Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10764


This item is only available as the following downloads:


Full Text

^

AHIfO III HOMERO 207
Pr qnartel pago dentro de 10 das do 1. mz : t
dem depo/s dos 1.' 10 das do cooiecoe dentro do qnartel. ,
Porte ao correio por tres aiezes
SEGUNDA FEIRA 11 DE SETEMBRO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das do 1. mez .
Porte ao correio por um anno
. 19|00e
3|000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO NORTE
Parnhyba, o *r. Antonio Alexndrino de Lima;
Nat.il, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaiy, o
Sr. A. tfe Leaos Braga; Ceari, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; M:mnh.o, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Pura, os Sr*. Gemido Antonio Al ves &
Filitos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Gusta.
EXCARREGADOS DA SUBSCRIPGAO DO SL.
Alago.as, o Sr. Claudino Faleo Ufas; Baha, o
Sr. los Martina Alvos; liio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olioda, Cabo, Escada e estacSes da va frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezsrros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Batane, S. Rento. Rom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pud'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio eEx, as quartas
feiras.
Serinhaem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
I AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Heladio : tercas e sbados s tO horas.
Pateada : quintas as 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda.vara do civel: quarias e sabbades a 1
bora da tarde.
EPHEMEUIDES DO MEZ DE SETEMRRO.
S La cbeia as 11 h., 32 m. e 16 s. da m.
12 Quarto nung. as 2 h., 37 m. e 52 s. da m.
19 La nova as 8 h., -ir. m. e 10 s. da t.
28 Quarto cresc. aos 27 m. e 10 s. da m.
DAS DA SEMANA.
11. Segunda S. Theodora penitente.
12. Terca. S. Macrobio in.; S. Liborio m
13. guara. S. Aula v.; S. Heronides m.
14. Quima. S. Materno b.; S. Salu-lia v.
15. Sexta. Ss. Nicomedes e Meletino mm
16. Sainado. Ss. Cornello e Cypriano mm
17. Domingo. S. Pedro de Arbues m s. Justino ra
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9 horas e 18 m. da manha.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Alapoas a 14 e 30; para o norte
ala a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, malo,
julho, seteinliro e novembro.
ASSIGNA-SE
noRecife, nalivraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Paria & Filho.
PAIT FFIGIAL
gra a consequencia da miseria e da exeesso de po-
pulagao, no^venham oceupar o lugar dos que ora
exisi. m, ou ajuda-los em seus fataes elTeito?.
Mas, emquanto os directores da sociedade insti-
garem ao crime com exemplos, seducgSes e vio-
lencias ; em quanio a lei for nada e o capricho do
poteDtadoe da autoridade tudo ; emquanto, em vez
de inflexivel e igual para todo?, for simples mani-
vela para favores ou perseguigoi'S, para punir em
unso que premia em outros, os crimes abundarao
c sao dalles causadores os agentes da autoridade,
e os seus directores ou cabos.
A exagerago dos partidos, suas doutrinas e pra-
ticas perniciosas, vera ainda debilitar a lei, dar
nova forga quelles inimigos da seguranca, e sys-
tematisar sua acgo malelica.
O partido domina ludo, tudo ahsorve, o ludo re-
gula.
Em 26'do mesmo abril o escravo Luiz, do com-
mendador Joao Joaquim da Cunta Reg Barros, de
Goyanna, assassinou o feitor a golpes de enxada.
Foi preso. R^commendei o prorapto andamento
predita irmandade para levar a elTei.n taes obras, ram-se as neces4 ias communicacoe se DdePBnde recommend a V. S. que sob llanca idnea, mande Dito ao Sm^ fcSS.iii. h, vos clv,''*ados um lugar distincto.
hle/"reS' qUe 'espondeu-me em 30 de junho entregar an;llie*o.,reir.i Joaquim Ignacio Ribeiro Irada de ferro^Tanm^ndameVma*.*[ Esl? mprUmenlo sobresahe ainda e torna-se
haver, em recurso inerposto pelo promotor, pro- Jnior os 11:1005000 que por aviso do ministerio urmnSma^^SSSSSS^SSSS^S^ "ais digno de encomios, quanto este mesmo paiz
Fomenta, promove e irrita as questoeso desaven-1 ounciado os tres pnmeiros, achando se tambem os da fazenda de 6 de abril ultimo se mandou por a me eir .11 s",,(He-ado do disincto de Ga- i..-.. ......
fas particulares; dispde ao crime pela certeza de
prolecgo ellcaz, pela absolvigo do criminoso, pe-
la flagidago do adversario, pelo acolhimento o im-
portancia que da ao homem mo pelo premio que
concede aegoes torpes, pela desmoralisago e cor-
6G7B&G D NAIIH CU
Relatarlo coui que o V.\ m. Sr.
ir. Antonio Borgcs Leal ;>s-
tello Branco passou a adminis-
tra cao desta provincia ao sex-
to ?ice-presIdenleExni.Mr. a-
ro do Hio Formoso.
(Continuarao.)
TRANQUILIDAD*: Pl'BLICA.
Os sentimentos de ordeni eo amor da paz tem-
se arraigado em todas as classes da sociedade, e,
nao menos que a ndole naturalmente pacifica do
povo, garantem a iranqnilidade publica, que per-
fela.e nao parece exposla a altaques que fariam
seriamente compromette-la.
A questao dos contingentes da guarda nacional,
se nao fosse tratada com prudencia e circumspec-
, como certamente o sera, poderia occasionar rupao que espalh"pr'loda a""parle,
alguns disturbios que, embora parciaes e sem nexo, q parlido destrbe -a autoridad, os empregos
devenam dar cuidado pela falta de forja na pr>- c favores, na, segundo o mrito e os servicos pres-
vincla.e por nao ser a guarda nacional amis udos ao paiz, mas, segundo os servicos de trapa-
propria para por si s reprimi-l >s. Cas e quaesqoer outros abiectos ou criminosos, que dessa sentenca, e, como de tudo fui informa
No da 7 de julho, conduzindo o subdelegado da |tnham os correligionarios '
Boa-Vista com alguns inspectores um guarda ua- -
cional preso para a casa de det^o, por desor-
den) que fizera na freguezia de S. Jos, outro
guardas nacionaes se reuniram e lentaram toma-,
acompanliandoo,nesseempenho, at aquelle es
belccimento, em cujo pateo penetraran) tumulta
riamente'e fizeram grande assuada, sendo preci
sa toda
dor da d
como tud
^oes de
commandante superior determiei que procedes-1 cjpjo', caracteres e repntacSes. Mandei esta representaco e documento-*, em 17 de
sem com toda a sevendade da le contra os autores js'ao aprsenlo urna estaiistica dos crimes, por junho, ao juiz de direiu para informar, ouvindo o
de tal atlenlado. nao se ter podido colligir os respeclivos dados : curador, erecommende que se procedesse com to-
tactos anlogos se lem dado em alguns outros adianle farei raeneao de alguns de nalureza es-' da a reflexo e mparcialidade. Nao raandei res-
lugares, segundo consta de communieac5es oIR- pccial. j pons^bilisar o juiz Pedro de Alcntara por pender
cia,,- Espancamentos, ferimenlos e outras violencias' a aejao de apjjellacao.
Em Flores o criminoso Francisco Correa de exercidas sobre adversarios polilicos, pelas pro- j A menor Mara, que se achava no goo d sua li-
Atahyde Siqunira, conseguindo^vadir-se da pnsao, prjas autoridades, pretexto de deligencias legaes; berdade desde o seu nasclmento, e mais de dez
reuni, segundo as partecipaces offlciaes, com prSS arbitrarias, uso frequente de algemas, de anuos, foi
proteccaoe auxilio de_ seus irmaos Domingos de tr0nco e de ferros; perseguicao de adversarios, casal a que pertencra sua mai, coosentlndo nisso
Atahyde Siqueira e Joao Bapiista de Atahyde bi- buscas illegaes ar pretexto de recrutamento ou de | o juiz municipal de Ingaseira, bacharel Joaquim
queira e de outros paren'.es, um grupo de tnnta a crimes suppostos, processos accinlosos sao fados Ferreira Chaves, apezar de requerimentos do cu-
quarenta malfeitorcs, com os quaes por mais de sobr, os quaes tive nao poucas queixas. rador geral, conforme coustou-me do documentos
ment sobre que versa a sua informacio de 31 de tado de d'annoiin m,
agosto ultimo, n. 637, recommendo a V. S. que, eommende'f Vm, ? tTf Pr CP'a' re"
sobminha respcnsabllidade, visto nao haver credi-' maTXmalidades l" S PraS0S e
tu para e>se lim, mande
que, guardados os
da le, convoque novamenle a
e Meno Francisco Xogueira,como autores da venda; vista o parecer dado pela commisso a
e Joao Perera e Antonio da Rocha, como compli- cumbi u exame das obras feitas na i'crea
ees. Constandome que o juiz municipal, bacharel daquella freguezia, sobre o debito une Contrhio a S Zn'^'l' WTem rerc"tluaos Para es,a caP'"
Joaquim Ferreira Chaves, revogra este despacho, predila rma'ndade para levar a elTeio ues obras ~Lb?C0W0 as P"?35 V* escoltarera.-F.ze-
pedi em 19 de marco informacdes ao juiz de direi
to de r
haver,
ido os tres pnmeiros, achando se tambem os da fazenda de 6 de abr! ulimo" se mando'pr'a r
dous ltimos ja pronunciados. N'aquella mesma disposico da presidencia, relativos ao beneficio da P capital, acompanhados
vincia, e de um parque de artilharia de 4 boceas
i rogo, em numero de 1,360 pracas, observou com
Mlisfaeio, que a Uniformidade, asseo.
istreza com que os referidos cornos se
ram a parada, excedeu a su& expectativa
podesse classilicar qual delles se avanta-
commandanle das armas louva a todas
a referidos corpos porque todas se mos-
compenetradas dos seus deveres, exhibindo
lenoo era da aos criminosos, disertoresescrutas nue aaeom- ?^"" uosseus deveres, exhibmdo
quem io- panhados de gala' i^ZZ SSS US- S Uma "T'a n comPorlamento brioso, que ti-
jama.nz mo de Barreiros, t^LJ!Sm^tl^L*!*2*! *? ^'eJaf o grande da
em que este paz deixando de ser colonia, tornou-
dat 19 de marco, pedi ao Exm. presidente da Pa- 1- ioteria eitr.b.daH^Stoif^ir'aTao^itS Fi^a^s'^S^ri^^X^^'^''
rahyba providencias, para qoe Anglica fosse res- obras. pft,,?,.i, nnpcessar,as commnnicacoes.
lituida sua Irberdade. D.to ao mesmo.-M.nde V S receber na sccre- ttwhS'n-SK8 en,le da pru.vincJ?J?ian da
Cuco libertos foram reduzidos escravidao por taria da podenca o ca.xo" de que ra?a o seu u ameu 5 l dV,?h Sfaf, S d S
sentenca do ex-juiz municipal dos termos enta* offlcio de 18 de agosto oltuno contendo M livre-s nrmSS?1 ,J be,embr? ^ 1860i,resolve;,sob
reunidos do Ouricury e Ex, bacharel Pedro d* destinados para o s.rvico" d"raS esoeclalTas FaSi ^n^$arm,''"enno da alfandega des-
AlcantaraPeixotod Miranda Veras, sem que o cu- hjpothecasnesla capital g especial das U,eap al nomear a Sebastiao Valeriano Alvares
rador Alexaodre Magno de Alencar recorresse !>> ^ moim _** ............... a...... 1 **. luSar ae ''"I do mesmo thesourei-
H-''r a 5?e8l"~A.? lente-secretario do corno ro.-Communicou-se ; jurara
o pelo de polica Epiphan.o Borges de Menezes Doria que Dita, -o presidente da proveaTieso
ca se se altender que nella a exagerago partida- Jos tribunaes superiores, o que se executou, segun-
corpo de polica.
Dito ao mesmo.Alientas
carne os seus vencimentos indepeud.ulemente da bMauta Aa .r.t..ii. ,i______j. a:, a a.
apreseaucao da f de officio e do nao ter silo a sua BXl'cu,eate "o secretario do governo do da o de
>- ___tu fttln ni ti h n A a .(O i *''
reform- publicadajem ordem do da, at que o go
verno imperial resolva a esse respeito o que enten
ollcio n. 1,291 de 31 do mez Ando, em que V.JS.
participou ter concedido a Joao Ferreira Lonreiro
Frocure serapre conhecer a verdadj por todos que me foram apresentados. A 6 de fevereiru ofll- ao mez de agosto ultimo e os dos outros a' 2' nuin-
cial, como ludo exponho em ou'ros artigos.
tima vez resisti e fez fogo sobre a forca enviada
para prende-lo em Ons de dezembro do anno pas
sado e em principios de Janeiro deste anno, cone-
goindo sempre escaparse, apesar de andarem nes-
sas diligencias o proprio subdelegado e o teneote
de 1* lint Curxatur com mais de 100 pragas da
guarda nacional, da 1' linha e da polica, ainda
auxiliados por um alferes de linha da provincia >0 fundamento da seguranca e da boa administra
da Parahyba com 2 pragas da mesma arma. \ Co da justiga; mas, seDdo' certo qoe, entre as au- trar a boa f com que proceden.
A 31 de dezembro e 6 de Janeiro pretritos,; tondades policiaes exi>lentes, muitas sao honesias (Continuar-seha.)
communicando o juiz municipal essas occorren- e cumprem bem os seus deveres eompria haver-'_______
cas, remette uma lista de 21 reos de crimes gra-! me neste assumpto com toda a circumspecco, para '
ves, residentes no termo, enlre os quaes muitos p0der obrar sem injostiea, sem reaecio, que nunca > Eipedienle do dia > de seterabro de 186.
merabros da familia Atahyde, que diz ser numero-, esteve nem poda estar em meu pensamenlo, e com omrfn ao r, ZI.7^:-T.?7.-
sa e protestar assassma-Io, ao juiz de direito e ao perfeito conhe, imento da verdal-. 7-, h de4sembar8ador Provedor da San- ^nan
subdelegado. Esta, porm difllcilima L a .mar no estado i ?? M'se"cordia.-Nos termos da le provn- JJJ*"<
A 20 do mesmo Janeiro diz que Correa contina ; em que se acham cSs, Sendo que, se o esj c'a' de i ** '^u do.correnle anuo, srva-se efe.
a reunir gente e armamento, e a fazer carluxame \ rji0 de partido leva a praticr abusos, a protgelos I J: m? d,V,in "amiWir D C0"e8'0 dS -rphauS
na casa de seu irmo Joao Bapista, afino de atacar iic.m.i~ ^., ; .. ...: .'....... ~... ios "'" do lente do
der ma's cooveuienle.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. os inclusos
documentos que me remeiteu o commandante su-
perior deste municipio com offlcio de hontem, sob Ia exoneragao qoe pedio do lugar de guarda da ca
reduzda a escravidao por herdeiros do ; o. 291, a lim de que, nao bavendo inconveniente, i .*. Je deteng.lo e nomeado para o substituir o clda-
mande pagar os vencimentos dos offlciaes e pragas dao z?z,no Constantino Rodrigues.-Communicou-
do Io batalhao de Infamara da guarda nacional i se ao lnsPector da thesouraria provincial,
desia capital, que esteve aquartellado para o ser- Despaelios do dia 5 de setembro de 1865.
vlgo da guarnigo, sendo os dosprimeiros relativos
lucia para sustentar a sua iotegridade ameagada
por um estado visinho, que desleal e astuto, que-
brantando a f dos tratados, e os direitos interna-
conaes, invadiudo duas de suas provincias, onde
commeltem as atrocidades o depredagSes, proprias
somenle de nm governo selvagem.
O mesmo marechal de campo determina ao Sr.
coronol commandante do 3o corpo de voluntarios
da patria, que nestadata faca dividir as pracas al-
lualnu-nte existeutes em quatro companhias, em-
pregando nellas convenientemente os Srs. offlciaes
lisia"' Domeados Pela presidencia para em commisso ser-
""leiooado corpo.
Francisco Sergio de Oliveira.
. -Antonio Francisco vuarte, i"
de ordens interino encarregado do
commisso.
?-aA~0..pr"?lde.nte .da Provincia resolve conce-
arinsra atrh no I Tcndo a presidencia nomeado por portara de
rU autoridades h-o,ein dalada para Postode alferes em comrais-
iRiPm nnu sao os c,dad;,os Simplicio Lins de Souza Fontes, e
auxiuem n...ia Antonio Francisco de Paula de Almeida Jnior,
.linde servirem na companbia de voluntarios da
paira, que se esta organisando na cidade da Vic-
toria, e que tem de fazer parle do 5 corpo do
commando do Sr. lenenle-coronel Joao Paulo Fer-
selembro de l8bo.
Offlcio ao Dr. chefe de plicia.-S. Exc. (
Sr.
nm*-CDlB danPr0jID'a manda aecusar recebido o | reir, o marechal de campo commandante das ar-
mas assim o faz publico para sciencia da guarnico
e devido rffeito.
Requerimentos.
Alexandre Francisco do Espirito Santo.Infor-
a importancia da me o Sr. Dr. chefe de poiicia.
nento de luz e agua Antonia Geralda de Souza.Informe o Sr. com-
hao durante todo mandante superior da guarda nacional do munici-
. ao commandante Pn do Recife.
commendaco?s, para ser restituida aquella menor superior da guarda naconal do Recfe.i i Alexaodrna Maria do Espinto Santo.-Inrorme
fHLm-,a demiSoes me 'i""3?1 exigidas, sob sua l.berdade por meio da competente accao. O Dito ao mes me.-Recommendo a V. S. que em ; o Sr. desemb.irgador provedor da Santa Casa da
a seguranca e da boa administra- juiz municipal ^sua_resposta procurou demons- vista do pret junto em duplcala, que me remellen I Misericordia.
o, ceLjmandaoie superior do Recife com offlcio de | AbiobIo Eliodoro de Siqueira Campos.Informe
honiem sob n. 290, e nao havendo inconveniente, o Sr. Dr. chefe de polica,
mande pagar os vencimentos relativos a 2> quiuze-' Alexandnna Martyr de Jess.Informe o Sr.
na do mez de agosto ultimo das pragas do 8o bata- Dr. ebefe de polica.
da guarda nacional deste municipio, que se | Antonio luante de Albuquerque e Mello.lofor-
i destacadas em Santo Amaro Jaboaio.' me o Sr. commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio do Recife.
Candida Barbosa de Gusmao. Informe o Sr.
commandante do corpo de polica.
(Assignado.) Francisco Sergio de Oliveira.
E>t conforme. Antonio Francisco Duarte, 2.
tenente-ajudanle de ordens interino encarregado
do detalbe.
PERNAMRUCO.
Ibito
nicou-se ao commandante superior do Re
ao mesmo.Tendo-me declarado o Exm.
corpo de polica Thomaz ^r ministro da reparco da agricultura commer-
ha de mais indigno lerviu. se nara^o de i i' Hodriu.ef Pereira. 1ue ten> de seguir para o sul, de obras publiras, em aviso de 17 de agosto ulti-
inu.gno. serviu s nomes Silve.-tre Rodrigues Perera e Tnomaz Ro- rno sob n. 30, haver reqoisilado '
Ernesto Jos de Menezes. Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional do Re-
cife.
Tenentc Kpiphanio Borges de Menezes Doria -
Por outro lado, qua^i naquellas mesmas dalas re-! provas e de n oVnX^ Rodrigues Pereira e Tnomaz Ro- m sn",b 3- havlf reqositado do ministerio da
presentavam o> indicados J,ao Bapiista e Dralo- ,a 0, partea mTinvcni.-m a exaTvra los e a drKoes Pere,ra Juuir- [iimi* a Micao de ordens, afim de que nessa
gos de Siqueira conlra o juiz de direito, municipal servir se dos meniosi Los oara comorova loV "u de tamPn commandante das, Ihesourar.a se continu a abonar no correle exer- ?.sappl.cante deve deixar pessoa munida de pro-
e subdelegado de Flores pela persegoieaode exter- |Ia certamente em tolos os partidos muitos'ho- JSffTSStf! V- EXC- mao,,aP ins.PefiC,oaar,0 .f-
minio que Ibes fazem e a sua familia, a' pretexto de mens honestos, iocapazes de illndirem a admiois-; e 8aa,das uacionae mencionados na relago
prender o rnmino-o Correa.
O meu antecessor mandou ouvir o juiz de direi-
to e o municipal, e recommeodoa s autoridades
toda a prudencia na perseguicSu dos criminosos, e
que nao se deixasem dominar do espirito de par-
tido. quelles joizes uegaram absolutamente asac-
cusagoes, asseverando que as autoridades loraes
nao tem obrado por paixo ou espirito de partido,
accrescentando o juiz de direito, em offlcio de 22
de fevereiro, que as ameagas dos Atahydes nao se
reallsaram, e que a tranquillidade publica jamis
oi alterada.
Serenaram com effeilo um pouco as cousas e ne-
nhuma oceurrencia desagradavel se deu naqnelle
termo durante a ininba adminislragao, com quan-
to continu Correa foragido.
Tudo o que arabo de expr me convenceu de
qoe a primeira necessidadedaquellntermo era a no-
meaco para elle de um delegado completamente es-
tranlio aos partido-, e as iutrigas c odios locaes, |
que nao tivesse cunta si as preveng5es justas ou
injustas quesuscilavam *s autoridades existentes,:
e que por seu carcter honesto e impareial pode;-1
se inspirar conHanga a tolos, e secundado por uma w desfazendo urnas o que fazem outras, desmora-
orca suffiiiente,prend-sse e por.lsse os criminosos,i |sam-se e enfraquecem-se ; resultando de ludo is-
os confundir com os innocentes.
j cicio, os vencimentos que competem ao engenh'M- curaco bastante, aflu de poder receber a cons
ro firro e ao das ooras da pon- i nacao que pretende deixar nesta provincia.
, iracao, os quaes me auxiliaran) com a maior leal- ni.,-n
' dade, e c grato dever meu render-lhes aqui um pn-: Relai:m do 'icial e 'J'""das a diTerre^
formagoes, cuja fa!sdade nao poderarn conhecer,' nilftrf. ,"..1,-,..^ ,.,.. .. n r
ou por nao lerom a responsabil.dade que obriga D,dedrara,al,lii0 de infaoIaria Alexandre Gomes
um serio exame, ou por sua excessva boa f, e ,_',;' A, .. ,., ,. ,.
por uma facilidade propria de cerlos caracteres 2 ,?llllU'l,B Le0pld ^^^ Lf"
alias estimareis, ou pela disposigo natural para .fio ,,? ._ .
acreditar o amigo, ajuda lo, e nao enxergar os seus n J"0*0.,^11\rQ l \' EXC' "^T* S'?
defetos, ou ainda porque as tendencias politicas IS^To^S^S^SS^ g
do espirito illudem e nao deixam ver as cousas afC, ?""' dlG^Dnaa D0 ">cluso ollicio
com suas verdadeiras cures. cnr'! ao **mo.-&.rva.se V. Exc. de informar
A completa divergencia que reina entre as auto-8ftL0*!**Lg*S *>*> corpo de voiunta-
r.dades locaes, periencendo geralmente a guard* "SjLK" D mCluM re"
nacional um parlido, e a polica a'oulro, e auxi- q Mir. u. ,. .
liando frcquentemeu.e alguns juizes de d.reto, mu- _.U,, d" ne?? 0;-^"a'se V- Esc- de ,mand"
ncipaes e promotores SaIIm nmamUi. Pur a.dpoioo do coronel commandante do 3
riaraente a
essas autoridade
samse.accns... quene corpo.
Dito ao mesmo.-Quera V. Exc. informar sobre Anionio Vicente Das,
a prelengao do soldado do corpo de polica Pedro J ** Francisco Gomes.
le de ferro que liga o bairro de Santo Antonio ao
do Recife : as-im o communico a V. S. para seu
conhecimeoto.
Dilo ao commandante superior da guarda naci-
nal do Recife. Declaro a V. S. em resposta ao
seu offlcio de 4 do corrente, que o guarda alistado
Francisco Jos da Silva..\presente-se no quar-
tel general do commando das armas para ser ins-
peccionado.
Francisco Vianna. Requcira o supplicanle de-
pois que seu filho e.tiver aquarlelado.
Francisco Maiques de salles. Informe o Sr.
no 8 corpo d voluntarios da patria Damiao I commandante superior da guarda nacional dos mu-
nicipios do Cabo e Ipojuca.
Francisca Candida de Jess. Passe portara
concedendo a licenga que requer o supplicanle.
Irmandade do Santissimo Sacramento da fregue-
zia da Boa-Vista desta ci lade.Nesla data expede-
se ordem thesouraria da fazenda para entregar a
supplicanle o produelo da lotera deque trata, me-
diante lianga idnea.
Joaquim Jos Perera.J foi prvido o lugar que
o supplicante requer.
Jos da Cruz Cantos. Tendo de eflectuar ama-
nha a arremalago de que traa o supplicante, se-
Vieira da Silva, pertencente ao 4o batalhao de in
lantaria deste municipio.
Dilo ao director das obras militares.Recom-
mendo a V. S. que mande fazer cora urgencia os
concerlos de que necessita a illuminago a gaz do
qnartel das Cinco Pomas, como reqoisitoo o com
mndame do 2o batalhao de infantina no offlcio
por copia nclujo.-Communicou-se ao comman-
dante siinerior do Recife.
Dito ao commandante do corpo de polica.Fa-
ga V. S. alistar no corpo sob seu commando os,
paisanos constantes di relaoio junta, visto que, se
fondo os seus ofll -ios nmeros 800 e 801 desta gundo infonn.'u o inspector da thesouraria proviu
*5X5L5miS5^E2aEl curp0 d0 voluntarios da palria.um dos calcetas que d '->""> julgados aptos para Isso em inspeegao : olaL nada ha mais que deferir.
adeT lonK se oSSrem hSffi se achara era dePsil Para "W da fact""a. de **, JMq?m VT ~loform Sr- COtt
^XuSimiSoS^i- a"m de m en^ ua '"P uo lianel da^ B B*f* a que se refere o offlcio supra. corpo de polica.
>?m se e emDaragam-se reciprocamen- ,(e c Q r i Francisco Lima da Silva. J>e Domingues de Sania Anna.
commandante do
para as q
as mais graves
a opu
provadas
dspor, o corpo de gnarnigao, tinha eu aviso de es- raz5es, que pretenda attender pela maneira indi-
perar segunda ordem para o fazer embarcar. AQ- eada nos artigos-Tranquilidade publica, e autori-
nal pareceu-me, pela demora desta ordem, que o dades policiaes,seudo que de outra nada ganha-
3o corpo do vo-
filho do suppli-
governo se resolvera a deixa-lo na provincia, c en
to mandei que segnisse nm destacamento delle
siderado i* cadete o soldado do
luutarios Flix Pessoa da Gama,
cante.
Dito ao mesmo. -Sirva-so V. Exc. de maudar
alistar no 3o corpo de voluntarios da patria al se-
gunda ordem a Joao Joaquim do Nascimento.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar
alistar como voluntarios da patria, os individuos
ra o servico publico.
Essa morosidade e indecisaos procederam, pois,
para Flores, e dava lempo a' que elle chegasse pa- do desejo de acertar, e do temor de errar e de fa-
ra fazer partir o delegado, quando me chegou a Ier ^josUcas, temor que resela quando recebia
demissito. ; dos homens mais distinclos, e acerca de certos io- fSI d? ,B?lusa rela'-"a0' com desl'Dl> ao cor
De Pao do Alho e de Goyanna me communica- 'divdaos, informagoes, por um lado, da maior be-
ram os delegados recios de insurreicao de escra- nemerencla, e por outro, da maior pernciosilade,
vos: felizmente porm, depois de exames e inda-, contradiego que nolei al as informagoes dadas
gagoes, declarou-me o do 1 daquelles termos que ao governo, em uma das quaes, por exemplo, diz
eram infundados taes receios. E com quanto nao; om dos meus antecessores que a recondurcio de
se possa assegurar o mesmo do termo de Goyanna, nra aiz municipal sera uma verdadeira calamida-
em vista das informacoes dadas pelo respectivo de- i ,e. e por isso deixou de mandar cumprir o decre-1 ,
legado em 6 do maio, e pe) subdelegado do Itam- l0 que a fez ; e outro, manda-o cumprir, e declara! APred,z ar)llLt Augusto Baptista.
b em 4 do me Tive, e glorime de ter tido essa timidez, e a de &*f2ZZl F,nseca\r
converterme ero instrumento de partidos ou de in- mnDJi?, *2?S^I ?* Z' ExC* 5etp?r.m,.l,r
divdaos; mas, permitta-se-me diz-lo, tive a oncr-l S.*** pos nella indicados:
ltetarao dos voluntarios da patria a que allude o
offlcio supra.
Para o 5o corpo.
Pedro Perera de Luna.
Manoel J--e de Almeida.
Joo Guilberuie de Sena Barros.
accareacoes dos escravosde diversos engenhos, re-
sulta, segundo aquellas autoridades, que elles pro-
jectavam insurgir se, e para isso se preparavam ;
todava pelas providencias a' lempo lomadas, sen-
do uma dellas a prompta remessa de uma forga
da cavallana para aquelle lugar e pela cautelosa
vigilancia das autoridades e dos propietarios, pa- damenleV alguns ; dngindo por mim msmo os
rece que abonara o plano, se existi. negocios pubPcos, embora assim magoasse quelles
Assim, pois, concluirei este artigo repetindo, em qUe qUeriam ter a direceo exclusiva; demittindo
avista de todo o exposlo, que nao existem causas
que ameacem seriamente a tranquillidade publica,
o que nao dispeosa a autoridade de muita vigilan-
cia e prudencia.
SEGUBANQA.
A seguranca da pessoa e dos direitos nao sa-
tlsfatoria, o que depoe menos contra a indol- do
povo do que contra a conducta dos seus chefes e
das autoridades, coja historia alias a mesma
com pouca diflerenga em outras provincias.
povo em qoasi toda a parte o mesmo, manso
e fcil de conduzr.
Conduzam no para o bem com bons exemplos e
conselho?, com brandura e sobre tudo com a lei.
Convengam-no praticaraente de que esta existe e Nao consta a pnso, apezar da forga que se man-
governa, ampara o boro cidado e castiga o mo.! don para faz la.
Informe o Sr.
Dr. chefe de polica.
Jos Serapio Bezerra de Mello. loforme o Sr.
Dr. juiz municipal de Nazarelh.
Joo do Prado Cmara santiago.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Alferes Joaquim Pedro do Reg Barros.Infor-
presentar ao D-. me o Sr. desembargador provedor da Santa Casa
corrente s 11 horas da Misericordia,
da manha! 2 pracas do corpo sob seu commando, j Leopoidino Ezequiei Correia de Noron ha.A pre-
para csroltarem um preso de justiga at a capital sent no quartel general /seu substitoto, que offe-
da Parahvba.Communicon-se ao Dr. chefe de po-! rece, afim de ser inspeccionado,
licia. Manoel Antonio Gongalves. Declare o suppli-
Dito ao director do arsenal de guerra Recom-' cale a autoridade que o recrutou e onde se acha
mendo a V. S. que do armamento e mais objectos preso.
mencionados no incluso pedido, asignado pelo' Manoel de Souza Leao Filho. J foi prvido o
commandante do 2 batalhao de infamara da guar- lugar que o supplicanle requer.
da nacional do municipio do Recife, mande forne-; Olegario Jos Pires.Requeira ao eommaouaote
cer ao mesmo batalhao o que for possivel. superior.
Dilo ao mesmo.Mande V. S. entregar ao coro- Pedro Ferreira dos Santos.J foi prvido o lu-
nel commandante do 3 corpo de voluntarios da' (?ar que o supplicante requer.
patria as 150 armas existentes nesse arsenal e que I Pedro Rodrigues de Souza.Ja foi prvido o lu-
ootr'ora pertenceram ao de marinha. gar que o supplicante requer.
Dilo ao coronel Paulo de Amorim Salgado, cora
mandante superior da guarda nacional dos mu
cipios de Barreros e Palmares.- Convindo que
as acluaes circumslanclas em que se acha o paiz,
os chefes da goarda nacional estejim em exercicio
para prestaren) os servicos que delles de espe-
rar, recommendo encarecidamente a V. S. que
locar-me f tar-me na I CDaojo Pac,,ec0 da ^'a o nso das insignias de f reassuma o exercicio de commandante superior da
KurV SViSSSffi ouvindo11 fhoraen SMME dire,, 1ue lho as5ste- em T^TZL*&emm me con"Doni todos os partidos, erabora isso desagradasse profun- "^5^^%. Exc. sobre o que 1 ^SSX Jansen de Castro e Al-
pede no incluso requerimento o soldado da com-1 baquerque, juiz municipal e de orphos nomeado
panin.i de zuavos Francisco Augusto Ramos de i Para Ouricury.Em vista da nota junta por copia,
Mello. ministrada pela directora geral da secretaria de
Dito ao Dr. chefe de polica.-Sirva-so V. S. de' estado dos negocios da justiga, mande Vmc. reco-
ido a's exlcenMa abllitar-me a satisazer o incluso aviso circular i lh0r a eslaco competente a importancia que tem
*e J''9r!" SS.. JfV:res.'snl'd0 a 9Hrd!!!* do ministerio da justica de 18 de agosto prximo i de pagar para obter a sua carta de juiz municipal
Ondo, junio por copia, com a relagao nominal nelle de orphos do termo do Ouricory, enviando o
exigida, expedindo suas ordens afim de que a esla respectivo conhecimento para ser transmitido
presidencia opporlonamente se coramunique as al-' aquella secretaria.Igual nota remetleu-se a the-
teracoes de que trata o mesmo aviso. souraria de fazenda.
ito ao inspector da thesouraria de fazenda. Dito ao bacharel Angelo Caetano de Souza Cous-
Presteme V. S. os esclarecimentos constantes do seiro, juiz municipal nomeado para o termo do
aviso circular, incluso por copia da reparti da Ex.Para que obtenha a sna carta d9 juiz muni-
agricultura, commercio e obras publicas de 11 de' cipal e de orphos do termo do Ex, cumpre qne
agosto prximo findosobn. 11, relativamente a ex-'reeolha a eslaco competente a importancia dos
alguns empregados altamente protegidos; mandan- _
do responsabilisar outros que, por taes prolecgSes
de actos semelhantes nao justificados, de favores
ou concessdes Ilegitimas, sem temer as censuras,
as indisposicoes e o enredo.
CRIMES DE ESCRAVOS CONTRA SEUS SBNHORES E
FEITORES.
Durante a minha adraraislracao deram-se os se-
grales :
Em 16 de fevereiro assassinon o preio Antonio
a seu senn r Man'el Jos do Couto com quatro pu
nhaladas, no engenbo Pererecas, do Rio-Formoso. portaco dos productos desta provincia, afim de poder j respectivos direHos, em vista da nota junta por c
dar cumprimento ao citado aviso.
Dito ao mesmo.-Ero vista da folha e pret junto
Fagam-no ama la e respeitala como nm poder sn-! Em 19 de margo tentn o escravo Gongalo, de.eca duplcala, e que vieram annexos ao offlcio do
perior a todos, ao qual e curvara as influencias,! Bento Jos Tavares de Barros, do Gjyanna, contra'"
e do qnal as autoridades sao meros agentes.
Quando tudo isto se fizer os crimes contra as
pessoaseseus direitos diminuiro consideravel
mente, e o povo se mostrara' bom, eo primeiro
amigo e escravo da lei, menos qne' vicios de on-
ira ordem, raros ainda entre nos, por serera em re-
a vida de sua senhora. Foi preso.
Em 24 de abril foi assa.-smado por escravos o
feitor de Francisco Joaquim Cavalcaote Galvo, do
termo de Iguarass. Foram presos dous, que em
seos interrogatorios confessaram ser os autores do
crime.
commandante das, armas datado de 4 do corrente,
sob n. 1,485, mande V. S. pagar os vencimentos
relativos ao mez de agosto ultimo, do coronel com-
mandante do 3* corpo de voluntarios da patria e
das pragas nelle alistadas.Communicou-se ao ma-
rechal commandante das armas.
Dito ao mesmo.Deferindo. o incluso requeri-
pia, e remetta o conhecimento para ser transmiti-
do a secretaria de estado dos negocios da justiga.
Igual nota remetteo-se a thesouraria de fazenda.
Dito ao juiz de paz mais votado do 1* districto
da freguezia de Iguarass.Tendo deixado de ser
estallada no da 20 de agosto prximo (indo, de-
signado por esta presidencia em offlcio de 10 de
julho ultimo, a junta revsora de qoalifleacio dessa
freguezia, pelos motivos declarados no offlcio do
juiz de pas supplonte Joo Peixoto de Aranjo, da-
Paulina Maria da Conceicao. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional do mu-
nicipio do Cabo.
Pedro Ferreira dos Santos.Prove o supplicanle
que seu filho menor.
Raymundo Nonato da Rosa. Prove que o me-
nor orpno, e junte cerlido de idade.
Ricardo Lopes de Normaodia.Informe o Sr. Dr.
ebefe de polica. ,
Roque Nogueira de Souza. Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Rosa Maria da Conceicao. Informe o Sr. com-
mandante do corpo de polica.
Umbelina Joaquina da Costa Mello eseus filhos.
Remettido ao Sr. inspector da thesouraria da fa-
zenda para mandar passar o litlo que requeren) os
supplicantes.
Valeria Maria Baptista. Informe o Sr. inspector
do arsenal de marinha.
COMANDO DAS ARMAS.
Quartel general do commando das armas de Per-
nambuco na cidade do Recife, 9 de setembro de
186o.
ORDtfMDODIAN. 109.
O marechal de campo commandante das armas,
na revista que passou na tarde do dia 7 do corren-
te a brigada que arrumon sob o commando do Sr.
commandante superior interino da guarda nacio-
nal deste municipio Domingos Alfonso Nery Fer-
reira para solemnisar o aoniversario da indepen-
dencia do imperio, coraposta de nm esqoadro, de
quatro corpos de infamara da guarda nacional
deste municipio, do corpo de guarnico desta pro-
REVISTA DFARIA.
A nossa honra acha-se offendida.
O nosso patriotismo esta' passando pela provago
mais dolorosa.
A guerra em que estaraos empenhados, nma
queslo que, implicando cornos nossos brios de po-
vo constituido, airela nossa dignidade de naco ci-
vilisada.
Mas, se nos acharaos nesta situacao, no entre-
tanto de orgulho para o Brasil ver qoe seus filhos
em tal conjunctura nao lera sido surdos a' convo-
caco, que elle Ibes ha feilo pela voz suprema do
monarcha brasileiro.
E a" ella todos se congregam a roda do throno
imperial, para formar-lhe uma muralha adamanti-
na de sustenlacao do seu brilho; por que a cons-
ciencia Ihes indica que iodos os sacrificios sao pou-
cos quando ferozes Hunos pisam o slo patrio, pro-
curando marear esse brilho, que symbolisa a hon-
ra da naco brasileira.
No entanto nao basta isto s.
Esta devogo caracterstica de nobres senti-
mentos, e cora estes repugnam as scenas de horro-
res e desolago, de que parte do nosso territorio
tem sido o theatro.
Com os sentimentos generosos repugna a heca-
tombe brutal de nossos irmos mmolados a' sanba
dos novos Vndalos, que correra e talam os nossos
campos sem decoro a' fraqueza e dignidade do sexo
femenil, sem allengo a' infancia nem respeito a'
velhice.
Com taes sentimentos, finalmente, nao se com-
padece a indifferenga para corn a justiga posterga-
da e para com a civilisagao offendida em seus foros.
E' preciso, pois, a formago de um exercilo res-
peitavel pelo patriotismo que abriga no pelto o sol-
dado livre, e pelo numero de suas phalanges, para
mpor ao inimigo e abreviar a victoria, que sobre
elle temos de alcangar.
E' preciso no sul a existencia de um exerclto
forte, para fozer o Brasil respeitavel duplicada-
menle aos povos do Prala.
E' preciso que allitenhamos um exercito podero-
so, para levar a conviegao a amigos e adesaffectos,
de quem, se, em nossa misao de civilisagao e de
respeito absoluto a's nacionalidades platinas, nao
nos dedignamos de aceitar o concurso de algumas
dellas, o fizemos nao por deficiencia de recursos
proprios, nao que carecessemos do anxlio mate-
rial dellas para vencermos a barbaria ; mas por
estrenar os lagos de affiuidade dos povos sul-arae-
ricanos, estabelecendo essa communho no derro-
car um poder nocivo aos principios do direito in-
ternacional das nagoes deste coutinente.
A cruzada libertadora que vai levar a redempgao
e nao a couqjista a' um povo ; a cruzada qne vai
converte-lo de tribu em naclonalidade, interessa vi-
vamente a causa da civilisagao de todos os povos.
Entre os povos do Prata porm anda restara pre-
conceitos de raga, o com elles e-peculam os esper-
talhoes, abusando da simpll idade das classes me-
nos illutradas por meio de insiuuagSes desprove-
tosas a nos.
A poltica brasileira allijvista por um prisma
diverso da realidade ; e esta anda substituida
por situagdes de coovengo, qoe a ma' vonlade
solicita em crear, e a credulidade fantica se apres-
sa a aceitar com avidez.
Contra estas impressoes, porlanto, cumpre estar
de sobreaviso, conservando nma attitude e disposi-
co de meios, que excluam de ser traduzida a nos-
sa benignilade, os nossos sentimentos affectivos-
por carencia prxima a' receio, por uma depen-
dencia que nos poe subordinados a vontade exira,
nha e prevenida'
Em sua previdencia, isto o 'que procura preca-
ver o governo imperial, quando convoca novas
levas.
O governo imperial exprime n'esse appello o ver-
bo da honra e da civilisigo ; e a elle a ninguem
licito cerrar os onvidos.
E assim, dever auxiliar o governo para formar
o exercito poderoso, de qoe carecemos menos para
asolucao definitiva da guerra, qne para manter-
mos a posico que nos curapre tomar, enlre os nos-
sos alhadcs, rscando para sempre o elemento im-
moral da escola de Rosas, frtil em reaecas, e exo -
pellindo daquollas plagas o brbaro despotismo
que ameaco envolve las em uma conflagrac-
social. *
Procedenle do Ro de Janeiro, com 12 dias
de viagem, chegoo sabbado noile o palhabote
Piedade, sendo apenas portador do Jornal do Com-
mercio do da 26, que nada traz de Importante.
Era all esperado, nesse ou no da segrate, o va-
por ingiez Herschetl, do Ro da Prata.
O Piedade encontrou ua lat. 12--4S" e longitode
36*-51" o brigue Castro II, em viagem do nosso
porto para o Rio de Janeiro, com 4 das e sem no-
vldade algoma bordo.
Com deslino ao 5* corpo de voluntarios di-
patria alistaram-se em 9 do corrente os senhores :
Corbiniano Jos Ferreira, Antonio Nones da Silva



r

i
i
)farlo de Pcrnambnco Se-otiil: leif* H de Setembro de "4SAfc.

/
Koguoira, Joaquim Jos de Santa Anna, Jos Anto-
nio Cavalcanli, Galdino Adclino das Santos, Joa-
juim Dalbio de Azevedo Maranheuse, Cosme Jos
Caetano, Walfrido Moreira da Costa, Jos Pereira
da Silva Jnior, Juo Francisco Pinheiro, Jos Al-
ves do Prado, Antonio Ignacio da Cunha, Prxedes
Jos Cavalcanli, Joo Alberto Soares, Joo Jos da
Triudade, Antonio Ferreira de Va>concellos, Fran-
cisco Antonio dos Santos, Vctor Jos de Mello,
Francisco Soares de Sa, Amador Rodrigues da
Costa, Pedro Fumino de Menezes, Joo Mariano de
aouza, Sebastiao Correia de Mello, Joaquim Ricar-
Jos, branco, (lino legitimo* de Joaquim Jos Mar- do da antecedente (sabbado) teodo eu me retirad)
tins e Julia Candida de Souza Martias. de palacio no fnn da tarde.
Jos, branco, lho natural de Anua Joaquina da Esta carta me fui levada a casa do Sr. padre Ga-
Sil va. ma (oode resido quando estou no Recife) pelo ento
Frandina, branca, dira natural de Marcelina Caro- comprador do palacio, Antonio Manoel de Soma,
lina Portella. aquello que na conta das obras da nova matriz de
Eulalia, parda, fllha natural de Marcella, escrava. S Jos apparece como tendo comprado cinco barris
Pacifico, pardo, filtio legitimo de Antonio Joaquim de pregos (I), mas que entretanto declara a todo o
Ribeiro Leite e Sebastiana Maria da Cooceico. mundo, que taes pregos nao comprou I Adan-
Joaquim, pardo, fllho legitimo de Joo Neporauce-
no Nogueira Barros e Genuina Maria da Concei-
cao.
reto, Tliemotro Antonio dos Santos, Antonio Zefe- Olindina, branca, fllha legitima de Joao Pinto da plano de proleccao decidida ao Sr. vigario Camillo,,
rio da Costa Luna, Jos Gongalves de Lima, Gal- Costa u Maria Joaquina de Brito Costa. sem cunr de informarse a respailo do que eu llie
lino Canos da Silva e Joo Severiano Tupinamba'. Felismina, parda, fllha natural de Felismina, es- dissera. Como esla carta se refere pnmeira, o
do M nteiro de Paiva, Rosendo eraucisco Lopes,; Idalina, branca, fllha legitima de Joao Jos Henr-
Manoe^ Francisco de Salles, Jos Severo de Figuei- ques Jnior e Rosa AdeUide Julia.
reto,
rio
dio
Estes oito ltimos alistados foram remellidos crava.
pelo Sr. coronel Ttburtiuo Pinto de Almrd, e fa- Jos, pardo, fllho legitimo de Antonio Marques
zein parte da oo.. pauliia que na cidade da Victoria; Dias e Cecilia Leopoldina Marques Dias.
seorganisa. Virginia, parda, fllha legitima de Dmimjues
Foram aatorisados a promover o alistamenlo do Nascimenlo e Maria Joaquina da Concetcao.
de voluuurios ua patria os Srs. inajor Ciirysaulho Francisco, branco, fllho legitimo de Manoel Perei-
te. Recordo-me de lodas estas particularidades,
nao porqne tenha boa memoria, pois a nao te
nho; mas porque esta carta me fez muita impres-
so, por ver a impudencia cora que o Sr. padre
Jos Amonio insista em r por dianle com o seu
Daro Nobre de Almeida, cadete Pedro da Cunta
Bellro de Araujo Pereira e Hygino Firmo das
Chigas, Este ultimo tem incumbencia sraeute
para os termos de Agua Creta e Caruaru'.
Fomos obsequiados com areiuessa do primei-
ra Lamego e Maria Alfonso Lamego.
Paulino, branco, lho legitimo de Pedro Coelho
Pinto e Maria Rosa dos Santos Pereira.
Josefina, branca, fllha legitima de Theodoro Just e
Isabel Maria Just.
ro numero do Ai cinco Luterano, publicago meo- Maria, branca, fllha legitima de Manoel da Silva
sal, que feita em S. Paulo sob a redacfao de il- Nogueira e Maria A. Pinto Leite di Silva No-
lastres Iliteratos daquella provincia. gueira.
Agradtceudo o obsequio, desejamos que teoba o Uuibelina, branca, fllha legitima de Jesuino Ro-1
contempornea tonga vida jornalislicacomo des- drigues Vieira e Auna Rosa Pires de Almeida.
envolvuneuio e coasecoco de seus tins civilisa-; Bento, branco, fllho legitimo de Manoel Portella da'
dores
Cora o liiii de salisfazer o desejo que o publi-
co manifeslava de ver a nova ponte do Recife, este,
ve fi.m |Uea ia essus dias ltimos a sua entrada-
mas leudo de fazer-se ocalcameulo, que deve liga-
la com o da ra, de boje por diante al a sua aber-
tura definitiva, suspendida aquella permis>ao, vis-
to ?-er diliciiimo o trabaiuo simultneamente com
a pas.-ageiL de pessuaa por all.
Fui Horneado lenle oaneao de 1" corpo do
coulingente da guarda nacional, i|ue se declina a
gutna.u Rvd. padre Ur. Manoel da Costa Honora-
to, que oleieiera para talos seus servicos.
AlisUram-se uo dia 9 do crreme uo 3o cor-
po de voluntarios da paliia os Srs. Joo barbosa
dos Reu e Fiauciseo dos Santos Cavalcanii.
Do Limoeiro chegaram voluntariamente com
destino ao Io corpo de guardas uacionaes deslaca-
do para o ser vico da guerra os .-argentos Manoel
Jo.- de Barros Lessa, Laureutino Marques da Cos-
ta e Jos Pereira; e os soldados Manoel de Andra-
de Silva, Manoel Joaquim do Nascimento, e Joao
Jos doNa>ciaieuto.
Por actos da presidencia da 9 do cor rente fo-
ram Borneados alferes em coinmisso os Srs. Sim-
Silvae Senhorinha Thereza da Silva.
Francisca, branca, fllha legitima d^ Antonio Car-
los Lumg e Anua Joaquina Jos, pardo, fllho legitimo de Manoel Benedto dos
Santos e Francolina Maria dos Santo*.
Francelina, parda, fllha natural de Adriana, es-
crava.
Sara, parda, li'ha natural de Joaquina, escrava.
Anna, branca, fllha legitima de. Jiaquim Barboza
deOliveira e Flonnda Rosa Ferreira deJesns.
Casamentos.
Umbelino Maximilo de Carvalho com Angela Clau-
dio Bella, brancos.
Flix Jos Marques Bacalho com Anna Balbina
de Souza Rangel, braocos.
Manoel Odilon de Lima Vires com Emilia Olradi-
na Thiices.
tem com ella intima ligacAo, tamhem me resolvo a
transcrev-la, esperando que os leitores, que esto
a par do que se tem dado, conheeerao a razo que
tenho para assim proceder:
Illm. Sr. padre meslre conego Santos.-Tendo
< V. S. tido a boodade de declarar-a que ainda
nao havia apresentado a minha carta ao Sr. co-
neg provisor, vou rogar-lhe o especial favor de
appresentar-lh'a, e de communicar-me qualquer
que seja o resultado, para minha indiligencia e
governo.
Renov os protestos da mais subida estima e
i consideraco com que sou de V. S. amigo muito
respeitador e nbrigadissimo servo.
t Soledade, 26 de malo de 186-5.
Padre Jos Antonio dos Santos Lessa.,
P. S. Quiz hoje mesmo pedir-lhe o que consta
da presente; os meus afazeres porm, como vio,'
i nao m'o permittirain. Rogo-lhe que uo me te-
t nha par inconsiderado, certo de que tenho mui
b valiosas razoes em que me escudo.
Desta carta se depreende o empenho que fazia
o Sr. padre Jos Antonio para que eu moslrasse a
outra carta ao Sr. conego provisor. O Sr. padre
Jo- Antonio deixando mediar urna noute, desde
que me desped delle nc fim da tarde de sabbado
at as 8 horas do doiuiign, pouco rnais ou menos, |
em que me ebegou a caria com dala do mesmo
sabbado, confereiiciou provavelmente com algoem, \
disse tudo quanto eu em particular Ihe havia com- \
inunicado, e pelo que vejo nao Ihe lizeram nesse |
dia mulla impresso essas confidencias, que S. \
Rvma. tanto esiigmatisa agora no seu depoimenlo.
E lano Ihe nao lizeram muita impresso essas
Manoel Nunes de Azevedo Maia com Romana M- conlidencias, que a carta que S. Rvma. me escreve
ria da Conceicao, pardos.
O vigaiio Sobreira.
Passageiros do palhabote hrasileieo S. Jos
Triumphanle, vindo do Penedo :Anua Maria da
Conceicao, Felippe da Costa e 1 menor.
Passageiros lo palhabote brasileiro Piedmle,
vindo do Rio de Janeiro .Jos Maria do Lago
a>nda toda delicada, toda silenciosa, como se
pode venlicar lendo-a com ltenlo. Se o Sr. pa-
dre Jo? Antonio estivesse convencido de que to
smente eo fallava nos fados que Ihe revelei, ento
devia ter-mc por calumuiador, devia retirar-se de
mim. interromper toda a communicaco comigo, e
nao vir com palavras adocicadas, com orotestos de
pliei- Luis de Souza Pastes, e Antonio de Paula ; Braga, Augusto Cesar, Manoel Perestello e 2 escra- estimas, con-.deraco-s, amisades, respeitos e etc..
Cavalcaoli de Almeida. para servlrem na corapa-
nhia que se esla' urgauisando na cidade da Victo-
ria, e que lera do fazer parte do 5o corpo de volun-
tarios oa patria.
Aprzar de ja baverraos noticiado o seguinte
fado, de novo o publicamos por chegar nos ao co-
uh cimento as suas differeuies circnmstanclas.
No da 18 do passado, em a fazenda deuoruinada
Cajazeira, situada no termo do S. Bento da comarca
de Garanhuis d'esla provincia, foi merlo em acto
de resistencia o criminoso de marte Joo Florencio
de Meilo, conhecido por Bezouro.
Sahira una pequea torea da villa de ?. Bento
com ordem do delegado de polica para preuder ao
famigerado Francisco Alves, sentenciado gales
perpetuas, e o terror d'aquella comarca no dizer do
seu diguo juiz de direto, que muito coucorreu e
animou a diligencia, onde quer que fosse encontra-
do o mesmo Francisco Alves, o havendo toda a pro-
babilidade de achar-se elle bomisado ua fazenda
de Joo Floit-ncio, onde encoulrava sempre refu-
gio e bom agasalno, dirigise a torca para a mes-
ma fazen la, e traiava ainda de a pOr em cerco,
quando Joo Pl rencio descarrega um clavioole
sobre os >iiiantes, e avanca em seguida para estes,
trotado de faca e faco, aos gritos de cabras
me nj entrego.
Joao Florencio eslava habituado a afionlar as
leis do paiz e ^ zomttar das suas autoridades, re:s-
tindo s ordens de priso contra elle expedidas e
tornan.lo-as de nenhum effeito pelo terror que ins-
pirava a fama de sna ferocidade, que nem s leis
do sangue respeitava, como dra nrova assassinan-
do ao seu proprio Irmio Joaquim Barbosa, por cujo
crime >e achava pronunciado ; mas, a illimitada
confianza que linha no seu sinistro prestigio o fu-
nesto renoine foram-lhe por tim fataes : visto como
os da diligencia, possuidos de urna justa indigna-
cao, e por ventura receiosos mesmo do choque que
iam reeber do agressor, que j ento se achava
a menos de dous passos de distancia, dispararam
as armas de sua ousadia e de seus nstnctos perversos e
sanguinarios.
Logo que teve sciencia do occorrido, dirigio-se o
d legado ao lugar onde so passou o Jacto, como
lh; cum;>ria ; e, com quanto desde ento Ine pare-
ces?e justificavel a morte, por que esta se dra em
acto de aggresso de urna parte e legitima defeza
de outra, todava eslava instaurando o respectivo
processoaos encarregados da diligencia ; pois que
so tribunal do jury competente para decidir da
justiflcabilidade de semelhante crime.
O delegado continua a perseguir os criminosos
que residen), oa transitan) pelo seu termo, e, aioda
ha poneos dias, teve oceasiflo de desenvolver a euer-
gia, actividade o coragem de que dotado, lutando
braco a braco e arcando corpo corpo com o sen
tenciado gales perpetuas Francisco Alves, dentro
de umcurral, e estando este armado de um clavi-
note com and Ihe dra um tiro, que pode ser em
lempo evitado, e de um punhal com que descarre-
gra diversos golpes, que tambem poderam ser evi-
tados.
Em termos onde existem delegados laes nSo dor-
mem os criminosos muito a sen gosto, e nem vi-
ven) eommoda e iraaqalllamente.
O escrivao dos protestos Jos Mariano est de
semana. '
O agente Euzebio faz hoje leilao de urna
grande propriedade na ra da Florentina, cujo rn-
dimento de 4:8005000 garante um juro cerca de 2
por cento pelo menos, a ella senhores capitalistas
aproveiiem a opportunidade.
Repautiqao da polica :
Extracto das partes do dia 7 de selembro de
j865.
Foram recolhidos a casa de detengo no dia 6 de
correte :
A' ordem do Illm. Sr. Ur. chefe de polica, Anto-
nio Ferreira Pinto, como sentenciado ; Antonjo
Goncalves Caroelro, como criminoso de inorte-,Joo
Jos Barbosa e Jos Lourenco de Lima, como pro-
nunciados ; Jos Francisco Bandeira, por ser pro-
cessado; Vicente Ferreira de Santa Anna, Manoel
Joaquim do Espirito Santo, Joo Francisco do Nas-
cimento, Joo Alves Neves, Jo> Francisco da Sil-
va, Francisco los Ignacio, Gabriel Joo Francisco,
Francisco Soares da Assumpgo, Francisco Fer-
nandee de Aguiar, Antonio Teixeira da Silva e An-
tonio Joaquim Brrelo, para recrutas.
A' ordem do Q/. delegado da capital, Angelo
Carlos Borges, para reernta ; e Ignacio, escravo do
commendador Jos Pires Ferreira, a requerimento
d'este.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Jos Gonza-
lo Borges da Foneca por disturbios.
O chefe da 2' sessao,
/. G. de ilesquita.
Casa de detencao. Moviraento do dia 8 dd
selembro de 1865 .
Existiam 379 ; entraram 9 ; sahiram 1 ;
existem 387 a saber :nacionaes 292 ; mulheres
3; estrangeiros 20 ; mulheres 4 ; escravos 60 ;
escravas 6 ;total 387.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 179.
Movimento da enfermara do dia 9 de selembro
de 1865.
Tiveram baixa :
Joo Baptista de Araujo, diarrha.
Antonio Franpisco de Souza, rheumatismo.
Tiveram alta :
Apolinario'Jos da Silva.
Pedro Jos Avelia.
Manoel, escravo de D. Phladelphia.
Re'aco dos baptizados e casamentos havidos na
regoe/u da Boa-Vista no mez de agosto.
Manoel, pardo, fllho natural de Francisca Mara
Dias Tenorio.
Joo, branco, fllho legitimo de Manoel Marques de
Souza e Idalioa Mara de Lemos.
Francisco, pardo, fllho natural de Maria Francisca
Raymunda.
Amaro, pardo, fllho legitimo de Francisco Jos
Carneiro e Felicia Guilhermina Carneiro.
Manoel, pardo, fllho natural de Silvina, escravo.
Marina, creoula, Olha natural de Maria, escrava.
Fredenco, pardo, fllho natural de Flonnda, es-
cravo.
Jos, pardo, fllho legitimo de Francisco Rodrigues
da Silva e Mana Serafina da Conceicao.
Alexandrina, branca, filha legitima de Joao Maxi-
miano Pereira e Maria Merengina de Carvalho.
Julia, branca, fllha legtima do tenente Jos Ber-
nardo Ventara e Joanna A. da Fonceca.
Elvira, branca, Olha legitima de Miguel Araujo
Seve e Maria de azaretn Seve.
vos a entregar.
m .....
COMMUNIGASQS.
rogar-me o espectal favor de apresenlar a carta
ao Sr. conego provisor, e de communicarllie a elle
Rv. Sr. padre Lessa qualquer que seja o resultado
para tntelligencia e governo de S. ritma.
E observem os leitores que elle quer que Ihe
communique qualquer que seja o resultado: agora
O publico estar lembrada, que o Sr. Feitoza fi- i ja tudo Ihe serve....... Mas a todas estas consi-
Iho, quando director das obras publica*, informan- deracoes, a todas estas deduccSes s o mesmo Sr.
do a presidencia da provincia em offlcio de 29 de i padre Jos Antonio pode dar urna resposta rabal,
abril do correte anno, sobre as causas que derarn : lgica, terminante, consiza e jurada aos Santos
lugar ao erro commetlido na direceo do caes do Evangelhos : la vai ellaPerguntado se na occa-
canal que vai da ra da Aurora ao Hospicio, diz o \ siao da nomeacao do subredito Camilla nao ti-
seguinte: .nha elle respondente interesse nellafresponden
l." Q-ie o caes nao leva o alinhamento marcado que nao I (Depoimenlo jurado espontneamente
na planu, e sim foge desla 4 palmos para a di-' pelo Sr. padre Jos Antonio dos Santos Lessa.)
reita. j Mas vamos a Halar este artigo. Eu moslrei a
2. Que o desvo foi commetlido nao pelo eDge- carta ao Sr. conego provisor, que a leu eatirou-a [
uheico que deu a rordeaco, mas pelo pedreiro ; para o lado dizeodo : Eu nao quero sabir de nada
pois que leudo o engeuheiro mandado, que corres- disso: eu nao concordo de modo algum com
se o alinhamento pelo muro do encost da ponte ato. Esta mesma resposla dei eu nesse mesmo
de maneira que ficasse a ra que Ihe lica paralella dia ao Sr. padre Jos Antonio que me tornou : Eu
com 4 palmos, tomn o pedreiro 2 pontos, um Jun- logo vi que elle havia de responder assim.
lo ao ramal do muro d: encost e nao junio ao mu-! Couversamos mais sobre o mesmo objecto, e [
ro como Ihe tinha sido marcado, e outro parlindo sobre ouiros assumplos, al que me retirei. D'ahi i
do muro da casa do Sr. major Gu-tavo e na i t*n- em dianle o Sr. padre Jos Amonio ficou fri corni-.
do sido o engenheiro iniciado era neonama d sias go, e pnucas relacSes tivemo'. O Sr. vigario Ca-:
circumstancias, e ignorando mesmo que o muro do millo conservou sempre comigo as mesmas rela-
Sr. major Gustavo estivesse fora do alinhamento coes : nunca tive queixa de. S. Rvma.: sempre se
visto a cordeaco Ihe ter sido dada pe a cmara; mo-trou affavel para comigo.quer estivesss presente
municipal desta cidade, leve n'ella toda a conSao-j joer estiv-sse fra da provincia : devo Ihe esfa
ea, mas logo que o empreiteiro offleioi-ma para lirmeza de que sempre Ihe serei grato,
examinar a obra, pareceu-me que realmente o caes Olinda, 7 de selembro de 1865.
nao segua o alinhamento marcado na planta e ve- Conego Joaquim Ferreira dos Sanios.
rific.aodo achei que realmente e>te fugia 4 palmos, P. S. Eslava anda na minha mo este artigo,
examinando donde provinlia e te engao, fiz o ali- quando deparei hoje com a correspondencia em que
nliamento di ra tomando 4 palmos a contar do o Sr. padre Jos Antonio dos Santos Lessa publica
muro de encost da ponte e correnoo o alinhamento smente o que levara escripto para a audiencia, e
achei que o muro do major Gustavo fogia 5 pal- fizera inserir no interrogarlo, tudo debaixo de jura-
mos do alinhamento ( para o norte. ) ment. Estimo muito que S. Rvma. tenha dado
Logo que foi publicado este offli o do Sr. Feitoza publicidadeaessa parte do seu depoimenlo, e tenha
fillio, o Sr. major Gustavo sanio Ihe ao eueoutro, e assinuido a responsabilidade do que ahi diz a res-
provou corr t ida a evidencia o contrario do que peito da conducta do Rv. vigario Camillo, pois como
dizia S. S. quanto ao erro craco o gros-eiro com- os leitores conheeerao do artigo cima, aehava-me
metlido na direceo do caes ; e logo depois o Sr. eu bern embarazado sobre esie ponto. S. livma.
Dr. Colla?-, engenheiro da cmara municipal, pe- nao quiz tomar o trahalho de publicar o resto do
dio e obleve da presidencia da provincia por inter- interrogatorio. Paciencia, publica-lo-hti eu. Nao
medio da mesma cmara, que urna eommis^o de careno reeommendar ao publico que suspenda o
engenheiros examinasse o alinhamento do dito seu juizo a respeito dos juramentos do Sr. padre
muro da casa do Sr. major Gustavo e aliaixo vai
transcripto o parecer dessa rommissao; no qual diz
que I >nge de estar o muro vaneado para o norte 3
palmos, c mo afSanea o Sr. Feitoza fllho, est para
o sul palmo e meio III..
Illm. Sr.Tendo a commissao encarregada
por V. S. de verificar se o alinhamento do muro
da casa do Sr. major Gustavo Jos do Reg, eslava
de harmona com a planta da cidade, concluido o
seu examc, ven exp r o seguinte : Oue o muro,
a partir da esquina da ra da Unio at o porlo,
est no alinhamenlo projectado na planta da cida-
de, e que d'ahi em diante, at a esquina da ra das
Saudades, elle se desvia de um e meio palmo exte-
riormente a ra que vai da ra da Aurora a do
Hospicio. Recife 16 de agosto de 186o. Illm. Sr.
Dr. Gervazio Rodrigues Campelio, director das
obras publicas.Francisco Apolegario Leal. Jos
Tiburcio Pereira de Magalhes.
Conforme.Joo Joaquim de siqneira Varejao.
Conforme.Antonio Leite de Piuho. .
los Antonio, porque o publico j conhere quao
inconcusas sao as provas que S. livma. so* apre-
senlar. Fique certo o Sr. padre Jus Antonio que
hei de ensma-lo a nao Ir*lar du resto as dores rno-
raes que soffren e ainda snffre urna familia respei-
tavel, e principalmente a Mnaa do Sr. Amaral, se-
ahora honesta, honrada e virtuosa, cu|o crime nico
foi querer que bouvesse r>-gularidode e boa ordem
no Itepolhimento onde viva.
Al breve.
Recife, 9 de selembro de 1865.
Conego J. Ferreira dos Santos.
%
M01G5J& L Wmi
&-
Os abaixo assignados, assistentes a's conferencias
que tiveram lugar no convento do Carino desla cida-
de para o concurso as freguezias vagas desla diocese
que lera lugar no da 11 do correle, fallariam a
um sagrado dever se publica e solemnemente Do
! dssern um testemooho de agradecimentoao intel-
ligente sacerdof, Rvm. Sr. padre meslre Leonardo
Joo Grego, pela dedicarlo e esmero com que se!
, presiou a conferenciar por espado de mais de dous |
I mezes sobre as questoes mais importantes e difD-
Achava-me eu em Olinda quando receb a carta c,eis' bem como 'ambem sobre as minuciosidades
que fica transcripta no nieu pnmeiro artigo; e bem da >eologia moral, habiliiando-os por esta forma
absorto Hquei com a sua lelura. Na minha inge-! para dll fon^urso. Portanto, todos agradecem-
ouidade e boa f enlendi que o Sr paire Jos Ao-! "!e e\traballio e dedici-gao com que
iil'i. nao liuha noticia de alguns boatos desfavora
A declaraco do Sr. padre Jos Antonio dos
Saotos Lessa.
III
Joio Fernandos Lima.
Amento Jos d'Assumpcao Neves.
Manoel Vicente Pereira de Mello.
Joo Soares de Albuqaerque.
JoSo Ferreira Passos Silva.
Luiz da Silva Barbosa.
Francisco de Paula Ferreira Grillo.
Innocencio Jos de Carvalhe.
Jos Lopes Pessoa de C.
Franeisco Antonio da Silva.
Joo Baptista d'Aguiar.
Antonio d'Andrade Freitas da Cupaba.
Manoel Geraldo Monlero da Silva.
Jos Theotonio d'Azevedo Maia.
Jos Tavares Bezerra.
Virginio Barboza de Lacena.
Antonio Candido Thiago de Parias.
Antonio Lopes Pessoa da Costa.
Antonio Hermillo Goncalves C.
Olinto Rodrigues Chaves.
Sinesio Pereira Gdimaraes.
Luiz Paulino d'AIrneida.
Francisco da Costa Cirne.
Joao d'Andrada Freitas da Cupaba.
Padre Manoel Correia de Souza Lima.
Prancisco de Paula Xavier de Miranda.
Jo3o Marques Ferreira.
Paulino Jos Cordeiro.
Vicente Candido d'Oliveira.
Dellino Goncalves do Nascimento.
Belizario Pessoa Bandeira do Caet.
Jos Aulonio de Carvalho Brito.
Modesto Candido d'Oliveira.
Castor Jos Furtado.
Jos Antonio da Silva Pinto.
Antonio Alves da Costa e Silva.
Thefllo Jos Pereira.
Joo Carneiro da Cunha.
Felinto Florentino da Bocha.
Estevao Jos da Rocha.
Antonio Alves da Rocha.
CURA
Espanto/a c Adiiiravel
DE USA CHAGA
GANGROSA E ROEDORA
ou
POLYPO m NARIZ,
me dra, que Iria excitar multas runs paixoes.
Bem; ced : oxal possa o Gabinete Porluguez de
Leilura lucrar com o sacrificio que me impooho,
deixando de rasgar as mascaras bypocritas de cer-
tos paraguayos.
O artigo hoje publicado sera'o oltimo, e ainda
sahe porque estando ja composto, nao quiz tam
bem manda-lo desmanchar. Agora, chovam as pi-
Iherias e os sarcasmos, em artigos assignados ou
do se diz, em poder do Sr. Antonio Jos Ferreira
Alves, e este cenbor quando com os seas colegas
empossou a directora sua snecessora, oao exhibi
um to importaote documento, qaev paramente
proprudade da atsociacao, Acando por consegninte
intil em parte esse trabalho?
Ah I tudo isso se explica perfeitamente pela
animosidade enlranhada a que j me refer
a que j me refer; ludo
Tos, que a indo responder, com o raais so- ^^^^^Z^TSjt
linha menos era vista refular e desmentir calura-1
ros intresses do estabelecimenio, que essa gante
rW ,.UI,U o U^UCUM, ,.,- Iom> (a|)t0 .
uiadores, do que destruir no espirito do respe.ta-, S0C|0S da tua"ptrca,ldade (|Ue raai nao efPm' as
vel publico a impresso desagradare), que possam cUas mesa,ilKdp.. im^nno il*Zrh n l
ter-lhe produzi tacaaunnias e malvolas insinna-
toes, adrede espalhadas cora satnico artificio em
urna peca oficial.
Recife, 11 de selembro de 1865.
Joaauim Gerardo de Bastos.
0 relulorio-uombri du ex-direclora do
Gallineto Porluguez ie leitura.
ni
Tendo alternamente decomposto e analjsado o
relatorio em que a directora-modelo despejou a
sna bilis, conheci (sem me improvisar de doulor
em medicina) em viriude dos trabalhos anatmicos
a que proced, que na sua confecrao tinham entra-
do como elementos pifocipaes os eguintes :
Fofo orgulho.
Inepcia crassa.
P.iiaucia Ilimitada.
Estullo pedantismo.
Insolencia natural.
Prevengo offensiva.
Mentira descarada.
Embustes despreziveis.
Ausencia de sentimenios nobres.
Odio vil e raneoroso.
Ningucm se assuste com esta extensa nomencla-
tura, nem por ella ajnize que o signatario destes
; artigos de senlimcntos iguaes aos daqnelles, cujo
Urna creada de servir residente em Pernam
buco e peitenceiiti- Ex." Seilr*. VlSCOXDESSA
DE Goiakna, foi attacada d'uma terrivel clia-
ga cancrosa e roedoraou Polypo no Nariz.
A mesma involvia e touiava todo a parte in-
ferior parte cartilaginosa como o mesmo oso ; Come-
$ou primeiro ]>or uppart-ccr sob o be90 supe-
rior e parte da lace, extendendo-se por tal
forma e com tul rnpidi-z, que em pouco amea-
fava transl'onuar lodo o rosto n'uma enorme
charga viva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos os recursos medicinaes
que em taes cazos se uzo foriio abundante-
mente empregudos, sem que do leve lizesse
parar a marcha lenta e destruidora de tao hor-
rivel enfermidade, e todos os mcies e crforQos
forao baldados, e no em tanto o mal crosca eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
aa ronzas neste ]>onto, se experimentou pela
vez primeira a
SALSAPAREILHA
DE BRISTOL.
O effeito produzido, quasi que instantneo
por este int-sliiuavel remedio foi verdadeira-
mente maravil'.ioeo e sem igual; este grande
purificador do sangue e dos humores do sys-
tema, immedialamente pz un termo mar-
cha disastroza e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-se atrnvi's dos tecidos os mais
delicados do corpo, expellind at ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto espado de tempo prduzio
urna
CURA
Completa e Radical.
Este feliz quao admiravel resultado foi obti
do apenas com o gnpl< uso
D'mua so nica Garrafa!
d'este incomparavel e inapri'ciavel depuratorio,
recommendamos portanto i todos os Doentes
que procurem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira Salsaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
LANMAF & KEMP,
De XOYA YORK,
na certeza de que, todas as mais preparaedes
imitativas nio valem peni couza alguma
Vende-se as boticas de Caors Barbosa
e G. Bravo & C.
suas mensalidades, julgando loucamer.te que por
isso ha de elle baquear I Enganais-vos, corac5es
pequeninos e faltos de patriotismo I todo o vosso-
el, todas as vossas artimanhas, todas as vossas ini
quidades nao faro cahir o Gabinete Portuguez do
Leitura em Peroamhuco, por que, se nina crise che-
gasse, lodos os socios verdaderamente dedicados
ao estabelecimento se agruparan) em roda delle,
e em seu acrisolado patriotismo saberiam encon-
trar os raeins de o sustentar, livessem embora de
se morder de impoteute raiva os que a indo anle-
p5em a salisfaco de seus insanos caprichos.
Joaqiim Gerardo de Bastos.
( Continuar se ha )
a -------1
Sobdelegacia r!c pulitia da fregoeziada
Vanea, 7 de setembro de 1868.
Illm. SrEm comprim tito do qne me determi-
na V. S. em seu ofDcio do Io do crreme relativa-
mente a noticia apparecida uo Diario de Pernam-
buco de 26 do passado, e chamando a minha alt-m-
gao para o fado por ella denunciado, devo respon-
der o seguate :
Quando occorreu oassassinato rio Infeliz Ignacio
Manoel de Sant'Anna Res, conhecido por 'arara-
ta, nao eslava eu no exerricio da subdelegacia do
qual por mais de um anno me achava ausente por
incoramodos de sade, e s 0M0 mezes, pouzo mais
cu menos, depois desse acontecimento reassumi o
procedimeuto como fnnecionarios se v obngado a ejercicio do dilo cargo. O supplente mio em
estigmatisar, visto que a lauto foi provocado. Nada ezercicio, o Sr. Henriques Prxedes da Fonceca
: disso ; quera tiver um bocadinho de paciencia, n se Coulinho, a quem ouvi, me informou que tendo
! Interessar nesta qupsio, acompanhe-me, refl.c.ta procedido a cupo de delicio nao pode continoar
. bem sobre os fados de cuja exposlgao me vou oc-1 nos termos ulteriores do processo por Ihe fallarem
cupar, e reconhecer que, se tenho o defeito de ser indicios ou suspeitas de quera novesse sido o au-
' franco e inexoravelmente positivo, tenho tambem o: tor do crime, apezar de lodas as diligencias empre-
1 meriio de ser verdadeira gadas, em consequencia do que, e em vista do art.
A analyse de um trahalho desta ordem tornar- 270 do regulamenlo de 31 de Janeiro de 1842, d-
se bia fastidiosa, e perdera de interesse, so o fosse-
' mos acompanhanrio paripassu; dividamo-lo, pois,
; era diversas partes, e tratemos de cada ama sepa
radamenle. Demonstremos em primeiro lugar :
As prrvencoes da direetoria-modelo contra as suas
predecessoras, e vonlade de amesquinliar os actos
destas.
E>te capitulo quasi desnecessarlo, porque nos
meusarligos publicados uo Jornal do Recife em
' outubro do anno pretrito prove exubcranti'menle
(e nao fui contestado) as prevencoes descoriezcs da
| direetoria-modelo contra a sua antecessora, e pro-
posito deliberado rie a deprimir; como, porm,
; contra a minha especiaiiva (porque considerava os
' merabros desta phenix das directoras menos estul-
tos e mais sagazes) ella imprudentemente se in
cumbio no seu relatorio de justificar o que eu an- u ulo ,
l<-riormente escrevera. nao devo dispen>ar-me de mais pronunciar palavra alguma
dizer mais algumas palavra*. i luz sobre tal acontecimento.
! Qaaodc se tem consciencia de haver mal proce- | jacarati era com elTeito um hornera n ismvel,.
dido, e de haver merecido bem fundadas cen- como confessa o informante para a Revista Diaria,
; suras, e nao se pode ao mesmo lempo dei- e lo pacificamente vivia com sua ramilla, que sua
;xar de tocar em ceos assumptos, passa-se por rculher se havia ausentado ultimamrnte delle, e
elles a galope ou como gato por brazas, e pro | p0r occasio do seu assas-onato se dizia geralmento
lenra-sa com algum artfbrio eotu-oestar os ac-juas povoacocs do Casanga' c da Varita, obdcello
tos censaraveis. A direetoria-modelo compre- era bem conhecido, que pela sua ma' lingua nao
hendeu isio s mil maravflha?, e com urna inno-' se poderia com certeza attribuir a algucm a sua
cenca, com urna ingenuidade admiravel lamenta morte.
que, quando animada dos memores desejos a bem A Viuva do fallecido Jaracalla' tem quatro filhos.
da assoriaco procurava entrar no conhecimento a polica rerrutou um delles para o extrrito por
via (car suspenso o diio processo al que fosse in-
diciado alguem como criminoso.
Por minha parte, leudo reassumido o exercicio
da subdelegacia, e empreando novas diligencias
alm das indagares queja fazia a tal respeito an-
tes disto, tudo lera sido infructfero e sem recitado
algum.
O crime foi commeltido tarde da noite, e em lu-
gar erme. Quando aos grites da victima, que bra-
dava por soccorro, cudia algutm da Bovca^o du
Caxang, j nao encontrn no lugar do crime nem
a victima nem os apgressoies. que oessa occasio
suspeilou-se ser escravo um delles em consequen-
cia de haver-se encontrado no mesmo lugar um
chapeo velho e roto. O (.(Tendido havia regressadp
para a povoago da Vanea, onde foi encontrado
no dia iuimtdialo, ja' sem sentidos, e sem poder
que trouxesse
do estado desta pelo exan.e do archivo, escriptura-
cao e biblwthera, alguns asfod.idos honvesse que
enxergassem nesse acto um acinte, urna gnsseria
para com a directora sna antecessora ; e que
um socio uDservasse com duplicados mcs olhos
aquello acto, nao desejanlo talvez que a directo-
t ria entraste no verdadeiro conhecimento do esta-
t do da sociedade.
Eu acudo ao reciamo, amaveit cavalhelros ; mas
como este bocadinho suceulento, subdividamo-lo
para melhor o apreciarmos.
A directora bomba-modelo averie a ordem do
| factos e ralla verdade por um lado; e por outro
Taz urna insinaacao de requintada malevolencia,
japparentemeiite't contra mim, mas verdadeira-
' mente conira toda a directora sua antecessora.
O que foi considerado um' aeinte, u:na gr sseria
para com e.-ta. foi, logo na sessao de posee ero 26
de agosto de 1864 o Sr. director Amonio Jo.- Fer-
reira Alves ler a ndiseripcio, a pouea delicadeza
de dar a entender por algumas palavras levfana-
meote proRoneiadas na propria presenea dj mais
de um membro da directora que o ia err possar,
que esta nao Ihe mereca coiifianca nem aos sus
collefras.
O que se considerou nm acinte, urna grosseria,
foi maridarse, logo depois de se haverem retirado
os rnembros da directora transarla, verificar se
efTeclivamenie existiam os documentos de divida
activa, qne o Sr. exthesoureiro Lima acabava de
declarar que, tendo-os conferido e adiado exactos,
entregara ao cobrador do estabelecimento ; deca- da capital.
ra^o e.-sa que simalaram acceitar, recusando al
a conferencia de documentos que propoz o rnesmo
Sr. cx-triesoureiro. E tanto mais repulsivo est--
procedimeoto quanto momentos antes bem haviam
manifestado a odiosa prevenco que os ani-
mava.
Que entrelanto lodos os actos da direclorir. Fer-
reira Alves 4 C. foram paulados pelo nico desejo
dearhar defe los, e de amesquinhar es aclos das
suas antecessoras, isso incontestavel. c ella mes-
ma se encarrega claramente de o provar com as
iosinuaedes indignas e impro|irias de qu.-m se
prez a, fangadas a smo no relatorio ; e esse mes-
mo exame no archivo, escripturagao e bibliotheca
oulra cousa nao indica comparando o com.os boatos
desairosos e infames que tal gente nao se pejava
de propalar, ficando depois desapuntados, mallo-
grando-se lles os ne ran) tudo em boa ordem e regularidad?, trocando
' apenas o rotulo de um livro para se nao dizer que
nada tinham feito, e achando nicamente a falta
| de. noce volnmes truncados de differenles romances
entender que se achava as ci ndicoes de o ser, o
nada prova contra ella o have a junta de inspec-
co julgado-o incapaz do servjco militar ; ella nao
tem mdicos a sua disposico para mandar inspec-
cionar os ucruias que faz, ames de os rcmetltr a
auloridade SDperlor. Ctnsla-me que tuiro filho
da referida viuva. sendo guarda nacional oo 4o ba-
talho de infanlaria, (Ora designado pelo respectivo
commaudante para fazer parte do cottirgente da
mesma guarda nacional, e preso a ordem do mes-
mo por pravas do mesmo corpo em c'iisequencia
de se haver occullado, e nao comparecido a re-
vista.
Com o que fica exposlo me parece ler respon-
dido satisfactoriamente ao citado ot*fico de V. S.,
no que me diz respeito, c, mo auloridade policial
desla rtguezia relativamente ao:- dous fados sub-
ministrados a redareao da Revista Diaria de 26
do passado, cuja boa f procuraran) Iludir com
inforniacoes suspeitas e calumniosas.
Abstenbo-me, pois, de analysar e responder as
arguigoes cuntidas na dita noticia, porque alm
das contradicoes e calumnias de que se ressente,
lodo o mundo esla' vendo que o seu autor, ou de-
nuncame s teve em vistas desvirtuar os factos
dando-ihe cor poltrca.frtre'nunca tiveram, para a
seu talante incensar alguem.
Por incommodado nao pude senao hoje dar a V.
S. e-ia resposla, que me permitlira' publicar.
Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Dr. Luiz de Al-
baquerque Marlins Pereira, dignissimo delegado
O subdelegado,
Jos Carneiro Rodrigues Campelio.
----------*9oe
A jurubeba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
muilo c tratou Pisn em .-ua excellente obra Historia na-
luralts el medica niiim occidentalis, seno as
Antilhas, onde o sueco das folhas e rructos como
aqui, muilo estimado e apphcado contra as obs-
trnoces abdominaes, principalmente do figado e
bacj; e se lodos os facultativos desla provincia o
nao applicam com rrequencia, isto se nao deve a
nao recouhecerem elles essas virtudes, mas sim a
nao seren encontradas com racilidade e cm todas
as estacies do anno os rructos dessa planta, e re-
pugnancia, que a presentan) os deentes em fazer
uso do sueco desses fructos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao desconhecida dos botanistas :
desempe- TT +nof/ V A 4-'A" (dos quaes um appareceue outro foi pago por quera
nhou a difflcil e ardua larefa de que s encarregou, U1H tSl>6IDIlQllO (le ^ImlQUO. | SJ^^^^JS^^J?**?^ '"t,ls..,l-?.?0?' foi dada por Lyneo.
veis, que corriam a respeito do Sr vigario Camil-',,em como as delicadas raaueras com que sempre Merecerla o epilhelo de ingrato se deixasse de
lo: e Julgando do meu dever avisr-r o Sr. padre' MvDl e dcil tratou a todos em geral e a cada dar a mais exuberante prova do meu verdadeiro re-
vimento annual do dezenas de milhares de li-
Quanto amor tinham no corago os membros da
,a la.Padre Joaqui n Belarmino de Miranda.-Padre as melhores relacSes de amisade. Gozei, por esse f m,m como a loao,s os mru e*-co",Ras,0,a ,Iirec-
;0 Sebasiio Jos Ribeiro Pessoa.Padre Renova Pe- tempo de lo araavel companhia, al que, por meus nr,n-uns rpmo culpados de (supposias) fallas, ou-
0 reir Tejo.Padre Manoel Jeronymo Cabral.-Pa- proprlos nieresses, vine, com grande pezar obri- .. de as ,olerarem ou encobrirem !
ia dre Maooel Cavalcanli Bezerra de Menezes. Padre gado a deixar de concluir o ensino dos mes io- Mas |uem Proruroa impedir-vos de procederdes
Lessa, determinei-me a passar o sabbado seguinte! ura,em particular. conhecimento e gratido ao Sr. major Joaquim de *'""
no palacio da Soledade, alin de poder conversar' Ace"p, pcs. Sr. padre mestre Grego, esta pro- S Civalcaoti do Albnquerque, e a sua Exma. h-. "J,
largamente com Rvma. a tal respeito. va de reconliecimento e amizade.Padre Galdino milia, pelas maneiras rivis, delicadas e obsequio- j ,-y'
Assim oflz e communiquei Ihe era particular! Firmo da Sllveira Cavalcanli -Padre Antonio Ger- sascomqpe me irataram c a loda minha familia,' direeiorta-moiMo, quando dizem que um socioyv)
algumas cousas que se diz.ara a respeito do Sr. vi- mano Bezerra.-Padre Joo Gomes de Olveira.- dorante nove mezes que esl.vemos na povoaco de !d2!2 2? 222**."f ve,:fadnro
gario Camillo, sem affinnar era negar, referindo Pi"'^ Fortanalo David Amador de Oliveira.-Pa- Paralibe, cabeodo-me o prazer, nao s de l-cdonar Z\T^J0 fSlad'" $or-,edai.e A "f 2?
pura e simplesmenle o que havia chegado ao meu dre G-ouiuo Gomes Pereira.-Padre Joo Baptista as primeiras letlras, em o sen engento Jardim, a "* "a" procurou em vao so f.r.r me, ella e
conhecimento. da S'lva--Padre Lourenco de Alinquerque Loyol- qaatro filhos seus, como de maater com o mesmo "-"a cora deslealdade descommunal tanto
O Sr. padre Jos Antonio teve a gentileza de ^--^dr^ Joaqun Belarmino de^Miranda.-Padre as melhores relaces de amisade. Gozei, por esse !
publicar urna dessas revelagoes conlidenciaes: nao
repetirei eu o que S. Rvma. publicou, nem direi
proposicao que S.' Rvma. diz ter-lhe eu affirmado, Joao Jos de Araujo.-Padre Joaquim da Cooha vens e semprelembrados discipuTo"s,V"reiinr-me *J"asJ-e"Tes e Pes1D,If? l*m vo^ pare'
ha ura adjectivo loda que de invenco de S Cavalcanli.Padre Antonio Dias da Cunha.-Pa- para esta capital repagado da mais viva saudade. '"?">'duei, homens de ma fe. E quando taes
Rvma., l do seu juramento espontaneo, mas nao dre AutOD.io ^mes Raphael de Mello.-Padre Bal- Apreciei as sublimes qualidades desse excellente JT.^y^ <***&* I*11"* g fP*
meu. Quanto ao mais, se S. Rvma. corametleu du'no Ios da s'lva- Padre Antonio Pinto de cav
am crime revelando urna parte do que Ihe fra Abreu.Padre Joo Alipio da Cunha.Padre Jos e
dito em particular para seu aoverno e direceo. Rober'o da Silva.Padre Sebastiao de Andrade bitavel da fino educaco que recebera, muita pro- .
sso me nao aulorisa para faltar s conveniencias V.eira.-Padre Sebastiao Fabio de Oliveira Lima, bidade e firmeza nos seus Iratos, activo e laboro- 8 *L*erJ* eTV*[ e eli,im1ular .vo,sso falso
sem necessidade. Talvez mesmo que S. Rvma. ti-; -Padre Manoel Jos de Oliveira Rego.-Fr. Bento so agricultor sem igaal, sobresahindo a tudo o ser Ie'lhp?,a ProfPpr'daa'e d esiaDelecimenio?
vesse perraisso para assim proceder, aflra de que do Monte Carmello Flres.-Bacharel padre Manoel despedido dessa faiuidade e fofo orgulho, deque eu me alarga se mais ou commelle\se qualquer da Gosla Honorato. muilos seohores de engenhos. que, nao tendo nem E*L**d 1' n,nuie'n Pode crer as vossas pa-
indscrico. Recife. 9 de setembro de 1865. urna da* suas qualidades, se revestem ; mas que 2 ; ou '""300 "lrem0 d- odlvos obseca e
E se assim me acautelo e guardo toda a reserva,! ------------ i---------- *%> Pasm de uos grosseiros, sem edacacao. Nao .
porque vejo conlradicoej flagrantes, que me fa- J nao existe eotre nos o mu digno ex-juiz de ZT Si -L ,!Jef,808f da lisCDa ; mi
zem descoufiar do terreno em que querem que eu direito drsla comarca o Sr Dr Pedro Camello Pes nhas ex^ressoes sao ingenuas e rrancas, escrevo o
pize. O Sr. vigario Camillo por exemplo, interro-! em conseauencia denn* do rmnvMn n.f a qae d,la raeu coraSao-
gado por mim logo depois da Jublicaco do Sr. pa-' Tma a dS K de Z^SVwiSito y 22?% K? Sr- majr 1TUm de Sa e a sua
dre Jos Antonio, diz-me que o Sr. padre Jos An- Maraoho sacaia dftsu \riHa\Sdlili Z;Sf Exma- fam,l,a as nossas udosas despedidas e de-
tonio esl ma. cora elle vigario por io querer esle ReS '^*t^&*^ raons,ra-6es -?- ^atido.
serv.-lo em um pedido que S. Rvma Ihe tlzera; e peSSoaS gradas desta localidade, perteucentes a am- [
termina dizendo : nem sempre se podem fazer fa- bas as parcialidades polticas; sua ausencia nao
aprecelas suotimes qualidades desse excellente --t- ^ """ i".' '^
:avalheiro, notando Ihe sempre naiural arabilidade pondo torlniD rnom?I<> que faltas ou culpas hou-
I agrado para com todas as pessoas, prova inda- w?se' ao loncos seriamos uos qae nao conhrcesse-
Ditavel da fino educaco oue recebera muita oro- m'*' 1ae lodo ? emPen" Ps' n vns esiorvar
! esta planta pertenre familia das sotaneas, e lera
i.igo por quem ; a rjenominacau de solanum pamculatum, que Ihe
antes 185000, fo| dad Lv
dednzida a importancia dos dous referidos votamos, Pjrecel,do-nos conveniente facilitar o uso do
sto no espaco de quatro annos, havendo um mo-1 SU(.C0 (|() fruc|os (]a jutubeb^ que 0 1[)ais em.
pregade), nos propozemos e couseguimos preparar
com elle nao s uraextracto alcoolico que pode ser
applicado em pilulas, mas tambera um vinbo, um
xaropc, e um emplastro que pode substituir, em
certos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos qae
com isto prestamos um servico humauidade e
therapeoiica.
Pisoo, tratando da hydropesia, prescreve a de-
coccao das raizes da jurubeba, e Mrat e Deleas,
em seu Diccionario de materia medica e therapeu-
ticu, dizem que as AuMIhas se faz uso do sueco
dos rructos maduros dessa planta contra o calar-
rho vesical; e a auloridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso estabelecimento essas raizes, para que possam
ser experimentadas.
A repulacao da jurubeba tal, e os .resultados
therapeulicos obtidos ltimamente sao tao impor-
tantes, que nos parece intil dizer mais do qae
isto, que Dea escripto.
Deposito: pbarmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
Epiphamo Borges de Menezes Doria.
cores I
Quando eu esta va
mtm *'
DECLARADO.
Vivamente solicitado por pessoas, que me mere-
offitsea a razao,
J_: dessa forma justificaes, assumis ostensivamente a
palernidade dos boatos calumniosos e miseraveis
em que se procurava salpicar de lama nao s os
membros da directora que vos anteceder, mas
at os proprios empregados do estabelecimento, que
bem julgaveis e procurasles encontrar delinquen-
tes, para terdes o direto de Ihes rouhar o chorado
pao, que honradamente ganham com o suor do.-eu
rosto I
Pois era outubro do anee prximo passado no-
meia-se urna commissao para dar balanco na bi-
blioiheca, f^cha se o gabinete por oito ou dez dias,
d-se o fallado balaogo, que em vez de mostrar fal-
ta de centenares de voluntes como tanto almeja-
pode deixar de penalisar a lodo3 quaulos o conhe-,
bem convencido desla desio- cein tm consequeucla das bellas qualidades, que
telligencia, eis que leio no depoimenlo do Sr. padre' tanio o caracterisam
Jos Antonio que o vigario Camillo tinha do visi-1 Corao particular, 'o Sr. Dr. Pedro Camello Pes-
tu S. Rvma., e combinando as datas vejo que, a | soaj uUfaote os quatro annos que residi n'esia v-
Z^^LL\%lT^nlT? n! raereceu a estlma> e consideraco dos Bananei- m maior consideraco, e a cujas instancias e I van,, moslra-"a VpeVas de"9" voumes noTongo'"/,;
lugar essa visita no dia immediato aquel le em que renses de arabas as parcialidades polticas ; como ponderales oao me mi posslvel deixar de acquies-; riodo de 4 annos e ao passo que ao empreeado e
' ,gaLlm^#^?a^e^^ juiz, soube sempre maoter-se altura de sua mis- ?er, declaro que inte, rompo aserie de arligos! tira a conta dos voluraes que Valiaram, nao cansa
aa' "' na* sao, elevndose cima dasconsideracSes e influeo- (eram dozeK051ue Ja estavam proraptos,) em qoe todava esse resultado de urna acta da directora
cas locaes, honrando a loga de magistrado que me propuDha a motomtsar inexoravelmente em nao se copia esse balanco no livro competente para
merecidamente trzia, e distrlbuindo jusiica com ^ce,0^ es'alulos relatorio publicado no Diario servir de pooto de partida s vindouras directo-
imparcialidade notavel, por cujos ttulos cooquistou d"J2 de. aB0St0 signado pelos Srs. Antonio Jo- ras, e nem ao menos por especial merc existe elle
as sympathias dos que sabem apreciar o verdadei- s Ferreira Alves, Antonio Joaquim Viohas Maia e no archivo ?ff
ro mrito. Antonio Goncalves de Azevedo, cavalheiros hones- Corao que o Sr. ex-primeiro secretarlo Joa-
Queira, pois, o Sr. Dr. Camello Pessoa receber '*#n?J, especialmente o primeiro e o terceiro, e quira Ferreira de Araujo Guimares se apossa de
dos abaixo asslgoados as suas despedidas; e muito Qu0 na0 abusaram da sua ephemera pisicao de um trabalho qoe oao Ihe pertenre, que prciprie-
felicitamos aos habitantes da comarca do Brejo pe- funecionarios para darem expaoso a orfzos raes- dade do eslabelecimenio, e lano assim que a di-
la aequisigo de to distioclo magistrado. quinhos e a vingangas de despresteeis. rectora modello declara ter a elle procedido para
Villa de Baoaoeiras, 19 de agosto de 1863. Gollocaram-me dlante dos olhos o quadro deso- coutucer do estado da bibliotheca ? Como aue
lador de maiores desintelligencias entre os asso- os collegas do dito Sr. Guimares, solidarlos nos
> * JURUBEBA.
o Sr.
Rvma
dilha; e eu nao gosto de quem arma ratoeiras para
horaens: as ratoeiras s se lizeram para os ra-
tos. Adiante. Bstame dizer que nessa larga
conferencia que tive com o Sr.|padre Lessa, termi-
nei recoinmendando-lhe que se certificasse da ver-
dade, e sobretudo Ihe declarei que eu nao sabia de
faltas do Sr. vigario geral; e que era eu, nem o
Sr. eonego Tavares da Gama coacorreriamos para
que elle fosse demiltido.
0 Sr. padre Jos Antonio, asseverando qae era
falso o que se dizia do seu amigo vigarioCamillo, to-
dava nao Instou : guardou silencio, e nao se zau-
gou comigo, como se vera da attenciosa carta qoe
me eflviou oa manhaa do dia seguate, com dala
(1) Veja-se o Diario n. 164 de 20 de julho do ciados (cuja uoio e boa harmona tanto coavem aclos dadrectora, n"o prTdenciarrmem ordem
correte anno, pagina 1- columna 5-, quasi oo solidificar) e os males que poderiam provir ao es- a que semelhante'abusse So Z1 Cino
labelecimenlo da pubUcasao do trabalho a que eu que tai balanco existe, embora em coofianr;a soguo-
fim.
A jurubeba urna das substancias medicamen-
tosas, ao reioo vegetal, e perteoce classe
dos tnicos e desobstraeotes, sendo em prega-
ua cora "vaotagem coolra as febres intermitentes
acompanhadas de engorgitamenlo de figado e baco.
Ella tem sido applicaela com incoutestavel proveito
contra a anemia ou rhlorose, e hydropesia, calar-
rho da bexiga e mesmo para corabater a menstrua-
cao difflcil, resultante da mesma anemia oa calo-
rse.
Exlrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinbo idem de idem.
Pulas de ext. dem.
Deposito, pharmzcia de Pinto, ra larga do Ro-
sario n. 10.
.
C0HME1CI0.
IVove Banco de Pernjimboce
O Novo Banco paga o dcimo quinto di-
videndo Da razao de 8# por accSo.
*v


~

"

- '

Diarlo de Prranrxhnn, ~ Segunda UiiS t de fsctauhr* de Sft
\
Caita filial kbaiM do Brasil eu
Pernambuco.
A directora desla cana saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Jaueiro e sobre a caia filial do
esrao banco na Bahi.
Xovo banco de Peruan-
bnco.
0 banco descoma letras na presente semanaa
* por cenlo ao auno ate o prazo de seis mezes,
flievo bumo de Pernambuco.
... duiloistridores da massa fallida de Joaquim
Jos Slveira pagam o i- dividendo de dita nmsa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des litlos ad-
mettidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche d. 34.
Caiv; filial lo banco do Brasil era
l'ernainbuco.
De ordem da directora se taz publico que a cai
xa descoola os saques de seu aceite, pralcados
|)elo banco do Brasil, pela taixa de 7 0|0 ao anno.
Oguarda-livros
Ignacio Nunes Correia.
Nano suhiJo no mesma da. l a -_.,--,_ tnntn
Assu-Brift brasleiro Norma, capllo Manoel! ArremalfgaO.
Martins da Cuoha; em lastro. j Fcou transferida para terca feira 12 do forren-
Naviot entrados no da 9. ; le, depois da audiencia do l)r juiz de orphaos, a ,.__,.,
Penedo-3dlas,nalhabote brasleiro S.Jw Trium- P"ea de venda da casa terrea n. 34 da ra do Por- JrAOlJRrriS A VA PAR
phante, de 33 toneladas, capitao Juliao Jos Tho- Ie das ''neo Ponas, a r*qoeri>edto do inventa-
mar., equipagera 7, can/a milho e ootros gene- rante dos bens da finada Mara Rita Jos Prazeres.
ros ; a C. C. da Cosa Morelra. pela quantia de 9605, lend si.fTrido o abate da lei
Rio de Janeiro -19 das, palhabote brasleiro Pie-, na avaliayo de 1:2005.
fn'.^InnLLi^'r.3*' ca',|,io,.Jos Marques | Decretan. 3,453 de 26 de'abrit de 1863.------
V.anna, equipagem 13, carga cafe e outros ge-1 o oQMal do registro geral de hypoihecas desla
comarca abaixo assjgoado, chama a attengo da-
quedes, a quem ioteressar patas, para o> seRUintes
artigos do decreto n. 3,453 de 26 de abril de 1865.
Art. 236. Nao opera seus effeitos a respeito dos mendas e dinhel
terceiros se nao pela traosr.ripgan, o desde a dala 2 hora*
della, a transraissao, entre vivos por titulji oneroso Antonio
ou gratuito, dos immoveis susceptivas de hvpo-
llieca.
eros
, a Antonio Luiz de O. Azevedo & C.
| Navio saliido ao mesmo dia.
i ParahibaEscuna iugleza Anne Grant, capitao
John Heah ; em la-tro
Navios saludos no dia 10.
Rio de Janeiro-Barca ingleza Emily Agnes, capi-
tao D. H. Watson ; carga carvao de pedra.
ParahybaBarca ingleza LockjOwt, capitao Luca*.
Ubservarao.
Nao houveram entradas.'
Fundeou no lamaral urna barca ingleza, mas
nao teve communieagao coro a trra.
GOMPANHIA BRASILERA
DE
E' .esperada dos porros do- nor-
te, ate o dia 18 do correte, o va-
por Galgo, commandante o pri-
ineiro lenle Araujo, o qual de-
pois da demora do costme seioi-
ra para os portas do sul.
Desdo j recobem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
r embarcada no dia de sua chegada ; encont-
r a frete al o da da sahida, s
De
EEILAO
ovis e oulros #bje< Us.
Cordeiro ftime*
rara fctSu por eoota e risco de quem perlracer de
diversa* obras de marrineiria novas e usadas
T>r$-fera 12 da correrte as 11 horas.
57NO ARMAZEM A RA DA CRUZ 87
Rogamos aos nossos assignanles da rna da
CASA DA FOBTffff 4
Aos 6:000$00.
Bilhetes garantidos.
A" RA DO CRESPO N. 23 E CASAS 1)0 COSTUME
O abaixoasjignado venden nos seus muilofeli-
zes bilbetes garantidos da lotera que se acabou
de estrahir, a beneficio da igrrja de .\. S. do Ro-
sario de Muribeca, os .-eguinies premios:
Bous quartos n. 18:10 com a son de 6.0005
Doos quartos u. 2ii com a s irle de 4005.
E outras mutas sortes de 1005, 405, 205
OJOOO.
BSITAES.
ALFAXDEG.V
Rendimento do dia 1 a 0 ......
dem do dia 9..............
86:0415090
9:9625137
MOVIME.NTO DA ALFADEiJA.
Volumes entrados com fazendas____ 23
com gneros..... 117
Voluntes sabidos c:m fazendas.....
coa gneros.....
23
240
140
------- 263
Descarregam uo dia 11 do crrente.
Barca Ingleza Ullswatrr mercadorias diversas.
Patacho hambur^ue/.Helene -dem.
Patacho ingle;.Eagletfarinha de trigo.
B.irca inglezaLanca /nu-larinha de trigo.
Ilute iuglez -Sea Breezefarinha de trigo e ou-
t'os gneros.
Barca francezaJ/andiversos gneros.
E-cuna poriuguezaima- pedra de lagedo.
Barca uacioiial Caf/e-charque.
IiuporCaco.
II.ai: nacloual Glora II, entrada da Babia, con-
signada a Joaquim Jos Goncalves Beltro, mani-
estou o seguiole :
2 caixas panno de algodo, 50 cunhetes ac, 1
caita ferrag^us, 100 ditas ceblas, 65 barris banha,
295 betas depiassava ; a ordem.
3 pouches azeite de pama ; a Miguel Jos Al-
ves.
4 cascos azeite de palma, 50 rolos arcos de pao ;
a Bellro.
1 casco azeite de palma; a Palmeira.
Geoems uacionaes.
48 toros de Jacaranda, 1,109 camnhas, 31 cai-
xes e 5,000 charutos avul-os, 24 saceos algodo
de Valenca, 48 fardos fumo ; a ordem.
: caixoes charutos ; a Joaquim Al ves Ma-
ihcns.
I dito dito; a Joaquim Ferreira Valpnte.
15 cauoes charutos e 22 fardos fumo ; a Joa-
quini Jo.- Goucalves BolirffO.
I pacota fumo ; a Palmeira.
64 fardos fumo ; a llosa & Irmao.
1 eaixao clurulos ; ;a Jos Leopoldo Burgard.
1 eaixao clurulos ; a J. li. dos Ueis.
20 fardos de algodo ; a Andrade & Reg.
2 fardos fumo ; a Joaqum da Silva Castro.
Brigue iiil"Z Allnon, ent.adode Liverpool, con-
signado a Mills
guinte
Rodrigues do Xascimento, es-
0 Dr. Tristao de Alenrar Araripe, offleial da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do com-
mercio, por S. M. Imperial e Constitucional o
Sr. I). Pedro II, a quem Deas guarde, etc.
Faco saher aos que o presente edital virem e
96:0035464 delle noticia tiverem, que no dia 18 de selembro
00 crreme aono se ha de arrematar por venda a
quem mais der em praca publica de-te iuizo o se-
guinte :
Um sitio sito na estrada de Joao de Barros, tendo
um porio na frente com pedacos de muros as lado'
urna casa com um soio dentro do sitio, tendo a
casa trila e quatro palmos de frente e oitenta e seis
de fundo, tendo em roda da mesma casa urna cal
cada com pilares, duas salas, quatro quartos, cos-
nha fora, e no soio tres quartos e urna sala, com
cacimba, tanque, casa para pretos, e um telheiro
com apetrechos de moer e fazer farinha em mo
estado, t^ndo nm terreno cora largura para ambus
os lados, para plantajes, algumas frocteiras, sen-
Ido a largura do dito sitio de 375 palmos e 500 de
I fundo, avaliado em 10:0005.
O qual fura peohorado por execucao de Jos Pau-
lo do Reg Barrete, contra o bacharel Diodoro Ul-
; piano Coelho Catanho.
E nao lia vendo lancador que cubra o preco da
avaliacao a arremataco sera feta pelo preco da
adjudicaco na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei pa-sar o presente, que ser publicado pela
Imprenta e alDxado nos luares do cosame.
Cirtade do Recife de Pernambuco 18 de agosto
i de 1865.
En, Manoel Maria
envo o subscrevi.
Trislo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, ofDcial da Impe-
perial ordem da Rosa, e juiz especial do com
mercio, por Sua Mageslade Imperial e Constitu-
cional, eic.
Faco saber que no dia 13 do correte, pelas 11
horas da manhaa, na sala das and encias, devero
comparecer os credores da massa fallida de Cami-
nha & Fllhos, para cuinonr-se as disposicoes do
artigo 842 do couigodo eOminercio, para o que sao
convocados pelo presente, devendo comparecer de
conformidade com o disposto na segunda parte do
mesmo artigo.
Recife, 4 de selembro de 1865.
Eu Manoel Maria itodrigues do Nasciuient<, es-
crivo o subscrevi.
Trisito de Alencar Araripe.
Lalham & C, manifestou o se-. Dr. Tristao de Alencar Araripe, offleial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio de.'ta cidade do Recife d" Pernambu-
co, seu termo, por Sua Mageslade Imperial e
Constitucional oSenhor D. PedroII, a quera Deus
guarde etc.
Fago saber pelo presente, que no dia 18 do raez
de selembro do corrente anno, se ha de arrematar
por venda a quem mais derem praca publica des-
te jnizo, depois da audiencia respectiva, a escrava
de nome Maru, cri ma, de qualorze aonos de da-
de, avahada em 6005, a qoal vai a praca por exe-
cucao de Albino Jo.- Ferreira da Cunha contra
Manoel Ignacio das Candeias. E na falta de licitan-
tes ser a arremataco feta pelo prego da adjudi-
cado com o abatimente respectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei azero presente ediul que sera' afRxado
nos lugares do costmeepublicados pela impreosa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, 30 de agosto de 1865.
Eu Mauoel Mana Rodrigues do Nascimeuto es-
crivo o escrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
I Art. 257. Atoa transcripeo os referidos artes
! sao simples contractos que s obrigam as partes
' contratantes.
Art. 258. Sao snjeitos a transcripcSo para que
possam valer contra os terceiros conforme os arti-
* antecedentes. *z Kl^. commandanle Martins, recebe car-'
S l. A compra e venda pura ou condicional. fegjf^l n ga nos das [i e 13. Encommen-
e ; nerm.ula- -*^*^^B^ das> passageiros. e dinheiro a fre-
^ ." A doacao em pagamento. le at 2 horas da tarde do dia da sabida. Egipto-
4." A transferencia que o socio faz de um im-, ro no Forte do Matos n. 1.
movel sociedad, como fundo do contingente se-1 -. ,...
?rara o Jio de Janeiro
Pretende seguir com inuita brevidade barca
nacional talauracao,
ment
para pj
tes commoaos, tratase com os seus consign
Antonio Luiz d'Ohvoira Azevedo & C, no seu es-
criptorio, ra da Cruz n. 1.
mo Luiz''dfUhie.raaA;eUvedo A f"^ "" TS??*, W^ ^"^ t^ C,ttI 'd'A- E "W" ^m vir receber sens
mMLau ue Ulueira Azevedo & L._________ Ba, E,trada de Joao de Barros, O.tao do Palacio tiros premios sem os descontos das le!
COMPA.NIIIA PEII.N'AMBUCANA Episcopal, Corredor do lti-po, ra da E-peranca, da Fortuna ra do Crespo n 13
de i ra do Atalho, ra de Fernandes Vielra, Soledad*- Acham-se a venrta os da ? nane ria K.
respec-
na Casa
. Soledad
.\ave}'ici costeira por vapor.
iiCOKi. I'enedo e Aracaj I dependencia, para Sern inscriptos na nova lista
N dia 14 do crreme as 5 horas que se esta fazeudo, pelas faltas do distribuidor,
da tarde segu o vapor Parahyba, I
ra do Atalho, ra de Fernandes Vielra. soieaa* Acham-se a venda os da 2- parle da 5* lotera
I e do Manguind, antes da ponle, queiram mandar (3l'J a beneficio da Santa Casa de Misericord;a
: suas moiadias a livraria n. 6 e 8 da praca da lo- que se extrehir sexia feira 15 do corrente.
PRECO.
cial.
8 5. A doagao entre-vivos.
6 o O dote estimado.
7. Toda a transaeco da qual resulte a doa-
cao, ou transmissao do immuvel.
8. Em geral, todos oedomis contratos trans-
itivos de immoveis susceptiveis de hypotheca.
Em vista pois dos artigos citados observa o mes-
mo abaixo assigoado que os contractos nelles com-
prehendidos [.ara sua mteira validade dependem
da formalidade essencial da transcripeo ou regis-
tro, sob pena de aearretarem aos iuteressados se-
LOTERA
AOS 6:000#000.
Corre no da I.
Acham-se venda ni respectiva tliesou-
raria ra do Crespo n. 15, os bilhetes,
Para
Bilhetes .... ifrm
Meios......35500
Q'iartos.....j!H)0
as pessoas que coniprarem de 160(4000
para cima.
Bilhetes.....65500
Meios......35750
uartos.....15700
Manoel Martins Kiuza.
lal Hcstanrnrao, le.n parle do seu carrega-; meiOS C quartos da 2* parid da S" loleiia
prompto : para completa-lo, e juntamente (} ia\ 3 |)pnf,r 0 (|, s.mt p- .i u; s.ravos e fretes, para os quaes te.n excellen- \ l eneoco ua fmi ^a Ue Misetl-
nmodos, tratase com os seus consignatarios cortll:l- cuJa exlract'"10 !,,!r;' 00 da Slipra
Para o Porto por Lisboa
pretende sabir com a possivel presteza o brigue
Pernainliiirnno : para carga e passageiros, a quem
nos prejuizos, e de se lonurem de nenhum (-Helio, offerece bons commodos, trata se com o c n-igna-
sempre que foreni contestados por terceiros. i larjo Th una;, de / mino Fonseca, ra do Viario
l'tdgenao infante de Albuquerque Meti. n. 19, prinieiro andar.
,r~, Pela secretaria da cmara municipal desla Com^nuhl neri<>i lin-
cidade se faz publico que a mesma cmara nrinci- ^ "'V Saerie> iat
piara a tercera sessao ordinaria desie anuo uo dia 1
13 do crrenle e nos que se seguirem.
Secretaria da cmara municipal do Recife 9 de
selembro de 1865.O secreliro,
__________Francisco Canuto da Boaviagem.
perlales.
A' o dia 14
do corrente mez
espera se da Eu-
ropa o vapor
mencionad ose no lugar e hora do costme.
Os premios le .OO0OOU at IO.JOu
serao pagos urna hora depois da extraego
al as i horas da tarde, e os outros depoi |negocio,sendo nnllos q
da distril)iiii;odas listas.
As encommendas s rao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracc-o
como de costume.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
1 neiro.
Para eondiccao, fretes e
! aguocia ra do Trapiche n
PARA
seguir' para Ba-
ha e Rio de Ja-
passa
9.
0
rens tratase na
Perante a cmara municipal desta cidade
estaroeiu praga nos dias 13, 15, 16, 18, 19 e 20
do corrente nos priineiros tres das as seguimos
rendas municlpaes a saber :
Afencio de pesos e medidas 15:2315000
Impost de 80 rs. por carga de farinha
e legumes vendidos uos mercados
pblicos. 2:2235000
Talhos de agougues das riberas de S.
Jos e Boa-Vista. 5
Nos ltimos, os alugueis das casas da praca da
Independencia, das riberas de S. Jos e Boa-Vis-
ta, da Soledade e das ras da Florentina e Impe-
rial. A arremataco destes alugueis feta por
tres aonos, e daiuellas rendas por ora aono so-! "ru,n ,i0' Cm u Mpltio da mesma barca,
mente. As pessoas que pretenderem arrematar
ditas rendas e alugueis deverao comparecer uos
dias indicados no pago municipal, munidos para
os priuieiros, de habihtago legal cuno manda a
lei. e para os nliimos, com cartas de llancas de
Preeisa-se de um. hornera que saiba
ler eescrever. qm nao ten'ia a^haoje ne-
francez Guienn', .nhumpira destriotiir este Diario em urna
que depois da de-; parte da freguezia do bairro da Boa-Vista :
'me na livraria n. 6 e 8 di praca da Indepen-
dencia.
Precisa-se de ma 1 cria li pira serv-
co de u na familia composta de tres pessoas
na rija Augusta 0. 5, primeiro an lar.
Rio pretonde sabir neste- 15 dh:
Valle; para Carca, passageiros
tratase cora I).vid Ferreira Bailar
a barca nacional
e. escravos a frete,
na ra do
200 saceos arroz, 30 toneladas carvo de
de a
peJra,!
sodio.
10-diUs eoke, 154 volumes fazendas
66 sigos looc; aos consignatarios.
'iii barricas cerveja, 5 voluraes fazenda de linho;
a J. Pater.
5 ditas dita ; a J. K. Lopes. .
5 amarrados cobre em folhi, 100 caixas folhas
de Flandres, 10 volumes fazendas de algodo, 4 di-
tes dita de linho, 50 gigos louga ; a ordem.
!) barris ferragens ; a Prente Vianna & C.
6 ditos dita-; a Izidoro Nelto & C.
50 volumes fazendas de algodo, 8 barris oleo
de linhaca ; a E. A. Burle.
50 volumes fazendas de algodo : a Mello Lobo
& C.
3 volumes ditas dita ; a Carneiro & Nogueira.
1 dito ditas dito ; a Uarle & C.
1 dito ditas dito ; a F. & Araujo.
1 dito dito : a A. C. Abreu.
<2 volumes machinismo ; a A. Matheus.
RECEBEDORIA UE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 6...... 7:8345910
Idrm do dia 9................ 7825198
pessoas idneas. Os que se aehirem em debito
para com acamara, nao sero admeitidos a licitar
em suas rendas.
Pago da cmara municipal do Boeife em sessao
de 9 de selembro de 1865 Luiz Jos Pereira Si-
moes, pro-presidente.Francisco Canuto da Boa-
viacem. sncrelario.
8:6175i08
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da I a 6
dem do dia 9........
10:501*927
4965032
10:0985959
PRAgA DO RECIFE
9 IM; IM IMUKO BK 18G5.
a'S TilES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........Saccou-se sobre Londres de 24
Va a 24 V d. por 15000 a 90 d.
v.: sobre Paris a 392 rs. por fr.
a 90 d. v.; elevando-se os saques
efTeduados durante a semana a
S 50,000.
Algodo......... O de Pernambuco vendeu-se de
155700 a 165 por arroba.
-Couros ........Os seceos e salgados venderam-
se a 160 rs. a libra, nominal.
Carne secca.....A do Rio Grande do Sul vendeu-
se de 25600 a 35300 a arroba,
licando em deposito 120,000 ar-
robas ; e a do ll:o da Prala de
25200 a 25500 ; licando era de-
posito 18 500 arrollas.
Arroz.......... Vendeu-se o pilado da India de
25600 a 25700 a arroba, e o do
Maranho a 25800 a dita.
Azi le doce...... Vendeu-se o de Lisboa a 25500
o galo, e o do Estrello a 25200.
Cacalhao.......Retalhouse de 185 a 205000 por
barrica, licando em deposito 800
barricas.
Batatas......... Venderamse de 25800 a 35200
a arroba.
olaclunhas.....Vendeu-se a 25300 a barr-
quinha.
Cafe........... Vendeu-se de 65500 a 75500 a
arroba.
... dem de 15800 a 25200 a libra.
.... Vendeu-se de 45000 a 75000 a
duzia de garrafas.
... A ingleza ordinaria vendeu-se
com 300 por cenlo de premio so-
bre a factura.
Manieiga....... Veodeu-se a iogleza a 900 rs. a
libra, e a fraoceza de 700 a 750
rs. a dita.
Massas......... Venderam-se a 65000 a eaxa.
Oleo de Irahaga.. Vendeu-se a 15600 o galio.
Passas......... dem a 65000 a ca xa.
Presuntos...-----Venderam-se a 165000 por ar-
roba.
Qncijos........Os flamengos venderam-se de
15800 a 25 cada um.
Sabio.......... O inglez vendeu-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a 240
rs. a dita.
Touciuho....... Vendeu-se o de Lisboa a 115200
a arroba, e o do Rio-Grande do
Sol de 955OO a 105000 adla.
Vinagre........O de Portugal veodeu-se de 905
a 1005 a pipa.
Vinhos......... Venderam-se os de Lisboa de
1705 a 1905 a pipa, e os de ou-
tros paizes a 1705000 a dita.
Velas.......... As de composigo venderam-se
a 560 rs. por pacote de seis ve-
las.
Desceios.......O rebate de letras regulou de
9 a 10 por cenlo ao anno.
D*1
lti
a).
Convida-se as pessoas que esto as
condices do servigo militar, a engajarem
no corpo de polica e gozarem das vanta-
gensdi lei provincial n Cll de 2 de maio
prximo passado, que sao as segundes:
i5100 rs. diarios de sold, serem seus ti-
Ihos menores recolhidos aos estabelecimen-
tos provinciaes de educaco e o tempo que
estiverem na guerra ser contado pelo duplo
para o caso de aposentaJoria, e alm destas
tena todas as mais vantagens que sao con-
cedida aos voluntarios dt patria. O te-
nente-coronel commandante do corpo de
polica, Alexandre de Barros e Albuquer-
que.
Parante a cmara muuicipal desta cidade
estar em praga nos dias 14, 16 e 18 do correle
para serem arrematadas, por quem por meno3 II-
zer, as obras de que preci>a a estrada do cemiterio
publico da mesma cidade, orgadas na quantia de
5065- Aquelles que pretenderen! arrematar, po-
de rao comparecer nos diai indicados, no pago mu-
nicipal, munidos de seus fiadores. O orgameolo
das inesmas obras existe na secretaria da dita ca
mar,onde pote ser consultado.
Paco da cmara municipal do Iteeife 9 de se-
lembro de 1865.Luiz lose Pereira Simoes, pro-
presidente. -Fraucisco Canuto da Boaviagem, se-
cretario.
Acham-se legalmente depositados dous bur-
ros caslanhos que foram encontrados alta noite va-
gando pelas ras desta freguezia sem conductor :
quem pois se julgar com direito aos meamos bur-
ros, provaudo, ser-lhes-ha entregues.
Subdelegacia de polica da fregu-zia da Baa-Vis-
ta 4 de selembro de 18*i.
Decio de Aquino Fonseca.
do Havre Per-
nambuco.
Espera se a barca Sphere que
sabio no dia 10 de agost ao frete
de 23 frs. 10 |. Recebe carga pa-
la o H-ivre a fretes baratos : a
tratar com os consignatarios Tis-
set freres.
.IILSES.
De liaslcs
cantadores
e a passaros
HOJE.
O agente Pestaa far.V laHio por coala de urna
pes.-oa que s ret roo d. diversos objectos de rao-
bilia com > uiobilia de amirello. I excedente guar-
da roupa, mesas etc., e 5 diversos passaros sendo
1 excedente .checheo prfmeiro cantador, i pinta-
silgo com a mesma Mabilidade, 2 canarios da ier-
ra, 1 bicudo : o leiio tora' luar segunda-feira 11
do corrente pela5 10 hjra< da inanha na ra do
Amorim n. 44, segundo andar.
TH&vrttO
DE
A direegao da assoclago Coramercial Benez
ficente precisa de urna pessoa com as habililagoes
necessanas para oceupar o lugar de ajudanle do
archivista da mesma assoeiago : a tratar com o
seu secretario o Sr. Candido Casimiro Guedes Al-
coforado.
EMPREZA-COIMBRA
Recita extraordinaria.
Terca-feira 12 de setembro
de 1865.
III limo concert em beneflcio do joven pianista
lira-ilino |f. Liguori.
Finda a symphonia do costume representar-se-ha
o programma segninte :
PR1MEIRA PARTE.
Brilhanle phantasia .-obre motivos da Somnm-
bula
LELAO
Pe agente Buzebio.
Da grande proprio lade sita ra da Flo-
rentina de ns. 10, 1-2 o H lindo de frente
138 palmos e de fund, 292 1|2 utos, rende
i:80;> por anno cont ido Id casas terreas
de mai des e menores dimensoes, (com ali-
cerces para mais alguiuts) variando igual-
mente assim em valor .:omo em rendimen-
to, urna boa ac [uisijSo no estado em que
seacha proporciona um juro cerca de 2
por cento ao mez, isto em predio um bom
patrimonio, basta ser conservado como se
v e para melhor, maior vantagem se co-
Iber : assim sao convidados aos Srs. capita-
listas e quem ver gosto de possuir urna
propr eda le de valor c rendimento prova-
vel, qaeiramantecipar-se ao exame para no
acto do leil > quem maior prego razoavel-
raente offerecer effectuar urna excellen'e
compra.
LEILILO
c"dod''maestr0 Le>bach' ejecutada pelo bene- i De 1,487 Prsiuas de papel aluiaco pan-
segunda parte. todo t uso. liiupo e variado.
Cha.. ..
Cei Veja
Louga...
GoDSulado provincial
Pela mesa do consolado proviocial se faz publico
aos devedores dos impostos arrecadados por langa-
inento pertencentes ao exercicio Ando de 1864 a
1865, que oo ultimo de setembro fioda-se o praso
marcado para a cobranga de seus dbitos, licando
sujeitos os que nao paguem at aquelle da, alera
da multa de 9 0|0, a serem remedidos para juizo
afim de serem executados.
Mesa do consulado provincial 31 de agosto de
1865.O administrador,
Antonio Carneiro Machado Ros.
O Sr. Simoes representar a cansonela cmica
AS BOAS KAZOES
ou
o u<<-( : o i:i no.
TEKCEIRA PARTE.
Grande marcha de concert d maestro J. As-
cher sobre motivo da Lucrecia Borgia, executada
pelo beneficiado.
QUARTA PARTE.
A muito espirituosa comedia em 1 acto
Bolsa e cachimbo.
QUINTA PARTE.
O beneficiado execulara, nicamente com a mao
esquerda, a scena do quarteto
OS IM tlltvos
do maestro Messemaeehers
SBXTA E ULTIMA PARTE.
O Sr. SimOes, em obsequio ao beneficiado, ainda
III 10
Segunda-feira ao meto dia em ponto.
A requerimentode Melt Lobo 4 C. e por despa-
cho do lllro. Sr. Dr. juiz do commercio o agente
Pestaa fara loilao por conta e risco de quem per-
lencer de 70 resmas de pipel liso, 334 ditas de
dito paulado e 431 ditas de dito avariado d'agoa
salgada, vindas do Para no hiate nacional Dous
Amigos, w sua recente viacem, tendo lugar o le
lo no hojo II do correte pelas 12 horas da
manhaa no trapiche do bario do Livrameoto no
Forte do Matto.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A. CompanhiM Indemiiisadora
establecida nrtsia praga, toma seguros marilimos
sobre navios eseus carregamenios e contra fogo em
edicios, mercadorias e mobilias : no seu escripto-
jo, ra do Vigano n. 4, pavimento terreo.
Luiz Pangetori e Ambroso Papcho, subditos
italianos, retiram-se para a Italia.
Manoel los Rodrigues Draga, Portnguez, re-
lra-se para o Rio de Janeiro.
Ama
Prcecisa-se de urna ama, que saiba cosinhar para
casa de hornera solteiro : na ra da (iadea do
Recfie n. 53.
D. Anna Francisca Das de Souza e sua fi'-|
Iha D. Joaquina Jovina le Souza vm, pelo
presente, agradecer todas as pessoas, que
se dgoaram assistlr as exequias de seu sem-
pre chorado mando e pal Feliciano Primo
de Souza; bem como Sociedade das Arles
Mchameos e Liberaes o comparecimenlo de
urna cummisso sua. Ainda rogara a essaa |
mesmas pessoas se dienem assistir s mis-
sas que se bao Ue celebrar, por occasio do
seiimo dia, as 4 l|2 e 7 horas da manhaa
de II do correte, na igreja de S. Gongalo,
pelo que desde j se conessam eternamente
gratas.
i"o Alugam-se ou vendem-se duas casas sitas na
freguezia do Pogo da Paneila. sendo urna na ra
da Maogueira n. 6, e outra,na beira do rio Capiba-
nbe n. 21 : a tratar na ra do Imperador n. 50,
primeire andar.
Domingos Jos Vieira Draga, tendo deixado
de ser caixeiro de cobrangas da casa commercial
dos Srs. Ges, Rastos j C, encarrega-se de cobran-
gas amigaveis ou judiciaes tanto no foro desta ca-
pital como nos de fra della; quem por tanto oqui-
zer incumbir destes negocios dirija-se a' praga da
Independencia n. 32 e 34.
OITerece-se urna pessoa Jbem habililida para
cobrangas tanto na praga como no malo, da' conhe'
ciment e fiador se fr precisa, devendo ser procu-
rado na ra do Traoiche n. 26.
Manoel Marques da Cunta declara "que sen-
do proprieano de duas moradas i- easas da es-
trada dos Afilelos, a ninguem autoiisou a fazer
transaccSes de qualqner natureza com as ditas ca-
sas. Ouiro ,-im, nao >abendo o anniinciante ler
n-'in escrever e podeinliAalgoern abusar da ign :-
rancia do annnricianio 'declara o m.smo que a
ningnem passnn prncuraco para tratar de sens
uaesquer que .-ejam feits
em nome do anntwcianie sem sua audiencia.
Aluga-se
urna casa terrea rom 2 quartos. 2 sals, roziaha,
prej > de i-> ; urna dita com melhor rommodo,
cora agua de beber : ambas a trat.r no sobrado
ao norte e jumo a fabrica do gaz.
l'reclsa-se d um.i amia rsnaa para todo o
servico do casa de p m a fauoii. : no pateo da
matriz Sa.....Aiir.-iiio n. S.
Ruga-w aos Sr>. .Maniti Amonio Kodrigoes
Samico o Nereu daga Aibuqu>-iqii-.: rwneiroqoe
Oldo engenho lleciei >, e Jjlo Cavaleann lie Souza
Leao, sennor do engenho Santa Rita, de appan ree-
rom ou mandarem a ra du Pires n. Iri, a ego-
cio que Ss. Ss. nao deveni ignorar.
Precisa se de um rapaz rte 16 20 naos
que tenha pratica de taberna : na rui da Scnzala
Nova n. 26.
Alugam-se as casas terreas da ra do Ilen-
nqueuias (vulgarmente coiilu-ciila por Bsiaada)
ns. 4 e 20, bem con o um sitio no becc i do mesmo
n"ine n. 1 e urna ouira casa larrea na rna de Do-
mingos Pires n. 54. todas com esrWlenies rommo-
dos para familia : os pretendemos pjj-.-ui dmgir-
se a ra da Cadea do IWile n. 39.
D'IODURETO DUPLO
9TJ".' Sf^ >"V( ^S*
Os elementos que compoem esta preparado,
ferro, o iode e a quina, a eollocao no primeira
grao das preparages ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos liospi-
laes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmrao sua poderosa et'ticacidade naa
segrales affecgdes:
Caavalparrnea dr I-
ku> molestias.
Molrnllaka crrful-
*.
Papelra.
oh>iriirri< m glaa-
d ii las.
Uuniuru irisa
Humores braaeas.
Harhllismo.
Afir.-, ui-a raaeerasa
e > iilillllleMS.
I Fehres typhaldea.
Llrl^UjUtO
sobre Lisboa e Porto.
Jos da Silva Loyo & C. sacam sobre Lisboa e
Porto.
ama.
Na ra da Unio casa n. 37, precisase de uraa
ama para cosinhar e comprar.
Depois da audiencia do Sr. Dr. juiz de or-
phos ir pela ultima vez praga no da 12 do
corrente mez, o sitio denominado Sanio Antonio por esta vez represenurVo mttolppauSd entr
da Mourana, no lugar do Manguinho, onde residi acto cmico
o finado brigadeiro Menezes.
Perante a cmara municipal de-la cidade es"
taro em praga publica nos dias 2, 9 e 16 do me-
de selembro prximo vindouro para serem arre-
matados pelo lempo de um anno, por quem mais
offerecer, os impostos seguintes : o arreudamento! se8UD|lo ultimo, o qual destinado a raeu be-
da casa sita no pateo do Corpo Saulo na cidade do i neflcio cm o fin de aperfeigoar meus eslndos de
Recife por 8470OO, dizirao do capim de planta P'0' na Europa.
LEILAO
Ama
Precisa-se de urna ama para o servigo interno
de urna casa de pouca familia : a tratar na praga
do Corpo Saoto n. 17
Precisa se de urna ama forra ou captiva
ra Larga do Rosario n. 35 sobrado.
na
AMOR LONDRINO
A vista da benevolencia com que eu fui acolhi-
do no raeu primeiro concert pelo generoso publi-
co desla cidade, delerminei-me a offerecer-lhe um
1:2005, coqueirosde prjduccao para negocio 590\,
aferigo, sendo o arrematante obrigado a aferir os
pesos e medidas pertencentes a' mesma cmara
865$, 500 rs. por cabega de gado vacum 1801.
Desde ja agradeco a todos os que rae coadjuva-
rem concorreodo cora a sua preseoga no meu be-
neficio, e igualmente ao disiiocto artista Simoes
pela maneira graciosa porque acc.edeu a meu pe-
aOVIMESTO SO POSTO
Navios entrados no da 8.
Londres46 dias, patacho hollaodez Anlje Uaven-
butt, de 135 toneladas, capitao J. van Heuveln,
equipagem 6, carga plvora e fazendas; a Roth
& Ridoulac.
Sumatra94 dias, alera frnceza Julie, de 560 to-
nelalas, eapfto Emllie Genoollot, equipagem 18,
carga pimenta ; ao mesmo capitao. Veio refres-
car e receber ordens.
mascates e boceteiras 345, casinhas da ribeira' i 134.5O0, gado recoihido no curral 485500, repeso ^s bilhetes esto a disposigo do puhllco na casa
do agougue 105500, cargas de farinha e legumes i ^ beneficiado a ra do Imperador n. 79, segundo
155, gado suiuo 55620 e gado ovelhum 15636 : "dar.
os pretendentes podem comparecer nos menciona-
dos dias com seus fiadores habilitados na forma
da lei.
Pago da cmara municipal deOllnda 26 de agos-
to de 1865.
Joaqulra Cavalcanti de Albuquerque
Presidente.
Marcoiino Das de Araujo
____ Secretario.___________
Terga-felra, 12 do andante mez," Anda a au-
diencia do juiz municipal da I* vara, vai a' praga
de venda a parte da casa terrea na estrada de Luiz
do Reg, por 1505, por execucao movida contra
Sebasno Antonio Marinho e outros.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesura-
ria de fazenda desta provincia se declara aos Srs.
Ignacio Francisco Cabral Cantan i I e Francisco
Martins dos Arijos Paula, fiadores do ex-pagador
alcangado desta thesouraria Manoel Jos Teixeira
Bastos, que na forma da circular do ihesouro n.
35 de 25 de maio de 1860, Ihes Oca marcado o pra-
so de 15 dias, contados desla data, para ultimaren)
o negocio da moratoria que Ihes foi concedida pelo
mesmo thesouro.
Secretaria da thpsonraria de fazenda de Peroam-
bnco em 6 de setorabro de 1865. Servindo de of-
cial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Comegara' as 8 horas.
AVISOS MARTIMO.
COMPANHIA BEASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portes do sul
at o dia 14 de corrente, o vapor
Paran, commandante o capilo
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois
demora do costume seguir' para os portos do
norte.
Desde j recebem se passageiros e engaja-so
Em cont!nna$3o
Da renda annual do sitio denominado Cortume.
na freguezia dos Afogados, sendo o uso-fruclo do
mesmo sitio, com casa de vvenda, olana, viveiros,
arvores de fructo e mais accessorios.
Terga-feira, 12 de selembro, na praga do com-
mercio as 11 horas.
A requerimento do curador fiscal da massa falli-
da de Manoel do Amparo Caj, por mandado do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commereio, e por in-
tervengan do agente Pinto.
LEILAO
DE
Urna carroga com boi,
Um cavallo para sella,
1,600 lijlos de ladrilho,
1,600 ditos de tapaineoto,
1,500 ditos do cacimba,
22,000 ditos de alvenaria.
Terga-feira 12 de setembro de 1865, as 10 horas,
na praga do commercio.
O agente Pinto tara' leilo a' requerimento do
depositario da massa fallida de Manoel do Amparo
Caj, e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio, dos objectos cima mencionados
que constiluem parte da referida massa ; o leilo
I sera' efleeiaado no da e hora cima ditos era fren-
1 te a Associago commercial, undo e quando pode-
rao ser examinados os lijlos por suas amostras,
O Bazar Volante, publicado na Corte, assig-
na se na ra do Crespo n. 4, a 105 por 6 mezes, e
185 por um anno ; ainda lem algumas collecgSes
do 1* de jolho em diante.
Precisase de urna ama habilitada para todo
o servigo domestico : qnem estiver neslas condi
gdes dirija-se a ra do Trapiche n. 13, ou na So-
ledade, ra do Progresso n. 7.
Ama.
Mlngsm so MH|Di.
Frusjueva.
Anessla.
Cblorase su Ictericia.
Menstrua.
Afforroi-B d ntrrs.
Snppresaoes das re-
cras e desordes na
nieastrunr&o.
Affecca pulmonar e
phlhlsle.
Meleatlas d'estssaage.
Gastralgias.
Perda d'appetlte, rte. Varales, etc., etc.
Vejao ue os bullelins de therapeutica medica
e cirurgka de 30 de novcmbr 4 860; o Guela
dos hospilaes dt 2-s dejulho I MO, ele. ele.
Alem cas pilulas de iodureto duplo de ferro e da
quinina de lcbil'.on, os Mdicos aconselhio
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
forro e de quinina do mesmo aulbor para as
pessoas que nao gosiao de medicamentos sob for-
ma pilu'ar e os-meninos. Esie xarope nao lem
como o xarope d'xfire de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folheio que se d de graga em casa
dos pharmaceulicos depositarios.
Para-se evitarem falsiicacoes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas on Xarope a aa-
signalura do inventor.
Depsito geral em Paris, pliarmaciaRebUlon,
l ti, ru du Bac, e em lodas as boas pharmaciat
de Frang a dos puizes eslrangeiros, etc.
GRANULOS
BISMUTH
i
O* granulo ou bismuth de Chevrier bem
superiores a lodas as muras preparaedes da
bismulh empregidas antes com o maior seccessa
pelos mdicos de lodosos paizes, para prevenir
curar ai
Nfcs digestiva.
Uastrltea.
altraltfas, ata.
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e en-
gomo r : na ra de H.irlas n. I.
No dia II do corrente furtaram da ra da
Praia nm burro castanho, castrado, de 10 annos de
Idade, cojo burro tem a marca J. S. L no qnarto
direito, e eslava carregado cora cangalha de ferro
e 8 arrobas de carne : quero delle der noticia cer-
ta ao Sr. Antonio C Moreira Temporal a' ra da
Cruz n. 30, ou ao engenho Boa Casta da freguezia
do Cabo, ser bem recompensado.
Alugase a casa n. 6 na roa dos Coelhos,
junto do sobrado do Adelo, com 3 quartos, o a
chave para ver est* na taberna dejonto, e para
tratar, na mesma ra na ultima casa em concert
defroote do hospital Pedro II.
Contrata se a veoda de 50 a 60 pipas core
excellente rael do furo : a tratar no escriplorio de
Jos Pereira Vianna. na praga do Corpo Santo nu-
mero 6.
Otarrhras ebraalraa.
Dyasenlerlaa.
llore il'rildiiiKl
Dyspepslaa.
Os priineiros sympiomas d'essas formidaveia
affeccoes se manifeslao ordinariamente por digat-
tdes laboriosas, aiidumes, alta d'appelite, petas
d'enmago depois de cada comida, caimbras as-
lomacoe, e, mu i tas vezes, por espasmos nervosas
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuido, u-ai ioe-
vlavelmenle, que seja :
aleatlaa da Meada. Oppresaoea.
A latericia. Dres da rabera
Palpllaeaa de caracas lrrliaer dr keala a
Mrea aaa ras. da saatrla, ata.
Ot granulo Chevrier slo ordenados pela*
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sio lomado* a
tempo.
0 preco de cada frasco de i franco.
Depsito geral em Pars, p|.......iiiifliMilsM,
e em todas as pharmacias de Franca dos
eslrangeiros.

Os credores de Jos de Castro Redondo, qae
_, ainda nao entregaran! as respectivas contasna ra
ou desde ja pa olaria dos Afogados pertencenle ao do Amorim n. 41, queiram faze lo at o dia 30 do
corrente, sendo que linda essa data se proceder
ao rateo da massa liquidada, e Isto soraente pelas
contas at enlao entregues.
mesmo fallido.
IEIIIO
De urna mobilta completa de Jacaranda com tam-
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptoro de
Antogio Luiz de Oliveira Azevedo dt C.
Para o Porto
Segu brevemente com a carga que tiver a bor-
do, a barca porlugueza Sympathia, quem quzer
carregar ou ir de passagem, dirija-se a Bailar &
Oliveira, roa do Vgarto o. 10, para tratar..
Preetsa-se de urna escrava para casa de duas
po de pedra marmore, 1 dita de moRoo tambera passsoas : na ra da Penha n. 23, Io andar
da com pedra marmore, pianos, metas elsticas, apa- -----------mT^Zm' A *.<------------'-------
radores de mo.-oo o amarello objectos de ouro e' Arcnivo Iliterario.
prata, charutos da Rihia, blscoulos doces, sabone-1 Rev'*la scieoflea, Iliteraria e artstica, publica-
a les, guarda louga, relogios de ouro e prata, mar- \em Paul Pr uraa reunio de Iliteratos.
I quezas largas e estrellas, candelabros e serpenti-
nas, toilets de Jacaranda e oulro* muitos artigos.
Quarta-feira 13 do earrente as 11 horas.
NO GRANDE ARMAZEM DE LE lLOES
DO AGENTE
OLYMPIO^
3ftRoa da Oadela do UeclfeS
Sabe mensalmeole um numero de quarenta pa-
ginas da texlo, em prosa e em verso ; formando
no (im de um anno um bonito volume.
Prego.
Trimestre........ 35500.
Assigna-se na roa do Crespo n. 9.
Alagase o sobrado que tem dous ps de"ar^
voredos na frente, passando a fundiegao do Sr.
Starr, com bons commodos para familia, para ver
tratar na mesma casa on com o Sr Domingos
Jos da Costa Guimaraes, ra de Apollo.
^
FIGADOdeBACALHAU
P eo processo de Cberncr, pbarmacrulico rat
Paris, ra do Fanbounj Jlon linar le 21.
Este oleo de um cheiro agradare!, e de
um sabor assucaradv o tnico que nao teiu
nem o gosto, nm o cheiro do peixe. Ob-
jecio de numerosos rea torios scienlicos e
mdicos, este medicamenie que goza era
Franca de um successo t5o raro como bem
merecido, receitado diariamente pelos
principaes mdicos dos hospilaes de Paris.
0 OLEO DE FIGADO DE BACALHO DESINFECTA-
DO FEBnuciNoso emprega-se com os maiores
successos as molestias em que se emprega
o oleo quando s3o acompanhadas de dcbili-
dade e atona.
Venaem-se no Recite em casa de (Jaora dt
Barboza. e JoSo da C. Bravo & G.
f'-----'-------"^
III B-Va. a, a a saaaaa m


Ola: lo de Fenuuadbaeo Segtmda cl*a 11 e Nctembr* de tSU.

Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
na fianc* era dioheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
ministraco da companhia.
BANQUE1ROS DA COMPANHIA* DIRECQO GERAL
O Banco de Hespanha Madrid: Una do Prado n. i
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de superviencia dos stgn
sobre a vida.
Nelia pode se tazer a subsenpeao de maneira que em nenhum caso aisn o ii ii 11 ii c s
curado so perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL, que ain la mesmo dirainuindo urna terca parte do mteresse produzido em recentes i iquidai
cdes'eco-nbiiinl>-o com i mortali-Ude da tabella de Oepareieui que e adoptada pela com panh--
para seas calculse liquidieoes, em segurados de idade de 3 aI9 annos, urna imporsicaoaooua.
de 1001 produz em efTectivo metlico:
No lim de 5 annos.......1:1I9300
de 10........3:9421600
. de 15........11:2081200
de 20 >.......30:2561000
de 25........80:3311000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os producto* sao mais consideraveis.
Prospect >s e mais informacoes seo prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuza deOliveira, ruada Cadeia n. 32, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.12,estabel
ment dos Srs. Raymundo.Carlos.Leite & Irmao.
LIQUIDACAO GERAL
NO
GRANDE ARMAZEM DA fcXPOSIQAO DE LONDRES
DE
60 ~ Ra da Cadeia do Recife 60.
Todos osarligos abaixo mencionados foram comprados reccnlementc pelo dono do estabelecimenlo as principaes fabricas
de Pars, Londres, Rirmingbam, Manchester e em diversas cidades da Allemnnlia, e leudo comprado l^udo as melliores condicoes
por ser a dinheiro, por isso vende todo e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inleira-
niente liquidar e ter de partir mui breve para a Euro, a.
Ha-oeste vasto armazem ric s objeclos com brilbaoles. como botoes, anneis, rosetas etc., e bem asim diversas obras de
ouro, como trancellins, correntoes, anneis e muitos outros artigos, reiogios de otiro inglezes do afamado fabricante Bennette; com-
pleto sortimento de fazendas Anas e modernas; miudezas, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e fnncezes, como L.
T. PIVER. Lubin, L. Legrand, Ed. Pmaud & Meyer, Delettrez (Perfomerie du mond lganl), Violet, Societ Hygienique, Mompelas,
Mally, Regenier, P. Guelaud, e inglezas de Eug. Rimmel eoutros; ricas galanteras em marfim, madreperola, etc.. fabricadas na
China e no JapSo; ricas pecas de crystal fino como anda nao appnreceram nesta cidade, e bem assim modernos lustres para velas,
ditos para gaz e para petrleo, serpenteas, casliraes, enfeie e adornos pata cima de consol >s e para grande toillette, o que se tem
feito de mais elegante em Pars, LofMres, Birmingham etc.; modernos apparellios de metal fino inglez para cha ecaf, os quaes em
nada sao inferiores prala, e muitasoutras pppw du mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de senho-
ras, exceilentes luvas de pellica do afamado Jouvn, apparelhos de porcelana fina para cha e caf, ditos para j..ntar, e immensos arti-
Igosde porcelana fina dourada, como ricos vasos para llores, figuras, ele; calcado dis principaes fabricantes de Pars e ditos de pan-
I no com sola de borracha, pianos dos celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na
t^ b n m g^u i a wikulrua, ditos com figuras para sales e ditos com figuras em movimento; modenos e bonitos instrumentas de physica (mgica) para
"f9 -A mA.%* WJ -. H WS thealros ou sales, ditos de phantasmagi.ria ; lanlernas mgicas, co>morainas com \ islas novas, dia e noite; stereocopios de nova n-
E' a ordem do dia I Acabar com os Par- venco e com bello sortimento de vistas daspri* cpaes clJades da Enropa; grande sortimento d brinquedos finos para naneas, e
guayos a bayoneta, a mini, a revolver ; bonecas fallando papae e mame ; grande sorl'iner-to de cnmlieiros a gaz, o que se tem feito de mais elegante e que tem
fulmina-los com os encouracados armados merecido toda a aceitacao na Europa, guinde e magnifico soni. ento de ca lindas, ceslinlias e outras galanteras feitas di crina e seda,
de esporoes, armstrongs e raiadas de 80 proprios para presentes; gr..nde sorliioenlo de estampas fin s coloridas com o fundo prelo e de outras de todos os santos, ditas com
120; extermina-los em summa a espada, a figuras e ditas com novas paysagens para cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafarte de crystal
falo e a punhal de que se trata; mas proprio para meio de mesa de jantar ou parajardim; cuielaria lina, como talheres com cabo de metal lino, colheres, theso tiras finas,
ninguem se Innbrou anda de esmagar os; ditas modernas para alfaiates, navalha finas, caivetes e outros artigos, diversos artigos etos de rame ; completo sortimento de
Paraguayos coa as armas que Deusnos con- mascaras de vetado, setim, era, papelo e rame ; doces confeilados e chocolate em raixinhas e em vidros ; camas de ferro de todos
cedeu ; acabar com elles a taco e a pinta os tamanlios, lavatorios, etc.; ricos quadros para carles de visita e ditos grandes e pequeos para retratos; chapos de sol, benga-
ps, para o que necessario encouracar esta las, chicles e ditos para cam*; machinas para Guer cii, ditas para bater ovos, proprias para quem faz pao-de-16, bolinlios, etc.;
parte do nosso corpo com os formidaveis pannos paro cobrir mesas, bolsas grandes e pequeas para viagens, e outros artig..s, como cobert res, malas, etc., sortimento de
rompe-ferro, esmaga c-bra, ai ranea U eos, violoes finos ; figuras finas e jarros de alabastro ; galn larias e outras necas de charo para toillette; machinas para varrer o chao,
mmmmmmmmmmmmmm
jj| O Dr.Xosme de S Pereira conti-1
8na a residir oa ra da Cruz n. 53,1
Io e 2o aodar, oode pode ser procu- j
rado para o exercicio de sua profis- -
sao medica, e com especialidade
sobre o seguiote
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orgaos geoi-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rSo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os das das
6 as 10 da manha, menos dos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
c5o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Contraria de Sitia Rita df. folia
Tendo a irmandade do Santissimo Sarrame
da freguezia de Santo Antonio desta cidade offi
ciado a uossa mesa regedora, para que Ihe losse
entregue urna imagem de Nossa Senhora da Pie-
dade, que diz ter-no d> indebilammte doada n
25 annos por urna mesa regedora d'aquella irman-
dade, e lendo-se deliberado que semelhante neg
co fosse decidido por urna mesa conjnnrta, visto
nao querer a mesa regedora a-snmir i reponsa-
bilidade de lal entrega, em sua oniniao exteatpo-
ranea e despropositada, sao pelo prsenle convoca-
dos os irmfios f .rmalore* da mesa i-onjnnrla da
confrana de Sania Kita de Caseta reunirem se
no dia 17 do correte a- 10 Moras do d*a no c n-
sistorio da dita igreja para ani se deliberar a res-
peito.
JoSo da Malla Beltrao,
EscrivSo.
Au.-entoo-se de casa no dia 28 de agosto pr-
ximo passado a escrava Ignacia, rrioul, cor fula,
beicos grossos. denles limados, estatura regular,
cheia do corpo, idade 28 a 30 annos, levou vestido
de chita encimada, cbale de la prnto velho e
mais alguma roupa de seu uso : na ra da Penha
n. 17 se gnilirara.
Precisa se de urna araa para casa de familia
patricio!*
para senhoras, en-
lejiados .......
com lago e fivella .. 4(5SI O
Saf'atoes encouracados....... 5($0 O
B -rseguins para meninas bom
e:astco................. 35"00
Sapatos de lona, s a\> Mudados......... lfiO-i
de (ranga........... I d<>00
econmicos para se-
nhoras.
com sal
Chineles do Por
S0OOO le* seria um nunca acabar, e lodos se jsendem barato e muito barato, no grande armazem da Exposco de Londres, na ra da Ca-
deia do Recife n. 00.
55500
NO GRANDE AR-
MAZEM.
FUMAR!
DA EXPOSICAO DE
LONDRES.
de duas pessuas, que
da Assurapco n. 60.
compre e coziphe : na ra
Criado
Precisa se de um criado : na ra do Queimado
n. 12, pnmeiro andar.__________________________
Ama seca
Na ra da Imperan iz n. lo, segn lo andar,
precisa-se de urna que lenha acabado a criarlo
p?ra tratar de urna enanca na qualidade de ama
secca.
Precisa-se de urna preta captiva para veuder
na ra : na ra larga do Rosario n. :o, sobrado.
Compra-se urna balanca com braco grande
e urna pequea que sejam usadas : na ra da
Cadeia do Rpcife n. 64_____________________
Precisa-se de um menino portuguez de 10 a
12 annos de idade para caixeiro de taberna : a
Ir..lar na ra Direita n. 3o.
Nos agoogues recentemente abertos na ra
de Santo Amaro n. o e na das Larangeiras n. 31
encontrar o publico, do dia 11 do corrente em
diante a melhor carne verde possivel, sendo cons-
tantemente a de superior qualidade de 160 rs para
baixo a libra ; garante-s a fidelidade dos cariado-
res, assim como prompndao em bem sei vir aos
compradores.
Para completa I quidacSo vendem-se, por muito menos do seu valor, perfumaras muito finas e novas cliegadas recentemente
de Paris e de Londres dos mais afamados fabricares seguintes: E g Rimmel, R. ftlalheus &C, Lubin, Sociedade llygienica, Piver,
500Violet, L Legrand, Deletrez, Pinatid & vieyer, Regnrer, Mally, Gillet frre, etc. etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de
aUo de lustre' 2#240 C,onia era vidros e garrafas, agua de lavande, agua para lirapar denles, oleo babosa, extractos em garrafiuhas e vidros de differen-
e or 0 jflgQQ tes modelos, pos para limpar denles, banda em potes e em vidros, pomadas, ricas caixndas e balaindos com perfumaras para fazer
Um comD'e'io sor i me to d calcado da Presentes- e muitos outros artigos que se vendem p< r mems de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande
trra para homens.' senhoras e meninas; armazem da ExPosi^ de Lon'3res> Da rua da do Recife >
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, lateas de todas as quali- PA1IA SE.^IIOll.'l^t
dades, litas para sapateiro, muito sortidas, Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca desenhora, o que se tem feito de mais elegante al o presente: vende-se
sola e couros que tudo visto necessariamen- por menos de seu valor para se liqui lar, no grande armazem da Exposico de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
te faz cobica ao comp ador pela barate/a.
LUVAS AOVAS SftE JOtVIA.
Vendem-se exceilentes luvas de pellica, recentemente edegadas de Pars, tanto para homem como para senhora por menos de
seu valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposico de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. GO.
PHOTOttRtPHIl.
No grande armazem da Exposico de Londres, rua da Cadeia do Recife n 60, rua da imperatriz loja de Mr Dubarry n. 8
e na mesma ru. lija de miudezas n. 54, vendem-se excedentes vistas para quadros de sala e pata albuns, como:
Porto.
Campo de Sant'Anna e Braga.
Amarante.
Vista geral de Gnhnarte*.
- J*or), rua de Santo Antonio.
Ponte pensil sobre o Douro no Porto.
Villa da ponte da Barca.
Coimora.
llIHIi
HRIATISTA8
Firmino & Lins
INJECCAO BROW
Remedio infallivel contra as agnorrdeas
Novo e^alielfcimcul tift rctra- S
losa ru \ova ii. 15, 0ud- ]
dar, junto ao Sr. Gaotier, S
dentista
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas ^
da niaiihSa as 5 da larde, quer chova ou jj^
nao.
Tambem se offererem para lirai reir-
tos de pessoas fallecidas, dentro un fra "0%
da cidade. ;gt
Os annuncianlcs desejando acreditar o ^
seu eslabelecimento, garaniem ao publico ^
i que nenhum trabalho sahira de sua offlci- t
l na, sera que nao seja perfeitaraente acaba *
do, e a vontade do freguez. w
mmmm mmmm mmmmm
i Dr. Ilenry Kraus mudou sua resi-
dencia da rua da Imperati lz n. 30 para o
sobrado grande n. 2 defronte da entrada
para a Estancia, onde pode ser procuiado'
a qualquer bota. Chamadas para dentro
antigs e recentes, nico deposito na botica!da c'dade Pod.emI ser eDntr^ues na.bot.ca
franceza, rua da Cruz o. 22, e pelo preco id0 Sr. Joaqu.m_ Ignacio R.beiro .lunior na
de 3 t- f v praca da Boa-Vista, na dos Srs. J, C, Bravo
; mazem de viuva Raymond A- C. na i ua do
Trapiche Novo das 9 horas da manha at
is 4 da tarde.
JJoias preciosas e objeclos
oro.
JK Mauricio Selbeberg & C, Polacos, par-
ai ticipam ao respeitavel publico, que ac-
^5 bam de receber um grande sortimento
^5 ae Ju'as '" brilhantes, cerno sejam : relo-
flajg gios, trancelins, aderemos completos, an-
^* neis, cadtias, pulceiras etc., etc. e tudo
jg; quauto diz respeito a joalheiria, pelo pre-
50 o mais razoavel possivel, e mesmo
7' troca e compra objeclos de ouro, prata e
m diamantes por objeclos novos : na rua
iA do Queimado n. 29, entrada pelo largo
S& de Pedro II n. 27, de manha al as 9
jft horas, e a Urde das 4 horas em diante.
Vl. Os objeclos vendidos pelos auuanciantes
3*t sao garantidos por elle.-, e eslo prompios
Z para levar ubjeclos as casas das pessoas
*^ que desejarem comprar, urna vez que
J| nao possam vir a seu eslabelecimento.
m
m
i
1
m
Companhia fidelidade de segaros m
martimos e terrestres
estabelecida do Rio de Jaueiro. W S^mmmMi< e mmmmmm
AGENTES EM PEII.NAMBUCO WMJRnjSl9R^ W aR9|3K jSRA9R
Aiitouio Luii deOliveira Azevedo C, |# lqcn flp hqiir.n<4 T4K
g competentemente autorisados pela direc-S 3 Uibd UC UdUUUS m
S loria da companhia de seguros Pidelida-^'M Largo do (armo a. 26. W
M de. tofiam seguros de navios, mercado- fl |', ^S Este estabelecimeDto to bem montado i$
M ras e predios no seu escriptorio rua da R" B na sua origem acbava-se de ha muito
>? Cruz n. 1.
VIST 4 DE PERIVAJflBUCO.
Tir. das na eccasio em que S. M. o Imperador aqui e.-teve em l!so9 :
Palacio da presidencia, a cavallaria acompanhando S. II. o Imperador no dia 2 de dezembro,
indo para o Te-Deum no convento do Carmo.
Theatro de Santa Isabel.
Rna da Cruz com a pyramide.
Torre d Arsenal com a illuminago na frente.
Passeio publico, na ebegada de S. M. o Imperador.
Rua do Collegio com a tropa.
Paleo do Collegio com o palanque.
VIAUEII A9 EUROPA.
Stereoscopios de nova invengo com ricas vistas das principaes cidades da Europa, como:
Franca.
Inglaterra.
Italia.
Lisboa, etc., etc.
Vendem-se barato para liquidaco oo grande armazem da Exposico de Londres na rua da Cadeia do Recife o. 60, rua da Im-
peratriz loja de Mr. Dubarry n. 8, e oa mesma rua loja de miudezas n 54.
m
Cruz n. 1.
mmmmm mmm mmmm
AMA
Preci.a-se de nm 1 ama : na rua das Cruzes nu- J*
mero 3a. WC
mmmmmm mr
Samuel Power Joliaston & Companhia
Rua da "erzala .Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fuodl^au de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d-- carro para nm e dous cavados.
Reiogios de Oi.ro patente inglez.
Arados americanos.
Ma .binas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
- Na praca da Independencia n. 33, loja de our;
ves, ceinpra-se ouro, prata, pedral preciosas
tambem se faz qualquer obras de er.commenda e
odo e qualquer coocerto.
ncao.
PraaeMo Garrido, intifn proprietano do hote
Trovador, sito oa rua do osario, de volia de sua
viageai Europa, avisa a seus numerosos fregu-
aeji, tanto des la capital como do centro da provin-
cia, que se acha u>vamente estabelecido na mesma
rua larga do Rosario u. 37 com um hotel denomi-
nado Traviata, onde acharao os seus freg11e7.es
sentpre a melhor vntade para nem os servir, a
par de exeellenles vinhos capils e lioa comida,
quer no mesmo eslabelecimento, qur para fra, e
dentro da cidade ios que nao qui/erem ou naopo-
derem vir a seu esiabeleuiiiientu, sendo pelo preco
mis mdico que tm outra qualquer parte. No
mesmo eslabelecimento acharao us seus freguezes
bilhares para recrearem-se, bem como sorvele to-
das as noites para refrescarera-se.
Atteuco.
Um moco que d prova de sua conducta, e es-
creve muito corrente com bom lalho de letra, offe-
rece-se para ser caixeiro de qualquer negocio que
dependa de escripluraco porlugueza, e mesma
para balco, cobranca, ele. Tamhem acha-se mais
ou meuos h< escriptorio, sujeitando-se a oceupar qualquer um
desses lugares na capital ou no centro : e roga-se
as pessoas que se queiram utilisar do seu presu-
mo, baja Je annunciar, ou venba tratar na rua do
Sol o. 15.
K o ubo
DE
5:000,0000.
Anda se acha fgido o escravo Agostinho pardo,
com os sigoaes segrales : idade 30 annos, vesgo
de um olho, bano e grosio, pjuca barba e rulva,
puxa por urna perna, tendo um inchaco junto ao
estomago, levou vestido roupa branca e calca, sa-
paies para passar por forro, dando o nome troca-
do ; ja foi visto em Ulinda, Pasmado e Pedras de
Fugo, trocando moedas de ooro, e vai com destino
ao serto Parahyba ou Campia Grande foi es-
cravo de Luiz de Albuquerque Maranhao, senhor
do engenho Aldeia da freguezia de Pao d'Alho,
vendido pelo agrille Sim5es a Francisco Men' A
pessua que o apprebender, queira conduzi lo a rua
estrella do Rosario n 43, primeiro andar, que se
gratilicar generosamente.
Arrenda-se por 3 a 9 aonos o engenho de-
nominado Bocea da Malla sito do termo de Sanio
Antao, a quatro leguas da cidade da Victoria, com
trras sullkientes, pudendo o rendeiro plantar
tambera nos fundos dos eugenhos Mmbocas e
Ronda, contiguos ao dito engenho uVca d 1 Matta,
cujo proprielan tem parle nos referidos enge
olios Minhocas e Ronda : o preteiid^nto ao arreo-
(lmenlo do engenho Bocea da Matta dever pro-
curar paraos esclareclmen.os que Ine forem ne-
cessarios ao administrador do engenho Minhocas,
que Ihe dir com quem dever entender-se para
tratar do arrendaroeoto e suas condicoes.
*
m
em ijuasi cmplelo abandono pelo pouco Ht
mteresse de sua administracao. i|,
Hcje que o novo proprietario empre- S
gou todos os metos para restabeler i
grande nlilidade desle estabelecimento, j<
pode assegurar ao publico que qualquer t
que seja o numero dos concorrentes fe'
acharao desde j promptido e areio nos 2&
banhos trios, momos ou medicinaes, a A
casa dos baolios se achata aberla todos )S
dias das 6 horas da manha as 11 da '<
aoite. 3R
Precos. jm
Banho de choque___... 500
Dito fro ou innrno..... 500 fR
Hito de tare,lo........3000 M
Dito medicinal ser se- >fl3t
gundo sua qualidade.
Assignaiura. M:
Por mez banho Trio oa momo. l(> .S
25 candes para banho fro, mor- Jr
no ou de chiivisc.i........... I0 *pt
li carldes para os raesinos... Si S
12 ditos para banho defarello. 103
Mmmmmm mmmmmmm
O Sr. Joao Miguel de Oliveira Beraido qneira
dirigir-te a rua Nova o. 60, a tratar de negocies
que Ihe dizem respeito.
jjfa O Dr. Carolluo Francisco de Lima San- Hf
m tos contina a morar na rua do Impera-
w dor n. 17, segundo andar, tendo alias sea *
K gabinete de consultas medicas, logo ao H
entrar, no pnmeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao *
JH estado tanto das operacoes como das mo- M
lestias internas, prestase a qualquer cha v
mado, quer para dentro quer para fra 9
*5} da cidade. ^
mmmmmmmmmmmmmm
AYIUMOJllSIMiS
RES
declara a quem interessar possa, que d'ora era
dlante nao se responsabilisa por qualquer debito
cootrabidoein seu nomu por Francisco Jos Coelbo.
Precisase alugar ama escrava que saiba fa-
zer o ser vico imeroo de urna casa de familia, ex-
celo cosinhar : na roa da Madre de Dos o. 36,
pnmeiro andar, ou)na roa da Cadeia n. 52, ter-
ceiro andar.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
_____ SUFFOCgAO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio efficaz para combatlir estas molestias, acalmar nm atlaque d'asma e impedir a
volta o Xarpe aromtico de Succino (mbar ainarcllo) do Dr Danet. liescoberia inleiramenle
rcenle, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveis resol-
lados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud. r,i, na do Comercio, Paris-Greuclle, t em todas i
boticas de Franca e do eslrangciro.
ALCOHOLADO de GUACO
de N. PASGAL
A
O Alcoholado de Guaco de Pascal urna nova prepnrac&o da qun.1
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo infalivel do contagio veneno (ver
folheto para o modo de o impregur).
2* Tem a vantigem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulceraces primitivas e secun-
darias, ec.
3* Empregado era injeccOes, o melhor tratamento dos corrimentos
recentes ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da eucorrhea as
mulheres.
4* Einfim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e fe-
riaos de m natureza, chagas gangrenosas, darlros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ec.
Este especifico vegetal, izento de toda a accao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelha, ec., e recebeu a approvac&o
dos distinctos doutores Ricord, Bauchet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchiob Robert, Gostilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre. Casa de expedicao, PASCAL C, 33, rua Monsieur-le-
Prince. Paris.
Aluga-se a padaria com seus pertences na
rua Imper al n. 199 : a tratar na rua de lionas,
aberna n. i.___________________________________
Os Paraguayos em Paran-
merim
Os Paraguayos invadirn) pela segunda veza
casa de morada do sitio de Paranaroeiim, arrom-
ada na noite de sabbado para domingo 27 do mez
lindo ; a porta do oiio do lado da cozinha, e car-
reuaram mui tranquilamente o re-to da mobilia da
sala, constando de mesa redonda, 2 bancas de jogor
2 cadeiras de bracos e 5 cadeiras de palhinba, to-
do de Jacaranda, 2 marquezas de condur, 3 ca-
mas de lona, 1 mesa de amarello, 2 baldes ameri-
canos, 1 espingarda carabina de dous canos, pesa-
da, tendo um dos canos raiado, e com dous para-
fusos na delgada da coronha, alguma louca de uso
e de cezinha, e vanas pegas de menor valor. Como
na pnmeira invasao rinham roubado o sof e 6 ca-
deiras, aronteceu Qcar ainda urna cadeira para
completar a duzia, a qual eslava no envainador.
Nao sao os visinhos, que sao excellentas pessoas.
Tambem nao foram os concertadores ou conserva-
dores da estrada que por all andaram, porque sao
pessoas abonadas por qnem as conhece por fra.
Tambem nao liveram parte nesta conquista as pes-
soas de igual capacidad?, que o raeu amigo o ins-
pector Jos Marques, garante ; mas sim. e nica-
mente o meu feitor que mora ha muito mais de
um auno em casa propria, e no mesmo sitio, o
qual fcil ser espreitado, quando sahe ou quan-
do dorme. Isto mais natural, e por isso rogo s
autoridades respectivas que nao se incommodem
como fzerara pela pnmeira vez que os avise, tan-
to mais que, em quauto se nao organisarem as for-
cas necesarias para premiar os invasores, eslao
estes Paraguayos no exercicio de seu pleno direito.
E por isso agradecendo Ihes pelo prsenle o favor
de haverem t ffecluado o despejo daquelles objectos
da minha casa, e contra a minha vontade, espero
que conlinuem com a mesma impunidade, arran-
cando as portas, o telhado, porlao, e tudo o mais
que quizerem e Ihes for agradavel: e em quanto
naoapparecer alguma viva alma que Ihes faca qual-
quer opposieao ao menos por parle da dormeole
polica. Entretanto, prompto est o annunciante
a recompensar com a quantia de 1003000 a quem
denunciar Ihe os industriosos, e o lugar do seu
acampamento, ou apprebender qualquer dos ob-
jeclos furlados, para o que duija-se a praca do
Paraizo o. i.
Salusitano A. P. de Souza Peres.
Pharmacia especial liomeopaluica, do
Dr. Sabino Olegario L. Pinito.
RUA NOVA V. 43.
Vendem-se por precos cominodos, os melhores
medicamentos homeopticos em glbulos e tintu-
ra ; vidros tubos, glbulos inertes, chocolate ho-
meopathieo, escovas elctricas, appareibos para la-
var os olhus, tic, etc.
Vende-se o Thesouio homeopatliico, a melhor
obra que existe para a p;.trica da homeopalhia.
O L)r Sabino da' consultas todos os das uleis
desde 10 h tas do dia al duas horas da tarde.
Visitas aos domicilios sempre que as circums-
tanclas a> exiglrem.
Os pobres sao tratados grotuttaraenle.
Saques sobre Mhboa
Manoel Ignacio de Oliveira & Filbo sacara sobre
Lisboa : nu largo do Corpo Samo n. 19.
H)oaoda~3ilva Ramos, medico pela Un
versidadede Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 as 11 horas da maubaa, e
das 4 s 6 da larde. Visita os doeutes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em qual-
quer occasio. I D consultas aos pobres
que o procuraren) no hospitil Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem nu casade sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer opracao cirurgica.
Para a Casa de sade.
Pnmeira classe M000diarios.
Segunda dita... 25500
Terceira dita.... 2000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera qne elle conti-
nu a merecer a bonfianca de qne sem-
pre tem gozado.
1
Fabrica de chapeos de sol.
X. 22 Rua do Queimado 22
Nesla fabrica acha-se: sempre nm grande sorti-
menlo de chapeos de seda, ingleza e franceza, al-
palka, brim e panno, ombrelas para senhora, de
seda e chita ; tambem se acha na dita fabrica ben-
gallas, chicotes, fumo, cachimbos e chupetas : to-
dos estes objectoi se Vendem por preco ronito
commodo; cobrem-se tambem chapeos, e fx-se
todo concert pertencente esta rte.
Aluga-se urna casa terrea com 2 salas, 2
uuarios, cozinba fra, ni rua do Socegn n. 47,
(Ja mpo-Verde, e outra dita cornos mesmos com-
ino los, na rna da Amizade, na Capnuga : a tratar
na rua do Rosario n. 36 era frente a rua do Arago.
Preei-a-so alugar urna casa terrea no bairro
de Santo Antonio, que tenha quintal que pos a se
fazer ama estribara para dous cavallos : a tratar
nesta typographla.
***** MMM-*mmmMM
O hachare I
M Francisco Angosto da Cosa
ADVOGADO p
)K. Kua do Imperador numero 69.
Deseja-se saber da residencia e estado do Sr.
Jos Joaquim de Lemos Freilas, filbo de Joao d
Leroos de Almeida, natural de Oliveira d'Azemeis :
na praga da Independencia n. 22.
Deposito geral em Pernambuco rua da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
V$^
Precisa-S9 de nma ama para cozinhar e com
prar para casa de pouca fa ilia : na rua da Con-
cordia o, 34, sobrado do armazem do sol.
O abaixo assignado faz sciente ao publico
qne morador no disiricto de S. Pedro Martvr da
cidade de 01 inda.
Antonio Lins Caldas.
Precisa-se de dous meninos qne tenham pra-
lica de fabrico de velas de carnauba : a tratar na
roa da Guia n. 3.
Fugio hontem 8 de seiembru, as 7 horas da
manha, o preto Joao, cnouio, de estatura alta,
cor bem preta, cara bexigosa, lera um signal como
de custicos, de un lado abaixo do pello, grandes
calos as mos provenientes do ser vico de renna-
cao, bem conhecido pelas divers s fugas que
tem feito : quem o pegar leve-o a rua da Concor-
dia n. 8, reooacj, que ser bem gratificada
[Dentista de Pernambuco.
Ra estreila do Rosario o. 3,
ao p da igreja
[francisco PINTO OZORIOg
! Colloea deules artifleiaes S
pelos systemas tois mo- I
demos
; Emprega todos os meios scieulificos para j
conservar os natoraes. Pode ser procura- !
I do em seu gabinete das 9 horas da ma- g
t nhaa as 5 da tarde. B5
Precisase de um criado para casa de pouca
familia : na roa do Imperador n. 17, segundo
andar.
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar : a tratar na roa eslreU do Rosario n. 12,
primeiro andar. .
r
"\
1






Otarlo de v ri nambuco segunda (eir Al Je Seteuibro de a&fc_>.
Precisase de uuia ama para o servico interno e
exteruo de urna casa de pequea familia : na ra
das ftrangeiras u. li, segundo andar.
m mmm mwmm wmnm
g CASA DE BANHOS. S
Ra da Cruz n. 17.
R A abaixo assigoada, tem a honra de *^!
t participar ao publico que o ?eu eslabele- ||g
I cimento cima meucionado, acha-se hoje awc
SK funccionando muito regularmente, pro- S
vido ile todas as accomraodaeoes necessa- jg
ras e sobre tudo com alguma limpeza.
R Os andes Armados por meas auteces- W
sores Cedrim & O. serao recebidos at o
meado do iikz deoutubro vindouro, os da
casa tero a firma da abaixo assignada, JR
e seria como d'aotes transmissiveis.
Tabella dos precos.
( assigmtura mensal com direito
a mn banho diario a320 rs.. 9600
1 dita de 30 candes transmisM-
veisa360rs................ 10,5800
i| dita de lo ditos a 400 rs.... 6,5000
1 banho avulso, momo ou (rio ou
de chovisco................. 500.
1 dito aromaiisado com agua flo-
rida........................ 14000 j
Os meicinaes sero pelo preco que se '
convencionar:
U eslabelecimento eslara' aberlo nos
das uteis das 6 da manha as 10 da noite
e nos das santificados al 2 horas da lar-
de, havendo chegada de vapor eslara'
aberlo por mais aigum tempo.
Mathilde G. Lessa.
E' BARATISSIMO 111 Grande liquidacioa diulieiro*
Grande lii|uidacat de lanudas i rnpa Va l.|a c arniazem do pavo.
feita nacional, na i*a da Imperan u Rua da imperatriz a
n. 72, loja de Guimaraes & lrmao.
Mmm
m
Aviso.
O bailo asignado, tendo-se resp para com os credores de Antonio Jos Butelho, mo-
rador na villa do Bonito, pelas dividas por r-w.
cotitrahidas, provenientes de gneros e fazendas,
que lite venderam para a sua casa de negocio na
Os proprittinos deste estabeleciroeulo tem
solvldo liquidaren) suas fazendas por precos bara
tissimos s com o liin de a; urar diulieiro, aprovei-
tom as pechinchas.
Vende-se um grande sorlimento de < hitas fran-
cezas largas a 260,280, 300 e 370 o covado ; ditas
percahas muito linas a 360, 400, 440 e 500 rs. o
covado : i.-lo s na leja de Guimaraes \ Irmao,
na rua da Imperalriz n. 72.
K" muito barato !
Cortes de laa (ara vestido de senbora>a 3.
Cortes de laa a 3#.
Cortes de laa a 3$
Aos 3,000 covados de 15a,
Vende-se lazinhas de quadrose de h-ti Julias de
linciisimos padrdes a 220, 240, 280 e 320 rs. o co-
vado, vende se assiin barato iur ter minia porcia
e querer se acabar : isto s na loja de Guimart s
& lrmao, rua da Imperalriz n. 72.
Aos 2,000 chales de merino.
Vende-se chales de merm estampad a 2000
e 2oOO, ditos de merino lis a 38t)0, 4 e b.
dilos linos a 6*500, '&, 75( 0 e 8.
Glande sorlimento de cor es de veslido de eam-
braia cum barra, pelo barato preco de 3, 3f 200 e
3*500.
itos de chita a 25, 2J500, 35 e 35500.
Vende-re pecas de madapolu com 24 jardas a
45500. 55, 65, 75, 85, 95 e 105
Dito francez com 12 jardas a 35500, 45, 45500
e 55000.
Veude-se um grande sorlimento de gollinhas
para senhora e meninas pelo barato preco de 320,
400 e 500 rs. cada urna : isto s na luja de Gui-
maraes & lrmao, ruada Imperatnz n. 72.
Roupa feila
Roupa feila
Giande soiiimento de roupa feila de todas as
qualidades, que se vende por piecos haratissimos:
aflianca se que se vende per menos 20 por eruto
du que 'iii oulra qual juer parle.
dita villa, e isto mecanle urna hypotheca que ao \a imva [v'y de faZCIIiiaS de GuillllCS
abaixo assignado lizera o referido Boteiho e sua
mulher, de lodos os seus beus, para garanti-lo da
respoosabilidade que o mesmo abaixo assignado
assumio, como eon>ta da respectiva escrlotura pas-
sada na mesma villa, as notas do labeilio Joo
Gomes da Silva ; por is-o o abano assignado faz o
presente annuncio, alim de que por elle se fique sa-
neado que negocio algam se pode conlratar com o
referido Antonio Jo> Boteiho, sobre os mesmos bens,
por se acnarem legalmente obrigados pelas dividas
j declaradas.
trancisco Muniz Pontes.
No da ~do_corrente fugio do armazem do
Sr. Jos Duarte das Nevos, no caes de Apodo (onde
foi para ser vendido), o escravo de nou.e Joao, com
os siguaes sfguintts: alio, grosso, mualo laro
cabellos cacheados, cribos preos, nariz grosso, boc
ca regular, barbado, rosto comprido, e parece ter
de 36 a 38 anuos de idade ; tem lambeui o dedo
mnimo da mo direita encollndo; levou chapeo
de pallia, camisa e calca de riscado azul, e por
baixo desta roupa mais urna camisa de riscadinho
eucarnado e urna ceroula de algodozinho. Este
escravo veio do Sobral no vapor Uamanguape, en-
trado em 30 de agosto-prximo passado : sera ge-
nerosamente recompensado quein quer que o ap
preheoder e leva-lo aoarmazem de Jos d; Sa Lei-
taoJuuior, rua da Madre de Deus, junU a igreja.
Arrendase urna casa em Sania Thereza de
Olinda, tuada Senzala, com 2 salas, 4 quartos e
boa cozinha, tudo por 65 meusaes : a fallar na
casa immediala.
Um menino bem educado, de 14 acnos, se
offerece para caixeiro de alguma loja de lazeuda :
a pessoa que pretender dilija se a rua do Impera-
dor n. 38.__ _______________________.
Na rua da Florentina n. 36 prepara-se comi-
da com aceio e protnptid.lo e por preco razoavrl.
G0MP&4S.
Gompra-se elfectivamente ouro e prata era
oDras velhas, pagando-se bem : na rua larga do
Rosario n. 24, loja de ourives._________________
Silvmo Guilbei me de Barros compra e ven-
de effectivamenle escravo* de ambos os sexos :
rua do Imperador n. 79, terceiro andar.________
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praea
pendencia n. 22, loja de bl I heles._______
da Inde-
Gompra-se ouro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas : na rua da Cadeia do Recife,
leja de ourives no -reo da Gonceico._____
Compram-se moedas brasileiras de 205
215 na rua do Crespo n. 16, priraeiro andar.
Compram-se libras slerlinas a 95500 : na
praca da Independa n. 22. __ ^
Jornaes para embruiho.
Compra-se na fabrica de cigarros anltga rua dos
Qo-rteis de Polica n. 21, a 140 rs. a libra.
Compra-se carosso (sement) de algodao : no
armazem de algodao de Saunders Brothers & G.,
no caes de Apollo._______________________
Compra-se ouro nacional amoedado com
premio de 5 0|0 : na praca do commercio n. 4,
primeiro andar._____________________________
__ Compram-se moedas de ooro brasileiras de
55,105,165 e 205, com 6 por cento de premio, e
tambera pecas porlugueras de 95 e 165 com 5
por cento ; na praja do Corpo Santo n. 4, primeiro
andar.______________________________________
Compram-se
moedas de ouro brasileiras de 95, 105, 165 e 205,
com 6 '|. de premio : na rua da Madre de Heos
n.^___________
Comprase
um cachorro que sej gran le, para nm sitio, e por
isso querse que seja valente : a Iralar na rua Di-
reiu u. 10. ______________________________0
Compra-si- o itietlmdo Garule, com uso, e
para violo : na praea da Independencia n. 5.
""Compra- gular : qu'-m o tiver queira dirigir-se
dos Pirts ca
Cou>i>ra-se urna escrava sadia e sera acha-
ques : qunn a tiver dirija se a rua Formosa n. 29
para tratar.
lrmao.
Rua da Mmpcratrl n. 99.
fUVAl,
Rua do Uuelnaado na. 49 e &&.
(ontlmia a vender lodas as miudezas que abane
declara por presos admiraveis.
Massos de palitos lixados para denles a 100 rs.
Espelbos de molduras doui adas a 200,240 e 320 rs.
Bonets de uliado para meninos a 15000.
Ditos de couro superior fazenda 15500.
Fraseos com superior tima rocha a 240 rs.
Meladas de buha Iroxa para bordado a 20 e 60 rs.
Caixas com 100 euvelopes,fazenda lina a (00 rs.
Grozas de peonas deac,'1, fazenda superior aSOOrs.
Grozas de botdes maureperula linos a 500 e
e 640 rs.
Caixas cun 50 novellos de linha do gaz a 700 rs.
Caixas com superiores obreasde cola a 40 o80 rs.
Pecas de lila branca elaslica com 9 varas a 280 rs.
Varas de franja de laa para enfeiles de vestidos a
40 rs.
Barallios dourados superiores qualidades a 400 rs.
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Loros para assenlos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de boloes para punho, fazenda rica a 120 rs.
Te.-'tiras para costuras superiores qualidades a
400 e 15.
Caixas de pennas de calligraphia, fazenda boa a
15000.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 15500.
Caixas com superiores agulhas a 240 rs.
Libras de laa sorlidas de bonitas cores a 75000.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
Itjilii.has com aliineles francezes muito superiores
a 20 rs.
Resmas de papel almaco a 25400 e 25800 rs.
EsiMvas para roupa, fazenda boa a 720 e 15-
Duzias de tesouras com toque de ferugem a
600 is.
Duzas de facas e garios de cabo preto a 35000.
Talheres muito lino para enancas a 240 rs.
Pulseiras para meninas a 320 rs.
Ditas e volita para senhora a 500.
Frascos de Agua Florida vt Frascos com superior banlia a 240 e SOO r.-.
dem de superior oleo babosa a 320 rs.
Caixas com lamparinas para 3 mezes a 40 rs.
Varas de babado do Porto a 80 e 14' rs.
Carlas de aliineles francezes a 100 rs.
Quaderoos de papel, pequeo a 20 rs.
Grvalas de cores, fazenda superior, a 500 rs.
Papis de agulhas, fundo domado, a 80.
ALMANAK
DE
'k
Luso-ltrasileiro
PARA 1866.
POR Vndese na livraria econmica jauto ao arco
de Santo Antonio,________________________
Vende-se um bonito cavallo grande e gordo,
proprio paia tolla ou cabriolel : para ver e tratar
na coceira do caes de Apollo. __________
Attencio.
Vendem-se duas bonitas garrotas, ama de raca
ingleza, oulra de tourino : na ponte de Ucboa, si-
tio da viuva Carroll._________________________
Taberna.
Vende-se a taberna da rua do Fogo n. 32, pro-
pria para qualquer principiante por ter poucos
fundos : a tratar na mesma.
O de Ga-
ma & miv*.
Os donos deste estabelecimeulo lem resolvido li-
**' quidar suas fazendas por procos bar.iiissimos, s
com o lim de apurar dinheiro, e previneni as pos-
soas que nepoclarn em pequea escala com fazen-
das, que nesia loja e armazem ciiconlrarao um
grande sirtimc'to por prtcos que muito Ihes bao
de agradar, lano em t oca como a realbo, a
saber :
Oambraias de forro a 2$000
Vendem-se pecas de ca'mbraia branca para for-
ro a 25 : na loja no Pavao rua da Imperalriz n.
60, de Gama A Silva.
JUureantique branca
Vende-se superior moreaniique branco para
vestidos de noiva a 25500 o covado, pechincha :
na loja do Pavo na rua da Imperalriz n. 60, de
Gama & Silva.
/'-'er cates c-m mofo.
Na loja de Pavo a 360 rs.
Vendem-se as mais Anas pi reales com lindlssi-
mas cores para vestidos de entraras, loado um
pi'iiueno loque de mofo que larga logo se lave e
liquida-se pelo baratissimo preco de 360 rs. o co-
vado : isio s na loja do Pavao rua da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhus a 20> rs o covado.
Na loja do Pavo.
Vendenvse lazinhas transparentes para vesti-
dos sendo das cores mais modemas que tem viudo
ao mercado pelo baratissimo preco de 200 rs., ditas
com palminhas de seda a 240 rs. : isto s para II
quidar. a.-sim como lazinbas mocambiques com
os mais bonitos padres a 240 rs. : i. lo na loja do
Pavo na rua da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos indianos a %$
Vendem-se os mais lindos coi les de vestidos in-
dianos lendo 7 1|2 varas capa corle sendo fazenda
transparenle de novos gostos que servem at para
biiles e partidas, vendeuvse pelo baralissimo pre-
go de 35 cada um por terse comprado urna gran-
de porco: na loja do Pavao rua da Imperalriz n.
60, de Gama & Silva.
S le ms para satas
Pcchincba na loja do Pavo.
Vende-se a mais Ana silezia de algodao fazenda
iuleiramenle nova no mercado propriaspara saias,
camisas e roupas para meninos sendo fazenda su-
perior ao madapolo francez e vende se pelo bara-
to preco de 440 rs, a vara ou a 400 rs. sendo em
peca cora cincoenta e tantas varas, isto grande
pechincba : na loja do Pavo roa da Imperalriz n,
60, de Gama & Silva.
Lencos de seda a 1 $
Vendem-se superiores lencos de seria para lio-
mens e senhoras a 15 : na loja do Pavo na rua
da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Lencos brancas a 2f.
Vendem-se duzias de |len?os brancos linos a 25,
ditos nulsimos a imiiacfto de linho com duas bar-
ras sendo urna de cordo e ontra matizada fazen-
da que sempre se renden a 55 e torrase a 25400
a dnzia : na loja do Pnvo na rua da Imperatnz
n. 60, de Gama A Silva.
Os esparliihos do Paro
A 40, U e 6.
Vendem-se os mais superiores espariilhos com
as comp.-ientes lilas para aperlar pelos baiaiissi-
mos piecos de 45, 5 e 65 por ter chegado urna
grande porcao para a loja do l'avao: rua da Im-
peralriz n. 60, de Gama i Silva.
Omiiraias de salpico? a 3$
Vendem-se superiores cambraias francezas cora
salpicos brancos e de cores temi 8 l|2 varas cada
pcc,a pelo barato prego de 35, ias escocezas com
salpiquinhos mindinhos luda biauca a 45 : na lo-
ja do Pavao na rua da Imperalriz n. CO, de Gama
& Silva.
Tartalana branca a 64" rs.
.Vende-se tarlatana branca muito fina a 640 rs. a
vara, ditas de todas as cores a 800 rs. a vara, di-
tas de salpico a 15, dila lisa a 800 rs. a vara : na
loja do Pavo na ruada Imperalriz n. 60, de Gi-
ma ,\ Silva.
0 bramante to l'ao.
Vende-se superior bramante de Imito do melhor
que tem rindo ao mercado com 10 palmos de lar-
gura a 25600 a vara, panno de linho muito su-
perior para I en (oes, loalhas e seroulas a 640 e
700 rs. a vara : isto na loja do Pavo na rua da
Imperalriz n. 60, de Gama A Silva.
Percal* s lisas do l'avao.
Veadem-se as mais liadas peicales de urna s
cor a 400 rs. o c irado: na loja do Pavao na rua
da Imperan i/, n. 60, de Gama & Silva.
Heias para meninas a 2,500
de todos os ta-
Acha-se
I II3.SC! Il< D.% .11 AIS.
PUOVIUE.NCIA DAS CltlA.NCAS.
COLLARES ROVER,
ELECTHO-MAGNET1COS,
Chumados collares anodinos de enticao conira
us cvnvulsoes e pata fiictlitur a ilmtirao das
enancas, preparados e immlados por' Royer,
phurmaceulico da Escola superior de Paris, suc-
cesor de Clirrrau, memora da ucadnma de me-
dicina, utiltija Casa iioi::i.L(in-laghance, pharma-
ceutico do Imprrnbr, rhrfe dos Imbullios chimi-
eos da Escola Polyltclinica, director da Escola
de Pharmacia de Paris, e membio da Academia
Imperial dr/ronle da rua Chavan, un Van*.
A hysicne a sade.
A sade a vida.
As MAIS.
Quanias crianzas nao vemos cada da snccnin-
bir as dores da priu.eira denlicao 1 ? Quintas an-
das e quanlos frmenlos para as instes mi-, que
vern se arrebatar, depou de lanl- cuidados, de
lanas vigas, o nbjerlo querida "e sua le mira 11
(Juantas vetes nao lelo ellas sentido a inrllieacia
dos remedios empreados, taes como brinqumhos,
cbarope de dentiyo, ele, cu jo duro conlacio d-'s
pMineiros irrita as gengivas e cama inllaminacao
as membranas mucosas, e ruja aeco milla fazia
desesperaco s mais ? Ai liar um ni. lo fcil de ap-1
plicar o fluido elctrico para alliviar os sollnmeu-
tos e prevenir as eonvulses, como tambera todos
os accidentes que resullam da primeira denlicao,
tal o tito que Ovemos em vista alcancar. Ha
muitos seculos que se punham no pescoco das
enancas collares de mbar amarello para p-eser-
va-las e cura-las de eonvulses, n.pregava se poi>
desde muito lempo a lectricidade medica sem sa
b-lo, poisque o mbar iodo elctrico. E' evi-
dente que este effeilo saudavel rcpotisa robre a ac-
eio da eleeirieidade, que sola u amliarc.-fiegado
pelos oioviraentos do corpo da criante. Esia in-
fluencia constante do fluido elctrico, por iraca
que fosse, produzia effeitos curativos proporciona- j
dos quanlia d'electricidade engendrada desle mo-.
do. Esta propriedade elctrica de mbar a que
nos temos (ido a feliz idea de applicar fbrica-]
cao dos rollares de denlicao, augmentando a inlen-
sidade dos effeitos elctricos do mbar por meio i
de los conductores que distribuein as correutes'
d'um modo suave e continuo. Mr. Royer o in-
ventor de duas especies de collares : Io dos colla-'
res anodinos de mbar electro-magneiicos; 2 dos
collares composlos de differenles metaes com cor-
rente voltaica. Partindo desle principio de physi-
ca bem conhecido, que a inlen.-idade d'uma cor-
rente galvnica esl em razo direiia da superficie
dos elementos que compem a pilla, os collares
llover, chamados anodinos electro-magnticos de-
signados e graduados por oito nmeros differenles,
possuem as mesmas propriedades elctricas, com
esia s dlflerenca que o effeilo curativo esta sabor-
ilinado ao tamanho dos elementos que os com-
poem, o por consequenria quanlidade limidada
d'electricidade que eogendram, d'onde se segu
que quanta maior superficie apreseiitam as perolas
on elementos, tanta maiir quaotia de fluido elc-
trico desprender-se-ha; e por isso que nos acon-
sejamos de preferencia os nmeros fortes.
Estes collares, pela sua disposigo flexiveis e
ponatefs, podem-se por constantemente no pese* co i
das crianzas. Urna rede elctrica cobre sera '<>,
sar as partes doridas que sao modificadas lema-
niente, sera sacudiduras nem commoges, e pro-
duzem urna cura rpida impedindo as eonvulses.
Assim acha-se reunido com o amigo proced-
ment dos collares de mbar a ellieana regular e
segura da eleeirieidade medica. Os collares gal-
vano-magnticos de metal compoem-se de peque-1
as perolas de dous metaes differenles, traversa-
dos por fios conductores que formam assim pe-
quenas filas voltaicas d'uma forma elegante, port-
til e flexivel. empregados com feliz suecesso contra
as eonvulses, os torlicolis, tosse nervosa, tosse
convulsa, etc.; possuem as mesmas propriedades
e empregara-se indistinctaraente nos mesmos ca-
sos.
DA PRIMEIRA DENTIf;0
E da utihdade dos collares Huyer electromagnti-
cos para faciltar a erupedo dos dentes do leile.
Em poucas palavras explicarei o que succede
na primeira denlicao, fazendo algumas observares
queserviro de guia s mis de familias, que pela
sua tenra affeico exageram a mimlo os perigos
da denlicao, a qual em definitiva una operac.no
da natureza.
A mor pane dos desarranjos qne sobrevem
sade '*las crianzas tem por causa o Irabalho da
prinuira denlicao Quaodo o denle faz esforco
para sabir, declara-se calor as gengivas, a saliva-
gao volta-se mais abundante, o somuo agitado,
ha febre a miudo, e em geral sobrevem a frouxi-
do do ventre, e s quando este ultimo symp
toma nao toma um carcter violento mais bem
favoravel que damnoso. Sendo sujeito a compli-
carse com outras affeicoes o irabalho da dentigo,
necessario, err. quanlo durar, por a mais extre-
ma e continuada aiienco na sade da crianca ; e
desde que se notera os ltimos symplomas que aca-
bamos de indicar, sera urgente consultar um me-
dien.
Estes collaies vendem-se na loja do Vi-
mw u\m\. ,
i o!leias de mai nu|uiii, coiu cascareis
t sem cllrs.
Na ma do Queitnado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, vendeiii-se coileiras iie marrotiuirn,
pospontadas e com cascaveis, ou .-era elle>
proprias para caes e i ulns bicbiobo.
Pennas in^lczas de ac e donradas.
No novo ortimento de p. tinas de ac que
LOJA 00 BE U/i FLOR
\a ru do iuciitia *<> n
r. (el,ido um kortln.ent.. d,. mn-
que se
esi usando, de diversos gosn>g ; s qumi tem
jo i-ij..-(!'.r.
que
.o-i ie. e|,do variad... s,,runenlos de vulias
de a j :ar. s de dnursas cores, enfeites para se-
nhoia .le diversos gosto<, e mais barato do
em qualquer oulra pai |i".
PaCe e parfo .
VeiidV-.-t : na- yinf i de caiu-1- balance de
um I otfio i ofiOO a du/.'-.. ditas .ln d. i< boioea a
a Aguia Branca acaba de receber, vieram'fiwo'. dita parait>.c-,i s&v.v>. .:m> ,-u-, \, lamben ootras de metal douiado e biew
mu bem acabados, o p> r esM boas e ne-
cessarias qualidades os seas acreditados fa-
bi cantes IViry entendedores apreciadores do bom, valen-
do mesmo a dillerenca que lia no preco de
tunas para outras, por que estas se toi nam
mais durareis na cominuacao de esciever ;
assim poisquein dellas se quizer utilisar
compra-las a dinheiro a vista : na rua do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas e sem ellas para
etrli nados,
A Aguia Branca receben um bello sorli-
mento de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, lodas de novos e bonitos
desenbos, cuja coiumodidade do preco est
em telacao a larguia : acbam-se ellas a ven-
da na rua do Queimado loja da Aguia Bran-j STj
ca n. 8.
Jogo da |iacii'iii-ia ni curioso cntreleni-
UlCIltll.
Na rua do Queimado loja da Aguia -Bran-
ca n. 8. acbam-se a venda por precos ia-|
zoaveis, caixinhas com tabolas de madeira,
quedas diversas pinturas dellas >e formam
agradaveis vis as e paisagens, segundo os
desenbos que icomijanbam. Na verdade
esse um deleitavel en retenimento rom o
quafse despe ta a cunosidade, e apura a in-
lelligncia. Os apreciadoi es dirijam-se
ruaxfo Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seta) salisfeilos.
Non i tes cnfeites uara s nlioiv.s.
A Aguia Branca acaba de receber u u no-
vo e lindo sorlimenio de enteites os mais
modernos e gostos inteiramente agradaveis,
e como seu louvavel co&tume os est ven-
dendo baratamente a quem com dinbeiro se
dirigir rua do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meas de laa para senheras.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Agnia Br?nca n. 8.
Mata mosca.
Na lo;a da Aguia Branca acha-se a venda
o papel com composico para dar fim as
nvfecas, sendo o modo de osar facillimo, e i>
effeilo efJQcaz : molba-se o papel e deixa se
fic^r n'um prato, e nelle pousan lo as mos
cas, entristecen] e mrrem. Gusta cada fa-
ina 40 ris: na rua do Queimado, loja da
Aguia B anca n 8.
a .'tA2O0, dllas Oe cal.o btauryluiAu e clavado a
:i00ii.
Tem receblo variad s sortuncnio? de balaios
i-aia menii> de escola, de lorma de peixiui.os,
lialinlios e Otilias de ditrf.-t go>|oJ qne so cen a
visla bem se pode apreciar, e t,.n bem serve para
0 Irilo do iio.-piial portngorz: l.is para bular de
divtr.-as cores a 7 a libra : > DO betjt-flur.
i> eov;i.i i>:icu ruupa.
Vende-sc estovas para loiipa inuiio linas com
iill rentes jostos a 640 u 1, diUs pura denles a
1 0,24o, iJiOeoOOrs.
Papel e envelops.
Vei,le-se paliado papel a c.iixiilias a 6R0 rs.,
diln de (r 3 TOO rs., e enaivehiuei a (iirs. a ra-
xiiiha.
a MoLscsriA ou infec-o pecu-
r/ lial conhecida pelo nomo de Ks-
__\r*_cro/te uin dos males mais
" | revalecentcs e universaes que
lia em'toda a extensa lista das
enormidades de que solre o
genero humano p disse um cele-
bre escriploi da medicina que
mais de nina, leira pane de
todos aquellos que monem anles
da velbice sao victimas, ou due-
la o ti ihdireclannerite da Estrja-
la : por si nao to dftt>
Liquidado das pecliiachas
no armazem da Arara.
Vendem se meias para menina* ,.. -
inauhos a J500 rs. a duzia, d.tas de seda preta gllaiilc, na loCregUO n. 7.
para senhoras a 800 r. o par, di'as iBflrlM para
lioinem a J a duza, l.-to na loja do Pavao na rua
da Imperan iz u. bO, de Gama & Silva.
Corlinudos para amas.
Vendem-se ricos cortinados para camas pelo ha- O ptpprieiarin da grande loja e armazem
rato preo de ll o par. Ditos bordados muito ri- Arara tem resolvido vender saas fazendas
eos a 24, colchas de fusto para cama a o500 e menos 20 por cento do que em qualquer outra
0} : na loja do Pavo rua da Imperalriz n. 60, de parle por isso venham ver as fazeudas e se admi-
Gama & Silva. rem dos precos, a saber :
Tiras bordadas e entremeios. Cortes de cambraia com barras.
Vendem-se finissimas tiaas bordadas e entre-1 Vendem-se bonitos corles de cambraia branco
meios por prego baratissimo, na loja do Pavo roa com barras de differentes cores pelo baratissimo
da
por
prego de 3 cada corte.
Cambraias brancas.
Vende-se cambraia branca a 35,
a rua Nova
'* a tratar rom o annnnciante.
VENDAS.
Alyod* Para saetea e renpa de escravos
da fabrica de Fernao Velho, e de mnito superior
(.u.ilidade : vende-se no escriplorio de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo
numero 19.
'0 castello de Grasville.
Traduxide do franeri per A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 300C
ua praca da Independencia, livraria ns.
6e8.______________________
""_ Vende-se no escTiptorlo de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19 :
Vinlios do Porto muito superiores em caixas de
1 duza e barris de oittvos e decimos.
Moscatel de Setubal da melhor marca, era caixas
de 1 duzia.
Palmella tinto de excellente qualidade em caixas
de 2 duzias.
Vinnos de Lisboa muito superiores da marca PRR
era pipas e barris.
Cera em velas.
Polladas de pedra de Lisboa.
Azulejos para frentes de casas. ______________
Casas vena.
Vendem-se ires excellentes casas terreas, sendo
duas na Capunga, ruadas Crioulas ns. 39 e 41, -
urna no largo de N. S. da Paz, esquina do Motoco-
lomb n. 2. edificada de novo : quem pretender,
pode examina-las e entender-sa no passeio publico
numero 5. _________________
venda na livraria acadmica, na na do Impera-
dor ; na do Sr. Nogueira, junio ao arco de Santo
Antonio ; e na lypographia imparcial, na rua es-
trena do Rosario a compilajo de toda a leuislagft
tendente a adminislr aco, a arrecadacao e fiscali-
saco dos diLheiros de orphaos defontos e ausen-
tes, herancas jarentes, legados, ele, contendo nao
s o regiment de cusas e a lei geral das execu
(oes, como lambem todas as ordens e avisos do
governn. que a ludo lera explicado, tanto a respei-
to das obrigaces inherentes ac cargo dos differen-
tes empregados de justic. e fazenda, como dosdl-
reilos uacionaes e etnolumenios que sao devidos.
Este livro contendo mais de 700 paginas em ntida
impresso e bom papel, e preslando-se a ulilidade
de differentes classes, lorna-se recoinmi-ndavel.
Seu cusi 105000 por cada exemplar em dous
oraos. ______
Terrenos S venda.
Vende-se um terreno proprio para edific.ac.ao,
collorado no centro da cidtde, com 68 palmos de
frente e 218 de fundo, leudo tres frentes, para a
rua da Palma, da Paz e da Concordia : para in-
, formar,Oes, na roa do Sol n. 37.
Sola.
Vende-se 45o meios de sola de boa qualidade :
a tratar na rua do Queimado n. 53, lojo de ferra-
g*n?-____________________________-
Vende-se um carro (victoria) novo e elrpfl
te, com os arreios competentes de metal principe .
1 na Ponte Velha n. 8, por preco commodo.
Vende se urna parte e um predio no sitio dos
Arcos, per da igreja dos Remedios, o qual pro-
prio para olaria por ter excellente barro, e as Ier-
ras quasi todas proprlas : a tratar com Joaqun)
Jos Gongalves Reltro, rua do Vigario n. 17, es-
criptorio.
Vende-se carvao de pedra para ferreiro a
125 a tonelada e 300 rs. a arroba : na rua do
I Brum n. 76.___________________________
Vendem-se 4 rodas novas para carro ameri-
cano, bem eonsirmdas ; tratir ua rua da Irape
! ratriz n. 2o, loja.
da Imperalriz n 60, de Gama & Silva.
Chales a 3o00
Vendem-se chales de merino liso, lendo de todas
as cores e prelos, pelo baratissimo prego de 3>00, 45500, 55 e 05 a peca, e de outras
por haver grande porcio : na loja do Pavo, rua dades : na rua da Imperatnz n 56.
da Imperalriz n. 60, de Gama Silva. Bretanua de rolo.
Os bales do Pavo a 2f)00, 30 e 3o00 I Vende-se brelanha de rolo cora 10 varas a
Vendem-se o melhores bales de arcos amerW 25800, est se acabando esta pechinch : so |
canos, sendo cora 20 arcos a 25500, ditos com 25
arcos a 35, dilos com 30 arcos a 35500, ditos para
meninas de todos os lmannos a 2c5O0 e 35, su-
periores baloes de bramante e murcelina com
cauda, sendo bastante grandes a 55, isto na loja
do Pavo, rua da Imperatriz n. 66, de Gama &
Silva.
As eamisinhas do Pavo.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda-
das com manguitos, para sehuras, sendo as mais
modernas que lem viudo ao mercado a 45500, di-
tas com manguito^ para acabar, a 15 ; ditas pre-
tas com iMMiguilee para lulo a I5H00 rs., mangul-
lus e gonhas pi i-las a 15, liois-iinas goiinlia.-de
cambraia branca lioidada a 500 is., calcinhas para
menina a 640 rs., roniriras de lil e cambraia
brauca bordada a 15600 : ua loj< do Pavo, rua
da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Corles de percales.
Ricos cortes de percate com barra, tendo o com- a g ditas de damasco a 45, ditas de chita a
ptenle casaveque a 85, d|ios de la a Mara Pia a 25240 e 5900 cada urna : s Lourenco Pereira
65, ditos de cambraia transparente com barra Menes Guimaraes.
bordada a la a 25 ; isto se vende na loja do Pa- ladapeiae.
35500, 45,
mais quali-
loja da Arara, de Memles Guimaraes.
Lazinhag.
Vendem-se as mais modernas lazinhas chga-
das pt-lo ultimo vapor, tendo padies muito boni-
tos #e rende pelo baratissimo preco de 240 rs. o
covado, fazenda que era outra paite se vende a
400 rs.: na loja e armazem da Arara n. 56.
Chitos.
Vende-se grande porgo de chitas sendo escuras
e claras por baratos preges a 240, 20o, 280 e 320
rs. o covado, ditas percalas linas a 360 e 400 rs. o
covado, nimias mais de outros precos.
Chales de merino.
Desla fazenda ha um grande sortimeHto de cha-
les de merino estampados cores muito delicadas,
e esl se venden do pelo barato preco de 25 cada
um, isto para acabar.
Colchas de fusto.
Vendem-se colchas de fusto de todas as cores
Diversos brinqoedose euireteninenlo
pitra criiiDCtts.
A Aguia Urauca ua rua do Queimado n.
8, recebeu diversos brinquedos para crian-
cas, sendo estiadas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelhos d^ metal, louca pinta-
da e porcelana doarada para a'moc e jan-
lar e muitos outros brinquedos de madeira,
que se vendem baratamente : na rua do
Queimad >, loja da Aguia Branca n 8.
Metas prctas de seda para senhoras a
500 ris o par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
cao de meias pretas de seda para senboras.
e apesar do muito maior pre.,o que lbe cus-
laram e o bom estado em que anida eslo,
comtudo est resolvida a vende-las a 5\0
ris o par, adra de que ninguem mais calce
meias pretas de algodao, ag< ra pois apro
veitarem a quaJra e diripirem- e .i rua do
Queimado, loja da Aguia Branca n 8 Tam
bem vender as brancas a i& o par, e des-
tas o nico defeito estai em um pouco tri-
gueras,
vo, rua da Imperalriz n, 60, de Gama & Silva.
Palelots prelos a l'--S
Vendem-se supenores paletots saceos de panno
preto, boa fazeuda, a 65 ; ditos sobre-casaros a
125, superiores caigas de casimira de cor a 75 e
85, ditas prclM a 65, 7.5 e i5, paletots de meia
Vende-se madapolo a 45500, 55, 4300, 75,
75500 e 83 a pega, entestado se vende com 12
jardaxa 3 J, 35oo e 15500: na ruada Impera-
lriz n. 56, Mendes Guimaraes.
Seolfinusrqiifs.
Vende-se soutembarque a &#*( *__
casimira a 55 6 65, ditos de casimira a 10, caigas Prulos de ^osdenapler a 185, 195 e 205, e capas
a-u ZL.x.1 ., 45 e45500, ditas de brira o raesrao prego
Canbraias de ceres.
Ven1em-se cambraias de cores sendo
Attenc^o
Vendem-sa frascos de mostarda ingleza em p a
7O ris o frasco, e mullios ingli-zes de todas as
qualidades a 800 ris o frasco, em porgao faz-se
abatimento : no armazem Fiordos Progressos, rua
do Caboga' n. 18. ____ <
Vinlios do Porto
as propriedades Varze de Una, Vianna, silio Mac-' das melhores marcas, em caixinhas de urna duzia
guinho etc., anneas ao iwvoado de Abren de Un de garrafas para casaspariiculare.sendo: Ugri-
do termo de Barreiros e muito couhecidas por sua
Vendem-se
boa posico e qualidade dos terrenos : quem as
pretender dirija-se a rua do Cabuga' n. 3, primei-
ro andar, que achara' com quem tratar.
mas do Doaro, Duque do Porio e D. Laiz ; lambem
tero ancr-retas de dcimo encapadas com superior
vinbo, barris de 5* e 10a em pipa : na roa do Vi
3ario n. 19, primeiro andar.
de meia casimira a
branco de linho e de cores, coletes de todas as
qualidades. Todas estas obras se vendem por
prego nimio era cotila, s com o IIin de apurar di-
uheiro : na loja do Pavao, rua da imperatriz n, 60,
de Gama & Silva.
razemlas brancas na loja do Pavo
Vende-se um grandi- sonimenio de madapoles,
chita, algodozinhos das melhores marcas, ga-
raniimlo-se vender mais barato do qne em outra
qual.|i- r parle, sondo a diiih< iro a vi-la, ua loja do
Pavo, rua da Imperatiit n. 60, d.- Gama fi Silva.
Hicos liiitlcs pretos de renda.
i;iirMii pelo ii'tiino v, por trance/, um grande e
vanad soiiimciiio dos mais neos chales pretos de
renda, lano de linho como de seda, tendo entre
elies mullos de pona redonda a imitagao de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se
por pregos muilo em coma por terem sido manda-
dos vir de cenia piopria pelos donos da loja do pa-
vo, rua da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Boniouts de renda na loja do pavao.
Chegaram os mai> ricos boruouts de renda e se
vendem por baralissimos pregos : na loja e arma-
zem do pavo, roa da Imperat iz n. 60, de Gama
A Silva.
finas a
320, 360 e 400 rs. o covado.
Casciiiiras.
Vende-se casemira com listas a 25500 e 25800
o covado, e raescladas a 35 : s Mendes Guima-
raes.
&-,m ?** atn
M Bichas de Hamburgo i
ff lodos os paquetes da Europa se r. cebe JK
>.'" destas amigas do sangue humano e se w
m vendem a troco de pouco lucro s afim 5
^P de l*r sempre cousa nova : a loja de bar- JHf
beiro rua estreita do Rosario n. 3, ao p ^
****** mmm mmmm
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodao : na roa da Senzala Aova n. 42.
KvI sem segando
Roa do Queimado ns. 49*53, loja de
miudezas de Ires portas, est quei-
uiamlo ludo bom e baral -, quem i;ii-
zer ver c admirar venham loja do
Uiiioiiinlio.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
Grozas de bo'.oes de looga prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de penna de ago fazenda boa a 40 rs.
Pegas de iranga de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas finissimas para limpar dentes a 240 e
320 rs.
Pecas de fita de cs estrellas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pegas de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos muito linos para vollarete a 200 e
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de maeag perula muito fino a 200 rs.
Frascos e garratinhas com agua de Colunia a
400 rs.
Francos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Caitas com 12 frascos de cheiros muito finos a
15400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
uza de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua deutilice superior qualidade a 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias saual e outros a
I52OO.
Frascos com essencias para tirar Doduas de roapa
aoOOrs.
Frascos com cheiros de todos os pregos a 160,200,
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Du/ia de meias muilo finas para senhora a
45800.
Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Pegas de fila de la para debrura de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Dilas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de loosa para meninos a ICO rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bouii?s estampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grea de txiides pequeos pretos para caiga a
100 rs.
varas de cordo de espartilho a 20 rs.
Novellos francezes cora 20 jardas a 40 rs.
Pegas de liras bordadas a 640.
Duzias de meias cruas muito fortes e superiores a
35300. '___________
'iva. porm a principal cansa de militas
outras enl'erniidades que nao llie so feral-
mente attribaidas.
E' uina causa directa da phlhfjsica pul-
monar, das molestias do fyado, do estoma-
go e affecfdns do cerebro : Ktitre os seus
nomerosos symptoaias arbam-se os seguin-
tes : falla de appetiU ; o semblante pal-
lido e s vezes incitado, s oesrt de tuna
abura transparente e outras corado e. u-
marelleiiio ao redor da bocea ; [r a (tem e
molliza nos msculos: disgeslo raca e
appelilc 1 regular, falta de energa, venir*
incitado f crocitarn irregular ; quaiilo 0
mal lem sen assmto sobre os j>uinijes. urna
cor ;i/.u!;iia mosira-se em roda dos olhos;
quando ataca os orgaus digestivos, osoilios
torn.im-se avermelliados:o hotitu ftido,
a lingua carregada, dores de cabera, ton-
leiras etc.
as pessoas de disposicao escrofulosa p-
parecem frequenleniente erupijoes na pelle
da caneca e outras partes do corpo, sao pi e-
dispostas s affeccoes dos ptilmoes, do liga-
do, dos rim e dos orgaos digestivos fi ute-
rinos. Portante, nao smente, aquelles
que [ladecem das formas ulcerosa e tuber-
culosas da escrfula que necessilam de pro-
teeco contra os seus estragos; lodos as
quelies em cujo sangue existe o virus laten-
te d'cste lerrivel flagello (e s veres l.tri-
ditai io) esto exposlos lambem a soQrer das
enfermidades que elle causa, que sao :
A pltllnjsica, ulcciardes do gado, do es-
tomago 1' dos r i ns: er pales e en/er mida-
des ei uplivas da culis ; rosa ou trysipi la ;
borbul/ias. pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarl/unciilos, ulceras e chagas, rlteu-
matisrno, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades femininas, potes bran-
cas causada pela ulceraran interior, e en-
ferntidades uterinas, ht/diopesia, indiges-
to, enfraquecimenlo e debilidade peral.
Au.s pulm5es a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente tonsnmpfdo pulmonar:
as (.'(anulas ella produz nciacoes e loninm-
se ulceras: nos orjos digestivos causa
desaiiaujos que pioduzein indigestSo, dis-
pepsia, molestias do ligado e nos rins :
na pelle produz erupcies e aleci.oes cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecen) do mesmo remedio: a sa-
ber : pul iftcar e fortalecer o sangue.
A sais parrha le Ayer
composta dos antdotos mais eficaces que
a sciencia medica tem podido descubrir,
para esta m lestia assoladora e para a tura
de todos os males prevenientes d'ella que
contm virtudes verdadeiramente exttaordi-
narias provado incontestavelmente pelas
curas notaveis e bem conhecidas c,ue tem
feito de tumores, ertipcdes cutneas, erisi-
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, parebas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmes. Debilidade ge-
ral: Indigestao, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
res, uleeracoes do ulero, a nevralgia e con-
vulges epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as certides no Alma-
nack e .Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde
se vendem os remedios.
Este remedio o IVuclo de tongas e labo-
riosas experiencias, e ba ahondantes provas
das suas viitnles: posto que offereeie
ao publico sob o nomc de Salsa parrthe,
com posto de diversas plantas, algumas das
qaaes sao superiores a memo)' salsa parri-
ll\a no seu poder alterante.
I'l liol 11. HE i:i HIJA IH. .4W.ll.
Cura promptainenie a astbma, broncliite,
tosse. delluxo, angina, coquelucbe,
pbthysica primaria, tubrculos
pulmonares. e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peilo
e dos pulmes pdein ser curadas em pou-
co lempo pelo peitorai. de ceieja do du.
AYER.
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do
Rio de Janeiro rua Direita n. V.
Vende-se em Per nam buco:
na
Colla da Babia superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azevedo _
IC, no seu escriptono rua da Cruz n. 1.
ava> iado
W
Francez barrica o000
portland dem 8#800
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 12^000
No armazem de Tasso Irmos caes do. Apollo.
Viobo do Porto superior era caixa de duzia,
lera para vender Antonio Loix de Oliveira Azeve-
do C., no seu escriptorio rua da Cruz n. i.
PHARMACIE FRANQAISE.
DEP.MAURER&C'f
RUA NOVA N IL1
Laas para vestidos a 240
rs. o covado!!
Na ma do Queixado n. 1 vendem-se Mperkit*
las para vestidos a 2i0 rs. o covado 5 a ellas, au-
es (jue se acabem.
Bicos c rends da lena
Gran.ie sorlimento de bicos e rentas da i< rri
prufirtos para en tova! de noiva na rua do ues-
po n. 7 A.



p^^i

6
Diario de Pernambnco Segunda 'elra li ile Setembro de ifc.
N. 11Ra do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto- Frederico dos Santos Porto.
Chegou a este estabelecimento uru grande sortiraenio de cortinados bordados para
camas fazenda de multo Rosto.
Chales de guip milito linos para 223, 235 e 30J.
Coisas de seda superiores de divanas cores para caons de aoivis.
Colxu da la e se la para cama tambera de bonitas cores.
Rotonles de guip enfeitaln com o melhor gosto.
Setitn de Paris billa fazenda e de bonitas cores para vesttdo a 700 rs. o covado.
Moareanlique branco e preto, grosdenaple preto e de coras, pannos pretos de todas
as qualidades, Jilos atoes.
Casemira preta e de cores, merino preto, silistriaa, bombaiinas, alpacas pretas, e
la preta para lutos.
Malas, saceos e boleas de tapete, veroiz e coaro de 4J a I1J.
Brins de linho de cores finos a 15*00 a vara.
Chapeos e capelinas de palha de Italia para senhora, manguitos bordados, chapos
de seda para homem, clnois de sol de seda, esgoiao ds linho, eambrala de linho, breta-
nhas, silesias e nanitas oatras (aleadas qu3 se vellora pir cmanlos presos assim como
lambona
Esteiras da India para forrar salas
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
ARMAZENS DE
DE
GR4NDES
cJ
HOLH4DOSo|r
ll!
(ovo)
0a"
DE
J. VIGNES.
H. 55. RUi DO 1MPER4DOR \. 55.
0 pianos dastt antiga fabrica sao hoje asss conhecidos para que seja necesario insistir sobre a
saa su;ierioridade, vantugense garantas que ofrrecem aos compradores qualidades estas incontesta-
veis que ees tera definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praga ; pos-
sunlj um teclado e mvminismi que obedecen tolas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feit) ltimamente melhoramentos Importan-
ti3simos para o clima deste paiz ; quanto s vo'.es, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Faiem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, do Paris, socio
corresoondente de J. Vignes, era cuja capital foram sempre premiad >s ern todas as exposices.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sortimentn de msicas dos
raelhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnico?, sendo ludo vendido por
pregos commodos e razoaveis.
CONSULTORIO MEDICO-CiRURGICO
do
m PEDRO DEATTAHYDE LOBO MOSC0SO,
HEDiCO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fimdao 3
O Dr. Lobo Moseoso d consultas gratnitas aos pobres todos os das das 7 s 11
aoras da manliiio, edas G e meia s 8 horas da noite, excepto dos das santificados.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisagoes e pelos pregos seguintes.
Carteiras de 12 tubos grandes. 125000
de 24 tubos grandes. 185000
de 36 tubos grandes. 245000
de 48 tudos grandes. 305000
de GO tubos grandes. 355000
Prepara-se qaalquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onga 15000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
la tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
A melhor odra da homeopalhia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jah-
d<*as grandes votme com diccionario............ 205000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 105000
Repertorio io Dr. Mel Mnraes............ 65000
Diccionario de termos de medicina........... 35000
Os remedios des te estbele :imento sao por domis conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recomendados as pessoas que qui/.erem usar de remedios
ve: iileiros, energi&is e duraJores: ha tudo do melhor que se pode desojar, globos de
ir 11 leiro assosar de leite, notaveis pela sui boa conservaco, tintura dos mais acredi-
ta los eslabelesim Jatos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portanto a maior
energa certeza em seus effeitos.
Casa de saucU pira eseravos.
Rcibe-se eseravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
aperado, p ra o que o annunciante julga-se sufcientemente habilitado.
O iraUmeoto o meilnr possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
faicciooaodo a casa isa mais de quatro annos, ha muitas pe*sois de cujo conceito se no
p'ili duvidar, qae polem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doeotes.
Paga-se25 por dia durante GO das e d'ahi em diante 15500.
Asoperaces ser) previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos pregos
razoaveis que costumi pedirr o annunc:ante.
j | Pateo do fiarrao n. 9 armazeiu Progrcssivo ra d0 Queimado i.7R.y
5>j Unio e Couimercio ra do Imperador d. 40, mi H
jga Principal arraazem de molhados. OS fl'ltOl'RIETAKlOS,
Fazem sciente ao respeitavel pnblico, e com especialidade aos senhores de en-
genhos, hvradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraram os propietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleei-
tnentos em um s annuncio, pelo qual o prego de um ser de lodos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por um prego, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em oulras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tam em servidos como viessem pessoalraente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conla
pela qual se ver os pregos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
alguma que fizer sua despenga em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
j\anteiga ingleza perfeitamente flor chegada
ltimamente no vapor Saladim, de 15
a 15120 a libra e em barril ter aba t-
menlo.
dem francesa muito nova a 15 a libra, e
era barril ter abatimento.
Baoha de porco refinada a 640 a libr e em
barril ter abatimento.
Cha ux[m de superior qualidade a 25600.
dem p'erula miudinho a 25700
dem hysson especial qualidade de 25500 a
25600 a libra,
dem preto muito especial a 25000 e 25400
a libra,
dem do Rio em latas de 45000 e a 800 a
libra.
Latas com biscouto de todas as quadades
a 15200.
dem da creditada fabrica de Biato Antonio
(Lisboa) proprias para dar a doentes a
25 e 35 a lata.
Bolaxinha ingleza muito nova a 35500 a bar-
rica e a 240 rs. a libra.
Latas com bolaxinha de soda e oval a 25.
Presunto inglez para fiambre chegado no
ultimo vapor a 800 rs. a libra.
Ghourigos e paios muito oovos a 900 rs.
a libra.
Caixas com macarro talharim muito novo a
55000 e 320 a libra.
\letria branca e amarella a 500 a libra.
Chocolate portuguez de especial qualidade a
800 a libra,
dem suisso de 800 a 10000 a libra,
dem hespanhol verdadeiro a 19060 a libra
que j vendemos a 10400.
Ooce da casca de goiaba era caixoes de 4 e dem Londrinos a 55, idem.
meia libras seguro a 15800, dem Parasienses a 45500.
dem em caixes pequeos a 700 rs. e de dem Delicias a 15500.
50 para cima a 640. dem Traviata do Rio a 55500.
dem secco em bocelas ricamente enfeitadas, dem varetas de Manoel Peixoto da Silva
o
o
dem com 4 a 5 ditas a 35200.
dem vasios de todos os tamauuos a 25000,
15500,800e 640 rs.
Queijos de 25300 a 25500 os mais frescos.
Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
25000 a caada,
dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 15400
a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino a 600 rs.
a garrafa e 451500 a caada,
Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 400
a libra, e em barril de 5 arrobas a
105500 a arroba.
Gerveja Bass do fabricante Shlers ti Bell a
65500 a duzia e 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 65000
a duzia e 560 a garrafa.
dem marca H Vicloria Alsope e outras
muitas marcas a 55 a duzia e 500 rs. a
garrafa.
| Sabao primeira qualidade a 220 rs. a libra
e 210 emcaixa.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabo inglez superior a 180 rs. a libra e
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 75000,
75500 e 85 a arroba, e de 240 a 280 rs.
j a libra.
j Arroz do Maranhao 35200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 25600, 25800 e 100 rs. a
! libra.
Charutos Normas de Havana a 55500 a cai-
xa, de Simas (Jos Furtado).
DE
AZEVEDO a FLORES
Ra da Cadeia do Hecife, esquina da Madre de Deus,
BAIiOES
Os ricos bales de arcos com muita roda para senhoras.
Bales de arcos para meninas de 2 a 12 annos 25 e 25500.
dem de panno para meninas 35 e 35500.
Chapos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda superiores com. 12 asteas 95.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, porm maiores 10$.
dem idem com 16 asleas 125.
Chitas.
Chitas largas soffnve'^ a 240 rs.
dem melhores a 280 e 300
dem escuras finas a 320 rs.
Tapetes.
Ricos tapetes grandes e pequeos com ricas estampas para sof.
Camisas.
Ha um completo sortimento de camisas francezas de 15800 at 55 das segua-
les variadas qualidades: pregas largas, ditas miudas, peitos defustao e de cores.
Camisas de meia.
Ha grande sortimento.
Cambrala branca.
Lindos e superiores cortes de camhraia com barra a 45.
Superior cambraa bran:a para vestidos.
Cambraia para forro.
Cateas.
Caigas de brim pardo superior a 25500.
dem de bonitas e superiores casemiras de cores,
dem de superior brim branco, ha de diversos pregos e qualidades.
Mantas para pescoco.
Ricas mantas para pescogo de homem de fiaissima seda e de ricos padroes, que
s o Balo tem.
Paletos de casemira.
Superiores paletos saceos de casemira.
Paletos.
Finssiimos paletos de alpaka branca a 55,
COIIETES.
Colletes de casemira a 45 e 55.
dem brancos a 2.55i;0 e 35.
Maceos para vlagem.
Saceos para viagem a 55 e maiores a 65.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico novas
fazendas e novos pregos e nao como muitas pessoas sup;e sempre ser as mesmas fa-
zendas.
111A LOJA
HAN COIil.UJIXAS
No ultimo vapor viudo da Europa
Superiores cortes de seda de cores o que tem vindo a Pjrnarabuco de raeltior gosto
em seda.
Assim como mais algumas lazeodas de bom gosto para vestido.
RIJA l>0 CRESPO M. 13
LOJA DE
Antonio Correia de Vasconcellos e C.
CORTES llf] SEDA
Chegaram pelo paquete inglez n'qaissimos cortes de moreantiqae de cores, e seda lavrada pa-
droes i&teiramente novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5RA DO CRESPO-5
Gregorio Pac do Amaral tt Compauhla.
L'ICIS, VIDROSE
CHRYSTAES.
A loj de looija da ra do Crespo n. 16 tem para
vender quantidade de azulejis de lindas e variadas
cores, assim como loucas de todas as qualidades,
de bonita* pintura* e gosto moderno, ricos appare-
Ihos de porcelanas brancas douradas e de cores,
vidros de todas as qualidades, inclusive flnissimo
chrystal, dilicado* jarro* de chrystal e porcelana
para flores, ligaras e outros muitos objcclos de fi-
aissima porcelana denominada biscuito para en-
feites de mesas, rtt, guarnieses de linissima por-
celana branca douradas e de cores para lavatorios
e toaletes, tudo do melbor gosto, pinnas de louca e
vasos para jardini, candmiros de lamparlnas para
gaz, globos e chamineis de vidro, boccaes e todos
os mais subrecelentes para os mesmos, gaz liquido
: i que ag .ra receben, continuar a recebe-; d9 ",per,io ^M^ e "qio outros artigos que
I -ora que en. lempo alu.n a faltaT delles oi! ^l**!*!!!!"*'"' m ^ preos mui-
sef funesta aos pas de familia, os qnaes fiearo!
eitis de os achar constantemente na ra do Qjri
Farinha de mandioca.
Tem para vender Antooi> Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
colares Kojcr on colares ano-
dinos
para facilitar a denticiia das enancas e preserva-
las das convulsoes.
O feliz resultado obtido imaien prodigiosa f.irja magntica do* colares Rover, nos
casos de convulsoes, e denlicao das crianza*, tem
altamente elevado o seu beo) merec lo prestij-io,
jpM se pode dizer que estio geralraenle con-
certtjsao*, e estmalo* de innumeraveis pais de
IM.itiis: de uns ,iorque do uso d'sses salutares
i: >'. ir* viram salvos do perigo seus charos fllhi-
i'> ', e de outros porqae colheram daquelles liio
o etemplo para igaalmonie preservar os
\*>im, pol*, aaguia briniM, t^.ndo em vis-
i utili'tarfrt eproveito desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandjn
contend pera, pesego, ameixa, rainha.
e oulras frutas a 3#000 cada urna.
dem em calda em latas feixadas hermtica-
mente muilo bem enfeitadas, contend,
pera, pesego, ameixas e outras fruas a
640 e 700 a lata, tambem temos latas
grandes a 15200.
varmelada dos melhores fabricantes, em la-
tasde2#000a |,>200.
dem em latas de i 1|2 libra a i&.
dem em latas de 1 libra a G40 rs.
Ervilhas em latas chegadas neste ultimo va-
por a 700 e de 5o para cima a GiO rs.
Feijo verde ou carrapato em latas j pre-
parado a GiO rs.
Ameixas em frascos de vidro a i (5500.
dem em caixinhas ricamente enfeitadas de
i200 a 20500.
Conservas Mexide muito novas a 700 rs, o
frasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
.Volho inglez a 640 rs. o frasco cora rolha
de vidro.
\fostarda em p a 700 rs. o frasco.
dem j preparada a 320 rs.
Latas com massa de tomate de i libra a
600 rs.
dem em latas de i \\ libra a 900 rs.
Vmhos em garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pa, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a l a garrafa e 9$ a 12,5 a duzia.
dem Palmella a l& a garrafa e 1UO00 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 20800 a 30500 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 2i#a
a neo reta,
dem branco expecial qualidade proprio para
missa a 560 rs. a garrafa e 40 a caada,
dem mais baixo a 400 rs a garrafa e3!50O
a caada,
idem do Porto especial qualidade a 800 rs.
a garrafa e 50500 a caada.
dem Bordeaux em caixas a 70 e 700 rs. a
garrafa.
Cbampanba a melhor do mercado vinda de
nossa encommenda a 300 o gigo.
dem mais baixa de 180 a 200 e 10500 e
30 a garrafa.
Licores portuguezes e francezes a 10000 e
10500 a garrafa.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 10500 a
garrafa,
(dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
Genebra de laranja ver ladeira a 110 a du-
zia e 10 o frasco.
dem de Hollanda verdadeira a 60 a fras-
quetra e 600 o frasco,
dem de Hambur^o a 50500 a frasqueira.
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o frasco.
Garrafoes com genebra de Hollanda com 24
garrafas a 80, com garrafio.
dem com 14 a 15 garrafas a 60.
Netto a 30500 e 10300 a meia caixa.
Outros objectos.
Vindos tambem para a antiga loja
l Tranca de seda com vidriaos, moldes no-
Idem suspiros do mesmo fabricante a 10SOO mdezas iudo Queimado n."lG."'J" i ^idemldem U<
a meia caixa e 55200 a caixa. Sapatinhos de setim branco bordados pa- moldes
dem mececipes a 10700 a meta caixa e ra baptisados.
30000 a caixa do mnsmo fabricante. | Outros de' merino tambem bordados e
dem orientaes do mesmo a 10800 a meia gualmenle bonitos.
caixa e 30iOO a caixa, : Meias de seda, correspondente no tama-1
dem jovens de Castanbo & Filho a 20400 nlio dos sapatinhos.
a caixa. Outras mui finas de lio da Escossia e
dem suspiros do mesmo a 10bOO a meia brancas listradas.
caixa, e outras muitas marcas de fabrican- Luvas finas de fio da Escossia brancas
tes. de cores.
Passas muito novas a 10500 o quarto e 50
a caixa de urna arroba hespanhola e 320
a libra. I
e
de cores tambem de bonitos
e agr da veis cores.
Botoes para os mesmos fins, sendo pre-
tos de seda maiores e menores, enfeitados
com vidrilhos e pendentes e outros de di-
versas cores.
dem pretos de velludo tambem de surti-
dos tamanhos.
Lonelos de dous viJros com aro de aro, bfalo
e tartaruga.
A loja de miudezas, ra do Queimado
Vermute bebida para abrir a disposigao de embaracar.
Ditas de seda para senhoras. 16> recebeu um bello sortimento de lo-
Ligas de dita para senhoras e meninas.; netos eoculos de vidros com arma 5o fina de
Pentes de tarttruga mu fortes para des-jaco, bfalo e tartaruga, e os est vendendo
10500 a garrafa e 140000
30800 arroba e
40:
issimjs razoaveis.
mado, loja d'aguia branca n 8.
Vndese urna casa terrea nos Afogados, ra
do Votocolomb n. i : a tratar ua ra dos Quar-,
tes numero 18.
Vende se a taberna sita na ra de BjrnQca,
esquinada travessa dos Remedios: trata-se oa
mesla.
Herres
* ende -se superior viuho
sierres de Londres : na ra
Cruz n. IO. escriptorio.
de
da
Vende-se um sitio na lugar de Bemfica, Pas-
sagem da Magdalena ; quera pretender dirija-se a
esta typographia.
comer a
caixa.
Alpisla muito novo a
a libra.
Painco a i-5000 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas j preparado a 10200 a lata
e em porfao 10000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo paralimpar facas a 1G0 rs.
Esparmacete a GOO a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 100000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 10800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 20500, 30000
e 40000,
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhao muito alva e nova a
240 a libra.
Savadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muilo nova a 140 a libra e 40000
arroba.
Caixas com estrelinlia, rodinha e pevide a
400 a libra. |
Alhos em canastras muito novos e maunfas
grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 10000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Ervadoce idem a 400.
Alfazema flor a 240.
Araendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 40200 a resma,
dem lizo a 40000.
dem de pezo a 30000.
dem de embrulho marca grande a 10200 e
10300.
dem azul para botica a 20000.
Copos lapidados a 50500 e 500 cada um.
Palitos de denles, magos grandes a 120 'e
160 cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 10500 a libra, em porc3o ter
abatimento.
01
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulhas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Caixinhas com allinetes brancos e pretos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos,
Caixas com linhas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de bonacha preto, redondo.
Bonitas flvellas grandes de aeo,
douradas, madreperoia e tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, recebeu um bonito sortimento de
flvellas grandes para cintos, sendo de ac,
douradas, madreperoia e tartaruga, as quaes
esto sendo vendidas em dita loja por pre-
gos commodos ; assim como boas e bonitas
fitas de gorgoro achamalotado, proprias pa-
ra ditas flvellas.
Oculos de pendra e de outras
3iialldades, para quem soffre
a vista
A' loja de miudezas ra do Queimado
o. 16, tambem recebeu oculos de peueira
com vidros claros e escuros, para quem sof-
fre da vista, assim como outros de armago
de ago, sonidos em graos.
Coroas e tercos de cornalina.
A antiga loja de miudezas a' ra do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e tergos deornalina, os quaes estao
a disposigao dos bons christos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na ra do
Queimado n. 16.
por pregos razoaveis: os pretmdentes diri-
jam-se a esta leja na ra do Queimado n. 16.
Attengao o barateiro de ob-
jectos cliegados de novo:
grande* sortimento.
Vendem-se dous grandes lustres de vidro finos
com 24 luzes, do melhor gosto e por preco razoa-
vel: assim como apparelhos para cha e para jan-
lar, brancos e de cores differentes; ditos de por-
celana donrados e pintados e brancos; apparelhos
para janlar de porcelana branca; tamnem se ven-
dem em pegas separadas, como os fregnezes qni-
zerem, compoteiras lapidadas para doce, clices
para vinho, ditos para champagne, copos para agua
e para vinho finos e ordinarios, era caixo e a re-
uni; lanternas.de todas as qualidades de vidro;
ditas de casquinho inglezas muito finas; candela-
bros de vidro e de bronze ; serpentinas, vasos de
porcelana e de vidro para flores; bilhas hambur-
guezas para resfriar agua; barricas com appare-
lhos de mesa para janlar; gigos com apparelhos
para cha; e outros muitos sortiraentos de todas as
qualidades e precos commodos vontade dos com-
pradores, que se vendem na ra da Cadeia do Re-
cift junte 40 arco da Cooceico o. 64, e na rna
Nova no grande arraazem de louca e vidros junto
igreja da Conceicao dos Militares n. 49.
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 40000 a sacca.
Potassa da Eussia
As melhores chitas francezas de cores
escoras e flxas a 280 rs. o
covado1!
Na ra do Queimado n. 1 vendem-se chitas fran-
cezas escuras e finas a 280 o covado.
muito nova e sterior : vende-se no escriptorio
de Manoel IgnciB de Oliveira & Filho, largo do
Corpo Santo n. 19.
Esponjas finas grandes e pe-
queas.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Diversos objeetos.
^ antiga loja de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, acaba de receber muitos e di-
versos objectos que fazem completar o seu
bello sortimento, sendo:
Filas finas de sarja da mais estreita que
ha al a mais larga, todas de vivas e agrada-
veis core*.
dem tambem de sarja lavrada, de bonitos
e novos desenhos
dem idem brancas, lisas e Iavradas, pa-
droes igualmente novos e bonitos.
dem de gorgaro de seda achamalolada,
e muito encorpadas, para cinto de flvellas
grandes.
dem de seda preta e de oulras cores pa-
ra debruar vestidos, colletes, palitos, etc.
dem de la igualmente sortidas em cores
e para os mesmos fins.
dem de algodo brancas e diversas ou-
tras cores para vestidos de chita.
dem de borracha brancas e pretas para
soutembarques. vestidos pretos, etc.
Novas e lindas guarnigoes para enfeitar
soutembarques, vestidos pretos, manteletes,
etc., obras do muito gosto e modernissitna.
Grande aimazeiii de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazera de tintas um grande deposito de
productos chimicos utensiseos mais empregados
e usados na pharmacia, pintura, photographia, tin-
turara, pyrolecbinia(logos de artificio) e em outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaes drogaras de Pars, Lon-
dres, Hamburge, Anvers e Lisboa, pode offereceer
productos de plena confianza e satisfazer qualquer
encommenda a grossu trato e a retalho, por pregos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptldao qualquer pedido de tintas moidas
a oleo, coja qualidadee pureza de sens ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o qne
nao fcil fazer com aquellas qne sao importadas,
e que se enconlram no mercado em latas fechadas.
Tera grande collecgao de vidros de differentes
formatos, desde urna oitava at dezeseis oncas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
propriedade e ontros; de papis dourados e pra-
teados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
para embrulho, para forro de casa, para desenho
com fundo j fcito; de papel albuminado l,e Brisu
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
terior; oleograxo, oleo seccativo, oleo de I inbaga
clarificado, oleo de toiele, secativo de Harlim, onro
verdadeiro em p ; prata, eoro, e estanho em fo-
lhas de varias cores; tintas vegetaes, inolTensi-
vas proprias para confeitarlas; la de cores, a
olhos de vidros para imagens;. tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e era p pa-
ra aquarella; essencia de rosa superfina, de ne-
roly, jasmim, bergamota, aspice, patchouiy, mbar,
bouquet,lirao, alcaraiva, melssa, ortela pimenta,
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
anis da Russia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s com a vista poderao ser mostrados.
Joo Pedro das Neves,
Gerente.
^
..
Farelo.
Vende se excellente farelo de Lisboa : na tra-
vessa da Madre de Dos n. 18, e n& rna da Cruz
n. 23, primeiro andar.
T
ll r-^i\ #



:
Diarlo de Pernambaco 9egniida.'elra 11 de Selcmbro de *.

/
GERENTE
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
sam \ NBBUk idi si wnutmi
AO
RESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciacjo dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
cen da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento |de molhados,
que sendo em sua maxirai parte mandados vir directamente do estrangtiro'podem ser
vendidos por presos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm nffianfar, com toda a seguranga de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
V Delicadeza no trato.
2.] Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos.
As pessoas que por roa posicjio social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhdres queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquclles que sao ponco favorecidos da sorte arao mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelopreco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, celo seu proprio interesse, a esle estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhons que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agr Jar aos senhores
compradores.
.Nao se tem poupado sacricios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
Gkaixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
l urna.
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e pnico de oito libras para cima a;
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca atoll, a 28o rs. a libra.
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todo-; os ta-
manhos.
dem dem em potes de todos os tamanhos.
KIRSCH de Wasser a 2(5 a garrafa.
I
. LATAS cora graixa a 80 rs. cada urna.
Lbtria a 400 rs. a libra.
11
MANTEIGA ingleza e franceza de piimeira
qualidade a i&, a libra.
dem idem em bocetas de todos os tama- Mahmki.ada dos mais acreditados fabricantes.
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absy.ntho a 2f>000 a garrafa.
II
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes o poqueria*
dem do Principe Alberto a 15800 a lata, e
de cinco para cima a l #700.
dem de sola em latas grandes a 2;>000 e
de cinco para cima a ls-SOO.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
i 1200,15250e 15300.
Bolo francez cm caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Baniia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a GOO rs. a libra.
dem snisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15300 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a'210 e 2G0 rs. a libra, e em porgo
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muilo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 15800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de onlras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'avana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, uelicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000,
252"0, 2550 e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25300, 35300, 45 e 55.
Clices de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
D
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
brvadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15-500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
Macarrao e TALHAiiiM a 320 rs. a libra.
Massa de tosate a 600 rs. a lata.
Mostaiida ingleza a 800 rs. o frasco.
.Molho ingi.ez de todas as qualidades.
.Mahuasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e araarella a
00 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
Mii.iio pairiQo e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
s*
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglesas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a 15C00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadiiiha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para denles a 120 rs. o mago muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muilo novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
Q
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartinhas ou morinques a
m
RAPE' Menron a 15 a libra.
dem Princeza do Rio a 15200 a libra.
dem francez a 25300 a libra.
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 23.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a ICO rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V i
VINHOS
!!!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
Duque a 15 e 15500.
Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a 15-
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por n5o ter com-
posico alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 15 a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Vinho flgueira em ancoreta a 205.
dem Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
caada.
Na officina de ferreiro da roa do Jasmlm n.
24, ha para vender urna carrosa feita, com esmero
e propria para carregar urna pipa com agua, afim
de vende-la pela ra. Na mesma officina ha tara-
bea! um cabriolet de duas rodas, novo e muito bem
acabado *, quem pretender estes objectos, pode di-
rigir-se a luesma que achara' com quem tratar.
Vende-se
a tjale miudeza* o. 70 da ra da Imperalriz : a
tratar eom Joaquim Francisco Franco aa alfande-
gi das .9 lj2 as 3 horas da larde.
Caluogas Unos e forlnquedos
para meninos.
Lhegaram para a loja de miudezas da ra do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos catangas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor
timento de miudezas. ________'
Loras de pe I lea.
Beeebea pelo ultimo vapor lindas lavas depelli
ea de cores e brancas para hornera e senhoras : so
quem recebeu foi o beija-flor, aa ra o Queimado
numero 63.
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
gimento se entregar o
importe do genero qne
nao agradar.
ATTENgao
< precos da seguintc
cabella para iodos, pu-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de coca
com os portadores.
Ferros para engommar
Vendcm se caixin'ias coniendo o mais completo
sortimento de ferros para engommar, encrespar
babados, patos e toda a ronpa de senhura : ua ra
Nova n. 24.
ffgWgg1'! ...i. .ii.... mi i
ESCBAYOS FU&iDGo.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Conceico)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore' horas, o aceio qne
ezacom que ser3n tratij^-mvidn a urna
'ra dos gneros qne precisara e quando
rois serSo t3o bem servidos como se viessem
tra p?ne.
Manteiga ingleza especiauxente escollada a
1 ,poo e 8oo rs. a libra e em barrii se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barr) ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra. V^.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muilo proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem viudo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a o.ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e sui?so a 9oo,
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,000 e
8,ooo a caixa e64o e "oo ris a gar-
i ata.
Genebra de Hnllanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasle genebra de Hollanda a 6,8oo
e (4o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,oooe ll.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo.a arroba,
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Painen e alpista a 14o rs. a libra e i.oooa
arroba.
Massa de tomatesde superior qualidade a 6fo
rs. a lata de urna libra e56o rs. a rela-
mo.
presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que tudo a promptido e intei-
visita ao mesmo, cerfos de que sem duvida me dar5o a proteceo e preferencia na com-
naopossam vir podero mandar seus portadores, anda qne estes sejam pouco orticos
pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaeao, afim de r/ue nao vo em
Sal refinado era frascos devidrocom lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Qerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a2oors.
Charutos do allantado fabricante Jos Fua-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposico Normal de Hilvana, Impcriaes,
Londrinos, Guasbaras, Parisiense?, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo", 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,oooa caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, fila-
nilhasde Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,ooo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 8ooe
I,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franga muilo grandes e novas
a l,8oo o cento e I,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muilo novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arrota.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinba Alberto, as melhores que pre-
sentementetcm viudo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cherosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o fiasco.
Caixinhas com finetas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,Roo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
Azeitonss de Rivasem nncoretas grandes de
8 garrafas por Ooo e 8oo rs. a garrafa.
Azanorias portuguezas a too rs. a garrafa t:
l,5oo cada urna aneorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,000 o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para ronpa suja, grandes Arca-
nos, POr dWj P.yU>.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fruct;is em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre brancoj engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Aletria, macarrao e talharm a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massajjara sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoreas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e I o,ooo a caixa com I duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oors. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
' Cartoes com bolo francezmuilo proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
'Passasmuito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJoao
deBrito no Beato Antonio, emlata de 6 li-
bras por 2,5oors.
Ameixas francezas em faecy'de vidro com
tampa do mesmo, a"~T#3oo.
Ameixas franc zas em eminhas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na cal-
va aUMrini h 1,4u i, 1 ,Oiin, l.ftlin h 2.imil
cada urna.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez
a Ooo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo j
o gigo cora, 36 libran
! Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e |
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a t6o rs.
Moslarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 8oo rs. o frasco.
; Mostarda franceza em potes j preparada a
4no rs. n frasco.
Lentilha* frdiicezas. excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
! Marrasquino de Zara propriamente dito a
10 a garrafa e 1! ,ooo a duzia.
Palitos le dente a 14o rs. o maco.
Mulato fgido.
Fugio desde 28 dejunho, o mulato de nome Jo-
s, reprsenla ler de idade 24 aune-, sen barba,
alio, magro, rr clara, Leigos decorados, nariz
pouco lorio, olho.s pequtnos o e.-lnaiiquignK.-, por
ler sofTrido de fra Idade, cabello um pouco corrido,
ps seceos e grandes, venido de Balea o jaliloi de
casemira, calcado, chapeo parti dn bltrocoiB Ala
prela, ualuial do Ceaia', d'ondo. veio raa p St
Gurgel, esle vrudera a Silvino GoHberme de bai-
ros, a quem comproa.se ; a nao ler seguidu para o
sulcomo folonlatio ou recruta, lera' teflo para
o Ceara', d'onde 6 filho : pelo que pede-se as auto-
ridades civis e militares nao de>ia provincia co-
mo das iSemais do imperio a ppn heo.-o do dito
mualo, que a titulo de forro nao tenha sido recru-
lado, como pede-se lamliem aos rapitea Je campo
e pessoas particulares a apprchen>o df-ll>-, levan-
do, ou avisando a I.emos Jnior, roa da Aurora n.
20, qu sera' gratificado.
Fugio.
Mo dia 6 de agosto o escravo crioulo de nome
TiIh lio, idade de 20 a 25 annos, estatura l.aixa e
com faria de um du>- denles de cima, lu escravo
oo Sr. Francisco de Alhuqucrque Haranh3o Ca-
valcanii : quem o pegar ou delle der noticia qoei-
ra dirigir-se a ra da Caoeia do Renfen. ',('!, loja
de Valle Poriu ('.., qm- sera' recompensado.
Au aoiaubecer o da 26' de apoto lu iran
do engtnho CamaragiLe dou> esclavos cnooJos,
ambos carn iros, suido om de ooo < S- n < ".i-, na-
loral do terlio d Ouiicuiy.au e tm U l cara
redcmia, lio mt-iio pelo, e .(.fre de on a 11 raa;
o ouiro de nome Nicolao, oasrido do ri:i>n.u tu-
genho, estatua ordioaiia, seco do rorpo e robUS-
in, na mesma occasio desappsrereii.n -i ferros
do servir do engenbo, de soppor qi lee! am si-
do levados por eiles, on per altom rjne llies ser-
vio re guia e seductor, pirque ua luile preceden-
te a sabida dos ditos esrrtvos foram vistos doos
bomens em ern moDlcagac cem o 1. n i ao jonlo a
enirada do engenho : qiif m prender t tronier di-
tos escravos sera recompensado
Aosenlou se de rasa no dia 25 desle meta
escrava Ignacia, crioula, cor fula, dente* limados,
beigos grossos, estatura regular, chela do corpo,
levdii vestido encarnado, chale de lia prelo veiho
nos hombros, e mais alguma roupa de seu us<> :
na ra da Penha n. 17 se gratificar.
DO AFAMADO JOUVIN.
Vende-se pelo prego de 25 o par lavas novas de pellica de Jouvin, chegadas no ultimo vap or
para homem e senhora : na ra da Imperairiz loja de miudezas n. 54.
c/3 rao- "s a a "> -
Is-sll!
O O 1 '-
oia.g *
U M i
_02
S.g. g so,
OS OJ O. H 3 ~
a 3 o a co
S^ O 65" tu 'O os
oo oq a-
-1 (O
o o
8 7,
oq a-p
S CD 5
co
5S g o B =
2 o OT
* es O
o w o
w en
5"! 2.
3
o srg-
o> a
03 CU
<" 2
OS
03
"1
a.
3
II
5
o_
a.

cu
0
a "O 3
3 3 Pa-S.!
a.-a S cu a.
^ 2 w 2. 5'
S ^ B a
, S o a.
ct> a. a;
a" ^ =>
aaOSn
nn
r>
cu
-1
"i
O
s
a o,
o a
"i

T5

-j a.
O 03
0 -n
01 03
a ce
03 "1
n
B9
-

03
23 v
Si
o
i SI
2
>
o
>
o
50
Tasso Irmaos
Vendem no sea armazem ra do
Amorini n. 35,
Licor fino Curago em botijas e meias botijas.
Licores linos sonidos em garrafas com rolbas di
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei iagniol.
Vendem-se palmeiras imperlaes, em estado
de seren transplantadas: do sillo morado es-
querda, depojs i do hecca do Espinheiro, nos Af-
Dicios
ECIIINASDEPATEIV
de
para
tfabalhar nao
descaroca ralgodo
FABRICADAS
PorPlant Brothers & C
OLDAM
Estas machina
podera descaroca;
qualquer especii
i de algodao sen:
estragar o fio.
sendo bastanU
duas pessoas para
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
do em earocx
era 40 minutos,
ou 18 arroba.
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodao
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutns dessas machinas.
Os rnesmos tem para vender nm bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o qne convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saunders Brolhers &, C.
N. II. praca do Corpo Manto
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
A LESITIMA
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber nm lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lonetos, binculos, do ul-
timle mais apurado gosto da Europa,
PREPARADA NICAMENTE POR
LAMAN & KEJFP,
NOVA YORK.
Composla de substancias, gozando de
propriedades eminentemente depurativas;
approvada pelas juntase academias de me-
dicina ; usadajnos principaes bospitaes, ci-
vis militares e da marinba as Antillias e
no continente americano ; receitada pelos
facultalivosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaces e
falsificacos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO A C.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambuco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melbor qualidade a
0 a lata : nos armazeosda ruado Im-
perador .\6 e ruadoTrjupicbeNovon.8.
Vende-se urna machina de costura : na roa
do Crespo, loja n. 20 B.
No dia 28 de ago^o prximo passado desappare-
ceram do engenho Paran, silo na comarca do Li-
moelro, os escravos Francisco e Alexaniire, per-
lenrtutes ao major Claudino Correa de Mello. O
primeiro alio, secco do corpo, um tanto espada-
do, e de cer cabra, tem a cara bexigusa, bstanle
barba, cabellos rarapinbos, ps cunos e largos,
sabio vestido de caiga e camisa de algedao azul,
chapeo de fellre, levando tambera c> msigo urna
iie uxi contendo i n a de oso, a saber : camisas
de chita e caigas brancas e pardas, levou lambeni
um chapeo de couro, mu ladino. O segundo t
pelo, ciioulo, secco do corpo, estatua regular,
ti ni falla de tentes na freule, um penco barba-
do, e Km ps finos e bem fellos, lambem muilo
ladino. Ambos sao eros, leudo de idade33 an-
nos, pouco mais ru menos ; desconfiase que te-
uhan rugido paia atsenlar placa nesia provincia
luemcdlia qualqutr: quira osapprehendti pode
leva-lis ou ao dito engenho, cu a casa de Bn r.o
Alvaro Barbosa da Silva, i.a iua da Cruz n. 45.
que ser bem recompensado.
Escrava fgida.
No dia 30 do prximo pasudo miz fogio rte Ha-
mangnape a escrava Aula, de naci, idade 36 an-
nne, pt.uoi. itiilc ou u i!. ^, cen tii i tt:'.,rf.-v r^uiU*
tes : aitn legular, grossa to rorpo, faila de d>u-
ics na frehle, levou vestido branco, rhale oe in-.u-
i verde, desconiia se live.-se lugito com al,.Liii
barcaceiro daguelle lupar para agu : rtga se s
tntoridades policiaes e caplies de rompo iiue a
apprehmdain c levem i rniregar a Den ingos Ri-
beiio da Cunda Oiiveira, roa da l'raia o. o3, que
recompensara generasamente.
Fogio no da 6 de junho prximo passado,
da povoacilo de Apipucos, um escravo oarfif> *-
nome Co>mo, o qual iem -- -* ^epuinles : al-
,, ...., vulio do corpo, olhos> grandes, nariz
chato, beicos prossos. penca barba," ps gr- ssos e
com marcas de bichos, levou vestido calca e cami-
sa de riscado, chapeo dt; cudmi emende ue uu o
sei vico de campo e oe olaria, as'im romo de bor
leeiro. Este escravo foi comprado ao Sr. Manoel
Al ves Guerra por intervcngao do Sr. Silvino Goi-
Iheime de Ilarros : quem o prender leveo a casa
do abaixo assignado, na povoagao cima mencio-
nada, que .~era bem recompensado.
Joo Francisco do Reg Maia.
Gratificado e 100^000.
Fugio dos abaixo assignados no dia 8 de
Janeiro do corrente anno, o seu escravo de
nome Jos com ossignaes seguintes: ca-
bra escuro, cabello carapinbo, estatura bai-
xa, cheio do corpo, ps largos c faz um ga-
to as pomas quando anda, muito pouco
barbado, e lem urna cicatriz bem \i>ivel em
um lado do queixo, e outra bom grande
nasnadegas, proveniente de sorra, rujo es-
cravo compramos junto c m ostro ao Sr.
rapilao Silvino Guilherme de Barros, e este
Sr. os havia comprado ao Sr. Joo Cabral,
morador em Nazareth. Consta-nos que este
escravo fillio do Brejo da Madre de Deus
aonde casado e tem filhos, tendo-lhe mor-
rido ltimamente a mulber: portanio n ga-
mos a iodas as autoridades policiaes a sua
captura, e a qualquer particular se gratifi-
car com a quantia de lOQf se o troucerem
seus senhores nesta praca, na da Impera-
triz, refinaco n. 46.
Luiz da Silva Ferreira & C:
lene

Acham--ce fgidos os escravos segrate*: Bento,
mualo, idade de 25 aooos, cabellos annelados, sem
barba, denles um pouco limados, secco do corpo,
testa larga, e falla um pouco descansada ; e Luiz,
crioulo.j um ponco velho, altura regular, muito
cabelludo, barba com alguns cabellos Planeos, as-
sim como na cabeca, corpo reforjado, olhos um
lanto pequeos, falla grossa e as vezes fingese
rouco : pede-se as autoridades policiaes e aos ca-
pitaes de campo que os fagam apprehender e con-
duzi-los a' casa de sea senhor o major Antonio da
Silva Gusmao, que generosamenle recompensara,
e Ibes pagar toda despeza que fizerem rom a sna
condnegao : snpp5e-se que elles terao ido em se-
gnimento dos sertoes desta provincia, por serem
filhos desses logares.______________________
Est fgido o escravo Liberato, preto da
Costa, alto e magro, bracos e pernas finas, cara
retalhada, sem denles na frente, olhos grandes e
vermelhos, tem os ps e raaos cheios de cravos
bonbaticos, trazo cabello junto das orelhas raspa-
do de poucos dias, levou vestido calca branca so-
ja, camisa de riscado, blusa de la azul desbotada,
chapeo do Chill mallo velho : quem o apprehen-
der e levar a casa de sen senhor na Passagem da
Magdalena, sera generosamente recompensado.
Fugio no dia 18 do crreme mez o preto cri-
oulo de Dome Isidoro, de 30 annos pouco mais
ou menos, alto, ros'o comprido, solssa pouco fecha-
da, ps grandes e chatos, e costuras andar dealper-
gatas, levou camisa de algodo, calcas velhas
rolas, chapeo de palha velho, e tambnm um bonet,
caraoguejeiro. Se nao andar vagando por esta
cidade provavel que tnha ido para SerlnhSem
ou Rio Formoso, onde j tem sido capturado por
vezes. Roga-se s autoridades e capules de campo
que apprehendam e o levem ao seu senhor Joir>
Cavaicanti Lameoha Lin?, residente na Estrada
Nova,sitio de Jeronymo de Hollanda Cavalcantt de
Albuquerque, que se recompensar generosa-
mente.
|-
I



-
1..____*





Diarlo de Pernambtico segunda felra 11 de Setembro de 1S6&-
IIERATM.

THEATRO DA GUERRA.
Sao importantes as noiicias, com qnanto nenhu-
ma arjiio se lenha reasado.
Depois de dous metes e ineio ile inicio, i gran-
de r-xercito paraguayu de C mentes mostra a ov
gajoso de emprehender operajoes nuw a.-tivas
precipita as suas marchas de um modo qne lora
andactoso, se antes uo revulasse a in-iiM.-; cao de
i. pela surte da sua columna expedicionaria no
Uruguay.
faci que, dividido em cinco columnas que i
marchara paralelamente, o exercts paraguayo
a vanja arrojadaueuie em direcjo Concordia.
(Jmi dessas columnas marg i o Paran e depois
de ler lomado e saqueado a cidade da Bella Vista,
dirigase a Goya, segunda cidade da provincia de
Coirieotes e ponto commercial de grande impor.
tancia.
As alrucidades comettidas pore?=es vndalos sao
'aer i veis. A sua passagem 6 asslgnalada pelo re-
na, pelo incendio e pela devastaco. A> In'elizes
familias dessas povoae.ijes fogem espavoridas, dian-
le uo nov.i Tamerlo, e vio buscar un refogo na
seio das florestas do Chaco, esperando mais huma
nidada dos ferozes ncolas desse deserto do que
dos ledemplores da civilisaeo e da libertado nu
Prata. Ny
Varias gepharas pertoneentos s fnai-; distioctas
familias de Corrientes foram mancadas cana escol-
ia para Humana, que hoje o depo.-ilo dos roobos
folios, em uoine do equilibrio do Itio da Prata.
Muilas casas e?trangeiras foram tambem saque-
das seuda assassiuadasalguus dos seus proprieta-
no e uos consulados de Bueuus-Ayres aprsenla-
vam-se os rcc.iamanles para prostetarem, contra
os espoliajoes e violencias de que foram victimas.
Ao mesmo lempo iam licaudo uos diversos pontos
fjrtes guaruijes e toda a margen] do rio esiava
eoberia de baierias para impeaircm a passagem da
.esqoadra brasileira.
Esla achava-se ainda no Cbimboral, mas a' vista
das novas operagdes precepitadas pelos paraguayos,
piovavol que desea para uo ser do novo blo-
queada pelas baleras collocadas uos poulus estrei-
los do rio.
Oade porm, os movimenlos tem mais impor-
jancia egravidade, na margen) do Uruguay.
As ultimas noticias que tinliamos davatu as duas
columnas para-iyas que margeavam o rio avan-
jaudu iiaralellamente. Esperavase porrn, que a
do torrilorio Lrasileiro que enfrentava enio com o
no Ibicny seria conlida pelo general Canavarro.
este general, porm, de cojas operados nao i>o-
demos lazer juizo seguro, visto que s sobre o cam-
po podem ellas ser apreciadas, panicipou ao gene-
ral Ozorio que os paraguayos baviao e(Tjctuada a
passagem do rio, pelo Passo de Sani'Anna, nos dias
19, 20 e 21, em forja de seis a sele mil homens de
lafantaria e artharia e mil c tantos de aval-
lara.
A pasajgem da Ibicuhy importa o acomettimen-
lo da nossa importante ci lade de Uruguayana que.
segundo as noticias, eslava apenas guarnecida por
mil borneas e pouca resistencia podia rfffrecer a
urna columna cinco vezas maior. Com efleito, al-
gunas follias do como ja realisada a lomada des-
se ponto.
Dizia-se porm, que o general C:\mvarro preten-
da augmentar a guarnicao da cidade com os seus
dous mil nomens de infaotaria, llenado com a ca-
vallaria para hostilisar os invasores, lirando-dies
todos os recursos do campo c fatigndolos com fre-
quenle* surtiOas.
Como se sabe., para a defeza desse ponto, multo
se esperara do cxito da expedijao do genera Flo-
res que marchou da Corcordia a" fre:i!e de urna co-
lumna de quatr mil e duzentos liomens. A sua
marcha, p,r:n, foi embarazada pela anchate dos
arroios e pelas copiosas chuvas que alagaran) os
campos, tomando difflcil epenosa a marcha dolrem
nesado.
Da ConcorHa o qo. sabemos qae o exordio al- O progresso nao pode ser o esquecimento do pas-
liado, prevenido sobre as operajoes dos Para- sado, porque o passado esta' sempre com nosco, no
guayos, espera-os de arma ao hombro e cheio de funlo de nossa* lembraucas, no coffre de n ssas
enthnsiasmo. saudades, no seio de nossas (glorias.
O general Netto j se lhe incorporara com 1,000 O progresso nao o ruido das paixes humanas,
homens de cavallaria. las paixSes mesquinhas, que refervem, que se agi-
As forjas ahi reunidas suppo"e-se que se elevam tara pelo espirito da desordem elle menos urna
a 30,000 horneo*. marcha do que urna ascensa a vibrajao de
Nao airara :iesi i coraposio os 4 mil homens de todas as sympathias, o azulamento de todos os cos,
Paaoero e os i,50J Jo general Flores. a transfigurajo de todos os martyres o vo da
As forjas paraguayas em operajoes sao compu- civilisajo, o vdo da ave lgubre carregando a
ladas do seguinte modo : Promeiheu, da Caueaso aos Alpes, dos Alpes aos
Quatro mil ho:ne:is guarnecen lo as bateras do Andes, dos Anle*.....ao Co o redemoinhar
***na. das sonsas em torno dos povos, o redemoinhar dos
Doul mil homens aarneieado Corrientes. p0vos em torno di* ideas, o redemoinhar das ideas
Tres mil hoaieos estaciomdo; no pajo da Pa- em torno de Ueus.
irla. Mas na gloria de todos nao se absorvem as glo-
Quinze vinte mil homens operando sobre o ras de cada umtemos a nossa historia, deve-
Uruguay. mos abr-la temos o nosso da, devemos sau-
Tintaodous mil himens, divididos em quatro da-lo.
divisdes, que oraposm o grande exercilo do Pa- E o da de hoje, a dea de hoje, o sol de hoje, o
raua. sol da liberdade, diante do qual ajoelhamo-nos en-
Ao todo CO mil nomens prximamente. toando o cntico dos livres, tinha j multas vezes
A desproporji) que se nota entre as forjas allia- borbulhado no oriente, quando a lyrannia podera
das e as paraguayas dimtnuem em muito, se cons- conl-lo, suffoca-lo era sua aurora, e retirar as
COLONIA DE SANTA MARA DA SOLEBADE.
talento de iniciativa, como o do autor, achou na
Pendem ainda da decisao do governo os negocios grandeza do commettiroenio estimulo e forja.
relativos a este estabelecimento, pertencente a so-' Os caracteres esse um dos principaes mritos
ciedade Montravel, Silverio & C que pede novos da obraestao desenliados com summa perfeljao.
auxilios ou sua encampajo. \ V. Exc. ter notado, sobretudo, a arte suprema
colonia de d. pedro ii. i com que o autor transportou Bocage para a scena.
No decreto de 31 de outubro do anno passado, A opiniio geral a respeito deste hornera extraordi-
em longos praxos, permutara ao lavrador a intro-
duejo dos melhoramentos que a sciencia aAonse-
Iha, mas cujos benficos resultados nao pdem ser
colhdos, e mais das vezes, seno muflo lempo de-
pois.
Presenlemenie a agricultura s encontra dinhei-
derarmos que na Ciaiordia acha-se apenas urna
divsao do nosso exercilo, que nao comprehende
mais de 20 mil homens.
Mas alera de que o exercilo propriamente argen-
tino, mal enanca a ocganlsar-se e a todo o raoaen-
lo esia' recebeudo [reforjas; temos as duas coluro-
mos ensanguentadas. Para ella o Brasil grande,
livreislo era um sonho.
E de notar, senhores, que este sonho que se
fez idea, esta idea que se fez dia, esle da que se
fez gloria, tinha sido era seu principio urna loucu
ra de poetas de poetas amorosos, como Dirceu
as do general Flores e P.iunero qn* elevam-se a 7 e Claudio mas de poetas que procuram, de poe-
mil h.mens a hri-aia do coronel Feruaudes que 'as 1ue sondara, de poetas que achara.
se diz ser de B mil homens, e as do general Caua-1 Amda de 00tar' S6abos Que ao lempo em que
varro e baro de Jaeuhy, que coman de 9,800 ho- aireUo divin0 roUva na Peir* com a cabefa Ut
mens sera contar anda o exer,:iio do Rio Grande Luil XVI' direit0 do povo pendia ludlbriado com
que elevado por alguns a 15 mil homens. peoder da ffoat8 de ura Drasileiro rais ulli"
.... i rao suspiro do martyre encontrou logo no espajo
A suuajao, pois, dos exercitos a seguinle :
o primeiro grito da liberdade, essa grande fuuc-
jo que Deus deu ao hornera, que Brulo deu Bo-
ma, que a revolujo deu aos povos.
Somos livres de urna liberdade adquirida pela
forja das ideas sejamos grandes de urna gran-
I deza adquirida pelas forjas do corajao. Somos
para vencer sejaraos nobres para per-
0 grande exercilo paraguayo, que se precipita
hoje a sua marcha, desee em quairo divisoes, nao
propriamenle sobre a Concordia, mas sobre o Salto,
no Estado Oriental.
A columna que margea o Paran parece des
nada a invadir a provincia de Entre-Ros for(e<
As columnas que descera em direjo apparenle j0..
Coucordia parece que se dirigem antes a prole- Bejemos a mao do passado que velho a
ger a columna ameajada pelo general Flores, si- ve,nice uma realeza apenemos a mo do fu-
mulando ao mesrn) lempo ura ataque ao exercilo turo que ra0Q0 a mocidade um poivado.
da Concordia. Mandemos s paixSes que se calem, e tejamos
Dado mesmo que a columna de operajoas do Rio.' as coreas do mrito. Nunca poupemos um tributo
Grando repassasse o Uruguay para ir em auxilio ,je iOUvor memoria do here a quera j demos
da que margea o lado argentino. testemunho de gratidao um d'aquelles vulto que
Esse movimento, porem. nao basta para modifi- de longe em longe Deus suscita para ajuda-lo
car sensiveimente a m situajo em que so va ver lmpellir o universo nos largos destinos que elle
colloeado o exercilo de Lpez. 0 cooduz; cavalleiro de bronze que completa o
As ultimas noticias j delincan) essa siluajoo. desenrolar dos seculos grandes ondas da eter-
Tendo encontrada lvra passagem at o Passo do nida(le es'acad. sublime em promontorio de
Tauro, viam-se as forjas paraguayas litteralmente granito.
cercadas, tendo em frenfe o general Flores, n'um Sejamos verdadeiros e justos. Estranho, seja
dos flancos os enerae Canavaro e bario de Jac. | mos patricios -patricios, sejamos irmos, e nesta
hy e na retaguarda o coronel Fernandes. rmandade de sentimentos combatamos o inimigo
Ora, as forjas poraguayas reunidas sao eleva-' COmraum, confiados, apegados esse pensaraeutb
das pelos pesimistas a 15 mil bomns E as que de gloria, esse pensamento de Deus que flucta as
sao representadas por aquellos gen raes elevam-se dobras do estandarte brasileiro.
talvez a li mil homens.
CltUdO, (lilla un rAa
lempo, o activo gene
ral adiaotoo se com dois mil homens paraou.-ci.-.
os movimenlos do inimigo.
Se enirelanto,nochegoua' lempo de operar a sua
junejao com as forjas do general Cana varro, foi bas-
tante feliz para ser encontrado por um coniingeole
oriental de 800 homens e pela columna expedicio-
Se por lano o grossa da exercilo paraguay qui-
zer effeivamente socc;rrer a su i diviso encurra-
lada, a-risea-se a ser atacado de flanco oelo exer-
cito da Concordia e se empreen le o ataque a este
estamos seguros d que encontrar uma resisten-
cia vigorosa correado anda o risco da se ver entre
os dous fogos do exercilo da Concordia e das divi-
soes vencedoras dos geueraes Fiores e Caoavarro
Una carta que temos vista pota-nos a divi paraguaya ja reanuda ao extremo de comer os bo-
is das carretas,
nutras, que tambera dos foram commun.cadas,
dizein que m da 10 achava-se o nosso exercito no
Ayuy e que dahi a dous dias levanta va acampamen-
to e punaa-se em marcha.
A junejo do g.-neral Flores com o general Ca-
navarra devia eTeotuir-se uo da i ou 4 do cor-
rente.
Carla de um ofQcial que faz pirjo da contingen-
te do general Flores, datada de 27 do passado, diz o
seguinte :
''onresente fleo bom e em marcha para
a Lruguayana, ame RmnB. 9/kan nWMy08
alim de os btannos e nao consentir a passagem
delles para Corrientes.
t Eslou que at o dia o do mez vindouro pouca
mais ou menos nos os bateremos, pois o general
No dia 2 achava-se ja' o general no rio Merina, is-
to 12 leguas aislante da Reslaurajo ou PsTs-j
dos Livres, como tambem denominan) essa povoa-
jo, a' frente de uma forja nao inferior a sele mil
homens.
Nesse pouto deve o general Flores encontrar a
oulra columna paraguaya que descia pela margem
argentina e que como ja" dissemos, marcha em
paralela com a que pisa a margem brasileira. E
ficando a Reslaurajo na mesma latitade que a
Uru.'uana, mais. que provavel que ja la' lenha
chsgado.
Com eff-'ito, no dia 4 aproximava-se essa diviso
paraguaya em numero de nove mil homens.
Picando assim descriptas as ultimas operajoes
de que temos conhecimento, daremos aos lelores
outras nollr.ias que de algum modo podera influir
sobre o xito dessas mesmas operajoes.
A mais importante a que se refere a' demissao
do general em chefe do exercito paraguayo, o ge-
neral Robles e sua subslituijao pelo general Bar-
rio?, que orcupava o cargo de ministro da guerra.
Nao se sabe a que causa atiribuir o decahimento
de Robles da graja do seu nflexivel amo. Corre,
porm, que foi preso, vilipendiado em facedoexer-
csto e remedido para Huraaita'.
Robles tinha contra s o gozar de prestigio no
exercito e ser amado dos seus soldados. Tanto
bastara para acender as iras do cruento despota
do Paraguay.
Emquanto commandou.pede a juslija que o re-
conhpjanins, o exercilo ob suas ordens.'que toraou
Corrientes, nunca se entregou aos excessos com
que a forjas paraguayas se teera deshonrado, on-
de quor que ho chegado. E, at onde se podejul-
gai do seu merecimnto como militar, parece que
era prudente e segure ora seasjmovimentos.
Nao podera ter dado causa sua ruina a clr-
cums'aucias le observar ao presidente Lpez a te-
merin*. iranudencia dos seus ltimos movimentos
qnesdpiram nico exercito regular da rep-
blica mais de cem leguas da sua base de opera-
joes 7
Como quer que seja, o seu substituto Barrios*
cunhado de Lpez e seu valido. Barrios o bere
de Coi abra, o chefe da expedjo de Mano Grosso
que frente de 4 mil homens, foi entretldo por
mais de 24 horas pelo pequeo forte que, apenas
naria do general Paonero que se lhe incorporo^. J^res muito o deseja e lodos nos. O general Fi-
res nostem tratado malta ben e nos estamos mui-
to sstisfeitos con eile e lodos os seus ofciaes e
mais prajas.
Alm disso ha fundada esperanca de que uma es-
quadnlha brasil.ira pessa subir o rio Uruguay,
aproveitando-se da endiente. O correspondente do
nosso collega do Jornal do Coimnercio accrescenla
at que o almirante Tamandar ia parlir immedia-
lamente com esse deslino.
Conseguida que seja essa operajo, mais critica
se tornara' a posijo dos Paraguayos.
Algumas provincias argentinas mostram-se frias
e pouco auxilio t,n prestado a'causa da guerra.
Em compensajo outras se esforjam e concor-
rem com grande enthusiasmo.
O general Urquiza ainda nao consegaio levantar
novo exercilo.
O Eco del commercio de Bueoos-Ayres diz a esse
respeito :
t Apezar das proraessaj do general Urquiza ere-
mos que a guerra terminara' sera o concurso das
suas milicias.
Da Esperanca, de Goya, fazemos os segointes
extractos :
Os interesses dos estrangeros estao servindo
rapacidade do tyranno Lpez.
Em Bellvista foram saqueadas as casas de
commercio dos subditos italianos, inglezes e hespa-
nhes.
t Podem descansar os Srs. ministros estrange-
ros, que seus compatriotas esio bem garantidos
por Lpez II I
As casas dos coramerci antes Delphino y Susi-
ni foram completamente roubadas pelos cossacos
do despota da Assumpjo.
t Era eta |casa uma das principaes de Goya, e
mantinha um commercio em grande escala, tanto
com o interior, como com o exterior.
Trnta e tantos carros foram carregados pelos
Paraguayos somenie desta casa, e o mais atiraram
a' ra para a arrala mioda, que se grupava a's
portas.
Que taes, acrescenta a Tribuna, sao as juiia
bristas I
UN POLCO DE TUDO.
Forana as seguintes pejas recitadas no theatro
de Sania Isabel pelo acadmico Tobas Barreno de
guarnecido p >r 150 liomens, oppoz-lhe viva resls-1 Manezes no espectculo de 7 do corrente.
tencla, maiau-ine 300 bomeos e, finalmente, reti-
rou-sa satn penia de nm soldado 1
Barrios passa por estpido, covarde e cruel.Tem
Quando os cos limpos, alientos
Fallavam com as solidoes
Cheias de estremecimentos,
De vastas palpitajoes
No da em que o luso Diogo
Ttirnou se o homem de fago
Que a taba curva adorou,
De frente encarando o raio,
llsmve ura que disse nao caio!
E ro se nao se curvou.
Era um Irraao de Moma,
Que amav.i r.u ,i-u.i>-u.
Ergueu a fronte suprema
E disso ao luso : o que s t ?
Vio toda tribu prostrada;
Fugo e a setta irritada
Que elle atirou pelo ar,
Varando atravs dos annos,
No corajao dos tirannos
Ha de um dia se cravar.
Rolam os astros, os dias,
E o grande dia nao vm
Cada povo ao seu Messias
Aguarda, espera tambera;
Sopona, suspira, anceia
Pelo homem, peu da
Que passa e se faz najo.
Para que ludo estremeja,
Basta erguer-se uma cabeja
Cheio da revolujo.
Ergueu-se foi decepada;
Ergueu-se outra cabio;
Mais outra ainda calcada
Ao longe um brado se oovio I
Era o espirito das maltas,
Os turbilhoes demcratas,
Que vinham ludo abalar;
De liberdade sedentos
Raios, settas, gritos, ventos
Que alravevassam no ar.
E rauita fronte abatida
Sanguenta humilde no p,
Suspendeu-se esclarecida
A' luz deste dia s..
E todos que despertaram
Com o ferro empunho,.. esbarrarara
Porque Deus que ama os perdoes;
Disse aos livres que rugan),
Que Inda vingar se qneriam :
Tranquillizai-vos, leoes.
Hoje a voz do povo ousado
Que sabe as glorias sentir;
Como um dique assoberbado,
Faz o tempo refluir,
Mostrando magoas passadas
Profundas, que perdoadas
Tornam-se fontes de amor.
Julga as.'im cada renov,
Cada Ofto deste povo
Que vos rodeia, Senbor.
(Drlgindo-se a efugio de S. M.)
i ro as maos dos capitalistas, qne, baldos dos meios
estao consignadas as condij5e-, com que o g-verno nano, como lhe chama Alexandre Herculano, que de verificar a eUensao dos recursos de seu cliente
commetteu a companhia Unio e Industria a admi- era um devasso, dotado de um engenho que se af- s0 o sail.-fazem mediante condijSes onerosas que'
oistrajo desta colonia. fogava em genebra, cheio de vicios e defeitos. Bem ibes compensen) os cuidados e as dlffkuldades
colonia pa serra necra. | om que os biographos e os crilicos esclarecido-, e!provaves do reembolso. Este inconveniente cresce
medida que diminue o valor da propriedade que
Propondo Mamama Von Langendonk fundir uma a frente dalles V. Exc. sanbnram ver em Bacage a
c.ilouia belga de 100 familias,ou de 500individuos Parte nobre dos aff-ctos e dos impulsos generosos;
ie tudas as id.des, as margeos do rio-Serra Ne- f"135. a le da biographla imperiosa, e os desre-
grano Assunguy, distncto da Paranagua ; por ac- gramenlos do poeta foram irazidos luz, em toda
lo de 1-2 de Janeiro ultimo, foram- he concedidas a a sua miuuciosidade e plenitude. Urna cousa, po-
prejo de 1|2 real a braja quadrada, duas leguas j rm> a *' d-' biogropWo, e oulra a le da come-
quadradas de trras devolutas. I dla- ^e a arte fosse a reprodujao exacta das cou-
A' cargo da concessionaria ficaram todas as des-1sa?. homens e dos factos, eu prefera ler Sueto.
nio era casa, a ir ver em scena Corneille e Shasks-
peare.
O autor dos Primeiros amores tinha duas razoes
pezas concernentes a medijo das trras e ao trans
porle e estabelecimento dos colonos.
O thesouro nacional contribue somenie com uma
subvenco de 18^000 por individuo que for im- j poderosas para pintar o Bocage que nos deu; a
portado para a mesma colonia al o mximo de
500.
O contrato de vendas da? trras somente ser ce-
lebrado depois que se reallsar a mtrodujao e o es-
tabelecmentos dos colonos, sendo facultado a con-
cessionaria fazer na localidade os preparativos ne-
cessarios ao recebimento dos colonos.
Com o titulo deLpez em Corrientes -escreve
o Commercial do Rio Grande do Sol :
Segundo referen) alguns passageiros chegados
de Sania F, o dictador Lpez fez no da 16 um
passeio pelas ras de Corrientes frente das for
jas que tera nos arredores dessa cidade.
E' curiosa a descripjo que faz uma lesteraunha
oceular do trajo que levava o Oso Solano, que era
o seguinte :
Grande casaca bordada, igual a que usa as festas
acorte do Napoleo 111; calja de casemira branca
cora franja de ouro, botas a granadeiro com borlas
de seda e esporas de ouro muito curias, (razendo
uo puiio a graa-cruz da ordera do mrito, condeco-
rajo que s trabara os ofciaes e minisiros da
guerra e relajoes exteriores, que tambera acompa-
nhavam o grande marechal.
Como o chapeo elstico o incommodasse alguraa
cousa, o marecbal Lpez o lirou, movimento este
que sendo notado pelo seu estado malor o repeti-
rn), julgaodo que tal era a vontade de seu se-
nbor.
Apezar de pouco acostumados que estao os ge-
neraos e cheles paraguayos a carregar esses unifor-
mes, nao lhes faziam muito mal elT-.-ito, porm era
inuilo ridculo ver um exercito cujo chefe e of-
ciaes superiores vestiram-se como as najes mais
cultas, emquauto que os soldados estavam des-
caljos.
Sobre colonias pertencenles a emprezas particu"
lares o mesmo relatorio assim se expressa:
colonia de d. francisca.
E' a mais importante de todas: conla orna po-
pulajo de 4,263 habitantes, que occopam 803 ca
sas regulares e 975 habiujes secundaras.
Os trabalhos agrcolas comprehendem uma sn-
percie de 5,637,000 brajas quadradas.
Alm lavoura, dedicam-se os habitantes a cria-
jao de animaes domsticos.
Exisle na colonia nao pequeo numero de fabri-
cas, engenhos e carros.
A exportajao al outubro ultimo foi de 70:735$
e a importajao subi a 171:831$.
E' sera duvlda a sua mais importante obra a es-
Ltberlas qua sera tamen___
E' sempre linda e purissima a face dos das de
triumpbo qne brolam do corajao dos povos; trada que segu da colonia para a provincia do Pa-
talvez t o Jos estes merecimeotos sobre Robles que! lias gloriosos, de baixo dos quaes enroscam-se rana e na qual ja' esio abenas 13,000 brajas tra-
se nao era ntelligente, era pelo menos mais huma- j entorpecidos, calcados os scalos de tormento, e balhaodo-se actualmente oa subida da serra, e no
no que os eos corapanheiros. I as najdes fazem alto para revolverem as paginas seu trajo para os campos de Coritiba.
Foi sob seu commando qae se perpetraram em J sombras do passado, e aspiraren) as fragrancias Os camlnhos vicinaes, que sao vlaveis por carros
Matto-Grosso as atrocidades de que tivemos noticia, do folnro. teem a extenco de 59,000 bracas, alm de uma pi-
mandando supplcar croenlaraeote os prsionelros, Nem isto val contra o progresso pois que as cada de 3,000 que est ero conslrucjio.
violentando erianjas e ultrajando as mulherei. |nac5es nao camiobam condemnadas, como essa Sobre o rio Pirahy, em direcjo a colonia Blume-
E' este o novo general em chefe do exercito pa-1 mulber da Biblia, A nao volverem olhos atrs, para au, collocou-se uma ponte de 90 palmos de ex-
ragua yo. | nao transformaren)-se em estatuas de sal. ten sao sobre nm arco.
Do Diario do Rio transcrevemos a seguinle car.
ta dirigida aoSr. conselheiro J. F. de Castlho pelo
Sr. Machado de Assis sobre
OS PRIMEIROS AMORES DE BOCAGE.
Mesire e senhor.Conversemos de um grande
poeta e de uma excedente obra, de Bocage e dos
Primeiros amores de Bocage. Tem V. Exc. mais do
que n-mhura oulro, o direito de ver o seu nome uo
alto desias linhas : foi V. Exc. o primeiro que, de-
pois de acurado estudo e prodigiosa investigajo,
nos deu uma excedente biographia do grande poe
ta, que servio de fonte, para outros trabalhos, e a
que nao duvidou recorrer o Ilustre autor dos Pri
metros amores. Tecer alguns applausos ao autor
J- ....... .11.., I....... ... .tiu(iu, l/.-ft. |fUv u
poeta, o historiador e o Interprete, ura dever de
juslija Iliteraria, de que eu me nao podia esquecer
neste momento.
Accresce ainda que, por uma coincidencia aus-
piciosa para as lettras, na poca em que o Sr. Mon-
des Leal trajava a sna comedia, V. Exc. entrava
era novas investigajoes acerca da vida de liocage,
e, mesma hora, desenhava-se no pensamento do
erudito e no pensamento do poeta, n grande figura
do autor da Pena de TaHao.
E' a V. Exc, por tanto, que eu devo dar conta
das miaas reflexoes acerca dos Primeiros amores
de Bocage.
O qne eu admiro, depois do tlenlo, no autor dos
Primeiros amores, a dupla qualidade de fecundo
e laborioso. De ordinario, a poltica, quando rouba
um hornera s lettras, nao restilue, ou o restitue
tarde. O Sr. Mendes Leal, solicitado pela deosa do
tempo, nunca desertou do templo das musas, nem
se Gliou na igreja da poltica. Servio causa pu-
blica, quando o voto da najo o charaou a Isso,
mas voltou sempre a ierra nalal da poesia, onde
se lhe abnrara os olhos, e donde encetou a carrei
ra que tem percorrido at hoje. Um da, resolveu
o poeta afastar-se da poltica, e o voto popular acei-
tou a resolujoretirando-lheo diploma de deputado ;
mas de volta ao templo das musas.alcanjou elle outro
diploma, diploma de malor alcance, sem circular
era lula,escreveu esta, a melhor de todas as
uas obras dramticas. Os trabalhos do ministros
nao cansaran) o poeta; as musas que o esperavam
receberam-no amantes e doceis, e uma cora de
louros substituio o chapeo ministerial. A patria de
V. Exc. tinha menos um mililante activo da po-
ltica, mas a nossa patria potica contava mais um
monumento.
Oassumpto de Bocage nao era fcil. E'cousa
reconhecida que os homens de pensamento sao dif-
fleeis de transportar para o thealro, ao passo que
abi se do perfeitamente os homens de aejo.
Alm disso, a propria figura de Bocage tem urna
feijao histrica cora que a arle devia de hitar. Mas
de lodas estas difflculdades pedera tnuaphar
uraa indiligencia esclarecida. Tudo esjava no rao-
do porque o autor encarasse o assumpto. Se elle
altendesse lijao classca, marcando o lmite que
separa a arte e a historia; se, coma segunda vista
da musa, soubesse tirar das entranhas do assurap-
to e do lempo, aquillo e lio smente aqnillo que
digno da arle, fazendose imaginoso invrprete, a
obra deva ser necessariamenio boa, e o assumplo
fecundo. Este foi o carainho seguido pelo Sr. Men-
des Leal, e eis ahi porque, alm de nma exceden-
te comedia, deu-nos tambem uraa lijao proficua. A
comedia hoj um estado descurado. Crismou-se
de comedia uma forma sem sabor, sem dignidades
sem elevajo ; uma cousa que nem a farja nem
a comedia, tirando um pouco ao inspido vaude-
vitle, s vezes mais chulo, s vezes mais serio
verdade, mas daquella senedade que consiste em
nao conlrahir os msculos do rosto, e nada mais.
Alguns talentos de certa ordem, l como c, II-
beriarara-se dessa dependencia de mo gosto, e vin-
garam nra pouco os foros de Tbalia, nesles ltimos
lempos; mas alera de serem reduzidas em nume.
ro, as obras que servirn) de protesto nao visavara
pnmeira de ordem particular, e refere-se
poca da comedia; eolao o aulor do Leandro e
llero entra na mocidade, ainda com o vijo das pri-
meiros illusoes, trausbordando de affectos, e j mo
vido pela musa da indignajo conlra os vicios e os
homens do seu tempo; a outra razo de ordem
geral, e tera appheajao vida inleira do po^ta. O
autor to conseiencioso e to verdadeiro, compre-
hendeu bem que as linhas simplices e caractersti-
cas devem dominar os (rajos accidenlaes; o fundo
do carcter e da ndole de Bocage nao eram os
desregramentos referidos pela biographia e pela
tradijao oral. Se a autor fizesse delles a feijo
caracterstica e saliente do poeta, tanto na poca
os primeiros amores, como na dos ltimos, teria
desconhecido a lei do theatro, e a sua obra ficaria
condemnada a morte prxima. Mas o Sr. Mendes
Leal sabe perfeitamente a distancia que ha, entre
os trajas largos da pintura e a.implacavel mnucio-
sdade do daguerreotypo; nao copiou a biographia
,i)terprelou-a.
Assim que, veja V. Exc. como se houve elle no
desenlace da comedia. Eu leio na biographia de
Bocage, escripia por V. Exc. que a causa de au-
sentarse de Lisboa o poeta foi o receio de que o
conde de S. Vicente se vingasse delle por motivo
de pasquins que se lhe attribuiam, e que diziam
respeito a uma morle praticada no becco da Espe-
ra. Nada disto se refere na comedia ; ah o moti-
vo da partida do poeta para a ludia um generoso
sacrificio de amor. Pois beml com ambas as mos
que eu applaudo este desenlace, to lgico eto digno
de comedia e de Bocage me parece elle. Bocage
aiiiavaextreraecidameutena occasio dedeixar Por-
tugal; os versos que entao escreveu do provas dis-
so ; era elle capaz de sacrificio ? era. E de mais,
retirando as suas pretenjoes filha de D. Felicia,
conservava elle a sua Cora odependeucia, e abra
diaute de < horisontes novos e campo desconheci-
do. Ahi esla Bocage.
A mesma arte empregada na pintura de Boca
ge, presidio dos outros caracteres; o commen
dador e o morgado sao completos; um, empacha-
do de erudiejo, asluto como ura jesuta que ,
menos a roupeta; o outro, philaucioso, tolo, an-
farro; ambos ridiculos e imraoraes; a morgada
D. Felicia, Manoel Simoes, Marialva, Mendes, D.
Mara Joana, todos eralim, no primeiro, como no
segundo plano, tera a feijao histrica e a feijo
humana, procedem do tempo e fallara a todos os
lempos, condijilo essencal na arte. Todos esses
grupos formam o quadra onde se destaca a figura
de Bocage, e sao fgnalannte o re*nrao da socieda
J pui tugue, uo iius uo secuta A TO.
Dzendo que a comedia do Sr. Mendes Leal
uma boa comedia de costumes, eu nao mo retiro
aos caljdes, aos movis e ao pregoeiro do tsta-
me tilo da Velha. Isso, que satisfaz os olhos dos
curiosos, nao o estudo dos costumes do lempo, e
do espirito da sociedade. Esse estudo, que tem
mais valor aos olhos da critica, feto pelo Sr
alendes Leal com raro discernimento e cuidado, e
se outros memos faltassem peja, aquelle a faria
recommendavel no futuro.
No meto deste quadro, e para ligar os diversos
caracteres que ahi se agitara, imaginou o autor
uma aejao simples e natural. Esla simplicidade
a parle que se considera mais fraca da peja; eu
nao coudemno a si.upiicidade, nem reclamo as pe-
ripecias ; nada mais simples que a acjo do Mi-
sanihropo, e. comtudo eu dava todos os louros |
juntos do complexo Duraas e do complexo Scribe
para ter escripto aquella obra prima do engenho
humano. O que eu reconhejo,e esle o nico
reparo qna dirijo a comedia, que duiante al-
gum tempo, ajuella mesma aojan simples parece
despirse de ioteresse. Mas esse reparo nao me
saltou logo aos olhos, tanto sabe o autor nteres-
sar, mesmo quando a accao se recolhe aos basti-
dores.
Finalmente, para dar lhe completa conta das
impressajs que receb cora a leitura e a represen-
lajo dos Primeiros amores de Bocage, resia-me
appltuiir o estylo da comedia, estylo elevado, br-
Ihante, loujao, cheio de iraagens, nao a rodo, mas
cara aquella necessara economa potica, estylo
verdaderamente portuguez, verdaderamente de
theatro:prosa tao superior, que rae consola de
se haver proscripto os versos da scena, como an-
tes me consolara a prosa do CatnSes de Castlho
Antonio, como anda antes me consolara a prosa
do Frei Luiz de Souz i, de Garren.
Novas produejes nos promette o autor dos
Primeiros amores de Bocage. Cont que sejara
dignas irmas desta. E se a poltica for solicla-lo
de novo, as musas agradecerlo ao poeta, se,
semelhanja de Diocleciano, preferir a vida calma
de Salona, s continuas agtajoes do governo da
repblica.
Desculpe V. Exc. o baver-lhe tomado tempo, e
crea na sinceridade com que sou etc.
serve de penhor as mnimas emprestadas, embora
guardem estas a mesma relajao com aquella, re-
sultando dahi que a pequea lavouraa mais des-
providade reeunos justamente a que tem de
vencer os maiores erabarajos para obte-los.
Cumpre remediar a tal estado de cousas, promo-
vendoo estabelecimento de instituijoes de crdito
territorial, que transformen) as dividas a prazos
lixos e de juro elevado em dividas pagaveis por
via de amortisajao, mediante condijes mais cora-
pallveis com a natureza da industria agrcola ; isto
, creando-se entre o lavrador e o capitalista um
medianeiro seguro, que faculte a este a realisajao
prompta de seu dinheiro em qualquei tempo, e
permita quelle salisfazer sera vexarae seus com-
promissos.
Oulra vantagem se aufere destas inslilujoes:
offerecem ellas ao agricultor prevdente um meio
seguro de aecuraular as suas economas annuaes,
e transforma-las no Ora de certo tempo era nm ca-
pital disponivel.
A reforma do nosso systeraa hypothecaro effec-
luada pela lei n. 1,237 de 24 de seteml.ro do anno
ndo, o primeiro passo dado para a introduejo
do crediio territorial. Con vera apressar a realisa-
jao desta medida de vital interesse para o paiz, fa-
vorecendo a formajo de companhias que, sob a
immediata fiscalsajo e protecjo do estado, se
encarreguem do estabelecimento de bancos ruraes.
A par destas instituijoes devera necessariamente
camiuhar o desenvolv ment da iostrnejao prima-
rla e a propagajo dos principios scientifleos, coja
applicajo interessa essencialmente agricullura,
afira de que o lavrador, abandonando o systema
em que actualmenfe persiste, possa tirar dos agen-
tes naturaes o maior proveito possivel, e augmen-
tar a produejo sem alargara rea de trabalho.
Com os conhecimentos especiaes mais indispen-
saveis podera' elle reconhecer por si mesmo qne
nao buscando constantemente trras virgens mais
remotas para cultivar, que conseguir satisfazer
os coraproinissos contrahidos. Vera', pelo contra-
rio que s-alcanjara' a sua independencia e pros-
peridade, melhorando o solo que possue, mais pr-
ximo aos centros de consumo, adoptando o genero
de cultura que mais lhe convenha, reslituindo a's
ierras a fertilidade perdida, para o que indicam
meios a chimica e a hydraulica applicadas a' agri-
cultura, e finalmente introduzindo machinas e in-
strumento-: que suppram cora vantagem a defi-
ciencia de brajos.
Esta nova direcjo da cultura fara' augmentar a
produejo, proscrevera' para sempre o prejoizo das
toral cansadas, e dar' ao mesmo tempo mais
estabelidade a' propriedade rural,condijao in-
dispensavel para o desenvolvimento do crdito ter-
ritorial.
Para a diffuso desses conhecimentos concorre-
rao efflcazmenle as companhias agrcolas, que au-
xiliadas por snbvenjSes ou garantas de juros,
de esperar, se formem fcilmente.
Dspondo de recursos sufflcientes e de pessoal
habilitado, e por consequencia dos meios necessa-
rios para introdnzir na agricnltural'lodos os me-
lhoramentos de qua susceptivel, taes emprezas
fundarao fazendas-modelo, onde cada um podera' ir
beber as nojes ndispensaveis para fazer prospe-
rar a sua lavoura.
Alera dessas vanlagens, havera' lambem a da
utilsajao de tantos brajos livres que por ahi ja-
zem na inaejao, on por falla de impulso, ou por-
que a pequea cultura, nnica em que actualmente
podem em geral ser empregados, nao offerece ain-
da lucros em consequencia da careslia dos meios
de transporte, e da falta de r-nnsnmo, por ser a
agricultura a industria exclusiva do paiz.
Extractamos o seguinte do relatorio do rainistr
da agricultura, commercio e obras publicas :
AGEICULTURA.
A agricultura, sendo a principal foute de rique-
za para o paiz, aquella donde podem emanar os
seus principaes elementos de forja e de vitalidade,
deve ser objecto de enrgica e constante solicitude
da parte do governo.
Cumpre, pois, empregar lodos os esforjos, nao
poupar sacrificios para eleva-la ao grao de prospe-
ridade que tera atlingido .nos paizes mais adan-
lados.
Se nao possivel remover promptamento lodas
as causas que tem contribuido para o pouco adian-
taraenio dessa industriam3, ha entretanto
meios de coostrui-la de modo que offereja atiracii-
tao grande alcance que pbdessem fazer uma revo- w aos capitaes, e aos homens capazes>por saa ac.
llvidade e inteligencia, de imprirair-lhe melhor
Concedidas sobre taes condijoes, as sobvenjoes
do estado se ronverterao em meios seguros de fa-
vorecer o progresso na indnslrja rural, e multipli-
car os recursos do paiz.
Grande ulilidade deve igualmente resultar da
creaciio de novos instituios agrcolas, qne se encar-
reguem lanto de animar a lavoura por meio de
premios convenientemente distribuidos, como de
instruida sobre os melhores melhodos de cultura,
de indicar as especies vegetaes e animaes qne mais
convenham ao paiz. e de promover finalmente as
exposijSes que, fornecendo variado- elementos de
comparajao, excitam ao mesmo lempo a emnlajao
entre os diversos productores, tornando por outro
lado mais conhecidos certos producios.
Qualquer protecjo concedida a asjocajSes des-
ta natureza, reduzlndo em beneficio geral para o
paiz, compensar largamente os sacrificios que se
fizerem.
A escassez de boas va* de comraunicajao que
offerejam transpone coramado e barato aos pro-
ductos do solo e aos instrumentos e machinas des-
tinados lavoura, tambem um dos maiores em-
barajos cora que luta a nossa agricultura. Para
remove-los cooviria applcar desde j os recur-
sos de que dispe o paiz em melhorar as condijoes
de navegabilidade de alguns ros, e construir estra-
das econmicas.
Ionio.
Escrevendo os Primeiros amores de Bocage, o
autor, segundo declara, qnfz abranger era uma s
obra os tres gneros da comedia, a de caracteres,
a de costumes, e a de enredo. Nenbuma dellas
jTcil. e a primeira sobremodo difflcil. Precisav/
empregar para esses tres gneros, tres elementos
principaes :o invenc lhe fornecerla a irama,
aerndlcjao o iniciara na pintura do tempo, a ob-
servajao Ibe darla a analyse dos caracteres. A
I obra era de affroniar nimos acachados; mas nm
Da facilidade de meios de comraunicajao resol*
tara igualmente para a lavoura a importante van-
tagem de poder cuidar nicamente da industria
agrcola, delxando a cargo de outros a preparajo
e o transporte dos productos.
A organisajao da estaiislica rural oulra neces-
sdade sobre a qual devo chamar a vossa attenjo.
Sem os elementos indispensaveis para se avadar o
estado actual da lavoura no Brasil, corapara-lo ao
de outros paizes collocados era circumstaocias mais
ou menos anlogas s oossas, nao podereraos apre-
ciar devidamenle quaes os melhoramentos qne
mais convenha realizar, e quaes os erres que de-
vamos evitar. Este trabalho ainda elemento in-
dispensavel a' seguranja dos clculos do commer-
cio e regularisajo do consumo.
Presentemente grandes sao as difflculdades que
se oppoeni a' execujo de um trabalho dessa or-
dem ; nio obstante, deve ser iniciado, mesmo com
os poucos recursos de que dispomos.
. i iiar ti- nttni
direcjo.
A esses meios ligam-se quesles arduas e com-
plexas, cuja solujio requer a intervenjo mais on
menos directa dos altos poderes do estado.
' Snjeitarei ao vosso esclarecido exame algumas
breves considerajSes sobre esle importante as*
sorapto.
Uma das maiores difflculdades com qne lula ac-
tualmente a lavoura no Brasil a falla de captaes,
que emprestados a joros mdicos e amortiuveis|PERNAMBUCb.;"n'P. DB.M. F. DEFUP&Ho
Descobno se era Franca orna sociedade que tinha
por lino fabricar olas do Banco da Russia.
Diz-se que ja se haviam falsificado uos olio mi-
Ihoes de francos.

?

1
T


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPTIMFBRS_E3GDXL INGEST_TIME 2013-08-27T23:32:25Z PACKAGE AA00011611_10764
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES