Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10751


This item is only available as the following downloads:


Full Text

i
AW ILl ffDHERO 194.
P#r qoartel pago dentro de 10 das do i. mez ...::.. 5|000
dem depois dos 1."' 10 das do comecoe dentro do qnartel. 6|000
Porte aoetrreio por tres Mezes............: 780
SEXTA FEIRA 25 DE AGOSTO DE 1865.
Por aneo pago dentro de 10 das do 1. mez ,,,... itttOt
Porte ao correio por um aneo.............. *|(HrQ
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPQO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?ndrino de Lima;
Natal,o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,o
Sr. A. de Lemos Draga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garaohuns, Buii|ue, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Onricury, Salgueiio e Ex, as qoarlas
feiras.
[Serinbaem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comroercio : segundas e quintas.
Relagao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas as 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do clvel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMERIPKS DO MEZ DE AGOSTO.
7 Lna elieia as 3 h., 9 m. e 34 s. da m.
13 Quarto ming. as 7 h., 22 m. e 28 s. da t.
21 La nova as 4 h., 57 m. e 34 s. da m.
29 Quarto cresc. as 9 h., 29 m. e 46 s. da m.
DAS DA SEMANA.
21. Segunda. S. Joanna Francisca Romana v.
2-'. Terca. S. F-bnuape-m.; S Anthuza m.
23. Quarla. S. Ftlippe Benlco; S. Davina.
21. Quinta. S. Daithulomeo ap. ;S urea v.-m.
25. Sexta. S. Luiz rei de Franca; S.Patricia v.
26. Sabbado. S. Zuferino ro.; S. Adriaoa m.
27. Domingo. S. Jos de Calazans fundador.
^REAMAR DE BOJE.
Primeira as 7 horas e 42 m. da manhaa.
Segunda as 8 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl al AIa?nas a 14 e 10; pm o Bolle
ata a Granja a 7 e 22 de rada mez; para Feraas-
do nos dias 14 dos mezes di Janeiro, mareo, anta,
julho, setembro e novenibru.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Indepradearia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figoeiroa de
Faria & Filho.
G01IP0 DA PH0\n"lA.
Expediente do dia 22 de agosto de 1861.
matriz daquella freguezia, e concluso das do res-
pectivo cemiierio publico.
Dito ao coromandante do presidio de Fernando.
Remeti a V. S., para os fins convenientes, a in-
clusa copia da guia do sentenciado de jnstica da
provincia do Maranhao, Semio Bispo dos Reis, que
existe sem ella nesse presidio.
Dito ao commandante superior do Recife.Ten-
do nesta data dispensado do servigo de destaca-
mento para que eslava designado, o guarda do T
Offlcio ao Exm. presidente da provincia do Rio
Grande do Norte.Passo s mos de V. Exc. o iu-
cluso requerimento, que me dirigi o esiudanle do batalho de infamara desle municipio, Estanislao
5o anno da Faculdade de Direito, Luiz Antonio Carjos dos Sanios, que m inspecgo de sade foi
Ferreira Souto Jnior, alim de que V. Exc. tenha juigado incapaz do mesmo servico; assim o de-
sciencia do objecto do referido requerimento como c|aro a y. s. para seu conhecimento e expedigo
deseja o peticionario. das convenientes ordens.
Igual remessa se fez ao Exm. presidente da Pa- d[0 ao mesmo.Expega V. S. as snas ordens
rahyba, sendo o peticionario o estudante do 4o n- para ,|Ue seja dispensado do servico, o guarda do
no da mesma Faculdade, Luiz Ferreira Maciel 2 batalho de Infantaria deste municipio, Anacleto
Monteiro. Publio de Moraes Carvalho, era quanto liver anla
Dito ao Exm. conselheiro presidente do supremo partioular de primeiras letras, francez e inglez nes-
tribunal de jusliga.Transmiti por copia a\. ta cidade.
Exc. a resposta, que, em 17 do correnle deu o Dito ao commandante superior de Nazareth.
juiz de direito Tristo de Aleucar Araripe a porta- Deferindo o requerimento do guarda nacional do
ria, que acompauhou o offlcio de Y. Exc. de 2 des- batalho n. 18 de infantaria desse municipio, Fran-
te mez. cisco Telxeira Borba, sobre que V..S. informou em
Dito ao marechal de campo commandante das 0fBcio de 19 do correnle, recommendo-lhe que o
armas.Mande V. Exc. alistar no 1* batalho de mande dispensar do servigo de destacamento desti-
PERNAMRUCO.
rbyista mkm.
guardas nacionaes destacados os cabos de esqua-
dra Hermenegildo da Paixo Souza Coutinho, Joao
Manoel de Oliveira e o guarda Jos Paulo Teixeira,
tolos do 3o batalho de infantaria deste municipio,
nado guerra, para que foi designado, visto ter
elle provado ser lilho nico de viuva, a quera sus-
tenta.
Dito ao commandante superior do RioFormoso.
que se ollereceram para servir na guerra contra a Mande V. S. destacar na cidade do Rio-Forraoso
repblica do Paraguay.Communicou-se ao cora- 20 pragas do batalho de artilharia da guarda na-
mandante superior do Recife. [ cional dessa comarca, comraandadas por um offlcial
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. alistar no corpo subalterno, em substituto da forca de polica que
de voluntarios da patria o cldado Antonio de Al-1 mandei recclher capital.Fezse o necessario ex-
buqnerque S Brrelo, apresentado por sua mai pediente a este respeito.
D. Mara Alexaodnoa S Barreto, viuva de Anto-1 Dito ao inspector do arsenal de marrana.A' V.
nio de S Barreto, permitlndo V. Exc. ao referido g. Ser apresentado o menor Joao Hermano, para
cidado o uso das insignias de cadete. que mande alisia-lo na companhia de aprendizes
Dito ao mesrao.Considere V. Exc. ressendido marlnheiros, no caso de estar as coodiges do res-
o contrato que celebrou para servir no presidio de pectivo regulamento.
Fernando na qualidade de capellao, o padre Joas | Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
Vertuliano Corsino de Macdo, que em 10 do cor- y. S. preparar, com urgencia, para a companhia
rente, solicitou exooeragao d'aquelle lugar.Fez-1 0 zuaV0s que se est organisando, 60 farda-
0 Exm. Sr. conselheiro presidente incumbi aos
Srs. Antonio de Paula Cavalcaoti de Almeida e
Simplicio Lins de Souza Fontes de promoverem o
alistamento de voluntarios da patria na cidade da
Victoria.
O segundo espectculo de prestidigitago do
Sr. Linski deve ter lugar na prxima terga feira
futura, e nelle pretende o mesmo senhor maravi
Ihar o nosso publico com a exposico de effeitos
prodigiosos de novas sortes.
A copia satisfactoria que elle dea de si era taes.
trabalhos na primeira representagao um garante
do que produzira' nesia seguinie e as que Ihe
succederem; e assim nao sera' Iludida a expecta-
tiva publica, que ao contrario lera' plena s&tisfa-
gao em seus clculos.
Para satisfazer a pessoas que o queiram, nao
duvidara' o Sr. Linski de dar seres de prestidi-
gitagao em casas particulares, mediante condigoes
previamente estabelecidas, e, pois, desta facilidade
que elle proporciona aos abastados, devem resul-
tar momentos bera agradaveis a quem os possa
gozar.
. OfTereceu-se o guarda nacional do segundo
batalho deste municipio Maneel Francisco Custo-
dio para fazer parle do contingente da mesma
guarda nacional, que deve seguir para o sul.
O Sr. major reformado Christiano Daro No-
bre de Almeida acaba de apresentar para o corpo
de voluntarios da patria os seus filhos Luiz Ansel-
mo de Almeida Nobre e Deodato de Almeida No-
bre; os quaes prestands-se para o servigo da
guerra, bera mostram ser era patriotismo filhos
daquelle digno militar.
Alistou-se no corpo de voluntarios da patria
o Sr. Leonel Domragues Cavalcantf.
Para o batalho n. 11 de infantaria da guar-
da nacional do municipio de Iguarass foram no-
meados os senhores :
Luiza Francisca dos Prazerej, Pernambuco, 3o an-
nos, casida, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
Clara Mara do Rosario, Pernambuco, 40 annos,
solteira, Santo Antonio ; pneumona.
Bellarmino, Pernambuco, 9 annos, S. Jos ; espas-
mo.
Alfredo, Pernambuco, 18 annos, Recife ; dearrha.
Felismina, Pernambuco, 7 mezes, Recife ; convul-
ses.
Manoel, Pernambuco, 7 dias, S. Jos ; espasmo.
Francisca, Pernambuco, 6 mezes, S de Olinda;
convalides,
Alexandre, Cear, 22 annos, solteiro, Boa-Vista ;
aneurisma.
-23
Bernardo Jos da F mseca, Portugal, 40 annos, sol-
teira, 5- Jos ; pluiiysica pulmonar.
Jos Anin, Portugal, 51 annos, Boa-Vista; ence-
phalile.
Marmolina Gomes Flores, Pernambuco, 3o annos,:
casadp, Recife ; molestia interior.
i Anglica Mam do Rosario, Pernambueo, 45 annis, I
solieira, Boa-Vista ; febre Intermitiente.
Maria Francisca da Coneeigo, Pernambuco, 35 an-;
nos, casada, Santo Antonio ; larangite.
Luiz, Pernambuco, 14 mezes, escravo, Boa-Vista ;
dentlgo.
Maria, Pernambuco, 6 annos, escrava, S. Jos
dearrha.
Vista, e fazer no mesmo terreno cinco moradas de
casas; declara que nada tem que oppor, urna vez
que Ihe sejam dados cordeago e nivellamento.
Concedeu-se.
Oulro do mesmo. communicando que dlriglndo-
de altura do assoalho ao frechal, as janellas tmto
palmos de altura, e cinco de largara, e o* patn*
qualro palmos.
Arl. 2 As aguas loriadas, qoe se levantaren
as casas de sobrado que nao liverea sido
se a rna_ Augusta, freguezia de S. Jos, para dar das conforme as posturas en vigor, rnulm
cordeago a nasa terrea com 33 palmos de frente conceder licenga para isso, lerio as diroeosoes, m
que ah pretende fazer D. Maria Venancia de Abren determinar o engenheiro da cmara, as qoae aao
Lima Bastos, achou qoe ha dilferenga no nivell.v devero exceder das dimen-o >s indicadas ao artf
antecedente.
Arl. 3. As aguas-fortadas sao prohibida*, ns
casas terreas: o propneiario contraventor 4a di*-
posigao de qualquei destes artigos, pagara a multa
de ;n,3, e a obra sera demolida soa costa; e
meslre, alm da mulla de 30J, soffrer a peaa e
oilo das de priso.
Arl. 4. Fica revogada a poetara de 18 de (eve-
reiro de 1861, que marca as Junen-oes, ove desea
ter as aguas-furtadas.
Paco da cmara municipal do Recite, 31 de mato
se o necessario expediente a este respeito. I melos completos de panno, iguaes aos que foram Tenente-crargio JoUu'im Antonio de Franga Ca-
Dito ao mesmo.Haja \. bxc de mandar ans- fornecidos companhia de volununos do capitao1 raara
tar no corpo de voluntarios da patria os cidadaos; Maojva> e bem as,jra as fardelas brancas, caigas e A|feres'secretario Joao da Silva Monleiro.
mencionados na relagao junta, os quaes se oiiere- camsas, precisas para aquellas pragas. j. companhia.
Diio ao commandante do corpo de polica.De- Tenente Luiz Ferreira Bandeira'de Mello,
ferindo os requenmentos do cabo de esquadra Joo, A|feres Joaquira candido Bezerra de Mello.
Paulo da PuriOcagao e soldados Jos Joaquira Fran- Dit0 Tranquillino Marques de Souza.
ceram para servir na guerra contra a repblica do |
Paraguay.
Relagao a que se refere o ofQcio supra.
Joaquim Jos da Cunha.
Manoel Marlins.
Francisco da Silva.
Manoel dos Santos da Silva Maia.
Joo Nepomuceno Alves Maciel.
Joo Francisco dos Santos.
Joaquira Servulo Grama.
Leopoldo Henriques da Silva.
Francisco Augusto Ramos de Mello.
Dito ao mesmo.-Mande V. Exc. dar baixa aos
remitas do 4o batalho de infantaria desle munici-
pio, Manoel Francisco do Espirito Santo, que ser-
ve de arrimo a seus paes velhos e irmos e Igna-
cio Carneiro d'Assumpgo, que deve ser alistado
no contingente de guardas nacionaes, visto estar
destinado para o servigo da guerra, segundo infor-
mou o respectivo commandante superior em offl-
cio de 3 de julho ulilmo.
Dito ao Dr. chefe de polica.Exija V. S. do de-
legado do termo da Escada a remesSa da relagao
recolhldos a respectiva cada,
cisco e Joaquim Esteves da Cosa Tavares, todos do c, companhia.
corpo sob seu commando, auloriso V. S. a dar-lhes captao Ildefonso Vieira da Cunha.
baixa, visto que foram considerados racapazes do Tenente Jos Mathias da Fonseca.
servigo era inspecgao de sade, segundo consta das Alferes Joo Lins Cavalcante de Albuquerqae.
suas inlormagSes, ns. 69o, 70o e 724, datadas de UUo salnstiano Duarte da Silva.
4, 7 e 12 do correnle. 3. coropanhia.
Dito ao mesmo.Pode V. S. mandar alislar para Capitao Manoel Drasilino de Arruda Cmara,
o servico do corpo sob seu commando, os paisanos Tenen(e Luj Car)os Pereira de Arauio.
Francisco Bezerra da Silva e Joaquim Pinto, que A|ftres Maooe| Zeferioo da Fonseca Pinho.
para isso foram julgados apios, como consta de sen Dit0 Lujz Gar|0S da Fonseca Pinho.
offlcio n. 751, desta dala. 4. C0IDpanha.
Dito a cmara municipal do Recife.-Lom o pa- Capitao Joo Vieira da Cunha.
recer incluso por copia do exame a que procede- j Tencnte Basiliano Rodrigues Campello.
ram os engenheiros da reparligao das obras publ-, Alteres Jos Joaquim Cavalcante de Albuqucrq.
cas, Francisco Apoligorio Leal e Jos Tiburcio Pe-1 Di0 Vieenle Ferrer de Mello,
reir de Magalhes, no alinhamento do muro feito ; companhia.
pelo major Gustavo Jos do Reg, em seu terreno capitao Jos Tavares Dornellas de Araujo.
da ra da Aurora, fica satisfena a requisigao da xeneote Henrique Pereira do Valle Magalhes.
cmara municipal do Recife, comida em seu offlcio A|ftres Manoel Mililo da Fonseca Pinho.
de 9 do correte, sob n. 57. Dito Hermenegildo das Virgens Lima.
Dito a cmara municipal da cidade da Victoria, j ,;.. COmpanhia.
Capitao Joao Dourado da Cunha Azevedo.
Tenente Joo Baptista de Albuquerque Vascon-
dos presos pobres recolhldos a
durante os mezes de abril a junho deste anno,; Devolvo cmara municipal da cidade da Vic-
aOm do que possa ter lugar o pagamento das des-; toraj afm de ser reformado o projecto de postura
pezas feitas com o sustento de taes presos n aquel- qae acompanhou o seu offlcio de 12 do correte, ce||0S.
les mezes, segundo consta de offlcio da thesoura-: vjsl0 que 0 30 ar, ni0 pde ser approvado por nao Alferes Antonio Bezerra de Manezes.
ria provincial o. 30. de 19 do corrente. estar o seu objecto as attribuigoes das cmaras ui0 Joo Caelano Francisco.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. municipaes, como declara o aviso n. 384, de 16 de
Em vista do pret junto ora duollcata, e nao haven-! 3g0?.l0 de 1862.
dojnconveniente, mande V. S. pagar os venciraen- oi0 ao juiz municipal da 1* varaTransmuto
tos relativos a primeira qumzena drsle mez, das ;a Vmc, para os fins convenientes, a guia do sen-
pracas do Io batalho de artilharia daguarda na- tPncado de justiga da provincia do Maranhao, Se-
miao Bispo dos Keis, que existe sem ella no presi-
dio de Fernando
cional deste municipio, destacadas na fortaleza do
Buraco.-Communicou-se ao commandante supe
rior do Recife.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicitou o
capitao do porto em offlcio de hoje sob n. 151, re-
commendo a V. S., que com toda a urgencia man-
de adiantar a quantia de 305000 ao ptico Pedro
Cavalcante d'Olivcira, que lera de pelotear a cr-
vela D. Janunriu at o presidio de Fernando de
Noronha, para onde segu amanha pela manha.
Communicou-se ao capitao do porto.
Dito ao mesrao. -Auloriso V. S a mandar pagar
ao juiz municipal do termo de Serinhem, bacha-
rel Goilherme Cordeiro Coiho Cintra, como pede
no incluso requerimento, os setis vencimentos,
correspondentes aos dias 19 a 26 do mez de julho
nltimo, em que por doente deixou o exercicio do
seu cargo, considerando-se assim abonadas as fal-
tas por elle dadas n'aquelles das.
Dito ao mesmo.Respondendo ao offlcio que V.
S. me dirigi em 19 do corrente sob n. 608, tenho
a dizer, que, nao obstante as ponderagoes feitas
pela coniadoria dessa lliesouraria no parecer que
por copia veio annexo ao seo citado offlcio, mande
pagar por conta do crdito de 2:0005000, de que
traa o mencionado parecer, os 494000, que se es-
to a dever a Joaquim Jos Ferreira Penha, pro-
veniente dos concertos par elle feitos na cavalla-
riga da casa onde presentemente se acha o quartel
do commando das armas.
Dito ao mesmo.Attendendo ao que expz no
incluso requerimento o bacharel Antonio Colum-
bao Seraphico do Assis Carvalho, juiz municipal
do termo do Bonito, recommendo a V. S., que
mande pagar ao supplicante os sem vencimentos
relativos aos dias decorridos do 1" a 11 de maio
este anoo, em que por doente deixou o exercicio
do sea emprego, considerando se assim abonadas
as faltas por elle dadas n'aquelles dias.
Dito ao mesmo. -itecommendo a V. S., que, nos
termos de sua ioformago de 21 de abril do anno
prximo passaio sob n. 205, mande pagar por
conta do ministerio da marinlia, a quantia de.....
7:774J>000, que se est a dever ao barao do Livra-
mento, por haver concluido opportunamente e de
conformidad com o seu contrato, os concertos de
que preclsava o caes entre as pontes da Boa Vista
c da ra da Aurora, pois que o predito caes foi
eito por coma das verbas destinadas s obras do
melhoramento do porto desta cidade, e a sua con-
servago torna-se indispensavel a canalisago do
rio, segundo informou o inspector do arsenal de
marrana.
Dito ao mesmo.-Inteirado de quanto v.s. expoz
em sua ioformago de 16 do corrente, sob n. 593,
dada com referencia a da contadoria dessa thesou
raria, o auloriso a mandar pagar sob minha res-
ponsabilidade, os vencimentos do mordomo do la-
zareto do Pina, Jos Leopoldo da Silva, no corrente
exercicio, at que para esse fim baixe ordem do
tribunal do ihesouro nacional.
Dito *o mesmo.Nao havendo crdito, segundo
consta de sua Informago de hontem, sob n. 612,
para pagamento da conslgnago de 145000, relati-
va aos mezes de margo ajunho deste anno, que de
seu sold deixou nesia provincia, para ser entregue
sua familia, o 2 cirurgiao do corpo de sade do
exercito, Dr. Manoel Eoedino do Reg Valenga,
antoriso V. S. a mandar fazer effectivo sse paga-
mento, sob minha responsabilidade, visto assim o
naver solicitado o procurador do mencionado ci-
rurgio. v
Dito ao inspector da thesourana provincial.
Auloriso V. S. nos termos de sua Ioformago de
hontem, sob n. 324, a mandar entregar, mediante
flanga idnea, mesa regedora da irmandade do
Sanlissimo Sacramento da freguezia do Rio-For-
moso, a quantia de 1:5005000, votado pelo arl. 15
5o da lei do orgamento vigente, para as obras da
Sabbado, a' urna hora da tarde, deve ter lu-
gar a reunio do Instituto Filial da Ordem dos
Advogados nesta cidade, no convento do tormo,
alim de prestarem juramento e tomarem posse os
merabros novamente eleitos, e tralar-se da eleicao
da mesa e mais cargos do instituto.
Sahe hoje para o Para' o hiate nacional Lindo
Portara.O presidente da provincia, altendendo : panWtt recebendo smalas do correio as II
ao que requereu o professor publico de instruego horas.
primaria da freguezia de S. Vicente, Virgilio Viei-1 "0 agente oiympio em seu armazem sito
ra da Costa Pioto, e tendo em vista a informaga-j do i rua da Cadeia do Recife n. 36, faz hoje leilo de
director geral interino da instruego publica c 19 I n,obilias, pianos, trastes avulsos, objectos deouro
do corrente, sob n. 244, resolve, de conormidade 1 e prata, relogios. charutos da Havana e Bahia e
com o art. 23 da lei n. 598, de 13 de maio do anno | OU[ros muilos artigos.
passado, remove lo daquella cadeira para a da de sD a denominaco de Nofies desyslema me-
Nossa Senhora do O' de Goianna. Fizeram-se as' nco fcciml, acaba d'e ser impressa com toda a
necessarias communicagoes a este respeito. | mudez na typographia Universal urna pequea bro-
ment de urna companhia de voluntarios da patria l
na comarca de Paje de Flores, e recomraenda s
autoridades locaes, a quem esta fr apresentada, que
Ihe facilite o desempenho de sua misso.
para
goes fiseaes, curso commercial e aulas primarias
da provincia. Sob o titulo, pois, que cima se l
publica o Sr. Jos Antonio Gomes Jnior 11 Impor-
tantes taboas comparativas das actuaes medidas de
peso, de capacidade e de esteno com as do syste-
raa mtrico francez, j mandado adoptar pelo go-
verno era todo o Imperio, de tal sorte calculadas,
que o guarda-livros, o caixeiro, ou ainda o empre-
Dita.O presidente da provincia resolve, de con-
formidade com o regulamento annexo ao decreto
n. 3,403 de U de fevereiro ultimo, nomear para o
lugar de escrivo do presidio de Fernando a Jos
Antonio de Moraes, que jase acha exercendo o re- gado de qualquer secgao da fazenda, nao tem raais
ferido luar do que procurar na respectiva taboa o caso que se
Dita o presidente da provincia tendo em vista o! Ihe offerece, e por nina operago simplissima acha-
que propoz o director geral da instruego publica i ra desde logo a reduegao que pretende de libras a
em oITlrio de 19 do corrente, sob n. 246, resolve' Mogrammas, de varas e cavados a vietns, e de al-
nomear a Antonio Joaquim dos Santos Maogabeira, mudes e caadas a litros, at as ultimas fraegoes
para reger interinamente, e mediante a gratifica- de cada unidade, precedidas semelhantes taboas de
gao annual de 6005000. a cadeira de instruego pri- explicagoes indispeosaveis para os que se nao
maria da villa da Boa-Vista.Fizeram-se as neces- achara iniciados no systema decimal, e de variados
sarias communicacoes. i exeraplos de reduegao, de medida a medida e do
valor em rin, para cada cooverso intentada.
Era j lempo de ser adoptado entre nos o syste-
ma mtrico, hoje uniformemente aceito por todos
os p'aizes da Europa e da America. Faltava-nos
apenas quem o tornasse facilimo na pratica, para
versados em operagOes ari-
Dita.O presidente da provincia resolve incum-
bir o tpnente-coronel Francisco de Albuquerque
Maranhao Cavalcante, do alistamento de volunta-
rios da patria, para o qne recommenda a todas as
autoridades, a quem esta for apresentada, que Ihe I os individuos menos
pre de sua commisso. O Sr. Gomes Jnior, que j havia dotado a nossa
. ._ ., j praca com as suas Annotacoes aos prmcipaes arti-
Dita -O presidente da provincia altendendo ao vos\ Codigo commercial Brasileiro e com as suas
que requereu Mana Felicia de Castro eSilTa^^ "~^ ^ escrBt*racSo uanatU por partidas do-
tendo em vista a informago do director geral inte- 6radai que |he valeiram as mais lisongeiras apre-
rio da instruego publica de 19 do corrente, sob ciaCes de tribunaes e horneas competentes, vera
n. 247, resolve nomea-la para reger iDtwInameiite, agora acudir esta necessidade popular, prestan-
e mediante a grai.ficagao annual de 6005000, a d* ass|ra nra verdadeiro servigo a todo o Brasil,
cadeira de instruego primaria da villa do Ouncu-Coma9saas ^ Commodas e to claras taboas
ry, creada pela le n. 598 de 13 de maio do anno comparaiivas, que bao de sem duvida acbar lugar
passado. Fizerara-se as necessanas communica- em ^ os escrip,orip3> em todas as bancas e em
c5es.
todas as casas de negocio, como um pequeo e ti-
lsimo promptuario de operagdes.
i\"o duvidamos portanio que, dentro em ponco,
se veja o Sr. Gomes Jnior obrigado a tentar urna
segunda edico das suas excellentes Nocoes dosys
tema mtrico.
Casa ob oetenqao.Mov ment do dia 22 de
Expediente do secretario do governo do dia 22 de agosode 1865 :
ayosto de 1860.
Dita.O Sr. gerente da cempanba Pernambuca-
na, mande dar urna passagem de estado pr&a, no
vapor Pcrsinunja, at o Cear, ao ex-sargento do
corpo de voluntarios da patria daquella provincia,
Antonio Gregorio Taumaturgo Jnior.
Offlcio ao inspector da thesonraria de fazenda.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda trans-
mitid V. S. a inclusa ordem do thesouro nacio-
nal sob n. 90.
Dito ao Rvd. Sr. conego padre Tranquilino La-
bral Tavares de Vascencellos. Pela secrelaria do
governo se communca ao Rvd. Sr. conego de meia
prebenda da cathedrai de Olinda, padre Tranquil!- j Manoel Joaquim da Silva,
no Cabra Tavares de Vasooncellos, que, segundo *
consta de offlcio da secretaria de estado dos neg- Cemitbrio publico. Obtuano do dia 22 de
dos do Imperio de 15 de julho nllimo, S. M. o Im- agosto : .,. .__kS lo
perador por portarla dessa data houve por bem I Celestino Antonio Candido Punentel, Mai hao, II
Existam 375; entraram 8 ; sahiram 12; falle-
ceu 1 ; existem 370, a saber: nacionaes 281; om-
itieres 5; eslrangeiros 22 ; eslrangeiras 2; escra-
vo? 55 ; escravas 5, total 370.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 180.
Movimento da enfermara do dia 23 de agosto
de 1865.
Tiveram alta :
Luiz, escravo, sentenciado.
conceder-lhe dispensa da residencia amara a que
obrigado pelos estatutos da mesma cathedrai, Ocan-
do V. Rvma. certo de que a mencionada portarla
existe nesta secretaria, para Ihe ser entregue, de- i^^vi?/."*"^."';.. aDnos' ****?> Boa'
pois de pagos os respectivos direitor.
annos, solteiro, Boa-Vista : bexigas.
Antonio Joaquim de Lima, Pernambuco, t* annos,
solteiro, Sanio Antonio ; gastro colite ehronico.
Vista; hepatHe ehrooica.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 7 DE JUNHO
DE 1865.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Srs. Aquino Fonseca, Dr Miranda,
Santos, Gustavo do Reg, Silva do Brasil, Pires Fer-
reira e Dr. Villas-boas, faltando com causa os mais
senhores, abre-se a sesso, e lida e approvada a
acta da antecedente.
L-se o seguale
EXPEDIENTE.
Um offlcio do xm. presidente da provincia de 2 do
corrinte, em resposta ao que a cmara municipal
Ihe dirigi em 26 de abril ultimo, sob n. 25, solici-
tando providencias para que a reparligo das obras
publicas nao continu, como tem acontecido algu-
rnas vezes, a fazer alterago na plaata da cidade,
por occasio de coastrnegoes de obras nella desig-
das, transmute em original a informago que a esse
respeito minstrou, o chele daquella repartidlo em
24 de maio prximo Ando, a qual Ihe ser devolvi-
da com os documentos que a ella acompanhara,
reflexionando a cmara com o que Ihe parecer
justo.
Posto emdiscusso, resolveu-se mandar ouvr ao !
engenlieiro, dizeodose-lhe que houvesse de infor-!
mar a respeito.
Outro do mesmo, de 5 do corrente, dizendo que
estando inteirado pelo que Ihe diiigio acamara em
31 de maio nllimo, sob n. 39, dos motivos pelos
quaes deixou o respectivo secretario de passar a
cerlido requerida pelo Dr. Joaquim Jue o Cam-
pos, cumpre que a mesma cmara o mande fazer,
romo Ih ''' onii-naj em offli'.io de 22 daquelle
mez, tndepeodente de novo requerimento, e deter-1
mine ao mesmo secretario que deve passar as cer-1
tidoes, nao so do que constar no archivo a seu 1
cargo, mais tambam mandar passar do qce constar
da contadoria, visto como o requerimento que
elle se refere, nao pode revogar ou limitar a lei de ;
28 de outubrode 1828, que no art. 79 Ihe d facul-!
dade de passar certidSo, independente de despacho
da cmara.
Posto em dscussao, deliberou-se consultar so'
advogado, remettendo-selhe copia do offlcio dirigi-
do a presidencia acerca desta questo, d^termi-
nando-se em seguida ao contar que passasse cer-
tido.
Outro do Dr. Francisco d'Araujo Barros, juiz
municipal da 2* vara, communicando que se arria-
va em exercicio di mesmo cargo, desde o da 28
de maio ultimo, inclusive. lnteirada.
Outro do solicitador, remetiendo a conta das
dispezas judiciaes por elle feitas com as causas da
cmara desde o dia 7 de dezembro do anno passa-
do, at hoje na importancia de 1415170, para cujas
dispezas recebeu a quanlia de 1005, de que passou j
recibo ao procurador em abril do crrente anno.:
havendo um saldo a seu favor de 415170, e para
este e as dispezas que occorrerem pede a quanlia
de O05.
Mandou se ordem ao procurador para entregar a
quaolia pedida pelo solicitador, e remetter a conta
a commisso de polica.
Oulro do procurador, remelteodo o balango da
recelta e dispeza relativo ao mez de maio ulti-
mo.A' conmisso de polica.
Outro do administrador do cemiterio publico
desta cidade, communicando que a irmandade do
Senhor Bom Jess das Dores, erecta na igreja de
S. Gongalo, ja te-n catacumbas para inhumar os
cadveres de seus irmos; pelo que poda o procu-;
rador extrahr guias ijuando Ihe fossem pedidas
por aquella irmandade.Que se communicasse ao
procurador.
Outro do mesmo, trazendo ao conheciraento da
cmara que a estrada que parte da denominada:
Luiz do Reg, em frente aquello estabelecimenlo,
acha-se arruinada pelas copiosas chuvas, que lti-
mamente tem cabido, e igualmente os paredoes dos
assentos lateraes que brevemeote viro a desabar
cora a contiauago das raesmas chuvas.
Posto em dscussao, mandou-se offl iar ao enge-
nheiro para ir examinar, e dar o seu parecer.
Outro do eogenheiro cordiador, informando o re-
querimeolo em que Luiz Gopgalves da Silva, pro-1
prielario do sobrado n..J5 da raa da Moeda, pede
para quo Ihe seja permettido, concertar a coberta da
cosinha do mesmo sobrado; declara nada ter que
oppor a pretengo do peticionario. Conce-
deu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimento, no
qual o barao do Livramenlo, pede para que Ihe seja
concedido reedificar as suas casas terreas, sitas a
rua Imperial ns. 67 e 69, diz nada ter que oppor a
preiengo do peticionario, urna vez que, como man-
dam as posturas era vigor, se Ine d cordiago e
nivellamento.Mandou-se cordiar.
Outro do aesmo, informando o requerimento em
que o Dr. Antonio Joaquim de Moraes e Silva, pede
para que Ihe seja permettido edificar no resto do
seu terreno do lugar da Casa-Forte, duas casas
terreas cora a mesma cordiago, alinhamento e
nivellamento e perspectiva das seis casas novas
contiguas que j existem naquelle terreno; diz que
iodo ao logar examinar a pretengo do peticiona-
rio, achou que as casas a que elle se refere nao
estao construidas segundo a cordiago e aliniia-
meolo que Ihes foram dados, pois que ellas
acham-se era urna so lioha, deveudo seguir duas
formando no meio untaogulo saliente; entretanto
a nao cenceder-se ag qae o peticionario pre-
tende, e sendo elle .do a edificar as duas
casas para que pede >';a no alinhamento traca-
do na planta, vira i^ t ali um recanto que dis-
feara a rna.
Posto era dscussao, mandou-se ouvr a commis-
so de edificages.
Outro do mesmo, informando nao haver incon-
veniente em conceder-se a licenga que em seu re-
querimento jnnto, pede o Dr. Joaquim Antonio
Carneiro da Cunha Miranda, para edificar casas
terreas era seu terreno da raa do Principe, urna
vez que Ihe sajara dados o nvelamento e cordia-
go.Mandou-se cordiar.
Outro da mesmo, informando o requerimento no
qnal Luiz Candido Alfonso Moreira pede para que
ihe seja permjltido demoiir o moro construido
frente do seu-terreno a ruada Soledade na Boa-
ment das casas que Ihe ficam de um e outro lado
e bem que o nivellamento mais alto seja em su.
opinlao o que se deve preferir, e com islo se c in-
forme o pretendente, todava jnlgou prudente tra-
zer esta oceurrencia ao conheciraento da cmara,
para que seja ouvida a respeito a commisso de
edificages.Assim se resolveu.
Ontro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento, no qual Candido Martin de Araujo, peda
para que Ihe seja concedido fazer alguns reparos
as cobertas de suas casas rua Imperial ns. 30n
e 123 ; diz que nada ha que oppor a presengo do de 1865. -Antonio Pires Ferreira. -
peticionario.-Concedeu-e. Despacbarain-se as petigoes de Antonio Loiz Tei-
Outro do memo, informando o requerimento no xeira Guimares, Antonio J .aqmm Dias Medronho.
qual o coronel Domingos Antonio Nery Ferreira, Bento Jos Ferreira, barao do Livramenlo, Bariho-
pede que Ihe seja concedido fazer cornija e ouiros lomeu Francisco de Souza, Candido Aff .no Morei-
reparos na frente da casa de sobrado sita rua ra, coronel Domingos Affonso Nery Ferreira, Fran-
das Crines n. 62 declara que dirgindo-se aquel cisco Romo da Cruz, Francisco de Afffefam Dr.
la rua para examin.r a casa em questo, nao achon Joaquim Antonio Carneiro da Caoba Miranda, Im-
nenhuma que tvesst to elevada numerago, pelo qum Francisco torrea, Joao Th .m de Je*i, Dr.
que julga ter havido engao na declarago feila Joaquim Jos de Campos, tenante coronel Joao de
pelo peticionario.-Que declarasse o numero par.'. Sa Cavalcante d'Albuquerqoe, Jos Pereira Viaaan,
ser deferido. Maooel Marioho do Nascimenlo, D. Mana Rom a
Outro do mesmo, informando o requerimento no Silva Ayres, Manoel Joaquim Fraocisco de Moara,
qual D. Mara Rosa da Silva Ayres, pede para que Tatareto Valeriaoo Baplisla tt).
Ihe seja concedido reedificar o sobrado que fura al-: E levaotouse a sesso.
ti mmente demolido rua da Madre de Deus n. Eu Franci-co Canuto da Boa-viafea, secretario
38, elevando o de novo altura de dous andares, a subscrevi.
com tres ponas no pavimento terreo, veran cor- Declaro em tempo que o Sr. vereador Pires Per-
rida, etc.; declara que nada tem a oppor, urna vez reir foi nomeado pelo Sr. prenderte para oeeopar
que a reedilicago, que pretende a peticionaria fa- provisoriamente o lugar de raerabro da romnm)
zer, seja precedida da necessaria cordeago.Man- (i. polica durante o impedimento do Sr. Cosa
dou-se cordear. \ Mooteiro.
Oulro do mesmo, informando o requerimento no Boa-viagem. o declarei.-Pereira Siades, ero
qual Manoel Marinho do Nascimento, propietario presidente, Santos, Reg, Fonseca, Dr. Mnala,
da casa terrea sita rua do Rosario n. 48 da fre- Antonio Pires Ferreira.
guezia da Boa-Vista, pede para que Ihe seja conce- \
dido levantar nos fundos da mesma casa um mnro j
cora porta ; diz que ficaodo o muro em questo,
em a rua dos Pires, deve o pretendente dar-lhe a
prespectva de casa terrea com cornija e isto de-
pois de obtida a cordeago. Mandou-se cor-
COMMNICiBOS.
11
O bom acolhimento qae merecen o nosso prime-
ro artigo sobre os dous problemas da actual
dear.
Oulro do fiscal da freguezia do Recife, ioforman-
do a petigo de Manoel Jos Pereira; diz que nao
tendo conhecmsnto exacto da data em qne o snp-; guerra, e partides que se nfunlem,Incita wn
plicante estabeleceu os talhos de qne trata na dita a arcreseenlar algumas consideraedes ao ojne j
petigo, todava parece Ihe que ostando os mesmos' dssemos para mostrar que a alliaoca dos bberaes
abertos a tantos aonos, devia o sapplicanle ler par com os conservadores firmes menos antipaihu-a
isso a devida licenga, pelo que acha justo conce-: do que a destes com os lgueiros propriamentj da-
derse-lhe o que agora pede.Concedeu-se. tos.isto -a fraegodos individuos qoe sep*raraa>-
Outro do mesmo, informando o requerimeoto d?' se dos doos partidos, formando una eolligaeo pa-
Carlos Hoffhman, que requer licenga, para estabe- ra... sejamos francos... para seo proteno pes-
lecer ama offleina de ferreiro na raa do Brum, ca- soal.
00 d 34. onde ouir'nra oKetira um fabiica ae DirSu, purea), os ligneiros, como sempre lee
costuras, junto fundigo do Bowman; declara dito, que fizeram lo grande espalhafato coa o saa-
que exisindo na mesma rua diversos estabeleci- lo proposito de felicitaren este pobre paix. Maso
mentos de igual natnreza, parece-lhe qne deve ser caso que em muilo ponco lempo leaos tido, ea
defirido favoravelmento o peticionario.Conce- vez do j>romettido man, todas as sete pragas do
deu-se. Egypto.
Outro do mesmo, informando o requerimento no Urna de duas : ou esto 03 progressutas ronven-
qual Joo Ferreira dos Santos Jnior, pede licenga! cidos da existencia dos males provenieotes deseo
para collocar tres soleiras em seu sobrado o. 37 da! dominio, oa nao esto. Na afflrmativa, para qae
rna do Amorim ; diz que nada tem a oppor pre- i ho de querer qae oatra pareiali lade se torne so-
tengo do peticionarlo, urna vez que pague elle o lidariamente res|ionsavel com elles, que deven toa
imposto respectivo e colloque as soleiras de accor-: seus proprios esforgos concertar o edificio qae ar-
do corr o nivellamento das casas vsinhas.Conce-1 ruinaran), e entrgalo depois disto a qaea o liver
deu-se de conformdade com a informaco. I de oceupar ?
Outro do mesmo, informando a petigo na qnal j Si, porm, eniendem que nao ha romas para
Joo Botelho Jnior, pede para estabelecer na casa' que convocar noves obreiros ? Tratem d> coaser-
n. 7 da rua do Apollo urna fabrica de fazer licor e' vai e augmentar o que est felo : ana larefa
vinagre; declara nao ser possivel ser favoravel- que a grande maioria do pata pode de-sempenhar
mente deferida semelhante petigo, por nao ter a \ sem ajuda estranha. Nao boro mudar de arrbi-
dia casa proporcoes onde pos.ia ser collocada a; tectos. Quera concebeu o plano, e o leven a toi p
chamin, alambique e caldeiras.A' commisso de; de execugo, o mais talhado para o remate.
sade. Agora si a matoria (como j confessaa fraare-
Outro do mesmo, informando o requerimento era mente alguns de seas membros) adquiri a enera
que o ex guarda Francisco Bomo da Cruz, pede dolorosa de qoe lado esli irremediavelnenie per-
se Ihe maade pagar os seas vencimentos do Io de dido,-no quena por candade eonornaanaras
abril a 24 de malo, dia em que foi exonerad" Hn. nnm-An^ ona-u /-**'" "^ p. I- --.
dito c"n dooia.a "u o aplicante em todo o, de urna hora para ontra pode desabar. >infoen
mez de abril compareceu diariamente s 10 e 11 ho- deseja carregar cora a colpa alheia.
ras e retrava-se quando Iheparecia, sem que dsse I Isto nao quer dizer que os progressistas pooaam-
parle a elle fiscal, entretanto, tendo pedido o atles-; se a eanlar a palinodia, confesaodo a soa lapo-
tado no fim do mez, nesle sentido Ihe fra dado o tencla, e lamentando as desgragas da nai patria,
mesmo attestado, o qual uo quiz receber e quanlo! que foi trahida. Nada de escndalo. Ceos perca-
aos 24 dias do referido mez de maio, em nenhura dos s se dizera ao p do confeseor. E a peai-a-
delles compareceu, pelo que nao foi empregadonos, cia deve ser silenciosa, reservada, de nodo aae
differentes servigos da freguezia. por ella nlo suspeitem os estracbos a graneada
Posto em dscussao, o Sr. Dr. Miranda pede a da falta.
palavra e propoe para que se pagae ao ex-guarda
lodos os vencimentos, sto do mez de abril aos
24 das do de maio.
O Sr. Santos, pede a palavra, e oppoe-se qae se-
ja pago o dito ex-guarda do ordenado relativo ao
tempo que deixou de se apresentar na freguezia
para fazer o servigo que Ihe competa, sendo que,
tendo assim elle procedido, como affirma o fiscal,
nao tem direito ao ordenado.
O Sr. Silva do Brasil, pede igualmente a palavra,
e declara ser de opinio que se pagasse todo o ven-
cimento como propoz o Sr. Dr. Miranda.
O Sr. presidente de opinio de se pagar so-
mente o mez de abril, embora nao tivesse o ex-
guarda comparecido, como devia, todas as horas a
que era obrigado.
O Sr. Gustavo do Reg concorda cora a oplniso
dos Srs. Dr. Miranda e Sila do Brasil.
O Sr. Dr. Villas Boas prooaoca-se pela proposla
do Sr. Dr. Miranda.
O Sr. Santos declara nao fazer questo acerca do
pagamento do ordenado do mez deabril.
Discutida a meterla, e nao havendo mais quera
Tmha para isso um meio simples a gente pro-
gressista : era deixar o limo a pilotos mais ba-
is, fazendo incensantes votos a Dos para qat m
Ilumine, e pedindo perdo para si propria.
Mas nao fazem islo, oo, os progrettims. Blas
acliam que s ha desar em largar o basti. E" par
isso que pretenden) realizar nesle mondo o bata
sonho da vida eterna, sempre cercada de de tar as.
Idearam assim um paraso a seo nodo ea anto
valle de lagrymas. Bemaventorada seila a pro-
gressista 1
Para outros, e principalmente para os bae
firmes e honestas, possaidos da mana faa de olbarem mais para o bem poblico do qae para
o seu particular, a poltica antes oa oaas aae
um beneficio lucrativo. Sacrifican) sade, ca
dos, fortuna, gozos tranquillos da familia,;
mai charas, um bello futuros vraes,
de um raytho collerlivo chamado painotisno, leal-
dade, honra, pundonor, abnegaco, etc.
Os ligoeiros sao homens to felizes qoe alr as
desgragas da nacao Ibes serven de pedestal, e vio
concorrendo para prolongar-Ibes a existencia. A
fallasse, posto a votos se devia ser pago o ex gnar- j sitoacao j nao seria tota mais qoe o
da Francisco Romo da Cruz, de lodos os venc
mentos, ou smeote dos do mez de abril, empalcu
na votago, e o Sr presidente tendo votado pela ol-
1 tima parte, desempatou pelo que havia votado, e
assim mandou se-smente pagar o ordenado deum
mez.
Outro do fiscal de Santo Antonio, informando fa-
voravelraente a petigo, na qual Francisco de Assis
Veiga, pede para arrear a trapeira de sua casa n.
19 da rua das Trincheiras, e tambera botar male-
riaes na rua.Concedeu-se.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jos, informan-
do a petlgao na qual Joo Pinches, pede licenga
para estabelecer urna padaria na casa n. 2 da rua
Imperial; diz que indo examinar a dita casa, u.io
achou-a com as proporgoes necessarias para o es-
tabelecimento de padaria. A' commisso de
sade.
Oulro do mesmo, inlormando favoravel mente a
petigo, na gual Joo Evangelista Pereira Lima,
pede licenga para estabelecer um fabrico de fogos
arlificiaes no atierro dos Afogados.Conceden-se.
A' commisso de polica, a quem foi remetiido
era 26 de abril ultimo, o offlcio do fiscal da fregue-
zia de Santo Aotooio, informando o requerimento
de Jos Luiz Lins, que pretenda estabelecer um
recordaco histrica, si nao fosse a guerra asea
ciada a ouiras calamidades publicas de gra
vulto. Todos fogem ao legado, e muitos
que a epecha nao propria para orna mutaco de
scena poltica.
Os conservadores foram sobmergidos qoaade a
lago se achava mais sereno. E' sempre o qae toen
acontece, nao sabemos por que inspiraqio oa fi-
ado...............................'........
Quanto aos liberaos divergentes da liga, anee
estavam fra do poder, e naturalmente ataiajua
a derrota de seus adversarios naturaes. A urina
liga ao principio. Foram completamente Mata-
dos. Julgavam que fariam sua aseensao m pm da
moderadosligueiros. Qual I Este* liaban sajen
tadi mais cedo a poss'bilidade da coatradaaca
constitucional contra a gente conservadora, aavee
tao sabemos que sybilla qoe soproo-lites aaaa car-
la inspiracao... Fizeram snas eonbioacoes nata-
nicas, obtiveram promessas de garanta ; e reea-
beram o basti do commando (neo arenas ta
quem : o nosso segredo por ora.) Os liaaraa %
caram na retaguarda : elles laxoa recontar an
partido histrico, quando o qoe se quera era a **-
gaciio do passado,urna exeeolricidade como en-
tras muitas elevadas i altara de programan ea cav
taino na casa o. 4o da rua do Imperador, dea ver- pola da goveroacao do estada
balmeote o seu parecer no sentido de conceder
licenga pedida por Jos Luiz.Permiltlo-se.
0 Sr. Pires Ferreira, apresentou o seguinie re-
querimento contendo um projecto de postaras, o
: qual mandou-se remetter ao engenheiro desta c-
mara para dar seu parecer.
1 Requeiro que seja ouvido o engenheiro desta
: cmara sobre a seguinie postura :
Arl. 1." As aguas furladas que se levantarem as
casas de sobrado, que tiverem sido construidas
conforme .as postaras em vigor, terao dei palmes
O meio de moter era posicio
liberaos era neutraliza los, enlraqoeee-tos, disea
do-se, porm, qae a figura da sitnaeo ere I
sem excessos, com nos laivos de eoasarveeaa
emperramento. Para islo era prenso ene a 1
sacio e direcgo dos gabinetes, ea
riaes e outros percalgos mais pinga
sem na niel hor parte aos moderamos.
os liberaes nos posios inferiores,
de um estado maior qne se eeeoaara a 1
Ora, a digoidade huaana tea seus

1.

III I .^.r* aonaa a


filarlo d Frnmfoiico Sexta feira t5 de Agosto de 2 86*.
elle? haviara de flear Jangflcsa:) carro da nw
racao, ou haviam de augmentar a- Usa do pros-
cripto?. Preferiram o segundo alvilre.
Pois esta nobre resologao pode deixar de. ser
sympathica aos homeos que uSo faieto da poltica
uai simples jogo de especula;ao e, de mercanca %
Os moderados por antonomasia tornarara-se ap-
prehensivos vendo os liberaos recalcitraren). P'
ram colricos para esses seos alliados da *l-
como haviam olhado para os cons<" ***Pra,
j agora vo merecendo por seo *a*-ores que
risos, que felizmente nao sa" *"rno Iguas sor-
Os moderadosAigueir~ tratadores,
versalilidade espan' -> w elTeito, sao de urna
Mas p'utn pon' jsa Para o a01" e Para oai-
>- i Ihes Tazemis nos a mais comple-
cills nao podem" seriamente afogara
Com a imposlgao i>
cahresto (mais assenta em reth do Cabo, acha-se bom, como se v de Mas dir-se-haurna pcssoa pobre nao tem das com o referido xarope alchoolico devlame;
fiamos com .*tach*ma-io & convenio, P"', sua caria abaixo transcripta, Iciq de oolros, eios de se transportar e alli estara isso tuueiautoqueaiguns, tendo usado doisroped
K ".* btSVSSBftJSSii*<*. qepoder.a aqu mencionar. se responde, que naqaelles lagares existem g {gJVhTe"out *W
r- ..tosos de Uacei mu ) A phthysica a destruido e a magreza casas vastase alugam-se por preco commo- desia ordem nada consegoiram. F' plf *,ge?tes.
' .'Wanos cantigas, acreditareis que nos possam de todo corpo, em COnsequencia de chagas, do, e mesmo muitOS gneros de primeira digestao, agradavel o paladar jo'tilntitn ai
nnoeentar, ou destruir os fados de que somos ac-. tubrculos concreccao dos bofes e de em-; necessidade all se vendem pelos mesmos, 8uns mdicos desta cidade e da de Ma,;,^ le^
Bm sabemos que, primeiro deviamo-nos defen-; Pyema, atropbiii nervosa* e outras molestias precos que aqui. j irpZr^^
dtr aqui, c senionos tmpossivel, e a conselhados que vtciam OS humores, como escorbuto..1 Aquelles, pois, que estivcrem Uestas Cir-, Tumores'ulcera esc pelo t b. N. recorremos i roiha... alporcas, gallico, asthla, bexigas, saram-! curastancias, eu Ibes facilito explicar os meios Candes, 'sama dinerada, fiuxo alvo
Porm os comelhos do C. tem nos castado caro, na pi,> .i i iu r T^ne utsc ir ~-^""""'> uuaiYo.
at jd nao dispensa as sopas do mata somno, alm P elC\ ,. ... _. Pe.los do pao e bolacha e. esfregns de algibeira. m pnlhysica, chegando ao estado de gra- re os medicamentos gratuitamente,
k (j_j -- .j mes lazeims aos .mais cumplo- Estamos vendo quando nos vem morar em vidade, o que muito pode concorrer pata a Nao deixarei de advertir ao publico, que
idea'' lies nao podem seriamente affagar a cnsa/ salvaco do doente e ajudar os medioamen- as minhas preparacoes de veame sao reu-
!uc jlevarem a reboque os conservadores. Sub- Estamos desconfiados cora elle ; prometteu-nos tns /.,_. p... .,,nio,. _,., *: .{; .- ,. 'O,ou, oa" '
>sar os liberaes era mna pretenco muito ousada.' fazer calar o Salgado, para certo fim, porm foi ^se o ar do campo.exerctcio conveniente nidas com ootros ingredientes, e com elles
terna ; nao ha pois raiao alguma 'm crer que el-
Querer jungir os conservadores* aos clculos de
una poltica... tnqualifica;el... sena urna em-
prima capaz de provocar... o riso.
Nossos adversarios de hoje haviam de exultar no
dia em que nosvissem aceitar sua alhanga. Sacri-
flcamo-los,diriara elles ;desfeiteamo los etoma-
mo lhes de assalto as posigSes; reatamos a nossa
cadea de gozos offlciaes ; espesinhmos os liberaes
recalcitrantes: agora Toreamos os conservadores
a receberem nosso apois ; ricamos com o grande
quinhao nos despojos da luta fratricida ; continua-
mos na supremaca ; saciamo-n >s cora a vioganca
exercida contra os liberaes, e iinalmentu acharaos
cumplices ou escudeiros que nos amparen) das
maldades provocadas pelas desgracas da patria
que se devem nessa fatal dominacao.
Conservadore- e liberaes sao os proscriptos. A
ideotidade de sorte e o golpe cominum da perfidia
estabelecem nm lago de sympathia. Nem ajiostata
mo?, nem commeltemos ingtatido, era viramos a
casada.
Si houve erros no passado, nem os glorifiquemos,
nem facamos recrirmnagoes escusadas.
Tambera nao temis ijue pret-xtar modificacSo
profuala as ideas. Todos .omos constilncionaes.
QbI o Brasileiro de boa f.j que nao qaeira since-
raraeute a allian^a da ord -ra ora a libelado ? Res-
tara pequenas divergencias no modo pratieo da
realizaco das idea, pontos de dlffernc>s quasi
imjierccptiveis na rcalidade. Dilfleuldadr- sopan-
vel. .\a pratica como na theoria a verdade urna
s,e quasi sempre se eocontra no meio termo. As-
sim haja sinceridade no proposito de descob'i-la.
Compre sobre tudo nao perder de vista a indole e
estado de civiiisaeao do nosso povo. Nao s
dara fazer para o nosso pai transplantagois pre-
coces de arvores que so fruclilicam brm n'outra
peior a emenda que o soneto
O Salgado nao tem receto de annos de nasci-
mentos, nem de mrtes !...
Temos dtsso provas suffiaentes... estamos no
mesmo caso, que nos contavam uossis M. isto
que os L... habis e astutos guando sao pegados
com a bocea na botija, (como nos) e o roubado
grita pega L... este odiante fugndogrtta tambem
pega L... e assim conseguem escapar ao castigo
da ln,.-.. e outras vezes com o producto do roubo
perseguir ao roubado III! ET o que estamos fa-
zendo em quanto nao vira... o feittco....
Recite, 24 de agosto de 1865.
Janjan Linguiga Al ves Moura.
Luiz Mala Somno Fonceca Carrocelro.
O C. B. N.
Kaggado & C.
Coelho Perudo.
L. Cara de Hapoza.
Pentinho sem crista.
P. fraca.
Gallo velho.
e dieta, a quat nao deve ser de nenhuma tenbo obtido ptimos resultados: naoseen-
'-v

Tambem lomos a beliscadinha que o Afogadense
quiz dar no illtn. Sr. tenenle-coroncl Mauoel Joa-
i|um do Reg e Albuquenjue, inserida no Diario
de hontem ; o comquanto parega-nos que o Sr.
Reg e Albuquer
nao potentado em
proprio Afogaden-
prelen- fessar ser verdade o que disse o Sr. tenento coro-
nel, em ua corrus iondencia, cojo trecho citou o
Afogdenso ; e senSo. demonstre o Afogadense o
las se podem curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tratamento das affecgOes do systema nervo-
so e fibroso, taes como:
Gotta, rheumatismo, paralysla,
coa queme, ou de defficil digestao; ea gane o mesmo'publico com outros que por MSo!^LSrecimeno.
bebida cumpre que seja de natureza branda ah se annunciam, cujas preparares ignoro, O xarope ajehoolico de veame sobre udo, da
e fresca. i assim cohio o aproveitamenlo aos enfermos, rnaior niidade para curar radicalmenu, e em
Todo o seu alimento se ha de dirigir a a quem porventura tenham sido applicados; pouc
moderar a acrimonia dos humores, e a nu-jcada um responde por si, e eu affirmocom
trir e suster o doente, para o que preciso, verdade o queauui tenhorelatado, cujos me-
reduzi-lo ao uso de vegetaes e leite. dicamentos nesta provincia s vendo em mi-
Toda comida e bebida, que se tomar ha nha botica na ra Direita n. 88.
de ser em poucas porces, para evitar que Jos da Rocha Paranhos.
0 excesso do chylo fresco opprima os bofes Nazreth do Cabo, 7 de setembro de 1863.
e accelere muito a circularlo do sangue. i Illm. Sr. Jos da Rucha Paranhos.Com
Muit.es doentes desta molestia se team en- o maior prazer levo ac conhecimento de V.
trege ao uso do oleo de flgado de bacalho, S., que o doente que V. S. acha-se admi-
e outras preparacoes de resinase blsamos, nistrando-lhe re nedios.acha-se no todo res-
sem que dellas tenham tirado proveito ; e tabelecido, portante, ndaseme, tendo des-
alguns expositores de medicina combatem apparecido notodoatosse, tem muitadispo-
com muita razao esse tratamento. sico comida e acha-se nutrido. Deixou
E' cotume carregar o estomago do doen-'tomar os ltimos remedios que V. S. recei-
te com medicamentos oleosos e balsmicos; !tou no dia 30 do passado. resta agora a V.
1 porm estes em vez de tirar a causa aug- S. mandar-me dizer qual adieta que o
mentatn-na, esquentando o sangue, ao mes- ] doente deve conservar e por qnanlos tem-
:mo lempo que tiram o apetite, relaxam os; pos, mencionando as comidas que dever
solidos, e sao de toda sorle perniciosos. ; usar daqui em diante.
Tudo que se fizer para extinguir a losse, i Resta-me agora agradecer a V. S. o cni-
idcm em rolo bom.....
dem ordinario oa restolao. .
Gallinbas .......
Gomma........
Iperacuanha (raiz).....
Lenha em acbaa.....
Toros.........
Linhas e esteios......
Mel oa melare......
Milho.........
Papagaios ......"
Pao Brasil.......
dem de jangada......
Pudras de amolar ....
dem de filtrar .....
dem de reboio .....
Piassava........
Pontas, oa chifres de vaccas oa
novilhos.......
Pranches de amarello de iloas
costados.......
dem de louro.....
tie
fBUl
Adverte-se que o verdadeiro xarrpe s =3 vende ?a>!
nesta cidade na botica cima indicada, do abaixo c,0
assignado; e em outra qtialquer pane que se tem Xa; ',h '
annunciado nao da mesma composigao, e nem o |a, Parri'na-
abaixs assignado se responsabilisa. ,f" em rama
Jos da Rocha Pamhos. [A^m em vclas
Sola em vaqueta.
Taboas de amarello
cealo
lil.ra
l
al|u>tre
arroba
A jarubeba.
As virtudes Iherapeuticas da jurubeba sai desde
7jnno
IV* O
que pooco cabeda faz de ser ou alm do exercicio o rgimen apropriado de- dado que tomou no tratamento do meu so-
se'lm^Ucon%ieaXlhade1coenive'n m r(rmedios de natureza acida' deler-i brinho, abaixo de eus, devido o seu resta-
>e, ciu sui (.onsci'.ucia na ae toii 0pnu m minia ki:____._______ j_ n r. ___ __
: gente e calmante.
Os acido
muito conhecidas nao s no Brasil, pois que. dellas
tratou Pisn em sua excellente obra Historia na-
tnralis et medica India occidentalts, seno as
Antilhas, onde o sueco das folhas e fruetos como
aqui, muito eslimado e apphcado contra as obs-
truegoes abdominaes, principalmente do fgado e
bago ; e se todos os faeullativos desta provincia o
nao applicam com frequem-la, isto se nao deve a
nao reconhecerem elles essas virtudes, mas sim a
nao seren encontradas com facilidade e ciu todas
as estagoes do anno os frucios dessa planta, e re-
pugnancia, que apresentam os deentes em fazer
uso do sueco desses fruetos, ern consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao desconhecida dos botanistas :
esta planta perteuce familia das solaneas, e tem
a denominacao de solanum paniculatum, que Ihe
foi dada por Lyoeo.
Pareeendo-nos conveniente facilitar o uso do
urna
rento
>
tjai ^
11*11
belecimento a pericia de V. S., e por isso
s possuem a virtude de produzi- pode V. S., sempre contar com os meus di- sueco dos fruetos da" JruMa, que o o mais em-
rem bons elfeitos nessa enfermidade, por minutos prestimos, e desejarei em lodo o pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
estagaoe noniro clima. A opportunidade u a pn- contrario ou aponte sera paixa >, quem lera nos (que, nao s" COntfibuem a apagar sede temno dar urna nrnva dn man r.vanhpci- com elle Dao S um extracto alcoolico que pode ser i
meira condigao que o poltico de boa f nao deve AfogaJos gUaes elementos de influencia real. Nem a,H nJZJZ~lZ 1 ri ?i,L .! V
jamis perder de vista sempre o que mais baruiho fazem. sao os que rlua"do accommettem a febre ethica, masjmento.
Bera sabernos que as colligagoes forcadas e filhas mais valiosos servicos prestara : alguns, e estes lauoem a refrescar O sangue. Desejo
de Interesses occasionaes duram pouco e teem fim silo os preciosos, gomara de ver os seus nomos es-
- diuia
diversas ...... >
Tapiocas.........nafca
T,alaJ"'........aalal
travs........
Unhas de Loi ....
Vassouras de de piassava .
Ditas de timb.....
Ditas de carnauba ....
Vinagre.........raaaa
Alfanduga de Pernaml.uro, 19 c af >slu Vtt
(Assignados):
O 1. conferente, Mmm Peregrino Siltn.
O t. ronferentelvun de Fintas Bmrhmzm.
Approvo. Alfandi-ga de IVrnaoibur.., 19 4c a-
gojiode IWio.A. Mh
Conforme. O i. e.>cripturario, / tTAtdm t*-
tencourt Neiras.
ilClillEDOlUA DE KEXDAS IXTEI'.XAS Gt-
RAES DE PKIt.NASim O.
Hendimento do da I a l...... 3t:l*-~ift!9
dem do da 24................ 1:656*17:
pelo facto de lrin apresentado um voluntario
outros consejos do dever de bons cidadaos, prefe-
rera ficar no olvido, embora tenham feito apresen-
tar-se um contingente de defensores da patria.
Outro Afogadense.
desastros", principalmente quando o contracto leo- tampados as folhas, e cantados em prosa e verso
nio, ou a elle preside a ma fe. Nao disso porm
que nos cogitamos.
Os conservadores era renegara saas crengas,
era mal Jizem seu passado, nem es'o dispostos a
desprezar por novas dedicages os caracteres que
sempre mereceram nossa estima por seu mereci-
mento e firmeza.
Aceitam porm a allianca sincera dos homens
honestos de qualquer parcialidade, concorrendo pa-
ra dar a cada um o lugar que Ihe compete. N'un
paiz novo como este nao ha falta de postos para ca-
da urna das aptides, havendo criterio em saber
aproveitalas. A estatisiica das pessoas de prest mo
nao l t;V> numerosa que esteja fra do alcance
de um governo benfico e perscruta lor. Quando
VARIEDADES
applicado em pilulas, mas tambem um vinho, um
xarope, e um emplastro que pode substituir, em dera
1 V. S. todas as venturas, por ser certos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos que ;
servlgo humanidade e a
Aos duentes desla enfermidade, quando o de V. S. muito respeitador e .brigadissimo m sio prestamos um s
seu estado de gravidade tal que a febre; criado.Francisco liennguer Cesar ele J/-. herapeuiica.
elhica os necommette, prescrevo-lhes o su- nezes. \ S^SS ttj&
ifi-t ft*a>r\l*iiiif\ nm urna />Iuriro '^nptl __ -
JURUBEBA.
W.MI*5W
CONSl LAIK) PROVINCIAL."
hendimento do dial a 11...... r,i.:,:ii,>,t
diai.............. 7IV
V; 085*928
co de um lituo dissolvido em urna chicara
d'agua com bastante assucar em um grande
copo para misturar com um papelinho dos
pos refrigerantes para tomar, com que ali-
viam no accmmettimento da febre, e pela
manhaa o xarope etherio de veame. Tenho
aconselhado, que facam uso de vegetaes de
natureza acida, como laranjas, bmoes, pi-
Sciencias e uiediclua.
L-se na Union Medcale de Pars:
Os jornaes de medicina fallaram por va tangas, uvas, etc., e applicaces de plantas
rias vezes de urna dcscoberta importante i amargosas, que forficam o estomago e ser-
para a ttterapeulica, que consista na desin-1 veiii ao mesmo temno oara destruir e mili-
nao se aproveita o ment, e porque ha nisso inten- }- An T, ,. ..' ,. ^ _v m Kiup |mh uvom
gao: fecha seos olhos evidencia, para dar-se ou- f0?"1? do oleo de ligado de bacalliao sem
vidoao patronato ea malentendidas conveniencias. Ihe tliar nenhuma dassttas propriedades.
Ociume, aiovej.i, avaidade, ointeressede se terem Temos 0 prazer de aununciar boje aos
etpoletjs senis, fazem com que sejam estes prefe- nossos ielores que esse reSultado foi obti-
rios aos homens decentes. ,i ,i_ j ~* .
Os conservadores nao esli dspostos a recebar 0 dc modo. mais completo por um babiljveu procurar-me para tratar de um outro
asfezes que consiituem a vergonha dos partidos e pharmaceutico de I'aris, o Sr. Chevrier, quejescravo, que soffria da mesma enfermidade,
gar a sede.
A Sra. D. Joaquina de S Barreto, tendo
urna sua eserava fallecida desta molestia, sub-
mettida ao tratamento de seu medico, resol-
os compromettem muitas vezes. O mao alliado p
de causar matoresdesgostos, do que a necessidade
de allender se as aspirages numerosas e sensa-
tos de boa gente.
Os conservadores nao hao de levantar qnestoes-
zinhas caprichosas de precedencias; mas de modo
alguin transigem com o systema singular de se pu-
rera margem merecimenlos encanecidos e pro-
vados em Iroca da novatice mal experimentada,
que todava pode ir subindo, nao de chofre, mas
gradual e pausadamente, conforme o preslimo de
que for dando testemunho anthcntico. Keleva que
o bom senso casse aos partidos a faculdade discri-
Cionana de coacederem Hullas falsas. Isto nao
vrogresso : urna prcipitacao deploravel que des-
loca os homens, e multiplica
Os saltos mortaes podem
conseguto
desinfectar o oleo de figa-V
r.
de prescrevi-ihe o xarope de veame, tem me
bacalho com o alcatro e o balsamo de j Ihorado consideravelmente.
Toln. As experiencias feilas por niuitos de; A sen hora do Sr. Antonio Francisco Ho-
nossos praticos celebres, nos hosp I 'es e so-; norato foi desengaada por habis mdicos
bre seus doentes particulares, as aualy es e, desta cidade, esleve prostrada, o nos ulti-
eosaios de cbimicos competentes, nao dei-jmos paroxismos da morte, foi com o xaro-
xam nenhnma duvida a esle respeto). {pe de veame salva, como se v da carta
Relatamos aqui as proprias palavras de'impressa no Jornal do Iiecife de 9 de feve-
um juiz muito eminente e competente o Sr. reiro de I8t.!.
Dr. E. Ilumbert, laureado da academia im-l O escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel
perial de medicina, e professorde Ghimica. Rodolpho Joao Barata de Almeida, foi tam-
uometu a uualvc, dia este distinctu' betu desengaado por habis mdicos, e
olame :icha-so comuleta-
meihodica- '";-'"" jy!** r rtwunwMeidOi como se v lambeui
mentepereorrendo os diversos graos da escala so- vrier' e P'sso cerlincar que esse producto da caria impressa do mesmo Sr. tenente-
cial, e obiendo accesso de um a outro a cusa de nao peidcu iiealium dos seus principios coronel no mesmo Jornal do Recife.
medicamenlosos nem chimicos, que se O Sr. Antonio Ghristiano Fogl, filho do
acliam no oleo de ligado de bacalho ordi- Sr. Cfirisliano Fogt, proprietatio e estabe
nario. A fraca proporcao das substancias lecide na cidade de Macei, o primeiro bem
estranhas que e pem no oleo natural para, conhecido nesta cidade, pois que foi empre-
dissimular ocheiro e o sabor desagradaveis, gado na casa do Sr. Len Chapellin, retra-
nao pode dc nenliutn modo alterar suas lista estabelecido na rui da Imperatriz, ac-
propriedades medicaes e s a torna de um commettido desia molestia, foi daqui desen-
uso fcil e mesmo agradavel. ganado por habis mdicos: retjrou-se para
a Babia, e alli continuou em tratament, ate
ica ambiges insaciaveis. professor, o oleo de ligado de bucalho na- com o xarope de ve
f^lS'mpIhXia! tural lesit.feclado pelo processo do Sr. Che-imente restabelecid
A jurubeba urna das substancias medicamen-
tosas, ao reino vegetal, e penence classe
dos tnicos e desobslruentes, sendo em prega-
ua com 'vaotagem contra as febres intermitentes
acompauhadas de engorgitaroeolode ligado e bago.
Ella tem sido applicada com inconlestavel proveito
contra a anemia ou chlorose, e hydropesia, calar-
rho da bexiga e mesmo para combater a menstrua
gao difflcil, resultaute da mesma anemia ou chlo
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope id-m.
Vinho idem de idem.
Pilulas de ext. idem.
Deposito, pharm.cia de Pinto, ra larga do Ro>
sario n. 10.
sua f de officio e bem aproveitada experiencia.
t As transforniagoes dos partidos, (d^ao algunsj
as novas adhesoes vem cora o lempo, a pouco e
pouco, sem um pacto expresso que as consagre. O
desengao tem sua estagao propria, depois de urna
longa e dolorosa experiencia. Antes disso s os es-
pintos superiores o attingem. Muito bem.
Entretanto certo que a ebulligao que temos ti-
do na poltica, j se prolonga de mais. Sobejas
provas se accumularam para se conhecerem os ho-
mens e as tendencias. Pretender levar mais Ion m resumo, o oleo de qado de baca-
rn^SASS-TVA^V^Z <**<> afectado ^o procesto Chevrier que foi segunda vez desengauado pelos me-
novos elementos desoV^anisadores, paraentao com- gza de propriedades idnticas ao oleo de dicos dalli, chegando eu em Macei, um
bate ios, quando porventura j tenham produzdo ligad) de bacalho ordinario, que elle repre- amigo pedio-me, que o acompanhasse al a
ra ao" ma'8S graviS5mos' diflii;ultauJu a re8eae- seota exactamente. casa do Sr. Cliristiauo, para ver um doente
"sfum simples individuo niio deve levar o seu Elle nluit0 1)ea tolerado pelos doentes,! e presciever-lhe algum remedio, encontrei
nih"*" ""hp"'n Je rejeiiar o sacrificio imposto os quaes elle nao anoja e tomado peiaso lilho em urna cama desanimado e em es-
ao acVs?af TStSta feeraTqaTSotreeT" ^1^^" n" e lfat0 Sl0 dos maS SUS- lail de P"8trac5o. pois que escarrava san-
0 Brasil nao devecoatinuar a ver em campo tres ',rn,a' n j ,. 16 <= liulia completa inapetencia e fraque-
parcialidades que se revetem no poder. E' uma 1I0Je (luc oleo de ligado de bacalho a, a pomo de nao se poder por em p, no
m msiruosidade incompative com a nos-a indele tem-s tornado um dos agentes os mais im- j lim de urna garrafa do xarope ethereo de
aanSlE^^^ portantes e preciosos da therapeutica, quem! ve lame j se achara elle no estado de pas-
?erS'ein8meDlaDd ^ u"'a ,u,a B- Jf** o me.o de tornar de um uso fa- sear em casa, desapparecida a inapetencia e
Os conservadores nao teem pressa de subir; po- pa.ra loos' pi'eslou um verdadeiro ser- os escarros de sangue ; e a tosse mi ligados.
dem esperar com paciencia a sua vez, que ha Mfo a arle de curar e aos praticos. No fim da segunda j achei em estado de
aechegar. tiles eem fornecido robusias provas de Por isso nao podemos concluir melhor faze-lo nassear nelo sitio indas as manhais
abnegagao e patriotismo, deixando de transigir com do ntiP feliritandn n Sr rhrnm(J 17 P mantisas,
as sommidades da situacao. que ,. cllanao o =>' Ghevi ter por sua | Acabada esta o aconsclhei, que continuasse
Mas que as circnm5'ian.-,as especiaes e mehn- rica e ut" uescoberta que merece de ser no uso do mesmo xarope etherio aliernado
drosas do paiz, os novos males que nos ameagam, propagada, c di/.er com meu collega o Sr. com o xarope alcoolico de vellame e que
problema,-a boa re- Dr. R.chelat os trabalhos que conduzem aslusasse dos banhos salgados na pancada do
descobertas d esta especie devem ser pro-j mar. Sentio elle nos primeiros banhos al-
tegidos pelos mdicos. | guns choques, mas eu o aconselhe> que con-
instam por uma solucao do
construego dos partidos. O cmo poder ella rea-
lizarse, o ponto controverso
Entre conservadores e llgoeiros existem as bar-
reiras que j assignalmos. Nao ha mais que uma
ponte decorosa por onde passem para nos os since-
ramente arrependidos que de boa f associaram-se
aos dominadores por motivos desculpaveis, taes co-
mo_-a amizade, o reconhecimento e o parentesco.
Os importantes trabalhos do Sr. Chevrier jtinuasse, com o que se tem dado muito bem
sobre o oleo de ligado de I acalho Ihe fi-1 pois que tenho recebido cartas dc Macei,
zeram obter um resultado nao menos im-, em que se me communica o seu bom estado.
portante, o qual consiste em ter associado o Nesta molestia os expositores de medici-
Entre conservadores e liberaes existe o nexo ierro ao oleo de ligado de bacalho. O oleo na n5o aconselham banhos salgados aoenas
que podem estabelecer o ostracismo commum e a de figado -* **------- ^- ^ "T?f us-
dura ligno da experiencia quanto aos segundos, rrier eimev\\
A nni.0 neslaqnadVa s traria sacrificios, porque ^e' cOnatltue talvez O melhor meio de dar-
os obrigava a abafar quaesquer resentiraentos ; e, se IerfO- POIS o lOdiro de ferro unido
a prestar-se com dobrada dedicagao e esforgo deste modo com O oleo de fijado de baca-
nde empreza de salvar o estado nesta quadra' Iho se dissolve mais fcilmente nos liqui-
Importa porm que ainda uma vez nao seilluda dS das vias dif?estivas e
o pobre povo com apparencias falsas de patriotis-
mo, que encubram um egosmo condemnavel.
. de bacalho ferngmoso de Che-]quando delles tratara, dizem ser applicados
as e^crophulas, hypocondtia, eslberismo,
amenorrhea, raethismo, etc. ; entretanto vi
este bom resultado no filho do Sr. Cristiano,
uos uas vas aigestivas e por consequencia
se assimila muito mais bem do que sb a
forma de pilulas ou xarope. Euifim elle
no da segrate ao do tnumpho nao vamos dar perde assim suas propriedades irritantes e
o inste espectculo de lomar a permanencia da nn ncnvnc a cAnciir,Jr.J. p '
nniao dependente de um saldo de comas, ou da Dd0'Provoca a constipacao. E assim que
satsfago de rivalidades mesquinhas. os aoentes, cujo estomago nao pode suppor-
Desenganemo-nos: emquanto nao houver von- lar nenluma preparaco marcial, lomam fa-
tades fortes e desmteressadas que se disponhara cilmenteo oleo de figado de bacalho ferru-
ginoso de Chevrier.
Os senhores Maurrer & C. acabara de re-
ceber um grande sortimento dos celebres
azeiles desinftciado de Chevrier e ferrugi-
noso de Chevrier.
Vende-se na pharmacia de Pedro Manear
& C, rua Nova n. 18.
ao sacrificio por amor do bem publico, esta pobre
nagao nao dara nm passo na carreira do verdadeiro
progresso.
Pagamos, pois, um contraste com os nossos ad-
versarios de hoje.
O autor destas linhas sent profundamente que
sua indole e modestas aspirag5es nO Ihe offerecam
occasio de renunciar nm grande interesse para
nao prejudicar a marcha regular e pacifica de
orna grande causa. Mas, na sua humilde posigao,
espera em Dea, que por amor de um commodo e
proveito pessoal, nunca dar, como anda nao deu. i Phthvslca.
o exemplo vnrgonhoso de injuriar e desprezar fi TnrAno mu^ j, ,,j..'- ~_
am.gos; perturbar entre elles a concordia travar ^aroPe.etaeriO de veame por mim pre-
com desarTeelos orna familiariade hypocrita, iode- ParaOO, muito tem aproveitado aos que sof-
cente e calculada, com animo disposto a cravar- irem desla molestia, e de lamentar-se, que
lhes o puohai dahi a pouco ; prahear em m.ior es-' no obtuario desta cidade a maioria dos
cala os abusos jne condemnon, e finalmente usar suecumbem
e da capa do bem publico,'
e outros fados iguaes tenho visto as mo-
lestias siphyliticas, e outras muitas que com
o uso do xarope alcoolico de vellame tem-se
obtido cura radical.
O.Sr. Dr. Silva, medico hbil de Ma:ei,
depois de ter applicado a umseu doente de
rheumatismo o xa ope alcoolico de vellame,
logo que elle se poz em estado de largar as
moletas, em que andava arrimado, o aconse-
lhou que continuasse com-o uso do mesmo
xarope conjunctamente com os banhos sal-
gados, com ana se tem dado muito bem, e
inneahuUa Pefioral de lemp.
Est fazendo pasmar a lodos os nossos mdicos
pela grande rapidez cora que cura a losse em to-
dos os seus periodos. A academia medica de Ber-
ln leve molla razo em considerar o sneco desla
balsmica arvore, como um especifico absoluto
para as irrltaco-s e inflammacoes da garganta, ou
vasos bronchios. Nenlium 'caso de rooqoidrlo,
asihma, eaiarrno, dr da garganta ou bronchite-,
pode resistir s suas propriedades contra irritan-
tes. ^ Hestiloe e restalielece a voz. quando por af-
feeces da irachea ou larynx se chega a parda ou
debilitar ; faz parar a expecforao&o MOgainaa, e
luipcoe a apiomerago ne nracosldadet nos tobos
da respirago, que conduzem aos pulmoes. Intei-
ramente mui differenta asses peitoraes compos-
tos principalmente de fructas acres e adstringentes,
finalmente na sua delicada e elaborada composi-
gao nao entra nenhuin acido prnssico, nem ta >
pouco ingredieute algum de especie ou carcter
venenoso.
Vende-se as pharmacias de Caors & Barbosa e
J. C. Bravo & i).
Sade publica.
PuriQcafo a respeilo de alguus dos medicamentos
da casa Griiuault a C.
Alguns jornaes publicaram uma ordena-
cao di conselho de sade portuguez, que
prescreveu os medicamentos preparados pela
casa Grimault & G. de Paris, com o pretex-
to que esses acreditados pbarmaceulicos
foram condemnados pelo tribunal do Seina
por terem vendido medicamentos secretos
e falsificados.
Essa ordeoacSo parecer bem extraordina-
ria quando se ti ver lido as seguimos cir-
cunstancias :
1. A sentenga de que se trata foi dada
sobre a denunciacao de um dos concurren-
tes dos Srs. Grimault C., e sobre as in-
formacoes inteiramente erradas que foram
dadas ao tribunal.
2. A sentenga foi dada por um tribunal
de primeira instancia, e nao tem valor al-
gum, logo que se appellou ; foi por uma
manobra desleal e contraria a todos os usos
que os concurrentes dos Srs. Grinault- C.,
fizeram distribuir em grande numeros jor-
naes judiciaes e mandaram publicar em
Franca e nos paizes i strangeiros uma deci-
so que nulla, sem nenhum valor emquan-
to o tribunal imperial nao a tiv. r approva-
do, e depois delle o tribunal supremo.
3." O tribunal imperial nao decidi, mas
sim, por uma sentenca de 17 demaio pro-
hydropesia, prescreve a de-
jurubeba, e Moral e Delens, I
em seu Diccionario de materia medica e therapett-'
tica, dizem que as Au'ilhas se faz uso dj sueco j
dos fruetos maduros dessa planta contra o catar-!
rho vesical ; e a autoridade dos nomes desses me-1
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso estabelecimento essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
A reputago da jurubeba tal, e os resultados
therapeulicos oblidos ltimamente sao to impor-
tantes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, que fica escripto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
GBKfilCIO.
Caha filial do banca do Brasil em
Peniaiubuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Uio de Janeiro e sobre a caixa lilial do
mesmo banco na Bahi.
MOTIMESTl K /"MO
Nario entrado no da t\.
Marselha 43 dias, barca porloga>-ia Ai'Smmri.
Herculano, de :i:i toneladas, rapttao filil A.
de Almeida, equipagem li, carca vmfc* e n4 :
aE. R. Kabello.
.Vario saludo no da i\.
Havre Calera franceza Amelia, eafilao Viciar,
carga algodo e outras gneros.
Observando.
Suspenden do lamaro .ara landre* a galera
ingleza Ravenscraig, rpita.. D. II. latli, roa* a
mesma carga que irouxe de .Nova /-laadu
Uiiklh.
Novo banco de pernambnco.
dmlnistradores da massa fallida de loaqoin
Jos Silveira pagara o Io dividendo de dita masa
na razo de 9 / sobre o valor dos tilmos ad-
nieitidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 31.
Xovo banco de Pernam-
buco.
O banco desconta letras na presente semana a
i) por ce.nto ao auno at o prazo de seis mezes.
Caixa filial do banco do ili'as
ca Pernambuco.
De ordem da directora desla caixa se faz publi-
co aos senhores accionistas, que o respectivo the-
sonreir est autorisado a pagar o 23 ,dividendo
do semestre lindo em 30 de junho ultimo a razo
de 12-3 por aego.
Caixa filial do banco do Rrasil 13 de julbo de
1863.
O guarda-vros,
Ignacio Nunes Correia.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 23......
dem do dia 24...............
3C3:60j-5l97
13:61.65683
377:1#88!
MOVIMEiNTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas..
com gneros.
Volumes sabidos cera fazendas.
com gneros..
289
321
32
449
610
------- 481
Unidades. Valores.
xtmo pissado, ordenou nova vistoria, a que dem retinado"
tinha motivado a decisao dos juizes da pri-
meira instancia lhes tendo parecido insuffi-
ciente, depois das novas experiencias intei-
ramente contradiclorias de um chimico e
physiologista eminente, o Sr. D. Leconte,
pharmaceutico em chefe dos hospitaes, e
professor aggregado da faculdade de medi-
cina de Paris.
4." N'essas circumslancias admira-nos
que um conselho de sade publica se tenha
decidido sem informacoes mais certas, a
mandar prescrever ou mesmo a por em sus-
Descarregam no dia 23 do corrente.
Vapor inglezOlindamercaduras diversas.
Rrigue nacional A'ormadiversos gneros.
Rrigue francez Ceardem.
Brigue portuguezS. Joscharque.
Barca nacional Valle idem.
Brigue inglezCleveraghcarvo.
ALFA.\'DEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA UOS PBEQOS DOS GNEROS SUJEITOS A DinEITOS
DB EXPORTACAO.SEMANA DE 21 A 26 DO 11KZ
DE AGOSTO DE 1863.
Mercaduras.
Abanos.......
Agurdente de cana .
dem restilada ou do reino
dem caxaga.......
dem genebra.......
dem alcool ou espirito de agua-
ardente........ >
Algodao em carogo .... arroba
dem em rama ou em laa <
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado.....
dem branco
cento
caada
S> ?nSS! qUC m M!cei,lem ,COm' Pei pleta confianca as preparacoes de vellame listes a nPrfA. mJLJX. ,m % !
dos recursos offlciaes
com a mesma inlengo com que o assassino ou o
velhaco se encapota para apoderar-se de sua vic-
tima, sem que seja conhecido.
"S
9
____COBBESPOffDWCIAS
Srs. redactores. Estamos com a passarinlia na
mao f
Formamos uma rolha ao Salgado, porm to mal
arranjada que o demonio est prumpto de um ludo
para nos fazer cahir nos arliguinhos 234 e 233 I
(para nao sermps o pedantes.')
que
de tubrculos pulmonares,
sem procurarem o recurso do pratieo e do
expenente, que lhes podem encaminbaro
meio de sua salvaco.
O Sr. Braga com loja de ferragens na ra
j Direita, foi desengaado por dous habis
j mdicos, acha-se bom com o tratamento por
mim prescripto.
A Sra. Jeropyma Alaria da ConceicSo, mo-
radora na travessa do.Monteiro n. 10, acban-
do-se desengaada, tambem
reu e acha-se restabelecida.
Um sobrinho do Sr. professor de Naza-
lidades e perfeila preparaco tem sido, des-
FI^eU?\_p^osbons resultados que de muitos annos, r. condecidas por todos os
membros mais distinclos do corpo medical,
tem obtido em sua clnica.
Quando alguem se v com tosse vai ao me-
dico, este o examina e declarao senhor es-
t affectado dos pulmoesp doente desani-
ma com esta sentenca ende estar sem i
mais cura, quando os ti. e a experiencia i
teem demonstrado que na >s tendo procu-!
rado o lugar apropriado, se teem salvado ;!
e assim explicara muitos expositores de me-
dicina.
Ora, nessa provincia temos facilidade ho-
e que tem os nicos defeitos de serera me-
Ihores, menos caros e mais procurados do
que todos os remedios de seus concur-
rentes.
\ tenco.
5
alchoolico de veame, preparado pelo
Azeite de amendoim ou mendo-
Ijim ........ caada
dem de coco...... >
dem de mamona .... >
Ratatas alimenticias .... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque....... .
dem fina........ >
Caf bom ....... >
dem escolha ou restolho.
dem torrado...... libra
Caibros........ um
P3'.......... arroba
dem branca .... >
Carne secca (xarque) ... >
Carnciros ....... um
Carvao vegetal ..... arroba
Cavernas de sicupira uma
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas ...
Cha ......... ,
Charutos....... cento
Cevados (porcos)..... um
Cocos (seceos)...... cento
Colla.......
Couros de boi, salgados^. .
dem idem seceos espichados
dem idem verdes .
dem idem cabra cortidos .
dem idem de onga ...
Doces seceos ...... ijDra
dem em gela ou massa
blem em calda
libra
i
i
>
um

>
um
>
le fi remiran rtn ar nnr mu o u f- Xarope _,...., vew WC11
j e recurso ao ar por que a Ma frrea pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos, estabele- Espanadores grandes
nos proporciona, pois que em pouco tempo c'do com botica na ra Direila n. 88 em Pernara- dem pequeos
uma pessoa que existe nesta cidade fcil- bai: Esleirs para forro de estivas
mente se t ansporta para as ultimas estacoes a Esle xarPe mconestavelmente superior a to- de navio........cento
de Gameleira e Una himrw rirtn r\r E dos os xarope,s aePuravs> coja composigao Estopa nacional arroba
ue uameieira e una, lugares perto do Bom- o seu maior elemento a salsa parrilha, pois que se Fariuha de de mandioca
.10 e e OUlros pontos que sao considerados tem conhecido ser o veame mais enrgico para a dem de araruta '
mim recor- serto, quanto mais que os mesmos lugares Sron,pJ* 5ura d.i8 m.oles''as. cuja base essencial Feijao de qualquer audlidade
j n5o 83o mos, segundo Denso Drincinal- dePeDde.fida punficagao do sangue; assim pois se Frechaes .
mente no ver5n principal- tem verificado por muilas pessoas que se achavam Fumo em tolha, bom
mente no verso. desengaadas, as quaes acham-se hoje restabeieci- dem ordinario ou restolho
151000
ioOO
alqueire 1,1800
arroba 4#000
t 2800
um 5J000
arroba 145OO0
8J000
O Illm. Sr. inspector da ihe^urarU de Itaemt
desla provincia, manda fazer publico, qa- Imi am-
ado o da II de seterabrn pruxnn.. vii!di>uro, para
o concurso que se lea de abrir ue>ta mesma ihe-
souraria para preenchimenf) da vagas de ^ral:-
cantes eiialenle w ala r^parligo, na a I rinde ja e
; na Fdcebeorla de rrndas.
Os ("uin.'s ver.-ar.) si.bre as materia de ijan
trata o S Io art Io do lerrcto n. I.Hi '. J" a-,
Junho de I8:(. a tafear : liiura, analyse raronu-
lical e orllu'graphia, ariilnn^iica e sua* appliranVs
ao romnierrin, rom i,i i (lt.-s a re-lucrj,)" 4e
mo .das, pesos t; medulas, calculo de dese..Bti>, Jaras
simples e compo.tos, theuna de raatk-os e *aaa
applicacSes.
Os cooeorreatta devero prevameate apres -a-
lar seus nqueriment' s in-troido de doenmeaio*
que provem idade completa de 18 ana", -ario
de pena e culpa e bm coihporUicealo aa for Da
do art. 3 do decreti n. 1SU do I i de maro, c
1860. *
Secretaria da th.m :irari.i defazenda de Pernam-
! buco, 8 de ago>lo de 1865.
Ser\ioikk de ofhVia!-ouMor,
I Marnifl Jni? I'mto
(O Dr. Tristo de Alenrar Ararifi-, (MB.-ial rri-
perial ordem da Rosa, juiz de dirvtio rspeeaf o
coinmercio ile>la cidade do Kecife de Pernamaa-
co, >en termo, por Sua Mag.-.|ade imperial e
C slitucioaal o Sr. D. Pedro II a qu m Deu
guarde, etc.
Fago saber pelo presente qoe por e-I- jaizo e
cartorio do e-cn-io i|Ur- e*te -ntiM-rev^u, err>
urna execucao d'' Matraca rafeaaad taire partes
sal, r, co u exequenle Jojqaim Maaoei Jo Reg
Brrelo, e como ex--ciilad.> J aquim Vietr P-reira
Falco, e eorrraa a eieaacaa seos lerm?, proee-
deu-se a peuhora cm alafecrai aa quaatia de ir
zenlos cincoenla e tata mil setecrotos vate e al-
to ris,(tllenle no deposito publico, e peri'-acate
ao dito exeeolado, em vista do que em amli-aria
publica do dia i i do corr. ole, pelo MiiriuJo.- Aa-
toino Carlos I', reir de Burgos Prace -t Lraa,
procurad, r do exeqneob-, foia iVMo o rrraui a
lo do thi .ir segninie : .Aos l de aa-sio e IMS
nesta ci.iaJe do Recife, em audiencia pnblira aa
Dr. juiz de direilo e?pecial do roiumerrio, Trnt
de Atracar Aranpe, pelo toKaaMai Aoionm Carlaa
Parara de Burgos Pone- de Len, procurador d>,
eiequente, fra acensada a prabora feiu em -
nheiro perlencpnte ao executado, rcqaerea>l<( ipn
nao s licassem a-signaJos o< 6 dias a pena-J**
como os 10 das aos credores incerios. para ajaa
se Ihe desse os editaes do esljlo. O qae oovidc
pelo juiz assim o d> ferio.
Extrahi o presente do protocolo de aodieneias e
junto a cirla precalna e procuraco HrMatr
Ba Mauoel Sihino de Barroso Fakao, nrn laata
juramentado o escrevi.
Eu baael de Carvaiho Paes de Aodrade, esert-
vao o subscrevi.
Seguiudo o que assim sc ronlinha em dito reifw-
rimenlo de audiencia, por Torga do qual o respec-
tivo escrivao que este subscrereu e fez passar a
prsenle pelo qual e tea theor mamo, rilo e bei
por citado a todo.- os credores iacertao, para qae
tacan den,ro do Pra0 de ,0 dias rompareeam arate jaira,
Mfl Mil por Sl ou por eu Prur"rador, allegando e provra-
URM' d0 que for a b,J|n de ?eu d,rei, e J"iT *>
ti'tn ''eDa de se Proce,ler as Uas revelias.
>*l-0 i e |iara que cr.egue ao conhecimento rateara
'Hfww' mandel Pas>ar prsenle qoe sera' publicado pela
*52J{ I "prensa e afixado no lugar docoMome.
nnal Dado e passado nesta cidade do IW-cile de Per-
iIma namDuro' aos 2* de agosto de 1865.
Ii5-W Eu Manoel de Carvaiho Paes de Aodrade, esert-
' vao o subscrevi.
r. Trislao de Alencar Ararife.
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, oft-ial aa im-
perial ordem da llosa e juiz de direils especial
do coinmercio nesta cidade do Recite d> Per-
nambuco, por Sua Magesiade Imperial e Coas-
tucional o Sr. D. Pedro II, a quem Dos |Bar-
de etc.
Fago saber aos qne o prsenle rdital Tireat a
delle noticia tiverem, qoe Lino de Paria me diri-
gi a petico do Iheor >e|juinle :
Illm. Sr. Dr. juiz de direilo do commercio Lia
de Faria, como liqunlalario da Arma Paria C_
sendo Pedro Buarque de Macedo devedor aa rana-
lia de :iO50'iO rs, Antonio Germano Alves aaStf-
va de 1:4:125990 rs., Antonio Ferreira da Caata
1663640 rs., Manoel Hoilanda Cavalcanii Je Ama-
querque 300*. Frlippe Simoes dos Saalos de l-KU
e Francisco Antonio de Oliveira e Silva 2:097*4
rs., seodo todas essas di 'idas provenientes e la-
tras, que J se achara vencidas, e quemado iater-
romper a prescripgo da forma do art 433 | X
do cdigo, requer a V. S. se digoe de mandar la-
mar por termo o seo protesto, ana de em aaat-
quer tempo poder haver de cada na do> ratpllu
dos o importe de suas respectivas leiras, seaato
mesmo protesto intimado aos soppbradra, pra*aa-
do-se para isso carta precaloria para o termo a*
Barreiros, onde mora Antonio Germano Ai ves da
Silva, sendo os mais por edito*, visto ettareai eat
lugar incerto, adrailtindo-o V. S. a iasUlcar asm
incerteza. "^
15300
800
800
400
800
900
3*780
135000
5000
75000
65^00
61000
440
360
280
500
35200
45000
15000
35000
300
300
15300
25500
135000
45000
600
155
240
100
350
IO4OOO
1,5000
320
500
45000
25OOO
pclieio aaai ra-
Pede a V. S. se digne assim o deferir.E R. I
Lino de I-aria.
K mais se nao ronlinha em dita
piada, na qnal dei o despacho 4 I
Sim, devendo justificar a anteara ao dia
corrente mez s 11 oras da raaafeaa.
Recite, 2 de agosto de 1865.Atracar Axarira.
1

1 Mimo nn.


Diaria de irernaiabnct -- Se*savielra 3 de Agoste de xse*.
Grande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
0 armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos uteosiseos rnaisempregados
e asados na pharmacia, pintura, pnoiographra. tin-
turara, pyrotech'raia{fogos de artiticiojeem outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as princlpaes drenaras de Paris, Lon-
dres, Ilamburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer
produelos de plenacontlancaesaiisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promplldao qualquer pedido de tintas moidas
a oleo, cuja qualidadee pureza do seus ingredien-
tes poder* ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collecrao de vidros de difireme?
formatos, desde urna oitava at dezeseis oncas de
capacidade ; de vidros para vidrias e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
propriedade e outros; de papis dourados e pra-
teados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
para erabrulho, para forro de casa, para desenho
com fundo j feito; de papel albuminado e Brisad,
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para qoadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
teiior ; oleo graxo, oleo seccative, uleo de linhaca
clarificado, oleo de loiele, secativo de llarlim, ouro
verdadeiro em p ; prata, ouro, e estanho em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para' confeitarias ; la de cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella; essencia de rosa superfina, de ne-
roly.jasmim, bergamota, aspice, patchouiy, mbar,
bouquet.limo, alcaraiva, melissa, ortela pimenta,
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
ans da Russia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s com a vista poderlo ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
-o\\.UL40
D'IODRETO DUPLO
- -
Os elementos (pie compoem esta preparado,
ferro, o iode e a quina, a colloeao no primeiro
grao das preparares ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e osrelaiorios dos prcticos maiseminentes,
que confirmro sua poderosa efficacidade as
segrales affeccoes:
Cmli- nr *r I-
KaM molestias.
MoIrMIn <-<-roful-
Intuir.
uli-irurcM Am (!-
dula*.
lliiiiinri > frlo.
Humorra braaeoa.
RaraltUlU*.
Affecce entierro
e ayphllltleaa.
Febrro tj|ihol4ea.
Varite*, etc., etc.
Mingoa ii|M.
Frat|urxa.
Anemia.
Chloroae on Irlrrlrla.
Menstruo.
Affeccoes 4o utera.
Snppresaes daa rc-
ktm- e desordes na
menslruaco.
Affecrao pulmonar e
phthlstr.
Molestia dratoraaga.
t>aatralalas.
Perda d'apprtlte, etc.
Vejo se os bultetins de therapeutica medica
e cirurgka de 30 de noverabre 4 &60; o Gazeta
dos hospaes de 2S dejullw 1860, ele, etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
auinina de lebillon, os Mdicos aconselho
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
Ierro e de quinina do mesino aulhor para as
pessoas que nao gosto de medicamentos sob fir-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope 'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Pcca-se o folheto que se d de graca em casa
dos pharmaceulicos depositarios.
Para-se evitarem falsificares, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paris, pharmaciaRebiUon,
142, ru du Bac, e em todas as boas pharmacia
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
Os granulos au bismulh de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacocs de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de lodosos paizes, para prevenir
curar as
Dlarrhras chranleas. Ms dla;estea.
I.^.i-iiii-rlun. (aatrlles.
Dores d'estdmags Galiralglaa, ea.
tijapepalaa.
Os primeiros sympiomas d'essas formidaveii
affeccoes se manifesulo ordinariamente por diges-
tores laboriosas, azidumes, falta d'appetite, pesos
d'estmago depois de cada comida, caimbras es-
lomacaes, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidlo, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Molestias de O^ada. I Oppreaaoes.
A Ictericia. I Dores de eabeea.
ralpl taro de caraca* I Irrltaeoes de ln-zlaa a
Barca nos rlna. da malrls, etc.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sio tomados a
tempo.
O preco de cada frasco de i francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Gharriar,
e em todas as pharmacias de Franca e dos |
estrangeiros.
MASSA E XAROPE "
BERTH
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas as lrracSes
do peito.
AVISO
Falsificacoes reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Massa de Berthe",
nos obrigao a recordar que esses productos
to justamente
nomeados nao se
entregao seno em
bocetas e em fras-
cos com a asigna-
tura aqui indicada. r**-,i,imhilumm
151, ru Saint-Honor, NA pharhacia DO
i.uvme, e em todas as pharmacias
Attentflo.
Acham-se justas e contratada* as casas terreas
na ruada Concordia de ns. 67 e 69, acabadas de
pouco lempo : qut-m se julgar com rtirelto as mes-
mas annuncie no prazo de tres das para prevenir
dnvidas futuras._______
O abaiio assignado faz sciente a todos os
mestres de carpinleiro, calafate, donos de barcaca,,
canoa, lancha, bote e de maderas qae nao eoca-1
Ihe e nem fica cova em cima do sea terreno sem
licenca d) proprietario e anda que isto faca pa- i
gara o encalhante ao abaixo assignado o que elle
Ibe pedir.
Tiiomaz Jos das Neves.
Um rapaz brasileiro de 18 aonos de idade,
com quatro preparatorios estudados, bastante es-!
perto e com soffrivel letra, se oferece para calxel-!
ro de alguma casa commercial ou escriptorio de
advogacia ou cartorlo : quem do seu presumo se
quizerutilisar dirjase ao pateo do Terco sobrado
n. 16.______________________________________I
Na ra da Guia n. 3 precisase fallar com o
Sr. Jos Pedro, natural da ilha de S. Miguel, re-,'
guezia da Varzea, para negocio de seu inleresse.
Festividade deN. S. das Ne-
ves na Parahyba.
Devendo ter lugar a festivida-
de de N. S. das Neves na Pa-
rahyba, no da 8 de setembro
prximo, e havendo dous dias fe-
---------tmw- riados (7 e 8), pretende-se frelar
um dos vapores da companhia costeira, para Ir
aquella cidade levar os passageiros e regressar
com os mesmos, tendo lugar a partida do vapor
no da 6 a tarde, e a volta no da 8 a noite.
Sendo porm preciso numero sufflciente de pas-
sageiros, alim de se propor o fretamento do vapor
e contratar-se as pessoas que desejarem dar esse
bello passeio, queiram inscrever seus nomes em
listas que existem para esse fim no Recife ra
da Cadeia n. 15, e em Santo Antonio a ra do
Crespo n. 2.
A passagem de ida e volta ser de 20 por cada
pessoa.
0 senhores que prestarem as suas assignaturas
ficam sugeitos ao pagamento indicado, ainda que
deixem de seguir.
A passagem, da viagem redonda, ser cobrada
neste porto a entregado bilhete.
As assignaturas somentc podero ter lugar al o
dia 31 do corrente, deixando de realisar-se a via-
gem neste dia se nao houver numero snfficiene,
que ser pelo menos o de 50 passageiros.
GABINETE
POKTUGIJEZ E LEliUrU EM PER-
NAIIBUCO.
De ordem do Illm. Sr. presidente substituto sao
convidados todos os Srs. socios effeetivos a reuni-
rem-se em assembla geral domingo 27 do vigente,
as 11 horas da maoha, na sala das sesses do
mesmo Gabinete para se dar cumprimento ao que
preceituao nico do art. 44 dos nossos estatutos.
Secretaria do Gabinete Portutraez de Leitura em
Pernambuco 24 de agosto de 1865.
No impedimento do Io secretario
Alfredo Cardoso Pereira
2o secretario._________
Precisase de urna ama para engomraar so-
mente : a tratar na ra da Cruz n. 9, terceiro
andar.
Aluga-se um escravo para criado ou para tra-
balhar no campo : defronte do palacio do bispo,
em casa do tenenle-coronel Joao Valentim Vilella.
Ama.
Precisa-se de urna ama para urna s mulher,
na ra da Senzalla Velha n. 78, Io andar.
WfflBct
PH0T0GHAPH14 DE 4LG1BEIR4
AFPARELHO DUBRONI.
Com o qual todos podem ser photographos.
De todos os apparelbos photographicos aperfeicoados at hoje, o apparelho DUBRONI, sem
duvidao mais aperfeicoado eo mais econmico, elle permute alm disto de nao minchar os dedos e
de operar em plena luz. sem adieco de especie alguma de laboratorio.
Nao mais urna cmara preta. urna cmara de vidro amartillo, dentro da qual se introdu-
zem os banbos photographicos por meiode urna pipeta (bola de borracha) milito fcil de manejar.
O apparelho completo, seu necessario e accessonos cusa a diminua qoanlia de 305.
Oobjectivoe os producios sao de primeira qualidade. Com esle apparelho loda a pessoa igno-
rando mesmo os principios da photographia, comtanto que seja um pouco habilidosa e cuidadosa che-
gara em alguns dias a obter resultados satisfactorios.
Chegaram alguns destes apparelhos a casa de J. Falque, ra do Crespo n. 4, preco 305.
N. B. Acorapanha cada apparelho um folheto com todas as esplicaces e desenhos necessarios,
lambem se mostrar provas tiradas em Pars e Pernambuco, com os mesmos apparelho?.___________
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 2i DE DEZEMBRO DE 1859
ma fianca em dioheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
ininistracao da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA* DRBCCiO GERAL
O Banco de Hespanha Madrid : Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo syslema mutuo todas as combinacoes de superviencia dos h {u
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripcao de maneira que em neuhum caso ii.cmm- pi cundes
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao tao suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que ainda mesmo dimiuuindo urna terca parte do inleresse produzido em recentes liquidai
ces ecombinan1o-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companh--
para seus clculos e lquidacoes, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna imporsico annua.
de 1004 produz em effectivo metlico:
No fim de 5 annos.......1:1195300
i de 10........3:9425600
de 15 ;.....11:2085200
de 20 .......30:2565000
de 25 >.......80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
ProspecDs e mais iuformac5es serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquun Fiuza de Oliveira, ru da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.!2,estabel
ment dos Srs. Raymundo.Carlos.Leite & Irmao.
Casa debanlios
Largo do Carino a. 26.
Este eslabelecimento to bem montado na sua
origem achava-se de ha muito em quasi completo :
abandono pelo pouco interesse de sua adminis-1
tracao.
Hoje que o novo proprietario empregou todos os
meics para rtflabelecer a grande utihdde deste
estabelccimenlo, pode assegurar ao publico quo
qualquer que seja o numero dos concorrentes
acharo desde j promplldo e aceio nos banhos
fros, momos ou mediclnaes, a casa dos banhos se
achara abena lodos os dias das 6 horas da manhaa
as 11 da noile.
Precos.
Banho de ehoque...... 500
uilo trio ou morno..... 500
Dito de farello........15000
Dito medicinal ser se-
gundo sua qualidade.
Assignalura.
Por mez banho fri ou morno... 105000
25 carloes para banho fro, mor-
no ou de chuvisco........... 105000
12 carloes para os mesmos 55000
12 ditos para banho de farello. 105000
O Sr. Joao Miguel de Oliveira Beraido qneira
dirigir-se a ra Nova n. 60, a tratar de negocies
que ihe dizem respeilo.
Precisa-se de ofliciaes de sapalriro que tra-
balhem com perfeicao de ponto e laixa, paga-se
bem : na ra da Cruz n. 11, esquina que volta
para a Lingoeta.
advocado Godoy Vasconcelos, pode H
ser procurado no escriptorio da ra do Cgji
|f Rosario estrella n. 34, ou era sua resi- 3J
tj^ dencia a ra do Sol n. 9. Hf
PH0T0GR.>HIA
^ CRUZEIRO DO \OKTI2
^ 11 Ra eslreila do Rosario11
S9 Tira-se relralos a qualquer hora do
f^>< da a 85 a duzia e 5'5 meia duzia, em gg
H3 carloes de visita, c >m toda perfeigo e a S
| goslo dos retraanles. ^
Anda se precisa de urna ama que cosmhe
bem e sirva para comprar : a tratar na ra da
Imperatriz n. 34, primeiro andar.
Quem precisar de urna preta escrava que sa-
be engommar e cosiobar, dirja-se a Sant) Amaro
das Salinas segunda casa no correr das do Sr. An-
lonio Jos Gomes do Correio, que achara com
quem tratar.
Dr. Henry Kraus mudou sua resi-
dencia da ra da-Imperatriz n. 30 para o
sobrado grande n. 2 defronte da entrada
para a Estancia, onde pode ser procurado
a qualquer hora. Chamadas para dentro
da cidade podem ser entregues na botica
do Sr. Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior na
praca da Boa-Vista, na dos Srs. J, C, Bravo
V C. na ra da Madre de Dos, ou no ar-
mazem de viuva Raymond C. na ra do
Trapiche Novo das 9 horas da manha at
as 4 da larde.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SFFOCQlO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio efficaz para combatlir estas molestias, acalmar um atlaque d'asma e impedir a
volta o Xarope aromtico de Succino (mbar aniarcllo) do Dr Danet. Uescoberta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que lem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenelle, e em todas i
blicas de Franca e do esirangeiro.
AS^^A^i
MD
AMA
Na rna Nova n. 6 precisase
servico de pouca familia
de urna ama para
O padre Antonio da Cunha e Fgueiredo
convida os am gos e irmaos d'armas do ca-
puao do nono balalbao de infanlaria a pe
Jos Francisco de Moraes e Vasconcellos,
que, lendo marchado em defeza da patria,
falleceu em Bueoos-Ayres no dia 26 de ju-
nho do corrente, para ouvirem urna mlssa
de rquiem pelo repouso eterno do mesmo
capito.
Amigo constante, militar honrado e dis-
tracto que soube dedicarse ao seu paiz e
principalmente a esla provincia, onde desde
1848 al feverero deste anno prestou rele-
vantes servicos, sua memoria credora de
nossas lagrimas e sufTragios.
A mencionada missa ser celebrada na
matriz da Boa Vista as 8 horas da maoha
do dia 25 do corrente.
ALCOHOLADO de GUACO
DE N.
h
O Alcoholado de Guaco de Pascal urna nova preparaco da qua!
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo infalivel do contagio veneno (ver
folheto para o modo de o impregar).
2o Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulceracoes primitivas e secun-
darias, ec.
3o Empregado em injecedes, o melhor tratamento dos corrimentos
rcenles ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da leucorrliea na?
mulhercs.
4o Emfim como antidoto dos virus, soberano na cura das chayas e fe-
ridas de m natureza, chuyas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda a accao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marceljia, ec, e recebeu a approvacao
dos disttnctos doutores Ricord, Badchet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre.Casa de expedicSo, PASCAL e C*, 33, ra Monsieur-le-
Prince. Paris.
AO PUBLICO
CARLOS PLUYM.
Como a empreza de illuminacao a gaz tenha da-
do licenga aos machnislas para irabaiarem po
sua propria cunta, Carlos Pluym, maehimsta, ofe-
rece seu presumo ao publico para encaar gaz e
agua, e toda a sorle de servicos concernenles ao
seu officio, por precos muito rasoaveis.
Pode ser procurado a qualquer hora
17 Ra da Imperatriz 17
N. B. LOJA.
S3^- Para prova da perfeco do seu trabalho o
, mesmo elTerece ao publico o testemnnho de im-
raensas pescas para quem ja irabalhou a mandado
i d companhia do gaz.
BTR4TISTAS
Firmino & Lins
i
Novo estabelecimcnlo de retro- I
los roa Nova n. lo, 1o an- |
dar, junto ao Sr. Gautier,
dentista. \
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas
da manliaa s 5 da tarde, quer chova ou
nao.
Tambem se offerecem para tirar retra- I
los de pessoas fallecidas, dentro ou fra f
da cidade. ^
Os annunclantes desejando acreditar o I
seu eslabelecimento, garantera ao publico f
que nenhum trabalho sahir de sua offici- |
na, sera que nao seja perfeitaraenie acaba !
3K do, e a vontade do freguez. jj
Precisase alugar urna escrava para casa de
pouca familia : a tratar na ra do Sebo n. .'i.
Encanamentos para
aguas.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
Fazem-se na ra Nova n. 30, com toda a per-
felcaj. ________________________
O London & Brazillan Bank, saca por doos
os paquetes.sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Iteal.
Coirabra.
Amarante.
Maques sobre Lisboa
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam sobre
Lisboa : no largo do Corpo Sanio n. 19.
Precisa se de urna ama para coziohar e comprar
para casa de pouca familia : na ra da Concordia
n. -, sobrado do armazem do sol.
Precisa-se alugar um preto ou preta para an-
dar na t ua vendeDdo fazendas com outra pessoa :
quem tiver dirjase a ra do Hospicio n. 62.
A negocio de interesse deseja-se fal-
lar com a viuva ou herdeiros de Manoel Jo-
s Pereira : na caixa filial nesta provincia.
Precisa-se de ama ama que saiba lavar e
engommar, e um moleque para o servico externo :
na ra da Caia d'Agua n. 70._________________
Precisa-se de um bom cozinheiro, na
ra do Crespo n. 8. loja de 4 portas.
Offerece-se urna ama para todo o servicoin-
lerno de urna casa : na ra das Tnncheiras n. 40,
sobrado.
Precisase de urna ama para todo o servico :
na ra das Cruzes o. 35.
Aluga-se a casa terrea da ra da Palma n,
43 : a tratar na ra da Cadeia do Recite n. 24,
primeiro andar. ____
Anta
Precisa-se de urna ama para o servico interno
de urna casa de pouca familia : a tratar na praca
do Corpo Sanio n. 17. ________________
Alugam se dous grandes sobrados com com
modos para numerosa familia, novos e aceiados
com jardm, cocheira, estrbaria e outras commo-
didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova d. 42.
Francisco Jos Germano
RA NOVA X. ti,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
de ocnlns, lunetos, binculos, do ultimo e mais
apurado Rosto da Europa.______________________
Joao Francisco dos Santos, actual calieiro
de Prente Vianna & C. muda o nome para Joao
Sollano dos -autos, por baver encontrado alguns
de igual nome.____________________________
Ama de leite.
Aluga-se nma ama de ieite sem filho : quem
precisar dirija-se a ra do Cordoniz d. 38, qae l
achara com quem tratar.
Precisa-se de ama pessoa forra ou escrava
para ama : na roa de Aguas-Verdes a. 50, segan-
do andar, que saiba engommar, cozrahar, e que
sirva para as compras de ra : quem estlver nes-
tas circunstancias dirija-se a mesma eata
CASA DA FORTOM
Aos 6:000#000.
Bilhetes garantidos.
A beneitaio das familias dos briosos
voluntarios da patria.
A" RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
Oabaiioassignadovendeu nos seas muilofeli
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir, a beneficio da matriz da Victoria,
os seguintes premios :
Um meio n. 1940 com a sorle de 6:0005-
Um quarto n. 2201 com asorte de 1:200,8000.
Dous meios n. 1972 com a sorle de 4005000.
E outras muitas sones de 1005, 405, 205 e
10*000.
Ospossuidores podem vir receber seas respec-
tivos premios sem os descontos das leisnaCasa
da Fortuna ra da Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 2a parte da lotera
(29a) beneficio das familias dos voluntarios da
patria, que se exlrabir quarta feira 30 do cor-
rente.
PREQO.
Bilhetes.....75006
Meios......35300
Qua nos.....15900
Para as pessoas que compraren de 1005000
para cima.
Bilhetes.....65500
Meios......35750
Quartos.....15700
Manoel Martins Fiuza.
ROM
e fugio.
honlem 23 do corrente o escravo Agostinho, le-
vando a quanlia de cerca de 5:0005 em moedas de
ouro portuguezas e libras Merlinas, levando mais
diversas obras de ouro, esle escravo foi comprado
pelo abaixo assignado no dia sexta feira 18 do cor-
rente, ao agente Siraoes, e tem os signaes seguin-
tes: cor clara, idade de 30 annos, vesgo de um olho,
baixo, pouca barbae am pouco raiva, tendo am pe-
queo inchaco junto ao estomogo, proveniente de
ama queda qae dea sobre am pao: foi vestido com
camisa e calca branca, e conduzio ama troaxa de
roupa envulta em ama loalha crespa, chapeo de
palha cor de caf e sapatoes de couro, ja foi en-
contrado emOlinda demandando caminho de Igua-
rassii, em cujo caminho, segundo consta, quizera
trocar ou trocara urna sdala de 205 em cuja oc-
casio tambem mostrara moedas de ouro, diz se
forro e filho da Parahyba: quem o apprehender ou
der noticia certa na ra do Sr. Bartholomeu ao
mesmo abaixo assignado ser gratificado com 1005.
Francis Menn.
------------------1----------------------
Prevengo.
O abaixo assignado, para evitar dnvidas, julga
conveniente prevenir a quem interessar possa,que
de sna propriedade e nao dos herdeiros do Dr.
Jos Mamede Alves Ferreira, urna casa em que o
mesmo abaixo assignado habita, em trras dos en-
genhos Officiua, e Alagoa d'Antas, prxima a cida-
de Nazareth, por have-la comprado a Rila Cicilia
do Amparo, do que tem os precisos documentos,
havendo pago siza ect., e quera tiver a ater algu-
ma reclamacao a esse respeilo pode entendir-so
nesta cidade com o Dr. Jos Cunta Teixeira.
Recife, 16 de agosto de 1063.
Jos Roberto Galeno Coelho.
Na ra do Imperador n. 83, segundo andar,
precisa-se fallar com os seguintes senhores, para
negocio que Ibes diz re>peito.
Anlonio Nanea de Azevedo Campos.
Manoel Correa da Silva Lobato.
Joo Pereira da Silva.
Jos Lopes Tavares.
Jos Francisco Rodrigues.
Felippe Borges Leal.
Custodio Jos de Carvalho.
Anionio Serafina de Deus.
Manoel Francisco Coelho Jnior.
Joao Antonio Pereira Ramos,
loo Marioho Paes Brrelo.
Antonio Tiburcio da Costa Monteiro.
Sebastio Antonio de Albuquerque (esludante).
Francisco Gomes dos Santos.
Joo Gomes Pereira.
Jos Luiz Pacheco de Souza.
Sebastio Jos de Barros Brrelo.
Francisco Antonio Vieira da Silva.
Domingos Jos Alfonso Alves.
Joaquim Francisco da Silva.
Joo Ribeiro de Castro.
Jos Francisco da Silva.
Miguel Arcanjo Ferreira.
Vicente Ferreira Neves.
Joaquim Francisco Moreira.
Francisco de Aguiar Jnior.
Julia Rosa de Almeida Pinto.
Leopoldo Gadault.
Joaquim de Oliveira Maia Jnior.
IH O Dr. Caroilno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
fK dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
| gabinete de consultas medicas, logo ao
i entrar, no primeiro.
SH O mesmo doutor, que se tem dado ao
]9| estudo lanto das operaedes como das mu-
M& lestias internas, prestase a qualquer cha-
KK mado, quer para dentro quer para fra
|fi da cidade.
Pede-se ao Sr. Idelfonso Vieira da Cunha
qne venha ou mande concluir o negocio que nao
ignora, pois j faz bastante lempo : na ra da Im-
peratriz o. 17, 2 andar.
quem interessar possa na provincia do Ceari.
Em neme de mea pai o Sr. Cantillo da Silveira
Borges Tavora Indigena e de mmha mai D. Maria
de Sant'Anua da Silveira, protesto contra qualquer
transaeco ou alheiaco feila pelos herdeiros do
meu fallecido avd materno o lenente-coronel Anto-
nio Gomes da Silveira sobre os bens do seu casal,
visto como nao se havendo ainda procedido o res-
pectivo inventarlo e parlilha, nao s por falleci-
mento do dito meu avd, seno tambem pela morte
de sua consorte, meus pais conservam sobre esses
bens direilos incontestaveis de legitimas, que me
preparo para discutir e liquidar, Igualmente pro-
testo clara e positivamente contra as vendas feilas
das grandes propriedades pertencentes quelle ca-
sal, sob a denominacaoFlor de LizLindo Assu-
dee outras; bem como dos escravos Andr, Ma-
noel e todos quantos no mesmo caso se acharem.
Recife 22 de agosto de 1865.
O bacharel
Joo Franklin da Silveira Tavora.
Pechinclia
O abaixo assignado, achando-se bstanle doenle,
pretende fazer urna viagem, e por fsso vende sna
taberna sita na ra de Santa Rila n. 1, a qual ofTe-
rece boas proporc5es para am bello progresso pela
boa localidade e vastimento do predio junio a ri-
beira da farraha, mercado de carne e peixe : final-
mente para ver e tratar na mesma com o seu
proprietario.
Fellsberlo M. Barbosa.
No da 11 do correle furtaram da ra da
Praia um burro castanlio, castrado, de 10 annos de
Idade, cujo burro tem a marca J. S. L no quarto
direito, e estava carregado com cangalha de ferro
e 8 arrobas de carne : quem delle der noticia cer-
ta ao Sr. Antonio C. Moreira Temporal a' ra da
Cruz n. 30, ou ao engenho Boa Casia da freguezia
do Cabo, ser bem recompensado.
eutista de Pernambuco.8
Ra estreita do Rosario n. 3,
ao p da igreja
[FRANCISCO PINTO OZORIOg
! Colloca tientes artiflelaes !
I pelos systeuias mais mo- I
I lei-uos jffj
| Emprega todos os meios scientiGcos para g
I conservar os naluraes. Pode ser procura- 2
I do em seu gabinete das 9 horas da roa- SI
I nbaa as 5 da tarde. ras
Precisa-se alugar urna preta que seja boa
engommadeira e coziohe, sem vicios : na ra das
Cruzes n. 36, primeiro andar : paga-se bem.
mmmm mmm-m&mmmmm
O foacbarel
ii Francisco Augusto da Costa H
ADVOCADO jjj Ra do Imperador numero 69.
Na praca da Independencia n. 33, loja de oun
ves, coinpra-se ouro, prata, pedras preciosas
tambera se fai qualquer obras de encommenda e
odo e qualquer concert.
Todas as pessoas que devem extracta firma
de Novaes & Filho facam favor de mandar pagar
ra do Livramenio n. 34.
mmmm ^m^mm wmm
Companhia liilelidade de seguros
maritiiuos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Crui o. 1.
OSIMIUGLIIOS
E' a ordem do dia 1 Acabar coa os Para-
gusyos a bayoneta, a mini, a reTOhrer;
fulmina-los com os eocouracados armados
de espores, armstrongs e raiadas de 80 i
120; ex termina-los em summa a espada, a
fa.io e a puuhal de que se trata; mas
ninguem se iembrou ainda de esmagar os
Paraguayos con as armas que Deus dos con-
cede u ; acabar com el les a tacao e a ponta-
ps, para o que necessario enconracar esta
parte do nosso corpo com os ftrmidaveis
rompe-ferro, esmaga d bra, arranca tiros,
quebra marmore e outros que se vendean
4-RA oIKI.IT 1-4
Borseguins Bordeaux........ 84000
> patricios......... 5-5000
para senhoras, en-
eiuidos....... 5*500
> com lar/i e livella .. 44*00
Sapatoes encouracados....... 54000
Borseguins para meninas bom
elast co................. 34000
Sapatos de lona, sola elstica. 24000
ave Mudados......... 14000
" de tranca........... 14600
* econmicos para se-
nhoras........... 4500
com salto de lustre.. 24**0
Chineles do Por:o.......... 14604
Um completo sor timen to de calcado da
trra para liomens. senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, cooro de lus-
tre, marroquins, taixas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que tudo risto necessareweo-
te faz cobica ao comp ador pela barateza.
wmmM mmmm mmm
AencfioI
KJoias preciosas e objeetss del
nrt.
'%% Mauricio Selbebrrg & C, Polacos, par- Jf
*&. ticipam ao respeltavel publico, que ac- j
bam de receber um grande sortimriMn ^
^ de joias e brilhanles, como sejam : reto- 0
a* gios, trancelins, aderecos completos, as- vat
5 neis, cadeias, pulceiras ele, etc. e lodo H
^r quaiiio diz respeilo a joalheiria, pelo pre- j}
g (uo mais razoavel possivel, e mesmo -jk
troca e compra objeelos de ouro, prata e
tjg diamantes por objeelos novos : na roa ds
C^J do Queimado n. ti, entrada pelo largo 3
>*C de Pedro II n. 27, de manhaa al as y j
gt? horas, e a tarde das 4 horas em dianie. M
B Os ohjectos vendidos pelos annunciantes *
f sao paranlidos por elle?, e estad prompio ^f
^K para levar objeelos as casas dis pessoa* .gx.
*r? que desejarem comprar, ama vez qoe ^
Pl nao possain vir a sen estab'"leriminto.
Francisco Garrido, amigo proprietario do bote
Trovador, silo ua ra do llosa rio, de rolla de m
viagem a' Europa, avisa a seus numerosos (refae-
zes, tanto dc.-ta capital como do ceniro da provin-
cia, que se acha novamente eslabetecido na mesma
rna larga do Rosario n. 37 com am hotel nado Traviata, onde aebarao os seos fregaeies
sempre a melhor vontade para bem os servir, a
par de excellenles vinhos capils boa cetida,
qor no mesmo estabeleciment, qor para lira, e
dentro da cidade aos qae nao quirerem oo nopo-
derem vir a seu eslabelebimeolo, eado pelo prreo
mais mdico que tm outra qualquer pane. o
mesmo estabelecimeoto aebarao os eos fregMM*
buhares para recrearem-se, bem como sorvete le-
das as noites para refrescarem-se.
Precisase de ama ama habilitada para lodo
o servico domestico : qnem esliver nestas eadi
t'J-'S dirija-se a ra do Trapiche n. 13, ou na So-
ledade, ra do Progresso n. 7.
Aluga-se a padaria com seos perlenee* oa
rualmpcral n. 199 : a tratar na roa de Hurlas,
taberna n. 2.
U l)r. Cosme de S Pereira cunli-1
nua a residir na ra da Cruz n. 53, I
Io e 2o andar, onde pode ser proco- i
rado para o exereicio de sua prufis- S
sao medica, e com especial idade !
sobre e seguinte
Io molestias de olhos;
2o t de peito :
3 dos orgos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rlo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as i0 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
(3o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
a ha.
Quem precisar de ama ama para cozinhar e
gommar, dirija-se a roa da Lapa n. 4.
Joao da Silva Ramos, medico pela L'i
versidade de Coimera, da consultas ea
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, t
das 4 s 6 da tarde. Visita os doeales
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ar-
gentes, qae sero soccorridos ea qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procararem no hospital Pedro H,
aonde encontrado diariamente das
s 8 horas da manhaa. '
Tem sea casa de sade regularmente
mouda para receber qualqner doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
tica qoalqaer operacao cirorcica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3J000 diarios.
Segunda dita..- 2*500 a
Terceira dita__24000 >
Este eslabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons ser vicos que tea pres-
tado.
O proprietario espera qae elle conti-
nu a merecer a conflanca de qae sem-
pre tem gozado.
Ao publicom
Acaba de sahir do prelo nocSes do systema m-
trico decimal por Jos Anlonio Gomes Jnior ; esla
obra contera as precisas laboas era que as actuaes
medidas de peso, capacidade, extenso, se acham
convertidas ao syslema mtrico, comparada a uni-
dade nova anliga, alim de que os clculos no
comraercio se executem de um modo facllimo, pre-
cedido este trabalho de claros exemplos de conver-
sao, para que possam ser comprehendidos por to-
das as intelligencias : vende-se a 14 as livrarias
acadmica e universal, ra do Imperador ; econ-
mica, arco de Santo Antonio-; e em casa do autor,
ra do Destino o. 3, onde os compradores de dez
exemplares para cima torio um beneficio na razo
de dez exemplares por cento.
AMA
Precisase de urna ama que saiba engommar o
coser perfeitamenle, na rna do Queimado n. 44,
segando andar. Paga-se bem.
Samuel Power JohnsUi Coataibia
Ra da Senzala Nota n. 4.
AGENCIA DA
l'undlfro de Low Hetr.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios de carro para ora e doos cavados.
Relogios de ouro patente ingles.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
%m
Q
Precisa-se de ama ama para cozinhar eagoa
mar pouco : na roa do Rangel n. 43.
Precisa-se de um bom cozinheiro : a tratar
no sobrado n. 32 da roa da Aurora.



^Hi^***

Diarlo t rerr,**ttm Agosfo ir **
E mais se nia eontinha em dito despacho a ui
opiado, em virtude-do qual fra a mesma pel-
S'o distribuida ao escrivo que ante nnm serva
ooel Maria Rodrigues do Nasciment, o qoai
fez lavrar o termo de protesto do theor seguinte :
Termo de protesto.
O Dr. Trislo de Alencar Araripe, offlcial \da im-
perial ordem da Rosa, junde direito especial
do commercio desta eidade do Recire de Per-
nambuco e seu termo, por S. M. I. e C. o Sr. D.
Pedro II, a quem Deas guarde.
Faco saber pelo presente que no dia 28 do mez
Aos 2 de agosto de 1865, em meu cartorio cora- de agosto do correte anno, se ha de arrematar,
parecen o supplieante, e disse perante mirn e as' Pr venda, a quem mais der, em praca publica, de-
testen) unhas infra assignada*, que reduzia a pro- P0IS da audiencia respectiva
IO0 gravatas de sola de lusrre,
100 mantas de la.
100 pares de sapatdes.
Para o laboratorio, ordem da presidencia,de
18 do corronte.
25 arrobas do plvora.
6 ditas gros9a.
1 espumadeira de metal.
testo o contedo de sna petico retro, a qual fie-1 A sexta parte da casa terrea sita na ra de Luiz
receu como parte do presente que tica sendo, no 00 Reg, na freguezia da Boa-Vista, com tres por-
qual depois de lido se assignou com as ditas teste-1 &s na frente, cacimba fra e um pequeo terre-
munhas. no do lado, cujo terreno foreiro aos herdeiros de
Eu Adolpho Lioerato Pereira de Oliveira,. escre- Manoel Lniz da Veiga, avahada dita sexta parte em
vente juramentado o escrevj. cem mil ris; cuja sexta parte de dita casa vai a
Eu Manoel Alaria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo, o subscrevi.Lino de Faria.
Para o presidio de Fernando, ordem da presiden-
COMPANItt BSiSILEIRi
PAQUETES A VAPOR.
I E' esperado-dos portos do sul
^^f/j'^, Paran, eommtHfaut o capito
jl^||Mb <>>\ fragata Antonio Joaquim de
:'. '--g^gfl Jp Santa Barbara, o qual depois da
demora do coslume seguir' para os portos do
norte.
Desdej recebem se passagelros e engaja-se a
ser embarcada no dia.de sua chibada, enc.ommen-
Jos da Cos-
ta Reg Lima.-Secundino Eliodoro da Cunha.
E mais se nao contlnha em dito termo de pro-
testo aqu copiado.
E tendo o supplicanle produzido suas testemu-
nhas, sellados e preparados os autos subiram
miaba concluso, e nelles dei a sentenca do theor
seguinte :
Hei por justificada a ausencia dos supplicados
que se mostrou acharem-se em lugar mcerto : e
mando que sejam elles citados por editos de 30
das para o lira requdrido a folhas 2, pagas as cus-1
tas ex causa.
Recife, o de agosto de 1863.Trislo de Alencar
Araripe.
E mais se nao continha em dita sentenca aqui
copiada, por for$a da qual o referido escrivo fez
passar o presente edital, pelo qual chamo e intimo
os supplicados para que corapareoam n-ste juizo
dentro do iodicado prazo, alira de allegaren) o que
or de Justina.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente, que ser publicado pela
impreasa e affhado nos Jugares do costume.
Recife, 8 de .-gosto de 1865.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo, o subscrevi.
Trislo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito, especial
do c mmercio, nesla eidade do Itecife de Per-
tiambuo, por Sua Magestade Imperial e Cons-
titucional o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guar-
de, etc.
Fago sabet aos que o presente edital virem e
d'elle noticia tiverem que no dia 18 de setenaba
a quem mais der em praga publica deste juizo, o
-seguinte :
A propriedade denominada Sant'Auna cita na
re^u-zi.-i do Pogo da 1'.mella, na qual exi.-te um
sobrado bastante velho, duas casas terreas, em inao
oslado, e ama dita cabida, urna olaria em ruinas,
avahada em 7.(1005000. A qual fra penhorada
por execugao de Amonio Jos de Castro, contra o
bacharel J<>ai|uim Francisco de Miranda.
E u.io bavendo laogador que cubra o prego da
avaliago, a arremataco sera' fela pelo prego da
adjudic.icao na forma da le.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprr-nsa, e afflxado nos lugares do costume. Re-
cife, 21 de agosto de 1865.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo, o subscrevi.
Trislo de Alencar Araripe.
O Dr. Trislo de Alencar Araripe, offlcial da im
perial urdem da Rosa e juiz especial do com-
mercio nesta eidade do Recife, por Sua Mages-
tade Imperial, etc.
Fago saner aos que o presente edital virem e
d'elle noticia tiverem, que por este juizo especial
do commercio pendem uns autos de execugao de
sentenca de Joaquim Elviro Alves da Silva, contra
Francisco Santiago Ramos. E tendo-se feito pe-
nhora em dinheiro pertencente ao execulado, fra
pelo solicitador Ignacio Barroso de Mello, procura-
dor do exequente, feito o requenmento do seguin-
te termo.
Aos 7 de agosto de 1865, em publica audiencia
que aos feitos e parles dava o Dr. juiz especial do
commercio Trislo de Alencar Araripe, pelo soli-
citadur Ignacio Barroso de Mello por parle do exe-
queiiie accusnu a penhora feita em dinheiro per-
tenc.-nte ao execulado Francisco Saatiago Ramos,
e requerido que Ihe fcassem designados os 6 dias
da le, e dez aos credores incertos passando-se os
respectivos edilaes para que lenham sciencia os
mtalos credores ; o que Ihe foi deferido pelo refe-
rido juiz, precedido o prego do esiylo, e para
constar liz o presente do protocollo das audiencias
a qu" juniei a caria precatoria e penhora que se
gue, eu Adulpho Liberato Pereira de Oliveira es-
cn-vente juramentado o escrevl; eu Mantel Ma-
ria Rodrigues do Nascimento escrivo o subses-
trovi.
Por furga do meu despacho o escrivo fez passar
o presente edital pelo qual chamo, cito e hei por
intimados os credores incertos do dito execulado
pan que comparegam nesle juizo dentro do dito
pra'.o, aflm de allegarem o que fr de justiga.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar a preseute que ser publicado pela
lotpreasa e afflxados oes lugares do costume.
Recife, 9 de agosto de 865. Eu Manoel Maria
Rodrigues do Nascimento, escrivo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Trsiao de Alee ir Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta eidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo, por S. M. Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guar-
de, etc.
Fag.i saber pelo presente que por este juizo e
cartorio do escrivo que este subscreven e fez pas-
sar o presente, corre urna execugao de sentenga,
entre paites como exequente Henrique Jos Alves
Ferreira e como execuiados os administradores da
m.vsa fallida de Amorim, Fragoso, Santos 4 C, e
proretnindo a execugao os seas devidos termos,
prosedeu-se a penhora em dinheiros pertencentes
aos mesmos execuiados, pelo que o solicitador Ig-
naeio liarrozo de Mello, procurador do exequente
em audiencia do dia 14 de novembro me fez o re-
-querimenio do theor seguiute :
Aos 14 de novembro de 1864 nesta eidade do Be-
ife de Pernambuco, em publica audiencia que aos
eitus e as parles fazia u Dr. juiz de direito especial
do commercio Tristo de Alencar Araripe, nella
pelo >olioiladr Ignacio barroso de Mello procura-
dor do exequente Henrique Jos Alve.s Ferreira,
fora aecusada a penhora que se segu feita em di-
nlieiro pertencente aos execulados, requerendo que
nao s aos mesmos licassem assignados os seis dias
da le, como os dez dias aos credores Incertos, pas-
sando--e os editaes do estylo, e requerendo na mes-
oa occasio que se passasse mandado de remogo,
para o deposito publico e achando-se presente o
solicitador Miguel Jos de Almeida Pernambuco
procurador dos execulados, por parte destes pedio
vi,-la.
Termos em que houve dito juiz ambos os reque-
rimentos por deferidos.
Extrahi o presente do protocollo de audiencias, e
junto > mandado c termo de penhora.
Eu Faustino Jos da Fonceca, escrevente jura-
mentado o escrevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Segnindo o que assim se continha em dito re-
qnerimeoto de audiencias, depois do qual o mesmo
solicitador Ignacio Barroso de Mello, procurador do
exequente, em audiencia do dia 19 de junbo do cor-
rente anno, rae fez o requerimento do theor se-
guinte :
Aos 19 de junho de 1865 nesta eidade do Recife
de Pernambuco, em publica audiencia que aos fei-
tos e as partes fazia o Dr. juiz de direito especial
do commercio, Tristo de Alencar Araripe, nella
pelo solicitador Ignacio Barroso de Mello procura-
dor oo exequente ll-nrique Jos Alves Ferreira,
reqi: ndo quehavendose desencaminado os pri-
meir das a dinheiro a frete al o dia d i sahida as 2 hu-
ras da larde : agencia roa da Cruz n. 1,
rio de Antonio l.uiz do Oliveira Azevodo
cia de 18 do correle.
2 llvros conforme o modelo que se apresentar.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos
apreseotem suas propostas na sala do couselbo de
compras, as II horas do da 26 do corrente.
Sala das sessoes do cooselho de compras do ar-
praga por execugao de FeVreira & Marlins contra seal de guerra, 19 de agosto de 1S65.
Matioel Soares de Moura. 0 encarregado da esoripturacao,
E na falta de licitantes ser a arremalago feita Manoel os de Azevedo Sanios
pelo prego da adjudicago cora o abalimento res-
pectivo da le.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei fazer o presente edital, que ser afflxado
nos lugares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta eidade do Recife de Per-
nambuco, aos 31 de julho de 1865.
Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo, o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta eidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo, por Sua Magestade Imperial e
constitucional o Sr. D. Pedro II, a quem Dos
guarde ele.
Fago saber pelo presente que no dia 4 do mez
de selembro do correute acno, se ha de arrematar
por venda a quem mais der em praga publica, de-
pois da audiencia respectiva, urna casa terrea sita
na eidade de Olinda, a ra do Amparo n. 14, com
31 1/2 palmos de largura e 88 de comprimenlo,
quintal em aberlo, sala na frente com gabinete,
quatro quarlos, sala a trazcom cozinha dentro, sen-
do essa sala assoalbada, avahada em 8005, a qual
vai a praga por execugao de Joo Manoel Rodri-
gues, contra Marcelino Rodrigues da Silva e sua pertencentes ao mesmo estabelecimento, sita no criptono ra da Cruz n I.
mullier. E na falla de licitantes ser a arremata- largo do Tergo o. 62t ludo pinhorado por execugao
gao feita pelo prego da adjudicago com o abali- de Jos Joaquim Pereira de Meudonga, coutia Joa-
i Tcrca-fera 29 de agmto
a* II horas em ponto, na praga do f.ommcreio, em
frente a Associagao Commereial.
De urna casa no flonlero.
Terfa-feira 9 de agosto.
Commercio
O ageale Pinto lara' leilo as 10 12 horas do
dia acuna- dito da casa n. 30 da ra do Monteiro
esquina do beceo do Qniabo, edificada em chaos
proprios, coro 2 salas, 4 quarlos, eosinha fora,
carga que o vapor poder conduzir, a qual tfever nuartns para prelos, quintal morado e aeimba, na
praga do commercio-em frente a Associagao Com
mercial
Consulado de Franca.
Conforme o art. 7 da convengan consular entre
o Brasil e a Frrnga, o coosul francez faz publico,
que fallecen no dia 14 do corrente a sublito fran-
cez Camoins, Matldeu Pierre Vctor. Pernambuco
16 de agosto de 1865.O cnsul de e>anga
Osmin Laporte.
(lorreio feral.
Pela administrago do correio desta eidade se
fa'. publico, que em virtud*; da convenco postal,
celebrada pelos goveruos brasileiro e francz, serao
expedidas malas para Europa no dia 30 do corren-
te pelo vapor francez Navarre.
As cartas sero recebidas at tres horas antes
da que for marcada para a saluda do vapor, e os
jornaes al quatro horas antes.
Administrador do correio de Pernambuco 22 di
agosto de 1865.
Domingos dos l'assos Miranda.
______________ Administrador.
No dia 25 do corrente, ^erante o Sr. Dr. juiz
municipal da 1* vara, se ha de arrematar, por s\:r a
ultima praga, a armago de urna loja de vender
charutos, um fiteiro, umacarteira e oiitros objectos
asertte-
CoMip.-inliIndiis Jfeusageries im-
periales.
No dia 30 do;
corrente mez es- i
pera-se dos por- j
los do sul o va-'
por francez Na-
varre, cornman-
danta Jorot, o
qual depois da
demora do eos-'
turne seguir para Bordeaux tocando em S. Vicen-
te e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para freles, coo,dicgoes e passagens trala-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
tara o Rio de Janeiro
Pretende seguir com omita brevidade a barca
nacional Hestauraro, tem parte do seu carrega-
metilo promplo : para coinpleta-lo, e juntamente
para esrravos e fret-s, para os quites tem excellen- i
tes commodos, ti ata-se com os seus consignatarios
Antonio Luiz d'Oliveira Azevedo & C, no sea es-'
ITBOI DlflUIH.
GB9S
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
Quem precistr de um nrro wtm p-tir* 4. u-
herna dirija se a mi do p,>g n W bhen.
, OfTerot-e se um pharm.ii-, ni., rm r*ru m-
ira administrar alloma boiira : pr*b>*riM
i Pt^curem na roa d F. m. if,. <^kn 1..
Precis,i-so de um :\m%*<*lor
atraz da fundic > Jn Sr. Siarr
Perdeose urr3 patenta do inref > nar*m
nadaoM do bstalho n 21 d- l.im.-ir. Ai ,,*-
dencia a praga da B -Vii.i ,|:jern rm a-rr
entregar na prari da Bw-Vjsta, botica t'$r Ga-
meiro.
ni
.\o dia 19 do corrente nv?z .J g.^m.
tou-se de casa do hachare/ Mi Antn. *
jo Freitas llenrr-jues, mora tor rn da
nesta capital, um seo eseravo afn.-ano por 1
Caetano, o qual maior de anmx. rorpo i ^i:.-
lura regulares, bem prelo, p^s t-m*. Me
penie, semlanhos n<-rs minas o r>.-t. iero r--
tido camisa de madapol>, raic.i 4* hnm p*r*i
chapeo de falla escoro-; -o;.|V- > ni.ir n-> t
nho nesla mesma cidatf-. >'i t-r fo.2i*> para 1 r ,
marca de Goianna. onde lem ronh^rtmenim : .pvnr
o pegar e o pnlrpgar ao s*n sobredi! > *-9knr, at*
uenerosamente recompens..il >.
De eidade doSr. Dr. Joo HapiisM d-i Anwral e H*H>
-, jmz municipal da c marca de Plnrv. alfr A r>m-
1 UOmpaUa lUdemilISaaOra 22' m newrio dee senhor, na m> la ppera-
inz o. i/, segundo andar.
estabelecida npsta praga, toma segaros martimos
sobro navios eseus carregamentos e contra fogo em
' edificios, mercadorias e mobilias: no sen pscriplo-
jo, ra do Vicario n. i, pavimento t-rreo.
VOLUNTARIOS
DA
G=f
Creme
Sorvetp de reme lioje ;.o meio dia
Trapiche n. 18
nri(>>
raento respectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente edital, que ser afflxado
ios lugares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesla eidade do Recife de Per-
nambuco, aos 9 de agosto de 1865.-Eu Manoel
de Carvalho Paes de Andrade, escrivo o subs-
crevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Trislo de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta eidade do Itecife de Pernam-
buco seu termo, por Sua Magestade Imperial e
quim Jos da Silva Moureira.
Pela subdelegada dos Afogados acha se de-
positado um cavallo mellado testado, ainda poltro
e inteiro, o qual foi apprehendido como hulado :
quem se julgar com direito ao mesmo comparega,
que provaodo Ihe s^r entregue.
Manoel Pereira Camello Pessoa
Subdelegado.
Tergafeira 29 do corrente, depois da audien-
cia do Sr. Dr. juiz de orphaos desia eidade, ser
arrematado (por ser a ultima praga) os alugueis
pelo lempo de seis annos do armazcm n. 5 do caes
Ilha de m. Miguel.
Segu impreterivelmente no lim do corrente mez
o pal habite portugnez Pensamenlo. de 1* classe :
quem no mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gem. diri|a-se a Dallar & O iveira, ra do Vigario
numero 10.
LOTE Rl Al
AOS 6:000/?000.
WJfuiguratn
recente
Constitucional o Senhor D. Pedro II a quera Deus da alfandega, destinado a receher bacalho, servin-
guarde, etc.
Fago saber pelo presente que no da 28 de agos-
to do corrente anno, se ha de arrematar por ven-
da a quem mais der em praga, publica depois da
audiencia respectiva, os beos seguales :
lina balanga grande com pesos de urna arroba
at urna quarta, avahada por 20#, urna dita pe-
quena com conchas de folha, avahada era 55, um
balco de madeira, avahado em 5#, urna carleira
de cima do balco, avahada em 15, um caixo
grande de madeira para deposito de bolachas, de-
vidido era cinco parles, com fiteiro em todo o com-
primenlo, avahado em 205, ura relogio grande,
avahado em 303, urna maceira e urna tendeirade
madeira, avahada em 155, um selyndro com seus
pertences, avahado em 505, diversos objectos miu-
dos do servigo de padaria, avahados em 255, os
quaes
ro
do de base o por quanto est alugado actualmente
de 3:0005 annuaes, cujo armazom vai a' praga a
requenmenlo da vinva e herdeiros do Dr. Jos
Raymuudo da Costa Menezes.
Tisset Frers previnem aos xarregadores dos na-
vios da hnha do Havre a' Pernambuco, que o frete
do Guillaume Tell, esperado a cada, momento, tem ,
sido abaixadoa 30 fs. e i,., o do Sphre a car-1 PaS0S "V1 ll"r'1
Corre fiarta-feira 30.
Acham-se a venda na respectiva lliesou-
raria ra do Crespo n. 15, os billte)es da
2a parte da lotera (29a) em beneficio das
familias dos briosos voluntarios da patria,
cuja exliacco ser ,no dia cima menciona-
do e no lugar e dora do costume.
Os premios de (i.-OOOjJUO at 1000i>
lepois da extraccar
I
ga no Havre a 35 fs. e 10 OO. eque talvez o dos alc as i horas ila tarde, e os oUll'OS depoif t
navios seguintes sera' ainda mais em conta, o que da distribuica'o das listas.
!SL,?.*!lt0S2r?,l?,2J?,rt- 0s na,,8S As encommemlas s rao guardadas so-1 i
(lorreio
mente ate a noite da vespera da extraeco
Pela adminisiraco do correio desla eidade se
faz publico para fins conveniente-, que era virtude
do disposlo no art. 98 do regalameoto ge ral dos
crrelos de 21 de dezembro d< 18i't. e art. 9 do
decreto n. 185 de 15 de maio de 1851, se proce-
der o consumo das cartas existentes na adminis-
trago perleneentes ao mez de agosto do 18i, uo
dia 4 de selembro proximo.as 11 horas da manhaa,
na porta do mesmo correio
estao aoisposigii dos carrpgadores para as vollas
a um frete abaixo de 4 5 fs. e 10 | c informe se ',
ajustar com os annunciantes, ra do Trapiche n. 9.: como de costume.
Thesouraria das loteras 22 de agosto de
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Soma.
- Denlo de Medeiros Barbosa relira-se
l'ara o Porto por Lisboa
pretende sabir com a possivel iiresteza o bngne
Pernambucano : para carga e passagelros, a quem
offerece bons commodos, trata se com o consigna-
tario Tromaz de Aquino Fonseca, ra do Vigario '
ji. 19, primejro andar.
para
e a respectiva lista
se acha desde j exposta aos interessados.
Administrago do correio de Pernambuco 22 de
aes 'So a praga por execugao de Joaquim Ama- agusto de 1865.- O administrador
da Silva Passos contra Francisco do Prado Domingos dos Pasaos Mi
E na falta de licitantes sera a arrematago feita
pelo prego da adjudicago cora o abatimento res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei fazer o presente edital que ser afflxado
nos lugares do coslume e publicado pela ira-
prensa.
Dado e passado nesta eidade do Recife do Per-
nambuco, aos 11 de agosto de 1865.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
0 Dr. Trislo de Alencar Araripe, offlcial da im-
poria'
randa.
Pela repartigo das obras publicas, se faz
publico aos proprietarios dos predios da ra da
Cruz, entre o becco ta Liouueta a na da Cadea
travessa e paleo do Corpo Santo, que Ibes mar-
cado na forma do regulainenlo le 27 di jnnho de
1861, expedido para a execugao do arl. 57 da lei
n. 596, o prazo de 30 das para a consiruego dos
respectivos passeios das suas propriedades.
Secretaria da repartigo das obras publicas, 23
de agoslo de 1865.
No impedimento do secretario.
Europa.
PARA O
Rio de Janeiro
pretende sabir ueste; 15 dias a barca nacional
Valle; para carga, passageiros e escravos a frete,
Irata-se com David Ferreira Baltar, na ra do
Brum n. 66, ou com o capitao da mesma barca.
Para Lisboa
ai seguir-uestespouos das o brieue, portuguez rua da Aurora n. 20. dentro de ludias con- flj
Cumiante, recebe ainda algumas miudezas e pas- lados da presente data, das 6 as 10 horas jar
sageiros, para o- quaes lem boas accommodagoes: da manhaa e das 4 as 6 da tarde para ve- 9
Ira La'n0: rificac5 Js seus crditos e ulterior a cor-*
do sobre os seus pagamentos, independenie | M
de qtiestoes judiciaes; Itec fe, 8 de agosto
Os filhos do primeiro matrimonio e
genros do nnado brigadeiro Gaspar de Me-
nezes Vasconcellos de Drummond, convi-
dan) e pedem encarecidamente a todas as
pessoas que se considerarem credores do
respectivo esal se sirvam de appatecer na
a tratar com Manoel Ignacio de
largo do Corpo Santo n. 19, ou com o capito na
praga.
Joao Joaquim de Siqueira Varejo.
ordem da Rosa, juiz de direito especial do O conselho de compras do arsenal de guerra,
E
I LOS
&
commercio de-la eidade do Recife de Pernambu-
co, spu termo, por Sua Mageslade Imperial e
Constitucional o Senhor D. Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
Fago saber pelo prsenle que no dia 4 do mez
de selembro do corrente anno.se ha do arrematar
por venda, a quem mais der em praga publica, de-
pois da audiencia respectiva : urna parte da casa
de sobrado de um andar e sotao n. 32, silo na rua
do Livramento, com varanda de pao, duas salas,
quatro quarlos e cozinha no soto e quintal, ava-
hada toda a casa em 7:0005, sendo o saldo da dita
parte 4:8535380 rs., segundo a conta feita pelo
contador do juizo, a qual vai a praga por execugao
de Francisco Amaro da Silva Passos conlra Fran-
cisco do Prado. E na falta de licitantes sera' feita
por venda a quem mais der em praga pelo prego
da adjudicago com o abalimento respectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei fazer o presente edital que sera' afflxado
nos lugares do costume e publicados pela iui-
prensa.
Dado e passade nesta eidade do Recife de Per-
nambuco, aos H de agoslo de 1865.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Tristo Je Alencar Araripe.
precisa comprar o seguinte
Para a companhia de Zuavos, cm virtude da or- [
dem da presidencia de 22 do correte.
60 honets a cavaignac.
60 mantas de la.
60 gravatas de sola de lustre.
6 covados de casemira branca.
As pessoas que quizerem vender ditos anigos,!
apresentem suas propostas com as respectivas
amostras no dia 26 do corrente, na sala do conse- i
Iho, s 11 horas do dia.
Sala do conselho de compras do awenal do ar-
senal de guerra. 22 de agosto de 1865.
O encarregado da.ecripturago,
Mauoel Jos de Azevedo Sanios.
LEILAO
DE
L'ma mobiha de amarello, 1 cadeira de balango,
I marqueza, 1 comino la, I me-a para janlar, 1 di-
la pequea, 1 cama para casal, I lanterna, 2 pares
de jarros. 1 lavatori > e outros artigjs de gosto.
Urna pserava ae 30 aunos pouco mais ou menos
com habilidades.
Lordeiro
soa que
lio dos
Se\U-feira 2o do corrale as 11 toras.
No armazem a rua da Cruz n. 57.
de|18G5.
Aluga-se a casa terrea n. 67 da rua da E
peranga no Caminho Novo : a tratar na praga da i
Boa-Vista n. 30, segundo andar.
Precisa se de um menino di? 14 a 16 annos,
com pratica de padaria: na rua do Raugel n. 9.
GfflVrece-se para caixeiro de moibados um
mogo de 14 a 16 annos, que tem alguraa pratica.
do que se dar luforraacoes na taberna do Hospi-
cio n. 24.
ieiro Simos por conta e ordem de urna pes- Sem familia para criado OU 1
le se retira para fora da provincia, tara' lei- sil., enepnh0 ou outro malo
s trastes e a escrava cima mencionado, Islo S en8enno OUOtnro quaiq
procurar nesta ofliema.
- Offerecc-se um homem j de ssento'
feitor de algum
uer servico : a
subdito francez, retira-se do
Leilo sexta-lei a o
Plo agente Euzebio.
De urnas pegas de estopa.
Duas mobilias de Jacaranda
ile agosto.
LEILAO
n
Gonvida-se as pessoas que estao as
condicoes do ser?ico militar, a engajarem
no corpo de polica e gozarem das vanta-
gensdi lei provincial n. 611 de 2 de maio
prximo passado, que sao as seguintes:
4i5400 rs. diarios de sold, serem seus -
Ihos menores recolhidos aos estabelecimen-
tos provinciaes de educacao e o tempo que
estiverem na guerra ser contado pelo duplo
para o caso de aposentadora, e alm destas i
tem todas as mais vantagens que sao con-
cedidas aos voluntarios da patria- O te-,
nente-coronel commandante do corpo de
polica, Alexandre de Barros e Albuquer-
que.
i ^ Em audiencia ao Sr. juiz d orphaos, no dia
28 do crrante, as II horas, sera arrematada em
basta publica urna morada de casa torrea sita na
rua do Rosario da Boa-Vista, pertencente aos her-'
deiros do fallecido padre Fraucisco Joaquim Pe-
reir.
Vapor de reboque Camaragibe.
Os accionistas da companhia vigilante de vapo-
res a rebjque sao convidados a reunirein-se em
asscmbla geral, que ter lugar no dia Io do mez j
de seteabro ao meio dia em ponto, no escriptorio j
de Rothe t Bidoulae, rua do Trapiche n. 18, para
trataren) de negocios da mesma companhia.
ArrcmalaCO. O agente Pinto autorizado pel Sr. cnsul de
No da 26 do correle mez'depois da audiencia Franga far leilo em preseuga do mesmo, ou de
do juiz municipal da segunda vara vai a praga por um seu delegado, dos objectos cima mencionados
venda a casa terrea sita na estrada de Joo Fer-, pe leucentes ao espolio do Uado Matheus Ca-
nandes Vieira. freguezia da Boa-Vista, em chaos I moins, e existentes ua casa da rua Imperial n.
proprios, com 50 palmos de frente. 43 de fundos,! 191, oode se elfectuar o leilo as 10 1|2 horas do
2 salas, 4 quarlos, gabioele, 2 cosinhas, soto den- ] dta cima dito,
tro com janella para os lados, quintal grande cora : Era tempo previne se aos donos de alguns ob-
Manoel Hirsch,
imperio.
Miguel Carelli, Domingos Carelli
co Carelli, subditos ilaliauos, vo para
e Francis-
a Europa.
De um macblOiamo pan fazer marroquim, produc-
tos chimicos para prepaTacaO do mesrno, garra-
fas d'agua de limo, couros de cabra, sola, cou-
ro branco e ditos de oczerro, 1 armario, 1 ba-
langa e mais objectos perteuceutes a fabrica da
rua Imperial u 191.
Wahbado 2(3 de agosto.
fructeiras,cacimba etc.,avahada em 2:6005.
s
T3IE YTRO
DE
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se faz publico para
conhecimento de todos, a circular do tribunal do
EMPREZA-COIMBRA
Recita extraordinaria.
Segunda representago do artista Simes.
ihesouroa.27de20dejulhoultiraoabaixotraas. g^^ 26 de agOStO de
Secretaria da Ihesouraria de fazenda de Pernam- 1 Q(\ K
buco, em 14 de agosto de 1865. JU.
Servindo de ofllcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Circular d.;.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja-
neiro, em 20 de julho de 1865.
Jos Pedro Dias de Carvalho, presidente do tri-
bunal do thesouro nacional, tendo resolvido que
se substituam as notas de 105 da 2* estampa, cor
de tena, ordena aos Srs. inspectores das thesoura-
rias de fazenda que, mandando publicar esta reso- j
lugo por aonuncios nos peridicos das provincias
e por editaes afflxados em todos os municipios, pro- \
cedara referida substiluigo com o produelo da ',
renda das respectivas thesourarias, solicitando a'
remessa dos fundos precisos no caso de deficien-
cia da mesma renda; e remettam mensaImente ao
do pnnieiro, e que langava de preva, e requera !^1\\^^ deV'
*8 T Zho Smfdirio ^ iSSot -T far^ba a deelaragio I
iSaSS "o' r=,oddeere dieacia, t^Ja^SSSfjTSS ? &
i^ SiUSgr BarrS FalC0' eSCreVeD,e noUs^roreraSale 'enlio' SiSSa?
TBB d.'SSSiho Paes de Andrade, eseri- '______^JosiPedroDiosde Careno. ,
vio o subscrevi. I Pe|a flscalisagao da freguezia da Boa-Vista
Seiiumdo o que assim se contiuha em dito reqoe- se faz publico, que existera em deposite 5 cabras
rmenlo de audiencia aqui transcripto, depois do (bicho), apprehendidas e reraettidas mesma Os-1
<|ual o mencionado escrivo Manoel de Carvalho calisagao por diferentes pessoas quem se julgar.
Paes de Andrade, que este subreveu e fez passar com direito as mencionadas cabras, pode as pro-
o presente edilal cora o prazo de 10 dias, pelo qual curar, pagando a competente multa.
e seu theor chamo, cito e hsi por citados a lodos os Recife, 25 de agosto de 1865. fiscal, Jeroni-
redores incertos dos ditos execulados, para que mo os Ferreira.
Representar-se-ha o interessante e muito applau-
dido drama em 3 actos
TU IVLI10 !I0\l{ .
Seguir-se-ha a cangonela cmica desempenhada
pelo actor Simoes
AS BII1S ItVZOES
ou
0 MOQUEO VELHO.
iar o especlaculo o entreacto
e msica
0 descasca milho.
Terminara o especlaculo
ornado de msica
jectus que all se acnam, qu;irain retira-los antes
do leilai enlendeado-se para isto com o mesmo
sr. cnsul francez, quando nao sero vendidos sem
que seja admissivel reclamago alguma posterior.
LEILAO
Da excellente chacra do Etm. Sr. d
Doria, noManguinliOr com as accommodagoes
que podem ser examinadas desde ja pelos pre-
tendemos, os quaes devsro concorrer ao leilo
no dia
Tercafeira 29 de agosto as 11 horas
em nonio. ,
Por intervengo do ageule Pinto, em frente a
Associagao Commereial.
De predios eui Ulin la todos eui chaos
proprits e nas priucipacs ras.
Sendo.
Um sobrado euma casa Jerrea n. 47 e 87, tendo
o sobrado 2 salas e 3 quarlos, e a casa terrea 2
salas e 3 quartos, eosinha e o quiotal murado, a
rua de S Bento.
Urna casa terrea na ladeira da Ribeira com 3
salas e 3 quartos e eosinha, edificada ha pouco
tempo.
Urna dita na rua do Carino n. 3 com 2 salas e
4 quartos.
Urna dita na rua do Amparo n. 33, com urna sa-
0 Dr. Antonio de Vasconcellos Menezes
de Drummond convida e pde aos compa-
oheiros d'armas, e mais pessoas que tinham
relagdes de.amizade com o tinado capito
Jos Francisco de Moraes e Vasconcellos,
para assistlrem a afumas missas e memen-
to que por alma desse seu presado amigo
haver no dia 2 ao correle mez, na igreja
de Nossa Senhora do Carrao pelas 7 horas
da manhaa.
viente us leguinta :
Aguas atrau wmmtm -\t Vi-
chy, dita de Seltz, dita sulfhm
das Caldas da Bain.a, diU vnt>\*
das Fumas d i Ilha de S. Miguel,
sendo estas as excelentes para
comtiler as iidliroma; s de e*i^-
mago, da garganla, nzms etc.
.Chocolate medicinal de musgo is-
lndico, dito fe rugin*3u, ditr de
bauoilba, dito de fainilia, dito pa -
gativo etc. Fastillias puliuonicas
inglezas eonira a losse, piltra* de
Alison cintra s^zt-s, ditas da vida
de l'humaz Parr, ditas .tepurati. as
e purgantes de .Mr. Debaut, uVh.
os preparados de kemp crunn i-
jg lulas assucaradas Mba-parrba
,.-^ BrisloJ, pdloral .1^ anarauliit^
jn Kemp contra losses, ralham.
S astlima etc biltei aromiti-..
m macal e cupos de Joassia ^ara lor-
ia nar em puucs nynotos o
::j dos amargse Ionio >. ra o esio-
| mago: a venia na rua di ed*
Dos n. 4, botica Mi la C
Bravo dC
Os Srs. fabricanle* de (.*.. Ma- I
cha e coserveiros encoiilrarao car- |
bonato de amoniaco m.iiIh hran.-!. c I
lurte em liandres, potas.*a ingle l
refinada e secca esencu pura*
de limo.dila de iionela pimetila. J
^ dita de Neroli e tintura <'. ,-, riain.l i
j para corar tnendoas etc. : na rr.>*- j|
51 ma botica de J C. Wnm U
mmMmm m* m i x.m
Ferros para eugommar
Venuenise raixin'ias coutendo o mai- r .mM
sorlimentu de ferros para engomm.r. raaaappJi
babados, pafos e toda raapi de majan : na ta*
Im n. 24.
1
m
m

Cal de Lisboa
Vende-se superior cal de Lisboa m p^4n de-
sembarcada hon'eui a librea tmti, p \t .,u.. ero oulr, |., n |.|, Vi I ..,._.,.
que sao os barris ma lores qoe ha o merr*: a
tratar rua do Vigario o. 17, d-p.i-ii.itla no trapi-
che da corapau'iia largo do *'.yt\> Sat .
solicitador Ivo Martin* !. AlmWd-f >7p
blico que deixnu de ser procura! -r mti-tal Ja Sr.
Lioo de Faria, liqnidalario da -iiio.-t.i aran V
Faria & C. nao por cau-a de-t^ s-h'h*. a 'pin
annunciante agradecido, pi.r.-m sini pn Sr.
Franc.sco Jos da Cjsta Gaimart, >rn^ *r M
sua ausencia encarrevaiJo de *e:i< vg *
Antonio Ferreira da Cunha, nL^l. p->rtu>
guez, estabelecido com loj i f. bh a ro. A
I.ivramento testa eidade omt i m <:. -. t m r--
olvido d'ora em diaut-i iirt|iir u '.uiom-i F-r-
reira da Cunha Lairo. r--iOi i -ti >mn 0tUm
qualquer dtivida acerca J > m ti.-.!.> ami)t> rvymr.
por ler ii lo no Diario de Permtmhiiro MBd mvme
de um sentenciado qn-foi para a Mn 1: F>-riMB-
do, e tambera no edital publu-. 11 i r uto P
no da 22 do andante mez raMb i:n>-ste a unt pr>-
testo de nao prescripoao. Recift 2V M .% >-!> *-
1863^_______________
AGUA FLORIDA
Thomaz Teixeira Ba>tos vai a Europa c dei-
xa como procuradores seus amigos, em primeiro
I lugar seu mano Sr. Domingos das eves Teixeira
. Bastos, em segundo o Sr. Antonio Jos Leal Reis,
2IR e em tercero o Sr. com
imendador Antonio Jos de
Castro.

Izidoro Camello Pessoa de Siqueira Caval-
can: i Jnior, Antonio Gongalves Ferreira
Casro, Mara Josepha Vianna Ferreira e
Antonio Goncalves Ferreira, sob o pese da
mais acerba dr, convidam todos os seos p-
renles e amigos para assistirem a roissa e
memento que tem de ser celebrados na igre-
ja matriz da Boa-Vista as 6 horas da m.'.nha
no da 26 do corrente por alma de sua espo-
sa, Giba e nimia Lenidas Amalia Ferreira
de Siqueira.
Desappareceu do poder d abaixo assignado
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray 6 Lnm i
olhada como un artigo de ftrlumr. ni
tem podido ser igualada pela* prepsnufic
as mais costosas : consena ar> aa. rev
nio se formasse parte da premia a qne ella
se applica.
Sua eflicacia to delM-ada, oat eiVfa*-
tes sao seus muili|>)i'ados :>. >:
empregada como artigo le tourai
no uso do bando, ou romo snavi.-a.U* da
! pelle, depois que ?e tenlia tit- a baria:
j para limpar as gengivas ou aroa alisar
hlito.
L'i suavidade, brillio e etasiM-iilaHe
o entre-acto cmico
dentro do referido prazo comparegam ante este
juizo, allegando e provando que for a bem de
seus direllos e justiga sob pena de se proceder as
suas revelias.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente ed.tal cora o prazo de 10
dias, que sera afflxado no Ingarea do costume e
pub'icados pela imprensa.
Dado e passado nesta eidade do Recife de Per-
nambuco aos 21 do junho de 1864.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
bi o subscrevi.
Trislo de Alencar Araripe.
Arsenal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
Para o corpo de polica em virtude da ordem
da presidencia de 12 do corrente.
230 mantas de la.
260 bonets redondos.
650 pares de sapatoes.
260 grvalas de sola de lustre.
Para o deposito, ordem da presidencia do
11 do corrente.
100 bonets.
PERSONAGBNS.
Jos Bezerra. saloio............ SimSes.
Luizinha a leiteira............. D E-genia.
A scena passa-se nos arrabaldes du Lisboa.
Coraecara' as 8 horas.
AYISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia 3 de setembro o vapor
Tocantins, commandante o pri-
meiro lenle Pedro Hyppolito
Duarte, o qual depois da demora
do coslume srguir pora os ortos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e eogajase a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua ebegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sabida as
2 horas : agencia rua da Cruz n. t, escriptorlo de
Antogio Luiz de Oliveira Azevedo & G.
pannos, das sarda*, do rosto, rn?a* i iMa a
casta de i bulicoes, e d \\%<>r e desaira a
fra edilicada ha bem pouco tempo. esquerdo tima "cicatriz ao p do dedo mnimo, le-
Cordelro Miines vju caiga de casemira cor de caf, e camisa de
legalmenle antortsido far lellao dos predios aci- chita cbocla, chapeo depalhr ordinario, cojo me-1 "". Uju .",P mM"- -.....Liu
ma mencionados, situados em Ohnia e nas prin- nio estav aprenendn o officio de ferrein : por F. ,uc huci H ,c .F,Mluc-
cipaes ras, as quaes se achara expostas ao exa- tanto pede se as autoridades, tanto da praca romo ciencia e elegancia s;io ig.-alumle rtaam
rae dos pretendentes, qualquer esclarecimento o do mallo, de o pegarem e lvalo na rua lo Pilar veis nos CASOS em qtlC M'ji preciso ip|iil
mesmo agente satisfar, cujo leilo sera effecluado n. que sera' recompensado. |;, ciimo estimulante e anlistlHKO nos rnn-
Baziiio Francisco do Nascimento. ,. ___',, ,
------------- _--------------------1~-~---------------cursos e assemWeas. numerosa, mt* Infav
EsCI'aVO t'UgldO. lidades infeccionadas, na um de
Ainda est fgido o escravo Manoel, crioulo, cor fermo, assim como um -ntid..to :
fula, estatura reguUr, oliiar espantado, fallando- te para OS desmae causados ror
Ihe dous dentes na frente e ainda moco. Teto, 0u suffocac5u Preparada nic:menle fas-
ha poneos raezes de Maraanguape para ser vendido Lanman & K(m[t ^ e 3 ,
Terca-fcira 29 do corrente as 11 horas
era ponto no armazem rua da Cruz n. 57.
Leito de predios.
A saber :
Ura sobrado de um andar e soto da rua da Sen-
zala Nova n. 6. o qual rende animalmente 528.
Um dito de ura andar soto na rua da Senzala
Velha u. 28, o qual rendo 4604.
Terca-feira 29 de asesto.
O agente Pinto far leilo, precedida a compe-
tente autorisacao dos dous sobrados cima indica-
dos as 10 horas do dia 29 do corrente, na praga do
Commercio.
ruifla-
3nssn>
Caors & Barbosa.
Joo da C. Bravo C
LEILAO
De dous escravos sendo um coslohelro e copeiro
e o outro cosiabeiro, padeiro e imaginario, ambos
sadios fiis e sem vicios.
aqui; julga-se andar pela rua da Concordia, San-
to Amaro, Olinda, Beberibe ou Soledade : quem o
pegar eonduza o roa da Madre de Deus o. 32,
que ser bem roeompsnsado. ____
O abaiio assignado faz ver ao publico, que
elle nao lem sacado era aceitado, e muito menos
endocado letra alguma ; qaaiquer, pois, que appa-
c.a com sna Arma falsa, visto constar-lhe que al-
E SfcSreaU$ar Certa lraDSaC50 C)m ma ^ armazem' da bolla amareUa no fl *
_______________Miguel Jus da Costa. secretaria da polica, recebB-sc -
Precisase de um bom cozinoeiro."paga~-w rendas de fogo do ar para deotrt t fora
bem: na rua da Caixa d'Agua n. 70. \ provincia.




Diario de pernainbuco -^ Se lia elra 85 Je Agosto de istia.
C0KPB4S.
Compra-se effeclivamente ouro e prata em
onras velhas, pagando-se bera : na ra larga do
Rosario n. 24, toja de ourives.
Attencao o barateiro de ob-
jectos ebegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous grandes lustres de vidro finos
Silvino Guilherme de Barros compra e ven- cora 24 luzes, do melhor gosto e por prego razoa-
de effectivamente escravos de arabos os sexos : vel; assim como apparelhos para cha e para jan-
ruado Imperadorn. 79, terceiro andar._________| tar, braneos e de cores differentes; ditos de por-
Ouro e Drata celana dourados e pintados e hrancos; apparelhos
f-m nhras vihaC ^.mn.. ... a r-j. > Dara Janl*r de porcelana branca; tamnem se ven-
nd1/f InS??.^^^1 Pra da Inde-;^" empegas separadas como os freguezes qui-
m. compoteiras lapidadas para doce, clices
THESOURO DAH Mil*.
PROVIDENCIA DAS CRIANZAS.
COLLARESROYER,
pendencia n. 22, loja de bllhetes.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas, | para vinho, ditos para champagne, copos para agua
em obras velhas : na ra da Cadea do Recife, "
lejade ourives no arco daConcelcao.
Compram-se
raoedas brasileiras de 205
na ra do Crespo n. 16, primeiro andar.
praca da
Compram-se libras sterlinas
Indepencia n. 22.
na
Compramsso tres casas, cada urna em valor
de 1:0005, ou mesmo bypotheca-se : a tratar na
ra Direila n. ai.
e para vinho finos e ordinarios, em caixo e a re-
talbo; lanternas de todas as qualidades de vidro;
ditas de casquinho inglezas muito finas ; candela-
bros de vidro e de bronze; serpentinas, vasos de
porcelana e de vidro para flores; bilhas hambur-
guezas para resfriar agua; barricas com appare-
lhos de mesa para jantar; gigos com apparelhos
para cha; e emires niuilos sortimentos de todas as
qualidades e pregos commodos vontade dos com-
pradores, que se vendem na ra da Cadeia do Re-
cife junte ao arco da Conceigo n. 64, e na ra
Nova no grande armazera de louca e vidros junto
igreja da Conceigo dos Militares n. 49.
Grande sortimento de roupas feitas de to-
das as qualidades,
Caigas de casemra a 6> e 75500, ditas pretas a
as liver para vender, deixe a morada em cajta fe-, 65 e 85, caigas de ganga a 25 ,15800 e 15600,
diada nesta typographia com as iniciaes P. M. A. ditas brancas a 25, brimde linho a 35, 35500 e
para ser procurado. | 45,_paletots_do alpaca branca a 45500, ditos pretos
e
Compram-se ou alugam-se dous escravos :
no armazem n. 12 na ra de Apollo.
Garrobas.
Compram-se tres carrocas com bois, proprias
para carregar volumes da alfandega, etc. : quera
ja de
graphia para ser procurado.
YENDAS.
Compra-se urna armago que s,rva para lo- : 3f e 35500, ditos de alpaca de cordo a 45. e
azenda : quera liver dirija se a esta tvpo- > "stra de seda a 45500 dnos sobrec.asacos a 55,
paletot:, de casemra a 55, 55500, 65. 85 e 95,
ditos sobrecasacos pretos a 15, 15 e 165, ditos fi-
nos a 255, de cores a t35, ditos fraques a 145
paletots de ganga a 35, 25500 e 25, ditos de bnm
pardo a 35, aquetoes de brira pardo a 35, panno
preto lino a 25. 256C0, 35500 5. 45300 5 e 65 0
novado, moreantique preto a 25600 o covado. gros-
denaple prelo a 15500,15800, 25, 25200 o 25500
o covado; e outras muits mais fazendas que se
deixa de annunciar, e manda-e levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimi'iito est alieno at as 9 huras da noite,
ra da Imperatriz n. 56. Mendes Guimaraes.
Algodo Para saceos e roupa de escravos
da fabrica de Ferno Velho, e de muito superior
qualidade : vende-se no escritorio de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo
numero 19.
Vende-se 12 cadeiras e um pequeo soph,
ludo com excellentes assentos de palinha, enverui-1
zados e dourados, e com pouco uso, proprios para
gabinete : na ra das Crines n. 42.
PILILA* VEliL'TAL
DO
DR. AYER.
Nao ha necessidade mais ge
ral em lodos os paizes do que a
(de um purgante que seja ao
'mesmo lempo innocente, efficaz
e digno de toda a confianga.
As pi lulas que ora offerece-
mos ao publico preenchem estas
condices ; pois pdem ser to- j
madas pelas pessoas mais fracas |
sem perigo algum, nao tendo em
sua eomposico mercurio nem
outro ingrediente nocivo sau-
gentes vegetaes mui fortes, sao bastante
efficientes e activas para purifleur os corpos
mais robustos.
Estas pilulas exploram e purificam toda
a extensao do canal alimenticio, e do vigor
a todas asfpartes do organismo, corrigindo
sua acfao viciada e fazendo recuperar sua
vitalidade.
Um remedio inestimavel contra dor de
cabera nervosa, enxaqueca, priso do ven-
tre, hemorrhoidas, molestias do figadot fe-
bre gastro-hepatica, e todas as molestas,
biliosas que teem sua origem no entorpeci-
' ment do ligado que causa a escassez da
bilis na inflammacae d'esle orgo que pro-
duz derramamenio da bilis no estomago ou
em um desarranjo geral dos orgaos diges-
tivos.
A Ictericia
produzida pela absorpcao da bilis no
sangue, dando pelle e aos olhos urna cor
amarellenta ; nao smente dolorosa por
si, pormeonduz aos mais serios soffrimen-
tos.
Para cura-la toma-se de 1 5 pilulas to-
das as manhias, isto bastante para mover-
o ventre smenle al que se recupere a ac-
c3o siia do svstema.
Mal do figado, febre gastro-hepatica,
diarrhea biliosa, indigtslo, a nevralgia
ou tic doulcurenx, sao todas molestias que
tem seu comeco n'um desarranjo da bilis.
A observaco dos ductos da Mis faz esta
vol er ao sangue, com que circula dtpois
vem todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie innu-
meravel de males.
Todos estes incommodos sao curados com
as pilulas do I)r. Ayer.
Direccoes minuciosas acompanham cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-
rer C, ra Nova n. i8.
AGENCIA CENTRAL
15 Ra Direlta i.
RIO DE dlMIllll
Vende-se em Pernambuco:
na
avariado.
Francez barrica 55000
Portland dem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland dem 125000
No arraazeni de Tasso Irmaos caos do Apollo.
mmmmmm
m Bichas de Hamburgo m
JR todos os paquetes da Europa se recebe jH
|j destas amigas do sangue humano e se B
ffi vendem a troco de pouco lucro s afim t
3R de ler senipre cousa nova : a loja de bar- Jg<
yl* beiro ra estreita do Rosario n. 3, ao p *,
Ir da igreja. 2$j
mmmmmm wm mmmm
Tasso Irmaos
Vendem no seu armazem ra do
morim it. 35,
Licor fino Curago em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com rolbas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chamberlin.
Hermitage.
Rorgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Dordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlacninl.
ELECTRO-MAGNTICOS,.
Chamados collares anodinos de dbnticao conira
as convulsOes t para (acuitar a denticao das
criancas, preparados e inventados por Royer,
pharmaceutico da Escola superior de Pars, suc-
cessor de Chereau, memoro da academia de me
dicina, antiga casa bouim.on-laghange, pharma-
ceutico do Imperrdor, cliofe dos trabalhos chimi-
eos da Escota Polytechnica, director da Escuta
de Pharmacia de Paris, e membio da Academia
Imperial de Medicina. Rita Saint-Martn, 225,
defronte da ra Chapn, em Parxs.
A hygieoe a sade.
A sade a vida.
S MAIS.
Quantas criancas nao vemos cada dia suecum-
liir s dores da primeira dentigo I T Quantas an-
ejas e quantos tormentos para as tristes mais, que
vera se arrebatar, depois de lautos cuidados, de
tantas vigas, o objecto querido de sua ternura I ?
Quantas vezes nao tem ellas sentido a inefllcacia
dos remedios empregados, taes como brinquinhos,
champe de denlicao, etc., cujo duro contacto dos
primeiros irrita as gengivas e causa inflaramago
as membranas mneosas, e cuja acgo aulla fazia
desesperago s mais ? Achar um raeio fcil de ap-
plicar o Huido elctrico para alliviar os soffrimen
tos e prevenir as convulsoes, como tambera todos
os accidentes que resultara da primeira denticao,
tal o lito que tivemos era vista alcangar. "Ha
mui tos seculos que se puohara no pescogo das
criancas collares de mbar amarello para preser-
vabas e cura-las de convulsoes, tmpregava-se pois
desde muito lempo a electricidade medica sem sa-
b-lo, pois que o mbar iodo elctrico. E' evi-
dente que este effeito saudavel repousa sobre a ac-
go da electricidade, que sola o mbar esfregado
pelos rnovimeolos do corpo da criaoga. Esta in-
fluencia constante do fluido elctrico, por fraca
que fosse, produzia effeitos curativos proporciona-
dos quaotia d'elec.tricidade engendrada desle mo-
do. Esta propriedade elctrica de mbar a que
nos temos tido a feliz idea de applicar fabrica-
gao dos ollares de deotigao, augmentando a inten-
sidade dos erfeitos elctricos do mbar por meio
Grandeliquidacfloadinheiro' mil IHHVf* I mkwjul
Na loja earmazem do pavo. AuWADHAIWj*. SEM Ef 17X11
Ra la imperad i u. o dcCa- ol'ciras de marroquim, com cascaveiSjRua lo uueiuiado 4S c &*.
C Sem ClleS. Contina a Vtf:idr lodas as miiuieza> que al.aip
uia iV .silva.
Os donos deste estabelecirneoto tem resolvido li-
quidar suas fazendas por pregos baralissimos, s
com o lira ile apurar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negociara em pequea escala cora fazen-
das, que Deca loja e armazem eucontrarao um
grande sortimexto por pregos qu4 muito Ihes bao
de agradar, lano em pega como a retamo, a
saber :
Cambraias de forro a 2$000.
Vendem-se pegas de cambraia branca para for-
ro a 25 : na loja do l'avo ra da Imperatriz n.
60, de Gama 4 Silva.
Moreantique branca
Vende-se superior moreantique branco para
vestidos de noiva a 25300 o covado, pechincha :
na loja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Percates com mofo.
Ka loja do i>avo a 3G0 rs.
Vendem-se as mais finas percales com lindissi-
raas cores para vestidos de senhoras, tendo um
pequeo toque de mofo que larga logo se lave e
'iquida-se pelo baratissimo prego de 360 rs. o co-
Isto s na loja do Pavao ra da Imperatriz
lodas ;s miiMleza*
I idciiravci*.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-LSf2ffufffc*,,
ca ii. 8, venuem-se coileiras de marroquim,'E>peiiios demokiui.sdouiad.,,.. na m
posponladas e cora cascaveis, ou .--em elles b"ne, oliado P"" f a ioo.
proprias para caes e ouiros bicbiuhos. !,;'IS de wortf s"i"''" a I5^0.
It....nV :...,i i i i rtottvs cora >uimik>( lima mrlia a iiur.
ICDnaainglczasdcacoeooaradas. Meladas de i iZ u u ara bntoi.. < i
No novo sorlimcnto de pennas de ac que. nabado uo iv:.,.,(.,/,,,.. i,,-t VU .io, icos
a Aguia Branca acaba de receber, vieram..!}!''" ....
lambem oulias de metal dourado e bicr-s JS SySflE mn
mu bem acabados, e pnr essas boas e ne-! Grwa de buiu b>'jir|iuto im am
cessarias qualidades os scus acreditados fa- e 'M rs-
bricanles Perry cV C, as recommendam aos I ?!! ** "* P* W "
entendedores \t apreciadores do bom, valen-
do mesmo a differerica que ha no proco de
de fios conductores que dislribuem as correntes %> de a cada ura P?r ter-se comprado una gran-
urnas para outras, porque estas se tornara
mais obrareis na coufinuacao de escrever ;
assim pois que-n dellas se quizer utilisar 6
compra-las a dinheiro a vista : na ra do
Queimado loja da Aguia Bracea n. 8.
Franjas com borlas e sem ellas pan
cortinados.
?S:fli!tt d0 Pav5rua da Im,eralriz A Aguia Branca recebeu um bello sorli-
;i,w7. Vi.i / raenl d:i franjas com borlas e sem ellas
Laazmtias a S00 rs o covado. para cortioados, todas de novos e bonitos
Na loja do Pavo. desenlius, cuja commodidade do proco est I Cix;
dnT^nd?*a**iuistransparente para vest,- em rclacao a largura : acham-se ellas a ven- '
aos sendo das cores mais modernas que tem vindo -u n, _,,_ ,!-,:___., -.1 ,,
ao mercado pelo baratsimo prego de 200 rs., ditas Ua nil ua com palminhas de seda a 240 rs. : isto s para li ^ n- **
quidar, assim como laazinhas raogambiques com Jo20 da paciencia l| CllriosO CllliCtClll-
os mais bonitos padres a 240 rs. : i.-to na loja do ,
Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de Gama &l ment.
s'lva. Na rua do Queimado loja da Aguia Bran-
Veslidos indianos a 3$ :ca n-.8- acham-se a venda por precos :a-
Vendem-se os mais lindos cortes de vestidos in-' zoaveis, caixinhas COfO taholas de niadoia,
dianos tendo 7 1|2 varas capa corte sendo fazenda que das diversas pinturas dellas iC fonuaui
transparente de novos gostos que servem at para agradaveis vis'as e paisageos, segundos
desenhos que ?.companliauj. Na verdade
Caixaa cora fU| riores otoecu i* >u .-, i .- m .
Pecas de fila branca rbMica bhh :i varas a 2M>n.
Varas de franja de la para Mote* te vnIJu a
biiles e partidas, vendem-se pelo baralissimo pre-
lo rs.
Raninos dour;.dos .-ti[.rri,-.r.'>qi:3lu!a,!^s a MU -*.
Nuvellr de ,:,|;a roa 4 jirdi 1 wi rs.
Uroa 1 ara assrnios de n>upa la\*,la a I.*> r*.
Pares de bolSe para ponlio, Ia7. n.ij rica .i l'r --.
Tesnorac para wmurw if eriem q:iait4a4es %
100 h 15.
Caixa.de peonas de cailigraphia, b;,rd-aa
Ifassc com roperlon9 premios a :) rs.
Par de apati.s de tranra e tpele a l^'OO.
Parcy;.; Meatos de iranca f-ara meninos a 15 t
com si!M-rinr<*s njalM a 2:0 rs.
Libras de laa .-..rlidasde bomla> cores a 75"<0.
Caixas roni soperiore olireias de niassa a V' r-.
Pi idiiias rom allinetes franrezes muito
a 20 r<.
nesri^;,-, do papel alrnaco a 25100 c 25800 m
pe. 39 para roupa, brena boa a 720 e 15.
I'iiz de irsooras twn K.que de ktimt v
60(1 rs.
ruzi;.s de faca? ? parios de catw pn lo a 2St)o.
Tal!.. 1. < muito lino [,ra enancas a iO '-.
ijrfiT
su per teres
de porgo: na loja do Pavo rua da
60, de Gama & Silva.
& fe.
tas para satas
d'um modo suave e continuo. Mr. Royer o in-
ventor de duas especies de collares : Io dos colla-
res anodioos de mbar electro-magnticos; 2o dos
collares compostos de differentes metaes com cor-
rente voltaica. Partindo deste principio de physi-
ca bem conhecido, que a intensidade d'uma cor-
rente galvnica est em razao direila da superficie \ inleiramenie nova do mercado propnaspara saas"
dos elementos que compem a pilla, os collares camisas e roupas para meninos sendo fazenda su-
Hoyer, chamados anodiuos electro-magnticos de-
signados e graduados por oito nmeros differentes,
possuem as mesmas propriedades elctricas, com
Imperatriz n. esse ura deleitavel en letenimento cem 1 '
qual se despe ta a curiosidade, e apura a in-j
telhgencia. Os apreciadotes dirijam-se
, rua do Queimado, a dila loja da Aguia Bran-'
Pecumcha na loja do Pavao. ca n 8 aue seio gatisddim -
Vende-se a mais fina silezia de algodo fazenda l
Bonitos enfeiles para senhoras.
A Aguia Branca acaba de receber u 1 no-
^e1i!!1lnpr0cla^ francez e v-mdese pe,"bara- vo e lindo sortimenlo de enteites os mais
to prego de 440 rs, a vara ou a 400 rs. sendo em mnilprnna
pega com cincoenta e tantas varas, isto grande'
e gostos inteiramente agradareis,
esta s differenga que o effeito curativo esta sul.or-! pechincha : na loja do Pavo rua 'da Imperatriz D. e como seu lotivavel coslume OS est ven-
Vende
o
M. J.
dinado ao tamanho dos elementos que os com-
pSem, e por consequencia quantidade limidada
d'electricidade que engendrara, d'onde se segu
que quanta maior superficie apresentara as perolas
ou elementos, tanta maicr quaotia de Quido elc-
trico desprender-se-ha; e por isso que nos acn
selhamos de preferencia os nmeros fortes.
Estes collares, pela sua disposigo flexiveis e
porlates, podem-se 1 r constantemente no pescogo
das criangas. Urna rede electriga cobre sem ces-
sar as partes doridas que sao modificadas lenta-
mente, sem sacudiduras nem commogoes, e pro-
duzem urna cura rpida impedindo as convulsoes.
Assim acha-se reunido cora o amigo procedi-
mento dos collares de mbar a efflcacia regular e
segura da electricidade medica. Os collares gal-
j vano-magnticos de metal compoem-se de peque-
1 as perolas de dous metaes differentes, traversa-
' des por fios conductores que formam assim pe-
I quenas filas voltaicas d'uma forma elegante, porta-
lil e flexivel. empregados com feliz successo contra
as convulsoes, os torticolis, tosse nervosa, tosse
convulsa, ele.; pos.-uera as mesmas propriedades
e empregam-se indistinclamente nos raesmos ca-
:sos.
I DA I'niMEIHA DENTigAO
E da uttlidade dos collares Royer electro-magneti-
cns para faciliar a erupedo dos denles do leite.
Em poucas palavras explicarei o que soccfde
na primeira dentigo, fazendo algumasobservagoes
queservirfio de guia s mis de familias, que pela
sua tenra affeigo exagerara a miudo os perigos
da dentigo, a qual em definitiva urna operago
da naiureza.
A mor pane dos desarranjos que sobrevem
sade das criangas tem por causa o traballio da
primeira dentigo Quando o dente faz esforgo
para sabir, declara-se calor as gengivas, a saliva-
gao volta-se mais abuudante, o somno agitado,
ha febre a miudo, e em geral sobreven) a frouxi-
do do ventre, e s quando este uliiino symp
toma nao toma um carcter violento mais bem
favoravel que daranoso. Sendo sujeito a compli-
car-so com outras alfeigoes o trabalho da dentigo,
necessario, em quanto durar, por a mais extre-
ma e continuada aitengo na sade da crianga ; e
desde que se notem os ltimos
para lio-
na rua
na ruadoViiario n. II, escrintorio de
llamos e Silva & Genro,
Machinas de costura dos fabricantes Grover &
Baker.
Agua Florida de Lamman & Kemp.
Salsa parrilha de Bristol.
Oleo de linhaga em barris.
Cofres de ferro a prova de fogo.
Machinas para copiar cartas cora pertences.
Gera era grume'c em velas.
Vinho do Porto engarrafado e em ancoretas.
p.il11.. a oesae que se notem os ltimos symptomas que aca-
nvZs^ P 'Sar Pa da maisnova bamos de indicar, ser urgente consultar um me-
inveQsaoj__________________________________dico.
Vende-se um guarda-louca novo de amarello Estes collares vendem-se na loja do Vi-
de raz, por prego commodo : ua rua estrena do pilariip rna ,i0 rrpsnn n 7
Rosario, loja n. 10.___________________1jL_ =*!5S uesP '_______________
Vende-se urna cadeirinha de arruar toda for- '
rada de seda, e em bom estado : a tratar na loja !
n. 18 da roa do Queimado.
Vendem-se saceos com farinha da trra com
20 a 21 cuias a 2'00 cada um por estar com p>
60, de Gama & Silva.
Lencos de seda al$
Vendem-se superiores lengos de seda
mens e senhoras a 15 : na loja do Pavo
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lengos braneos a tf,
Vendem-se duzias de llengos braneos finos a 25,
ditos finissimos a imltagao de linho com -daas bar-
ras sendo urna de cordo e outra matizada fazen-
da que sempre se vendeu a o e torrase a 25i00
a duzia : na loja do Pavo na rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
0$ espartilhos do Pavao
dendo baratamente a quem com dinheiro se.
dirigir rua do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meias de laa para senhoras.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Agnia Branca n. 8.
Mata mosca.
Na loia da Aguia Branca acha-se a venda
o papel cora composigo para dar fim as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, c o,
efleilo efficaz : molha-se o papel e deixa se
fior n'um prato, e nelle pousando as mos-
B
e
s
I I
fill*-
I5-rirg
-2i
c/>

A 4$, 5$ e G#. cas' entristcccm e morrem. Cusa cada fo-
Vendem-se os mais superiores esparlilhos cora 'a W ris : na rua do Queimado, loja da
as competentes fitas para apertar pelos baratissi- Aguia B'anca n. 8.
mos pregos de 45, 5 e 65 por ter chegado urna Diversos hrinnnediis enlrrtenimenla
grande porgo para a loja do Pavo: rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cambraias de salpicos a 3$.
para enancas.
A Aguia Branca na rua "do Queimado n.
queno toque de avaria
Imperador n. 83.
uo armazem da rua do
PHARMACIE FRANQAISL
DEP.MAURER&C'f
, RUA NOVA N?
Vende-se urna mulatinha de 10 annos, moito
esperta e j com principio do servigo domestico :
a tratar e ver na rua do Imperador n. 2, cartorio.
Vende-se carvao de pedra para ferreiro a
125 a tonelada e 300 rs. a arroba : na rua do
muiiA
J\TCB11{A
na grande liqaidaco de fazendas e
roupas feitas na'cionaes na rna da
Imperatriz n. 72.
Os proprielirios deste estabeleciraento eslo re-
solvidos aliquidarem por pregos baralissimos para
Cal de Lisboa apurar dinheiro, vejam :
a granel a 1,5500 por urna barrica: na rna do Vi- Chitas francezas escurase claras a 260 o covado
gario n. 19, primeiro andar. 280 rs., ditas percahas 320 e 360, muito (loas a
400, 440 e 500 rs. o covado : isto s na loja de
Brum n. 76.
A tenco.
O abaixo assignado vendo no Diuno de Pernam-
buco ura annuocio do asente Olyrapio, annuncian-
do o leilo da casa n. 38 do Gorredor do Hispo,
vem declarar que dita casa se acha penhorada por
execugo do abaixo assignado, cuja execugo cor-
re pelo juizo municipal da 1* vara, cartorio do es-
crivo Saraiva.
Joaquira Jos de Souza.______
SORVETE.
De 11 horas em diante todos os dias uteis : na
rna da Cruz n. 13.
Vende-se urna parte e um predio no sitio dos
Arcos, pene da igreja dos Remedios, o qual pro-
prio para olaria por ter excellente barro, e as ier-
ras quasi todas proprias : a tratar com Joaquim
Jos Gongalves Bellro, rua do Vigario n. 17, es-
criptorio._______
Vende-se urna taberna na freguezia da Boa-
Vista, propria para algura principiante por ser em
bom lugar, ter pouco fundo e muito afreguezada :
informar no caes do Ramos n. i, armazera.
Emilio Augusto Deilouche
50RUA NOVA50
Acaba de receber nm grande sortimento de ocu-
Ios e lunetas para vistas cansadas o myopes; bi-
nomios de todas as qualidades, cadeias de ac fo-
letas de ouro e muitos outros objectos; na mesma
ca;a faz qualquer concert de relogio muito em
coala e com brevidade.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
iif$alata: nos armazensda ruado Im-
perador n. 16 e rua do Trapiche Noven. 8.
BiNOCULOS^ ~
Na rua Nova n. 50 tem binculos grandes (cha-
mado Marine) que alcanga muito longe, das me-
Ihores qualidades que nunca tem vindo ao merca-
do, proprios para os seohores officiaes da armada
que lem de seguir para o sul.
Vendem-se no engenho Meguahipe de baixo
dous animaes de roda, sendo urna besta e ura
quarlo castrado.
Vende-se urna ptima escrava moga de boa
figura : a tratar na rna da Cadeia n. 40, loja de
relojoeiro.
Guimaraes & Irmao, rua da Imperatriz n. 72.
Grande sortimento
de cambraiao francezas. lindissimos pradoes a 280
rs. o covado e 320 e 360, organdys muito lina a
400 e 440 rs. o covado.
Est se acabando a pechincha.
Laazinhas escocezas a 240 rs. o covado.
Laazinhas escocezas a 240 rs. o covado.
Laazinhas escocezas a 240 rs. o covado.
Laazinhas muito finas a 360, 400 e 440 rs. o
covado.
Ditos de urna s cor a 480 e 500 rs. o covado:
isto s na loja de Guimaraes & Irrao, rua da Im-
peratriz o. 72.
Grande sortimento
de cortes de vestidos de barra a 3*200 e 3o00,
ditos de la a Mara Pia a 5(>O0 e 55500, pegas
Vendem-se superiores cambraias francezas com 8, recebeu diveisos briaquedos para crian-
salpicos braneos e de cores tendo 8 1|2 varas cada ^s, sendo estradas de ferro, bafeas e patos'
pega pelo barato prego de 30, ditas escocezas com e|e(.tr(.os anMnlho U metal Innr-a rinla-
salpiquinhos mindinhos toda branca a 45 : na lo- ;lt!unuj>> appareiuos ua meiai, muga pinia-
ja do Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de Gama da e porcelana dourada para almoc e jan-
& Silva. tar e muitos ouiros brinquedosde rnadeira,
Tartalana branca a vAfitS. 1ue se vendem baratamente: na ruado
Vende-se tarlataaa branca muito lina a 640 rs. a Qucimad >, loja da Aguia Branca n 8.
vara ditas de todas as cores a 800 rs. a vara, di- Meias aKta8 de SClia para SCUili I'iiS a
tas de salpico a 15, dita lisa a 800 rs. a vara : na r ,. r
loja do Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de G,- OUU 1'dS O par.
raa v Silva. A Aguia Branca quer acabar com a por-
0 bramante do 'nao. cao de meias prelas de seda para senlioras,
Vende-se superior bramante de linho do melhor e apesar do muilo maior pre^o que lhe cus-
SS.1 e,%k'r0,ao,"ierca'10 cora, 10,.Pa'mos d,e lar" taram e o bom estado em que anda esto,
gura a 25600 a vara, panno do buho muito su- ,. ... -, M A
perior para lenges, toalhas e seroulas 640 e comtudo esla resolvtda a vende-las a 5 0
700 rs. a vara : isto na loja do Pavo na rua da res 0 par, aQm de que ninguera mais calce
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. meias pretas de algodao, ag( ra pois apro-'
Percales lisas do Pavo. veitarem a quadra e dirigirem- c rua do
Vendem-se as mais lindas percales de urna s Queimado, loja da Aguia Branca n 8. Tam
*7ii!L "ST^Vu loJi Pavao na rua bem vender as brancas a i,? o par, c des-
da imperatriz n. 60, de Gama & Silva. ..,. j < -i
tt/,. Enn ltas llmco deleito e estarem um pouco tri-
Meia¶ meninas a 2,5')() :gUeiras,
Vendem-se meias para meninas de todos os ti-
manhos a 25500 rs. a duzia, ditas de seda preta
para senlioras a 800 rs. o par. di'.as inulezas para
homem a 55 a duzia, isto na loja do Pavo na rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Corlinudos para oamas.
Vendem-se ricos corlioados para camas pelo ba-
rato prego de 1(5 o par. Ditos bordados muito ri-
cos a 245, colchas de fusto para cama a 55500 e
69 : na loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Tiras bordadas e ntremelos.
Vendem-se finissimas tiaai bordadas e entre-1 a 600 rs.
meios por prego baratissimo, na loja do Pavo rua rozas de nooes de louga prateados
da Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Chales a :i j-'.OU
Vendem-se chales de merino liso, tendo de todas
as cores e pretos, pelo baratissimo prego de 35500,
por haver grande porgo : na loja do Pavo, rua
da Imperatriz n. 60, de Gama Os bales do Pavo a 2:00, 3 e 3o00
Vendem-se os melhores baiSes de arcos ameri-
canos, sendo com 20 arcos a 25500, ditos com 25
arcos a 35, ditos com 30 arcos a 35500, ditos para
Rival sem segundo
Roa do Qneimado us. 49 e 5o, loja de
miudezas de lies portas, est tjuei-
maudo ludo hora e barat, quem qui-
zer ver e admirar Ycoham loja do
Bigodinho. 1
1 Caixas de papel araizade, e sera ella liso e paulado
Colla da Bahia
Tem para vender Antonio Luiz
C, no seu escriptono rua da Cruz n. 1.
*& Attenco
Vende-se a taberna dos quatro cantos da Boa-
Viita n. 1, o norte, bom lugar para negocio e tem
ce nmodos para familia: os pretendentes pode ap-
paiecer na mesma para tratar.
ALMANAK
DE
LEMIIlttN^JLS
Luso-Brasileiro
PARA 1866.
POR CA3TIL1IO.
\ende-se na livraria econmica junto ao arco
de Santo Antonio,
______de bretanha de roio com 10 varas a 35000, dia de
Vende-se um sitio em Bemfica a" margem do raadapoio francez infestado com 12 jardas a 35200,
liio Capibaribe, boa casa, com arvoredos : quem 35500, 45000 e 45500, ditas sera ser infestado
pretender dirjase a rua do Imperador n. 61, se-', cora 24 jardas.a 55, 55500, 65. 75, 75500, 85000
gundo andar, que achara com quem tratar. i e 105000 : isto s na loja de Guimaraes & Irmo,
Acaba de chegar de Pars o mais escoltado ruada ImPeratrir ,.
sortimento de folhas artflcae> de roseira, e junta- Grande sortimento
menie arraignes : acha-se a venda na rua For- de cortes de casemra de cores escuras a 25300 e
mosa n. 29. 25500; ditos de casemra preta a 25800,35,35500
---------:----------------;e 45; ditos de brim a 15*00,15600 e 25.
suPenor | E> baratissimo.
de Azevedo & Pega de algodoslnho com 20 jardas a 35800, 45
______ e 45500; dila carne de vacca a 65 e 75; dita
KtTl/IOS dO PortO m-ar a T -6*300, 7*S0*.e 8*000, alBanca-se que
das melhores marcas, em caixinhas de urna duzia
de garrafas para casas particulares, sendo : Lagri-
mas do Douro, Duque do Porto e D. Laiz ; tambem
tem ancoretas de dcimo encapadas com superior
vinho, barris de o* e 10 em pipa : na rua do Vi-
llar o n. 19, primeiro andar.
No sitio do Toque vendem-se boas cabras
paridas ha pouco, e por baixos pregos, por evitar
inconvenientes que por nenhum outro raeio podem
ser removidos,
Vende-se 40 palmos de terreno na rua da
Concordia : a tratar na rua do Alecrim n 10, das
3 horas s 5 nos dias nleis.
fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de penna de ago fazenda boa a 40 rs.
Pegas de tranga de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas finissimas para mpar dentes a 240 e
320 rs.
Pulceiras de contas para senhoras a 500 rs.
Pegas de fila de cs estreitas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles fraucezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
meninas, de todos os lmannos, a 2,-500 e 35, su- Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
penores baloes de bramante e murcelina cora pegas de cordo para vestidos, fazenda boa a
cauda, sendo bastante grandes a 55, "-lo na loja 20 rs
do Pavo, rua da Imperatriz n. 66, de Gama & Baralhos muito linos para voltarcte a 200 e
Niva. 240 rs.
As camisiiilias do Pavo. Frascos com agua de Florida a 15 e 15280.
Mendem-se as mais modernas camisinhas borda- Frascos com superiores banlias a 500 rs. e 25.
das com manguitos, para seuhuras, sendo as mais Frascos com banha, porra pequeos a 200 e
modernas que tem vindo ao mercado a 45500, di- 240 rs.
tas com manguitos, para acabar, a 15 ; ditas pre- Latas com superior banha a 200 rs.
tas com manguitos para luto a 15800 rs., raangui- Frascos de macag perula muito tino a 200 rs.
tos e golinhas pretas a 15, finissimas golinhas de Fraseos e garrafinhas com agua de Colunia a
cambraia branca bordada a 500 rs., caleinhas para
meuina a 640 rs., romeiras de fil e cambraia
branca bordada a 15600 : na loja do Pavo, rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de percales.
Ricos cortes de percale cora barra, tendo o com-
pleme casaveque a 85, ditos de la a Harta Pia a
400 rs.
Frascos grandes
640 rs.
Frascos cora superior
500 rs.
Caixas com 12 frascos de
15400.
Desde muilo tempe pnbeo
abandoMMi o uso das preparador*
inliltitadas depurativas con'icrula
-ob o 11011H- do A noli?-, Xaraaeij
ile Salsap irrilha compostos, ete
Cuja acc.-to. maior parle das veie
nnli.i. e 11 ,.2inis ca-i.s periuosa.
Os Cci\r:.iTos ni n rtnvo* rr.io i-kicio
K O GUSTO AGRADAREIS I COMCB SOS II
E-i 1)1 I Mi VOLCME BMBMM 15 mito actH
VA9 Ql t O SEO MODO DE PKIP tKAf AO TO
IAI.TEI1AVEIS.
O Muer-<-<.*o qti# ente* con
rolln o.i'lvcrao bb Fru
en sol) o palrocinio das prinrip.ie|
celebridades medicas, os poe aeii
de ludo quauto tem exbtido alh
hoje.
Cura rpida sem o socorro!
de nenhurn outro remedio in-
terno, das escrophclas
herpes, affeccoes syphi-!
liticas hypertrophias
dos tessidos celolarcs,
hydropisias e em geral
todas as molestias produzidasj
pela a I lera cao do sangue ; tal
o resultado que queramos
nseguir e que temos sem-
pre obtido.
Urna explirarao
vidro.
DcsconCar-se, das CileiCcafocset i
tacoes.
Para as encomtndat dirigir-*'
Snret. buissoii et e'*, 18, B< l'rimt^
Eugne, Pariu
com superior agua de Colonia a
oleo de baboza a 400 e
ebeiros muito finos a
nao tem defeilo algum : isto s na loja de Guima-
raes & Irmo, rua da Imperatriz n. 72.
Roupa feila
Roupa feila
Roupa feila
Grande sortimento de roupa feita qoe se vende
por precos baralissimos para apurar dinheiro.
\a nova luja de fazendas de Guimaraes
& Irmo.
Rua da Imperatriz n. 99.
Vende-se urna das duas casas prximas a
capella da estrada de Joo de Barros, com peque-
no sitio plantado de boas larangeiras: a tratar no
sillo da mesma capella.
0 castello de GrasvilleT
Traduride do francez por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3500C
ua pra^a da Independencia, livraria ns.
6 e S.___________________________^
Vendem-se barris de 5 com .mel de fnro
bom : para ver o tratar na roa do Vigario n. 29.
\0\III4I)E
A 10 10SOO e 105OO.
Leques de osso, ultimo goslo, a 15-
Ceroulas de meta a 15200.
Diitas muito finas a 15500.
S na rua da Cadeia do Recife n jg
Ferros para engoaimar.
Vendem-se caixinhas contendo o mais completo
sortimeto de ferros para engommar, encrespar ba-
ados, patos e toda a roupa de senbora.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarogar
i clgodo : na rua da Senzala Aova n. 42.
ditos de cambraia transparente com barra Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
bordada a laa a 25 ; isto se vende na loja do Pa- 32
vo, rua da Imperatriz n, 60, de Gama & Silva. Uuza de sabonetes pequeos cora cheiro a 700 rs.
Agua dentifice superior qualidade a 800 rs.
Palelots pretos a 6$ Calas com superior p de arroz a 800 rs.
Vendem-se superiores palelots saceos de panno Pf***ff Ja superiores essencias santal e outros a
preto, boa fazenda, a 65 ; ditos sobre-casacos a "5-00.
125, superiores caigas de casimira de cor a 75 e Fraseos cora essencias para tirar noduas de roupa
85, ditas prelas a 64, 75 e 85, paletots de meia [ a m Ts-
casimira a 55 e 65, ditos de casimira a 10, caigas "J**08 cam ceiros de todos os pregos a 160, 200,
de meia casimira a 45 e 45500, ditas de brim! *w e 32-
Frascos bonitos cora cheiros finos a 500 rs.
GRANULOSA
D'HYOROCTYLf St*C^
DE J. LEP
branco de linho e de cores, coletes de todas s
qualidades. Todas estas obras se vendem por
prego muilo em coma, s com o fim de apurar di-
uheiro : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n, 60,
de Gama & Silva.
Fazendas brancas na loja do Pavo
Vende-se um grande sortimento de madanolSes,
chitas, algodozinhos das melhores marcas, ga-
raniindo-se vender mais barato do que em outra
qualquer parte, sendo a dinheiro a vista, na loja do! r,.*"
Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
meias muilo finas para senhora a
Ricos chales pretos de renda.
Chegou pelo ultimo v.por francez um grande* e
variado sortimenlo dos mais ricos chales pretos de
renda, lanto de linho como de seda, tendo entre
elles mudos de ponta redonda a imiUigo de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se
Ouzia de
4*800.
Golliuhas muilo Gnas para senhora a 200 rs.
Caixas cora soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Duzias de colheres de metal para cha a 800 rs.
Ditas dita dito para sopa, fazenda boa a 15600.
Pegas de fita da laa para debrura de vestido, com
10 varas a 600 rs.
s de bicos superiores, para acabar a 600 o
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Caixas de lamparlnas para 3 mezes a 50 rs.
Buuecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas estampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosas de botoes pequeos pretos para calca a
100 rs.
Resnlt pelas exprnenrias feitas ua ludias r es
Frailes pelos mais afamados medica* s,ae as smc-
LAS e o x \noPB de hydrocottla *mtk s*
I. LPINE Sao o optimn remedio contra todas as -?pe-
des de IMTIGERS ou HERPES Miras moleste < 'a
pelle, at as mais inicteradas, assim ramo a i i m t
ou MOitrilEA. a sipiiilis, as WOi.rsTH .:*>
FULO8A8, os Itlll.i Mirisuo* ebromens. t.
Deposita geral em Varis, em rasa de i m km'
LABEI.ONYE. rna Bourtnn-t'illneure. 13.
Venuem-se no Recife em casa de Caors i
liarhoza e Joo da C. Bravo A C.
Acha-se
por pregos muito em conta por terem sido manda- Frascos com snnerinr amia d rninni wi
dos vir de conta propria pelos donos da loja do pa-1 \rd ""J? ed"l\nut fif
vao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.' Jovello^ancezefcon 20? jardas a 40 rs.
Bornouts de renda na loja do pavo. SS^S^S'SS^tan. u a 25500.
Chegaram os mais ricos bornools de renda e so Frascos com superior oleo babosa a 320 rs.
vendem por_baralissimos pregos: na loja o arma-. Duzias de meias croas muito fortes e superiores a' PdWlry.
zem do pavao, rua da Imperis n. 60, de Gama 38500. j Vende-se excellente fava poxin; a rn da Cm
* i>"va- i Resmas de papel de peso paulado a 25800 e 45500 n. 23, andar, osctlptorio.
i venda na livraria aradMrtra, ra d> tan a-
Jor; na do Sr. .Nogutira, jui.i" > arcwdi teas*
Antonio ; e na typograpbia impaiciai, r.a raa >-
ireila do Rosario a compilago de toda a legi-U. o
endent administrar.^, arrrradago e fi-
ago dos dibbt-iros de orphaVs defuntos e MMa>
es, heranjas Jarenle-, legado*, etc., cmleo*! nao
so o regiment de cuslns e a lei gi-ral das rl
ces, como tambem lodas as ordens e avisos *
governo. que a ludo (em explicado, tanto a resj-i-
lo das obrigagdes inhereotes ao cargo dos ditfcr -av-
ies empregados de jusiiga e fazenda, r. :eitos nacionaes e emolomenlus que .* devi
Este livro contendo raais de 700 paginas en? H u
impresso e bom papel, e prp.-iaodo-c a u'lli
ele differentes classes, torna se rcccmoacaWir-l
Seu cusi 105000 por cada eiemplar en dous
tomos.
T.^w^a*"p
* I
a?" ^ak. a k asaaaaaa a


f
DlarSe de Pernambnco Sexta felra *5 de Agosto de &,
N. 11Rua do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto' Frederico dos Santos Porto.
para
Chegou a esto esntoelficimento um grande sortiraento de cortinados bordados
camas fazenda d<> muito .'oslo.
chales de guip muito tinos para 225, ->3 e 'M.
Collas Je seda superiores de diversas cores para camas da noivas. .
Colxas de laa 8 seda para rama tamhem de bonitas cores.
olundes de gaip enfeitadiis com o melhor gosto.
Setim de Paris bella fjenla e de limitas nres para vestido a 700 rs. o covado.
Moureanli'iue branco e preto, grosdenapte prato e de cores, pannos pretos de todas
as qualidades, ditos aiues.
Casemira prela e de cores, merino preto, silistrina, bombazioas, alpacas pretas, e
laa preu pira lutos. ,,....
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e coaro de %$> a 110.
Brins de linho de cores tinos a 1,5300 a vara.
Chapeos e cliapelinas de palha de Italia para senhora, manguitos bordado*, chap os
de seda para hornera, chapeos de sol da seda, esguiao de linho, cambraia de linho, breta-
nhas, silesias e muias ostras (azenlas qui se veadem p>r comandos precos assim corno
tambem
Esteiras da India para torrar salas
DE
J. VIGNES.
M. 55. RA DO IMPERADOR W. 5o.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoja asss conheeidos para que seja necessario insistir sobre a
sai superioridade, vantagens e garantas que offerecera aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tera delictivamente conqoistado sobre todos os >|ue tem apparecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado e michinisino que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nuacj falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feit> ltimamente raelhoramentos importan-
ti-simos para o clima desle paz; quaoto as votes, sao fjBlodiosas e flautidas, e por sso muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores. j n
Faz.'m se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do >r. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposices.
No mesmo etibeleciraento se achara sempre um esplendido o variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
presos commodos e razoaveis.
CONSULTORIO EDICO-CIRIRGICO
DO
m PEORO DE&TTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO. PARTEIRO E OPERADOR.
:j Ra da Gloria, casa do Fundao 3
0 Dr. Lobo Moscoso tl consultas gratnjtas aos pobres todos os dias das 7 s 11
i: ras da maahao, e das G e meia s 8 horas da noite, excepto dos^ dias santificados.
Pharmacia especial komeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avalsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintes.
Carteiras de 12 tubos grandes. 12#000
> de 24 tubos grandes. 185000
de 36 tubos grandes. 24?000
i de 48 tudos grandes. 30$000
de 60 tubos grandes. 35,5000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se flzer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
JLIIROS.
A melhor odra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
d us grandes volumes com diccionario............ 20.-5000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 105000
Repertorio do Dr. Meli< Moraes............ 65000
Diccionario de termos de medicina........... 3,->000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conheeidos e dispensam por
i dt serem novatnente recommendados as pessoas que quuerem usar de remedios
. la luiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
vordadeiro assucar de leite, notaveis pela su a boa conservacao, tintura dos mais acredi-
' i los eslabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e portanto a maior
e..orgia certeza em seus eileitos.
Casa de saude para escravos.
Recebo-s escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-sc-lhe qualquer
operacio, pira o que o atmunciante julga-se sulBeientemente habilitado.
O 'raimiento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
fu tecionando a casa ha mais de quatro annos, bamuias pessoas de cujo conceito se nao
pide duvidar, qae polem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
Paga-se 25 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 15500.
Asoperaces sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costurai pedirr o annunc;ante.
de
Oiiti'os objectos.
Vindos tambem para a amiga loja
miudezas ra do Queimado n. 16.
Sapatinhos de setim branco bordados pa-
ra baptisados.
Giros de merino tambem bordados e
igualmente bonitas.
Meias de seda, correspondente no tama-
n'io dos sapatinhos.
Outras mui finas de fio da Escossia e
brancas listradas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senhoras e meDinas.
Pentes de tartiruga mui fortes para des-
embarazar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com a$>ulhas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Caixinbas com allinetes brancos e pretos.
Haspasde baleia para vestidos.
Fitas de linho prop ias para ditos.
Caixas com lindas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de bor/acha preto, redondo.
SSnallas Qvclliis rendes de ac,
douradas, madrcperola e tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n !>, recebeu um bonito sortimento de
ivellas grandes para cintos, sendo de ac,
do iradas, madreperola e tartaruga, as quaes
so sendo vendidas em dita loja por pre-
r, iommodos assim como boas e bonitas.
fitas de gorgorito achamalotado, proprias pa-
ra ditas fivellas.
lenlas de penetra e de outras
tjsialldndes, para queui soffre
da vista
A'lija de miudezas ra do Queimac'o'
n. 16, tambem recebeu oculos de peueira'
de
iimSDEPATENT
trabalhar mo para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
8LDA1

Estas machinai
podem desear o gar
qualqaer especi
~~lie algodo serr
/estragar o flo,
sendo bastanu
duas pessoas para
otrabalho; pdt
descarocar urna
arroba de algo-
do em earoco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodo
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodo
limpo, oor dia; o motores para mover urna, duas,
cutrjs dessas machinas.
Os raesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinai
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e exaraina-lo, no arma-
xem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saanders Brothers &C.
X. II, praea do Corno Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
1<;\S, UHliOSE
sa
GENE OS BARATOS A DINHEIRO
NOS
grmdes mmrn de molidos
DE
DARTE&C. :,
Pateo do Canno n. 9 arinazeru Pi'ogrcssivo roa do Queimado n. 7 jyj J
l'niao e Commercio ra do Imperador n. 40, ffl I
Principa] armazem de moldados. o
OH PROPKITAltIO^
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
genhos, hvradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprietarios dos tres grandes armazens, reuDir todos os seus estabeleci-
tnentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos,, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por um prego, e na occasi5o da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecitnentos nao se dar isto
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tam! em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remettendo nos urna conta'
pela qual se ver os precos tal i qual annunciarmos, o que seno arrepender pessoa '
alguma que Gzer soa despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
O
-2
DE
j^anteiga inglcza perfeitamenle flor chegada
nltimamente no vapor Saladim, de 1^
a 15120 a libra e em barril terabati-
mento.
Jdem france/.a muito nova a 1# a libra, e
em barril ter abatimento.
Banha de porco refinada a 640 a libra e em
barril ter abatimento.
Cha uxim de superior qualidade a 2#600.
dem perula miudinho a 25700
dem hysson especial qualidade de 2,5300 a
25600 a libra.
dem preto muito especial a 2#000 e 2$i00
a libra.
dem do Rio em latas de 4-JOO0 e a 800 a
libra.
Latas com biscouto de todas as qualidades
a U200.
dem da creditada fabrica de Biato Antonio
(Lisboa) proprias para dar a doentes a
U e 30 a lata.
Bolaxinha ingleza muito nova a 30300 a bar-
rica e a 240 rs. a libra.
Latas com bolaxinha de soda e oval a 20.
dem com i a 5 ditas a 3,?200.
dem vasios de todos os tamauhos a 20000,
10300,800 e 040 rs.
Queijos de 20300 a 20300 os mais frescos.
Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
20000 a caada,
dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 10400
a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino a 600 rs.
a garrafa e 40600 a caada,
Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 400
a libra, e em barril de 5 arrobas a
100300 a arroba.
Cerveja Bass do fabricante Shlers & Bell a
60300 a duzia e 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 60000
a duzia e 360 a garrafa.
Jdem marca H Vicloria Alsope e outras
muitas marcas a 30 a duzia e 300 rs. a
garrata.
| Sabo primeira qualidade a 220 rs. a libra
e 210 em cala.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Presunto inglez para fiambre ebegado no | Sabo
ultimo vapor a 800 rs. a libra.
Chouricos e paios muito novos a 900 rs.
a libra.
Caixas com macarro talbarim muito novo a
30000 e 320 a libra.
Aletria branca e amarella a 500 a libra.
Chocolate portuguez de especial qualidade a
800 a libra,
dem suisso de 800 a 10000 a libra,
dem hespanhol verdadeiro a lOOO a libra
que j vendemos a 10400.
Doce da casca de goiaba em caixoes de 4 e,
meia libras seguro a 10800,
inglez
a 180 rs. a libra e
superior
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 70000,
70300 e 80 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranho 30200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 20600, 20800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 50500 a cai-
xa, de Simas (Jos Furtado).
dem Londrinos a 50, idem.
! dem Parasienses a 40500.
dem em caixes pequeos a 700 rs. e de dem Delicias a 10500.
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Hecife, esquina da ladre de ka,
BALOES
Os ricos balos de arcos com umita roda para senhoras.
Baloes de arcos para meninas de 2 a 12 annos 20 e 20500.
dem de panno para meninas 30 e 30500.
Chapeos de sol.
Superiores chapeos de sol de seda.superiores com li asteas 90.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, porm maiores ^0fi.
dem idem com 16 asteas 120.
Chita.
Chitas largas soffriveis a 240 rs.
dem melhores a 280 e 300
dem escuras Onas a 320 rs.
Tapetes.
Ricos tapetes grandes e pequeos com ricas estampas para sof.
Camisas.
Ha um completo sortimento de camisas francezas de 10800 at 5-5 das segua
tes variadas qualidades: pregas largas, ditas miudas, peitos defusto e de cores.
Camisas de meia.
Ha grande sortimento.
Cambrala branca.
Lindos e superiores cortes de cambraia com barra a 40.
Superior cambraia branca para vestidos.
Cambraia para forro.
Caicas.
Calcas de brim pardo superior a 25500.
dem de bonitas e superiores casemiras de cores,
dem de superior brim brinco, ha de diversos precos e qualidades,
Mantas para pescoco.
Ricas mantas para pescoco de homem de finissima seda e de ricos padries, qoe
s o Balao tem.
Paletos de casemira.
Superiores paletos saceos de casemira.
Paletos.
Finssiimos paletos de alpaka branca a 50,
COIXETES.
Golletes de casemira a 40 e 50.
dem brancos a 20300 e 30.
Maceos para riagem.
Saceos para viagem a 50 e maiores a 60.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annonciando ao publico actas
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas sup.5e sempre ser as imiMii fv
zendas.
U 1 rl DCm
A loja de lauca da roa do Crespo o. 16 tem para
vender quaotidadd de azulejos de lindas e variadas
cores, assim como loucas de todas as qnalldades,
de honila'; pinturas e romo moderno, ricos appare-
com viiroi claros e escuros, para qtiem sof- lno/ de porcelanas brancas douradas e de cores,
fre ua vista, assim como outros de armacao
de af, sonidos em graos.
Coroas e tercos de cornaliaa.
A amiga loja de miudezas a' ra do
Q loimadu n. 16, recebeu mui bonitas co-
i cis e tercos deornalina, os quaes esto
a disposico dos bons christos que os qtii-
zerem comprar em dita loja: na ra do
Q.ieimado n. 16.
Esponjas finas grandes e pe-
quenas.
Vende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
vidros de todas as qualidades, inclusive Snissimo
chrystal, dilicado< arros de chrystal e porcelana
p ira flores, liguras e outros inuitos objectos de li-
uissima porcelana denominada biscuito para en-
feites de mesas, tc, guarnicoes de finissima por-
celana branca douradas e de cores para lavatorios
e toaletes, tudo do melhor gosto, pinbas de louca e
vasos para jardim, candieiros de lamparinas para
gaz, globos o chamineis de vidro, boccaes e lodos
os-niaij Si'brecek'Dtes para qs mesmos, gaz liquido
de superior qualidade, e muitos outros arligos que
seria enfadonho mencionar, rodo por precos mni-
issupos razoavels._______________________
Verdadeirt agua de Vicby.
Tetidese a verdadeira agua de Vichy, em gar-
rafas a roa da Crai a. M, Io andar, escriptorlo.
50 para cima a 640.
(dem secco em bocetas ricamente enfeitadas,
contendo pera, pesego, ameixa, rainha.
e outras frutas a 30000 cada urna.
Idem em calda em latas feixadas hermtica-
mente muilo bem enfeitadas, contendo,
pera, pesego, ameisas e outras frutas a
640 e 700 a lata, tambem temos latas
grandes a 10200.
Marmelada dos melhore6 fabricantes, em la-
tas de 20000 a 10200.
(dem em latas de 1 1|2 libra a 10.
Idem em latas de 1 libra a 640 rs.
Ervilhas em latas chegadas neste ultimo va-
por a 700 e de 5o para cima a 640 rs.
Feijao verde ou carrapalo em latas j pre-
parado a 640 rs.
Ameixas em frascos de vidro a 10500.
dem em caixinhas ricamente enfeitadas de
10200 a 20500.
Conservas Mexide muito novas a 700 rs. o
frasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
.VIolho inglez a 640 rs. o frasco com rola
de vidro.
Mostarda em p a 700 rs. o frasco.
Idem j preparada a 320 rs
Latas com massa de tomate de 1 libra a
600 rs.
(dem em latas de 1 1|2 libra a 900 rs.
Vnoos cm garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Maria Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 10 a garrafa e 90 a 120 a duzia.
dem Palmella a 10 a garrafa e 110000 a
duzia.
Mem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 20800 a 30500 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 2 40 a
ancoreta.
Idem branco expecial qualidade proprio para
missa a 560 rs. a garrafa e 40 a caada.
(dem mais baixo a 400 rs a garrafa e 30500
a caada.
(dem do Porto especial qualidade a 800 rs.
a garrafa e 50500 a caada.
Idi'm Bordeaux em caixas a 70 e 700 rs. a
garrafa.
Ghampanha a melhor do mercado vinda de
nossa encommenda a 300 o gigo.
(dem mais baixa de 180 a 200 e 10500 e
30 a garrafa.
Licores portuguezes e fraocezes a 10000 e
10500 a garrafa.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 10500 a
garrafa.
(dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
Geoebra de laranja ver adeira a 110 a du-
zia e 10 o frasco.
(dem de Hollanda verijadeira a 60 a fras-
queira e 600 o fraspo.
Idem de Hamburu'0 a 50500 a frasqueira.
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o frasco.
Garrafoes com genebra de Hollanda com 24
garrafas a 80, com garrafo.
Idem com 14 a 15 garrafas a 60.
dem Traviata do Rio a 50500.
dem varetas de Manoel Peixoto da Silva
Netto a 30500 e I0SOO a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 10300
a meia caixa e 50200 a caixa.
dem mececipes a 10700 a meia caixa e
30000 a caixi do mesmo fabricante,
dem orientaes do mesmo a 10800 a meia
caixa e 30400 a caixa,
dem jovens de Castanho A Filho a 20400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 106OO a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 10300 o quarto e 50
a caixa de urna arroba hespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposicSo de
comer a 10500 a garrafa e 140000 a
caixa.
Alpista muito novo a 30800 arroba e 140
a libra.
Painco a 40000 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas j preparado a 10200 a lata
e em porco 10000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 000 a libra e era caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 100000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 10800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 20500, 30000
6 40000.
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranho milito alva e nova a
240 a libra.
Ssvadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito oova a 140 a libra e 40000
arroba.
Caixas com estrelinha, rodinha e pevide a
400 a libra.
Alos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 10000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Ervadoce idem a 400.
Alfazema flor a 240.
Araendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 40200 a resma.
dem lzo a 40000.
dem de pezo a 30000.
Idem de embrulho marca grande a 10200 e
10300.
dem azul para botica a 20000.
Copos lapidados a 50500 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 e
160 cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 10500 a libra, em porc3oter
abatimento.
AYI*AW
GREGORIO PAES DO AMARAL & C.
que receberam pelo ultimo paquete.
O U1I8 MilCO SOliTIMCUTO
DE
GIJIPURE
manufacturado em
Grandes chale granadme
Bournus
Rotondos
Treanon
Pampadour
Wateau
pretos, brancos e de cores ; magnficos desenhos, de gosto modernissimo.
MARA ANT01NETA

Vestidos de GBANDE TOILETTE. Fazenda preferivel pelo brilho e fnsio. a o-
reantique ou grosdenaples. Barras e laco bordados a foco e vidrilhos, sen depeode-
rem de modista para os fazer, visto trazerem o corte debuxado.
Glac-royal, em pegas com listras de seda primoramente bordadas ou matisatto.
fazenda inteiramenle nova de bonito effeito, para partidas, soirs, tbeatros, passeios, ele
IIOlJOLES CAPAS
e SOBRETODOS de panno mezclado (impermiavel) vindo no ultimo vapor
De um s panno
Colchas de damasco de seda portugueza, de todas as cores
GRAVATAS, MANTAS
decores, muito bonitos padroes>SOO ris.\
BONETS de paJia-riamente enfeiados. para senhora
CHAPEOS X
CHAPELINAS
ENFEITES
Costantes de fustas ciifcihulos para criticas
E innmeros objectos de modas recebidos directamente por todos os patinetes t
escolhidos caprichosamente dos mais modernos gostos da Europa.
FAZEMU1S PARA HOMI.
Casimiras modernas de quadros, panno pretos e de todas as cores, bros, sobre-
casacas, palitos, calcas, coletes, camisas, ceroulas, lencos, meias, ele.
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 40000 a sacca.
Farinha.
Vende se farinha de mandioca muito nova, sac-
eos grandes a 4$ : no armazem de farinha da pon
te nova dos Srs. Tasso Irmaos, para porcSes, na
roa da Madre de Dos ns. 6 e 9.
Potassa da Russia
ranito nova e superior : vende-se no escriptorio
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do
Corpo Santo n. 19
naco
Fumo da Baha para
charutos.
Vende-se fumo superior de todas :M lidades, a retalho e por atacado e por 1
S preco commodo : no Recie ra da M
SI Cacimba n. i.
pfWIBOa mi
Vende se a fabrica de charutos de pateo do
Terco n. 1: a tratar na mesma com sen dono.
Vende-se o engenho Jundabv,
I distante da cidade do Natal,
j Grande do Norte, moenle
' li vos, SO bois e SO beslai;
i lotes de Ierra, propria para a catMra 4*
I mandioca, e mais duas fainadas de gado a
' gi e Ceara-meirim, na mesma praviana,
das se effectuarao a prasos,
quera pretender dirija-se
lar com Fabricio & C.
Vende-se um engenho perto de*tt
muilo boas trras e Medientes manas; a
caes do Collegio a. 11



i
Diarlo de Perhamtmco sexta letra 3 de Agosto de iS*
NOVO GERENTE
LIGA.
ESTABELECIDO A KUA NOVA N. 60
wm & jimiM 3)2 sis Tutnuna
AO
RESPEITAVEl PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zent da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento |de molhados,
que sendo em sua maxim parte mandados vir directamente do estrangeiro^podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e nteressante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
L" Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posico social gozara de certo tratamento, acbaro nesta ]
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de |
primeira qualidade. etc., etc. |
Qualquer que seja a condiclo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao ponco favorecidos da sorte faro enslmente urna economa de
maitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender e arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas parles nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, reto sea proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhon s que compram para tornar a vender existe um sortimento cspe-1
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores'
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DMHEIRO A VISTA:
A : Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 120 rs. a libra. j urna.
dem e painco de oito libras para cima a u
100 rs. I KIRSCH de Wasser a 20 a garrafa.
AO PUBLICO
Sem o uieaor constran-
gimento se entregar o
importe do genero qne
nao agradar.
ATTENCAO
Irritado dos pulmer. angi-
nas, tosse, escaros de
sangue, a-upo ou garro-
tilho, catarro, rouqnidao
os precos da eguinte
tabella para todos, po-
e todas as innumeravei molestias que affrr-
deudo asslm servir de na- ^o aos orgSos da respiraran
se para o ajuste de contas K*PPARErEi
mv pa j^ mediante a acc5o da balsamira e n r
com os portadores;
AEMAZEM UNA
ANACAHITA
RA DA CADEIA DO RECIFE N.
(Logo passando o areo da rncele50)
PARA BEM DE TODOS.
53
Senhore' r,horas, o aceio qne presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptidSo e rtei-
eza com que serao traUl9*i0iivida a urna visita ao mesmo, certos de qoe sem dovida me daro a proteceo e preferencia na com-
rra dos gneros qne precisaran e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos,
rois serSo t3o bem servidos como se viessem pessoalmente, bavendo para com estes toda recommendaejo, afim de que nao v3o en
tra paite.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caxa.
Massapara sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 04o rs.a libra e!
Arroz de 90 rs. a libra a......
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas rancezas em latas de todos os l-
mannos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Aliios a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2^000 a garrafa.
II
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 15800 a lata, e
de cinco para cima a i5700.
dem de soJa em latas grandes a 2000 e
de cinco para cima a 15800.
Biscorros inglezes de todas as qualidades a
15200, i5250" e 15300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banha de porco refinada,
c
CHOCOLATE francez a GOO rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 200 rs. a libra, e em porgao
se far abatimento.
Ideai de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Ciiarope de grosella, orchaia, etc., etc.
Chicaras e pires a 15800 a duzia.
Cerneja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'IIavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos. Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.
11
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
Marmei.ada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Miliio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
NOZES a 120 rs. a libra.
Nados em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
PEIXE em posta, latas grandes, a 15C00, rie
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadinlia, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. i libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
a
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartinhas ou morinques a
II
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25500 a libra.
SABAO massa a 160 rs. a libra, em caxa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 29.
Sardi.nhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a -100 rs.
T
Manteiga ingleza especialmente escolliida a
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Coslelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezasj preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a24ors.,e2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio
Sal refinado em frascos devidrocom tampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a du-
PEITORAL de KEMP.
a anacahuita mexicana que da << r.ciro *-
pecial este inromparaNel remedir-, nnu
arvnre, cuja marteira por moilo i ha usado no Tampico para a cura las m-
fermidades cima mencionadas. F bem ensaiada e approvada pela academia
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo
para zia.
engarrafar, em ancorelas d*e S'canadas a Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs. me(Jica de Berlim O peiloral deKempe
35,ooo rs. .Charutos do aflamado fabricante Jos Furta- ""? xape delicioso inteiramcnle linede
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a' do de Simas, das seguintes qualidades: P'0, acido hydrocyanico e outros irigrev
Exposico Normal de H;i\ana, Imperiaes, dienles nocivos.
Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 da-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
doDouro.Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
ra Secc, Malvazia fina a I6,ooo, 15,ooo,
12,ooo e I o,ooo a caixa com I duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
opnac inglez das melhores marcas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
harris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000, TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
252"0, 25560 e 25800. Tomate em latas a 600 rs.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, 45 e 55.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.

Tinta azul e preta para escrever.
V
. VINHOS!!!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
DOCES de todas as qualidades: brasileiros, DufJue a j e 1,5500
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc. Cnamiss0 4 ,,320o e 15500 a garrafa.
E D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
rafa.
Carca velos a 15-
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por oo ter com--|
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs. Bordeaux Medoc 800 rs> a fJ-
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijio verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15.500
Farello ha sempre em deposito de 500 a
dem S. Julien a 600, 800 e 15 a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 205.
800 saceos, de todas as qualidades, de to-! dem Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
Taixa de ferro
Quem pretender comprar a taixa de ferro coado
com 6 palmos de bocea qne se acba na estacao de
Frexeiras, pode entender-se com o Sr. Sena Santos
110 sea engenho Frexeiras, oa an ra do Impera-
dor o. 42.
Un boi.
Vndese um bei manso, crloolo, e muito novo,
por prego raxoawl: na roa Imperial a. 324, ar-
mazem de couros.
('.-tilingas Anos e brinquemos
para meninos.
l-heparam para a loja de miudezas da roa do
Queimado a. 69, os mais finos e lindos catangas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesmaloja se encontrar bom sor-
timento de mindem.___________________
Lavas de peiilea.
Receben pelo nllimo vapor lindas luvas de pelli-
ca de cores e brancas para bomem e senhoras: s
quem recebeu foi o beija-flor, na ra do Queimado
numero 63.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. alibra.
Espermacete superior a 600 e C4o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Peixe em posta em latas hermticamente la- j de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
cradas e das melhores qualidades depei-j bras por2,5oors.
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. 'meixas francez;is em fiasco de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-J tampa do mesmo, a 155oo.
das que vem an nosso mercado a 7,ooo e' Ameixas franc zas em caixinhas de diversos, Azeitonas de Rivas em ancoretas grandes de
8,000 a caixa e 04o e 7oo ris a gar- tamanhos com bonitas estar pas na cai-j 8 garrafas por Ooo e 800 rs. a garrafa,
rafa. xa exterior, a l,4oo, l.Coo, l,8oo e 2,ooo| Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. l,5oo cada urna ancoreta.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez. Champagne da melhor qualidade que vem
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
Batatas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oo! 24,ooo e 26,ooo o gigo.
,Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
rs. o frasco e
Genebra de llollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de llollanda a 6,800'
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos' o gigo com 36 libra-.
grandes a 1,000eH,ooors. a frasqueira. Conservas ingleza* a 75o
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li- j 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. j Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali-j 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo'Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,800 a arroba. do mesmo, a 16o--rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. i a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa! Lentilhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-j 15 a garrafa e 11,000 a duzia.
lho. 'Palitos de dente a 14o rs. o maco.

a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
A' venda as drogaras de Caors Bar-
boza, Bravo C. e em todos os esUbetai-
mentos pharmaceuticos do impenu.
Deposito geral em Fernn..n fu a
Cruz n.22 em casa de Caro & h*ri*n*
Altencao de M
Na roa da Cruz n. I') lem para rerMf-r mprn
o seguinle : doces secco c de ral.la, j.-t.'-a-, bolt-
nhos, fructas, flores nsluraes e aniriMi; 1..>>
recebe quapsiiner enconwii'das d<> Ma Mm g-
neros e de plantas para embarque oa [Untare*.
escs?os rurai*.
Grande expsito de fa-
zendas.
Que estao a venda, na loja e armatem da Arara,
ra da Imperalriz n. 06, Lourencp Pereira Men-
des Guimares.
LAZINHAS A 2i0 Rs. I
UZINHAS A 240 Rs. I I
LAZINHAS A 240 Rs. I I
Ha um grande sortimento de lazinhas chinezas,
chegadas pelo ullimo vapor, sendo fazenda qne
quaesquer loja vende a 400 rs., est se vendendo,
na loja da Arara pelo diminuto prego de 240 rs.
o covado.
MADAPOLO COM 24 JARDAS A 4500 I !
MADAPOLN COM 24 JARDAS 4 4500 I I I
vende-se madapolao com 24 jardas e garantin-
do-se que tem 20 varas, pelo barato preco de
4,J300, tfOOO, 65000 e 64500.
BRETANHA DE ROLO COM 10 VARAS
A 24800.
Vende-se bretanha de rolo a 2,5800 a peca, s
Mendes Guimares.
MADAPOLO ENFESTADO A 34000, 34o00
E 44000.
MADAPOLAO ENFESTADO A 34000, 34300
E 44000.
Vende-se madapolSo entestado pelo o barato
prego de 34, 34500 e 44 a peca.
COLCHAS DAMASCADAS DE FSTAO.
Vende-se as mais modernas colchas de fuslao,
tendo de todas as cores a 54500, ditas grandes a
64000, ditas de damasco a 44000, ditas de cbita a
24240 e 14900, isto s por a cabar, na loja e ar-
mazem da Arara n. 50, Mendes Guimares.
LHITAS FRANCEZAS A 240, 260, 280 E 300 Rs.
CHITAS FRANCEZAS A 240, 260, 280, 300 E
320 Rs. O COVADO.
CHITAS INGLEZAS A 200 E 220 Rs. O COVADO.
Vende-se cambraias brancas de salpicos a 44300
a pega, tambero ha um grande sortimento de cam-
braia brancas qne se venden a 34, 34500, 44,
54, 64 e 74 a pega.
CHALES DE MERINO A 2*000.
Lencos de carabrala com barra de cores a 14800
a duzia, ditos de dita branco a 24 e a 24400 a du-
zia, s Mendes Guimares.
CALCAS DE BRIM DE UNHU.
Vende se calcas de bnm de linho a 34400,
24600 e 44000, ditas de algodo a 24, s Mendes
Guimares.
Soutarabarques de cores, vende-se muito barato,
ditos grosdenaple preto, capas pretas vista se
far preco.
PALITO'S DE ALPACA BRANCA A 44500.
PALITO'S D BRIM DE LINHO A 54000.
ntremelos transparentes a 800 rs. ditos tapado
a 14, ditos para babado a 14000 cada ama tira.
ROPAS FEITAS.
ROPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se um sortimento de roupas feitas de
todas as qualidades, qne a vista se far preco, e
oulras maitas mais fazendas que se daixai de
annunciar, ra da Imperatriz n. 56, Mendes Gui-
mares.
Vendem-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem transplantadas: no sitio murado es-
querda, depois, do becca do Espinneiro, nos A-
fliclos.
AZEITE DO
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120 libras a 4, 40500 e
no graude armazem

PECH1CH
no grande armazem da Liga.
as
'*' '":k
Madapolao rooito fino com pequea toqoe de avaria, por preco que admira : na loja
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Dtonio Correa de Vasconcellos & C.
&

C
liga
2 -.Q.O.
03
ce
as
ce
35 CO
ga d. s-
8 *2 ^_ S"
Sg.g
= X
o
x as
O co W9
v> -i
Bc-d 9*-o
= o m
- TT CA
o- g -a 3. 2
g 25 3 <
zr. o
a
P>7
9

c
.g|8?.o
< p. ce 5 2
S.'ff I
3
"I o
Rq.3
o a q. r?
OT 2. o-
||a sil
1.2.1
isfl
lg


a>
o
o
iri
m
ai
CD
c/>
---- M
S srg-

o.
3
*
B
o
I
I
S
o
o
s
l
as
LOJA DO BE I JA FLOR
Na ra do Queimado n. 63.
Tendo recebido um sortimento de bord-
eas de churo, que chamam papai e mami,
com cabeeira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento de
brinquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas : apparelbos de almoco e de
jantar de porcelana e de metal, porta-licor
e faquinbas a 280 rs. o par ; e nao queren-
do continuar, vende mais barato do que em
outra qualquer parte.
Vende-se tiras bordadas de differentes
larguras a !,->, e babados, collar inhos e po-
nbos para senbora, bordados e abertos de
renda e lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-se 15a para bordar de diversas
qualidades e de cores claras a 7# a libra, es-
pelhos de columnas de Jacaranda, a 25500,
ditos brancosde diversos tamanhos, caixinhas
para estojos de navalhas,
Colhere de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe para
tirar soupa a 20, ditas para cha a 2I300,
ditas para soupa a 4-5200 a duzia: nesta
i. -------------------! loja se encontrar sempre um grande e va-
TaSso Irmios riado sortimento de miudezas: ra do Quei-
vendem gesso em p para estuque de casas, tijolos' mado n. 63, loja do beija-flor.
finos de feitlo diversos para ladrilho, azuleijos de I_______________________________
diversos gostos, tijolos vidrados para parede de ca-1 Vinho do Porto superior em caixa de duria,
zinha, canos de barro para esgoto, cemento em tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
barris de 10 arrobas. do & C, no sea escriptorio roa da Cruz n. i.
ATT^(iAO
No dia 1 de agosto do crrante a nao fafrio c
Trombeta o tscravo Elias,de Manocl de Sc-um Sil-
va Serodio, cujo escravu barbado, de cor prea,
rosto redondo, nariz etialo, com marcas de beiifu^
os dentes dn cima llmadus, cheio do corpu, estatu-
ra regular, \> bastantes giaudes : quem o prtu
ser bem recompensado, entregando-o do Ructc.
ou no Trombeta ao Sr. Cl^mentino AccMi IM,
ou no Recite, em casa da illm* Sr* viora Harhiu
& Filho, na ra Direila n. 8't, oa na ra do Q*t
mado ao Sr. Jos Joaquim Pereira de HcBdoc2
cujo escravo fugio du Ti umbela, Irvaorfu i
comsigo um quarto castanhu cas traducen ad.. oa
anca.
li>apparerfii na sesnnd.-.-l. ira, 21 < n r-
rente, um IMTO ewnvo, de noni' i m, n m r eido por Juip.!'. i;ne ia t* m tom <: bmirm -- i..
Qadn novo, r:a ra du Qui-iiuad". NBfli I ;.
borzpgtii ns pira .entura, gaprdaM lustre n.35, 3 ditos para menina-. mtt tir m
de lona gaspndo de muro de In-ire nra i
brancs, 1 ditu rie conra MMVrife, :
van linio, I par de botWgrauM i. town .
de Nantes, marca Sazer, com i leln -i
saito i-, junto da finua A. R. Pint", I Ma de
tus de tranca n 38 ; julea--e ajr* aHa i.
qoal tem nina b-n.lt tin um eaW, i i.
atra|>albadu, una para as bandd.- ii<- I }
Sania Rita: quem i [legar e fizer
da Imperad z n. i!>. sera bem r^cn
Desapparecen lia 15 das de casa d en .*#-
nhor una prea de naco Angiro, de nome Mana,
idade, pumo mais mi menos. 50 anus, altura re-
gular, lem urna dor prxima a aira um
dos braros, qne agarrando-se nr II.-, rila aaw,
levou vestido de rispado brar.ro eaa ifsatatM r-
xos, saia de algodczinho. camisa na mesma (alta-
da : rogase a pes.-oa ou autoi idade qoe a pegar,
a conduzaa' ra de Santa Cecilia n. 18, que tu
sera' gralifn-ado generusamenle.
Acham-se fgidos os ^aeraros secnlnies : Be?o,
mulato, idade de 2o ancos, cabellos anceladus. -m
barba, dentes um pouco limados, serr do rorto,
testa larga, e falla um pooro descaorada ; e Ln-r,
irioulo.ja um |iuuco velho, altura regular, muito
cabelludo, barba rom alpons rabellrs branns. a-
sim como na cabeca, curpo reforrado, olhns na
tanto pequeos, falla gmssa e as vezes bacesa
ronco : pede-se as autoridades puliriaes e > ca-
pites de campo que o< faram apprehender I l n-
duzi-losa' casa de seu Mraber o major Aniuaio da
Silva Gusmo. que generosamente recompensara,
e Ibes pagar toda despeza qne Dzerrm com a **
conduc^ao : soppoe-se que ella terio u.o en- -c-
gnimeoto dos serloes desta provincia, por salera
filbos desses lugares.
Fugio no da 6 de agosto o i-.-cravu erioalo
denome Tiberio, idade de 20 a 2-" ar.no-, e-U'nra
baixa e com falla de nm dos denles de rima. Foi
escravo do Sr. Francisco de Alhoquerqu* Mara-
nho Cavalcanti : quem o pegar ou debe der acu-
cia, queira dirigirse a ra da Cadeia do Recife n.
33, loja de Valle Porto & C, qoe aera recompea-
sado.
Fugio no da 16 de julho do correle arar
a mulata Suzana, aqual tem os signaes Jijaija
altura regular, corpu cheio, cor elara acabodaia.
cabellos corridos e bem aparados, rara chata, tra-
ta estreita, olbos pequeos, nariz chalo hiera
grande, beicos finos, falta de dentes, maos crossas
e dedos curtos, idade pouco mais oa menos 40 as-
nos, natural do serto, levon vestido a> cbita
escura com palmas brancas e paaao da rosta, (ai-
la sempre riodo-se : pede-se as autoridades poh-
ciaes, capilaes de campo oo qualquer qoe della
sonber leva la ao sru senhor na prara da lodVpea-
dencia loja de chapeos n. 14 e 16, qoe ser ceae-
rosamente gratificado, ao mesmo passo qoe prcles-
ta ser contra qualquer qne o tenha anulada, aw.<
ha noticias que esta dentro mesmo da cidade acon-
tada e se assim esta pessoa qoe a T entregar
do contrario ser punida com todo o rigor da le.
Ausentou-se no dia 2 do correle ao ote da,
da casa da ra do Imperador n. 16. o preto Ediaa
do, crioulo, cheio do corpo, altura n guiar, rosto
comprido, olhos peqnenos e pooca barba, osa sala-
sa e bigode, bastante ladino, reprsenla ter SS
aDnos, ponco mais ou menos, e julga-se ter leraac
calca preta e camisa branca; este e^rravo lo* cosa-
prado ao Sr. coronel Galvo, do Limoeiro, para oa-
de se julga tenha fgido, mas ha quem o traba
visto na Passagem da Magdalena, Remedios e Var-
zea; e como se desconfia que esteja aroofaa>.
protesia-se proceder contra quem o liver aeoMaaV.
e pede-se a quero del le der noticia oa o agarrar,
que dirjase a sobredita casa.oa a roa do Crasas
n. 13, qne ser recompensado.________
100*
de grtales ei.
Fugio do engenho S. Malheos (esiaio i
ra) no dia 9 de abril prximo passaab, o i
Manoel, com os signaes segoiMes : cahn
um ponco fulo, represenu ter 24 anoos e I
tem nma orelha cortada em baixo, earrertv,
co do corpo1. Bota, inculca-se de forro, foi visa aa
engeDho Loobo em comnanhia de Ooofre a tal,
forro, casado, de cor escora, e >a lorolea aar
nbecido do referido Manoel, ha pooro ana a aa>
nunciante noticia que tinturo seguido para a aav
triz da Varzea, com direceSo para o eagraaa S-
Francisco : recommenda se as aoloriaaoea paa-
eiaes e capitaes de campo qne apprehendam o ra-
ferido escravo, e dirigirem-se aos Srs. Malta 4
Ribeiro na ra do Imperador o. 83, oo oa oaaa-
nho S. Matheus a sea senhor.


Diarlo de Pcrnambnoo Sexta felra t5 de Agosto de f 85
ESAWE
Galera dos bispos brasileiros elaborada e offercd-
da ao Instituto Histrico e (eographico'Urasi-
leiro era 1862, pelo paire Lina do Moate Car-
melo Luna, socio do luesino lustitulo.
FUOVtfCIA ItE SEUCIPB.
I
D. Domingos Quirino de tanza.
Na cidade da Estancia, provincia de Sergipe'
Bateen o Exm. e Rvm. S\ D. Domingos Quirino
do Souza, liliio legitimo d-i Joao Qairiuo de Souza,
e de D. Victoria de Souza.
Recebida de seus progenitores a conveniente
eiuc.icao, foi frecuentar cora prazer as aulas da
mesma cidade, e aperf-igoou-senas disciplinas que
constituem a instrucgo primaria e secundaria.
Passou capital da-Bahia, e matriculou-se no gran-
de seminario archlepiscopal, por isto que linlia
teudeocias, e sua vocago o chamava ao estado
ecclesiastico.
Completos os estudos sjperores do mesmo se-
minario, recebeu elle todas as ordens, at o pres
Vterato, das raaos do sabio arcebispo o Sr D.
Romualdo Antonio de Sei xas, marquez do Santa
Cruz, honra da igreja biasiieira.
To abrofundado se achava o Sr padre Domin-
gos Quirino de Souza na aludade, que fora no-
me-ido lente substituto da respectiva cadeira d
Cidade da Estaen, ?aa Ierra natal.
Para ella seguio, e cumeguu no exercicio do
magisterio, at que jubilando-se o lente catedr-
tico, padre meslrc Raymirado, vigano da Eslaucia,
o padre Domingos Quirino, fez opposgao, e louva-
veluiente approvado, fora escolhido e tomara con-
ta da eadeira como proprielario, e desempenliara
cora summa utilidade da juventude o seu magiste-
rio at que recebera a devida jubilagio.
Gozava o Sr. padre mostr Domingos Quirino do
Souza, no lugar de sua residencia, de una con;Ide-
raofto nvejavel : a pureza de seus costumes, o re-
colhiraento de sua vida, a par de qualidades to
apreciaveis, tinliam ja firmado um crdito e urna
repulagao illibada.
Elle se dedicava com a niaior snlicitude etn in-
struir a mocidade dos prescitos da religiao. Na
mesma cadeira magistral, o lempo que Ihe restava
enipregava-o em explicar aos alumuos os princi-
pios geraes da igreja. No lugar de seu nasciraento,
p.idia-se dizer que o Sr. padre Domiogos Quirino,
era o parocho e missionario iufallgavel pelo bem
das almas dos fiis.
Os povos do lugar nunca procuravam o ministro
do altar para desempenho de seu ministerio, que
conbecessem nelle pouca vontade, ou seo desejo
arrefecido ; ao contrario era sua grande satisfagao
em preslar-se ao chamado dos fiis, para o seu bem
espiritual.
A' sua dlrecco estava urna porco de mulheres
devotas e consagradas Deus, e cujo numero ex-
ceda a duzentas, as quaes elle instruia nos pre-
ceitos e raystenos da religiao, sendo incansavel ja
no conlissionario, e j as praticas fetas estacao
da missa conventual, explicando o Evangclho na
igreja de .Nossa Senhpra do Amparo, cuja permis-
sao akaogara, no anno da 1857, do venerando
arcebispo D. Romualdo.
Nesta igreja era aonde o Sr. padre mestro Qui-
rino expanda os desejos de seu coragao bem for-
mado : alii celebrava diariamente, explicava a
doutrina, reprehenda os vicios, mostrava o cami-
nho seguro da salvago, reparta o pasto espiritual
aquellas devotas mulberes e aos que o procuravam
com siBcera devoco. Era un perfeito missionario
apostlico I
A virtudeda caridadeera por elle desempeohada
cm grande escala. Sera ambicao das grandezas
do mundo, e de accumular estipendio, lodo seu
reudimento e lucros de suas ordens, destlnava em
satisfazeras necessldades de seus irmaos indigen-
tes, os quaes reconheciam nelle nm director ze-
loso, um amigo extremoso, e um pai cardoso. Tal
era a fama do Sr. padre Quirino, tal o crdito de
suas virtudes, que havendo S. M. o Imperador o
Sr. D. Pedro II percorrido o lugar da Estancia, por
occasiao de sua visita provincia de Alagoas, e
conliecendo pessoalraeule os beneficios por elle
prodigalisados a'quelles povos, o condecorara com
a commenda da ordem de Chrlsto no anno de
1860.
A diocese de Goyaz havia perdido no anno de
1851 o seu pastor, e o nionarcha brasileiro tinha
de prove-la de outro prelado ; entretanto que co
nhecendo elle as quandades e virtudes, que orna
vam a pessoa do padre Domingos Quirino de Sou-
za, o nointara por decreto de i de abril de 186,
bispo daquelia diocese.
Foi na verdade grande a sorpreza de que se
possuio o Sr. padre mestre Quirino quando rece-
beu o decreto de sua elevac&o ao episcopado, lendo
elle por torca da necsssidade de deixar o lugar db
sua residencia, aonde vivia com grande modestia,
dedicado todo a instruir e aperfeicoar os fiis na
pratica das virtudes e no servico de Deas.
Preconisado no cousistorio secreto bispo de
Goyaz, pelo soberano pontilice Pi IX, no da ls
de margo de 1861, logo que receben as bullas de
confirmaco cuidou de seguir o destino que a Pro-
videncia Lie marcara. Nao se esqueceu, porm
dos povos sempre obedientes a' sua voz, e princi-
palmente das piedosas mulheres que naquelle lu-
gar o tinhara por seu director espiritual e bom
pai. Urna prova da bondade de seu coragao pa-
tenteou o bispo nomeado de Goyaz, deixando os
ordenados de sua jubilacao em favor dellas I
Pungido de saudades satura da cidade da Es
tancia, deixando gratas recordarles entre os povos
dirigira-se a capital da Babia, onde, tomando o
vapor Apa, seguir cora destino a corte do Rio de
Janeiro.
Tendo recebido ah a devida sagrago no da
1 de dezembre de 1861, mandara tomar posse do
seu bispado a qual veriflcouse no dia 27 do mes-
mo mez, por seu procurador.
Achando-se ainda na corte do Rio de Janeiro,
assistio ao acto da sagracao do Exm. Sr. bispo de
S. Paulo, o qual leve lugar na matriz de Petropo-
lis no dia 18 de maio de 1862.
Por deraissoria do Exm. Sr. bispo do Rio de Ja-
neiro, conferio o Exm. Sr. bispo Querino de Souza,
no dia 18 de agosto daquelle anno, o Sacramento
das ordens, 38 aspirantes ao sacerdocio, rece-
bendo 13 ordens menores, 7 as de subdlacono, 2
as de dicono, e 14 o presbyterato. (1)
Er i pois ebegado o tempe do Exm. Sr. bispo de
Goyaes sesnir para a sua diocese aonde anciosos
esperavam suas ovelbas. E pois, agradecendo ellej
cordalmente ao soberano nionarcha o ter elevado
a tao sublime dlgnidade, parti o piedoso prelado
no mez de setembro para a sua diocese aonde ebe-
gon, e foi recebido com vivas demonstracoes de
jubilo e de contentamento. (2'
provincia da baha. da a revelacao de centos de modistas que as mais
i solidas fortunas mal podem satisfaier, e que as ve-
D. Agosttnho Ribeiro. \ zes pedem praso se nao llquidam.
A Baha, que oi o priraeiro torro aonde Pedro Este exemplo Imitado pelas classes Inferiores,
Alvares Cabral aportou no anno de 1500, enera- por espirito de igualdad*. Todas as nmlheres que-
vando, para memoria, no lagar, que se chamou rem rajar igualmente. La Fonlaine n'uma das
Porto seguro, o estandarte da cruz; a Baha, que suas fbulas, escarnece da ra, a qualqner ter as
foi escolhida por el-re D. Joo III, para se fundar dimensSes de nm bol; mas, gracas s modas de
urna cidade, e ser a sede do governo e a metropole hoje, a ra conseguira realisar o seu desejo....
da America portugueza; que recebeu no anno de (hilaridade geral. Muito bem I muito bem I) Bas-
1340 o prmero governador da America Thom taria ao parvo bichinho qne arranjasse em redor
de Souza, com plena autordade civil e militar; | do corpo essas dimenses elsticas qne o tornaran)
que acolheu os primeiros misionarios jezuitas, to grosso como o modelo qoe quer copiar (nova
Jos quaes era prelado o veoeravel padre Manoel hilaridade). Quando se vai ou se quer ir a urna
de .Nobrega, a Baha, finalmente, que leve a gloria festa, que se quer ahi figurar sera ter com qne, o
de ser a sede do pnm-siro bispado do Brasil, e de amor proprio- quem vence, e o marido de nada
receber no anno de 1535', o prmero prelado sa- sabe ; se a caixa conjugal esta vaiia, tompra-se
grado D. Pedro Fernandes Sardinha, leve tambera falo crdito, assignamse letras, para as quaes se
o desvaneciment), e possue o de jubilo de juntar procurara endossaotes, e cujos vencimentos sao
ao cumulo de tantas glorias a singular prmazia sempre fataes a virlude (Muito bem I;
de apresentar o priraeiro bispo, oriundo da Ame- Tal senhores, o estado rica, para goveroar no velho Portugal a diocese e?te o mal que deverlamos combater; quid leges s-
de Angra.
Foi elle D. Agostinho Ribeiro presbytero secular
do habito de S. Pedro.
A cidade da Baha que Ihe dera o bergo, prodi-
galisou-lhe os primeiras estudos da humanidade.
Era Lisboa foi elle receber maior illustrago e
na universidade de Combra tomou o grao de Dr.
emTheologa.
Occnpou a cadeira de conego magestral da S
Metropolitana de Lisboa.
ne moribus vanael...
Fundaram-se sociedades de temperanga ; en, po
rm, quizera que se forraasse urna sociedade de
mes de familia, as quaes, sem cessarem de trajar
com decencia e at mesmo com o luxo que a sua
furtuna e a sua posico comportassem, fussem as
primeiras a acabar desapiedadamente com o su-
perfino, e allviassem por este meio as outras clas-
ses, as quaes de gru em grau, e por imitaran,
querem sempre trepar eminencia, onde nao Ibes
Varao de grande saber e virtudes, primou as dado chegar. (Muito bem I muito bem I)
sciencias philosophcas e theologicas, e tambera na
tribuna sagrada, aonde ostentava urna eloquencia
meliflua e arrebatadora.
Ttulos tao honrosos, qualdades tao eminentes
alcancaram para elle a noroeaeao de bispo de Ceu-
ta em cujo carcter recebeu a devida sagracao,
sendo que depois de algn anno?, que governou
aquella diocese, foi promovido cadeira episco-
pal de S. Salvador de Agolar, em Portugal, no an-
uo de 1613 e no governo do re D. Felippe.
Apascentou com o maior disvelo e utilidade as
suas ovelbas, al o da 12 de julho de 1621, em
que morreu. Seu corpo recebeu sepultura na
respectiva calhedral de Angra.
O (Ilustrado autor dos Vares Ilustres do Brasil,
no supplemento biographico que juntou a essa obra
de mrito, contempla o nome deste prelado, porm
d-lhe o sobre nome de Bezerra, e uascido na Ba-
ha noanne de 1610.
Pelo facto de sua apreseniaeao na diocese de
Angra, no anno de 1613, como se v do cathalogo
dos bispos de Angra, felto pelo padre D. Antonio
Caetano de Souza, inserto as Memorias da Aca-
demia real da historia portugueza, conhece-se
perfeilamenle o engao, tanto dj anno de seu as-
cimento como do sobrenome.
Sebastio da Rocha Pitta, na sua historia da
America n'uma lista que aprsenla no fim da obra,
das pessoas naturaes do Brasil, que exerceram
dignidades ecelesaslicas e governos seculares em
Portugal, e fora delle, traa deste prelado e diz
D. Agostinho Ribeiro bispo de Ceuta, promovido
ao bispado de Angra Desculpem-nos a reflexo,
ella feita nao com intenco de apontar erros de
outros escriptores, mas de esclarecer a verdade.
(ontinuar-seha.)
IM POLCO DE TUDO.
De jornaes estransteiros echemos o seguinte dis-
curso do procurador geral |Mr. Dupin, pronuncia.
Um despacho de Washington diz, que como
governo foi informado de que o gabinete inglez re-
tirara aos revoltosos os direitos de belligerantes,
que anteriormente Ihes conceder, o secretario Se
ward escreveu ao Sr. Bruce acensando a recepgo
da nota do conde Russell, e declarando que o pre-
sidente acolhra com satisfagao a noticia de tal me
dida. Porm o secretario de estado reitera os seus
protestos contra aegao combinada dos Inglezes e
Francezes, pelo faci de reconhecerera nos revol
tosos dos Estados-Uuidos os direitos de belligeran-
tes, facto este que qualifica de pouco amigavel e
contrario ao direito internacional.
Manifesta tamhem o maior pesar pelas reservas
do conde Russell na sua nota a favor dos cruzeiros
confederados, e reclama que todos os navios qne
tenham este carcter sejam entregues s autorida-
des americanas.
O Sr. Seward declara formalmente que o gover-
no dos Estados-Unidos lera o direito e iniencao de
capturar lodos os navios piratas, qualqner que seja
a bandeira com qne se apresentem, e recusa-se ca-
tegricamente a reconhecer a validade de transfe-
rencias que tenham sido ou possam ainda ser feilas
de navios d'este genero.
O Sr. secretario dirigi tambera a seguinte carta
ao Sr. Weiles:
Tenho a honra de vos transmiltir urna corres"
pondencia trocada entre o Sr. Bruce e este minls"
terio, relativamente aunullacao da supposta con-
cesso dos direitos de belligerantes em favor dos
estados revoltosos e contra o governo dos Estados-
Unidos.
Em consequencia d'essa correspondencia, desejo
pois que coramuoiqueis o seguinte aos offlciaes de
marinha dos Estados Unidos :
1." Que a ttrl Brelanba retira a concessao feita
anteriormente era favor dos revoltosos, do carcter
de belligerantes;
2. Que a annullagao do aviso relativo ao prazo
do ha pouco no senado francez, em sesso secreta, j de viole e quatro horas nao foi feita de urna ma
por occasiao de se discutir urna proposta offerecida neira absoluta pela GraBretanba, e por isso os
nossos navios nao continuarao a prestar as honras
do estylo aos da marinha ingleza.
3." Que o direito de visita exercido pelos navios
inglezes Gca abolido. Esta medida porm em nada
altera as operacoes do tratado que vigora a respei-
to do commereio de escrwnra ;
4. Que os navios dos Estados Unidos podem
capturar legalmente todos os navios revoltosos ou
piratas que encontrera no alto mar.
Tenho a honra, etc. -\filliam H. Sewatd.
no seutido de por um paradeiro ao luxo exagera
do de Paris e prosliluicao que all tudo invade,
occasionando amargas decepeoes, lagrimas e rui-
nas s familias.
Senhores senadoresO senado romano reunia-se
s vezes em sessao secreta. Todos se recordam
ainda da impressao que s matronas romanas cau-
ou certa sesso secreta,na qual foi Interrogado
Cato. Aos curiosos que o Importunavam para sa-
ber o que se tinha passado, responda elle : *0
senado deliberou sobre a conveniencia dos maridos
terera muitas mulheres, ou as mnlheres muitos ma-
ridos. (Risadas)
Era um gracejo innocente, que na cidade nao te
ve cousequencia alguma desagradavel.
Nao creio que alguem se leona preoecupado cora
os nossos debales secretos acerca da questao da
prosliluicao. Todava, haverquem diga que, para
se celebraruma sesso secreta, era preciso que tac-
tos extraordinarios a isso dessem lugar. Perguutar-
se-ha se foi acaso descoberta alguma sociedade de
devassidao cujos adherenies se nao querem divul-
gar, por estarem miados entre elles alguns perno*
nagens Ilustres...
E* este nm dos inconvenientes das sessoes se-
cretas___
(1) Nao podemos relatar todos os fetos da vida
deste prelado, porque nao tiremos a fortuna de
receber delle respostas de duas cartas qne Ibe
dirigimos solicitando apontamentos para este tra-
balho : um sea amigo e patricio, apenas nos mi-
nistrou alguns esclarecimeotos.
(2) Pouco lempo apascentou o rebanho da dio-
cese de Goyaes o Sr. bispo D. Domingos Querino
de Souza, porque agravando-se-lhe os sens pade-
cimentos physicos entregou sea espirito ao Supre-
mo Creador no dia 12 de Miembro de 1863 pelas
7 horas da manhaa. Sen corpo jaz na calhedral
de sua diocese,
A publicidade, sempre preferivel, pois que s
ella constitue um castigo, urna exlnrtacao ou urna
lico.
A religiao, a moral, todos condemnara a prostl-
tuigo ; a opinio unnime a este respeito ; mas
o estado, quando Ihe cumpre proceder, tera de limi-
tar se a fazerobra pelos tactos palpaveis e pblicos
suscepliveis de repressao ; foi o que se fez. Ha
quarenta ou cincoenta anuos, a devassidao des-
bragada percorriaas ras de Paris; oPalais-Royal
tornava-se inacessivel, era urna exposico perma-
nente ; as mulheres honradas nem sequer ousa-
vam fazer passagem por alli. Tudo isso desappa-
receu, a devassidao tomou a metter-se era casa.
Queris acaso dar caga s merelrizes e persegu-
las at alli ?
A polica, creio en, cumpre o seu dever e nao se
cuide que cousa fcil policiar de cimapara baixo
(hilaridade); porque ao passo que multo se falla
das classes baixas, pouco se diz das regidos eleva-
das que do bem na vista, apesar de ser muito dlf-
cil l chegar. (Muito bem I muito bem I)
Falla-se por ahi de meretrlzes que se pavoneiam
nos passeos pblicos. Isso verdade. A cada pas-
so veem se rodar elegantes carruagens condnzindo
mulheres, cujos toilettes deslumbrantes e extrava-
gantes piovocam os olhares da mullidlo. Mas o
que faz a classe elevada da sociedade ? olha, co-
pia o modelo e essas raparigas sao as que forne-
cem as modas s damas do grande mundo; sao
ellas que servem de modelo.
Eis-aqui o exemplo que d a alta sociedade. (Mul-
tas vozes : E' verdad verdade I)
Deslgnaram vessa attengo alguraas photogra-
phias mais ou menos perfeitas que por ahi se ven-
den: a troco de cincoenta res cada nma. Ide aos
theatros e veris espectculos, que desde o priraei-
ro acto al ao ultimo nao slo mais de que a exhi-
bigo de qudros vivos, offerecendo aos olbos os ty
pos de duzentas photohraphias que deixam a per-
der de vista todas aquellas de que vos queixaes.
(Adhesao).
Ainda outra causa de devassidao I E aqni ain
da me refiro mais s altas do que as baixas clas-
ses, por qnanto o exemplo as mais das vezes vem
de cima.
Acaso nao urna causa evidente de corrupcao, o
luxo exagerado, o ezcesso dos toilettes, que levam
tanta gente ao abysmo da ruina ?
As pessoas abastadas ebegam a amedrontar-se, e,
em cada invern, em eada estacao, sarde a luz do
A questao do suffragio.dos negros no3 Estados-
Unidos est sendo urna das mais embaragosas para
o governo.
O presdeme Johnson declarou recentemente,
que convioha deixar a sua resolugo deciso. par-
ticular, de cada estado.
O governador interino da Virginla'na sua men-
sagera a legislatura d'este estado, diz que esta ques-
tao nao est na esphera das suas atlribuigSes.
Repellida por lanto, nao s pelo poder central
como pelo local, ignora se como ser resolvida.
> i igi | r.
E' do Sr. B. Costa este cont
O TOQUE DE AVE MARA.
E' ali, diria Joao, a Antonio Jos, apertando;
Ihe cora a direita a raao, e apontando com a es-
querda para o segundo andar de urna casa de sof-
rivel apparencia.
Por que nao has de subir comigo ?
J te disse o motivo...
Olha que sempre s um maricasl j se vio cousa
seratlhantel pareces-me educando de freirs.
Masque queres; este meu acanhamento quan-
do me vejo enlre mogas... Torno-me tmido, ri-
diculo e al estupida Quero dizer urna cousa e
sahe-me outra ; por isso um amigo dedicado como
tu, dar-me-hia animo...
Obrigado pelo cumprimento...
Queres fazer de mira nma especia de Waldemiro
de Alexandre Dumas lilhu...
Este dialago, passa-se como o ieitor acaba de
ver, entre dous rapazes que pareoera estimar-se.
Joo deu um ultimo aperto de mo ao amigo e
retirou-se.
Antonio Jos dobrou o ngulo da ra e entrou
n'uma escada estrena, que conduzta ao segundo
andar indicado. v~
Bateu palmas.
O corpo tremia-lhe como varas verdes. Com a
voz preza na garganta respondeu. E' de paz a
voz que de dentro Ihe pergantou
Quem ?
Pode entrar quem .
Agora o veris.
O prmero desatino urna topada, dada no h-
lente da porta, que faz tremer toda a casa e tocar
a rebate os piogeutes das serpentinas, que estavam
artsticamente col locadas em cima das bancas.
Faga pouco barulho, disse-lhe de dentro orna
voz. O pobre Antonio Jos ticou transido ; articu-
lou urnas boas noites e urnas desculpas, que as pes'
soas de dentro bem podiara tomar por um remo-
que a sua advertencia.
A sala em que Antonio Jos tinha entrado era
de trinta ps quadrados ponco mais ou menos, urna
mesa redonda no centro, cadeira; em relago, dua-
bancas; um pequeo espelho em mnldura doura
da e mais alguraas especialidades proprias de nm
espirito travesso estavam em cima da mesa redon-
da. Um sof, no qual estava envolvido em lengol,
cobertas e seu rancho, alguem que nao se reconhe-
cia por estar apenas com o nariz fora da roopa.
As portas das saccadas fechadas.
Urna vela de espermacete alumiava este re-
cintbo.
Antonio tinha fleado era p por alguns momentos
junto mesa redonda. De repente, como esquivan-
do se a nm peso que o opprimia, exclama :
Eis alli a pessoa que procuro.
E encaminha-se para o sof. Senta-se n'uma ca-
deira que junto estava, descobre com timidez o
rosto do envolvido, e virando-se para quem estava
na sala, pergunta.
Est doente esta senhora ?
Ha oilo das que se nao levanta, responde-
ram.
Principiaran! a chama-la :
O' Calila, Calila; olha esse senhor que se
informa da tua sade.
A pessoa que estava no sof era urna joven de
dezoito annos se tanto ; linda como os aojos, a
quem chamaremos Catharioa.
Abri seas grandes olhos ao ouvlr a voz quo a
chamava, e fexou-os nos de Antonio.
Obrigada, disse, um desconhecido que me
vem visitar no meu leito de dores; nao sou tao
desgragada como pensava.
Ao menos o Sr. estou que nao vria aqu por um
vil ioteresse.
Tantos conhecidos, tantos adoradores que me
rodeavam, abandonarara-rae logo que ia perdendo
a cor; logo quecoohecerara que nao possuia mais
um corpo para Ihe entregar I... Mas,... que impor-
ta, nos outras somos creaturass procuradas quan-
do servimos para alguraa cousa. Reprobas entre
as do nosso sexo, e entretanto, quem soffrer tanto
quanto nos I A nossa culpa, se que a temos, nao
ser expiada por este martyrio continuo em que
vivemos. A nossa consciencia nao sera o nosso al-
goz ? nao seremos bem castigadas s por chegar o
momento da agonia, e nao termos um ente queri-
do que nos vele cabeceira ?...
E assim fallando, foi levantando-se paulatina-
le para deixar-se cabir quando justamente parou
de fallar.
Minha senhora, disse Ihe Antonio Jos, quer
alguma cousa ? o que sent ?
Eu... OSr. medico ?
Nao, minha senhora, mas muito desejaria sa-
ber qual era o seu soffrimenlo I
Mas...
Diga I... disse.'Anlooio Jos, supplicante.
Um cansago no petto, a voz opprimida na
garganta e urna continua dr de cabega.
Est con ebre, urna verdade, mas muito
traca, disse Antonio toraando-lhe o pulso.
Costurao estar mais descangada a esta hora ;
o sorano como que loma conta de mira, e a febre
desapparece para vollar mais forte a horas moras.
Houve urna pausa, em que elles se contempla-
vara.
Antonio foi quem a interrompeu com esta per-
gunta :
Conhece-me, minha senhora ?
O seu nome ?
Antonio, um seu...
O nome e a pessoa sao-me estranhos, entretan-
to a sua voz parece me ja' te-la ouvido nao me
estranha.
Nao, minha senhora, se nunca rae vio, muito
menos me ouvira fallar.
Recordo-me de urna pessoa que muito se pa-
reca com o senhor; mas essa pessoa morreu...
Bem v que eu estou rijo como um ferro,
disse Antonio procurando rir-se.
Um gesto foi a ultima resposla de Catharioa.
Houve outra pausa, que a seu turno Catharina
interrompeu. ,
Diga-me, Sr., saba que eu estava doente ?
Parece-me nao conhece-lo, mas de ordinario as
pessoas da minha classe sao por quasi todos co-
ntiendas, e s visitadas por um interesse reci-
proco.
Nao, minha senhora, na minha visita nao ha
seno o inleresse de poder offerecer-lhe os meus
servigos...
E 'ahi... eu nao sei mesmo porque vim.
Catharina escondeu o rosto as raaos.
Chora va.
Antonio presenlio.
O que tera, Catharina, perguntoQ, procuran-
do toraar-lhe as mos; pens que a sua doeuga nao
de perigo; eu mandar-lhe-hei um medico, e ver
como elle Ihe confirma que daqui ha oilo dias esta
r boa. Entretanto virei vistala.
Nao sei como Ihe agradega tanta bondade e
dedicago. Acredite, o pnmeiro homem que as-
sim cugo fallar.
E dizendo isto, levou as mos de Antonio, que
tinha conservado entre as suas, aos labios.
Seria reconbeciinento ou amor ?
E' provavel que fossera ambas as cousas.
Antonio olhou em roda de si.
As pessoas que ahi estavam quando elle entrou,
tinhara-se retirado.
Desceu o rosto sobre o de Catharina, e collou os
labios nos labiosdella, que ardiam em febre. A al-
ma do mancebo, como que se tinha identificado
com a da joven, neste beijo.
Tccava Ave-marla, quando Antonio deixou a
casa de Catharina.
Passada meia hora enlrava na mesma casa um
dos nossos melhores mdicos.
Fra enviado por Antonio.
II
Agora, quem era Antonio Jos, Catharina.
Em contos nao o supponho de rigorosa nscessi-
dade ir buscar ajarvore genealgica dos hroes; di-
zer que seus avs mataram tantos Hollandezes, que
fizeram e que aconteceram, etc., etc. Nao, e mes-
mo o meu lindo casal, nao tem arvore genealgica.
Liraito-rae portanto a dzer, que, era Antonio era-
pregado no commereio. Filho de pais pobres, que
Ihe tinhara dado urna educago em relago sua
posigo.
ao era tolo.
Tinha vinte e dous annos, trajava com alguma
elegancia; possuia um rosto expressivo o sympatbi-
co. O mais nao era para deitar fra.
Catharina era tambem filha de pais pobres.
Orpba de pai, que era um capilo de artilbaria,
a pobre menina sentio logo aos dez annos o fro
sopro da desgraga, que Ihe havia de amargurar
a existencia.
Ha creturas que parece virem ao mundo s pa-
ra penar.
Catharina era deste numero.
Reuna urna testa comprda e oval, um nariz
de garga ; uns olbos que mostravara, nao s pelo
brilbo, mas ainda, por ora nao sei quo de triste e
sympathico.quearraslavapara si todos que a viam.
O cabello castanho.
O todo do rosto acabando em rebondo bem pro-
nunciado.
Eis um mu esbogo de Camarina.
O Ieitor, por mais que procure reunir estas par-
tes, estou que nao cliegar a Mrairar a belleza de
Catharina.
Conhego que son fraco co pincel.
Um poeta ou nm pintor t-Ia-biam denominado
ama Venus das montanhas.
Mas en nao sen, nem ama nem outra cousa.
Agora, moralmente, era boa de ndole.
Resignada e paciente como um martyr do ebris-
lianismo.
Vivia sempre atacada da molestia a que chamara
melancola.
III
Antonio vio pela primeira vez Catharioa, no fu-
neral do pai della. Vio-a e amon-a ; mas era tmi-
do por natureza e condigo, nao fez por isso sentir
sna Dulcinea o amor que Ibe votava.
Outro here por quem o coragao de Catharina
palpiton.
E o pobre Amonio Jos a namorar-lhe a sombra
durante oito annos I
Aconselho aos leitores que deixem o acanhamen-
to e a timidez para ellas, se nao querem que Ihes
acootega o mesmo que aconteceu Antonio.
Um dia, conversava Catharina com o escolhido
de seu coragao, ella na varanda e elle r..o quintal.
Entrou a mal que vinha da missa. O rapaz escapo-
lio-se, mas nao sera que a Sra. D. Rita desse por
sso.
D. Rita (assim se eharaa a mai de Catharina)
nao disse nada sua filha, apromptou-lhe um bahu
com a sua roupa, e mandou-a para casa de um tio,
que tinha numerosa familia, para vigala. Agora
eis Catharina cora as primas, que apezar de todas
Ihe serem mu dedicadas, tinham recebido do pai
ordem para vigia-la.
Como nao ha obstculo que se opponha aos de-
sejos e vontades de um coragao namorado, Catha-
rina achou meio e occasiao de se;comraunicar com
o seu amante.
Um das primos observou-a em urna occasiao
que ella conversava com elle.
Um dia houve urna pequea questao entre o pri-
mo observador ea prima hospeda. O primo langou-
Ihe em rosto o conversar ella cora pessoas estra-
nhas e nao do seu sexo em casa do pai delle.
A menina arauou.
IS'o velo para a mesa naquelle dia.
Indagada a causa pelo to, o primo relatou a seu
pai o acontecido; (talv-z movido pelo clume) o de-
monio do rapaz levou a aecusagao mais longe do
qne ella verdaderamente mereca.
O tio que nao era o homem cora quem se ea-
goasse impunemente, tratou de' casar a sobrlnha.
Como nao sei por que regra de contradgo, es-
tes senhores, pas, tios c tutores casam contra suas
expressas vontades suas (Ibas, sobrinhas e pupil-
las; por isso nao estranho o procedimento do tio
de Catharina.
Em resultado desta operago temos um grande
numero de prostitutas.
Como nao ha ioslituigoes que protejam a parte
fraca, assim iremos andando al que alguem se
lembre disso,
Catharina respondeu com muita dogura pro-
posta de casamento do tio.
Eu nao me quero casar, dizia-lhe ella, ou en-
to, meu lio deixe que meu coracao escolha sua
vontade.....
O lio ticou furioso.
Dentro em um mez estars casada com a pes-
soa que te destino.
Foi o remate da conferencia, como Ihe chamara
um novelista.
A menina, que apesar de sua boa ndole tinha
em si o germen da matdade herdade de nossa mai
comraura, callou-se e medilou.
Chegou o da destinado pelo tio para o casa
ment.
Enlao ests dsposta ? Olha que s fallara
oilo das, minha boa Catharina I
Eu nao, senhor.
Foi a resposla.
Veremos isso no dia. Vossi fazem-lhe cara
fea, mas ao depois gostam.
Catharina, vendo o firme proposito de seu to,
escreveu a seu amante, que j estava sciente do
acontecido, que a vesse buscar na ante-vespera do
dia em que seu tio pretenda casa-la.
A vontade de ferro do lio nao se amolgou s la
grimas da sobnnha; sua mai a tinha entregado a
discripgo daquelle, e demais estava longe para
cudir filha.
No dia aprazado pois, nao tendo recebido ordens
em contrario, o amante de Catharina consumou
aquillo a que chamamos rapto, e que nao nada
mais do que o desejo, que dous entes teem de ser
felizes. Mas o demonio da sociedade, com todas
as suas balburdias, arranja termos especiaes, com
que designa a vontade de dous de seus merabros,
e que sao epitbetos ignominiosos aos olhos da mes-
ma.
Ainda mais outra : nao havendo licenga da fami-
lia, a sociedade consente que dous entes vivam em
peccado, mas nao duixa que se uara segundo as
suas leis I
Vera a ser o mesmo que autorsar a prostitu
gao I
A joven era menor, nao poda, portanto, casar
sem licenga de sua familia.
O tio n-gou-lb'a.
Elles foram vivendo unidos pelos lagos do amor
como nico matrimonio possivel; esperando pola
maioridade, para ento unir-so segundo as leis so-
ciaes.
Mas antes de chegar aquelle lempo, suecumbio
o joven amante de Catharina, a um ataqne repen-
tino.
Ella olhou para si e vio-se viuva, mas a socieda-
de vio-a deshonrada.
Antonio, quando soube do casamento de Catha-
rina, foi dar um passeio n'uma das provincias li-
mitrophes............
A mai de Catharina veio ao chamado da filha.
De certo modo culpada do estado em que vio a fi-
lha, quiz D. Rita expiar a sua culpa viodo ouvir os
sarcasmos, que Ihe eram dirigidos.
Mas faltava-lhes o alimento.
Faltava-lhes trabalho.
Os parentes nao queriam saber dellas.
O resultado foi enlregar-se Catharina a nm dos
muitos homens que admiravara a sua belleza ; ao
depois deste veio outro, e assim por diante.
Eis a sociedade apontando urna das vic .imas de
suas estupidas imposiges.
Quando Antonio vollou do seu passeio de distrac
gao, soube o estado em que estava vivendo Catha-
rina.
Cboroa as suas desventuras, mas nao foi visi"
ta-la.
Era grato a seu coragao o conservar o resto de
urna illuso quedurava ha oito annos.
Tomando sempre informagdes do estado e modo
de vida de Catharina, passou-se quasi um anuo;
um dia vieram-lhe dizer que Catharina estiva gra-
vemente enferma, e abandonada de todos os seus
adoradores.
Portador desta noticia, foi o nosso Joo, amigo
dedicado de Antonio Jos e de Catharina, que co-
nhecia de casa de sens pais.
Antonio, ao saber desta nova, corren era com-
panhia do amigo a visitar Catharina.
Por mais que Antonio instasse, nao foi possivel
fazer que o amigo sobisse.
Joo nao quera que Catharina soubesse, que era
elle o portador de noticias para Antonio.
Era a amizade no seu mais puro grao.
Agora que tudo est explicado, vamos a con-
clnso.
IV
O medico, ao depois de examinar Catharina, con-
irmou o que Antonio tinha dito, Isto que a mo*
jestia nao era grave.
Urna bronchite aggravada por ama consi.ipago,
e mais um defluxo que poda dar em muito, mas
que, felizmente para Antonio, o doutor curou com
alguns tarops e saadores, era toda a mol jstia de j
Catharina.
Passados oilo das, estavam CatbariM,
I). Rila e o doutor em urna liada casa aos Jeajw-
cs, para onde o doutor aaaira trasportar Ga.
tharina.
Falla vam oestes termos :
O doutor j nos ouvio, como se htm bom
confessor, agora responda-nos : podemos oir-em
pelos lagos do matrimonio ?
Podem, pois nao ? disse o doator eilaai
trecho do Evaogelho, mas, por causa dos |
ceilos, sempre seria bona que sahissem par al|
dias da cidade.
Ao oulro dia casavam-se, Antonio mt eom Ca-
tharina de....., servindo de padnnho* o 4oa>
tor... e Joo de..... *
D. Rita derramava lagrimas de alegra.
Dizia ela que j poda morrer tranquilla, ao*s
que sabia que sua Dlha nao seria mais infeliz. Te-
cava a A ve-Mar ia, quando o padre Ibes atina a
abengo.
Juo nao se esqueceo de dizer ao amigo .
Anda, magano, que acabaste por orna vtt
com o acanhamento.
Ao que Antonio respondeu eom om aperto da
mao.
D'ahi por dous das chegou o vapor do saj; aa
Jovens esposos embarcaran) nelle, levaado sem
mai na uompanhia.
O doutor e Joo, qoe loram os rnicas ajee ea
acuinpanharam ao embarque, viera para ierra
no mesmo bote.
Duas almas que nasceram urna para a m-
tra, dizia o doutor.
Dous coragoes de anjo !........ .
Antonio Jos ja tem dous lindos
sao o retrato de sua mai.
Ao chegarem ao Par*, para onde tinham imjj
nado ir, morreo D. Rita. Este aeoMenmaam ea>
lutou o coragao dos jovens esposos, mas la se fc-
ram consolando mutuamente.
A Providencia, como qoe nio qniz qoe amasase
mai, de algum modo desnaturada, pr^eari-isse a
felicidado de sen* filhos.
Catharina tem sido o modelo das esposas.
Quando ha alguma desavenga entre ramJfia, lo-
go se cita para modelo a esposa do Peimmtwar.
Concluida a historia, peco breara ao
dizer-lhe que verdica, e qoe as
da vivem.
MARA 0 JARDN DO SCkNOB
Vos sois nm jardim fechado, minha ir
nha esposa.
Taes sao as palavras qoe Jess Christo
me no divino cntico aquella cajos oibaras
seu coragao ; Mara, cheia de h
ra e innocencia.
Ella um jardim fechado porgue i
seo Filho pela operario do Espirito Saato a e des
ao mundo sem qaebra de sua iategrida4e vir-
ginal.
A serpele infernal nao peoetroo esse sea V-
no ; o peccado original aao maochoa a sea sema-
dade ; os ventos das paxdes nao poderes
esse peilo previlegiado porque o oleo
so, o sopro fecundo do Espirito Santo i
fazer exhalar os mais poros perfeme*.
O re da gloria fez de Mana i
fazer cresrer as Dores dos santos desaje, i
tes coralemplages e das virtodei aerte.
E desse jardim sabio um suave aerfeeee para
embal.-araar a cidade santa, e o mando iatetro, per
qu_e_Mara recebeu todas as gratas para ser a A-
pensadora des thesouros de sea Fiase.
Saudatnos, pois, esse jardim do re. rogomas la
para que nos commonqoe e inflamme a torra rom
o seu amor, e nos receba em sea seio as esaraas
babitages.
Na ultima reuniao da sesso estoawgrastoea a
sociedade gaographiea de S. Petersetmrg, M. Ha-
noi!, secretario da secro, leo om
Kurdistan pelo qoe con-la qne t
que j nao restam christaos, M. I
ruinas de igrejas christas, qoe i
ges que se conservara, foram etfeaees ao serv-
io IX.
Diz ainda que Erzeroum .est habitada por
gos, armenios e kurdos.
Perto do lago Van V'igna M. IvaaosT a
Assiria.
Diz tambem qoe o clero ehrisUo do pau i
ignorante e pouco comrauoicalivo, qoe os :
tes vo para a igreja completamente armad
depositara as armas sobre o altar em qeaat cele-
brara, e que a religiao que explicas d sene aais-
lura exlranba da doutrina earbiaa
ges absurdas,
m
O ministro e secretarlo de estad dos
estrangeiros dos Estados -Unidos dirigi a i
carta ao ministro da marinha.
Secretaria de estado, 17 de jaabo da Mf&
Ao Sr. Gedeon Weiles, ministro da manaba.Se-
nhor : Tenho a honra de vos aformar aa a mi-
nistro dos Estados-Unidos resides* em Fraaga, aar-
ticipou a este ministerio qoe o forera 'ett ame
suspendeu todas as restriego rrrrntrairmiin im-
postas por elle as relages martimas case es Esta-
dos Luidos. Tenho a satisfacao de vos iafniiii
igualmente de que soube pela mesma *m aaeoes-
ca que o governo imperial da Praaea reabram ase
revoltosos des Estados-Unidos o carcter de
gerantes qne al agora reconbeeera, e jae
resoluges foram inspiradas ao govereo
um desejo sincero da fazer revivar a l_
patinas existentes enlre os doos povos,
resses recprocos como as soas tradirdo lsese a
ter relages em extremo cordiaes.
Perraitia-me qoe insista sobre a importas* ja
ba em serem commuoicado ues tarto
de marinha, a qoem isto se refere Teas)
ra, ele. WUliam H. SewmL
'.<
A gomma arbica
clda, que deriva o seo nome de
melro importada, otas qoe
paizes.
O Mxico possae ama
arvore de gomma denominada _
dnz botdes com qoe se te tala.
Se por acaso algara insecto te ene banco a'<
arvore, ou que algora homem Ibe tea ame
em qualquer d'estes casos/corre da
quantidade de gomma, qoe se
pouco encommodo em qoatqjaer
Esta arvore muito com
na, na California inferior e aas arorimta
trionaes do Mxico.
A pelle da fava comida ao sea sota
em assucar.
O boto nao s bom para
para fazer pao, quaado est acece a r
rinha, e os indios o i
Como maMe aotriiivo, dase ase
lagar de milho ou de ave.
No valle de Colorado os
botdes para o invern, a
cousa durante aqoeila
A raesquite produz orna'lio,
de botdes, qoe os secs ramos se'
com o peso.
A madeira de raesquite lasa aa
ciavel, qne a de se qoeimar aat
de dar moito mais calor do ojee
qualidade de madeira.
As einzas de mesqoiie team
ras ^ mas a outros rcipswss s
te nao presta para nada, per e
dro, e nao pode servir para
PERrtAMUCW- fii. H f. fti #.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC9XOGQ73_T9I37U INGEST_TIME 2013-08-27T20:45:07Z PACKAGE AA00011611_10751
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES