Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10772


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I-'
amo m mutu M.
F#r qnartel pago dentro de 10 das dem depois dos 1.* 10 das do comecoe dentro do qoartel. flflOO
Porte oo correio por tres Mezes...........,% *7g$
OAHTA FEIRA 20 DE SETEMBRO DE 1S65.
for anno pago decir* de 10 das d 1.' mes ,,,... 19
bi.i. "* correio or nm anim .??
Porte ** correi Pp nm ann. .
19$00fl
000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Ohveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Har, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claadino Falco Das; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, 9 Sr. Jos
Ribeiro Gasparioho.
PERNA
PARTIDA DOS ESTAFETAS. ISerinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-IPrimeira varado civel: tergas e sextos ao meo
Olinda, Cabo, Escada e estagSes da via frrea at| re'ros, Agua Preta Pimenteiras, as quintas! dia.
DAS DA SEMANA.
Agoa Preta, todos os das. feiras.
Iguarasse Goyanna as segundas e sextas feiras.1
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar, AimiF\riAS nos TRIRl'NAFS nA TAPITAt
Altinho, Gafanhuns, Buique, S. Bento, Bom Al)UII!",iUA:j uuf 1
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
l'dEL*c,veI: quams e sabbad9S a l\- ^ USXtSfL b.
!|0. QuaVta. S. Eustasio m. ;S Prisco m
21. Quinta. S. Matheus ap.; S. Joas prof.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio eEx, as quartas
feiras.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as ti horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
hora da larde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
8 La ebria as 11 h., 32 m. e 16 s. da m.
112 Qaarto ming. as 2 b., 37 m. e 52 s. da m.
19 La nova as 8 h., 26 a. e 10 s. da t.
|28 Quirto cresc. aos 27 m. e 10 s. da m.
22. Sexta. S. Mauricio m.; S. Santino b.
23. Sabbado. S. Lino p. .; S. Tecla v. m
|24. Domingo. S. Tyrso m.;-S. Geraldo b. m.
PREAMAR DE HOJE.
jPrimeira as 4 horas e 30 m. da tarde.
'Segunda as 4 horas e 34 minutos da manilla.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Agoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
Jdo nos dias 14 dos mezes de Janeiro, mareo, malo,
jjuiho, setembro e aovembro.
ASSIGNA-SE
InoRecife, nalivraria da praca da hdepenfeseia
ns. 6 e8, dos proprielarios Manoe? Figeiroa la
IFaria & Filbo.
PARTE QFFICIAL
G0YERN0 DA nOVlNACI.
Ilelatorlo com que o Exm. Sr.
Dr. Antonio Borges Leal Cas-
ello Brancopassou a adminis-
trado desta provincia ao sex-
to vice-presidente llviu. Sr. ba-
rio do illo Fornaoso.
(Continuacao.)
PROMOTORES PBLICOS.
O lugar de promotor publico desta capital in-
terinamente occupado desde 28 de fevereiro ultimo
pelo bacharel Jacintho Pereira do Reg, o qual of-
fereceuse para servir gratuitamente em quanto es-
tivesse empregado na guerra, como voluntario da
patria, o promotor bacharel Jos Paulino da Cma-
ra; e renunciou em favor das despezas da mesma
guerra os vencimentos a que tivesse direito como
auditor do corno de polica.
Nomeei promotor de Santo Antao o bacharel Ar-
minio Coriolano Tavares dos Santos, e de Gara-
nl uns o bacharel Antonio Salustiano de Abreu Re-
g, que, por ser formado em escola brasileira, re-
queren preferencia ao bacharel Jos da Costa Dou-
rado, formado em escola estrangeira, que occupava
esse lugar.
Conced ao bacharel Bartholomeu Torquato de
Souza e Silva i exoneraco que pedio de promotor
publico da comarca de Pao do Alho, para a qual
removi o de Flores bacharel Joo Alves Mergulhao,
que o solictoa; e para substituir a este ultimo no-
meei o bacharel Antonio Florentino Mindelo.
Ao bacharel Mergulhao, quando promotor de Flo-
re-, conced tres mezes de licenga, da qual come-
cou a gozar em 4 de junho ; ao de Tacarat, ba-
charel Daniel Germano de Aguiar Montaroyos,
doas mezes; outros dous ao de Cabrob, bacharel
Attonio Lopes da Silva Barros; e 48 dias ao do Rio
Forraoso bacharel Antonio Rogerio Freir de Car-
valho.
AUTORIDADES POLICIAES.
Chegandoao meu conhecimento que na casa de
detengao se achava acerca de cinco annos um fri-
ca io, que perante o juiz municipal declarara ser
livre, ter sido a mnitos annos tirado com outros de
nm navio, e conduzidos para a casa de nm ceno
Col, depois de andarem pelos matos etc., tendo si-
do j alguns dos seus companheiros reconhecidos
livres ; determinei ao chefe de polica Dr. Jos Pe-
reira da Silva Moraes porofflciode 21 de abril que
procedesse s averiguages necessarias ao conhe-
cimento da verdade das circunstancias e tactos re-
feridos pelo dito Africano no seu interrogatorio, de
que Ihe mandei copla.
Este offlcio to simples e de mero expediente,
deii lugar a urna correspondencia desagradavel,
era que o chefe de polica, esquecendo o seu dever,
prccurava sustentar longaraente que nao deva dar
cumprimento aquella ordem, nao em termos come-
didos e cortezes ; mas, com ares de superoridade,
fallando do seu amor a discusso e sciencia, das
fardas bordadas que Ihe tem sido oflerecidas, desa-
fiando a presidencia para urna discusso pelos jor-
nacs etc.
Podera ter logo suspendido o chefe de policla-
mas, nao se tratando de nenham negocio grave e
urgente, para o qual a sua continuacao no exerci-
cio fosse um embaraco ; podendo, pela frequencia
dos vapores, ter o governo em poueos dias conhe-
cimento dessa occurrencia e tomar urna medida,
pareceu-me que a suspenso, determinada por mim,
poderia ser considerada urna ostentacao escusada
de autoridade e um acto de despeito por offensa de
amor proprio.
Limilei-me, pois, a levar logo ludo ao conheci-
mento do Exm. Sr. ministro da justira, que apenas
a 30 de junho removeu aquella chefe de polica
para S. Paulo, e o do Espirito Samo, Dr. Eduardo
Piddahyba de Mallos, para esta provincia.
Designe! para exercer interinamente o lugar at
que chegasse o Dr. Pindahyba, o juiz de direito da
comarca do Cabo Dr. Manoel Clementioo Carneiro
da Cunha por ter solicitado dispensa por motivos
que julguei allendveis, o desembargador Caetano
Jos da Silva Santiago, que fra primeramente no-
meado.
Durante os 6 mezes da minia administrado de-
mitii 23 autoridades policiaes, sendo 7 pedido, 2
por proprosta do chefe de polica, e 14 bem do
ser viro publico.
A pedido conced as seguintes demissoes.
A Jos Thomaz Gongalves do Rosario de subde-
legado do Io distnclo de Santo Antao.
Ao bacharel Sergio Diniz de Moura Maltos, de
delegado da Ecada.
Ao tenente-coronel Coriolano Velloso da Silvei-
ra, de delegado de Serinhhem.
Ao bacharel Hisbtllo Florentino Correa de Mello,
de delegado do Brej >.
A Jos Mendes Carneiro Leo, de delegado de
Santo Antao, para que poueos dias eu o havia no-
meado.
A Jcaquim Maximiano Pereira Vianna, de Io
supplente do subdelegado de Gurja.
A Antonio Pereira de Cmara Lima, de subdele-
gado do mesmo districto de Gurja.
Por proposta do chefe de polica dei assegulntes:
A Manoel Bezerra de Vasconcellos de Io supplen-
te do subdelegado de Catende.
A Augusto de Barros Correa, de subdelegado do
distrielo de Bebedor por indicaco do delegado e
cm virlude de urna representado contra elle, a
qu>l remeltl ao ehefe de polica para informar, ou-
viodo-o, o que de novo exig em 5 de junho em
consequencia de me haver o demittido apresentado
documentos com o fim de mostrar a falsidade de
outros juntos a mesma representaco.
A bem do servigo publico dei as seguintes de-
missoes :
A Manoel Francisco de Souza, de subdelegado
de Petrolina, por achar-se pronunciado por tentati-
va de morle no Joazeiro,
A Carlos Jos Gomes de Ohveira, de delegado do
Pao do Alho, por achar-se pronunciado em crime
de responsabilidade e confirmada a pronuncia pela
rekico.
A Pedro de Assis Campos Cosdem, de 1* sup-
plente do subdelegado do 1 districto do Pao do
Alho, em virtude de urna representado da cmara
municipal, em que o aecusa de venalidades e de
conviver com Iadr5es de cavallos, do que, sendo
ou"ido, nao se jusficou; accrescendo que, tendo
chumado juizo um correspondente do Diario,
qu i Ihe fazia iguaes arguges, nao proseguio con-
tra elle.
A Joo Jos Lopes, de 2o supplente do subdele-
gado de Cusnique, por informag5es reservadas de
peesoas fidedignas.
A Ignacio Ferrelra de Lima, de 2 supplente do
subdelegado de Catende, em virlude de urna re-
preseniagao contra elle, e de informac5es particu-
lar'.
A Guilherme Paes Brrelo, de 2 supplente do
subdelegado de Santo Antao, por j em 10 de agos-
to ce 1860 ter sido demittido bem do servigo pu-
blico de alferes da polica por meu antecessor Dr.
Ambrosio Leito da Cunha, verificando eu por in-
formages efflciaes do commandante do corpo e de
ou'.ros offlciaes qae fra ento acensado de rednzir
a oscravido nm menino livre, e de frequentar ca-
sas de jogos prohibidos.
Ao bacharel Miguel Bernardo Veira deAmonm,
de delegado de Caraar, pelos motivos que expuz
DO artigo juizes municipaes .
A Joo Themoteo de Andrade, de subdelegado
de Pauellas, por se aehar pronunciado em crime
sido pela relacao des-
de responsabilidade, tendo
presado o seu recurso.
A fructuoso Alves da Silva, de subdelegado das
uas Barras, por dar asylo criminosos no seu
proprio engenho, segundo informaedes do juiz mu-
nicipal e do delegado, e interrogatorios dos offlciaes
de justifa, encarregados da prlso dos ditos crimi-
nosos.
De Francisco Pedro Soares Branda* para dele-
gado de Santo Antao, por haver pedido e obtdo
demissao Jos Mendes Carneiro Leo, que fora
comeado era 14 de marco.
Em 17 de malo do major Manoel da Assumpeao
e Azevdo para sub-delegado do Bebedor.
A 4 de julho, de Manoel do Amparo Caj para
; 2. supplente do subdelegado do 1. districto dos
A Bartholomeu do Rogo Barros, 2o supplente do ; Affogados.
mesmo subdelegado, por auxiliar este na protec-; A 5 de julho, de Manoel Antonio Soares da Fon-
Qo dos mesmos criraloosos e embaragar a execu-
co de ordem para a priso dalle?, segundo iofor-
macao do delegado, e declaraco do offlcial de rus-
tra.
Ao respectivo juiz de direito remetti em 23 de
junho todas as nforraaces cima referidas a res-
peito destas duas autoridades, assim como a res-
posta da 1." e documentos que Ihe juotou, para
instaurar Ihes o competente processo, afim de ser
devidamenle apurada a verdade, punido o crime
ou reconhecda a innocencia, recemmendando Ihe
que proceda tambera contra quem mais de direito
fr em vista dos esclarecimentos que ministrar o
processo.
A Joao Bezerra de Vasconcellos Torres, Jos
Paulino Pereira da Costa, Joo Cipistrano Torres
Santos, e de Gara- | (.alindo, o Manoel Soares de Almeida, de sub de-
legado de Gravat, 2.% 3., e 5. supplentes do
mesmo. Contra o 1. rae toi dirigida urna repre-
sentagao pelo professor Joaquim Manoel de Ohvei-
ra e Silva, aecusando-o da procrastinago e par-
ciahdade jom que proceda era um processo con-
tra Manoel Pereira Vianna, que o espancara, e
que, apesar de reo, era o accessor do mesmo sub-
delegado, at no proprio processo. Representa- i
vara-rae tambera contra o 1." e os indicados sup-1
penles, Manoel Lonrengo e outros de Gravat por
abusos e violencias que praticaram.
priraeira representaco ao chefe
que ouvisse o aecusado e o delegado, e a segunda
seca para subdelegado do districto da lina das
Fl ores.
A 10 do mesmo mez, de Manoel de Souza Leo
Jnior para sub delegado do districto de Gurja.
De Jos de Souza Leo para 1." supplente do
mesmo subdelegado.
(Continuar-se-ba.)
Continuacao do expediente do dia 1S de setembro
de 1865.
Fructuoso dos Sanios, que foram considerados in-
capazes do serrien do exercito.
Dito ao mesmo.Se nao honver inconveniente,
mande V. S. pagar a Francisco de Souza Guerra,
como pede no incluso requerimento documentado,
i o aluguel, na razao de 160000 mensaes, e a contar
' de 19 de malo a 30 de junho desie anno, das casas
queserviram de quartel ao destacamento da Villa-
Bella, composto de pragas do corpo de goarnigo.
Dito ao mesmo.Envi a V. S. para os fins con-
venientes, as inclusas contas documemadas em
duplcala, da receita e despeza da enfermarla mili-
tar deala capital, relativas ao mez de aeoslo prxi-
mo findo.
Dito ao mesmo.Deferindo o incluso requeri-
mento de Francisco de Souza Guerra, sobre que
versa a sua informago de honlem, n. 675, dada
i com referencia a da contadoria dessa thesouraria,
I recommendo a V. S. que laande pagar ao suppli-!
cante a quantia de 16*000, proveniente do aluguel
! vencido duranle o mez de julho ultimo, das casas
que em Villa-Bella serviram de quartel ao destaca-
le-me V. S. com urgencia o orcamento da despeza
a lazer-se eom os reparos necessarios a priso
ao s retratas em deposito em consequencia da
tentativa de arrombamento que estes praticaram.
fio ao inspector do arsenal de marrana. De
DIARIO DE PEBIMMBUCO.
Fundeon hornero s 7
conformidadecom o aviso da repartigao da mtl-]il2*'&l* VBdo norle lo imperio,
nha do do eorrente recommendo a V. S. que "?&- :. Amazonas a 5, do Para a 10, do
promoya o engajamento do numero de machinlas 1*^*^1
e foguistas que for possivel obter nesta nravinri*! "JL* Parah>*
Circular a todos os commandantes superiores. monl.
Para cumprimento de aviso circular do ministerio TafJ-' |,,s,enle composto de pragas do corpo
ao juiz de direito da comarca era 16 de maio para
que, ouvindo a cada um, me remettesse suas res
postas, e inforraasse cora o que por outros raeios
de guarnigo.
Dito ao mesmo.Estando em lermos o pret jun-
I to em duplicata, mande V. S. pagar a' pessoa que
Um raappa circunstanciad, e exacto da fr- JEdS^lS22fe S vecim-
los relativos a primeira qulDzena do mez de julho
ultimo, do destacamento de guardas nacionaes
existente na villa de Ipojuea.
Dito ao mesmo.Traosmitto a V. S. para os fins
convenientes, as inclusas contas documentadas da
receita e despeza da enfermarla militar do presidio
de Fernando, relativas ao mez de julho do crreme
anno.
Dlo ao mesmo.Inteirado do conledo do offlcio
que V. S. me dirigi honlem, sob n. 677, tenho a
i dizer em resposta que as despezas com a acqulsi-
(por seus postos), e ?---d!?,Lg!m.aspara a xwlugao de presos deve ser
da justiga de 17 de agosto prximo findo, remeta-
me V. S., era lempo de eslarem aqni at o dia 15
de noverabro vindouro, fmpreterivente
Io Um mappa circu
ga de todos os corpos, secgoes de batalho, esqua
droes e companhias avulsas do servico activo, e de
reserva da guarda nacional sob seu commando su-
perior, cora declarago em cada um dos mesmos
corpos, esquadrSes e companhias pela ordem de
sua nuraerago, da forga que se acha fardada de
conformidade com o modelo que foi junto a circu-
lar desta presidencia de 14 de margo de 1864 ;
2. Outro mappa de todo o armamento e correa-
Mandel a me distribuido a cada nm dos referidos corpos, com
de Polica para i Clarado do seu estado;
3." Um outro dos offlciaes
do Ceara a 16, do Rio-Grande
que for possivel obter nesta provincia "LT rarany*a a 19 do crreme-
para o servigo dos vapores da armada durante a- "T ue-comemos da leltura dos jornaea.
guerra, com os- vencimentos marcados na tabella
annexa ao reguJamento de 18 de covembro de
lOOJ.
Dito ao direetor do arsenal de guerra> Mande
V. >. fornecer com urgencia urna corneta de to-
que ao tenente-coronel commandante do batalho
n. 42 de infamara da guarda naoonai do muni-
cipio de Serinhem.
Dito ao capito do porto. Infrme Vmo. com o
que constar acerca do que expoe o subdelegado
do districto de Duaa-Barras no incluso offlcio.
lm
Foi
Amazona*. Nada encontramos que merega-
Para.A" 28 do passado abofan ao porto de Be-
corveta de guerra portugueza Estepkama.
ferecido sua offlcialidade um lauto jamar
a bordo do vapor Tapajoz, pelos negociantes por-
tuguezes all resideoles. Foi urna bella fasta, que
eoncorreram as pessoas mais gradas da provincia.
MARANHAOtDera-se um incendio n'nma parte'
dos-armazens da eompanha Confiaba, na roa do
trapiche, que poueos estragos causou, em conse-
Diio ao conseibo de compras do arsenal de guer- 1uenc'a Jas rpidas providencias tomadas.
.-Recommendo ao conselho de compras do ar- "h*wmo capilao Francisco de Salles -No-
sena! de guerra que compre para provimenlo dos Z o!S?k32aZ n PV mr e medico
armazens do respectivo almoxarifado o latao men-:Ur' Farul0 "* de. P'errelevee.
respectivo almoxarifado o lato men-.
clonado no incluso pedido I T Uiver>0!' negocame.*, brasileiros- e eslran-
Dilo ao superintendente da estrada de ierro. 8e,resLse ofTereceram para rondar a capal.
Recommendo ao Sr. superintendente da estrada 7 D DWm\ de ">/unlanoi murim, se of-
de ferro a expedgo de suas ordens para que os aI ,,Jn\* Presidencia da provincia algons estu-
voluntarios que forem apresentados pelo 2 cadete ,es T "umaQldades e jovens do commercio,.
de artilhana Francisco Carneiro da Silva, nasdi- iTr uraa,C0TI'bil especial. At ultima
versas estagoes da va frrea sejam transportados data ?T2J52ft :0-,
1 Joao Jos da Silva Sarment
pragas de cada batalho que
para a companha do snl;
4. Um mappa dos offlciaes e pragas que se acha
paga pela polica quando esses presos forem de
houverera marchado juslj?a0 recru,as Q deserlores> por jsso
mande V. S. pagar integralmente ao negociante
1 citado offlcio' StwMoreMemS&A^t^.
to, informando o delegado era 9 de maio o que Ihe declaracao dos lugares em que estiveram, da na- ,0 allmo 0B se rucnou em zo de agos-
foi remetiido, declarou, assim como o 1. juiz de : JJJff d se.rvico gf prestara, e da dala da ordem Dil0 ao' mesmo.-Reslituo a V S as duas inclu-
pz, a quem ouvio, que o sub-degado ea com 1u,os mandn destacar.
effeito dirigido por Vianna, e que aquellas autori-1 esc"sado recomraendar a V. S. a maior exac
dades s se dirigiam por vinganga, espirito de par
tido, especulago, e interesse particular. para i11" de ser citado aviso salsfeiio no prazo
O 3. suppleme Torres Galindo eslava sendo pro- acima indicado,
cessado pelo juiz de direito, segundo este me com-' M 16
raunicou. era consequencia de uraa representaco: yc"> a.o Exra. presidente da provincia da Pa-
sas contas om duplcala que vierara annexas a sua
cadeia da cdade de Olinda durante os mezes de
junho e julho deste anno, afim de que de
ra" ga? deTsa dwpea sVme'nle1 DartTeone^nAeat
do juiz municipal supplente Antonio Jos Pereda, rahyba.-No vapor Paran segu para essa pro- > g |e decorrido dTld^unho a 13 de iU|ho a
e por ler delapidado as rendas do patrimonio da vinc,a yoluntano da patria, que se alislou nesla cjma 3SSmao ao ae JUDno a l5 de >alti0 a
m itn7 d.im-, haIm :_... .utAua t:- -a i-- Cim lf>tini art t*r\mn nna nhi en acta nrrvnnicanfln -*.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Autoriso V. S. nos termos de sua Informago de
honlem, sob n. 359, a mandar entregar mediante
nanga idnea ao thesoureiro da irmandade de S.
Francisco de Paula da igreja do Caxang Joaquim
menor jse Finio eaeao, a Tfffiifflde r"is voWdo p^ arl^
ooc. Inwm, a companhia de aprendlzes do JueUa ierSia C vmgeole para as obras da-
! mesmo arsenal, a que perlence.Communicou-se 4 rjj0 |o m
matriz, como pelos livros verificou o juiz de direi- ora destino ao corpo que ah se est organisando, I
to em correigo. do que sciencia a V. Exc, para os fins conve-'
Arada contra o referido Torres Galindo ordenei \ n'entes.
ao juiz de direito em 6 de junho que procedesse Dito ao marechal decampo commandante das
criminalmente pelas violencias que elle proprio re- armas.ande V. Exc. dar baixa do 3 corpo de
lata em seu offlcio de 11 de maio ao chefe de po- 'o'nn'arios da patria e apresenlar ao director do
licia ter pralicado para com seu genro Candido arsenal de guerra, o menor Jos Pinto Gedeo, adra
Ribeiro Pessoa, a quem, em altercacao que Uve- de ser restituido a
rara, nao s prendeu como algemon. masmo arsenal, i
Na mesma data recommendei ao chefe de poli- ao director do arsenal de guerra,
cia que fizesse averiguar e punir oscrimes que' Dit0 ao mesmo.Srvase V. Exc. de mandar
no mesmo offlcio atlnboe Torres Galindo a seu a,islar no 5 co>"po de voluntarios da palria, os ci-
dito genro. I dados constantes da inclusa relago.
Tendo Fructuoso Alves da Silva feito no Diario' elagao a que se refere o officio supra.
de Pernambuco de 22 de junho aecusagoes ao 1 l sargento da guarda nacional, Jos de Barros
supplente do subdelegado das Duas Barras Elias : .Llraa-
Cordeiro Cintra, referindose tambem declara- Isidoro Gomes deFreitas.
coes do delegado no mesmo sentido, mandei que o ***>au Jos de Paiva Campello.
chefe de polica, ouvindo a ambos informasse. Joao Marques Correa da Costa.
Ao mesmo chefe de polica remetti para proce- i J080 Paulo dos Santos,
der como fosse da direito, e dar as providencias' lo3(\airf> Pereira do Nascimento.
precisas, a urna representagao que me dirigi a' Thomaz Villa-Verde.
Assocago Commercial Beneficenle contra o dele-; Jao. Confessor dos Santos,
gado de polica do 1. districto desta cidade bacha-' uit0 ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de provden-
re Luiz de Albuquerque Martins Pereira por ex-, ciar> Par que o voluntario da patria addido ao 3", .
cessos, que Ihe sao allribuidos, em deligeocias Wl. Luiz Ferrelra Maciei Pinheiro seja trans- J."Sneraaoa foartteT5aliSSKZ
concernentes s posturas municipaes. | Portado Parahyba, para o que ficam expedidas g"! '^contrat se nhriirm aSTSjSS
Ao juiz de direito de Cabrob pedi informagoes ** convenientes ordens, afim de encorporar-se ao I n^XrS-Kimo^ZlvTmT
sobre aecusagoes feitas ao 2. supplente do delega- corpo de voluntarios que se est all organisando, e : "econnecraeDlo' e aflm de au?em vista do com
do do Ex Jos da Costa Agr pelo juiz municipal no qual deseja elle servir.-Expediram-se neste !en {fSrtinSto mande oa/arao mencionado
supplente Ignacio Caetano de Alencar Rodova.ho ; -oudo as necessarias ordens KS^^iSR S^St
fmJ^Z:^^^M(iaSS\ir- direil0 seguDd0 consla d0 citad0 offlcio.-Commu-
geutordo S ffuioto'do SSSSXSSSSSL, n'CDreaoraehsmo*B3tt-rS PUS
Qumtino de Menezes Galhardo, que ae ottereceu .JJ? SSKtSff V^ Z fna^
para lomar parte na guerra contra o Paraguay.
Dito ao mesmo.Sirva se V. Exc. de informar
Ferr ira dos Santos, no
mesmo.Era vista da inclusa conta,
mande V. S. pagar a Manoel Joaquim de Miranda e
Souza a quantia de 339000, proveniente de enca-
dernages feitas para a secretaria do governo.
Dito ao mesmo.Accuso recebido o offlcio de 14
do correte, sob n. 355, em que V. S. participou
haver Joo Carlos Augusto da Silva, dando por fia-
dor o proprietaro Jos Lopes Rosa, arrematado
com o abate de 2 por cento, nos pregos da respec-
tiva tabella, e era resposta tenho a dizer que ap-
provo essa arrematago.
Dito ao mesrao.Constando de offlcio do chefe
da repartigao das obras publicas datado de nontem
e sob n. 299, haver o arrematante dos reparos do
empedramento enlre os marcos de 8 a 12 mil bra
gas na estrada da Victoria Manoel Malaquias Fran
da Silva, as di
da via frrea sejam transportados
para esta capital, cumprindo que o mesmo Sr. su-
perintendente de ora em diante sempre que der
passagera a voluntarios que com deslino a capital
forem mandados apresentar as differentes esta-
goes por parte das pessoas encarregadas de pro-
mover o seu alistamento, e a respeito dos quaes se
tem expedido ordem neste sentido, rae enve urna
relago nominal dos preditos voluntarios. Cora-
raumcouse ao engenheiro fiscal da mesma es-
trada.
Dito aos agentes da companhia Brasileira de
Paquetes a Vapor. Podem Vmcs. fazer seguir
para os porlos do norte o vapor Paran araanhaa I
a hora indicada em seu offlcio de hoje.
Portara. O presidente da provincia, tomando
em considerago o que expoz o inspector da the-
souraria provincial em offlcio de hootem sob n.
357, resolve abrir um novo crdito supplementar
na importancia de 1:095*835, para continuago
das despezas que devem ser levadas ao art. 42 da
le do orgamento do exercicio prximo lindo em
liquidagao visto ter sido nsufflciente o ultimo cr-
dito concedido para esse fim.Coraraunicou-se ao
inspector da thesouraria provincial.
Dita. O presidente da provincia, resolve Bo-
rnear o particular 1 sargento da companhia de I
cavaHaria Henrique Flix de Dacia para em com-
misso exercer o posto de alferes secretario do 5
eorpo de voluntarios da patria. Fizeram-se as |
necessarias communcacoes.
2 Joo Martins Vianna.
3 Juvencio Tavares Sarment.
4 Manoel Gongalves do Valle Guimaraes.
5 Raymundo Antonio Borges.
6 Clementino Lasaro Martins de Azevedo~
7 Eduardo de Mello Coutinho Maciei.
8 Raymundo Amancio de Campos.
9 Candido Tertuliano Ewerton Quadros.
10 Hermogenes Ferreira Barboza.
11 Manoel Hyglno Ribeiro Gnimaaes.
12 Manoel Estevo de Carvalho.
13 Cesar Augusto da Silva.
14 Antonio Caetano Correa.
15 Lycurgo Cicero da Silva.
16 Jos Jansen da Silva Passo.
17 Pedro Alexandre de Souza.
18 Florencio de Azevedo Pereira.
19 Daniel Vctor Coutinho.
20 Tenente Jos de Carvalho Lobao.
21 Antonio Marques de Faria.
22 Carlos Alberto Guilhon.
23 Henrique Pedro Guilhon.
24 Jos do Araaral Caldeira.
25 Alfredo Augusto Vidal.
26 Manoel Joaquim Ayres do Nascimento.
27 Jos Joaquim Ayres do Nascimento.
28 Raymundo Augusto de Hollanda.
Piauhy.Foi muito festejada a victoria de Ria-
chuelo, enviando a assembla provincial orna com-
Dito ao mesmo.Em vista do oret innto pm dn- Corrente.Informe o Sr. Dr. chefe de polica, pro-
SttLfflS1 SSL2 %? PU e nao avendo noonVlffiV V.VS. | ^o^Ss pTelrT-Requeira
,ne; Exc. info ra? sobr a'idone% e Z^SlS^Sf^SS l222? d
jj-undo o terrao a inspecgo a que deve ser sub-1 g**- ffj* ^mggmu
e fazendo igualmente aquelle juiz e o municipal
do Ex arguigoes ao mesmo supplente, manje
em 18 ae maio que o chefe de pohcia informasse,
ouvindo-o. Alera destas, diversas outras queixas
me foram presentes contra as autoridades policaes
do Exu, das quaes, assim como das respostas das
mesmas autoridades e mais informagoes, me re- sobrt Qu Pedo Pedro
sultou a conviego de que existe al tanta paixo incluso requerimento.
e irritago entre os homens das diversas parciali-: Dit0 ao mesmo. -Remeto incluso o requerimen
dades, que difflcil achar entre elles na aclualida- l? cm 1ue guarda do batalho n. 22 de infanta- J ni
de um que, como .
recta e imparcal todos, o que nao quer dizer Lima olerecc o paisano Joo Damasceno para subs
que nao existam n'aquella localidade homens hon- tijuijo no servigo de destacamento, afim deque
rados e importantes, d'eotre os quaes poderia o de-
legado, que eu pretenda para l enviar, estranho
a todos os odios, aos partidos e as intrigas, indi-
car os mais proprios para substituir algumas auto-! Dil ao mesmo.Mande V. Exc. alistar no !
ridades, que devessem ser demiltidas. batalho de guardas nacionaes destinados ao ser-
Ao chefe de polica recommendei em 11 de mar- v'So da guerra, se forem julgados aptos para isso
go que ordenasse ao delegado de Iogazeira que se em nspecgo de sade, nao s os guardas do ba-
jusiiliijue de varios fados criminosos, que Ihe fo- ,albao n- 43 de afamara do municipio de Barrei-
ram imputados em una correspondencia publicada re|ros, Manoel de Moura Virtuoso, Sebastio Go-
no Constitucional de 3 de maio. mes da Silva e mais dous que Ihe sero apresenta-
Ao juiz de direito do Limoeiro mandei era 7 de do= Pe' tenente Anstricliano Scrates de Moura
julho, que informasse, ouvindo o 4. supplente do P?S. como tambera o de nome Manoel Jos de
delegado de polica Victorino Archins do Reg Fa- Andrade, que se offereceu para o mesmo servico.
ra, quaes as rasoes porque inutilisou elle a ordem D't0 ao inspector da thesouraria de fazenda.
de priso que expedir contra Jos Antonio Go- Eipeca V. S. as suas ordens para que, em vista do
mes, e porque demorn em sua concluso desde Pret junto em duplicata e nao havondo inconve-
15 de margo o processo que Ihe instauren, como : nienle, seja paga com urgencia ao 2o sargento Ao
refere Celestino Ferreira da Silva no Diario de 30 lnio de Deus Bezerra, conforme
de maio. | de polica em offlcio de h&je, sob
risar ao ex-cadete sargento do exercito Joo Quln-
lino de Menezes Garlhado, a promover o alistamen-
to de voluntarios da patria, e recommenda as au-
toridade i a quem esta for apresenlada que o au-
xiliem no desempenho desta commisso.
Dita.O presidente da provincia, resolve auto-
risar a Joo Gomes de Souza a promover o alista-
mento de voluntarios da patria, e recommenda as
autoridades a quem for esta apresenlada que o
auxiliem no desempenho desta commisso.Igual
portara fui concedida ao cadede Io sargento
Francisco Carneiro da Silva.
Dita.us Srs. agentes da companhia Brasileira
de Paquetes inandem dar urna passajpm de esta-
do a r no vapor Paran at o Para a Antonio
Barboza de Moraes Cabral.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de Paquete a vapor raandem dar transporte para
a Parahiba por conta do ministerio da guerra no
vapor Paran a Luiz Ferreira Maciei Pinheiro
que se alislou com destino ao corpo de voluntarios
da patria, que se est organisando naquella pro-
vincia.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de Raqueles raandera dar urna passagem de esta-
do a r at o Para no vapor Paran ao juiz mu-
lar a m"ri n,c!i)al d0 ermo do Te,r Dr Francisco Leonardo
Essa mesma
at o ultimo de agosto deste anno, do destacamen-
to de guardas nacionaes existente na villa de Ipo-
Despachos dos dias 16 de setembro de 18Go.
Requerimentos.
Abaxo assignado de moradores no distrelo do
pagar de conformidade comas ordens em vigora
do destacamento de guardas nacionaes existente na
villa do Brcjo. Communicou-se ao delegado do
Brejo.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Rec fe.Constando de parllcipagao do de-
legado de polica do districto desta capital ao Dr.
ctiefe de polica em 11 do crreme, que o servigo
de rondas nocturnas tem sido irregularmente feito
em consequencia do diminuto numero de pragas
para isso designado, haja V. S. de providenciar pa-
ra que a cada urna das fregnezia* sejam distri-
buidas, em vez de tres, seis pragas,Communi-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao cammandante do presidio de Fernando
i rector do arseBal
cora urgencia nao
i i" sarpentn An- u" ao cammauuame uo presil
solicito^ o chefe ~Nes,a data expego ordem ao dit
so icitou o enere: de guerra para remelter a v s c(
n;. '..: L'_.:: s os artigos de vestuario a que t
JL- M&*J5hw!-- S i^fm&SsJt^S^: ^*Xi%^W^?:
vidade na concluso do processo feito por deoun- de urna escolta de guardas nacionaes, que veio de
cia -
oh
copia
de pronuncia, ou o pronuncia. r" I Francisco Aves de Almeida, Antonio Pit Hyppoli
Tendo o chefe de polica pedido do delegado f 'o Cavalcanti, Manoel Joaquim de Sant'Anna, Loo-, ..
de i\azarelh proposto a demissao do 3. supplente I ren?o Severiano, Manoel Nunes da Costa Baracho, PfSLrLZESjX.,'.,
do subdelegado do districto de S. Vicente, Sebas e Francisco de Paula Mendonga, os quaes a excep.: J^SJ^S^S^'^^^Sv^ &"""
lio Jos de Mendonga, por ter homisado'o crirai-!cao do priraeiro, que se acha" r'ecolhido a casa de | t!^^*Z?&al!^ml!.
noso Marcol"""
Ihe que ouvisse
nados na relago que acorapanhoo o seu offlcio n.
ao semestre,
que faltara para
por offleio de 27 de ja-
I neiro deste anno : o que declaro a V. S. em res-
Mendonga, por ter homisiado 'o crirai- fo do priraeiro, que se acha recolhido a casa de l ZSStS^^V^i^SS0^
rao Francisco da Silva, recommendei-; delengao como suspeito de ser escravo, foram des- i ^^S^^^Zui^I^J^Sl
^isse prraeiraraente o ub-delegado, e tioados ao servigo do exercito, Mna0 o etlftO H22XS52 Jf JLuOSt Z F*T?S
a sua resposta. offlcio-Coramuoicou-se ao Dr. chefe de polica. nacionaes destinados ao servigo da guerra se fo-
rae enviasse a sua resposta
A 16 de maio remetti ao juiz de direito do Boni-
to uraa representaco de Miguel Pinto Teixeira
Capoeiras, e outra de Domingos Ferreira de Mace-
do contra o de Quipap, para que ouca a cada
um e informe cora suas respostas, e com o que
por outros meios Ihe constar.
A 14 de junbo ordenei ao juiz de direito da Boa-
Vista que, ouvindo o sub-delegado de Petrolina,
me informar, se sobre a aecusago qoe lbe fez o
delegado de Ouricury de haver favorecido a fuga
de seu irmo Joo Gongalves Barbosa, preso a re-
quisigo d'aquelle delegado por ferimentos graves
em Luiz Pereira da Silva.
Precedendo proposta do chefe de polica Dz as
13 seguintes nomeagoes:
A 3 de margo de Joo Flix dos Santos para
delegado da Escada.
A 14 de margo de Paulo Bezerra Cavalcante de
Albuquerque para subdelegado do 1.districto de
Santo Anlo.
Do bacharel Manoel Nicolu Pinto Rigueira de
Souza para delegado de Serinbaero.
Do major Prisciaoo de Barros Accioli para 1.*
supplente do mesmo delegado.
De Laurenlino Antonio Pereira de Carvalho para
1 supplente do subdelegado do Calende.
Em 26 de abril do bacharel Francisco de Paula
Cavalcante de Albuquerque para delegado do Pao
do Alho
i. o prel'fn-1 ^m considerados aptos para isso era inspecgo de
toem duplcala, tirando SaMiMi mttrM! **3LB&2L*2A& de iprantaria
anno para o des
da Sfva, subdelegado de 21 de junhc,a 21 de julho desle anno para o des- fgJ^SSSmStt L^lfo
tacamenlo de guardas nacionaes existentes na villa "9B!2,d2cJ"a'.,nSTl^L
do Brejo, afim'de que estando em termos o men- mado de qa^ guarda de nome Manoel de Moura
clonado "pret, mande pagar a Jos Luiz Guatoco. ^J^_?^**?T**9 raen,a' como
na qualidade de procurador do capito Jos Anto' fJB*.e que dous oatros mo3,raai ser nomens
nio Pereira, smente a importancia de toes venc- ,nvaiiaos-
memos desde 21 de junho at 15 de julho cima Por esta occasiao nao posso deixar de recom-
citados.Communicou-se ao delegado de polica! mendar-lhe, que de orna vez faga por termo as
ao terrao de Barreiros designagoes abusivas de guardas impossibilitados
i deservirera, convencendo-se de que as ordens do
Dito o mesmo.De conformidade com o que me governo devem ser compridas com lealdade, e de
requisllou o fc-xm. presidente das Alagdas, em offl-' que nao sero tolerados vexames e abusos serae-
co de 14 do crreme, recommendo a V. S. qae liantes.
faga remetter para all, em 3 parcellas iguaes, pe- j O decreto n. 3,306 de 4 de agosto ultimo, hbi-
tos 3 prlmeiros paquetes da Companhia Pernara- lila a esse commando superior para corrigir laes
bucaoa a Importancia do saldo da receita arreca- [ faltas, que alias nao devo suppor que sejam prai-
dada nesta provincia por conta das rendas da-1 calas com conhecimento dos dignos commandan-
quella, at o ultimo de junho do corrate aooo. | tes dos corpos da guarda nacional sob seu com-
Communlcou-se ao Exm, presidente da provincia mando superior, compre pois que V. S. provideo-
das Alagdas. ci convenientemente a tal respeito.
Dito ao mesmo.Respondendo ao offlcio qoe V. I Dito ao coronel Tibortino Piolo de Almeida.Ao
S. me dirigi honlem, sob n. 678, tenho a dizer seo offlcio de 14 do correte, respondo declaran-
que mande pagar integralmente ao negociante Ma-' do-lhe que aos voluntarios da palria Jos Pedro
ooel Jos Moreira, cooforme se determinou em 21. Celestino de Mendonga e Telesphoro Eduardo Gon-
de agesto ultimo, a quantia de 145400, proveniente galves de Lima, s pode perraittir se o uzo das in-
das diarias abocadas aos recrulas e desertor viodos! signias de cadetes se estiverem as circamstancias
do termo do Bonito, visto nao estar provado que | declaradas pelo commandante das armas no offlcio
bouve ma' f da parte da autoridade que recrutou de 15 do correle, constante da copia jnnto.
os individuos Manoel Pereira de Olireira e Jos- Dito ao director das obras militares.Apresen-
por inter-
medio do seu commandante.
Abaixo assignado de moradores em Garanhuns.
Informe o Sr. Dr. chefe de polica, propondo o
que julgar conveniente.
Chrispim Gomes da Silva.Informe o Sr. com-
mandante do corpo de polica, mandando logo ins
peccionar o supphcante.
Carlos Jos Das da Silva.Informe o Sr. direc-
tor geral da nstrucgo publica.
Christiano da Gama Lobo.loforme o Sr. Dr.
jniz de orphos desta ciapit_.il.
Donata Mana da Conceigao.Informe o Sr. com-
mandante do presidio de Fernando.
Francisca Joaquina.Coraorequer.
Francisco Ramos da Cruz.Eotregue-se.
Feliciano Ferreira da Silva.Informe com ur-
gencia o Sr. commandante superior da guarda na-
cional de Golanna.
Francisco Alves de Miranda Vareje.Informe
o Sr. engenheiro em chefe das obras publicas.
Ivo Antonio de Araujo Larangeira Leite.Certifi-
que o que constar da secretarla.
Julio Cezar de Carvalho Araujo.Em vista da
Informago nao tem lugar o que requer o suppli-
cante.
Josepha Joaquina Raymunda de Mendonga e Ma-
ra dos Prazeres Raymunda de Mendonga.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Jos da Cruz Santos. Informe o Sr. inspector
da thesouraria provincial.
Jos Moreira da Cruz.Informe o Sr. Dr. chefe
de polica.
Jos Luiz Gnaiaco.Dirija-se as thesonrarias de
fazenda e provincial.
Jlo Jos da Silva.Aprsente o substituto no
qoartel general do commandante das armas para
ser inspeccionado.
Lniz Cavalcanti de Albuqnerque.loforme o Sr.
commandante do corpo de Dolida.
Libania de Panla Cavalcanti de Almeida Borges.
Informe o Sr. commandante do corpo de polica.
Loiza Maria Ferreira.A visto da loformago
nao ha mais que deferir.
Mara Joaquina da Conceigao.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Manoel Fellppe Joaquim.Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional de Santo
Anto e Escada.
Manoel Francisco Botelho.Satisfaga a exigen-
cia da thesouraria de fazenda.
Pedro Francisco de Almeida.Concedo o prazo
de dez dias, devendo ser este apresentado a autori-
dade a cuja disposigo se acha o filho do suppli-
cante.
Raymundo Jos Luiz.loforme o Sr. comman-
dante superior da guarda nacional do municipio
do Recife, se o substituto offerecido est designa-
do para o servigo da guerra.
Alferes Vicente Ferreira Nones de Paola-Por
ora-nao (em logar.
corporagao nomeou moa com-
misso, composla dos Exms. Srs. con?elbeiro Sa-
raiva e depuiados Polidoro Burlamaqoi o Fialho,
Drs. Pedro Leo Velloso e Eleuterio Aiabyde, para
felicitar a' S. M. o Imperador pela sua resolugo de
seguir para o Rio Granda do Sul.
0_ presidente da provincia publicara ama pro-
claroago, chamando novos voluntarios.
Le-se n mprensa :
< Amanha parlem para o iheatro da guerra,
sob o mando do Sr. tenente Andr Monleiro da Ca-
nha, 30 pragas de guardas nacionaes expediciona-
rias. Desejamo-lhes leliz viagem e fazeraos votos
para que se tornera dignos do nome de brasilei -
ros.
Cear. O vapor Pminunga, da companhia
Pernambucana, depois de ter estado encalhalo na
barra do Aracaty, consegulo safar e eulrou no
porto da Fortaleza" no da 7 do correte.
S. Exc. Rvma. demoroo-se tres dias no Sa-
boeiro, era sua visita episcopal.
A varila comegava a lavrar, na capital, com
algma raleasidade,
Acham-se j na capital 20 voluntarios de
Baturitc.
U Dr. Dario Fortuna Pessoa, juiz municipal
de Canind, offereceu-se para organisar urna com-
panhia de voluntarios.
A alfandega rendeu, no mez de agosto,
73:5485368.
L se no Cearense :
No dia 30 do mez passado naufragou perto
do Paraznho a escuna dinamarqueza lierend W-
Ilifin que ia de Hamburgo para o Maraoho, com
um carregamento de fazendas.
O Sr. Dr. inspector da alfandega mandn im-
mediatamente ao lugar do sinbtro urna commis-
so composta do guarda-mr, ora escriturario e
dous guardas.
Rio Grande. Orgaoisou-se, em S. Jos de Mi-
pb, ama commisso patritica para organisar um
2 corpo de voluntarios da patria.
Fallecen o commeodador Antonio de Albu-
querque Maranhao Cavalcanti.
Parahyba. Fo immenso o enthuslasmo pela
victoria de Jaiaby, fechando-se as repartigoes e
suspeodendo a assembla provincial os seas Ira-
balhos e percorrendo as roas da capital ama ban-
da de msica, acompaahada por crescido numero
de pessoas.
PERNAMRUCQ,
REVISTA DFA1IA.
Na segunda-feira ultima foram trasladados para
o hospicio da Penha os restos mortoes do digno
missionario capuehraho Rvra. Fr. Sebastio da
Virgera ; e acham-se depositados aparte inferior
do altor de Nossa Senhora das dores, onde sero
conservados.
Na exbumago do cadver, encontron-se o corpo
todo consumido; mas os ossos estovara perfeita-
mente ligados em soas juncturas.
Alera disto, o habito e o cordo estovam Intactos,
como se nao houvessem estado em contacto imme-
diato com os lquidos em decomposgo da materia
animal.
A sepultura nao tinha nenham d'esses vermes
qae as coampas costme eocortrar-se, quando
sao ellas abenas.
Oescrivo do juizo de paz d'esta fregoezia de
Santo Antonio foi desannojado pelo respectivo
julz-
Em logar competente os nossos leitores en-
cootraro a biographia do Exm. brlgadeiro Aoto-
Fernandes Padilha.
Este Sr. sendo pernambacano, resida ha muito
tempo na provincia de Saota Catbaria, cidade do
Desterro, onde fallecea ha pouco.
Em consequencia de impedimente legal do
Sr. Dr. Martins Pereira, assuraio bontem o exerci-
co da delegacia de polica desta cidade o respecti-
vo 3* supplente Dr. Jorje Dornellas, em consequen-
cia de recusa dos anteriores em collocago.
Cbegoa hootem a esta cidade, em regresso de
sua viagem ao centro da provincia, o Sr. major
Fernando Machado de Souza, que alli tinha ido em
commisso para ajadar ao major Jos Rodrigos de
Moraes a organisar um corpo de voluntarios.
Seguodo asseveragao do mesmo Sr. major Ma-
chado de Souza, declarou aquelle outro Sr. nao Iba
ser possivel levar a' effeito o seo offerecimeolo,
por circumstaocias qoe sobrevieram a' sua estada
nesta capital; de aorta qae assim inspossivel a
formago do referido corpo I


I
I
i
---------r-^y-
a m/^u
_
Domingo prximo (ii) a contraria semlnaris
ta do Nossa Senhora das Dores pretende levar a
eftoito, na respectiva igreja do semioario de Olinda,
a festividade da niesir* Seniora, naqal. peta isrl-
meira vez cao* missa oRvm. Valeriano de Alle-
luia Corroa, Ha pouco*chegauo da Batfia, on* "
ordenado com dimissorias do Ern .
lardera diocese. _-^,"liS.
Tem -- vigario caplul*
J pur aSlstebtes eflclestastfcos os Rvms. Srs.
fhatttfe Jos Joaquim Camello de Aadrade, reitor
do mesmo semioario. e conego dacapella impe-
rial Francisco Jo Tavares da Gama; eporas-
sistemes seculares, os Srs. Drs. Francisco de Pau-
la Salles, secretario do governo, e Antonio Vasr-.on-
cellos Menezes de Druramond, lente da fattldade,
e Manoet Romao de Garvalho, erapregado publico.
O Rvm. Sr. Antonio Manoel de Assuropcao o
pregador do Ecangelho, e o Rvm. Sr. Antonio de
Mello e Albuquerquo pregara' antes do Te-Deum,
cantado o qual subir' de novo na pulpito o Rvm.
Sr. vicario Francisco Peltolo Duarle. Findo este

_____
ftiarle de ^crnamne ~> auart> eieh *0 de elembro de ..-
y -r-r-, .-*hia.
Maria da Conceico,' Pernamh : yigario Camillo, ac&cenU mais orna parlic.ulari-1 Vteiras, dos Camaroes e d'outros ditos hercs e de infantarl-^ d0 CDja ctimtalsso foi dispensado Recife-. 14 de ttembro de 1865
ra, Boa-Vista ; precumo.r" -"=<> 60 anuos, soltei- dade que di respeito sbente a- mira : -Jura que I de algunas heronas que outr'ora nao trepidaran) ern-juin^ de 1831 Juvencto de Almi
, eu a/K;^ ao g DiSp0 com de visa vez flirmei a em trocar o repouso "pelas
^, oo .tf nos, vnva, Recife; gas-eUe padre Jos Antonio que a botina do Sr. Camil
Anoa Loiza Fran
trn i
'. ..iieri. i'"-' lo, etc. (vejase o citado biario.)
Murta Joaquina do Espirito s>anto, r" aambuco I Em primeiro lugar declaro que nunca nacwt ao
70 annos, viova, S. Jos; nyaro-^j, | Exm Sr D. j0o facto algum da vida do Rvd. viga-
Seraphina da Costa Reg, PerP,'dQ)bnco, 78 annos, rio Camillo, e muito menos asseverei a veracidade
viova, Boa-Vista; io"'^,,,^,, entestinal. i dos que lhe eran attrlbuidos.as se fazem des-
Alexaodre Antonio Preira, Parnarabuco, 2Vannos, tas communicacoes a' primeira autoridade da igre-
solteiro, S. los tubrculos pulmonares. ja, seno quando o lugar que occupamo,ou um de-
Phladelr/nia, Peroambuco, 8 meaes, S. Jos-, con- ver multo imperioso o exige : o respeito, o acata-
vu'.Qdes. I ment qoe todo harqpm bem educado deve a om
Nicolao, Pernambuco, 3 dias, Boa-Vista; espas-; prelado-venerando, irap<$e aos subditos toda a cir-
curaspeccao, toda a reserva as palavras, e faz ca-
escravo, Boa- lar quaesquer eomniuuicaces discretas e ociosas.
i Pela miri parte nunca julgoei noces-ario nar-
] rar ao meo prelado fados desairosos, que urna
Igualas ...
_ trocar o repouso pelas lides da guerra para
nos legarem um porvir glorioso, que a passos lar
0"or.'Fernandes Padilha, havendd passado para
vnorpo .do estado maior de i* oanse por decreto
mo.
Marcelino, Pernambuco, 18 annos,
Vista; phlysica pulmonar.
- 18 -
Joao Manoel de Santa Rosa, Pernambuco,
nos, solteiro. Boa-Vista;
res.
gos nos ha conduzido a prospendade e que no4je 2 de agll6l0 de (831, veio jara esta provincia
lera merecido as syrapailiias das nacoes cuija?, [ prnC|p,0 d0 ano de 18S4, no posto de tenente-
No sejamos por mais lempo, iinditferep.ies ao coronel, nomeado commandante da fortaleza de
reclamo da patria I Mostremos que, fcm nossos; Sant'Anna nesta capital, em cuja commisso se
corceos anda pulula o amor da .iberdade, essa I conservou al flns do anoo de 1857, quando o go-
emanago do roo que a lodos, sem excepcao de verno imperial resolveu que aquella fortaleza pas-
sexo, imp59 o dever de defene-la, e Ja que enire I sasse disposicjio do ministerio da marinha, aflm
nos nao ha uuia Joanna iTArc, urna Carlota Cor-1 de ser nella aquartellada a companhia de aprend-
day, ao menos mostremos qoo temos um coracao xes marinheiros.
magoanimo, concorrendo unisonas com o nosso Em 1838 exerceu o illustre veterano o cargo de
bolo paraloccorrer as familias dos nossos bravos assi.-tente interino do ajudante general do exercito,
que tem sucoumbldo defendendo os bros naci- e em margo do anoo de 1860 toraou posse do com
naes conspareados pelo san lindo Lpez. mando da fortaleza da Barra do Sul,
Abramos, pois, urna subseripcao, cojo producto exerceu al lins do anno de 1852, com
Aludida Lima.
Illm. Sr. Faustino Francisco do Oliveira.Reci-
fe, II de setmbro de 1863.-Rogo-lhe qne, em
abono da verdade, me responda ao p desta, so
quando V. S. ia ao arsenal de guerra para arrema-
lar costuras, em algum dia lhe propuz sociedade,.
ou se proeurei arreda-lo de licitar, com desfeitas.
ou outro qualquer pretexto, par* que V, S. se su-
jeiasse s nimbas condicdes em se retirar, per-
mitiindo me usar do sua resposta-eorao me con-
vier.
Do V. S. atiento venerador e criado.F.
Illm. Sr.Em resposta sua carta, tenbo a di-
zer-lhe qoo nunca V. S. interveio em arrematacdes
que en all fizesse, oem to pooeo me flzesse arre-
carg i qne I dar deltas sob qualquer pretPtTO-, antes pelo con-
espantosa trario ; se delxei de concorrer foi devido ao Sr.
21 an- imperiosa necessidade me oferigaria a levar ao co-' levaremos m commisailo as familias desvalidas, assidui Jade, apezar da insalubridade daq'ielle lu- j director, que querendo afuyentar a concurrencia
tubrculos pulmona- nhecimenio de ora bispo a quem sempre respeitei. cumpnoiio assim ao mesmo tempo dous doside- gar, que a ausencia das condledes hygienicas e ou
E se ft.o esta declaracao nao porque preteuda veres sagrados que no3 proscreve a religiao, a tras circunstancias, torna va m assaz nocivo a saa-
i*r-se-ha a' grande instrumental o Sa- Joaquina Amella Fontes. Pernambuco. 33 annos, desculpar-me, 6 porque devo dizer a verdade. Ape- caridade e a consolacao, balsamo precioso que o do e at ameagador da existencia.
bot ilatcr do insigue maestro Larabillolle, depois solieira, Boa-Vista; vintegrte. zar de eu nao ser possmdor de vma boa foiinna, Senhor nosdeu para cicatrizar as chagas mais Achava-.se ah o animoso commandante, quando
o ufferecitn'nto e tiraniento da bandeira. Manoela Maria Alcanforada, Pernambuco, 24 an- tenho todava independencia de carcter, e suffl- saugrenlas do coracao humano. I foi promovido ao poste de coronel, por anliguida-
A orchesta confiada a ollicitude do Rvm. Sr. nos, casada, Recife; iuflamagao chrooica. ente torca de voniade para quando necessario, Estou convencida deque nao ha ver urna so de, a 2 de dezembro de 1864.
Primo Feliciano Tavare ejecutara" a missa e Te- Josepha Amalia Ro Rial, Pernambuco, 26 annos, dizer o que enteodo, sem faltar s conveniencias, brasileira que so negu a to jusio fim ; urna ve Foi pir essa poca, que a sade at enlao vgo
' Gloria o Sr. Trajano casada, Recite | repente.
DeumLima grande. .No
Felippe Nery de Baccellos cantara' um solo de sua ^^
composlgao.
Sabbado havera' vesperas solemnes, as quaes
entram as 6 horas da tarde ; orando nesta oica-
sio o Rvm. Sr. Augusto Frauklin Moreira da Sil-
va, tambem ha pouco ordenado na Baha.
Urna msica marcial tocara' nos intervalos des-
ses actos.
Continuando lioolein o processo do concurso |
da thesouraria de'fatenda, foi prodazida aprova de SvaDpe|nos ^ver escripto una carta no senlido
ilhmetica at proporces com applicacao a re- ||)u ronvm ja para ^ ^^ |jUSi
COMMNICABOS.
A declaracao 4o Sr. padre Jos Anlouio dos
Santos Lcssa.
V
Quando o Sr. padre Jos Antonio jura aos santos
Se eu juigasse do tneu dever esclarecer o Exm. que elle nao envolve cor alguma poltica, mas s
bispo sobre este ou aquelle ponto, se fosse por elle a da religiao, a cujo gremio pertencemos todas.
interrogado, ou sje-gulgasse necessario communicar j Temos visto por muitas vezes avultadas sommis
o que soubesse, en o faria cora iodo o respeito mas gastas cora festejos, sem que disso resulte um s
sem reserva. Pwrm nao; nunca o Exm. Sr. O. beneficio aos desvalidos, e agora que se trata del-1 traiamento.
Joao me falln a respeito do Sr. vigario Camillo, les, cumpre ao nosso sexo soccorre-los; ainda | Nao obtendo, porm, melhoras na enfermidade
nunca me consullou sobre negocio ou pretencao al- mesmo privando-nos dos mais precisos dos nos- ourmaria, que o aocominetlra, e, pelo contrario,
guma tendente a -elle, e portante nunca lhe revelei sos adornos, para o que encarregar-se-hao aigumas aguravando-se ella consideravelmente, o venerando
e muito menos asseverei faci algom tendente ao de nossas patricias, quer da cidade, quer aos su-!ancio decidise a sollicitar do governo imperial a
passou a exigir rertidoes das thesourarias geral e
provincial u registro de hypolheeas, no que os lici-
tantes gastariam iti5, na incerteza de flearem com
o lance, ao passo que o Sr. Antonio Francisco Mar-
tina de Miran a, seu amigo e principal fornece-
dor do conselho, nao s deixava de apresentar as
habililacoes, que de oulros se exigiam, como al
rosa do filustre corouel Padilha cornee 11 a se alte- i arremata sendo fiador de si mesmo.
rar sensivelmente, e o impelllo a passar por uma utrosim, nao continuo a comparecer as arre-
inspeceo medica, a deixar aquelle commando, e matacoes, porque parece-me ser patrimonio do Sr.
a vr para esta capital submetter-se ao necessario; Franci.co Pinto da Cosa Lima e seu nelo Jerony-
an
dueco de moedas, pesos e medidas,
ia o Sr
! escripturano da mesma thesoo
para os seus ims, e nao recea
como realmente o foi, com a pu-
ser desmentido,
n
seu punhe, nao de admirar que
iue nnnea se {
os ageile ao seu modo.
Esammou nesta materia o Sr. Jos Francisco de ^ bhca0a0 dll me;ma carta; escripia e assignada pelo
seu punhe, nao de admirar qa h|a*fn^ conlldencia chegasse ao conheciraeoto do Sr. padre
passado o que nnnea se passou, e que. altera ido ,_x ,._ ,......... Q. ;.,,
Sr. vigario Camillo. burbios, de promover a suoscripcao, declarando
Deiuais, se por qualquer motivo me fosse preciso seus domicilios e fazendo os annuacin competen-
omrauuicar ao Etm. prelado o qne me roostava a tes na razo das assigaaturas, que eu farei outro
respeito doSr. vigario, havia deternecessariamen- tanto, prestando j. a minha.
Sales Bavieira,
raria.
A poesia, pagina, coro o nome do Sr. J. S. Reg Jnior, 110 pjrles
verso rO e 8.' linha onde diz-Do mundo que zomba Lop Q0 prllcip|0 do depomeiito do Sr. podre
do amor cronino. deve-se u-r-doamorcrtimsono. j05 Antonio, jurado aos Santos Evangelhos para
No mesmo verso 4.' linha onde du-Passemos os merecer f ise o seguate :
dias de enlevo e de goso, deve-se lerde ealevo
e de sogo.
0"Sr, Joao Paulo de Carvalho, alteres do 3.
batatho da guarda nacional deste municipio, offe-
receu-se para marchar no 1." corpo cional com destino a guerra.
Foi apresentado pelo Sr. Dr. Francisco Amin-
thas de Carvalho Moura para alistar-se no corpo
de voluntarios o Sr. Astonio Jos da Costa.
'Hoje o geme Slmoes far leilao de movis,
chapeos do Guille, fino-, aderemos e meios adere-
-qc* Me ouro, rel.igios de ouro e prata, cadeias para
relogios, correntoes, anneis e oulros artigos, s 11
lloras, no armazem ra da Cruz n. 57.
O agente Olimpio em seu armazem a' ra da
Cadeia do Recite n. 36. faz leilao hoje de mohilias, ^
trastes avulsos, escritos, grande quantidade de j gr
objectos de ouro e prata.
Depois d'amanha se extrahira' a' 2.* parte 1
da I." lotera da matriz de Santo Amaro do Jaboa-
to (32 ), sendo o maior premio 6:0005000.
Passageiros do vapor Paran, sabido para o
portos do norle :
Joao Caudido Ferreira, Alberto Nadler. Justino
Jos Baptista, Joao Arelino AfTon-o, Antonio Bar-
bosa de Moraes Cabral, ur. Francisco Leandro de
Suuza Miranda C011I0 e 1 criado, D. Theodora Joa
te toda a cautella, havia. de faee lo cora toda a re
serva, e sem testemunhas; e para que a minha
Sitio na Esirada-Nova, 18 de setmbro de 1863.
Maria Carneiro de Souza Lacerda VilUisecca.
mo da Costa Lima, protegidos por alguem, e nao
querendo me sujeilar as imposicSes destes rresmos
seuliores, teulio deixado de comparecer.
Pudendo V. S. u convier: sobre qualquer tribuna) estarei prompto
a especificar a verdade do que tenho dito, e mais
Jos Antonio, fra mister que o propno Sr. bispo
Ih'a comcaunicasse. Nao tendo eu porm fallado
jamis com o Exm. Sr. D. Julo sobre essa materia
e jurando o Sr. padre Jos Aojoaio qoe pu disse e
asseceret ao Exm. bispo fados da vida do Rvd. vi-
gario Camillo, segu-se necessariamente ou que o
Exm.
que
._ .,,,; jcp : uariu Lrainiiio, segu^-se necessanaiiieiue uu i in
, pMencao (a P"^0 fS.r; Sr. padre lA Antonio jurou aiso, ou que o Ej
,0. de nomear o vigario Gamillo g,..^ D_Joao ,,,; e me mnUo, o (
Sabida esta sua
padre Jos Antonio, ae uumerii u ngiu ...... <. ..
visitador das Alageas) pelos Srs. coaegosGamae ab-solufameQle se no Me ltaUlir
Santos, cootrariaram-na virosamente peranle dogr 5 Jos. AQlonJO Q cas0 mQ.
aqueile finado bispo cobr.ndo. c vigario Camillo da lnlei^meDte e\an, Com quanto ja nesse
do erlmeg t^#ffc.>**yfe"g tempo (1860) 8. Rvmaf fosse possuidor de urna boa
fortuna, que proonrava angmentar, todava ainda
se no assignava Dom Jos Antonio dos Sanios Les-
sa, ainda era acoessivel para todos, ainda a sala
en que S. IIvma. assislia e dava audiencia no li-
nha assumido o aspecto imponente c assustador de
urna praca d'armas (I), ainda S. Rvma. era lido
como hoinem que busca a verdade, e nao vai pu-
sua reforma, que lhe foi concedida no posto de bri
gadeiro, com o respectivo odo, por decreto de 201 se me lr perguulado.
de julho de 1864, tendo servido ao paiz cerca de 47 Recite, i de setmbro de
annos.
O brigadeiro Padilha achava-se ja gravemente
doente, quando o governo imperial den lhe ainda
urna prova de confianca, nomeando-o, por aviso de
24 de fevereiro desie anno, inspector da colonia
militar de Santa Theresa nesta provincia, commis-
sao que o Ilustre enfermo teve de renunciar, vis-
ta do estado melindroso de sua ade.
1865.
Seu veuerador e criadoFuu/wo
Olivnra.
(E>tavam reconheddos e sellado1).
----------- I !-<- I
Francisco de
Biogrptua do biigadeiro Aatonio Fer-
namles padilha.
OFFERKCIDA SUA EXMA. FAMILIA.
Grato memoria do sr. brigadeiro Antonio Fer-
nandes Padilha, que honrou-nos com sua amisade
desde que veio para esta provincia, e de quera
sempre recebemos as mais obrigante> provas de quella provincia, onde o Ilustre general tinha mu
conliauca, a qual nos presamos de haver corres- tos outros parentes.
fc
Agua florida de Murray
Lanmau.
Inteiramente difTerente generalldade dessas
O Sr. Antonio Fernandes Padilha era ca=ado cora intituladas aguas de chairo e extractos de essen-
a Exma. Sra. D. Rosa Maria da Conceigo Padilha,' cas para o tomador ; as quaes nao sao mal dc-
residenle na provincia de Pernambuco, de cnia que meras essencias aromatisadas; ese rico e
unio existem fllhos que habiiam na corte e n'a-! delicado perfumo um cosmettico excellente, e ao
1 mesTio tempo possue a necessaria virtude de ser-
; vir de um grande remedio externo.
rando ao mesmo bispo a veracidade desses fac-
t tos, e affirmando, como de viva voz a elle deca-
< rante o fizara o dito cunego Santos que a batina
do Rvd. vigario... etc. (Veja-se o Diario a.
206 de 9 de setmbro crreme, onde poda ler-e o
resto desse trecho do depoimento, que eu nao repi-
to pelos motivos queexpuz no meu terceiro artigo).
Mais adiante diz ainda o Sr..padre Jo, Antonio no b||car q djz em C0Qa ara seu
aos Santos .vangelhos que g(mm? direc^ao. demais, S. Rvma. queria -
,, tere-,sar-me pelo Rvd. vigario Camillo ; na
onego lavares da oama ^**Moi, que me escreveu para esse m, exallou as I
parle deiles offlciaes, com i|iie contranava epie-
mente se jusiilicava desses enormes crimes
t que aquelies aecusadores haviam feto chegar
ao conheciinento do
c pedindolhes para elle-
(Palavras textuaes do depoi
tanto deu-me S. Rvma. lodo o direto para lhe fa-
seu depoimento jurado
o Sr. vigario Camiilo me apresentara a
Tavares da Gama
Passando em silencio a delicadeza da linguagem
que o Rvd. respoudente empresa mesmo era juizo,
o limado da expressao, e a feliz escolha dos epilhe-
pondido com lealdade. oceorreu-nos o pensaineuto, i Tendo elle comedido a peiorar no dia 3 de julho, | Diluido n'uma pouca d'agua pora, toroa-se urna
sem duvida arrojado," de coordenar e publicar a; chamouse lgo o medico assistente, o Illm. Sr. Dr. excellant e agralavel lavagem para a pelle, re-
sua biographia pensaraenlo que ora realisamos,; Antonio Jos Sarment e Mello, que anteriormente, movendo toda a aspereza da pelle, maculas, erup-
no como seria' paradesejar, de um modo completo porm, j havia declarado nada mais ter a pres- C5M, impiugens, sardas etc transmitnndo em sea
e sali.-factorio, mas conforme nos permitiera as j crever com e-perao^a de aproveitam-nti. lugar urna clara compleicao, rosada e linda, macia
exiguas habililacoes de que dispomos, e a caren- Na manha do dia 7 o mal havia augmentado, c formosa. Applicada testa 00 fontes, dissipa
ca de maior copia de documentos e infurmacoes e o Ilustre enfermo recebeu o Sacramen-o da Ex- dores de cabega. previne desmalos e vertigens,
exactas. trema-Uncco neste mesmo da, em que, pelas 8 ho- dando urna nova vitalidade refrigeradora o espi-
Como disseraos, somos grato memoria do ho-; ras da noite exiurou, n'i uso perfeito de suas facul-; rito ; empregada como urna lavagem para os den
mera, que fra cantarada e ami^o de nosso muito dades intellectuaes, tendo poucos momentos antes tes e o rosto (quando diluido em agua) de urna
" presado p*i, e que apezar da superioridade de sua pronunciado ainda o nome do obscuro autor de-tas aromtica fresquido sem igual, assim como serve
1 idade e posigo. fez-nos o favor de vver comnosco linha*, que, juntamente com o digno neto do filie- de suavisar e mitigar a ardencia da pelle depois
s na mais cordeai iniimidade, mas neui por isso em cido, o estlmavel Sr. Jos Tertuliano da Silva Fra-! que se haja feito a barba.
qualidades do seu amigo, o desapego do mundo cora nos:j0 humilde escripto eucontrar alguem urna s gozo, achava-so presente n'aq elle fatal momento. (Em consequencia das muitas imitacoes exis-
que elle viva no seio da sua familia coraposta de pnrase incompetente ou parcial, sobre o mrito do! No dia seguinte, pelas 4rl|2 Horas da tarde, teve tents por tola a parte, de summa importancia
i de Murray &
idros da3 pro-
nscriplos sob cada en-
na falta dos mesmos
M. B. A. Varella. j lidade deste corpo, assislindo tambem ao acto o toda a mais falsa).
Illm. Sr. commandante militar da provincia. VenJe-se as pharmacias de Caors "Barbosa e
J. C.Bravo & C.
n-
caria
zer larabem as minhas observac-s.
O Sr. padre Jos Ant nio, porm, na sua mania
pelo juramento, vai alm do que se passou. t
Antonio Fernandes Padilha nasceu na Iha de Fez-se na matriz a encommendao,ao solemne, em
quina de Souza Braga, D. Theodora Biagade Souza I JU'^^-t^^^^MMranto^sir" coneeo Ta- Pel Jura"into, vai alm do que se passou. U sr. 1 namaraca- da aclua| C0(narca de Olmda, na pro- que offlciou o Rvm. Sr. arcipreste desta provincia,
Silveira ,arPda fima?a mira ob'-ervarei era urimeiro l,adre Jo? Jora W* eu "^mei ao Exm. bispo, co- v|QCJa de peinarabuco, no anoo de 1797 segundo Bnda a qual, tiveram lugar as honras fnebres pe- \
har a ner^lencla cora une, oSr uadre Jos quer ",0 viva voz "/fi'" Pd/e Josif' gae.a' se deprehende de sua ( de oficio. lo batalho de voluntarios da patria, segurado,
por fcS i^ar"meaoS? cone1 Tmres da Cami, batim v*9ar,0< elc- (veJa"se oDutru,.) Eu ja p ^ seus ai M' 'a ASUinpa0 Padilha o prestito para o cemiterio publico desta c.dade
' disse que nada declarei ao Sr. bispo, era Uve ra-! fl D Francisca Fernandes Padilha. onde foi inhumado o cadver em urna catacumba,
e 1 criada e 1 escrava, Jesuiuo Gomes da
e 1 criado, Antonio de Souza e Silva, Jeronymoda
Costa Lima, Jos Daniel Sulambada, D. Joanna
Baptista de Carvalho, Nicomedes Maria Frere. Au-
gusto Libille, Ltwis Hermn, A. J. Len, Weill
Ephraim, Mever Michel, Charles Roos, Weill Da-
riel, Lery Neplalie, Eduardo Len G. Bemoot, An-
tonio Correa de Vasconcellos e 1 escravo a en
tregar.
1ki'arth;aoda polica.
Extracto das parles do dia 19 de setmbro
de 186o.
Foram recolhidos a casa de detenejio no dia 18
d j corrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio Pedro Barbosa, Flix Antonio Francisco, Joa-
quira Jos do Sant'Anna. Manoel dos Santos Reg,
Manoel Henriques de Moraes e Benedicto Jos du
Espirito Santo, para recrutas.
A' ordem do snbde'pgado do Recite, Maria Joa-
quina do Espirito Sanio e Felismina Maria da Con-
e, per fas et per nefas, tornar nos solidarios em tu- "i*". '",
do quanto diz res|ieito ao Rvd. vigario Gamillo.
Declaro a S. Rvma. que para mim muito honroso
acbar-me sempre ao lado doSr. conego Tavares da
Gama, e partilhar a responsabilidade de quaesquer
actos que elle haja pralicado como provisor, com 1
secretario do bispado ouromoconselheiro do Exm.
bispo Joo, a quem coadjuvou por espaco d" 32
anuos na espinhosa tarefa de reger esta vasta dio-
cese. Mas pede a verdade que no caso que ora
tratamos cada um reassunu a parle que dsempe-
nhou e que, lhe competi pelo sen carcter e pela
sua posicao. Tratarei primeiramente do Sr. i>adre
Gama, e depois faliarei a mea respeito, mostrando
sempre em toda a evidencia a falsidade das asser-
Qoes do Sr. padre Jos Antonio juradas aos Santos
Evangelios.
Que o Sr. conego Tavares da Gama, ancio res-
do blspado, e
eguiute conseiheiro nalo do Exm. bispo D.
isso. AoSr. padre Jos Antonio commu-i Qando em l817i a lerra dos Henriques uias,
ni juei o que me constava, porm nada alliriei : essa Drosa provincia do imperio, que to bous cre-
limileime to smente a referir-lhe os facios taes djt(Jj lenj dad(J a palnai precisou da lealdade e
quaes haviam chegada ao meu conhecimento, afim 1 coacur;i0 de seus ons jln0S) a exemplo sem duvi-
de que S. Rvma. se informasse, e nao prodigali-1 da d3 gea ve|no pa) nomem e.niluisiasla e palriota
zasse levianamente to decidida profeefte. I nai> outr'ora militara com dislmccao naquella pro-
E de feito, nenhum motivo de odio, ou ma vonta- vjnCjai 0 joven Autonio i-'ernandes abracou a car-
de rae levando a fazer aquellas revelacoes, para: re|ra as armaSijeDiando praga de soldado vulun-
que havia en de afflrmar aquillo de que nao esta- UrJ0 Q0 dja 2 d(J Sl,lemDr daqnelle anno.
va certo 7 Eu nunca andei pela l'arahyba. nem Cinco annos haviam decorrido e ja'o bravo Per-
pelo Rio Grande do Norle, nunca Uve mtiresse, nambucano se fazia dlsiinao, na provincia da Ba-
nem proeurei verificar se era ou no verdade o hja> por occasiao da campanha da independencia,
que se referia do Sr. vigario Camillo, e como ira em (JU(J t.JVfl a g,ora de ser coudecorado com a me-
afjirmar facto algum da vida delle Y Como ira as
seoerar a veracidade de cousa alguma, principal-
mente ao Sr. padre Jos Antonio, que se mostrava
to amigo do Rvd. vigario, to grato pelos servido
ceieao, para correrrao. | peitave| entao provisor e secretario do b
A ordem do de S. J.>s, H..norato 'os dos San-! J ; conseiheiro nalo do Exm.
tos, por suspeito em furto de cavallo, Antonio Joa- J ^ ^ "
quim dos Sautos, por oltensas physieis, e Josepha j i)iie 'o|]V)
Alves da Silva, por disturbios.
A' ordem do de Boa-Vista, Jos da Costa Gui-
maraes, Antonia Maria da Conceico, Jacinlha Ma-
ra da Conceico e Ro.-alina Maria da Concelfo,
para correcco.
O chefe da 2* sesso,
J. G. de Mesquita.
Passageiros do vapor brasileiro Galgo, entra-
do dos portos do norte
ase ao seu prelado, e lhe communicasse o
que ouvia dizer a respeito do Rvd. vigario Camillo,
isso no contesto tu, pois o lugar que oceupava, e
a lealdade que sempre guardn para com o Exm.
diocesano, assim o exigiam. Mas que o Sr. padre
Gama dissesse o que lhe no constava, que inven-
tasse factos, qne ro&riue de crimes horriveis o Rvd. "g" no a pnme.ro arugo,
vigario Camilo dos ps al a cubera, sso que **&*. 'I'^ndo S. Rvma procorj
falso; e necessario ter perdido o' pudor, neces- K df Ylf"'ndor dlls Alagoas, c
dalha conferida aos que eipelliram daquella pro
vinr.ia as tropas lusitauas.
Apenas terminavara alli as lulas polticas, novos
louros|aguardavam aoiolrepido mancebo na propna
que elle lhe presh.u pelo Clama ne cesses, etc., etc., provQCja aiUif onde af,house, no anuo de 1824, na
como tuio se pode ver na carta de S. Rvma. ? Re- cailipan)a chamada da Barra Grande, da qual vol-
pito : communiquei simplnsmente ao Sr. padre Jo- [oa C(|(I) maior g|0ria, com mais tuna distineco
s Antonio o que ouvia dizer a respeito da pessoa nonorirl(.;, S0Dre a farda a medalliaa de -Cons-
por quem elle tanto se interessava ; communiquei- tulca_qUe enio.-e concedeu ao exercito coopera-
Ih'o no anno de 1860, quando S. Kvma. procurava dor da boa ordem em Pt,rnarauco.
sano descouhecer inteiramente a santidade do ju-
ramento, para com todo o eynismo jurarse na dio-
do Reci fe, se estrenuo pro-
se deve algum
resio de morahdade que ainda exista no palacio
Candido F. da Silve.ra, Manoel '^ ; ep.sccpal nos ltimos oias do finado prelado jurar-
Fabrico Gomes Porosa, I Olha, 1 "ho menor el d g G J (k ^
erhdo, Antomo ^^^Z^^^Sl''^^ J -N- a um sacerdote -
de Araujo Lima, Joaquim
para o Rvd. Camillo o lugar de vigario geral do
iiisoado, e por occasio da celebre caria que trans-
crevi no meu primeiro artigo, e nao no anno de
rava para elle o lu
como d a entender
110 seu depoimento, confundindo assim as datas, e
rommeitendo um anachronisrno smente para ba-
Mas estas condecoraeos, alias muito honrosas,
nao erara certamente suficientes para premiar to
relevantes servgos, e pois o bravo militar, que ja
havia exercido lodos os poslos inferiores, foi pro-
movido ao de altores por decreto de lo de juuhode
1823.
A' inlrepidez e grandeza de animo, com que con-
Sanii.igo, Manoe
Ernesto do Reg, Jos
Pereia Maia, Joaquim Jos de Medeiros Curreia,
Amonio Barbosa Aranha, J^s de Medeiros Correia,
Manoel Reg de Pinte, Elias de Almeida Pinto
Ferreira, Avelino de Araujo Bezerra, Manoel An-
tonio Ferreira Serrano, Jo^ Flix do Reg Barros,
Manoel Po da Silva Loureiro, Antonio Jorge. Agos-
tinho da Rocha, Vicente A. de Magalhes, Manoel
Gomes Moreira e 1 escrava,Manoel G. de Carvalho,
Antonio Domingos Pinhelro, Pl>ck, A. J. Stern,
Luiz, escravo do Dr. Augusto Frederico de Oli-
veira.
Seguem para o sul :
i- tenentes da armada Bernardino Jos deQuei-
roz, Francisco Jerunymn Goncalves. Jos Francis-
co Pinto, 2o lente Rayniundo Alves de Castro e
Suva, 2o cadete loao Paulo de Aquino Nunes, 62
guardas nacionaes d 1 Para e 59 recrutas para a
armada, altores Canuto Leopoldo Ribeiro da Silva,
cadete Severiano Augusto Correa da Siva, cadete
Jos Marcelino da Fnnsera, 8 voluntarios da patria,
do Maranhao, 74 guardas nacionaes, 30 recrutas,
tenente Andr Monteiroda Cunha, 24 guardas na-
cionaes do l'iauliy. 4 voluntarlos da patria, 2 ditos
do exercito, capito Antonio Rodrigues Cordeiro,
do-Cear. tenente Jos Alexandre Nunes de Mello,
alteres Joao do Carmo Ferreira Chaves, altores
Francisco Augusto Peixoto de Alencar, alteres
Francisco Pinhcirn Teixeira, alteres Lourengo Ro-
drigues da Silva, 78 guardas nacionaes, 6 recrutas,
para a armada, 31 ditos para o exercito, 2 volunta
nos da patria, 3 recrulas para a armada, da Para-
hyba, 24 ditos para o exercito, John Witpld, Luiz
Oliveira, Jos da Rocha F. Sobrinho, 4 escravos a
entregar.
Casa de detenqao.Movimento do dia 18 de se-
tmbro de 1863.Existiam 368, entraram 16, sa-
hiraro 6, existem 378; a saber : Nacionaes 276,
mulheres 10, eslrangeiros 22, mulheres4,escravos
62. escravas 4 ; total 378.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 183.
Movimento da enfermara do dia 19 de setem
bro de 186S.
Tiveram ioaixa :
Aniceto Nenes da Silva ; febre.
Joi) Gome6 da Silva; daltros.
Tiveram alta:
Jos Francisco da Costa.
Liberalino Jos i'ereira.
JuSo Baptista de Araujo.
CEMITEaiO ubuco, obituario do da 15 DE
SETMBRO DE 1865.
Manoel Francisco da Rocha, Pernambuco, 46 annos
solteiro, Recite; hypertrophia.
16 -
Antonio Joaquim Soares, Pernambuco, 32 annos,
viuvo. Boa-Vista ; tubrculos pnlmonares.
Proeopio Perera de Lira, Piaohy, 26 annos, soltei
ro, Boa-Vista; apoptoxia cerebral.
Eustaquio Jos dos Santos, Pernambuco, 30 annos,
solteiro, S. Jos phlysica pulmonar.
Antonio Jos Ferreira da Costa, Pernambuco, 35
annos, casado, Recito ; hypertrophia.
Francisco, (liberto) frica, 28 annos, solteiro, S.
Jos ; ptuysica pulmonar.
Luiza Maria da Conceico, Pernambuco, 95 annos,
viuvaj Reci/e ; amolecimeoto cerebral.
Jacinlha Maria da Conceico, 40 annos, solteiro,
Boa Vista ; tubrculos pulmonares.
Lulza Maria da Silva, Pernambuco, 68 annos,
solleira, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Olimpio, Pernambuco, 18 annos, Boa-Vista; coa-
vulcoes.
Maria, Pernambuco, 30 mares, Santo Antonio;
coqueluche.
Bricio, Pernambuco, 2 mezes, escravo, Santo An-
tonio; convnlcQes.
Anglica, Pernambuco, SO apnos, escrava, Boa-
Vista ; pulmona.
e isto, to perante qualquer particular, mas peran-
te o se 1 prelado, perante o venerando pastor da
igreja pernimbucana I
E to patenle a falsidade deste juramento, que
o mesmo Sr. padre Jos Antonio se conlradiz mes-
mo no seu proprio juramento. Sim : depois de
jurar que eu e o Sr. padre Gama cobnamos o Rvd.
vigario Gamillo de crimes horriceis dos ps ale a
cabera, jura mais abaixo que o mesmo vigario Ga-
millo nos apresentou os documentos, parte deiles
offlciaes com que conlrariava e plenamente se jus-
lificava desses crimes enormes.
ruinar ludo, e nao poder saber-se onde esta a ver- ,uuou a d|SiiDguir-se, deveu nicamente o altores
d*0*- Padilha a gloria de s ver, 18 das depois, isto ,
E tanto certo nao haver eu afirmado ao sr. pa-, a t de lQ do mesrao anu0> promovido ao posto
dre Jos Aotonio couza alguma, e sim ter-lbe re- de leDeil(B
commendado que se intormasse ; tanto verdade, Hav|a apenas decorrdo aoao e meio, e o seu me-
haver eu referido os tactos ingenuamente e sem mo ao m 0|Vjdado. 0 fl0>l0 de capitao foi-lhe
ma f, que S. Rvma., na carta que me envic-u "" conferido por decreto de 5 de fevereiro eo 1827.
da seguinte a-> da nossa conferencia conserva pa-; NegU| qiia,idad(J marct,ou em una expedido para
ra eomigo todas as attences, todas as delicadezas a provillcla de s. pedr0 do sul, no anno de 1837,
e protestos de estimas e amizades que por certo com um contj,igeQte, que raais tarde fez parle do
nao teria se eu houvesse afirmado a veracidade 3 bata|hao de facadores.
desses factos, como jurou o Sr. padre Jos Antomo Q. S(.rvif.0. ,npl tantes, que entao prestou aquel-
11 j seu depolmenlo. ; |e 0ffleial causa da patria, lizeram com que fosse
Alm disio no l'osl Scriplum dessa mesma carta promuVldo a- major Rraduado por decreto de 20 de
diz o Sr. padre Jos Antonio : Itogo-llie que nao aoslo de ^333
me tenha por considerado, certo de que teho mu Voi neste posto, que estando elle acampado de
valiosas razors em que me escude. (^ejase esla averno na provincia do Rio Grande, marchou em
caria que f.i inserida no meu terceiro artigo, no; uma expeJicao no anno e ^39, pira 0 rio Cama-
Diario n. 207 de 11 do corrente.) A palayra mcon-; d dfl |aQ(.|(0JS rebeldes, servigo este
que para esse lira arrendou-se, at que se possa
trasladar os despjos morta-s do ilustre brigadei-
ro para a sua provincia natal.
O Sr. Antonio Fernandes Padilha recommendou,
em carta enderecada a seu Illm.Jgenro, em Per-
nambuco, que a Exma. sua lilha, esposa deste, se
devana entregar a sua espada e o ofcialalo do
Cruzeiro, quando se dsse u sei faMecimenlo. Le-
gado summamente precioso, nio Bornete por ser a
uliima Vunlade de um pai extremoso, ausenta e mo-
ribundo, como porque elle despertar sem duvida
a graia consideracao de que aquella espada foi por
muitas vezes desembainhada, com honra e v. nta-
gera, era prol da patria e do throno' e aquella in-
signia condeorou um peito, onde a coragem e o
patriotismo se unio s mais acrisoladas virtudes 1
(Do Mercantil de Santa Catharina.)
Monte-pi Portuguez.
A necessidade coramummente a causa motriz
das emigrayoes.
No ns.M Portugal no se do eslas em grande
escala como observamos, por exemplo, na Irlanda,
cujos fnhos abandonam em numero imporianie os
patrios lares para fugirem s docuras do paternal
governo brilanuico -. na Polonia ende as blandicias
moscovitas se multiplicara com requintada suart-
dade; na Suissa, na Allemanha, e oulros paizes
por varios oulros motivos : e a emigrac-o poriu-
gueza (se assim se lhe pode chamar) sendo, espe-
cialmente de certo tempo esta parle, pouco con-
sideravel, explra-se menos pela necessidade, em
seu sentido restricto, (pois que era a populaco
superabundante, nem no coutioente e as colonias
ultramarinas nos fallara terrenos exlensissimos e
ubrrimos, que sobejanienle compensen) at fadigas
1 do labonosu agricultor, como as do acivo iodus-
trii.l) do que pelo genio aventuroso e emprehende-
1 dor, que herdamos de nos;os antepassadps, sendo
i circunislancas mais ou menos preponderantes, a
Por portara de 29 de agosto prximo passado o rdC|dade do transporto, o desejo de experimentar
Exm. Sr. presideule da provincia suspenden .e a inconstante fortuna, a allracco, a syinpaiiiia na-
inandou responsabilisar em virtu le de actos de, lura| (,ara Com um paiz onde temos a certeza de
malversaco, e sobre representado do Sr. director eQv0ntrar pareules e amigos, e, quando menos, no-
do arsenal de guerra, os seguintes empiegados meU benvolos e hospitaleros, irmos na lingua.
dessa reparico,a saber : Francisco Jos Galvo, Da re|gao, nos costumes.
escrivo ; Olympio de Souza Galvo, fiel, e Jos, as cidades mais importautes do Brasil, para
Anlouio Cesar de Lima, porteiro. onde especialmente convergem os subditos porlu-
Outro documento no acompanhou a representa-, (UeeSi ietm elles demonstrado quanto conhecema
?o do Sr. director do arsenal de guerra, seno tres conveniencia das assuciacoes destinadas, ja' a acu-
cartas, sendo duas de arrematantes e uma do tor-
cedor do arsenal, dirigidas ao ajudante do Sr. di-
rector, em resposta as que este maudara a esses
senhores, perguotando-lhes se era ou uao verdade
terem sofirilo na expedirlo de seos papis eraba-
direm as necesidades do espirito, ao aperfeicoa-
mento intellectual e moral, ja' a remediaren) os
males, as enft-rmidades physicas a que todos esta-
mos sujeitos, pequeos e pobres, grandes e ricos,
no devendo estes considerar se a coberto de qual-
racos oppostos pelos supraditos empregados, e o quer eventualulade, que inespeadmenle os faca
terem sido por estes solicitados a repartir cora r 0ccupar a inesquinha posico daquelles. Assim
elles os lucros da arrematacao ou fornecimenlo. qUe> |an?ando uraa rpida vista de olhos por lodo
Pois bem, se essascartas autorisaram o governo. 0 mperi0> ob^rvamos, em relaeo a'cultura do
da provincia a suspender e mandar resoonsabili- espirito, a existencia de varia* associacoes liilra-
sar aquelies empregados suballeruos, da justic,a do riaS) e em re|ac0 H necessidades physicas, hospi-
Exm. Sr. presideule da provincia esperamos que taes e oulras sociedades beneflcenies, com cujo au-
mande responsabilisar o Sr. director do arsenal k
os empregados seus protegiJos e cmplices, a vista
das carias que abaixo se iranscreve, e que con-
tera no impulaces vagas como aquellas que o Sr,
director subaieiieu a consideradla do Exm. Sr.
presidente da provincia; mas, factos precisos e
determinados, e de sumini gravidaie : cumprindo
xilio no se podem dizer inteiramente desampara-
dos e eiigeitados da forluua aquelies, a quem elia
no sorri, era cumula de seus favores.
Em Pernambuco (para ferirmos desde logo o
alvo que miramos) iu-tiluio so tambem o Gabinete
Portuguez de Leilura, e mais tarde do seio deste
parti a exceltonte iia, incontinente realisada, da
Ora, se eu e o Sr. conego Tavares da Gama era- *"lv<"lo, empregada pelo Sr. padre Jos Antonio, em e como em outro uor,ou.s de modo, que a
. ..a ..:- na sua carta, quer dizer que, tendo eu recomraen- 2 de dezembr0 do mesmo anno foi elevado a effec-
mos os que inventavamos os crimes do Kvd. viga
rio Camillo, como diz o Sr. padre Jos Antonio
quando jura que. cobrimos de crimes o vigario des
ps at cabera, onde pedera o Sr. vigario Camil-
lo encontrar documentos que dostrnissem aquillo
que nao exista, e que s era (iiho da nossa perver-
sidade ? Aim disio, para que parte desses docu-
mentos fossem oficiacs, era necessarto que esses
tactos fossem pblicos, visto como no se obtem
documentos offlciaes de factos particulares. Quan-
do for lempo direi o que bouve com esses documen-
tos : por agora s quero mostrar com toda a evi
dado a S. Rvma. que, antes de tomar to vivo in
teresse pelo Rvd. vigario Camillo, se intormasse dos
factos que lhe eram attribuidos, e escrevendo-me o
Sr. padre Jos Antonio logo com oata do mesmo
dia, e por conseguirte sem ter tido tempo de in-
formar de cousa alguma, e recommeodando-me
que, apezar de tudo quanto eu lhe havia dito, mos-
trasse a sua primeira carta ao Sr. conego Tavares
Gama, receia S. Rvma. que eu o tenha por um le-
viano, por um inconsiderado, que salta por cima
de todas as consideracoes toitas por miro, despreza
dencia a ma' f cora que o Sr. padre Jos Antonio recomraendacoes e o que qnei e1 conse-
guir o fim que tem em vistas, e para a obtencao do
qual deve ter mu valiosas razoes em qua se es-
jura espontneamente no seu depoimento cousas
que se no passaram. Vamos por diante.
Jura mais oSr. padre Jos queeu eo Sr. conego
Tavares da Gama asseveramos ao fallecido Sr. bis-
po a veracidade dos factos imputados ao Rvd. vi-
cario Camillo, que tudo afirmamos,etc. (Veja-seo
Diario por mim citado no. principio deste ar-
ligo.)
Agora ja' ni cobrimos o vigario oecrimes enor-
mes : agora asseveramos a veracidade desses factos.
cude.
Porm de toda esta confuso, de todo este em-
broglio que faz o Sr. padre Jos Antonio, o que so-
bresalte com toda a evidencia a verdade cora que
S. Rvma. respondeu debaixo de juramento a quin
tividade do poslo de major, sendo tambem nomea-
do era 19 do mesmo mez, cavalleiro da ordem de
S. Bento de aviz.
Ciuco mezes haviam que o denodado major Padi-
lha desempenhava as fonecoes deste po-to, quaudo
o duplo dever de Brasileiro e militar o chamaran)
mais de uma vez ao campo da batalha, contra os
inimigo da patria : assim loi que lhe coube assis-
tir uo dia 3 de maio de 1840, ao glorioso ataque do
Taquary, onde revelou a maior intrepidez e valor,
e portou-se com admiravel coragem, derramando o
saogpe e expondo a vida com deeisao e bravura,
at que soffreu um grave feriinenlo de baila no
rosto, o foi recolhido ao competente hospital, onde
esteva em pergo de vida, permittindo Deusque
recuperasse a sade, depois de longo e desvellado
tralamento.
Era 20 de dezembro de 1841, embarcou para a
corte, incumbido de uma commisso de coofianca,
ta pergunta que lhe foi feita em juizo. La vai a: e anj se acnava quaDd0i em 30 de mato de 1842,
pergunia e a resposta : Perguntado se na occa- receeu 0 titcilo do offlcialato da ordem imperial
sio da noroeaco do sobredito Camillo no traba dJ cruzeiro, de que ja era muito cavalhelro, e
2 de dezembro anle-
servicos prestados na
Ento pelo que vejo existiara factos, noassiraT elle respondente interesse nella respondeu que com que fora agraciado em
E o que mais me faz crer que exisliam, ser o NA0- (Depoimento jurado nos Santos Evangelhos rior> em consideraco aos
para merecer f)
Olinda, 16 de setmbro de 1865.
Conego iMMIMM Ferreira dos Santos.
proprio Sr. padre Jos Antonio quem, apezar do
seu juramento solemne, contossa qne os factos
xistiam ; e o contossa nao s uma, como duas ve-
zes : a primeira quando diz que asseveramos a ve-
racidade deeses factos; a segunda quando mais
abaixo falla dos documentos tendentes a esses fac-
tos, romo dea dito. Eu ja' disse no meu ultimo
artigo que quem jura assim tanto, deve ter muito .__. ___ __.
boa memoria. Vamos por diante, e repare-se no Pernambucanas I xera possivel que quando
emhroglioque faz aqu o Sr. padre Jos Antonio, nos8 'nclyto monarcha, nossos pas, nossos irmaos,
confund.ndo-me sempre com o Sr. padre Gama. nossos mfndos, nossos bllios estao a bracos coro
PBLIGACES 1 PEDIDO
contiuuarei a fazer a devida dis-
0 indmito tigre do Paraguay, estejamos nos ira-
passiveis dormiodo o somno da indifferenca ? Ndo,
mil vezes nao I
Sahiam s do torpor em que jazemos, mostremos
que em nossas veas ainda circula o sangue dos
Eu, porm
lincQo.
Que o Sr. conego Tavares da Gama comrounl-
casse ao Sr. bispo o que se dzia a respeito do Rvd.
vigario, anda o repito, assim o exiga a sua posi-
C3o, e a sua gerencia nos negocios da Igreja: mas I -^^^^
que asseverasse ao Sr. bispo a veracidade dos tac-' (1) Nos ltimos dias da vida do Exm. bispo D.
tos aue se impuiavam ao Rvd- vigario, isso qne Joao da Puriicago, conservava o Sr. padre Jos
en estou autorisado a declarar que e falso, mo Antonio, no salo em qne assislia, seis bacamar-
grado o juramento solemne, prestado espontanea- les, cinco chucos de dous palmos cada uro, enera-
mente pelo Sr. padre Jos Antonio. O Sr. padre vados em grandes paos, e mais tres pistolas. Todo
Gama, que prza muito a verdade, nunca soube esie apparato bellico estava bem vista de quan-
dizer seno a verdade, e repelle in limine essa as- tos enlravam : os bacamartes e os chucos estavam
serco do Sr. padre Jos Antooio. O Sr. padre encostados s paredes, as pistolas estavam era uraa
Gama no assevera, era asseverou jamis, seno cadeira prxima poltrona de S. Rvma. Creie que
aqoillo de que esla'eerto : ora o Sr. padre Gama ueste tenpo seria necessario ter muila coragem
nao eslava nem poda estar certo de que os dlver- para so irem fazer revelacSes ao Sr. padre Jos
sos factos aitribuidos ao Sr. vigario Camillo fossem Antonio a respeito de algum amigo qne houvesse
verdaderos, por tanto nio poda asseverar ao Sr. prestado servicos diocese como os do Clama nt
bispo aquillo que no sabia. E tanto nao asseve-, cesses.
rou, que foi elle o proprio que aconselbou ao Sr.
bispo que se intormasse das pessoas competentes,
provincia de S. Pedro, sendo tambem despachado
tenente-coronei graduado no da 7 de setmbro do
dito anno, com a antiguidade de 18 de julho de
1841.
O governo imperial nao poda olvidar, nem dei-
xar de aproveilar os servicos e mereciraentos de
to distincto offlclal, e pois.em 4 de marco de_1844
foi elle nomeado commandante do 1 batalho de
fuzlleiros, na corle, e em 23 de julho do mesmo an-
no promovido effectividade do poslo de tenente-
coronei.
O tenente-coronei Padilha obieve exoneraco do
commando do i" batalho de fnzileiros, ero novem-
bro do anoo de 1846 e em marco de 1848, foi no
notar qnedaquellas tres carias, uraa escripia por creacao do Hospital Portuguez de Beneficencia, teo-
Joao Pinto da Costa Lima, ouira por Jeronyrao da dd uina e 0lUra aj0ciaeao felizmente medrado at
Cosa Lima, aquelle lilho, e este neto do mesmo
Francisco Pinto da Costa Lima, a quera se refere a
carta infra do Sr. Francisco Xavier Cavalcanii
Lins.
Illm. Sr. Francisco Xavier Cavalcanli Lins.
Recito, 6 de set-mbro de 1865.Rogo lhe o obie-
qnio de, firmado na verdade, responder-me ao pe
hojo pelo imoulso vigoroso e patritico recebido de
suas administraQes, que com a mais. louvavel
emulacao e enpeoho envidan) porfia os seus me-
Ihores eeforgos, no intuito de fazerera progredir
to imporlanies eslabatocimentos.
No nosso proposito assigoalar agora os bene-
ficios por elles espargidos ; mas, recouhecendo-os
desta, se no dia 12 de agosto prximo passado no embora com verdadeiro jubilo, reconhecendo que
se procedeu uraa arrematacao no arsenal de guer- ara|,as &SB associacoes sao por mais de ura mo-
ra de580bluzas de panno verde, e se nesta occa- (v,, ne^ssanas. indispen-aveis mesmo, e que por-
sio o Sr. Francisco Pinto da Costa Lima no lhe tani0 iodos os filhos de Portugal se devem nteres-
dissera ter submettido urna proposta era branco ao sar na sua ronservaco e engrandecimento, releva
director do mesmo arsenal, para este langar o pre- umbem confessar, que alguma cousa de impor-
Co a visia das outras propostas que lhe forano
submetlidas, para o mesmo Costa Lima ser o pre-
ferido; permittlndo-me usar de sua resposta quan-
do e como me convier.
De V. S. aliento venerador e criado.L
Respondendo a presente carta de V. S., declaro
que verdade ter eu apparecido no arsenal de
guerra a> dia 12 de ago.-to, cora o fim de arrema-
lar as bluzas de que trata V. S. Aconieceu que
havendo Jos Angelo do Sacramento Pinto me pe-
dido para por o algansmo de 1900 em uma sua
proposta, me prestei a isso, succedeudo ficar os no-
ve com apparsncias de sete, duvida essa que foi
lirada por mira e o mesmo Sacramento Pin-
tante ainda falta colouia portugueza em Pernam-
buco para satisfaco de oulras necessidades, que li-
i'.ni fra do circulo ero que exercem a sua ben-
fica influeucia o Gabinete de Leitura e o Hospital
de Beneficencia.
Persuadirao-nos que mente do leitor perspicaz
acudir prompiamente a epigraphe, que demos a
este artigomonte-po portuguez. E' esta effec-
tvaraenle, segundo nos parece, a associago qne,
sem arretocerroos de mteresse pelas outras, deve
agora chamar vivamente a nossa atlenco, cuidan-
do solcitamente de lhe soprarmos o calor vital,
pois que, exitlindo ja os elementos indispensaveis-
para sua orgaoisaco, lempo que, superando li-
que pedisse esclarecimentos a quera de direilo cora
pena dar-lh'os.
Do que fica dito se conclue pois com toda a evi-
dencia que o Sr. conego Tavares da Gama, nem
cabrio de crines o Rvm. vigario Camillo, nem asse-
verou a veracidade dos fados que lhe impuiavam.
Agora o que me diz respeito. O Sr, padre Jo
Antonio, fazendo-mu sempre solidario com o Sr. co
neg Tavares da Gama, jurando tambem que eu
cobri de crimes perante o Exm, Sr. bispo ao Rvd. ra da Cruz do Recife.
Alm disso, os criados de palacio tambem esta-
vam armados. Recordo-me que em urna noite, nos
tos do anno de 1863, andando elles pelo sitio uns
alraz dos ootros eni cata de ladros, um da comi
tiva fez poniaria no que lhe Grava na frente, e Ibe
desfechou um tiro no trazeiro, qne lii'o deixoa
muito maltratado. O qne den o tiro ainda est re-
colhido na casa de deteugao, e creio que tem de Ir
ao jury ; o que o levoo, cbama-se Tbeotomo de
tal, foi tratado pelo medico do palacio, o Sr. Dr.
Sarment, e hoje criado do Sr. Dr. Teixeira, na
seal de guerra, emittir uraa proposta em branco,
a qual devia ser cheia pelo tenente Capistrano.
que assistto a dita arrematacao, o que efectiva-
mente se deu, e que era isio ura arranjo com a
mesma directora, o que foi dito em preseoca do
mesmo Sacramento Pinto, o referido a verdade
dos factos que se deram em dita arrematacao, o
meado commandante do 2 da mesma arma, de I que estou prompto a jurar era qualquer tribunal,
to, concertando os nove em presenca do mesmo gtras difflculdades, o Monte-Pio Portuguez pnn-
direclor, e por seu consenso ; quanto a minha pro- cipe a fUUceionar, isto a espalhar beneficios, a
posta, se me no engao, foi de 2#, e no de 1900 estender mo protectora aquelies de nossos cora-
como V. S. menciona ; finalmente, tambem ver-; pairiotas, a quem a torrea mo da fortuna, oa
dade que me disse o portuguez Francisco da Costa qualquer accidente Inopinado, priva da saude on
Lima que tiDha concordado com o director do ar-1 dos rael0S de gaohar honestamente o pao quolidia-
que foi posteriormente removido para o 3' de in
faotaria.
Commandava elle o 2 de fuzileiros, quando teve
de responder um conselho, com mais nove offl-
ciaes, por motivo de nm desfalque de dinheiros,
que se deu no respectivo cofre, e que a ra vonta-
de de alguns offlciaes do batalho, manifestada ero
seus depomenlos, como que apresentava indicios
remotos de haver elle tido parte naquelle des-
falque.
Felizmente, porm. a honradez e probidade do
Ilustre commandante raoslrou-se illeza e limpa de
toda a mancha, e foi solemnemente reconbecida e
atteslada pelo ento commandante das armas da
corte, o Exm. Sr. general Francisco Xavier Cal-
mon da Silva Cabral, que em luminoso parecer ou
informaco, muito honrosa para o nobre finado,
communicou ao governo imperial que smente hou-
vera falla de regularidade no andamento do con-
podendo V. S. usar desta resposta como Ibe aprou-
ver.
Recife, 6 de setmbro de 1865.
De V. S. venerador e criado Francisco Xavier
Cavalcantt Lins.
Illm. Sr. Juvencio de Almeida Lima.Recife, 13
de setmbro de 1863.Rogo-lhe que ero abono da
verdade rae responda ao p desta se sabe que fora
feito no arsenal de guerra, e para quem e por que
offlciaes, uraa cania franceza dearaarello, um sanc-
tuano e uma caixa de guardar machina de costu-
ras, envernisado ; e assim perrailla-me usar de sua
resposia como me convier.
Seu venerador e criadoF.
Illm. Sr.Sei que foram fritas por Belarmino
Mendes, operario do arsenal de guerra, para a ca-
sa do director, seis quadros, e pelo offlcial Jos
Pacheco de Menezes, urna grade de porlo para o
sillo de Antonio da Silva Gusmo, onde estava o
selho administrativo do batalho, falta esla que era; director doente ; foi feito mais, peto contra mestre
atlenuada pelo estado em que elle se achava ante-1 do mesmo arsenal, Joo Luiz de Carvalho, um sane-
riormente, o que couSrmava a circunstancia de luario e uraa caixa para guardar macbina de eos-
estar anda em processo o seu precedente com- turas para a mulber do rae.-rao director ; todas
mandante, por causa daquella mesma irregulari- {eslas obras foram feilas no arsenal de guerra pelos
dade, etc., etc. operarios mencionados, pois eu, como lestemunha,
Ponco tempo depeis fra o honrado tenenla-coro- vi fazer : pudendo usar da muha resposta, que ju-
nel Padilha nomeado commandante do 3 baulbo rarei se for preciso.
no cora o suor de seu rosto.
Voltaremos ao assumpto, na esperance de que a
nossa voz encontrara generoso echo no coracao
magnnimo de todos os membros, que compem a
colonia portuguesa em Pernamboco.
Um lusitano.
Molina
Atlenco I Vede e admirai I
t O Sr. cominendador Domingos de Souza Leo-
ainda se acha nesla cidade, onde procurado dia-
riamente por um concurso immtnto de amigos.
Este cavalleiro, cujos elevados seolimenios e vis-
tas largas no sao boje desconhecidos por pessoa
alguma que se respeite, tem feito o qne p jde para
auxiliar a aeco da adrainistracao publica. Com
este intuito ha escripto a todos os seus amigos do-
interior, de alguns dos quaes j tem oblido as
mais lisonjeiras promessas.
(Trecho obrigado de todas as correspondencias
prgressistas daqul para o Jornal do Commtrcio
da corle).
Para todo o mundo ver.
Ao cgo ou miope que botou om annuncio no
Diario de Pernambuco de terca feira 18 do cor-
rente, aconselba o abaixo assignado qoe use de
culos ou que nao seja precipitado, pois s assim
vera' que o digno fiscal da fregueza de Sanio An-
tonio tem sido zellso no cumplimento de seus de-
veres, e quaudo mesmo fosse real o que diz o Sr.
cgo em seu annuncio sena prudente mencionar
quaes as testadas das casas que preciso a' alten-
1.. j-_.,.-.
/

/;


1
Diarlo de KernABdbitf Mara .eir la Je iHimliM de ltfft.
t
gao do mesmo fiscal para se conservarem limpas.
E' por cerlo inulto descarameuto ou vontade de
offender a quero nao merece pois do contrario s
'Heve ser entregue ao despreso quem procura cen-
surar a' empregados que sabem cumprir coro os
seusdeveres, sem altenco a cousa alguna. Se o
HttftliflSH.
blico que Ihe sabera' responder sem rebugo o
Invnigo das linguas viperinas.
Srs. redactores.Acaba de lr no Diario de hoje
a correspondencia do Sr. Dr. Borges da Foqseca
em defesa de seu genro Dr. Arnaral. X ida mais
justo. O que, porra, nao justo que o Sr. Dr.
Borges mella na historia os que elle chama irni-
camente ordeiros, que sao os conservadores. Es-
tes nao estao envolvidos oas actuaes intrigas do
termo de Flores. A queslao la' entre as autori-
dades, e os individuos com quera ellas at pouco
lempo estiveram ligadas contra os conservadores :
por tanto a briga entre ligueiros e ligueiros, co-
mo sena fcil provar, se o iileu fira nao fosse rec-
tificar nicamente este ponto da correspondencia
do Sr. Dr. Borges, que bem mostra ter estado au-
sente, e alneio do que ora se passa em Flores.
AlHauc) ao Sr. Dr. Borges que dos conservadores
nao receben,' seu genro a mus leve olleusa. Es-
teja descangado.
Srs. redactores regressando hoje para o serto
Ihes rogo a msersao dcstas lnhas.
Jos Francisco da Suca.
Ceavida-seas pessoas que. eslao aas I
fon08-dr>-ervtr>-mMJtar, a- etigajarer'
Sr. cgo qne'r fazer servleos appresente-se do pu- jpo corpo de polica e gozarem das vaala-
ens di le provincial n. 611 d2 de matar
prximo passado, que sao as seguiutes :,
10400 rs. diarios de sold, saren seas ti-
hos menores recolhidos aos estabelecimen-
;tos provinciaes de educacSo e o iempo que j
estiverem na guerra ser contado pelo duplo
para o caso de aposenti luna, e alm destas
tem todas as mais vntagens que sao con*;
cedidas aos voluntarios di patria. O te-
3a aldeia.
Cooiegara' as 8 hora.
i iHi-'
Tf fS,
ITISOS MABITIfflOS.
0^
AOS 6:000000o.
Corre depois d'ainirnlia.
Corre no dfa .
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n. 15, os bilhetes,
1* lotera
commendas, passageiros, dinhei-
a ro a frete at as 10 horas da manhaa do dia da
nente-corooel commandanle do corpo de sahid:i. escriptorio D0 Forte do Manos o. i.
polica, Alexandjra de'Barros e Albuquer-
uqe.
I
---
\ jurubeba.
Tribunal do commereio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data fica
registrado o contrato de sociedade celebrado por
Luii Ribeiro da Cunha, Narciso Antonio Vieira da
Cunha e Jos Antonio Vieira d cunha, Portogue-
zes, estabelecidos na capital do Ceara, sob a firma
do Luiz Rineiro da Cunha & Sobrlnho, da qual s
poder usar o primeiro socio, devendo a mesma
sociedade durar por espago de tres annos, contados
de 31 de dezembro do anno prximo passado, cora
o capital de lo0:000 fornecido pelo sjco gerente
COMPANHiA PERNAMBUC VNA
DE
Niivcgaeao costeira por vapor.
liba de Fernando.
No dia 28 ao meio dia segu ,:, .--,.,, ;a \>a n1rtft ,
nm.dos vapores da coropaohia J5?.v ^^ ? P *
para o porto cima indicado. Re- (** ) 3 beneficio da matriz de Santo Amaro
ci-be carga at o dia 27. En- de Jaboato, cuja extraerlo ser no dia
cima publicado e no lugar e hora do cos-
tume.
Os premios de 6:000)5000 at 10,5000
sero pagos una hora depois da extraeco
at as i lioras da tarde, e os outros depois
da distribuicaodas listas.
Espera se a barca Spktreaae As encomrnetidas s rao guardadas so-
sahio no da 10 de agosto ao frete ___. ., .. ,
de 23frs. 10 v Recebe carga pa- menle ;|le a nll,i A* vespera da extraccao
ra o Havre a fretes baratus : a como de costume.
Linha do Ha\Te Per-
nambuco.
m
E' a ordew do dia t Acabar com ft Para-
guayos a bayoneta, a miei, a revolver ;
-foimina-los com os encouracados atmados i
de esporoes, arastroogs e raiadas de 80
120; extermina-los em summa a espada, a
a Jo e a punhal de que so, traa ; mas
Dinguem se lembrou aioda de e6ragar os
Paraguayos com as armas que Dos dos eon-
cedeu; acabar com eires a tac3o e a pona
pes, para o que necessnrio encouracar esta
parte do nosso corpo com os formidaveis
rompe-ferro, esmaga cobra, arranca ti eos,
quebra niarmore e outros aue se vendem
15-111'.% HUBITA15
tratar com os consignatarios Tis-
al freres.
As virtudes therapeutlcas da jnrubeba sao desde em crditos a lifuidar e fazendas armazenada-, e
muito couhecidas nao s no Brasil, pois que dellas 4:80O3 pelos de mais soci >s em partes iguaes, em
tratou Pisn em sua excelente obra-flwlona na-; jelI.ts pagaveis a'suaordera e em dlnt..iro.
twrak H medica ndice occidentahs. seno as, Secretaria do tribunal do comraorcip de Pernam-
Antillias, onde o sueco.das folhas e fructos como buco 12 de setembru de I86j
aqui, muito estimado e applicado contra as obs-
truegoes abdorainaes, principalmente do figado e
bacj; e se lodos os facultativos desta provincia o
Bao applicam com- frequencia, isto se nao deve a
uo reconhecereju ellos essas virtudes, mas slm a
d.o serem eucontradas com facUiade e era todas
as estagoes do anuo os fructos dessa planta, e re-
pugnancia, que apres>mtam os deentes em fazer
uso do suevo desses fructos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
A jnrubeba nao dsconhecUU dos botanistas :
esta planta prteuce familia das solaneas, e lem
a denorninai;ao de solanum pamculatum, que lhe
foi ilada por Lyneo.
Pa'receudo-iiS conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurwbeba, que o mais em-
pregadj, nos propozemos e conseguimos preparar
com e.lie nao s um extracto alcoolico que pode ser
a|.plicad em pilulas, mas tambem ura vinho, um
xarope, e um emplastro que pode substituir, em
certos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos que
com isto prestamos um servlgo humanidade e
bterap tnica.
Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
coegao das raizes da jurnbeba, e Mrat e Delens,
em sen Diccionario de materia medica e therapeu-
tica, dizero que as An'ilhas se faz uso do sueco
dos tractos maduros dessa planta contra o catar-
rlu v.-sical ; e a autoridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer-em
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso estabelecimento essas raizes, para que possam
ser experimentadas.
A repntago da jurubeba tal, e os resultados
therapeuticos obtidos ltimamente sao to impor
(antes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, que fica escripto.
Deposito: pharmacla de
Joaquim de Ahneida Pinto.
O ofOcial-maior,
Julio Guimares.
r*
s
ElilG.
No da 20 do corrente, depois de finda a au-
diencia do Illin. Sr. Dr. juiz municipal da 2' vara,
lem de ser arrematada em praca publica urna re-
lagaode dividas deseriptas no inventario da tinada
mulber de Lourehgo Ribeiro da Cunha Oliveira ; o
para qae de seu producto liquido seja deduzido o
sello da fazenda nacional.Escrivo Baptista
Consulado pi'oviucial.
O administrador do consolado provincial manda
publicar para conhecimento dos devedores dos im-
p slos cobrados por langamento pertencentes^ao
exercicio findo em iiquidagao de I80 a 18G5 a
portara do Sr. inspector da thesouraria provincial
em que ordeua que o pagamento de seus dbitos
s podero ser electuados at o dia 30 do corrente
ao meio dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 12
de selembro de 18G3.
Antonio Carneiro Machado Rios.
Portara.
O inspector da thesouraria provincial recommen-
da ao Sr. administrador do consulado provincial
que faca annunciar urna e mais vezes, que o pa-
gamento dos imposto do exercicio prximo findo
em liquidago, s ser admettido at o meio dia do
dia 30 do carrete mez, para que as duas horas,
ao mais lardar, esteja recolhida a retida que se
houver robrado alessa dia.
Thesuiiraria urovincial de Pernambuco 2 de se-
lembro de 186o.
Jos Pedro da Silva.
Por esta subdelegada de Grvala, se faz pu-
blico quepela mesma subdelegara, foram apre-
hendidos em poder de Thomas de Aquinn dos San-
tos e se achara em deposito os seguintes objectos de
prata :
Urna cora pequea e urna bandeira da imagem
llha de S. Wincl
A escuna po/tugueza Erna preteude sahir impre-
terive.'raente at o dia 30 do correte mez, e para
passageiros e carga trata-se com o consignatario
Joo do liego Luna, na ra de Apollo n 4.
Vende.-so o brigue escuna austraco Grali-
Indine, coastrnido ha tres mezes em Trieste, das-
sificado 3|3 I. 1. A 14 annos, de lote 280 tone la:
das austracas acerca de 240 tonelladas inglezas \
a tratar na ra da Cruz n. 4, em casa de N. O. Bie- j
ber & C. successores.
Servindo de thesonreiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Borseguins'f,Bordeaux........
patricios.........
> para senhoras, en-
feilados.......
com laco e fivella ..
Sapates encouracados.......
Borseguins para meninas bom
elast co.................
Sapatos de lona, sola elstica.
8000
^OOO
5,5300
40HO
5^000
3^000
2 15600
. fiaaar Tola n te. -
Pede-se aos senhores essgnantes que receben?
esta foiha directamente do Rio de Janeiro, o favor
Oe mandarem satisfazer a importancia de soas as-
signaturas do Io e 2o anno, em casa de J. Falque,
ra do Crspo n. 4, nico encarregad em Pernam-
buco, onde se entregar os recibo.', e onde se as-
signa._____________________________________
Ausentou se do engenho Preclieirap, fregu-
zia da Escada, no da segundafeira II do corren-
te, o escravo de nm<' Cosme, crionlo, idade de 20
e lanos annos, estaMM baixa, rtiflio do corpo, es-
padoas largas, falla oro pouco manso, e levou ca-
misa e cal ja de algodio rispado, chapeo de palha;
cujo escrato foi do Sr. Jos Perreira de Soan, la-
vrador do engenho Rainha dos Rossos da dito fre-
guezia. para eujo lugar provavel que se tenha
dirigido por ler sido cria do dito senhor, e foi ven-
dido nesla cidade ao Sr. Jos Rodrigues de Sena
Sanios, em jonho prximo passado pelo' Srs. Molla
& Ribefro por aulorisagao do dito Sr. Jos Perrei-
ra : roga-se as autoridades competentes e pesoas
particulares de o apprehenderem edinglrem-se ao
referido engenho, oa a ra do Imperador n. 42,
terceiro andar, que sejefompensari.__________
Precisase fallar com u Sr. Jurt de Aguiar
Pacheco, natural da ilha de S. Miguel, e chegado
esta provincia a 8 para 9 Innos. a negocio de
seu interesse : na rea das Cinco Puntas n. 78.
CONTRA FOGO.
avelludados
de tran?a...........
econmicos para se-
nhoras...........
com salto de lustro..
Chineles do Poro..........
Um completo sortimeuto de calcado da
trra para homens. senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de Ins-
Alura-se
55001
25^40
15600!
LEILfiSS.
*f.. Feira semanal
de mobilias completas, guarda vestido, aparadores,
objectos de ouro e prata, reloios de algiheira e
parede, cabrlolets, piaiDs, grande quantidade de
trastes avulsos, charutos da Havana e Bahia, ins
tramemos completos para urna banda de msica.
na*.
Qtiarta-f' ira 20 do corrente as 11 horas.
NO GRANDE ARMAZEM DE LE i LOES
DO AGENTE
OLYMPIO
3Ctta da catlea do llecicM
An t i j tre, marronuins, taixas ile todas as tiuali-
00mpanhl;l InaemniSadOra; dados, utas para sapateiro, muito sortidas,
estabelecida nesta praca, toma seguros martimos-i sola e couros que ludo visto necessariamen-
sobre navios eseus carreganumtos e contra fogo em te faz cobfa aQ CQm a(jor e|a |)arateza.
edicios, mercaduras e mobilias: no seu escripto- ,_. r '
jio, ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
o sobrado n. 7f do caes de Apollo : a Iraiar no
segundo andar do sobrado n. 62 da ra *a liadeta.
O.Sr. Joo Miguel de Oiveira Beraido qneira
dirTr-se a ra Wova n. 60, tratar de Begocies
que he dizem respailo.
I ETRATISTAS

Firmiao & Lins
m
m
Ama re leite.
Quera precisar de urna ama de leite dirjase a
ra da Santa Cruz n. 52._____ ________
Precisase alugar urna escrava que saiba fa-
zero servigo iuterno de orna casa de familia, ex-
celo cosinhar : na ra da Madre de Dos n. 36,
primeiro andar, ou'na ra da Cadeia n. 52, ter-
ceiro andar. ______ _
Jo? dos Santos Siraes, sua mulher e dous
filhos menores retirara se para o Rio de Janeiro.
O Dr. Carolina Francisco de Lima San- *^
tos contina a morar na ra do Impera- ^
dor n. 17, segundo andar, leudo alias seu ^5
I gabinete de consultas medicas, logo ao ^
j*f entrar, no primeiro. &
>? O mesmo doutor, que se tem dado ao M
02 esludo lano das operages como das mo- ^
j?jg lestias internas, presta se a q.ualquer cha- S
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.
m

CASA DA FQM\5
I
De eteravos de ambos os sevos
iio.ii:.
I|uni-I i-fcira 20 do corrente as 11 horas.
\n i.rim^ :irmu7i>'ii Ho tente
OLYMPIO
36Ra da Cadeia .o Kccife-3G
k M Wt *m jis f&smm a
Urna pessoa ba-tante habilitada se offerece
para cobrancas nesta praga : quem prensar ri-
ja-se a ra do Queimal) u. 12, loja. A hab lita-
gao e aclividade de que dispoe ha de agradar a
qualquer pessoa quo aproveitar seu offireelmento.
(lia filial do banco do Brasil em
Pernambuco.
A oirectona desta caixasaca sobro o banco
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial
Blasma banco na Bahi.
.\'ovo banco de Pernam-
buco.
O banco descontaletras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de seis mezes,
It9t banco de pernambuco.
Os admlmstndores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagara o 1 dividendo de dita massa
na razio de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
meltidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche o. 34.
Caixa filial do b iernamiiuco.
De ordem da directora se faz publico que a ca
xa desconta os saques de seu aceite, praticadus
pelo banco do Brasil, pela taixa de 7 0|0 ao anno.
Otuarda-livros
Ignacio Nunes Correia.
i\ovo Banco de Pernambuco
O Novo Banco paga o dcimo quinto
videndona razo de8# por acc5o.
di-
LFANDEGA.
Reiidimento do dia 1 a 18......
dem do dia 19...............
208:33052:io
22:864^758
231:193*013
MOVIMENTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas----- 83
c c cora gneros..... 312
------- 395
Volumes sahidos cem fazendas..... 37
t com gneros..... 225
------- 262
Descarregam no dia 20 do corrente.
Brigue inglezA/6ionmercadorias.
Brigue austraco Gratitudine farinha de trigo.
Barca francezaMdwicff vinho e mais gneros.
Barca ingleza Mira & Ce/i'a-madeira.
Barca nacionalPa/e-charque.
Brigue DespaonolCaritaidera.
RECEBI2DORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendlmenlo do dia 1 a 18...... 18:9964135
dem do da 19................ 1:498*433
Aos 6:000$000.
Hilhetes garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
Oabaixoassignadoveudeu nos seas muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabon
de aklrahir, a beneficio da Santa Casa de Mise-
i ricordia, os seguioies premi06 :
O bilhete intero n. 2357 com a sorte de 6:000*
O bilhete intero n. 6:0 m a sorle de 1:20o*.
Um meio n. 1760 com a sorle de 400*.
E tuiras militas sortes de 100*, 40*, 20* e i ho todo o aceio e prumplidao.
105000.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leisuaCasa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2* parte da lotera
esapp^receu do cousistorio da ordem ler-
celra de S. Francisco um copinho dourado de por-
ta-licor, pede-se a quem o levou, ou delle der nr-
ticia, e obsequio de fazer sciente ao syndco da
mesma ordem, que gratiiicar, alm de agrade-
ciao:_______________________________________
Na ruadas Cruzes u. 12 fornece-se comida
por commodo pre^o, garantndo-se ao mesmo tein-
do Crucificado'e'urna peiuena^coroa com sete pe- De um instrumental COmplftO para (32'J beneficiosa niairiz de Santo Amaro de
um msica.
HOJE
dras, da imagem da Sra. das Dores.
Assim, pois, quera se julgar cora direito a taes
objectos, comprela nesta subdelegada, que me-
diante as competentes provas Ibes sero entre-
gues.
Subdelegada de Grvala, 25 de agosto de 1865.
Jos Clemente da Silva, subdelegado Io supplente
em exercicio. _______ _
~Dc ordem dolllm. Sr. inspector da thesoa-
raria de fazenda desta provincia se faz publico pa-
ra conhecimento dos interessados, que o tribunal
do thesouro autori-ou o pagamento de dividas de
exercicios Mudos, cujos credores sao os seguintes :
Antonio Carlos de Pinho Borges.
Bacharel Pedro Aff nso de Mello.
Manoel Pereira Camello Pesoa.
Leonardo Antonio Al ves da Silva.
Camillo Jos da Silva.
Januario Francisco Xavier das Chagas.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 18 de setembro de 186").
Servindo de offlcial-maior
Manoel Jos Pinto
Insperrtio do arsenal de inarinha.
O arsenal de marrana engaja machinistas e fo-
guistas para o servico dos vapores da armada.
Inspecco do arsenal de marraba de Pernambu-
co 18 de setembrj de 1^65.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Quarta-feira 20 do '.orrenle as 11 horas.
Nn grande arnwm do aent*
OLYMPIO
36Ruada Cadeia do Recite3G
Leilfio
De movis e outnis artigas
Cordeiro ttimdes
fara' leilo por coala e risco de quera pertencer
de diversos movis novos e usados.
HOJE.
Quarta feira 2o do corrente as 11 lioras.
57i\o armazem a ra da
Jaboato, que se exlrahir sexta-feira 22 do cor-
rente.
PRECO.
Bilhetes .... 7*000
Meio-......3*500
Quartos.....1*900
as pessoas que coaiprarem delOO^OOO
para cima.
Bilhetes.....6*500
Meios......3*750
Quartos.....1*700
Manoel Martins Ficza.
Para
Creme
do
Sorvete de creme luje ao meio dia : na ra
Trapiche n. 18.
Pivcisa-S de urna preta que saiba cozinhar,
lavar e engommar : a tratar na ra do Queimado
n. 2, loja.
_ Aluga se um mleqae d-i U anno; com prin-
(,rnz0/ cioio de co'.inha muito fiel e sadlo, proprio para
- qualquer casa de familia pela conducta e educa-
: gao a tratar oa namboa do Carmo n. 16.
No Hxpital Portuguez precisase de serven-
Ue 2 CaiTOS COm 2 "OS OS quaeS SaO tes, qur sejam livres qur snjeilos : os que qui-
bCIU COnhecidoS' zcrem diriam-se ao mesmo Hospital, no Cajueiio
Precisa-se de urna ama para todo o servico
interno de un casa de tres pessoas : na ra do
Hospicio n. 62._____________________
Na ra do Queimado-a. 27 dese>a-se fallar
com o reverendo Jus E>teves Vianna.__________
Affonso Jos de Oliveira avisa aos pais de
seas alumnos que seacha morando na ra e.-treita
do Rosario n. 31, 3 andar.
Dentista de Pernambuco!
Hua estrella do ((osario n. 3, g
ao p da igreja
FRANCISCO PINTO 0Z0RI0
Colloea deotcs artificiaos fe
polo.- ystemas aiai uiu- |
m
LjEILAO
WK52
; Quarta-feira as 10 l|2 em ponto no largo da
alfandega.
O agente Pestaa legalmente autorisado fara' ,jor l q Ferreira
Conselliu decomprus uavaes
O conselho promove no da 3 do corrente mez I. aKenie riau .ega.u.eme. wutjmuu .
sobascond.coesdoeMyloeavistade propostas llao por conla prisco do qaem pertencer de 2
carros de carguejar o 2 bois para os mesmos, os
quaes se lornain recorainendaveis aos comprado
Precisa-se
de um feilor que emienda de jardim e plantac5es :
, I a tratar no Mondejo, casa da viuva do comm'enda-
deruos
Emprega lodos os meios .cientficos para
conservar os naturaes. Pone ser procura-
do em seu gabinete das 9 horas da ma-
nhaa as 5 da tarde.
em cartas fechadas recebidas at as 11 boras da
manhaa a compra dos seguintes objectos: 20 ar-
robas de ac, 26,000 azulejos, 172 barrinhas de
ferro de 8|8 de largo e 2|8 de grossura, 600 folhas
de cobre de 28| 10 arrobas de estanho em verga,
8 lengoes de ferro bruto, 100 forquetas de ferro,
10 duzas de lapes, 10 arrobas de mealhar branco,
600 libras de pregadura de cobre, 3 arrobas de
pregos ripaes de cobre, 2 grozas de parafusos de
metal, 4 arrobas de pregos ripares de ferro, 2 pe-
cas de (apele, 6 duzias de tabeas de costadinho de
amarello, 16 duzas de laboas de assoalho de louro,
3 duzias de taboas de assoalho de amarello de 3
palmos de largura, 20 duzias de taboas de assoa-
lho de amarello, e 40 duzias de taboas de louro
para forro.
Tambem o conselho continua a promover em to-
das suas sessoes a vista igualmente de propostas
em cartas fechadas a compra de madeira de cons-
truccao para um transporte de guerra.
Sala do conselho de compras navaes 19 de se-
tembro de 1865.
O secretario,
SAIexandre Rodrigues dos Aojos.
res por se acharem bem gordos ao servico e
seaenarem bem amostrados: quarta-feira as 10
1|2 horas da maohaa em ponto no largo da alfau-
dega.
Empresta se por tempo de um anno e com
hypotheca em casa ne-ia cidade, a quaotia de
3:000* ao juro de I OjO, pago mensalmenle : na
loja da ra larga do Rosario n. 20 se indicar a
pessoa que faz este negocio.
No mez de abril do corrente anno fugio do
engenho India de eima um escravo orioulo de no-
me Sebastiao, de idade de 30 annos, pouca barba,
altura regular, cheio do corpo, cor alguma cousa
vermelha ; o qual pertenca a Lniz Augusto No-
gueira, e hoje me pertence por compra que t ao
20:494*368
CONSULAnO PROVINCIAL.
Rendimentodo da 1 a 18...... 23:411*701
dem do dia 19.............. 3:001*224
28:412*925
MQTMMTO BO POBTO
Navios entrados no dia 19.
Rio Grande do Sui 30das, patacho nacional Via-
mao, de 240 toneladas, capito Manoel Jacintho
'leves, equipagera ti, carga 12,000 arrobas de
carne secca ; a Miguel Jos Alves.
Ro Grande do Sul -8 dias, escuna hollandeza
Jantye Nanmnga, de 231 toneladas, capitn E. M.
Mechingen, eqniflgem 7, carga 13,792 arrobas de
carne secca; a Maia & Espirito Santo.
Porto* do norte8 dias e 17 horas, sendo do ultimo
porto 7 horas, paquete a vapor brasileiro Galgo,
de 500 toneladas, commandanle o 1* lente Al-
vares de Araujo, equipagem 54, carga diversos
g.raeros; consignado a' agencia da companhia
de piquetes brasileiros.
Observarao.
Nao hooveram sabidas.
Tilia i rito
S. ISAB
LEILAO
De diversos aderecos e meios adere-
, h"1 "'"i v iiiju ni-.- ) i i i. i-i'i > "iii|ni |.. ,*.. ..^-
CUS 1e OUro, relOglOS, CatleiraS, COr- mesmo : quem o aporehender leve-o a ra da Ma-
reutos, aneis e outros bjeetos de ^VljoT^oa'^deA uiaT bem recorapen'
GithLiro.
ouro.
HOJE AS ti HORAS.
57No armazem a ra da Cruz57
LEIJLAO
De 144 chapeos do '.liili sor tilles
Cordeiro simes
far b ilao por coala e risco de quera pertencer
dos chapeos do Cbili cima mencionados em ara
ou mais lotes a vontade dos pretendentes, isto
Quarta-feira 20 do corrente as 11 horas.
57No armazem a ra di Cruz57
O Hospital Porlugue precisa de um cozinheiro :
quero se julgar habilitado e quizer cootratar-se,
eolenda-se com o regente no mesmo eslabelecimen-!
to, ou com o Sr. pruvedor na ra da Cruz, arma-
zem n...^____________________________________
Na ra do Imperador n. 83, segund andar,
precisase de ora cozinheiro ou cozinheira, para
casa de hornera solleiro, preferese quem saiba
comprar._____________
Aluga-se a casa confronte a S. Jos do Man-
euinb > : a tratar na ra Augusta n. 26.
Precisa-se sabar se viva, raorta, ou qual o
| fim que ha levado urna senhora por nome El iza
Carolina de Albuquerque MaranhSo, filha leultima
LEU I, A O
Databeroasit, na ra dMPtp n. fti.ftgS^gjifZ rTrXc?S
(ininn.fuir'i f I rt(\ n/irronln ._ K*
Qninla-feira 21 do corrente.
O agente Pestaa fara' leilo por conta
EMPREZA--COIMBRA
:>'
com o rpita i Francisco Henriques de Norooha, e
e risco onlra com am or_ morador la para a Parahyba do
de quem pertencer e com a competente autonsa- Su| wa ^^ consla ter Id0 e5Sa sennora.
cao da armagao, gneros e inais ntencilios exis- Ea fj.crjd< na rj.,nia# ondfl casc.u.se com Joa-
i lentes na taberna sita na ra do Fogo n. 32, muito ni,m \nll>m,i c irr-n Naoran nnam nnhar ca
recila da Signatura dos 6 espeeUcnlos do propr.a para qualquer princpiante/por ter'poucos ^^^^^^'Jl
fundos e achar-se bem afreguezada : quinta-feira referida senhora.
21 do corrente pelas 10 horas em ponto na mesma
taberna. m *
EDIT1ES.
A cmara municipal desta cidade faz publico
oa 25 do correte a arremaiacio de suas rendas,
artnnnctada para o dia 16, devendo os concorren-
tes a tal arremataco apresentarem as suas habi-
litacoes at o dia >9 para seren julgadas, sendo as
rendas de que se trata as seguintes:
I'uposio de affericao de pesos e medidas.
i >ito de 80 rs. por carga de farinba
Alugnel de talhos dos acougues das ribeiras de
S. Jos e Boa-Vista.
A arremataco das demais reodas, annunciada
para o da 20, ser feita nesse mesmo dia. Os
concurrentes a ella devero apresentar as suas ha-
bilitacoes at o dia 18 defte.
Pago da cmara municipal do Recite em sessao
de lo de setembro de 1865.Luiz Jos Pereira S-
moes, pro presidente.Francisco Canato da Boa-
viagem, secretario.
actor Sim**s.
Quarta-feira 20 de setembro
de 1865.
Represenlar-se-ha a comedia drama em 3 actos
original portuguez do Sr. Cesar de Vasconcellos
F4M14 110 TO BR\Z
PF.RSONAGENS.
Braz Coelho................... Simoes.
Joo Carlos.................. Lisboa.
Alfredo de Kibamar........... Guimares.
Barao de Ribamar............ Porto.
Miguel...................... Teixeira.
Goncalo..................... Philo.
Mara....................... D. Camilla.
Monica...................... D. Jesuina.
1 operario................... Peixoto.
i' dito...................... Borges.
3 dito...................... Sania Rosa.
Um offlcial de Justina.......... N. N.
Ura criado................... N. N.
Operarios, offlciaes de justiga etc., ele.
A scena passa-se em Lisboa na aslualidade. *
Dar' lini ao espectculo a primeira representa-
q3o da excedente opereta em 1 acto, msica do
celebre maestro allemo Offenbak imitaco do Sr.
Mendes Leal
LEILAO
A. 21 de setembro.
Linden Wild & C farao leilo por intervenco
do agente Pinto, de ura completo, liado e variado
Ama.
Precfea-se de urna ama para cozinhar em casa
de pouca familia : no paleo da ribeira de S. Jos
numero 25.
Lava-se e eogomma-se com perfeicao e por
sortimento de fazendas inglezas, francezas, suissas cobmwvIo prego : na ra da Santa Cruz (Boa-Vis-
e allemas, as mais propras do mercado. ta) o 38. ______________________________
Quiuta-feira 21 do correle Na rua Ao cresoo n. jg, primeiro andar
as 10 horas da manhaa em seo armazem praga COmpram-se libras sterlinas e moedas de ouro bra-
do Corpo Santo n. 13. sileiras.
LEILO
------------ 1 Prcisa-se de urna ama que tenha born leite'
paga-se bem : na rua da Praia n. 53, terceiro
[ andar.______________________
De mobilias, objectos de ouro e prata. sendo Precisase de urna ama para casa de pouca
eorrentes para relofrios, aderecos, meios aderecos, familia: na rua de S. Bom Jess das Crioulas n.
relogios de ouro e prata, trastes avulsos, crystaes, 41, primeiro andar.
Pr 582 STE \a ..iiio. P^^^e deWmenino para caixe"i7o"Te
bexta-feira U 10 corrente as ti horas. ,abern,. tra,ar nos Coe)nos defronte d0 Hospj.
No grande armazem d agente ,,ui Pedro II, laberna n. 17.
OLYHI'lf
36Rua da Cadeia do Recite36
Hospital Portuguez de Beoi-,
fleencia.
A junta admini.-traiiva, leudo em eonsde-
rago os beneticios pre-tados a favor dos po
bre.s deste hu^pilal por seu bemfeilor o Sr.
Augu-to Ferroira Pinto e sua familia, alada
na sua recente passagem por esta cidade
quando regrescu a Pars, onde falleceu no
dia 21 de agosto prximo passado, e queren-
do a junta administrativa de alguma sorte
satisfazer era nome dos pobres a divida de
gratido por elles contrahida a soa memoria
manda celebrar na capella do mesmo hospi
tal no di? 21 do corrente pelas 7 horas da
manhaa urna inissa de Requiera por alma
d'aquelle bemfeilor, para cujo acto religioso
espera-se a assislencia dos Srs. socios, bem
como dos amigos do fallecido.
O secretario,
Joo Pereira Rebello Braga.____
Precisa-se
alagar no bairro de Santo Antonio ama casa terrea
qne tenha porto, paga-se bem : na rua do Quei-
ma do n. 46, loja.
Aluga-se urna casa terrea cora 2 salas, 2
quartos, cozinba lora, na rua do Socego n. 47,
Campo-Verde, e outra dita cora os mesmos com
modos, na rua da Amizade, na Capunga : a tratar
na rua do Rosario n. 56 em frente a rua do Arago
Manoel da Silva Ferreira agradece cordial-
mente aos seus prenlos e amigos que es-
pontneamente assisliram ao funeral de sua
prezada mi D. Serafina da Costa Reg e
Silva, na matriz de Santo Antonio e roga aos
mesmos o obsequio de assisiirem p -las 7
boras da manhaa do da 22 do co- rente as
missas do stimo dia na ordem terceira do
Carmo.
No^ cslaoelmmcto de retirar
tosa rua Xow n. \'rlau-
dar, jauto k> Sr. Gaater,
deslisla.
Tiram retratos todds as oias, das 7 horas
da manhaa as 5 da tare, quer chova ou
nao.
Tamben se offerecem para tirar reira-
los de pessoas fallecidas-, dentro ou fra-
da cidade.
Os annnuolantes desejsndo acreditar o-
seu estabeleeimenlo, garantem ao pnbliro
que uenhum irabalbosahira de sua offlei-
na.sem que sao seja perfeilamenle acaba
do, e a vontae do fregoez.
m
m
i


A rna
Pierisa-se de urna ama que cezinhe para uma
pequea familia : na rua da Sanra Cruz n. 5?.
Hrecisa-se de uma ama forra para casa de
pouca familia : a tratar na roa do Ilangtl n. 10.
Precisa-se de uma ama de idade para casa
de pouca familia : na rua da Cruze n. 37.
Precisase de urna ama para casa de pooca
familia na rua fie Hurtas n. 41.
Precisa-se de uma ama, ou mesmo uma ne-
grinha, para tratar e aadar com meninos : na rua
da Cruze n. 29.
O bacharel
Francisco ^iiaasto da Costa
M
V
ADVSUAD0 J5-.'
Rua do Imperador numero 69.
Contra ta-sa a venda de 50 a 60 pipas com
enclleme mel de furo : a tratar no escriptorio de
Jos Pereira Vianua, na praga do Corpo Santo nu-
mero 6.
Aluga-se muito em con'a a loja do sobrado
da rua Imperial n. 64, cora bous commodos para
familia : a tratar no mesmo sobrado.
O abaixo assignado faz sciente ao publico-,
respi-iiavel corpo do c mmerco, e a .eu antigos
amigse fregnezes, que tem aberlo um esrriptuio
de commissoes na rua da Cruz n. 44, ofterecendo
seu presumo e bons desejos no desempenno de
ludo quanlo se dignaren) encarrega-lo tendente
aquello genero da estabelecimento, prometiendo-
Ihes o maior zelo e sinecridade em todos os seus
encargos.
Ant.nio Bezerra Cavaleanti de Albuquerque.
cao
Francisco Garrido, antigo prepretano do hote
Trovador, sito na rua do Rosario,, de volla de sua
viagem a' Europa, avisa a seus numerosos fregne-
zes," tanto desta capital como (I.) centro da provin-
cia, que se acha notamente estabeleciito na mesma
rua larga do Rosario n. 37 com um hotel den- mi-
nado Traviata, onde aebarao os seus f1egue7.es
sempre a melhor v-Mlade para bem os servir, a
par de exeeflenles vinhos capils e boa comida,
qur no mesmo estabeleeimenlo, qur para fra, e
dentro da cidade aos que nao quizerem ou nao po-
derem vir a seu estabeleuimenlo,. sendo pelo prego
mais mdico que em outra qualquer parte. No
mesmo eslabelecimento acharo os seus fregnezes
buhares para recrearpm-se, bem eomo sorvete to-
das as noles para refrescreo)-se.
Aluga-se a padaria com seus pertences na
rualmperal n. 199 : a tratar na rua de Hortas,
aberna n. 2.__________________________
Precisa-se alagar urna casa terrea no bairro
de Santo Antonio, que lenha qumtal que posa se
fazer uma estribaria para dous cavallos : a tratar
nesta typographla._________________________
Um menirfo bem ednoado, d 14 acnos, se
offerece para caixeiro de-alKiiwa loja de fazenda :
a pessoa que pretender dirjase a^ua do lmpera-
dor n. 38.______________________________
Precisa-se alugar uma escrava preta,
de meia idade, para o aHTV^ de uma pe-
quena familia ; rua Direita n. 45, loja.
Sitio.
LEILAO
De urna escrava cm ama cria
O Sr. Vicente Ferreira da Silva queira vir a
rua Nova n. 5, a negocio que o mesmo nao ignora
no prazo de 3 dias, do qual declarar-se-ha o dito
negocio.
0 TO BRAZ.
PERSONAGENS.
To Braz...................... Sira5es.
Z Burrigo.................. Teixeira.
Jo'anninha.................... D. Eugenia.
DEN0MINAQ0 DOS NMEROS DE MSICA.
i' O recrutado.
2 Daeto campestre.
3 Menestrel da aldeia.
Samuel Power .loknstun & Companhia
Ruada SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fundleo de Low Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e metas jnoeadas para engenho.
Taixas d& ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios d carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma< hias para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Aluga se o sobrado de um andar sito roa
Imperial n. 162 : a tratar na rua Direita n 84.
Precisa-se tomar a premio sobre hypotheca
crava Ranacom uma cria avalida em 550. Se- antieas e recentes, nico depositaba botica em bens do raz DestajiidAclo a quantia de 8:000,
reffectuado o leilo no dia e hora cima no grao- fran7;i .... da __. n / a npln nrflrn *ueo mai$ ou meno8 ?ob" f*s" Pmo
de armazem do referido agenta na roa da Cadeia U-anaraa. rua aa uruz D. zz, e peto pre^o convencionara : na rua do Queimado o S3 se d>
Precisa-sede don- ou tres ntltoiaes de cigar-
reiro para trabalhareffectivo e que sejam peritos
qk*eu offlcio : a tratar na rua do Carapello a. 2,
Sesta-feira 22 d> corrente as 11 horas. JtoCife.
Pede-se ao Sr. Jos Feliciano Na/.areth o fa-
, vor de vir receber uma oarta travessa da Madro
A requerlmentode Auausto Xavier de Souza Fon- n.. (fi
rseca e mandado do Ilion. Sr. Dr Jaiz municipal e ueos n. .10.-----------------------------------------------
da primeira vara, vender em leilo publico a es- Remedio infallivel contra as agoorrheas
do Recife n. 36.
de3iJ.
r quem precisa,
Precissse alugar um sitio para pequea familia,
al ao Manguinho, Soledade, eslrada de Joo de
(tarros, e snas proximidades : a tratar na rua da
Cruz n. 33, Recife.____________________________
~^- Precisase de um hornera jardineirb que seja
solteiro, para tratar de um sino perto da cidade, e
que tenha boa conduela : a tratar na rua do Quei-
mado n. 13, Io andar, das 9 horas da manhaa as 3
da tarde.
mm^mm^mmmm wbm
* DEPOSITO DE CALCADO *
FABRICADO XA CASA DE OETSCO $R
Rua "\ovi u. 1. >s
Abi se cuconlraro obras de di- '^
versas qualidades, e por preco mui"|
diminutos, a retalho e em porces. 58
Soso vende a dinheiro. 0S
Dez mil sol/jas
Coalrata-se para o catnintio de fero de-
Apipucos, 10,000 solipas de madeiras do
qualidade' quem pretender forne e-las diri-
j;i-se at o da 30 do corrente me/., 4,>rua
do Imperador n. 55, segundo andar, -para
, tratar do ajuste.
~- Na praga da~Indepeodencia n. 33, loja de ouri
ves, compra-se ouro, pnta, pedras preciosas e
tambem se faz qualquer obras de er-coaunenda e
odo e qualquer concert.
Aluga se un sitio na rua de J0S0 Fernandes
Vieira n 54, com ama grande casa assobradada.
teodo excellentes commodos para grande familia,
estando o sitio plantado com boas arvores de froc-
to, assim como existe tambem no sitio um grande
telheiro pra o joge da bola, com todos-os seus pre-
paros ; a tratar na rua Direita n. 137.
Offerec-se orna senhora para engomma re
ooaer : na rua das Trincheiras n. 50._________
-n Quem ptecisar de uma ama para dar dema
mar a algn awnino dinja-.-e a rna de Santa Rita
1


Dtarl* V tttkmhnf yii.rta Itit* 10 i atttmhro de lt.
Coufeitaria des Aaanazes.
Roa da Cruz n. 16.
Continua haver diariamente pastis de diversas
qualldades, enpadas, bolo inglez e doces para cha',
fiambre, ha latas com caj em xaropa hermtica-
mente fechadas proprias para exportarlo, raju'
seccocrystalisado, prepara-se bandejas com doces
finos e de ovos (gema) pode-lot, bollo e diversas
cualidades de Ralheas simples e decorados, com
disticos a vootade do freguez, caixinhas proprias
para presentes com enchimento de amendoas, con
fetos, e pastilhas e bombom.
t
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNA1IBUC0
Antonio Luii de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Crui n. 1. .
aa
SAQUES
sobre Lisboa e Porto.
Jos da Silva Loyo & C sacam sobre Lisboa e
Porto.
Cosinheira.
Precisase de urna mulher que queira ser cosi-
nheira era urna casa de familia : tratase na ra
do Sebo n. 3o. _______________________
Aloga-se urna grande casa terrea cora soiao
na ponte de Uchoa, a beira do rio : a tratar no ar-
mazem de Guimares & Alcoforado, ra do Amo-
rim n. 54.
mmmm mmmmmmmmm
^ Francisco Jos do Rosario
$ Barroso,
W antigo relojoeiro, tem a honra de
J scientificar ao respeitavel publico, e
B principalmente aos seus Ifreguezes,
H e numerosos a/uigos, que tem mu-
3R dado a sua residencia e estabeleci-
g ment da ra Bella, para a da Roda $
n. 10. onde como sempre est B
prorapto para aviar todo e qualquer j&
servico perlencente ao seuoDcio, e S
H is'so j' se sabe por preces commo-
1 dissimos.
mmmwmm m wm mmmm
Aluga-se o sotao do sobrado n. 62 da ra da
Guia, com 2janeilas de frente e muitos commo-
dos: a tratar no primeiro andar.
m
m
4*.
diodujeto duplo
de F&RROe,quinina
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
^ A VEIDA EM I'ERAA flIIUCO
Em casa dos Srs. Caors e Barboza, ra da Cruz n. 22.
Os elementos que compoem esta preparacSo, o
ferrt, o iodo e a quina, a ooliocao no primeiro
groo das preparacoes ferruginosas. Basta atiestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi
taes, e os relatnos dos prtioes oais eminentes,
que confirmfrao sua poderosa efficacia as se
gintes affecedes:
Canrateaeeaf de Un
RW* moleiillaa,
No le kUiii fucrofula-
MW,
Paaelra,
Obslruefa dan gla
dulas,
Humarea irlo,
Tamarea braneoa,
Ruf-hitlfcfno.
Affcefea cancerosa*
e ajiikllltlcas,
Febrea tf ahotdea,
llrxlgit, etc., etc.
Mlngoa ao Migue,
Fratfueaa,
Aaaala,
Calorse oa Ictericia,
Menstruo,
Affi-rrr ale otero,
Sapnressoes dan re
ras e desordena aa
ilion Ir ii afilo,
Aifvcriio pulmonar e
phthlslea,
Voleadas d'ealdmaga,
astral Ras,
Perda d appclite, etc.,
Vejo-it os bulletins de therapetUica medica
e cirurgica de 30 de novembre 4860; a Gazeta
dot hospitaes de 28 dejulho 1860, etc., etc.
AlCm das pilulas de todureto duplo de ferro e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconsclho
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do mesmo aulhor para as
pessoas que nao gostSo de medicamentos son for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope d'iodureto de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folheto que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para se evitarem falsifcales, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geralem Pars, pharmacia Reblllon, I J^erfe"-* *"***'
442, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias I palpita*Ae'da caraca*
de Franca e as dos paizes >strangeiros, etc. loores no. ra,
DE WASMAN
Dlarrhcas e a ronstl-
paea producidas
ftcl.iH cluliorucoes
dcfcl tilosas dos ali-
mentos.
As pastilhas digestivas com a pepsina de
Wasmatiy emprego se com suocesso h j
alguns annos pelas celebridades nedicaes de
Pars, Londres, Vienna, etc., em todas as in-
commodidades em as quaes a d gestao diffcil,
penosa, imperfeita ou mesrao rmpossivel: eis
o melhor remedio para oural as.
Gastralgias,
IHspepslas,
Lu.liart ( o. gstricos
A Bjastl'lte,
Aa affeecea ericanl-
caa do cslomaico,
Sua accao vivifica o sanguc e os rgSos de
tal sorte que, ath as pessoas que sem soffrvr
as affeccoes gstricas cima mencionadas sao
nicamente fracas ou d'um temperamento um
pouco dbil, e ncccssilSo substancial alimento
para fortificar-se, achao no emprego das paslil-
lias de pepsina de W asman, um poderoso meio
para a sso chegar.
Aviso importante.Osucccssodas pastilhas
a pepsina de Wasman deu causa a se iazerem
falsiiieacdcs e imitaedes d'esse producto que os
mulos se quercm desfazer. Pois por falta
d'uma boa preparadlo a pepsina que n'ella
entra, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'cste
inconveniente, exigindo os compradores que as
pastilhas tenhao as iniciaes B. P. e saiio da
pharmacia Chevrier.
Depsito gcral em Paris, pharmacia Chevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiros.
DOENCAS
dos MENINOS
CCBADAS PELOS
XAROPES DO DOUTOR DANET
i* 1. Contra aa CLICAS DOS MENINOS antea
e a'nrantti a dentleao
(Xarope de cyooglosse e de acido succinido)
i* S. Contra a TOSSE CONVULSA e a TOSSE
NERVOSA
(Xarope de cjnoglosse e de leo voltil de succino)
V 3. Contra aa
convlxcOes
A CHOREA
DOS MENINOS
(Xarope de cjnoglosse e de acido rolatil de succino)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sao em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o tratamento das molestias dos
meninos cima indicadas, e vierao cncher um
vacuo importante na iherapeutica, no que toca as
affecvocs da infancia, para as quaes, ath hoje,
ainda se nao pode indicar tratamento racionnal-
nem infallivel.
(Pcca-sc o prospecto em casa dos pharmaceu,
ticos depositarios.)
Preco do frasco em Paris, 3 fr.
Para se evitarem as falsificacScs, exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtulos a
assignatura Chanteaud.
Depsito gcral em Paris, pharmacia Chan-
teaud, c em todas as boas pharmacias de Franc
c dos paizes estrangeiros.
GRANULOS
[de BISMTH1
BE CHEVRIER
Os granulos de bismulh de Chevrier em supe-
riores a todas as outras preparacoes de bismulh
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
Opprt'wt'Ora,
Dore de er.bcca,
Dlarrbeaa rhranleaa,
DyaaenterlaS,
Ddrea d'ealomaco,
Dyapepnlaa,
Mim dlgealdea,
Gaiitrllea,
Gaalralglaa, etc.,
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
irritar (lea de beciga e e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
da matriz, etc. estrangeiros.
Pelas commissoei em grono, dirigirle aoi S- WILLAERT e BERGER, comisario! em drogara, H, ra Saint-Lazare, Paria.
MASSA XAROPE
DE CODENA
M
BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magendie, Barbier d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran, Viga,
C. Dumont, etc., membros do Instituto de
Franca, mdicos dos hospitaes de Pars, tem
provado que a Massa e Xarope de Bcrth i
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade de
calmar com admiravel rapidez as tosses rebel-
des e extremamente fatigantes da grippe (ca-
tarrho epidmico}, defluxo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchite e tisica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
acho em todas as boticas.
Para evitar qualquer
falsiGcaco, exigir em<
cada produto o nome
e a firma Berth.
Deposito geral em Paris, em casa de MENIER,
Ra Ste-Croix-ile-la-lrelinnerie.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SalTocccAo nervosa e Oppress*
nico remedio efficaz para combatter estas mo-
lestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta o Xarope aromtico de Succino (mbar
amarello) do Dr Danet. Descoberta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54,
ra do Commercio, Paris-Grenelle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
Una.Trombeta-
O abaixo assgnado tendo sido Horneado por por-
laria do Exm. Sr. presidente da prov.ncla para
alistar voluntarios da patria tem fu robusta de
muito poder fazer alm dos recorsos de que dsp5e
conta mais por Ihes haverem promettido debeixo'
de suas palavras de honra os Srs. tenente-eoronel
Joaqoim Lucio Mooteiro d Franca, e o Sr. capitSo
Jos Antonio Serfico de Assi* Carvalho, e o Sr.
subdelegado Jos Gorgonio Paes Barreto a ajuda
na su misso visto como sao pessoas moito in-
fluentes neste povoado dos Montes e interessados
pela causa nacional.
Higino Firmo dss Chagas.
COMPBAS.
Compra-se efTectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives. 8
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de efTectivamente escravos de ambos os sexos
roa do imperador n. 79, terceiro andar.
Ouro e prata "
em obras velhas : coropra-se na praca da Inde-
pendencia n^ajo^d^bllhetes^
a-, ^>mpra-se ouro, prata e pedras preciosas,
?^,0irasv-elhas: na rua da Cadea do Recife!
I leja de ourives no arco da Conceicao.
L Compram-se moedas brasileiras de 204~"
zi : na rua do Crespo n. 16, primeiro andarT
Jornaes para embralho.
Compra-se na fabrica de cigarros antiga rua do
Quitis de Policia n. 21, a O rs. a libra.
Compra-se carosso (sement) de algodo : no
armazemdealgododeSaunders Brothers &C
no caes de Apollo. '
! .~i?_7m'| "<>*" <*e ouro brasileiras de
, o&, iu^, ib e 20,5, com 6 por cento de premio, e
tambera pegas portuguesas de 95 e iG com 5
por cento ; na praca do Corpo Santo n. 4, primeiro
andar.
Comprase
um cachorro que seja grande, para nm sitio, e por
isso qner-se que seja valente : a tratar na rua Di-
i ( llii I] i'.'.
Onjas hespanholas e da patria
na praca da Independencia n. 22.
compra m-so
Compram-se
moedas de ouro de o*, 103, 9*, 165 e 205 com
na rua da Madre de Dos
6 por cento de premio
n. 24.
I Comprase urna pequea casa com bom quin-
t tai ou mesmo um terreno nos suburbios desta ci-
( dade, sendo terreno proprio : quera quizer annua-
cie sua morada. ^
A NACIONAL
Compania geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORIS.\DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBR0 OE 1859
na lianca em ilinliein, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
DIRECCAO GERAL
Hadrid: Rua do Prado n. 19
LIQUIDACAO GERAL
NO
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSICAO DE LONDRES
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de superviencia dos stge-
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscrip^ao de maneira que em nenhum caso mesmo i cr n c i u do s
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que ainda mesmo diminuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquidai
T%
60 ~ Eua da Cadeia do Recife 60.
Todos os arligos abaixo mencionados foram comprados recentemente pelo dono do estabelecimenlo as principaes fabricas
de Parts, Londres, Birmingham, Manchester e em diversas cidades da Allemanha, e tendo comprado ludo as melhores condices
por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inleira-
mente liquidar e ter de partir mui breve para a Europa.
Ha neste vasto armazem ricos objeclos com brilhantes, como botes, anneis, rosetas etc., e bem assim diversas obras de
ouro, como trancelhns, correntoes, anneis e muitos oulros artigos, relogios de ouro inglezes do afamado fabricante Bennetle; com-
cy Compra-se
urna negrinha com idade de 10 annos pouco mais
oq menos : quem tiver dirija-se a rua Direita n.
Jb, loja de empalhador.
Um sobrado
Comprase um sobrado de nm andar ou um
casa terrea rom commodos para familia grande
nos bairros de Santo Antonio ou Boa-Vista : na
rua Nova n. 37, loja, se dir quera pretende.
Comprase um sobrado de um andar na fre-
puezia da Boa-Vista desta cidade, ou no seu arra-
balde, ou urna casa terrea com as commodidades
precisas para urna grande familia, que tenha sitio-
ou quintal com arvoredos : a tratar na rua da
lmperatriz n. 7, segundo andar.
Libras sterlinas
Compram se na praca do Corpo Santo n. 4, pri-
meiro andar.
VENDAS.
1195300
3:9425600
11:2085200
30:236*000
80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectis e mais informales serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oli veira, rua da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da lmperatriz n.12,estabei
ment dos Srs. Raymundo,Carlos,Lette & Irmao.
de 10
de 1S
de 20
de 2o
>
bem assim modernos lustres para velas, I
Urna prenda
Vndese urna mulatinha de 11 annos com prin-
'Pios de habilidades : a rna do Crespo loja n. 23.
m
mmmmmmmmmmmmmm
E& O Dr. Cosme de S Pereira conti- S
g[ na a residir na rua da Cruz n. 53,
[ Io e 2o andar, onde pode ser procu- i
rado para o exercicio de sua profis- 5
sao medica, e com especialidade 8
sobre o seguinte m
Io molestias de olhos;
2o depeito:
3o dos orgaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
r5o examinados na ordem de suas
entradas comeando o trabalbo pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cSo que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus 1
doentes.
Pharmacia especial homeopalhica, do
Dr. Sabino Olegario L. Pinito.
RUA NOVA M. 43.
Vendem-se por precos commodos, os melhores
medicamentos bomeopathicos em glbulos e tintu-
ra ; vidros tubos, glbulos inertes, chocolate no-
meopathico, escovas elctricas, apparelhos para la-
var os olhos, etc., etc.
Vende-se o Thesouro homeopathico, a melhor
obra que existe para a patrica da homeopalhia.
0 Dr. Sabino da' consullas todos os dias uteis
desde 10 horas do dia at duas horas da tarde.
Visitas aos domicilios sempre que as circuns-
tancias as exiglrem.
Os pobres sao tratados gratuitamente.
mmmmmwM nmmmmmm
m Gasa de banhoa M
M Largo do Carato a. 26. ffl
U Este estabelecimenlo tao bem montado !
Kna sna origem acbava-se de ha muito
em qnasi completo abandono pelo pouco 1
.jfa interesse de sua administracao.
Hoje que o novo propietario mpre- 2
* gou todos os meios para reslabeler a
1 grande ntilidade desle estabelecimenlo,
pode assegurar ao publico que qualquer
que seja o numero dos cencerreles
jPJg acharao desde j promptido e aceio nos
banhos trios, momos on medicinaes, a
ff casa dos banbos se achara aberta todos
dias das 6 horas da manhaa as 11 da
Snoite.
Precos.
Banho de choque....... 500
Dito fro on momo..... 500
Dito de farello......... 15000
Dito medicinal sera se-
gando sua qualidade.
Assignatura.
Por met banho fri ou momo. 105
25 carloes para banho fri, mor-
- no oa de chuvlsco..........105 M
12 carloes para os mesmos... 55
12 ditos para banho de farello. 105 m
mmmmmmm mmmmmmm
Um hornera casado, disposto e praiico em
todo e qnal^ner servico de agricultura, se offerece
para administrador de engenho : quera se quizer
utilisar de sens servico?, pode dirigir-se ao sobra-
do n. 81, primeiro andar da rua do Imperador.
S01Z4 PEIXE
RELOJOEIRO
20RUA DO
E DOVB1DOR
R NGEL20
a seus
numero 19.
35!
China e no Jap3o; ricas pecas de crystal flno como ainda n5o appareceram nesta cidade, e .
ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, castigaes, enfeite* e adornos para cima de consolos e para grande toillette, o que se tenL f??L p!!!B?'eSfIK r0npi de escr"os
fe.to de ma.s elegante em Paris, Londres, Birmingham etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para cha ecaf, os otees mlSffiflttSSfSSJt T^S^
: nada sao inferiores a prata, e multas oulras pegas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de senho- naci d? oiiveira & Fiho, largo do Corpo Santo
ras, excellentes luvasde pellica do afamado Jouvm, apparelhos de porcelana fina para cha ecaf, ditos para j.ntar, e immensos arli-'"
gos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras, etc; calgado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de pan-
no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na
rua, ditos com figuras para sales e ditos com figuras em movimento; modernos e bonitos instrumentos de pbysica (mgica) para
thealros ou salees, ditos de phantasmagoria; lanternas mgicas, cosmoramas com vistas novas, dia e noite; stereocopios de nova in-
vengo e com bello sortimento de vistas das principaes cidades da Enropa; grande sorlimento da brinquedos finos para enancas, e
bonecas fallando papae emamSe ; grande sorlimento de candieiros a gaz, o que se tem feito de mais elegante e que tem
j merecido toda a aceitago na Europa, grande e magnifico sortin ento de cai.xinbas, cestinhas e outras galanteras feitas de crina e seda,
i proprios para presentes; grande sorlimento de estampas Unas coloridas com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com
Participa a seus amigos e fre- fiSura.s e ditas com novas PaJTsagens para cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de crystal
guezes que acaba de receber mag- proprio para meio de mesa de jantar ou para jardim; entelara fina, como tallieres com cabo de metal Gno, colheres, thesouras finas,
mfleos relogios de ouro e prata e ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, canivet.-s e outros arligos, diversos artigos feitos de rame ; completo sortimento de
dormaiseapuradorSo Concerta relogios" de qualquer! fs ^ro?11"08' lavatorios, etc.; ricos quadros para cartees de visita e ditos grandes e pequeos para retratos; chapos de sol. benga-
natureza, caixas de msica e dou- las' chicotes e ditos paracarros; machinas para fazer caf, dilas para bater ovos, proprias para quem faz po-de-l, bolinhos, etc.;
pannos para cobrir mesas, bolsas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobertores, malas, etc.; sortimento de
violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galanlarias e outras Degas decharao para toillette; machinas para varrerochao,
excellentes machinas para photographia para tirar retratos, grandes e pequeas; lindos baloesde papel fino transparente e lanternas
coloridas para illuminages moda de Paris; salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quem toma banhos em
lugares fundos; ameixas novas em caixinhas, biscoutos inglezes em latas, queijos, etc., e muitos outros artigos que para ennumera-
los seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e muito barato, no grande armazem da Exposico de Londres, na rua da Ca-
deia do Recife n. 60.
ra nao s relogios como qualquer objecto.
i as oIanhM'**
Ruada Cruz u. 17.
A abaixo assignada, tem a honra de R
H^ participar ao publico que o seu estabtle- ]tt
< cimento cima mencionado, acha-se hoje
R funecionando muito regularmente, pro- "
vido de todas as accommodacoes necessa- SSS
ras e sobre ludo com alguma limpeza. B
Os carloes firmados por meus anteces- &<
sores Cedrim & C. serao recebidos at o
meado do mez decutubro vindouro, os da
casa tero a firma da abaixo assignada,
e serao como d'antes transmissiveis.
Tabella dos precos.
1 assignatura mensal com di.-eito
a um banho diario a 320 rs... 95600
1 dita de 30 carloes transmissi-
veisa360rs................ 105800
112 dita de lo ditos a 400 rs.... 65000
1 banho avalso, morno on fri oa
de chovisco................. 500
1 dito aromatizado com agua lo
nda........................ 15000
Os medicinaes sero pelo prego que se
convencionar:
O estabelecimenlo estar' aberto nos t
dias atis das 6 da manhaa as 10 da noite 3k
e nos dias santificados al 2 horas da lar- jR
de, bavendo ehegada de vapor estara' ^
aberto por mais algum lempo.
Mathilde G. Lessa. WB
mmm mmmm
Maques sobre Lisboa
Manoel Ignacio de Oliveira & Filbo sacam sobre
Lisboa : no largo do Corpo Santo n. 19.
Vendem-se saceos muito grandes cora farinha de-
mnribeca de superior qualidade a 35500 cada
urna : no armazem trombeta da fama comraercial
rua do Imperador n. 83.
Attenco.
Vndese carne e linguicas do -erid a
a libra : no uateo do Carmo, esquina da
lionas, armazem n. 2.
400 rs.
rua de-
NO GRANDE AR-
MAZEM.
PERFUMARAS finas
DA EXPOSICO DE
LONDRES.
Para completa liquidagJo vendem-se, por muito menos do seu valor, perfumaras muito finas e novas chegadas recentemente
de Pars e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes: E"g. Rimmel, R.Matheus &C, Lubin, Sociedade Hygienica, Piver,
Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaudt Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frre, etc. etc., dos quaes ha grande sorlimento d'agua de
Colonia em vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em garranchas e vidros de differen-
tes modelos, pos para limpar denles, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer
presentes, e muitos outros artigos que se vendem por menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande
armazem da Expolelo de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
I PARA SEVIIOK t*.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranga de senhora, o que se tem feito de mais elegante at o presente: vende-se
Por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da ExposicSo de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
jLUVAN lyoias de joi vi>.
Vendem-se excellentes luvas de pellica, recentemente chegadas de Paris, tanto para homem como para senhora por menos de
sen valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposigo de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
PHOTOGR X HI1.
No grande armazem da E*posigao de Londres, rua da Cadeia do Recife n. 60, rua da lmperatriz loja de Mr. Dubarry n. 8
Sola.
Vende-se 430 meios de sola de boa qualidade :
a tratar na rua do Queimado n. 33, lojo de ferra-
gens.______________________________
Attenoao.
Vendem-se os utencilios da padaria da rua Di-
reita n. 80 e traspassa-se a chave : a tratar na
rua do Livraraente n. 38.
Vende-se ou permula-se por urna negrinha
de idade de 8 a 10 annos, urna escrava parda do
20 annos, bonita figura e sadia, engomraa e faz
todo o servico de urna casa ; ao pretndeme se
dir a razo por que se faz este negocio : na rua
do Brum n. "ti.
Ka rato para acabar
Vende-se na praca da Independencia n. 39 bor-
zeguins para hornera a 35, 45 e 35, borzeguins
para senhora a 25, 35 e 45, sapaioes de bezerro
para homem a 45, sapalos de tranca avelludado a
15000.
Dr. Henry Kraus mudou sua resi- e na mesma rua loja de mindezas n. 54, vendem-se excellentes vistas para quadros de sala e para albuns, como:
Propricdades venda em Aogados.
Vende-se um sobrado de um andar e orna casa
terrea em Afogados, na rua Direita ns. 7 e 9 : t
tratar com Laurino de Moraes Pinheiro na rua do
Apollo n. 47, primeiro andar.
Vndese
Bramante de linho fino e largo para lences.
Brim lona encorpado e fino para montarla.
Mantas para cavado.
Cobertores de algodo de um e dous pellos.
Na casa de Edward Feotn n. 17, rua do Tra-
piche.
VIMIO.
Superior vinho do Porl>, Madeira e Cherry em
caixas de 12 garrafas a 105,125,145, 165 e i85 :
na rua do Imperador o. 37
Armazem allianca.
dencia da rna da lmperatriz n. 30 para o
sobrado grande n. 2 defronte da entrada
para a Estancia, onde pode ser procurado
a qualquer hora. Chamadas para dentro
da cidade podem ser eiitregnes na botica
do Sr. Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior na
praca da Boa-Vista, na dos Srs. J, C, Bravo
& C. na rua da Madre de Deof, ou no ar-
mazem de viuva Raymond & C. na rua do
Trapiche Novo das 9 horas da manh5a at
is 4 da tarde.
CASA
Aluga-se muito em conta o segnndo e terceiro
andares do sobrado da rua da Madre de Dos n.
36 ; as chaves acham-se na loja do mesmo.
ESCRIPTORIO.
Aloga-se para escriptorio o 1 andar do sobrado
n. 62 da rna da Cadeia : a tratar no segundo an-
dar do mesmo.
Na roa da Florentina n. 36 prepara-se comi-
da com aceio e promptido e por preco razoavel.
Aluga-se
um sitio em Cachang, com boa casa de vi venda,
cozinha fra, casinha para feltor, estribara e co-
ebeira, com bastantes fructeiras e banho perto.por
mdico prego : a tratar na rua de Apollo n. 38,
armazem.
Criado
Precisase de um criado forro ou escravo : ira.
ta-se das 8 as 2 horas da tarde, oa rna de Madre
de Dos n. 36, prirneir andar.
Deseja-se fallar com o Sr. capitia Braz An-
tonio da Cunha Alboquerqae : no largo tfo Carmo
n. 18, segundo andar.
Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Guimares.
Porto, rua de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimbra.
VISTAS DE PERNAJtlBUCO.
Tiradas na occasiao em que S. M. o Imperador aqui esteve em 1859 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. M. o Imperador no dia 2 de dezembro,
indo para o Te-Deura no convento do Carmo.
Theatro de Santa Isabel.
Rua da Cruz com a pyramide.
Torre dj Arsenal com a illuminagSo na frente.
Passeio publico, na ehegada de S. M. o Imperador.
Rua do Collegio com a tropa.
Pateo do Collegio com o palanqne.
VIACjE A' EUROPA.
Stereoscopios de nova inwacao com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como:
Franca.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Venem-se barato para liquidacSo o grande armazem 4 Exposico de Londres ni rua da Cadeia do Recife o. 60, roa da Im-
iperatriz Soja de .Mr. Dubarry n. 8, erna mesnaa rua loja de miuAseas n 54.
Cb
Vende-se cha hysson, o mais superior que ka
neste genero, por 25600 e 25800 a libra, dilo pre-
to por 25200 e 25400 : na rua do imperador nu-
mero 37,
Armazem allianca.
Vende-se ou aluga-se para passar a testa, e
mesmo por anno, nm sitia com arvoredos de fruc-
tos, com urna grande casa, e outra pequea jnnto
ao mesmo, perto da povoaco da Vanea e do rio
Capibanbe : a tratar na rua de Hurtas n. 3, pri-
meiro andar.
Vende-se urna casa terrea, nova, com gran-
de terreno no fundo, qoe regala de 900 a 1,000
palmos, na rua Imperial core frente para o nas-
cente : a tratar na rua do Queimado n. 51
Vende-se doce fino em latas de & libras : na
rua das Cinco Ponas n. 82.
Bibliotheca lusitana
histrica, critiea e cbronologica, comprehendendo
a noticia dos autores portoguezes e das obras qoe
compozeram, desde o tempo da promalgacio da le
da graca at o tempo presente, por DIGO BAR-
BOSA MACHADO, 1741, 4 grossos volumes em fo-
lio ; obra varissima, cuja edicao ha muio se acha
exgotada. E indispeosavel a todo o homem lettra-
do oa de protlsso scientifica, de quem a historia
patria e as letras nacionaes nao podem nem devem
ser ignoradas: vende-se na livraria de Jos o-
gueira de Souza no arco de Santo Antonio.
\

^J


Diarlo de rernaBMI '-- $rta fclra O de icinbro de SC*.
arrr----1-i. i-r~<
A molestia ou iifecglfo pecu*
lial conhecida pelo nome de Es-
crfula um dos males mais
'prevaleoentes e universaes que
ba era toda i extensa lista das
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um cele-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parte de
todos aquelles que morrem antes
da velhice s5o victimas, ou dire-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la *:por si nao tao des-
tiva, porm a principal causa de muitas
outras enfermidades que nao lhe sao gersl-
mente attribuidas.
E' una causa directa da phthysica pul-
monar, das molestias do figado, do estoma-
go e nffecces do cerebro :Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes : falla de appetite ; o semblante pal-
lido e s vezes inchado, s oezes de urna
aivura transparente e outras corado e a-
marellento ao redor da booca; fraqueta
molleza nos msculos: disgeslo fraca e
appetite irregular, falla de energa, ventre
inchado e tvacuaco irregular ; quando o
mal tem seu assento sedare os pulmdes. urna
cor azulada mostra-se quando ataca os orgSos digestivos, s olhos
Outi'os objceos.
Vindos tambem para a anliga loja de
miudezas ra do Queimado n. 16.
Sapatinhos de setim branco bordados pa-
ra baptisados.
Oulros de merino tambem bordados e
igualmente bonitos.
Meias de seda, correspondente no lama-
nbo dos sapatinhos.
Outras mui finas de no da Escossia e
brancas listradas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras e meninas.
Pentes de Urtiruga mui fortes para des-
embarace
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulhas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Caixinhas com alfinetes brancos e pretos.
Haspas de baleia par-a vestidos..
Fitas de linho proprias para ditos.
Caixas com liabas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de borracha preto, redondo.
Bonitas fivellas grandes de aeo,
douradas, madreperola e tar-
taruga-.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, recbeu um bonito sortimento de
i Grande liquidac&oa dinheiro'
Ka loja e armazem do pavo.
Raa da Imperatriz n. 4 de Ga-
ma <& silva.
Liquidacao das pechinclias. LOJA DO BElJA FLOR
110 aruicizem da Arara. Na ra do Queimado n. 63.
Tem recebido um sortimento de cruz-^ na
IIIESOIRO DAS 9I.il.
PROVIDENCIA DAS CRIANCAS.
COLLARESROYER,
ELECTRO-MAGNTICOS,
Os donos desle estabelecimento lera resolvido h- Chamados collares anodinos de den tiqao contra menos s^pr^eDtTdoq^^ra'qu'aTnier oura
(juidar Has fazendas por pregos baralissimos, s
com o lim de apurar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negociam em pequea escala com fazeo-
das, que nesta loja e armazem encontrarao um
grande sorlime.to por pregos que inuito Ihes ho
de agradar,
saber
lano em pepa como a retalho, a.
Cambraias de forro a 2
as contulses e para facilitar a denttcao dat
criancat, preparado e inventados por Royer,
O propietario da grande loja e
Arara tem resolvido vender suas
armazem
fazendas por
parle por isso venham ver as fazendas e se admi
rem dos precos, a saber :
pharmaceutico da Escola superior de Pars svt-, Corl(,s de cambraa com barraSi
cessor de Chereau, membro da academia de me-\ Vendf[n.5e bcil.,0- corus de cambraia branco
dtcma, anti/a casa bouil.lon-lag.ia.nge, pharrna- | d aferentes cores pelo baratissimo
da iem receuiao um sortuxeuio ae cruz-.-- ;.e so
est} usando, de diversos goslos ; s quera em
o heija-flor.
Tendo recebido variados sorliraentos ie vid las
de aljofares de diversas cores, enfeites para se-
nhora de diversos go>tos, e mais barati do que
ero qualqoer outra parle.
ecutico do mperrdor, chefe dos trabaUws chtvu- .. ...
eos da Escola Polytechnica, director da Escola *n* ue J* ca" "le: ,
de Pharmacia de Pars, e membro da Academia uiiiiiid.as. blancas.
Imperial tte Medicina. Raa Saint-Martn, tVL Vendc-se cambraia branca a ,>,
defronte da ra Chapn, t Parts. **?<. 6* a Pe*> e de l"
Veodem-se pegas de cambraia branca para for-
rc a ; na loja do l'avao ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Moreanlique branco
Vende-se superior moreanlique branco para
vestidos de noiva a 2,1500 o covado, pechincha :,
na loja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de > cias e quanlos tormentos para as tristes mais, que
Gama 4 Silva. vera se arrebatar, depois de tantos cuidados, de
PercatCS COm mofo. lanlas vigas, o objeclo querido de sua ternura I
mi iin aa Ds a a i Quaotas vetes nao tem ellas sentido a inefflcacia
na ioj.i ao i .nao a oou rs. I dos remedios empregados, taes como brinquinhos,
s percales com llndlssi-1 cnarope fe denlicao, etc., cujo duro conlacto dos
prmeiros irrita as gengivas e causa inflammagao
A hyRieue e a sade..
A sade a vida.
AS MAIS.
Quantas crianzas nao vemos cada dia suecum-
bir s dores da primeira dentigo I ? Quantas an-
10
varas a
so na
tornara-se avermclbados : o hlito ftido, fivel{as gP8n(jes para cmtos> sen(i0 de ac,
a Ungua carregnda, dores de cabera, ton- douradas, madreperola e tartaruga, as quaes
tetras etc.
as pessoas de -disposico escrofulosa ap-
estao 6do vendidas em dita loja por pre-
cos commodos ; assim como boas e bonitas
parecem frequontemente erupoes na pelle! filas de gorgorao acbwnalotado, proprias pa-
rta cabeca e outras partes do corpo, sao pre- Ta ditas fivellas.
dispostas ksatfeccdes dos pvl-Met, do figo- Oeiilos de peneira e de outras
cualidades, para quem soffre
do, dos rins'C dos orgaos"digestivos e uto-
Tinos. Portanto, nao smente, aquellos
que padeoem das formas itloerosas e luber-
da vista.
A' loja de miadezas
ra do Queimado
xulosas da escrfula que neoessitam de. pro- .n. io, tambem recebea oculos de peneira
teceo contra os seus estragos ; todos as com vdros daros e escuros, para quem sof-
quelles em cujo sangue enviste o virus laten- fre da vista, assim cerno outros de armacao
te d'este terrivel flagello (e s vezes c her- de ago, sonidos em graos,
ditario) cstao expostos tambera a soffrer das coroas c tercos de ornalina.
enfermidades que elle causa, que sao: a amiga loja-de miudezas a' ra do
A phthysica, ulceiaefks do figado, do es- Queimado n. J6, recebeu mu bonitas co-
tomago des eruptivas da cutis; rosa ou erysipda; a disposkao dos bons ebrisfaos que os qni-
borbnlhas. pusltas vestidas, tumores., rh-, zerem comprar em dita loja : na ra do
camaxrbuncul<9s, iHwas e chayas, rteu-, Queimado n. 1G.
dores
mutismo, dores nos cssos, as costas e na
eabeca, debilidades femininas, flores' bran-
cas causada pea ikterafS interior, c en-
.ferr.iidades merinas, hydropesa, indigs-
tete, enfraqnecimeno e debilidade-geral.
Aos pulmes a-'escrofula praduztubercu-
%s e finalmente consump$o pulmonar :
as glanuiasollaproduz inctecoes e tornam-
e ulceras: nos orgos digestivos causa
-desarranjos que iproduzem indigesfo, dis-
pepsia, molestias do figade o nos-rins :
?a pelleproduz 'Srupgese-ffecoes cut-
neas.
Todos estes i meles tendo a mesma ori-
gem, canecem ber : pmificar e,fortalecer o-sajiyie.
. A salsa {>arrilna le Ayer
composa'des-antidotes laais'efficazes que
a scieocie 'medica tem podido descobrir,
para este'molestia assoladora e para a cura
de todos os maies provenientes 'd'ella que
contno virtudes verdadeiramente extraordi-
narias ;pro*ado incontestavelmcnte pelas
curas notaveis feito e'tttmores, erup^oes cutneas, erysi-
pelas, torbuihas, nasci4at,'tiagss antigs,
ulceras, rheume,, sarna, parebas, hydrope-
sia, tosse quando causada ,imr -depsitos tu-
berculosos nes pulruoes. Debilidade
ral:Jndjgeslo, SyphiUs constitucional o
moleatiiae merceriaes, moiestias'das mu Ino-
res, ttlceraoues-do tero, anerr^gia e coa-
vulgoes.epilepticas e em snmroa, toda serie
de enfermidads que oascem-ds impureza
do sangue. Wde as oertidoes no Alma-
nack e Maaua! -de sade -do Ve Ayer que]
se distribue gtauitamenite .nos tugares endo-
se veodsm es. rtmedios. J-wjrsas cores.
Este cernediC' o fructo detengas e lab-; dem pretos de
esponjas Suas grandes e pe-
queas.
Vende-se na ra do'Queimado, lojc'de
miudezas n, 16.
inversos objeetos.
A antiga loja de miudezas ra do'.juei-
mado'n/16, acaba dereceber muitos'c di-
versos objectos que fezem completar c seu
bello so.^imento, sendo:
mas cores para vestidos de senhoras, tendo um
pequeo toque de mofo que larga logo se lave e
liquida-se pelo baratissimo preco de 360 rs. o co-
vade : isto s na loja do Pavao ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas a 200 rs o covado.
Na loja do Pavo.
Vendem-se lairahas transparentes para vesti-
dos sendo das cores oais modernas que tem vindo
ao mercado pelo baratissimo preco de 200 rs., ditas
com palmichas de seda a 240 rs. : isto s para li-
quidar, assim orno lazinhas mocambiques com
os mais bonitos padrdes a 240 rs.: tito na loja do
Pavo na ra ta Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vertidos indianos a 3$
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos in-
dianos ledo 7 1|2 varas capa corte sendo fazenda
transparente de novos goslos qee servem at para
birles e partidas, vendem-se pelo baralissimo pre-
co de 35 cada um por terse comprado urna gran-
de porcao: na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60,'Ue Gama & Silva.
S< le. ias para satas
Pechincha oa loja do PavSo.
Vende-se a mais fina silezla de algodao fazenda
iLteiramenie nova no mercado proprias para saias,
camisas e roupas para meninos sendo fazenda su-
perior ao madapotcTrancez e vndese pelo bara-
to preco de 440 rs, a vara ou a 400 rs. sendo em
pega com cincoenla e tantas varas, isto grande
pechincha : na loja do Pavo ra da Imperatriz n,
60, de Gama & Sirva.
Lencos de seda a\$
Vendem-se superiores lencos de seda para ho-
mens e senhoras a 15 : na loja do Pavao na Tua
da Imperatriz n. 0, de Gama & Silva.
Lencos brancos a
6
Vendem-se tazias de llneos trancos unos a 2,
ditos (amssimosa imitacao de linho rom dnas bar-
ras sendo urna de cordao e outra matizada fazen-
da qe sempre se vendeu ajt (errase a 25*00
a duz : na ioja do Pavao na raa a Imperatriz
n. 60,. F.las Anas de sarja da mais estreita que
ha atea mais larga, todas de vivas e agrada-; Q eSiart IflOS lio PUVO
Idsm tambem de-earja kvrada,de bonitos A. 4^, o&>e*>&.
> iummm ilP^nhns vndem>e os mais superiores spartillns com
w i.u.vsucseiiuus. a.s competootes filas para apertar pelos baratissi-
klem dem brancas, lisas e lavradas, pa- mos pregos de ty, 5 e 65 por ter chegado ama
droes igualmente nevos e bonitos. grande twjao para a loja do Pavao: 'ra da Im-
'dem de gorgurao de seda acbamalotada. fw'"- 6.de Gama iva.
e irruito encorpadas, para cinto de fivellas Liabraias gFCndes. vendem-se superiores cambraias francesas com
^IIpiti dp paa nii p (1p niilr? tttwui na-:-salpicosr brancos e de cores tondo 8 t(2-?eras cada
itiem ue seaa preta e ae outras cores pa- pilc!barato preco eU, ditas escooezas com
re debruar vestidos, cbeles, palrtos, etc. saipiqowsos mindfnftw toda branca a*#: na lo-
dem de laa iguslinente sorldas ea cores .ja do-Pavo na ra aa Imperatriz n. GO, de Gama
e para os mesmes fins. Silva.
dem de algodSo brancas e diversas ou- Tavkilana branca a 640 rs.
tras cores para vestidos de chita. Vender larlataaa branca mnito fiea-E'jiO rs. a
dem de borracha brancas o prsas para ^ara, das de todas as ores a 800 rs.-a vara, di-
Mitpmharflrw"; mstaa nrotfts ptr aas de" :;a;P'C0 a **. dila Hs* a 800" rs. a vara : na
..u enmarques. vanaos preos, ecu, .lo/a de I'avo na ru Novas e lindas guarnicoes jiara enfeitar
ge- S3utembarques, vestidos pretos, manteletes, |
etc., obras do meto gosto emodennissima.
ma V' Sirva.
0 bfUtiMfte o Pavo.
as membranas mocosas, e cuja aeco nulla fazia
desesperaco s mais ? Achar nm meio fcil de ap-
plicar o Qoido elctrico para alliviar os soifrimen-
tos e prevenir as convulsoes, como tambem todos
os accidentes que resuliam da primeira denlicao,
tal o Uto que tivemos em visia alcancar. Ha
muitos seculos que se puoham no pescoco das
crianzas collares de mbar amarello para preser-
va-las e cura-las de convulsoes, empregava-se pois
desde muito lempo a electricidade medica sem sa-
b-lo, pois que o mbar iodo elctrico. E' evi-
dente que este effeito saudavel repousa sobre a ac-
Cao da electricidade, que sola o mbar esfregado
pelos movimentos do corpo da crian?a. Esta in-
fluencia constante do fluido elctrico, por fraca
que fosse, produzia effeilos curativos proporciona-
dos quaotia d'eleclrcidade engendrada desle mo-
do. Esta propriedade elctrica de mbar a que
nos temos tido a feliz idea de applicar fabrica-
Cao dos collares de denlicao, augmentando a inten-
sidade dos effeilos elctricos do mbar por meio
de fios conductores que dislribuem as correntes
d'um modo suave e continuo. Mr. Royer o in-
ventor de duas especies de collares : i" dos colla-
res anodinos de mbar electro-magnticos; 1 dos
collares coropostos de differentes metaes com cor-
rete voltaica. Partindo desle principio de physi-
ca bem conhecido, que a inlensidade d'uma cor-
rente galvnica est em razio direila da superficie
dos elementos que compoem a pilla, os collares
Royer, chamados anodinos eleclro-magneticos de-
signados e graduados por oito nmeros differentes,
possuem as mesmas propriedades elctricas, com
esta s dlfferenca que o effeito curativo esta subor-
dinado ao lamanho dos elementos que os com-
poem, e por consecuencia quanlidade limidada
d'electricidade que engendrara, d'onde se segu
que quanta maior superficie apreseutam as perolas
ou elementos, tanta maitr quaotia de fluido elc-
trico desprender-se-ha; e por isso que nos acn*
selhamos do preferencia os nmeros fortes.
Estes coliare?, pela sua disposicao flexiveis e
portalels, podem-se por constantemente no pscelo
das criaocas. Urna rede elctrica cobre sem ces-
sar as partes doridas que sao modificadas lenta-
mente, sem sacudiduras nem commoces, e pro-
duzera urna cura rpida impedindo as convulsoes.
Assim acha-se reunido com o amigo procedt-
mento Sos collares de mbar a efcacia regular e
segura Ai electricidade -medica. Os cottares gal-
vano-magnticos de metal compoem-se de peque-
as perolas de dous metaes differentes, traversa-
das per fios conductores que formam -assim pe-
qoenasfilas voltaicas d'uma forma elegante, port-
til e flexivel. empregados com feliz successo contra
as convulsoes, os torticolis, tosse nervosa, tosse
convulsa, etc.; possuem as mesmas nropriedades
e empregam-se indtstiQctamente nes mesmos ca-
sos.
da nmreiRA derti^Ao
-9- nhdade dos collares Royer eleciro-magnett-
i ..ara facilitara erupcao dos denles do leite.
!.ni poucas palavras explicarei o que succfde
5.a primeira denUfao, fazendo algumas observacoes
qneserviro de gura s mis de familias, que pla
soa ".eiira atS^o exageran a miudo os perigos
na dcntlco, a qtta4 em definitiva urna operario
4i natureza.
A mor pane sad3 das nitnn tem por causa o trabalhe da
deatigo. Quando o denle faz esforco
dades : ua ra da Imperatru n 36.
ISrrlatiha e rol.
Vende-se bretaiiha de rolo com
28U0, est se acabando e.-ta peebioctu
loja da Arara, de lleudes Guimaraes.
Laazinbas.
Vendem se as mais modernas laazinbas chapa-
das pelo ultimo vapor, tendo padres muito beni-
tos se vende pelj baratissimo preco de 2i0 rs. o
covado, fazenda que era tutra parle se vende a
400 rs.: na loja e armazem da Arara n. 36.
Chitas.
Vende-se grande porcao de chitas sendo escoras
e claras por baratos pregos a 2i0, 200, 280 e 320
rs. o covado, ditas percalas fiuas a 360 e 400 rs. o
covado, muitas ma> de cutres pregos.
Chales de merino.
Desla fazenda ha um .'raode sortimeBto de cha-'
les de merino estampados cures muito delicadas,
eest se venden Jo pelo barato preco de 2 cada|
um, ula para acbar.
Colchas de fustao.
Vendem-se colchas de fusio de lodas as cores;
a 53, dilas de damasco a 4,3, ditas de chita a
22i0 e I9U0 cada urna : s Loureuco Pereira ,
Menes Guimares.
Madapolao.
Vende se madapjiao a 43300, 53, C500, ~&. |
73300 e 85 a peca, enastado se vende com 12,
jardas a 3#, 33300 e 3-300 : na ra da Impera-1
triz n. 56, Mondes Guimares.
SouK'tiibanjtifS.
Vende-se soutembarque a 5-3, f3 e 73. ditos I
pretos de grosdenapies a 183, li>3 e 203, e capas
o mesmo prego.
Cambraias de cres.
Vendem-se cambraias de cores sendo finas a
320, 360 e 400 rs. o covado.
Casimiras.
Vende-se casemlra com listas a 25500 e 2S00
o covado, e mescladas a 35 : s lleudes Guima-
res.
Fzcas e gario--.
Vcndc-su t.4xa^oijtee cabos d> i a, : ;': do
um totao a 33:00 a Ji-.?.i, ijiff tie ow- s :i
c--fwi W'O, dita paTir-dor-r-a-oilOo, i-..
j^-juo, i>. ;-20o iUi f uxv bram, rolico i cravdo a-
mais quali- -.y m
Ttm recebido variados sortimento, de ba'.iios
para menino* de escola, deforma de peixinhos,
patlnhos o outras de diversa gosto, que ; m a
vista bem se pode apreciar, e tambera serve para
o k-ilo do hospital portuguez : las para t.ir de
diversas cores a 75 a libra : s no berji-flor.
B<>cevas para rotipa.
Vende-sc escovas para ronpa muito Qnas cora
diligentes postos a 640 e 13,ditas pera denles i
120,240, 320e500rs.
Papel c envelopes.
Vende-se pautado papel e caixinhas a C80 rs.,
dito de cor a 700 rs., e enmvelupes a 640rs. a ca
liaba.
til??
a
2-8 1
ilisl^lll!
ilflfilirll
ifil'sliII
i!,|f"|IIPi
s-P-s-S-S "Sril
J* 5," 3 B* 13
2.
35
1
otyi
i/]
f
oo
nosas esprtenos, e ha abundarrles provasvdos tamaitos,
das suae virtudes : poste 'que- -oflerecid*
ao pubiiGO-scbc nome de Salsa.psrrilha,
compoilode diversas plantas, algmmas das
primeira deatico. Quando o dente
I para sahir, declart-se calor na gengivas, a saliv-
Vecde-se superior ramiate de-lintij melhor;.?5o volta-se mais abuudante, o snmno agt^do,
1 ranea ue sena com VldnlBOS, moldes no- -que tem vlndo ao opeado om iO paimos de lar-j^arfejjre a raU(jq fl em .genfi sobrevem a frouxi-
V0S e mui bonitos. "? a*56O0 a vara, .paoEO de lintio. nulto su-; -a0 .do vemre, -o s quando este ultimo -symp
dem dem de-cores laatatvie bonitOS-^SKf1!?'* S'^S ^uf^^^ ri;,,,e",0IM n0 -em carcter-violento mais bem
kiries p araklnwMc rrp-? 700 rs. a vara ist GOlde e agraUa^tS Cores. amperurila60, de ama Silva. ; car^ com asas affeieSes o irabalho da denlicao,
Botoes para >es mesmos fins, sendo pre-.- Percalf81*s do Pan*. ueoessario, em guarno anr, por a ma.sextre-
i&S de seda matores e menores, eofeitadO tyetttmt as mm lindas percales -de ma s mae conlinaada attencao oa sade da criaeca ; e
OOm vidrilhes-e.pendentes e OUtFes de di-- Cr-ait rs. o eova^o.: aloja do Pttvie na ra,desde que-se noten os ultimes symptomas-que aca-
lla Imperatriz n. 00,4e Gama & Silva. ; darnos do indicar, ser uegente consultar uci me-
velludo Utabem de sort- MdtG para wemiltf-C 1,500 j*^ collares vendem-se na loja-do Vi-
Vendem-se meias parainHninas de- toos os ta-,
mas oe.io&os osia-, _i .y. .... ,i0ffrp(,nn n 7
iouetos dedouswdros rom anefe-Mt, bfalo .inaonos.* 25300 rs. a duzia, ditas de ea preta -** e' "* ****e>fu **
, /ar|arua. -Para sedtoras a 800 o par, di'as oplesas para
. .-'' ihomem-a 35 a duzia, isttMM loja do P**; na ra
A loja de muoezas, a ra drr.Vjeimade .almpecatriz n. oa, 4etGama & Silva.
CorlisMHles per-e oamag.
'Vaodsra-se ricos eorlinados para caiaasj^lo ba-
quaes sao-supeiores a ehor -salsa par--^-16, recebeu>a bello soitimento de lo-i
lha no seu,poder alterante. \Retos e ocutos de v RBOTulUL DE CEItEU HC VrtiU.
ura p^emptaHienle a ataima, bronebite, ti 1^ .-^ows. u> luct^iunmca uiri- ,6J na leJa do p,^, mmUtoa. tosse, de!U iaco, bfalo etarkruga, e osela vendendo i*040 P'ff de "**! its bordadas .muuori-
,ite, f>or precos raaeaveis: os prndenles diri- Kfa 2.' .col.chis:. phthysica primaria^ 1 tubrculos
jiulmoiuires, -e v molestias pulmo-
nares.
Allivia ios etUiccs declarados.
Todas as .molestias da garganta, do peito
BIVAL
:EM Gl\IMI
Raa do 4|iehiadu ns.
CotUna a veaJer indas as miudezas
declara por preoos admiraveis.
Massos de palitos fixados para denles a.dOC rs.
Sras boraw -e autremcis.
imeios por,-preco baratsimo, na loja do Pavao ra
Rivi sem segundo
8 do Quetiiado ns. 49 e 55, l^a de
jiudezas e Iresportas, est-^aei-
mantlo t4ft boro e harah, quem qui-
er vei'emirar vctiliam loja do
e &. ',t' ^"-1^1Z n 60, 4e Garaa.A: Silva,
que abaixo
e dos pulmes pdem ser curadas.esa pou-1 Et>pstbos de moldaras'douradas a 200,2*0 e 320.rs.
.C0 lempo palo iPBiaRAL de cbresa 4K db. |B . YFR i Ortos de couro superior azenda a 15500.
. ,* 4. i Frascos com tosener Itasa rocha a 240 re.
A venda ,nas pn&cipaes boticas -e,droga- Meadas de linta frota para bordado a 30e.60
trias do imperti, eaa agencia cealrd do iCaisas com 100 eavelopss-, fazenda una a 000 rs.
i Grozas de pennas deago,.fazenda superior a.,00 rs.
Grzas de botoes madreperola linos a .300 e
lio de Janeiro ra iSireila n. 15,
P. MAUSER t C.
Nava u. 18."
NO kMkim
dejfazendas baratas de Santos
tC-oeiho, ra do Queimado *?.
i% vende se o Mguinte :
e04rs.
Calas om oO no vellos de .nha do paz a 900 rs.
Caixascam superiores oajMfM de cola a 40 b-*0 rs.
Pefas de fita branca elasiica.com 9 varas a80 rs.
Var*> de franja de laa para.acuelles de vestida: a
40 rs.
Baralhos dourados superiores dualidades a 400(.
Novellos de nha com 400 jar das a 80 rs.
Liuiy; para assentos de roupa .lavada a 100 rs.
Pares de .botoes para punho,-lazanda rica a 120ra.
Chales a 3*500
Vendem-43 chales de oierin j liso, tendo de todas
as.owes e,-pretos, pelo baratissimo prego de: 35'0,
ponhaver grande porcao : ,na loja do Parao,t;.aa
da aaperaifk n. 60, de Gama. & Silva.
4e alees, Ju Pavo a 2Ui\ U t 3-5iO
Vosdem-se os melhores balies de arcos arueri-
cbos, -sendo eam 20 arces a 23600, ditos com j25
reos a33r ddos com 30 reos a. 23>oOO, ditos (taca
mecis&s de .ledos os lamaatoos>a 2^500 e 33, su-
periores baldes de bramante ~e .murcelina cea
cauda, sudo, bastante grandes a 53, isto na loja
do Pa-vin, ra .a Imperatriz cC6, de Gama &
Silva.
Amamisinhas de ratfa.
Meadcea se as mais modernas camifiinbas borda-
das coea manguitos,,para senhoras, -saedo as mais
modernas /ue temando ao mercados 43500, di-
tas com oiaaguito?'para acabar, a 13.; ditas pre-
Us com tanguitos,para loto a 138OO1.V., mangui-
polinhas (irdas
400 e Ifi.
/Caixas de pecnas de calligraphia, fazenda lM -a
13000.
filassos com-superiores gramposa^O rs.
tences de panno de linho.a 23200.
uUos.de bramante de nho de um s panno a
332OO.
Gobeitac de chita da lota a 23400.
Peeadeeambraia de taJpicos branca e de cor {J^e 'oe-sapates de tranca e tapete a 13500.
com 8 Id .taras, pelo baraussjmo preco de 43500. ] ff'"s corr. superiores agulhas a m rs.
Pecaste cambraia adamascada com 20 varas, | y^-isAe, ISa^ortidas de bonitas ores a 73000.
propria para cortinado a 11#. g* com suPff'ores obreas de massa a 40 rs.
Balesde jvreo a 33, 33500 e 43. Rodabas com alfinetes francezes mto supeneree
^Sfit*branco proptiM para alf" P*^1 tma a **m e ***>
' Escoras para roupa, razeoda boa a 720 e 13.
Dnzias 4e tesoura com toque de nnrugem a
600 rs.
Duzias de faeas e giros de cabo preto a .33000.
Taiheres muito fino para enancas a 240 r&
Pulteiras para meninas a 320 rs.
Ditas e voltee para senbora a 500.
Tesootaa liara "costuras su itiares niiaiirta^ ,os \K.llha* P*tlis a *. finissioaas jwlinhas de
400 e ii cosluras eupaiores quahdades a cambraia l>raaca.borikda a 500 rs., ealciahas para
oieoina a 640 rs., romeiras de fil e .cambraia
liw-anca bordada a P3600 : na loja da favo, ra
Ida Imperatriz o.60, de^Gama & Silva.
tierlcsejif reales.
{Jicos corles de percale.com barra, tende o com-
peleile casaveque a>83, ditos de laa a Mari?. Pia a
.beira
Bramante deiaho com 10 patatos ce iargora a
Wr-ra 23IOO.
^tcalhado de Mano a vara 23800.
Ato de algodao ii-
Algodao entestado com 7 1|2 palmos de tiargura
jas de bretaaba le rolo cora 10 varas prapria I e para senjwra a aw.
naraeaia a 33500 Fraseos de Aea Florida vtrdadeira a 1320,
Pit ie linholiso uno. vara 800 rs. : f* com "J"}* tojhj a 240 e 500 r.
Dito ecm salp.cos a 13> 'dem de ^f"0' 0,.eo uboa* 3a0 rs- A
Esleir da India de 4. Se 6 palmos de largura I Canas eom Umpanoaa para 3 mexes a 40 rs.
propria para forro de sala, por menos pre5o do que \ VJj g Jj^***** \f <*
Si outra qualquer parte. 1 y*tl:s ae aiQoeies irancezes a iw rs.
Jeste armazem Umbem se encontra om grande i G fiorimento de roupa feita e or medida.________
TABERNA.
Viade-se a taberna da ra de Pogo n. 32,
pria para qualquer principiante por ter
ilundos ; a talar na mesma. _____
pro-
Grvalas de cores, fazenda superior, a 500 rs.
I Papis de agulhas, fundo dourado, a 80.
~ Vendem-se as seis eaas terreas seguintes,
Veaie-se a loja de calcado
54 : a tratar oa mesma casa.
da ra Diieita n.
CEttVEJ.i B4SS
em barril.
Vende.se a 200 rs. o copo : na ra do Impera-
dor D. 57.
_________ARMAZEM AILIAXCA._________
~_ Vendase um moleque, aieelleote peca, cr-
oulo, de idada de 15 annos ; quem o pretender,
dirija-se ao Corredor do Rispo, casa o, 18 C, que
adiar com quem tratar.
s 1 reparadas ha pouco : os pretendeates podem ir
I ve las, para o que esto prevenidos os inquilinos, e
dirigirse ao segnndo andar da casa o. 42 da ra
do Imperador, das 9 as 11 horas da raanba, para
o ajuste, ou enleoda-se com o correlor Eozebio, a
saber :
! Numero 7 travessa do Livramento.
t 1 ra de Santa Thereza.
> 89 ra de Hurtas.
> 21 rna do Nogueira.
148 largo das Cinco Puntas.
t 3 travessa ou ra do Dique.
No fundo da casa n. 148.
Cacas .3 papel.atzade, e-semellaliso e. paulado
a00 rs.
Grozas de botoes4c Jouca puteados fazendr. mo-
derna a ItiO-rs.
Duzias ale penaa Pecas de trama de laa lisas e de todas cores a
40 rs.
Eseovas (Suissimas nara limpar denles a 2-10 e
320 rs.
Pecas de ta de s estreitac com 10 atas a
320 rs.
Caixas cok eolehelesrfrancezes, -superiores quali-
dades a 26 rs.
Tinteiros de-Larro, com superior titia a 100 rs.
Pecas de cordao ,par: vestidos, fazenda boa a
3aralhos cauito tinos ,para voltaje a 200 e
240 rs.
'Utas com superior banha a 200 rs.
Frascos de macaca parola mito tino a 200 rs.
Fiascos e garraSabas .con agua de Colonia a
tfOO rs.
Fraseos grandes coai superior agua de Colonia a
440 rs.
Caixas com IX raacos de heiros muito finos a
tmo. '
Saboneies pequeos de bolla a 240 rs. e fundes a
390 l
Duzia de sabooetes paqueaos com eeiro a 700 rs.
Agua aeotifice superior Caixas,com superior p de arroz a 00 rs.
Fraseos de superiores esseaeias santal
e outros a
UBW.
(?, ditos de cambraia tcaasparente com barra { Frascos coa sencias para tirar nodius de roupa
bordada a lia a 23 isto se vende na loja do Pa- a 500 rs.
Frascos eobeiros de todos os precoe a 160,200,
240 e 348.
Frascos bonitos om ebeiros finos a 300 re.
Duzia de metas muito finas para seobora a
43800.
vaQ,,r'ia da.lmperatrtz n,.G0,,4e Gama & Silva.
Paleloli pretos G$
Veodan-se superiores palelols accos de patme
preto, boa fazenda, a 6 ; ditee sobre-casacos a
123, supo:.;ores calcas de casimira de cor a 73 e Golinhas muito Gau para senhora a 200 re.
83, ditas prwas a 63, 73 e 83, paletots de mela Caixas cora soldados de chumbo para meninos a
casimira a 3 e G3, ditos de casteaira a 10, calcas um rs.
de meia easimira a 43 e 4*500, .utas de brim Pecas de fila de 15a para debrnm de vestido, com
branco de tiefao e de cores, colotes de todas as I 10 raras a 600 re.
qualidades. Todas estas obras se audem por Ditas 4e bicos superiores, para acabar a 600 e
preco muito em corita, s com cumie apurar di-' 800 re.
uheiro : na loja do Pavao, ra da Imperatrtz n, 60,: Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
de Gama & Silva. 1 Bonecos de choro e panno a (60 rs.
Fazendas braaveas na leja da Pavia Caixas com bonitas estampas para rap a 100 rs.
Vende-se um grande sortimento de madapoloes, 1 Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Alterna a peckineha
Sapatos de tranca com sola de cortiea i ii P
par! oa roa do Livramento n. 5.
coilas, algodiioziuhos das melhores mareas, ga-
rastindo-se vender mais barato do que em outra
qualquer parte, sendo a diobeiro a vista, na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 0, de Gama & Silva.
lieos chales pretos de renda.
Chegou pelo ultimo v variado sonimenlo dos mais ricos chales pretos de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
tilles muitos de pona redonda a imila^o de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se
por precos muito em conla por lerem sido manda-
dos vir de conta propria pelos donos da loja do pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Bofuouls de renda na loja do pavo.
Chegaram os mais ricos bornouls de renda e se
vendem por baralissimos precos: na loja e arma-
zem do pavao, rol ta Imperatriz D. 60, de Gama
4 Silva.
Grosas de bolfie* pequeos pretos para calca a
100 rs.
varas de cordo de espartilho a 20 rs.
Movellos francezes com 20' jardas a 40 rs.
Pecas de tiras bordadas a 640.
Duzias de meias cruas muito fortes e superiores a
33500._______________________________
Taberna.
Vende-se a taberna da ra larga do Rosario n.
18 junto a padaria, bem afregnezada : quem a
pretender dirjase a mesma ou no Passeio Publico
n. C, loja de fazendas._____________________
Lfias para vestidos a 240
rs. o oovadol!
Na ra do Queimado n. 1 vendem-se superiores
laas para vestidos a 240 rs. o covado a ella, an-
jee que se acabem.
agu i mm.
Colleiras demarroqoim, com eascaveis
e seiu ellos.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca d. 8, vendem-se colleiras de marroquim,
pospontadas e com cascareis, ou em elles
proprias para cues e outros bichinhos.
Pennas inglezas de ac e donradas. j
No novo sortimento de pennas de afo que
aAguU Branca acaba de receber, vieram
tambem outras de metal dourado e bicos i
mu bem acabados, e por essas boas e ne-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-,
bricantes Perry 4 C, as recommendam aos
entendedores e apreciadores do bom, valen-.
do mesmo a differenca que lia no preco de;
urnas para outras, por que estas se tornam |
mais duraveis a coniinuaco de escrever ; i
assim pois quem dellas se quizer utilisar
compra-las a dinheiro a vista : na ra do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas cem borlas e sem ellas para j
cortinados.
A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
ment de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, todas de novos e bonitos
desenhos, cuja commodidade do preco est
em relaco a largura : acham-se ellas a ven-'
da na roa do Queimado ioja da Aguia Bran-1
Ga n. 8.
Jogo da paciencia on curioso cntreteui-
menle.
Na rea do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, acbam-se a venda por precos ra-|
zoaveis, caixinhas com tabolas de madeira, j
que das diversas pinturas dellas se formam |
agradareis vistas e paisagens, segundo os
desenhos que acompanham. Na verdade j
esse am deleilavel en reteniminto como
ijaalsfle despe ta a curiosidade, e apura a in-
teligencia. Os apreciadores dirijam-se
ra do Queimado, a dila loja da Aguia Bran-
ca .n. 8, que seio satisfeitos.
Bomlos cueiles para senhoras.
A Aguia Branca acaba de receber um no-
vo e lindo sortimen'o de enteites os mais
moderos e gostosinteiramente agradareis,
e como seu louvavel costume os esl ven-
dendo baratamente a quem com dinbeiro se
dirigir ruado Queimado, loja da Aguia
Branca o. 8.
Meias de laa para senhoras.
Vendem-se sa ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Mata mosca.
Na loja da Aguia Branca acha-se a venda
o papel com eomposico para dar fim as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, e o
effeito efcaz : molba-se o papel e deia se
ficar n'om prato, e nelle pousando as mos-
cas, entristecem e morrem. Custa cada fo-
Iba 40 ris: na roa do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Diversos brinquedos e entretenimento
para criancas.
A Aguia Branca na ra *do Queimado n.
8, receben diversos brinquedos para crian-
.cas., sendo estradas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelhos de metal, louca pinta-
da porcelana donrada para almoty e jan-
tar e muitos outros brinquedos de madeira,
que se vendem baratamente : na ra do!
Queimas >, loja da Aguia Branca n. 8.
Meias prelas de seda para senhoras a
oOO ris o par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
cSo de meias prelas de seda para senhoras,
e apegar do muito maior prevo que Ibecus-
larats o bom estado em que anda esto,
comtudo esl resol vida a vende-las a 5(0
ris o par, am de que ninguem mais calce
meias pretas de algodao, ag ra pois apro-
veitareiti a quadra e dirigirem- e ra do
Queimado, loja da Aguia Branca n. 8. Tam-
bem vender as brancas a 15 o par, e des-
tas o nico defeito estarem um pouco tri-
gueras,
'Hlftl
5-g.ig
5-5 3 g.
sio.21
51
HH
CONFEITOS
DEPURATIVOS
DoDrSERVAUX, dePariz.
Pharmaceutico de classe, ex-
interno dos hospitaes, premiado
com a medalha de brome.
Desde muilo lempo o publico
abandonou o uso das preparacoes
intituladas depurativas conhecidas
sob o nome do Arrobes, Xaropes
de Salsaparrilha compostos, etc.
Cuja accao, maior parle das vezes
nulla*e n'algumscasos perigosa
Os COFEITOS DEPUBAIITOSTEMO ASPKIO
E O COSTO 1GBADAVEIS B CC C IM
PEQUEO VOLUMB SUBSTAKCI 'CTI-
VAS QliE O SEO MODO DE PREPAll "TiA
INALTEBAVEIS.
Osnccekio (iii<> ehtes Su.
reitott olillverao cm l'ra
ca sob o patrocinio das principa es j ri
eclebridade.' medicas, os poe cima -
de ludo quanto tem existidralh
hoje.
Gura rpida sem o socorro
de nenlium outro remedio in-
terno, das escropbulas
herpes, affeccoes syphi-
lticas hypertrophias
dos tessides celulares,
hydropisias e em geral
todas as molestias produzidas
pela alterarao do sangue ; tal
o resultado que queramos
conseguir e que temos sem-
pre obtido.
Urna explicacao accompanba cada
vidro.
Dcsconliar-se, das falcificatoes et mi-
taco es.
Para as encomenda$ dirijir-u aos
Sures. BUI680H ST C'% 18, B'Plince
Eligirte, Pai-ii,
MASSA E XAROPE
BERTH
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as De/luxos, a rippa e todas as Irritacdes
do peito.
AVISO
FalsificafSes reprehensiveis excitadas peios
snecessos do Xarope e da Massa de Berih,
nos obrigao a recordar que esses productos
tSo justamente
?orneados nao se
entregao seno em
bocetas e em fras-
cos com a asigna-
tura aqui indicada, ''""'i"*** *- ******
151, ru Saint-Honor, RA PH*RMACIA DO
luvrb, e em todas as pharmacias.
s
VILLtR
s
Cen Ioja i roa do Crespo n. 17.
Recebea de Pars sedas.em corles min-
ie snperfores e bellissimos padiSes, e
chales de renda pretos para 10$.
ust importante estabelecimeoto torna-
se recommendavel ao bello sexo pela va-
riedade de fazeud^s superiores e bellos
goslos
M proteja o bello sexo ao Villar
e verlo todos a prosperidade.
H9BMB HOB
C Vmho do Porto superior em caixa da dnzla,
lem para vender Antonio Luir de Oliveira Azeve-
4t? 4 C., no seu eecrptorio raa da Cro o. 1.
Venaem-se no Recite em casa de Lacra "
Barboza e Joao da G. Bravo d G.
Ferros para engommar
Venflem-se caixinhas rontendo o mais complete
scrlimenio de ferros para engommar, encrespar
babados, pafos e toda a ronpa de senhora : ta ruz-
Nova n. 24.
mmmmwi-Mwm mmmmmm
ftKi^AOS SEKHO I
res de engenhos. m
J POTASMiA
I
^SKHKB M *&Mt
Vende-se grande porcao de potassa qoe
lendosido molhada da-se por preco moiij
I commodo: qnem qaizer dirija-se a roa
I do Imperador n. 38, botica.
par
Vitihos do Porto
i das melhores marcas, em caixinhas de ama duzia
de garrafas para casa* particulares, sendo : Lagri-
mas do Dooro, Duque do Porto e D. Luiz ; tamuem
tem arelas de dcimo encapada1 i*nm superior
vfnho, barns de 5 e 10- em pipa : i., roa do Vi-
cario n. 19, primeiro andar.



9la*lo
~ *|aarla fclta O de Miembro de *.
N. 11 Ra do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chogou a este estabalecimenlo um grande sortimenio de cortinados bordados
camas fazenda de milito gosto.
Chales de guip muito tinos para 2i*, 23* o 30*.
Gotna de seda superiores de diversas cores para camas de noivas.
Coisas de laa e seda para cama tambem de bonitas cores.
Rotondas de guipiienfeilados com o melbor gosto.
Setim de Paris bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
\I lureantique branco e preto, gros Jenaple preto e da cores, pannos pretos de todas
as qualidaJes, ditos azues.
C isemira preta e de cores, merino preto, silistrina, borabazims, alpacas pretas, a
lia preta para latos.
Halas, saceos e boleas de tapete, verniz e conro de i* a 11*.
Brin* de linho de cores finos a 1,5800 a vara.
Chpeos e ehapelmas de palha do Italia para senhora, manguitos bordados, chapeos
le seda 01ra homem, chapibs de sol de seda, esguiao de linho, camhrala de linho, breta-
nhas, silesias e muitas oulras fazendas que se voadera por commodos prejos assim
tambem
w
Esteiras da ludia para forrar salas
'S8
o
o
*
DE j. AO RESPEITAVEL PUBLICO
J. VIGNES. A tabella abaixo publicada serve de base de precos,
osunos de**Jg^^ dste armazem como do armazem progressivo pa-
^S! do C*o n 9> principal armazem ra do Impera-
as vontades e caprichos das pianistas, sem QQp jl 4-0
enhepre:
sninoo um teclado e ovichinisaio que obedeeera todas
nunca falr-.ar, por serera fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhorametos Importan
tissimos para o clima deste paiz ; qaanto s vo?es, sao melodiosas e flautadas e por isso muito agrada-1
veis aos ouvidosdos apreciadores. u 'Fazem scienle. a respeitavel publico, e cora especialidade aos senhflfres de en-
Fazem se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio jennos, lavradores e mais pessoas do Centro, que paramis facilitar suas'olteras deli-
corresoondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposices.
o mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimenio de msicas dos
molhores autores da Europa, assim
presos commodos e razoavels.
como harmnicos e pianos harmonizo?, sendo tudo vendido por
CONSULTORIO MEDICO-CIRURGIGO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSGOSO,
HH01CO, PARTGIRO E OPGR1DOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
mentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os gneros
por um preco, e na occasio da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serlo tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
alguma que fuer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratnitas aos pobres todos osdias das 7 s H
Doras da manbo, edas 6 e meta s 8 boras da noite, excep;o dos dias santificados.
Pharmacia especial komeopahica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimenio de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintes.
Carteiras de 12 tubos grandes. 1241000
> de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 24500Q
de 48 tudos grandes. 30->000
de 60 tubos grandes. 355000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
q>:c se pedir.
LTm tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 1#000.
Sendo para cima de 12 cuslaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor odra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
dous grandes volumes com diccionario............ 20#000
Medicina domestica lo Dr. Hering........... 10!000
Repertorio do Dr. Meh'Moraes............ 65000
Diccionario de termos de medicina........... 35000
Os remedios dsste esttbelecimento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto do sern novamente recommendados as pessoas que quuerem usar de remedios
venhleiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
v.jrlileiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservado, tintura dos mais acredi-
ta los estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portantoa maior
energa e certeza era seus effeitos.
Casa de snela para escravos.
n i ,r i j ,L vapor a 2,5oors., tambem ha do vapor pas-
Rjcebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer' sado a 2 3oo rs
eperacft. p rao que o annunciante julga-se sufcientemente habilitado.
O raUmento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
rariccionando a casi ha mais de qaatro annos, ha muitas pesoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qie podem ser consultados por aquelles que desejarera mandar seus
doentes.
Paga-se 25 por lia durante 60 dias e d'ahi era diante 15-500.
Asoperaces ser) previamente ajustadas, senao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedirr o annuncante.
H 4 WEICi t
Manteiga i^gleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de l.oooa l.loo rs. a li-
bra, e em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
t !II
Cha uxim de pr metra e superior qual i da-
de a 2,8oo rs.
dem hyssen o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porcao ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Biscontos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
BolSKhlnhas
Latas com bolachinhts da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados no ultimo
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & jjell. T. F.
Ashc a 7,5oo e 7,ooo rs. a dozia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
GHRGAIAH A LOJA
DA^ COLLIJIIAAN
No ultimo vapor viudo da Europa
Superiores cortes de seda de cores o que tem vindo a Pernambuco de melhor
em seda.
Assim como mais algumas Fazendas de bom gosto para vestido.
RA 110 CRESPO N. 13
LOJA DE
Antonio Correia de Vasconcellos e C.
gosto
CORTES DE SEDA
Chegaram pelo paquete inglez riquisslmos cortes de moreantique de cores, e seda lavrada na-
droes inteiramente novos. r
Seda de quadros por 1$000 o covado
5RA 00 CRESPO-5
Gregorio Paes do Amaral & Oompanhla.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l,ooo ci,2oo rs.
a libra, francez e suisso a 1 ,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porcao
ter abatimento.
VEVHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia. D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 2 ooors. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
eoreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e i,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a
garrafa e a 4,6oo rs. a caada.
Massas
Macarro e tal aerial a 360 rs. a libra e a
5,ooo rs. a caixa.
Passas
Superiores passas a l,5oo o quarto e
5,5oo a oaixa de arroba hespanhola e a 32o
rs. a libra.
GGIEBRA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
duzia e l.ooo rs. aofrasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. aftasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafes cora 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garrafio. Tambem
ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a I
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 6oo rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
DE
AZEVEDO FLORES
Ana da Cadeia do Hecife, esquina da Madre de Deas,
BALOES
Os ricos baloes de arcos com muita roda para senhoras.
Baloes de arcos para meninas de 2 a 12 annos 25 e 20500.
dem de panno para meninas 3 e 3$500.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda superiores com 12 asteas 90.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, porm maiores i00.
dem idem com 16 asteas 12$.
Chitas.
Chitas largas soffrivek a 240 rs.
dem melhores a 280 e 300
dem escuras finas a 320 rs.
Tapetes.
Ricos tapetes grandes e pequeos com ricas estampas para sof.
Camisas.
Ha um completo sortimenio de camisas francpzas de 10800 at 50 das setain-
tes vanadas qualidades: pregas largas, ditas miudas, peitos defustao e de cores.
Camisas de mcia.
Ha grande sortimenio.
Cambraia branca.
Lindos e superiores cortes de cambraia cora barra a 45.
Superior cambraia branca para vestidos.
Cambraia para forro.
Calcas.
Calcas de brim pardo superior a 25500.
dem de bonitas e superiores casemiras de cores,
dem de superior brim branco, ha de diversos precos e qualidades.
Mantas para pescoco.
Ricas mantas para pescoco de hornera de finissima seda e de ricos padres nae
s o Balao tem. H
Paletos de casemira.
Superiores paletos saceos de casemira.
Paletos.
Finssiimos paletos de alpaka branca a 50,
C'OIIETES.
Cohetes de casemira a 45 e 50.
dem brancos a 20500 e 30.
Suecos para vlagem.
Saceos para viagem a 50 e maiores a 60. .
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico novas
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas suppe sempre ser as mesmas fa-
zendas.
PELO GUIENNE
sortimento denovidade
de
PEIXE
j preparado
de l.ooo a
Peixe em latas
l,2oors. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados" fabrican-
tes, como sejam: Joio Furtado da Serrias,
Manoel Peixoto da Silva Nelto, Castanho &
Filho e Brando e de outros muitos. os
quaes vendemos pelo mdico preco de 1.6oo,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.
Licores
Licores francezes e portuguezes a l.ooo e
Firinha de mandioca.
Tem para vendar Antonio Luiz da Oiiveira Aze-
vedo C, do seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
colares Royer on colares ano-
dinos
para facilitar a dentigo dis crianzas e presrva-
las das Ciivul.-fies.
O feliz resallado oblido imaien*as vezes pela
prodigiosa forga magntica dos colares Hoyar, nos
casis rie convulsoes, e denticao das crianzas, tem
anmente elevado o seu bem merec 1o prestigio,
e hoje j se pode dizer que estao geralmente con-
ceilnado., e estimados de inn amera veis pas de
famifiaj : de uns porque do uso dsses salutares
colares viram salvus flo ppriiro seus charos flJhi-
nho>, e de ootros porque colheram daquelles t5o
proficao exemplo para guaUeoie preservar os
seus. Assim, pol, aaguia branca, tendo em vi-
tas a militada eproveif
(>ixasTom"uma duzia de garrafas de su- ,'4o rs" a *******
perior vinho Bordeaux a 7,000 rs. a caixa e
7oors. agarrafa.
CMF:
Caf do Rio de l.1 e 2,a qualidade de
6,800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SABAO
Sabo maca de primeira qualidade de 18o
a"22ors. a libra
em caixao.
Doces
Doce da casca da goiaba e caixes pe-
queoos a 7oo rs. e de 5o caixes para cima
a 64o rs. o caixao.
Frotas
Frotas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a 7oo is. a lata,
e de 16o'a 21o rs. sendo'Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
'lata.
Receberam Gregorio Paes do Amaral d C. um variado
como sejam:
NOVOS P4DB0SS EM CORTES DE SEDA
COLCHAS BE DAMASCO
Portuguez e francez, de seda e de laa e seda.
USQUJES
seda JSttSBtt^1" demaare-perola' marfira e "* '-aparente e
%KliLlllOS
Verde-salsa.
Azuleno.
Cor de vinho.
Carmezim.
IiUVAS DE JUVI\
Brancas e de cores para senhoras e homens.
u BRAVATAS
Mantas de meta, de seda, de retroz de duas voltas largas e muito estreitas de
UIQ SO V0lt3.
Grosdeneples de todas as cores.
CINTOS
Com fivellas de tartaruga esmaltadas, madreperola e cobertas de seda, feilas para
S Iu6SQ13S9 ClC
CHALES BE FIL BE CORES
bostos mtetramente novos, ainda nao vistos neste mercado
n CASEMIRAS
De quadros miudmhos e largos.
Enfeites
O meliior e mais moderno sortimento de enfeites proprios para Kocke com bons
peo les de tartaruga e sem elles.
Chapeos de castor branco muito finos da ultima moda,
Custumes para meninos
de gorguro de la de diversas cores, bordados com muito gosto.
Penteadores par senhora.
Camisas para senhora.
Ditas para homem.
Vestidos feitos para senhora.
Tndo por precos razoaveis.
n 5 RA DO CRESPO 5
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.

t
(
Atten^ao o barateiro de ob-
jectos chegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous grandes IU9tres de vidre-finos
com 1% lutes, do melhor costo e por preco raiea-
vcl; assim como apparelhos para cha e para jan-
tar, brancos e de cores differentes; ditos de por-
celana dourados e pintados e brancos; apparelhos
para jantar de porcelana branca) tamnein se ven-
dem em pe?as separadas, como os fregnex9 qui-
zerem, compoteiras lapidadas para doce, clices
para vinho, ditos para champafrne, copos para agua
e para vinho finos e ordinario?, em caixao e a re-
taiho ; linternas de todas ss qualidades de vidro:
ditas de casquiatio ingieras muito Anas ; candela-
bros de vidro e de brouze; serpentinas, vasos de
prodigiosos eola- porcelana e de vidro para flores; bilhas hambnr-
res :modino3 ou Royer, mandn vir o novo sorli- gnezas para resfriar agua; barricas com appare-
ni .-.-o que agora receben, e continuar a recebe- Ihos de mesa para jantar; gigos com apparelhos
los p;ira que em lempoalgum a falla delles possa para cha; e outros muitos sortiraentos de-todas as
ser funesta an pas de ramilla, os quaes finars qualidades e precos commodos vontade dos cora-
is de os achar constantemente na ra do Qafi ^adores, que se vendem na ra da adela do Re-
^ jnnta ao arco da Conceicao n. 6i, e na ra
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 40000 a sacca.
As melhores chitas francezas de cores
escoras e fixas a 280 rs.
covado!!
Na ra do Queimadon. 1 vendem-se chitas fran-
cezas escuras e finas a 280 o covado.
Vende se urna parte e um predio no sitio dos
Arcos, perto da igreja dos Remedios, o qual pro-
prio para olaria por ter exceilente barro, e as tr-
ras quasi todas proprias : a tratar com Joaquim
Jos Gongalves Bellrao, ra do Vigario o. 17, es-
criptorio.
O castello de Grasville.
Tradnzido do francez por A. J. C. da Cruz.
Vende-se ste bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 35O0C
na praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
malo, I ja d'aguia branca n. 8.
TERREXOS A" VENDA.
Vende-se om terreno propria para edificaco,
collocado no centro da cldade, com 68 paJmos de
frente e 218 de fundo, tendo tres frente*, pva a
ra da Palma, da Paz e da Concordia : para infor-
macoi'S, na ra do ?ol n. 37.
fva no grande armazem de louca e vidros jaato
graj da Coneeicao'dos Militares n. 49
i&i-rVendem-se mm
machinas americanas de serrote para descarocar
algodao : na ra da Senzala nova n. 42.
ALMANAK
DE
LEdWBKiNCAS
Luso-Brasileiro
PARA 1866.
POR < 1STIIJIO.
Veodo-se na livraria economicaijonto ao arco
de Santo Antonio,
Vende-se no escriptorio de Manoel Ignacio
de Olivelra & Pflho, largo do Corpo Santo n. \9 :
Vinhos do Porto muito superiores em calzas de
1 duzia e barris de oitavos e oYcimos.
Museatel de Setubal da melhor marca, em calas
de 1 duzia.
Palmella tinto de exceilente qualidade em caixas
de duzias. ;
Vinhos de Lisboa moito superiores da marca PRR
ro pipas e barris.
Cera era vetas.
Portadas de pedra de Lisboa.
Azulejos para frentes de casas.
Vndese om carro (victoria) novo e elegan
le, com os arreios competentes de metal principe :
na Ponte Velha n. 8, por preco coraraodo.
Acha-se
venda na livraria acadmica, na rna do Impera-
dor; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Antonio \ e na typographia imparcial, na ra es-
trella do Rosario a coropilacao de toda a iegislacao
tendente administrado, arrecadacao e fiscali-
saco dos dinheiros de orphaos defuntos e ausen-
tes, borancas Jacentes, legados, etc., contendo nao
s o regiment de cusas e a lei geral das execu
coes, como tambem todas as ordens e avisos do
governo. que a tudo tem ezplicado, tanto a respei-
to das obrigacSes inherentes ao cargo dos differen-
tes empregados de justica e fazenda, como dos di-
reitos nacionaes e emolumentos que sao devidos.
Este livro contendo mais de 700 paginas em ntida
impressao e bom papel, e prestando-se a utilidade
de differentes classes, torna-se recommendavel.
Seu costo 10$009 por cada exemplar em dous
oraos.
miiiiiffiiij
m Bichas de Hamburgo
fn todos os paquetes da Europa se recebe
|H destas amigas do sangne humano e sa
3 vendem a troco de pouco lucro s afim
Mi de ler sempre cousa nova : a loja de bar- J
>< beiro ra estreita do Rosario n. 3, ao p ^
Se da igreja. M
F4REL0
avariado.
Francez barrica 55000
Porthand idem 8*500
Em perfeito estado: .
Francez barrica 105000
Portland idem 12*000
No armazem de Tasso Irmaos caes do'Apollo.
-* Vende-se um escravo pardo de 25 anuos, of-
Acial de alfaiate, ptimo .parapageo ou boleeiro :
traase na ra do Passeio, lojan. 8.
de Lisboa o mais superior que ba 4*500 e a 5*000
o sarco : na ra larga do Rosario n. 50, taberna
da esquina, defronte da igreja.
-----
/Utenco.
s
Vende-se dore de caj', laranja, grozella e gela
em latas de urna e duas libras a 70ft rs. a libra :
no largo do Carmo, esquina que volta para a ra
de Hortas, armazem o. I.
Colla da ttahiatperior
Tero para vender Antonio Luiz de Azeredo <&
C, no seu escriptorio ra da Cruz n. I.________
Vende-se um sitio no logar de Bemfica, Pas-
sagem da Magdalena ; quem pretender dlrija-se a,
esta typographia.


DRirlo de PvnsnRuM inaWa lelr O de etembro de tS*.

0
^>^SotR
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
wm a mmna idi as Mauwai
AO
RESPEITAVEL PUBLICO.
A apreciagao dos habitantes desta heroica provincia existe do grande arma-
lem da Liga estabelecido roa Nova o. 60 nm magnifico sortimento 'de molhados,
que sendo em sua maximt parte mandados vir directamente do estranguro^podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranza de que
nenhom outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
9. Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cb sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
mnitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassuar, etc., etc. de boa qualidade pelopreco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem vir, pelo sen proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento ispe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
N3o se tem poupado sacrificios, era se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMIIEIRO A VISTA:
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca mulle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
manhos.
dem idera em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Albos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2J000 a garrafa.
B
BOLACIIINIIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 15800 a lata, e
de cinco para cima a 15700.
dem de so Ja em latas grandes a 25000 e
de cinco para cima a 1300.
Biscorros inglezes de todas as qualidades a
15200,15250 e15300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Bamia de porco refinada,
c
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15300 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a" 240 e 260 rs. a libra, e em porco
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Cbampagne de todas as marcas.
Cbarope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 15800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Cbartos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposicao,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, hegalia, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cb de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000,
252"0,25360 e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, 45 e 55.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e !5300-rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos. \
D \
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc

ERVILHAS seccas. a 120 rs. a libra.
krvadoce a 400 rs. a libra.
KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.
H
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talbarim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
.Moi.no i.nglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em cax;s com 9 libras a
35500.
Minio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
n
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a I 5100, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em la las, excellente preparaco.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
4
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINBAS OU MOHLNQUES a
R
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25500 a libra.

SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame* de Len a 29.
Sardinbas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 400 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOS
1!1
FARINHA SS S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400,500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
'FeijAo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15.500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velbo secco a 25 a garrafa.;
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
Duque a 15 e 15500.
Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
0. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nSo ter com-
posiao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaos Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 15 a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 205.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 25560-
caada. ^
Na offlcioa de ferreiro da roa do Jasmim n.
24, ba para vender ama carrosa feita, com esmero
e propria para carregar ama pipa com agua, aflm
de vende-la pela rna. Na mesma nffl na ha tam-
ben) nm cabriole! de duas rodas,novo e muito bem
acabado ; quera pretender estas objeetos, pode di-
rigir-se a mesma que achara' com quera tratar.
Potassa da Russia
muito nova e superior : vende-se no escriptorio
de Manoel Ignacio de Oliftira & Filho, largo io
Corno Santo o. i
Catangas finos e brlnqnedos
para meninos.
Lhegaram para a loja de miudezas da roa do
"tQueimado n. 69, os mais finos e lindos catangas
tanto para bnnqaedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezas.
' i-----------_________'________ _____
Lavas de pellica.
Receben pelo ultimo vapor lindas lavas de pelli-
ca de cores e brancas para homem e senhoras : s
quem recebea foi o beija-flor, ua roa do Qaeimado
Damero 63.
A
AO PUBLICO
| Sem o menor eonstran-
glmento se entregar o
importe do genero que
nSo agradar.
ATTENQIO
OS preeos da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de conta
com os portadores.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da ConceicSo)
PARA BEM DE TODOS.
Senhores erihoras, o aceio qne
ezacom que serao tTattdft^MMHa a urna
ra dos gneros que precisaren e quando
rois serio t5o bem servidos como se viessem
Ira parle.
Manteiga ingleza especialmente escribida a
l,ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
m libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a I.Goo rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 2lo rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abalimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Dordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,qoo e
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 4So rs. a botija de
conia certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e (4o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a 1,ooo e H,ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Ccar muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa
arroba.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-
Iho.
presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que ludo a promptid3o e intel-
visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteceo e preferencia na com-
nSopossam vir poderSo mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco orticos
pessoalmente, havendo para com estes toda recommendac5a, afim de quenovoem
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a G4o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho era pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melbores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo,-15,ooo,
12,ooo e 1 o,ooo a caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e l,5oors. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolacbinbas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolacbinbas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, emlata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezns em fiasco de vidro com
tampa do mesmo, a 1^5oo.
Ameixas franc zas em cixinbas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe2,ooo
cada urna.
I Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez |
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra-.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,ooo a duzia. '
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4un rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente Iegume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zara propriamente dito a
I;? a garrafa e I f ,ooo a duzia.
Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Sal refinado em frascos de vidro com lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e j,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oors.
Charutos do aflamado fabricante Jos Fua-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Expesicau Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,000 a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melbores marcas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muilo grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muitn novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinbado Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5co e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancoreta.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos emsextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 ,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
E BARATISSIMO111
Grande liquidara de fajeadas e roupa
feita oaciooal, oa ra da Imperalriz
o. 72, loja de Giumes & inuo.
Os propriehrios desle estabelecimento tem re-
sollido liquidaren) suas fazendas por preeos bara-
lissimos s com o fim de parar dmheiro, aprove-
tem as pechinchas.
Vndese nm grande sortimento de chitas fran-
; eezas largas a 260,280, 300 e 370 o ovado j ditas
percalias muito linas a 360, 400, 440 e 500 r?. o
cevado : islo s na lija de Goini^rses Irmao,
na ra da Imperatriz n. 72.
i: muito barato 1
Cortes de laa para vestido de senhora a 3)5.
Cortes de laa a 3.
Cortes de la a 3$.
Aos 3,000 covados de la,
Vende-se laazinlias de (uadrose de li>trichs (!e
lindsimos padro>s a 220, 240, 280 e 320 rs. o co-
vado, vende se assim liarato por ter mnila porcao
e querer se acabar: isto s na loja de Guimares
& lrmao, ra da Imperatriz n. 72.
Aos 2,000 chales de merino.
Vende-se cbales de meric estn ado a 20CO
e 2,5500, ditos de merino liso a 380O, S> e of,
; ditos fios a 6,8500, Ib, 75tO e 8#.
Grande sortimento de cor es de vestido de cam-
nala com barra, pelo barato preco de :;>, 320,e
3,5500.
Ditos de chita a 2,5, 2,5500, ?> e 3500.
Vende-.e pecas de madapolo rom 24 jardas a
| 4 500, Sf, tfl 7,5, 85, n e 10
Hilo francez com 12 jardas a 3$t00, 45.5500
e 55000.
Vende-se um grande sortimfnto de gollinhas
para senhora e meninas pelo borato pnc,o d 320,
400 e 500 rs. rada urna : isto s na loja de Gui-
maraes & Irmo, ruada Imperatra n. 72.
Roupa feita
Boupa feita
Grande sortimento de roupa feila de tedas as
qualidades, que se vende por pieros haratis.'imof;
afljaucase que se vtnde pir rntuor 20 por cento
Oo que Na aova loja de fazendas de Guiniares
Iraiao.
Ra da Emperatriz u. 93.
JlHho superior
Vende-se no trapiche du baro do LivrameDto
no Foite do Mallos.
t-sa.a:aaoe ute^nam *tasa.STr.^fcii i ni. 11.1
ESCBAYOS raiIU.
DO AFAMADO JOUVIN.
Vende-se pelo prono de 25 o par luvas novas de pellica de Joavin, chegadas no ultimo va por
para homem e seobora : na ra da Imperatriz loja de miudezas n. 54.
tnnfxj
-j oj a -s
"1 -3 O
=T3 O.
a co
o so 3S > > n s es t
O o o i <-5 as o o
ai
55 5-5
5T2. *3
a as
O, co
^ -
-
re
C
re
13
O
-i
63
'3 2
iif!
"? CB _, P>
S? "> B s
" f. t f^
35 C
s
O co
Boj o
tu ;
s.f
o.
co

o o
<
B 2.
a>
en
O
35
&5
o. co "B
2 CO -i 8 C
siis.
O as o 2. O
i fu w p.n
j? -B f
& a, O.S.&
w s*s a
a.-^
a__wi o
05
e*p.5
co
-i Di
3

O -j
05 05
03 "1
3s?
g
o-
Q-
co a>
3B
35 ,.

0>
a,
B
m
B
o

co
w
35
P
en
CA
39
es
39
-1
"1
O
8
cr
5-a9
39
Tasso Irmaos
Ven de ni no sea arnazem ras do
Aniorini n. 33,
^-tcor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores fios sortidos em garrafas com rolbas vidro e em lindos frascos.
VinhosUheres.
Santernes.
Cbamberlin.
, Hermitage.
\ Borgonbe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordea.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Vendem-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem trasplantadas: no sillo murado i ee-
querda, depoisdo becco do Espinbeiro, nos Af-
flictos
MACHINAS DEPATINT
de trafralhar mo para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAN
AGUA FLORIDA
(;&S&>T
Estas machina
podem descarocar
; qualquer especit
|.de algodo serx
/estragar o flo,
sendo bastanu
duas pessoas para
otrabalho; pd
descarocar urna
arroba de algo-
do em earocc
em 40 minutos,
oa 18 arroba.*
por da ou 6 ar-
robas de algodac
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarogam 18 arrobas de algodo
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutrjs dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas ; para o que convida-se aes Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Sauuders Brothersk C.
IV. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os aicos agentes neste paiz.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magni0co sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa,
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & Lanmao
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparaces
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efJlcacia tao delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
eropregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
balito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleices, depois dse haver lavado; al-
livia a irritaco de enipcoes ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura a
parle onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocaejo. Preparada nicamente por
Lanmao. & Kemp, Nova York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Jo5o da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambuco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
ISA a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.i6 e roa do Trapiche Novon.8.
Graliflcaco de fflf.
Ausentouse da basa h. 59 da ra do Impersor
| (uutr'ora Coegio) no sabbado 16 do corrente mez
'de setembrode 1865,o escravopardj denome Joa-
quim, com os signaesseuites : estatura regular,
I idae 18 a 20 anuos, sera barba, pos largos, olhos
, grandes, cabello cornJo, cmn uaia cicatn;. grande
e bem ->t.-;v;l na testa, parte dus dent>w da frente
arruinados, e cara falta de alguna dos lados, sahio
com calca Ai brirn pardo e palelot corto de panno,
mas levou mais mapa branca e de cor, muito
astucioso, costoma iuhtular-se forro e aodar cal-
1 gado ; foi escravo do Sr. Guilherme Krederico de
j Souza Carva'ho, genro do finado Sr commendador
1 Manoel Goncalves da Silva : roga-se a sua captura
i a todas as autoridades policiaes e a 'jualquer ca-
pilo de campo ou outra pessoa particular que o
apprehenJer se gratificar com oO, alm das des-
| pezas de cnndocc/i, entregando-o a seo senhor
Miguel Jos Al ves, na casa cima, ou no seu es*
criptorio na ru< da Cruz ca No dia 3 de setembrodesl" Brrenle anno de
1865, fuglodo logar de Malhadinha, comarca de
Lirneiro, o escravo Sivirino, crioalo, p-rlenctcie
aoabaixo assignado, com os signis fatales:
idade 30 annos ou mais, preto, altura regular, bem
fornido de lodo corpo, pouca barba, tem em cima
de um olho um carocinho sobre as cosas, tem al-
guma marca de chicote que mai se dierttira :
quem pegar dito escravo leve em rasa de seu se-
nhor, que tem a gratificacao de 100$.
____________Domingos Gome* de Arruda.
Fugio.
lio dia 6 de agost o escravo cric ulo de neme
Tiberio, idade de SO a 25 annos, e.-taiura baa e
com faria de um dos denles de c it a, loi e.-crave
ou Sr. Francisco de Albiquerque Maranho Ca-
valcinti: qutm o pegar ou delie dtr notuia quei-
ra diriglr-se a ra da Caoeia do Rerifen. 33, loja
de Valle Porto & C, que sua' recompensado.
Au aotanbecer du dia 26 de agosto fugiram
do engenbo Camaragilie dons eseravos cricalo,.
ambos carreiros, sendo um de reme Smeac. na-
tural do seriao d> Ourieury, alto e bem feito, cara
redonda, nao imito preto, e soffie de urna hernia;
o ouiro de nome Nicolao, nascido do meHBO o-
genho, (statura ordinaria, secco do corno e robus-
te, na mesma occasio desappareeeram 3 turros
do servico do eogenho. de soppor que lenham si-
do levados por elles, ou por alftom que Ibes ser-
vio de guia e seductor, porque na licite preceden-
te a sabida dus ditos cs-cravus furam vistos dous
honiens em communicaeao com o Scmeao junto a
entrada do eugenho : quem prender e Irouxer ai-
tos escravos sera recompensado
Ausentou se de casa no dia T de.-le meza
escrava Ignacia, crioula, cor fula, denles limados,
heifos grossos, estatura regular, cheia do corpo,
levou vestido encarnado, chale de 13a preto velbo
nos hombros, e mais alguma roupa de seu uso :
na ra da Peuha n. 17 se gratificar.
Ausenlou-se de casa no dia 28 de agosto pr-
ximo passado a escrava Iguana, crenla, cer fula,
beicos grossos, dentes limados, estatura regular,
cheia do corpo, idade 28 a 30 annos, levi u vestido
de chita encarnada, chale de laa preto velbo e
mais alguma roupa de seu uso : na ra da Penba
n. 17 se gnificara.
V
i SO
No dia 28 de agosto prximo passado desappare-
eeram do engenho Parary, silo na comarca do Li-
rooelro, os escravos Francisco e Alexandre, per-
lencentes ao major Claudino Correa de Mello. O
primeiro alto, secco do corpo, nm tanto espadan-
do, e de cor cabra, tem a cara bexigosa, bastante
barba, cabellos carapinhos, ps curtos e largos,
sahio vestido de raiga e camisa de algod.to azol,
chapeo de feltro, levando tambem comsigo urna
trouxa coolendo roupa de uso, a saber: camisas
de chita e caigas brancas e pardas, levou tambem
um chapeo de couro, mu ladino. O segundo
preto, crioulo, secco do corpo, estatura regular,
tem falla de dentes na frente, nm pouco barba-
do, e tem ps finos e bem feitos, tambem muito
ladino. Ambos sao mogos, tendo de idade32 an-
uos, pouco mais o menos ; desconfia se que le-
nham futido para assentar praca nesta provincia
ru em outra qualquer : quem os apprehender pode
leva-Ios od ao dito engenho, oo a' casa de Brono
Alvaro Barbosa da Silva, na ra da Cruz c. 45,
que ser bem recompensado.
% Uencao
A
Acham-se fgidos os escravos seguintes: Beato,
mulato, idade de 25 annos, cabellos anudados, sem
barba, dentes um pouco limados, secco do corpo,
testa larga, e falla um pouco descansada ; e Luiz,
crioulo,j um pouco velho, altara regular, muito .
cabelludo, barba com algons cabellos brancos, as-
sim como na cabrea, corpo reforcado, olbos um
tanto pequeos, falla grossa e as vezes finges
rouco : pede-se as autoridades policiaes e aos ca-
pitaes de campo que os faeam apprehender e con-
duzi-los a' casa de seu senhor o major Antonio da
Silva Gusmao, que generosamente recompensar,
e Ibes pagar toda dsspeza que fizerem com a sua
conduccao : suppoe-se que elles tero ido em se-
gnimento dos sertoes desta provincia, por serem
lllhos desses.lugares.
Fugio no dia 18 do corrente mez o preto cri-
oolo de nome Isidoro, de 30 annos pouco mais
oa menos, alto, rosto comprido, suissa pouco fecha-
da, ps grandes e chatos, ecosturaa andar dealper-
galas, levou camisa de algodo, caigas velhas o
rotas, chapeo de palha velho, e tambem um bonet,
caraoguejeiro. Se nao andar vagando por esta
cidade provavel que tenba ido para Serinhaem
oa Rio Formoso, onde j tem sido capturado por
vezes. Roga-se s autoridades e capitaes de campo
ae apprehendam e o levem ao seo senhor Jlo
avalcaoti Lamenha Lins, residente na Estrada
Nora, sitio de Jeronvmo de Hollanda Cava Irn te
Albuquerque, que se recompensar generosa-
mente.

"I



Diario de Perianliaeo Qnarta felra tO de f*ettmbro de 18&.
JUK1SPRUDEWCIA
O Formo. *"
Nao nos limitando o nosso programraa a tratar
exclusivamente das questoes forenses, pois que o
estuJo vastsimo da jurisprudencia abrange o di-
reito em suas diversas ramiio.icSas, vamos dizer
duas palavras sobre ura ponto controverso do nos-
so direito administrativo.
Sabe-se que pelo 11 do art. 2 da iei geral de
22 d. setembro de 1828 competa ao governo ira-
pcriai confirmaros compromissos das irmandades
depois de approvados pelos prelados na parte reli-
giosa.
as o acto addicional coustituigao poltica do
imperio, no art. 10, declarando competir as assem-
blas provinciaes legislaran sobre associacSes
religiosas,implcitamente revogou o do arl. ci-
tado.
Assim parece que tambera o enteodeu o aviso
u. 41 de 18 de abril de 18 decidindo que esto
as assemblas provinciaes em seu direito quando
decretan) comproraissos para as irmandades ou
chairaras que saoassociagoes religiosas.
Balxou porm o aviso n. 175 do 1 de agosto de
1833 declarando que a attribuico de approvar
oomproaiissos perlence ao governo imperial em
couormidade da le geral <'e 23 de setembro, sal-
vo o direito qoe compete as assemblas provin-
ciaes de legislaren) sobr-i a materia era virtudedo
arlo sdicional: e assim, havendo le provincial
regaladora da materia, deve o presidente da pro-
vincia seguir as disposigoes da mesma le.
Evidentemente, e apezar di restricgao conteda
na ultima parte do aviso de 1833, elle se acha em
manifesta opposigao ao de 182, e ao terminante
preceito do acto addicional.
Em primeiro lugar cumpre attender ao espirito
desta lei, que leve por fim produzr urna salular
descentralisagao, alargando a? franquezas provin-
ciaes ; e por lito que muitas attribuiges, que
pertenciara ao governo e corpo legislativo geral,
loram concedidas s assemblas e presidentes das
provincias.
Nessas atlribuigoes se coraprehende a de appro-
var os compromissos. A palavracompetirem-
pregada a este respelo no acto addicional excluo
a competencia do governo geral, quer exclusiva,
quer cumulativamente com as assemblas provin-
ciaes.
Anda por hypothese, sempre desagradavel
suppor nos actos de um dos poderes do listado a
tendencia crescente de cercear attrbuicoes dos
poderes provinciaes, apezar dessas vozes genero-
sas que se erguem todos os das para amplalas,
sera todava conseguirem ligan resaltado proficuo,
ou porque nao podem, ou porque transigera fcil-
mente com as conveniencias polticas, ou finalmen-
te porque nao passain de urna demonstrado appa-
rente para grangear popularidade, ou para satisfa-
zer o espirito vadoso de quera se compraz de
apresentar urna idea nova e sympathica sem com-
prometter-se ao menor sacrificio para faze-la tri-
umpnar.
O certo que o aviso de 1833, declarando ter-
minantemente pertencer ao governo Imperial a ap-
provacao de compromissos, por virlude de urna
le qae nesla parle caducou, com relacao s pro-
vincias, nao pode desconhecer o preceito consti-
tucional, e por iaodeixou salvo o direito que teem acnam-se sitiados pelo Canabarro e baro de to-
as assemblas de legislaren) sobre a materia, em jcnny-
que devera os presidentes seguir as disposigoes j O mesmo propro que trouxe a noticia en-
da lei provincial quando esta exist regulando a (trou as guerrilhas e trouxe urna barretina para-
roesoia materia. guaya.
Entendera o governo que se verifica a compe- j O Sr. Laurenlino Pinto de Araujo Correa, es-
teacia cumulaliva ? Has esa que se funda ella ? creve o Echo Gabrielemc, tabelliao de S. Borja,
Na lei geral c no acto addicional simultaneamen- cliegou ha dias com sua numerosa familia a' est
te. quando se contradizem? cidade.
Si urna lei constitucional nao deroga necessa-1 ^r- Laurentino urna das vctimas da Invaso
mente outra lei anterior que nao conslitucio- ParaS<"ya-
Tomado de surpreza, emgrou apressadamente,
ores, que breve recebero o justo castigo de sua
ousadia.
as noticias que transmitamos aos nossos leito-
res no nosso jornal de 23, vindas pelo vapor Im-
perador, de Montevideo, dssemos achar-se o ge-
neral Flores' cora as torgas ainadas sob sea cora-
mando no passo dos Itera, povoaclo esta que 0-
ca era frente ruguayana, e que esperava-se em
Montevideo at o dia 24, resultados importantes de
um grande feilo de armas.
Nao nos engaamos quando isso noticiamos por
quanto cima dssemos, o vapor de Pelotas hontem
chegado nos trouxe a communiegao desse deseja-
do feito que, apezar de nao ser ella offlcal, enten-
demos da-la aos nossos leitores, porque a jolgamos
digna de f.
Referem as cartas recebidas da campanha, em
Pelotas, que depois da janecao das forgas de Pau-
nero s do general Flores, raarchou este sobre as
forgas paraguayas que se achavam do oulro lado
do Uruguay em numero de 4,000 homens, e que
no dia 13 do corrente s derrotaram completa-
mente, fleando no campo da batalha um numero
extraordinario de morios e ferdos, pos que o fa-
natismo desses barbaros levava-os a tal extremo
que proferan) deixar-se morrer do que se entre-
garen) ao inimigo.o que foi confirmado por um te-
nenie paraguayo que flcou prisionero, que decla-
rou que Lpez ao saber que elle eslava preso tra-
tara de prender sua familia e que Ihe confiscara
seus bens.
Esta victoria alcanzada pelas forjas alliadas
do outro lado do Uruguay, trara' eomsigo a com-
pleta derrota das forgas paraguayas que se acham
deste lado da provincia ; assim o entendemos e
esperamos.
Em additaraento s noticias que bontem demos
sobre os ltimos successos que lveram lugar do
outro lado do Uruguay, aposentarnos hoje a in-
tegra de urna carta que um respeitavel negociante
desta praga nos confiou, e que receben de Pelotas;
por ellas vero os nossos leitores que se vai confir-
mando a derrota que solfreram no dia 13 do cor-
rente as forjas paraguayas alm do Uruguay, bem
como que as bordas invasoras nao enlraram to
francamente na ruguayana, e que a" nltima hora
ieavam essas forcas inimigas completamente sitia-
das pelas nossas forgas ao mando dos generaes
Canavarro e barao de Jacuhy, de onde nao po-
dero dar mais um passo, sendo muto de suppr
que a esta hora ja' tenham sido completamente
derrotadas. Eis o contedo da carta a qoe nos
referimos, e que nos merece inleira confianga.
Pelotas, 24 de agosto de 1863.Um propro che-
gado hontem, sahido do acampamento da !. div-
s5o ligeira do brigadeiro Canabarro a Fernandes e
Garca, d a seguinle noticia :
E' fado e verdico que os paraguayos enlraram
na ruguayana, no dia 3 a' urna hora da tarde
debaxo de continuas guerrilhas. As forgas de
Canabarro nao os poderam atacar por ser todo ca-
vallara.
A soldadesca chegava a ama casa, peda o qoe
Ihe pareca e retlrava-se sem pagar.
Isto dava-se com os qae estavam presentes;
quanto s casas dos ausentes, foram ellas comple-
tamente roubadas, sem dstiocgo de naeionallda
de, cousa que nao existe par essa horda de bar-
baros.
No primeiro dia degollaran) a um Fuao Jardlm
(portugoez), que V. conhece.
Depois assassinaram a um velbo paraguayo, lon-
co, que andava em Ilaqni. Estes dous cadveres
foram postos era exposico publica, e depois atira-
dos ao Uruguay.
A raaior parte dos paraguayos nao entende o
hespanhol, prestando s alguma attengo
Os jogadores da bolsa a vista da prohibieo im-
posta aos telegraphos inventaran) ama linguagem
de convenci para se corresponderem sem causar
suspeitas.
Um delles por exemplo raandava de Pars dizer
pelo telegrapho ao seu correspondente em Lyon:
Leontina mals doente, desmaiou hoje daas
veies ; consultei Nelaton : torna-se necessarlas a
amputagao.
Leontina era a renda franceza de 3 por cento.
Os desmaios significavam que havia descido.
Nelaton era o Rotschlld.
Amputagao necessaria devia entender-se : venda
os fundos que tiver, mesmo com prejuizo.
A' forga de ouvir fallar em Leontina, que todos
a quera 0s dias precisava ou nao de amputagSes, e que ora
Entre elles vemum clrigogorducho, mproJ^^^^*!?*" saspeitas'e Pro-
doe malvado jesuita; segundo o que se observa, J.' 'gammas a respeito de
elle quem ludo ordena. i r .
Ora, navia um negociante euja esposa se cha-
mava verdadeiramente Leontina, e que quiz dar
noticias della a um cunhado que resida em Mar-
selha.
E' um typo de bomem abominavel. Com o sea
constme riso falso e suas palavras macias o
maior birbante conhecido, o que se apropriou da
malor parte dos roubos, e o que ordenou todos os
assassinatos.
Sera' feliz nestas povoagoes o que escapar com
Dirigio-se o homem ao telegrapho, expoz o seu
desejo e imaginera como ficaria quando um empre-
vida de entre essa multidao de barbaros. Sao todos gado ,he re8Puae
desconfiados e selvageas. I Conhecemos muito bem a sua Leontina : j
Esquecla-medlzer-lhe que a' sabida desses ho- nos logrou, mas nao torna a apanhar-nos Ha de
mens de Itaqul, lindara presos a um lago o francez arroina-lo como tem arruinado a muita gente Des-
Abadia e umirmao de Laiz Arrica, porque em ca- confie della pode leva-lo mais longe do que o se
sa do primeiro, onde se achava o segundo, resist- nbor qur. Alm dsso, temos ordem para nao*
ram aos paraguayos que abi saqueavam, ficando transmittir telegramma nenhnm a respeito dessa
morto um destes. boa pega.
O coronel paraguayo disse que nao cumpria pa- O negociante, furioso por ver tratar assira a es-
ra com elles as ordens que trazia, pois que Ihe f- Posa, protestava com energa contra taes dlffama-
ra recommendado que arrazasse o territorio bra- 5oes acabou atirando-se ao empregado.
sileiro, degollando direila e esqaerda. Ja' sa-
bemos e sabe todo o mando com que tem de ha-
ve r-se.
A cusi os separaran) e s depois de muitas ex-
plicagSes se deslindou o caso e consegnio o pobre
homem convencer os empregados de que a sua
Leontina nada tinha com o jogo de fundos.
O dito totalmente real.
Em Itaqui diziara os paraguayos: esta povoagao
muto pobre I em S. Borja, sim, que era linde,
porque hava maito qae roabar.
^H 4 ceo sujeilo, lonvando muto o asseio de um
Deste ultimo ponto nada sabemos do que se ha prente seu, dizia na forga do enthasiasmo :
passado ; porm deve ser horroroso.
Flores, Goyo Soares, Paunero, Fidelis e ura
contingente do nosso exercito central reaniram
13 mil e tantos homens no dia 12, e no dia 13 der-
rotaram completamente a ala direita da diviso es-
querda paraguaya composta de 4 mil homens mais
ou meno=, isto ura pouco cima do Povo dos Livres
na margem do Uruguay.
Os paraguayos que ficaram na ruguayana
Vm com estas tribus alguns orientaes blancos,
que, apezar do que sao, envergonham-se de taes
companheiros. Em gerl s) offlciaes; nao pas-
sam de oito, e soguem como cartas .fra do bara-
Iho, esperando chegar ao seu paiz para ento re-
presentaren) papel mais brilbante.
-i > a t
DI PODCO DE TOO.
A estago de ura dos caminbos de ferro de
Francfort foi ha pouco o theatro de um acto de
jastiga, levado a acabo por um marido duplamente
roubado.
Era tanto o seu desejo de andar sempre moi-
to limpo, que algumas vezes Ihe succedea vender
j a nica camisa que tinha para comprar sabo com
que a deixasse mais branca do que a nev.
nal, e esta porconseguinte so acha em sea inteiro
vigor, quando declara expressamente a quem com
pete approvar compromissos, sogue-se que estes
fieam excluidos da generadade do art. 10 do acto
addicional, que nelles nao falla espe'-lalmente.
Si porm se entende, como pensa o governo, que
a competencia de legislar sobre associai-Ses religio-
sas abrange os compromissos, ser lgico concluir
que a competencia as provincias exclusiva das
respetivas assemblas cora a sanecao dos presi-
dentes.
Como si quizesse evitar a difflculdade qae Ibe
olT;reca o acto addicional, o governo de certo mo-
do declinou de sua competencia havendo
vincial que a contrari.
Mis nao urna lei da assembla provincial que
pede dar ou tirar attrbaigSes a esta on ao go-
verno.
A orlgem da faculdade devemos nos busca-la no
acto addicional, cuja execucao no caso de que se
trata nao esta dependente de urna le provincial
qae eslabeleca regras para a approvagao dos com-
promissos. Nem o governo tem similhante lei,
nem ella existe as provincias. Dantes o poder
central decretava os compromissos. Agora as as-
semblas provinciaes Icgislam approvaudo-os com
a sanego dos presidentes. E' isto o que se tem
feilo; correado entretanto a obrigagao de se evita-
ren) nesses actos qualquer disposlgaeque v de en-
cotro aos preceitos legaes.
Mas o fundamento em que assenta a faculdade
de decretar comproraissos : esta a questo)
acha-se na disposigo do acto addicional, disposi-
go geral preexistente qualquer outra disposigo
provincial que podesse estabelecer formulas e con-
digoes accidentaos. O raeo de exercer essa facul-
dade consiste simplesraente em approvar ou nao
os compromissos.
E fcil comprehender a anarchla que podra
resultar, si o governo, fundado na lei de 22 de
setembro, decretasse por seu turno compromissos
para as provincias, e as assemblas legislando os
approvasse ou nao, igaorando, talvez, qualquer
dessas entidades que a sua jursdiego eslava
prerenfa em certos casos.
Do exposto concluimos qae o aviso de 1833
antinmico com acto addicional e com o aviso an-
terior. Nem essa antinomia a nica que se no-
ta nos actos do governo, que ja se tem visto na
necessidade de reconsiderar decisSes encontradas,
j.'jvogando urna deltas.
Scb censura.
Recife, 18 de setembro de 1865.
J. B. da C. F. Jnior.
Um bora burguez d'aquella cidade livre, ao sa-
ber que a sua cara metade tinha abandonado alia
sordina, o domicilio conjugal depois de fazer ama
apanha de todas as notas do banco de sea esposo,
suspeitou logo, gragas a sua perspicacia, que a sua
inconstante metade tinha um eompanbeiro de via-
gem.
Corren por tanto a estagSo do caminho de ferro
onde leve a fortuna de sorprender sua mulher
no momento d'ella comprar o bilbete que devia fa-
vorecer a sua evasao.
Ootro qualquer houvera enfiado de colera vista
da infiel; mas o cidado de Francfort aproximou-
se lentamente de sna mulher com a gravidade de
senador e pedio-lhe com bons modos que Ibe resti-
tusse as notas do banco que por engao ou dis-
tracgSo havia levado.
Confusa e consternada, a pobresinba da mulher
obedeceu sera proferir palavra.
Dirgindo-se em seguida ao cavalheiro servente
da fugitiva:
Ah tendes, senhor, disse o marido ultrajado, o
seu a seu dono.
E assentou ao seu feliz rival um vigoroso par de
bofetadas.
Agora, boa viagem I accrescentou o habitante
de Francfort, retirndose com toda a tranqollida-
de de um hornera que acaba de praticar urna boa
aego.
Anda bem nao tinha entrado em casa o nosso
homem, qne se Ihe apresentou porta sua infiel
esposa implorando o seu perdo e prometiendo para
o futuro urna dedicagao a toda a prova.
O marido porm foi um julz implacavel, negou o
implorado perdao e, como a culpada continuasse
reduzido esse e outros brasilems, qoe, como o na ra a chorar, atirou Ibe em guisa de balsamo para
iei pro- Sr Laurentino, comem hoje
nao tendo lempo seno para escapar-se cora sete
Olhinhos e a senoora, bastante adiantada em gra-
videz.
Sera recursos, e a merc da sorie, o Sr. Lauren-
tino com a coragem da desesperagao, atraves-
sou com sua familia, essa longa e penosa es-
trada, soccorrendo-se da philantropia dos mora-
dores.
Foi urna triste jornada essa, em que gragas
a' fortaleza de animo da victima, poude ella ver o
termo.
Lamentamos de coragao, o estado a que se v
ins, qne, com
o negro pao da des-
Eis um novo modo de conjugar o verboamar :
Coro de adolescentes ( maestro ).Eu amo, tu
amas, elle ama, nos amamos, vos amis; todos
amam.
COro de criangas ( meia voz ).-Eu amarei,
tu amars, ella amar, nos amaremos, vos ama.
res; todos amaro.
Duas feias (daetto).Nos houveramos, have-
riamos ou houvessemos amado I
Aria da elegante (dirgindo-se s suas victimes
com tom imperativo ).Ama tu I Ama! vos I
Romanza do poeta ( o vate mette os dedos pelos
cabellos).Eu amava III
Anciao antes de se deitar.Eu ame! III
Urna bailarina ( pensando em um banqueiro ).
Eu amara, amara I
Dous noivos ( caminhando para o altar).Nos
havamos amado.
Urna mulher formosissima poneos momentos an-
tes de morrer.Haveria eu amado f
Um rapaz (de joelbos aos ps da criada grave).
Mulher amada, tem compaixode miro.
Um velbo crianga ( arruinando-se por urna mo-
dista ).Serei eu amado ?
Urna leitora de romances.Se eu fosse amada
assim MI
Urna lorette.Eu tena sido amada ?
O autor pensativo.Amar I ser amado f
seu coragao dilacerado, o conleudo de certo reci-
piente de que geralmente se faz um uso mais dis-
creto.
graga.
O cnsul argentino em Itaqui D. Pablo Rgal,
tendo fgido quando all entraran) os paraguayos,' Este banho produzio logo o seu effeito.
havn ja' chegado a Buenos-Ayres. A infeliz comprehendeu qoe urna indigoagao que
Sua casa em Itaqui foi saqueada pelos vndalos (se manifestava de um modo to formal e insultan-
do Lopes, sendo a bandeira e escudo arrancados e te mal poderia acalmar, e abandooou a idea de
LiTTERATBRA.
THEATRO DA GUERRA.
A confianga diz o Commercial, qae at hoje te-
mos depositado nos chefes de nossas fargas, nos
fazia crer, que, se at agora nao haviam batido os
barbaros invasores desta bella provincia, razoes
naveriam para um tal proeedimento.
O vapor que hontem ebegou de Pelotas veio con-
firmar esse nosso modo de pensar, porqnanto foi
portador de ama boa e importante nova, que,
se, todava nao foi anda orna victoria completa
para nossas armas, comtudo, desse feito de armas
se seguir sem duvida o aniqoilamento dos lava-
quebrados.
Publicamos os pormenores que conlm urna car-
ta particular de pessoa de crdito, sobre os factos
deploraveis com que os invasores asslgnalaram a
sua passagem por Itaqui.
Chamamos a atlengo nao smente para os factos
de crueldade inaudita perpetrados pelos barbaros, | fess0r Verrier chamou
mas tambera para as violencias s pessoas e pro
transpor novamente o limnar da casa, onde tinha
vivido por espago de qainze anno3.
No observatorio imperial de Pars celebrou-se
recentemente a sesso mensal, e nella o sabio pro-
a attengo dos circumstan-
tes fazendo a descripcao do planeta Saturno, um
SSfjIl-lST P3C qU6 residiam los astros mais curiosos do nosso syslema plane-
tario.
naquella povoagao.
Portoguezes, francezes e hespanhes foram roc-
hados e assassnados pelos esbirros de Lpez.
Os agentes estrangeiros devem tomar destes fac-
tos que acham-se confirmados em todas as cartas,
e dos quaes nao j licito duvidar.
Saturno oceupa hoje no espago a mesma posigao
que tinha quando o descobriram os Chaldeos, 228
annos antes de Jess Christo.
A distancia media de Saturno at ao sol de le
cuas 364,000,000 : este planeta opera a sua revolu-
JA7ZZ>Tel< PeaiT, mTen?-5eS I"9 cao em redor do astro luminoso, nao no espago de
nao, neces taraos. Mas a justa reclaraagao a que um anoo como te mas J mwaV?u,
tantas violencias dao lugar, ao passo que servir aas.
para proteger a vida e propriedade dos estrangei-1 .-,._.. ... .
ros, victimas da barbaria paraguaya, contribuir A l0Dg"ade ,olal d0 caminh(> P*"* le
2,287,500,000 leguas.
O planeta move-se com ama eeleridade de 8858
para deixar bem patente o carcter da lata, dando
o sea papel verdadeiro as bordas selvagnens qae'
emprehenderam a guerra contra todos os paizes egaas por a'
viziohos. Saturno nove vezes maior do que a trra.
ais a correspondencia que nos chegoa do Alto- Mede ama superficie de 40 milhoes de kilome-
Uruguay, e a que nos referimos, diz a Nacin Ar. tros quadrados ; o seu volunte de 666 milbeiros
gentina : de kilmetros cbicos.
O exercito paraguayo em Itaqui commetteu toda E'sabido 1ue Saturno est rodeado de um an-
a casta de desordens. neI> ou Para 'aliar com mais exactido, de tres au-
nis concntricos.
A largura do annel exterior de 3678 leguas.
O espago que o separa do segundo mede 792 le-
guas.
O segundo annel tem a largura de 7388 leguas,
A' sua chegada, apresentaram-se os estrangeiros
pedindo ao chefe inmigo proteegao para as suas
pessoas e interesses.
O tal coronel, chefe daquellas forgas e ura cleri-,
go que o dirige respouderam-lhes que elles occal-' e
tvam em suas casas fazendas de brasileiros e pro- En,re p|ine,a g Q mm anne, Qa um jmer
fugas, e quelhesordenavaqueapresentassemquan- vallo de 5165 leguas,
A espessura dos anneis avalia-se em 100 le-
guas
to tivessem, sob pena de perda de vida, dizendo-lbes
que para matar nao gastava elle plvora e bala, qne
o fazia faca e chuco. Foram estas as suas pa-
lavras.
segundo as observagSes de Herschell o triplo
annel gira sobre si mesmo em pouco mals de dez
horas.
Era presenga de taes barbaros, e a' vista disto,
confessou cada ura o que tinha dos outros.
Sergio goardava fazendas de Crolx (francez); Aos empregados dos telegraphos francezes pro-
para logo foram ellas tomadas. Passaram-se de- bibido expedir certos telegrammas, por meio dos
pois casa de Lacroix e saqoearam-a, rasgando e quaes se podiam fazer operagSes de bolsa distan-
pisando a bandeira franceza, e segniram deitando ca, e conforme os movimentos dos fondos em
abaixo todas as portas das casas qae estavam fe- Pars,
cbadas, roubando discrlgSo. Tamben sabido qae o. jogo de fondos, se tem
Para isto tinbam antes dado ordem de abrirem- dado fortunas colossaes a amitos, tem arruinado j manda fazer ios outros o qne nos nao quereriamos
O Diario do Rio publica o seguinte :
OS FUNDOS SECRETOS.
Por occasiao de discutir o corpo legislativo fran-
cez o orgamenlo geral trat^u-se dos fundos se-
cretos.
O eloquente deputado de Pars Fugenio Pelletan
proferio sobre tal assumpto um breve discurso,
to notavel pela argumentagao como picante na
phrase e na intengo.
Julgamos curiosas e mesmo rauito aproveitaves
para a Brasil, as observacoes do illuare autor de
tantos livros em que a sociedade moderna deveria
aprender a lr.
Disse elle :
Todos dos temos procurado, e da raelhor boa f,
os inconvenientes do orgamento. O dinheiro nao
temopniao; perdemais hbil para te-la, e,
quando mesmo a tivesse nao a dira para nao com-
prometter-se.
Infelizmente, depois de examinar ama a urna to-
das as verbas do gigantesco orgamento de 2 bi-
llioes, e 300 milhoes, nao chegamos a concordar
em urna s redcelo, porquanlo nao considero a
rejeigaodo crdito para a caza dos crrelos como
urna reduegao- de despeza. Fago por deraais jus-
tiga ao genio fecundo do Sr. Prefeto do Sena para
acreditar que de semelhante volago resalte ama
economa.
Venho offerecervos neste momento uro econo-
ma, com quanto- modesta, verdade: o ebolo da
viuva : mas a rainha economa agradar ar moral,
e por sem duvida a cmara nao poderla votar em
melhor compannia,
Proponho ama redaego oos fundos secretos'
nao urna supressao. Devo declarar que sou timi
do a tal respeito : se desse apenas ouvidos rai-
nha convinecao pedira a snppresso complet dos
fundos secretos. Igual medida acaba de votar a
cmara dos deputados da Austria, que nem por
isso julgou comproraetter a salvago do imperio.
Para que serven) os fundos secretos ? Que ho-
mens e que servigos devem ser pagos com esses
fundos ? Se en fizesse directamente ao Sr. minis-
tro de estado esta pergnnta, S. Exc. por certo me
respondera que sou por demais curioso, e que os
fundoe secretos, por isso que sao secretos, devem
guardar o incgnito.
Permitta-me porm S. Exc. tomar o sea lugar
por um momento apenas, responder em seu nome.
Possa esta resposta ter o dom ministerial de per-
suadir a cmara I (risadas)
Que horneas e que servigos devem ser pagos
com esses fundos 1 Os homens sao bem eonheci-
dos : os servigos sao taes que, nem os que os pres-
tan*, e nem os que os aprovetam tem direito de
confessa-lo 1 Desconfiase que nm homem conspi-
ra : dizem-llie : < E's um conspirador, poderia
pnnir-te : preflro recompensar te, ecom ama s dade legal marcada pe|o codjgo pena,
condigo, que conspirars por nossa cont : has
de revelar-nos o nome dos teas cumplices e o se-
gredo das suas deliberagoes. Aqu teas am saque
sobre os fondos secretos.
Ura escriptor tem talento : faz opposigao ao go-
verno ( muitas vezes o defeito do talento) : man-
dam-no chamar n'om momento de melancola e de
necessidade (risadas), e dizem-lbe : O governo
tem nm mrito de coja existencia nem se quer
saspeitas, tem um orgamento anonymo. Pensa de
ootro modo e poders jantar, mais do que isso, Jan-
lar muito bem a' cusa desse orgamenlo.
Eu pergonto a cmara : E" boa a moral qae
recebe tmbem devem sojar a mi que os da' :
em todo o caso sao nm attestado oficial a' biixeza
de carcter, aviltam ara pove I Sabem qaal o no.
mera qoe mais deve desprezar os seus semelhan-
tes I E' o qoe paga os fondos secretos. Aconse-
jando vos que fechis a cloaca para reconciliar
esse bomem com a bomanidade. Se a minha con-
scencia podesse admettr urna lista civil da cor-
ropgao.....
O Sr. Garnier de Cassagnac : Nio se compra
sen3o os que se querem vender, e nao creo que
os escriptores da opposigao aceftem o papel que
Ihes disiribue.
O Sr. Eugenio Polletan : Sr. Garnier de Cas-
sagnac, nao trato de personalidades....
Se a minha conscienca podesse admittir ama
lista civil da corrupgo, eu talvez a admeltisse em
lempos da lberdade. (loterropgo.)
O Sr. Presidente Schneider : -Sera esse nm tris-
te resultado da-lberdade.
O Sr. Garnier de Cassagnac : Quando Danton
era ministro da justiga, pedio 30 milhoes para os
fundos secretos (ruido).
O Sr. Pelletan : Eu disse talvez, e vou dizer
porque. Em tempos de liberdade pdese dizer
sempre : a Temos inmigos, adversarios acastella-
dos na liberdade como em urna cdadella, de onde
podem sempre atacar-no3 fcilmente. Reunem-se
e nao os podemos impedir, existe o direito de
reuniao ; associam-se, o direito de associagao
existe ; armam-se, a liberdade individual existe
e devenios respeila-la. (Exclamagoes). E' pois pre-
ciso que o governo tenha em todos os contribua-
les agentes de polica dsfargados em conspirado
res.
Eis o argumento continuamente invocado em
favor dos rundos secretos no reioado de Luiz Fe-
lippe.
E, ja qoe citei o governo de Luiz Felippe per-
mita-se-me fallar do passado. O passado nao om
espectro do qoal devamos affastar os olhos. O pas-
sado a ligao do presente ; a historia a mestra
da poltica. Renunciar as suas ligues seria nao s
amesquinhar mas annollar completamente a dis-
cusso. (Applausos.)
Pois bem 1 depois da revolugo de fevereiro po-
demos saber qoal era o emprego dos fundos secre-
tos no tempo de Luiz Felippe. Abno-se o antro de
Cacus, perde-se-me a expresso, e lemos o livro
vermelho da monarchia de Julbo. Vimos que o
governo tinha urna orelha e nm p em todas as so-
ciedades secretas; tinha por toda a parte conspi-
radores benemritos por elle estipendiados. Nao
cuslava isso muito ao orgamento, porque a infamia
nao cnsta moito caro ; mercadura que se vende
sempre com rebate.
Nao fosse a decessdade de comprar ospioes as
sociedades secretas, poder-se-hia ter reduzido o
crdito de nove decimos : os governos porm tem
todos a mesma fraqueza, querem applaosos, e,
quando nao sao bastante applaudidos drigem-se ao
caixa dos fundos secretos para obterem ura snp
plemento de admirago. (Applausos.)
E' por isso que havia outr'ora no ministerio do
interior nma reparligJo do espirito publico, espe-
cie de batalho de deposito em que os escriptores
exercitavam-se na admirago disciplinar do gover-
no. (Risadas.) Depois mandavam-se alguns para
os departamentos, afim de propagaren) o espirito
do governo : os mais habis eram conservados
em Paris para responderem as folhas da opposi.
gao
Interpelados a tal respeito os ministros de Laiz
Felippe, respondan) sempre que os fundos secre-
tos eram um seguro contra os perigos da liberdade
Altacam-nos, diziam ;elles, precisamos defender."
nos : para isso tomamos talentos a' opposigao para
emprega-los contra a mesma opposigao, do mesmo
modo porque se volta contra o inmigo a arlilharia
que se Ihe toma.
Era isso injuriar a lberdade. A liberdade nao
carece de alijados semelhantes, pode defender-se e
defender a sociedade sem recorrer a estes vergo-
nhosos meios.
E por ventura nao desarma a liberdade as fac-
goes ? Nao preferirlo os cidados de um povo li-
vre appeilar para o jogo pacifico das inslituiges
do que para os azares sngrenlos das revoltas ? A
historia esta' neste ponto de accordo cora a theoria.
Vede a Irlanda : emqaanto a comprimirn) agi
lava-se ; livre hoje esta' tranquilla. (Movimento
diversos.) Olhai para a America : commettera o
erro grave de conservar a escravido as snas ins-
tituigoes, ora toda a liberdade que se empraza,
empraza tambera as tempestades I
E podera' convir ao governo actual o argumen-
to lirado dos perigos da liberdade ? Qual a liber-
dade qoe receiaes oo queris conter 1
A liberdade da impreosa ? Que feito della ?
Parti para Constanlioopla I (exclamagoes.) A li-
berdade de reunlao, mesmo eleitoral, mesmo por
tempo determinado ? Perguntai a polica onde pa-
ra f A liberdade de associagao, mesmo moment-
nea, mesmo para fins eleiloraes ? Quando fallo
nisto tenho vontade de sentar-me r (risadas.) Nao
precisara pois de fundos secretos para combater
as sorprezas da liberdade, alera de que inventaran!
a lei de seguranga geral. (Reciamages.)
Quero fallar dessa le, e juigo tanto mais neces-
saro faze-lo quanto o publico julga essa Iei aboli-
da. E' engao manifest. O que- foi abolido foi a
consecuencia legal da transportado administra-
tiva : mas a le esl sempre em p. Essa lei cra
e pune um dilito novo, o de passos e actos, quer no
interior, quer no exterior, qoe eiciten odios e des-
preso contra o governo.
Nio- foi contra os diltos da imprensa que se fez
esta lei; serialuxo : nio foi contra os gritos sedi-
ciosos das ras, temos o cdigo penal, e os magis-
trados declaram sediciosa at a palavraliberdade.
Trat-se de palavras proferida em casas publicas?
Mas podis fechar o botequim ou casa onde taes
palavras se proferissem : isso baslava a transfor-
mar os propnetarios desses estbeleciraentos em
censores dos seus reguezes. Onde est pos o di-
lito novo 1 Nai cartas particulares I
Disseram eomsigo : Desde qoe se redoziram os
portes, asearlas ecorrespondencias multiplicaran);
val nisso opposigao encapada; cumpre dete-la na
passagem e pun-la. E' contra isso qno se faz a
lei.
Agentes da polica apprebenderam cartas no cor
reio... (interropgo.)
O Sr. Rouher, ministro de estado:E' am erro.
O Sr. Pelletan :E* exacto, eu o afflrmo.
O Sr. Rouher:Eu afflrmo o contrario.
O Sr. Pellentan :Apprebenderam-se cartas no
correio.
O Sr. Rouher :Foram magistrados com facul-
oovlr o governo renegar a revolagao, como am par-
vena renega a sua mi ?
Razo tem am jornal da Madeira, dizendo qae o
peor castigo qoe urna mulher pode receber da pro-
videncia nascer no celeste imperio, que, para o
sexo feminino, mais infernal do qoe celeste.
Para prova basta citar a lei fundamental chineza,
que diz assim :
A mulher nasceu para obedecer e
mandar.
nio para
Como filba deve obedecer a sens pais.
Como espoa, deve submeller-se i vontade de
seu marido.
Viuva e mi, tem por chefe sea filbo mais ve-
lbo.
Em cinco casos prohibe o cdigo s molieres
contrahirem matrimonio :
i. Se pertencem a familias de costuraos repre-
hensiveis.
2. Se pertencem a familias de rebeldes.
3. Se tem havido em suas familias pessoas que
tenham so (Trido pena capital.
4. Se existem em suas familias enfermidades
originarias.
5.- Se Ihes tem morrido o irmao mais velho.
Era sete casos pode o marido repodlar a mulher.
! Se ella nao obedece aos pais de seo esposo.
2. Se estril.
3.a Se tem mo comporlamento.
4. Se tem enfermidade incuravel.
3. Se zelosa.
Desta clausula peccam todas as mnlberes ; e nao
nos admira, por isso que na China todos os borneas
repudiassem as suas metades.
6. Se ladra.
7. .e falla muito I
Este caso ainda peor que o quinto f
Al agora tinham apparecido navios de todas as
dimensoes, navios encouragados, navios insubmer-
siveis, embarcagoes do taraanho de ama mo,
monstros gigantescos como o Great Eastern mas
tudo nao era nada.
Apparece agora um navio qoe tem exactamente
a forma de um charuto, o que devera' lisongeaj
conslderavelmente os fumadores, e como boje qua-
si dodo o mundo fuma, pode-se tambem dizer que
essa innovagao martima nao dexara' de prender a
attengo de todo o mundo,
So as molheres encolheram os hombros.
E' o biate construido para um rice americano, e
que talvez em outubro possa cortar os mares.
E' de ferro em laminas.
Nao ha nada mais exquisito do que o casco des.
se navio.
Imagine-se um navio de comprimento immenso,
agugado as duas ponas, parecendo no mar qae
nao tem mais corpo do que ama agulha, e ter-se-ha
urna ideia quasi exacta do novo biate ; e ajuntan-
do-se a isto a forga das soas macbinas (2,500 ca-
vallos), deve-se esperar qoe corra com ama rapi-
dez phenomenal.
As machinas forraam tres cylindros de alt pres-
so; p5e em movimeDto urna arvore motora que
se estende ao comprido da qoilha e tem orna hli-
ce era cada extremidade do navio.
Estas hlices devem ser de qoatro ps mais em
dimetro do qoe o maior dimetro do navio, isto
20 ps; cada urna tem oito peonas, porque n2o de-
vendo as extremidades do ltate mergulhar mais
do que um p, quatro peonas de cada hlice esta-
ro necessariaraente fra de agua em quanto a ar *
vore executar o seu movimento de rotago.
As caldeiras sao, como todo o mais do navio,
construidas por um systema inteiramente novo.
O comprimento total do hiate de 256 ps, e o
seu maior dimetro, isto no centro, tem 16 ps ;
portanto o comprimento 16 vezes maior do que
a largura.
Os navios ordinarios sao lidos por estreilos quan-
do a sua largura a stima parte do comprimento.
Mas como se fumara' este cbaroto nutico T
E' claro que esta a pergunta que faro os fu-
madores.
Ora, nao acontece s vezes romper-se um charu-
to pelo meio, e deixar sahir o fumo para a direita
e para a esquerda ?
Pois assim quo o navio funecionara'.
Pode ser que esta excentricidade americana nao
seja tao despropositada como parece a' primeira
vista.
Este hiate, no dizer dos homens do mar que Ihe
tem examinado a construego, deve ser um excel-
lenle papa-milhas.
^.
L-se no Paiz, folha que se comegoa a publicar
era S. Paulo, o seguinte :
A cultura do algodao comega a ser orna realida-
de na provincia; os dados esttisticos eonfirmam
todas as nossas especlativas.
O sul da provincia exportoo no mez de jolho
3,920 arrobas.
Ora todos sabemos qoe a exportgao poda come-
gar desde o mez de maio, e podera' cootinoar ain-
da por alguns mezes, alm disso, as tropas este
anuo tem trabalhado menos : por conseguate,
de esperar que a produego suba a' om numero
avallado de mil arrobas.
Um viajante perguntou a um roeeiro, a quem en-
controu em urna estrada de S. Paulo, se nao tinha
medo do recrutamento.
Ora, respondeu o roeeiro, Deus grande e o
mato maior I
se as casas; assim, todo fot saqueado.
mil outros.
O Sr. Pelletan :-Fo em virtude de ordens da-
das por commissarlos de polica. Hoove duas con-
demnagoes por cartas appreheodidas no correio ;
ama dessas cartas era dirigida ao Sr. Ledro Lollln
em quem o condemnado, disse-se, bascava inspi-
rar odio e despreso contra o governo actual, o que
provavelmente nao era absolutamente necessario I
E jolgais isso digno do dcimo nono seclo, e de
urna sociedade como a sociedade fraoceza ? Eu
bem sei que o Sr. ministro vai responder-me com
a palavra revolagao I Vai pendorar ao pello a
cabega de Medusa para nos obrigar a recuar hor-
rorisados. (Risadas, reclamagSes.)
Seremos pois obrigados sempre, e por este pon
o grande poeta Lamartine langou no seo Curso
familiar de litteratura a seguinje raaldigo ao sea
paiz :
Nonca perdoarei ao meu paix o ter-me obrlgado
com a dureza do seu coragao a vender, chorando
sobre as suas crinas, o meu oltimo cavado de mon-
tar, alimentado, criado, e adestrado pela minha
mo, para pagar com um punbado de ooro sacri-
lego a meas olhos, urna divida qoe teria, preferido
satisfazer com algumas ongas do meo sangue.
Paiz de shiloks, qoe deixais veuder a c'arue do
homem, caiam sobre ti as maldiges dos que amam
a natureza animal.
i fuer T Se os fondos secretos nodoam.a mo que os to que termino, seremos pois obrigados sempre a
Qaando vejo esse qoerido e nobre animal passar
por acaso sob o seo desconhecido possnidor pela
alameda dos Campos Elysios, volto a cara para o
ootro lado e perco a edr, e se me pergnntam qae
tenbo, respondo : qoe o qae tenho ?
Que vi passar ora pedago do mea coragio arran-
cado do peito.
Maldita seja a Frauga, qoe parara intelra para
arrancar urna espinha do p descaigo de am tran-
seaate, e qae nao deixarla de caminhar para ar-
rancar a espioha moral do coragao de nm homem
sensivel castigado por ter amado em demasa I
E tu tambem, Franga, sers castigada ; presin-
to-o, e a hora approxima-se ; sers porm castiga-
da por teres aperlado o leo coragio como eu o son
por ter alargado o mea exoessivameate,
ERNAMBUCQ^r Ti?. M X. F. DE F. 4 FILBO




-

jm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBQH4KCV0_NZZ1BG INGEST_TIME 2013-08-28T02:49:59Z PACKAGE AA00011611_10772
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES