Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10773


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO U. HOMERO 216
Por quarlel pago dentro de 10 das do 1, niez t t .
dem depois dos 1.'10 das do comecoe dentro do qoartel. .
Porte ao correio por tres iiezes ..*.,...,.,,,:
5J000
61000
750
QUINTA FEIRA 21 DESETEHBR0 DE 1865.
For anno pago dentro de 10 das do 1. mez
Porte ao correio por um anno ..,.,..

191009
*|000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonto Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhio, o Sr. Joaquim Marques Ro
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claadino Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estages da via frrea at
Agoa Preta, lodos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacaral, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quarlas
feiras.
Serinhaem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relacao : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e. sextas ao mel
dia.
Segunda vara do clvel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
5 Lna cheia as 11 h., 32 m. e 16 s. da m.
12 Quarto ming. as 2 h., 37 m. e 52 s. da m.
19 La nova as 8 h., 26 m. e 10 s. da t.
28 Quarto cresc. aos 27 m. e 10 s. da m.
DAS DA SEMANA.
18. Segunda. S. Jos de Cupertini f.
19. Terga. S. Januario b. m..; S Nilo b. m.
20. Quarta. S. Eustaquio m.; S. Prisco m.
21. Quinta. S. Matheus ap.; s. Joas prof.
22. Sexta. S. Mauricio m.; S. Sanlino b.
23. Sabbado. S. Lino p. m.; S. Tecla v. m.
24. Domingo. S. Tyrso m.; S. Geraldo b. m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 5 horas e 18 m. da manhaa.
Segunda as 5 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o noru
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos metes de Janeiro, marco, malo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Reclfe, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa da
Faria & Filho.
PAUTE QFFIGIAL
GOTEUIO DA PROUlttCI.
Expediento do dia 18 de setembro de 18G5.
Ofllcio ao marechal de campo commandante das
armas.Ordene V. Exc. ao tenante commaudanle
de cavallaria Manoel Joaquim Machado, que v
prestar contas na thesouraria de (azenda, como so-
licitou o respectivo inspector em offlcio de 12 do
corrente, Jda quanta de 3:2005000 que se Ihe
adlautou para compra de cavallos. Comraunicou-
se a thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo. Faja V. Kxc. alistar no i" ba-
talho destacado o guarda do baialho n. 39 de
iofantaria do municipio do Cabo Eu-laquio Joa-
quim de Souza, que foi designado para o servigo
da guerra, concedendo Ihe V. Exc. oito dias de li-
cenga para ir ao seu domicilio.
Dito ao mesmo.R-unetto inclusos oofflciodo
inspector da thesouraria de fazenda de lo do cor-
rate, e a copia a que elle allude para que V. Exc.
se sirva de informar com o seu parecer acerca das
consideragdes feitas por aquella repartido, relati-
vamente ao abono de vantagens ao coronel Fran-
cisco Joaquim Pereira Lobo.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
alistar no.5* corpo de voluntarios da patria a Hy-
gino Firmo das Chagas, a quem se perraittir que
continu na commissao em que se acha de agen-
ciar voluntarios.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Eic. de mandar
alistar no 6 corpo de voluntarios da patria a Jos
Joaquim da Silva.
Dito ao mesmo. Sirva se V. Exc. de perraittir
que os cidados Thornaz Bassich e Alexandnoo
Carlos Maia, depois de alistados no o* cordo de vo-
luntarios da patria, sigam com licenga era compa-
nhia de Hygino Firmo das Chagas para oauxilia-
rem no alistamento de voluntarios.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar sobre
o que pondera o commandante do presidio de Fer-
nando no incluso ofllcio, que me sera devolvido.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de informar
acerca do que pede no incluso requerimento o
guarda do municipio de Cimbres Maooel Forreira
da Silva, juntando o termo de inspeccao a que deve
ser submeltido o supplicante.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
dar baixa da companhia de zuavos a Pedro Mar-
ques Xavier, que prefere servir no corpo de po-
lica.
Dito ao mesmo. Expeca V. Exc. as suas ordens
para que sejam transferidos d > deposito para o
quartet do Io batalho de guardas nacionaes des-
tacados os guardas mencionados na relacao junta.
Dito ao mesmo. Haja V. Exc. de informar so-
bre o que pede Ignacio Baptisla no incluso reque-
rimento.
Dito ao mesmo. Queira V. Exc mandar ins-
peccionar o guarda nacional da provincia do Pau-
hy Domingos Pereira Paz, que assira o pede no
incluso requerimento.
Dito ao mesmo. Faco apresenlar a V. Exc. pa-
ra ser alistado no batalho de guardas nacionaes
destinados ao servigo da guerra o guarda do bata-
lho n. 18 de infantaria do municipio de Naza-
relh Jos Pereira da Silva, que se acha pago de
sold at 16 do correnle.
Dito ao mesmo. Mando V. Exc. iliminar do Io
batalho de guardas nacionaes destinados ao ser-
vico da guerra o guarda do 4o batalho de infan-
taria do municipio do Recite Francisco Jos Ca-
bral, que, segundo o seu ofllcio n. 1360 de 13 do
corrente, foi julgado incapaz do servico em inspec-
cao de saude.
Dito ao m-'srao.Visto que segundo o seu ofllcio
n. 1564 de 14 do corren!* foram em inspecgfio de
saude considerados iucapazes d > servido de desta-
camento, para que estavam desigoados os guardas
do batalho n. 12 de iufinlaria do municipio de
Goiaana Amonio Francisco de Lima, e Manoel
Joaquim de Santa Anua do batalho n. 26 da raes-
ma arma e do municipio do Bonito Celislioo Jos
da Silva e do batalho o, 39 do municipio do Cabo
Belisario de Araujo, mande V. Exc. ilimina-los do
Io batalho de guardas nacionaes destinados ao
servico da guerra.
Dito ao mesmo. Informe V. Exc. acerca do
que pede no incluso requerimeuto o guarda do 4
batalho de infantaria Raphael Arohanjo Fortuna-
to, juntando o termo de inspecgo a que deve ser
sujeito o supplicante.
Dito ao mesmo. Queira V. Exc. mandar ins-
peccionar o guarda do 2 batalho de iofantaria
deste municipio Jos Francisco do Carmo, ^sobre
que versam os inclusos papis : informando cora o
que Ihe constar acerca desse guarda.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
alistar no 5o corpo de voluntarios da patria os ci-
dados constantes da inclusa relacao.
Relacao a que se refere o oflklo supra.
Manoel Joo da China.
Jos Alexandre da Silva.
Maooel Albino.
Maooel Vianna.
Alexandnno Carlos Maia.
Tbomaz Bassich.
Dito ao mesmo. Mande V. Exc. desligar do 5o
corpo de voluntarios da patria, aflm de poder se-
guir para a Parahiba a Antonio Joaquim Jos Lins,
que assentou praga com destino ao corpo de vo-
luntari s, que se est organisando naquella pro-
vincia.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
alistar no 3o corpo de voluntarios da patria, a Jos
Martins de Oliveira.
Dito ao Dr. chele de polica. Expeca V. S. as
suas ordens para que se recolha ao respectivo
quartel os soldados de polica, que servem de or-
nancas as diversas autoridades, e que esto ao
servico dessa reparticao, exceptuando-se nica-
mente os que esto occupados no trabalho da es-
cripluraco como collaboradores.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Reraetto inclusa, em duplcala, a conta na impor-
tancia de 6033733, da despeza feia pelo arsenal
de marinha com a balieira que se maodou cons-
truir para os servicos da repartico de saude do
porto e de registro do mesmo, adra de que V. S.
faga indemnisar o ministerio da marinha daquella
quanta, devendo como resolveu o Exm. Sr. minis-
tro do imperio, em aviso de 18 de julho ultimo,
carregada metade da referida despeza a esle mi-
nisterio e a outra metade ao da Justiga. Commu-
nicou-se ao director do arsenal de marinha.
Dito ao mesmo. Respondendo ao ofBcio, que
V. S. me dirigi em 16 do corrente sob n. 683,
tenho a dizer, que pode mandar pagar, sob mioha
responsabilidade, visto ne haver crdito para esse
fim, a quanta de 655700, que se esta a dever ao
corneta do batalho n. 26 de infamara da guara
nacional do municipio do Bonito Joo Jos Damas-
ceno, proveniente de seus vencimenlos relativos
ao exercicio prximo lindo de 1864 a 1865 em li-
quidado.
Dito ao mesmo.Em visla do prei junio em du-
plcala e nao bavendo inconveniente, mande V. S.
pagar os vencimenlos relativos a primeira quinze-
na deste mez das pracas alistadas no 3* corpo de
voluntarios desia provincia.
Dito ao mesmo. Estando em termos os prets
juntos em duplcala, mande V. S. pagar os venci-
menlos a contar do 1* de junho a 15 de julho deste
anno, do destacamento de guardas nacionaes exis-
tentes na villa do Cabo.
Dito ao mesmo. Mande V. S entregar ao capi-
llo tenente commandante da companhia de apren-
dizes artiflres do arsenal de marinha a quantia de
1325267, do peculio do^apreodiz Manoel Adelo |
da Silva, que assentou praca no 3o batalho de vo-1
luntarios da patria, atira de ser restituida ao ex
aprendiz.Coraraunicou-se ao inspector do arsenal
da marinha.
Dito ao mesmo.Transmitto V. S. os inclusos
prets era duplcala que me remetteu ocommandao-
te superior interino da comarca do Bonito com of- j
ticio de 12 do corrente, afm d- que nao havendo
inconveniente mande pagar ao sargento Joo Fran-
cisco Pereira a importancia dos vencimentos de i
urna escolta de guardas nacionaes que veio da fre-
guezia de Grvala, escoltando varios recrutas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. |
Recommendo V. S., que, de conformidade com a
sua iuformaco de 16 do correnle sob n. 361, man-
de dispensar o Dr. Sabino Olegario Ludgero Pioho,
da mulla em que incorreu e de que trata o artigo
16 do regulameoto de 16 de abril de 1842, por nao
ter apresentado no consulado provincial no prazo
de 31) das a escriptura pela qual havia compra lo
a casa terrea n. 24 da ra das Flore?, freguezia de
Saulo Antonio.
Dito ao mesmo.Pode V. S. conforme indica era
sua iuformaco do 15 do correnle, sob n. 360,
mandar entregar, mediante iangt idnea, ao the-
soureiro da irraandade do Senhor Bom Jess das
Dores, administradora da igreja de S. Gongalo, Joo
Miguel dos Aojos, o como de ris votado pelo arti-
go 15 3o da lei do orcamento vigente para as
obras daquella Igreja.
Dito ao mesmo. Remello inclusos os prets era
duplcala das pragas do batalho n. 39 de infama-
ra da guarda nacional destacada na villa do Ca-
bo, relativa ienle ao terapo decorrido de 16 de ju-
lho 31 de agosto deste anno, para que V. S. man-
de pagar a respectiva importancia ao lonenle-co-
ron I commandante daquelle batalho, Joo Panlo
Carneiro de Souza Bandeira, una vez que estejam
nos lermos legaes os respectivos prets.
Dito ao raesmo. Restiluo V. S. as 3 inclusas
coutas na importancia de 1295000, proveniente
>l sustento dos presos pobres da cadeia da villa da .
Escada, durante os mezes de abril junho deste.
anno, lenlio a dizer em resposta, que mande pagar .
a Amonio Durangues de Almeida Pocas smente a
quantia de 1245800 rs., visto que, segundo o pa-,
recer da contadona dessa thesouraria lera de aba-
ter-se na mencionada conta a de 45200,correspon-
dentes aos presos Antonio Franjeo dos Santos,
Ignacio Manoel Piulo, Joo Flix de Souza e Ma-
noel Antouio de Jess, este por ser recrutae aquel-
les por estarem sollos, o Io desde 3 at 11, o 2o de
11 a 18 f o 3o de 10 a 11, ludo do mez de maio
prximo Ando.
Dito ao mesmo. Mande V. S. pagar a Antonio
Jos lijarle Coimbra, eraprezano do theairo de
Santa Isabel, como pede no incluso requerimento, a
segunda e ultima prestago do subsidio de 8:0005
rs., marcado no 2o do artigo 16 da lei provincial
n. 633, e correspondente ao 3 anno do seu contra-
to celebrado era 8 de oulubro do auno prximo pas-
sado.
Dito ao mesrao. Tomando em coosiderago o
que expoz o chefe de polica em offlcio de 6 do
corrente, sob n. 1384, recommendo V. S. a ex-
pedgo de suas ordens, para que pela collecloria
de Goanna sejam pagos, contar de 15 de agosto
ultimo, e em vista dos competentes prets, os ven-
cimenlos dos destacamentos de guardas nacionaes
existentes naquella comarca. Cummunicou-se ao
Dr. chele de polica.
Dito ao mesmo. Ao arrematante da obra da
concluso da primeira parte do raio de leste da
casa de deteneo, mande V.S. pagar, em vista do
compleme certilicado, a quantia de 13:0335000,
correspondente segunda prestago a que tem elle
direito, por haver eilo dous tercos daquella obra,
seguodo consta de ofllcio do chefe da repartico das
obras publicas, datado de 16 do corrente, e sob n.
301. Communicou-se ao chefe da repartico das
obras publicas.
Dito ao mesmo. Nao havendo inconveniente,
mande V. S. pagar a Simplicio Jos de Mello, a
quantia de 73200 rs., despendida com o sustento
dos presos pobres da cadeia do termo do Brejo, du-
rante os mezes de j jlho e Agosto deste anuo, como :
se v das inclusas contas, que para isso me (orara
remettidas pelo chele de polica, com olikio de 12
do corrente, sob n. 1330. Comraunicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao raesmo. Annaindo ao que soliciton o |
chefe da repartico das obras publicas, em cilicio
de 16 do correute, sob n. 302, recommendo V.
S., que mande por era hasta publica as pedras de
cautaria, que se achara juntas ao arco d Concei-
Cao, visto uo ter aquella repartico preciso de
taes pedras, que foram avalraTs em 1305000.
Coramunicou-se ao chefe da repartico das obras
publicas.
Dito ao corxmandanle superior da guarda nacio-
nal do Recife.Concedo a autorisaco que V. S.
sollicitou em seu ofllcio n. 312 de 12 oo corrente,
para augmentar o destacamento do distncto de Ja-
boato uom 3 pracas, as quaes devem destacar as
barreiras de Morenos, Jaboalo e Tapacur.
Dito ao mesmo.Maude V. S. postar urna guar-1
da de honra em frente da igreja de Nossa Senho-
ra da Conceigo dos Militares no dia 24 do corren-
te as 10 horas da manhaa para assistir aos actos
da testa de Nossa Senhorada Escada, que alli tem
de celebrar-se naquelle dia.
Dito ao mesmo.Scienle do patritico ofTereci
ment que, segundo o ofllcio annexo em original
ao de V. S. de 28 de agosto ultimo, sob n. 271, fez
o tenente-coronel commandante do 3o batalho de
reserva Joo Valentim Vllela para ir tomar parte
na guerra, que sustenta o paiz contra a Repblica
do Paraguay, recommendo a V. S. que em met no-
me louve o raesmo tenente-coronel por essa prova
dos seus sootimentns de patriotismo e adheso a
causa da patria, signicando Ihe ao mesmo lempo
que opportunaraeme ser aproveilado o seu offere-
ciraento.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Barrclros e Agua Preta.Remello incluso
o requerimento em que o guardado batalho n.
46 de infantaria do municipio de Agua Preta An-
tonio de Albuquerque Mello, pede ser eliminado
da lista dos guardas nacionaes destinados ao ser-
vico da guerra, aflm de que V. S. Ihe delira como
fr justo, fazendo logo substitui-lo por oulro guar-
da no caso de que o julgue incapaz do servico. E
lornando-se ja digno de reparo a falta dos contin-
gentes que tem de dar os corpos daquelle munici-
pio e do de Barreiros, para esse servigo anda urna
vez o exijo desse commando superior, certo de que
envidar seriamente todos os sens recursos para
que sejam cumpridas as ordens do governo.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio do Limoeiro.Em visla da sua
iuformaco datada de 10 de agosto ultimo, e dos
documentos com que o guarda do batalho n. 22
de infantaria desse municipio Antonio Henriques
de Souza, instruio o seu requerimento, resolv dis-
pensado do servico da guerra para que foi designa-
do, visto que considerado incapaz desse servgo :
o que communico a V. S. para que mandando de-
signar com urgencia oulro guarda em subslituico
quelle, providencie convenientemente, aflm de
que sejam designados homens robustos e saos, que
nao possara allegar isengao.
Dito ao commandante do corpo de polica.'O
soldado do corpo sob seu commando Francisco Jo -
s de Souza, sobre que versa o sea ofllcio n. 866
desta data, o guarda do btalho|n. 43 de infan-
taria Francisco Antonio do Carmo Souza, a que al-
lude o meu ofllcio de 16 deste mez; cumpre por-
tanio que V. S. mande dar-Ihe baixa como ja or-
denei.
Dito ao mesmo.Mande V. S. alistar no corpo
sob seu commando, se fr julgado apto para isso
era inspeccao de sade, o paisano Manoel Pereira,
que se olTereceu para esse fim.
Dito ao mesmo. -Mande V. S. as sentar praca no
corpo sob seu commando a Thomaz Gomes, que
Ihe ser apresentado per parle do marechal com-
mandante das armas.
Dito ao raesmo.Mande V. S. assentar praga no
corpo sob seu commando a Pedro Marques Xavier,
que se ofereceu para servir no mesmo corpo.
Dito ao mesmo.Mande V. S. por em observa-
gao o soldado Manoel Locario dos Anjos, que se
acha alistado no corpo sob sea commando com o
nome de Manoel dos Anjos, aflm de verificar se
com effeto soffre de epelipsia e de outras moles-
tias que allega o respectivo pai no requerimento
sobre que versa a sua informago n. 836 de 16 do
corrente.
Dito ao mesmo.Mande V. S. inspeccionar, se
anda o nao ti ver sido, o soldado do corpo sob seu
commando Joo Antonio, como pede a mi deste
no incluso requerimento.
Dito ao conselho de compras navaes.Autorso
o conselho de compras navaes a promover a com-
pra dos objectos inclusive madeiras mencionadas
no nill-iu que me dirigi em 12 do corrente, visto
que o necessarias para provimenlo dos arma-
zens do almoxaritado do arsenal de marinha e cons-
truego do transporte de guerra.
Dito cmara municipal de Cimbres.Nao ten-
do chegado at o prseme secretaria do governo
os exemplares das medidas de que trata os offlcios
da cmara inuoiclpal de Cimbres de 17 de junho e
19 de agosto do anno de 1863 exigidos em Circular
desta presidencia de 9 de maio daquelle anno, re-
commendo a mesma cmara qne me remeda nova-
mente com a possivel brevidade os padroes das
referidas medidas que dever vir nao s com de-
claraco da differenca que tiverem das dos outros
municipios e em que, como lambem ateridos e com
marcas que designem os lugares onde sao usa-
dos.
Igual mutatis mutandis cmara municipal do
Cabo, Bom-Cooselho, Ouricury, Boa-Vista, Agua-
Preta, Ipejuca e Flores.
Porlaria.O presidente da provincia lendo em
vista o parecer da junta de saude, datado de 4 de
agosto ultimo, qua julgou incapaz do servigo activo
o alteres do batalho n. 24 de infamara da guarda
nacional do municipio da Escada Jos Antonio de
Moura, resolve transferi-lo para a lista de reserva,
fleando aggregado ao respectivo 5o batalho.Offl-
ciou-se neste sentido ao commandante superior da
guarda nacional dos municipios de Santo Anlo e
Escada.
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
que requereu Martinho Lopes Rodrigues, resolve
conceder-lhe licenga para rnmelter a Henriqne Jo-
s Vieira da Silva, no presidio de Fernando em al-
gum navio de vela ou em vapor da Companhia
Pernambucana, que para alli seguir, os gneros
constantes da relacao juma, assignada pelo secre-
tario do governo nao podendo, porm, efectuar o
desembarque dos ditos gneros em que por parte
do commandante do mencionado presidio proceda
a exame aflm de se verificar se ha agurdente ou
outra qualquer bebida espirituosa.
Lla.-0 presidente da provincia attendendo ao
que requereu o bacharel Maximiano Francisco Duar-
te, juiz municipal e de orphos do termo de Pao
d'Alho, resolve prorogar-lhe por raais um mez sem
vencimentos a licenca que era 16 de agosto prxi-
mo Ando ohleve para tratar de sua saude.
Dita.O presidente da provincia resolve conce-
der ao lo lio Pedro Correa da Motla, autorisago
para alistar voluntarios da patria entre os Indios
da aldea da Escada e do Riacho do Matto, e recora-
menda as autoridades a quem esla for apresentada
que Ihe preslem sua coadjuvaco.
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
que requereu Jos Feliciano Machado, resolve con-
ceder-lhe licenga para ir ao presidio de Fernando,
no primeiro navio que para alli seguir levando
comsigo os gneros constantes da relago junta as-
signada pelo secretario do governo, nao podendo
porm, eftectuar o desembarque dos ditos gneros,
sem que por parte do commandante do mesmo
presidio se proceda a exame, aflm de se verificar
se ha agurdente ou outra qualquer bebida espiri-
tuosa.
DE
COVERXO DO RISPADO
l'UlVlilKI (O.
SEDE VACANTE.
NOVAS DISPENSAS MATRIMONIAES.
Chegaram hontem do Rio de Janeiro as petigoes
de dispensas do Io grao igual da linha lateral, e
2o grao altingente ao Io de consanguinJade cons-
tantes da lista abaixo publicada, e cuja concesso
foi autorizada pelo Exm. e Rvm. Sr. internuncio
apostlico em data de 4 do corrente. Podem pos
ser procuradas em Olinda na secretaria do bispado,
e no Recife, em casa do Illm. Sr. conego da ca-
pella imperial Francisco Jos Tavares da Gama,
ra da Cruz n. 56.
Olinda, 14 de setembro de 1865.
Conego Joaquim Ferreira dos Santos,
Secretario do blspado.
Lista das petigoes.
Jos Joaquim de Souza e Florencia Mara de
Jess.
Antonio Firraioo da Costa e Mara Francisca de
Jess.
Manoel Antunes Campello e Jovita Antunes Cor-
reia.
Vicente Barbosa e Anna Rita da Purlficaco.
Joaquim Carlos de Mello e Semeana Vieira dos
Santos.
Antonio Cavalcanti de Albuquerque] e Mara Xa-
vier de Moraes.
Flix Jos Bezerra e Maria Thereza da Con-
ceigo.
Belino Jos da Silva e Maria Pastora.
Agostinho Lourenco Dias e Deltina Mara de
Jess.
Joo Gongalves da Silva e Maria Clara da Encar-
nado.
Joo Francisco de Souza e Josepha Maria da Con-
ceigo.
Vieram mais as segumtes petigoes concedidas na
mesma data.
Manoel Antonio Gongalves e Isabel Mara da Con-
ceico.
Francisco Alves de Souza c Antonia Maria de
Jess.
Joaquim Rodrigues de Mello e Petronilla Mara da
Penha.
Placido Pereira de Andrade e Antonio Gomes de
Andrade.
EXTERIOR.
corresponderas do dia-
rio DE PER VVMIIITC
PORTO.
27 de agosto de 186o.
Tem-se fallado em ser addiada para o prximo
futuro anno a esposigo internacional no palacio de
crystal portuense em consequencia do cholera-mor-
bus existir em alguns porlos do mediterrneo. O
terrivel viajante asitico muilo para temer-se, e
convm estar contra elle prevenido com boas e ra-
zoaveis providencias sanitarias, ma achariamos
exagerada a que tiresse por flm addiar agora a
testa do trabalho que deve Inaugurar-se no da 48
do prximo setembro.
y
Est provado pela cruel experiencia de mnitos
casos que o cholera zomba de todas as barreiras
que os homens pretendem oppor-lhe na sua mar-
cha destruidora. \
E assira parece ter entemiido o governo, segun-
do as noticias hoje recebidas da capital, pois consta
que el-rel o Sr. D. Luiz e sua augusta esposa ten-
cionam cliegar a esta cidade no da 16 de setem-
bro para assisltrem abertura solemne da expo-
sico.
Sua alteza o Sr. infante Amadeu de Saboya, ir-
raode sua magestade a rainha entrou nesta cida-
de as 5 horas do dia 18 do corrente e regressou no
dia seguinte a Lisboa.
Oecupou o palacio real da Torre da Marca.
Visitou o palacio de crystal, ouvio missa na ca-
pella dedicada a memoria de seu av5 Carlos Alber-
to, e exarainon a casa em que morreu aquello des-
venturado monarcha.
Sua alteza fez uraa rpida visita a igreja da La-
pa, ao palacio da Bolsa, casa da cmara munici-
pal a' bibliothcca, as obras da nova alfandega, e
varios outros edificios pblicos, indo em seguida a
Foz.
A casa da Bolsa, os bancos, os consu'ados, a pon-
te pensil e a cmara municipal estavam embandei-
rados.
A' missa cima referida assstiram a comitiva do
principe e varias pessoas que o tinha ido esperar.
Foi celebrada pelo Rvd. padre mestre Antonio Pei-
xoto Salgado, antigo capello do avo de sua al-
teza.
O principe Amadeu veto acompanhado pelo Sr.
Souza Cominho, ajudante de sua magestade el re,
o cavalheiro Coba, secretarlo da legago italiana e
varios otros cavalheiro?.
Os engenneiros Chelmck e Couceiro, inspectores
do caminho de ferro, acompanharam tambem sua
alteza.
Nesta cidade acompanharam sua alteza os Srs.
governador civil e Paulo Barbosa, vice-consul de
Italia.
A guarda de honra, no palacio real, foi feita por
urna torga de infantaria n. 3 com a respectiva ban-
deira.
Por decreto de 3 do corrente mez, publicado na
folha ofllclal de 12, foi dissolvida a cmara muni-
cipal do coocelho do Peso da Regoa com o funda-
mralo de fallaren) 972J174 provenientes dos ren-
dimenlos ordinarios e 10:3015361 do imposto crea-
do em 1855 para a obra do caes daquella villa,
tendo-se verificado, segundo o dizer do dito decreto
que para encobrir o desvio desta ultima quantia
fez a cmara esenpturar como despeza 9:4775370;
despeza que realmente nao foi teita, porque nao se
eneontraram no archivo da cmara folhas proces-
sadas, ordem ou mandados de pagamentos, docu-
mentos ou qutagoes que justifleassem as verbas de
despezas langadas nos livros competentes.
Segundo as informagoes que temos, e em visla
da declarago feita nos jornaes pelo thesoureiro da
cmara dissolvida, nao sao verdadeiros. os allega-
dos no dito decreto, para o lavramento do qoal in-
dura bastante a poltica partidaria, porque as ani-
mas eleigoes mnocipaes deixaram em todo o dis-
tncto de Villa-Real, a cuja clrcumspecgo pertence
a villa da Regoa, odios e malquerengas pessoaes
que levar muito lempo a extinguir.
Na alludda declarago diz o Sr. Maneel Jos Oli-
veira Lemos. thesoureiro da cmara, que al a da-
ta que escrevja (16 de agosto) anda ningnem Ihe
pergunlara o que havia a respeito de contas do co-
fre municipal, e nem fra ouvido na syndicancia
qne ao mesmo se fez, porque seo fosse devia e pro-
varia que no cofre nao falta quantia ; mostrara ao
syndirante um mandado da cmara com o recibo
competente da quantia de 500 e tantos mil ris que
se acha paga legalmente : mostrara as folhas in-
terinas das despezas evenluaes da roda dos expos-
tos, do periodo de 6 mezes, na imporlandia de 300
e tantos mil ris; e mostrara mais alguns manda-
tos de quantias pequeas por elle pagas eque jun-
tas aquellas duas cobririam essa que se diz faltar
no cofre da cmara I
No respeitante a quantia recebid pelo imposto
do caes, parecemos haver alguma cousa menos re-
gular e mesmo nao sabemos de extravio de dinhe-
ros, porque nao acreditamos ainda nesla parte o
decreto de dissolugo.
A este respeito copiaremos textualmente o que
diz o thesoureiro da cmara:
t Os dinheiros dessa proveniencia nao estavam
no cofre a meu cargo, nem debaixo da rainha res-
ponsabilidade; pirm certo que a esse respeito
lambem se nao diz toda a verdade, porque no co-
fre algumas quanlias entraram e d'aili sahiram por
ordens legaes para se empregarem na conslrucco
do caes, e ninguem tambem meperguntou at hoje
por esses documentos I
t Os dinheiros do imposto do caes foram em
cumprimento de urna po laria do governo deposi-
tados no Banco Mercantil, a ordem da presidencia
e o livro dos cheques foi, por consequencia, para o
poder do presidente, o qual para levantar esses di-
nheiros nao precisava de ordens da camaaa, era
de o fazer saber aos vereadores, porque era sufi-
ciente a sua assignatura era um cheque : e como
se pode tornar responsavel uraa cmara por di-
nheiros que contra a expressa delerminago da lei
liraram da sua adralnistragao? Como que assira
se langa um ferrete n'uma corporago respeitavel
pelos actos praticados por um de seos membros 6
de que elles nao tem responsabilidade ? De mais,
ouviram esse presidente para saberem a raza 3 por
que elle assim procedeu ? Provavelraenle foi to
ouvdo comoeu a respeito dos dinheiros do cofre a
meu cargo 11
A eleigo da nova cmara deve effectuarse pr-
ximamente. Determina o cdigo administrativo
que seja dentro de 30 dias a contar do da disso-
lugo.
Como haviamos previsto, a companhia de segu-
ros Equidade vai liquidar. Assira se resolveu era
assembla geral de accionistas de 23 do corrente.
estando presente o conselbeiro Antonio Jos Coe-
Iho Lousada, como fiscal do governo junto das com-
panhias anonymas.
Foram Horneados para a commissao liquidauria
a drecgo que se eompunha dos Srs. Joo Antonio
de Miranda Guimares, Joaquim Ferreira Montei-
ro Guimares e Antonio Domingos de Oliveira Ga-
ma e dos accionistas os Srs. Joo Ribeiro de Mes-
quila Jnior e Eduardo de Mattos.
Para bem orientarnos aos leitores sobre o esta-
do em que se achava a companhia, tomamos para
aqui parte do parecer da commissao de exame de
contas do anno econmico findo em 30 de junho
ultimo, e cuja commissao propoz a liquidago ago-
ra approvada
Diz assim:
t Effecti va mente, senhores, pelo exame que Uze-
aras na escripturago e documentos respectivos,
que achamos regulares e em ordem, formamos nos-
sa conviego sobre a ma sorte que espera esta com-
panhia, depois de ama serie de fatalidades, cuja
enmerago seria fastidioso e desoecessario pas-
sar agora em resenta.
Alm do salde negativo, que o ultimo' blaa-
go nos aprsenla de 10:1715783 rs., vemos figurar
do activo da companhia 6:4455907 rs. de presta-
gdes e juros de accionistas em divida ; 24:3685468
rs. e 22:2915788 rs. de diversos devedores e de
premios de seguros para cobrar; e, finalmente,
12:7315579 rs. de accionistas remissos em conta
de liquidagao, na conformidade dos arts. 21 e 22
do nosso estatuto, verbas estas sujeitas a deduc-
goes que, depois de verificadas, tornarlo mais qae
precario o activo real da companhia. Correremos
veo espesso sobre o passado (Telia para nao fazer
recrimioacoes, alias justas, ma sem resultado
aproveitavel para a quesio do momento.
Nao deixaremos, porm, de estymatisaro pro-
cediraento de mnitos accionistas que, sem atten-
go aos deveres a que como laes estavam obriga-
dos, recusaran) fazer as entradas que a necessida
de exiga, e concorreram talvez Inconsiderada-
mente para comprometter pjr esta forma o crdito
da companhia, em prejuizo at dos seus proprios
interesses.
_Esta recusa de muitosem cumprirem as con-
dicoes do contrato porque nos tinhamos assoclado,
aggravou o estado difflcil dos negocios e precipi-
tou a ruina da companhia em que muitos entra-
ram so para partilbar nos lucros efectivos delta,
mas nao para correrem as eventualidades de urna
empreza desta natureza, que nem sempre pode ser
de proveito, antes mutas vezes exige pesados sa-
crificios.
Nao pois, possivel permanecer por mais lem-
po na falsa posico em que nos acharaos.
E' necessano que instituicoes da natureza des
la companhia oflerecam urna garanta solida a
quem com ellas contrata em boa f, e que os pro-
veaos ou prejuizos que d'ahi resullam sejam efec-
tivos e reaes para todos os socios. Infelizmente,
senhores, com os elementos que para isto temos e
com os que hoje podemos contar, nao possivel
continuar, e, nestas circunstancias, de moralida-
de, da dignidade propria de todos nos, proceder
sera hesitar a urna liquidagao inmediata, mas se-
vera, de todos os haveres da companhia Equidade
digna, sem duvida, de melhor sorte, mas sem vi-
lahdade para continuar a existir.
Nesta mesma assembla approvarart-se as bases
para a formago de urna nova companhia de segu
ros com o capital de mil contos de ris, divididos
em mil acedes de um cont de ris cada urna, cem
entrada de 10 por cenloou cera mil ris por ac
gao, sendo 505 logo depois de constituida a com-
panhia e approvado o estatuto pelo governo, e 50
no prazo de doze mezes, contados da data da prt
meira entrada.
A' medida que se fr recebendo esta entrada, se-
r empregada logo em ttulos de divida publica,
ou em acg5es de bancas desta praga. Nenhum ac-
cionista poder ter mais de dez aegoes e os estatu-
tos scro discutidos o approvados pela assembla
geral de todos os subscriptores.
A caixa de crdito e soccorros mutuos da Asso-
ciago Industrial Porluense leve de receita no 1
semestre do correnle anno 47:0085135 rs. e de
despeza 44:8535065 rs., passando por consegrante
ao 2o semestre o saldo de 2:1555070 rs.
No dito periodo prfstou soccorros a 163 socios
de ambos os sexos na importancia de 1:0915625.
Emprestou sobre 830 penhores a quantia de
30:0305373. Recebeu por 167 acgSes subscriptas
9:6005, e por depsitos diversos 10:3745600. O
fundo augmentou 8:255370.
Os latoeiros portuenses dirigirn) urna represen-
tago ao governo em consequencia da resolugo do
conselho geral dasalfaodegas, que julgou as vare-
las de junco como pegas separadas para armagoes
de chapeo de chuva ou de sol sujeitas ao direito
15760 rs. por cada kilogramma.
Pretendem os requerentes que as ditas varetas
de junco, apezar de imprimido e ungido, continu
a ser considerado como materia prima, porque
desta classificacao, pelo diminuto direito que paga
o junco assim affeigoado, veio o grande incremen-
to que no Porto tem tomado ltimamente o fabrico
e a venda dos guarda-chuvas com armago dessa
natureza.
Cremos que a representago dos latoeiros ser
favoravelmente deferida, porque ninguem lucra
com a interpretaco dada agora pelo conselho ge-
ral das alfandegas ao artigo da pauta sobre o as-
sumpto sujeito.
Perdem os latoeiros que se dedicara exclusiva-
mente ao negocio dos guarda-chuvas, porque te
riam de fechar as suas tojas ou proeurar nova in-
dustria, e com elles perderiara tambera os opera-
rios que trabalham diariamente as suas oflicinas,
e fra destas grande numero de pessoas que se
oceupam no fabrico de panninhos, as coslureiras,
torneiros de madeira e osso, etc.
Perdem os consumidores desles chapeos de chu-
va porque se veriam na necessidade de os paga-
ren) pormaior prego, ou antes recorrerem aos
chapeos do chuva de seda com armago feita no
estrangeiro. O excesso no prego, por insignificante
como devia ser de certo convidara a troca.
Nao lucra ninguem porque em Portugal no ha
operarios que se oceupem a dar ao junco a prepa-
ragao qoetrazem as varetas importadas do estran-
geiro, e cujo augmento de direito deu assumplo
representago de que temos tratado.
A questo entre o banco Mercantil e o seu agen-
te em Pernambuco o Sr. Jos Joaquim da Costa
Maia, por causa de urnas letras por elle tomadas
por conta d > banco em que figurava como sacca-
dor A. B. Cuervo, de Pernambuco, contra Rizo, Son
& C. de Londres, hoje fallidos, vai ser levada aos
tribunaes brasileiros.
Actualmente anda inspeccionando as alfandegas
de segunda cla-se na provincia do Minho o Sx. An-
tonio Jos Duarte Nazareth, empregado da altan
dega da capital e cavalheiro bem conhecido no Rio
de Janeiro, para onde foi em commissao do gover-
no por occasio de ser chamado a Lisboa o Sr. ba-
ro de Moreira, para responder pelos seus actos na
qualidade de cnsul de Portugal na crie do
Brasil.
O reverendo Carlos Mikoszewsk, conego polaco
deque fallamos na antecedente missiva, tem cele-
brado missas em diflerenles igrejas desta cidade,
colhendo por essa occasio bastantes donativos pe-
cuniarios. Na Igreja da Trindade o producto das
esmolas elevou-se a 735-
Oregulamento das rodas que prncptoa a vigo-
rar em Janeiro do corrente auno, no districto ad-
ministrativo do Porto, tem dado resultados satis-
fatorios no sentido de dilDculiar as exposiges. Nos
sete mezes decorridos entraram na roda dos ex-
posios desta cidade 302 creangas, tendo em igual
periodo do anno passado entrado 640.
Registrando na anterior missiva o suicidio de
urna rapariga que se precipitou do muro das Vir-
tudes ; dissemos que ignoravamos quem era, por-
que ninguem que vio o seu cadver a conhecera.
Hoje, sabe se que a infeliz se chamava Maria da
Conceigo, ora engeitada e teria 20 annos. Esla-
va a servir em urna casa desta cidade, e pedindo
licenga para ir buscar urnas botinas que tinha a
concertar, sahio, mas em lugar de seguir caminho
da toja de sppateiro, tomou o que havia escolhido
para se dar morte.
Amores mal correspondidos e a obscundade do
seu nascimento parece terem sido as causas que
evaram a infeliz rapariga a por termo vida.
No dia 15 leve lugar a festtvidade de Nossa Se-
nhora do Pilar com a costumada festa de igreja e
arraial. A festa da Senhora perdea muito do luzi-
raento e grandeza religiosa com que era feita no
lempo em que o mo-teiro se achava oceupado pe-
tos seus naturaes possuidores, mas ganhou pela
celeridade que ficou tendo a Serra do Pilar depois
do raemoravel cerco do Porto em 1832.
A concurrencia foi extraordinaria desde o araa-
nhecer ao intardecer.
Calcula-se de 26 a 30 rail as pessoas que visita-
rara aquelle local.
Em Vianna do Minho efieetnou-se tambera no
dia 15 a romaria e feira de Nossa Senhora da Ago-
na. Motive ocostumado fogo de vista, e numerosa
concurrencia. {
Arada neste dia houve para os lados de Penafiel i
a romagem de Nossa Senhora Apparecida, e como'
excepoo regra geral, deram-se desordens das'
quaes resaltaran) alguns feriraentos.
O arcebispo|de Braga ordenou um regulamento'.
para o toque de sinos as Igrejas da sua diocese,'
pondo assim termo ao abuso qne havia de tocaren
os sinos a toda a hora e por mutas vezes dias in-
telros. as exequias ou offlcios anniversarios, ha-
vera dous dobres, o primeiro annunciando o fune-
ral e o segundo durante a missa ou responsorios
nnaes. Os dobres oa signaes por occasiSo do flua-
raento de qaalquer pessoa adulta ficam tambera
reduzdos a dous, sendo o primeiro para annuncio
do fallecmento, e o segundo na occasio do enter-
ro e offlcios de sepultura.
Em nenhum dos referidos casos podero os do-
bres exceder a oito minutos. Na vespera e da dos
Fiis de Deus podem os dobres, que nao excede-
. .a.1ua,ro>ser de dez minutos. Para fesiividades
esiabeleceram-se seis minutos para cada repique,
nao se marcando quantos se deveriam tocar.
No dia em que escreviamos a nossa nltima mis-
siva dava-se sepultura, pela volta do meio dia,
no cemilerio do Prado do Repouso o cadver do
general o Sr. Frncisco Xavier Ferreira. Foi militar
valente e honrado, e hornera que bem Ibe quadra
o velho anneximde antes quebrar do qae torcer.
Accumulou por rauitos annos o commando da 3' e
4 divises militares, tendo o sea quarlel general
nesta cidade. Em consequencia dos seus graves
padecimentos tinha sido o anno passado exonerado
do commando da 4* divisaos nomeado, se bem nos
recordamos, vogal do supremo conselho de jastiga
militar. Era condecorado com as medalhas de guer-
ra peninsular e a hespanhola de Victoria e possuia
as commendas da Torre e Espada, da Conceigo de
Villa Vigosa, de S. Bento de Aviz e de Carlos III
de Hespanha.
Institue por sua universal herdeira sua Giba a
Sra. D. Wtelinda Xavier de Glocesler Ferreira,
que se recolheu poneos dias depois da morle de
seu pai ao convenio das freirs de Sania Clara,
desta cidade.
Por disposigo testamentaria ordenou o general
Ferreira que desejava ser sepultado no cemilerio
do Repouso, sem honras mili ares nem apparato
de qualidade alguma, devendo o caixo smente
torrado de baela, e sera galo de ouro, prata oa se-
da, ser conduzido mo por oito soldados, dous de
cada corpo da guaroigo, gralillcando-se cada um
com 25500. Nao quiz ega nem armago na capella,
e que simplesraente se rezasse o responso de se-
pultura. Que ao parodio, se fosse a p, se dessem
9>, e indo a carruag-m 45500.
Fallecern), nesla cidade, D. Eduardo Rodrigues
Pons, emigrado hespanhol, muilo considerado per-
tencente ao pariido democrtico, e o Sr. Manoel
Jos Ribeiro Guimares, commercianto e em Gui-
mares o Sr. Vicente Machado Pioheiro de Mello,
cavalleiro muito respeitavel e estimado em todo o
districto de Braga. Era pai do Sr. visconde de Pin-
delia.
O rendimento das tres primeiras alfandegas do
reino foi no mez de julho ultimo o seguinte :
Alfandega........... 433:9915229
Dita do Pono........ 272:3355517
Dita da municipal de
Lisboa............. 100:5745245
Total....... 806:9005991
Desde a aboligo do monopolio do tabaco tem-se
elevado muilo o rendimento da alfandega de Lis-
boa, ao passo que na do Porto a receita daquelle
importante artigo entra em quantia comparativa-
mente insignificante.
No rendimento cima notado vai incluido a al-
fandega de Lisboa o despacho do tabaco que pro-
duzio 212.3515363, e do Porto 7:6525530.
Desde Janeiro at julho inclusive tem rendido o
importp do tabaco as duas citadas alfandegas
1,889:7775291.
A telegraphia elctrica rendeu em todo o reino
no Io semestre do corrente anno 12:3625450.
Cambios sobre Londres 90 d. d. e 90 d. v. 53 %
a 53 }(, sobre Pars 540 por 3 Ir. a 90 d., sobre
Hamburgo 47 X nominal.
A galera Castro II, que abaixo incluimos no re-
gistro martimo, entrada no Douro em 23, lendo
demandado a barra no dia antecedente, e quasi ao
entrar nella, falseou ao virar de bordo, sendo ne-
cessario langar immediatamente ferro para suster
o impeto do navio, e evitar que o mar a arrojasse
praia. O vapor de reboque Mcndes Leal foi em
seu soccorro, e auxiliado por algumas catraias con-
segro safar a galera qae, sem avaria, se fez ao
mar por ja nao ter maro para entrar nesse dia.
Abriram termo de carga em 16 de agosto a
galera Saudade para o Ro de Janeiro e a barca
Ventura para Ga, pelo Rio de Janeiro.
Entraram :em 12 a barca Anmbal, de Pernam-
buco, e o palhabote Dorval da Babia em 13 a
barca S. Joo de Pernambuco ; em 17 a barca Li-
ma 1, em 22 a barca Adelaide, e em 23 a calera
Castro todos tres do Rio de Janeiro, por Lisboa.
Sahiram.:em 15 o patacho Marcial, para o Rio
Grande do Sul; era 16 a barca Despique 11 para o
Rio de Janeiro; em 18 a galera Afana, para o Rio
de Janeiro;em 21 abarca Favorita, para o dito
porto.
(Continuarse ha.)
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO UIARIO DE PER-
NAMbUCO.
PABA.
10 de setembro de 1865.
Nenhum tacto notavel e de maior importancia
tem-se dado nesta capital, que posa prender a at-
tengo publica desde a chegada do ultimo paquete
deste qae agora segu para o sul.
As noticias que nos tem vindo da nossa guerra
com o Paraguay e a invaso da cidade de i'ru-
guayana, lem causado extremo pesar a lodos quan-
tos desejam a gloria e a paz do Brasil, e Deus quei-
ra que este acontecimento seja antes motivado pe-
la necessidade estratgica da guerra,do qae|por fal-
tas militares oa era consequencia da pequenez de
nossas torgas.
Todos fazem aqu votos pela victoria de nossas
armas, mas infelizmente do escrlpto apenas vemos
que se acha na defensiva e sem maior movimento
para ama aeco que possa animar o procegoimento
e solueao a favor da causa pela qual o Brasil faz
tantos sacrificios.
As noticias do sal sapera j algumas dellas eram
sabidas aqui com a chegada da crvela a vapor Es-
tephania, que surgi no nosso porto no dia 28 do
mez findo, por couseguinte o Galgo apenas adan-
loa a entrada pelos Paraguayos em Urnguayana,
qne j era prevista.
Por fallar na crvela Estephania, aqui este-
ve este vaso de guerra portuguez, doze dias, par-
lindo bonlem de madrugada para Lisboa.
Durante sua demora o navio ne s foi visitado
pelas principaes autoridades da provincia, mas
muito concorrido por grande numero de Porta-
gaezes.
Diversos membros do corpo do commercio por-
tuguez reunlram-se em commissao e manifestaran!
offlcialidade o seu contenlamento por verem nes-
te porto um vaso de guerra portuguez, depois de
28 annos qae aqui esteve o ultimo de nome Villa
Flor.
Em consequencia d'isto boove um passeio mar-
timo a bordo do vapor Tapajs da companhia do
Amazonas no dia 6 do corrente, ao qual concorre-
ram grande numero de familias, as principies au-
toridades a offlcialidade da Estephania grande Da-
mero de nacionaes e estrangeiros. O vapor subi
o rio at Jaguary e ao passar defronte do Gastello


1
i
-'
Diarlo de Fermambaeo Quluia eie ii de ctenibro de *.
is 9 horas da mahha, foi saudaVeom ma salva
de 21 uros qual correspondeu a corveta com ou*
Ira e gente as vergas.
Este festejo que foi variado com tanta almogo,
grande numero de sades, msicas e dauga duran-
te a viagem do vapor, veio a Andar as 3 horas da
Urde quando se retiraram os convidados Este fes-
tejo no mar foi dirigido pelos negociantes Gauden-
cio da Gosta Pereira, Uaetauo Ribeiro, Dr. Roberto
Rodriques, e Guillarme Koping.
A 8 do crreme tambero leve lugar un almogo
por varios Porluguezes na chcara do negociante
Joaquim Francisco Fernandes pelo mesmo motivo
aos offlciaes da dita curveta, ao qual assisliram da
mesnia sorte varias autoridades, senhoras e caval-
Ihelros desta cidade, terminando
tarde, depon de nimios brindes,
*-" Vagabundos.
459 Total das prisdes.
Recife, 18 de setembro de 1865. O delegado,
Luiz de Albuquerque Martins Pereira.
Os Srs. capno David Barbosa de Sonta Fer-
iar, professor publico Antonio Estanislao de Cam-
ino, proprietarlo Luiz Jos Correa de S, negocian-
tes Nnno Bezerra Jnior, Francisco Antonio de
Araujo, Theotonio Fernandes de Sampaio, Manoel
Joaquim Martins, Jos Martins do Nascimento
Araujo, Pantaleo Beliro de Araojo, Luiz Pereira
Pinto e Jos Cosario de Araujo, lavrador, Manoel
Vicente Jurema, escrives Francisco Jos Rodri-
pelas 3 horas da gues Rosas e Tito dos Passos Almeida Rosas, cria-
musica e daosa dor Cyrillo Gomes de Araujo, Minervino Gomes
Correa e S, Joaquim Antonio Teixeira, Jos da
o2Sdei 'slreecer a mesa Jn,0-. ., Ve nos adiamos, que na guarda nacional se res-
n estrondoso murro, e dlsse em voz forte e! peKe a antlguidade e mere, intento, e os comman-
dantes deixem-se de propor offlciaes por sympa-
Na noUe de 7 do corrente o Dr. Moreira, consnl Ollveira dos Santos, Francisco Carlos de Andrade,
porluguez, reunindo algumas pessoas de sua con- Joo de Deus Santa Ro vivencia, deu um concert dacsante ao comman- do Nascimento, JooBaptistade Vasconcellos,Fran-
dante e offlciaes do dito navio; esliveram presentes cisco dos Passos Baptista, Manoel Xavier dos San-
muitos amadores e cultivadores da msica, adan- tas e Jos Francisco de Barros, moradores na villa
do-se entre elles o distinto rabequista Munit Bar- de Tacarat, acabam de offerecer a S. Exc. o Sr.
reto, que por tres vezes fez ouvir a maestra com cooselheiro presidente da provincia os seus servi-
qne desempenha no seu instrumento. gos em auxilio das autoridades policiaes e judicia-
Alm da concurrencia e do bom servido que te- rias daquelle termo,
ve, foi uro dierlimento mu agradavel e variado, O concurso destes cidadaos para o bom desera-
Isento de raaior etiqueta e formalidade, por que foi penho de quaesquer diligencias relativas preveu-
puramente particular e sem carcter official, en- cao e represso dos crimes por certo muito valio-
tretanto tudo correu perfeitamente tanto para os so na presente quadra ; e S. Exc. aceitando seme-
cavalleiros como para as senhoras que a elle assis- Inania offereclmenlo, mandou agradecer e louvar
tirara, vindo a terminar pelas 4 horas da madru- por tal acto aos referidos ndados ; aos quaes sao
gada. i effectivamente devidos taes elogios pela prestimo-
Notouse .'que em nenhuma destas raanfestagoes sidade de que assim dao copia, nao duvidando
pelachegada da Estephania compareceu o cnsul abandonar os seus coramodos ero servigo s neces-
geral Dr.. Jos Henrique Ferreira, no enlamo real
que para todas foi elle convidado, por meio das
commissoes nomeadas para dirigir os festejos de 6
e 8 do corrento, cooslaudo mesmo que leudo acei-
tado os conviles, depois declarava que nao poda
comparecer por motivos esueciaes, que deu as mes-
mas commissees.
O faci que, segundo consta houve correspon-
dencia epistolar entre o cnsul geral e as commis-
soes, sabendo-se aocerio que elle nao foi a nenhum
dos festejos, e nem mesmo ao do seu collega Dr.
Moreira, tanto mais quanto o divertimenlo deste
era simplesmente particular, alm de nao ler que-
rido morar em trra, pois fra de duvida que o
cnsul d'aqui fura buscar a bordo para o hospedar
em sua casa.
Mais tarde saberemos o motivo de semelhante
proceder.
Do commereio nada ha de nolavel ; falla-se que
a linha de paquetes norte americanos, cujos navios
deviam sahir de New-York em principios do mez
corrente, ainda nao foi definitivamente encorpo-
rada.
f.-to j mo para a realidade dos offerecimentos
que se faziam para que tivessemos mensalmenle a
regularidade e promptido das relagoes comroer-
ciaes entre este porto e a America do Norte.
Os navios neste porto sao os seguintes :
Lugre nacional Emilia, arribada com agua
aberta.
Hyate nacional Progresso.
Lugre porluguez Belm.
Barca portugueza JVora Ctnlra.
dem idem ugevra.
dem dem Amazonas.
Brigue idem Mrquez Santa Cruz.
Barca franceza Occidente.
Brigue franrez Beaupeau.
Brigue inglez Aracattj.
Patacho suero Jar!.
Vapor nacional Galgo, parte para o sul as 10 ho-
ras da noite.
PERNAMRUCG.
sidades da communho. quando ellas urgem por
isto.
HEPARTI5O DA POLICA.
Extracto das partes do dia 20 de setembro
de 1865.
Foram recolhidos a casa de detengo no dia 19
do corrente :
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Aoa-
nias de Paula Souza Teixeira, Manoel de Souza
Carneiro e Joo, escravo de Joaquim de tal, para
correcco.
A' ordem do da Boa-Visla, Manoel Geminiano da
Rocha, para recruta.
O chefe da 2* sesso,
J. G. de Mesquita.
Casa dr detenco.Movimenio do dia 19 de se-
tembro de 1865.Existiam 338, entraram 4, sa-
hiram 1>, existera 371; a saber : Nacionaes 271,
rnulheres 6, estrangeiros 21, mulheres4, escravos
62, esrravas 4 ; total 371.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 187.
CQMMUNICADS.
Nao ha lealdade em estar eu di-cutindo sob a
miuha assignatura, e o Sr. imparcial sob o anony-
1110. Este procedimento, e aiuuus tpicos do seu
communicado de hoje tiram-me o prazer de conti-
nuar a responder-lhe, e mais de espago.
Entretanto agradego muito ao Sr. Imparcial o
abrir-me opporlunldade para dizer o seguinle :
troadora : a ten tempo daret, het de mtitrar Ihe
quem sou e mporthe o rigor da let 1r E assim sabio
da audiencia f
Que bello proceder de um juiz I Se o Brasil
sempre os tivesse, a justiga Iriumpharia da ehica-
na I E em agradecimiento, offereeo a sua conside-
rarlo o documento sob n. 2.
Eu nao temo arremesso ; cntftpri o meu devef,
e continuo no mesmo empenho.
Amanha achar-me-hei de novo em audiencia
no mesmo lugar, aflm de propor urna arco de
suspeigao, j que o Sr. juiz nao se quiz averbar de
suspeito depois do que havemos dito, 0 que se elle
flzesse teria dado a melbor prova de sua reclldo e
eonsciencia.
Recife, 20 de setembro de 1865.
Vicente Licinio da Costa Campeo.
DOCUMENTO N 1.
Illm. Sr. Dr.juiz municipal do termo do Cabo.
O bacharel Joo da Costa Ribeiro Machado, a
bem de seu direito, precisa por certido o theor dos
termos de audiencia de 31 de agosto prximo pas-
sado, e de hoje 14 de setembro, lavrados no respec-
tivo protocolo do escrivo Araujo. Pede a' V. S.
deferi ment.E R. Me.
Como requer. Cabo 14 de setembro de 1865.
M. R. A. Montarroios.
IJIm: Sr Dr. juiz municipal Para pasar a cer-
tido preciso que o supplicante declare, qual a
parte e a respeitoo que pede, porque os termos dos j
protocolos cootm vanos requerimentos de partes, I
e no de 31 de agosto nada tero com o supphcante. I
O escrivo, Manoel Jos de Santa Anna Araujo.
DOCUMENTO N. 2.
Illm. e Exm. Sr conselheiro presidente da rela-
jo.Vicente Licinio da Costa Campello, abem do I
seu direito, -precisa por certido o theor das ra- i
zoes de appellago que o advogado do commenda- j
dor Antonio dos Santos de Siqueira Cavalcanti, Dr.!
Joaquim Jos de Campos, prodazio nos autos em I
que sao partes Jos Flix Pereira de Burgos e o i
referido commendador, apnellago que corre pelo '
canorio do escrivo Ferreira. Portanto, pede a V. \
Exc. deferiraento.-K H. Me. V. L. da C. Cara-
pello.
Passe. Recife 16 de setembro de 1865. F. A.
de Souza.
Antonio Joaquim Ferreira deCarvalho, escrivo de
appellagoes e aggravos do supperior tribunal da
relaco de Pernambuco, por S. M. o Imperador :
oSr. Pedro II. etc.
Certifico ser o theor das razoes de appellago
que pede por certido a' peligo supra o seguinta :
A sentenga de folhas 148 v., de que se appella,
nao pode, por extravagante e injuridica, achar ac-
quiescencia e coulirmago oeste egregio e illustra-
do tribunal.
Essas poucas linha que constituem a sentenga
appellada, fallando respeitosamente, fazem'recor-
dar aquelle sent-ncioso a vulgansado dito de Pu-
ni, na vida de Valerio Mximo nec tutor ultra
cremdam I Com effeito, o merelissimo juiz a quo,
mandando que a liquidac.au prosiga seus termos,
quando a sua senlenga devia ser o termo final do
processo de liquidacao revela claramente, ou que
nao leu coma algutna do que est processado des
de folha 92 em diante, ou que est completamente
Ibla, favor, 00 proteegao f Creraos que sim.
Fazerocs pols este primeiro communicado com
as ponderages, que abi fleam, e conforme.....o
que apparerer vpjtarmos, porque temos ainda
muito que dizer.
Recife, 20 de setembro de 1865.
O Boavitano.
:tjm
CASO H9MIVEL
D'l'MA
Ahstendo-me actualmante de angariar volunta-
rios fago apenas pautar o meu procedimento pelo; all\eu> as leis reguladaras do processo, que Ihe cun
que outr'ora aqu teve S. Exc. o ^r. Mrquez de | Pna observar efazer observar. Pois cousa sobre
Olinda, actual ministro do imperio o presidente do
conselho de ministros.
A commisso nomeada pelo Sr. Dr. Castello
Branco para, no termo de Sermhem, agenciar vo-
luntarios deliberou fazer urna reumo magua, para
a qual deveriam convidar S. Exc, cuja palavra, se
fazendo ahi ouvir, neeessariamenle produziria effei-
to magnifico. Antes que a commisso fosse cum-
que ninguem, e menos un juiz, e juiz lellrado, po-
de allegar ignorancia; porque a lei e lolos os pra-
xistas coohecidos, sem excepo de um s, ensi-
nam com mais ou menos individuago, e alguns
al com sobeja minucio>idade, o precesso de h-
qtiidago de urna sentenca illiquida.
Se ojuiz aquo nao estivesse alheto ao assumplo
de que aqui se trata, se tivesse lido ao menos as
R8ISTA DF&BI4.
Por communicagoes, fiadas ante-hontem do Cea-
ra, consta ter-se perdido, na barra do Acarac,
a escuna braslieira Ernestina, perlencente a esta
nossa praga. Mentindo tres vezes om virar quando
alii navegava, bateu sobre pedras e dab resullou
fazer agua, que obrigou a tnpolago a eocalha-la.
Da cidade da Victoria recebemos a seguinle
noticia :
t No dia 16 do correute perante urca mullido
reunida na praga da feira na cidade da Victoria, a
voluntaria da patria D. Mariana Amalia do Reg
Brrelo recitoa urna altocugao excitando o patrio-
tismo popular e convidando seus patricios a seguir
ao campo da batalha.
A voluntaria apresentou-se vestida de saiote de
casemira amarella orlado de urna barra verde
frdela azul ferrete com vistas de azul claro, abo-
lladura arnarella, bonel de iguaes cores, caiga
tranca e bolinas, trazendo nos dous bragos duas
estrellas de ouro. Foi acompanhada pelas auto-
ridades civis e militares, ao lado do coronel rhefe
de estado-maior da guarda nacional Jos Caval-
canii Ferraz de Azevedo
t Acompanhava-a tambem urna banda de musir
militar, e foi saudada por numerosos vivas e mui-
tas girndolas de fogueles.
Logo depois da tal allocugo appareceram mui-
tos voluntarios, e o seu numero vai crescendo, de
mod 11 que no dia 18 chegava a 28.
Consl< que o fi lio do coronel Ferraz se alistara
como voluutano da patria, dando assim um bello
exemplo de patriotismo.
Consta tambera que o lenle-coronel Mariano
jtem aquai telado em Gamellelra centoe tamas
pragas de guarda nacional viduutarios, comprehen-
do-se neste numero 50 apreseniados pelo tenente-
coronel Coriolano Velloso a Silveira.
O vapor Galgo rebocou do canal de S. Roque
para o Rio Grande do Norte o brigue franeez Ca-
roline, que tendo galgado o arrecife, perder o lerae
e e.tava quasi a sossobrar nao s pela roa posigo,
como por se nao querer a tripolago prestar ma-
nobra precisa.
Vleram bordo do Galgo dos portos do nor-
te 359 pragas, sendo : 238 a guarda nacional, 94
offlciaes que se vo reunir seus corpos no sal.
Na errata que publicamos hontem sobre urna
poesa com as iniciaes J. S. Reg Jnior, onde diz
Do mundo que zomba do amor cronimos deve
ler-se Do mundo que zomba do amor criminoso ;
e onde diz-Passemos os das de enlevo e de sogo
deve ler-se Passemos os das de enlevo e de
goso.
Amanha se extrahr a 2' parte da lote-
ra da matriz de Santo Amaro de Jaboato (32')
sendo o maior premio 6:0005000.
Relago de todas as ^nsoes decretadas pelo
juizo da diligencia do primeiro districto do termo
da cidade do Recife, e os motivos das mesmas
desde o i de Janeiro de 1864 ao ulllmo de agost
de 1865 :
NUMERO
DAS
PBISBS
44Averiguagoes em diversos crimes.
1Uondemnado em termo extranho.
101Correcgo por diversos motivos.
6Custodia.
1amno em objecto, propriedade
lirular.
1Damno em objecto
publica.
2Destruigo de edificio publico.
1 Desobediencia.
17Dbturbios.
18-Desertores.
8Embriaguez.
28 tsr.ravos fgidos.
9Escravos a requisigao dos enflores.
1 Esrravo a requisigao de depositario.
1Estupro.
2-Estellionato.
2Falta de servigo na guarda nacional.
13-Feriinentos e oflensas physicas leves.
7-Ferimentos a offensas physicas graves.
8-Furto.
4Furto de escravos.
prlr essa deliberago, precedeu-a um dos scusPe?as pnneipaes do processo desde folha noventa
roembros, o qual dizendo ao Sr. Mrquez que bre- ^duas. saberia que a hqnidagao se processa sum
ve l voltaria quelle lim, S. Exc. respondeu-lhe,
um tanto enfadado, t que nada linha com volunta-
ros, e que para tal escusava la ir eommissan al-
guma etc., etc., pelo que a commisso mudou de
proposito.
A's reuniSes que o Exm. Sr. Castello (raneo fez
para tratar desse mesmo assumplo voluntario*
o nobre Mrquez, igualmente se abste'.v de com-
parecer.
Nao sei como aquillo em qoe S. Bxc. foi virtude
e Ihe merereu a presidencia do conselho de minis-
tros, seja em mim crime, e me
de deputado.
mariamente, como expressamente determina a or-1
denago livro tercero titulo 86, 19, e que, pois
que foram off-ireeidos os orts. de folhas 92, que
estes foram contestados a folhas 97, que se segu a !
isto a declarago probatoria pelo despacho de fo-:
Ibas 103 v., e as allegagoes linaes por parte do li-
quidante a folhas 117, e por parte do liquidado a
folhas 13i, nao restava. nada mais a fazer se nao
dar sentenga final.
E nem poderia ter duvida alguma a esta respei-
lo, se tiyesse lidn ao meuos a minuta de aegravo a
merega a demissao folhas 139, a resposta a folhas 140 e o venerando
iacitordo a folhas 141 v. Entretanto, a sentenga
E depois, ninguem ha que diga ser o nobre Mar-, apellada, que devia ser urna sentenga tlnal, man-
qnez indiferente guerra, mxime naquelle tem- ''u anda proseguir nos termos da liquidarao, cujo
po, era que as nossas armas nao cooiavam os proces.-o, por estar lindo, foi remetiido do juizo de-
triumphos actualmente obtdos; ao contraro S. Exc. precado 1 O disparate de semelhante dacso salta
compenetrou-se tanto dos sacrificios ella nhe- aos o'hos e dispensa commenlarios. Ainda mais.
rentes, que cltorou era ambas as cmaras quando, A sentenga appellada julga nao provados os em-
annuneando o seu programma, mencionou o facto bargos de folhas 97 (chama embargos o que a lei
de correrem de lodos os pontos do imperio roan 'chama conlrariedade ou contestat-o : citado orde-
tarios, para tomarem parte na guerra. Dago livro 3 titulo 86 19), porserem reproduc-
Os exemplos do alto sao sempre eflicazes. \ Cao d^ materia ja' discutida e despresada.
O Sr. major Jos Rodrinues de Moraes, logo que Ura isto um verdadeiro despropsito : porque,
Ihe chegou ao conheciniento o appello que o Exm. \ antes da sentenga exequenda, na qual foi o liqui-
Sr. Dr. Castello Branco fez provincia, parti de da(Jo appellanta condemnado a' eulrega dos escra-
Tacarat expona sua, am de entender-se com VuS e dos frucios, nao se dsiutio nem se tralou
aquelle Exm. Sr. a respeito de um batalho de vo- dp fructos, e esta a materia principal da contes-
lunianos, que all se pnqmulia organlsar. Entre- l^o de folhas 97, que a sentenga appellada cha-
tanto, ao passo que S. S. aproxmava-se desta cida- mmi embargos.
de choviam-lhe cartas das altas persooagens li- Como, pois, diz a senlenga que a materia dos
gueiras, depulados, baroes ( prsenles e futuro ) chamados embargos ja'tinha sido discutida e des-
expresidentes etc., instando com o mesmo major presada ? I Antes da sentenca exequenda tratou-se
que voltasse, e que nao viesse fazer ao governo tal de cousa muito diversa, e nem era possvel que
offerecimenlo I antes de ser ella proferida se tratam de urna qoes-
Eslava o Sr. major muilo perlo da cidade ; e por to agitada por causa della, do seu contexto, ob te-
telo, e por que se achava dominado daquella pa- norum sententia. E' evi tente, portanto, qoe a
trioica idea, nao attendeu aquellas cartas. sentenga appellada, julgando nao provados os cha-
Chi-gado a esta cidade ei-los os mesmos que ten- mados einhargos de folha-97, pelo sohredilo fun-
tarara dissuadir o Sr. major de lal proposito, cer- damento de ter sido ja' discutida e despresada a
cando-o constantemente
Molestia Ulcerosa
Curada.
Todos aqnelles que se achSo suie"itos sof-
frer molestias scrofolosas, ulcerosas, ou syphi-
llticas, anda mesmo as reputadas de peior
natureza, apenas necessito de lr o segninte
caso maravilhoso, para que se sintao intrira-
mente convencidoe que a sua propria cura,
nSo s meramente possirel mas sim absolu-
tamente certa,
Joao Jo8fe Feriubira Bakboz, residente
na Cidade de Maranhao, tinha todo o seu
corpo coberto de chagas ulcerosas, e durante
algunos annos se achava debaixo do tratamento
de mdicos os mais afamados, tendo usado
durante todo este tempo quasi toda a especie
de medecinas que em taes casos c empregada
pela faculdade medica, pore'm debalde sem
obter o menor beneficio ou alivio: achando-se
pois em taes apuros elle finalmente resolveu-
se, depois de repetidos e baldados esforcos a
fazer uso da
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
>
No todo elle apena chegou a tomar Cinco
Garrafas de SaUaparria e quatro frascos das
Pidas Vegetaes Assucarada, e o resultado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os Sers. Fekreika & Cia., Droguistas de
Maranhao, forao quem supprirao os medica-
mentos, e achac-se perfeitamente ao facto
d'este caso, e os mesmos Senhores, nao s se
achao promptos confirmar o mesmo, como
tambem em fornecer o actual adresso do Ser.
Babboza, toda e qualquer possoa quo por
ventura se desej informar da verdade.
Retommenda-se mui particularmente aos
Doenttes que tenhao o maior cuidado na esculla
deet excellente remedio, nao usando outro
nao ser a Genuina Salsaparrilha de Bristol,
a qual exclusivamente preparada por
LANM AN & KEMP,
De NOVA YORK,
pois que todas as mais sao inefficazes e de neo
hum presumo
Vende-se as boticas de Gaors & Barbosa
e C. Bravo & C.
Os abano assigna los vera perante o publie
deMa provincia e o Exm. Sr. presidente da mes-
ma. protestar contra a publ icago inserida boje
as columnas do Diario de Pernambuco, que diz
respeito a directora do arsenal de guerra.
E' falso e inter ament falso que as offleinas
deste arsenal se houvesse fabricado esses artigos
de que faz m engo a citada publcago, que para
sua co ntesiago estamos proraptos a hir perante o
juizo competente jurar, e declarar que ao contra-
rio disto temos a afQrmar, que nao pode merecer
nenhuma f
de suas palavras de honra os Srs. lente-coronel
Joaquim Lucio Monteiro da Franca,* o Sr. capitao
Jos Antonio Serfico de Assis Camino, e o Sr.
subdelegadoJos Gorgonio Paes Brrelo a ajuda
na sui misso vislo como sao pessoas muilo in-
fluentes neste povado dos Montes e interessados
pela causa nacional.
Higino Firmo dis Chagas.
i~rr t n o m tm
Cm desmentido solemne as incidas do eacrivie
(alvo e seus compartas na trazada qu movem
contra a directora do arsenal de gnerra desta
provincia.
O- abaixo assignados, em vista da clamorosa in
|Utica e negra perfidia com que actualmente o es-
crivo Francisco Jos Galvao, procura marear esta
reparlgao na pessoa do Sr. lenente-coronel Sebas-
lio Jos Basilio Pyrrho, apressamse a vir ante
o Exm. administrador desta provincia, e respeita-
vel publico, protestar contra todo esse manejo as
cido do despeto de um hornera j gasto em sua
moralidade como empregado deste arsenal, pelo
que desde j se coroproroeltem perante o Exm. pre-
sidente da provincia e os iribnnaes do paiz, a con-
fundrem com fados a esse empregado, que tanto
comprometiera esla repartigao, e que hoje aturdido
pelo merecido premio de suas gentilezas a de seus
compargas, todo transe procura fugir a justa re
pressao de seus crimes, procurando arredar de s
as mais graves imputagoes por meio de invectivas
e graciosos documentos, que em nada Ihe podar
servir para metigar a forga dos remorsos que tem
de seus altos feitos.
Arsenal de guena de Pernambuco, 20 de setem-
bro de 1865.
O escrivo merino, Lourengo Nunes Campello.
O amanuense, Joo Ricardo da Silva.
O ecrivo das offleinas, Manoel Jos Pereira Bray
ner.
j O apontador, Joo Francisco de Souza Xavier.
Joo Ferreira Tavares.
Jos Leo de Mello Agucena.
O pedagogo, Francisco M.uoel da Rosa.
O ajudante do pedagogo, Jos Joaquim de Oliveira
baduem.
O guarda, Antonio Francisco Cavalcantl.
O professor de primeiras letras, Jos Xavier F. Ra-
mos Jnior.
Pedro Ferreira dos Santos.
Francisco Manoel da Konseca Rosa.
Candido Bessoni de Assis Campos.
Jos Manoel de S.
Joo Salgado de Castro Acciol.
O porteiro interino, Joo Paulo de Souza Bandeira.
Jos Theodoro da Conceigao V de Mello.
Severiano Ferreira de Souza.
Napoleo Olympio Prales
Pedro de Alcntara Monte Lima.
Joaquim Gomes Ferreira de S Leilo.
Joaquim de Gouva Cordeiro,
Miguel Autcnio Guimares Pinto.
Joaquim Bernardo da Cunha Borba.
Henrique Antonio Francisco uornellas.
EDITIS.
Mofina
Atlengo I Vede e admirai I
O Sr. commendador Domingos de Souza Leo
ainda se acha nesla cidade, onde procurado dia-
riamente por um concurso tmmenso de amigos.
Este cavalleiro, cujos elevados sentimenlos e vis-
tas largas nao sao. hoje desconhecidos por pessoa
alguma que se respeite, tem feito o que p;de para
auxiliar a argo da admmistrago publica. Com
este intuito ha escriplo a todos os seus amigos do
interior, de alguns dos qnaes j tem obtido as
mais lisonjeiras promessas.
(Trecho obrigado de todas as correspondencias
progressistas daqui para o Jornal do Commereio
da corte).
Caixa filial do banco do Brasil eoi
Pernambuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial
mesmo banco na Bahi.
.\o vo banco de Pernam-
buco.
O banco descoma letras na presente semana a
9 por cento ao anno al o prazo de seis mezes,
Novo banco de Pernambuco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagano o Io dividendo de dita massa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
medidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
Caixa filial do banco do Brasil cm
lernainlmco.
De ordem da directora se faz publico que a ca
xa descoma os saques de seu aceite, pralicados
pelo banco do Brasil, pela taixa de 7 0|0 ao anuo.
Oguarda-livros
Ignacio Nunes Correia.
em juizo, esse documento de Jovencio
correndo cima e abaixo materia delles.julgou sob falsa causa ou sem causa, de Almeida Lima, por quanto fra despedido deste
para Ihe facililarem sua pretengo, affectando, fi-
nalmente, serem seus inspiradores, e principaes
inleressados em um feilo de tanto patriotismo. At
o Exm. Sr. Sr. Mrquez de Olinda andou seriamen-
te empenhado nisto.
e unta tal sentenga nulta de pleno direito. Gas- arsenal por larapio, e portanto despeilado por essa
lam as partes litigantes o seu direito, digo, o seu decepgo approveita-se agora da opportunidade pa-
tempo e o seu dinh>iro em longas e penosas de- ra assim exercer urna vm^anga acostado a sombra
mandas em defeza de seus direitos; gastam osad- dos que movem hoje tramas indignos contra a di-
vogados o seu lempo no estudo serio das questoes rectoria do arsenal de guerra, para assim verem
MOTIVO UAS PRISOES
de par-
que presta utilidade
Alinal, a solugo dependeu de urna pequea fian- de seus clientes, e no lim de lanto lempo, de lanto se lograra arredar de a: a pena fulmiuatoria de
ga, perante a ihesouraria da fazenda. Aqui foi o trabalho e de to largos dispendios, ha de a causa seus delirios,
desenlace da comedia I Esgueirou-se cada um por ir parar s mos de um juiz, que nao l o proces-
seu canto, e ficou o Sr. major Rodrigues in albis, so, que nao estuda a materia controvertida, era se
reconhecendo que esses afanosos patriotas s ha- qoer uas allegagoes das parles litigantes, e que
viam fallado a verdade as cartas era que instan- acaba por dar urna sentenga como a de folhas 148
temente dissuadiam no de organisar corpos de vo-, E* preciso que jui/es desta ordem tornera ao
luutanos. serio o nobre officio de julgar, para nao dareni este
Rovo Banco de Pernambuco
O Novo Banco paga o dcimo quinto
videndo na razo de 8$ por acclo.
di-
ALFAN'DEGa.
Rendimenio do dia 1 a 19......
Idem do dia 20...............
231:1935013
9:70853
2i0:903i:6
Arsenal de guerra de Pernambuco, 20 de setem-
bro de 1865.
O mestre Jos Luciano Cjbral.
Contra- mestre Joo Luiz de Carvalho.
Belarmino Mendes.
Joo Paulo de Meirells.
MOVIMENTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados cora fazendas____
com gneros..... 213
Volumes sahidos cem fazendas.
com gneros.
78
584
213
designado para o servi-
lGuarda nacional
go da guerra.
2o nfraeges de poluras.
23lufraeges do regulamenlo da estrada de
ferro.
3nfraeges de regulamenlo militar.
8 Injurias verbaes e insultos contra parli-
rulares.
IInjurias verbaes contra funecionario no-
biico.
1Instrumento para roubar.
5Jogo* prohibidos.
2 Moeda falsa,
JODe mora.
3 Peculaio.
iPronuuriado geii subdelegaba de Santo
Antonio.
73Recrutas.
14Roubo.
2 Roub j com incendio.
1Tentativa de stellionato.
3-Tentativa de morte.
3Tentativa de rapto.
IUso de armas defezas.
Acharase resta cidade pessoas vindas' de Taca- repugnante tesiemunho de desidia no curaprimenta Thomaz Antonio Francisco Barreto.
rat, que podem informar a respeito. de seus deveres. A este collendlsslmo tribunal Jos Alves do Nascimento.
Ora, evidente que, quando o nobre Sr Mar- cabe corrigir estas gravissimas faltas, fazendo a Jos Rodrigues Maiins.
quez de Olinda houver de cumprir os eu decreto, quem as commeile entrar na linha de seus deve- Francisco Alves Ribeiro.
em que alraoedou o andamento de voluntarios etc., fes, e distribnindo por si a justiga, que elles nao Emilio Theophilo Ferreira.
nao ficarao sem a devida recompensa esses que sou- sabem ou noquerem fazer. Neste sentido espera Manoel de Jess Pereira.
beram, na representago daqoejla torpe farga, que o appellante, que a sentenga appellada se reforme Antonio Jos Barros,
alias repeiern constantemente, manter sempre firme n sentido de se julgar nullo todo o processo da II- Joaquim Antonio de Oliveira Baduem.
a natural gravidade Entendi dever confessar logo quidago pelas razoes expendidas a folhas 131, as Manoel Joaquim de Gouvia.
a mtuba culpa para nao ser ao depois victima in- quaes offerecemos a' considerago deste egreg 10 Antonio de 0_ueiroz Ferreira.
nocente d'alguma dignilaria. tribunal, condemnado o appellado nasenstas.-O Martinho Demetrio da Porciuncula.
E' Tacto repetido em rouitos nmeros do Diario advogado, Dr. Joaquim Jos de Campos. Marcolino Soares Ferreira.
de Pernambuco, e sabe-o toda a provincia que, ape- E mais nao se continha em ditas allegagoes aqu Manoel dos Anjos Torres.
as o recrutaraento mesmo para voluntarios, po- transcriptas dos autos mencionados aos quaes m9
licia e guardas nacionaes estendeu-se. fra da el- reporto.
dade, at sobre ::s cgos, doudos, aleijados, casados A presente certido nada tem que faga duvida
etc., lodos os que, por meios brandos ou compul- es,a> Pr mim escrivo subscripta e assignada cn-
sonos, podiam tomar parte na guerra procuraram fenda e concertada na forma do estylo nesla cida- Jos Anselmo da Conceigao.
horoisio nos engenhos das influencias do da, onde de do Recife de Pernambuco, aos 16 das de se- Jovino Francisco dos passos.
trabalham a troco da iraraunidade que ah encon- tembro de 1863. Sub>crevi e assignei. Em f de Cyrillo Leonido da Fonseca.
tram. Isto posto, claro que, para aquelles se verdade.
prestarem a tomar parte na guerra, sao improfi-' Antonio Joaquim Ferreira de Carvalho.
cuos os meios lembrados pelo Sr. Imparcial- __ m ,.......
Fica o mais adiado, para a cmara, se la chegar. I .,_______
Recife, 19 de setembro de 1863. .:PPr?.ximvse ?.pP*. et> 1"" a guarda na-
Sevenno Antonio Pereira da Silva.
Jos Francisco Marinho, mestre da 4" classe.
Victoriano Luiz Franga.
Antonio Jos da Costa.
Jos Leandro de Godoy e Vasconcellos.
Jos Francisco da Silva Almeida Doria.
Manoel Pedro Gongalves.
Carlos D. Garanhuns.
Francisco Ribeiro Pavo, mestre da 5.* classe.
ooal da nossa provincia'se prepara com" o maior {SttSSiKnrw Naves
entnusiasmo, e est disposia a marchar para o jS, p" c?"5 ??
theairo da guarra, afim de sustentar a honra e dft Garvalho-
Joo Benlo da Cruz.
Da audiencia de 31 da agosto prximo passado diguidade da'nago,' to vil
S^^^^JS~ ^--us diretos. violada em Lu MSoX. SSSSSS MaS^
ao mui digno juiz a priso de urna pessoa que crera
mal procedta nessa audiencia, no meio de grande
confuso, o juiz sem a nada attender, foi-se a aer-
ea algum
mas tem-se
que naohavera um s soldado da briosa Vrente Nones de Ahfpi.
guarda nacional de Pernambuco, que sendo desig-
nado deixe de marchar contra os Paraguayos,
rer pela porta a fora a gritar ettou coacto, deixan- salvo aquelle que nao poder realisar o seoVnV
do assim de fazer effect.va a priso requerida. Na ment a vontade por fJotivo de molestia
audiencia, porm, de 14 do mez corrente, quiz os- outro muito poderoso e attendivel
tentar valenta e carcter inexoravel ou talvez vin- dado de certo tempo esta parte alguns flete*
gativo ; e por isso comegou a indeferir todas as que longe de animar a guarda nacional a su
petlgoes por mim fetas, ou a mandar ao escrivo offlcialidade, da qual, como se sabe, depende a
inrormar, quando o seu despacho nSo eranos au- boa dirergo e disposlgao d'esse corpo respeitavel
tos por linha ;-aksm disso o muilo a/encioso es- teode a produzir o desgasto, Indifferenga a inercia
n'essa corporagao. Entre muilos citaremos o se-
grate facto :
No lerceiro batalho
criaio Arauo sempre tinha urna duvida a apre-
sentar, como por ejemplo se v no documento
junto sob n. 1.
Acabada essa audiencia, 12 minutos antes das 3
horas da tarde, o muilo Ilustrado a integro juiz
guardou no bolso das calcas a peligo que se
no documento ctlado, depois de bave-la mostrado
diversas pessoas, tendo no entretanto maodado
casa buscar por um ofllrial de justica os cdigos
do processo e penal, os quaes leu durante todo o
lampo que levou o termo de um exame de firma,
conservando sempre porta dous offlciaes do juizo,
talvez para o lim de mandar preader-me se desco-
brisse alguma cousa nos taes cdigos. Depois que
vi esse aovo destino a' p^tigao referida, dirigl-me
ao multo respeitavel e illueirado juiz e muilo at-
tenciosameut pedi-lhe a peligo despachada, por-
que j erara horas de passar o trem da via farrea,
te au nao poda fiear no Cabo, two, era um (tases
aeeassos proprios dos altos personagens, o Sr. juiz
da guarda nacional da fre-
guezia da Boa-Vista, municipio d'esta ridade, e da
qual commandante o Sr. lenente-coronel Fran-
v cisco de Miranda Leal Seve. acabam de ser propos
tos para lenles os Srs. alferes Manoel da Suva
Parla e Adriano da Silva Farla, eisto cora a raaior
injustiga, e tima prolecgao um peuco censoravel,
Theotooio Cesar de Almeida.
Antonio Geminiano das Merces.
Francisco Fabio Monte.
Francisco de Paula Chaves.
Januario Leonor de Albuquerque.
Candido Jo> de Ges Telles.
Manoel Nunes Vianna, 2.' conlra-mestre
classe.
Antonio Joaquim Pires, 1.
ciasse.
Torquato Jos Monteiro, 2.
classe.
da 3/
conlra-mestre da 3.'
eontra-mestre da 6."
------- 662
Descarregam no da 2i do corrente.
Brigue austracoGratttudine farinha de trigo.
Barca ingleza Mira & Celia madeira.
Barca franceza Rio Grande diversos gneros.
Barca nacional Valle-charque.
Brigue hespanholCaritadem.
Importaco.
Vapor nacional Galgo, entrado do norte, mani-
festou o seguinle :
Mercaduras estrangeiras do Maranhao.
20 barris e 10 latas banba de porco ; a Rosa &
I r mos.
Mercadnria nacional.
30 paneros tapioca polvilho ; a ordem.
Do Para.
Mercadoria eslrangeira,
i caixa com 300 latas de tabaco picado ; a or-
dem.
4 volumes com 1,936 chapeos do Chile, 120 ro-
los salsa ; a ordem.
Escuna hollandeza Janly Manninga, entrada do
Rio Grande do Sul, consignada a Maia & Espirito
Santo, manifestou o seguinle :
13,792 arrobas de charque, 70 couros vaceuns
seceos ; a ordem dos mesmos.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da irn^
perlal ordem da Rosa a jniz especial do commer-
eio n'esta cidade do Recifo de Pernambuco, por
Sua Mageslade Imperial, a quem Deus guarde
6IC.
Fago saber aos que o presente edtal virem a
delle noticia tlverem, que por parte de Manoel Fer-
reira Pinlo, me foi dirigida a puticao do iheor se-
grate : ^
Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial do commer-
co.-Manoel Ferreira Pinto, coomerciante nesla
cidade, sendo-lhe Bernardo Maciel de Souza deve-
dor da importancia de nove ceios e nvenla e
cinco mil ris, principal de urna letra de sen ac-
celte, a qual esta prestes a prescrever, quer o sup-
phcante protestar nos termos do artigo quatro
ceios e emeoenta e ires do cdigo commercial,
aura de que seja a fallada prescripcao interrompi-
da, admiitindo-o V. S. a justigar a ausencia ao
supplicado por morar em lugar incerto a nao sa-
bido, o que feito e julgado por sentenga seja o in-
dicado supplicade iutimado i.or edilos com o prazo
de imita das.
Declara o supphcante ter recebido do referido
supphcado por conta da referida letra a impor-
tancia de trezeelos mil ris em 23 de junbo de
1861.
Assim requer, e pede a V. S. seja servido dee-
rir-lhe desiguaodo dia e hera para a inquirigao de
testemunhas.E. R. M.Henriques da Silva. Na
qual dei o despacho do theor seguinle :
Justifique depois d'amanha, linda a audiencia.
Recife, 9 de setembro de 1863. Alencar Ara-
ripe.
Em virtude do qual fra a raesma peligo dos-
tribuida ao escrivo que ante mim serve, Manoel
Mana Rodrigues do Nascimenio, o qual fez lavrar
o termo de protesto do theor seguinle :
Termo de protesto.
Aos 9 de setembro de 1863, em meu escriplorio
compareceu o sopplirante por seu advogado o Dr.
Angelo Heonques da Silva, e disse perante mim e
as testemunhas que reduza a protesto o cometido
de sua peligo retro, a qual oflereceu como pane
do presente que lira sendo; e de como assim o
disse e prolestou, lavrei este termo, no qual se as-
signou com as ditas testemunhas:
Eu Secundino Ehodoro da Cunha, escrevente ju-
ramentado o escrevi: eu Manoel Maria Rodrigues
do Nascimento, escrivo o subscrevi.Angelo Hen-
riques da Silva, Joo Barboza Cordeiro, Francisco
Amonio Alves Masiareuhas.
E tendo o supplicante produzido suas teslerau-
nhas, sellados e preparados os autos subiram a
minha concluso e nelles dei e profer a senlenga
do theor seguinle:
Hei por justificada a ausencia; e maudo, que o
justificado seja citado por editos de trinta dia. pa-
ra o fim requerido a folhas 2. Recife, 14 de se-
tembro de 1865.-Tristao de Altncar Araripe.
Por forga da qual o referido escrivo fez passar
o prsenle pelo qual chamo, cito e hei por Intima-
do o dito supphcado para que comparega n'este
juizo dentro do dito prazo, afim de allegar o que
lr de justiga.
E para que chegue ao conhecimenlo de lodos
mandei passar o prsenle que ser publicado pela
imprensa e afflxado nos lugares do costume. Re-
cife, 19 de setembro de 1865.
Eu Manoel Mana Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz especial do commer-
eio n'esta cidade do Recife de Pernambuco, por
Sua Mage.-iade Imperial e constitucional o Sr.
D. Pedro II, a quem lieus guarde ele.
Fago saber aos que o prsenle edital virem e
delle noticia tiverem, que por parte de Jos Fran-
cisco Xavier de Mello, me foi airigida a peligo d
Ibeor seguinle:
Illm. Sr. Dr. juiz do commereio.Diz Jos Fran-
cisco Xavier de Mello que Ihe sendo Jos de Alen-
car Ferreira devedor de 2:150*000, principal de
43 letras, e mais dos juros as mesmas e>tpula-
dos, o quer fazer citar para na pnmeira do juizo
vr-se-lhe assignar is dez dias da lei, e nelles alle-
gar a defeza que tiver, a qual nao sendo relevante
ser condcmnsdo a pagar a dita quaoliade........
2:150,8000 de principal e juros estipulados e cus-
tas; e porque o supphcante esteja ausente em lu-
gar nao sabido, requer mais o supphcante a V. S.
o admita a justificar a auseocia do supplicado e
julgada a jusilficago se mande passar caria da
editos, alim de ser o supplicado citado para o fim
acuna mencionado.
Pede a V. S. Ihe delira.E. R. M.-Henriques
da Silva. Na qual dei o despacho do theor se-
guale:
Justifique amanha s 11 horas do dia. Recife,
14 de setembro 18b5 Alencar Araripe.
Em virtude do qual fra a mesma petigo des-
tribuida ao escrivo deste juiz', Maooel Maria Ro-
drigues do Nascimento.
tendo o supphcante produzido suas testemu-
nhas, sellados e preparados os autos subiram a mi-
nha concluso e nelles del a' sentenga do Iheor se-
grate :
Hei por justificada a ausencia do supplicado, o
qual mando citar por cdilos de 30 dias para o fim
requerido a folhas 2, pagar a's custas ex-causa.
Recif, 16 de setembro oe 1865.-Tmlo de Alen-
car Araripe.
Por forga da qual o referido escrivo fez passar
o presente pelo qual chamo, cito e hei por intima-
do ao dito supplicado, para que comparega neste
juizo dentro do indicado prazo.
E para que chegue ao conhecimenlo de todos
mandei passar o presente que sera publicado pela
iinprensa e afflxados nos lugares do costume.Re-
cife, 19 de setembro de 1865.
Eu Manoel Mara
crivo o subscrevi.
Eu Manoel Mara Rodrigues ^do Nascimento, es-
s^o
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO.
GE-
Rendlmento do dia 1 a 19.
dem do dia 20...........
20:4945368
4:3985143
24:8928711
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimentodo da 1 a
Idem do dia 20......
10.
23:4115701
3:0015224
28:4128925
Manoel Pereira de Andrade.
Fclix de Velos Canlalicio.
Jos Domingos de Gusmo.
Ezequiel Marques i.af.
Marcelino Jacintho de Sant'Anna.
Amonio Joaquim Ferreira.
Pedro de Alcntara Silva.
se nao quanto ao segundo, sera'duvida, mconies: Lm^Fr^a'^rV
Uvelmenle quanto ao primeiro, ".i,. .n.r. -
Thomaz Jos de Mello.
Jorge Avelina do Nascimento.
Prudencio Vital Ribeiro.
, que sendo alferes,
atada nao ha daus mezes, e nao tendo anda se
apresentado como (al no batalho, e nem (segun-
do dizera) jurado dandeira, isto o jurameulo de
alfares,.,, j leve a feliddade de ser proposto
para ieoenle, e com oretiricao de mullos alferes l'na.Trombota.
amigos,,,! j o abaixo assignado tendo sido nomeado por por
Ora digam os entendido na materia isto nao taria do Exm. Sr. presidente da prov nela para
causa dosgostT Nao seria mais conveniente, alistar voluntarios da patria tem f rotusta de
bem, mais jasto 5 nao ser mesmo muito poder fazer alm dos recursos de que dispSe
hai-narpl v.,in,.. jm_7.. '. >------1 i<, =>oi a ,umuu uiuuu pouer ia;r aiem uo recursos ae qoe Ospoe
oacoam Maximino Rfceiro de Afftiaj JonUr-.necesario tu fi<* alguma eoosa melindrosa, par cppta mais por Ibes baverem promeitido debaixo
Navios entrados no da 20.
Baha-7 dias, brigue naronal Infeliz, de 263 to-
neladas, capitao Jos Maria dos Santos, equlpa-
gem 13, cargo agurdente e outros gneros; a
A mor m Ir mo.
Havre43 das, barca franceza Rio Grande, de 204
toneladas, eapitoJ. Cbalows, equipagem lOcar-
ga fazendas a outros gneros ; a E. A. Burle
A C.
Wallaroo (na Australia)-70 dias, barca ingiera
Jessica, de 500 toneladas, capitao Welham We
lhanrs, aquipagem 24, carga cobre ; ao mesmo
capitao, veio refrescar.
Boston-42 dias, barca ingleza Sprengbok.de 330
toneladas, capitao Christian Larsen, equipagem
8, carga madeira ; a Johnston Pater& C.
Navio sahido no mesmo da.
Parahyba-Lugre inglez Cwcatnan, capitao J. T.
Orsalo j em lastro de assuear.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao deAleocar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commereio desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo, por S. M. I. e constitucional o
Sr. D. Pedro II a quem Deus guarde, ele.
Fago saber aos que o presente edital virem e del-
le noticia tiverem, que no dia 22 do corrente
mez, as 11 horas da maoha na sala das audien-
cia, tera' lugar a remullo dos credores da massa
fallida de Irmeo Januario de Oliveira, afim de se
cumprir o disposto no arl. 842 do cod. com.;
advrtndo porm, que nenhum credor ser adrail-
tido por procurador se esle nao tiver poderes es-
peciaes para o auto, e que a procurago nao po-
dera' ser dada a pe>soa que seja devedora ao fal-
lido, nem um mesmo procurador representar por
dous diversos credores; outro sim'que sero uni-
dos aos votos da maioria dos credores presentes;
os dos credores que deixarem de comparecer.
E para que o presente chegue ao conhecimenlo
de todos, sera' publicado pela mprensa e afflxado.
na forma do estvlo.
Recife, 19 de setembro de 1865.
En, Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Trslo de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do com-
mereio, por S. M. Imperial e Constitucional o
Sr. D. Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem que por juizo pendem nns
autos de execugao de sentenga de Joaquim Fran-
cisco da Silva Jnior, contras viuva a herdeiros
de Joo Antonio Soares Viras, o Dr. carador ge-
ral, e o tutor dos menores.
E tendo-se feilo penhora em dinheiro perteneen-
te aos executados, fra pelo solicitador Antonio
Pinto de Barros procurador do exequente feito o
requerimeoto do seguinte termo :
Aos 18 de etembro de 1865, na cidado do Reci-
fe em publica audiencia qoe aos feitos e partes
dava o Dr. juiz de direito especial do commereio
Trisio de Alencar Araripe, nella pelo solicitar
Antonio Pinto de Barros procurador do exequente,
fra acensada a penhora feila em dinheiro perlen-
cente aos executados, existente no deposito publi-
co, e requereu que Ocassera assignados os seis
das, e dez aos credores incertos; o que ouvido
pelo juiz houve a penhora por feila, e acensada e
os seis dias por assignados a' penhora, e dez aos
credores incertos, depois de mandar apregoar do-
que flz o presente exirahido do proiocollo das au-
diencias a que juntei a carta preeatorla, qoe so-
guera; eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento
escrivo o escrevi.
Por forga do meu despacho o referido escrivlo,
fez passar o presente edital, pelo qual chamo cito
e hei por intimados os credores incertos dos ditos
executados, para que comparegam neste juito den-
tro do indicado prazo, munidos de seus documen-
tos, afim de allegarem o que f r de justiga.
E para que chegue ao connecimeoto de todos
mandei passar o presente, que ser publicado pela
Impreosa e afflxado nos lugares do cosame.
Recife, 20 de setembro de 1868.
En, Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Tristio de Alencar Araripe.
-




.
I

1
* *,



PHHPSQHBVi^BHMBIIVll
i^BBMMBPBBWl^BlBBMBIBBBBi^Pi
MBkMHM
Diario d p natnhtteo ninfa fer ti Je ecmbio de 1**4.
JfUlA{GES.
Convda-se as pessoas que esto as
axmdicoes do servico militar, a engajarem
no corpo de polica e gozarem das vanta-
gensdi lei provincial n. 611 de 2 de maio
prximo passado, que sao as seguidles :
40400 rs. diarios de sold, serem seus fi-
Ihos menores recolhidos aos estabelecimen-
tos provinciaes de educacao e o tempo que
estiverem na guerra ser contado pelo duplo I
para o caso de aposentadora, e alera destas
tem todas as mais vantagens que sao con-:
cedidas aos voluntarios da patt ia. O te-
nente-coronel commandante do corpo de;
polica, Alexandre de Barros e Albuquer-'
uqe.
Consulado provincial.
O administrador do cousulao provincial manda
publicar para cooheeimenlo dos devedores dos im-
P'istos cobrados por laiicamento pertencentes ao
exercicio lindo em iiquidaco de 1864 a 186o a '
porlaria do Sr. inspector da ihesouraria provincial
em que ordeua que o pagamento de seus dbitos
s podero ser effectuados al o dia 30 do corrente i
ao meio dia.
Lourenco Julio de Ale.
Lenidas Ferreira Barbosa.
Luiz Buessard.
Dr. M. de S* Barreto Saropeio.
Manuel Piuheiro de Miranda Ozorio.
Manoel dos Santos Villana.
Manoel Varella do Naseimenlo Jnior.
Thomaz Fernandes da Cunha.
pacial a MBBlMIl 4* I muy! 9 0 hMlH *
loja da ra do Crespo q. 10, pertencente a mesma
massa.
Segunda-reira 25 do eorren*e.
As 11 hora* do dia, o* pretndeme toiem ea-
minar o mandado em seu escriptorio ra da Ca-
deia do Recife n. 9.
s
thei rao
DE
4IS0S SITEHSOS.
MARTIMOS
EMPEEZA-OOIMBRA
6 recita da asignatura dos G espectculos do
actor Simcs.
Sabbado 23 de setembro
de 1865.
Representar-se-h pela ultima vez o drama em
2 actos e I prologo martimo, original portnguez
do Sr. Cesar de Lacerda
A IMMHIlfl IIIE.
CONTRA FOGO.
A Companhia Indemnisadora
establecida nesta praga, toma seguras martimos
sobre navios e sens campamentos e contra togo era
edificios, mercadorias e mobilias: no seo escripto-
jo, ruajlo Vigario n. 4, pavimento terreo.
"A ma de leite.
Quem precisar de urna ama de leite dirija e a
LOTERA
AOS 6:0000000.
Corre amanha.
Corre no dia 99.
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n. 15, os bilhetes, raa daSanli o<"n. 52.
meio-e quartos da 2* parte da Ia lotera
(32a) a beneflcio da matriz de Santo Amaro
de Jaboatao, cuja extracto ser no da
cima publicado e no lugar e hora do cos-
tume.
Os premios de 6:000000o at 10#000!
sero pagos unta hora depois da extracto
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
OSPABAGCAYOS
E' a ordent de-dia t Acabar com os Para-
guayos a bayoneta, a mini, a revolver;
fulmina-los com os encouracados rmados
de espores, armstrongs e raiadas de 80
120; extermina-los em summa a espada, a
la lo e a punhal de que se trata; mas
Dinguem se lembrou ainda de esmagar os
Paraguayos com as armas que Deus nos con-
cedeu; acabar com elles a taclo e a ponta
ps, para o que necessario encoura?ar esta
Precisa-se
de oro fetor qoe emenda de jardim e planlacSes :
a tratar no Mondego, casa da vluva do commenda-
dor L. G. Ferreira.
Ausentou se do engenho Frecheiras, fregu-
zia da Escada, no dia segunda-feira 11 do corre-
le, o escravo de nome Cosme, crioulo, idade de 20
e tantos annos, estatura haaxa, ebeio do corpo, es-
padoas largas, falla um pouco manso, e levou ca-
misa e ca i;a de alumino riscado, chapeo de palha ;
cujo escravo foi do Sr. Jos Ferreira de Souza, la-
vrador do engenho Raiulia do. hussoa da dita fre-
guezia. para cujo lugar provavcl que se teuha
Precisa-se alugar urna escrava que saiba fa
zero servico interno de urna casa de familia, ex-
celo cosinhar : na ra da Madre de Dos n. 36,
primeiro andar, ou.na ra da Cadea n. 52, ter-
ceiro andar.
CASADATORfli-
Aos 6:000$000.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 12 Em eonsequencia de se mutilisar a jangada da ,ja distrihuicodas listas SlilhetCft earantidtis
Setembr aSSo cameiro Machado ro, I 1$%S SS, %S>T-ZZ1 Z\n I As encommendas s rao guardadas so- A-ROA DO CREYN 11 CASAS DO costme
Portara. ca-que se acha fm ensaios, a empreza resoiveu mente ale a noite da vespera da extraeco ."hi.h g h ?,nos seus muitof,e1'-
O inspector da Ihesoorarla provincial recommen- dar anda pela ultima vez a Probidade, para sa- como de COStume. j fB extranir* *''
parte do noSSO corpo com OS formidaveis t)ir'R'd" por ler sido cria do dito senhor, e foi ven-
rompe-ferro, esmaga & bra, arranca U eos, tt Dt,8la l0aKde ao Sr- j' U00""?1"* deuT
.->.' ,,' n i i Santo?, em junho prximo passado pe os brs. Motta
quebra marmore e outros que se vendem & mbefro por auorisacio do d.io Sr. Jos Ferrei-
*ft RA DIREITA45 ra : roga-se as autoridades competentes e pessoas
tisfazer a muilos pedidos.
Dar lim o espectculo a opereta em 1 acto
0 to braz.
Comeeara' as 8 horas.
41IS0S U8RI1QS.
COMPANHIA
Navcgacao costeira
PERNAMBUC VNA
DE
vapor.
pop
Ilha de Fernando.
No dia 28 ao meio dia segu
ora /los vapores da companhia
para'o porto cima indicado. Re-
cebe carga at o dia 27. En-
da ao Sr. administrador do consulado provincial
que faca aumanciar urna e mais vezes, que o pa-
gamento dos imposto? do exercicio prximo Ando
em Iiquidaco, s ser admeltido at o meio dia do
dia 30 do carrete mei, para que as duas horas,
ao mais tardar, esteja recolhida a renda que se
houvar t-obrado atessa dia.
Tbesooraria Tovincial de Pernambuco 2 de se-
tembro de 1865.
__________________Jos Pedro da Silva.
De ordera do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de lateada desta proviucia se faz publico pa-
ra conhecinienio dos interessado-, que o tribuna'
do thesouro auiori.ou o pagamento de dividas de
eieroicios lindos, cujos credores sao os seguintes :
Antonio Carlos de Piuho Bordes.
Bacharel Pedro Afmso de Mello.
Manoel Pereira Camello Pe>soa.
Leonardo Antonio Alves da Silva.
Camilio Ji>s ita Silva.
Jannario Francisco Xavier das Chagas.
Secretaria da thesouraria de faienda de Per-
nambuco l8de setembro de 1865.
Servindo de offlcial-maior
______________ Manoel Jos Pinto
lospecro do arsenal de mantilla.
O arsenal de mannna engaja machinistas e fo-
guistas para o servico dos vapores da armada.
Inspeecao do arsenal de marrana de Pernambu-
co 18 de selembrj de I65.
O secretarie,
_____________Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Oiist'llio deconipios navaes
O conselho promove no dia "23 do corrente roez
sol as condieco.i.s do estylo e a vista de propostas
em cartas fechada? recebidas at as 11 horas da
manha a compra dos seguintes objectos: 20 ar- Joao do Rl'8 L"i>a, ra de Apollo n 4.
robas de ac, 26,000 azulejos, 172 barrrahas del Vende-se o brigue escuna austraco Grati-
ferro de 8|8 de largo e -2|8 de grossura, 600 folhas | Indine, construido ha tres m^zes em Tne de cubre de 28|, 10 arrobas de estanho em verga,; sifleado 3|3 I. 1. A 14 asaos, de lote 280 tone la::
8 lencoes de ferro de l|4 de grossura, 420 tonela-; das austracas acerca de 240 tonelladas inglezas -
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Jos dos Santos Simoes sua mulher e dous
filhos menores retiram se para o Rio de Janeiro.
Bazar vola ule.
Pede-se aos senhores assignanles que
esta folha directamente do Rio de Janeiro, .
de mandarem sati>fa7er a importancia de suas as
' signaturas do Io e 2o anno, em casa de J. Falque,
ra do Crspo o. 4 nmeo encarregado em IVrnam-
buco, onde se entregara os recibos e onde se as-
| signa.____________________________
M. A. de najo, Portuguez, reiifa-se para
o Rio.
BorseguinsjBordeaux......
> patricios.........
> para senhoras, en-
feitados.......
com laco e fivella ..
Sapates encoura^ados.......
Borseguins para meninas bom
elast co.................
Sapatos delona, sola elstica.
avelludados.........
de tranca...........
econmicos
nhoras...........
com salto de lustre..
ra
85000 particulares de o appn-hendereiii e dirigirem-se ao
OOO refer,lio pngenho, ou a ra do Imperador n. 42,
9 terceiro andar, que se recompensar.
5^500
ysuo
5O0O
Alui';i-se
3;50OO
24000
l-iUli-.
1G00
o sobrado n. 71 do raes de Apollo : a tratar no
segundo andar do sobrado n. 62 da ra da Cadea.
O Sr. Joo Miguel de Oliveira Beraido queira
dirigir-se a ra Nova o. 60, a tratar de negocies
que Ihe dizem respeilo.
para se-
0500
. a beneficio da Santa Casa de Mise- Com salto de lustre.. Vyl\
ncordia, os seguintes premios : Chineles do Poro.. 1^600
%tm^t^^'i^\tow&to sormento-de calcado da.j
Ura meio n. 1760coma sorte de 4005. i ierra para nomens. senhoras e meninas; $3
E outrasmuitas sortes de 100$, 405, 20$ e assim como bezerro francez, couro de lus-1**
'tre, marroquins, taixas de todas as quali- M
i
10JJ000.
^^Z'SS^^^X^^^^ vm W** muit SOrlidas'
' ,/a?/ da Fortuna ra do Crespo n. 23. sola e couros que tudo visto necessanamen-
Crespo
Acham-se a venda os da 2
Penltimo recurso
Roga-se ao Sr. Joao Bapiista Pinheiro
rammendas, passageiros, drahei- rorip.nPai p|ndaniP rln "o nnnn da Facnl.
roa frete at as 10 hora< da manha do dia da ^Ul tea1' e
sahida : escriptorio no Forte do Mallos n. 1.
Linha do Havre Per-
nambuco.
Esperase a barca Sphere que
saino oo dia 10 de agosto ao frete
de 25 frs. 10 v Recebe carga pa-
ra o Havre a fretes baratos : a
tratar cora os consignatarios Tis-
set freres.
' Ilha de S. Miguel
A e=cnna portugueza Erna preleude sahir impre-
terivelmente at o dia 30 do corrente mez, e para
passageiros e carga trata-se com o consignatario
dade de Direito, o obsequio de dirigir-se
aocollegio do Bom Conselho, a negocio que
nao ignora.
Claudino da Silva Ferreira, seus irmos,
cunhados e sobrinho-, sumraameute penlio-
rados pela espontaneidade com que se di-
naram seus amigos e parentes assistir ao
sahimento do sua sempre chorada mi, so-
Rraeav D Seralina da Costi Reg e Sil-
va, vern Ihes respetosamente agradecer e
rogar Ihes da mesma son seu comparec-
ment as missas que por sua alma se ce
lebrarao na matriz de Sanio Antonio a 22
duc-.rrenie as 5 horas da manhaa.
(32'j beneficio da matriz de Santo Amaro de
Jaboatao, que se exlrabir sextafeira 22 do cor-
rente.
PRECO.
Bilhetes .... 75000
Meios......35500
Quartos.....15900
Para as pessoas que comprarem de 1005000
para cima.
Bilhetes.....65o00
Meios......35750
Quarlos.....15700
M&noel Martins Fiza.
parte da lotera te faz cobija ao comp ador pela barateza.
faw waniai
O Dr. Carolloo Francisco de Lima San- Bt
tos contina a morar na ra do Impera- s
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu H
gabinete de consullas med'cas, logo ao -W
entrar, no primero. 5?S
O mesmo doutor, que se tem dado ao ^
estudo lanto das operacoes como das mo- ^
leslias internas, presta se a qnalquer cha- v^
mado, quer para dentro quer para fra SR
da cidade. %
jmmm mmmmmm mmm
OreiTie ~" Uma pessoa nastanIe habilitada se (.ITerece
onrSflto ,. npam .. Pra cobrancas nesta praca : quem precisar A\-
TranJhP n iT ^ 3 me' d'a ^ Tai Ja"se a rua do Q'ieimado n. l, loja A habilita-
v o. io. cao e actividado de que dispoe hd de agradar a
Precisa-se do uma preta que saiba cozinhar, qoalguer pessoa que aproveitar seu offerecimento.
!ETR\TSSTAS
Firmino&Lins
Novo eslabelccimciitu de relra-
ls iii Vova n. 15, Ioan-
dar, junio ao Sr. (aulier,
doiilista
Tiram retratos todos os das, das 7 horas
JJK da manhaa as 5 oa tarde, quer chova oo
m
m
m

m
Ao publico.
O padre F. AdelinodeBrito Dant*s.resdente em
lavar e engommar: a tratar na rua do Livramento
n. 2, loja.
Aluga se um miieque de li annos com prin-
cipio de cozinha muito del e sadio, proprio para
qualquer casa de familia pela conducta e educa-
go a tratar na carabja do Carmo n. 16.
No Hospital Portngiie/. precisa-se de serven-
tes, quer sejam livres qor snjeilos : os que qi-
zcrem dirijara- Empresta so por tempo do um anno e com
hypolheca em casa ne 3:0005 ao jure de I 0|0, pago mensalmente : na
das inglezas de ferro bruto, 100 forquetas de ferro, a tratar oa rua da Cruz n. 4, em casa de N. O. Bie-' Olinda, no Most.iro de S. Bento, uflerece se para loja da rua larga do Rosario n. 20 se indicar a
.Vil "'ii'..- Ha li\n Ln III n m m v 1^ a L^ .-i -. a, i^IUj. a Uma^^a I l____C f^ ________. t .-. *% ^__ *_ 1!_ m_____ 1 _&_ __ *- ^
10 dnzias de lapes, 10 arrobas de mealhar branco,
600 libras de pregadura de cobre, 3 arrobas de
pregos ripaes de cobre, 2 grozas de parafusos de
metal, 4 arrobas de pregos ripares de ferro, 2 pe-
cas de tapete, 6 duzas de taboas de costadinho de
amarello, 16 dnzias de taboas de assoalho de louro,
3 ilozias de taboas de assoalho de amarello de 3
palmos de largura, 20 duzias de taboas de assoa-1
Ibo de amarello, e 40 duzias de taboas de louro
para forro.
Tambem o conselho continua a promover em to-
das suas sessSes viia igualmente de propostas i
em cartas lechadas a compra de raadeirat decons-'
Irocco para um transporte de guerra.
ber & C. successores.
LEUDES.
LEILAO
Da taberna s ti na rua do Fogo n. 32.
HO*E.
O agente Pestaa fara' leilo por conta e risco
de quem perlencer e cora a competente aulorisa-
cao da armago, gneros e mais utencilios exis-
ensinar a lingua latina no me-mo mosteiro, onde pessoa que faz este negocio.
tem uma aula frecuentada or alsuns alumno*:. w___. a -, ...
; me Sebastiao, de idade de 30 annos, pouca barba,
altura regular, cheio do corpo, cor alguma cousa
vermelha ; o qual pertencia a Luiz Augusto No-
Aluga-se um escravo moco, sadio e sera vi-
cio algum, para todo servico de una casa, para
criado e entende aleuma cousa de cosinha : a
tratar na rua do Hospicio n, 22.
fundos e achar-se bem afreguezada : quinta feira
21 do corrente pelas 10 horas era ponto na mesma
taberna.
Contiuuacao do leiao
HOJE
Linden Wild & C. coniiuunrao hoje o sou lei-
lo de fzendas, comecado hontem em seu arma-
zem praca do Corpo Santo n. 13.
u;iUo
Sala do conselho de compras navaes 19 de se- lentes na taberna sita na rua do Fogo o. 32, muito
tembr-o de 1865. I propria para qualquer principiante, por ter poucos
O secretario,
____________Alexandre Rodrigues dos Aojo=.
Pela administrado do correio desta cidade,
se faz publico que as cartas abaixo mencionadas
deisaram de seguir seus deslinos, por se acharem
coto sellos ja servidos :
A. (',. Vasconcellos.
Dr. It'inardo Souza Franco.
Franeelioo Tnlerao Dir Lahoria.
Dr Joaquina Barbosa Lima.
Joaijunn Fraociseo Castro Delgado,
J Saldaooa Harioho.
Dr. J iio Itaymanilo Pereira Silva.
Dr. Jos Antonio Magalhes Bastos.
Jo- Cupestino Coelho Ciotra.
Dr Jos Cardinho Queiroz Fonseca.
Maooel Evaristo Souza Cutrim.
Man i-I Kelix Barros Cavalcante.
Marcelino Jos Brilo.
Pedro Meliano Silveira Lessa.
Silvioo S. Cordeiro de Albnqaerque.
Arsenal de guerra.
O conselho de compras do arsenal da guerra
precisa comprar o seguinie : -------------------
Para o Presidio de Fernando. i aEI LAO
Correles de ferro proprias para calcetas, bra- a_______" uujiv
cas so. e ama escrava cun ama cria
Brim i.ranco, metros 632,50. Sexta-feira 22 d corrente as i I horas.
AlgoJao zinho, ditos 632,50. Am -_r mmm-^
-iras de palha de carnauba, 230. flB^l !| 9lO
As pessoas que quizerem vender ditos artigos requerimento de Augusto Xavier de Sou/a Fon-
apresentera suas propostas e as respectivas amos- seca e mandado do Illm. Sr. Dr juiz municipal
iras na sala do conselho as 10 horas do da 23 do da primeira vara, vender em leilo publico a es-
cor-'7ll, ^ ,, crava Rufina c.m uma cria avaliada era SOi. Se-
Sala do conselho de compras do arsenal de guer- r effectuado o leilo no dia e hora cima no gran-
de armazem do referido agente oa rua da Cadeia
De mobilias, objectos de ouro e prata, sendo
correles para relogios, adereces, meios aderecos,
relogios de ouro e prata, trastes avulsos, cryslaes,
piaoos e outros ramios artigos.
Sexta-feira a lo corrente as 4 i horas.
No grande armazera de agente
OLY.UPIII
Rua da Cadeia do Reelfe 36
36
Jos Candido de Moraes, Thomaz Fer-
nandes da Cunha Jnior, Jjo Francisco
de Carvalho Juoior, Ilisbello Barbosa da
Silva, Luiz Alfredo de Moraes e Ernesto
Adolpho Valiuccy RjIo, eollegaa e amigos
do bravo guarda marinln Joaquina Candto
do Nascimento, que lio glories mente suc-
cumbio a birdo da canhoneira Ypiranja na
passagem de Cuevas, sentaos da mais pro-
funda dr convidam a sua familia, collegas
e amigos para assistirem a umi mlssa e
memento que teem de mandar clebrar na
igreja do Esoirito Santo, sabbado 23 do cr-
reme pelas 7 1|2 horas da m;.nha pelo
eterno reponso de tao caro amigo que he-
roica e generosameote soube ceder a vida
a sua patria. E desde j agradecem cor-
dialmente a todas as pessoas que compare-
cerem a este acto de religio e aml*ade.
Do en^euho Penderaca da freguezia do Bo-
nito ausentou-se um escravo mulato de oome Mar-
tinlano, de idade de 22 annos, com os sigoaes se-
guintes : tem altura regular, secco do corpo, ca-
bellos sollos, porm russos, te>ta pequea, nariz
gueira, e hoje me pertence por compra que i ao
: mesmo : quem o apnr-bender leve-o a rua da Ma-
triz da Boa-Vista n. 13, que sdr bem recompeo-
sado.Jos Joaquina de Aguiar.
Gozinli' iro.
O Hospital Portuguez precisa de um cozinheiro :
quem se julgar habilitado e quizer conlratar-se,
enienda-se com o regente no mesmo estabelecimen-
lo, ou com o Sr. pruvedor na rua da Cruz, arma-
zem n.....
i\a rua do Imperador o. 83, segundo andar,
precisa-so de um cozinheiro ou cozlnheira, para
casa de hornera solleiro, prefere-se quem saiba
comprar.
- Precisa-se saber se viva, mora, ou qual o
fifii que ha levado uma senhora por nome Eliza
Caro'ina de Albuquerrpie Maranhao, filha legitima
d i finado major Lopo Jos de Albuquerque Mara-
nhao, do Rio de Janeiro, tena nma irmaa casada
com o rpita i Francisco Henriques de Noronha, e
oulra com um Dr. morador la para a Parahyba do
Sul, para onde consta ter seguido essa senhora.
Ella foi criada na Bahia, sonde casou-se com Joa-
quina Antonio Carreia Negio: quem souber, se
digne responder pelo mesmo jornal, pois a bem
da referida senhora.
Lava-se e eogomma-se com perfeicao e por
Na rua das Cruzes n. 12 fornuce-se comida
por commado preco, garantiodo-se ao mesmo lem-
po todo o aceme prompiHo.
Precisa-se de uma ama para todo o servico
interno de uma casa de tres pessoas : na rua do
Hospicio n. 62.
Na rua do Queiniado n. 27 deseja-se fallar
com o reverendo Jos Esteras Via ana.
Affoiiso Jos de Oiiveira avisa aos pas de
seus alumnos que se acha morando na rua estrella
do Rosario n. 31, 3 andar.
m
enlista de Pernambuco.g
Hua estreila do Rosario n. 3, mb.
ao p da igreja
FRANCISCO PINTO 0Z0BI0|
Colloca deutes artificiaos ]
pelos ystemas unis mu- 1
demos SE
Emprega todos os meios scienlificos para 38
conservar os naturaes. Pite ser procura- ^
do em feu gabiuete das 9 horas da ma- 2Sa
nhaa as b da tarde.
* n.io.
Tambem se offerecem para tirai reir* |
Wt tos de pessoas fallecidas, dentro ou fra Hg
Jg da cidade. >?
B Os annunciantes desejando acreditar o ^
fffc seu estabelecinienlo, garantem ao puhliro %
n que nenhum Irabalho sabir de sua officj- xg*
S na.sem que nao seja perfeitameote acaba ^
j^ do, e a vontade do freguez. ^g
mmmm wmm memmm
Ama
Piecisa-se de uma ama que cozinhe para uma
pequea familia : na rua da Sa&ta Cruz n. 52.
i'recisa-se de uma ama forra para casa de
pouca familia : a tratar na rua do Rangel n. 10.
Precisa-se de uma ama de idade para casa
de pouca familia : na rua da Cruzo n. 37.
Pieeisa-sc de uma ama para casa de pouca
familia na rua de Hurlas n. 'il.
Precisa-se de uma ama, ou mesmo uma ne-
grinha, para tratar e anJar com meninos : na rua
da Uroze n. 29.
*
m
mm mm-mmix: mm
O bacharel
Francisco Augusto da Costa
AOVoOADO
Rua do Imperador numero 69.
W
,-v
mmmm mrnm mu,
Conlrala-sa a venda de 50 a 60 pipas com
excellenie mel de furo : a tratar nn escriptorio de
Jos Pereira V'ianna, na praga do Corpo Santo nu-
mero 6.
ra 20 de setembro de 1865.
O encardado da escripturaejio do Recife n. 36.
Manoel Jo.- de Azvedo Santos.--------------------
Sabbado, na audiencia do llun. Sr. Dr. uu
LEILO
provedur de capellas e residuos, vo a'praca os n mnvpic ahi-a* do nan-A paIaita
prclos Joao, da 18 anoos de idade, e Francisco de UC ra*i on,d ue OUIO, relOglO
apparellio de louca
Cordeiro Mimes
40 annos, bom traballaador de euxada e trepador
de co metro : quem nos msenos quizer laucar,
compareca no lugar do cosame, a 1 hora da larde. .
podendo-veroeiriptoedilalera rao do porteiro' Z^ZgSSJST' ** 'e,la
" lt a .. Sexta-fe ra 2 do corrente
Pela subdelegada do 2o distncto do curato
da cidade de Olinda se faz publico que no dia 16
do corrente foram apprehemiidos em poder de Ma-
norl Francisco Xavier, e francisco Honorio da Sil-
va, cinco canutos fui lados, os quaes se achara em
deposito : quera for seu dono, jusQcando, Ihe ser
entregue.O subdelegado,
Manoel Dionizio Gomes do Reg.
afilado, >em barba, rosto comprido raaos grossas COmnaodo preco : na rua da Santa' Cruz'(Boa-Vis-
e tem uma das pernas loria para dentro. I tal n 38.
Descontia se que esse escravo tomasse caminho I ^.,-;----------------------------------------------------
desta cidade a' vir talvez alisiar-se voluntario,' Na rua do Cw*! n- >. primeiro andar,
pois ladino e pode se intitular forro : portanto cn>Pramse libras sterlinase raoedas de ouro bra-
roga-se aos senhores pollciaes e capiles de campo s e'raS-
a captura do mesmo, podendo quem o capturar
leva-lo ao largo d) Carmo n. 1, ou naquelle enge-
nho a entregar a Sebastiao Flix Pereira Caldas,
que em qualquer das parles sera com generosida-
de recompensado.
Pre asase de uma ama que tenlm bo.n leite,
paga-se bem : na rua da Praia n. 53, tereeiro
andar.
Precisase de uma ama para casa de pouca
familia: na rua de S. Bom Jess das Crioulas n.
41, primeiro andar.
i ma
Quem precisar de urna ama para todo o servico' ~* fn*t de um menino para caixeiro de
de uma casa, a qual engomma bem, e muito fiel, lal)erQa : a trati,r ns, Coelhos defroote do Hospi-
dirija-se a rua Imperial n. 84.________________, Pedro II, taberna n. 17.
A pessoa que perdeu na noite de 17 do cor-' ~ ^fneba^e de don ou tres offlefaes de cigar-
rente uma pulseira pequea de ouro, no claustro! reiro Para 'rabalhareffectivo e que sejam peritos
da ordem terceira de S. Fraocisco, procure no se- em ?eu olBcio : a tralar na rua do Campello n. 2,
gundo andar do sobrado n. 7 da ruado C3bu0, I Rej/e-____________________;________________
que dando os signaes Ihe sera entregue.________ i Pede-se ao Sr. Jos Feliciano Naiareth o fa-
Aluga-se a casa da rua Augusta n. 92 com 6*. vor de vir rereber uma caita a travessa da Madre
quartos, 2 salas, quintal e porto para a rua do | de "eos n;Jf _
lecrim : a tratar na rua do Vigario n. 20.
Hospital Portuguez de Bcnl-
Qcencia.
A junta administrativa, ten lo em conside-
raco os beneficios prestados a favor dos po-
bres desle hospital por seu bemfeitor o Sr.
Augu.-to Ferreira Pinloe sua familia, ainda
na sua recente passagem por esta cidade
quando regressou a Pars, onde falleceu no
dia 21 de agosto prximo passado, e queren-
do a junta administrativa de alguma sorte
satisfazer em nome dos pobres a divida de
gratido por elles contrahida a sua memoria
manda celebrar na capella do mesmo hospi-
tal no dia 21 do corrente pelas 7 horas da
manlia uma missa de Rquiem por alma
d'aquelle bemfeitor, para cnio acto religioso
espera-se a assistencia dos Srs. socios, bera
como dos amigos do fallecido.
O secretario,
___________Joo Pereira Rebollo Braga.____
O abaixo assiguado faz sciente ao publico,
respeitavel corpo do c mmercio, e a seus amigos
amigse freguezes, que tem aberlo um escriptorio
de commissoes na rua da Cruz n. 41, ofTerecendo
seu preiuno e bons desejos no desempenlao de
tudo quanlo se dignaren! encarrega-lo tendente
aqueile genero da estabelecimento, promettendu-
Ihes o naalor zelo e sinceridade era todos os seus
encargos.
Antraio Bezerra Cavalcan de Albuquerque.
Iltl
ea as 11 horas em seu armazem rua da Cruz nu
mero 57.
Tribuual do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesla data foi
inscripto no livro da matricula dos coramercianles
o Sr. Jo? Joaquim de Oliveira, cidado brasileiro,
de i annos de idade, estabelecido cora casa de
co-Timisses e conta propria, em grosso, na cidade
de M leel, capital das Alagoas.
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam-
buco 18 de setembro de 1863
O ofllcial-maior,
______________________Julio Guimaraes.
Ctrreio jseral
ICIMO
De 1 escravo e 2 escravas.
Sabbado 23 de setembro.
O agente Pinto fara'leilo a requerimento da
inven'ananle e herdeiros de D. Lourenca Maria
da Conceico e por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz
municipal da primeira vara, do escravo Eleuterio,
crioulo, Gertrudes, mulata, e Rufina parda, per-
teocentesaos.bens dalioada D. Loureuga Maria
da Conceigo.as 10 horas dj dia cima dito em
seu escriptorio ruada Cruz n. 38.
Oe um bol e carroca.
Sabbado 23 de setembro.
O agente Pinto far leilo a requerimento de
Antoni a Constantino Monteiro e por despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara, de
nma carrocaeom boi, as 10 t|2 horas do dia ci-
ma ditoem seu escriptorio rua da Cruz n. 38, po-
Pela administrado do correio desta cidade se denao os pretendemos examinaren! ditos objectos
faz publico que hoje (21; as 9 horas da manha fe- na rua da Cruz em frente ao mesme escriptorio.
char-se-bo as malas que o vapor americano Por- ----------------^------------------
Unlio tem de conduzn- para o Rio de Janeiro.
Rebela das cartas segaras vindas do norte pole
tapar Galgo para os senhores abati dec
clarados :
Alfredo llennque Garca.
Dr. Antonio Jansen de Mallos Pereira.
Alfr-iio Ntrao de Castro Lavor.
Dr. Antonio Borges Leal Castalio Branco.
Antonio de Moura Rolim.
David Ferretea Bailar.
Dr. nmosthenesda Silveira Lobo.
Emilia Marques da Silva.
Elias Francisco Hindello.
Dr. Bzeqniel Franco de S.
Francisco Ignacio Pinto.
Francisco Je Panla de Albuquerque Maranhao.
D. Hanriqaeta Julia Ramos Brando.
Henrique Ferreira Rabello.
Ignacio JTery da Faoseca.
Irioeu Ceciliano Pereira J.
Jos Ocilio Carneiro Monteiro.
Jos Rodrigues de Souza.
Jos Roberto Vianoa Gillon.
LEIIjAO
De una taberna sita ua ma larga do
ritisarit n 18
Segunda-fein 25 do corrente.
O agente Pestaa le^almente autorisado far
leilo por conta e risco de quem pertencer d
todos os gneros, armagao e mais utencilios exis-
tentes na taberna iu na rua larga do Rosario n
18, a qual ser vendida em una ou mais lotes,
propria para principiante por ter poucos fundos
e achar se bem afregne/.ada, o balango acha-se em
mao do agente onde pode ser examinado com an-
tecedencia, tendo lugar o leilo segunda-feira 2-''
do corrento pelas 10 horas da manha na raesm^
taberna.
Leilo
Da loja de fazemlas da rua do Crespo
numero 10
Massa fallida de Joaquim da Silva Boa-vista.
Precisa-se fielar um navio para o Acarac, da
cotaco de seis a oito rail arrobas, calando oito a
dez palmos d'asrua : quem tiver algum nestas con-
digoes, queira dirisir-se a rua da Cadeia do Recife
la 39, onde achara com quem tralar.
Precisa se de uma ama qiie saiba cozinhar e
comprar bem : na rua da Cadeia do Recife n. 27,
primeiro andar.
i o publico.
Acaba de sahir do prelo nocoes do sysiema m-
trico decimal por Jos Antonio Gomes Jnior ; esta
obra cootm as precisas taboas era que as actuaos
medidas de peso, capacidad^, exteusao se achara
convertidas ao systema mtrico, comparado a nni
dade nova a antiga, afim de que os clculos no
commercio se executem de um molo facilimo, pre-
cedido este trabalbo de claros exemplos de con-
verso, para que possam ser comprehendidos por
todas as inteligencias : vende-se a L3 as livra-
ras acadmica e universal, ma do Imperador ;
econmica, arco de Santo Antonio; e era casa do
autor, rua do Destino n. 3, onde s compradores
de dez exemplares para cuna tero una beneficio
na razo de dez exemplares por cento.
Quero precisar de nma ama para dar de ma-
mar a algum menino dirija- e a rua de Santa Rila
n. 91.
Precisase de utbama para casa de uma s
pessoa : no becco das Barreiras n. 3.
M Vendem-se 5 escravos sendo 2
m mulatas e um mulato, de boas figu-
2 ras e sadios, idade de 24 annos, e 2
g prelos moleques sendo de i2 annos
Reo outro de 8, todos sadios e de
| bons co-tumes : na rua da Cadeia
do Recife n. 38, primeiro audar.
Aluga-se uma casa terrea cora 2 salas, 2
quarlos, cozinha fra, na rua do Socego n. 47,
Campo-Verde, e oulra dita cora os mesmos com
modos, na rua da Amizade, na Capnnga : a tratar
na rua do Rosario n. 56 em frente a rua do Arago-
Manoel da Silva Ferreira agradece cordial-
mente aos seus prenles e amigos que ex-
pontaneamente assistiram ao funeral de sua
prezada rai D. Serafina da Costa Reg e
Silva, na matriz de Sanio Antonio e roga aos
mesmos o obsequio de assistirem pelas 7
horas da manha do da 22 do co-rente as
mi-sas do stimo da na ordem terceira do
Carino.
Francisco Garrido, amigo proprietano do hoto
Trovador, silo na rua do Rosario, de volla de sua
viagem a' Europa, avisa a seus numerosos fregu-
es, tanto desta capital como do centro da provin-
cia, que se acha novamente esiabelecio na mesma
rua larga do Rosario n. 37 com um hotel den mi-
nado Traviata, onde acharo os seus freguezes
sempre a melbor vontade para bem os servir, a
par de exceilenles vinhos capils e boa comida,
qur no mesmo estahelenmento, qur para fra, e
dentro da cidade aos que uo qiii/erem ou nao po-
derem vir a seu eslabeletjimeuto, sendo pelo prpeo
mais mdico que .m oulra qualquer parte. No
mesmo eslabelecimenio acuario os sens freguezes
bilhares para recre.'rem-se, bem como sorvele to-
das as noi:es para refrescarem-se.
Aluga-se a padaria com seus periences na
rua Imper al n. 199 : a tratar na rua de Hurlas,
aberna n. f.
Precisase alngar nma casa terrea no bairro
de Saolo Antonio, que techa quintal qoe pos a se
fazer uma estribara para dous cavados : a tratar
nesta typographla.
Um menino bem educado, de 14 arnos, se
offerece para caixeiro de alguma loja de fazenda :
a pessoa que pretender dirija se a rua do lropera-
dor n. 38._______________________________
Precisa-se alagar uma escrava preta,
de meia idade, para o sarvi$o de uma pe-
quena familia ; rua Direita n. 4o, loja.
Sitio.
Cosinhelro.
Precisa-se de um bom conMnheiro, para casa
Samuel Power Johnston & Companhia
Rua da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundicao de Lov Moor.
II
liigu
Tendo os Srs. Block & Irmo apparecido em
.iieu enhenho Pirauhira, com recommendaces, e
do modo por que sabido por quantos teem sido
victimas das suas impertinentes instancias, haven-
do conseguido que eu Ibes comprase algunas
j-as no valor de l:920j, para cujo pagamento pas-
sei-lhes uma letra desta quantia, a vencer-se em
Janeiro vindouro, acontece ter-se reconlaecido que
o valor das ditas joias muitissimo inferior ao
que elles eslipuiaram; sendo por consegrante sum-
namente lesiva semelhante venda. E porianto
-endo requerido deposito judicial das mesmas joias
lim de intentar aeco de rescisao de tal negocio,
venho pelo presente declarar que ninguem faca
transaccao com a mencionada letra, contra cujo
pagamento desde j protesto.
Roque Ferreira d Costa.
de pouca familia e estrangeira; a tratar na rua Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
do Trapiche n. 38._________________________ I Moendas e meias moendas para engenho.
Rs. &0OOO. "Taixas de ferro coado e balido para enge-
Gratifica-se com a quantia cima a quem vier nho,
adiado uma cochorriuha branca e felpuda, a qual i _____
desencaminhou-se do banco da Boa-Vista ao de Arreins d carro raara nm p rlmn cavallns
Santo Antonio, e quizer entregar a rua do Trapi- ArJel?s a^ carro Pd" pm e UOUS cavallOS.
che n. 38. i Relogios de Ciro patente mglez.
'_________________________| Arados americanos.
D'asso e chrlstal, elogauates en- Machinas para descansar algodo.
feitos para senhoras. Motores para ditos.
Pelo ultimo vapor da Europa ndame R. Adour Machinas de costura,
recebeu um completo soriimento de enfeiles de ^^pjw^^^ ^/i -^r..v^>
aro e christal para senhoras consistmdo em ricos. SVflnSff 'Sl'&M.M W^
diaiemas, denles, brincos, broche pulseiras, bo- fe TtTVnCTTA T\V PATPATin M
loes e uma infinidade de enfeites de apurado gos- UJirUOl 1 U JJJj bJUjJilJU
lo, ainda nao visto n'esta cidade: as pessoas que I
pretenderem comprar, dirijan) se ao sobrado de 2
Precisase alugar um sitio para pequea familia,
al ao Manguioho, Soledade, estrada de J.\ de
narros, e suas proximidades : a tratar na rua da
Cruz n. 33, Recife.
De: mil solipas
Contrata-se para o caminho de ferro de
Apipncos, 40,000 solipas de. madeiras de
qualidade quem pretender forne e-las diri-
ja-se at o dia 30 oo corrente mez, rua
do Imperador n. 55, segundo andar, para
tratar do ajuste.
- Na praca da Independencia n. 33, loja de onrj
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tambem se faz qnalquer obras de er.commenda e
odo e qualquer concert.
Aluga-se a casa confronte a S Jos do Man-
euinho : a tratar na rua Augusta n. 26.
Na rua larga do Rosario n. 3o sobrado, da se
.los de vendagem a 80 rs. a pataca.
Bibliotheca Litteraria.
Para esta pubiieacao semanal assigna se na rua
do Cabuga n. 2 e na rua das Cruzes n. 33, I.
andar.
(MURO
andares, rua Imperial n. I, peno da matriz nova
de S. Jos, para escolherem a seu gosto, visto nao
se poder dar amostras; das 10 horas da manha,
al ida tarde.
Ao Sr. Block.
Na raa do Livramento n. 19. precisase fallar
ao Sr. Block, negociante de joias, que andou a
m
FABRICADO NA CASI DE DETEXClO
Rua Xova d. 61.
Ah se encontrarao obras de di-
versas quahdades, e por preco mui
diminutos, a retalho e em porcoes.
S se vende a dinheiro.
Precisase de um caixeiro de id.de de 14 a 16
annos, com pralica de taberna, e qoe < fiador a
sua conduela : na rua da Madre de Dos n. 9 se
dir quem pretende.
Em resposta a perfuma o,ue me faz o iuimi-
! go dos abusos no Diario u. 208 de 12 do corrente,
tenho a responder, que se nao passei a subdeleg-
is cia a 2 supplenle foi por nao e-tar elle ,uramen-
Jjt lado, e nao por ler interese algum em qne a sub-
*g delegara fosse exercida antes pelo 3o supplento
jfs do que pelo 2. A'vi-ta disso v6 o inimigo dos
.wj abusos que a subdelegada nao foi exercida por
j~* pessoa incompetente. Ipojuca 15 de setembro de
fK l8fio.Lourenco Bezerra Alves da Silva.
Precisa-se tomar a premio sobre hypntheca
Gasas para alugar-se
No primeiro becco da camboa do Carmo, vindo
Um moco brasileiro que deseja dedicarse ao pouco no termo de Sennhaem, bem como previ- em DeDS ae rannesia cwaoe a quantia de K:ouu, pela rua Nova existe uma casa terrea para alu-
coramercio, offerece-se para caixeiro de afgonaa ne-se que ninRuem faga negocio com uma letra de Puco m.ais ou menos. *00r praso e premio se ir.^ pe|a quaala de (o* naensaes: lambem e
loja de fazenda?, e d fiador a >na conducta : para 1:200*000. acceita por Ignacio de Barros Waudor- convencionara : na roa do Quemado n 23 se di- a|ufa a |0jaMd0 sobrado da rua dn r.aldeireiro (em
Martins fara1 leilo a requerimeuto dos curado-1 inforraacoes, era casa do padre Flix Barreto de ley, para Janeiro vindouro, ao dito Sr. Block,. por- rjjuem precisa. ______________________ arnazero) n. II, pela quantia de 12* mensaes : os
, res flseaes da massa fallida de Joaquina da SUva Vasconcellos, na rua do Imperador n. 55, segando que existem duvidas importantes, camo coasta d Alga se o sobrado de um andar sito roa pretndeme* podem entenderse na rua do Impe-
I Boa-vista ep>r mandado do Illm. Sr. Dr. juiz es- andar. documentos, aoerca dessa letra. Imperiai n. 162 : a tratar na rua Dueiia n 84. rador n. 75 loja.



_


mar lo de fc" Quinta feira 114c -*etcmbro de c*.

Confeitaria dos Aii; nazcs.
Rna da Cruz n. 16.
Continua haver diariamente pastis de diversas
qualldades, enpadas, bolo inglez e doces para cha',
fiambre, ha latas com caj em xaropa hermtica-
mente fechadas proprias para expottagao, caj'
seccocrystalisado, prepara-se bandejas cora doces
finos e de ovos (Rema) pao de-lot, bollo e diversas
qaalidades de gatheas simples e decorados, com
disticos a vontade do fregu*, caixinhas proprias
para presentes com enchimento de amendoas, con
feitos, e pastilhas e bombpm.
mmm mmmmm
Companhia fideltdade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEIINAMBUCO
Antonio Luii de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de,tomam seguros de navios, mercado-
das e predios no seu escriptorio ra da
Cru: n. 1.
m
S40UES
sobre Lisboa e Porto.
Jos da Silva Loyo & C. sacam sobre Lisboa e
Porto.
Ama.
a
Precisase de urna ama para coiinhar em casa
de pouca familia : no pateo da ribeira de S. Jos
numero 25.
Aluga-se urna grande casa terrea com soiao
na ponte de Uchoa, a beira do rio : a tratar no ar-
mazem de Guimares & Alcoforado, ra do Amo-
rim n. 54.
mmm mwmm
gg| Francisco Jos do Rosa rio
3$f Barroso,
gg anligo relujoeiro, tem a honra de
ra scientilicar ao respeitavel publico, e
33 principalmente aos seus |freguees.
2 e numerosas amigos, que tem mu-
H dado a sua residencia e estabeleci-
||k ment da ra I!, lia, para a da Roda
g d. 10. ODde como sempre est
g prompto para sviar todo e qualquer
*| servico pertenccnte ao seu officio, e
isso j se sabe por preces commo-
dissmos.

Aluga-se o solio do sobrado n. 62 da ra da:
Guia, com 2janeilas de frente e muitos comino-;
os: a tratar no primeiro andar.
DIODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A VEtfWA EM PERTfAMBIICO
Em casa dos Srs. Caors e Barboza, ra da Cruz n. 22.
Os elementos que compoem esta preparacSo, o
ferro, o iodo e a quina, a colloeao no primeiro
grao das preparacbes ferruginosas. Basta attestar
seas resallados obtidos pelos Mdicos dos hosp-
taes, e os relatnos dos prticos mais eminentes
que confirmr3o sua poderosa efficacia as se
guintes atecc oes:
Mingas utir,
FraqurM,
Anemia.
Chloronc ou Ictericia,
Menstrua,
AfTeccoea 4a ulero,
Supprrmot daa re-
r e desordena na
nienatruara,
Affeeeao pulmonar e
hlhlalea,
Molrtla d rnlniaKO,
Gaatralftlas,
Perda d'aapetlte.ete.,
Canvaleaeeneade lan-
gas malcallaa,
Maleadas cncrafulo-
aaa,
Papelra,
Obslrurrao daa Rlan-
dalaa,
Humores fros,
Tumorri braneaa,
Rachltlsmo,
Affrccr ranrerosa
e syphllltleaa,
Fferes typboldea,
Beilgaa, ele., ele.
Vejos.-! os bulletins de therapeutica medica
e cirurgica de 30 de novembre 1860; a Gazeta
dos hospitaes de 28 dejulhoi86Q, etc., etc.
Alfim das pilulas de todureto duplo de ferro e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconsclho
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do mesmo author para as
pessoas que nSo gosto de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope d'iodureto de ferro, o inconveniente
de alterar-sc e de se nao poder conservar.
Peca-se o folheto que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para se evitarem falsificacSes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito gcral em Pars, pharmacia Rebillon,
fli. ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes ostrangeiros, etc.
As pastilhas digestivas com a pepsina de
IPasman, emprcgSo se com snecesso h j
alguns annos pelas celebridades medicaes de
Pars, Londres. Vienna, etc., em todas as in-
commodidades em as quaesadigestao diffcil,
penosa, imperfeita ou mesmo impossivel: eis
o mclhor remedio para cural as.
Gastralgias,
Dispepsias,
Emuururos g trica
A gastrlte,
A afreedea orsftnl-
caa do estmago,
Sua aceo vivifica o sangue e os rgSos de
tal sorte que, athe as pessoas que sem soffrer
as affcccScs gstricas cima mencionadas sSo
nicamente fracas ou d'um temperamento um
pouco dbil, c necessilo substancial alimento
para forlificar-se, achao no emprgo das pastil-
has de pepsina de Wasman, um poderoso meio
para a isso chegar.
Dlarrhcaa e a rouail-
liaruo producidas
pela* c-laborares
di-rcHuosaadns ali-
mentos.
Aviso importante.Osucccssodas pastilhas
pepsina ae Wasmandeu causa a se fazercm
falsicae.6es e mitaces d'essc produelo que os
mulos se querem desfazer. Pois por" falla
(fuma boa preparacSo a pepsina que n'clla
entra, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'este
inconveniente, exigindo os compradores que as
pastilhas tenliao as iniciaos B. P. e saiao da
pharmacia Chevrier.
Depsito gcral em Pars, pharmacia Chevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e cm todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes c irangeiros.
DOENGAS
dos MENINOS
CURADAS PELOS
XAP.0PES DO D0UT0R DANET
1. Contra aa CLICAS DOS MENINOS antea
e durante a dcntleo
(Xarope de cynoglosse e de acido succinido)
N' 2. Contra a
TOSSE CONVULSA
NERVOSA
e a tosse
(Xarope de cynoglosse e de leo voltil de succino)
N 3. Contra
i CONVULCOES
A CHOREA
DOS MENINOS
(Xarope de cynoglosse e de acido voltil de succino)
Estes novos producios preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sao em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o tratamento das molestias dos
meninos cima indicadas, c viero cncher um
vacuo importante na therapeutica, no que toca as
aflcccocs da infancia, para as quaes, ath hoje,
ainda se nao pode indicar tratamento racionnal-
nem infallivcl.
(Peca-sc o prospecto em casa dos pharmaccu,
ticos depositarios.)
Prcco do frasco em Paris, 3 fr.
Para se evitarem as falsificacSes, exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtulos a
assignalura Chanteaud.
Depsito gcral cm Paris, pharmacia Chan-
teaud, c cm todas as boas pharmacias de Franc*
e dos paizes cslrangeiros.
MASSA e XAROPE
DE CODENA
M
BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magendie, Barbier d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran, Viga,
C. Dumont, etc., membros do Instituto de
Franca, mdicos dos hospitaes de Paris, tem
provado que a Massa e Xarope de Berth i
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade de
calmar com admiravel rapidez as tosses rebel-
des e extremamente fatigantes da grppe (ca-
tarrho epidmico!, defluxo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchite e tsica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
acliao em todas as boticas.
Para evitar qualquer
falsificarn, exigir em
cada produto o nome
e a firma Ilertb.
Deposito gcral em Paris, em casa de MENIER,
Ra Ste-Croix-de-ta-Bretinnerit.
GRANULOS
[de BISMUTHJ
DE CHEVRIER
Os granulos de bismuth de Chevrier cm supe-
riores a todas as outras preparaedes de bismuth
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
Mas dlgestoes,
Gaatritea,
Gastralgias, etc.,
DIarrbca* rhronlca*,
DysscnterlnS,
mire* d'estoniugo,
Dispepsias,
Depsito gcral em Paris, pharmacia Chevrier,
irritaron, de beciga fCcm todas as pharmacias e Franca e dos paizes
da matriz, etc. estrangeiros.
Palas commiiiSes em grono, dirigira aoi S'" WILLAERT a BERGER, comisarios em drogara, 11, ra Saint-Lazare, Pars.
Molcallaa de ligada,
A Ictericia,
Palpitars da eorae&a
Ddrca no rln,
O|prewrora,
DArea de rabeca,
mms
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SufTocceo nervosa e Oppreno
nico remedio effcaz para combatter estas mo-
lestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta o Xarope aromtico de Succino (mbar
amarello) do Dr Danet. Descoberta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito gcral, na botica Chauveaud, oi,
ra do Commercio, Pars-Grenelle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
A NACIONAL
Coinpauliia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORIS.\DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma tianca ca dialieiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
ministra cao da compauhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA*
O Banco de Hespanha
Madrid
DIRECCAO GERAL
Ra do Prado n. 19
LIQUIDACAO GERAL
NO
GRANDE ARMAZEM DA EXP0SIQA0 DE LONDRES
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de superviencia dos mju-
sobre a vida.
Nellapdese tazer a subscripgo de maneira que em nennum caso mesno ri nciuocs
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao to suprehendenles os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que ainda msmo diminuindo urna terga parte do interesse produzido em recentes liquidai
c6es e cumbinanJo-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companh--
para seus clculos e liqudacoes, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna imporsic.o annua.
de 10 produz em effectivo"metlico:
No tim de o annos.......1:1195300
de 10 .......3:9425600
. de 15 .......11:2085*00
de 20 .......30:2o6000
de 2o .......0:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectis e mais informacoes serao prestadas pelo sub-direclor nesta provincia.
Joaquun Fiuza de Oliveira, ru daCadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.l2,estabel
ment dos Srs. Raymundo.Carlos.Leite & Irmao.
i
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre e seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos orgaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rlo examinados na ordem de suas
entradas comeando o trabalho pe- i
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das I
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
clo que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
i
1
B
RELOJOEIKO
201WA DO
Mj doentes.
*< mmm m m
Pharmacia especial homeopathica, do
Dr. Sabino Olegario L. Piulio.
RA AOVA \. 43.
"Vendem-se por presos commodos, os melhores
medicamentos bomeopathicos em glbulos e tintu-
ra ; vidros tubo?, glbulos inertes, chocolate bo-
meopathico, escovas elctricas, apparelbos para la-
var os olhos, etc., etc.
Vende-se o Tltesouro homeopalhko, a melhor
obra que existe para a patrica da homeopathia.
0 Dr. Sabino da' consultas todos os dias utes
desde 10 h. ras do da at duas horas da tarde.
Visitas aos domicilios sempre que as circums-
tancias as exiplrem.
Os pobres sao tratados gratuitamente.
mmmmmmm wmmmmmm
&t Casa de banhos
W Largo do Carino n. 26.
S Este esubelecimeoto to bem montado
w na sua origem achava-se de ha muito
W em quasi completo abandono pelo pouco
."Vjr interesse de sua administradlo.
Hoje que o novo proprietario empre-
* gon todos os meios para restabeler a
1 grande utilidade deste estabelecimento,
< pode assegurar ao publico que qnalquer
10R que seja o numero dos concorrentes
M acharao desde j promptido e aceio nos
banhos trios, momos ou medicinaes, a
j# casa dos banhos se achara aberta todos
dias das 6 horas da manliaa as 11 da
note.
a# Presos.
'r Banho de choque....... 500
ti Dito fro ou morno..... 500
A Dito defarello......... 15000
w Dito medicinal ser se-
fgundo sua qualidade.
Assignalura.
Por mez banho fri ou momo. 105
25 carloes ^ara banho fri, mor-
flj no ou de cbuvlsco..........105
i& 12 cariOes para os mesmos... 55
+''\ 12 ditos para banho defarello. 105
- t -
60 ~ Ra da Cadeia do Recife ~ 60.
Todos os artigos abaixo mencionados foram comprados recentemenie pelo dono do estabelecimento as principaes fabricas
| de Paris, Londres, Birmingham, Manchester e em diversas cidades da Allemanha, e tendo comprado ludo as melhores condices
por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inleira-
mente liquidar e ter de partir mui breve para a Europa.
Ha neste vasto armazem ricos objectos com brilhantes, como botoes, aDneis, rosetas etc., e bem assim diversas obras de
ouro, como trancellins, correntes, anneis e muitos otilros artigos, relogios deouro inglezes do afamado fabricante Bennetle; com-
! pleto sortimento de fazendas finas e modernas; miudezas, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e francezes, como L.
T. PIVER, Lubin, L. Legrand, Ed. Pinaud & Meyer, Deletlrez (Perfumerie du mond lgant), Violet, Societ Hygienique, Mompelas,
iMailly, Regenier, P. Gueland, e inglezas de Eug. Rimmel eoutros; ricas galanteras cm marfim, madreperola, etc., fabricadas na
I China e no Japo; ricas pecas de crystal fino como ainda nao appareceram nesta cidade, e bem assim modernos lustres para velas,
ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casticaes, enfeite-; e adornos para cima de consolos e para grande loillette, o que se tem
feito de mais elegante em Paris, Londres, Birmingham etc.; modernos apparelbos de metal fino inglez para cha ecaf, os quaes em
nada sao inferiores prala, e muitas outras pegas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de sentio-
ras, excellentes luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf, ditos para j nlar, e immensos arti-
gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras, etc; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de pan-
no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli C, para se tocar na
ra, ditos com figuras para sales e ditos com figuras em movimiento; modernos e bonitos instrumentos de pbysica (mgica) para
theatros ou sales, ditos de phantasmagoria; lanternas mgicas, cosmoramas com vistas novas, da e noite; stereocopios de nova in-
venco e com bello sortimento de vistas-das principaes cidades da Enropa ; grande sorlimenlo da brinquedos finos para i-riancas, e
bonecas fallando papae emame ; grande sortimento de candieiros a gaz, o que se tem feito de mais elegante e que tem
merecido toda a aceitaco na Europa, grande e magnifico sortinento de caixinhas, cestinhas e outras galanteras feitas du crina e seda,
Iproprios para presentes; grande sortimento de estampas fins coloridas com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com
! figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de crystal
cuezes'que a^aba^receber mag- proprio para meio de mesa de jantar ou para jardim; cutelaria fina, como talheres cem cabo de metal fino, colheres, thesouras finas,
Difieos relogios de ouro e prata e j ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, canivet s e outros artigos, diversos artigos feitos de rame ; completo sortimento de
crrenles de ouro para relogios, mascaras de veludo, setim, cera, papelo e rame ; doces confeitados e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de todos
do mais apurado gosto. (os tamanhos, lavatorios, etc.; ricos quadros para cartees de visita e ditos grandes epequeos para retratos; chapeos de sol, benga-
atureza ca'ixas8de mus edou- M*8' chicotes e ditos paracarros; machinas para fazer caf, ditas para baterovos, proprias para quem faz po-del, bolinhos, etc.;
pannos para cobrir mesas, bolsas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobert res, malas, etc.; sortimento de
violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galanlarias e outras ecas de charo para .toillelle; machinas para varrer o chao,
excellentes machinas para photographia para tirar retratos, grandes e pequeas; lindos baloes de papel fino transparente e lanternas
coloridas para illuminages moda de Paris; salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quem toma banhos em
lugares fundos; ameixas novas em caixinhas, biscou:os inglezes em latas, queijos, etc., e muitos outros artigos que para ennumera-
los seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e muito barato, no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Ca-
deia do Recife n. 60.
SOlZi PEIXE
!: DOIBADOR
HANGEL20
natureza
ra nao s relogios como qualquer objecto.
1 CASA DE BANHOS. *
Ra da Cruz a. 17.
5
Um homem casado, disposto e pratico em
todo e qualquer servico de agricultura, se offerece
para administrador de engenho : quem se quizer
ulilisar de seus servico?, pode dirigir-se ao sobra-
do n. 8!, pr ineiro andar da ra do Imperador.
scrTptomo.
Aluga-se para escriptorio o Io andar do sobrado
n. 62 da ra da Cadeia : a tratar no segundo an-
dar do mesmo.
"Z~Na ra da Florentina n. 36 prepara-se comi-
da com aceio e promptido e por prejo razoavel.
A abaixo assignada, tem a honra de
participar ao publico que o seu estabele-
cimento cima mencionado, acha-se hoje
funeconando muito regularmente, pr-
vido de todas as accommoda^oesnecessa-
rias e sobre ludo com alguma llmpeza.
Os cartes firmados por raeus anteces-
sores Cedrim & C. serao recebidos at o
meado do nu-i de outubro vindouro, os da
casa tero a firma da abaixo assignada,
e serao como d'antes transmissiveis.
Tabella dos precos.
I assignatura mensal com direito
a um banho diario a 320 rs... 95600
1 dita de 30 candes transmissi-
veisa360rs................ 105800
i 12 dita de 15 ditos a 400 rs.... 65000
1 banho avulso, morno ou fri ou
de chovisco................. 500
1 dito aromatisado com agua flo-
rida........................ 15000
Os medicinaes serao pelo preco que se
convencionar:
u estabelecimento estar' aberto nos
dias uteis das 6 da manha as 10 da noite
e dos dias santificados al 2 horas da lar-
de, bavendo ebegada de vapor estara'
aberto por mais algum tempo.
Malhilde G. Lessa.
^ mwmm mmm
Saques sobre Lisboa
Manoel Ignacio de Oliveira & Filbo sacam sobre
Lisboa : no largo do Corpo Santo n. 19.
NO GRANDE AR-
MAZEM.
RFMARIS MAS
DA EXPOSIGO DE
LONDRES.
Dr. Henry Kraus mudou sua
deocia da ra da Imperatriz n. 30 para o
sobrado grande n. 2 defronte da entrada
para a Estancia, onde pode ser procurado
a qualquer hora. Chamadas para dentro
da cidade podem ser eutregues na botica
do Sr. Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior na
praca da Boa-Vista, na dos Srs. J, C, Bravo
& C. na ra da Madre de Dos, ou no ar-
mazem de viuva Raymond & C. na ra do
Trapiche Novo das 9 horas da manha at
is 4 da tarde.
Para completa liquiacao vendem-se, por muito menos do seu valor, perfumaras muito finas e novas chegadas recentemente
de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes: E-ig. Rimmel, R. Matheus &C., Lubin, Sociedade Hygienica, Piver,
; Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud & Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frre, etc. etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de
' Colonia em vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em garrafiuhas e vidros de differen-
^es modelos, pos para limpar dentes, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas ebalainbos com perfumaras para fazer
presentes, e muitos outros artigos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande
[ armazem da Expsito de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
PARA SESllO'il.lK.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca desenhora, o que se tem feito de mais elegante at o presente: vende-se
por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
IiUVAS WOVAS DE JTOUVIIV.
Vendem-se excellentes luvas de pellica, recentemente chegadas de Paris, tanto para homem como para senhora por menos de
seu valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
PHOTOCiK % Pili A.
No grande armazem da Exposico de Londres, ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da Imperatriz loja de Mr. Dubarry n. 8
resi- e na mesma ra loja de miudezas n. 54, vendem-se excellentes vistas para quadro3 de sala e para albuns, como:
Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Guimar3es.
Porto, ra de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimra.
CASA
Aluga-se muito em conta o segundo e terceiro
andares do sobrado da ra da Madre de Dos n.
36 ; as chaves acham-se na loja do mesmo.
Aluga-se
um sitio em Cachang, com boa casa de vivenda,
cozinha fra, casinha para feltor, estribara e co-
ebeira, com bastantes fructeiras e banho perto,por
mdico preco : a tratar na ra de Apollo n. 38,
armazem.
Criado
Precisase de um criado forro ou escravo : tra.
ta-se das 8 as 2 horas da tarde, na ra de Madre
de Dos n. 36, primeir and&rr
Deseja-se fallar com o Sr. capillo Braz An-
tonio da Cunha Albuquerque : no largo 4o Carmo
n. 18, segundo andar.
CMPiAS.
Compra-se efectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, luja de ourives.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effectivamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
Compra-se ouro~prata e pedras preciosas,
em obras velhas: na ra da Cadeia do Recife,
leja de ourives no :rco da Conceicao.
Compram-se moedas brasileiras de 205
215 : na ra doCrespo n. 16, primeiro andar.
Jurnaes para embruIhoT"
Compra-se na fabrica de cigarros antiga rna do3
QoarleU de Polica n. 21.a liQrs. a libra.
Comprase carosso (sement) de algodo : no
armazem de algodao de Saunders Brothers & C
no caes de Apollo.
Comprain-se moedas de ouro brasileiras de
55, 105, 165 e 205, com 6 por cento de premio, e
tarabem pegas porluguezas de 95 e 165 com 5
por cento ; na praca do Corpo Santo n. 4, primeiro
andar. ________
Comprase
um cachorro que seja grande, para nm sitio, e por
sso quer-se que seja valente : a tratar na ra Di-
reita n. 10._______________
Oncas hespanholas e da patria : compram-se
na praca da Independencia n. 22.
Compram-se
moedas de ouro de 55, 105, 95, 165 e 205 com
6 por cenlo de premio : na ra da Madre de Dos
n. 24.
Comprase urna pequea casa com bom quin-
tal, ou mesmo um terreno nos suburbios desta ci-
dade, sendo terreno proprio : quem quizer annun-
cie sua morada.
Um sobrado
Comprase um sobrado de um andar ou urna
casa terrea com commodos para familia grande,
nos bairros de Santo Antonio ou Boa-Vista : na
(ra Nova n. 37, loja, se dir quem pretende.
Compra-se um sobrado de um andar na fre-
guezia da Boa-Vista desta cidade, ou no seu arra-
balde, ou urna casa terrea com as commodidades
; precisas para urna grande familia, que tenha sitio
ou quintal com arvoredos : a tratar na ra da
\ Imperatriz n. 7, segundo andar.
Libras sterlinas
Compram-se na praga do Corpo Santo n. 4, pri-
meiro andar.
VEND1S.
Bibliotheca lusitana
histrica, critica e chronologica, comprehendendo'
a noticia dos autores portuguezes e das obras que
compozeram, desde o lempo da promulgado da lei
da graca at o lempo presente, por DIUGO BAR-
BOSA MAt.HADO, 1741, 4 grossos volumes em fo-
lio ; obra vanssima, cuja edigo ha muito se acha
exgotada. h indispeusavel a todo o homem lltra-
do ou do prosso scienliflea, de quem a historia
patria e a* letras nacionaes nao podera nem devem
ser ignoradas : vende-se na lvraria de Jos o-
gueira de Souza no arco de Santo Antonio.
l'Ma prenda-
Vende-se urna mulatinha de 11 annos com prin
cipios de habilidades : a roa do Crespo loja n. 23
Algodo Para saceos e roupa de escravos
da fabrica de Fernao Velho, e de muito superior
qualidade : vende-se no escriptorio de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo
numero 19.
Attenclo.
Vendem-se os utencilios da padaria da ruar Di-
reita n. 80 e traspassa-se a chave : a tratar na
ra do Livramento n. 38.
Vende-se ou permuta-se por urna negrinha
de idade de 8 a 10 anno?, urna escrava parda dc-
20 annos, bonita figura e sadia, engomma e faz
lodo o servico de urna casa; ao pretndeme se
dir a razo por que se faz este negocio : na ra
do Brum n. 56.
Barato para acabar
Vende-se na praca da Independencia n. 39 bor-
zeguins para humem a 35, 45 e .5-3, boneguins
para senhora a 25, 3S e 45, sapatdes de hezt-rro
para homem a 45, sapalos de tranca avelludado a
1500O____________________________________
Sota. B
Vende-se 430 melos de sola de boa qualidade :
a tratar na ra do Queimado n. 53, lojo de ferra-
gens.
CM
VISTAS DE PERNAMLBIWO.
Tiradas na occasiao em que S. M. o Imperador aqui esteve em 1859 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanbando S. M. o Imperador no da 2 de dezembro, -
indo para o Te-Deum no convento do Carmo.
Theatro de Santa Isabel.
Ba da Cruz com a pyramide.
Torre d i Arsenal com a illuminacSo na frente.
Passeio publico, na ebegada de S. M. o Impera ]or.
Ra do Collegio com a tropa.
Pateo do Collegio com o palanque.
VIAUfiMI A' EUROPA.
Stereoscopios de nova invengo com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como:
Franca.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Vendem-se barato para liquidaco no grande armazem da ExposicJo de Londres na ra da Cadeia do Recife n. 60, ra da Im-
perflri .loja de Mr. Dubarry n. 8, e oa mesma ra toja de miudezas n 54.
Vende-se cb hyssoo, o mais superior que ha
neste genero, por 25600 e 25800 a libra, dito pre-
to por 25200 e 5400 : na ra do mperador nu-
mero 57,
Armazem allianca.
Vende-se ou aluga-se para passar a fesla, e
mesmo por anno, um sitio com arvoredos de fruc-
tos, com urna grande casa, e outra pequea junto
ao mesmo, perlo da povoacao da Varzea e do rio
Caplbaribe : a tratar na ra de Hurtas n. 2, pri-
meiro andar.___________________________
Vende-se urna casa terrea, nova, com gran-
de terreno no fundo, que regula de 900 a 1,000
palmos, na ra Imperial com frente para o nas-
ceute : a tratar na ra do Queimado o. 52.
"Vende-se
a obraColton's, general atlas, contenatng
one himdred and setenty steel, pate maps
and plans, on one hundred imperial folio
sheets. by J. H. Colton and Company, ac-
companied by descriplions, geographieal,
stahstical and historical, by Richard S.
Fisher; em bella e rica encadernacao; por
preco commodo; na ra do Crespo n. 4,
loja.
Vende-se urna excellente escrava de idade
20 annos, com urna cria muito linda de Idade 11
mezes. um escravo bom criado, um escravo para
todo o servico, um dito para sitio por 3005 na
traves.-a do Carmo o. 1.
Veude-se urna bonita escrava crioula de ida-
de de 15a 16 anno-, lava, tem principio de engom-
mado, coziuha, cose e vende taboleiro na rna :
quem a pretender dirija-se a ra da Cruz n. 7, 3*
andar._________________________________
Os donos da taberna sita na ra do B-mica
n. 29, i;-.|uin i dos Remedios, tem resolvido ven-
de-la em razo de um estar doente, o qual vai a
Europa tratar de sua saude, cuja taberna est
bem afreguezada para a ierra, e proprla para
principiante : quem se achar habilitado, pode ir
tratar na mesma a qualquer hora do da.
Vndese tres|casas,terreas na villa do Cabo,
sendo urna com estabelecimento ; a tratar no pateo
do Terco o. 139, i. andar. _____
Padaria.
Vende-se um selindro em muito bom uso, promp-
to a trabalhar; na ra do Rosarlo estreita n. 5.
Vende-se por prego commodo urna mobilia
de amarello ; a ver e tratar no pateo do Tergo n. 2,
sobrado.
Vende-se urna casa construida de novo, nos
A togado^ ra do Motocobmb n. 2; a tratar so
Passeio Publico n. 5.
Vende-se.
Enchofre a 40 rs. a libra, e a 15000 arroba ;
no armazem da bola amarella, no olto da secreta-
ria de polica. .__
No pateo do Carmo n. 13, vende-se superiores
queijos do Serid.
Veode-se um escravo pega de 15 a 16 an-
nos, muito esperto : no corredor do Bispo n. 15,
para er qualqcer hora.
Jf
s



[{




Diarlo de t craaoifcuco (.ulula cira til de Sclembro de 1SC-
i Grande liquidado a dinheiro*
Ka luja c armazem do pavao.
Ra da luipci-ntriz n. GO de Ca-
ma fc Silva.
Os dooos deste estabelecimento lem resolvido li-
quidar suas fazendas por precos baralissimos, s
com o fim de apurar dioheiro, e previnem as pes-
soas que negociam em pequea escala com fajea-
das, que nesta loja e armazem encontraro um
grande sorlimo.to por pregos que inuito Ihes hao
de agradar, tanto em peca como a relalho, a
saber :
Oambraias de forro a 2$000
Vendem-se pecas de cambraia branca para for-
ro a 2,8 : na loja do Pavao roa da Imperatriz n.
60, de Gama 4 Silva.
Morcantique branco
Vende-se superior moreantique branco para
vestidos de noiva a 2,5500 o covado, pechinclia :
na loja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Percates com
Onios objectos.
Viudos tambem para a antiga loja de
miudezas ra do Queimado n. 16.
Sapatinhos desetim braaco bordados pa-
ra baptisados.
Ouiros de merino tambem bordados e
igualmente bonitos.
Meias de seda, correspondente no tama-
nho dos sapatinhos.
Outras mui finas de fio da Escossia e
brancas listradas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras e meninas.
Peutes de lartiruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agitas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Caixinhas com allinetes brancos e pretos. Percates Com mofo.
Haspas de baleia para vestidos. Na loja do Pavao a 360 rs.
Fitas de linho proprias para ditos. Vendem-se as mais Boas percales com lindissi
Caixas com linhas de novellos grandes mas cores para vestidos de senhoras, tendo um
Dar crochets pequeo toque de mofo que larga logo se lave e
t .ii j u i j j lquida-se pelo baratissimo preco de 360 rs. o co
Trancelltm de borracha preto, redondo. vado : isto s ua loja do Pavao ra da imperatriz
Bonitas flvellas grandes de ac, n. 60, de Gama & Silva.
donradas, madreperola e tar- Lazinhas a 200 rs O COVado.
?a.rH^a* i a n a N loJa u Pav3<>-
A loja de miudezas a ra do Queimado vendem-se lazinhas transparentes para vest-
n. 16, recebeu um bonito SOrtimentO de dos sendo das cores mais modernas que tem vindo
fivellas grandes para cintos, sendo de ac, mercado pelo baratissimo preto de 200 rs., ditas
douradas madreperola e tartaruga, as quaes "Bg^JXtSZ 'mo^e^l,
estao sendo vendidas em dita loja por pre- os mais bonitos padr5es a 240 rs. i.-io na loja do
eos commodos ; assim como boas e bonitas Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
fitas de gorgorito acbamalotado, proprias pa- Sllva-
ra ditas fivellas. Vestidos indianos a 3$
Orillos fie penetra e de ont ras Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos in-
qnalidadcs, para quem soff re danos ,endo 7 1l2 varas capa corte sendo fazenda
d vista transparente de novos goslos que servem at para \ oh
,,..,., biiles e partidas, vendem-se pelo baralissimo pre-
A loja de miudezas a ra do Queimado ?0 de 3 cada um por terse comprado urna gran-
U. 16, tambem recebeu OCUlos de penetra de porcao: na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
com vidros claros e oscuros, para quem sof- 60>de Gama Silva,
fre da vista, assim como outros de armaco S' fe i US PT SUS
de ac, sortidos em graos. n n -
Coi'oas e trra* de rorniKri Pechincha na loja do Pavao.
vm oas e le eos OC COI auara, vende-se a mais fina silezia de algodao fazenda
A antiga loja (le miuaezas a ra oo nteiramente nova no mercado proprias para saias,
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas CO- camisas e roupas para meninos sendo fazenda su-
roas e tercos deornalina, OS quaes eslo Perior ao madapolao francez e vende-se pelo bara-
a disnosicao dos hons rhristans me os nni- t0 pre de 440rs.a vara ou a 40 rs- sendo em
a uiiJOMtdo uos uons cm isiaos que os qui ga f0m cincoenla e tantas vara st0 grande
zerera comprar em dita loja : na ra do peChincha : na loja do Pavo ra da Imperatriz n,
Queimado n. 16. 60, de Gama & Silva.
Esponjas finas grandes e pe- Lencos de seda a 1 $
quenas. Vendem-se superiores lencos de seda para ho-
Vende-se na ra do Queimado, loja de mens e senhoras a 15 na loja do Pavao na ra
miudezas n. 16. da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Diversos o jecos. Lencos brancos a t$,
A antiga loja de miudezas ra do Quci- Vendem-se duzias de 'lencos brancos finos a 2$,
mado n. 16, acaba de receber muitos e di- dllos Bnisslmosa imita^ao de linho com duas bar-
verbos rrhippfns mip faypm rnmnlplar o spii rassendo ama dt cordo e outra matizada fazen-
versos ojecios que lazem completar o seu da que re se veni1cu a s& e lorra.5e a i&m
bello sortimento, sendo : a duzia : na loja do Pavao na ra da Imperatriz
F.las finas de sarja da mais estreita que n. 60, de Gama & Silva.
veis }tiSk ,arga'todas de vivas e agrada" i s ^parii Ih os do Pa vo
dem tambem de sarja torada, de bonitos A 4(, 5! e 6^.
e no vos desenhos Vendem-se os mais superiores espartilhos com
,,__.. ,. as competentes filas para apenar p Idem dem brancas, lisas e Jarradas, pa- mos precos de *$, 5 e 65 por ter chegado urna
dres igualmente novos e bonitos. grande porcao para a loja do Pavao: ra da Im-
dem de gorgurao de seda acbamalotada, peratriz o. 60, de Gama & Silva.
e muito encorpadas, para cinto de fivellas dambraias de salpicas a 3$.
grandes. Vendem-se superiores cambraias francezas com
Iflpm A9 spda nrpta > ap nufras rrp luem ae sena prea eoe outras cores pa- peCa pelo barato preco de 3^, ditas escocezas com
ra debruar vestidos, colleles, palitos, etc. saiptqainhos mindinhos todf branca a i* : na lo-
dem de laa igualmente sortidas em cores ja *o Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
e para os mesmos fins. & SH**-
dem de algodao brancas e diversas ou- Tartalana branca a 640 rs.
tras cores para vestidos de chita. Vende-se tarlatana branca milito fina a 640 rs. a
dem de borracha brancas e pretas para'vara.dilas de todas as cores a S00 rs-a vara. d-
soutembarques. vestidos pretos, etc. I |as,de "j*a di,a,lisa a 80 vafa :
.,___ J1.. "_ .. loja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
Novas e lindas guarmeoes para enfeitar ma & silva.
soutembarques, vestidos pretos, manteletes,' o bramante do Pavo.
etc., Obras do muito gOStO e modernsima. I Vende-se superior bramante de linho'do melhor
Tranca de seda com vidrilhos, moldes OO- que tem vindo ao mercado com 10 palmos de lar-
vos mui bonitos. Kura a 200 a vara, panno de liuho muito su-
Idemidem decores tambem de bonitos 'Etf0' Paralen5es, toaib e serouias a 640 e
m, ___. /00 rs. a vara : isto na loja do Pavao na ra da
moldes e agradaveiS ores. Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Botoes para os mesmos fins, sendo pre-1 Percales lisas do Pavo.
A molestia ou infeccao peCU"
lial conhecida pelo uome de Es-
crfula um dos males mais
"prevalecentes e universaes que
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um cele-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parte de
todos aquelles que morrem antes
da velhice s5o victimas, ou dire-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si nao to des-
tiva, porm a principal causa de muitas
outras enfermidades que nao lhe sao geral-
mente attribuidas.
E' urna causa directa da pkthysica pul-
monar, das molestias do figado, do-estoma-
go e affecedes do cerebro .-Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes : falta de appetite ; o semblante pal-
udo e s vezes inchado, s vszes de urna
altura transparente e outras corado e a-
marellento ao redor da bocea ; fraqueta e
molleza nos msculos: disgesto fraca e
appetite irregular, falta de energia, teir
inchado e evacuaco irregular ; quando o
mal tem seu assento sobre os pulmoes. urna
cor azulada mostra-se em roda dos olhos;
quando ataca os orgos digestivos, os olhos
tornam-se avermelhados :o hlito ftido,
a lingua carregada, dores de cabeca, ton-
teiras etc.
as pessoas de disposico escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupces na pelle
da cabeca e outras partes do corpo, sao pre-
dispostas s affecedes dos pulmei, do figa-
do, dos rins e dos orgaos digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
teceo contra os seus estragos; todos as
quelles em cnjo sangne existe o virus laten-
te d'este terrivel flagello (e s vezes heri-
ditario) cstao exposlos tambem a soffrer das
enfermidades que elle causa, que sao:
A phtlnjsica, ulccracoes do figado, do es-
tomago e dos rins : erupces e enfermida-
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipela;
borbulhas. pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbunculos, ulceras e chagas, rheu-
malismo, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades femininas, flores bran-
cas causada pela ulceraco interior, e en-
fermidades uterinas, hgdropesia, indiges-
to, enfraguecimento e debilidade gcral.
Aos pulmoes a escrfula produz "tubrcu-
los e finalmente consumpeo pulmonar:
as glanulas ella produz inchaces e tornam-
se ulceras: nos orgaos digestivos causa
desarranjos que produzem indigesto, dis-
pepsia, molestias do figado e nos rins :
na pelle produz erupces e affeccoes cut-
neas.
Todos estes males tendo a' mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrilha de Ayer
composta dos antdotos mais efficazes que
a sciencia medica tem podido descobrir,
para esta molestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella- que
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias provado incontestavelmente pelas
curas notaveis e bem conhecidas que tem
feito de tumores, erupedes cutneas, erysi-
pelas, berbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, pambas, hgdrope-
sia, tesse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debilidade ge-
ral:Indigesto, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
res, ulceracoes do tero, a nevralgia e con-
vulcoes epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as certidoes no Alma-
nack e Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde com vidrilhos e pendentes e outros -de di-1 cor a 400 rs. o covado: na loja do Pavao
se vendem os remedios. versas cores. jda Injperairli n. CO, de Gama & Silva.
Este remedio o fructo de longas e labe- dem pretos de velludo tambem de sorti- Meias para meninas a 2,500
dos tamanllOS. Vendem-se meias para meninas de todos os (a-
Louetos de dous vidras enm aro de aro, liufalo manhos a 25500 rs. a duzia, ditas de seda preta
etartaruga.
A loja de miudezas, ra do Queimado
n. 16, recebeu um bello sortimento de lo-,
netos e oculos de vidros com armco fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os est vendendo
por precos razoaveis: os pretjndenes diri-
jam-seaeslalcja na ra do Queimado n. 16.
THESOILRO DAS MAIS.
PROVIDENCIA DAS CRIANCAS.
COLLARES ROYER,
ELliCrnO-MAGNETlCOS,
Chamados collares anodinos de dentiijo con Ira
at convut$es e para facilitar a denti^ao das
crianzas, preparadot e inventados por Itoyer,
pharmaceutico da Escola superior de Paris, suc-
crisor de Chtrtau, membro da academia de me
iicina, antiga casa bouillon-lagiunge, pharma-
ceutico do Imperrdor, che fe dus Irabalhos amli-
cos da Escola Polylechnica, director da Escula
de Pharmacia de Pars, e membro da Academia!
Imperial ae Medicina, llua Saint-Martin, iio,
defronte da ra Chapn, cm Pars.
Liquida#o das pecliiuclias
no armazem da Arara.
O proprietario da grande leja e armaztra da
Arara tem resolvido vender suas fazendas por
menos 20 por cento do que em qnalquer ouira
parte por isso venham vcr as fazendas e se admi-
ren] dos precos, a saber :
Cortes de cambraia com barras.
Vendem-se bonitos cortes de cambraia branco
com barras de differentes cores pelo baratsimo
preco de Ui5 cao;-, corle.
Liiinlii'ias brancas.
Vende-se cambraia branca a 3,5,
FLOR
4$o0, 55 e 0/1 a peca, e de outras
dades : na ra da Imperatriz n. 50.
lrctaiilia de rolo.
Vende-se brelanba de rolo com
3J300, 1,5,
mais qoali-
10
varas
so
A hysiene a sade.
A sade a vida.
S MlS. 2#80O, est se acabaudo esta pecliinclu
Quantas criancas nao vemos cada dia suceum-; loja da Arara, de Mendes Guimares.
bir s dores da pritneira denticao I ? Quantas an- Lazintias.
cias e quantos tormentos para as tristes mais, que : Vendem se as mais modernas lazinhas ch>pa-
vem se arrebatar, depois de tantos cuidados, de das pelo ultimo vapor, tendo padres muito am-
iantas vigias, o objeclo querido de sua ternura I ?. tos se vende pelj baralis.-imo preco de 240 rs. o
Quantas vezes nao tem ellas sentido a ineflkacia ; covado, fazenda que em outra parte se vende a
dos remedios empregados, taes como brinquinhos, 400 rs.: na loja e armazem da Arara n. 56.
charope de denticao, etc., cujo duro contacto dos Cliilas.
primeiros irrita as gengivas e causajnflammacao Vende-se grande porcao de chitas sendo escuras
as membranas mucosas, e cuja accao noi la fazia e claras ()aratos a 2i0 %t m e 3i
desesperacao as mais? Achar um meio fcil de ap-: rs. 0 covad0i dt3S ,,erc,alas lioas a 360 e 400 rs. o I
pilcar o fluido elctrico para alliviar os solTrimen-, covad |uui(as mU dc Ur(|S
tos e prevenir as convulsoes, como tambem lodos rhil* a mo-inn
os accidentes que resultara da primeira deutico, n \,*"*_:'""',. .
tal 6 o filo que tivemos em vista alcancar. 'Ha D'a fazenda,lia > rando sorUmeato de cha-,
muitos secnlos que se punham no pescoco das "esejf mnio eiampadci cores muito delicadas,
criancas collares de mbar amarello para presar-! e nU f ndendo pelo barato prego de 2 cada
va-las e cura-las de convulsoes, tropregavase pois um' ltl0 e para acabar.
desde muito lempo a electricidade medica sera sa- tulcuas de fusto.
b-Io, pois que o mbar iodo elctrico. E' evi- Vendem-se colchas de lusi3o de todas as cores
dente que este effeito saudavel repousa sobre a ai -,a o>5. ditas rfe damasco a 45, ditas de chita a
?ao da electricidade, que solta o mbar esfregado 2^240 e i'JO0 cada urna : s Loureuc.o Pereira
pelos raovimenlos do corpo da crianca. Esta n-1 Mendes Guimares.
fluencia constante do fluido elctrico, por fraca j Uadapolo.
que fosse, produzia effeitos curativos proporciona- Vende se madapolao a 45500,
dos quantia d'electricidade engendrada deste mo-', 75500 e 85 a peca, eofestado se
do. Esta propriedade elctrica de mbar a que 'jardas a :ij, 35300 e -5500 : na
DO
Na m do QuriimMo b. <>3.
Ttm rerebido un toninicnto de cruz-s que se
est; usando, de diversos gostos ; s quem tem
o heija-flor.
Temi recebido variados sortimentos de voas
de aljofares de diversas cores, enfeites para se-
nhora de diversos gostos, e mais barato do que
em qualquer outra parte.
Facas egarfo-.
Vende-se f eras gar( s de cabos de balanco de
do kioa 55300 a uuza, dilas de dous botoes a
65500. dita para d..-- a 5*5100, ditas do. cabo preto
a :2O0, ditas de cabo branco, muco e era vado a
35 00.
Ttnj recebido variados sorliniento; de bal
para meninos de esrola, deforma de peitlnho.\
a patlnhos e oQlras de diverso gosto, que s com a
na vista bem se pode apreciar, e tambem serve para
o leao do tiu.-pllal (.ortuguez : las para botar de
; diversas cores a.75 a libra : s no beijvflor.
lKCovas para roupa.
Vcnde-sc escovas para nmpa minio finas cem
dilT-n-ntcs postos a 640 o 15, ditas pera dente? a
12", 240, 320e50rs.
Papel e envelopes.
Vende-se pautado ppel e calimbas a 680 rs.,
dito de cor a 700 r-\, e enmvelopes a 6i0r.. a ca
xinha.
* S 2.*ga-
tfllfltl1
- V re
3
tos de seda maiores e menores, enfeitados
com vidrilhos e pendentes e outros -de di-
ns temos lido a feliz idea de appllcar fabrica-
) partidas, vendem-se pelo baralissimo pret fftj" Jta!J de?"f0, ao5metahn.0nSJ^
i sidade dos effeitos elctricos do mbar por mel
de fios conduclores que distribuem as correnies
d'um modo suave e continuo. Mr. Royer o in-
; ventor de daas especies de collares: Io dos colla-
res anodinos de mbar electro-magnticos; i" dos
collares composlos de differentes metaes com cor-
rente voltaica. Partindo deste principio de pbysi-
ca bem conhecido, que a intensidade d'uma cor-
rente galvnica est em razao direila da superficie
dos elementos que compoem a pilla, os collares
Royer, chamados anodinos electro-magnticos de-
signados e graduados por oito nmeros differentes,
possuem as mesmas propriedades elctricas, com
esta s differenca que o effeito curativo esta sabor-
dinado ao lamanho dos elementos que os com-
poem, e por consequencia quanlidado lunidada
d'electricidade que engendram, d'onde se segu
que qnanla maior superficie apresentam as perolas
ou elementos, Unta maicr quantia de fluido elc-
trico desprender-se-ha; e por isso que nos acn*
selhainos de preferencia os nmeros fortes.
Estes collares, pela sua disposigao Be*veis e
portatels, podem-se por constantemente no pescoco
das enancas. Urna rede elctrica cobre sem ces-
sar as partes doridas que sao modificadas lenta-
mente, sem sacudiduras nem commoces, e pro-
duzem urna cura rpida impedindo as convulsoes.
Assim acha-se reunido com o antigo procedi-
mento dos collares de mbar a efficacia regular e
segura da electricidade medica. Os collares gal-
vanomagneticos de metal compoem-se de peque-
as perolas de dous metaes differentes, traversa-
des por fios conductores que formam assim pe-
quenas filas voltaicas d'uma forma elegante, port-
til e flezivel, empregados com feliz successo contra
as convulsoes, os torticolis, tosse nervosa, tosse
convulsa, etc.; possuem as mesmas propriedades
e erapregam-se indistinctamente nos mesmos ca-
sos.
DA PRIMEinA DENTICAO
E d^ H'Hidade dos collares Royer eleclro-magneti-
r- iara facilitar a erupcao dos denles do leite.
Lu poacas palavras explicarei o que sucerde
>>a primeira denticao, faiendo algumas observagoes
queserviro de guia s mis de familias, qae pela
sua tenra affeico ezageram a miudo os perigos
da dentlgo, a qual em definitiva urna operaejio
da natureza.
A mor pane dos desarranjos que sobrevem
sade das criancas tem por causa o trabalho da
primeira denticao. Quando o dent faz esforco
para sahir, declara-se calor as gengivas, a saliva-
gao volta-se mais abuudante, o somno agitado,
ha febre a miudo, e em geral sobrevem a frouxi-
do do ventre, e s quando este ultimo symp
toma nao toma um carcter violento mais bem
favoravel que damnoso. Sendo sujeito a compli-
carse com outras affeices o trabalho da dentigao,
necessario, em quanto durar, por a mais extre-
Vendecn-se as mais lindas percales de urna s ma e continuada attengao na sade da crianga ; e
riosas experiencias, e ha abundantes provas
das suas virtu les: posto que offerecido
ao publico sob o nome de Salsa parrilha,
composio de diversas plantas, algumas das
quaes sao superiores-a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEITORAL DE CEUEJA DE AVER.
Cura promptamenle a asthma, bronchite,
tosse, delluvo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos-declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmoes pdem ser curadas em pou-
co lempo pelo peitqral de cebeja oo r,
AVER.
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia centrai do
Rio >e Janeiro ra Bireita n. 15.
P. MAURER & C.
Rua \va u. i8.
XOlMAZEM
de fazendas baratas de Santos
Cotillo, rua do Queimadt n
iy, vende se o setjuinte:
Lenges de panno de linho a 25200.
Oito* de tramante de lint de um s panno a
35200.
4,oberla de chita da India a 25400.
Pecas de cambraia de salpioos branca e de cor
com 8 t|2 varas, pelo baralissimo prego de 45500.
Pegas de -cambraia adamascada com 20 varas,
propria para cortinado a 115.
tates de arcos a 35, 35500 e 45-
Leonas de cambraia brancos proprios para algi-
beira a duzia 25-
Bramante deJiaho com 10 palmos de largara a
vara 2*100.
Atoalbado de Kaho a vara 25800.
Dito de algodao 25.
Algodao entestado com 7 i|2 palmos de largura
a 15200 a vara.
Pegas de bretanba de rolo com 10 varas propria
para saia a 35500.
Fil de linho liso lino, vara 800 rs.
Dito com 6alpicos a 1.
Esleir da India de 4,3 e 6 palmos de largura,
propria para forro de sala, por menos prego do que
em oulra qualquer parle.
Nesle armazem tambem se encontra um grande
sortimento de roupa fela e por medida.
TABERNA.
Vende-se a taberna da rua d Fogo n. 32, pro-
prta para qualquer principiante por ter poucos
ruodos : a talar na mesma.
CERVEJ \ B4SS
em barril
Vende-se a 200 rs. o copo : na rua do Impera-
dor n. 57.
_________ARMAZEM ALLIANCA._________
Vende-se um moleque, excellente pega, cri-
c-alo, de idade de 15 annos : quem o pretender,
dirija-se ao Corredor do Bispo, casa n. 18 C, que
achara com quem tratar.
r
Vende-se doce fino em
roa das Cinco Puntas n. 82.
lata? de 1 libras : na
RIVAL
SEM SEQUNDO
Rna do Quelsaado ns. 4* e &h.
Contina a vender todas as miudezas que abaixo
declara por pregos admiraveis.
Massos de palitos lixados para denles a 100 rs.
&>pelbos de molduras douradas a 200,240 e 320,rs.
Bonets de oliado para meninos a 15000.
Ditos de couro superior fazenda a 15500.
Frascos com superior tinta rocha a 240 rs.
Meiadas de liniia froxa para bordado a 20 e 60
Caixas com 100 envelopes, fazenda fina a 600 rs.
Crozas de peonas deago, fazenda superior a 500 rs.
Grozas de botoes madreperola finos a 500 e
e 640 rs.
Caixas com 50 novellos de linha do gaz a 700 rs.
Caixas com superiores .breias de cola a 0 e 80 rs.
Pegas de tita branca ela^ica com 9 varas a 280 rs.
Varas de franja de la para enfeites de vestidos a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qualidades a 400 rs.
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Livros para assentos de roupa lavada a 400 rs.
Pares de botoes para puado, fa?enda rica* 120 rs.
Tesouras para costuras superiores qualidades a
400 e 15.
Caixas de pennas de calligraphia, fazenda boa a
15000.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranga e tapete a 15500.
Caixas com superiores agulhas a 240 rs.
Libras 4e la sortidas de bonitas cores a 75000.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
R ?dinha-f com allinetes franceses muito superiores
a 20 rs.
Resmas de papel almaco a 25400 e 25800 rs.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 15.
Duzias de tesouras com toque de ferrugem a
600 rs.
Duzias de facas e garios de cabo preto a 35000.
Talheres muito flno para mangas a 240 rs.
Pulseiras para meninas a 320 rs.
Ditas e voltas para senhora a 500.
Frascos de Agua Florida vtrdadeira a 15280.
Frascos com superior banha a 240 e 500 rs.
dem de superior oleo babosa a 320 rs.
Caixas com lamparinas para 3 mezes a 40 rs.
Varas de habad? do Porto a 80 e 140 rs.
Cartas de allinetes francezes a 100 rs.
Quadernos de papel pequeo a 20 rs.
Grvalas de cores, fazenda superior, a 500 rs.
Papis de agulhas, fundo dourado, a 80.
para senhoras a 800 rs. o par, dilas incidas para
homem a 55 a duzia, isto na loja do Pavo na rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Corlinudos para amas.
Vesdem-se ricos cortinados para camas pelo ba-
rato prego de 115 o par. Ditos bordados muito ri-
cos a S45, colchas de fusto para cama a 55500 e
63 : na loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Tiras bordadas e entremetas.
Vendem-se finissimas tiaas bordadas e ntre-
melos por prego baratissimo, na loja do Pavo rua
da Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Chales a 30500
Vendem-se chales de merino liso, tendo de todas
as cores e pretos, pelo baralissimo prego de 35500,
por haver grande porgo : na loja do Pavo, rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os balees do Pavo a 2:U0, 30 e 3&>00
desde que se notera os ltimos symjitomas que aca-
bamos de indicar, ser urgente consultar um me-
dico.
Estes collares vendem-se na loja do Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Rival sem segundo
Roa (lo Queimado ns. 49'e 85, loja de
miudezas de tres portas, est quei-
maudo tudo bom cbarat, quem qui-
zer ver e admirar venliam loja do
Bigodinho.
Caixas de papel amizade, e sem ella Uso e pautado
a 600 rs.
Grozas de botoes de louga prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de penna de ago fazenda boa a 40 rs.
Pegas de tranga de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas finissimas
320 rs.
Pegas de fita de
320 rs.
t&wm, 75.
vende com 12
rua da Impera-
para limpar denles a 240 e
cs estreitas com 10 varas a
Veodem-se os melhores bales de arcos ameri- ,
canos, sendo com 20 arcos a 25500, ditos com 25 Cal"s com clcheles francezes, superiores quali-
arcos a 35, ditos com 30 arcos a 35500, ditos para' Ta,.?A h .
menmas de todos os tamanhos a 2c500 e 35, su- j 52*5,*LE?* CT SDper,,0. '"? T "S
Pegas de cordao para vestidos, fazenda boa a
penores baldes de bramante e murcelina com
cauda, sendo bastante grandes a 55, isto na loja
do Pavo, rua da Imperatriz n. 66, de Gama &
Silva.
As eamisinbas do Pavo.
Meniem-se as mais modernas eamisinbas borda-
das cam manguitos, para senhoras, sendo as mais
modernas que tem vindo ao mercado a 45500, di-
tas com manguitos, para acabar, a 15 ; ditas pre-
tas con manguitos para luto a 15800 rs., mangui-
tos e pslinhas pretas a 15, finissimas golinhas de
muito finos para voltarete a 200 e
avaado
Francez barrica 55000
Portland dem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irmos caes doJApollo.
20 rs.
Baralhos
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de macag perula muito tino a 200 rs.
Frascos e garralinhas com agua de Colonia a
400 rs.
Frascos grandes cora superior agua de Colonia a
640 rs.
Caixas com 12 frascos de cheiros muito finos a
15100.
cambraia branca bordada a 500 rs., calcinnas para (Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
menina a 640 rs., romeiras de fil e cambraia 320 rs.
branca fcordada a 15600 : na loj do Pavao, rua Duzia de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de percales.
Ricos cortes de percate com barra, tendo o com-
petente casaveque a 85, ditos de la a Mara Pia a
Agua dentifice superior qualidade a 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
152OO.
65, ditos de cambraia transparente tom barra 1 Frascos com essencias para tirar noduas de roupa
bordada a Laa a 25 ; isto se vende na loja do Pa- a 500 rs.
vo, rua da Imperatriz n, 60, de Gama & Silva.
Frascos com cheiros de todos os pregos a 160, 200,
240 e 320.
Palelots pretos a G# Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Vendem-se superiores paletots saceos de panno j Duzia de meias muito finas para senhora a
preto, boa fazenda, a 65 ; ditos sobre-rasacos a I 45800.
125, superiores caigas de casimira de cor a 75 e Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
65, ditas pretas a 65, 75 e 85, paletots de meia Caixas com soldados
casimira a 55 e 65, ditos de casimira a 10, caigas I 160 rs.
de meia casimira a 45 e 45500, ditas de brim Pe?s de fita de la para debrum
branco de linho e de cores, coletes de todas as
quatidades. Todas estas obras se vendem por
prego muito em coma, s com o fim de apurar di-,
uheiro : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n, 60, Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
de Gama & Silva. Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Fazendas brancas na loja do Pavio C*'** com bonitas estampas para rap a 100 rs.
Vende-se um grande sortimento de madapoles, 1 _-Peno* comnr'dos, boa fazenda a 500 rs.
10 varas a 600 rs.
Dilas de bicos superiores,
800 rs.
de chumbo para meninos a
de vestido, com
para acabar a 600 e
305OO
Vendem-se saceos muito grandes com farinba de
moribeca de superior qualidade a 35500 cada
urna : no armazem trompeta da fama commercial
rna do Imperador n. 83.
chitas, algodozinhos das melhores marcas, ga-
rantindo-se vender mais barato do que em outra
qualquer parte, sendo a dinheiro a vista, na loja do
Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Ricos chales pretos de renda.
Chegou pelo ultimo vpor francez um grande e
variado sortimento dos mais ricos chales pretos de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elles muitos de pona redonda a imitago de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se
por pregos muito em conta por lerem sido manda-
dos vir de conta propria pelos dooos da loja do pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Bornouls de renda na loja do pavo.
Chegaram os mais ricos bornoots de renda e se
vendem por baralissimos pregos: na loja e arma-
zem do pavo, roa da Imperatriz a. 60, de Gama
i Silva.
Grosas de boies pequeos pretos para caiga a
100 rs.
varas de cordo de espartilho a 20 rs.
Novellos francezes com 20' jardas a 40 rs.
Pegas de tiras bordadas a 640.
Uuzias de meias cruas muito fortes e superiores a
35500.
Lnas para vestidos a 240
rs. o covado!!
Na rua do Queimado n. 1 vendem-se superiores
las para vestidos a 240 rs. o covado ; a ellas, an-
es que se ac bem.
Propriedades venda em Afogados.
Vende-se um sobrado de um andar e urna casa
terrea em Afogados, na rua Direita ns. 7 e 9 : c
tratar com Laurino de Moraes Pinheiro na rua do
Apollo n. 47, primeiro andar.
iriz n. G, Mendes Guimares.
Soutombi.rq'ies.
Vende se soutembarque a 5?, Pfi e 75, ditos
pretos de grosdenaples a 185, 1D5 e 205, e capas
o mc;mo prego.
Cambraias de ceros.
Vendem-se cambraias de cores sendo fina5 a
320, 360 e 400 rs. o covado.
Casemiras.
Vende-se casemira com listas a 25500 e 280O
o covado, e mescladas a J5 Mendes Guima-
res.__________
AGUA BRANCA.
Colleiras demarroquim, com cascareis
e sem elles.
Na ruado Queimado loja da AguiaBran-
ca n. 8, vendem-se colleiras de marroquim,
pospontadas e com cascaveis, ou sem elles
proprias para caes e outres bichinhos.
Pennas inglezas deaco e douradas.
No novo sortimento de pennas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, vieram
tambem MJtras de metal dourado e bicos
mui benr^cabados, e por essas boas e ne-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-
bricantes Perry de C, as recommendam aos
entendedores e apreciadores do bom, valen-i
do mesmo a differenca que lia no preco di-
urnas para outras, por que estas se tornam
mais duraveis na coniinuaco de escrever ;
assim pois quem dellas se quizer utilisar
compra-las a dinheiro a vista : na rua do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas c sem ellas para
cortinados,
A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
mento de franjas com borlas e sem ellas |
para cortinados, todas de novos e bonitos
desenhos, cuja commodidade do preco est
em relai;iio a largura : acham-se ellas a ven-
da na rua do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8.
.logo da paciencia ou curioso cntreleni-
meulo.
Na rua do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, acham-se a venda por precos ra-
zoaveis, caixinhas com tabolas de madeira,
que das diversas pinturas dellas se formam
agradaveis vistas e paisagens, segundo os
desenhos que acompanham. Na verdade
esse um deleitavel en retenimtnto com o
qual se despe ta a curiosidade, e apura a in-
diligencia. Os apreciadoies dirijam-se
rua do Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seiiu satisfeitos.
Bonitos enfeites para senhoras.
A Aguia Branca acaba de receber un no-
vo e lindo sortimen:o de enteites os mais
modernos e gostos nteiramente agradaveis,
e como seu louvavel costume os est ven-
dendo baratamente a quem com dinheiro se
dirigir rua do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meias de la para senlioras.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Muta mosca.
Na lo_;a da Aguia Branca acha-se a venda
o papel com composicSo para dar fim as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, e (
effeito efiicaz : molha-se o papel e deixa se
ficar n'um prato, e nelle pousando as mos-
cas, entristecem e morrem. Custa cada fo-
Iha 40 ris: na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n 8.
Diversos brinquedos e entretenimento
para criancas.
A Aguia Branca na rua do Queimado n. I
8, recebeu diversos brinquedos para crian- j
cas, sendo estradas de frro, barcas e patos |
elctricos, apparelhos de metal, louca pinta-
da e porcelana dourada para almoc" e jan-
tar e muitos outros brinquedos de madeira,
que se vendem baratamente: na rua do
Queimad >, loja da Aguia Branca n 8.
Meias pretas de seda para senhoras a
oOO ris o par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
c3o de meias prelas de seda para senhoras,
e apesar do muito maior preto que lhe cus-
taram e o bom estado em que anda esto,
comtudo esta resolvida a vende-las a 5 0
ris o par, a fim de que ninguem mais calce
meias pretas de algodao, agir pois c apro-
veitarera a quadra e dirigirem- e rua do
Queimado, loja da Aguia Branca n. 8. Tam
bem vender as brancas a i& o par, e des-
tas o nico defeito estarem um pouco tri-
gueiras,
sffiffi mmmm mmmsm
Pharmaceutico de l' classe, ex-
interno tos hospitaes, premiado
com a medalha de brome.
Desde muilo lempo o publico
abandonou o uso das preparacoes
intituladas depurativas conhecidas
sob o nome do Arrobes, Xaropcs
de Salsaparrilha composlos, etc.
Cuja acrao, maior parte das vezes
null.i. e n'algums casos perigosa.
OS COKFEITCS DF.PBFATITOS TEM O ASPECTO
E O COSTO ACRADAVEIS B 80!" IB V*
Mojono votan substancias VAS Ol O SEO VODODE PBEPA1U, ~'1A
INALTERAVEIS.
O ti ce-sso qn estes c..
TeltOM otisi verao cm Fri-.
Ca sob o patrocinio das principa csj '
celebridades medicas, os Me cima
de ludo quaulo tem existido ath
hoje. '
Cura rpida sem o socorro
de nenlium outro remedio in-
terno, das escrophulas
herpes, affeccoes syphi-
liticas hypertrophias
dos tessidos celulares,
hydropisiaa e em gera
todas as molestias produzidas
pela alteracao do sangue ; ta"
o resultado que queramos
conseguir e que temos sein
pre ob tido.
Um* explicacao accompanba cada
vidro.
Desconfiar-se, das falcificacoesct imi
tacoes.
Para as tncomtndas dirigirse aos
Snres. BOI6SOM BT c'% 18, B' Princc
Eugne, Parit,

Resulta pelas experienciis feilns as India* e t:r
Franca pelos mais afamados mediros que as GR Mil
LAS e o xaiiui'k de iivhucutvi.a a>iati<: io<
I. LPINE sao o ptimo remedio contra todas ..- ep*
cies de iMricr.Ns ou herpes e outras molestias d<
pelle, at as mais tiYetern.l.is. assim como a l.El'li
ou MORPIIEA, a SIPIIILIS. as MOLESTIAS ESCRtV
fdlosas, os Riir.of \rissios coronices, etc.
Deposita geral em Paris, em casa de FOUTtMSf i
LABEJLONYE. rua B&ur6on-Fi'/ii*up, 19.
Venaem-se no Becife em casa de Gem
Barboza e Joo da G. Bravo & C.
VILLtR
Com loja roa do Cre>po n. 17. |t|
B Receben de Paris sedas em cortes mui- n
to superiores e bellissimos padr5es, e
R chales de renda pretos para tofl.
S atete importante estabelecimento torna- nm
se recommendavel ao bello sexo pela va- I
I riedade de fazendas superiores e bellos 9
gosios
Proteja o bello sexo ao Villar
S e vero todos a prosperidade.
Vinho do Porto superior em caixa de duiia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do di C., no seu escriptorio rua da Cruz o. 1.
Ferros para engommar
Vendem se caixin as comeado o mais completo
sertimento de ferros para engommar, encrespar
babados, pafus e tola a roupa de senhora : na rna
Vova n. 24.
8OH0S SFMI0 1
res de engenkos. 18
POTAft'SA
un
Vende-se grande porcao de potassa que gfs
tendo sido mnlhada da-se por preco mnilo *jg
eommodo: quem quizer dirija-se a rua 25
do Imperador n. 38, batir. :jg
Vinlitis ilo Porto
das melhores marca-, em caixinhas de nma diia
de garrafas para rasas particulares, sendo : (iri
mas do Douro, Duque de! Porto p D. I,ui. ; UinU-iu
lem ancretas de dcimo encapadas com siipen..r
vinho, barris de 5 e 10* em pipa : na rua do V|.
Jfario n. 19, primeiro andar.
VIMIO.
Snperior vinho do Porl Madeira e Coerry em
caixas de 12 garrafas a H>, li&,"lS, 16J e 18; :
na rua do Imperador n. 57
Armazem alliat.ta.











!
Diarlo le Pernamboco -- Quinta ielia ti de Metembro de 8d*.
N. 11Ra do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chegou a este estabelecimento ura graade sortimento de cortinados bordados
camas fazenda de muito gosto.
Chales de guip muito Daos para 22>, 25$ e 30$.
Cotias de seda superiores de diversas cores para camss de noivas.
Colxas de la e seda para cama tambem de bonitas cores.
IVnoodes de guip enfeilados com o melbor gosto.
Setira de Paris bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureantlque braoco e preto, grosdenapie preto e de cores, pannos pretos de todas
as qualidades, ditos azaes.
Casemira preta e de cores, merino preto, silistrina, borabaziaas, alpacas pretas, e
ia pret. para lutos.
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 15 a H-
Brins de linho de cores Anos a 14800 a vara.
Chapeos e chapelinas de palha de Italia para senhora, manguitos bordados, chapeos
de seda pira liomem, chapeos de sol de seda, esguio de linho, cambraia de linho, breta-
nhas, silesias e umitas outras fazendas qjie se vondein por corainoJos pregos as<>im
tambem
Esteiras da India para forrar salas

o
O
O
O
DE
AO RESPEITAVEL PUBLICO
A tabella abaixo publicada serve de base de presos,
tanto deste armazem como do armazem progressivo pa-
J. VIGNES.
N. 55. HU BO IMPGR1DOR X. 55.
s pianos desta autiga fabrica sao hoje as*s conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
na su jerioridade^vantufense garantas que offereceraaos compradores, qualidadesesus incontesta- te 0 O 031*1110 II. V, PHUClDa! QTlSIZQI ViX .0 BWtSt'
veis que elles tera deflnltivamente conquistado sobre todos os que lem apparecido nesla praca; pos- r r *
snindo um teclado e machinismo que obedecem toJas as vontades e caprichos das pianistas, sera QQf Jt Q\)t
nanea falhar, por seren fabricados de proposito, e ter-se feit) ltimamente raelhoramentos importau-1
ussimos para o clima deste paiz ; qaanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por sso muito agrada- Fazem scieDle a0 respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
e'S FMmVs^ fabrica como na do Sr. Biondel, de Paris, socio' genhos, lavradores e mais pessuas do centro, que paramis facilitar suas compras deli-
mesmo eslabelecime'nto se achara sempre um explendido e variado sortimeoto de msicas dos
memores amores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
precos commodos e razoavels.
corresoondente de J. Vigoes, em cuja capital foram sempre premiados era todas as exposigoes. | beraram OS proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todo > OS seus estabeleci-
mentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de lodos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que sen5o arrepender pessoa
alguma que Bzer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
CONSULTORIO MEDICO-CIRURGIGO
DO
R PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO B OPERIOOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fimdao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gralnitas aos pobres todos os das das 7 s 11
boras da raanho, e das C e meia s 8 iioras da noite, excepeo dos dias santificados.
Pharmacia especial komeopatlca
No mesmo consultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
-...: is avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos pregos seguintes.
Carteiras de ii tubos grandes. 12#000
de 24 tubos grandes. 180000
de-36 tubos grandes. 240000
, de 48 tudos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se Bzer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de M cuslaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor odra da homeopatbia, o .Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
dous grandes voluntes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Bering........... 1000 X
Repertorio do Dr. Mel Moraes............. G50Q0
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedios daste estibelecmento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto da sercra nova mente recommendados as pessoas que qui/.erem usar de remedios
verda lew*, energios e duralores: ha tudo do melbor que se pode desejar, globos de
v-t-r I ideiro assucar da leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acredi-
ta is estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparagao, e portaato a maor
en irgia certeza em seus eifeitos.
Casa de saud? pim escravos.
Rjcebe-so escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
aperacJo, p ra o que o annunciante julga-se suCQcientemente habilitado.
O rattmento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
fu i clonando a casa ha mais de quatro annos, ha muitas pe.-sons de cujo conceito se nao
pj.le Juvidar, qte podera ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 2$ por da durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
Asoperages ser) previam3ote ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos pregos
razoaveis que costuma pedirr o annunc ante.
DIN COM.UMHAS.
No ultimo vapor vindo da Europa
Superiores cortes de seda de cores o que tem vindo a Pernambuco de melhor gosto
emseda.
Assim como mais algumas fazendas de bora gosto para vestido.
RA DO CRESPO \. 13
LOJA DE
Antonio Correia de Vasconcellos e C.
CORTES DE SEDA
Chegaram pelo paquete inglez riquissimos corles de moreantique de cores, e seda lavrada pa-
aro.s iDteiramente novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RA DO CRESPO-5
Gregorio Paes do Aniaral fc Companhla.
Manteiga i gleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de l.oooa l.loo rs. a li-
bra, e era barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs,
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cb uxim de primetra e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hyssan o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porco ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
BiSCOlltOS
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehinhas
Latas com bolachinhts da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
, dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos fiamengos chegados no ultimo
vapor a 2,5oors., tambem ha do vapor pas-
sado a 2,3oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l,ooo e l,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porgao
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douto, Mara Pia, D Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oors. agarrafa.
CAF
Caf do Rio de 1.* e 2,a qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
I A BAO
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre" de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafi e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 600 rs. a
garrafa e a 4,600 rs. a caada.
Massas
Macarro e talaerim a 360 rs. a libra e a
5,ooo rs. a caixa.
Passas
Superiores passas a l,5oo o quarto e
j 5,5oo a caixa de arroba hespanhola e a 32o
rs. a libra.
GEXERRA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5ooa
duzia e l.ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanla verdadeira a 6,000
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,000 rs. o garrafao. Tambem
ha arraloes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a j
6,000 rs. cada um.
* VELAS
Velas de spermacete a 600 rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs
arroba e de 36o a 44o rs. a libra,
PEIXE
Peixe em latas j preparado de l.ooo
l,2oors. a lata
ALPISTA E PAINgO
Alpista e painco muito novo de 3,800 a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 100 rs. a li-
bra.
CHABUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Joo Furlado da Serrias,
Maooel Peixoto da Silva Nelto, Castanho &
Filho e Brando e de outros muitos, os
quaes vendemos pelo mdico preco de 1.6oo,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.
Licores
Licores francezes eportuguezes a l,ooo e
! l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doees
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o caixo.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conlen-
dopera,pecego, ameixa raintia Claudia, al
AZEVEDO a FLORES
Ra da Caeia do Kecife, esquina da Madre de Dos,
BALdES
Os ricos bales de arcos com muita roda para senhoras.
Bales de arcos para meninas de 2 a 12 annos 2$ e 20500.
dem de panno para meninas 3 e 3^500.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda superiores com 12 asteas 9#.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, porm maiores 100.
dem idem com 16 asteas 12$.
Chitas.
Chitas largas soffriveN a 240 rs.
dem meihores a 280 e 300
dem escuras linas a 320 rs.
Tapetes.
Bicos tapetes grandes e pequeos com ricas estampas para sof.
Camisas.
Ha nm completo sortimenlo de camisas francezas de 1^800 at 5 les variadas qualidades: pregas largas, ditas miudas, peitos de fusto e de cores.
Camisas de meia.
Ha grande sortimento.
Cambraia branca.
Lindos e superiores cortes de cambraia com barra a 40.
Superior cambraia branca para vestidos.
Cambraia para forro.
Calcas.
Calcas de brim pardo superior a 2500.
dem de bonitas e superiores casemiras de cores,
dem de superior brim branco, ha de diversos precos e qualidades.
Mantas para pescoco.
Bicas mantas para pescoco de homem de Qnissima seda e de ricos padres, qne
s o Balo tem.
Paletos de casemira.
Superiores paletos saceos de casemira.
Paletos.
Finssiimos paletos de alpaka branca a 50,
COIIETES.
Cohetes de casemira a 45 e 50.
dem brancos a 20500 e 30.
Saceos para vlagem.
Saceos para viagem a 50 e maiores a 60.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico novas
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas sup:e sempre ser as mesmas fa-
zenda.

UIENNE
Sab3o maca de primeira qualidade de 18o perche e outras frutas a 7oo is. a lata.
a22ors. a libra e de 16o a 21o rs. sendo Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
em caix3o. lata.
Farinha de mandioca.
TVm para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze
Vido-i C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
COiares Royer ou colares ano-
dinos
para facilitar a deotigo d >s criangas e preserva-
la< das convules.
O feliz resultado obtido immcn-as vezes pela
prodigiosa frca magntica dos colares Royer, nos
casjs de coDvalsdes, e denti^aj das crianca*. tem
mente elevado o seu bem merecilo prestigio,
e hoje. j4 se p'le dizer que estao gerMmento con-
ceituado?, e estimados de rotnrmeraveis pais de
familias : do uns porque do uso desses salubres
cilares viram salvos do perieo seus charos filhi-
nho, e, de outro? porque colheram daquelles to
pr-)fi<:uo exe.mplo para KOalineme preservar os
fcHM. Assim, pols, aaguia brancj, trndo em vis-
usa utili'lade. eproveit" desses prodigiosos rola-
1 a .nudinos ou Royer, mandou vir o novo sorti-
i tuto que agora recebeu, o continuar a recebe-
l'i.- ;i.ira que em lempo algum a falla delles possa
ser funesta ao< pas de familia, os quaes flearao
cerlos de os achar constantemente na ra do Qoei
mada, I ja d'aguia branca n. 8.
TERRENOS A' VENDA.
Vndese um terreno proprio para edificacao,
coocado no centro da cldade, com 68 palmos de
frente e 218 de fundo, tendo tres frentes, para a
ra da raima, da Paz e da Concordia : para iufor-
m ii5es, ua ra do ?ol n. 37.
Atten^ao o barateiro de ob-
jectos chegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous grandes lustres de vidro Saos
com 24 luzes, do melhor gosto e por prego raroa-
vel; assim como apparelhos para cha e para jan-
tar, -brancos e de cores dilereotes ; ditos de por-
celana dourados e pintados e brancos; apparelhos
para jantar de porcelana branca; tamnem se ven-
dem em pegas separadas, como os fregnezes qal-
zerem, compoleiras lapidadas para doce, clices
para vinho, ditos para champagne, copos para agua
e para vinho unos e ordinarios, em caixao e a re-
talho lanteroas de tedas as qualidades de vidro:
ditas de ca-quinho inglezas muito finas; candela-
bros de vidro e de bronze; serpentinas, vasos de
porcelana e de vidro paradores; bilhas harabur-
guezas para resfriar agua; barricas com appare-
lhos de mesa para jantar; gigos com apparelhos
para cha; e outros muitos sortimentos de todas as
qualidades e pregos commodos vontade dos com-
pradores, que se vendem na ra da Cadeia do Re-
cife junte ao arco da Conceigao n 64, e na roa
Nova no grande armazem de louca e vidros junto
igreja da Conceigao dos Militares n. 49.
Vendem*se
machinas americanas de serrote para descarogar
alfodo : na ra da Senzala ova n. 42.
Receberam Gregorio Paes do Amaral & C. um variado sortimento denovidade
orno sejam:
NOVOS PADRES EM (MES DE SEDA
COLCHAS DE DAMASCO
Porluguez e francez, de seda e de la e seda.
Lindo sortimento de leques de maure-perola, marflm e osso, transparente e de
seda com mimosos bordados.
VELLUDOS
Verde-salsa.
Azuleno.
Cor de vinho.
Carmezim.
LUVAS DE JLVI\
Brancas e de cores para senhoras e homens.
laiAVATAI
Mantas de meia, de seda, de retroz de duas voltas largas e muito eslreitas de
urna s volta.
Grosdeneples de todas as cores.
CINTOS
Com fivellas de tartaruga esmaltadas, madreperola e cobertas de seda, feilas para
as mesmas, etc.
t II \ I.IS DE FIL DE CORES
Gostos inteiramente novos, anda nao vistos neste mercaao.
CASEMIRAS
De quadros miudinhos e largos.
Enfeites
O mellior e mais moderno sortimento de enfeites proprios paraKocke com bons
penles de tartaruga e sem elles.
Chapeos de castor branco muito finos da ultima moda,
Cnstuoies para meninos
de gorguro de la de diversas cores, bordados com muito gosto.
Penteadores par* senhora.
Camisas para senhora.
Ditas para homem.
Vestidos feitos para senhora.
Tudo por precos razoavels.
5 RA DO CRESPO 5
Gregorio Paes do Amaral

Acha-se
As melheres chitas francezas de cores
escaras e fixas a 280 rs. o
covado!!
Na ra do Qoeiraadon. t vendem-se chitas fran-
cezas escoras e (loas a 280 o covado.
Vende se urna parte e um predio no sitio dos
Arcos, perts da igreja dos Remedios, o qual pro-1
prlo para olaria por ter excellente barro, e as Ier-
ras quasi todas proprias : a tratar com Joaquim
Jos Gnnealves Beltrao, ra do Vigario n. 17, es-
criptorio.
0 castello de Grasville.
Traduzido do francez por A. J. C. da Croi.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3$00C
ua praca da Independencia, livraria os.
6 e8.
ALMANAK
DE
L$2MBIt**^AS
Lnso-Brasileiro
PARA i 866.
POR CASTILHO.
Vende-se na livraria economicajjunto ao arco
de Santo Antonio,
Vende-se no escriptorlo de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19 :
Vinhos do Porto muito superiores em caixas de
1 duzia e harris de oitavos e decimos.
Muscatel de Setobal da melhor marca, em caixas
de 1 duzia.
Palmella tinto de excellente qualidade em caixas
de 2 duzias.
Vinhos de Lisboa muito superiores da marca PRR
em pipas e barris.
Cera em velas.
Portadas de pedra de Lisboa.
Azulejos para frentes de casas.
Vende-se um carro (victoria) novo e elegan-
te, com os arreios competentes de metal principe :
na Ponte Velha n. 8, por preco commodo.
venda na livraria acadmica, na roa do .Impera-
dor; Da do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Antonio ; e na typographia imparcial, na ra es-
trella do Rosario a compilacao de toda a legislacao
tendente administracao, arrecada^ao e flsrali-
sacao dos dinheiros de orphSos defuntos e ausen-
tes, herancas Jacenles, legados, etc., contendo nao
s o regiment de cusas e a lei geral das execn
cSes, como tambem todas as ordens e avisos do
governo, qne a tudo tem explicado, tanto a respei-
to das obrigacSes inherentes ao cargo dos difieren-
tes empregados de justica e fazenda, como dosdl-
reilos nacionaes e emolumentos que sao devidos.
Este livro contendo mais de 700 paginas em nitida
impressSo e bom papel, e prestando-se a utilidade
de dlfferentes classes, torna-se recommendavel.
Seu cusi 10$009 por cada exemplar em dous
omos.
Attencfto.
Vndese carne e HneuiQas do -erid a 400 rs.
a libra : no pateo do Carino, esquina da ra de
Horlas, armazem n. 2.
m Bichas de Hamburgo I
todos os paquetes da Europa se recebe |
"-.%;* destas amigas do sangue humano e se 2S
fei vendem a troco de pouco lucro s aflni &
Jsft de ter sempre cousa nova : a loja de bar- Jt
beiro ra estreita do Rosario n. 3, ao p ^
M da igreja. S
FARELO
de Lisboa o mais superior que ba 43500 e a 54000
o sacco : na ra larga do Rosario n. 50, taberna
da esquina, defronte da igreja.
Menco.
Vende-se
Bramante de linho fino e largo para lences.
Brim lona encorpado e fino para montara.
Mantas para cavado.
Cobertores de algodo de um e dous pellos.
Na casa de Edward Fenton n. 17, ra do Tra-
piche.
Vende-se doce de cajn', laranja, groiella e gela
em latas de urna e dnas libras a 700 rs. a libra :
nn largo do Carmo, esquina que volta para a roa
de Hortas, armazem n. 2. ___________^
Colla da Babia superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azevedo &
C, no sea escrlptono ra da Crnz d. 1.
Atlenco a pechincha
Sapatos de tranca com sola de cortica ilf o
par : na rna do. Ljvramento n. 8.


1

Diarlo de Pernambnco <|nata ?e!ra II de settmhro de ?*.
0
GERENTE
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
ffSfll HKDDmia 3)1 31 DSi WM
AO
ItESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 nm magnifico sortimento |de molhados,
que sendo em sua maxinvi parte mandados vir directamente do estrangtinTpodem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
V Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos.
\s pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharao nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucax, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, elo sea proprio interesse, a esle estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhons que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
A Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 120 rs. a libra. urna,
dem e painco de oito libras para cima a! ti.
100 rs. ,' KIRSCH de Wasser a 2 a garrafa.
Arroz de 90 rs. a libra a ........., i,
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra. LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
AO PUBLICO
Sem o menor conatran
gimen (o se estregar
importe do genero qne
nao agradar.
a E' BARATISSIMO! I!
Grande liquidacaode fazendas e rnpa
feita nnciraal, na ruadalmppralriz
n. 72, loja de Guimaraes k liroo.
Os propretirios deste estabelecimento lem re-
solvido liquidarem suas fazendas por preces bara-
I tissimos s com o fim de ai r*rar dinheiro, aprove-
" i tem as pechinchas.
Vende-se um grande sortimento de chitas fran-
ae para O ajuste de COniaS cezas largas a 260,280, 300 e 370 ocovado ; ditas
ATTENCAO
os presos da segulnte
tabella para todos, po-
rteado asslm servir de ba
com os portadores.
libra.
latas de todos os
la-
Avellas a 210 rs. a
Ameixas francezas em
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absvntho a 2^000 a garrafa.
Letiua a 400 rs.
BOLACHINHA^. do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas,
dem do Principe Alberto a 13800 a lata, e
de cinco para cima a 13700.
dem de so ia em latas grandes a 23000 e
de cinco para cima a 13800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
13200,13250e13300.
Bolo francez era caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banha de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 13 a libra.
dem de musgo a 13500 a libra.
Chocricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a*2i0 e 260 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 ra, cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 13800 a dnzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposico,
Flor do Brasil, Par sienses. Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Kegalia, Mississipes,
Panetellos, \praziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto pota branca, etc., etc., a 23000,
232"0,23560 e 23800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 23500, 33500, 43 e 53.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 13 e 13500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos,a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
m
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 13, a libra.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
IMacarro. e talharim a 320 rs. a libra,
tama-, Massa de tomate a 6C0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
33500.
Mir.iio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
El
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
americanas.
Ostras inglezas e
PEIXE em posta, latas grandes, a 13tOO, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadioha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras era latas, excedente preparaco.
Palitos para dentes a 120 rs. o mago muito
grande.
Passas em qsiarto a 13400.
dem muito novas a 400 rs. n libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINHAS OU MORINQUES a
II
RAPE' Meuron a 13 a libra,
dem Princeza do Rio a 13200 a libra,
dem francez a 23500 a libra,
n
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25?.
Sardiniias de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Steari.nas a 600 rs. o mac.
Sag muito novo a 100 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da ConcelcSo)
, PARA BEM DE TODOS.
Senhores
eza com que serao trat
ra dos gneros que precisarei e quanuo nao pussain virpooerao manaar seus poriauores, ainaa que estes uco orticos
rois serao to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendagSo, afim de que nao vao em
" p?r1e.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancorelas de S caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, loo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,goo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainlia de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, I5,ooo,
12,ooo e 1 o.ooo a caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Chercxde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartees com bolo francezmuito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
a 5,ooo e 5,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimoa3,ooors.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Chocolate francez 'espanhol e suisso a 9oo, I Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l,ooo e l,2oo rs. a libra. [ Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. : Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Peixe em posta em latas hermticamente la-' derrito no Beato Antonio, emlata de 6 li-
cradas e das melhores qualidades de pei-'' bras por 2,5oo rs.
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francez;s em f:asco de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- lampa domesmo, a 135oo.
das que vem ao nosso mercado a 7,oooe Ameixas franc zas em csixinbas de diversos Azeitonas' de Rivasem ancoretas grandes de
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris agar- tamanhos com bonitas estar pas na ca-1 8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
tra
Manteiga ingleza especialmente esctlhida a
l,ooo e 8oo' rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra,
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costclletas inglezas a 64o rs.alibra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio-de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra,
dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
percalias muito linas a 360, 400, 440 e 600 rs. o
covado : isto s na loja de Guimaraes & Irmao,
na na da Imperatriz n. 72.
E' muito barato I
| Cortes de la rara vestido de senhora a 33.
Cortes de laa a 33.
Cortes de aa a 33-
j Aos 3.C0O covados de 15a,
Vende-te lazinhas de qoadrose de listrinbas de
lindsimos padr5.'s a 220, 240, 280 e 320 rs. o co-
vado, vende se assim barato por ter menta porcao
e querer se acabar : isto s na loja de Guimaraes
& Irmo, ra da Imperatriz n. 72.
Aos ,000 chales de merino.
Vende-se chales de merino estami ado a 2JC0O
e 2SC0, ditos de merino liso a 3S), 4 e 52,
I ditos linos a 62600, 72, 7'< O e 8.
ande soriimenio de cor es de vestido de cam-
n) barra, pelo barato preco de 3j, 32(0 e
Dilos de chita a 22, 22500, 32 e 32500.
Vende-se pecas ce madapolo com 24 jardas a
4*500, 52, 6& 72, 82, U e 102
Sal refinado cm frascos de vidro com tampa e fia""*coin ,2 jardas a 3^T0> '&
tw! a/00 rS' Vende-se um grande sortimento de goilinhas
Verroja Dranca (las marcas mais acreditadas'para senhora e meninas pelo barato piteo de 320,
que vem ao mercado, a 5oo 56o e 64o 4U0 e 6P0 rs-cada unia : ist0 0 na 'ia de Gui-
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du- Diarts & Irma0' ra da ""j* n-
zia. Roupa fela
Cevadinha de Franca muito nova a2oorsi r Roupa feila
f.hariilni.InalTimoL e.hl-n IV Grande soriitrcnlo de runna feila de Ifdas as
Larutos 00 aflamada fabricante Jos Forta-! quahdades, que se vende por .ecos l.araUssimo ;
ao aebimas, das seguintes qualidades: affianca seque se vende ptr menos O por cento
Exposico Normal de Havana, Imperiaes,! d,,]m'm oul.ra quai.juer pane.
Londrinos, fiuanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n:eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, interinos. Vencedores,
Panalellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muo novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementelem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Rnibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Ka nova l*>ja de fazendas de Guimaraes
k Irmo.
Rna da Imperatriz n. 92.
Mllho snperior
Vende-se no trapiche do bario do Livramento
no Forte do Mallos.
esgbavos nma.
Gratificaco Ausentoujse da basa n. 59 da ra do Imperador
(outr'ora Collegio) no sabbado 16 do Crrenle mez
de setembrode 1865, o escravo pardo denome Joa-
qoim, com os signaes seguintes: estatura regnlar,
idade 18 a 20 anno?, sem barba, | es largos, olhos
grandes, cabello corrido, com urna cicatriz grande
e bem visivel na testa, parte dos drtie? da frente
arruinados, e com falla de alguns w. lados, sahio
com caiga de brim pardo e paletot cario de panno,
mas levou mais roupa branca e de cor, muito
astucioso, costuma intitular-se forro e andar cal-
cado ; foi escravo do Sr. Guilherme Frederico de
Souza Carvaiho, genro rio finado Sr cominendador
Manoel Goncalve.s da Silva : roga-se -a
a toda. as autoridades policiaes e a qualquer ea-
pito de campo ou outra pessoa particular que o
apprehender se gratificar com 302, alm das des-
pezas de conduccao, entregando-o a seu sen! ;r
Miguel Jos Alves, na casa cima, ou no seu es-
criptorio na ro da Cruz caa n. 19.
rafa.
Genebra de Hollanda
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a
e 64o rs. o frasco.
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, 1,8oo e 2,ooo I Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
a 48o rs. a botija de cada urna. l,5oo cada urna ancoreta.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez | Champagne da melhor qualidade
V
VINHOS
!!!
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.! chamisso
Principe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 2# a garrafa.
Lagrimas do Douro a 16500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
Duque a 10 e 10500.
B
ERVILHAS seccas a 120 rs. a
srvadoce a 400 rs. a libra.
F
libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
FeijAo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 10.500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
[mouisaua 10, 10200 e 10500 agarrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posico alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Juiien a 600, 800 e 10 a garrafa.
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 200.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. l caada.
Na offleina de ferreiro da roa do Jasmlm n.
24, ha para vender urna c.arroca feita, com esmero
e propria para carregar urna pipa com agua, afim
de vende-la pela ra. Na mesma offleina ha tam-
bem um cabriole! de duas rodas, novo e muito bem
acabado ; quera pretender estes objectos, pode di-
rigirse a mesma que achara' com quera tratar.
Catangas Unos e brinqnedoa
para meninos.
Lhegarara para a loja de miudezas da ra do
Queimado n. 09, os mais finos e lindos calungas
tanto para brmquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezs*.
Potassa da Russia
Lavas de pelllea.
Receben pelo nllimo vapor lindas lavas de pelli-
ca de cores e brancas para hornera e senhoras : s
quem receben foi o beija-flor, aa roa do Queimado
numero 63.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,oooe H.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,>oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java
roba.
6,8oo a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixa
' Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra,
loo Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes.
a 8oo rs. o frasco,
a 8o rs. a libra e 2,400 a ar- i Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e i,oooa Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a
Uto.
lata de urna libra e56o rs. a reta-
10 a garrafa e 11 ,noo a dnzia.
Palitos de dente a lio rs. o maco.
que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosemsextinhas a 8o rs,cada urna e 72o
rs. a dnzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 6io rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 .4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
DO AFAMADO JOUVIN.
Vende-se pelo preco de 22 o par luvas novas de pellica de Jouvin, chegadas no nllimo va por
para homem e senhora : na ra da Imperatriz loja de miudezas n. 54.

3

-i
3 "2
8 "2
al 1*8
as
CD
5.5
o 25
1 g
I
s; s o o i
a
CO, o;
aSSg
O UK
en ^9
g 5*73 H
KHP
V CD en c =.
Q.
=: o O -i
= ar s =
en T3 ~ CB'
IrSii
i5
- 3 =o
o. 3 b =^
So S 2
ca.-1 a
o
o
o g,
ca.sr
" < CD
O "

-i
o
SJ
CD
8
o> en
>2 CD
c?3. 3
a 8 8
O v
OQ 73
03 a>
?--.Je;B^
&les slisn
2.
R: a 2
o
Bl. 5-
o Erg-
en O
o.
3
w
3
i
I
8'2'S
u *

o
o.
=^- %
n
O fia
O en
a >
a,
o
o
2
S
o
>
Tasso Irmaos
Vendem no seo araiazem rna do
Amorim n. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores linos sortidos em garrafas com rolbas d
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Vendera-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem trasplantadas: no sido murado i es-
qnerda, depois i do becca do Bspinheiro, nos Af-
flictos
M4CIHN4SDEP4TGNT
de trabalhar mo para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C,
01DAM
Estas machinai
podemdescarocar
^qualquer especi
"de algodo sem
estragar o fio,
sendo basianu
duas pessoas para
otrabalho; pd<
descarocar urna
arroba de algo-
do em earocc
em 40 minutos,
oo 18 arrobas
por dia od 5 ar-
robas de algodc
limpo.
A LEGITIMA
uiunnnu
No dia 3 de selembro desie eorreota anno de
1805, fuglo do lugar de Malhadinha, comarca de
Litk eiro, o escravo Sivirino, crionk), ^l^rtencrnle
ao abaixo as>-i};nado, cem os signaes stguintes:
idade 30 annos ou mais, preto. altura regular, bem
fornido de lodo corpo, pouca barba, lera em cima
de um olho um carocinho sobre as co.-ias, lem al-
guma marca de chicle que mal se diferena :
quem pegar dito escravo leve em casa de seu se-
nhor, que tem a gralificaeo de 1105-
_____________Homingos Gome:, de Arruda.
Fugio.
Mo dia 6 de sgesto o escravo crenlo de nome
Tiberio, idade de 20 a 23 ?.nnos, estatura luisa e
com farta de um dos dfnles de tina, loi escravo
ao Sr. Francisco de Albuqnerque Marfnhao Ca-
valcanti : quem o pegar 00 delie der noticia qnei-
ra dirigir-se a ra da Cafleia do Beeife D. 33, loja
de Valle Porlo & C, que sua' rtccn.iet.-ado.
Ao amanhecer do dia 2G de agosto fugiram
do engenho Camaragile dous esmvos crioulos,
ambos carreiros, sendo nm de pume S> n cao, na-
tural do -eriao d Ouricuiy, alto e bem feto, cara
redonda, nao miito prelo, e sofre de uir.a hernia;
o oulro de nome Nicolao, cascido lo mesmo en-
genho, estatura ordinaria, setco do roroo e robus-
to, ra mesma ocrasiao desapparccei do servico do engenho. de suppor que lenham si-
do levados por elles, ou por a'gun que Ihes ser-
vio de guia e seductor, perqu na r.i ile preceden-
te a sabida dos ditos escravos foram vistos daus
hemens cm communicacao cem o Stmeilo junto a
entrada do engenho : quem prender e trouxer ta-
tos escravos ser recompensado
Ansenlou se de casa no dia 2i> desie mez"
escrava Ignacia, crioula, cor fula, dente> limados,
beicos grossos, estatura regular, cheia do corpo,
levou vestido encarnado, chale de ia preto velbo
nos hombros, e mais alguma roupa de seu oso :
na rna da Penha n. 17 se gratificar.
Ausentou-se de casa no dia 28 de agesto pr-
ximo passado a escrava Igoacia, crioula, cor fula,
beic.os grossos, dentes limados, estatura regular,
cheia do cerpo, idade 28 a 30 annos, leviu vestido
de chita encarnada, chale de laa prelo velho e
mais alguma roupa de seu uso : na ra da Penha
n. 17 se gniflear.

%. SO
Assira como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodo
Itmpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutns dessas machinas.
Os mesmos lera para vender um belllssirao va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem vr e examina-lo, no arma-
zn) de algodo, no largo da ponte nova n .47.
Saunders Brothers & C.
IV. II, prava do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
PREPARADA NICAMENTE POR
LANIAN & KEJIP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando de
propriedades eminentemente depurativas;
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usadajnos principaes bospilaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilhas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CTJRA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, eo-
fermidades venreas e mercuriaes, cbagas
antigs, morphea e todas as molestias pro-
renientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaces e
falsificacoos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambuco ra da! ^ ^^ e ch>t os,e costuma andar deaiper-
Cruz o.22 em casa de Caros & Rarboza
No dia 28 de agosto prximo passado desappare-
ceram do engenho Parary, sito na comarca do Li-
moeiro, os escravos Francisco e Alexan.'re, per-
tencentes ao major Claudino Corma de Mello. O
primeiro alto, secco do corpo, um tonto espada-
barba, cabellos caraptnhos, ps curtos e largos,
sahio vestido de calca e camisa de algcdSo azul,
cbapo de feltro, levando tambem comsigo urna
trouza contendo ronpa de nso, a saber: camisas
de chita e calcas brancas e pardas, levou tambem
um chapeo de conro, mu ladino. O segundo
preto, crioulo, secco do corpo, estatura regular,
lem falla de dentes na frenle, um punen barba-
do, e tem ps finos e bem feitos, lamLem muito
ladino. Ambos sao mocos, tendo de idade 32 an-
nos, pouco mais eu menos ; descoLfia se que te-
nham lucido para assentar praca nesta provincia
e o em outia qualquer : qum os apprehender pode
lvalos oo ao dito engenho, ou a' casa Oe Bruno
Alvaro Barbosa da Silva, na ra da Cruz n. 45,
qne ser bem recompensado.
A Uencw
Acham se fogidos os escravos seguintes: Bento,
mulato, idade de 25 annos, cabellos annelados, sem
barba, denles um pouco limados, secco do corpo,
testa larga, e falla um pouco descansada ; e Luiz,
cnonlo.j um pouco velho, altora regular, muito
cabelludo, barba com alguns cabellos brancos, as-
sim como na cabeca, corpo reforcado, olhos um
tanto pequeos, falla grossa e as vezes finpe s
ronco : pede-sc as autoridades policiaes e aos ca-
pitaes de campo qne os faeam apprelicnder e con-
duzi-losa' ca-a de seu senhor o major Antonio da
Silva Gusmao, que generosamente recompensar,
e Ibes pagar toda despeza qne flzerem coro a san
conduccao : snpp5e-se que elles terao ido em se-
gnimento dos serldes desla provincia, por serem
fllhos desses lugares.___
Fugio no dia 18 do corrente mez o preto cri-
oulo de nome Isidoro, de 30 annos ponco mais
ou menos, alto, rosto comprirto, suissa ponco fecha-
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa,
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
liiSalata: nos armazensda ruado Im-
perador d.<6 e ra do Trapiche Novon. 8.
Vende-se nm sitio no logar de Bemflca, Pas-
sagera da Magdalena ; quem pretender dirija-se a
esta typographia.
gatas, levou camisa de algodo, caicas velhas a
rotas, chapeo de palba velho, e tambem um booet,
caranguejeiro. Se nao andar vagando por esta
cidade provavel que leona Ido para Serinhaem
on Rio Fonnoso, onde j tera sido capmrado oor
vezes. Roga-se s autoridades e capiles de campo
qne apprehendam e o levem ao sen senhor Jlo
Cavalcanti Lamenha Lins, residente na Estrada
Nova,sitio de Jeronymo de Hollanda Cavalcanti de
Albuquerqae, qne se recompensar generosa-
mente.

---------------



Diarlo de Pernattbueo Qulna felra Si de Seembro de i.
LfiEMrM.
lUE.Vrr.O DA GUERRA.
O Diario do Rio-Grande conta por esla raaneira
a derrota dos Paraguayos.
Viva S. M. O Imperador !
Viva a nago brasileira !
Viva o exercito alliado !
Viva o exercito brasileiro t
goayana, sem temem o que comer, devem render- A Inglaterra, aperar de serna paiz essencial-
se de ora monelo a outro. meDt9 Industrial, comtnerelal e agrcola, e nimia-
mente dedicado aos trabalhos e as artes da paz, ao
panto de incorrer, por esse motivo, no escarneo do
da rend.gao por ome ou por primero Napo|eo> M|rih|o MM aTOluda divida
para (azer face s desperas da guerra.
Mitre deteve o Paro, porque esperava por ins
tantes a noticia
armas.
Concluida a lula no lado esquerdo do Uruguay, Este facl0i embora nio seja geralmente lera-
o exercilo se pora' em marcha sobre a columna do brado offerece ampia justificago a' qoalqoer outro
Paran. estado, que apparega era seu mercado, com igual
O commissario Bernardo Dobla, sorprendeu ao pretengo.
mestre do Estrella, barco que navega desta cidade j Com effeilo, digno de notar-se, quando se exa-
Os Paraguayos que estavam na Restaursgo, no' para Gualeguaycb, uraa porgo de cartas escrp-1 mna 0 quadro da nossa divida nacional, como
out.-oiado do Uruguay, foram completamente ba- las em Mercas annunciando aos blancosemigra- j muitas das suas verbas s5o devidas a' guerra.
Udos no da 13 do corrente com grande perda de dos, que para o da 30 de agosto haver um le-1 gra summa, toda sua importancia perlence, por
gome, pelos dignos generaes alliado?, oriental Fio- vantameuto no departamento. assim d,eri aqufl,|a cathegoria.
res e argentino Paunero, e pelo coronel brasileiro Tamben se apanhou urna carta dirigida de Gua- No anno de 1G89, pocha de nossa revolugo,
Fideiis e oulros. leguaycb a um sargento dos abastecedores, en-
Um hurrah a esses bravos! carregando-o de mandar fazer urna langa.
To faustosa nova nos foi dirigida de Sant'Anna, o mestre do Estrella foi desterrado de Merces.
do Livramento por um proprio especial. Do Minas Geraes da ultima data extrahimos o
A falta de tempo de nosso correspondente nao seguinle :
Iha permittio narrar-nos minuciosamente todas as
peripecias do ataque ; e mesmo porque nao tinha
riada sido publicada a ordem do dia do genera1
commandante das forgas victoriosas.
A forga do inimigo era de quatro mil e tantos
homens, e destes poucos lograran) escapar I
Os valentes generaes Flores e Paunero ficavam
a passar para este lado, a reunirem-se com o nosso
oxercito, ao mando do Exm. Sr. lente general
baro de Porto-Alegre, que a esta hora tambem ja'
lera' derrotado o resto do iuimigo, junto a Uru-
guayana. Temos f robusta que esla nossa pre-
iUmpgao sera' iufallivel.
O Uruguay coniinuava a crescer, e no mesmo
memoravel dia 17 de presumir tivesse passado o
Sallo nossa esquadrilha.
Principiam as consas a desandarera para o ini-
migo, e se temos tambem, como presumimos, aca-
bado com o exercilo paraguayo que invadi a pro-
vincia, a guerra sera' mais curta do que se nos an-
lolliava, e em breve tremularam em Assumpgo e
iiumaita' os pavilhes brasileiro, argentino e orien-
tal. E queslao prompla a resolver-se.
Eis a carta que recebemos :
Em frente a Uruguayana, 17 de agosto de
l36o.
Fomos observadores da completa derrota da or-
.;* paraguaya, que estava na Restauragao, o que
ue coraniuuico as pressas, e o felicito como brasi-
leros que somos.
A's 10 oras do dia tormaram-se as linhas para-
guayas, que seriam de mais de 4,000 bomens, e
maior a do general Flores, alm das forgas de re-
serva. Roropeu o fogo de anillara, e logo o de
uzilara que foi cerrado al 1 1/2 da tarde, em
que lindou com a retirada dos Paraguayos que bem
depressa se extraviaran) -era completa derrota per-
seguidos pelos vencedores.
Cont s o que foi observadodesle lado, por isso
nao dou conta dos mortos que deyia ser grande,
contra o fundo do rinco que forma o Uruguay
com o arroio Chico, porque o Uruguay esta' campo
fra.
O Io tenente de marrana Mallos, que vem com-
mandar a nossa esquadrilha diz que os quatro va-
pores nossos, quando elle sabio do Salto, s espe-
ravam mais 0 palmos d'agua, e ha quatro dias a
muito mais tem subido, por conseguinte aqui tere-
raos os vapores e augmento de infantaria.
O general Flores em Sant'Anna Velha, do oulro
lado, a 13 do corrente, fez juneco com o general
Paunero que vmha com 5,000 infantes e 3 boceas
de fogo raiadas.
Junto a Flores ficam 14 batalhoes com 7,000
infantes, total 12,000 homens.
Apora devem passar na esquadrilha as infama-
ras para esle lado, que reunida aos nossos 9,500
homens e arlilharia, formaro urna forca respeita-
vel para atacar e derrotar os 9,000 Paraguayos na
uruguayana.
P. D. A's 9 horas da noile. Noticia o Mada-
riaga que failou com o general Canabarro.
O inimigo linha de infantaria 3,200 homens, que,
com a cavailaria, azia ao lodo 1,000 bomens.
A liara delles suatenlou vivo fogo por 1/2 hora,
sua esquerda fraqaeou pela melralha; sao tenazes,
uo se rendem, o que fez com que se escapassem
vivos o major Duarte, commandante da forga, 40
prisioneiros feridos, 7 canoas de fgidos para a
ilha, e alguns de cavailaria a nado no arroio ; to-
dos os mais morreram; desle lado via-se com
oculo de alcance o campo eslivado de cada-
veres. .
No Echo do Sul l-se :
Finalmente os vndalos Paraguayos comegam a'
receber o castigo que Ihes esla' reservado.
No da 13 do corrente o general Flores, de cujas
forgas fazem parte tres batalhoes brasileiros, der-
rotou completamente as forras paraguayas de alm
do Uruguay.
O inimigo foi levado a' bayoneta e esmagado pela
cavailaria I
A seguinte carta do tenente-coronel Sezefredo,
pirticipa ao major Antero, este brilhante feito
d'armas.
Eis a carta :
Illm. Sr.Apresso-me a communicar a V. S. o
oflicio do general Caldwell, com data de 15, em
que diz que dentro em dous prximos dias espe-
rara que sero derrotadas as forgas paraguayas
d'aquem e d'alm do Uruguay.
Outro sim, diz o proprio que no momento da sa-
5 agora tivemos noticias mais minuciosas dos
| obsequios e favores que recebeu o corpo de volun-
tarios mineiros da cidade do Parahybuna em
dianle.
exactamente um seculo antes da grande revolugo
franceza, sua total importancia era justamente L.
664:439.
No reinado do William III, a importancia de L.
15,730:439 foi aecrescentada a' primeira conta.
Desde a accenso de George II at a' paz de Pa-
rs de 1763, a grande verba de L. 86,773:192, foi
de novo debitada.
A guerra americana custou-nos nao menos de
L. 121,267:993.
Para continuagao da viagem forneceu o director iNem carecemos de cingir-nos a' Inglaterra (si
da companhia o Sr. commendador Marianno Pro- bem que ella apparega incontestavelmente, com
copio Ferreira Lage, 16 carrogas para conduegao proeminencia, no mundo, a' este respeito) para
de doentes e bagagem e mais urna grande diligen
tnraes consequenclas : o aperto que appareceu foi
enorme; a laxa do joro elevou-se nm grao ex-
traordinario ; o capital foi desviado da produegao ;
os operarios soffreram em seus salarlos, e o soffri-
mento tornou-se a condigo geni.
Portanto, se a guerra fr considerada urna razao
insufflciente para crear urna divida, pode-se muito
bem aecusar a Inglaterra de ter creada a maior
divida publica do mundo, nao s para um mo
fin, como anda pelos peiores meios
nao obstante ha mlhares que defendem as suas
snas guerras e todos os emprestimos que arras-
taram.
O cerlo que a Inglaterra, al hoje, nao smen-
te tem de lempos a lempos resgatado mullos mi-
lhoes sterlinos de seus emprestimos accumulados,
como anda o seu ministro da fazenda, quando
comparece annualmente perante o parlamento sen-
te-se embaracado, nao para equilibrar a receita
com a despeza, mas para dispor proprlamente de
um avallado saldo, reduzindo avisadamente os im-
postos.
O Brasil, na presente conjunctura, nao se pro-
poe contrahir nm emprestimo domestico, mas a'
levantar um estrangeiro, e a mestna Inglaterra
que elle esta' recorrendo.
Como ja' expozemos em outro lugar, nio ha mer-
cado, em que, desde a nossa passada historia, elle
ca para os olciaes.
as estages do Parahybuno e Mathias o rancho
foi dado gratuitamente s pragas pelos Srs. bario
de Puangni e Joaquim Vidal Leite Ribeiro.
Na ponte do Parahybuna foram os oIBciaes e
pragas muito bem recebidos e tratados cora o pro
mostrar quanto dinheiro as nagoes tomaram de teDha melhor direito a' serattendido ; e, alm disso
emprestimo para satisfazer aos encargos da guerra. Pde ser cora lda justga asseverado que, procu-
' rando nossos capitaes (suppoodo serapre o seu
crdito bom), elle apparece, era seu carcter de
antigo freguez, muito a' proposito, muito opportu-
namente.
O simples estado de negocios prova isto : elle
A verdade urna s, e applica-se a todo mundo.
A grande Repblica do norte da America forne-
ceu, ha bem pouco tempo, neste sentido, um exem-
plo formidavel.
De feito, d-se com as nagoes o mesmo que se
ductode urna subscripgo que raontou em........ da'com os individuos :as querellas sao muilo procura levantar dinheiro, e nos desejamos em-
1:117,3480, cabendo a iniciativa de sua promogoj dispendiosas.
aos empregados da companhia Srs. Manoel Alves \ Comquauto a maior importancia dos emprestimos
Horta, J. Anderaare e Thomaz Tavares Bastos, so-! tenba sido assim contrahida para as necessidades peridade nacional, que a accumulago de capital
co da firma Bastos Ferreira & C. Ah forara en-1e despezas da guerra, todavia, certo que elles tem-se inclinado para (e se nao fossem os nossos
contrados pelo empregado da companhia Sr. G. liem sido tambera contrahldos largamente para' continuados comproraissos em emprezas estran-
Morrils, a quera o director deu ordem para acora- Paciflcos e productivos flns; e, nesle ultimo caso,! gelras, o que resultara d'ahi|?) aquelle estado de
negocios que os "
razio de lucros
presta-lo.
To grande tem sido recentemente a nossa pros-
panhar o corpo at a Raz da Serra, ajuotandoaPresenlam sem duvida um aspecto mais attrac
mais 16 carrogas e urna caleche para auxiliar a l'vo-
conduegao dos soldados e poderem elles vencer
distancias maiores, como sao d'ahi em diante en-
tre as estages destinadas para o pouso.
Em Entre-Rios o Sr. baro do Ro-Novo preslou.
se a fornecer gratis o necessano para esse pouso
com alguns auxilios prestados pelos empregados
da companhia.
Na estacao da Posse foram especialmente susten-
tados e mui bem recebidos pelos srs. Eduardo
Carnciro de Mendonga e Antonio Carneiro de Pau-
la Brando.
Em Pedro do Rio os oIBciaes tomaram lgeira
refeigao offerecida pelo empregado da companhia,
e o Sr. Bernardino Xaner Ferreira socio da firma
Bastos Ferreira & C. obsequiou os soldados com
rindo.
Nos Correias foram hospedados por Bastos Fer-
reira & C. com auxilio de alguns subscriptores.
Em Petropolis o empregado G. Morrils deu al-
mogo em seu hotel aos oIBciaes, e o Sr. tenente-
coronel Joo Baptista da Silva prestou seus carros
e animaes para os offlciaes desceren) at a raiz da
serra, onde ainda Bastos Ferreira & G. fornece-
ram o necessari para alimentacao, distinguindo- gar a sua ban
se muito nesta commissao o socio da referida casa
Bernardino Xavier Ferreira.
Em todas as estages a companhia prestou os
seus edificios e commodidades ao seu alcance para
o pouso.
E' j sabido o modo brilhante por que foram re-
cebidos os nossos patricios na corte.
Ao Sr. Dr. Joo Baptista dos Santos e mais
merabros da commissao mineira na corte dirigi o
presidente da provincia o seguinte ofDcio :
Palacio da presidencia da provincia era Ouro
Prete, 16 de agosto de 1865.
a presidencia desta provincia com o maior jubi-
lo e profundo reconhecimenio cumpre o dever de
agradecer a VV. SS. a honrosa e festival recepgo
que promovern) para ser acolhido, como foi, an-
tes, e ao chegar essa corte o batalho de volun-
tarios mineiros. Nesse magnifico e esplendido ob-
sequio, em que leve larga parte a populagao e
pessoas mui conspicuas dessa capital, foram de
certo admiraveis, e assaz lsongeiras as demonstra-
goes de sympaihia, e generosidade dos dignos fl-
Ihos desta provincia ah residentes para com os
seus comprovincianos.
Todos estes actos porm to assignalados, e me-
ritorios por si mesmos assuraem seguramente urna
significagao mais importante em relago aos vo-
luntarios agora que o inimigo invade o territorio
patrio, e se exige o concurso de lodos para o de-
bellar. E por esta razo que eu me apresso em
dirigir a V. S. os meus comprimentos, e tcsterau-
nbar-lhes todo o meu respeito, e consideragao.
Deaa guarde a V. S.Illm. Sr. Dr. Joo Baptista
dos Santos e mais membros da commissao mineira
na corte.Pedro de Alcntara Cerquetra Leite.
--t-K-
DM POUCO DE TODO.
Dando a' sciencia dos nossos leitores a noticia
interessanle que segu, e copiamos do Cearense,
nao podemos omittir por umlado a' nossa admira-
gao a' um rasgo de tanta varonllidade em um me-
nino de to verdes anno, e por outro de convocar
para a sua contemplagao os nimos arreecidos,
hida o general Caldwell me mandou dizer que no I que ahi acharo por certo bastante calor para
dia 13 tinha brilhado o general Flores, derrotando
a forga paraguaya alm do Uruguay.
Sant'Anna, 15 de agosto de 1865.Illm. Sr. ma-
jor Antero Rodrigues Soares.Sezefredo da Costa
Torres.
Depois dessa victoria Flores preparava-se para
passar quem do Uruguay, tendo parte de suas for-
gas ja' eflecluado a passagem.
A Tribuna, de Montevideo, diz :
Desde hontera (26 do prximo passado) circula
por Montevideo o agradavel boato de que a colum-
na paraguaya, que invadi o territorio brasileiro,
as ordens de Estigarribia, capitulara.
Parece que existen) duas cartas, escriptas do
Salto a ultima hora, em que se diz que aquelle
chefe estava ja' tratando da capitulago com o ge.
neral Flores.
Ainda mais ; accrescenta-se que um barquinho
sahido do Salto, no dia 22 a noite, trouxe a noticia
de haver chegado all um proprio com a noticiada
capitulago.
Ha toda a probabilidade na exactido deste
boato.
A mesma folha publica duas cartas do seu cor-
respondente era Buenos Ayres, d'onde extrahimos
o seguinte periodo.
Dizem os passageiros do Tevere, que passaram a
margem direita do Uruguay 4,000 homens com o
general Flores, infantaria e artilharia.
Do lado direito marchara pararellos outros qua-
tro mil das mesmas armas, e mais dous mil de ca-
vailaria as ordens de Paunero, para apoiar a Flo-
res em caso de necessidade.
Nao escapam os Paraguayos.
Passaram quatro batalhoes de infantaria, um bra-
sileiro e tres rrieotaes.
Acaba di chegar o crrelo do exercito.
Yl a carta de Mitre.
Os Paraguayos cercados e apenados em Ura-
aquecer a tibiesa que os domina em conjuntura
momentosa, espancando a culposa indifferenga que
os dominas.
Lmos no Cearense o seguinte :
Ha poucos dias apresentou-se a S. Exc. o Sr. Dr.
Hornera de Mello nm menino de 8 a 9 annos de
idade'dizendo que quera seguir para o solnaqua-
lidade de voluntario da patria.
S. Exc. observou-lhe que naquella idade nao po-
derla ainda suportar o peso das armas.
economistas chamam a mnima
isto um estado de negocios em
que to grande a plethora de capital, que ha pe-
rigo de tornar-se intil ou estril, por falta de
meios de emprega-lo.
Cada anno que corre contribue para este estado
de negocios, entre nos; e d'ahi a facilidade que
qualquer empreza, verdadeiramente boa, encontra
em ser aceita no nosso mercado.
Ha clculos que raoslram que o publico inglez
annualmente recolhe 5100,000,000 de lucros rea-
lisados. ,
Podla-se bem cora espirito perguntaro que se-
ria da Inglaterra, se ella nao podesse entrar em
guerras ?
Porm a requisigo de todo mundo para o seu
desenvolvimento e a civilisagao de toda raga hu-
mano, vai, na verdade, em progressivo augmento,
e chama mais altamente pelo capital para empre-
ga-lo no que devera ser sentpre o seu mais sagra-
do destino :a susteotago do progresso humano.
Qual ento, o crdito, com que o Brasil ago-
ra se aprsenla neste grande mercado de capital ?
E qual a posigo, em que elle agora fica na In-
glaterra T
A estima, em que tido qualquer paiz entre
nossos capitalistas, pode ser justamente avaliada
pelo valor dos bonds, que ja' tem emittido, e se-
guindo-se esta regra, deve-se entender que alta
a de que goza o Brasil entre nos.
Elle ja' tem feito anteriores emprestimos, e ja'
conhecido entre nos; e os seus comproraissos esto
alistados entre os mais bem conceituados.
At este ponto todo esta' bom.
O valor, todava, ligado a' quaesquer fundos na-
cionaes, derivase de duas considerages :1*, a
boa f do devedor, ma' vontade e intengo de cum-
prir com a f publica : 2*, se elle podera' faze-lo,
e esta a mais importante, porque de muito pouco
valor sao as nossas melheres intengoes, se nao te-
mos o poder de realisa-las, muitas vezes nos enga-
amos, quanto a' nossa real capacidade de cum-
pn-las.
Pelo que respeita a' primeira daquellas duas
questoes, ninguem entretem a mais pequea duvi-
da acerca do Brasil.
O seu honrado coraportamento cora os credores
irrepreheosivel, e at o tempo presente tem ha-
vido quasi que a mesma conviego a respeito da
segunda questo,
Seja, porm, qual for a nago, esta regra deve
ser applicada estrictamente a saber que cada novo
appello por dinheiro urna nova presso sobre
seus recursos, traz um rigoroso exame delles, e
obriga, em ordem a' satisfazer a'quella questo, a'
mostrar que esta' fazendo esforgos correspon-
dentes.
Pode o Brasil fazer isto ?
Se nao puder, sua simples boa f nao poderia
sustentar o seu velho crdito as novas clrcums*
tancias.
A' este respeito felizmente a sua posigao esta'
em suas proprias mos; mas a questo deve ser
restrictamente respondida.
No presente, a sua divida publica comparati-
vamente fallando, insignificante, todavia em todos
os casos em que elle tem attrahido capitaes inglezes
para as suas estradas de ferro e outras obras pu-
blicas, debaixo de urna garanta do governo, quan-
to aos juros, tem na verdade onerado o seu rdito
O lim, para o qual se pretende tomar dinheiro
de emprestimo, sempre influe no animo do capita-
lista, |oo s quanto as eondiges do emprestimo,
como arada acerca de sua aceilago, ou recusa ab-
soluta.
Entretanto nenhuma nago tem o poder de li-
mitar os seus emprestimos nicamente aos flns
pacficos e reproductivos.
Occurrencias sinistras e imprevistas podem re-
pentinamente surgir e tornar necessario um em-
prestimo, em que a' principio niuguem pensava ;
e examinando-se todos os quadros de todas as divi-
das naconae?, e as differentes verbas que as com-
pem, reconhecer-se-ha esta verdade.
A guerra faz dividas, que a paz tem de pagar.
Por isso o simples facto de ser o dinheiro neces-
sario para a guerra, nao embaraga o emprestimo
proposto.
Todas as nagoes devem contar com essas catas-
trophes, que tem tido lugar, e continuaro a ter
lugar.
E desde que urna nago toma urna posigo sa-
liente no mundo, esta' exposta a' eventualidade de
ser chamada a' defender sens subditos, ou de vin-
no exterior.
E se, era tal caso, evitar a guerra e as suas des-
pezas con-equentes, deve necessariamente sobrevir
urna ordem de cousas consideravelmente peinr do
que qualquer outra que a guerra (por mais deplo-
ravel que fosse), poderla trazer.
Quando, por conseguala, o dinheiro procura-
do para tal lim, a nica questo que se apresenta
simplesmente esta :Porque foi a guerra erapre-
hendida, e qual sera' a sua provavel durago, as-
sim como o seu desfecho ? 1
Respohdendo a' taes questoes o Brasil pode, no
presente caso, dar urna sologo perfeitamente sa-
tisfactoria.
Elle nao procuron cortamente a guerra -, mas
vio-se repentinamente envolvido era duas I
Ambas foram exclusivamente emprehendidas na
sna propria defeza : a' fazer a segunda foi elle ain-
da mais barbara e traigoeiramente violentado ; e
se.em um ou outro caso, recuasse da posigo bel-
licosa, era que o collocarara, perdera os foros de
estado consideravelmeute mais poderoso e impor-
tante do continente da America do Sul.
Tudo isto pode com toda verdade ser allegado^
em defeza do Brasil, acerca da origem e lias da
guerra ; e, quaato a' sua durago e feliz xito, po-
de-se dizer concisa e slogelaraente, sem quaesquer
poticas explosoes de entbusiasmo, que, tendose
terminado felizmente a primeira, os seus anterio
res adversarios tornaram-se, coojuoctamente com
o povo circumvisiuho seu alliado contra o presen-
te inimigo comraura ; e que cada correio do Su
nao s traz novos successos ganaos e novos louros
accrescentados ao seu exercilo e armada, mas tam-
bera demonstra a' todos os homens iraparciaes que
a presenga do Brasil naquellas trras e aguas in-
dispensavel para a represso do barbarismo, e es-
tabelecimento definitivo do commercio e civilisa-
gao.
Por este motivo, lalvez nunca appareceu urna
guerra, cora um aspecto mais sympatico e atlrati-
vo do que esta' procurando capitaes para suportar
seus sacrificios,
Circumstancias extraordinarias e emprevistas I com um encargo annual, como se tivesse conlrahi-
obrigaram o Brazil a recorrer meios exlraordina- j do verdadeiros emprestimos para a construego
dessas obras.
ontra, nem permittido i nm paiz que se gaba de E os perni|0Dg0S regsiraram nos archivos do
sens recursos natoraes depender largamente do, charco mais nm auto de f, urna resinga de velba
e urna noite de lagrimas....
Dous injeitos conversara e fumara reclinados so-
bre as almofadas de ura divn de demasco.
Sao dons polticos da situagao nascente que dis-
cuten! projectos e ruminam reformas.
Este conta a sua vida passada, todas as meta-
morphoses porque passou para alcangar urna ca-
deira de bragos na Cada Velba, todas as ladroei-
ras e meios politicamente linios que empregou du-
rante a sua vida de tribuno... tudo emfim que
um poltico pode humanamente fazer para arran-
jar-se !
Aquelle, que ainda novato e caloiro no offlelo,
contenta-se em dar de vez em quando o seu apar-
te, e pela maneira porque escuta o outro parece
ter largas vistas sobre o futuro.
Ura pernilongo experiente,e j traqoejado nestas
cousas, os observa escond lo na moldura de nm
quadro a oleo, representando a casta Suzana sahin-
do do banho.
Baptizemos os dous senhores, pois que o norae
urna voz com que se dio conbecer as cousas.
Supponham que o primeiro cbama-se... Tran-
coso, e o segundo Corneiio.
Ougarao-los.
A primeira condigo para ser um bom poltico,
diz Trancoso, sersem verg.nba.
Apoiado, diz Cornelio, que se julgava em ple-
na cmara ao ai i dos seus culjgas representantes
O poltico deve comegar por difamador e aca-
bar era ladro, tocando por escala em assassino.
Tu que ainda tens nm futuro brilhante diante de
ti, meu Cornelio, toma este conselho, e segu esle
camraho, que o da verdade, por que o do inte-
resse. Cato morreu sem eatraahas; trata de
conservar as tuas: a barriga boje tudo.
E Cornelio ouvia extasiado aquella msica, e o
pernilongo ainda mais extasiado toraava apont-
raentos para as suas memorias.
No dia seguinte um outro pernilongo mollemente
recliaado sobre o cbapo de um amador das gale-
nas da Cada Velha, ouvia um eloquente discurso
de Trancoso contra a corrupgo e a infamia da si-
tuagao actual, no qual o Ilustre depuiado stygma-
tisa acremente o procedlmento da maior parte de
seus collegas, que pirecia pactuar, dizia elle, com
todas as bandalheiras e infamias da opposigo.
Bravos, apoiados, muito bem; tres apartes.
Pensa muito bem o honrado deputado.
Apoio o honrado deputado.
O honrado deputado digao de toda a consi-
deragao.
E no dia seguinte Trancoso era um hornera hon-
rado (f). Mas quera consultasse os archivos do char-
co veria que Trancoso era ura refinado ladro 1
Nos livros de um pernilongo, viajante, que aca-
bava de chegar de S. Paulo, onde vivera por lar-
gos dias em casa de ura escudante, encontramos o
seguinle soneto:
-AS ARCADAS.
Bateu, roncou, por lim a badalada,
Quera vai sabbatiua, mircbe frente ;
Pois eu nao lomo nada, estou docnte
No venire j me ronca a trovoada I
estrangeiro em todos os gneros de produegao,
salvo se poder provar qne toda sua populagao j
est diligentemente empregada em oulros miste-
res ; porque, emquanto urna grande porgo estiver
ociosa e nicamente fallar, ou empregar-se em
offlcios comparativamente InsigniBcanies, correr
o risco de que se Ihe diga, que deve fazer alguma
"v "TS*"T! cous melhor, alguma consa nova, e realisar algum
daquelles mesmos grandes recursos naturaes; e
assim pelos bem conhecidos principios da coopera-
gao do trabalho, nao s tirar lucros, que de outro
modo seriara pagos ao estrangeiro, como tambem
fornecer aos seus patricios, que j esto trabalhan-
do, muitas cousas de que elles preciso, e por prego
mais commodo.
E' intil desenvolver mais esta questo, parece
muito claro que quando o governo brasileiro vai a
Inglaterra pedir um imprestimo, ou para flns pac-
ficos, ou para urna justa e to provocada guerra,
sua boa f ser aceita promptamente; porm pare-
ce igualmente obvio que qnanto mais elle fr co-
nhecido e fallado na Europa, com mais instancia
se propor a questoiquaes sao os seus recursos
para resgata la?- e a verdadeira resposta a esta
podera ser nicamente dada na verdadeira respos-
ta a urna outra.
f O que a sua populagao em geral est fazen-
do?
Da verdadeira resposta que o Brasil dr a esta
pergunta depende sua fraque?.a ou a sua fcil
gloria I
Do Bazar Volante traoscrevemos o seguinle :
MEMORIAS D'UM PERNILONGO.
Debaixo d'um cortinado o que nm perni-
longo ? I
A palavra o est dizendo : urna cousa que tem
perna longa; mas ba muita cousa que tem peraa
longa, que nao pernilongo. Hoc opus, hic labor
est.
A origem do pernilongo per Je so na noite dos
lempos : querem alguns zologos que elle seja ante-
diluviano como os Chinezes.
O perailoago um iosecto amphibio e que caa-
ta; logo msico por natureza.
Seu corpo delgado e lino, o que d-lhe o aspec-
to de urna menina magra espartilhada, suas per-
nas sao compridas e delgadas, sem que o artificio
humano at o presente teoha conseguido fazer pos-
tigos e enchimentos; sua cabega inlelligenie e
viva, seu olhar penetrante e matreiro.
Quanto a seu carcter moral, implicante, tei
moso e pyrronico.
Sera capaz de levar nma hora gritando aos ouvi-
dos d'uma velha a despeito de bofetadas, fumaga
de farinha de mandioca e pos das bixas monstros.
Eis o que um pernilongo I
Se ha animal que possa legar a humanidade um
volume de memorias, mais importante que o das
de A. Dumas, por certo o bichlnho em questo.
E' rara a noite em que elle nao seja testemunha
d'um drama ou d'uma comedia, c mesmo de urna
tragedia cora todas as suas peripecias do esiylo gre
go de Scbilo e Sophocles, modernamente transplan-
lado para a estufa do theatro de S. Pedro.
Socio inseparavel da pulga e do percevejj, sabe
de cousas, que nunca passaro pela cabega do
Agassiz e que nunca esquecero a Humboldt era
seu immortal Cosmos.
Mais mexiriqueiro que um ageute de polica
ou raemoo de escola, nao trepidar era contar de
manha pelos charcos o que v noile sob cortina-
dos de seda.
Cana de Midas, rop ele a todos os momentos-
fulano fez isto, sicrano tu aquillo, etc.
Vejamo-lo pois debaixo d'um cortinado.
rios, e nesta conjuntura que elle pedo um em-
prestimo.
Ha dous meios de obter um emprestimo -.den-
tro do paiz ou fra delle.
Se fo?se posslvel, sem duvida, conviria que o
emprestimo fosse conlrahido dentro do paiz ; por-
que, nesso caso, o pagamento de juros nao seria
! perdido para os nacionaes, verificando-se apenas
: urna simples transferencia ; visto serem os credo-
! res da mesma communhao, sem naclonalidade.
Assim, o emprestimo contrahido em paiz es-
Ao menos servirei para dar cartuxos ao meu | trangeiro, porque ento o jaro fogosamente pa-
go, seno era todo ao menos em grande parte, ao
credor estrangeiro.
irmo.
S. Exc. riu-se e admirado de ver tanto patriotis-
mo em annos tao verdes, perguntou-lhe se queria
doce.
Nao Sr., respondeu o menino, en quero pl-
vora.
Quando as enancas e mulheres do Ceara', como
Jovita, mostrara tanto enthnsiasmo pela guerra, os
Porm podem dar-se circumstancias, em que
(nao obstante este reparn o emprestimo estran-
geiro seja o camioho mais fcil -, porque se o ca-
pital fluctuaste, j existente no paiz que requer o
emprestimo, nio for maior qne o necesario para
suas proprias necessidades, o governo entrando en-
to no mercado, e retirando urna parte deste ca
homens devem envergonhar-se de que para obri- pta|, nao s entorpece a industria e causa penu-
ga-los a seguir para o campo da honra o governo
se veja obrigado a empregar meios coercitivos.
-*. %m*
E' do Anglo Brasilian Times este artigo publica-
do sobre
O NOVO EMPRESTIMO BRASILEIRO.
O Brasil nao deve desgostar-se de se ver na sita-
cao de recorrer a' um emprestimo, para satisfazer
s despezas da guerra.
Tal expediente justificado por todos os econo-
mistas polticos.
Alm disso, o proprio paiz, a' quem o Brasil re-
corre, para satisfazer a' sna necessidade presente,
tem dado, em larga escala, exemplos anlogos.
Toda divida da Inglaterra, calculada at 31 de
margo de 1864, monta na exacta somma de L.
790565:224 ; e desta enorme importancia, a quan-
tiade L. 790,562:224 foi contrabida to smente
dorante a guerra franceza.
ria, como ainda augmenta em urna extenso rui-
nosa a laxa do juro, creando por esse procediraen-
to tmido muito maior prejuizo do que esperava
evitar.
Nos, na Inglaterra, soffremos estas penosas con-
sequencias, durante esta mesma guerra franceza,
que nos custou 600,000,000, cujo total foi pelas
necessidades do easo, levantado dentro do paiz.
Isto foi inteiramente inevitavel.
Tinhamos resolvido entrar na guerra e fazer
causa commum com a Europa.
O nosso ministro Pitt tinha preferido, com razo
on sem ella, assumir a grave responsabilitade de
subsidiar tropas eslrangeiras, que os seus respec-
tivos goveroos nao tinham meios de pagar.
Para isto foi necessario dinheiro em larga qaan-
tidade, e smente o povo inglez poderia fornece-lo.
Porem, a simples necessidade do emprestimo nao
offerecea garanta alguma contra todas as suas na-
Seu lim, assumindo estes encargos, tem sido o
melhor possivel; deseja desenvolver seus recursos'
e pelo uso desses melhoramentos nao s espera
tornar a sua garanta de juros simplesmente nomi-
nal, como tambem em algum dia tirar positivos
proveitos pecuniarios das proprias emprezas; e
assim procedendo, ao mesmo lempo que garante
melbor, o pagamento do; dividendos da sua divida
publica, torna-se progresivamente um estado mais
rico e mais poderoso.
Sao estes os grandes e louvaveis flus do sen
governo; mas os governos s pdem apuntar o
caminbo.
Aqnelle que deve seguir e fazer o trabalho o
povo.
A torga de ura paiz consiste era sua populagao>
e a forga de urna populagao depente de sua energa
e actividade.
Quando o povo tem iniciativa e se eleva altura
de quaesquer circumstancias, um elemento de
poder e de forga; mas quando se conserva mudo
expectante do governo, e mostra-se indisposto para
raover-se e obrar por si mesmo, lorna-se um ele-
mento pervertido de fraqueza: urna cranga que
quer ser nutrida e que consom os recursos do
estado, em vez de um homem que produz o ali-
mento, e que estabelece a sua riqueza e o seu
poder; e neste caso, em vez de servir de auxiliar
ao governo para resgaiar as obrigagoes, que por seu
respeito contrahio, torna-se pelo contrario um
embarago desse resgate.
Os grandes recursos naturaes, de que temos ou-
E' meia noite.
Uraa cabega embrulhada era um barrete branco
ronca ao lado d'outra cabega abafada por um co-
bertor eacaraado; urna macha, outra femea ;
a coca do ladro de urna beija a cova do ladro de
outra -r logo esto de cosas.
Ergo sao casados.
Do alto da cpula um pernilongo os observa, co-
mo 40 seculos observavara os'Francezes do alto
das pyramides do Egypto.
Como urna frecna partida d'um arco por mo
de Bugre, o pernilongo baixou ao ouvido da cabe-
ga macha, e entoou-lhe urna cavatina de soprano
em la maior; urna bofetada ioterrorapeu o andante
no raeio d'uma frmala, que elle foi desafinar no
ouvido da cabega femea.
A velha que era meslra da msica acordou.
O marido tambem acordon, em quanto dous per
cevejos e um filhote, j fartos de sangue, foram fa-
zer o chilo as dobras do eolebo.
Irra I diz o marido ; arre I diz a mulher.
O senhor meche-se que parece ter bicho car-
pinteiro.
A senhora quer coraegar de novo ?!
Sim, porque ainda nao me esquec do seu
coraportamento inqualificavel desde que nos dei-
tamos.
O que foi o senhor fazer em casa da Ambrosia
esta manha ?
Ja' Ihe disse, senhora, que... nao me abor-
rega.
E viron-se para o outro lado.
Quando encostou a outra face no travesseiro, ja
nao tinha carapuga; estava nos dedos da sua meta"
de que praguejava como um Hespanhol.
O marido replica com palavras, a mulher com
urna bofetada mais eloquente qua o Dias da Motta
em tribuna judiciaria, os percevejos e pulgas assa-
nham-se, e veem a' lior do colcho assistir a' luta,
que, principiando na cama, vera findar no chao
com todo o cortejo de lenges, colchas e coberto-
res, cortando-se ambos n'um vaso de......flores,
que nao sabemos por que luxo viera parar ao lado
da cama.
E o dia seguinte estavam separados.
E o pernilongo registrn no livro de suas memo-
iras mais um divorcio.
Sentada borda d'um ieito, por entre nuvens de
carabraia e renda, urna cabega loura, como um an-
jo de Raphael, ou urna cranga de Schiller, contem-
pla urna photographia da casa do Pacheco ; um
sorriso de ventura oaira-lhe nos labios, e urna fur
Uva lagrima, diamante liquido, rola-lhe pelas faces.
Sao duas horas d'amanha : a protogonista tem
voltado d'um baile.
Uraa sucia de pernilongos observa com interesse
este quadro arrebatador; sao talvez pernilongos,
Vandicks de charco, amantes das bellas artes, cul-
tivadores do bello absoluto.
De quem sera' o retrato ?
E' o que elles procurara saber, porque, antes de
ser artista, o pernilongo curioso (desculpem-me o
pleonasmo de pernilongo curioso).
N'este interim abre-se urna porta, e entra urna
velba gritando: ja' nao posso com os mosquitos ,
na mesma occasio em que a pobre menina, levan-
Feliz na sabbalina s o lente
Que preside maldita cassoada,
Infeliz somos, nos rapasiada,
A quem chamam em S. Paulo feliz gente.
Quera pode ser feliz com tres ligSes,
E tendo de passar a sexta-feira
Procurando 30 mil objeeges ?
Smente algum Lobo algum Pereira,
Alguera que nao possua bons colxoes.
Que nao ame do somuo a bebedeira I
vido fallar tanto, nosatisfazem, oujremedeiam este tando da mo para enchotar um pernilongo, deixa
estado de cousas.
Esses grandes recursos naturaes sao puramente
theoricos ou idaes, se nao forera trazidos a vida, a
realidade pelo trabalho.
E nem sufflciente que smente urna parte da
populagao trabalhe; porque neste caso o resalta-
do nico seria que nma ametade viverla a casta da
cahir o retrato, que foi immediatamente por ella fi-
lado.
Grande gritarla, foi descoberto o naraoro, o re-
trato passado pelas cbammas purificaderas da lam-
parina, e a menina teve de abafar os seas solugos
as fronhas de suas almofadas......
TRESENTE ORIGINAL
Communca-nos de fra o nosso amigo Galleoo :
Ura noivo querendo presentear sua futura cos-
lella no da dos seus annos, depois de pensar pro-
funda e maduramente sobre o que Ihe devia man-
dar, assentou a final no seguinte : um tacho, un
queijo, (nao sabemos se de Mina, Londrino, Suisso,
do Reino, etc.,) mi relogio de parede, um per e um
chapeo.
Para outro qualquer este presente passaria des-
appercebido, mas pira nos que estaos aeostuma-
dos a estudar a philosopiia dis coasas, Isto a in-
dagar o principio e a razo de ludo, este mimo
lera urna explicago que muito abona o noivo, e
a noiva.
Se consideramos um tacho de per si s, por cer-
o que a offerta extravagante ; mas um tacho,
como todas as cousas nes'.e mundo, tem a sua pili-
los iphia.
O tacho a vasilha onde se aquenta agua (seja
para o que fr), a pia onde se baptisa toda essa
immensidade de doces de noraes e formas diversas,
quo constituem a magna sciencia da D. Constanga,
mulher graduada era confeitos (consulte-oe a obra
sobre doces da mesmalivraria Laemmert, ra da
Quitanda n. 77); o lacho, quando ha filhos do ca-
sal, o sino do oratorio ; eis o tacho representan,
do a religio, e chamando as semenles de Seis da
vlsinhanga a orago; o tacho o Tito Taco da
casa, accumula militares de empregos, aquenta
agua para banhos, para pellar porcos e depennar
gallinhas, serve de chaleira, em caso de necessida-
de raesmo de chocolateira, serve para as decoadas
de varrellas... emfim o tacho tudo.
O queijo tem urna raisso trplice de mesa, de
botica e de cagada. V-lo-heis sempre figurando
era casa de familia como ingrediente de todo; en-
tra no bom bocado, rallado faz commercio de ami-
zade com o macarra?, em pedacos acompanha o
pao no exercicio da deglutigo : se chega um hos-
pede de repente, fatias de queijos pdem constituir
tres ou quatro pratos para variar ; fritos com ovos,
assado de grelha, cora cha, pao e manteiga, etc.
Como medicina, uraa fatia de queijo um cran-
ga de manha era jejum com um calix de vmbo
branco ura poderoso anlivermifugo ; como ca-
gada casca assada em ratoeira nio ha camn*
dongo que resista.
Ainda o Tito Taco da casa I
A misso do relogio de parede incontestaveJ.
Qual a casa que nao tem ura relogio do pa-
rede ?
Ainda o Tito Taco.
Quanto ao peni, se alguma conveniencia repre-
senta no lar domestico, o de se poder ensopar no
dia seguinte depois de eomido na vespera.
O chapeo finalmente cobre as funegoes de todos.
E' o ultra Tito Taco da casa.
Ao noivo portanto mil encomios enva o Bazar
Volante.
Uraa folha de Londres da como infallivel o se-
guinte raeio de destruigo dos ratos :
Toma-se uraa porgo de cal viva, pulverisa-se
era um almofariz e ajunta-se-lhe igual porgo de
assacar.
Estes pos langam-se nos sitios frequeelados pe-
los ratos, qne os comem, porque sio muito golosos
de assucar.
Os lquidos do estomago, pondo se em contacto
com a cal, determinara nm etleito aaalogo ao da
agua sobre essa substancia, e urna violenta inflam-
raago do estomago occaslona ama mor te rpida
PERNAMBUCO-|T\P. DE M. F. DE P. & FILHO
f
/

'S>
-i. I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4S2S4O21_W4UZZD INGEST_TIME 2013-08-28T00:05:05Z PACKAGE AA00011611_10773
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES