Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10753


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XU JDMERO 196
Por qiarlel pago dentro de 10 dios de 1, mez : i
dem depois dos 1.' 10 das do couecee dentro do quartel. .
Porte ao correio por tres mezes .,.,.,,,.,,,
5J0OO
6f000
7S0
SEGUNDA FEIfiA 28 DE AGOSTO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das do l. mez ,,,.... 49$006
Porte ao correio por nm anno........,.,.,, SfOOft
ENGARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marines da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Gear, o Sr. J. Jos dp
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Gosta.
ENCARREGAD03 DA SUBSCRIPCO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Kalco Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparnho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e seitasfeiras.
Santo Anto, Grvala, liezsrros, Bonito, Garuar,
Altinbo, Garanhuns, Buique, S. Ueuto, Bom
Gonselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
fe i ras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Gabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as qnarla?
feiras.
Sennhem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segunda? e quintas.
Relago: tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do comraercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos; tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
' da.
Segunda vara do clvel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMEHlE DO MEZ DE AGOSTO.
7 La cheia as 3 h., 9 m. e 34 s. da ra.
13 Quarto m:ng. as 7 h., 22 m. e 28 s. da t.
21 La nova as 4 h., 57 m. e 34 s. da m.
29 Quarto cresc. as 9 h., 29 m. e 46 s. da m.
DAS DA SEMANA.
28. Segunda. S. Agoslinho b. e dont. da egr
89. Terca. S. Adolplio b.; S. Sabina v. m.
30. Quarta. S. Ru.-a de Luna v. americana.
31. Quiuta. S. Raymundo Nonnato tard.
1. Sexia. S. Egydio a!>.; Ss. Gedeao e Josu.
2. Sabbado. S. Brocado c.; S. Diomedes m.
3. Dumingo. S. Eufemia v.; S. Arlstheo b m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 m. da manha.
Segunda as 10 hor.is e 30 minutos da larde
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o ni ate Airo B M 30; para o norte
ala a Granja a 7 e 22 de carta mez; para Ferian-
do nos dias 14 do? MM de jam-:,o, marco, ma o.
jlh'i, eessnbro e niivmobro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da prara di Independeaca
ns. 6 e 8, dos propietarios Mantel Figneiroa de
Faria & Filho.

HITE OFFIGIAL
GOVERNO DA PtOVlKU
Expediente do dia 21 de agosto de 1863.
Offleio ao Exui. marechaide cainpjcrnmmJan-
te das armas.Tendo sido o pai do voluntario da
palria Antonio Peregrino de Faria, cavallelro da
imperial ordem do Cruzeiros 2o lente honirario
da armada, pode V. Exc. permittr ao referido vo-
luntario o uso das insignias de 2o sadele.
Dito ao mesrao. Haja V. Exc. de mandar alis-
tar no 3* corpo de voluntarios o paisano Leonel
Domingues Cavalcanti, e no contingente de guar-
das nacionaes o guarda do 2o balalbo Je infanta-
ria deste municipio Manoel Francisco Custodio, os
quaes se oflereceram para servir no suld) im-
perio.
Dito ao mesmo.Em visto do seu offleio n. 1374
de 19 do crrente, resolv approvar os figurines de
n. 1 a 3 escolhidos por V. Exc. para regular o
fardamento do 3" corpo de voluntarios da patria,
cora alierago dos chapeos e gorro que devem ser
substituidos por bonets a Cavaignac, o que V. Exc
far constar ao comraandante do mesmo corpo.
Ao director do arsenal de guerra remeti ue.-ta
dala os referidos Bgunnos para factura do farda-
ment. Neste sentido officiou-se ao director do
arsenal de guerra.
Dilo ao mesmo. Mande V. Exc. dar baixa ao
guarda nacin il do Io batalhao de artilharia deste
municipio Hereulaoo Bernardo de Luna, que foi
recrutado para o exercilo, fazendo-o alistar no
contingente da guarda nacional destinado ao ser-
vico da guerra para o qual esta designado,segundo
declarou-me o respectivo commandante superior
em offleio de 18 do corrente. Gommunicou-se ao
commandante superior do Recife.
Dito ao mesmo.Pode V. Exc. empregar no de-
posito de recrulas 2 offlciaes reformados do exer-
cilo, visto ser isso necessano ao servlco d'aquelle
estabeleciment, segundo V. Exc. declarou em seu
offleio u. 1324 de 8 do corrente. Coramunicou-se
ao inspector da thesousaria de fazenda.
Dito u peccionar os guardas nacionaes Galdino Apolonio
Perfeito de Meueze?, Eduardo Pamphilo de Fanas
Albuquerqud e o paisano Jos Bernardo da Silva.
Dito ao mesmo.Informe V. Exc. acerca do que
allega no incluso requerimento o recruta Manoel
Pedro da Silva, que se acha a sua disposigo, de-
clarando V. Exc. o result-do da inspecgo de sau-
de a .que deve ler sido submettido o mesmo recruta.
Dito ao mesmo. Queira V. Exc informar so-
bre o que pede Jeronyma Mana de Oliveira, no
requerimento incluso, coberto com o offleio do che-
fe de polica de 17 do corrente, juntando V. Etc.
o parecer da inspecgo, acerca do recruta Si mio
Francisco de Oliveira filho da supplicanie.
Dito ao Exra. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.-Em vista de sua informa-
cao de 21 do corrente sob o. 335, com referencia
ao requerimento de Miguel Lueio de Albuquerque,
autoriso V. Exc. a mandar entregar ao supplicante
o seu sobrinho Amonio Marques Vtanua, educan-
do do collegio dos orphos.
Dito ao Dr. chefe de polica. Inteirado p lo of-
lkio de V. S. 1223 de 23 corrente dos graves
feriraentos feitos na pessoa de Antonio Fran-
cisco das Chagas, no da 24 do mez passado
na freguezia do Bom Jardnn, e de ter sido captu-
rado o escravo Antonio autor dos mesmos feriraen-
tos, recommendolhe que me communique o re-
sultado do processo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Autoriso V. S., nos termos de seu offleio de 19 do
corrente sob u. 6t)3, a mandar, sob miaba raspn-
sabilidade, levar em couta ao collecior de Naza-
reth a quadlia de 65^360, que, em virtude de au-
torisacao que leve, despendeu cora as diarias abo-
nadas a 19 recrutas all apurados nos iiiees de
Janeiro e marco deste anuo, vslo nao haver crdi-
to para esse lim, segundo consta de seu citado
offleio, a que respondo.
Dito ao raesmo. Respondendo ao offleio que
V. S. me dirigi em 21 do corrente sobn. 611,
tenho a dizer que pode mandar pagar, sob roinha
responsabilidade, visto nao haver crdito para esse
fim, nao s o debito que na importoncia de
2025749, que se uota as conlas das despezas feitas
durante o mez de junho ultimo, com a enfermara
militar permanente, mas tambera a quantia de
237J540 proveniente de fornecimento de dieta?,
agua e luz para a mesma enfermara.
Dito ao mesmo.Constando de offleio do capilo
do porto, datado de honiera, e sob n. 152, que dei-
xaram de seguir para a corte os engajados para o
servigo da armada nacional 1* mannheiro Fran-
cisco de Paula Mattos e grumete Jos Lucas dos
Sanios Menezes, este por se haver ausentado e
aquelle por ter sido julgado incapaz do mesmo ser-
vico, r.ecomraendo a V. S. que, de conformidad
com o citado offleio, faga recolher ao cofre dessa
thesouraria aquaolia de 1605000 que recebju o Io
tenenle Ernesto Ignacio Cardira para pagamento
de premios a taes engajados e de gratificago a
pessoa que promoveu esse engajamenlo.
Difo ao inspector da thesouraria provincial.
Mande V. S. pagar a Jos de Vaseoncellos, como
pede no incluso requerimento, a importancia que,
de conformidade com o seu contrato, tem direilo
de receber adiantada, correspondente a impresso
do.' trabalhos das repartieses provinciaes no cor-
rente anno tinauceiro.
Dito ao mesmo. A Antonio francisco Bezerra,
se nao houver inconveniente, mande V. S. pagar,
conforme solicilou o chefe da polica em 22 do
corrente, sob n. 1219 a quantia de 46J20O despen-
dida, como se v da iuclusa conta, com o gstenlo
dos presos pobres- do cadea do termo de Cimbres
duranie o mez de junho ultimo. Cominuuiciu-se
ao Dr. chefe de pulicia.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife. Concedo a autorisacao que V. S.
solicilou em seu offleio n. 238 de 23 do corrente
para mandar aquartellar no dia 1 de setembro
prximo vindouro o 2 bataloo de infanlaria des-
te muuicipio em substiluigo ao 1 da mesma ar-
ma, e cam expedidas a- convenientes ordens pa
ra que se passe revista de mostra a este batalhao
no dia e hora por V. S. indicados.- este sentido
officiou-se ao inspector da thesouraria de fazenda
Dito ao mesnio. Mande V. S. despensar do
servigo em quanto estiverem alistados na compa-
nhia de guardas da alfandega os guardas nacionaes
mencionados na relacao por copia inclusa.Cora-
manieou-se ao inspector da alfandega.
Dito ao mesmo. Ao tenenle do batalhao n. 19
da guarda nacional do municipio de Itapucur-
meirim, da provincia do Maranhao, aggregado ao
i batalhao de infanlaria da guarda nacional deste
municipio, Joao Octavio Veira, que allega ter fila-
do residencia na provincia do Cear, e acerca do
3oal ioformou esse cbmmando superior em dala de
1 do corrente, mande V. S. passar a guia de que
traa o decreto n. 1,130 de 12 de margo de 1833.
Dito ao mesmo.'Nesta data offleio ao comman-
dante das armas para nao "s dar baixa ao guarda
do Io batalflo de arlilharia deste municipio, Her-.
culano Bernardo d Sena, que foi recrutado para
o eiercito, mas lambem mandar alstalo no con-
tingente de guardas nacionaes destinado ao servico
da guerra, visto estar designado para isso, segun-
do V. S. declarou' em seu offleio n. 253 de 18 do
correte a que respondo. .
Dito ao coronel'Tiburtino Pinto de Almeida.-'
Agradecendo multo' o louvavel empenho ero que
est V. S. de alistar'voluntarios para tomar parte
na guerra do sul, autoriso V.S. a promover seme-
I Ihante alistamenlo e espero que empregar seus
] esforco para o bom resultado de suas vistas pa-
triticas.
Nesta data coocedo lambem igual autorsago
aos cidados Antonio de Paula Cavalcanll de Al-
meida, tilho de V. S., e Simplicio Lins de Souza
Fontes como solicilou V. S. em seu offleio de 21 do
corrente.
Dito ao capillo do porto.Remeti inclusos o
requerlm-nt i em que o subdito portugus Jos Pe-
reira da Silva se offereee para servir no corpo de
fuzleiros navaes e o termo da inspeceo a que el-
le foi sojelto, am de que Vrac. o contrate para
esse servido, tendo em vista as inforraacoes da
thesouraria da fazeuda que aompanham o mesmo
requerimento.
Dito ao raesmo.Faco apresentar a Vmc. o re-
crul i de marinha Antonio Ribeiro da Silva, para
que Ihe d o conveniente destino depois de inspec-
cionado.
Dito ao chefe da reparticao das obras publicas.
Concordando cora o que propz o engenheiro
Francisco Apolegorio Leal no offleio que por copia
veio aunexo a sua informacao de 21 do corrente
sob n. 269, dada acerca do requeimento em que o
arrematante da obra do? reparos da estrada do
Porto de Gallinhas, Francisco Alves de Miranda
Varejao, pedia urna prorogagao de praso para a
conclnsao d'aquella obra, autoriso Vmc. a contra-
lar com o mencionado arrematante a execugo dos
novos reparos de que precisa a predita estrada,
era consequencia das ruinas causadas pelas chuvas
e endientes do rio, os quaes constara do remen-
lo, junto por copia, na Importancia de 8805000,
marcamin-se o praso de 3 mezes para a entrega
destes e dos outros reparos contemplados no pri-
mitivo orgamento.Gommunicon-se ao inspector
da thesouraria provincial.
Dito a cmara municipal de Garanhuns.-Accu-
sando recebldo o offleio qne a cmara municipal
da villa de Garanhuns dirigi a esta presidencia
em 15 de julho ultimo, leudo a dizer-lhe que man-
por novamenle era praga os mpostos mencio-
PERNAMRUCO.
de quarleiro das ras Nova e adjacentes, e logo
depois o Sr. subdelegado Moura.
revista mm.
A directora da associacao Promotora das Fa-
milias dos Voluntarlos da Palria convida os res-
pectivos
rabuco, que para isso se offerecera
ao Exm. Sr. presidente.
Todo o batalhao foi acompanh 1-I0, prestando as-
ra- sim um preito abnegacao de seus irraos e a
promptidao com que acudiram ao reclamo da pa-
tria.
O brigue brasileiro Superior, chejado hontem
SrJSrZE^PJ*""!!"**9!?"!?: d ^e Janeiro com 8 das,nao fof portador de Miranda _Ke!
cerera hoje pelas se.s horas e roe.a da tarde, era jornal algum, e o capito nada diz de novo. W*-'
EASLEfS:1*J2? *,:& Lt. 9 ** Proteato8Joa Mariano esta ______ "
trou
dianl
Eraquanto a bandeira paraguaya fuer sombra ft ran
sobre l territorio brasile.ro, ja okse algnem, as iK.^SS.^elS I ^^ ^^
S5.M..2 2Spr mmm patr,a'ei' I a?isJsi0"ar,Lse recolhido
E urna verdade.
A honra nacional foi torpemente ultrajada.
O paviiho brasileiro acha-se embaciado pelo h-
lito servil do paraguayo no brilho da esphera ar-
milar que Ihe adorna o centro, marcando a exten-
so do seu territorio e os altos deslinos do povo,
que poltica e socialraente elle representa no map-
pa das na^Ses.
E esse territorio foi polloido pelo p invasor des-
ses Normandos do presente seculo, que se levan-
tara de ura exiguo canto da America para devastar
os dominios do gigante sul americano, fazendo cor-
rer em holocausto parte do sangue generoso, que
Ihe circula as veas opulentas de seiva vital, oes- <
se momento de abandono e imprevideote coolianca "/" da mortal "' Se'" apresenUr porem "'' T Pawwiro do briguc brasileiro Marta e Vir-
a que se elle entregava, e em que foi tomado pelo cnno co m gnmaanM para Santa Camarina : Graciano II
aggressor ementido. .'?RS5i?B m ,eV(? > commf'- Mafra e sua familia.
Neste ponto a indilTerenca o suicidio social. i il hVu m^^l /e a.S8U esud0 .e ?ue> T R*ticXo da polica :
Nesta siiuacao guardar-se urna posigo expec- i,', !rm?bt^ ,$gnmlso' a? Pnl de de' Extracto das parles do dia 26 de a2osto de 1863.
tante a negaco do bro do povo livre. IT n,Zt a T f do5U', !sperar' Frara rtcolliidos a casa de detencao no da 25 do
Nesta emergencia nao correr ao campo do cora- S^'Xrfn m," l *** tBeCMo' ^ Cr.r.ele :
bale revelar a atona mais symptomatica da falta u^ p*,2 p",',"" t a i. r n !. A ordem do ,llra- Sr- 0r- rhftfe d,! Pol,cia- Jo:i
1 de patriotismo. L ~ -l,nu? a a ^"C dos senhores fiscaes aOra Juslino Evangelista, para correccao.
I E a indilferenca, e a posieo expectante e o re- 2! ^'l"aoie af luar de >-*PfJ publico os canos A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio, Jos
traumeolo era cnjunctura desla ordem lem por '?'n ,-t* cujos ralos java, sendo Sergio Pere.ra, Alexan Ir Sevenano da Silva e An-
costume vasar-se quanta a-ua polrida ha, com in- na Rita Francisca, para correceo
commodo de quem lera de solTrer-lhe as exhala- j '-
Coes ftidas
cedeu graiificag.io aos antecesores o inpt'lira
O Sr. pre>idente propia e foi apencado, qne *
olliciaesse aos jnizes de direit da pnntr.ra e *-
guada vara para ordeuarem ao r-sportivo aMaMa
que lemettwn a relacr dos mnludos por falur-
a sessao do jury, vst.i que o nao lem foto.
De-pacharara->e as |.-iir>.:s de Aak e Abres
Porto, Anna Ignacia G.mes da Fooreca, Cartea
Holfmanno, J >a juirn Jus Pereira 1 linai, Tt-
burclo Valerlan > Baptista, elevantoa-w a e-4a.
Eu Francisco Canuto da Boavbf^ni, secrrum a
subscrevi. Pereira SimSes, pr6-preid-Bte. Dr.
Miranda.-Rego.-Saotos.-Aiiionio Pires Ferrera.
afim de iratar-se da reforma de ura dos arligos dos | de semana
eSU'UnldtHfTt .nuiK d nliii ?. ^ ? 0JaS,d0 d!? 2^Uma partf da lolera e,n b** familias dos brio-
JEPS? aJSSSZ da |,ane d,e "SS*410 Henr-'-1sos Volnniarios da Patria (29.-), sendo o maior pre-
ques da Goowicio, inspector do 30 quarteirao mo 6:000,5000
nmUHrlSUeL,a|d'' San' A-'nT' daQd0 elle em I' ~ pa*sa*eros do brigne fram-ez Cear, sahdo
segundo declaragao do Sr. A. L. Monteiro da Silva Saxer.
de
nados no termo que acompanhou o seu citado offl-
eio, visto nao ter comparecido licitante algum na
arremalaco dos referidos impostos a que proce
den a mesma cmara.
Dilo ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra.Autoriso o conselho de compras do arsenal de
guerra a comprar para fornecimento da pliarma-
cia da enfermara do presidio de Fernando, os me-
dicamentos meneionados no incluso pedido.Fi-
zerara-se a- necessarias communicagoes.
Dilo ao mesmo.Recommendo ao conselho de !
compras do arsenal de guerra que compre com a j
possivel brevidade para fornecimento da botica da
colonia militar de Pimenteiras, os medicamentos
mencionados na relacao por copia inclusa.Fize-
rain se as necessarias communicacSes.
Portarla.O presidenta da provincia resolve au-
torisar a Julo Hypolito de Meira Lima, a promover
o alistamenlo de voluntarios da patria nos termos
de Agua Preta, Barreiros e Ipojuca ; e recommen-
da as autoridades a quem esta fr apresentada,'
que o auxiliern nessa commisso.
Dita.O presidente da provincia atlendendo a
que nao se acha organisado o batalhao de infanla-
ria n. 11 da guarda nacional do municipio de Igua-
rass, e de conformidade com o disposlo nos avi-
SOS da reparticao da juslici : 4 de Janeiro de
1835 e 15 de fevtreiro de 1860, resolve, em vista
da proposta apresentada pelo lente coronel com-
mandante do mesmo batalhao e de informacao du
respectivo commandante superior, datada de 20 do
corrente, nomear para offlciaes os cidados se-
grales :
Estado-maior.
Tenente cirurgiao Joaquim Antonio de Franca C-
mara.
Alferes secretario Joo da Silva Monteiro.
1* compaiihia.
Tenente Luiz Ferreira Bindera de Mello.
Alferes Joaquim Candido Bezerra de Mello.
Dito Tranquillino Marques de Souza.
2* companhia.
Capitao Ildefonso Veira da Cunha.
Tenente Jos Malinas da Fonseca.
Alferes Joao Lins Cavalcantede Albuquerque.
Dito Salustiano Duarle da Silva.
3* companhia.
Capitao Manoel Brasilino de Arruda Cmara.
Tenente Luiz Carlos Pereira de Araujo.
Alferes Manoel Zeferino da Fonseca Pinho.
Dilo Luiz Carlos da Fonseca Pinho.
4* companhia.
Capitao Joo Vieira da Cunha.
Tenente Basiliano Rodrigues Campello.
Alferes Jos Joaquim Cavalcanle de Albuquerque.
Dilo Vicenle Ferrer de Mello.
5" companhia.
Capito Jos Tavares Dornellas de Aranjo.
Tenente Henrique Pereira do Valle Magalhes.
Alferes Manoel Mlilo da Fonseca Pinho.
Dito Hermenegildo das Virgens Lima.
6" companhia.
Capito Joo Dourado da Cunha Azevedo.
Tenente Joo Baptisla de Albuquerque Vaseon-
cellos.
Alferes Antonio Bezerra de Menezes.
Dilo Joao Caelano Francisco.Communicouse ao
comraandante superior da guarda nacional d Olin-
da e Iguarass.
Despachos do dia 2 i de agosto de 1863.
Requerimentos.
Agostinho Ermilo da Cunha. Informo o Sr.
capilo do porto.
Carlos Jos de Sena. Fica concedido o prazo de
10 dias, devendo ser este apresenlado autorida-
de, cuja disposico se acha o recrutado.
Elisiario Gomes de Mello.A informacao de que
trata o supplicante, s Ihe p le ser dada por cor-
tido.
Francisca de Paula Martins.Nao tendo em face
da le isuoco o que allega a supplicante, nao tem
lugar o que requer.
Francisco Alves de Miranda Varejao.Dirija-se
ao Sr. engenheiro chefe da reparticao das obras
publica.
Joo Jeronymo Cesar. Deferido.
Jbo Bezerra de Mello.Informe o Sr. comman-
dante superior da guarda nacional do municipio
do Recife.
Jos Gomes da Silva. Concedo o prazo de 15
das, devendo ser este apresenlado i autondade,
cuja disposico se acba o supplicante.
Manoel Gomes das Neves.Informe o Sr. capi-
tao do porto.
Manoel do Nascimento Teixeira. Tendo segui-
do para a cdrle o recruta, de que trata o suppli-
cante, nada ha qne deferir.
Manoel Lucio de Alboquerque Mello.Dirija-se
ao Sr. desembargador provedor da Sania Casa de
Misericordia.
Manoel Francisco Monteiro. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional do mu-
nicipio do Recife.
Manoel Antonio Gmcalves.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Padre Manoel Ignacio de Lima.Informe o Sr.
Inspector da thesouraria provincial.
Urbano Francisco de Paula.-Concedo o prazo
de oito dias, devendo ser este despacho apresenta-
do autoridade, a cuja disposico se acba o sup-
plicante.
e pestilenciaes que derramam-se pelo
ambiente.
! Igualmente solicitamos providencia para que
, nao se faga do Capibanbe o deposito de areias e .
lixos das roas, como ha pouco dava-se para lados
da ra da Aurora.
E' esposado encarecer ou declinar as razoes de
I conveniencia, que d'ahi decorre.
Para preencher as vagas existentes no pri-
. melro corpo da guarda nacional, destinado ao ser-
vico da guerra, foram por portara de ante-hontera
(26j designados us sentiintes offlciaes :
I companhia.
Tenenle, o tenente io batalhao n. 9 de infantaria
Evaristo Veira Lins Cavalcante de Albuquer-
que.
Arsenio Amonio
nico horisonle o desdizer
proprio brasileiro.
Mas o brasileiro se confiante at ao extremo,
se mesmo a con'eraporisacao entra em grande par-
te no seu carcter de povo, lambem lera ura limite
para esta coudigo de benignidade.
E a este limite chegou a sua paciencia.
Do sul ao norte do Brasil, do extremo do Prala i
quelle do Amazonas, o peasamenlo do brasileiro
s um.
E este pensamento, deixando oinvolucro psycho-
lgico, despin lo a forma subjectiva para objecl-1
var-se no mundo senulvel, s lem urna expresso
complexa de lado quanto grande, nobre e ele-1
vado.
A vinganga da honra nacional t
E quando esta alga a voz por urna vindicta, nao
ha velho era mogo, solteiro ou caado, que esta- .,?"'" .. _.
que em consideragoes de qualquer ordem. Carnmro da funha M.fa.S.
A' patria deve-se ded.cago absoluta.
O sangue e a fortuna de seus filhos pertencera-
Ihe por direilo de asceudencia legitima e indispu-
tavel.
_E pos, o concurso de que ella ora carece, quem
nao u'o pode prestar cora a arma em punho, presta-
o com os recursos da fortuna, com o prestigio da
influencia de que dispe, cora o proporconainen-
lo de meios que facilitem a expanso do patrio-
tismo.
E nisto vai o cumpriinentj de um dever, tanto
mais imperioso quanto denva-se de sentimeulos
naluraes e congenitos ao homem.
E o exeraplo j ah terao-lo e'.oquente, vivo, pal-
pavel, como a mais brlhanle centelha de patriti-
co amor pela trra natal ; e o grande vulto na-
cional j correu a parlilhar das fadigas da guerra,
dando patria a sua dedicaco, to ampia quanto
sua alma grande.
Cada ura na proporgo desoas forgas, mas tojos
em combinagao de concurso para o mesmo lim,
no prseme o dever do brasileiro, seja elle do nor-
te ou do sul, seja grande ou pequeo na escala
social.
7" companhia.
Alferes, o alferes do batalh&o n. 18 Manoel Conra-
dino Cavalcantede Albuquerque.
8a comp- nbia.
Alferes o alferes do bat.iho n. 0 Esmeraldo Pe-
reira de Mello Cavalcanti.
A' ordem do da Boa-Vista, Joaquim Jos de
Amorira, igualmente para correegao.
O chefe da 2." seceo.
J. G. de Mesquila.
1
2' companhia.
Capito, o capilo do batalhao n. 48 Francisco An-
tonio de Sa Padilha.
Alferes o alferes do batalhao n. 43 Luiz B-lchior
Pessoa de Siqoeira Cavalcanti.
3* companhia.
Tenenle, o tenenle do batalhao n. 46 Australiano
Scrates de Moura Po,'gi.
Alferes, o alteres do batahao n. 33 Marcolino Cu-
rado da ('.amara.
4a Companhia.
Alferes o alferes do batalhao n. 33 Vasco Pereira de
Moraes.
' 5" companhia.
Caplo, o capitao do batalhao n. 41 Joo Carlos
Bezerra Cavalcanti.
Alferes, o alferes do batalhao n. 39 Valeriano Man-
so da Costa Reis.
6' companhia.
Capito, o capilo do batalhao n. 33 Jos Gomes de
Mello.
Alferes, o alferes do batalhao n. 51 Conrado Fer-
reira da Costa.
do
Primero que ludo sao todos os brasileiros.
O imperio do Cruzeiro obra simultanea
grande e do pequeo.
A trra da Santa Cruz r!-i o berco tanto ao alto
personagem, como ao huu.n le cidado.
A' lodos importa sustentar a sua obra, manten-
do-lhe a integridade.
A't.dos cumpre nao esquecer o que impdaa
piedade filial.
Eia sus, filhos do Brasil I
Nao se diga que a patria invocou a seus Glbos
em momentos solemnes, e elles fecharaui ouvidos
aos seus plaugentes reclamos, tendo em menos a
honra que caprichos, menosprezando o pundonor
que a satisfago de urna intengo reservada, mas
sempre inconveniente no momento que corre.
Eia sus, filhos do Brasil I
E' preciso que o Paraguavo seja subjugado, e
quCerahataa PUJaQ5a ^^ braS"eir' "5^^^^^V^
Seja-o ja, sem demora I
E para islo, basta quer-lo ; porque lambem po-
der querer.
O Exra. Sr. conselheiro presidente da pro-, seu ,.0,1)Dromisso C.0II]
v.nna v.sitou no sabbado pela manhaa o quartel f Q m ,eMM!,
do Hospicio, onde acham-se aquarleladas as pessoas
alistadas no terceiro corpo de voluntarios da pa-
lria, sob o commando do Sr. coronel Francisco
Joaquim Pereira Lobo.
Nessa occaso S. Exc. assistio ao exercicio, que
fazia essa porgao de bravos, e admirou o de-em-
barago que ja apreseotara e o garbo militar que
desenvolvem oas evoluges.
Igualmente visitou S. Exc. o quartel da So-
ledade, onde acham-se 174 guardas nacionaes
aquarleladas com destino ao sul; e ah mamfestou
a sua satisfago pela ordem e garbo que observou
em ludo.
Acaba o Sr. tenente-coronel commandante
do terceiro batalhao de reserva da guarda uacional Hmlem tiverara lugar no Gabinete Portuguez
deste municipio Joo Valentn. Villela, de offere- de Leitura as eleiges do conselho deliberativo e
cer-se ao governo para marchar para o sul, afim eomraissao de conlas, compondo se estas duas cor-
Por portara de 26 l > correte resolveu S.
Exc. o Sr. conselheiro presidente da provincia alte-
rar a de 10 de junho, que deu organlsago aos tres
| corpos da guarda nacional chamada ao servjgo da
I guerra, dando a cada urna companhia 2 alferes e 2
; cornetas, e bem asslm a cada corpo urna msica
composia de t mestre e 16 msicos.
Da publicago offlcial viram os nossos leito-
res o procedimento patritico e eminentemente lou-
vavel, que acaba de ter o digno commandante do
batalhao n. 42 da guarda nacional do municipio de
Serinhaem, o Sr. tenente-coronel Mariano Xavier
Garneiro da Cunha, proclamando ao mesrao bala-
com o governo a
estar a seguir para acampauha.
i No intuito le obviar todos os obstculos que po-
dessem sobrevir, e assiin delongar a satisfago do
om a palria ultrajada, di-
.ronel a lodos os pro-
prietarios daquelle municipio no senlido de presta-
rera-lhe elles o possivel coucurso, assocando-os
assim em sua modestia na obra gloriosa que all
niiiou.
E' o primeiro commandante de batalhao da guar-
da nacional, que se aprsenla a seguir para o sul,
nesta provincia, ao menos que nos conste : e se
isto ja se tivesse dado, se o exemplo liver imita-
dores, a guarda nacional de Pernambueo represen-
tar o b.-ilhante papel que Ihe esl reservado.
As no*sas fehc.tagoes ao Sr. tenente-coronel Ma-
riano Xavier Carneiro da Cunha, cujo procedej
asta cima de lodo o elegi.
de tomar parle na guerra era que estamos empe-
ohados all.
A dedicaco do Sr. lente-coronel Joao Valen-
tira Villela recommenda-lhe os sentimentos patri-
ticos que nutre no peito ; e o seu acto nao carece
de maior elogio que a sua publicago, que ora roi-
gamos de faz lo.
Temos a registrar um horrivel crime, de que
foi accidentalmente iheatro a casa do nosso amigo
o Sr. Dr. Sabino, pela madrugada de sabbado ul-
timo : o caso.
Andando fgido om escravo d:. Sr. capito Vi-
cente Mendes Wanderley, senhor do engenho Pon-
tal, em Serinhaem, chamado Joo Canuto, foi en-
contrado na sexta-feira nesta cidade por ura seu
parceiro de nome Belarmino ; o qual podeodo cap-
tura-lo, conduzio-o casa do Sr. Dr. Sabino, na
ra Nova, onde costuma estar o Sr. Wanderley,
quando vera praga.
Ao avislar-se cora o referido doutor, pedio-lhe o
no que foi
porages dos seguinles sennores :
Conselho deliberativo.
Presidente.Joaquim Ferreira Valente.
! secretario.Domingos Jos de Amorira.
2* dito.Jos Ribeiro da Fonseca.
Conselheiros.
Domingos Jos Ferreira Guiraaraes.
Manoel Gomes da Cruz.
Miguel Jos Barbosa Guimares.
Joaqnim Anlunes da Silva.
Antonio Bapiista Nogueira.
Antonio de Albuquerque Mello.
Manoel Cardoso de Souza.
Jos Martins Dias.
Joo Mara dos Santos Almeida.
Jos Joaqnim Alves.
Jos da Costa Maia.
Alfredo Cardoso Pereira.
Domingos Jos Vieira Braga.
Miguel Joaqnim Carlos Cardoso.
Supplentes.
escravo que o mandasse apadrlnhado,
satlsfeito ; mas, nao podendo Belarmino seguir no Joo Jos Rodrigues da Costa.
trem da tarde para o interior, pedio e obteve licen- Bernardino da Silva Costa.
ea do Sr. Dr. Sabino para pernoitar em sua casa Jos Joaquim de Lima Bairo.
com o seu companheiro ; e como Belarmiuo re-Jos Alves Lima.
ceiasse que Joo tornasse a fugir, como dias antes Domingos Antonio da Silva Beiriz.
tinha feio, apezar de ter urna outra carta de pa- Joo Luiz Ferreira Ribeiro.
drinho, araarrbu-lhecomcordas os bragos, sem re- Jos Gongalves Villa-verde.
parar no entretanto que elle tinha urna faca de Antonio Jos Borges Costa.
ponta entre as roupas. Jos Fernandos Lima.
Assim, pelas duas horas e meia da madrugada < Joao do Araaral Raposo.
ouvem-se gritos medonhos ; acodera a elles o Sr. | Jos da Silva Loyo Sobrinho.
Dr. Sabino, seu pai, um sobrinho e escravos, e
veem enlo o infeliz Belarmino nadando era san-
gue, em consequencia de urna tacada sobre o co-
ragodada pelo malvado Jio Canuto, o qual, sen-
do subjugado immediataraeote, declarou que traba
a faca por dentro da jaqueta, e cora ella, cortando
as cerdas, dra a facada.
Apezar dos esforgos do Dr. Sabino o misero Be-
larmino nao durou meia hora ; e chamado do
mencionado doutor compareceram os inspectores
Jo- Antonio Fernandes Fradique.
Joaquim Gerardo de Bastos.
Vicente Alves Machado.
Commisso de Conlas.
Francisco Pereira de MenJonga.
Manoel Soarcs Pinheiro.
Joo Jos Marques.
Supplentes.
Jas Azevedo de Andrade.
Bernardino Gomes de Carvalho.
GAMA MIIMIPAL.
SESSAO ORDINARIA AOS 19 DE JUNHO
DE 1865.
Presidencia do Sr. Pereira SimSes.
Presentes os Srs. Tiiomaz de Aquno, Gustavo do
Reg, Dr Miranda, Pires ferreira, Santos e Dr.
Villas-Boas, abre-se a sessao, e lida e approvada
a acia da antecedente.
L-se o segu ote
EXPEDIENTE.
Um offleio do Exm presidente da provincia, re-
metiendo incluso por copia, outro que Ihe dirigi
o engenheiro Dr. Gervasio Rodrigues Campello;
para qne a cmara recommende aos respectivos fis-
caes que nao cocsiotam que se deile lixo, o objec-
tos arruiuados junto aos caes desta cidade, e sobre
ludo entre o theatro de Santa I.-abel, e a casa de
Detengan, mas sim nos lugares pela cmara desig-
nados, am de evitar-se a accumulago do lixo
que se observa no caes do Apollo, e que concorre
para a sua damnificago.
Posto em discusso, raandou se responder a S.
Exc, que a cmara acha conveniente o que expoz
o engenheiro, mas nao tetrdo a mesma cmara
meios com que possa evitar que se fagam os des-
pejos em lugares inconvenientes, pois que para isso
seria preciso ter urna senlinella em cada ura desses
lugares, o que nao Ihe possivel, visto como s
tem tres guardas em cada freguezia ; todava vai
recommendar de novo aos fiscaes que appliquera
toda a sua altengo para que quando nao consigan)
acabar com o abuso de se depositar lixo em todos
os cae?, ao menos consigam melhorar a sua conii-
nuago.
Outro do juiz de paz do segundo anno da fre-
guezia deS. Jos, Joo Jos de Albuquerque, com-
mullicando achar-se em exercicio do dito cargo em
consequencia de achar-se impedido o do primeiro
auno.loleirada.
Outro de Miguel Bernardo Quinteiro. Joaquim
Pereira de Mondonga e Tliomaz Francisco de Salles
Rosas; meinbros da commisso eocarregada da
factura e Doslo da bandeira do 2." batalhao de vo-
luntarios desta provincia, dizendo que tendo de
maudar decorar a igreja de ossa Senhora da Con-
ceigao dos Militares para a celebraco deste acto,
e precisando de umdocel e busto de" sua Magesta-
de o Imperador, roga a cmara que se digne pres-
lar-lhe o do seu pago.
i'osto em discusso, deliberou-se responder a
commisso que o docel e o busto de sua magesta- {
de nao poden, sabir do pago municipal.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
consultando se, era vista do que dispoe as posiu
ras, pode elle multar em reincidencia, sem que es-
teja realisado o recebimenlo da primeira mulla,
por quanto constava-lhe ler a cmara iransacta en-
tendido que nao devia haver reincidencia de urna
mulla por infraego as pasturas em quanto nao
fosse paga a primeira.
Posto em discusso, raandou-se declarar ao fis-
cal que, a duvida por elle proposta nao deve pro-'
ceder, e que va multando en. reincidencia aquellos.
que infringirem as posturas, embora nao se tenha
eftectuado o pagamento da multa, que primera-
mente fora imposta.
Outro do mesmo, communicando haver feito la-,
vrar lermo de infracgso as posturas, coplra Jos
Joaquim da :osla Maia, por ler sem licenga man-
dattk coliocar urna trave na casa n. 42 da ra do i
caes Vinte e Dous de Novembro, havendo para isso j
deste I hado toda a frente da mesma casa, em conse-
quencia do que foi-lhe imposta a multa de confor-
midade com o artigo segundo da postura de 13 de
junbo de 1855, e leudo sido iolimado para paga-la
respondeu que o nao fazia, e era requera licenga
por que nao era necessario, por quanto para eolio- ]
car urna trave nunca requereu licenga, nen pagou
o imposto ; e coran elle fiscal esta convencido que
seraelhante procedimento urna desobediencia a
le, e menoscabo a sua autoridade, roga a cmara
Sue Ihe declare se bera cumprio elle o seu dever
e accordo com a disposigo daquella postura cita-
da.A' commisso de polica.
Outro do mesmo, informando contra a petg-lo,
em que Joaqnim Jos Pereira Alhaodra, reqnerj
para ser exonerado do pagamento da mulla que
Ihe foi impo-ta por haver infringido o art. 2.* do
titulo 11 das pesturas de 30 de junho de 1849. -
Indeferio-se.
Outro do fiscal da Boa-Vista, informando favora-
velmente a petigo na qual Manoel Maxmiano Gue-'
des pede para edificar urna casa de taipa em seu
sitio na Tamanneira cora trila palmos arredada
da estrada.Concedeu-se.
A commisso encarregada dos negocios do mata-
douro publico desla cidade, para regularidade da-
quelie estabelecimooto, e inspecgo do respectivo
administrador, propoz diversas medidas que for?m
unnimemente approvadas, dando-se era seguida!
as precisas providencias, sendo urna destas rae li-
jas tomadas, pedio se ao Exra. presidente da pro-
vincia, que ordenasse para que fossem fornecidos
diariamente dous policas aquelle estabelecimento,
e outra medida para serem cagadas as licengas da-
Jas para a malanga de gado nos Af gados e na Ta-
raarineira, bera como a que tem Manoel de Souza
Tavares para recolher gado no seu curral particu-
lar da ra Imperial, o qual gado deve ser recolhi-
do aos curraes do raatadouro publico.
Mandou-se remeiter a commisso de polica nm
requerimento, no qual o fiscal da fieguezia da Boa-
Vista, fazendo chegar ao conheciraento da cmara
a necessidade que tem de percorrer a raesraa fre-
guezia, que bastante extensa, para cujo (ira (al-
tam-lhes os meios necessarios, pede se Ihe conce-
da pela verba de ventuaes urna graiiflco para sp-
plica-la a semelhaute fim, firmado na disposigo do
7. do artigo 2." da lei provincial n. 970, que con-
2.' SESSAO ORDINARIA AOS 20 DE Jl'NHO
DE 1865.
Presidencia do Sr Pereira SimSes.
Presentes os Srs. Dr. Miranda, Gu*ae s> tefe,
Santos e Pires Ferreira, abre-se a sessao, s Ma
e approvada a acta da antecedale.
L-se o seguale :
KXI'EDIKNTK
Um offleio do escr.vo do jury J<>v|aim Fr
co de Paula Eleves Clemente, remetlea4o. i
dem do Dr. j ilt de direilo da I* vara V*fe
nma copia do termo de resun das moltae i
las aos jurados na t* sessao do jury da rorrease
no, significando que os demais termos opporkuea-
mente sero remedido*.Que s reaMMesee a
procurador para mandar proceder eoanaes, e se
respondesse ao escrivo arcu-andn o nritiaMaes
da copia do termo, e i|ue mindass" elle o ruh kn-
ve os outros termos que fallara.
Outro do fiscal da freguezia de Saalo AaSssM,
informando o requerimento de Joaoaint da Cxia
Pinto, que pede licenga para matar ga*Jv soian aa
casa n. 13 da travesea di arsenal; da sjm se des*
conceder a mesma licenga orna vez que cuiapra
elle o determinado no art. 8 da postora o> 20 de
n vembro de 1835, bem como o art. 19 do m. t*
; du* Je 30de junho de 1849 Conceden-se, decata-
formidadecom a infirmago.
Outro do mesmo, ioformando contra o os re-
quereu Antonio Moutmho da As.-ucapcao de ao sor
olu igado a forrar a fr-ate de sua oaoa a. 7 do pa-
teo do Carmo, Visto nao esur romprehenduto aa
disposigo da postora, pls que -:n-nte esnprega-
se em vender ouro pelas rq.n em osa aaaosiaao,
e para o que tem licenga, conforme o eosdarnaaosaa
junto. De.-pachou-se o requerimento do snpparac-
le, declarndose que estando verificado nao t-r ol-
le eiabeiimento de casa anerta, a remo tal ao ser
obngado a varrer a parte da rasa eos sja* re
apenas esl obrigado a pagar o impo.-lo de i
correspondente ao exercicio de 1864 a 1965.
Outro do mesmo, informando ao haver ioe -
veniente era permitlir-se a viuva Aona Igaaria Go-
mes da Fouseca, como pede em seo reqoeriraeato
que devolve, veoder pistollas e md.nhas de plvo-
ra no armazera n... da ra do Imperador, la k-
ferio-je.
Outro do fiseal da freguezia de Jaboatio. respon-
dendo acerca da repre-eniagAo que contra o n*e*-
mo liavia feito o delegado de polica daqoelle i-rnv>,
major Jos Francisco de Souza Leao, apres-ata
muitas consideragoes emsua defexa.
Posto era discusso o Sr. Pires Ferreira pede a
palavra, e declara que o fiscal nao compre orn a
seu dever, e lano as^ini >' i|ue rooseoiio que Prhx
Manoel do Nascmeuto Vallis construste o roa ca-
sa na povoago da referida freguja contra as pis-
turas, cuino se poJ.-ra verificar, proeedeodo-se nnv
veslona, e mesmo pela informago por elle -*!
dada, em vista do que Ihe foi exigido i re.jnen-
meuto dell^ verealor ; esta bera chro qoe loi toda
a con-truego dessa casa feila era op.o-ig i as ri-
ladas posturas.
Qu o fiscal na sua d--f-za mais secomplira, por
que dizendo sjae a desafeigo dod-lega'l..parar->nt
elle; se originara era con>equencia de ler ido ao
seu engenho verificar a reviso dos peso- qne ti-
nha no encaixamento do dito engenho, os qoaes sao
estavam alferidos.
Logo nao cumprio o fiscal o dever de seo empro-
go, pois que devia trazer ao couherimenio da en-
mara esle fado.
Que poderia apresentar anda outros milito- fac-
tos, pelos quaes se provava que o li-cal era omi-so
no cumprmento de suas obrigages, e por isso
propunha que fosse elle dispensado de continuar ao
emprego.
O Sr. Santos pede a palavra, e declara que o de-
legado nao poda pedir a demisso do fiscal, e neos
lo pouco indicar quem o substituase.
O Sr. Dr. Miranda pede a palavra, e defeade o
fiscal, apresentando mudas consideragoes a livor
delie; diz anda que, a respeito da obra qne fes F-
lix Manoel do Nascimento Vallois, o mesmo fiscal
participan a cmara por offleio de 29 de ureo
deste anno, no qual declarara ter feito parar a eia
ecugo da dita obra, at que a cmara deliberase
e por isso pareceodo-lhe ter elle romprido o sen
dever, votava para que cootraoasse no eierrieia
do mesmo cargo.
OSr. Pires anda pede a palavra, e sjajsjjhjjjjj a
sustentar o que havia dito, aerrescentando qne so
bouve demora na deliberago da cmara acerca da
materia do offleio do fiscal, nao devia elle permitir
que a obra da casa se concloisse, e airapria-lh
offlciar at que honvesse a cmara de lomar qoal-
quer providencia, e que por Unto re queira qoe se
mandasse proceder a urna vestoria oa casa osa
queslo.
A cmara entendeu nao ser precisa a vestoria
requerida.
Nao havendo quera mais fallasse sobre a mate-
ria, e tendo prescindido a cmara de lomar reala
gao sobre a represeotago do delegado, fot posta a
votos o requerimento do Sr. Pires Parrara, do sor
exonerado o fiscal, vouram a favor do mejana fis-
cal para que conliouasse, os Srs. Dr. Minada a
Santos, e contra os Srs. Gustavo do Rege o Fama
Ferreira, fallando o Sr. presidente declarar sen
voto, que ao depois den a favor do Acal, i
do por esta occasio qne tendo volado ps
nuago do fiscal, nao importara ella a i
delle.
O Sr. Pires Ferreira pede a palavra,
que se declare na acta que o fiscal
mais feliz cora esla cmara do qne ns sadrn le>
caes que forana dispensados.
O Sr. Gustavo do Reg pede a palavra o ranjanr
qne se recommende aos fiscaes a observancia da
artigo 1* da postura addicional de 15 de
de 155, acerca dos terrenos alagadas,
aguas pluviaes, quer aguas da asar.
Mandou-se remoller a commisso da sade n
requerimento no qual Joo Pinchos podo
para eslabelecer orna padaria oa casa n. 32
do caes do Ramos.
Despacharam-se as pelicoes de Antenas Jos Ro-
drigues de Souza, AniouioMoutinhoda Asansanco,
Anna Ignacia Gomes da Fonseca, coronel Donan-
gos Alfonso Nery Ferris, Rnfino Manoel da Cmx
Carneiro, e levaotoo-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boa-viagnaa, inmolas aa
o subscrevi.Pereira Simos, pro-presidente.-Ur.
Miranda.Reg. Santos.Dr. Villas-boas.
COMMNICUOS.
Nestes lempos de transforraagoes pobtieas,
qne os partidos se fraccionan) e eofraonoeeo, r
grupo que chegou a galgsr as eminuarras do l
nao trata senao de firmar a sna estabilidade o per-
manencia. O malo, de que lodos o banana efa-
dtstos de todos os credos e religides leona, sosa i
crepancia, adoptado como o roais i

ai.


Diario A Pemamhnoo ... Segunda fclra t8 de Agosto d iS*.
Rir quolle fim, tem sido o de angariar proslitos,
dispondo dos cargos pblicos sem aiteatarem para
o grao de merecimeuto, de moralidad?, de uielli-
gencia e de habililacoes dos individuos que non'
mas tendo em vista somente o raaior ou mi" -'3lS,
mente
gfn
paternal a corista est cima de todo o elo
veito que pdetn tirar da posicao ou n ,-*orPr?'
poltica do nomeando. '* afluencia
D'alii provm urna serie "
sentem ; d'ahi essa inP-' ae ffis'e$> 1U? ,0d03
nao leem outros i" -aidade de empregados, que
ser o de bou* ..ulos de recotnmeudaeao, a nao
partico>" cabos eleitoraes. Em todas as re-
tes ... publicas, a par de empregados intelligen-
nonoslos, Ilustrados, que conquistaran! suas
_4"l>o$icoes a troco das provas mais cabaes de mere-
*" cimento, nao raro enconlrarem-se outros, que
alli foram nlroduzidos pelo patronato mais escan-
daloso, e que sao ura protesto vivo e consunto con- Pessoa de Siquetra Cavalcrnti Jnior.
Se no transe acerbo, pelo qual permittio Dos,
que eu passasse, algnma cousa pode dar lenitivo
ao meu afflicto coraco, por sem duvida, a lem-
branpa de que todos os recursos, todos os cuidados
os mais dedicados Irte foram prodigalisados por
essa nobre familia, de que digno ebefe o lllm.
Sr. Faria.
Receba, pois, o mesmo senhor, e sua excellentis-
siraa senhora as expressSesde meu sinsero e eterno
reconhecimento, desculpando-me, no entretanto, e
Ins ofTendo sua modestia.
Embora opprimido pela dor, nao me dado suffo-
caros senlimentos d'alma.
Recife, 26 de agosto de 1865. Isidoro Camello
tra o governo que os nomeou em concurrencia com |
a intolligencla e a moralidade desprotegidas.
Hoje em dia, que as forcas vitaes do imperio pa-
rece lerem se encontrado nos departamentos da
guerra e da marinha, pela necessidade que ha de
desaggravara honra e a diguidade nacional,cobarde-
mente offendidas pelo despota de Paraguay, para
as reparticoes publicas dependentes dos minniste-
rios da guerra e da marinha que todos os ho-
mens sensatos lancam tanibeni com mais atlencao
as suas vistas. O pessoal dessas repartigoes nao
pJe dt'ixai de merecer o serio reparo de iodos
aquelles que tomam verdadeiro interesse pela cau-
sa nacioual. Quando a historia liver de comme-
morar este cruento sacricio da geracao actual,
eonvm, para maior honra nossa, que nao teuha de
registrar tambero o desperdicio e disslpagao desor-
denada das rendas do estado ; e por isso que, na
direccao e in>peccaodos uegocios altinentes guer-
ra e raaranha, couviria encontrar agora, mais do
que nunca, homens, que reunisseni muita illus-
tragao, muita pratica dos negocios e sobre ludo
muita economa.
Todas e-tas consideracoes nos occorreram a pro-
posito de visitarmos, por mera curiosidade, o arse-
nal de guerra desta cidade. Tend6 visto outros
eslabelecirueotos desta ordem, tanto no imperio
como no estrangeiro ; tendo o necessano conbeci-
mpnto do seu raechanismo e dos meios praticos de
ordenar, destribuir e rcgularisar o servigo com
economa de lempo e de despezas, folgamos de ver
que nenhum desses meios teem sidoasqueados
pelo distracto tenente-eoronel Sebasliao Jos Basilio
Pyrrho, digno inspector do arsenal de guerra desta
cidade, e pelo seu digno e iulelligente ajudante te-:
nenie Jos Caetano da Silva. Em muitos arsenaes
da Europa ha talvez mais economa de tempo, em ;
razo de urna nnMade de machinas especiaes,!
que diminuem o irabalho e augmentam os produc-1
tos; mas em nenhum encontramos raais regulari-
dade e ordem nos trabalhos, em nenhum observa-
mos urna to rigorosa economa de despezas.
Nao na, portanto, a menor razao para descrer
da regeneracao moral do paiz. Anda ha, no meio
da corrupeao que lavra no seto da nossa socieda-
de, muitos homens honestos, muitos funcionarios
pblicos ainda nao contaminados pela lepra da cor-
rupgao, inteiramente dedicados ao bem publico, e
capazes, s pelo seu nobre e honroso empenlio, de
servir de base e de ponto de partida para a rege-
neragao moral do funccioualismo e mesmo de toda
a sociedade.
Neste caso estamos convencidos que se achara o'
oseu intelligente ajudante, a quem por esta occa-
sio nao nos dispensaremos de dirigir um voto de
reconheeiir.enio pela urbanidade com que se dig-
nou tratar-nos, e pela obsequiosidade com que se
prestaran! a satisfazer as nossas minuciosas inda-;
gagoes.
Empregados desta ordem honram os lugares que
oceupam e o governo que os nomeou.
l'i Observador.
I3CXJ3VE
D'DU
!olesti Ulcerosa
Curada.
Tinloe aquelles que se acliao siiiitos i sof-
fn-r molestias scrofulosn?, uleeros-as, ou syplii-
litic&B, aluda mesmo ns repuUulns de peior
uiiture'/.a, penas necessit.o de I6 o seguinto
easn ninravillioso, para que se rint&o intt-ira-
monte convcnciilns que a nua jiropria cura,
nao i f meramente possivel mas sim absolu-
tamente certa.
Joao Josfi Few:eii:a Babbou, residente
na Cidade de MaraallSo, iuha todo o seu
crpo coarto algunos annos se ichava dt-baixo do t ratamente
('. modieOB os mais afamados, tendo usado
turante todo esto tempo quasi toda a especio
de uedccinaB que em taes casos empreada
pela faculdade medica, por<'ni dealdo sem
Dbter o menor beneficio ou alivio: acliando-sa
pois ein taes apuros elle finalmente resolveu-
se, depois do repetidos e baldados esforcoe
fazer uso da
RISTOL.
7BLIG1C0ES i PEDIDO
Urna resposta.
Para satisfazer a curiosidade do autor da Espada
de Damocles.e em alinelo ao publico declaro que,
seno publiquei a carta do Sr. Francisco Ignacio
Tinoco Je Souza foi por actnr-se ella em poder do
meu advogado o Sr. Dr. Joao Francisco Texeira
para tim muito diverso daquelle para que talvez a
suppi'Zesse.
Todava recordo-me que na resposta do Sr. Ti-
noco de Souza em referencia a acta de 16 de ju-
lho prximo pastado declara elle, que ndo me rio
attrar cadeirus sobre pessoa atguma, assim como
nao me vio tambem capitanear grupos cmn o fun de
promoverem a desordem nessa scssio, nao obstante
o seu pronunciado espirito de parcialdade.
E' falsissmo, porm, que eu mendignsse carias
a muilas pessoas, como diz o Sr. Espada quando
apenas escrevi cinco, aos Srs. : Antonio Augusto
dos Santos Porto, Jos GonealvOT Villa-verde, Jo?c
Ferreira Coelbo, Tinoco de Souza, e Manoel Soares
Pinbeiro, dexando de responder-me o ultimo, que
jnlgaei dispensavel, por me bastarem as respo>tas
dos fanecionanos que presidirn! tanto sesso do
16 de julho, como I de 6 do correte.
Teuho, porlanto respondido, eaproveilo a occasio
para declarar ao Sr. Espada, que ainda nao Uve
tngresso na casa de ietateBo por turbulento, para ------
pro va do que pJe mandar tirar certidSo. Ja v, Elcifio dos juizes, juizas e mais devotos que tem
pois, qu nao me pode ser applicada a espada de ,jc fes(Pj3r glorioso S. Gonralo de Amarante,
No todo ello apena* cjiegou a tomar Cineo
GaiTafas de SalsttparrilUa e qnitlro frascos das
Pttula Vegetan Ataiearadat, e o resultado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os Sun. FiuiEiif.v & Ca., Droguistas de
Marnhao, forao quem sirpprirao os medica-
mentos, e acliao-se i>erfeitamente ao l'a.-to
d'este caso, e 03 mesmos Senliorcs, niio s se
aclilio prom]ios confirmar o memo, como
tambem em fornecer o actual adre-so Jo Ser.
BaRBOZA, toda e qualipier Magua qno por
ventura se disejo informar da v.rdade.
K'-commcnda-se mui particularmente aos
Docntesqne tonlia.i o maior cuidado na escollia
u 1 : Heiite remedio, nao usando outro
nao ser Genuina Salsaparrilha de Bristol,
a qual e exclusivamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De \OVA YORK,
pois que to las as mais sao inefficazes e de nen
Uum pr-stimo
Vende-se as boticns de Caors & Barbosa
e C. Bravo & G.
Damoclcs
Nao estando resolvido a tratar com anonymos
direi anda a este novo personagem, que emquanto
cao assignar seu nome nao lera jus a resposta al-
guma.
Francisco Ignacio Ferreira.
27 de agosto.
crecti na igreja de N. S. do Pilar no anno
de 1865.
Juiz por eleigo.
O IIIm. Sr. Luz Pedro das .Neves.
Juiza por eleigo.
A Exma. Sra. D. Emilia Monteiro Neves.
Escrivao por eleigo.
O lllm. Sr. Modesto Leopoldo Buslsrff.
Eserivaa por eleigo.
A Exma. Sra. D. Mara Jos da Silva Neves.
A resposta desse interesante specimen, deduz-. Thesoureiro
se do facto de vir assignado pelo falso Proleu que o lllm. Sr. Joao Gomes d'Oliveira.
para nao mentir a origem mytliologica tomou ago-1 Procurador" geral
raas formas de jumento l J O lllm. Sr. Jos Jeronvmo Bustor'ff.
Lutretanto, saiba o Sr. Proleu que o Dinbo, Procuradores
exactamente aquello que para desencaminar a Qs Films. Srs. :
humanidade se veste como S. S. tentando conquis- Francisco Pedro da Cruz Neves
tar adeptos para as caldeiras de Pero Boteiho I.....
Mas, 0 pje sabendo o Sr. Proleu. que ou S. S. se
transforme em c<7o para morder-me, ou em jumen-
to para esmagur-me com o peso de sua feroz arli
Iharia, doclaro-lbe desde j, que nao e-Uu disposto
a amansa-lo, sera que primeiro publique o seu
nome 1
Francisco Ignacio Ferreira.
Aos Srs. proprietarios da freguezia de
Serinhem.
Nao vos sao estrannas as urgencias da guerra
conlra o Paraguay. Nao vos sao desconhecidas as
providencias que o governo imperial decretou que
se tomassem, aBra de reforgar o exercito e a arma-
da ; e de obrigar a guarda nacional a prestarse
ao servigo a qne chamada ; e lendes tambem co-
nhecimento das vantagens concedidas a todos
aquelles que voluntariamente correrem a defender
a honra e iotegridade do imperio, invadida por fe-
rozes inimigos. Bem comprehendeis quo deplo-
ravel ser a sitaagao dos habitantes deste termo ao
abrirse nelle o recrutamento em larga escala.
Joao Carlos Pedro Prytez.
Jos Vital de Negreiros.
Andr Xavier Vianna.
Matheus Jos de Souza Guimaraes.
Francisco Accioli da Bocha Wanderley.
Secnndino Prediciliano Gomes d'Oliveira.
Basilio Manoel de Jess.
Joao Januario Pinto de Azevedo.
Francisco Auto de Miranda Duro.
Juizes protectores.
Os Illros. Srs.:
Angusto Fernandes da Silva Manta.
Jos Ferreira da Silva.
Juizas protectoras.
A Exmas. ?ras. Ds. :
Elvira Estanislao da Costa.
Anna Mequelina das Neves.
Juizes por devogao.
Os Illms. Srs. :
Manoel da Silva Mendonga Vianna.
Dr. Francisco Assis da Rocha Jnior.
r. Thomaz Lonrengo da Silva Pinto.
Jos da Silva Neves.
Joaquim Pinto Serodio Jnior.
Francisco de Paula Silva Lins.
Antonio Aquelim da Costa.
Ad)lpho Fernandes da Silva Manta.
Tendo em consideragao tndo isto, e desejando
ardentemenle attenuar de alguma maneira o sacri-
ficio que a patria em perigo exige imperiosamente Jos Muniz Teixeira Goimares.
dos nossos concidados, julguei de meu dever pro-; Joviniano Fernandes da Silva Manta,
clamar goarda nacional do batalhao n. 42, sob, Antonio Francisco Martins.
mea commando, convidando a marchar volunta-
riamente ao eampo da guerrapara onde a seguirei.
E convicto de que depende de vos a consecugo do
Um qne me proponbo, venho pedir-vos o vosso
apoio, a vossa eoadjuvago e e concurso do vosso
prestigio para fazer convencer guarda nacional
das necessidades da nagao, o da obngagao que a ella
corre de repellir a invaso inimiga.e vingar a honra
do paiz que nos deu o bergo; persuadidlo a a volun-
tariamente tomar as armas em prol de nma cansa
to justo e santo. E pois diriglndo-me a vs por
este meio, appello para vosso zelo, pelo bem publi-
co, para vosso patriotismo, e nntrindo a conviego
de que nao sois indiferentes aos reclamos do go-
Manoel da Silva Neves Jnnior.
Juizas por devogo.
As Exmas. Sras. Ds.:
Amelia Rosa dos Santos Silva-
Mara Felippa da Costa.
Francisca Amalia de Souza.
Adelaide Henriqueto da Silva Manta.
Delmira Emiliana de Alcntara.
Mana Umbelina de Jess.
Mara Franci.-ca das Dores.
Emilia Baptista dos Reis.
Mara Helena do Reg Barros.
Clara Xavier da Costa.
Aqnelina Mara Marcelina.
Bemvinda da Silva Loureiro.
Francisca de Paula Gongalves Braga.
Juizes perpetuos.
Os Revmds. :
Padre Antonio Manoel d'Assutnpgo.
Fre Jorge de Sant'Anna Locio.
Mordomos e Mordomas.
Todos os devotos e devotas.
Arcediago vigarlo Placido Antonio do S. Santos.
---------
Satide publica.
PariScaro a respeilo de algiius dos medicamentos
da casa Grimault k C.
Alguns jornaes publicaram urna ordena-
Co dj conselho de sade portuguez, "que
prescreveu os medicamentos preparados pela
casa Grimault & G. de Pars, com o pretex-
to que esses acreditados pharmaceuticos
foram condemnados pelo tribunal do Seina
por terem vendido medicamentos secretos
e falsificados.
Essa ordenacHo parecer bem extraordina-
ria quando se tiver lido as seguintes cir-
cumstancias:
l.? A sentencia de que se trata foi dada
sobre a denunciago de um dos concurren-
tes dos Srs. Grimault A- G., e sobre as in-
formaces inteiramente erradas que foram
dadas ao tribunal.
2." A sentenca foi dada por im tribunal
de pnmeira instancia, e nao tem valor al-
gum, logo que se appellou ; foi por urna
manobra desleal e contraria a todos os usos
que os concurrentes dos Srs. GrinaultA C.,
fizeram distribuir em grande numero os jor-
naes judiciaes e mandaram publicar em
Franca e nos paizes 1 strangeiros urna deci-
so que nulla, sem nenhum valor emquan-
to o tribunal imperial nao a tiv> r approva-
do, e depois delle o tribunal supremo.
3." O tribunal imperial nao decidi, mas
sim, por urna sentenca de i 7 de maio pr-
ximo pssado, ordenou nova vistoria, a que
tinha motivado a deciso dos juizes dapri-
meira instancia Ihes tendo parecido insufi-
ciente, depois das novas experiencias intei-
ramente contradiclorias de um cbimico e
physiologista eminente, o Sr. D. Leconte,
pharmaceutico em chefe dos hospitaes, e
professor aggregado da faculdade de medi-
cina de Pars.
4." N'essas circumstancias admira-nos
que um conselho de sade publica se tenha
decidido sem informaces mais certas, a
mandar prescrever ou mesmo a por em sus-
peico medicamentos, cujas excellentes qua-
lidades e perfeita preparaco tem sido, des-
de muitos annos, rconhecidas por todos os
membros mais distinclos do corpo medical,
e que tem os nicos defeitos de serem me-
lhores, menos caros e mais procurados do
que todos os remedios de seus concur-
rentes.
A Sra. Jeronyma Mara da Conceic"o, mo- de Gameleira e Una, lugares perto do Boni-
to e de outros potitos que s8o considerados
serto, quanto mais que os mesmos lugares
j nao sao mos, segundo pens, principal-
mente no ver.
Mas dir-se-haurna pessoa pobre nao tem
meios de se transportar e alli estara isso
se responde, que naquelles lugares existen)
I casas vasias e alugam-se por preco commo-
radora na travessa do Monteiro n. 10, achan-
do-se desengaada, tambem mim recor-
reu e acha-se restabelecida.
Um sobrinho do Sr. professor de Naza-
retli do Cabo, acha-se bom, como se v de
sua carta abaixo transcripta, almde outros
factos, que podena aqui mencionar.
A phthysica a destruico e a magreza
de todo corpo, em consequencia de chagas, do, e mesmo muitos gneros de primeira
tubrculos e concreccao dos bofes e de em-! necessidade alli se vendem pelos mesmos
pyema, atrophia nervosa, e ontras molestias precos que aqui.
que viciam os humores, como escorbuto,, Aquelles, pois, que estiverem nestas cir-
alporcas, gallico, asthma, bexigas, saram- cumstancias, eu Ihes facilito explicar os meios
P>etc- I pelos quaes se devem reger, e lhes.fornece-
Na phthysica, chegando ao estado de gra-; rei os medicamentos gratuitamente,
vidade, o que muito pode concorrer para a Nao deixarei de advertir ao publico, que
salvaco do doente e ajudar os medicamen- as michas preparacoes de veame sao reu-
! tos o ar do campo, exercicio conveniente jnidas com outros ingredientes, e com elles
e dieta, a qual nao deve ser de nenhuma tenho obtido ptimos resultados: noseen-
cousa quente, ou de defficil digestiio ; e a
bebida cumpre que seja de natureza branda
e fresca.
gaDe o mesmo publico com outros que por
ahi seannunciam, cujas preparages ignoro,
assim como o aproveitamento aos enfermos,
Todo o ?eu alimento se ha de dirigir a | a quem porventura lenham sido applioados;
moderar a acrimonia dos humores, e a nu-jcada um responde por si, e eu afflrmo com
trir e suster o doente, para o que preciso j verdade o que aoui tenlio relatado, cujos me-
reduzi-lo ao uso de vegetaes e leite. dicamentos nest provincia s vendo em mi-
Toda comida e bebida, que se tomar ha nha botica na ra Direita n. 88.
de ser em poucas porcSes, para evitar que
o excesso do chylo fresco opprima os bofes
e accelere muito a circulaco do sangue.
Muitos doentes desta molestia se teem en-
tregue ao uso do oleo de figado de bacalho,
e outras preparacoes de resinas e blsamos,
i sem que dellas lenham tirado proveilo ; e
Jos (kt Rocha Paranhos.
Nazreth do Cabo, 7 de setembro de 1863.
lllm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.Com
o maior prazer levo ac conhecimento de V.
S., que o doente que V. S. acha-se admi-
nistrando-lhe re nedios. acha-se no todo res-
tabelecido, porlanto, nada sent, tendo des-
algnns expositores de medicina combaten) i pparecido no todo a tosse, tem muita dispo-
com muita razao esse tralamento. sif-o comida e acha-se nutrido. Deixou
i E' costume carregar o estomago do doen-; tomar os ltimos remedios que V. S. re i-
; te com medicamentos oleosos e balsmicos; tou no dia 30 do passado, resta agora a V.
; porm estes em vez de tirar a causa aug- s. mandar-me dizer qual a dieta que o
mentam-na, esquentando o sangue, ao mes- doente deve conservar e por quanlos tem-
mo tempo que tiram o apetite, relaxam os' pos, mencionando as comidas que dever
solidos, e sao de toda sorte perniciosos, usar daqui em diante.
j Tudo que se fizer para extinguir a tosse, j Resta-me agora agradecer a V. S. o cui-
alm do exercicio ergimen aproptiadode-irjadoque tomou notratamento do meu so-
vem ser remedios de natureza acida, deter- brinho, abaixo de Ueus, devido o seu resta-
gente e calmante. belecimento a pericia de V. S., e por isso
Os cidos possuem a virtude de produzi- pode V. S., sempre contar com osmeus di-
rem bons elTeitos nessa enfermidade, por minutos prestimos, e desejarei em todo o
que, nao so contribuem a apagar a sede | tempo dar urna prova do meu reconheci-
CQMME1CI0.
Caia filial do baic* Periiambict.
A directora desta caixa saea sobro o banco 49
Brasil no Ilo de Janeiro e sobre a caixa filul 4
mesmo banco na Baha.
Novo banc de Per Bombar.
dministradores da masa fallida de Josinim
Jos Silveira pagan o 1* dividendo de dita mi
na razao de 9 0/0 sobre o valor des blata ad-
metiidos : no novo banco de PernamLaco k ru
do Trapiche n. 34.
Sovo banco de Pe
buco.
O banco desconta letras na presente senana a
9 por cento ao anno al o praio de seis nvr. -.
Caixa filial do banco do Brasil
cin Pcrnamboco.
De ordem da directora desta caixa se faz publi-
co aos senhores accionistas, que o respertivo Mte-
soureiro est antorisado a pagar o 23* diTHen-
do semestre findo em 30 de junh > nllimo ,a r
de l-11 p.ir accao.
Caixa tilial do banco do Brasil 13 de ralbo le
1863.
O irnarda-livros,
Ipnario .\nnes Coneia.
ALFA.NDEGA.
Becdimento do dia I a 23......
dem do dia 26...............
M3:C9ft|. ,
I3:30T;.i
MOV MEMO DA AF.FAIE'A.
Volnraes entrados com fazendas____
cora gneros.....
Volumes sahidos cem fa;endas.....
con genero*..
><>.<
tencao.
Xaropo alchoolico do veame, proparado pelo
pharmaceutico Jos da Bocha Paranhos, e;dabele-
cido cora botica na ra Direita n. 88 em Pernam-
buco.
Este xarope incontestavelmente superior a to-
dos os xaropes depurativos, de coja composiQao c
o seu maior elemento a salsa parrilha, pois que se
tem ^onhecido ser o veame mais enrgico para a
prompta cura das molestias, cuja base essencial
depende da purilica^ao do sangue ; assim pn(| se
tem verificado por muilas pescas que se achavam
desengaadas, as quaes acham-se buje restableci-
das com o referido xarope alchoolico devlame;
entretanto que alpuns, tendo usado do xarope de
Carinier, de Larrcy, de salsa parnlia, de sapona-
ria, oleo de fijado" de bacalhu, e outros agentes
desta ordem nada oonseguiram. E' elle de fcil
digestiio, agradavel ao paladar e ao olphato. Al-
guns mediros desta cidade e da de Macei o teem
recommendado para a cura das
Irapigcns, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Canelos, sarna degenerada, flaxo alvo.
Todas estas alleccoes provm de urna cau=a in-
terna ; nao ha pois razao algurft em crer que el-
las se pudera curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para <> tralamento das alleccoes do syslema nervo-
so e fibroso, laes como :
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esteriliilade,
Marasmo, hypocondria, einmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre tudo, da
maior utilidade para curar radicalmente, e em
pouco lempo o rheumatisiuc.
Adverte-se que o verdadeiro xarope s se vende
nesta cidade na botica cima indicada, do abaixo
assignado ; e em ontra qualquer parte que se tem
annunciado nao da mesma composicao, e nem o
abaixo assignado se responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
quando accommettem a febre tnica, mas
tambem a refrescar o sangue.
Aos doentes desta enfermidade, quandoto
seu estado de gravidade tal que a febre
, etbica os accommette, prescrevo-lhes o sur
I co de um limo dissolvido em urna chicara
.d'agua com bastante assucar em um grande
i copo para misturar com um papelinho dos
i pos refrigerantes para tomar.com queali-
jviam no acc.immettimento da febre, e-pela
raanhaa o xarope etherio de veame. Tenho
I aconselhado, que tacam uso de vegetaes de
j natureza acida, como laranjas, bmes, pi-
tangas, uvas, etc., e applicaces de plantas
amargosas, que fortificara o estomago e ser-
vem ao mesmo tempo para destruir e miti-
gar a sede.
A Sra. D. Joaquina de S Brrelo, tendo
urna sua escrava fallecida desta molestia, sub-
mettida ao tralamento de seu medico, resol-
veu procurar-me para tratar de um outro
' escravo, que soffria da mesma enfermidade,
i prescrevi-lhe o xarope de veame, tem me-
Ihorado consideravelmente.
A senhora do Sr. Antonio Francisco lio-
norato foi desengaada por habis mdicos
desta cidade, esleve prostrada, e nos lti-
mos paroxismos da morte, foi com o xaro-
pe de veame salva, como se v da carta |
ment.
Desejo a V. S. todas as venturas, por ser
deV. S. muilo respeitador e ibrigadissimo
criado.Francisco Ueringuer Cesar de Me-
nezes.
JURUBEBA.
A jurnbeba urna das substancias medicamen-
tosas, ao reino vegetal, e pertence classe
dos tnicos e desobsiruentes, sendo em prega-
oa rom ^vantagem contra as febres intermitentes
acompanhadas de engorgitamentode ligado e bago.
Ella tem sido applicada com incontesiavel proveilo
conlra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar-
rho da bexiga e mesmo para combater a raenstrna-
co difflcil, resultante da mesma anemia ou chlo-
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintara idem de idem.
Xarope idem.
Vinho Idem de id^m.
Punas de ext. idem.
Deposito, pharrmcia de Pinto, ra larga do Bo-
sario n. 10.
VARIEDADES
Setnelas e medicina.
L-se na Union Medcale de l'aris:
Os jornaes de medicina fallaram por ft-
mpreMaT7o;:7rfo"/7c//,c'"de 9 de feve-ras vezes de urna dcsccberla importante
reiro de 1863. para a therapeulica, que consista na desin-
0 escravo Emilio, do Sr. tenente-eoronel fecC* do oleo de figado de bacalho sem
Rodolpho Joio Barata de Almeida, foi tam-;"ie mar nenhuma das suas propnedades.
bem desengaado por habis mdicos, c| Temos P"zer de annnuciar hojo aos
, com o xarope de vcUame acha-se completa- nossos leitores, que esse resultado fui obli-
mente restabeleclOo, como se v tambem l'o de modo o mais completo por um hbil
da carta impressa do mesmo Sr. tenente- pharmaceutico de Parts, oSr. Chevncr, que
coronel no mesmo Jornal do Recife. conseguto desinfectar o oleo de figado de
OSr. Antonio Chrstiano Fogt, filho do Iiacallio com o alcatrao e o balsamo de
Sr. Christiano Fogt, proprietario e estabe Toln. As experiencias feitas por muitos de
j lecido na cidade de Macei, o orimeiro bem nossos praticos celebres, nos hosp Ues e so-
'conhecido nesta cidade, pois que fui empre- bre seus doentes particulares, as analyses e
I gado na casa do Sr. Len ChapcUin, reir-'. ensaios de cbimieos competentes, nao dei-
! lista estabelecido na ra da Impcratriz, ao "> nenhnraa duvida a este respeito.
I commettido desta molestia, fui daqui deseo- Relatamos aqu as proprias palavras de
! ganado por habis mdicos: retirou-sc para! m oia muito eminente e compleme o Sr.
a Babia, c alli co.itinuou em tralamento ate Dr- E- Humbcrt, laureado da academia im-
i que foi segunda vez desengaado pelos me-
dicosdalli, chegando eu era -Macei, um
perial de medicina, e professor de Ch.mica.
Submetti a analyse, diz este distincto
Constancia Gomes d'Oliveira.
Hermina Mara da Costa.
Thereza Catharina Mafra.
Thereza Maria Francisca d'Oliveira.
Candida Rosa Goncalves Peona.
Mara llosa Baptista.
Maria Candida Vianna.
verno imperial, cont que empregareis os mais de- Marganda Clara Barbosa.
dicados e ellcazes esforcos para qne a guarda na-1 Escrivaes por devocao.
cional deste municipio nao trepide um momento Os Illms. Sr.:
em dar o mus solemne testemuuho do seu amor e! Maximiano Jos da Costa..
dedicacao pela patria e pelo imperador, e de que' Manoel Estanislao da Costa Jnior.
sabe comprehender a missao para que foi insli- Antonio da Silva Neves.
tuda- ._ Virgilio Jos da Mott.
Sermhaem, no engeuho Jardim, 23 de agoslo de Joao Baptista Moreira.
*63. 1 Antonio Jos Vicente de Lima.
JTarjatio Xavier Carneiro da Cunha. liwacio Gomes da Silva.
Maaoel Francisco Gomes,
loooreoeio Xavier Vianna Sobrinho.
O abaixo asslifnado faltara ao mais sagrado dos Jos Talles de Mello,
deveres, gralidao, se porventura deixasse de dar Dr. Antonio Estevao d'OlivelF.
nm publico testemanho do quanto se acha penho- Antonio Marques Correa,
rado pelo iralameDto ha desvelado e carldoso qne' EscrivSas por devoco.
receben sna cara e sempre choorada esposa D. I/w-; Ai Exmas. Srujtito. :
odas Amalia Ferreira de Siqueira, do lllm. Sr.: Jo*epha Mfe Son.
Joo da Silva F2ra e de sua Exma. Sra. D. Cle-i Joanna Co'a d'Oliveira.
menlioa Amalia Faria, coja solicimde verdadelra-! Amalia da silva Neves,
\ jurnbeba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
muito coobecidas nao s no Brasil, pois que dellas
tratou Pisn em sua excellente obra Historia na-
turalis el medica Indiw occidentahs, seno as
Antilhas, onde o sueco das folhas e fructos como
aqui, muito estimado e appbcado contra as obs-
truejes abdominaes, principalmente do figado e
bago ; e se todos os facultativos desta provincia o
nao applicam cora frequencia, isto se nao deve a
nao reconhecerera elles essas virtudes, mas slm a
nao serem encontradas cora facilidade e era todas
as estacoes do anno os fructos dessaplaata, e re-
pugnancia, que presentan) us deentes em fazer
uso do sueco desses fructos, era consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba n5o desconhecida dos botanistas :
esta planta pertence familia das solaneas, e lem
a denominarlo de sotanum pantculatum, que lhe
foi dada por Lyneo.
Parecendo-nos conveniente facilitar o imHo
sueco dos fructos da jurubeba, que o raaisera-
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcoolico que pode ser
applicado em pilutas, mas tambem um vinho, um
xarope, e ura emplastro que pode sub-itulr, em
certos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos qne
com isto prestamos um servigo humanidade e
therapeulica.
Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
cocgo das raizes da jurubeba, e Mrat e Deiens,
em seu Diccionario de materia medica e therapeu-
tica, dizem que as An'ilhas se faz uso do sueco
dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
I rho vesical; e a autoridade dos nomos desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer dbr
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso estabeleciment essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
A reputagao da jurubeba tal, e os resultados
therapeulicos oblidos ltimamente sao tao impor-
tantes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, qne fica escripto.
Deposito: pharmacla de
Joaquim de Almeida Pinto.
Phthysica.
O xarope etherio de veame por mim pre-
parado, muito tem aproveitado aos que sof-
frem desta molestia, e de lamentar-se, que
no obtuario desta cidade a maioria dos uue
suecumbem de tubrculos pulmonares,
sem procuraren) o recurso do pratico e do
expenente, que Ihes pdem encaminhar o
meio de sua salvac5o.
O Sr. Braga com luja de ferragens na ra
Direita, foi desengaado por dous habis
mdicos, acha->se bom com o tralamento por
mim prescripto,
amigo pedio-me, que o acompanhasse at a professor, o oleo de figado de bicalho na-
: casa do Sr. Christiano, para ver um doente tural desinfectado pelo processo do Sr. Cbe-
!e prescrever-lhe algum remedio, encontrei,Vlicr^ e posso certificar que esse pn-dii-'-to
o lilhoem uina cama desanimado eem es-;na0 perdeu nenhum dos seus principios
! tado de prostracSo. pois que escarrava san- medicamentosos nem ebrneos, que se1
gue e tinha completa inapetencia e fraque- acliam no leo de figado de bacaMo ordi-
za, a ponto de nao se poder por em p, no |n;ino- A fraca proporco das substancias
fim de urna garrafa do xarope ethereo de 1 estranhas que se poem no oleo natural para
ve lame j se achava elle no estado de pas-: dissunular o clieiro e o sabor desagradaseis,
searemeasa, desapparecida a inapetencia e'na0 Pode de nenhum modo alterar suas
os escarros de sangue ; e a tosse mitigados, .propriedades medicaes e s a torna de um
No fim da segunda j achei em estado de uso facl1 mesmo agradavel.
fazc-lo passearpelo sitio todas as manhas. Km resumo, o oleo de figado de baca-
Acabada esta o aconselbei. que continuasse l,lcio desinfectado pelo processo Cliecner
no uso do mesmo xarope etherio alternado goza de propriedades idnticas ao oleo de
com o xarope alcoolico de vellame, e que figado de bacalho ordinario, que elle repre-
usasse dos banhos salgados na pancada do senta exactamente,
mar. Sentio elle nos primeiros banhos al- Elle e muito bem tolerado pelos doentes,
iguns choques, mas eu o aconselhe' que con- os 1uaes eI|e nao anoja e tomado pelas]
tinuasse, com o que se tem dado muito bem J pessoas cujo gosto e olfato sao dos mais sus-
j pois que tenho recebido cartas de Macei, cet:veis.
1 em que se me communica o seu bom estado. Hoje que o oleo de figado de bacalho,
Nesta molestia os expositores de medici- tem-s" tornado um dos agentes os mais mi-
na nao aconselham banhos salgados, apenas portantes e preciosos da therapeutica, quem
quando delles tratam, dizem ser applicados: descobrw o meio de o tornar de um uso fa-
as escrophulas, hypocondria, estherismo, c,! P3" todos, prestou um verdadei-o ser-
amenorrhea, raethismo, etc. ; entretanto vi *tyo arte de curar eaos praticos.
este bom resultado no filho do Sr. Cristiano,
e outros fados iguaes tenho visto as mo-
lestias sipliyliticas, e outras umitas que com
Por isso nao podemos concluir melhor
do que felicitando o Sr. Chevrier por sua
rica e til descoberta que merece de ser
o uso do xarope alcoolico de vellame tem-se propagada, e dizer com meu collega o Sr.
obtido cura radical IDr* Rlc,ielat os trabalhos que conduzem as
O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Macei,': S^^L^60'10 devcm Ser pr-
depois de ter applicado a um seu doente de | tegA^mpne'?tsQ T^t..^ ^a.
rheumatismo o xarope alcoolico de vellame,: "?P;n EgihJ ? iPf.T
logo que elle se por em estado de largar as sfl* hf'eo de figado, f HMo lhc T
Su,. om .,.i., .^Z.a^ n ,Loai zeram obter um resultado nao menos m-
moletas, em que andava arrimado, o aconse-
portante. o qual consiste em ter associado o
Roa que continuasse com o uso do mesmo ,' "Z' a1 rZ L 'i a ,
xarope conjuntamente com os banhos sal- ao.ole? e V d? ba.Calt'a0' tfM
aarlnc rnm p Um aarln mnitn hom <& 1W de bacalho femgmoso de Che-
gados, com qua se tem dado muito bem, e
vrier constitue talvez o melhor meio dedar-
ura dos mdicos que alli em Macei tem com-; #":
pleta confianca as preparacoes de vellame \f er: Po,s od,'ro fide .fei uKn,dol
por mim feitas, pelos bons resultados Jfif "LS? ef S? de .S"
tem obtido em sua clnica. I 'ha(\se d,ss0 ve ma,s facilmente nos l.qui-1
u ut uu oui oua uimuv*. dos das >iag (gggt^gg e por consequencia;
Quando alguem se ve com tosse vai ao me- se assimila muito mais bem do que sb a
dico, este o examina e declarao senhor es- forma de pilutas ou xarope. Etnfimelle!
talectado dos pulmoeso doente desani- perde assim suas propriedades irritantes, ej
ma com esta sentenca, entende estar sem nao provoca a constipaco. E' assim que'
mais cura, quando os factos e a experiencia os doentes, cujo estomago nao pode suppor-:
teem demonstrado que muitos tendo procu- tar nenhnma preparaco marcial, tomam fa-'
rado o lugar apropriado, se teem salvado ; cilmente o oleo de figado de bacalho ferru-
eassira explican) muitos expositores de me* ginoso de Chevrier.
dicina. Os senhores Maurrer & C. acabara de re-1
Ora, nessa provincia temos facilidade ho- ceber um grande sortimento dos celebres
je e recurso do ar; por que a via frrea azeiles desinftetado de Chevrier e fefrugi- \
nos proporciona, pois que em pouco tempo noso de Chevrier.
orna pessoa que existe nesta cidade fcil- Vende-se na pharmacia de Pedro Maorer
mente se t ansporta para as ultimas estacoes & C, ra Nova n. 18.
------ m
y
3i)
-------VI
Decarregam 1:0 dia 28 da corr^nt .
Barca porlngueza Simpo/Aa- diverso Reer>.
Barga portugneza Alex'indre llerenlawtviahov
Brigue nacionalSormadiversos pearrus.
Brigue portuguezS. Joscharque.
Barca nacionalValle-idem.
Barca inglezaLookHutcarv.
Importaco.
Barca portugaeza Sijmjnthi-i, chegado do Port-
manifesl'ju o segninle :
1 voiurae carne de porco ; J. V. B. Rilwiro.
1 dito dita ; P. P. da Fonceca.
1 dito una ; i M. J. Pereira.
G ditos ferragens ; A. V. da Silva Barr:ca.
37 ditos ditas, t ditos quinquiitums ; a rr-
dem.
1 dito livros; Jos.'' Barbosa de Mello.
1 dilo ditos; a M. A. Leite.
1 dito linhas; a Vaz & Leal.
2 ditos magaas ; a T. J. Alves Gaimaraes.
1 dito obras de prata ; a' Moreira A Iwarte.
2 ditos ditas ; a' Francisco G. de Mallos J-
nior.
t dito ditas ; a' Souza, Andrade & C
1 dilo ditas : a' M. Jos Alves.
1 dito relroz; a' M. J. Ribeiro.
i ditos quinquilharia ; a' M. J. da Rocha.
1 dito ditas ; a' Jos Pe reir da Cuaba A Fiih".
2 ditos ditas ; a' Jos L. Gongalves Fe cetra
& C.
1 dilo ditas; a' Bernardino Pontoal.
1 dito imageus; a' J. F. da Silva.
1 dito ditas ; a' J. P. Lope-.
1 dilo ditas; a' Silva Guimaraes A C.
1 dilo dilo. \ a' Jos Antouio Moreira Da.".
13 ditos vassouras ; a' A. da Silva Campo.
1 barril vinagre; a Gama & Silva.
70 ditos e 113 raixas vinho ; a' Maaoel tfpuer.
d'veira & Filho.
48 barris e il.'icaixas dito; a' Antonio Lu z I
Oliveira A. & C.
10 barril dilo ; a' Jjs J. de Castro Monra.
30 ditos e 50 caixas dito, 2 ditas oteas de prU -
a' Cunha Irmaos & C.
10 pipas e 12 barns vinho; a" B. Correa de R--
seodfl Ilejro.
1 '-i barris e 100 caixas dito; a' M l i
Iho.
15 ditos e 120 ditas dilo ; a' Doauagos Alvw
Matheus.
26 meias pipas dito, 383o pedras para ealcar.ea-
to; a' J a da Silva Loyo & C
12 barris vinho, 1 volme trina : a' Manuel J ~:
Goncalves da Fonie.
1 'dito ; a' J. J. de Pinho MenJonca.
2i ditos de dito; a J. L. Ferreira Ribeiro.
50 caixas dilo ; i* J. Pater \ C.
1 dita dito ; a' Jos d'Azevedo Aadrade.
100 ditas dito, 2 voluntes obras de pratt. I dil.
quinquilharias ; a' Heurique Jos dos Sant -.
8 ditos linha, 30 barris e lo caixas vinho; a'
M. J. liamos e Silva & Genro.
8 ditas dito e 5 ditas pomada ; a' J. J. r-jaal-
ves teltrao.
1 caixa coxins, 1 dita vinho, 3 dRw TJ.aflBi-
Iharias e O ditas ferragens ; a" Parale *> usa
& c
20 barris carne, 5 volnmes linhas e qain uii ta-
rtas ; a' Domingos ltodriiines d' Andrade.
10 volumes ferragt-ns, 3 dilos linhas e pea,
20 ditos pomada e 1 dito quinquilbariaf : a' C G.
lireckenfeld.
2 ditos capachos, 1 dilo coxins, 3 dilr.s r,
37 dilos ferragens, i Mos paliws, 10 dii- porta-
da, 5 dilos quinquilhanas ; a Thomaz Femaste
da Cunha.
3 ditos capachos, 1 dito peni*, I dilo relrox,
2 ditos quioquilharias; Jos d'Azevedo Maia *
Silva.
'.) barris carne; a' Manoel Duarte 4a Sil
ti8 canasiras amos, t larris carne, 3 canas pa-
litos : a' Ma Muniz de Barros.
40 canastras albos, 30 caixas maclas, 6) Jilas
vinho ; a' Thomaz d'Aquino Fonceea.
263 ditas ditos ; a' Manoel Duarte Rodritroes.
30 ditas ditos, 13 volumes ferragens: a' Ftmi
ra Guimaraes & C.
10 barris breu, 40 ditos e 138 caixas vtabe
183 cansiras alhos, 300 Hacas viroe ; a' Mar^ws
Barros & C. _
28 volumes ferragens, 8 ditos penetras, f>0 ca-
nastras albos ; a' A. Jos dos Sanios AadraoV.
144 rodas de arcos, 40 barris violto: a David
Ferreira Bailar.
13 fardos capachos, 4 caixas calcado, 1 dita
chapeos, i ditas ferragens, 4 ditas bnbas, I .n
obras de prata ; a' Alves, Homburger A C
12 barris banha, 2 ditos vinagra, 10 sacros fo-
lhas, 10 cunbetes chumbo, 10 voiomes arente-, -l
dilos calgado, i dilo borneiros, 35 dilos femgmu;
a' Anin.o Lopes Braga & C
ALFANDEGA DE PER.NAMBICO.
PACTA DOS PRECOS DOS 0EHRROS SIJIITOS A MMITfK
DS EXPORTAgAO. SEMANA DI 2 DO MU M *m-
TO A 2 DE SETEMBRO DI 1^65.
Mercadonas. Laidades. Val-^.
Abanos......... *> !*
Agurdenle de cana .... eaaaia >
dem restilada ou do reino *
dem caxaca.......
dem geHcbra...... *a>
dem alcoolou espirito de agua- hu
ardente ....,..
Algodo em caroco arrta
dem em rama ou em la
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado ....
dem branco.......
dem refinado...... 41*'
Azette de amendoim ou mendo-
bim ........ ranada
dem de coco...... >
dem de mamona .... >
Btalas alimenticias .... airte
Bolacha ordinaria, propria para _____
embarque....... 3jpt>
dem fina........
Caf bom .......
dem escolha ou restolho.
dem torrado...... libra
Cabros........ ana
Cal.......... anal*
dem branca .... >
Carne secca (xarque) ...
Carneiros ....... na
Carvao vegetal ..... Jtraaa
Cavernas de sicupira nata
Cera de carnauba em broto. libra
dem idem em velas ... >
Cha ......... .
Charutos ....... eeattt
Cevados (porcos)..... na
Cocos (seceos)...... casia
Colla........ libra
Couros de boi, salgadosj.
dem idem seceos espichados >

1
L
11
w r



I
Diario d remataba*) Segunda felra t de *s*o de iSt

um
libra
un
dem idem verdes .
dem idem cabra cortidos
dem idem de ouca .
Doces seceos ....
dem em gela ou mass
dem em calda .
Espanadores grandes
dem pequeos......
Esleirs para forro de estivas
de navio........cento
Estopa nacional ....
Farinha de de mandioca .
Mem de araruta ....
Feijao de qualquer qudlidade
Frcchaes ......
Fumo em tolha, bom .
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario ou reslolho. .
Gallinhas ......
Gomma........ arroba
Ipeeacuanha (raiz)..... >
Lenba em achas.....cento
Toros
100
390
O5000
15000
320
501)
45000
23000
155000
arroba 1500)
alqueire 13H00
45000
25800
55OOO
145000
83000
85090
55000
600
U300
arroba
<
um
arroba
una
BDITAES.
O Dr. Tristao de Alencar Ararip*, offleial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de dirpito especial
docommercio desta ridade do Recite de Per-
nambuco e seu termo, por S. M. I. e C. o Sr. I).
Pedro II, a quem Djus guarde.
Faco saber pelo prseme que no dia 28 do mez
de agosto do corrente anne, se hade arrematar,
por venda, a quem mais der, em praca publica, de-
poisda audiencia respectiva :
A sexta parte da casa terrea sita na ra de Luiz
do Reg, na freguezia da Boa-Visia, com tres por-
tas na frente, cacimba fra e um pequeo terre-
no do lado, enjo terreno foreiro aos herdeiros de
Manoel Lu;, da Veiga, avahada dita sexta parle em
cen mil res; cuja sexta parte de dita casa vai a
praca por execucao de Ferreira & Martins contra
Manoel Soares de Moura.
E na (alta de licitantes ser a arremalag.no feila
255000 pelo prego da adjudicarlo com o abalimento res-
um
caada
arroba
um
quintal
um
urna
molho
25000
115000
63O00
210
15500
55O00
53000
63000
800
45000
15000
120
cento 35500
libra

alqueire
arroba
Lionas e esteios......
Hel ou melaco......
Milho '.......
Papagaios .......
Pao Brasil.......
dem de jangada......
Podras de amolar ....
dem de filtrar .....
dem de rebolo .....
Piassava ........
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......
Pranehoes de amarello de dous
costados.......um
dem de louro...... >
Rap.......
Sabjio.......
Sal.........
Salsa parrilha.....
S 1 em rama ....
dem em velas .....
Sola em vaqueta. .
Taboas de amarello. .
diversas ....
Tapiocas.......,
Tatnjuba......
Travs.......
Unhas deboi ....
Vassouras de de piassava .
Ditas de timb.......
Ditas de carnauba.....
Vinagre.........caada
.Alandega de Pernambuco, 26 de agosto de 1865
(Assignado?):
O 1." conferente, [Florencio Domingues da Silva.
O 2. conferenteFrancisco Alfonso Ferrara.
Approvo. -Alfandega de Pernambuco, 26 de a-
goslq de 1865..1. Eulalio
Conforme. O 4. escriturario, J. a"Avila BU
encourt Navas.
RliCEBEDOltlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
>
una
d ii7. i a
1
arroba
quintal
urna
cento
>
peclivo da le.
E para quo chegue ao conhecimento de todos,
mandei fazer o presente edital, que sera aflixado
nos lugares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recite de Per-
nambuco, aos 31 de julho de 1865.
Eu, Manoel de Carvalbe Paes de Andrade, escri-
vao, o subscrevj.
Trislo de Alencar Ararioe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, olDcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz dedireito especial do
commercio desta ridade do Recife de Pernam-
buco seu termo, por Su 1 Magostada Imperial e
Constitucional o SenhorD. Pedro II a quem Deus
guarde, etc.
205000 Fago saber pelo presente que no dia 28 de agos-
105000 to do correte anno, se ha de arrematar por ven-
15000!da a quem mais der em praca, publica depois da
120 audiencia respectiva, os benssegrales :
400 Urna batanea grande com pesos de urna arroba
255000.a,e uma quarta, avahada por 20-3, urna dita pe-
55OOO! quena com conchas de folha, avahada em 53, um
75000 I'alcao de madeira, avahado em 53, urna carteira
"3000
pela qna 0 tea tneor chamo, cito hef por citado
ao mesmo justificado, Areeuio Fraoerei>de Olivei-
ra, para que dentro do .prazo de trinu dta* comp-
rela ante este juizo, por si ou por seu proearador,
allegando e provando o que fra bem db sen di-
reno ejustica, sob pena de revelia, por tanto toda
eqoalquer pessoa, prente, migo cu eonhecMv>do
referido justilicado poder-lhe-ba fazer scieutede
todo o expendido.
E para que chegue ao conhecimento Ce todos,
mandei fazer o presente edital que ser allixado
nos lugares do costume, e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 18 de agosto de 1865.
Eu Manoel de Carvalho Paes deAnlrade, es-1
envao o subscrevi.
Trislo de Alencar Araripe.
O Dr. Trislo de Alencar Araripe, offkul da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do com-
mercio, por S M. Imperial e Constitucional o
Sr. I). Pedro II, a quem Dous guarde, etc.
Fago saher aos que o presenta edital virem e :
delle noticia tiverem, que no dia 18 de setembro
rio crreme anno se ha de arrematar por venda a
< Miselht) De ordem do conreino fago DtfWteo que nao p>
dendo ter lugar em 28 do corre mez a compra
annunciada de- diversos objectos, acha-se por isso
transferida para 2 de setembro prximo.
Sala dj couseli>>de Comoras navaes do Pernam-
buco 20 de agosto de 1863.O secretario,
____________AlexaO'tre Rodrigues dos Anjos.
I'iou Iran-terida para o na 2'J do correle-
as II horas, em audiencia do Illm. Sr. juiz de or-
phaos, a praca da casa terrea sita na ra do Bosa-
rio da l a Vista o. 46, perlencente ao< herdeiros
do fin 1o iiadr-1 FraiKisc 1 Joaquim Pereira.
- Terca-feira 29 do ndame mee, lida a au-
diencia do Dr. juiz de orphaos, vao a' praga de
venda as cuas terreas da ra Imperial a. 274 pe-
te quamia de 6665666, e n. 278 pela quantia de
6665666, umi casa no It.irn pela quantia do 2003,
272 oitavas de ouro, 630 oitivas de prata, e mo-
vis.
Pela b'scalisaciio da freguezia da Boa-Vista
se faz publico, que existen] em deposito 5 cabras
(bicho), apprehendidas e remettidas mesma fis-
qu--m mais der em praga publica de-te juizo o se- calisacao por dlfftrentes pessoas. quem se julgar
guinte : com direito as mencionadas cabras, pode as pro-.
Ora sitio sito na estrada de Joo de Barro-, tendo curar, pagando a competente multa,
um porteo na frente com pedacosde muros as lado' Recife, 23 de agosto de 1865.O
lagrosa (ero seena e entre-es espectadores) pe-
dido.
4o O e3peHw de Arrhiines- oa a morte futM
e 3 ve\bsfi, lerminan lo por uw tiro.
5o Os reloglo* encantados no meto dos relmpa-
gos e Irovoes.
6 e ultimo O chapeo de sol esquetefo.
Era seguida a companhia dramtica represeota-
r a engranada' comedia- em i acto
0 MARIDO NO PREGO.
Dar fira ao espectculo a interessaote e sempre
applaudida comedia em 1 acto
Bolsa e cachimbo.
Comegara' as 8 horas.
57No arnazem a ros fe Cnn57
P- S. O mesmwagenle pede a> kk 1
e amigos que tem tontas a rrteber
ha|am de vir sati>faze-bs at o lia A
mez.

LEILiO
AVISOS M1BITIM0
14(1-3000
875000
3-5000
25000
6*000
200
103000
85000
65000
500
Rendimenlo do dia
dem do dia 26.
1 a -25..
36:1233062
1:7835007
38:2083909
CONSULADO PROVINCIAL.
Bendimento do da 1 a. 23-----
dem do dia 26............
54:3983629
6075290
53:0635919
PRAQA DO RECIFE
96 DE AGOSTO BE fl$05.
A'STRE* HORAS DA TARDE.
Revista seuianal.
Cimbios........Os saques elT'Ctuados nesta se-
mana moutaram a S 50,000, co-
tando se sobre Londres a 25, 25
e 25 Jf d. por 15000, sobre
Paris de 3S0 a 385 rs. por fr. e
sobre Lisboa de 110 a 112 por
cento de premio.
Algoao......... O de Pernambuco vendeu-se de
1550OO a 135300 por arroba, o
de Macei, posto a bordo, a
163100, e o da Parabvba a
175200.
Ag lardete.....Vendeu-se a 72-5000 a pipa.
Carnesecca.....A do llio Grande do Sul vendeu-
se de 23600 a 35300 a arroba,
a do Rio da Prata de 25*00 a
:!5000; Picando em deposito
120,000 arrobas da primeira, fo
ra um carregamento da barca
portugueza Paquete do liio Gran-
de de 11,783 arrobas, e 22,000
da segunda.
Couros ........Os seceos e salgados venderam-
se a 160 rs. a libra.
Arroz.......... Vendeu-se o pilado da India de
2-5600 a 23800 a arroba e o do
Maranbao a 25800 a dila.
AzeitedOce...... Vendeu-se o de Lisboa a 23400
o galao e o do Estreito a 25000.
i; 1 alho.......Vendeu-se em atacado a 135300
por barrica e a reta I lio de 63000
a 165000, ficando em deposito
3,000 barricas.
Batatas......... Venderam-se a 33200 rs. a ar-
roba.
Bulachinhas.....Vendeu-se a 25200 a barr-
quinha.
Cit........... Vendeu-se de 63300 a 75200 a
arroba.
Cha.. .........dem de 15700 a 25200 a libra.
C-i veja........Vendeu-se de 45000 a 65300 a
duzia de garrafas.
Farinha de trigo. Retalhou-se de 185000 a 205 a
barrica da de New-York e Tries-
te, de 185000 a 193 a de Plula-
delphia e a fraoceza, e a 85000
por sacco de 100 libras a do Chi-
le ; icaodo em deposito 2,500
barricas da primeira, 10,000 da
segunda, 600 da terceira, 2,000
da quarta e 1,000 saceos da
quinta.
Lonca.......... A ingleza ordinaria vendeu-se
com 300 por ceoto de premio so-
bre a factura.
Bfauteiga....... Veodeu-se a ioglcza a900rs. a
libra, e a franceza de 700 a 730
rs. a dita.
Veoderam-sc a 55000 a eaixa.
'I 1, -;i-...
Olei.de linhaca.. Vendeu-se a 15700 o galao.
Passas.........dem a 63000 a caixa.
Presuntos.......Venderam-se a 163000 por ar-
roba.
Queijos........Os (lamengos venderam-se de
13800 a 25000 cada um.
Sabio..........O inglez vendeu-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a 240
rs. a dita.
Toiicinho.......Vendeu-se o de Lisboa a 113200
a arroba, e o do Rio-Grande do
Sul de 933OO a 105000 a dita.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 905
a 1005 a pipa.
Vnoos......... Venderam-se os de Lisboa de
1705 a 1905 pipa, eos de ou
tros paizes a 1705000 a dita.
Velas..........As de composigo venderam-se
a 360 rs. por pacote de seis ve-
las.
Desceios....... O rebate de letras regulou de
8 a 10 por cento ao anno.
Frotes.......... Para Liverpool y
d. 5 /..
d.5% a'/i
&0VIMENT0 DO POBTO
Naviot entrados no da. 26.
Rio Grande do Sul 23 das, barca portugueza
Pftqutltt do Rio Grande, de 143 toneladas, cap
ta 1 Antonio Jos Lucas, eqnipagera 12, carga
14,788 arrobas de carne secca; a Araorim &
I rmaos.
Lirerpool 38 dias, escuna ingleza Anua Grant,
iie l.s toneladas, capillo John Heah, equipagem
8, carga differeotes gneros ; a Jotuiston Pater
Navio sabido 710 mesmo dia.
Sania CitharinaBrigue brasileiro afana e Virgi-
v-ii, capito Jos Antonio da Motta, carga assu-
tar.
Navio entrado no dia 27.
Rio de Janeiro8 dias, brigue brasileiro Supemor,
iW 131 toneladas, capito Antonio Evarblo da
! >i-lia, eqoipagem 11, carga 8,000
Amorimlrmao.
de cima do baleao, avahada em 45, um caixo
grande de madeira para deposito de bolachas, de-
vididoem cinco partes, com liteiro em todo o rom-
primento, avahado em 205, um relogio grande,
avallado em 303, uma maceira e uma tendeira de
madeira, avahada em 135, um selyndro com seus.
pertences, avahado em 5u5, diversos objectos miu-
dos do servigo de padaria, avahados em 255, os
quaes vao a praga por execocao de Joaquim Ama-
roda Silva Passos contra Francisco do Prado.
E na falta de licitantes ser a arremalagao feila
pelo prego da adjudicago com o abatimenlo res-
pectivo da lei. I
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei fazer o presente edital que ser affix.ido
nos lugares do costume e
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 11 de agosto de 1865.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Al-ncar Araripe, offkial da im-
perial ordem da liosa e juiz especial do com-
mercio nesia cidade do Recife, por ua Hages-
tade Imperial, etc.
Fago saher aos que o prsenle edital virem e
d'elle noticia tiverem, que por este juizo especial
do cmim-rcio pendem uns autos de execucao de
senlenca de Joaquim Elviro Alves da Silva, contra
Francisco Sanliago llamos.
nbora em dinhelro pertencenle ao exeeutado, fra
pelo solicitador ignario Barroso de Mello, procura-
dor do exequente, feito o requenmento do seguin-
te termo.
Aos 7 de agosto de 1865. em publica audiencia
que aos feilos e partes dava o Dr. juiz especial do
commereio Trislo de Alencar Araripe, pelo soli-
citador Ignacio Barroso de Mello por parle do exe-
quente acensen a penhora feita em dinheiro per-
tencenle ao execulado Francisco Saotiago llamos,
e requerido que he fieassem designados os 6 dias
da lei, e dez aos credores ingertos pas respectivos editaes pira que tenham sciencia os
me*mos credores; o que Ihe foi deferido pelo refe-
rido juiz, precedido o pregao do esiylo, e para
constar tiz o presente do proiocollo das audiencias
a que juntei a caria precatoria e penhora que se-
gu, eu Adolpho Liberato Pereira de Oliveira es-
crevente juramenlado o escrevl'; cu Man el Ma-
ra Rodrigues do Nascimento escriv.'.o o subses-
crevi.
Por (orea do met despacho o escrivao fez passar
o presente ediialapelo qnal chamo, cito e hei por
intimados os credores incerlos do dito exeeutado
para que comparegam nesle juizo dentro do dito
prazo, afim de allegarem o que fr de justica.
E para que chegue ao conhecimenlo de todos,
mandei passar a presente que ser publicado pela
mprensa e alosados nes lugares do costume.
Itecife, 9 de agosto de 1865.Eu Manoel Hara
Rodrigues do Nascimenio. escrivao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, olfloial da im-
pedago
uma casa com um soto dentro do sitio, tendo a
casa trinta e.quatro palmos de frente e oitenta e seis
de fundo, lendo em roda da mesma casa uma cal
gada com pilares, duas salas, quatro quartos, cos-
uba fora, e no sotao tres quarios e urna sala, com
cacimba, tanque, casa para pretis, e um ti-llieiro
com apeirechos de moer e fazer farinha em mo
estado, tendo um terreno com largura para ambos
os lados, |iara plantacSes, algumas frueteiras, sen-
do a largura do dito sitio de 373 palmos e o'JO de
fundo, avahado em 10:0005.
O qual fra penhorado por execucao de Jos Pau-
lo do Reg Brrelo, contra obaeharel DioJoro i-
piano Coelbo Catanho.
E nao ha vendo lancador que cubra o prego da
avaliagao a arrematagao ser feila pelo prego da
adjudicago na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de lodos
mandei passar o presente, que sera publicado pela
imprensa e allixado nos lagares do costante.
Cidade do Recife de Pernambuco 18 de agosto
de 1865.
Eo, Manoel Mara Rodriges do Nascimento, es-
crivao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
mo Jos Ferreira.
fiscal, Jeroni-
C0MPANHI4 BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR,
Dos portos do norte esperado
v al o dia 3 de setembro o vapor
lina loja de charuto no pal* 4
Tern n. 2.
Manins ara- le I i i p. rau e rin e aanai
pcrlencer da armara t, charuto*, reii-ir> nm-
dieiro de gaz da fabrica do peo *> Terf> a. X
em um ou mais lotes a mateas do* reatpraWes.
Tci*ci-fcin 2N cerreile.
As II horas do da.
Leilfio
i
>
Tocuntins, commandante o pri-
_ metro lenle Pedro Hyppoliio
/trr^malacao. ?%& imane, oqual depois da demora
Terga-feira 29 ilo correte vai a praga de venda do costume s.-guir pora os a ros do sul.
depois da audiencia do Dr. juiz de orpDitos a re- Desde j recebem-sa passageiros e eng.'jase a
queriinento do inventariante dos bens da finada carga que o vapor poder eooduzir, a qual devera
Hara IMa dos t'razeres, a casa terrea n. 34 da ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
rua do Forte das Cinco Pontas avahada uor.....' mendas e dinheiro a frete at o da da s; hida as
g-taraet.np:o>-.-ow.M:*. >i iiim iihii

Ji.
Convda-se as pessoas tjue esli as
publicado pela im- coruiiQoes do servico militar, a engajarem
no corpo de polica e gozarem das vania-
gonsdi lei provincial n 611 de 2 de miio
prximo passado, que sao as segnintes :
l:>i00rs. diarios de sold, serem sens li-
Ihos men ires recolhidos aos estabelecimen-
tos provinciaes d educar;ao e o tempo que
estiverem na guerra ser contado pelo duplo
par.i o caso de aposentadoria, e alm destas
lem Godas as mais vantagens que sao con-
cedidas aos voluntarios di patiia. O te-
nente-coronel commandanle do corpo de
E teado-se feitope- polica, Alexandre de Barros e Albuquer-
que.
1:2005.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o sr-gujnlc :
40 papis de agulha n. 3.
l,60 emros para forro.
1 arroba gilha.
1|2 dila de caparroza.
300 mcios d vaquetas.
2 eaixas retragos de vidro.
1 quinial laJxas para sallo.
2 ditos ditas de encuatar n. 18,
Todo para o presidio de Fernando em virludeda
ordem da presidencia de 23 do correte.
Para o rancho dos aprendizes menores deste arse-
nal nos mezes deselembroe outubro prximo.
Arroz pilado.
Vinagre.
i Azeite doce.
Caf em grao.
Cn.
Manteiga francez*.
Toueinho.
Carne verde.
Dila secca.
liacalho.
Fe i jia .i.
Fanuha da Ierra.
Pao de 4 oncas.
Bola xas.
Quem quizer vender ditos arligos aprespulem
snas propostas as 10 horas da manha do dia 30
do correte na sala di conselho.
Sala do cooselhedri compras do arsenal de guer-
ra 25 de agosto de 1805.
Qencarregado da escriptnrago
Manoel Jos de Azvedo Santos
V;ipoi- ilc reboque Caui ara gibe.
Os aeeionislas da companhia vigilante de vapo-
res a reboque sao convidados a reanirem-se em
.'ssembla geral, que ter lugar no dia 1 do mez i
de seteabro aomeio dia em pomo, no escrlptorio
pe iloihe & Bidoulac, ra do Trapiche n. 18, para
Iratarem de negocios da mesma companhia.
2 horas : agencia ra da Cruz n. I, escrip.orio de
Antogio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
DE
10 barr* con gaita.
Terca han 20 do c >
O agente Pesiaaa fan' cuta araJan
de qii'iii pertenr-r .eivr-.i de 11 iiiiinaajas
Iba i-ni umou mais !.>?. a voalade : i-n-a-fciri
21) do correirle oe|a lo \, m iia wunhai'aaar-
mazeui ao Sr...\zev,.-do defruole da r "i trate 4
lefandga-
Leilfio de predios.
A pabar :
L'm sobrado de um ani.ir f RMt zal Nova n. 6, > qo.il r-n 1.- i>::uRaaaaj 9&H.
Coi dito de um aadare .- *a>< tu ra da Seatau
Velha u. 28. o qu.l r-n.l- I
Sexla-feira I de selemteo.
Oageatti Plat-i (ara taUi asaaaaali a <^hbb*-
tenle aul'irisag.i do dn:i- ~.;.r.i t.~ trinta labra-
dos as lo doras do dia > Jo e.rreni-, na pr*j i >
Coiiimereio.
Tisset Frers previnem aos carregadores dos na-
vios da linba do Havre a' Pernambuco, que o frea
do uillaume Tell, esperado a cada Momento, lem
sido abaixadoa 30 fs. e bOi0, o do spbre a car-
ga no Havre a 25 fs. e JO 0|0, e que lalv-z o dos
navios seguintes sera' ainda mais em conla, o que
Ihes sera' avisado por vii deste jornal. Os navios
i estilo a disposigao dos carregadores para U volUs
a um frele abaixo de 13 fs. e IO |a conforme se
! ajustar com os annunciantes, ra do Trapiche n. 9.
COMPANHIA BiASILEIM"
DE
PAQUETES A VAPOll.
E' esperado dos portos do sul
^-n3\ at o dia 31 de agosto, o vapor
-^S^'si'/I'*^ l'm- nm. commaodaate o sapitao
LS3ILAO
D- don* neravna tmmtm om aaaaMRaa et>pr;r ?
e O nutro eo.-iobeiiM. pa.leiru e u:i.miait*>,
sadios liis e itai ee.
Sexla-feira I de 5tleml.ro.
a II horas pm |.<.nii>. na anal lj tnta^r\
frente a Assoda^ao Cimmerciai.
.-- *
de fragaia Antonio Joaquim de
. Sania Barbara, o qnal depois da
demora do costume seguir' para os portos do
norte.
Desdej recebera se passagelros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
s;;r embarcada no dia de sua chegada, encooimen-
das e dinheiro a frele at o dia d i saluda
ras da larde : agencia ra da Cruz n. 1,
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
as 2 ho-
escripto-
&C.
LEILAO
Da expeliente raarra do E\m. Sr. dise
D.iria, aoHaagaiafea, na ai an
cjue podem ser examinad M lati ja pet-m pr
lend-nles, os quaes devrr.io cooeorrrr ao iVui
no da
Sexla-feira \ de setemBro
Por iiilervengo do ageule Pieb', em freaee a
Assoeiaeao Commcrcial.
L33II>
urna casa no untd .
SexI-lVin 1 di; KlajJJB.
O agente Piotn |ara' leiio a* M l;i hvra*
dia acuna dito di ia-i n. 30 da na d M.n.r
esquina do berro do Quilbo, edifi-a* rm rtd>ia
proiinos, rom i salas, i .|oart->-, c-iola f>ra,
quarios para preto, quii .i anm I ei-j,a,o
[iraca do cumineiciu em freatea A- '.m-
mercial.
Df
Ia sergao.Secrelaria da polica de Pernambu-
co, 2o de agosto de 1865.-0 ordem do Illm. Sr.
Dr. chefe de polica, fago publico para conheci-
menlo de quem inleressar possa, que casa de de-
lenco desta cidade se acham recolhidos, como fu-
gidos, os escravos abaixo declarados, rojos donos
devem quanto anles redamar a sua entrega, me-
diante documentos comprobatorios di sea dominio
legal e pagas as despezas com elles feilas ifaquel-
le estabelecimento.
Luciano, que declarou pertencer a Manoel da
Rorha GuimarSes, di cidade da Victoria, rccolhi-
do em 25 de julho de 1861.
Maria, que diz pertencer' ao padre Au'istnho de
Godoy, do (ermo de Garaaatms, reeolhida em 30 a80l de **
de dezembro de 1859.
Amaro, qae diz pertencer a uns herdeiros, rel-l_______|______
denles no Itio Grande do Sul, dos quaes procu- \ Terca feira 29 do correte, depois la audien-
rador Francisco Joo de Barros, desta capital, re- cia do Sr. Dr. juiz de orphaos desta cidade, ser
colhido em 5 de dezombm dj 1862. arrematado ('por ser a ultima prara) os alugueis
Jos, que diz pertencer ao capito leronymo de pelo lempo de seis annos do arinazein n. 5 do caes
tal, do termo de Campia Grande, na Parahyba, da alfandega, destinado a receher bacalhao, servin-
recolhido em 3 de abril de 1862. do de base o por (|uanio est alugado aclualmenle
Joo, qae diz pert-ncer a D. Feliciana de tal, de 3:0003 ananaes, cnjo armazem vai a'praga a
desta cidade, recolhdo em 17 de fevereiro de requerimenlo da" vmva e herdeiros do Dr. Jos
1862. ; Baymundo da Costa Menezes.
Jos, que diz ser escravo de Goncalo Mendes, I p .
da villa do Cabo, recolliid em 11 uejuiihodoj l ;OFreiO
Pola adminisirago do crrelo desta cidade se
Correio geral.
Pela adminstrago do correio desta cidade se
fa'. publico, quo em viriude da convengao postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francs, serao
expedidas malas para Europa no dia 30 do corren-
te pelo vapor francez Navarre.
As carias sero reeebidas at tres horas astea
da qae for mareada para a saluda do vapor, e os
jornaes at quatro horas antes.
Adminisiradordo correio de Pernambuco 22 d
Domingos dos Passos Miranda.
Administrador.
EOS DFSSHK
Jbae Fiorizano,
ropa.
Companhia das .Yleusageries itu
periales.
No dia 30 do
correte mez es-
pera-se des por-
tos do sul o va-
por francez Ha-
taire, comman-
danle Joret, o
qual depois da
demora da cos-
tume seguir para Bordeaux tocando em S. Vicen-
te e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para freles, condicgoes e passageas traia-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
tara o Rio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade a barca
nacional Restaurarao, lem parte do seu carrega-
ment prompto: para completado, e juntamente
para escravos e fret-s, para os quaes tem excelen-
tes commodos, tratase com os seus coosignatarios S^^S* Dt"s,a pr^t! tor-u
Aotooio Luiz d'Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptono, ra da Cruz n. 1.
liba dirsTMlgnef
Segu impreterivelmente no lim do correte mez
o palhabite portuguez Pensamnto, de 1* classe :
quem no mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gem, dirija-se a Bailar & O.iveira, ra do Vigario
numero 10.
soLdiio iuiiaao, ts* a Ea
SHOS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
V Oompanhiii Indemnisadora
stabelecjila Desta praga, toma jar n..inti>-
sobre navios eseus carregamen: rootra t>ao mi
edificios, raercadorias e mobili.-.s: aa fo e>crpto-
aio, ra do Vigario n. pavinn-nt.i V rrro.
Manoel, i|ue diz ser escravo de Jlo Pereira Ca-
po, do Brejo a Areia, recollndo em o 1 de junho
perial ordem da Bosa, juiz de direito especial do do crrente anno.
commercio desta cidade do Becife de Pernam-
buco, por S. M. Imperial e constitucional o Sr.
D. Pedro II, a quem Deus guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital virem, e
delle noticia tiverem que no dia 28 de agosto do
corrente anno, se bao de arrematar em praca pu-
blica d'e-le juizo o seguiute :
Os servigos do prelo de nome Florencio, por ser
achacado dos escrotos, avahados em 6,-^000 men-
saes"; os servigos da preta Christiana, soffrendo de
palpilago no coragao, avahados em 53000 men-
saes; os quaes oram penhorado. por execucao de
Joaquifli Luiz Viraos, contra o Dr. Joaquim Elisio
de Moraes Carvalho.
E nao havendo lancador que cubra o prego da
avaliagao, a arrematag'ao ser feila pelo prego da
adjudgo na forma da lei. E para que chegue ao
conhecimento de todes maudei passar o presente,
que sera' publicado pela imprecsa e afflxados oos
lugares do costume. Cidade do Becife de Pernam-
buco aos 11 dias do mez de agosto do anno de 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, escri-;
vao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, oficial da impe-
rial ordem da Bosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Rec;fe, de Pernam-
buco, seu termo, por Sua Mahestade Imperial e
Constitucional o Senhor Dr. Pedro II, a quem
Deus guarde etc.
Fago saber pelo presente que Manoel Jos de Si-
qneira Piianga, por seu procurador, me dirigi a
peligao do iheor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio.Diz
Manoel Jos de Siqueira Pitanga que seodo-lhe de-
vedor Arceoio Fraocisco de Oliveira, da quantia de
1:9613630, importancia de urna letra vencida em
22 de agosto de 1860, e achandose o mesmodeve-
dor ausente, em lugar nao sabido, quer o suppli-
cante justificar sua ausencia atim de interromper
a prescnpgo pela qual protesta e pede V. S. que
se digne mandar lomar par termo o seu protesto,
para que opportuoameDte pissa haver de seu deve-
dor o pagamento da mencionada letra ou nota pro-
missoria, e os juros nella estipulados na forma do
arl. 433 3o do Cdigo Commercial, sendo-IQe o re-
ferido protesto intimado por editaes depois de jus- \
tillcada a sua auseocia, oestes termos.Pede a V.
8. deferimenlo.Espera receber merc.O proco-j
rador Elisiario Gomes de Mello, seguindo o que
assim se continha em dita petigo que me foi apre-
seolada, na qual dei o despacho do theor seguate
Justifique no dia 12 do corrente, as II horas da
manha.
Recife, 10 de julho de 1865.Alencar Araripe.
Segundo assim se continha era tal, por forga do
qual fra feita a deslribuigo ao escrivao deste
meu juizo Manoel de Carvalbo Paes de Audrade, o
qual em observancia ao mesmo despacho lavrou o
termo de proleslo do theor seguiote:
Protesto. Aos 10 de julho de 1865, nesta cidade
do Recife, era meu cartorio, peraote mira e as tes-
temuohas iofras assigoadas, corapareceu o suppli-
caote por seu procurador o solicitador Elisiario
Gomes de Mello, e por este foi dito que reduzia a
termo todo o conteudo de sua petigo retro, a qual
ollerecia como parte do presente, e depois de lido
se assigoou com as indicadas testemunhas.
Eu Manoel Silvioo de Barros Falco, escrivao
juramentado o escrevl.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade escrivao
o subscrevi, Elisiario Gomes de Mello, Joo Cela-
no de Abreu, Joao Vicente Torres Bandeira.
Seguodo o que assim se continha em dito pro-
testo, depois do qual, produzindo o supplicante
suas testemunhas que depuzeram convenieulemeu-
te acerca da ausencia do supplicado o respectivo
escrivao fazendo sellar e preparar os autos, e nos
arrobas de quaes dei e prefer a sentenca do theor seguinte :
Julgo provada a ausencia do supplicado, e man-
de trinta dias
Roque, que diz pertencer Joo Nepomuceno de
Mello, da cidade de Nazarelh, recolhido em 23 de
maio do crtenle anno.
O secretario
Eduardo de Barros Faleao de Lacerda.
Para o Porto por iLisboa
I faz puhhc,, para lias '"^^"J^^.'l^ ^'7"^! pretende sahir com a possiv^l presteza o brigue
S ?? a[ ^,n. r 1 T- g,r o a Prniamoucnno : para cargae passagelros, a quem
I coi reos de 21 de dezembro d 18*; e arl 9do b ons comm-.d os, trata se coni o consigna-
J^^^*^*"*1''"J25 tario Tbomaz de Aquino Fon-eca, ra do Vigario
dera o consumo das cartas existentes na admins-
trago pertencnls ao mez de agosto de 1861, no
dia V de setembro proximo,as 11 horas da manha,
na porta do mesmo correio ; e a respectiva lista
O conselho de compras do arsenal de guerra se acha desde ja exposia aos inleressados.
n. 19, primeiro andar.
P.UIA O
Rio de Janeiro
carne secca ; a
Vario salado do mesmo da. do que este seja citad por edilos
C-araBrigue francas fran, capito Le Chevalier, para o m requerido a fk 2.
carga parle da que trouxe do Havre. Recife, 12 de agosto de 1863.Tristao de Alen-
Oosrractio. car Araripe.
<) hiate Lindo Paquete, sahido do dia 25, seguio Segundo o que assim se continha em dita sen-
para o Para, e nao para o Maranhi, como sabio tenga, em observancia da qual o respectivo escri-
por engao. vo que este subscreveu e fez passar o prseme
precisa comprar o seguiote :
Para a colonia militar de Pimenteiras.
40 garrafas de alcool de 36 graos.
1 libra de rnica (flor).
1 dita de dita (raiz).
5 ditas de amoniaco liquido.
1 garrafa de agua de ilor de laranja.
1 libra de alcagus.
2 ditas de acido trtrico.
1/2 dita de alfazema.
2 ditas de bicarbonato de soda.
2 ditas de dito de potassa.
8 ditas de banha de porco.
2 arrobas de assncar branco refinado.
1/2 dila de ergoiiua.
1 dita de diacbylo gomado.
i/i dita de flor de sabugo.
1/2 dita de iodureto de chumbo.
3 dilas do linhaga em grao.
4 ditas de mosiarda em grao.
3 dilas de massa caustica.
1 garrafa de mel rozado.
3 ongas de nitrato de prata christalisado.
3 gnrafas de oleo de ligado de bacalhao.
1 dita de oleo de ameodoa doce.
12 vidros de opodeldoch.
30 garrafas de oleo de ricino.
1 resma de papel almasso paulado.
2 libras de pulpas de tamariudos.
2 ditas de pomada de saturno.
i caixinha de peonas de ag..
5 libras de re-iua de angico.
1 raiz de alla franceza.
6 garrafas de serveja medicinal.
5 libras de sevada.
6 vidros de salsa parrilha de Brislol.
50 sanguesugas.
1 libra de trtaro emtico.
4 libras de ungento rozado composlo.
2 dilas de dito braoco.
1 estojo de pequea cirurgia porttil.
10 garrafas de sarape de resina de angico.
2 dilas de dito de oleo de ligado de bacallao.
2 ditas de dito de raorphina.
4 ditas de dito de Ul.
3 ditas de dito de iodureto de ferro.
8 ditas de dito de liraao.
Para o presidio de Fernando.
6 libras de acido ctrico.
2 ditas de acnito.
40 garrafas de alcool de 36 graos.
40 dilas de agurdente.
4 ditas de agua de flores de larangeiras.
8 arrobas de assucar retinado.
4 libras de amendoas doces.
1 arroba de baolia de porco.
2 libras de caraphora.
- 4 libras de carbonato de magnesia.
4 dilas de caroba.
8 ongas de extracto de belladona.
8 ditas de dito de genciana.
2 libras de 11 ir de tilia.
4 ditas de gomma arbica.
8 ongas de iodurelo de ferro.
1 libra de dito de potassia.
4 arrobas de linhaga.
4 libras de macella.
4 ditas de mercurio metlico.
4 ongas de nitrato de prata branco fundido.
16 libras de oleo de amendoas doces.
30. ditas de dito de ricino.
8 ongas de oxida rubro de mercurio.
1 rollo de visicatono de Albspierre.
Quem quizer vender ditos medicamentos, apr-
seme suas propostas na sala do conselho as 10 ho-
ras da maoh.ia do dia 30 do correte.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra de Pernambuco, 26 de aaosto de 1865.O
encarregado da escripturago,
Manoel Jos de Azmdo Santos.
Admimstraco do correio de Pernambuco 22 de ', pretende sahir nestes 15 dias a barca nacional
agosto de 1863.- O administrador Valle ; para carca, [.as-ageiros e escravos a frete,
Domingos dos Passos Miranda. | Irata-se com David Ferreira Bailar, na ra do
Z .. .=i------. *. :. ,. : Brum n. 66, ou com o capitn da mesma barca.
la repartigao das obras publicas, se fas -------' -------------------
Para Lisboa
vai seguir nestes poucos das
Pela repartigo das obras
publico aos propietarios dos predios da ra da
Crnz, entre o bec :o da Linguete ra da Cadeia. vai seguir nestes poucos das o brigue portuguez
travessa e pateo do Corpo Santo, que Ibes mar- Constante, recebe ainda algumas miudezas e pas-
cado na forma do regulamento de 27 ds juuho de sageiros, para os quaes tem boas accommodagoes:
186i, expedido para a execugao do art. 57 da lei | a-tratar com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho,
n. S96, o prazo de 30 das para a construegao dos' largo do Corpo Sanio n. 19, ou com o capito na
respectivos passelos das suas propriedades.
Secretaria da reparlico das obras publicas, 23
de agosto de 1865.
No impedimento do secrelario,
Joio Joaquim de Siqueira Varejao.
Conselho ilc compras navaes.
O conselho promove nu dia 28 do corrente mez,
vista de propostas entregues em cartas fechadas
al as II horas da manlia, o sob as condigoes do
esiylo, a compra dos segnintes objectos: 100 ps
de manpueira de sola pregada a pregos de cobre
para bomba de apagar incendio, 26,000 azulejos. 6
dii'.ia de taboas de eosladinho de amarello, 16 du-
zias de taboas de assoallio de louro, 1 duzia d la-
boas de assoalho de amarello de 51 palmos de coin-
I pimiento, 3 duzia< de taboas de assoalho deama-
: rell^rde 3 palmos de largura, 20 duzias de taboas
I de assoalho de amarello, 10 duzias de taboas de
praga.
LEILOES.
LEILAO
De 30 barra de dcimo com violto do
Porto para casas de familia.
O agente Pestaa lecalmente autorisado vender
por conta e risco de quem pertencer e para fechar
cuntas cerca de 30 barias de dcimo com vinho
de superior qualidade do Porto, muito proprlo pa-
ra casas de familia e se vender para fechameoto
de contas em pequeos lotes a vontade : seiranda-
feira 28 do corrente pelas 10 horas da manila no
louro para forro, 1,200 ps de cano de ferro galva- armazem do Sr. Azevedo defroute da escadioha
nisado de 1 1|2 e 2 polegadas de dimetro exterior da alfandega.
com tees e mais pertences, 4 arrobas de pregos ri |---------------------------------------1---------------------
paes, 2 grozas de parafusos de metal, 8 lenges de. -j- aro-arar gW
ferro de 1 i'i de grossura e 120.toneladas inglesas de i Mi Wjm. jitA\3
ferro bruto.
Sala do c.onsellio de Comoras navaes, 22 de agos-
to de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos An/os.
De predios eniOlinia todos emolaos
propriis e as principaes ras.
Seodo.
Um sobrado e uma casa terrea n. 47 e 37, tendo
o sobrado 1 salas e 3 quartos, e a casa terrea 2
salas e 3 quartos, cosinha e o quintal murado, a
ra de S Bento.
Uma casa terrea na ladeira da Ribeira cora 3
salas e 3 quartos e cosinba, edificada ha pouco
lempo.
Uma dila na ra do Carino n. 3 com 2 salas e
4 quartos.
Uma dita na ra do Amparo a. 35, com ana sa-
. la, 1 gabinete oa frente, com 4 quartos, sala atraz
je cosinha.
Duas ditas oa ra do Bom Sucesso ou dos Quar-
teis de n. 1 e 2, com 2 salas, 2 quartos, cDsinha
Segando c grande soirc phantaslico pelo prestidi- fra edificada ha bem poueo tempo.
gitador J I!, de Linski (de Varsovia) conhe- Cordelro Slmoes
cido debaixo do nome de legalmeote autorisado far lello dos predios aei-
C\GIIOSTRO DAS ANTILHAS : ma mencionados, situados em Olinda e as prin-
au \jj \j n. i cjpaes r(jas> M 4Uaes g(j ac(iam ejp0Sias ao exa.
TArP-1-fom 9Q dft 10Wifan>A me duj l,rele,ndeu,l1e?. qnalooer esclarecimento o
J-Ciyil lllcl vd U ugUoLv U mesmo agente satisfar, cujo leilao sera effeoluado
Terei-feira 29 do torrente as 11 boris
em ponto no armazem ra da Cruz n. 57.
Tiiuyrfifto
S. ISABEL
EMPREZA--COIMBRA
1865.
Depois da ouverura pe'a or.-.h-stra o Sr. Linski
dai principio aos seus trabalhos.
PRIMEIRA PARTE.
! O cajado de N m iriu.
>LUN D8
LOTERA
AOS 6:000.501)0.
Corre depois daiaaoha.
Acliam-sea venia M i,-;.,' tiva thwon
raria ra do Crespo n. 1.*i, os l.iilif > ta
2a parte da lotera (9S em haajltig
familias do* briosos voluntarios >l.i |-alr.
cuja exiaccao ser no dia ai-iina m
do o no logar e hora do costum>'.
Os premios de 0:00000H at 10-500
sero pagos uma hora Je|>is di eslrac(i>>
at as i horas da tarde, e M aajBBj depois
da dislrilitiicaoilas listas.
As encomraendas s rao guardada* so-
mente al a noite da vespera da .ilra.ri
como de costume.
Thesouraria das loteras ii d? agosto Je
1563.
.Servindo de thesooreiro,
Jos Rodrigues tonza.
Bcolo de Medeiros Barbosa rctua-se para
Europa.____ ^^ ^^^^^
Manoel Hirsch, subdito fraarex, retira-s* da
imperio.
Miijuel Carelli, Domingos Carelli e Vnmns-
co Careui, subditos italiano, fla para a Eurjfa.
liento de Medeir > Barbosa vai para Una *
S. Miguel e nao para Eur ya.
mmmi&fr-mi&uiiim
PHOTOGRAPIIIA
:-c- cnizeiRO do soktk S
^ ^ l Rna estreiu de Rsarie 11
^ Tira-se retratos a qualqoer hora d. jf|
^ da a Si duia e J5 meu diua. em -.a>
^ carles de visita, c un loJa perfew;.io nj
f goslo dos retratantes.
laj
Declara-se ao Sr. Luir. Amonio i'iu^alm
Kerreira que nao faca negocio algoai nm u '<-nf*-
nho Mussaiba, por dous motivos, o pr Honro aaa
o Sr. Joaquim Salvador PaMM de SMpvira Ca-
valcanti nao fez invenlariu pela/roon) l aa ara
Iher, e o seguodo porque as sacas ut.-n.-ii..> *>
referido engenho nao pertencem ao dta> 3r. Sal-
vador, e sim a um outro qae a sea lempa aa
apreseutar.
Fugio no dia 18 do corrate aes o
oulo de nowe Isidoro, de 3b

ou menos, alio, ros o comando, i
da, pus grandes e chato-, e costuuuaWir del
gatas, levou cami.-a de a'goiao, ralea* vean*
rotas, chapeo de palha velh>, e tembet um amwt.
caranguejeiro. Se nao ao'lar vaaaadu par asa
cidade provavel que leolu ido pata MiMHHaaj
ou Rio Korraoso, oude Ja lem sido caiHoradw par
vezes. lloga-se as auio. idade e c.ipitaes O aasa
que apprebeadam e o lerem as seu sfaaor A.%
Cavalcadti Lameoha Uos, resideaie n* E*traaa
Nova, sitio de Jeroiiymo de UoilanUa CafalcaMi 4
Albuquerque, qae se recom^ensira ^t-aer^M-
mente.
Cosiuha-se par fra rom ra'iit i i -. r r -: .4. ;
na ra de S. Bom Jesas das Cnoulas o. 17; e aa
mesma precisa-se alagar ama preta.
DE
2 As carias magnelisadas, terminando por uma MobiliaS. Secretarias C Otros artigOS.
dama indiscreta. i ...j.i^ ji.s. s
:i Os francos milagrosos. ,' rdelro S.no.-s
4o O incendio para rirA marca de Lmski. fara lella0 Pr conla e risco de Quem pertencer de, Aluga-se a casa n. 6 jnnM ao
5 A pirmide encantada ou o poder de um mobilia de amarello nova, 1 guarda lou;a de relio site na ra dos Coclbos, lado 4a
coutrabandista. i di,0> rae'ia elstica de dito, 1 commoda de dito, commodos para familia e para o* .uabfa
G A estrella de Linski e a espada do diabosor- l quarlinbeira de dito, 1 secretaria de amarello, I daqtes : a tratar na meni.i iu.
te de cartas.) i cadeiras de balanco de amarello e faia, 1 masa de ^olac- confronte ao hospital Pdro II;
7o Os sete estojos infernaos, experiencias eaba- Jacaranda' com ampo de peJra, 1 cama de jaea-
Ustlcas. i randa, espelhos, redomas, relogios, candieiros a
gaz, jarros, quadros, 6 livros de liiteraiura, apare-
Ihosdecha', cadeiras avulsa, banquinhas, borgos,
marquetas e mais 5 chapeos do chili Anos, e ou-
Iros artigos que seria enfadoaho mencionar.
Terca-feira 2$ tto corrale as 11 horas.
SEGUNDA PARTR.
Io As bolas de |crystal do celebra Robert-Hon-
din (de Paris.)
2 A cadeia de Spartaens ou c* aneis indianos.
3' 0 viveiro ele Neptano ou, i giaude pesca mi
e a taberna
junio ao ^obrado tem i chave para ar m.
Precisa-se de aa .una para eouaaar e i
para casa de poaca familia : aa raa da fvoaeardsa
n.|3i, sobrado do armizem do soL
^



Diarlo 4e leenautlmco ... Seguada letra *8 e Agosto de 1M&.
Joao da Silva Ramos, medico pela un
versidade de Cotmbra, da consultas em
sua casa das 9 s 11 iwras da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. vVisita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isss designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soecorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarern no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sea casa de saude regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tera commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao crurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 30004iarios.
Segunda dita.... 2*500
Terceira dita.... 2G0
Este estabelecimento j era acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianza de que sem-
pre tera gozado.
Ama
I
Procisa-se de urna ama para o servigo interno
de urna casa de pouca familia : a tratar na praca
do Corpo Santo n. 17.
Alugam se dous grandes sobrados com comt
modos para numerosa familia, novos e aceiados
com jardim, cocheira, estribara e outras cnmmo-
didades, na travessa deJoao Fernandes Vieira :
a tratar na roa da Senzala Nova n. 48._________
Francisco Jos Germano
RA NOVA X. ti,
acaba .de receber nm lindo e magnifico sortirnento
de oculos, luoetos, binculos, do ultimo e mais
aoorado gosto da Europa.___________________
Preoisa-e de urna pessoa forra ou escrava
para ama : na ra de Aguas-Verdes n. 50, segun-
do andar, que saiba engomrnar, coznhar, e que
sirva para asoempras de ra : qitem esliver Des-
as circunstancias dirija-se a mesma casa.
Coi
nnmercK)
Quem precisar de um moco com pratica de ta-
berna dirija-se a ra do Fogn. 82, taberna.
Aluga-
Os filhos do primeiro matrimonio e
genros do finado brigadeiro Gaspar deMe-
nezes Vasconcellos de Drummond, convi-
dam e pedem encarecidamente a todas as
pessoas que se considerarem credores do
respectivo essal se sirvam de apparecer na
ra da Auroran. 26. dentro de i 5 dias con-
tados da presente data, das 6 as 10 horas
da manlia e das 4 as 6 da tarde, para ve-
rificaeSo dos seus crditos e ulterior a cor-
do sobre os seus pagamentos, independente
de questes judiciaes; Rec fe, 8 de agosto
de.1865.
OTerecc-se um homem j de assento e
sem familia para criado ou feitor de algum
sitio, engenho ou outro qualquer servico : a
procurar nesta olcina.
Perdeu-se urna palenle de lente de guarda
nacional do batalho n. 21 de Lmoeiro, da presi-
dencia a praga da Boa-Vista : quem achar, queira
entregar na praga da Boa-Vista, botica do Sr. Ga-
meiro. _____________
Deseja-se saber quem o procurador nesta
cidade doSr. Or. Joo Bapisia di Amaial c Mello,
juiz municipal da ce marca de Flore?, alim de con-
cluir um negocio deste senhor, na rua da Ioipera-
triz o. 17, segundo andar.
Aluga-se o 1 andar da casa n. 7 da ra do
Burgos : a tratar na renagao da Senzalla Nova
d. 4.
(canilc annazem de Untas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos teosle e os maisempregados
e usados na pbarmacia, pintura, photographia, tin-
turara, pyrotechinia;fogos de artificio) e em outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaesdroganas de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer
productos de plena confianca o saiisfazer qualquer
tncommenda a grosso trato e a retalho, por pregos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promplldo qualquer pedido de tintas moidas
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encoolram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collecgo de vidros de differentes
formatos, desde urna oitava at dezeseis oncas de
capacdade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-Ios; depinceispara fingir madera cora
propriedade e oulros; de papis dourados e pra
teados e follias de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
para embrullio, para forro de casa, para desenlio
com fundo j feilo; de papel alburoinado e Brisul,
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madera, copal para o interior e ex-
teiior ; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de linhaga
clarificado, oleo de toiele, secativo de Harlim, ouro
verdadeiro em p ; praia, ouro, e estanho em fo
litas de varias cores ; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para confeitarias ; la de cores, t
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
rolyjasmim, bergamota, aspice, patchouly, mbar,
bouquet,limo, alcaraiva, melissa, ortela pmenta,
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
ans da Russia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s com a vista poderao ser mostrados.
Jo _________________________Gerente.
Acha-se no sobrado da ra das Cruzes o. 16
para quera precisar de differentes pegas de orna-
mento para missa : na mesma casa achara com
qdera tratar.
_____
mm m nun.
De ordem da presidencia da mesma sociedade
convido a todos os socios effeetivos a comparece-
rem a sessao que ter lugar seguuda-feira 28 do
crreme, as 9 horas da noite.
Sala dassessoes da sociedade Amor ae Prximo
em 20 de agosto de 1865.
Silva Mendes
_____________________1 secretario._____
Perdiu se o quario n. 4595, da lotera 26",
138, a beneficio do hospital da Santa Casa da Mise-
ricordia da Corte, lendo no verso os nomes de Ma-
rianna Mara, aqu^m pertence, e sendo que alguem
o tenha achado e queira restitui-lo o fara na ra
da Guia n. 36 segundo andar : a lista deve chegar
de 29 a 30 do presente mes de agosto.
Alugam-se duas escravas, sendo urna engora-
madeira e lavadera, e outra que cozinha e faz o
mais servigo : a tratar na ra do Hospicio n. 21.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de padaria, e que d fiador a sua conducta : na
ra Direita n. 24.
ANACAHUITA
PEITORAL de KEMP.
a anacaliuita mexicana que d o nome es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito lempo se
ha usado no Tampico para a cura das en-
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensatada e approvada pela academia
medica de Berlim O peitoral de Kemp
um xarope delicioso inteiramenle livrede
opio, acido bydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors 4 Bar-
boza, Bravo C. e em todos os eslabeleci-
meotos pharmaceulicos do imperio.
Fog'o d
ar
no armazem da bolla amarella no oito da
secretaria da polica, recebem-se encom-
mendas de fogo do ar para dentro e fora da
provincia.
;a-se.
Uma casa acabada agora com commodos para
familia, estribara, cochelra, quartos para feitor e
escravo eom banho na porta, no lagar do Pogo da
Panella, roa do Rio : a iratar com Tasso Irmos,
na ra do Amorim n. 35________________
A negocio de inte esse deseja-se fal-
lar com a viuvaou herdeirosde Manoel Jo-,
s Pereira ; na caixa filial nesta provincia.
Precisase de uma ama que saiba lavar e
engomrnar, e um moleque para o servico externo :
na ra da Caixa d'Agus a. 10.
Na ra da Guia n.3 precisase fallarcom o
Sr. Jos Pedro, natural da ilha de S. Miguel, fre-
goezia da Varzea, para negocio de seu interesse.
Aluga-se um escravo para enado ou para 1ra-
balhar no campo : defronte do palacio do bispo,
em casa do tenente-coronel Joo Valenlim Vilella.
O abaixo assignado faz ver ao publico, que
elle nao tem sacado nein aceitado, e muito menos
endogado letra alguma ; qualquer, pois, que appa-
racoin sua firma falsa, visto constar-lhe que al-
guem procurou realzar eerta transaego com uma
nesta coudigo.
Miguel J .s da Costa.
~~amaT
Quem precisar de uma ama para cozinhar e en-
gomrnar, dirija-se a ra da Lapa n. 4.
Samuel Power Johnston & Conipanhia
Ra da Senzala Nova n, 4.
Afi ENCA DA
Fundido de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios d carro para nm e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma; binas para descarofar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
m^MM iini
A NACIONAL
Oompaiihia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUT0RIS/U3A PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma tanca em dintoiro, depositado nos eofn-.s lo estado, garaete a boa da
ministraco da companliia.
BANQUE1ROS DA COMPANHI" I DIRECCO GERAL
O Banco de Hespanha Madrid: Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de superviencia dos gi
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripgo de maneira que em nenhum caso n.esno ro n rindes
gurado so perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao to suprehendeates os resultados que produzera as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que anda raesmo diminuindo uma trra parte do interesse produzido em recentes liquida!
edes ecorabinando-o com a mortalidade da tabella de Oepareieux que e adoptada pela companh-
para seus clculos e liquidaeoes, em segurados de idade de 3 al9 annos, uma imporsigo annua.
de 100J produz em effectivo metlico:
No ti ni de 5 anuos.......1:119-5300
de 10 >.......3:9426600
> de 15........11:2085200
de 20 .......30:2366000
de 25 .......80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectas e mais nfnrmagoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Piuza de Oliveira, ra daCadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.12,estabcl
ment dos Srs. Raymundo,Garios,Lene & Irmao.
m$m
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SUFFOCgAO NERVOSA E 0PPRESS0
nico remedio efficaz para combattir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Descobcrta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiravei resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenclle, e em todas as
boticas de franca e do estrangeiro.
ALCOHOLADO de GUACO

m
M
11 c
A.
preciosas e objectos de^fe
011P0.
Mauricio Selbeberg & C, Polacos, par- %&
tcipam ao respeitavel publico, que ac- J^
bam de receber um grande sortimenlo *5
de joias e brilhanles, como sejam : relo- [\:,
gios, tranceln?, aderegos completos, an- >^f
neis, eadtias, polceirae etc., etc. e ludo
quanto diz respeito a joalheiria, pelo pre-
go o mais razoavel possivel, e mesmo
troca e compra objectos de ouro, prata e
diamantes por objectos novos: na ra
do Quemado n. 29, entrada pelo largo
de Pedro II n. 27, de raanhaa at as 9
horas, e a tarde das 4 horas em diante.
Os objectos vendidos pelos annunciantes
sao garantidos por elle?, e estao promptos
para levar objectos as casas das pessoas
que desejarem comprar, uma vez que
nao possam vir a seu estabelecimento.
tsmesma
m
>
M
t

cao.
Francisco Garrido, antigo proprietario do hole
Trovador, sito na ra do Rosario, de volta de sua
viajero a' Europa, avisa a seus numerosos fregue-
zes, tanto de.-la capital como do centro da provin-
cia, que se acha novamente estabelecido na mesma
ra larga do Rosario n. 37 com um hotel denomi-
nado Traviata, onde acharao os seus freguezes
sempre a melhor vonlade para bem os servir, a
par de excellentes vinhos capils e boa comida,
qur no mesmo estabelecimento, qur para fra, e
dentro da cidade aos que nao quizerem ou naopo-
derem vir a seu estabelebimento, sendo pelo prego
mais mdico que m outra qualquer parte. No
mesmo estabelecimento acharao os seus freguezes
bilhares para recrearem-se, bem como sorvete to-
das as noites para refrescarem-se.
Precisa se de uma ama habilitada para todo
o servigo domestico : qnem estiver neslas condi-
goes dirija sea na do Trapiche n. 13, ou na So-
ledade, ra do Progresso n. 7.
Aluga-se a padaria com seus pertences na
rualmperal n. 199 : a tratar na ra de Hurtas,
taberna n. 2.
Antonio Joaquim de Mello, antigo advogado
nesta cidade, e procurador fiscal da thesourarla de
fazenda aposentado, emprego que servio por mais
de 22 anuos, contina a advogar em todos os ra-
mos do civel e crime. Ra do Imperador n. 14.
[ 0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre e seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos orgos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
s
Ama.
Precisase de orna para cosinhar: na roa do
Imperador n. 57.
Aluga-se a casa n. 4 da rna do Principe
com 3 quartos, i salas, cosinha fora, quintal e ca-
cimba, na nova freguezia da Boa-Vista : a tra-
tar na ra Nova n. 3.
Aluga-se a alguma familia uma mulata moga,
a qual lava, engomma, cozinha, e tem mais habili-
dades : quem a pretender dirija-se a ra da Au-
rora o. 10, segundo andar.
- Thomaz Teixeira Ba^os vai a Europa e dei-
xa como procuradores seus amigos, em primelro
logar seu mano Sr. Domingos das Neves Tefxcira
Bastos, em segundo o Sr. Antonio Jos Leal Reif,
e em terceiro o Sr. commeodador Antonio Jos de
Castro._________________________________
Offereee-se um pharmacetico com carta pa-
ra administrar alguma botica:: os pretendentes
procurem na ra do Fogo n. 26, rado.
1
O Alcoholado de Guaco de Pascal uma nova preparaco da qual
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo infalivel do contagio venerio (ver
folheto para o modo de o impregar).
2 Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulcerarles primitivas e secun-
darias, ec.
3o Empregado em injccc5es, o melhor tratamento dos corrimentos
recentes ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da leucorrhea as
mulheres.
4o Emim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e fe-
relas de m natureza, chagas gangrenosas, darlros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda a acolo mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvacao
dos distinctos doutores Ricord, Bachet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Bebenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre. Casa de expedicSo, PASCAL e C\ 33, ra Monsieur-le-
Prince. Paris.
Casa debaulioa
Largo do Carino o. 26.
Este estabelecimento to bem montado na sua
origem achava-se de ha muito em quasi completo
abandono pelo pouco interesse de sua adminis-
tra gao.
Hoje que o novo proprietario empregou todo? os
rnen s para restablecer a grande anlidde d;ste
estabelecimento, pode assegurar ao publico que
qualquer que seja o numero dos cotreerrenles
acharao desde j promptido e aceio nos bannos
fri?, momos ou medicinaes, a casa dos bannos se
achara aberta todos os dias das 6 horas da manhaa
as 11 da noite.
Pregos.
Banho de chooue...... 500
i uto (rio ou momo..... 500
Dito de farello.......13000
Dito medicinal ser se-
gundo sua qualidade.
Assignalura.
Por mez banho fro ou morno... 10J0O0
23 cartoes para banho fro, mor-
no ou de chuvisco........... lOOOO
12 cartoes para os mesmos 35000
12 ditos para banho de farello. lOAOOO
O Sr. Joao Miguel de Oliveira Berado qiuira
dirigir-se a ra Nova n. 60, a tratar de negocies
que Ihe dizem respeito.
Precisa-se de ofliciaes de sapalriro que tra-
balhem com perfeigo de ponto e taixa, pagase
bem : na ra da Cruz n. 41, esquina que volta
para a Lingoeta.
O advogado (iodoy Vasconcellos, pode
ser procurado no escriptorio da ra do
Rosario estrella n. 34, ou era sua resi-
dencia a ra do Sol n. 9.
YWv3yy|Yr
AO PUBLICO
CARLOS PLUYM.
Como a empreza de illuminagao a paz tenha da-
do hcenga aos machinistas para trabalharcm por
sua propria conta, Carlos Pluym, machimsta, olfe-
rece seu presumo ao publico para encaar giz e
agua, e toda a sorle de servigos coucernente; ao
seu ofDcio, por pregos muito rasoaveis.
Pode ser procurado a qualquer hora
17 Ra da Imperatriz 17
N. B. LOJA.
X2y Para prova da perfeigo ao seu trabalho o
mesmo efferece ao publico o teslemunho de im-
mensas pessoas para quem jatrabalhou a mandado
da companhia do caz.
Ama.
N roa Nova n. 6 precisa-se de ama aa
servigo de poma familia. ______-___________
Ana serra.
Na roa da Imperatriz n. 13, segundo aadar, pre-
cisa-se de uma ama que tenha acabado a erfia,
para cuidar de uma manga na quahdade fe aaa
secca.
CQBFliS.
Compra-se efectivamente ouro e prau en
ooras velhas, pagando-se bem : na ra larga fe
Rosario n. 24, leja de narivrs.
Silvino Cuillieriiie de B S e T-n-
de effertivamenie esrravus de amtas os tnm :
rna du Imperador d. 79, t*rreirii andar.
Ouro e prata
em obras velhas : rompra-se na praca fe
pendencia o. 22, loja de Ulheles.
In4"
(!ompra-se ouro, prau e ne-'ra* preoMM>,
em obras velhas : na rna da Carina fe Rrnfc,
leja de ourives no arco da Coaceigaq______
Compram-se moedas hrasileiras fe ttf i
2I : na ra do Crespo n. 16, primeiro aafer.
Compram-se libras sterlina* : na prara fe
Indepencia n. 22.
Compramsse tres rasaa, cada una -m valar
de 1:000, ou mesmo bypolheca-s : a tratar aa
ra Direita o. 54.
Compra-se ama armacao que sirva para lo-
ja de fazenda : quem tiver dirija-se a esta lypo-
graphia para ser procurado. __________
Ctmpram-se apelkes da di'ida paMira.
Na ra do Imperador n. 44, terc-iro andar, ei*-
te uma possoa Incumbida de comprar alfana*
apolices da divida publica : quem as tiver,
parega das 9 horas da manhaa as 5 fe bife.
V2RDAS.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz d. 22 em casa de Caros & Barbosa.
fcfil 19 6, iP A ~* 1 B WJlfei ^ do 'mPerador n. 83, segundo andar,
F9 J.BiB.wLAIw>5 precisa-se fallar com os seguintes senhores, para
E' a ordem do dia Acabar com os Para- egncio que ihes diz re>peto.
anima t havr.nptn a mn a rpvnlvpr Antonio Nunes de Azevedo Campos.
guayos a Dayoneta, a minie, a re\oi\er Manoe, Corra da S|,ya Lobalo
fulmina-los com os encouracados armados j0aa Pereira da Silva.
de espores, armstrongs e raiadas de 80 Jos Lopes Tavares.
120; extermina-los em summa a espada, a to% Francisco Rodrigues.
ferio e a put.hal de que se trata; mas J^Wlft-tlIf.
ninguem se lembrou anda de esmagar os Antonio Serafim de Deus.
Paraguayos coro as armas que Dosnos con- Maoel Francisco Coelho Jnior.
cedeu; acabar com elles a taco e a ponta vtnl0.Dh0 prelr 1$amus-
ps, para o que necessario encouracar esta SSSSS&WMn.
parte do nosso COrpo com OS formidaveiS Sebasliao Antonio de Alboquerque (esludante).
rompe-ferro, esmaga c bra, arranca U COS. Francisco Gomes dos Santos.
quebra marmore e outros que se venden Joo Gomes Pereira.
^ .- ... ,. b .'-s< JosLuiz Pacheco de Souza.
*- UA I *-*8 Sebasliao Jos de Barros Barreto.
Borseguins Bordeaux........
patricios.........
para senboras, en-
feitados.......
com laco e fivella ..
Sapatoes encouracados.......
Borseguins para meninas bom
elasteo .................
Sapalos de lona, sola elstica.
1,5600
500
2^240
1,5600
avelludados
de tranca...........
econmicos para se-
nhoras...........
com salto de lustre..
Chineloes do Por:o..........
Um completo sor time uto de calcado da
trra para iiomens, senboras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taixas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz cobija ao compador pela barateza.
CASA DFORTiffii
Aos 6:000$000.
Bilhetes garantidos.
4 benefiaio das familias dos briosos
voluntarios da patria.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaixoassignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir, a beneficio da matriz da Victoria,
os seguintes premios:
Um meio n. 1940 com a sorte de C:000A.
Um quarto n. 2201 rom a sorte de 1:200500.
85000 Francisco Antonio Vieira da Silva.
o#000 Domingos. Jos AITonso Alves.
Joaquim Francisco da Silva.
KAKfifi J* R'ueiro de Castro.
t '!aa Jos Francisco da Silva.
4#S(IO Miguel Arcanjo Ferreira.
Sr^O Vicente Ferreira Neves.
Joaquim Francisco Moreira.
o srinn Francisco de Aguiar Jnior.
T\n tolia Ro?a de Almeida Pinto.
2#0( 0 Leopoldo Gadault.
1060*> Joaquim de Oliveira Maia Jnior.
m
8 O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
i| tos contina a morar na ra do Impera-
Si dor n. 17, segundo andar, teudo alias seu
gabinete de consultas medicas, logo ao
m entrar, no primeiro.
R O mesmo doutor, que se tem dado ao
5 estudo tanto das operagSes como das mo-
i leslias internas, prestase a qualquer cha-
R mado, quer para dentro quer para fra
6 da cidade.
Firmino & Lins
Novo cslabeleciraeiilo de retra-
tos ra Xova n. 15, i "an-
dar, jante ao Sr. Gantier,
dentista.
Tiram retratos todos os das, das 7 horas
da manhaa as o da tarde, quer chova ou
no.
Tambem se offerecem para tirar retra-
tos de pessoas fallecidas, dentro ou fra
da cidade.
Os annunciantes desejando acreditar o
seu estabelecimento, garanten) ao publico
que nenhum trabalho sahir de sua pfrici- J
na, sem que nao seja perfeitamente acaba CjSs
do, e a voutade do freguez. B
Encanamentos para
aguas.
Fazem-se na ra Nova n. 30, com toda a per-
feigaj. _______________________
O London & Brazillan Baak,saca por Jos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
~No dia 11 do correte furtaram da ra da
Praia um burro castanho, castrado, de 10 annos de
Idade, cujo huno tem a marca J. S. L no quarto
direito, e estava carregado com cangalha de ferro
e 8 arrobas de carne : quem delle der noticia cer-
ta ao Sr. Antonio C. Moreira Temporal a' ra da
Cruz n. 30, ou ao engenho Boa Casta da freguezia
do Cabo, ser bem recompensado.
HMnai mmmm mmmmm
^Dentista de Pernambuco.!
B Ra estrella do {(osario n. 3, p
ao p da igreja
{[FRANCISCO PINTO OZORIOg
I Colloca lentes artiflciaes !
pelos aystemas mais nao- 1
SI demos
U Emprega todos os meios scientieos para ffi|
5 conservar os naturaes. Pode ser procura- f
@| do em ^eu gabinete das (J horas da na- t!
SI nhaa as o da tarde. fr
Algodo Para saceos e roapa it rmw
da fabrica de Ferno Velho, e d moim op^hor
qualidade : vende-se no escriptorio An HaaoH Ig-
nacio d? Oliveira & Filho, larjj du Cor|io Santa
numero 19.
Vndese 12 cadeiras e nm pequeao jopfc,
tudo com excedentes assentos ile palinka, en. Tu-
zados e dourados, e com pouco uso, praprios pan
gahini le : na ra das Cruzes n. 12.
No sitio do Toque vendem-se bnas cabra*
paridas ha pouco, e por baixos pregos, por evitar
Inconvenientes que por nenhum outro roe aofVaa
ser removido?,
0 castello de Grasville.
Tr.idmido do franefz pr \. J. C. ta Cm.
Vende-se este belfo romance era qottr
tomos pelo baratissimo preco de 3OOC
ua prara da Independencia. livraria ns.
6 e8.
Yende-se superior cal de Lisboa em pHra
sembarcada hontem da barca Morma, por
do que em outra qualquer pane, aliaajfaate-M
que sao os barr?, maiores nne ha so mereafe: a
tratar ra do Vigario n. 27, depo>iuda no trapi-
che da companoia largo do Corpo Santo.
Emilio Augusto DMouche
30RL'A NOVA
Acaba de receber um grande sortimenlo 4e oea-
los e lunetas para vistas ran.-adas mjr.re>; bi-
nculos de todas as qualidade*, radeis de aro fct-
leadas de ouro c mullos ..utros nnprio* ; m mc*m*
casa faz qualquer cuncerlo de rel'ifw moil-j em
conta e com brevidade.
-" A ttencao
Precisa-se alugar uma preta que seja boa
ra das
qoeni inleressar possa na provincia do Ceari. engommadeira e cozinhe, sem vicios : na ra
Em nome de meu pai o Sr. Camillo da Silvera Cruzes n. 36, primeiro andar : pagase bem.__
Rorges Tavora Indgena e de minha mi D. Mara Todas as pessoas que devem extracta lirma
| de Sant'Anna da Silvera, protesto contra qualquer de Novaes & Filho fagam favor de mandar pagar
transaeco ou alheiagao feita pelos herdeiros do roa 0 Livramenlo n. 31.
meu fallecido av materno o tenente-coronel Anla-
uio Gomes da Silvera sobre os bens do seu casal,
visto como nao se havendo ainda procedido o res-
pectivo inventarlo e parlilha, nao s por fallecl-
mento do dito meu av, senao tambem pela morte
de sua consorte, meus pais conservam sobre esses
bens direitos nconlestaveis de legitimas, que me
preparo para discutir e liquidar, Igualmente pro-
tesio clara e posllivameote contra as vendas feitas
das grandes propriedades pertencentes quelle ca-
1 sal, sob a denomiuagoFlor de LizLindo Assu-
bem como dos escravos Andr, Ma-
*
i de e outras
Dosmios"n."97Ycom" V'orte de"40U000. noel e todos quantos no mesmo caso se acharem.
E outras multas sortes de 10J, 40, 20 e "eefe 22 de agosto de 180o.
Companhia fidelidade de seguros ^
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEHNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo i C, ^
competentemente autorisados pela direc- ,j
toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
105000.
spossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os desconlos das leisnaCasaj
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2 parte da lotera
O barbare!
Joao Franklin da Silvera Tavora.
A ttencao.
Ao publicom
Acaba d8 sahir do prelo nogoes do systema m-
trico decimal por Jos Antonio Gomes Jnior ; esla
obra contm as precisas tahoas em que as actuaos
medidas de peso, capacdade, extenso, se arham
convertidas ao systema mtrico, comparada a uoi-
O abaixo assignado vendo no hurto de Pernam-
(29-) beneficio das ranillas dos volntanos da buco nm annunci0 d0 agenin Olympio, annuncian-
patria, que se exlrahira quarta fera JU do cor-, tf0 0 |e,.-,0 da casa n 38 do corredor do Hispo,
rente. ___ Vem dec arar que dita casa se acha penhorada por ^""1 _,
PRECO. mi,. An anaxn assienado rnia execucao cor- dade DOVa a aD,,ga- a,,m de lle os c:llpulos no
Bilhetes.. 7*000 ^SoitataS rounWnl 1aTwra^2rtfdo^S MW*iWiM*MfcH*
Meios......3*500 2,5? ZaVa do,s- cedido este trabalho de claros exemplos de conver-
Quartos.....1*900 Joaquim Jorge de Souza. : sao, para que possam ser comprel.endidos por lo
as pessoas que cifraren de 4000000 ; --------------------sorvetiT^------------------
para cima. pe u noras em diante todos os dias nteis: na
Para
Bilhetes.....6o00
Meios......3*750
Quartos.....1*700
Manoel Mabtins Fiuza.
ra da Cruz o. 13.
Antonio Ferreira da Cunha, cidado porto
guez, estabelecido com loja de fazendas a roa do ;
Livramento denla cidade onde morador, tem re- i
solvido d'nra em diante astignar-se Antonio Fer- i
reir da Cunha Lagos, resolocao esta para evitar
qualquer duvida acerca do indicado antigo nome,
por ter lido no Diarto de Pernambuco igual nome |
m
O baeharel
Francisco Augusto da Cosa
ADVOCADO
Ra do Imperador numero 69.
M
das as intelligencias : vende-se a t as livrarias
acadmica e universal, ra do Imperador ; econ-
mica, arco de Santo Antonio; e em casa do autor,
ra do Destino n. 3, onde os compradores do dez
exemplares para cima terao um beneficio na razao
de dez exemplares por cento.
AMA ~
Precisa-se de uma ama que saiba engomrnar e
coser perfetamente, na ra do Quemado n. 44,
segundo andar. Paga-se bem.
- Na praga da Independencia n. 33, loja de our| Dr. Henry Krause mudou sua resi-
de um sent;"oqae foi ipara a Ilha W- Um, eompra-se ouro, prata, pedras preciosas e dencia da ra da Imperatriz n. 30 para O
do e tambera no ed.tal publcado em dito Diarto Umtiem M ai qualquer obras de etcommenda e 8fthrado orande n i! dpfrnnte da entrada
no da 22 do andante mez relativamente a um pro- 0(Jo e quajquer concert soDrauo granae n. z aeironte aa enuaaa
lesto de nao prescnpgao. Recife 2i de agosto de H '-. ;--------------- para a Estancia, onde pode ser procuiado
1865* ~ Dm* *,ard* de meia ,dade acoslomada ao ^ (lll.irinAr hora rhamirlas nara dnntro
lw>0'____________________________! servico de urna casa de familia, offerece-se, junta qoI)wr ora, cnamaaas para aeriiro
aM sobre LiaJMa rom uma sua tima de 18 annos, escrava, a quem da cidade podem ser entregues na botica
Manoel Ignacio de Oliveira &Filho Aacam sobre Ihe adame a quantia de 300*, para os pagar com do Sr. Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior na
Lisboa : no largo do Corpo Sanio n. til.
Precisa-se de ata bom cozinheiro, na
roa .do Crespo a. .8. ,lqja de 4 portas.
Precisase alugar uma escrava para casa.de
pouca 'raioHia : a tratar na ru,a do Sebo a. j'.
a fa-
os seus servigos por tenpo convenconado;
milia a quem este negocio convier, qutira <
se ra larga do Rosario o. 23, que se dar m
praca da Boa-Vista, na dos Srs. J, C, Bravo
m.ha a quera este negooo conv.er, qotira.dirigir- ^ c. na rua da Madre de Dos, OU no ar-
formages. i mazem de viuva Raymond de G. na rua do
"Precisa-eedetm bom Cozinheiro : a tratar Trapiche Novo das 9 horas da manba al
no sobrado n. 32 da ta da Aiopra. ^ i 01 tarde.
Vende-se a taberna dos quatro cantos da Ra-
Vista n. 1, o norte, bom logar para nrfono e %nm
c mmodos para familia: os pretndeme* p4e tf-
parecer na mema para iratar.
Vende-se urna afearan oa wtfmH >u B-.a-
Vista, pro|>ria para algum priacipnWni por rer eaa
bom lugar, ter pouco fundo e muito alr-gn>-z i U :
informar no raes do Ramos n. 4, armaien.
~ DISSEKT.lClO ~
Sobre o actual govrrna da rrpnilira da
Paraguay,
Seguida da descripciu de C-imhra. m v-.- i
Assucar e outros lugares : dos ktW ile ian4a\ttm>
praticados na provincia de Mallo i Ir. -> por -aa
ordem, da contestago ao seu pretendido dirnio s
parte do territorio da dita provincia da odiraro
dos meios de se Ihe poder fazer a guerra en ta>af-
fronta das atrocidades e insultos coinmcUidos pelos
seus ofliciaes e soldados.
Pelo Dr. Antonio Correa do Coolo.
Vender na livraiia econmica, rua do Uttpo
n. 2 deffronte do arco de S. Antonio.
______________Prego 2*000.______________
Vende-se um rozno muito cantador, qiw ar-
remeda bicudo e oulros passaros : no largo ii Pa-
raiso n. 14._____________________________
Vndese por 1:000* um mualo pcfi annos, perito oflicial de pedreiro com priiiripw 4e
carapina : a tratar no Passeio Publico n. 12.
Admirem o que barato, na rua >la Coror-
dia n. 62, por cima da taberna por itoine Iris-
beira, lem uma porgan de bolinas para utnra
isto perfetamente enfeitadas a 4*, ditas de roarn
de bezouro a 4*500, dllas hrancas da liga a 4S*',
ditas ditas phaotasia a 4*500, corram a ellas .as
esto se acabando e fazenda que se vende a 6*,
65500 eJS-_________________________
Vende-se uma escrava cnoo'a, recothtda,
com 18 annos de idade, que sabe cosiolur, lavar,
engomrnar e coser, habilitada para qualquer ser-
vigo de casa : a tratar na rua da Alegra rasa
junto ao o. 1. ___
Vende-se um sitio em BemhVa a' margem o
Rio Capibaribe, boa casa, com arvoredos : quem
; pretender dirija-se a rua do Imperador n. SI, se-
gundo andar, que achara com quem tratar.
Altenriio (le todas.
Na rua da Cruz u. 13 lem para vender sempre
0 seguinte : doces secco e de calda, jela*. bo-
i nhos, fruclas, flores naluraes e artifiriaes; isaanei
recebe quaesquer encommendas de todo* esles g-
neros e de pa mas (.ara embarque ou planlace>.
Colla da Baha superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azevedo 4
C, no seu escriptorio roa da Cruz a. I.
FlrirW lio Porto
das melhores marcas, em caixinhas de uma dazia
de garrafas para casas particulares, sendo : Lagri-
mas do Douro, Duque do Porto e D. Luiz ; lilil
tem anecretas de dcimo encapadas roa jaftrwr
vinho, barris de 5 e 10* em pipa : na roa do Vi-
Uario o. 19, primeiro andar_________________
Vendem-se sacro com farinha da Ierra coa
20 a 24 eoiai a 2*500 rada um por estar rom pe-
queo toque de avaria : no armazem da raa da
Imperador n. 83. ________________
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
1 i* a lata : nos armazensda ruado Im-
perador d.46 e roa do Trapiche Novoo. 8.
Vendem-se no engenho Megnahipe de bafaa
dous animaes de roda, sendo uma beata a aaa
quarlo castrado.
Vendem-se duas 1-lv "radn aan fcriau
e outra preta, ricamente bordadas a oaro, proprias
para pregador ou vigario : no largo do Pirana-
numero 10.
Vende-se uma casa~cora sitio, laado 4 fur-
tos,.ala na frente e atraz, cozinha fra, cacimba,
tem 41 palmos de frente e CO de fundo, coaa Mat-
as fructeiras : a trat-r na roa da Casa da Daiea-
go n. 11.____________________
Vende-se um muiatinho peca da Mada~9 aav
nos por 550*. um negro de meia Idade bom pata
sitio por 280* : na iravetsa do Caras a. I.
Vende-se uma escrava pega da idaae tfe na-
nos, com orna linda cria, a qual ten T
na travessa do Carmo a. 1.
-z



Diarlo de pcrsaiabuco Segunda tfelta 88 Je Agosto de lsSa.
PILUCAS VEGETAB9
DO
DR. AYER.
N5o ha necessidade mais ge
ral em lodos os paizes do que a
,de um purgante que seja ad
"mesmo tempo innocente, efficaz j
e digno de toda a eontianca.
As pilulas que ora offerece-
mos ao publico preenchem estas
condicoes; pois pdem ser to-
madas pelas pessoas mais fracas
sem perigo algum, nao tendo em
sua composic3o mercurio nem
outro ingrediente nocivo sau-
de, mas sendo composto de a-
gentes vegetaes mui fortes, sao bastante
efficie&tes e activas para puriGcar os corpos
mais robustos.
Estas pilulas exploram e purificam toda
a extensao do canal alimenticios e do vigor
a todas asgpartes do organismo, corrigindo
sua aceito viciada e fazendo recuperar sua
vitalidade.
Um remedio iaestimave? contra dr de
cabera nervosa-, tnxaqueca, priso do ven-
ir, hemorrkoidas, molestias do figadot fe-
bre gastro-hepatica, e todas as molesim,
biliosas qne teem sua origen* no entorpeci-
mento do figado que causa a escassez da
bilis na inflammaco 'este org5o que pro-
duz derramamento da bilis no estomago ou
em um desarranjo -geral dos orgaos diges-
tivos.
A ictericia
producida pela absorpcao da bilis no
sarigas, dando $' pelle e aos olhes urna or
aeaareflenta ; no smente doloroso por
si, porm condur aos mais serios soffrimen-
tos.
Para cura-la oma-se de 1 5 pilulas to-
das asmanhaas, isto bastante para roover-
-o vcr.tre smente al que se recupere a ac-
Co-sa do systema.
M diarr/ien biliosa, iniiigeslo, a mvralgia
oii tic douleureux, silo todas molestias que
tem seu comego n'um desarranjo da bilis.
A observaco dos ductos da bilis faz esta
vol er ao sengue, com que circua dtpois
"vem todo o-corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna.crie innu-
meravel de males.
Todos est.'s incommodos-sao curados com'
as pilulas do Dr. Ayer.
Direcces minuciosas acompcoham cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza deMau-
rer & C, ra Nova n. 48.
AGENCIA CENTRAL
15 Ra Direita 15
RIO DE M.\a;u.
Vende-se em Pernambuco:
na
Ontros objectos.
Vindos tambem para a antiga loja de
miudezas ra do Queimado a. IG.
Sapatinlios deselim branco bordados pa-
ra baptisados.
Oulros de merino tambem bordados e
igualmente bonitas.
Meias de seda, corresponde ti te no tama-
nho dos sapatinhos.
Outras mui (inas de fio da Escossia e
brancas listradas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras e meninas.
Pentes de tartaruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com rcroz prcto e outras cores.
Carleiras com agulbas.
Agulbas francezas, as afamadas.
Caixinhas com allinetes brancos e pretos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos.
Caixas com linlias de novellos grandos
para crochets.
Trancellim de borracha preto, redondo.
Bonitas flvellas grandes de aeo,
douradas, madrcperola e lar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. IB, recebeu um bonito sortimento de
fivellas grandes para cintos, sendo de ac,
douradas, madrcperola e tartaruga, as quaes
"'stao sendo vendidas em dita loja por pre-
cos comniodos; assim como boas e bomias
fitas de gorgorito xchamalotado, proprias pa-
ra di las fivellas.
talos de pcueira e de outras
qualidades, psra qnciu suffre
da vista
A" loja de miudezas ra do Queim.u'o
THESOI'RO DAS II il*.
PROVIDENCIA DAS CRIANQAS.
COLLARESROYER,
ELECTRO-MAGNTICOS,
Chamados collahes anodinos de dexticao contra \
as convulsoes e para facilitur a denticao das
enancas, preparados e inventados por Royer,
pharmaceutieo da Escola superior de Paris, suc
cessor de Chereau, membru da academia de me
dicina, antiga cusa bocim.on-lacranoe, pharma-
ceutico do Imperrdor, chefe dos trabatlios chimi
eos da Escola Polylechnica, director da Escola
ite Pharmacia de I'aris, e mtmbro da Academia
Imperial de Medicina. Rita Saint-Martn, 225',
defronte da ra Chapn, em Pars.
Grande liquidaooa dialieiro* I f III i RfHiVri
Na loja e armazemilo myo. /tUUI-1 Dl/nllU*.
} RIVAL
loja earaenl vavio. *u"^ uiihh, SUME S3EGU.TaSC>
Ra da luipcrateiz n. O deCia- OlICli-as de iDarroquim, com cascareis Raa do tftmfaMtsj tiH. e _*.
Q. l, tambem recebeu oculos de peneira
com vidros claros e cscuros, para quem sof-
fre da vista, assimeomo outros 'de armacSo
de ac, sonidos em graos.
Coreas c tercos de corualiva.
A amiga loja de miudezas a' ra do
Queitsadu n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas-e tercos de ornaltna, os quaes c>ta;3
a drsposiejo dos bons christaes zercia comprar em dita loja: na ra do
Queimado n. 16.
Esponjas finas grandes c pe-
quenas.
Vende-se ^a ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Diversos objectos.
A antiga loja de miudezas ra doQuci-
isado n. 16, acaba de recber muitos di-
versos objectos que fezem completar o seu
bello sortraento, sendo:
Fitas finas de sarja da mais estreita que
ha at a mais larga, todas de vivas e agrada-
r veis cores.
dem tambem de sarja iavrada, de bonitos
' e novos tlesenhos
m
PHARMACIE FRANQAISE
^DEP.MAURER^C'f
i RA NOVA N?
A hyciene 6 a sude.
A saile a vida.
S MAIS.
Quanlas crianzas nao vemos cada dia suecum-
bir as dores da primeira denli^Ao! ? Quanlas an-
ejas e quautos tormentos para as tristes mais, que
vem se arrebatar, depois de tantos cuidados, de
tantas vigas, o ofojeclo querido de sua ternura I ?
Quanlas vez.es nao tem ellas sentido a ioeffleaea ;
dos remedios emprepados, taes como brinquinhos, i
ciiarope de deaticao, etc., cujo duro contacto dos
primeiros irrita as gengivas e cau*a inflammacao
as membranas mucosas o cuja accao milla faiia
desesperagao s mais? Achar um meio fcil de ap-
plicar o fluido elctrico para aliiviar os soffrimen
tos e prevenir as convulsoes, como tambem todos
os accidentes que resultara da primeira deolicao,
tal o tito que livemos em vista alcanzar. "Ha
mudos seculos que se punham no pescoco das
criancas collares de mbar amarello para preser-
va-las e cnra-las de convulsoes, empregava-se pois
desde muito lempo a electricidade medica sera sa
b-lo, pois q->ie o mbar iodo elctrico. E' evi-
dente qne este erteito saudavel repousa sobre a ac-
cjio da electricidade, que solta o mbar esfregado
pelos reovimentos do corpo da enanca. Esla in-
fluencia constante do fluido elctrico, por fraca
que fosse, produzia effeitos curativos proporciona-
dos qaaolia d'electricidade engendrada deste mo-
do. Esta propriedade elctrica de mbar a que
nos temos lido a feliz idea de applicar fabrica-
gao dos collares de denticao, augmentando a inten-
sidade dos effeitos elctricos do mbar por mcio
de fios conductores que distribuem as correales
d'um modo suave e continuo. Mr. llover o in-
ventor de daas especies de collares : Io" dos colla-
res anodinos de mbar electro-magnticos; 2 dos
collares compostos de differentes inetaes cora cor-
reute voltaica. Partindo deste principio de physi-
ca bem conhecido, que a intensidade d'uma cor-
rente galvnica est em razo direita da superficie
dos elementos que eompoem a pilla, os collares
Royer, chamados anodinos eleclro-magneticos de-
siguados e graduados por oito nmeros differentes,
possuem as raesmas propriedades elctricas, com
esta so difftirenca que o effeito curativo esta subor-
dinado ao tamanho dos elementos que os eom-
poem, e por consequencia quantidade limidada
d'electricidefle que engendran), d'onde se segu
que quanla maior superficie apresentam as perolas
ou elementos, tanta maitr quaulia de fluido elc-
trico desprender-se-ha; e por isso que nos acn
seibarnos de preferencia os nmeros fortes.
Estes collares, pela saa disposfcao flexiveis e
porlateis, podem-se por cosstantemente no pscelo
das criamos. Urna rede elctrica cobre sem ces-
sar as partes doridas que sao modificadas lenta-
mente, sem sacudiduras nem commoQoes. e pro-
dnzem urna cura rapide impedtndo as convulsoes,
Assta) arba-se reunido com o antigo procedi-
mento eos collares de mbar a efficacia regular e
segura da electricidade medica. Os collares gal-
vanow.ognclicos de mrlal compik'm-se de peque-
as perolas de (toas rcetaes differentes, traversa-
dos por los conductores
ina & ttilva.
Os dnnos deste estabelecimento tem resolvulo li-
quidar sus fazendas por pre?os baratissiinos,
com o um de apurar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negociara em pequea escala cora fazen-
das, que nauta loja e arraazem cnconlrarao mn
graDde scirtiinc-.to por precoa que muilo Ihes bao
iie agradar, tanio em peca como a retalbo, a
saber :
Cambraias de forro a 2$000.
Vendem-se jiecas de cambraia branca para for-
ro a 25 : na loja rio I'avo ra da Imperatriz n.
60, de Gama A Silva.
Moreanlique bruen
Vende-se superior moreanii<|ue branco par
vestidos de noiva a 25500 o covado, pecbmeba :
na loja do Pavo na ra da Imperatriz
Gama & Silva.
e sem ellrs.
''V: M
Contina a venoVr lodas as ntniu>u>
Na ra do Queimado !^a da Aguia Bran- M^WE+rSEtm a ,
ca n. 8, vendetn-secoileirasde marroqoim,|Eprihos dernttnrasd-uradisaa Jyrj.
pospontadas e com cascaveis, ou em ellos B'-mis de oiiado p.-.n k-ki.^ ( i
proprias para caes e oulros bichinhos. ?'!o> ,ir ''""r" H:!"'li" Ul'r'1'' :
i ra-cu- ruin upi ui'i Mita n -r.* ; ,u
roanasiDglczasdea^oediHiraus. Mn.,,!..- d imiia rr. -. ira i *<** *i*mn.
No novo sortimento de pennas de ac que 15ii|;,!>- *i Vuri, fen-ai !, \.- aM>. kw
a Agota Branca acaba de receber, vieram 1''!''-
tambem outras de metal doorado e bieos ^TuSX^SS
mu: bem acabados, e por essas boas e nc-Unir* de bottea
cessarias qualidades os seos acreditados fa- 6W r$.
brcantes Perry cv C, as recoannendun a };|!" ro :;! ::r!Vel! ',;' ,;n!"' t" *-
entendedores -Q-;o.i,.rt.e -t,. hnm i*.- J*""nOKriorMo.rfA .
bao i
iii ninnuma
ajea a
Jt\ 5
un a is
apreciadores do bom, valen-
a diuerecca que ha no pren-
do mesmo a diflrecca que ha no prepj de
n. 60, de urnas para outras, por que estas se tornam
mais duraveis na ajotiiiuacao de escrever ;
reren tes Com mofo. assim pois quem deltas se quizer utilisar
!Va loja do Pavo a 360 rs. compra-las a dinheiro a vista : na ra do
Veudem-se as mais finas percales com lindissi- Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
mas cores para vestidos de senhoras, tendo um franjas COIII lioflas 0 SPH1 pilas Itftn
pequeo toque de mofo qne larga logo se lave e I,a,M"s """ \ i""1'
hquida-se pelo baratissimo preco de 360 rs. o co-1 COI'llDailOS.
Vad^: Jsl?-S na.loJa,d0 Pav5rua da ,mPeri,triz A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
n.60, de Gama A Silva ment(, ^ franjag b0rlas e sem ellas
Laazinkas a 200 rs
teriara roa '.' .*<.? &%n.
;.ra ''i' l^s de
l'i fas i!e fila branca
Varas di franu de
t) rs.
, Baralhos dourados su. ri' res qi
I Novellos de buha con: \' ; irtfn i
l.ir>s para assentos de milpa lav.^i i: >,
Pares de bolfiea para ponh., latnaali r n
11 iir:.- para cu-;.... > :ipen i ,
WOi \(.
Caixas d pennas de nllwratMn, hua\ j
IKN l.
Ma<- eoni *anertere araansaj a ^fl r .
Pares de sapatoa de tranca t ttajefa 1'
Pai> \e sapaios de irania pajaonaai i *
v-'^'O.
Caixas com sofierior > afnfl ; i'n r-.
Libran de iaa nii,. de bom ... ',' <
i'> r .
!,
.anii ti
.uw..... ^.v ,, (luju.? C'im
O COVailO. para cortinados, todas de novos e bonitos
Na loja do Pavo. desenhos, cuja commodidade do prefo est
Vendem-se laazinnas transparentes para vest- em relariio a largura : aeiam-sy ellas a veo- ,
dos sendo das cores mais modernas que tem vindo a n, ril1 ,|n (1,.ma,illi,,ia Ha ioni-i Oran vs CWB Ml'': n":
ao mercado pelo baratsimo precode 200 rs., ditas aa na ua "0 Unennauo toja da Aguia J>i.in- Bjdinha* comalttneie r.
com palmlnhas de seda a 240 rs. : isto s para li- ca n. 8. a 2o rs.
quidar, assim como liazinhas roogambiqnes com J020 llit bitCiOtci! (11 COriOSO Cntl'CtCtl- ^r'fr;:> ;:'' '';l '"
os mais bonitos padroes a 210 rs.: i;to na loja do Esrnva* r ara roupa, i 71
Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de Gama &! metilo. i>uz, ,,
Silva. Na roa do Queimado loja da Aguia Bian- cooi>
Vestidos indianos a 3$ ,ca n- 8^ acham-se a venda por precos ra-
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos in- zoavtds, caixinhas com tabolas- de madeia,
dianos tendo 7 1|2 varas capa corte sendo lateada quedas diversas pinturas deltas te formato
transparente de novos gostos que servem at para agradaveis visMS e paisagens, segundos
^I^^^^e^f^llbir^^J!!T desenhos qu3 ?.companLam. Na verdade

le un- psn .;.: i!.
DlT7.ia-
Talh-u-:
facas a parfi de ral
nni: i lin i i ..> rrlitn ^
t. s
2'.0'
- por los conductores que formam assim pe-
Iiiem dem brancas. lisas 6 lavradSS, pa- quena.-; Blas voltaicas d'uma forma elegante, porta-
dnos igualmente novos e bonitos. i l'' e fl&sivel. empreados com reliz succosso contra
dem de gorguro de seda achamalotada, lascon.vuls0es' os wwieolis, tosse nervosa, tosse
e muito ncorpadas, para cinto de fivellas e empregam-se
sos.
convulsa, etc.; po^ucm as mesmas propriedades
1 indisractainente 1
j dem de seda preta e de outras cores pa-
~v~", ~-"-----'ra debrnar vestidos, cOileles, palitos, etc.
\ende-se urna parte e um predio no sitio dos 1 Klpm-ip la. .imn.t. enrlMas m eAraa
Arcos, pene da igr^ja dos IWmedios, o qual pro , prio para olaria por tr excellente barro, e as ter-1e Pm a Gs mesmos fins.
ras quasi tedas proprias: a tratar com Joaqun:' Idet de algodo br.tncas e diversas OU- Ifloewwro de gia'-s mSis delamilias, que pela
Jos Goncalves Beltro, roa do Vigario n. 17, es- tras Cies para vestidos de chita isu* lenra a"*ecao exaeram a muido os perigos
dem de borracha toteas e "pretac para 25SSS. ^ em dc,Qitiva uma pera5ao
DA PniUfEMIA DKNTIQ0
E da utthdade dos collares Royer electro-maqneti-
eos f ara faciliar a-empeo dos denles do Me.
Bm poucas palavras ex'plicarei o qne succede
na primeira denticao, fazendo algumas observacoes
co de 35 cada um por terse comprado urna gran-
iie porco: na loja do Pavo rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Si le i as para saias
Pechincha na 'oja do Pavo.
Vende-se a mais fina silezla de algodao fazenda I
inteiramente nova no mercado proprias para saias, |
camisas e roupas para meninos sendo fazenda su-'
perior ao madapoliio franrez e vende-se pelo bara-
to pre^o de 4W) rs, a vara ou a 400 rs. sendo em
peca com cincoenta e tantas varas, isto grande
pechincha : na loja do Pavo rua da Imperatriz n,
60, de Gama & Silva.
Lengos de seda a 1$
Vendetn-se superiores lencos de seda para ho-
mens e senhoras a 15 : na loja do Pavao na rna
da Imperatriz n. 60, de (ama & Silva.
Lengos brancas a 2$.
Vendcra-se duzias de [lencos brancos linos a 23,
ditos finissimos a imltacao de linho com duas bar-
ras sendo uma de cordo e outra matizada fazen-: ^a l0.ia da Aguia Branca acha-sc a venda
ta que sempre se vendeu a 'fi e torra-se a 2>00 0 papel com compoMcSo para dar fin as
a dcnzia, :.?a loJa.do,Pavio Da rua da Imperatriz moscas, sendo O modo do usar facillimo, c 0
b^60, de Gama & Silva I effcil0 effieaz ndhwe 0 pape, e M M
US eSpartlltOS CIO PaVaO fie r n'umprato, e nelle pousando as mos
A 4^ 5^ e 6^. |cas' entristcrem e morrem. Gusta cada fo-
Vendem-se os mais superiores espartilhos com 'ha 40 ris : na rua do Queimado, lojada
esse um deleitavel en retenimento coai n
qual se despe ta a curiosidade, e apura a n-
telligencia. Os apreciadores dlrijam-se
rua do Queimado, a (Jila oja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seiili satisfeitos.
Bonitos cuciles para wnbaras,
A Aguia Branca acaba de receber u no-
vo e lindo sortimenio de enteites os mais
modernos e gostos inteiramente agradaveis,
e como seu louvavel costume os est ven-
dendo baratamente a quem com dinheiro se
dirigir rua do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meas de lia para sentaras.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Mata mosca.
Na loia da Aguia Branca acha-sc a
%

'f
r ; ,-
.-- I .
I .
1
;
Os clenipmos qne
ferro, o iode e a
grao das nrcparacm
seus resnliaiios oi
:..j.aen. I .-. ; |
rita, a
' iginrsa 1^
- [Ii-'OS '''' "o- j -
laes. e os rotatorio:- dos pr '&iei.
qne confirmirio sur. pocersM efEoci.,au ^.
seguintcs afleecSea:
as competentes fitas para apertar polos baratissi-
mos precos de 4$, 5$ e 61 por ter chegado uma
grande porco para a loja do Pavao: rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cambraias de salpicas a 3$.
Aguia B-anca n 8.
Diversos brinquedos e entretenimento
para criancas.
A Aguia Branca na rua do Queimado n.
Vendem-se superiores cambraias francezas cora 8, recebeu diversos brinqtiedos para crian-
salpicos brancos e de cores tendo 8 ift varas cada cas senJo estradas de ferro, barcas e patos
pega pelo barato preco de 3& ditas esconezas com p|pr.rr.n<. annaroibns j moial Innn inh
salpiquinhos mindinhos toda branca a 45 : na lo- eiectr|COS, apparelnos metal, louca p
C*slrr- irslt'-a
(>< tmm'r'-lmm.
. ..
Puprlr.
Ofc-..i .:'r-t -.
4ntao.
Bri-'~ tr'tn
m .
RtMtrfflaM
Mtfrt'r- .. T i
,-, ; -
Vur;nlr. HC '-
criptorio.
Vendem-se
bom : m ver e tZrJ^^Z^^ so*e^rques. vestidos pretos, te.
ADUNAR
;E
Luso-trasileire
PARA 1866.
PFt CASVJBUaO*
Vende-se na livrara econmica >anto ao
de Santo An:.nio,
Vhegaram rcente
mente as sc-guintes :
Aguas mineraes aturaes - ehy. dita de Seltz, dita sulpburosa
das CaUflS da l'ain: a, dia azeda
das F-oraes da liba e S. Miguel,
sendo estas duas eseellentes para
combler as inllamnsaco^s de esto-
mago, da garganta, acias etc.
Cbocolste medicinal lndico, dito fet ruginoso, dito de
bautiilba, dito de familia, dito .pur-
gativo etc. Pasiiluas pulmoicas
inglezjs ctii.tra a tosse, pibuas de
fAlison manir sezOes, ditas da-v.ida
de Thomaz l'arr, ditas depuratiras
e purgantes fa Mr. Debaut, todos
I os preparados de Kemp como ;pi-
I lulas assoearaas, &-ilsa-parritlia de
S:trsiol, peiofi?< de anacanbita de
tBsmp contra tosse?, catbarros,
ashma etc., iuer aromatieo esto-
* macal copos de Quassiapara toc-
I nar em poucos minutos os lqui-
dos amargos e tnicos para o esto-
mago : venda na .rua da Madre.de
eos n. t, botica de Jou da Bravo C.
Os Srs. fabrkantos de pao, bola-
cha, e oonserveiros .eocontraro car-
bonato de amoniaco muito branco e
forte em fiandres, poassa ingleza
refinadas secca. esseacias puras
de limo.dita de bortela pimenla,
dita de Neroli e tintura de carmind
pata corar amendoas ate.; na mes-
ma botica deJ. G. Bravo & C.
ame
. A nir parte de? desarranjos qw sobrevem
Novas e linda? guarnieres para erfeitar Slde tas criancas tem por cansa 4 trabalho da
sootembarques, vestidos pretos, manteletes, prnne,'".a. de",iiio guando o dente faz esforco
ote obras do mxto goSte enmode^ma. \F3StfSttftttJ&
irania de seda OOnrVInlboS, moldes no- hambrea miudo, e em g*ral sobrevem a frouKi-
VOSOmui bonitos. |d** do veotre, e se quando este el timo syrap
dem idem de,odres .tambem Je bonitos [0(Oa n<;8 ,om -aracter violento* mais bem
moldes ^ aprarla-^k e&r^ 'fawavfli 1ue laewoso. Sendo suj:to a compli-
IJOtCa para OS mesmos filis. Sendo pre- : e neoessorio, em quamo durar, por a mais extre-
tos de seda maiones e menores, eafettados *oottnnjdaaiieB$io na sade da erfanca; e!
cora vidrilhos e pendentes e outros de di- l6*** ^e se,.noten ltimos symptoinas qu aca-
versas c-'ires. ibaru^ttcHndicar. ser urgente consultar um me-
Idem .pretos de vanado tambem de sent- fiatee collares
dos tamaitos.
Lojiel9s tic dous vidres eem.aro de aro, iufo
e araruij
ja do Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Tartalana branca a 640 rs.
Vende-se tarlataBa branca muito fina a 640 rs. a
da e porcelana doarada para aimoc e jan-
tar e muitos outros brinquedos de madeira,
que se vetidem baratamente : na rua do
Queimad >, loja da Aguia Branca n 8.
vara ditas de todas as cores a 800 rs. a vara, di- MciaS DPetaS de SCda para SCUil.-rS a
tas de salpico a 15, dita Usa a 800 rs. a vara : na r ..n ..
loja do Pavao na ruada Imperatriz n. 69, de Ga-! """ l'dS O pal*.
ma rv Silva. A Aguia Branca quer acabar com a por-
0 bramante do Pavao. cao de meias pretas de seda para senhoras,
Vende-se superior bramante de linho do melhor e apesar do muito maior pre-,0 que lhe cus-
Frit ;iix.
AMnnta.
CM'troft- ulclrrlria.
Mmnutrm*,
AHeefSea ds uleri.
Sut;r<- ..'c > rr-
:;i" c il*orc3'- n
niiiKIrniif-..
AfT<----i pii:n:'> -r r
|,hihiii-.
Irxlloi) rt'eaaeanac*.
Ga:'i -: sUM.
Perita ri upprlll tic
Vejao se os MIatMi de urwfntm meatt*
e cirunjiea de.10 il novembr? M*);- G
dos kotfitim 4*i&isj*lk fi.0,u;.. tic.
Alem dcspulai de io^mn
gictnma 'le RebiHon, <>.- le ici>< *s
iffuaintenie o Zarope d'iodui'c duplr. '.
nrro e de quinina >!o mi- 1:10 aufor p
pCMOas que bSo goto de -neili .
ma pilular e os mronas. lata xaroj n?o
como o \arope d'iWure de jerru. o incoa*.ansa
de alterar-se c Pcca-se o folbeio qne se d1 de graca f ttsa
dos pbarmaeenttem ileptiilaiiea.
Para-se evitaren) EaUienflnV, exija o coa:
prador em caa frasco de Pilulaa on X.ro.c i
vvendem.-sena.loja do Vi-
gilaaie^TBja do-Crispo n. 7.
A loa de miudezas, ;i rus do Queimado
h. 16, recebeu uralbello sortimento de li>
UMtoa-e octlos de vidros com armago feria de |
j ar;o, bfalo e tartaruga, e os-est vendendo'
, por precos razoaveis: os pret-ndentes diri-
j jam-seaesajlcja na rua do (jueimado n. 16.
(1 Eickas de Hamburgo M
I M todos os,paquetes da Europa -se recebe 5
i destas amiiRas do saopne hnraaso o se. em
I S vendem z troco de pouco lam -e afim ;^5
' ^ deler sempre com-a nona : akjadebar- ]K
,vs '',,airo rua estreita do Bosano n. \ ao p
K -da ipreja.
*!l
m&
aa grad liqnidaca de faiendas e
roupas feitas acionaes isa rua da
Impenrtm.n. -72.
Os proprietwios deste estabelecimento eslas re-
scvidos aiiquidarem porpregos barassimos eara
aparar diufle+rc, vejam :
Chitas fraicacas escuras e claras a 260 o covado
atSiO rs., ditas.-iercalias.220 e 360, muito finac a
4fi*. 440 e500rs. o covado: isto s na loja -de
Guiaaares & Irnjio, rua da Imperatriz n. 72.
Grande sortimento
I decasiliraiao francezas. lindissimos pradCes a 280
as contendi mais m^mXSfSj^"*"** raU,t ,iaa'"
Percales lisas do Pavo. veitrem a qnadra e dirigirem- e rua do
Vendem-se as mais lindas percales de orna s Queimado, loja da Aguia Branca n. 8 Tam-
uS&ZttS&l^ narua ,bem ven,le,;'! f.fl,rancas w f,;ir-c **-:
feto* pura memnas a 2^0 ^t PUC
Vendem-se meias para meninas de lodos os ta- _______________________
manhos a 2J*'J0 rs. a duzia, ditas de seda preta I '
para senhoras a 800 rs. o .par, ditas inftlecas para Rivjll JAITI CKninli
ncmem a oa duzia, isto na loja do Pavo na rua *"'** o^ui sc-jUUuu
da imperatriz n. (iO, de Gama A Silva. Roa do Qoenildo ItS. 49 e )0, loja de
Ceriimiilos,para amas. miudezas de vpi nni-tis MU iiium-
Vendem.sericos cortinados para camas pelo ba- 'laS' e&Ul 'l"
rato preco de-i 1 o par. linos bordados muito rl-1

. :i *:
-"'
.:..
:
ds uronulm :.i Hsmulk ie
'Mirrioii' a todas m oulras
Chevriar ae
.'f.h.'S .-
bismtUh vm\ ega-las antes > om o m.ii
pelos medieos de .. !o*os pa,zrs, para prevenir i
** il'ir.l-i
BwMta.
i, Iralciax. r-t
curar ss
- Iiliii-rbr.-n rhrnnlra
Dianuo ludo liom ebarat*, quem qui- t.?- zer ver e admirar veliam loja do S^mmm
IMlOillIilM. Os primeiros sym tomas d'^sjas f<,;r
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e pautado affeccScsse aunifestlo atrihWiaaaaMi,
a 609 rs. laboriosas, adu:,:e$, aitua'apf.-
fazendarao- '****# depois 4c -ada canaam, mmti
tomafaes, c, mu;tas oca, per espasmos rntw
.f-
w
Ferros para eagommar
sortireeao de -ferros para enfaaamar, encrespar
babador gafse tofla a roupa de^enhora.: na rua
sta se aubando a pechincha.
taatwhas escocezas a 210 rs. o covado.
Laziobas escocezac a 240 rs. o covado.
Liiazinluis escocezac a i-iO rs. o covado.
Lazmhas muito finas a 2&Q, 400 e 440 .rs. o
o par. ----^ ..........-,
eos a 245, colchas de fnslao para cama a oOO e
6J : na loja do Pavao rua da emperatriz n. SO, de
Gama & Silva.
Tiras Aer-adas e -eotrenieios.
Vend ntios por preco baratissimo, na loja do Pavo rua roaas de bo'.oes de louca prateados
da irmieratriz n 60, de Gama ue,s a :{' .'ioc Duzias de penna de ago fazenda boa a 40 rs.
readem-sechales.de merino liso, endo de todas PeCas as rres.e pretos, pej haratis>imo preco de 35580,! p*" ,: fi-
por ba-er fraude porcia : na lora o Pavao, rtia Es2,!a. DlsSimas Para limpar
da loajiecatriz n. 60, de Gama ^- Silva.
Os Jbales do Pavt 2-S50O, 3 4.3AB00
--j__. ., ,. ,- j "Y"8 ae "a de eos estrenas com 10 varas a
Veadem-(.e os melbores baloes de r.rcos amen- 320 rs
finissimas para limpar denles a 240 e
320 rs.
Pulceiras de contas para senhoras a 500 rs.
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidao, traz
vitavelmente, que seja:
MolcMlaa i!e Ogsila.
A lclrrii-1:..
Palpllaru rlr rorarw
Drra > rlaa.
Oaarr
Rtirra < rabreav
imtmrirm t hr*tgm *
ala mrh, r\t.
Os aranulos Chevrier fio ordenados pela*
-- licaes para prevenir essas dive*-
e cu ral as quando nao lomaca s
LOJA DO BEIJA FLOR
Na roa 4% Queimado n. 3.
TfiSko lriuio
vendera gema em p jiara estuque de easas.^'jolos I covado.
Qnos de feito divecscw para ladrilho, aznieijos de! D diversos poatos, lijlos idrados para jiarede do co- isto t na,loja de Gaimanies i Irao, rua da m-
zinba, canos de barro para esgoto, emento em i peratr o Ti,
\ barris de tO arrobas. rande &&&*
, de corles de^eaiMos de barra a 35200 e 35o00
ditos de iaa a -Maria Pa a 55 | de bretaelia de.cdo com 10 varas a 35000, dita de
i madapoln.francw infestado eom 12 jardas a 35200.
Tendo receido um sortimento de bone-: 35500, 45000 e ftsoo, ditas sem ser infestado
1 ca* de cbro, que chamam papai e mami, Com 24 jardas a 55, 05300, 05.75,75300, 85000
COB4 cabel'eira de eachos 'O*000 : -*10 s6 na loja de Guimares & Irmao,
I T^do recebido um variado sortimento de TOdln^^f?rtmento
Quedos para meninos, ^ndo eapadas^^^ rte SSdfries escara aS5300e
II ilg \9&%k%M e8P"l'-ir,las- Pololas, tambores ; dilos USOfl .mus decasemira preta a i&m. 25,^5300
para meninas: apparelbos de almoco e de W ditos de bita a 15*00-15600 e 25.
jamar de porcelana e de metal, porta-licor E* baratsimo.
e faquinbas a 280 rs. o par; e nao atieren- SSfUde Jifodaosiiiiio con 20 jardas a 35808,45
do continuar, rende mais barato do que em |^\ t&^e^,& fi
sas molestias
tempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito gcral era Paris, piarmacia
e em todas as pharmacias de Franca e
estrangeiros.
4>
8
Ai
?#
l4Sr3 4
avariado.
Francez barrica 55000
Fortland dem 85500
m perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland dem 125000
No armazem de Tasso lrmaos caes do'Apollo,
Vende-se
^s
OV.EO 07 ,
FIGADO de BACALHAU
na raa do Vi'ario n. i I, eseriptorio de
Hamos e Silva il Cenro,
Machinas de costura dos fabricantes Grover &
Baker.
Agua Florida de Lamman & Kemp.
Salsa parnlha de Bristol.
Oleo de linhaea era barris.
Cofres de ferro a prora de fogo.
Machinas jara copiar cartas com pertences.
Cera em grnme e em reas.
Vinho do Porto engarrafado e em ancoretas.
Dito Bordeaux.
Uma machiaa para amasear pao da mais nova
nvenso.______________
outra qualquer parle.
Vende-se tiras bordadas de differentes
larguras a 1$, e babados, collainbc* e pu-
nhos para senhora, bordados e abertos de
I renda e lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-se la para bordar de
1 qualidades e de cores claras a 7l a libra, es-
i pernos de columnas de Jacaranda a 25500,
! ditos brancos de diversos tamanhos, caixinhas
J. I para estojos de nava Ibas,
Colheres de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe para
tirar soupa a 20, ditas para cha a 20300,
ditas para soupa a 40200 a duzia: nesta
loja te encontrar sempre um grande e va-
| riado sortimento de miudezas: rua do Quei-
mado n. 63, loja do beija-flor.
nao tem defeito algum : isto t na loja de Guia-
rles & (laHo, rua da imperatriz a. 72.
Roupa feita
Roupa feta
Roupa feita
Grande sortimento de roupa feita que se vende
,. j por precos baratissimos para apurar dinheiro.
s Na ova luja de fazendas de Guimares
irmao.
Rua da Imperatriz n. 'i.
P
^
dades a 2 rs.
,?Pr?r.asS a-f?!L"i'!2S" a 5S*,S 35> su- TD,eiros d *arro, com superior tinta a 100 rs.
penores balees de bramante e miucelna com pecas de cotizo para ve.-iido< fazenda boa a
cauda, sendo ;bastante ^candes a 55, isto na loja 20rs -wh, lazenua ooa a
do Pavao, rua da Imperatriz n. 66, de Gama & Baralhos muia Unos para voltarete a 200 e
*-"va- i 240 rs.
As.caaiisinhas Ao Pavao. Frascos com agua de Florida a 15 e 15280.
jMendem-se as,mais modernas camisinsasbarda- Frascos com superioresbanhas a 300 rs. e 25.
das com manguitos, para senhoras. sendo as mais Fraseos com banca, perm pequeos a ^00 e
modernas que tem vindo ao Mercado a 45800, -di-1 2iSO rs.
Us eom manguitos., .para acabar, a 15 ; ditas pr- Latas eom superior fcanha a 200 rs.
tas.ccm manguitos para luto a J5800 rs., mangui- Frascos de macaca perula muito uno a 200 r
tos e-folinhas pretas a 15, finissimas golinhas de Frascos e garrafinhas com agua de Colonia a
cambraia branca bordada a 500 rs., calcinbar para OO rs.
menina a 640 rs., rosaeiras de \\ a cambraia Frascos grandes com sanerior agua de Colonia a
branca bardada a 15GU0 ; na -loja do Pavao, rua 640 rs. "
da Jrapeatriz n.60, de Gama & Silva. 'Frascos coc superior oleo de baboza a 400 e
Corles de percales, j 30 rs-
fiieos cortes de percale eoo barra, tendo o com-1 C*i"s com Vi frascos de caeiros muito fieos a
petftute asasrerjue a 85, daos de la a Maria Pia a IO0.
6$, ditos de cambraia transparente com barra Sabonees pequeos de bolla a 2i0 rs. e grandes a
bordada a .Iaa a 25 ; isto se rende na loja do Pa- ^20 K-
vao, rna da.Jmperatriz n, CO, de Gama jj Silva. Dazu ** sa bonetes pequeos com heiro a 700 rs.
Agua deflfice superior qualidadea X rs.
Pafetots pretos a G& Caixas eom supjicr p de arroz a 800 rs.
Vendetn-fie superiores paletots saecos de panno frra*ra0* do gul,eriores esencias sanlaJ v outros a
preto, boa fazenda. a 65 ; ditos sobre-casaros a '5200.
12-3, superiores calr-as de casimira de car a 75 e frascos cora essencias para rar noduas de roopa
85, ditas pretas a S, 75 e 85, paletots de me i a a so rs. principaes mdicos dos liospi'aes de
casimira a 5 a 65. ditos de casimira a 10, caicas F"!>s com rheiros de todos os precos a 160,200,, O oleo df rir.tnn nt____.--,_I tmra.
de meia casimira a 45 e 45500, dita* d brn 240 e 320. F M" ULfc"'DE F,GAr> K bacauiao DrOFi-rv
branco de linho e decores, coletes de todas as Fiscos bonitos com cheiros finos a 500 rs. FEnni'G->;oso emprega-se cora os maar r^
qualidades. Todas estas obras se vendem por Dl'1!'a (,e meias muito finas para senhora
preeo muito em conla, s eom o fim de apurar di- 45800.
uheiro : na loja do Pavao, rua da imperatriz n, 60,, oilinhas muito finas para senhora a 200 rs.
de Gama & Silva. Cana* com soldados de chumbo para meninos a
Fazendas raneas na loja do Pavao n i60 1L
uzas de colheres de metal para cha a 800 rs.
:; J?"a' 'Jla.dito para sopa, fazenda boa a 15600.
brum de vestido, com
h
i\0VIIADE
Acaba de chegar de Pars o mais escolhido
i sortimento de folbas artiftciae da roseira, e junta-
menlearraignes : acha-ra a venda na rua For-
mosa n. 20.
Vende-se 40 palmos de terreno na rua da Vende-se um guarda-louca novo de amarello
Concordia : a tratar na rua do Alecrn] n 10, das de raz, por preco pommodo : na rua estreita do
3 hora* s 5 nos das alis. 1 Rosario, loja n, 10.
A 1 O e 105OO.
Leones de osso, ultimo goslo, a 15-
Ceroulas de meia a 15200.
Diitas muito finas a t-V'oo.
S na rua da Cadeia do Recite n.[5
Ferros para eugommar.
Vendem-se caixinhas contendo o mais completo
sortimeto de ferros para engoramar, encrespar ba-
bados, pafos e toda a roupa de senhora.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarogar
Elgodo : na rua da Seniala ova n. 42.
Vende-se um grande sorlimento de madapoloes,; n ,, ameres demelai
chitas, algodozinhos das melbores marcas, ga- i o'' 'i"'V ,l, Va *0*>fa
rantindo-se vender mais barato do qne em outra I Petn l?" para de
qnalquer parte, sendo a dinheiro a vista, na loia do' n ." /SSJ m> rs" .
Pavo, rua da Iraperair n. 60, de Gama 1 Silva. 0,1 "e DlC0s superiores, para acaba.-
Pedras de lousa para menino? a ICO rs.
eo proresso de Chrrrirr, fharnacrara
i'aris, na do raubourg Uaalaurir il.
Este oleo de na catato agradar ti. ,
um saborassucaradoo oni-o que tilo :
nem o goslo, nem o c/ieiro do mku. ,-
jecto de numerosos reblorioa sdeol
mdicos, este mdicamente qup ppjpj M
Franca de um soccesso 13o raro cor., le*
retido, recatado diariuiuentefufc
ajsuccessos as molestias em que se emprea
2 o!eo quando sito acompanhadas e rtih-
dude e aloma.
Venaem-se no Recife em casa de Mi s
Barbeta e Joo da C. Bravo A C.
a GOOe
Chegou pelo ultimo vipor francez um grande e '"s 'ie r naS para 3.Pzes a 3 rs-
riado sortimento dos mais ricos chales pretos de ?iiv% Jl fhoro PT a ,6 r5"
renda, Unto de linho como de seda, tendo entre ?< "k^ '""".'fe? amPas P"" rap a 100 rs.
nta redonda a miurimT TJn. ?',acho.s ""Prldo?, boa fazenda a 500 rs.
Ricos chales pretos de mi'la.
gou pelo ultimo vpor francez um gra__
variado sortimento dos mais ricos chales pretos de r,
renda, Unto de linho como de seda, te '
elles muitos de ponta redonda a imitacao
teleles e muitos com o centro de cor, e
por precos muito em coma por terem sido manda- praljn,'-ftni sllnoPn, ..a n .
dos vir de coota propria pelos donos da loja do pa- l"lTXmJ!FL*,P Cc&D
vao, rua da Imperatriz 0. 60, de Gama & Silva.
Bornouls de renda na leja do pavo.
Acha-se
a venda na hvraria itlIiejUs, na rea d Iw,,r,
flor i na do Sr. Vogueir, innlo ao -.rn. d-
! Antonio ; e na lynoeraphia imparrial aa ru- r
i ireita do Rosario a compilara,, de MU a
IPflIMnta :i -iilmini.-l.o.*. ; -.^._. .
tendente administranlo
a .irreeadari,. e i-ri-
pequenos pretos para calca a
120.
lia A
varas de corda de espartilha i 20 rs.
Novellos francezes com 20 jardas a 40 r.
Pejas de tiras bordadas a 640.
dem cora recortes a 15300, 15800 25 e 25500
Chegaram os mais ricos bornooU do renda ese Frascos com superior oleo babosa 320 rs
vendem por baratissimos precos: na loja e arma- Duzias de meias croas muito fortes e superiores
zera do pavao, ra da Imperalriz n. 60, de Gama 1 35500. >upnores
* 1 Resmas da papel de poso papudo a 2*800 e 45300 tomos ilWW ** "da "emphr
: sacan dos dir.h.iros de orphn dcfnm.K
I tes, heranras renles, legados Se^ nM*i-> km
t s o regiment de cusu* e a lei aera! , {Oes, como tambem todas a*ar*-*< ,<<--4-.
. governo, que a tudo lera explicad.., lanM
I to das obrigacoes inh-rentes r rar?o m hrm-
' tes empregados de jnstica e tarruda, r..n.. ,.- ,ji-
reilos nacionaes e emolamenios qne ', rcW.
Este livro conteodo mais de 700 Bfus eaa 1
I impressSo e bom papel, e pre*lado-se a
de differentes classes, torna-se rer- maarvafcvr!.
cZi


Diarlo de Pcraambnco Segunda leira 8 de Agosto de 8*.

MTlliS BORDADOS
N. 11Ra do QuemadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Fredcrico dos Santos Porto.
Caegon a este estabeteeimeiito ura grande sorlimenio de cortinados bordados para
caTnas fazenda do omito gosto.
Chales de guipu tnuito naos para 22-5, S3f e 305.
Colzas de seda superiores de diversas cores para canas de noivas.
Calcas de lia a seda para cami lambeta de bonitas cores.
Rotonde3 de guipa enfullados eotn u meihor gosto.
Setira de Paris bella [aseada e Moureauti'i'v branco e preto, grosdiaajjle prelo e di cores, paano> pretos de todas
a* (iaalid*des, ditos ames.
Casemira preta e de cores, merino preto, silistrina, bomlmiaas, alpacas pretas, e
lia pret. parlalos.
Halas, saceos e bolgas de tapete, verntz e couro de i& a 11.-5.
Brins de iiabo de cores unos a 18800 a vara.
Chapeos e eh tpalinas de palha de Italia para senhora, manguitos bordador, chapos
de seda para hooiem, chapeos de sol de seda, esaoio d: lmlv\ cambrala da linho, breta-
u'nas, silesias e maltas oatras fazenlas que se voadera pir eotoauioa precos assim como
Esleirs da India para forrar salas
GR4NDES ARX4ZGNS DE PLIliDOs!
)
GENIt OS BARATOS A DINHEIRO
NOS
i do Queinadt n. 7 H 2 i
&l tarabem
jm palea do ('armo o. 9 nnmiziMii l'rogressivo ru
I ((I Guio c Commercio ra do Imperador n. 40,
jj^-JI Principal armazem de molliados.
OS IllOPlU]2TAlir3>S.
Fazetn sciente ao respeitavel publico, e cora especialidade aos senhores de en-
genhos, 1 ivradores e mais pessoas do centro, que paramis facilitar suas compras deli-;
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os scus estabeleci- j
mentos cm um so annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette- \
tnos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os gneros |
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em oatras muitas casas, porm nos nossos eslabelecimentos nao se dar islo
ainda mesmo com prejuizo nosso, qaalquer pessoa poder mandar scus fmulos que
serao tam'.em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas ; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna coma ',
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
alguma que fizer saa despenca em oossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
o
S
O
t
<
2
DE
DE
J. VGNES.
M. 55. RUI DO UPERIDOR X. 55.
i pianosdestaantiga fabrica sio boje as-s eonheeldos para ijue seja necessario insistir sobre a
sua superioridade, vantugense garantas que offrecem aos compradores, ijualidades estas inconlesta-
veis nao elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
saindo um teclado e nnohihismo ijae obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca ralbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feit) ltimamente melhoramentos Importan-
Ussimos para' o clima Ueste paiz ; quanlo s votes, sao melodiosas e flautidas, e por isso muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
I'.izem-se conforme n encommendas, tanto nesta fabrica como na do br. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposiges.
No mesmo esttbelecimento se achara sempre um explenduio e variado sortimenlo de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
pregos conimodose razoaveis.
CONSULTORIO HEDIGO-GIRURGIGO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, IMRTEIRO K OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Eundao 3
O Dr. Lobo Hoscoso d consullas gratnitas aos pobres todos osdias das 7 s 11
horas da manhae, edas O c meia s 8 horas da noite, excep.-ao dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopahica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avolsos, assim como tinturas de varias dymnamisacocs e pelos precos seguintes.
Carteiras de 12 tubos grandes. 1-2,-SOOO
de 24 tubos grandes. 185000
de 36 tubos grandes. 243000
de 48 tudos grandes. 30^000
, de GO tubos grandes. 35000
malqner carteira conforme o pedido que se Gzcr, e
com os remedios
Pr para-se
que se pedir.
Um tubo a\u:>o ou frasco de tintura de meia onca 1 oOOO.
Sendo para cima de 12 custarao os precos establecidos para as carteiras.
lia tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
IIVROS.
A meihor odrada homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathieo do Dr. Ja Ir
dous grandes volumes com diccionario............ 205000
Medicina domestica do Dr. Bering........... 100)0
Repertorio do Dr. Melto Moraes............ 05000
Diccionario do tormos de medicina........... 3;>000
Os remedios deste est-tbelecimento sao por demais conhecidos e dispensam por
la iio de serem notamente rocommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
i letra*, energic is e doradores: ha tudo do meihor que se pode desejar, globos de
va !, I tiro assucar de leite, notaveis pela sui boa conservacSo, tintura dos mais acredi-
ta los o-' ibelecimatos europeos, a mais exacta e acurada preparacSo, e portautoa maior
dem com 4 a 5 ditas a 3.-5200.
dem vasios de todos os tamanhos a 2-3000,
l(J50O,800eG4O rs.
Queijos do 2(5300 a 20500 os mais frescos.
Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
23000 a caada,
dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 13400
a caada.
Azeite doce de Lisboa muito uno a 600 rs.
a garrafa e 43G00 a caada,
jvanteiga ingleza perfeitamente flor chegada
ltimamente no vapor Saladim, de 13
a 13120 a libra e era barril teraba-
mento.
dem franceza muilo nova a 13 a libra, e
em barril ter abatimeuto.
Banha de porco refinada a 6i0 a libra e em
barril ter abatiraento.
Cha uxim de superior qualidade a 23600.
dem perula miudinho a 23700
dem hysson especial qualidade de 23500 a
23600 a libra,
dem preto muilo especial a 23000 e 23*00
a libra,
dem do Rio em latas de 43000 e a 800 a
libra. .
Latas com biscouto' de todas as qualidades
a 13200.
dem da creditada fabrica de Bialo Antonio
(Lisboa) proprias para dar a doentes a
23 e 33 a lata.
Bolaxinha ingleza muito nova a 33500 a bar-
rica e a 240 rs. a libra.
Latas com bolaxinha de soda e oval a 23-
Presunto inglez para fiambre chegado no
ultimo vapor a 800 rs. a libra.
Chouric/)s e paios muito no vos a 900 rs.
a libra.
Gaixas com macarro talharim muito novo a
53000 e 320 a libra.
Aletria branca e amarella a 500 a libra. .
Chocolate portuguez de especial qualidade a
800 a libra,
dem suisso de 800 a 13000 a libra,
dem hespanbol verdadeiro a 19000 a libra
que j vendemos a 13400.
Ooce da casca de goiaba em caixes de 4 e
meia libras seguro a 14800,
dem em caixes pequeos a 700 rs. e de dem Delicias a 13500.
AZEVEDO & FLORES
Ra da Cadcia do Uccife, esquina da Madre de Dos.
baiAni
Os ricos balites de arcos com umita roda para senhoras.
Bales de arcos para meninas de 2 a 12 annos 23 e 23300.
dem de panno para meninas 33 e 33:300.
Chapeos de sol.
Superiores chapos de sol de seda superiores com 12 asteas 93.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, porm maiores 10^.
dem idem com 1G asteas 12$.
Chitag.
Chitas largas soffnveh a 240 rs.
dem melhores a 280 e 300
dem escuras finas a 320 rs.
Tapetes.
Ricos tapetes grandes e pequeos com ricas estampas para sof.
Camisas.
Ha um completo sortimenlo de camisas franezas de 13800 at 5->das ses
Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 400 les variadas qualidades : pregas largas, ditas muidas, peitos defustao e de cores.
a libra, e em barril de 5 arrobas a
103300 a arroba.
Cerveja Bass do fabricante Shlers & Bell a
63500 a duzia e 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 6300O
a duzia e 560 a garrafa,
dem marca H Vicloria Alsope e outras,
muias marcas a 53 a duzia e 500 rs. a
garrafa.
i Sabo primeira qualidade a 220 rs. a libra
e2I0 emcaixa.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
a 180 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabao inglez superior
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 73000,
73500 e 83 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranho 33200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 23600, 23800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 53500 a
xa, de Simas (Jos Furtado).
dem Londrinos a 53, idem.
dem Parasienses a 45500.
Camisas de meia.
Ha grande sortimento.
Cambrala branca.
Lindos e superiores cortes de camnraia com barra a 45.
Superior camnraia bran a para vestidos.
Cambraia para forro.
Cateas.
Calcas de brim pardo superior a 26500.
dem de bonitas e superiores casemiras de cores,
dem de superior brim branco, ha de diversos precos e qualidades.
Mantas para pesclo.
Ricas mantas para pescoco de homcm de linissima seda e de ricos padres.
cai-
s o Balao tem.
Paletos de casemira.
Superiores paletos saceos de casemira.
Paletos.
Finssiimos paletos de alpaka branca a 5:>,
COIiIiETJE0
Cohetes de casemira a 43 e 53.
dem brancos a 2.55U0 e 35.
Saceos para viagem.
Saceos para viagem a 35 e maiores a 63.
A OUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico novs
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas supe sempre ser as mesmas f-
zendas.
ei irga certeza em seus effeitos.
Casa de saud'i pira escravos.
R'cjbe-so escrav.)3 para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
epiracjo. p rao que o aijnuaciante jalga-se suficientemente habilitado.
O iraumenlo o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
; ionando a casi ha mais de quatro annos, hamuias pessoas do cajo conceito S3 nito
p>Je duvidar, qie podett ser consultados por aquellis que desejarem mandar seus
do otes.
Paga-se23 pjr dia durante 60 dias e d'ahi em dianl; 15300.
Asoperacfies seral previam ote ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos pregos
razoaveis que eos! ra pedirroannuncante.
Grande exposi^ao de fa-
zendas.
.me estao a venda, na loja e armazem da Arara,
raa da Imppratriz n. 6, Lourenco Pereira Men-
.s tiuinare.
LAZIXHAS A 2i0 Rs. !
J.AZIN1IAS A 2i R. !
LAZIXHAS A 240 Rs. I I I
Ha um grande sortimenlo de Ifizinlias chineza?,
rhegadas pelo ultimo vapor, sendo fazenda que
esqaer loja vende a ioo rs., est se vendendo.
na loja da Arara pelo diminuto pre^o de 240 rs.
o eovaio.
MADAPOLO COM 2i JARDAS A 4300 I I
MADAPOLO COM 24 JARDAS A 4^500! !!
\ ende-se madapolao com 24 jardas e garautin-
d se que tem 20 varas, pelo barato prono de
' ", ;), 5*000, 6r5000 e 04500.
DRETAXHA DE ROLO COM 10 VARAS
A 2*800.
V^nde-se brelanha de rolo a 2*800 a pega, so
..i tos Guitnaraes.
31AAlOLO ENFESTADO A 3*000, 3^00
E 45000.
MADAPOLAO ENFESTADO A 3*000, 3*500
E 4*000.
Yrnde-se madapolao entestado pelo o barato
' r de 3*. 35500 e 45 a peca.
COLCHAS DAMASCADAS DE FSTAO.
\ nile se as mais inoernas colchas de fuslao,
M4CBIN4S DEPiTENT
de (rabalhar mo para
descarocar aBgodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
0LBA1
Estas machinaj
podem descarocar
^qualquer espe'cii
S?de algodao sen
,.estragar o fici.
i^- sendo bastanu
_ duas pessoas para
o trabalho; pds
descarocar ama
arroba de algo-
dao em earocc
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 3 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodao
limpo. por dia; e motores para mover urna, duas,
tei lo de todas as cores a 5*500, ditas grandes a m*w dessas machinas.
*!i0, ditns de damasco a 1*000, ditas oe chita a mesmos tem para vender um bellissimo va-
2*240 e 1*900, Islo ?6 por acabar, na loja e ar- por que pode fazer mover seis destas machinaj
n.zim da Arara n. 50. Mendes Guimaraes. mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
no arma>
nova n.47.
.: ,.' ni u,i /tim ii. ou, minus uiiiniaraes. mvuuaj yaia u juc uuuviua-
CHITAS FRANCEZAS A 240, 260, 280 E 300 Rs. agricultores a virem ver e exainina-Io
AS FRANl.EZAS A 240,2-0,280, 300 E wm de algodao, no largo da ponte nov
320 Rs. O COVADO.
CHITAS IXGLEZAS A 200 E 220 Rs. O COVADO.
V(" Je-se cambraias brancas de salpicos a 4*500
a ppfa, (ambem ha um grande sortimento de cam-
. brancas que te vendem a 3*, 3*500, 4*,
w*. e 7* a pera.
CHALES DE MERINO A 25000.
I. neos de cambraia com barra de coras a 1*800
a ducia, dilos de dita branco a 2* e a 2*00 a du-
na, Mandes Guimaraes.
CAICAS DE BRIM DE UNHU.
Vonde-se calcas de brim de linjio a 35400,
2*600e 450CO, "dilas de algodao a 2*, s Mendes
Guimaraes.
.- ulambarqnes de cures, vende-se muito barato,
ditos ;;rusileiiaple preto, capas pretas vista se
tara neco.
I'ALITO-S DE ALPACA BRANCA A 4*50(1
'AUTOS DE BRIM DE LINHO A 5*000.
ntremelos transparentes a 800 rs. ditos tapado
dilos para babadoa 1*000 cada una tira.
ROUPAS FEITAS.
ROl'PAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se um sortimento de roupas eitas de
i a< qualidades, i|ue a vsla se far prefo, e
i'..u..s iiiuiias mais hieodas que se dixam de
lacer, ra da Imperatriz n. 50, Mendes Gui-
raaras.
Vi-i,;J.;-se urna cadwrinba de arruar tuda for-
rad Je seda, e em boro estado : a tratar na loja
n,. da ru ; lo Queimado.
Saanders Brothers & C.
IV. II, praca do Corpo Manto
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
1/ C4S, VI0R03 E
CHRYSTAES.
A loja de lauca da ra do Crespo n. 16 tem para
vender quantidde de azulejos de lindas e variadas
cores, assim como loucas de lodas as qualidades,
de bonitas pintoras e gosto moderno, ricos appare-
Ihos de porcelanas brancas douradas e de cores,
vidros de todas as qualidades, inclusive finissimo
cbrystal, dilicados jarros de chrystal e porcelana
para flores, liguras e oulros muitos objectos de fl-
nissima porcelana denominada biscuito para en-
feites de mesas, etc., guarnicoes de linissima por-
celana branca douradas e de cores para lavatorios
e tateles, tudo du meihor gosto, pinnas de louca e
vasos para j.irdim, candieiros de lamparinas para
gaz, globos e chamineis de vidro, boccaes e todos
os mais Robrecelentes para os mesmos, gaz liquido
de superior qualidade, e muitos oulros artigos que
seria enladonho mencionar, ludo por precos mui-
i-.-wii.'s razoaveis.
Cal de Lisboa
a granel a 1*500 por urna barrica: na ra do Vi-
gario u. 19, primeiro andar.
50 para cima, a 640.
dem secco em hcelas ricamente enfulladas,
contendo pera, pesego, araeixa, rainba.
e outras frutas a 3,5000 cada urna.
(dem em calda em latas feixadas hermtica-
mente muilo bem enfitadas, contendo,
pera, pesego, ameixas e oulras fruas a
640 c 700 a lata, tambem temos latas
grandes a I#200,
\larmclada dos melhores fabricantes, em la-
tas de2$000a Ij200.
dem em latas de 1 i\-2 libra a 1$.
dem em latas de 1 libra a 040 rs.
Ervilhas em latas chegadas neste ultimo va-
por a 700 e de o" para cima a 040 rs.
Feijo verde ou carrapato em latas ja pre-
parado a 040 rs.
Ameixas cm frascos de vidro a l^OO.
dem em caixinhas ricamente enfitadas de
z-200 a 23300.
Conservas Mexide muito novas a 700 rs. o
frasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
Molho inglez a 040 rs. o frasco com rolha
de viilro.
Mostarda em p a 700 rs. o frasco.
Idem j preparada a 320 rs.
Latas com massa de tomate de i libra a
600 rs.
Idem em latas de 1 1|2 libra a 900 rs.
Vinhos em garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pa, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 1$ a garrafa e 95 a 125 a duzia.
dem Palmella a 1$ a garrafa e 115000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 25800 a 35300 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 215 a
ancoreta.
dem branco expecial qualidade proprio para
missa a 560 rs. a garrafa e 45 a caada.
Idem mais baixo a 400 rs a garrafa e 35500
a caada.
dem do Porto especial qualidade a 800 rs.
a garrafa e 55500 a caada.
dem Bordeaux em caixas a 75 e 700 rs. a
garrafa.
Champanha a meihor do mercado viada de
nossa encommenda a 305 o gigo.
dem mais baixa de 185 a 205 e 15500 e
35 a garrafa.
Licores portuguezes e francezes a 15000 e
15500 a garrafa.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 15300 a
garrafa.
dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
(Jenebra de laranja ver.ladeira a 115 a du-
zia e 15 o frasco.
dem de Hollanda verdadeira a 65 a fras-
queira e 600 o frasco.
dem de Hamburn'0 a 55500 a frasqueira.
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o frasco.
Garrafes com genebra de Hollanda com 24
garrafas a 85, com garrafao.
dem com 14 a 15 garrafas a 65.
AVI*AM
GREGORIO PAES DO AMARAL & C.
| que receberam pelo ultimo paquete.
O 91:11$ MICO SOMTIMEMTO
DE
GUIPURE
manufacturado em
Grandes chale granadme
Bornus
Rotondos
Treanon
Pampadour
Wateau
dem Traviata do Rio a 35300.
dem varetas de Manuel Peixoto da Silva
Netlo a 35500 e 15^00 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 15300
a meia caixa e 55200 a caixa.
dem mececipes a 15700 a meia caixa e
35000 a caixa do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 15800 a meia
caixa e 3.5 iOO a caixa.
dem jovens de Castanbo & Filho a 25400!
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 15^00 a meia!
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-'
tes.
Passas muito novas a 15300 o quarto e 5-5
a caixa de urna arroba hespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposicao de.
comer a 15500 a garrafa e 145000 a1
caixa. I
Alpisla muito novo a 35800 arroba e 140,
a libra.
Painco a 15000 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas j preparado a 15200 a lata
e em porco 15000.
Sardinhas de Nantos a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmicete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 105000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 15800 e a 400 rs. a gar-! pretos, brancos e de cores; magniOeos desenbos, de gosto modernissimo.
rafa.
Balaios do Porto muilo grandes proprios
para guardar roupa suja a 25300, 35000
e 45000.
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 45000 arroba e 140
a libra.
Farinda do MaranhSo muito alva e nova a
240 a libra.
Savadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muilo nova a 140 a libra e 45000
arroba.
Caixas com estrelinha, rodinha e pevide a
400 a libra. i
Alhos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 15000.
Gravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Ervadoce idem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papelgreve a 45200 a resma,
dem izo a 45000.
dem de pezo a 35000.
Idem de embrulho marca grande a 15200 e
15300.
dem azul para botica a 25000.
Copos lapidados a 55300 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 ]e
160 cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 15500 a libra, cm porcao ter
abati ment.
MARA ANT01NETA
Vestidos de GRANDE TOILETTE. Fazenda prefervel pelo brilho e jrwio, a
reantique ou grosdenaples. Barras e laco bordados a f oco e vidrilhos, sem depeade-
tem de modista para os fazer, visto trazerem o corte debuxado.
a MMmi
amm& 1
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 45000 a sacca.
Glac-royal, em pegas com listras de seda primoramente bordadas oa matizadas,
fazenda inteiramente nova de bonito effeito, para partidas, soirs, thealros, passeios, etc.
DOUBLES CAPAS
e SOBRETODOS de panno mesclado (imperraiavel) vindo no ultimo vapor
De um s panno
Colchas de damasco de seda portugueza, de todas as cores
GRAVATAS, MANTAS
decores, muilo bonitos padresa 500 ris.
BONETS de palha ricamente enfei lados para senhora
CHAPEOS
CHAPELINAS
ENFEITES
Costantes de fuslo eofeitados para enancas
E innmeros objectos de modas recebidos directamente po'r todos os paquetes t
escolhidos caprichosamente dos mais modernos gostos da Europa.
i/i:\ 1* para iiomu.
Casimiras modernas de quadros, panno pretos e de todas as cores, brins, sobre-
casacas, palitos, calcas, coletes, camisas, ceroulas, lencos, meias, etc.
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
1a m si
wmmm mmsmmrnwmt
*umo da Baha para
Farinha.
Vende-se farinha de mandioca muito nova, sac-
ros grandes a 4 : no armazem de farinha da pon.
te nova dos Srs. Tasso Irmaos, para porcoes, na
ra da Mari re de Dos ns. 5 e 9.
Potassa da Eussia
muito nova e superior : vende-se no escriptorio
de Manoel Ignacio de Olivcira & Filho, largo do
Corpo SaDlo n. 19
charutos.
Vende-se fumo superior de lodas as qua-
lidades, a retalno e por atacado e por
preco commodo : no Kecife roa da
Cacimba n. i.
Vende se a fabrica de charatos do pateo do
Terco n. 2 : a tratar na mesma com seu dono.
Vende-se o eogenho Juodiany, emt tapas
! distante da ridade do Natal, proritii lw
! Grande do Norte, moente e corrale, coa SO na-
tivos, 20 bois e 20 beslas ; assim romo tvrnos
lotes de Ierra, propria para a callan 4b .
i mandioca, e mais dnas fazendas de gado i
gi e Ceara-meirim, na mesma provincia, cojas'
das se effeclaaro a prasos, mediaale boas I
quem pretender dirjase aquella prometa a >rav
tar com Fabricio & C
Vende-se ama ptima eserara mora i* a
figura : a tratar na raa da Cadete a. t, loja *
relojoeiro.
V
Fl UBI 1 nn \


f
Diarlo de Peraambaeo Segunda felra 8 de Agosto de tse*.

.
NOVO GERENTE
A PUBLICO
fJem o menor constran-
gimento se entregara
importe do genero
nao agradar.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
RESPEITWWL PUBLICO,
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 ura magnifico sortimento .'de molhados,
que sendo em sua maxim i parte mandados vir directamente do estrangciro"'podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e intercssante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm affiancar, com toda a seguranza de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidad no peso.
3/ Sinceridade nos precos.
ATTENQ&O
Os presos da segulute
tabella 6 para todos, po-
dendo asslm servir de toa-
se para o ajuste de comas
com os portadores.
A LEGITIMA
uiufiimu
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Concelco)
PARA BEM DE TODOS.
PREMIABA U^CA^rn; ?r;
LAMAN k KEIP.
i
NOVA YOEK.
Senhore choras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que todo a nromni iriSn a tntri.
ezacom que serao trar.<1>^ .-onvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteccao e nrefornria na t m
-ra dos gneros que precisara* e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, anda que estes seiam nnrn SSZ
rois ser3o tobem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaeao, afim de que novSo em
Ma|DlSSaJ g,eza *Pehcalcente.escc,lllidfa Ug!* K?S .e ,all,arim a ioo rs. a li-ISal refinado em frascos de vidrocom lampa ]]ma' usacla **+&** -
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril sefaz bra e 6,000 a caua. do mesmn a ^ T,tMOCom taml)a, vis militares n ,1.-, m.rinh* ae L.;;:
Massapara sopa : estrelinha, pevide e rodi-
abatimento.
Idemfrancezaa mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 90 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
As pessoas que por sua posico social gozara de certo tratamento, acharao nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
to bem?eUrv.rr ^ *** ^'^ d fre8UeZ' e"C deVe Cntar qU6 "* Sempr6 mU" Ide"m^son muito superior em latas de 15
Aquelles que slo pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de l jtfj0 proPrio Para neocio a 2>000
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, aman-'^em ,y naPonal pm lata, dp *.
te.ga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-1 bras a 1 r?nn S
dem ou nao querem vender. i Iflom ",'" \z' ,, A
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes on centro, que comprara para ne- j"SroTooo e a aff S **
Para os senhorvs que comprara para tornar a vender existe um sortimento pe- Chonrip^A mfni a ftS r a Kfcn
cial, eacolbido por pessoa entendida que certamente muito deve agr Jar aos senhores Costellei^^Sas a 6fVl. libra, serve
Composla de substancias, p ur., de
propriedades eminentemente dtpsraii'
approvada pelas jumas e arad* ta<
nha branca ouamarella a 64o rs.a libra e
3,ooo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
mesmo, a >oo rs. r~;vis militares e da marinlia as Anilinas e
Cerveja branca das marcas mais acreditadas continente americano ; receilada
que vem ao mercado, a 000, 56o e 64o J ta,ivos os mais Jislinctos do inipe
a garrafa, e 5,800,6,000 e 6,5oo a du- Brasi1 c da America hespnnlif!
oFooos1"'em anCretaS fi &,canad'asa!^vdinha de Franca muito nova, a2oors. escrophulas, rbeumaSofSSJo. .
Vinho emL. Portft Fi^nPir, p i hA.- 5U ?S -aTamado fabricanle Jos Furia- i fermidades venreas e mercara
sboaa- do de Simas, das seguintes qualidades: amigas, morpbea e todas as.....;.
Mposicao Normal de Ha vana, Imperiaes, I venientes d'um estado \ icioso d.> cingue.
_:0_."0?.' G,,aria'ja5, Pnrisiensc?, Sus-j. Emquanto existem varias imitaras
compradores.
Nao 1
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DLVHEIRO A VISTA:
pop* rife*. ,e deiw de ^..^^rn^l^SCX^
pora 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,000 e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellcnte quali-
dade a loo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,5oo.
Vinho branco para missaemcaixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Itainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,000,10,000, I
12,ooo e lo.ooo a caixa com 1 duzia e9oo,
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a!
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas era latas de todos os ta-
manhos.
dem dem em potes de lodos os tamanhos.
dem idem era bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem era frascos de todos os tama-
nhos.
Azote doce de primeira qualiJade a 560 rs.
a garrafa.
Aliios a 200 rs. o molho.
Absvxtho a 25000 a garrafa.
B
BOLACIIINIIAS do Beato Antonio em latas
grandes o pequeas,
dem do Principe Alberto a 15800 a lata, e
de cinco para cima a 15700.
dem de so la era latas grandes a 2-5000 e
de cinco para cima a 1.5800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
15200, 15250e15300.
Bolo franeez em caixinbas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banha de poico refinada.
e
CHOCOLATE franeez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Choliucas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porciio
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao mu i lo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orcbala, etc., ele.
Chicaras e pires a 15^00 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, cera duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposicjo,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panctellos, Apraziveis, Vrelas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, liuxiin, aljfar, prelo, e
preto pona branca, etc., etc., a 25000,
252'0,2)560 e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, 45 e 55.
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada dem prato a 800 rs. a libra, e inteiro se faz
urna. I abatimento.
It j dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezasj preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
KIRSGJI de Wasser a 2? a garrafa.
I LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letuia a 400 rs. a libra.
11
: Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.! ra mimo a 64o rs.
; Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo | Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimoa3,ooors.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
b,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, .Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,000,2,000
3,000 a caixa.
opnac inglcz das melhores marcas, a 800 e
I,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a 1,80o o cento e 1,2oo soltas.
Pablos do gaz a 2,2oo a grosa.
Bolachinhas de soda em latas de diversas Toucinbo de Lisboa muito novo a 32o rs a
qualidades a 1,3oo rs. libra e 8,5oo a arroba.
Cartoes com bolo francezmuilo propriospa- Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
l.ooo c l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas mulo novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira i rs. a duzia.
qualidade a 15, a libra. ] dem idem para vinho a24ors.,e 2,4oo rs.
Mabmelada dos mais acreditados fabricantes. I a duzia.
MacarrAo e talharim a 320 rs. a libra.
Maesa de tomate a 6C0 rs. a lata.
.Mostarda ingleza a 800 rs. 0 frasco.
M01.uo i.ngi.ez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a .
Maesas finas para sepa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Miliio painco c alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
H
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEINE em posta, latas grandes, a 15COO, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, parg, salmao, pescado e
pescad nha, Iinguado, sardnha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparado.
Palitos para denies a 120 rs. 0 mago muilo
grande.
Passas era quarto a 15400.
dem muilo novas a 400 rs. a libra.
Pomada muilo nova a 280 rs. a duzia.
Q
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 600 rs. a libra.'
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTIMIAS OU MORINQCES a
II
RAPE' Meuron a 15 a libra.
dem Princeza do Rio a 15200 a libra.
dem franeez a 25500 a libra.
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
fiz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal era latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 500 rs.
T
Chocolate franeez he^panhol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oors. a libra.
a libra.
Figos de comadre a 2o rs. a libra.
Amendoas de casca mole
a 4oo rs. alibra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranbo muilo alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e 1.800 o frasco.
Espermacete supenor a 600 e 64o rs. a h- Milo de amendoas a 5oo rs. | Caixinbas com fructas em doce secco de di-
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo! versos tamanhos, muilo proprias para
Peixe em posta era atas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-' mimo, a 1,0oo, 2.O00 e 3,5oo cada urna
eradas c das melhores qualidades de pe- bras por2,5oors. Rubos, excellenie peixe portuguez, era
v \ a' '00(! e ,'2o rSl ,. Ameixas francezns em fiasco de vic'ro com barris pequeos ou a relalho, a vista se
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a 155oo. far o preco
das que vera ao nosso mercado a 7,oooe. Ameixas franc zas em caixinbas de diversos: Azeitonas de Rivaseraancoretas grandes de
>4oe 7oo res agar-, tamanhos com bonitas estn pas na ca-, 8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,000 Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. \ g00 ca(ia Uma ancorela.
Azeitedoce refinado hespanholou portuguez, Champagne da melhor qualidade que vem
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo 24,000 e 26,ooo o gigo.
o gigo com 3<> libra*. Gomma de engommar muito alva a 12o rs
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco e a libra.
8,5oo a duzia. Figos em sextinbas a 80 rs, cada uma e 72o
rs. a duzia.
falsificacos, e preciso a maior cautela 1 :ra
evitar os engaos,
A legitima salsa de Brislol tode-*
CAORS 6 BARBOZA
JOAO DA C. BRAVO (..
Joo da C. Bravo & ;.
Deposito ceral em NfMMtwan
Cruz D.22 em casa de Caros Bar
r
a
::-'.:-.">,>----------
ESGS170S mu
Escravo fdgido.
Aioda esia Ungido oescravo Mam !. atmk
rula, estatura rppuinr, cihar efpaaotfo, Uiaa*-
Ihe dous denles u frente e e inda nu^c.. Veio,
ha poneos ra aqu; julga-sc andar pela ra da Louurdia. 5*-
10 Amaro, Olnda, Bel ribe oa B Mli: -ioe o
pegar condoza o ra da Madre d Den.- a. 32.
que ser liem reoof!ip>r;-:sdo.
Xo dia l'J do cornicj ma V |nili~r>w
lou-se de casa do lachar. I Joo Anluniode A.-.a
jo Frc-ilas Hennque.-, morador na ra da AMMi
nesta capilai, nm seo aaerava ari< ano por ncm
Caetano, o qual m.-i r de "i) tmm, ratp
tura regulares, Lem preto, ps penueio, nie,K
gente, sem lanhos rom nureaa m ra U, levoo ves-
tido camisa de maL'apolo, caica ''e Irira pa.do e
chapeo nh^i nesta n:e>ma cidade, on ler B*jid* para a ro-
marca de Ciatin. onde tem cor.h. < in>enlo<: nitm
o pegar e o enlngar ao cu MiredUo -.,.r.' --i..
generosamente recompensad .
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conia certa. y
Frasqueirasde genebra de Ilcjllanda a 6,800
e 64o rs. o frasco. 7
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a 1,ooo e H,ooors. a frasqueira.
Caf do Ro de Ia qualidade a 28o rs. ali-
^ bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Ccar muito superior a 24o rs. a li- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maralo de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
rb<''- 400 rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 1,000a | Lentilbas francezas. excellcnte legume para
arr0Da- sopa, a 2oo rs. a libra.
Massadetomafesdesnperiorqualidadea64o Marrasquino de Zara propriamonte dito a
rs. a lata de uma libra e 56o rs. a reta- 15 a garrafa e 11 ,noo a duzia.
"l0- 'Palitos de denle a 14o rs. o maco.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
os, por diversos preces.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a i,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco ja engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
.,Jn1C"?B-i)arat0J-ela raz5 de narlr para a Europa, todas as chimieas que se empresam hoje na photographia, e bem a-sim excellente na-
f5L'JbJ"ninJd. T"" WWI apparelhos, sendo das principacs fabricas : na ruada Cadeia do Recife n. corarmazem dalExTjS* de' Londres,
de Thomaz Teixeira Bastos.
TOUCINIIO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOS!!!
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a I;> e 1#500 rs. a garrafa. Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
Cigariios do Rio, paraos, a 80 rs. o maco I rafa; d vida aos velbos.
de cinco macinuos. Velho secco a 25 a garrafa.
_ Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
DOCES de todas as qualidades: brasileiros, ?uq,,e do Porto verdadeiro a 20 a garrafa,
portuguezes, inglezes, franeczes, etc. etc. ffiff !','*& el,500 a garrafa.
D. Luiz a 15 agarrafa.

ja
8I|iisP
"S S w a G. f>
5-2 &.S Si5 .J^ SaD
* L g-.
_ M S "3 ^7
C6 1
CD

^|3r3.ii&FsC
a 2 & ;=_ S.fi ? o g" o- "
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
brvadoce a 400 rs. a libra.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 2J a gar-
rafa.
Carcavelos a li?.
; Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120! nho. -que,se Pde beber Por d3 ter com-
rs. alibra. L PpsiCao alguma.
dem de araruta a 320, 400,500 e 800 rs. nt1crne a8(J rs' ac^rrafa-
Figos de comadre a rs. a libra. 15>rdeacax :M?.doc a r|i 8*f*- .
FhiAo verde em latas a 600 rs. IIdem Ju^e8n a m; 800 e !* a ?arrafa-
Favas em latas a 500 rs. bsyuhaaaU a gar,rafa-
Fumo do Rio a 500 rs. a libra. *\TSch a ,2* a garrafa.
dem americano cm latas a If 500 1 ^rmouulh a 25',e.a ca,x\a m-
v 1 Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Farello ha sempre em deposito de 500 a j Vinho tigueira em ancoreta a 200.
800 saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. casada.
TttiXtt (6 ferro Cainngas finos e brfnquedos
Qoem pretender comprar a taiza de ferro coado' Lhegarara Prrata"Tojfd*l,mIr!dezs da ra do
fZJI M^S^^tasrMestaI0.de Queimado n. 69, os mais Anos e lindos calungas
Frexetras, pode entender-se com o Sr. Sena Santos lant0 para brmqaedo de meninos como para cima
no sea engrano Frexeiras, ou na ra do Impera- de mesa : na mesmaloja se encontrar bom sor-
dor n. 42.
aBSS.gS.g.aa S S?
o 3 o" B a. S-ao "_ => S
S -2, 9 2 2 ff -
C6
Si
S"ii.
ai "J
>a as o
a 9
3
03
03

o 5
w p B
3

s
2.
o
ao
o
3
3"?
e>
es
O
O
03
3t

B3 L____i
R
o
p
O
Gratificado de 100^000.
Fngio dos abaixo mgntm m t I de
Janeiro do correnle amo, osen 111 on> ijg
nomc Jos com os si^n;us fefMl
bra escuro, cabello carapnbo, MH -
xa, cheio do corpo, ps larg > f;iz nm; -
to as peritas quando am! barbado, e tem urna cicatriz beaa \\.-\\. I rn
um lado do qucixo, e entra Im p
nasr.adegas, proveniente de sorra 1. -
cravo cempramos junio e cairo ao
capit) Silvino Goilbero}i 1!" B ;
Sr. os bavia eomprado ao Sr. i< k Cal
morador em Nataretb. Consta-no! este
escravo filho do Brejo da Madre de II
acode cafado e tem albos, tendo-lbc m r-
rido ullimamenle arntilr: pnrtaMe rega-
mos a odas ai antoridadei poticiaei 1 /oa
captnraj e a qnalqner partirobf sigr-tiS-
cai com a qaantia de I0( .em
seus senhores nesta prafa, na da impera-
triz, relinario 11. 'i(.
Luiz da SM Verrclr'! C:
Desappareeen lia t"> Am i c { *.
nhor uma [reta de sarao A1 \ k dea rre M.^ria.
idade, pomo mais ou /iitnos, ,"o anana, atan i
guiar, tem uma dor proiMna a i nnaeca de un
do.* bracos, que aparrndose n< lie. tila 9m
levou ve.-tido de rirado branco cok tkai
xos, gala de alftodnuinbo, raatfs 11 ,2*1-
da : rofta-se a pesfoa cu arto:' ,, fmm,
a conduzaa'ruade fanla Cecilia n. 1^. que ant
ura' graiiiicado generosamente.
i
iltenc
::
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120libras a 40,405O# e 50 ; no grande armazem da Liga.
't-PSS&Jl


PECHINCHA SEM IGUA
Madapolao muito fino com pequea toque de avaria, por preco que admira : na loia
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos & C.
Vende se a casa da roa do Alecrim n. 4, em
chaos proprios com 2 galas e 5 quartos, cosinha
fora e terrado, quintal e {cacimba, 3 janellas de
frente e 1 porta, corredor ao lado, teda a casa
.Iluminada a gaz : a tratar na meama ra o. 2.
timento de mindeaaa.
Lavas de pellica.
Receben pelo ultimo vapor Jindas lavas de pelli-
ca de cores e brancas para homem e senhoras : s
quem receben foi o beija-flor, na raa do Queimado
numero 63.
Tasso Irmaos
Vendem no seu armazem roa do
Amorim n. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores Anos sortidos em garrafas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Cbamberlin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.________ _______
Vendem-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem transplantadas: no sillo murado es-
querda, depois :do becco do Espinheiro. nos Af-
flicto.
Attentfio o barateiro de ob-
jectos chegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous grandes lustres de vidro finos !*,'gpalotsJJalpac? br,aDCa a**800. ditos pretos
com 21 luzes, do melhor gosto e por preco razoa- ? T ? J*w, d'los de alpaca de cordao a 45. e
vol; assira como apparelhos para cha e para ian- deI"isl.ra "5 ^^ a. 45oOO, ditos sobrecasacos a Si,
tar.braneos e de cores differenles ; ditos>de por-1 PaIelotiKde casemira a U, 5*500, 6, U e 9*,
celana dourados e pintados e brancos; apparelhos o0Ss^reecfacos pret0/* 12*>1 e 16*>dilos fi"
parajanlar de porcelana branca; tamnem se ven- f ?r T eore8na.12ft.,,M fraques a 14*
dem em pegas separadas, como os freguezes qui- Pale.lots de 8anga a M, 2o00 e 2, ditos de.brim
zerem, compoleiras lapidadas para doce, clices KnTi lTfrAd o i-'-S W.*^ panno
para vinho, ditos para champagne, copos para agua pret0, fino a ** 25600' 3<3o0 o. 4*500 5 e. 6* o
Acham-se tupidos os (aeraros un : B^ntc,
mulato, idade de io annos, eab I ido, ?f m
barba, denles um pouco limados, secco d
testa larga, e falla um pouro descansada ; e Luir^
crioulo.j nm peone viho, altnra regular, mo.i
cabelludo, barba com r puns calelios branco, as-
sim como na caneen, corpo reforjado, olhr* ca
lanto pequeos, falla gro?sa e as Teits finge se
ronco : pede-se as aut. ridades policiaes e aos ca-
pites de campo que 0.- iacam apprehender e nm-
duzi-losa' casi de seu sen'ln..r o major Ar.it nio n
Silva Gusmao, que generosamente rcctmreEsara,
c Ihes pagar toda despeza que iz'-r.n m 1 so
conduccao : sunpoe-se que elles Mta ido em ?-
gnimento dos sertoes de Ja provincia, por serm
fillios desses lugares.
Fugionodia 6 de agosto n tmwtm tmmm
denome Tiberio, idade de O a 2,"j annos, nUlmn
baixae com falla de um dos denles de rima. Foi
escravo do Sr. Francisco de Albnqnerque Mara-
nho Cavalcanli : quem o pegar on delle d>r ncti-
cia, queira dirigirse a ra da Cadeia do Recife n.
33, loja de Valle Porto & C, que sera recompen-
sado.
usentou-se no dlaTdo correnle ao nvioda,
da casa da roa do Imperador n. P. o preto Kdimna-
f 1 do, crionlo, cheio do corpo, altura r.jmlar. rosto
: comprido, ulhos pequeos e punca barba, n-a sb
m
>.>>s
sa e bigode, bastante ladino
:o mais ou r
e camisa branca
rila ler >
ilga-se ler
este ecraro foi
Grande sortimento de roupas fei.as elo-\TP!re^
das as qualidades, | prado ao Sr. coronel Galvo, do Limoerro, para on-
Calcas de casemira a 65 e 7,5500, ditas pretas a '
65 e 85, calcas de ganga a 25 ,15800 e 45600,
ditas brancas a 25, brim de linho a 35, 35500 e
e para vinho finos e ordinarios", em caixao e a"re-1 5ovad?' moreami??e&reI..a 2*600 covado. ""os-
talho; lanternas de todas as qualidades de vidro I denapll prel0 a l500' 1*800' 2*- 2*20 e 25500
tic rio .nnhh. ~i___~..:.- n_....._...,'! o covado ; eo-
de se julga tenba fgido, mas ha quem o l _
visto na Passagem da Magdalena, Remedios e Vnr-
zea; e como se desconfia que ovja neootda
protesta-se proceder contra quero o tirer aeolMo,'
e pede-se a quem delle der noticia on o agarrar
que dirija-?e a sobredio casa, ou a roa do Crean*
n. 13, que ser recompensado.
100$
de gratific?. eo.
Fugio do ngenho S. Maiheus (eaUfio Gaanit-
ra) no dia 9 de abril prximo passado, o escravo
Manoel, com os signaes seguintes : cabra
dilas de casquinho inglezas muito finas: candela-' covado i e 0Dlr.as m"'^8 nwis fazendas que se
*- -*.' asase! ascs waraa-s i k^B^
Inos de mesa para jamar ; gigos com apparelhos
annos de
earreiro.
t i*o no
na,MMri s "n'tosjorHnientos de todas m] Vende-se carvao de pedra para ferreiro a engenho Louboem companhia de Onofre (Tn
Z?^t%^KV%'T**%*T^^\m' 5 a tonelada e 300 rs. aarroba: na ru dJ torro, casado, de cor escara, e" IneoSaeVe
pradores que se vendem na ruada Cadeia do Re- Brum n. 76. ao i nhecido do referido Manotl, ha ponen tere Ti
c.fe junte ao arco da Conce.cao n. 64 e na ra----------------------n.fm^_______________ nunciante noticia que unbam aen^Btn a snt
.Nova no grande armazem de louca e vidros junto BiNOCLOS^ ,riz da Varzea com dirS r^riT nnnnnVX
a igreja da Conceigao dos Militares n. 49. M ra Nova n. 50 tero binculos grandes (cha- Francisco : reWmmeLW ? J!gH "
- Vinho do Porto uperior em caira de dnrU Se fn7^uo an?a mui, 'nge,'.das me- riaes e capitaes de campo que appreneadnsn n
mp 5SSI**sP, gn^sr=a: sst aaysa -sSt Kbz

do & C, no seu escriptorio raa da Cruz n. 1.
ra do Imperador n. 83,
I nho S. Matheus a sea seuuor.

-----


litarlo de vernal fonco Segunda felra 2 8 de Agosto de 1S.

| vi .
a l1 .?, Ju a. i SJ
Sim
Ci? VERSO-DO ailSPA D52
PUtt\.l)llll'('0.
SEDE VACTE.
i... :<:..u. ri-BUCANDO 0 IUBU.BODK 1365.
0 I Joaawm Francisco de Furia, inugo hOM-
o ,/. inqmioi capW/u. toi/c /Muido m
ofoeta, Deo da sania igreja catueiral ue
0< na, 6- osari capitular
., mbuco, Sede EpitcapaH Vacante.
(OmtinmcSo).
a r.at;fai;o Je am prego e i< rocimeula nao h
do liomem Deus (43) fui superabundan! excedeu
ii [le lamente a divida, que a humanidad* contra-
bio pelo peccado : o mereeitnento de Maria Sao-
lissima, concebida em graca, e cheia de graga, fui
superabundante; e os soHYimentos, expngSes e
.:imeatos dos Santos umitas vezes tambera o
forana. Esu superabundancia, pois de mereciaien
l< -. i-ij e, estes mrecimentos, anda nao appliea-
uj>, por excederem a pena devida ao peccado, alo
loram superitaos; sao un balsamo salutar, que
tea) a viriude de curar as chag-is dos seus irmos.
ii umuir a sonuoa de malea, que o peccado cau-
sa ;.o uuodo : sao Leus i-omuiuus da igreja; e Je-
su :iristo reeolbeu-os em u:u thesonro que coa-
t,.: a guarda e disposigo da sua Esposa : thesou-
ro iuexlnurivel, nao s per cansa do mereeimeulo
iofiuito de Jess Cbristo, cuino porque, quautu
niaior o numero dos qu.', mediante a sua appli-
caeao, sao reeouciliaJus co: Dos, e justificados,
raais cresce e augrueuta o cumulo dos mere-
cic utos. Plano admirare! da redempgo huwa-
ua I Doutrina cousoladora Bocea saudavel de uie-
reciraentosl Samo eommercio de sade e vid* es-
piritual O innocente deposita as suas riquezas no
i .-ucial da communho chrstia, e o culpado
a'at o rsgate das suas dividas. Tal c a UOio
intima, que reuue os Blhos Je Deus em urna s fa-
milia : tal a communho dos Santos : tal a dou-
trina da igreja acerca das iudulgencias, confu me
u expoe o sumrao pontfice Cirneme VI l).
Constituida perceptora do geaero huuiano, dis-
pensadora das gracis, economa dos bous esplri
. tuues, a igreja, estabelecida por Jess Cbristo, para
conlinaar a sua obra, nuuca deixiu de exercer os
dr<-os da sua jusliga, e realisar os Jc-ignios da
sua misericordia, punir e perdoar, castigar e cu-(
rar: juiz e medico das almas, decreta castigos
para punir o peccado, e aocaminbo recto: Mi
divina, tendosob sua guarda e sua disposigo o
uro dos bens espirituaes, que ella abre de
lempos a temp s em favor dos seis (linos, nao se
satisfaz de salvar o peccador da mor te, regenerau-
ilO-O as hules'da graga, i >r meio dos sacramen-
tos; cicatriza as suas bridas, applicaodo-lbe os
merecimenlos de N. S. Jess Cbristo, e dos Santos
por meio da indulgencia.
Depositario das chaves desse thesouro, que, com
as do co, llie foram confiadas por Jess Cbristo
na pessoa da redro, quanda Ihe disse : Eu le da-
re as chaces ih reina do co : ludo o que lujares
sobre a trra, ser lijado tambem nos co: e ludo
que desatares sobre a trra, ser desatado lambem
Mscos: aot queperdoares os peceados,ter-lhe-
luto riles perdonaos, e aot que os relmeres, ser-thrs
sao sincera; porque repugna sua justica, repiig- Purifiquemos, pois, as nossas almas no tribunal ra depois receber, emprestamos a Deus, para do-
na mesmo araz, que o peccador rebordeaos da penitencia, mediante a conflsso, absolvlgao pois receber a recompensa : (92) com a esraola tu- Se combatessemos com urna nago civilisada
mandamentos do Legislador eterno, s-n por Elle sacrameaul dos aossos peccados, a contriego sin- do em nos ser puro : (93) resgataraos os nossos com soldados humanos e em cujos peilos palassem
admiitido reconciliacio persistindo na sua revol- cera e verdadeira dr de os naver commetlido, e a peccados : (94) apagamos as nossas culpas, lim-l os principios da saa moral e da religio ; se cora-
la, affrontando a sna justica,' e desdenhanlo a sua communho eucharistica, aura de recuperarmos o monos da morte, alcap^amos misericordia e con i batessemos por urna causa justa (entenda-se bem
misericordia. O Supremo e justo Juiz, diz Santo estado de graca, nos reconciliarmos com Deus, e seguimos a vida eterna. (9o) Distribu, dai aos po-, o nosso pensaniento), e em que esiivesse empenba-
Agostinho, da o co ao arrependiraeuto. e nao a nos habilitarlos para ganhar o presente jubileo, bres, diz o rei propheta, e a nossa justica perma- lda a honra de duasnacoes... bem I podoriamos
impenitencia, ao christao convertido, e nao ao en- o cora elle a nossa justicacao ; porque nao se necer por todos os seculos, e o nosso poder ser peruer n issos irraaos, uossos amigos, nossos con-
miooso ebsiiuidu. pode reraittir a pena temporal, devida ao peccado, exaltado na gloria.Dtspersit, dedit paupenbus, temporneos emlim ; esses com quein passamos os
Nao Da iu econo.uia cbristia circumslancia, e- 'sem que primeiramente seja perdoidoo mesmo justttia ejus manet in saculum sacult, cornil ejas majS ^h^ morneutos da nossa existencia.; mas
tadv e coudico alguma, m que o boranm, durante peccado, e reraettida a pena eterna. O peccador, (exattabitur m gloria. (96) |Serrros forcados a cahir sob a bayoneta envenena-
a sua carreira de prova oeste mundo, possa recon- emquanlo persiste uo estado de peccado, inimigo
liar se com Deus, e justificar so. sem praticar Loas obra.-. A Bscnptara Santa ensina a cada Cii qUe e- um favor destinado smente aos filhos
passi) que e por meio dolas que so alcanca a sal-1 adoptivos do mesmo Deus.
vaca :Vinde, bemdilos de mea Pai, dir Jess
Cbristo no supremo juizo, possue o reino, que vos '
est preparado desde a origem do maudo ; porque
Uve (orne, e destes-me de comer; tive sede, e destes-
me de beber ; era hospede, e recothestes me ; eslava
n e cobristes-Mc; eslava enfermo, e visilastes-me ; |
eslava neso, e viestes-me rer-me. Quanlas vezes
fizestes isto bem dos meus irmtos mais pequeni-
Fagamos as obras santas, que nos foram pres-
criptas; ellas sao fecundas em vanlagens espiri-
tuaes, sao verdadeiros meios de expiacao, e tem a
I virtude de attrahir sobre nos a divioa clemencia.
Visitemos os templos, que sao lugares de pro-
priciaco, pela victima por excelencia, que oelles
reside, figurada por todos os holocaustos da antiga
lei-,oiiue fez -auto Aiubrozio dizer que, se os
as, a mim e que o fizestes. de vara a vida ter- _ui. : .,, jrt
' ceus se abrissein, nada se adiara mais santo, ao
"" (* > 1 que o que existe em os uossos tabernculos. Elles
U principe dos apostlos bcessaotemeute nos i sao a ca .a de DeS) a (.asa de oraco, onde o Se-
exhorta a fazermos certa a nossa vocacao por meio ; nhor ^ comprM em ^ ^ no5sas SU|ip|lcaSi e
das boas obras, afim de ovUannos peccado, e | ^^ qs noMM cu|los e 01TH0!tt?ens. (70) e on-
consgu.rmo, a entrada no remo do eco (od). O de o repeb Q qU prucuril) acha os
apostlo das nacSes admoesta aos Cor.ulhios a ttmm abrirao,tflim 0 Smhor, e os meus
abuudrem em boas obras (31) : ruga a Deus, para ^.^ attendera-0 & ol.a(o d /fef qiie orar nes.
que os Collosseuses frucflquem em toda a obra ; u ^r t eu 0 escolhh e saniifiquei, para
boa, e Ihe agradein om lado (o): insiniindo a Tito, nMe ear g mu nom para 4mpr manda-lhe que exhorte aos liis, para que procu-
ran avantajar-se em boas obras (53), Em urna
palavra, sem a pratica das boas obras nao ha amor
de Deus, porque este consiste na observancia dos
mandamentos :ros amici mei estis, disse Jess
Cuiisto, s fecerilis qme ego pracipio vobtsHoc
esl charilas, ei, ut mandatu Ejus custodia mu
(o't); a f ociosa e iuul, porque mona (55).
nao ha justificaco, porque aos olhos do Deus, diz
o apostlo, nu sao justos os que ouvera a lei, mas
os que a observan) (8fi) : nao ha salvacao, nao ha
vida, porque esta foi promellida por Jesus-Chrislo
aos que ouvera a palavra de Deus, e a guardara
(37). Se o nossa vida for corrompida, diz S. Grego-
rio Magno, nenhum merecimenlo lera' a nossa
f (38).
Se o pasto da doutrina necessario para a nu-
tricio do uossj espirito, se faiuudu-nos a f, nao
podemos agradar a Deus lo'Jj, [altando-nos as
obras, nao nos aproveita a fe : so a f a pona,
por ouJe entramos para a justilicacao, as uDras sao
o caraiuho para ciiegarmos a ella ; porque nao
basta entrar por essa verdadeira purta, neceisa-
rio percorrer sem descansar lulo o caminho, que
cousisle ua pratica dos mau lamentos de D us. E
pea vouladeque us nos desviamos de Deus, pec-
caudo ; justo, pois, que, pira nos seren reinetti-
dos os peccados, uoo con veramos a Deus por actos
da voulade. e nao somante pela f ; porque Deus
dispoe emovetoda.1 as cousas cioum molo accom-
moi.ido a nalureza deltas, suavemente diz o sa-
bio tsponil omnia suaciter (00), e como nos
obramos pelo enteulimenlo e voulade, duas [acui-
dades, que perteiieem a nossa nalureza racional,
Ueus nos dispe e move para a justidear-ao, iu>
diauleambas estas iacuiiades, isiu por actos de
O piedoso Tobias, instruido a seu ilbo, llie di- da, e a nos deixar fenr profundamente por boraens
zia : t Ouve, lho meu, as palavras da minha sem eoracao e despedidos de todo e qualquer vesti-
bocea, e imprime-as no teu eoracao como funda- gio de Inninnidade, s e lo smente porque um
ment Tem a Deus em teu espirito todos os das povo inteiro se deixa dominar por um de:,pota, e
t da tua vida, guarda-te de consentir no peccado, cujas entrauhas sao mais sanguinarias anda que
e de violar os preceitos do Senhor. Faze esmola as do tigre e do leo ?
dos leus beus, e nao volles o teu rosto ne- 0h que M|aaiidde para o Brasil o para a
nhum pobre, para que se nao aparte de ti a face flr de nosS exercii0 e de nossa armada !
i do Seobor. Da nuneira que podere-, ^ carita- ^-0 |muorta I
Avaute I
E que cada soldado seja um Barroso... fiel e
tivo : se tiveres muito, d muito : se liveres
pouco, pr cura dar de bamenle esse poiico ;
poese da polica da raesma provinru, igooraadav-s
quem seja o respeniro com manda o le.
11 corpo de vi>liiutano, pertence a Penuastaro;
commandante coronel Antonio Gomes Leal. F
primeiro da provincia. m
lx corpo de voluntario, perienee ao Rio 4 Janei-
ro ; e rom|KJe-se da polica da asesan pteviadn,
ign iranilose que seja o respeeiivo eommanrf >.
13 corpo de volunlarH>, pertrnceao Para ; eaan-
p5e-se da polica da mesraa provincia, ign-fanJo-s
quera seja o respectivo commandaole.
14 corpo de voluntario, pertence a et choera na Bihia ; lenle coronel coonno.Unle
Jos Pinto da Silva.
15 corpo de voluntario, perleoee im-I*!- He San-
to Amaro na Babia ; lenenie-eoronel roaMmaiMte
Antonio Joaquim Alvares Pinto de AliaviAa.
1G corpo de voiuuurio, pertonee Mootevieo;
commandante teoenle-coronel Pideiis P* da Suva.
17 corpo de voluntario, penen* a Mina- li-raw ;
ignorando-se quem seja respectivo romm-tntnnC*.
18 corpi de voluntario, pertence a Miaa^-Geraes;
ignorHodo-se quem seja o resp-elivo iM:n'iMlaMe.
19 corpo iie voluntario, perleuce as pea
porque assim en.hesouras urna grande reeom- nlrepi(o como e,ie fi D0 meio de tantos perigos, do Ceara, Sergpe a Pinokyta eonar^-s.*.
pensa para o da da necessidade visto como a a|Uv0 e g|..iade por eDlre % sarajva d(j ,np,ra|ha> e
esmola livra de todo o peccado e da morte, e nao gtUtlOO e norc dtU()is U(J vencedor 1
t deixarn' cahir a alma as irevas. A esmola ser- Avante I
vira1 de una grandeconfianca dianle do Summo Ponaa niesrao que morresse o nosso ultimo sol-
Deus, para todos os que a fazem. rPreserva-te, a(l) vlodu ao muilj0 iDleiro conlra ns, ,,ue as
hu elles rettdo$ (43); o SS. padre Po IX amoro-i', que perieaeem ao euieudnnenio, e pelas boas
smente o abri, para oerorrer as necessidadea ac-
tuu-s da ebristandade, coiicedendo ao- eis catho-
lieos de todo o mundo urna mJuigeucia plenana
em forma de jubileo, que podere lucrar uo pre
sent anuo, por espaco de um mez, quando for de-
terminado pelos ordinarios em suas espectivas
dioceses. Das lettras ,- >tolicas de >) >i.' uovem-
bfO Jo Jili, inauJa.u- ^-.. -. ,io. ,-u.i ,-aulidade
no presente jubileo, cuja teijura e meditadlo vos
recommendo, a que vio transV.i iptas n i lira destas,
veris as condices para lor lucrar [am.iohi
. : com a diflereoca s imente Je qoe o jubileo
uc ii > foi concedido por tres semanas e o actualf
por um niuz.
Has uo pensis, meus irmaos, que a vrtuJe do
jasto dispense o mo de andar no caminho recto :
que o Innocente satisfazendo pelocuipaJo, isente a
este de cumprir os man amento-, e a lei de Deus
para ale&near a justica : que a igreja, romittindo
por meio a indulgencia as penas tmporas?, com
que o peccador ja convert lo e justificado, deve sa-
iislazer a divina justica, applicando-lbe paraisso|
as panas, as boas obras, as satisfacedes superabuu
daues dos justos, e dispensa de praticar boas obras,
soffrer e merecer. Nao ; a iadui encia ama sub-
rogaco de p'-nas, e nao de boas obras : o justo
pelo seu merecimeut pode vingar a magestade e a
gloria divina po pecca br, pagar por elle a divi-
da contrabida pelo peccado, e por elle aatlsaier ;
m^.s nao cumpre por elle a lei, visto como niuguem
poJe por ciiirem detestar o peccado, reprimir o
vicio, doma" os mos estimlos da carne, praticar
a virtude, comparecer no tribunal da penitencia o
re:eber a absolvifao, etc.
Se Jess Cbristo, aoesar de pagar por ns o
preco da nossa redempQfto, offerecendo por ns
urna satisfaco plenissiraa e exuberante, em virtu-
de do seu mere. u infinito, (iG) quiz que par-
tecipassemos desse preco por meio da penalidades,
como diz o apostloColweredet Chruli, si lamen
compaitmur, ut et conglorificemur i48j; quiz que
cooperassemos com as nossas boas obras ;Factus
est obiemperanlibus stbi causam salutis aterna;
como nao devuieuics cooperar para nos serc-m ap
plisados as merecimeiitos Jos justos ? Quando Deus
pelo seu amor earidede fraternal e communho
uj- ;eus S;mto?, recebe as satisfacoes, que Ihe olfe-
recemos uns pelos uniros: quando tocado do pra-
zer iueffavel, que tem de premiar os seus escolhi-
dos, acceita misericordiosamente o humilde sacri-
ficio de suas voluntarias mortificaces, em dimi-
nuirlo dos castigos, que prepara ao seu povo:
quando satisfeito por uns, quer commiserar-se dos
oulros; honrando por este meio a seu Filho Jess
Cbristo, ua communho dos seus membros e na
santa sociedade do seu corpo mystico; nao deroga
os preceitos da lei evanglica que liga a justicacao
do hornera f e s obras. Offerecendo-nos o
perla e a salvacao, exige como paga indispensa-
vel destes beneficios o arrependimento, e a conver-
(43j S. Juao, Epist., c. 3, v. 5; S. Paulo, EpisL
a(ft Romn., c. 8, v. 32; Colos., Epist. 2', c. 2, v.
13-li; aos Galat., c. 3, v. 13: 1* aos Corinth., c. 6
v. 2: c 7 v. 23: S. Pedro, Epist. 1', c. 1, v. 18: S.
Joo, c. 2, v. 2: Prident., Sess. 5, Decret. de peccat.
origio.; Sess. 6 c. 7.
(44) In ara ci ucis, di: o SS. padre, innocens im-
molatus Salvator, non guttam sanguinis modlcam,
qum lamen propter uniooem ad Verbura pro re-
demplione lotius generis humani suffecisset; sed
copise, velut quoddam profluvium noscitur effu-
disse___ Quantum ergo exiqde, ut nec superva-
cua. in.mis, et superflua taniaj effusionis miseratio
redderelur, thesaurum militanti Ecclesice acquisi-
viir Quem quidem thesaurum, non in sudario
repisilum, in agro absconditum sed per B. Petrum
cili davigerurn, ejusque successores, suos in
terris Vicarios, commist lidelibus salnbriler dls-
pensandum- Ad cujus ihesauri cumalum B. Dei
Genitncis, omnium que electornm, primo justo
asque ad uliunum, merila adminicuium prmstare
noscuntur; de cujas consumptione, seu minulione
non est aliqu^tenns foimidandum, tam propter
infinita Cbristi menta, quaem ex eo quod, quanlo
plures ex ejus applicaltione trahuntur ad justitiam,
tanto magis accrescicumulus meritorum. Extra-
van. Unignitas, de Pomtent.
(48) S. Math c. 16, v. 19: S. Jlo, c. 20, v. J3.
(46) Vid. nota 43.
(47) Epist. aos Romn., c. 8, v. 17.
(48) Epist. aos Hebr.. c. 5, v. 9.
obras, que sao actos da voulade.
E" por isso que as luJulgeucias lera sempre por
objeclo ura lim agradavela Deus, e uinaobra id-
nea para consegui-lo : por Uso que a igreja, re-
milunJo por meio delias ao peccador as peniten-
cias peuaes, ou a p.-ud l-mporal, conserva sempre
as peuitoncias racdiciuaes, exigindo, como agora
fez,a pratica de algumasobras boas, como condi-
r;cs indispeusaveis para se poder lucrar o presente
jubileo ; e laes sao a consso e commuutio, o je-
jom, a esmola a pessoas verdadeiramenle pobres-
e a visita as igrejas, que forera designadas, oran-
do-se nellas devotamente, segundo a iotengo do
SS. PaJrc, coiin deiermioain as citadas lettras
apostlicas.
Provemos, pois, irraims dilectsimos, a nossa f
pelas nossas aecfles, abundemos ora boas obras,
c.-rtjs de que o nosso trabalho nao -era vo no
Senhor, o qual, justo como nao olvidar as nos-
sas obras (ol. Obremos emitanlo da, antes que
venh-j a noute (6; ; emquanto temos lempo (63;;
porque depois da morle o juizo (6i) : obremos
com presteza, instanter op'rare, diz o sabio, por-
que ua sepultura, para onde nos apressamas, aao
ha ver mais obra, nem razo, nem sabedoria, nem
sejencU (63). Quando isthinc excessum fuerit,
diz S. Cypi lauo, nallus jam ptenitenca locas est ;
hic vita aut amitlitur, aut tenetur (66).
a;os os meus ollios, e o meu eoracao em todo o tem-
pe (71) Aproximemos-nos, pois, dos aliares do
Deus vivo cora simplicidade de eoracao ; e pros-
irados dianle delle, suppliqueinos, oremos com la-
grimas, para que elle tenba piedade de ns, nos
conceda a sua reconcihacao, e nos faga participan-
te de suas grandes e gloriosas promessas ; porque
os ouvidos do Senhor esto sempre aberios a pre-
ce dos justos. (72)
A oracao o acto mais excellenle da creatura :
ella elava a nossa alma presenga de Deus, collo-
ca-nos em conversaco com Elle, recorda-nos sa-
lutarmenle a nossa dependencia, anima a nossa f,
fortifica a nossa virtude, nulre a nossa piedade, e
preserva-nos das tentaces, dos perigos e de mui-
las fallas. (73) Fitam piai, diz S. Joo Chrysos-
torao, ac Dei culto dignam miris modis oratio con-
ciliat, concilitum anget, ac ceu thesaurum recon-
dit in animis nostns. (74)
Mas sendo a oracao, meus irraaos, urna graca,
(73) um dom celestial, que devemos bondade de
Deus, porque, como diz o apstol', nos mesmos nao
sabemos qual a maneira mais conveniente de orar,
quid oremus, sicul aportel, nescimus, (76) de-
vemos orar a Deus, como Elle manda que oremos,
(77) em espirito e verdade ; (78) com confianca uas
promessas e misericordia de Deus ; com f sem he-
sitaeo, porque o que hesita, seraelhaote s on-
das do mar agitadas pelos venios, diz o apostlo S.
Thago, e nada alcancar do Seutior : (79) cora hu-
mildade, com um vivo seutmenlodas nossas mise-
rias, da nossa lodignidade, do nosso nada, na pre
seaca de ura Deus infinitamente grande, puro e
santo ;Deus aborrece o pobre soberbo, diz o sa-
bio, e a oraco do que se humilha, penetrar as
novena, e u se retirar, al que o Aitissimo po-
nda uelle os olhos : (80) com inteocao pura, loado
somenle em vistas a gloria de Ueus, a nossa salva-
gao, e a dos nossos semel.iantes : com a assidui-
dade e perseveranca, como recommenda o aposto-
meu filho, de toda a impureza ; nunca permitas
que a soberba domine nos leus pensamentos, ou
as las palavras, porque nella leve principio lu-
ida a perdigo. Nuuca fique em leu poder a pa-
c ga do mercenario. Acautela-te, nao fagas nunca
t a outro, o que levarlas a mal que oulro te fizes-
o se. Come o leu pao com os pobres, e com os que i .
lem lome, e veste os que estio mis. Pede sempre
t conselho ao sabio, e bemdize a Deus era todo o Arroja-te s ondas, duro gigante,
< lempo, pedindo-lhe que dirija os leus carainhos, lonunda e,tes monles, desloca tsle mar !
e que lodos os leus menlos se firmem neile. (97) ftevolveudo em mente as revoluces passadas e
nossas cidades fossera arrazadas e degollados os
oossos filhiuhos, loriamos quem nos vingasse ; te-
riamos I porque enlfio o ultimo brasileiro nos pa-
roxismos da moiie e vollauJo-se para aquella ata-
laja de grauilo, que nuuca nos desamparou, gritar
Ihe-hia, arrancando do rao do peito o ultimo peda-
Acceiteraos, pois, Irmios dilectissimos, estas san-
ias instrucges, que sao lambem dirigidas a ns; e
para que mais fcilmente possam >s pralica-las,
as presentes, as aeges magnnimas que apresenta
a historia, os rasgos inauditos de valor, as faga-
nhas de tantos hroes ; refundiodo tudo isso em
Se as batallas de Cesar pioduziram e aioda pro-
duzem votamos, e apresentaram campo para dis-
para que as obras pois, que vamos fazer, para minb'alraa, e colorindo tudo com o pincel das ba-
lucrar a graga do presente jubileo, sejam benigna-' talhas de Walerloo e Wagrau ; vejo que nada ex-
meute acceitas por Deus, imploremos o patrocinio i cede ao da 11 de juobo e que nao ha soldado,
da Sanlissima Virgem Mu de Deus, nossa doce e Napoleo ou Ney, Garibaldi ou Cesar, e que sobre-
lema Mi, nossa corredemptora, nossa advogada, | puje a esse punhado de brasileros, flexivel s ve-
nossa protectora, nossa esperanga, que a consola- zes como o ocano, e ouiras inabalavel e forte,
gao dos afilelos, auxilio dos christos, sade dos | como a rocha,
enfermos, refugio dos peccadores; que toda po-
derosa junto a seu filho, por seu filho, e com seu
IE'aora cumprindo-me dar urna regra para di- cuss^ "'erminaveis; se as de -Napoleo crearam
recgo dos reverendos paroch,s e de mais Seis !"nieare8 de escriplores, e deram assumpio para
ordeao o seguale: i I'ilibares ue discursos; bom e que atientas aquellas
rellexo'.s, uo liquem no esquecimento os nossos
1. as cidades de Olioda e do Rocife comegara bfavos mariun(ros esses ,, COm seu proprio
o santo lempo do jubileo a 8 de aelembro, da da %IXi salvaram a |,Uora e a dignidade de nossa
ualividade de Nossa senhora, e dudar no domln-1 U3,.-M \
go, 8 de outubro; e as igrejas, que os fiis leera
de visitar uesle lempo sero duas d'enlre as so-
guiles, ou urna debas por duas vezes, a saber: em
Oliuda a igreja do seminario episcopal (um lugar
da cathedral, que se acba impedida) as igrejas de
bravo e cada uflicial ura here I
Eu nao minto nao I
O corajoso Correa da Silva ia langar fogo ao
S. Pedro Martyr, e deS. Francisco; e no Uecife,, jo| rfa [)0|VQra _,iuand0 ouviram.se gritos de
as quairo m de. e as igreja dos re. j Vjva a ua(.aQ |)rasi|eira ,
giosos capuchinhos, fraetscano-, e carmelitas As
recolhidas e educaudas dos diversos recolbimenl-s
poderusatisfazer estas visitas as suat^ respectivas
igrejas.
2. Quanto as demais freguezias da dioceso, os
reverondos parochos, logo que esta receberem,
marcaro o mez, que juigarem mais conveniente
para commodidade dos fiis, comanlo que seja I
Viva o Imperador !
O commandante Antonio Luiz disse :
Preciso de seis homens valentes para urna com
mlsso arriscada : quem o fr salte canoa.
Foi urna confuso.
Todos queriam ir, escolbidos seis marinheiros,
parti a canoa por entre urna chuva de bala, a
das msalas provincias lente coronel
dame teueuie-coronel graduado do exere Do-
mingos Jos da Cosu l'ereira.
20 corpo de voluntario, pertence a pr .viacu dan
Alagas, e compe-se da polica 4a mesan **!>-
ca leueole-corouel conwnaodanle Cario* CyriUo
de Castro.
21 corpo de voluntario, pertence a Paranyb; la-
neiite-curouel coinuiandaBle o lenenle-coruBnl, W-
formado da guarda uacional Jos Paulo Trarama
de ArranJa.
22 corpo de voluntarlo, prebnce ao Marnatrn ;
major coramautanle o caoio do e mamr da 1* elasse Luiz Eduardo de Cal ma
23 corpo de voiuuurio, pertence a Batea; lmante
coronel cominaudanie o major booorano aV> esen-
o Gusiava Adolpho de Meneses."
24 corpo de voluurio, pertence a bttm; eoaa-
mauJame u teueuie-coi ouel da guarda aajajSjSJSj Do-
mingos Moudin l'esiaua.
2o corpo de voluutarto, pertence a Santa Cmfen-
ria e Paran ; leneuie-corouel contmaadanaa mm-
jor da guarda uaciouai Joo Beroardtuu tfe Va
cellos Coi mu a.
26 corpo de voiuuurio, pertence a Ceara;
jor commandante o capio do exereiio Pr
Frederico Ftgueira de Mello.
27 corpo de voiuuurio, penence a chlaae Can-
raba era Mi uas-Ge-raes ; ignorando-se quem seca*
respectivo CoUliliaUJaule.
28 corpo de voiuuurio, pertence ao Rw
do Norte ignorando se quem seja o re
coinuiaudaule.
2 corpo de voiuuurio, pertence a Hian ; e
compe-se da guarda uaciouai, iguorando-se
seja o respectivo coiuiuaudaule.
3U corpo de voiuuurio, pertence a Per
commandante Apolonio Pires Cautpeilo Ja
Gama. E' o 2* da provincia.
31 corpo de voluntario, pertence a cune, eenan-
pe-se da polica da mesma; k-neale-corond cuav
inandanle o major de arblhana Maaoei Jos Sa-
chado da Costa Jnior.
32 corpo de voiuuurio, pertence a corte kenea-
te-coroael commandaole Landullo da Roetta Me-
drado.
33 corpo de voioniano, pertence ao
nenie coronel lata Luiz da Gama e silva.
Se Ueus, pela sua misericordia, nao nos aban,
dona por si. mesmo, ns, pela nossa negligencia-
podemos perde-lo por ns mesmos. Elle nos pre-
vine sempre, nos chama, nos excita e nos ajuda :
bale a porta dos nossos corages, sto ad ostium et
pulso (') : abramo-la por meio da contricgo e da
penitencia ; cooperemos com a graga, que nos pre-
vine e nos chama,Panitemim el convertimini,
diz o principe dos apostlos, m deleanlur peccata
vesta(67). Deus nao exige o impossivel ; quer
que fagamos o que podermos, e pegamos o que uo
pjennos, porque elle nos auxilia para que posea-
mos (68). Com obediencia sem revolla, fidelidade
sera reserva, firme arrependimento do passado,
coaverso sincera para o futuro, cheguemo-nos
lo; (81) porque a oragao assidua do juslo, tem | dentro do corrate aano, e designaro as igrejas, aDCar ugo ao navio inim go
-raude poder. (82) I que devem ser visitadas, ou smente a matriz duas Andrade Maia, que sustenuu-se no sen poslo at
Ufemos, pois, meus charos irmos, como deve- vezes, nao baveudo outras. E nos lugares, em I cahir desfallecido pelos golpes do inimgc, receben
moa orar; sempre, opoortnaa e importunamente, que a grande distancia das matiuea uo perutittir do intrepid i B;
(83) que cedo ou larde Deus nos ouvir : Elle pro- o acil accesso do liis sem multo iucommodo, os
meneo ludo a oracao, quando disse : Tudo o que reverendos parochos podero designar as capellas
ou igrejas, que Ucarem mais prximas, onde esses
povos possam cumplir o dever das visitas, e mais
aelos relativos ao sanio jubileo : e uo haveado
nesses lugares seno urna so igreja, ou capella,
essa raesma designar) para ser visitada duas
vezes.
pedirdes ao Pae em meu nome, eu vol farei : se
me pedirdes aiguma cousa em meu nome, essa vos
farei; ped, e dar-sevos-ha ; buscai e acharis ;
balei, eabrr-se-vos-ha ; porque todo o que pede,
recebe, o que busca, acha, e a quem bate abrir-se-
ha : Tudo o que pedirdes, fazendo oragao com f.
haveis de conseguir, (8) e ludo por conseguate
como o general Ney o de bravo dos bravos pelo
grande Imperador I
E aquello guarda raarinha, mogo, to mogo fez
saltar os milos ao inimigo por querer este to-
mar o nosso leme e dirigir ura navio brasileiro !
Na batalha de Riachuelo, repilo, cada soldado foi
um bravo e cada ofucial um hroe I
3. Para maior commodidade des liis habilitados
podemos oblar por mei della, porque Deus fiel, para poderem coufessar duraale o lempo do jubi-
leo, e com todos os poderes concedidos as lettras
apostlicas abaixo tran>criplas, e todos os reveren-
dos sacerdotes, que estiverem sem proviso; ex-
ceptuando todava aquellos, que se acbarem priva-
e nao falta as suas promessas. E por isso diz S.
Gregorio Nysseno que a oragao a foote de todos
os beus, o amparo do pudor, o sello da virgindade,
o freio da colera, a repressilo do orgulho, o esque-
ciineuto das lujurias, a reconciliago dos iniraigos, i d
a cottsolaclo dos AffliCtos, o allivio dos que chorara.
Sua Torca e ellicacia sao to grandes que, ealraado.
urna ve u'alma, cora ella entrara todas as virtu-
des ; e nada faz adianlar lano na perfeico, como
conversar assiduaraenle cora Deus.
4. E para que ebegue ao conbecimeoto de lodos,
os reverendos parochos, logo que receberem esla
pastoral, directa, ou indirectamente, ou a virem
publicada em algum jornal da diocese, ou por
qualquer outro meio a houverem as mos, a pub i-
A' oragao juntemos o jejum e a esmola, que sao I carao jUniameme cora as lettras apostlicas do san-
tambem poderosos meios de expiagao; aos quaes tssmo padre Pi IX, a estago da missa conven-
concede Deus inuius gragas. O jejum, mortifican- tua|( ao domingo, ou da festivo, anterior ao em
do o corpo, diz Tertuliano, urna hoslia pacifica, qUe fjeve principiar o jubileo, repeliuao-a no
oTerecida a Deus em um sacrificio da humilha- j domingo segrate, e regstando-a nos livros da
gao : (85) por meio delle a nossa alma impera so-1 parochla.
bre os sentidos, elevase raais livremente para con- j a(ja nesta ci(j ade de 0|indaj aos 2i ue ag0-[0
templar a Deus, e as nosas orages se tarnam i ^ ^^
mais eilieazes, cora aconleceu como o propheta Da-;
niel, que rocebeu a revelago depois do jejum de
ires semauas. (86) Por meio do jejum conserva-
mos a castidade, preservamo-nos das tenlagoes do
raalygno espirilo, (87) e satisfazemos pelas nossas
culpas.Gonverlei-vos a mun, disse o Senhor pe-
lo propheta Joel, de todo o vosso corarao com o je-
jum e com as lagrimas. (88) O jejum. diz Santo
Deo Dr. Joaquim Francisco de Faria,
Vigario capitular da diocese de Peroambuco
lli POLCO l)t TODO.
Sob o titulo de Folhettm da situaro ou um pas
"""'" "" "-> ^T'Aao-tiulio uuritica a alma nltna n'rnilrafdtmnnin *o no uii's. publica em memoria do guarda mari-
com humi de conbanga ao throno da graga, afim ,gu-"uu. puiium "-"* eieva o euieuunueuiu, r e
....... -... ..,:, f. .__-.- ._..:.. nhu Tnrrfda n turna i Pili z enni :i assii'iialnra da
de aleancar misericordia, e acbar graga para ser-1 sUJdila a carne a0 esP'nt.f" coraao cootricto
mos soccorridos era tempo opporluoo.-Adamw e """lhdo. dissipa os neroelrrs da coacupisceu-
cia, extingue o appetile libidinoso, e accende o
cun fiducia ad thronum gratia, ut misericordtam
consequamur, et grattam inveniamus in ttxilio
opportuno (69).
E que tempo mais opporiuno do que este, em
que o vigario de Jess Cbristo, abrindo os tbesou-
nba Torreo o jornal Paiz com a assiguatura da
ltoger Uollard o seguale :
CAUTA A UH AMIGO.
Querido Paulo I saiide o paz.
t De quel clal brillaieul dans la balaille
Ces naoiis bleus par la Victoire uses I
llaureux ceiui qui niuurul dan ces leles I >
Esiou euinusiasmado, sim I mas ao mesmo tem-
verdadeiro lume da caslidade. (89)
Se o jejum fortifica a oragao, a esmola, tendoo
seu priucipio na caridade, que como diz o apostlo,
o fuadaiaeaio de lodas as virtudes, o viaculo da
ig:pereicao,e o complemento da le (90) ecunda,
nir:,,.. a aperfeiga, e santifica o jejum. E boa a oragao
Aproveitemo lo, irroaos muito amados, inslanfer acouipaunada de jejum e da esmola, mais do que p0 abatido, como a sensitiva, pelo uraco que
operare afim de oblermos o inmenso beneficio es- ajun'"" tnesouros de ouro, disse o Archanjo Ra- u^sa I...
piritual, que elle nos concede no presente jubileo ; pbael a Tobas. (91) Eolbusiasmade pela coragem e bravura com que
alcangarmos a remisso das penas temporaes, de se poruram no meio das balas e da melralba, na
que somos devedore. diviaa justlga, e evtarmos ,avamos, pois, esmolas, como nos recommenda baU1Ua uava, da Hlicnuel> M nossos fortes e mag-
os dolorosos e horriveis tormentos, que temos ne- Jesus ChrWt0> Por(lue el,e as accella como fellas a nanimos soldados I
cessariamente de soffrer no purgatorio, em expa- mesm. e as retribuir cora o reino do co. Com | E aba,i(lo--. forqM> mea Paulo> nao fm im.
gao dellas ; porque no co nao entra a mais leve a esra"ia semeamoa para depois colber, damos, pa-1 ^ {igtmis me ca|a|Dj ardeotes C0lQ as
impureza; certos, porm, de qne nao podereraos
lucra-lc, sem estarmos no estado de graga, sem
executarmos todas as obras, que foram prescrip-
tas, e sem o proposito de salisfazerraos com ellas a
Deus.
(49) S. Math., c. 23, v. 34 e segrales,
(ou) 2." Epist.. c. 1 v. 10.
(51) 2." Epist. aos Corinth., c. 9, v. 8.
(52) Epist. aos Coloss., c. 1 v. 10.
(53) Epist. a Timoth c. 3, v. 8.
(54) S. Joo, c. 15, v. 1014: Epist. c. 5 v. 3.
(53) Vid. noi. 37.
(56) EpisL aos Romn., c. 2, v. 13.Epist. Catbol. Calh. c
(70) S. Math., c. 21, v. 13.
(71) 2 Paralipom.. c 7, v. 15-16.
(72) S. Malo., c. 5 v. 44.
(73) S. Math. c. 26 v. 41.
(74) Lib. 1 de Orando Deum.
(75) Effundam super domum David... spiritum
grana) et precura. Zachar. c. 12 v. 10.
(76) Epist. aos Romao., c. 8, v. 26.
(77) S. Luc. c. 11 v. 2 : S. Malh. c. 6 v. 5, e
seguales.
(78) S. Joo, c. 4 v. 23.
(79) Omuia qum cumque peteritis ia oratiooe
credeates, accipelis : S. Math., c. 21 v. 22: Epist.
1 v. 6-7.
deS. Tfiiago, c. 1, v. 22-23.
(57) S. Math., e. 19, v. 17.S. Luc, c. 11, v. 28.
(58) Epist. a Tr.eodoric.
(59) Epist. aos Hebr., c. 11, v. 6.
(60) Sabed., c. 8 v. 1.
(61) C. Tndeat., Sess. 6, c. 16.
(62) S. Joo, c. 9 v. 4.
(63) Epist. aos Galat., c. 6 v. 10.
(64) Epist. aos Hebr., c. 9, v. 27.
(65) Ecclesiastes, c. 9 v. 10.
(66) b. ad Demotrlam.
() Apocalyps., c. 3, v. 20.
(67) Act- c. 3 v. 19. v
(68) C. TndenL, Sess. 6 c. 11.
(69) Epist. aos Hebr., c. 4, v. 16.
(80) Ecclesastic, c. 15 v. 33: c. 35 v. 21.
(81) Episl. aos Coloss., c. 4 v. 3.
(82) Episl. Catbol., c. 5 v. 16.
(83) Diz S. Lourengo Justinian qne priva-se do
frnelo da oraco. aquelie, que nao importuno.
(84) S. Joo, c. 16 v. 13 e 16: S. Malb., c. 7: v.
7-8: c. 21 v, 22.
(85) De Peuileotia, n. 13.
(86) Daniel, c. 9.
(87) S. Malh. c. 17 v. 20.
(88) Joel. c. 2, v. 12.
(89) Serem de Oral, et jejum.
(90) EpisL aos Coloss., c. 3 v. 14: Epist. aos
Rom., c. 13 v.8.
(91) Tobias, c. 12 v. 8.
lavas pelas minhas faces hmidas, quando vejo, lo-
riaos pelo punhal do assassino, que outro nome
nao merece os Paraguayos, nossos irmos lo
mogos, to chelos de vida e de esperangas 1...
E' nobre; sei que nobre raorrer pela patria,
defender a honra de nossas iruias e de nossas fi-
Ihas e faier com que se respeite o nosso pavi-
Iho auri-verde, symbolo da nagao brasileira t
Sei que nobre cravar bem fundo o ferro fri
no corago do que oosa calcar aos ps os nossos
mais sagrados direitos ; mas, meu Paulo, ver cho-
rar de bem perto e porque 7 o pal que perdeu
as suas esperangas, pois que no filho que mandara
educar depositava-as todas ; ver a me e por-
que T em lagrimas banbada, a me que amamen-
lra o renov de seu amor, e que por elle Untas
dores soffrera e tantas insomnias passara i
(92) Proverb., c.*,19. v. 17.
(93) S.Luc, c. 11 v. 41.
(94) Daniel, c. 4 v. 24.
(95) Tobias, c. 12, v. 9.
(96) Psalm., 111 v. 9.
(97) Tobias, c. 4.
E' do Sr. S.R. J. esta allusao :
BELLA.
Urna nne ao 'heatro, vi-te bella,
Entre luzes, e llores a' brilhar/
Com o pello safiocado -a fronte ardente,
Em silenc le pude contemplar,
Eras bella... como estrella solitaria,
Na campia de um lago a' scinlillar.
Como ura soaho d'amor, que a medo paira,
Sobre a froute de um anjo a' repousat.
Tao bella, como a la que divaga,
Tranquilla e triste no saudoso val;
Qual perola do mar, que atira a vaga,
as planicies do pallido areial I
Como a doce viola que soluga,
A meia uoite no serto deserto,
Como o sol, que a mootanha se debruga,
Como o claro d'aurora, errante, incerto.....
T bella, como a rosa desbrochada....
Cuino o tom de oragao, terna, singela,
i orno um cysoe a' voar pela arvorada....
E que ludo.... inda mais, t eras bella I
E ao fra illusocahiodo as flores,
As luzes se apagaram n'aai iastaate;
Mudo as trevassuspiraado amores,
Em teus bragos cabi, febricitante I....
No intuito de satisfazer-mos a justa curiosidade
de nossos leitores, damos em seguida a numerago
dos corpos de voluntarios da patria, cora a designa
gao das provincias a que pertencem, e o nome dos
comraaodantes de alguns corpos.
E' tudo extrahido das ordens do dia do qnartel
general, e por conseguate sao dados offlciaes, coja
exactido garantimos.
1 corpo de voluntario pertence corle e pro
vincia do Rio de Janeiro; teneote-coronel enraman
dante o major de ca vallarla Carlos Relbz de Olivei-
ra Nery.
2 corpo de voluntario, pertencej corte e provin-
cia do Rio de Janeiro ; teoente-coronel coramaa-
daute Francisco Jos da Rocha.
3 corpo de voluntario, pertence Babia ; igno-
rando quem seja o respectivo commandante.
4 corpo de voluntario, pertence corte e provin-
cia do Rio de Janeiro; teoente-coronel commandante
Dr. Francisco Pinbeiro Guimarss.
5o corpo de voluntario, perteoce acorto e provin-
cia do Rio de Janeiro, ignorando quem seja o res-
pectivo commandante.
6* corpo e voluntario, igoora-se a provincia a
que pertence o respectivo commandante qu'm
seja.
7* corpo de voluntario, pertence S. Paulo; iguo-
rando-se quem seja o respectivo coramaadanie.
8* corpo de voluntario, perteoce a Sergipe e a
outras provincias ; ignorando-se quem seja o res*
pectivo commaodaote.
9* corpo de voluntario, pertence a corle e provin-
cia do Rio de Janeiro ; ignorndose quem seja o
respectivo commandante.
10 corpo de voluntario,pertence Babia; e com-
E' do Sr. J. F. esta puesia :
MALHADADO .'..
(-------)
Ergue essa fronte sombra,
Fiu teus olnos nos cus t
E' mora a creoga, 'su fra
Tua esperaoga T meu Dens !
Quem pode ver-le isolado.
De praolos sempre haaaad-,
Teu peito assim magoado,
Ao mal dizer pnariseus ?
To cedo sofireslH tanto !
Colheste ac'roa de espinos ;
Na Infancia c'roa d'armianos
Na joventode o sonVer !
To cedo I lo cedo anda
Ver-se murcha a flor mais linda
D- tanla esperanca infin'!.
De tanto lean a cuiaer !
Ergue essa fronte Eo te pego I
Nao vs n mundo a sornr ?
t Que importa ? Si impallidego
Se ja nao vejo o porvir ?
Quando do bergo acordado
Quiz nm futuro dourado.
Dissera alguem : Malfadado !
Mil vezes a repetir !...
Fra a senteoga oefasu
Da miaba sina no mondo ;
Fra o tumbar bem no laudo
De negro abysmo de dor....
Mas ab I minha alma singela
Podera uuir'ora lio bella,
Vagar no cu como estrella.
Vi ver no chao como flor !
Fura melhor !... de oulra vUa
A luz celeste surgir
Vera alegre, e.-quecida
Minh'alma d'aajo a sornr !
Vina em breve perde-U
Qoe importa ? si minha estrena,
Bem no meio da proceda
Deixara de luzir '.' >
Ergue essa fronte t Eo te pefo f
Nao mais teus cilios bailad-*,
Enxuga o praoto, e nrostraoa
Tenhamos f no Sennor I
Deixa o viver, d'inde"renga___
Oh I como em friesa tasaseni
Deizas morrer tua ereaga
Deixas marchar tanta lar f....
O Jornal de Lisboa publica :
ta alguns a unos viva na rjdaoe e
medico celebre, qne uns arhavam ua <
Esculapio, oulros siinplesmenie nm orkgirai
Era partidario do methodo hydrol
quasi sempre empregava, anda qoe
ra exclusiva.
Urna man'iaa foi chamado a i
senhora so (Tria de urna aevralgia na lace.
O duuior examina-a por algoas iaiiaau. e i
pois appltca Ihe na face drale
que Ihe caosoo a ella orna forte
O doutor abro a porta sem pronnaciar sa i
urna palavra, sobe a rarmagrsa e parta.
U marido da senhora enferma, tenaos^
atrs delle, e eonegne apaana-la am Lia
O que que o senhor me amsr T
Ihe o doutor ; nao me eharaou pan earar limen
posa ?
Sem dovida, mas....
Mas.... saa mnlber esu i
casa e vera. Se en a tivwse prsaaias eme SW m
dar ora socro, nem ella aam o:
em semelhante cousa. Ja v que Uve ra
noiles.
E volioa-lhe as costas.
Effectivamenie a doeate estava imada, granan a
erais sao do sangne.
PERNAMBCO.- TTP- D6 F. IC f.,
V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQDSDVYVZ_Q1Z4PW INGEST_TIME 2013-08-27T22:13:32Z PACKAGE AA00011611_10753
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES