Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10744


This item is only available as the following downloads:


Full Text

'


ANflO 111. flUMERO 187
Por qnarlel pago dentro de 10 das do 1 mez ...-.:
dem depois dos 1." 10 das do comecoe dentro do parte!. .
Porte ao cerreio por tres mezes ..*.,.,,,,,"
5J000
6f000
750
Per anno pago dentro de 10 dias do l. mez
Porte ao correio por um anno.......
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silvaj Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; ("ara, o Sr. J. Jos-j de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraido Antonio Alves d
Filhos Amazona?, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO SOL
Alagoas, o Sr. Claudino Faleo Dias; liahia, o
Sr. Jos Martilla Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Uibeiro Gasparuiho.
QUINTA FEIRA 17 DE AGOSTO DE 1865.
ItftM
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa Prea, torios os dias.
[goaraas e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garantidas, Buique, S. liento, liom
Conselho. Aguas eilas e Tacaratu, as tergas
feiras.
Pao d'Aiho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
ngateira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio eEx, as quartas
feiras. ^
Serinbem, Rio Formoso,Tamaudar, Una, Bar-
reiros, AguaPreta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relagao: tergas e sbados s 10 horas.
Pateada : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as II horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMER1DES DO MEZ DE AGOSTO.
7 La cheia as 3 h., 9 m. e 34 s. da m.
13 Quarto ming. as 7 h., 22 m. e 28 s. da t.
21 Lua nova as 4 h., 57 m. e 3i s. da m.
29 Quarto cresc. as 9 h., 29 m. e 4C s. da m.
DAS DA SEMANA.
14- Segunda S. Eugenio presb.; S. Demetrio m.
53. Terca cfc Assoinpeo de Nos.-a Seuhora.
16 Quaita. S. Hoque .; S. Diomedes medico.
17. Q.uuta. S. Mamede ni.; S. Liberato m.
18. Sexta. S. Jaciutno ; ss. Lauro e Floro mm
19. Satinado. S. Luiz f b.; S. Tecla w.
20. S. Joaquim pae de N.Senhora ; S. Samuel prof.
PREAMAR PE BOJE.
Primeira as 0 horas e 30 m. da tarde.
Segunda a?0 horas e 84 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl at Ala?is a 14 e 30; para o zrsr*
ata a Granja a7a 22 .le cada mez; para Fernae-
do nos dias 14 dos mezes de janeirr, car.,-;, cal>,
julho, setembro e oveuibro.
ASSIONA-SE
no Recife, na livraria da pra^a da indepeodsacia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel F.gaeima d;
Faria & Filbo.
Jrrllir
Jll VIST81IIIO 1A. 6IJERR.Il.
1. directora geral.I.* secc.o.Circular.Rio
de Janeiro.Ministerio dos negocios da guerra,
em 21 de julho de 1865. -Illm e Exm. Sr.Con-
vindo anda augmentar as Coreas do uosso exercito
era operages, cumpre que V. EX'\ promova, com
todo o zelo, o alistamento de voluntarios, activan-
do nao obstante o rccrutamento : os que n8o_ qui-
zerem ser forga.Jos a servir no exercito, tero as-
sim um meio fcil e patritico de. prestar ao paiz
os servigos de que se tein urgente necessidad\ sem
lirarem obrigados por muiio lempo ao servico mi-
litar.
Deus guarde a V. ExcJos Antonio -araiva.
Sr. presidente da provincia de Peroambuco.
Espedante do dia 12 de aijosto de 186o.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia das
AlagoasRogo a V. Exc que se digne fazer che-
gar s mos de Antonio Jus Alves de Brito, ser-
ventuario nomeado para o offlcio de escrivo de
appellagoes, aggravos e protestos de letras do tri-
bunal do r,i>inmercio desla provincia, o incluso
offlcio, que Ihe dirigido pelo presidente do mes-
nio tribunal.Communicou-se ao Exm. presidente
do tribunal do commercio.
Dito ao Exm. marechal coinmandante das armas.
Sircase V. Exc. de informar sobre o que pede
Denlo Jos Ferreira, no incluso requermooto.
Dito ao inesmo.Queira V. Exc. informar acerca
da despeza de que tratam os inclusos papis, ou-
vindo o alteres Jos Longninlio da Costa L-3ite.
Dito ao me-mcInforme V. Exc. sobre o que
pede no incluso requenmento o guarda nacional
destinaJo para o servico da guerra, Jos Luiz da
Silva.
Dito ao mesmo.Remetiendo a V. Exc, para
sen conhecimento e fins convenientes, copia da
portara de 10 de junho ultimo, qne deu orgaolsa-
go ao contingente da guarda nacional destinado a
guerra, recommendo a expedico de suas ordens,
para que me seja diariamente enviado o mappa
dos ofciaes e pravas designados para o 1 corpo, e
que se acham aquarleados, com declarado dos
municipios a que perteneem.
Dito ao Dr. chefe de polica.Recebi o seu olll-
cio n. 1,114, do 8 do corrente, e Picando sciente da
importante diligencia queeinpregou o subdelegado
la freguezia de Taearat, e por meio da qual con-
seguio capturar o criminoso de morte, Izidoro Go-
mes de Sa, tenho a dizer a V. S., em resposta, que
convm recommendar actividade no processo para
julgamerto desse individuo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. -
Sirva-se V. S. de, ouviudo o procurador liscal dessa
the;ouraria, arbitrar como pede o bacharel Jos
Pereira da Silva Morae?, no incluso requerimeoto,
que me sera devolvido, a ajada de cusi, que Ihe
deve ser arbitrada por haver sido removido na
quahdade de chefe de polica desla provincia para
a de S. Paulo.
Dito ao inesmo.A' Jos de A re vedo Maia, man
desle mez, olTiciei ao inspector da thesouraria de
fazenda para mandar pagar pela collecloria da vil-
la do Cabo, os encmenlos da guarda nacional qae
se esiavacn a dever, destacada na mesma villa.
Diloao commandanle do corpo du polica.Au-
loriso V. S. a alistar no corpo sol) seu co.wnando,
os paisanos Estevao Rispo da Silva, Jos Vicente
Lins de Barros eSebistio da Rocha Maia, visto
que foram julgados aptos para isso em Insnecco
de sade, segundo V. S. declarou em seu ollicio n.
713, desla data.
Ditoao inesmo.Mando V. S. "apresentar, sem
demora, ao Dr. chefe de polica, 6 pragas do corpo
sob seu comrnando, para escoltarem tres criminosos
at a cidade de Goianna.
Dito au inspector do arsenal de marioha. Paco
j apresentar a V. S. o menor Jos Ramos dos Pra-
jzeres, para que o mande alistar na coinpauhia de
aprendizes mariniuiros, no caso de estar as con-
digo.\s du respectivo reg\iLuwenlo.
Di lo ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. fornecer com urgencia ao corpo de polica os
artigue di? fardamento e cquipamemo e mais objec-
los mencionados uu incluso pedido.
Dito a cmara municipal do Recife.Concedo a
antorisaco que pede a cmara municipal do Reci-
fe, em seu ollicio de 9 do correte, sob n. 38 para
despeuder mais at o fia do corrente exercicio
com as castas em que decahe a jusliga publica a
quaulia de i:UOU>U00, visto achar-se esgotada a
quoia designada no ai t. 2" 3* da le do orgameoto
municipal vigente para occorrer a semelhantes des-
pegas.
Dito ao director geral interino da instruQo publica.
Couvenho em que seja adoptado no Gymnaeio Per-
nambucauo e nos eslahelecimentos de inslruccao
secuudana da provincia, a grainmatira pratlca da
lingua ingleza do bacharel Felippe da Molla de
Atevedo Correa, professor de Inglez do imperial
collegi de Pedro II e do instlalo commercial da
corte, visto que pelo coDselno director foi conside-
rado as condices de ler essa applicaca, segundo
Vine, declarou-me em sea olli.-iodj 11 do correle
sob n. 2J7 a que respondo.
Dito ao Dr. juiz de direito de Palmares.Recom-
mendo a Vmc. que mande por em concurso o offi-
ci de cscrivo privativo do jury do termo de Agua
l'rela, como foi determinado por aviso de 22 de
maio ultimo, com) se cominunicou a esse juizo em
12 de julho prximo lindo, ob.-ervaudo por essa oc-
casia i o disposto no aviso circular de 23 de outu-
bro de 1861 e reineltendo-mo copia do edilal ah
publicado para ser aqui reproduzido.
Dito ac juiz municipal de Agua Preti.Recom-
mendo a Vine, que mande por em concurso o se-
gundo tabellionalo desse termo, de conformidad
com o decreto de 30 de Janeiro de 1834, como foi
determinado por aviso de 22 de maio ultimo, e a
e>ie juizo se romnumcou em 29 de julno prximo
lindo, ob.-ervaudo por essa occasio o disposto no
aviso circular de 23 de outnbro de 1861, e remet-
iendo copia do edilal ahi publicado para ser aqui
reproduzido.
Dito ao gerente daConipanhia Pernambucana.
Pode Vmc. tazer seguir para os portos do sal, al
.Vacaj o vapor Parahyba no dia e hora indicado
em seu quicio datado de iioniem.
Portara.O presidente da provincia, resnlve
demiltir a Joao Marlins Vieira do cargo de subde-
legado do 'Jistricto de Bafxa-Vcr i -. 2u da Ireguezia
de Flores, por se adiar indiciado como mandante
do tiro dado na pessoa do bacharel Manoel ftVnrl-
|Oes Cardim.-Communicou-se ao Dr. chefe de po-
insiruidos de eonformidade com o ari. i 4 % Io do
decreto ri. 817 de 30 de agosto de 1830, e do aviso
n. 232 de 30 de dezembro de 1834.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar editaes, que sarjo lidos e alxados
nos lugares mais publico-* desta villa e seu termo.
Villa de Pesqueira, 21 de junho de 1863. En,
Antonio Sevenano de Mello Falcao, escriv.o inte-
.rino o escrevi.Joaquim Tlteolonio Sacros de Aval-
lar.
Esta conforme. Soares de Avellar.
menloi dentro do prazo cima marcado, e instru-
dos na forma do deereto n. 817 de 30 de agosto de
1831, e do aviso n. 232 de 30 de dezembro de
1834 O secretario, Francisco de Paula Salles.
i
.ij> i*
COUMAMO DAS AMAS.
Qnarlel general do couimando das armas de Per-
namliuco na cidade do Recife, 16 de ayoslo de
1863.
Orden do dia n. 98.
O marechal de campo cornmandante das arma
faz publico para conhecimento da guarnicao c con-
venientes fins, que a presidencia resolveu por acto
de 14 do corrente, lendoein vista as disposicoes do
\ deereto n. 3,371 de 7 de Janeiro do crreme anno,
crear urn corpo de voluntarios da patria, de cuja
organisaco encarregou por portara de 19 deste
mez ao Sr. coronel da guarda nacional Francisco
Joaquim Pereira Lobo.
O mesmo corpo tem por alojamenlo o quartel do
Hospicio, o em seu estado completo a orca se-
gu ule :
Estado maior e menor.
Um tal corpo formara, sem dvida, um i lim la
e numerosa companhia, ou mesmo um baUlho,
cujos officiaes S. Exc. tirara, sem da vida, d'entre
os proprios acadmicos,
Que bello exemplj nao dara essa corporagao,
por tamos litlos d.stincta, a toda a populaeao .la Sr. Vicen'e ?^\ir&^wto tXklmtZ
prov,c,ae principalmente a' guarda nacional, q ,e os pouco, das quea curvea ti de s demn'r
gueza oesta provincia, calando o'atma de quantos
souberam apreciar os seas actes como funeciona-
no, nao foram votados ao esqoeciinenio. O Sr. Dr.
Ferreira, vivamente commovido, abracou lodosos
seus amigos; e foi depois hospedar su em casa do
tem-se mostrado lao pouco cheia de animar io
ani')r oa patria I
e de
Cri!
IIUU.
a que Pernambuco Diversas pes-oas da freguezia deS. Lourenco
as paginas do livro I da Malla nos tem referido as vexacoes, que all
frandioso, e ao raes- vai aoffraodo a popoiacS. por parte'do lenente-co-
sona impotente
remunerar em toda a asa exteusao.
Alistaram-se iionlem :
no nosso porto.
ul A mocidade inlelligenle correndo para O mlssaoesp'cial do gnvera na Franca Blgica e
Os pretendentes devem apresentar seus requer-^Sampo da gloria o trocando temporariamente a ; E-tados-Cni 1 -s Fecitimo-lo or i5 nrovi d
ff'gSraT-"* NVr "ela Patrna' 3 SCi0,"':, ZT 6 ma,w^'SICV^bmM
razemos volos rdenos para que Pernambuco
possa ler a gloria de estampar
de sua historia ess-* facto tao g
mo lempo, lao signiticativo a HtlSeanta .
O corpo acadmico prestara ass.m um servico, texto de recrotamenio tem praMea lo vin^ancas no-
que a patria reconl.ec.da, seria impotente para lincas, al mesmo contra peWqoVlhTaTiEi
ichegalas. Adiamos conveniente chamar a atien-
, cao da Ilustre administraoo da provincia pira
la. mi v,|n.i.arios da patria : os es- ^ aquella regaezla, onde parecj que o arbitrio, o nao
tuda, lo lo 6 anno Jos Joaquim Ramos Ferreira. a le dirige a aeco da otoridade.
R-lli V, um"'- f, M'ra,"l,a',. u" .2 }^ro Cm ""ooeia, ntoderaeio e imparcialidad* tu-
! u, ; 23V '-S V, P.e-Irn,h Cu- d',se ?ons,ra- Nada de desigualdades odiosas,
nlaBeltraodeArauo Pereira e Pedro Eugenio queso fazem provocar di de Cerqaelra Lima, o estudante .le preparatorios que nunca deven desannarecer
uu?, a "'"'"' A!eX;"111' 00 ''? Andrade, o aleres -Seria urna dupla calamidade, se a guerra estran-
iia guarda nacional Joaquim dos Santos Azevedo geira fois
Jnior, os sargentos da mesma Genuino Xavier da ^ras I
E^SIL" u? G"a,bT" n6\ e Srs-.''"- ~ l'.v.npio cm sen grande armazem a
lycarpo Joao Rodrigues d- Miranda, Francirco roa da Cadeia do Recife n ""
lhemntno Cesar e H-rmillo Aureliano Chaves de sortimenk
]K.'.a ,. "l0,'lias completas de Jacaranda, guarda-vestido de
Para o corpo da polica, o guarda da alfaudega mogno, guarda-lonca, apparadores, candelabro,,
rran, .seo Joao Lins. carros de 4 rodas, cabriolis, I victoria com caval-
- I or acto dogov-rno da provincia foi convo- los, objecin de ouro e prata, relogios e urna cora-
cada a reuniao da assemba provincial para o da pela variedade de objeetos do uso domestico.
1 de marco do annoproxi.no futuro, sendo desig-
Coronel commandanle... 1
Major.................. 1
Ajudante............... 1
Quartelmestre.......... i
Secretario.............. 1
Sargento ajudante....... 1
Sargento quartel mestre.. 1
Espingardeiro.......... 1
Coronheiro.............. 1
Corneta-mr .......... 1
Mesire de msica........ 1
Msicos................. 16
27
Oito companhias.
Capites................ 8
Tenenlcs................ 8
Alferes................. 16
Primeiros sargentos...... 8
Segundos ditos.......... 16
Furrieis................ 8
Cabos de esquadras...... 48
Ansnecadas............. 48
Soldados................ 480
Cornetas................ 16
633
pretexto para perseguicdea e vingan-
;o, faz leilo de grande
to de movis, cryslaes e carros, enire eiles
si
Total............. 683
O mesmo marechal determina que os presos
sentenciados por crimes de 2J e 3* disercao e por
ontros crimes milifres condemnados a prisSo com
trabalho on em fortificacao por te npo de seis an- nos do esta'belecmeiilo, men.so Sr.'conego, que
nado odia ?de jenero para a respectiva eieicao.
Informam-nos que o Sr. major commandanle
do esquadro de cavallaria Mainel Jos da Silva
Guiapres, offlerecera-se, por intermedio do com-
rnando superior, desde fevereiro prximo passado,
para fazer o s rvi.;.) das rondas desta cidade ; e
assim seria conveniente que tao patritico olTereci- .
ment fo-.-e aceito, mxime na quadra actual, em '
que acbamonos desprovidos de tropas de linha e
de polica.
O biioso esquadro do seu comrnando por cerlo
que o secundara' n'essa boa vontade.
No dia 13 do correute, como em outros an-
uos, teye lugar no Gymnasio a missa votiva As-
sumpcao de Nossa Seuhora, cantada pelo viee-di-
rector o Sr. conejo Tranquilino Cabral de Vascon-
cellns: acio a que, nao obslanle copiosa chuva,
compareceu garnde numero de pe.-soas gradas,
entre as quaes respeitaveis senhoras e pais de fa-
milia, cujos lilhos alli receben urna ediieacSo pau-
tada p.'la boa moral e dictames do disliucto vice-1
director de.-se estabelecimenlo a seus professores.'
Terminada a missa, o Sr. conego Tranquilino
prevalerendo-se da chuva e pondo em accio sua j
notoria affabilidade conseguio de lodos os rompa-
recentes a se servirem de um lauto e confortavel '
almoco, profusamente distribuido em duas eslensas ;
mesas, as quaes se semaram concurrentes e alum-
I SPI S11 i

I
>
>
de V. S. pagar a quantia de 275300, despendida,
em virtuJe deordem da presidencia,com a condu-
mio de diversos irens do arsenal de guerra, para o ilcir.
deposito dos reeraias na Soledad, como se v da | Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
coma junta em duplcala, que para esse Oro me re- jqUe requereu o bacharel Emygdio Marques San-
melteu o dueclor daquejle arsenal, com ollicio de jtiago, resolve prorogar por 2 mezes oprasoque
8 do corrente, sob n. 333. | Ihe foi concedido para apresentar a sua carta de
ilo ao mesmo.Remello incluso o requerimen- juia municipal e de orpbaos do termo do Limoeiro.
lo que me t-nderecou o capliio reformado do exer- Dita.-O Sr. gerente da C impanhia Pernambu-
cito, Jos Hermenegildo Leal Ferreira, para que V. | cana, mande dar urna passagem da estado a r al
nos inclusive para mais, sejam ferropeados na fr
ma da le, trazendo as feiras por cima do ves-
tuario.
Determina nutro sim, que os Srs. commandanles
dos cornos, isto do bataltoo d guarda nacional
tomn a tarefa do servir a todos com ja delicadesa !
ealTago, que Ihe sao proverhiaes.
J em meio do almoco o Sr. Dr. Drummond fez!
um brinde ao iucremento o prosperidade do!
Gymnasio sob a auspiciosa direceaq do Sr. conego '
destacado para o servico da guerra, da companhia Tranquilino, sacerdote de reconhecido mrito |
S., medanle fin^a idnea, e vista da gu:a de
soccorrimenlo que elle apresentar, mande pagar-
Ihe o sold de sua patente, que tem vencido e for
venrendo, at que exhiba a patente de re-
forma.
Dito ao mesmo. A' pedido do operario contra-
tado para o servico do arsenal de guerra da corte,
Joaquim Manod Benicio de Souza, mande V. S.
adiantar-lhe um mez de seus vencmeutos, para as
despezas de viagem.
Dito ao mesmo.A' vista do requenmento que
aqui junio, mande V. S. abonar, em os devidos
lempos, a consignac.no que pretende deixar de seu
sold nesla provincia, o tenente Pedro Alexandrino
Rodrigues Lina, que lem de embarcar para o sul
como quariel-meslre do 1 batalhao de guardas
nacionaes destinados ao SPrvigo da guerra.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que, em
vista da f jlha juma em duplcala, e nao havendo
inconveniente, mande entregar ao tenente Erneslo
Iguaeio Cardim, conforme soliciten o capliio do
porto em officio de hoje, sob n. 136, a quantia de
280^000, a que lem direito Antonio Francisco de
Macei no vapor Parahyba i VenustnianofteArau
jo llego.
Despachos do dia 12 de agosto de iSoo.
Requerimenios.
Antonio Piulo B zerra de Azevedo e Joao Janua-
rio Pinto de Azevedo Como reqnerem, depois de
satisfeita a exigencia da thesouraria da fazenda i
constante da inormaeo por copia inclusa.
Andr Avelino de Mello Galvao.Informe o Sr. i
inspector do arsenal de marraba.
Amonio Tertuliano da Silva.-lnformi o Sr. di-
redor da iostruegao publica.
Aurel.auo Fraucisco Correa de Oliveira.Infor-
me o Sr. commandanle do corpo de polica.
Benedicto Manoel Bezerra de Mello.Informe o
Sr. commandanle superior da guarda nacional do
Pu-d'Alho.
Francisco Manoel de Siqueira Cavalcanli.Passe
portarla concedendo seis mezes de licenca.
Padre Florencio Xavier Dias de Albuquerque.
Dirija-se a thesouraria provincial.
Galdtno Apolunio Perfeito de Menezes.Nao tem
de cavallaria e do deposito, remellara diariamente
a esto quartel general as nove horas, da manhaa,
urna parte das oceurrencias havidas no dia ante-
rior, segundo o modelo que receberam.
(Assignido). Francisco Sergio de Olicra, ma-
rechal de campo commandanle das armas.
Esl conforme. Antonio Francisco Duarte, se-
gundo lenle ajudante de ordens interino, encar-
regado do delalhe.
WPW^PMMama
PERNAMRUCQ.
"i'.,.,! lugsr o que reqoer, visto ler sido inlgado incapaz
Piuho, Pedro Manoel Antonio de Barros e Lneas, dofcserv|l!0 () gXtiwto offerecido pelo snpplleanto
Joaquim Manoel Benicio de Souza.Dirija-se ao
1 Sr. inspector da thesouraria da fazenda.
Joao Bernardo de Souza Lima. Deferido, visto
! nao estar qualilicado.
Jos Gomes dis Neves.Informe o Sr. capitn
1 do porto.
Jovino da Cosa Torres Gallindo.Iuforme o Sr.
dos Santos Menezes, engajados para o servico da i
armada nacional, aquelles como prmeiros mari-
nheiros, e ete como grumete, bem como a pessoa
que promoveu esseengajunento.
Dilo ao mesmo.B-spondo ao officio que V. S.
me dirigi bontem, sob u. 306, declarando que, de
eonformidade cora a sua iuformaijao daquella data,
u. 306, mande! boje por uovaaenle em praca o p
otnecimenio de medicamentos para a enfermara ; jarjnl|)0 ^ e Smua._Iofrme 0 Sr. com.;
da casa oe ueientao. rn^5i mandante superior da guarda nacional de Olinda.
Dito ao nspector da ihesou ana prOTlneiaL- | j Evangelista da Silva.-Informe o Sr. com-
Em vista dos inclusos documentos e naoi navendo mandaDte s erior da arJa uaci0nal de Km.
inconveniente, mande V. S. pagar ao pharmaccu- *
tico Leocadio Jos de Fguein-do, informe soUci-; Machado. Ioforme o Sr. enge-
ton o Cheto de.polica,eui offler. do 10^ corren 1 rCparlico das obras publicas,
le, sob n. 1,128 a quant a de o2J980, V*** Manoe, CMmo SpinVdola.-Infcrme o Sr. direc-
tos medicaraeni.-s por elle tornenlos para o trata- ,B4lm(J3 DnhUea
men.o dos presos pobres recomidos a cada do ler- toAK ttSnTS Lo s de Albnuueniae -
mo de Goianna, durante o semestre de Janeiro a f^tTSiSLiS Z^fVV^ '
lto ao uiesrao-Accnso recebido o offlcio de de **^_______
honlem, sob n. 307, cm (pie V. S. parlcipou haver
Feliciano Rodrigues da Silva, dando por fiador o 2o .eccao. Secretaria do governo de Per-
proprietario Iguaeio Francisco Cabral Canlanil, ar- nambuco 14 de agosto de 1865.
rematado com o abate de 30 por cento no prego do Edilal.
respectivo orgamenio, a obra do reparo do empe-; Pela secretaria do governo se faz publico para
dramento de 230 bracas da estrada da Victoria, para contiecimento de quem interessar possa, que
entre os marcos de 5 a 8,000 bragas, e em resposta ] se acham em concurso com o prazo de 60 das,
tenho a dizer que approvo essa arremataran. con'ados de hoje, a serventa vitalicio dos offlcios
Dito ao mesmo.Respondendo ao offlcio que V. do termo de Cimbres, de que trata o art. i' da lei
S. me dirigi honlem, sob n. 308, participando ha- provincial n. 617 de 9 de maio do corrente anno, e
ver Feliciano Rodrigues da Silva, dando por fiador ; constante do edital do respeetivo juiz municipal
o propietario Ignacio Francisco Cabral Cantan.I, i abaixo transcripio.
arremaiado com o abate de 46 % no prego do res-. Edital. I
pectivo orgamenlo a obra do empedramento de 280 O Dr. Joaquim Theotonio .Soares de Avellar, juiz
bracas correntes da estrada da Victoria, entre os, municipal e de orphaos do termo de Cimbres,
nanos de 13 a 14,000 bragas, tenho a dizer que por S. M. I. e constitucional, a quem Deus guar-
approvo essa arrematagao. de, etc.
Dilo ao commandanle saperior da g.iarda naci- Fago saber aos que o prejenle edilal virem, e
nal do Recito.-Informe V. S. com toda a exacti-! delle liverem noticia, que se acham em concurso,
do qual o numero de offlciaes e pragas da guar- com o prazo de 60 dias, a contar da dala deste,
da nacional destacadas neste municipio, dec'arando para provimento vitalicio, os offlcios de tabelhao de
a ordem ou ordens que mandou destacar essa for-1 notas e escrivo do civel, crime, orphaos, jury, e
ca e providenciando ao mesmo lempo para que rae execuges criminaes do termo de Cimbres, este
seja diariamente remedido o mappi deraonSlralivo ultimo creado pelo art. 108 da lei n. 261 de 3 de
deila, com declaracao dos dillerentes servigos em dezembro de 1841,. e todos aquelles creados pela
que se acha carla do governador de 29 d abril de 1761 os quaes
Dito ao'raesmo.-Expeca V. S. as suas ordens, foram divididos em 2 pelo arl. 2 da lei provincial
para que o commandanle" do batalhao da guarda n. 617 de 9 de maio do correte anno de 1863, de-
nacional destacado, faga apresentar na capitana do vendo um dos novos offlcios comprehender os offl-
portonoadia 1 i do corrente, as 7 horas da ma- cios de escrivo do civel, orphaos e tabelhao de
nha, 18 pragas do mesmo batalhao para escolta- olas, e o outro todos os mais offlcios, e os quaes
rem os recrutas de marinha que teem de ser ins- Acarara todos vagos por rallecimento do serventua-
peccionados. rio vitalicio Leonardo Bezerra Cavalcanti da Sllvei-
Dilo ao cornmandante superior da guarda naci- ra.
nal do Cabo e Ipojuca.-Ao seu offlcio n. 33, de 7 Os pretendentes, pois, devera, no referido prazo,
do corrente, respondo declaraodo-lhe que em 9 apresentar os seas requerimentos competentemente
K8VSTA DIARIA.
Anouindo aos desejos do Exm. Sr. con-clhero
Prannos, aqui damos a exprsalo de seu recoohe-
cimento para cora os constitucional desta provin
ca pela generosa oltorta, que Ihe fizeram, como
tributo de merecido apreco sua pessoa, e aos
seus servigos.
t Aos meas compatriotas de Pernambuco.A
disiiucgao com que me h-.nrastes de lao subido
valor, que en nao vos merecera de certo, se nao
fra lio clamorosa e desastrada a injustga com
que ferio-me o governo do nosso paiz, quando re-
presentado pelo gabinete de 31 de agosto.
t E' um titulo que nunca, em meus sonhosmais
hsongeiros, pensel alcancar, e que conslitue-me
eternamente grato ao nome pernambucano. Sim,
a todos os Pernambucanos, porque o brllho da ac-
g;io reflecle sobre todos elle, com quanto fosse
iniciativa e efleito ila generosidade ostensiva de
meus amigos polticos e particulares.
Os govemos nao poucas vetes se allucinam e
desvirtaam o seu verdadeiro mndalo. A eminen-
cia da posigao excita em alguns com tanta torca
as fibras da vaidade, que Ibes faz perder os senti-
dos, e os" torna victimas de suas proprias ambigoes.
Julgain elles, em taes casos, que, viciada a medida
da jusliga, que a sociedade confiou em suas raaos,
nao tem o povo oulro padraocom que possa alTenr
os actos de seusbons servidores.
t Como as outras fraccoes da so.:iedade brasi-
leira, e mais notavelraentc do que ellas, Pernambu-
co provou aos desvairados ministros de 31 de
agosto, que a opiniio publica nesla ierra nem
sempre a vontade despolica de seu governo. Mos-
trou aos cegos do poder que a repulagio do homem,
que, na phrase de Bossuet, a sua segunda vida,
e deve ser considerada como uaa prbpriedade
mais preciosa do que a riqueza material, lem nos
seniimenlos dos Brasileiros um escudo invulne-
ravel.
Recebara, pois, todos os Pernambucanos, e espe-
cialmente os conslilucionaes de Pernambuco, a
humilde expressao do meu profundo reconheci-
menlo.
< Rio de Janeiro, em 8 de agosto de 1863. Jos
.Varia da Silva Paranhos.
O movimento de alistamento de voluntarios da
patria desenvolve-se ora escala lisongeira para os
seniimenlos patriticos dos filhos do Brsil.
Esta cidade lem sido estes dias tesiemnnba de
ura espectculo que a ensoberbece ; seus filhos
acodem iodos os dias com verdadeiro patriotismo,
e sem dislincgao de classes ede oosigoes. Grande
numero de mogos do corpo acadmico j se tem
aprsenla.l-i a S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, e de esperar que lao nobre e edificante ex-
emplo determine novos oflereciraenlos, no mesmo
sentido, E' de esperar at que o corpo acadmico,
era massa, dando urna prova de que a Facnldade
de Direito do norte, nao tem menos patriotismo
que aquella do sul, venha, depondo por algum lem-
po es livros na mesa de esludo, erapunhar as ar-
mas em defeza do paiz, que, um da, llluslrarc
com seus nomes e suas luzes.
Pernambuco lera entao chegado ao mais alto
grao de patriotismo e de gloria, na quadra difflcil
porque passamos.
E o povo vera', cora eothusasmo, que os filhos
e cultores das letras, nao se dedigoam de com elle
compartilhar das fadigas qne olferece a defeza da
causa da patria ; causa sublima, pois que causa
de todos I
..or i
uas luzes u virtudes etc. ; brindo, que, sendo'
ouvido modestamente pelo Sr. conego, foi entbu-
siaslieamenie acompanhado por lodos.
A ordo.n, aceto e regularidade do estabeleri-!
.nenio, que estove franco, revelam a feliz direc-
gao que lem, e provam, que ao Sr. conego Tran-!
quilino sobejam qualidades e torga de vontade ca i
pazes de levar esse eslabelecimeiito ao grao que
para se desejar.
Inquestioiiavelmenle o uy.nnasiso de grande i
utihdade |iara a provincia; e os beneficios que,
delle resultara para a ju'vntude estn comprova-
dos cora a preferencia a qualquer outro fra da
provincia ou do imperio que Ihe jSo pais abasta-
dos de educandos que alli vao entrando.
A direegao de estabeleeimentos laes commetti-
da a caracteres como o do Sr. Tranquilino deve
inspirar confianga, e garantir toda pnlicuidade a
aqu-lles que nelies vao ser educados.
Receba o Sr. conego Tranquilino nossas expres-
soes de tributo a verdade, e nada de gratuito te-
mos dito, que offeii ler possa sua modestia.
O Sr. Ricardo Basles, ha pouco chegado da
Europa, onde aperfeigoou-se em contabilidade
commercial e as lnguas franceza e ingleza, pro-
poe-se a este ensino u'esta cidade, compromellen-
do-se ao resultado do maior aproveilamenlo da
liarle dos discpulos; visto que o seu syslema fa-
cilita a coraprenensao proinpta da materia a qual
quer inteliigencia.
A empresa do thealro de Santa Isabel acaba
de fazer a acquisigao do dislinclo actor porluguez
Si.nes, que lia pouco chegou a esta cidade proce-
dente do sul.
E' un artista dramtico de grande mrito e de
reputagao firmada quer em Porluizal, quer neste
imperio, pois no sul deu brilhante copia do seu t-
lenlo.
Em pouco deve estrear afim de encher a serie
de seis representagoes, a que :o compromelteu.
Sob a epigraphe Publicacao pedido, vao
adianto dous abaixo assignad)S," firmados por va
^1 1 *~ ** m os -o | Masculino. \l
li i 1 is 1 Feminino. > m C/l
> - - s Masculino. 1 M > 5 { /. y. a
. i 1 - i 1. i i j Feminino.
0- . * - - Masculino. 1!
A M N> Feminino.
3 ^5 to Masculino. o o
o . - *> o Feminino. f S 2 : o >
. . . I Masculino. en O y -
m a a > Feminino. >
TOTAL.
I
-a
Ck
1
?.
30
C5
Si
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentcs existem 169, sendo 109
borneas e 60 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As 3|4, 6 3|4, 7, 7, 6 3|4, 6 3[4, pelo Dr.
llamos.
As 8 3|4, 9, 9 1|4, 9 1|2, 9 3|4, 10, 10, pelo
Dr. Sarment.
FalleCTam :
Joanna Mana da Conceiciio ; anazarca.
PrederiCO Carlos de Araujo j tubrculos pulmo-
nares.
Flix da Silva ; dem.
Anna Flix da Conceigao ; abscesso no figado.
Amonio Z "tori.io dos Sanios ; congesiaO pul-
monar.
Manoel Bezerra; hepatite anazarca.
Maria Thereza (escrava; j anemia.
Cemiteiuo publico. Obtuario do dia 14 de
agosto :
Malheus Camaina, Pars, 30annos. solteiro, S.Jos ;
hypelrophia.
Um prvulo encontrado morlo em urna prta, Boa-
Vista.
Manoel, frica, 70 annos, escravo, Boa-Vista
erysepela.
15
Jos Americo dos Santos Fortes, Rio de Janeiro, 63
anuos, viuvo, Boa-Vista ; anemia.
Joaquim Duarle Mavignier, Pernambuco, 22 annos,
solteiro, Pogo da Panella ; phtysica.
Mara Francisca da Eocarnago, Pernambuco, 20
annos, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pul-
monar.
Urna exposla, cujo nome ignora-se, Santo Antonio;
congesiao.
rios passageiros do transporte a vapor S. Francisco, Ambrosio, Pernambuco, 1 anoo, escravo, Boa-Vis-
ein que tributara ao commandanle desle vaso de
guerra, o nosso comprovinciano capito-tenente M.
A. Vital de Oliveira, agradecimeulos e louvores,
assim peto tratamento que Ibes dispensen, como
pela coragem, sangue fri e intrepidez com que se
houveram commandanle e offlciaes, nos amargu-
rados.dias 14, 20 e 21 de julho, quando o S. Fran-
cisco, em viagem de Buenos-Ayres para Paran-
gua, foi salteado por nm lerrivel vendaval.
fcm quanto se fazem alguns reparos no quar-
tel do Hospicio, vai servir de quartel ao 3 corpo
de Voluntarios da Palria, a fortaleza das Cinco-
Pontas.
Chegou houlem do Rio de Janeiro, d'onde sa-
bio no dia 8 do correnlo, a corveta porlugueza de
guerra, de syslema mixto, Stephama, que se con-
servar no lamaroem quanlo aqui estiver, por de-
mandar 18 20 ps d'agua.
E'um bello vaso, movido por urna maquina de
la ; dentigo.
CIIKOMQ JUD1CIAK1A
TfkMHUXAL DO CO TI .TIKHC IO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 10 DE
AGOsTO DE 1865.
PllBSIDBNCIA DO EXM. Sn. DESEMB.VRGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
s 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, e presente o Sr. desemhargador fiscal, o Exm.
Sr. presidente declarou aborta a sesso.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Um offl;io do secretario do tribunal do commer-
cio do Maranho, de 31 do mez prximo passado,
forga de 400 cavallos, tendo 11 pegas Am-lrong de j enviando urna lista dos commercianles que se ma-
calibre 68, por banda e um rodizio de 80, sob o tricularam naquelle tribunal nos mezes de abril a
comrnando do dislincto offlcial da armada porlu I junho do crreme anno.Accuse-se a recepgo e
gueza, capilao-tenenie Alvaro Jos de Souza Soares
de Andrea. Tem 320 pragas de guarnigao, inclu-
sive 14 offlciaes.
Tendo concluido a coramissao que veio ao Bra-
sil, volla para Portugal, cora escala pelo Maranho
e Para.
archvese
Foi distribuido ao Sr. depntado Alcoforado, para
ser rubricado, o copiador de carias de Almeida
&C.
DESPACHOS.
No requermento de Manoel Silvestre Ferreira
E sendo anciosamenle esperado este vaso de! Bastos, pedindo o registro da sua nomeagao de cai-
.__ -___ # .. a___ -__U____ ________ 1 >....- .(., TK..II.. 'I';.,,:.. Il-.t- I) ...int., ,
guerra logo que fundeou, immenso coocurso de
gen le foi v-lo do caes.
O cnsul de S. M. F. n'esla cidade eslava no ar-
senal prompto a embarcar para ir a bordo, quando
foi sorprendido pelo Sr. commandanle da Stepha-
nia, que inmediatamente veio a trra, logo que
deu fundo o seu navio.
A' bordo desse vaso de guerra veio de passa-
gem o Exm. Sr. onsul geral de Portugal, Dr. Jos
Henriques Ferreira, e sia Exma. Olha. Numero-
sos amigos do Sr. cnsul, tendo sua frente o ac-
tual cnsul o Sr. Dr. Claudino, o espera vara ao de-
sembarque, e sua Exc. teve a satisfago de ver
que os servigos por elle prestados familia porlu-
lenha lugar o registra do papel de reforma do -n
i contrato de sociedade com Ani-ni. d Cmia Ritx-i-
ro e Theoionio Flix de Mello:Vulie ao Sr. ales-
eralnrgador liseal.
N'oulro do mes.no, pedindo qn- seja Iraa>>lrri4
para a firma de Almeida ft r.. Diam qiw pna-
cipiou a ser escripiurado pela d Almera. RHtetr
& C, que foi substituida |xir aquella :Adiad at
solacio de oulra peligo <;, sppplirante.
Com iulormagA) do Sr. d -.rnb.rg lor ftseil
No de Jos G mies dos Sanl-x C irreia, Joao Ma-
no-! Ponlual Jnior e Bernardino Correia *> Re-
zen le Reg, pedindo o regislr do seta mralo de
sociedade :Satisfaces o parecer fiscal.
No de Honorato rela de Abrea e Antonio >
Souza e Silva, [edindo lambem o regisirit do vn
roniraio e sociedade :Salisfacam a exigeacia ,
Sr. desembargador liscal.
No de Jos Francisco do Bego Mello, padM
ser admeltido matricula :Owno reqner.
No de Jos dos Santos llamos de Otiveira, pe-
lln Jo igualmente ser admeltido a maiririila :
Mandou se matricular por maioria >***.*
senhores deputado.
No de B irbosa A; VasMncellos adnoini-lrad .r-"s
do trapiche Novo, sito na cidade de Macei cantal
das Alagoas, solicitando o competen!* ltalo :to-
mo requerem.
Nada mais havendo a Iralar, o Exm. Sr. pres-
deme eucerrou a se.-s.io as II horas e meia da
manhaa.
SESSAO JL'DICIARIA EM 10 DE AGOSTO
DE mk
PRESIDENCIA DO EXM. SR. D-FSEMBARCADOK
A. F. PRRETTI.
Secretario, Jnlw Guimarats.
As II,'j horas, da manhaa o Exm. Sr. presidente
declarou aborta a sesso, estando r unidos os Sr-.
desembargadnrn Caelano Santiago, Sila Gouna-
r s, Res e Silva, Accidi e Almeida Albuqoerqoe,
e os Srs. depiilados llosa. Candido Ah-oforado, Bas-
to e Miranda Leal.
Lida, foi approvada i acta da precedente ses-
so.
Assignou-se o acordo proferido na ultima ses-
so, no feito enire parles :
Appcllame, o padre Antonio Jos rimo; appei-
lado, o barao de Jaragua.
julgamento.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lcinos; app-liados, os administradora
da massa fallida de Pacheco A M-n le-. Adiado
na sesso de 20 de julho Reformoo-*; a seni-n-
ca appellada com o voto do Exm. Sr. presidente.
na parte em que nao condemnoa os appeitaJo* na
quanlia de 32:4004635, pagas as costas propurrto-
nalmeute por ambas as i .arles.
Appellanles, os administradores da massa fallida
de Baslos & Lemos ; ap[*llado, Bozaoo Irmos.
Desprezaram-se os mbargos com o voto do
Exm. Sr. presidente.
Appellanle, Ksianislao Baptisla Bo-lrifoes de
Souza e sua mulher; appaMn, Antonio de Arro-
da Cmara. Adiado n.s sesses de 3 e 7 de ror-
rete mez Annullou-st o processo do jolgameato
da excepcao em dianie, visto nao ter havido ron-
leslagao da accao.
Appellanle, o Dr. Felippe Xerv Collaeo ; apella -
do, Geraldo Henriques de Mira.Adiado as ses
sao de 3 o 7 de mez prsenle.Desprezaram-se <
embargos com o vol de Exm. Sr. presidente.
Appellanle, Manoel Antonio de Azevedo; appel-
lado, Jos Antonio Alves Ne.vas Adiado na ulti-
ma irinin fl iipiwn ia os embargos.
A|>pellantes, os adm.n.-lradores da massa falli-
da de A mor m, Fragoso, Sanios & C-miunlua ;
appellado, Jos Clemeni.no U.-nriqu-s da Silva.
Desprezaram-se os embargos.
Appellanles, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
lonoeencio Garcia Chaves. Desprezaram-se o*
embargos.
Appellanle, Guilherme Jorge da Molla; apoeiia-
do, Joo Marlins Ribeiro
Appellanle, a embargante 3' D. Francisca Xavier
Wanderley de hojosa ; appellado, Joo Baptista
de Barros Machado.
Appellanle, Maooel Candido da Rorha Andrade -,
appellados, Sampaio,Silva & Companhia.
Adiados a pedido dos Srs. depuiadus.
MkaaugSa de da
Appellanles S^m Mendel de Manrbester e js
curadores Oscaes da mas-a fallida de R *tr. P, ,,-
ker & C. ; appellados, K ik.nnin Irmos di C
Appellanle, o embargante 3u Joaquim J..? Fer-
reira ; appellado, Joaquim Elviro Alves da Silva.
Appellanle, o Dr. Chri-iovao X ivier Lopes; sp-
pellados, a viuva e herdeiros de Joao Ferreira dos
Santos.
Primeiro da til.
PASSAIIEM.
Do Sr. desembargador Accioii ao Sr. desemltar-
gador Res e Silva :
Appellanles e appellados simultneamente es
administradores da ma-.-a fallida de A.ii.rnn,Fra-
goso, Sanios Ce Cara .ra & Guimaraes.
DISTIIIBCigoES.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes :
Appellanles, o Dr. Joao Pedro Maduro da Feo-
seca e Jos Pedre das Neves, inventar i a Ble do*
bens de Antonio Jos Lopes da Silva ; appellada,
D. Maria Rila da Cruz Neves.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Appellanles, o presidente e directores da caita
filial do Banco do Brasil re-ta cidade ; appellados,
Jos Antonio Moreira Dias.
AGGRAVO INTERPOSTO DO J. IZO RSTtCIAL DO
COMMERCIO.
Aggravaute, Joaquim da Silva Boa Vista ; >g-
gravados, Ferreira Malheus.
O Exm. Sr. presidente negon provimento.
Nada mais havendo a tratar-se o fcxro. Sr. pre-
sidente eucerrou a sesso as dnas oras da
larde.
xeiro de Thomaz Teixeira Baslos :Registre-se.
No de Angelim Jos dos Santos Andrade, pedin-
do o registro do dislrato da sociedade que tinha
com Antonio Pedro de Mello, sob a firma de An-
drade & Mello, extrahido por publica forma do li-
vro Diario da referida extracta firma : Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
No de Correia, Puntual & C, pedindo que Ibes
sejam transferidos os livros Diario e Copiador, que
apresentam, os quaes compraran) j sellados e ru-
bricados, e em branco, firma de Santos, Mello A
C, que est era hquidago :Come requerem.
No de Francisco Antonio de Almeida, cumprindo
o despacho de 27 de julho prximo fiado, para que
TRIBJTMAIa I A lltl,\(l.
SESSAO DE 12 DE AGOSTO DE I63.
PRESIDENCIA DO EXM. .-II. CONSEI.iiEIBo
nana-
As 10 horas da manhaa, presentes os Srs. des-
embargadores Santiago, Gitirana, Doria, M tta.
Guerra procurador da cora, I)..mingues da Sil-
va e Barros Vasconcelos, fallando os Srs. dV.ie
bargadores Lourengo Santiago, Almeida ftlbnqnxr
que, Assis, e Ucba Cavalcanti, abrio-se a ses-
so.
Passados os feitos, deram-se os seguales
JULO AMENTOS.
Appellacdet crimes.
Appellanle, o juizo ; appellado, Jos Luiz Jorfe.
Confirmada a sentenca.
Appellanle, o juizo ; appellado, Jos Vicente de
Araujo.A novo jury.
DF.SICNA'.';.i DI DU.
Assiguou-se dia para julgamento das segua-
les :
AppellagC.es elveis.
Appellanles, Paotaleo e Margar ida, escravo* ;
appellados, Joao da Silva Parias e oulro.
Appellagces crimes.
Appellanle, o juizo ; appellado, Canuto Rodri-
gues da Silva.
DILIGENCIA CRIBE.
Com vista ao Sr. desembargador preaaeeor da
jusliga
As appellardes crimes.
Appellanle, o juizo ; appellado, Antonia da Ces-
ta Freir.
Appellanle, o juizo appellado, Fraaetsta Fefa
da Cuaba.
---------------


Filarlo de fernambnco -- Quinfa felra 1? Ir Agosto de 4 90.
~<4m
Appellanie, o juizo ? appellado, Jos Guillvrme
da Silva.
t'LiGENClA C1VEL.
Cora vista ao Sr. desembargador procurador da
cora
A appeltac} civel.
Appellanie, Alhino Jos Ferreira da Cunha ap-
pellada, a lateada.
PASSAOEKS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar- soa estupenda ventura
depois de concluir a sua obra nao ha de hav;-r as |
setnelas prodipio algum, que vallia peVa chegar
at nos como novidade 1
Escreva, portanto, V. S. para Ilustrar o publico,
e transmittir aos vindouros a grandeza do sea no-
me e apezar da rara modestia que transluz de
sua douta cabeca, ooga meu amigo, ouca como eu
chelo de pasmo, os elogios que Ihe irihutam os sens
naturaes, devanecldos pelos raios furibundos
da
gadcr Gitirana
As appellacdes crimes,
Appcllan'e, o promotor ; appellado, Francisco
Manoel Amonio de Moura.
Appellanie, Joo Paulo de lia/ros; appellada, a
justicia.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Locrenco Santiago
As appellaooes civeis.
Appellanie, Manoel Cal isto do Nascimento ; ap-
pellado*, Luiz Goncalves liamos e outros.
Appellanie, o juizo; appellada, Mana Bicuda de
Mendooca.
UITerecer agora a V. S. os meus desejos seria de
algum mod i aggravar a minha servidao e offender
a autondade de sua desptica pessoa : entretanto,
guarde Deus por dilatados annos a V. S.
Seu respeitador e criado
Ordrage.
COBRESPONDENCIAS____
Srs. redactores.Dei meia duzia-de gargalhadas
coni a leitura da correspondencia do Sr. Silvino
Appeiate, Jos Luiz de Andrade Lima appel- Guilherme de Barros em resposta a que liz publi-
lado, Gabriel Antonio de Castro Quintaes. car em seu Diario, pelo pedantismo de que se acha
A Sr desembargador Almeia Albuquerque ella recheada, e que de bom grado Ihe reverto, e
A appellacao civel. s0 Por ler ae"e compaixo deixo o campo livre pa-
Appellante, Antonio Luiz Alves i'equeno Jnior;'raa sua vontade manejar a arma da insolencia, e
p diado, Antonio Ferreira de Brito. atrevimento de que insigne mestre.
l)o Sr. desembargador Malta ao Sr. desembar- ; Antes, porm, de dar-lbe a devida resposta, pe-
gador Guerra ? a0 illus|rado publico que compare os termos de
As anpellacoes civeis. que uzei em miaba correspondencia, com os que
Appellanie, Jos Francisco Taboca ; appellado, empregou o Sr. Silvino em sua resposta, e decida
Lino Jos Nogueira i AppeUaute, LinoVerreira da Silva ; appellados,! sua decisao ser-me-ha favoravel, tanto mais qiiau-
Jj Mendes Rodrigues Campello e outros.
app-
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Dchda Cavalranle
As appellacoes civeis.
Appellanie, Antonio dos Santos Pinheiro ; appel-
lado, Antonio Augusto Maciel.
Appellanie, Juo dos Santos Coeilio ; appellada,
a irmandade de S. Benedicto.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador tarros Vasconcellos
A appellacao civel.
Appellanie, a irmandade d) Sacramento ; appel-
lado, o vigario Jos Luiz Pereira de Queiroz.
Do Sr. desembargador Barros Vascoucellos ao
Sr. desembargador Santiago
A appellacao civel.
Appellante, Francisco Leile de Azevedo; appel-
lado, Manoel da Paixao Hecis.
Ao nieio-dia encerrou-se. a sessao.
JURY 1IO RKCIFE.
14 DEj AGOSTO DE 1865"
PRESIDENCIA 110 SU. DR. JL'IZ DE 01IIEIT0 DA 21 VARA
CRIMINAL MANOEI. JOS DA SILVA NEIVA.
Promotor mblico o Sr. r. Jacintho Pereira do
fego.
Escivo.'oaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente.
Advogado o Sr. Dr. Francisco Leopoldino de Gus-
mao Loh >.
Reo, Olyrapio Bolelho Anbal, incurso no artigo
193 do cdigo crim.
A's t horas da manh'ia, feita a chamada com-
parecern) 37 senbores jurados.
foram multados em inais 20i os jurados ja mul-
tados no> anteriores dias de sessao e ao.- que falta-
rain boje seni motivo justificado, e declara-se aber-
ta a sessao.
Sortea lo o iury de sentcnca, foi deferido ao mes-
mo o juramento dos Santos'Evangellios; foi o reo
interrogado.
Lido o precesso da formaeaoda culpa, desenvol-
veu o r. promotor a accusa(3o, seguindo-se lugo
a defeza.
Concluidos os debates depois d replica e tre,
plica, resumida a materia da aecusagaoe da defeza
o Sr. Dr. juiz de direilo propoz as questes de fac-
to ao jury de seulenca, rotirando-se esle para a
sala se,-reia das conferencias as 4 3|i da tarde,
de onde volt ou as 5 3|i com suas resposta?, que fo-
ram lidas em altas vozes pelo presidente do mes-
mo jury de sentencia, em vista de cuja deciso o Sr.
r. juiz de direilo absolveu o reo, coudeinnando a
moDicipatidade as costas, levantou a sessao adian-
do-a para o da seguinte, pelas 10 horas da tn.mha,
designando para o julgamenlo do reo Jos Rufino
da Silva, accusado no artigo 269 do cdigo crimi-
nal.
lo eu e elle somos bastante conhecid >s, com defe-
rencia de que o Sr. Silvino tido por um capita-
lista que tem no foro questes muito importantes no
calor de duzentos coritos de ris, que cavalheiro
da urdem da liosa, capito da guarda nacional, em
sutnma um poderoso que com elle vvente algum
se deve oceupar, sob pena de ser logo qualilicado
de atrevido.
Se o Sr. Silvino todo isio que acabo de men-
cionar, estou cerlo de que lera a devida coragem
de publicar pela impreosa sob sua respousabilida-
de, affiruiando ein como o guarda de sua compa-
Obia Francisco de Souza Magalhaes meu fllho. e
se nao o lizer, o publico ajnizar do que elle disse
em sua respo>ta, enlregando-o ao despreso.
A edacacio que aquclle rapaz recebeu melhor
que a daquelles que tendo servido de criados pas-
sam depois a poderosos esquecendose de seus
principios.
O fado de ser artista nao disdoura a pessoa al-
guma, mas sim ennobrece aquelle (|ue exerce a
arle com liunra, assim como nao inhabilita para
appliear-se aos estudos, visto que o saber nao pre-
vilegio de pessoa alcudia, tanto assim que o Sr.
Silvino estudou a hngua latina, citando um peda
ciuho da Eseripiura Sagrada, no que tenho miohas
duvidas, que elle aprendesso, salvo se fizer publi-
car o certificado do lente.
A ogenzaque oSr. Silvino consagra-me prova-
se pela maneira, pela qual effectuou a prisao de
meu afllhado ; que havendo-o encontrado na
ra, determinou que elle losse a sua casa acompa-
nliado do sargento, que Ihe quera fallar; e nao
tendo aquelle rapaz assim feto por desconfiar do
carcter do Sr. Silvino ; foi depois de alguns das
a casa do Sr. commandanti do balalhao pedir o
despacho de seu requeritnento que ] se arhava
informado pelo Sr. Silviuo ; porm infelizmente o
meu afjlhado enconlrou-se com elle, e sem o me-
nor respeilo ao lugar em que eslava, lavrou a or-
dem de prisao, que seudo observado por alguem,
esle seu procedimento, nao csteve pela sensura e
consomou o acto que sem duvida nao pode deixar
de ser qualilicado infame ; lano mais que o re-
querunenio achava-se em podrdeauloridade com-
pleme para ser descachado, e emquanto nao fos-
se indelerido, a prisao nao poda ser effectuada,
cominettendo por esta forma um acto de desrespei-
to a seu superior.
Quandoem minha correspondencia mencinei a
cin.unistancia de haver o sr. Mindello entregado
ao Sr. Silviuoo requerimenlo para informar, e que
prometleu de nao mais mandar recolher a prisao
ao meu alilhado, o que nao se atreven >> Sr. Silvi-
no negar ; nao me passou pela iroaginaeo que
elle livesse a ouzadia de querer meuoscanar da re
pulacao e precedentes honrosos do Sr. Mindello.
quando dizmas apenas- foi criada a Escola JVor-
mal. e o Sr. Mnulelh mineado professor delta, ope-
rou-se urna melainorpltose no dito guarda, de quem
i protector o Sr. Mindello ; passou a matricularse
na Escota Normal, tornndose entia estndante as-
siduo e applicado. O Sr. Mindello sabe fazer mila-
gres I
Saina, pois, o Sr. Silvino que nao foi s o Sr.
Mindello que se inlere-sou pela soltura de meu ai-
lliado, mas tambem o respectivo Sr. director olli-
ciando ao Exm. Sr. presidonle da provincia, pedin-
do a, visto que o estudaote frequentava a aula com
aproreitamento, apesar da ma informagao do Sr.
Silvino.
O que dir a isto Sr. Silvino I dir tambem que
o Sr. director sabe fazer milagree 1 e eslava o Sr.
Silvino as circunstancias de aquilatar a reputa-
do de alguem 1 E? de mais ser estpido e inso-
le ate.
Como que o Sr. Silvino prometie ao Sr. Min-
dello de nao mais mandar prender o meu alilhado,
e falta? nao admira, porque inuitas vezes alguem
promette fazer cerlos negocios, e depois falia-os
com evasivas, como se diz p)r ahu
O Sr. Silvino eonfessa que teve ordem de prisao
por oito das, e que ella foi lo justa que dentro de
urna hora foi sollo.
E' preciso ser muito ignorante para nao eonhe-
cer a evasiva que procura para qoaliflear a prisao
de injusta, por isso que todo miliiar sabe que quan-
do solTre-se qualquer injusta, tem o direilo de se
qneixar, e quando assim nao pralica, reconhece
que nao bou ve injustica.
Urna vez que o Sr. Silvino foi sollo dentro de
urna hora pela autoridade superior, deve-se con-
cluir que nao fu por aquella que decrelou a prisao.
CCMMUNIOABOS.
lili. .Sr. Joaquina Geraldo
de ;istos
llespeiiabeli.-simo senhor.Accordado como es-
trepitilo oa bomba anca-la por mitos de V. S., foi
tal a alegra que sent, que estive a ponto de sa-
bir a roa em ceroulas, para ir pessoalmeote com-
primenla-lo, e juntar a minha voz enfraqueiida
pelos annos, ao coro solemne dos socios do Gabi-
nete Portuguez de Leitura que o fe-lejam, e com
justiea o elevam, aos galarius de urna fama a que
V. S. tem ioquestionavel direilo I
Sim, recommendavel senhor. Aquella famosa
bomba fabricada por V. S (novo Poycleto das lei-
tras patrias), fez, ainda una vez, com que eu cou-
tmue a reputar como proprios de sua respeilavel
pessoa, os argumentos e cogitacSes, que se dese-
jam e fazem esperar de tao maravilhosa intelli-
geneja I
Creia sinceramente V. S. que, firme uo meu
sanio proposito, nao o liei de deixar s em con-
tenda de tanta gravidade ; nao 1 i i de tambem
dirigi-looo caininho que o conduz ao Capitolio,
aonde oecessariamente o devem aguardar os pen-
nachos e enfeites a que tem juz os seus mais al-
tos merecimeatos I
Entretanto, jjsio dizer-lhe que desta vezappa-
receu V. S. um pouco abalado, o que nao para
admirar, se attendermos aos excessos da jornada
a que se expoz u'uma quadra em que as lamas; e ueste caso peli> e empenhou-5e paraobter a mi-
prodoeldas pelo invern, toruam os eamiohos im- ooraeo de pena, e sera proprio da digndade de
praticaveis aosruins anmaes, o que V. S. nao de j um ofDeial assim praticar ? ou deve incontinenti
ve ignorar. Purhar muito realmente mi, quau- oamprir a ordem ? estar o Sr. Silvino na coodieo
do as substancias novas produzem dores frequeu de um simples guarda, que quando recebe ordem
tes pela barriga : mas V. S. que espirituoso pro-: de prisao pede e langa mao de empenhos para nao
curara evitar as dyseoterias a que pode expr a ser preso, por causar-lhe damno, qualquer da que
sua iutelligeucia, recorreudo a pessoas amestradas! perde de seu trabalho ? nao redmenle, porque o
e entendidas na arle interinara. Sr. Silvino alni de ser um offlcial, um capUa-
Se a anliguidade nos nao deixasserecommenda- lista.
dos os elogios de Plinto, azarlo, Pacato e outros, i As ordens do dia do batalhao nao eram dictadas
dina respetosamente a V. S. que nao s os havia! pe|a m vontade que se Ihe votava, mas sim pela
excedido em sublileza e conceilo, mas ainda na : fa|la d- cumprimiinto de suass origagoes, e o Sr.
elegancia ; e como de presumir recommenda-lo- gilvino ha de ter em seu poder um offlcio meu,
hia tambem aos sabios das futuras geracoes, para em 0 qUa| se faza seQiir que a sua escripturacao
que prdesse V.S. coai tranquillidade gozar as glo- mais pareca nm borrador de tabernas e nao'de
ras legtimamente contraludas na carreira brilhan-, um ajndante, resta agora negar que nao recebeu,
te de tao estrepitosas aceces t e nao devendo consentir que continuasse seme-
_Mas, considerando, que os preceitos de V S. ihaute estado de de-lelxo, e mesmo por outras fal-
nao sao inviolaveis, vejo me obrigado a tomar a ; las 0 ,._ m;ijor commandante interino do batalhao
vara censoria, para derlarar que na obro era ques- emordem do dia n. 82 de 26 de junho de 1856, o
tao, elevou-se V. S. ale a aUura da sua propria USpendeu do exercicio de ajudanle por faltas de
pessoa, vaticinando-lhe aptnas, que de hoje em cumprimenlo de suas obrigacoes.
dianle sera ella o assumpio particular do respeito a vista^ pois, desles fados e veado que os dig-
e admiracao de seus compatriotas, milagre espan- n03 officiaes do batalhao o olhavam com indiferen-
ca, tratando de empenharse como da fado fez, o
que posso provar, para que fosse contemplado na
proposta do 3o batalhao, o que effedivameme foi
no posto de teaente, dando para eete fim certa
qiiantia para a caixa do batalno.
Tratndose depois de urna ouira proposta para
capilio, e oxislindo no batalhao dous tenentes mais
amigos, obteve o Sf. Silvino ser o nomeado, dando
para este (im 400, e segunda se diz fot esta quan-
ta empregada no fardaraeoto dos dez guardas, e
dos. Este o facto real, pelo qual o Sr. Silvino
tem em seu peito urna lita da loja, e estou bem
convencido se nessa occasio fusso capitao de ar-
teiharia. o seu peito estara limpo como o meu
est. Que desfructavel.
O Sr. Silvino na qnalidado de commerciante de
compra e venda de escravos, teve a loucura de
pretender sentar-se como depulado no respeitavel
tribunal do commerrio ; para eujo tira principiou
a trabalhar oito mezas antes do dia da eleicao
como publico, andando de porta em porta dos
commerciantes pedindo votos, fazendo viagens a
carro, propoodo rehabilitar a certo commerciante
obrigando-se a fazer as desperas da rehabilitado,
cuja proposta foi repelida como devia ser, segundo
se diz, assim como matricular um que o tribunal
nao o admiuio como tambem se diz, empregando
todos estes meios para obter maioria; e apezar
delles o Sr. Silvino obteve smenle 19 votos no
segundo escrutinio Arando col locado em quarto
logar, apezar da bem merecida.influencia de digno
I commerciante o Sr. Jos Pereira da Cunha, seu
! sogro, sendo eleito o Sr. Antonio Gomes de Miran-
! da Leal, que foi apresentadu oito dias antes da
' eleigao que teve lugar em 7 de dezembro do anuo
| prximo passado, obtendo 38 votos, dando por esta
1 forma o respeilavel corpo do commercio um tes-
terauuho soiemne do apreco, de que gosa o
Sr. Miranda Leal pelo seu carecter sisudo e hon-
radez.
A prova de que os 19 votos foram devidos a la-
, fluencia do Sr. Pereira da Cunha, esl em que,
procedendose a eleicao de um supplente em 7 de
fevereiro do corrente anno, o Sr. Silvino nao leve
l voto algum.
Estou convencido pelos precedentes do Sr. Sil-
i vino, que nao obstante esta derrota, elle se apre-
' sentar novamente para ser eleito deputado em
occasiao competente, porque s deseja galgar po-
i sigoes.
Provoco solemnemente ao Sr. Silvino para que
publique por este Diario a sua guia de passagem
do batalhao de anelharia, para o 3." de infantera,
os recibos em como se acha quites com as caixas
de ambos os batalhoes, e das ordens do dia que^
o elogiam, por isso que como capillo pode reque.-
rer e obter o que se me tem negado apezar de ter
obdo despacho do Sr. coronel commandante su-
perior, e esta tem sido a causa de ha mais lempo
nao Ihe ter respondido.
Srs. redactores o Sr. Silvino collocou-me emu'ii
terreno a que por dever devia eu sahir, como de
| facto sahi, e nao o poda fazer seoao pela maneira
i porque o liz, visto que foi o primeiro que contra
mim empregou termos smente proprios d'aquelles
;que nao tem educagao; e pego Ihes que em alien-
j gao a minha jusla defeza publiquen) aprsenle, e
| assevero-lhes que nao deixare correr a redeas
isoltas. ao Sr. Silvino, fazendo-o esbarrar arran-
' cando-lhe a masera de sua impostura.
Flix Francisco de Souza Magalhaes.
Vo publieo.
Srs. redactores:
Perseguido atrozmente pelo coronel Pedro Paos
de Souza, que teve arles de clurnniar-me no meu
carcter de esposo, e de conseguir, sob este fal
sissimo fundamento, ordens do ex-chefe de poli-
ca para ser eu recrutado (I), nao obstante ser
casado, ter tres filho, possuir seis escravos, e ser
negociante felizmente acre-litado, como ludo rela-
te! na ;nioha pr im -ira correspondencia, recorr de
to injustas vexages ao Illm. Sr. Dr. chefe de po-
lica Pindahyba de Mattos, promptamente meat-
tendeu, e me restituio aos meus direilos de cida-
dao llvre. Agradecendo a S. S. este acto de jus-
liga, que tanto o honra, Ihe rogo que continu a
proteger os homens honestos, por todas as partes
afligidos, contra as arbitrariedades dos ajenies de
polica, qu, oa sua generalidade, so antigos faci-
norosos chamados a laes posigoes pelo partido pro-
gresssta, a que por infelicidade perlenci aprin
ripio, pensando que era um partido verdadera-
mente regenerador dos bons costumes, mas que
nao passa, com rarissimas excepgoes, de um gru-
po de aventureiros, sem outra pohlca, que a op-
presso e o exterminio da briosa provincia de Per-
nainbnco, que em tempo algum foi tao avillada
como nesta poca I Felizmente parece que a jus-
ticia vai resurjindo entre nos I Deus assim o per-
mita I
Nao tenho oniro inirnigo, que o coronel Pedro
Paes, homem accusado de enormes crimes. Qual
qner mal por tanto que me acontecer detiojeem
diante, delie me queixare, e meus prenles este-
jam disto previnidos.
Becife, ti de agosto de 186*>.
Jos Leopoldino Ponles.
A vista disto, o publico que decida entre mm e
o Sr. Pires Falcao : nao pego indulgencia, quero
justiga.
Engenho Santa Rosa, 10 de agosto de 1863.
Francisco de Si e Albuquerque.
DOCUMENTOS
N. 1.
Escrlptora de arrendamento que fez Joo de
Barros Reg Accioli de seu engenho Santa Ro.>a,
sito na freguezia de Ipojuca a Francisco de S e
Albuquerque.
Em nome de Deus amen.Saibam quantos este
publico iostramento do escriptura de arrendamen-
to virem que no anno do nascimento de Nosso Se-
nhor Je>us Chnsto de 1835, aos 11 dias do mez de
abril, o dito anno, nesta villa do Cabo, e comarca,
em meu escripturo vieram partes presentes con-
traanles e outorgantes, a saber : de uina como ar-
rendatario Joo de Barros Reg Accioli, morador
no seu engenho Santa llosa da freguezia de Ipojuca,
e de outra como rendeiro Francisco de Sa Albu-
querque, este morador no engenho Guararapes, da
freguezia de Munbeca, todos de mim reconhecidos e
das tesiemuohas abaixo declaradas e assignadas
pelos proprios de que se trata, e dou f.
E pelo o arrendatario, dte Joo de Barros me foi
dito em presenga das mesmas testemunhas que el-
le era senhor e possuidor do engenho Santa Rosa,
que demarca pelos lugares mencionados na escrip-
tura de composigo celebrada por Thotnaz Marques
da Costa Soares e outros, em 7 do junho de I8i8,
no carlorlo do tabellio Gomes, (hoje Aratijo) a qual
entregou oeste dala ao rendeiro para por ella se
reger, e que se acha ju-to e contratado com o se-
gundo coniratante, dito Francisco de Sa e Albu-
querque, arrendar Ihe o mencionado engenho San-
ta llosa por 9 safras, a cootar a primeira de maio
de 1836 para 1837 e linali.-arem maio de 1865, na
forma do uso e coslume do paiz, pela qaanua de
li:400# que vem a ser 1:600$ por cada safra, e
recebendo a vista a quantia de Ii:i9306", a sa-
ber : em desobriga que deve ao arrendatario, dito
Joo de Barros a Manoel Goncalves da Silva a
quantia de 2:4345638, a Joaqun) Flix Machado
3:3475189, e a Theolonio da Silva Vieira 4:378,5140:
e 4:000 que licar em mo do dito rendeiro pa-
ra fazer as obras sogoiotes :
O engenho d'agua por onde melhor couvier, pu-
char quatro ihesouias na tacanice para o comple-
to da casa de purgar, feita sobre pilares, e com
tapamento de lijlo, mudar o balcao que existe pa-
ra tacanice, no lugar competente; cujos quatro
contos que licain em mo do rendeiro para ditas
obras so deduzdos do mesmo arrendamento, e
com elles prefaz a mencionada quautia de-----
14:0491967, e orestante que da quantia de ris
3303033, que prefaz o total do arrendamento de
14:4005, elle arrendatario a recebera no lim das
nove safras quando liver de tomar coula do en-
genho.
Oatro sim, se alm das obras mencionadas o ren
tosissimo em pleno seculo XIX !
Muito bem me dizem todos de cica toce, da dou-
ta caneca de V. SM e eu que devo sirvo-lo por meio
da palavra, direi tambem a' pessoa de V. S. que
cada palavra do seu tntellecto, uina expresso
dnada pela cortezia, e Inspirada pelo affecto, o
cada expresso um imn poderosissimo que at-
trahe corages nao menos para a sympathia, do
que para o agradecimento.
Crea respeilavel amigo que modo-mais novo de
obriar, ainda nao vi nem fcilmente verel ; por oinguem dir que esse accesso foi por merecimen-
juanto sendo esse especifico propriedade de V. S., to oa servigos.mas sim adquuido por meio do di-
cora difllciildade o poderei encontrar era outra nheiro, o easo que dete facto resullou sahirem
pessoa. Quando me chpjra s inos qualquer es- a0 batalhao aquelles dous teneates, um para arti-
cripto assignado por V. S., digo logo aos meus n,ara e ouiro para a reserva, por no qaererem
comparochianos ;.qnem desojar instrur-see apren- por ia| preco urna patente de capitao.
der as Iws da cmJidadc, hade procurar ser amigo. Querer agora o Sr. Silvino inculcar segundo d
de V. S.. jiorque sem lisonja, o orculo de tao a entender, que foi por aceesso que passou a capi-
ra.'issimas virtudes I... [a0> je cer(0 querer passar por um capadocio.
Peranie taes predicados nao sei mesmo do que ge o Sr. Silvino passou a capito por accesso,
mais se .leva ufanar a trra de Lopo Barriga, se porque tambem nao passou de 6 supplente da
deproduzr um genio de ndole modesta como o subdelegada da freguezia de Santo Antonio? Su-
de V. 8.,se um velho rachiticoeiapertineole como gar este em que esteva dou annos poaco mais ou
o Ordrage para panegyrisla de suas obras; e que jeuos, e que apezar dos servigos que prestou, pa-
aitida assim, qcasi a beirs da cova, promette dar ra sem duvida ser nomeado elfectivo, nio conse-
sua Ilustrada pessoa os disvellos queso minislram guio, pelo contrario foi excluido da lista de sno-
quellcfi a quemas coosequencias funestas da penles, (cando o lugar vago como ainda e acha,
vida te.*n felto perder de todo, o descanso e a ra- segundo rae consta.
** Srs. redactores. Urna das gargalhadas que dei,
Sinto, e sioto muito quj V. S. alrellado ainda ao foi quando li o trecho da resposta do Sr. Silvino
carro de seus males, soff-a que as moscas o im- sobre o meu peito estar limpo e o delle com urna
portunen tanto, conservando urna dogura suavis- condecorando.
sima Je genio ; mas convngase V. S. que nao ha Eu nao rae admirara desla hespanholada, se
neste val de lagrimas, quain nao d um passo, que elle o dissesse era outra provincia, porm ter a co-
no --M accommettido das silladas da fortuna; ragem de publicar nesta cidade, de certo ser de
porque a nao ser assim, o mundo perdera o seu mais capadocio.
ser. Toda esta provincia sabe que por occasio da
No enlamo depois que V. S. ioventou a sua visita de S. M. I., o Exm. Sr. commandante supe-
bomba, porfeita randada entre as bombas conbeci- rior apresentou urna relaco dos convnandantes,
das, todos me pedem para que rogue a V. S. que majores e capites da guarda nacional, em virta-
coniinue a dar ;i luz mais bombas, ao som dos ap- de do que foram agraciados; deixando de serem
plausos que a fama Ihe rende, e os mogos estudio- os capules d'artelharia, e isto devido segundo se
aos Ihe tributan) J diz, a nm delles, e que nao podendo ser este cot-
Continu, recommendavel senhor, continu, que templado, deixaram os outros de serem agracia-
ra, Manoel Clemente Ribeiro Varejao, sendo o bi-
Ihete da destribuigo do theor seguinte :
Escriptura de contrato que faz Joo de Barros
Reg Accioly a Francisco de S e Albuquerque.
Cabo, 21 (Te seterabro de 1835.Destribudi a To
lentioo, a folha 3 verso do livro competente, o des-
tribuidor interino VarejSo.
Numero 5.Pagou 160 rs. de sello.Cabo, 21
de seterabro de 1855.Matloso.Ferreira.
Nada mais se continha em dito bilbete dJ sello e
deslribuigo
Eu Ignacio Tolenlino de. Fgueired, tabelliao a
escrevi. Jio de Barros Accioly.Francisco de
S e Albuquerque.Eduardo de Si Correa.Este-
vao dos Anjos da Porciuncula.
E mais se. nao continha em dita escriptura do con-
trato, aqui bem e fielmente copiada do proprio ori
ginal o qual me reporto, que dito tabellio bem e
Belmente a fez copiar em dito dia, era, etc. : subs-
erevi e assignei era testemnnho de verdade.O la-
bellio publico, Ignacio Tolenlino de Figueiredo
Lima.
N. 3.
Termo de avaliago e declarago de bem-
fetorias.
Aos 15 dias do mez de margo do anno de 1833,
neste engenho Santa Bosa, do termo de Ipojuca, da
comarca do Cabo e provincia de Pernainbuco, em
casa de vivenda do mesmo engenho, onde veio o
juiz_ municipal segundo supplente Francisco Jos
da Cosa e Silva, comigo esenvio abaixo declara-
do, e a* louvados e deseinpaiador Horneados, es-
colindes e juramentados pelo rendeiro do mesmo
engenho Francisco de Sa e Albuquerque, foram
descriptas as obras e bemfellorias, que pelos ava-
liadores foram corridas e avahadas pelj raudo se-
guinte :
Urna casa de vivenda feita de taipa, cuber-
a de lelhas, caiada e pintada, com '22 portas e
16 jauellas ; com 10 quartos e 3 salas de frente,
leudo ella 90 palmos de frente e 80 de fundo, to-
da de maueira lavrada, leudo ella 83 p.Irnos de
frente e 67 de fundos, inclusivo um lerraco ladri-
i'hado e mais um pequeo acerrscimo, excepto a
cozioha, que pertence ao proprietario, que elles
avaliadores deram-lhe o valor de 3:500J>.
Uina seuzalla com 8 portas e 9 quartos, de tai-
pa, cubera de telhas, em bom estado, que elles
avaliaui era 3u5.
Uina casa para o feitor, de taipa, cocerte de te-
lhas, em muito hora estado, avahada por 905.
Urna casa de empreados, de taipa, cubera de
telhas, em sollrivel estado, avahada por 1105.
Urna casa de farinha coberta de telhas e taipa
a excepgo dos aviainentos, que elles avaliam, por
ella estar em mao estado, por 505-
Urna casa de desiillacao avahada por 1205-
Uina desiillagao com alambique, carapuca e
2 serpentinas de cobre, com 16 cubaes, 9 pares de
ancoras, t bomba de cobre, l dila de pao, 1 dita
dejapy, resfriador e esquelette, garaps de raadei-
iXTB&t
caso mura
D'l'MA
Molestia Ulcerosa
Curada.
deiro fizer outras quaesquer que sejam precisas pa- ra, bicas, tudo em bom estado, avahado ludo isto
Tendo eu no Diario de 9 e 10 do corrente, pro-
vocado o Sr. padre Jos Antonio dos Santos Lessa,
para que declare qual foi a parle que lanto eu como
o Illm Sr. conego Tavares da Gama tivemos na no-
meago do Rvm. vigario Gamillo de Mendonca
Furtadopara visitador da provincia das Alagis, e
principalmente qual a transaego que o mesmo Sr.
padre Lessa no Diario de 8 se comprometi a por
em pratos limpos (expressoes dellej e estando nos
a 14 do mez, sera que S. Rvma. tenlia feito declara
gao, como Ihe cumpria, novamente o provoco para
que sem perda de lempo faga a declaragao que
exijo. Previno-o desde j que no ha de sablr-se
como no negocio dos 3:0005 legados pelo Exm.
Sr. hispo D. Joo aos pobres e a duas Igrejas desta
cidade, a qual quantia S. Rvma. declarou no Dia-
rio de 11 de fevereiro, e afjirmou mesmo com jura-
mento que havia entregado ao Sr. Antonio Ramos;
entretanto que este senhor assegura peraute os tri-
bunaes que tal quantia nunca recebera ; e o Sr.
Dr. juiz de capellas mandou embarga-la no pro-
ducto-dos bens j pelo mesmo Rvd. Lessa consig-
nados aos seus credores, fisto affirmar igualmente
S. Rma. que est pobre, que nada mais possue.
Recife, li de agosto de 1863.
Conego Joaquim Ferreira dos Santos.
Ao publico.
Nao querendo eu entreler polmica jornalislica
com o Sr. Miguel Tolenlino Pires Falcao, porque
nao est isto em meus hbitos, e pendendo que-tao
judicial sobre o objecto que o trouxe a imprensa,
nao devo discutir fra de juizo. olerego apreuia-
go publica os documentos que vo transcriptos
abaixo, dos quaes se ver quo injusto foi o Sr. Pi-
res Falco para comigo, atiribuindo-me indevida
relencao do engenho Santa Rosa, sendo en ren-
deiro.
Com estes documentos provo evidentemente que
tenho bemfeilorias feitas no mesmo eogeuho, pe-
las quaes bem como por despezas que liz para de-
fender-lhes a posse, est elle obrigado a mim para
eu pagar-me pelo seu usufructo, valcndo para isto
o arrendamento que delle me foi feito pelo tempo
de nove annos, e alera deste tempo, se tanto for
preciso para minha completa inderauisacao, urna
vez que esta nao seja feita em dioheiro no fim da-
quelles Bove annos.
Isto que Oca dito consta de duas eseripiuras, cu-
ja leitura offereco ao respeilavel publico em \jti-
raeiro lugar ; sendo que, na escriptura de arren-
damento est expres.-ainente declarado que no po-
derla o proprielario vender o engenho durante o
arrendamento, salvo fazendo-o cora as condigoes
oelle estipulados.
Se, pois, o Sr. Pires Falco coraprou o engenho
Santa Rosa, vigorando ainda o arrendamento, por
que ainda nao foram indemnisadas as bemfeitortas
e despezas judiciaes que i, obrigado a manter-
me no engenho por tanto tempo quanto for preciso
para esta miaha inderauisacao.
E nestas cireurastancias o Sr. Pires Falcao no
devia estranhar que a polica ioterviesse para de-
fender-rae contra a violencia que praticou queren-
do entrar na posse do engenho, quando smente
eu a tinia ; tanto mais quanto isto se fizera de um
modo muito prudente e sem auparato muilo hostil,
como figura o Sr. Pires Falcao na sua correspon-
dencia publicada neste mesmo jornal n. 165 de 21
de julho prximo lindo.
Nao tem, portanto, o Sr. Pires Falco razao al-
guma para atirar-se to furiosamente contra o Sr.
Antonio Peregrino Cavalcanti de Albuquerque, que
nada mais fez do que exercer um dJreito, empre-
gando urna medida que teodia a previnir desagra-
daveis consequencias : isto deve fazer a autoridade
policial, e o Sr. Peregrino bem o comprehendeu e
melbor executar.
Acrescentarei a tudo isto que as bemfeilorias es-
to devidamente avaliadadas como consta do 3 do-
cumento abaixo transcripto, eas despezas judiciaes
nao importara em 8005 a 1:0005, eomo diz o Sr.
Pires Faleio, mas em 2:3405680, alm dos joros;
sendo inexaeio que houvesse eu exigido despezas
feilas com a revista, porque estas foram diminu-
tas, e nem recebl ainda a nota dellas.
Cotilleado assim o -valor das bemfeilorias e a im-
portancia das despezas judiciaes, inuteis a compe-
tente coDCllacio para melhor indemnisagao, na for-
ma das escripturas citadas, como se v do docu-
mento sob n. 4. O proprielario, Sr. Joo de Barros
Accioli, delxou correr a coqcjliago revilia. J
ra sua morada elle arrendatario Ih'as pagara as
quaes serao avalivdas por arbitros louvados por
ambos os contraanles; uo sendo porm estos ul-
timas r.bras feitas de pedra e cal, e logo pe-
lo rendeiro dito Francisco de Sa e Albuquerque,
me foi dito perante as mesmas lestemunhas, que
acceiiava a presente escriptura com todas as suas
partes; e logo entregou a desobriga dos credores
cima mencionada ao arrendatario, bem como se
deu por recebido dos quatro contos de ris, para
as obras ja meuciooadas com declarago pjrin
que se uo cavar da levada para moer o engenho,
encontrar pedras e lageiros que necessario seja se
quebrar, elle arrendatario dito Joo de Barros Pica-
r obrigado a pagar o caboqueiro ou as pes.soas
que as quebrarem : assim como que se obrigava o
arrendatario dito Joo de Barros a nao vender o
engenho durante o arrendamento, e quando o faca
seja garantindo as nove safios cima mencionadas.
E tiesta forma ambos os contratantes promette-
rain nao vir a juizo se mo para a validade da pr-
seme escriptnra, que renunciavara toda e qualquer
lei que allegar padessem contra a presente escrip-
tura, e logo pelo rendeiro me foi apreseniado os
documentos p-ra a presente escriptura os quaes
sao do iheor seguinte :
Certifico que tem de passar-se escriptura de ar-
rendamento pelo meu sartorio os Srs. Joo de Bar-
ros Reg Accioly, reodatano ; rendeiro Francisco
de Sa Alr.uqnerque, do engenho Santa Rosa, sito
na freguezia de Ipojuca pela quantia li:!005000,
por nove safras.
Cabo, 11 de abril de 1833.O tabellio Tolen-
tiuo.
Numero 660.Pagou 160 rs. de sello.Cabo, II
de abril de 1855.Maltoso. Ferreira.
Escriptura de arrendamento que faz Joo de Bar-
ro? Reg Accioly de seu engenho Santa Bosa, sito
na freguezia de Ipojuca, por nove safras a contar
do Io de maio de 1833, a lindar no 1 de maio de
185 pela quantia de 11:1005000 a Francisco de Sa
Albuquerque.
Cabo, li de abril de 1853.
Desli ibuida a folhas 2, verso do livro competen-
te ao tabellio Tolenlino.O destribuidor interino,
Varejo.
Numero 460.Pagou 160 rs de sello.-Cabo, 11
de abril de 1853.Matloso. Ferreira.
Em tcstemunho de verdade assim o disseram ou-
thogaram e pediram fosse feito este nslrumeulo
nesta nota, por me ser desli ibuida, em que assig-
por 2:0005-
Urna estufa com coberta de madeira lavrada
comprehendeudo um telheiro que segu o encai-
xameuto, avahada per 4005-
Urna tnoeuda de ferro asseotada era madeira, em
perfeilo estadu, avallada por 1:8005,
Tres rodetes de ferro, sendo 2 grandes e 1 me-
nor, em perfeilo estado, avahados por 5005-
Um assetitamenlo com i laixas,sendo 3 grandes,
2 pequeas em bom estado, sendo porm uina d'el-
las lachada e gateada, avahado tudo isto por
6005.
Um estrado de taboas uo encaixaraenio, de ma-
deira, sobre travs, de pao ferro, para assentar as-
sucar, avahado por 305-
Um caixao grande para deposito de assucar, com
reparlimento para as quahdades do mesmo, ava-
hado por 255-
Uina balanga com brago e correntes de ferro,
com um terno completo de pesos de ferro comple-
tos, avahados por 605.
Bocea de fornalna de ferro com a competente
porla em perfeilo estado, avahada por 455-
Um telheiro para bocea de fornalna, feito com
madeiro lavrada e coberto de lelhas, avahado por
3D5.
Ciucoenta e seis furos e ciucoeuta e seis corre-
les em bom estado, avahados por 2805-
E por nada mais haver que avallaren), deu o juiz
este acto por linio, no qual disseram os taavados
e aval adores, que liiviam f.oto oslas avaliages
sem dolo on alteigoes e conforme suas consa-n-
cias; bem como declarara que tolos os objetos
avahados, elle* os julgam n;cessarios e indspen-
saveis para o servigo do engenho ; e para constar-
liz esle termo, uo qual assignou o juiz com o peti
clonarlo e os avahadores ; e eu Antonio dos San-
tos Pioheiro, escrivo que o escrevi.Costa e Sil-
va.Francisco de S e Albuquerque.Feliciano
do Reg Barros A.llermiuo Lauretilino de An-
drade.
Tem de pagar 15 de sello de olio folhas.- Ipoju-
ca, 14 de margo de 1863.Santos Pinbeiro.
N. 2.Pagou 15- Cabo, 17 de margo de 1865.
(faltoso.Ferreira.
Concluso
Aos 16 dias do mez de marco do anno_ de 1865,
nesta villa de Ipojuca da comarca do Cabo, pro-
vincia de Pernambuco, em meu cartorio, fago esle
auto concluso ao juiz municipal segundo |soppleate
Francisco Jos da Costa e Silva; e para enastar,
naram depois de lida com as lesiemuuhas presen-; (geo este termo, eu Autonio dos Santos Pinheiro,
tes Joo Manoel de Souza Leo e Domingos Fran escrivo que o escrevi.
cisco de Souza Leo. Conclusos.
Eu Ignacio Tolenlino de Figueiredo Lima, tabel-
lio o escrevi.
Declaro em tempo que assignaram depois de Ihe
ser llda.O tabellio, Tolenlino.Joo de Barros
Reg Accioly.Francisco de S e Albuquerque. -
Joo Marinh'o de Souza Leo.Domingos Francisco
de Souza Leo.
E mais se uo continha em dita escriptura de ar-
rendanieu o, aqui copiada da propria a que me re-
porto, e que eu dito tabelho bem e fielmente a co-
piei, em dito dia, era e despacho retro, em teste-
munho de verdade.O tabellio publico, Ignacio
Tolenlino de Figueiredo Lima.
N. 2.
Julgo por sentenga a prsenle avaliago para que
produza seus devidos eleitos, pagas as cust.s por
quem requerer o sscrivo, entregue o original, li-
cando traslado no cartorio. Ipojuca, 17 de margo
de 1865.Fraucisco Jos da Costa e Silva.
N. 4.
Illm. Sr. juiz de paz do l.dlstricto de Ipojuca.
Diz o capito Francisco de Sa e Albuquerque mo-
rador no engenho Santa Rosa d'este districto, que
tendo arrendado o referido engenho Santa Rosa, a
seu proprielario Joo de Barros Reg Accioli, por
lempo de nove safras, de que Ihe paspu escrip-
tura, e tendo se lia lado o sen arrendamento no
| ultimo de maio prximo passado, exigi o suppli-
gou na escriptura de arrendamento que a iudem-
nizago das obras necessanas feitas no referido
engenho pelo supplicante, em dinheiro de contado,
ou arreudar-lue o engenho por mais taolos annos
quantos necessarios fossem para pagamento das
referidas obras, as quaes obras foram avahadas
Escriptura de contrato que faz Joo de Barros Reg cante do supplicado as condigoes, a que se obri-
Accioly, com Francisco de S e Albuquerque.
Saibam quanto este publico Instrumento de es
criptura de contrato virem que no auno do nasci-
mento de Nosso Senhor Jess Christo de 1833, aos
21 dias do mez de seterabro do dito anno, nesta
villa do Cabo, em meu escrlptorio comparecern!
Joo de Barros Reg Accioly o Francisco de S e em 9:6605000 e mais" a quantia de 4305000 que
Albuquerque, moradores uo engenho Santa Rosa gasiou com o caboqueiro, que quebrou a lage, que
I desta comarca todos pessoas reconnecidas por mim encontrou na abertura da levada que me o enge-
; tabellio pelos proprios de que se trata edas teste- genho, a cujo comprimento se nega. e a pagar ao
i munnas abaixo assignadas de que dou f. supplicante mais a impertancia de 2:3405680 e
E logo pelo primeiro dito Joo de Barros me foi : seus competentes juros, importancia esta das des-
dito na presenca das meocionadas testemunhas,! pezis feitas com as questo-s do mesmo engenho,
que elle senhor e possuidor do engenho Santa as que est lambem obrigado por outra escriptura,
Rosa nesta comarca, o qual tem arrendado ao se- e como se neg o supplicado ao comprimento dos
I gundo contratante Francisco de S e Albuquerque,
! por escriptura em minha nota e como de prsenle
': os erios daquelle engenho tenha movida duvida so-
j bre seus limites perturbando ao dito rendeiro da
verdadeira posse daquellas ierras, tem elle primei
ro contratante contratado com o segundo para que
o segundo conti atante com procurago sua defenda Unoar no arrendamento por mais tantos annos
toda e qualquer demanda, que se solicite a respei- quantos necessarios sejam para seu pagamento,
to de limites do supracitado engenho o mais requa conforme est obrigado.
contratos a que esl obrigado, quer faze-io citar,
para era couciliaco pagar-llie as quanlias referi-
das, todas na importancia de 12:1305680 e os ju-
ros que tem decorrido, assim mais a quanlia de
1025600 que o supphcaute galou, para se proce-
der as avaliacoes das obras j referidas ou con
Todos aqu'llcs une aclio v-lis mtt-
frer molestias sn-oftiln-ia, n!<-ema., on *TF*ii-
liticas, ainda memo a* repatadas V i im
natan-za, apeaM MeeBaMb l li-r <> w-gaiat*
caso maravilloso, |tra qiio e simio ia:--;rm-
mente convencidos qne a soa propria rara.
as g meramente foam mu ain alsoia-
tamente certa.
Joao Jom Fei:i;:ii!a Barbou, reL-ata
na Chinde de Maranbao, tinha todo o **n
corpo col>erti> (le chacas aleen***, anata
algn* p> annos w acha va d-lix>do trat
d medicoH os mais nfnma-1'>. tem!
durante todo ste ttiii|io quai toda a
de BWdaCBBBl ipn- em taal rasos i
pela faculdade aMaflOa, por-m oV-baMe
obter o menor ksBafMa<>n alivio: ach
pois em la'-s pun i!le rmalmeate r>sorrea-
se, dapoal de n-p-tid!< e bakladoa es.-raai
fazer uso da
Salsaparrilha
DE BRSSTQL.
No todo elle npsnri* CaMOJM a aMal
(iarrnfas da .^alMiparriUm ymtro I
PUulas Vt'jf'ae* Aui'ienrnai, a >
foi ello obter ana eaBaflala l>"rfetta C!ira.
Os S>-rs. I'KitKlA .'; Ca., Drogniatas Mnranhao, foro qaem -u| prirao oa me-iira-
mentos, e aluuva>; rTf>-itan>-nte a tarto
d'este caso, e mesmos Senliorra, nao '> a
acliao j'romptos confirmar o mesmo, roano
tambem em lornecer o actual adress do !*".
B\ni!(.7.A, i. toda e <| ventora se deseje informar da HaMi
Recommcnda-se mni particailarnvTite ana
DoenU-s que tenliao o maior ni I m nnBwi
dest*- cxcellc/ite remedio, nao csanJ ontro
nao ser a Ge-mina Salsaparrlha da Briatct,
qual i escl osivamente pre)*rada por
L ANM AN & KEMP,
De AOVA YORK,
pois que tola-; as mais sito inetScazra e de aaa
hura pMtbM
Vonde-se as boli.-as JeCaor A Rrrbrs-
e C. Bravo & C
Theatro de Mana Isakcl.
O empresario deste theatro ten a honra te |>ar-
ticipar ao respeilavel publico, qu- araba de fcg r
a esta cidade o disiincto artista rlramar portu-
gue/. Simos, rom q;n-m rombinoa dar n**** itwa
tro (i espectculos, u> quaes ler.i priacipio a dka
21 do correte, e <|ue iu.lm-nl- ten as-cota-l-
com o prestidiailoder polaco Lin-ki en d serie de ti ''-!"'- taculos a curaecarera Jo Ji.t U >
corrente em diante.
A empresa nao se tem poopado a ac -uW aos
desejos de artistas de tojos os geoeros. un1 '-"tB
aportado a esta cidade, e orlo nao lew feito mai-.
do que deseavol tat o wa prograrmna dV cia-tja-
var as artes era tolos o sentilo, dem-.o>ir>nI-i aj
mesmo lempo que a-ha-se sempr-- li-;
tar-se a toda a |oakjn-T que de .*>-a prstina w
queira utilisar, sem ter vi tuito de apresenUcVs; portanto alo'* ifv.
isto nao comprehendem, que a pi >n tarhar de
mal Bt-JOCioiaia, dando a >-us v.-rlaoViros seott-
mentos urna iuieri>retac."io diversa.
-^-v<
Transporte
de nerra %. F
cisco.
Nestes termos pede V. S. se digne mandar fa-
I zer a cila^o requerida, e nao se concillando o
supplicado Arar nesse acto logo citado para na
primeira do juizo contencioso, vir propor a com-
petente aegao o para todos os termos da mestna,
ludo sob pena de revelia. E. R. M. Francisco
de S e. Albuquerque.
Juro suspenso. Ulinga, 18 de maio de 1865.
S. Vieira.
-v S.
Illm. Sr. 1. juiz de paz do 2." dislricto da fre-
guezia de Ipojuca. Diz o capito Francisco de S
a devida demarcagao fazendo todos os gastos que se
flzerem myster para bom xito da demanda e de
marca^ao obrigando-se elle primeiro contratante a
final a pagar todas as despezas obrigando-se aos
Juros de um e meio por cento de lodo dinheiro des-
pendida pelo segundo contratante, que no lim da
questo devera apresentar a conta informa.
Outro sira que estas despezas ser paga no fim
do arrendamento do dito engenho, quanto for pre-
i ciso para satisfac.5o das despezas na razao do mes-
mo arrendamento, por que est hoje arrendado
I com condifo, porm, de que se o seu primeiro
contratante adiar no lira do primeiro arrendamen-|e Albuquerque^ que tendo chamado a conciliaco
to outra pessoa que Ihe d mais da renda annual: a seu devedor Joo de Barros Reg Accioli, "pe-
pelo que o engenho se acha arrendado, e o segn- j rante o juiz de paz do 1. dislricto, este jurou sus-
do contratante nao queira preferir lanto por tanto, I pengo, e nao estando juramentado os de mais
que o primeiro contratante achar, entao sera obri- jUiZbS d'aquelle dlstricto, sem requerer a V. S.
gado a receber o valor, que tlver feito estipulado e que mande citar o supplicado Barro tara a pri-
entregar o engenho logo que receba a referida! mera d'este juizo, conforme requerido tem na
despezas e juros. petieo junta. E. R. M Francisco de S e Al-
E logo pelo segundo contratante dito Francisco buquerque.
de S e Albuquerque me foi di'o na presenca das Cite-se para o dia 24 do corrente, aprsenle ao
testemunhas, que aceitava a presente escriptura, escrivo.-Guerra, 19 de maio de 1865.Oli-
eom todas suas partes para cumpri las me apresen-
tou o bilhete do sello do theor seguate :
Joao de Barros do Reg Accioly qner pagar o
sello fixo ds urna escriptura de contrato que pre-
tende celebrar com Francisco de S e Albuquer-
que.
Cabo, 21 de setembro de 1853.
Numero 2.Pagou 160 rs. de sello.Cabo, 21 de
setembro de 1835.Maltoso. Ferreira.
E por ambos os contratantes me foi mais dito,
que obrigava as suas pessoas e bens para cumpri-
menlo do presente contrato, bem como renunciar,
qualquer le que alegar pudesse para a nullidade
do mesmo ; por que erara contentes, que se man-
tesse e guardasse como nellase conten, assim o dis-
seram e outhogaram e pediram fosse feita presente
em meu livro de notas, a qual por me ser destri-
buida a fz e assignaram depois de lida perante as
testemuQhas abaixo assignadas Joo RoOno Ferrei-
velra.
Certifico que fui d'esta villa e citei Joao de Bar-
ros Accioli para b flra conloado as petlgoes do
que dou f. Villa de Ipojuca, 23 de maio de
186o. Offlcial de Justina, Manoel Joai.uim Paes
Barreto.
Conciliaco 45000, citaco 15500; 55500. Bar-
reto.
Certifico que a conciliaco enlre partes o capito
Francisco de Sa e Albuquerque e Joao de Barros
Accioli procedeu-se a revelia do mesrno Accioli,
seudo este condemnado as custas, do que dou
f. Guerra, 24 de maio de 1865, O escrivo, Ma-
noel dos Santos Lima.
Conta : ao juiz 15000: escrivo : lermo 15500,
certidi.o 400-25900. Da parte : petiedes duas
45000, diligencia 55500 95-500 125400.-
Oliveira,
Os abaixo asalgaaiaa, pennorados peta* atteo-
cicsas e delicadas maneiras com que (oraii trata-
dos, tanto na prospera atjan como no* .>iri>-<
eamar.'uradis das 19, 20 e 21 de jnlio pr.>*ia
passado, quando ornamos o maior risco de vdu
pela forte tormenta e veodaval qne a^salioa-ons
sbitamente, demandando nos ja o porto de abrigo
(Santa Catharina) nesta horrivel e tremenda ti
de contrariedaoe em pontrariedade, que | oo* a-
zia por sem duvida desanimar, embira daposWawa
mos toda a rondanca no OinnipoCnie e soa Saa-
lissima Mi; BMSirasta na verdade. illm. Sr. cun-
tnandante, qaaoto pode o h-ranti perito a eseio
de seus arduos devores, na difiicil e mariliaii arla
que possuis, tola a calma precisa para luiares cas-
tra as embravecidas vanas e poderos-is eleavoto* ;
comludo, prudente como sois, nao de m
verdadeiros deveres do chrisio, appellaado pan
ser dos seres clieio de Roafaofi e resigoaco, ero-
prega.sles com leus dignos olllciae* e d*ai< anar-
mcao (oda a aciividade e meios prerisos, al qa
nos levasles tranquillos ao porto da piuore.ra ci-
dade de i'aran.-igua, onde fomos ttmberri arolbiatea
por todos os seus hospilaieiros habitantes e peMoa*
g radas.
Assim, pois, aceitai, Illm. Sr. Manoel Aaowo Vh
tal de Oliveira, dlgnlssimo capilao-leoeaie da ias-
perial armada nacional, commandante do vapore*
guerra S. Francisco, nossos sinceros *9lm de gra-
lido e eterno recoahecimeaio.
Bordo ao vapor de guerra 5. Francisco, S de
agosto de 1865.
Luiz Jos d Fonseca Ramos, major.
Padre Francisco do Carmo Gomes Dioiz, rafrl-
lo da armada.
Gabriel Pinheiro de Aguiar, offlcial da pagadoria
militar.
Raymuodo I.uiz Cabral Teive, alteres.
Antonio Pedro de Miran la e Castro, erapragad
publico.
Carlos Maria Nogueira Itoumam, alferes.
Albano Luiz da Fons-ra Ramos, alferes
Joaquim Francisco de Oveira, capito.
Manoel Rodrignes de Lima Gama, capillo.
Antonio fetteira Martins, I* teoeate.
Luiz do Reg Toscano de Brito, capitao -lo SI batr
tal bao de voluntarios.
Propicio Accacio de Ollveira e soa familia.
Vapor is. Francisco.
Le sotissigm', seal passager traoger i aord da
transpon vapear S. Francisco, crcit oMig de
remereler publiquement le siear M. A. Vital defJi-
veiral comraandanr, de rame qoe soos le i
et le chef mecaoilioo M. Augusto Hiddewirth, i
du bon trai(emeni qne da eoaraga et
ment dout ils onl fait preave en prsese* n .
d-.-tits que nous avons prooves pssdaM la WtjmH
de Buencs-Ayr.'s jusqu'a Paranagn.
Ce n'est que grac.es lean efforts pe
avons cbapp anx dangers dout
l'inc-ndie i bord et on honrranca qae ata
lents. Tous les offlciers en rnoatrast le fku
sang-froid, et les pompes, lors d* la prtaveri ia-
cendie, ayant funciionnei n <* nales. m
5. wjfw*a.
Rio de Janeiro, 1 Acut 1863.
i


$
I BnHMiwa
Otarlo de jPernamfonco Quinta tetra 19 de Agosto de .<*
\ i enco.
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos, estabele-
ido cora bode* ua ra Direia n. 88 ein Pernam-
buco.
Este xarope incontestavelmente superior a to-
dos os xarop.'i depurativos, de cuja cbmposigo
o seu maior elemento a sala parrilha, pois que se
tem coahecido ser o veame mais eoetgico para a
prompta cura das molestias, cuja base essencial
depeude da purilicacao do sangue ; assim pois se
lem verificado por umitas pessoas que se achavam
desengaada?, as quaes aeham-se hoje restabelecl-
das com o referido xarope. alchoolico de veame;
entretanto que alguns, tendo usado do xarope de
Curinier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
ria, oleo de ligado' de bacalhu, e oulros agentes
desta ordem nada conseguirn). E' elle de fcil
uigestao, agradavel ao paladar e ao olphato. Al-
guns mediros desta cidade e da de Macei o teem
reeommendado para a cura das
Impigen-, linha, escrnphulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cancios, sarna degenerada, fluxo alvo.
Todas estas affeccoes provm de urna cau*a in-
terna ; nao ha pois razao aiguma era crer que el-
las se podem curar com remedios externos. Tam-
bera se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tratamento das affeccoes do systeraa nervo-
so e fibroso, taes como :
GolU, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, hypocoodrta, emmagrecimento.
O xarope "alchoolico de veame sobre todo, da
maior utilidade para curar radicalmente, e era
pouco lempo o iheumatismo.
AJverte-se que o verdadeiro xarope s se vende
resta cidade na botica cima indicada, do abaixo
assignado; e em outra qualquer parte que se tem
annunciado nao da mesma eomposico, e nem o
abaixa asguado so responsabilisa.
Jos da Itocha Paranhos.
Unidades. Valores.
cento
caada
ALFAIDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS PBEC.OS DOS GBNEROS SCJKITOS A D1RB1TOS
DK BXPORTAQAO. SEMANA DB 14 A 19 DO MEZ
DE AGOSTO DE 1865.
Mercaduras.
Abanos.......
Agurdente de cana .
dem restilada ou do reino
dem caxaca.......
dem geaebra.......
dem alccol ou espirito de agua-
ardente ....,..
Algodao em caroco .... arroba
dem era rama ou em lia <
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado i
Assucar mascavado.....
dem branco....... t
dem refinado...... <
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ........ caada
dem de coco.......
dem de mamona .... >
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
dem fina........ >
Caf bom .......
dem escolha ou restolho.
dem torrado...... libra
Caibros........ um
Cal.......... arroba
dem branca ....
Carne secca (xarque) ...
Carneiros ....... um
Carvo vegetal ..... arroba
Cavernas de sicupira urna
Cera de carnauba em bruto. libra
]dem idem em velas ...
Cha ......... i
Charutos ....... cento
Cevados (porcos)..... um
Cocos (seceos)...... cento
15500
800
800
400
800
900
35875
155000
15500
25600
25000
35500
55000
25000
15600
15000
15-200
3" O pasenlo ser realisado como determina julgar com dlreito a elle, corapareca, qaeprovando
o artigo 79 do regulamento de 9 de julho de 1864 seu dominio Ihe ser entregue. Subdelegada d>'
e a responsabilidad da entrega definitiva s ser Peres 9 de agosto de 1865.O subdelegado,
applicave ao calcamentos e aterros dos mangues. Alexandrino Martfns Correia Barros.
4- Para tudo o mais q'e nao se tem especifica- ~, j -f^- ------- ^
do as presentes clausulas, -guir-se-ha o que de- OOIlSlilat (le FAIlCe rQYm
termina o regul?menlo cima diado.
nambuco.
JURUBEBA.
A jnrubeba urna das substancias medicamen-
tosas, ao reino vegetal, e penence classe
dos tnicos e desobstrnentes. sendo em prega-
da com ?vantagem contra as febres intermitentes
acompanhadas doengorgitamenlode figado e baco.
Ella lem sido appcada com incontestavel proveito
contra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar-
rho da bexiga e mesmo para rombajer a menslrua-
co difllcil, resultante da mesma anemia ou chlo-
rose.
Extrato alcoolico de jnrubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope id-m.
Vinho idem de idem.
Piiulas de ext. idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga do Ro-
sario n. 10.
Colla........ libra
Couros de boi, salgadosi. t
dem idem seceos espichados
dem idem verdes ....
dem idem cabra cortidos um
dem idem de onca ....
Doces seceos ...... libra
dem em gela ou massa
dem em calda ..... *
Espanadores grandes um
dem pequeos...... >
Esteiras para forro de estivas
de navio........ cento
Estopa nacional ..... arroba
35000
75000
65400
65000
440
360
280
500
35200
45000
15000
35000
300
300
15500
25800
155000
450110
600
155
240
100
350
105000
15000
320
500
45000
25000
Sade publica..
Purificarn a respeilo de alyuns dos medicamentos
da casa Grimault k C.
Alguns jornaes publicaram urna ordena-
rlo il 1 conselho de sade portuguez, [que
prescreten os medicamentos preparados pela
casa Grimault & C. de Paris, com o pretex-
to que esses acreditados pharmaceuticos
bram condemnados pelo tribunal do Seina
por terem vendido medicamentos secretos
e falsificados.
Essa ordenacao parecer bem extraordina-
ria quando se tiver lido as seguintes cir-
cumstancias:
I.0 A sentenca de que se trata foi dada
sobre a denunciaco de um dos concurren-
tes dos Srs. Grimault & C., e sobre as in-
fuimac5es inteiramente erradas que foram
dadas ao tribunal.
2. A sentenca foi dada por um tribunal
de pruneira instancia, e nao tem valor al-
gum, logo, que se appcllou; foi por urna
manobra desleal e contraria a todos os usos
que os concurrentes dos Srs. GrinaultA C.,
tizeram distribuir em grande numero os jor-
naes judiciaes e mandaram publicar em
Franra e nos paizes < strangeiros urna deci-
SSo que 6 milla, sem nenhum valor emquan-
to o tribunal imperial nao a tiwr approva-
do, e depois delle o tribunal supremo.
3." O tribunal imperial nao decidi, mas
sim, por urna sentenca de 17 de maio pr-
ximo p.ssado, ordenou nova vistoria, a que
titiha motivado a deciso dos juizes da pri-
meira instancia Ihes tendo parecido insu-
ciente, depois das novas experiencias intei-.
ranpnte contradielorias de um chimico e
physiologista eminente, o Sr. D. Leconte,
pliarmaceutico em chefe dos hospilaes, e
professor aggregado da faculdade demedi-,
cia ile Caris,
4. N'essas circumslancias admira-nos
que um conselho de sade publica se tenlia
decidido sem informacoes mais certas, a
mandar prescrever ou mesmo a por em sus-j
peico medicamentos, cujas excellentes qua-
lidades e perfeita preparadlo tem sido, des- i
do muitos annos, r conhecidas por todos os
membros mais distinclos do corpo medical,
e que tem os nicos defeitos de serem me-
Ihores, menos caros e mais procurados do
que todos os remedios de seus concur-
rentes.
Farinha de de mandioca
dem de araruta .... arroba
Feijao de qualquer qudlidade t
Frechaes ....... um
Fumo em tolha, bom arroba
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom......
dem ordinario ou restolho.
Gallinhas ....... urna
Gomma........ arroba
Ipecacuanha (raiz)..... 1
Lenha em achas..... cento
Toros......... ,
Linhas e esteios...... um
Mel ou melaeo...... caada
Milho......... arroba
Papagaios ....... um
Pao Brasil ....... quintal
dem de jangada...... um
Pedras de amolar .... urna
dem de filtrar .....
dem de rebolo ......
Piassava........ molho
Ponas, ou chifres de vaccas ou
novilhos....... cento
Praiichoes de amarello de dous
costados....... um
dem de louro......
Rap......... libra
Sabao......... >
Sal. ......... alqueire
155000
15600
alqueire 25500
45000
25800
55000
1
85000
850.10
55000
600
25500
255000
25000
115000
65000
240
900
35000
55000
5500O
800
45000
15000
120
35500
205000
IO5OOO
15000
120
400
Salsa parrilha.......arroba 255000
Sebo em rama...... > 55000:
dem em velas....... 750001
Sola em vaqueta......urna 2>000
Taboas de amarello.....
t diversas.......duzia 1405000
Tapiocas......... 875000
Tatajuba........arroba 35000
Travs.........quintal 25000
Vassoureboi ......urna 6fi0eo
Ditas deas de piassava cento 200
Ditas de timb........ 105000
Ditas de carnauba..... 85000
Vinagre.........caada 500
Alfandega de Pernambuco, 12 de agosto de 1865
(Assignados):
O 1." conferente, Joaquim Aurelio Wanderley.
O 2. conferente Carlos Augusto Lins de Souza.
Approvo.-Alfandega de Pernambuco, 12 de a-
goslo de 1865.A. Eulalio
Conforme. O 4." escriplurario, J. a"Avila Bi
tencourt Nenas.
HEoEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 14...... 19:913508a
dem do dia 16................ 8665035
ConformeA. F. d'Annunciaeo.
film. Sr. inspector, da ihesouraria provincial
em eumpriment) da ordm do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda fazer publico, que no dia
24 de agosto prximo vindouro, perante a junta da
fazenda da mesma thesouraria, se ha de arrema-
tar, a quem por menos flzer os reparos da ponte
do Rio Formoso, avallados em 1:5515000.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
Mes chers compatrjotes. Votre assislance au !
Te Deum cham dans i'Eglise de nolre Dame de
la Penlia, nialgr un temps excepliounellemeot
mauvais.a t tellement nombreuse qn'il m'est im-
possible do ne pas vous exfirimer la profond satis-
faction doni elle m'a penetr. Soa Excellenee Mon-
1 sieur le Presideut de la Provinee, les aulorils ci-
i viles e.t miliaires et mes collgues extrangers qui,
par nn sentiment deronrtois simpathe pour la
clausulas espec.aes a ba.xo copiadas. : Pranre sont veniI< (.| .l(jr noQ, -f,e ^
,n^r/,faSqUef Proporem a essa arn matcnoa g^ Napolen ll aunmt t lonches de lant
T C na S 66t^S. rf'' V J d'empresUment et leur patr.otisme aura compris
tDememer naTS'aT'0' Pe' me' ^ ^ !B ^ N -***&> S- ce.le ff
Para a Baha
at o dia 20 do presente mez preteude sabir tpm
falla o veleiro e bem cunbecido p.lacho nacioi!
D. Luix, capilao Jos Teixeira de Azevedo : para
a carga que Ihe falta trata-se no largo do Corpo
Santo n. 4, com o consignatario Jos Maria Pal-
meira.
Para o Porto por EJaboa
pretende sahir com a possivel presteza o brigne
Pernambucano : para carga e passageiros, a quem
offerece bons commodos, trata se com o consigna-
tario Th imaz de AqaiBo Fonseca, ra do Vigario
n. 19, primeiro andar.
Para o Rio de Janeiro
Pretende seguir com umita brevidade a barca
nacional feslaurarao, lem parle do seu carrega-
mento pronpto: para cotnpleta-lo, e juntamente
para escravos e (retes, para os quaes lem excellen-
honorentle pavs 0111 les inspire et j'ea remercie, en tes commodos, traia-.-e com os seus consignatarios
3. paraconslar se mandou publicar o prsenle ,oUfe Hlusion de Ur la Colonie Frangatse de Per- Amonio Luiz' d'OHveira Azevedo C. no seu es-
pelo jornal.
Secn'tria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de julho de 1865.
o secretario.
A. F. d1 Annunciarao.
Clausnias especiaes para a arrematacao:
1.' Os reparos da ponte do Rio Formoso,
nambuco.
Le Cnsul
Osmin Laporte.
criplono, ra da Cruz n. i.
I lida de Am,*mb, Frozn. Sank* i, r.., t JK$prhn
1 do Illm. Sr. Dr. >uiz especial d- e.miiMTcio. lar
leilodj sitio e. casas acuna mencionadas, patea**
desdejaos pretendent-s nror"l-reni ao rrf-ndV
examp, ciijo Mlio se./ emtUmt
Terra-feiri lt 4o n.rrrar a II heraa.
Noarmazem a ra da Crm n '>'.
"XeTla"
Da excellentc rhacra Ai Biat. Sr. rfi>i*n.barsa**
Doria, no Manyoinb'i, fooi tt ;" '-moarees
que podem ser examinad t tr ,1 j*Un .
tendentes. 08 qaast dev-rao HMM ao MSo
no dia
Tercafcia 21) I? ifNfli a.* i I VWm
tiii ptutoi
Por inlervencao do ag,.-nl Pit.. >fn {rente a
Associai;o Commenial.

De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ria de f.v.emla desu provincia se fai publico Mra
sero conhecimento de loaos, a circular do iribunal do
feitos deconformidad'e pom" orgamenlo junto na thesouro n. 27 de 20 do julho ultimo abaixo trans-
imporlancia de 1:5515000. *
2." As obras devero ser principiadas no praze Slcrefcria da ihetouraria de fazenlade Perna
itfo
de 25 dias e concluidas no da 3 meses, ambos
contados da data da approvaco da arrematacao.
3." Os pagamentos sero realisados em duas
prestacoes iguaes, a primeira quando tiver metade
das obras, e a segunda na sua concluso e entrega
defensiva.
4." Para tudo que nao esliver especificado as
presentes clausulas e ornamento, seguir-se ha o
que dispoe o regulamento de 9 de julho de 1865.
Conforme.
A. P. Annunciagdo.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre
buco, em 14 de agosto de 186j.
Servindo de official-maior,
Manoel Jos Pinto.
Circular n. Z1.
Ministerio dos neencios da fazenda. Rio de Ja-
neiro, pm 20 de julho de 1865.
Jos Pedro Dias de Carvalho, presidente do tri-
bunal do thesouro nacional, tendo resolvido que
se snbstituam as olas de 105 da 2* eslampa, cor
de tena, ordena aos Srs. inspectores das ihesoura-
rias de fazenda que, mandando publicar esta reso-
lucao por annuncios nos peridicos das provincias
Tissot Frers previnem aos carregsdores dos na
vios da linha do Havre a' Peroamiiuco, que o fret>>
do Guillaum* Te 11, esperado a cada momsnto, tem
sido abaixadoa SOfs. e io%, o do Sphre a car-
ga no Havre a 3 fs. e 10 0|0, e que talv<-z o dos
navios segrales sera' ainda mais em conta, o que
Ihes sera' avisado por vi i desie jornal. Os navios
estao aoisposico do carregadores para ;js voltas
a um frete aba'ixo de 45 fs. e 10 | conforme se
ajustar com os annuncianles, ra do Trapiche n. 9.
Para o Rio a Prata ou ltio~
Grande
Freta-se a barca nacional Restaurado : a tra-
tar cora os seus coiHgnaurios Antonio Luiz de
sidente da provincia, manda fazer publico, que no
dia 24 de agosto prximo vindouro, perante a juo-1 renda das respectivas thes'ourarias, solicitando a
la da fazenda da mesma Ihesouria se ha de arre- remessa dos fundo* precisos no caso de deficien-
e por editaes afflxados em todos os municipios, pro- Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
cedam referida substituico com o produelo da Cruz n. t.
matar, a quera por menos lizer os reparos urgen-
tes de que precisa a eadeia di villa do Limoeiro,
avahados em 3:4185150 rs.
A arrematac/io sera feila na forma da le provin-
cial n. 343 de'lo de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessas que se proporem a essa arrematacao
comparecam na sala das sessoes da referida junta,
no da cima mencionado, pelo meio dia e compe-
tentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. d'Annunciaio.
Clausulas especiaes para a arrematacao :
1.* As obras dos reparos da eadeia da villa do
LEILOES.
ca da rnesma renda ; e remellan) mensalmente ao
thesouro as notas que se forem substiluindo, devi-
damente carimbadas e inntilisadas.
Nos annuncios e editaes far-se ha a deelaraco
de que em lempo competente se marcar o da em
que deve principiar o descont da lei no valor das
notas que nao tiverem sido at ento substituidas.
Jos Pedro Dias de Carvalho.
Convida-se as pessoas que estilo as
coodices do serrico militar, a engajarem
no corpo de polica e gozarem das vanta-
gensdi lei provincia! n 611 de 2 de maio
prximo passado, que sao as seguintes:
10400 rs. diarios de sold, serem seus fi-
Ihosmenires recolbidos aos estahelecimen-
tos provincias de educaco e o lempo que
Limoeiro, serao fetas de conformidade com o or- .' m.prr-a cPI- contado nelo rlunlrt
camento respectivo na importancia de ris ...... tstiverem na guerra set contacto peio tupio
3:4185150. para, o caso de aposentadona, e alem destas
2.* O arrematante dar principio ao trahalho 15 tem todas as mais vantagens que sao con-
dias depois que se lizer a arrematacaoe as devera ceLjti3S aos voluntarios di patria. O te- amareiio^aparadores 1 piano'du armario guarda
HOJE.
Pelo agente Enzebio
De um sobrado n. 7 na ra do Padre Floriano,
chao proprio, r-nde 4805-
De duas casas terreas na rua do Gaz, sao novas
acabadas ha poneos dias, de ns. 4 e 6, rende 165
por mez cada uina, chau foreiro.
De duas casas terreas n>. 32 e 34 na rua da
Praia do Caldeirero, tem sotao, bem acabadas e
quasi novas, chao loreiro, rendo 315000 por mez
cada uina
Um sobrado de um andar na rua Imperial n. 95,
chao foreiro, rende 300,5 por anno.
De mobilias completas de Jacaranda, dita de
nen te-coronel
concluir no prazo de 3 raezes.
3." Os pagamentos sero feitos em 3 prestacoes
iguaes a cada terga parte da obra correspondente, polica, Alexandre de
4." O arrematante seguir naextcuco das obras' que.
as tnstruccoes do engenheiro, que a inspeccionar.
5.* Para tudo quanto aqui nao estiver previsto
observar-se-ha o que dispoe a lei o. 286.
Conforme,
A. F. a"Annunciarao.
commandante
Barros
do corpo de
e Albuquer-
No dia 18 do corrente, pelas 4 horas da tar-
de, depois da audiencia do Sr. jui/. de paz do 3o
districto da Roa-Vista fio praca dous bois de
carraca penhorados a Joo Antonio de Ohveira, os sexos etc.
roupa, guarda vestidos, I michioa para costura
relogios de algibeira de ouro e prata, 1 mesa els-
tica, 1 toilrtde. Jacaranda', quadivs com diversas e
linas gravuras. marquesas lamas e estreits, ca-
mas francezas de Jacaranda' e amarello, objecios
de porcelana para cima de mesa, caudioiros a
gaz, objectos de ouro e prata, escravos de ambos
O Dr. Trisuio do Ahincar raripe, offlcJaVda ira- ff *fa toT^uta da Silva, cuja praca :
perial ordem da Rosa e juiz especial do com-
mercio nesta cidade do Uccife, por sua Mages-
tade Imperial, ele.
Faco saber aos que o presente edital virera e
d'ulle noticia tiverem, que por este juizo especial
do commercio pandean OOS autos de execugo de
sentenca de Joaquim Elvira Alves da Silva, contra
Francisco Santiago Ramos. E tendo se feito pe-
nhora em dinhelro periencente ao ejecutado, ora
lem lugar na rua da Soledade.
No dia 17 do corrente, depois da
do Sr. juiz de paz do 2o disficio da Roa-Vista,
a' praca diversos movis penhorados a Jos Aman-
ci de Oliveira Goimares, por execuijo de Ber-
nardo da Cuoha Teixeira.
iio.ii:
Quinla-feira 17 do corrente as 11 horas,
audiencia NO GRANDE ARMAZEM E LEiLUES
va DO AGENTE
Consulado Conformo o art. 7 da convenci consular entre
pelo solicitador Ignacio Barroso de Mello, procura- o Brasil o a Krroca, o cnsul francs
dor do exequente, feilo o requerunento do seguiu
OLYMPIO
36Rna da (oira do KecifeM
faz
20:7795137
CONSULADO PROVINCIAL.
fendimentodo da 1 a 14.
Idera do dia 16.........
35:2985528
1:9015718
37:2005246

^lENT M ?01T0
Navio entrado no da 16.
Rio de Janeiro8 dias, corveta portugueza Este- \
phania, commandante o capito-lenente Alvaro
Jos de Souza Soares de Adra.
/Vacio sahido no mesmo dia.
Cabo-VerdeBngue austraco Sowemr dua Havre, |
capito M. Dabenovech, em lastro.
te termo.
Aos 7 de agosto de 1865, em publica audiencia
que aos feitos e partes dava o Dr. juiz especial do
commercio Tristo de Alentar Araripe, pelo soli-
citador Ignacio Barroso de Mello por parle do exe-
quente. aecusou a penhora feita em dioheiro per-
lenceOte ao execuudo Francisco Saatiago Ramos,
e requerido que Ihe ficassem designados os 6 dias |
da lei, e dez aos credores incertos p;ssando-se os
respectivos editaes para que tenham sciencia os
mesraos credores ; o que Ihe foi deferido pelo refe-
rido juiz, precedido o pregao do esiylo, e para
constar fiz o presente do protecollo das audiencias
a que junlei a carta precatoria e penhora que se
gue, eu Adolpho Liberato Pereira de Oliveira es-
crevente juramentado o escrevl; eu Man. el Ma-
ria Rodrigues do Nascimeuto escrivao o subses-
crevi.
Por forra do meu despacho o escrivao fez passar
o presente edital pelo qual chamo, cito e hei por
intimados os credores incertos .do dito executado
para que comparecam neste juizo dentro do dito
prazo, afirn de allegaren) o que fr de justica.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar a presente que ser publicado pela
imprensa e afflxados nes lugares do costume.
Recife, 9 de agosto de 1865.Eu Manoel Maria
Rodrigues do Nascimento. escrivao osubscrevi.
Tristo d Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commercio nesta cidade do Recife. de Per-
nambuco, por S. M. 1. e C. o Sr. D. Pedro II. a I
quem Deus guarde, etc.
Faro saber aos que o prsenle edital virem e i
delle noticia tiverem, que por parle de Francisco
me foi dirigida a peticao do
publico,
que filleceu ni dia 14 do crtente o suhlilo fran-1
cez Cainoios, Hatliieu Pierre Victor. Pernambuco
16 de agosto de 1865.O cnsul de Franca
Osmin La porte.
No dia 18 do corre .to mez, (inda a audiencia
do Sr. Dr. juiz de orphos vo a' praca de venda
urna porco de ouro e prata, movis, e casas da ;
rua de Aguas-Verdes n. 11, duas na rua Imperial
ns. 274 e Sf8, e ama casa de taipa no Barro, o-
berta do telha.____________________________!
(lorreio gentl.
Pelaadministracao do correio desta cidade se faz '
publico, que, era vutude. da convenci postal cele-
brada pelos ovemos brasileiro e mglez, serao ex-
pedidas malas para Europa no dia 15 do corrente
mez pelo vapor ingiez Oneida.
As cartas sero recebidas at 3 horas antes
da que for marcada para a sahida do vapor ; e os
jornaes at 4 horas antes.
Admioistraco do correio de Pernambuco 12 de
agosto de 1865.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
LEILO

De urna victoria com a competente parelha de ca-
vallos, 1 carro de 4 rodas com 2 cavallos e ar-
reios 1 cabriole! de 2 rodas com arreios, 1 ca-
briole! de 4 rodas coherto, um instrumental
completo para urna msica, objectos de ouro e
prata e muitos oulros rticos.
Quinla-feira 17 do corrente as 11 huras.
NO GRANDE ARMAZEM DO AGENTE
OLYMPIO
3lina da Cadeia do Recife3
Ii2IIil
Sexta-feira 18 de agosto.
Pelo agente fcuzebio.
De duas mobilias de Jacaranda, novas, com tam-
po de pedra, um guarda roupa do amarello novo,
e diversas obras de mareeneria, que se vendern)
por maior prego.
THE 1T1W
DE
Leilfio
EMPREZA--COIMBRA
Recita extraordinaria.
i De urna mobilia de Jacaranda constando de 12 ca-
deiras de guarni;o, 4 ditas de bracos, 1 sof,
2 consolos, 1 mesa com pedra raarmore.
Sexta-feira 18 do corrente as 11 horas.
No armazn a rua da Cruz numero 57.
CordeiroSunes far leilo da mobilia cima
| mencionada no dia e hora acuna dito.
LEILJL
Gomes de Oliveira, .
lX:lruiD? iuiz do comraercio.-Diz Francisco Sabbado 19 de agosto de;De movis e outros objectos
Ctixa filial do naneo do Brasil em
Pernambuco.
A directora desla caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de pernambuco.
dmlnistndores da massa fallida de Joaquim
!- Silveira pagara o Io dividendo de dita nmsa
na razao de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
mettidos : no novo banco de Pernambuco rua
do Trapiche n. 34.
\ovo banco de Pernam-
buco.
O banco desconta I etras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de seis mezes,
Caixa fllial do banco do Brasil
enf Pernambuco.
De ordem da directora desla caixa se faz publi-
co aos senhores accionista?, que o respectivo Ihe-
soureiro est aulorisado a pagar o 23 Idividendo
do semestre lindo em 30 de jonho ultimo |a razao
de 123 por aego.
Caixa filial do banco do Brasil 15 de julho de
1865.
O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
EDITIES.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 14......
Wem do dia 16...............
259:001,5287
21:207*350
280:208*637
MOVIMENTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas----- 34
t < com gneros..... 137
-------161
Volumes sahidos cem fazendas..... 24
e cxn gneros..... 402
------- 426
Descarregam uo da 17 do corrente.
Barca inglezaLookOutraercadorias diversas.
Sumaca hespanholaFiwla;vnoos.
Barca francezaGuMurme Telldiverros geneeos
de estiva.
Barca ingiezaflida/jo -pedra para calcamento.
Brigue portuguezS. Jos charque.
Barca nacionalValle idem.
Barca ingleza On'oncarvo.
Brigue ingiezCleveragh idera.
O Illm. Sr. inspector da theseurarla de fazenda
desta provincia, manda fazer publico, que tem mar-
cado o dia 11 de setembro prximo vindouro, para
o concurso que se tem de abrir nesta mesma the-
souraria para preenchimento das vagas de prali-
cantes existentes nesta repartidlo, na alfandega e
na recebedoria de rendas.
Os exames versaro sobre as materias de que
trata o Io arl. I do decreto n. 1,114 de 27 de
junho de 1863, a saber : leitura, analyse grarama-
tical e orthographia, arithmetica e suas applicacoes
ao commercio, com especialidades reduccao de
mondas, pesos e medidas, calculo de descont, juros
simples e composlos, tneoria de cambios e suas
applicacoes.
Os concurrentes devero previamente apresen-
lar seus requeriraenlos instruidos de documentos
que proven) idade completa de 18 annos, isenco
de pena e culpa e bom comportamento na forma
do art. 3 do decreto n. 2,549 de 14 de margo de
1860.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco, 8 de agosto de 1865.
Servindo de official-maior,
Manoel Jos Pinto.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, era cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda fazer publico 'que no
da 17 de agosto prximo vindouro, perante a jnn-
ta de fazenda da mesraa thesouraria, se ha de ar-
rematar a quem por menos fizer, os reparos de
2,095 bracas crranles na estrada do sul, do mareo
8.000 bracas at o porto da barrelra da ponte
dos Carvalhos, aveliados em 3:313*000.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 13 de maro de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao, comparegam na sala das sess5es da referrtta
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria proncial de Pernam-
buco 13 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. d'ArmunciacSo.
Clausulas especiaes para a arrematacao.
i' As obras dos reparos da estrada e erabarrea-
mento, entre o marco de 8,000 bracas e a barrei-
ra da ponte dos Cwvalhos na estrada do sul, sero
feitas de conformidade com o orcamento junto na
importancia de 5:313*.
2" O arrematante dever principiar as mencio-
nadas obras no praso de 15 dias e conclui-las no
de 5 mezes, ambos contados da data da approva-
co da arrematacao.
Gomes de Oliveira, como lestamenteiro oe Henri
que Gibsoo, que sendo Antonio Basilio Pinheiro
Leite, devedor da quantia de 557*430 e dos juros
de 2 % ao mez, importancia de urna letra por elle
aceita, vencida em 11 de agosto de 1860, quer o
supplicante inlerromper a presrrip?o, para cujo
Om requer a V. S. se sirva mandar tomar por ter-
mo, e como osupplicado se acha ausente era lugar
incerto, quer justificar, afirn de ser ciado por edi-
tos, designando V. S. dia e hora para produzir suas
testemunhas. Pede a V. S. assim Ihe delira.E.
R. M.-Alcof.rado.
E mais se nao contlnha em dita petiejio aqui co-
piada ; na qual del o despacho do theor segrate :
Justifique hoje ao meio da. Recife 11 dd agosto
de 1865. Alencar Araripe.
E mais se nao continha em dllo despacho aqui
copiado. Em virtude do qual fura a mesraa petizo
distribuida ao escrivao que ante mim serve, Manoel
Maria Rodrigues do Nascimento, o qual fez lavrar
o termo de protesto do theor segrale :
Termo de protesto.
Aos 11 de agosto de 1865, em meu cartoriocom-
pareceu o supplicanle e disse por seu bastante pro-
curador Flix Francisco de Souza Magalhes, e por
este fra dito perante mira e as testemunhas infra
assignadas, que reduzia o protesto conteudo de sua
peticao retro, a qual offereceu como parte do pre-
sente que tica sendo, era que se assignou com as
indicadas testemunhas, eu Adolpho Liberato Pe-
reira de Oliveira, escrevente juramentado o escre-
vi, eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao o subscrevi.Flix Francisco de Souza Ma-
galhes.Manoel Rayraundo Penaforle, Francisco
Kgydio de Luna Freir.
EJinais se nao continha em dito termo de pro-
testo aqu copiado. E tendo o supplicante produci-
do suas testemunhas sellados e preparados os au-
tos subiram a minlia concluso e nelles dei e pro-
fer a sentenca do theor seguinte :
Hei por justificada a ausencia; e mando, que o
supplicado soja citado por edilos de 30 das para
o hm requerido. Recife, 13 de agosto de 1865.
Trislo de Alencar Araripe.
E mais se nao continha em dita sentenca aqui
copiada. Por forca da qual o referido escrivao fez
passar o presente, pelo qual chamo, cito e hei por
intimado ao supplicado Antonio Basilio Pinheiro
Leite, para quaiompareca neste jtoizo dentiodo
Indicado prazo afim de allegar o que fr de justica.
E para que chegue ao, conhecimento de lodos
mandei passar o presente que sera publicado pela
imprensa e afflxados nos lugares do costume.
Cidade do Recife de Pernambuco, 16 de agosto
de 1865.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimeao, es-
crivao o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe,
1865.
Representar-se ha o interessante e muito ap-
plaudido drama em 5 actos
UM 0U4DRO 4 VIDA.
Dar Tira ao espectculo a graciosa e linda co-
media em 1 acto ornada de msica
MUilQUMhS A LEITEItU.
PERSONAGENS.
Augusto....................... Lisboa.
Manoel........................ Teixeira.
Mariquiohas................... D. Eugenia.
Genoveva.'.................... D. Camilla.
Camponezes, etc., etc.
Comecara' as 8 horas.
Cordeiro Simdes
far leilo por conta e risco de quem perteoccr
de urna mobilia de Jacaranda, 1 cama de dito, mar-
j quezas de um avilo, 1 mobilia de amarello, cadei-
\ ras, comraoJas, quadros, laoternas, berc\> de faia
i e outros objectos isto
Sexta-feira 18 do corren te as II horas
57No armazem a rua da Cruz57
Leilo de trastes de casa de familia.
Cordeiro lines
' por conta e ordem de urna pessoa que se retira pa-
| ra fora da provincia, far leilo de urna mobilia
! de amarello, cadeiras avulsas e outros trastes exis-
tentes no primeiro andar do sobrado da rua das
Cruzes n. 33, aondeser effectuado o leilo isto
Ssbbado 19 do torrente as 11 horas.
[J..'!LJ!.-..!
BECURigOES.
Pela subdelegada do Peres foi recolhido a
deposito um cavallo castanho, castrado : quem se
ATBOj MARTIMOS.
COMPANflI BUSILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR,
Dos portosdo norte espera
do at o dia 17 do corrente o va-
por Cruzeiro do Su/, comman-
dante Alcoforado, o qual depois
da demora do costume seguir
para es portes do sul.
Desde ja receben) se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no (lia desua chegada, encetimen-
das e dinheiro a frele at o dia di saluda as 2 hor
ras da tarde : agencia roa da Cruz n. 1, escripto-
ri > de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMRUCANA
DE
Xavegacao costeira por vapor.
Parahyba,*Natah Macan, Aracaly, Cear
e Acarac
No dia 22 do corrente segu o
Pirsmunga, commandante Lats,
para os portos indicados. Recebe
carga at o dia 21. Encommen
das, passageiros e dinheiro a fre-
le at as 2 horas da tarde do dia da sahida. Es-
criptorio no Fone do Mallos n. 1.
Veudem-se as barcacas Paran, de 23 caixas
e Snno Antonio de Barreiros de 15 ditas, appare
Iludas de novo e bem construidas : a tratar nesta
praca cora os Srs. Antonio Lopes Braga & C, ou
no Rio Formoso com Joao Alfonso Ferreira.
Iltaa de s. Miguel.
Segu impreterivelmente no Rui do corrente mez
o palhabate portugnex Pensamento, de 1* classe :
quem no mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gem, dlrija-se a Bailar & Olivara, rua do Vigario
numero 10.
LEILO
IiislituTo .lrdiruloyir e Gr-tgraabieo f,
linean*.
Ha ver sessSo ordinaria quinta-feira 17 !> nr-
reir, as II horas da meaba*.
Ordem do dia.
Trabalhos e parecere> de commi**Tes.
Secretaria do Instlalo 14de ;igtc de 18o..
J. Suarr-s de A/.-w : .
Secretario pHpafni
A pessoa que Irouxe .lo M ii un)
earta do Sr. Claudioo Facao Dia.-:, pan l
proprieta io iie*ta lypugrapiia, '|u.-ir ;i
maiula-la cnlregjr, pois leu i|ue i* e-
ponder.
CONTRA FOCO.
A Companhici Indenmisadom
estabelecida nesta praga, toma seguros marifimrx
sobre navios eseus carreganienius t MM fo em
edificios, mercadorias e moi-ilin: uo seu e>cnplo-
rio, rua do Vigario n. i, paTMBMk) t ma
Quem precisar de uina ama para o *>rvro n
terno de casa de familia: dirija-se rua da- ljn,v-
Pontas n._87.______________________
LOTERfif
AOS 6:00000.
Ter?a-feira 31 d'> correnl.; ni.'z. se e\-
trahir a 3a parle da V e Ia da 2' buril
("8*) a benelicio da mairiz d) Vi.i.wia.
no consistorio da i^reja de N.a S -,
do Rosario da freguezia de Santo Anti>ui<>.
Os billielos, ineios e ipiarlus esto a ven-
da na respectiva thesouraria a rua do t;re?-
po numero lo.
Os premios de 0:0006000 at MpM
sero pagos una hora dejiois da extrac>;S at as 'i horas da tarde, e os outros depiis
la dislrihuico das listas.
As encommendas s rao guardadas so-
menle at a noite da vespera da extraer*
como de costume.
Scr?inlo de thesoureir.'.
Jos Kodriguesde Sotua.
Aluga se um encllente terreno para rnefeei-
ra de b>is e carrosas, com rep^rtininuto para !-
radia,e em exceileote loralidade : ni paleo d S.
Pedro n. 4 se dir.
Aluga-se ou arrenda-se mesmo por temp.
um terreno devoluto todo murado e excell^nti para
deposito de bois e quaesquer onlros oljr.-f* : a
tratar na rua das Cruzes n. 42. __________
Quem tiver nina escrava rom alirum lfe <
a queira alugar, aonuocie para ser pr>rcri la.
No da 12 d corren!-; mez d* a^o-t. au-MS-
tou-se da casa do conMneinlaAr A Pir Ferra-
ra, rua da Imperalriz n. 62, um mu itmbo .ea %>
cravo, de nome Ignacio, que diz ser filho prrta
Delphlna, moradora em Caruaru', o qual l-m os
signae- seguintes : baixo, gros.~>. cab-Hos anubla-
dos, idade de 12 a 13 annos. levou v-i,.l imisa
branca de algodaozinho, calca e ja |a ;ia dinho, tem urna cicatriz na testa. ter
sido levado para Caruaru' ou outro qualquer In^jr
por um serlanejo : quem o |>*gar e l-var a rua Ja
lraperatriz n. 62. ser bem revomu-nsailo.
Precisa-se de um sacerdo^ para t iHl no
termo de Cimbres, comarca do Brajo da Madre e
Dos : a tratar no > andar do sobrado n. tfo, rua
Nova, esquina da rua do Su.______________
Precisase do um b>:n fjrneiro para ama
padaria no lugar de Tr.imbeU : a tratar aa raa
das Cruzes, padaria n. 32._____________________
Aluga-se urna ca-a terrea -m bom ^-ladV),
na rua da Alegra n. 16 : a tralar na rua d.. Ma-
triz da Boa-Vista n. 54.________________________
OSr. Joao Miguel de Oliveira BeiaiJ \ n-ira
dirigirse a rua Nova n. 60, a tratar 4- n-j; *i-*s
que Ihe dizem respailo.______________________
Pede-se ao fiscal da Boa-Vi-la que lan v >nas
vistas para um rebauho de cabras que r.
las ras dos Coelhos, Prazeres e Santi Cruz. -
porcalhando nao s6 as calcadas como as escaafr
dos sobrados, e desla maoeira incoenn>>Jad.
habiunles das diUs rua*, eslou rerto m*1 ramHjn-
ra o que manda 3S lew muwcipaes.
Pede-se ao Sr. IdeMmsn Vipira da Cunda
que venha ou mande rondoir o n< t.*'
ignora, pois j faz bastante lempo : na rua Ja Im
peralriz n. 17,2 andar._________________
No da II do corren* furnram rw !i
Praa um burro eaataaka* ca^tr.-i.. lo na
Idade, cujo burro lem a marca J S. I. n> qi- (>
direito, e estava carragado aaai aanti ^rr..
e 8 arrobas da carne : quem aHi m uoii-ia r
ta ao Sr. Antonio C. Moreira Teaaaaaal >' rua *
Cruz n. 30, ou ao engeuho Roa CasU da fregurua
do Cabo, ser bem recomp*nado.
DE
L'ma casa terrea n. 38, na Soledade rua do Corre-
dor do Rispo, em chaos foreiros, rende 12
mensaes e paga de foro 23 por anno.
Cordeiro Slmdes
por conta e risco de quem pertencer far leilo da
casa terrea cima descripta islo
Terea-fetra 23 de corrento as 11 horas.
No armazem a rua da Cruz n. 57.
Leilao de dividas.
Cordeiro Minios
far leilo a requerimenlo dos administradores da
massa fallida de Amorim, Fragoso, Santos & C e
despacho do Illm Sr. Dr. juiz especial do cwn-
mercio de 20 ttulos de dividas todas na impor-1
tanda de 6:6805.57. rs ; os pretenJenles desde
j podero examinar os referidos titulo*, es quaes,
se acham em poder do dito agente cujo leilao ser
effectuado
Terea-feira ii do cerrente as 1 i liaras
No armazfii a nn da Cruz n. 57.___________
LEILAO
De um sillo e casas de taipa no lugar
do Peres e Afolados, a weira da es-
trada que v *i para Jaboalao.
Como seja :
1 casa de taipa com 17 palmos de frente
de fundo.
1 dila dita com 27 palmos de frente e
fundo.
1 dita dita com 15 palmos de frente e
fundo.
1 dita dita com 17 palmos de frente e
fundo.
1 sitio com 600 palmos de frente e 610 de fun-
do com cacimba e arvoredos, todos esses predios
era chaos foreiros.
Cordeiro Simos
a requerimeato dos administradores da massa tal*
Jo-e Jarome de Araujo, advogad .l amM>-
rios das comarcas do Rio Furm- *o, Palma '*. fl&r-
to Calvo e seus temis, encarrer-** para "***
logares de qualquer cobranca amisftvci .u ja*-
cial : quem de seo presumo qohwr se anlisar. t
de dirigr-se por estes oiio dia* .' iraves* .la Om-
cordia o. 13, e depois na 'illa de Senn!aem.
AVINO
Ausentou-se no d-tmingo |T, do e.>rrinie. o r+-
cravo Antonio, con o- sicnaes segoiMm : ate-
to, de Nacao, dade 45 ano ptOM ma:- i me-
nos, estatura regular, ch^io do r.rpo, barba fc-ta,
rapada, e lera alguns cabellos branc na rak>ra.
abre bastante o< ps paraos la >> .piau-lo mii.
gagueja bstanle com especialidad* miaa-io **
zanga ou se leme d" algum i an levou eslim>
camisa de cbiia encarnada, cal^a de casimira
e chapeo de palhinha pr lo. EL-" l ; em vender agua na rua e consta ler sido enrommm-
do nesle gyro na freguezia da Bvi-Vi-ta : iiiseiw
pegar leve-o a rua e-treita do Ro-ari u.
ser recompensaito.
H PnT-sa-se alugar urna c i-a |.ra r ^
^B jes eslrangeiros f\w f<% a Ca>niii:a. J
jH Passngem, Mangumh, K-lancia on PnM |
y^, de l'clia : a iraur na rua d Vigan >
n. 3.
ftl33IfS
m
e 40
40 de
40 de
40 de
Precisa-ie de um caixeiru para i*U-rna. mtv
d llador a sua c m luet i; M rna dos .\*vniaiii>
n. 2.
Acha-se fgido de bord<> da liir--. ^ra-lle:rl
Rettauracao, o escravo cnoolo de n>>me Aetmi".
de idade S3 annos pouco aai* oo immat, iiIjMt
regular, sem barba, levon re-tid> r*m't* aral
cal^a branca : qnem o levar a borde da dita barra
ou ao escriplorio de Antonio Luiz deOirreira Ase-
vedo & C, ser genero^amenle reeeojpaojaift.
Quem precisar de do meotao para lea calcados ou ferragens, annunew por ale jaraai,
dan^o a rua e o numero da casa
Aluga-se o 4o andar do s .orado 19, su
rua Nova: qnem pretender dirija se a rea da Ca-
deia 62, 2 amar.



Diario de Fernambnco ... Quinta letra 19 e Agosto de ttttft.
*
CASA DA'FOIPJ
Aos 6:

Uilhetes garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
Oabaixoassiguadovendeu nos seus muito feli-
res bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
de extrahir, a beneficio do tbealro de Santa Isa-
bel, os seguimos premios :
Um meio n. 2182 com a sorte de 6:0005.
Dous quartos n. 2745 com a sorte de 1:200^00
Um meio n. 1379 com a sorte de 4005000.
E outras muitas sortes de 1005, 405, 205 e
10000.
Ospossuidores podem virreceber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da 1* e da
2a lotera (28*) beneficio da matriz da Victoria,
que se extranir terca feira 22 do crreme.
PRECO.
Bilhetes.....75000
Meios......35500-
Quartos.....l9lXF
as pessoas que coniprarem de 1005000
para cima.
Bilhetes.....65500
Meios......35750
Quartos.....15700
Manoel Muvtins FlUZA.
PHOTOGRAPHIA
TICA
1L&
m
'*< i
DE
Para
25 Ra Nova (esquina da Caraboa do Carmo) 25.
Os proprietnrios deste estabelecimento, desejando satisfazer os numernsos pedidos de seus freguezes, acabam de receber de seus correspondentes de Pars, um grande
I sortimento de relalos (cartoes de visita) das personagens as mais celebres da Europa, asnm com receberam tambem urna quantidade de alinetes e cassoletas para retractos, do
mais apurado gosto e por precos mnito diminuios.
Os mesmos aproveitam a oecasiSo para prevenir ao publico e recordar aos seus numerosos freguezes, que ellcs trabalham todos os das, domingos e das santos, das 9
; horas da manbaa at as 4 da tarde e que os lempos de cbuva _ao iofloem em nada para o bom successo dos retratos, pelo contrario o sol entre nuvens .mil vezes preerivcl
| sobre todos os pontos, tanto pela rapidez da operaco, como pela commodidade das pessoas.
A grande quantidade de pessoas que tem visitado este estabelecimento nestes dous annos em que se acham eslabelecidos nesla cidade, e que no ser menos de cerca
i de '5,900 a 7,000, para ellos urna garanta futura, poslo que se appliquem loduS os das, para que todos saiam contentes e satisfeitos.
fcETIATISTAS
Firraino Lins
i\ovo cslalielccineptt de retra-
tos rv Nova n. 15, Tai-
dar, junte ao Sr. Gailier,
dentista.
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas
da manbaa as 5 da larde, qner chora oo
nfio.
Tambern se nlTerererr. para lirai retra-
tos de p>-ssoas fahVeaV, dentro oa fra
1 ,^f da cidade.
1 jjj Os annnnrlantes riesejando acreditar
j ^ seu e>i:>h"l''cimenlo, garaoaa ao publico
que neahum Irahalho sabir M,MDI r|ii'' nao s. a p.-rfetarm aa acata
do, e a tontada io tregnez.
Alugam se dous grandes sobrados com comt l
modos para numerosa familia, novos e aceiados
com jardim, cocheira, estribara e outras comino-,
didades. na travessa de Joao Fernandes Vieira :
a traiar na ra da Senzala Nova n. 42.
Todas as pessoas que devem extincla firma '
de Novaes & Filho facam favor de mandar pagar I
ra do l.ivramento n. 34.
Precisase de um sitio que seja perio da ci-
dade para urna pequena familia ingleza : Irata-se
ra do Vicario n. 2,escriplorio
Atienen.
Desejase saber dos Srs. Jos Narciso Gomes,
Jos Vaz Dias de Pinbo, Joo da Silva Perreira pa-
ra se Ihes eniregar cartas vnda do Porto : na
ra do Vigario n. 19, pnmeiro andar,
Arrenda-se o grande sitio da Piedade, na Ta-
marineira, onde esteve o collegio da Conceicao,
com lodos os commodos, e alem disso proporcoes
pan grande agricultura : a tratar nos Coeliios, j
em o collegio da Con- eico.
l'reeisa-se comprar um cofre de ferro em se-
ganda m8 que seja bem seguro : a traiar na pra-
ya da Independencia n. 12.
A M A
Precisa-se de urna ama para cozinhar em casa
de familia : na ra do Brum n. 53, defronte do
chafarla.
FEITOR
Precisa-se de um hornera para trahalhar em um
sitio em Beberlbe : a tratar na ra Direila n. 69.
Precisa-se de urna ama que cateada de hor- j
tabea : na estrada de Joao de Barros, lerceiro si-
tio passando a estrada do Olho do Boi. No mesmo
compra se um carro para condueco em bom esta-
do. e uni boi.
- Ha precisan de um lioinem porloguez que
seja diligente para feilor de um engenho, da-se;
bom ord'.-nado, e mesmo nao se duvida dar um in-
teresse, prefenndo-se homem casado : quem se
ju.'gar suflic.ienle para desempenhar esse lugar,
annunrie, ou se dirija a praca da Boa-Vista n. 32,
qoe ahi se dir.
Urna pessoa habilitada se offerece para en-
sillar primeiras letras em algum engenho: quem
precisar dirija-se a ra de Santa Rila n. 15.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva : na
ra larga do Rosario n. 35.
Aluga-se urna mei-agaa com porta ejanella,
quintal, cacimba ; um* dita sem quintal, porm
com sotao, preco de 125 cada urna ; urna dita por
8;:00 : na ra do Gazometro, a tratar com o Sr.
Valenca.
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
Os elementos que rompocm esta preparacSo o
ferro, o iodo e a quina, a colicu no primoiro
grao das preparaees ferruginosas. Basta allcslar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
tacs. e os relatnos dos prticos mais eminentes
que confirmro sua poderosa el'cacia as se
guiles affcc?6es:
Mlngon no aangue,
rrii(|iu'/.a.
Ancmlu,
Chloroxr ou Ictrrlciu,
Mcnfltruo,
ATcccci* lio ulero,
SuppreKNOCH ilii re-
IcmH c de^ortlenn ni
nienNlnifieau,
AfreeeHo piilnioiiiir e
lililblslcn,
Molenlin.iireHlomiitfO,
GaotralRlaff,
Perda d'iippellle.cte.,
Coiivalenceiienilclon-
gUM IIIOlCKlluM,
MOlCHllaH l-tcror.l'o
MI,
rapelra,
ObMlrueeo a* xlnn-
dulaa,
Humoi-e* fri*.
Tiiinore* ln-uneOH,
KiielilIlHinO)
AffeceoeH runccro.MOh
O fcJllhilllU-liN,
Febre** lypliol(len(
Bexign., <^le., ele.
Vejaos*, os bulletins de therapeutira medica
e cirurgica de 30 de novembre 1860; a Gazeta
dos hospilues de 28 de julho 186", etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de. ferro e de
quinina de Hebillon, os Mdicos aconselhao
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do mesmo author para ;is
pessoas que nao gostao de medicamentos sob for-
ma pilular c os meninos. Este xarope nao tem
como o xaroped'iodurco de altcrar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o l'olheto que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para se evilarcm falsilicacoes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmacia Rebillon,
4 42, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes estrangeiros, etc.
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A VESA EM PGRIAIBFCO
Em casa dos Srs. Caors e Barboza, ra da Cruz u. 22,
parri pruitnaldaa
pelaN vliiIiiirnecn'M
llorcKllONIIM lilis II li-
lil'II Ion.
As pastillias digestivas com a pepsina de
Wasman, einprego -se com successo li,1 j;
alguna anuos pelas celebridades medcaos de
Paria. Londres. Vienna, etc., em lodaa as in-
comniodidades em as quaesadigestso diilicl,
penosa, imperfeila ou mesmo impossivel: eis
o mclhor remedio para cural as.
Gaairaliclaii, Dlarrhean e u couhII-
DlHpepstaM,
I-;aibi:r.ii*n*iui-M|i'lrOM
A ;-.MiiH-,
V-. nff.-<-roe iiroi>l-
< iih do eatamaca,
Sua aocio \ ivilica o sanguc e os rgaos de
tal sorte que, ath as pessoas que sem soffrer
as aflcccoca gstricas cima mencionadas s;5o
unicarreiile fracas ou d'um lempennienlo um
pouco dbil, c nceessto substancial alimento
para l'orlilicar-sc, achao no emprgo das hisUI-
liat de pepsina de Wasman,vm. poderoso meio
iara a isso cbcgar.
Aviso imprtame. 0 successo das pastilltas
pepsina de XVasman deu causa a se la/.crem
falsincayoes e imitacocs d'esse producto que os
mulos se qeeiem ilesfazer. Pois por falta
cruma boa prcparacfio a pepsina que n'ella
entra, ja/, alterada. Seremos ao abrigo d'cste
inconveniente, cxigindo os compradores que as
paslilhas tenhSo as iniciaes E. P. e saio da
pharmacia Chevricr.
Deposito geral em Pars, pharmacia Chevricr,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiros.
D^JWKNINOS
CURADAS PELOS
XAROPES DO DOUTOR DANET
R* 1. Contra as CLICAS DOS MENINOS ante*
e diii-nnle a dcnlieo
(Xarope de njnoglosse e de acido succinido)
N* 2. Conlrn n
TOSSE CONVULSA
NERVOSA
e a TOSSE
(Xarope de cjnoglossc c de leo Tolalil de succino)
V 3. Contra ax CONVL'LCES DOS MENINOS
A CIIOnA
(Xarope de cynoglosse e de acido voltil de succino)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sao em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o tratamento das molestias dos
meninos cima indicadas, e vierao cncher um
vacuo importante na therapeutica, no que toca as
afTeccocs da infancia, para as quaes, ath hoje.
anda se .nfio pode indicar tratamento racionnal-
ncm infallvcl.
(Peca-se o prospecto cm casa dos pharmaccu,
leos depositarios.)
Preco do frasco cm Paris, 3 fr.
Para se evilarcm as falsificares, exija o com-
prador que cada frasco teuha sobre os rtulos a
assgnatura Chanteaud.
Depsito geral cm Pars, pharmacia Chan-
teaud c em lodas as boas pharmacias de FranQ?
c dos paizes estrangeiros.
IIVS*4 e XAROPE
DF. CODENA
DE
BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magcndie, Barber d'Amiens, Wil-
liams Grcgor, Martin Soln, Aran, Viga,
C. umonl, etc., membros do Instituto de
Franca, mdicos dos hospilaes de Paris, tem
provado que a Massa e Xarope de Berlh
o remedio o mais seguro conlra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade de
calmar com admiravel rapidez as tosses rebel-
des e extremamente fatigantes da grippe (ca-
larrho epidmico1, defluxo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchitc e tsica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
achao cm lodas as boticas.
Para evitar qualquer
falsificarn, exigir em
cada produto o nome
e a firma Berth.
Deposito geral em Paris, em casa de HENIER,
Ra Sle-Croix-de-la-Bretinncrie.
\
Os granulos de bismuth deGhevriercm supe-
riores a todas as outras prepararnos de bismuth
empreadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
MoleMliu ile liudo,
A lelerela,
Pnlpltneo do comc-o
llore- non rlux.
OppreMOi ^,
DreH ile enbrea.
lliiii-rlieiiH elii-ouleoM,
II- --ruIrriiiS.
IIiire- 'i'-liinuio.
DTxpepKlan,
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
Mim dlKeNloeM,
GaKtrlten,
Uii.sIrnl^liiH, ele.,
da niutrlc, etc.
Pelas commissoes em grosso, dirigirse aos S'" WILLAERT
irritueoe de beziga e e em lodas as pharmacias e Franca e dos paizes
estrangeiros.
BERGER, comisarios em drogara, 11, ra Saint-Lazare, Paris.
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SuiToecco nervosa e Oppressio
nico remedio cfficaz para combatter estas mo-
lestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta c o Xarope aromtico de Succino (mbar
amarcllo) do Dr Danet. Descobcrla inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido
Deposito geral, na botica Chauveaud. 54,
ra do Commercio, Pars-Grenelle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
*
Fof-o
t ;
(I
4 .
I
>S PARAGUAYOS
E' a ordera do ilia Acabar com os Para-
guayos a bayoneta, a mini, a revolver;
fuliuina-los com os encouracados armados
de esporoes, armstrongs e raiadas de 80
no armazem'da bolla amarella no oito da 12; extermina-tos em summa a espada, a
secretaria da polica, recebem-se encom- fa So e a punbal de que se traU; mas
mondas de fogo do ar para denlro e fora da mnguem se lembrou anda de esmagar os
provincia. Paraguayos com as armas que Deus nos con-
em BemflcTstio ccc'eu' acaDar com e"es a ,aca0 e a P^nta
ps, para o que necessario encouracar esta
parte do nosso corpo com os forinidaveis
! rompe-ferro, esmaga Cobra, arranca tocos,
quebra marmore e citros que se vendem a
15 RILA UIREk II- 65
Ama,
Precisase de um feitor
do Sr. Barroca.
Ama de leite.
Precisa-se d urna ama de leite e paga-se bem :
em casa de Luiz de Montes (lomes Perreira, na
Ponte de Ucha, ou no Madego, casa da viuva
Luiz Gomes Perreira.
Aluga-se o sobrado n. 87 sito na ra Irape
ril : qu-m pretender dirjase a ra da Gadeia n.
6, segundo andar.
Joo Qiiinno de Aguilar A V,. compraram por
Borseguins Bordeaux........
patricios.........
para senhoras, en-
feitados.......
com laco e fivella ..
ordem do Sr. Antonio Pedro dos Santos (do Mar- Sapatoes encouracados.......
nhiio) o bilhete inteiro desla provincia n. 1119 da R ire"iiins nara mpnina'; h.nm
3 parte da 1- e 1" da i' lotera da matriz da Vic-1 lT, P 3 menmas Dom
loria.
clasico
AO PUBLICO
CARLOS PLYM.
Sapatos de lona, sola elstica.
avelludalos.........
de tranca...........
econmicos para se-
nlioras...........
com salto de lustre..
85000
:i000
"i^OO
:)SI0
O:)0C0
35000
2*000
U60U
1,5600
doOO
25240
15600
Como a empreza de lluminacao a gaz tenha da- Cliineloes do Por O
do hcenca aos machinistas para trabalharem por; it_ -.-i-.!, "_":*'' V i'
.-na pmpria coma, Carlos Pluvm, machinista, offe-i bm cmpletO sor.imeto de calcado da
me seu pre. agua, e toda a sorte de servicos concernentes ao assim como bezerro francez, C0UT0 de lus-
i tre, marroquins, taixas de todas as qual-
I dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
! sola e couros que tudo visto necessariamen-
Pde ser procurado a qualquer hora
17 Ra da imperatrlz 17
N. B. LOJA.
S3?- Para prova da perfelcao do seu trabalho o
mesmo wlTerece ao publico o testemunho de im-
m^nsas pessoas para quem jatrabalhou a mandado
da companhia do gaz.
^ft O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
^t tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
4| gabinete de consultas medicas, logo ao
S entrar, no pnmeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao
dS esludo lano das operacoes como das mo-
u lestias internas, prestase a qualquer cha-
Mi mado, quer para dentro quer para fra
*3 da cidade.
te faz cobica ao comprador pela barateza.
,i." advocado dodoy Vasconcellos, pode
B ser procurado no e=criptorio da ra do S
jH Rosario estreila n. 34, ou cm sua resi- $J
H| dencia a ra do Sol n. 9. a
v.mkmmi mmmm mm
K, Precisa-se de um criado que emenda de bo-
|' leeiro : no pateo do Carmo, em casa de Gabriel
,; Antonio, se dir, ou na Pas-agem n. 24.
Alnga se urna escrava para ama de urna casa de
moco solleiro ou de pouca familia, boa cozinheira
e sabe comprar bem : na ra de S. Bom Jess das
Crioulas n. 3. _
Precisase alugar urna preta que seja boa
cngommadeira e cozinhe, sem vicios : na ra das; i
Cruzes n. 36, primeiro andar : paga-se bem.
Os credores de Jos de Castro Redondo, quer i;
da propria firma deste, qur das firmas sociaes de j
que o mesmo lem feito parle, todos sao convidados j
a apresentarem seus respectivos ttulos na ra do j
Amorim o. 'ti, alim de serem attendidos no pri- ;
meiro rateio da massa liquidada, ao qual tem de j
kproceder-se brevemente.
A ttenqa.
Fornece-se comida para casas de familia, lojas
ou cifTicinas, com todo o asseio e promplidao, mui-
to variada, e por eommodo prego, mandase levar
em casa ; tambem recebe encommendas de boloe
doces de todas as quahdades : ra da Caixa n. 70,
Boa-Vista, casa particular.
I'ermula-se urna casa terrea com 3 janellas e
I porta, e o quartos, por urna mais pequena, dau-
do-se a preferencia por perlo da ribeira : quem
tiver dirija-se a ra do Alecnm n. 2.
Precisa-se de urna mulher para casa de fa-
milia que saiba fazer toda a qualidade de costura!
quem esliver as circunstancias, appareca na ra
do Qaeimado n. 49, rival sem segundo,
^Dentista de Pernambucag
{ Hiim estreila do Kosaiio n. 3, m
ao pe da igreja
[francisco PINTO OZORIOg ^
\ Colloca denles artiflciaes !
pelos systeinas inaismo- i
i dernos
| Emprega todos os meios scienlificos para
conservar os naturaes. Pode ser procura-
l do em seu gabinete das 9 horas da ma-
l nhaa as :> da tarde.
Vende-se ou arrenda-se
mmmm mmmmm m&M
^j Companbia lidelidade de seguros iga
B estabelecida no Rio de Jaueiro.
^ AOENTES EM PERNAMBL'CO
^ Antonio Lniz de Olivrira \zevedo Ai C, ^
tt competentemente autorisados pela direc- S
S toria da companhla de seguros Pidelida- Or
B de, tomam seguros de navios, mercado-
m
Precisa-se alugar urna pserava para raa *
I pouca familia : a tratar U ra do SfU> n. ."V.
Aluga-se por 22 mensaes o segondn atar
I do sobrado n. 1)2 da ra ila Gui i : no l arvtar.
i ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------_------------------___
fincan amentos para
ag as.
Fazem-se na ra Nova n. 30, com toda a mtr-
felca ,._______________________________
Os lilhos do primeiro matrimonio e
genros do linado bngadem (.aspar de Me-
nezes Vascdicellos de Drummond, confi-
dam e pedem encar ciilamenle a Unas as
pessojs que se consiiierarem credores lo
respectivo cas-i I se firvam de mmmm na
ra da Aurora n. 26, dentro de I."i .li^s ren-
tados da presente data, das r. as 1 hfiras
da manbaa e das i as t da tariit-, | ara ve-
rificaco dos seus crditos e ulterior acenr-
do sobre os seus pagamentos, independiente
de ques oes iudiiiaes. ltcifi-8 de agosto
de 1865.______________________
Samuel Power Johnston Ctn^nkia
Ra da Senzala Xo?a n. 4.
AGENCIA DA
Fnndlco de l.ow lioor.
Machinas a vapor de 4 e 6 caTallos.
.Moemlas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
A'rreins d carro para nm e dous catallos.
Relogios de oi.ro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
i Motores para ditos.
Machinas de costura.
^ _.^^
Casa debanhos
Cargo do Caras m. 26.
Este e*tal ii'ciuii-ni'i t;"i'j bfio montado aa soa
i origern achava^e de ha muito em qaa amputo
abandono pelo pouco iniere.-se de soa adaaiais-
traco.
Hoje que o novo proprn-tario empreRon toaos o
| meiis para re-tab.leier a grande unhdade de.-te
estabelccimenlo, pode aaaefMM ao pobliro qoe
I qualquer que seja o numero dos poncorr-Tii---
acharao desde j promplidao e acei bos teaSos
fri-, momos ou medicinaes, a casa dos banfc.s ~e
achara aberta todos os dias das 6 lloras da m%hia
as ti da noiie.
Prefos.
Banho de choque...... 500
uito Irio on momo..... 300
Dito ile farelio........I000
Dilo medicinal >er* se-
gundo sua qualidade.
Assgnatura.
Por tii'-r. banho trio ou m rn ... IOJ00O
2o carriles para banho fro, mor-
no ou de ch'.ivjsco........... i Mjnns
12 cartoe* para os mesmos____/ "?Jinm
1 i ditos para banho de fareltb. iiijOOO
rias e predios no seu escriptorio ra da *?
Cru: n. I.
m
mmMmmmmmMm mmmM
Flamelo
O *
V1M,
A chacra do desembargador Doria, no Mangui-
nho, a qual conlm uina grande casa de campo
com muitas accommodacoes para numerosa fami-
lia, qur no andar ierren, qur no andar de cima,
com terracos largos dos lados para recreio, um
grande jardim com bonito desenho, cocheira para
3 carros, estribara para 6 eavallos, um quarto pa-
ra hospede, tres grandes quartos para senzalas ou
para outro qualquer mister, casa de banho, gran-
de cacimba com agua de beber meihor do que a
do encanamento, duas bombas de tirar agua, sendo
urna de repucho, tendo instrumento proprio para
tambem se tomar banho de chuva, urna casa com
mangedora para vaccas e bois, onde ha espacos
em que se gnardam cabras de leite, carrogas, car-
rinhosde mo, madeiras e taboados, dous galinhei-
Consulado americano.
0 consulado americano acha-se mudado para a
ra do Imperador n. 63, primeiro andar. _______
- Na praca da Independencia n. 33, loja de oun
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tambem se faz qualquer obras de er.commenda e
odo e qualquer concert.
Precisa-se de 1:5005 a premio por seis rne-
zes, com garanta em um predio nesta cidade : a
quem convier annuncie por este jornal._________
Maques sobre i.i*J>o:i
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacara sobre P'antacao de capim, tanto de Angela como da Colo-
Rua da Eiii i numero 38.
Neste estabelecimeuto acham-se venda os se-
guinles objeclos, lodos da primeira qualidade, e
construidos especialmente para esta casa, pelos
mais acreditados fabricantes iuglezes :
Machinas a vapor Je 2 1|2 a 8 eavallos, com
moemlas, juntas e sem ellas; e lambein proprias
para descarocamenlo de ai^odiio, afamadas pela
forlidao, simplicidade e ecom-mia em combustivel,
e por nao precisar de obra qualquer para seu as-
esntamenlo.
Rodas d'agua de ferro, systema mui proveitoso
da forca d'agua.
Rodas ile espora, e angulares, e de esquadrilha
para anunaes.
Moendas e meia-moondas.
Taixas de ferro batido e fundido, e de cobre.
STstena
COMPlS.
rmnosue mao, maaeiras e lanoauos, aous gaunnei-1 Machinas para descarocar alcodAo,
ros, I curral para dormida dos aniraaes : o sitio j P|atl com os uUimos melnoramenlos.
ou chacra tem na frente gradera e porlao de ferro, I |{occas e (.nvos de pa[eDte para frna|has dmi.
e todo murado, excepto a parte mais curta do
lado do nascente, um pomar de fructeiras de lodas
as qualidades, sendo que so de larangeiras de um-
bigo, da china, selecta, laranjas limas, tanjanna e
da trra tem 130 e tantos ps, fra urna plantacao
nova de laranjas cravo, Hgueiras, laranjas de um-
bigo, sapotis, abacaxis, macacheira e urna grande
Lisboa : no largo do Corpo Sanio n. 19.
Ama
Precisa-se alugar urna ama que saiba bem cozi-
nhar e comprar, prefere-se escrava : tratar na
loja da ra Nova n. 11.
Bento Alves da Cruz, como llquidatario da
extracta lirma social de Perreira & Cruz, e com-
_; pletamente autorisado pela escriptura de distrato
bem de plantacao de horta e jardim, para
ir para um engenho perto desta prara, d-
se-lhe bom ordenado, alm de outras van-
mmmmmmmmmmmmmm i^^^si, ^ aumenta^, rouPa
O London 4 Brazilian Bank, saca por doos'.Iavada e engommada etc.. etc. : quem a isso
se propozer dirija-se a ra da Gloria n. 3,
das 10 horas as 12 da manhaa e das 4 da
tarde em diante.
os paquetes.sobre
Lisboa.
m
m
m
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimera.
Amarante.
O haeharel
Francisco AagBsto da Cosa
AOVUGADO
Ra do Imperador numero 69.
-- Precisa-se de um homem que eutenda fe"a m> i*$ do tbeilio Sa.em 12 de julho de
1861, pretende vender era leilao publico ora es-
cravo de nome Antonio, j de tdade, de boa pre-
senta, fiel, sem vicios e sem achaques, pertencen-
te massa da extincta firma. Os pretenderes
podem dirigir-se casa de deten^o antecipada-
mente onde se acha recolhido simplesmente por
cautela e seguranca._____________________________
Precisa-se alugar urna ama, escrava
ou forra, que seja de bons cos.tumes, e sai-
ba fazer todo o servico de urna casa de fa-
um criado: na ra dalmpe,m1a paga.se bem> Dirigir-e ra Bella,
: n. 37, casa de t andares com lerraco.
M^s Francisco Rodrigues.
Precisa-se dt,
ratrlz n. 40.
Marcolino Prato Cabral, pede a quem rece-
beu urna caria de ordera do Rio de Janeiro que Fagio no da 6 de agosto o escravo crioulo
annuncie a sua morada para ser procurado., de nome Tiberio, Idade de 20 a 2o annos, estatura
Alnca.se urna e>cr"^ nara ervico interno baiMe com falw de am dos dentes de cima- Foi
e ex.eogdVumamca'a' 'na 5.dofj rXfoT!Z^^^^JLSSOIS
prn .'n iPri-Aim anrtar n.ha0 Cavalcanti : quem o pegar ou delle der noli-
ca, queira dirigirse a ra da Cadea do Recife n.
j 33, loja de Valle Porto 4 C, que ser recompen-
! sado.
mero 50, terceiro andar.
AMA
Precisa-se urna ama para o servico interno e ex-
Precisa-se de um bom cozinhelro
no sobrado n. 32 da rna da Aurora.
Kjf mmmmmmm
0 castello de GrasviUe.
Tnditii io francez por A. J. C. da Crnr.
Vende-se este bello romance em quatr
tontos pelo baratissimo preco de 300C
temo de urna casa de pouca familia : na ra da! Aviso aO ICs|IC til vel COrjlO do liilll-
mercio.
Manoel Cardozo & Andrado fazem selente o
a tratar
Ama
respeltavel publico e a quera interessar possa, que
amigavf>lrnenlftds na : franquea-se a casa e sitio a quem quizer
examinar e ver as suas accommodacSes.
Na ra do Imperador d. 83, segundo andar,
precisa-se fallar com os seguinles senbores, para
negocio que Ihes diz ropeito.
Aulonio Nanea de Azevedo Campos.
Manoel -Correa da Silva Lobato.
Joo Prelra da Silva.
Jos Lopes Tavares.
pe Borges Leal.
Custodio Jos de Camino,
ionio Seraflm de Deus.
altoej Francisco Coelho Jnior.
Joao Antonio Pendra Ramos.
Joo Marinho Paes Brrelo.
Antonio Tiborcio da Costa Monleiro.
Sebastiao Amonio de Albuquerque (esludante).
Francisco Gomes dos Santos.
Joo Gomes Pereira.
Jos Luiz Pacheco de Soura.
Sebastiao Jos de Barros Barreto.
Francisco Antonio Vieira da Silva.
Domingos Jos Alfonso Alves.
Jaquim Francisco da Silva.
Joo Ribeiro de Castro.
Jos Francisco da Silva.
Miguel Arcanjo Ferreira.
Vicente Ferreira Neves.
Joaquim Francisco Moreira.
Francisco de Aguiar Jnior.
Julia Rosa de Almeida Pinto.
Leopoldo GadaulL
Joaquim de Oliveira Maia Jnior.
AlRa-sp a loja do sobrado n. 17 da ra da
Imperatriz, com bons commodos : a tratar no se-
gundo andar |do mesmo.
Precisa-se de urna srna para o servico interno de
nma casa de pouca familia : a tratar na praca do
na praca da Independencia. Iivrana ns. corpo Sanio n. 17.
6 e 8.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrhbo
antigs e recentes, nico deposito r a pr
ica fr.anceza, ra da Gnu'n, 22 leas
Prevlne-se a alguns assignantes do bairro da
na padaria sita no lugar denominado Demarcado Boa-Vista que se acham em atraso de pagamento
em trras foreiras a S. Jos da Kstreraa, licando da assgnatura desie Diario, que hajam de manda-
o socio Man jel Cardozo a cargo da dita padaria de las pagar na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
todo activo e passivo. Recife 11 do agosto de 1863. i pendencia, visto como ha difllcoldade de se acha-
offl.-iat rio recitro eeral I rem cm casa fempre 1ue e cobrador os Procura
, m nrevra?a tod? e no POil qoe elle Ihes facara sentinella a
il.i, iietiuc i unas ns _, ,|,(, f r9n innnnnliu i-liaminitn Mita nm
Precisare de urna cosinheira para nma casa j O abaixo a^signndo
Ingleza que apenas consta de dnas iiessoas (senho-' de hypilhecas desta com r...., icnu a >vu mcins cha inn
a e marido) f trata-se a ra do Vigario n.^, es- i pessoas interessadas de qua.que;-modo no regis.ro: J^J/ 5 SpPSS Ts^eUr 48
cnptorio.
geral, que somen!
;-- .,. y.------------------------r i abaixo assignado, em seu cartono a roa do Quei-
- Na ra da Florentina o. 36 prepara-se c:mi- mado 1S e naJ, a(lSr Ant0D0 da Sijva Gus.
da por cemmodo prego.________ __ mo Junor> 0 qaa( desde 0 dia 26 do meI passado
Na rea das Ciaco ponas n. 72, precisase de deixou o oxercicio de tabellio interino em que
urna ama para o servico de ana cata d.-.; p raca fa- estava. Recife 15 de agc mllia. Fulgencio Infante de Albuquerque Helio.
vez s cobrar Uo pequea quinlia como acontece
a um dos mesmos. ________
Panno de algodo"da" Baha da fabricaTo-
dos os Santos-tem para vender Joaquim Jos Gon-
calves Beltro, no seu esc/iptorio, ra do Vigario
o. 17,1 andar.
nuindo muito o gasto do combustivel.
Machinas e machinismos para moer mandioca,
movidas a vapor, agua ou cavailo.
Pomos e chapas de ferro batido para coser fa-
rinha.
Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes, fuos e portatils.
Prensas para copiar cartas.
Rodas para carro de engenho com eixos e man-
gas de patente.
Formas de ferro batido galvanizado para purgar.
Serras de ac e armagSes de. serrara.
Arados de ierro singelos e dobrad >s, grades para
cubrir caona, enxadas a cavailo, e outros instru-
mentos de agriculiura.
| ieiico
Kjoias preciosas e objeclos del
ouro.
'^ Mauricio Sellu-berg & C, Polacos, par- af
m ticipam ao respeltavel publico, que ac- j|
5 bam de receber um piande sortimento W
de joias e brilhanles, como sejam : relo- gg
gios, trancelins, aderecos completos, an- f
neis, cadtias, pulceiras ele, etc. e tudo 9
quauto diz respeiio a joalheiria, pelo pre- S
(o o mais razoavel possivel, e mesmo %g
troca e compra objeclos de ouro, prata e *7*
diamantes por objectos novos : na ra J
do Queiraado n. 29, -entrada pelo largo S|
de Pedro II n. 27, de manhaa al as 9 fl
horas, e a larde das 4 horas era diaute. SJ.
Os objectos vendidos pelos annuncianles J*
sao garanlidos por tiles, e eslo piomptos $*"
para levar objectos as casas das pessoas Bit
que desejarem comprar, urna vez que ^
no possara vir a seu estabelecimento. Hf
Precisa-se
de urna familia qoe seja capaz para morar com
outra no pateo do Terco n. 11 : a tratar na roa do
Queimado n. 15, loja de ourives.
Compra-se eec'.ivamente onro e prata en
ODras reina, pagmiasa l^m : na roa larga 4o
Rosario n. 24, loja de OOTtVCSa
Silvino Guilheriue de Barros rompra e __
de eireelivainente esrravos de anihes os sexos : v
rna do Imperador n. 71, lerreiro anear.
O tiro c prala
em obras velhas : compra- n na praca 4a Ia4e-
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
Compra-se onro, prata e pedras prerio em obras velhas : na ra da Cade 4o Recite,
lija de ourives no arco da Coneeirao.
Compram-se moedas brasileiras 4e 204 -
21i5 : na ra do Crespo o. 16, pnmeiro a4_r.
Compra-se nma casa terrea aa ei4a4e O
Olinda em boa ra : a tratar na roa 4o Aoolfoa. 3a>
Compram-se duas casas terreas novas em boo
ra, que renda de 100 a ."004 : quem tiver oara
vender, dirija se a ra do Crespo a. qoe dlr
quem pretende.
Compram-se libras .Merlinas : oa praca da
lodepencia n. 22.
fEUlilS.
Vendem-se palmeiras impenaes. em fiado
de serem iransplanladas : no sitio morado a ev
querda, depoisido beccj do Espiobeiro, mm Af-
ilelos.
Viuho do Porto superior em raixa 4e dozia,
lem para vender Antonio Luiz de Oliveira Atere-
do \ C, no seu escriptorio roa da Croa o. I.
I
m
__;
m.
Vende se om (avallo rastanho bom ao4a4nr
baixo, muito novo e sem achaque*, bom de sella, e
meihor ser para carro por ser graode : oa ro-
do caes do Collegio, loja de Uzi-odas n. 12.
Algodo Para sacras e rtopa de S5S "
da fabrica de Feroo Velh >, e de moilo inoaaiot
qualidade : vende-se no escriptorio o> XUooet hr-
naclo d? Oliv-ira A; Fiih>, largo 4o Corpo Sao*
numero 19. ___________________
Vende se
a i.i ti- rna s.ia na ra da Concordia n. .TI. moit >
afrecuezada para a ierra : a tratir oo Ptur I, roo
do Itangel n. 73.
Vende-se uina escrava crioola de M
de idade, mais oo menos, de bonita fl_ora,
ma e cose : para ver e tratar oo poleo 4
o. 2, sobrado.
se
dous carles de visita, um com o grupo de um ho-
mem, urna senbora e duas criaocas, e oniro com o
retrato de um cadete Io sargento : rogase a quem
os tiver achado o favor de entrega-Ios na loja n. 8
B da ra do Crespo, que se gratificar.
Precisa-se alugar urna casa terrea, sendo as
ras Santo Amaro, da Paz, das Flores, do Sol, da
Palma, principio da ra da Concordia : quem ti-
ver annuncie, ou dirija-se a ra Imperial n. 1.
Milho e farinha de man-
dioca
Vende-sc c,insiani-ra-'ni- a retalho e ataeooo :
na padaria do Chora-meninos.
Vende-se urna machina de costura por mno n
de sen costo, com pouco aso : na roa .Nora o. 30.
segundo andar.
Vende-se ou aloga-se para pavor a festa, o
mesmo por anno, ama grande caso coa sitar, iea-
do este arvoredos de fruc. junto a poroaeio 4a
Varzea e do Rio Capibaribe: a tratar na ra 4*
Hortas n. 2,1* andar.____________________________
Penas do ema e cera de caruiba.
Vende-se oa ra do Amorim. armazem a. 3
Na raesma casa veode-se um ptimo a if14a
boa figura a com principios de ofleial de marei-
neiro.
Vende se mu sino era Remtica a' raargvm #>>
Rio Capibaribe, boa casa, com arvoredos : ejoem
pretender dirqa-se a roa do Imperador a. J, se-
gundo andar, que achara com .quem tratar.
Vende-se urna boa escrava coa ama Han
cria e 1 escravo por 3001 : na travesa 4o rara
o. 1.
Vende-se pelo diminuto preco 4a I5J
porca e seis bacurinho; bastantes gordos: a na
do Jardim o 14.


lijarlo de pernambueo (uiola (tira 19 le Agosto de 1SU&.

PILCLAS CATHARTICAS DE WER.
Estas pilulas vegetaes s3o a-
daptadas a todos os usos de um
^purgante as familias, pois sao
"perfeilamente innocentes, e em
quanto milhares de pessoas con-
fessam com gratido que foram
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;n5o ha
um so caso em que naja suspei-
tas do mais leve resultado ioju-
rioso por seu uso. .
Publicamos aqui alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
AHVcfiio chrouica do ligado.
Illm. Sb.
Jtiiz de Fura, i 7 de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo lirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-
fermidadcs do ligado e bafo, com o uso
das pilulas posso Ihe assegurar que estou
bom, pois tendo desapparecido um grande
engorgitamento que so/Tria, militas dores
sobre a regiao do ligado e costas, dores de
cabeca, inchncio do ventre, nao podendo
deitar-me seno do lado direito, isso mes-
.a fina para bordar.
Na loja de miudezas ra do Queimado I
n. i 6, vende-fe 15a lina, de vivas e agrada-
veis cores, to propria para bordados como
para "touquinhas, sapatinios, etc. : quem!
pretender dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 16.
Franjas largas para cortinados
Na loja de miudezas ra do Queimado
n. 46, encontraro os prelndentes um va-
riado sortimento de bonitas franjas largas
para cortinados, coberlas, toalhas, etc., cu-
jos precos nao desagradarlo ao comprador
que atlender a largura e quaiidade de ditas.
Pennas don radas.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. t(>, recebeu essas novissimas pennas de
metal dourado, cuja excellenie quaiidade e
petfeicao dos bicos as tornam mais durado-
ras no exercicio da escripia, pelo que os
Loja
do gallo vigilante ra *o Crespo
iilimero 7.
Nesle estabelecimenlo encontrar
! a BRANCA.
< olrcias (le marroquin, com cascaveis
e seni elles.
Na ra do Queimado loa da Aguia Bran-
ca ii. 8, vendem-se colleirasde marroquim,
pospontadas e com cascaveis, ou >em elles
proprias para caes e outr< s bichiuhos.
Pennas ioglezas de ac e douradas.
No novo sortimento de pennas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, vieram
tambem oulras mili bem acabados, e por essas boas e ne-
cessarias gualidades os seus acreditados fa-
bricantes Perry & C, as recooimendnm aos
entendedores'- apreciadores do bom, valen-
do mesino a dillerenca que ha no proco de
urnas para outras, por que astas se tornam
mais domis na cotitinuaco de escrever ;
assim pois quem dellas se quizr utilisar
compra-las a dinheiro a visla : na ra do
.'.. 1
ltimos navios e vapores desna propria ron la, que Otic'imado Inia dalma Branca n 8
por isso mesmo vender pelo menos preco que ?, dU0 '"J^ Ihe for possivel, como sejam :
Lencos.
Os lindos leos imperiaes para
inteiramente nova.
Albuns.
Albuns muito 6nos com c?pa de madreperola e
de tartaruga com guarnieio de prata para SO e
senhora cousa
Franjas com borlas e sem ellas para
ro-tinados.
A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
mento de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, todas de novos e bonitos
desenos, cuja commodidade do proco est
mo procurando posiciio para ter socego, lio-' das dfferentes qualidades, sempre agrada
je me ado livre d'esse padecimento ; como s 30S apreciadores do bom.
J
por aqui anda as nao baja, eu como tenho
este proprio que de casa, Ihe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o costo elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do charope de
cereja, que tive occasio de experimentar; <
em um ataque de guellas que leve urna
preta que com elle curei, faco uso d'elles
Das tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns fmsquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque tenho
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, ia d i ,mt e g e
resollado ; sou btdooroieandeoda
De V. S. attensgPs.ar
Francisco FEHBEATERAit
Ithettinalismo e ataques hemorrliflidacs.
kl.M. S;.
Ouro-Prcto, 30 de marco de 1864.
Posso certificar-le que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos) e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvida, pois que al j pouco ouvia, e
acompanhado de tima dr no queix-o, con-
sultei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conta principiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
envido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : porlanto sao para mim as tacs pil-
las as melhores que tenho experimentado;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obligado,
O brigadeiro
JoAo RonniccES Fkc de Cauvalho.
Gaslrite.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Attesto que tendo feito uso, aconselhado
por ura amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
liquei perfeitamenle bom de urna gastrite
que soffria e que privava-me de andar aper-
tado, hoje felizmente nada sinto.
Augusto Gollati.no de Mello.
. o respeitavel
seus acreditados fabricantes Perry & C., as publico um grande sorlimeiito de galanteras e
recommendam ; os apreciadores do bom. ohjectos de muilo gosio que tem ehegado nestes
Tambem se encontram outras pennas de
ac de differentes ..ualidades e dos mesmos
fabricantes ludo na rua do Queimado lo-
ja de miudezas n. 16.
Enfeltes novos c bonitos.
A loja de miudezas rua do Queimado d. i
16, receben novos e bonitos enfeites, obra
moderna e de gosto, e os esta vendendo por ioo retratos, assim como de outros mais inferiores em relajo a largura acham-se ellas a ven-
a de 20 a 50 re,ra,ofc da na rua do Queimado ioja da h guia Bran-
Uixiohas ricamente enfeit.das tocando duas
, pecas de mnsica propria para mimo, assim corno
Helas brancas cruas e de cores &,,, pequenas 'com musica tanl vel0 co.
para crianzas de *3 a 19 mezes mo de dar corda,
Na rua do Queimado, loja de miudezas n. Vestuarios.
16, vendem-fe por precos razoaveis avista1 Rqulssimos vestuarios de seda para mancas as-
das qualidades, ineias brancas ctuas c defm comotou^mnhap>saPalin,10s e melasinhas de
cores para enancas; assim como Olras se a* t'anellas
para senhoras, e cruas para hornera. Riqnfesimas eapeHasbraneas de flores para noi-
rapel parao lolna grande. vai, assim como meias de seda brancas.
Esse papel pardo que por sua boa quali-l Porta boqiict
dadee grande tamanho da folba, sene bem'
para embrulhar corles de fazendas, cortar
moldes de vesiidos, etc. : aiha-sea venda
na rua do Queimado loja de miudezas n. 16.
Barato para acabar.
Caixinhas com 4 papis de agulhas france-
sas, limpas a l ris cada urna.
Paos de pomada franceza, a 80 ris um.
Duzias de saboneles de cheiro a 4> e 1200
a duzia.
Ca les de lii.has brancas e de cores, a 20
ris cada em.
J(liS, VOflO
ca n. 8.
Jogo da paciencia ou curioso entreleni-
mento.
Na rua do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, acham-se a venda por precos ra-
zoaveis, caixinhas com tabolas de madeira,
que das diversas pinturas dellas ?e formain
agradaveis vistas e paisagens, segundo os
desenhos que acompanham. Na verdade 6
esse um deleitavel en retenimento com o
Riquissimos por bwjurtTo'm'cabo de madre- 1uai se despe ta a curiosidade, e apura a in-
telhgencia. Os apreciadores dirijam-se a
rua do Queimado, a dita loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que sio satisfeilos.
Bonitos enfeiles uara srnlioras.
Nevidades da leja e .irmazcui de fa-
zendas e i'otsjias feitas nacionaes mi
da Impetalriz n. 72, de Gainaries
Aproveilem as pechincbaa
qae se esto liquidando por lod) prejo, vejam :
Chites largas a 2(i0, 280 e 300 is., ditas percaias
a 3(i0, 400 e 140, uambraia organdya muito Boa s
300 rs. o covado, e Simio superior a 30, 360 e
400 rs.: islo so na nova leja de Guinaraes i\; Ir-
ma o.
Esli so acabando.
Llatinhas escoeezasj 240.2o0 e 280 o covado.
L\' muito barato.
Cortes de I a a muito superior com lo covados
pelo barato preco de U& e .*o00, isto sopara aca-
bar, brelanha de rolo a 35 e 3z00 a pega, mada- i
polio Irancez enlatado a 3$, 3j00, 3o(io i-1 '
dito sem ser mfesiado com 27 jardas a 45*0, b& j N
e G)5o(!0, dito muito superior marcas muito aere- Li
(lilailas a liJfQO.Sf, 05 e 10j, alpodo de tu-
das as marcas aMm como seja marea T e carne
de vacca, sicupira e pao ferro ludo isto por pre-
eos baratissimoss para liquidar e apurar dinhei-
ro : isto so na nofa loja e armazem e Goimaiaes
& Irroae, roa da Imperatriz n. Ti.
Grande sortimento de babadinhos
e ntremelos pelo barato preco de 800 a 15 a
peca.
Lencos de cor8 e hrancos
muito proprios para honiens e n.-eoinos a lif.00,
2?, 25500 e 35 a duzia, ditus de iinlio a
o5, ojoOO e G5-
Grande sortimento
RIVAI,
-
liuado tnckUta'J:> -h. ?f, e ?.
LonlinAa a vender ni,:.- as rninim
deflara por prte admiraTi i-.
.'.; sos de paluos Usados i a: d< Bles i
Et-prfhos damoMoras dourada^ i SBH
l< '.-:- de oado para un nicos ..
Lutos : rouro sopnim hiena a 1-3
Placeos rom Mipn.i'i .'iiita n'-!. a MO rs.
M"in!...- de lioht X
abado du l'oili I tida 11 a, M k-
140 i s.
Caixas eom 100 eBr sbaendal
Grozas de peman d btn ti .,
Grozas de butoe toaurepcfola laos a
MO rs.
. is rom 30 M*elk>3 -!h iint. do iras a "
"..ixas rom SU| i .: i i: de i. .
Pecas de lila bri rea elas:ira eom '..' vara ;* r
varas de ranja de lia para wfertei de i
i'J r.>.
-
dour.idos :
dmu.:li > rom '. ') jardas a 8o i -.
^'assentos d roupa lavada a loor-.
p. ti. |
sobo, laresdh rtraa
- Mperieres iri\ '
.
de coiras de fastao de lelas as cores a
fi5. ditas de
15C00.
chita a 15900 e 25, ditas
E' muito barato.
sainos
vellos|
roa p:
Pal : de Lutdcs
Ti nrai para
Gaixss de peonas d<- rallittspiMa, hi :
IJOOO.
com -DI !
'ar--- le ?a| i
Psi *t de mpalos de
15280.
Ci izas eom sapertori
Libras <'e iaa sortida
Cairas rom api rtores I reas 'i- : >
* I Radiabas comlflneles fraoenca mu-
a 20 r.
T: r, -a de papel alo. Utl I
E t'i vas para roopa, ;. i i 7:
Di de uscara: a
O rs.
:.'-' I
:. .y. t l- '
irai ca i *w i
H a^lll!'.^.. 140 .
e boiiiti.> edr* -
i
!
85300
de ii
! Dniias d f:"-a- e nard de -abo ptel
Grande sortimento de soutembarques muito bem Talb i s muito lino pira crianras a 140 r.
enfeitados a .'-5 e SfSOO, diios de grosdenaple a

de sanda-
a
niArs
A loja de louca da rua do Crespo n. 16 tem para
vender quantidde de azulejos de lindas e variadas
cores, assim como louQas de todas as qualidades,
de bonitas pinturas e gosto moderno, ricos appare-
Ibos de porcefanas brancas douradas e de cores,
vidros de todas as qualidades, inclusive finissimo
chrystal, dilicados jarros de chryslal e porcelana
para flores, figuras e outros muitos objetos de fl-
nissima porcelana denominada biscuilo para en-
feiles de mesas, fie., guarnicoes de tinissima por-
celana branca douradas e de cores para lavatorios
e toaletes, tudo do mellmr gosto, pinnas de louca e
vasos para jardim, candieiros de lamparinas para
gaz, giobos e charmneis de vidro, tiorraes e todos
os mais sobredientes para os mesmos, caz liquido
de superior quaiidade, e mallos outros artigos que
seria enfadonho mencionar, tudo por precos mun
issimos razoaveis.
A LEGTIMA
Falta de apetite.
Ouro-Preto, t de fevereiro de 1804.
Sendo eu affectado do figado ha muitos I
annos, e ltimamente solri falta de apetite,1
hoje dou grabas a Deus por achar-me sao
e perfeito com o uso das pilulas catharticas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vieira.
perola para lores.
, Loques.
Riquissimos lequesde madreperola e
lo assim como de osso.
Uvriuhos.
Riquissimos livrinhos com capa de tartaruga
guarnecidos de. prata para missa.
Aderemos pretos.
Biqaisslmos aderecos (retos sendo pu'seira, ro-
zelas, alfinete e volta, assim como de cores flugin-
do perolas.
Brincos.
R'quissimos brincos e rozeias de todas as quali-
dades e gostos modernos.
Roneras.
Riqoissiims bonecas de porcelana e de massa e
de cera, assim como os que fallain chamando por
papai e man.ai.
feotes.
RlqoJssimos pentes de tartaruga para senhora,
assim como para menina e de muios outras qua-
lidades.
Svufeifes para eiiua de mesa.
Riqoissimos eni'eites para cima de mesa e para
toillet.
avvelas e sintos.
A Aguia Branca acaba de receber um no-
vo e lindo sortimenio de enteiles os mais
modernos e gostos inteiramente agradaveis,
e como 6 seu louvavel costume os est ven-
dendo baratamente a quem com dinheiro se
dirigir a rua do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
lcias de la para senhoras.
Vendem-se na rua, do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
/'Hia mosca.
Na Iota da Aguia Branca acha-se a venda
o papel cora composico para dar flm as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, e o
effeilo efficaz : molba-se o papel e deixa se
fic*r
cas, entristecen] e morrem. Gusta cada fo-
1(<5 e 205. lazinhas de urna s cor a 4"0 o cova-
do, ditas n.uiti. propria para camisas sendo de lin-
dissimos padrdesa 15 e l>100 o eovsilo : s na
nova loja de Gnimaraes t Irmao, rua da Impera-
triz n. 72.
Grande sortimento
de roupas feiasquese vendem muito barato aflian-
cando-?e que M! vende por menos 20 porcento que
em oulra qualqucr parte, quem duv,dar venha \er
Na nova loja de fazcinlas de Guia raes
& Irmao.
Rua da Imperaariz n. 99.
Grande liquidado a dinlieiro*
Ka loja e armazem do fiavao.
Ruada Impes-atHz n. C^de<-a-
ma & ilva.
Os donos deste eslabelecimenlo tem resolvido li-
quidar suas fazendas por precos baratissimos, ?
com o fim de apurar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negociam em pequea escala com fazen-
das, que nesta loja e armazem enrentrarao um
grande Kortimeato por precos que muito Ihes bao
de agradar, tanto cm peca como a retalho, a
saber :
Pelerinas a I600,
.
15 1
1
1


- J-.^IJf i7*I
* -T4
s
;

i
'- g, muth t GbaVTimr -r-
'. lod.lS ::. Olrr.-. w K M
bi-..ui!: impreca as aaii eom a n 1
pelos mdicos i: u n paizes,pan ptm t
I;!..: i-lii km rUrcii11
BymeniPvbM.
Ddi ilVtSige
D}"1 l-l">!>.
Os
Ib
I Ma Uallralcli !.
pnmciros
1
sympu u
-.1:
d'essas (tmv'r
atleccdes se manu<-: oriiinariamec
'.oes luboriosas, azu uaes, falta ttfft .
fettmagodepoit le cada eooda, c imbrii
tontofatt, e, mui'i.r, vezes, por Npaw
com vnios.
Este estado mdrl ido, se o descuid.i.. -.
vitavclmente, que seja:
m
" :-
O*
\*-
Mi.ckii. de Ugwilo.
A l.-lerifl.
ro'illBi ao t rornro
Den 1 naa rlna.
O] prra.uri.
Dorr ilc ^-.hr.-a
lrr!ic-* : fc- t,sj.* m
m mal ,t rlr.
assi
se pode desejar.
Jogo para familia.
Riqnissimo jogo de vispora em caixinhas de ma-
deira envernisada e pedras finas proprias para en-
treteimeuto de familia.
Para viagem.
Hiquissimos estjoscora todos os pertences finos
para liomem.
r Filas,
/ Riqtiissimo sortimento de tilas de todas as qua-
lidades e lindos gosios.
Franja.
Riquissima franja de seda de muilo liBdos pa-
dres tanto de cores como relos, assim como de
borlla e -sem ella propria para cortinado.
Traueas.
Hiquissimas trancas de seda preta e de cores as-
sim como de algodo e de la.
Perfumarlas.
Grande sortimento de perfumaras qualidades e dos melhores autores al o presente
conheciJo e mullos outros objectos que se ternaria veitarem a quadra c dingirem- e a rua do
i enfadonho mencionar, isto s no vigilante rua' Queimado, loja da Aguia Branca n. 8. Tam
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou rrniriras
n'um prato, e nelle po'us'ando as mos- de eambraia bordadas proprias para hombros de
.?..:...-________-____T n..^n mj, r_ senhora pelo baratissimo preco de 15000: r.a rua
da Imperatriz n. 00, loja de Gama & Silva.
Orgamly a 240 r*. rayado.
Na loja do pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa-
dro--s miudos u grandes, pelo baratissimo preco de
240 rs. o covado (doze vintens), cria pechincha
acaba-se logo : na loja do paviio a ma da Impera-
8, recebeu diversos brinquedos para crian- triz n. 60) de Gama & Silva.
Iba 40 res: na rua do Queimado, loja da
Hiquissimas ltelas de madreperola e de metal' Aguia Blanca n 8
sim como bonitos sinlos. n- 1 >
Flores. Diversos bnnquedos e entretenimento
Itiquissimo sortimento de llores o mais fino que | para crianras.
A Aguia Branca na rua do Queimado n.
Os granulos Chevrier sao orri.-ndos t-:i
sommidades meditaes pan prevenir essas ti. it-
sas molestias e cural as quando sao tomauuJ a
lempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Pars, pharraaciaChovrior,
e em todas as pharmacias de Franca e dos ,- w
estrangeiros.
cas, sendo estradas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelhos de metal, louca pinta-
da e porcelana donrada para almoco e jan-
tar e muitos outros brinquedos de madeira,
que se vendem baratamente : na rua do
Queimado, loja da Aguia Branca n 8.
Meias pretas de seda para senhoras a
500 ris o par.
Bretan ha de rolo a 3ooo.
Madapoln entestado a 3U00.
Na loja do pavo.
Vendem-se pecas de bretanba de rolo rom 10
varas a 35, ditas de madapolao entestado a 35200,
3530O e 45 : na loja do paviio, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
' rtes granadinos a 12>.
Vendem-se os mais neos cortes de fazeoda de
A Aguia Branca quer acabar com a por- muita phautasia por ser transparentes e tecidos
Cao de meias prelas de seda para senhoras, "" seda,leudo cada corte 22 covados, pelo dinu-
e apesar do muito maior preco que Ihe cus- M^-i L!* u"can,ent!i *|J **
. Y 1 ze,n do pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
taram e o bom estado em que anda eslao, Sl|Va-
comtudo est resolvida a vende-las a 5 0
do Crespo u. 7.
Bornouls de renda na loja do pavao.
res o par, afim de que ninguem mais calce chegaram os mais ricos bornouls de renda e se
meias pretas de algodao, agora pois apro- vendem por baratissimos prreos : na loja e arma-
zem do pavao, rua da Imperatriz n. 00, de Gama
Silva.
Ricos chales pretos de renda.
: bem vender as brancas a tfl o par, e des-
0a elementos cu.: rompoem esu antla,
ferro, o iode e a' fitina, r. colloco no prn '.-.-j
grao das prepara^ | noarn Baju mu -ur
seus resultados obtidos pelos Medicos^j boa-
, e osrelatorio* -ios prclicos maiscm i tea.
Gflnsti|iaro, dores de cabeca.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1864.
Attesto que achando-me atacado de urna!
forte constipaco que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri borrivel-
mente por espaco de quatro dias; ento
um amigo aconselhou-me que tomasse pi-
lulas catharticas do Dr. Ayer: com ellas fi-
que i sao e completamente restabelecido em
tres das, de sorte que estou no firme pro-
posito de acinselliar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forera aneciadas de
constipacoes.
Agostinho Jo'; da Silva, negociante de fa-
zendas.
PREPARADA NICAMENTE POR
LAMAN & KEIP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando de
propriedades eminentemenle depurativas;
approvada pelas juntas e academias de me-
dicina ; usada nos principaes bospitaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilhas e
no continente americano; recertada pelos Peas de ata da 'eos estreitas com 10 varas a
facultativos os mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
Rival sem segundo-
Rua do 4ueimado na. 40 e 55, loja de
miudezas de tres portas, est quei-
maiido ludo Im 111 e barato, quem qui-
zer ver e admirar venham loja do:
Bigodinlio.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e paulado
a 600 rs.
Grozas de bo'.Ces de lou^a prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de penna de ac fazenda boa a 40 rs.
Pegas de tranca de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Cscovas Onissimas para limpar dentes a 240
320 rs.
Pulceiras de coalas para senhoras a 500 rs.
tas o nico defeilo estarem um pouco tri-
gueras, ____________
trabalhar ni a o
deacaro^ar algodo
fabricadas
Por Plant Brothers & C.
LDAM
de
para
CURA RADICALMENTE
escrophula6, rheumatisaio, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercuriaes, chagas
Intra 1 do estomago.
Ouro-Preto, 19 de marco de 1864.
Attesto e juro, e necessario fita-, que. nt Cffi'T^ Vo*" as mole^asP-o-
, do ha muito tempo excessiva irritacao; "SSS,!^ eS ado ?jto* do 8"?e-
de estomago, poo apetite o diflkil to, d'ella tenho -experimentado sensiveis
aaeliioras depois q ulas catharticas do 3r Ayer.
Amonio Hebmocknes Pereira Rosa.
e preciso a maior cautela para |
evitar os engaaos,
Caixas com colchis rancezes, soperiores quali-
dades a 20 rs.
Tinleiros de barro, .com superior tinta a 100 rs.
Pecas de cordo para vesiidos, fazenda boa a
20 .
Baralhos muito tinos para vollarete a 200 e
240 i-s.
Frascos om agoa de Florida a l& e 1*280.
Frascos ora supermree banhas a 500 rs. e 2.
Frascos -cora banha, corm pequeos a 200 e
240 re.
Latas com superior banfea a 200 rs.
iMbriftt,
Ouro-Preto, 28 demarco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em urna menina de dez annos que
soffria de vermes intesiinaes, notando-se
que os symptomas que ento apresentava
.ruin de molestia bastante perigosa.
Uymundo Nonato de S. Thiago, pharma-
ce utico.
Nevralgia.
ma carta do Illm. Sr. Fracdsco Alva-
renga de Azevedo.
CAORS BAKROZA
JOAO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. Bravo & C.
Venaem-se no Recite em ca*a de Caors d
Barboza e Joao da C. Bravo & C.
Vende-se o engenho Jundjahy, cinco legoas
distante da cidade do Natal, provincia do Rio
Grande do Norte, moente e correte, eom 20 cap-
tivos, 20 bois e 20 besias ; assim como diversos
lotes de ierra, propria para a cultura de algodao e
mandioca, e mais duas fazendas de gado no Poten-
gi e Cear-meirim, na mesma provincia, cojas ven-
das se effertuarSo a prasos, mediante boas firmas :
quem pretender dirija-se aquella provincia a tra-
tar com_Fabrico & C. ^^^
Desappareceu ha 15 das de casa de seu se-
nhor urna preta de nacao Angico, de nome Mara,
idade, pouco mais ou menos, 50 annos. altura re-
gular, tem urna dor prxima a munheca de um
. ,'. i dos bracos, que agarrando-se nelle, ella doe-se,
Ha mais de sete aunos que soffria dores ievou vestido de riscado branco com chuviscos ro-
o hombro e as costas, tomei uma infini-1 tm, saia de algodozinho, camisa da mesma fazen-
dade de remedios sem achar alivio algm. Ida : w-*fa p*< ou nioridade que a pegar
uauc u.o in,..,.i,.,-tn .s ,0|.,.,f, 'aconduzaa ruade Santa Cecilia n. 18, que ah
Dor, angustia, tormento sao palavras for-).Mrl.graf,flMdo generosamente,
tes, porm no exprimem o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
tou completamente restabelecido; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pilulas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e drogadas do imperio, e no
Rio de Janeiro, joaDiroilan. 15
Vende-se em Pernambuco:
na
4
A legitima salea de Bristol vende-se por' f/a^os maeaei peruia muito lino a 200 rs.
Estas machina 1
^ podem descarocar
?>qualquer especi
'de algodao sem
^estragar o fio, i
sendo bastanu
.Idas pessoas para
" 1 rabalho ; pd* ;
descarocar uma
arroba de algo-
dao em caropo;
em 40 minutos,
ou 18 arroba
por da ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas or Corls de casf B,iras a 2-500 c 3^000,
animaes. que descarocam 18 arrobas de algodio Vendem-se cortes de casemira de uma s cor a
Chcgon pelo ultimo v,por francez um grande c |
variado soriimento dos mais ricos chales pretos de
! renda, tanto de linho como de seria, tendo entre
elles muitos de poma redonda a iixita^o de man-
teletes e nimio- com o centro de cor, e vende-se
por precos muito em conia por tercio sido manda-
dos vir de conta propria pelos donos da loja do pa-
i vao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Laziulias transparentes a 320 rs. .
Vendem-se muito bonitas laazinhas transparen-
tes com palminhas de seda a 30 rs., ditas lisas e
de varias cures a 220 rs : na loja do pavao, rua
da Imperatriz n. CO, de Gama Silva.
Cortes de I as matizadas.
Veudem-se Donitos rrtes de laas matizadas, len-
do 15 covados cada corte, a !i&, ditos a Mara Pa ,
a 6$ e 85 : na luja do pavao, rua da Imperatriz n.
00, de Gama A Silva.
Roupa feila.
Roupa felfa.
Roupa tolla.
Na loja do pavao vende-se um grande sortimen-
lo de roupas feria* pora homi-m, sendo calcas, pa-.
1 telots e colletes, tanto de panno como de caserairas
! pretas e de cores; deixa-se de mencionar os pre- <
: (os para nao se tornar enfadonho o annuncio,:
affiancando-se que o respeitavel publico achara um
: grande soriimento por baratissimos precos : na
loja e armazem do pavo, rua da Imperatriz n. 60, |
de Gama & Silva.
;aes,
que confirmrao sua
seguimos affeccSes:
Mingo* no angar.
Frai|arxa.
Anemia.
i:ii!oriii- eu Irterlfl.
Mcnafriio.
Arfcc^Ora da Hiera.
Sapprcaaea liri-.- r doaanira na
wmatruara.
Affcctao pulmonar c
plilIllHi.-.
Moleallaa li'calomaKa.
Gaatralglaa.
l'rrda rt'apprlltr. re.
Vejo se os bulletins
poderosa efticacidad na
Canvalrrrna d ;
jen* nsolro'.laa.
Molrallaa carrr.ul
aaa.
Paprlra.
nh-'i-nt'-ii da a
dulaa.
Hnmarra fi toa.
Hamorra araaeo.
Iturhltlaaao.
Afteeeor* cm-eerctm
c- ayphlliltraa.
FrJirr lypaaldra.
Varlalr*, rtt., ele.
de therapeutica nteic*
t ciruraka de 30 de novembre 1S60; a 0,.-;-;
dos hospilaes de 2s de-julho 1*60, ele, ele.
Alcm das pilula.-. deioduret duplo de {em e. i
quinina de Rcbillon. os Mdicos arons?;hto
igualmenie.o Xarope d'iodure duplo d
farro o de cruiaina do mesmo amnor para as
pessoas que nao gosto de medicamento sob tur-
ma pilular e os meninos. Este xarupe nio tea
como o xarope d'iodure ile ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folhelo que se d de grac* em cas*
dos pharmaceuticos depsilarios.
Para-se evitarem alsificacSes, exija O com-
prador m cada frasco de Pilulas o* Xarope a aa-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paris. pharmaeiaRebilioB,
4i2, ru du Bac, e em todas as boas pbarr.a:m
de Franca a dos puies estrangeiroa, ele.
limpo, por dia; e motores para mover urna, "duas,
a eutr;s dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
agua de Colonia a Pr 1ue P^6 faier mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs,
de baboza a 400 e agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
xem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Saunders Brothers k C.
X. II, praf a do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes oeste paiz.
-arraiinhas c.-.-n agua de Colonia
com superior
oleo
cneiros muito finos a
PHARMACirFRAN^AISE
^mlMfM li^l
RUA NOVA N
Acha-se
venda na livraria acadmica, na rua do Impera-
dor; na do Sr. Nogueira, junto ao arco de Santo
Antonio ; e na typographia impardal, na rna es- i Caixas de lamparinas para 3 mezes a 30 rs.
treiU do Rosario a compilago de toda a Icgislaeo | Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Frascos e
40O rs.
Frascos grandes
640 rs.
Frascos com superior
500 rs.
Caixas com 12 frascos de
1*400.
Sabouetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a !
320 rs.
Duzia de saboneles pequeos com cheiro a 700 rs. |
Agua denlifice superior quaiidade a 800 rs.
Caixas cora superior po de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
15200.
Frascos com essencias para tirar noduas de roupa
a 500 rs.
Frascos com cheiros de todos os precos a 160,200,
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito linas para senhora a
4*800.
Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs. p t
Caixas com soldados de chumbo para meninos a! rl>'llOb ('0 rOVIO
160 rs. das melhores marcas, em caixinhas de nma duzia
Duzias de colheres de metal para cha a 800 rs. de garrafas para casas particulares, sendo : Lagri-
Dita dita dito para sopa, fazenda boa a 1600. I mas do Douro, Duque do Porto e D. Luiz ; tambem
Pecas de fita de la para debrura de vestido, com tem anchetas de dcimo encapadas com superior
2lo00, ditas de quadrinhos a 35 : na loja do pa- ]
vao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
mmm
Fumo da Baha para
charutos.

#
avariado.
Franeez barrica 81000
Portland dem 8J5O0
Em perfeito estado:
Francez barrica 10*000
Portland dem 12*000
No armazem de Tasso Irmaos caes dofApollo.
Resulti pelas experienria feius nai Indias em
Franca pelos mais afamados mediros que is <.:: -
LAS e O X AHOPE de HYDROCOTTI.A ASIATIC \ da
I. LriNE sao o ptimo remedio costra io-je
tes de impigens ou HF.nrrs t aatns moles. a*
pelle, at as mais iuirteradas, assim romo.a irntt
OU MOnPHEA. a SIPIIII.I3. as XOLE.4TI SI-. U-.
FILOSAS, OS mil I MATISMOS chrOBicOS. Mr.
Deposito geral em Par, ero rasa de ro'::'.:.t
L.ABELOVYB. rua Itnurbon-Yilleneuti. U.
Deposito geral em Pernambucc rna da
Crnz n. em casa de Caros Barbn
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores.
800 rs.
Pedras de lousa para meninos
para acabar a 600
a ICO rs.
vlnho, barris de a9 e 10" em pipa
Sario n. 19, primeiro an lar.
: na rua do Vi-
tendente adrninistracao, arrecadagao e fiscali-
saco do6 dinheiros de orpbaos defuotos e ausen-
tes, herancas jacentes, legados, etc., conlendo nao
s o regiment de custas e a lei geral das execu
coes, como tambem todas as ordens e avisos do
governo, que a tudo tem explicado, tanto a respei-
to das obrigacoi's ioherentes ao cargo dos difTeren-
tes empregados de justica e fazenda, como dos di-
reitos naciooaes e emolumentos que sao devidos.
Este livro conlendo mais de 700 paginas em ntida
impressao e bom papel, e prestando-se a utilidade
de differentes classes, torna-se recommendavel.
Seu casto 10*000 por cada exeroplar em dous
tomos._________________ ___
Vendem-se tres escravas mocas com ^nibil-
dades : a tratar na roa de Apollo D. 18, iruum
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor quaiidade a
l& ahita: nos armazensda rna do Im-
perador d.16 e na do Trapiche Novon. 8.
Caixas com bordias estampas para rap a 100 rs.
Capachos comi>ridos, boa fazeoda a ,"00 rs.
Grosas de ooioes pequeos pretos para calca a
100 rs.
Frascos com superior agua de Colonia a 120.
varas de cordao de espartilho a 20 rs.
No vel los francezes com 20 jardas a 40 rs.
Pegas de tiras bordadas a 640.
dem com recortes a 1*560, 1*800, 2* e 2*500.
Frascos com superior oleo babosa a 320 rs.
Duzias de meias croas muito fortes e superiores a 1 tr
Resmas de papel de peso pautado a 2*800 e i*500 barat0 om pi,n0 de mesa em perfeito
troca-se por ama machina
Vendem-se no engenho Meguahlpe de baixo
doas animaes de roda, sendo uma besla e am
quarlo castrado. _________________
No sitio do Toque vendem-se boas cabras
1 paridas ha pouco, e por baixos precos, por evitar
1 inconvenientes que por nenhum outro meio podem
ser removidos,
Vende-se fumo superior de todas as qua-
lidades, a retalho e por atacado e por
prego commodo : no Recite rua da
Cacimba n. 1.
"~rssk:
Tasso Irmaos
Vendem 110 sea armazem rua do
Aiuorim n. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
vid'oTcm ?aS^7p,mfM com rolhasdei Attcncao ao barateiro de ob-
VinliosCheres.
Sanlernes.
Chambertin.
Hermilage.
Borgonue.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
jectos chegados de novo:
grande sortimento.
f
|...r-
iho.-
Vendem-se barris de 8* com .mol de furo
bom : para ver o tratar na roa do Vigario 0. 29.
Vende-se 40 palmos de terreno na rna da
Concordia : a tratar na rua do Alecrim O 10, das
3 horas 4s 5 nos dias otis.
estado, ou
de costura : na roa da
Cadeia nova n. 15, sobrado confronte ao muro da
casa de detengo.
A 1# 1#00 e 10&OO.
Leques de osso, ultimo gosto, a 1*.
Ceroulas de meia a 1*200.
Diltas muito finas a 1*300.
S na rua da Cadeia do Recite n.|5
Colla da Bahia superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azevedo &
('., no seu escrptono rua da Cruz n. 1.
Vende-se uma ptima escrava moca de boa
figura : a tratar na roa da Cadeia n. 40, loja de
relojoelro.
Vendem-se dous grandes lu-tres de Tidr-
com 2V luzes, do melhor g.,sio e por 1 rec,o r
vel; assim como api arelbus para rh e ft
lar, brancos e de cores ditTerentes: ditos d
celana dourados e pintados e braoros: app:
para jantar de porcelana branca; larr.r-em -
i dem em pe^as separadas, romo Irtfi
, zerem, compoleiras lapidadas para m
I para vinho, dilos para cnampagoi*, eof. s pai..
\ e para vinho linos c ordinarios, rm ratii*
i Ulo i laoternas de todas as qoalid;
I ditas de casquinho inglezas muilo linas ; c*
bros e vidro e de bronre; serpentina*. ** Je
, porcelana e de vidro para flores; biU. ka*^-
,guezas para resfriar agua; barricaM'jsn yr,
\ Ihos de mesa para jantar; gigos rum a#t*r- .? -
para cha; e outros muilo fortim*nt. < de" <'. ,-
I qualidades e presos commodo.- -
I pradores, que se vend :m na rua da i-d
I cife junte ao arco da Conc/iri.. n t'i. 1
Nova no grande armazem de kMkja e tMPr.
igreja da Coneeieao dos lliliures n. 40
Vendem-se
machinas americanas de serrote para dtKfccaf
clgodo : na roa da SemaJa nova n. 42.
r~ .,__:* jrzzZaT T


Diario de Peraamhnco Quluta Icira 19 de Agosto de 86*.
i
(SI Z3
GEN ROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
klirc 4Dlf 4 7f?\T
M0LII4D0S|S
flt
i $ Paleo do fiaraio n. 9 armazem Progresivo ra do Qucimado d.
% Uuio e Cominercio ra do Imperador u. 40,
q -g Principal armazem de molhados.
OS IMMNPJLtlETARIO.
Fazeni sciente ao respeitavel publico, e.com especialidade aos senhores de en-
wnhos, hvradoresemaispessoas do centro, que para raais facilitar suas compras deli-
to tram os proprietanos dos tres grandes armazens, reunir todo; os seus estabeleci-
meatos em um s annuncio, palo qual o preco de um ser de todos, promelte-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai pubtcado, annunciar os geaeros
por um preco, e na occasio da compra quererem por outro, como soeede constante-
mente cm outras militas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
anda mestno com prejuizo nosso, quilqoer pessoa poder mandar seus fmulos que
seriio tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela i ni se ver os presos tal qual annunciarmos, o que seno arrepender pessoa
a'gama que Gzer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada dem com 4 a 5 ditas a 35200.
ltimamente no vapor Saladim, de 15 dem vasios de todos os tamanhos a 2.5000,
a 15120 a libra e em barril ter abat- 15500,800 e 640 rs.
ment. ; Queijos d 25300 a 25500 os mais frescos.
Jden francesa'muito nova a 15 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
em barril ter abatimeato. 25000 a caada.
Banii de porco refinada a 640 a libra e em dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 15400
barril ter abatimento. a caada.
C .,; uxira de superior qualidade a 25600. Azeite doce de Lisboa muito fino a 600 rs.
dem perula miudinlio a 25700 a garrafa e 45600 a caada,
dem iiysson especial qualidade de 25500 a Toucinlio de Lisboa novo e muito alto a 400
25600 a libra. a libra, e em barril de 5 arrobas a
dem preto muito especial a 25000 e 2,5400 105500 a arroba.
a libra. Ceneja Bass do fabricante Shlers & Bell a
i.; do Rio em latas de 4,5000 e a 800 a 65500 a duzia e 640 a garrafa.
VIMOS
Largo da Santa
'Cruz n. 84, es-^
'gqmna da ra doae
rora Brllhante SSn.tJ muit0 acred"ado armazem de molbados denominado Au-
A seniinitabella4rvirv ??*?" s,I?iment0 de *eDeros de Prlmelra qualidade.
Nenhum irm7m vi todos de base Para aJusle de conlas aos portadores
.'._,um "* vender' mais haratn P mnlhAr rtl, na a,. Rriih.nt,
Largo da Santa?
$Cruz n. 84, es-|
equina da ra doj
gSebo.
m mi mt ai mt i
o
o
O
DE
tantesfregnezes ',' "" de fazer loda a dilBencia, afim de servir bem os seuscons-
|Laa7S8"'braS dechouricas nn"onovas,
Ditas grandes
em postas inteiras,
a 15000, 10280e
libra.
ljhs com biscouto de todas as qualidades
a 15-200.
I q da creditada fabrica de Biato Antonio I
dem Bass do fabricante T. F. Ashe a StfOOD
a duzia e 560 a garrafa,
dem marca H Vicloria Alsope e outras
muilas marcas a 55 a duzia e 500 rs: a
Rom peixe
raa|sde 12 qualidades,
15400.
DKra^0VseXCe,leD,epe,SC0')af"-
Sss com as n6r0arvasopadas- a72rs-
Sltal rZ araeXa,S ?ifi00' l*m 350O.
asaras ?sada do afamadabricante
jDitascom massa de tomate, 5'00 rs
' 2Se2300SdeCOmadre' nV0S,'a l*m<
fnm ,Iachinha de soda muito novas, a
h35?8^Inglezes de rauitasqua-
Caixinhas
a.Inirao a ***,MO e 35*001
novo, a libra de
(Lisboa) proprias para dar a doentes a; garrata.
_-"> .3 35 a lata. ; Sabao primeira qualidade a 220 rs. a-libra
ir-1 '\hha ingleza muito nova a 35500 a bar- e210emcaixa.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
rica e a 240.rs. a libra.
l s culi i>ola\mha de -oda e oval a 25.
sonto ingles para fiambre chegado no
1 :; no vapor a 8^0 rs. a libra.
Ch iiii.'os e patos muito novos a 900 rs.
E libra.
... s com macarrSo talbarim muito novo a
." >) e :20 a libra.
Aletria branca e amarella a 500 a libra.
.lato portuguez de especial qualidade a
80 a libra.
:'. (m suisso de 800 a 15000 a libra.
1 bes Qbol verdadeiro a 150U0 a libra
. ja vendemos a 15400.
da casca de goiaba em caixes de 4 e
meia libras seguro a 15800,
id 1 em caixoes pequeos a 700 rs. e de
50 para cima a 640.
Id o secco em bocetas ricamente enfeitadas,
conleodo pera, soseg, ameixa, rainha.
. ostras fratasa 35000 cada urna.
u em calda em latas feixadas hermetica-
oiente moHo bem enfeitadas, contendo,
:. pesego, ameixas e outras frutas a
'.! e 7O0 a lata, tamben temos latas
grandes a I520u.
'; melada dos melhores fabricantes, emla-
ws do 25000 a 15200.
Id a o,a hias de 1 lj2libra a 15-
: rn em iaias de I libra a 640 rs.
Ervilbas em latas chegadas neste ultimo va-
p( r a TOO e de 5" para cima a 640 rs.
F o verde ou carrapato em latas j pre-
parado a 640 rs.
Ameixas em frascos de vidro a 15500.
Idixa em caixinhas ricamente enfeitadas de
l:!J0a 25500.
C .. rvas Mexlfle muito novas a 700 rs. o
frasco.
l i q de ceblas simples a 700 rs. '
ao ioglez a 640 rs. o frasco com rolha
'. vidro.
: rda em p a 700 rs. o frasco.
q j preparada a320rs
Latas com massa de tomate de 1 libra a
I) rs.
. ..ii um latas de 1 1)2 libra a 900 rs.
Vunosem garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, f)u.ue do Porto, Duque Semi-
!. 1, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velbo Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 15 a garrafa e 95 a 125 a duzia.
. a Palmella a 15 a garrafa e 115000 a
duzia.
i em pipa de todas as marcas Porto,
Figaerra e Lisbja a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 25800 a 35500 a caada.
a 180 rs. a libra
180 rs em caixa.
Sabao inglez superior
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 75000,
75500 e 85 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Marannao 3.5200 a arroba e 100!
rs. a libra.
i dem da India a 25600, 25800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 55500 a cai-
i xa, de Simas (Jos Furtado).
dem Londrinos a 55, idem.
dem Parisienses a 45500,
dem Delicias a 15500.
dem Traviata do Rio a 55500.
dem varetas de Manoel Peixoto da Suva
Netto a 35500 e 15^00 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 15300
a meia caixa e 55200 a caixa.
dem meccipes a 15700 a meia caixa e
35000 a caixa do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 15800 a-meia
caixa e 35400 a caixa.
dem jovens de Castanho & Filbo a 25400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 15^00 a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 15500 o quarto e 53
a caixa de urna arroba liespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposicSo de
comer a 15500 a garrafa e 145000 a
caixa.
Alpista muito novo a 35800 arroba e 140
a libra.
Painco a 45000 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas j preparado a 15200 a lata
e em porclo 15000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo paralimpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 105000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas era anco-
retas grandes a 15800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 25500, 35000
e 45000.
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 45000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranho muito alva e nova a
240 a libra.
Sivadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito nova a 140 a libra e 45000
arroba.
Clicolate.
com ameixas enfeitadas proprias
...jo a 1,8*00,23
nocoiate superior muito
880 a 1,5000.
MaaCa4o'>'albarani e aletria amare"a. a l'bra
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
tanas com estrellaba, pevide, e aras mas-
sas, a caixa 34C5O0.
Ditas dita em libras a 610 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadinha para sopa a libra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
unas descascadas, a libra a 200 rs.
rapioca muito nova, a libra a 280 rs.
500 de ararata verdad8ira. a l'bra a
A,2?^0 Marai>ho, emsacco, a arroba a
25'*00 e a libra a 80 rs.
Dl{ da In* e Java, a arroba a 35200 e a ll-
ora a loo rs.
Vinlio verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
Gomma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se*
enjromraar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs. *
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs. )'
Fariuha.
Saccasgrandescomfarinbade Goianna mui-aj
to nova, a 55000. Sj
Caf. i
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85, "^
85500 e 95000. vj
Cha. Cj
Cb,temos nestes gneros o m tibor possivel.gj
hvson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxim a 25700.
Dito hyson muito fino a 25^00.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira qualidade a 25500. \
Dito mais baixo a 23000 e 15600.
Erva maTe.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs. <
Espermacete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs. <
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 45 e 25S00.
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
Alpisla e paineo.
Alpista e painco, a arroba 45000 e a libra a.
160 rs.
Cartas.
Cartas Anas para logar, a duzia a 23300.
isboa a 9,500 a arroba e a 320 Castannfts mru SSIL vapor,
ba 45000 e a libra a 200 rs.
Azeitonas.
Barriscom azeitonas novas a 13300
rs. a libra.
Dito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
260 rs.
.Molboscom 125 ceblas grandes, a 1:280.
7S0O0 franceM' caixa com 2 duziasa
iFras?s com mostarda preparada em vinagre,
"Ditos cora conservas inglezas e francezas, a
l 640 e 800 rs.
PDitos com sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.
3Ditoscotn a verdadeira genebra delaranja, a
5 1JJ000.
RDitos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,a
r 640 rs.
kBoJas com dita proprla para negocio, a
!j 400 rs.
JGarrafoes com 2 gales com dita, a 65.
jServeja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a 1
D duzia a 6#000.
BVinho muscateldeSetubal, agarrafa a 15.
, Marrasqumho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
R a 13200.
JChampagne, a duzia 205000, e a garrafa a
\ 25000.
0 Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
3 a 13000.
,Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
75,83,93 e 103 a caixa.
JDitas com dito branco, a 73 a caixa.
^ Ditas com dito lagrimas do Douro verdadeiro,
6 a 205-
'Ditas com duque do Porto verdadeiro,"a
. 183000.
hDitas cora chamisso superior, a 145.
Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 125.
>Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
1 e 800 rs.
.Dito de Lisboa muito bom.acanada a 35200,
i 33500 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
'Dito da Figueira, das segointes marcas (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
s 45300, e a garrafa a 560 e 640 rs., desle
f que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
IDitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
I da a 33500 e 45000, e a garrafa a 480 e
320 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
arro-
libra
Manleiga.
Manteiga superior, a libra a 15280.
Dita mais abaixo a 15200.
Dita menos superior a 13.
Dita franceza nova, a libra a 880
Dita dita em barris e meios ditos, a
850 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 25800 el
35000.
Ditos londrinos muito novos, a libra
15000.
Papel almaco pautado, a resma a 43800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 43300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
23500.
Dito de embrulho, bom a 15 e 13200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdafleiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15500 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pi menta do reino, cominho
e crvo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 13400
e pequeos a 640 rs. Cf]D
Tijolos de lintpar. *Jyj
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duziasde boioes de graxa n. 97 a 25000, e
de latas a 1-5000, e os boioes a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos tinos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixa: e meias
AZEVEDO FLORES
Ba da (adeia do Kecifc, esquina da Madre de Dos.
BALftES
Os ricos bales de arcos de 35, W e 55
Baloes de arcos para meninas de 2 a 12 annos a 25 e 25300.
Baldes de panno para menina.-, a 35 e 35500,
Chapeos de sol.
Os afamados e bem conhecidos chapeos de sol com 12 asteas a 85.
Ditos maiores com 16 asteas a 125.
Tapetes.
Grandes e pequeos tapetes con ricas eslampas para sof.
Chitas.
Chitas largas a 240 rs. o covado.
dem escuras floas a 320 rs. o covado.
Camisas.
Superiores camisas a 25500.
Camisas com peito de fr, e todas brancas a 15800.
Ha muilas outras qualidades com peito de esguiao.
Casemiras.
As modernas casemiras de quadros, chegaram.
Roupa leita.
Ha completo sortimento de casemiras, de brim branco e de cores.
Collelrinhos.
Chegon nova remessa decolleirinhos de papel de cores e brancos.
Tambem ha completo sortimento dos de esguiSo.
Calcas.
Calcas de superior brim pardo a 25500.
Catnbraia branca.
Superiores cambraias brancas a 55 e 75 a peca.
Cambraia branca para forro a 320 e 400 rs. a vara.
Las.
Las de bonitas cores a 480 rs. ao covado.
dem para luto a 560 rs, ao covado.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico novas
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas supi>5e sempre ser as mesmas fa-
zendas.
AO H10
AVIKA.H
GREGORIO PAES DO AMARAL & C.
que receberam pelo ultimo paquete.
O MAIS RICO SOltTIMENTO
DE
GUIPURE
manufacturado em
1 ancorlas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 245 a
.[careta.
:! branco especial qualidade proprio para
raissa a 560 rs. a garrafa e 45 a caada.
:i lis baixo a 400 rs a garrafa e35500
a caada. i Caixas com eslrelinha, rodinha e pevide a
.1 do Porto especial quilidade a 800 rs. 400 a libra.
arrafa e 55500 a cenada. AHtos emeanastras muito novos e mauncas
l m Bordeani em caixas a 75 e 700 rs. a grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
0 irrafa. Canella muito nova a 15000.
:. npanna a meliior do mercado vinda de' Gravo muito novo a 500.
n issa encommenda a 305 o gigo. I Cominho idem a 320.
a mus baixa de 185 a 205 e 15500 e Ervadoce idem a 400.
.33 a garrafa. lAlfazema flor a 240.
:. res Kuta&mm e francezes a 15000 e Amendoas a 400 a libra.
1 JdOO a garrafa. Nozes muito novos a 160 a libra.
Ma rasquino de Zara, verdadeiro a 15500 a Papel greve a 45200 a resma.
1 Tafai dem lizo a 45000.
a mas abaixo a 800 rs. a garrafa. dem de pezo a 35000.
. bra de laraoja ver.iadeira a 115 a du- dem de embrulho marca grande a 15200 e
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
e 15 o frasco.
\: de Hollanda verdadeira a 65 a fras-
quera e (iuO o frasco.
I I .1 de Uarnbur,'0 a 55500 a frasqueira.
: a an Imtigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o frasco.
it is com genebra de Hollanda com 24
irrafasa85, com garralao.
Idem com 14 a '
15 garrafas a 65-
15300.
dem azul para botica a 25000.
Copos lapidados a 55500 e 500 cada um.
Palitos de denles, magos grandes a 120 je
160 cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 15509 a libra, em porgao ter
abatimento.
Grandes chale granadme
Bournus
Eotondos
Treanon
Pampadour
Wateau
pretos, brancos e de cores; magnficos desenhos, de gosto modernissimo.
MARA ANT01NETA
Vestidos de GRANDE TOILETTE. Fazenda preferivel pelo brilho e gosto, a mo-
reantique ou grosdenaples. Barras e laco bordados a f>oco e vidrilhos, sem depende-
1 em de modista para os fazer, visto trazerem o corte debuxado.
s- i
Saccas- grandes com 100 libras de farello superior
.-XS3I
Farinha.
Vende se farinha di mandioca muito nova, sac-
_ 1 ande* a 4 : no armazem de farinha da pon
te nota dos Sr<. Tasso Irmaos, para porjoes, na
ra da Madre de Dos ns. o e 9.
N. 11Roa do QeimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chegou a esta estabelecimento um grande sortimento de cortinados bordados para
camas fazenda de muito goslo.
! Chales de guipa muito finos para 215, 253 e 305.
Colxas de seda superiores de diversas cores para camas de noivas.
Col xas de laa e soda para cama tambem de bonitas cores.
Rotondes'de guip enfeitados com o inelhor gosto.
Setim de Paris bella fazenda e de bonilas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureantlque branco e preto, grosdenaple preto e de cores, pannos pretos de todas
as qualidades, ditos azaes.
Casemira prela e de cores, merino preto, silistrina, bombazinas, alpacas pretas, e
laa preu para lulos.
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 4 a 115-
Brins de linho de cores finos a I 8110 a vara.
Chapeos e chapelmas de palha de Italia para senhora, manguitos hordados, chapos
de seda para homem, chapeos nbas, silesias e muitas outras fazendas qase veodera p9r commodos- predas asirn como
tamben
Esteiras da India para forrar salas
_. QUEIJOS DE PBAT9.
Chegados pelo vapor francez Navarre, em 12 docorrente, detxcellente qualidade e em calxi-
raaito nova e superior : vende-se no escripiorio nhas de um queijo, vende-se no grande armazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Re-
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do cife n. 60.
Corpo Santo n. 19. I
-% i '/^r~:
th*
mmmki
Glac-royal, em pecas com listras de seda primoramente bordadas ou matisadas.
fazenda inteiramente nova de bonito elfeito, para partidas, soirs, thealros, passeios ek"
OUBLG# CAPAS
e SOBRETODOS de panno mesclado (impermiavel) vindo no'ultimo vapor
Ue um s panno
Colchas de damasco de seda portugueza, de todas as cores
GRAVATAS, MANTAS
decores, muito bonitos padres a 500 ris.
BONETS de pa ha ricamente enfeitados para senhora
CHAPEOS
CHAPELINAS
ENFEITES
Costantes de fustn enfeitados para mancas
E innmeros objectos de modas recebidos directamente por todos os paquetes e
escolhidos caprichosamente dos mais modernos gostos da Europa.
IAli:\lf* PARA HOlEl.
Casimiras modernas de quadros, panno pretos e de todas as cores, brins, sobre-
casacas, palitos, caigas, coletes, camisas, ceroulas, lencos, meias, etc.
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
Boin negocio:
Vende-se por mdico prego o sobrado de tres an-
dares na ra do Amorim, bastante espassado e de
ra a rna : na ra do Vigario n. 19, escripiorio.
Grande sortimento de roopas feitas dele-
das as qualidades,
Farelo
a U a sacca, das maiores que ba : na
do Rosario n. 50, taberna da esquina.
Cal de Lisboa
a granel a 1500 por ama barrica: na rna do Vi-
gario n> 19, priraeiro andar. ____ _____
Para matar formigas
Vendem-se velas para matar formigas ; na ar-
mazem da bola amarella no oitao da secretaria da
policia.
Calcas de casemira a 6. e 7f00, i
di e H, calcas de ganga a 25 l800 e
ditas brancas a i}, brim de linho a 3,
4, paletots do alpaca branca a4480O. di)
a i e 35500, ditos de alpaca de cereo a &
de listra de seda a 45500, ditos sobracataew a 3&.
paletots de casemira a 55, 55500, 65. *5 < *5,
ditos sobrecasacos pretos a 125. 15 e I,iin|.
ra larga nos a 55, de corM 13ii mtot f,,p a IV^
! paletots de ganga a 35, 25500 e 25, tos de
------------ pardo &J5_^M^^t4t bri pa*l
preto fiaoa!5"JPM, JJOt tl|J|lUo
covado, mortaottque pretr, a 2jO0e te*
denaple preto a JpK \\
o eovad*; cetras ir.u mfc
deixa de aiMweiar e manfla nt L
, ros da leja da iv.^ a casa dos piiiai 1. O
e tabeleataento, eMiaMrtoaK as taoraa da 1
1 ra da Itoper ariz B. 56, rata "


.

Diarlo de Pernambneo Quinta tetra 19 de Agosto de &S6ft.
0
GERENTE

PUBLICO
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
vam a qkdhm m sis minuta
AO
ATTENQAO
O* prejo da aegulBte
tabella para todos, po-
tlendo assim servir de ba-
se para o ajuste de ceetss
com os portadores.
Manteiga ingleza especialmente escolhida a
i.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
I Cha hysson de superior qualidade a 2,600
ItKSPEMMVEi POII.IC O.
A apreciado dos habitantes fiesta heroica provincia existe no grande arma-
icm da Liga establecido ra Nova n. 60 um magu ico sor ti monto "de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente do estrangeiro^podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a faluidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm .iffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguiotes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sincerdade nos precos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharSo nesta: rs. a libra.
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de Cha perola o mais superior do mercado a
primeira qualidade. etc., etc. 2,8oo rs. a libra.
Qualquer que seja a cndilo do fregnez, elle deve contar que ser sempre mui- dem hysson muito superior em latas de 15
to bem servido. libras muito proprio para negocio a 2,ooo
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte far3o mensalmente urna economa de rs. a libra,
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man- dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
teiga o assucar, ele, etc. de boa qualidade pelo prego que em algumas partes nao po-j bras a l,6oo rs.
dem ou nao querera veBder. dem preto o que se pode desejar neste ge-
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne- nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra,
gociar, devem vir, pelo sen proprio interesse, a esle estabelecimento para se convence- Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
rem do quanto se pode vender barato. barril se faz abatimento.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento cial, escolbido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores' Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
compradores. para temperar panella ou para fiambre.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agr- Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra,
dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feij5o verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem i dem para vinho a 2 lo rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespaobol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oors. a libra.
i Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
. | Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e 6 io e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda n 6,8oo
e (4o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
Sem o menor eonstran
glmento se entregar
importe do genero que
nao agradar.
ARMAZE
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Conceico)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore* nhoras, o aceio qne presidio aos arranjos destenovo estabelecimento, e mais que tudo a promptido e intei-
ezacom que sero tratido*! convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteccao e preferencia r,a com-
rra dos Reneros que precisare* e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco ortico?
rois sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaca, afim de quenovoem
tra parte.
Bichas de Hnmbni
flfc todos os paquetes da Europa se r -
destas amigas do sangne l:in ,.
venden) a iruco de nouro lurro .fin.
de ler sempre ron-a nova : a |
beiro rna estreita do ltosano a. '?,, ao p -^
da igreja.
on.f *s* mi:*-?!
Vende-se um roole-ioe rr..ulo rie i i
26 auno?, bom coznheirn, eoseiro, i.
quem preieDder dirija-se a rna ti fe n. 64, segundo andar.
ESCBiTGS mil
.
dar a todos.
PELOS SEGINTES PRECOS S SE VENDE
A DMHEIRO A VISTA:
A Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
ALPISTA a 120 rs. a libra. urna,
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas rancezas em latas de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Amos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 23000 a garrafa.
B
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas,
dem do Principe Alberto a I5800 a lata, e
de cinco para cima a 10700.
dem de soJa em latas grandes a 2;$000 e
de cinco para cima a 1:5800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
1,5200,1)250 el 300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Bamia de porco refinada.
c
CHOCOLATE francez a 600 rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 10500 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7)5000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 1-5800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e deoutras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'lavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, uelicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Hegalia, Mississipes,
Panetellos. Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 2)5000,
252"0,;>3ti0 e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25oi30, 35500, 45 e 55.
Cauces de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
D
KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa,
L
! LATAS cora graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, a libra.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macauro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Momio inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a .
Massas finas para sopa branca e amarella al
60 i rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Mimo painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
H
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Alelria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Sal refinado em frascos devidrocom lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e Sft
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs. |
i Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
! No dia 27 deste corrale i
! Dous Riachos, lermo 1 preio crioulo, eteravo do atoan u
tem a Idadc, domo mais ou es
temos llgnai seguinle* : boa
to, bem erniitrnatio, e nem muito fula, narii chato, ate.
rados,0n> pouco* cabellos na Mrw,
ralcanhares bem pucha! m n
e nunca fin surrado,
(file e eteravo, m a x! erienn.-i
elle quando coniigo htlaea to i .
beca, tal vez qne anda assin: bfi i
soperloi i s, ha potito lir.u (! Ota | .
dores, Ba supponho sis Mf m
MO o don certeza ; e nljn .,uc
de outros, lera iiiunr.o. Je 'Ogajar-
dos pretos para a marcha 1 Paeafi
aulondades a captura do dit' orn


r t
"OTO, |
a qnal(|UT pest-oa d^
generosamente.
Joo Correia i.-.
Va
.i! r
NI
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a do de Simas, das seguintes qualidades:' Ausentos de nm M b.
Ostras inglezas e americanas.
*
PEIXE em posta, latas grandes, a 15C00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente prepararlo.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas era qaarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
n
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 600 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartinhas ou mori.nques a
11
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25300 a libra.
H
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 23?.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a -100 rs.
X
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs. ,
Tinta azul e preta para escrever.
32o, 4oo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco cTe Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo,15,ooo,
12,ooo e 1 o,oooa caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,000
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
[ Cartes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,000 rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolacbinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezns em frasco de vidro com
lampa do mesmo, a 155oo.
Ameixas franc zas em caixinhas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
Exposicao Normal de Havana, Imperiaes jy*"*'.* 2i-a
Loadrinos, (Sabaras. ParisVnJ*. Sus! SS7St& ',
piros Delicias, a 4,000, 4,5oo, 5,OOO, grvida de 6 para 7 mez**,
6,000 e 7,000 a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
opnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de guiaba a 2,000 a lata com
4 libras.
No da 2i de marco de I**." ti .
cao de Santo Amaro de larttl Je
nome Liurn.cr. ptrt u-.nv m ,'
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a a
trm a
preta e tem ?ic.< de I- ( r. o HH
e lavar roupa nos chafarn da nt ,
Carino e ra Imperui. m bM .!i
te, e levon vestido d<- *>r:: h'a e. i
panno da Corta ; o Mgi
conhecica lr o Mo etotM
foveiro : quem ptfH
do Queimado, !oja n. '. que ten* I
sado.
'
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 600 rs. a
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,000
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
cabera lem cheria i i.t. I
olhos 1 retos, Lariz chal-, hm f* i-q i >
dos os dentes.os qoa- -. :in:-; I :
bratesgrossos e ClbrlMH, i ; earftafM
as juntas das mis, L-m v,,;v.i-, t #m* wtm
que na esquerdi. pnM #r"^a- r nMMdt
natural de frica, tr i.;h raripina.
25 anuos de idaae : qu^ro o pt*r i |.-,
estaco de Riheno (. i vu-forrea en wr.a i
I junto a me-ma eslaco. onde mora
sipnado, recebera" ,..'- a mfmt^ j %
recompensado, lia ixUria ; M 1
como voluntario. KraniiM o XatHt i
Wanderley de Gaaift
tren
?*
xa exterior, a l,4oo, 1,600, l,8oo e 2,000 Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. l,5oo cada urna ancorela.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez .Champagne da melhor qualidade que ten
a Ooo rs. a garrafa e lorooo a caixa. ao mercado, a 2,000 e 3,5oo a garrafa, e
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo 24,000 e 26,ooo o gigo.
o Rigo com 36 libra-. Gomma de engommar mqito alva a 12o rs.
grandes a 1,000e44,000rs.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,000 rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
V
VINHOS
!!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa
arroba.
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de-Zara propriamente dito a
-rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-, 15 a garrafae 1 l.ooo a duzia.
!ho. i Palitos de dente a 14o rs. o maco.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
os, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e640 rs. agarrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.


DOCES de todas as qualidades: brasileiros, 2" ^U JET
nnrlumiMoc ir.,rlo-7as frarwwo olP ato i uullUB d ^ 10<>UU.
portuguezes, inglezes, fraacezes, etc. etc.
B
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15.500
Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carca velos a 15-
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa,
dem S. Julien a 600, 800 e 15 a garrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185-
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Farello ha sempre em deposito de 500 a Vinho figueira em ancoreta a 205.
800 saceos, de todas as qualidades, de to-: dem Figueira e Lisboa em pipa a 25500 a
dos os tamanhos e de todos os precos. caada.
Para destruir ratos e baratas.
Prepararlo ingleza recentemente chegada : ven-
de-se em potes de barro, na travessa da Madre de
Dos n. 9, armazem, a 610 cada nm, e dozla a
45800*.
Taixa de ferro
Qaem pretender comprar a taixa de ferro coado
com 6 palmos de bocea que se nena na estaco de
Frexeiras, pe entender-se com o Sr. Sena Santos
no sen engenlio Frexeiras, ou na ra do Impera-
dor n. 42.
Catangas finos e brtnquedos
para meninos.
Uiegaram para a toja de miudezas da ra do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para brinquedo de meninos como para cima
de mesa : na raesma toja se encontrar bom sor-
timento de miudezas.
Lavas de pellica.
Recebeu pelo nltimo vapor lindas luvas de pelli-
ca de cores e brancas para homem e senhoras : s
quem recebeu foi o beija-flor, na ra do Queimado
numero 63.
Grande exposi$o de fa-
zendas.
Que eslo a venda, na loja e armazem da Arara,
rna da Imperatriz n. 36, Lourengo Pereira "tien-
des Guimares.
LZIXHAS A 240 Rs. t
LAZINHAS A 240 R?. t t
LAZI.NHAS A 240 Rs. t t t
Ha um grande sortimento de lazulitas chinezas,
chegadas pelo ultimo vapor, sendo fazenda que
quaesquer loja vende a 400 rs., est se vendendo,
na loja da Arara pelo diminuto prego de 240 rs.
o covado.
MADAPOLO COM 24 JARDAS A 45300 t 11
MADAPOLO COM 24 JARDAS A 4500 t I I
vende-se madapolo com 24 jardas e garanti-
do se que tem 20 varas, pelo barato preco de
4^300, 55000, 65000 e 65300.
RRETA.NIIA DE ROLO COM 10 VARAS
A 25800.
Vende-se bretanha de rolo a 25800 a pega, s
Mendes Guimares.
MADAPOLO ENTESTADO A 35000, 35300
E 45000.
MADAPOLO ENTESTADO A 35000, 35500
E 45000.
Vende-se madapolSo enfestado pelo o barato
prego de 35, 35500 e 45 a pega.
COLCHAS DAMASCADAS DE FSTAO.
Vende-se as mais modernas colchas de fusto,
tendo de todas as cores a 55500, ditas grandes a
65000, ditas de damasco a 45000, ditas de chita a
25240 e 15900, isto s por a cabar, na loja e ar-
mazem da Arara n. 56, Mendes Guimares.
LHITAS FRANCEZAS A 240, 260, 280 E 300 Rs.
CHITAS FRANCEZAS A 240, 2*0, 280, 308 E
320 Rs. O COVADO.
CHITAS INGLEZAS A 200 E 220 R?. O COVADO.
Vende-se cambraias brancas de salpicos a 45300
a pega, tambem ha um grande sortimento de cam-
braia brancas qne se vender a 35, 35500, 45,
55, 65 e 75 a pega.
CHALES DE MERINO A 2J000.
Lengos de cambraia com barra de cores a 15800
a dnzia, ditos de dita branco a 25 e a 25400 a du-
zia, s Mendes Guimares.
CALCAS DE BRIM DE LINHO.
Vndese caigas de bnm de linho a 35400,
25600 e 45000, ditas de algodo a 25, s Mendes
Guimares.
Soutambarqnes de cores, vende-se muito barato,
ditos grosdenaple preto, capas pretas vista se
far prego.
PALITO'S DE ALPACA BRANCA A 45500.
PALITO'S DE BRIM DE LINHO A 55000.
Entremeios transparentes a 800 rs. ditos tapado
a 15, ditos para babado a 15000 cada urna tira.
ROUPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se nm sortimento de roupas feitas de
todas as qualidades, que a vista se far prego, e
outras muitas mais fazendas qne se dixam de
annunciar, ra da Imperatriz n. 56, Mendes Gui-
mares.
Vendem-se caixas de cigarros de estramoni-
co para asmathicos, vindas de Pars, por prego
muito commodo : na ra da Imperatriz (aterro da
Boa-Vista) loja n. 68. I
\zeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa
da Liga.
no grande armazem

Saceos de 80,100 e 120 libras a 45,45500 e 55 ; no gran Je armazem
da Liga.
w'"l
PECHI


-'. ti
Madapolo muito fino com pequeo toque de avaria, por preco que admira : na loja .-vj
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de vasconcellos & C.
I0G9
m
2 t^S g q o o i rr-l ST o o o> o
6 #8**
i M o
os
O
c P.ST

CT>
J-
CP
3 O CT> ^
i S "Z o crSi'f^
S-S-gS.^osls'S.S.SS'g'S-.i^
S-8CT--
52S
03
Bl^i^PS^cL
_. 5-'!
2. o 2 o. o *
M
5*8
6"
III
"2 o a 3 fe
5 o o t
9 M.
60 v < 3
^ ?*
? 2. a, p. 2. &

o.
d 2
R:2
M
(X
'Ji
W9
<3
a.
3
H
OQ O 2 O
o
O a
H
if
5
o
a
o
a
t
o
a
5d
LOJA DO BEIJA FLOR
Na roa do Queimado n. (>3.
Tendo recebido um sortimento de bone-
cas de choro, que chamam papai e mami,
com cabeeira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento de
brinquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas : apparelhos de almofo e de
jantar de porcelana e de metal, porta-licor
! e faquinhas a 280 rs. o par ; e nao queren-
| do continuar, vende mais harato do que em
outra qualquer parte.
Vende-se tiras bordadas de differentes
larguras a 1$, e babados, collarinhos e pu-
nhos para senhora, bordados e abertos de
renda e lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-se 13a para bordar de diversas
Achsir. se fug.l..- u HfMM
mulato, ida > d 9 an M cabl
barba, denle.- nm n lima!--,
testa torga, e fall um posta d
irioulo,j;i um pouco v-i|K>, allur.i
cabelludo, b>rba en a'(im ca t.
ineotno m cabrea, . tanto pefjMBM, Hh jrr-sa e a-
roiico : pe*Ma m tatoriBiei i
pitaes tena^vejm :. ftm a,
duzi-losa' ca-a de en s-'nh r o i A
Silva Gowaio, vaa ireMreMaMa
e ll.f> pasar.1 toda Mpm ''ie A .
condncco : wppfc t ;.' rU
mfaeoto des serle' iig?ia ptwvinc
iilhos tanei lugares.
Fngio na noite ik- !.' p *. .
mez, do sitio do Sr. Dr. Aof I.
ponte de l'cbi, o h m-- n i
.-i qne branco, leudo no n *to r>:rr.
b"m visiTeis, cabello asueto !, bs< i
bem fallante e de cerca t.- 2* anni"
vou c;misa de baeta en-arrada e r|..
noro, NUpte-sc qne vacu to t.. -t.i n
fe ou peas roas rircuiivisiiii.an-.a- .
preheoder e ievar ao m>L-i< n
lorio da racji do Corpa >.i.v- n. 17. ;.
dar, ser leBvrooaaaeMc rci n-pen> Pupio no da II i i!hi o tari -at^ -tar.
a muala Suzana. a <) i. a I :, n i s >:er,.
aliura refalar.corso eheki, cor Mari
cabellos corridos e bem aparado*, asn bM,
ta estrella, olbos si i rana, satoj rsati
grande, Leicos OBIOS, bita ic d. ni. -
e dedos eorioa, idade puuco mai- oo i
nos, natural do sert". Isosi reti>
escura com palmas brancas e panno la si mpre rino-se : peiie-s." a- antoi '
ciaes, epitaesde camo>a qual i
soober leva la ao seu se-ntur na tur- '
dencia loja de chapeos n. li e lii.
ro.-anienle raliliiad a rii-.ii.i. | .,-
ta ser contra qualquer qne o trnha i
ha noticias qne est dentro aaeaSM ri-
lada e se a.-fim e?ta pessia que a
do contrario ser pnnila com I ia
Au^c-Dton-^e no da 2 do rorresti .,
da casa da ruadolmperiii-r n. 16. do, crioolo, cheio do coi po, altura r pn!..r. se
comprido, oihos pequeos pnon l ,i
sa e bigode, bastante l.diiM>. rr| renu it.- iS
annos, pouco mais ou lee, t julga-
calca prela e camisa branca ; este evravo foi ci-
prado ao Sr. coronel G.tlvao. do Limoer para <-
de se julga tenha fgido, mas ha qs. ;
valo na Passagem da Magdalena, Rcaditii i
zea; e como se desconua que estoja
protesta-se proceder contra qn-ni o d
e pede-se a quem delle der noticia ou o agan.r,
que dirjase a sobredila eoM, oo a roa o Crespa
n. 13, que ser recompensado.
-
:.
f^ qualidades e de cores claras a 7$ a libra, es-
Gratificarlo de 1005000."
Fugio dos abaixo assignados iwi !ta f ^
Janeiro do corrente anno," o seu mamt
nome Jos com asignaes segiiinu>
bra escuro, cabello carapinho. estatura ia-
xa, cheio do corpo, ps largos e faz unt
to as peinas quando anda, mu ib
barbado, e lem urna cicatriz bem >iM*el n>
um lado do queixo, e outra Irm pi'Wkiie
nasnadegas, proveniente de surra cuj.
cravo compramos junto c m ooiro a., ^r.
capitao Silvino Guilheime de Bares, t .- .
Sr. os havia comprado ao Sr. Joo tbral,
morador em Nazareth. Consta-nos qw pjaj
escravo filbo do Brejo da Madre de De h
aonde casado e tem filbos, lendo-lbe abar-
rido ltimamente a mulber: porlanio r> . mos a lodas as autoridades poikiaes a aaaj
captura, e a qualquer particular sr- gr
cara com a quantia de 100* se o fn-u-cr jj
seus senhores MbH praca, rna da Iropt-: a-
triz, refinaco n. 46.
Luiz da Silva Ferreira A C:
Na noite de 6 para 7 do corrale omc de
agosto fugiram do engenho Jurissaca, frefoetu lo
Cabo, dous escravos com os signaes srguiot*.
gg. I pelhos de columnas de Jacaranda a 2^500,1 ^SS^l aSTA tS^ST.
^ ditos brancosde diversos tamanhos, caixinhas corpo regular, foi comprado a doos m**.^ *, fe
; | para estojos de navalhas, Joao do Carvalho Raposo, morador em Ijli iissj ;
Colfaeres de metal principe. Jos,J crioulu.bem preto, dade t4 asaos, oav
'< ,r e rtSrasmetal fS^Bies? ssms cint sa:
, tirar soupa a 20, ditas para Cha a 20300, levaram bastantes roupas, como taaabcm absm
ditas para soupa a 40200 a drjzia : nesta res de algodao, e nma espingarda elba : rofa-se,
-------------------------------------------------------! loja se encontrar sempre um grande e va- Pis',s *" poeiaes qae tesha m ,-u
Tasao irmioa nado sortimento de miudezas: ruadoQuei- ?S!ff!S^1&FrX.tSSS
vendem gesso em p para estuque de casas, lijlos mado n. 63, loja do beija-flor. to bem offerecer-se voluntariameste ou w recra-
finos de fem diversos para ladrtlho, axuleijos de _------------_______________________I lad0. Qnera os pegar ou delle derera not-caf eer-
diversos goslos, lijlos vidrados para parede de co- Farinha de mandioca : tem para vender Au tas, ou leva-Ios ao referido engento, e aesla sraas
tonlo Luiz de Oliveira Azevedo & C., no seu es- ao Sr. Antonio C. M. Temporal, aa rna da Crai a.
cnptorio ra da Cruz u. 1. I 30, andar, recebero boa gratifieacao.
zinha, canos de barro para esgoto, "cemento en, tonlo Luiz de Oliveira Azevedo & C." no seu es-aoSr. "nioro'(3rMrferopor>T,
barns de 10 arrobas. "- .^. a. n----- ,



?
Diario de rernambnco Quinta felra i 5 de Agosto de 18B&.
LIIE OR
UM POICO DE Tl'DO.
vetando as distancias que delle nos separara, a sua
vigilia e o nosso sorano de anno*, arrojiu alera das
I suas raias suas raelhores tropas e sea maior exer-
cito : o que nos cumpre ? destruir, aniquilar essa
! barreira, que nos separa da estrada da Assumpgo:
i vencido, aniquilado esse exercito, Mo sera' do po
I der de Lpez.
As forjas de que dispomos ao sul do imperio po-
A GUERRA.
111
Ha guerras em que os motivos que as delermi
>. : on sempra se apoiam no consenso e as sym-1 dem vencer, ho de vencer as columnas para-
paihias de todos os subditos dos goveruos que as guayas que iuvadiram Corrientes e pisam o ru
fazem. F.m tacs casos nos paizes onde a livre dis- Grande do Sul; mas para esmaga-las, prompta, im-
cussie un direito, e mesmo naquelles onde a dis- mediatamente nao sao ainda bastantes,
en j tolerada al cortos limites, os peusadores .Nao, se diga que, scudo assim, iraia-se apenas
que os reputara injusto ou inconveniente o recurso de urna questo de lempo, o que nao de mais
extremo de um appello para as armas, e de um consideravel importancia : nao ; mil vezes nao.
conflicto de nacionalidades, aproveilam o periodo a essa questo de lempo, alias sugeita a mil
que precede sempre a deelarago fatal, e comba- eventualidades da guerra, esta' ligada a questo
>iu o estorgo possivel as ideas bellicosas dos do sangue de uossos irmos, que nao pJe ser ba-
g iversos. -rateado sem crirae, a questo do nosso pondonor
Desde, porm, que comee a guerra, ainda ues- nacional, que falla a lodos os coracoes patrilas, a
t> mesmos casos, esses mesmos pensadores guar- questo do nosso iuteresse material, que tambera
:.. .. Das couscioucias as rellexoes que ilzeraui, as deve ser altendida.
criticas qU' apresentaram ; nao as repelein, antes
H K m .' Duplicando as nossas torcas, esmasaremos fcil
pelo contrario tornara-se tao b.5llico;os^omo seu *
... .._ h, e promptamenle o exercito paraguavo, poupand)
ui aos governos, cujas idease poltica linnam
' .b ..' n ,, muitas vidas, muilo sangue dos nossos irmaos que
cebrado, e so dizein aos governos : i Agora fa- ....',.,, '
. .. la se adiara ao sul do imperio.
guerra com honra e gloria da nagao l agora
tu; poupeis recursos e sacrificios ; fazei a guerra, Duplicando as nossas torgas, poremos em pou-
003 quaulo antes a victoria I > |cos niezes termo a' S^rr.x com honra e gloria para
A historia contempornea im offerece exemplos o Brasil, ao mesmo lempo que, dilatando a guerra,
qqe to los conhecem, mas que uem por isso deiX2- acabaremos por vencer, sim, mas com maior honra
de reproduzir aqu. Ie eldria i'ara vencido.
A ultima guerra do Oriente achoa antes do seu I Duplicando as nossas forcas, e pondo termo
comegoa mais viva opposigfio da parle de alguns; guerra em poucos mezes, pouparemos ao nosso
sudistas da Inglaterra ; logo, porm, que se deu lliesouro enormes despeas em urna situago flnan-
o primeiro tiro, esses raesinos estadistas bradaram :; ceira ja' de si mesma ruinosa e afQicliva.
avante I a honra da loglaterra est compromet! '. Eia, pois dupliquemos o nosso exercito : falle
da custe o que custar, preciso vencer!
A guerra que regenorou a Italia, gragas ao con-
o governo ao povo, e no poro tenha confianca.
E' preciso, indispensavel, que avancemos de-
curso poderoso de Luiz Napoleo, leve no imperio! pressa.
jz adversarios que a censuraram acremente
na imprensa; soou, porm, a hora em que as le-
gides francezas mostraran! snas bandeara* alm dos
Alpes, e o grito do toda a imprensa e de todos os
C0rac5e3 fraucezes fot unisono, foi o que resume
lodos os sentimentos generosos, todas as aspirares
I... )icas daqaelle povo, fui : tViva a Franca j>
E porque se observa isto ? porque, antes de co-
negar a guerra, a discnsso qne aprecia os funda-
dos desse recurso extremo un dever de cons-
clencia para os pensadores patriotas ; mas logo
que se acha Iravada a lula a questo moda de f.i-
ce.vergne-se gigantesco, iueommensuravel, outro
dever, o nico que absorve todos, o dever de sus-
tenlar leza a gloria e a honra da patria.
Se assim ainda na hypothese de urna guerra
inconveniente e Injusta naopiuiao de alguns oud?
mnitos que se dir das guerras impostas a urna na.
g.i, por attentados inqualiti :aveis, por olleosas pro-
0 recrulamento moroso corram em defeza da
patria os voluntarios, e a guarda nacional cumpra
o seu dever de patriotismo.
E'-melhor, preferivul, rail vezes preferivel per-
der dous ou tres mil soldados em urna batalha de-
cisiva, do que trinta mil em muta combates, nos
hospitae?, e era trinta mezes de marchas e de pre-
guigosas campanhas, menos dignas do poder e da
gloria do Brasil.
Conta-se que depois da batalha e da victoria
d'Alma, o marechai de Saint-Arnaud, avangando
sobre Sebastopol, propozera alaear imraediatamen-
te esta cidade, e que lord Ragln se oppozera a es-
te plano, calculando as umitas mil vidas que cus-
lana a tomada da grande praga da Crimea.
Lord Ragln venceu Saiul-Arnaud, resistindo te-
moso a' sua idea : seguiose o cerco de Sebastopol,
mnitos combates, e a batalha de Inkerman, em que
o exercito iuglez foi em parte destruido : a peste e
fundas, indignas, feitas ao seu brio, aos seus d.re- a 8Uerra *" m,orle a **" ** Su"e>-
tas mais sagrados, sua intc-gridade, a sua honra ro' e "e'n 'urvd ***** nera Saint-Arnaud viram a
emfim ?
E' cruel, extremamente doloroso para urna na-
ci enuobrecida pela liberdade e esclarecida pela
i ivilisago ver-se vilmente uurajadapeloestraugei-
o, ue lite insulta a baudeira, Ihe avade o terri-
torio, llie reduz a escravido e melle a tormentos
os filbos.
Mas ha sempre para todi o mal aUuma compen-
sadlo, e para esse to grande mal grande lam-
ben! a conpensago: porque aos ultrages receb'dos
sda em resposta um grito Je guerra, que ao mesmo
lempo parle do gGverno e de todo o povo, sem que
baja urna voz (e voz de cobarde e de iudiguo oeria
se a houvesse), sem queapparega um voto que ce-
ir..:.; e se oppooha leva de broqueta vingadoura
da palria offendida.
Eis o que aconleceu comnosco em relaco guer.
ra do Paraguay ; nao houve discussao, nem poda
ha ve-la : porque nao houve, uem poda haver duas
ij 5 : a idea foi din bradogeral, nico, levantado
, ardor em todos os ngulos do imperio : A
guerra I
Se se quizesse conceber por momentos a hypothe-
se inadmissivel de um governo uj Brasil que hesi-
e em fazur a guerra tu Paraguay, tal governj
deixaria de existir em poneos das, baqueando ful-
minado pela reprovagao nacional.
Governo e povo tiveram, lm, lerao um so pen-
smenlo.
.Niuguem reclamou, ninguem pedio, ninguem
lea.brou a unio dos partidos, a intelligencia fra-
ternal de todos os horaens polticos, no empenho
ieclinavel e nobilissimo de guerrear a todo o
trance, e at s ultimas consequeneias o despola do
Paraguay : sera convite, semaprazamento de hora,
sem escolba de lugar, sem concert de ideas, acha-
ram-se u acharase ijdos os Brasileiros reunidos na
mesma hora, no mesmo lugar, na mesma idea :
nem poda ser de outro modo : a hora, o lugar, a
idea,esta vara, esto marcados no coraco de lodos
Pula honra nacional.
A guerra est emfim iravada.
G mundo civilisado estremeeeu- ouvjndo a nar-
raco das amontas recebidas pelo Imperio do Bra-
sil, e saudounos cora syrapathica animacao con-
templando a nobre attitude assumida pelo governo
e pelo povo brasileiro.
A injuria que recebemos fo; atroz, foi dessasque
deixam nodoas que s com o ?angue do ollensor
se podem lavar. A injuria que recebemos foi igual
que receberia um honiem a quem um mimigo
desleal traigoeiramente ultrajasse, offeudendoo na
lace.
E' horrivel dize-io ; mas foi assim : o ultraje foi
lena a iraieo : como qualquer horaem, qualquer
ua;o esta exposta a recebe o sem deshonrar-se ;
deshonrado ficar, porm, o Brasil se nao se vingar
pieua e completamente do selvagem que to infa-
memente o provocou.
Ainda bera que ja marchamos a vinganga.
Cumpre, porm, agora que o povo brasileiro, que
nos todos nao esquegaaioa nem por breve momen-
to corlas consideracoes.
Pequea considerago de orgulho nacional : o
mundo civilisado tem os oihos los em nos ; lem-
bra ;.s injurias que sollremos, e v de um lado o
Paraguay, mal chamada repblica, infeliz nacao
oppnmida, quasi barbara, de pouco mais de um
railhao de homens, insultando provocando, guer-
reando o Brasil, a Confederado Argentina e o Es-
lado Oriental do Uruguay, e do outro, alm dessas
duas repblicas, o Brasil, o segundo estado da
America, urna na<;o livre,civilisada e cheia de no-
bre altivez. O mundo civilisado conhece e aprecia
Uevidaraenle as circumstancias que auxiliara mui-
lo o dictador do Paraguay, e que conlrariam o
Brasil; mas comprehende tambera que a energa e
a dedlcacio de um povo que se estima pode vencer
em pouco lempo todas essas circumstancias que
.tomada de Sebastopol.
Se o plano do gen-ral francs tivesse ido adop-
tado, a guerra teria tal vez acabado logo, e a Ingla-
terra e a Franca nao leriam esgotado seus cofres,
nem perdido tantas mil dezenas de soldados.
A guerra f sempre um flagello, e guerra prolon-
gada flagello que se augmenta e multiplica na
raa&o directa do lempo que dura.
Ponhamos termo, perianto, a' guerra do Para-
guay vencendo depressa e completamente.
Para isso o que rnnvm, o que indispensaveb
duplicar as nossas torgas : dnpliquemo-las, pois,
dupliqu-rao las quanto ames, immediatamente.
Corram s armas os cidados I
Cumpra a guarda nacional o seu dever I
IV
Sendo indispensavel organisar com a maier pres-
teza novos balalbdes que vio elevar o nosso exer-
cito em operacoes a' altura das exigencias da sita-
cao e da dignidade do Brasil, cumpre que se osten-
ten! iguaes a dedicago do povo e a energa e acli-
vidade do governo.
Do seio do povo corram a tomar as armas guan-
tes estiverem as condigoes de fazelo : ao povo
nao cabe calcular o numero de soldados que se fa-
zem necessarios : quem poder bater-se acuda ao
brado solemne da patria : venham aos mil de to-
da- as provincias do imperio.
E' s ao governo que cumpre dizer : t Basta I a
Quanto ao governo, tem elle as leis os meios de
levantar e organisar as torgas precisas.
Tem o recrulamento forgado.
Tem o alistamento de voluntarios.
Tem o destacamento da guarda nacional.
U recrulamento forgado um recurso difficil,
moroso e portanto insulciente : nao deve, porm,
ser posto de lado : grande o numero de homens
uo vigor da idade que nao pe.rtencem a' guarda na-
cional, e que, infelizmente habituados ao ocio, ne-
gam-se e fogem ao servigo militar : para esses o
recrulamento forgado ; moroso embora, sempre
no dar' a lempo algumas centenas de soldados,
a .-uto mais que na actualidade o patronato, que a
tamos bous recrutas afasia do exercito, seria mais
do que um erro, seria um crime.
U alistamento de voluotarlos nao offerece bases
para um calculo seguro do governo, principalmen-
te depois de ler ja' produzido o decreto de 7 de Ja-
neiro resultados tan brilhanles: o patriotismo dos
Brasileiros inexgotavel ; mas o numero de vo-
luntarios ja' to elevado que o governo nao seria
prudente se descangasse, contando cora essa nica
fonte de soldados.
Hesla a guarda nacional em destacamento para
o servigo da guerra, e em nosso entender com a
guarda nacional que se deve contar, a' guarda
nacional que se deve pedir o grande auxilio de que
precisa o nosso exercito.
E' o caso em que com lodo o cabimento se po-
deriam repetir aquellas celebres palavras do Sr.
visconde de Cayrti : Guardas nacwnaes guar-
dat-nos.
Urna nago nao pode ser verdaderamente livre
sem mostrar-se digna de o ser.
Um pavo nao merece instiluigoes que altameate
o nobililam se nao cumpre os deveres que ellas Ihe
inipoem. \
Honrosa e nobilissma a milicia nacional : o
guarda nacional a senfiaella da patria, o defensor
do seu governo, da organisagao poltica do paiz. e,
portanto, dos seus foros, das suas proprias garan-
tas do throno do seu imperador, da consiitui-
go do estado, e do proprio lar domestico : o
grande soldado da nago, da liberdade e da inte-
gridade do paiz.
O dia chegou em que cabe a guarda nacional
desempeuhar um dever tao alto e magestoso, que
cada um dos membros da milicia cvica poda
exigir com orgulho que tal dever se chamasse
direito.
O dia chegou de chamar-sc a guarda nacional
Nao ha, nao pode haver privilegio de classe: po-
bre ou rico o cidado guarda nacional designa-
do para o servigo da guerra, marcha para a
guerra.
Nao ha, nao pode haver privilegio de classes,
repetimo-lo.
Nao pode haver: o mais nobre, o mais magestoso
exemplo parti de cima.
O mais sub im exemplo veio da cupola
social.
U imperador, que tinha direito de ficar, de
permauecer na capital do Imperio, on le to altos
e relevantsimos servigos eslava a todas as horas
de todos os das prertando; o Imperador, que tam-
bera tem esposa, que tambera tem Binas; o Impe-
rador arrancon-se a familia, arrancou-se aos estre-
mecidos cuidados do povo, nao attendeu a conse-
Ihos, e voou para o thealro da guerra, onde
nao se esquiva a fadigas, nem se esquivar a
perigos.
Dous uiustres principes recentemenle casados
com as nossas amadas princezas, dous principes
que, sem vexame proprio, nem reparo de alguera,
poderiam deixar-se licar ao lado das esposas e da
nossa querida Imperatriz, saudarain o ensejo de
prestar seus priraeiros servigos nova patria que
lhes deu o amor, a uova patra que tosympathica-
menie os recebera.
O duque de Saxe l est no Kio-Grande do Sul
ao lado do Imperador, e ocondjD'Eu, apenas
chegado da Europa, contava es das que o demo-
ravam ua capital, lastiraava-se de nao ter azas, e
l parti, e la vai, onde o chama o servigo do
Brasil, e a gloria de encarar de frente o inirago
I audaz, que ousou offender a trra eai que nasceu
a princeza D. Isabel.
La esto ellos, o Imperador e os principes, l
affronlaram el les perigos e morte, e ninguem no
Brasil, uenhura, por mais alio que seja e que tenha
subido, da altura do Sr. D.edro II e dos Srs.
conde D'Eu o duque de Saxe.
Esta considerago grandiosa, sublime.
O nosso Imperador e os nossos principes l esto
| no Rio-Grande do Sul, em um dos thealros da
guerra : nao se arrecearara nem de fadiga, nem
de perigos, uem da morte: o Imperador e o duque
de Saxe nao licaram, e o conde D'Eu nao ficara
I nao Oca as cidades e as pragas, que eslo longe
do inimigo; ja avangam os priraeiros, e o ultimo
vai avangar como ellas pela campanha : sao tres
bravos que se arrojara galhardamenie ao campo
da honra.
O Imperador e os principes acabara de mostrar
o caminho que deve ser seguido pelos guardas
nacionaes.
Levante-se, pois, a milicia cvica do Brasil; le-
vante-se e corra ao campo da gloria : fcil achar
: o caraiuho, seguindo os vestigios do Imperador e
i dos principes.
Se houver um momento de pergo, a guarda
! nacional que cumpre rodear com suas bayonetas o
> Imperador do Brasil e seus genros.
Nao se perca tempo.
Cada hora parega um anno pelo muilo que fizer
! a euergia e a aciividade do governo, e a dedicago
; do povo.
Ponhamos termo a esta guerra com urna victoria
' prompta.
Voluntarios 1 corre em seguida ao Imperador!
Guardas nacionaes I correi, segni o Impera"
dorl
A honra nacional chama s armas todos os
Brasileiros.
Eis, guerra!
O sexto dia, Ma-Yat (da des cavallos), urna
festa instituida para inspirar ao povo considerago
por este til quadropede.
O stimo dia, Yeu-Yat (dia do hornera), e consa-
grado a Pon-Tso, que ensinou os chinezes a alimen-
tar-se de arroz, de trigo e de carne.
A divindade do oitavo dia Ko-Yat (da dos ce-
reaes.)
Preside ao nono dia (dia do linho) Mo-Yat, que
nsinou os homens aflar e a servir-se do linho.
O declino dia consagrado ao sor supremo.
Na''a menos do que uove sao as exposigoes qu
este anno se devem verificar na Europa.
Eis os nomes das localidades onde ellas sao leva-
das a effeito e a sua natureza :
Amsterdam : Exposigo de bellas-artes applica-
das a rfdustria, desde 1& de julho a 18 de oulubro, i n
e exposigo de obras modernas, desde 4 de setem-
bro a 9 de oulubro.
Uordeus : Exposigo industrial de antigos objec-
tos de arle, a 20 de julho.
Courtray : Exposigo desde 6 de agosto at 27
de selembro.
Darmsladt : Exposigo de obras modernas, des-
de 8 de julho a 2 de agosto.
Gaii.l : Exposigo iriennal.
Paris : Exposigo de obras antigs e mordernas
a 10 de agosto.
Tolosa, em Franga : Exposigo de obras moder.
as. Acha-se aberla desde 21 de junho.
Porto : Exposigo internacional de indusiria, ar-
. tes e agricultura.
Spa : Exposigo de obras modernas, desde 15 de
julho at lo de oulubro.
res, e que o reglo auditorio tomarla lagar nos ban-
cos do jardim.
Rachel indignada quera partir sem demora.
Schneider gaslou todo s seu latim para acalma-la :
a irascivel judia mostrou-se inexoravel.
Cangado de apreseniar argumentos e de fazer
rogos :
PaWi pois, senhora, disse afinal o infeliz
consellieiro, mas nao olvidis que esle accesso de
vivacidade vos cusa sessenta contos de ris e vos
fecha para sempre as portas da Russia.
O proprio Sehneider nao tinha previsto o effeito
mgico destas palavras, que operarara instantnea-
mente como por cncaulo.
A aitisla mudou de opinio, deu o dito por nao
dito : declarou que eslava prompta para entrar em
scena.
Acenderain-se archotes para Iluminar esta sce-
a improvisada, e ao som de uraa cscala, no
meio dcsie scenario natural, Rachel appareceu e
declamou algumas scenas do~ seu mais cscolhido
reportorLi.
Maior houvera sido lalvez o effeito produzido so-
bre o palco. Comtudo, o czar enthusiasraado er-
gueu-se, e, diante de sua esposa, foi beijar a mo
da actriz. *
Desde esse momento, a Russia foi aberta a Ra-
chel por direito de conquista.
Afim de perpetuar a lembranca desle saru, foi
erigida grande artista urna eMntaa de marmore
branco, no local que tora testemunha do seu
triumpho.
a a
Sob o ponto de visto Dielleetoal, ajaasi
dos habitantes de S. Petersborgo mi i
nem escrever.
para admirar qne baja 133 estabaUtimmn
de educago, mas cada ano delles oao rocote, fe-
ralmente, mais de 70 crlaocu ou
do o numero de rapazes o dobro das
E' um erro geral dizer se qoe a Rossa ao toa
mais de 70 milhes de habitantes.
A povoagu de-te paiz no da 31 de d<*z-rulro> de
1860 era de 75,191,7:13 almas, al ai de MMtfk ojo*
contava 976.000 homens.
Desde aquella data tem havido orr, aognx-atede
3 por rento nos na-cimenlos, ou 835,785; e ad4i-
riram-se 275,000 novos subditos na Asia, o ojm
tudo eleva a popnlago do imperio a 80.155,1
almas.
O limes, jornal americano, diz que s pro-
piedades de todas as especies nos Estados do Sul
valiam antes da guerra 7 milhoes de dollars.
Com a guerra civil desappareceram os escravos,
cujo valor era de 2:500 milhoes de dollars.
Os prejuizos materiaes da guerra moniam a
1:800 mil h5es.
Os emprestimos confederados valcra 500 milhoes
de dollars, e alm disso os Estados do Sul tero
que pagar mi' milhoes de dollars, que a parte
que Ihe corresponde da divida federal.
Todas estas verbas sommadas sao 5:800 milhoes
\ de dollars ou quasi /, de toda a riqueza publica,
que perderam com a guerra.
iii ifci 11
Diz a Regeneracin que nao sao menos de 37 os
bisos que querem protestar contra o reconheci-
infinito de Italia.
Tem-se pregado alguns sermes contra este re-
conhecimenlo, de modo que o governo hespanhol
v se abragos com a propaganda dos neo-catho-
licos.
Foi demittido o arcebispo de Burgos do cargo de
director do ensioo moral e religioso do principo das
Asturias, fllho da raiuha Isabel.
Um coveiro de Nashvilte, no Menee-**?, sepat-
lou durante a uiiuna guerra civil !i:**t seMaCos
e empregados do Norte, 8,000 olJarioe refteMes,
dez mil desertores do Sul; dep.,is no campo a>
batalha de Murfresboro enlerrou 3,300 mldioi
da Unio.
Alm d'islo, expeJio 8,000 corpas para pamm
ou amigos que os reclamavam.
Assim passaram pelas mos d'este lerrivet ira-
balhador 38,781 cadveres, ou 7 por .lia se el!o
sepullasse gente durante os qUatro anuo* da tota.
O Commercio do Porto publica o seguinle :
0 AN.NO NOVO DOS CHINEZES.
Um jornal de Londres da curiosas intormagoes
I acerca do anuo novo na China :
Nao ha talvez um povo que tenha menos feslas
i que os Chinezes.
A priucipal e quasi nica poca de regosijo
geral o anno novo.
A' aproximago da nova la, quando o sol attin-
ge o 15" gru de aquario (cerneen do auno civil
cuteles), todas as reparligoes publicas se fecham
dez dias antea e os mandarins fecham os sellos at
ao dia 20 dia da primeira la.
Esiasuspenso do poder produz, ordinariamente,
deserdens, por causa da faculdade que ento leem
os particulares de ajustarera as suas comas, con-
forme os antigos costumes, de accordo e satisfa-
gao das partes.
Na nonte do ultimo da do anno toda a gente
vela al a mea noute.
A esta hora coraega um interminavel estrondo de
bombas, foguetes e togos de alegra.
O consumo das pegas de togo de artificio tao
prodigioso, que impregna oar de nitro.
Desde a mea noute at ao romper do dia, cada
habianle execula os ritos sagrados ou prepara a
sua casa para a solemnidade do primeiro dia do
uovo anno.
E' do Sr. *
Amo-te', Analia, como dado amar-se,
Morro de amores por um leu olhar,
Eu te amo, eu le amo e n'esle amar sou louco
Louco no amor e em ter ousado amar,
Inda mais louco em revelar que adoro
A quem siqner rae poder 'scutar.
Ah I sorledura que infeliz tornaste
Meus tristes dias sera piedade ter,
Eu hei-de amar oh I sem nutrir esp'rangaj
Luctando em vo com meu fatal dever,
lrapio Destino que no livro eterno
Assim quizesie a minha sina lr I 1
Analia, adoga a desventura minha,
! Muda esta sina qu'em tuas mos esl,
i Eu nao te pego teu amor, eu busco
. Livre tornar-me p'ra fugir-te j,
Indo esconder-me na soido mais triste,
| Alira aiorrer sem que saibas c.
-'-- *>*.^'-
As discussoes parlamentares fazem o vacuo no
estomago.
Isto urna verdade que os depulados inglezes j
I reconheceram, e que ho de vir a reconhecer os
: de todas as outras nagoes.
Os inglezes leem ao ti da sala das sessoes um
dimngroom (restaurante), os membros do parla,
ment vo restaurar as suas torgas esgotadas.
Al 25 de junho do anno correte tinha havido
5:231 jamares, isto uns 78 jantares por da.
Perece que em 8 de maio a scsso foi de mais
fadigas, por que os livros do dono do restaurante
indicavaui 172 jamares.
Diz-seque por ser muilo estreito o local, se vo
dar a esse restaurante mais vastas proporgoes dig-
nas do colossal appelite dos nobres depulados.
immensa cerca os
aproveitam ao nosso inimigo, e que esle deve ser a cuinjirir 0 m?is fi|orioso dos preceilos QU0 lne
esmagado pelo nosso poder, sob pena de nos mos-: iucumLe a sua lei, o de defender a integridade e a
trarmos abaixo da nossa posigo ua America, e ain- Donra da nago.
da abaixo das exigencias do nosso brio e da nossa
honra.
Vamos repeiindo trinta vezes a palavra honra :
e porque nao 1 a questo essa ; a questo da
Aonra do Brasil.
Grande considerago de pondonor e de inleresse
do paiz : o Paraguay nao se deve, nao se pode
medir com o Brasil.
Lpez concebeu o melhor dos planos, mas o seu
mellior plano foi o do desespero : armou quantos
homens pode armar, e no primeiro impulso, apro-
Corra, pois, a guarda nacional a guardar a
nago!
O guarda nacional que, lendo sido designado
para destacar no servigo da guerra, ousasse re-
ruar em hora to solemne, seria indigno da bella
farda que veste e da bella patria que tem.
Nao ha hesitago admissivelo designado mar-
cha com o sorriso nos labios: a patria qoe o
chama para vinga-la do estrangeiro andaz que
a ultrajoueia pois 1 marchar contra o ini-
migo.
Pela manha urna multido
templos.
Soon Nin o nomo das solemnidades do dia de
anno nove, festejando nos quatro anguios da
cidade.
as vesperas, as proximidades de cada um
desles templos, construem-se grandes thealros,
com bambas, e uestes thealros representam-se
depois pegas em honra da divindade do tem-
plo.
Todas as casas se fornecem de laternas novas.
A m -bilia renovada e a familia aceiase com
os seus raelhores vestidos.
Esle costume obrigatorio, porque um chinez
julgar-se a votado pobreza por todo o anno, se
nao apparecesse bem vestido no dia de anno
novo.
Para isto empregam lodos os meios ao seu
alcance, a ponto de que algumas vezes roubam os
vestidos que nao podem comprar.
Segundo a lei, as festas do anno novo devem
durar dez dias, mas quasi sempre chegam a
vinte.
O primeiro dia charaa-se Kay-Yat (dia dos
passaros.)
E' destinado a recordar que as aves sao um dos
alimentos do hornera.
O -2 dia Kou-Yat (dia dos caes).
Os chinezes veneram por tal modo os caes, que
leem operarios encarregados de Ibes fabricar ata-
des. Acreditara que um dos seus sabios foi preser-
vado de assassinato por um cao que devorou o as-
sassino. E, comtudo, por urna singular incens-
quencia, comem a carne do cao.
No 3 dia Chen-Yat (dia dos porcos) os chine-
zes veneram a memoria de um destes aniraae?,
que salvou de um incendio um manuscripto pre-
cioso.
Neste dia ninguem come a carne de porco.
O 4o dia, Yaouk-Yat (da dos carneiros), con-
sagrado a Puu-Kvon-Venga, pastor que viveu po-
bre, alimentando se nicamente de leguraes e ves-
lindo-se com casca de arvores, mas que ensineo,
todo o partido que se poda tirar da la dos car-
neiros.
O 3 dia, New-Yat (dia das vaccas.) destinado
a recordar qne um desles animaes aleitou um me-
nino orpho de pal e mi, que, ebegando a ser
mandarn, ihe levanlou um templo.
Ahi vai um episodio ainda indito da vida de
Rachel :
fims.13 de julho de 1852, a grande trgica che-
gava a Potsdam, onde devia fazer-se ouvir no pa-
lacio-Mo rei da Prussia, junto do qual se achava
ento de visita a familia imperial da Russia.
Importava muito a Rachel conquistar as sympa
thas do czar Nicolu, violentar a administrago
do lerrivel autcrata que, at all, nao tinha que-
rido ve-la nem ouvir fallar della, e de-apiedada-
menle Ihe fechara as portas do seu Vast imperio,
como se, com a artista republicana, a liberdade
podesse pr p em S. Petersburgo.
Um conselheiro chamado Schneider, director
dos festejos de Potsdam, hayia sido incumbido de
ir esperar Rachel a estagao da va frrea e de con-
duz-la para a famosa ilha dos Pavoes.
Rachel apreseniou-se com um traje soberbo,
realgado das mais finas rendas, mas completamen-
te negro desde a cabega al aos ps.
Schneider observou-lhe, que ella nao podia ser
assim apresentada na corte n'um saru de gala.
Comtudo tornava-se impossivel regressar a Berln.
Tudo, menos fazer esperar suas mageslades.
O honrado conselheiro dirigiu-se a princeza
Charles, a qual informada do caso, abriu de par
em par as portas do seu guarda-roupa ; reraecheu
nos seus caixoles de papelo, e escolheu o que ha"
va de melhor nos cofres das suas joias; Kacbel
apenas conservou o seu vestido preto, em cuja saia
se desenhavara pregas artsticas.
A princeza ajudava ella mesma a Rachel, ora
aboloando-lhe as luvas, ora pregando-lhe um alfl-
nete; finalmente, a artista ticou prompta.
O seu traje, raetade nev e melade tinta de es-
crever, parecia-se com urna mosca cabida n'um
copo de leile, ou antes, parecia-se cora a bandeira
O correspondente do um jornal francez escreveu
da Cochinchina os seguinles pormenores acerca de
um alaque feilo a um destacamento de infamara
por ura rebanho de elephantes :
Eu fazia ltimamente parte de um posto avanga-
do, que operava um reconbecimento, composio de
setenta horaens, incluidos alguns annamitas.
Acabavamos de entrar n'um atalho estreito, no
qual s podamos marchar a un de frente. A'
nossa esquerda fleava ura lago paludoso do com-
priineulo de 150 metros, e alevautavam-se a nossa
direita impenetraveis urzes.
Erara qualro horas da madrugada, e a escuri-
do da uoite tornava ainda mais pengosa e dilcil
a passagem desle a ta I lio.
O Incerio ciaro de um ardile era o nosso uni
coguia.
Nao obstante isso, niarcnavaraos a largos pas-
sos, porque lindamos a misso de ir surprebender
ao romper do dia ura bando de rebeldes, que nos
havia sido iudicado.
De repente, ouvimos nossa dlreita o ruido dos
elephantes, que avangavam ao nosso encontr,
soltando gritos terriveis.
Tantas vezes tinbamos visto passar ao nosso lado
esles herbvoros sem nos molestarem, que conti-
nuamos a marchar sem hesitago. Porm o ruido
aproximavase tornndose cala vez mais lerrivel.
Os elephantes estavam enfurecidos, porque a
nossa posigo Ibes obslava a que podessem meller-
se no lago para matarem a sede. A noile eslava
escura e como apenas distavatu de nos trinta me-
tros, j nao nos era posslvel evitar neste estrello e
paludoso alalbo o alaque do lerrivel inimigo.
Ueu-se a ordem de fazer togo para o ar, a Um
de atlemorisar os elephantes sem fen-los, para nao
thes redobrar o furor.
Porm elles conlinuavam a avangar, e os anna-
mitas, cheios de um certo lemor, soltarain gritos
lasiiraosos Era mistar a todo o custo por em fu-
ga e.-ies lemiveis adversarios, porque sem isso,
eslavamos irremediavelmenie perdidos.
A vanguarda j eslava ameagada pelas trombas
dos elephantes, e a rectaguarda, que dcava cera
metros alraz, gritou que era atacada.
O capito, que coinmandava o destacamento
maudou fazer fogo sobre o inimigo.
form apenas deu esta ordem, foi langalo por
Ierra, assim como dous homens, que tinha ao seu
lado, pela queda de ura ramo enorme, que um
elepbante acaba va de quebrar.
Neste sitio, o nico, com que a luz do ardite
deixava distinguir os objectos, se aprsenla a vista
um medonho espectculo. Urna enorme cabega
de elephaue, avanga, avanlajando-se em altura as
oulras; este bicho j tinha agarrado com a tromba
o cavallo do capito, e o chefe do destacamento,
assim como moitos homens estavam meio enterra-
dos no lodo, a dous passos deaute do monslro, era
risco de seren esmagados I
Porm urna fuziiaria bem nutrida e dirigida so-
bre o inimigo, que nos acogava de perto, feriu-o
gravemente e obrigou-o a largar a sua vctima e a
fugir soltando gritos terriveis. lista fuga foi o
sigual de urna debandada geral.
Todos os elephantes, nimios dos quaes eslavam
feridos, lizeram raeia volta e seguirara o seu Che-
to ; o solo gema e tremla-lhes debaixo dos ps, as
arvores estala va m e caniara ; na sua fuga precipi
lada, dr-se-hia que os depilantes furiosos arraza-
vam a floresta inteira; nunca ouvi um ruido se-
melhante.
Esla fuga foi a nossa salvagao ; alguns passos
mais, e todos houveramos sido esmagados, porque
os inimigos eram em numero de sessenta.
Apenas recebemos algumas leves contusoes; a
nica victima tora o cavallo montado pelo capilo,
morto por urna bala no momento de ser arrebata-
do pelo ou-pliante.
Urna correspondencia de Florenga, pnbiieaa
por urna toli.i de Madrid, diz o seguinle :
Ha um mez que a imprenta italiana se oeeapa
muito com os negocios de llespanha.
A idea da unio ibrica nao nasceu em H-spa-
nba nem em Portugal, mas sim na Italia, oade ka
tres aunos se trabalha continoameote e'essse see-
tido.
Por occasio do casamento coa a raiuha Pa
pensou se era que seu esposo leM o soberao da
pennsula. Emissanos italianos, muito favoreci-
dos pelo principe N'apoleS > em Lisboa, e por mro-
gressistas de alta calhegona em Madrid, trabalka-
ram n esse sentido no anno pausado.
O joven soberauo de Portugal, de ar.eordo com
o sentimento geral d'aquelle paiz, repellio essas
insinuagoes.
Ento o partido revolucionario da Hespaaha at-
tentou com o mesmo resultado eir D. Feroaado
de Portugal, e como nada consegaisse as Xeres-
sidades, eslea baje os seus projeclos con oa iibo
do duque de Genova, sobnnho de Vctor Maaoel.
E' sabido que o tratado de Utreehl reservmi cer-
los direitos dynaslia de Saboya.
O verdadeiru fim da coospirago deseoberu em
Valencia, mais grave do que se jolgon, e coca ra-
milicagoes em Arago, Catalonha e AnJaluza, era
esse.
A Franga imperial leve d'isso abruma omlieia,
o nao Ihe c^uviudo sem duvida urna revolugao aa
pennsula, deu a voz de alerta a curte de Madrid.
Talvez n'islo se eoconlrasse a melhor eipea-
go as grandes inudaocas occorridas aa II.--
panha.
O conde de Winchilsea e Notlingham compare
ceu peranle o tribuual de pobcia de Waaisworta
por ter fumado um charuto no desembareaaoaro
da estagao de Vanxhall, contra os regoJoeaoaooe
da campanilla du Sudoeste. Disse em sua defeu
que, pesar do regulamenio, lodo o mundo mirara
uns charuto, oulros carimbo, e que nao eonare-
hendia a intolerancia que se mostrara para coa
elle.
U chefe da eslago aflirrooo que cada vea que
via um passageiro fumar, I' pedia qoe ai* ceov
tinuasse, e por conseguinie fazia ao eoaae o ijue
fazia a lodo o mundo.
O magistralo condemnou o conde a ez satl-
liugs de mulla e a dous de cusas, observase) ao
mesmo tempo que ha menos perigo era fantar ea
um desembarcadouro do que dentro de um carro
de caraiuho de ferro.
O conde pagou immed'ataiaente os doze shil-
lings.
Inventou-se recentemenle na America um appa-
relho para medir automticamente os tecidos cora
grande economa para as fabricas.
Consiste o mechanismo em urna mesa, sobre a
qual se fixam duas columnas com barras.
O tecido que se desdobra por meio de urna ma-
nivella passa primeiro sobre duas varas que o es
tendera convenientemente, depois sobre ura cylin-
dr*>, e finalmente sobre a pega em que deve en-
volver-so.
Urnas agulhas vao marcando o numero de volta
do cylindro e como e conhecida a circomsfereocia
deste, as volias determinara a diraenso das pegas
que se modera.
Urna carta de S. Petersburgo, publicada n'um pe-
ridico de Bruxellas, apresenta os seguinles dados
eslalislicos da populago da Russia.
Ainda que a nossa capital tem 162 anuos de exis-
tencia, s inferior em importancia a Londres,
Paris e Constantinopla.
Possue 8,627 casas de pedra, 18,805 de ir.adei-
ra, 303 igrejas, 5 thealros e 2,581 oulros edificios
pblicos.
Esta cidade conta agora 586,293 habitantes, des-
tes 438,054 chamam-se orlhodoxos, 55,892 proles-
prussana; este toilette era de um gosto duvidoso, I tantes e 17,046 calhoiicos romanos.
mas era mais nacional e a etiqueta nada tinba que
ver all.
Partirara.
Chegada ilba dos Pavoes, Rachel perguntou
onde estava o palco sobre que devia representar.
Nao bavia palco nem cousa que com isso se pa-
recesse.
Schneider balbuciou algumas palavras de des-
culpa e empregou multas periphrases, para dizer
finalmente Ilustre trgica, que o tablado seria
substituido pelo taboleiro de relva, formando o
parque a vista do fundo, e o arvoredo os bastido-
Nesie numero incluem-se 71,578 nobres e 93,670
soldados.
O sexo masculino excede ao feminlno em um
quinto.
O numero de casamentos de 4,799 por anno,
ou um porcada 177 habitantes.
De 20,138 nascimenlos, sao Ilegtimos 4,570.
Os nascimenlos compensara os bitos.
Muitos dos fallecimentos podem atlribuir-se ao
mo servigo dos hospitaes, onde se paga aos facul-
tativos, e onde o numero de camas, 5,000, insuf-
iciente.
Segundo se l n'um jornal francez, oliin
recebdo, nao lardaro a principiar do Casa* de
Marte, era Pariz, os Irabalhos para a esaeotaleda
1867.
O que geralmenie se nao sal refere o mnmo
jornal, que n'aquelle immeoso espaco aaaca
houve lembranca de se pralicarem canaes saater-
raneos para e-go.-to das aguas e conduegae da
gaz.
O primeiro trabalho, pois, a que se vai proce-
der construir nm sysiema de soblerraaeoo qm
nao desappareceram com o palacio provisorio, ous
permanecero para sempre, e lomando ajadle re-
cinto mais salubre, permilliro no futuro fazer
transportar para all ondas de agua e de las.
Serio oulros tamos recursos preciosos por nnu
multido de circumstancias.
Teera viudo Europa carias da Aaeeriea ojae
indicara a possibilidade de orna prxima iasorrei-
go de negros e as providencias que se esto ja
lomando para combate los.
Se tal acontecer, claro que ser ama coase-
quencia da guerra civil dos ltimos anuos.
Por urna parte os brancos, laaio os do Sorte co-
mo os do Sul, nao querem reconhecer nos eaan-
cipados a qualidade de cidados, e preferea da-
za-Ios raorrer de tome e de miseria ; por oatra, oe
negros iraagiuam que o primeiro direito do kuaMOB
livre nao irabalhar ; todos os dias se reproduzca
scenas de desordera e de violencias, e para re-
celar que seja breve decretado o eiierwan oa a
expulso da raga negra como lueJida ae saiagio
publica.
-?-
Segundo o ultimo recenseamento da populago
hespanhola publicado pela junta de estilstica, as
quiize milhdes e seiscenios e cincoenta e oilo l
e quindenios c oiteola e seis habitantes que a Hes-
panha conla, ouze milhoes e oitoceatos e vale o
oilo mil e seiscenios e treza nao saben ter, Me
a cada habtame que sabe ler correspoadea tres
analphabetos.
Pergunia a este respeito ama folha de Madrid.
Nao isto desconsolador na segunda ooetade
do secuto XIX ? que idea fara do nosso paiz qom
vr uns algarismos tao elocuentes, e que ve
nha publicar ?
Pessoa de grande importancia potinca, e ojas
esta era intimo trato de amizade com lord
ion, depois de iudicar ao celebre estadista qae ;
da nao linba havido em Inglaterra aoa pro
do conselho de ministros de tanta ida-Je coa ette,
allou-lhe dos boatos que Uobaa corrido akiooa-
meute acerca da sua prxima retirada da vida
publica.
Lord Palmerston pergnotoa-lae i
gava que em diplomacia poderiam
inglezes com os fraucezes, e ouvindo resposta aaar-
maiiva, accrescentou. *
Pois ento, lembre-se de qoe ea Frasea ai
o primeiro ministro o cardeal de Fleury
linba noventa annos. Ainda
vida poltica.
PERNAMBUCOT^TTP. DE M. P. DB f. JUMq


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUR3JVLQ3_3Q78U9 INGEST_TIME 2013-08-27T21:37:00Z PACKAGE AA00011611_10744
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES