Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10755


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I>
I

AMO ILI. HOMERO 198
Pr qnartel pago dentro de i O das do i, mez ...ti
dem depois dos .0> 40 m do comccoe dentro do qnartel. .
Porte ao eorreio por tres Mezes ,*.........

SfOOO
8|000
70
OUAHT FEIBA 30 M ACOST DE 1865.
Por anno pago^dentro de 10 das do l. mez ,,,.,.. 191009
Porte ao correto por um anoo..........., 3$000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahybar o Sr. Antonio Alex?ndrino de Lima;
Natal, o,Sr. Aniouio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Draga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhan, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Sr?. Heraldo Antonio Alves &
Filios ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Gosta.
ENGARREGADOS DASUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Glaodino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves;
F.ibeiro Gasparinho.
Bio de Janeiro, e Sr. Jos
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacdes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bom
Gonselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Gabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quarta?
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Un, Bar-
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira varadocivol: tercas e sextas-ao meio
tu.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a t
hora da urde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE AGOSTO.
7 La cbeia as 3 h., 9 m. e 34 s. da m.
13 Quarto ming. as 7 h., 22m. e 28 s. da u
21 Loa nova as 4 h., 57m. e 34 s. da m.
29 Qnarto cresc. as 9 h., 29 m. e 46 da m.
DAS DA SEMANA.
28. Segunda. S. Agostriho b. e dout. da eer
29. Terga. S. Adolpho b. ;&. Sabina v. ra.
30. Quarta. S. Rosa de Urna v. americana.
31. Quiuta. S. Raymuude Nonnato card.
i. Sexta. S. Egydio ab. Ss. Gedeo e Josu.
2. Sabbado. S. Brocado c.; S. Diomedes m.
3. Domingo. S. Eufemia v. S. Arlslheo b. ra.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 horas e 42 m. da manha.
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEEROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o nort
ata a Granja a 7 e 22 de cada.mez; para Fernan-
do nos ilias 14 dos mezes ds j&neiro, margo, malo,
julho, selembro e uuvembro/
ASSIGN.V-SE
no Recife, na livraria da praga da Independroela
os. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figneiroa t
Faria A Filho.
PAUTE
fP
m
G01EHG 04 PK0TOTCU.
Expeditnle do dia 2G de agosto de 1863.
Offlcio ao Exro. presidente da provincia da Pa-
rahyba. Tendo-se-me apresentado o alferes do
batalho n. 10 da guarda nacional dessa provincia,
Francisco Ferreira de Paula Jnior, offerecendo se
para servir em um dos corpos de voluntarios da
patria, que aqui se esta' organisando ; assim o
communico a* V. S. para os fios convenientes.
Dito ao Exm. provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia.Queira V. Exc. declararme, se pode ser
adraittido no hospicio dos alienados, o de que trata
o incluso offidojem original, do Dr. chele de poli-
ca n. 1235, de 2o do corrente.
Dito ao raarechil de campo commandante das
armas.-Conformndome com o que ponderou V.
Exc. era seu offlcio n. 1414, desta data o autorlso
a mandar reorganisar a companhia de artiflees,
comprehendendo nella o 2." tenenle Honorio Do-
mingues de Meoezes Doria, e as 47 pragas que
existem actualmente encorporadas ao deposito, in-
clusive as oito que estao destacadas no presidio de
Fernando.Communicou-se ao director do arsenal
de suerra.
Dito ao mesmo. Mande V. Exc. alistar no 3.'
corpo de voluntarios da patria o guarda di 3." ba-
talho de infantaria desle municipio, Manoel da
Conceigo dos Santos, que se olTereceu para servir
em dit corpo.
Dito ao mesmo. -Declaro a' V. Exc. que o tenen-
te coronel Joo Paulo Ferreira tem de commandar
e corpo da voluntarios da patria, de cojo alista-
ment fra incumbido por portara de 23 do cor-
rente, devendo o referido corpo ter a mesma orga-
nisaco do de n. 3, sob o commando do coronel
Francisco Joaquim Pereira Libo.
Dito ao mesmo.-Mande V. Exc. ilimioar do
contingente de guardas nacionaes destinados ao'
servigo da guerra, o guarda do 1." baulho de in-
fantaria deste municipio Joo Francisco Regis de
Santa Clara, fazeudo alistar o paisano Emilio Ma-
thias Regis, que elle olfereco para substitui-lo e
oi considerado apto em inspeego de sade, se-
gundo consta do termo de inspecgo, que acompa-
nbou o offlcio de V. Eic. n. 1421 desta data.
Dito ao mesmo.Fago apresentara' V. Exc. para
ser alistado o paisano Joaquinr Jos Themoteo, que
se olfereceu para servir na guerra como voluntario
da patria.
Dito ao mesmo. Mande V. Exc. ilirainar do
contingente de guardas nacionaes destinados ao
servigo da guerra, o guarda do 7." batalho de in-
fantaria deste municipio Lino f.0mes de Andrade,
fazendo aceitar o paisano Francisco Antonio da j
Silva, que o mesmo guarda otTereceu para substi-
lui-lo, o qual foi julgado apto em inspecgo de
sade, segundo consta do termo annexo ao seu
offlcio n. 1411, de 2o do corrente. Communicou-
se ao commandante superior da guarda nacional do ;
Recife.
Dito ao mesmo.Dectarsndo-me o 3.* escriplu-,
rario da thesouraria do fazenda Joaquim Jos de
Oliveira Tavares, alistado para servir na guerra
como voluntario da patria, que opta pelos veneimen-
tos que Ihe competen) em razo do seu emprego,
assim o communico a' V. Exc. para seu conheci-
ment, e expedieo das convenientes ordens.
Dito ao mesmo.Visto que segundo o termo de
inspeccao de sade, de que trata o seu offlcio n.
1410 de 2o do corrente, foi considerado capaz para
o servigo do exercito o paisano Francisco Daniel
Secundino, oflerecido pelo recruta Joao Theophilo
da Costa, que se acha recolhido a casa de deten-
co para asseotar praga em seu lugar, mande
V. Exc. abrir Ihe. os necessarios ^ssentamentos
com as convenientes declarages. Neste sentido
offlciou-se ao Dr. cuele de polica.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. desalistar do
1." batalho da guarda nacional destinado ao ser-
vico da guerra o guarda Antonio Augusto Correa |
Leal, por soffrer de epilepsia.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. Exc. para seu .
conhecimento e dns convenientes, copia da porta- j
ria desta data, alterando a de 10 de junho ultimo,
que deu organisacao aos tres corpos de guardas
nacionaes destinados a guerra, assim como a rea- j
cao dos offlciaes designados para o primeiro dos
referidos corpos.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda !
Annuindo ao que solicitou o chefe de polica em
offlcio de 24 do corrente, sob n. 1227, junto por |
copia, reeommendo a V. S. que mande pagar ao
negociante Manoel Jos Moreira, nao s a quantia
de 505040 res, em que segundo o pret junto em
duplicata, importaram os vencimento- abonados aos
recrutas viudos do termo do Bouito, Domingos Vi-1
lella, Joaquim Tenorio de Albuquerque, Joao Her-
mano, Antonio Ferreira da Silva, Francisco Anto-
nio Rodrigues, candido Jos dos Santos, Francisco
Antonio Monteiro, Francisco Jo- de Lima, Joaquim
da Annunciago, Laurentino Jos de Vasconcellos e
Jos Rodrigues da Silva, bem como ao desertor do
7. batalho de infantaria, Manoel Francisco dos
Santos, os quaes tiveram os destinos constantes do
citado offlcio, mas tambera a de 45000, despendida i
4com a compra de algemas para a condugo desses,
individuos.Communicou-se ao Dr. chefe de po-!
licia.
Dito ao mesmo.Restituindo o atlestado em du-,
plicata, que veio annexo ao offlcio de 23 do cor-,
rente, sob n. CI6, com que V. S. impugnou o paga-
mento da quantia de 305000 proveniente do alu-
guel de 3 mezes vencidos' no ultimo de junho des-
te anno, da casa que serve de quarlel do deslaca
ment de guardas nacionaes existente na freguezia
de Agua-Preta, lenho a dizer em resposla ao seu
citado offlcio, que mande effeetaar esse pagamento
conforme se recommendou em data de 17 de julho
prximo lindo, por ter sido e>sa despeza feta antes
da publica^) no diario offlcial da circular do mi-
nisterio da guerra de 29 de maio, a que allude o
predito offlcio.
Dito ao uspeewr da thesouraria provincial.
Mande V. S. fornecer ao adraini-lrador da casa de
detenco o livro impresso e os exemplares de pa-1
plelas ebaixas que requisita o Dr. chefe de poli-
ca no offlcio 1224, de 25 do corrente, constante da
copia inclusa.Communicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Bonito eGaruarAltenJendo ao que pon-
dena o tenente do batalho n. 27 de infantaria da
guarda nacional do municipio i: Caruar Manoel
Thomaz de Azeved>, sobre que V. S. inforraou em
9 do corrente, resolv dispendio do servigo de des-;
tacaraento para que eslava designado : o que com-.
munico a V. S. parasen conhecimento.
Dito ao commandante superior da guarda naci-,
naide Flores.-Mande V. S. destacar em Villa-|
Bella a disposicao do respectivo delegado um in-,
erior e 12 pragas da guarda nacional sob seu j
commando superior, communieando-roe o dia em |
que entrarem em servigo.Fizerara-se as necessa-
rias coramuoicages.
Dito ao commandante do corpo de polica.D
V. S. balxa ao soldado do corpo sob seu commam I
do Jos Rodrigues de Vasconcelos, e o mande apre-
sentar ao Dr. clice de polica, visto ser criminoso I
no termo do Buique, segundo V. S. declara em seu
offlcio n. 771, desta data.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. fornecer cora brevidade ao corpo de polica
urna bandeira com poste e mais pertences.Com-
municou-se ao commandante do corpo de polica.
Dito ao regedor do Gymnasio.Remetta-me
Ymc. com urgencia urna relago de todos os ob-
jectos do museu desse estabelecimento, com a sua
classificago scienliea.
Dito aojuiz da irmandade do Sintissimo Sacra-
mento da freguezia da Boa-Vista, Antonio da Silva
Ferreira Jnior. Tendo designado Ymc, o enge-
nheiro Jos Tiburcio Pereira de Magalhaes e o es.
cripturano da thesouraria de fazenda Jos Fran-
cisco de Salles Baviera, para a commissao que, nos
termos do aviso da repartigo do imperio de 28 de
margo ultimo, deve nao s examinar com a possi-
vel brevidade as obras j feilas na matriz dessa
freguezia, para execugao das quaes se conceden o
producto de duas loteras, por decreto n. 908 de
12 de agosto de 1857, mas tambera informar, em
vista das respectivas coritas, sobre o debito a que
est obrigada essa irmandade, como allegou em
seu requeritrento, pelas obras j executadas ; as-
sim o communico a Vmc. para seu conhecimento,
esperando que se prestar a este servigo Fiza-
ran)-se as necessarias comraunicagoes aos demais
membros da commissao.
Portara.-O presidente da provincia resol ve al-
terar a portara de 10 de junho ultimo, determi-
nando que as compauhias dos 3 corpos da guarda
nacional destinados guerra. tenh_m cada urna
dous alf-res e 2 cornetas, e cada batalho a sua
msica composta de 1 mestre e 16 msicos.
Dita.O presidente da provincia resolve desig-
nar o p'ofessor publico de iostrnegao primaria da
3* cadeira da freguezia da Boa-Vista desta cidade,
Vicente de Moraes Mello Jnior, para reger a ca-
deira de ensino pratico da escola normal, do que
trata o artigo 2o Io do regulamento de 28 de ju-
nho de 1864, sendo substituido na regencia de sua
cadeira pelo professor adjunto Francisco Silverio
de Faria.Fizeram-se as necessarias communi-
cagoes.
Dita.O presidente da provinci atlendendo ao
que requereram os prolessores pblicos de instruc-
c&o primaria das povoigoes de Timbaba Jos
Francisco de Souza, e da Vicencia Jaquira Gomes
de Souza, e tendo em vista a ioformacao do direc-
tor geral interino da instruccio publica de 24 do
carrete, sob n. 230, resolve conceder-lhes a li-
cenga que pedram para permutar entre si as res-
pectivas cadelras.Fizeram-se as necessarias com-
municacoes.
Dita.O presidente da provincia, usando da at-
tribuicao que Ihe confere o art. 5o do decreto n.
3,383, de 21 da Janeiro do correte anno, para
preencher as vagas que existem no 1 corpo da
guarda nacional destinado ao servigo da guerra
resolve designar os seguintes offlciaes :
1" companhia.
Tenente, o lente do batalho n. 9 de infamara
Evaristo Vieira Lins Cavalcante de Albuquer-
que.
Alferes, o alferes do 3o batalho Arsenio Antonio
Carneiro da Cuuha Miranda.
2* companhia.
Capito, o capito do batalho n. 48 Francisco An-
tonio de SaPadilha.
Alferes, o alferes do batalho n. 43 Luiz Belcbior
Pessoa de Siqueira Cavalcanti.
3a companhia.
Tenente, o tenente do batalho n. 46 Austricliano
Scrates de Moura Po.'gi.
Alferes, o alferes do batalho n. 33 Marcolioo Cu-
rado da Cmara.
4" Companhia.
Alferes o alferes do batalho n. 33 Vasco Pereira de
Moraes.
5" companhia.
Capito, o capito do batalho n. 41 Joo Carlos
Bezerra Cavalcanti.
Alferes, o alferes do batalho n. 39 Valeriano Man-
so da Costa Reis.
6' companhia.
Capito, o capito do batalho n. 33 Jos Gomes de
Mello.
Alferes, o alferes do balalhao n. 51 Conrado Fer-
reira da Costa.
7a companhia.
Alferes, o alferes do batalho n. 18 Manoel Conra-
dino Cavalcante de Alliuquerque.
8" companhia.
Alferes o alferes do batalho n. 20 Esmeraldo Pe-
reira de Mello Cavalcanti.
Fizeram-se as necessarias comraunicagoes.
Despachos do dia 2(> de agosto de 1865.
Requerimentos.
Antonio Jovino da Fonseca.Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional do Recife.
Antonio Maria da Cooceicao.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Abaixo assignado moradores e negociantes na
villa do Cabo.Informe com urgencia a cmara
municipal da villa do Cabo.
Eduardo Bessoni de Almeida.Informe o Sr. Dr.
juiz municipal da 2* vara.
Francisco Ferreira de Brlo.Concedo o prazo
de 20 dias, devendo ser este despacho apresentado
a autoridade a cuja disposicao se achar o supli-
cante.
Francisco Antonio Correa Cardoso Em vista da
inforraacao nao tem logar o que requer o suppli
cante.
Iooocencio Barboza de Siqueira.Requeira por
intermedio de seu commandante.
Jenoveva Maria da Conceigo.Prove a suppli-
cante o que allega.
Jesuino Archanjo de Aranjo de Albuqnerque Pi-
mentei.Informe o Sr. Dr. juiz municipal do ter-
mo da Escada onde reside o supplicante.
Jos da Cruz Santos.Informe o Sr. inspector da
thesouraria provincial.
Joo Evangelista da Silva.Informe o Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa da Miseri
cordia.
Joaquim Comes de Souza e Jos Francisco de
Souza.Passe portara na forma requerida.
Jos Ignacio AvillaInforme o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda. .
Tenente Manoel Thomaz de Azevedo.Seja dis-
pensado em vista da inforraago do commandante
superior.
Ulisses Pernambucano de Mello.Passe portara
prorogando por 30 dias a licenga com que se acha
o supplicante.
PERNAMRUCO.
Chegou houtem do Ro de Janeiro, pela Bahia e
Macelo, o vapor inglez '[hales, da linha de Liver-
pool.
Nao foi portador da jornal algura, nem mesmo
de noticias do iheatro da guerra, apezar de ter sa-
ludo da corte 20 do correte, deixando j all o
vapor francez Carmell.
Ficava em Macei o vapor Pamhyba, da compa-
nhia pernambucana, de volta de Sergipe. Nelle
do va embarcar o corpo fixo de Pernarabuco.
Admira que n'uma quadra semelhaute, haja to
pouco cuidado da parte do-eorreio da corte, pon-
to de sahir um vapor para o noria sera mala, que
sacie a curiosidade publica.
O vappr francrz, que boje se espera, ser-nos-ha
mais favoravel.)
O Monttenr Univer.iei, orga | ifflcial do governo
francez, tratando do combate naval da Riachuelo,
depois de fazer urna minuciosa discripgao de todos
os seus variados incidentes cora louvor e honra da
nossa marraba, conclue o seu artigo por estas pa-
lavras :
t A esqoadra brasileira mostrou quanto pode a
bravura alliada sciencia e a d;sciplina ; e o mo-
do porque manobraran! as canhoneiras, col loca a
armada do Brasil e sua offlcialidade a par das ma-
rranas europeas.
A justiga que vai nestas palavras ao proceder bi-
zarro da nossa esqaadra em Riachuelo por certo
urna doce recompensa, aquel les que all sooberam
curaprir os seus deveres para com a patria ; e a
satisfagan que dahi resaltar ao orgulho nacional,
tanto raaior quanto tal apreclaco parte de um po-
vo fantico pela gloria.
Era conseqnencia de se haverem alistado nos
corpos de voluntarios da patria e de acadmicos
differentes socios, resolveu-se em assembla geral
dissolver a sociedade recreiativa Corybanlina, sen-
do applicadoo producto dos seus ulensis, deduzido
o que possa deverse, sociedade protectora das
familias dos voluntarios da patria.
Nao foi o enfrquecimento de torgas, nem a des-
harmonia no corpo social, que deu lugar a respec-
tiva dissolugo; mas foi o impulso do patriotismo
que levando ao campo da batalha a muitos de seus
socios, fez um dever aos demais de Inlerromperem
os folgares quando aquelles, irmos era gosos, des-
prendera-se dessas cadeias e vao dar a patria de-
dicago, a que ella tem direito absoluto.
Sociedade exclusivamente de brasileiros, outro
Ora nao poderia ter.
Por acto do Exm. Sr. presidente foi dada a
nuraerago de 3o ao batalho de voluntarios, qne
se organisa sob o commando do coronel Francisco
Joaquim Pereira Lobo ; de 4o ao que se organisar
sob o commando do Sr. major Jos Rodrigues de
Moraes; e de 5o ao que se organisa sob o comman-
do do Sr. teen te-coronel Joo Paulo Ferreira.
Foram incumbidos de promover o alista-
mento de voluntarios os Srs. Joaquim Correa Lima,
Juviniano Fernandos da Silva Manta e Ivo Amonio
de Araujo Larangeira Leite.
Alistaram-se na companhia de zuavos os Srs.
Maooel da Assumpgo da Boa-Morte, Manoel Fran
cisco da Silva, Geraldo Moreira da Silva, Joo Otto
de Lacerda, Francisco Carlos de Mello, Firmino
Jos Antonio e Joo Manoel da Silva.
Foi promovido a 2. teuento da 2.* companhia
do batalho de artelharia desle municipio o sar-
gento ajudante Aodr Xavier Vianna.
Com destino ao corpo n. 30 de voluntarios
desta provincia, que acha-se no sul, alistou se o
Sr. Flix Pessoa da Gama.
Alistaram-se no 5." corpo de voluntarios os
Srs. Antonio Manoel da Gosta, Numa Ferreira de
Magalhaes, Jos Leandro Cardoso e Francisco Ta-
vares Correa; e no 3. o Sr. Simplicio Jos de
Souza Barros, fleando a elle addido o acadmico
do 4." anno Luiz Ferreira Macel Pinheiro, que
alistou-se cora destino ao corpo de voluntarios que
organisa-se na Parahyba.
Offereceram-se para o corpo de voluntarios
da patria o 2. sargento da guarda nacional Jos
Maria de Mello, e os guardas Rogerio Comes de
Sant'Anna, Balbino Gomes de Sam'Anna, Anse'mo
Francisco Marques e Trajano Flix de Macedo
Lima.
A directora da associag.o protectora das fa-
milias dos voluntarios da patria, convida os respec-
tivos socios fundadores o volantes a comparecerem
hoje s 6 horas da tarde em casa do sr. presiden-
te, a ra da Aurora n. 24, anm de tratar se aa
reforma de um dos arligos dos estatutos da mesma
associago; e os previne de que, de conformidade
com o'disposto no art. lo destes, deliberar-se-ha
sobre tal reforma com qualquer numero de socios
que comparecer.
Na primeira quinzena do mez de julho pr-
ximo passado houve em Pariz 6o quebras de varios
commurciantes.
Diz o Jornal de Lisboa, que os emigrados po-
lacos residentes na Suissa, vendse ah inquieta-
dos por manejar do governo russo, tratam de obter
os tneios para urna emigrago geral para os Esta-
dos-Unidos. O Sr. Koronkolski, um dos emigra-
dos, ja parti afim de obter as sympathias do go-
verno federal e preparar raeos de existencia para
os seus compatriotas.
Calcula-se que na Suissa ha de 15 20 mil po-
lacos, que podem empregar-se na America, na-cpl-
tura de trras.
Se estivesse devidamente organisada a nossa as-
sociago promotora da emigrago polaca para o
Brasii, era occasio de aproveilar urna emigrago
espontanea e sem grandes onus para o paiz. Mas
tudo entre nos moroso, e passa por tantas depu-
ragoes que atiual (ira em nada.
Hoje se extrahir 2.' parte da lotera, das
familias dos briosos voluntarios da patria, (29*)
sendo o malor premio 6:0005000.
Repahticao da polica.
Extracto das partes dos dias 24 e 2o de agosto
de 1865.
Foram recolhidos a casa de detengo no dia 23
do corrente :
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio Jos
Clemente, Raimundo Jos de Lima, Maximiano
Santa Rosa de Lima, para r.orrecgio.
A' ordem do de Sao Jos, Honorato Alves do Nas-
cimento, por disturbios.
A' ordem do dos Afogados, Manoel, escravo de D.
Manoella de tal, por fgido.
A' ordem do juiz de paz de Santo Antonio, Gre-
gorio Francisco das Chagas, por nao ter cumprido
os deveres de fiel depositario.
24 -
A' ordem do subdelegado do Recife, Estevao Jos
Gongaives, Francisco Jos de Souza e Isabel Maria
da Conceigo, para correego.
A' ordem do de Sanio Antonio, Alexandre, afri-
cano lioerto, para recruta, sendo posto j em liber-
dade, e Sebastio, escravo de Abreu & Veras, a re-
querimento d'este.
A' ordem do de Sao Jos, Manoel Francisco de
Oliveira, por disturbios.
A' ordem do da Varzea, Maooel da Hora ou Jos
Paulo da Rocha, por crime de resistencia.
-28-
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, The-
raaz de Aquino dos Santos, para recruta.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Antonio
Jos dos Passos, tambem para recruta.
A' ordem do subdelegado do Recife, Francisco
Jos de Lima, para correego.
A' ordem do de Saoto Aotonio, Manoel, escravo
de Joo Gil Paes Brrelo, a requeriraento de Joo
Baptista da Rocha Baixa Los.
A ordem do de S. Jos, Manoel Antonio do Xas-
cimento, Antonio Mendes, Maria da t'enha, Solero
e Samuel, escravo de Joaquim Alves de Castro,
por disturbios, e Euzebio, por briga.
A' ordem do da Boa-Vista, Francisco Romflo da
Silva e Guilhermina Cassia do Amor Divino, por
briga.
O chefe da 2.* secgo
J. G. de Uesqmta.
Passageiros do hyale brasileiro Kxhalanio,
sabido para o Aracaty : Jos Francisco Ramos,
Joaquim de Lentos Ferreira e sua familia, Francis-
co Gongaives Lenhares e 1 criado, Jos Alves Lessa,
llelezano Ambrosino da Silva, Machado, Antonio
Jos dos Santos, Manoel Gomes de Freilas.
Passageiros do vapor inglez Thales. vindo
de Macei : Antonio Leonardo Rodrigues, Joo Bo-
ritelmann, Welheur Robilliard, Joo Guedes No-
gueira, Jos Manoel Baptista, Joo de s. Ferro,
Dionizei Dassio, Elias Gaspar Vianna Brandan,
Joao Augusto Carvalho Moura, Antonio M. da Cu-
nta Reg, A. de Souza Castro, Antonio Joaquim de
Mello, Manoel Pereira Camello, Antonio Telxelra
Pinto, Antonio Pereira do Araaral, Pedro Claudino
Duarte, Adelino Claudino Duarte, Manoel Martins
de Miranda.
Passageiro da lancha brasileira Graciosa,
entrada do. Ass : Pedro Bernardo de Souza.
Casa di detbncao. Moviraento do-dia 28 de
agosto de 1865 .
Eiitiam 378 ; eotraram 11 ; sahiram 23 ;
existem 366 a saber :nacionaes 27" ; mu I he res
8; estraugeiros 2 ; mulheres 2.; escravo 55 :
escravas 6 ;total 366.
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 176.
Motimento da enfermara do dia '29 de agosto
de 1865.
. Tiferamalta :
Francisco Jos de Souza.
Amaro, escravo de Aotonio Caldas da Silva.
Ubmiteiuo PbULico. Obtuano do dia 28 de
agosto:
LeocaJio Henriques da Conceigo, Pernambuco,
30 anuos, casado, Santo Antonio ; suicidio.
Vicente Rodrigues Chaves, Pernarabuco, 12 annos,
Santo Antonio;, lypbo.
Adolpho Pereira de Oliveira Baraeho, Pernambu-
co, 19 annos, solteiro, Santo Antonio ; phlysica
pulmonar.
Anua Mana da Conceigo, Purnambuco, 70 annos,
solteira, Boa-Vis^; tubrculos pulmonares.
Alexandrina Maria na Conceigo, Pernambuco, 32
annos, casada, Santo Ant-nio; phlysica pul-
monar.
Manoel, Pernambuco, 7 dias, S. Jos ; espasmo.
Joo, Peraarabuco, -2 annos, Santo Antonio ;
tosse-.
Pedro, Pernambuco, 5 mezes, Santo Antonio ; con-
vulsdes.
Manoel, Pernambuco, 21 horas, Santo Antonio ;
espasmo.
Cusma, Pernambuco, 2o anoos, escrava^-S.anto An-
tonio; vmitos. f
Quirioa, Pernambuco, 28 annos, esrava, Boa-Vis-
ta : phlysica pulmooar.|
Fausliuo, Pernambuco, 17 anuos, escravo, S.Jos;
phtysica pulmonar.
sidente
tarde.
encerrou a sesso urna hora da
Tnini val da iis:j.ac irt
SESSAO DE 29-DE AGOSTO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0NSELHEIRO
SOUZA.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. des- calltolico, da moral e da historia da iarja
quente periodo : Sabemos que alguns sacerdotes
leen tido e teem assenic- nes cmaras onde os le-
vou a forca do poder do governo. Mas que podem
fazer sacerdotes eivados do espirito faccioso dos
partidos, que se acocoram debatxo das cadeiras mi-
ntstenaes, padres sem precedentes na senda das
virtudes do seu estado^ sem conhecimento do dogma
erabargadores Santiago, Gitirana, Lourengo san-
tiago, Almeida e Albuqnerque, Doria, Mona, e
Ucha Cavalcanti, Dora'ingues da Silva e Barros
Vasconcellos, faltando os Srs. desembargadores As-
sis e Guerra procurador da cora, abrio-se a ses-
so.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
J5LGAMENTOS.
. Aggravo de peticao.
Aggravante, Joo Kreuser ; aggravado, o juizo.
I Relator o Sr. deserabargador Ucha Cavalcante.
I Sorteados os Srs. desembargadores Santiago a
, Barros Vasconcellos.Negouse provimento.
| Aggravante, D. Thereza de Jess Coelho de Souza
Leo ; aggravado, o juizo. Relator o Sr. desem-
bargador Vasconcellos.Sorteados os Srs. desem-
' bargadores Motta e Gitirana. i), rain provi-
, ment.
Nn primeira oragao ha presente e pretrito. Na
segunda ha mullos lempos do verbo ultujar, que
nao sei anda se rae resolverei a declinar. O pre-
sente da primeira oragao nao entende eomlgo. O
pretrito porm me envolve, me offende, e ofrende
tambem a verdade histrica. O pretrito me en-
volve, porque fui deputado desde 53 62. O pe-
; nodo decorrido de 33 62 constitue o pretrito do
periodo decorrido de 62 65. A redaego da Es-
peranza diz : Sabemos que teem tido e teem assen-
lo, etc. Por mais que rae esforgasse para sahir
dos garios daqu*lle terrivel pretrito, o nao conse-
gu. O anathema comprehendeume, ferio-me ir-
remediavelmente t E' forca recorrer de to dura
sentenga. De quem, e para quem t Da redaego
da Espcranca para o-episcopado brasileirodirel
mesmo para a santa s apostlica.
Vamos por parte, e sem affogadilho. Que a no-
bre redaego da Esperanca, habituada a pensar-
Appellaqocs Grima.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio da Cos- pos grandes vultos, que ho prestado servigos i
ta Freir Maracaj.A novo jury. ^'gieja, olvdasse o meu nome, nao me poderia ea
Appellante, o promotor ; appelado, Ildefonso Go-, considerar offendido, pois que sou o pnmeiro a re-
' raes Soares.Nullo o processo. connece''. Qu nao passo de um pobre verme, que
AppellaBte, o promotor: appelado, Manoel Vi- iahi se arrasla sombra do seu nada ; mas que na
cente de Carvaltio.Improcedente. aprec'aco dos factos, e de fados que ainda esto
Appellante, Joo Ferreira de Mello ; appellada, palpitantes de actualidade, se esquecesse deque
a justiga.Improcedente. i atravez deste verme ha um padre, que prestoa ser-
Appellante, o juizo ; appelado, Benedicto Indi VIC0S igreja, em quanto foi deputado, o que
C!IR0MCA_JIJD1CIAM
TRIBUNAL DO COXHERCIO
ACIA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 28 DE
AGO?TO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. DESEMBARGADOS
ANSELMO FRANCISCO PBRETTI.
As 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
depilados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, e presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm.
Sr. Dresidente declarou aberta a sesso.
Lula, foi approvada a acta da sesso antece-
der.
EXPEDIENTE.
Um offlcio da junta dos corretores, com data de
hoje, remetiendo a cotacao dos pregos da praga na
semana prxima linda.Archive-se.
DESPACHOS.
No requerimento de Luiz Ribeiro da Gunha, Nar-
ciso Antonio Vieira da Cunha, portuguezes, resi-
dentes e estabelecidas na cidade da Fortaleza, ca-
pital de Cear, sob a firma de Luiz Ribeiro da Cu-
nb*& Sobrinnnc, pejiudo que seja a raesma firma
admettida a matrcula :Vista ao Sr. desembar-
gador fiscal.
No de Luiz Ribeiro da Cunha, pedindo o regis-
tro do seu contrato junto por escriptura publica,
celebrado sob a supradita firma de Luiz Ribeiro
da Cunha & Sobrinhos.Vista ao Sr. desembarga-
dor fiscal.
No de Simpson & C, pedindo o registro do nma
procurago que apresentara.Registre-se.
Na duvida apresentada pelo Sr. offlciat-maior da
secretaria sobre o registro de una escriptura de
hypotheca apresentada por Olympio Gongaives Ro-
sasVista ao Sr. desembargador fiscal.
Com inlormagao do Sr. desembargador fiscal:
No requerimento de Antonio Jos dos Santos e
Manoel Gomes de Freilas, pedindo o registro do
seu contrato de sociedade. Satisfagan) o parecer
fiscal.
No de Luiz Moreira da Silva e Domingos Gomes
da Silva, pedindo tambera o registro do seu con-
trato de sociedade.Registre-se.
No de Antonio Valentim da Silva Barroca, pe-
dindo o registro do contrato de Arlhur Caetano
da Silva com Joo Pinto Dias de Mesquita. Na
forma do parecer fiscal.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s 11 horas e meia da
manha.
SESSAO JUDICIAR1A EM 28 DE AGOSTO
DE 186o.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Gumaraes.
s llj horas da manha o Exm. Sr. presidente
declarou aberta a sesso, estando rsunidos os Srs.
desembargadores Gitirana, Silva G., Reis e Silva e
Accioli, e os Srs. depntados Rosa Gandido Alcofo-
rado, Basto e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
so.
Assignaram-se os acordaos proferidos na ultima
sesso nos feitos entre partes :
Appellanles, Sampaio, Silva & Companhia ; ap-
pelado, Antonio Jos de Castro.
Appellantes, D. Josepha Justina de Jess Gon-
gaives e oulros ; appellados, Isaac Curio & C.
JULGAMENTOS.
Appellantes, o Dr. Joo Pedro Maduro da Fon-
seca e outro ; appellada, D. Maria Rita da Cruz
Neves.Adiado na precedente sesso.Foi confir-
mada a sentenga appellada.
Appellante, D. Maria Magdalena de Almeida Ca-
tanho ; appellada, D. Anna Josepha Pereira dos
Santos. Adiado na ultima sesso.Desprezada
urna preliminar com o voto do Exm. Sr. presiden-
te, entrou-se no mereci ment da causa e
Desprezaram-se os embargos.
Appellantes, os admioistradores da massa fal-
lida de Joaquim Jos Silveira ; appelado, Galdrao
Themistocles Cabral de Vasconcellos.Despreza-
ram-se os embargos.
Appellantes, A. Schafter A C.; appellados, An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo sesso anterior.Desprezarara-se os embargos.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Rostron Rooker G.; appelado, Manoel Dias
da Silva Santos. Adiado as sessoes de 21 e 24
do corrente mez Foi confirmada a sentenga ap-
pellada.
Appellantes, o presidente e directores da caixa
filial do Banco do Brasil nesta cidade ; appellados,
Jos Antonio Moreira Dias.Adiado na ultima ses-
so. Foi confirmada a sentenga appellada.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Am >rim, Fragoso, Santos & C.; appellados,
Costa & Filhos*Desprezaram-se os embargos.
Appellantes, Gulmares & Alcoforado ; appel-
lados, Man el Moreira da Costa Passos e outro.
Appellante, Bernardino |Jos de Carvalho ; ap-
pellados, Seixas i Azevedo.
Adiados a pedido dos Srs. deputados.
Appellante, Manoel Joaquim Baptista ; appela-
do, Joo de Almeida Lima.
Juizes os Srs. desembargadores Silva Gulmares
e Accioli; adiou-se o julgamento por ser suspeito
nesta causa o Exm. Sr. presidente, e j se ter reti-
rado o Sr. desembargador Reis e Silva.
PASSAGEM.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
desembargador Reis e Silva :
Appellante, Joaquim Salvador Pessoa de Siquei-
ra Cavalcante ; appellados, o presidente e directo-
res da eaixa filial do Banco do Brasil nesta ci-
dade.
Nada mais havendo a tralar-se o Exm. Sr. pre-
1 gena de Lima.Improcedente.
Appellaro civel.
Appellante, Francisco' Antonio Alves Mascare-
nhas; appelado, Jos Antonio Ferro de Figuei-
redo.Confirmada a sentenga.
DILIGENCIA CniJIE.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
As ppellagoes crimes.
Appellaute, o promotor ; appelado, Guilberrao
Antonio de Siqueira.
Appellante, o juizo ; appelado,
cha Bezerra.
Appellante, Autonio Barreiros da Silva ; ap-
pelado, o juizo. *
Appellante, o juizo; appelado, Balbino Fraacis-
co dos Santos.
DILIGENCIA CIVEL.
Com vista ao Dr. curador geral
A appellago civel.
Appellante, Luiz Antonio de Souza Bibero ; ap-
pellada, a viuva do coronel Lemenha Lins.
DESIGNACAO DE DIA.
Assignou-se dia para" julgamento das seguin-
tes :
AppellagSes crimes.
Appellante, o juizo; appelado, Francisco Alves
de Souza.
ppellagoes clvels.
Appellante, Jos Luiz de Andrade Lima =>ppi
lado, Gabriel Antonio de casiro mnniaes.
Appellante, Manoel Alves Pinheiro; appelado'
Joo Pedroso Baptista.
Appellante, Andr Pires Visgneiro de Albuquer-
que; appelado, Jos Felippe Bezerra de Menezes.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourengo Santiago
As ppellagoes crimes.
Appellante,o promotor; appelado,Jacinlho Ma-
noel da llora Mendes.
Appellantes, Tobas do Nascmento e outro ;
pellado, o juizo.
A appellago civel.
Appellante, Monica fgnez da Silva ; appellada,
Thereza Catharinada Conceigo.
Do Sr. deserabargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque
As ppellagoes civeit.
Appellante, Manoel Patrao do Nascmento; ap-
pellada, Margarida Maria da Paixo.
Appellante, o juizo ; appellados, os herdeiros d'i
| Francisco Alves Pontes.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
desembargador Assi's
A appellago crime.
Appellante, e promotor ; appelado, Manoel de
Freilas Nogueira.
A appellago civel.
Appellante, Elias Emiliano Ramos. appelado,
Jos Gelano da Rocha.
Ao Sr. desembargador Motta
A appellago civel.
Appellante, Felippe Gomes da Frota ; appelado,
Domingos Gomes da Frota.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Motta
As ppellagoes civeis.
Appellante, Lourengo Bezerra de Siqueira Ca-
valcante ; appelado, Dr. Amaro Joaquim Fonseca
de Albuquerque.
Appellante, Jos Marcelino Alves da Fonseca ;
appellada, a fazenda.
Appelado, Jos Victoriano de Carvalho Caval-
cante ; appellante, Antonio Marques de Araujo
Cavalcante.
Do Sr. deserabargador Motta ao Sr. desembar-
gador Ucha Cavalcante
A appellago civel.
Appellante, Joo Gleofas de Lemos Vasconcel-
los ; appel ado, Simplicio Jos de Andrade.
Ao Sr. deserabargador Domingues da Silva
A appellago civel.
Appellante, Francisco Ribeiro de Audrade ; ap-
pelado, Joo Lobo de Macedo.
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago
A appellago civel.
Appellantes, Manoel Luiz da Veiga e outros;
appellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti aoSr.
desembargador Domingues da Silva
A appellago crime.
Appellante, o juizo ; appellados, Pedro Flix de
Souza e outro.
A appellago civel.
Appellante, Joaquim Ribeiro da Silva; appela-
do, o juizo.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vascoucellos
A appellago crime.
Appellante, o juizo appelado, Francisco Flix
da Cunha.
Ao Sr. desembargador Santiago
A appellago civel.
Appellante, D. Joanna Maria das Dores; appe-
lado, Dr. Augusto Carneiro Monteiro da Silva
Santos.
A meia hora depois de meio-dia encerrou-se a
sesso.
CMMNIG1D0S.
I nunca esperei da justiga, que caracterisa a redae-
go da Esperanca I Bem sei que o louvor nao
cousa fcil de di>irbuir, principalmente a quero
nada vale. Mas a justiga nao esta no mes-
[ mo caso. A justiga suppoe duas cousas : dig-
I uidade e igualdade. A primeira intrnseca ; a
segunda extrnseca. Qui potest capert capiat.
Appressemos a derconstrago da injnsliga para
, comigo, e do modo mais summario.
Em 1853, primeiro anno em que lomei assento
i na cmara temporaria, agitou se, por occasio da
Antonio da Ro- creago da diocese do Cear e de outras, a duvida
; se o poder espiritual devia ser ouvido, e consulla-
: do em questoes daquella natureza. A duvida co-
| megou a crescer nos nimos de tal modo, que den-
tro em pouco se tornou opinio. Eu via a onda
subir, mas tinha medo de faze-la recuar, temendo
que fosse engolido. Pense muito no que devia fa-
zer. Nao tinha anda fallado na camaxa, e nao ha
quem ignore os perigos de urna estra, que muitas
vezes lera sido a mcha tarpa de muita gente.
Afiual, prevaleceu o sentimentj do dever; e em-
bcra nao tivesse conhecimentos do dogma catholico,
nem precedentes as sendas das virtudes do men
ministerio, levantei-me ura da na cmara ; combat
os erros que iam dominando, e consegu resta
belecer averdadeira doutrina. Us bispos foram ou-
vidos, e de alguns dos quaes recebi consolagoes,
que moaio me animaran). O meu discurso corre
imnressn
No anno segrate (nao prometi guardar fiel-
mente a ordem chronologca), ou no outro, trama-
se da fundago das Faculdades Theologicas no im-
perio. Novas duvdas surgirn) a respeito da
competencia da intervengo espiritual nesta inau-
gurago. Negava-se em summa ao papa o direito
de ser ouvido e consultado na materia em qnes-
lo. Que iz eu nessa conjunctura ? Apezar de
ignorar o dogma catholico e a moral da igreja, e
de nao ter uenhuns precedentes as sendas das vir-
tudes do meu ministerio, loraei a palavra, e de-
monslre largamente que nunca, no mondo chris-
tao, so tinlnm creado Faculdades Theologicas, sem
que a santa s fosse ouvida, e delta parllsse a sua
approvagiio. Citci todas as bullas de confirmagao,
e ti ve anda a fortuna de conseguir reslabelecer a
verdadeira doutrina. De alguns Srs. bispos, espe-
cialmente do sempre chorado Sr. marquez de San-
ta Cruz recebi novas consolagoes, que guardo co-
mo preciosa joa.
Correram lempos, e eis se nao quando aprsenla
o ministro da justiga Vasconcellos, que Deus haja,
a celebre proposta de casamentos mixtos. Sem en-
trar nos variadissiraos incioentes, que occorreram
naquella occasio, porque receio ceder aos impul-
sos da vaidade, cumpre apenas consignar, que,
embora acocorado debaixo das cadeiras intuste-
riaes, e citado do espirito faccioso dos partidos, nao
recuei dianle das difflculdades, que se me oppoze-
ram. Pequeo e humilde como sou, resist, com
toda a constancia, sedueges e at ameagas, de
que ainda conservo provas, nao fallando no ridicu-
lo com que me pretendern) agnitar, (porque o ri-
diculo cousa que sempre despresei.) O certo
que, nao obstante o empenho que linha o governo
de que a sua proposta fosse ao menos discutida na-
quella sesso, consegu embsragala. O largo pa-
recer em que a combat, e que merecen os elogios
do Ilustrado, e consciencioso Sr. Dr. Braz Florenti-
no, voou impresso at Roma, e qual fosse o acco-
Ihiraento que Ihe prestoa o chefe da Igreja o publi-
co sabe, alem de outras eousa= que nao sabe....
Atlnal, cabio aquelle ministerio, e no anno se-
grale discutile a qoesto dos casamentos mixtos,
e se acabou por depurar a proposta do elemento
heterodoxo, que encerrava, sendo substituido o pro-
jecto primitivo por outro muito melhorado no espi-
rito e na forma, e que s legislou para os effeitos
civis dos casamentos aeatholicos. Acha-se na pre-
sidencia desta provincia o mmistro'-da justiga de
enlo, que muito concorreo para o bom accordo
das cousas; o S. Exc. que diga qual a cooperago
que Ihe presiei no melhoramento radical do pro-
jecto primitivo.
Poda fallar ainda no augmento das congruas dos
bispos, dos parochos, e de outros melhoramentos
para que contribu directamente, como de todo ha
provas escripias ; mas nojulgo preciso, salvo se
houver contestago. E poi-, era face desta rpida
exposigo, o publico que avalie dajnst'gacora que
a redaego da Esperanca julgou os fados, alias
ainda momos na mente, e memoria do paiz I Doe-
me esta injustiga que me fez a minha sympalhica
redaego da Esperanca I
Quanto a intervengo ou nao otervenco, que o
governo leve na minna eleigno, nao sei o que diga...
direi sempre o segrate : asseguro a' redaego da
Esperanca que o governo meu adversario fez,
n'uma so eleigo, maiores esforgos, para derrotar-
me, do que todos os governos meus amigos o flze-
rara, era quatro eleigoes, para dar triurapho a' mi-
nha candidatura I Nao sou dos que consideran)
desaro sereleito sobos auspicios do governo. Quan-
do a cooperago deste affectiva.e nao oppressiva;
moral, e nao immoral, honra, e nao deshonra o de-
putado. O governo nao s poder; tambem
opinio.
Desculpe-me o publico se fui mais longe do que
devia, Nao foi sem grande violencia a mim raes-
mesmo, que me sahi de um silencio, de qae nunca
dse ja ria sahir.
Recife, 29 de agosto de 1865.
J. Pinto de Campos.
A' Ilustrada redaego da Esperanca.
No seu primeiro artigo publicado no n. 34 de 26
do corrente, e que tem por epigraphe :Aos ca-
iholicos cearenses, a propesito da eleigo senato-
rialha um periodo contra o qual pego venia para
protestar pela parte que me loca. Lamentando a
Ilustre redaego a ausencia de vozes poderosas,
que no parlamento nacional se levaBtem em favor
dos ioleresses catholicos, deixa escapar esto elo-
t m acto de phllantropla.
O Dr. Agnelo Jos Gonzaga, muito digno juiz
municipal e de orphaos do termo de CabroD, aca-
ba de pralicar um acto, que revelando os seus no-
bres e patriticos semimentos, nao deve passar
desapercibido para os Peroambucanos, que tudo
empenham hoje em desafronta da causa nacional
ultrajada pelos vndalos do Paraguay.
Mogo, Ilustrado e chelo de prestigio pelas snas
----------



_

Diario de Peraanlmeo -- Quaria le Ira 30 de Agosto de f .
\
~
:rr
-"' "
cellentes quididades, o pela pos*y>o quo hearaJ4-
mente occupa neste termo, nao hesitou esquecer
por momentos os commodos 4a vida de familia, os
carinhos de urna virtuosa esposa e de Innocentes fi-
Ihinhos, para dar lugar em seu coraco ao amor
da patria, e offerecer-se |como simples soldado de
flleira, para tomar parte na cruzada da civilisacao
^ue o Brasil envia ao Paraguay.
Para flm tao juste dirigio-se o Dr. Agelo ao go-
bern imperial, de quem.aecessitoa a necessarla
rjermisso.
Entretanto, embora aqaelles -que veem no Sr.
Or. Agnelo urna garanta para a justica deste ter-
mo, facam votes para que essa liceoca Ine seja re-
bosada, estamos informados <|ue S. S., ainda assim
lambas ja' d*qUe ultimo, era que peta primeva to dedicar-te urna -fatal s'jinpathi* que a ti me
ves fosle a cata de urna familia, e de tal tnaoeira prende, apezar de te conhecer-hem, de maneira
licasle quo te estendesle no clo ao coraprido, e, irresislivel; s menos cobarde, apresenta-te a des-
tanto evacnavas por cima como por b-----, segn- coberlo para que te consideren! menos abjecto ?
do a toa propria conflssao 1 Oh alatve I se era casa I nao te escondas atraz dos teas servantes, ou resig-
de D. Juventude ainda nao appareceram mocas, na-te ( e isso me amargurara1 os tristes dias de
como viste tu o nosso amigo querer por torca dan- existencia, enchera' meu cor*cao d-i profunda dr),
car cem uma?S se foi em alguraa daquellas resigna-te a passares por ser a escoria dos patries,
bemaventuradas occasioes, em que tens os olbos o amltamento da classe.
encanieados, e a casa te anda roda ; visto taivez Contina a cootar com a minha boa amizade, e,
a taa sombra, e logo pensaste ser de mulher. fiel ao teu pedido, conta cora a continiiacio das n-
Bsle Vmhas tem aida muito pello a desbastar,
-e creio que elle me quer por os cabelles braocos
antes de tempo cora as suas semsaborias ; t'arre-
nego, diabo I crozes I vai-te para looge. Mas tris-
nhas missivas, pois inseparavel
Anido Gon-sal d'Azedas
acontecendo, solicitara" a sua demissao e correr te coodico a de ser amigo de um patusoo des-
ao campo onde se debate a honra nacional, para, tes; por raais que sequeira fugir, nao se pode, o
orno seu auerido irmao, diverte, nao se pode negar isso.
Vinhas da minh'alma, a barba esfti feta, e tam-
orao seu querido irmao, que
parte na grande lata.
Honra ao Dr. Agnelo, que ainda por este titulo
se mostrara' depois dos louvores e admiracao de
seos comprovincianos.
Cabrob, 28 de julteo de 1865.
Um admirador.
eu serei de ti, mea
A sombra.
No flm dasegunda jachei era estado de ramenie contradiclorias de um climico e de toado de bacalho ferriainoso de Che-
rau-lopMMar pelo sitio loto as manhSas., pbysiologisla eminente, o Sr. D. Leconte, triTtmJtaetxvno m^TZloeTr
Acabada esta o aconselhei, que continuasse pbarmaceutico em chefe dos hospitaes, e TTlSfPo s l iSo deTrolid
no aso do mesmo xarope etherio aliernado professor aggregado da faculdade Se medi- %j^o om o o de flTado de ba
con o xarope alcoolico de vellame, e que cia de Paris. s Tdissn ma^acLS nt Imn
osasse dos banhos salgados na pancada do 4. N'essas circunstancias admira-nos i^ vias aLesUv s e S clZH
mar. Sentio elle nos primeiros banhosal-'que umconselho desande publica se tenha *? asimilamSS Sis b ZaTZl
gaos choques, mas eu o aconselhe. que con- decidido sera informaces mais certas, a foma de n|ulas 0 JJJ F/nfim .],
liDoafte, com o que se tem dado multo bem, mandar prescrever ou mesmo a por em sus- per assim uas proprie ffis irr Ses e
pois que teoho recebido cartas de Macei, peicao medicamentos, cujas excellentes qua- ja0 provoca a conXico F!
em que se me communica o seu bom estado, lidades e perfeita preparado tem si Jo, des-
Nesta molestia os expositores de raedici- de muitos annos, rconhecidas por iodos os
PBLIGigSSS A f EDIL
Leiam!
Para dar ligoes de solfa.
as columnas da Gazela,
Dizem que la' da praemha
Fallara o tnestre careta...
Nao sei se certo o que dizem,
Acerca de tal senlenra,
Puis mnguem far mais versos
h Sem que Ihe pefd /icifa I
Comtudo, e me permitte
Uatn-i'.ir verso com prosa ;
Diga-me la' o seu nome,
Quero lhe dar urna toza ?...
O Saralhto.
urp.iv I na n3 aconselham banhos salgados, apenas membros mais distinclos do corpo medical,
XT^llTl^ S^- rnPd dewe|S traLam' dT m aPl)licad0S f! 1ue lem os unico defeitos de erem me-
celana do barro humano, por isso mejmo ellas as escrophulas, hypocondna, esthensmo,; Ibores, menos caros e mais procurados do
teem todo o soberano direiio a leieao de -toda a amenorihea, raethismo, etc. ; entretanto vi que todos os remedios de seus concur-
bem por
quero que _,
por una vez. Nada, que tu es um prnimfto muito Entre todas as que pertencera on figuram no
appetitoso, que convem ir saboreando pouco a pou- Toucador nennuma ha que possa esceder em aro-
o uso do xarope alcoolico de vellame tem-se
obtido cura radical.
O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Ma lei,
depois de ter applicadoa um seu doenle de
hoja creio que bas-ta de cacoada; nao, especie de elegantes lasarlas, que a arte estimula- este bom resultado no tilliodo Sr. Cristiano,l rentes
e apanhes tadgestao.e tttof^o derao da^elajaUnuna pode IMN^ g_______e OUtrus fados iguaes lenlio visto as mo-
lestias siphyliticas, e outras muitas que com
c'pois gsto de ir fazendo render a cousa. O que matica delicadeza e ricura, aquella cima mencio-
te aconselho que, quando agera voltares a carga, nada no alto deste paragrapho Possinndo urna
nao venhas embudado com medo do molno; ani- mimosa e delicadissima fragancia, summamente
rao, rapaz I nao tenhas medo, assigna-te, bola o mil e agradavel em varias formas, quer ja' como
cavallo na chuta, que eu" c estou para o mon>-; aformoseadora da compleicao, escellenle mistura
lar. da com aKu* como raeo agradavel para ensagoar rheumatismo o xaiope alcoolico de vellame,
J que usaste de um p?eudonymo, fare o mes- j a b cea e alvejar os aentes, e finalmente como um logo que elle S6 poz em estado de largar as
mo; gosto a's vezes de ir atraz dos teus fundos e! excellenle e admiravel meio curativo em todos os mo|Plai. pm miP andava arrirmrlo n arnnsp-
mais que profundos alvitres. Quera direi que sou | casos de nervosidade, desmaios, venigens o alia- f^V J?_e_~5 .._ Z^.'H. _-
eu ?
Briareu.
O VIM1VS TEfa MULTO
f
Quem nao quer parecer lobo nao lhe veste
a pellc.
I
t Flagellum equo et camus
asinoet virga m dorso impru-
t dentium.O acoute para o
cavallo, e o fieio para o asno,
tea vara para as costas dos
insensatos.
Proverbios de Salomao.
Anio (?) Goncal d'Azedas.
Como sabujo de boa raca que lens a honra de
' ser, nao se me da' de apostar que na citacio su-
pra farejars immediaiameate urna alluso tua
respeitavel pessea. Engao completo, mmi bom
1 Aiiao, porque nem serapre se est' de mar para
applicar acoutes a cavallos, por o froio a jumen
expenente, que lites piem encaminhar o.
Vinhas, my dear friend. applicar acoutes a cavallos, por o froio a jumen- meio de Stia salvacao.
Decididamente, eu nao gosto destas gracas, e se tos, ou estender a vara pelas costas dn insensatos, q r gra CQm |Qja ^ ferTaoens na ra
asrepete,ncema.com.igoporumavez;poisisto f^,^^^^^^^^ Dimita, foi desengaado or dOUS habis
no Diario de 19 do cor- sabendo que aquello sentencioso proverbio ape- mdicos, acha-se bom Com O tralamento por
enea?
A
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
pharmacentico Jos da Rocha Paranhos, estabele-
cido com botica na ra Direita n. 88 em Pernam-
buco.
Este sirope incontestavelmente superior a lo-
dos os xaropes depurativos, de enja composicao
o seu maior elemento a salsa parrilha, pcii que se
tem conhecido ser o veame mais enrgico para a
prompla cura das molestias, cuja base pssencial
depende da purilicacao do sangue ; assim pois ,ee
tem verificado por muitas pessoas que so achavam
desengaadas, as quaes acham-se hoje restableci-
das cora o referido sarope alchoolico de veame;
entretanto que al;uns, tendo usado do xarope de
diCO, este O examina e declaraO senhor es-1 Curinier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
t alectado dos palmoeso doente desani-; rj\ oleo ,de aR**o de bacaihu, e outres agentes
O xarope etberio de veame por mimpre- sentenca enlendp e^lar sem ^esta -or^m nada coneKUiram. E' elle de fac
parado, muito tem aproveitado aos que sof- ^L sentenca, eoiende estar sem dJgeitoagraaave, ao ,iadar e 10 oiphato. Al-
frem dsla moleslii e A do lamentar se nne ma,S CUr3' ('Uando 0S facl0S e a experiencia guns mdicos desta cidade e da de Macei o teem
l!h!l! i ldine"ta,^e' que: teem demonstrado que muitos tendo procu- recommendado para a cura das
sem procurarem o recurso do prtico e do ,i;:
ques hystericos, em si eda merece um nome na 'nou Qie continuasse com 0 uso do mesmo
materia medica, assim como era oceupar um lugar xarope conjunctamente com OS banhos sal-
indespensavel sobre o loucador. Aflm de se evitar gados, com que se tem dado muito bem, e
odesgostodesecomprar um genero de inferior um dos mpdirosnm-illi pm V(irpi Ipm rnm-
qualidade. nada mais se precisa fazer, do que per- u uos meaiCOsque all em MaceiO tem Com-
guntar-se pela Agua de Florida de Murray e Lan- P'^ta confianca as preparacoCS de vellame
man. por mim feitas, pelos bons resultados que
Vende-se nicamente as drogaras de Caors & tem obtido em sua clnica.
Barbosa e iofo C. Bravo & C. Quan(,0 a|guem ge ?fi cm l0$Q ya aQ mf_
Phthyslca.
dicina.
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cando, sarna degenerada, lluxo alvo.
Todas estas affeccoes pr.ivm de urna caua in-
atura-se ?
O meu amigo Vinhas
rante ( um amavel e atlencioso rapaz este Vi-
nhas I) iHerece-me urna vitada narctica, que te-
ve a virlude de me tancar em um profuudo som-
no antes de acabar a ieitura ; mal eu me precatava
e j dormia a b.nn dormir, e dorraindo eslive at
hoje, dia feliz em que finalmente acordei. Mas
Ora, nessa provincia temos facilidade ho-, terna ; nao ha pois razao alguma em erer que el-
je e recurso do ar ; por que a via frrea ssepodem curar com remedios externes. Tam
nos proporciona, pois que em pouco tempo
urna pessoa que existe nesta cidade fcil-
mente se t ansporta para as ultimas esiacoes
de Gameleira c Una, lugares perto do Boni-
nas trazido baiha por simples enfeile ou ornato, mimjprescripto.
a menos que a voz intima da tua conciencia nao t o., irArivma Ifaria ,li rnneoicn mn. ut
accose um motivo mais justo e poderoso. r/il!; J u to e de outros pontos que sao considerados
eves saber pediamente que, annuindo ao teu radwa na travessa loMor.te.ro n. 10, achan- serl3 quanl0'mais qu'e os mesmos ,ugares
pedido de reeonliecer a impresso.que nos arraiaes do-se desengaada, tambera a mim recor- :; _^_'
contrarios produzio a publicacao da chapa elei.o- reu e acl.a-se restabelecida.
emm, pois que acordei, e ja live este pequeo' ral, que mandaste inserir no Diario de sabbado 26 jjm sobrnh0 0 gr nrofessor de Naza-
desabafo, acabou se a minha zanga, ficamos outra j do corrate, o mea fim nesta m.ssiva commun- '
vez amigos, machuca estes ossos, rapaz ; e pata le car te o que teoho observado, e podes afuulamenle lclu uu '-"o. attid-be uoui, como se ve ue
mostrar bera claramente que nenhum resentimento \ esperar da minha fidelidade que continuarei escru- sua carta abaixo transcripta, alem de OUtros
go
rqae,
verdade, verdade, c isto nao passe daqai, quando
homens honrados, honestos, e de /Jifa capactdade
como lu e os teus amigos alveitar, caboch e onca,
liguraram de gente por algum tempo, D'ii^uem lia-
vera' que nao se julgue rigorosamente '
substituir voces lodos com vantagem.
diedes intellectuacs e outras, quando nao supjrio-
ridade a favor dos primeiros.
O penica-po. por esemplo, rapaz que lem mui-
to geito para alveilar, e estou que o amigo Arves
nio se desprezaria de o ier por collega, se por um
boca iuho di! amor propno nao quizesse acceita-lo
n'dteclo, tambera ca so diz que o nosso rapaz on
ai pode amigavelmente aoertar a mlio do hornera
do Pharot; um nao cnverqonha o outro. O pira-
lello fa-se anda mais notavel entre ti e, por esem-
plo, o h'-mem da ra Velha que abalou.
Em quatidades commeniaes nao fallemos ; ere ?e
que o outro nao procurara disputar-te a palma,
apesar de ter ido adianto indicar te o caminho a
seguir. Quem sabe as coeegas que a estas hnras
tu s capaz de inspirar (uccessos de lularidade,
isso sim), presto-me at a um servico mechanico
em altencao nossa cordial amizade ; em duas pa-
lavrasron fazer-te a barba com aquelle geilinho comigo para a vida e para a morle
especial que eu sei te da no (oto.
Se te duer, on algum gilvaz me escapar, falla,
para eu assentar raelhor a nio, mas nao culpes a
navalha que est com o lio assenie. O aturo6
que eu te vejo com muito pello ; pudera I ha tan-
tos dias que cresce e sem se desbastar I
Permilte que, era quaoto le harbeio, va conver-
sando com os freguezes que estn na loja. E' raes
mo a teu respeiio, nao ha novidade ; lu ests pre-
sente. .. ollia que s cacoada.
E' damnadinlio este Vinhas, nao tem que ver 1
Quem gastar de passar um quarlo de hora alegre-
mente, faca-so unlta e carne cora ele, princi-
pie a debica-lo desde pela raanha ate noule,
um dia, urna semana, um mez, um anuo aps ou-
tro, e ha de encoptra-lo serapre vistoso, afagando
s vezes os blgodes, metiendo os dedos nas casas
do colele, e assomindo aquellos ares de pedaulesca
faluidade, que lhe licatn mesmo a matar.
O Vinhas onra I olhem que o diabo do rapa/
tem cousas mesmo do arco da velha I Quem o
nao conhecer lia de dizer que elle safado ; qua
nao uo I elle assim mesmo, faz ludo sem se
sentir.
Acularara o pobre diabo para que viesse a sce-
na fazer papel de maluco, e leal servidor ; a cousa
nao era la muito para quo digamos, mas amflml
diz a nnlpo ijuum alujja a n"n siMilmr (leilt
quando quer, e o meu amigo oncft que nao poda
virar as costas a seus senhores, i.-to a quem lhe
deu um magro ossinho para roer (donde elle con-
ta extrahuf grosso chorume pelo emprego de verlos
meios que todos nos sabemos) nio leve remedio ;
ornou-se de guisos e chocalhos, poz um enorme
bureta de papelo na cacliiraonia, calcou os ta-
mancos, e sem pedir licenga ao respeitavel, nem
se fazer aununciar por oariazes, cabio o bicho em
SC< ua como quem vera da casa dos orales. O ra-
paz cirou, mechen, barafuttou, e pensando (olhem
que o Viuias lambem yema tal qaal como a
gente) como ia dienJo, o rapaz virn, mechen,
remecheu, pula d'aqui, pula d'acol, fez gaifonas,
rebolou-se, poz-se de peroas para o ar, apanhou
moscas coin o bocriu, e dciois fazendo um pi-
rueta sobro os calcanbares, ecaporou-se. D.
.4/1/ //1 QuinquinaVinhas da M ti ..
O Vinhas nao ah qualquer cou-a, estao enga-
ados cora elle. Ha muito quem lhe iliame tolo,
ba.-baque, e mais nao sei o quei ; eu digonao
tal, e olhem que o proco, por isso que tenho di-
reito de faliar assim.
Como flea dilo, aguilhoado por certo homnculo,
vasilha ramio ordinaria, muito podre, que uo
lem loja de fazendas no pateo do Livramenlo, nem
estrella azul na frente da casa, hi mesmo nunca
foi lliesonreiio de gabinetes em dias de sua vida, o
bom do meu Vinhas cabio na esparreU de vir fa-
zer pelotic.is ern publico. Mal o diabo liotou a ca
beca de fra, coitado I apanhou urna sva, que o
deixou de bocea a banda e com a espinhela ca-
bida.
O Vinhas infeliz, disse elle l cora os seus
botos; nala, vou-tc ra nao torno eu a sabir
sem esconder o focmlio, embora me connecio
serapre pelo buter das orelhas. Nao pode a gele
ter tambera o seu fraco I nao pode querer mos-
trar que senle eomicbSes do alintiavar quatro as-
n-iras, embora escreva tao atiladamenle como
urna vacca hespaohola I Nada, venha o capote,
embucemo-nos I
E l vera o pachola do Vinhas semi-embucado e
apparecendo-lhe a cauda, passeando ousadamente
pelas columnas do Diario de 19 do correnle, como
quera esta era sua casa, anda que as roupas que
traja sao emprestadas ; muito rollabas, verdade,
sao mesmo (arrapos, mas esses mesmos farrapos
o diabo o jure) nao sao do nosso divertido calun-
ga. Dgam-me, portanto, agora ; o rapaz tolo'
ou tem lalta de aduella ?
Vinhas, traa de outra vida, e deisa-le de mais
desfrutes; quem ateen para o vintein, nao chega
aos trinta res : em vez de penna, empunha a vas-
soura; varre a tua loja (como lhe chamaro os ere-
dores?. ..) muilu honradamente, bola o liso fra,
6acode os capachos, limpa o quarto escuro, prega
o leu canudo ao freguez, lambe o teu pirao, arran-
ja as conlas que has de dar ao socio, e j nao fa-
zes tao pouco : quereres passar disto arrisca-
res-te a cahir n'um atoleiro, onde caria enterra-
do se alguma alrainha caiidosa nao te arrastar
para fra pelus cabellos, como se pacba um caval-
lo pelo rabo.
Analysemos o que se diz que o pobre maluco
escreveu, ou lirmou sob o manteo deBomba.
Quem ainda nao te conhecesse, dira logo que
tens propensao para roubar, mas olha que nao
roubar diuheiro, n", Ueus me hvre de o dizer; l
Besse ponto nao mettu eu a minha mao no fago :
roubar, ou aproveitar os peosamenlos alheios (lu
conheces alguem, que lalvez arranjou o teu aran-
zel, e nisso insigne mestre.)
Como o nosso amigo Alfredo vio os moleques
correndo e gritando-o Vinhas fallou, o Vinltas fal-
lou! logo tu meu apanha trapos, tendo intilmen-
te dado tratos ao milo para apresentar alguma
cousa que podesse
tambem fab
j nao sao mos, segundo pens, principal-
mente no verao.
Mas dir-se-haurna pessoa pobre nao tem
meios de se transportar e alli estara isso
se responde, que naquelles lugares existem
casas vasias e alugam-se por preco commo-
do, e mesmo muitos gneros de primeira
e alli se vendem pelos mesmos
pulosamente a desempenhar os raeus deveres de fados, que podena aqu mencionar,
bom amigo para comiigo, pois nisso nada mais fa-1 nhthvsica p a rlftstrnirJn p a
do que pagar amor cora amor: assim conta ,,. ,V J a aestruicao e d
ligo para a vida e para a morle. de,to,Jo ^rpo, em consequencia de chagas, necessdaj
Passo a cumprir a minha promessa. tubrculos e concrecco dos bofes e de em-; nrpros an(, am]l
Soube-se immediaiaraeiiteque tu deaccordo cora pyema, atrophia nervosa, e outras molestias '
os teus srvenles ( "W'^oio *to maluco v humores, como escorbuto.
nariz de papagaio), o Viulias onca e o amigo alvet- ">.____ .
lar, tinhs Vesoivio publicar a dita chapa na ves-1 alporcas, gallico, astlima, bexigas, saram-
pera da eleicao, ja' procurando ridicularisar a so-' po, etc.
ciedade, ja' procurando ridicularisar diversas pes-1 \ja pbthysica, chegando ao estado de ara-
so proemiales ( cujas so.as das botas, era v,r- ^^ Q ^ Me ^^^ a
salvado do doente e ajudar os -^iSSS 5X"SSed5iJlT cora ees
Aquel les, pois, que estiverem nestas cir-
eumstancias, eu Ibes facilito explicar os meios
pelos quaes se devem reger, e Ibes fornece-
rei os medicamentos gratuitamente,
Nao deixarei de advertir ao publico, que
lude tas evolucesdo "lempo e concomitantes, tal
vez tu anda humildemente venhas a oscular) met
tendo essas pessoas de envolta com outras que nao tos e, o ar do campo, exercicio conveniente ,. .- ft.I,mn?rflolliiafl0 nao se pn-
e.taonocaso de exercer cargos no Gabinete; al- e deta a qua| na0 deve ser je pen|iuma .ienno ODUdO ptimos resultados. nao se en
gamas nicamente por nao serem socios, ,.,ue, pnma J" J TSJl1Z a?e mesmo P!,bl,C0 COm 0utr!?S 9ue P0r
ah se annunciara, cujas preparagoes ignoro.
ii.ii..Jo a
cousa quente, ou de defficil digesto ; 3 a
bebida cumpre que seja de natureza branda
e fresca.
Todo o eu alimento se ha de dirigir a
moderar a acrimonia dos humores, e a nu-
Bem pensando na cou.-a, persuado rae qae dste Irir e SUSier 0
prova de grande inepcia publicando a referida rediizi-lo ao uso de vegetaes e leile.
chapa ; olha que me lembrei inmediatamente de, Toda comida 0 bebida, que se tonar ha
quequem com mullas podras bole alguma lhe ca- nonras nnrrSAS nm pvilar nnp
he na cab-ca-,mas por outro lado anima-me ase-, uc SU em \M^\ poiCOes, pal a evildl que
guranga cura que, appiicando os pt trasteros ao co- f o excesso do chylo fresco opprima os befes
fre das las roiiomias e negocios reservados,arrotas e accelcre multo a circularao do sangue.
dinbeiro, dinheiro e mais dtobeiro : que nunca os | Mnitos doontos desta mble^ia co teem en-
ff^JiELSy" TSSSt,lr** ao uso do ojeo de ligado de bacalho,
amigo o que do intimo di peilo le riesejo. e ou
Dii-se que foste infeliz na confeceo da tua cha- sem
pa, porque basta o simples paralello de alguns in- a|rrn
divdaos dos que a compem com outros da tua es- .
tofa, j servidos, para resaltar a igualdade as con- tu,U.'" ".w ra/-'10 ebSe iiai^rncnio.
assim como o aproveitamento aos enfermos,
a quem porventura lenham sido applicados;
cada um responde por si, e eu alErmo com
verdade o queaoui tenho relatado, cuios me-
e e preciso dfcameDto8\es provincia s vendo Jem mi.
nha botica na ra Direita n. 88.
Jos da Rocha Paranhos.
Nazreth do Cabo, 7 de setembro de 1803.
Illm. Sr. Jos da R- cha Paranhos.Crm
o maior prazer levo ao conhecimento de V.
S., que o doente que V. S. acha-se adnii-
nistrando-lhe re i edios. acha-se no todo res-
tendo dcs-
muila dispo-
sico comida e acha-se nutrido. Deixou
u ,u u,u mo oieu ue ugauu ue ww, nistrn-lo-lhe re edios. acha-se i
otras preparapocs de resmas e blsamos, tabc,ecd n da sent,
i que dellas lenham lirado prove o ; e ._.,.: i' L .,, ', "" .__,
ni expositores de medicina1 combate* KT,?U^2J
por Mentor. No desenvolvimento e profunJeza do solidos, e Siio de toda sorte perniciosos.
v> Z n,aZ'lZ\;'"' A, Ar.an mar os ltimos remedios que'V. S. rec( i-
b co-lurae carregar o estomago do doen- lQU QQ da 3Q dQ pagsa(]0( ^ agora a y>
S. mandar-me dizer qual a dieta que o
doente deve conservar e por quanlos lem-
pos, mencionando as comidas que dever
usar daqai em diantc.
Resta-mc agora agradecer a V. S. o cui-
dado que toraou no tralamento do meu so-
te com medicamentos oleosos e balsmicos;
porm estes em vez de tirar a causa ang-
mentam-na, esquenlando o sangue, ao mes-
mo lempo que tiram o apetite, relaxara os
Tudo que se lizer para extinguir a tosse,
gente e calmante.
Os cidos possuem
rera bons el'feitos
que, nio s contribucm
belecimento a pericia de V. S., e por isso
m a virtude de oroduzi- pde V' S" semPre contar com osmcus di"
nia en ermid-uor m,notOS Preslim08 e deSearei em lodo
i, .!i .."'-. *,P?i tempo dar urna prova do meu reconheci-
a aoagar a sede
tempo
tu'estars'sentindo, e entreunto quem fia (linho, quando accommettem a febre ethica, mas men^.: n ^r o ,,,w ..
etc.) taiveznaodesconiie disso. tambem a refrescar o sangue. J a V* S' tod s s venturas Por ser
E" mao sempre, meu caro Anio Gonsal d'Aze- .' V .,' n de V. S. muito respeitador e i brigadisSimo
to, praticar acto; que dci.unciera caracer v,i, Aob dientes desta o ferm d de, quaijdo o uirio.-Fra*c8coBertguerCeS,rde.Ve-
infame, olha que .Nio se espoem assim a irri- seu estado de gravidade e tal que a febre'
sao, nao se langa to atrevidamente o ridiculo so- elhica os accommc-tte, prescrevo-ihes o su-
bre homens que nunca nos ofTenderam, e cuja uni- c0 de ,n |jmr0 ,jssoiv,o em uma Chicara
ca culpa, salvando urna on ou'.ra excepgao, se mais j, CQm b^nl( ^
nezes.
de urna ha, terem soffrido infelicidades na sua u "SUd "" "fiante assucar era ora grande
carreira commercial. Anio, tolos dizem que nes- copo para misturar com um papelinho dos
la parle o teu proceder infame, miseravel, eeu, pS refrigerantes para tomar, com que ali-' tosas", ao reino vegetal, e perlence classe
apezar de te ser dedicado, nao posso deixar de re- viam no acc iiimeimento da febre e Dela!(los tonicos e desobstruentes, sondo em prega-
conhecer que obraste de mabeira a jasliOcar a r.i- ._.= Yarftno 0,i,orn Aa vuum(l" rLur, aa cora '^ligern conlra as febres intermliente
ma de estupido villo e hornera de ms eniranhas; mam'>a O xarope etherio de \elame. 1 enllO acompanhadas de engorgiumenio de Ogado e baco.
pois nos vemos um hornera a quera urna grave aconseltiado, que fdcam USO de vegetaes de *
doenga prostrou no leilo da ddr, ou mutilou um
membro, o n;1o s nao temos delle compaixo, ape-
zar ile pdennos vir a soffrer tanto ou mais anda,
mas vamos de propo=ito procura-lo onde elle est, amargosas, que fortifican! O estomago e Ser-
A juruheba uma das substancias melicamen-
Ella tem sido applicada com incontestavel proveito
natureza acida, como laranjas, lmes, pi- contra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar-
uvas, etc., e applicacoes de plantas ; r!0 dabeaiga e mesmo para combater a menstrua-
gao difflcil, resultante da mesma anemia ou chlo-
rose.
tangas,
arrastamo-lo praga publica, e sollamos-lhe era fa- vem ao mesmo tempo para destruir e miti-,
ce estrepitosa gargalhada? Ol! o animal rnais m- gar a sede.
mundo da creag.io sentirla tilvez repugnancia ins- A cra \ Tnannina Ap tinctiva em o fazer, e lu nem ao meos por im- m_ U" JOa?1 "^i ,de, ,,arr1el0.' lcnt]
tinelo (j nao fallo na razao enferma e alejada) uma suaescrava fallecida desta molestia, Sb-
deixaste do praticar essa vjlleza___era injusto mettida ao tralamento de seu medico, resol-
para comiigo suppondo nao teres to rulra carac- veu procurar-me para tratar de um outro
16 Ma?! paUrTqueeo galo escondido tivesse sempre o eSCrav0> ..f "^ da *" ^"frmidade, Deposito, pharra.cia de Pinto, ra larga do Ro-
rabinho de fra, aposentaste tambem, para figurar prescrevi-lhe O xarope de veame, tem me-
na lista do conselho deliberativo, um cobrador vita- Ihorado COnsideravelmente.
licio, quig para molestar o que tu e o leu servente A senhora do Sr. Antonio Francisco Ho- OUQ.G DUOllCtl.
6'too.Yenvergonhado, tendes atravesado na gar- n0rnto fot desengaada por habis mdicos Purificar.) a respeito de alguns dos medicamentos
Disse-se immediaiaraenie (v que ms hoguas I) desta cidade, esleve prostrada, e nos ulti-l da casa Griraault & C.
que tu, protector de gatunos e safados por encelamos paroxismos da morte, foi com o xaro-; Alguns jornaes publicaram uma ordena-
lenca, desejarias lalvez, para ter no estabeleci- pe de veame salva, como se v da carta cao dj conselho de sade portuguez, "aue
3| atter tu, promover para o indicado, impreSa n0 Jornal do Recife de 9 de feve- prescreveu os medicamentos preparados pela
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope id^m.
Vinho idem de idem.
Piiulas de ext. idem.
Deposito, pharnncia de Pinto,
sario n. 10.
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tralamento das affecgoes do systema nervo-
so e fibroso, taes como :
Gotta, rheumatismo, paralysla,
Dores, impotencia, esterllidade,
Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre ludo, da
maior utilidade para curar radicalmente, e em
pouco tempo o rheumatismo.
Adverle-se que o verdadero xar.pe s se vende
nesta cidade na botica cima iudicada, do abaixo
assignado; e em outra qualquer pane que se tem
annunciado nao da mesma composigao, e nem o
abaixe assignado se responsabilisa.
Jos da Bocha Paranhos.
A jurubeba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
muito conhecidas nao s no Itrasil, pois c,ue dellas
traten Pisn em sua excellenle obraSutoria na-
luralts et medica India occidentalis, seno as
Anlilhas, onde o sueco das (binas e fruetos como
aqui, muito estimado e appbcado conlra as obs-
Irucces abdominaes, principalmente do ligado e
bac ; e se todos os facultativos desta provincia o
n; nao reconheccrem elles essas virtudes, mas slm a
nao serem encontradas com facilidade e em todas
as estacoes do anno os fruetos des>a planta, e re-
pugnancia, que apresentam os deentes em fazer
uso do sueco desses fruetos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao deseoobeeida dos botanistas :
esta planta pertence familia das sotaneas, e lem
a ilenominagao de solanum pamctilatum, que lhe
foi dada por Lyneo.
Pare'endo-nos conveniente facilitar o uso do
sueco dos fruetos da jurubeba, que o mais em-
pregado, nos proponernos e conseguimos preparar
cora elle nao s um extracto alcoolico que pode ser
applieado em piiulas, mas lambem um vinho, um
xarope, e um emplastro que pode suhst luir, em
certos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos que
com isto prestamos um servico bumauidado a a
Ihcrapeolica.
Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
coeco das raizes da jurubeba, e Mrat e Delens,
em sen Diccionario de materia medica e therapeu-
tira, dizem quo as An'ilhas se faz uso do sueco
dos fruetos maduros dessa planta conira o catar-
rbo vesical ; e a autorida le dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
snas palavras, e por isto cuidaremos de ler em
nosso estabelccimento essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
A repntacao da jurubeba (al, e os resultados
therapeoticos obtidos ltimamente sao tao impor-
tantes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, que (lea escripto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Ahneida Pinto.
assim que
os doentes, cujo estomago n5o pde suppor-
lar nenlu.ma preparagao marcial, loraam f-
cilmente o oleo de finado de bacalho ferru-
ginoso de Chevrier.
Os senhores Maurrer & C. acabam de re-
ceber um grande sortimenlo dos celebres
azeitcs desinficlado de Chevrier .e ferrugi-
noso de Chevrier.
Vende-se na pharmacia de Pedro Maurer
* C, ra Nova n. 18.
GOMME10IO.
Gaixa filial do turneo do Brasil era
PemambDCo.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Itio de Janeiro e sobre a caixa filial )
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de peroambuco.
dmimstradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagam o Ia dividendo de dii massa
na razao de 0/0 sobre o valor des tilulos ad-
meltidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
tfovo banco de Pernam-
buco.
O banco desconta letras na presente semana a
9 por cento ao auno al o prazo de seis mezes,
Caixa Olial do banco do Bras2
cm Pernambuco.
De ordem da directora desta caixa se faz publi-
co aos senhores accionlas, que o respectivo the-
soureiro esi autorisado a pagar o 23* dividendo
do semestre fiado em 30 de junho ultimo |a razao
de t25 por aegao.
Caixa filial do banco do Brasil lo de iulbo de
1865.
O puarda-livro?,
Ignacio Nones Crrela.
ALPANOBGA.
Rendimenlo do dia t a 28......
Idem do dia 29...............
4i2:i8:58i:l
90:7991932
463:2817i.
MOVIMENTO DA ALFADEUA.
Volumes entrados com fazendas----- 84
c com gneros..... 584
Volumes sahidos cem fazendas.
cora geaeros.
668
68
867
------935
Descarregam uo dia 30 do correte.
Barca portugueza-Sj/mpii/fia- diversos gneros.
Escuna inglezaAnn Granidiversas mercado-
rias.
Brigue nacional.Vormapedras.
Barga portuguezaAlexandre Hercnlanosni.
Brigue porluguezS. Joscharque.
Barca nacional Valle-idem.
Barca inglezaLooA" Okcarvo.
Importaco.
Navio porluguez Alexandre llerculano, entrado
de Uarseille, consignado a Itabello, manifestoa o
seguinle :
127 pipas e 365 barris diversos viotaos ; a Tis-
set freres.
12 pipas, 10 raeias e 106 barris diversos vinhos,
2 cascos ignoro : a ordem.
35 ditas. 295 barris diversos vinhos, 6 pipas vi-
nagre : aTa^o rmaos.
1 caixa agua de flor de laranja ; a J. da Silva
Faria.
100.000 kil-'gramas de sal; ao capiiio.
RECEBEDUIUA DE IlENDAS INTEll.VAS GB-
RAES DE PEKNAMBCCO.
Rendimenlo do dial a 28...... 4t:OI033!
Idem do da 29................ 6540531
41:6665962
' > 1WII'tgwn~ '-Tfl^-Jl
Marios entrados no d:a 29.
Ass15 dias, lancha brasileira Graciosa, de 90
toneladas, capilao Jos Gomes da Costa, equipa-
gera 8, carga sal e pallia; Bartholomeu Lou-
renco.
Rio de* Janeiro pela Babia e Macelo9 das, e do
ultimo porto 20 horas, vapor inylez Titules, de
771 toneladas, commandaote Markweil, equipa-
gem 35 carga algodao, assucar.
Nucios sahitins no memo dia.
\t OTIT18** 6~kl?k] Sucios sltalos no memo
}\ lilil ?i\ fi PEj& Rio-Grande o Sal- Patacho brasileiro Neto, capi-
^clenci.ts e medclua. lo oslgoacio Fernaudes, carga carvo de
L-^e na Union Metical* de Pars: !LivPerdpr*(:1_arca -mleu Orion, capi.ao Samuel
Os jornaes de medicina fallaram por va-, Uower, carga algodao.
ras vezes de uma descoberla importante! Aracatyilyate brasileiro Exhaiaco, capitaoTra-
para a therapeulica, que consista ra desin-j ano" Antuoes da Cosa, carga def.renies ge-
feccao do oleo de figado de bacallao sem
lhe tii ar nenhuma das suas propriedades.
Temos o prazer de annunciar hoje aos
nossos leilores, que esse resultado foi obti-
nuros.
^i
BKTAIS.
perlal ordem da Rosa e juiz de direito, especial
do rommercio, nesta cidide do Recife de Per-
oambuco, por Saa Magestade Imperial e Cons-
titucional o Sr. D. Pedro II, a quera Deus guar-
de, etc.
Faco sabe! aos que o presente e.iilal virem e
lugar o teu srvenle Chico, rapaz vergonhosissimo,
probidosissimo, zelosissimo no cumprimeuto de seus
deveres, inimicissimo de figurar nos livros ou car-
reiro de 1863. casa Grimault & G. de Paris, com o pretex-
0 escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel to que esses acreditados pbarmaceuticos
teiras de lembrancas do maior numero possive de Rodolplio Joao Barata de Almeida, foi tam- foram condemnados pelo tribunal do Seina
c,edTe%1s?onheclVParlM desengaado por habis mdicos, e por terem vendido medicamentos secretos
E' louvave, ou pelo menos nao merece censura, com xarope de vellame acha-se completa- e falsificados,
que uns patrocinem os outros (lobo nao come lo- mente restabelecido, como se v tambera Essa ordenacao parecer bem extraordina-
bo) meu Gonsal d'Azedas. Mas. com quanio se da carta impressa do mesmo Sr. tenente- ria quando se ti ver lido as seguinles cir-
s^conc!s^Tua2 jaSrdVuis: corno"er' *s *f%lh cumfrias i f ,,
de, tem sido commentado, e serve de assumpto ri-j br\ Antonio Ghristiano Fogt, filho do 1. A sentenga de que se trata foi dada
diculo de todas as palestras o papel trisiissimo que Sr. Christiano Fogt, proprietario e estabe sobre a denunciacao de um dos concurren-
ests representando, de parcena com os teus ser-' lecido na cidade de Macei, o primeiro bem les dos Srs. Grimault ex C., e sobre as in-
Sra,^ nesta cidade, pois que foi erapre- formacoes inteiramente erradas queforara
na urna e apuradas tres chapas, reconhecendo-se 8aa na casa 9 Sr. Len Chapcm, retra- dadas ao tribunal,
que a letra de 2 era do teu servente Jos Maluco, lista estabelecido na ra da Imperatriz, ac- 2. A sentenca foi dada por um tribunal
i podessei ver se, nao o consegrando, fosid nariz depapagaio, e a de outra era do ouiro teu' commettido desta molestia, foi daqai desen- de primeira insUncia, e nao tem valor al-
abricar dous moleques, um soltando tra- srveme CAco Xenvergonhado, combinando com a ffan,idn nnrhahpis mprlirm wfirnii mm mim \t\ar, mo so annollnn fn nnr nma
ques, evaporacao ftida que a tua torca esta' eos- celebre chapa, que mandaste publicar no Diario ga", por ,.aDeis melC0s retiiou-sepaia gum logo que se appelloa foi por uma
turnada a deixar sahir ruidosa e livremenle, e o- de sabbado, differindo apenas tres ou qualro no-,a *>all,a e 31" COntmuoU em tratament J ate manobra desleal 6 contraria a todos OS USOS
tro atirando ao ar com uma cebla pobre i Ora,; mes. | que foi segunda vez desengaado pelos me- que os concurrentes dos Srs. Grinault & C,
Vinhas conhece le, nao queiras forcar a tua naiu-i Meu Gon-m/ d'Azedas, pelo amor que te profes- dicos dalli, chegando eu em Macei, um fizeram distribuir em grande numero OS ior-
reza; lembrale do que eu ha pouco disse-aun so, eu te supplico que le des mais arespeiloeom am-0 Dec|0.me nilP 0 acomnanliasse al a naes iudiriaes p mandaram nnhlirar
nasceu para o vitUem nao chega aos trinta ris. teus caixeiro?, para que nao se diga, como ia se dl,1IKu peu|U "IB> que o aiompannasse ate a naes juuiciaes e manaaram puDUCar
do de modo o mais completo por um hbil o Dr.Tristto de Alencar Araripe, official da im-
pharmaceutico de l'aris, oSr. Chevrier, que!
conseguio desinfectar o oleo de ligado de
bacalho om o alcatro e o balsamo de
Toln. As experiencias feitas por muitos de
nossos praticos celebres, nos hosp t;es e so-
bre seus doentes particulares, as analyses e J'elle nolil'ia ,ivercm 2ue.no dia ,8 de embijo
ensaios de chimicScompetentes, nao dei- *SSS5JRf JSfUf A*.
xam nenhnma duvida a este respeito. seguinte:
Relatamos aqui as proprias palivras de A propiiedade denominada Sant'\nna cita nr.
um juiz muilo eminente e competente o Sr. '"euezia do Poco da Paneiia, na qual existe um
nr F Ilnmhorl Knrpmln rli acait iir. l. uumnert, laueauo aa acaemta tm- estad0; e Hma dila eanMa uraa t,|aria em rBiMS
penal de medicina, e professor de limica. avahada em 7.0005000. A qual fora penhorada
Submetti a analyse, diz este distincto por execugao de Antonio Jos de Castro, contra o
professor, O oleo de figado de bacalho na- i bacharel Joaquim Francisco de Miranda.
tural (lesirifectadn neln nrnrpssn dn Sr TIip- ^.Da- havendo lancador que cubra o preco da
tuid uesmrectaao pcio processo uo sr. t-ne- aVaiacao. a arremataco sera' flla pelo prego da
raer, e posso certificar que esse producto adjudicado na formada le.
nao perdeu nenhum dos seus principios E para que chegue ao conhecimento de todos,
medicametOSOS nem cllimiCOS, que Se mai,dd Pajaro presente que ser publicado pela
,.._ .1__i c.,i j w 11.1 i- imprensa, e alnxado nos lugares do costume. Re-
acham no oleo de ligado de bacalho ordi- d^ 2( d'e agosIO de 1865 b
nario. A fraca p/oporcao das substancias: Eu'M^noel Maria Rodrigues do Nascimeato, es-
estranbas que se poera no oleo natural para crivau, o subscrevi.
dissimular o cheiro e o sabor desagradaveis, n n. T ,. J'"'5'"0 <* Alencar Araripe.
O Dr. Trslao de Aleocar Araripe, official da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desla cidade do Becife de Pernam-
buco e seu termo, por S. M. Imperial e Cousti-
lucional o Sr. D. Pedro II, a quem Deas guar-
de, etc.
Fago saber pelo presente que por esle juizo e
em
O desditoso Vinhas quer rae.ter-se a engracado diz, que to cachorros sao uns como o oulro, que casa 00 br. Cbnstiano, para ver um doente Franca e nos paizes cstrangeiros uma deci-
por forga, quer ler sal a raartello. Nao pde, elle a respello de vergonha na cara corris parecas tu e prescrever-lhe algum remedio, encontrei sao que 6 nulla, sem nenhum valor emquan-
eomoque senle a sua inopia ; e ento de que ha de e eUes, que taes criados, tal amo, ele, etc., etc. 0 filho em uma cama desanimado e em es- to O tribunal imperial nao a Ver approva-
ooiano leraorar-seT de pflr os amigos como i Observando o caminho que as cousas levam, iado de nrnsfracSo nnk mip pcsrrava san rln o rlpnni dallp n Irihnnal ennromn""
rompan/tetros de orgias, como de votos do Deus creio que nao tardar o dia em que os moleques te ldU0 af. Prosirav30. pois que escarrava san- ao, 6 aepois aelie O iriDunal supremo.
Lacno,.. Vaos intentos, meu pobre Vinhas; olha tornera a' sua conta, o te deern apupadas a' porta S^e e ttnna completa inapetencia e fraque- O tribunal imperial nao decidi, mas
que realmente lenho do de ti por vr que fina da loja. Meu Anto, isso o diabo, e quem est za, a ponto de nao se poder por em p, no sim, por qma sentenca de 17 demaio pro-
orga queres fazer espirito e de cada vez maiores de porta abena, e tem a cara tao estanhada, su- gra de uma garrafa do xarope ethereo de ximo pissado, ordenou nova vistoria, a que
paladas das. 01) animal I pois nao le lembrs do jeila-se a cousas destas e aiuda peiore,, o que mu- vpiamp sp aPhava pIIp no ecladn ia na- tinha motivado a Apchn rlne in7P da nri-
diciado chama, antes que te chamem? nao te to entristecer'o meu coraco que te ama com a ve'ldint d ie acnavaeue no esiauo ae pas-. unoa motivaao a aecisao aos juizes aapn-
iembra dos maiios pagodes em que te cabe sempre \maior pureza de affecio. sear em casa, desapparecida a inapetencia e ^ meira instancia ibes tendo parecido insufli-
0 honroso encargo je amarrar o gatol nao te Atienda aos raeus rogos, que o losuspeitos, vis- os escarros de saogue ; e a tosse mitigados, ciente, depois das novas experiencias intei-
nao pde de nenhum modo alterar suas,
propriedades medicaes e s a torna de um
uso fcil e mesmo agradavel.
Em resumo, o oleo de figado de baca-\
Iho desinfectado pelo processo Chevrier;
goza de propriedades idnticas ao oleo de canorio do escrivao que este 'subscreveu e "fez pas-
figado de bacalho ordinario, que elle repre- sar o presente, corre uma execugao de sentenga,
sen ta exactamente. entre partes como exequente Henrique Jos Alves
ciio AniA k.. ti...^ ..i. !, Ferreira e como executados os administradores da
Elle e muito bem tolerado pelos doentes, massa fallida de Amr]m Fragoso Santos 4 a e
OS quaes elle nao anoja e e tomado peas proceguindo a execugao os seus devidos termos,
pessoas cujo gosto e olfato Sao dos mais SUS- prosedeu-se a penhora em dinheiros pertencentes
ceptiveis. aos raesraos exeeulados, pelo que o solicitador Ig-
Ur.n 'mu, n i/v ,i a Hoje que O Oleo de figado (le bacalho em audiencia do dia li de novembro Jme fez o re-
tem-s:- tornado um dos agentes os mais im-' queriraenio do theor seg.uinte:
portantes o preciosos da therapeutica, quem I Aos 14 de novembro de 1864 nesta cidade do Re-
descubri O meio de o tornar de um USO fa- j J'ff de Pornambuco, em publica audiencia que aos
cil nar-i Indos nnutnn nm vprdidfirn Pr : fel,os e as parles fazia r- )ulz de direit0 e?Pecial
CU para toaos, prestOU um \eraadeiro ser-^ do commercio Tristaode Alencar Ararme, nella
MfO a arle de curar e aos praticos. j pelo solicitador Ignacio Barroso de Mello procura-
Por isso nao podemos concluir melhor. dr 0 exequente Henrique Jos Alves Ferreira,
do que felicitando o Sr. Chevrier por sua: fra.accusada a Penfiora que sosegu feiiaem di-
;/, ;i a__i._.. .___.JV,. nheiro perlencente aos executados, requerendo que
rica e til descoberla que merece de ser.naoS6aos mesmos ftcassem assignados os seis dias
propagada, e dizer com meu collega O Sr. da le, como os dez dias aoscredores incertos, pas-
Dr. Richelal os trabalhos que conduzem as sando-seoseditaes doestylo, e reqaerendo na raes-
descoberUs d'esta especie devem ser pro- ma occasiao 9ue e passaase mandado de remogo,
tPoidris nplns mprlicns para ePml Publico e achando-se presente o
tegiOS pelos mdicos. solicitador Miguel Jos de Almeida Pernambuco
US importantes trabalhos do Sr. Ghevrter procurador dos executados. por parle destes pedio
sobre o oleo de figado de I acalho lhe fi- vfata.
zeram obter um resultado nao menos im- .Termos em que houve dito jaiz ambos os reque-
portante. o qual consiste em ter associado o riE2rrtFo^resenSdo protocoiio de audiencias, e
ierro ao oleo de ngado de bacalho. O oleo junio o mandado e termo de penhora.


JVH
MMMMIlHVMMHWMHi
Diarlo de rrr.; irabnr.. Cuarta felra'80 de Agosto de 1*.
s
!
En Faustino Jos da Fonceca, escrevente jura- 0 De. Tristao de Alentar Araripe, offlcial da im-
perial ordena da Rosa, juiz de dlreito especial do !
cotomercio desta cidade do llecife de Pernam-
buco e seu termo, por Sua Magestade Imperial e
constitucional o Sr. D. Pedro II, a quera Dos i
guarde etc.
Faco saber pelo presente que no dia 4 do mez '
mentado o eserevi.
Bu Manoel de Carvalbo Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Segindo o que assim se continha era dito re-
qoerimento de audiencias, depois do qual o mesmo
solicitador Ignacio Barroso de Mello, procurador do
exequente, em audiencia do dia 19 de junho do cor-1 de seterabro do correte ar.no, se ha de arrematar
rente anno, rae fez o requerimento do tbeor se- por venda a quera raais der em praca pblica, de
gurate :
Aos 19 de junho de 1865 nesta cidade do Recito
poig da audiencia respectiva, urna casa terrea sita
na cidade de Olinda. a ra do Amparo n. 14, cora
de Pernamhuco, em publica audiencia que aos tol- 31 1/2 palmos de largura e 88 de comprimento, I
los e as partes fazia o Dr. juiz de direito especial quintal em aberto, sala nfrenle cora gabinete,
do commercio, Tristao de Alencar Araripe, nella quatro quartos, sala a traz cora cozinha dentro, sen-!
pelo solicitador Ignacio Barroso de Mello procura- do essa sala assoalhada, avaliada era 8005, a qual]
dor do exequente Hi-nrique Jos Alves Ferrira, vai a praca por execuco de Joao Manoel Rodri-
reqnendo que havendose desencaniinhado os pri- gue, contra Marcelino Rodrigues da Silva e sua I
meiros edilaes, se Ihe mandasse outros cora salva raulher. E na falla de licitantes ser a arremata-!
do primeiro, e que lancava de preva, e requera cao feita pelo- preco da adjudicacao cora o abaii-
que fossem os autos com vista afinal. ment respectivo da le.
O que ouvido pelo juiz assim o detorio. E para qoe cbegue ao conhecimento de lodos
Extrahi o presente do pmocollo de audiencias. raandei fazer o presente edital, que ser aflixado
Eu Manuel Silvino de Barros Falcao, escrevente nos lugares do costurae e publicado pela iraprensa.
juramentado o escrevi. Dado e passado nesta cidade do Recito de Per-1
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrale, escri- narabuco, aos 9 de agosto de 1865.-Eu Manoel
vo o subscrevi. de Carvalho Paes de Andrade, escrivo o subs-
Seguindo o que assim se coutiuha em dito reque- crevi.
Tristao de Alencar Araripe.
BEOilCSES.
rmenlo de audiencia aqui transcripto, depois do
qual o mencionado escrivo Manoel de Carvalho
Paes de Andrade, que este subreveu e fez passar
o presente edilal com o prazo de iO das, pelo qual
e seu iheor chamo, cito e hei por citados a lodos os
credores incertos dos drtos executados, para que
dentro do referido prazo comparecam ante esle Convida-se as pessoas que esto as
juizo, allegando e provando u que for a bem de condicoes do servir-ir militar- a fruraiarom
t-eus dire.tos e justiea sob peua de so proceder as Z~r ,Q0 serv.'^ mimar, a engajarem
suas revelias. no corpo de polica e gozarern das vanta-
E para que chegue ao conhecimento de todos gens d i le provincial n 611 de 2 de maio
sao as seguiutes :
sold, seren seus n-
Ihos menores recolhidos aos estabelecimen-
tos provinciaes de educacao e o tempo que
estiverem na guerra ser contado pelo duplo
para o caso de aposenta doria, e alm destas
tem todas as mais vantagens que s5o con-
cedidas aos voluatarios da patria. O te-
nente-cor.)nel commandante do corpo de
polica, Alexandre de Barros e Albuquer- j
que.
maudei fazer o presente edilal com o prazo de 10 prximo passado que
das, que sera afflxado nos lugares do costuraee J.UOll s rliarinarta si
publicados pela imprensa. ; ,.3* U '** ludn0> e si.
Dado e passado uesta cidade do Recito de Per-
nainburo.aos 21 de junho de 1864.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcil da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do com-
mercio, por S M. Imperial e Constitucional o
Sr. D. Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Pao saber aos que o presente edilal virera e
delle noticia tiverein, que no da 18 de selembro
do crreme anno se la de arrematar por venda a
quem mais der em praca publica desle juizo o se-
grate :
lio sitio sito na estrada de Joao de Barros, tendo
un portSo na frente com pedagus de muros as lado'
urna casa cora um soio dentro do sitio, tendo a
casa trila e ciuatro palmos de frente e oiteota e seis
e fuudu, leudo era roda da mesraa casa urna cal
ci la Cora pilares, duas salas, quatro quartos, cosi-
nha fora, e no solio tres quartos e una sala, com
cnnba, lauque, casa para pretos, e UID leheiro
com apeirei-hos de moer e fazer farinha era mo
eiado, Iciido ara lerreuo com largura para ambos
o- lados, para planlacoes, algumas rueleiras, sen-
do a largura do dito sitio de 37o palmos e 50 de
fundo, avahado era 10:0005.
O qual fora penhorado por execuco de Jos Han-
Jo do I!, o Brrelo, contra o hachare! Diodoro Ui-
piauo Goelho Caiaoho.
F nao ha vendo lancidor que cubra o preco da
avaliacao a arremataQo sera tolla pelo prego da
adjudicaco na forma da le.
E para que chegue ao couliecimeulo de lodos
in uiJei pausar o presente, que sera publicado pela
i ni prensa e aflixado nos lugares do cosame.
Colarte do Itecife de Peruambuco 18 de agosto
de 1865.
Eu, Manoel Maria Itodrigues do Nascimento, es-
crivo o subserevi.
TristCio ile Alencar Araripe.
O Dr. Trislo de Alencar Araripe, offlcial da im-
i erial oniem da Rosa e juiz de. direils especial
do coiiiiiierrio nesia cidade do Recito de Per-
iniubuco, por Sjia Magesiade Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a qunm Dos guar-
d etc.
Fago saber aos que o presente edilal virem e
delle noticia liverem, qae Lino de Faria me diri
gio a petico do Iheor segrale :
lilm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio.Lino
de Paria, como liiiuidatario da Orina Paria 4 C,
sendo Pedro Kuarque de Marido devedor daquan-
lia -le 33OJ940 rs, Amonio Germano Alves da Sil-
va i- I:432f990 rs., Antonio Ferrira da Cunha
D'oirJiiKl rs.. Manoel Hollauda Cavalcanli de Alhu
qn. i.ue 3utl, Felippe Smoes dos Santos de 130.8,
e Francisco Amonio de Oiiveira e Silva 2:097>420
rs., sendo todas essas dividas provenientes de le-
tra-, que ja se acham vencidas, e querendo nter-
romper a prescripcao da forma do art. 453 3."
to eu ligo, requer a V. S. se digne de mandar to-
iii:ir por termo o seu protesto, alim de em qual-
UU dos o importe de suas respectivas letras, sendo o
nn-mo protesto intimado aos supplieados, pas oo-e jiara isso carta precatoria para o termo de
Barreiros, onde mora Aulonio Germano Aives da
Si >. sendo os mais por edilos, visto estarem em
|Ugar incerto, admitiindo-o V. S. a justificar essa
i
tuerten.
I le V. S. se digne assim o deferir.E R. M.
Lino ile Faria.
E nais se nao continha em dita peticao aqu co-
piada, ua qoal dei o de.-pacho do Iheor scguinte :
Sim, devendo justificar a ausencia no dia 4 do
rrmiiemet s 11 horas da manhaa.
Itecife, 2 de agosto de 1865.Alencar Araripe.
L mais se uae continha em dito despacho aiui
o id ), i in virtude do qual tora a mesma peti-
distribnida
f garrafa de mel rozado.
3 oncas de nitrato de prala chnstalisado.
3 garafas de oleo de ligado de bac.Hlnau.
1 dita de oleo de amendoa d5ce.
12 vidros de opodeldocb.
30 garrafas de oleo de ricino.
1 resma de papel almasso pautado.
2 libras-de pulpas de tamarindos.
2 ditas de pomada de saturno.
1 raixioha de pennas de aro..
5 libras de resina de angico.
1 raz de altea franceza.
6 garrafas de Serveja medicinal.
5 libras de sevada.
6 vidros de salsa parrilha de Brislol.
50 sanguesugas.
1 libra de trtaro emelico.
4 libras de unguenio rozado compos-lo.
2 ditas de dito branco.
1 estojo de pequea cirurgia porttil.
10 garrafas de xarope de resina de angico.
2 ditas de dito de oleo de ligado de bacalho.
2 ditas de dito de raorpbina.
4 ditas de duode Ul.
3 ditas de dito de iodureto de torro.
8 ditas de dito de lirao.
Para o presidio de Fernando.
6libras de aflln ctrico.
2 ditas de acnito.
40 garrafas de alcool de 36 graos.
4'i dlias de agurdente.
4 ditas de agua de flores de laraogeiras.
8 arrobas de assucar refinado.
4 libras de amendoas doces.
1 arrobi de Lamia de porco.
2 libras de caraphora.
4 libras de caibonalo de maguesia.
4 ditas de caroba.
8 oncas de extracto de belladona.
8 ditas de dito de genciana.
2 libras de U r de tilia..
i ditas de gomma arbica.
8 migas de iodureto de ferro.
i libra de dito de polassia.
4 arrobas de Imhaga.
4 libras de uiacella.
4 ditas de mercurio metlico.
4 ongas de nitrato de piala brando fuuaido.
16 horas de oleo de arnendoas doces.
30 ditas de dilo de ricino.
8 ongas de oxido rubro de mercurio.
1 rollo de visieatono de Albspierre.
Quem quizer vender ditos medicamentos, apr-
sente suas proposlas na sala do couselho s 10 ho-
ras da manhaa do dia 30 do correte.
Sala do conselho de compras do urs-nal de
guerra de Pernarabuio, 26 de agosto de 1865.O
encarregado da escripturaco,
_____ Manoel Jos de Azevedo Santos.
Arrema tcito.
No dia 30 do correte raez'depois da audiencia
do Dr. juiz municipal da segunda vara vai *a pr.v
ga por venda a casa terrea n. 26, na estrada de
Joao Fernandes Vieira regdzia da Boa-Vista, em
chaos proprios, Com 50 palmos de fn-nte, 43 de
fuudo, 2 salas, gabinete, 4 quartos, 2 coOnhas, so-
to deuiro com janllas para os lados, quintal
grande com fructeiras, cacirana etc., avahada em
2:6005 com abatimento da quima parte em......
2:080,5.
Ciniselho de compras navaes.
Contraa o conselho no dia 5 de selombro prxi-
mo vindouro, sob as couligoes do eslyio, o forne-
EbiTiptoriO da Lumpanllia do Bebertbe cimento de vveres, dietas e outros objectOS de
-o de agosto de 186o. consumo para os navios da armada, a eslabeleri-
0 secretario, melos de marinha no trimestre de outnbro a de-
Dr. Juj Jos Pinto Jnior, ^o do crreme anno.
t>ao olijectos do forneciraent > os segrales : ar-
I" seccao.Secretaria da polica de Pernamhu- roz do Maranhao,assucar branco grosso, aguarden-
c.o, 2o de agosto de 1865.-De ordem do llIui.Sr. te de 20 graos, azeite doce de Lisboa, dito into-
PERSONAGENS 60 PROLOCO.
O commandante da fragata Santa
Rosa....................... Lisboa.
O immediato................... Pinto.
Henriqaes Soares, aspirante da
guarnigo..................... Amoedo.
Francisco Nogueira, dern dem..: Te xeira.
Jacob Abraho, negociante....... Porto.
Manoel Escota, primeiro raarl-
, ^"elro ..................... Simoes.
Jos, criado da cmara.......... Sania Rosa.
Um guarda marinha............ Borges.
Outro offlcial................... Pixoto
l*apirame.................... D. Camilla.
'"o........................ D. Jesuina.
Um pagem.............,....... N. N.
A ni-nina Sara, filha de Jacob.... D. Mmi
Olltoiaes e aspirantes oa gtiaruigao etc., ete.
PEllSONtGENS D* PE^A.
D. (jiiiihermina de Mello........ D. Joanna.
Adeha. sua filha................. D. Eugenia
Hearique Soares, negociante...... Amoedo.
Frannsco Nogii -ira. artista......
Manoel Escota, guardio daiarma-
da.........................
Collares, procurador de LL Guilher-
mina.......................
Souza, guarda livros de Henrique.
Jo.-, criado....................
U meudigo.....................
Mana, criada..................
A seena pas-a-se : o prologo a bordo di fragata
Santa R..sa no auno de 1834; os outros actos na
aclualidade.
O difficiliino |)ijel de Manoel Encola foi espres-
sameote escripto |iara o Sr. Siraoes, em que o dis-
liOClo artista se revella com todo o vigor do seu
bello talento nesii brilhante concepcao.
Dar fim ao esp-cticulo o rauilu applaudid'en-
tre-acto ornado de msica
mm L0N0N0.
Comegara' as 8 luas.
De una parle ra de Santa Rita sub ir, 9, em
cjios jn-oprios.
Cordelro r-iu?s '
por conla e risco de quem pertencer venifer* em
A tlenca.
Chamamos atlengo ao Sr. fiscal da freguezia de
S. Jos, ai.'m de cumprir coofos seu- deveres, vi*.
toa Exm" cmara muuicipal ter confiado diu'car-
go, para o ,T>esmo senhor desempenhar aquillo
que estiver em ;"eu arbitrio. Senhores, nao so po-
de mais comprar wa alguma na ribeira aos ma-
leilo a parle de predio cima devcripta, lidHBOV1 ms m oaUa da~ fT/,3S da &* V circubm
os pretHudentes procederem ao exame a querendo-l ,l>'nam1 conla ?"'"''OT 0 'eros, para poder
informagoes pode rao entenderemse cola o refcn--! noer aa m3aeri 'Jlle """" "> conrem, e logo
do agente, o leilo ser effectuado em p-iuco as pessoas que ru comprar f por isso
SexU-fdra-l. ie sctfmbro i 5a. fez PbLico para que o f/jtl daqreiia fn-guezia
as 11 ^IJ'poS'po^raC: ra da Crc TI S5JPJ* l
Teixeira.
SimSes.
Giwmares.
(jorges.
Santa Rosa.
Porto.
D Jesuina.
DE
12 mcias aguas na entrada da roa da Palma,
dentro do n/meiro porio do Jado direito, anda
novas, edificadas era terreno de 54 palmos de
frente e 103 de fundo.
1 dita em ponfo raaior jujnt ao porio, tendo
porta e janella,.cotn 1 ala, 1 quario e cosinha
renden! todas lu.> mensa/s.
Coi*Ieii*o *iiM\*
precedida a compefenle auiori*agSo far leilSo
das- casas terreas aciraa raencionaJas, sendo todas
de pedra e cal.
Os preiendentes pode rao examina-las cujo lei-
lo ser elfertuado
Sexta feira V de seiembr
as 11 horas em ponto, no armazein a ra da Cruz
n. 57. ;
I
LKII)
De urna eserava a |iIItvaectaJ!S^^!^TMotTOa^*'ca'^ d br""
c<^. r, i i branco com pintas encarnadas; c:iapo< de .'Oro
Sesa-feira i de selembro. com aba bastante erade e'nnyUote veiho. Esse
por causa de semelbanles diawos; o os malulos
avesados a esta ruina j iiiio prurtam alleug.io aos-
compradores, e se o dito fiscal nopozer cobro a
teso e nem aos saos guardas, eolio de que serve
ter-se naquellai freguezia dilo Beanw ? e pede se-
atiIllm.Sr. Dr. Cheto de polica para auxiliar eon>
a gaarda daquelJa rilwira. lodas as msshas, aflti*
d^ pe a mesma guarda achando-se no lugar on I*
ditas pretas fzem praga, possa prevenir semelbac-
te prorjdimeulo ? e arbaria bom que Ambem w
cainaraoror.urasse- /neio Oedilas pinnas agaren
direito, que lodo o real que par! da ribeira' por
essa ni.i.'ililageiiie
I'reois.vse de una au*> ffara casi de mogo
solleiro (estrangeiro)-para-cnzia*>ar e tratar da-ca-
sa, podendoser nacional' ou estr^neeira ; pagl-se
bem : a Iratar na roa dg Cruz re 54.
AUetfjfe
Fugto no dio 27 do cjrr;"nte mez e agosto, de
eogenno Frecbetras, fregu zia da Bscada, o escra-
vo mualo acabevulado de neme'Conrado, idade 18"
asnee pooeo 'raais on -menas,.estator alta, seeco
dotorpo, falla u:n nouco gago, bbm un i.-lula no
roslo do lado di:-wio, sarnis petucorp^, levando
Na praca do commercio em frente a AssoeiaeJ
Commercial.
COMPANHIA
DO
Sao convidados os Srs. acciouislas a reu-
nirem-.-e em assembla geral extraordioa-
ria no dia 31 do corrento mez ao meio dia
no escripiorio da mesma ra do Cabug n.
IG, alim de se deliberar sobre o determi-
nado no aviso expedido pelo ministerio
d'agricultura, commercio o obras publicas
em SI dejulho ultimo com referencia aos
novos estatutos desta companbia, roga-se
aos senhores accionistas ijue nao poderem
comparecer j>or si a essa reunio, mandera
procuradores espeeines para tal fim, ,ue s -
r d;i reforma dos ditos estatutos.
COtlPAWHIA BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia 3 de selembro o vapor AssociacaoCom'mercial.'
Tncanttns, commandante o pri-
meiro lente Pedro Hyppoliio
Duarie, o qual depuis da demora
do cosime s-goir iiora o< at-rtos do sul.
Des le j recebemse passageiros e engajase a
carga que o vapor poder comlozir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a fret at o da da saluda as
2 huras ; agencia rua da Cruz n. I, escripiorio de
Autogio l.uizde OlivBira Azevedo 4 C.
LELAO
Ba excellente chacra do Exm. Sr. desembarcad >r
Doria, no Manguinho, com as aecommodagies
que podera ser examinadas desde ja ptlos pre-
tendentes, os quaes dev:ro concorrer ao leilo
no dia
Terfa-feira 5 de setembro.
Por interveugo do agente Pinto, em frente a
hira o Rio de Janeiro
Pretende seguir com mnitl brevidade a barca
nacional HestauracOo, tem parle do seu canega-
uieiiio pro.'npio: para compltalo, e juntamente
para e sera fue e fo-i-s, para os quaes lera excelen-
tes comino los, tratase cora os seos consignatarios
Amonio Luiz d'Oliveira Azevedo ti C, no seu es-
cripiorio, rua da Cruz n. 1.
LEILO
Da elegante casa assonrada la, reedificada de no-
vo, com corheira, estribara fora, grande ba-
Dheiro de lijlo e cal, frralo de Cimento, jar-
dim, cercado e baixa de capira, era Casanga na
estrada real de Pao d'Allio.
Terca-fdra S-de setembro.
O agente Pinto fara leilo precedida a compe-
tente autonsago, da casa de campo cima inen-
eiouadaa qual se torna recommendada por ser
alm de mu f esca perlo da ponte pencil e da.es-
tago dos mnibus : o leilo sera' effectuado as 11'
horas do da cima dito ua praca do coinmereio
em frente a Associagao Commercial.
vtnm DIVERSOS.
eseravo foi comprado- pelo sen aetoalseirftor Jo-
Rodrigue de Sena Sanios, nesta -idade. no dia 19
deale mesmo mez, ao Sr. Fran--isn Gineatvps Li-
niiares. morador luf MAagres, proyocia d Oara,
teooo viudo por ierra -e pertencia a- parealh ou
IMwsoa de ametade b rtUo LfonaresjainJi lh* en-
tregaram para vender. Binase as autoridades po-
hciaes, capii-s de campo b pe.-s ja:v- paruculans,
de-appr-bvnjerein dito e-.:ravo e dirtfirem-se-a
seu senhor no referido eixenno, i u ai roa do Im-
perador n. t, a Amonio &>mes da Canta e Silva,
que se recompensara' bei.
O solicitador Pedro- Atexandriuo- da Costa
Machado, pode Ser procurad) para os mistares de
sua prolisso na rua de Santa Rita u. 13: primeiro
audar.
Jo- Luiz Alve< Villcla faz publico iue nesta
data vendeu ao Sr. loaqiilm AiHnii > di C'*.a Fer-
rira, o seu estabeleciuieul) oV taberna silo-na na
do Rosario da Roa-Vista n. &t livre e desembara-
do de dbitos e qu Iquer oaus. R-cife,.28'-de
agoslo de 1865.
Jos Liria Aivps Vi I lela.
Arrenda-se o eugenho Caiaaina no ierra-do
Bou Un. disia da estacao de Une menos de urna i-
goa ; tambem vende'-se a safra rrindl e dase 16
anmaes de fabrica, d'.igua : epsem pretender di-
rijaseao mesmo engenho a tratar' rom Joaqun
Jttetino de Almeida.
Tisset Frers previnem aos carregadores dos na-
diante documentos comprobatorios do seu dominio
legal e pagas as despezas com elles feitas u'aquel-
le eslabeleciraento.
Luciano, que declarou pertencer a Manoel da
Rocha Guiraaraes, da cidade da Victoria, recolhi-
do em 25 de julho de 1861.
Maria, que diz pertencer ao padre Acostinho de
Godoy, do termo de Garanhuns, recolhida em 30
de dezembro de 185'J.
Amaro, que diz pertencer a uns berdeiros, resi-
dentes no Rio Grande do Sul, dos quaes procu-
rador Francisco foto de Barros, desta capital, re-
colhido em 5 de dezembro de 1862.
Jos, que diz perlrDOcr ao capilao Jeronymo do
tal, do lermo de Campia Grande, na Parahyba,
recolhido eni 3 de abril de 1862.
Joao, que diz pertencer a D. Feliciana de tal,
desta cidade, recolbido em 17 de fevereiro de
1862.
Jos, que diz ser escravo de Gnncalo ofendes,
da villa do Cabo, recolhido em 11 de junho do
crreme anno
Mauoel, que diz ser escravo de Joao Pereira Ca-
po, do rejo ?a Areia, recolhido em u 1" de junho
do correte auno.
Roque, que diz pertencer Joao Nepomnceno de
Mello, da cidade de Xazarelh, recolhido eui 23 de
maio do crreme anno.
O secretario
Eduardo de Barros Falcao de Lacerda.
O ofcial do registro geral das hypoihecas,
Fulgencio Infante de Albuquerque Meiio, chama a
ailenco daquelles a quem possa nleressar para o
decreto n. 3,153 de 26 de abril do correnle anno, e
principalmente para o art. 259 1,2, 3, 4, 6, 7
manleiga ingleza, dita franceza, malte, pao, sabio,
sal, toucinho de Lisboa, velas steario i- e rindo do
Lisboa.
Ell'ectua o conselho o contrato avista de propos-
tas era earla> fechadas, receidas ou entregues no
referido dia 5 al as II horas da manhaa.
Sala do conselho de compras navaes, 30 de agua-
to de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos An/os.
: O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
40 uaneis de acull n 3.
1,600 conros para forro.
1 arroba galha.
1|2 dita de caparroza.
300 raeios de vaquetas.
2 eaixas retragos de vidro.
1 quintal taixas para sallo.
2 drtos ditas de eucostar n. 18,
Tudo para o presidio de Fernando em virlude da
ordem da presidencia de 23 do crrante.
Ibes sera' avisado por vu deste jorn*
esiao a oi*po*icao dos earre
a um freie, abano de -3 5 f
ajusfar rom os annonciaiite
Os navios
COMPAIfHIA BhASILEIRA
DE
CT^S \ VAPOR.
l' esperado dos portos do sul
at 0 dia 31 ile, agosto, o vapor
Paran, commandante o capito
de fralala Antonio JoaQim de
Santa Uarbara, o qual depois da
demora do costume seguir' para os portos do
norte,
Desdej recetiem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual ilever
ser embarcada no da de sua chegada, encomraen-
das e dinheiro a frete at o dia d i sabida as 2 ho-
ras da larde : agencia roa da Cruz n. I, escripto-"
rio de Aulonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
CONTRA FOGO.
,w7"...... "" "".?"" t n i T i j i-rovitios oe macninas approiwiadas satisfar
Sadorea para as volus ^ OOmpiUllll;! lUlieiUlllSaaOra co' PrompiMSo qoalquer pedido de tintas moida
es n,a do Tr'a'hiche n 9 establecida nesia praca. toma securos martimos! H5E&, ^, rua do Trapichen. 9. ^^ ^.^ ^^ ^'^ c,,nlra fu ,m ^P^ff* caminada pelo coasumidor, u qu
fugo
edilicios. mercadorias e mobilias: no seu escripto-
aio, rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
instiltiio A^cliei>!o|ifi e Geogrfico
Peiiiaftii'UCoino.
llavera sps.-o ordinaria .piinta-feira, 31 do cr-
renle, as 11 horas da manhaa.
OKUKM DO DfA.
TrabaIhos e pareceres de commissoes.
Secretaria do fostituto, 28 de agosto de 1865.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
Joao Ferrira d- Carvalho retira-se para
Portugal a tratar de sua sauJe
Para o rancho dos aprendices raen n-es deste arse- l'Ofti|>;iuhi;i Sus 9Icnsngcr'es | m
cao distribuida ao escrivo que ante mim serve e 8 do referido decreto que obriga, para que pos-
Manoel Mana Rodrigues do N'asciraento, o qual sam valer contra terceiro, a transcripgo (registro),
fez lavrar o termo de protesto do Iheor segrate : todos e quaesquer contratos, relativos a' compra e
Termo de protesto.
Aos 2 de agosto de 1865, en> meu cartorio com-
parecen o supplcante, e disse perante niini e as
lestemnnbas nfra assignadas, que reduzia a pro-
testo o contedo de sna peticao retro, a qual olTe-
re ij romo parte do presente que tica sendo, no
qoal depois de lido se assiguou com as ditas leste-
iiiiinlias.
Ku Adolpho Li ralo Pereira de Oliveira, escre
Vente juramentado o escrevi.
12 i .Manuel Mara Itodrigues do Nascimento, es-
crivo, o subscrevi.Lino de Faria.Jos da Cos-
ta -go Lima.Secundno Eliodoro da Cunha.
i-; mais se nao continha em dito leruio de pro-
Icsl i aqu copiado.
:-: leudo o supplicante produ/.ido suas testemu-
nhs, sellados e preparados os autos subirara
mili i eonclnsao, e uelles dei a sentenga do theor
iie :
H i por justificada a ausencia dos supplicados,
< i -e moslrou acharem-se em lugar incerto : e
maulo i|ue sejam elles citados por editos de 30
das iira o lim requdrido a folhas 2, pagas as cus-
tas ex causa.
Itecife, 5 de agoslo de 1865.Tristao de Alencar
Araripe.
K mais se nao continha em dita sentenga aqu
coj,; ida, por forga da qual o referido escrivo fez
pi-- ir o presente edita', polo qual chamo e intimo
os supplicados para qoe comparecam nrate juizo
deuiro do indicado prazo, alim de ailegarem o que
fio !,- jnsliga.
E pan que ch"gue ao conhecimento de todos,
man I -i passar o prsenle, que ser publicado pela
bun.-i a e alflxad i nos lugares do costurae.
II 'rife, 8 de rgoslo de 1865.
I" i Manuel Mam Itodrigues do Nascimento, es-
, o subscrevi.
Trislo de Alencar Araripe.
O Dr. Trislo de Alencar Arffripe, offlcial da im-
po .1 ordem da Rosa, juiz de direito especial do
.i..; merejo desta cidade do lecife de Pernarahu
i-. -m turnio, por Sua Magestade Imperial e
C uslitoeional O Senhor D.Pedro II, a quem
D os guarde, ele.
Pago saber pelo presente que no dia 4 do mez
de setembro do correnle anno.se ha de arrematar
por venda, a quem mais der em praga publica, de-
p i- ii audiencia respectiva : unta liarle da casa
d h; ido de uin andar e sotao n! 32, silo na rua
do l.i i menlo, com va randa de pao, duas salas,
qu tro quartos e cozinha no solio e quintal, ava-
lla u i o i a casa em 7:0005, seudo o saldo da dita
pan i:853380 rs., segundo a cunta fela pelo
c ii -I" do juizo, a qual vai a praga por execuco
O. ri;iico Amaro da Silva PassJs contra Frn-
ci-i do Prado. E na falta de licitantes sera'-feita
poi n la a quera mais der em praga pelo prego
u.i : lieacae com n abatimento respectivo da lei.
I. o i que chegue ao conhecimento do i -dos,
tu el fazer o presente edilal que s.-ra' adixado
n aires do costurae e publicados pela im-
pri-'i -rt.
II'-m' passadx nesla cidade do Recite de Per-
Ban.l ic i, aos H de agosto de 1865.
K M ni ..i de Carvalho Paes de Andrade, esen-
vaj o subserevi.
Trislo Je Alencar Araripe.
venda pura, ou condicional; a' doaco em paga-
mento ; a'_ transferencia que o socio faz de um
mmovel a' sociedade como contingente do fundo
social; a' doaco entre vivos ; o dote eetimado :
nal nos mezes do selembro e oulubro prximo.
Arroz pilado.
Vinagre.
Azeite doce.
Caf em grao.
Cita.
Manleiga franceza.
Toucinho.
Carne verde.
Dita secca.
Baealho.
Feijo.
Farinha da ierra.
Po de 4 ongas.
Relaxas.
Quem quizer vender ditos artigos apresentem
suas propostas as 10 horas da raauhita do dia 30
do correnle na sala do conselho.
Sala do conselhod
portales.
No dia 30 do
COITeOle mez es-1
pera-se dos por-.
los do sul o va-
por franeez JV-i-
arre, comman-
dante Joret, o
qual depois da
demora do eos-
turne seguir para Iiordeaux tocando efb S. Vicen-
te e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para fretes, condlcgoes e passagens trala-se na
ageucia rua do Trapfebe n. 9.
toda_a iransaegaoda qual resulte a doago ou trans- ra 25 de agosto de 1865.
Para o Porto por Lisboa
compras do arsenal de guer-1 pretende sabir com a posslvel presteza o brigue
mssao do mmovel ; em geral todos* os demais
contratos traslativos de linmoveis snsceptiveis de
hypotheca. Obserta o mesmo offlcial a todas as
pessoas que fazem partes om semelhantes contra-
tos, que sein transcripgo (registro) ficara elles
sujeitos a graves inconvenientes, sempre que fo-
rera contestados por qualqoer terceiro. o que lera'
de aeearretar pre;uzos e damojs iuealeulaveis as
mesmas partes.
Tribuai do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernamhuco se faz publico que nesta data o Sr.
Jos da Silva Coelho, P.irtuguez, de 52 annos de
idade, commerciante de grosso trato na cidade da
Parahyba do Norte, foi admeltido a' matricula.
Secretaria do tribunal do commercic de Pernam-
huco 29 de agosfo de 1865.
O of&Vial-maior,
____________________ Julio Guimaraes.
Perante a cmara muoicipal de>ta cidade es-
tao era praga publica nos das 2, 9 e 16 do mez
de setembro prximo vindouro para serem arre-
matados p'-lo tempo de um anno, por quem mais
offerecer, os impostos segaintes : o arrendameuto
da casa sita no pateo do Corpo Santo na cidade do
Recite por 8*75000, dizimo do capim d.^ planta
1:2003, coqueirosde pr>ducgj para negocio 590i,
aferigo, sendo o arremtame obrigado a aferir os
pesos e medidas pertencenies a' mesma cmara
8655, 500 rs. por cabega de gado vacum 48i5,
mscales e boceteiras 345, casmhas da ribeira
1345-jOO, gario recolhido no curral 483500, repeso
do agougua 105-iOO, cargas de farinha e legumes
155, gado suioo 55620 e gado ovelhum 15636
O encarregado da escripturago
Manoel Jos de Azvedo Santos
Vapor ile reboque Cainaragihe.
Os aecionislas da companhia vigilante de vapo-
res a reboque sao convidados a reunirem-se em
assembla geral, que ter lugar no dia Io do mez
de aeteo bro ao meio dia em pomo, no eserlptorio
pe Rothe & Bidoolac, rua do Trapiche n. 18, para
tratarem de negocios da mesraa compauhia.
Oorreio
Pela adminisirago do correio desta cidade se
faz publico para iins convenientes, qoe em virlude
do disposto no art. 198 do regulameuto geral oos Sageii
crrelos de 21 de dezembro de 1844: e art. 9 do
decrelo u. 185 de 15 de maio de 1851, se proce-
der o consumo das carias existentes na adunis-
trago pertencentcs ao mez de amisto de 1864, no
dia de setembro proxiino.as 11 horas da inanha,
na porta do mesmo correio ; e a respectiva lista
se acha desde j exposta aos interessados.
Administraco do correio de Perca nbueo 22 de
agosto de 1865. O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
Pernambucano : para carga e passageiros, a quem
offerece bons eommodos, traa se com o consigna-
tario Thomaz de Aquino Fonseca, rua do Vigario
1 n. 19, primeiro andar.
PARA O
Rio de Janeiro
pretende sabir oestes 15 das a barca nacional
Valle; para carga, passageiros e escravos afrete,
traia-so com David FerreiA Hallar, na rua do
Brum o. 66, oucom o capilao da me.-ina barca.
Para Lisboa
vai seguir uestes poneos das o brigue porluguez
Constante, recebe anida algumas miudezas e pas-
, para o- quaes tem boas aeeommodaoSes:
a Halar cora Manoel Ignacio de Oliveira Filho,
largo do Corpo Santo n. 19, oucom o capilao na
praga.
LOTERl
IOS ():00();?00().
Qtiarta-feira 6 de selembro do correte
anno, se esftraliir a V parle da Ia lotera
f3i'a) a henelicio da rej* de Nossa Se-
nliora do R )i;ario de Muribeca, no consisto-
rio da igreja de Nesga Senhorado iosa.io
da freguezia de Santo Antonio.
Os billietos, meios e quartos estao a ven-
da na respecliva thesouraria a rua do Cres-
po numero 15.
Os premios de 6:0000000 at lOflOOO
sero pagos una hora depois da extracto
at asi horas da tarde, e os outros depois
da distribuicodas lisias.
As eocommendas s.ro guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccSo
como de costume.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
(rantie amaren 4* tintas.
HL'A DO IMPERADOD .\. 2.
O armazem de tintas um grande depo-ilo da
productos chimicos uteuss e o-> mais emtn>aado
e usados na pharmacia, iiinlnra, dwlographia. tin-
turara, pyroteclinia;fogos dear;iticio)eem outras-
ind usinas.
Montado em grande escala, e snpprindo-se di-
reclamenlcnas principaesdroga?ias de Pars, Lon-
dres, llainbnrgo, Amers e Lisboa, pode offereceer
producios de plena.onangae salisfazer qualquer
.encommenda a grosso trato e a reialho, por preco.*
razoavels.
Prvidos de machinas appropMadas satisfar
' "as
n-
,..e
nao i; fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontrara no mercado em latas fechadas.
Tem grande coller-co de vidros de dlflbrentes
formatos, desde urna oitava at dezeseis ongas d"
capaeidade ; de -vidros para vidratas e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para lingir madeira com
propriedade e outros; de papis dourados e pra-
leados e folhas de gelatina para ornamento: d*
papel grande epeuueno frmalo de varia (.-Ore*
para embrulho, para forro d casa, para desenlio
com fundo j feito; de papel albuminado t,e Iins...
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para qoadros, de
espirito para madeira. copal para o inwnor e ex-
leiior; oleograxo, oleo seccalivo, oleo de linhaca
clarificado, olio de toicle, secativo de Harlini, ouro
verdadeiro em p ; prata, ouro, e estanio em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegel,-ies..iuoffensi-
vas proprias para confeitaras ; Ka de cores, e
olhos de vidros para magens; limas em lubos e
telas para retratos ; limas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superiina, de ne-
roly.jasniiin,bergamota, aspire, (letchuuly, mbar,
buuqiiet,limao, alcaraiva, mellssa, orHa pitnent&,
louro, cereja. alfazema, juinpero. Portugal, lima,
anis da Itussia, caneila, cravo e muilos uniros ot>-
jectus queso com a vista noderioaer mostradee.
Joo Ped o das Neves,
Gerente,
^KiLCSS.
Tendo o abaixo assignado de mandar ce-
lebrar una usna resuda pela alma do seu
Sitado cunhado e amigo Dr. Jos Bandeira
de Mello ex-juiz de direito da primeira v.*ra
da capital do Para oude falleceu no dia 2
do crreme, pelo presente convida a todos
os seus amigos que quizerem assislir a este
pie.loso acto; o que ter lugar sabbado 2 de
setembro pelas 7 horas da manhaa uo con-
vento do Carmo.
PASTILHAS
cado na forma do regulamenio de 27 d.t junho de
1864, expedido para a execugao do art. 57 da lei
n. 596, o prazo de 30 das para a consiruego dos
respectivos passeios das suas proprieiades."
Secretaria da repartigo das obras publicas, 23
os pretendentes podein comparecer nos menciona- de agosto de 1865.
De ol saceos com feijo mnlatinho
Pela repartigo das obras publicas, se faz Hlf Jiu
publico aos proprietarios dos predios da rua da aK<'"lH Pe!i,na vender por conta e risco de
Cruz, entre o bec.-o da Lingueta rua da Cadeia flUem l'ertemvr SO saceos com feijo mulatinho
travessa e paleo do Corpo Santo, que Ibes mar- *"Mn" oU ""'.* lote/ "oiUia : qoaria-feira 30
dos dias com seus fiadores habilitados na forma
da le.
pago da cmara municipal de Olinda 26 de agos-
lo de 1865.
Joaqulm Cavalcanti de Albuquerque
Presidente.
Marcolrao Dias de Araujo
^^___^__________Secretario.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segrate :
Para a colouia militar de Pinenteiras.
40 garrafas de alcool de 36 graos.
1 libra de rnica (flor).
1 dita de dita (raz)*.
5 ditas de amoniaco liquido.
1 garrafa de agua de flor de llranja.
1 libra de alcagus.
2 ditas de acido trtrico.
1/2 dita de alazeraa.
2 ditas de bicarbonato de soda.
2 ditas de dilo de polassa.
8 ditas de baoha de porco.
2 arrobas de assucar branco refinado.
1/2 dita de ergolina.
1 dita de dai-bylo gomado.
i/i dila de flor de sabugo.
1/2 dita de iodureto de chumbo.
3 dilas de liohaga em grao.
4 ditas de mosiarda era grao.
3 dilas de massa caustica.
No impedimento do secretario,
Joao Joaquim de Siqueira Varejao.
rtto
do correle pelas 10 horas da rnanha no arma-
zem do Sr. Azevedo defronte da escadiuha da al-
fandega.
Leilao- de predios.
A saber :
Um sobrado de um andar e solo da rua da Sen-
zala Nova n. 6, o qual rende annualmente 528,5.
I ii dilo de um andar sniona rua da Senzala
Velha n. 28, o qual rende 460.
Sxta-fera 1 de setembro.
O agente Pinto fara leilo,, precedida a compe-
tente autonsago dos dous sobrados cima indica-
dos as 10 horas do dia 2H do correte, na praga do
Commercio.
O Dr. Vicente Pereira do Rogo, i onvida
os prenles, amtjos e collegas do Dr. Jos
Bandeira de Mello, juiz de direito fallecido
ua capital d i Para no dia 2 do correnle, pa-
ra assistirem na quinta-teira (31) que o
trigsimo do seu fallrcimento, a urna missa
que se ha de celebrar pelas 7 horas da ma-
nhaa na matriz da Boa-Vi>ta pelo repouso
eterno d*aquelle seu presado prenle, amigo
e collega.
Fede-se em nesiado ou compra-se o
Diario de Peruambuco de i i de maio de
18 6 : Quem o ti ver anuuncie.
EMPREZA-OOIMBSA
3a recita da assignatnra dos 6 espeelaculgs do ar-
tista Smiles.
Quinta-feira 3 JL de agosto de
1865. *
LEILAO
Dj dous escravos sendo uin cosinheiroe copeiro
! e o oatro eosinlieiro, padeiro e imaginario, ambos
' sadios liis e sein vicios.
Sexia-feira 1 de setembro.
a* 11 horas em ponto, ua praga do commercio, em
freme a Associagao Oemmerciai.
Tenoo fallecido em Lisooa no 1 do Cor-
rente mez o seu presado primo Antonio Per-
reir Lima, o abaixo assignado manda cele-
brar urna missa por sua alma no dia 1 de
setembro as 8 horas da manhaa na igreja
matriz de Sanio Amonio, e pede aos seus
amigos e os do fallecido para assislirem a
este aelo por cujo comparecimento se julga
desde ja agradecido.
Jos Fernandes Lima.
DE KEMP.
NOVA YORK.
DE COR GHEIRO E SABOR AGRADAVEiS
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigoxis enauseabundos
que exi.-lem para a expulsao daslombt igas.
Nao causam dores e produzem seu elTeito
sem precisar logo depois de pu: gante ne-
nliun e taoincilaiites em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as crianzas esiac
promptasa lomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstruryes do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
PAST1LHASVKRMIKIGAS DE KSUfl Sao pi'Omp-
tas eiiifalliveis ua sua operacao e por todos
os respeitos dignas decmifianga e approva-
go de todos.os paes de familias; Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Representar-se-ha a aparatosa e int-ressanii-sirna
comedia drama em 2 actos e 1 prologo maninno,
original portuguez do Sr. A. Cesar de Lacerda
De
LJKL.
ama casa n Monteiro.
Sexta-feira 1 de setemero.
O agente Pinto tara' leilo as 10 1|2 horas do
"' dia aciraa dito da casa n. .10 da roa d > Monteirn
esquina do beeco do Quiabo,* edificada em rhos
proprios, com 2 salas, 4 quartos, oosinha fora,
quartos para pretos, quintal murado e cacimba, na
praca do commercio em frente a Associaco Com-
mercial.
U .Lili* ETE
POKTKilEZ th LKillIU EU l'l'.-
!\ A UBICO.
Por crdem do Ilion. Sr. presidente substituto do
couselho deliberativo, convoco s membros do ve-
lo e novu conselho para.ier lugar a posse do se-
gundj, quarta-feira 30 do correnle, as 6 horas da
tarde, na sala das se.-soes do mesmo Gabinete
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
PoriiiBiiez de Leilura empernambuco 28 de agoslo
de 1865.
Wo impedimento do Io secretario
Alfredo Cardoso Pereira
2o secretario.
-Auseniou-se de casa no da 2o dest- meza
escrava Ignacia, crioula, cor fula, denles limados,
beicos grossos, estatura regular, cheia do corpo,
levou vestido encarnado, chala de la preto velho
nos hombros, e mais aignma roana de sea u.-o :
na rua da Penha n. 17 se graiili.-ara.
Quem qui'erS'i atiiisardos preetimis de uma
pessoa para ensnar em alguin enjenh i poi to dusu
praca prinnras letras, msica, e ms-iuo princiuio
de grammatica launa, dirjase aj o illegio dos or-
phos, na rua da Aurora, que. racoillrar' o Sr.
professor Trajano Pelqtne Nery ile BareMloa, o
qual informara' quai a pessoa : acreseeniand-cdi-
zer que dila pessoa csala o de excelleni con
duela, o qae podera dar tiHnca di seu estalo
moral.
Perdeu se no dia^8 do c irrenie agosto, as o
horas da manhaa, na frente da nutriz da Bm Vis.
ta, una caxa de tartaruga com rap : quen adran,
querendo restituir, p le levar ao boceo d. Porto.
no lt' cife, deposito do Sr. Casca), que stra bei
recompensado.







Otarlo de rernamlmco ... Quarla leira 30 e Agosto de 1SS&.
v*
Club Pernambucano. |0PAKAGUi0
A partida do mez de setembro ter lugar, E' a ordena do oa Acabar com os Para- (
najaoite do diaJB.___________________guayes a bayoneta, a mini, a revolver.;!
A~Sr." ftnriflue Auguro Milletf fllIiM-^s com os encouracados armados!
muito se ihe desoja rallar a negocio d0 sea inte-' JfJesporoes, armstrongs e raiadas de 80
resse no prazo de 4 dias : a Sa da Madre de Dos 12<; extermina-los em summa a espada, a
n. 16, faz se o presente annuncio por se ignorar a fado e a punbal de que se trata; mas
sua residencia.________________________ ningoem se lembrou ainda de esmagar os
Precia-M de urna ama captiva, pagase Paraguayos coq as armas que Deusnos con-
bem : na ra larga do Rosario n. 35. ceden; acabar com elles a tac5o e a ponta
Emilio AllffUStO DftlOUClie P.s' Para 50ra nova50 P31"16 do nosso cofP co.m os formdaveis
Acaba de receber um grande sorlimenlo de ocu-; rompe-ferro, esmaga ci'bra, arranca tecos,
los e lunetas para vistas cansadas e myopes; bi- quebra marmore e oulros que se vendem
noculos de todas as qualldades, cadei2s de ac fo- 44-HUA OIREITA__J *
leadas de ouro e muilus i unos objectos; na mesma
casa faz qualquer concert de relogio muito em
conla e com brevidade.
Precisa-se de um caixeiro que Cenha^iraCica
de padaria, e que d fiador a sua conducta : na
ra ireita n. 14.
Borseguins Bordeaux........
patricios.........
para senhoras, en-
feitados.......
comjaco ejivella ..
Aluga-se urna preta cnoula sem vicios, e com Sapatoes encouracados..
habilidades ; pjr barato prora : a tratar no becco B,rsgUIlS para, meninas bom
da Viracao n. 3 (oitao de ;>. Cedro). p,, rn
Precisa-se do urna ama forra oucaptiva, para Sanafns rln Inm anla nlaetfea
ziuhare comprar para casa de rapaz sulteiro : adP,ll(,s ue ; 1sl,la edSllca.
avtlludalos.........
coziuhar e comprar pa
na ra do Imperador u. 40.
O abaixo assignado declara ao respcilavel pu-
blico, que eoinprou a taberna sita na ra de Sania
Rita n. i, ao Sr. Feiiaberto de Medeiros Barbosa,
livre e desembarazada : quem se adiar com direi-
lo a mesilla, dirija-se no prazo de tres (lias a
mesma. Recite 29 de agosto de 1865.Jos Cinto
da Cunta.
Precisa-se de um menino para caixeiro de
taberna : a tratar de fronte do hospital Cedro II,
taberna ti. 17.
Precisa-se de uta menino que queira apren-
der o (ifflciode reojoelro, mas dando flanea da sua
conducta : na praca da Independencia u 12.
Alugam-s duas escravas, sendo urna engom-
madeira e lavadeira, e outra que cozinlia e faz o
mais servico : a tratar na ra do Hospicio o 24.
8O0O
30000
5,5500
40800
5,5000
3?5U00
20OCO
lGO
1,5600
< 3 ** es -*
s 3 re o
=5 C-9
- agqg. = =
= a a H
o re
ui j s-
M
-
SJ 0.-O 3 q,S *
T ffl U ^-3
s
i
| 3 g
"" sj 3
2 = a> ^OQ
i s '* 8?
o.
-->
B'O C "
U O i u
9
c

O
H
01
o'
5
GO
de tranca...........
econmicos para se-
nhoras........... 0500
com sallo de lustre.. 20240
Cliineloes do Por.o.......... 1600
Um completo sortime: to de calcado da
trra para bomens. senhoras e meninas;
] assini como bezerro francez, couro de lus-
: tre, marroquins, taixas de todas as quali-
i dades, litas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que ludo visto necessaramen-
te faz cobica ao comp ador pela barateza.
L
jl
U
L
* (S -
Vende-se a taberna da ra da Concordia n. 33,
bem afreguezaila para a trra e tem bons comino-
dos : a tratar na ra do Rangel n. 73, Ph.irol do
Coinmercio
A
Aos 6:000$000.
Ililhetes garaaldos.
Ijcnt'jni ji;s familias dos biosos
voluntarios da patria.
A' RA DO CUESCO N. 23 R CASAS DO COSTUME
Oabaixoissiguadovendeu uos seus muito feli-
Altia SeCd'l, zes bilhetc? garantidos da lotera que se ac bou
Naroadalmperatrizo. 15, segundo andar, pre-1 deextr*nir' heneflcio da matriz da Victoria,
cisa-se dj urna ama que lenha acabado a criacao, OS segointes prcniios :
para cuidar de urna enanca na quahdade de ana com a sorte de C:0005.
secca.
MA GRANDE J)ESCOBERTA
Aloga-se urna negrinhapara andar com urna
menina de 7 mezes : na Ponte Velha n. 8.
Precisase de um m"n:no de idade 14 a 16
anuos que tenha pratica d.' taberaa ou mesmosem
ella : n; ra da Praia o. i.
Acaba de ebegar i'e Caris o mais bem es-
colliido sorliiiiento dn fullias arliflciaes de roseira,
arraigoes e OJDSgo: a venda na ra Formo.-a
n. ?9.
Associacao Gomiucrcial Bcnclicente de
Pcmamburo
A direceodo associacao Commercial Beneficen-
te, convida os Sis. socios effectlvos a se rcunirem
em assembla geraj do dia 3 de setembro prxi-
mo vlodooro as U boras da manha, afim de se
tratar sobre a compra de um predio para tnudanca
da mesma associacao, segundo o prejecto que a
diremlo apresentar, e reforma de alguns artigos
do estatuto, sendo esta a r-quenmento de alguus
Srs. a-sonados.
Associacao Commercial BetKficente de Pernam-
bucoi'Jde agosto de 1865.
O secretario,
______________Candido C. G. Alcoforado.
Com a clausula de Mro vendem se por 4S0j
tres predios aesia cidade, os quaes rendeui 216i5
annuaes: na ra dos Cues n. 21.
Perdeu-se no da 29 do crrente um meTo
bilhete n 1366 da 2" parle da lotera dos volunta-
rios da patria, o qnal pertcnce a Jos" Francisco
do Amparo : previn^-s^ ao Sr. thesoureiro qoe sa-
hindo premiado, nao pague senao ao annancianle.
r Dr. Henry Kraos mudou sua resi-
dencia da ra da Imperatrlz n. 30 para o
sobrado grande n. 2 defronte da entrada
para a Estancia, onde pode ser procuiado
a rjualquer hora. Chamadas para dentro
da cidade podem ser entregues na botica
do Sr. Joaquina Ignacio Ribeiro Jnior na
praca da Boa-Vista, na dos Srs. J, C, Bravo
3Q C. na ra da Madre de Dos, ou no ar-
mazem de. vio va Raymond .- G. na ra do
Trapicb Novo das 9 horas da manba at
as 4 da lard?.
Aloga-se a toja do sibrado, sito na roa das
Cinco Ponas, com armacao propria para qualquer
estabi'leciment, e tamb-'in com comini dos para
morada : a iraiar na ra doQueimadon. 20.
Urna mulher honesta e d-' buis costumes of-
tereee se para fazer u srvico interno de urna casa
de familia, menos engeramar : i|uem precisar di-
iua do Crespo o. >0 a.
MEDALHA
DE
HONRA
Irritaco dos pulinoer. angi-
nas, tosse, escarros de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquidSo
e odas as innumeravei molestias que affec-
1io aos orgSos da respirarlo
mediante a aeco da balsmica e irresistive
Um quarto n. 2201 com a sorte de l:20000.
Dous meios n. 1972 com a sorte de 400,5000.
E oulras muitas surtes de 1005, 40,8, 20 e
10*000.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os desceios das leis na Casa
da fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2' parte da loteria
(29'J beneficio das familias dos volunlarios da
patria, que se extrahir quarta feira 30 do cor-
reute.
PRECO.
llhetes.....75000
Meios......35500
Quartos. \ 15900
Para as pessoas que comprarera de 100??000 ;
para cima.
Bilhetes.....65500
Meios......35"50
Quartos.....15700
Manoel Martins Fiuza.
Joao da Silva Ramos", medico pea Un
P versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 as H horas da manha, e
fifi das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
gjj em suas casas regularmente as horas
m8 para isso designadas, salvo os casos ur- #
':i!es, que scro soccorridos em qual-
quer occasiao. consultas aos pobres .$
' que o procuraren! no hospital Pedro 11,
londe encontrado diariamente das 6 Ui
# s 8 horas da manhaa.
Tcm sua casa de sad
,y montada para receber qualquer doente, I
i ainda mesmo os alienados, para o que!;
: m commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgioa.
Para a casa de sade. .
Primeira classe 35000diarios.
Segunda dita.... 25500
*'.; Terceira dita.... 25000 >
\ Este estabelecimento j bem acredi- i
j| tado pelos bons servicos que tem pres- j
tado. J
BI" O proprietario espera que elle conti- U
M nue a merecer a confianca do que sem- J
Sj pre tem gozado. 1^
As propiedades medicaes do oleo de figodo de bacalao foro unni-
memente reconhecidas. Mas seo cliciro e seo sabor tao desagradaveis
tornao o uso d'elle muitas venes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robustos e aos mais condcsccntos.
Por isso a descoberta do Snr. Chevrier que lhe permettio de
desinfectar inteiramentc o oleo de ligado de bacalliao sem alterar suas
propriedades tcm sido um dos mais felizes problemas resolvkios pela
therapciitica moderna.
O oleo deflgado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um cheiro agradavel e um sabor assucarado, 6 o nico que nao
tem ncm gosto nem eheiro depeixe.
Objccto de numerosos relatnos scientificos elle goza em Franca
de una fama bem merecida, e receitado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as :
Molt-Klliin cNcroftilOHaa,
Rnrhitittmo,
OltMirurfa dnx Kliimlf,
lisie, pulmonar,
MuleslljiM da ut-lle.
C^nslltuicao lyniphalra,
Anemia, dcbllldade, fraqurza,
Vgri-/.,
Pobrrsa da nangui-,
Enfairamenlo por exeesso de
trabalho ou de prazerew,
MolCHtiaa dan lironcbioa recen-
ten ou ehronfra*,
Tosaca perliuMzea,
Gaali-itea, gaalndglaa,
Rorea de eatomago.
Elle convem a todas as compleicoes e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimentacSo das enancas ftacas c doentes.
O Oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor mcio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de ligado de bacalhau,
augmenta a accao tao efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipaedo.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparares ferruginosas ordinarias, as quaes, principalmente
nos paizes quentes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeutieos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
Um folleto accompanha cada vidro e contera as observacoes medicaes.
Deposito em Pariz, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
_^________Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros Barbosa.
Casa dbannos
Largo do Carao a. 20.
Este estabelecimento tao bera montado na sua
origem achava-se de ha muito em quasi completo
f-rp. abandono pelo pouco inleresse de sua adminis-
^ tracao.
^H Hoje que o novo proprietario empregou todos os
H^ mek'S para restabelecer a grande utilidde deste
haga estabelecimento, pode assegurar ao publico que
^4 qualquer que seja o numero dos concorrentes
^ acharao desde j proroptldo e aceio nos banhos
^ frios, mornos ou medid naes, a casa dos banhos se
h^. achara aberta todos os dias das 6 horas da manhaa
*T as 11 da noite.
O1" Pregos.
Banho de choque...... 500
Dito (rio ou momo..... 500
Dit de farelio.......15000
Dito medicinal ser se-
guudo sua qualldade.
'Assignatura.
Por mez banho fri ou morno... 10500O
25 cartoes para banho fri, mor-
no ou de chuvisco........... 105000
12 cartSes para os mesmos___ 5500O
12 ditos para banho de farello. 105000
O Sr. Joao Miguel de Oliveira lieraido queira
dingir-se a ra Nova n. 60, a tratar de negocies
que lhe dizem respeilo.
wwWR!^ '*?>;:*/rom mimHHV*,
|t O advogado odoy Vasconcellos, pode
B ser procurado no escriptorio da ra do
SK Rosario estreita n. 34, ou em sua resi-
?>. dencia a ra do Sol n. 9.
i AO^PUItlGO
CARLOS PLUM.
Como a empreza de illuminacao a gaz tenha da-
do licenca aos machinistas para trabalharem por
sua propria ronca, Carlos Pluym, machlnisCa, offe-
rece seu presumo ao publico para encaar gaz e
agua, e toda a sorte de servidos concernentes ao
seu ofljcio, i>or precos muito rasoaveis.
Pode ser procurado a qualquer hora
17 Ra da Imperatrlz 17
N. B. LOJA.
!E?- Para prova da perfelgo do seu trabalho o
mesmo aderece ao publico o testemunho de im-
mensas pessoas para quem jalrabalhou a mandado
da companlua do gaz.
MMmmmmmm
m
regularmente i^
Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53, m
Io e 2o andar, onde pode ser procu- i
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos ;
2o de peito :
3o dos igaosgeni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalbo pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e aualauer ooera-
co que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
lias
Compankia geral kespankola de seguros mutuos 8
sobre a vida B
AUTORIS\DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859 1
na Ganca em dinlieir.?, depositado nos cofres do estado, garante a boa da U- photograpiiia
ministracao da eompanhia. cruzeiro do \oitn
DIBECgO GERAL
Xadrld : Ra do Prado c. Et>
I
^ Firmino & Lins
m
?0 aovo estabclpcimcnto de retra-
tos ara* Xova d. 15, i "an-
dar, juuto ao Sr. Ganticr,
dentista.
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas
da manhaa as 5 da tarde, quer chova ou
nflo.
Tamben) se oflereeem para tirar retra-
tos d? pessoas fallecidas, dentro ou fra
da cidade.
Os annuncianles desejando acreditar o
seu esUbelecimenCo, garanlem ao publico
que nenliutn trabalho sahir de sua ofici-
na, sem que nao seja perfeitamente acaba
do, e a vontade do freguez.
t*
BANQL'EIROS DA CO.MPANHIA
O Rauco de RespaaLi
Os filhos do primeiro matrimonio e
genros do tinado brigadeiro Gaspar de.AIe-
nezes Vasconcelos de Drummond, convi-
dan! e pedem encarecidamente a todas as
pessoas que se consid-irarem credores do!.
respectivo esal se sirvam de apparecer na! ^
ra da Aurora n. 2G dentro de 15 dias con-
tados da presente data, das 6 as 10 horas
da manhaa e das 4 as 6 da tarde, para ve-
riticafao dos seus crditos e ulterior axor-
do sobre os seus pagamentos, independente
de questes judiciaes; Rec fe, 8 de, agosto
de 1805.
Ama.
Precisa-so de orna para cosinhar: na ra do
Imperador n. 57.
Alnga-se a casa n. 4 da ra do Principe
com 3 quartos, 2 salas, cosinha fora, quintal e ca-
cimba, na nova freguezia da Boa-Vista : a tra-
tar na ra Xova p. 3.
SORVETE. '
De 11 horas em diaute lodos os dias uteis: na
ra da Cruz n. 13.
Esta eompanhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de superviencia dos tiil
sobre a vida. T
Nella pode se lazer a suhscripcao de maneira que em nenhum caso n.cn o tci i < ni dr s
gurado se perca o capital nern os juroscorrespondentes a estes.
Sao tao suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que anda mesmo diminuindo urna terca parle do mteresse produzido ern recentes liquidai
eoow o.^ab.ajtvi.vo eam ;i -niriili.t.t> ,ta tabella de naparaien nao o adoptada pala companh--
para seus clculos e llqnldacdes, em segurados de idade de 3
de 100 produz em effectivo metlico:
No fim de 5 aunos.....
de 10 .....
de 15 .....
i de 20 .....
de 25 ......
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informales serio prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaq uim Fiuza de Oliveira, ruadaCadeia n. 52, ou a Roa-Vista na da Imperatriz n.12,e.-tbel
ment dos Srs. Raymundo.Carlos.Leite 6t Irmao.
11Ra estreita ilo Rosario11
Tira-se retraeos a qualquer hora do
da a 85 a duzia e 5 meia duzia, em
cartoes de visita, eim toda perfeicao e a
goslo dos rftratanles.
al!) annos, urna imporsicoannua.
1:119*300
3:942*600
11:208-3200
30:256*000
80:331*U00
-.:.:-. :,.;.

m
O bacharel
Francisco Augusto da Costa
ADVOfiADO
Ra do Imperador numero 69.

ma
'.....----------,-------- Precisa-se de urna ama para o servico interno Mrdorps nara ditne
Offerecc-se um homem j de assento e & um casa de pouca familia : a tratar na praca ,;:/,.' .
Samuel Power Jobnston & Companhia
Ruada "'enzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fuadi^ao dcLow loor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
4rreios d carro para um e dous cavallos.
Relogios de oi.ro patente inglez.
Arados americanos.
Ma. hias para descarocar algodo.
sem familia para criado ou feitor de algum
siti >, engenho ou outro qualquer servico : a
procurar ne.-ta officina.
doCorpo Santo n. 17.
na praga Macnnas de coslura_
PEITORAL de KEMP.
a anacaliuia mexicana que d o nome es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arv-.re, cuja madeira por muito tempo se
ha usado no Tampico para a cura das en-
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensaiada e approvada pela academia
medica de Iterlim 0 peiloral de Kemp
um xarope delicioso inteiramente livre de
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors A Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os eslabeleci-
mentos pharmaceuticos do imperio.
Alugam se dous grandes sobrados com comt
modos para numerosa familra, novos e aceiados
com jardim, cocheira, estribara e outras commo-
i erdea-se urna patenie de tenente de guarda didades, n travessa de Joao Fernandes Vieira :
nacional do batalhao n. 21 de Limoeiro, da presi-! a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
dencia a praca da Bi.a-Visla : quem aehar, queira! "n----------:-----------r------rr\-------------------- I
mro"Da pr,c*daBoaV,s,a'botlca d0Sr-Ga-1 *raiicisco *Jose Germano m
~ .'.Ufa Z.l *-"**** ?-.l?..rua.!e! acaba de receberAum lindo tm^"nirfco,'sortimento



0

Burgos: a tratar na reflaacio da SeozaU| Nova i dToVulos," lunelos" binculos, do ultimo e B
apurado gosto da Europa.
IIC
. oas preciosas e objectos de
p uro. M
JK Mauricio Selbebrrg 4 C, Polacos, par- f||
j^f.\ licipam ao respeilavel publico, que ac
Cosinha se para fra com muita perfeicao :
na ra de S. Bom Jess das Crioulas n. 17 ; e na
mesma precisa-se alugar urna prela.
Precisa-se de urna pessoa forra ou escrava
para ama : na ra de Aguas-Verdes n. 50, segun-
: do andar, que saiba engommar, cozmliar, e que
Alugase a casa n. G junto ao sobrado ams:, sirva para as compras de ra : quem e^tiver nes-
relio sita na ra dos Coelhos, lado da sombja, com
commodos para familia e para os senhores estu-
dantes : a tratar na mesma ra, ultima rasa com
solio confronie ao hospital P, dro II ; e na taberna
junto ao sobrado tem a ehavupara verse.
as circunstancias dirija-se a mesma casa.
Ahiga-se.
Urna casa acabada agora com commodos para
familia, estribara, cocheira, quartos para feitor e
escravo com banho na porta, no lugar do Poco da
Panella, ra do Rio : a tratar com Tasso Irmaos
na ra do Amorim n. 35
AMA_______
Precisa-se de urna ama para cozinhar e comprar __ \ negocio de inte e^se desPa-sp fil
para casa de pouca familia : na ra da Concordia uefcuuu ue mie.es&e ue>eja-se lai-
n._34, sobrado do armazem do sol. Ia.r com a vluva 0u herdeil OS de Manoel Jo-
s Pereira : na caixa lllial nesta provincia.
Precisa-se de urna ama que saiba lavar e
; engommar, e um moleque para o servico externo :
na ra da Caixa d'Agua n. 70.

Precisa-se alugar um prela que saiba todo o
servico de urna casa de familia : na Aa de Hur-
las n 106.
. bam de receber um grande sortimcnlo ^<
' de joias e brilhantes, como seja ni: relo- ~:)
gios, trancelins, aderecos completos, an- m.
neis, cadeias, pulceiras ele, etc. e tudo >*
quanto diz respeito a joalheiria, pelo pre-
co o mais razoavel possivel, e mesmo m
troca e compra objectos de ouro, prata e *;<
diamantes por objectos novos : na ma
do Queimado n. 29, entrada pelo largo
de Pedro II n. 27, de manhaa at as 9
boras, e a tarde das 4 horas em diante.
Os objectos vendidos pelos annuuciantes
sao garandes por elles, e estao piompCos
i para levanBbjectos as ca-a< das pessoas
que desejarem comprar, urna vez que
nao possam vir a seu esiabelecimento.
i Na ra do Imperador n. 83, segundo andar,
precisa-se fallar com os siguiles senhores, para
negocio que Ibes diz rei-peuo.
Antonio Nones de Azevedo Campos.
Manoel dira da Silva Lbulo.
Joao Pereira da Silva.
Jos Lopes Tavares.
Jos Francisco Rodrigues.
Felippe Borges Leal.
Custodio Jos de Carvalho.
Antonio Seralim de Deus.
.Manoel Francisco Coelbo Jnior.
Joao Antonio Pereira Ramos,
loao Marinho Paes Brrelo.
Antonio Tiburcio da Costa Monleiro.
Sebastiao Antonio de Albuquerque (esludante).
Francisco Gomes dos Sanios.
Joao Gomes Pereira.
Jos Luiz Pacheco de Souza.
Sebastiio Jos de Barros Barrete
Francisco Antonio Vieira da Silva.
Domingos Jos Alfonso Alves.
Joaquim Francisco da Silva.
Jlo Ribeiro de Castro.
Jos Francisco da Silva.
Miguel Arcanjo Ferreira.
Vicente Ferreira Neves.
Joaquim Francisco Moreira.
Francisco de Aguiar Jnior.
Julia Rosa de Almeida Pinto.
Leopoldo Gadault.
Joaquim de Oliveira Hala Jnior.
Encanamentos para
aguas.
Fazem-se na ra No n. 30, com toda a per-
feica).
O London & Hrazillan'BTnk, saca pord'oos
os paquetes,snbre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianoa.
("ni mar es.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
No dia II do correnie~furlarm da ra da
Praia um burro cattanho, castrado, de 10 annos de
idade, cojo burro lem a marca J. S. L no quarto
direito, e estova carregado com cangalha de ferro
e 8 arrobas de carne : quem delle der milicia cer-
ta ao Sr. Antonio C. Moreira Temporal a' ra da
Cruz n. 30, ou ao engenho Doa Casta da freguezia
do Cabo, ser bem recompensado.
ntista (le Pernaml)uco.B
Ba estreita do Rosario n. 3,
ao p da igreja
FRANCISCO PINTO OZORIOg
pelos systciuas utas ino- Bi
doraos gg
Emprega todos os meios scientificos para S
conservar os r.aturaes. Pode ser procura- 5
do em Mii .Mbiuete das 9 horas da ma- |j|
nhaa as 5 da tarde.
.'"
mMm^m ?m&
,ta
m
mmmmmm mmmm mmmm
Precisa-se alugar urna preta que seja boa
eogommadeira e rozinlie, sem vicios : na ra das
Cruzes n. 36, primeiro andar : paga-se bem.
Todas as pessoas quelem "exmela firma
de Novaes & Filho facam favor de mandar pagar
O Dr. Carolino Francisco de LimaSan-
ij tos contina a inorar na ra do Impera- \J rua do Livrainenco n. 3.
"; dor n. 17, segando andar, leudo alias seu **? ^S^W # '"#"5S < W gabiuele de nuisnlias medicas, logo ao J18 *;->*<'*'^Ri^-et^j^^.. ,
entrar, no primeiro. Companlua fidehdade de seguros MR
o mesmo donior, que se tcm dado ao SN ^g inaritiraos e terrestres

mmmm
*& Wt esll,ao ,anl rias operacSes como das mo- g
S\ ffl| leslias internas, presta se a qualquer cha-
*j mado, quer para dentro quer para fra
S ^ da cidade.
Preeisa-se de urna ama para casa de duas
passsoas : na rua da Penha n. 23, 1 andar.
Precisa se de urna ama que saiba cozinhar e
engommar, para casa de pouca familia : na rua do
Crespo n. 18., Io andar.
Precisa-se de um criado e um cozinheiro :
no Gvmnasio Provincial.
A quem souber responder.
N rua Nova o. 6
Pergunta se se o celebrrimo inspector de poli-
ca da povoaco de Jaboato pode conjunciamente I serv7co"de"pou" a"familia".'
accumular o cargo de fiscal municipal da mesma
Aluga-se uro escravo para criado ou para tra-
balhar no campo : defronte do palacio do bispo,
em casa do tenenle-coronel Joao Valentim Vilella.
AMA.
Quem precisar de urna ama para cozinhar e en-
gommar, dirija-se a rua da Lapa n. 4.
Ama.
precisa-se de urna ama para
a

no armazem da bolla amarella no oito da
secretaria da polica, recebem-se encom-
mendas de fogo do ar para dentro e fora da
provincia.
INJECCA~BROW.
Remedio infailivel cotra as gnorrhbo
antigs e recentes, nico deposito r.apr
ica franceza. rua da Cruz n. 22 eas
{'- i
freguezia.
Um idiota.
- Na praca da Independencia n. 33, loja de ouri
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tambem se faz qualquer obras de er-commenda e
odo e qualquer concert.
Perdeu se o quarlo n. 4595, da loteria 26",
138, a beneficio do hospital da Santa Casa da Mise-
ricordia da Corte, tendo no verso os nomes de Ma-
rianna Maria, aquem pertence, e sendo que alguem
o tenha achado e queira restitui-lo o fara na rua
da Guia n. 36 segundo andar : a lista deve chegar
de 29 a 30 do presente mes de agosto.-
Ama
Na rua do Imperador o. 83, terceiro andar, pre-
cisa-se de urna amagara cosinhar.
Maques sobre Lisboa
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam sobre
Lisboa : no largo do Corpo Sanco a. 19.
Precisa-se de um bom cozinheiro, na
rua do Crespo n. 8. loja de 4 portas.
m

Precisa-se alugar urna escrava tiara casa de
pouca familia : a tratar na rua do Sebo o. 54.
Aluga-se a alguma familia ama mulato moca,
a qual lava, eogomma, cozioha, e tem mais habili-
dades : quem a pretender dirija-se"* rua da Au-
rora n. 10, segundo andar. '
Ao dono do chapeo vellio.
Meu charo senhor -de bem, se aquelle chapeo
i
j
Francisco Garrido, antigo proprietario do hote
Trovador, sito na rua do Rosario, de volia de sua
viagem a' Europa, avisa a seus numerosos fregu-
zes, tanto desta capital como do centro da provin-
cia, que se acha novamente esCabelecido na mesma
rua larga do Rosario n. 37 com um hotel denomi-
nado Traviata, onde acharao os seus freguezes
sempre a melhor vontade para bem os servir, a
par de excellenles vinhos capils e boa comida,
qur no mesmo estabelecimento, qur para fra, e
dentro da cidade aos que nao rfnizerem ou nao po-
derem vir a seu esiabelebimento, sendo pelo preco
mais mdico que tm ontra qualquer parte. No
mesmo esUbelecimenCo acharao os seus freguezes
bilhares para recrearem-se, bem como sorvete Co-
das as noiles para refrescarem-se.
Precisa se de urna ama" habilitada para todo
o servico domestico : qnem esliver neslas condi-
c5es dirija-se a rua do Trapiche n. 13, ou na So-
ledade, rua do Progresso o. 7.
Aluga-se a padaria com seus pertences na
rualmpcral n. 199 : a tratar oarua deHorcas,
taberna n. 2.
estabelecida no Rio de Jaueiro. B
AGENTES EM PERNAMBUCO JW.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C,
competentemente aulorisados peladirec- ^
H loria da eompanhia de seguros Fidelida- R
5 de, tomam seguros de navios, mercado- m
"J? rias e predios no seu escriptorio rua da *
Cru: n. 1. S&
i o publico.
Acaba de sabir do prelo nocoes do svstema me.
rendo aluda procedido o res-: trico decimal por Jos Antonio Gomes Jnior esia
qtieui initressar possa ua provincia do Cear.
Em nome de meu pai o Sr. Camillo da Silveira
Byges Tavora Indgena e de mmha mai D. Maria
de Sant'Annj ta Silveira, protesto contra qualquer
transaccao ou allieiacao feita pelos herdtiros do
meu fallecido iv materno o Cnenle-coronel Aaia-
uio Gomes da Silveira sobre os ben; do seu casal,
visco como dSo se hav
Cesco clara
e posJt vamOLte contra as vendas feitas cedido este trabalho de claros exemolos de covr-
i propriedades pertencentes aquelle c.v sao, para que possam ser comrehenr'
sal, sob a denom.na?ao-Flor de Liz-Lindo Assu-' das'as inlelligenclss : vende se a 5
2?&1*S^J*Z****!. Ma" acadmica universal, rua dolmpefa,
as livrarias
Xeife^S.?dVi86r CaS SeaChanm- "; dc S'o Amonio; e em eaa do autor,
Hecira a de ago.-to de 186o rua do Ut5lino n 3> 0Ql] os compradores a de
i r. i ,...,.' exemplares para cima terao um beneficio na ra7n
____________JoaoFranklin da Silveira Tavora. de dez exemplares por cento. ueueuuo aa razao
Silemio*
Antonio Joaquim de Mello, antigo advogado
nesta cidade, e procurador fiscal da thesourana de
velho anda lhe servir pode o ir buscar na Terpy- fazenda aposentado, emprego que servio por mais
sichore donde por desengao levou um novo, pois i de 22 anuos, contina a advogar em todos os ra-1 ment para missa
i que o velho que deixou nao serve ao d'aqueJJe. I idos do civel e crime. Ba do Imperador n. 14. i qaem tratar.
0 abaixo assignado vendo no Omno de Pernam-
buco um annuncio do agenle Olympio, annuncian-
do o leilao da casa n. 38 do Corredor dq Bispo,
vem declarar que dita casa se acha penhorada por i mel Dor Preco commodo, dirija-se
execu^ao do abaixo assignado, cuja execucao cor- n- 30-
re pelo juizo municipal da 1* vara, cartorio do es-
crivao Saraiva.
Joaquim Jorge de Souza.
Atteii$to.
Quem precisar comprar urnas 40 a 50 pipas de
a rua Direica
Acha-se no sobrado da rua das Cruzes n. 16
para quem precisar de differentes pecas de orna-
na mesma casa achara com
C0HP1AS.
Compra-se effeclivamente ouro e prata em
obras vel has, pagando-se bem: na ma larga do
Rosario n. 24, loja de ourives. *





i
{
t


.
-

/
Rias-lo de pernaiubuco --- toara elra SO Je Agosto de 15 8a.
Silvino Gailherme de Barros compra e ven-
de effectlvamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, loja de bilbetes.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas : na ra da Cadeia do Recife,
leja de ourives no arco da Coneeico.
Compram-se moedas brasieiras de 205
215: na ra do Crespo n. 16, primeiro andar.
Compram-se libras sierlinas : na praca da
Indepencia n. 22.
Compramsse ires casas, cada urna em valor
de 1:000$, ou mesmo hypotheca-se : a Iralar na
roa Direila n. 54.
Compra-se urna armagao que sirva para lo-
ja de fazenda : quein tiver dirija-se a esta typo-
graphia para ser procurada__________________
Compram-se apolices da dirida publica.
Na ra do Imperador n. terceiro andar, exis-
te nma possoa incumbida de comprar algumas
apolices da divida publica : quem as tiver, com-
prela das 9 horas da manha as o da tarde.
Compra-se urna carrosa em bor estado :
no armazem da bola amarella, no oilao da secrela-
riada polica.________________________________
Na ra dasCrazes n. 41, compra se garrafas
vazias.
Compra-se urna escravapreta de 11 a 12 an-
nos de idade : a ra das Cinco Pontas n. 126.
SALSA PARRILIIA DE AYER.
Transchevemos aqu alguns
dos muitos aitestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Ilheumatismo.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ouro Prelo.
VENDAS.
Algodao Para saceos e roupa de escravos
da fabrica.de Fernao Velho, e de muito superior
qualidade : vende-se no escritorio de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo
nunmro 19.
Vndese 12 cadeiras e um pequeo
ludo com excellentes assentos de palinba, enverni- j
zados e dourados, e com pouco uso, proprios para
gabinete : na ra das Cruzes n. 42.
Soffri rheumatismo pormui-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re.
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella; e antes de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
dor nos joelhos ; a parte do corpo que es-
tava affectada d'esse" terrivel encommodo
que roubou-me tantas noiles de somno.
Hrnpvor.. boibulbas piistulas,
ulceras, e todas as molestias
da pelle.
DO SR. JOAO PAULA DE ABREU E SOL'ZA.
Ra de S. PedroAto de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupeo syphiliiica em todo o corpo, moss
trando-se sempre com mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos econsultei
muilos mdicos, e eslava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros dias a erupcao aggravou-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de
i todo o corpo.
soph,; Doctor Don Jos Vai.des Herrera, proies-
SOR DE MEDICINA Y CIRURJIA, SUBDELEGADO
EM AMBAS AS FACULTADAS DEL SESTO DIS-
tricto.Habana.
Certifico que be osado la zarzaparril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
TIIESOURO DAS .AIS.
PROVIDENCIA DAS CRIAKCAS.
COLLARES ROYER,
ELECTRO-MAGNTICOS,
Chamados collares anodinos de denticao contra
as convulsoes e para facilitar a dentico das
criancas, preparados e inventados por foijer,
pharmaceutico da Escola superior de Parts, suc-
cessor de Chereau, membro da academia de me
dteina, antiga casa rouillon-lagiiange, pharma-
ecutico do lmpernior, cltrfe dos trabalhos chimi-
eos da Escola Polijlechnica, director da Escola
de Pharmacia de Pars, e membro da Academia
Imperial de Mediana. Ra Saint-Marlin, 223,
defronte da ra Chapn, em Pars.
Grande liquidado a dinheiro' AflIII HfJl\T,i
Ka loia ft flrm.i7.ftm rio navaa. & UUH Dllflllirl.
I RIVAL
Ka taja earoijizemdo pavao. r n rtU?JI4 IIHli^^* i SSM SEGU^S*$>
Riia da linperatriz n. o deCa- tollciras de marruquim, com cascaveis Una *io Quciuiado *. 4& e 6
na A Silva. e Sem ellcs. tcnna a vsader iodas_as nifodexas que Ibaixo
Os donos deste eslabelecimento tem resolvido h- Na ra do Queimado loia da \ por precos baratissimos, s ca n 8> vendem-se Coiloirasde '
0 castello de (jrasville.
Traduzido do francez por A. J. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr j tenido de elia lus mas felices resultados en
tomos pelo baratissimo preco de 3J00C 'les casos de ulcera crnica, asi mismo au-
na praca da Independencia, livraria ns. 5r }' las considero como um porgante, cuya
6 e 8.______________ accin ademas de ser segua, ha sido muy
Admirem o que barato, na ra da Cor cor-1 eficaz eP el lr**>mentO de las enfermidades
dia n. 62, por cima da taberna por nome Goia- ue. exsigeu el USO de los porgantes, y on
beira, tem urna porcio de butinas para senhora vacilo en recomendar eslas
A hvgiene a sade.
A sade a vida.
S MIS.
Quantas criancas nao vemos cada dia suecum-
bir s dores da primeira denlico I ? Quantas an-
cias e quantos tormentos para as tristes mais, qoe
vcera se arrebatar, depois de lano- cuidados, do Gania & Silva,
antas vigias, o objeclo querido'de sua ternura 11
Quanlas vezes nao tem ellas sentido ineflicae.ta
dos remedios entregados, laes como brraquinhos,
charopo de dntigao, etc., cujo duro contacto dos
primeiros irrita as geogivas e causa inflammaco
as membranas mucosas, e cuja aeco nulla faxia
desesperaeo s mais? Aehar um me'io fcil de ap-
plicar o fluido elctrico para alliviar os soffrimen-
tos e prevenir as convulsoes, como tambem todjjs
os accidentes que resultara da primeira dentico,
tal o lito que tivemos em vista alcanzar. "Ha
muitos secnlos que se punham no pescoco das
criancas coliares de mbar amarello para preser-
va-las e cura-las de convulsoes, tmpregava-se pois
desde muito lempo a electricidade medica sem sa
be-ln, pois que o mbar iodo elctrico. E' evi-
dente que este elTeito ?audavel repousa sobre a ac-
co da electricidade, que sola o mbar esfregado!
pelos raovimenlos do corpo da chanca. Esla in-
fluencia constante do fluido elctrico, por traca!Sllva-
que osse, produzia effeitos curativos proporciona- Vp dos qoantia d'eleclriridade engendrada desie mo-1 .. 6*l
do. Esta propriedade elctrica de mbar a que
nos temos lido a fd idea de applicar fabrica-
Qao dos eollares de dentigao, augmentando a inten
derla por pwcos adroir&vt-is.
quidarsuas hzendaT'por'precs bTraiissimos; s -.*" 'a"Zn?"r"e"T[, "* ">* **W* """'"',''' ." ,u' ''"'" lixa,!os Pra ***** a l(rs.
com o Hm de apurnr dinheiro, e previnem as oes- M n' 8/ jendem-se Colleiras de marroqunn, E.|.dhos deiLoidoras dooradas a 200,240 e ;>20rs.
soas que neguciam era pequea escala com fazen- pOSponlatlas e COm cascaveis, 00 em elles '"=ets de oiladu par meninos a I(/0o.
das, queuesla loja e armazem enconlraro um proprias para Caes e tuns bid.uiliO. Dm-s oV eooro mij^j r faztfida a loU0.
gran.le sorlimeKio por preeoa que muito Ihes bao I*i>nii;ifi in -wn a ilnnt-ailaa ,^08 c\'m Ul"i"'
de agradar, tanto em peca como a realho, a "$ iiftlfc M,-,:...-. ,'
saber: No novo sorimienio ue pennas de ac que Babadu uo
(l'mihrnifl ipfnvrA a 9A(\(\(\ a A?uia Br,mca nc:,ha ,!e receber, vipram'rJ;f; ,
VjaUlUItlldfS Ue iOlli) a 0UUU. iambem ontras (li> motil .lum-ida p l.imq^'1"15 c,m l":l :' '
Vendem-se pecas de cambraia branca para for- SS hni a ML o n t* T r? '' ~ ftft**1 M"" -"
ro a U : na loia dn Pavn r. ri> imnr,iPi.. mui Dcm awli.tilob.epi e^as boas e lie-, brozas de botdes
Unta p i ha r. '.lu rs.
niia rroxa rara rdadn a 20 a 60 rs.
l'urUi, lazenda u-a, vara a 80,
a 2$ : na loja do Pavao ra da Imperalriz n.
; cessanas qualidades os seu.s acreditados fa-| ,e ti' '-
madreperula linos a 3
para
60, de Gama A Silva.
Moreanlique braneo
Vende-se superior moreanlique branco
vestidos denoiva a 2J50O o covado, pechincha :
na loja^o Pavo na ra da Imperairtz n. 60, de umas para outras, por que estas s tornam I r '',J rs-
mais dtiraveis na cootnuacSo de escicver ; v,"!!,osHdoVra,1s supTJ?res
Percates Cm mofo. assim pois quem deUas se qoizer utisar < t,k
Xa toja de Pavo a 3G0 rs. com,ira-las a dinheiro a vista : na ra do
Vendem-se as mais finas percales com lindissi-' Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
mascres para vestidos de seuhoras, tendo um Franias Cftm Imi-lau p iwn IU<
pequeo loque de mofo que larga logo se lave e, J 0IU Mp^8 e CH1
liquida-se pelo baratissimo preco de 360 rs. o co-1 COrllUtioS,
n*fi:dr^n,n\'J*idoPavnu,'na da [njPeralriz A Aguia Branca recebeu um bello sor- ,
60, de Gama & Silva t ^ f ^SffiVi*1' ""** 1*8-
zuikas aZO-l rs O COVado. para cortinados, todas de oovos e bonitos 20."V-l0S :,"'i, ^MBn
Na loja do Pavo. desenhos, coja commodidade do preco est' p'"' rom snperores aguihas a 240 n.

s para
Li'n.s para assenlos de mupa lavada a 100rs.
' bolSes para puoho, fazenda rica a 124)
Ti-smiras para costuras superiores
. StOU e I*.
enras d
i UO.
i a
quaiidadtt
Laa,
calligrapl a, fazeLd;.
com sur -ores grampos a 30 rs.
anca e
.!, ii(a
Vendem-se lazinna
trauspareules para es-! em relacio a largara
ia do i
isio s para li- n- **
ac.'iam-se ellas a ve,-
. la .- .rudasde bonitas
s cores a 7".
dos sendo das cores mais modernas qu-Ttem vindo ^^^^^^^^^J^^v^. $****{ wm snpeflors'obreias de massa a 40 rs.
ao mercado pelo baratsimo preco de 200 rs., ditas d '"' ao^ULirorfilii Hija da -> guia Lian- Bddinnas umi franceas mailo <-i>neiiore
a 20 -
com palmlnhas de seda a 240 rs*
quidar, assim como lazinhas
os mais bonitos padrSes a 24
Pavao na ra da Imperalriz
Na ra do Queimado loja da ..
ca n. 8, acham-se a ven la por precoi ra- Sf,ias ril faca!! ft &rto& do cabo prtio a 3fO0O.
.Vendem-se os mais lindos corles de vestidos in- zoav'is. catohas com taboUs de madeira, .' ,:l1 'JK?5? 'rnnfa5 a 2 "'
danos tendo 7 l|2 varas capa corte sendo fazenda que as diversas pinturas dellas ^e formaiQ
hSSlF&ZX!!!^^ agradareis vis1 as c paisagens, segundos
has mocambiques com JogO (la naCICRCia .".u CUI0S0 ClllClPi- ^='l>s do papel almaco a 2^400 e 2800 rs.
240 rs. : uto na loja do Estovas para roupa, azendajioa a 7S0 e I-'.
iz n. 60, de Gama & B5llio. Dozias de tesouras com toque de errnfl ~,
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran- 600 rs.
sidade dos effeitos decrteos do mbar por mel D'fe partidas, vendem-se pelo baralissimo pre- desenhos que. acomnanham \a verdad^ h
de (ios conductores me distrihnem as correnies 5o ^ & cada um por terse comprado urna gran- ut-ai-"",J3 4* -LuiiipaiHid.il. .\a \eraaiiL e
d'ura modrsuaveecZin^ Imperalriz n. **** um delettavol et- retenimento cem n
uto perfeitamente enfeitada
de bezouro a
dilas ditas phamasia a-wiuu, corram a ellas que
eslao se acabando e fazenda que se vende a 6i ; lou.
6500 e 73.
preparaciones.
amasia a 45o0, corram[ i1 ellaTnue': Vrese,,l en Ile8,a 7 de setembro de
Vende-se um sitio em Bemiica a" margem do
Rio Capibaribe, boa casa, com arvoredos : quem
pretender dirqa-se a ra do Imperador n. 61, se-
guado andar, que achara com quem iralar.
Colla da Baha superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azcvedo &
C.,^no seu escriptono ra da Cruz n. i.
ulSS^J^JSS^SSX tenhc sd0 tratad0 Pr muitos medies d'esl
queno Pique de avaria : no armazem da ra do
Imperador n. 83.
Dr. iosi V. Herreba.
ii:croplila.
ATTESTAnO DO 1LLM. SB, FRANCISCO FEftRAZ
dos santos. Ouro P.reto.
Me acho ha quasi dous annos affectado
de escrfulas, e tendo soflrido tanto que al-
gumas vezes quasi que diego a desanimar
da vida e maldizer da rainha infeliz sorte;
Royfei c u iu- ct\ 'ja p c'i _
ventor de duas especies de collares : Io dos colla- "' ae ^ama bllva-
res anodinos de mbar electro-magnticos; 2o dos I \/p ifl% YiniTI ^iliflQ
collares eompostos de differenies metaes com cor- ** co 'tt/ lJVi' ** owtw">
me voltaica. Partindo deste principio de physi-] Pechincha na loja do Pavo.
Vende-se a mais fina silezia de algodao fazenda
ta cidade, e nenbum pode vencer i tenaci-
t dade de minha molestia, cstava sem espe-
Vende-se um carro (victoria) novo e elegan- raneas de recobrar a minha saude ; quando
fa' Pn?tf\-^!i0s cgmneUnU'8 de raeal prmeipe : ltimamente resolv fazer uso da Salsa par
Da ^ l*" n- 8. iht Prego rommod,.______ rUha do 0r. A Completa.n-se hoj<
..r-lende:seuraa tal)erna a ra Imperial n. trinla e spIp das <. Pomo.. A,
pouS7undosn; 2f iJ^n CS T
a tratar na mesma. I sanl remedio, e tantas melluras tenho
"-Vende-se umalarrcTeum boT: los Quatro:Sen,1d0 que tenho convicc5 ^ em breve
Cantos da Boa-Vista n. 93, taberna. recobrara minha saiule, pcrdiJa lia tanto
Vende-se nma easaTerrea de pe'ira"e"cal,' ?m'J?'.L
cita na cidade de Onda a'ra do Aljuhe n. 12 Sypuilis C Molestias lUCl'i.'UE'iacs.
em ehjs pro|)rios, quintal, a qual acha se nm'I Do Illm. Sk. Dh. JveKSO!'
pouco arruinada e por isto faz-se todo negocio : a Medico mu Un
tratar as Cinco Ponas n. 146, padaria. Miatto mimo
sal
Tenho receitado
Dr. Ayer nos casos
CarSK^^ connacional G&emm com os
niais iei17.es resultados; e o mcllior alleran-
ca bem conhecido, que a intensidade d'uma cor-
rente galvnica est em razo direita da superficie
dos elementos que compoem a pilla, os collares
llover, chamados anodinos eleclro-magnelicos de-
signados e graduados por oito nmeros dilferenles,
nossaem as mesnias propriedades elctrica^, cora
esla s differenga que o efleito curativo esla subor-
dinado ao tamaito dos elementos que os com-
poem, e por consequencia quanlidade limidada
d'electricidado que engendram, d'onde se segu
que quanla maior superficie apresentam as perolas
ou elementos, tanla maurquaolia de fluido elc-
trico desprender-sc-ha; o por isso 6 que nos acn
selhsmos de preferencia os nmeros fortes.
Esles collares, pela sua disposl^o flexiveis e
portaieis, podem-se tr constantemente no pesclo
das criancas. Urna redo elctrica cobre sem ces-
sar as partes doridas que sao rnodificailas lenta-
mente, sem
duztm una
Assim acha-se reunido com o antigo preced
memo dos collares do mbar a efDcari'a regular e
segura da electricidade medica. Os collares gal-
vano-maijiielicos de metal compo^m-se de peque-
as perolas de dous metaes dilTereotes, traversa-
des por lios conductore< qoe formam assim pe-
quenas lilas voltaicas d'uma forma elegante, porta-
til e fiexivel. empreados com feliz snecesso contra
as convul.-ues, os torticolis, tosse nervosa, tosse
convulsa, etc.; possuera as mesmas propriedades
e empregam-so indistinclamenie nos mesmos ca-
sos.
OA PRIMEIRA DEHTICAO
E da utiltdade dos collares Royef electro-magneti-
eos para faciliar a erupcao dos denles do leite.
1 piucas palavras explicarei o que succi-de
e
o
qual se despe ta a coriosida.de, e apura a in-
lelligencia. Os aprecia cifres dirijam-se
ra do Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seai satisfeitos.
Bonitos eul'eilcs para grataras.
A Aguia Branca acaba de receber u no-
lindo sorlimeno de enleitcs os mais
ttlsiff-lltl
Itfli
2?S
inteiramente nova no mercado proprias para saias,
camisas e roupas para meninos sendo fazenda su-,
perior ao madapoiao francez e vende-se pelo bara- vo
to preco de 440 rs, a vara ou a 400 rs. sendo em ,,innn
pega com cincoenta e taas varas, islo grande j pernos e gostos in!Mra:nenle agradaveiS,
pechincha : Da loja do Pavo ra da Imperalriz D,
60, de Gama & Silva.
Lencos de seda a$
Vendem-se superiores leucos de seda para ho-
mens e seuhoras a 1 : na loja do Pavao ua ra
da Imperalriz n. 60, de Gama & Silvft^
Lencos brancos a 2$.
Vendem-se duzias de (lencos brancos finos a 25,
ditos finissimos a imliacjio de linho com duas bar-
ras sendo urna de cordo e outra matizada fazen-'
e como seu louvavel costume os est ven-
dando baratamente a quem com dinheiro se
dirigir ra do Queimado, leja da Aguia
Branca n. 8.
Meas de la para seuhoras.
Vendem-se na ra du Queimado, loja da
Agina Br?nca n. 8.
Mata mosca.
Na loia da Aguia Branca acha-se h venda
., < sacudiduras nem commocoes, e pro- da cura rpida impedindo as oonvul>5es. a d"zia : a loja do pavao na ra da Imperalriz moscas, sendo 0 modo de usar facillimo, e o
n. 60, de Gama & Silva. eljti.0 efflcaz mM^ Q e jei,a .,
US (SpartlhOS CIO PavaO ficr n'umprato, e nelle pousan lo as rnos-
A W. 5^ e 6$. cas> entristecem e morrem. Costa cada fo-
Vendem-se os mais superiores esparlilhos com "ia 40 ris : na ra do Uueimado, loja da
as competentes fitas para apertar pelos baratissi- Aguia Blanca n 8.
mos precos de i&, ojj e 65 por ter chegado urna hivciSS hlii!OHfdni i> nP#lRmilttU
grande porcao para a loja do Pavao: ra da Im- l"TWB*B HoqBoUO! t L.it it.iimeiHO
A zeite.
Vende-sc em porco e a retalho, mais barato que
- ItS cargas : na f '
caes do Ramos.
i&A^S*^
-

COI
cha
Cassas de core?, mailo lindos
covado na ra .Nova o. 47.
padroes, a 240 o
Vende-se um sitio em Uelem, com casa para
familia, com inuilas arvores de frusto : quem pre-
tend-r, dinja-se era Santo Amaro, ra da Fundico
defreote do sitio do Sr. Saldan!, na segunda casa
terrea, que achara corn quem tratar.
conhecido as provincias do \ na l)r'll,e'Ca eotieo, fazeudo algumas observares
iiil dn imsil I 7ueSP"vir.ao de guia < m'us de familias, qae pela
VcLl-. rn a 'SUa J,Pnra afTei eia/eram a m.udo os perigos
a balsa parrilha do : da dentico, a qual em delinitive urna operaco
mais inveterados deida natnreza.
A mor parte dos desarranjos que sobrevem
sade das criancas tom por cansa o (rahalno da
primeira dentico Quando o denle faz esorco
para sahrr, declara-se calor as gengivas, a saliva-
Qo volta-se mais abuudante, o sogino agitado,
ha febre a miado, e em g> ral sobrevwi a fronxi-
do do ventre, e s quando este ultimo symp
loma nao loma um carcter violento mais bem
S fr,:SC0S desta Salsa par- avoravd qae damnoy. Sealo sujeito a compli-
carse com outras afleieSes <, tiaballio da dentico,
e necessario, eir. quanto durar, pr a mais extre-
ma e eootinnada ailencio na nade da crianca ; c
desde que se notem os ullimos symptemas qu aca-
bamos de indicar, ser urgente consultar um me-
dico.
peralriz n. 60, de Gama & Silva.
Cambraias de salpicos a 3$.
para enancas.
A Aguia Branca na ra do Queimado n.
te que conheco.
l.eucorrlia c flores braucas.
Temos cartas em que nos contam casos
inveterados que foram radicalmente curados
LiqUlCiaCUO (laS peCimCiaS desmentir a sua alia repulacao.
no armazem da Arara.
35300, 46.
mais quali-
varas a
s ns
O proprietario d.. gr.nle loja e armazem da
Arara tem resolvido vt-nder suas fazendas por
menoe 20 por cento do qae em qual mer outra
parle por isso veniiam ver as fazendas e se admi-
rem des precos, a saber :
Cortes de cambraia cora barras.
Vendem-so bonitos corles de cambraia branc i
com barras de aiVeotes cores pelo baratissimo
preco de -ij ca la corte. .
Camliraias brancas.
Vende-se cambraia brauca a 2,5,
45300, Ti e C5 a peca, e de outras
dades : na ra da Jiript-ratriz n. 36.
Breliia de rolo.
Vende-se bietauha de rolo com 10
25800, est sr acabando esla pechiocua
loja da Arara, de Mandes Guiraares.
Lazinhas.
Vendem-se m mais modernas lazinhas clisa-
das pel. iilcuau vapur, ieudo padroes muito boni-
tos se vende p-eli.baiatN-imo preco d 240 rs. o
covado, i! fazenda jue em ouira parte se vende a
400 rs. : na loja e armazem da Arara a. 36.
Chitas.
Vende-se grande porcao de chitas sendo escuras
e claras por baratos pr'eeos a 240, 2 rs. o covado, ditas percalas linas a 360 e 4UU rs. o
covado, muilas maU de outros precos.
Olales de merino.
Desia fazenda ha um graude sorlimento de cha-
les de merino eslampados cores muito delicadas,
e esta se vendendo pelo barato prego de 25 cada
um, uto |iara acabar.
Colchas de fuslao.
vendem-se colchas de fustaode todas as cores
a 55, ditas de damasco a 45, ditas de chita a
25240 '5900 cada urna : s Lourenco Pereira
Menes Guimares.
Madapoiao.
Vende se madapoiao a 45500, 5, 65300, 75,
753OO e 85 a peca, enfesiado se vende com 12
jardas a 35,35000 e 45300 : na ra da Impera-
lriz 11. 36, Melides Guimaraes.
oulemuarques.
Vende-se "souteaibarque a S#, 65 e 75, ditos
pretos de grosdenaples a 185, 105 e 20J, e capas
o mesmo preco.
Camkraias de o'res.
Venlem-se camoraias de coros sendo finas
320, 360 e 400 rs. o covado.
Casemiras.
Vende-se casemira com lisias a 25300 e 25800
ril/ia.
O espaco nao nos permute ira.iscrcvcr
todos os atiestados que possuimos Jas vir-
tudes d'este extracto composto de Salsa
parrilha do Dr. Ayer. Hasta declarar ao
publico que tem sido empregado ha mais
de vii.te annos pela profiesSo med ,a tanto fc'ilante, rita do Crespo n. 7.
das Americas como da Europa, sao nunca ':, ^;
Bichas de Hamburgo
Para a cura radical de escrfulas e ffecces B\ 'odos os paquetes da Europa a recebe
escrofulos, syphilis e molestia syphi-;M SKS^dLi2K "l"ri?'D0 se
Estes collares vendem-se ns loja do V-

1
- vendem a troco de pouco lucro s afim
iticas, ulceras, fondas, Chagas, & de ter sempre eonsa nova : a loja de bar- ,
erupcoes cutneas e todo e >U beirorua estreita de Rosario n. -3, ao p ^
qualquer iucommodo que ^~ da}srH>- |H|
provm d'um eatedo, M.^M/&M MMM MWM
impuro de sangue, TaSso fruio
T-OMEM A vendem pesso em ji para estuque de-casas, lijlos
finos de feiuo diversos para ladrilho, azuleijos de
diversos gosos, lijlos vidrados para parede de co-
zinha, canos de barro para esgoto, cemento era
barris de 10 arrobas.
Vendem-se superiores cambraias francezas cora 8, recebeu diversos brinquillos para crian-
npaTiSc.?^,deco/esnHd 8 ,l2 varascada cas, sendo estradas de ferro, baas e patos
*Zff^^&^Saf^^ elctricos, apparelbos d, metal, lonca pinta-
ja do Pavo na ra da Imperalriz i. 60, de Gama "a e porcelana dourada para almoc e jan-
; Sitlva- tar e muitos outros brinquedos de madeira,
Tartalana branca a 64" rs. flue Je vendem baratamente: na ruado
Vende-se tarlataaa brauca mnio fina a 6'i0 rs. a Queimad loja da Aguia Branca n 8.
vara ditas de todas as cores a 800 rs. a vara, di- HeaS prelas de seda liara SCll- i';-S a
tas de salpico a 15, dita lisa a 800 rs. a vara : na r uAfl r
loja do Pavo na i ua da imperalriz n. 60, de Ga- """ ,'e,s w l,il''*
raa A s'!^- A Aguia Branca quer acabar com a por-
*# bramante de Pavo. c5o de meias pelas de seda para senhorai-,4
Vende-se superior bramante de Imito do inelbor e apesar do muito maior pre- que Ihe 3US-
Sn^lm ,am,ercaf,,oia, ,01.pa'mos d,e lar- taram e o bom estado em que anda estao,
gura a J5o00 a vara, panno de inho muito su- m,i i ( j i
perior para leuges, toalhas e seroulas a 6'i0 e comtudo esta resolvida a vende-las a o 0
700 rs. a vara: isto na loja do Pavao na ra da re's par aOm de que ninguein mais calce
Imperatri- n. 60, de Gama : Silva. f meias prctas de algodiio, agua pois apro-
iercalcs lisas do Pavo. veitarem a quadra e dirigiretn- e ra do
Vendem-se as mais linda? percales de urna s Queimado, Inja da Aguia Branca n. 8.
cor a 400 rs. o evado: na loja do Pavao na ra hPm vprnl
da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.


Tam
era as brancas a ly o p;;r, e des-
tas o nico defeito estarcm um pouco tri-
gueras,
NALKl PARKILUADEAYEIt.
A' venda na ra Direila, ns. 12 2G e .76;
ra da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
tuicao, n. 30 e Hospicio, n. 40. E rja-
principaes pharmacias e drogaras do im-
perio.
Vende-se em Pernambuco:
na
Rival sem segundo
Ra do Qoeimailo ns. 4i'eao, loja de
miadezas de tres norias, est quei-
taamlo tuto bom ebarat, qoemqii-
ler ver e admirar venham loja do
Bigodiho.
Caixas^de papel amizade, o sem ella liso e paucado
PHARMACIE FRANQAISE
deRMAURER&C'1
RA NOVA H.
y
I Na rea do Queimado o. 63.
Tendo recebido um sorlimento de bone-
icas de choro, ^ue chamam papai e marni,
com cabeeira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento de
brinquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas : apparelhos de alrnoco e de
jamar de porcelana e de metal, porta-licor
efaquinhas a 280 rs. o par ;e nao queren
Jos tioncalves Beltrao, a ra do Vigario n. 17, es- largaras a
M Fumo daBahia para
cluuutos.
m
'<>/.
%
nhos para senbora, bordados e abertos
renda e lisos, os E>as modernos que se
podetfi encontrar. a
Vene-se laa para bordar-de diverjas
qualidades e de cores claras a70 a libra, es-
pelhos de columnas de Jacaranda a 20300,
ditos brancos de diversos tamanhos, caixinhas
para estojas de navalhas,
Colheres de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe para
o covado, e mescladas a
raes.
35 : B Mendos Guima-
de todos.
em para vender sempre
Allriico
Na ra da Cruz u. 13
o seguinte : doces secco e de calda, jelas, boli-
nhos, frucias, flores naturaese arlifieiaes; tambem
recebe quaesquer encommendas de todos estes g-
neros e de plantas para embarque ou plaotacSes.
Vende-se um sobrado de um andar e solio
em ch)^ proprios, na ra do Uvramenlo : a tra-
tar na ra das Trincheiras n. 26.
Kaecaa 30&OO.
Feijo para galhnhas, porcos, vaccas, etc. : na
ra dos Quarteis n. 22, )unto a loja de funilelro.
3005000.
Vende-se por 005 urna crioula de 3o anuos, sa-
pia e robusta, sabe cozinbar e lavar bem; s se
vende para o mato, e o nulivo se dir ao compra-
dor : para tratar na ra da Cruz n. 33.
Vende-se fumo superior de todas asqua-
Jidades, a retalho e por atacado e por
prec.0 oommodo : no Recife ra da
Cacimba o. i.
'.^ffit M MM.M WM.
Vendem-se barris de 5* cora me I de furo tirarsoODa Ti dilas 'fTn ch^a'^J^ J^.wperiores calcas de c
para veroratarnaruado_V,gario_n.29, dilTs^rl, soup/a ^Ij a tzfa : S ^^^ ><*>
dis^n^eln^ad^oQ^Lald!oVI20dXS [^"JS^JW" ^ % "'
Grande do Norte, moente e corrente, com 20 cap- 'ia(*0 so' Umento de miudezas : ra do Quei-
tivns, 20 boise 20 bestas ; assim como diversos mado n. 63, loja do beija-flor.
lotes de ierra, propria para a cultura de algodao e .vj1-;. -----. -- ----------------
mundioea, e mais duas fazendas de gado no Polen- vendem-se duas estolas, sendo urna branca
Jentapara meninas a 2,500
Vendem-se .meias para meninas da todos os ta-
manhos a 25600 rs. a duzia, ditas de seda prela
para Sennoras a 800 rs. o par, ditas inglezas para j
homem a-35 a duzia, rto na loja do Pavo na ra
da Imperalriz n. (O, de Gama & Silva.
Corliitidos para oamas.
Vender.1.-se ricos cortinadas para camas polo ba-
rato preco de 115 o par. iMos bordados muito ri-
cos a 24 colchas de fuilao para cama a i>5o00 e
63 : na loja do Pavo ra da imperalriz n. 60, de'
Gama c< Silva.
Tiras bordadas e entremetes.
Vendem-se linisimas lir.a-. bordadas e entre-! a *-'" rs-
meios por preco baratissimo, na loja do Pavo ra Grazas de bo'.oes de louca prateados fazenda mo-
da Iinperafc-iz n 60, de Gama & Silva. derDa a 160 rs.
Chales a 2^,-iOO nQiias lle Fenna de ac'oa a in rs.
Vendera-r-e chales de merino liso, tendo de todas Pe|nS.de lrana de laa iiias e de ,odas c0r2s a
as cores e j:relns, |jel.baralis-iino preco e 35o00, WcVih c.
por ha ver graude puno: a luja do Pavao, ra .,Z fln,s?,mas ^r" ll0lliar denles a 2''0
da Impertirte n. 60, -e Gama A Silva. D j ,
Vendem-se os melhoresiialoes de are*fameri-: ^ "'a de COs 0S,rt,tas com 10 var!lS a
cacos, sendo rom 20 ateos a 25500, ditos com "
dades a 20 rs.
menina-
pericre
caud
do^Pavao, ra da Imperalriz o. 6'de Gama & Bajitos muilo unos para vollarete a 200 ej
As eaniisinhas do Pavo. (Frascos com agna de Florida a 15 e 15280.
Mentem-se as mais raoderuas camisinhas borda- Frascos com superiores bandas a 300 rs. e 25.
das com manguitos, para seulioraf. sendo asmis Frasees com bauba, porm pequeos a ^00 e
modernas que lem vindo ao mercado a 45500, di- 2*0 rs
las cora manguitos, para acabar, a 15 ; dilas pre- Latas com superior batilia a 200 rs.
tas cOm manguitos para luto a 158(10 rs., mangul- Frascos de maeaci perula muito tiuo a 200 rs
ios e goimbas pretas a 15, linissimas goliultas de Frascos e garralinhas com agua de Colonia a
cambraia branca bordada a 500 rs., alcinhas para 400 rs.
menina a 6Q rs., romeiras de fil e cambraia Frascos grandes com suDerior acua de Colonia a
branca bordada a 15600 : na loja da Pavo, ra 640 r. i
da Iraperalriz n. 60, de Gama & Silva. ; Frascos com superior oleo de baboza a 400 e '
Cortes de percales. i 500 rs.
Ricos cortes de percale com barra, tendo ocom-;Gaas com 12 frascos de cheiros muito Ono a
plente casaveqne a 85, ditos de la a Maria Pia a W0.
65, ditos de caratraia transparente i.oj barra Sa""eles pequeos de bolla a 240 rs. e grandeva
bordada a la a 25; isto se vende na luja do Pa-
a 35, ditos com ditos paS I ^JXJ**" francezes> UPeriores 1ali" I
,as d,e,,tod0HS os, ,ama"t a feaOO,? 35, su- Tinieiros de barro, com superior linta a
rwres baloes de bramante e iiturceliua com Pegas do cordo para Tesdos faze
auda, sendo bastante grandec a 55, isto na loja 20 rs vciiui., laze
100 rs.
fazenda bea
FEITO!
BEPOiATIfl
DaD'SERVAX.dePariz.
Pharmactulieo de l* classe, ex-
interno dos mspitaes, premiado
rom a maldita de bronze.
Desde niuiio lempo o publico
bandoaoo o uso das proparacoes
o lindadas depurativas conhecidas
sob o notiio do Arrobes, Xaropes
le Salsaparrilha eompostos, ele
Coja necao, maior parle das vezes
nata, e n'algums casos perigosa.
Os CoKKuasBEnaATivofiaiQ aspecto
B O COSTO AGI1AD1VEIS E CONTEM SOS IM
RQUEOO VOLIMI IBSTASCI.VS MUITO ACTI-
VAS QIC O SF.O MOJO DE PIIEPABACAO TORNA
1SAI.TEAVEIS.
Osffcsso qti eiitrn cun-
fcltos ol. iveiuo em fran-
ca sob o patrocinio das prlncipaes
celebridades medicas, os poc cima
de ludo quaulo lera existido alh
"toje.
Cura rpida sem o socorro
de nenhitRi oulro remedio in-
terno, das escrophulas
herpes, afeccoes syphi-
liicas hypertrophias
dos tessidos celulares
hydropisias e em gera
toilas as molestias produzi-las
pela altcrncao do sangue ; ta
o resultado que queramos
nseguir e que temos sem-
pre oblido.
Urna explicacao accompanha cada
vtdro.
Dcscoiiliui-se- i!as fu c (incoe- ci iroi-
lcoes.
Para as encomendar dirigirse aos
Snrcs. BVtSSOH BT O1, 18, B'Pilncc
Eucne, Purix.
&
-.-
GRAGEAS brCUBEBINA
ggmCOPABAdeLABLONYE
Vendem-se duas
gi e Cea'r-me'i'ri'm'a umsim woVin^eniM das se elTecinar.io a praso?. medanle boas hrmas
vao, ra da Imperalriz n, O, Palelols pretos a fi
Veadem-se superiores palelols saceos de pauno
pretn, boa fazenda, a 65"; ditos sobre-rasacos a
casimira de cor a 75 e
.. e t>5> palelols de meia
casimira a 55 e 65, ditos de casimira a 10, caigas
de meia casimira a 45 e 45500, dilas de brira
branco de linho e de cores, coletes de todas as
qualidades. Todas estas obras se vendem por
preco muilo em coma, s com o flu de apurar di
320 rs. """ Estes confeitos que tem por base o prin.
Duzia de sa bonetes pequeos com cheiro a 700 rs.; c'Pi0 *CtVO Ja trmetra cbela juuto com
r?S?JV[0c6 hU)Cri0x (iuail:,dti af80 r- |a cupahyba pura, nao nauseo o eslomaca
15200. a rebeldes gonorrbas, mesmo as que re
Frascos com essencias para tirar noduas de rouoa !ram a Cllbeba 0 a CUDahvba SOladamente
Frascos com cheiros do lodos os precos a 160 200 .flBfle,B* Rocife cm casa ^ C3f"
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de
45800.
metas muilo finas para senhora a
uheiro : na loja do Parlo, ra da Imperalriz n, 60, Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
de Gama & Silva. i Ca xas com soldados de chumbo para meninos a
quem pretender dirlja-se
tar com Fahricio & C.
aquella provincia a tra-
para prepador
numero 10.
ou vigario : no largo do Parizo
Vende-se urna ptima escrava moca de boa
figura : a tratar na ra da Cadeia n. 40, loja de
relojoelro.
ALMANAK
DE
lembriutcjlS
Luso-Rrasileiro
PARA 1866.
FOR CASTILIIO.
Vende-se na livraria econmica junto ao arco
de Santo Antonio,__________
Vende-se um guarda-louca novo de amarello
de raiz, por preco commodo : na ra estreita do
Rosario, toja u. 10.
Vende-se
na ra do Viiario n. 11, scriptorio de H. J.
Hamos e Silva & Genro,
Machinas de costura dos fabricantes Grover &
Baker. .
Agua Florida de Lamman Kemp.
Salsa parrilha de Drisiol.
Oleo de linhaca em barris.
Cofres de ferro a prova de fogo.
Machinas para copiar cartas com perlences.
Cera em grume e em velas.
Vinho do Porto engarrafado e em ancoretas.
Dito Bordeaux.
Urna machiua para amassar pao da mais nova
nvenso.
Fazendas brancas na loja do Pavo
160 rs.
mo de madanolfe,: ffi? 1,l'ere dpAm9la> P5" <-''a a 800 rs.
una otla dito para sopa, fazenda
o-s'e vender msfn barato do que em butra ; Pe?-S de Hla ^ l5a Para de,,rura
chilas, algodozinhos da> aminores marcas, ga
boa a 15G0O.
qualquer parle, sendo a dinheiro a vista, na loja do
Pavo, ra da Imperalriz n. 60, de Gara di Silva.
Ricos chales pelos de ren-ia.
Chegou pelo ultimo vcpor francez um grande e
variado sortimento dos mais ricos chales pretos de
reDda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elles muitos de pona redonda a irciUicao de man-
teletes e muitos com o centro de cor.' e vende-se
de vestido, com
para acabar a 600 e
10 varas a 600 rs!
Dilas de bicos superiores,
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Caixas de lampannas para 3 mezas a 50 rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas estampas para rap a 100 rs.
Capachos-compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosas de boioes pequeos pretos para caiga
Barboza e Joo t!a C. Iiravo d C.
Acna-se
uo or. wogoi ir, jimio ao arco de
; e na lypographia ifflpareiai, na n i
a Rosario a compilaco de toda a le?;
> administraco, arrecadaciio e Q
z Tfi-i ^r^i^s^aTr' vr zzrr "n? tnia a i2-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama Silva.' SSSSS'iffSSffo rs
Boi'QOUlS de reilllil na loia dn navn f5*5 de ttras bflrdadas a 640.
uui uuuis ue l eillld lid IOja 00 pNdO. dem com recortes a 15-500, 15800, 25 e 25300
Chegaram os rois ricos bornouls de renda e se Frascos com superior oleo balva a 3^0 rs
vendem porbaral.ss.raos precos: na loja e arma- Duzias de meias cruas muilo fortes e superiores a
zem do pavao, ra di Imperalriz n. 60, de Gama 35300. "uperiores a
* "*' J Resmas de papel de peso pautado a 25800 e 44300
venda na livraria acadmica, na tea do lima-
dor; na do Sr. Nogoi ir-, junto ao arco de
Antonio
ireila d*o
tendente
sacio dos dmheiros d or l.a is defanb > e
les, berancas' Jacenles, I >gad t, ele, eonleod m
o regiment de cnst- e a k-i geral das execi>
coes, como laitibem todas as ordens c avi
goveroo, qoe a ludo lera explicado, tanto a ni. -,.
lo das obrigacSet inherentes ao eauc dos dif n o
les empregados de jusiiea e fazenda, como dsdt-
rellos narionaes e emolomentos que sao devidos
Este Iivro rontendo mais de 700 paginas em i
impressao e bom papel, e prestndose a uliithdo
de amrenles classes, tornase reoomneodavel.
Seu cusi e 105000 por cada exempbr em dous
tomos.
Vende-se i pahnos. de lerreno na roe da
Concordia : a tratar na ra do Alecrtm n 10, das
3 horas s 3 nos dias uleis.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para desearj^ar
tlgoJo : na ra da Senzaia Aova n. 42.
f7
rr


Diarto de i'ernaubuco Quarta letra 30 de Agosto de %sa6.
N. 11Ra do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chepou a este. e^abeleciineuto um grande sorttmeato de cortinados bordados para
camas fazenda de muito oslo.
Olales de gaip mallo liaos para 223, 253 e 3.
Collas de seda superiores de diversas cores para camas de noivas.
Colxas de la e seda para cama tamuom de bonitas cores.
li i nidrio de guip e.ifeiladj con o melhor gusto.
Setim de Pars bella azeoia e de bonitas cores para Vestido a 700 rs. o covado.
\I..ureaoll'iue brauco e preto, grosdenaple preto e de cores, pannos pretal de todas
a. qo Uidades, ditos azues.
Casemira preta e de cores, merino preto, silistriaa, bombaiinas, lpicas pretas, e
lia preu para lotos.
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e eouro de 43 a 113.
Bros de lioho de ceras finos a 14800 a vara.
Chapeos e chapetonas de palha de Italia pira senhora, man;;litis borlados, cnapos
de seda para lioaiem, olveos de sol de seda, esguio d^j linh>, cambraia le liaba, brela-
nhas. silesias e nuitas oulras fazeulas que se ve dem p ir comandos precos assim como
tambem
Esteiras da India para forrar salas
3
i
IS>3>
GENII OS BARATOS A DINHEIRO
NOS
GuvEs mmm m muim


<
1-9
O
o
Pateo do Carao n. 9
SI Si
armazem Progressivora oQueimadod.7
l'niao e Coinmercio ra do Imperador d. 40, M
PrincijfM armazem de moldados. t
OS i'lUU'ltlETAfttlttS.
wn
m^m
DE
J. VIG1VES.
.V 55. RUI DO 1HPURIOOR X. 55.
Oi pianosdesta antiga fabrica sao hoja asss couhecidos uara que seja necessano insistir sobre a
su~ superioridade, vantu^ense garantas que ofTrirecem aos compradores, qualidades estas rncontesta-
vtis saindo um teclado e mtchinismo que obedecem todas as vont.Ws c caprichos das pianistas, sem
Dan blhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhorameatos Importao-
-- si is para o clima desle paiz ; qoaoto s vo'.es, sao melodiosas o flautadas, e por sso muito agrada-
. os ouvidos dos apreciadores.
I'azem se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
oorresoondente de J. Vignes, em cuja capital foram serapre premiadas em todas as exposiedes.
No mesmo entabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sortimeoto de msicas dos
meihores autores da Europa, assim corno harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
procos comniodose razoaveis.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aosenhores de en-
gentos, lavradores e inais pessoas do centro, qHe para mais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprielarios dos tres grandes armazeos, reunir todos os seus estabeleei-
mentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de lodos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os gneros
por um preco, e na occasiao da compra qaererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabeleciinentos nao se dar islo
anda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-uos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna cont
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que seno arrepender pessoa
alguma que fi/er sua despenda em nossos estabelecimeutos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
l\anteiga inglesa perfeitamenle flor chegadajldem com i a 5 ditas a 3,-$20O.
Diurnamente no vapor Saladim*, de 1# dem vasios de todos os tamanhos a s^OOO,
CONSULTORIO HEDICO>!ll!tGlCO
DO
R. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
BDICO. PARTEIRO E OFSK1UOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fuudiio 3
O l)r. Lobo Moscoso d consullas gratuitas aos pobres todos osdias das 7 s 11
ras da manio, edas 6 e meia as 8 horas da noite, excepto dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo co sultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintes.
Carteiras de 12 lubos grandes. 1-2^000
i de -2't tubos grandes. 18(5000
de 36 tubos grandes. 21-3000
de 18 tudos grandes. 305000
de 60 tubos grandes. 35000
lYepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se O/.er, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo aguiso ou frasco de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de M custarSe os precos estabelecidos para as carteiras.
* ris.
JLIVROS.
\ molhor adrada homeopatbia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jah
loo grandes volumes com diccionario............ 20/5000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 1050)0
Repertorio do Dr. Mel Moraes............ 63O00
Diccionario de termos de medicina........... 35000
Os remedios deste estbele;imento s3o por demais conhecidos e dispensam por
drt serem novamente reeommendados as pessoas que quherem usar de remedios
I nr \t, energic >s e dura lores: ha tudo do raelhor que se pode desojar, globos de
a 15120 a libra e em barril terabaii-
mento.
dem francesa muito nova a 15 a libra, e
em barril ter abatimento*
Banha de porco refinada a 610 a libra e em
barril ter abatimento.
Cha uxim de superior qualidade a 25600.
dem perula miudinlio a 25700
dem hysson especial qualidade de 25300 a
25600 a libra,
dem preto muito especial a 25000 e 25100
a libra,
tdem do Rio em latas de 45000 e a 800 a
libra.
Latas com biscouto de todas as qualidades
a 1(5200.
dem da creditada fabrica de Biato Antonio
1(5500, 800 e 640 rs.
Queijos do 25300 a 25500 os mais frescos. I
Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
25000 a caada. / ,
dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 15400
a caada.
Azeite doce de Lisboa muito finaba.600 rs. |
a garrafa e 45600 a caada,
Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 400
a libra, e em barril de 5 arrobas a
105500 a arroba.
Gerveja Bass do fabricante Shlers & Bell a
65500 a duzia e 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Ashea 65000
a duzia e 560 a garrafa,
dem marca H Vicloria Alsope e outras,
muitas marcas a 53 a duzia e 500 rs. a
(Lisboa; proprias para dar a doeutes a garrafa.
25 e 35 a lata. Sabo primeira qualidade a 220 rs. a libra
Bolaxinha ingleza muito nova a 35500 a bar-; e 21 f em caixa.
rica e a 240 rs. a libra.
Latas com bolaxinha de soda e oval a 25.
Presunto inglez para fiambre chegado no
ultimo vapor a 800 rs. a libra.
Chouricos e paios muito novos a 000 rs.
a libra.
Gaixas com macarrao tlharim muito novo a
55000 e 320 a libra.
\letria branca e amarella a 500 a libra.
Chocolate portuguez de especial qualidade a
800 a libra,
dem suisso de 800 a 15000 a libra.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabao ingle/, superior a 180 rs. a libra e
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 75000,
75500 e 83 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranhao 33200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India
libra.
a 20600, 25800 e 100 rs. a
lia tubos mais pequeos cada um a 500
I in!
le ro issii;!;' i. h estbelecira)ntos europeos, a mais exacta e acurada preparaejio, e portautoa maior
b le certeza em seus efeitos.
Casa de sauda, pira eseravos.
R. <: .f),>-;e escravos para tra'ar de qualquer enfermidade ou f.izer-se-lhe qualquer
l'.l '. .
p ra t q'ie o aanonci inte jalga-se safficientemeote habilitado.
O rat'imanto o meiruF possivel, tanto na parle alimentar, como na medica, e
; mando a casi ha mais d>: .atro anuos, ha muitas pessoas de cujo conceito sd nio
p) U dnvid d nenies.
Paga-se25 par dia durante 60 diase d'ihi em diante I500.
Asooeraces ser) previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razo eis que costuma pedirr o aununc'ante.
dem hespaohol verdadeiro a HO00 a libra Charutos Normas de Ilavana a 5300 a cai-
que j vendemos a 10400. xa, de Simas (Jos Furtado).
Ooce da casca de goiaha em caixoes de 4 e dem Londrinos a 55, idera.
meia libras seguro a 13800, dem Parasienses a 45500.
tdem em caixoes pequeos a 700 rs. e de 'dem Delicias a 15500.
50 para cima a t:40. dem Traviata do Rio a 55500.
dem'secco em bocetas ricamente enfeitdas, dem varetas de Manoel Feixolo da Silva
AGUA FLORIDA
mciiHisitEfiTa?
de
trabalhar mo para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OIDAM
X>JES
i
LANMAN
\ agua flurida de Munay & Lanman
olfa la como um artigo de perfume, nao
I ski p idido ser igualada pelas preparacoes
as mais custosos: conserva sea aroma, co-
in se formasse parte da prenda a que ella
ilica.
Estas machina.-
podem descarocar
ualquer espe'ci
de algodao sen
estragar o fio.
sendo bastan!
duas pessoas pam
otrabalno; pd
descarocar udj
arroba de algo-
do em earocc
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia on 5 ar-
robas de algodao
limpo.
assi/u como machinas para serem movidas por
Sua pfJicacia to delicada, comoelegan- anlaiaea, tes s3o seus muJlijalicados usos, quer seja
empregada como artigo de loucador, qor
n i aso do banho, ou como suavisador da
. depois que se tenha feito a barba;
ira !impar as gongivas ou aromatisar o
hlito.
I.i snavidade, brilho e elasticidade as
- eic6-, depois de se haver lavado; al-
lvid a irrilarao de t-rupgoes ordinarias ; iazi
<.'!.-:-;p recer o oesa^radavel aspecto dos |
I anuos, das sardas, do rosto, rugas e toda a'
i is le ebulices, e d vigor e frescura a!
par e onde ijuer que se applique. Sua clli-
ci i' elegancia sao igualmente infalli-
iios casos em que teja preciso appca-i
la como estimulante e antisptico, nos con
i:u se assemblas numerosas, as loca-
les infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te [iara os desmatos cansados por cansaco
on iuifocaco. Preparada nicamente por
L inm m Kenap, Nova York, e a venda por
r iors 4 Barbosa.
Joao da G. Bravo & C.
psito geral em Pen.ambuco roa .:
ti em casa de Caros & Barbosa
- Virjbo do Porto superior em caia de duzia.
vender Antonio Luiz dcOiiv- irn Aiev-
* .. i! ->n esrriptnrioroa da Oru/ n. i.
duas,
V. ndt- -i" urna ra 'irnini de arruar toila f-ir-
t~A* le .-fii.i. o ein houi astado : a tratar na loja
ii. 18 'a rna io Quuimado.
impo, uor dia; e mmores para mover urna
eutrjs dessas machinas.
Os meamos te;i para vender um bellissimo va-
por que pode azer mover seis destas raachinai
m-nciouadas ; para o que convida-se aos Srs.
agnculiore> a vrem rt e examina-lo, no arma-
lem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saanders Brothers & C.
X. II, pru^u (2o Curpo Santo
RECIPE.
Os uaicos agentes oeste paiz.
LlAS, V1DR0S E
CIIHYSTAES.
A lojadelou^a da ra do Crespo n. 16 tem para
vender quanlidad* ilu azulejos de linrtas e variadas
cores, asim como loueas de todas as qualidades,
do bonitas piuturas n go^lo mu-leruo, ricos appare-
llio" de porcelana, brancas duuradas e d cores.
ndros e todas as oaandades, inclusive fiuisimo
Chryslal, dilieados jarros de chrystal e porcelana
, para flores, figuras e oulros maitos objectos de B-
nissima porcelana denominada Macollo para en-
feiles ,|f> mesas, tic, giarnfcdes de linissima por-
celana branca douradas h de cores para lavatorios
e tateles, tudo do melhor gosio, pinhas de louca e
vasos para jardim. candieiros de lamparioas psra
gaz, gfohos e chsmineisde vil-o, Iwcraes e todo?
os mais s ilirrel'liles para os inesmos, gaz liquido
de superior qualidade, e muitos oulros artigas que
sena enfadonho mencionar, tudo por pregos mui-
issim.'S razoave.-.
Cal de I,l*i>oa
a grane! a 1^900 i>or urna barrica: na ra do Vi-
garic u. 10, primen o audar.
contendo pera, pes-'go, ameixa, rainha.
e outras frutas a 35000 cada urna,
(dem em calda em latas feixadas hermtica-
mente muilo bem enfeitadas, contendo,
pera, pesego, ameixas e outeas frutas a
40 e 7U a lata, tambem temos latas
grandes a 15200.
Vlarmclada dos melhores fabricantes, em la-
tas de 25000 a 15200.
dem em latas de 1 i\- libra a 15.
dem em latas de 1 libra a 610 rs.
Ervilhas em latas chegadas neste ultimo va-
por a 700 e de Si" para cima a 610 rs.
Feijo verde ou carrapato em latas j pre-
parado a 610 rs.
Ameixas em frascos de vidro a 15500.
dem em caixinhas ricamente enfeitadas de
1200 a 25500.
Conservas Mexide muito novas a 700 rs. o
frasco,
dem de ceblas simples a 700 rs.
VIolho inglez a 610 rs. o frasco com rolha
de vidro.
Mostarda em p a 700 rs. o frasco,
dem j preparada a 32Q rs
Latas com massa de tomate de 1 libra a
600 rs.
dem em latas de 1 1|2 libra a 900 rs.
Vinhos em garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Gascavallas, Maria Pa, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e oulras muitas marcas
a 15 a garrafa e 95 a 125 a duzia.
dem Palmella a 15 a garrafa e 115000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 5o0 rs. a gar-
rafa e 25800 a 3.5500 a caada,
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas om su-
perior vinbo Lisboa e Figueira a 215 a
ancoreta.
dem branco expecial qualidade proprio para
missa a 560 rs. a garrafa e 15 a caada
dem mais baixo a 400 rs a garrafa e 35500
a caada,
dem do Porto especial qualidade a 800 rs.
a garrafa e 55500 a caada.
Id m Bordeaux em caixas a 75 e 700 rs. a
garrafa.
Champanha a melhor do mercado vinda de
nossa encommenda a 305 o gigo.
(dem mais baixa de 185 a 205 e 15500 e
35 a garrafa.
Licores portnguezes e francezes a 15000 e
15500 a garrafa..
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 15500 a
garrafa,
dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
Genebra de laranja ver 'adeira a 115 a du-
zia e 15 o frasco,
dem de Hollanda verdadeira a 65 a fras-
quera e tino o frasco,
dem de Hambur/o a 55500 a frasqueira.
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o frasco.
iJarrafoes com genebra de Hollanda coa 24
garrafas a 85. com garrafo.
dem com 14 a 15 garrafas a 65.
m
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Gadeia do iecife, esqua daHadre de Deas,
Os ricos baloes de arcos com muita roda para senhoras.
Bales de arcos para meninas de 2 a la aunos 25 e 25500.
dem de panno para meninas 35 e 35300.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda superiores com 12 asteas 95.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, porm maiores 105.
dem idem com 16 asteas 125.
chitas.
Chitas largas solrivei- a 240 rs.
dem melhores a 280 e 300
dem escura-i finas a 320 rs.
Tapetes.
Bicos tapetes grandes e pequeos com ricas estampas para sof.
Camisas.
Ha um completo sortimento de camisas franezas de 15800 at 55 das seguin-
tes variadas qualidades: pregas largas, ditas muidas, peitos defustao e de cores.
Camisas de meia.
Ha grande sortimento.
Cambraia branca.
Lindos e superiores cortes de cambraia com barra a 45.
Superior cambraia branca para vestidos.
Cambraia para forro.
Calcas.
'laicas de brim pardo superior a 25500.
dem de bonitas e superiores casemiras de cores,
dem de superior brim branco, ha de diversos precos e qualidades.
Mantas para pescoco.
Bicas mautas para Descoco de humero, de finissima seda e de ricos padroes, que
s o Balo tem.
Paletos de casemira.
Superiores paletos saceos de casemira.
Paletos.
Finssiimos paletos de alpaka branca a 55,
COLLETES.
Golletes de casemira a 45 e 55.
dem blancos a 253i0 e 35.
Sacccs para viagein.
Saceos para viagem a 55 e maiores a 65.
A OEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico novas
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas suppde sempre ser as mesmas fa-
zendas.
Ontros objectos.
Vindos tambem para a anliga
Netto a 35500 e I^SOO a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a l&H-O mirjdezas "ra"do Queimado n16.
a meia caixa e 55200 a caixa.
dem mececipes a 15700 a meia caixa
35000 a caixa do mesmo fabricante.
Tranca de seda com vidrilhos, moldes no-
oja ue vps e mui bonitos.
a 15800 a meia; igualmente bonitos.
dem orientaos do mesmo
caixa e 35100 a caixa,
dem jovens de Castanho & Filho a 254001 nho dos sapatinhos.
a ca'xa- Outras mui linas de fio da Escossia e
dem idem de cores tambem de bonitos
Sapatinhos desetim branco bordacos pa- mo|(Jes c agn,daveis cores.
ra baptisados. | Botoes para os mesmos fins, sendo pre-
menno tambem bordados e tos dc seca
' tos de seda maiores e menores, enfeitados
com vidrilhos e pendeutes e outros de di-
Meias de seda, correspondente no tama- j versas cores.
dem suspiros do misino a 15SOn a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 15500 o quarto e 55
a caixa de urna arroba bespanhola e 30
a libra.
Vermiite bebida para abrir a disposicao de
comer a 15500 a garrafa e 145000 a
caixa.
Alpista muito novo a 35800 arroba e 140
a libra.
Painco a 15000 arroba e 110 a libra.
Peixe em latas j preparado a 15200 a lata
e em porcao 15000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo paraltmpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 105000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 15800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 25500, 35000 |Cos commodos ; assim como boas e bonitas
e 45000. utas de gorgorSo achamalotado, proprias pa-
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a ra ditas fivellas.
800, e a 40 rs. a libra ; Ocalos de peneira e de outras
Goman em paneiros a 45000 arroba e 140, qualidades, para quem sofffi-e
a libra. da vista
Fannda do Maranhao muito alva e nova ai A'loja de miudezas rua do Queimado
240 a libra. u. 16, tambem recebeu oculos de peneira
Swadioha de Franca para sopa a 200 a li- Com vidros claros e escuros, para quem sof-
bra. jfre da vista, assim como outros de armacao
Sevada muito nova a 140 a libra e 45000 de ac, sonidos em graos.
ar:*0ba. j Coroas e tercos de cornaliua.
Caixas corlpBtrelinfia, rodinha e pevide a a antiga !<.ja de miudezas a' ra do
brancas listradas.
Luvas finas de fo da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras e meoinas.
Pentes de lartiruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulhas.
Aguibas francezas, as afamadas.
: Caixinhas com allinetes brancos e pretos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos.
Caixas com linhas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de borracha preto, redondo.
Oouitas fivellas grandes de ac,
douradas, madreperola e tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, recebeu um bonito sortimento de
fivellas grandes para cintos, sendo de ac,
douradas, madreperola e tartaruga, as quaes
isto sendo vendidas em dita loja por pre-
Idem pretos de velludo tambem de soni-
dos tamanhos.
Looelos de dous vidros enm aro de aro, bfalo
e tartaruga.
A loja de miudezas, ra do Queimado
n. 16. recebeu um bello sortimento de lo-
netose oculos de vidros com armadlo fina de
ac, bfalo e tartaruga, e os estvendendo
por pregos razoaveis : os pretmdentes diri-
jam-seaestalcja na ra do Queimado n. 16.
400 a libra.
Alhos em canastras muito novos e mauncas
grandes a, 180 e 200 rs cada urna.
Canella muito nova a 15000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Ervadoce idem a 400.
Alfazema flor a 240
Amendoas a 400 a libra.
Notes muito novos a 160 a libra
Papel greve a 45200 a resma,
dem I izo a 45000.
dem de pezo a 35000.
Idem de embrulho marca grande a 15200 e
15300.
dem azul para botica a 25000.
Copos lapidados a 55500 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 e
16. cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 15500 a libra, em porc5o ter
abatimento.
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e tergos decirnalina, os quaes esto
a disposicao dos bons christaos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na ra do
Queimado n. 16.
Ib
h
mimmm
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 15000 a sacca.
s -.----.- ~j
Farinha.
Vndese farinha de mandioca muito nova, sac-
eos grande- a 43 : no armazem fe farinba da pon
te uova dos Srs. Tasso Irinaos, para porefies, na
ra da Ma*r^ le Dos ns. o e 9.
Potassa da Kussia
muito nova e superior : vende-se no escriptorio l
Esponjas finas grandes e pe-
quenas.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Diversos objeetos.
A antiga loja de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, acaba de receber muitos e di-
versos objectos que fazem completar o seu
bello sortimento, sendo:
Fias finas de sarja da mais estreita que
ha at a mais larga, todas de vivas e agrada*
veis cre<.
dem tambera de sarja Lvrada, de bonitos
e novos desenhos
Idem idem brancas, lisas e lavradas, pa-
droes igualmente novos e bonitos.
dem de gorguro de seda achamalotada.
; e muito encorpadas, para cinto de fivellas
grandes.
dem de seda preta e de outras c es pa-
ra debruar vestidos, colletes, palitos, etc.
dem de 13a igualmente sorlidas em cores
e para os mesmos fins.
dem de algodio brancas diversas ou-
tras cores para vestidos de chita.
Idea de borracha brancas e pretas para
soutembarques. vestidos pretos, etc.
Novas e lindas guarnicoes para enfeitar
: WM W9WWW*%
tnegaram necente M
mente as seguintes :
Aguas mineraes naturaes de Vi-
chy, dita de Seltz, dita stilphurosa M
das Caldas da Rainba, dita azeda w8
das Furnas da liba de S. Miguel,
sendo estas duas excellentes para jp
combter as inflammacoes de esto- gas
mago, da garganta, azias etc.
Chocolate medicinal de musgo is- l|
landico, dito ferruginoso, dito de *3
baunilha, dito de familia, dito pu-- W
| gativo etc. Pastilhas pulmonicas gg
!jg| inglezas contra a tosse, pillas de m
* Alison cintra sezoes, ditas da vida t
S deThomaz Parr, ditas depurativas B
W e purgantes de .Mr. Dehaut, todos
os preparados de Kemp como pi- @
tjj lulas assucaradas, salsa-parrilha de g
B Bristoi, peitoral de anacauhita de |
m Kemp contra tosses, catharros, ^
Kasthma etc bitler aromtico esto- g
macal e copos de Quassia para tor- g
nar em poucos minutos os liqui- S
9| dos amargos e tnicos para o esto-
P| mago: venda na ra da Madre de |g
* Dos n. 1, botica de Joao da C. 5
[ Bravo C gg
Os Srs. fabricantes de pao. bola- '
M cha e conse veiros encontraio car- 91
3 bonato de amoniaco muito branco e Jjjg
jg forte em (landres, potassa ingleza g|
** refinada e secca essencias puras O
Sde limo.dita de hortelaa pimeDla, S
dita de Neroli e tintura de carmind
I para corar amendoas etc.: na mes- m
I ma botica de J C. Bravo & Q. gf
Grande sortimento de roupas eitas de to-
das asqualidades,
Cairas de casemira a 63 e 73500, ditas prelas a
H3 e 83, calcas de ganga a 23 ,13800 e 43600,
ditas brancas a 23, l.rimde linho a 33, 33500 e
43, paleiots do alpaca branca a 43500, ditos pretos
a 33 e .'13500, ditos e alpaca de rordao a 43. e
de listra de seda a 43500, duns sobrecasacos a 53,
paleiots de casemira a 53, 53500, 63, 83 e 93,
uno- Mihrecasacos pretos a I 3, 15 e 163, ditos fi-
nos a 253, de cores a i33. ditos fraques a 143
paleiots dn ganga a 33, 23300 e 23, dils de brim
pardo a 33, jarjueioes de brim pardo a 33, panno
preto fino a 23. 23600, 35500 5. 43300 5 e 63 o
covado, moreantique preio a 23600 o covado cros-
lenaple preto a 13500, 13800, 23, 23200 e'23500
o covado; e ontras muils mais fazendas que se
uvixa de annunciar, e manda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendenles. O
e labflecimenio est alieno al a 9 horas da noite
ra da !ni|ieralri n. 56. Mendes (loimares.
Ferros para engommar
Vendnm se caixinhas contendo o mais completo
sortimento de ferros para eoffommar, encrespar
de Maooel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do. soutembarques, vestidos pretos, manteletes, babados, patos e toda a roupa de senhora : na
Corpo Santo n. 19
etc., obras do muito gosto eraidernissima.
Vova u. 24.
ra
l


*


i '

lU.' rjnll iP-l
' ii


mmm
Diarlo de Pernambnco -- Qnarta felM 30 de Agosto de !*.


NOVO GERENTE
0 PUBLICO
iem o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genero
nao agradar.
ATTENCiO
O preco* da egulnte
tabella para todo, po-
dendo assim servir de na- ,
se para o ajuste de contas
cora os portadores.
Tasso Irmos
Vendcni no >co armazem ra de
Amorini o. 3o,
Licor fino Carasio em botijas e m-.-ias bo'.iias.
Licores finos sonidos tm garrafas com roibas de
vidro e em lindos frascos.
Vinhoscheres.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscate!.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
^m & m-DBM DI SI IDOUtUIlA
AO
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da concelco)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore' "horas, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que todo a promptido e intei-
ezacom qne ser3o trat-1w envida a nma visita ao mesmo, certos de qne sem dovida rae darao a protecc3o e preferencia na com-
-ra dos gneros qne precisara* e qaando nao possam vir poderlo mandar seus portadores, ainda qne estes sejam pouco praticos,
roisserSo t3obem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaca"n, afim de que novao em
tra parte.
Aleiria, macarro e talliarim
Manteiga ingleza especialmente escollada a
l.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem francezaamais nova do mercado a 96o
rs. a libra "ff00 rs. em barril ou meios.
\ Cha hysson de superior qualidade a 2,600
e talliarim a 4oo fs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Massapara sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de S caadas a
a.ooo rs.
WESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento [de molhados,
que sendo em sua maxiirn parte mandados vir directamente do estrangeir"podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm nffiancar, com toda a seguranca de que
uenhum oulro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
i; Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
.3/ Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharo nesta! rs. a |bra.
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de! cha perola o mais superior do mercado a
primeira qualidade. etc., etc. I 2,8oo rs. a libra.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mu- \em hysson muito superior em latas de 15
to bem servido. libras muito proprio para negocio a 2,ooo
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de rs. a libra.
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man- iem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-1 bras a l,6oo rs.
dem ou nao querem vender. ; dem preto o que se pode desejar neste ge-
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne- j Dero a ^000 e 2)200 rs. a libra. .
gociar devem vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-,jjnguicas muito novasa 800 rs.a libraeem Vinho do Porto das melhores marcas que
rem d quanto se pode vender barato. | barril se faz abatimento. vem ao mercado como sejam : Lagrimas
Para os senhor< s que compram para tornar a vender existe um sortimento spe- chourifas e patos a 800 rs. a libra,
cial, escollado por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores; costelletas inglezas a 64o rs.libra, serve
compradores. | para temperar panella ou para fiambre.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agr- Quej0S 0 reino chegados neste ultimo va-
riar a todos. por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a I
32o, 4oo e 000 rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,800.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Sal refinado em frascos de vidro com lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Qerveja branca das marcas mais acreditadas
que vera ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,000 a du-
zia.
I Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
; Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
avanado.
Francez barrica SfOOO
Portland dem 8*600
Em perfeito estado:
Francez barrica 10*000
Portland dem 12*000
No armazem de Tasso Irmos caes do Apolla
Vendem-se no engenho Meguahipe de baixo
dous animaes de roda, sendo ama besta e um
quarlo castrado.
A DINHEIRO A VISTA:
A j Graixa em latas, muito nova,
a libra. 1 urna,
oito libras para cima a I u
KIRSCH de Wasser a 2(5 a garrafa
ALPISTA a 120 rs.
dem e painfo de
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amenboas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
annos.
dem dem em potes de lodos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos d lodos os tama-
nhos.
Azicitu doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Ai.iios a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2^000 a garrafa.
B
B0LAC11I.NIIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 16800 a lata, e
de cinco para cima a 16700.
dem ilc so la era ltate grandes a 2.-5000 e
de cinco para cima a 16800.
Biscorros inglezes de todas as quadades a
16200, 1625U e16300.
Bolo francez e;n caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Bamia de purco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a H a libra.
dem de musgo a 16500 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a" 2 40 e 260 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 76000 a ar-
roba.
Conservas em bascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a I600a duzia.
Ceihtma da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, c em duzia se faz grande aba-
timento.
[dem Victoria Bas tres X e deoutras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'IIavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Uegalia, Mississipes,
Panetcllos, Apraziveis, Vrelas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
C11 de todas as quadades e de todos os
presos, hysson, huxirn, aljfar, preto, e
preto pona branca, etc., etc., a 26000,
262"0,26560 e 26800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 26500, 36500, 46 e 56.
Clices de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 16 e 16500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
n
DOCES de todas as quadades: brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILIIAS seccas a 120 rs. a libra.
rvadoce a* 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400,500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feuo verde em latas a 600 rs.
Favas era latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 16-500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra,
a 80 rs. cada | dem prato a 800 rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas I
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.

e franceza
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,000,15,ooo,
12,ooo e 10,000 a caixa com I duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o- rs. as meias latas.
Bolachinbas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinbas de soda em latas de diversas
quadades a l,3oors.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartes com bolo francez muilo propnos pa-
1 Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata. | ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para 'gua a 5,ooo e o,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
p iraeira rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
qualidade a 16, a libra. ; Mam>dem Para vinho a 4o rs., e 2,4oo rs. j Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
Marmelada dos mis acreditados fabricantes. a duzia. a libra.
MANTEIGA ingleza
de
Macarro e talharim a 320 rs. a lira.
Massa de tomate a 6D0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. 0 frasco.
Molho inglez de todas as quadades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
36500.
Miliio paingo e alpsta, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a 16C00, de
todas as quadades, como sejam savel,
goras, corvina, pargn, salmao, pescado e
pescadirdia, linguado, sardinha. etc., ele.
Peras em latas, excellente preparacSo.
Palitos para denles a 120 rs. o mago muito
grande.
Passas em quarto a 16100.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 600 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINIIAS OU MOUINQUES a
15
RAPE' Meuron a 16 a libra,
dem Princeza do Rio a 16200 a libra.
dem francez a 26500 a libra.
S
SARAO massa a 160 rs. a libra, era caixa se
faz abatimento.
Sal refinado era frascos a 500 rs.
Salame de Len a 28.
Sabmnhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 100 rs.
T
TOUCINIIO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tlnta azul e preta para escrever.
V
VINHOSI
Principe Alberto, de 1831, a 56000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 26 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 16500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 26 a garrafa.
Duque a 16 e 16500.
Chamisso a 16, 16200 e 16500 a garrafa.
D. Luiz a 16 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de*Selubal a 26 a gar-
rafa.
Carcavelos a 16.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posico alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 16 a garrafa.
Absyntho a 26 a garrafa.
Kirsch a 26 a garrafa.
Wermouth a 26, e a caixa a 186-
Bitter Maurer a 16 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 206.
800 saceos, de todas as quadades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 26500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
Chocolate francez hespanbol e suisso a 9oo,. Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l,ooo e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a ibra.
i Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. BolacMnha d'agua e sal, da fabrica de Joao
' Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
cradas e das melhores quadades de pei- i bras por2,5oo rs.
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francez s cm frasco de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a J5oo.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e6io c 7oo ris agar-, tamanhos com bonitas eslar pas na cai-
rafa. xa exterior, a 1,4o i, 1,60o, 1,80o e 2,ooo
do de Simas, das seguintes quadades:
Exposico Normal de Ilavana, Jmperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa uu^n meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a $00 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matle,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franga muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muilo novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
quadades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,000 cada urna.
Ruibos, excellenle peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o prego.
Ameixas franc zas em caixinhas de diversos Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 c 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada vana ancoreta.
Genebra de Ilollanda a 48o rs.a botija de cada urna.
conla certa. Azeite doce refinado hespanholou portuguez Champagne da melhor quaiidade que vem
Frasijueirasile genebra de Hollanda a 6,800 a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa,
e 64o rs. o frasco.
Genebra do laranja verdadeira em frascos
grandes a 1,000 6 11,000rs.a frasqrieira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,000 rs. a arroba.
Cafe do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Batatas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oo ; 24,000 e 26,ooo o gigo.
o gigo cora 36 libra-.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,500 a dnzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
JNozes muito novas a 160 rs. a libra.
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 160 rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo 2 Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a Soo rs. o frasco.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-; Mostarda franceza om potes j preparada a
roba. &00 rs. o frasco.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra e4,000a.LentHhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade^ 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de nma libra e56o rs. a reta- 16 a garrafa I! ,00o a duzia.
loo. Paiitos de dente a o rs. o mago.
Gomma deengommar muito aba a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia ecereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa ea l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80, 100 e 120libras a 46,46500 e 56 ; no grande armazem "da Liga.
-
I
-Mtlnip
&i ^'
na
grande
Vndese pelo preco de 25 o par lavas novas de pellica de Jouvin, chegadas no ultimo vapor,
para hornera e senhora : na ra da Imperatriz toja de miudezas n. oi.
Vende-se urna casa com sio, tendo 4 quar- Calnogas finos e brinquedos
tos, sala na frente e atraz, cozinba fra, cacimba, para meninos.
tem 41 palmos de frenle e 620 de fondo, com mu- theearam para a loja de miudezas da roa do
tas fructeiras : a trat?r na ra da Casa de Deten- Quemado n. 69, os mais finos e lindos cal angas
cao n. 11. tanto para brinquedo de meninos como para cima
Z ZT. ", '. l 7~ '. de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
Na offlema de ferreiro da ra do Jasmim n. liment0 de mindezas.
^
O?
tDD-waTS-ooT sr- 5> o o g o
a o g; a> o. "
03
-"2 o.
K a> _. ft?
o
C6
a
-1
o _
3 o.
-
'-
S
50 o a c'a
I X 09
2S_
B~30
_ as rr a
90
O.
a> 5.
o
u.
o.
5
o
s
s
V tfl <
S-Bi.
Sas
o sro-
-t
-
as'
53 3-3
OQ O 2 O
h 1
os
1
Q3 OS
O.
O
T3 co
os -t
3?
le
g
>
o
o
en
CB 2
OS .
Cu
O
w
(A
%
3
c
Attencao o barateiro de ob-
jectos chegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous Rrandes lustres de vidro finos
com 24 luzes, do melhor Rosto e por preco razoa-
vel; assim como apparelhos para cha e para jan-
tar, brancos e de cores differentes; ditos de por-
celana dourados e pintados e brancos; apparelhos
1 para janlar de porcelana branca; tamnem se ven-
dem em pegas separadas, como os freguezes qui-
zerem, compoteiras lapidadas para doce, clices
! para vinho, ditos para champagne, copos para agua
e para vinho finos e ordinarios, em caixao e a re-
talho; lanteroas de todas as quadades de vidro;
I ditas de casquinbo inglezas muito finas; candela-
bros Je vidro e de bronze; serpentinas, vasos de
, porcelana e de vidro para flores; bilhas hambur-
j guezas para resfriar agua; barricas cora appare-
I Ihos de mesa para jantar; gigos com apparelhos
' para cha; e outros muitos sortimentos de todas as
qualidades e precos commodos vontade dos com-
pratrores, que se vendem na ra da Cadeia do Re-
I cife junte ao arco da Concedo n. 64, e na ra
Nova no grande armazem de louca e vidros junto
igreja da Conceicao dos Militares n. 49.
24, ha para vender nma carroca feita, com esmero.
e propria para carre'gar nma pipa com agua, aflm I IiOvas de pellica.
de vende-la pela ra. Na mesma offleina ha tam-! Recebeu pelo ultimo vapor lindas lavas de pelli-
bem un cabriolet de duas rodas, novo e muito bem ca de cores e brancas para homem e senhoras : s
acabado ; quem pretender estes objectos, pode di- quem recebeu foi o beija-flor, ua ra do Queimado
rigir-se a mesma que achara' com quem tratar. < numero 63.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melbor qualidade a
li6 a lata : nos armazensda rna do Im-
perador n.16 e rna do Trapiche Novon. 8.
Vende-se um escravo boa figura, fiel e com
o officio de sapateiro : a tediar na roa do Impera-
dor n. 2, cartorio.
Vinhos do Porto
das melhores marcas, em caixinhas de ama duzia
de garrafas para casas particulares, sendo : Lagri-
mas do Douro, Duque do Porto e D.Luiz ; tambera
tem anchetas de dcimo encapadas com superior
vinho, barris de oe e 10 era pipa : na roa do Vi-
Sario n. 19, primeiro andar.
BOGDLOS.
Na roa Nova n. SO tem binculos grandes (cha-
mado Marine) que aloanca muito looge, das me-
lhores qualidades que nunca tem vindo ao merca-
do, propnos para os senhores offlciaes da armada
qqetem de seguir para o sal._____________
- Vende-se urna escrava boa eozraheira : a tra-
tar na fundicao da ra do Brum n. 84.
iijui de fazendis <
roupas fcitas i. eioiuies na rna da
Imperatriz n. 72,
Os proprietirios deste estabelecimento esto re-
solvidos aliquidarem por precos baratissimos para
apurar dinheiro, vejam :
Chitas francezas escurase claras a 260 o covado
e 280 rs., ditas percahas 320 e 360, muito finas a
400, 440 e 500 rs. o covado : isto s na loja de
Guimares & Irmao, na da Imperatriz n. 72.
Grande sortimento
de cambraiao francezas. lindissimos pradoes a 280
rs. o covado e 320 e 360, organdys muito Jiaa a
400 e 440 rs. o covado.
Est se acabando a pechincha.
Laazinhas escocezas a 240 rs. o covado.
Lazinhas escocezas a 240 rs. o covado.
Laazinhas escocezas a 240 rs. o covado.
Laazinhas muito finas a 360, 400 e 440 rs. o
covado.
Ditos de urna s cor a 480 e 500 rs. o covado :
isto s na loja de Guimaries & Irmo, ra fta Im-
peratriz n. 72.
Grande sortimento
de cortes de vestidos de barra a 3#200 e 3j5oOO,
ditos de Ia a Maria Pia a 3IM10 e 55500, |)e<;as
de bretanha de roiO com 10 varas a 34000, dita de
madapolSo francez infestado com 12 jardas a 3.S200,
3*500, 4*000 e 445O0, ditas sem ser infestado
com 24 jardas a 55, 54500, 64. 74, 74500, &&0O0
e 104000 : isto s na loja de Guimares & Irmo,
ra da Imperatriz n. 72.
Grande sortimento
de cortes de casemira de cores escoras a 24300 e
24500; ditos de casemira preta a 24800, 34,3;&5u0
e 44; ditos de brim a 14*00,14600 e 24-
E' baratissimo.
Pe?a de algodoslnho com 20 jardas a 34800, 44
e 44500; dita carne de vacca a 64 e 74; dita
marca T a 64500, 74500 e 84000, afflancase que
no tem defeito aigum : isto s na loja de Guima-
res & Irmo, ra da Imperatriz n. 72.
Roupa feita
Roupa feita
Roupa feita
Grande sortimento de roupa feita que se vende
por pregos baratissimos para apurar dinheiro.
Na nova toja de fazendas de Guimares
& Irmo.
Ra da Imperatriz n. 98.
Vende-se carvSo de pedra para ferreiro a
124 a tonelada e 300 rs. a arroba : na ru 1 do
Brum n. 76.________________________
Vendem-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem trasplantadas: no sitio morado es-
querda, depois do becco do Espinheiro, nos Af-
fliclos.
Vende-se superior cal de Lisboa em pedra de-
sembarcada honterrl ta barca Norma, por menos
do que em oulra qualquer parle, aflofaadc-se
que sao es barris maiores que ha no mercado : a
tratar ra o Vigario n. 27, depositada no trapi-
che da companbia largo do Ccrpo Sonto.
CIDOS.
Esl fngido o escravo Libralo, preto da
Costa, alto e magro, bracos e pernas linas, cara
retalhada, sem denles na frente, olbos gr;:nlese
vermelhcs, tem es ps e rros chelos Je eraros
bouliaticos, traz o cabello junto das 11 elbas 1 aspa-
do de poucos dias, levou vestido calca branca su-
ja, camisa de nscado, blusa de laa azul esboUula,
chat co do (.hili muito velho : qutm o apprehen-
der e levar a casa de seu seohor ra I'assagtm ca
Magdalena, ser generosamente recmi(eusado.
Ao amanhecer do dia 26 de aro;tO fuglram
do engenho CamangiLe dout- fscravos crenlos,
ambos caireiros, sendo um de neme Semeo, na-
tural do serto d Ouricnry, alto e bem hito, ara
redonda, Do incito preto, e foffre de una hernia
o ouiro de nome Nicolao, nascido no mesmo en-
genho, esiatura ordinaria, secco do ccrpo e robus-
to, na mesma ocrasio desappsrecerfm 3 turros
do servico do enpeiiho. de suppor que tenham si-
do levados por elles, cu por algom que Ihes ser-
vio de guia e seductor, porque na noile preceden-
te a sahida dos ditcs tscravos foram vistos dtos
hemens em ci-mmunicacao rom o Si ireflo junto a
entrada do engenho : quem prender e trouxer di-
los escravos ser recompensado
Kuglo no dia 26 to conente rrez, do poder
de D.Dclina Marlins de Souza Res c Silva, urna
escrava por nome Melinda, cor preta, crioula,mos-
tra ter de idade 20 a 25 annos, Iem fallante:
nga-se as autundf jes policiaes e a quem o pren-
der de a levar a ra da Concordia o. 64, paana
do gaz.________________________________
Fugio no dia 18 do correnle mez o preto cr-
enlo do nGme Isidoro, de 30 annos pouco rnai
ou menos, alto, ros'o comprido,snissa pouco fecha-
da, psgrandes e chatos, ecoftuma andar dealper-
galas, levou camisa de algodo, calcas velhas u
rotas, chapeo de pallia velho, e tambem um Lonet,
caranguejeiro. Se nao andar vagando por esta
cidade 6 provavel que tenha ido para SerinbSem
ou Riu Formoso. onde j tem sido capiorado por
vezes. Roga-se s autoridades e eapiles de. campo
i|ue apprelieutam e o levem a: en a si nhor J-.'o
Cavalcanti Lameoba Lins, residente na EsaJa
Nova, sitio de Jeronymo de Boilanda Cavalcanti de
Albuqnerqoe, que so recompensla generosa-
mente.
Escravo fgido.
Aicda est fgido o escravo Manoel, erionio, cor
rula, estatura regular, olhar espantado, faltando-
Ihe doos denles na frente e e ainda moco. Velo,
ha poneos mea s de Uamangoape para ser vendido
aqui ; julga-se andar pela roa da (.(incordia, San-
to Amaro, Olinda, Beberibe ou Soledade : quem o
pegar condoza o ra da Madie de Dens n. 32,
que ser bem recompensado.
No dia 19 to correte mez de ..costo, a asen
tou-se de casa do baebarel Joao Antonio de Aran-
jo Prehas lUnriqucs, morador na ra da Aurora
nesta capital, um seo escravo afiiv.no por nome
Caelano, o quaJ maior de 30 anuos, corpo e esta-
tura regalares, bem preto, ps pequeos, itiTelli-
geDte, sem labos nem marcas no rolo, levou ves-
tido camisa de madapulao, caica de brim paido e
chapeo de talba escaro; soppde-se andar no ga-
nho nesta mesma cidade, ou ter fgido para a co-
marca de Goianoa, onde tem eonheclmentos: quem
o pegar e o entregar ao seu sobredito stnhor, ser
generosamente recompensado.
Gratificac&> de 1$00.
Fugio dos abaixo assignados no din 8 de
Janeiro do correte anno, o sen ejcravo de
nome Jos com os signaes segtinles: ca-
bra escuro, cabello carapinlio, estatura bai-
xa, cheio do corpo, ps largos e faz um gei-
to as pernas quando anda, muito pouco
barbado, e tem urna cicatriz bem viaivel em
um lado do queixb, e outra bem grande
nasnadegas, proveniente de surra cujo es-
cravo compramos junto C' m outro ao Sr.
capullo Silvino Guilherme de Barros, e este
Sr. os turna comprado ao Sr. Joo Cabral,
morador em Nazaretb. Consta-nos que este
escravo filho do Brejo da Madre de Peus
aonde casado e tem filbos, tendo-lhe mor-
rido ltimamente a mulher: poi tanto n ga-
mos a lodas as autoridades policiaes a sua
captura, e a qualquer particular se gratifi-
car com a quantia de 100$ se o troucerem
seus senhores nesta pra?a, rea da Impera-
triz, refioaco n. 46.
Luiz da Silva Ferreira & C:
Desappareceu ha 15 dias de casa de seu se-
nhor urna preta de oaco ADgico, de nome Maria,
idade, pouco mais ou meos, 50 annos, altora re-
gular, tem urna dor prxima a munnera de um
dos bracos, que agarrando-se nelle, ella doe-se,
levou vestido de riscado branco com chuviscos r-
xos, saia de algodozinho, camisa da mesma fazen-
da : rogase a pessoa on autor idade que a pegar,
a cooduza a' ra de Santa Cecilia n. 18, que ahi
sera' gratificado generosamente.__________

I
Acham-se fagidos os escravos seguintes : Bento,
mulato, idade de 25 annos, cabellos annelados, sem
barba, dentes um pouco limados, secco do corpo,
testa larga, e falla om pouco descansada ; e Luiz,
criouloj um penco velho, altura regular, muito
cabellado, barba com algons cabellos brancos, as-
sim como na cabeca, corpo reforjado, olbos um
tanto pequeos, falla grossa e as vezes finge se
rooco : pede-se as autoridades policiaes e aos ca-
pites de campo que os facam apprehender e con-
duzi-losa' casa de seu senhor o major Antonio da
Silva Gosmo, que generosamente recompensar,
e Ibes pagar toda despeza que flzerem com a sua
cooduc$ao : suppoe-se que elles tero ido em se-
gnimento dos sert5es desta provincia, por serem
fllhos desses lagares.__________
~ FogkTno~dia 6 de agosto o 1
de nome Tiberio, idade de 20 a 25 annos,^
baixa e com falla de um dos dentes de ei
escravo do Sr. Francisco de Alboquerque Mara-
nhao Cavalcanti : quem o pegar ou delle der noti-
cia, queira dirigirse a roa da Cadeia do Recife d.
33, loja de Valle Porto A C, que ser recompen-
sado.
oi
r


Diario de -Fernambaco Qnarta felra 80 de Agosto de 1 &.

JURISPRUDENCIA
O Foriiin.
Fallecen na idade de oitenta e qaatro annos o
coronel Laborde, governador militar do palacio do
Luxembourg e ultimo offlcial da velha guarda que
acompanhou Napoleao I para a ilha de Elba.
HONRA AO TRIBUNAL DA RELACAO.
0.5 leitores'j tcera noticia de urna persegoicSo Pde-se fazer Ideia do estado a que flcou reduzi-
inquisitorial fcita no termo do Ip, provincia do^da a America depois da desastrosa guerra que a
i, ao capitao da gairda nacional Justino Fran- assolou, sabendc-se que os animaes, desconheci-
Javier, advogado e ex-deputado provincial, dos na Virginia havia mais Je um seculo, ali tor-
rime de infanticidio, attribuilo ;i pobre victi- uaram a apparecer numerosos, e que os campos
ni a mais ligeira car do verosimilluuga at> onde se deram batallias sao actualmente infestados
, servio de pretexto a essa cruel perseguigo: por enormes ursos descidos das montanhas.
mas o motivo inronessado, porm notorio, foi u de-
sejo de se exercer una viuganga contra o adversa-
rio poltico, e de inutilisa lo com as formalidades Tem a Sra. X... um marido de genio insuppor-
Xegaa. Tres procesaos successivos se armaram pe- Uvel.
lo in licao crime, embora o cori>o de delicio, | Encolersa-se por qualquer motivo.
base de tolos elles, nao attestasse a existencia do A gomma das camisas ou est muito branda ou
tacto criminoso. Contra a expressa determinado muito spera.
T enbo abundante seiva dentro de mim, de qae
brotaro ptalas de flor.
Aguas de lagrimas, que passam as vezes, cabi.
das demeus olhos em cima de meirpeito, cahidas
como gttas de dr, nao me extingnem o calor da
Idade ardente. *"
A ambula dos anhelos, das aspirares, do que a
juventude guarda de -ande, de infinito, essa am-
bula tenho-a repleta.
A lagrima, que lhe cahe por sobre, transborda,
resvaia belra do vaso, treme e oscilla e desee, e
se enxuga preste o sulco deixado.
Chorar, sempre chorar na mocidade, o que fra?
Rio mais do que choro, porque solfeo menos do
que goso.
Si me cbamarem feliz por isso, responderei :
Tenbo vinte e tres annos.
Son poeta qoando simo.
E' que a poesa mais do que um latejar de
da le, fe; se reviver processo lido. A mi da j Os botes ou estao mal pregados, oa traze'm a fronte",
enanca e urna supposta partetra oram, urna aps fdZenda comsigo. I Poesa nuvem, poesia idea s, poesa fugacdade
ojtra, quaiiticadas criminosas, e por fim declaradas a sopa muito fria ou de escaldar. Indolente apenas do imaginar nebuloso do crneo,
Uvres de culpa e pena. O capitao Justino, conside-! Em summa : o genio mais diablico, e difflcil fra qualquer onlra cousa, qne nao poesia.
rada anal como o autor e o uuico delinquente,! de aturar, que anda c por este mundo. Poeta s ha de ser pelo coragao.
foi condemnado por um jury tumultuario, em pre- A Sra. X... adoplou um systema. Escrever, fallar fleges descoradas, informes pal-
senga de inimigos rancorosos, sem a iniaima das I E' sempre impassivel aos furores contradictorios lidas da ausencia do sentimento, fallar e escrever
garantas que a lei ollerece defeza. Ausente de seu marido. assim o que fra si nao dexar de ser poeta ?
multas leguasda familia, privado da liberdade ha Ante-honlera porm teve um dos seus furores Vates sem coragao, vates de cabegas, eu
mais de nm anuo, sem meios de subsistencia que habituaos exactamente hora do jantar. deteste e rio de vos.
Pois o jantar anda nao est prompto ? excla- Escota Laclima :
ss obtnha cuita do seo trabalho, o capitao
jLi--;ioo nao achou refugio as Instigas e as auto-
ridades da Cear, mas veio encontra-lo felizmente
na iiitegridade de um tribunal superior, cuja deci-
50 unnime nao podemos deixar de transcrever.
Nesta poca de egosmo, de corrupto e de abu-
ut> i caudalosos, urna decisiio como essa ou como
a que foi proferida ha pouco pela relagao da corte juraa colner de sPa-
mou elle.
Como me recommendaste que o queras s
seis horas e meia acaba-se de fazer a sopa.
Bonito I Entao deve estar fria I
Nesse caso vamos para a mesa.
N... sentou-se resmungando, e levou bocea
reparando urna grave injustiga, e profligando a ar-
bitrariedade e prepotencia do alto funecionario,
seaapre um faci nolavel, e um motivo de conso-
i io para os que j vao descrendo muito das ga-
raa!ia^ que se poderiam esperar dos depositarios
do peder publico.
O accordo ta relagao de Pernambuco coorma
a verdadeira doutrina n'um ponto muito importan-
. nossa legislaeao criminal; salva urna victima
das garras de iniraigos implacaveis; contm urna
reprovagao implcita do procedimento do funecio-
i ii ios apaixonados, e anda urna vez os adverte de
q te as potestades do dia nao podera contar com a
sanecao judicial para seus desmaudos c excessos.
Advogado do opprimido, e testemunha de cerlos
s e circunstancias que se prendem ao celebre
processo, estamos do caso de apreciar devidamente
9 importancia e justiga do julgado ; restaudo-nos fa !
rer sinceros votos para que a relagao dodistrlcto|
.. inue a ser sempre guiada pelos mesraos sen-
iimeutos nobres que a determinaran) na causa allu-
uida.
Eis o accordao|:
i Accordo em relagao etc. Que julgara nullo
lodo processo desde o sea comeco, porquanto do
d II l) i 1. 3 do appeoso nao se d eer-
lea la existencia do laclo criminoso, e sem o co-
uiiecimento pleno do delicto nao se deve tratar de
processo algara criminal : mandara portanto que
sem flfleito todo processado, e que seja imme- '
ippellaote posto era liberdade, eque!
pigue a municipalidade a? custas.
c Reetfe, 26 de agosto de 1865'.Souza, presi- ]
dente.Doria.Gitirana. L. Santiago.Almrida
Albuquerque.Assiz.Motla.Uchoa Cavalcanti. i
~~DjihHjucs Silva.Barros e Vasconcellos.
Reoife, 23 de agosto de 1863.
J. B. da C. F. Jnior.
Que dizia eu, replicou elle. Esta sopa est
incapaz de se comer. Nao ha meio de conseguir
ter jamar.
n dizendo istoagarra furioso na terrina e atira
com ella ao pateSrpela janella que estava aberta.
Nesle momento, entrava a criada, trazendo mag-
uiflea pega de vitella assada.
Poe la isso, replicou a Sra. X...
E depois, sem o menor abalo ou ira, levantou-
se e atirou a vitella e a travessa ao mesrao sitio
onde ti i) ha sido langada a sopa e a terrina.
Decorridos dous das, o Sr. N.. estava raeigo co-
mo um cordeiro.
Aureola de nivea gaza
Esplende, quando tu saris,
Na frente de cada casa
Da ra por onde vas.
Pisar o chao, que pisaste,
Nao quero ; beija-lo, sim ;
Onde com o pe tu calcaste
Ha vestiglos de setim.
Passaste noite na rna ;
No p da ra, no chao,
Ficaram tragos de la
Brilhando na escurido.
E eu sent como um perfume
De cada rasto subir,
Como de labios de uume'
Deve um aroma cahir.
De quera foi que recebeste
Com tal profuso, assim,
Esse prestigio celeste
Que tem o teu borzeguim ?
O Sr. Luiz P... antigo offlcial, soldado da repu
blica e do imperio, contando noventa e nove annos
de idade, sentiu emflra a doenga que lhe devia
terminar a sua carreira neste mundo. O Internacional de Londres e outros jornaes.
Viva em urna casa modesta da ra Saint-Hono- publicaran) parte do discurso de ministro Glad-
re era Paris. stone, em Liverpool, e a carta que elle dirigir
Durante quinze das viram-no proslrado na ca- universidade de Oxford,
ma, esperando todos os que o visitavam qne nao
chegasse ao dia seguinte.
Nao quero morrer, dizia o enfermo, sera ver o
raeu neto.
Multas vezes dissera o medico que nao viveria
mais do que urna noute.
O neto nao chegava, c o velho soldado jurava
que nao morrena sem o ver.
Emfim, chegou o homem tito esperado.
Tardaste bastante, disse lhe o velho, era me dei- ^ cc
xar morrer. Ha oito das que eu devia ter deixa
Em Liverpool disse Mr. Gladstono o seguinte :
Londres, 19 dejulho.O Sr. Gladstone apresen-
, tou-se hoje, pela primeira vez, perante os eleitores
! de Liverpool, noamphitheatro onde se achava reu-
nido grande numero de pessoas. S. S. foi recebi-
do com todas as deraonstrages de sympathia. Foi
o Sr. Hithbone Jnior quera fez a apreseotago do
! Sr.-Gladstone, que se dirigi aos seas eleitores nos
termos seguimos, depois de ser aceito por unani
dos candidatos liberaes da divi-
so do sul do condado :
.\:: .'
ik.
do o mundo. Aden*. Estou bem certo de que,
ainda nos havemos de encontrar. Adeus. Esla QOite> s 8 noras W>ando lenho a honra de
E ao acabar estas palavras deu o ultimo alent. me presentar ptrante esta immensa assembla,
acha-se concluido o pul na universidade de Ox-
ford. Longe de mira a ida de tratar cora indiffe-
renga ou sem respeito a deciso desta amiga, Ilus-
tre e respeitavel universidade.
Durante 18 annos, senhores. ful o representante
de Oxford no parlamento, e de noite como de dia
DI POLCO DE TIPO.
Transcrevemos do Jornal de Lisboa o seguinte:
1' demos noticia da formagao em Roma de urna
1 .le destinada a cercear o ornamento do sexo ,ence a suprema autoridade na> quesloes de f.
O partido catholico liberal parece disposto a sa-
hir do estado erabryonario, e trata de realisar pra-
vamente as suas doutrinas. A sociedade de cl-
rigos emancipados, que se organisou recentement
na Italia, estabelece o seu prograrama as seguin- s tive um desejo, urna preoecupago : o estudo,
tes bases : | segundo permittiam as minbas forgas, das relagoes
1." O papa, hispo de Roma, e primaz da igreja : ] que devem existir entre a religio, a educagao e o
ao concilio ecumnico, presidido pelo papa, per- estado ; tratei de zelar os interesses da universida-
de com toda a energa e laculdades que Deus me
feralnll.
Os reformadores dos Estados-Unidos pegaram
em armas com o mesmo fim. Verificou-se para
ltimamente urna reuniao em Rachester.
O Corrier des EstatsUnis, que publicara a no-
ticia minuciosa desta reuuio reformadora, rece-
beu de urna joven adepta a seguinte e curiosa
carta :
Sr. redactor. Xo vos posso expressar seno
o agradecimento de rain'n familia ao dizer-vos que I
Acarnos extraordinariamente lisongeados pela cor-
lzia e considorogio que nos dispensaste! na vossa
admiravel noticia. Sao um tanto avangadas as
nossas ideias, mas vos comprehendestc-las. Ped"
moa para as muflieres saias curtas e calgoes.
Esperamos que por inlerraedio do vosso aprecia-
vel jornal as nossas doutrinas penetraro em Fran-
ga, nesse grande paiz que foi patria da sublime
Eugenia Milovyat.
Recebei de mim e de toda a familia Roberts os
mais sinceros cumpriraentos.
Paulino Roberts.
deu.
2. Restituigo, feita aos blspos e metropolitanos,
dos d.reitos que possuiam at o seculo ii. Sem embarg0 de toaos os esfor50S dos meus ad.
3.* Integridade da jerarehia e exercicio livre do versarlos, a universidade sempre me honrou com
voto do clero e do povo as eleieSes de bispos, pa-; a sua confianga, e se hoje mudou de oplniao (Gran-
rochos e do summo pontiflee. I ^ SUS|(.0 0 audllorio. Exclamava-se :- urna
4. Liturgia en. lmgua nacional, e vulgarsago; ha dla[) nem 3S0 cer
librrima da Biblia. H. I .o
o ae.'Hnmento que me fez durante 18 annos.
5." Confisso sacramental livre por parte do pe-
nitente, conforme os caones dos seculos 3." e 4.
a respeito da jurisdicgau sacerdotal.
6. Devolugo aos sacerdotes do voto consultivo
e deliberativo nos synodos diocesanos e provin-
ciaes.
7." Aboligao do celibato.
8." Admisso de completa liberdade de conscien-
cia e renuncia formal a toda a doutrina de coago.
E' amigo epigramma aos donos de casa de pasto
dizer-lhes que do galo por Ubre, ilas o segrate
fado prova que tamben) se pode dar cao por Ubre:
Havia um readeiro que liona urna demanda
peadOBte, e nao muito Lera parada. Entendeu
que o melhor meio de captar a benevolencia do
seu advogado era fazer-lhe um presente ; e por is-
so cagou urna lebre, metteu-a dentro de um sacco
o dirigiu se a casa do advogado.
Deparou-se-lhc no caminho aberta urna taberna,
c para se animar ao offerecimento enlrou e molhou
LACLIMA.
I
O amor se affrouxa e se esmorece, si o nao alen-
tam pelo goso.
A alma, habituada existencia indefferente e es-
tupida da nacgo, cahe na apathia do sentimento
especie de morte moral para o coragao.
A theora do amor ioipalpavel, phantastco do
Raphael, si nao um paradoxo que os pendores denie amor pela liberdade.
Oxal que ella possa prosperar sempre, e que
seja to gloriosa como o tem sido no passado, ou
mais ainda.
Eis o que desejo para ella e para os seus novos
representantes.
Bem sei que s a poltica que devo esse revez.
Estes professores to Ilustrados, to in elligen
tes, que fazerao orgulho do paiz, nunca deixaram,
mesrao nestas ultimas circumstanuas, de me pres-
tar todo o auxilio ; porm a poltica dividinos, e
vejo que nao posso ser o homem da universidade
de Oxford.
Ser porm acaso esta urna razio para que nao
possa se-lo tambera do South Lancashire ?...
Nesta cidade vejo todas as maravilhas do pro-
gresso e da civilisagao, o desenvolvimenlo da in-
dustria, das empresas financesras, da philantropia
social e industrial, da tolerancia religiosa, nm ar-
naturaes anlipatbisam sera duvlda ha de ser urna
poesia, imaginosa de mais para ser acceita como
doutrina.
Laclima, si rae quizesses como Raphael, querer-
: rae-hias em balde.
O olor do teu semblante como o das tuas roupa-
gens de cassa fiua, como o dos hlitos que dos teus
labios escapan), deixa-rae fogo, em mim.
Pois bem, senhores, sendo convidado para difTe"
rentes cargos pblicos onde devia prevalecer a
causa deste progresso e desta civilisago que nos
to cara, tratei de harmonisar os interesses da
universidade de Vxford cora os do seculo a que
pertencemos.
A universidade nao o qulz; nao posso pois con-
tinuar a servi-la.
Si querem o amor assim, nao nasci para amar. I Por vews se disse> e nunca Pue saDer se foi
De-rae este sentimento muito, de-me, como se seriamente oa por gracejo, que o ultimo parla-
i uns rapazes que estavam sentados a urna'fosseannel de ago ardendo, que meabragasse o ni-. mentse distinguir por ataques violentos contra
mesa o lira cura que levava a lebre ao advogado, o > <*a vida.
estado dos seus negocios, e as esperangas que ti-1 Ide alisar, phantasiar tambem amar. Amar, em
nha no bora xito da sua pretencao. tanto, mais do que isso.
Pramos da imaginago, vossas boninas cheiram
de aromas fugitivos e vaporosos.
A vida sob neblinas glacial.
a palavra repetidas vezes.
E como o violto Ibe dasse para fallar de si, con-
Convdado para se seniar entre os seus ouvintes,
nao se fez rogar.
Depz o sacco a um canto e continuou em ale-
gre folganga at que entendeu ser lempo de levar
o sea mimo.
Chegou a casa do advogado, e foi por este rece-
bido com o mais afavel acolhimenlo.
Eu queria dizer urna cousa ao Sr. advogado,
se nao o offendesse.
Ora essa I diga o que entende, que o acceita-
rei com prazer.
Mas... tenbo medo de que o Sr. doutor nao le-
ve a bem...
Esteja certo de que o acceitarei com satis-
fagio.
Entao l vai : Sahi hoje de casa muito cedo
e lerabrou-me ir cagar urna lebre para offerecer a
V. S.
Quero rosas de imaginago para juncarem de
ambrosias, na atmosphera intima, o leito tepido da
paixo.
A phantasia enfeita o amor, mas nao o .
A Inz est na cabega. O foco da luz nao ahi
que est.
II
Abre as azas, minh'alraa.
Va.
as amplidoes ethereas do pensamentear arroja-
do do poeta, ha sedueges, que embriagara,
Ha seduegoes para os espiritos que vivera e sen-
tem, nos seus desvaneios embora.
t o mou espirito quando se eleva a essas re-
gioes sonhadas, onde os vapores fl.reiam e suas
poderam
E para isso estava voc envergonhado I Sou flores cheiram, gosa a intensidade de cousa menos
en que tenho a agradecer a sua lembranga.
O fazendeiro abriu o sacco : mas nao foi urna
lebre que saltou... foi um cao.
O advogado nao chegou a saber a causa da me-
tamorphose, porque o rendeiro sahiu corrido e en-
vergonhado, sera pretender dar expllcagSo delta.' mo, palpitante, sensivel.
Sonbe depois que os seus companheiros da ta '
nema tinham operado aquella substitnigao.
ficticia que um delirio de bardo.
Gosa de veras.
Ama.
Vive.
Vive da realidade qae representa o existir inti-
Os annos de minha mocidade nao serSo corridos
em divagagdes de sclsmas incertas, qaal fumara
tenue.
pelo que respeita a igreja.
Se com efleilo se deram taes ataques, confesso
que nao tive conhecimenlo delles; aqu o declaro:
o governo de Sua Magestade, e eu em particular
na minha qualidade de representante da universi-
dade de Oxford, nunca olvidamos os nossos deve-
res para com a igreja.
E pergunto agora : Era que forara prejudicados
os interesses da igreja durante estes ltimos seis
annos ?...
Em nenhuma outra poca a igreja exerceu era
mais subido grao a liberdade da palavra. Os seus
bispos o o seu clero, urna vez que se conservassera
nos limites marcados pela constituirlo,
dizer o que queriam.
E' verdade que nao poderam exercer um poder
coercitivo, porm, como conhego a sua prudencia'
tenho a certeza de que o nao desejara.
Esta liberdade de palavra foi-lhe plenamente
concedida; ella indispensavel igreja para que
possa propagar no paiz a sua influencia moral,
porquanto para a defender, as profisscs de f, a
|ei escripia, as prescripgoes de outra idade nao
bastara; para que ella fijue gloriosa e trinraphan-
te no nosso paiz, e Deus queira que assim seja,
compre que realise a sua missao apostlica, com-
pre que seja amiga e consoladora de todos os bo-
raens, qualquer que possa ser a catliegoria a que
pcrtengatrr-Foi nisto qae sempre servimos a igre-
ja estabelecida, e, gracas a Deas, v ella sempre
augmentarse a sua suave e carldosa influencia.
Ha porm outro ponto de vista que deve ser exa-
minado conscienciosamente, e a respeito do qaal
a universidade de Oxford e eu temos opiniSes di-
versas; ha pessoas que imaginam que a suprema-
ca e os interesses da igreja se elevam lancaodo-se
am estigma odioso sobre os outros cultos. Quanto
a mim nao fago dstincgao alguma entre os protes-
tantes nao conformistas e os catholicas romanos, e
repudra com todas as minhas forgas urna tal ma-
neira de sustentar os interesses da igreja ; declaro
que aquellos que sao bastante loucos para quere-
rem no meio da sua loucura servir-se de taes ar-
mas, nao contribuem sano para destruir o que
querem sustentar, e pelos seus actos merecen) ser
considerados nao como amigos, mas como iniraigos
da igrejas. Nao quero entrar em pormenores, mas
sustento qae todas as questes que dizera respeito
ao juramento dos catholicos e as aptidoes dos dis-
identes nao podera ser resolvdas seno por uraa
poltica generosa e conciliadora. Que eu v ao par-
lamento como representante ^Oxford, ou como
representante de South Lancashire, oa que l nao
v, esta poltica ser a minha emquanto eu viver.
Senhores.Tenho a honra de fazer parte de um
governo liberal; teBho a maior affeigao pelo libe-
ralismo^ pelas instituiges do paiz, e nao sou da-
quelles, que fechara os olhos em presenga das
transformagoes que os tempos nos indicara. Di
zem-nos que somos conservadores. Se se entende
por isto a conservagao das instituiges liberaes es-
tabelecidas por um governo liberal, somos effecti-
varaenle conservadores; mas entao tambem o povo
o Nao respeita elle as leis da nossa patria?...
E quera lhe deu essas leis seno o governo libe-
ral ?... Quanto a mim posso afflrraar, sem receio
de ser desmentido, que desdo que o Sr. Robert
Peel me conou o ministerio do commerdo at ho-
je, nunca rae alTastei destas ideas liberaes. D: ac-
cordo cora o governo a que pertengo, sempre tra-
balhei para que o meu paiz seguisse o caminho do
progresso. e provou-nos, pelas eleigoes, que aca-
ban) de realisar-se que approvava a nossa poltica.
O partido conservador dizque esses melhoramen-
tos sao imaginarios; que, por exemplo.as despezas
nao foram realmente diminudas, por isso que em
I8o81859, poca em qae lord Derby estava no
poder, ellas se elevavam a libras sterlinas........
65,000:000 por anno, e que agora ellas sao de___
66,000:000 libras sterlinas; sustenta, alera disto,
que os impostos nao forara diminuidos seno para
conciliar as sympathias do paiz, e que em resumo
nada Azoraos seno diminuir impostos, qae nos
mesraos trabamos augmentado.
Era primeiro lugar, seja rae permittido dizer que
na minha opinio, os impostos nao lorara ainda di-
minuidos como devem s-lo ; aquellos pois que
d'entre vos quizerera enviar ao parlamento horaens
que trabalhein para diminuir os impostos era gran
des proporges, devem escolher candidatos conneci-
dos pelos seus principios liberaes e pelo seu constan-
te desejo de diminuiremos encargos, que onerara o
paiz.
Agora examinemos os fados. Era abril de 1859
o governo de lord Derby pedio ao parlamento um
voto de conflanga e de agradecimento oor aquillo a
que pomposamente se deu o nome de reconstruc-
go da esquerda.
Foi s em junho de 1859 que assumnos o poder
e era julho que o parlamento pode examinar o es-
tado das nossas (nanga*. Tinharaos pois de pagar
as dividas do governo anterior. Pois bem, de abril a
junho as despezas feitas haviam sido n'estes tres
mezes, nao de 65,000:000, mas de 69,0000:000 por
anno. ainda nao ludo. Diss?,-se que em 1860
as despesas se elevaram a 73,000:000 libras ester-
linas. Isto verdade; mas deve-se amabilida-
de dos nossos predecessores. Realmente legaram-
nos quantias avultadas... pelo lado das despesas.'
O chanceller do thesouro recorda depois todas
as despezas feitas pelo governo de lord Derby : o
tratado com a China, o armamento de urna grande
esquadra para a China, o desastre da embocadura
do Pei-Ho. Forara necessarios 6,000:000 libras es-
terlinas para reparago d'esse desastre. Nao po-
dis por issso censurar o vosso humilde servo, mas
sra os seus predecessores.
Desde entao tem sempre o governo tratado de di-
minuir as despezas, e hoje orgara ellas entoe.....
66,000:00 e 67,000:000 esterlinas.
O Sr. Gladstone demonstra que o Sr. Stansfeld,
como lord do almirantado, muito trabalhou para
diminuir as despesas da marinba ; e responde mui
espirituosamente ao discurso do Sr. Disraeli, di-
zendo que em 2762 o paiz Uvera urna m colheita,
e que a opposigao tornara o governo responsavel
por esto faci.
At entao se disse que o chanceller do thesouro
era feliz I Feliz ?... Contenms ; em primeiro lugar
os 6,000:000despezas ligadas pelos nossos predeces-
sores e nicamente destinadas guerra da Crimea;
depois, o armamento, a reconstruego dos arse-
naes e dos portos. Com razao ou sem ella foram
acaso estas despezas julgadasnecessarias em 1862 ?
Eram anda necessarios mais alguna milhes. E
todas essas tranormagoes de navios de madeira
em navios de ferro I Pensaes acaso que o lord do
almirantado rae nao pediu dnheiro para isso ?...
E chama-se a isto ser feliz I Ainda nao conclu :
e esta grande guerra americana que nos trouxe a
falta de algodo I Ser tambera isto uraa felicida-
de para um chanceller do lheouro 1
O ministro enumera osdiflerentes servigos pres-
tados pelo governo a Inglaterra ; o impulso dado
agricultura, ao commercio e industria a conser-
vagao da paz, o desenvolvimcnto da educagao do
povo e os tratados de commercio.
S. S. conclue pedindo aos seus eleitores ; que se
pronuncien), e que digam se aquellos que trabalba-
ram para a obra geral do progresso, da riqueza o
da civilisago do paiz Al indignos de lomar assen-
to no parlamento e de recebor os suffragios dos
eleitores dos Lancaster.
Eis em que termos o Sr. Gladstone se despe-
du dos membros da universidade de Oxford :
SenhoresDepois de ter sido vosso representan-
te durante 18 annos consecutivos, despego-me res-
peitosamente de vos. O meu sincero desejo de vos
servir, os meus innmeros erros; os incidentesdas
relagoes estabelecidas entre mira e a universidade,
de Oxford em 1847, portantas vezes discutidos e
agora Interrompidos, dexo-os apreciago do fu-
turo. E' para obedecer a um dever imperioso que
vos dirijo estas palavras; este dever manifestar-
vos o meu profundo reconhecmento pela indulgen-
cia to generosa cora que me honrasles, pelo apoio
to caloroso, enthusiastico e lisongeiro para mim,
quando pens no carcter elevado e as dislinc-
goes d'aquelles que se digoarara dar-m'o e que na
minha opinio nunca foram concedidos no mesmo
gru por outro collegio eleitoral a representante
algum.
Tenho a honra de ser, sehores, vosso servo obe-
diente e obrigado.W. E. Gladstone.Mawarden,
Chesten, 18 de junho de 1865.
ras, cogando a parte mais callosa qae po.ssuia. O
guarda aproximou-se do macaco e deu-lhe ama
vigorosa cbicolada.
O mono, assim fustigado, saltou sobre o guar
da, arranhou-lne a cara e tirou-lbe am peda'go de
orelba; apezar disso, o bomem levara vanta-
gem sobre o mono, se os macacos qae al ali ti-
nham presenciado a luta nao viessem tomar parte
selu.
N'um momento o guarda desappareceu sob os
macacos. Aos gritos dados pelo infeliz acudi gen-
te e os macacos fugiram.
O pobre guardu recelm 23 ferimentos, e pare-
ce que carecer de muitos das para se restabele-
cer do sangue que perdeu.
A famosa cega de Manzanares, to conhecida na
pennsula por seu raro engenho o pela facilidade
com que improvisa sobre qualquer assumpto em
prosa e verso, em caslelhano e latim, acaba de
dirigir urna representago, neste ultimo Idioma, ao
ministro das obras publicas do reino visinho, pe-
dindo lhe urna graga que na verdade bem sim-
ples. A poetisa implora licenga do entrar na esta-
eflo do caminho do ferro do sen paiz de Manzana-
res com a devida precaugao.
E' este documento, segundo refere a Correspon-
dencia de Hespanha, nolavel por suas ideas e ele-
vados pensaraenlos, declarando a famosa cega ao
ministro que est disposta a fazer em sua presenga,
do palavra e no primeiro idioma latino, as explica-
ges que se lhe pegam.t
houve
Segundo refere a Gazeta de Chambray
naquella localidade grandes trovoadas.
Na noite de domingo para segunda-feira 17 do
corrente, uraa tempestade com violencia extrema
caliiu sobre a cidade de Chambray e seus arre-
dores.
Por mais de tres horas, as falseas cruzaran) sem
interrupgao, e os trovoes retumbaran) cora sinistro
e horrendo estroudo. A ebuva era era copiosas
torrentes.
Era Solesmes, um ralo occasionou alguns estra-
gos n'umacasa situada na ra de l'Abbaye.
Era Carmires, uraa habitagao foi presa das
chamma<:, e urna arvore que media ura metro e
cincoenta centmetros de circumforencia foi Hile-
ramente cortada em duas pelo fluido elctrico.
Na segunda-feira appareceu sereno, e todo indi-
cava um magmtico dia ; mas pelas doas horas da
tarde, principiou o cea a toldar-se com espessas e
plmbeas nuvens.
Comegou entao a trovejar con grande forga, e a
escurido completa cobriu a.cidade, cahindo chu-
va era copiosas torrentes. Pouco depois va-
se tambem pedra de grandeza enorme, partindo
numerosos vdros das janellas e causando no cam-
po irreparaveis desastres.
K-u saraivada durou vinte minutos, levando o
terror e conslernagao a toda parte.
Todos os operarios Interroniperam o Irabalho, e
todos os negociantes espontneamente fecharan) os
estabeleciraentos.
Forara apanhadas alguraas podras de gelo,das di.
mensoes de ovos de gallinha, e que pesavam
zontas quarenla e oito grammas.
Calcula-se a perda para a cidade Chambray su
perior cem mil francos.
olhe, era o dia dos mens annos, e eu qniz tornaj-
uma pera.
O presidenteE' nma maneirt exquisita de
festejar o anniversario natalicio.
O roo-Ora, como era odia dos meas annos,
sim, o mea presidente comprohende....
O presidenteNao ama razao para Injuriar os
agentes da policia; pelo contrario, em taes casos o
coragao deve abrir-se aos bons sentimentos.
O reoNa verdade, eu tambem tnha tido bons
sentimentos convidando os meas amigos para ama
pinga; mas acho que foi o vlnho a causa do qce eu
disse ao agente da policia, porque nao lenho idea
de nada.
O tribuns! condemnou-o a 50 frs. de multa.
Se j houve algnem verdaderamente atormen-
tado neste mando, apoota-se Jos Roblnson, ren-
deiro dos arredores de Aylesbury. Cada manbaa
recebla ama carta concebida nos termos
guintes:
se-
t Preciso de 40 libras, que vocemec Ira por
debaixo do carvalho grosso. Estou resolvido a
partir para a Australia. Se nao arranjo essa
quantia, estou perdido; se vocemec nao m'a d,
raato-o. Para cada um de nos nao ha outra alter-
nativa. >
Robinson andava triste e pensativo, nao coma e
at nao beba I
Por fim dirigise polica, que lhe aconselhou
qae pozesse um sacco cheio de qualquer cousa no
ugar indicado.
Dito e feito.
A policia poz-se a espreta. *
Passada urna hora, chegou um pobre dabo e
parou ao p do carvalho grosso, parecendo procu-
rar alguma cousa.
Pegou no sacco, abrio-o e dous agentes da polica
filaram-no.
Foi a questao para o tribunal competente.
O aecusado protestou que estava innocente; tem
excellentes antecedentes e afflrmou que andava a
procurar, nao nm sacco cora dnheiro, mas uns
pers quelhe tinham fgido.
Disse que provavelmente tanto elle como o ren-
deiro eram victimas de um mo gracejo.
O jury foi do mesmo parecer e passoa sentenga
de noculpabilidade.
Robinson declarou a audiencia que Gcava
alliviado de am grande peso e o auditorio rio a
bora rir.
Nem todos sabem o que o puffl inglez, mas
parece-nos que lodos conhecem de nome o ameri-
cano Barnum.
as suas tviagens a Amrica diz Herique Herz
que o clebre pufflsta resumir em ura cdigo de
dez artigos a arte de fazer fortuna.
Esse homem singular, que ganhou muitos mi-
lhoes a mostrar a prela velha que creou Washing-
ton, a fazer passar Jenny Lind por ama creatara
sobrenatural, a expr no seu musen urna sera
, erapalhada que dizia ter viudo das ilhas Sejee, a
passear cora o aoo TTm Pouce nos dous continen-
, tes, pregar a lemperanga alugando as suas casas a
. negociantes de vinhos e licores, Barnum devia
escrever as suas memorias.
L-se no Commercio do Porto o segrale :
Como sabem os nossos leitores, trabalhava-se l-
timamente em toda a Franga as eleigoes munici-
paes.
Entre as circulares dirigidas pelos candidato; aos
eleitores, apparece a de um Sr. Barbej, vaccinador
cantonal :
Eleitores de Flors I Meus concidados : a nova
eleigao de conselheiros municipaes val acordar
muitas amblges ; por isso ponno de parte a falsa
modestia, e confesso que me dara por muito feliz
se flgurasse na lista dos representantes do muni-
cipio.
Ha trlnta annos e mais que vivo enlre vos, e s
duas vezes tenho tido a honra de desempenhar car-
gos ofliciaes.
A primeira vez foi qnando se creou a caixa eco-
nmica : fui noraoaio administrador juntamente
com outros. Depois de alguns annos do exercicio,
descobrio-se que a minha noraeago tinha sido ura
cantra-senso, e que era ura pessimo exemplo por
testa de uraa instituigao de previdencia quem nun-
ca Uvera habilidade para econoraisar ura real. Por180^as aancas dos Esta(,os.Unidos do anno qae
consgrame, raandarara-rae por ao fresco ; era bem, lerminou era 30 de junho de 1863) as despe2as do
1 dito anno sobem a um milho de roilhoes e duzen-
A segunda vez tinhara-me linsongeado a ponto; w milhGes d(J doares. as recei[a5 do mesmo M.
do me fazerem crer que eu possuia o grao de ins
truego necossaria para ser raembro do conselho
fiscal das escolas primarias.
Pois Barnum publicou a saa propria historia, e
nao foi essa uraa das menos rendosas especular jes
do grande especulador.
Nesse livro, curioso por muitas circomstancias,
deixou em dez mandamentos a arte de fazer fortu-
na na America:
1." E-icoIne o genero de negocios que couvier s
tuas inclinagoes naturaes.'
2. Seja sempre sagrada a tua palavra.
3." Faz com todas as tuas forgas todo o qne
flzeres.
4." Nao fagas uso de nenhuma bibeda qae em-
briague.
5. Espera sem ser demasiado visionario.
6. Nao empregues em muitas cousas os teus
esforgos.
7. Nunca tenhas raaos empregados.
8." Faz publicidade.
9." S econmico.
10." Nao contes seno comtigo.
Uraa carta de Washington de 3 dejulho diz :
Segundo um relatono que acaba de apparecer
no sao :
Alfandegas-76 milbes 501,882 dollars e 22
cntimos.
Vendas do trras publcas-831,439 dollars 40
Essa noraeago foi vista com raaos olhos da par-
te de algumas pessoas, que erara talvez mestres de cntimos,
escripia. Rendas internas 205,500,000 dollars.
fi. .m ,t Total 282,883,321 dollars e 42 cntimos.
Clamaran) contra tal escolha, dizendo qae era .,..* mnnnn m ..
. ... /. Deficit^l7,OOJ,000 dollars que se preeocheu por
am absurdo confiar essa missao de quem nao sabia emDresiim(H
escrever legivelmenle, etc. ele. Isso era verdade,
mas, com rail demonios, era dureza de mais. Passei
por outro infortunio, porque tambem me manda-
ran) tratar de outro offlcio.
Era consciencia, isto era para fazer perder o gos-
to das h raras. Nao Acaris admirados, eleitores e
amigos, se eu vos disser que sinto urna dr bem
cruel. Portanto, tenho necessidade de ama conso-
lago e nao me levis era mal que ,vos indijue o
meio de dar-m'a.
Ha muito lempo que tenho a honra de ser vacci-
nador ; um eraprego to modesto como mal re-
tribuido ; sera querer gabar-rae, tenho-o desempe-
nhado com escrupuloso cuidado. A prova est as
boas cures de lodos os vossos fllhinhos.
Pois bem I Se tendes a peito pagar urna divida
de gratido, a occasio nao pode ser melhor : fazei
que eu nao morra sera a satisfago de ter sido con-
selheiro municipal I Barbey.
Ah vai am dos ltimos julgamentos de ura tri-
bunal francez :
O presidente.Voc aecusado de ter injuriado
ura soldado da policia. E' ou nao verdade ?
Oreo,Quer que ea diga era poucas palavras
porque foi ?
O presidente. Nao; dar j as suas explica-
goes, mas em primeiro lugar confessa ou nega ?
O reo.A respeito de confessar, isso seria o mes-
mo que fallar sem saber; e qoanto a negar, seria
a mesraa ecusa.
Para o anno que ha de terminar em 30 de juoho
de 1866, as despezas eslo avahadas em dollars
700,000,000, e as receitas o estao em dollars
300,000,000, de modo qae haver anda ara dficit
superior receila, que sera'preciso preencher coco
eroprestimos.
Que felicidade d o liberalismo quelles povos 1
Lemos na L'nion :
Escrevera de Figueras (Hespanba) em 3 de
julho.
O prefuramento dos Peryneos para a passagera
do caminho de ferro, se opera com aclividade. Ha
neste momento mais de 1,000 trabajadores em
Villejuige na fronteira.
O terreno se tinha apresentado primeiro sob a
forma de um granito muito duro, agora mudou
completamente para calcario, e assim a prefara-
gem marcha rpidamente.
E' do Sr. Firmino Candido de Figuelredo
O CARVALHO E A ERA.
Levanta a planta que se abraca e enlaga
Ao tronco bronco, qae se eleva ao flm,
Coloco grosso da floresta, presta
Abrigo amigo quem se huinilha assim.
Escuta a luta, que o nordeste preste
Desgraga, ameaga a pobrezinha all;
O pres.dente.-Ento quer dizer que nao se lera- Carva|h0) ura galno a para8lt afflct'a
bra de nada ?
O reo.E' exactamente como se en visse hoje
pela primeira vezo tal senhor da policia.
O soldado. Pausando meia noite por nm ar-
mazem de vinhos que se ia fechar, ouvi este se-
nhor e alguns amigos seus que cantavam em altos
O guarda dos chirapanzs, oorango-outangos ouis
titis do jardim zoolgico de Anvcrs, entrou ha das berros e com muito pouca decencia. O dono do ar-
na jaula dos macacos para os fazer entrar nos seus mazera queria obriga-los a calarse e a sahir. Eu
respectivos domicilios. Armado de um chicote o entrei e pedi que se retirassem em socego ; entao
guarda fu.-tigava os macacos que saltavam era roda este senhor, que estava embriagado, comegou a in-
delle. juriar-rae, chamando-me creatura intil e sopa e
Um nico, e talvez dos mais voltios, despresan- zonpeiro e oatras cousas,
do as advertencias do cbjeote permaneca de coco-', 0 reoNao digo que nao, meo presidente, mas
Sacode ; accode quem se abraga ti.
Cruento vento vai soprando, uivando ;
A filha humilha da floresta ao chao ;
Moma e va sea gigante amante
Altivo, esquivo, lhe negar a mao.
Balanga, danga do carvalho o galbo ;
Mais forte o norte com furor se ergueu ;
A era espera protectora aurora ;
Coitada I Atada ao pedestal, morreo.


x
f
PERNAMBUCO.- fP. DE M. F. DE F. &FILHO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMWIR46VH_7BEDSK INGEST_TIME 2013-08-27T20:59:09Z PACKAGE AA00011611_10755
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES