<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Saturday, August 19, 1865 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10746

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Saturday, August 19, 1865

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10746

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10746

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Saturday, August 19, 1865

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10746

Full Text
,
>
ANUO ILI, MMEBO M
Por qnartel page dentro de 10 das do 1, mez . : i . 8|0OO
dem depois dos l.' 10 das do comecoe dentro do quartel. . 61000
Porte ao cerreio por tres mezes........... : 780
4
SAMADO 19 DE AGOSTO DE 1865.
Por anno pago dentro *e 10 dias do 1. mez
Porte ao correio por um air."9 ./...
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr..Antonio Alexaodrino de Lima;
Natal,o Sr. Amonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. do Lemos Draga; Cear, o Sr. J. Jos-i Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
driues; Para, os Srs. Heraldo Amonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Uartins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e. estagSes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e facarat, uas tercas
feiras.
Pud'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quamsj
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s tO horas.
Jolzb do commercio: fegundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira
dia.
Segunda vara do civel:
hora da tarde.
vara do civel: tercas e sextas ao meio
quartas e sabbades a 1
EPHEMERIDES DO MEZ DE AGOSTO.
7 La cheia as 3 h., 9 m. e 34 s. da m.
13 Quarto ming. as 7 h., 22 m. e 28 s. da t.
l Lna nova as 4 h., 37 m. e 34 s. da m.
29 Quarto cresc. as 9 h., 29 m. e 46 s. da m.
DAS DA SEMANA.
14. Segunda S. Euzehio presb.; S. Demetrio m.
lo. Terca efr Assumpgo de Nossa Seuhora.
16 Quarta. S. Hoque f.; S. Diomedes medico.
17. Quiula. S. Mamede ni.; S. Liberato m.
18. Sexta. S. Jaciutho; Ss. Lauro e Floro mra.
19. Sabbado. S. Luiz f. b.; S. Tecla m.
20. S. Joaquim pae de N. Senhora ; S. Samuel prof.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 m. da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o n^rtn
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 11 dos mezes de Janeiro, marco, if.an.-,
julho, seteml.ro c ooveml ro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figoeiroa i*
Faria & Filho.
PARTE QFF1C1AL
. - -
GOYKBft !U PROVWtiU.
Expediente du dii 16 de agosto de 186.
Otlioio ao Ex'i>. presi lente da provincia de Ser-
gipe.Accuso recebido com o ollleio de V. Exe.
de 27 de julho ultimo, dous exemplares da collec-
go das leis promulgadas nessa provincia no cor-
rente anno.
Dito ao raarechal de carapi commandante das
armas.Providencie V. Exc. para que o comman-
daute superior da guarda nacional deste municipio
tenha conhecimenlo do alistamento de lodos os
guardas nacionaes nao designados anda pa a o
servico da guerra, que se apresentarem para ser-
vir no corpo de voluntarios da patria que se est
orgaoisando nesta capital.
Dito ao mesmo.A' V. Exc. seapresentar, para
ser alistado no corpo de voluntarios da patria, o
estudaute do primeiro anno da tacnidade de direi-
to Antonio Pereira de Valladares, que se offereceu
para servir na lula em que se acha empenhado o
imperio.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. alistar como
voluntario da patria a Polycarpo Jos Rodrigues de
Miranda, Francisco Tbemoleo Cesar e Hermilo Au-
reliano Chaves de Souza, que se offerecem para
marchar para a guerra.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. alistar no cor-
po ile voluntarios da patria, os acadmicos Floria-
no Jos de Miranda, do Io anno, Pedro Baptista de
Mor es Reg, do 2, e o estudante Manoel Joaquim
Alexandrino de Andrade, que se offere eram para
servir na guerra contra a repblica do Paraguay.
Dito ao mesmo.MauJe V. Exc. alistar no corpo
de voluntarios os acadmicos los Joaquim Ramos
Ferrara, do 5. anuo, e Pedro Eugenio de Cerquei-
ra Lima, do 1.*, os quaes se offereceram para ser-
vir na lata contra a repblica do Paraguay.
Dito So mesmo. Pelo offlcio de 10 do crrante,
sob n. 1337, fiquei sciente de haver V. Exc. na
mesma dala assumido o commando das armas des-
ta provincia, para o qual ra nomeado por decreto
de 21 de jaueiro ultimo, e do zilo e dedicago de
V. Exc. pelo servico publino, esparo urna efieaz
coadjuvaco a minha admiuistragao.
Dito ao mesmo.Sen Jo approvada pelo governo
imperial, segundo foi-me declarado era aviso de 28
de julno ultimo, a deliberago desta presidencia,
mandando rescindir o contrato celebrado com o
padre Manoel de Sama Anna Luz para capello da
enfermara militar, em razo de achar-se muito
reduzido o numero de doentes ; assim o coinmuui-
co a V. Exc. para seu coiihecimeato.
Dito ao mesmo.Haja V. Exc. de informar sobre
o que pede Tiburtino Lino de Siqueira no incluso
requerimento.
Diio ao mesmo. Aprsenlo V. Exc. o estu-
dante do 5.* anno da faculdade de direilo Pedro
da Cunha Bel t rao de Araujo Pereira, que se offe-
rece para alistar-se no corpo de voluntarios da pa-
tria, que se esta organisando nesta capital.
Dito ao mesmo.Aprsenlo a V. Exc, para se-
rem alistados como voluntarios da patria os 1" e
2." sargentos do 1." batalho de artilhana da guar-
da nacional deste municipio. Genuino Xavier da
Silva Bastos e Joo Gualberto Correa, que se offe-
receram para marchar para a guerra.
uilo ao mesmo.Para satisfacer a exigencia do
aviso da repartigo da guerra do l." do correte,
remetta-rae V. Exc. a certido de assentamento do
soldado addido a compaohia de cavallaria desta
provincia Manoel Feliope de Oliveira, e bem asslm
O termo de inspecgo de sade, a que foi elle sub-
mettido.
Dito ao mesmo.Desejando o governo imperial
ter conhecimento dos nomes e estado das familias
dos olDciaes do exercito, que leem fallecido na de-
feza do paiz, cuinpre que V. Exc. ministre, para
serem remeltidas secretaria d.i estado dos nego-
cios da guerra, coio se exige no aviso circular de
8 de Julno ultimo, as necessarias informad-oes a
respeito daquella-. que, residodo nest provincia,
se acham em taes circumslancia*, devendo V. Exc.
continuar a assim pr ceder, com relago s fami-
lia dos offlciaes que para o futuro vierem a falle-
cer na sustenugao de to nobre causa.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
alistar como voiuutario da patria, o paisano Joa-
quim Prxedes Mirtyr Virgem, que para- isso foi
apresentado pelo commandante do presidio de Fer-
nando, com ofBcio de 10 do crreme, sob n. 276.
Dito ao mesmoConstando, de offlcio do com-
mandante do presidio de Femando do 1.* de julho
ultimo, sob n. 244, que no dia anterior fallecer
all o tambor do i. batalho de anilharia a p Do-
mingos Jos de Gusmo, em conseqneocia de um
desastre, assim o communico a V. Exc. para seu
conhecimento, preveniudo-ojde que o auto de vis-
tura e certido de bito do mesmo tambor, foi na-
quella data remedido a esse commando ue armas,
segundodeclara o citado offlcio.
Dito ao mesmo.Providencie V. Etc. para que
sejam aquartelladus na fortaleza das Cinco Pomas
os voluntarios da patria que se vo alistando, em
quanto se hzem os eoncertos do qjirtel do Hospi-
cio, que acabo de ordenar.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Expega V. S. suas ordens para que seja novamen-
le recolhida ao cofre dessa thesouraria a quanlia
de 405000, que fra por ella abonada para paga-
mento do premio ao grumete Jorge Tavares da
Silva, que deixou de seguir" para a corte, bem
como da gratificago ao engajador, conforme de-
clara o capito do porto em offlcio de 10 do cor-
rente, sob n. 134.Commuuicou se ao capito do
porto.
Dito ao- mesmo. Transmiti por copia V. S.
para seu conhecimento, o offlcio de 31 de julho
ultimo, em que o inspector do arsenal de marinha,
communicou a presidencia, que para cumprimento
do disposlp no aviso da repartigo da marinha, de
14 d'aquelle mez, passava a admittir as. obras do
mesmo arsenal alguns carabinas, ferreiros e mator
numero de pedreiros e serventes, bem como o
apontador que servia em ditas obras.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. -
Tendo a junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia, segundo me communicou o respectivo
provedor em offlcio de 12 do correle, sob n. 327.
de dar principio as obras de que iraiam os 1.,
2." e 3." do art. 25 da le do ornamento vigeute,
autoriso V. S. a mandar entregar ao the^oureiro
da referida Santa Casa, a quantia de 10:000*000,
votada nos mesmos paragraphos. Communicou-
sa ao Exm. desembargador provedor da Sania
Casa.
Dito ao mesmo.A cada um dos alteres noraea-
dos para o corpo de polica, Manoel Luiz de Sl-
queira e Baziiio Rodrigues de.Seixas, mande V. S.
adiaotar a importancia de um miz de sold para
Ibes ser descontado pelaS-' paiie do mesmo sol-
do.Communicou se ao commandante do corpo de
polica.
Dito ao commandante suprior da guarda na-
cional do Recife.Tendo sidoNnlgado apto para o
servieo da guerra, o paisano FrVpcisco Romao da
Silva, que o guarda do 6.* bataltmp de infanlaria
deste municipio Antonio Joaquim Gongalves de
Mello, offereceu para substilul-lo n'aquelle servico,
naja V. S. de mandar apresentar o referido paisa-;
no ao marechal commandante das armas, alim de i
ser alistado no contingente de guarda nacionaes.
Dito ao mesmo. Tendo-se apresentado para se.
alistar no corpo de voluntarios da patria, alguns
guardas nacionaes ainda nao designados para o
servico da guerra, julgo conveniente declarar a
V. S. que taes guardas Acara desde logo desligados
dos seus corpos, e que nesta data providencio para corte a Si moa de Sena, idade 15 annos, filha do gir todas as atiencdes dos bons subditos do mclhor
ler V. S. conhecimento do alistamento d'aquelles, anspecada do predtto batalho Jos Pereira de dos mouarchas.
guardas, e dos mais que se forem alistando. |Sena. E, assim proel?
Expediente'do secretario do governo.
Dito ao commandante do corpo de polica.
Fago apresentar a V. S. para ser alistado no corpo
sob seu commando, o voluntario Joo da Costa
Monteiro, se fr julgado apto para isso em inspec-
co de sade.
Dito ao mesmo. Visto que o paisano Deodato
Ribeiro Paz de Aquino, foi julgado apto para o
servigo em inspeceo de sade, segundo consta de
sua nfonnafo n. 734, desta data, pode V. S. acei-
ta-lo em substituido ao soldado do corpo sob seu
commando Francisco Ramos da Cruz, a quem dar
baixa do servico.
Dito ao mesmo. Mande V. S. rbrir assenla-
menlo de praga se fr julgado apto para Isso em
iuspecgo de sade, ao guarda da alfandega Fran-
cisco Joo Lins, que se elfereceu para servir no
su I Cumo praga do corpo sob seu commando.
Dito ao me mo.Mande V. S. alistar no corpo
sob seu commando, visto que, segundo o seu offl-
cio n. 733 desta data, foram considralos aptos
para o servigo em inspecgo de sade, os paisanos
Antonia Hardy, Francisco Joo Lins e Antonio
Arthur Moreira de Meudonga.
Dito ao director das obras militares. Tendo de
ser alojado no quartel do hospicio o batalho de
voluntarios, que se est organisando, recommendo
a V. S. que mande examinar com urgenc-a os eon-
certos indispensaveis de que precisa aquelle
quartel, e ni8 aprsente o orgamenlo da despeza i
a fazer-se com os referidos eoncertos.
Dilo ao mesmo.Approvando os 4 orgamentos
na importancia de 1:332240 rs., para os eoncer-
tos precisos nos quarleis da cavallaria, da Soleda-
de, das Cinco Ponas, e no em que se acna a forga
da guarda nacional, queso destina a guerra, assim
o declaro a V. S.,recommendandolhe que a res
< aos >rs.
proclamando
commandantes
Vicente rorreira da Rocha, Pernambuco.
Ricardo Jos Teixeira Filho, Piauhy, 2 anno.
Alfredo Teixeira Mendes, Maranbo, 1.
Angelo Jansen de Castro Albuquerque, Pernam-
buco.
Jos Pereira Arantes, dem.
a guarda nacional, ordeno
de corpos e companhias
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazenda. 1ue- depois de nda* frente dos mesmos corpos,
O Exm. Sr. presidente da provincia, manda i*nu>a,proclamago e circular de 24 de jullio ul
transmittir a V. S. as 8 inclusas ordens, sendo 6 '<". como os lecretos ns. 3,504, 3,503, 3,506, do Jos lvsio"de*Ca7vaho'routo dem T
do tribunal do thesouro nacional, sob ns. 91 a 95, andante mez, se faga por todos os meios possivels, Rodolfo Serio Ferroli \tapni?ii!
e 97, e dnas expedidas pelo ministerio da guerra convencer a todos e a cada um guarda de per si, a Jos Jorge do"squeira Fiiho Sereme 2
em 26 e 3ide julhoulllrao, bem como dous officios urgente oeeessidade d* acompanharraos o nosso Prxedes Theodulo da Silva' Pirahh'a *
da directora geralda guerra datados de 25 e 28 do defensor perpetuo, no santo empenho de salvar o loio Mara Lisboa Jnior Rio de Janei'ro
citado mez de julho. pa.z; e bem assim a gravidade das penas contra ; Nicolao Rodrigues da Cuha Lima l'er'namhncn
Dito ao Dr. Virginio Carneiro da Cunha e Al- aquclles que, rebeldes as leis da conservado e da | 2. K lernambuco'
buquerqne. De ordem de S. Exc. o Sr. presiden
te da provincia, aecuso recebido o offlcio em que
V. S. participou ter reassumido o exercicio do seu
care no dia 1 do corren te.
Despachos do dia 16 de agosto de 1865.
Requerimentos.
Antonio Joaquim dos Santos Andrade.Informe
o Sr. inspector da thesouraria da fazenda.
Anacleto Publio de Moraes Carvalho.Informe
o Sr. director da instrucgo publica.'
Alferes Felippe Gomes Barbosa.Informe o Sr.
n^'n lT;L0nal' Se .*cusarem ao lmais insto ?e Venancio de Oliveira Ayres, S. Paulo, 2.
todos os deveres soc.aes ; ua certeza de que, nao Antonio Martlns "
pretendo transigir se nao naquelles casos excep- \ buco 4*
tuados por sua natureza e rondicao.
Henrique.-A"
c bri-
da Cuoha SoutoMaior, Pernam-
mine o ^BtSL Va 3 ^T ^ *M,m ,me Pr0' lo^'"> P^ira da Silva Gniraaraes, Ceara, 5'.
nuncio, nao devo todava deixar de applaudir o Francisco A!
louvavel comporlamento do
Llvino Vieira de Macedo Lima, Alagoas, 5*.
\jreira da Silva Gniraaraes, Cear,
Alves da Sllveira Brlto, Sergipe, i:
.. capito Francisco Luiz Junas Polycarpo de Ficueiredo Pernamlmco
SfezzffttSzdo 9; b2ta,hio' p,ei -va,d ssksxsSs^
v ,m Ze' e melhor dtmPno de seus de- Francisco Xavier Camello Pessoa, dem.
, ,., ., s Gongalves da Rocha, idem, !
s de assim pro- Thomaz Coelho de Gusmo, Alagoas.
Possa cu
commandaute superior da guarda nacioual do Li-. Jjf?^ cointu a offlcialidade, como seria para de- Agesao Pereira da Silva, Piauhy, 2.
mSs^issst9mtmm de Mqtterqw' loHaHIE^^"^' pernambac-
Esta conforme.-O capito secretario geral, Jos Caetano Francisco Darles.
Ge, aldo de Urna. Eula|io da Sj|va |)ahano
^^m^i^^^m Manuel do Nascimenlo Feito-a.
Para a companhia de zuavos offereceram-se
os Srs. Nilo Eleuterlo de Macedo e Quirino Joa-
I quim Jos do Nascimento.
I Para marchar para o sul em qualquer corpo,
\ offereceu-se o Sr capito da guarda nacional, ad-
dido ao 3. batalho de reserva deste municipio,
nioeiro.
Felippa Antonia Maria.Informe o Sr. Dr. chefe
de polica.
Irmandade do Senlior Bom Jess das Dores, em
S Gongalo.Informe o Sr. inspector da thesoura-
ria provincial.
Januario Alves do Nascimento.Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
Joao do Prado Martins Ribeiro JniorInforme
o Sr. commandante superior da guarda nacional
do municipio do Recife.
Jos Joaquim de Sant'Anna.lodeferdo.
Joo Jos dos Prazeres.Tendo o supplicaote se
PERNASffRUCO.
peito dessas obras observe as disposigoes do art. 12 "do *V*?tX Pafa SerV'5 "'!
in rooniumantn h jo j ;u,V io;i o.____valece a isengao que allega.
HBVISTi S)lAaA.
A guarda nacioual foi instituida nao s para de- Joaquim Aibino'de'Gusmo!
do regulamento de 18 de julho de *18a4.-Ficam
deste modo respondidos os seus offlcio de 11 do
crreme, sob ns. 37 e 40.
Dito ao Inspector do arsenal de marinha.Pela
ieitura do ^eu offlcio n. 940, de 31 de julho ultimo
fiquei mteirado de que V. S para cumprimento oo
disposto no aviso da repartigo da marinha de 14
d'aquelle mez, mandara admittir as obras desse
arsenal alguns carapinas, ferreiros e maior nu-
mero de pedreiros e serventes, bem como o apon-
tador que servia em ditas obras.
Dito ao mesmo. Mande V. S. alistar na compa-
nhia de aprendizes marinheiros o menor Pedro
Nolasco de Souza, que para isso me foi apresenta-
do pelo commandante de presidio de Fernando,
i com offlcio de 10 do correte, sob n- 276.
Dito ao mesmo Mande V. S. alistar na com-
panhja de aprendizes marinheiros, o menor Se-
bastio do Araujo Lins, que para esse fim me foi
enviado pe > commandante do presidio de Fernan-
do, com offlcio de 10 do correte, sob n. 266.
Dilo ao mesmo. Recommende V. S. ao com-
mandante da companhia de aprendizes marinhei-
ros, que, em conformidade
imperial, commu
marinha de 26 de
seguir na primeira
direegao da mesma companhia incumbida ao aju-
dante dessa inspecgo
Dito ao mesmo.-Mande V. S. alistar na compa-
nhia de aprendizes marinheiros, se estiver as con-
digoes do respectivo regulamento, o menor Manoel
Alves Bezerra, que para isso me foi apresentado .
pelo Dr. ebefe de polica com offlcio de Boje datado ma,s ^'"P0 de,xar de. Proclamar a guarda naci-
sob n 1165 nal sob meu commando superior, acompanhada da
' Dito ao mesmo. Fago apresentar a V.S., para ordei" do da de aQle noDltm> .ue ludo Por C0P'a
ser alistado. Jos Ramos dos Prazeres na companhia reSt. "L,; XC\. ,-, a i
de aprendizes marinheiros, no caso de estar as NeMa dala co de partida para a villa de Igua-
condicoes do respectivo regulamento. I rassu a,fim de Promover, de accordo com os com-
Dito ao director do arsenal de guerra. Deter- : m"1""; dos corpos daquelle municipio, tudo
. aviso do ministerio da guerra de 26 de ^un, ,u,r PSSlve conseguir em favor da guerra,
julho ultimo, que se foroeca pr esse arsenal o lar-1 J? " ludf ,0 le'"P0S. Pr,me,lro dtVtir do 01"
damento e o mais que for re.misitado pela pies. dado foi_ acudir a voz de seus legtimos chefes,
ni;.iu que allega,
Tenente Joaquim Felippe da Costa.Passe por
(aria concedendo mais sefs mezes de licenca.
Joo Correa de Lima.Recolha-se ao quartei do
contingente, onde opportuoameute ser inspeccio-
nado.
Bacharel Maximiano Francisco Duarte.Passe
portara concedendo um mez de licenga com ven
omentos.
Manoel Joaquim de Sant'Anna.Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional dos mu-
| nicipios do Bonito e Caruar.
Maria de Sant'Anna de^eSus.Indeferido, visto
ter-se realisado o casamento do supplicante depois
da sua designago para o servico.
Manoel Barbosa Cacimiro.Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional do munici-
pio de Caruar.
Pedro Ferreira dos Santos.Informe o Sr. direc-
tor do arsenal de guerra.
Viuva de Jos Mamede Alves Ferreira.Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
fender o paiz, mas anda para servir em circums
cias extraordinarias da guerra.
Isto qne urna consagragao da lei, que deu Ihe
forma, nao ha de ser desconhecido guarda na-
cional de Pernambuco, que sem duvida aecudir a
esse servgo, como o tern feito as demais provin-
cias do imperio.
A provincia de Pernambuco foi sempre aquella
que lomando a frente de todos os niovimentos do
paiz, ha enriquecido por seus fetos gloriosos as pagi-
nas da historia patria, nellas e-crevendo em letlras
indeleveis as tradigSes mais importantes. E, pois,
na situago que as circumstancias crearam ao
paiz, boje que o estraugeiro pisa com profanagao
sacrilega o solo brasileiro, nao se deixar licar,
na Capua de seu passado, enervada na contem-
placao de amigas glorias, quando Bovas Ihe ac.e-
nam com a conquista, que exaltando os nimos,
mais patenteara o patriotismo de seus lilbo*.
Com effeito, a voz do Brasil reba desde o Prala
at ao Amazonas, pedindo justa vinganga aos as
cidos em seus campos ; e a essa voz os tilhos da
America brasileira nao tem que quedarse na in-
diflerenc, e antes devem acercar-se do pavilho
que foi saudade pela priineira vez nos paramos do
...,.- -|i*v i'j* -'irm" |i':u |l! Huella YC4 UU3 UflalUlM uu
nWi .m *r?s,rH2 ^auM Ao u>nto sapeHor da guarda naeinnal Ypiranga desfraldando ai auras da liberdide, gran-
le ulho m,,mo estela oro noto a Jos municipios de Olinda e Iguarass', em 16 de de corao, Pvo 'lue. /yinbolieava, e magestoso
, .. - T.' ?:? p T t,; ld a, loe-i : como o faci que entao se mscrevia no mappa das
ra occasiao para a corte, ficando a agosto ue laoo. nacSes
Illm. e Exm. Sr. Tendo lomado na devida con- E" esle o caminho da honra e da gloria,
sderagao as tristes emergencias da guerra em que ; ela a senda da dignidade nacional,
toda a uago se acha empenhada ; com a leitura E a honn.e a gloria, e a dignidade nacional re-
da circular de 2* de julho ultimo e dos decretos. sume-se na salvacao da patria com o reslabeleci-
3,504, 3,505, 3,506 do andante mez, nao pude por
minando o aviso do ministerio da guerra de 26 de
>e
que for requisilado pela pn
deucia do Rio Grande do Norte para a guarda na-
cional, que aquella provincia compele dar as ac-
tuaos circumsiancias; assim o declaro a V. S. para
seu couhecimento e devida execucao.
Dito ao juiz de direito Trislo'de Alencar Ara-
ripe. Transmiti a Vmc. a inclusa portara do i
do crreme, que Ihe dirigida pelo Exm. conse-
Iheiro presidente do supremo tribunal de justiga,
sobre a reclaraaco de aotiguidade do juiz de di-
reilo Jos Norberto dis Santos. Igual aojoiz de
direito da primeira vara.
Dito ao Dr. promotor publico da comarca do Re-
cife.Remetiendo inclusas por copia, nao s o offl-
cio de 10 do crreme em que o commandante do
presidio de Fernando communcou-me o assassina-
lo do sentenciado Manoel da Silva Machado, per-
petrado pelo de nome Manoel Sabino da Costa, que
veio para esta capital e se acha a disposigo do Dr.
chefe de polica, mas tambera a parte e auto de
corpo de delicio a que allude o mesmo comman-
dante, tenbo a recommeniar a Vmc. que proceda
contra o criminoso como for de lei.
Dilo ao chefe da repartigo das obras publicas.
Achando-se concluidos, segundo me communi-
cou o director da escola normal em offlcio de 14
do crreme, as divises mandadas fazer no pala-
cete da ra da Praia, para onde se lem de remover
a mesma escola, auioriso Vmc. a mandar fazer a
pintura precisa no mesmo palacete. Communi-
cou-se ao director da escola normal.
quanio nao sobe de ponto sendo chamado pelo go-
verno imperial o seus delegados, para salvar a pa-
tria da iovaso de urna horda de barbaros ?
Assim, descance V. Exc por este lado da pio-
viucia, ua certeza de que, nao pouparei todo e
qualquer sacrificio para acudir de prompto aos nos-
sos irraos do sul, ern o nobre empenho de debellar
o inimigo commum, que j invade o nosso terri-
torio.
ment do seu lustre, um pouco embaciado pelo ha-
blo impuro do paraguayo, soprado era seus feriis
campos, em um momento de abandono de seus
filhos.
E a guarda nacional de Pernambuco nao estar
compenetrada disto f
Tera' ella apostatado da religiao sublime do pa
ti iotismo ?
Nao de cr-lo, apezar desse relrahimento que
se observa, e que talvez prenda-se causas, cuja
O Sr. Joao Ferreira de Lima offereceu-se para
alistar-se no corpo de polica.
Offereceu se aule-houicm ao Exm. Sr. conse
Iheiro presidente da provincia, para alistar-se no
3o corpo de voluntarios da patria que se est orga-
nisaado nesta capital, o Sr. alferes do 6* batalho
da guarda nacional Custodio Floro da Silva Fra-
gozo.
O acto do Sr. alferes Floro digno de elo-
gio na presente quadra, em que se acha empenha-
da a honra c dignidade da patria ultrajada.
Surdo aos seus commodos, e ouvindo smente o
orado agonisante da terra que Ihe deu o ser, o Sr.
alferes Custodio Floro nao olvidou abandonar mi,
mulher, raos e amigos sinceros.
Oxala possa o acto do Sr. Floro achar echo no
coragao de oulros Srs. offlciaes e pragas, que de
certo nao deixaro desecunda-lonesse magnnimo
empenho.
Offereceram-se tambem para alistar-se no
corpo de voluntarios da patria os seguintes se-
nhores:
Francisco Paes Brrelo, filho do Sr. Estevlo Jos
Paes Brrelo e nelo da Exma. marqueza do Re-
cife.
1 tenente do batalho de artilharia da guarda
nacional Jof Joaquim Lopes de Almeida.
Geraldo Manoel de Lyra.
Antonio Tristo de Serpa Braodo Jnior, acad-
mico do Io anuo.
Antonio Caetano da Silva e Soma.
Concedeu-se portara para promover o alista-
mento de voluntarios da patria ao Sr. Jos Muniz
de Almeida.
O emprezario do Santa Isabel convidou a dis-
tincia offleialidade da corveta Stephania ah'm de
assistir ao espectculo de hoje, pondo sua dispo-
sigo o do Sr. cnsul portuguez varios bilheles de
camarote.
E' urna cortezaoia que revela o cavalleirismo do
Sr. Coimbra, que sem duvida sera' honrada com a
presenca dos seus convidados.
- O Sr. Duarte Coimbra, em manifestado de
remocSo nao seja difflcil de praticarse com boa von-: aprego ao acto patritico do corpo acadmico, por
tade da parte de seus chefes.
A nossa vida em todos os seus ramos pralicos'
lem-se manifestado como que actuada pelo exem:
p;o, que vem de cima. Aproveile-se, pois, essa pre-
disposigo ; incaininhe-se tal tendencia, que tudo
estara' vencido por urna impulso natural, sempre ;
dcil semelhante influencia.
O Exm. Sr. conselheiro Paranagu, com a illus-
tracao e o criterio de que dotado, ja deve ter '
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. consc-1 apreciado em seu alcance total este perfil de se-
Iheiro Joo Luslosa da Cunha Paranagu, digmssi-
mo presidente da proviucia.Joaquim Cavalcanli
de Albuquerque, commaudanle superior.
FBOCLAMQO.
Cidados guardas nacionaes I E' chegado o mo-
mento mais opportuno de comprovardes vossos
brios marciaes
O governo imperial, tendo assumido o compro-
misso de por termo, quanlo antes, a mais ignomi-
niosa guerra que paiz algum ha arrostrado, invo
cando o voseo patriotismo, confia ser de prompto
soccorrido com a vossa presenga nos campos do
Rio Grande do Sul, para alim de unidos aos nos-
sos irmos de armas, repellirem o inimigo com-
mum, que ji tala o solo brasileiro I
E quaudo ? Na mesma occasio em que o nosso
melhante situago ; e aproveitando o, pode em
pouco fazer marchar os corpos da guarda nacional,
sem carecer do emprego de meios coercitivos.
Mas, no enlamo, para a inaego que notamos,
outras causas concorrem tambem, nao sendo de
intermedio do Exm. Sr. conselheiro Loureiro, poz
dposice dessa mocidade briosa 12 bilheles de
camarotes de 2' ordem, afim de honrarem o espec-
tculo de hoje com a sua assistencia ; e o mesmo
censelheiro, como orgao aub-risado daquellesjo-
vens, dlgncu-se de acceitar to gracioso offereci-
menio.
Sempre enthnsiasta das aegoes elevadas, o Sr.
Coimbra nao cessa de demonstra-lo por fados elo-
queotes.
Entre os alistados no 3" corpo de voluntarios
ante-h intem sobresaho o Sr. Manoel Accioli de
Moura Gondim, que o terceiro irmo que corre
ao reclamo da patria, pois j dous existem nos
campos do sul fazendo parte do .'10- batalho de
Iflaha a referida lapida para ser conservada no mu-
sen deste Instituto.
Sala das sessoes do Institu.) Arebeoiofico e tim-
graphico Pernambocano, em 17 de agosto de 18(5.
-Salvador Henri-|oe de Alboquorqae.
E' discoiida e approvada a indi.-arao, deliberan-
do o Instituto que ae offiViasse ao Exm. presdanla
da provincia pe-Jiodo-lbe a mencionada lapida.
Lma proposta lembrando vanos seohores para
socios correspondemos assignada naba Srs. padre-
Lino do Monte e major Salvador "
commisso respectia.
A copia da escripiura de conseotmento
gaeao assignada pelo proprieUno Amonio Rj
para a conservaco da lapida commemorativa de
Joao remandes Vieira, em Olinda, a qual renet-
liJa pela commisso de Irabalhos historeos e ar-
cheologico.Para o archivo.
Dez nmeros do Diario de Pernambuco. com-
nuagao da offerta do Sr. comm^ndador Fifrueira.
Recebidos com agrado vo para o archivo.
O Sr. mjor Salvador II mrique, obleado a pala
vra faz a leitura do segninle relalorio :
A commisso de Irabalhos histricos e archeo-
*F a'" a hnra dtf reliUr M ln*lilnto que, no
Hala do correnle, pouco depois de meio dia, foi a
lapida commemorativa de Joo Fernandos Vieira
collocada na frente do sobrado em ana h.l.iioa e
milenta aquello hroe, na roa de S. Beiu> da ci-la-
de de Olinda.
De conformidade cora o que deliheron a Instituto
em sessao de 19 de Janeiro desle ano foi previ i-
mente lavrada a escripiura de cunseolimealo e
obngagao. que assignoo no dia 8 do correte, o Sr.
Antonio Ramos, actual proprieUno do mencionado
sobrado.
Nao pode a commisso deixar de mencionar nes-
te lugar com a maior satisfaco, o louvavel e ge-
neroso procedimenlo que leve o referido proprie-
lario em sem ^liante empenho, na execoeao do qoal
e" foi alm do que era de esperar-se; prestando
nao s o seu coosenlimento, como coadjavando pes-
soalmenie a commisso, quero acoropanh-o at
Olinda para facilitar os trabalbos da eolloeac da
lapida. Por esle procedimenlo pois, a commisso
desde j propoe um voto de agradecimeoto ao dilo
Sr. Antonio Ramos.
Anda tera commisso o prazer de relatar ao
Instituto que, o acto da eolloeacao da lapi-ia nao
passou desapercebido em Olinda os seus habitan-
tes nao foram indifferentes a esta prova de venera-
gao que o Instituto acaba de dar a memoria do in-
victo restaurador de Pernambuco.
Nosso socio correspondente o Sr. Dr. Jos Car-
doso de Queiroz Fonceca reunido a outras nanitas
pessoas gradas alli residentes, acompanharam a
commisso e fizeram comparecer no logar da eoi-
locago da lapida, urna msica marcial, que com a
harmona de suas variadas pegas lornoa o acto
mais solemne e agradavel. Sao pois aqnelles >--
nhores dgn< s de loovor e agradec memo por '"
exuberante prova de ajpor e de venerado pe
gloras patrias.
Finalmente, a commisso condue declarando f
ser lhe-ha sempre grato o momento ero que pos.
assignar o Instituto que se acham cumpridas a>
suas deliberacoes.
Sala das sessoes do Instituto Arehenlojrico Geo-
graphica Pernambucano, 17 de agosto de 1865.
Os membros da commisso, Salvador Henrique de
Albuquerque. Padre Lino do Monte Carroello
Luna.
menor nteresse o seu estudo ; porque delle decor-! voluntarios da patria, que o I*desta provincia,
re o conhecimento delido de suas relages entor- i O digno pa destes mancebos, que bem compre-
pecadoras; e chegado a este ponto, a providencia | hende o que impoe o nome de Pernambucano, le-
obvia-se, e a consecugo do desidertum nao pode
demorar-so.
A guarda nacional em sua generalidade com-
p5e-se he artistas, e, com pequea excepgo, todos
sao casados.
Aquelles que mais aptos estariam para o servi-
go, acham na propria le, por urna sophismago,
remedio para delle se eximirem, j acudindo-se
vando-os ao cumprimento desse doce dever do ci-
I dado, tem-se por certo collocado na altura do ver-
I dadeiro patriotismo ; e acto de tamanha abnega-
go ha de abrir na historia espago a gloriosa men-
go do nome de Joaquim Elias de Moura Gondim.
excelso mo.uarcha em pessoa nao trepidou expr-se malricula em aulas publicas sem aproveitam*nto,
Finda a leitura deste relalorio, o Sr. presidente
dirige algumas palavras de agradecimeoto a com-
misso.
O Sr. secretario perpetuo obtendo a paUvra, faz
a leitura de urna indicago em qu a commisso de
tralhos histricos e archetilogicos propoe on* roto
de gratido ao Exm. monsenhor digno presidente
do Instituto, pela generosidade qoe manifeslou sa-
lisfazendo por si smenle a importaneia da lapida
commemorativa de J.o Fernandes Vi-ira : finda a
qual declara que na forma dos estatutos elle pa-
nha a referida Indicaco a votos, e verificando-se a
unnime approvacao, o mesmo Sr. secretario per-
petuo em nome do Instituto, agradece ao Sr. presi-
dente essa prova de generosidade.
O Sr. presidente declara que nada mais fez do
que o seu dever, coadjuvando o lostiiulo, a rista
dos fracos recursos pecuniarios de qne actoalmen-
le o mesmo Instituto dispe.
O mesmo seonor d para ordem do dia, irabalhos
e pareceres de coramissoes, convoca os socios para
o dia 31 do crreme, e levanta a sessao.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia visiloa
hontem o arsenal de marinha, examinando lodo
com minuciosidade.
Somos informados que o furto de eavall-x aos
arredores da povoagao de S. I, nreoeo da Halla.
tem-se tornado horroroso, pois, dealro de poneos
dias furtaram-se 14 f Onde a polica daqaella
freguezia ? Como se lilude assim ao publio e ao
governo ? A razo clara ; muila gente quer ser
delegado, tenenle-coronel, ele. para mostrar que
grande na provincia ; mas pena qoe a socindada
Hoje deve ter lugar na Faculdade de Direito, I ti pagand > duraote os effeitbs da vaidade de certos
sob a presidencia do Exm. conselheiro Loureiro, figures Nao consta ainda que o delegad-, pro-
ja soccorrendo-se ioscnpgo em profisses que a
lei isenta, sem todava delta usarera habiiualraen-
te, quando esta a condigo da isengo.
E' visto, pois. q le a forga real dessa milicia,
alm de compor se de artistas, sao estes oneraoos
urna reunao, alim de continuar o arrolamento dos
estudmtes, que se queiram alistar no corpo aca-
dmico.
Com este fim sao convidados a comparecer, de-
pois das 11 horas do da, nao s os estudanles do
curso acadmico como os de preparatorios.
Ante-hontem fun-'cionou o Instituto Archeoto-
a sorte da guerra I Seris vos tao insonsiveis ao
mais patritico exemplo subtrahindo-vos, sob pre-
textos, de tomar a devida parte na defenso de
Dito ao engenheiro fiscal da estrada de ferro. vof,sos foros> f 1u,ca de todos os brasileiros ? I
Remello por copia a Vmc. para seu conhecimento WP,IS' 1uando governo imperial, na ausencia do
eexecugo na parle que Ihe possa tocar, o aviso de chefe do esUdo, derramando com mao profusa to-
31 de julho ultimo, em que o Exm. Sr. ministro da das as va"'ageQS do decreto de 7 de jane.ro deste dellas do trabalho quot.d.ano.
agriculiura, commercio c obras publicas, nao s anno exi6e em uUirao luSar d'gnagao ou o re- E visto anda que, em face de tal, esfria o zelo,
crutameoto, crivel que pretiraes a estes em vez | e detera-se_ o patriotismo nesses coragoes, que por Campello, Soares Brando, e dos Srs.
do Monte e major Salvador Henrique.
providencia sobre o precochimento das vagas, que .
se derem as eslagoes telegraphicas, mas tambera de."Sff? da Pana ?. Na c.re.m.?s_certam_en:! '.s.t0naf. .sa?..!?da*,!^i0.0A.br*iil!.r"A."_ nem de.'
de f milias, e apenas dispem para a sustentago gicoe Geogiapliico Pernambucano, sob a presidencia
do Exm. mousenhor Dr. Muniz Tavares, e com assis-
tencia dos Srs. Drs. Soares de Azevedo, Rodrigues
padre Lino
declara que o servjgo dellas as provincias Otea de
ora em diante sugeito a fiscalisago da directora
geral de.-se ramo de servigo, eslabelecido na corte
pelo decreto n. 3,288 de 20 de junho de 1864, e
conclue exigindo urna relago dos empregados que
ser vem as respectivas eslagoes.
Dilo ao commissario vaccinador provincial.
Remello a Vmc. duas caixinhas contendo tubos de
puz vaccinieo.
Portara. O presidente da provincia, usando da
aulorisago que Ihe confere o i" arligo 24 da le
de 12 de agosto de 1834, resol ve convocar a nova
assemlila legislativa provincial para a prxima
legislatura, que tem de funecionar nos annos de
1866 e 1867, e designa o dia 7 de Janeiro prximo
viudouro para a eleico dos membros da mesma
assembla.OIBciou-se neste seutido a toJas as c-
maras.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o juiz municipal e de orphos do
termo de Pao d'Alho, bacharel Maximiano Fran-
cisco Duarte, resolve conceder Ihe um mez de li-
cenca, com ordenado na forma da lei, para tratar
de sua saude.
Bita.Os Srs. agentes da companhia Brasilei-
ra de Paquete, mande dar urna passagem de esta
te; lano mais que, dos vossos patriotismo e amor
do solo natal, cujas mais solidas rauraihas sao os
vossos pellos o os vossos bragos, aguardo a hora
do ineu bem fundado desengao.
Acreditando, pois, tudo do vosso aferr ao throno
e s insliluigoes que juramos, nao concluirei esta
sem revocar o vosso respeito e adbeso para com
os objeclos mais sagrados a todo o coragao ameri-
cano. Nossa patria Oonra e liberdade esto em pe-
rigo.
Viva a religiao de nossos pais I
Viva a nago brasileira I
Viva o primeiro monarcha da America I
Viva a briosa e heroica guarda nacional do com-
j mando de Olinda I
Quariel do commando superior da guarda nacio-
| nal dos municipios de Olinda e Iguarass', era 14
j de agosto de 1865.
Assignado Joaquim Cavalcanli de Albuquerque,
I commandante superior.
Conforme.O capito secretario geral Jos Ge-
! raido de Lima.
- 14 -
Ordem do dia n. 45.
Nos mais risonnos quadros que Ihesofferece ima-
ginago o patriotismo ; insinua-se tambem a sombra
curasse prender um s ladra > I Isto assim nao val
bem ; a autoridade foi instituida para proteger os
interesses de lodos, e nao a vaidade .le ningoem.
Estando legalmenle organisada a irmandade
de Santa Cecilia, erecta no convento do Careno do
Recife, com approvacao do seu compromiso. h>T
lugar a eleigo da mesa que lem de regereste asno
de 1865 a mesma irmandade, sahindo ei-itos ns
Srs. : Ludgero Lopes Lima, jniz ; Silvino Jos de
Mello, esenvo : Rodolpho Mamede do Amara!, lis-
cal ; Mano.-| Joaquim da Encarnacao Cosa e Ma-
noel Procopio da Conceigo, procuradores ; B nja-
mim do Carme Lopes, Candido Francisco Diaa,
Gabriel Archanjo de Azevedo, Joo Polycarpo San-
res Rosa, Pedro Alexandnoo, Joo Agripino das
Santos, definidores ; e Syinphcio da Silva Barbosa,
thesonreiro.
Remettem-nos o seguinte :
Srs. redactores.Na lista dos voluntarios aea-
xam de palpitar indignados era presenga da af- i O Sr. 2." secretario d leitura da acta da sessao
fronta cuspida ao Brasil por essa horda selvagem, antecedente que approvada.
que tala os campos do Rio-Grande e Matto-Grosso. O Sr. secretario perpetuo faz mengo do seguinte
expediente :
Um offlcio do Sr. ur. Gusmo Lobo, participan-
deprimente da familia em abandono e na carencia do que, por motivos tem djixado de comparecer s i
de ludo ; porque alm dos fructos dos seus bra-' sessoes do Instituto, e que logo que estes cessem |
gos, nada mais tem elles, e consequenlemenle nada! ser prompto em comparecer.lnteirado. i demlcos, publicada no seu Diario de hontero, bouve
tambem Ihes podem deixar nee desprendimento i Una indcago do "*r. major Salvador Henriqne: engao sobie rainha naturalidade ; pois soo da Pa-
da familia pela patria I concebida nos seguintes termos :Constando-me rahlba e nao de Pernambuco.brisan Cecilias Pn-
Ajcausa de todos; todo o brasileiro tem dever que, no campo das Princezas achava se atirada reir Jofflty.
de ufo ..Miitiir sacrificio algum; mas para e^ses! porta da cocheira de palacio urna pedra com ios- Ainda charramos a aileoco dos nossos M
desfavorecidos da fortuna a alternativa bem cripgo amiga, dirigi-rae aquelle lugar e encon-
irei com effeiio a lapida a que me refiro, lavrada
em pedra de Lisboa e com o distico seguinte :
dura.
No enlamo, nao haver meio de fazer cessar a
alternativa, concillndose os deveres do patriotis-
mo com os senlimentos da familia pela cessago
do desabrigo desta, que o phaolasraa apouquen-
tador de tantas dedlcag5es que ahi esto aperladas
por este annel fatal ?
Ha.
A guerra actual, qoaesquer que sejam as suas
consequencias definitivas, de sacrificios para o j
Brasil; e um de mais nenhuma signifieago pode
que delle ha a esperar toda a van-
Esla obra manuten fazer EIRei
U. Joao V Nosso Senhor pelo
Governador e Capito Gene-
ral Duarte Sudr Pereira.
Anno de 1731.
Convindo em todo lempo antes previnir do que' ter, ao passo
punir, havendo o governo imperial, as tristes ; tagem.
emergencias em que se acha o paiz, recorrido aoj Crese, pois, urna caixa de soccorros era bene-
do a proa, no vapor Cruzeiro dio Sn/al a Bahia,! patriotismo da guarda nacional, para reforgar o Ocio das familias de guardas nacionaes, concor-
a ex-praga do exercito Daraazio Antonio da Silva, [nosso exercito era operages, quer as campias rendo para ella os cofres pblicos com 50:0004 ou
Dita. Os Srs. agentes da companhia Brasileira do sul, e quer as margens do Paraguay, fulminan- 60:0008 como ncleo para essa formago ; proeu-
de Paquete a Vapor, mandem dar transporte de r | do penas contra aquelles que, dislembrados de seus j res igualmente o concurso de todos os borneo*
---------..--------.. a_:,..: j. _.. mi c* n., ,r,,, , ,{.,r...[.,r alia-lados da provincia, sera distinego para este
liin, que unnime ser a guarda nacional em sua
passo que faz exiensivas todas as vantagens do de- apresentago para marchar voluntariamente,
crelo de 7 de janeiro desle anno, aos offlciaes e
mais guardas que com toda a voluntanedade se
prestaren) a tomar a devida parle na debellago
do inimigo commum ; nao hesitei um s momento
appellar tambera para os bros da offleialidade e
guardas, que tenho a distincta honra de comraan-
dar, unindo s minhas as vozes do governo impe-
rial para o mesmo lira, para o qual devem conver-
para a corte, por conta do ministerio da guerra, na I mais sacrosaulos deveres, se negarem a defender
primeira opportunidade, a D. Francisca Thereza J a honra e a lotegridade deste imperio ; ao mesmo
Franga de Abreu e Joaquim Ignacio da Silva e
Abreu mulher e filho, leudo esle 16 annos di ida-
de, do major do 4 batalho de artilharia a p
Carlos Felippe de Souza Muniz e Abreu, e bem
assim a D. Anua Luiza Franga e D. Candida The-
reza Franga, irmas do 2 tenente d'aquelle bata-
lho Manoel Gongalves Rodrigues Franga, tendo
aquella 20 e esta 21 annos de idade, dando-se
igualmente passagem de proa, tambem para a
S. Exc o Sr. conselheiro Paranagu, na altura
em que se acha, com os recursos proprios de que
pode dispor na esphera administrativa, todo pode
tambem realisar.
Assim o eremos, e isto desojamos que se rea-
Use.
Para o batalho acadmico inscreverara-se
mais os seguintes Srs. :
tures para um discurso publicado na 8.* pagina,
que pronunciou o Rvm. Sr. padre Penlo Duarte
por occasio de se visitar a cov.i, na igreja do Car*
mo, do hrigadeiro Gaspar de Drommoad.
Offerecemos a leitura os seguintes extractos
da correspondencia de Buenos-Ayres:
< Ha, sem embargo, algumas provincias cajo
enthusiasmo compensa a inercia e a resistencia dias
outras. Deve citarse oeste numero a de Sania Fe.
Durante a adminislrago de Duarte Sudr Perei-' que est fornecendo contingentas socenssivos. O
ra Tibo 25. governador desta provincia, qne | seu congresso, logo que soube o oeeorrido com os
substituio a D. Manoel Rolim de Moura em novem-; Entre rianos, voloo nma resoloeao oftVrecendo
bro de 1727, mandn el-rei D. Joao V levantar i governo nacional lodos os recorsos da provincia,
urna nova cadeia, cuja obra aquelle governador e o presidente dessa assembla "'<> em nnaamleats
encarregou ao coronel Joo da Costa Monteiro, que; apreseola-la ao Sr. vice-pres. me D. Marcos
fez laogar a primeira pedra desse edificio em outu-; Paz.
bro de 1729, daodo-o por prompto em 1731. Tambem parecem bem disposlas as pequeas
E' sabido que o edificio de que se trata foi le- provincias de Santiago, Tucoman, eaoeaislon-
vantado nesta freguezia de Santo Antonio na ra ginqua de Sallo.
que bem pouco sechamava, da Cadeia Nova, con- Quem marchou em operacao especial foi o ge-
tigua a do Collegio, e que boje tem ambas o nome neral Plores.
de ra do Imperador. No da 18 parti com todas as forga* oneav
Depois da mudanga dos presos, para a nova casa taes, que constara como de 1,000 horaens. IJHt
de Detengo, foi este predio reedificado e nelle hoje Brasileiros (os batalhoes 5, 7 e o de engajados em
funeelonam os tribu mes da relago e do jury, e as MonteviJo pelo coronel Fidelis) e 900 i
autoridades de primeira instancia.
Por occasio das obras que para este fim alli se
fizeram arrancaran) a mencionada lapida e arre-
megaram-na al aquelle campo onde a encontr!.
Indico, pois, que pelos meios competentes, se ob-
Inclusive um regiment de cavallaria de
Ayres. Leva oito pecas de artilharia raladas.
< Esta marcha foi, ao que se dix, resoida, esa
urna conferencia de guerra entre os Srs. Mura, Ta-
ma ndare, Flores e Osono.
(

TTC


OlarO l Trkmhno -: Sabbado 10 de Agosto de 186*.
Evidentemente o general Flores dirige-se, pla sao detadas-M esianda da Ta*
margem direna do Uruguay, a encontra/ f bater qu- Q iercito paraguay 4ftfr. Resulta d.-llas
a columna paraguaya quu ve ni palo territorio cor- terior a villa de Iiaum" de-ocupou no da an-
nenlino, acoropanhando a invaso do Rio Grande, ao passo de Santa M- o. marcou em direejo
e esta perro do Passo dos Livres (defronte da Uro- Ibicuhy, reforjad' -ri, com animo de pissar o
guayaoa.) nhara por terr _v Com qoo boraens dos que vi:
t urna pequefti esonadYUHa b'rasileita conlpos somente 1 r lV)f\0 COrreQtino, ficando desse lado
ta de duas canhoueiras e lanchas armadas subir t T> ^ horaens.
pelo Uruguay, apoiando a expedijo que por outra nel 0^ Gorrentino tomado prisionero pelo coro-
parte Heve combinar suas oporaeoes com as forjas ^
do bngadeiio Canavarro.
Nao se pode asegurar o resullaco deste
no, nas tem todas as probabilidad s
effeito, al pela pericia do general F'
ordena do general Canavarro
sufleientes para conter a inr
Ibicuby, podiacliegar o en
rem-se collocados entre ,
pletamente perdido*
E' pois fu: il
aqu.jieesper Vsnppor a andale
aehav "m nolil"ias da spedijo.
consta qm- a columna paraguaya se
a sobreo Ibicuhy, tendo no flanco esquerdo
pretende estabel' rer, fique com effeito, como elle o Sr. D-.
.<->-

.j pii-
..e ptimo
lores. Se as
jouvesse forjas
aoos fagos, e por isso com-
cjm que
f>Tnandes declara va qne % combate ?"-''
je janho com a vanguarda paragu;rfa perdeu
sta 300 homens, e que alguns mortos mais Uve-
ra ni em urna fortajuerrlha com tropas brasileras
no dia 14.
t Accrescenlava que o exercite paraguayo se
. diriga Uruguayana, com ietenjo de reunir-
.sSo paraguaya do se no Salto com as forjas que avanjavam por Cor-
dos invasores acha- rientes.
O coronel Fernandes conservava forgasno
flanco do inimigo, e ia marchando com direejao a
Santa Hara, alim de atacar a retaguarda, de ac-
cordo com o plano do general Canavarro.
t Qual , porm, o plano do general rio gran
dense? Eis o que o correspondente nao diz, sem
.oronel Fernandos com 1,500 horaens, e pela duvida por ignora-lo ; mas tambera op^lM
frente oppondo-se Ihe a passagem daquelle rio o esperar cora impaciencia, o se algum fetc.de ar-
brigadeiro Canavarro cora 5,000. mas muito notavel nao vier 'Ilustrar o^norae do
Diz-se tambera que os Paraguayos, simulando antigo caudilho republicano nao >er* asoa pl-
qneror forjar a passagem, foram abrir um passo ricia que passara a poslendade as trombetas da
novo mais obaixo, e ja linbarn quem do Ibicuhy fama. ___j.h^.
2 000 hornero. O vapor Presidente (brasileiro) chegadohon-
E' pjvsive
guem antes de par
ja ellas me retiro.
O corpo do exercito argentin) de vanguarda,; jao
s ordens do general Patinen), recebe cada dia,
novos contingentes pelo Paran, e breve dever
declarou r.'oerta a sesso, estand >T2unidos o Srs.
desembargadores Silva Gulmar ?, Reis e Sil e .
Accioli, e os Srs. deputados Rosa, Candido Alcofo- sentido da informajao.
ralo, Basto e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
so.
Foram assignados os accordaos proferidos na se pozesse em praja para serem arremata*^ no
ultima sesso nos feitos entre partes : dia '7 do correte.
Appellante, o Dr. Felippe Nery Collajo ; appella I Ootro do procurador, comrousicando biver re-
do, Gara I do H -nnques do. Mira" cebido de Jos Antonio da Costa Sirjueit:i, o impns-
Appellautes, os administradores da masa falli- to que era elle devedorna importancia do 16("20.
da de Amorim, Fragoso, Santos i Companhia ; Despacbou se a petijo do dito Siqueira, maa-
appellado,Jos Clementino Henriques da Silva. :dandose-lhe dar baixa nacollecta.
Appellante, Estanislao Baptista Rodrigues de i Outro do fiscal do Recite, trazando ao obIu-c-
appellado, Antonio de Arru- ment da cmara que fura tapada com parede de
Soma e sua raulher
da Cmara..
JULGAMIiNTOS.
App."llante, Guilherme Jorge da Motta ; appella-
do, Joo Marlins Ribeteo.-Adiado na ultima ses-
silo.D?s|irezaram-se os embargos.
Appellante, Manoel Candido da Rocha Andrade ,
appellados, Sampaio,Silva & Companhia. Adiado
na seso anterior. Desprezaram-se
gos.
' u vapor/residente (orasiieiro) cnegauo ooii-
ou-> mais precisas noticias che- jem larde do Uruguay troiixe cartas do general
iitir o vanor e ueste caso desde Osorte, dizendo que sabia ter o general Laldwel,
0 commandante das armas do Rio-Grande, feto june-
I _? a__________ * r-----'..... i ..l II i I I .
g distante della.-Concedeu-se no atandy^gf ans^SS
DtldO da mformajao. ^'^V-s nm nao se trala'do srretAri i
Outro do mesmo reme.t-ndo os orjameotos do I OS? RXo"SM^dtar., que nao
concertos de que precisara as poniendo Rtoarlnh-, havja / recondujao do secretario/porque
fladuro, importando na quanlia dei 452*.j-^ no elle dos considerados quatriennarios/era vis
la da lei, e tendo ja um titulo, entenda elle ser
desnecessario outro, e qu* mereceodo esse empre-
gado, como merece, a conllanja da actual cmara,
nao preeisava de outro titulo; todava se a cmara
entendesse que Ibe devia dar titulo,propuoha are-
coudujao do mesmo se retario.A cmara julgou
desnecessario em vista do exposto.
Despacharan! se as pe|ft8fls do Dr. Felippe Nery
Collajo, Francisco de Assis Viegas, Guiraariies
Oliveira, Henrique Jorge,Innocencio Garca Chaves,
Jos Antonio da Costa Siqueira, Jos Luiz do Santa
Anua, Joaquim Fi^ocisco Oollires, Jo3o Ferreira
dos Santos Juuior, Joaquim Mauricio Goncalva*
Rosa, Joaquim Francisco de Paula Bsteves Cle-
mente. Joaquim Juvencio da Silva, Justino Pereira
de Farias, Luiz Florencio Pereira Braga, Luiz Gon-
jalves da Silva, Manoel Firinino Ferreira, M-noel
Fonceca de Medeiros, Jos Francisco dos Santos
lijollo uina estreita passagem que exista entre o
armazem do algodao e nm dos torreos all collo-
cados, privando assiin o transito que or alli Savia;
pede que tome ella a providencia que jolgar con-
veniente.Posto em discusso, resolveu-se autori-
sar ao fiscal que mandasse deniulir, votando con-
tra semelhante resoluijo os ms. : presidente Pe-
os embar- reir Simes e Gustavo do llego.
Outro do fiscal da freguezia de, Santo Antonio,
Appellante, o embargante 3 Joaquim Jos Fer- propondo a Epiphaoio Jos de Souza para guarda Miranda, Thereza de Jess Azevedo, e levantou-se
reir ; appellado, Joaquim Elviro Alvcs da Silva. da mesma freguezia, em lugar de Joo Jos da Fon- j a sesso.
receber un de mil a dous mil homens, que forma-
rao as de varias provincias ei nlrses reunidas no
Rosario, e ahi organisados pelo general D. Emitre
Mitre (irmao do presidente).
t Os generaes Hornos e Carores mantornase
com as forjas cerrieutinas a frente das avanjadas
paraguayas.
t O general Joio Madaringa tambera reunindo
alguraa gente e temando a si a do coronel Paiva,
hottilisra os Paraguayos do l'roguay.
Ktiihum reccontio tem ndo lugar entre qual-
quer desias forjas e as inimigas.
A respeito do exercito paraguayo de Corrien-
tes elle, conserva suas posijoes, e fortifica-as mais
cada dia.
t Cootn mesmo que fez absrraeamento de palha
ptrto oo rio Empedrado, e at cuida de fazer plan-
tajes.
Parece gracejo, mas nolicia dada seriamen-
te pelos jomaos, e qne a ser exacta mostrara a in-
solente confianca de Lop z na invencivel insisten-
cia que ha de tppor aos aliados.
Esse general presidente contina residindo na
capital de Corrientes, que tamben est fortificando.
Eis ludo quanlo ha da guerra. E' bem pou-
co, na impaciencia que natural, porm a preci-
pitajao poderla ser fatal, ao passo que com elemen-
tos bastantes os golpes ao inimigo pudem ser fataes
e decisivos.
t Um engenlieiro argentino offereceu, e foi acei-
to pelos geueraes Mitre e Osorio, um modelo de
pontes pen-is; encommendaram-se-lhe doze, que
se acham em construrjao.t
Una lei que se discute no congresso concede
una inedalha de honra ao general, ebefes, ofiBciaes
e tropa argentinos e brasileiros, que tomaram parte
no ataque de Corrientes no dia 25 de maio.
Todos os jornaes de Buenos-Ayres publicaram
o enihusiastieo recebimento que o imperador leve
no Rio Grande.
O presidente Mitre mandou 06 pntaroe, ao
juiz de paz da Federajo. e outros tantos ao de
Monte Caceros, para serem srecorridas as familias
emigradas de Haqui, que nesses povoados argenti-
nos se refogiaram.
.\o dia i'k o general Mitre passou revista a lo-
a< as forjas dos dous exercitos alliados, argentino
e brasileiro.
O priraeiro era composto de 10 batalhoes de
infautana (da guarda nacional de Buenos-Ayres e
Sania F), um corpo de artilharia e um esquadro
de eavallana, formando ao todo 4,500 htmens. Fal-
tava o bello regiment de cavallaria de S. Martim,
que e.-ta com o general Flores.
O exercito Imperial apresentou em linha como
15,000 homens, inclusive 2,(00 de cavallaria, e
faltando os LaialhSes stimo t quinto, que lambem
vao com aquello general.
A linha brasileira oceupava mais de urna le-
do extensao, e as correspondencias da Coocor-
. dirigidas aos jornaes eiogiam o porte de no
soldados, e o bello aspecto que apresentavf
i grande serie de batalhoes e a numerosa arti-
aria.
t O general Mitre percorre a linha acompanha-
do dos generaes !'rqu;za e Osorio, c.-te de grande
uniforme ; Urquiza sem espada.
O Sr. Mitre receheu as continencias de gene-
ral em eh fe, depois do |ue retirou-se para assislir
ao exeicido de logo da tropa argentina.
Aqu me achava da i resente carta, quando
leio em outra correspondencia particular, dirigida
a' mesma Nacin Argentina, urna breve descripcao
do exercito brasileiro na revista do dia 21, e nao
registo ao desejo de a transcrever.
Ei la :
Compde se de 23 batalhoes de infantaria, que
formara um total de 12,180 soldados.
Todos estes coros levara bandas de msica e
um eqoipamento magnifico, disliogolndo-se os ba-
talhoes 3, a, 13 e 6 pelo porte e bizarra da tro-
pa, ?ua brilhanle offlcialidadc e luxo das bandei-
ras.
A ariilh.iria de primeira ordem. Os sida
dose'Coihi.ios, as pejas e as palamentas do que ha
mais aperfeicodo na arte militar. Consta de 32
pejas raiadas e 757 artilheiros.
A cavallaria consia de 3,000 homens, forman-
do o exercito imperial um contingente de 15,937
soldados.
A (flicialidade de infantaria marcha a caval-
lo, e lera um porte marcial que proraetle mallo.
A cavallaria 6 tao boa como a melhor nossa, e
as cava'gaduras sao boas e bem mantedas.
V. sabe quanto vale e quanto ha que esperar
de ura exercito assiin
c A oplnio do correspondente argentino de um
jornal argentino (alm de ser aqu couhecida como
mulo competente), nao pode deixar de ter muito
peso, e quando se exprime de urna maneira tao
lisongeira para nosso exercito, (leve ser aceita cora
rauita satisfajo por todos os Brasileiros.
O general Flores prosegue na sua marcha com
bastante rapidez, apezar do mao lempo e enchente
dos menores arroies ou ribeirSes.
No dia 23 achava-se elle sobre o rio Mocret,
que divide Enlre-Rios de Corrientes.
A columna, que elle leva menor do que se
dizia, e eu repet.
t Con>ta mais ou menos de 4,000 homens, sen-
do tres batalhoes orientaes com 1,000 prajas, dous
brasileros com 1,000, o regiment argentino S.
Martim com 400 e 1,500 homens de cavallaria ori-
ental. Leva oito pejas de artilharia raiada.
t Mas essa columna pequenina, como , pode
bater-se com o duplo de forjas paraguayas, pois a
gente escolhida, e vai ptrfeitamente comnian-
dada.
As infantaria?, inclusive a bandeira, vao as
ordens do coronel oriental Pelejas, que dizera'ser
um ptimo offlcial.
Do EMado Oriental deve ter pausado urna for-
ja como de 800 homens a reunir-se ao general
Flores, e o general t'aunero tambem parece que
se Ihe aproximava com seus 4,000 homens e 21
pejas de exceltente artilharia.
o Periam neste caso romo 9,000 homens, e quasi
12,000 se se Ihe Juntarem as forjas de cavallaria
dos generaes Hornos, Cacares e Madariaga.
t Contina a dizer-se qne sua destmajao
cosa do Uruguay, bater o exercito paraguayo que
invadi o Rio Grande, de accoreo com o brigadeiro
David Can varro.
Ueste exercito (paraguayo) a noticia que ha
que foi reforjado com a columna que vinha pela
margem direita do Uruguay, onde s ficaram 1,000
homens de observajo.
Nao se confirma a noticia de que o brigadei-
ro David Canavarro defendesse a passagem do
Ibicuhy, mas antes deixou o inimigo passar sem
obstarnlo, alm dos que apresetta por si mesmo
esse largo e caudaloso rio.
Quatro rail paraguayos ja parece que eslavam
quern do Ibicuhy, continuando os mais a passar.
E, como ninguem presume que o general Canavar-
ro sem um grande motivo Ihes deixasse franca
tao forte barretea, collige-se que o seu plano seja
deixa los penetrar na provincia, fleamio a' sua re-
taguarda dois grandes rios como o Uruguay e o
Ibicuhy.
Eis aqu alguns tpicos de urna corresponden-
cia da faetn Argentina, cujo autor no pode
deixar de perteucer ao quariel-general do Sr. Mi-
tre, pois at do que reservadissimo se mostea
tao ioleirado.
c O brigadeiro Osorio receheu offlcio do lenle-
general Caldwell, commandante das armas do Rio-
Grande, communicaado Ihe as partes ofUciaes do
coronel Fernandes Lima, sobre algumas oceurren-
ias em relajo ao inimigo,
Essas partes alcancara al 15 do corrente, e
. com o brigadeiro Canavarro, e ambos mar-
chado para o Passo de Sauta M.iria, no Ibicuhy, a
obstar a passagem do excercito paraguayo.
t Assim parece, quando menos, anticipada a
not ca de que este se achasse aquem desse rio,
e ameacando a Uruguayana.
t O Sr. visconde de Tainandar parte depois de
amanha para o Uruguay, e nao para o Paran,
como se tem dito. Elle contraiou o fornecimento
de vveres e carvao para a esquadra.
CHRJKTTKiARU
TttlBU.Wlj 1A KKLA^&O.
SESSO DE 14 DE AGOSTO DE 1803.
PRESIUE.XCIA 00 BXJt. SR. CO.NSELIIEIBO
Desprezarara-se os embargos.
Appellantes e appellados simultneamente os
administradores da massa fallida de Araorim.Fra-
goso, Santos & C. e Cmara & Guimares.
esprezaram-se os embargos.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & Companhia ;
appellados, Pinto Barbosa cV Companhia.
Foi confirmada a sentenja appellada.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario dja nas circulares, e a consagrarn urlica
seca.Approvou-se a proposta.
Outro do mesmo, cominunicando que, nos dias 2
e 4 do corrente enconlrra diversos almocreves
condu/.indo em cavallos aiyoras, nas quaes trou-
xeram para o mercado gneros lquidos, e obser-
vando as mesraas ancoras vio que nao estavam
alferidas.c como llie disses era que. pertenciam el-;no Fonceca.Dr.
las ao visconde de Suassuna e a Manoel Stares, | pres Ferreira.
impoz-lhes as multas de que trata o art. 2 do lit. 11
Appellante, Mauoel Jo'aqura Rodrigues de Sou- das posturas de 30 de junlio de 1849, e depo.-lou
za ; appellado, Jos Gomes da Silveira. as ditas ancoras nas vendas, em cujas frentes fo-
Appellanle, Antonio Rodrigue, Fernandes Viei- rara encontradas, declarando os almocreves que
ra ; appellados, os administradores da massa fall- parlicipassem aos respectivos donos para que man--------------------------
da da viuva Amorim & Filhos. dassera pagar as mullas, e nao tendo sido procu- Dous problemas na actnalidade oceupam as at
Appellante, a embargante 3" D. Francisca Xavier radas, e os vendelhes nao querein contiuuar a ser teiic6es geraes dos que nopodem ser Indiflrentu
Wandcrley de loojosa ; appellado, Joao Baptisla depositarlos, pede a cmara que providencie o des om s evolujoes da nos-a poltica interna, nemas
de Barros Hachado. tino que deve dar as mesmas.Posto em discuso, i MKcessidades imperiosas de debellar o ininng i com-
Appellantes, San Mendel de Mauchester e os mandou-se declarar ao fiscal que havendo Manoel; inuin qUe invade o nosso territorio, commettendo
caradores fiscaes da massa fallida de Rostroa RjO- Soares no mesmo dia pago urna multa do fiscal doj airucidades de todo genero.
ker & i:. ; appellados, Kilkinann irraaos i C. Recife pelas mesmas ancoras, que pertenceroaol A n^ orogressisia acha-se quasi dissolvda.
Appellante, o Dr. Chrlstovo Xavier Lopes; ap- Dr. Fernando de Sa e Albuquerque, as enlregasse g,,, vez rte ,jous pirujos regulares que devem exis-
demoaslram. Os homens da sitaaejir. tem frito i
to menos do que se d-'vdra esperar d sn oralea-
da maioria, e da cen*ciencia qiie devea k-r is su-
rera os autores principaes dos miles tjoe nm %t-
fligem. Entre conservadores e libraos 4* h a f,
nao ha divergencias profundas. To-tos re-n a
constitu jao, a raonarchia, a ordem, IxtIsI e *
prosperidade nacional. E" fcil enien l-r-m-M.
Pequeas dissidMis, que pdem tran-igir n en-
apparecer, devem calar-se deste ja diante d gran-
de cauia nacional.
O imperad vocara a naja para o campo da Imi ilh mas I
dizem urna pilavra, nu pralieam um f^rt >, que
; denote algum aprej i aos prascrii'tos, entre os
quaes contam-se homens que lem muito i\nt per-
der. Os responsaveis da sltnaco querem que todo*
que na j concorrerain para ella, fajam s.-rifatos
de vida, de familia, e de furtuoa, para reparara os
males de que foram oan-ador>s. Mas a ronToea-
jao parece antes um ukase jo que araappello -ui-
i son.
Quando o imperio estiva em paz, appeUoa-s*
para a couediacj. KoiMt adversarlos foram rha-
j mados s im-ico-s odieia-s dorante os 14 o*.
Deu-se o conflicto inglez, re< omraendoa-"e eoerr-
a subscrev.
Declaro era lempo que pr-slou juramento o fiscal
da freguezia da Varzea, Joao Simoes Ferreira.
Boa-Viagem o declarei. Pereira Simes, pr-pre-
side.nte. ^anto-.Dr. Miranda. Thouiaz de Aqui-
Villas-Boas. Rege-. Antonio
COMMUNSAOS.
SOUZA.
s 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
embargadores Santiago, Gtirana, Lourenjo San-
tiago, Assis, Molla, Doraingues da Silva e Barros
Vasconcelios, fa tando os Srs. desembargadores Al-
meda Alhuquerqne, Doria, Ucha Cavalcanti, e
Goerra procurador da cora, abrio-se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
JULGAMENTOS.
egravode pelko.
Aggravante, Joo Rjpilsia An'chita ; aggravado,
0 juizo.Relator o Sr. desembargador Assis. Sor
teatros os Srs. desembargadores Gilirana e Vascon-
celos.Negaram provimento.
Aggravante, Bazilio Alvares de Miranda Guima-
res ; aggravado, o juizo.Relator o Sr. desembar-
gador Motta..Sorteados os Srs. desembargadores I
Gitirana e Santiago.Negaram provimento.
Appellarao crime.
Appellante, o promotor ; appellado,
Antonio de Moura.A novo jury.
Habeas-corpus.
Negou-sc soltura a Manoel da Rocha Oliveira.
DESIGNAJAU 0E UIA.
Assignou-se dia para" julgamento das seguin-
tes :
Appellacao civel.
Appellante, Alexandre Correia de Castro ; ap-
pellado, Trislao Jacorae de Araujo.
PASSAGEXS. .
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenno Santiago
A appellajo crime.
Appellante, Joao Paulo Garanhuns ; appellada,
a justica.
Do Sr. desembargador Lourenjo Santiago ao Sr,
desembargador Almeida e Albuq'uerque
As appellajoes civeis.
Appellante, Jos Luiz d Andrade Lima ; appel-
lado, Gabriel Antonio de Castro Quintar-.
Appellante, o juizo ; appellada, Mana Bicuda de
Mendonja.
Appellante, Manoel Caliste do Xasciiin-ulo ; ap-
pellados, Luiz Gonjalves Ramos e outros.
A appellajo crime.
Appellante, Daniel Lopes da Silva ; appellada, a
justica,
Ao Sr. desembargador Assis
A appellajo civel.
App' liante, Jos Marcelino Alves da Fonseca ;
pellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
dor Doria
As appellajoes criiues.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Alves
de Suuza.
Appellante, Jos Bernardino Gomes ; appellada,
a juslija.
As appellajoes civeiu
Appellante, Loure*nco Jos das Neves; appella-
do, Jus da Rocba Paraoltos.
Appellantes, os berdeiros de Francisco Joaquim
Pereira de Carvalho ; appellada, a cmara muni-
cipal.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Guerra
A appellajo civel.
Appellante, o Dr. Luiz Felippe de Souza Leao ;
appellado, Manoel de Barres Cavalcante.
Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Santiago
A appellajo crime.
Appellante, o juizo; appellado, Benedicto ind-
gena de Lima.
Ao raeio-dia encerrou-se a sesso.
pellado-, a viuva e herdelros
Santos.
Adiados a pedido dos Srs. deputados.
PASSAGENS.
.Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr
desembargador Accioli (juiz certo)
de Joao Ferreira dos ao referido Manoel Soares, e quanlo as outras que
, as recolhesse a casa da cmara.
Outro do Ibcal da Boa-vista, remetiendo um offl-
cio no qual o thesoureiro da Santa Casa da Miseri-
cordia acensa ter recebido a quanta de 26,5, que
Ihe remelteu, resultado liquido que produzio a ar-
Appellantes, Jds Gonjalves Malveira, hoje seus remaiajao de porcos que era corrida apprehendeu. (jUrt esl;' desengaados e desgostosos da marcha
herdeiros: appellados, James Crabtree & C. Inleirada. i l(ue teein levado os negocios pblicos. Por ootro la- i
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. des- Ouiro do administrador do cemiterio publico da; d0 antigos liberaes e conservadores dissidentes que
embargador Accioli : freguezia de S. L mrenjo, remeltendo o mappa dos' auda n-niam um supremo esforjo para escorarema
Appellantes, os administradores da massa fallida enlerramentos que se fizeram naqnelle estabeleci-. s,iUBCao, antevendo a possilnlidde de fazerem afi-
de Ri.slron Rooker & C. ; appellado, Macoel Dias ment desde 21 a 30 de abril passado.Ao pro- na| causa cornniura cora os conse.r adores firmes.
da Silva Santos. curador.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar- o Sr. Pires Ferreira fez o seguiute requetimen-
gador Res e Silva (juiz cerlo): to que foi approvado.
Appellantes, Sampaio, Silva & Companhia ; ap- Requeiro que esta cmara mande que o fiscal
pellado, Antonio Jo.- de Castro. I da freguezia de Jaboalo informe com urgencia,
diligencia. i quanios palmos tem de largura e quantos de altu-
Appellante, D. Candida de Mello Lins ; appella-, ra> a ca:;a i,uo acabou de construir na |iovoajo de anaij05) e alguns se mostrwam
; da, . Zeferina Mara de Jess. Santo Amaro Jaboalo Fehx Manoel do Nascimen-'
O Sr. desembargador Silva Guimares proferio to Valois; quantos palmos tem de largura ea
Mi
i promessa foi a dtaeetoeJH da cmara, a prorrir-
! jo dos conservadores, sua expulso das uraas
dos empregos.
Agn, na irise mais grave, ja n- ra se Mk em
' concordia, o gofereo receta qu suas prUavra.s
no sejam mai- cridas, ou sio quer Uir; ynme*-
sa que no intenta cumprir, Linita-se a evovoear
os Brasileiros con coraminajo.
Pola bera : tratase de vingar a honra da m-
' jo. Conservadores e liberaes, prosri.t.-
uma e outra cor, e-quejam offensas eioj !-:;.,
\ unam-se fraternalmente, e deponham ao altar >U
patria mais este sacrificio, alm dos quo ja levn
resoltado de-la situarn Umeniavel. P.iri >r i- i
| rae.-mo um servijo de maior valia, por-ju- e jtra-
j tuito, espontaneo, e no ilh < dessa gratulo np*
, liga os povos a um g iverae leoefl o. Mjrebn
| para o combate, sem .aucoada, mu com f %o !>
I sagrado patrioilsm., eo propjeila firme Je bem
servirn ao pate.
Os duininailares allribuirao depou Indi a gleca
a si ; ou o que marchamos na retagtiar-l-i ; dir,
se faz devi-lo
ur n'um paz regido [tela nossa forma de governo, |
temos tre> parcialidades em campo. Por u.n lado a c
conservadora que se maniera no seu posto de hon- como j dlle l,1,,J
ra, resislindo as seducjSes do poder, e aos mariy- a con-iderajo p-ssoal dos goveroant- : h;io *
nos da proscripjao. Por ouiro lado os liberaes ge- ,,releQaer e ob;r ulvez o melhor quir.U a-.s
' despojos da guerra Paciencia : vamos a guerra
e depois ajustaremos nos.as coolas. O pa
escarmentado e desiliudido, decidir a qu-ra per
tence o saldo de honra.
Eni
Esle o (acto; mas qual ser o resultado '? Te-
reinos alliauja do ligueiros propriamente ditos com '
os conservadores, ou destes cora os liberaes genui-.
nos ? i
e muilo a offensa que parle de nm amigo. Os
igueiros de procedencia conservadora eram nossos
decididos e at

nma fierra de i masa Urfss
cidads su >-.
i
A defesa publica uina necessdade .- rial.
A necessidade social da defesa publica t-xisie
desue que urna forja e-iranba penetra o soto aalal.
e poem era perigoa socieda le.
men" i exagerados quando raanifeslavara seus senlimentos! -NVsse Peri s acna, Pf* iovadido em doas
W*tde partidarios nas cir.runiilanci.is mais criticas, al de.MMa Prv""-'as l*r forjas eMrange.ras
Francisco o seguinte despacho : Haja vista ao Dr. curador as portas e janellas: se as paredes da frente, de | a0 tnomeoto em ijue presMaDtirain a mutago re sce-
geral depois do que tornem os autos concluso. J detraz e dos lados sao dobradas ou siogellas, e h- na politoax. D'autes erara conservadores, nas pala-
acgravos iNTEiiPosTOS no juizo especial naluierile se dila casa est no alinharaento marca- j vraSi nos escriptos, nos modos, uos habites. Si al-
oo co.MMF.ncio. do na planta da sobredita povoajo.Antonio Pires guns de||es se djfferenjavam dos proscriptos de ho-
Aggravante, Jos Rodrigues Ferreira ; aggrava- Ferreira.
do, Manoel Lopes da Silva. Foiapprovad) tambem o'seguinte parecer da
O Exm. Sr. desembargador presidente deu pro- commiiso encarregada dos negocios do cemiterio,
vimento. votando contra a reduejo do numero dos serven-
Aggravante, Honorato Jos de Oliveira Figuei- te3 os Srs. Dr. Miranda, Dr. Villas-Boas e Gustavo
redo, Manoel Peres Campello Jacorae da Gama. i ao i\pgo.
O Exm. Sr. desembargador presidente negou [||m3, Srs.Os abaixo assignados, membros da
provimento. I commissao do cemiterio publico desta cidade, em
Nada mais havendo a tratar-se o Kxm. Sr. pre- cuuiprimeuto do seu dever dirigirara-se ao mesmo
dente encerrou a sesso urna hora e um quarto cemit-rio no dia 7 do corrente, e examinando o
da tarde. estado do mesmo acharam-no na mais perfeita or-
dem e asseio, examinande, porm, no que se em-
.11 IV 1IO RECIFE.
16 DE AGOSTO DE 1865
prega vara os seis coveiros e oito serventes, reco-
uheceu que sendo a mortalidade actualmente de S
a, _.. 10, e que abrindo um coveiro pelo menos 10 co
PRESIDENCIA DO SR. DR. JUIZ DE DIHEITO DA 2 VARA yas nQ ^ CQmo de(.|aroa 0 coveir0 Felippe San-
tiago, peranle a mesma commissao, reconheceu
ella que dous coveiros, nao sendo em tempos anor-
maes, sao mais que suflicintes, pois que podem
abrir vinte ou mais covas no da, fazendo-se cora
a redujao dos seis coveiros, a dous, a economa
inensal de 192,5000.
Tambera eolende a commissao qne poderla em
algum lempo, serem precisos oito serventes para
os trabalhos do cemiterio, porm que no estado em
rie elle se acha sao suficientes cinco serventes
cuja reducn de oito para cinco, d a economa
mensal de 104*400.
Tambera entende a commissao que altendendo a
falta de trabilho que lia presentemente na provin-
cia, e havendo grande numero de trabajadores,
podem ser redrteos os salarios a 1*000 diarios,
; como geralmente sao pagos, no s os serventes
que sao empreg idos por esta cmara nas quatro
Promotor publico o Sr. Dr. Jacintlio Pereira do
lego.
EjC vao Joaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente.
Advogado o Sr. Dr. Antonio Justino de Souza.
Reo, Jos Kufiio da Silva, aecusado no arligo
2G9 do cdigo criminal.
A's 40 horas da manha. feita a chamada com-
parecer ra 40 senhores jurados.
foram multados em mafc2u os jurados j mul-
tados nos anteriores dias d sesso e ao que falla-
rain hoje sem motivo justificado, e declara-so aber-
la a sesso.
Sorteado o jury de sentenja, fui deferido ao mes-
mo o jurameulo dos Santos Evangellios; foi o reo*
mlerrogado.
Lido o precesso da forraajao da culpa, desenvol
veu o Dr. promotor a aecusajo, segumdo-se logo i fret!Ue?aS) -g^fo Anoni0i Recife, S. Jos e Boa-
i Vista, como igualmente no cemiterio do Pojo e S.
Lourenjo, m a rednjo dos salarios dos dous co
'FRiijvMj i> cohmercio
acta da sesso administrativa de 14 de
AGOaTO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
s 10 horas da manha, estaudo reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente declarou aberla ases-
sao.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Exm. Sr. presidente da provincia,
de 12 do corrente, participando ter remettido ao
Exm. Sr. presidente da provincia das Alagoas, em
lOdoditomez, a communicajo que nessa data
fez o Exm. Sr. presidente do tribunal a Antonio
Jos Alves de Brito.
Um offlcio da junta dos corretores, com data de
hoje, remetiendo a eolajo dos prejos da praya na
semana prxima linda.Arcnive-se.
DESPACHOS.
No requerimento de Antonio Mendes da Cunha
Azevedo, pedindo o registro da sua noraeajo de
caixeiro de Antonio Jos de Castro : Regis-
ire-se.
No de Antonio Jos de Castro, pedndo que se
Concluidos os debales depois d replica e tre,
plica, resumida a materia da aecusaeo o da defeza
o Sr. Dr. juiz de direilo propozas quesles de fac-
i ao jury de sentenja, retiraudo-se este para a
sala secreta das conferencias as 3 horas da tarde,
de onde voltou as 4 com suas respostas, que fo-
ram lidas em altas vozes pelo presidente do mes-
mo jury de senleuca, em vista de cuja deciso o ir.
Dr. juiz de direito condemnou o reo a o annos e 4
niezes de gales e ua multa de 13 1|4 do valor rou-
bado, e levantou a Bastad adiando-a para o dia se-
guinte, pelas 10 horas da manha, da era que tem
de ser julgado os reos Floriudo Jos Baplisla e
Manoel Jo.- Pereira, ocursos no artigo 193 do co-
, digo ei ini.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 10 DE MAIO
DE 1865.
Presidencia do Sr. Pereira Sintes.
Presentes os Srs. : Tliomaz de Aquino, Gustavo
| do Reg, Dr Miranda, santos, Silva do Brasil, Pi-
res Ferreira e Dr. Villas-boas, fallando coui causa
os mais senhores, abre-se a sesso, e lida e ap-
provada a acta da antecedente.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Exm. presidente da provincia, de
6 do correle, recoinmendando que a cmara Ihe
remeta com urgencia uina copia de todas aS actas
de eleijo de vereadores e joizes de paz a que se
procedeu em setembro do anno passado na fregue-
zia do Pojo da Panella.Que se cumprisse.
Outro do mesmo, de igual data, dizendo que, pa-
ra satisfazer a deliberajo daassembla legislativa
provincial Ihe remetta a cmara um quadro de-
mostrativo da arrecadajo da reeeita e despeza
uos exercicios de 1855 a 1864, vindo descrimmada|
a reeeita e despeza de cada ura dos ditos annos, e
bem assim do competente moviraeulo de fundos, o
devidas activas e passivas de uns para outros exer-.
ciclos.Que se cumprisse, ordenando-se ao couta-
dor para lornecer dito quadro a secretaria.
Outro do mesmo, de 9 do corrente, remeltendo
declare sem elfeito a nomeajo de Evaristo Mendes | por copia a cmara, para seu conhecjmeuto, o vi-
da Cunha Azevedo Jnior, que deixou de ser seu so expedido em 27 de abril ullimo, por occasiao de
caixeiro :Corac requer. ser apresen lado ao governo imperial a pelijo era
No de Jos Gomes dos Sanies Correia, Joao Ma- que Jo.- libas Machado Freir, queixou-se da mes-
noel Pontual Jnior e Bernardino Correia de Re- ma cmara por haver sido demolido o eslaleiro
zende Reg, tendo cumprido o despacho de 10 do cercado, que possuia em terrenos municipaes.In-
corrente, p;-ra ser registrado o seu contrato de so- teirada.
eiedade :Vulte ao Sr. desembargador fiscal. Outro do mesmo, de 9 deste mez, dizendo que
No de Anlooio Mendes da Cunha Azevedo, pe- para satisfazer a deliberajo da assembla provin-
dindo cerlido de ser ou nao matriculado o com-. cial, preste a cmara as seguintes informajoes :
merciante Antonio Jos de Castro : Como re-1 i-' Se da escripturajo da cmara consta que al-
quer. guns membros das cmaras passadas esleiara em
No de Jos Antonio de Almeida Guimares, pe- j debito para com os cofres municipaes.
dmdo por seu procurador Anlonio de Moura Rolin, I 2.' Quaes os respectivos dbitos, e desde quando
que o corretor Franci.-co Mamede de Almeida cer-1 foram contrahidos.Que o contador informe o que
tinque quantas saccas de algodo tem vendido de constar.
conta e ordem de Joaquim de Azevedo Maia :! Outro do secretario da presidencia, comunicando,
Como requer. de ordem de S. Exc, em resposta ao offlcio da ca-
No de Antonio Valentim da Silva Barroca, pe- mar de 26 de abril ultimo, que se ofliclou ao com-
dindo o registro do contrato de sociedade de Ar- mandante superior da guarda nacional para man
thur Caetano da Silva e Joo Pinto Dias de Mesqui- dar dispensar do servijo o guarda Pedro Americo
ta, para o que ajuma procurajo : Vista ao da Gama Duarte, era quanto estiver oceupando o
Sr. desembargador fiscal. lugar de fiscal da mesma cmara na freguezia do
No de Jos de Mello Costa Oliveira e Thomaz Jo- Pojo da Panella.Iuteirada.
s de Oliveira, eslabelecidos nesta cidade, pedindo Outro do engenheiro cordeador, informando o
o registro do seu contrato de sociedade era cooli- requerimento em que a mesa regedora da venera-
nuajo do, que tinliam celebrado sob a razao de vel Ordem Terceira de S. Francisco desta cidade,
Mello Costa & C. Vista ao Sr. desembargador pede para que Ihe seja permiiudo demolir o chap
fiscal.
N de Fraocjsco Gomes Marques da Fonseca,
portuguez, de,3 annos de idade, domiciliado e es-
tabelecido na cidade da Parabiba do norte, com ar
inazem de gneros de estiva, em grosso e a reta-
Iho, pedindo ser admittido a matricula : Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s 11 horas e nieia da
manha.
SESSAO JUDICIARIA EM 14 DE AGOSTO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
s 11 ./.: horas da manlia o Exm. Sr. presidente
je, era na tenacidade da lula e na intensidale do
odio contra adversarios.
Ciumes pequeninos contra os cidados mais pree-
minentes do partido cooservador,uma ambicio sof-
frega que pretenda elevar de um salto cupola
social homens novis, fizeram imaginar queixas e
divergencias que no linham justa razo de ser.
A principio o antagonismo era latente, insidioso,
eapenas manifestado por certos arrutes passageiros
e insignificantes urotelos que cessavam logo. Os
autores da nova propaganda sabiam retralur-se_a
todos os momentos reconhecendo que ainda no
era chegado a vez do triunipho, e acuados por
seus proprios amigos, que em lom raeio amargo,
raeio camarano, lancav-m-lhes em rosto as tenden-
cias disfarjadas de apostaste e de perfidia.
E os autores da propaganda contmuaram a fruir
as vaulagens de qu; tirarain sempre voluiuoso I
quinho durante os fataes 14 irnos, do que 18o
mal dis-eraui depois.
Ura bello da renegaran! seu passado, alijarara-1
se a inimigos eucaruijalos; e desde euto no
pouparara ura s de seus amigos da raspen. Da
unpreiisa, da tribuna, das reunioes populares, dos
circuios lutiuios aliraram-lhes projeciis de toda es-
pecie.'
Mordidos pela serpente que aquecerara, expelli-
dos das uruas e das posijo-s offlotaet como nunca
o foram durante o circulo de Ierro de seus adver-
sarios ualuraes ; provocados cm acuite?-, lujuria-,
dos, e aturdidos com tamanha ingratido, os con-.
servadores resignaram-se ; e liis aos principios de
ordem que cou.-tiluein a sua mais bella divisa, acei-1
laraiu sem a menor repulsa extra-legal o triste;
principio de que neste paiz lude se resolve pelo
absurdo. No seu recolliimento tiverain.... liveram '
apenas ura sorriso decompaxao, sorrisa amargo]
porque agourava tambem os das malfadados que |
una devia iranr a dominajo progressisia
riros a ser da eeenoana de 36*000 meosaes, as-
sim tambem Oeando somente cinco serveutes muo
ganhavam 315800 mensaes, ha economia de 24*
raensaes.
Reconheceu tambem a commissao que pagar-se; perar# Desviemos pormos olhos do horrivel paine
a um pedreiro para atjrir urna, daus ou tres cata-' 1|lu D0S apre rumbas no dia, servijo este que pode sar feito logo
Logo o goverm. lera o dever de exwir do sub-
ditos lodos os meios neces?arios pararepellir a au-
dacia do inimigo, e satisfazer aquella grande ae-
cessidade social.
Logo lodos os cidadflos devem obedecer a essa
legitima exigencia da autoridade publica.

S ha dous meios de satisfazer a necessidaUe da
dofesa publicao ahslameoto voluntario, e o re-
crutamento forjado.
O alislainenlu voluntario o raeio nalorai, deco-
roso, e proprio de um cidauao livre.
Porque o alistauento voluntario com-ilia -a ae-
cessidade social da defesa do paiz curo a lii;rJad;
individual do r.idado.
Porque o ;.li-iamenlo voluntario importa o res-
peito do direilo de cada um ua escoiua da prois-
so, que melhor convm.
Porque o ahstameuto voluntario honra o gover-
no que sabe respeitar a liberdade individual do r-
dadao,e honra o cidadu que sabe cumprir, ei-
ponlane.iine.ute e sera con-lrangimeato, o sagraa-
e imperioso dever da defesa nacional.
III
Se aquelles a quem coi re o dever de defender o
paiz, espontneamente, cumpri^sera esse eVv^r, e>-
cu-a lo seria o recrutam-ralo forrado ; bastara *'.
o alistameato voluntario.
O egoismo, porm. aot Jiisa o recrutameolo for-
jado, cuno meio de defesa nacional.
Porque se ha caracteres nobres e elevado* para
quem o patriotismo urna religio ; outros % preferem a sua vida e hlierdaJe, a vida e liberda-
de fe todos os cu- eoi.cidadaoi outros ha ca
egosmo os cga ao ponte de antejiorem seas ii'-
resses iulividuaes a honra e loiegridade fe paiz I
Ora, (tara eifedios as im desuerados o nan*>
lamento forcada um direit > e um aaav da auto-
ridade putili'ca.
bogo o governo commetteria am crime fe lea
sociedade se consentss no saencic da honra e
da iulegridade do paiz, pospon io o- inters- ge-
fl,
ela manha por um servente, |iagar-se a um pe-
dreiro 1*500 por cada urna catacumba, extra-
ordinario ; portante lembra-se a commissiio de
marcar a quanta de 3*000 diarios a uro pedreiro
presentara as desgraj
Aprouve a' Provideucia fazer-nos passar por ter
riveis provajoes, e s para ella devenios app 'llar,
dirigindo votos para que as duras lijos destes ulti
inos lempos aproveilem ao imperador e ao paiz.
Pelo que esta' dito ja' se v quaes sao as nossas
do sobrad silo a ra do Livramento n. 3, e fazer
nelle cornija, diz que dito sobrado muito baixo,
mas que nao obstante isto, nao pode allegar-se cou-
sa alguma conlra a pretenjo da peticionaria.
Concedeuse.
Outro do mesmo, informando o requerimento no
qual Jos Joaquim da Silva Guimares, pede para
que Ibe seja permitlido abrir duas janellas, urna
no oilo e outra no fundo de sna casa sita a Cam-
boa do Carmo n. 44, diz no achar inconveniente
era conceder-se o qne o peticionario pretende.
Concedeo-se.
Outro do mesmo, dizendo que em vista da deca-
racao feita por Eduardo Ferreira Bailar em seu
reijuerimento, nada lera que oppr a sua pretenjao,
sendo todava prudente que se Ihe mande dar cor-
deaco para qu; 9 basbeiro de agua doce que elle
para fechar as catacumbas, cuja quanta de 3500): re|ajoes cora os ligueiros de procedencia conser
diarios monta mensalraente em 90*000, que vi--
ta do pagamento feito na ultima semana do prxi-
mo passado abril pelo administrador do cemiterio,
v-se que ha a ecouomia de 18* mensaes.
A economia feita com os coveiros, serventes e i
pedreiros, lauto na redueo dos que sahem, como
na diminuico dos salarios dos que llcam, d nieu-
salmeute 3695000 e anonalmenu 4:492*800.
Eis o que a commissao pode deste primeiro exa-
rae feito 110 cemiterio publico, presentar a esta
Illma. cmara.
Deus guarde Vv. Ss. por muitos annos. Re-
fe, 10 de maio de 1865.lllms. Srs. presidentes e
membros da cmara municipal desta cidade.
Feliciano Joaquim dos Santos. Thomaz de Aquino
Fonceca.
Mandou-se expedir as orden no sentido do pa-
recer supra.
Sob proposta do Sr. presidente, mandou-se re-
melter por copia ao advogado. o offlcio do enge-
nheiro cordeador acerca das obras das duas casas
que construio em seu sitio o desembargador Fir-
ixino Antonio de Souza, e recommendar ao mesmo
que proseguisse coma fos^e de direito na questo.
O Sr. Santos pede a palavra, e propoe que se
mande passar novos titules de recondujao aos se-
guintes empregados: ao actual offlcial-maior lyp-
polito Cssiano de Albuquerque Maranho, aos
amanuenses Candido de Souza Miranda Como, Au-
gusto Genuino de Figueiredo e Caetano Quiotino
raes do estado a cobarda e egosmo de .ilguo* ei-
A prophecia dos homens' autorisados cumprio-sei dadlos. ,,,...
linete.... anda ouls cedo do que se de vera es-1 ''".> na coll.sao que resulta ai direit.- fe le-
dos os cidadaos com os commudos e di: il .s a-:
alguns, estes devem c,;der aquelles.
Porque o direilo .uns f irte e fontal o ero me-
lhor titulo vence o direilo mais fraro : " iu- o
bem geral da sociedade nrefere a, bem individual.
IV
No tendo pois o goveruo, dado o egosmo dos
cidadaos, outros meios de defesa nariun.il. o re-
vadora. A odeosado amigo de niuuo, repetimos I tamenlo forjado licito, OMfOM obr.sat r.>.
A conlianja uina vez perdida,dillkilmenle se resta-1. ^r'jue a uecessidade da salvajao nuMir 1 i ajM
belece. A iutidelidade passada nos traz recelosos impelle o governo a decretar o recruumento tor-
da iufidelidade futura, principalmente quando os ?ado, se o ahstainenlo voluaUno nao ei.-te oa se
inftets adquiriram elementos mais imponentes de "
vida e forja, u jienhor do esqoeclmeoto do pasea
do s pode consistir em actos de provado arrepen-
duneulo e ba f.
Para novas conspirajoes e rompimentos no
fallaro nunca pretextos para quera esta' habitua-
do a desfoi jjs pouc.o escrupulosos, c delles tem ti-
rado lo bora partido.
A tendencia que os ligueiros mostrem para nos,
pode trazer em si mesma um olemeuto de descon-
tiauca. Estiveram comoosco ora quanto aaiieram
subir e prosperar: separaran! se quando viram
prestes a suinir-se o brilho da existencia conserva-
dora. Agora que se eufraquecuram com a sci-o
dos liberaos,e suppe.11 divisar no horisonte o disco
de um novo astro em asceujo,lanjam para alli seus
olhares du complacencia; mas somente olhares,
sornsos muito amaveis, sem um facto positivo...
Si o disco anda aprsenla urna luz mui duvidosa
M is quer no alistamento forjado, quer no alista-
mento voluntario, ura boin governo tea feveres e
regras a cumprir.
Assim que o recurso ao recrotamenlo forrado
s lagitimo na falla do alistamento voluntario.
Porque se ha meios de operar a Cefeta aariona!
por modos naturaes e mais branios nao se aWe,
sem emprega-los, recorrer a meios mais fortes e
gravosos.
Promover a maior forja paaeteaJ cora o meaor
ouus pos-ivel dever de to o o bom ^ov-rno.
A dafeza publica no dep-ude s do maior du-
mero dos soldados, depende tambera da boa esaa-
Iha delles.
Alistar hmeos na tenra juventude, aindi cora
a consliluij.V) physica imperfeita, e deixar aa ocw-
sidade os madrajos forlemenle constilaiilos, aiai
Amanhaa, quando se tornar mais forte e arriscada i de lojnstic, dureza de animo.
arefrega dos novos inimigos, talvez seenxergue: Preterir jov-ns, Ulhos fainiha
__ T ., ..___ ..____. hori i.unailiK de um iiulire. enl
as e raenore.*, t ni-
na phalange dos vermelhos ura reforjo poderoso bor lomados de ua Babee mm^mitm, a paajajaj
e salvador 'os barbudos prrgun;osos, alem de injustija e reirom-
Os ligueiros de procedencia conservadora rea-: pensar a cobarda I IMlla
tara de phase era pnase a louga cadea de seus go-, Nos allstameu os volntanos >e fevem Hllllal
zos. E' urna vida eterna; urna son iovejavel para; as leis (|tie regulara os acto; livre. do horoem.
Galhardo, e finalmente ao actual administrador do ,.ua|U(ir part,j0 poltico. Ma sina persegue nes-: Os filhos familias e ro-nore< nao podem cno-iea
matadouro publico, Man iel de Almeida Lima, e no , uai7_ os |10mens firmes. Mirem-se nossos filhos I t'r sem audiencia de seus pas e tutores.
trata do 4o amanuense Jorge Viclor Ferreira Lopes neste espe||,0j e aprendam a lico proficua que Semelhanleuienio nao lera
Jnior, porque a casa o pode dispensar, pelo que eas pa. |lies iXim oomj um |e'gado precioso.
propoz lugo a dispensa do mesmo, e que a sua vaga Ninguem dir qne fazemos urna excepjaoinjusta
no seja preencnida. d0s couservadores-ligueiros, e consagramos pro-
Posto em discusso a proposta o Sr. Dr. Miranda fun Jas synH)au,as aus hberaes, hoje neosla Jos.
pede a palavra, e declara concordar com a primeira Acosiumamo-nos a olhar sempre estes ltimos
parte da propista, relativamente a se passar novos C0|llJ adversarios. Ao menos no temos quj lan-
litulos, diverg.ndo todava da ultima parte que 5ir.|hes em rosto a pecha da ingratido. Si hoje
ua proscripjo nos fralernisassemos, nao para sa-
tisfazeriiiOs a ganancia, mas no intuito de con-
corrermos para debellar o inimigo commum, e
para regenerar este poire paiz,que espirito, por
mais escrupuloso que seja, deixria de louvar nos-
sos esforjos ?
trata da dispensa do 4o amanuense, e de ser sup-
primido o lugar, pois que a cmara no poda sup-
primir lugares sera que pedisse a assembla essa
autorsajao.
O Sr. Santos torna a pedir a palavra, e raspn-
deudo ao Sr. Dr. Miranda, requer que se peja a
a sup' Os ligueiros de procedencia conservadora afas-
' taram-se de seus anligos alliados se:n uina idea
seduzidos pela fraude ou conslrangidos pela io-
leecia dos barbudos, que se licam ero saato ocio.
Sem estes meios desleaes ha muitos ostros pelos
quaes >e pode conseguir grande numero de va*
luntarios.
A bondade da causa nacional; a honra que re-
sulta para os homens que sacrifcala a sua vida
por tae nobre causa ; as recompensa mereeidas,
san outros tantos meios naturaes e legtimos fe
promover o alistamento voluntario.
Quanto ao recrulamento forjado doa grandes
teis se deve guardar a necessidade final t a jmit-
ca distributiva.
Um Pernambucano liberal.
ERRATA.
Na correspondencia du Sr. capilao Flix Fran-
assembla por intermedio da presidencia
pre-so do lugar.
Posto a votos a primeira parle da proposla do n(m Renerosa nue justificas-e a scisilo.
Sr. Santos, approvada, e mandou-se passar novos E titulos, determinando-se que esses empregados rarn dos adversarios opprimidos, era lentaram um ; cisco de Souza Magalhaes, publicada aa sega
prestassem juramento. pasSl) a uem uo lCU|cado proqresso. Apenas em- pagma do Diario n. 187, deram-se alguns roa.
Em seguida trata-se da segunda parte da pro- po|(,,rados desprezaram tambem os proprios al- alera de pequeas fallas qne convm notar :
posta, relativa a dispensa do amanuense Jorge Ju- |iados da vespera, os liberaes genuinos. Foi urna i Na segunda columna linhas 87, onde se I*
mor, e no havendo quem mais pedisse a palavra, d |a ap0tasia Ao mPnos os beraes liveram '< e eslava o Sr. Silvino, etc., la-se e estara o Sr.
foi posta a votos e apprjvada, votando contra os am_. s raodilicaQ0. Uuiram-se aos conservadores! Silvino, etc.
Srs^ Gustavo do Reg e r. Miranda. divergentes, suppondo que ellos erara liberaes, e Na terceira columna, linhas *, onde se le = fila
Depois tambem posto a votos o requerimento paPiuavam com sinceridade. Deseoganaram daloja, la-se filada Rosa.
para a suppre^sao do lugar de 4o
se acha vago, e tendo-se dado empate, por volarem
contra os Srs. Dr. Miranda, Gustavo do Reg, Dr.
Villas-Boas e Pires Ferreira, o Sr. presidente usan-
do do voto de qualidade que ihe d a lei, desempa-
te-a a favor do requerimento.
se qnando os faetos desmentiram as promessa. E'
urna experiencia que pode servir de penhor a urna
alliauja com os horaens honestos de outra cor po-
ltica.
Em todo caso,e esta urna verdade incontesta
vel,a allianja dos liberaes com os conservadores
Considerado assim supprlmido o lugar, mandou- firmes menos antipalhica do que a destes com os
se propor a assembla provincial por intermedio suppostos moderados. A horaens da tempera an-
da presidencia a extinejao do mesmo lugar. tig, que consideram a lealdade e os precedentes
0 Sr. presidente propoe tambem a recoHdujao como o penhor seguro de nma .boa allianja poltica,
dos administradores dos cemilerios do Pojo e S. temos ouvido dizer que hao de separar-se do parii-
Lourenco da Malta, este Pedro Cavalcaui de Albu- do conservador no momento em que o virem alba-
querqua Lins, e aquella Joo Francisco Carneiro do aas seus antigos amigos, ora divergentes. Con-
Monteiro ; e bem assim do servente e continuo da vm respeitar certos escrpulos, porque despreza-
casa Pedro Jos de Fana ; approvada. los seria alienar amigos de provada tempera.
O Sr. Silva do Brasil, propoe igualmente a re- Trata-se de debellar o inimigo estrangeiro. O
condujo do engenheiro cordeador, tambem ap- imperador e os principes j foram para o theatro
provada. ua guerra. A situajo gravissima, e os faclos o
m
lRBE^OWDESCIAS
Srs. reiaclors.b Jornal do Commrcm fe Rio
de Janeiro n. ilt de 5 do correle depart caes
um cominunicafe que se inscreve o ex ara 11 fea
te de Peruambuco. Abundando aas idees fe
comraonlcanle para aqoelle orgia, seas fevife o
primeiro da imprens da corte, venan regar-mas
obsequio de transcrever o commnaieafe a aja alia-
do nas columnas do seo importante jarea!.
O EX-PREStDRTB Tlt PERNAIIBCCD.
Est demittido 0 Dr. Caslello Branca, e niagatan
levara mal que digamos dnas palavras a aaa res-
ucito, ja que seus relevantes servijjs sai de
T
.a a-


:
>
v_
.**msHo *e a ei-ttnftfetttM aMbado -I e .#<* d'f 9 a
-.hecidos ate pelos que liaban) o dever degalar-
doa-los.
O publico hada recordar-ss infallivelmenteqne,
emqaanlo as ooiras provincias do Imperio acudiam
5res-urosas aos reclamos do patritico gabinete de
i de agosto, organisando e envland) norpos de
voluntarios paran thoairp da guerra, lodos os cor-
responden!-- dePernamniieo,'0rnurnos, venneihns
e protjressistiis deelaravam una voce que all riada
*e poda obter, porque lvrava odesconteniaraento
e a descrenea, attri huidos a mol vos especiaes e
diversos por cada un dos ires matizas polticos. Os
vermethos riziam que o pivo raservava-se parque
nao via no poder os horneas prestigiosos da provin-
cia, o- genuinos, porque o povo, que todo liberal,
achavase opprimido pelo despotismo dos progaes-
ssla, que all constit lem uro mero estado-maior,
que desertou das. Qieiras vermelhas sem exerco;
f. ns prograssistas porque os geuuinos erabaraca-
vara x ceSo do goveruo.
Pois bem, o gabinete Je 3I de agosto para tirar
pretextos nomeou presidente ao prestigioso Dr. Cas-
lello Branca, que por seu cou>iante liberalismo llu-
via inspirar coniiaoca aos geuuinos, porsua since-
ra a-he.-o liga nao polia ser suspeito aospro-
jrressa*, por sea espirito de jusliea e rectidiio llo-
va acalmar a irntaco dos vermelhis, e por seus
notaveis taloalos, recoahecida. illustracao e assi-
naUdas virtudes civieas e privadas devia conquis-
em qaejmorava sr.i. I). Juamtad% eu.-aminha se ramenU) COTitradiclorias
a porta e snio..,. Na sala athavam-sea!gtjnas ,.., ^ Pmin,intp
seohoraa, e o tal Sr. Pasca,-. que liado baba- le-
de un
o Sr.
O
M.^""*^
orden*: Damas frente, cavatheirus por trax
As senhoras ficarain realmente coradas de vergo-
nha por seraelhante disparate; ma\ achando-se
all individuos que sahiam das (raquetas do Sr.
Alfredo Pascacio, decUrarara in conlmenti que o
bomero eslava as aguas I
Alfredo no entanto eslava emhirranlo corno m
burro panelletro, e queria danzar por for^a con
urna seohora, mas, como e>ta se negasse a isso,
descaiga as bolas poe se a chorar, at que ferido
por um desses d lirios produzidos pela pinga, ex-
clamou : minha senbora se nao dansa contigo, en-
cerr os rabalhos e dou o divertimentt por acabado 1
Islo dito assim, nao lem graea neuhoma, mas,
dito pelo Sr. Alfredo, isso que eousa de tazar
nr a perder I
Os collgas, que o nSo penk-ram da vistas piz-- rent-S
ram se a porta da tal casa, at que elle sahtsse,
vendo emlim que o seu famoso debiqae vinha a la-
zar zigue-zagues pelo camioho, trata um de agar-
rar-se-lhe as alus do palot, era quanto outro Ihe
pespega um morro na jaca, o pondo-se de largo,
cornaca a bradar : (ai. Afreto, est na broxa I)
O Sr. Pascacio, entreanto. que, quando est
temperado, onca. concebeu o plano de retirar-se
professor segregado da faculdajie de redi-
cia do Pars.
4." N'essas circumslancias admira-nos
que um consclho de sade publica se tenlia
decidido wm informaces mais certas, a
mandar prascrever ou mesmo a por em sua-
peicao medicamentos, cujas excellentes qua-
liilades e perfoiu preparaco tem sido, des-
d mijitos annos, r conhecidas por todos os
membros mais distinclos do corpo medical,
e que tem os nicos defeitos de serem me-
chimieo ^protesto se faca por edito* m forma da le, e
l.econte, ,rf5fper ?0'S i V' S- **' l''Trad<"1 protesto, griba
'ugar puf V. -.
r......-..roduza-bS^Iei-
tos regulares..
. Pede V. S. defermento.-E. R. M.Dr. Nas-
cimenlo Porlella.
Segundo o que assim se coDlinha em dita peli-
cao, que me foi apresenlada, a na qual dei o des-
pacho do theor sepuioi.;
Justiilqne amanha as || ijTras do dia. Retire,
10 de ago.-to de 18153.Alencar Araripe.
Segundo o que assim se continua em tal despa-
cho par forija do qoal fura felta a disinbuicao ao
esenvao deste mea juizo, Haaoel de Carvalho Paes
de Andrade, o qual em observancia ao mesmo meu
despacho lavrou o protesto do iheor seguinie :
Aos 10 de agosto de 1865, nesta cidade
Inores, menos caros e mais procurados do fe "e",' "
-- meu cartorio. perante mim e as testomu-
que todos os remedios de seus concur- nbas mfra asslgnadas, comparecen o supp
por s n procurador o olicitndor Manuel
ao iraarleTdi Biesma comi>anliB, at> dfl( 90 do cor-
ente, ao meio da, oom ana- propostas em cartas
(hadas.
Quariel no Campo da* IVineezas 17 de agosto
de 1868.Manoel Joa^jilim Machado.
Pela inspeccao da alfandega se faz pub'lWo,
que por engao d copia da pama -emin.il publi-
cada a 14 do crreme, foi declarado o proco algodao de Uff a arroba, devmido ser IS^oOo'; pe-
lo que se faz esta ractilicayao,
i' secciio da alfaudega de Pernambuco 7 de
agosto de 1888. -4 escriptnrarit,
J. de Avila RiUnrourl Xciva.
lentes no pnmeiro and.ir dt.- .* f.-rado da ra Au
Cruzes d. 33, aoude safa rAVetuad-j o letliw li
M
Sabkad 19 do carrate as i hra.
LEILAO
perra.
do arsenal de guerra
o<
-..
leoeao
Uc a estima geral. E o gabinete alo se eugaaou, occullammte, qalquer dia, para o Rio de Jaoeiro,
corno os factos so incumbiram de provar. envergonhido de suas bas obras I Emfim, como'
O vermdl.os e genuinos resfolegaram vendo se no t;m credores que o persigam, Doos o leve a
livfes da missi de chumbo que os opprimla, o os porto e salvamento, como Ihe diz o seu collega,
progresistas coatiiiuaraiu na posse do poder, posto que o soldado da.....Bomba.
que privados do direito Je op,irimir, e saudosos do .....,, .
dominio ahsjl ao sobre sem adversarios. Tmi.i.-. j i .....
Sj.n fawr ama violencia sem levantar urna aaei-' TtDdo de,xado a exeroiei dH Ui,r,1a alfande-
uialidades jiiigiivan iiopossiv^l. Em lugar das sce-
i
c
A
\aropo alyhoolico de veame, preparado pelo
pbarrtln^Uco Jos da Rocha Paranhos, estabele-
cido com botica na ras Mreii* n. H8 ca Peraam-
baco.
Este xarope inrioatedavetnienle superior a to-
do! os xaropes depurativos, de cuja composigao
o sea maior elemento a salsa parrilha, pois que se,menle acerca d;
cante
. Ilavmun
; do Penaforle, e por elle fui do que redacta ter-
mo ludo cootedo de sua peticao retro, a qual olle-
reeja como pane da presente, no qual (lepis de
lid- asalgnou com as indicadas teslemunhas.
Eu Manoel Silvino de (tarros Falco, escrsvenle
juramentado o escrevi.
Eu Manjel de Carvalho Caes de Andrade, escri-
vao o ubscrovi.Manoel Hay mundo Penaforle.
Antonio Aivfs da Foiceea Jnior.Joo Vicente
eTo/iespaadeira. ''
Segundo o que assim se coninha em dito termo
de proiwtn-, dpois (brqnal nfridzlndo o suppH-
carite suas lestemunhas que depozeram convunieo-
"a ausencia do supplicado, o res-
nas desagradiveis do aanopassado, que deram pre
texto iotervencao da forga armada na assembla
proviacial,as duas parcialidades, que all se hosti-
lisavam, mrnaram-se tolerante* a ponto de chega-
rem a um accordo sobre a organisacao da mesa, e
os seus debates, posto que animados, nunca se tor-
nram irritantes. Chamados pelo presidente os ho-
mens influentes de tolas as parcialidades, neihum
se recusou a ciadjuva lo no patritico empenho de
aitrahir voluntarios e dentro de 3 metes marchou
para a campaiiiia um batalaio de mais de 800 pra-
cas, sem duvda o mata numeroso e luzido de todos,
e pone i depos o tu o de GOO pracas, alm de todos
os contingentes deprimeira linha que alli anda .-e
achavaoi. E o Dr. Castello Rranco apromptava o
corpo de polica e os c^otlageeta da auar Ja na-
cional, que dentro em pouco aqui estariam se nao
o deasam por exonerado desde a queda do gabine-
t^ iie 31 agosto; pois os mesinos correspondentes
i) te a principio davara por imposslvel esse milagre,
j por ultimo o reconheJiam e'.i vista de realisar-
se, posto que agora tenham de novo vollado ao anti-
go proposito.
O Di. Castalio Branca so recebeu em recompen-
sa de la? servidos urna exoneracao a pedido, mas
u provincia da Pernambuco, que nao est resumi-
da em um esUdo-tnaidr sem soldados, o paiz que
nao ooaaaa de caoditbos vidos de dominio exclu-
sivo, e o ebefe da inr.'io que nao observa os horneas
pblicos aiiavez do prisma de paixes e iuteresses
partidarios
do que lao nohremente soube desempenhar a com
mis-ao de que foi encarregado, e que seus amigos
sabern qae s aceil u para nao deixar nina vez'de
cumprir o seu dever.
Cuino ttlho da provincia do Piauhy honro-me de
ser comprovinciano de um Brasileiro taodistiocto,
e jaque os qu? tinhumpor ilever nao galardoam o
mrito, nao posso deixar de faze-lo, taato quaato
permiltem as minhas acuidades.
Um Piauhyense.
achamos com o Paraguay, venho pelo prsenle
manifestar aos diflerentes empregados de repar-
tico quo deixei, os sentimehtos de affeieSo que
nutro por elle?, e de gratidao por ter merecido
sempre de todos a mais perfeita correspondencia,
mencionando com especialidade ao* Illms. Srs.
guarda-mr actualmente em exrcieio, Affonso do
Reg Barros e commandante Joaquim da Cunha
Figueiredo de quem sempre rrereci o mais delica-
do tratamenlo, que alias elles do sempre aos que,
como eu serviam sob suas ordeos.
A todos espero anda- prestar nrus servicos, os
quaes desde j Ihes ollereco.
Recif-, 18 d agosto de 1865.
Francisco Joo I.ins.
lem cochecido ser o veame mais enrgico para a p.-divo esenvao fazeudo sellar e preparar os autos,
prorapu cara das molestias, cuja base; essencial me os fe* conclusos, nes quaes dei a sentenca do
depende da purtfifiaao do sangne ; assim pois se (thror >eguinte
tem vcrtfaado por muitas pessoas que se achavam Rei por justificada a ausencia do
deseogariadas, as quaes acham-se hoje restabelecl-
das com o referido xarope alcuoolico de veame;
entretanto que alguns, leudo osado do xarope de
Curinier, de Larroy, de salsa parrilha, de sapona
supplicado, e
mando que o mesmo seja citado* per edilos de 30
das, para o im requerido a folhas doas.
Recife, 12 de tgosto de 18C5.Tristao de Alen-
car Araripe.
na, oleo de flgado de bacahau, e ouiros agentes, s-guudo o que assim se coninha em dila minha
desla ordem nada consegulram. E elle de fcil seulenga por forca da qual o respectvo escrivao
digestao, agradavel ao paladar e aoolpbato. Al- que este subscieven o fez passar n presente, pelo
is mdicos desta cidade e da de Maceio o teera qo.i1 e seu Iheor chamo, cito e hei por citado ao
Arsenal le
O consclho de compras
precisa comprar u segainte
Para pruvimeuto do almoxarifado.
o caixas com folhas de lian Ires, marca grande,
10 lences do latao de I" libras cada um, 10 du-
zias de taboas de plnbo de 3|i de grossura.
As pessoas que qulzeremvender ditos arligos
apresentem suas proposUa as 10 horas do dia 19
do crrente, na sala do couselho.
Sala das sessoes do couselho de compras do ar-
senal de guerra, 17 de agusto de 1865.
O encarrejj.ido da e-cripturac3o,
_________________Manoel los de zevedo S'intO
A directora das obras miniaros, leudo de
mandar proceder a diversos concertos nos auarteis
de cavallaria, Cinco Ponas, e nos dous da Solada-
de, convida as pessoas qne se quizerem incumbir
de laes coocertos a apresenlarem suas propostas ne
sobre cada um dos mencionados quarleis nos das ue U--1 SlllO C CiiaS UP, eljtf
DE
Urna caa terrea n. K, n roa -Jo C^rro.
dor do Bispo. em chV.s f iralraa, reaoV i-'J
mensaes e paya d.- Bi o %j p >r viao.
CorUei* s\-*i>r
por cunta e risco de q.i'-m p-rt-mcer l ri i io rta
casa lerrva cima nWarlmti i-m
Terra-feira 22 do crranlo as 11 Un*..
No armazem a ra da Cruz .",7.
Leilfio de dividas.
Cordelro Mn\e
far leilao a reqherimento dos adii.ioislradore da
massa fallida de Amorim, Fif dio, Sfi>5 4 C
despacho do lilm Sr. Dr. jnu fS,->. i! d> rana-
moreio de Sil titulo- de dividas lojis ni ia.(or-
la.'icia da 6:680,}79 rs ; o-i afataatsan aaafa
ja pod'iao examinar os rrlarMus iitui >-. 11 fMaa
sn achain em poder do diio seme eo;o l-ili, r.i
elei luaOo
Terfa-fcira de eorrrnle as i i beras.
No armazem a ra da Cruz n. 57.
l,filiJr.(
19, 21 e ti, das 10 horas ao meio dia, hora e.la lio i'CFS 15 -IfO'-ailos 'A
ms-cada pa-a a 22 se abrirem as prop islas,
Directora das obras militare- de Pernambuco
17 de ago-lo de 1865.O ajudanle,
Chryssolilo Ferreira ile Castro Chaves
____ Io teuenle de engenheiros.
o fl:n da addjenci ~d Sr.


O abaixo assignado, bscharel Joaquim Theotonio
Stares de Avallar, tendo silo vil e infamemente
calumniado em um artigo publicado no Diario de
Pernambuco n. 167, de 21 de julho prximo fiado,
sob a respoasabilidade de um Sr. J,uiz Cavalcaote
de Albuquerque Brito. que se conslituio advogado
da cmara municipal do termo de Cimbres, em
relaco a urna representai;ao que a mesma cma-
ra havia dirigid, em jaueiro du correte anno ao
governo imperial contra o abaixo assignado, re-
presentago alias que com a competente defeza j
se acha em poder do muilo recto e imparcial Dr.
juiz de dlreilo da comarca do Brejo para proferir
o seu julgamenti; julga de seu ndeclinavel dever i
declarar ao Ilustrado publico e aos seus amigos j
io de fazer iostiC aVeminente cida-' 1m ajmelh'"" e mais cabal resposta que sua hon-
ra e dignidadc, ultrajadas em dito ariigo, permit-1
tem dar ao mesme'--r. Albuquerque Brilo, cha-!
ma lo ante as Justinas do paiz, onde dever elle
responder pelos fados calumniosos que irrogou ao
abaixo assignado que ja se apressou em requerer
ao juizo municipal da primeira vara desta cidad ,
para que fosse apresentado o aulographo do arugo
alludiao, aflm de ser entao conhecido o seu autor
que se havia acobertado com a capa do anonymo ;
o que de feiio lave lugar em audiencia de 11 do
corrente.
Recife, 11 de ago-to de 1865.
Joaquim Theotonio Soares de Aullar.
recommendado para a cura das
Impigens linha, escropbulas,
Tumores, ulceras; escrbalo,
Cancios, sarna degenerada, fluxo alvo.
Todas estas affeccjes provm de urna causa in-
terna ; nao ha pois razao alguma em crer que el-
las se podem curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tralamento das affecges do systema nervo-
so e fibroso, taes como :
Cotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, csterilidadi',
Marasmo, hypocondria, nmmagrecimento.
0 xarope alchoolico de veame , sobre ludo, da
maior ulilidade para curar radicalmente, e em
pouco lempo o rheumatismo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope s se vende
nesla cidade na bolica cima indicada, do abaixo
assignado; e em outra qalquer pane que se tem
annunciado nao c da mesma composijao, e nem o
abaixa assignado se responsabilisa.
Jo.sc da Rocha Paranhos.
JURUBEBA.
Srs. redactores.Nove das depos de publicada
urna correspondencia minha no seu conceituado
jornal, na qual me defend de accusac5es que me
forara fe tas pelo Sr. Flix Francisco de Souza Ma*
galhies, surgi este, de uovj de la pea em'riste qual
novo |). Quixote a manejar a dunndana contra os
venios.
Ha eertos reinos, j da barbas e cabellos bran-
cos e al disdentados, que nos seus dispropositos e
sandices, ou se tornam insolentes, ou demuela-
veis : quem sabe se essasduas qualidades nao as-
senjam bem no Sr. Flix AIaga.hes ?
Etise homein desapoutado con a resposta sim
rejdica, i|ue Ihe dei, atira-se sobre minha vida pri-
vada, dando al a eutturder que ja fui criado, e
Deixemos Minerva agora,
Sigamos Belona irada,
Faz hroes na paz a penna,
Hroes faz na guerra a espada.
s armas, oh Lusos,
^.Corramos gloria,
Asira nos guia
E' certa a victoria.
Eis o hymno dos briosos academices de Coim-
bra, quando em 1809 transformaran! em fardas as
balioas; de sorte quo o seu unif irme em farda
A jurubeba urna das substancias medicamen-
tosas, ao reino vegetal, e perience classe
dos tnicos e desobstruentes, sendo em prega-,
oa com ?vantagem contra as febres iuiermilentes;
acompanhadas de engorgitameniode ligado e bac,o.,
Ella tem sido applicada com inconteslavel proveito !
contra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar-
rho da bexiga e mesmo para combater a meustrua-
'.- diulcil, resultante da mesma anemia ou chlo-
rose.
Extraio alcoolico de jurubeba.
Emplastro dem.
Oleo idem.
Tintura idem de dem.
Xarope id-ra.
Vinho idem de idem.
Pilulas de ext. idem.
Deposito, pharmscia de Pinto, ra larga do Ro-
sario n. 10.
peinando que com semelhanle' aieivosia poda da- prr!a',?,'lla 8 janhao de velludo cor de sangue.
cando no- Ue 8B acaut|iiicos viole tinham cavados, in
. muni-
rara-se de um estandarte, e improvisaran! um as-
quadrao, ao qual fizeram passar pelo declive de
um monte em frente ao exercito francez, davam a
a volia a galope, e punham os cavallos a passo,
quando tornavam a apparecer em frente do iumi-
go distante meia legua acestava o oculo; os aca-
dmicos repetiram esta operacao por um grande
rou-se om columna ; dez mil Francezes fugiam de
20 estudantes. Destes 185 bravos acadmicos se
formou depos o casco da brava legao lusitana.
Accresce em favor dos briosos acadmicos do
Recife, que estes tem sua frente o benemrito
lente, o Exm. Dr. Loureiro; faci que era Portugal
se nao deu.
Viva o brioso corpo acadmico do Recife.
Um daquelles.
primir o meu carcter a cooceito. Provocando po
sin va e solemnemente a que prove aquella asser-
cao proferida somente com o intuito de me inju-
riar, dir-lhe hei com ludo que nao estou dispos-
to a acoinpanha-lo em lao espnhoso terreno, nao
porque nao encontr nelle miserias, mas porque
quero respeitar-rae a mim e ao publico.
U Sr. Flix Magalhes nao o mais competente
par i apreciar malogros de candidaturas, pois deve
lembrar-se que foi derrotado na ultima eleico de
jni/es de paz, n.o obstante ter mai >ria o seu par-
tida, que triurnphou quanto aos outros tres nomes
de sua chapa : ea semelhanle respeito posso afflr-
inar Ihe que nuuca fui enchutado das coofrariasde
<|:i. fago parte, e islo depos de ter nellas exercido
alguns i-.argus. Os boos servicos, o regular de-
sempeuho de um emprego do sempre direilo
a reeleicio, mormente quando esta solicitada.
A derrota em casos taes nao acredita ao caudi-
daio
A demisso de sexto supplento do subdelegado
de.-ia ireguezia foi-me decretada a meu pedido, e
nao p..rqne a merecesse. Honram-me muito os at-
a'u'ii^ervT 'eUh daS autndadeS SQPeriores cora perfume inevavelraente deve
c o j mil
Quem cotejar a minha correspondencia de 8 do
corr-rnte com aquella a que agora estou responden-
do, vera que so fui vencido sob o pooto de vista
dos insultos, velipendios e calumnias. E como rae
reconheco inapto para o manejo de taes armas,
deixo que ellas se quebrem as proprias mos do
meo contendor.
F.' bem verdadeira a sentenca de quenao se
trinmpha da calumnia, se nao despresandoa. Isto
posio, declaro ao Sr. Magalhes que nao Ihe dare
mais resposta : quem gusta de atolar-se no loda-
cal disultragt-s e doestos, nao saia dos alcouces e
lupanares que sao escolas donde tem saludo bem
bous discpulos.
Recife, 18 de agosio de 1865.
Silvino Guilherme de Barros.
COMMEIHIO.
Caixa ilial i hancft do Brasil em
Peniailiuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Itio de Jaueiro e sobre a caixa filial do
n'esmo banco na Bahi.
Novo banco de PerDanibuco.
espaco de lempo, e o general francez', ji Igan'do que I Im, asSSS&I ff ifi" f,a"'la df Joai-uim
grandes maCas'de cavallara os iam cercar, ret- ^^Tn I' d,v,J,;odo de "
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos
meltidos : oo novo baoco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 31.
_\<>vo banco de Peruam-
baaco.
O bauco descoma letras na presente seman;
9 por cento
mencionado ju-tilicado ausi^nte Frederico Velloso
Koop, para que dentro do prazo de 30 das coinpa
reca por s ou por seu procurador, ante este juizo,
allegando e pnvandd o que fur a b.-m de seu di-
reilo e jusliea, sob pena de revelia.
Portanto, tuda e qalquer pessoa, prente, amigo
ou conhecido do referido justificado
(azer scienle de lodo o expendido.
E para que chegoe ao conhecmento de lodos,
mandei fazer o presente edilal que sera' afQxado
nos lugares do costme e publicados pela ira-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recite de Per-
nambuco, aos 17 de agosto de 186o.
Eu Manoel de Carvltiu Paes de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
, 0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, ollicial da im-
j perial ordem da Rosare juiz de direito especial
do commercio nesta cidade do Recife de Per-
I. nambnco, por S. M. I. e C. o Sr. I). Pedro II. a
quem eus guarde, etc.
Fago saber aos que o presento edital virem e
. delie noticia liverem que por este juizo especial do
commercio pendem mis autos do txecucao de sen-
tenga de Manoel Joaquim Rodrigues de Souza con
Ira Luiz Jos Rodriguis de Souza.
E tendo-se feito penUora em dinheiro pertencen-
\ le ao exenttda fra pelo solicitador Flix Fran-
cisco de Souza Magalhes, procurador do exe-
quente feito o rei|uerniento do seguinte termo :
Aos 11 de agosto de 1865, em publica audiencia,
que aos felos e parles da va o Dr. juz especial do
co-i.mercio Trisiode Alencar Araripe, pelo soli-
citador Flix Francisco de Souza Magalhes por
parte do exequente aecusou penhora feita em di-
nheiro pertencente ao ejecutado Luiz Jos Rudri-
gues de Souza, e requereu que se Ihe licasse as-
signado o (ermo de seis das e dez aos devedores
incertos, passando-se os respectivos edtaes, o que
Ihe foi deferido, precedido o pregao do estylo, ao
(|iie fiz o presente do protocollo das audiencias a
que juntei a precatori e termos de penhora que
seguem.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Na.-cimento, es-
crivao o subscrev.
Por forja di meu despacho o referido escrivao
fez passar o pre eme, pelo qual chamo, cito e hei
por intimados os credores incertos do do execu-
L*j|r:, para que comparecam neste juizo dentio do
airo prazo munidos de seus documentos, alim de
! alegarem o que for de jusliea.
E para que chegue ao conhecmento de todos
mandei passar o prsenle que ser publicado pela
imprensa eaflhados nos lugares do cosame.
Cidade do Recife de Pernambuco, 16 de agosto
de 1865.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nasciraento, es-
crivao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe,
ad 0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, ollicial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz especial do commer-
cio d'esta cidade do Recife de Pernambuco o seu
termo, por sua Magestade Imperial que Deus
guarde etc.
Paco saber aos que o presente edilal virem, que
no dia 11 de dezembro do corrente anno, as II ho-'
ras da manhaa na sala das audiencias, tera logar
Dr. juz de or-
phos em os das 18, 22 e 25 do corren.-, tera de
ir a praca a renda do sitio denominado Santo An-
tonio da Mouraria ni lugir do Miii-'uinho, casa
onJe resida o fiaado brigadoiro Menezes, cuja
renda por lempo de tres annos.
Irada q ti c vi p;r JahtaWio.
Cosan seja :
1 eaaa de tripa e >m !7 palm
de fundo.
1 dita dita com 27 patnami
fundo.
1 dita dita com 15 palaaau Je
fondo.
Ippv
!>
1
fr ni -.i) V
frente a i) de
' te e y> ie
Consulaiio de Frnci.
Conforme o art. 7 da convengan consular entre
o Brasil e a Frrnca, o cnsul francez faz publico,
pie falleceu no dia 11 Jo crreme o sublilo fran-
. cez Camoins, M itliieu Pierre Vctor. Pernambuco
poder-lhes-ba 116 de agosto de 1865. -O cnsul de :'ranga
Osmio Lapurte.
Mmm \
Retagao das carias seguras existentes na adminis-
trago do correio desta cidade para os se-
iiIkiits abaixo declarados :
Agostinho Gomes da Cunha.
Dr. Antonio Coelhode Sa Albuquerque.
Commendador Antonio de Sonza Leo.
Comrnendador Vieira da Cunha.
D. Emilia Fortnala de Gusmao.
Francisco de Mello Brrelo.
Joo Alves Malbeus.
Jos Ferreira Das dos Sanios Jnior.
Dr. Jos Leandro de Godoy Vascooeellos (2).
Jos Mondes de Frailas Laurenllno.
Dr. Luiz Felippi'. de Souza Leo (2).
Coronel Rodolpho Joo Barata de Almeida.
Dr. Silvino Cavalcanli de Albuijuerque.
I dita dita ora 17 aalm s #e
fundo.
1 sitio com 600 (km de fr-nt- 6.0 to-
do com cacimba e arv rol a, t" i asMa ore*o*
era chaos fon-iros.
C'ordrlro Kimet
a reipuTimento dos a mini-tra lor. < U aaasaa bi-
l a de Amurini, Plipaa, Sanio- Ai',- t sortu
do Illm. Sr. Dr. juiz ejpn'iai e r wmmveHm, for.
leilodo sitio e casas acuna m-nei n.i!a-, p-xtviM!
desde ja os arajaadaaaa ir aaaaai ao ttt-
exame,cojo tenia ser .lf aaria
Terra-feira 2 dt terrraie as 11
.No armazem a ra da Sm a 57.
ra
DE

EMPREZA-'OIMBRA
Recita extraordinaria.
Sabbado 19 de agosto de
1865.
Representar-se-ha o inlcressante e muilo ap-
plaudido drama em o actos
m Ol'AIHlO i!A VIDA.
Dar Gm ao espectculo a graciosa e linda co-
media em 1 acto ornada de msica
UIP3H4S i LFITE!R\.
PEKSONAGKNS.
Augusto....................... Lisboa.
Manoel-----.................... Teixeira.
Mariquinhas................... D. Eugenia.
Genoveva..................... D. Camilla.
Camponezes, etc., etc.
Comegara' as 8 horas.
Agiaa florida de lliirny e Lan*
man.
A inlroduccao deste saudavel e delicadissimo
fazer, com que es-
e urna aguas e espiritos de chero, cora-
postos principalmente de leos essenciaes fortes
e de urna qualidade impura, se transformen) n'uma
verdadeira droga nos mercados.
A' vinle aunos essa parle, ella tornou o lugar
de lodos os extractos e essencias europeas nos mer-;
cados tanto da America do Sul como as Aotilhas,!
suppriraindo todas as dilfereotes qualidades dessas
chamadas Eau de Cologne.
O seu deleilavel aroma tem urna approziraacao
mais estreita e anloga respiraco delicada das
verdadeiras flores, do que aquell de nenhum ou-
tro artigo em uso para a mesa do loucador. Usada i
como urna lavagem ou enxagoamento da bocca,l, MOVIME.NTO DA ALFADE ella igualmente neutraliza e faz dessapparecer o Volumes entrados cora fazendas----- 121
_ na sala das audiencias, lera
ao auno al o prazo de seis mezes, a reuno dos credores da musa fallida de A. "B
------ l Cuervo C le., afim de se cumprir o disposlo no ar-
Calxa filial do banco do Brasil ''go 812 do cdigo eommoreiai advirtindo porm,
Cin Pernainbiaco. -qu nenhnm credor ser admillldo por urocurador
De ordem da directora desla caixa se faz publi- se (,, n;1 liVtT "eres especiaes para o acto, e
co aos senliores accionistas, que o respectivo the- [ que a. l'ro,cura5ao naopodera ser dada a pessoa que
seja devedora aos fallidos, nenhum mesmo procu-
rador representar por dous diversos credores; ou-
Iro sim que serao unidos aua volos da menoria dos
credores prsenles, os dos credores que dexarem
de comparecer.
soureiro est aulorisado a pagar o 23 Jdivdendo
do semestre Godo em30 de junbo ultimo Ja razo
de 12-3 por a (rao.
Caixa Glial do banco do Brasil lo de julho de
1865.
O gua'rda-livros,
Ignacio Nones Crrela.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 17......
dem do dia 18...............
292:6935812
18:1163159
310:8IOJO0t
^ miCASGES 1 PEDIDO
Tendo eu no Diario de 9 e 10 do corrente, pro
vocad) o Sr. padre Jos Antonio dos Santos Lessa,
para que declare qual foi a parle que tanto eu como
o Illm. Sr. conego Tavares da Gama tivemos na no-
mear) do Rvm. vigario Gamillo de Mendonca
Fuado para visitador da provincia das Alagas, e
principalmente qual a transaego que o mesmo Sr.
padre Lessa no Diario de 8 se compromette a por
em pralos limpos (expressoes delle) e estaodo nos
a II do mez.semque S. Itvma. tenha feilo declara
cao, como Ihe cumpra, novameuie o provoco para
que sem perda de lempo faga a declaracao que
elijo. Previno-o desde j que nao ha de sahir-se
como no negocio dos 3:0008 legados pelo Exm.
mu gosto e hlito causado pelo fumo do charuto e
melhorando a condigo e estado dos denles e gen-
gives.
Vislo exislirem por toda a parte imitacoes frau-
dulentas, as quaes de lrina alguma possuem eslas
qualidades, preciso pois se faz que haja toda a
caulella na sua compra, tomndose sentido que os
' nomes de Murray e Lanman, se achem inscriptos
sob cada envoltorio, letreiro ou garrafa, pois que
na falta dos raesmos nenhuma verdadeira.
A venda as pharraacias de Caors & Barbosa e
J. da C. Bravo & C.
cora gneros..... 217
------- 341
Voluntes sabidos cem fazendas..... 72
C3T1 gneros..... 856
928
di-
Sade publica.
Purifieaco a respeilo de alyuns dos medicamentos
da casa Grimault k G.
Alguns jornaes publicaran urna ordena-
Cao d 1 conselho de sade portuguez, ;que hendimentoTo"dia"
Sr. bispo D. Joao aos pobres e a duas igrejas desta prescreveu os medicamentos preparados pela dem do dia 17
declaran no Da- casa Grimau|t C. de parfg, com O pretex-
to que esses acreditados pharmaceuticos
foram condemnados pelo tribunal do Seina
por terem vendido medicamentos secretos
e falsificados.
Essa ordenacao parecer bem extraordina-
ria quando se tiver lido as seguinles cir-
cumstancias:
Descarregam no dia 19 do corrente.
Barca francezaGuilherme Tell mercadorlas
versas.
Sumaca hespanholaVestalvinhos.
Brigue portuguezS. Joscharque.
Barca nacional Valle idem.
Barca ingleza Orioncarvo
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 17...... 23 2085222
dem dojdia 18................
. E para que o presente chegue ao conhecmento
de lodos sero publicado pela imprensa e aCBxado
na forma do estylo.
Recife, 1 de agosto de 1865.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascmento, es-
crivao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
DSfiUU|OES.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ra de fazenda desla provincia se faz publico para
conhecmento de todos, a circular do tribunal do
thesouro o. 27 de 20 de julho ultimo abaixo trans-
cripta.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco, era 14 do agosto de 1865.
Servindo de offlclal-maior,
Manoel Jos Pinto.
Circnlar n. 9 9.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja-
neiro, em 20 de julho de 1865.
Jos Pedro Das de Carvalho, presidente do tri-
bunal do thesouro nacional, tendo resolvido que
1:7245940 se substituain as notas de 103 da 2a estampa, cor
--------------I de lelha, ordena aus Srs. inspectores das thesoura-
24:9335162
CONSULADO PROVINCIAL.
a 16......
rio de II de fevereiro, e afirmou mesmo com jura-
ment que havia entregado ao Sr. Antonio Ramos,
entretanto que este seuhor assegura peraole os tri-
hutiaes que tal quantia nunca recebera ; e o Sr.
r. juiz de capellas mandou embrgala no pro-
duio dos beos j pelo mesmo Rvd. Lessa consig-
nad is aos seu< credores, vislo afprmar igualmente
S. Hma. (pie est pobre, que nada mais possue.
Recite, 14 de agosto de 1865.
38:3195151
6733935
38:9935086
MOYIMENTO DO POBTO
Conego Joaquim Ferreira dos Santos
0 Alfredo est na aguas!
Por mais vollas que o Sr. A
milo, nao pode deixar de assigoa
que, segundo dizem, o homem analphabeto, a
agora foram polo na sua legitima posigo... es-
t fazeudo despejo....
Ha lias, passando eu por certa ra, vi que dous
collegas do Sr. Pascado, isto , dous moleques se
aproximavam porta de um eslabelecimento; um
levar n'uma das maos urna cebla podre.e outro que
era
um
I.0 A sentenca de que se trata foi dada
sobre a denunciado de um dos concurren-
tes dos Srs. Grimault dtC, e sobre as in-
... Pascacio d ao formaces inteiramente erradas que forara
-oar de cruz, por- dadas aQ trbunaL 4
2." A sentenca foi dada por um tribunal
de primeira instancia, e nao tem valor al-
gum, logo que se appellou; foi por urna
manobra desleal e contraria a todos os usos
Navio sahido no dia 18.
Rio da Janeiro pela Baha,Brigue sueco Orwar,
capito Buhrman, em lastro.
Nao houveram entradas.
Observacao.
Apparece ao norte um brigue e urna galera.
EDlfiii.
ras de fazenda que, mandando publicar esta reso
luco por aimuncios nos peridicos das provincias
e por editaes aluzados em todos os muoicipios, pro-
cedan! referida substitu cao com o producto da
renda das respectivas thesourarias, solicitando a
remessa dos fundos precisos no caso de deficien-
cia da mesma renda; e remellara mensalmenle ao
thesouro as notas que se forem substituindo, devi-
damenle carimbadas e inutilisadas.
Nos aonuncios e editaes far-se ha a declaracao
de que em lempo competente se marcar o da em
que deve principiar o descomo da le no valor das
uotas que oo liverem sido al ento substituidas.
Jas Pedro Diat de Carvalho.
Convida-se as pessoas que estao as
CondicSes do servido militar, a engajarem
no corpo de polica e gozarem das vanta-
gens d 1 lei provincial n 611 de 2 de maio
prximo passado, quo sao as seguintes :
lJiOO rs. diarios de solio, serem seus t-
Ihos menores recolhidos aos estabelecimen-
tos provinciaes de educacao e o tempo que
COMPANHIA PERNAMBCCANA
DE
Navegacu costeira |r vapor.
Parahyba, Natal, Macau, Aracaly, Cear
e Acarac
No dia 22 do correle segu o
Persmunga, commandante Ralis
para os por tos indicados. Recebe
carga al o dia 21. Encommen-
das, passageiros e dinheiro a fre-
te al as 2 horas da tarde lo dia da sahida. Es-
critorio no Forte do Mallos n. 1.
tara o Rio de Janeiro
Pretende seguir com muila brevidade a barca
nacional Restauracao, lem parle do seu carrega-
mento prompto: para compltalo, o juntamente
para escravus e fret-s, para os quaes tem excellen-
es commodos, trata-se com os seus consignatarios
Antonio Luiz d'Olivera Azevedo d C, no seu es-
criplorio, ra da Cruz n. 1.
11 ha de S. Miguel.
Segu impreterivelmenteno flm do corrente mez
o pabiali a.- porlugnez Pensamento, de 1* classe :
quem no mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gem. dirjase a Bailar & O iveira, ra do Vigario
numero 10.
LE!U(i
De 8 aecnes da i onipavhh P*>raai-
Imiimui
C'or.lrlr r-i
a requerimciiio n* alaMat-trad r 11 aaaa f-'-
lda de Ara >rim. Fraz .s... S101 ,- | C aaaal
do Illm. Sr. r.ju.z i eteeMe
m.rcio, lavara' novam-ui. U.> a- a .
ma descrlpti-, servindu d- Imu* :i o.:
no lailn a 14 ai ranate, i.-t>
Terca-feira 22 do corrale as 11 lajn
^ No armazem a ra da Cruz 1, .,".
LeiiA
Terca-feira ii do ajff nte.
Pelo agente Unzenia.
De um sobrado n. 7 na ru.i !.. Padre FUinaa-,
chao prnprio, reode Hajk
De duas ca-a- Manaa na roa* Gaz, -*> wm-i
acabaoas ha pouco-. da-, d- ns. 4 e O, r-a-l-* Mg
por moz cada urna, rh.i > for
De duas rasas t-rreas n--. .12 ^ 1i aa ma da
Praia do Calamira, lem .t.~io, Ma n irmau a
quasi novas, chao amara, rende .IVSfiOO a-raan
cada Ulna.
I'm sobrado de nm andar na roa Imperui a 0.",
chao fereir, rende 30Uf por ana.
LEILAO"
Da axeelleaJa cien o Eso. Sr. atiiifcaia* '
Doria, noManguinhu, com as ar-.nrn.,t^>*
que podera ser examinad*-* .i-.-il ji ; #
tendentes, os qoae devsro Corurrer a kril-
no dia
Te-ea-feira 2!l ie *l a 11 tar-s
em soila.
Por intervencao rio agente Piolo, en hvof
Associago Commercial.
TKSOS 3I?E3S'5
tarii
como
que os concurrentes dos Srs. Grinault de C,
mais aud*cioso ao enconirar-se com elle, da izeram distribuir era grande numero os jor-
Iraqae, e grita logo : ( at. .1 Afredo pegousecre- nafis ill(1i,iaPS mandaram nnhlir-ar Pm
naes iudiciaes e mandaram publicar em
I a este dito o Sr. Pascacio, que eslava cheio D_ _ v *--<.-
urna uv, temou perseguir o bisneto de 'ranea e nos paizes 1 strangeiros urna deci-
Ciim. eis seno quando cah'-lbe mis ventas a tal
cebla, de que ha pouco fallei, e urna tremenda
gargilhada dos circumslantes velo dar comple-
mento gloria daquella famosa gaiatice !
C imo era de suppor. o facto foi logo historiado e
comineiitalo petos visinbos, mis o Afredo, como
sao que aulla, sem nenbum valor emquan-
to o tribunal imperial nao a tiver approva-
do, e depois delle o tribunal supremo.
3." O tribunal imperial nao decidi, mas
sim, por urna sentenca de 17demaiopro-
Ihe chamara os coilegas, que lem o seu lado de lo- ximo p igsado, ordenou nova VStorta, a que
]o, e afoga as paix5as em vinho, corren para a ta- t:nua mfitivarin a flfirisn c\n=. inirp* da nri.
berna mais prxima, e ahi foi entortar os cotovellos I "". moilvaao aec,*a0. aos *m.z1es .a P""
D'ahi seguio Pascacio, a vara e a remo, para a me,ra instancia Ibes tendo parecido insuffi-
ru do Imperador, e vendo dansar era ama casa cente, depois das novas experiencias intei-
) Dr. Tristao de Alencar Araripe, ofDcial
da imperial ordem da Rosa, juiz de di- estiverem na guerra ser contado pelo duplo
reilo especial do commercio desta cidade! para o caso de aposentadoria, e alm destas
do Recife de Parnambuco e seu termo,' tem todas as mais vantagens que s3o con-
por Sua Magestade Imperial e Constitu-;cedidts aos voluntarios da patria. O-te-
cional, o Sr. D. Pedro II a quem Dos!nente-curmel commandaute do corno de
guarde, etc.
Faco saber pelo prsenle que Jos Joaquim Go-
mes de Abreu, por seu advogado, me dirigi a pe-
ticao do theor seguinte :
Illm. Sr. Dr. Juu do commercio.-Diz Jos Joa-
quim Gomes de Abren, que para inierromper a
prescrlpgao da letra junta da quantia de 4803000,
aeceita por Frederico Velloso Koop, quer iolerporo
referido protesto, que requer seja tomado por ter-
mo. E como o supplicado esteja ausente em lugar
nao sabido, quer o supplicante seja admiltido a
jusiiQcar essa ausencia, aflm de qae a intimacao
polica, Alexandre de Barros .e Albuquer-
que.
O tenente commandante da companhia Te
cavallaria contrata para forneciraento do rancho
das pracas da mesma, durante o 2* semestre do
corrente anno o segainte: carne secca, dita verde,
feijo, farinha, toucioho, baoaiho, paes de 6 on-
cas, manteiga franceza, ateile doce, vinagre, le-
nha, assucar refinado, eaf e arroz; e para a ca
Tisset Frers previnem aos carregadores dos na-
vios da linha do Havre a' Pernambuco, que o fre.-
do Gullaume Tell, esperado a cada momento, tera
sido abaixadoa 30 fs. e aO|o do sphre a car-
ga no Havre a 95 fs. e 10 0|0, e que talvez o dos
navios segrales sera' anda mais em conta, o que
Ihes sera' avisado por vii deste jornal. Os navios
estilo a disposicao dos carregadores para as voltas
a um frete abaixo de 45 fs. e 10 *u conforme se
ajustar com os annnnciantes, ra do Trapiche n. 9.
Para a Baha
at o dia 20 do presente mez pretende sahr sem
falta o veleiro e bem conhecido patacho naciooal
D.Luix, capitao Jos Teixeira de Azevedo : para
a carga que Ibe falta trata-se no largo do Corpo
Santo n. 4, com o consignatario Jos Maria Pal-
meira.
Para o Porto por Lisboa
pretende sahir com a possivel presteza o brigue
Prnamoucdno : para carga e passageiros, a quem
offerece bons commodos, trata se com o c.asigna-
tario Tlumaz de Aquino Fonseca, ra do Vigario
n. 19, prmeiro andar.
Vendem-se as harcaqas Paran, tle J3 caitas
e Santo Antonio de Barrciros de 15 ditas, appare-
Ihadas de novo e bera construidas : a tratar nesta
praca com os Srs. Antonio Lopes Braga & C, ou
no Rio Formoso com Joao AfTonso Ferreira.
PARA O
Rio de Janeiro
pretende sahir oestes lo das a barca nacional
Valle; para carga, passageiros e escravos a frete,
tratase com David Ferreira Bailar, na ra do
Brum n. 66, ou cora o capitao da mesma barca.
A pessoa que Irome le M.vi'
carta do Sr. Clandino Fa c".
propriea^io dota typ.graphi4. quein
manda-la entregar, pois tem .i.j **
ponder.
GUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A Companhia Indemnisadora
estahelecida nesla prara, loma aajaaj aaratam-
sobre navios eseus rarfeganv-ni-ts a marra a>e en
edificios, mercaduras e raotiliaa: aw se una
rio, ra do Vigario n. 1, p.vim-nio Urrr*.
L0TERL74
AOS 6:000^0'J0.
Terca-feira 2i do corrente mn, m -
trabir a 3af)arie da V e r da f telarw
^8*) a benelicio ta matriz no consistorio da ij;rej;i >U: .Vssi S-rhira
do Rosario da freuezia de Sanln Anl.r.ai.
Os bilhelos, meios e quarbia et4o a ca-
da na respectiva tiiesouraria a ra du Cres-
po numero 15.
Os premios .le il-OOnjOOO aH IOBJi
serSo pagos urna hora aaaMi da xlra.-raa
at as i horas da larde, >; * s Je-poia
da distribuirn As encommemlas 1 t%t ifn:irdaiii> jk
mente al a noile
como de coslume.
Servimlo le lhe.vturirn.
J')a KiHjrii/iiesde SHi^a.
Aluga-se a casa terrea m. II >a atara aa
dnas ponles da Passagt-m da Maj-JaVaa. Mta 4
quartos, i -alas, cosinha fora ipiinul nnr>aa, ra
cimba e sabida para raroboa : a tratar b-> mu
do Ca;ueiro junio ao h.-piul portofars caa> lav
doel Antonio da Silva Rodrigar*.
Alaga se a loja do mbr idn da aiaauaa a
Trempe n. 7 : a tratar ao mesmo marida
Alaga se nm exeelleot* li-laeirn inri mrtiai
ra de b-i e carrucas, r.i.ut ri-partiawaiw para m-
radia, e em excellenle loralidae : ao aav-4 a S.
Pedro n. i se dlra
mms
LEILOES.
Aluga-se ou arrend* e atesoM pnr
um terreno devolol'i t>nln murado e rtcrliVn*- tara
deposito de bnls e qoa- -quer outros fojert- : a
_______tratar na ra da- Crori-s a 4*.________
Alugam m* dou grandes .-HiitcadM roa taatM
modos para numerosa familia, novo a acaaaaW
com jardim, eoetieira, estrilara * utra* -eaaavv-
didades. na iravessa de J--- Fernan-^ Varara :
a tratar na rna da Saanla Nova n. M.
Club Perimmlmcano.
Domingo 20 do conetf, aaver
reuniao de familin^.
Charles L. Krali retirase para fra Aa pra-
vincia. ____
No dia li do crreme desappareem ota an
Leilao de trastes de casa de familia.
C'ordelro wliues
por conta e ordem de urna pessoa que se retira pa- das, levoo nm pedaco de corda a
vainada, capim, rael, farelo o milho, sendo estes de \ ra fora da provincia, far leilao de urna raobilia apprehender ou der noticia certa se gratificara aa.
manso, cor amarella, pella-Jo p>r ser tHI, rae-cea
compridos, as galhas bastaates vaKaae a 1
irao,
boa qualidade : os pretendeotes podem dirigir-se, de amarelto, cadeiras avulsas e ouiros trastes exis* roa Imperial n. il\, armazem de couros.
I I


Diario de Pernamfeuco -. sabbado 1S de Agosto de !*.
Atten$io\
Deseja-se saber dos Srs. Jos Narciso Gome?,
Jos Vaz Dias de Pinho, Joo da Silva Ferreira pa-
ra se Ihes entregar cartas viadas do Porto : na
ra do Vigario n. 19, priroeiro andar,
Arrenda-se o grande sitio da Piedade, na Ta-
marineira, onde esteve o collegio da Conceicao,
com todos os commodos, e alem disso proporgoes
para grande agricultura : a tratar nes Coelhos,
em o collegio da Con' eico
PHOTOGRAPHIA ARTSTICA
DE
25 Ra Nova fesquina da Camboa do Carmo) 25.
Monte-pio portuguez
Pergunta-se a directora provisoria daqnella so-
ciedade de tanta ulilidade por sens principios, e
auTt fffind !Klitti?oUa*^ mriS*PS" S ProPrietarios desle estabelecimento, desejando salisfazer os numerosos pedidos de seus fregueses, acabam de receber de seus correspondentes de Pars, um grande
ciedade, quando sens estatutos foram approvados sorttmento de retratos (cartes de visita) das personagens as mais celebres da Europa, as&im como receberam tarabcm urna quantidade de alfinetes e cassoletas para retractos, do
em assembla geral dos signatarios, em 17 de julbe mais apurado gosto e por precos muito diminutos.
do anno passado; se a mesma direcioria. como, Os mesraos aproveitam a oceasiao para prevenir ao publico e recordar aos seus numerosos freguezes, que ellcs trabalbam todos os dias, domingos e dias santos, das 9
fe*7*2?^ hoas d*manb3a a, as 4 da lardee que os tem(os de chuva nao influem em nada para o bom successo dos retratos, pelo contrario o sol entre nuvens mil vezes preerivel
ta do art.29 5 do decreto n. 2,711 de 19 de de- sobre todos os Ponlos- 1*0*0 pela rapidez da operaciSo, como pela commodidade das pessoas.
tembro de 1860, devia convocar novamente os as-i A grande quantidade de pessoas que lem visitado este estabelecimento nestes dous annos em que se acham estabelecidos nesta cidade, e que nSo ser menos de cerca
sodados, aflm de resolveren! urna duvida to mes- de G.90O a 7,000, para elles urna garanta futura, posio que se appliquem lodos os dias, para que todos saiam contentes e satisfeitos.
quinha : com a sua rosposta esperamos vollar, o;
anda mais acuando se entre nos o socio instal- ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------.
lador.
Alguns jwrtuguezes.
Albino Baplita da Kocha, re-I
logoeiro c dourador, portuguez,!
faz qualquer concert por prego
mais barato do que outru qualquer,
e responsabilisa-se pelo s> u liaba-
Iho, e tambem compra relogio em
segunda mito ; praga da Indepen-
dencia n. 12.
Precisa-se de um bom cozinbeiro,
ra do Crespo n. 8. loja de 4 portas.
na
Ao publico.
Pede-se ao Sr. Jos Antonio de Almeida Guima-
raes que a bem da verdade, e para flm justo, decla-
re neste mesmo jornal os signaes de Nicolao, que
dil ser seu escravo, o qual se declara alforriado, e |
que o mesmo Sr. Almeida Guimaraes no seu ao
publico de 5 do correte, diz o ter comprado ba j
mais de dous anuos ao Sr. vigario Corris da Mol-!
ta Milchell, morador no lermo da Villa do Norte.
Esperamos que o mesmo Sr. Almeida Guimaraes
seja exacto na deseripco que fuer dos signaes do ;
prediclo escravo, com o que nos obrigar.
Precisa-se de um menino portuguez para cai-
xeiro da loja de quinquilharias na ra do Raogel
numero 24.___________________
Precisa-se de um menino de 14 a 18 annos
que tenha boa letra, seja inteligente e esperto para I
servigo de escripturago e de ra : deixe carta
fechada nesta lypographia com as letras ABC
para ser procurado.
A pessoa que annunciou no Otario da sema-
na pasuda querer 'mimarse como caixeiro de
armazem de molhados ou toma lo por balango,
dando fiador a contento : deixe carta fechada com !
as iniciaes DDD para ser procurado.
Domingos Rodrigues de Andrade, na rna da
Croz n. 33, saca sobre a praga do Rio de Janeiro,
a praso oa i vista.
Precisase de urna ama habilitada para todo
o servigo domestico : qnem esllver nestas condi-
goes dirija se a roa do Trapiche n. 13, ou na So-
ledade, ra do Progresso n. 7.
Um rapaz brasileiro com pratica no furo offe-1
rece se para cobrangas nesta cidade e no mato, e
da fiador a sua conducta : pode ser procurado na
ra do Queimado n. 4, das 9 horas da manha as
3 da larde._______
Tendo-se annu::riadu a casa sita na ruado
Fogo n. 48 para se vender,desemharagada,o abaixo
assignado faz ver que a mesma casi sita na ra do
Fogo n. 48, como tambem oulra sita na ra nova
de Santa Rita n. 34, se arham embargadas pelo
mesmo abaixo assignado.
^_^_ J-a jiiim VieiraJ'.celho da Silva.
Temi sido encontrada na estrada do P m-
bal, na primeira travessa que vai dar a estrada de
Joo de Barros, urna pnlseire : pede-se a qnem com
direito a ella se jrilgar, de se entender com o dis-
tribuidor do Diario de Pemambuco, que pela dita
estrada passa todos os dias. Advurtindo-se, pore-m,'
que s entregar a dita pulseira i pessoa que der
da mesma os signaes competentes.
Precisa-se de urna ama que coiiuhe bem e
sirva pjra comprar : a tra'.ar na ra da Impera-
triz n. 34, 1 andar.
- Aluga-se a bja do sobrado da ra das Flores
n. 3 : a tratar no sobrado do pateo de S. Pedro |
numero 1.
r 2$$ S"
UMA GRANDE DESCOBERTA
OLEO
.>.'-- <.
de FIGADOde BACALHAU
31 IXJESINFECT*D0#,
MEOALHA
DE
HONRA
As propiedades medicaes do oleo de figado de bacalao forio unni-
memente reconhecidas. Mas seo cheiro e seo sabor to dcsagradaveis
torno o uso d'elle muitas vezes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robustos e aos mais condeseen tes.
Por isso a descoberta do Snr. Chevrier que lie permellio de
desinfectar inteiramente o oleo de ligado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tora sido um dos mais felizes problemas resolvidos pela
therapeutica moderna.
O oleo de figado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um cheiro agradavel e um sabor assucarado, o nico que nao
tem nem goslo nem clieiro de peixe.
Objcclo de numerosos relatorios scientificos elle goza em Franca
de urna fama bem merecida, c receilado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as :
Molealliia -Kcrofulonas,
llarliii Mino,
ObmrucfHo > glandes,
Tiaira pulmonar,
Molestias da pelle,
Conatlluleao liniubnlirn,
Anemia, debllldade, fraquea,
Muren.
Pabrrca da aangve,
Esfairanieiil* por exeeaaa de
trabalba u de praaeres,
Molestlaa daa brasieblaa recen-
tes su cbranlraa,
Toasea pertinasea,
Gaatritea, gaatralRlaa,
O Oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor mcio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a acgo 13o efficaz d'estc ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., eniim perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipaco.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparages ferruginosas ordinarias, as quaes, principalmente
nos paizes quemes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
podero com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chbvribr, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
sejado; julgamos intil de os enumerar.
Iiori-M de estomaga.
Elle convem a todas as compleicoes e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimentario das enancas fnacas c docntes
Um folleto accompanha cada vidro e contem as observacoes medicaes.
Deposito em Parta, na pharmacia de Chevxler, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernarabuco ra da Cruz n, 22 em casa de Caros & Barbosa.
< S i CS
g o 2
9P8is|i3
^3 OS O . "> -I ^i
g 3 i" TT <=?
sJ*S?o-SaS
3i1iff"*
1-gfil
a -" " 2L
3 (t ti O
03
3
5
rjQ a(
a
3 > = g ;
" =: s
3 = o "
63 3 5
u ti i u
n
a
Cu
O
H
H
i
"3_
5
3
QC
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEIlNAHBUCO
Antonio Luiz de liveira Aievedo k C, H
competentemente autorisados pela direc- ''j
toria da companhia de seguros Fidelida- S
fH de,toraam seguros de navios, mercado- *&
f3 rias e predios no seu escriptorio ra da "
ffti Croi n. 1. $P
Na ra do Imperador n. 83, segundo andar,
' precisa-se fallar com os seguintes seuhores, para
negocio que Ibes diz re-peilo.
Antonio Xunes de Azevedo Campos.
Manoel Correa da Silva Lobato.
Joo Perelra da Silva.
Jos Lopes Tavares.
Jos Francisco Rodrigues.
Felippe Borges Leal.
Custodio Jos de Carvalho.
Antonio Serafim de Deus.
Manoel Francisco Coelho Jnior.
Joiio Antonio Pereira Ramos.
JoAo Marinho Paes Brrelo.
Antonio Tiburcio da Costa Monteiro.
Sebastio Antonio de Albuquerque (estudante).
Francisco Gomes dos Santos.
Joao Gomes Pereira.
Jos Luiz Pacheco de Souza.
Sebastio Jos de Barros Barreto.
Francisco Antonio Vieira da Silva.
Domingos Jos Alfonso AI ves.
Joaquim Francisco da Silva.
Joao Ribeiro de Castro.
Jos Francisco da Silva.
Miguel Arcanjo Ferreira.
Vicente Ferreira Neves.
Joaquim Francisco Moreira.
Francisco de Aguiar Jnior.
Julia Rosa de Almeida Pinto.
Leopoldo Gadault.
Joaquim de Oliveira Maia Jnior.
DaV
O"
.V..
DCM
RJoias preciosas e objectos de
Ni
preciosas
ouro.
Mauricio Selbeberg & C, Polacos, par- fg|
ticipam ao respeilavel publico, que ac- te
bara de receber um grande sortimenlo M
de joias e brilhantes, como sejam : relo- f
gios, trancelins, aderegos completos, an- 3
neis, cadeias, pulceiras etc., etc. e ludo
quanto diz respeito a jnalheiria, pelo pre-
go o mais razoavel possivel, e mesmo
troca e compra objectos de ouro, prata e
diamantes por objectos no vos : na ra
do Queimado n. 29, entrada pelo largo
de Pedro II n. 27, de manha at as 9
horas, e a tarde das 4 horas em diante.
Os objectos vendidos pelos annunciantes
sao garantidos por elles, e eslao promptos
para levar objectos as casas das pessoas
que desejarem comprar, urna vez que
nao possam vir a seu estabelecimento.
m.'
m
A
m
%
m
m
m
m
OSPARAGU.iYOi
E' a ordem do dia Acabar cora os Para-
guayos a bayoneta, a mini, a revolver:
esc7avpa^rv?goCdenca4rfamai-.ia.de "" ^-los cora os encouracados armados
-------r-r-------. tA- -------. . --------- de esporoes, armstrongs e raiadas de 80 a
Acha-se fgida a preta Domingas que repre- ian. i.m; i ___ i
sema ter de 40 a 45 annos de idade, cuja andava f120 > e\termina-los em summa a espada, a
vendendo fructas as ras de*ta cidade, foi escrava fa 5o e a punlial e de que se trata ; mas
do Sr. Felippe Marinho, morador ua Matriz da ninguem se lembrou ainda de esmagar os'^el""os'seKuin
Luz, _e boje perlence a Pedro Allain, morador no Paraguayos COM as armas que DetlS nos con- m meio n.
CASA DAFORTfU
Aos 6:000^000.
Uilhetes garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTME
Oabaixoissignadovendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de ettrahir, a beneficio do theatro de Santa Isa-
m
Arraial : quem a apprehender leve-a ra do
Crespo n. 16, primeiro andar, que ser recompen-
sado.
O advogado Luiz Lopes Castello Branco mu-
dou seu escriptorio para o Io andar da casa n. 2
da ra do Queimado, e que faz quina com o becco
do Peixe Frito, onde poder ser procurado.
fgido.
Escravo
Ha dias ausantou-se. o escravo por nome Nicacio,
de nagao f.as Correia de Mello, moradora no largo do Mangui-
nho junto ao Camlnho Novo, cuja seninra tinha
vendido ao comprador de escravos por nome Sou-
za ; o escravo lavava camisa azul nova e calca da
mesma cor velha, um lant) idoso e tem un >g-
nal de baixo do braco esquerdo, que ser foveiro.
costuma elle ser caranguejeiro, e desconfia-se que
dito negro anda pelos arrabales da cidade -"-
ceden; acabar com elles a tacao e a ponta-
ps, para o que necessario encoura^ar esta
parte do nosso corpo com os formidaveis
rompe-ferro, esmaga cobra, arranca U eos,
quebra marmore e outros que se vendem
l-IU'.l OIREITA45
ga-se aos senhores capites de campo e mais quem '
o apprehender, de leva-lo a ra Nova n. 5, que'
sero recompensados.
Borseguins Bordeaux........
patricios.........
para senhoras, en-
feitados.......
com laco e fivella ..
Sapa toes encouracados.......
Borseguins para meninas bom
elast co.................
'ro"|Sapatos de lona, sola elstica.
avelludados.
de tranca...........
econmicos para se-
nhoras...........
com sallo de lustre..
85000
o;000
50500
40800
5O0O
30000
20000
10GO"
10600
0500
20240
10600
MOLEQOfs.
Precisa-se alugar um molcquepara caTegar
ama taboleta com joias pelas rnas de.-ta cidade : a i
tratar na ra do Cabug n. 2 B. I Cbittelijes do Por O
- Guilberme Gomes Padiiha, pungido do mais I Um completo sorime.to de calcado da
doloroso se.iitimento convida aos prenles e amigos trra para homens. senboras e meninas;
do i.nado Joaqun, nuarte Mavignier para assisti- assm COmo bezerro francez, couro de lus-
rem a missa do stimo da quu tem de mandar ce- , mnnr,:n . t
lebrar na segunda-feira 21 do co-rente. na igreja tre. marroquins, taixas de todas as quali-
da Santa Cruz as 0 horas da manha, e desde j se dans, fitas para sapateiro, milito sortidas,
agradece cordiaimente a todas as pessoas que se sola c couros que tudo visto necessariamen-
te faz cobiga ao comp ador pela barateza.
Consulado mericano
O consulado americano acha-se mudado para a
mas bem formadas.
Alfaiate e costurara
Na roa Nova n. 26, nova loja de fazendas con- ra do Imperador n. 63, primeiro andar,
fronte a botica do Sr. Dr. Sabino, precisase, de al- Precisa-se de 1:5005 a premio por seis me-
,a.ates e costureras para coserem para a I,.ja. ie5> M paraolia em ^pr^,0 neslMa ci(lade a
Precisa-se de um homem que entenda de hor- quem convier annuncie por este jornal,
talice, na estrada de Joo de Barros, terceiro sitio
passando a estrada do Olh > de Boi, no mesmo com-
pra-se um carro para conduego,em bom estado, e
um boi.
Pliipps Brothers & C, saccam
sobre o Rio le Janeiro a \ 0, 1 o ti 20
dias de vista, conforme a vonlade dos
tomadores e o descanto exigido.
Maque sobre Lisboa
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho acam sobre
Lisboa : no largo do Corpo Santo n. 19.
Ama
Precisa-se alugar urna ama que saiba bem coz-
nhar e comprar, prefere-se escrava : tratar na
loja da ra Nova n. II.
Precisa-se alugar urna ama, escrava
- DeapiaraOri5das, da casa di le*-1 U /orra' We scJa d.e bons CO.stumes, e sai-
nhor, orna preta, de nagao Angico, de nome Maria,; ba azer todo O servico (le uma casa de fa-
idade pouco mais ou menos 30 annos, altura re- milia. Paga-se bem. Dirigir-se ra Bella,
guiar, tem uma dor prximo munheca de um dos :
brayos, que agarrndose nelle, ella d^-se; levou
vestido de riscado branco com pininas Jroxas, saia
de algodosinho, camisa da mesma fazenda : roga-
se a pessoa ou autondade que a pegar a conduza
rna de S. Cecilia n. 18, que ah ser gratificado ge-
nerosamente.
Deteja-M fallar ao Sr. Antonio Bezerra Cesar
de Andrade, da Parahyha ou Rio-Grande do Norte,
que consta arUar-se nesta cidade, como se ignora
sua morada, roga-se o favor de annunciar sua
moradia ou dirigirse livraria n. 6 e 8 da praga
da Indepeadtncia.
O abaixo assignado declara que desta d-ta
em dianta, nao mais procurador do lllm, Sr. Es-
tevo Jos Paes Brrelo; visto como seus affazeres
oo Ihe permiltem.
Kecife, 17 de agosto de I8G3
Hermenegildo Eduardo do Regei Monteiro.
Vende-se um engenho perto desta cidade, com
muito boas ferrase escolenles maltas; a tratar no
caes do Collegio n. 12.
n. 37, casa de 2 andares com terraco.
Fugio no dia 6 de agosto o escravo crioulo
de nome Tiberio, idade de 20 a 23 annos, estatura
baixae com falta de um dos dentes de cima. Foi
escravo do Sr. Francisco de Albuquerque Mara-
nho Cavalcanti : quem o pegar ou delle der noti-
cia, qneira dirigir se a rna da Cadeia do Recite n.
33, loja de Valle Porto & C, que sera recompen-
sado.
mies premios:
2182 com a sorte de 6:000.
Dous quarlos n. 2745 com a sorte de 1:1001000
m uieio n. 1379 com a sorie de 400,5000.
E oulras muitas < i tes de 100$, 40$, 201 e
10OO0.
spossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da I e l da
2a lotera (28*) benencio d.\ matriz da Victoria,
que se exlrahir terga feira 22 do corrente.
PREGO.
Bilhetes.....71000
Meios......31500
Quartos.....t900
Para as pessoas que compraren! de 1000000
para cima.
Bilhetes.....61300
Meios......31750
Quartos.....U700
Manoel Martins Fiuza.
No hotel da En ropa ra do Trapiche
numero 12.
Precisase de ura criado que seja bem qualifica-
do para o servigo do caf, fiel e asseiado : quem
esiiwr em taes circunstancias dirija se ao mesmo
hotel.
Soe'cdadc Nova Kuterpina.
A actual directora desta sociedade rosa enea-
recidaineole aos Srs. socios para que domingo 20
do corrente mez pelas lC horas do dia compWe-
eam na sala de suas sossoes para ern assemfcla
geral extraordinaria, tratarse da reforma dos "pos-
sos estatutos. Recite 16 de agosto de 1863.
Trajano C. Leal,
1* secretario.
Desappareceu no dia 12 de agosto" da~casa
paterna, um menino de 15 annos por nome Elizia-
rio Adirito Ferreira de Oliveira, de edr braneti e
com os signaes seguintes: cara redonda, ornea
igual, nariz pequeo e um tamo afilado, cabellos
ruivos, olhbs pardos, bocea regular, denles iguae*,
queixo Hno, beigos iguaes, com o cabello cortado
rente, levou chapeo de feltro rxo, paletot branco
de alpaca e um dito preto, grvala cor de rosa,
differentes caigas tendo urna de easemira parda de
quadrinhos, um chapeo de sol branco usado : To-
ga se o especial favor as autoridades policiaes, aos
Srs. inspectores de quarteiro desta cidade ou de
fora delta ou em qualquer parte que se acjie de
o apprehender e remllelo a capital de Pemam-
buco a' ra da Cruz n. 37.
ntista de Pemambuco.
Ra eslreita do Rosario n. 3,
ao p da igreja
FRANCISCO PINTO
{ Col loca dentes artiflciaes
pelos hystcmas mais mo-
dernos
Emprega todos os meios scientificos para
conservar os naturaes. Pode ser procura-
do em ^eu gabinete das 9 horas da ma-
nha as da tarde.
me
| Precisa-se alugar uma casa terrea, sendo as
ras Santo Amaro, da Paz, das Flores, do Sol, da
Palma, principio da ra da Concordia : quem ti-
ver annuncie, ou dirija-se a ra Imperial n. I.
Acha-se fgido de bordo da barca brasileira
RestauracSo, o escravo crioulo de nome Antonio,
de idade 23 annos pouco mais ou menos, estatura
regular, sem barba, levou vestido camisa azul e
caiga branca : quem o levar a bordo da dita barca
ou ao escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira Aze-
i vedo & C, ser generosamente recompensado.
i i Quem precisar de um menino para loja de
[ j calgados ou ferragens, annuncie por este jornal,
i j dando a ra e o numero da casa
Alo ga-se a loja do sobrado n. 17 da ra da
Imper.ttriz, com bons commodos : a tratar no se-
: gundo andar do mesmo.
Panno de algodo da Baha da fabricaTo
dos os Santos-tem para vender Joaquim Jos Gon-
calves Beitro, no seu escriptorio, ra do Vigario
n. 17, 1 andar.
RETRATISTAS
FinninoALins
Novo e*tabelreaeHlt 4c retra-
tos ir \sva . 15,1* se-
dar, junto ao Sr. faiiier,
dentista.
Tiram retratos todos os da. Jas 7 hars
da manha as 5 da tarde, qoer rfc/.ra m
nao.
Tarnliem se nftVrprrm para lirar retra-
tos de pessoas fallecida-, dentro oa (ora
da cidade.
KOs annnncianl.'S deejando arredilar
seu eslahelerimenlo, garanien ao poMirn
K que nenhuin trahalhio -ahira > oa Mri-
M na, sem qnenn seja peritamente araba
JP^ do, e a vnntade do lr> gnez.
Precisa-se alugar uma eserara ara eaaa
pouca lamiha : a iraiar na roa do Seso a. 54.
Aluga-se por 221 meosaes o anana aai
do sobrado n. 62 da roa da l^oia : ik> I* aMar.
Encanammtos para
ayt/a.s.
Fazem-se na ra Nova n. 30, com toda a aer-
fciga i.
Samuel Power JobnsUi i Coa
Ra da Senzala Nofj n. 4.
AGBRCIA DA
Fnndleao de Low or.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendas e meias moendas para enfrenta.
Taixas de ferro coado e balido para tfe-
nho,
Arreios dr carro para nm e dous cavall*.
Relogios de ouro patente ingles.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodio.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Casa debanho
Largo do (arma n. 26.
Este esiabelecimenlo to bem montado aa aa
origem achava se de ha muito em qoasi aaSajant
abandono pelo pouco interesse se >oa jsbihij
trago.
Hoje que o novo propnetario empref as ts4o aa
meics para reslabelerrr ac rande '-file 4>Me
estabelecimento, pude assegarar ao psslir qae
qualquer que seja o numero dos nr. rr-ni---
acharao desde j promptido e areio an teaso--
(rio-, mornos ou medirinaes, a casa dos saalMa e
achara aberta todos os dias das 6 horas da
as 11 da noite.
Prego?.
Banho de choque...... .'iOS
Uito Irio as morno..... SOS
Dito de farelio.......1000
Dito .nedicinal ser se-
gundo sua qnalidade.
Assignalura.
Por mez banho Trio ou m rn ...
2o carloes para banho fro, uior-
no on de chuvjsco...........
12 carloes para os mesmos___
12 ditos para baoho de farello.
tOJOilO
loimr*
."jmiu
\ni*tn
Ama.
Aluga se uma escrava para ama d uma casa de
mogo soltelro on de pouca familia, boa cozinheira "~ Aluga-se o 4o andar do sobrado n. 1, silo na
e sabe comprar bem : na ra de S. Bom Jess das j f,0? *10V;V Juera pretender dirija-se a ra da Ca-
Crioulas n. 3.
Precisase alugar uma prel que seja boa
engommadeira e cozinhe, sem vicios : na ra das
Cruzes n. 36, primeiro andar : paga-se bem.
Oscredoresde Jos de Castro Redondo, quer
da propria firma desle, qur das firmas sociaes de
que o mesmo lem feito parte, todos o convidados
a apresentarem seus respectivos ttulos na rna do
Amorim n. 41, afim de serem attendidos no pri
meiro rateio da massa liquidada, ao qual tem de
proceder-se brevemente.
O abaixo assignado offlcial do registro geral
de hypothecas desta com; rea, previne a todas as
deia n. 62, 2 andar.
mmmmmmmm mmm mmm
'J Precisa-se alugar uma casa para rapa- gajf
25 zes estrangeiros que seja na Capunga, ^*
IQc Passagem, Manguinho, Estancia ou Ponte w
haM de Ucha : a traiar na roa do Vigario ^
m mmmmwM % mmmm
Precisa-se de um caixeiro para taberna, que
d fiador a sua conducta; na ra dos Assoguinhos
n. 20.
U en cao.
Francisco Garrido, amigo proprieiarw do l>..ce
Trovador, silo na rna do Rosario, d> v Ifa de oa
viagem a' Europa, avisa a seus numeroso* rrefne-
zes, tanto desta capital romo do reatro da provia-
cia, que se ai-ha novamenle estabeieruto aa mnaa
ra lama do Rosario n. -17 rom nm hotel Vaona-
nado Traviala, onde adiar o seos regaete*
sempre a melhor v nia.i. para bem os ervir. a
par de excellentes vinhos rapils e ana roanda
qur no mesmo eslabel.iimeoto, qur para fora. e
dentro da cidade ans que nao qnizerem hi nopo-
derem vir a seu estabeleiiimenlo, sendo pelo pr,eo
mais mdico que un ostra qoalqoer pane. %>
mesmo estabolerimento acharao os seo freiraesrs
bilhares para recrearem-se, bem ei-mo orrle to-
das a- nuiles |iara refre-careni-s.
Precisa-ss do una .un i oh .- aaajra
nhhe, para mm casa de pa ti ni! i
nova de Santa Rita n. 31.
aja.
na
AMA.
Quem precisar d- umt ama para r.ninhir ea-
g.mmar, dirija-se a ra da S. Franrisro s. <|.
. Paula Joaquina Je M-bo faz pu i.r ^io
presente annuncio, que seu procura tor ssaasa
re Francisco Los Caldas, para o que test pantos
poderes.
Joo Luiz dos Reis, morador m sanana da
Porto Calvo, provincia de Alagoa. v-ode o *e
engenho Prazeres, moeole e correte, ron r*a V
vivenda e uma linda capella, iodo de ajoto ; de-
clara que existem partes de roh-r.ieiro-- a dM
engenho : quem quizer pode MsIr-at a' casa de
sua residencia no mesmo en^eoho.
Uma casa estrangeira precisa de um bo zinheiro : quem estiver nestas eirruiaslaaeaa aa-
parega na ra da Gruz n. 55.
Aluga-se uma casa terrea em bom estado,
pessoas intensadas de qualquer modo no registro i J &* '' a ,ralar na rua di Ma"
geral, que somente se devem dirigir ao mesmo Ilnz "a UM Vlla"-^-_______________________
ahaixo ass]gnado,'era seu cartono a rua do Quei-1 O Sr. Joao Miguel de Oliveira Beraido queira
mado n. 15, e nao ao Sr. Antonio da Silva Gus- dirigir-se a rua Nova n. 60, a tratar de negocies
nio Jnior, o qual desde odia 26 do mez passado que Ihe dizem respeito.
deixou o oxercicio de tabelliao '
Jos Jacome de Araujo, advogado dos audito-
rio das comarcas do Rio Formoso, Palmares, Por-
lo Calvo e seus termos, encarrega-se para estes
logares de qualquer cobranga amlgavel ou judi-
cial : quem de seu prestimo quizer se utilisar, po-
de dirigirse por estes oito dias a' travessa da Con-
cordia n. 13, e depois na villa de Serinhem.
T)ueni tiver uma escrava com algum le i te e
Veueravel ordem terceiro de S.
Francisco.
Devendo celebrar-se domingo 20 do corrente a
festividade de N. S. da Ajuda, padroeira dos novi-
gos da veneravel ordem terceira de S. Francisco,
convido a todos os charissimos irmos, assim no-
vicos como professos, a comparecerem paramen'a-
dos com seus hbitos, afim de assistirem aos actos
da mesma, constantes de vespera, testa e Te-Deua.
Noviciado da veneravel ordem terceira de S.
Francisco 17 de agosto de 1865.O irmao-mestre,
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro.
Precisa-se de um caixeiro para taberna que
tenha pratica e d fiador a sua conducta : na rua
do Noguelra n. 29.
a qoeira alugar, annuncie para ser procurada.
Precisa-se comprar um cofre de ferro em se-
guoda mfl) que seja bem seguro : a tratar na pra-
ga da Independencia n. 12.
No dia II do corrente furtaram da rua da
Praia um burro caslanho, castrado, de 10 annos de
Idade, cujo burro tem a marca J. S. L no quarto
direito, o eslava carregado com cangalha de ferro
e 8 arrobas de. carue : quem delle der noticia cer-
ta ao Sr. Antonio C. Moreira Temporal a' rna da
Cruz n. 30, ou ao engenho Boa Casta da fregueria
Jdo Cabo, ser a recompensado.
interino em que
eslava. Recite 15 de agosto de 1855.
Fulgencio Infante de Albuquerque Mello.
mmmmmmmm ^mmmmm
w O Or. Carolino Francisco de Lima San- J|
gg tos conlina a morar na rua do Impera- S
| dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu ^
jp? gabinete de consultas medicas, logo ao $5
B entrar, no primeiro. asi
g; O mesmo doulor, que se lem dado ao I
(5 estudo tanto das operagoes como das mo- jg[
lestias internas, presta se a qualquer cha
mado, quer para dentro quer para fra
! da cidade.
m
Pede-se ao fiscal da Boa-Vista que lauce suas
vistas para um rebanho de cabras qne pasiam pe-
las ras dos Coelhos, Prazeres e Sauta Cruz, em-
porcaihando nao s as calcadas como as escadas
dos sobrados, e desta maneira incommodaodo aos
habitantes das dilas ras, estou certo que cumpri-
ra o que manda as leis municipaes.
mmm mmm-mmmmwm
M O hachare
FEITOR
Precisa-se de um homem para irabalhar em um
sitio em Beberlhe : a tratar na rua Oireita u. 69.
Precisa-se de uma ama que entenda de hor-
taliga : na estrada de Joo de Barros, terceiro si-
tio passando a estrada do Olho do Boi. No mesmo
compra se um carro para conduegao em bom esta-
do, e um bol.
Uma petan habilitada se offerece para en-
sinar primeiras letras em algum engenho: quem
precisar dirija-se a rua de Santa Rita n. 15.
Fogo do ar
no armazem da bolla amarella no oitao da
secretaria da polica, recebem-se encom-
mendas de fogo do ar para denlro e fora da
provincia.
Francisco Augusto da Costa
AOVCGAOO
Ba do Imperador numero 69.
m
O London 4 Brazillan Bank, saca por doos
os paqoetes.sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
Ileroardino Pacheco dos Sanio* declara ae
corpo do commercio que muJou o ea 1 ntn tu 1
ment de molhados da rua da Lapa a. 13 para a
rua do Hospicio o. 28.
Prccisa-se de nm caixeiro qoe tenha pratira
de taberna e d Dador a sut rondarla, para Pao
d'Alho, pagase bem: a iraiar ae>ia praga coa
Joo Luiz \ Narciso, na praga da Sama Croa a.
6, ou no BetaM lugar cima cora o Sr. Jos t'jtt-
valho da Molla Silveira, para qoent o anima
caixeiro.
Precisa-se de 8001 a juros 35 hvpntaera
em beos de raiz : qu-m lirer e q nzr dar aaasa
ele sua morada para ser procurada.
O a'1vo|iado (ioflor \ 1-'-nnrellos. po.l>- \
^g ser procurado no esrriplorio da roa da
Jf$ Rosario eslreita n. M, ou em oa 1.-1-
... deocia a rua do Sol o. 9.
nrap wmwm
Precisa-e de um criado que entearfa aV I
leeiro : no palco do Carmo, ern eaa de Galnel
Antonio, se dir, ou na Pas-area a. 24.
Aluga-se uma escrava para SPVSbj mierno
e externo de uma casa : na rua do Imperador nu-
mero oO, terceiro andar.
Precisase de um bom roziaheiro : a tratar
no sobrado n. 32 da rua da Aurora.
Na rua da Florentina o. .16 preparase
da por eemmodo prego.
Aluga-se o sobrado 0. 87 sito na rna Impe
ril : quem pretender dirija-se a rua da Cadeia n.
62, segundo andar.
A tten$a.
Criado.
Precisase alugar um moleque escravo, que sir-
va de criado em uma casa de familia, com tanto
que seja de bom procedimento e fiel: a tratar na
casa nova da rua da Saudade (largo do Hospicio)
efronte da de a. t7.
Fornece-se comida para casas de familia, lojas
ou officinas, com todo o asseio e promptido, mui-
to variada, e por coraraodo prego, mandase levar
em casa ; tambem recebe encommendas de boloe
doces de todas as qualidades : rua da Caixa n. 70,
Boa-Vista, casa particular.
Perinula-se uma casa terrea com 3 janellas e
1 porta, e 5 quartos, por uma mais pequea, dan-
do-se a preferencia por perto da ribeira : quem
tiver dirija-se a roa do Alecrim n. 2.
Na praga da Independencia n. 33, loja de oun
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas
tambem se faz qualquer obras de escommenda e
odo e qualquer concert.
Ama de leite.
Precisase de uma ama de leite e pa# a e km :
em casa de Luiz de Moraes Gomes Ferreira, aa
Ponte de Uchoa, ou no Mondego, casa da Tiara
Luiz Gomes Ferreira.
Precisa-se de uma ama forra ouraptira T aa
rua larga do Rosarlo n. 35.
Pede-se ao Sr. Idelfonso-Vieira" da'Jmha
que venha ou maude concluir o arpono que aai
ignora, pois j faz bastante lempo : aa rua da Im-
pera triz n. 17, 2* andar.
COMMAI.
Compra-se efectivamente ouro a prata fa
obras velhas, pagando-se bem : aa roa larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Silvino Guilberme de Barros aSaajS e n>
de efftrli va mente escravo de ambos o* sexo* : a
rua do Imperador n. 79, terceiro aadar.
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, luja de bllbetes.
Comprase ooro, prata e pedras preeawaa,
em obras velhas : oa roa da Cade do Racak,
Icjajlo onrives no arco da Conceirjo.
Na fabrica de charutos sita aa roa de Aortas
i D. I, compra-se papel diario a 41 a arroba.

I
r


a.r. ~-.s:
"a"
Diario de pcrnainbuc -c- ftabbado 1 Je Agosto de 1SS&.
%

K
Compram-se moedas brnsileiras de iOt i
215 : na ra do Crespo n. 16, primeiro andar.
Compram-se libras sterlinas : na praca da
Independa n. 22.
YENDAS,
0 castello de Grasville.
Traduzido do francez por A. J. G. da Gr.
Veade-se este bello romance em quati
tomos pelo baratissimo preco de 3400C
aa praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.______________________________
Vende-se ama ptima escrava moca de boa
figura : a tratar ua ra da Cadeia n. 40, loja de
relojoeiro.______________________________
Vende-se urna escrava cnoula de 16 anuos
de idade, mais ou menos, de bonita figura, engom-
ma e cose : para ver e tratar no pate do Terco
n. 2, sobrado.__________________________
Vende-se nma machina de costura por menos
de seu cusi, com pouco uso : na ra Nova n. 50,
segundo andar.___________________________
Vende-se ou aluga-se para passar a festa, e
mesmo por anno, urna grande casa com sitio, ten-
do este arv redos de fructo, junto a povoacao da
Varna e do Rio Gapibaribe : a tratar na ra de
Hortas n. 2, 1 andar.____ v
Vende-se urna boa escrava com urna linda
cria e 1 escravo por SEU : ni iravtssa do Carino
D. 1.__________________________________
Vende-se urna mei agua : na ra do Cala-
bouco n. 1 : a tratar nafpraca da Boa-Vista n. 9.
Vende se um sitio em Bemflca a' margem do
Rio Capibaribe, boa casa, com arvoredos : qnem
pretender dirija-se a ra do Imperador n. 3, se-
gundo andar, que achara com quem tratar.
Aca-se
venda na livraria acadmica, na rna do Impera-
dor; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Antonio ; e na typographia imparcial, na ra es-
Ireita do Rosario a compilacao de toda a legislacao
tendente administraran, arrecadacao e fiscali-
saco dos dinheiros de orphaos deuntos e ausen-
tes, herancas jacentes, legados, etc., contendo nao
s o regiment de cusas e a lei peral das execu-
r,oes, como tambem todas as ordens e avisos do
governo, que a ludo tem explicado, lauto a respei-
to das obrigacoes Inherentes ao cargo dos dilTeren-
les empregados de jusiica e fazenda, como dosdi-
reitos nacionaes e emolumentos que sao devidos.
Este livro contendo mais de 700 paginas em nitida
impressao e bom papel, e prestndose a utilidade
de diferentes classes, torna-se recommendavel.
Seu custo OJOOH por cada exemplar em dous
tomos.
AGUA FLORIDA
xaxa
MURRAY&LANMAN
A agua florida de Murray A- Lantnan,
olhada como um artigo de perfume, nao
lem podido ser igualada pelas preparacoes
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efficacia tao delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisarlor da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
balito.
D snavidade, brilho c elasticidade as
compleices, depois de se baver lavado; al-
livia a irritagao de mipcoes ordinarias ; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de t bulicoes, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto exceden-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocaco. Preparada nicamente por
Lanmaa & Kemp, Nava York, e a venda por
Caors Barbosa.
Joo da C. Bravo & C.
Venaem-se no Recife em casa de Caors 4
Barboza e Joo da C. Bravo & C.________
Cal de Usboa
a granel a 15o00 por urna barrica: na raa do Vi-
gario n. (9, primeiro andar.
Grande eortimento de roupas feitas de to-
das asqualidades,
Calcas de casemira a <>& e 75500, ditas pretas a
65 e 85, calcas de ganga a 25 15800 e 42600,
ditas braaeas a 23, Ifin de linho a 35, 35500 e
45. paletote do alpaca "branca a 'i 5500, di tes pretos
a 33 e 33900, dims re .alpaca de cordo a 43. e
de listra de seda a iiiM), ditos sobrecasacos a 53,
palel.it.-. de casemira a 53, 53500, 63. 83 e 93,
ditos sobrecasacos pretos a 125, 15 e 163, ditos fi-
nos a 253, de cores a 133, ditos fraques a 113,
paletots de ganga a 33, 23500 e 23, ditos de fcrim
pardo a 33, jaquetes d* hrim pardo a 33, panno
preto fino a ti, 23600, 35500 5 43500 5 e 3 O
covado, moreantique preto a 25600 o covado, groo-
denaple preto a 13*08, 3800, 23. 23200 e 23500
o covado ; e ou ras muitas mais fazendas Que se
deixa de annuociar, e maoda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara ca*a dos pretendentes. O
e tabelecimento est aherto al as 9 horas da noite,
ra da Imperalriz n. 56. Mendes Guimares.
Para matar forminas
Vendem-se velas para matar formigas; na ar-
ciazem da bola amarella no oito da secretaria da
policia.______________________________
Vende-se um sitio em Balero com casa para
familia, com mullas arvores de fructo : quem pre-
tender dirija-se a Sanio Amaro, rna da Fundico,
defroute do sitio do Sr. Sardanha, na segunda cata
terrea, que achara com quem tratar.
"^"Vende^se ou atuga-se, ou trocase por urna
casa na praca um sitio aa Caouoga velha : a tra-
tar na mesma Capunga, ra das Crioulas, passando
a taberna, na segunda casa, com a viuva do Sr.
Joo Evangelista da Costa e Silva.____________
Eoieadam-se no segundo andar do sobrado
n. (2 da roa de Hortas, os anuuoeiantes de em-
preslimos sobre beos de raz.___________
Eseravos.
Veodeen-se tres escravos croulos; no fcrlplt rio
de Antonio de Almeida Gomes; ra da Cruz n. 23,
Io andar. ____
l'ertatciri agua de Vichy.
Vende-se a verdadeira agua de Vichy, em gar-
rafas ; na ra da Cruz n. 23, 1 andar, escriptorio.
Poxiry.
Vende-se eicelleote fava poxiry; iw ra da Cruz
tt. 23, 1* andar, eseriptorio._______________
Vendem-se duas veaeziarns em muito bom
estado, proprias para varands;na ruatN'ova n. 47.
" Vende se um bol e um earro de volta inteira:
na ruado Padre Flnriano n. 64._______
Perros para engosamar.
Vendem-se caixinhas contendo o mais completo
sortlmeto de ferros para engoramar, encrespar ba-
bado?, pafos toda a roupa de senhora.
Na rna do Imperador n. 18 tem rap Paulo
Cordefro, commom e viajado, igual ao de Lisboa,
por preco eotntnodo.
*ti*df A molestia ou infeccao pecn-
*" lial conhecida pelo nome de Es-
crfula um dos males mais
prevaleoentes e universaes que
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um cele-
bre escriptor da medicina que
* mais de urna terca parle de
todos aquelles que morrem antes
da velhice sao victimas, ou dire-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si nao t3o des-
tiva, porm a principal causa de muitas
outras enfermidades que nao lhe sao geral-
mente attribuidas.
E' urna causa directa da phthysica pul-
monar, das molestias do figado, do estoma-
go e affecedes do cerebro : Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes : falta de appetite ; o semblante pal-
udo e s vezes inchado, s vezes de urna
alvura transparente e outras corado e a-
marellento ao redor da bocea; fraqueza e
molleza nos msculos : disgesto faca e
appetite irregular, falta de energia, ventre
inchado e evacuaco irregular ; quando o
mal tem seu assento sobre os pulmoes. tima
cor azulada mostra-se em roda dos olhos:
quando ataca os orgos digestivos, os olhos
tornam-se avermelhados : o hlito ftido,
a Ungua carregada, dores de cabeca, ton-
teas etc.
as pessoas de disposicSo escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupces na pelle
da cabeca e outras partes do corpo, s5o pre-
dispostas s affecedes dos pulme, do figa-
do, dos rins e dos orgos digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
teceo contra os seus estragos; todos as
quelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este terrivel flagello (e s vezes heri-
riitario) esto expostos tambem a soffrer das
enfermidades que elle causa, que sao:
A phthysica, ulceracdes do figado, do es-
tomago e dos rins: erupccs e enfermida-
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipela ;
borbullas, pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbunculos. ulceras e chagas, rheu-
tnatismo, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades femininas, flores bran-
cas causada pela ulceraco interior, e en-
fermidades uterinas, hydropesia, indiges-
to, enfraguecimenlo e debilidade geral.
Aos pulmoes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumpcao pulmonar :
as glanulas ella produz inchaces e tornam-
se ulceras: nos orgos digestivos causa
desarranjos que produzem indigesto, dis-
pepsia, molestias do figado e nos rins :
na pelle produz erupces e affecces cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecer do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrilha de Ayer
composta dos antdotos mais efJDcax.es que
a sciencia medica lem podido descobrir,
para esta molestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias provado incontestavelmcnle pelas
curas notaveis e bem conhecidas que tem
feito de tumores, erupces cutneas, erysi-
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, parebas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debilidade ge-
ral:Indigesto, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
res, ulceracoes do ulero, a nevralgia e con-
vulces epilpticas e em summa. toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as certidoes no Alma-
nack e Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde
se veodem os remedios.
Este remedio o fructo de longas e labo-
riosas experiencias, e ha adundantes provas
das suas virtudes: posto que offerecido
ao publico sob o nome de Salsa parrilha,
cmaoslo de diversas plantas, algumas das
quaes sao superiores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PECTORAL DE CEiSEJA DE AYER.
Cura promptamente a asthma, brenebite,
tosse, defluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmoes pdem ser curadas em pou-
co lempo pelo peitoral de cereja do dr,
AVER.
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do
Rio de Janeiro ra Direita n. i.
Vende-se em Pernambuco:
na
PHARMACIE FRANCAISE
deP.MAURER&C'.e
ra nova n
Attentfio ao barateiro de ob-
jectos ckegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous grandes lustres de vidro linos
com 24 luzes. do melhor gosto e por preco razoa-
vel: assim cosan apparelhos para cha e para jan-
tar, brancos e 4e cores dilTerentee; ditos de por-
celana delirados o pintados e brancos; apparelhos
para jantar de porcelana branca; tamr>em se ven-
dem em pegas separadas, como os freguezes qui-
zare m, compoteiras lapidadas para doce, clices
para vinho, ditos para champagne, copos para agua
e para vinho linos c ordinarios, em caixao e a re-
talho; lanternas de todas as qualidades de vidro-
ditas de casquinho inglezas muito finas ; candela-
bros ile vidro e de bronze; serpentinas, vasos de
porcelana e de vidro para flores; buhas hambur-
guezas para resfriar agua; barricas com appare-
lhos de mesa para jantar; gigos com apparelhos
para cha; e outros muitns tortimentos de todas as
qualidades e pr cus commodos vootado dos com-
pradores, que se vendem na ra da Cadeia do Re-
cife junte ao arco da Conceicao n 64, e na ra
Nova no grande armazem de louca e vidres junto
igreja da Conceico dos Militares n. 49.
t
n
GUI\ B*.
Loj do gallo vigilante ra *'o Crespo
numero 7.
Neste estabelecmento encontrar o respeitavel
publico nm grande sortimento de galanteras e
ohjectos de muito gosto que tem chegado nestes
ltimos navios e vaporeg de sua propria conta, que
por isso mesmo vender pelo menos prego que
lhe for possivel, como sejam :
Lencos.
Os lindos lencos imperiaes para senhora cousa
inteiramenle nova.
Albinas.
Albuns muito finos com capa de madreperola e
de tartaruga com guarnigao de prata para SO e
100 retratos, assim como de outros mais inferiores
de 20 a 30 retratos.
Msicas.
Lixinhas ricamente enfeitadas tocando duas
peca9de msica propria para mimo, assim como
caixinhas pequeas com msica tanto de veio co-
mo de dar corda,
Vestuarios.
Riqulssimos vestuarios de seda para criancas as-
sim como touquinhas, sapatinhos e melasinhas de
seda.
capel las.
Riquissimas capellas brancas de flores para noi-
vai, assim como meias de seda brancas.
Porta boque*.
Riquissimos porta boquet com cabo de madre-
perola para (lores.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola e de snda-
lo assim como de osso.
I.ivriithos.
Riquissimos livrinhos com capa de tartaruga
guarnecidos de prata para missa.
Aderemos pretos.
Riquissimos aderecos pretos sendo pu'seira, ro-
zelas, alfinete e volta, assim como de cores flngin-
do perolas.
Brincos.
Riquissimos brincos e rozetas de todas as quali-
dades e gostos modernos.
Boneeas.
Riquissini is boneeas de porcelana e de massa e
de cera, assim como os que fallatn chamando por
papai e mamai. >
Pentes.
Riquissimos pentes de tartaruga para senhora,
assim como para menina e de muilas outras qua-
lidades.
Eufeitcs para eima le mesa.
Riquissimos eufeiies para cima de mesa e para
toillet.
Fivelas e siutos.
Riquissimas livelas de madreperola e de metal'
assim como bonitos sinlos.
Flores.
Riquissimo sortimento de llores o mais no que
se pode desejar.
dogo para familia.
Riqoissitno jogo de vispora em caixinhas de ma-
deira envernisada e pedras linas proprias para en-
trelenimento de familia.
Para vlagein.
Riquissimos estojos com todos os pertences finos
para horaem.
Fitas,
Riquissimo sortimento de filas de todas as qua
lidades e lidos gostos.
Franja.
Riquissima franja de seda de muito lindos pa-'
dres tanto de cores como pretos, assim como de
borlo'a e sein ella propria para cortinado.
Traumas.
Riquissimas trancas de ^eda pretae de cores as-
sim como de algodo e de la.
Perfumarlas.
Grande sortimento de perfumaras de todas as
qualidades e dos melhore> autores at o presente
conhecido e muilos outros objectos que se tornara
enfadocho mencionar, isto s no vigilante ra
do Crespo n. 7.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para ilescarocar
elgodao : na ra da Senzala .v>va n. 42.
Penas do eina e ecra de carnauba
Vende-se na rna do /tmorim. armazem n. o2.
Na mesma casa vende-se um ptimo e;rravo de
boa figura e com principios de ofJDcial de marci-
neiro. ____
Milho e farinba de man-
dioca
Vende-se constantemente a retalho e atacado :
na padaria do Chora-meninos.
Rival sem segundo
Una do Queinido fes. 40 e 55, loja de
ni i mlc/.as de lies portas, est qaei-
mamlo Indo imiu ebarato, quem qui-
zcr ver e admirar veuliam loja do
Bigooinuo.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
Grozas de boioes de louca prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de penna de ac fazenda boa a 40 rs.
Pecas de tranca de la lisas e de todas cores a
40 rs. i
Escovas (iiiissimas para limpar dentes a 240 e
320 rs. 7
Pulceiras de c#itas para senhoras a 500 rs.
Pecas de fita de cs estrenas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com cachetes francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tioteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pecas de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos muito linos para voltarete a 200 e
240 rs.
Frascos com agoa de Florida lije i 288.
Frascos com superiores bauhas a 500 rs. e 2#.
Frascos com banha, porm pequeos a 200 e
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de macaca perula muito lino a 200 rs.
Frascos e garralititias com agua de Colonia a
100 rs.
Francos grandes vom superior agua de Colouia a
640 rs.
Frascos com superior oleo de baboza a 400 e
500 rs.
Caixas com 12 fraseos de cheiros muito finos a
1#400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Duza de sabonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua deniifice superior qualidade a 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
15200.
Fra.-ciis com essencias para tirar noduas de roupa
a500rs.
Frascos com cheiros de lodos os precos a 160, 200,
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito linas para senhora a
44800.
Goliuilias muito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
100 rs.
Duzias de colheres de metal para cha a 800 rs.
Ditas dita dito para sopa, fazenda boa a 1600.
Pecas de fita de la para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Caixas de lamparinas para 3 mezes a 50 rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas estampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grnsas de tioioes pequeos pretos para calca a
100 rs.
Frascos com superior agua de Colonia a 120.
varas de cordo de espartilho a 20 rs.
Novellos francezes com 20!' jardas a 40 rs.
Pecas de tiras bordadas a 640.
dem com recortes a 14500, 1*800, 25 e 25500.
frascos com superior oleo babosa a 320 rs.
Duzias de meias cruas muito fortes e superiores a
35500.
Resmas de papel de peso pautado a 25800 e 45500
- Vende-se 40 palmos de terreno oa ra da
Concordia : a tratar na ra do Afecrim o 10, das
3 horas s 5 nos dias otis.
folleiras de marroquim, com cascareis
e sem elles.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, vendem-se colleiras de marroquim,
pospontadas e com cascaveis, ou fem elles
proprias para caes c outrs bichinhos.
IV ii nas inglezas de ac e domadas.
No novo sortimento de pennas de ac que
a A guia Branca acaba de receber, vieram
tambem outras de metal dourado e bicos
mu bem acabados, e por essas boas e ne-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-
bricantes Ferry A C, as recommendnm aos
entendedores apreciadores do bom, valen-
do mesmo a diflerenca que ba no preco de
urnas para outras, por que estas se tornam
mais dura veis na coniinuaco de escrever ;
assim poisquem deltas se quizer utilisar
com,>ra-las a dioheiro a vista : na ra do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas e sem ellas para
(OllilHUlOS.
A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
mento de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, todas de novos e bonitos
desebos, cuja commodidade do prego est
e'mfplacao a largura : acham-se ellas a ven-
da na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8.
Jogaja paciencia ou curioso entreleni-
ment.
Narjrua do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n 8, acham-se a venda por precos ra-
zowfe, caixinhas com tabolas de madeira,
que das diversas pinturas dellas se formam
agradaveis vistas e paisagens, segundo os
desenhos que acompanham. Na verdade
esse um deleita vel en retenimento cem o
qual se despe ta a curiosidade, e apura a in-
teligencia. Os apreciadores dirijam-se
ra do Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que serao satisfeilos.
Bonitos enfeites para senhoras.
A Aguia Branca acaba de receber um no-
vo e lindo sortimenio de enteites os mais
modernos e gostos inteiramente agradaveis,
e como seu louvavel costume os esl ven-
dendo baratamente a quem com dinbeiro se
dirigir ra do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meias de la para senhoras.
Vendem-se na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Mata mosca.
Na Iota da Aguia Branca acha-se a venda i
o papel com composicao para dar fim as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, e o;
effeito efficaz : molba-se o papel e deixa se
ficar n'um prato, e nelle pousando as mos-
cas, entristecem e morrem. Custa cada fo-
Iha 40 ris: na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n 8.
Diversos brinquedose enlretenimento
para ccianeas.
A Aguia Branca na ra *do Queimado n.
8, recebeu diversos brinquedos para crian-
cas, sendo estradas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelhos de metal, louca pinta-
da e porcelana dourada para almoc/) e jan-
tar e muitos outros brinquedos de madeira,
que se vendem baratamente : na ra do
Queimado, loja da Aguia Branca n. 8.
Mai pretas de seda para senhoras a
5U0 ris o par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
cao de meias prelas de seda para senhoras,
e apesar do muito maior proco que lhe cus-
laram e o bom estado em que anda cst5o,
comtudo est resolvida a vende-las a50
ris o par, aflm de que ninguem mais calce
meias pretas de algodo, ag-ra pois apro-
veitarem a quadra e dirigirem- e ra do
Queimado, loja da Aguia Branca n. 8. Tam
bem vender as brancas a 10 o par, e des-
tas o nico defeito estarem um pouco tri-
gueros,____________________________
iAMINASDEPATEIW
de trabalhar iiio para
deacarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machinai
i''lL3i f^fP3!*!^*-- Podemdescarocar
' jLw*h"TraSelpfeS: oualquer especii
t3C-5^,ie al8o*M> sen
pTIffE;estragar o fio,
_m sendo bastanu
duas pessoas para
:=s o traball; pdt
desea roca r urna
arroba de algc-
dfio em earoc
em 40 minutos,
oa 18 arrobas
por dia ou S ar-
robas de algodo
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descaroc,am 18 arrobas de algodo
limpo, oor dia; e motores para mover urna, duas,
euiris dessas machinas.
Os nlesraos lem para vender um bellissimo va-
por (ju* pode fazer mover seis destas machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
tem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Sauudecs Brothers k C.
IV. II, praca do Corpo Santo
RECIPE.
Os micos agentes neste paii._____
avariado
-. Francez barrica 5*000
Portland dem 8500
Em perfeito estado:
Francez barrica 10000
Portland dem 123000
No armarem deTasso Irmosces doApollo.
Vinhos do Porto
das melbores marcas, em caixinhas de urna duzia
de garrafas para casas particulares, sendo : Lagri-
mas do Douro, Duque do Porto eD.Luiz ; tambem
tem ancreas de dcimo encapadas com superior
vinho, barris de 8 e 10" em pipa : na ra do Vi-
gario n. 19, primeiro andar.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
iifalata: nos armazensda ruado Im-
perador n.lf e rna do Trapiche Novon. 8.
Vendem-se no engenho Meguahipe de baixo
dous animaes de roda, sendo orna besta e um
quarto castrado.
Xo sitio do Toque vendem-se boas cabras
paridas lia pouco, e por baiios precos, por evitar
inconvenientes que por nenhum oulro meio podera
ser removidos,
INJECCAO BROW.
Remedio infajlivel contra as gnorrhbo
antigs e recentes, nico deposito iapr
ica franceza, ra da Cruz n. 22 |eai
ATOMA
Vovidades da luja e armazem de fil-
icidas e milpas feitas nacionaes ra
da Impcralnz n. 72. de Guimares
k Irmo.
Anroveilem as pechinchas
que se eslao liquidando por tod) preco, vejam :
chitas largas a 200, 280 e 300 rs., ditas percalias
a 360, 400 e 440, cambraia orjiandys muito lina a
300 rs. o covado, e muito superior a 320, 360 e
400 rs.: isto s na nova loja de Guimares i Ir-
m3o.
i EstSo se acabando.
LSazinhas esc icezas a 240. SAO e 280 o covado.
E' muito barato.
Cortes de la muito superior com 13 covados
pelo barato prego de : e 33300, isto s para aca-
bar, bretanha de rolo a 33 e 33200 a pega, mada-
polo franez enfe-tado a 33, 330O, 33300 e 43,
dilo sem ser entestado com 27 jardas a 43300, 53
e 63500, dito muito superior marcas muito acre-
ditadas a 78,73500,8f, 93 e 103, algodo de to-
das as marcas assim como seja marca T e carne
de vacca, sienpira e pao ferro todo isto por pre-
cos baratissimos s para liquidar e apurar diohei-
ro : iito s na nova loja e armazem de Guimares
ai Irrae, ruada Imperatriz n. 72.
Grande sortimento de babadinhos
e entremeios pelo barato preco de 800 a 13 a
pega.
Lencos de cores e braceos
muito proprios para horneas e meninos a 13600,
2, 23500 e 33 a duzia, ditos de linho a 43^00,
53, 5c500 e 63-
Grande sortimento
deeolxasde fuM.i" de lods as cores a 53500 e
63. ditas de chita a 13900 e 23, ditas de la a
13600.
E' muito barato.
Grande sortimento de soutembarques muito Lem
enfeitados. a 53 e 53500, ditos de grosdenaple a
183 e 203. Iazinhas de urna s cor a 480 o cova-
do, ditas muito propria para camisas sendo de lin-
dsimos padroesa 13 e IfclOO o covado : s na
nova loja de Guimares & Irmo, ra da Impera-
triz n. 72.
.Grande sortimento
de roupas feitas que se vendem muitobaratoaffian-
gando-se que se vende por menos 20 por cenlo que
em outra qualquer parte, quem duvidar venha ver
Na nova loja de fazendas de Guimares
k Irmo.
Ra da Imperaarlz n. 19.
RIVAL
SEM 8i2tT:?I!
Ra do 4)uelmado . 49 e .-*.
Contina a vender todas as ninnlrz.-.- i
declara por pregos admiraveis.
Mas sos de palitos lixados para denles a 100 rs.
Espelhos de molduras douradas a 200,240 e :U r.
Booets de oliado para meninos a 13000.
Difcs de couru soperiur fazenda a I3.*N).
Francos com supf iior tinta mrlia '* 5in rs.
Meladas de liMu irosa para bordado a 20 r 60 rs.
ateado do l'urio, lazenda Loa, vara 80, 100 a
110 rs.
Caixas com 100 enveiopp,fazenda fina a 600 rs.
Grozas de pennas de are, 'azemia supwior a ."Mn.
Grozas de botes maitreperoia linos a 500 e
e G40 rs.
Caixas rom 30 novellos de linlia do pz a 700 rs.
Caixas com inferiera obreasde cola a io 1 M rs.
Pegas de fila branca elstica rom !> vara. a 2W) r?.
Varas de franja de laa para eoleiles de vest.uii a
40 rs.
Baralhi.s dotirados superiores qualidades a ''<) rs.
Novellos de linha com 400 jardas 80 n.
Loros para assenios de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botes para punho, fazenda rica a 120 rs.
Tes' uras para costuras superiores qnalidatef a
400 13.
Caixas de pennas de calpraphia, fazenda Loa *
I3OOO.
Massr>s rom superiores prampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tpele a 13500-
Pares de sapatos de 'ranga para meoincs a 13 c
13280.
Caixas com superiores agulha? a 240 rs.
Libras de 1:1a sortidas de bonitas rres a 7&v#..
Caixas com superiores ohreias de massi a 10 rs.
Hodinhas com alliceles francezes muito soreriwes
a 20 rs.
Resmas de papel almago a 23400 p Wio r.
Escovas para roupa, fazenda Loa a 720 e t3-
Duz as de Icsouras com Irniue de ferm C
60O rs.
Duz:s de facas e garios de rabo prrtj .IjAOtL
Talheies miiilj lino |:.-.ra rrianr* 241' 1
Grande liquidadlo a dialieiro*
Na loja e armazem do pavo.
Rna da Imperatriz n. GO de Ca-
ma & wllva.
Os donos deste estabelecimeoto tem resolvido li-
quidar suas fazendas por pregos baratissimos, s
com o flm de apurar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negociam em pequeua escala com fazen-
das, que nesta loja e armazem enrontrarao um
grande sortimeRto por pregos que muito Ihes hao
de agradar, tanto em pega como a retalho, a
saber :
Pelerinas a h>60G,
Veudem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo prego de 13600 : na ra
da Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Orgaudy a 240 r*. o covado.
Na loja do pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa-
dres miudos e grandes, pelo baratissimo preco de
240 rs. o covado (doze vintens), esta perhincha
acaba-se logo : na loja do pavo ra da Impera-
triz n. 60, de Gama Silva.
IIretare lia de rolo a 3ooo.
Madapoln enfeslado a 3s00.
Na loja do pavo.
Vendem-se pegas de bre-anha de rolo com 10
varas a 33. ditas de madapolo enfestado a 35200,
35500 e 'i5 : na loja do pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva. j
i tes granadinos a \ 2$.
Vendem-se os mais ricos cortes de fazenda de
muita phantasia por ser transparentes e tecldos
com seda, tendo cada corle 22 covados, pelo dimi-
nuto prego de 125 : nicamente na loja e arma
zem do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama i\
Silva.
Bornouts de renda na loja do pavo.
Chegaram os mais ricos bornouts de renda e se
vendem por baratissimos pregos: na loja e arma-
zem do pavao, ra da Imperaliz n. 60, de Gama
& Silva.
Ricos chales pretos de renda.
Chegou pelo ultimo v, por francez um grande e
variado sortimento dos mais ricos chales pretos de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elles muitos de pona redonda a ailago de man-
. teleles e muitos com o centro de cor, e vende-se
por pregos muito em conta por lerem sido manda-
: dos vir de conta propria pelos donos da loja do pa-
I vo, ra da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Laaiinlias transparentes a 320 rs.
Vendem-se muito bonitas laziobas transparen-
; tes com palminhas de seda a 320 rs., dilas lisas e
\ de varias rres a 220 rs : na loja do pavao, ra
da Iraperatri:: n. 60, de Gama & Silva.
Cortes tic las matizadas.
Vendem-se bonitos cortes de las matizadas, ten-
do 15 covados rada corle, a 55, ditos a Mara Pa
a 63 e 85 : na loja do pavao, ra da Imperatriz n.
60, de Gama A Silva.
Roupa felfa.
Roupa felfa.
Roupa felfa.
.Na loja do pavo vende-se um grande sortimen-
lo de roupas feitas para homem, sendo caigas, pa-
j tetots e cohetes, tanto de panno como de casemiras
prelas e de cores; dexa-se de mencionar os pre-
gos para nao se tornar enfadonho o annuncio,
afllangando-se que o respeitavel publico achara um
Igranoe sortimento por baratissimos pregos: oa
loja e armazem do pavo, ra da Imperalriz n. 60,
de Gama & Silva.
Cortes de casemiras a 2o00 t 3,-5000,
Vendem-se corles de casemira de urna s cor a
23300, dilas de quadrinhos a 35 : na loja do pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
fjmmflm mnmmuw \
Jbumo da Babia para
charutos.
fl Vende-se fumo superior de todas as qua-
yk$ lidades, a retalho e por atacado e por
~ prego commodo : no llecife ra da
Wk Cacimba n. 1.
;&s? OSSA E XAROPE
BERTH
COM CODF.INA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas as IrritafSt!
do peito.
AVISO
FnlsificagSes reprebensiveis excitadas pelo?
successos do Xaropt c da Massa de Bertkf,
ros obrigo a recordar que esses producto-
tao justamente
nomendos n3o se


entregno senoem
boeelas e em fras-
cos com a assigna-
tora aqui indicada. rkmrm***.I*n\tf ir/
181, ru Saint-Honori, tu r-HARx.v~.iA
: rviiE, e cm todas as pharmi.ias.
i
Tasso Irmaos
Vendem no seu armazem rna do
iiiio im n. 35,
Licor fino Curago em botija" e meias botijas.
Licores linos sortidos em garratas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
Vinhosdieres.
Sauternes.
Chambertin.
Hennitage.
Horgonhe.
Champagne.
Moscatel. >
Heino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Too.
AieitaPlagniol.
Approvdat pla Ac.* di.j de Xcdicu.* t ?.:.!.
Kcsulu (icios dous Hialinos, adu|>:a.l s |> '.* dils
Mdeaia em 1840 e em 1858, que u tlMM 4*
Gi.is e c.o.\T to o melhor e mais ellicaz resKdM
ferruginoso para curara chlorosis (alia* fluor-albo., w
lluxos brancos, a fraqueza de coaapleiiio no* .iota
esos, e lambem para ajudar a menstraatao das iro:aa.
sus Grageas nio sao Tendidas seaao em eaixinaaf
ou vidros rbenos com roalo e (echados co ama tir
lerando a firma do depositario geral : LABELO*TS,
haimaceuco, ra Bourbon-VUuemM, 19. Pv-
Deposito geral em Peraanjtp.cc ru, a
Crnz n.22 em casa de Caros & iiarl
La flna para bordar.
Na loja de m'uidezas na n. 10, vende-se la lina, veis cures, to propria para tofriad m
para touquinhas, sapatini os, tic. :
pretender dirigir-se a dita loja na ru-
Queimado n. l.
Fraujaa largas rara cortiBatloa
Na loja de miudezas ra do (neo
n. 10, enconliaiDo os pretenderles tiui *-
ritdo sortimento de bomba i
para cortinados, coeilas. loalii;:.-, rtc to-
jos precos nao desagradarla ao CSoVaja 11
que Hender a largura e ipiaiidae de das
Pennas donradas.
A loja de miudezas ra do Quen-a**'
n. it*. receheu e-s.is novsimas
metal d< tirado, cuja exiellenic fuat
perfeigao dos bicos ;s U.mam m.iis
ras no exercicio da escripia, peto aj 05
seus acreditad n fabricantes Fenv C
recommendam os apreciadores di -a.
Tambem se encentran) outras peni
ac de differenles .tialidades e dns nn -n.
fabricantes, ludo na rna do Qoeiaaa>li i-
ja de miudezas n. lo.
Enfeites hotos c bonito*.
A loja de miudezas ra do 0" iuj c
16, receben novos e bonilos enfeilev ira
moderna e de gesto, e os est vmdeiul. ;>:
presos commodos, variando esles a visi
das differenles qualidades, sempre agni*-
veis aos ajireciadores do bom.
Meias brancas ornas e de eor*
para crianeas drons anexes
Na ra do Queimado, loja de ir.iudez.:> i:
iG, vendem-se por precos aanril aanai
das qualidades, meias brancas cruas >..
cores para crianeas ; assim como ocira.-
para senhoras, e cias para Lomen*
Papel pardo folha grande.
Esse papel paril que por sua ixia [
dadee grande Uajjanbo da folba. sena ata
para embiulbar curtes de h'amloi, o i i
moldes de vesiidos, ele. : ajjnsa a i
na rnaili'Oueiruado !o,a de*miudezas o. M
Barato para acabar.
Caixinhas com 4 papis de agulas rmre-
z:is, limpas a l*to ris cada nina
Paos de pomada frai.ceza. a 80 ri-s um.
Duzias de sabonetes de cheiro a lr> e iciti'
a duzia.
Caribes de lionas brancas e de cures, 2t>
ris cada cm.
L
[i
E
jJa
NOVIIUDE
A 18 109OO e ijlSOO.
Leques de osso, ultimo Rosto, a l>.
Ceroulas de meia a 152X).
Diitas muito nas a Io00.
S na ra da Cadeia do Recite n.'5
Colla da Baha superior
Tem para vender Antonio Luis de Azevedo &
C, no seu esoriptono ra da Cruz n. 1.
Vende se
a taberna s.ta na roa da Concordia n. 33, muito
afregoezada para a trra : a tratar no Pharcl, ra
do llangel a. 73.
A loja de lonca da ra do GMaja n. M irm para
vender quanlidade de azulejo* de iin.i.s r .:,r o>
cores, assim como loaras de lodas as oali de bonilas pintura- posto nodern>. rn- :are-
lhos de porcelanas brancas dourada* e de r^rb,
vidros de todas U qualidades, Intosba fin iv
chrystal, dilicado< jirios de clirjstai e porrraaa
para flores, figuras e outros maitos objrso le n-
nissima porcelana denominada biscuiin par n-
feites de mesas, tic., guarmefes de Baissima pm-
celana branca douradas e d.- nanj para larat,iw
e (catetes, ludo do melhor gosto, pintas de tou^a
vasos para jardim. c^ndHros de lamparioas -ara
gaz. globos e chamineisd^ vid-u, |>oriaes e tuOw
os mais sobrecelentes para os me-rr.os, gu Hrjatta
de superior qualidade, e muito cuiros aritft ^ov
seria enfadonho mencionar, lodo por presos >-
issimjs razoavei.-.
Bichas de Hnmburfro
S|5 todos os paquetes da Eurw i ' rr*U*
*dft destas amigas do sangue humar.- a se W
vendem a troco de |h>ucu la '* *&v
X de ter sempre cousa nova : a I >j.i M har- JP{
beiro roa eslri-a do Rosario a. 3, ao p<" V
K da igreja. _Jss
Vendem-se barris de k> ron mel V las
bom : para ver o tratar na ra do Vicario a. 9.
\.
~ "-----------




-
Diario de Pernautbuco sal>b ,do O de Agosto de 8.
W
Pffl
GEN ROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
kmmm m molii idos
DE
AURORA BRILHANTE
uado n.
5PJ
Q3
M Pateo do Oarmo n. 9 armazem Progresivo roa do Qneiai
nio e Commercio ra do imperador o. 40,
Principal armazcm de molhados.
OS PROPRIET ARIOS.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especiadade aos senhores de en-
tentes, labradores e mais pessoas do cantro, que para mais facilitar suas compras deli-
oerarara os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todo os seus estabeleci-
mentos em um s annuncio, pelo qnal o preco de ara ser de lodos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annnnciar os gneros
por um preco, e na occasiSo da compra quererem por outro, como socede constante-
ir. ato em outras militas casas, porm nos nossos eslabelecimentos nao se dar islo
:sinda mesmo com prejuizo nosso, quilqer pessoa poder mandar seus fmulos que
gero taio em servidos como viessera pessoalnaente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remettendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qnal annunciarmos, o que seuo arrepender pessoa
aiguma que fizer soa despenca em nossos esabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cont na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada dem com iail ditas a 35^00.
nitimamente no vapor Saladm, de l# dem vasios de lodosos tamanhos a2,3000,
a 15120 a libra e em barril ter abat- 1 SoOO, 800 e (UO rs.
ment. Queijos d 2?300 a 23500 os mais frescos,
den francesa muito nova a 13 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
03) barril ter abatimeato. 23000 a caada.
Banba de porco refinada a 6i0 a libra e em dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 13400
barril ter abatimento. a caada.
Ca nxira de superior qualidade a 25600. Azeite doce de Lisboa muito tino a 600 rs.
dem perula miudmho a 23700 a garrafa e 't-SijOO a caada,
dem iiysson especial qualidade de 23300 a' Toucinlio de Lisboa novo e muito alto a 400
25600 a iibra. a libra, e em barril de 5 arrobas a
dem preto muito especial a 25000 e 25400 105500 a arroba.
Cerveja Bass do fabricante Sblers & Bell a
*-*.
Largo da Santa!
Cruz- n. 84, es-?
WNBOS
especiis
1
Largo da Santa3$ff>
gCruzn. 84,
quina da ra
SjSebo. " y
es-rnriL
0MW
a libra.
dem do Rio em latas de 45000 e a 800 a| 65->00 a duzia e 640 a garrafa.
libra.
Latas com biscouto de todas as qualidades
a 1500.
dem da creditada fabrica de Bialo Antonio
(Lisboa) proprias para da; a doentes a
i 3$ a lata,
l hxinha ingleza muito nova a 33500 a bar-
a 240 rs. a libra.
La! ts cora i'olaxinha de oda e oval a 23-
.-unto inglez para fiambre ebegado no
ultimo vapor a 8JO rs. a libra.
traos e paios muito no vos a 900 rs.
;;>a.
. is com macarrJo tilharim muito novo a
! );)0 e 320 a libra,
ia branca e araarella a 500 a libra.
C!i late portnguez de especial qualidade a
S i0 a libra. dem da India a 23600, 25800 e 100 rs. a
Id >ra .o.n bespan'iol verdadeiro a 15000 a libra Charutos Normas de Havana a 55300 a cai-
que j vendemos a 13400. xa, de Simas (Jos Furtado).
D m da casca de goiaba em caixoes de 4 e Ia"em Londrinos a 53, dem,
meia libras seguro a 15S00, Wera Parasienses a 45300.
Iden em caixes pequeos a 700 rs. e de Illem Delicias a 15500.
>') para cima a (!40. dem Traviata do Rio a 53500.
i.!! u secco em bocetas ricamente enf eita las, Wem varetas de Manoel Peixoto da
dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 65000
a duzia o 560 a garrafa,
dem marca II Victoria Alsope e outras
muitas marcas a 55 a duzia e 500 rs. a
garrata.
Sabao primeira qualidade a 220 rs. a libra
e2lo em caixa.
dem segunda quadade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabao inglez superior a 180 rs. a libra e
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 73000,
75500 e 85 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranhao 35203 a arroba e 100
rs. a libra.
tas "m latas chegadas neste ultimo va-
lor a 700 e de 5o para cima a 640 rs.
contendo pera, pes'go, amcixa, rainha,
e outras fratasa 35000 cada urih
Id n em calda em latas feixadas hermtica-
mente mnifo bem enfeitadas, contendo,
pura, pesego, ameixas e outras frutas a
40 e 700 a lata, tambera temos latas
?randi a 15200.
'.' ociada dos melbores fabricantes, em la-
tas de 23000 a 1)200.
' q em latas de 1 Ij libra a 13.
!; em alas de 1 libra a 640 rs.
Ervi
de
5o verde ou carrapato era latas j pre-
parado a 640 rs.
A leixas em frascos de vidro a 13500.
dem em caixinbas ricamente enfeitadas de
I00 a 25500.
Conservas Mexide muito novas a 700 rs. o
frasco.
:: i de ceblas simples a 700 rs.
Solbo inglez a 640 rs. o frasco com rollia
de vidro.
Mostarda em p a 700 rs. o frasco.
dem j preparada a 320 rs
Latas com massa de tomate de 1 libra a
600 rs.
dem em lalas de I 1|2 libra a 900 rs.
Vj ihosera garrafas viudos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porlo, Duque Semi-
no, Ca-xavailas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 13 a garrafa e 95 a 125 a duzia.
I lem Palmella a 13 a garrafa e 115000 a
duzia.
id n em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 23800 a 33300 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 243 a
ancorte.
i iem branco expecial qualidade proprio para
missa a 560 rs. a garrafa e 43 a caada.
dem mais baixo a 40J rs a garrafa e 35500
a caada.
dem do Porto especial qualidade a 800 rs.
a garrafa e 55500 a caada.
Id m Bordeaux em caixas a 73 e 7O0 rs. a
Suva
Netto a 33300 e l#S00 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 15SQ0
a meia caixa e 55200 a caixa.
dem meceipes a 13700 a meia caixa e
35000 a caixa do mesmo fabricante.
dem orientaos do mesmo a 13800 a meia
caixa e 33400 a caixa.
dem jovens de Castanho & Fillio a 25400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 13 503 a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 13300 o quarto e 53
a caixa de urna arroba liespanholae 320
a libra.
Verraute bebida para abrir a disposico de
comer 13300 a garrafa e 143000 a
caixa.
Alpista muito novo a 35800 arroba e 140
a libra.
Painco a 43000 arroba e 1 40 a libra.
Peixe em latas j preparado a 15200 a lata
e em porcao 15000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 1O3O00 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 13800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porlo muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 25500, 35000
e 43000
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 45000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhao muito alva e nova a
240 a libra.
Sevadinba de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito nova a 140 a libra e 43000
arroba.
Caixas com estrellaba, rodinha e pevide a
400 a libra.
Alhos era canastras muito novas e mauncas
grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 15000.
g irrafa.
Ch: mpanha a meliior do mercado vinda de Cravo muito novo a 500.
:. issa encommenda a 305 o ggo. Cominho dem a 320.
dem mais baixa de 185 a 205 e 15500 e Ervadoce dem a 400.
33 a garrafa. j Alfazema flor a 240.
Licores portuguezes e francezes a 15000 e Araendoas a 400 a libra.
! vi JO a garrafa. I Nozes muito novos a 160 a libra.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 15300 a Papel greve a 45200 a resma.
garrafa. j dem lizo a 45000.
Ideal mais abaixo a 800 rs. a garrafa. j dem de pezo a 35000.
enebra de laranja ver ladeira a 115 a du-; dem de embrnlho marca grande a 15200 e
zia e 15 o frasco. j 15300.
dem de Hollanda verdadeira a 65 a fras-jjdem azul para botica a 23000.
quejra e 600 o frasco. c lapidados a 55500 e 500 cada um.
i I em de Ilambar^o a 5>>y()0 a frasqueira. L*. f ,_..
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440 Pal''os ** dente5> macos 2randes a 120-e
rs. o frasco. i ^0 cada um.
fijes com genebra de Hollanda com 2i Fumo americano de chapa, de superior
garrafas a 85, com garrafao. qualidade a 15500 a libra, em porgao ter
dem com 14 a 15 garrafas a 65. abatimento.
o
o
1
(i
*
(
rora BriCVe^onUmf/tn'''1 rau|K> acreditado arraazem de molhados denominado Ao- ^
A pelo mSStSSS ,!,en,dera' "?ais barat0 e melhores ao 1 a Aurora Rrilhante, ja'
\ provitar o ornnPtirt hT /'*s de?Pez;,s'1 eslaljelecimenlo por is?o deixe se a- K
' tante "froRniS" de fazer loda a dili8eacia, afim de servir bem os seus cons-
r?7M.8 "LraS d Ch0T^ muil vas, Vih0 Terde superer.
Ditasgrandes com peixe em Dtet*rt.ir A canada a 3*000 e agarrafa a 400 rs.
em postasiuleira,
" 1*000,'U280e
ESSf9 l '1ua,idades'a
|Dgtder>aSSvfCellen,epelSC0')arafri-
! Dal 12 K''a3 n6roarVnSPadaS' 3 72 rS"
lniK? ameixa,s ? 1520> ,'5800 e 35300.
Abren a TaTS d aan,ado fabricaDle
Ditascom massa do tomate, oOO rs
' Se025o.Sde Craadre' DV0S''a im'
^'SK1 ,olacl,inha de S0 !D,i'S,trS:os ing,ezes de rauitasiaa-
Caixinhas
Chocolate.
com ameixas enfeitadas proprias
L^S mimo a '200,23300 e 3J00.
fiSSiar* muiinovo'a ibra de
|Maca,"*>.ialhariam ealetria araarella, a libra
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
l^8ac3S5pe,r,de> "*""*
'Ditas dita em libras a 640 rs
'Sag, a libra a 360 rs.
ISevadinha para sopa a libra, a MfO rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
\Uitas descascadas, a libra a 200 rs.
[Tapioca muito nova, a libra 280 rs.
Karinha de aramia verdadeira, a libra a
' o\)\) rs.
'Ar2nn Mara,lllo, emsacco, a arroba a
2*400 e a libra a 80 rs.
.Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a li-
) ora a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 9;jo00 a arroba o a 30
l rs. a libra.
Sffio*fantos'a arroba 7OO 8 a "bra a i
.Molbos com 123 ceblas grandes, a 18280.
7*000 franC(!za' caixa com 2 duziasa
Gomma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
Farinha.
Saccasgrandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 5*000.
Caf.
Cafdo Rio muito superior, a arroba a 8*, jA+v
8*500 e 9*000. 3p i
Cha. '.-
Gh,temos nestes generoso nt ?lhor possivel,^Sf-
hyson, a libra 2^600.
Dito perola a 3*000.
Dito uxira a 2*700.
Dito hyson muito fino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira qualidade a 2*500. Sf
Dito mais baixo a 25000 e 1*600. W
Erra-mate. rfj
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs. -ffl
Espermacete. S
O masso com 6 vellas de espermacete a 600, 31
640 e 720 rs. 9
Passas. j\
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro- '&
prias para mimos a i* e 2*500. ^,
Nozes. ffr
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000. Oi|
Alpista e painco.
Alpista e painco, a arroba 4*000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para logar, a duzia a 2*500. j
Castanhas.
Castanhas novas vindas noste vapor, arro-
ba 4*000 e a libra a 200 rs. j
Azeitonas. i
Barris com azeitonas novas a 1*500
Intriga.
Manteiga superior, a libra a 1*280.
Dita mais abaixo a 1*200.
Dita menos superior al*.
lFras* cm mostarda preparada em vinagre,
Ul',s00in conservas inglezas e francezas, a i Dita franceza nova, a libra a 880
o-mj e 800 rs. Dita dita era barris e meios ditos,
tm os com sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.
Ann18 V8rdadeira g9nebra da tarifa, a
!Dii 640 rs.
a libra
Botijas com dita propria para negocio, a
Garrafoes cora 2 galoes com dita, a 6.
(Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
) duzia a 6-3000.
Vinho muscateldoSelubal, a garrafa a 1*.
Marrasquinho verdadeiro,frascos a 80C rs. e
) a 1*200.
Champagne, a duzia 20*000, e a garrafa a
f\ 2^000.
| Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
r al 5000.
.Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
g .7*. 8*. 9* e 10* a caixa.
JjDjtas com dito branco, a 7* a caixi.
h Ditas cora dito lagrimas do Douro verdadeiro,
p a 20*.
Ditas com duque do Porto verdadeiro,"a
j 18*000.
A Ditas com chamisso superior, a 14*.
SDitas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12*.
5Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
t e 800 rs.
. Dito de Lisboa muito hom, a canada a 3*200,
k 3*500 e 4*. e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Figueira, dasseguintes marcas (N.)
(J A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a canada a
j 4*o00, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
l que jest engarrafado e lacrado com o
: rotulo do armazem.
Ditosde marcas mais desconhecidas, acana-
) da a 3*500 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
?Vinho branco fino, agarrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
850 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos viudos neste vapor a 2*800 eSjf
3*000. 3!
Ditos londrinos muito novos, a libra aG
1*000.
Papel.
Papel almaco paulado, a resma a 45800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
2*500.
Dito de erabrulho, bom a 1* e 1*200.
DE
AZEVEDO a FLORES
Boa da Gatlcia do llccifc, esflioa dal^dre de Deis.
Os ricos baloes de arcos com mnila roda para senhoras.
Baloes de arcos para meninas de a 12 annos 25 e 25500.
dem de panno para meninas 35 e 35500.
Chapeos de sol.
Superiores chapos de sol de seda superiores com 12 asteas I).
Chapeos de sol de seda com l asteas, porm maiores 100.
dem dem com 16 asteas 125.
Chitas.
Chitas largas soffnvei; a 240 rs.
dem melbores a 280 e 300
dem e&eoru linas a 320 rs.
Tapetes.
Ricos tapetes grandes e pequeos com ricas estampas para sof.
Camisas.
Ha um completo sortimento de camisas franetzas de 15800 at 5-> das segaia-
tes variadas qualidades: pregas largas, ditas miudas, peiios de fosto e de cores.
Camisas de meia.
Ha grande sortimento.
Cambraia brauca.
Lindos e superiores cortes de cambraia com barra a 4-s.
Superior cambraia branca para vestidos.
Cambraia para foiro.
Calcas.
Calcas de brioi pardo superior a 2530J.
dem de bonitas e superiores casemiras de cores,
dem de superior brim branco, lia de diversos precos e qualidades.
Mantas para pesclo.
Ricas maatas para pes:oco de homem de finissima seda e de ricos padres qa-'
s o Balao tem.
Paletos de casemira.
Superiores paletos saceos de casemira.
Paletos.
Finssiimos paletos de alpaka brapca a 55,
COIXETES.
Colletes de casemira a 45 e 55.
dem brancos a 25500 e 35.
Maceos para viagem.
Saceos para viagem a 55 e maiores a 65.
A UEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico novas
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas sup e sempre ser as menos u-
zendas.

V
AO iilO
AVISA
GREGORIO PAES DO AMARAL & C.
' que receberam pelo ultimo paquete.
O MAIS rico
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*300 e 2*000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e eravo, a libra a 400 rs.
Velas do earuaba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas cora casca, a libra a 330 rs.
Doce.
Caixffes de doce de goiaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duziasde boioes de grasa n. 97 a 2*000, e
de lalas a 1*000, e os boid~cs a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da^
Bahia por diversos precos, caixa e meias^i
DE
manufacturado em
GUIPURE
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, qne deixam de an-
nunciar-se.
w
I
Grandes chale granadine
Bournus
Eotondos
Treanon
Pampadour
Wateau
pretos, brancos e de cores ; magnficos desenbos, de gosto modernissimo.
MARA ANT01NETA
Vestidos de GRANDE TOILETTE. Fazenda pre'ferivel pelo brilho e fosto. a mr>-
reantque ou grosdenaples. Barras, e laco bordados a f oco e vidrilbos, seno depewte-
rem d.e modista para os fazer,. visto traer m o corte debuxado.
- "V *
a mmm

mOAlll
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 45000 a sacca.
B2
N. 11 Ra do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chegou a este estabelecimento ura grande sortimento de cortinados bordados para
camas fazenda de muito gosto.
Chales de guip muito finos para 22*, 25* e 30*.
Colxas de seda superiores de diversas cores para camas de noivas.
Colxas de la soda para cama tambera de bonitas cores.
Rotondes de guip enfeitados com o melhor gosto.
Setim de Paris bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureantlqne branco e preto, grosdenaple preto e de cores, pannos pretos de todas
as qualidades, ditos azues.
Casemira preta e de cores, merino preto, silistrina, bombazinas, alpacas pretas, e
lia pretn para lutos.
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 4* a 11*.
Brins de linho de cores finos a 1*800 a vara.
Chapeos e chapelinas de palha de Italia para senhora, manguitos bordado*, chapeos
de seda para homem, chapeos de sol de seda, esguio de iinho, cambraia de linho, breta-
nhas, silesias e muitas outras fazendas que se veadera p ir eommodos precos assim como
tambem
Esteiras da India para forrar salas
Farinha.
Vende se farinha de mandioca muito nov, sac-
ros grande* a 4* : no armazem de farinha da pon
V. Dovn dos Srs. Tasso Irm3os, para poreoes, na
ra da Madre de Dos ns. o e 9.
Potassa da Russia
muito nova e superior : vende-se no escriplorio
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do
Corpo Santo n. 19
QUEMO
Grac-royal, em pecas com listras de seda primoramente bordadas ou matisada,
fazenda i n tetramente nova de bonito effeito, para partidas, soirs, tbeatros, passeios ele
3Ot III i:s CAPAS
e SOBRETODOS de panno mesclado (impermiavel) vindo no ultimo Tapor
De um s panno
Colchas de damasco de seda portugueza, de todas as cures
GRAV/tTAS, MANTAS
decores, mnito bonitos padroesa 500 ris.
BONETS de pa'ha ricamente enfeitados para senbora
CHAPEOS
CHAPELINAS
ENFEITES
Costantes de fasta enfeitados para enancas
E innmeros objectos de modas recebdos directamente por todos os paquetes c
escolbidos caprichosamente dos mais modernos gostos da Europa.
FAZEXD.1S PARA IIOfllN.
Casimiras modernas de quadros, panno pretos e de todas as cores, brins, sobre-
casacas, palitos, calcas, coletes, camisas, ceroulas, lencos, meias, ete.
Gregorio Paes do Aniaral & Companhia.
Chegados pelo vapor francez Nvarre, em 12 do correte, de excellente qualidade e em calxi-
nhas de um qneijo, vende-se no grande armazem da Exposlco de Londres, na ra da Cadeia do Re-
cite n. 60.
Farelo
a 4* a sacca, das maiores que ha : na ra larga
do Rosario n. 50, taberna da esquina.
Casa.
Vende-se casa da ra do Fogo n. 48, desem-
barcada, por 2:000* e rende 20* : a tratar a
ra do Cabuga' n. 2 B.
Vende-se o engenho Jundjahy,
distante da cidade do -Nata!, provincia
Grande do Norte, moente e correato, coa SO i
ti vos, 20 bois e 20 bellas ; assim coa* *wt..
lotes de trra, propria pira a follara de ilgiiilu e
mandioca, e mais duas fazendas de fado *o Hhb
gi e Ceara-meiriro, na mesou proia, cojw ce-
das se effectoarao a prases, mediante boas Iri
qnem pretender dirjase aquella proviada a I
tar com Fabricio & C
Vende-se ama preta erioala Idade 13 ;
Sonco mais ou menos, eosiaba, eogoiaiBa cm-
oa omito bem: na roa de Uorttt ummtm a. I
II a-v^^aav mmmm T


Mario de Pernambnco tabeado I de Agoste de 88

0
DO
I
;. >.< j ^sb jsvs .^a 3 -i
DA
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
RESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento.'de molhados,
que sendo emlua maxim parte mandados vir directamente do estrangeiro'podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiancar, com toda a seguranza de que
nenhum outro o exceder do restricto cumprimento das seguintes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos presos.
ATTENQ0
O* preco da eguiitt
cabella para todos, po-
deado asslm servir de ba-
se para o ajuste de cenia.
com os portadores.
AlgodAa Para saceos e rapa 7 cxra?s
da fabrica de Pernao Velho, e d- minio *npwr
qualidad, : vrDdw-si' n > e-. rit-i..r ,
naci d Olivi ira Fuh\ larj d Corpa
naraero 19.
Sen o menor constran-
gimento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ARMAZE
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Conceico)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore rhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptidao e inlei-
ezacom que ser5o ti\U,lrjs:-t>nvida a urna visita ao mesmo, certos de quesemduvida me daro a protecco e preferencia naccm-
rra dos gneros que precsaraa e quando nao possam vir poderiio mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos,
rois serao t3o bem servidos como se viessera pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacaa, afim de quenSovioem
tra parte.
ESGBtOE FfeH
.p--

i
Minleiga ingleza especialmente escclhida a
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
Idam franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharo nesta! rs. a libra,
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga cha sempre de cha perola o mais superior do mercado a
primeira qualidade. etc., etc. .1 2,8oo rs. a libra.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mu- dem hysson muito superior em latas de 15
to bem servido. libras muito proprio para negocio a 2,ooo
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente uma economa de rs. a libra,
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man- Mena hysson nacional em latas de 1 e 21-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo prego que em algumas partes nao po-[ bras a l,6oors.
dem ou nao querem vender. dem preto o que se pode desejar neste ge-
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-1 nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra,
gociar, devem vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence- ynguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
rem d quanto se pode vender barato. | barril se faz abatimento.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
compradores. para temperar panella ou para fiambre.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agr- Queijos do reino chegados neste ultimo va-
dar a todos. por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE ^J^ mu10 frescos, de saperior
A TUfaFHFIRO A VT^TA* qualidade a 800rs. a libra.
A GbSa em laTa multo nova, a 80 rs. cada Mein prato 1800 rs. a libra, e inteiro se faz
Sal refinado em frascos de vidro com tampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 0,800,6,000 e 6,000 a du-
zia.
engarrafar, em ancoretas de S caadas a Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
35,ooo rs. Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
bra e 6,000 a caixa.
Massapara sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Viuho do Porto muito fino proprio para
a.
No dia 12 do correle nv.z le -._..-t. u--m-
tou-seda casa do commenlail r },.- Pernav
ra, ra da Imperan 11 d. 02, um i>. u
cravo, de nome Ignan >, >
Delphma, moradora en Carn iru'. I m
signae- sejiuinies : baixo, ro-
dos, idadt; da 12 a 13 anoos, kMM v. -1
branca de algodaozinh, caifa ;..,>.
dinho, tem urna ciralru na test;. MPi-* :-
sido levado |iara Caruaru' nuoulr>>
por un sertauejo : quem o pe -r
Imperan iz u. 62. ser kan recom
Fugio n.i da 10 de cumie
naci Cosa, de Kooe Isab I, bali 1 r o rrt"
representa lar 40 aaaol ii ld*o>,
bexigosa, costuma cirbreagar-s-. I m
nesta cidade e seus arrabaldes m laa n
otaras colisas, j lem sido pre-a ouira.- v
inspector do Campo Urande e fttt
(ido de cas
se as autoridades i> liii.: e etfU
appreheosao, e mandem Irrar '
Veiha n. I, que seo pago* i'e i i
esappareceu lia 13 das o> c..-a :
ahur ama prett de oaco Aiirtw, i bvom mu.
idade. poeo mais ou meoo-. SO niir tr-
pnlar, lem uma dnr pnxiir.a .t ::
los bracea, que agarrando-se c li>. .1
levou vestido de lisca-.lo kMaVe r, m
xos, saia de alfodoclaa t, eaitiM da I
fia : repa-se a p-<>oa oo auloiilad ...
a condu'a a' roa de Santa Orilla ..
sera' gratificado generosamente.
AVIM
ALPSTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a......
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avixlas a 2i0 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os ta-
annos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azeite uoce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Amos a 200 rs. o molho.
Absy.ntho a 2000 a garrafa.
B
B0LAC1II.NHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a I800 a lata, e
de cinco para cima a 1#700.
dem de so Ja era latas grandes a 2#000 e
de cinco para cima a 1,5800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
1,5200, 1 5250e 10300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
uma.
Batatas inglezas.
Baniia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 10 a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Chouiucas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a'240 e 260 rs. a libra, e em porcao
se Cara abatimento.
dem de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, rchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 10800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'llavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, hegalia, Mississipes,
Panetellos. Apraziveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
pregos, hysson. huxim, aljfar, preto, e
preto pontf branca, etc., etc., a 20000,
202"0,20560 e 20800. V
Copos lisos de todos os tamanhos\de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
- zia a 20500, 30300, U e 50.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 10 e 10500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o ma^o
de cinco macinhos.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3(ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a-garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo,15,ooo,
12,ooo e 1 o,ooo a caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
uma.
para cima a' K
KIRSCH de Wasser a 20 a garrafa.
LATAS com graixa a 80 rs. cada uma.
Letria a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de pi imeira |
abatimento. Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
dem suisso o mais superior que tem vindo barrica e 320 rs. a libra.
ao mercado a 64o rs. a libra. Bolachinhas de soda em latas de diversas
Ervilhas e favas porttiguezas j preparadas i qualidades a l,3oors.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartes com bolo francez muito proprios pa-
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata. I ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo: Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia.
dem idem para viuho a 2io rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hcpanhol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oors. a libra.
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
qualidade a 10, a libra.
Maiimei.ada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6C0 rs. a lata.
m,ct.m iI1(7ip-/a a nn rs n frasco Espermacete superior a Ooo e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
m ,n ,^,!? 7taM^mnl dades' bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Jo3o
l^S^m&X^T. | Peixeem posta em latas hermticamente la-; deBritono Beato Antonio, em lata de 6 li-
Massas finas para sopa branca e amarella a | eradas e das melhores qualidades de pe-1 bras por 2,5oo rs.
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a'
30500.
Mu.no painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
XOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PE1XE em posta, latas grandes, a 10100, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadinha; linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparado.
Palitos para denies a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 10400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
Q
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem sotases a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Qcartinhas ou morinques a
R
RAPE' Meuron a 10 a libra,
dem Princeza do Rio a 10200 a libra,
dem francez a 20500 a libra.
m
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 29.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o mago.
Sag muito novo a 400 rs.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
yiNHOS!
Principe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 20 a garrafa. .
Lagrimas do Douro a 10500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
DOCES de todas as qualidades: brasileiros, UqUe a 10 e 10500. ^
portugtiezes, inglezes, francezes, etc. etc. C|iamss0.a \$y \po e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro' de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nbo que se pode beber por nao ter com-
posifo alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julieu a 600/800 e 10 a garrafa.
Absymho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 180.
Bilter Maurer a 10 a garrafa,
Vinho figueira em ancoreta a 200.
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francezas em fiasco de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- tampa do mesmo, a 105oo.
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposico Normal de Havana, Impeiiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,ooo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac ingle/, das melhores marcas, a Soo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8ooo cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinlio de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a Ooo rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libro.
Frascos com fructas em calda de diversos
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l.Ooo, 2,0oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o pre^o.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc zas em caixinhas de diversos; Azeitonas de Rivas em ancoretas grandes di
8,ooo a caixa e 04o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda
e 64o rs. o frasco.
tamanhos com bonitas estn pas na ca-1 8 garrafas por 6oo c 8oors. a garrafa,
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8oo e 2,ooo Azeitonas portuguezas a ooo rs. a garrafa e
cada uma. l,5oo cada uma ancoreta.
I Azeite doce refinado hespanholou portuguez Champagne da meliior qualidade que vem
6,8oo: a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,ooo a garrafa, e
! Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo 24,ooo e 26,ooo o gigo.
Genebra de laranja verdadeira em frascos1 o gigo com 36 libra-. ^
grandes a l.ooo e H,ooors. a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-| 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a II-1 4oo rs.
bra e 7,Soo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do MaranhUo de 1* qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. I a 8oo rs.' o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-' Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,oooa Lentilhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massade tomatesde superior qualidade a 6 o Marrasquino de Zara propiamente dito a
rs. a lata de uma libra e56o rs. a reta- 1-5 a garrafa e 11,ooo a duzia.
Iho. I Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Gomma de engommar milito alva a 12o rs.
o frasco e a libra.
FigosemsextinhasaSo rs, cada uma e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 61o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a Soo rs. a
garrafa.
i
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
gRVADOCE a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijao verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a SOO rs. a libra,
dem americano em latas a 10.500
Farello ha sempre em deposito de SOO a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-dem Figueira e Lisboa em pipa a 20500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. l caada.
Para destruir ratos e baratas.
Prepararlo ingleza recentemente chegada : ven-
de-se em potes de barro, na travessa da Madre de
Dos n. 9, arroaiem, a 040 cada um, e duzia a
480O_________________________
Taixa de ferro
Quem pretender comprar a taixa de ferro coado
com 6 palmos de bocea que ie acba na estacao de
Frexeiras, pode entender-se com o Sr. Sena Santos
no sen engenho frexeiras, ou na ra do Impera-
dor n. 12.
Catangas Anos e brinquedos
para meninos.
L-hegaram para a loja de miadezas da rna do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para brmquedo de meninos como para cima
de mesa : na roesma loja se encontrar bom sor-
timento de mludezas.______________ _
Luvas de pelllea.
Recebeu pelo ultimo vapor lindas luvas de pelli-
ca de cores e brancas para- bomem e senhoras : s
quem recebeu foi o beija-flor, na ra do Queimado
numero 63.
Grande exposico de fa-
zendas.
Que esto a venda, na loja e armazem da Arara,
ra da Imperatriz n. 06, Lourenco Pereira Alen-
des Guimares.
LAZINHAS A 240 Rs. !
LZINHAS A 240 Rs. I 1
LAZINHAS A 240 Rs. I 1
Ha um grande sortimento de lazinhas chioezas,
chegadas pelo ultimo vapor, sendo (azenda que
quaesquer loja vende a 400 rs., est se vendendo,
na loja da Arara pelo diminuto prego de 240 rs.
o covado.
MADAPOLAO COM 2i JARDAS A 4,5300 I !
MADAPOLO COM 2i JARDAS A 4*500 I 11
Vende-se madapolao com 24 jardas e garautin-
do se que tem 20 varas, pelo barato preco de
4500, 5,5000, 65000 e 64500.
BRETANHA DE ROLO COM 10 VARAS
A 2,5800.
Vende-se bretanha de rolo a 2*800 a pega, s
Mendes Guimares.
MADAPOLO ENTESTADO A 3*000, 3*500
E 45000.
MADAPOLO ENTESTADO A 3*000, 3*500
E 4*000.
Vende-se madapolSo enfestado pelo o barato
preco de 3*. 3*500 e 4* a peca.
COLCHAS DAMASCADAS DE FUSTAO.
Vende-se as mais modernas colchas de fustao,
tendo de todas as cores a 55500, ditas grandes a
6*000, ditas de damasco a 4*000, ditas de cbita a
2*240 e 1*900, isto s por a cabar, na loja e ar-
mazem da Arara n. 56, Mendes Guimares.
CHITAS FRANCEZAS A 240, 260, 280 E 300 Rs.
CHITAS FRANCEZAS A 240, 2*0, 280, 300 E
320 Rs. O COVADO.
CHITAS INGLEZAS A 200 E 220 R?. O COVADO.
Vende-se cambraias brancas desalpicos a 4*300
a peca, tambem ba um grande sortimento de cam-
braia brancas que se vendem a 3*, 3*500, 4*,
5*, 6* e 75 a peca.
CHALES DE MERINO A 2*000.
Lencos de cambraia com barra de cores a 1*800
a duzia, ditos de dita branco a 2* e a 2*400 a du-
zia, s Mendes Guimares.
CALCAS DE BRIM DE LINHO.
Vende se cairas de bnm de linho a 3*400,
2*600 e 4*000, ditas de algodo a 2*, s Mendes
Guimares.
Soutambarques de cores, vende-se muito barato,
ditos grosdenaple preto, capas pretas vista se
far preco.
PALITO'S DE ALPACA BRANCA A 4*500.
PALITOS DE BRIM DE LINHO A 5*000.
ntremelos transparentes a 800 rs. ditos tapado
a 1*, ditos para babado a 1*000 cada uma tira.
ROUPAS FE1TAS.
ROUPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se um sortimento de roupas feitas de
todas as qualidades, que a vista se far prego, e
outras militas mais fazendas que se dsixam de
annunciar, ra da Imperatriz n. 56, Mendes Gui-
mares.
Vendem-se palmmras mperiaes, em estado
de seren trasplantadas : no sitio murado es-
querda, depois.do beccD do Espinheiro, nos Af-
ilelos.
Azeite doce
da Liga.
reflnadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
Saceos de 80,100 e 120libras a 40,40500 e 50 ; no grande armazem da Liga.
...

Madapolao muito fino com pequea toque de avaria, por preco que aJmira : na loja
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos & C.
3^
o
si
o. 3 cd p.13
I3
TD s
* s
o 13
32*
3.3
as C
o ffi m so o i sr*^ as o o o
m a i !- ca.os::r. oC"'>,o
o. o. a > 5 s: a 2r
^ a Q a- o. g ^H
= -=> i!'
9> r-. O ir-t (p
o 3
ce
* 5>0
-> Je "
i en a
O "^ *
O
2.
B 2
aq o
Bl
ai
cu
-i
m
3. -
o L7
V
O

O
5
" S a>
03
-1
o
03
o.
o

I
3
f
o
2
LOJA DO BEiJA FLOR
Na roa do Queimado n. 63.
Tendo recebido um soriimento de bon&-
cas de choro, que chamam papai e mami,
com cabelleira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento de
brinquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas: apparelhos de almoco e de
jantar de porcelana e de metal, porta-licor
^ e faquinhas a 280 rs. o par ; e nao queren-
w do continuar, Tende mais harato do que em
._ outra qualquer parte.
W Vende-se tiras bordadas de differentes
^ ^largurasa 1^, e babados,collarinhos e pu-
nhos para senhora, bordados e abertos de
^ I renda e lisos, os mais modernos que se
CJ podem encontrar.
3 Vende-se 13a para bordar de diversas
^ I qualidades e de cores claras a 75 a libra, es-

TaSio li-uio
vendem gesso em p para estuque de casas, tijolos mado n. 63
finos de feitlo diversos para ladrilho, azuleijs de
diversos gostos, tijolos vdrados para parede de co
pelhos de columnas de Jacaranda a 2rJ500,
i ditos brancos de diversos tamanhos, caixinhas
para estajos de navalhas,
Colheres de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe para
tirar soupa a 25, ditas para cha a 25300,
ditas para soupa a 45200 a duzia: nesta
loja se encontrar sempre um grande e va-
riado sortimento de miudezas: ra do Quei-
Ioja do beija-flor.
zmha, canos de barro
barris de 10 arrobas.
para esgoto, cemento em
Vinho do Purto superior em caixa de duzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C, no seu escritorio roa da Cruz n. 1.
Auscnton se no ioariat 13 4a
cravo Antonio, c -n o
lo, de afio, idac 18 1 pMC i aw .: --
nos, estatura regular, ch'io do r
rap:' abre bastante o-' pl inri o- 11 I
pagueja bastante ri-m rr$ttn\i6 ;
zanga ou se teme alguma um .
camisa de chita encarnada, calcA
e chapeo de palbiah prel >. Em .
em vender agua r-a na c rn -' I .
do neste pyro na IKfUWfa4a B i '
pegar leve-o a raa estreiu da lio iri W
sera recompensado.
No dia 24 de narco de IMS *-
cao de Santo Amato de S'-rinl.a. 1:1 nm ra*i l^
uom^ Loereofo aaffrsrawa aa al
a Mal lem as rifttn >e|2iin>i>> i '
cabera bem coberta i'e rakril i w*>r*i
olhos i retos, i.ariz abalo, bocea ; ajw t < r>**-
dos os denles, os qn** v:i" i"n: '*' * r,,: '
brfos grossos e rMlindes, u u. i .-
as jimias, da.- aWk-a, hem vMaab^ aa Mnai m"
que na e>querda. pernas proseas e r|.Hni.-i.
natural de frica, Irabaiha t rrp:u, r
25 aniii's de bta.e : i|ii.m o MM >t
estacao de Rilieirao rt i via-ferr-a : otn i-a
junio a mesma cMfio, onde mora afano --
signado, rerebera' tilla- a< despea-. s^ra' t-*n
recompensado. Ha noticia ajaa MaaaaMN i-
como volunta?le. Francisco Xjier Ma.r
Wanderley de Gusmf.
I en
. .


Acham-so fiiL'i)-os fcrarfK
mulato, ida I" de 25 anuo-, cab-l'
barba, deoles um paajcn iMMv,
lesla laitia, e f..!la mu MU A -
i-l ionio. |a un (irll'o v- ilio, allu;
cabeliii:!.', barba con a*faM ral I
sim como na cabrea, corpa r-!
tanto pequenos, falla pona e :.
romo : peuV-s.- as aaiorMMa ai!
pitaes de campo en .. lacaaj *,:
dpzi-losa' ca-a de seii senh -r i
Silva Gu.-n.ao, ipie taneroMi
e loca pagara toda topoaa ojM li/
condnerao: stip|oe-se qoe rlir- i
pnifiieni,' dos rerldcs desta prc
(litios (le.-se.- lugares.
Fopio na noite 19 para
mez, do sitio do Sr. Dr. AaMM V.
ponte de Ucha, o s<-n escravo .! i. ,-
si que branco, tendo no roato Btareat i ...;
bem visiveis, cabello annr .
bem faHantoe de cerra d. 2S mh 1 aa
vru camisa de lacla encarnada i A? f-' *
nofo, snppoe-s'1 que vagneia i"-.-la
fe OU pelas mas .irruir':-.i' ,:o._ > i >
prehender e ievar ao sol
torio da arara do Corao Saatt n. 17,
dar, ser geiV rosa mente rafJMJMI
Futi no C"ia 16 ele
a mulata Suzana, a iiii.il tem es aaji ''
altura regular.corpo clieio. cor r ai
cabellos corrido.- < beM a^ra *-
ta estreita, olbos peqtwi -
grande, bei^os lir- . f^a de dm\< -
e dedos curtos, idade BMfa n ai- ai i aMi ' aa>
nos, niural do seri;V', W\m v.tid.> o> *a
escura com pabsai brMMJ e panno da o-...
la s mire lindle : peile-.-e a> anbMMMl I '-
ciaes, capitaes de camj o o aajMM 'i0* ***
souber leva la ao seu aaMaff na aaaaja ito ba^nn"
dencia loja de chapeo,- n. 14 e M, i
rosamente gratificad , ao mesrr -
la ser eaotra quabnier que o tenha aenolaia,
ha noticias que esta dentro mesmo
tada e se assim e-ta pessoa que : r
do contrario sera pucida i m i ..-u
Auscntou-se no illa 3 do corren;' ao mna lia,
dacasa da ruadolmperad'T n. a
do, crionlo, rheio do corno, a'lnra rgMar,
comprido, olhos pequeos e poi
sa e bigodp. bastante l-dio>.. r r t"
anuos, pouco mai on menos, e jnlga-c fir levi^i
caifa prea e camisa branca : esle e*crao foi eaaa-
prado ao Sr. coronel Galvo, do iMMfeaa, para "9-
de se julpa lenha fgido, mas ha quero n trMa
visto na Fassagero da Mr-pdalena, aVMMai
zea; e romo se desconlia qn eslea aconta-V',
protesta-s proceder contra qnem o 1'ver aroiMI .
e pede-se a quem riee lar TKHiela oo o afanar,
que dirjale a sobredi!.- ea-a. oa a rna i* Cr
o. 13, que ser recompensado.
Gratificacriode IOOa(mm)
Fugio dos abaixo assignados no .; I
Janeiro do corrente anno, o M MflM
nome Jos com os signaos segninlcs: i
bra escuro, cabello carapinho, MMN I
xa, cheio do corpo, pes largos e faz nm g->;-
to as pernas quando anda, mnilo poseo
barbado, e tem urna cicatriz bem \i*ive! u
um lado do queixo, e outrn I-m grande
as nadegas, proveniente de -urra, rajo -
cravo compramos junto c m ostro ao Sr.
capitSo Silvino Guilherme de Barros,
Sr. os bavia comprado ao Sr. Joo tabral.
morador em Nazareth. Consta-ros que esle
escravo flUio do Brejo da Madre de Deus
aonde casado e tem filhos. lendo-fhe or-
rido ltimamente a roulher: perianto rega-
mos a 'odas M autoridades pohciae* a sw
captura, e a qualquer pnrlicul u s gratifi-
car com a quantia de OOd se o troorerem
seus senhores nesta praca, na da Impera-
triz, refmacao n. 46.
Luiz da Silca Ferreira & C:
Na noite de 6 para 7 o
agosto fugiram do engenho Juriaaaea, fregara* a\>
Cabo, dous escravos cem os sign'ts .-gi.iafc's
Antonio, pardo claro amarellado, idarie ii nm*.
cabellos aonelados e cortos, sem barba, altura
corpo recalar, fui comprado a doas iaaa a* aV-
Joao do Carvaibo Raposo, morador em Igaaraaa
Jos, crioulo, bem preto, idade S4 aaaoa, **c
grandes, pucha um ponco pela per na cs^'rda, a
qual mais lina do qae a outra, alo 1
levanm bastantes roupas, como f
res de algodo, a uma espingarda re
pois, as autoridades poliriaes qoe le
principalmente o Antonio, qoa alem * n
o corpo sem signal algum de easUf, \>imtmmt-
to bem offerecerse volunuriamente oa ser reern-
tado. Quero os pegar oa delles dereaa
tas, ou leva-loa ao referido MMJa, a i
ao Sr. Antonio C M. Temporal, aa roa da Um >
30, Io andar, receberao boa gratfcaca.


Diarlo de Pernambaeo --- Mabbado 19 de Agosto de 16.
L

3
'TERATOHA.
A par do respeito que Ihe votavaro, elles conver- pre meregamos as penas da condemnago eterna.
savam, disculiam. com sea velho pal, na mais in-, Marchemos Armes, fiis, sob a le do Senhor,
lima confianca de amigos iutimos. I porque nella que est a sabedoria e a felicidade
E quautas vezes, senhores, nao fui eu testemu- dohoniem; oceuperao nos com fervor no cumpri-
nha dessas scenas de familia onde o venerando an- j ment de nossos deveres para nao soflrermos amar-
dera fitMr i*Wlm~X*!mti" c,o elevand-se Hura dos seus conhecimentos gameote tantos males; volvamos o nosso corago
uiond, na igreja do Carmo, ao stimo da di PJJJ Pw querer npplanur pela forg do ra- para Deus, para que elle se amercie de nos, e nos
scu fallcciniento ' a<,a6,les que' ou pel respeiI> ou pela ilivre da cadeia ettrna ,,a maldigo, esorcemo-nos
Discurso pronunciado pela Rvin. tigario Fran-
cisco I'eivoto Duarl'i, as txequiaS do Lriga-
seu fallccimento.
Speravit anima mea in
domino.
fJS do Psalmista.)
Vinde opulento do mundo I Vinde soberba en-
tila I Vinde genio dj orgulbo
Mira! aquelle monumento funerario, que se vos mas porque bem comprehendia, que os mereci-
antollia, aineagador, que a mente vos acabrunha, mentos do homem de bem nao esto na razo di-
que perturba vosso somno de Creso, vossos sonhos recta da vaidade que sempre detestou.
dourados I i Calholico, sem mistura, sua vida e a educagao,
Vrde o nada a que vos reduzireis... vede, que que sempre deu sua familia nao se ressentia des-
a:, aves d'aquelle ouro, d'aquelles brocados, da- ses abusos da poca, dessa liberdado e franqueza
qui lies lavores do sarcoplygo o fundo negro, os mal entendida?, e quig perigosas, que ordinaria-
t.iiLlemas sao da morte, a luz dos cynos metan- riamente degenerara em libeninagem.
clica luz que aos vivos vai faltando, no momeo- j Finalmente, senhores, quando aprouve a Deus
10 supremo do eterno adeus I chama-lo a morte nao o sorprendeu, elle a espera-
Trazei vossos thesouros, derramni-os com pro- va, elle a esperou com resignado evanglica.
f:5o por sobre aquelle negro sudario... e ve- Ou fosse o acaso, piesentimento, ou o quer que
res, que por entre o fulgor dos diamantes, por seja de extraordinario, elle prognosticou o mez de
entre o brilho d'esse ouro estar o lulo que vos
evidencia se curvavam ao paler dixit I j para sermos Deis no pieenchiraento de nossa mis.
Estando na altura "de ter um tralamenlo destara- sao, para que o Juiz Soberano seja clemente e mi-
brante, na sociedade, o brigadeiro Drummond era j sericordioso para cora nossos crimes.
pliilosopho chrislo ; cootentava-se com o nlil e
Deceeaario, nao porque fizesse questo de cifra,
AS 0I1UBNS RELIGIOSAS.
III
Os religiosos foram nteis a igreja por suas vir-
tudes.
Com effeito, alumiando seu espirito cora a luz
tos que oos endeusa a historia profana ; estes se
tornarara Ilustres pelas mortes que tlzeram, aquel-
las pelas vidas que conservaram ; emquanto nos
plantaram sua gloria e sua honra sobre as caberas seu membro, a sua actividade redobrou. Porm
fina flvn^t m *(.. _ _______ 9 <.-.- ____i u__ i________a _.
que flzeram rolar nos campos de bataltia, engol
di*mortemorte, que vos diznadanada, que
vos dizhomem I
E, nao meditis um instante, se quer, no anjo
da destruigo da humanidaJe, que adeja por entre
vos...
Engolfados, nos prazeres, que vos proporciona
a opulencia, vos lembra-vos apeuas ':a morte, pa-
ra despresa-la, com o poder do vosso ouro ?
Pois bem, supponde, que a Deus approuve tirar
deste rauudo um homem neo.
Oavi I
E .i quanto dura a lgubre solemnidade do faus-
ta, funeral, os ricos, que o assistem dizem, in-
eba ui de vaidade :
E' cora esta grandeza, que somos sepulta-
dos ; aiuda no tmulo nosso ouro se revela I *
E, os.nescios dizem :
Quem nos dera, que assim fossemos se-
pultados I
E, anda dizem os philosophos:
Ou n'uma tumba de re, ou n'nra esquife
de mendigo... tudo morrer...
)s renles porm, Srs. (aquelles, que bem com -
da morte.
seu passamento em urna carta que escreveu sen
ilho o Dr. Antonio Drummond.
Estou araeagado de morrer nestes dous me-
res, disse elle, preciso fallar-te...
Essa carta, senhores, fol escripta em Junho pr-
ximo passado, quaudo a enfermidade, que o aca-
brunbava pareca retroceder de sua marcha fu-
nesta.
Chegou o momento fatal, expirou o praso, pela
natureza marcado para o embolso da magna divi-
da da humauidade, divida que se satisfaz a bocea
do cofre, anda mesmo em estado de penuria.
Soou urna hora depois de roeia Doite, no dia 30
do passado ; elle ento soffria horrivelinente.
Quiz erguer-se do estado de proslr ago em que
jaita, nao pode, a reagao era impossivel. Confor-
raou.se...
Pedio o seu relogio, consultou as horas... < pou-
00 f ilta> disse e sorrio tristemente para a familiha,
1 que o rodeiava muda de pezar.
A alma eslava soffrega para despender-se das
prisoes do corpo.
Seu semblante decompoz-se pelo toque do dedo
um a espada
que derruba e corta, o outro a cruz que levanta e
abraca I
O abysrao que os separa iocomraensavel.
Mas anda nao param as mlsses os servico;
dos religiosos ; as fuucgoes de seu ministerios fo-
ram sempre uleis a igreja como bispos e pasta-
do saber, circumscrevendo seus actos nos limites res zelosos, como theologos profundos e como sa-
religiosos de urna moral severa, mortificando sua i b's e lauto que erara chamados a resolugo das
carne, suffocando snas paixes, e dando o exemplo questes difflceis; tanto que desde o prlmeiro con-
e o modelo da vida christaa o monge alcancou um
triumpho immenso para a religio : mostrando,
na phrase de S. Basilio, o que ser viajante deste
mundo e cidado do cu, os religiosos deram sem-
pre urna idea perfeita da moral evanglica s
nages e aos povos, offerecerara exemplos aos
chnstos, justiearam aos olhos de todos a santi-
., ..-*......, Ivlni llv3 i,,iniyL<3 uc udiai'irt, uugui* um uo?gi ayauu rfUUHlLllucmo men OIUJJU Ul sou:
pbados no somno da morte, os outros perpetuaram trabalhos de organisago; vagas suspeitas e de-
sua memoria pelas almas que fizeram subir ao co nnncias da polica secreta, flzeram com que elle
a gozar da beraavauturanga eterna e da vida de '"" <--" .... ..j-j-h-
lodos os seculos; um se iminurtaiisa pelo que de- > duuuiohiuu u >.< <
cepa, outra, o here da igreja e do chrislianismo, aecusagao de ter sido chefe o organisador da in
pelo que vivifica e anima; aquelie o tufo que
devasta, este a brisa ijue alenu;
I-che.Bdem, que a nica felicidade possivela,
qa re (i i na Eternidade de glorias) terminara :
E' um opulento, que passou ; se foi aben-
g jado de Deus, e dos homens as portas do Co Ihe
seo franqueadas... se foi ura precito... Deus
se coinpadega de sua alma.
Passa o fnebre cortejo : as ras estremecen)
pelo rodar estridente de um cera-numero de co-
che*, cada qual mais elegante, cada qual mais
>unptuoso.
O povo b'ennovela; apinha-se, as ras, as pra
gas, as soleas, e varandas, vido de curiosidade.
Quer ao menos ver os n-tgros penachos, os ricos
lados do veludo, que guarnece o carro-chefe,
qu.1 sob-rbo, pucha o sutnptuoso cortejo.
Dos morios, ou dos vivos o povo, Srs. adivinha
(estas o sempre assim.
Eis o jazigo. tudo para.
Ha um conflicto de preferencias; todos querem
eondotlr o elegante eaizio; os amigos cedem aos
l .rumies.
Tin bello monumento de ano marmore, obra
prima d'arte espera, rizonho, seu nobre hospede.
Pouco depois.... mais nada.... o silencio, e
mente o silencio.
Seus olhos ainda viam ; fitaram-se no Crucifi-
cado...
E, depois breve agonia e a morte I
Se nao assim, senhores, que morre um justo,
feliz o peccador que morre assim.
UM POUCO DE TUDO.
Ha muilos costumes, usos e ceremonias entre a
no:sa sociedade; que valera bem a pena de apre-
ciar-se e contemplar-se ; por exraplo : um baile.
A mor parle dos mancebos que coucorrem a es-
tes uiveituueutBS, eslafam-se dauyaado quadrilha,
luuceiros, polkas, walsas, etc., desde que principia
at que acaba o baile.
Eu, que arada nao sou velho e lenho ale miulras
preleuvdes, pols uso bigode e pera, e deilo meus
uiliares requebrados as mogas, aborrego a fadiga e
a e\cessiva trauspirago, e por conseguinte ougo,
observo e contemplo ordinariamente as dangaules,
e presto raiuha attengo aos ditos agudos e al
espirituosos que cabem s vezes inadvertidamenle
dos labios de nra ou outro.
In um oos unimos saraos dado, nesta cidade, ou-
vi um individuo dizer, ao entrar para o toilette um
rancho de mogas com a mame atraz, o segrate,
a-iH a-, h,.i-;. _..i. i wUU<,ui, ouiws quo uonou o Draao oos nenedicii-
1 r : E=rK* --** wmm. na mu,., ,.
cilio de iNica at o de Tiento, segundo afflrmam
todos os historiadores, foram elles consultados como
modelos de prudencia e luzeiros de saber.
Os religiosos presiaram alera daso servigos a so-
ciedade.
O leitor caugaria a atteng.o se enumerassemos
lodosos sulcos que deixou o brado dos beuedicti
vel a observancia restricta dos preceitos da le de
Christo : com seus aelos emflm elles corrobora-
ran, sempre sua doutrina, coavertendo por seu
exemplo os que se oo rendiam a sua pala-
vra: consequenlemente prestaran) por suas virtu-
des crandes servigos a religio, consequentemeote
a igreja encontrou nos claustros virtudos que con-
correram para seu engrandertraento.
Nao sao ura, porm muilos, muilissimos os
nomes que poderaraos citar de ovelbas perdidas
nia, na Bjviera, Suadia, etc., e se recapilulasseraos
todos os beneficios que aos Bernardos devem os
valles esteris de Tnibauth e tantos outros lugares.
P&deramos eucher captulos com os njines das ci-
dades e villas fundadas junto dos mosteiros, por
sua influencia e a sua casta ; encueramos um li
vro citando os carainhos desconneeidos que elles
abriram, as estradas mteiras que aplanaram, os
campos que fertilisaram.a* leis deprimidas e despre-
sadas que elles estabe.lecerara e sustentaran.
Agora, Srs. passemos a habitagao do Ilustre fi-
nado. ,
Era ello em verdade ara homem temenle a Deus; referiudo-se a velha :
ua alma era enivqueci la de virtudes preciosas. Isto dispensar-se-bia ca.
Era ura esposo, um pai, um amigo, ura irmo, Nao, meu charo senhor, tornou-lhe outro, tiSo
um eidadao, um ehrialio, d numero d'aquelles, tanto assim, pois isto constitue o fundo d re-
qoe Deus chima, e depois escolhe. serva.
Era o arrimo da pobreza desvalida ; a sua for- Ainda outro.
tuna reparta se sem vaidade, sem ostentar.ao de Teudo urna senhora pedido a um rapaz, depois
candade pela orphaa, pela viuva, pelos pobres, que de servido o cha, para Ihe obter uin dos lindos ra-
Ihe bailara a porta. malbetes artitkiaes, que eufeitavara as baudejas.
Yode aquelles mendigos, que pranteam o sea este correu toda a casa, em busca de um d'esses
falleclmanto T Sao uns pobres sinceros, que la- ramalbeies, e como nao o encoutrasse, fez com toda
lentam a perda de um berafeitor.
Vede aquella pobre raulher, que all est, cur-
vada ao peso de sua dor ? E urna infeliz viuva a
quem elle amparava plo amor de Deus.
Agora, Srs. mais um pouco de resignagao : su-
b, peaelrai, se possivel f-jr ato onda estiver a fa-
milia desse hornera jnsto.
Urna raulher, que poacos das ante.- vivia tao
venturosa lera tocado ao pice de urna dr sem
limites.
us lilhinhos, que a rodeiam abraeam-na, bei-
jam-oa, chorara porque vem chorando, ligam-
se com saas ronpas, coma que receiosos, que to
bem ella nao Ihes falte I...
Os amigos, os parentes, os conhecidos, os fama-
los a casto comprimen!, no pello a dr, que Ihe
confranje o corago 1
Essa liabitag.io, qua ainda ha pouco nadava
tona do prazer.... hoje est mergulhada n'um d-
iago de tristeza.
E" que, Srs. desse rica icou ura nome sem
a paciencia um outro de rosas uaturaes, e corren-
do para a autora do pediiip, disse Ihe.
Miaba senhora, nao tendo encontrado oe-
nhurn ac uncial, teci este ramo de flores uaturaes,
para olferecer a V. Exc, certo de que este mais
valor tera a seus olnos.
E com esta evasiva, livrou-se o rapaz da entalla-
della.
Sobre o evaugelho de S. Lucas, cap. XXI-Ha-
via um hornera rico que tinha mu feitor: e este
foi aecusado diante delle como quem bavia dissipa-
do os seus bens-escreve o Misionario Catholico
o cguinte:
iN'este exemplo que o evangelho de hoje nos of-
ferece, fiis, vemos o thesouro da misericordia di-
vina aberlo para servir de vida ao corago endure-
cido no peccado; vemos a imagem de um Deus
hurailhado enchugando o pranto do arrependldo, e
mostrando nos arcanos de sua justiga recta os ca-
que voltaram ao gremio do catholicismo, pela s alongramos de muito este escripto mostrando co-
iufluencia das virtudes ejemplares dos religosos; a rao os religiosos mantinham a classe pobre, e co-
histona esta cheia de nomes que se alistaram sob mo souberarn iniciar o araor do trabalho 'derro-
a bandeira do crucificado pelo s poder da virlude cando os preconceitos nesglos dassa sociedade igno-
dealguns mosteiros; sao os propnos escriptores protestantes que ahi esto confessando que nos havemos mister, vejam o mais qie li/eram
invejam esla grandiosas iustruegoes de n.ssa Quaudo os vndalos da iberdad-, bem ignaes
religio que tantos proselytos ganho pela forga da aos de hoje levavara com seu alfaoge a destruigo
palavra apostlica, como pela autoridade nao m*- j Por toda a parle, e nao respeitanle oireitos era
nos forte dos exemplos de urna innegavel a assom-' propriedades sepultavam o opuleat) na pobreza, o
brosa santidade, exemplos pela maior parte sabidos virtuoso na miseria, e o sabio na desbaga foram
'as ordens religiosas que em todo o lempo abriram
suas azas de pa a sombra salutfera a esses infe-
lizes; quando os nectarios do liberalismo no tur-
bilho de sua carreira vertiginosa levavara de ven.
clda a sciencia, as letras, as artes e os seus monu-
mentos, e ludo raergulhavam no baratho da morte,
foram ellas ainda que incansaveis no cumprimeoto
de sua missao sempre levautaram o lbaro da civi-
llsago sobre os coraoros de cadveres que dalia-
vara os vencedores como raslo de sua passagem ;
foram ellas que fundando escolas espalhando o
gosto pelo saber (erara sempre brlhar entre as
nuveus do obscurantismo alguus raios de luz e de
esperanga aos olhos do gurame.
Nao somos nos, o proprio impo Voltaro que
rspondendo a voz da ustigi, contessa em sen-
t. ijug, gis. UC55C iicj ucuu um uome sem -----------------
mancha, ticou a grata recordago de suas virtudes,, miubos de uossa salvago.
da piedade de sua vida; ficou-lhe tudo, ficaodo : Esse nomeni rico Jess Christe, que se apre-
uraa memoria gloriosa, que chegar a posteridade, seDla a ,odos reparlindoos raios de sua gloria, os
sempre bemdta. favores de sua soberana raagestade para consolar
Fagamos a applicago. ; ao que soffre, e acariciar em seu regago de amor
O brigadeiro Gaspar d i Menezes Vasconcellos ao fl,"10 'ransviado nos caminhos da perdigo.
Drummond esse rico, esse opulento, que pas-1 E Jesus Christo que se apraz em tocar o cora-
go do hornera para enche-lo de todos os primores
celestes; o Filho de Deus que sob a figura de
aos Qlhos, escoi
pronun- um rico exi8e da creatura, por quem derratnou seu
i saogue, contas dos bens que Ihe confiou I
, I ^E aquelle que os houver dissipado, que confuso
nao ser a sua ?
Como poder em ora momento inexperado des-
culpar se de seus desmandos?
Que meius empregar para justificar os seas es
sou.
E' delle esse nomi, que legou
mido de noJoas, e de crimes, nome, que,
ciado, nao Ihes faz enrubecer as faces.
Cultor das letras, o brigadeiro Gaspar Drum-
mond fazia dos livros seus melhores amigos, as
horas, que refocilava das fadigas do coramercio,
do trabalho d'agricultura a que se dedicou com
vantagera.
Militar bravo e inteligente, sua espada honroo uanjamentos, a sua indolencia, e o lempo que per-
a coragem tradiccional do soldado brasileiro : elle **eu '"utilmente I
foi ura dos muilos veteranos da nossa indepen- Preveni-vos, fiis, para nao serdes apanhado
dencia. como o feitor da parbola, que.vendo-se sem defe-
Com o peito coberto de honrosas e distinctas con- za e despedido da administrago de seu amo, en-
decorages, ellas nunca impediram, que esse pei- tregou-se a urna coliso triste, sem poder trba-
lo se mostrasse a descoberto, no vrtice dos com-, 'nar-
bates. Procuremos regularisar em ordem as nossas
Rico de milhoes, (elle o era) o brigadeiro Drum- contas; em esperarmos o nosso amo, que vira em
mond se confunda com o povo, sempre affavel seo throno de gloria separar os bons dos mos, e
empre cortez cora o soberbo titular, com o humil- i julga-los com a lei de sua justiga infinita
I.__; li* i.i i im.i I 1___*. ___________
de peo.
Senhor de centenares de fmulos, nunea houve
quem o visse ordenar um castigo rigoroso para
qualquer delles ; e quando porventura algn dos
seus administradores se exceda, era motivo mais
quesufBcienie para acorrer em sea desagrado.
Negociante honrado e hornera generoso, o briga.
deiro Drummond sempre pagou e nunca cobrou I
Em um dia, quando commerciava em alta esca-
la, foi saqueado ; alguem aconselhou-o, que convi-
dasse os seas credores e pedisse ambate; reu-
nios, certo, mas foi para puntualmente pagar-
mes !
Esposo desvelado, elle vivia para fazer a felici-
dade de sua familia que o idolatrava.
Pai extremoso, mea Deas I seas Albos erara pa-
ra elle mais que fllhos, mais quo amigos... eram
seus aojos de consolaro, quer quando a vida Ibe
orria, quer quando a morte o.visitn.
E que perturbago nao apparecer em todos os
semblantes, quando pedir-nos os fructos da admi-
nistrago que nos den?
Senao tiverroos sido diligentes em fazer produzir
bons resultados, como oos livraremos dos castigos
e das penas que sobre nos recabir I
Administremos zelosamenle o thesouro que est
em nossas mos ; procuremos augmenla-lo lodos
os das, afim de merecermos as complacencias de
sea amor, e de sua bondade.
O ovangelho nos avisa em seas conselhos, que
devemos langar nossas vistas para o bem estar da
nossa alma, porque o dia do jalgamento inespera-
damente vira sobre nos.
O maior cuidado deve estar sempre pendente
aos nossos olhos para bem condazlrmos o oosso es-
pirito oo verdadeiro camioho da salvago; deve-
mos trabalbar para que a morte e a cegoelra do
peccado nao nos sepulte no desespero, e para sern-
os religiosos cultivaram as sciencias ecclesas-
licas.
Foi d'entre elles que sahiram S. Gregorio Na-
zianzeno, Theodoreto, S. Gregorio Magno, todos os
sabios de Lenns, S. Jeronymo, S. Izidoro, e S. Ful-
gencio, nomes que bao de morrer cora o seculos,
homens que constiluiram a gloria da igreja, sabios
que com suas obras fixaram o verdadeiro sentido
das santas escripturas, conservaran) o deposito da
tradigo e refutaran) as aoligas hernias; foram
elles que se applicaodo a theologla perpetuaram o
estado da palavra do SenMor e das obras dos santos
padres, obstando a loda a innovago sobre crenga
religiosa; foram elles que a f orihodoxa, e deixa-
ram-nos resumos de moral chrisla, innmeros
serraes, cartas sobre pontos moraes e de dogmas,
e historias de diversas igrejas; foram os religiosos
emfim que, no dizer de alguem, deram urna juris-
prudencia aos seculos futuros.
cm direito cannico ainda hoje se lembram com
louvor, para nao apontar senao poucos, os nomes
de Hincmaro e lleginon, Abbon de Fleurin, Rathler
e Pedro Daraiano que com seus escriplos impor-
lantissimos vigiaran) pela observancia da dscipli.
na, e reuniram os caones dos concilios, asopinies
dos sabios; e as decretaes dos papas.
Em historia eclesistica prestaran) os religiosos
avultados servigos recolhendo tudo que Inleressava
aos coslumes dos chnstos e a igreja, commema-
rando seus progressos, suas perdas, os homens que
a Ilustraran), as heresias que appareceram, e as
perseguiges porque passou o christianismo;
certo que nada teriam fel sserius, Tillemont e
Fleury sem os testeraunhos e as noticias que Ihes
transraitiiram os claustros desde Hugo de S. Victor
at o monge Pallade; emflm, senao fra o zelo
Incansavel dos conventos, a historia ecclesiastica
nem urna palavra podra dizer hoje sobre o que se
passou na igreja por sete ou oilo seculos; reina-
ran) ahi as trovas e a ignorancia, talvez que a
falsidade houvesse invertido todos os factos dessa
parte da historia, a incerteza e a duvida seriam as
luzos dos aconteeimentosde pocas to importantes
nos -aouaes do christianismo.
Em sciencias eclesisticas slo ainda. bem conhe-
cidos os deus vultos gigantescos de S. Bernardo, o
ultimo padre da igreja, S. Tboraaz, o primeiro
doutor da escola; aquelle, que por sua santidade,
sciencia e zelo foi o orculo da religio, o arbitro
dos negocios, que leve em suas mos, no dizer do
abbade Badiche, as redeas da christandade; o
segundo, que pela vastdo de seu talento como
pela proundeza de seus conhecimentos ainda hoje
o facho que alumia'com sua luz brilhante a todo o
que esluda theologia e philosophia.
Forara emfim os doutos religiosos que cora suas
mos rasgaran) grande parte do vu que encobrio
por muito lempo a magestade da religio, justifi-
cando a certeza de seus dogmas Irrecusaveis, e a
santidade de seus preceitos inspirados.
Os religiosos foram uteis as diversas funegoes
de seu ministerio.
Se bem que sua vida se destmasse ao retiro, e se
complelasse na paz da solidao, coratudo esses ho-
mens levados por um amor postolico sem exemplo
sahiram muitlssimas vezes ao mundo a correr tor-
mentas e perigos, porque as necessidades e a igno-
rancia da humanidade que labutava as Ierras do
erro, o exigiam de sua dedicago : foi assim que
no roeio da sociedade appareceram esses santos
raisslooarlos a que Cantu chama de felizes precur-
sores da luz; foi assim que por toda a superficie
da trra se espalhou essa onda de mensageiros da
felicidade, que se aclimando em todos os paizes e
arrastando todas as contrariedades, nanea trepida-
ran) arte a idea de incommodo e at de raorte,
loda a ve; que se tratou de levar a idea de Deus ao
espirito do ignorante: foi por isso qne a Phenicia
se tornou chrisla, que a Persia e a Austria se con.
venerara, que a Suecia, a Dinamarca, a Noruega,
a Prussia, a Livonia, a Siberia e a China, virara a'
luz evanglica.
Nos vimos o religioso vivendo com o Esquimo
em sua maca de pelles, ou em sua caverna de
gelos; vimo-lo percorrendo a solido com o Iroquez
e o Trtaro, seguindo o Caffre errante em seus
dsenos abrasados, ebegar a India, ao Japo, ao
(lm do mundo e, como bera se exprime um autor
catholico, at faltar Ihe trra para sua caridade
como era lempos remotos altaram reinos para a
ambigo de Alexamdrel
L cabiram suas cabegas muitas vezes no meio
dos furores das revoluges e da aotropopbagia;
por centenares de occasies foi martyrlo a cora e
e a palma que tiveram era premio de suas aeges
heroicas, mas nunca tal idea acobardoa a homens
to santos que como o padre Bouchet escrivo das
Indias; i nossa mis,so esta mais florescente que
em lempo nenhum ; soffreraos neste auno qualro
grandes perseguiges.
Oh I verdadelros hroes foram os religiosos, h-
roes mioros por certo que os Codros e Lenidas,
mais venerandos sem duvida que todos esses vul-
[. ..,., ,..-, \iciiina ja nao pouia escipar ao aigoz, o po
animo smre o espirito eos costumes das nacoes . -
tnm -\> i !! ,.,,, T: bre patriota eslava perdido. Mas a barbaria raos
[tom. 3-, pag. 153) que foi por muito tempo urna
coosolago para o genero humano a existencia des-
ses asylos abertos para lodo o que quizesse fugir s
oppresses do governo godo e vndalo : quasi todo
o que nao era senhor do c.istello era escravo; es-
capava-se na dogura dos claustros a lyrannia e a
guerra.
Quando as espadas dos destruidores decepavam
os chefes de familias, eram as ordens religiosas os
bracos que recolhiam a viuva desolada e a virgem
orpha ; eram ellas a mo 4ue sal va va do vento
da perdigo e da miseria assim a saudade de pr-
xima a desfolharse, como a lyrio innocente do val-
le ainda nao crestado pela saraiva das paixoes do
mundo.
Quando emfim os patrarchas de vossa raga, oh
cruzados da morte, aUgavam a ierra de sangue, es-
cureclara o ar cora o fumo das fogueiras e a que-
dan) os mares como o incendio das bibliothecas,
foram ainda os solitarios que telando pela sorte da
humanidade ingrata registraran) em seus livros o
deslino das cidades, a vida dos homens celebres,
as opinies dos philosophos, as doutrinas e as in-
venges dos sabios; foram elles que incessante-
mente oceupados em copiar e tr.mscrever as obras
da antiquidade lano sagrada como profana, uo*
perpetuaram as leltra? e a historia : ah esto fal-
lando por nos os preciosos moaumentos desta sa-
bia oceupago que ainda se encontram as Abba-
das de Cistr e Claraval, e na maior parto das
Abbadas da Ordira de S. Beato ah e-to corrobo-
rando nossas palavras; os ciu^o primeiros livros
de Tcito conservados pela Abbadia de Corbia, e
lanas outras obras importantissimas, obras dos
sanios padres e dos historiadores, obras sobre eos-
mographia, geographia, rhetorica, sobre todas as
sciencias e artes emfim, que em resumo devem o
que sao, aos claustros e aos conventos I
Foi all addido ao estado maior do general em
chefe desse exercito.
Logo que a commissao polaca o escolheu para
um desgragado aconteciraento interrompeu os seus
(Jma vez ara golpe s tambem semiro t
Tantos tiros quantas quedasque gigante !
Era o ralo da jostiga fulminante,
Que n'um brago de guerreiro por mifterte
Em sublime rriiagao no seo criterio
Em favor de dosm patria decida
A victoria, que por pouco se perda f
Neste iuierim nossa gente em voseria
Brada em vivas a uagoa gritarla
Aos ribombos do canho se mistorava,
Como o tiyrano brasileiro que eotoava :__
surreigo. Gragas a urna extraordinaria presenga
de e.-piriio, a explicages cheias de lgica serrada
e uattacavel, e em parte estima e amisade dos ~ ^ossaesquadradiz se-hla, vrn lefct...
seus aul.gos camaradas, que se achava em o nu- ^erVt u sta*' e com mai* * ">">
..... ... Se remoulam por eucanio a um cu div^rtn
mero dos seus juizes, fot absolvido por falla de ., uuwu "'*>.
' r Onde ludo que divulgara e immeoso ;
,, .'. Ioflammavel, glorioso e fascinante.
Estejulgamento nao satisfez o procnsul ruia- v o........m T ... ... .'
n i__ * suspirara u um delyrio o doce instaste
no Berg, que o cassou, retendo preso em obscuro -------
caree re o aecusado. Ora agora a lula potrao sol ja loaba,
Aqui obleve liceoca para contrahir os sagrados e to forte a tempestade do mar rebomba
lagos do hyraineu cora aquella que elle amava e Uivo ecos de furor e foriges
que hoje parlilha a sua sorte. rv .
a LI i i, u Das gargantas faues-eacs tarbilhoes
Rompeu a revolugao, mas Dombrowski fazia T-, arl .rv , ., .
, .. .... lao cerleiros se quebrar nos dous costados
falta para dirigir as operagoes cora o seu tacto des- ---
marcado. Aos io'ng'*s vapores derrotados,
Na oplnio d'aquelles que conheciam o carcter -ue *''ra l* ao dsse4lr'> ao fugudo,
e a dedicago deste homem, s elle talvez honren ^raoos nJorlof P?lai * se soroiodo.
..... Mas o cnefe caloroso grita a gente
polido leva-la a bora fim. j, _Ay aU,ho sem dern()rJl_"em ^ p\>agmtt
0> muros da fortaleza encerraram o seu prisio- E na treva ja da n >ile os brasiiciros
neiro por espaco de treze mezes, durante os quaes! Voam loucos e sdenlosaluneiroe
o, resultado da "lula era ainda incerto e promette-' ^ conseguem d; abordagem cap'm-loe ;
Q. E enlao brindando a patria aos lolervailos
I Mudo ludoa fita rubra desarvoram
A Insurreigo tinha chegado aos derradeiros mo- Pisam logoe aos vihes, qu vida implora*,
mentos na Luhuania, quando um dos offlciaes po- Cedem uobres, que oo sao selvageas(eras '
lacos por nome Miladowski, feto prisioneiro n'um Coa>0 eiles sem aem Primaveras f
combate, tortralo as prisoes do Wiloa pelo ce- plrf, i,, .
, ,, ,, . riuda a luta, vamos ver quem perecea,
lebre Murawie, o enforcador, cedendo a soiTri- Quem dormindo remooloo-se ootrocea...
mentos atrocissimos, confessou ter sido recebido i Minios bravos por alli rolao desfeiios,
n'uma sociedade secreta por Dombrowski, e Ira Nivelados co'a caoalha -aos fros petios
gou o pape, que este ul.imo deserapeuhara entre os g" gj, %**-J-JJ-a,
Russos e os Polacos. ^ Altaneira v-se a fronte d'uin vale
Murawief apressou-se a solicitar de Berg o envi
do prisioneiro a Wiloa, afim de ser alli executa-
do; porm reinando a desharmonia enire estes
dous generaes, Berg nao quiz dar-lho esse gosto.
Todava, mandn que fosse julgado por um no-
vo conselho de guerra, o qual, em vista deste no-
vo elemento de aecusago, condemnoa o a pena
ultima.
Dombrowski pode anda ser salvo.
Por um motivo inexplicavel, Berg commutou a Era feiiura divinal, o eVabhndo,''
senlenga de morte n'uma condemnago a quinze ; Onde o bravo sobre o throno da ventura
anuos de trabalhos forgados na Syberia, sendo des- i Apoiado ao cume excelso -da atora
muido dos seus erapregos, alera da perda dos pos- j j-J -JJg* ~**~
tos militares e da conllseagao dos seos bens. ] Ergueo alto o sublime penameeio.
Esta senlenga foi levada a effeito em 18 de no-; E sonhaodo ama luz no firmamento,
vembro de 186i, e ao passo que Dombrowski era; Aos ardores na pujanga para os eos
conduzdo para o fundo da Syberia na companhia ^*.^.*^* .* ,tr amDeml
de outros cera condemnados, a sua desditosa espo- *
sa era mandada para urna afastada provincia da
Russia, Ardalow.
Ura novo depoimento de outro desgragado prisio-
neiro leudo corroborado as aecusages que motiva-
ran) a condemnago de Dombrowski, Murawief
expediu agentes seos, tendo instrueces para arre-
bata lo do comboio e executa lo em Wilna.
A victima j nao poda escipar ao aigoz, o po-
aleftta
D-iepad', que sorriu do sol ardenie
Nessa lida e nesse instante derradeiro._
De quem ? diz a gloria o nome iateiro
Pedro Affonso I...
Eis o aojo da victoria I
Que elevou-se do l'aolheon dalu nwewfu,
Eis o bravo, que alli rola adormerido.
Como o anjo oo seo bergo eoeanaecido;
Eis o geoio I como aurora qoe desposta
Entre espesso oevoeiro, e nos apiola
E>se numen, que fascina alera sorrinJo
covita nao contava com a energa inabalavel do
dextro captivo.
Dombrowski, dsfargado, rodeado de baiooelas
inimigas, pode evadir-sc, e tendo-se refugiado em
casa de ura dos seus amigos russos, foi tao bem
auxiliado e protegido, que por espago de seis me-
zes percorreu a Russia em todas as dlrecgoes, re-
novando as relages interrorapldas pelos aconteci-
ineutos, inspirando novo alent e esperanga aquel-
les que encontrou abatidos, e depois de ter cura-
prido com o seu dever, pode finalmente oceupar-
se d'aquella que longe dcll cnorava, da sua que-
rida esposa.
Tendo chegado a Ardatow, consegoiu arranca la
das mos dos seus perseguidores, e com ella se re-
fugou no solo hospilaleiro da Suecia.
Passa agora um prestitoajoelherao*
Meu Deus I ser possivel I... siin, eboreisos..
Mas quem c ? Corre o poro em profazan
Gome o bronze fatal oos campanarios
Sa a prece depoi< oa virago.
E os cautos ardeotes n'ampldao
Suspiram solitarios.
Silencio I agora a noite se aproxima
Um cirio mortuario alli se anima,
E ao p da seuliora alguem suspira,
Como aves perdidas que gorg-iam...
O' I misterios da noite I quem defyra
Ao lado desta lousa e sent expira ? I
Sao anjos qoe pranteiam I
Ei-lo aqui I junto a fronte laureada
Vela ak'iiem-Volla a face desoMiada :
Q i 'in s tu ? Son a virgen) dos pallores I
Quem sois voz ? O Brasil i suspirar...
Que queris ? Semear aqoi mil flores,
Minha lyra ferire nos ardores
O bravo pranleiar I
Sobre a lousa vergado om povo imeiro
Cnora o bravoo di-tinrto Brasileiro,
Que da luta naval n'aqoellas agoas
Sucumbiu de valor no Paran I
Correm prantos d'amor de lanas magoa.*,
Como luvas no chao d'ardeotes fragoas
as plagas de Topa t
Ei-lo aqu, romo a rosa matotina
A brlhar n'uma esphera purpurina.
Aslro meigo, gentil, predestinado.
Eatre os raios (.rvent- d'almo dia f
>"" .,3 iaius i^reuif a auno o
t, do br. Lycurgo Jos Heorique de Paiva, estes Ei-lo o rosto na morte reclinado
fragmentos do combate do Riachuelo, as aguas do' E 'iei, na *r,,,ria abaodonado
Paran, em honra memoria do bravo major Pe-! Ao lar da dJ,n*1' !
dro Alfonso Ferreira, e offerecido Exraa. familia. Que valorque nobreza e qoe fotoro
Rio cima a Parnahiba em marcha audaz
Sohrauceira navega** cagaatraz
Dessa gloria, que u jusluz nos sonhos d'alraa
Do guerreiro, que s cuida em dar a palma
A' nagio que foi seu bergoe consternada
Tudo entrega discripgo da nobre espada
Ao denodo e valenta de seus bravos,
m=>*^& Que de fogo e de nobreza ante os escravos,
Possuidos dessa idea encandescente
De victoria e de futuroaltivamente
Erguem alto o sublime pensamento
E se atrara com valor ao solTriraenlo I
Um jornal polaco La Patrie, que se publica na
Suissa, deu conta, ha pouco, da evasao quasi mi-
lagrosa de uma victima da barbaria mosceviu, do
celebre patriota polaco Jaroslaw Dombrowski.
Ao passo que nos regosijamos pelo bom resulta-
do da sua tentativa tao dfflcultosa como temera-
ria, aproveitaraos esta occasio para dizer duas pa-
lavras acerca dessa malfadada nago que, tendo
quasi todos os povos civilisados por amigos encon-
trn tamanba indifferenga nos governos.
Rezumiremos quanto nos fr p.)ssivel o que te"
mos a dizer.
Dombrowski mogo anda mas sentindo palpitar-
le no peito um corago cheo de amor e de dedi- Nao ha tempo a se perder falle o canhio
cago pela sua patria, escolheu um meio que mui Por amor de nossa gloria e da nago t
tos dos seus compatriotas consideravam assim co- Contra o vazo iuferualParaguary
mo elle, indispensavel para a futura regenerago Corre -iuflamma-se o rodissio o logo ri...
da Polonia e alistou-se no exercito moscovita, on- Chovera raios e curiscostempestades
de o seu talento e actividade nao lardaran) em Ihe Rugem ventos, furaces de mortandades,
fazer conquistar o posto de capilo de eogenhelros- Mas propicio o Deus da guerra Ihe sorn,
Nesla posigo soube grangear a estima e as sym- E P'ra logo e lo a pique por alli I
pathias nao s dos seus camaradas, senao tambem Cresce a lula e ella agora a carga volta
de muilos offlciaes superiores. Para o Salto e Taquary que vmde escolta
Adiante, e-la era frente a Riachuelo ?
Que destinoque visaoque instante bello 1
Clama o bravo commandante era ar fatal :
Iga ao mastroopavilho nacional
Deste bordop'ra a bom-bordocerrar fila I
Ouve a voz a brava gentee se perfila ;
Torna o bravo commandante a manobrar :
Camaradas I mosqueteiros preparar I
Aitilheiros I junio as pegas posigao I
rt'om lempo minha voz era execugao...
Na coberla da corveta sangue fro
Olha o bravo commandante para o rio,
Oude avista ires corsarios, que correndo
Corlara aguas pela pra-e soccorrendo
Ao valor do brasileiro o eolhusiasrao
Sobre modo no perfil, cora sarcasmo
Brada ingente aos peritos artilheiros :
Camaradas I morreremos brasileiros I...
Cumpre dizer-se, que aos talentos eminentes es-
te homem reuna as qualidades nao menos appre-
ciavels do corago, dos quaes lodo o nomem de
bem poda difficilmente resistir.
Islo explica e faz comprehender o papel que elle
desempenbou na Russia, onde poude em pouco
tempo ganhar o affecto e a couiianga de ura gran-
de numero de militares e de mancebos de uma es-
merada educago, os quaes suspiravara pelo mo
I Para o
A' bom-bordo e estebordo golfejanles
Da brasilica phalange e flararaejantes.
Duas horas corabateu a Parnahiba,
Sem que fosse das irinas apercebida
A terrivel sensagao por que passava,
E cora tudo nesse mar, que perpassava,
Entre os impos e salvagens Paraguayos
Sempre altiva se langava abrinde o raios
Palpitantes de rancor, que vomilavam
Os eanhes e rail fuzs, que comporta vam
---------------------- --------- --------, i1-- i-vniuvi iu ai,
dos Tamos vasos que vierara de abordagem
Sobre o anjo da victoriaa nossa imagem I
ment de verem a sua patria livre do jugo
czares.
Poude reunir sob a raesma bandeira os Russos Vi .
, n uauuc" nussos Ei-ia agora quasi entregue a discripgo
liberaos e os Polacos, fuodando em 1861 uma so- Dessa massa de sangrenta narracao
ciedade secreta tendo por divisa : Pela nossa e, Salta um impio p'ra dentro ealguns soldados,
vossa liberdade nobre divisa a quem os ltimos
Diz aquelle, a ura dos nossos denodados
successos da Polonia deram ura lio triste desraen- p^Z^o7SX Sa- ^^ '
,ld0 E passando o brago esquerdo ao pinho immenso,
Uns foram fiis divisa; que fizeram os ou- Onde o astro da nago uzia intenso-
tros ? I Er8ue noDr o rewolver e ihe dispara
Noraeado agente principa, da commissao centra, j gSffijf "ffloTtK ^ r6Pa"-
de Varsovia, foi por esta chamado a tomar parte j Onde a gente brasilelra se osienuva I
nos seus trabalhos n'aquella capital, e preparar a E bravo no sea posto de nobreza
organisago da insurreigo que ia estalar. d 8eeunda intimago da looca empresa
na Esperava corao g ona a sea valor
Para esse fim couseguiu ser eav.ado pelo gover- CoL 0 anjo vll ao throno do Senhor.
no ao exercito occidental (oa Polonia;. E de (acto, de momento o aggrediram
i No seo peito luziu n'um aslro poro,
I Que os sonhares da mete incendiara
j Ao doc voar d.- suas lembrancis J I
Que sublimes vinVs >u- ,\ i 'inhava,
E que rizo iiivino o hadara
Ao sol das esperancas ? !._
Diga o co nessa loz, que fluctuara
O vento, que tilo forte sibilava
E os ecos, rjue alrr, se esmorecala
Pelos bosques na louca viraro
; Os suspiros faiaes dos que gemam
Aos larapejos ila raorte, qoe seotiam
Tremer ao corago!
Diga o rio ao passar nessa ardenlia
A bravura o brazo, qoe ditTuoJia
O seu peito febril de entbnsiasmo
Ao troar dos ranhes e dos fnzis.
Diga o vil o valor, que dera espasmo,
E lizera entre os seus mover o pasmo
Sanbudos e serviz I
Diga De usdiga o mundo e Santa Cruz
A taina do here que alm reluz l_
Nem mais alto o valor ja se elevou
N'ontro peito de bravo, como o seo-
Clame o vulto afamado de Walerlo
Na vizo das baialhas qoe gaohoa
Na hora que penden I
Embalde I seo rumor se escolara__
Mas nunca a virago tonfoodirt %
Do oome do here Americano,
Que soube com denodo pelejar.
Que cuspiodo na frome do Solano
Deu ao mundo e ao vilo republicano,
Um feiio a registrar I
Embalde I qoe da patria a i coracao
E' a voz, que Ihe arranca a seniagie,
E vibra com mais forra e tongamente
Do amor nessa lyra encandescida
A nota, que fermenta o s d da mente
No myslerio do sonho efTervescente
Da rosa adormecida t
Ei-lo I foi um geoio I nao ha erer
No mundo mais valor para morrer t
Ao homem, que oa luta esgott os meios,
E suplanta o furor da mullida >
Co'a espada a luzir entre os anceiea
Do peito, que inunda vam mil enMw
Nao basta uma eipressao f I f
Em viudo essa progenie de vindooros.
Ufanos oiaro pr'a tantos looros
Ventoras do passado ennobreeido
Pelo bravo dos bravos to febril I
E chelos de brazo por ter oascido
A sombra di rao -do adormecido :
Que bravo do Brasil L
Abrigai-o, Seohor I qoe foi valenle
E oos dea oo valor a gloria ingenie
No combale de honra e de dever I
Se um da sua mente vanlloo,
Foi quando erguido treva do virar
Na gloria repoozoa I
Abrigai-o, Seohor I que a patria o u
N'om hyrano de saudade oesta bora-
E de loaros, Seohor I toarai-lbe a froaie,
Onde o tmpio cospir qoizera oosado
Por viogaoga ao valr do denodado,
Qoe rio neste horsonte I
Abrigai-o, Senhor f pomposo manto
Sobre o bomemdo mondo o grande
Na gloria, em qoe repoosa-abri xei
Foi um bravo da patria qoe lomboo,
Perfumado desse amor rairaeoldso.
Que corra as Obras caudaloso
Do peito qoe gelon I
J
\
PERNAMBUCCCrTti*. BE . t. DC F.