U
Sobrado grande n. 2 defronte da entrada de taberna, e que saibd bem ler e escrevft: na
para a Estancia, onde pode ser procuiado ra da Aurora n. 48.
a qualquer hora.
Chamadas para dentro
da cidade podem ser entregues na botica
Saqiies sobre Uboa
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho facam sobre
Jos da Costa retira-se para Portugal a tratar
de sua saude.
do Sr. Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior na L'sboa : no largo do Corpo Samo n. 19.
praca da Boa-Vista, na dos Srs. J, C, Bravo! Aloga-se o soiao do sobrado n. 62 da ra da
A partida do Club Commercial no cor
rente mez ter lugar na noite no dia 30.
O secretario,
Francisco Lucio de Castro.
Bibliotheca Litteraria.
Para esta publicagao semanal assigna-se na ra
do Cabuga d. 2 e na ra das Cruxes n. 33. 1."
andar.
Aluga-sea sala do 2o andar da casa da ra
do Imperador n. 7o : a tratar na mesma .
Precisase alogar urna casa terrea~Tbairro
de Santo Antonio, que lenha quintal que pos-a se
fazer urna estribara para dous cavallos : a tratar
nesta typographla.
No becco do Marisco n. 10, ha urna senhora
que faz vestidos da ultima moda e coe roupas de '
vaco em chaos proprios, si- ggSSfflC?TS.Ka.*"""0: qaefal
tana ra da i i loria n 6'.! hospital portuguez
I.E
& C. na ra da Madre de Dos, ou no ar- Go8, com 2 Jane.las de frente e muitos commo-
" mazem de. viuva Raymond & C. na ra do dos: a ,ralar no prlme,ro aDdar'
Trapiche. Novo das 9 horas da manhaa at .T" P*5W*'W de an* ?"* 4u.e 8*ib* flhfc'L<
is 4 da tarde.
Na ra larga do Rosario n. 35 sobrado, dase
bolos de vendagem a 80 rs. a pataca.
Offerece se urna ama
para o servigo interno
de urna casa : na ra das Trinrtieiras o. 40.
MMmm
O hachare!
Fraocisco augusto da Costa
ADVOGADO
Ra do Imperador numero 69.
ti!
m
CASA DA FORT
Aos 6:000^000.
m
em fr nte do sobrado do Sr im-. l,E Bilhetes garantidos.
fr Ma*i>n*a o rPnJ, ,- BENEFICENCIA BIPWUH- A' RUADO CRESPN. 23 E CASAS DO COSTUME
Ul MOSCt'ZO, 6 I ende men- BCCO. Oabaixoassignadovendeuuosseus muilo feli
Satnente 25 {)() Approxima-se o domingo i" de outubro, da con- res bilhetes garantidos da lotera que se acaboc
. sagrado a celebrago do anoiverano desta pia de extrabir, a beneficio da matriz de Santo Ama-
Cordeiro Kioies instituigo, e era que vai Umbem ter lugar o ba- : ro de Jaboalao, os seguiutes premios :
precedida a competente autorisago far leilao do ZAR DE prendas era favor dos enfermos e neces-, Um quarlo n loil com a sorte. de 6:0O0000.
predio cima descrilo, podendo desde j os pre- j s"dos. Um meio n. 1764 com a sorte de 400.
tendentes proceder o exame blenlo as chaves no A junta administrativa, que por si e por nter-' fr'uitras muitas surtes de 1005, 40, 20 c
armazem di) referido agente ra da Cruz n. 57,'me(lio de commisses se ha dirigiao s Exraas.; lOjOOO.
sras. e cavaineiros por meio de cuticulares, cuja! Os possuidores podem vir receber seus respec-
copia abaixo reproduzimos, vera pelo preseule; tivos premios sem os descontos das leis na Casa
ScentiOcar que os donativos destinados a esta fei-' da Fortuna rija do Crespo n. 23.
ra da caridade, podero ser entregues a qualquer | \cham-se a venda os da parte da 1' lotera
onde ser effectuado oieilo, isto
HOJE
as II horas em poni.
LEILA*
Inspecgo do arsenal de mannha de Pernambu- Demobilias, objectos de ouro e Drata. es-
co 18 de selembrj de l-65.
O secretars,
_____________Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Correio
Pela adminisiracao do correio desla cidade se
az publico para ins convenientes, que em virlude
do disposto no art. 138 do regulamenlo geral dos
crrelos de 21 de dezemhro d-t 1844. e art. 9 do
decreto n. 18 de 15 de maio de 1851, se proce-
der o consumo das carias existentes na adminis-
trago pertencentes ao mez de setembro de 1864,no
da 2 deoiitubro prximo, as 11 horas da manhaa,
na porta do mesmo correio ; e a respectiva lista
se acha desde j exposta aos interessados.
Administragao do crrelo de Pernambuco 23 de
setembro de 1865.- O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
cravos de ambos os sexos, pianos de me-
sa e armario, trastes avulsos e outros
muitos artigos.
HOJE.
Quarla-feira 27 di corrate as 11 horas.
dos membros das respectivas commissesi ou re-1 (33) |beneficio do Instituto rcheologico Per-
mettidos directamente a' secretaria do hospital al nambucano, que se exlrahir sexta feira 29 J
sabbado 30 do correte.
Constituem as diversas commissoss os Srs. :
Manoel Gomes da Cruz, tra"essa da aladre de Dos
numero 5.
Augusto Muniz Machado, ra do Vjgario n. 3.
Jos da Silva Loyo, Forte do Mattos o. 13.
Jos Barbosa de Mello, ra da Cruz n. 52.
Nr, r -. {os Mogueira de Souza, ra do Crespo n. 2.
IjUANUL AK.MAZE.M UL LELOES Narciso Jos da Silva, ra do Queimado q. 4.
DO AGENTE
OLYMPIO
36 Rua daCadeia jo Kceiie -3(5
THUiTKO
DE
I I IliA *
Das niiudezas exisenies na leja da
rua do i abosa n. 12
nojE.
Qiinta 28 e sexta-feira 29 do corrente principiar
as II horas em ponto.
Jos Francisco de S-ua Lima
com consenso de .-eus credores e por intervengo
do agenle Cordeiro SlmSes far leilao de todas as
Manod Rodrigues da Silva, rua do Quelmado nu-
mero 61.
Jos Amonio da C.sta Valenle, paleo do Paraizo
numero 2.
Bernardo Jos da Costa Valente, rua Direila nu-
mero 10.
correte.
PREQO.
Bilhetes.....75000
Meio*......35500
Quartos.....1900
Para as pessoas que eomprarem de 100500b |
para cima.
Bilhetes.....65500
Meios......35750
Quartos.....15700
Manoel Martins Fiuza.
dos: a tratar no primeiro andar.
Precisa st
comprar bem : na rua da Cadeia do Recife n. 27,
primeiroandar.
Aluga-se a casa n. 8 da rua Velha,
com 2 salas, 3 quartos, cosioba e quintal
grande com cacimba : a tratar na rua Di-
reila n, 84.
Sil CASA DE BAIMS; *
Rua a Cruz n. 17 S
8R A abaixo assignada, tem a honra de
g participar ao publico que o seu estabele-
^8 cimento acuna mt-ncinnado', acha-se hoje
>R funcriouando muito regularmente, pro-
(j vido de todas as accommodagoes necessa- jtt
S rias e sohre tudo com alguma limpeza.
S Os arloes firmados por meos anteces- S!
Jk sores Cedrim ^ C. sero recebidos at o 9K
meado do m>-z de tutubro vradouro, os da .;*
casa tero a firma da abaixo assignada, 3?.
mk e serao conm d'anles transmissiveis. ||j
B Tabella dos precos.
^ 1 assignuura mensal com direito
SR a um banho diario a 320 rs.. 95600 TF
jS i dita de 30 candes transmissi- i
2, veisa 360 rs................ 1058^0 jg
| 1|2 dita de 15 ditos a 400 rs.... 65000 JM
1 banho avulso, n>oroo ou fri ou S
de chovisco................. 500 *5
1 dito aromaiisado com agua flo- fjj
rida........................ 15000 >M
Os meilicinaes serao pelo prego que se ^g
convencionar: |jj
n u es,ab,JlecimenlJ estara' aberlo nos jt
2 d,;,s utels das 6 da manhaa s 10 da noile gj
jj| e nos dias santificados al 2 horas da lar- w(
r de, havendo chegada de vapor estara' W
aberlo por mais algum t>-mpo. *J
Malhilde G. Lessa. j(
Porta boquet.
Riquissimos poria bHqoel com cabo de madre-
perola para flores.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola e de snda-
lo assim como de osso.
Livrinhos.
Ripuissimos livrinhos com capa de tartaruga
guarnecidos de prata para missa.
Aderreos pretos.
Riqusimos aderegos prelos sendo pulseira, ro-
zetas, allinde e volla, assim como de cores Suelo
do perolas.
Brincos.
Riquissimos brincos e rozetas de todas as Dua-
lidades e gitos modernos.
lioneras.
Riquissimas nonecas de porcelana ede massa e
de cera, assim como os que fallara chamando por
papai e mami.
Pentcs.
Riquissimos penles de tai taruga para senhora,
a.-sim como para menraa e de multas outras qua-
lidades H
m
m
do
Acha-se contratada a compra da casa n. 30
da rua do- Livr.unento desta cidade. Aquelles
portanto a qura e-se negocio possa prejudicar
Loureogo Ribeiro da Cunha Oliveira, rua da Praia por t-rera sobre a dita casa algn- direitos, quei-
namero 49. ram reclamar por esie jornal dentro de 3 dias.
Vicente Alves Machado, rua nova de Santa Rita
n. 47.
Flix Pereira da Silva, rua da Imperatriz n. 60.
Joo Francisco Paredes Porto, rua da Imperatriz I
n. 48.
Joo Luiz Ferreira Ribeiro, rua da Santa Cruz nu-1
mero 6.
Cuididu Alberto Sodr da Molla. P^ssagem.
Manoel Ribeiro Basto.*, rna do Queimado n. 18 A.
Outro sin confiamos que as pessoas a que por Por ordem do Mm. Sr. presidente convido todos
esquecimento nao lenha sido dirigida caria de pe- os membros da directora provisoria a reunirem
S 01ES
Na padaria da Torre, percisa-sede um amas-
sador que salba ler, para vender pao.
JIOXTE M^lmF
GUEZ.
sobre Lisboa e Porto.
Jos da Silva Loyo & C. sacam sobre Lisboa e
Pono.
A 120 rs. a libra se pagara os jomaos para
embrulho : na praga da Independencia n. 22.
o pal)Uro.
miudezas existentes em sua luja islo em pequeos, dido, aceitera a que de preseule traoscrevemos
EMPREZA-COIMBRA
Recita extraordinaria.
GRANDE ESPECTCULO VARIADO PARA RlR, DIVIDIDO
EM 5 PARTES.
Quarta-feira 27 de setembro
de 1865.
PRIMEIHA PARTE.
A comedia em t acto, original portusruez
OESTES HA POUCOS
SEGUNDA PARTE.
O entre-acto cmico ornado de msica
AMO'. LOUIIUI.HO.
TERCEIRA PARTE.
A cangoneta como-a roada ri msica
AS BOAS RAZES
lotes, para assim facilitar a concurrencia dos pro-
prietarios de estabelecimento de igual especie.
ou
O nOlO 12 O VELHO.
QUARTA PARTE.
Osempre applaudido vaudeville em 1 acto
De fazendas mii continuaco.
Hoje 27 do corrente as i 1 horas em ponto.
Denrker & Rarrozo continuarao hoje por inter-
vengo do agente Pinto o seu leilao de fazendas,
! as 10 horas era ponto em seu armazem rua da
Cruz o. 62, onde espera a concurrencia de seus
freguezes.
m:il,a
De 400 caius com charatos da Bahia.
Quinta-feira 8 do corrente.
O agente Pe-tana fara' leilao para fechar comas
de cerca de 400 canas com charutos da Rabia
em um ou mais lotes a vontade : quinta feira 28
do crreme pelas 10 horas da manhaa no arma-
zem do Sr. Azevedo defronte da escadinha da al -
fandega.
se no Gabinete Portuguez de Leitura, quarta-feira
27 do correte, as 6 1|2 horas da tarde.
Secretaria do Monte Pi Portuguez em Pernam-
buco 2: de setembro de 1863.
Joaquim Gerardo de Dastos
2o secretario.

QUINTA E ULTIMA PARTE.
A linda e muito applaodida opereta em 1 acto
0 to braz.
Comegara' as 8 horas.
Coaipanhladas Measagerles Im-
periales.
No dia 30 do
corrente mez es-
pera-se dos por-
tos do sul o va-
por fraorezGuien-
ne, commandante
Aubry de la Nu,
o qu."l depois da
demora do cos-
tme seguir para Rordeaux, locando era S. Vi-
cente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia cora Go*e.
Para fretes, coodicgdes e passagens trata-se na
agencia roa do Trapiche n. 9.
PARA O
Rio de Janeiro
pretende seguir com malta brevidade o palbabote
nacional Pieiadt, lera parte do seu carreitamento
engajado : pafa o resto que Ihe falta e escravos a
freie, para os quaes tem excellenies eommodos,
traa-so com o< seas consignisrios Antonio Laiz
de Oliveira Azevedo 4 C, do sea escriptorio rua
da Cruz n. 1.
rua do Ccespo
numero II)
Massa fallida de Joaquim da Silva Boa-vista.
Martins levara novamente a leilao (pela ultima
vez) a requenmento dos curadores Qscaes da mas-
! sa fallida de Joaquim da Silva B ia vista e por des-
pacho do Iilm. Sr. Dr. juiz especial do commercio
da armago e fa-endas da loja da rua do Crespo
n. 10, perteniente a mesma massa.
Sexta f"ira 29 do corrente.
As II horas do da, os pretendentes podem exa-
minar o mandado era seu escriptorio rua da Ca-
dea do Recife n. 9.
Leilao
Sexla-feira 29 lo correte as i 1 horas
Na rua da Gadeia armazem n. 53.
PELO AGENTE ECZEBIO.
De um sobrado n 27 de dous andares, sito na
rua estrella do Rosario freguezia de Sanio Antonio,
solo proprio, as chaves se a.:ham junto n. 29.
De urna casa terrea n. 15, solo proprio, rende
300,J por anno, sita na rua das Crlonlas na Ca-
punga.
dem ditas de ns. 39 e t como cima na mes-
ma rua das Crioulas na Capunga.
como se directamente Ihes fdra destinada para o,
flra nella descripia : aguardando a junta adminis-
trativa com igual reconhecimenio, qaakjuer que
seja a offerta que se dignarem enviar em beneficio
desta casa de caridade.
Secretaria do Hospital Portuguez de Reneflcen-
cia em Pernambuco 23 de setembro de 1865.
O secretario
Joo Pereira Rabello Braga.
Destilador." ,;
Precisa-se de um destilador que tambera emen-
da de fazer vinagre : dirija-se ao hotel italiano n.
5, rua do Trapiche.
Aluga-se ana sobrado no becco da Bomba
com 3 quartos, 2 salas, e muito fresco : a tratar
na roa Dircit-t a. 3, primeiro andar.
Precisase de um pequeo de 14 a 16 annos,
que lenha pratica de taberna : a tratar na rua do
Brnm n. 47.
AMA
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar p- ra
casa de hornera solteiro : na rua da Cadeia do
Recife n. ii'-l.
V UVAS T"
ebegadas pelo vapor Amazonas, em muito bom
estado : na rua do Vigario n. 19, primeiro andar, nominado Pedra Mole, com 5 quarios, sala de en
JDeutista de PernambucoJ
Kua estrella do Rosario n. 3,
ao p da igreja
[francisco pinto ozomoj
I C'olloea dente* artiflciaes j
pelos ystemas mais mo- i
I dc-rnos
I Emprega lodos os meios scientificos para I
eonservar os naturaes. Pode ser procura- !
i do em seu gabioete das 9 horas da roa- |
( nliaa as S da tarde. fl
Alug -se pela festa ou por anno
Aluga-se urna boa casa em Apipucos lugar de-
Precisa se de urna ama
Cabuga' n. 3, terceiro andar.
de leite : na rua do
Aluga-se urna escrava parda de meia idade
para casa de familia ou homem solteiro : a tra-
tar em -anio Amaro, sobrado juntj ao cemiteno
ioglez.
gommado, cosraha, 2 quartos para prelos, estriba-
rla, cocheira, um bom sitio com baixas que plan-
tadas de capira sustentan) dous cavallos, excellen-
te banho em frente da casa e divertido tempo de
fe.-u por ticar muito perto do engenho Dous Ir-
mos a tratar na rua do Hospicio n. 54.
Pra quem precisar de banhos, offerce-se
AssociaQfto Commercial Be- ftSVS T^^S^: iha
neficente de Pernambuco. com L M R"Valeca
tratar
CASA
Altig i-se maito em conta o segundo e terceiro
andares do sobrado da rua da Madre de Dos n.
36 ; as chaves acham-se na loja do mesmo.
SOIZ PKIXE
III O.IOI lltl)
20RUA DO
E UOVRADOR
RANGEL20
Nao se tendo reunido numero suficiente dos se-
nbores assooiados para a reunio extraordinaria
de assembla geral convocada para hoje (26), a
direceo pela segunda vez convida os senhores as-
sociados a se reunirem na sala das sessoes no dia
3 de outubro prximo vindouro ao meio dia, para
o li')i j annunciado.
Associar;o Commercial Bt-nelicente de Pernam-
buco 26 de setembro de 1865.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforado.
Maooel Ignacio da Silva Teixeira com pada-
ra no largo da Sama Cruz n. i, e rua do Ro-ano
da Boa-Vista o. 5o, faz sciente aos senhores fregu-'
dem dita o 2 sita na esquiu da rua de Moto- ies 1ue l8f '[nado pao por va do administrador
colomb defronle da igreja de N. S. da Pat, nos trtbalhador Maooel da Silveira Prcitas. deixou
Afogado, solo foreiro. de ser gerente das mestnas, e por isso o pao entre-
Idem dita de n. 29 sita na entrada do Mangui- ad. D0 fabricado na mesma, e os senhores que
nho quasi defronte da igreja de S. Jos, solo pro- estao Prendo ao mesmo Freitas nao devera pagar
prj0_ por estarmos em liquidacao.
De duas casas terreas de n. 32 e 34, sitas na Precisase de um hornera portuguez que en-
raa da Praia do Caldeireiro e mais i ditas nos tenda.de venda a retamo, que d fiador a sua cao- Alagase a padaria cora seus pettences a
faodos dess de ns. 49 e 51 sitas na rua da Pal- docta, e d-se-lhe ioteresse : a tratar na travessa, rna Imper al n. 199 : a tratar aa roa de Bertas
ma, estas 4 sao foreiras. de Apello n. 43. taberna n. t.
Acaba de sahir do prelo nogSes do sysiema m-
trico decimal por Jos Amonio Gomes Jnior ; esta
obra contm as precisas laboas em que as actuaes
medidas de peso, capacidad-, extenso se acham
convertidas ao .sysiema mtrico, comparado a uni
dade nova a amiga, atim de que os clculos no
commercio se executem de um modo facilimo, pre-
cedido este trabalho de claros exemplos de con-
verso, para que poss-m ser comprehendidos por
todas as uiielligeucias : veade-se a 1 as livra-
rias acadmica e universal, ma do Imperador ;
econmica, arco de Santo Antonio; e em casa do
autor, rua do Destino n. 3, onde es compradores
de dez exemplares para cuna tero um beneficio
na razo de dez exemplares por ceuto.
Perdeu-se urna pulseira de. ouro na noite de
20 do corrente, desde o becco dos Ferreiros pelas
ras da Aurora, ponte de ferro al a 2 ordem do
theatro de Santa Isabel: roga-se a pessoa que
achou, querendo rostituir, fara' o favor de a levar
ao becco dos Ferreiros, c da Sil va Beiris, que sera' generosamente gratifica-
do. Os signaes da pulseira se mostrara' outra
igual.
Dinheiro perdido.
i Perdeu-se hoolera da rua do Trapiche (hotel
d'Earopa), indo pelas ras da Cruz, Cadeia, ponte
nova, at o correio, voltaodo pelas mesraas, a quan
lia de 520000, sendo dez notas de 50 e urna de
20$' roga-se a quem as achou de apparecer no
dito hotel d'Europa, que sera' generosamente re-
compensado.
Precisa-se saber onde para urna carta viada
de Macei pelo vapor Parahiba, em 25 de agosto
prximo passado, remedida pelos Srs. Brbosa &
Vasconcellos para Joa ioim de Souza Silva Cunba,
na rua da Cadea n. 28 1* andar, que no correio
nao apparere: a dita carta cominha dentro urna
carta e urna letra de pequea quantia, de Joo
Marques de Oliveira Guimares, da cidade do
Porto, para ser aqui cobrada de quem a deve, e
mais um papel de um arrendamento de um sitio
Gungur, por D. Francisca Eugenia de Mello, pro-
vincia das Alagas; o mesmo papel vinha para os
frades passar o recibo no mesmo, como ja' ha muito
era costume. Muito se agradecer' a pessoa que
entregar dita carta, pois a ninguem serve seno ao f
annuncianle.
Eofeiles para cima de mesa.
Riquissimos enfeiies para cima de mesa e para
toil le t.
Mielas e sintos.
Riquissimas five|as de madreperola e de metal,
assim como bonilos sintos.
Fleres.
Riqui.-simo sortinieuto de flores o mais fino que
se pode desejar.
Iimjo para familia.
Riqnissimo jogo de vispora em caixinhas de ma-
deira envernada e pedras finas proprias para eo-
tretedimenlo de familia.
Para viagem.
Riquissimos estojes coa todos os pertences finos
para hornera.
Filss.
Riqusimo sorlimento de filas de todas as ca-
lidades e lindos gestes.
Franja.
Rlquissima franja de seda de muilo fios pa-
droes tanto de cores como prelos, assim como de
borlla e sem ella propria para cortinado.
Trancas.
Riquissimas trancas de seda preta e de cores as-
sim como de algodo e de la.
Perfumaras.
Grande sortiraento de perfumarlas de todas as
qualidades e dos meihores amores at o presente
coohecido e muitos oolro- objectos que se tornara
eufadooho mencionar, isto s6 no vigilante rua
do Crespo o. 7.
Grande rmazen de tintas.
RUA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas nm grande deposito de
producios ehimieos utensi? e os maisempregados
e usados na pharmacia, pintura, photographia, tin-
turara, pyroteehii)ia;fogos de artificio)eem outra
industrias.
Montado em grande escala, e sopprindo-se di-
rectamente as prinripaes drogaras de Pars, Lon-
dres, Hamhurgo, Anvers e Lisboa, pode otlereceer
productos de plena confianza e salisfazer qnalauer
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas sa> cem prompUdo qualquer pedido de tintas moidas
a oleo, cuja qualidndee pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o qae
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se enconlram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collecc^lo de vidros de difTerentes
formatos, desde urna oitava at dezeseis ODcas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
rtopriedade e outros; de papis dourados e pra-
p adus e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
para embrulho, para forro de casa, para desecho
com fundo j feito;de papel albuminado l.e Briso
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
tetior v oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de tinhaca
clarificado, oleo de toiele, secativo de Harlim, oujo
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanto em fb-
Ihas de varias cores; tintas vegetaes, inoffensi-
vas proprias para confeitarias ; la de cores, e
olhos de vidros para imagens; limas em lobos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aqarella ; essencia de rosa superiioa, de ne-
roly, jasmim, bergamota, aspice, patchouly, araar,
bouqaet.liino, alcarai va, melissa, oriela pimenta,
looro, cereja,, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
ans da Russia, canella, cravo e mullos antros ob-
jectos que s com a vsta podero ser mostrados.
Joo Pedro das eves,
___________________________Gerente.
Precisa.se de urna ama para comprar e cozi-
nhar : na rua Direlta n. 6, taberna.
Jos Hygino dos Santos e A. na Rosa de Li-
ma, agradecem cordia Imeote a todas as pessoas que
se dignaram aeompanhar o cadver de Jos Joa-
quim Pereira Maia at o cemiterio publico, e con
vida a todos os seos amigos a assislirem a missa
do stimo da, s 6 horas da manhaa do dia quinta-
feira, 28 de selembro.
SOCIEAE
Unio Beucficeute Naritina.
Por ordem do Sr. presidente sao de novo convi-
dados todos os senhores soens a se reanirem em
Participa a seus amigos e fre- assembla geral no dia 29, pelas 6 f|2 horas da
guezes que acaba de receber mag- tarde, na sala de suas sessoes, para se proceder a
mficos n-logios de ouro e prata e elelcao da nova direceo, e para se tratar de ne
correntes de ouro para relogios gocios de grande urgencia.
do mais apurado gosto. Secretaria da soriedade Unio Beneflcente Mari
Concerta relogios de qualquer tima 24 de setembro de 1865.
Joo Rodrigues Bandeira
2 secretario.
nalureza, ca xas de msica e dou-
ra nao s relogios como qualquer objeclo.
Precisa-se de ama ama para easa de pouca.
familia : na rua da Conceico o. i.
Usa t-a Sant^nua.
Aluga-se urna casa com bons eommodos e fres-
ea, por barato preco, para os mezes. da festa ou
por anno : a iratar cora Manoel Lftlz. da Yejga.
rua da Gioiia o 4
Fugio no dia 19 desle mez de setembro o es-
c.ravo Nicolao, de idade de 13 para 14 annos, cor
tola, falla mansa, cabellos caraptahos, os das es-
tradas na cabefa sao nnvos, olhos grauJes, conbe-
ce alguraas leir>s aiphabelicas, todas as numri-
cas, e levou calca e camisa de rfe-cado azul, foi en-
contrado no dia 22 na rua do Arago montado em
um cavalio, e em companhia de alguns matulos
qae se dirigan* para fra da cidade, os quaes se
igoora d'onde s^jam. Assim recommenda-se a to-
das as autoridades poliriaes e pitaes de campo a.
apprehenso do dito eseravo, bem eomo qn o fa-
cam condos* a' casa de seu senhor Pedro Ulysses-
Porto, nesta eidade do Recife, rua do Socego (Cara-
po Verde) u. 31, que generosamente recompensar-
e pagara todas as despezas feitas a' quem o en-
tregar. ____
Precisase de um criado que saiba bolear, e
que seja unibein copeiro : a tratar na rua da Cruz
armazem n. 38
Alugam-SH duas negrinhas do 13 a 43, anuos
para o servigo interno : na rua Direila n. 29:
Precisa se de urna ama para casa de pouca
familia : a tratar na rua Augusta n. 60.
Offerce-se urna petsoa com bons attestados
para criado de servir ; quem precisar dirija se a
rua do Arago n. 32. ________^^
Precisa se de om menino para caixeiro da
taberna, dos ltimos cftegados: na rua Direila nu-
mero 35.
Rogase aoTSrs. Manoel Felemon Fernandea
e Joo Fox coocluirem o qae nao igooram a' loja
u. 20 B da rua do Crespo.
--
----------------------


-vT
M rio lftllftMafttfb/2- Q*rU tei* DEPOSITO DE Cll^. g
! DFT|tNC40
Ra Xovs
Ahi se en<*"
a. i.
m
m
m
.i/dtrarao obras Je di-
J? calidades, e por preco mui
...minutos, a retalho e em porcoes.
j So se vende a dioheiro.
O Sr. Joao Migael de Oveira Beratdo queira
flirigir-se a ra Nova o. 60, a tratar de negocies
que I he dizem respeo.
~Gratificaco de 508-
Ausettoo^se da basa 59 da ra do Imperador;
(outr'ura CoHegio) no sabbado 16 do crreme raez
de selembro de 1865, o escravo pardo deuome Joa-
qunn. cornos signaesseguintes : estatura regular,
idade 18 a 2U anuo-, seo barba, ps largos, olhos i
grandes, cabello corrido, com urna cicatriz grande
e bem visivel na testa, parte dus denles da frente j
arruinados, e com falta de alguns dos lados, sanio ;
com ca^a de brim pardo e paletot curto de panno,
mas Jevu mais roupa branca e de cor, milito:
astucioso, cosluma intitular-se forro e andar cal-1
ade, f i escravo do Sr. Guilherrae Frederico de
Sonta Carvalho, genro do tiuado Sr. commeudador i
Manoel Goocalvcs da Silva : rogase a sua captura |
a tudas as autoridades policiaes e a <|ua!<]ucr ca-
pito de campo ou outra pessoa particular que o i
apprehender se gratificar com 505, alm das des- i
Tiezas de conduccao, entregando-o a seu senhor ,
Miguel Jos Al ves, na casa cima, ou no sen es-
cripiorio na ra da Cruz casa u. 19.
mStok,
mJPURETO DUPLO
deFERROeQUININA
Aluga-se
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS ^MfM$M
A EIDA EM PERffAUIRlJCO
Em casa dos Srs. Caors e Barboza, ra da Cruz n. 22.
Os elementos qoe compeea esta preparacao, o
ferro, o iodo e a quina, a oolloco no primeiro
grao das preparaedes ferruginosas. Basta attcslar
seus resultados obtidos peles Mdicos dos hospi-
taes, eos relatnos dos pp&Xicos mais eminentes,
que confirmrao sua poderosa eflicacia as se
guintes affoocoes:
%t

Francisco Garrido, antigo proprietano do note
Trovador, sito na ra do Rosario, de volla de sua
viagem a' Europa, avisa a seus numerosos trege-
les, tanto desta capital como do centro da provin-
cia, que se arha novamente eslabelecido na mesma
ra larga do Rosario n. 37 com um hotel denomi-
nado Traviata, onde acbaro us seus freguezes
sempre a melhor vontade para bem os servir, a
par de excellenles vinhos capils e boa comida,
qur no mesmo estabelecunento, qur para fra, e
dentro da cidade aos que nao qnizerem ou nopo-
derem vir a seu estabeleimento, sendo pelo preco
mis mdico que tm outra qualquer parte. No
mesmo estabelecimenlo aeharao os seus freguezes
bilhares para recrearem-se, bem como sorvete to-
das as noites para refrescarem-se.
O Dr. Cosme de S Pereira conti- fe
8na a residir na ra da Cruz n. 53, gj
i e 2o andar, onde pode ser procu- fif
a> rado para o exercicio de sua profis- am
I sao medica, e com especialidade *
I sobre e seguinte H
Iomolestias de olhos;
2o de peito : jgf
3o dos igaos geni- B
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se- i
rao examinados na ordem de suas g
entradas comeando o trabalho pe- I
los doentes de olhos. B
Dar consultas todos os dias das gg
6 as 10 da manha, menos nos do- n
mingos. ~;
Praticar toda e qualquer opera-
cao que juigar conveniente para o |
prompto restabelecimento dos seus g
doentes. JK
Mlngoa Mangue,
Alinala,
Cliloraae Ictericia,
HrNuIriMl,
Affi-cca.- do tero,
Supprcaaucti cln pe-
lera* c dcMrle
nieantruaf o,
Afrrvrao piiliuanar
phthlalea,
Moleallaa il (wttrulfflHH,
I'crdu u*a||etlte,e*e.,
CoiiviilearfnraiIrllHl
as moli-NiliiM,
MeleatlilM incrofcilo-
MMM,
Papel ra,
Ohutrucrao dan gln-
dulas,
Humores frloa,
TuiuAreM limucos,
H*chlllmn.
AITeeroea enneerosas
e nyphllltlca*,
Fcbren typhalae*,
linliif, ele, etc.
PASTIMf
ESTIYAS
DE PEPSINA
DE WASMAN
Plurrhrun e a conull-
pncao proituttlilua
pelrtM lalM.rarVu'n
defeltiiuMa dos ali-
mentos.
Vejao-tt os bulletins de therapeutica medica
cirurgica de 30 de novembre 1860; a Gazeta
dos hospaes de 8 de julko 1860, etc., etc.
Alm daspilulas de todureto duplo de ferro e de\
quinina de Heblon, os Mdicos aconselhao
igualmente o Xarope d'iodiireto duplo de
ferro de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao gosto de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tem
coniooxaropcd'ioditreod ferro, o inconveniente
de alterar-sc e de se nao poder conservar.
Peca-se o folheto que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para se evitaren falsifica^dcs, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paris, pharmncia Rebillon,
4 ru du Bac, e em todas as boas pbarmacias
de Franca e as dos paizes ?strangriros, etc.
As fasliUias digestivas com a pepsina de
Wasman, emprego so com successo h j
alguns annos pelas celebridades medicaes de
Pars. Londres, Vienna, etc., em todas as in-
commodidades emas quaesadigesto dilficil,
penosa, imperfeita ou mesmo impossivel: cis
e melhor remedio para cural as.
Cstratelas,
Ulspepslas,
(A 11 b ii ni <-os oxh si r Ir f s
A Knstrlle,
A afr-ecooa oritanl-
rmi du estiiniuuo,
Sua accSo vivifica o sangue e os rgSos de
tal sorlc que, atli as pessoas que sem soffrer
as affeccoes gstricas cima mencionadas sao
nicamente fracas ou d'um temperamento um
pouco dbil, e necessilo substancial alimento
para forlilicar-se, acli.lo bo emprgo das pastil-
kas di.pepsina de Wasman,um poderoso mcio
para a isso cliogar.
Aviso imprtame.Osuccessodas pastilhas
pepsina (fe Wastnan den causa a se fazerem
falsitcacoes e imitagoesd'esse producto que os
mulos se querem ilesfazcr. Pois por falla
d'uma boa |)reparavo a pepsina que n'ella
entra, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'este
inconveniente, exigindo os compradores que as
pastilhas tenhao as iniciaes B. P. e saiao da
phannacia Chevrier.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangoiros.
DOENGAS
dos MENINOS
MASSA e XAROPE
DE CODENA
CURADAS PELOS
XAROPES DO DOUTOR DANETlI BERTHE
1. Contra as CLICAS DOS MENINOS anteo
e durante dentlea*
(Xarope de cynoglosse e de acido succioido)
N* 9. Contra a TOSSE CONVULSA e a TOSSE
NERVOSA
(Xarope de cjnoglosae e de leo voltil de succino)
V 3. Castra as co.wi I-cOes DOS MENINOS
A CHOREA
(Xarope de cynoglosse e de acido voltil de succino)
Estes no vos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sao em-
preados com grandissimo successo pelos medicos
de Franca para o tratamento das molestias de-
mentaos cima indicadas, e vier2o encher um
vacuo importante na therapeutica, no que toca as
affcccocs da infancia, para as quaes, alli boje,
ainda se nio pode indicar tratamento raeionnal-
nem infallivel.
(Peca-se o prospecto em casa dos pharmaceu,
ticos depositarios.)
Preco do frasco em Paris, 3 fr.
Para se evitarem as falsificacdcs, exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtulos a
asignatura Chanteaud.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chan-
teaud. c em todas as boas pharmacias de Franc?
c dos paizes estrangeiros.
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magendie, Barbier d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran, Viga,
C. Dumont, etc., membros do Instituto de
Franca, medicos dos hospitaes de Paris, tem
provado que a Massa e Xarope de Berth &
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade de
calmarcom admiravel rapidez as losses rebel-
des e extremamente fatigantes da grippe (ca-
tarrho epidmico), defluxo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchite e tsica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
acho em todas as boticas.
Para evitar qualquer
falsificarn,exigir em
cada produlo o nume
e a fuma Berlu.
Deposito geral em Pars, cin casa de MENIER,
Ra Ste-Croix-de-la-Bretinnerie.
por 16? mensaes ; a ,ralar Qa es|rejta 4 R
garlo n. 58,
compas.
Compra-se efTectivamente ouro e prata em
ODras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de efTectivamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terreiro andar.
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na (iraca da Inde-
pendencia n. 22, loja de bllhetes.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas: na ra da Cadea do Recife,
leja de ourives no arco da Conceicao:
Jornaes para embrulho.
Compra-se na fabrica de cigarros antiga roa dos
Qnmeis de Polica n. 21. a 140 rs. a libra.
Compra-se carosso (sement) de algodo : no
armazem dealgodo de Saonders Brothers & C,
no caes de Apollo.
GRANULOS
e BISMTHJ
DE CHEVKIER
Molestlus de ligado,
A Ictericia,
Palpitara.* o* coracao
Ddrca no rala,
Os granulos de hismuth de Chevrier em supe-
riores a todas as outras preparacocs de bismuth
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
DlarrheMM rhrouleaa,
D>HenterluS,
Ddrca d'rnioiiiuKO,
Dyanepftlaa,
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
irriiace de h.-iijja e e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
da matria, ete. estrangeiros.
Maa dlgeatoea,
Gaatrltea,
Gastralgias, etc.,
OppreseOr,
Darea de rabeca,
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
Suflbccco nervosa e Oppresso
nico remedio efcaz para combatter estas mo-
lestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volla 'o Xarope aromtico de Succino (mbar
araarello) do Dr Danet. Descoberla inleiramenle
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54,
ra do Commercio, Paris-Grenelle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
Pelas commissoes em grosso, dirigirse aos S"' WILLAERT e BERGER, comisarios em drogara, 11, ra Saint-Lazare, Paris.

Precisa-se de uroa ama para casa de urna s
pessoa : no beeco das Barreiras n. 3.
De- mil olipas
Contrata-se para o caminho de ferio de
Apipucos, 10,000 solipas de niadeiras de
(jualidade- guem pretender forne:e-las diri-
ja-se at o dia 30 do Imperador n. 55, segundo andar, para
tratar do ajuste.
Joo da Silva Hamos, medico, me- W
dico pela univcrsida le de '.'oimbra,
I d consultas em sua casa das 9 as ^
lp II horas da manliaa, e das 1 as li
IK da tarde. Visita os doentes em suas *M
casas regularmente as horas para .3|j
isso designadas, salvo os casos ur- j
S gentes, que sero soccorridos em *>>
qualquer occasiao. D consultas aos H
pobres que o procurarem no hos- H
l pital Pedro II, aonde encontrado ,1
I diariamente das 6 s 8 horas da gg
zq manha, 2f
Tem sua casa de sade regular- s
I* mente montada para receber qual- ^s
quer doente, ainda mesmo os alie- flj
nados, para o que tem commodos I
.. apropriados e nella pratica qualquer JjjJI
\ opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3)5000 diarios.
Segunda dita....3d500
Terceira dita .2)5000
Este estabelecimenlo j bem
acreditado pelos bons servicos que
'i tem prestado.
J 0 proprielario espera que elle
l continu a merecer a conflaoca de
.que sempre tem gozado.
m Casa de banlio
X.'. Largo do (armo a. 26. fu
^ Este estabelecimenlo tao liem montado $;
* na sua origem acbava-se de ha muio mm
*^ em quasi completo abandono pelo pouco WK
f interesse de sua administracao. < %*
^ Hoje que o novo proprietario empre- ~
"^ gou todos os raeios para restabejler a W
| grande utilidade deste estabelecitnento, ^
ac pode assegurar ao publico que qualquer W
fflft que seja o numero dos concorr^ntes SR
H acharao desde j promptidao e aceo nos &K
banhos Irios, momos ou medicinaos, a ^
jjff casa dos banhos se achara aberta tpdos SK
Kdias das 6 horas da manha as 11 da ^5
noite. I ^
^ Precos.
Banho de choque....... 500
2 Dito fro on morno..... 500
Dito de farello.........15000
Dito medicinal ser se-
S gundo sua qualidade.
H Assignalura. i
j|g; Por mez banbo fri oo morno. 105
M 25 cartoes (-.ara banho fro, mor- i
Bj no ou de chuvlsco..........105i
%g 12 carioes para os mesmos... 5Jt'
'T" 12 ditos para banho de farello. 105
Precisa se de um moleque para o sen 150 de
casa : na ra da lmperatriz n. 18, loja.
LIQUIDACAO GERAL
NO
GRANDE ARMAZEM DA fcXPOSigAO DE LONDRES
^^J,
J^ '&~*&\
Ao Sr. Block.
fallar
don a
jrev-
ra de
D'asso e christal, elogantes 011-
feltos para senhoras.
Pelo ultimo vapor da Europa madame R. Adour
recebeu um completo sortimento de enfeites de
ac e christal para senhoras, consstindo em ricos
diademas, denles, brincos, broche pulseiras, bu-
toes e urna infinidade de enfeites de apurado gos-
to, ainda nao visto o'esta cidade: as pessoas que
preteuderem comprar, dirijam se ao sobrado de 2
andares, ra Imperial n. I, perlo da matriz nova
de S. Jos, para escolherem a seu (tost, visto nao
se poder dar amostras; das 10 horas da manha,
at 4 da tarde.
mmm mmm mmmm
1
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doulor, que se tem dado ao
esludo tanto das operares como das mo-
lestias internas, presta se a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.
m
m
j Francisco Jos oo Rosario
Barroso,
VM antigo relojoeiro, tem a honra de
>A scienliticar ao respeitavel publico, e
S principalmente aos seus |fregue SR e numerosas inig08, que lemmu-
H dado a sua residencia e estabeleci- &
W ment da ra Bella, para a da Roda
S i-. 10. onde como sempre esl
an prompto para aviar todo e qualquer
f servioo pertencente ao seu officio, e
3?" ssoj se sabe por precos commo-
tA issimoF.
wMmmmmmmmmwm
A tlencao
rre*iM se de urna ama forra oa captiva que
saiba cusmiiar e fazer a compra da ra : a tra-
tar na ra da lmperatriz n. 78, loja.
Xa ra do Livramento n. 19. precisa-se
ao Sr. Block, negociante de joias, que afl
pouco no termo de Setiohem, bem como
oe-se que nioguem faga negocio com urna le ._
1:900000. acceita por Ignacio de Barros Wr.nder-
ley, para Janeiro vindouro, ao dito Sr. BlocH, por-
que existem duvidas importantes, como consta de
documentos, acerca dessa letra.
mmmm &$$ mmmmmwM
I HETIUTISTAS
Firmino & Lins M
' m
H Kovo cstabelecimeuto de retra- m
tosmaXova d. 15, Io ao- ?
dar, jDto ao Sr. Gaotier,
p dentista.
S Tiram retratos todos os dias, das 7 horas
< da manha s 5 da Urde, quer chova ou
Knao.
Tambem se offerecem para tirai retra-
K tos de pessoas fallecidas, dentro oo fra
m da cidade.
W Os ananclantes desejando acreditar o
55 sea estabelecimento, garantem ao publico
M que nenbum trabalho sahir de sua offici-
Wi na, sem quejio seja perfeitamente acaba
jjfc do, e a vontade do fregoez.
MMMm mmmm mmmmm
Samuel Power Johnston & Gompanhia
Ruada SenzalaNova n. 4.
\GENC1A DA
iuutJ<,ao de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engeuho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios di carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma binas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
GonfeiUria dos Ananazes.
Ra da Cruz n. 46.
Continua haver diariamente pastis de diversas
qualldades, enpadas, bolo inglez e doces para cha',
Hambre, ha latas com caj em xarope hermtica-
mente fechadas proprias para expoitaco, caj'
eccocrystalisadc, prepara-se bandejas com doces
finos e de ovos (gema) po-de-lot, bollo e diversas
qualidades de gatheas simples e decorados, com
disticos a vontade do freguez, caixiohas proprias
para presentes com enchimento de amendoas, con-
fetos, e pastilhas e bombom.
Mmm msmwmm mmmm
Companhia Gdelidade de seguros $g
martimos e terrestres &ag
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PBRNAMBUCO
Antonio Luii de Olive ira .heredo C, (
competentemente antorisados peladirec- if.
loria da companhia de seguros Fidelida- g
de, loinain seguros de navios, mercado- f
ras e predios no seu escriptorio ra da jS
t'.nu. n. i.
- *a
Tlflll &
60 Ra da Cadeia do Recife 60.
Todos os artigos abaixo mencionados foram comprados recentemente pelo dono do estabelecimento as principaes fabricas
de Paris, Londres, Birmingham, Manchester e em diversas cidades da Allemanha, e tendo comprado ludo as melhores condices
por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inleira-
mente liquidar e ter de partir mui breve para a Euroi a.
Ha neste vasto armazem rics objectos cora brilhantes, como botes, aunis, rosetas etc., e bem assim diversas obras de
ouro, como trancellins, correntoes, anneis e muitos outros artigos, relogios de ouro inglezes do afamado fabricante Bennetle; com-
pleto sortimento de fazendas finas e modernas; miudezas, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e francezes, como L.
T. PIVER, Lubin, L. Legrand, Ed. Pinaud & Meyer, Delettrez (Perfumerie du mond lgat.t), Violet, Societ Hygienique, Mompelas,
Mailly, Regenier, P. Guelaad, e inglezag de Eug. Rimmel e outros; ricas galanteras em marfim, madieperola, etc., fabricadas na
China e no Japo; ricas pecas de crystal fino como aida nao appareceram nesta cidade, e bem assim modernos lustres para velas,
ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casticaes, enfeites e adornos para cima de consolas e para grande loillelte, o que se tem
feito de mais elegante em Paris, Londres, Birmingham etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para cha ecaf, os quaes em
nada sao inferiores prata, e muitas outras pegas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de senho-
ras, excellenles luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf, ditos para j-ntar, e immensos arti-
gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para llores, figuras, etc; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de pan-
no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na
ra, ditos com figuras para sales e ditos com figuras em movimento; mode> nos e bonitos instrumentos de physica (mgica) para
theatros ou sales, ditos de pbantasmagoria; lanternas mgicas, cosmoramas com vistas novas, dia e noite; stereocopios de nova in-
venco e com bello sortimento de vistas das principaes cidades da Enropa; grande sortimento de brinquedos finos para enancas, e
bonecas fallando papae e mame ; grande sortimento de candieiros a gaz, o que se tem feito de mais elegante e que tem
merecido toda a aceitaco na Europa, grande e magnifico sorlin ento de caixinuas, cestinhas e outras galanteras feitas d* crina e seda,
proprios para presentes; grande sortimento de estampas fin is coloridas com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com
figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, un bello cliafariz de crystal
proprio para meio de mesa de jantar ou para jardim; cutelaria fina, como lalheres com cabo de metal fino, colheres. thesouras finas,
ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, caivetes e outros artigos, diversos artigos leitos de rame ; completo sortimento de
mascaras de veludo, setim, cera, papelo e rame j doces confeitados e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de todos
os tamanhos, lavatorios, etc.; ricos quadros para cartes de visita e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos de sol, benga-
las, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias para quem faz po-del, bolinhos, etc.;
pannos para cobrir mesas, bolsas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobert res, malas, etc., sortimento de
violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galantarias e outras Decas decharo para loillelte: macliinas para varrerochao,
excedentes machinas para photographia para tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos baioes de papel fino transparente e lanternas
coloridas para illuminaces moda de Paris; salva-vida de borracha, para homerts e senhoras, proprios para quem toma banhos em
lugares fundos; ameixas novas em caixinhas, biscou;os inglezes em latas, queijos, etc., e muitos outros artigos que para ennumera-
los seria um nunca acabar, e todos se venden barato e muito barato, no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Ca-
deia do Recife n. 60.
NO GRANDE AR-
MAZEM.
PERFUMARAS finas
DA EXPOSICO DE
LONDRES.
(MURO
Precisase de um caixeiro de idade de 14 a 16
annos, com pratica de taberna, e que d fiador a
sua conducta : na ra da Madre de Dos n. 9 se
dir quem pretende._________________________
- Na praca da Independencia n. 33, loja-de oun
ves, compra-se ouro, prata, pedras preoiosas e
tambem se faz qualquer obra* de escommatida e
odo e qualquer concert.
Para completa quidaco vendem-se, por muito menos do seu valor, perfumaras muito finas e novas chegadas recentemente
< de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes: E"g. Rimmel, R. Malheus & C., Lubin, Sociedade Hygienica. Piver,
i Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud* Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frre, etc. etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de
. Colonia em vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em garranchas e vidros de differen-
; tes modelos, pos para limpar dentes, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer
! presentes, e muitos outros artigos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande
armazem da Exposic3o de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
PARA SE*HORAS
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca desenhora, o que se tem feito de mais elegante at o presente: vende-se
por menos de seu valor para se liquiJar, no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
IilJVAS WOVAS 1E JOUVIJW.
Vendem-se excellenles luvas de pellica, recentemente chegadas de Pars, tanto para hornera como para senhora por menos de
seo valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
PHlOTOQR FRA.
No grande armazem da Exposico de Londres, ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da lmperatriz loja de Mr. Dubarry n. 8
e na mesma ra loja de miudezas n. 54, vendem-se excellentes vistas para quadros de sala e para albuns, como:
Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.'
Amarante.
Vista geral de Guimares.
Porto, ra de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimera.
VISTAS DE PERMAJMRL<;0.
Tiradas na occasiao em que S. M. o Imperador aqui esteve em 1859 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M. o Imperador no dia 2 de dezembro,
indo para o Te-Deura no convento do (armo.
Theatro de Santa Isabel.
Ra da Cruz com a pyramide.
Torre d i Arsenal com a illuminaco na frente.
Passeio publico, na chegada de S. M. o Imperador.
Ra do Collegio com a tropa.
Pateo do Collegio eom o palanque.
VIACE1I A9 EUROPA.
Stereoscopios de nova invenco com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como :
Franca.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc, etc..
Vendem-se barato para quidaco no grande armazem da Exposico de Londres na ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da ta-
peratriz loja de Mr. Dubarry n. 8, e na mesma ra loja de miudezas n. 54.
Compram-se moedas de ouro brasileiras de
35, 10-5, 164 e o, com 6 por cento de premio, e
tambem pecas portuguezas de 95 e 16 com 5
por cento ; na praca do Corpo Santo o. 4, primeiro
andar.
Um sobrado
Compra-se um sobrado de um andar ou urna
casa terrea com commodos para familia grande,
nos bairros de Santo Antonio ou Boa-Vista : n
ra Nova n. 37, loja, se dir quem pretende.
Na ra do Crespo n. 16, primeiro andar,
compram-se libras sterlinase moedas de ouro bra-
sileiras.
(Jompram-se
moedas de ouro de Si, 105, 9, 105 e 20J com
6 0/0 de premio na ra da Madre de Dos nu-
mero 21.
Comprase urna escrava de habilidades e
conducta, paga-se bem agradando : na travessa da
matriz de Santo Antonio n. 8.
Comprase papel diario para embrulho, pa-
ga-se bem : na padaria da ra da lmperatriz nu-
mero 66.
Compram-se dous sobrados em boas
ras : quem quizer vender dirija-se a ra
do Apollo n. 38, armazem.
Oncas h6spanholas e da patria : compram-se
na praca da Independencia n. 22.
- Compra-se urna machina de extrahir olos
vegetaes, quem a tiver annuncie.
Compram-se moedas brasileiras de 204
215 : na ra do Crespo o. 16, primeiro andar.
f E1D A S.
Bibliotkeca lusitana
histrica, cnica e chronolcgica, comprehendendo
a noticia dos autores porluguezes e das obras que
compozeram, desde o lempo da promulgacao da lei
da graca al o tempo presente, por DIUGO BAR-
BOSA MACHADO, 1741, 4 grossos voluraes em to-
do ; obra varissima, cuja cdicfio ha muito se acba
exgotada. L iodispensavel a todo o humera lettra-
no ou de prolisso scientifica, de quem a historia
patria e as letras nacionacs nao podem nem devem
ser ignoradas : vende-se na livraria de Jos No-
gueira de Souza no arco de Santo Antonio.
Vinbo do Porto superior em caixa de dozia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C, no seu escriptorio ra da Crnz n. 1.
inoTrmIzm~
de fazendas baratas de Santos
Coellio, ra do Qutimadi n
11>, vende se o seguinte :
Leuces de panno de liuho a 25200.
Ditos de bramante de linhode um s panno pelo
baraiissimo preco de :1520o.
libertas de chita da ludia a 2400.
Pecas de cambraia de salpicos branca e de cor
com 8 1|2 varas, pelo baratistimo preco de 45500.
Pecas de cambraia adamascada com 20 varas,
propna para cortinado a 1 15.
Baioes de arcos a 35, 3V>00 e 45-
Lencos de cambraia braucos pequeos, a duzia
25000.
Ditos ditos de dita finos, a duzia 2-600.
Bramante de linho nuo com 10 palmos de largu-
ra, pelo baratissimo preco de 25400 a vara.
Atoalhado de liuho a vara 2-3no.
Dito de algodo 25.
Algodo entestado com 7 1|2 palmos de largura
a I52OO a vara.
Pecas de bretaoha de rolo com 10 varas propria
para saia a 355(0.
Fil de linho liso tino, vara 800 rs.
Dito com salpicos a 1.
Cambraia de linho fina, a vara 45500, 6,500, 95.
Planella branca lina a 600 rs o covado.
Dita de cores a 880 rs.
Cortes de algodozinbo de lindos gostos, com 15
covados, pelo baratissimo preco de 55.
Madapolo fino largo a 95 e 105 a peca.
Esleir da India de 4,5 e 6 palmos de largara,
propria para forro de sala, por meaos prego do que
em outra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encontra om grande
sortimento de roopa feita e por medida._______
Velo pelo ultimo vapor um completo sortimento
de livelas e sintos para senhora, e se acham ven-
da na ra da lmperatriz, nova loja de miudezas de
Dias di C-; assim como se vendem ricas fitas pro-
piamente para cintos, por precos que as Exmas.
Sras. nao deixaro de comprar taes objectos an-
tes que se aeabem.
Os dimos da taberna sita na ra do Bemfica
n. 29, esquina dos Kemedios, tem resolvido ven-
de-la em razo de um estar doente, o qual vai a
Europa tratar de sua saude, cuja taberna est
bem afreguezada para a trra, e proprta para
principiante : quem se achar habilitado, pode ir
tratar na mesma a qualquer bora do dia.
Vende-se algodo trancado da Bahia : no
armazem de A. V. da Silva Barroca, ra da Ca-
deia n. 4^________________________________
Na ra do Raogel n. 55, segundo andar,
vende-se urna cabrocha de bonita figura com 11
annos de Idade e sem defeilo algum, sabe fazer
costura cha e labvrintho.
POR 6050001 !
Urna machina de costura : na loja n. 20, B, ra
do Crespo.________________________
Vende-se om tronco pequeo de sicupira, em
bom estado : na roa Nova n. 58, segundo andar.
Vendem se quatro burros muito raau>os, bons
de carga e de sella, por preco coramodo : a tratar
no hotel de Franca.___________________
ATTE^AO
Vende-se orna taberna em muito bom local, bem
afreguezada para a trra, propria para um princi-
piante por ter poucos fondos : na ra do Palacio
do Bispo n. 40.
****** **:** ***
m res de engenhos.
POTASSA
* Vende-se grande porco de potassa que p|
K tendo sido mol hada da-se por proco amito Jftt
v^ commodo : qaem quizer dirija-se a ra 5
JW do Imperador n. 38. botica. *6$
>J
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as agnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na botica
ftanceza, ra da Cruz n. 22, e pelo prego
de .30.


f.______ a._



MarJo de jreraumbueu guara fe --a Z7 fc se(embro de SI
- -~
salsa parrilha de a yeb. j Glande liquidado a dineiro"
Transcrevemos aqui alguns I i\a loja e armazem lina da i mperairf z n. O de Ga-
ma iV Silva.
Os dooos deste estabelecimeuto tem resolvido li-
quidar suas fazendas por presos baraiissimus, s
com o lim de apurar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negocian) era pequea escala com fazen-
das, que nesta loja e armaztm enconlrarao um
grande sortiraeMo por precos que ramio Ins lio
de agradar, lano em ] ega como a retalho, a
saber:
Cambraias de forro a 2$000
Vendem-se pegas de cambraia branca para for-
ro a 25 : na loja do Pavao ra da Imperalrlz n.
60, de Gama & Silva.
Moreanlique branca
Veode-se superior moreanlique branco para
vestidos de noiva a 25300 o covado, pechincha :
na loja do Pavao na ra da Imperalriz n. 60, de
Gama & Silva.
Percates com mofo.
.\a loja do Pavo a 360 rs.
Vendem-se as mais unas pereaUscom lindsi-
mas cores para vestidos de seuhoras, tendo um
pequeo toque de mofo que larga logo se lave
dos mu i tos altestados que temos
recuLido das virtudes da salsa
parrilua do Dr. Ayer.
Klieuniatitino.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto. ,
Soffri rheumatismo por mul-
tas vezes, e vendo anunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
Solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; e antes de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sera sentir a mais leve
dr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
tava affectada d'esse terrivel encommodo
que roubou-rae tantas noites de somno.
Unpedes, borbulhas pnstulas,
ulceras, e todas as molestias
da pe le.
DO SR. JOO PAULA DE ABREU E SOCZA.
Ra de S. Pedro.Ato de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupcao sypuilitica em todo o corpo, moss
trando-se sempre com mais violencia na ca-
ra, provei muitos medicamentos e consultei
muitos mdicos, e estava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
tiii:soi HO DAS JlAlK.
PROVIDENCIA DAS CRIANCAS.
COLLARESROYER,
Outros objeetos.
} Vindos tambem para a anliga loja de
miudezas ra do Queimado n. 16.
Sapatinhos de setim brauco bordados pa-
ELECTRO-MAGNETICOS, I ra botisadS
Chamados collares anodinos de denticao contra Ai P__ ... '.,.!
as convuisdes e para fuaiar a dentudo das]. Julios de mermo tambem bordados e
Crianzas, preparados e inventados por Royer, -igualmente bonitos.
pharmaceutico da Escola superior de Pars, site- j Meias de seda, correspondente no tama-
cfssor de Chereau, membro da academia de me- ni1(j jq^ saoatinhos
iicina, antiqa casa bouillon-i.aciiangb, pharma-. n.... < j c j r.
ceuticodoimperrdor, dufe dostrabaikschimi-u Outras mu unas de fio da Escossia e
eos da Escola Polytechnica, director da Escola j brancas listradas.
de Pharmacia de Pars, e membro da Academia I Luvaftinas de fio da EscOSSia brancas e
Imperial de Medicina. Ra Saint-Uwtin, 223,, g cor,jSi
Rival sem segundo Liquidacao das pecliiuklias
defronte da ra Chapn, em Pars.
da Imperalriz
covado.
liquida-se pelo baratissimo prego de 360
vado : islo s na loja do Pavo ra
n. 60, de Gama & Silva.
Laazinhas a 20' rs o
Na loja do Pav5o.
Vendem-se laazinhas transparentes para vesti-
dos sendo das cores mais modernas que tem viuJo
ao mercado pelo baratsimo preco de 200 rs., ditas
isto s para li
A bygiene a sade.
A sade a vida.
As MAIS.
Quantas criangas nao vemos cada dia suecum-
bir s dores da primeira dentigo 11 Quantas an-
cias e quantos tormentos para as tristes mais, que
vem se arrebatar, depois de tantos cuidados, de
tantas vigas, o objecto querido de sua ternura 1 t
Quantas vezes nao tem ellas sentido a ineficacia
dos remedios empregados, taes como brinquinhos,
charope de denticao, etc., cujo duro contacto dos
primeiros irrita as gengivas e causa inflaramacao
8 as membranas mucosas, e cuja acgo nulla fazia
com palminhas de seda a 240 rs. imu m> para n-
ao Ur. Ayer : comecei a fazer USO d ella e ; quidar, asslm como laazrahas roogambiques com
nos primeiros dias a erupcao aggravou-se, os mais bonitos padroes a 240 rs.: i;to na loja do
porcia antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
Doctor Don Jos Valdes Herrera, profet
sor de medicina y cirl'rjia, subdelegado
em ambas as facultades del sesto dis-
tricto.Habana.
CertiGco que he usado la car^aparn'i'-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
les casos de ulcera crnica, asi mismo au-
jor y las considero como um porgante, cuya
accin ademas de ser segura, ba sido muy
eficaz en el tratamento de las enfermidades
que exsigeu el uso de los porgantes, y on
vacilo en recomendar estas preparaciones.
Y para los fines que puedan convenir doy i
la presente en Regla a 7 de setembro de
1860.
Dr. ios V. Herrera.
Esropbula.
ATTESTADO DO 1LLM. SR, FRANCISCO FERHAZ
dos santos. Ouro Preto.
Me acho ha quasi dous annos affectado
de escrfulas, e tendo soffrido tanto qe al-
gumas vezes quasi que chego a desfoimar
da vida maldizer da minlia infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
ta cidade, e nenhum pode vencer i tenaci-
dade de minha molestia, estava sem espe-
rangas de recobrar a minha saude ; quando
ltimamente resolv fazer uso da 'alsa par-
rilha do Dr. Ayer. Gompletara-se hoje
trinta e sete dias que ceraecei com este
santo remedio, e tantas melhoras tenho
sentido que tenho conviocao de em breve
recobrar a minha saude, perdida ba tanto
tempo.
Syphilis e molestias uiei-cariaes
Do Illm. Sr. Dr. Jackso<.
Medico mnilo conheado as procitwiasdo
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa parrilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Syphilis constitucional e sempre com os
mais felizes resultados; o meCho.- alteran-
te que conheco.
Leueorrba c llores feraneas.
Temos artas em que nos contam casos
inveterada que feram radicalmente corados
com um ou dous frascos d'esta Salsa par-
rilha.
O espaco nao nos permitte trtmscrever
todos os atistalos que possuimos jas vir-
tudes 'este extracto composto e Salsa
parritba do Dr. Ayer. Basta declarar ao
publieo que tem sido eatpregado ba mais
de viole annos pela profissao medica tanto
das Americas como da ETopa; seai nunca
desmentir a sua alta reputacao.
Para a cura radical de escrfulas e iffcccoes
scrofulos, syphilis e molestids syphi-
litkfs, ulceras, feridas, cliagas,
erupcoes cutneas e todo e
qualquer incomecodo que
provm d'am estado
impuro de sangue,
TOMEM A
S\LS\ FiKIUlUt HE AYER.
A' venda na ra Direila, ns. l 2G e 76;
ra da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
tuico, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
prinoipaes pharmacias e drogaras do im-
perio.
P.. iWAURER & C.
lUia Aova u. iK.
Paviio na ra da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos indianos a 3$
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos in-
dianos ttndo 7 1|2 varas capa corle sendo fazenda
transparente de novosgostos que servem al para
bailes e partidas, vendea-se pelo baralissimo pre-
co de 3 cada um por ter-se cumprado una gran-
de porgo : na loja do Pavo ra da Imperalriz n.
60, de Gama & Silva.
Lencos de seda a 1 $
Vendem-se superiores lencos de seda
mens e senhoras a i : na loja do Pavao
da imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
rs. o co- j desesperaco s mais ? Acbar um meio fcil de ap-
plicar o Muido elctrico para alliviar os sotTrimen-
tos e prevenir as convulses, como tambem todos
os accidentes que resultara da primeira duntico,
tal o Uto que tivemos em vista alcanzar. Ha
muitos seculos que se punham no pescoco das
criancas collares de mbar amarello para preser-
va-las e cura-las de convulses, tmpregava-se pois
desde muito lempo a electricidade medica sem sa-
be lo, pois que o mbar iodo elctrico. E' evi-
dente que este effeilo saudavel repousa sobre a ac-
gao da electricidade, que sola o mbar esfregado
pelos movimentos do corpo da manga. Esta in-
fluencia constante do fluido elctrico, por Iraca
que fosse, produzia effeilos curativos proporciona-
dos quautia d'electricidade engendrada deste mo-
do. Esta propriedade elctrica de mbar a que
nos temos tido a feliz idea de applicar fabiica-
go dos collares de dentigo, augmentando a inten-
sidade dos effeilos elctricos do mbar por meio
de fios conductores que distribuem as correntes
d'um modo suave e continuo. Mr. Royer o in-
ventor de duas especies de collares : 1* dos colla-
res anodinos de mbar electro-magnticos; 2o dos
collares compostos de differentes melaes com cor-
rente voltaica. Partindo deste principio de physi-
bem conbecido. que a intensidade d'uma cor-
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras e meoinas.
Pentes de lartiruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulhas.
' Agulhas francezas, as afamadas. Pe|oSrsde Crd" m* veslidos' f
Caixinhascomaltinetesbrancosepretos. Bara|ns0-S muil0 linos a vollare
Haspas de baleia para vestidos. 240 rs.
Fitas de tnho proprias para ditos. Latas coui superior banha a 200 rs.
Caixas com linhas de novetlos grandes: lta*MS de 'aM peruia muio lino a 200 rs.
para crochets.
Trancellm de bonacha
Ra do Queiniado os. 49 e 55, loja miudezas de tres portas, est tjuti-
maiiilo tudo b ebarat, quem qiii-
zer ver e admlar venham lo];-, u
Bigodiulio.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
Grozas de bo'.oes .!e louea prateados fazenda mo-
derna a 100 rs.
Duzias de penua de ac fazenda boa a 40 rs.
Peras de tranca de lia lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas ui.-simas para limpar denles a 20 e
320 rs.
Pecas de fita de cs eslmtas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinla a 100 r.-.
Pegas
para ho-
na ra
ca bem conbecido, q
. rente galvnica est em razo direita da superGcle
US tSpartl ItlOS UO ra(lQ elementos que compoem a pilla, os collares
i a i! ex Royer, chamados anodinos electromagnticos de-
A 40, 00 e 00. signados e graduados por oito nmeros differentes,
Vendem-se os mais superiores esparlilhos com possuem as mesmas propriedades elctricas, com
as competentes filas para apertar pelos baraiissi- esta s dlfferenga que o effeito curativo esta subor-
mos precos de 45, B| e Sf por ter chegado urna dinado ao tamanbo dos elementos que os com-
graurte porgo para a loja do Pavao: la da Im-
peralriz n. O, de Gama & Silva.
Turtalana branca a 64(l rs.
Vende-se tarlataea branca muito fina a 640 rs. a
vara, ditas de todas as cores a 800 rs. a vara, di-
tas de salpico a 15, dita lisa a 800 rs. a vara : na
loja do Pavo na ra da Imperalriz n. 60, de Ga-
ma (V Silva.
0 bramaule do Pavo.
Vendc-se superior bramante de linho do melhor
que tem vindo ao mercado rom 10 palmos de lar-
gura a 2^600 a vara, panno de linho muito su-
perior para lenges, toalhas e seroulas 640 e
700 rs. a vara : isto na loja do Pavo na roa da
Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Meias para meninas a 2,500
Vendem-se meias para meninas de todos os tv
manhos a 2oOO rs. a duzia, ditas de seda preta
para senhoras a 800 rs. o par, dius inglezas para : as convulses,
hornera a :,& a duzia, isto na loja do Pavo na ra : convulsa, etc.'
pera, e por consequencia quantidade limidada
d'electricidade que engendrara, d'onde se segu
ue quanta maior superficie apresentam as perolas
ou elementos, tanta maitrquaotia de fluido elc-
trico desprender-se-ha; e por isso que nos acn*
selhamos de preferencia os nmeros fortes.
Estes collares, pela sua disposigo flexiveis e
prtate!?, podem-se por constantemente no pescogo
das criangas. Urna rede electriga cobre sem ees-
sar as partes doridas que sao modificadas lenta-
mente, sem sacudiduras riera commogoes, e pro-
duzem urna cura rpida impedindo as convulses.
Assim acha-se reunido com o amigo proced-
memo dos collares de mbar a efflcacia regular e
segura da electricidade medica. Os collares gal-
vano-magneticos de metal compoem-se de peque-
as perolas de dous metaes differentes, traversa-
des por fios conductores que formara assim pe-
quenas filas voltaicas d'uma frma elegante, port-
til e flexiyel, empregados com feliz successo contra
os lorticolis, tosse nervosa, losse
possuem as mesmas propriedades
e empregam-se
.sos.
indistinctamente nos raesmos ca-
da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Corlinudos para amas.
Vendem-se ricos cortinados para camas pelo ba- da primhua dkntiqo
rato prego de 115 o par. Ditos bordades mnito ri-l E da utihd&de dos coRares Royer electromagnti-
cos a 24, colchas do fntao para cama a o500 e eos pera facilitar a erupcao dos denles do leite.
6} : Da loja do Pavo ra da Imperatrie n. 60, de
Gama & Silva.
Os balees do Pavo i 2.'i00, l& 3#00
Em poucas palavras e'xplicarei o que succtdf
na primeira dentigo, farendo algumas observa??-
queserviro de guia s mais de familias, qtie peu
sua teara affeigo exagerara a miudo os perigos
preto, redondo.
Bonitas flvellas grandes de aeo,
domadas, madreperola e tar-
taruga.
Aloja de miudezas ra do Queimado
n. 16, receben um bonito sortlmento de
flvellas grandes para cintos, sendo de ac.
douradas-, madreperola e tartaruga, as quaes
estilo sendo vendidas em dita loja por pro-
cos commodos ; assim como boas e bonitas
fitas de gorgorSo achamalotado, proprias pa-
ra ditas flvellas.
Oculos de peneira e de outras
aualidades, para quem soffre
9 vista.
A' loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, tambem recebeu oculos de peneira
com vidros claros e escuros, para quem sof-
fre da vista, assim como outros de armacTio
de ac, sonidos em graos.
Coroas e tercos de cornalina.
A antiga loja de miudezas a' ra do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e trros de cornalina, os quaes estao
a disposico dos bons christos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na ra do
Queimado n. 16.
Esponjas finas grandes e pe-
quenas.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas o. 16.
Diversos objeetos.
A antiga loja de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, acaba de receber muitos e di-
versos objeetos que fazem completar o seu
bello sortimento, sendo:
Filas finas de sarja da mais estreita que
ha at a mais larga, todas de vivas e agrada-
veis cre3.
dem tambem de sarja kvrada, de bonitos
e novos desenhos
dem idem brancas, lisas e lavradas, pa-
droes igualmente novos e bonitos.
dem de gorguro de seda achamalotada,
e muito encorpadas, para cinto de flvellas
grandes.
dem de seda preta e de outras cores pa-
ra i*. lituar vestidos, colleles, palitos, etc.
com agua de Col&oia
com superior agua de Colonia
Frascos e garrlinhas
400 rs.
Fra.-cos grandes
640 rs.
Caixas com 12 toscos de clieiros muito finos a
15400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Duzia de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua dentifice superior qualidadea 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores esencias santal e outros s
15200.
Frascos cora essencias para tirar noduas de roupa
a 500 rs.
Frascos rom cheiros de todos os precos a 160,2M.
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 300 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a
45800.
Golliuhas muito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para nieDioos a
160 rs.
Pegas de fita de la para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas eslampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazemla a oOO rs.
Grosas de botSes pequeos pretos para caiga a
100 rs.
varas de cordo de espartilh a 20 rs.
Novellos francezes rom 20' jardas a 40 rs.
Pegas de tiras bordadas a G40.
Duzias de meias cruas mnito fortes e superiores a
35800.___________________________________
AGlh Bi
Celleiras deniarroquim, coiu cascaveis
e sem elles.
Na tuado Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, vendem-se colleiras de mairoquim,
pospoutadas e com cascaveis, ou i-ern elles
proprias para caes e outros bichinhos.
Pennas inglezns dcaco e douratias.
No novo sortimento de pennas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, vieram
tambem outras de metal dourado e bicos
mu: bem acabados, e por essas boas e ne-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-
bricantes Perry & C, as recommendam aos
entendedores apreciadores do bom, valeu-
de mesmo a difierenca que lia no preco de
noflrm&zem da Arar.
procelario da gran.le loja e arinatra da
Arara tem resolvido vender suas (azendas por
menos 20 por cerno do que., em qualjuer outra
parte por isso vi nhaiu ver as faeut!as e se admi-
ren) dos precos, a saber :
Cortes de cambraia com barras.
Vendem-se bonitos cortes de cambraia branco
com baira de differeftes erts pelo baratissftno
prego de 3 ca i. i o le.
Cambraias brancas
Vende- cambu Liam-a a -r,. 3^800,45,
45S00, j'5 e 05 a peca, e de > utrs mais qu*li-
dades : na ra da linpiratnz u 56.
Uniaulia de rolo.
Vende-se brelanha de rolo com 10 varas a
2h00, e.-ia s. acabando esla pecliinch : so na
loja da Arara, de Alendes Guimares.
Laazinhas.
Vendem-se as mais modernas laazinhas rh'ga-
das pelo ultimo vapor, leudo padroes muito bi ru-
los se vende pelo baralissimo prego de 240 rs. o
dotado, fazenda que em i utra parte se onde a
400 rs. : na loja e armazem da Arara n. 5C.
Chitas.
Wnde-se grande porgo de chitas sendo escuras
e claras por baratos pregrs a 240, 26u, 2") e 320
rs. o covado, ditas percalas Unas a 360 e 400 rs. o
covado, inultas mai> de uiitri s pregos.
Cuales de merino.
Desla fazenda ha um grande torrimOBn) de cha-
les de inmuno estampados cores muito delicadas,
e csl se veudetuio ptlo barato prego de 25 cada
um, i.-lo para acbar.
Colchas ile fusto.
Vendem-se colchas de, lusiao de todas as cores
a 55, ditas de damasco a 45, ditas de chita a
25240 o "5000 cada una : > Louiengo Pereira
Mendt Guitnaraes,
Mailapolo.
Vendo se madapolo a 44500, o&, 65-b'OO. 75.
75(0 e 85 a pega, enfestado se. veude com 12
jardas a 35,3JSp e'i5300: na iua da Impera-
lriz n. 56, Muude? Suimares.
StnleabarqBfs.
Vindese soulembarque a Sf, 5 p "5> ditos
preos de grosdenaples a 185, t'J e 205, 6 capas
o mesmo prego.
Cambraias de ceres.
Vendem-se cambraias de cores sendo tioa a
320, 360 e 400 rs. o novado.
CaCiiiiras.
Veode-se casemjra com lisias a 'C-'itiO e 280O
o cavado, e mescladas a 35 : > Meotes Guima-
ree.
, urnas para outras, por que estas se toi nam
..icm de laa igualmente sortidas em cores; mas duraveis na coniinuacao de escrever;
Os elementos que compoem esta preparadlo, o
ferro, o iode e a fatuo, a collocSo no primeire
grao das preparacoes ferruginosas. Basta aitestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relatorios dos prcticos maiserninente,
que confirmrao sua poderosa efficacidade tu
eguintes affecces:
Cfimilr,rcntJrliii-
gaa m MoIratlM eacrotala- -
Vendem-se os melhores ba5es de arcos ameri- da oVwgo, a qaal em definitiva urna operago
canos, seedo com 20 arcos a 25300, ditos com 2a
arcos a 33, ditos com 30 arcos a 35-iO, ditos para
rueumas de todos os lmannos a 2r300 e 35. su-
periores baldes de Jiramante e nurceiina com
da Bxtureza.
A nlr parte dos desarrenjos que sobrevern
saiide das criangas tem por causa o trabalho da
primeira dentigo. QuaDdo o denle faz esforgo
cauda, sendo bastante grandes a 35, i.-lo na loja para sahir, docfara-se'calur Bas gengivas, a saliva-
do Pava, ra da Imperalriz n.'66, de Gama & ^ao volla-se mais abuudanle, o somno agitado,
Silva. |4 febre a miado, e em geral sobrevern a frouxi-
As caiRsiiihas do Pavo. | do do yeeKre, e s quando este ultimo symp
Maedum-se as mais modernas camisinhas borda-
toma nao toma um carcter violento mais bem
das com manguitos, para seuhoras, sendo as nata *!S3iL?. !*?* &0> *,T* *S&
modernas que tem viudo ao mercado a 45300, f*2" outras a,Te1^ o traba ho da dentigo,
tas eoiu manguitos, para acabar, a 15 ; ditas pre-! t, ^ q.aaR' dur^r' S^J ma'sextre-
us cora manguitos para luto a 5800 rs., inaugu- ?'f1rff"c",a,, *. nasudo da criaoga; e
ios e golinhas preas a 15, fimssimas golinhas de t Va.se."otem os ltimos symplomas que aca-
cambraia branca bordada a 508 rs., calciuhas para bs fie ind,car' sera ur8enle consulur um me-
meuina a 640 rs., romeiras e fil e cambraia, L2." .. ,T.
brenca bordade a 15600 : na loja do Pavo, itia! /Bates collares vendem-se na toja do Vi-
da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva. igilaifte, ra do Orespo n. 7.
IValelots pretos a G;5
Vendem-se superiores pleiots saceos de panno
pvt-to, boa fareoda, a 65 ; ditos sobre-casacos a
125, superiores caigas de casimira de cor a "5 e
85, ditas pretes a 65, "5 ei-5, palelots de meia i
LOJA DO BEIJA FLOR
Na roa o Queimado n. 63.
Tem recebido ora sortimento de-crw"* que
o para os mesmos Gns.
dem de algodo brancas e diversas ou-
tras cores para veslidos de chita.
Mera de borracha brancas e pretas para
soutembarques. veslidos pretos, etc,
Novas e lindas guarnicoes para enfeilar
soutembarques, vestidos pretos, manteletes,
etc., obras do muito gosto e modernissima.
Tranca de seda com vidrilbos, moldes no-
vos e mui bonitos.
dem idem de cores tambem de bonitos
moldes e agradaveis cores.
Botoes para os mesmos fins, sendo pre-
tos de seda maiores e menores, enfeilados
com vidrilhos e pendentes e outros de di-
versas cores.
dem pretos de velludo tambem de soni-
dos tamaitos.
Lonelos de dos vidros com aro de aro, bfalo
e tartaruga.
assim pois quem deltas se quizer utilisar
compra-las a dinheiro a vista : na ra do!
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas cora borlas e sem ellas para
cortinados.
A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
mento de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, todas de novos e bonitos
desenhos, cuja commodidade do prego est
em relacao a largura : acham-se ellas a ven-
da na ra do Queimado loja da /guia Bran-
ca n. 8.
Jogo da paciencia ou curioso cntieleni-
nieuto.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, acham-se a venda por grecos ra-
I zoaveis, caixinbas com tabolas de madeira,
; que das diversas pinluras dellas se forraam
agradaveis vstase paisagens, segundos
| Paprlra.
Obtrucca* das clata-
rfulaa.
Httmorea fro.
' Huiuorea branca.
; RachltlHiuo.
AMii- "*a CMffr
e > Mtica
i Felir-- > atMMw.
i Varalo. -.etc.
dice,
uieia
casimira a Sf e 65, ditos de casimira a 10, caigas F8w usando, de Civersos gostos ; s quera tem
de meia casimira a 45 e4500, ditas de ferimio heija-flor.
BAaTIS^IO
Graode liquidaco -de fazen-
das e roupa feita nacio-
nal, na ra da mpera-
tm il 72, loja de Gui-
mames fe Irmao.
Os prqprietarioe deste estabeleeimeolo tem re-
solvido liquidar sus fazendas por pregos baratis-
simos, s eom o firu de apurar dmbeiro.; aprwvel-
.tem as pectitnchas.
Chilas largas francezas a 260, 280,300* 370 rs.
o covado.
Percalas ticas cora lindos desenhos n 360, 400,
440 e 500 rs. e covado : isto na loja de tulmares
& irmao, na ra da nipera'.riz n. 72.
"Laazinhas de quadrinhos e de listrinhas, sendo
de iiodissimos padroes a 220, 240, 280 e 3J0 rs. o
covado : vendem-se asim barato pela grande por-
go que lera.
Chales de rnenm eslampados a 26000,
Ditos de merino liso a 35800, 4 e 5$, ditos es-
lampados a 65500, 75, 75500 e 8.
Ricos cbles de renda.
Chegoo pelo ultimo vapor francez um grande e
variado sorlimenio de cbales de renda pretos, sen-
do Xazeoda loleiramente boa, e vendem-se por pre-
ds muito razoaveis : islo na roa da Imperalriz o.
!, loja de Guimares & Irmao. ~~
Cassas fraocezas. .,*
Vesdem-se castas francezas. sendir fazenda mui-
to (laa e padroes inteiramente novos a 280, 360 e
400 rs. o covado, cortes de cambraias rom barras
sendo decores e brancas, pelo barato preco de.35,
35200 e 30JO, ditos de chitas a U, 25500, 35 o
35500.
Vende-se um grande sortimento de gollinhas
para senhoras e merlinas pelo barato prego de 320.
400 e 500 rs. cada ama ; todas estas fazendas se
veodem por preeos mais baratos que era outra
qaalquer parle : Isto s na ra da Imperatriz n.
72, loja de Guimare* k Irmao.
Coxines de laas de todas as cores a 45500 e 55
cada ama, sendo ao ulliao costo, na loja de Gui-
marie* & (rmo, na ra da imperalriz n. 72.
i rtes de easiairas
Vendem-se corles de casimiras a 25500, 35 a
45, ditas muito Unas a 65, 75 e 85 ; isto na loje
de Guimares & Irmao, ra da Impexaim a. 72.
branco de linho e de cores, coleles de todas as
qualidades. fodas estas obras se vende por
prego muito em conta, s com o fim de apurar di-
uheiro : na loja do Pavao, ra da Imperalru o, 60,
de Gama & Silva.
Fazendas brancas na loja do Pavo
Vende-se um grande sortimento de madaooloes,
ahitas, algodsozmbos das melhores marcas, ga-
Taatindo-se vender mais barato do que em outra
qsalquer pane, sendo a dinheiro a vista, na toja do
Pavao, ra da Imperalriz n.-80, de Gama & Silva.
Ricos chales pretos de renda.
Chegou pele ultimo v por'francez um grandes
variado sortimento dos mais ricos chales pretos de
ada, taoto de linho como de seda, tendo *ntre
elles muitos de ponta redonda a imilaco de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se
Tendo recebido variados sorlimentos de voltas
fie aljofares de diversas cores, eoertes para se-
-nhora de diversos gostos, e mais 'barato do qtte
em qaalquer outra parte.
Facas e gario?.
Veode-se faooas e garfos de cabos-de bataneo 4e
um boto a 55260 a duzia, ditas de dous botoes a
6500, dita paca doce a 55100, ditas de eabo preto
a 35200, ditas de cabo branco, rolipo e cravado a
35000.
Tem recebido variados sortrmentos de balaios
, para meninos de escola, de forma de peixiufns,
patinbos e outras de diverso gosto, que s com a
vista bem se pode aprecia/, e tatribem serve pera
o leilao do hospital portoguet: laas-para botar de
diversas cores a 75 a libra : s no beija-flor.
u.f pvas para ronpa.
Vende-sc estovas para roupa muito Qnas oara
____ .. 'ja thuuc-m; chuyas uara loui'a liiutio uua&
, ra da Imperalriz n. 60, de Garaa Silva. ^ 240> 3i0 J^ ^^
Vende-se paulado papel ecaixinhos a 680 do de cor a 700 rs., e enmvelopes a-OiOrs. a izinha.
Xanzmhas da Escossia
a 360 rs. o ctvado.
"*ndem-se as mais bonitas.lanzinhas da Escos-
sia, sendo a fazenda mais moderna que tem viudo
ao mercado este anno, por seren a' imitaco das
sedas escosseza?., cora as mais lindas core, pelo
baraUssuno preco de 360 rs. o covado na loja e
armasem do Pavo, ra da 'imperalriz n. 68, de
Gamo Silva.
Cuales e reloadse. 1
Vecdem-se chales pretos de.renda, sendo de &
pona*., e as mais modernas retondjis, por proco
baratiseimo: na loja e armazem do Pavo, roa Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Souluemliarques de oer. ,
Veodam-se souibambarques de
enfeilados a 55,
e armazem do Pavo.
Gama 4 gilva.
Cassas frabeezas a 280 es.
Vendem-se fimssimas cassas francezas com mo-
dernos padroes a 280 e 320 rs. o covado : na loja
e armazem do Pavo, ra da lmperalria u. 60, de
Gama & Silva.
Organtlj moikruissimo.
Chegaram os mais moderaos organdrdcom os
mais modernos padroes, seudo quasi todas lislra-
dos, como se usara agora, com as mais lindas cores
e Qxas; vendendo-se pelo barato prego de 000 rs,
a vara : na loja do Pavo, ra da lmperatriz\n. 60.
de Gama & Silva.
Chitas a 240 e 289 rs.
-.,yenf 'e suPer!,wes chj,a,s f cuas ?P!40,: 280! Diarios para embrulho a 45200
320 e 400 rs. o covado, sendo todas de cores tixa.- ;
ditas ioglezas, rauito boa fazenda a 2o0 rs. o cava-
do : na loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
triz a. 60, de Gama & Silva. \
Chales de merino a 2iOO. \
Vendem-se os mais modernos chales de merino
Vinhos do Port
das melhores marcas, em caixinhas de ama duxia
de garrafas para casas particulares, sendo : Lacri-
mas do Douro, Duque do Porto e D. Loiz ; tambora
tem anevetas de-dcimo encapadas oora superior
viufco, barris de S* e 10 em ipipa : na ra do V-i-
2arion. 19, priraairo andar.
Barato para aeabar.
Na praga da Independencia o. 39, reede-se.bor-
zeguiss para hontens a 35000, 45000 e 55009,
borzeiwins para seahora 25000, 35000 e 45000,
mniin twm s>Pl5es de bizerra para homens 45000. sapat06
S77Wp.> ar : naTa de "ran?a ***,*# *v.ldado*S(V
vo, ra da Imperatriz n. 60, S \&!?^.'*BIE!& d* erro. oe-
borzeyuws para meuao 45000, borzegnms para
riaoga.5O0:_____________
1 Vende-se o sobrada n. M sKo na ra de~fi.
Pedro Martvr em Olinda. a vende-se tambera um
terreno onde se acba edificada grande parte da
cidade do Rio Formoso, o qoal terreno se estende
da matriz al o trapicne: a tratar sa roa da Ueio
n.n.________________________
TABERNA.
Veode-se a taberna da roa do Fogo o. 32, pro-
pna para qaalquer principiante por ter poaeos
rfundos : a tatar na mesraa.
Vendem-se
a arroba, e 140 a
Atoja de ttudezas, ra do Queimado ; desenhos que acompanham. Na verdade
ese um deleilavel en relenimento (tm o
qual se despe la a curiosidade, e apura a in-
lelltgencia. Os apreciado! es dirijam-se
ra do Queimado, a dila loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seao salisfeilos.
Bonitos enfeites para senhoras.
A Aguia Branca acaba de receber um no-'
vo e lindo sorlimen'o de enteiles os mais!
modernos e gostos'inleiraoiente agradaveis,'
e como seu louvavel costume os est ven-:
dendo baratamente a quem com dinheiro se
dirigir ruado Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meias de la para senhoras.
Vendem-se na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Mata mosca.
Na loja da Aguia Branca acha-se a venda
o papel com composico para dar l.m as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, e o
effeilo efficaz : molha-se o papel e deixa se
fie r n'um prato, e nelle pousando as mos-
cas, entristecen) e morrem. Custa cada fo-
Iha 40 rts: na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n 8.
Diversos brinquedos e entretenimento
para criancas.
A Aguia Branca na ra "do Queimado n.
8, recebeu diversos brinquedos para crian-
cas, sendo estradas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelhos de metal, louca pinta-
da e porcelana lloarada para almoc e jan-
n. 16, recebeu um bello sortimento de lo-
netas e oculos-de vidros com armaco fina de
ac, bfalo tartaruga, e os est vendendo
por precos razoaveis: os pretjndentes diri-
jam-se a esta teja na ra do Queimado n. 16.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Ra de Qsieimado us. !?> e &.
Contina a "vender todas as miudezas que abaixo
declara por precos admirareis.
Massos de .palitos lixados para denles a 100 rs.
Espelhos-demoldurasdouradasa200,240 e 320 rs.
Donis de oliado para meninos a 15000.
Ditos de couro superior fazenda a 15500.
Frascos eom superior tinta rocha a 240 rs.
Meiadas de Imna froxa para bordado a 20 e 60
Caixas com 100 envelopes, fazenda fina a 600 rs.
Grozas de peonas deago, fazenda superior a5O0rs.
Grozas de botoes madreperola linos a 500
e640ts.
Caixas com 50 novel les de liona do gaz a 700 rs.
Caixas com superiores obreias de-cola a 40e80rs.
Pegas de Jila branca elstica com 0 varas a 280 rs.
Varas de franja de la para enfeites de vestidos a
40 rs.
Baralhos acurados superiores quaNdades a 400 rs.
Novellos de linhauom400 jardas a 80 rs.
Litros para assentos le roupa lavada a 100 rs.
1 Pares de*ot5es para punho, fazenda rica a 120 rs.
Tesouras para costuras superiores qualidades a
Caixas de pennas de calligraphia, fazenda -boa a
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 15500.
Caixas cora superiores agalhas a 440 rs.
Libras de laa sortidasde bonitas odres a 75000.
Caixas com superiores obreias de mas-a a 40 rs.
Rodinhas com alnnetes francezes muito superiores ^ tar e'muitOS outros brinquedos de madeira,
Reasma.rde papel .imago a 25400 e 2*800 rs. I ?e .se ,'"^01 baratamente : na ra do
Escovas para roupa, faaenda boa a 720 e 15. Queimad.. leja da Aguia Branca n 8.
D!ns,.de *esouras tia ,0(ue ^ fe"ugema Meias pretas de seda para senhoras a
500 res o
MIn.>.1 aa aansce-
Fraqnrsa.
Anemia.
Clilorooe au Irtrrlrla.
Menatrna.
Arrcrroc da nlera.
Supprraara daa re-
tir r ifriordi-a na
mpnatruaro.
AITeero puluinuar e
phthlale.
Mol rallan d'ealomaxa.
Gaatraliclua.
I'rrdn d'upprllcr, re.
Vejao se os hueiin de therapeuiLr. >
e cirwgica de 30 de novembre lb60; u
dos hospitaes de- 2 dejulho isGO, re, etc.
Alm das pilula de iodurtlo duplo de ferro e a
quinina de Reblon, os Mdicos aconseihao
igualmenic o Xarope diodure duplo do
Ierro e de quinina lo mesmo author para ai
pessoas que nao gostio de medicamentos sob fir-
ma pilular e os meninos. Esie xarope nao tere
como o xarope d'toifur de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folheio que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evilarem falsificacSes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito gerai em Paris, pharmaciaReDiUoix,
142, ru du Bac, e em todas as boas pharmaciar
de Franca a dos puizes esirangeiros. etc.
GRANULOS
[de BISMITHJ
DE CHEtWVKGil
Os grlr.Uos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparaedes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de lodos os paizes, para prevenir
curar as
blarrhraa rbronlcaa. Na dlgratoea.
Dyaiimlrrtaa. Gaatrltea.
Drra d'eatduiago Gallralalaa, ct*.
Dyapepalaa.
Os primeiros symplomas d'essas formidaveit
affeccoes se manifesldo ordinariamente por diges-
tSes laboriosas, aiidutnes, falta d'appelite, pesos
'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomafaes, e, muitas vezes, por espasmos nervosot
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidSo, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Moleatlaa de ligada.
A Ictericia.
Palpltat-aa de r o raras
Bflrr aaa rlaa.
Oppreaaoea.
DArea de rabeea.
Irrllacea de bealga C
da matrla. ete.
libra : no pateo do Paraizo a. 2.
Fumoem loilia
Vndese mais barato doqae em outraqaalqaer
parle : no armazem da ra da Moeda n. 43.
Charutos da Baha
: oa ra da Moeda a. 43.
estampados a 25000cada um, haveudo tambem ata 1
grande sortimento dos mesmos matizados que se i a 15 a caixa
vendem a G5, 75 e 85000 : na loja e armazem do
I'avo, ra da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva}
Silesias a 15060.
Veodem-si auperiores pegas de silesia, seudo.
fazenda mailo Qna e propria para salas e carnizas Venda-aa urna escrava de 20 aaoos de Idade
de seuhora, e lendo o tendo 12 jardas cada pega, icora un> "a de 15 das, la*a, cozmha e engom-
pelojbaralissimo prego de 45000 a pega : oa loja e
armazen d > Pdvau, ra da Imperatriz 0. 00, de Ga-
ma & Silva.
Vndese um sitio oa C.paagacom excellen-
U casa e muitas fructeiras : os pretendentes diri-
jam-se a ra das Criouls n. 31.
! ma : a tratar na traveasa do Pombal n. 20.
Vende-se a abrna da ra dos Assogulnhos
n. 20; a tratar na mesraa.
600 rs.
Duzias de facas e garfos de cabo preto a 35000.
Taiheres rauitj fino para criangas a 240 rs.
Pnlseiras para meninae a 320 rs.
Oitas e voltas para senhora a 500.
Frascos de Agua Florida v.rdadeira a 15280.
Frascos com superior banha a 240 e 500 r*.
idem de superior oleo babosa a 320 rs.
Calas com lamparinas para 3 mezes a 40 rs.
Varas de babado do Porto a 60 e 140 rs.
Cartas de allinetes francezes a 100 rs.
Quadernos de papel pequeo a 20 rs.
Grvalas de cores, fazenda superior, a 500 rs.
Papeii- de agulhas, fundo dourado, a 80.
Os granulos Chevrier s3o ordenados pclai
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando slo tomados a
tempo.
O preco de cada frasco de i francos.
Depsito geral em Paris, pnarmaciaCh^vri**',
e em todas as pharmacias de Franca e doa;
estrangeiroa.
GRAGEAS
-,,-:; DE : ; 1
GELISE CONT
Approvad^i pela c.d.mi. da Medicina da arlt.
Resulla pelos dous relatnos, adOnados pela dita
Academia em 1840 e em 18S8, que as GRAGEAS de
Gf.i.i.s e CONT sao o melhsr e mais efficaz remedio
ferruginoso para curara cblorosis (alias flor-albo), os
Amos brincos, a fraqueza de compleixao nos doui
exos, e tambem para ajudar a menstruafio du mofas.
Esta* Grageas nao ato Tendidas senao em caixinha
ou vidros cobertos com rotulo e fechados com urna tirr
levando a firma do depositario geral : labelonyk.
Sbarmaceutico, ra Bourbon-Villeneuve, 19. Paris.
avariado.
Francez barrica 55000
Portland idem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irmaos caes do'Apollo.
Ferros para engommar
Venoem-sd eaixiohai cootendo o mais completo
scrtimenlo de ferros para engommar, encrespar
babados, pafos e toda a roupa de senhora : na ra
Kova n. 24.
par.
A Aguia Branca quer acabar coro a por-
Cao de meias preas de sea para senhoras,
e apesar do muilo maior pre< o que lhe cus-
taram e o bom estado em que anda esto,
eomiudo esl resolvida a vende-las a 5( 0
ris o par, aflu de que ninguem mais calce
meias pretasdealgodao, aflora pois apro-
veitarem a quadra e dirigirem-e ra do Barbota fl JoJo"da cTravo A C.'
Queimado, loja da Aguia Branca n. 8. Tam-;_____________
bem vender as brancas a li? o par, e des- Vendem-se quatro arnatens com todos os
comm
lado direito do rio salgado, porto carnaubinha, e
dous do lado esqueid<) do mesmo rio. porto de
Guararapes, cima da cidade do Natal duas e meia
legoas, para onde nffluera genero- de ezportago
em grande escala, 0 sao embarrad-is prancha
em navios de alto bordo, que com facilidade vao
qtielle porto ; distando da cidade de S. Jos qua-
tro leguas ao sul, e da villa do C. 's-nieirim cinco
legoas ao norte, lendo bons caminlio.- para carros,
e bom pasto e agua para animaes ; o que tndo se
vende por pregos commodos : quem pretendrr di-
rija-se a Conceigo de Guararapes, que achara'
cjm qaem tratar.
Vende se tres casas terreas na villa do Cabo,
sendo urna com estabelecimento ; a tratar no pateo
do Terco n. 139, l. andar.
Venaem-se noHecife em casa de Caors
tas 0 nico defeito estareu) um pOUCO tri- commodos para recolher gneros, sendo dous do
lllilii li l r <-1 1 H. ri. a."'. I fw a A .\ rtnrtn narnanl.lnka at
gueiras,
fenco.
Vende-se doce de caj', laranja, grozella e gela
em latas de urna e duas libras a 700 rs. a libra :
noJargo do Carroo, esquina que volt para a roa
de Hortas, armazem n. 2.
Vendem-se
i machinas americanas de serrote para descarogar
1 algodao : na roa da Seuiala nova n. 42.




I .*>*aw .. >.>. ai


i'"
Diarfo de Peraaoibnco Qnarfl .'Ira J de Meteaibro de
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A loja de fazendas de Augasio Frederico dos Santos Porto, acaba de receher um mni-
to grande e novo sortimento de cortinados bordados para cama de noivos a 364, 40^>, 45"
504000,6O4OOO e 70*000.
Lindas mantas para gravata, de variadas cores, a (500 e 24-
cachiuez de la de diversas e bonitas cores a 3*500 e 4*.
Chales de guip, fazenda a mais moderna, a 16*, 30*, 22* e 25*.
Rotondes de goip, tambem os mais modernos a 26*.
Colchas de seda de cor para cama de noivos a 55* e 60*.
Alcatifa de linho para salas, fazenda larga, bonita e de muita duracao, a 600 ris o
covado.
Tapetes grandes e pequeos, com ricos desenhos, para sof.
Satas bordadas para senhoras a 7*, 8*, 9* e 10*.
Capas e soutembarqnes de seda preta para senhoras.
Boneis, chapeos e chapellinas para senhoras, dos gostos mais modernos.
Cnapeos elegantes para stnhoras, a 12*.
Prcinhas de aissima br^tanba de llnho a 7*500.
Luzinhas de quadros a 320 rs, o covado, setim de Paris a 700 rs. o covado, cam-
braias francezas de cores a 500 e 700 rs. a vara.
Casetniras de quadros, moire antique pretos e de cores, pannos e casemiras prefas,
grosdenopole preto e decores, esguies sil>ias e cambraiasee linho, sortimento, de diver-
sas fazendas para luto, chapeos de seda para hom-ns a 9* e 10*, chapeos de sol de seda,
linios manguitos bordados, e outras multas fazendas que se vendem por precos razoaveis,
inclusive
Esteiras da India para forrar salas
m
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da (Jadeia do Kecife, esqui da Madre de Deas,
_ O balao vende sempre por menos que em outra qualquer parte, quem julgar que
isto nao 6 verdade dar-se ao trabalho de vir apressar qualquer fazenda de que precise;
tambem se manda levar casa, para que as senhoras melhor possam escolher. D5o-s
amostras deixando penhor.
AOS SUS. HE i:\i.i VIIO
Superiores algodes americanos branco, azul e de listas para roupa de escravos.
MADAPOIiOES
DAS COIjLITJUjV AS
No ultimo vapor viudo da Europa
Superiores cortes de seda de cores o que tem vinlo a Pernambnco de melhor gosto
em seda.
Assim como mais algumas fazendas de bom gosto para vestido.
RUI DO CRESPO \. 13
LOJA DE
Antonio Correia de Vascoucellos e 0.
CORTES 9>E SEI>.%
Chegaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreantique de cores, e seda lavrada pa-
dres mteiramente novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RA DD CRESPO-5
Gregorio Pae. do Amaral A Companhia.
AO RESPE1TAVEL PUBLICO
tabella abaixo publicada serve de base desiW^W
tanto deste armazem como do armazem progressivo pa-
teo do Carmo n. 9, principal armazem ra do Impera-
dor n. 40.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especjalidade aos senhores de en-
fenhos, iavradorese raaispessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran os propietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleoi- j
atentos em um s annuncio, pelo qual o preco de un ser de todos, promette-
BALES
Superiores balfies de arcos e de panoo para meninas e senhoras
Ricos tapetes pequeos e grandes para sofs.
Lindsimas grvalas e mantas para pescoco de homem.
Superiores camisas de meia e meias para homem e senhora.
Caifas de casemira e superiores paletos saceos de casemira.
E?!!! Dfrin8iremos!5 a.tabel,a "lue abaixo vai Publicado, annunciar os geaeros Lindos mss de fa COm riqusimas barras a matiz, os mais modernos que ha no mercado
por nm preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-, .. 4 mercaao
ITIPnlO Om nulric mull; -i; nnriirr, nn nnnino .,..|.,I,aI ...;,.,..! ., -X<* nn .1 ,..'. !nlJ 'aml^U fr9nPP73 I' l( 1111:K fini ; mente em oulras rauitas casas, porm nos nossos estabelecimeotos nao se dar isto
i linda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que I
serao tambem servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus1
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta!
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos^ o que seno arrepender pessoa j
alguma que fizer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete francez ricas laas
granadinas com flores'de seda a 400 e 300 rs. o
covado. esli acahandn-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a ra
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madarolo a 44500, Sfi, 64 e
10j>, pecas de algodo por barato preco, chita fran-
ceza a 240, 280. 320. 360 rs. o covado, precalias
rauilo unas a JO, 400 rs. o covado, chita iogleza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
5'2, junto a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende gangas de cor propria para roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado, riscado francez fino a
320 rs. u covado. Ra da Imperatriz n. 52, junto
a padaria franceza, porta larga.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete espartilhos a pre-
guicoso por 39, sao bous, lengos de seda para se-
nhora e hornera a l?, ricos cortes de carnbraia
bordados de 18g a 79, por ter um toque de mofo,
estao se acabando, na ra da Imperatriz n.54 jun-
j to a padaria franceza.
ENCICLOPDICA
556 tlUM da Imperatriz anuazeni
da porta larga a*.
Junto a padaria fradeeza de
Paredes Porto.
Neste estahelecimento encontrar o respeitavel
publica um 'ariado sortimento de fazendas france-
z'.>, inglezas, suissas e alleines, qu se venderlo
por prego cimmodo.
Paredes Porto
Vende chales de renda de cores que se vende-
ram a 189 est vendendo por 64, ditos pretos, fa-
zenda n .va, 55.65, 85 a 205, um sortimento com-
plt-to de manileles, rapas a soutambarques 145 a
25'5. la oa Imperatriz n 42, junto a padaria fran-1
ceza, aruiazein lia puiu larga.
Paredes Porto
Rareben um rompido sortimento de lasinhas a
20. e 80 rs. novados, para acabar, eambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado esrossez para ma-
pa de menino, futo de linho a 420. 400 e 500 rs. COlares llover nn colares ano-
Rua da Imperauli u. 52 juoto a padaria franceza,
armazem Paredes Porto
Receben para 'orlinados para cama franceza a
115 a peca carnbraia lisa fina a 35 45 at 105 a
peca, corteo de tarlataoa de bonilos gostos a 35500
e 45, carnbraia com flor de seda, gostos inleira
meiii.. i evos a O e 500 rs. o covado.no armazem
da orla larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria fraoceza.
Paredes Porto
R'ccbeu reb ultimo paquete um sortimento de
cruzes com pedras para o pescoco, bjoitos caxineis
de la para pes-oco de senhora. Ra da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vi i: le cortes de gorgorito preto para vestido com
21 novados cada um 355000, grsdenaple preto a
15600, 15800 e-25 o covado, laas lizas linas a 400
rs. o covado, laas de quadrinho para vestido, entes-
tada, a 320 rs. o covado. Ra da Imperatriz o. 52.
armazem da porta larga.
Paredes Porlo
Tero para vender por preco commodo, pegas de
esguio d" linho com 10 varas a 75, 85. panno de
liuito para lenges a 640 e 700 rs. a vara, braman-
te de linho de 4 larguras a 25200 e 25500 a vara.
Paredes Porto
Vende cortes de carnbraia bordadas de rices
gostis a 105 e 125, ricos vestuarios para menina
e menino, ricos cortes de carnbraia Mari Pia a
105 p. 205. tarlatana branca e de cor a 640 e 720
rs. a vara. Ra da Imperairiz armazem da porta
larga n. 52.
Roupa feita
Ra da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria fraoceza, encontrase neste es.
tabelHiimenio um completo sortimento de paletos-
saceos u sfbrecasacot, de todas as qualidades, cal-
gas, coletea ceroulas, camisas, gravatas, meias,
chapeos Oe sol, ditos francezes para cabec, por
pregos ccmmndos, roupa para menino e outras
moflas fazendas, por pregos commodos, armazem
da porta larga.
So mesmo etabelccimento encontrar o respei-
tavel publico, seaipre um completo sortimeoto de
roupas fetasde todas as qualidades, como sejam
pal.los de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
cos a 5 e 55, ditos de bruo parlo a 25800, 35 e
'!'') -o, ditos linos a 45, ditos meias cazemira a
35500, 45 e 55. ditos ca'emira saeeoa a 65, 75, 85
e 105. ditos obrecasacos a 10 e 125, ditos de pan-
no saceos a 65, 85 e 105, ditos sobreasaros a 125
p 255. ditos de merino preto a 65, 75 e 10 cal-
gas de bnm de diversas qualidades a 15800 a 45,
do blancos a 25500 e 6500, ditos cazemira 55,
65 e 75, diios pretos a 55, 65, 85 e 105, ditos
meias cazerairas a 35 e 45, coletes de diversas
qualidades, serualas fiancezasdealgodao, ditas de
liiioo, dita- '! bramaiiie a 25 e 25500, carnizas de
aifodio de buho franrrzas de 25500 e '.ifi. Gran-
de iecniii''ha neste genero, graatasde tudas as
qualidades e brancas para clmenlo, graede sor
tmenlo de meias para senhoras, ditas para homens
a 35, superiores a 35500 e 45-
l'm romi'l alpaca a 35, ditos de seda a'<5, 75, lf5 e 115,
diiis francezes para cabega, grande sortimento
a 65-
Pechincha a-lmiravel.
Grande sortioiento de chamores a 45600 e 59,
lenges >' canil 1 *ia para homem a 25 a duzia, di-
tos de linho a 45 e 55.
Grande so: lmenlo de roupa para meoiuos e ou-
tras ruui'as 'jualidadesque seria enfadonho mt-u-
ci .ud-las.
Fazendas.
Vi-nde-se snperiur merino pr^tn proprio para ra-
111 de senhora e vellidos a 25. lustrim da China
a 15800 o covado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende em sen 1 sUbelecimento tiras e ntremelos
bordad*, grande snriimento de corplnhos rica-
mente I,., la Ijs J 35, 45 e 55. S 0 Paredes Por-
to, roa da Pnperatrte no 52; porta larga Junto a
padaria franceza.
Manteiga i-gleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de l.oooa l.loo rs.a li-
bra, e em barril ter abatimento.
'Manteiga franceza da safra nova a 860 rs.
a libra e em barril ter abattmento.
BANHA.
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de primeira e superior quada-
de a 2,8oo rs.
dem byssen o melhor neste genero a
2,0oo rs., e sendo em porr;ao ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de 1,800 a 2,5oo rs.
a libra.
Blscoutos "*
Latas com superior biscouto inglez de di-'
Sftrveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a luzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e i,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 600 rs. a
garrafa e a 4,600 rs. a caada.
Massas
Macarrao e taherim a 360 rs. a libra e a
i 0,000 rs. a caixa.
Passas
Camisas francezas e seroulas finissimas de bramante.
Superiores cuitas largas, escuras e claras de todos os pregos.
Superior carnbraia branca transparente para vestidos.
Chitas com ricos desenhos para cobertas.
Superiores paletos de alpaca branca.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico novas
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas suppoe sempre ser as mesmas fa-
endas.
! -
Superiores passas a l,5oo o quarto e
mado, loja d'aguia branca n. 8.
dlnos
para facilitar a demicao das criangas e preserva-
las das convalides.
O feliz resultado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forra magntica dos colares Royer, nos
casos de convuisoes, e dentig.au das criangas, tem
altamente elevlo o sen bem mereco prestigio,
e hojH ja se pode der qne estao geralmente con-
ceituados, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de nos porque do uso d-^ses salutares
colares viram salvos do perigo seus charos filhi-
nhos, e de oulrns porque colhTam daquelles to
proficuo exemplo para igaatmenie preservar os
seus. Assim, poU, a aguia branca, tendo em vis-
tas a utiliiladr epruveit desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandou vir o novo sorti-
me&to que agora receben, e continuar a recebe- Superior vinho do Porto das mais acredi-
tes para que em lempo aigum a faia deiies possa ^^ marcas, como sej3m: Madeira Secca,
ser funesta aos pas de familia, os quaes ficarao r\ 1 n ,. r. .
certos de os achar consiantemente na ra do Quei- D^qae do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Mara Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,oo a garra-
fa e 9.000 a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 800 rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oors. agarrafa.
CAW&
ttencao o barateiro de ob-
jectos chegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous grandes lustres de vidro 8nos
com 24 luzes, do melhor gosto e por prego razoa-
vei; assim como apparelbos para cb e para jan-
lar, brancos e de cores differentes; ditos de por-
celana dourados e pintados e brancos; apparelbos
para jantar de porcelana branca; tamnem se ven-
dem em pegas separadas, como os fregaezes qui-
zerem, compoleiras lapidadas para doce, clices
para vinho, ditos para champagne, copos para agua
e para vinho fios e ordinarios, em caixo e a re-
talho ; lanternas de tedas as qualidades de vidro;
ditas de casqainho inglezas muito tinas; candela-
bros e vidro e de bronze; serpentinas, vasos de
porcelana e de vidro paradores; buhas hambur-
guezas para resfriar agua; barricas com appare-
Ihos de mesa para jantar; gigos com apparelbos
para cha; e outros muitos sortimentos de todas as
qualidades e pregos commodos vontade dos com-
pradores, que se vendem na rna da Cadeia do Re-
cite junte ao arco da Conceico n. 64, e na roa
Nova ne grande armazem de tonca e vidros junto
igreja da Oneeigao dos Militares n. 49.
Familia d| mandioca.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C, no seu escriplorio ra da Cruz n. 1.
" TERRENOS A' VENDAN
Vndese nm terreno proprio para edlflcago,
collocado no centro da ddade, c m 68 palmos de
frente e 218 de fundo; tendo tres frentes, para a
ra da Palma, da faz e da Concordia : para infor-
magoes, na ra do *o! n. 37.
VELAS
Velas de spermacete a 600 rs. a libra.
dem de carnauba dlo a I2,ooors a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
l,2oors. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 1G0 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Jo5o Furtado d3 Serrias,
Maooel Peixoto da Silva Nelto, Castanho &
Filho e Brando e de outros muitos, os
quaes vendemos pelo mdico preco de 1.600,
2, 2,8eo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.
Licores
Licores francezes eporloguezes a 1,000 e
l,4oors. agarrafa ou frasco. .
Doces
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixes para cima
a 64o rs. o caixo.
Frutas
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o Frutas em calda e em latas fechadas ber-
ra, a libra. meticamente, muito bem enfeitadas, conten-
iABlO do pera.pecego, ameixa rainha Claudia, al
Sabo maca de primeira qualidade de 18o perche e outras. frutas, a 7oo s. a lata,
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo Tambera ha latas grandes para l,2oo re. a
era caix5o. lata.
Caf do Rio de 1.a e 2,* qualidade de
PELO GUIENNE
Receberam Gregorio Paes do Amaral & C. um variado sortimento de novidade
como sejam:
NOVOS F4DR0ES M COWES DE SEDA
COLCHAS !: DAMASCO
Portuguez e francez, de seda e de la e seda.
JLE#tJJE$
Lindo sortimento de leques de maure-perola, marfim e osso, transparente e de
seda com mimosos bordados.
VELLIDOS
Verde-salsa.
Azuleno.
Cor de vinho.
Carmezim.
Brancas e de cores para senhoras e homens.
ORA VAX %$
nS^^lT"lfrts^amJ!Tiem>3' deSe<"" derelr"z tote8 "*"*** emites^
ha arrafes com 5 e 14 garrafas de3,2oo a' n j 1 j i
6,000 rs. cada um. I Grosdeiieples de todas as cores.
CISTOS
Com fivellas de tartaruga esmaltadas, madreuerola e cobertas de seda, feitas para
as mesmas, etc.
CHALES DE FIL DE CORES
Gostos inteiramente novos, a inda nao vistos neste mercado.
CASEMIHAS
De quadros miudinhos e largos.
Enfeites
O mellicr e mais moderno sortimento de enfeites proprios paraKocke com bons
penles de tartaruga e sem elles.
Chapeos de castor branco muito finos da ultima moda,
Ciistunies para meninos
de gorguro de la de diversas cores, bordados com muito gosto.
Perneadores para senhora.
Camisas para senhora.
Ditas para homem.
Vestidos feitos para senhora.
Tudo por precos razoaveis.
5 RA DO CRESPO 5
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolarhlnhas ; 5,5oo a caixa de arroba hespanhola e a 32o
Latas com bolachinhis da acreditada fa- rs. a libra,
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata. GEWEIIRA
dem com quatro libras de bolachinha de' Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
soda a 2,ooo rs. a lata. i duzia e l.ooo rs. ao frasco.
OllPOS Genebra de Hollanla verdadeira a 6,000
VJlieijUo lrs> afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Queijos flamengos chegados no ultimo 1 iom e Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
vapor a 2,5oo rs., tambem ha do vapor pas- da ums<
sado a 2,3oo re.
CHOCOLATE
Chocolate hespanbol a l.ooo el,2oo rs.
a. libra, francez e suisso a 1,000 rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porco
ter abatimento.
VINHOS t
-


Urna prenda
Vndese urna molattah de 11 annos com prin
cipios de hahilidade- : a ra do Crespo loja n. 23
1/
Superior vinho do Porl-, Madeira e Cherry era
caixas de 12 garrafas a 10J, 12, 145, 164 e 18j>:
na ra do Imperador n. 57
Armazem allianga.
F4KIL0
de Lisboa o mais superior que ha 4"J00 e a 84000
o sacco: na ra larga do Rosario n. 50, taberna
da esquina, deronie da igreja.
Colla da Babia siperior
Tem para vender Antonio Luiz de Azevedo t
C, no seu escriplorio rna da Crnz n. 1.
AUence a pechinch
Sapatos de tranca com sola de cnica a 14 o
par : na ra do L'ivramento n. 8._____________
VemieTe ura escravoj,eca de 15 a 16 an-
nos, muito esperto: no corredor do Bispo n. 15,
para ver a qualquer hora.
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 4tS000 a sacca.
Acha-se
As melhores chitas francezas de cores
escoras e fixas a 280 rs. o
covado!I
Na roa do Queimado n. 1 vendem-se chitas fran-
cezas escuras e Unas a 280 d covado.
Vende se urna parte e nm predio no sitio dos
Arcos, perte da igreja dos Remedios, o qual pro-
prio para otaria por ter excelleote barro, e as tr-
ras quasi todas proprias : a tratar com Joaquim
Jos Goncalves lieltro, roa do Vigario n. 17, es-
criplorio.
ALMANAK
DE
Luso-Brasileiro
PARA 1866.
POR CASTIIiHO*
Vende-se na livraria economicajjnnto ao arco
de Santo Antonio,
0 castelio de Grasviile.
Tradnzido do francez por A. J. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 34O0C
ua praca da Independencia, livraria ns.
6e8.
Vende-se no escriplorio de Maooel Ignacio
de Oliveira & Filho, largo do Corpo Sanio n. 19 :
Vinhos do Porto muito superiores em caixas de
i duzia e barrit de oitavos e decimos.
Mnscatel de Setubal da melhor marca, em caixas
de 1 dozia.
Palmella tinto de excedente qualidade em caixas
de 2 duzias.
Vinhos de Lisboa moito superiores da marca PR.R
em pipas e barris.
Cera em velas.
Portadas de pedra de Lisboa.
Azulejos para frentes de casas.
Vende-te um carro (victoria) novo e elegan-
te, com os arreios competentes de metal principe :
na Ponte Velha n. 8, por preeo commodo.
venda na livraria acadmica, na ra do Impera-
dor ; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Antonio ; e na lypographia inaparcial, na ra es-
trella do Rosario a compilaban de toda a legisiacao
tendente administracao, arrecadacao e ftscali-
saco dos dinheiros de orphaos defuntos e ausen-
tes, herancas jacentes, legados, etc., contendo nao
s o regiment de custas e a lei geral das execn-
coes, como tambera todas as ordens e avisos do
governo. qne a todo tem explicado, tanto a respei-
to das obrga?oes inherentes ao cargo dos differen-
tes empreados de justica e fazenda, como dos di-
reitos nacionaes e emolumentos que sao devidos.
Este livro contendo mais de 700 paginas em ntida
impressao e bom papel, e prestando-se a otilidade
de differentes classes, torna-se recomnendavel.
Seu cusi 104009 por cada exemplar em dous
omos.
Bichas de Hamburgo 1
lodos os paquetes da Europa se recebe 9
destas amigas do sangue humano e se ajj
^ vendem a troco de pouco lacro s adra S
JR de ter sempre cousa oova : a loja de bar- J|
v, beiro roa estreita do Rosario n. 3, ao pe ^
0i da igreja.
****** mmm mmimm
Vende-se
Bramante de linho Uno e largo para lences.
Bnm lona encorpado e ano para montana.
Mantas para cavalio.
Cobertores de algodo de um e dous pellos.
Na casa de Edward Feotn n. 17, ra do Tra-
piche.
Algodio Para saceos o ronpa de osemos
da fabrica de Feroao Velho, e de muito superior
qualidade : vende-se no escrlptorlo de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo
numero 19. '
KMB CTBB BBKflB
lO^oviuie s
Coa leja i ra do Crespo n. 17.
Recebeu de Paris sedas em cortes mu*-
le superiores e belliasimos padroes,
P| chales de renda pretos para 104.
Este importante eslabelecimento toro*- i
se recommendavel ao bello sexo pela va-
g| riedade de fazendas superiores e bello
M gostos
Pioleja o bello spxo ao Villar
I e verso todos a prosperidade.
Illllllllll-lli
Cb
Vende-se cb hyssoo, o mais superior que na
neste genero, por 43600 e 24800 a libra, dito pre-
to por 24200 e 24400 : na ra do operador nu-
mero 57,
Armazem alliancu.
mmm-mmmmm____
Fumo da Baha para
charutos
Vende-se fumo superior de todas as
qualidades, a retalho e por aacado e por
sm preco commodo : no Hecifc, rna da Ca-
S cimba n. 1.
HttHtt III lill
Sota.
Vende-se Mfy xmm de sota de bo qualidade :
a tratar na ra do Queimado n. 53, tojo do ferra-
geas.
*m
j


Diarlo e Per-aalrae t*ara letra 9 3 tle Metembr* de 18*.

r
\
t
0
E8TABELE0ID0 A RA NOVA N. 60
am IKDBM 3)1 SI HttMMR
AO
UESPEIT1VEL PIBLICO.
A apreciaco dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
lem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento |de raolhados,
que sendo em sua maxim i parte mandados vir directamente do estranguro"podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1." Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posicao social gozara de certo tratamento, acharolo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Quaquer que seja a condicjlo do freguez, elle de ve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao meosalmente urna economa de
noitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucax, eic, etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem vir, (telo sen proprio interesse, a esle estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhons que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolbido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhore?
compradores. ,
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DNHEIRO A VISTA:
A Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
manbos.
dem dem era potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem era frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2000 a garrafa.-
B
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 15800 a lata, e
de cinco para cima a 15700.
idem de so la em latas grandes a .-jOOO e
de cinco para cima a l&KX).
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
1,5200, 1*250 el 0300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas. -
Banha de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Chou ricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porcjio
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Chakope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 10800 a duzia.
Cekveja da superior marca Teuente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e deoutras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, Par sieuse. Delicias, Gua-
oabaras, Trovadores, Regala, Missi.-sipes,
Panetellos. \praziveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
ChA de todas as qualidades e do todoe o
presos, hysson, huxim, aljfar, Dreto-
Dreto ponta brano. cu,., etc., a z-ww,
252"0,2550e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, 45 e 55.
Cauces de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o mac<
de cidJb macinbos.
m
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
rvadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
dem de amata a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
FeuAo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 5<>0 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a Kbra.
dem americano em latas a 15.500
Fareixo ba sempre em deposito de 500 a
800 saceos,.de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
AO PUBLICO
Sem o menor consiran-
gimento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENCAO
# preco* da tegnlnte
tabella para todos, po-
dendo assiin servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores;
Senhores
eza com que serao tratr
rra dos gneros rrae precisaran
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Concelco)
PARA BEM DE TODOS,
Tihoras, o aceio que presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que tudo a promDtida'o e intei-
atvtos jjnvida a urna vis;ta ao mesmo, certos de qnesem duvida me daro a proteceo e preferencia na com-
e quando nc possam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes seir
E'BARATISSIMO.'
braoe liquida cao de fatnilas e rosm
feita n^cionstl, na ra dalmpmtra
o. 72, luja de GuimaraesA irta
, Os proprieurios desle estabelecimento tem I
, solvido ltquidarem suas fazendas por prm,s baia-
issimos so coro o fim de a( orar dinherro, apww-
tem as pechinchas. l"w
Vende-se um grande sortimento de chi^ fras-
I cezas largas a 260,280, 300 e 370 o covario : dito
< percalras mnito finas a 360, 4(10, 440 e goo r
I cevado : islo s Da lija de Guimarts A Irac
oa ra da Imperatriz d. 72.
E' muito barato I
Cortes de 13a [ara vestido de senliora a3^
Cortes de la a 'o.
Cortes u'e iaa a 3.
i Aos 3, 00 covados de 'a,
Y.nde-se lazinbas dp quadrose de iMriutesda-,
linoissirr.os padroes a 220, 240, 280 e 3S0 ts. o to-
vado, vtode te a^im barato ror tpr mmia (<*c*
e querer se acabar: isto f Da loja de Guiaaes
t Irroao, roa da Imperatriz n. 72.
Aos 2,000 chales de merino.
Vende-se chales de merir esiami .di. a 2W*
e 2,5500, dito? de mtrin lito a 38t0, 4,3 e "4,
ditos linos a Co00, "i, 7{0 e f^.
Grande sortiaento de cor rs de vt-Mido do

htaia com barra, pelo baralo prejo de J, 32C0e
rois ser3o to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recoramenda'ca'fl, afirn ""de quinao vlo^em v"S de hiIa a ?5,25C' 3*e n^'t0'
ta r?rte.
Manteiga ingleza especialmente escclhida a Alaria, macarro
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem f ranceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios. -Jt,uoo a caixa com 8 libras.
urna.
K
KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa.
W
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Lethia a 400 rs. a libra.
H
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
Marmklada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6C0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sepa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Mii.uo painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
N
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a 15C00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadiulia, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparagao.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. ;i libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
a
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QARTINHAS OU MORINQUES a
R
RAPE' Meuron a 15 a libra.
dem Princeza do Rio a 1(5200 a libra.
dem francez a 25500 a libra.
m
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes
dem de Setubal em latas muito grandes h-|
720 rs.
Steari.nas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 400 rs."
T
TOUCINHO de l.^.,. ^n bra
Tomate em latas a 600 rs. rs> a I1Dra-
Tinta azul e preta para escrever.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chourigas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade. a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o jmais superior que tem vindo
o mercado i 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portnguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebro de Iloll.inda a 8o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,oooell,ooors.a frasqueira.
Caf do Rio de l1 qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho de Ia qnalidade a
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,oooa
arroba.
e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Msssa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
}ha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
Vho do Porto muito fino proprio para
'SPgarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
}5,ooo rs.
Viiho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
,32o, ioo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vfcibo branco de Lisboa de excelleDte quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vbho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,oooe lo,oooa caixa com I duzia e9oo,
.1 ,ooo e 1 .oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Srdinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l.,3oors.
Cartes com bolo francezmuito proprios pa-
ra mimo a 64o rs. .
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
deBrito no Beato Antonio, emlata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em Tasco de vidro com
lampa do mesmo, a I55oo.
Ameixas franc zas em cixinhas de diversos
tamanhos com bonitas estai pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada urna..
taui| a
Vende-.-e pecas oe madaLoio ci-m i4 jarda a
iim, Si, P0, 7, 8*, 9^ e H'5
Dito fiancez com 12 Jardas a 3CC0, hl, lSCO
e 50C0.
Vtnde-se um grande sortimenio e gollinb
para senhrra e meninas pelo barato puco de 320,
400 e 5C0 rs. cafa una : isto na luja de Gai-
mares & Irmeo, roa da (mperatru n. 72.
Roupa feila
Rotipa feila
iarnl Grande sortimento de icnpa fii'a (V i!as s%
orarmos ao aitamado fabricante Jos Furta- qualidades, que se vende por pTefm bmtiwiM;
dO de Simas, das seguintes qualidades: afliana seque se vtnde per mtnos 20 pore*Mo
Sal refinado em frascos de vidro com
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 5Go e 04o
a garrafa, e 5,8oo, G,ooo e 6.5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oors.
Exposigao Normal de H:.vana, Imneiiaes, j!" 1ue' m fl* Vtan pane.
Londrinos, Gnanabaras, Parisienses, Sus- "a nVa '"J11 ^e fazeod&s de Cu
Diacs
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, a.ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a Sooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiala a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinliode Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porro refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e ebeirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades- a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l.Ooo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Bivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portnguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancoreta.
I Azeite doce refinado hespanholou portuguez | Champagne da melhor qnalidade que' vem
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra-.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,000 a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozs muito novas a 16o rs. a libra,
loo: Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente tefium para
sopa, a 2oo rs. a Uh.
Massa iie tomotoisiiesnperiorqnalidadea 64o Marrasquino o.e Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e0o rs. a reta- 15 a garrafae II,000 a duzia.
Iho. Palitos de dente a 14o rs. o maco.

ao mercadn, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a-12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
os, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinapro do Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa ea l,4no e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a parrafa.
Vinaere branco j engarrafado a 5oo rs.
garrafa.
k irnio.
IIua da Imperatriz c. 9.
lgod.ao da Bilii
Na loja de Andrade & llego, ra do Crespo D.v
esquina da rus do Imperador, vende-se superc
lgodo da Baha por menos preco du que em cu-
Ira >ualquer parte.
Batatas
Gigos com superiores btalas chegadas a
dia.s vendera-se na irsvessa da Madre de
d. 5.
Dea
Ias para vestidos a 240
rs. o covado!!
Na ra do Qoeitrado d. 1 veodem-se superiores
Ias para vestidos a 240 rs. o covado ; a ellas, sis-
es que se acabem.
Ao amanhecer do da 26 de ngosto fupira
do engenbo Camaragibe dous cxrav? criouks,
ambos rarreiros, sen di) um de mite Si mrao, na-
tural do erlao d Ouiicuiy.allo e bim feit,rer
redonda, nao mi lo preto, e toffre de una tero;
o outro de nome Nicolao, nsrido no memo e-
genho, estatura ordinaria, seico do corpo e rtiQ-
if, na mesma ocrasio desapparece.'m 3 Itiro
do servido do etipf-nho, de sui (u r i|Uc teohaw S-
do levados por eiles, oo por aigi.tn que Ihes ser-
vio de guia e seductor, porquera uoiie preceda-
te a sabida dos ditos escravos IVram vtelot d'
bornena im cimmunica(;ao com o SeireSn juitt?j &
enirada do engenbo : quem prender e troOHt *-
tos escravos ser recompensado



DO AFAMADO JOUVIN.
Vende-se pelo prerjo de 1$ o par luvas novas de pellica de Jouvin, chegadas no ultimo va por
para horaem e senhora : na ra da Imperatriz loja de miudezas o. 34.

a
=1 a
a 8*5 -
Z- 21
(Bcrasaj ooi t-~< w o o q
2^ s g a a c.35 3"S = S
VINHOS
!!
Principe Alberto, de 1831, a 5000 a gar-
rafa; d vida aus velbus.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 10500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 24 a garrafa.
Duque a id e 10500.
^hamisso a 10, 10200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
.Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nho que se pode beber por n5o ter com-
posico alfuma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 8'K) rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 10 a garrafa.
Absyntho a 0 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 180.
Bttter Maurer a 10 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 200.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
caada.
a % p. t ST oo puto o 2 o S W
a- 3 en %z-y. ii. s q
co .- .
CD
o a.
?B|.
w p S
H
o 2
S
3"?
2
"
-i
o
sl1
8ST
5-
o
a
5-
&
21
a
Na offleina de ferreiro da na do Jasmlm n.
24, bfi para vendar urna carroca feita, com esm**ro
e ppipria i>ara carregar urna pipa com anua, aflm
de rende-la pela ra. Na mesma offl.-lna ha tam-
bem om eahriolpme'*oaToaa?,oovo n muito bem
acabado ; quero pretender este objeelos, pode di-
rigir-se a mesma que achara' com quera tratar.
Potassa da Russii
muito nova e superior : vende-se no escriptorio
de Manoe! Ignacio de Oliveira & Pilbo, largo do
Corpu Santo n. i9
CalHogas Unos e brlnqaedos
para meninos.
Uheearam para a loja de miudezas da roa do
Queimado o. 69. os mais Unos e lindos caluDffa>
tanto para bnnqoedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar boro sur-
tmenlo de mindw>.^.
Lavas de pelliea.
Receben pelo ultimo vapor lindas luvas de pelli-
ca de cores e b'aoeas para homem e senhora : quem reo-beo foi o beija-flor, ua ra do Queimado
numero 63.
Tasso Irmaos
Vendem no >eu armazera rui
imnrim n. 35, .
Licor Ano Curado em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com ralbas da
vidro e ero lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chambertio.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
P&ezei laniol.
MACHMSDEPATEN
de trabalhar mo para
desearocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & G.
ftfcttfl
Estas machina*
podem descarocar
qnalqaer espec
de algodao sea
..tr.g.t u 00
sendo bastante
daas pessoas para
o trabalho; pd.
desearocar urna
arroba de aige-
do em earoct
em 40 minutos,
on 18 arroba.*
por da on S ar
robas de algodao
limpo. ,
isira cmo fflactifnas para seren movida
ananaes, q desoarogam 18 arrobas de afcU.
Iimoo, oor da; e motores para mover1 twnd, duar
eutas dessas machinas.
6 mesmos tem para vender um bellissimp va-
porque pode fazer mover seis destas machina
amelonadas; para o que conTMa-se aes Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
'xende algodo, ao largo da ponte nova n.47.
SaaoJers Brothers &C.
M. II, praea do Curpo Manto
BECtFE.
Oj nicos agentes neste plz.
AGUA FLORIDA

Vendem-se paimeiras itrperiaes, em estado
de seren transplantaihs: no sttio morado es-
qiierda, depois do becco do Cspinheiro, nos Af-
flictos
ZXE2
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray 4 Lanman
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparacoes
a mais cusiosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eficacia tao delicada, como elegan-
tes s5o seus multiplicados usos, qur seja
empregada como arligo de toucador, qui
no use do bauho, ou como suavisador da
pello, depois que se tenha feito a barba;
] para limpar as gengivas oo aromatisar o
balito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compieices, depois dse havr lavado; al-
livia a irritaco de -rupcoes ordinarias; faz
desapp>recer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rufio toda a
casta-.de ebulicoes, e d vigor e frescura a
parte onde quer qite se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso apylica-
la como estimulante e antisptico, nos cou-
cuisos e assemblas numerosas.
No dia 58 de agosto prximo passado desappare-
cram do engciiho Parary, silo na comarca oo Lt-
muelro, os escravos Francisco e AlrxaD're, par-
lenrenles ao niajor Claudino Corrua de Meo. O
pnmeiro alio, uceo do corpo, um Unte e>\hiz-
do. e de rur cabra, tm a cara bexigusa, Ia;tati8
barba, cabellos carapinbos, [s curKs e lai^ts,
sabio ve.-lido de cal^a e camisa de ai(.'id3u mi,
rbapo de fellro, levando tambtm ( nsigo ocas
irouna ciiendo roupa de use, a saber: camisas
de chita e. calcas brancas e pardas, lev u lmbeos
uro chapeo de cooro, rom ladino. O secundo
pelo, crioulo, secco do corpo, estatura i.:..;.,
|nm falla de denles na frente, um p neo barba-
do, e tem ps fmos e bem feitos, lan !em note
ladino. Ambos sao mogos, tendo de idsde32a*.
luis, pouco mais eu menos ; desfonia se que nbtm ruciito para a.-senlar [rara ut.-ia (ionu>*
'U em oulra /joolquer : qurm os a| ( i hi nder (4'ide.
le va-1.. ou ao dito e Dgtnho, ou a' casa de Bitin*
Alvaro Barbosa da Silva, na ra da Cruz o. a.
(|U.? stra bem recompensado.
IfIT"
aos capit3.es de campo e a
policia
200^000 e gralifieactt pur rada oa
De-appareceu em principio do m^z de cutabr*
prximo pass;do, de bordo do paihabnie nacional
Arroto Malo, dous escravos de n^me B berto, per
;>l'l elliilo Macelo, e Miguel, o t*de 1 1.1 -. 45 anaos,
iouco mas ou menos, crii ulo, cor fula, estvora
baixa barba cerrada, nm pouco lirio das pernas^
e com algnns cabellos branros, tanto n barba ca-
rao na cabega ; o 2 alto, cheio do corpo. sem bar-
ba, falla grussa, representa ter de 2o a 30 anuos ;
cojes escravos desconfiase andarem pelos arrabal-
des desta cidade : quem os apprehender, qoeira
levar a ra do Trapiche o. 4, oa a bordo do dito
navio.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnfico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Eut opa,
Auseniouse do engenho Freeheiras, fregu.
zia da Escada, no diasegunda-feira H do corra-
le, o escravo de Dome Cosme, crioulo, idade de 20
e tantos anuos, estatura baixa, cheio d.i corpo, -
padoas largas, falla ara pouco manso, e levoa ca-
misa e calc,a de-ahgodao riscado, chapee de palba;
cujo escravo foi do Sr. J>& Ferreira de Si>uza, la-
vrador do engenho Bainha dos Aujos da itiu fr*-
gnezia para cojo logar provavd que se lenba
dirifiido p dido nesla cioade ao Sr. Jos Bodri^ues de Sena
Santos, em juuho prximo passado pelos Srs. li Ka
& Bibfr por auorisar;ao do dito Sr. Jos Fema-
ra : roga-se as autoridades competen), g e pessoas
particulares de o apprehenderem e dirigirem se a
referido engenho, on a roa do In peradtr n. H,
terceiro andar, que se recompensar.
/% tteneao
Acham-se Tagidos os f sernos tet/oiofe : Berta.
mnlato, idade de 23 aanq? --*" aonetadoa, mm
barba denles nr "'uC "mdni. spcco 4o -nraa.
J. -'-. falla um pouco deseaueada ; e US
criedlo,ja um pi'Uco vlho, altara re(iuiur nirW
cabelludo, b.rba com algons cabellos braiuxa. *,
sim como na cabeca, corpo reforgado. oitx oa
tanto pequeos, falla grossa e as vrtes Ace-
ronco pede-so as autoridades p< liciaes ea,**-
pitaes de campo que os lacatn apprt hender e ce*.
dozl-losa* casa de sea senhor o major Antonio 4a
1 Silva Gm-mao, qoe generosamente 'onompetM,
as loca- e U es pagara loda de*peza qoe Bzerem cero ^
lidades infeccionadas, na alcova de um en- condueeo; supp5e-se que eiies terso ido eo>
fermo. assim como nm antidoto excellen- KXSiSf* Pr0V'nC,a' Pf **"*
ie para os desmaios causados por cansaco .....
ou suffocaejo. Preparada nn^mente por o" ft^ jjttt o-^;^
Lanman & Kerop, Nova-York, e a \enda por 00 It,fm)f.i slt0i ^^ COrnprtdo, soisa pomo teta-
Caors 4 Barbosa. da, s grandes e ehalos, e raMmua andar de aiper-
Jo3o da C. Bravo & C. gatas, levou camisa de algodo, caicas vertas
Deposito peral em Pernanirmco roa
Cruz b. em caea de Caros Barbota
GAZ GAZ GAZ
rotas, chapeo de palha velho, e lambern uro boMlj
a 1 raranguejfirn. Se nao andar vagm do r* f*i
cidade provavel que tenba ido p*r Serintwat
_, ion Blo Formoso, onde ja tem sido car.uradajwr
vezes. B< g-se a aiitoi idades t c pilis de raan
que apprehendam e o levem ai sen seoh Cavalcsnti Lamenba Lins, resldente_ na Era*
Vende-se gaz da melhor qMlMid*..J^JS^^^ftVS
IWalata: nos arroazensda ruado Im- Athnqer perador n.16 e ra do Trapiche Novon. 8. mente.
~>

-.
III cnuc


I
Diarlo de rcrnaabnco <|narta lelra 1 de Setembro de !*.
9
~*"
LTERTM.
OM POUCO DE TUPO.
Este discurso foi proferido por occasio da ben-
co da bandeira da guarda nacional de Macei, na
igreja rnairiz, a 7 de setembro de 186o, e ofTerecido
ao Esra. Sr. bao de Atalaia, grande do imperio,
e comcnandanie superior da guarda nacioual dos
municipios de Macei e Srala Luzla do Norte,
pel iivmd. Sr. Maooel Amaueio das Dores Chaves,
membro da assembla provincial da-; AlagSas, leo-
c ca'.'nedrauco Jo lycen da capital, vigario enco'n-
meudade da freguezia de Jaraga, socio ccrrespon-
denla da sociedade Typograpliica e do Institut0
Arct.eologico e Geograpluco, era signal de muita
estima, considerado e respeito :
1 Brioso batalho da guarda nacional desta oda-
de. eu vos sado I
( Abengoado era nome do Seubor Deus dos exer-
cilos, acaba de ser-vos entregue por seu respeita-
vel ministro o pendo bicolor; esse estandarte au-
n-verde que, lalvez mui breve, ha de servir-vos de
fanai e guia para os campos da victoria.
Briosos guardas nacionaes / sabis o que a
bandeira de urna uagao 1
E' o emblema da honra, da gloria e da naciona-
lidade de nm povo.
r mais a fulgente venera qne deve pender do
pe o de todo o cidadao livre.
Sim, de um cidadao livre ; porque um povo es-
cravo nao tem honra, senao em servir ao seu se-
nbor.
Nao tem gloria, senao a do um triste e obscuro
raartyrio Ave Casar morituri lesalutant bra-
dava e;?e povo servil, que sabia era hecatombes, a
dar ao principe que reinava um sanguinoso espec-
tculo, com qne se inebriava o raonstro.
Nao tem nacionalidade ; porque os escravos nao
teem familia.
A bandeira de ama nagao livre o a tnica de
Nesso, que nao pode ser arrancada de suas maos,
sem que Ihe descarnes os ossos, e Ihe decepem os
punhos,
dos bravos, para desfraldar primeiro as cumiadas a bengo d'nm ministro de DEUS, porque o
do Hamaita e as sotas da Assurapgo as vlnte emblema da vossa honra, da vossa gloria, do vosso
estrellas que brillantemente adornam a corda do pundonor, da vossa nacionalidade.
primeiro cidadao do imperio, voluntario da patria;' Toraai-a ; e correi a arvora-la as amias de
desse primeiro vulto sul-americano, digna Vergon- Hamit. Nao consintaes qne palalos toquem esta
tea do tronco Birgantino, que felizmente rege os Arca-Santa. ^
destinos da trra do cruzeiro, que o vio nascer. Amigos I arengava o grande Conde as snas
Quando o brilho da nossa esphera armillar se v 'ropas; lerabrai-vos deRocroy, de Friburgo,e Nor-
um momelo embaciado pelo hlito impuro dos dliogen I
norraaudos hodiernos; quando o gigante sul-ame- Essas Palav'"" derrotaram os Austracos em
dcano se v assalteado por um aggressor cobarde Les-
e fementido, qae soabe aproveltar-se de urna im-
previdente confianga, a indifferenga, e o relrahi-
raento um crime de lesa-nago ; a contemporisa-
5S0, um parricidio.
As armas I briosa guarda nacional I dai o exem-
plo de abnegado e patriotismo aos vossos cmara-
das do centro.
Na suprema adrainstrago da provincia tendes
ara vosso comprovinciano, cidadao preclaro, e por
muitos ttulos merecedor das nossas consderagfles
e sympathas. Por demais sao conhecdos o inte-
resse e empenho que elle ha tomado pela cansa
nacional.
Por seu turno, um chefe de polica diligente, la-
borioso e incansavel vos apona o caminho qae de-
vem seguir todos os roraeiros da nova cruzada.
A' frente de vos acha-se inmediatamente o vos-
so commaudante superior, anciao conspicuo e ve-
neravel, pelas cans que Ihe cngem a fronte, como
ama cora de gloria, e por esse prestigio de que
naturalmente gozam os bous servidores do estado.
Batalho de Macei I
Um s pensamento deve dominar vos I
Esse pensamento devo dc.\ai a sua fui ma sub-
jetiva, objectivarse no mundo sensivel, trada-
zindo se por fados. Elle a expresso complexa
de ludo quanto grande, nobre e ejevado :
E' a vinganca da honra nacional I Para realisar
essa idea sublime, generosa e digna de um povo
livre, calam-so todas as consideragoes.
Um povo que se presa de livre, e que se v in-
juriado nao tem mulher nem fllhos.
Perca-se tudo, menos a honra I
Marco Atillo Regulo, esse homem extraordina-
rio, cuja fama ha de vingar a memoria dos seculos,
o exemplo comtempo- fu8' ao osca, de sua esposa de sua esposa, e ao
i terno amplexo de seus caros filhos, porque vio a
A Polonia marlyrisada
ranee.
A bandeira nacional a vrgem pudibunda, cu-''aBuia romana dependurada dos templos carthagi-
nezes.
ja honra defendida por seu pa, custa da pro-
pria vida.
Ei-la ; aqu a tendes : aqu tendes este lbaro
sagrado, que a honra, a gloria o palladio desta
naci, que charaaes livre : dequem vos dizes fi-
lito ; e de quem sois, por antonomasia, os defenso-
res, os guardas I
Defensores da patria I eu humilde ministro de
um manso Cordeiro, educado na paz do Senhor,
criado sombra do Olivete, nao serei quem venha
guiur-vos arena sanguiaosa dos combates e a
oerpassar impvidos sobre cadveres palpitantes.
Nio serei eu, quem venha abalar a voz da cari-
Parodiando as palavras do ilustre general, el
vos digo em nome de DEUS e da patria.
Briosa guarda nacional de Macei I lembral-vos
de Tonelero, de Monte-Caseros, de Riachuelo e de
Paysand.
Beijai a Cruz das vossas espadas, e jaral por
DEUS e pela vossa honra, qae esta bandeira, ou
ha de agoatar os ares do Paraguay, ou ha de ser-
vir-vos de morialha I
DEUS e a patria vos abengoaro.
das dama* da erte, dais das quaes passavam por
serem mui bonitas.
A rainha pergunton ao velho general qaal deltas
era a qne mais Ibe agradava.
Com igual gravidade responden o encanecido
militar :
Sentrar.'Sfc'mi um da de batalba en me___
Basta I testa exclamou a rainha.
... Signa ego punicis
AfUxa delubris...
Vidi...
E, quando o nosso territorio impamente de-
vastado por hordas da vndalos: quando os nossos
campos sao talados; os nossos irmaos morios; as
nossas virgens maculadas, seris vos, phalange de
bravos, menos brasileiros, do que foi romano Ati-
lio?
Correi, guardas da nagao, as margens ensan-
guenladas do Paraguay a patria nao quer a im-
molaco de um novlho negro aos manes dos seus
hroes; ella quer que se esparja sobre as ciozas
dade que manda amar os homens por amor de^aiuda fumegantes dos seus filhos mais amados um
Deus; nao serei eu, quem venha excitar vos
ougao, nein agacalar-vos osalfanges.
sangue menos estril o sangue dos inimgos da
patria.
rao gran Je campeao das pelejas, Ji !2T ?*! T SUCCambiram na
dar-vos preleccoes de guerra. A miaba mLo 6 T' i"? ^^ laClUSS' fl *
pacrlea : mitis ,*, et kumHU carde, como o Deus' **T M*"apt!kS da ar",,,aria' canle'se um **
da daz, de quem sou ministro. no de v,Dgan?a ura ep,nicio de victoria '
A s armas I denodados guardas nacionaes de Ma-
la* sera o sacerdote da reconcihago, quem vi- cei I as aperladas conjuncturas era que se
gladio vingador da acha a patria, demorar-lhe o soccorro urna tai-
jgol Nao queiraes augmentar o numero dos Ma-
Nio ; eu venho rememorar-vos que, nao soraen- nnos e doi Nepocanos I De joelhos, as margens
le sois os defensores do urna patria livre, como do Praia, vossa mai ensanguentada vos obtesta o
que tendes a debellar resusdtadas catervas de auxilio das armas, que ella mesma vos confiou.
Moioe de Aramon; de Madian e de Jeric. Voe a essas luctuosas paragens, guardas da
G mundo inteiro attenti para o Brasil, e a pro- naao '
vi para vos; para vos, sim, que sois um bel-1 Vossos peitos, vossos bracos
a :> jao desse povo ma^nanirao e bellicoso, que | Sao rauralhas do Brasil..
:ao multiplicadas vezes tem dado provs de seu
r apertar-vos nos punhos o
honra e do bro nacional.
bri I : era Gararapes e era Villegaignon ; no Dous
ii Jho e nos campos do Ypiranga.
D'um povo que ve na arborisagao de suas veas
cruzar-se o sangue heroico dos Ctmares e dos
Virialos ; dos D. Joao de Castro e dos Henrique
Nao vos importe que sejam esquecidos os vossos
servicos, como o teem sido os de tantos benemri-
tos da patria.
Nao miris a recompensa, o galardo dos vossos
servidos: porque essa recompensa est toda na paz
de umeorago, que tem a consciencia de haver
Dias, e do toda essa myriaie de hroes, d'aquera e cumprido um dever sagrado. E' essa a
dal ! Lrniuz e eiu Piraja ; em Dio e em Tabocas: em '
Malaca e em Monte-cassros encheram de assombro
as incoes do globo conhecido.
Denodados guardas da naeSo / quando o clarim
OJerunt peccar boni virtutis aman.
Vossos filhos agradecidos rememorarlo vossos
feilo: gloriosos.
Quando a historia entrega a publica execracau
de prfidos sa em nossas froaleiras ; quando o os '^nes de Narsez, e Magnencio; de Coriolano e
irom da raiada inimig.i reboa aos nossos ouvidos; i de Arbogaste, regi-tra cora gloria os noraes honro-
quando a deshonra e a carnificina, horrivolraenle jsos de Belisario e Spio ; de Demosthenes e de Co*
consorciada^*carapeiarn com torpe [repudio as ; lmbo.
nessas provincias, quando os nossos irmaos cispla-
A patria, a p^steridade e a historia sempre la-
tinos solfrera todos os horrores da guerra \ quando Km' cdo ou larde- Jus"5a aos seus bemfeitores.
impas hostes, sdenlas de sangue, ousam, rapaces, Ide' 8uardas da nacao, mostrar aos vndalos do
pisar o solo da Santa Cru?, derramar o nosso pre- Para8uay. W* le os decentes dos libertadores de
De Franca, da Allemanha, da Italia, nao teem
faltado cartas em Inglaterra a perguntar se esta o
cholera em Londres.
Ora, a populacao de Londres pode ser avllala
em tres milhdes de habitantes.
De 15 a 22 de julho foram registrados 1,467 ftl-
[ecimenios e 280 destes foram occasionados por
diarrhas.
Destes 280 eram 257 crianeas de menos de do
annos.
Nao hoiive mais do qae 5 casos de cholera ei3
de cholerina.
No espaco de oito dias, e no meio de calores af-
focantes, 5 pessoas moras de cholera nao perait-
tem que se diga que est a cholera em urna cidide
de tres mllhes de habitantes.
Mas se o cholera nao esta no ar, est as idis.
Se se podessem contar, dia por dia, todos os da-
mas domsticos que se verifican) sob a impresa
de nao sei que mysteriosa influencia, navena ru-
tena de sobejo para fazer meditar os pbilosophos e
gsmer a humanidade.
Nunca, como nos ltimos mezes, se virara taos
suicidios de pessoas distinctas e sera causa valioa;
os processos levados ao tribunal dos divorcios, os
escndalos qae a juslica mal pode abafar, apresen-
tam-se em grande numero, e todo o mundo perda-
la que vertigem lomoa certas pessoas de quem de-
veria partir o exemplo.
A demencia anda na atmospbera londrina ; o
cholera da cerebro.
Um joga tudu o que tem, e mesmo o que nao
tem, em urna aposta sobre um cavallo; outro las
ostentaco de relacoes escandalosas; outro, de no-
bre iiniiagem, com um nome brilbante respeita4d
ha muitos seculos, casa com urna rapariga de liay-
market.
Em urna familia de Piccadilly, um viuvo moca,
ura homem cujo nome bem conhecido no palacio
de Westminster, movido, sem duvda, pela impu-
nidade do exemplo, vai casar com urna das ma-
nieres que uos uliimos dez anuos tem conquistado
em Loudres a mais escandalosa celebridade.
E ao mesmo lempo que se operam de um lado
estes estragos inoraos, ou antes immoraes, sabe-se
por outro lado que grande numero de homens dis-
tiuctos desapparecem era todo o vigor da idade, lo.
cados de estranho mal, terrivel, novo, procedente
de que excesso.
Loucura, suicidio, paralysia, ruina, amolleciraen
to do cerebro, memorias escandalosas, furiosas
apostas, unioes deshonrosas, divorcios, tudo proce-
de dessa cholera das ideas que paira sobre a gran
de capital.
Um chapelleiro de Londres acabon de obter pri-
vilegio de invengo para chapeos Iluminados.
Estes chapeos phares, qne assira se Ihes pode
chamar, teem a dnpla vntagem de alumiar quera
os leva e de augmentar a illuminacjio das ras.
Consta-nos que j appareceram alguns em Lon-
dres.
E como os vidros das lanternas nao sao todos da
mesma cor, houve homens que produziram grande
effeilo.
Consta que as damas inglezas para nao ficarem
atraz ao sexo feio, tencionavam mandar Iluminar
OS bi>15o<.
Melhor fariam, ,, es[es esl3o Q0 u|(jm0
periodo de existencia, que Illuminassem as ca-
becas.
Offerecem-nos o seguinte escripto descriptivo da
festvidade do Gymnasio Pernambucano :
Cabendo-nos a honra de ser convidado, para as-
sistir, no Gymnasio Pernambncano, a festa, qae
costante celebraren) no dia 17 de setembro, em loa-
vor de Nossa Senhora das Dores, os alumnos desse
coilegio de edueacao, nesse intento, nos dirigimos a
elle, e ahi podemos contemplar a boa ordem e afa-
bilidade de seus directores e alumnos.
A festa nao foi muito concorrida ; porm esteve
brilbante e alegre. A capella estava bellamente
adornada, e enriquecida de quadros religiosos, e
tanto a capella como muitos sales contiguos se
achavam tapetados, e os que nao estavam, acha-
vam-se cobertos de folhas e flores odorferas. Pelas
8 horas da manha, pouco mais ou menos, achan-
do-se presente o Eim. Sr. presidente da provincia
leve principio a missa, que foi celebrada pelo ho-
nesto e muito digno director, o Sr. conego Tranqui-
lino Cabral. A msica esteve cadente e harmo-
niosa. Finda a ceremonia o Sr. regador, convidon
S. Exc. e mais pessoas a desceren) ao andar terreo
onde foi offerecido nm almoco confortante occa-
pando urna das extremidades da mesa o Exra. Sr.
presidente da provincia.
A mesa esteve completamente oceupada, e os
convivas estiveram sempre animados, satisfeitos e
aprasiveis.
Em meio do almoco, o Sr. Dr. Ignacio Firmo Xa-
vier, medico desse estabelecimento, com permisso
do Sr. regedor, recitou um pequeo e sngalo dis-
curso anlogo ao dia ; foi mais urna fldr qne o Sr.
Dr. Firmo deixou pender de seu jardim Iliterario.
Findo o discurso, que transcreveremos abaixo, o
Sr. regedor do Gymnasio dirigi um brinde ao Exm.
Sr. presidente da provincia e a sna Exma. familia,
com aquella simplicidade e modestia que Ihe sao
proprias, mas cheo de verdadeira dedicarlo pelo
bem publico, cujo brinde foi recebido com o devi-
do respeito a alta posicio social de S. Exc. e a es-
tima a que entre nos se faz digno. S. Exc. certo
da leaidade e franqueza das pessoas qne o cerca-
vam se dlgnou (azer um brinde a corporaco do
Gymnasio, e a sua estudiosa mocidade.
Poucas foram as palavras qae S. Exc. expendea,
mas foram palavras amigas, e de um pai para seas
filhos, calando anda mais no coraco de todos a
forga da sympathia pela sua Ilustre pessoa. Era
seguida o Illm. Sr. Dr. Antonio Menezes de Vas-
concellos Druromond, fez um brinde ao Sr. rege-
dor do Gymnasio, e em breves expressSes disse
quanto se poda dizer, e desejar, respectivamente
ao carcter nobre e honesto do saudado; n3o es-
quecendo a este o alear depols um brinde as dnas
distinctas matronas, qae adornavam a mesa com
snas presencas e espirito.
O quinto e ultimo brinde foi aleado por S. Exc.
o Sr. conselheiro presidente da provincia a S. M. o
Imperador.
Esse brinde foi acolbido com phrenetico entu-
siasmo, provando essa demonstrado qae os brasi-
leiros nao se bumilbam formando de seus coracoes
o throno do primeiro brasileiro, do primeiro volun-
tario da patria.
Nesse brinde S. Exc. foi sublime. S a elle com-
pela definir a posicao imperial, denominando o
su pensAmento rt primeiro brasileiro, o primeiro
voluntario da patria.
Pind o alrnogo o Sr. regedor facultou a entrada
nos saldes do museu, onde tanto S. Exc, como as
sennoras e mais convidados se entretiveram por
alguraas horas em observar as raridades all exis-
tentes. Sem lisongear, damos os nossos parabens
ao distincto regedor por saber raanter uto digna-
mente a ordem, a harmona e a llustracio do Gym-
nasio Pernambucano, imitando as virtudes e no
saber ao seu fallecido antecessor.
Bioso sangue, polluiras esposas e as virgens, nos-
sa ir.naas, a cobirdia seria um crime mperdoa-
tc! um suicidio moral, urna nodoa indelevel, que
prime na testa do parrjeida.
Para escarmentar os vndalos hodiernos e de
brear sua louca ousadla ; deveis correr presurosos
As gallas do dia de hoje devera fazer rejuvenescer
os vossos nimos.
lu bravo alagoaao foi o primeiro a vingar os
aicautis de Paysand' : a briosa phalange que for-
ma o honrado batalho da guarda nacional desta
capal deve correr parelhas com os mais valentes
FOLHEUM
0 DEMONIO DO JOGO
POR
HENRIftE CONSCIENCE.
u
(Contlnuagao.)
Nesse dia o Escalda apresentava em frente de
Antuerpia ura espectculo admiravel. Algans dos
navios que o vento de leste nao deixra sabir do
mar do norte durante tres semanas, ja' se tinhara
aproximado da cidade; muitos mostravam as suas
vellas dadas o oro no ngulo do caes de Flan-
dre*. em quanto que mais .-.. no f|o no hor
sonti duvidoso, pareca que sahiam dasuuu.... .._
lPO-rtS de mastros para annunciarem a chegada
de armada oompleta.
Os marinhelros trabalhavam cora um gigantesco
(wsenvolviraento de forja em desaterrar e aproxi
mar os navios da cidade, para tomarem ao compri-
do do caes n '"gar favoravel. Rivalisavam entro
"si -.jio lanto ardor e energa que o solido casco dos
novios pesadamente carregados pareca estremecer
debaiio do esforz do3 cabos estendidos.
De cada embarcaco subia para o co ara canto
selvagem e spero como o gemer do cabrestante ;
mas alegre e entbasiastico como os clamores triam-
pbMfl do um exercilo victorioso. Esses cantos,
que sahiara em todas as lingaas do mando com-
mer:ial dos robustos peitos dos homens do mar
echoavara na cidade e no ro como immensa accla-
maco.
A voz dos capitaes soando airavz do porta-voz,
era a nica que sobresahia a esses cantares con-
fosos ; e quando apparecia defronte da cidade um
galio poriagaez vindo das Indias, a exploso de
S. athanna e Ro Grande do Sul. E, se os livres
da Gallia bellatrice conheceram no Rio de Janeiro
a forga dos nossos pulsos; se os livres da Batavia
ja vram dizimadas por nos as suas valentes le-
gioes; se o brilho dessas estrellas, que circundara
a nossa esphera arraillar, j offuscou urna vez os
olhos charamejantes do Leo da Iberia, que onsou
sacudir a juba e investir comnosco, para retroce-
der vergonhosamente, nao serao os escravos d'um
obscuro tyrannete, que resistirao ao peso das nos-
sas armas.
Tomai, pois, a vossa bandeira; ella para vos
um objecto duplamente sagrado : porque receben
ama salva de artllhana dominava todos os rumo-
res como nm estrondear de trovoada.
O sol, em todo o seu esplendor, allomiava essa
scena viva da aciividade hnmana, ecom seus raios
de esplendidas cores acarinnav-a a rugosa superfi-
cie do largo rio.
Fluctuavara no ar centenares de flammulas e
galhardetes de lodas as cores ; gndolas e lanchas
s duiias sulcavam o rio ; de todos os cantos, de
todas as embarcares, de todos os caes se erguiam
para o co alegres clamores qae se confundan)
com os cantares dos trabajadores. At os carro-
ceiros de alm do Rheno qae estavam em fileira
com os seas grandes e solidos carros ao pedo ce-
miterio do Burgo, para carregarem eepeciarias
para: Colonia, nao poderam resistir influencia
dess bello din de maio e a' geral alegra; ajunta-
rara-se ao p da porta do Estaleiro e entoaram em
sua iiubik. -u^mso aiu uaniai ta0 harmonioso, tao
suave, e ao mesmo tempo to viril que captlvou os
trabalbadores dos arredores e fez calar todos os ra.
mores at aos pontos onde podiam ebegar os sons"
das snas cangoes.
Neste momento nm carro entrava pela porta do
Estaleiro e parava jauto dos carroceiros alleraaes
no momento em qae os ltimos sons do sea canto
lam perder-se no canto de trabalbo dos mari-
nheiros.
Um mancebo e depois del le um velho e ama jo-
ven ricamente vestida, descerara do carro.
Todos os que all estavam, tanto negociantes
como trabajadores, formaram alas ebeios de res-
peilo sandando o Sr. de Van de Werve, e contem-
plando com admirago sna filha encantadora. Al-
gnns Italianos de mais baixa condgo diziara bas-
tante alto para que Mara podesse onvi-ios: Ecco
la Monda maraviglia.
Mas Van de Werve dea ordem para que o carro
esperasse junto [a' perlado Estaleiro, e dirigise
Um velho feld marechal austraco que foi apre-
senlado rainha Mara Antonieta, nao fallou du-
rante o tempo que esteve com a Infeliz esposa de
Luiz XVI, senao nos seus cavallos de batalha, os
quaes tinha em grande estimagao.
No dia seguinte ao da apresentago, a rainha,
nao sabendo o que Ihe havia de dizer, persjunton-
Ihe a qual dos cavallos dava a preferencia.
Senhora, respondeu cora gravidade cmica o
feld marechal, se n'um dia de batalha ea me achas-
se montado no raen cavallo rosilho, nae roe apea-
ra para montar o mea cavallo baio, 6 se estivesse
montado no meu cavallo baio, nao me apeara para
montar o rosilho.
Dentro em pouco, versou a conversacao acerca
para o lado do rio, onde a bandeira da feoria de
Portugal e os remos levantados Ihe indicavam o
sitio onde o esperava a gndola de Lpez de Ga*e.
' preparada para elle.
csieuiicu-ao uiu >.r... *uure a prancha collocj.
; da como urna ponte sobre o caes e a gndola. Va-
ria, seu pai e Gernimo entraram na erabarcagVi
os seis remos desceran) ao mesmo tempo aguo, *
os bragos robustos dos iiiarioheiros ponugnezei
' corlaran) as aguas cora energa crescente. Rapid
como um peixe e leve como um cysne, desuso i
gndola sobre a quieta superficie do Escalda e bo*
dejou com mil voltas at que sahio emfim da rau
tido de navios e achou caminho livre. EnR)
os marinheiros dobraram esforgos, como se oni-
zessem mostrar a Mara de quanto eram capaze: no
seu mister. A gndola, obedecendo ao impulso los
remeiros, pulava a cada movimento dos seis reos
na agua, e balangava-se graciosamente no liqudo
cajo socego qaebrava com a sua rpida *a-
sagero.
Havia completo silencio na embarcago, osre-
i madores tinham os olhos filos com tmida admira-
gao no gracioso rosto da virgen. Mara abalxva
os olhos e pensava em qne o lio de Gernimo on-
sentira infallivelmente na sua felicidade, o nan-
| cebo eslava absorto em seus pensamentos e floe-
tuava entre a alegra, a esperanca e o mdo. Vm
de Werve contempla va a cidade e pareca gozar la
magnifica vista que offerece Antuerpia, quando se
v de longe, como em outra Veneza as snas torres
e os seus edificios erguidos a' beira do sea beio
rio.
A gndola dobrou a ponta de Flandres e cono,
para ser favorecida pelo refluxp, tinha escolhido o
seu caminho ao comprido do dique, deslisava como
urna flecha no meio das canas ose i liantes.
De repente Gernimo levantou-se e aponton para
longe bradando com alegra :
ALLOCL'QAO RECITADA PELO SR. DR. IGNACIO FIRMO
XAVIER, MEDICO DO GYMMASIO PEIINAMBUCAKO, EM
O DIA DA FESTA DOS ALUMNOS DO MESMO GYMNA-
SIO, EM 17 DE SETEMBRO DE 1865.
Dous das solemnes e de ramensn'auato, memo-
ra esle Gymoasio om ciua anno de sua vida edu-
cadora. Esses das de santo regosijo sao, o dia 15
do aijosio e 17 de setembro.
No decurso de ambos, a Mil de Deus, a inspi-
ragao geral de lodos os pensamentos, a geral in-
vocagao de todos 03 corages. A ierra inta seus
hymnos, ella os escuta do co, e do co benigna e
mesiricordiosa derrama o seu cofre de divina gra-
ga, por sobre todos os pensamentos, que por ella se
inspirara, e por sobre todos os corages, que palpi-
t'am na creoga da religiao de seu filho.
Duas invocagSes diversas, duas diversas festas,
pois definidas n'um s ser, Irradiam-se neste re-
cinto e o enehem de luz.
No primeiro dia adora-se a Mal do Omnipotente,
ao ir ligar-se ao espirito de seu filho em sna ang-
lica assumpco; no segundo adora se ao Filho as
dores da Vrgem Mai.
No altar, o co e o espirito, aqai, a trra e o co.
rago. No co, o espirito elevado at Deas ; na
trra o sentlmento repartido na sociedade dos ho-
mens.
Mas, seuhores, esses dons dias pomposos e festi-
vos, se distinguen em sna natareza, embora defl-
nam um nico sera Mi de Deas.
Sim, senhores, a festa do dia 15 de agosto, re-
presenta a luz dos ancioes derramada sobre a Idade
infantil.
E' a festa dos patriarchas das sciencias e da ci-
villsagao, animando as debis e principiantes intel-
ligencias. E'o presente, Ilustrado no passado, e
preparando as flores do futuro. O dia 17 de setem-
bro, representa a festa da animago, da vida e do
progresso do espirito infantil.
Na piimeira, fulge o pensamento sublime ; po-
rm grave e silencioso. Na segunda fervem e des-
abrochara do corago, as gragas, os sorrisos e os
prazeres innocentes.
Na primeira festa sublima se, a seriedade de So'
erales, na segunda, resplandece a jovialidade de
Plutarco. Na primeira calava a melancola de He-
raclito, na segunda nos encanta e arrebata a ale-
gra de Democrito. Na primeira eram os meslres
guiando os descipulos na senda da scienca, da mo-
ral e da rellgio ; na segunda sao os discpulos en-
tusiastas por seas mestres Ihes tributando o mais
sincero reconhecimento, achando-se na carreira da
verdadeira educagao physica e moral, que tSo sa-
bia e cordialraente Ibes faculta esse honesto ge-
neroso asylo fundado por um illuslrado e piedoso
pai de familia. (*)
Senhores, se ha urna heranga sublime, um lega-
do pomposo, a edueacao, qae ura pai d a seu li-
ibo; wiu sentlmento nobre, o do agradecimento
do filho ao pai que o ednea. A edueacao um mo-
vimento civilisador que deve principiar a ser inocu-
lado, como sua natureza orgnica do centro para pe-
riferia ; do contrario seria to falsa como o galva-
nismo.
O espirito e a materia postos em combinago
dando em resaltado o homem, prestam-se fcilmen-
te a essas regras, que tendem a sublima-lo elevan-
do-o quasi ao divino. O homem bem educado
urna scenielha viva, a forga, a animago, a alma,
a elocuencia e a poesa da sociedade. A educago
o fogo, que aquece os frios da materia bruta e
da intelligenca ignorante. Afasteraos-nos, pois,
de privar nossos lhos dos beneficios, que resul-
tara do eraprego de urna bem dirigida ducagao
phisica e moral, para qae elles sejam dignos de
nos.
Exm. Sr. presidente da provincia, vos que, Ilus-
trado nos coohecimentos atis, distribus entre nos
a mais sabia administrago, vos, que sois pai e sa-
bis apreciar quanto til, e necessaro para a ci-
villsago de ura povo a educago phisica e moral,
e conheceis o prestigio desses estabelecimentos, as-
sentados na moral e religiao, derraraai sobre este
centro de modesta, porm brilbante educago, os
effluvios de vossa sabedoria, dando Ihe toda a pros-
peridade e valor de que digno o gymnasio per-
nambucano, concorrendo V. Exc. para o franco
desenvolvimento das ideas sas, tendo por premio
o sincero reconhecimento dessa mocidade ardente
e brilbante, que vos cerca e vos considera pai.
Sacerdote de Christo, Sr. regedor do gymnasio
pernambucano, vos, que dirigs essas lenras orga-
nisages, e Ihes proporcionis cora bondade, nos
doces effluvios de urna bem dirigida educago phi-
sica e moral, os meios de se habilitaren) para a vida
social. Vos que, curando de seu corpo e de seu
espirito, o enriquecis de belleza e instruego, nao
deveis invejar a philosopbia dos Pytagoras, era a
eloquencia dos Plates, porque derramis em suas
delicadas almas os perfumes da mais santa e pura
religiaoo christianismo. Educando-os nessa san-
ta 01, sois a luz que os guia pela eslrada da virtu-
de, para um dia chegarem ao templo da honra, da
atria e da humanidade.
Srs. professores, qae Ilustris a mocidade nos
principios das sciencias, transmittindo-lhe o vosso
saber, sois a fonte purificativa de seus erros e ig-
norancia. Exemplarisando-os com vossa pruden-
cia e humanidade, formareis homens, que vos sa-
bero amar e respeilar.
E vos, mocidade infantil, bella esperanca de vos-
sos pais, e que um da deveis ser os luzeiros da pa-
tria, recebe! com amor e dedicago as ligues de
vossos meslres, e nao esquegais jamis esse gene-
roso asylo, que tanto ahrilhantais com vossa indole
dcil e bem formada, e que vos eonslituir um dia
verdadeiros cidados. floje, representando em vos-
sas Idades, as passadas idades de vossos pas e de
vossos mestres, cumprireis ura dever sagrado, pa-
ra com Dos, para com vossos pais, para com vos-
sos mestres, e para com vosco mesrao, imitndoos
no saber, nos bros o as virtudes.
E as notas do co despenham-se
Em caudalosa torrate ;
O poeta, o genio as sent,
Nio as ouve a multfdo ;
Guarda-as aquello tio vido,
Como o avaro o sea tbesoaro :
Chama-lhe o mundo desdooro,
Chama-lhe elle inspirago I
Calcando terreno asperrlmo,
Rasgando os ps nos caminhos,
Transpoe estrada de espinhos
Que eternidade conduz ;
Mas que importa ? Estrella vivida,
Chamma que nunca se apaga,
Se mais soffreo, mais alaga
Os tempos com sua In I
Genio s tu, aurora esplendida,
Fulgindo neste momento,
Que fallas ao sentimento,
Que arrebatas coragSes I
E's tu, Liguori, que urna pagina
Tens na bella historia d'arte :
Teu piano ha de elevar-te
cima das multiddes I
E' co deslumbrante, ntido,
Que allumia a tua infancia ;
A trra suave estancia,
A tua idade urna flor ;
Ergue, pois, a fronte impvida,
E segu affouto, sem medo:
Ters um futuro ledo,
K o Brasil mais um cndor,
'
Era urna vez um hornera casado; acontecen qae
nm dia fosse vistalo um amigo, e ambos encerra-
ram-se n'um gabioente, para melhor tratarem em
Iiberdade de seus negocios.
A esposa do dono da casa, mulher ciumenta em
extremo, ainda estava na cama, mas, oavindo fe-
char-se a porta do gabinete, levaotou se, vestia-se
com urna presteza inacroditavel, e correa a escatar
pelo buraco da chave o quesepassava entre sea ma-
rido e a pessoa recem-ebegada ; acredltoa sem da-
vida que era mulher, pareceu-lhe mesmo ouvlr ru-
gr a seda do vestido, e que tinha ouvido tosslr a
iniroduzida. Porm, afinal eonvenceu-se de qae
era um prximo de calgoes, qnem confereaciava
com seu marido.
Mas, oh dr I ouve o seguinte dialogo.
Ainda mais dinheiro ? Santo Deus, qae a tal
Felicidade, nada tem de santa, ja' me lirou do bol-
so cerca de dous con tos de ris.
Pois meu caro, console-se comigo, que a es-
peranga ja" me cusa mais de cinco, e ainda
nada.
Fagam os meus leitores ideas, como flearia a
ciosa esposa que taes palavras ouvia com a de-
sesperago da mulher trahida.
Ouve continnou o da Felicidade, cuidado qae
minha mulher nao o snspeite sequer, porque nao
gosta destes negocios, e lase ira o dinheiro achan-
tado.
Descanga, e quando remos v-las ?
Tenho grande desejo; agora mesmo, se o
quizeres.
Pois vamos. Sejam ellas o que a gente dese-
ja, o que se quer ; a minha ouro fino
E a minha I ah estou louco de contenta-
ment.
E' do Sr. A. de Souza Pinto esta poesa em hon-
ra ao menino Liguori, distincto pianista brasileiro :
Nos mandos dourados, fulgidos,
Nos mundos de alta harmona,
D'onde dimana a poesa
Cora eterna) esplendor;
O grupo de anjinhos candidos
Solta dos labios, sorriudo,
Mavoso canto, inundo,
De gragas, ao Creador.
() O conselheiro
gueiredo.
Dr. Jos Benm -1- r""x" Pi
Ah I all esta' f Salvatore !
Mara imitou-lhe o moy.c- *erf "ou, alon-
gando os olhos av,0S qae viahara em d,s-
tan*1-
Onde ? E' aquella navio que tem urna eraz
Aertnelha na bandeira ?
Nao, Mara, alm, por delraz dos gal5es de
guerra, aquelle navio grande de tres mastros qae
tem na bandeira a imagem do Salvador. E' // 5a/-
vatore.
Em quanto a gndola contmaava sem interrup-
gSo da rpida corrida, todos os olbos estavam pre-
gados na galera para distinguirn), se fosse possi-
vel, as pessoas qae estavam no convez.
De repente Gernimo batea palmas e exclo-
mou :
Gragas a Deas, j vejo o mea bom to.
Esta exclamago resoiveu o Sr. Vau de Werve a
pr-se tamben em p, pergontando com cariosi-
dade :
Ja' v seo to ?'
Gernimo responden em voz rpida e contente :
Nao v no caslolo da proa uos cinco ou seis
passageiros com vestuarios de cores variadas e
pluma nos chapeos e do meio delles v um ho-
mem alio coberlo com um manto escaro 7 Ten
compridos cabellos brancos que Ihe cahem as te-
les, e urna barba de brancura argentina que se
destaca como um floco de nev no sea vestuario de
cor escara, c' o aea velho tio, o sgnor Deodati.
Que bonito velho, exclamou Mara cera ad-
mirago.
Com effeilo, disse Van de Werve, pelo que
me parece de longe sea tio tem urna apparencia
nspeitavel.
I .Meu tio um homem que inspira respeito
om toda a parte oole apparece, disse Gernimo
com entbaiiasmo. Cs seus sessoata e cinco annos
brilham-lbe na fronte como aureola da experiencia
e do siso ; sabio, e bom, generoso...
E agitando no ar o chapu, exclamou :
Ah, ja' me conheceu I Vejam como nos sali-
da com a mao. Como o mea corago bate I meus
olhos tornara emfim a ve-lo depois de quatro annos
de separago I Gragas vos dou, meu Deas, por o
terdes protegido I
A alegra de Gernimo era to viva e expansiva
que Mara e seu pai soffreram o contagio da com-
mooao :
Faz-lhe muita honra, Gernimo, disse Van de
Werve, ter to viva affeioao a seu tio. Deas ama
oscorag5es roconhecidos; quera elle conceder-Ihe
boje o que o seu corago deseja...
Mas o mancebo nao ouviu essas palavras de ani-
mago em p no banco da gndola, agitava as mos
e esforgava-se, na sua impaciencia, por fazer com-
prehender por signaos a seu tio quanto se senta
feliz por tornar a ve-lo.
A gndola aproximava-se da galera que sabia
lentamente o Escalda, levada por urna brisa favo
ravel e pela mar.
Breve a lgeira embarcago ebegou ao grande
navio. Antes que fosse descida a escada, Gerni-
mo agarrouse ao cabo da galera e emquanlo Ma-
ra deu um grito de terror, saitou ao coovez e
arremessou-se aos bragos de sea tio.
De repente ouve-se um estrepito horrivel na por-
ta do gabinete, que se abre de par em par ao im-
pulso da forga, e da' entrada a urna mnlher a urna
fra com os cabellos sollos, vestida machinalmente
e no maor estado de exaltago possivel.
Se passas, mato-te e mato-me tambem ; ex-
clamou a bichinha, dirigindo olhares de fogo sobre
o pobre marido ; e o senhor, amigo traidor, fra,
fra immediatamente da minha casa.
Porm, mulher senhora disseram os dous
qoasl a um tempo.
Nem mais urna palavra, retorquio ella, ran-
gindo os denles de raiva ; nem mais urna palavra I
O senhor pa de fazer-rae o favor de nao tornar
mais a minha casa, e tu lu ; nos o veremos
depois.
Quasi arrastado por um brago pela esposa
em colera, o amigo deseen at a pona da roa, que
cerrou-se aps elle.
Nao houveram forgas humanas, que acalmassem
aquella fra.
Momentos depois, quando seu'marido a vio mais
tranquilla, e livre do acesso de loucura, porque ha-
via passado, Ihe perguntou ento :
Ora, agora diz-me, porque foi que fizesle tan-
to barulho ?
Porque foi ? ainda me perguntas ? pensas
que nao ouvi tudo ?
Tudo o qae ?
A la conversa sobre Felicidade e Espe.
ranga ?
C, c, c-----
""O senhor ainda ri-se.
E porque rae nao nei de rir 1. Agora o ve-
rs.
E o esposo abri a gaveta de ama secretaria, e
mostrou a sua mulher boquiaberta s aegoes das
sociedades mineralgicas Santa Felicidade e Etpe-
ranca.
Meu Deus I exclama estupefacta a ciosa mu-
lher, pois era disto que failavam I
E abaixoa o rosto corrida de vergonha.
AproTciiar Ihe-hia a ligio 1
D Esta easta de bieho rariss.u,M ves se emenda.
\vlTa0rPre03l descea daa,era cora Van de
werve e Gernimo, e entraram na gndola para
demandarem a cidade.
Van de Werve subiu a escada com mais pre-
caugs. Chegouse ao sgnor Deodatie saudaram-
se os dous anclaos com a maior nrbanidade.
Maria tinha flcado na gndola : viu Gernimo
repetir o seu.abrago e alegrou-sevendo lagrimas de
comraogao nos olhos do velho. Mas ainda mais viva
alegra senta quando vio com que affabilidade sea
pai e o tio de Gernimo conversavam apenando a
mao um ao outro, como se de ha muito fossem bons
amigos.
E" minha nina, disse o dalgo flaraengoapw-
seotado Mara ao hdalgo estrangelro.
O velho. tomado da mais alta admirago, oihoa,
sem d.zer urna palavra, para a atairavei meaioa
qne eslava defronte delle, e iimitou-se a inclinar
duas vezes cabega saudando-a.
As anglicas eigdes de Maria eetavam ilumina-
das por om doce sorriso que se diriga aos olbos
do velbo como pedindo sympathia; eram tio pene-
trantes, to respetuosos e to supplicanies os seas
grandes olhos azues, que o sgnor Deodati, suave-
mente commovido, esteixleu-lhe a mao marina,
rando :
Que graciosa menina 1
Mas Maria, animada por esse affeetnoso apellar
de mi; e impedida sem o saber por mysterios fes-
tnelo, eslendea as duas raaos ao velho qae nao se
conteve mais tempo, e apertou-a com alegra nos
bragos.
beijo que seu vemo tio poison na frente de no-
Maria, fez pulsar violento o corago de Ger-
nimo que leve de voltar a cabega para esconder
duas lagrimas que Ihe borbalharam nos olhos.
A paz de Deas o favorega na nossa patria,
signor Deodati, disse Mara apenando a mi do'
anciao; tenha muita bondade para esta sua serva.
Queira assentar-se neste banco e deixar-me coo-
car ao seu lado ; serei feliz assim. Nao se admire
da minha ousadia ; Gernimo tem-me fallado lan-
as vezes e lanto de seu tij qae ja' ha muito tempo
que o respeito e amo. E demais, antigo costme
na nossa Neerlaodia, um estrangeiro para nos
bem vindo como nm irmao.
(Continuarse-ha.)
bragos.
O beije
[ve deMa




%
\
PERNAMBUCO- T\P. DE M. F. D8 F. & FILHO
V
M
Til rAli #r-fi 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELFFG3DOO_NG5WCV INGEST_TIME 2013-08-28T00:37:11Z PACKAGE AA00011611_10778
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES