Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10742


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
AIIIIO XU JfDBIERt) 185
Por quartel pago dentro de 10 das do 1, mez
dem depois dos 1.' 10 das do cooiecoe deotro do quartel.
Porte ao cerreio por tres mezes
SEGUNDA FEIRA 14 DE AGOSTO DE 1865.
49|Mf
Sim
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeaty, o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joai]oim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Gerajdo Amonio Alves A
Filnos Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENGARREGADOS DA SUBSGIUPCO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; llio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Gabo, Escada e estagoes da va frrea at
Agoa Prea, todos os dias.
Jguarass e Goyanna nassegundas e sextas foiras.
Santo Antao, Grvala, Becerros, Bonito, Caruar,
Alliqho, Garanliuns, Buique, S. liento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacaratu, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limnoiro, Brejo, Pesquera
logaieira, Flores, Villa Bella, Gabrob, Boa Vis-
ta, Onricury, Salgueiio e Ex, uas quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar
reros, AguaPreta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as li horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meiol
dia.
Segunda vara 4o civel: quartas e sabbades a 1
hora da larde.
Ei'HEMERIDES DO MEZ DE AGOSTO.
7 La cheia as 3 h., 9 m. e 34 s. da m
13 Quarto m:ng. as 7 h., 22 m. e 28 s. da t.
21 La nova as 4 b., 57 m. e 34 s. da m.
29 Quarto cresc. as 9 h., 29 m. e 46 s. da m.
DAS DA SEMANA.
14. Secunda S. Enzebio presh.; S. Demptrio m.
13. Terga cga Assumpgo de Nona Senhora.
16 Ornarla. S. Boque f.; S. Diomedes medico.
17. Quiota. S. Mamede m.: S. Liberato m.
18. Sexta. S. Jaciutho ; Ss. Lauro e Floro mra.
19. Sabbado. S. Luiz f b.; S. Tecla m.
20. S. Joaquim pae de N. Senhora ; S. Samuel prof.
PRRAMAR DE BOJE.
Primeira as 10 horas e m. da 6manha.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o wof
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Penan-
do nos dias li dos mezes de Janeiro, margo, -najo,
julho, setembro e ouverobro.
ASSIGNA-SE
noRecife, na livraria da praca da independeoeln
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figoeiroa da
Faria & Filho.
PARTE eFFIClAL
9IB.\ISTERIO 1>0 IMPERIO
CIRCl'LAn AOS PRESIDENTES DAS PROVINCIAS.
Rio de Janeiro.Presidencia do conselho de mi-
nistros ein 24 de julho de 186o.
IUm. e Exin. Sr.A invasao de nossas provin-
cias pelos Paraguayos exige dos Brasileiros os
maiores sacrificios, atlm de que se assegure a iu-1 ara .su,,,lilu:.|S mmnl de destacamento,
tepr.dade do imperio, e se salve a honra e digui- Dil0 ao mesmo.-Expe.-a Exc. as convenientes
dade nacional.
Faz-se uecessario reforjar nosso exercito e nos- j
sa armada.
Quando o Imperador se aprsenla no thealro da
guerra, ninguem pode escusar-se de o acompa-
nhar. A causa de lodos : o Imperador o com-
prehendeu, e cumprio uin dever.
Dirijome a V. Exc, para que em lio inespera-
das circumstancias promova em alto grao o alisla-
ment) dos voluntarios da patria, o aomesmo lempo
mande abrir o recrulameiilo em larga escala, con-
forme as ordens que deve receber pelos respecti-
vos ministerios. V. Exc. ha de achar poderoso
auxiliar no patriotismo da populago dessa pro-
vincia.
Deus guarde a V. Exc.Mrquez de Olinda.
Sr. presidente da provincia de.....
DECHETO N. 3,504 DE 4 DE AGOSTO DE 1865.
Declara em vigor asdisposicoes do decreto n. 3,371
de 7 de Janeiro do correle anno.
Tendo a lei n. 1,246 de 28 de junho prximo
'passado legitimado as medidas extraordinarias,
lomadas na ausencia
creto n. 3,371 de 7
sendo aioda urgen!
lar e supprir a forga do exercito de operages, que
se acha fra do imperio, e do exercito, que defende
a provincia do Rio-Grande do Sul ;
O conselho de ministros :
Visto o arl. 2o do decreto n. 3,491 de 8 de juDho
ultimo ;
Ouvidas as secgoes reunidas de jostra e de ma-
rinha e guerra, provisoriamente
Decreta :
Artigo 1. Esto em vigor, at terminar-se a
guerra do Paraguay, as disposigoes do decreto n.
3,371 de 7 de Janeiro do correnie anno, que croou
os rorpos de voluntarios da patria.
Art. 2." O alistamento dos voluntarios nao im-
pede o recrutamento, o qual ser activado simul-
tneamente para o preeuchimenlo dos corpos do
exercito.
Auloriso V. Exc. a mandar dar baixa do servigo de Paquetes ponham a disposgo do rominan Jante
das armas o di/.erior de 1* li'nba Antonio de Bar-
ros, que veio para aqui no vapor Paran, segando
declarou-me o Exm. Sr. vice presideute d'aqaella
provincia em ufficio de 8 deste mez.
Despachos do dia 9 de agosto de 186o.
Heqnerimentos.
Alexandrino Tliomaz de Aquino Colho. Infor-
me com urgencia o Sr. inspector da alfandega.
Albino Antonio do Vale.Seja dispensado, fisto
do servigo em inspeegao
ao sold do da eompanhia de artiOees Barth lomea
Rodrigues de Helio, aceitando em seu lugar o
paisano Benedicto Manoel do Nasciment, se esti-
ver as condignos do decreto n. 2,478, de 28 de
setembro de 1839.
Dilo ao mesmo.Mande V. Exc. inspeccionar
pela junta de sade os paisanos Francisco Ramos
da Silva, e Flix Feliciano Barbosa offerecidos
pelos guardas nacionaes Galdino Apolonio Perfeito
tea. e Amonio Joaquim Googalves de Mello,; ter sido julgado Incapaz
de saude.
Dilo ao luesroo. Tendo tiesta data dispensado
do servigo da desiacameuto, para que estavam
designados os guardas do 1 balalhao de artilharia
Antonio do Valle, que em inspeegao de sade fo- vrja nedmdo o ?
ran.julgadosincapazes do roesnmservigo; ass.m vssem o al taen
o COmmuoLo a V. S. para seu eonheci.nento, re-
coi..ir:eniando-liie que providencie conveniente-
mente, para que nao sejam designados para seme-
lliaulo servigo guardas incapazes ou que teuliam
iseucoes leuaes.
deve-se immediatamenle por em exerugo o refa-
la me.it,, qU(, baixoo rom o decreto n 3 l II
isc.urso que a i de fevereiro do crrente
ordens para que sejam recebidos e tratados ua en-
fermara permanente os guardas nacionaes do Io
batalho da brigada expedicionaria da guarda na-
cional da provincia do Maranhao, Celislino Antonio
Gandido Pinheiro, e Theodoro Alves Prxedes, que
para este lim serio mandados apresenlar na mes-
ma enfermaria pelo coronel commandante da
referida brigada.-Communicou se ao predito coro-
nel commandante da brigada.
Dilo ao inspector da mesouraria de fizenda.
Mande V. S. entregar ao capito-tenente, comman-
dante da eompanhia deapp^ndizes artfices 605259,
importancia do peculio do aprendiz Manoel Fran-
cisco de Hullanda Gavalcaule, eque lem de ser-lhe
restituida, visto haver attingido a idade da lei,
segundo declarou o inspector do arsenal de man-
nha, em oflieio n. 944, de 5 do correte. -Cominu-
j nicou-se ao inspector do arsenal d-. marinlia.
Dito ao mesmo.ltenlas as razes expendidas
. pelo commandante superior da guarda narional do
i muuicipio do CbO em ofBcios ns. 102, 3, e 20, de
: 30 de junho, 5 e 18 de julho deste anno, recom-
a do corpo legislativo pelo de-; menl0 aV-.S- a expedigao de suas ordens para que
de Janeiro do correte anno, e f c^oth daquella villa, em vista dos competen-
tes essas medidas para augmeu- l'!f reU- PaSu os vencimentos, a contar do 1 do
citauo mez de juuho, do destacamento de guardas
nacionaes ali exisleules, e constante de um sar
i genio, um cabo e 12 prngas, o qual nesta data
mando reduzir a um inferior e 9 pragas, podendo
I esse pagamento ser eiTecluado sob mmha respon-
sabilidade, se para esse lim nao houver credi-
, lo.N'esle sonlido olliciou-se ao commandaole
! superior da guarda nacional do Gabo.
Dilo ao mesmo.Sob minha responsabilidade |
l mande V. S.( sem demora adiantar a cada um dos |
: operarios Tater Wanlenhwelh, Jorge Tavares da
uges legas*.
Dilo aocoiiiinandante do corpo de polica.Man
Antonio Gomes de Barros. Gomparega o sup- j['n[^ "8U"5S!?Jf. l,aisauo J,)SJ Joaquim dos
pilcante em minha presenga.
Castriciano Jos Tavares da Costa.Informe
Sr. commandante do corpo de polica.
Tenente Epiphanio Borges de Menezes Dona.
Dirjase a thesourara provincial. ',la-^ laudo baixa ao predito soldado.
Alferes Francisco Ferreira dos Santos. Defe- U'1,J M cheif' Ja repartlgao das obras publicas. -
rido leudo nesia data recommeodado a cmara muni-
Galdino Apolonio Perfeilo de Menezes. Apre- t;,pal do "eci/c a nP**W*' das convenientes or
deus no sentido di
lixo e d
da
postos a todos os sacrificios p ira resguardaran de
toda a macula a honra da nacao.
cmara ,e d.r.gisse as de.nais edihdades da pr^\FerBaoi9^roBha,^^,:^t^^m
ra concurso para que prono-; vivandeiros, que depende de vapor de tu^rra em
i,T!UL^ vo'u",arl"s- de modo quanto este nao for eslaioMrTooirc-im p
I r,a.la cldadao nao duvidasse pegar em ar- actual a udanie sera ..nsiderado o ma* r da Man
mandando um subs.i.uto aquelle que de todo nao ate que seja sobsli.u.do ; Sfl JSBm?^
su?nrov^,;i!SeXPen,,,'JaSCOmraU,,a fftada ""rinameme os demais SSS
rovada eloquenc.a. veis e finalmente, q0e JSTimnmm
o goverau i
ai
^enle no quartel general o substituto que olTerece,:
alim de ser inspeccionado.
ue evitar que se faga deposito de
Jos da Costa Arantes.Seja dispensado, visto "d
ter sido considerado incapaz do servigo em raspee- SS.
gao de saude. "ol
Joanna Mara de Jess.-Informe o Sr. Dr. chefe epreza do calgamento, para melhorar as aber-
turas ou boceas do encanamento.N'este sentido
olliciou-o a predita cmara.
de polica.
Jos Antonio de Oliveira.Depos que recolher-
se o supplicante, como Ihe cumpre, ao contengente
da guarda nacional, ser inspeccionado.
Joo Francisco das Chagas e Silva. Aprsente
ao Sr. commandante do corpo o paisano que eflo-
rece o supplicante.
Jos Gomes das Neves.Indeferido.
Laurentino Antonio dos Santos.Seja dispensado.
Manoel do Nascimedlo Teixeira.Informe com
urgencia o Sr. Dr. chefe de polica.
Manoel Joaquim das Chagas.Informe o Sr. di
rector do arsenal de guerra.
Padre Manoel de Sani'Anna Lu'-Informe o Sr.
inspector da thesourara da fazenda.
Miguel Luiz da Purilicago.Informe o Sr. ins-
pector da ihesmraria da fazenda.
Manoel dos Santos Estevo Papa.Infirme o Sr.
Dr. chefe de polica.
10
OHicio ao Exm. marechal commandante das at-
. U-f en hulea
r> c r ,. I'ara directores, ero -ub.-uiuKo an Sr. Gaiihcr-
Ubr. Dr. Lalasans expenden o pensamenio me Pinto de Maealliae* Antliio d. Silva ftMM
da creagao de urna guarda levantada .'entre todas Antonio de Araujo tram ^.-52
e, n c" Rut pdem ma,r,har p:,ra a 8Uer"' *,ves Guimarae, por 567 .lo,, aar7^ te
co no os pas di familia, estudan.es. ele Silva por 563 e vcoode da Estrella p-,r M .
ro o 5>r. Gamillo de Brito qnem f.illou apos, e __ *^
da e inspirada que > Fol noroeado agente docorr>i.> *> AraeaTf.
oflerecia para com- Cear, Antonio Andr da Owia CaraH por J*-
- todos os rigore* missao dada BaymondoAnlnies de Oliveira.
e adigas da guerra, marchando em defeza da 7 _"*. e.
'ialr'''.' ... Pelo paquete irwlez Merm eatraAf lia
Nene ponto fo. que fallou o Sr. Dr. Antonio do Rio da Prata, ImmmmmtmmTJmmmZ
. ^^i^^^tr^:^^ 53tW
em cousiderago o que expz o chefe da repart
gao das obras publicas em sua informago de 24
de jullio ulii.no, sob n. 237, resolve encampar a
obra Jos reparos do enipedrainento da iravessa da
Tramita m 'Juwa ;,,, i i, """> 4UC isas iiue ,i pruposia ua guama cvica
tSm^^Smmmm^twS^9!^ "> r muJaia pela de voluntarios qoe se ar-
T\tI":>l 2SS !n'?sera a **** PW tratassemdese
( Barros e seus fiadores na dcima parte do valor
. d'aduella obra, que ser coucluida por administra-
vontade sempre se collocam ao lado direito d'aquel- As noticia
les que amam de coragao o Paiz. Os Paragoayos estavam forlin>a*J.. a rmta
Por ultimo orou o Sr. Dr. Antonio da Silva Paran al Crrieoles.e preprava.ro-e para
que disse que a proposU da guarda civica em quarleis de invern.
A esqnadra brasileira
douro do Chimboral.
Prado,
atrar
refrescara ao
instruir no manejo e disciplina militar para os ca- j A paraguaya achWse no RiactioHo, ao abrigo
i mas.Expega V. Exc. as suas ordens, para que
sihaJacquesVerbeit Jos Joaquim de SaniAnna, eja lraUd, na enfermara militar permanente o
feebasliao Oumtihano da Silva, Luiz Ignacio Men-1 voluntario da provincia do Piauhy Victorino de
des, e Joao Francisco Ribeiro, contratados que lem ; Souza Siqueira, que desembarcou do vapor Paran
de seguir hoje para a curte, a importancia de um segundo communicou-me a agencia da eompanhia "'"o. d passagem de r al a curte, ao Exm. Dr.
mez 00 salario porque se contrataram para o ervi- brasileira de paquetes, em ofllcio desta data.- Amaro Caroeiro Bezerra Cavalcauti, depulado a
go do arsenal de guerra da corle. | (^mmunicou-se a agencia da eompanhia brasileira assemble. geral LogUlaiiva.
Dita.-O Sr. commaudanle do vapor Jos S. lio-
mo, faga transportar para a corto a muihere um
liiliu menor do engajado Jacqties Ve. berl, deque
traa a iniuha portara de honlem datada.
Dita.u Sr. commandante d) vapor Jos S. fio-.
mo
da
d
corpo de polica.
Dita.O Sr. coiiimaiiJante do vapor Jos S. to-
nino, transporte a seu bordo at a corle, a Mara
da Purilicago da Cooceigo.
Diia.-O Si. ccmiuandantedo vapor Jos S. Ro-
sos precisos.
O Sr. presidente da cmara prometteu lomar
em consideragao todas as medidas aventadas e tra-
balhar pela prompta efT-clividade dellas, o levan-
to a reunio, dando vivas a S. M. o Imperador e
nagao brasileira.
das baleras levantadas nesse ponto do Mtoral
Na fronteira do Rio GraaV aada arromara
digno de men lo
Os inva.-ores ron-ervr.ram se airela ao forte
, do It.icuhy 11 Je o general Caaabarro. a fr^Me da
1" divisao ligeira, Ihes vigiava o* rnovimeat h 4b-
fC nSXo^ SZ^' 3 S.r,a Ber0ardl"a "de.e d^fo7gs que m^chTram np'rme^ con- T&
> ZS,f?ZTlVl!,e acompanhan- ,in|Jente expedicionario desta provincia para a de- Osorio"
> a seu irmao Joao binilio de Tavares, soldado do feza de Mato-Grosso. Guiunio
Dilo ao mesmo.Recommendo a V. S., que, nao d paquelesT
obstante o que expoz em seu offico de 7 do Cv rren- j j)ll0 ao mesmo.Queira V. Exc. informar sobre
Pago em 4 de agosto de 1865, 4i da indepen-
dencia e do imperio.Mrquez di Olinda.Jos .
Thomaz Nabuco de Araulo.-Jose Pedro Dias de f> > n> a V* respondo e nao haver o gover-! 0 que peae no nc|US0 requerimento Porfiria Tava
Garvalho.-Jos Antonio Saraiva.-Francisco de: L'"l>erial autonsado os pagamentos das gralifi-! res d occorro.
Paula da Silveira Lobo. Dr. AdIuo Francisco de CW^' VM veneerem no crrenle ejercicio, nao; Dilo ao mesrao.-Em additamenloaomeu offlcio
Paula Souza.
DIARIO DE PMNAMBUCO.
.^o os engenheiros Maojei Buarque de Macedo, e de |,0Dtem, transmitios V. Exc.
JOM Larneiro da Bocha, empregados na estrad de i veniente destino, as guias de se
ferro desta provincia, mas tambem o engenheiro xas para a enfermaria, passad.
DECRETO N. 3,505 DE 4 DE AGOSTO DE 1865.
Equipara os corpos voluntarios da guarda nacional: scal da obia da ponte de ferro, que liga o bairro
aos corpos de voluolarios da palria | de Santo Autouio ao do Recife, Domiogos Jos
Cooriodd facilitar guarda nacional todos os j Rodrigues, mande V. S. elfecluar taes pagamentos,
meios de mostrar o seu patriotismo, e prestar na sob minha responsabilidade, at ulterior delibera-
defeza do paiz, invadido pelo estrangeiro, os serv- j gao do mesmo governo, a quem me dirigi nesta
data a semelhanle respeito.
Dito ao mesmo.Mande V. S. ;.!>ooar sob minha
L se no Commercio, folha de Paraoagu:
gos que a Constituicao do imperio impoe todos
os cidados, e a insuiugo da mesma guarda na-
cional especialmente exige della;
O conselho de minislros :
Visto o arl. 2 do decreto u. 3,491 do correte
anno;
Ouvidas as seccoes de jftiga, e marinha e guer-
ra do con.-elho de estado, provi-uriamente
Decreta :
responsabilidade e sem demora I). Mantn com-
mandante do vapor Jos S. Romiio, a quantia de
dous contos de ris, por cunta dos seus vencimen-
tos, como elle solici.ou em ollicio desta dala.
Dito ao mesmo. -Declaro a V. S. qu* as pragas
da guarda nacional, que por offieio de 26 de julho
ultimo, se mandou destacar na cidade de Nazarelh,
Artigo nico. Os cornos da guarda nacional, que entraran em servigo no dia 4 de julho prximo
com a sua orgauisagao actual, com os seus officiaes lindo, segundo commnnicou e respectivo comman-
e pragas voluntariamente se prestaren) para o ser- dante superior em ollicio de 20 do mesmo mez de
vigo de guerra, sero equiparados aos corpos de julho.
voluntarios da patria, e gvsario de todas as vanta- Dito ao mesmo.Atlen leudo ao que no incluso
gens que a estes sao concedidas. n-querimenlo expz o engenheiro Antonio Vicente
Paco em 4 de agosto de 1865, 44u da Indepen-
dencia e do imperio.Mrquez de Olinda.Jos
Tliomaz Nabuco de Araujo.Jos Pedro Dias de
Carvalho.Jos Antonio Saraiva. Francisco de
Paula da Silveira Lobo.Dr. Antonio Fraucisco de
Paula Souza.
DEMlETO N. 3,506 DE 4 BE AGOSTO DE 1865.
Da algumas providencias para o servigo da guarda
nacional em tempo de guerra.
Sendo urgente a necessidade de augmentare sup-
prir a (orga do exercito de operages que se acha quanlia de 36:200. profenienle" d'agua que aVn'es"
fra do imperio, e do exercito, que defende a pro- ma eompanhia forneceu a secretaria do governo e
viocia do Rio Grande do Sul, e ciiinprindo tomar a rcpartigo das obras publicas, seu semestre de
providencias efilcazes para o caso de nao prestar- Janeiro a junho deste anno, como se v das duas
se a guarda nacional de alguus lugares ao servigo inclusas contas.
de guerra que a constiiuigao do imperio, e a ios
do Naseimento Feilosa Filho, recommendo a V. S.,
que nao obstante no existir autorlsago do gover-
uo imperial para pagamento da gralilicagao, que
vencer o sapplieanle, no crreme exercicio, como
eocarregado das obras do mellioramento do porto
de.-la capital, mande elTecluar esse pagamento sob
minlia responsabilidade, al ulterior deliberago do
mesmo governo, a cujo conbeeimeulo vou levar
este meu acto.
Dito ao inspector da ihesouraria provincial.
Mande V. S. pag-r a eompanhia de Bebenbe, a
tituicao da mes.na guarda Ihe impue:
O conselho de ministros:
Visto o art. 2. do decreto n. 3,491 do correte
anno.
Ouvidas as secgoes de juslig", e marinha o guer-
ra do conselho de estado, provisoriamente de-
creta :
Art 1." Se os conselhos da guara nacional aos
quaes incumbea designago dos guardas nacionaes
para os corpos destacados se na reunirera, ou nao
cumprirem a dila designaefo, esta sera incumbida
aos commandantes dos corpos com recurso para
os commandantes superiores, e para os presidentes
das provincias.
Ar. 2. Ficam os presidentes das provincias au-
torisados para suspender por lempo indeterminado
os commandantes superiores e commandantes dos
corpos que uo prazo, que Ihel for marcado, nao
cumprirem a designago do artigo antecedente, ou
nao lizercm aquarlelar os guardas designados, su-
jetando logo e.-le acto approvagao do governo
imperial.
Art. 3." Se nao fr possivel a organisaca > dos
corpos destacados, os presidentes das provincias
faro aquartelar e marchar os coriios da guarda
nacional com a mesma organisago, que lem, com
os seus officiaes e pragas, excluidas as duas clas-
ses de viuvos com filho.-, c casados com lilhos, que
serao addidos aos corpos, que nao marcharen),
si udo desles transferidos para aquelles os solleiros,
os casados sem lihos, e viuvos sem filhos.
Arl. 4." Se os officiaes da guarda nacional se
nao pruslarem ao servigo da guerra, alm das
penas do art. 100 da lei de 19 de setembro de
1850, serao suspensos por lempo indeterminado,
sendo onlros Borneados era seu lugar.
Art. 5 Nos lugares, em que a guarda nacional
se nao quizer prestar ao servigo de guerra, sora
ella suspensa na forma do ari. o." da le de 19 de
setembro de 1850 pelos presidentes das provincias,
que pioporao ao governo imperial a sua dissolugo
na forma do art. 4 o da mesara le.
Pago, em 4 de agosto de 1863, 44. da indepen-
dencia do imperio. Mrquez de Oanla.Jos
Thomaz Nabuco de Araujo. Jo Pedro Dias de
Carvalho.Jos Antonio Saraiva.Francisco de
Paula da Silveira Lobo. Dr. Antonio Francisco
de Paula Souza.
Eipeditntf do dia 9 de aijo.-ilo de 186o.
Portara.O presidente da provincia attendendo
' a que Pedro Alexandrino Bodrigues Los, que in-
terinamente servia o ollicio de labelliao nesta cida-
de se oflereeeu para o servigo da guerra e est no
exercicio do posto de lente quartel niestre do 1
corpo da guarda nacional desliuado s operages
da mesma guerra, e que o referido offieio nao po-
de, sem grave prejuizo, ser accumulado pelos ta-
bellles companheiros como informaran) os juizes
monicipaes da l* e 21 varas em datas de 7 e 9 do
correnie, resolve nomear a Pedro Jorge da Silva
llamos, nos lermos do artigo Io do decreto n. 1294
de 16 de dezemhro de 1853 para servir tempora-
riamente o sobrcdito offieio al que termine a li-
cenga de 1 anno concedida pelo governo imperial
ao serventuario vitalicio Francisco de Salles da
Costa Monleiro.
Dita.O presidente da provincia, allendendo ao
que requeren o director g-ral da m>trucgo publi-
ca bacharel Silvmo Gavaleanti do Albuquerque, re-
solve coneeder-lhe 30 dias de licenga para ausen-
tar se para fra desta cidade perceb^ndo o orde-
nado.
Dita.O presdeme da provincia resolve desig-
nar nos termos da lei n. 369 de 14 de maio de
1855, o professor do Gymnasio Provincial Jos
Soares de Azevdo para exercer interinamente
lugar de director gi-ral da instrnegao publica du-
rante o Impedimento do respectivo proprielario.
Fiztram-se as necessarias communicagoes.
Dita.-O presidente da provincia resolve, em
vista do despacho de 27 de julho ultimo, conceder
ao arrematante dos concertos da ponte de Goianna,
Jos Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquer-
que, 45 das de prorogagao para conclusilo das
obras do seu contrato, a contar do dia em que se
Bodn o praso para esse lim marcado.
Dita.Os Srs. agentes da Companha Brasileira
de Paquetes fagam transpertar para a corte por
conia do ministerio da marinha as pragas destina-
das para a armada, constantes da relago junta.
Dita.Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
de Paquetes fagam transportar para a Babia no va-
por Paran ao Io machinista Hardevar, que per-
teneendo a guarniga i do taer Jos S. Romao, fi-
cou em trra na occasio deste largar do porto,
devendo toda a despeza do tran porte correr por
conta do mesmo machinista.
Dila.Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
de Paquetes a vapor mandem transportar para a
curie por conta do ministerio da guerra no vapor
Paran, os operarios alfaiates, Luiz Ignacio Men-
dea, e Manoel Ferreira do Na do as ordens imperiaes r>ram contratados para
servirem no arsenal de guerra da corte.
Dita.Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
para a corte por
Offieio ao Exm. desemhargador provedor da
Santa Gasa da Misericordia.-Bemetto a V. Exc.
para attender como fr conveniente, o incluso re- de Paquetes facam transportar
querimenlo de Manoel Borges da Fonseca, morador conta do ministerio da guerra, o vapor Paran,
no termo de Santo Antao, pedindo que seja recolhi- o alferes da guarda nacional do Rio Grande do
do ao hospital, afim de ser tratado o seu filho de Norte Joo Cavalcanti Barreto Chave?, que vai
nome Joo. servir no sol do imperio.
Dito ao brigadeiro commandante das armas. Dita.-Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
para terem o con- Chegou lumiem pela wanhaa o vapor Tocantms
soccorrimenio e bai-1 do Rio, Baha e Alachas, com datas : do priineiro
Jasaos guardas da al 7, da segunda-at 11 e do terceiro'al i3do
brigada do Maranhao Celrstino Antouio Candido corrente.
Pimenla e Theodoro Alves Prxedes. Chamamos a alleogao dos kitores para os de-
D.to ao mesmo.-Remelto a V. Exc. para ter o relos e circular, que vao sob a rubrica Parte "perdiu"tela "borda'desde a"enx1rda7ran,r
conveniente destino, a guia do desertor de Ia linha o/pi-ial. Alem disso eis o que mais colhemos dos ale a nAna. rann a i,i.> m.i. ,, = n
desta provincia Antonio de Barros, que tendo sido jornaes, por suas respectivas dalas:
preso na da Parahyba em 9 de julho ultimo, veio 2 de agosto.
para aqu no vapor Paran, segundo declarou-me Conforme noticiramos, olTectuon-.se hontem
o Exm. vice-presidenle daquella provincia em olli- no arsenal do marinha o embarque de S. A. o Sr.
ci de 8 do mez corrente. conde d'Eu, para a provincia do Bio Grande do
Dio ao brigadeiro Francisco Jos Damaceno Ro- Sul.
Pouco antes das 8 horas da manttaa chegaram
ao ar.enal o seguudo balalhao de voluntarios do
Para e o 32" corpo de voluntario*, aos quaes o Sr.
ministro interino da guerra, que ja all se achava,
eosejo para agradecer "a valiosa coa.ljn'vac.T. que passou revista, comegando logo o embarque da ala po7Vomessa"'[eita I^OS^sflbondO Rosarlo do
prestou-me V. Exc. durante a minha admiui-tra- j direita do priineiro para o vapor Simia Hara, que r0(jo.
gao. eslava atracado ao arsenal, e da ala esqoerd dos-, __
Dito ao Dr. chefe de polieta.Participando me o le e lodo o 32 para o transpone de guerra Oya-, 0 trasporto S. Francisco, sabido do Montevideo
desembargad^ proved..r da Santa Casa de Misen Pa\ na madrugada de l> di mez passado para o Bio
cordia, em ollicio de 9 do corrente, sob n. 314, ha- A s 10 horas chegou ua Alleza, acompanna-
S-.-'?.08^?'* Carta lscrii"a d FrMS. Pr um Ps, a 'mpeJir a passagem do ro ao m
Por ofBcios do general CaMwell ao f**ral
. datados da estancia da Laguna a IS t
. Guiquigua a 18, sabia se que oexerjo aaofuav,
Ressa carta se diz que a tropa caminhava abandonara no da anterr a villa > Itaqai > re-
sem novidade e que ta saiisfeita do tratamento,; forgado com 2,000 homens da Mata
que era muito bom. notando-se que o rancho das
pragas era abundante, tendo cada urna cinco
libras de carne por dia, alm de outras vanta-
gens. >
Fallecen hontem s 2 horas da tarde o coronel
Ignacio Accioli de Cerquelra e Silva, chronlsla do
imperio, aulur de diversas obras de litleratura.
Informam nos que deixou em mao de S. M. o Im-
perador dous volumes manuscriptos da historia
contempornea do Brasil.
pela margen) din iu do Uruguay, marchara para o
passo de Santa Maria afim de atravesar Ibt-
cuhy.
< Um correntn apri>ionado pelo eoroael Per-
nandes declarou qae os Paraguayos tiohaaa perdi-
do trezentos e tantos horneas so cjine de Je
juaho e em ama esraramoea qoe hoeve a IV *>
passado entre os nossos soldados e ama prtala m-
vasora.
O corooel Kernaades conservava f->rri- ao
flanco do inimigo, iodo coro o grosso da >o rWm
em direcgo Sania Mara, aflm de alarar a reta-
guarda dos Paraguayos, caso estes leMasseaa aira
t
O Aguia do Prata, que deste porto seguio I vessar o Ibicohv"
com destino ao ral, carregado de hervamate, apa-1 Se exacta'a noticia de haverem a* forr.do
nhou pela altura do Rio-Grande lo forte temporal I general Cadwell feto junego rom a divisan Cb>
nabarro, a columna ioimiga qoe desria pelo ao*o
sado.Receb o seu offieio, n. 1,336 e licando
sciente de liaver V. Exc. feito entrega do comman-
do das armas da provincia, nesla data ao marechai
de campo Francisco Sergio de Oliveira, aproveito o
at a popa, cmara e ludo o mais que estava no
' convs.
O capitao, o Sr. Maia, tal embale sofTreu sobre
a cabega que acha-se de cama nesta cidade, don-
de sahio e onde pode o navio arribar.
No dia 21 do correnie houvea bordo desta em-
barcago vesloria ; nao sabemos ainda do resulla-
do della, porm consta-nos que p earregamento
acha se avariado.
A companha do mesmo navio pereorreo as
ras desta cidade do dia 20, tirando esmolas,
nico a V. S. para seu conheciinento, e alim de que nor da guarda nacion.il e muilas outras pessoas avi^tou se trra e a 20 do mes passado fuudeou
mande apresentar no referido hospicio o dilo alie- gradas. navio em Paran'agu
nado. Sua Alteza nmbarcou logo para o Santa Maria, 0 Sr. capilao de'mar e guerra Secundino de
Dilo ao inspector da thesourara de ltenla. 1"B largoii as iu-1/, horas, samado pouco depois o Gomensoro, que se achava a bordo do >' franca-
Mande V. S. justar contas e passar guia de soc- Oyafock, que se demorou no pogo para receber Co, passou aquella cidade para o vapor Alfonso
corrimentoao brigadeiro Jos Damaceno Bosado, urna companhia do corpo de ariilices do arsenal de da companhia Intermediaria e nelle veio at San-
que nesta dala passa o commando das armas ao guerra. ,os. a(j emf)arcou no Ce'res 8 cnegou hontem a
ergio de Oliveira, Ao passar pelos navios de guerra nacionaes e este porto.
marechal de campo Francisco S
fazendo abonar ao mesmo brigadeiro o quautitati-
vo a que liver direito, como ajuda de custo.
Aeste sentido offlciou se aos agentes da Compa-
nhia Brasileira de Paquetes para dar transporte
para a corle ao predito brigadeiro.
Dito ao mesmo.Em vita das razoes expostas
em seu offieio de 8 do corrente, sob n. 571, auto
estraugeiros e pelas fortalezas foi Sua Alteza sau-
dado com as salvas do eslylo.
expedida pela re-
extrahimos a se-
Da orden) do dia n. 46o,
partico do ajudanle-goneral,
guinie :
t Circular.Rio de Janeiro Ministerio dos ne-
riso V. S. a despender, sob minla re-ponsab'ilidade gocios da guerra, em 24 de julho de 1865.Pri-
nos termos do art. 5 8 do decreto n. 2,884, do I meira directora geral.-Primeira secgo.-Illm. e
de fevereiro de 1862, at a quanlia de :()i)0r500O, Exm. Sr. Tendo a experiencia demonstrado os
com os reparos mandados fazer nos quartes da inconvenientes que se do de virein os voluntarios
fortaleza das Cinco Punas, e da companhia de ca- e pragas do exercito acorapanhados de suas farol-
vallara, bem como com outros que tambem se tor- II, resultando desse facto licarem ellas muitas
narem urgentes em proprios nacionaes pertencen- vezes abandonadas, ou ter o estado de as sustentar
tes ao ministerio da guerra, vito nio se haver para nao deixa-las entregues a' miseria ; cumpre
abertocrdito a essa thesourara no corrente exer-!'iue V. Exc. nao consinta que os voluntarios ou
cicio para a rubricaobras m,litares segundo qualquer praga do exercito embarquen) com iami-
consta de seu citado offieio. lia. ssndu oielbor dispensa-Ios de vir para a cam-
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.Man- \ pa"* se fiterem absoluta falta as pessoas que qui
de V. S. comprar com urgencia, afim de serem en-. zerem irazer. _,
viados para a provincia do Cear o- ohjeelos men-1 eoi guarde a V. ExcJos Amonio Saraiva.
Clonados em a nota por copia inclusa, apresentan- Sr. presideute da provincia de-----
do-me a conta da respectiva despeza para ser salis-
feta.
Dito a cmara municipal de Floresta. Com a
informago inclusa por copia ministrada pelo ad-
ministrador do correio desta capital em 10 do cor-
rente, respondo ao office que a cmara municipal
da villa de Floresta dirigi a esta presidencia em
13 de i Mli i ultimo, relativamente acreacao d urna
agencia na mesma villa.
Dito ao chefe da repartigao das obras publicas.: parlindo em seguida para
Auloriso Vmc. em vista da reclamigao feila pelo! Fora aceito pela presidencia da provincia o
arrematante dos reparos da ponte dos GarvalhosjolTereciinenlo dos senhores officiaes do balalhao de
Feliciano do Reg Barros, e constante do seu offi-'. reserva, para fazerem o servigo da guarnigo da
ci de honlem, sob n. 258, a mandar lavrar o ter-1 capital.
mo de receblmento daquella obra, coito de que A forga da guarda nacional aquartelada mar-
acabo de recommendar a thesourara provincial, i chara para o Rapara no dia 30,
Teios noticias de S. Paulo at 30 do pas-
sado.
Em vir lude de ordem do governo geral ia cou-
tramarchar o stimo batalho de voluntarios da
palria, que ja eslava a caminho de Malto-Grosso.
Deva este corpo acampar a 28 na Agua-Bran-
ca e atravessar a 30 a capital, indo levantar o
acaro
por lo.
3
< Da ordem do dia expedida pela repartigao do
ajudante-general, sob n. 446, exlrahimos o se-'
guinte :
Os officiaes de coamissao que vierem corte
com licenga, sem vencimento algum, para tratar
de sua saude, serao dispensados da commisso se
nao se apreseutarem para voliarao exercito dentro
de trlnta das, contados daquelle em que terminar
a licenga.
t Os que forem licenciados, com vencimentos,
para o mesmo fim, sero privados delles logo que
chegarem esla corle, e dispensados da commis-
so, se, terminada a licenga, nao se apresentarem
para voltar ao exercito dentro do DttBM prazo.
t O Io lente Antonio Ximenes de Araujo Pila-
da solicitou e obteve do governo ser nomeado para
fazer parte da offlcialdade da corveta encouragada
Brasil.
' Este ofllcial deixa o lugar que exerce de aja-
dante da companhia dos aspirantes a goardas-ma-
rlnhas, alm de outros inleresses, para reuuir-se
aos seus irmaos d'armas, que combaten) em defeza
da patria. >
No dia 2 do passado foi a pique na costa da
Laguna (Sania Catharina) a galera ingleza Albion,
em viagem de Cardih* para Paita.
Tida a tripolaco, excepto o capitao que mor-
pamento na estrada de Santos, no Ypiranga, e reu afogado, se sal vou h chegou hontem ao nosso
porlo a bordo do vapor D. Alfonso.
Os nufragos apenas retiraran) de bordo da
Albion os chronometros e algum veame.
Este navio pertence lirma de Charles llill &
Son, de Bristol. >
Dj Commercio do Paran exlrahimos a se-
para-
a thesourarL ,
que a vista do competente certificado, pagu<;ao! ,)o Correio Paulistano exlrahimos as seguintes guinte noticia :
mencionado arrematante a quantia a que liver di- noticias : Eleuteno de Almeida Portes acaba de chegar
reito, descontando se a d i 49JOOO, proveniente da Somos infrmalos de que hontem fez elTeetivo villa do Principe e informa de um conflicto a-
d ITerenga que se nota para men)s as dimeuSes o Exm. Sr. barSode Itapetimnga, em nome do Exm. vido enlre os nossos trabajadores da estrada de
da madeira por elle empreada em taes repans. Igr. bario de S. Joao do Bio Claro, o donativo de \ Palma a Corrientes e 600 bugres negros
.JDiio ao mesmo.Mande V. S. adiaular ao leen- 200^000 que este senhor fez a cada guarda naci- guayos,
te secretario nomeado para o corpo de polica Epi- nal dos do balalhao de seu commando, que se efe* i Tendo sido informados os Paraguayos por
phanlo Borges de Menezes Doria, a imp irlanda de receram para marchar voluntariamente para o Pedro Antonio (socio do um mez de sold para Ihe ser descontado pela 5" theatro da guerra. estabelccido e pusseiro nos campos correntinos, da
parte do mesmo sold. | nm a chegada das noticias pouco lisongeiras existencia de nossa picada da Palmas para aquel-
Dilo ao mesmoDeclaro a V. S. para seu co- da delTecgo dos exordios dos nossos alliad >s da les lugares, mandaran) 600 bugres negros explo-
nheclmento e fim conveniente, que segundo consta Confederagao Argentina, a cmara municipal des-1 rar as matas, mas nada poderam conseguir. Nesle
de offieio do chefe da reparlico das obras publicas, ta capital dirigi um convite populago, afim de cmenos urna bugra negra pode avisar a nossa
datado de 3 do corrente e sob n.-254, despenden- que se reuns-e para accordar nos meios possiveis I gente que trabalhava na estrada do occorrido,
se a quantia de 9455100 rs. com os reparos ur- de dar ao governo todo o auxilio na prsenle con-! quando largando da ferramenta, munio-se das ar-
gentes de que precisavam as ruinas causadas na Junclura.
estrada do Caxang pela ultima endiente d > rio
Capibaribe, e foi essa despeza levada a consigna-
gaoreparos e conservagao de estradas.Commu
nicou-se ao chefe da repartigao das obras publi-
cas
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Mande V. S. dispensar do servigo
o alferes secretario do 2* balalhao da guarda nacio-
nal desie municipio, Francisco Ferreira dos San-
tos, emquanto esliver 'requemando as aulas do se-
gundo anuo da escola normal.
A's qnatro horas da tarde, reunido tanto povo
que nao se poda conter dentro da sala da cmara,
mas que poderam e, em numero de 200 bngres
mansos e 60nonns brancos, commandados pelo
capilao Marcondes, ao chegar nos campos das
o digno presidente desta, o Sr. tenenle-coronel j Vaccas Brancas, cahiram sobre os 600 Paraguayos
Osorio da Fonseca,expoz os motivos que o levaram que os de^rogaram.
e os seu collegas a darem o passo da convocagoi Pedro Autonio pode entretanto fugir de sua
de seus commitleules para aquelle lugar.
Tomou da palavra por tres vezes o Sr. Dr.
Antonio Carlos, que em expressoes enrgicas de
patriotismo propoz que se fizesse chegar ao conhe-
cimento do governo Imperial, por meio de seu de-
legado nesla provincia, que os Paulistas esto dls-
casa onde os Paraguayos o linham preso, mas nao
se sabe o destino que le vou.
Pelo ministerio da guerra expedio-se aviso
presidencia de Pernambaco, declarando, em res-
posta ao offieio n. 608 de 31 de maio ultimo, que
territorio deve a esta hora estar anoiquilala.
c A forga que por ordem de Lp>>z dirig p*ia
margem direila do Urognay ftcava S stpana dfcs-
tanria do Passo de los Libres, que nenhuoaa resis-
tencia poda oppor por ler .-ido abandonado.
Atleodendo-se, porm, a qoe > general FVm,
com a vanguarda d exerrilo al liad, achara se a
25 leguas ao norte da Concordia, i pn>av-l < a
columna i-araguaya qoe vioha e ..i -and > o r Crn-
guay por Corrientes, nao realizas?* o .-a plaao d
reunir-se s torgas que estavam do ootro lado a
rio.
< A Uragnayana lortificava-se rapidanaeni-: lendiam-a 3iM) humeas da aMaln B-m > M irtia.-
1,500 guardas nacionaes e 6 pefa d- artWiana.
< O general Urquiza t vera a l enlrevn,ta com o general Mure na Cncora. 5 >
dia seguinte formara em grande parada Indo
exercito adiado acampado em Aqu On-u O ge-
neraos Mitre, Ozorio e Urquiza pa*saram em r-
vista 21,000 homens, dos quaes 16,000 brasuVsros
e 80 pegas de artilharia.
< Ao garbo e disciplina das Moras f->rga-, fas
manobraran) dorante rioco h cein os jornaes argentinos e orienta os maiar-s
elogios.
No da 25 regressra o general Urqoiza a S
Jos, depois de haver dado as necesitara* nr para a convocaga da guarda nacional de Eolre-
Rios.
Diz a Nacin Argentina maj aquella proTia>-
ca ji estavam reunidos 3 OOij baaan*, nrlosive
1,500 de infamar 11 e 300 As artilhina.
A mesma folha, que org uVial da confe-
deragao, em urna corre-pondeni'ia da i. n-.rtla,
aprsenla o seguinte quadro doexerril allia.k em
campanha : general Flore?, coro o r*-(orgn do g>-ne-
ral icasio Borges,6,000 h men- ; generar* a-
cero, ('aceres, M^dariaga o II mo-, 10.000: e-n--
raes Caaabarro e Jacuhv, IOiIOO-, geoeraes Mure
0:orio 20,000. Total 46,000 homens.
Diariamente chegavam ao Riwano ivers".*
contingentes, que se iam por em marcha para o
theatro da guerra, sobo coinmauda do feaeral D.
Emilio Mitre.
c Fallecer em Paysand o general Faosl > de
Aguilar, amigo intimo do general Flores qoe mili-
to coocorrea para o iiamphodo partido colo-
rado.
< Entrn hontem de Paranago o transpone na-
cional S. Francisco, e da Madeira a corveta ingleza
Scont.
Sob a presidencia do Sr. renselheiro manruez
de branles reaniram se pela primeira v-z. as 6
horas da larde do da I" do corrente, na sala da
sociedade Auxiliadora da Industria Narional, os
Srs. Drs. Amonio Jos de -onza Reg, Gabriel Mi-
lilo de Villa-Nova Machado, Raphael Arrhanfo
Galvao Filho, Milheus da Cunha, barbar -I J.j Te-
reir liego, commendadores Joaquim Antonio de
Azevedo e Manoel Ferreira Lagos, memoro a
commisso encarregada de dirigir os trabauvs -ta
exposigo nacional de productos da agricultura, ia
dustria e bellas-arb-s, por decreto de 17 de joftw
prximo passado. Fallou a reuma i o Sr. vire-pre-
sidente conselheiro Fredenco Leopoldo Cesar Bnr-
lamaque, por molestia.
Aberla a sessao, o Sr. presidente declaren:
inaugurados os trabalhos da rospeciiva commis?*>.
convidando os Miembros a eslorgarem-se anas
possivel para merecer as gracas do govera impe-
rial, qne se dignara conceder-Ibes tao hmro-a ta
refa.
t Expediente.Aviso do ministerio da agncul-
tura, commercio e obras puldira-, nmitlmna a
lista dos cidados nomeado? por derroto de 17 do
julho de 1865 menibro? da commisso de eupo**-
cao nacional de prodnetos da agncnlt "a, indas-
tria e bellas arles, que deve ler lugar M ridnJs
m ootubro do anno futuro ; onlro sim peanado
mesma commisso baja de propor ao govrmo ia>
p< rial, com a brevidade possivel, as asedada* aae
em seu conceito forero necessarias para levar-se
elTeilo i referida exposigo, cojo Boa destina as es-
pecialmente escolha dos producios nacionaes qae
dewm figurar na exposigo universal de Pars,
cuja abertura esta annunciada para o dia I* de
mato de 1867.
< Ordem do dia.O Sr. presidente,
ter feito ver a' commisso que a i
lei lo observar algumas faltas a i
truegoes que foram dirigidas
provincias na exposigo passada, pfopoz: I* i




Diario de ?enaambnco -- Segunda felra 14 de Agosto de ISO*.
fosse normada urna rommissn. para rever as ihm-
rnas in-trucgCes e apreseotar as m)dificaco;s ijue
julgasso cuuvcmeule; 2o que os nienibros pre en-
tes marcassem o espado que se devia pedir para
seren depositados os productos nacionaes na ex-
posicao universal de Par?, afim de que nesse sen-
tido se officiasse ao governo imperial para tomar
as necessart&s di libtraeoes
Foi approvada a 1" pade da proposta e nanea-
dos pelo Sr. presidente para Miembros da eommis-
sao revisora os Srs. Azevedo, Villa-Nova Machado,
M.ilheus da Cunha e Lagos, declarando que se as-
sim o falla era por attender ao grande conheci-
nu-nlo |uej untura S*. SS., visto ja' se lerem os-
cupado do mesmo objecto ua exposico passada,
esperando nao obstante que os outros senhores nao
deixariam de auxiliar quanto possivel a coramis-
so para o cabal desempenho do seu mandato.
Eclrando eni discosso a 2" parle da proposta,
depois de algumas observaeijjs feilas pelos Srs.
presidente Azevedo, Villa Nova, Malheus da Cu-
nha, Raphael Galvo, Pereira llego e Lagos, resol-
veu-se que se offlciasse ao governo imperial, pe-
dindo 3,000 pus quadrados.
As 7 horas da i:oit, enrerrou se a sesso, de-
pois de lerem sido npprovados os requenniiotos
dos Srs. Azevedo e Villa-Nova, era osquaes pediam
ossem remeltidos a' commisso revisora trabalhos
que j linham preparado sobre materia qae se ti-
nha de discutir na prxima reumao. >
6 -
Pelo ministerio da guerra foi expedido o se-
grate avi o : l' directora geral.Ia seceio.Rio
de Janoiro.-Ministerio dos m gordos da guerra, em
30 de ;inho de I8o -Ilim. e Exm. Sr.Remeta
V. Ex', cum toda a urgencia a' esta secretaria de
estado urna estatifica obituaria dos hospitaes e
enfern arias ahi eslabelecido-, desde o cerco e to-
mada dePaygaod at o presente, cora declarado
das pracas fallecidas em consequenea de comba
te, bsm como una outra relativa ao movimento
dos mesmos eslabelecimeolos ; devendo V. Ese.
d'ora em diante fazer mensalnieote igual remessa
a respeito do movimento que se for dando nos
mencionados bospitas e enfermaras
Dos guarde a V. Etc.Angelo Muniz da Sil-
va Ferraz.Sr. presidente da provincia de
Ao presidente da provine a do Rio Grande do
Sul eao gtueral Ozorio expedio-se aviso especial
no sentido desta circular.
a Parte hoje no paquete loglez Mersey para o
Rio da Prata urna coramisso encarregada de exa-
minar como lli feilo o servico dos bospitas mi-
litares, e introduzir uello s melhoramenlos que
forem possiveis. A importancia das pessoas a que
foi confiada isla commi.-sc ja' mu penhor dos
bons resoltados que bao de colier.
t Uompde-se dos Srs. eonselhriro Dr. Manoel
Feliciano Pereira de Carvalbo, cirurgiao-mr do
exercito 1" cirurgie Ur. Eduardo Augusto Pe
reir de Abren, assistente do ctrurgio-mr do
t-xercito ; 1" cirurgioss Drs Cesarlo Eugenio Go-
mes d>; Araujo, secretario do corpo de saude, Joa-
quim Juf de Araujo, Jos Augusto de Souza Pi-
tanga, P.orencio Francisco Gonr^alves, Nicanor
Goocalves da Sil va, Alexandre Jos Soeiro de Fa-
ria Gnarany, Jos Ignacio de Barros Pimentel, Ho-
racio Cesar, i" cfrurgiio Dr. Manoel I'.ibeiro
Gomes da Silva, pharmacculico alferes Camillo
Weber.
O Sr. chefe de polica acaba de prestar um
grande servico, apprehendendo dous raoedeiros
falso-, com todos os ulencilios ries.-e fabrico e
95:000,3 em supposlas olas de 205 do banco do
Brasil.
Ha lempos que a polica seguia vigilante o
rosto desle crime. Iljotera de madrugada o Sr.
Io delegado deu basca na casa do Caminho-Novo
de Bolafogo u. 13, e alli eDCuntrou a prensa, a cha-
pa, papel, etc., e dentro de urna caixa 85:0005000.
Sendo preso logo o raoradur, descubrise outro in-
dividuo que eslava como porteiro no mosleiro de
S. Beato, e que depois de muitas negativas decla-
rou que na celia onde dormia, no mesmo conven-
to, liaba tambera guardados 10:000, os quaes fo-
ram realmente encontrados.
As falsa; cdulas sao muito bem felias, sao
da 3a .-trie, com as Ormas P. A. Machado e Jos
Raphael de Azevedo, e a rubrica Tavares.
Das pesquizas a que se tem procedido, o fabri-
co devia passar as notas de 30^ e 2005- A polica
contina em av< riguago.s.
L-se no l'aiz, de Campos:
t No di.i 21 do correte forana apresentadasao
Sr. chefe de polica duas notas falsas de 3> da o."
estampa e 11.' serie.
t Tend o sido examinadas e conferidas com as
verdaderas acharara se os segrales signaes que
extrahimos do Monitor Campista :
a O papel Jo sofrivel qualidade, porm mais
encorpado que o das verdaderas, e temas linhas
d'agua mallo mais vlsiveis, as duas figuras do em-
blema sao de urna exeeuco bastante grosseifa, de-
feilo este que se torna aiuda mais saliente na effi-
gie de S. M. o Imperador, na tarja direita; as pa-
lavras cinco mil ris mnitas vezes repetidas
em caracteres microscpicos as notas verdaderas,
sao, as falsas, iniperfeilas e de letras mais grata-
das, oceupando smenle 23 linhas em quanto que
as verdaderas se contara 29; a palavracinco
eslampada em tmia de cor, c de um vermelho mais
vivo du que as verdaderas, e o sombreado das le-
tras bastante defeituoso ; una dessas noias lera a
firma de Francisco Jos Moreira de Carvalbo, e a
outra a de Pirmiao Moreira Lyrio; esta ultima bem
imitada, porm ambas sao gravada-1.
lloutem s 2 horas da tarde ch->nou ao arsenal
demaiinha, vindo de Mau em quairo vapores
que o tinha ido buscar, o batalho de voluntarios
da provincia de Minas.
Esptravam o os Srs. ministros da fazenda e da
marinha, ajudantegeneral deexercito, visconde de
Caraam, algaos senadores, muitos ofciaes dos
batalhoes da guarda nacioual da corle e grande
coueurso de cidados, que se pozeram a frente do
corpo quaudo este, precedido ue quairo bandas do
msicas, raarenoo ao som deltas e de vivas e fu-
geles pelas ras Direita, do Ouvidor, largo da
Constituicao e ra dos Ciganos al ao quartel do
Campo di Acclamacio. Das janeilas ornadas de
colchas e bandeiras choviam flores sobre os volun-
tarios. Um fario raucho agnardava os soldados e
um lauto banquete os ofliciats.
Em seguida publicamos as cartas dos ministros
das relacoes exteriores das repblicas Argentina e
Oriental do Uruguay, em resposia ola que Ibes
foi dirigida pela missio especial, communicando
aos governos daquellas repblicas a resolncao to-
mada por S. M. o Imperador de partir para a pro-
vincia do Rio Grande do Sul.
Ministerio das relacoes exteriores.Buenos-
Ayres, 21 de julho de 18b'3.
Ti ve a honra de receber e de levar ao conhe-
cimenlo de S. Exc. o Sr. vice-presidente da repbli-
ca a communearo que emdata de 13 docirrente
se servio V. Exc. dingir-me, fazendo-me saber que
S. M. o Imperador do Brasil resolveu partir para a
provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul, sendo
o objecto da viagem de S. M., segundo communi-
con a V. Exc. o Sr. ministro da guerra, animar
com sua augusta presenra a defeza daquella pro-
vincia .nvadida por nossosinimigos; sem que este
passo importe urna mudanza na poltica da guerra.
O governo da repblica se felicita, por sua
parte, pela nobre e generosa resolucjio de S. M. o
Imperador, e v nella urna nova e segura garanta
de triumpho sobre o inimigo commum pelas armas
alliadas.
Com este motivo me grato reiterar a V. Exc.
as seguranzas de mioha mas disiincta considera-
cao. Rufino de Elizatde. Ao Exm. Sr. mini-tro
plenipotenciario de S. M. o Imperador do Brasil,
em missao especial junto ao governo argentino,
Dr. Francisco Octaviano de Almeida Rosa.
Ministerio das relacoes extetiores. Montevi-
deo, 27 de julho de 1865. Sr. ministro.-Tive a
honra de receber e levar ao coohecimento do go-
verno provisorio, a nota de V. Exc. do dia 13, re-
cebida hoje, communicando a decisao de S. M. o
Imperador do Brasil de seguir para a provincia do
Rio Grande, e o objecto dessa decisao.
t Esse proceder do augnslo monarcha qne to
proficuo ha de ser em resultados benficos para a
allianra e para a causa da honra e da digndade
do pavo brasileiro, tracneiramente ultrajado pelo
governo do Paraguay, ao passo que exalta o patrio-
tismo que o defcrminou, vem augmentar a aureola
de popularidade de que to merecidamente gosa
sna mage.-tade no paiz que rege com tanta sabedo-
ria e liberdade.
t O governo provisorio me encarrega de agrade-
cer a V. Exc. aquella communicacao, de cujo ob-
jecto j me havja feilo a honra de informar o Sr.
enrarregado de negocios do imperio nesta cidade,
e felicito a V. Exc. e ao nobre povo brasileiro, pelo
proredlmenlo exemplar do sen digno e augusto
monarcha, de vir compartilhar das fadigas de sens
leaes subditos.
t Com este motivo me gralo reiterar a V. Exc
as seguranzas de meu maior respeito e disiincta
considerado.Carlos de Castro.A' S. Exc. o
Sr. Dr. Francisco Octaviano de Almeida Rosa, en-
viado extraordinario e ministro plenipotenciario de
sna raageslada o Imperador do Brasil, el.
t Parte atmnhaa para o Rio Grande do Sul, com
escalla por Santos e Santa Catbarina o vapor de
guerra Princeza de Joinville, o qual receber em
Santos um batalho de voluntarios de S. Paulo,
destinado a Santa enharina.
t Conduz tambem trem de guerra.
Consta-nos que neste vapor segu, o Sr. presi-
dente nomeado para a provincia de Santa Catha-
ria.
Recebemos folhas de Miaas-Geraes que alean
cam 1 do corrente.
Era virtude de recovnmendagSo do governo
para que se continuarse no alistamento de volun-
tario.', e a promover a reuniaoda guarda nacional,
havia a presidencia da provincia expedido circu-
lares nes.-e sentido, s competentes autoridades e
commissoes patriticas.
Baiii.v.O presidente da provincia publicou urna
proclamado, chamando novos voluntarios para o
exercito e armada.
O resultado dos II collegios conhecidos dava
537 votos ao Exm. Sr. couselhelro Saraiva, para
depotado geral.
A' presidencia da provincia seoffereceram :
Jos Francisco Tnomaz do Nascimento, para orga-
nisar um corpo de voluntarios destinado a guarne-
cer os navios da armad. ; os acadmicos de medi
cia Jaime Soares Serva, Augusto Cezar Torres
Brrense, Manoel de Aguiar Freir, Francisco Joa
quim de Oliveira Santos, Jesuino llorges, Jlo
Theodosio de Souza Dantas, Raymundo Caetano da
Cunha, Antonio Celestino Sampaio, Jos Teive e
Argollo, Ulisses da Silveira Bastos Varella, Euty-
r.hio da Soledade, Pedro Alfonso de. Carvalbo, Isi-
doro Antonio Netto, lierahio Francisco da Cunha,
e os de pharmacia Joaquim da Silva Cajueiro de
Campos, Augusto Alves de Abreu e Ignacio Joa-
quim de Almeida Cbastintt, pira presurein seus
servicos mdicos no exercito.
Tendo sido acceilo o offerecimento, seguiram
alguns no vapor francez NatHtrre para a corte.
A presidencia da provincia lhes garanti que
nao perderiam o aun \
Tambem se offereceu para marchar para o
theatro da guerra, o bario do Rio Vermelho, com-
maodant-i superior da guarda nacional da capital,
com alguns batalhoes do seu municipio, que j es-
lao promptos a seguir.
FaUeceu o leuenle-c.-.ronel Dr. Jos Ricardo
Gomes de Carvalbo, com 70 anuos, em S. Guncalo
de Campos.
Depois de ppquenas demora, seguio para a
corte o vapor Titules, da lnha de Liverpool.
Achavam-se uo porto os vapores de guerra
americanos Sttsquianna, Jumata c Mohongo, que
fazein parle da esqnadrlba do Brasil e Rio da Pra-
ta.
O commandante da esquadriiha, contra-almiran-
te Godon, o o presidente da provincia visitaram-se
com as formalidades do estyllo.
Achavase na capital, vlnlos de Sergpe, um
contingente de guarda nacional de 6't [iracas, sob
o commando do capito Juvenci Alves dos Santos
Fortes.
O cambio ficava : sobre Londres a 2t l\'t d.,
sobre Paris a 390 rs.. sobre Ham-.urgo a 720 rs. e
sobre Portugal de 110 115 0|0.
E te Glora I.
Chegra, dessa procedencia, com 12 dia?, e
pailiahote Oliveira.
L-se no Jornal:
i Inlormam-nos que pessoa do vapor americano
Jntala declarara que em S. Vicente estavam dous
vapores cncourai;ados paraguayos, tomando carvao
a' toda forga. A pessoa que nos d a noticia acres-
cenia que elles tinham bandetra paraguaya, e que
seguiriam pelas Hhas de Ascencao e Sania Helena
para o Rio da Prata.
Nao sabemos se se pode garantir ossa noticia,
mas convm que seja ella contienda.
Sergpe.-Nada encontramos digno de roeocio.
Alagoas.Fallecer o negociante Jos Alves do
Reg.
Seguir para o sul no da 11, o transporte
Jos S. Romiio, condnziodo 35 pracas da guarda
nacioual e 40 recrutas para o exercito.
Ja' havia comegado o processo contra o man-
dante e mandatario do assas-mato de Antonio de
Azevedo Maia.
PERMRRCO-.
ksy;st mu,
A audiencia do julio de paz da freguezia de San-
to Antonio, que devia tai lugar amanilla,foi trans-
ferida para boje.
O escrivao Jos Mrianno esta' de semana,
nos protestos de letras; cartorio travessa do Ou-
vidor n. 12.
Amanba celebra o Gabinete Portuguez de Le-
tura o dcimo quarto anniversario da sua insial-
lac.ao, devendo ser o acto festivo revestido da eos-
turnada soiemnidade.
No mesmo dia tem lugar no hospicio da Pe-
nha o Te Ueum coinrnemorativo da festa nacional
de Franca.
Alislaram-se como voluntarios da patria os
esludautes do primeiro anno da Faculdade de Di-
reito Antonio Pereira Valladares e Alexandre Bar-
roso de Souza.
Igualmente alistaram-se com deslino ao exercito
o Sr. Jos da Costa Monteiro, e um filho do Sr.
major do 9o batalho Jos do Reg Barros Falcao,
sendo aquelle apresentado pela propria mae, a
Sra. viuva D. Bernardina de Jess Monteiro.
Taes dedicac/es muito recommendam o patrio-
tismo daquelles <|ue as pralicam.
O Sr. major Pereira Lobo acaba de offerecer,
para alisiarem se no corpo de voluntarios da pa-
tria, aos seus lilhos de nomes Andronico Gersem
Pereira Lobo e Themistoeles Sansao Pereira Lobo,
dando assim urna brilhante copia dos seus senil-
ment*s patriticos, que sem duvida nio deixarao
de achar echo nis coraeoes dos nossos concida-
daos, cujo concurso a patria reclama na actual si-
tnaejto.
Veio hontem pela manhaa de Olinda, afim de
seguir jiara a comarca de Flores, um destacamen-
to do batalho n. 9 de infantaria da guarda nacio-
nal, ao mando do Sr. capilao Francisco Luiz
Viraos. Ja o segundo destacamento que d este
batalho, na quadra actual, sem ser necessario o
emprego das medidas enrgicas.
Acerca do eommercio copiamos o segrate do
Jornal do Commerao do Rio :
t Sacaram-se quantias regulares sobre Londres
a 23 3/8 e 23 1/4, e sobre Franca a 406, 407 e
408 rs.
a Sobre Hamburgo fizeram-se pequeas transac-
foes a 760 rs.
a Negocaram-se dous lotes de apolices geraes
de 6 O/o a 90 e 90 1/ O/o, um dito regular de ac-
goes do banco do Brasil ao par, e um de soberanos
a i OS400 cada um.
t Venderam-se hontem depois das horas da pra-
$& e hoje 20,000 saceos de caf
A corveta encouragada Brasil entrou para o
dique imperial, afim de limpar-se Ihe o casco, no
dia 6 do corrente.
A subscripro para o Asylo de Invlidos da
Patria subia 79:928,5600, no dia 6, na corte.
Chegou corte, procedente de nosso pjrto,
com 17 dias, o brigue Siqueira.
Ante-hontem, por volta de urna hora da tar
de, teve lugar a collocao da lapida commemora-
tiva de Joo Fernandos Vleira.cra Olinda.
A este acto, que lornou-se solemne por delibera-
r > espontanea de varios habitantes daquella cida-
de, alm da coramisso do Instituto Archeologico
e Geographico Pernambncano composta dos Srs.
major Salvador Henrique de Albuquerquee padre
mestre Lino do Monte-Carmelo Luna, assisliram o
Sr. Dr. Jos Cardoso de Queiroz Fonseca, socio
correspondente do mesmo Institulo, alguns verea-
dores da cmara municipal, as autoridades poli-
ciaes, o tenente-coronel chefe de estado-maior da
guarda nacional daquelle municipio, varios offl-
ciaes, pessoas gradas e muitos cidados de todas
as classes.
Urna msica marcial postada em frente do so-
brado, na ra de S. Bento, tocou varias pessas
durante o trabalho dos artistas.
O enthusiasmo que se observava em todos os
qne estavam presentes, patenteou de sobejo os sen-
limentos patriticos que os animava.
Lotivores, pols, aos habitantes de Olinda que pre-
pararan) a recepjo solemne desse acto do Insti-
tuto.
A antiga capital de Pernambuco, jamis ser
indilferente a ludo quanto possa perpetuar a me-
moria de nossas passadas-glorias.
Eis a inscripcAo qne la' ficou gravada para sem-
pre no quadrilongo marmore :
c Casa em que habitou e falleceu Joo Fernn-
des Vieira, restaurador de Pernambuco. O Insti-
tuto Archeologico e Geographico Pernambueano
raandou gravar esta lapida commemorativa em
agosto de 1865. >
A irmandado acadmica eNossa Senhont do
, fom Consclho, proceden hontem a Heicao da sna
mesa administrativa para o anno de 1866, que ticou
! assim composta :
' Juiz, Dr. Antonio do VasconcellosMenezes de Drum-
mond.
I Secretario, acadmico Antonio dos Passos Mi-
randa.
Thesoureiro, Dr. Joo Capistrano Bandeira de Mel-
lo Filho.
Procuradores, os acadmicos : Augusto de Arau-
jo Santos, Antonio Sab.ia de Sa Leilo, Antonio
Domingnes Pinto Jnior, Joaquim Quedes Alcofo-
rado, Walfredo da Cunha Figueiredo.
Adjunctos, os acadmicos : Alfredo Montezuma
de Oliveira, Joaqnim Simoes Daltro c Silva, Jos
Elysiode Carvalbo Couto e Joo Firmino de Hol
landa Cava lante.
Bilhetes da lotera 28" offerec'i.los pelo the-
soureiro das loteras Antonio Jos Rodrigues de
Souza, para auxilio das despezas da guerra.
Bilhetes ns. 233, 1125, 1666, 2648.
Meios ns. 558, 848,1348,1754, 2179, 2843.
Uuartos ns. 3, 141, 7s7, 971, 999, 124o, 1554,
1820, 1837, 1852, 2024, 2455.
Os bilhetes das loteras 11* a 27" prodiriram...
4525500.
Passageiros do vapor rancez Navarre, en-
trados de Bordeaux e pertos intermedios:
Madama Belleq Marie, Luiz Puech, S. Lery A-
ron, Jos Pereira da Silva Jnior, Augusto Cesar
Fernaudes Lyra, Angelo Del Verehio Gueseppe,
Siagio Vecchio Gennaro, Esmaty Samuel e I filho,
Antonio Jos Fernandes, Jos Joaquim Fernandcs,
Cael Augusto Rodrigues.
Passageiros do vapor inglez Kepler, entrado
do Rio de Janeiro e portos intermedio-:
Silva Lefio e E. Didier.
Passageiros do vapor brasileiro Paran, sa-
hido para os portos do sul:
Major Fernando M. de Souza, sua senhora e dous
filho?, sargento ajulante FranciscoL. da Silva Les-
bo, cabo do esquadra Antonio Rispo de Sania An-
ua, soldado Antonio Francisco Bispo e Domingos
Jos Antonio Lisboa, Ameiico de Biltancourt Cala-
zans, Manoel L. Pereira. Jnior, padre. Idalino F.
de Souza, Polycarpo Jos de Souza, D. Anua Joa-
quina do Sacramento e dous fllhos, Braz Conder,
bacharel Joaquim Augusto Ferreira Jacobina e um
criado, Fabiao d'Oliveira Lima, Augusto l'rankn
] Moreira da Silva, padre Valeriano de Alleluia Cor-
rea, D. Leopoldina Mafia de Castro Miranda e
' urna criada, Francisco C. Brando Jnior, Jos G.
I de M. Pinto, brigadeiro Francisco Jo- D. Rosado
e um criado, um dito de Manoel G. Moreira da
Costa, um dito de Joo A. da Cruz, Ignacio Morei-
ra da Silva, Andr Scomb, Antonio Jos de A. Bas-
to-', os alfaiates Luiz Ignacio Mandes e Francisco
do Nascime.nto, um criado do Dr. P. C Burlaniar-
, que, Agoslinho da Silva Ramos Neves, Joa-
quim Pires Carneiro Monteiro, alferes Joo Caval-
canti B. Chaves, Marcelino Jos de tirito, Harderar
' machinista, primeiro marinheiro Jolin Mar, grurae-
j tes Manoel de Aguiar, Manoel Jos Marques, re-
crutas Joo H. do Rosario, Antonio A. de Sa Ban-
dera, Luiz de Franca Barbosa, Antonio Gomes
Buril oque, Jos Joaquim de Sant'Anna, um criado
de I). M. da Silva Farroso, um dito de Rufino L.
Freres.
Passageiros do vapor francez Navarre, sahl-
do para o Rio de Janeiro e Baha:
Mara Sophia rmaa de cardade, Antonio Morei-
ra Tavares, Amaro Carneiro B. javalcanli, Frede-
rico Grasinmck e Marcelino Jos de Brito.
Passageiros do patacho brasileiro Regulo, sa-
bido para o Rio de Janeiro :
Jos Djarte das Neves e dous criado?.
Passageiros do vapor Tocantins, vindo do
sul :
Exm. Sr. Dr. Luiz Felippe de Souza Leo e 2
escravos, capito Augusto Leal Ferreira e sua se-
nhora, l cadete, 5 ex-pracas e 2 mulheres, Clau-
dino Pedro Argemiro, Dr. Jos Mana Carneiro de
Albuquerque e 1 escravo, D. Policena Garca de
Miranda e 7 escravos, D. Mara Augusta, 1 sobrl-
nho, 2 escravos e 1 criada, padre Adelino Jorge
Monteiro, Dr. Joao Raymundo Pereira da Silva e l
escravo, Lui Netto Braz, Joao Antonio de Souza,
ua senhora e i lilho, Antonio Monteiro da Motta, 1
criado e 1 escravo do chefe de polica, 1 escravo
escravo de J. P. de Paria, Manoel M. da Silva, vi-
gario Domingos L. da Cunha Espinla, Manoel Pin-
to Bacellar, Lanriano Peixoto de Meadooea, A.
Monteiro Valente, Severino Pereira Duarte, Anto-
nio Augusto Pereira da Sijva, Joaquim Dias de Al-
meida Costa, Luiz Pereira Gonealves da Cunha,
Antonio Francisco Maia, Manoel Vicente Rodova-
Iho, Manoel Jos de Anioim, Rvd. Vicente Ferrei-
ra Luna e 1 criado, Antonio Jeronymo Marques,
Joo Baptista de Almeida, sua senhora, 3 lilhos e
1 escrava rom urna filha, capito tenente Jos da
Costa Azevedo, sua senhora e 7 criados, Joao Soa-
res Pinto e 1 escravo, priuieiro-tencnle Geraldo
Candido Marlins, escrivao Carlos Augusto Deltini
Pereira, raajir Jos Vicente Martins, capito Jos
da Silva Nones, Jos Francisco do Athayde Mello,
Joaquim Ferreira de Souza Jacaranda, capito Ray-
mundo dos Santos Lima, tenente Clementino Luiz
de Souza Brasil, aiferes Joo Manoel Das, 3 cade-
tes, 12 ex-pracas, 8 mulheres, Era dio Lelano, Sa-
turnino Mesquila L. de Moraes, Miguel Fernandes
de S. Marques, Silverio Antonio (le Jess, B. Ben-
jamn, Manoel Mana Estoves, Pedro Luiz Rosa, Dr.
Araerieo Santa Rosa e 1 filho, Dr. Jacinlho Santa
Rosa e sua familia.
Passageiros do hiale brasileiro Sergipano, sa-
bido para o Aracaly :
Antonio Miguel, Jos Francisco de Souza, Anto-
nio Gregorio, Vicente Jos Pinto e Antonio Victo-
rino do Nascimento.
Repahticao da polica :
Extracto das partes do dia 11 de agosto de
1865.
Foram recolhidos a casa de detencao no dia 10 do
corrente :
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
noel Pereira d'Oliveira e Luiz de Franja, para re-
crutas ; Thcodoro, escravo do Dr. Bernardo Perei-
ra do Carino, por fgido.
A' ordem do Dr. juiz especial do eommercio,
Antonio, escravo da exlincta firma social de Fer-
reira & Cruz, a requerimenlo do liquidatario da
mesma firma.
A' ordem do subdelegado do Recife, Francisco
Jos do Rosario e Jos Franrisco de Oliveira, para
serem conservados em custodia, at que se verifi-
que o facto do desapparecimento de dous compa-
nheiros seus.
A' ordem do da Boa-Vista, Bento Rodrigues da
Silva e Manoel Antonio Baptista, por bnga.
- 12 -
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
noel do Nascimento Bezerra, para recruta, e Fran-
cisco ou Phileno Fernandes, por suspeito de ser
escravo fgido.
A' ordem do subdelegado do Recife, Mara The-
reza do Carino, Manotl Pedro Alexandrino, Inno-
cencio Nunes Corma, e Joao Joaquim, todos para
rorrecQo.
A' ordem do de S. Jos, Jos Gomes Pereira,
por ser encontrado com urna facca e gazua; e Jos
Joaquim da Silva, por ser encontrado em compa-
nhia do primeiro.
O chefe da 2." secc.o.
J. G. de Mesquita.
Casa de detencao.Movimento do dia 10 de
agosode 1865 :
Existiam 36o; entraram 11; sahiram 13, exis-
lem 363 a saber: nacionaes 262; mulheres o;
estrangeiros 23 ; eslrangeiras 2 ; escravos 56; es-
cravas 5, total 363.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 176.
Movimento da enfermara do da 11 de agosto
de 1865.
Tiveram baixa :
Lourenco Justiniano Pereira dos Santos, rheuma-
tismo.
Joao, ( escravo ) do capito Joaquim Manoel da
Silva.
Cemiterio ruBLico. Obtuarfo do dia 10 de
agosto :
Antonio Zeferno dos Santos, Pernambuco, 18 an-
nos, solteiro, Boa-Vista ; coogeslo pulmonar.
Manoel Anselmo de Miranda, Pernambuco, 50 an-
nos, casado, Afogados; inflammaco de intesti-
nos.
Marcolina, Pernambuco, 20 annos, Boa-Vista; ane-
mia.
Francisco, frica, 60 annos, solteiro, escravo, Re-
cife ; hyaropesia.
Manoel Romao de Carvalho, Pernambnco, 5r an-
nos, casado, Santo Antonio; rheuroatismo.
Jos Lourenco de Sania Anna Barros, Pernambu-
co, 36 annos, solteiro,Recife; tubrculos pulmo-
nares
Manoel Nogueira, Pernambuco, 30 annos, casado,
Boa-Vista; elephanliases.
Severina Mara da Conreiclo, Pernambuco, 85 an-
nos, viova, S. Jos; dephamtiasir.
Manoel, Pernambuco, 14 mezes, Boa-Visla; gastro
intente chronlco.
Claudno, Pernambnco, 8 mezes, Recife convul-
sSes.
Leoncio, Pernambuco, 9 mezes, Boa-Vista ; es-
pasmo.
Joaqnina, Pernambuco, 22 dias, 5. Jos; convul-
soes.
Francisco, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio ;
eonvulsops.
Manoel, Pernambuco, 14 mezes, escravo, Boa-Vis-
ta; convulsos.
Jos, frica, 40 annos, solteiro, escravo, S. Jos;
pbty.dca.
Galdino, Pernambuco, 40 annos, solteiro, escravo,
Boa-Vista; pneumona.
Sobro a defeccSo do exercito de Urquiza a '
correspondencia de Bunos-Ayres para o Correio':
: Mercantil d os seguintes pormenores, depois do \
lalgnmas considerares com relacao ao facto :
i Voltou precipitadamente o general Urquiza, a
o espectculo que se Ihe apresentou foi mais de
melade do exercito ou ja retirando-se, ou sellando !
! os cavallos para o fazer.
A noticia da volta do general fez que algumas
dezenas de pravas voltissem, porm o maior nu-
: mero ouvio cora desdera a ordem e contnuou
' afastando-se.
Os ajudantes de campo eram recebidos cora
| zombanas grosseiras, e alguns at amearados. Os
1 generaes e chefes superiores rodeavam ao general
em chefe, mas tambem nada podiam fazer, porque
os cfBciaes subalternos Ihe desobedeciarn aberta-
' mente.
Comprehende-se a confnso que devia apre-
' sentar nesse momento um exercito de 7,000 ho-
mens, revolvendo-sc em ama desordem geral. A
' propria escolta do general em chefe o tinha ahan-
| donado; e s restava com rerto carcter de obe-
diencia a brigada do general Jordn, que sendo
| enlre-nano e bstanle prestigioso na sua provin-
cia, fazia anda valer sua autoridade.
Contara testemaabas oceulares que o general
Urquiza, medido na sua barraca, pareca entregue
a urna agilaco profunda, qnandn vieram dizer-lhe :
que algaos esquadrcs, Hateado comsigo os offi-1
ciaes, se enearnrahavam para alli. Temen-sequo1
viessem atacar a pessoa do general, e, quan lo as
forcas se acharara prximas da barraca, todos os
generaes e chefes que l estavam pegaram em suas
armas para o defender. Mas o general Urqu:za,
ergnendo-se da cama, em que se encostara, rom-
peu por meio delles e foi-se por sem armas em
frente de seus soldados amotinados, dizeudo-lhes:
t Se viudes raatarine, eis o meu peilo, aiirai.
Esta heroica re.-oluco parecen aballar a tro-
pa, que por um instante guardoo silencio ; logo,
porm, romperam vozes repellado : Nao vie- j
mos mata lo ; viemos dizer-lhe adens. -Viva o ge-
neral Urquiza !
E i.-to dizendo, partiram a galope para fra
do campo, e apoz esses outros, e outros esqua-
droes.
t A gente que afinal ficou no acampamento pare-
ce (ce naopassava de 1,000 homens, que o mesmo
general Jordn aconselhon o seu licenciamento
que o general Urquiza resolveu sem esperar as
ordens do presidente.
Entretanto, ao exercito do Paran tinha che-
gado o general Hornos; de S. Lourenco, com 5.000
homens e Caceres com 2,000, que nada soffreu
com a desercio das forjas de Urquiza.
A isto, porm, cccrescenta o Correio Mer-
cantil, segundo noticias de Montevideo de 20 do
passado, o seguinte :
Circulava o boato de que o general Urquiza j
qac era esperado na Concordia tinha convocado
novamenlo suas taopas para o Io de agosto, o qua
nesse sentido expedir urna proclamado que nao '
deixava duvida quauto a sua boa f.
Pessoas, que se diziam bem informadas, ac-
crescentavam que asrdeos seriara severas era-j
pjda a reuniao, devendi estar promptas as divi-
soes da Nogoya e Victoria naquelle dia.
O ndependente, que os paraguayos publicara
na cidade de Corrientes, traz a descripgo para-
guaya ao combate de II dejunho.
Ahi reconhecem elles que foi m grande de-
sastre para sua marinha, porm forjara episodios
pueris para atenuar a derrota, o augmentando o
numero de navios brasileiro?, dizem que entre
ellos havia dous cncouracados I
As dalas de Buenos-Ayres sao at 20 e de
Montevideo at 23 do passado, e consta o so-:
guinte: i
Nao lia noticia de feilo de armas era nenhuma
das margeos d) Uruguay ou do Paran.
As (oreas paraguayas que desciara pela mar-
geni direita do Uruguay achavam se na poyoaQflo
da Cruz, poucas leguas cima da Restaurarlo. Sa
bia-se ao certo que esta columna, commandada por
um major Duarte, nao pasava de 2 a 3,000 ho-
mens.
t A ontra com 7,500 homens, que ia pela costa
do Rio Grande, vigiava-a a divisan Canabarro bas-
tante forte para tolher-llv os passos.
As duas columnas linbam cortado a sua reti-
rada, c em raso de ataque nao poderiara receber
auxilios de nenhuma parte.
t A forca que lhes ficava mais prxima, a de
Robles, eslava grande distancia, no Empedrado,
e com os generaes Hornos, Cacares e Paunero,
testa da vanguarda do exercito argentino, pela
frente.
A 17 houve na Concordia urna conferencia
entre os generaes Mitre, Ozorio, Flores e almiran-
te Tamandar.
t Suppoese que ahi fura resolvida a partida do
general Flores, que se elfectuou nesse me*mo da,
com a vanguarda do exercito alliado, composta de
10 batalhoes brasileiros, 4 argentinos, contingente
oriental e alguma cavallaria argentina, ao lodo
6,090 homens das tres armas.
O exercito alliado recebia diariamente impor-
tantes reforcos.
No Passo dos Livrr-s nuvira-se as noites de 7
e 10 algumas descargas de fuzilaria e arlilharia
em direceo ao Ibicuby onde se achava a diviso
Canabarro.
Estavam-se levantando trincheiras na Uru-
guyana.
A povoagao de Itaqui fura saqueada pelos in-
vasores, que nem respeitaram os templos, cujas
alfaias foram remettidas pira Assumpco. Os Pa-
raguayos assassinaram ura pobre velho, seu com-
patriota, que viva nos arredores d'aquella villa, c
degolaram o subdito portuguez Antonio Jardim
Pcrto.
Sabia-se que a varila e a desinteria causa-
vam horrivel mnrtandade no exercito de Robles;
havia dia em que o numero das victimas subia a
50.
O proprio presidente Lpez, que se achava em
Corrientes, fra atacado de urna destas eufermi-
dades.
Vinte e cinco indios Guaycurs, que tmham
fornecido carne esquadra brasilera, foram fusi-
lados pelos Paraguayos.
Circulara era Buenos Ayres o boato de haver
rebentado no Paraguay urna revoluciio cuja
frente estova o irmao do actual presidente.
Dizia-se tambem que em S. Luiz se sublevara
parte do contingente, sendo restabelecida a crdem
com alguma difncnldade, e passados pelas armas
tres dos canecas de motim.
O Sr. Ascabusi havia sido encarregado pelo
governo argentino de ngajar na Europa. 1,000 sol-
dados para o exercito da Confederarlo. '.
! As noticias do Chile nao offerecem maior in-
leresse.
t Descochecendo absolutamente os negocios do
Rio da Prata, os jornaes chilenos, excepcao da
: Patria, manifestam-se desfavoravels a trplice al-
i lianga na lula anual.
O brinde pronunciado no banquete diplomti-
co do general Mitre, pelo Sr. Lasiarria, ministro
chileno, raereceu a censura do Ferrocarril, In-
dependente e Mercurio.
A Patita, porm, levantou a sua voz, nao s-
; mente em defesa da allianca que Julga digna do
j apoio do Chile, como tambera do ministro aggre-
I dido em consequencia do brinde.
Do Rio Grande oscrevem ao Correio Mercan-
til o qne segu em extracto :
< Os habitantes da heroica villa de S. Jos do
Norte, sabendo que sua Magestade Imperial nao
poda ir aquella villa, devdo a sua rpida viagem
para a capital da provincia, mandaram pedir, por
intermedio do Sr. baro de Porto-Alegre, que sua
Magestade Imperial em sua passagem se dignasse
fazer aproximar o vapor a Ierra.
Sua Magestade Imperial leve a bondade de ac-
ceder ao pedido daquelles seus subditos, e, pelas 11
horas, aproximando-se era frente a ponte da mesa
de rendas, de bordo requisitaram um escaler e
nelle foi o Sr. administrador Bernardno Jos Coc-
ino, a quem o Sr. ministro da guerra dlsse que sua
Magestade Imperial agradeca a populaco Horten-
se a sua manifestarlo, promettendo-lhe na sua vol-
ta fazer-lhe urna visita.
< Era quanto o vapor esteve parado, o povo
cheio do maior enthusiasmo saudava frenticamen-
te o imperador, dando vivas a sua Magestade Im-
perial, aos defensores da honra nacional, ao duque
de Saxe, ao mlnrstro da guerra, ao novo presidente
da provincia, ao general Biltancourt, a deputaejio
rio-grandense, suhindo ao ar um sem numero de
foguetes, tocando effectivaraente una banda de m-
sica e repique de sinos.
< Sandosamente vio aquella boa povoagao au-
sentarse o nosso adorado Imperante.
O Sr. presidente Gonzaga receben ha poneos
dias um offlcio do Sr. general Canavarro, capean-
do um do Sr. general Flores, em que este no-so al-
liado Ihe participa que o mais tardar t o dia 16
do correle, disputara de accordo cora He o ter-
reno aos Paraguayos, que parecam 4isposlos a
avancar sobre Raqui e Uruguayana.
t As noticias sobre esta marcha se tem succedi-
do rpidamente, e at foi rapressa nesta cidade, a
que dava Itaqui em poder dos Paraguayos. Po-
rm, repito, sao mais que vagos semelhanles boa-
to e a prova arha se na siguite nolicia que nos
trouxe o Stinta Marta, que acaba de Ghegar, leodo
sabido hontem as 3 lloras da tarde do Porto-Ale-
gre.
t Ura lancho chegado no dia 20 da Cacboeira,
d a seguinte noticia.
Diz o patro que por um proprio alli chegado
de Algrete receberam-se parlicipacoes do urna
denota do exercito invasor, pelas forjas combina-
das de nina brigada do nosso exercito de Corrlen-!
les cora a diviso do general Canavarro ; ten lo o
inimigo soffrido consideravel perda, que o brigou
a repassar precipitadamente o Uruguay.
O proprio dizia mais que ao sabir do Algrete
deixara aquella cidade festejando essa victoria.
Pelo vapor S. Paulo entrado ha tres das de
Montevideo, souhenns que o Sr. general S.uupaio
devia estar em Uruguayana com 5 batalhoes.
Por Bag rec-ben-se tambera hontem urna no-
ticia que dava a victoria as nossas armas e a reti-
rada precipitada dos Paraguayos.
Todas estas noticias, embora differentes nosj
seus pormenores-, fazein crbr.que alguin feilo im-
portante houve pela nossa Ironteira invadida.
O Sr. bario de Jacohy escrevia no dia t" do
correte de S. Luiz, 16 n-guas alera de Algrete, o
seguinte;:
O geueral Mitre j cortn a retaguarda dos
Paraguayos que deviara entrar em Itaqui a 30 de
de junho.
Tambera corre que urna forca de 403 Para-
guayo-, desprendendo-se da forca maior para reni
saquear um sobradmho na estancia du fallecido pa-
dre, fra derrotada completamente pelo ienente-eo-
ronel Sezefredo do S. Gabriel apaninlo os desor-
preza.
Corre tambera que j cliegarara a Uruguayana
seis batallies da diviso Sampalo.
Ura f*cto singular, que foi notado o que nao
devo deixar de aponiar. que no momento era que
soa Magestade Imperial entrava na igreja do Car-
ino, o ofliclante entoava : Gloria in excelsa.
Foi ud:- como nm feliz presagio aquella coinc
dencia.
t Tambem devo dizer-lhe que sna Magestade
Imperial nao qniz aceitar nenhuma festa ou dis-
traccao que se Ihe clferecera, reservando esta gra-
ca para sua volt, isto quaudo os vndalos do
Paraguay tiverem evacuado nossa qrovincia e re
cebido o justo ca-tigo de sua audacia, e o seu go-
verno o de sua pnica poltica.
CBMKICA JWCUBU
JIRY I0 RECIFE.
12 DE AGOSTO DE 1865
PBESIDBXCU do su. nn. juiz de direito da 2' vara
OAIMIRAL MA.NOFX JOS DA SILVA NEIVA.
Promotor publico o Sr. r. Jacintlio Pereira do
Reg.
EsciviTo Joaquim Francisco de Paula Esteves
(demente.
Advogado, o Sr. Dr. Luiz Emigdio Rodrigues
Viaona.
Reo, Joaquim Manoel de Torres, aecusado no ar-
tigo 269 do cod. criminal.
A's 10 horas da manhaa, feita a chamada cora-
pareceram 36 senhores jurados.
foram multados em mais 20,5 os jurados j mul-
tados nos anteriores dias de sesso e ao.- que falta-
ra m hoje sem motivo justificado, e declara-se aber-
ta a sesso.
Comparecen o Dr. juiz municipal da 2" vara
preparador dos processos, e apresentou dous pro-
ressos competentemente preparados para serem
inlftados na presente Sdssao, sendo um do reo Luiz
I, africano livre, aecusado pelo crime previ-tj no
art. 116, 2' parte do cod. crim., e ooulro em que
sao reos Benedicto, escravo, e Manoel Soares de
Araujo, ocursos do art. 271 do cod. crim.
Sorteado o jury de senlenca, foi deferido ao mes-
mo o juramento dos Santos Evangelhos; foi o reo
interrogado.
Feita a aecusa^ao c doiuzida a defeza, e (indos
os debates depois da replica c treplica, o Sr. Dr,
juiz de direito resumi a materia da ecosacaoe
da defeza e propoz ao jury de senlenca as ques-
tes de facto, que foram entregues com o proces*o
ao presidente interino do mesmo jury, e rotirou-se
osle com os de mais memoro* ['ara a sala secreta
das conferencias pelas 2 horas da larde, de onde
voltarain as 3, cora suas respostas, que foram lidas
em altas votes pelo presidente du mesmo jury de
senlenca, em vista de cuja decisao o Sr. Dr. juiz de
direito condemnou o reo a 8 annos de gales e mol-
a de 20 0|0 ao valor ronbado, levantando a sessi
e adiando-a para o dia 14 do corrente, pelas 10 lio-
-as damanhia, designando para esse' da o julga-
menlo do reo lympio Botelho Ania!, iucurso no
art. 19.} do cod. crim.
COMUNICADOS.
GORRESPOffDEICIiS
O Jornal do Recife nao se intallou com os rapa-
ros que lizemos as palavras do louvor que prodi-
lisou ao inspector do arsenal de marinha, a |iropo-
sito do niaslro provisoiio do telegrapho martimo,
voliando ao assumplo com ps de la. porque tanto
importa a transcripto de dous oflicios daquelle
funrcionario, insaffleiotes sem duvida para con-
vencer o publico do zelo e sohcitude cora que se
procedeti.
Isto obriga-nos a que voitemos tambem ao as-
sumplo, comecando por ura ligeiro reparo a' incon-
veniencia da pntilicaco de taes oflicios dirigidos
presidencia, sem proceder a compei-nle autonsa-
eio. Que a nenhum funccionarii licilo dar pu-
bheidade a' correspondencia trocada com autori-
dade superior, independenle do concurso della,
sabe-o todo o mundo, menos o Jornal do Recife !....
Agora fazemos algumas considerarles sobro as
allegaeoes do mesmo offlcio.
Foi perfeita evasiva a historia do conselho de
compras e annuncios para a arqnlsi^o do mate-
rial necessario a' construego da casinha da torre
do Collegio.
O arsenal de marinha pode fazer despezas sem
deliberaro desse conselho, al a quantia de 4035
rs., e para isto que tem um agente comprador.
Dentro dos limites dessa faculdade podia ser fei
ta toJa a despeta necessaria para a referida casi-
nha e reslabeleciraenio do telegrapho, por quanto
com urna e outra cousa nao se despendera mais
de 3905000.
Para que nao se pense que avanzamos a urna
proposieao inexacta, daremos o segrate orcaraento
provavel dessa obra :
Casinha.
12 travs a 35..... 365000
36 taboas de louro
a55........... 1805000
1 quintal de chum-
bo emlengol.... 185000
Ferragem........ 55000
Mod'obia....... 505000 2895O0O
Telegrapho.
1 maslro de madei-
ra de qualidade. 505000
i verga.......... 85000
Ferragem........ 85000
1 arroba de sebo.. 105000
Mao d'obra....... 235000 1015000
3905000
D'aqu se conclue que s houvesse, por parle do
arsenal, menos zelo e solicitude, e mais assiduida-
de e boa vontade no cumprimen'.o das ordens su-
periores, o telegrapho seria renovado muito a lem-
po de mpedir-se o desabamento do mastro, e evi-
tar-se a interrupeo dos signaes, que se deu por
mais de tres dias.
Mas fajamos urna concessao ao Jornal do Recife.
Todas as difdculdades e deloogas creadas pelos of-
Ocios do inspector, do arsenal sao reaes. Pegun-
taremos agora : Porque o maslro provisorio, que
de ura dia para outro foi collocado, apenas desa-
bou o que exista na (orre, nao foi eslabelecido logo
que recebeu aquelle inspector a ordem urgente da
presidencia, e verificou que de feito o desabamento
se dara ?
Ficamos nislo, mesmo para nao rmos alm do
nosso proposito, que nao certamenle o de fazer
desmerecer os louros com que se atavia o inspector
do arsenal de marinha. E tanto assim, que es-
preitamos occasio em que Ihe possa dar suficien-
te compensado do desagrado que estas linhas por
ventura ihe cansera.
*
7 de agosto.
Srs. redactores.Tena i sido invocado
testemunho pelo Sr. Alfredo Cardozo P-r ir, -m
urna publiraco a--ignad.i pe i -n i
desvirluar urna rorr. spondencia do Sr. Franrieco
Ignacio Ferreira, em que relata, pooeo fai* m
menos, os faetos qae se deram n-> Gabm>l* Portu-
guez de Leilura, em 16 de jitlh |>rusmopa.-sa4;
sou portara > em abono da vrrdade obri,-i 11 a V
clarar, que assisti nao a referida sowi *> 15,
mas aioda a de 6 do correni-, na qual s leraan o*
relatnos da directora e roDMlho aon-h mnk de
secrelario, sendo para essa ftm rhamad peto Sr.
Villa Verde, qoe presidio a MMMll bu ratirler
de presidente.
E' fal-o porm, que en BfprtNHH a MU de M
de julho, send. que o proprio r. Alfr-il me pe-
dio para (|iio me levanta-se, sinal <- iniigemlu
pelo presdeme para approvar.io, a pondi que nao |)odia approv l'i, (f.r i r r.t r i
do contrario, que diu acta r.-lalava. Noii<
guinto aquella ses-o. isto i; segunda fr-ir
corrente, veio o Sr. Alfredo ki MM esUle-leor
to com um livro na nio pedir-nw para q
informasse do que se havia pa>-ado na
sesso; respon li-lhe poto, que nao bsvia towedn
ii' ta alguma.
Uepois, apre-entou-me o Sr. Alfredo
livro, e di-se-mr que eu devia as-ipmr trabalkot, dizendo-OH que o Sr. Villa Wmrmttm-
bvm os tinna asignado. K-lanlo poerr.. nrrwf\~
do cora afazerts do meu nepact, lnnitei-ne a k>-
curar cora a vista, a asignatura do Sr. Villa '.
de, e logo que a vi, n:io puz duvida em a*4gnir,
julgando, que era mo legal. Acora p ttM qte
tenho certeza do contrario, e na >opp se prornrou a minlia asignatura para lirmr
acto, com o fin de olio l.-r a reputar'i
declar.i qu-pr-cei! u Sr. Aifreil d ....
vergonhoso, viMo que en linha reprov-! >. \ '.:
acto como deve con-iar da art* de 6 A
a cuja sesso presid; iortatio, nao p>* do in-truui,il) ao Sr. Alfredo para vmganei-
paixoi's alhelas, nem pi-nniito ri-
so nze do meu norae. E' eetl, t iem *H i appr>
vados os rotatorios da directora e ro:i--lh I ...
vcem es.-as corpo:acoi-s <|uh mM KtM f-ram *y-
provados pleaaflwate, eratra vregul-im como
diziam aqaeHei i|U'! as detaotmn. Sent eerr.
qne toda a de-ordeni alli banda pariiu <>*'.
(I aquellos que aspiran aos lugares nn imporun-
les do eslabeleciiiieulo.
Nao queo ser jornalista, nem tao ponro firei
mais nada ao Sr. Alfredo.
Sou Srs. redactores seu assignante
Recife, 10 de agosto de IMS.
Jos Ferreira Col".
Constando-me qoe o Sr. J .s herafra Coell oo
intuito de defender a paatea dirrci.ri i e n tem
Cynneo, Francisco Ignacio Ferreira, vem a in>pr-!i-
sa afflrmar, que vetoa pela arta de 16 d-s ju. ;
porque eu Ihe, ped que se levantare ao acn
della ser approvada : d-claro que tal pedid-) ur i
misera trica por S. S. engendrada, afim denho-
nestar o seu ulterior proc dimento. Cua-ta mo
tambem que o mesme Sr vera declarar qne os re-
latnos da directora e conselho fanra pienaneM>;
approvados, o que falsissimo, vtafj que de ludas
as pessoas que se achavara presente.*, anda n-e---
mo as mais partidarias da directora demissit,tu-
na, nenhuma se atreven a avancar tal alevosa.
Pasma que um horaem da idade c posi;> de S.
S. se ahaixea faltar a verdade to desppani. n!
Aguardo a poblica^ao do tal artigo pira re-pon-
der convenientemente.
Recife 12 de agosto de 1863.
Alfredo Cardoso Pereira.
B
ROMA VIDA SALVA!
NSo temos conhecimento algum de neahtm
caso iiie tao pi'rteitamente moetre d'uma Btv
r.iira a mais clara e persuasiva o poder da
Seiercia Medica sosae a molestia: qual w^a o
de Axtoxio Joaquim 1'ekeira. da Baha.
liste hornera infeliz havia mais d'um naoqae
Bofria as MMI as mais atnizes e poogemea
provcnii nte de
Troze
Teirivm iliacas Abertas
espalhadaa por sobre differentes partes de ara
eoi, Mndoama das quaes sobre o peitodn p
urna fonda e maligna clia^'a, a qual o privara
res as mais agoai-
sunlos quer de dia quer de noute rnniinaa mente atormentao por ta>-s afllieriVe e dre,
e quiisi i,-- id; OTecido da conlinua<,ai> de sim-
lhante viiia. teniio jioslo de parte toda a fe
coii:'iinca en .ludeeinas, e na n-alidade pareca
qu para elle nao Ihe restava mais eiranra
alguraa; assim pois resignado -sp<-rava cesa.
paciencia o termo final de seos uiiitiplicadoa
Boftimentoa, eis que milagrosamente por fcr-
tuna sua Ihe receitario o grande pnriticadar
do ranirae
A Salsaparrilha
DE BRISTOL
e mediante r. sna grande efficavia eexcrUentia
elle se achira dentro de jiotico tenipo, liTre do
s.-u irremediavel estado de descadero, e a doce
c risonlia esperanza tornou da novo reviver
em seu coraban ; sob a i-oden.'-a ebenvola ia-
rtu ucia tiesto admira ve! r.-.edlcaaaaato, assnao
chagas em breve principiaran as-mmir um ea-
rucier l'avoravel iliminnindo o aspecto le soa
ualignidadc A massa do sangoe e mais
humores do systcma tornou adquirir aaaa
apparencia clara e saudavel, a* dore* ator-
mentadoras d outro ora o deixarao, e ama doce
e suave tranquillidadc principiou i precorrer
todo o aeu systema, restaurando-ihe a desejala
paz e scelo d'i-spirito; as chagas orna i uan
so forao fechando ate que finalmente ae eica-
trizarao d'um todo, e hoje acha-se perieilav
in--nte sito, gosantlo d'um petfrin rstado do
saule, depois de se ter visto privado disto
grande gozo durante mais d'um anno. Elle
durante esta sna cura, apenas fez aso d)a
Dumi garrafas da Gonnina SaisaparTiJka
de Brisiol, preparada exclusivamente pnr
LANMAN & KEMP.
IK> VOVA YORK.
Recoinmcivla-s.- mu particularmente ao
Doontes d'amlios os sexos, qne i nipn | w
toda a cautella na cscolha d'este admimval
remedio, afim que no obtenhao ontra coas-
posii.ao qualqner. que nao seja a SalaapanS-
ha Oenuina de Bristol, pois qne toda* as
mais preparares c iinia eao falsas no ossnindo Tirtude ilglls
Vende-se as boticas de Caors dr Barbos
e C. Bravo 4 C.

*
ASSASSI.NATO MAIA.
Reapparece ao publico o Sr. Almeida Guinura
i no Diario das Alagoas de sexta-feira 4 o
le, e quem o vtsse assim reapparecido dira
; viuha esclarecer o publico sobre algna
pontos de aecusago ijoe peam sobre sua
| acerca do assas^inato do infeliz negociante
de Azevedo Maia, barbara e iraicoeiramei
sinado nos canaes da ridade das Alagan*.
Mas, nao. O Sr. Almeida Guiar**
reappareciinenlo desnecessano n
adiaota ao que fez publicar,
manfestaco de emprasamento
sempre a mesma historia de ioi
confuiados para assacar-lhe a mais
me das calumnias.
', ttmfih


fMMMM
Diarlo de Pernambuco Segunda le.-W Si de Agosto t !SS*
A propon-nos f>z lemhr.tr o Sr. AlmeiJaGui- que rabiscastas n7u entendes o que les, soies cu- soureiro esl autorisado a paitar o 23 dividendo, O Dr. Tristao de Alencar Ararip, offiVial da im-
rnaraes ceitos procesaos de oalfeUnres que serapre
os altribuen a intrigas polticas, exeellente arma
u essas reprovagoes de estndanles tadios, que
ordinariamente communicam para casa ao seu
pap te-las (Trido por intrigas dos lentes e outras
deste jaez.
Ora, se o Sr. Jos Guimares nutre a convirgao
de ler neta cidade rnuitos inimtgos figadaes, s.ra
taradas intellectuaes. Vinhas, aceita os meus con
selhos, que te has de dar bem com elles ; melhor
ao se melter a gente aonde nao chamado, e nao
vir para a Imprensa qu-il aovo u. Quichote fazer
papel de urso. Eu conjecturo que a gratido te
obrigou a dar esse desfruet-, mas o diabo Nso
por que se tica ti Jo lalvez por vistoso, pailapalao,
desfruclavel, maluco, etc.
Estivo, mea pobre Vfnhas, para responier-te em
isso devido lalvez a altivez do seu genio, o publico linguagem seria, mas tive d de ti nao quiz ma-
nada tem ((ni isto em uegoeio to differente q'ial chucar-lo :em piedade por que realmente eu sou
seja a criiiiinalidade que o proprio Sr. Jos Guima- ] leu amigo, levo o negocio em ar de cagoada, em
rfles tem re.onhecidi que permanece no juizo pu-' vez de o tomar em ponto de honra, e contenio-me
blico acerca do assassiualo uo infeliz Maia, aitri- em te dar esta especie de puchito de orelhas que
buido a sua pessoa. H bem mereces, aqui pranos q;ie nlngnem nos ouve.
E se assii nao diga-nos o Sr. Guimares Vamos a isto Vinhas; mos palmatoria, nao per-
leriaiu sido seus iuinigos figadaes quem o iizeram doo. Xa ininha correspondencia ( tu sabes que
declarar penle certa autondade ijue nao linha nao preciso assignar de cruz; com um Doutor como
comprado assucar a Mais, das antes de sua marte, tu, e semelhantes, anda eu posso, sem encommo-
e isto com urna assevaracao tal que essaautorida- dar o risinho ); na minha correspondencia, dizia
de cou estupefacta quaudo leve certeza do con- eu, publicada no Diario de 9 do correte, disse que
irario ?!... a acta da sessao do 16 de julho, fui approvada por
Sim, dganos com ingenuidade e porosa te- unammidade em sessao da assembla geral do Ga-
riam sido os seus figaiaes autores dessa falsidade bnete no dia 6 oeste mez, e para mostrar que isto
palpitante?! Ullsu que a aulori Jado abi e?la proinp- resultara da fidelidade ineonlestavel com que lavrei
la a dar testemunliu do que ouvlo aSme.edo a referida acta, mencionei os nomes de diversos
que depuis vio... ; socios, que nilo padiam ser taxidos de hostis
Outra ; teriam sido seus figadaes quem oobri transacta directora e sua pareialidade, e entre elle*
garanta declarar que bavfa rasgado essas letras, o tu, meu pobre Vinhas, que l te encaixastes (na di-
dep is coufessar em juizo que as conservava ?! rectora ) como secundo secretario ( somos colle-
l'ei iam, mais, sido os seus figadaes que impel- gas, por tanto, bem ves), disse que nao houve urna
liram O liberto Nicolao a declarar se forro, como tal so voz que se erguesse c prolestasse contra a acia
ser Interrogado, e dizera que como tal o considerar por nao cimter inexaetidSes, e que todava eslavam
S. M. depois da morie de Maia, e agora declarar presentes ( nota bem, Vinhas dos meus peccados)
Sme. que o liberto, nao liberto ?!... eslavam presente! tees e taes socios tnsuspeitos, e
E outras, a outras multas... que uom cumpre logo por artes i'iaholicas tambera tu eslavas pre-"
agora publicar para que o Sr. Jos Guimares, sent, tambem tu ouciste a leitura (e tanto assim
que tern recursos em abundancia----- nao va des- que mais tarde como que me censuraste por eu
o lugo se pre ventado contra a aecSO Ja jas tica. ter sido fiel, por eu nao ter aneado um reo sobre o
Seria mais conveniente, lesino mais prudente occorrido em IG de juiho ) tambem tu nao proles-
que o Sr. Jos Guimares nao fizesse essa grave taste ao menos, e por cooseguiute tambem tu ap-
olTensa ao publico, e as autoridades que esto tra- provaste tcitamente a acta.
tan Jo desyadicar esse escandaloso as-assiuat, Daqui nao podes fugir, raro Vinhas; tem pa-
jutgando-os capases de se dobrarem s sugestoes ciencia, pols, tn que te pre*as de ser macaco velko,
esses Qgadaes inimigos. nao devias metter a ino em combuca. Sabes que
Aqui-te-M- o Sr. Jos Guimares, se innocente eu gosto muito da verdade, meu pobre Viuhas, o
para que e.-l a vir ao prlo sem nada adiantar, por isso, anda qae a mais ninguem o houvesses
entretendo nos com essas listnelas de meninos de dito, eu sustentara teres-me la declralo, que te
esrola, cim urdiduras de inimiyos ligadaesetc. abst'tnhas de tomar parle nos trabalhos da assem-
E.->es figadaet nao podein torcer, quanlo mais bla geral de 0 do corrate. Mas isso que prova
quebrar as couvicgoes do publico, as couvIccSes contra a verdade por mim escripia que tu estices-
(I > Ihniradj Sr. delegado t*e poiicia que acaba de te presente e que urna s voz se nao ergueu con-
passar ao digno Sr. Dr. promotor publico desta CO- tra a acia de i dejolho? Pros'a que a miaba
marca os documentos e mais papis, relativos ao verdade lica de pe ; prova que tu ni<) foste ao es-
rime de uurte de que foi victima o infeliz Auto labelecimento, como dizes, s para entregar o rela-
jtio de AzHVedo Maia. tono da exdireclona, mas sim para ouvir ludo qae
Sr. r. promotor publico Miguel Filicio acaba l se passasse, lauto assim que s sabiste depois
do apreseutar pranle a autoriJ ide urna lauda- de eocorrada a sessao, prova i|ue tu bem ouviste a
tadi e circuinsiauciada denuncia contra o ne- leitura da acta e que a adiaste verdadera, alias te-
gociaate Jo.- Antonio de Almeida Guimares, co- ras inmediatamente protestado, apezar de no
mo mandaute, e seu ouir'ora escroto, e presente- quereres tomar parte nos iiabadkos, o;i protestarlas
mente liberto Nicolao, como mandatario da nwrte pela imprensa nos jornaes de segunda ou terga-
do infeliz negociante Autouio de Azevedo Maia. : feira, o que n.o fizeste ; prova que iu cooheceste
Teriam sido os ligadaes do Sr. Jos Guimares ;j lardo, haver sanecionado com a la presew-a e
qu' deram motivo a isso ?!___ i silencio o que se passou; prova que naturalmente
Prosiga ti sr. Dr. promotor publico na senda dos te disseram teres fei'o papel de urso nessa sessao,
seus deveres que esse passo iuJepenJente e uobre ( realmenteolha que fizeste); e ento, desesperado
que acaba d.: dar, arrestando essa posigao... com ferido no leu amor proprio, nao hesitaste em vir
que u Sr. Jo.- Gaiinara;s quer responder a accu- imprensa vomiur disprales, assnmir ares de um
saco dajusliga, loe grangsar os elogios, de qu L>- Quichote em miniatura, e affectjndo de olTendi-
6 digno todo a-melle magistrado que sabe homar o do, de irrtalo (nem que tu pulesses zaagar-te se-
sagrado ministerio da jusllea. ra "ente comigo... ) desempeubanJo porcamente
E urna ver por lodas, o Sr. Jos Guimares que o papel de Manoel de Sonta, clamar que eu te co-
traie de oxplicar as suas repetidas contradigo.'S, e lumniei { provado lica o contrario) ; que tive a des-
s factos qoe tem elle mesmo provalo contra a faeattz de appellar para o leu testemun'io, meolis-
inneeneia de sua pessoa, que quauto a isso de/-, te como villao, Vinhas,eisso feio, eu nao appel-
gadaei materia velha, arma maito sediga, muito lei para o teu testemunho, s disse que assististe
gasta...queso serte para lempos deeleiges, de sessao, ( o que bem diferente ) que eu sirvo de
revoluees polticas etc. instrumento ( e tu sabes que se vim a impreosa,
Por 'ora o caso outro ; se esses fiaaiaes tive-' fui para me defender de um sycophanta, como tara-
re n o arrojo de pretender impellir esia ou aqueila i bem sabes que, por teres serado de instrumento,
alyuma cousa ganhasle, cala a bocea... ) e eniflm
mimoziaslemecom oulras am-bilidades, que eu de
eoracao te perdo, por conhecer que realmente
para perder a vota fazer em tal emergencia lio ri-
diculo papel, lendo tu bonitos bigotes, e passando
por seres a'guma cousa, par os muilos que s
ulham s apparencas, superficie, e nao procurara
profundar-te.
Consola-te, por que emlim essas couas aconte-
cem a quera est vivo, especialmente acs que que-
do semestre Qndo em30 de junho ultimo a razao
de 125 por aegao.
ilusa filial do banco do Brasil 15 de julho de
i86o.
O guarda-livros,
Ignacio Xuncs Crrela.
ALPANDEGA.
rtendimento do da i a il...... 330:1314039
dem do da 12............... 12:0225-598
2i2:7334'J37
HOVIME.NTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas....
coro gneros.....
v"olumes sabidos cera fazendas
c:-ra gneros-----
------- 123
40
3'JJ
-------6)5
Desearregam no da I i do coi rente.
Barca inglezaooiOut mercadirias diversas.
Brigu" banpveriano Anna farinha d; trigo c
ca xas cora ago.
Sumaca hespanhola Joven Adeh -vinhos.
Brigue portuguezS. Joscharque.
Barca nacional Vdlle dem.
Barca mgleza Orioncarvo.
Brigue inglezZoneidem. *
ECEBEDOBIA DE UEMDAS IXTEIINAS, GE-
KAES DE PEUN.ViliJUCO.
Kendiraento do dia 1 a il...... 14:2974858
dem do dia 12................ 713300
15:041*258
CONSULADO PROVINCIAL.
hendimenlodo dial a II...... 27:7795718
dem do dia 12.............. 1:557*393
29:337*111
PRAQA DO RECIFE
18 DE ACDSTO DE 1805.
A'S TRES MOKAS DA TARDE.
Revista scnmaal.
perial ordem da Rosa, pj de direito especial do
cominercio desta cidade fri Recife de P. rnanibi>
co e seu termo por S. M. e C. o Sr. D. Pedro
II, a quem Dens guarde etc,
Fago saber pelo presente que no dia 14 do mez
de agosto do crreme anuo se ha de arrematar por
venia, a quem mais der. em praga publica, depois
da audiencia respectiva:
Urna relaeo de diversos devedores na importao-
ria de 9404520, incluida urna letira da quaotia de
382.5170, avahado ludo em 2304 cuja relagio o
letra v.ii a praga por exocugao de lrreira & Mar-
tins contra Manoul Suaresde Moura.
i E na falla de licitantes ser a arrematagao f ila
pelo pr. go da adjudieaeio com o abaumenio da lei.
E para que chegoe "ao conheciinento de todos
maudei fazer o presente edital que sera aCBude
nos lugares do cosame e publicado pela imprensa.
Dado o passado uesla cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 31 d ju'bo de 1803.
Eu, Manoel de CarvalhO l'aes de Ar.drade, es-
crivo, o subscrevi.
Tenan d Alencar Araripe.
Pe'a in-specco d'alfandegase faz publico que
a porta da mesma. i hora da larde do da 14 do
correo!'* so bao de arrematar livre do direitos5
calzas rom a marea V D vnoos do Havre pelo na-
vio francez Juan BaptiUe, entrado 28 de Janeiro
deste anuo coutendo 1269 libras de tinta prepara-
oleo, avllalas em 2115300, os quaes se aeham
cumprehendidas as disposigdee doart. 301 2-do
regulamento de 19 de setembro de 18G0,
E para constar se fazo presente. V seccao da
alfandega de Pernambuco, 9 de agosto de 1863.
O 4o e^criplurarlo.
J. d'Avila Bitlancourt Avien.
t) Dr. Tri-tao de Alencar Araripe, offleial da im-
perial or lem da llosa, juiz dedireto especial do
commercio desia cidade do Recife de Pernam-
buco seu termo, por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o Senbor D. Pedro II a quem Ueus
guarde, etc.
Fac saber pelo crosonle que no dia 28 de agos-
to do correte anuo, se ha de arrematar por ven-
da a quem mais der em praga, publica depois da
audiencia respectiva, os bens seuinies :
(Tina balanga gran le com pesos de urna arroba
Cambios.......; Saccon-se sobre Londres de 24 at urna quar'ta, avahada por 20-5, urna dita pe-
JA a 23 d. por 15000. sobre Pa-
rts Je 380 a 390 rs. por U. e so-
bre Lisboa de 112 a 1 IG por cen^
lo de premio, montando a S 4o
mil os saques effectuados nesta
semana.
Algodo......... O de Pernambuco vendeu-se de
135300 a 165300 por arroba, o
de Mace, posto a bordo, de
165800 a 175300 e o da Para-
hyba a 185-
Assucar........O branco vendeu-se de 35300
a 4500D por arroba, o somenos
quena com conchas de Mha, avahada em 35, un
balcao de inadeira,avaliailo em 35, una carteira
de cima do balcao, avahada em 45, um caizao
grande de malelra para deposito de bolachas, de-
vidido em cinco partes, com tiieiro em todo o rom-
primento, avahado em 205, um relogo grande,
avallado em 305, urna maeeira e urna teodeirade
inadeira, avallada em 13-5. um selyndro com seus
pertences, avallado em 305, diversos objeclos mia-
dos do serviCO de pallara, avahados em 235, o-
quaes vo a praga por execugaode Joaqum Ama-
ro da Silva Passos contra Francisco do Prado.
se a 160 rs. a libra.
Carnesecca.....A do Rio-Grande do Sal vendeu-
se de 25800 a 35400 a arroba,
licando em deposito 210.000 ar-
robas ; e a rio Rio da Piala de
aulordade, ai delles !.....................
Macelo, 3 de agosto de 1863.
('^o Mercantil das Alagos.)
r 7 !Mr O rclatorio-boniba da ex-ilirecto-
ria (loCiabluetc Portuguez de
Leltnra.
E na falia de licitantes ser a arremalagao feita
de 35000 a 35100, o maravado ( e|0 (r,,0, da adjudicaco com o abalnnenlo res-
porgado de 25200 a 25330 e o pciivo da lei.
bruto de 25000 a 25130.^ I E para que ch->gtn ao conheeiraento de todos,
Agurdente.....Vendeu-se de 705000 a 7250'JO uiandei fazer o presente edital que ser aflixado
a pipa. nos legares do roslume e publicado pela im-
Couros ........ Os seceos e salgados venderam- prensa.
Dado e passado ne.-la cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 11 de agoste de 1803.
Eu Manoel de Car val lio l'aes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
25600 a 35000. fic.mJo em de- o Dr. Trlstio de Alencar Araripe, offleial da im-
posto 13,000 arrobas. ^ ^ perial urdem da Rosa, juiz de dlreio especial do
commercio de>ta ciJadedo Recite de Pernambu-
co, seu termo, p ir Sua Hagestade Imperial e
Constitucional o Senhor D. Pedro II, a quem
Dens guarde, etc.
Fago saber pelo presente que no dia 4 do mez
de setembro do crrante i nno.se ha de arrematar
por venda, a quem mais der em praga publica, de-
pois da audiencia re-pectiva : urna parte da casa
de sobrado de um andar e soto n. 32, silo na ra
do Livramento, com varanda de pao, duas salas,
quatroquartos e cozinb.i no solio e quintal, ava-
, liada tola a casa em 7:0005, sendo o saldo da dita
Vendeu-se de 65300 a "5000 a j ,,,,rIe 4:853*380 rs., segundo a conta feita pelo
arroba. contador do juizo, a qnal vai a praga por execuciio
dem de 15800 a 25200 a libra. j i.-r,in,.,.CM Amaro da Silva Passos contra Eran-
Vendeu-se de 45000 a 05000 a CISC, UlJ >ra,]o_ E na Wu (]B licitantes sera' feita
da ludia a
o do Mara-
Arroz.......... Vendeu-se o pilado
25800 a arroba e
nho a 25800.
Azeitedce......Vendeu-se o de Lisboa a 25330
o galo e o do Estrello a 2*0Q0. j
Bacalho.......A retelho vendeu-se de 45000 a j
145000 por barrica, licando em 1
deposito 2,400 barricas.
Venderam su a 25400 rs. a ar- j
roba. 1
Venderani-se a 2*300 a barr-1
quinlia.
Batatas.....
Bolachmhas..
Caf........
gosto de t por seres um rapaz muito divertido mui-
to apneciacel; e aceita um cordial abrago do teu
alTecluoso amigo
Alfredo.
Cha............
Cerveja........
Fanoha de trigo.
r sa da ex-directora do Gabinete, sem esperarem
que a directora sua snecessora lizesse publicar o
re iterlo da nefasta adminstrago de 18641863,
e dosieinbrado deque urna lal publicagosesem-
pre ser acompauhada pela do relatorio do conselho
deliberativo e parecer da eommissao de comas;
(q ie nao fot muito favoravel nobre directora de-1
m mana) apressram-se era dar publieidade ao
n.-idi o relatorio que n.o se pejaram de orgaui-
sar, provavelraente teudo em visia dous nsum,
a ostontaco dos seus trabalhos hercleos, que mais
larde sero devidamente aquilatados e reduzidos' Xarope alchoohco de veame, preparado pelo
ssoas ve.rdadeiras proporeSes, quando o escal-: pharmaceulico Jos da Rocha Prannos, eslabele-
lo da mparcialdade disseccando o putrefacto cida com banca na ra Direila n. 88 em Pernam-
*&>
le 11 cao.
buco.
Este xarope ucontestavelmente superior a to-
dos os xaropes depurativos, de caja composigao
pe
cadver apresentar multido admirada o mesqni-
NAo esqueleto \ outro, a cxliibigo da prova incon-
cussa le urna proposicSo por mlm ha alguns m^zes
av .n 1 la : i-to que a ill^tra lisssima directora o seu maior elemento a salsa parrilna, poi que se
Ferreira Alvcs-Gumaie- e Azevedo pensava in-: 'em conhecido ser o veame mais enrgico para a
sensatamente que se elevara tanto mais quanto! prompta cura das molestias, cuja base essenciaJ
proeurase deprimir, at-iliar os actos das admlns- depende da purihcagao do sangue ; assim pois se
tracoes suas antecessoras, alardeando ao mesmo 'ni verificado por umitas pessoas que se achavam
te;:! 11 emi hatica e pedantescamente o que procla- desengaadas, as quaes acham-se hoje restabelecl-
mam seus luihanies fetos. liantes nunca, anda das com referido xarope alchoohco devlame;
ain la por ninguem fritos! !! entretanto que alguns, lendo usado do xan-pe de
E' ui'verdide muita cegoeira muita pre-! Cnrinier, de Larrey, de salsa parrilha, de sapona-
sumpeo balofa.1 muito orgnlbo desmedido I ra, oleo de ligado de bacalhu, e oulros agentes
muia audacia i! muiti mignificancia real 1 dtSla ordera nada conseguiram. E' elle de fcil
Triste o epiemera gloria a que resoltado tan digeslao, agradavel ao paladar e aoolphato. Al-
hedioo ia or g-m, e Unto menos mvejavel que com- >*<* mdicos desta cidade e da de Macelo o teem
sigo n .17. o canon da propria nuilidade desses he- recommendado para a cura das
res-an3es, poloqne nunca a ambicionara; mas, Impigens, nnha, escrophulas,
Ja que muitos socios menos instruidos das fallas Tumores, ulceras, escorbuto,
que arteiramente se occultam, s couiemplam e se Canelos, sarna degenerada, lluxo alvo.
emh vecem nos servicos que veem alardear. 6 con Todas estas affccgSes provm de urna cau^a n-
veni me que olveo se rasgue, as pstulas o,leniem a terna ; nao ha pois razao algumi era crer que el-
sua repeliente asquerosidad?, os supposlos Titaes las se Podera curar c:n' remedios externos. Tam-
corri.l..s d-pejo(se possivel ..) mjstrem a ridi- bem se prescrevo o xarope alchoohco de veame
cola e natural estatura de pygmens, as erainas in- Pa""a o traiamcnio das allecgoes do systema nervo-
solenlo s, jam desataviadas das brilhan'tes pennas so e fibroso, taes romo :
duzia de garrafas.
ReUlhou-se de 185000 a 20-5 a
barrica de Sew-York e de Tries-
te, de 185000 a 105 a de Piula-
delphia e a 850^0 por saceo de
100 libras a do Chile; licando em
densii)i,0:JO barricas da primei-
ra, 12 500 da segunda, 800 da
lerceira e 1,000 saceos da nlt-
ma, inclusive um carregamento
chegado de Philadclphia.
Louga..........A ingleza ordinaria vendeu-se
cora 300 por cento de premio so-
bre a factura.
Manteiga.......Vendeu-se a ingle/.a a 800 rs.
a libra, e a frauceza de 640 a
700 rs. a dita.
Massas......... Venderam-sc a 3-5200 a caita.
Oleo de linhaca.. Vendeu-se a 15700 o galo.
Passas.........dem a 05000 a caixa.
Presuntos.......Venderam-se a 165000 por ar-
rolla.
Os flamengos venderam-se a
15800 cada um.
O inglez vendeu-se a 140 rs. a
por venda a quem mais der em praga pelo prego
da adjn eagao com esbatimento respectivo da lei.
para que chegue ao conheciinento de todos.
maudei fazer o prsenle edital que sera' afiliado
no. lugares do costume e publicados pela im-
prensa.
Dado e^assads nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, !* 11 de Igosto de 1863.
Eu Manoel de Carvallio Paes de Andrade, esen-
vo osnbsjcrevi.
Tristao Je Alencar Araripe.
Queijos........
Sabao..........
de pavo cun uese enfelaram, e nao se lome em
ji 1 indiscretamente a novena por Juno.
O f'l. o veneno, as insinuagoes malvolas abun-
daram no relatorio -bomba da ex-directoria, qur
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
O xarope alchoohco de veame sobre tudo, da
conna a mioha fraca individualidad.?, qur contra maior ulihdade para curar radicalmente, e em
caracteres preeminentes da uossa associacao ; os pouco lempo o rheomatismo.
raneorosos coracSes de seus membros nao curaram Adverte-se que o verdadeiro xarope s se vende
deoccultar a s e al .11 alto do seu estulto orgulho os funeciona- assignado ; e em outra qualquer parte que se tem
no- que com mais desdem se teem atrevido a pi-; annunciado nao da mesma composigao, e nem o
sar aos ps os estatutos do Gabinete Portuguez de abaixe assignado se responsabilisa.
mas Releva confesa que isso conIra a anemia ou ehlorose, e hvdropesia, catar
,sla de perfe te acord com o proced.mento, rom rho da bex mesmo a coina,er"a ra,!nstrua.
s.deas dos lodividoos1 que a compazeram, e que co d.fDcil, resultante da mesma anemia ou chlo-
minli 1 maior satisfacuo e. que a assembla geral *. '
Leu na, considcrando-se adoravelmente impecca-
. teem o incrivel desplanto ae arremessar
face da sociedade esta intoleravel e ncabivel jac-
tanci 1 se alguma falta commetteu (a ex-dire''to-
ria 1 fot a de tornarse rigorosamente nflexivelno
Cump intento da lei!!!!!!........
, na e.ilidade, escarnecer muito descaradamen-
te d 1 so. iedade que j nao ignora quantas trope-
lia?, quantos absurdos de marca maior praticou
aqu -ila corporagao no exercicio dos cargos, que
tant-i desvirtoou
e
a
a ininha maior satisfacuo que a assembla gei
do Gabinete Portuguez de Leitura em sessao ordi-
naria de 6 do correle mez, na approvacao dos re-
latan do conseibo deliberativo e directora (hon-
ra assembla geral que com toda a imparciali-
dade s taba separar o joio do trigo I) excluiu por
unanimilade a parte qne dizia respeito victima
do 1 ancor di directora, ao socio effecttvo.
Joaqum Gerardo de Bastos.
0 VMH4S jj '
1
Pernambuco 11 de agosto de 1865.
Meu p;o-alo Vinhas.TenJo-me tu bontem da-
do tenhona em urna especie de anguz, moqueca
( ou como melhor nom? tenba na lista dos di?para-
tes ) que iizesie publicar neste Diario, nao estra-
nhes i|ii eu hoje te trate com a mesma anliga fa-
rniliariJade propria das nossas boas relaco-s, an-
da que iu ma! agradecido, azonado pelo dhno que
te assobia s orelhas, quizeste dar-me quatro den-
tadas peranteorespeitavel publico.
Viniia-, o meu eoracao todo paternal; arrepen-
de-te de?sa asneira, e continuaremos a ser bons
amigos como al boj, sem que a poltica inais per-
turb as nossas relacoes diplomticas.
Jos da Rocha Prannos.
JURUBEBA.
A jurubeba urna das substancias medicamen-
tosas, ao reino vegetal, e penence classe
dos tnicos e desobstruentes. sendo em prega-
da com 'vantagem contra as febres intermitentes
ncompanhadas de engorgitamcnlo de ligado e bago.
Ella tem sido applicds com incontestavel proveiio
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope id-m.
Vinho dem de idrm.
Pilulas de ext. idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga do Ro-
sario n. 10.
QOMHEBGIO.
mol
tan
Tioha eu apenas sabido de casa, e vi_ lego un
oh qoe, correado com um Diario nimo, e gri-
ndo o Vinhas falln, o \'inhas fallou !
|JI| 1 ------ 1/ r 'l'**l J HtlV" f i* I IU.*. / -4'IJIV .
Dase eu logo com os meus botoes; se elle fallou
foi a pedido de multas familias, e ento o rapaz es-
pichou se ; fez asneira por forga.
Meu duo, meu feito. Grande espalhafato, insul-
sas bsfor.idas de digaidade, quando na la eu nao
Caixa tilia! do banco do Brasil cm
Peruambuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Babia.
lovo banco de pernambuco.
dmini-tr iWe- da massa fallida de Joaqum
Jos Silveira pagara o Io dividendo de dia massa
na razao de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
meliidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
tfovo banco de Peruam-
bueo.
O banco desconta letras na presente semana a
0 por cento ao anno at o prazo de seis mezes,
Toucinbo.....
lies ebers compatrlotes.
Le 13 aout prochain, a une heure le Te-Denm
deMiii a clbrer la lote national de la Pranee,
sera chant daos l'giise des capucm- de la Penha.
Je o.m,.tc sur le uoiicours de loule l colooie
Prancaise.
II est bien qu'a deux mille lieues de la Patrie, le
tcorps de untion comir.e disent nos capiuilalions
,.% ,' I orientales, se runisse sous iaeonduite de son con-
libra e o do Mediterrneo a HOLa|> B| ^.^ ansj fl af)ne |a persjslaru.t
rs. a ana. \ dl, aij0|,ni| ,-t j |Vsurit de retour.
\endeu-se o de Lisboa a II*a u ^^ \.armx de vous voir nom-
Z'tm, oX a'd" I breUS teM s",e,nn,l ,,u-' <"m1 arriv ">
de SjwOO a JrS-UU a u 11 a. oe ,a dj >a ,,, uns
Portugal vendeu-se de ^^ ^ ^ j,; vell, dl're a llU,>lr|U,! vo.
Vinagre........O de
905 a 1005 a lipa.
Vinhos.........Venderam-se os de Lisboa de
1705 a 1805 a pipa, e os de ou-
lros paizes de 1705000 a 1805
a dita.
Velas..........As de composigao venderam-se
a 540 rs. por pacote de seis ve-
las- ,,
Descontos.......O rebate de letras regulou de
10 a 12 por rento ao anuo.
Freles.......... Para o Canal 27/6; para Liver-
pool l2/6-'7/6 pelo lastro, e
pelo algodo 9 .1/16 a "'/ d.
libra 3 por cento.
M0VIHE1VT& I& 20HT0
por
Navio entrado no da 12.
Trieste 103 dias, escuna hollandeza atshalina
Everio, de 191 toneladas, capillo F. T. Z nge,
equipagem 8, carga farinha de trigo ; a -N. U.
Bieber & C. Seguio para Babia.
Navio saludo no mesmo da.
AracatyHiale brasileiro Sergipano, caplao Pe-
dro Jos Francisco, carga fazendas o outros g-
neros.
Navios entrados no dia 13.
Porlos do Sul~3 i/2 das,-sendo 12 horas do ulti-
mo porto, vapor brasileiro Tocantins, de 730
toneladas, commandante 1." tenenle Pedro H.
Duarte, equipagem 52.
Havre 38 dias, barca franeeza Guilltaume Te//,
de 396 toneladas, capito Etcheparre, equipagem
19, carga dffereulos mercaduras; a Tisset
frres.
Navio sahido no mesmo dia.
Baha Lugar hollandez /. Cappe, capitao Cappe,
carga parte da que trouxe de X.w-York.
Observadlo.
Bordeja no lamarao um brigue hespanho!, mas
nao leve communcacSo do a ierra.
a*?' man
K*

O Dr. Tristao de Alencar Araripe, afflelal da im-
perial ordem da Rosa, e juiz especial do com-
mercio desta cidade do Recife de Pernambuco e
seu termo, por S. M. Imperial que Deus guar-
de etc.
Fago saber aos que o presento edital viren), e
delle noticia tiverem, que no dia 14 de agosto do
corrente anno, se ha de arrematar por venda, a
quem mais der, em praga publica deste juizo, o
segulnle
iniciis soril les mieos el que raes sympatbies, ap-
plent les volres.
Are* raes ehers eompatriotes l'assurance de
mon entier dcvoiiement.
Le cnsul de France,
Osrnin Laporle.
Convida-se as pessoas que estao as
condicoes do servido militar, a engajarem
no corjio de polica e gozarem das vanla-
gensdi lei provincial n. Gil de 2 de mato
prximo passado, que s) as seguintes :
liQrs. diarios de sollo, seren seus fi-
Ihos mon ires recolliidos aos estaOelecimen-
tos provinciaos de edticacao 0 O tempo que
estiveremna guerra ser contado pelo duplo
par. o cjso de aposenta Joria, e alin deslas
tem lulas as mais vantagens qoe srio con-
cedidis aos voluntarios dt patria. O te-
en te-coronel commandante do corpo de
polica, Alexandre de Burros e Albuquer-
qoe.________
Sania Casa de Misericordia do
Uccil'e.
De conformidade com a resotnco da lllm" junta
administrativa da Santa Casa de" Misericordia do
Recife, fago sciente a todos os foreiros de terrenos
perleiicenie ao patrimonio da extracta Misericordia
de Oliuda, que se acham atrasados em seus paga-
mentos, que o regente do hospicio de alienados na
cidade de Olinda a pessoa competentemente au-
lorisada para arreca lar taes rendas, a quem os
mesmos foreiros se devem dirigir, alim de paga-
rem os respectivos foros.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 8 de agosto de 1863.
O escrivao,
F. A. Cavalcanti Coasseiro.
Sama Casa da Misericordia
do Hecife
De ordem da lllm* junta administrativa da ir-
mandade da Santa Casa de Misericordia do Recife
convida aos eenbores limaos para assistirem a
festa da padreeira da mesma irmandade, a Senho-
ra do Paraizo, que devora ter lugar na igreja de
igual Dome, pelas 10 lloras da mauhaa do dia lo
do corrente.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife 12 de agosto de 186o.
O eserivAo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
No dia 14 do correte, depois da audiencia
do Sr. juiz de p.-.z do 2o dislriclo da Boa-Vista, vai
v Para o quartel dos menores.
20 galres de gaz.
Para a guarda nacional QBfl lem de seguir
par. o .-u! do imperio.
600 pares de sapaldes.
As pessoas que quzerem vender ditos arligos,
apre.-eniem suas pr-'-postas na sala do conseibo, a*
10 horas da manhaa do dia 16 do corrente.
Sendo qne as materias primas sera recolhi-lai
no dja seguinte, e os sapatSes no praso de 6 dia-.
Sala docinselho de e mipras do arsenal de guer-
ra, U de agosto de 1863.
O encarregado da escriptnrara.i,
Minoei Jos de Azevedo"santos^
Pela subdelegada dos Alegados aebain-se de-
positados duus cavados, ambos mellados e castra-
dos, os quaes foram apprebendidos como forladM:
quem se juluar com direito aos mesinos, compare-
ga, que provaudo, Ihes sero entregues.
O subdeleirjdo,
MaooeM'ere.ra Camello Pessoa
Inspecrao do arsenal de inarinlia.
O arsenal de marraba admiti carapinas, ferrei-
rc-; e serventes para as obras.
Inspecgao do arsenal de marinha de Pernambu-
co 3 de agosto de lfc63.
O sccretar,
_____________Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Pela suboeleuacia do Peres fii recolhido a
deposito um cavallo caslanho, castrado : quem se
julgar com direito a elle, compareca, que pr.ivando
seu dominio Ibe ser entregue. Subdelegada do
Peres 9 de agosto de 1863.O subdelegad..,
____ Alexandrino Mirtins Crrela Barros.
No dia 18 do cirro te mez, linda a audiencia
do Sr. Dr. juiz de orphaos vao a'praga de venda
urna porgao de ouro e prala, movis, e casas da
ra de Aguas Verdes n. 11, deas na ra Imperial
ns. 274 e 278, e urna casa de taipa no Barro, cu-
bera de telha.
.4 rrciii litar.
de fazendas e de escravas.
Hoje depois da audiencia do lllm. Sr. Dr. juiz do
commercio, se arrematar*) dous bahus grandes
com fazeudas, avalladas por mono diminuto proco,
bem como urna escrava e duas crias, todis cnou-
las^__________
Comi geral.
Pelaadminstragao do correio des!acidalJ se faz
publico, que, em virtude da convoocao postal cele-
brada pelos governos brasileiro e inglez, serio ex-
pedidas malas para Europa no dia i5 do corrale
mez lelo vapor inglez Oneida.
As cartas sero reeebida at 3 horas antes
da que for marcada para a sabida do vapor ; e os
jornaes alo i horas antes.
Adminstrago do correio do Pernambuco 12 de
agosto de 1865.
O administrador,
Domingos djs Passos Miranda.
Correio geral
Pela adiainistragao do correio desta cidade. se
faz publico que hoje (14) as 3 horas da tarde fe-
char-fe-ho as malas que o vapor Tocantins tem
de conduzir para as provincias do norte.
As cartas sero admeitidas a seguro ale as 2 ho-
ras e os j irnaes recibidos at o mel da.
Helara das carias seguras' vindas do sul pelo va-
por Tocantins para os senores sbaivo decla-
rados :
Augusto Frederico de Oliveira.
Arsenio C. A.
Dr. Eduardo Pindahybade Mallos.
Joo Dias de Carvalbo Sodr.
Jos Pedro de Paiva Baracho.
Dr. Jos Gomes Ferreira.
Jos Men les de Freitas.
Jos Ferreira Dias dos Santos.
Marques, Barros & C.
Manoel da Silva Meiidonga.________________
COMPA.MIA PER.VAXWr.AXA
DE
iVavcjf, cao cosleirn por >a^*r.
Macei 6 escalas, IVne.h Aracajn.
, No dia li Uj nma *?,^J*
. i\ e-i 1 eompanMa o *p<-r iPaviav-
'1 ''- ti.> para o* ri.>* cima I
r' '* "4sp"T"i '''' ':,rde. Iler !> ntc* at>*
iSrapro da 12; eic- eii'iie:.d.i-, |i-- i-
ros e iiiniioiru a trtttsu as 'i knra .'. Ni t*
subida : escrij.lorio no Porto do Malta* r. I
Para o S'orfo por l.iobo.i
Tctende sabir co.ii a pi.s.-ivel pre>P-7i > lri.-
i Periuimbiiraiio : pan car.'. > 1-- .cir--. a jn-m
olTerece b .ns eotJMMdw, ir.iia se-c.m i. e n-ignM-
tario Tnomaz de Aquino Fon-eca, ra to t'igari-t
' n. 10, primetro andar.
Ilha m m. koJMiC-
Segu iinpreterivelmenteme li:o do crranle m-z
lo palbabne portugot-z PmiamJuts, > I* cli :
' (|uem no mesmo qnizer cirr ir 00 ir de pa-*3-
gem, dirija-so a Hallar 1^ O iv, ira. ma I 1 V-garu
numero 10.
.


Tisset Frers pruiiMHi aos earreead.ores d-> -
vios da linha do Havre a' P^mtmkm a, mjm I *re-
do Goillaoma Te, e-perad 11 n mmir nt ten
sido abaixadoa 30 f-. e iOu,... i* ?;!.. re a aa*>
ga no Havre a 35 fs. e IO 0(0. c qn^ i^lv-i oda
navios wguintes sera' anda 11 ais em eonta. <. ;u
Ibes sera'avilado |.nr vi 1 de-te j;irh,l. O*
estilo a iiisposiea 1 d.-s e.irregadires para a- v iiu<
a um frele abano .u -15 fs. 10 ",., i'jnf>>riii.....
ajustar com os aiinuncianbs, sames Tt..piche u. 0.
Para o Kio la i'raa ou iti
Frei-se a barca uaci oial i. ffMU ;i> : a tr.i-
tar com os seos r-m-lgnatiriw Anl m !.
Oliveira Azevedo { ',., no seu tvcfinl i 1 m Cruz 11. I.
Vende-se a bareaca Flor \s Sorte, ;>! -mpti
naveeando,deperfeila eoaktraec da l i.;". O
2,300 arroba*, por pieg > muu > iwaanwd >, luo-toa-
da na escadioba: a tratar iv-ti pra;. rom
maz P. da Cimba na ra da Cadna ii n n
praga da Paralulia c un o lllm. Sr. AMOata T. -
mazCarneiro da Cuaba.
Vendera-se as bareagas Paran. *:', raixa-i
e Santo Antonio de Barreirx de l"> dil.-. tSjmWs*
Miadas de novo e bem construidas : a lia'.ar >^li
praga com os Srs. Antonio I. >pes fcVsfa A C, ou
no Rio Formoso com J. 5o Amane Parres.
tmmmm mmtm
ti
h A i 3 V fi O,
LEILAO

1 H
DK
Urna casa de t tipa c un 1" n.;iis ,i
40 de tundo.
tina dita dita com 27 ditos ti: frente
fundo.
Urna dita dita com 13 ditos ie frrut;
fundo.
lona dita dita com 17 ditos de frente
fundo.
L'm sitio com 100 palmos de freut.; 1

e lal
il-
Ci
qrPicio miy
Kelago das carias seguras vindas do sul pelo
vapor inglez (alile para os senhnres Atu
declarados:
Dr. Antonio C.elho de S Albujuerque.
Francisco Ignacio Pinto.
Ignacio da Silva Arantes.
Coramendador Antonio de Souza LeSo.
Innocenco Seraphico dj Assis Carvalbo (2).
Joo Alves Matheus.
Joo Carlos Borges.
Dr. Jos Bernardo Gal vo Aleoforado.
Dr. Jos Leandro de Godoy Vasconcellos (2).
Dr. Luiz Feliupe de Socza I.eao (i)
D. Mana da Paixo Mattos.
Dr. Manoel Buarque de Macedo.
Dr. Silvino Cavalcanti de Albuquerque.
Tobas de Souza Lima.
THEITRO
DE
::hm-mswm
EMPREZA-COIMBRA
Quarta-feira 16 de agosto de
1865.
BENEFICIO D.) ACTOR LISBOA.
Depois de orna escomida symphooia pela or-
chestra subir a scena o aparatoso drama em i
actos original portuguez
flMIMtNIllllMI
OS TRES AMORES.
I'EKSO.N'AGESS.
Frei Eugenio.................... O beneficiado.
D. Bodrigo..................... Porto.
Eduardo....................... Amoedo.
O governador................... Borges.
Mata Lobo................... Pinto.
Manoel........................ Teixeira.
Jeronvmo...................... Guimare-,.
Um carcereiro.................. Santa Basa.
Antonio..,..................... Peixolo.
I). Isabel...................... D. Joanna.
Branca"........................ D. Camilla.
Soblados, pageos, cavalheros etc., etc.
Em um dos intervalos a orchestra tocar a lin-
da walsa offerecida ao beneficiado pelo digno re-
gente o Sr. Colas, intitulada
r\iui\i\iE\.
Dar' Din ao espectculo a hola comedia em um
acto
MJlHICOT*.
Entrara em scena as Sras. DD. Eugenia e Ca-
milla e os Srs. Teixeira, Porto, Guimares e Borges.
Comegara' as 8 horas.
O beneficudo tendo de partir no prximo pa-
quete para Europa aflm de tratar de sua saude
agradece desde ja ao seu eraprezario o Sr. Anto-
nio Jos Duarte Coimbra o emoenho que tomou
alim de que esta viagem fosse feita com brevida-
de concedendo-lhe para istoum beneficio.
O mesmo agradece ao publico desta capital as
maneiras gratas e lisongeiras om qui sempre| o
receben a quera desde ja protesta sua elerna gra-
tidao.
fundo, eoa cacimba e arvore Jo sendo a tergav
do fundo de dito sitio 1'iD paun >
Todos enana predios en lago* J> Peres da fre-
guezia do> Af.'gad -s a betra da aMna, que Vai a
Santo Amaro dj Jaboatae e em trra f reir-.
20 titu'os do dividas no valor de 6:6*0y'> r-
3 tambera 30 accoei da conq>aubia co?t ora.
mW&mWMm
O agente Cordel co -nnJes a requerir-i.t. *>'
ladmini-traJores da BtHM fall 11 I Am nm. Vr ,-
gozo Santos A C, e por raaodid) do Mam Sr. Ir.
juiz especial do commercio, levar a .leii* pob;i-
co as 10 b iras em ponto lo dia d -gn 11 > f-*a<
cima d-scriptos, no seu ara ms :i a ru 11 I
n. o". ____________
LEILlaO
De movis e out i os objeetofl
Cordeiro ^lines
fara'leilo por conti e r--c d : qu-.n i r: r..- r
de urna mobilia de jacanavln', I (MM
marquezas de amarello, 1 mii.iba
cadeiras, corara >las, q i.idros. bananrnaa, barco t
faia e oulros objeclos, feto
Quarla-feira 16 do corrale es 11 lora
57No armazem a ra da Cruz 57
JLI-JIi ^6
Quinta-feira 17 do correnl.-.
Pelo anele Euzebio
De um sobrado n. 7 na ra do fadre Fr>:i*no-.
chao pronrio, rinde 4S04.
De duas casas terreas na ra do Ga?, f r
acabadas ha poucos dias, da n-. \ ; 6, ri- 164
por mez cada urna, chao foreiro.
De duas casas terreas ns. :12 e :'' aj r i.t da
i Praia do l'.aldejreiro, tem .-.il."..., b-m ...hI...... -
1 quasi novas, chao loreiro, rento .{'X.; p^r mez
i cada urna
Um sobrado de um andar na rm knpcrfal n ''<.
i chao foreiro, rende HOO.S por aa.
li:^jAo
Demobilias completas de jicarandi, di:: .
amarello, aparadore-. 1 piano de arm.i-io -'
ronpa, guarda vestidos, I michim para i -
relogios de algibeira le ouroe rala, I bjbm
; tica, l loilelde jacara-ila'. qiatr i .- -
finas gravuras. marqiezas lar.'as e-:re t..-, ra-
mas francezas de jacaranla' e amai
de porcelana para cima de m--.. ral :: s \
gaz, objeclos de ouro e prala, aajm >. 4e anata
I os sexos ele.
Quinta-feira 17 do corrate as II ara*
NO GKANDE AHMAZEM DE LE Lfc
DO AGENTK
OLYMPIO
36Ra da Cailela I erile*
MISOS BI?E1$US,
2 canoas grandes,le amarello de earregar 1.800; ^^~ "p^borados a JoU Ami?
SiittntiS^a^'^M8: ci,l,leO:,veiraGuimarJs,por execugo de Be^
ma qualidade que carrega 1,500 tijollos, por 1305 j ^'"V, o n'a Teixeira
as quaes foram penhoradas por execugo de Jos nardo na uinw n
Ignacio d'Avila contra Z-feriuo Domingues Mo-
Caixa flllal do banco do Brasil
cm Pernambuco.
De ordem da directora desta caixa se faz publi-
vai Ilustrar o teu pasmoso bestuoto, e se dedu: do' co aos senhores accionistas, que o respectivo the-
reira.
E nao havendo lancador que cubra o prego da
avahago, a arrematago ser feita pelo prego da
adjudicago na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento do todos,
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e aflixado nos lugares do costume.
Becfe, 31 de julho de 1865.
Eu, Manoel Mana Bodrigues do Nascimento, es-
crivao, o subscrevi.
Trislo de Alencar Araripe.
guerr-
Arsenal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de
precisa comprar o seguinte :
Para provlmento do almoxarifado.
6 arrobas de fio de velas.
10 duzias de taboas de pinho de 3[i de gros-
sura.
3 arrobas de rame de ferro.
5 caixas com folhas de flandres, marca grande.
10 ditas de latao era lengol de 17 libras cada ura.
10 ditas pennas calygraphicas.
COMPAA SiASILEIRA
DE
PAQUETES ^ VAPOR0
Dos portodo norte despera
, do at .i da 17 do corrente o va-
vV Por Cruzeiro do Sul, comman-
'fei&i dante Aleoforado, o qual depois
''.'igr* da demora do co-tume seguir
para os porlos do sul.
Desdej recebem se passagelros e engaja-se a
cargo que o vapor poder cbndozir, a qual dever
ser embarcada uo dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia di sabida as 2 ho-
ras da tarde : agencia ra da Cru/ n. I, escrito-
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para a Baha
at o da 20 do presente mez pietende sabir sera
falta o veleiro e bem conhecido patacho nacional
D. Luiz, capitao Jos Teixeira de Azevedo : para
a carga qae Ibe falta trata-se no largo do Corpo
Santn. 4, cora o consignatario Jos Maria Pal-
raeira.
Mi
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A Compauhia Iudeinuisaiiova
estabelecida nesta praga. toma segur.is mcsi -
sobre navios eseus rarrr-ganvnlu e contra f ; ::i
edificio,-, mercad.iriis o mol i'i. n
rio, ra do Vigario n. i, pavim-iit.> i-rr^
Quem preci.-arde urna ama paria ; ;i.a-
terno de casa de familia: dija-se a ra do- r..no-
Ponas n. 87.
O Sr. Copertio) All.n iuer.|n.> i;nir..r*.
Bastos queira a|iparei-er na rui Vrlha a. I
lar .le nejocio urpeni" en -eu prine. Mb J
Ant.mio (liiirrara-s BaMH
POitTUtBZ HE Ulllim ti
I't
Tendo de Mi!ii::'ii-:.r-se i.iili 15 > r
1 i Malversarlo da in-t .la.- m i ; i! i
guez de I., tora, c. r.i Si--.-
garas II huras di inniia., ;.i i p -i pm
vidados todos os -enbur s --;. I i < i
tem no ineii. iouado dia alim de I miaren pal
nesta fesla Iliteraria.'
O eslabelccimenlo estara patate d'sde a*
horas da manha s 2 da larde, e desda as i
10 da noite a lodos os santoral Ti.-itaol** a> m
outro sexo que o ajnizereaj vi.-itar.
Secretaria da directora do Cabioet* Plrrt
de Leitura 11 de afOJM de 1865.
Jos Aiv.s Lima
Viee-drecter.
J. Xavier Vivir Ligo
I i* secretario
.-
e-
[!
I
-T
ffc -1 r___-J__U


Diarlo de Fcrnambuco ... Segunda Iclra 14 c Agosto de ISttft.
LOTERA
AOS 6:000$000.
Terca-feira 2i do corrcnle mez, se ex-
trahir a 3* parle da Ia e Ia da 2.a lotera
(i8*) a beneficio da matriz da Victoria,
no consistorio da igreja de Nossa Senhora
do Rosario da freguezia de Santo Amonio.
Os bilhetos, meios e quartos eslo a ven-
da na respectiva tbesouraria a ra do Cres-
po numero 15.
Os premios de 0:0005000 at 10*1000
serao pagos urna hora depois da extraccSo
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuidlo das listas.
As encommendas s rao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto
como de costume.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Saques sobre Lisboa
Manoel Ignacio da Oliveira & Filhu saram obre
Lisboa : no largo do Corpo Saoio n. 19.
Precsase alugar urna tirata quo seja boa
engommadeira c cozinn?, sem vicios : na na das Seiuala velha n~ 22.segundo andar.
Cruzes n. 30, primeira andar : paga-so beni.
PHOTOGRAPHIA ARTSTICA
DE
25 Ra Nova (esquina da Camboa do Garrao) 25.
Os proprietarios deste estabelecimento, desejando salisfazer os numerosos pedidos de seus freguezes, acabara de receher de seus correspondentes de Paris, um grande
sortimento de ret atos (carles de visita) das personagens as mais celebres da Europa, assitn om i receberam tambem urna quantidade de allinetes e cassoletas para retractos, do
mais apurado gosto e por precos muito diminutos.
Os mesmos aproveitim a occasio para prevenir ao publico e recordar aos seus numerosos freguezes, que ellcs trabalham todos os dias, domingos e dias santos, das 9
horas da manba at as 4 da larde e que os tem os de chava i,ao influem em nada para o bono successo des retratos, pelo contrario o sol entre nuvens mil vezes preerivel
sobre todos os pontos, tanto pela rapidez da operacSo, como pela commodidade das pessoas. g que nenimm iraba.mo sahira A grande quantidade de pessoas que lem visitado este estabelecimento nestes dous anno; em que se acham estabelecidos nesta cidade, e que nao sera menos de cerca *2 na, sem qo.-n.i Ha perfectamente ara.
de ,900 a 7,000, para elles urna garanta futura, posio que se appliquem tod-s os dias, para que todos saiam contentes e satisfeitos. 2..d?v^ n,id' S2TS
RETRATISTAS m
Firmino&Lms
Novo eslalielrcimelt de retra-
tos vm \ov 15,1* ai-
iar, junio ao Sr. Gaitier,
dentista.
Tiram retratos todos os dias. das 7 horas
da manbaa as 5 da larde, quer chova oo
nao.
Tambem M rdT.rocem para lirai retra-
los de pessoas f.i!. eida*, dentro oo fon
da cidade.
Os anunciantes rtesejanrto arredilar o
su estahelecimenln, garani-m ao pollito
Precisa-se nma ana para o servigo interno e ex-
terno de urna rasa de poura familia : na ra da
a
- esappareeeu honlem 11 do crrenle, pelas
2 lloras da tarde, um burro pequeo casianh",
^ com nma carga de oito arrobas de carne : quem o
pegar ou der noticias na ra da Cruz n. 30, rece
bera ama iiratilicago.
OS PARAGUAYOS
E' a ordena do dia Acabar com os Para-
guayos a bayoneta, a mini, a revolver;
fulmina-los com os encouracados armados;
de espores, armstrongs e raiadas de 80
120; extermina-los em summa a espada, a:
fa go e a punhal de que se trata; mas
ninguem se lembrou ainda de esmagar os
no armazem da bolla amarella no oito da'. Z^TsolSuTvSz^'mSt^tan Paraguayos co as armas que Dosnos con-
secrelana da polica, recebem-se encom- fi SS K %*?&? ^^J^Z^X^nJLt^-
mendas .'e foco do ar para dentro e fora da ti ver dirija-se a ra do Alecr.m n. 2. P** Pa,ra W* e necessano encouracar esta
-Precisa-sede urna ama para casa' do" poaca P3rle do ?0SS corl' Com OS fonnidaveis
provincia.
Ir
D Nvmpha de Mello Accioli Fonseca pelo
presente convida a todos os prenles e mi-
eos do s*-o finado lih> Sebasliao de Mello
Accioli para comparec- n da 17 de agos-
to, p.la's G boras da manbaa, na igreja de
Sania Hila de Capte, aOm de ns-isi.rem as
mhsas e memento que man i.-, celebrar em
memoria ao primeiro aniversario ca morte
d'aqnelle sempre chorado Bino.
Os amig< s do finado S-hashao de Me 11
Accioli rogam a lodos os prenles e mais
pessoas que Ihe dedicaran) amizade o espe-
cial obsequio de comparecer no dia 17 do
rorrente pelas C huras da manbaa, na isreja
de Santa Rila de Cassia, alim de assisiirem
o memento que mandam caniar em sua me-
moria ao primeiro aaniversario de sua morte.
andar.
servico
Livramento n. 20, se-
familia : na ra da Cruz n. 21, 1
Precisa-se de urna ama para todo o
de urna casa : ua ra do
girado andar.
Os procuradores do Sr. Francisco Jos de
Campos Pamplona convidara a lodos os devedores
do mesmo senhor que venham salisfazer os seus
dbitos al o dia lo do rorrente mez de agosto, no
escriptorio da ra ilo Vinario u. 2 ; pn-veninrio aos
mesmos devedores de que naquelle da serao en-
; treeueS%)Jos os ttulos e contas ao procurador ju
diclal. Becife I* de agosto de 1865.
Pbipps Irmos & C.
Precisase de 11111 bom rozloheiro : a Iraiar
no sobrado n. 32 da ra da Aurora.
O Sr. Joao Miguel de Oliveira Beral-
do queira dirigir-se a ra Nova n. 60 : a
tratar de negocios que Ihe dizem respeito.
A na
Precisa-se de urna :.ma para a servigo interno de
I nma casa de poaca faailia : a tratar ua praga do
Corpo Santo n. 17.
.rompe-ferro, esmaga c< bra, arranca locos,
quebra inarmore e outros que se vendem
4&-RIA OIIIEITA45
Borseguins Bordeaux........ 8*000
patricio:'......... ii^OOO
para sen horas, en-
tenados ....... 5|800
com laco e livella .. I/Ihi 0
Sqates encouracados....... >0C'0
B irseguins para meninas bom
elast co.................
Sapatos de lona, sola elstica.
3-yJOO
25000
I GO' l
I (00
CASA DA FORTO
Aos 6:000>000.
Precisa-sede urna cosinheira para nma casa
inflen que apenas consta de doas pessoas (senho-
I ra e marido) : tratase a ra do Vigario n. 2, es-
I criptorio.
Na ra da Florentina n. 36 prepara-se c mi-
1 da por entunado preco.
Precisa-se de urna ama que entenda de hor-
taliza : na estrada de Joao de Barros, terceiro si-
! lio pascando a e.-trada do Olho do Boi. No rnesmo
' compra se um carro para condueyao em bom esla-
do, e um bol.
Aviso.
UitUetes garantidos.
A' RA U(> CUESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
Oabaixo.issignadoveudeunos seus muito feh
zes billietes garantidos da telena que se acabou
de extrahir, a beneticio do theatro de Santa Isa- A casa n^ 6| da rua da Concordia fref!Ueia de
bel. os seguinles premios : S. Jos, pertenceote ao Sr. Norberto Muniz Teixei-
Urn meion. 2182 com a sorte oe (|-u"u*- ra Guimares, e igualmente os sens alugueis, me
uus quartos n. 274o com a orte de1:^0*000 e$la hypottlecaja por mais de 2:ooo5, como se v
Um me.o n. 1379 com a sore de 4005000 nQ ^^^ dQ gr_ labe||j5o Sa_
Eoutras muitas sones de I00,>, 40*, ZOel __________________Marcelino Jos Lopes.
ilJfS'ssuidores podem vir receber seus respec-1 Todas as pessoas que devem extmeta firma
tivos oreinio da Fortuna rua d Crespn. 23. r do Livramento o. 84.______________
Acham-se ; venda os da 3* parte da t* e I* da Precisa se de um sitio que seja perlo da ci-
2a lotera (28") a beneficio da matriz da Victoria, dade para urna pequea familia ingleza : trala-se
avelludado?.........
de tranca...........
econmicos para se-
nhoras........... 5500
com salto de lustre.. 2;>240
Chineles do Por o.......... l^tjO
Utn completo sorime to de calcado da
trra para homens. senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro-de lus-
tre, marroquins, taixas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que tudo visto necesariamen-
te faz cnica ao comprador pela barate/a.
v^Sf %'. ^fr' >! ir' 4* *?* *r- vv> ^- V,
1
ALCOHOLADO de GUACO
.... ., ... ^ >VV 1 .i.i^::
MAM
Pascal urna nova
O Alcoholado df. Guaco de Pascal urna nova proparacao da qua
hasta mencionar suas propriedades para apprcciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo inlalivel do contagio vencrio (ver
folheto para o modo de o impregar).
2o Tem a vantagem de ser o remedio mais corto e mais agradavel par
as molestias syphilitieas de toda a especie, ulceracoes primitivas e secun-
darias, ec.
3o limpregado em itijcccOes, o melhor tratamento dos corrimentos
recentes ou chronicos as pessoas dos dous sexos c da leucorrhea na?
mulhercs.
4o Emfim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e fe-
ridns de m mturexa, chagas gangrenosas, dartrus, ulceras das permM,
ophtalmia purulenta, ou bleuhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izenlo de toda aaccao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvacao
dos distinctos doutores Hicokd, Bachet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre.Casa de expediento, PASCAL e C, 33, rua Monsieur-le-
Prince. Paris.
p
O adviigad<) (oJi.y Vaseoneelkis, po
rua do
sua resi-
dencia a rua do Sol n. 9.
fe ser procurado no escriptorio da
SR Rosario estreita n. 31, ou em s
&1
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SUFFOCgAO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio efficaz para couibattir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volla o Xarpe aromtico de Succino (mbar arnareilo) do Dr Danet. Decoberta inteiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gratas aos admiraveis resul-
tados que tem semprc produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, rua do Comercio, Paris-Grenelle, e em todas as
blicas de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco rua da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
Precisa-se de um criado que entenda de bo-
leeiro : no pateo do Carino, em casa de Gabriel
Antonio, se dir, ou na Passanem o. 2.
/i Henead,
(jue se extrahlr terca feira 22 do corrcnle.
PRECO.
.... 7O00
, 3oOO
.... 1^900
que eomurareui de 100^000
para cima.
.... 05500
.... 3fi730
.... I570
Manoei, Mautins Ficza.
rua do Vigario n. 2,e.-criplorio.
Para
Bilhetes.
Meios. .
Quartos.
as pessoas
Bilhetes.
Meios. .
uartos.
Attentfiv;.
De=eja-se saber dos Srs. Jos Narciso Gomes
Jos Vaz Dias de Pinho, Joao da Silva Ferreira pa-
ra se Ihes eniregar cartas vinda do Porto
rua do Vigario u. 19, primeiro andar,
Arrenda-se o grande sitio da Piedade, na Ta-
marineira, onde esteve o collegio da Conceicao,
com todos os commodiis, c alem disso propor^oes
para grande agriculiura : a tratar nos Coethos,
em o eollegio da (^on eicSo
Fornece-se comida para casas de familia, lojas
_ ou oficinas, com todo o asseio e promptidao, mui-
Precisa-se de um homem que entenda lo variaa, e porcommodo preco, mandase levar
bem de plantaco de horta e iardim, para ^n ca-'a ""bem recebe encommendas de bolo e
n-,,.., ,,m n,,u j..__.., a- doces de todas as quahdades : rua da Caixa n. 70,
ir para umengenho perto desta praca, da- Boa-Visia, casa particular.
se-lhe bom ordenado, alem de outras van- v. ... j i_ ":--------3^----------arrr^.
.._.__ .. Ka rua do Imperador n. 83, segundo andar,
tageOb COino S ja boa alimentacao, roupa precisa-se fallar com os sepuinles senhores,
lavada e entotumada etc.. etc.: quem a isso negocio que Ihes diz re>peito.
se propozer dirija-se a rua da Gloria n. 3, Antonio Xunes de Azevedo Campos,
das 10 horas as 12 da manhiia | das 4 da Jf^'peSa'silva"* Lba,'
tarde cm (liante,__________________________ ^ L0pes lavares. '
Ricardo
para
No da 27 d-.-P: correte raei fogto do lugar
Doas lliaehos, teimo do Brejo d* Madre de Dees, o pre,.a.yu comprar um cofre de ferro em se-
preto crioulo, e.-cravo do abalxoassignado, o qual punaa mg, ,jUft St.j;; oem seguro : a tratar na pra-
tem a Idade, pouco m-iis ou meos, de 28 annos, e da independencia n. 12.
te:n os sigoaes segaintes : boa estafara, corp to, bem empernado, de cor que nao muito prcto, AlHAt
e nem muito fula, nariz chalo, beicos gros-'os e vi-1 Precisase de urna pessoa que saiba cozinhar
rados, tem poucos oabellos na barba, pos largos, os dem, para casa de pouca familia
calcanhares bem puchados ou cresi-idos para traz, bicio u. 4't.
e nunca foi serrado, e por isse nao mostra bem --------
que escravo, mas a experiencia pode mostrar ;|
elle auando comiso failava costnmava baixar a ca-
na rua do Hos
lie quando comigo failava coslnmava baixar
beca, talve que ainda assim faija e:n presenca de
superiores, ha pouco tirou denles por sentir nellss
dores, mis snpponho nao ser uos da frente, e por
isso nao dou certeza ; e julgo que pelo exemplo
de outros, ter intenco de engajar-se no balalbao
dos preto-para a marcha d Paraguay: rogo s
AMA
Preciss-se de una ama para cozinhar em casa
de lamilia : ua rua do Brum n. 00, defronle do
chafariz.
Aluga-se a loja do sobrado da rua do Cal-
deiro n. II, pouc.i reedificada e propria para
autoridades a captura do dito escravo, ssim como qualquer estabelecimento por se achar em arma-
a qualqur pessoa do povo, pois se recompensa zem : Irata-se com o seu proprielario na rua ilo
generosamente. Imperador escriptorio n. 73, oo no seguado andar
_______________Joao Correia de S Brasil. do sobrado na niesma rua n. 38. ^^^^
Auseutou-se do sino do Toque, no da o do [ ,\o hotel de Italia, rua do Trapiche n. o, pre-
corrente, em que sabio com passaros para vender, cisa-se de um moleque, e de urna engommadeira.
O crioulo de norae Francisco escravo de Antonio Hvpotheca-se ou vendr u.a escrav. cr.ou-
de Souza Rangel; e de MWiWkr.MI |a, ,noCa, de idade d. 22 annos, que cozinha bem,
juntas dos pos grojas e pouca firmeza no andar, e(M..,nl ., hv3 e ,od ,n-,s a^ranin hr hem
em razao de cravos de que soffre em ambos e les JS^Vana^lS procu do '
e tjm o alio da cabeca despiovnlo de cabellos pelo '
uso do taboleiro. O annunci.inle gratifica a quem
coa luzir dito escravo ao referido sitio, e protesta
usar do direito ijuc Ihe assiste contra quem Ihe
der asa-albo.
Bastos, receotemente negado da
Europa com direccao ao Itio de Janeiro, tendo de
demorar-sealgnns mezes nesta cidade, e desejoso
de ser til aquellas pessoas que queirain aprender
n"a o francez, Inglez, e aprofundarem-se no cuiso de
1 partidas dobradas, visto ter freqtientado os primei-
ros proessores de Paris, como WullT, Monginot,
Talboltcr, etc., etc. ; as-im adiase habilitado para
facultar meios facis pelo systema mais aperfeicoa-
do e de prompta com|irehen-ao. Seu meiiiodo
antes tudo a pratica, porque a pessoa, qualquer
que seja a idade, obrigada a trabalhar em seu
gabinete eomo n'um escriptorio, mas anda adqui-
rir um vasto conhecimento do commercio em ge-
ral. Os successos obtidos na Europa por este sys-
tema de ensino, nao deixa vacilacoes a quem pre- Jo?1u'm francisco da Silva,
tender obter ronhecimenlos do commercio, ou- Joao R'beiro de Castro,
tr'ora tiio diflcil de c^mprehender se em virtude JoSt Francisco da Silva,
do misterio que guaidavam quem tinham luzes Miguel Arcanjo Ferreira.
desta sciencia, que felizmente o progresso lem feito Vicente Ferreira N'eves.
desapparecer este abuso. VerifieacSo e organisaejio Joaqmm rrancisco Moreira
de livros, etc., ele, e correspondencia. E desejoso Francisco de Aguiar Jnior.
de ser til ao commercio, ensina gratis aquellas
pessoas que provarem seu estado de impossibilida-
de. ;Pode-se coalar sobre a mais restricta des-
cripcao. >'a rua da Imperalriz n. 53, i" andar.
um criado
l
T
Ausenloa-?e de casa de sua senhora, rua de A-
Precisa-se alujar duas negras, send) urna
para cozinhar, engommar e lavar, e Mitra quitan-
deira : quem as tiver dirija se a rua do Bartb.do-
meu n. C>9, sotirado confronte a casa de detencao.
Quem precisar do urna ama de leite forra,
com urna lilhinha, dirija se a rua estreita do Rosa-
rio n. i, segundo andar, que dir quem
Ha.precisao de un homem poitnguez
que
Jos Francisco Bodrigues.
Felippe Borges Leal.
Custodio Jos de Carvalho.
Antonio Serafim de Deus.
Maneel Francisco Coelho Jnior.
Joao Antonio Perelra Ramos.
I00 Marinho Paes Barrete
Antonio Tibnrcio da Costa Monteiro.
Sebasliao Antonio de Albuquerque (estudante).
Francisro Gomes dos Santos.
Joao Gomes Pereira.
Jos Luiz Pacheco de Souza.
Sebasliao Jos de Barros Brrelo.
Francisco Antonio Vieira da Silva.
Domingo- Jos Alfou>o Atves.
- Piecisa-se dt
ratrlz n. 40.
Juba Rosa de Almeida Pinlo.
Leopoldo Gadault.
Joaqmm de Oliveira Maia Jnior.
8K35'4|)s
na rua da Impe-
Na botica do pateo do Carmo se dir a casa z
onde se dar por veadagem de bolos 100 rs. por J
cada pataca.
Precisa-se de urna ama que tenha bom leite:
a rua de Hortas n. 130.
Vende-se ou arrenda-se
A chacra do desemhareador Doria, no Mangui-
nho, a qual coutm urna grande %casa de campo
com muitas accommodacoes para numerosa fami-
lia, qur no andar terreo, qur no andar de cima,
com terracos largos dos lados para recreio, um
grande jardim com bonito desenlio, coiheira para
3 carros, estribara para 6 eavallos, um quarto pa-
ra hospede, tres grandes quartos para s>-nzalas ou
para outro qualquer 1111-ter, casa de banho, gran-
de cacimba com agua de beber mellior do que a
do encanamento, duas bombas de tirar agua, sendo
urna de repucho, tendo instrumento proprio para
tambem se lomar banho de chova, urna casa com
mangedora para vaccas e hois, onde ha espacos
em que se guardam cabras de leite, carracas, car-
rinhos de. mao, madeiras e laboados, dous g'alinliei-
ros, t curral para dormida dos animaes : o sitio
ou chacra tem na frente gradera e porto de ferro,
e todo murado, excepto a parte mais curta do
lado do nasecnte, um pomar de frocteiras de todas
as qualidades, sendo que s de laraugeiras de um-
bigo, da china, selecta, laraujas limas, tanjanna e
da trra lem 130 e tantos pos, fura ama plantaco
nova de laranjas cravo, ligueiras, laranjas de um
bigo, sapotis, abacaxis, macacheira e urna grande
plantaco de capim, tanto de Angela como da Colo-
nia : franqueia-se a casa e sillo a quem quizer
examinar e ver as suas accoinmodaroes.
mmmm mm-mm$:-
Companhia lidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Anlonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente aulorisados pela direc-
tora da companbfa de seguros Fidelida-
de,tomam segaros de. navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Crui n. 1.
Casa tlebanhoa
Largo de i armo m. 26.
E-te esiabeb-cimento t.io Im-id montado na soa
ongem tena va se de ha muito em qoa.-i r implen
abandono pelo muco interesse de roa a liumis-
traco.
Hoje que o novo propneiario empri-pia todo os
meii s para reslabelecer a grande u.iid*i drste
eslabelccimenlo, pode assegarar <> \utiti.o >\ qualipier que seja o numero dos ronrnrrenivs
acharo desde j promptidao e aceto nos l>anko<
fros, momos ou medicina***, a casa dos banho* -
achara aberla todos os dias das 6 oras da mannia
as 1 i da noite.
Precos.
Banho de choque...... 500
Jilo Irio ou mor no..... SNO
Dito de farelio.......I5U00
Dito medicinal ser se-
gundo Ma qnalidade.
A'signaiora.
Por mez banho fro m m.,rno... IOOOO
2o rartoes para banho fro, mor-
no 011 de chuviseo........... lOiflOO
12 cartoes para os mesmos___ ..yxio
12 dito.- para baub> de fuello. 10>lOO
Tara priucipiaiite
Na estrada nova do Cac.-iaiig, no nvio da t>
trada, um dos melhore* lujares, aloca-se unta
grande casa com armaco de taberna, n<.a. MB1
cascos, e faz-se todo negocio : quem ir. ; n .-r di-
rija-se a taberna amarella na moma e-irada.
Os lhos do primeiro m.itrimonio e
genros do (inado briadeiro (iaspar de Me-
tiezes Vaseoncellos de Dmmmund. r.< dam e peden ewcar cidamente a todas m
pessoas gue se consideraren; rredores do
respectivo casl se sirvam de HVMCf na
rua da Aurora n. 20, dentro de \:> das .-ri-
lados da presente data, das 6 as 10 horas
Ida manlin.i e das i as (i da larde, (ara ve-
j rificacao dos seus crediti s e ulterior ac;or-
jdo sobre os seus pip.unentos, independ'-ritt
deques esjuditiaes. II- cife 8 de apoto
de 1885.________________________
Precisa-se alagar ama escr^va para rata de
pouca lamilia : a irvar na roa do Mt n. r,%.
Aluga-se por 225 m-nsaes o -egunlo andar
do sobrado n. 62 da rua d.i G'iii : n 1 I* andar.
Encana meatos para
aguas.
Fazem-se na rua Xova n. 30, cora tc-la a per-
feici.
CQMPEiS.
Compra-se electivamente ooro e praia em
obras velhas, papad n tmn : na rua larga do
Rosario n. 2i, loja de ourives.
Silvino Guilierine de Barros uinpra e vrn-
rte eireciivamente aanefaj de ainU-s os sexos :
rua do Imperador n. 7!', terreiro andar.
m
;i:le-
'tu-<> e prnla
em obras velhaa : eaMpn-N na prara da
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
Comprase miro, prata e p>dra< pre.i>>a.,
em obras ffelhu : na rua da Cail.ia d-j Keritr,
leja de ourives no -ico da Caatneta
Compram-se m<>>das hra>ileiras de 2i a
21 i : na rua do Crespa n. 16, prhaaaM andar.
tlompra-se urna casa terrea na n ; ..! .!
Olinda em boa rua : a tratar na r.1.1 do At ..ilon. 30
rniAi
Vcndem-se palmeiras impenae. em r-tado
de serem Iracsplantadas : no sitio n.nrado a a>
querda, depois ido beccj do Espinbeiro, aos Af-
fiiclos.
n
oi.ts
Ama
Precisa-se alugar urna escrava que saiba bem
cosiohar e que seja fiel
46, loja.
na rua do Queimado o.
i
-^MM
m

gaas-Verdesn. 2i,a prett Mara, de naeo Angola, seja diligente para leitor de um engenho, da-se
parece crionla por ser bem fallante, representa ter bom ordenado, e mesmo nao se duvida dar um in-
idade de 3o' a ;i6 annos. estatura regular, acha-se eresse, prefenndo-se homem casado : quem se
grvida de 6 para 7 metes, tem a cor nao muito julgar suficiente para desempernar esse lugar,
preta e tem vicio de beber, costama veader agua annuncie, ou se dirija a praca da Boa-VisU o. 32,
e lavar r-upa nos chafarizes da riheira, pateo do lU"5 ah lira.
Carino e rua Imperial, tem falla de denles na fren-
te, e levou vestido de chita rxa com saia azul e
pauno da Co-ta -, o sigoal mais saliente para ser Precisa-se de urna ama de leite : na rua nova
condecida ler o dedo polegar de urna das maos de Santa Rita n. 53, segundo andar. Paga-se bem.
oveiro: quem pegar leve a' casa cima, ou a' rua -------n- r.n,o.i.,.- h .;,,,....... .* a
doQueimido,,o^n.6,que sera'bem recompen- c~^ O^m^JtSSilSS
m
Ama de leite.
Dentista de PernambucoJ
\ f:ua estreita do Rosario n. 3,
ao pe da igreja
FRANCISCO PINTO
C'oloen (lentes artlflciaes
pelos yatcuias mais mo-
dernos
Emprega todos os meios .cientficos para
cuoservar os naluraep. Pode ser procura-
do em -en gabinete das 0 horas da ma-
nbaa as o da larde.
salo.
, que se
Maman guape liquidando a casa que all tem), de
esappareeeu ha 15 das de casa de sen se- sejando estar a par do passivo do dilo senhor, pa-
nhir ama preta de naeao Anglco, de nome Maria, ra Ins dar dinheiro a proporco que Ihe forem
ida le, p miro mais ou menos, 50 annos, altura re- ehegaedo os alsodoes, e mais gneros remetldos
guiar, tem urna dor prxima a munneca de um pelo sen comrnitente, sendo que ja existe em seu
dos braco, que agarrndole nelle, ella doe-se, poder alguma quantia, convidara os Srs. credores
le^ou ve.-tido de riscado branc com chuviscos r- para que Ibes enviem as suas coutas at o dia 10
xos, saia de algodczinho, camisa da mesma fazen-
di : m.-a-se ;i pessoa ou aoloridade que a pegar,
a conduzaa' rua de Santa Cecilia u. 18, que ahi
sera' gratificado generosamente.
No oa 21 de marco de 1865 fugio da povoa-
cao de Santo Amaro de Serinhaem um escravo de
oine Loureneo. pertenrente ao abaixo a-signado,
a qual tem as stgnaes aegaintee : baxo, grosso, a
c.al)^5a bem cobeita de cah.-llos e sobrancelhas,
olhos pretos, nariz chalo, bocea pequea e com to-
dos os denles,os quaes sao limados, bem bordado,
bracos grossos e cabelludos, tem dous enchacos
as juntas das mfws, bem visiws, na direita mais
que na es pierda, pernas grussae e cabelludas, 6
natural de frica, trabalha de earaptaa, pode ler
25 annos d- dale : quym o prender e levar a'
estacio de Ribeiro da via-ferrea em urna casa
junto a mesma eflaeo, onde mora o abaixo as-
signado, recebera' todas as despezas, e sera' bem
recomp -nsado. Ha noticia que foi assentar praca
como voluntario. Francisco Xavier Mauricio
Wanderley de Gusmo.
Consulado americano
O consulado americano acha-se mudado
rua do Imperador n. 63, primeiro andar.
de agosto; tanto do que por ventura estiver venc-
do, como do que se tiver alada de vencer; pois
pretendem logo depois desse dia dar comeco ao
pagamento. Raa do Vigario n. 2.
Phipps Irmaos & C.
Precisa-se de urna ama para casa de homem
solteiro em Santo Amarinho : a tratar no pateo do
Paraizo n. 16.
enea
preciosas e objectos de|f
-nro.
Mauricio Selbeberg & C, Polacos, par
ticipam ao respeilavel
[lublico, que ac-
bam de receber urn grande sortimento
de joias e brilhantes, como sejam : relo-
gios, trancelins, aderecos completos, an- :^J
neis, cadeias, pulceiras etc, etc. e tudo g
quanto diz respeito a joalheiria, pelo pre- S
co o mais razoavel possivel, e mesmo g
troca e compra objectos do ouro, prata e ***
ti diamantes por objectos novos : na rua d
do Queimado n. 29, entrada pelo largo
$g de Pedro II u. 27, de manbaa at as 9 fi?
mt oras, e a larde das 4 horas em diante. *j&
^ Os objectos vendidos pelos annuncianles ^
$K sao garantidos por elles, e estao promptos ;'-.
'"M para levar objectos as casas das pessoas .*:
t que desejarem comprar, urna vez que |5
J3& nao possam vir a seu estabelecimento. SR
Aluga-se a loja do sobrado n. 17 da rua da
Imperalriz, com bons commodos : a Halar no se-
gundo andar |do mesmo.
fiSfe
FJMMClO
DO

na rua do Rangel
para a
Precisase de urna ama
n. 38, segundo andar.
Precisa-se de urna ama que tenha bom leite
para amamentar urna crinca de tres mezes : na
roa Direita, sobrado de um andar n. 81, se dir
quem precisa.
Una pessoa habilitada se olerece para en-
sinar primeiras letras em algum engenho: quem
precisar dirija-se a rua de Santa Rita n. lo.
Precisarse de l:50O a premio por seis me-
zes, com garanta em um predio nesta cidade : a
quem coayier annuncie por este jornal.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva : na
rua larga do Rosario n. 35.
O abaixo asslgnado notando que o contador
interino co geral no Diario n. 180 de 8 do corrente,
em vez de responderaiautor da pergunta no mes-
mo Diario n. 175 de 2 do crreme, se dirige ao
mesmo abaixo assignado, que nada Ihe pergunt iu,
pois apenas deetaroa que nunca exigi e nem Ihe
fot contada estada pelas tnlimneSes por elle fetas
aos advogados e solicitacores dos despachos e sen-
tencas preferidas em autos, vem novamenle fazer a
mesma declaracao, acrescentando que nao foi con-
testado por aquelle contador em o seu annuncio
inserto no referido Diario n. 180, do que se con
clue que essa contagem tem sido somente em fa-
vor de outros escrives I Recife 11 de agosto de
1865Manoel Joaquim Baplista. .
Na praca da Independencia n. 33, loja de our;
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e:
tambem se faz qualquer obras de e^commenda e
odj e qualquer concert. _______________'
K
.o
Aluga-se urna escrava para servigo interno
e externo de nma casa : na rua do imperador nu-
mero 50, terceiro andar.
Panno de algodo da Baha da fabricaTo-
dos os Santos -tem para vender Joaquim Jos Gon-
galves lleltro, no seu escriptorio, rua do Vigario
n. 17, Io andar.
Aluga-se urna mei-agua com port ejanella,
quintal, cacimba ; tima dita sem quintal, porra
Quem annunciou vender ou hypolhecar urna com soto, prego do 125 cada urna ; urna dita por
escrava de 22 annos de idade, apnareca ua rua da 8000 : na rua do Gazometro, a tratar com o Sr.
Concordia n. 61, das 6 as 8 horas da manba. iValenca.
Previne-se a alguns assiguanles do bairro da
Boa-Vista que se acham em atraso de pagamento
daassigualura deste Diario, que bajara de manda-
las pagr na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia, visto romo ha difuVuhJade de se acha
rem em casa sempre que e cobrador os procura
e nao possivel que elle Ihes facam scntinclla a
porta, abs se fara annunclos chamando cada um
de per si para pagar, por nao ser possivel Ir 48
vez s cobiar lo pequea quantia como acontece
a um dos mesmos.
Sacase sobre Lisboa e Porto : na rua de Apollo
n. 28.
Ama.
Alnga se urna escrava para ama de urna casa de
mogo solteiro ou de pouca familia, boa cozinheira
e sabe comprar bem : na rua de S. Bom Jess das
Crioulas n. 3.
Precisa-se de urna mulher para casa de fa*
milla, que saiba fazer toda a qnalidade de costura'.
quem estiver as cirenmstancias, apparega na rua
do Qaeimado n. 19, rival sem segundo,
Precisare
Precisase de.officiaes sapaleiros que-sejam
perfeitos no trabalno de ponto c laxa : a tratar na
rua da Cadea n. li, loja de relojoejro, que achara
com jufjn iratar.
Rua la i!mea numero 38.
Neste estabelecimento acham-se venda os se-
guintes objectos, lodos da primeira qualidade, e
construidos especialmente para esta casa, pelos
mais acreditados fabricantes inglezes :
Machinas a vapor de 2 1|2 a 8 eavallos, com
moendas, juntas e sem ellas ; e tambem proprias
para descarogamento de algodiio, afamadas pela
forlido, simplicidade e economa em combustivel,
e por nao precisar de obra qualquer para seu as-
esn lamento.
Rodas d'agua de ferro, syslema mui proveitoso
da torca d'agua.
Bodas de espora, e angulares, e de esquadrilha
para ammaes.
Moendas e meia-moondas.
Taixas de ferro batido e fundido, e de cobre.
Machinas para descarocar algodao, systema
Platt, com os ltimos iiielnrameiilos.
Boceas e envos de patente para fornalhas, dmi-
nuindo muito o gasto do combustivel.
Machinas e machinismos para moer mandioca,
movidas a vapor, agua ou cavallo.
Fornos e chapas de ferro balido para coser fa-
rinha.
Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes, fuos e portaiils.
Prensas para copiar cartas.
Rodas'para carro de engenho com eixos e man-
gas de patente.
Formas de ferro batido galvanizado para purgar.
Serras de ac e armagoes de. senaria.
Arados de ferro ingelos e dobrad is, grades para
cubrir caima, encada* a cavalio, e outros instru-
mentos de agricultura.
Samuel Power Johastuo &Ooujpan!iia
Rua da Senzaia Nova n. 4.
AGENCIA 0A
Fuadicao de Low lloor.
.Machinas a vapor ie 4 e G eavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
de urna familia que seja capaz para morar com
outra no pateo do Tergo n. 11 : a tralar na rua do
Queimado n. 15, luja de ourives._______________ Arreos d carro para ura e dous eavallos.
Insrnc?ro primaria Relogios de o:.ro patente inglez.
Acha-se aberla a matricula da 2" cadeira de ins- Arados americanos,
truegao primaria do sexo femenino da freguezia i Machinas para descarocar algodo.
da Boa-Visia, na rua da Gloria, casa n. 12. I Motores para ditos.
I Machinas de costura.
Vmho do Porto superior un raixa de (finia,
lem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C-. no seu esmptorioraa da l>nz n. I.
Vendem-se sacros rom fannha da ferra mni-
lo boa, com 22 ruas cada nma. a H-S-' : ao ar-
mazem da rua do Imperador n. 83.
Yvhs iio l'nrlo
das melhores marcas, em raixinba- de nma duzia
de garrafas para rasa* caniculares, endo : Lacri-
mas do Oonro, Duque do Parlo e I).Luiz ; Imilem
tem ancrelas de dcimo encapadas com Miprn.T
vlnho, barns de 5* e 10* em pipa : na rua do Vi-
Sario n. 19, primeiro andar.
Vende-se um moleque pega de infiTll an-
nos de idade, proprio para pagem : as Cinco
Ponas n, 114.
Vende-se urna n-criuba que j co*e ViriT-
mente e muitocarinbos para manca* : a tr^i.r
no aterro da Boa Vista, loja n. 20.
Vende-se urna caderinha de ar uar qm-i ar
va, toda f.irrada de s,ia e |M-r pr-ro r.>nin. lo : a
tratar na loja n. 18 di rua do Ouiiiud".
Vende-se
ha-ato um piano de mesa wn petfrilo e.-i;do, na
troca-se por ama machina de costura : na rua da
Cadea nova n. 15, sobrado confr-nle ao aturo da
casa de deiengo.
Acba-so
vrnda na livraria acadmica, na rna do (mira-
dor; na do Sr. Haf ui ira, jnnio ao arco de Sanio
Antonio ; e na lypograpbia imparrial, na roa es-
treita do Rosario a compilagao de loda a lepla, ao
tendente admnslrago, arnradagao e Sscaii-
sagao dos dinheiros de orpb.s deunlos e apea-
les, beran?as Jacenles, legados, ic^ cmienil nao
s o regiment de cusas e a le geral da* rwo-
ges, como tambem todas as afanan e ati-o* do
governo. que a tudo lem explicado, tanto a resurt-
i das nbiigages inherenies ao car(to dos ililT-r-r-
les empregados de jusliga e fazenda. rama nnV
re tos nacionaes e emolumento qn<> *$., aVaiaV a,
Este livro conlendo mais de 700 paginas em mit-la
impresM'io e bom papel, e prestndose a niilid-!^
de differentes classes, t-mase r.e, n,n;. n,|-.. .
Seu cusi 10500 por rada exemplar rm .t.-u*
lomos.
perderam-se
Vendem-se no engenho Meguahip- Je b^ixo
doas animaes de mn, sendo orna testa e an
quarlo castrado.
ktlencao.
dous carles de visita, um com o grupo de um ho- i Precisa-se alugar urna casa terrea, sendo as
mem, urna senhora e duas criangas, e outro com o \ ras Santo Amaro, da Paz, das Flores, do Sol, da
retrato de um cadete Ia sargento : rogase a quem Palma, principio da rua da Concordia: quera l-
os liver achado o favor de entrega-Ios na loja- n. 8 ver annuncie. ou dirija-se a rua Imperial n. I.
II da rua do Crespo, que se gratificar.
____ Alogam-se dous grandes sobrados cora com
0 senhor que annunciou precisar da quantia modos para numerosa familia, novos e aceiados
de I:o005 sobre hypotheca, dirja-so a rua estreita; cora jardim, coeneira, estribara e ouiras commo-
do Rosario n. 3, das 9 horas era danle, que acha-didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira:
i r com quem tratar. I a tratar na rua da Seuzala Nova n. 42.
Vende-se a labrna sita na rua da Aurora n. 71,
muiio afregnezada pr.ra a ierra por ser em aaaa
lo'al, iiois se vende por sea proprietano qier-r
retirar-M para fra da provincia : qaem preten-
der dirija-se a mesma a' iratar.
Vende se um cavad > ra baixo, minio novo e em achaque, bom de sella, <
niel hor ser para carro por ser gran ie : na rua
di raes do Collegio, loja de fazendas n. 12.
.\"o sillo do Toque vendem-se b as cabras
paridas ha pouco, e por baixos precos, por evitar
inconvenientes que por neobum oulrj
ser removido--.
'




Diarlo de pcrnamlmco *. Segunda elrt 11 Je Agosto de !*.
O PUBi
eni o menor consiran-
glmenio se entregar
Importe do genero que
nao agradar.
^%
ATTENgftO
< presos da segulntc
tabella 6 para todos, po-
lendo asstiu servir de h-
se para o ajuste de oonta*
com os portadores.
A LEGITIMA
***
ESTABLECIDO A RA NOVA N. 60
san *\ uittiiiA a ai iDaaunwih

AO
-ra dos gneros que precisaras e qtianrlo n5o possam
UESPEITAVEffi PUBLICO.
A apreciacao dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
em da Liga estahelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento "de molhados,!
que sendo em sua max m i parte mandados vir directamente do eslrangt iro'podem ser,
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o 0,s
pnmeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiancar, com toda a seguranca de que I ,r:! F
Minteiga mgleza especalo ente escdhida a
i.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
Idemfrancezaa maisnova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cb hysson de superior qualidade a 2,600
p^SaT'Se"'!? Sdrihos'" cerveJ'a' vinhos finissimoyman^ mais superior do mercado a
to bem ^miir ^ ** COndC3 d fre8UGZ' e"e deve Cn,ar qU6 Ser Sempre mU* I Wra^n'olilo'superior em latas de 15
libras muiloproprio para negocio a 2,000
rs. a libra.
nacional em latas de 1 e 2 li-
querem vender, ia^TLZJI 2I6'
Os senhorcs de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-. "ZTJKlS! JB **' i
gociar.devem vir, 1 elo sen proprio interesse, a este estabelecimento para se convence- Linguicas rmiito noVasa 800 rs a Mhrae^m
rem do quaeto se pede vender barato. barril se fM 1
Para os senhor s que comprara para tornar a vender existe um sortimento 1 spe- chouricas o nafr* a SS a tihn
cal, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve aura iar aos senhore> r nslPi|ptay
compradores.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da ConceMo)
PARA BEM DE TODOS.
Senhnre* f-'nhoras, o aceto qne presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais me ludo a nrnmntMv .
une serao trat)33*. jnvida a urna visita ao mamut mmm m, c* fia*iA* ma .*,* '....- d "('P''nao e
era com que serie tratri)*, jnvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me dao a nroteccan p nr-iSn
ra dos teneros me nrecsar*! p imanAn n3a nnecom ,; n(>^n^A mnj._________.i____ ,' v u i"e'* n
mle-
ria na rom-
uE
feria i y 1 neohum outro o exceder no restricto cuuiprimento das seguintes promes'sas:
V Delicadeza no trato.
2.; Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posico social gozara de certo tratamento, acharo nesta
* V^ u I 4..,..,..w w ,,*.-<., 11 |ruiiL'iau aonarseus purauores, amua nue estos phm nnnen nmiv.
serlo t3obem servidos como seviessera pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacSa, nfim de qe no vio eS
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte far5o mensalmente urna economa de '.
muitas patacas, afreguezando-se nesU casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-' dem hvsson
teiga oassucir^'c, ele. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po- hras ,in
dem ou nao querem vender. ,Anm ":'
"tt; sfr,ariffi a 4rs-a ^rrtSL- r- ,,c '*>*
Massa para sopa : estrelinha, pev.de e rodi-'[ gerveja ra, ca''dasm"'
oba branca ouamarella a 4o rs.a libra e i que
3,ooo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas
35,000 rs.
mpa
reas mais acreditadas
em ao mercado, a 5oo, 56o e H4o
a garrafa, e 0,800, .ooo e 6,000 a do-
na.

! 1 1 .
ir podero mandar seus portadores, (. I; (( ;|a
I n (iritdades uiim 1 ,
;,l'l rovada pc!.-i unir 1 1
'i'1 na; usara mmprifii ii ai -
vis militares e da maiin'lia na-
no continente aaMrirann rer(
beulutivos oa maia 1 isliaett de i
Urasil e ia Amrica licspa;,!. I
CUEA BADICALMESTE
ue b canadaaa.uyadinha de Franca muiionova, a 2oors. escrophlas.
riIEPAilALA UXICAMIITE POR
IAXHAa & KE.UP.
inglezas a G4o rs. > libra, serve
dJr a Ase ,cm p""a'10 sacrifcios'ncm se dciMri de fmr a diligeDCia para asra" ^ "SfSSSLXSS
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE %***"**"
A DIMIIEIRO A vista: "SSSWS rKe de s,,peri"r
Ghaixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada Mera pratoa 800 rs. a libra, e inleiro se faz
urna,
para cima a k
KIRSCH de Wasser a 2? a garrafa.
Vinho era pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, ioo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
p. a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,5oo.
Vinho branco para missaemcaixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a I6,ooo,I5,ooo,
t2,ooo e 10,000a caixa cora I duziae9oo,
l.ooo e l.ooo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superiorqualidadeal6,000
a duziae l,5oo rs. agarrafa.
Sardinhas de Nantes
Uiarutos do aflamado fabricante Jos Furta- fermida
ALPISTA a 120rs.a libra.
dem e painco de oito libras
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 28o rs. a libra.
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todo; os ta-
annos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem ilem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Aliios a 200 rs. o molho.
Ahsymho a 2>00i> a garrafa.
IB
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a d5800 a lata, e
de cinco para cima a I700.
dem de so la em latas grandes a 2000 e
de cinco para cima a 1-3800.
BrscoiTos inglezes de todas as qualidades a
1(5200, l2o e 1,5300.
Bolo francez em caixinhas a 400 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Bamia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 000 rs. a libra.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a l#o00 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 210 e 2G0 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7(5000 a ar-
roba.
Conservas em Tascos a 320 ra. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 1^800 a duzia.
Cbrvbia da superior marca Tenente a oOO rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
Idem Victoria Bas tres X e de nutras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : N >rmas d'Havana, Expsito,
Flor do Bras I, Par sienses, elicias, Gua-
nabaras, Trovadores, hegalia, Mississipes,
Panetellos. \praziveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cu A de todas as qualidades e de todos os
precos, liyssoo, huxim, aljfar, preto, e
preto poata branca, ele etc., a 2000,
2o2 (), 253t$0 e 2j800.
Copos lisos de lodos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de lodos os tamanhos a du-
zia a 2*500, 3i5300, 4 e 5.
do de Simas, uas seguintes qualidades*
Exposicao Normal de Havma, Imperiaes
Londrinos, Guanabaras, Parisienff?, S:;<-
piros Delicias, a 4,000, 4,000, 0,000,
b,ooo e 7,oooa caixa ou em neias.
Charutos linos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
rtinas de Havana, intermitas, Vencedores,
a 2,ooo, -_\*;oo e
le
antii
rheumaMsmo, !< \
venreas
o"
Roo
na com
I LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra
.VI
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 14, a libra.
Mar.melada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharlh a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas,
abatimento. | Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
dem suisso o mais superior que tem vindo | barrica e 320 rs. a libra.
ao mercado a t>4o rs. a libra. Bolachinhas de soda em latas de diversas
hmiiias e favas portnpruezas ja [ireparadas qualidades a l,3oo rs.
tas hermticamente lacradas a 64o. Cartoes com bolo francez muito proprios pa-
Feijo verde muio superior a 040 rs. a lata.
Copos lapidados para rs. a duzia.
dem idem para vinho a24ors.,e2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespaahol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oo rs. a libra.
Espermacele superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e era caixa se faz abatimento.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....Peixe em posta ein latas hermticamente la-
Massas finas para sopa branca e amarella a eradas e das melhores qualidades de pei-
60 rs. a libra, em eaixas com 9 libras a xe a 800, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordcaux das mireas mais acredita-
3*500.
Miliio painco e alpista, sendo mais de 8 li-1 das que
bras a 100 rs.
NOZES a 120 rs. a libra.
Nados em latas a 800 rs.
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJoo
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francesas em fiasco de vidro com
Panatellas e Suspiros,
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores narras.
1,800 a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,coo a la
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
I Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a 1,80o o cento c 1,2oo solas.
Pablos do gaz a 2,8oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muito novo a ?d
libra e 8,800 a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem viudo ao mercado, a 2,000
a lata.
Farinha do Maranhiio muilo alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com frnctas em calda de diversas
qualidades a 2,000 e l,8co o frasco.
Caixinhas com finetas em doce seca
versos tamanhos, muilo proprias para
I mimo, a l.Ooo, 2,600 e 3,5oo cada tima.
I Roibos, excellente peixe porttiguoz, em
barris pequeos ou a relalho, a rijsta se
far o [ireco.
e mercan
norphea e lodas aa rax
Tenientes d'on estado vicio de
LmqiianiH existen vmias m
ralsifica^oos, prreise 1 maior
evitar (_- (ni.; 1 Si
A legitima Mis: de Brisfel >
CAOBS iV BAUIWtZA
OAO DA c. BRAVl
-
: t
rs. a
libra.
Joo da '". ^svo a ;.
Vend m-se rn c< ile em fas:
Bailioz eJoar 1 Bravo A C.
:.

(le Ayfi
Salsa 1 PAI'.A A CIKA ?-..
MaMNri ra*
iat'ix rs k <
!';(.fr; |
tnzn a*
peMc
;-:; ':. ;:.-. 1
itnw,
: -ci.-'>. rarftBfru,
REUMATISMO
ab
;!e^i-
o
Ostras inglezas e americanas.
I
PEIXE em posta, latas grandes, a 1$(.00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc.,!
Peras em latas, excellente preparacao.
lampa do mesmo, a 15oo.
8.000 alL" r4re~7dr;,^r- A*M-n"^-
rafa.
Genehra de Mollanda a 48o rs. a botija de
con la certa.
tamanhos com bonitas
cada urna.
estn pas na ca-1 8 garrafas por 600 e 800 rs. a par-afa.
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, i\8ooe2,ooo Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. 1,,'ioo cada urna ancorela.
: Azeite doce refinado hespanhnl on portugus Champagne da melhor qualidade nue vm
> 900 rS. "'"'''ti li'/inn i f\-v,
Palitos para denles a 120 rs. o mago muito j Arroz do Maranliao
grande.
Passas em qnarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. .1 libra.
Pomada muito nova a -280 rs. a duzia.
Frasqueirasde genebra de llollanda a 6,800 a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
e !* rf- ? frasco- Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
denebra de larania verdadeira em frascos, o gigo com 36 libra-.
grandes a l.ooo e II 000 rs.a frasqneira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Cafe do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-1 8 5oo a duzia
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vass'ouras de escora para esfregar casa a
Cafe do Ceara muito superior a 24o rs. ali- 400 rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. 'pfozes muito novas a 16o rs. a libra.
n
le i qualidade a loo Molho inglez em garrafa -le vidro com rolha
i rs. a libra e 2,800 a arroba. nn mesmni a ,fio rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos molbores fabricantes,
j Q I a 8.k> rs. o frasco.
, dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda fra
a libra.
QL'EIJOS flamengos.
Idem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a OOO rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartlnhas ou morinques a
II
RAPE' Meuron a 10 a libra.
dem Princeza do Rio a l-500
dem francez a 2$500 a libra.
St
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
fiz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25.
Sardimias de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
Sag muito novo a 100 rs.
V
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e prela para escrever.
1..........-nceza em potes j preparada a
|_ f003- i Pancoe alpista alio rs. a libra e 4,000 a Lenlill.as francezas. excellente legme para
I arrTa; sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesdesuperiorqualidadeafio Marrasquino de Zara [Cipriamente dito a
rs. a lata de urna libra e 56o rs. a reta- | .5 a garrafa e 11,00o a duzia.
lh0- Palitos de ilente a I io rs. o maco.
ao mercado, a 2,000 e 3,5oo a garrafa. ?
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos emsextinhas a 80 rs.cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra.
Latas com frnctas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja," a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco engarrafado a 800 rs. a
garrafa.
STFIIllilS
em lodas as y.;-,- (imas, tam
o mal que pn : f< r-xce?'
! Ki l RO
ITfoerafio ?o $am
orc-rn (umma to los os malw <:.
1
SAKf.UE
IMPUREZA DO
E um altrame oden
RENOVAO DO SAF1 ; .
e para dar nova lor.a c rig
enflaquecido fel ene.
Vende-se r..\ ra Direita r ?. M
Hospicio n. ':( .
Vende-se rn Persaad:!
1 a
l -
"
g
1
PHARMACIE FRAN0A1
deP.MARER"*-
RA NOVAN"I

FIGADOdeBACALHA
V
VIN H O S !
!
Clices de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 1-3500 rs. a garrafa. Principe Alberto, de 1831, a jSOOO a gar-
Cigarros do Bio, pardos, a 8j rs. o uiacti | rafa ; d vida aos velhos.
de cinco macinhos. | Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 1(5500 a garrafa.
DOCES de todas as qualidades: brasileiros, J??16 ott!lorUsl[&&*** a 23 a garrafa.
uortuguezes, inglezes, francezes, etc. etc. p,u',,,? a !*.2 'flSx;
F b .ww Chamissoa Id, 1,5200 c 1^500 a garrea.
E D. Luiz a 1$ a garrafa.
ERVILIIAS seceas a 120 rs. a libra.
srvaooce a 400 rs. a libra.
Grande exposicito de fa-
zeudas.
Que esli a venda, na loja e armazem da Arara
ra da Imperatriz u. 06, Lourenco Fereira ilen-
des Guimares.
LZIXHAS A 240 Rs. t
I.AZINIIAS A 240 lis. I I
LZIXHAS A 240 Rs. t !
Ha um grande soriimento de lazinhas chioezas.
chejiadas pelo uliimo vapor, sendo fazenda qoe
<|iiHesf|er loja vende a 400 rs., esta se vendendo,
na loja ria Arara pelo diminuto prego de 240 rs.
o rova-lo.
MAAI'OI.O COM 24 JARDAS A 45300 t
MADAI'OI.AO COM 24 JARDAS A 4o00 I t I
vende-se madapolao com 24 jardas e garantio-
do se que lem 20 varas, pelo barato preco de
45500, 550OC, 65000 e fiASOO.
BRETANHA DE ROLO COM 10 VARAS
A 251*00.
Vende-se nrelanha de rolo a 25800 a peca, so
tiendes Cuimares.
MADAPOLAO ENFESTADO A 35000, 3500
E 4501KI
MADAPOLAO ENFESTADO A 35000, 34500
E 45000.
Vende-se madapolao entestado pelo o barato
preco de 35. 35500 e 45 a peca.
COLCHAS DAMASCADAS DE FSIAO.
Vende se as mais modernas colchas de fuslo,
tendo de todas as cores a 55300, ditas (raides a
61000, dirs de damasco a 4500o, dias ae chita a
25240 e 14900, isio s por a cahar, na loja e ar-
mazem da Arara n. 50, Alendes Guimares.
.HITAS FRANCEZAS
da Liga?6"6 dCe refina,,"em PefIuenas la(as a 5C0 rs. a garrafa : no grande armazem
Saceos de 80. 100e 120libras a 4,0,4,5500 e 55 ; no grande armazem da Liga.
'
< I
e
fin
,. /.
*.
dmira : na
Vasconcellos & C.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 23 a gar-1 chtas FRANiEZAS Vb,To1SoE w,R
1 rafa. 320 Rs. O COVADO.
Carcavelos a lf?. : CHITAS INGLEZAS A 200 E 220 R<. O COVADO
Colares a 900 rs. a garrafa: o nico l^t^T**' '"ar"?s ,,esi,|niros a ****50
i ,,i,n J ?n ,., P a peca, lamU-iii ha um grande soiomemo de cam-
nho que se pode beber por nao ter com- i-raia brancas que te vemiem a 35 35300 45
posico alguma. 55. G5 e 75 a p.ra.
Lanlerne a 800 rs. a garrafa. CHALES DE MERINO A 2-000.
Bordean liane, a 800 rs a carrafa Lencos de camhraia com barra de cores a 15800
lILm S II- ona onn g37 i a duil;'> ,,i,' rie l1i'a NP1SW l* 6 25400 a dU-
Mem S. Julien a 600, 800 e 13 agarrafa, na, t Mondes Gormar**.
Absyniho a 3 a garrafa. calcas de RitiM de LINHo.
Kirsch a 23 a garrafa. ; QJe"de,!.e de l,rim de '"'"o a 33400,
Werraouih a U, e a caixa a 183. S^f *"* de aldo a **'s Mtndes
I ?'u,er M*urer a 13 a garrafa, I soniambrqoes de cores, vende-se mnito barato,
Farello ha sempro cm deposito de 500 a Vinho figueira em ancoreta a 203. di,0< K^sdcuapie preto, capas preas i vista s
800saceos, de todas as qualidades, de to- dem Figueira e Lisboa em pipa a 245CO a brn'Il?'S2?BO r ..
dos os tamanhos e de todos os preCos. caada* l 't^WWi^tBg'
FARINHA SSSde 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
dem de araruta a 320, 400,500 e 800 rs.
Figos de comadre a rs. a libra.
FeijAo verde era latas a 600 rs.
Favas em latas a 500 rs.
Fimo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano em latas a 15.500
Madapolao muio fino com pequea toque de avaria, por preco que a
s columnas na ra do Crespo n. 13, de Amonio Correa de Vas'concello
sf = e-r-Ks lis-" gil
m
ir.
loja gt
g 5. S J s? u
b 8 = s* =-
%-?'a> 2..
C 3. O o,
3 Ci -^
O v. ora
o. a
3d
' =\- =5
g^ c.3 ='*5 ?-
a
= c
l'SSS.fS-.^SSLfa.
3 =.S
f'gSaS.S'S'S
3 CC *
2. O .
O -J
09 O
if|8
Ji" s
S=. K-
*
1 o.
o
Para deslrair r>ios e baratas.
Prepara^ao ingleza recentemenle chegada : ven-
de-se em potes de barro, na travessa da Madre de
Dos n. 0, armazem, a GiO cada um, e duzia a
45800.
Taixa de ferro
Qaem pretender comprar a laita de ferro coado
com 6 palmos de noeea que se *cia oa estaco de I
Frexeiras, pode entenderse ceno Sr,Sena Santos
no sea ifinho Frecjras, oa na na o Impera-'
dor n. 42. >
Calnugas
ntremelos transfiartDles 800 rs. ditos tapado
a 15, ditos | ara bab.ido a 15000 cada cma tira.
ROLPAS FEITAS.
ROL'I'AS FEITAS.
ROPAS FEITAS.
^e^Mfe?J^se um sorlirnenio de roupas feitas de
finos e brfnquedos
para meninos.
Lhegaram para a loja de miudezas da roa do
Queimado o. 68, os mais linos e lindos calongas
tanto para brinquedo de meninos como para cima a* 9aa'',,a''es> (lue a wsU Je li,ra prego, e
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor- oulras "noftaa mais fazendas que se dixani de
timeoto de miudez:s. annunciar, ra da Imperatriz n. 56, Mendes Gui-
-------------_----------------------- ------------------_ maraes.
I-uvas de pellica. i__________________________________
Receben pelo ultimo vapor lindas lavas de pelli- Vendem-se eaixas de cigarros de estramooi-
ca de cores e brancas para homem e senhoras: s co para asniathlcos, vindas de Pars, por preco
rS o 3 o
ffisl
B> ?
C
I
-
O
2
o .
su u
O i-'
03 _.
5-t=p
5, o>

O
o
s
i LOJA DO BEIJA FLOR
Na roa do Queimado n. C3.
Tendo recebido um soriimento de re e-
cas de choro, que chamam papai e mama i.
com cabel'eira de cachos.
Tendo recebido um variado soriimento de
I brinquedos jiara meninos, sendo eapadaa
.espingardas, pistolas, tambores; ditos
para meninas : apparelhos de almofo e de
jan'ar de porcelana e de metal, porta- cor
efaquinhas a 280 rs. o par ;e nao queren-
do continuar, vende miis barato do que em
outra qualquer parte.
Vende-se liras bordadas de dilTerentes
largurasa lf5, e baados, collar indos e pu-
nhos para senhora, bordados e abertos de
renda e lisos, os mais modernos que se
podem enconlrar.
Vende-se Lia para bordar de diversas
qualidades e de cores clara* a 7 a libra, es-
----------------------- ^
P eo processo de Cbrrnrr, atenHcnt n
Parta, rua 4o Fa*Aa| IraNMarlr 2
Este oleo de u; diciroagrm
um saborassucarado n v
iiein o gosto, neni o ckeire o )>
jecio de numerosos relator s > i
mdicos, esle mdicamente que .
Franca de um SOCCCSM Uto raro com.
merecido, > receitado iiatimmwU
principae* mdicos dos Aoap/Mr; U !
0 oleo nr: ficaik) ri: BACALAa ano > -
oo FKiucr.voso emj'iega-se com os r*
sticcessos as molestias em que .-e arapiesa
o oleo quamlo sao acompanbfias
diiilr uta ,.
Deposito Bfrat :<.. PerraM^TMa r
Crn -\^i ero !? i Ctrot A ';->?;
de tr.\>i i aa* i na.;
desearocarafgofj'c
FAfcEICADAS
Por Plant Brothers
OUAI
&

i


-:.
4
:.

jM&T :

i..'
I
:'''.,
... i
asa :
un
par .
r..' ,j.
te

l
I
-
Assim como machinas para serer i. % .
animaes, que descarofaai x arrola -
Umpo, por u,a; e motorts paia mover uo i U*
eutr?s desaas machinas. ,u*-'
Os raesmostem para vesrier
um '.'-i. -^ ._-
i pode fa:er mover seis A
para o que coavida-*,
nn i pelhos de columnas de Jacaranda a 500, S?adas; -
para cstojos de navalhas,
Colhercs de metal principe.
: Vende-se colheres de metal principe para
tirar soupa a 2#, ditas para cha a 2^300,
ditas para soupa a 400 a duzia: nesta
loja .^e encontrar sempre um grande e va-
nado sortimento de miudezas: rua do Ouei-

i
I I -'
Ta\so IrmSos
veBdemgejso erar para cstunue de casas, lijlos mado n. 63, loja do beiia-flor
finos de feio diversos para laiirilho, azuleijos de
diversos gostos, tijolos vidrados para parede de co
2W f be'ja-fl0r' ua rua d0 Qaeimad0. r.i,?.crmldo : a numero 63.
; Boa-Vista) loja n. 63.
I barris de 10 arrobas.
Farinha de mandioca
mo Lniz de Oliveira Azevt
criptorio roa da Cruz a. i.
no seu es-
Saanders Brolhers k i.
X. II, praca doCorpo H&r.t*
RECIFE.
Os nico agentes ces:e pait.
Attem.ao.
Vende-oaloj de miudezaa n.
da Imperal f com pouco fundo
na mesma loja.
Veodem se Ires o*erava< ir, i-as rooa
dades : a tratar na rua de a^jIu d. 18^
70dw rua
a tratar
MI-


1
Diarfo de Pernaiubuco Segunda fiara 14 de Agosto de %8G*.
13
r\
GEN 110S BAUTOS A DINHEIRO
NOS
gandes m\im de ioliudosjsj
KS SI IITB Ia pa
fil Ul
21 Pateo do Carino a. 9 armazem Progresivo ra do Queimado n. 71 J gj
f* Utiio e Commercio ra lo Imperador o. 40, 11 j
J Principal armazem de moldados. eso
i PROPRIETAIIIOS*
Fazem seiente ao respeitavel publico, e coin especialidade aos senhores de en-
?en'ios. Iwradoresemspessoas do centro, que para mais facilitar suas compras neii-
beraram os proprielarios dos tres grandes rmaseos, reunir todo; os seus estaoeie.i-
mentos em um so aonuocio, pelo qual o proco de um sera de lodos, proraetie-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os geieros
por um preco, e ni oecasiao da compra quererem por outro, como socide constante-
mente em oulras muilas casas, porm nos nossos estibelecimentos nao se dar sio
anda mesmo com prejuizo nosso, qudquer pessoa poder mandar seus fmulos que
Bei-o tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas Cefradas; para evitar qualqucr engaos, remetiendo us urna conta
pela qual se ver os precos Ul qual amiuuoiaruns, o que senao arrepender po3aoa
sgoma que fuer sia despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais ae
5&por cento na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza perfeiiarnente flor chegada dem com l a 5 ditas a 35200
u '.mmenle no vapor Saladim, de 15 dem vastos de todosos tamantios a2$00U,
a 15120 a libra e em barril ter abat- 15500,800 e GiO rs.
meto Queijos d 25300 a 25300 os mais frescos. /
He.n francesa rauito nova a 15 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
em barril ter abatimealo. 25000 a caada.
Banhl de porco refinala a 610 a libra e em dem mais baixo a 200 rs. a garrala e I#W
barril ter abatimento. | a caada. |
Cha oxim de superior qualidade a 20600. Aze, te doce de Lisboa muito Qno a 609 rs.
dem perula miodinho a 25700 a garrafa e 10600 a caada, |
dem nvsson especial qualidade de 25500 a Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 400,
25600 a libra a libra, e em barrH de 5 arrobas a
dem preto muiw especial a 25000 e 25100, 10500 a arroba.
- libra. Cerveja Bss do fabricante Slilers & Bell a
i


1&3U
'M Largo da
jjgCrnz
l^piina
o
i
<
DE
5g8PiIA.:S
11111
. I'v,V,rol)rl,;,ano do ja muito acreditado arraazem de ...
rara mamante, continua a ter o mesmo sortimento de gneros de primel
A aglate tabella sirvira' a todos de base para ajuste de comas aos
. """ ^raazem vender' mais barato e melhores do que a Auro
meira qualidade.
aos portadores,
urora Jirilhante, ja'
dem do Rio em latas de 45000 e a 800
libra.
Latas con biscouto de todas as qualidades
a 1500.
lioiii da creditada fabrica de Biato Antonio
(Lisboa) proprias para da; a doenles a
3 e 35 a lala.
R .....\iolia ingleza milito nova a 35500 a bar-
i -i e a 240 rs. a libra.
com I olaxinlia de oda e oval a 25-
silo inglez para fiambre cliegado no
uno vapora 8J0 rs. a libra.
o o paios muito novos a 900 rs.
ora.
i..; vis com macarrao tdharim muito novo a
S5000 e 320 a libra.
A stra branca e amarella a 500 a libra.
C i ilate portuguez de especial qualidade a
8 > a libra.
Doce da casca de
meta libras segu>
Ido sS eTbo^s.ementeenfeiuda. .Mem.y.retas Mane l Peixoto da Silva
conteodo pera, pes^goj ameixa, rainlia.
e miras frutas a 35000 cada urna.
(j.'m em calda em laias feixadas hermetica-
inente muito bem enfeitadas, contendo,
p 'i .i, pesego, ameixas e outras frutas a
65500 a duzia c 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 65000
a duzia e 560 a garrafa. .
dem marca H Victoria Alsope e outras
muilas marcas a 55 a duzia e 500 rs. a
garrala.
Sabao primeira qualidade a 220 rs. a libra;
e 21o em caixa.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabao ingle/, superior a 180 rs. a libra e;
16') rs. em caixa.
Gaf primeira e segunda sorte a 75000,
75500 e 85 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Miranhao 35200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 25600, 25800 e 100 rs. a
libra.
nos a 15400 xa-ue 3imas ^ose PUI ldt
le goiaba em caixes de 4 e ge* Loodrinos a 55, dem.
imu-, i \ s tiO e 7U0 a lata, liinbem temos latas
grandes a 15200.
Mannelada des melbores fabricantes, em la-
tas de 25000 a 152)0.
dem em Utas de I 1{2 libra a 15.
dem em latas de 1 libra a 640 rs.
Erolhas em latas ebegadas neste ultimo va-
por a 700 e de 5' para cima a 640 rs.
FeijSo verde ou carrapalo em latas j pre-
parado a 640 rs.
Am ixas em fraseos de vidro a 15500.
dem em caixiobas ricamente enfeitadas de
I -200 a 25500.
Conservas Musida mido novas a 700rs. o
fraseo.
Id' ii de ceblas simples a 700 rs.
taoloo inglez a 640 rs. o frasco com rollia
de vidro.
M tarda em p a 700 rs. o frasco.
:. preparada a 320 rs
La is com massa de tomate de 1 libra a
i] 10-rs.
Idena em latas de 1 12 libra a 900 rs.
Vi ihosora garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do PortD, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Ligrimas Doces, La-
grimas do Douro. e outras nanitas marcas
a 15 a garrafa e 95 a 125 a duzia.
:i Palmella a 15 a garrafa e 115000 a
duzia.
Netto a 35500 e 15^00 a raeia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 15*00
a mera caixa e 55200 a caixa.
dem mece-ipesa 15700 a meia caixa e
35000 a caixa do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 15800 a meia
caixa e 35400 a caixa,
dem jovens de Castanho 4 Fdbo a 25400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 1550) a meia
caixa, e outras multas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 15500 o quartde 5J
a caixa de u:ua arroba bespanliol e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposico de
comer 15500 a garrafa e 115000 a
caixa.
Alpista muito novo a 35800 arroba e 140
a libra.
Painco a iSOOO arroba c 1 \0 a libra.
Peixc em latas j preparado a 15200 a lata
e em porcao 15000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo paralimpir facas a 160 rs.
Esparmacete a 000 a libra e em caixa a
580.
Vcfcfs de carnauba a 12 e 105000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 15800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 25500, 35000
e 45000
j Batatas em gi^os de 31 libras muito novas a
. ni era pipa de t jdas as marcas Porto, 800, e a 40 rs. a libra.
Gomnia em paneiros a 45000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranbo muito alva e nova a
240 a libra.
Svadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito nova a 140 a libra e 45000
arroba.
Caixas com estrelinha, rodinha e pevide a
400 a libra. i
Alhos em canastras muito novos e mauncas
grandes a i 80 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 15000.
Gravo muito novo a 500.
Cominbo dem a 320.
s 15500 e|Ervdoce dem a 400.
i Alfazema flor a 240.
Figo i'iraeLisboa a 100 e 500 rs. a gir-
: ifa e 25800 a 3$i0 a caada,
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vtnho Lisboa e Figueira a 245 a
ancoreta.
I .i branco expecial qualidade proprio para
missa a 56o rs. a garrafa e 45 a caada.
dem mais baixo a 40 J rs a garrafa e 35500
.: caada.
idera do Porto especial qualidade a 800 rs.
a farrafa e 55500 a caada.
Id a B irdeaux em caixas a 75 e 700 rs. a
g .nafa.
.:. Qpanfaa a melitor do mercado vinda de
ssa encommenda ;i 305 ogigo.
mais baisa de 185 a 205
is portugezes e francezes a 15000 e' Amendoas a 400 a libra
I500 a garrafa Nozes mult0 novos a '" a "r
Marrasquino de Zara, verdadeiroa 15500 a'Papelgreve a 45200 a resma.
'3 | dem lizo a 4/>000.
: mais abaixo a 800 rs. a garrafa. dem de pezo a 35000.
de I -aoja ver adeira a 115 a du- dem de embromo marca grande a 15200 e
vi e 15 o frasco. i 15300.
. .! j dolan la venia leira a 65 a fras- i,jera azul para botica a 25000.
ira e OuO o frasco. Copos lapidados a 55500 e 500 cada um.
'' leHKmbac'VS^WfAo'Pal^S de denles, macos grandes a 120 ]e
Idei em boiigas de Hoilanda a 400 e 4*0 j^J cala um.
-ino do chapa, de superior
a 15500aliara, em porgoter
160 cada um.
com genebra lo Hoilanda com 2 i Fumo americano
i-rafes a 8#, com garrame.
dem com 14 a 15 garrafas a 65.
qualidade
abatimento.
Saccas grandes eom 100 libras do fareo superior a 45000 a sacca.
Fariiiha.
Ver.de se farinha do manJioca muito nova, sac-
cos granw a 45 : no arroaiende fannhadapon
Potafia da Russia
mnito nova esc
vende-se no escriptorio
petisco para fri-
peloprande
| ero q
, prove
tantes
[Latas eom 8 libras dechoarigas muito novas,
Oitasgraodes com pelxe em postasinteira,
a'*; 12 lualidades, a 15000, !J280e
Ditas com ostras, fxcellente
gideira, a 720 rs.
fDitas com ervilhas novas, ensopadas, a720 rf.
Ditas com lavas, a 610 rs.
Ditas com ameixas:, 13200, 13800 e 35500.
Untas com marmelaia do afamado fabricante
A brea, a 720 rs.
\Ditascom massa de tomate, a 500 rs.
JDitascom fijros de comadre, novos, a 13500,
jDitascombolacliinlia de soda muito novas, a
? 25000.
Ditascombiscoitinhos inglezesde muitasqua-
i lidades, a I300.
' Chocolate.
Caixiohaa com ameias enfeita las proprias
> para mimo a 13200,23809 e 3j200.
Chocolate superior muito novo, a libra de
' 880 a ISOOO.
.Macarrao, talliariamealetria amarella, a libra
i a 'tOO rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estrelinha, pevide, e outras mas-
f sas, a caixa 33300.
Ditas dita em libras a 640 rs.
'Sag, a libra a 3(50 rs.
{Sevadinha para sopa a libra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a ibra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca mallo nova, a libra a 280 rs.
'Farinha de aramia verdadeira, a libra a
I 500 rs.
$ Arroz do Maranhao, em sacco, a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
.Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a li-
f bra a 100 rs.
> Toucinho de Lisboa a 9JJ500 a arroba e a 320 Castanhas novas viadas ne=te vapor,
L."\,alibra- L ba 43000 e a libra a 200 rs.
|D'to de Santos, a arroba 75000 e a libra a; Awitonas.
.Mofhos'com 123 ceblas grandes, a 15230. IBarris com azei,0"as "2? l*"
IMostarda franceza, caixa com 2 duiiasa: a"!"1!!8-
i 7-5000. Man'.eiga superior, a libra a IfSfU.
> Frascos com mostarda preparada em vinagre. Dita mais abaixo a 15200.
400 rs.
w
Vinho verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs. 3C
Gomma. n|
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se'-SSP
engommar, a arroba a 33000 e a libra s^
120 rs. a
Sabao massa, a libra 1 200, 2i0 e 280 rs. p
Farioha. tt)
Saccasgrandes com farinha de Goianna moi*3Ug
to nova, a 53000. &
Caf. A.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,'fty
85500 e 95000. P
Cha. $
Cha,temos nestes gneros o ni ilhor possivel,
hyson, a libra a 25600.
Dito perola a 33000.
Hito uxim a 23700.
Dito hyson rauito tino a 25*00.
Dito redondo a 23500.
Dito preto de primeira mialidade a25<>00. ^a
Dito mais baixo a 23000 e 13600. g
Erva mate. $%
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espermacete. Jg.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600, ,XX
640e720rs. '
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas
prias para mimos a 43 e 23300.
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 450C0.
Alpista e painco.
Alpista e painco, a arroba 45000 e a libra
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para logar, a duzia a 253"0.
Castanhas.
arro-
pro- 'f
AZEVEDO FLORES
llua da Cale ttecife, esqoioa (!; mft de D;-a-.
baibs
Os ricos baloes de arco; de 35, 45 e 55
IJjlOes de arcos para meninas de 2 a l annos a 25 e 2IS00.
Baloes de pa no para meninas a 35 e 35>00.
Chapeos de til.
Os afamados e bem conhecidos chapeos de sol com 12 asteas a 5
Ditos maiores com 16 asteas a 12)5.
Tapetes.
Grandes e pequeos tapetes co n ricas estampas para sof.
Chitas.
Chitas largas a 240 rs. o covado.
dem escura; finas a 320 rs. o covado.
Camisas.
Superiores camisas a 25500.
Camisas com peito de edr, e todas brancas a 15800. .
Ha muilas outras_qualidades com peito de esguio.
Cascsuiras.
As modernas casemiras de quadios, chegaram.
ltonpa zein.
Ha completo sortimento de casemiras, de brim branco c de c"res.
Colleirlnhos.
Chegou nova remessa decolleirinlios de papel de cores ebrar. >;.
Tambem ba completo sortimento dos de esguio.
Calcas.
Calcas de superior brim pardo a 2500.
Cainbraia branca.
Superiores cambraias brancas a 35 e 75 a peca.
Cambraia branca para forro a 320 e 400 rs. a vara.
Las.
Laas de bonitas cores a 4S0 rs. ao covado.
dem para luto a 560 rs, ao covado.
A QEM NOS LEU
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annuncian lo ao publico novas
fazendas e novos procos e nao como muilas pessoas sup;.e sempre ser as me.-mas fa-
zendas.
-
te nSrSto SrTfa^b lrn.505, para pereces, na de ManM l^de Oliveira & Filho, largo do
ma da Madre de Deo. ns. S e 9. I wrpo Moto n. t.
a
'Ditos com conservas inglezas e franceza=, a
640 e 800 rs.
CDitos c.im sal relln.td Uno, a 640 e a 500 rs.
I Ditos com a verdadeira genebra delarania, a
) 1#000.
> Ditos de 2 garrafas de Hoilanda verdadeira^
' 640 rs.
Botijas cora dita proprla para negocio,*
? 400 rs.
Garrafes com 2 gales com dita, a 63.
(Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a 1
) duzia a 63OOO.
'Vinho mscate I de Setubal, a garrafa a 15.
Marrasqinnho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
a 15200.
SChampngne, a duzia 205000, e a garrafa a
. 23000.
jAzeite refinado portuguez e francez, a garrafa
* a 13000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
> 73,33,95 e 103 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75 a caixi.
.Ditas com dito la-rimas do Douro verdadeiro,
k a 203.
'Ditas com duque do Porto verdadeiro,"a
. 183000.
\Ditas com chamisso superior, a!43-
Ditas com Porto velho e outras muilas mar-
cas, a 123-
sVinho do Porto 4a pipa, a garrafa a 640, 720
? e 800 rs.
'Dito de Lisboa mnito bom, acanala a 33200,
l 33500 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs.
JDito da Figueira, das seguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a canal* a
j 45300, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
? qae j est engarrafado e lacrado com o
' rotulo do armazem.
iDitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
5 da a 33500 e 45000, e a garrafa a480e
520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
?Dito do caj muito superior, a garrafa a
J 800 rs.
E grande quantidad
a libra
vindos neste vapor a 25800 e
libra
;m
Dita menos superior al*.
Dita franceza nova, a libra a 8Si)
Dita dita era barris e meios ditos,
850 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos
33000.
Ditos londrinos muito novos, a
13000.
Papel.
Papel a! maco paulado, a resma a 43800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 0*500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
Dito deerabrulho.bom a 13 e 13200.
Vinho Madfiira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ha-
deira a 15300 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominbo S
e cravo, a libra a 400 rs. _
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs. j>
Doce. VV
Caixoes de doce de goiaba, grandes a ,'l00f'
e pequeos a 640 rs. Hp/
Tijolos de liuipar. !>
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duziasde boioes c craxa n. 97 a 23000, e
de latas a 13000. e os boioes a 240 rs. ca- rp
da um, e as laias a 100 rs. $K
Charutos finos. *
Charutos finos dos melhores fabricantes da o
Bahia por diversos precos, caixas e nwias^TO
caixas. ^
0 de gneros tendentes m
AVI MAX
GREGORIO PAES DO AMARAL & C.
que receberam pelo ultimo paquete.
O 9IAIS K.CO SI>liTI.*II]\T4#
DE
GOPURE
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
"-1 GSfr, S&x xfta. m ^fe. i
manufacturado em
Grandes chale granadme
Bouraus
Rotondos
Treanon
Pampadour
Wateau
pretos, brancos e de cores; magnficos desenlios, de gosto modernissimo.
01NETA
Vestidos de GRANDE TOILETTE. Fazenda proferto! pelo brilho e gosto. a
reantique ou grosdenaples. Barras e laeo bordados a foco e vidrhos, sem depende-
1 em de modista para os fazer, visto trazerem o corte debuxado.
a


TINADOS BO
N. 11Rua do Queimado-N. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos
Chegou a esle estabelecimsnto um grande sortimento de cortinados bordados para
camas lazenda de muito gosto.
Chales de guipa muito finos para 223, 253 e 305-
Colxas de seda superiores de diversas cores para camas de noivas.
Colxas de laa e seda para cama tambem de bonitas cores.
Rotondas de guip enfeitados com o meihor gosto.
Selim de Pars bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureantique brauco e preto, groslenaple preto e de cores, paunos pretjs de todas
as qualidades, ditos azues. .
Casemira preta e de cores, merino preto, silistrina, bombazinas, alpacas prelas, e
laa pret para lutos.
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 45 a 113.
Brins de linho de cores finos a 13800 a vara.
Chapeo' e chapelinas de palha de Italia para senhora, manguitos bordado*, chpeos
de seda para hoinem, chapeos de sol de seda, esguio de linho, cambraia de linho, brela-
nlas silesias e multas outras faiendas ,|ue se v;aJem p ir commilos precos assim como
tambora
Esteiras da India para forrar salas


rill/
A i$ 189QO e ^SOO.
Leques de osso, ultimo gosto, a 13-
Ceroulas de meia a 152J0.
Diitas muito finas a 13500.
S na rua da Cadeia do Recife n.,o
Colla da Bahia superior
Tem para vender Antonio Luiz de Azevedo &
I, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1. .
a 45 a sacca, das miiores que ha : na rua larga
do Rosario n. 50, taberna da esquina.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodao : na rna da Senzala ova n. 42.
Glac-royal, em pecas com listras de seda primoramente bordadas ou milisada-.
fazenda inteiramente nova de bonito clfeito, para pulidas, soirs, theatros, passeios. ek.
OHBLE C?APA8
e SOBRETUDOS de panno mezclado (impermiavel) rindo no ultimo vapor
Ue. um s panno
Colchas de damasco de seda portugueza, de todas as c>res
GRAVATftS, MANTAS
decores, muito bonitos padr5esa 300 ris.
BONETS de pa ha ricamente enfeitados para senhora
CHAPEOS
CHAPELETAS
ENFEiTES
Costames de fuslti enfeitados para criMofoi
E innmeros objectos de modas recebidos directamente por todos os paquetes e
escolbidos caprichosamente dos mais modernos gostos Ha Europa.
FAZEXD.IS PARA IIOXKM.
Casimiras modernas de quadros, panno pretos e de todas as cores, brins, sobre-
casacas, palitos, calcas, coletes, camisas, ceroulas, lencos, meias, etc.
Gregorio Paes do Amaral & Compaiihia.
Yende-sc urna grande proprie-
dade outr'ora Berenger, com a fri-
le para a rua da Florentina, conten-
do 18 moradas de casas, alcm de 4 em
principio como se pode ver e examinar,
formanlo nma rua no centro que vai
te" ao novo caes Capibaribe remiendo
4:80.s animalmente, adiando se todas
oceupadas. os pretcn1cntes dirijam-
se ao escriptorio detinillierme da Sil-
va Guinares, rua da Cadeia n. 64
primeiro andar.
Cal de Lisboa
granel a 15300 por urna barrica: na rua do Vi-
gario n. 19, primeiro andar.
Grande sortimento de roopas feilas de to-
das as qualidades.
Calcas de casemira a f>5 f 75300, ditas preta a
65 e 83, caigas de panpa a 23 WC *.
ditas brancas a 25, brim de linho 35, 35500
45, paleois do alpaca branra a 45300. dito preMs
a 35 e 35*00, UM de al|>ai dn rordo i 45 e
de listra de seda a 45300. dno< wbvetMMH a 35,
paletots de casemira a :>5, 33300. 65. ^5 e 95.
ditos odmomobm pret-is a 125. 15 e 1*5, d** 0-
nos a 255, de cores a 133. ditos fraqoa a 145.
paletots de ganga a 33, 25300 e 25, lil-> de kraa
pardo a 33, jaquetoes de brim pardo a .15, panao
preto fino a 25. 25600, 35500 59. 45300 5(|*
covado, moreantique preto a 25000 o rotado, tros-
denaple preto a 15300, 15800,25, 25900 e 155W
o covado ; e onlras omita* mais fazraas fae m
deixa de annonciar, e mandare letar pkH catart-
ros da loja da arara casa dos pretcocotts. O
e tabelecimento est aberto at as 9 horas da aoMr,
roa da Imperatriz n. 56, Mendes Guiniarls.
r.__"
..i m i


T
<
I
B!arIo de Pernamfooco Segn da'tetrti 14 de Agoste de USO*.
Loja do gallo ligilanle ruado Crespo
numero 7.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel
publico nm grande soriimento de galanteras e
objectos de milito gosto que lem chegado ne.-t- s
nltimos navios e vapores de sua propria conta, que
por isso mesmo vender pelo menos prego que
lhe for possivel, como sejam :
Os lindos lencos imperiaes para seuhora causa
inteiramente nova.
Albitas.
Albuns muito finos rom c?pa de madreperola e
de tartaruga com gnarniciio de prata para SO e
100 retrato*, assim como de uniros mais inferiores
de 20 a 50 retratos.
.Uusicis.
Cminhas ricamente enfeitadas tocando daas
pegas de msica propria para mimo, assim como
caixinhas pequeas com msica tanto de veio co-
mo de dar corda.
Vestuarios.
Riquissimos vestuarios de seca para enancas as-
sim corno touqniobas, sapalinlus e inelasinlias de
seda.
Capellas.
Riquissimas capellas brancas de ores para noi-
vai, assim como meias de seda branca*.
Porta boqnet.
Riquissimos pona boquet coui cabo de madre-
perola para dores.
Leques.
Riquissimas eques de madreperola e de snda-
lo assim como de osso.
Uvrinhos.
Riquissimos livrinhos com capa de tartarura
guarnecidos de prata para missa.
Aderccos presos.
Riquissimos aderecos pretos sendo pu'seira, ro-
zetas, aliuete e volta, assim como de coros ugin-
do perolas.
Brincos.
Riquissimos brincos e roxetad de todas as quali-
dades e gostos modernos.
Ronceas.
Riquissimas bonecas de porcelana e de massa e
de cera, assim como os que fallara chamando por
papai e mami.
Pentes.
Riquissimos pentes de tartaruga para senhora,
assim como para menina e de muitas outras qua-
lidades.
Enfeites para cima de mesa.
Riquissimos eufeites para cima de mesa e para
toillet.
Fivelas e sintos.
Riquissimas livelas de madreperola e de metal,
assim como bonitos sintos.
Flores.
Riquissimo sortimento de Boros o mais fino que
se pode desejar.
dogo para familia.
Riquissimo jogo de vispora era caixinhas de ma-
deira eovernisada e pedras linas proprias para en-
tretenimeuto de familia.
Para vlagem.
Riquissimos eslojos com todos os pertences Qnos
para hornera.
Fitas,
Riquissimo sortimento de utas de todas as qua
lidades e lidos guajea.
Franja.
Riquissima franja de seda de. muito lindos pa-
droes tanto decores como pre!o>, a--iai como de
borlla e -em ella propria para cortinado.
Trancas.
Riquissimas trancas de seda preta e de cores as-
sim como de algodao e de la.
Per2Uras.
Grande sortimento de perfumaras de todas as
cualidades e do* meihoros autores al o presente
conhecido e mullos outros objeetos que se tornara
enfadouhj mencionar, isto s uo vigilante ra
do Crespo n. 7.
Rival sem segundo
Ra do Queimado os. A\) eS, loja de
niiudezas de tres portas, est quei-
mando tudo boro e barato, quera qni-
zcr ver e admirar vcnnaiu loja do
fiigodinho.
Caixas de papel araizade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
Grozas de botoes de louca prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duztas de penna de ac fazenda boa a 40 rs.
Pegas de tranca de la lisas e de todas cores a
40 rs.
Escovas Onissimas para limpar denles a 240 e
320 i*.
Pulceiras de costas para enlioras a 300 rs.
Pegas de lila de eos estrellas cora 10 varas a
320 rs.
Caixas com colchetes francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tiuteiros de barro, com superior tinta a 400 rs.
Pegas de cordo para vestidos, fazenda boa a
Baralhos muilo linos para voltarete a 200 e
240 rs.
Frascos com agua de Fiorida a 15 e 15280.
Frascos com superiores banhas a 500 rs. e 2.
Frascos com banha, porm pequeos a 200;e
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de niacaga perula muito lino a 200 rs.
Frascos e garraliuhas cora agua de Colonia a
400 rs.
Frascos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Frascos com superior oleo de baboza a 400 e
500 rs.
Caixas cora 12 frascos de cheiros muito Cnos a
15500.
Saboneles pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Duza de salmonetes pequeos com cheiro a 700 rs.
Agua dentifice superior qualidade a 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e outros a
15200.
Frascos com essencias para tirar nodoas de roupa
a 500 rs.
Frascos com cheiros de todos os pregos a 160,200,
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito linas para senbora a
45800.
Gollinhas muilo finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Duzias de colheres de metal para cha a 800 rs.
Ditas dita dito para sopa, fazenda boa a 15600.
Pegas de fita de la para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Caixas de laraparmas para 3 mezes a 50 rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas eslampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosas de botoes pequeos pretos para caiga a
100 rs.
Frascos com superior agua de Colonia a 120.
varas de cordo de esparlilho a 20 rs.
Novellos francezes cora 20t> jardas a 40 rs.
Pegas de tiras bordadas a 640.
dem com recortes a 15500, 1500, 25 e 25500.
Frascos com superior oleo babosa a 320 rs.
Duzias de meias cruas muito fortes e superiores a
35500.
Resmas de papel de peso pautado a 25800 e 45300
__Veade-se 40 palmos de terreno na ra da
Concordia : a tratar Da ra do Alecrim n. 10, das
3 horas s 5 nos dias nleis.
AMJI4BS4NC*.
Collciras de marroquim, com cascareis
e sem elles.
Wa ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, vendem-se colleiras de marroquim,
pospontadas e com cascaveis, ou sem elles
proprias para caes e outros bichinhos.
Pennas inglezas de ac e douradas.
No novo soriimento de pennas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, vieram
tambem outras de metal dourado e bicos
mui bem acabados, e por essas boas e ne-
cessarias qualidades os seus acreditados fa-
bricantes Perry & C, as recommendam aos
entendedores u apreciadores do bom, valen-
do mesmo a diflerei.ca que lia no prego de
urnas para outras, por que estas setoinam
mais duraveis na coniinuaco de escrever ;
assim pois quem deltas se quizer utilisar
compra-las a dinbeiro a vista : na ra do
Queimado loja da Aguia Branca n. 8.
Franjas com borlas c sem ellas para
cortinados,
A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
mento de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, todas de novos e bonitos
desenos, cuja commodidade do preco est
em relacao a largura : acham-se ellas a ven-
da na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8.
Jogo da paciencia ou curioso entieteni-
uicnto.
Na ra do Queimado loja da Aguia Bran-
ca n. 8, acham-se a venda por precos ra-
zoavds, caixinhas com tabolas de madeira,
que das diversas pinturas deltas se formara
agradaveis vistas e paisagens, segundo os
desenhos que acompanham. Na verdade
esse um deleitavel en retenimento com o
qual se despe ta a curiosidade, e apura a in-
teligencia. Os apreciadores dirijam-se
ra do Queimado., a dita loja da Aguia Bran-
ca n. 8, que seiS satisfeilos.
fallieres para meninos.
A loja da Aguia Branca, na ra do Quei-
mado n. 8, recebeu novo sortimento de ta-
lheres para meninos.
Cello soriimeulo de la lina.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n.
8, recebeu novamente um bello sortimento
de lila fina, de bonitas e agradaveis cures,
entre as quaes se achara algumas que se
nao encontram em qualquer outra parte, e
que muitas vezes sao necessarias para os
differentes matisados que com gosto prin-
cipiara as habis p.ofessionaes; assim pois
ja se sabe que a falla cessat urna vez que o
portador se dirija cora dinheiro ra do
Cueimado; i. ja da Aguia Branca n. 8.
Bornes eufeites para senhoras.
A Aguia Branca acaba de receber umi no-
vo e lindo sortimen'o de enteiles os mais
modernos e gostos inteiramente agradaveis,
e como sen louvavel costme os est ven-
dendo baratamente a quem cora dinheiro se
dirigir ra do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Meias de la para senhoras.
Vendem-se na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Mata mosca.
Na lo;a da Aguia Branca acha-se a venda
o papel cora composicao para dar fim as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, e o
effeilo efica: molha-se o papel e deixa se
Bear n'tira pralo, e nelle pousando as mos-
cas, entwstorem e morrpm. Custa cada fo-
Iha 40 ris: na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Diversos brinifucdose entretenimento
para criancas.
A Aguia Branca na ra do Queimado n.
8, recebeu diversos brinquedos para crian-
cas, sendo estradas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparellios da metal, louca pinta-
da e porcelana donrada para almoco e jan-
tar e amitos outros brinquedos de madeira,
que se vendem baratamente : na ra do
Queimadj, loja da Aguia Branca n. 8.
Meias pretas de seda para senhoras a
500 ris o par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
c3o de meis pretas de seda para senhoras,
e apesar do muilo maior prego que lhe cus-
laram e o bom estado em que ainda esto,
comtudo est resolvida a vende-las a 5i0
ris o par, afim de que ninguem mais calce
meias pretas de algodao, agora pois apro-
veitarem a quadra e dirigirem-. e ra do
Queimado, loja da Aguia Branca n. S. Tam
bem vender as brancas a i o par, e des-
tas o nico defeito estarem um pouco tri-
gueiras,
I.fia fina pitra bordar.
Na loja de miudezas roa do Queimado
n. 16, vende-se la lina, de vivas e agrada-
veis cores, to propria para bordados como
para touquinhas, sapatinhos, etc. : quera
pretender dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 10.
Franjas largas para cortinados
Na luja de miudezas ra do Queimado
n. 10, encontraro os pretendentes um va-
riado sortimento de bonitas franjas largas
para cortinados, cobertas, loaas, etc., cu-
jos precos nao desagradarlo no comprador
que attender a largura e qualidade de ditas.
Pennas douradas.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, recebeu essas novissimas pennas de
metal dourado, cuja excellente qualidade e
perfeico dos Lieos as tornara mais durado
ras no exercicio da escripia, pelo que os
seus acreditados fabricantes Perry & C, as
recommendam ros apreciadores do bom.
Tambera se encontrara outras pennas de
ac de differentes cualidades e dos mesmos
fabricantes tudo na ra do Queimado to-
ja de miudezas n. 16.
Eufeites novos e bonitos.
A tuja de miudezas ra do Queimado o.
10, recebeu novos e bonitos enfeites, obra
moderna e de gosto, e os est vendendo por
precos commodos, variando estes a vista
das differentes qualidades, sempre agrada-
veis aos apreciadores do bom.
.lelas brancas ernas c de cores
para criancas de ;; I mezes
Na ra do Queimado, loja de miudezas n.
16, vendem-se por precos razoaveis avista
das qualidades, meias brancas cruas e de
cores para criancas; assim como outras
para senhoras, e cruas para hometUs-
i'apel pardo folha grande.
Esse papel pardo que por sua boa quali-
dade e grande tamaito da folha, serve bem
para embramar cortes de fazendas, corlar
moldes de vestidos, etc. : acha-se a venda
na ruado Queimado loja de miudezas n. 1G.
Barato para acabar.
Caixinhas com i papis de agulhas france-
zas, limpas a 160 ris cada urna
Paos de pomada franceza, a 80 ris um.
Duzias de sabonetes de cheiro a 1? e 12G0
a duzia.
Carloes de buhas brancas e de cores, a 20
ris cada um.
i mi^ai!
Novidades da loja e armazem de fa-
zendas e roupas fcilas incionaes ra
da emperatriz n. 72. de Guimares
& li-mo.
Aproveitem as pechinchas
[que se estao liquidando por todo preco, vejam :
1 chitas largas a 260,280 e 300 rs., ditas percalias
a 300, 400 e 440, cambraia organdys muito lina a
! 300 rs. o covado, e muito superior a 320, 360 e
! 400 rs.: isto s na nova loja de Guimares & Ir-
mao.
Estao se acabando.
Laazinha> escocezasa 240,20 e 280 o covado.
E' muito barato.
Cortes de la muito superior com lo covados
pelo barato prego de o e 55300, isto s para aca-
bar, brelanha de rolo a 33 e 3,5200 a peca, mada-
polo francez enlatado a 35. 3i00, 3J500 e 45,
dito sem ser entestado cera 27 jardas a 450, b$
e 65o00, dito muito superior mareas muito acre-
ditadas a 7#,75o00,8-j, 95 o 105, algodao de to-
das as marcas assim como seja marca T e carne
de vacca, sicupira e pao ferro todo isto por pre-
cos baratissimoss para liquidar e apurar dinhei-
ro ". isto s na nova loja e armazem de Guimares
& Irmae, ra da Imperatriz n. 72.
Grande sortimento de babadinhos
c entremeios pelo barato preco de 800 a 15 ".
peca.
Lencos de cores e braceos
muilo proprios para homens e meninos
2, ?5o00 e 35~a duda, ditos de linho
35, o00 e 05,
GVande soriimento
decolxas de fuslao do todas as cores a
15000,
4*800,
ofiOO.e
de la a
0, ditas de dula a 590J e 25, ditas
15600.
E' muito baralo.
Grande fortimento do soutembarques muito bem
enfeitados a 55 e 55500, nitos~)de grosdenaple a
185 e 205, laaiinhas de umavsjrr a 480 o cova-'
do, ditas muit i propria para camisas sendo de lin-
dsimos padropsa 15 e 1$!00 o covado : s na
nova loja de Guimares & Irmo, ra da Impera-
triz n. 72.
Grande sortimento
de roupas feilasque se vendem muito barato afQan-
caudo-se que se vende por menos 20 por cenlo que
em outra qualquer parte, quera duvidar venha ver
\;i nova loja de fazendas de Guimares
& Irmo.
Ra da Imperaariz n. 99.
L l(l.4S, VIW
V
*

L
A loj de louqa da ra do Crespo n. 10 tem para
vender quanlidade de azulejos de lindas e variadas
cores, assim como loucas de todas as qualidades,
de bonitas pinturas e gosto moderno, ricos appare-
Ihos de porcelanas brancas douradas e de curo;,
vidros de todas as qualidades, inclusive fluitsimo
chrystal, dilicaiios jarros de chrystal e porcelana
para llore?, figuras e uulios muilos objectos de li-
nissima porcelana denominada biscuito para en-
feites de mesas, etc., guarnicoes de finissima por-
celana branca douradas e de cores para lavatorios
e toaleles, tudo do melhor gosto, pinnas de louca e
vasos para jardim, candieiros de lamparinas para
gaz, globos e chamineis de vidro, boccaes e todos
os mais sobrecelentes para os mesmos, gaz liquido
de superior qualidade, e muilos outros artigos que
seria enfadonho mencionar, tudo por pregos mui-
issimos razoaveis.
Para matar formigas
Vendem-se velas para matar formigas : no ar-
mazem da bola amarella no oito da secretaria da
polica.
Francisco Jos Germano
RA SOTA J. 81,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
deoculos, lunetos, binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.
mw wmmmwmmmmm
Fumo da Babia para
charutos.
Vendo-te fumo superior de todas as qua-
lidades, a rclalho e por atacado e por
prego commodo : uo llecife ra da
Cacimba n. 1.
AtteiiQilo o barateiro de ob-
jectos chegados de novo:
grande sortimento.
Vendem-se dous grandes lustres de vidro finos
com 24 luzes, do melhor gosto e por preco razoa-
fel; assim como apparellios para cha e para jan-
tar, brancos e de cores difTerentes ; ditos de por-
rcelana dourados e pintados e brancos: apparelhos
'para jamar de porcelana branca; tamnem se ven-
dem em pecas separadas, como os fregnezes qul-
zerem, compoteiras lapidadas para doce, clices
para vinho, ditos para champagne, copos para agua
e para vinho linos e ordinarios, em caixo e a re-
talho; lauternas de todas as qualidades da vidro;
ditas de casquinho mglezas muito finas ; candela-
bros de vidro e de bronze; serpentinas, vasos de
porcelana e de vidro para flores; bilhas hambur-
guezas para resfriar auna; barricas com appare-
lhos de mesa para jantar; gigos cora apparelhos
para cha; e outros muitos sortimentos de todas as
qualidades e precos commodos vonlade dos com-
pradores, que se vendem na ra da Cadeia do He-
cife junte ao arco da Conceigo n. 04, e na ra
Nova no grande armazem de louca e vidros junto
igreja da Conceicao dos Militares n. 49.
RIVAL
ElI SECO
Ra do inclinado ns. 49 e &&.
Contina a vender todas as miudezas que abano
declara por precos admiraveis.
Hassos de palitos lixados para dentes a 100 rs.
Espelh'os de molduras douradas a 200,240 e 320 rs.
Bonets de oliado para meninos a 15000.
Ditos de couro superior fazenda a 15500.
Frascos com superior tima rocha a 240 rs.
Meiadas de linha froxa para bordado a 20 e 00 rs.
Babado do Porto, fazenda boa, vara a 80, 100 e
140 rs.
Caixas cora 100 envelle?, fazenda fina a 000 rs.
Grozas de pennas de ac, fazenda superior a500rs.
Grozas de botoes madreperola linos a 500 e
e 040 rs.
Caixas com 50 novellos de linha do gaz a 700 rs.
Caixas com superiores brelas de rola a 40 e 80 r.
Pecas de fila branca elstica com ) varas a 280 rs.
Varas do franja de la para enfeites de vestido.-, a
40 rs.
Baralhos dourados superiores finalidades a 400 :.;.
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Livros para assentos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botoes para punho, fazenda rica a 120 rs.
Tesouras para costuras superiores qualidades a
400 e 15.
Caixas de pennas de calligrapliia, fazenda boa a
15000.
Massos com superiores grampo- a .'0 r>.
Pare? de fapatos de tranca e tpele a 15500.
Pares de sapatos de tranca para meninos a 15 e
15280.
Caixas com superiores agulhas a 210 rs.
Libras de laa sortidasde bonitas cores a 75000.
Caixas com superiores obreias de rnassa a 40 rs.
Rodinhas com allinetes francezes muito superiores
a 20 rs.
Resmas de papel alnwn a 2-5400 e 25800 rs.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e J5-
Duzias de tesouras com toque de ferrugem a
000 rs.
Duzia- de facas e garios de cabo pretn a 35000.
Talheres mnito fino para crianzas a 240 rs.
"GA77 GAZGAZ "
Vende-se gaz da melhor qualidtde h
li's a lata : nos armazensoa ra do Im-
perador n.16 e ra do Trapiche Novon. H.
Tasso Iranios
Vendem no scu armazem roa do
Amorim n. 85,
Licor fino Curago em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com rodas de
vilro e em Irados frascos.
Vinhcsuheres.
Santernes.
Chamberlin.
Hermitage.
Borgouhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
Veode-se urna ptima escrava moca de boa
figura : a tratar na ra da Cadeia n. 40, loja de
relojoeiro.
r> Vendem-se barris de 5o com kmel de furo
bom : para ver c tratar na roa j Vigario n. 29.
avariado.
Francez barrica 55000
Portland dem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irm.losces do Apollo.*
Vende-se o engenho Jundjahy, cinco legnas
distante da cidade do Natal, provincia do Rio
Grande do Norte, moente e corrente, com 20 cap-
tivos, 20 bois c 20 bostas ; assim como diversos
lotes de ierra, propria para a cultura de algodao e
mandioca, e mais duas fazendas-de gado no Poten-
gi e Cear-meirim, na mesma provincia, cujas ven-
das se effectuarao a prasos, mediante boas firma.' :
quem pretender dirija-se aquella provincia a tra
tar com Fabricio & C.
I___ESCBAVOS ISIE0S.
i
Acha-se fgido o escrtvo Mancel Thom.que
' representa ter 44 annos e lera alm deste os sig-
naes seguintes : cabra, estatura regular, basiaule
cabelludo pelo roslo e peito, pegenos cantos na
testa, um dedo pollcgar de urna das maos corta-
do, o minimo da ootra aleijado, e tem a!em disto
as pernas bem arqueadas e falta de dentes na
frente, entendido no servieo de colheita de co-
queiros, em fazer tenas e lijlos : quera o aprehen-
der e quizer levar ao engenho S. Joao da ilha de
Itamarac ou a ra da Imperatriz n. 35, primeiro
andar, ser recompensado.
Desappareceu
eu 3 do corrente me/. Si MM o irulan Afarti
nho, cor clara, i4ade de SOaaaoo, v- fo rf aa
olho, baixo, pouca baba e um \> m < ruiva, Wmf
um pequeo inchaco jmrto ao r^tMMgi, n tr**m-
te de una queda qu Jeu -obrr- um m, hhh.i
nesse dia vestido cl^a e rami-a d tk
algodao, chaj o d pa;li:<. > lev ti,
de brim de quadros : E' natural de G.i
f i eseravo dn t<-n< nte coror.'-t Li. : d -...,: <
que Maranhao, MOh> r do eng' i,i T-ir
ca de Pao d'Alhu, o linha sido v-d ta ci
dade na vespera dt dia>n; q c*a,
foi visto no dia 0 e 7 do amato r.a ni n Je S.
Jos, por .-so julga se i
Quem o pegar, ou delle dti in.. lai
ra dirigir-.1 e ra da Cm do Rerii
horas ila manlia as 3 da tar>, e Mi -
rasa ra do Amoriin t. '*\ -
gralilieiido. _
Fugio na noite de 19 pdr.i i do
mez, do sino do Sr. Ir. Augusto Y. '
ponte de Ufha, o >-u fteravo i <
^l que braaco, lendo !" r> 4o .-.
bem vlsiveis, cabello aaoelado, ban ret rra.
bem fallantee de etri-a d" 2R *r\n* i :.;-. i
von cami-a de bata eamiii; > >
noo, suppoe-se que vagiu-ia n"sia n.i..>!.- fe ou pelas mas lirciiinv-iiihaiica-
prehender e ievar ao soliedito >iii'p. > u i -- no-
torio da praca rto Corso Santo n. 17 an-
dar, ser generosaim nie recoMSMH
Fugi i no da 10 de juih
a muala Snzana, aqu;l ton os sitna
altura regular.ci rpu fhi io.
cabellos corridos e bem apai los, ra ?-
ta esireita, olhu.- [ <-r.fti'-*. laii
grande, beicos linos, fnlta <)< denb -.
e dedos curtos, idart' puuc i
ni s, nMcral d > .-crt:' l-vnu vi i I
escura m palma< Branca e pai;
la sempre nndo-sc : pe.tc-se a- :.i;'
ciaes, capiles de cam.o < n qoalqu
suber lvala so sen sen; : i i : i: i
deneia loja de chapeos n. II e l,:. :,-
roament" praiifl'-.,,'l an mean tu
U SOr cunta qualquer mi- tirata
ha noticias que i st dentro mesmo da i .
tada e sr assim i ta pesaoa ajan i
do contrario ser puntdi mm to o rf "f
Au-enton-se do dia 2 do MWH
da casa da ra do Imperador n. iti,i ret
do, crionlo, cheio do corpo, altura r-Li
Cbiiiprido, ullius |ii-i|ui-n'>s e piiaca l i .-!-
sa e Ligode, ba.-lante Ihih n; ,a r ir.
anno?, penco mais os meaos,
calca pn-ta e camisa branca ; uto *-
prado ao Sr. eoroael 6alvao, d.> Lia* - de se julga tenha latido, mas ba aaeai tt.
visio La Passagem da Maadaleaa, u ."?-
zea: e como se d>
proie-ia-se proceder cwnlra qw Hi
e pede-.ve a quem i'i-iit- d>r u '.i u : r
que dirija-se a sobredfla c.-i-a. a i ta
n. 13, que ser recoaiaensada.
Gratifica^ de 100^000.
Kugio dos abaixu assignadns m da 6 k
Janeiro do correte armo, o sen mnrc i
nome Jos com os signan seguintes: i-
;bra escuro, cabello caranlio, estalura bai-
xa, cheio do corpo, |s largos e faz um g-
; to as pernas quando anda, miiilo porm
barbado, e lem urna cicatriz bem
um lado do qucixo, e oulia m gtmt
; nasnadegas, proveniente d suria. njJB e-
cravo compramos junto Mi r.iro i
capitSo Silvino Guilhcrme de HlTM, ft. Ir
S:-. os havia comprado ao Sr. M i
morador em Nazareth. C'
eseravo filho do Brcjo da Ma 're i
aontle casado e lem Rthos. i
'ido ulltmamcnlt i nutlliri-: | .
mos a odas .is aulori ladea p i.i -
captura, e a qualquer parsacobf
cara com a quana de IOM '
seus senhores nestt praca, r a -!j !:
triz, refinai.ao n. Vi.
Luis dn il>:..
Na noite de 6 para 7 do com
agosto fngiram do en.- alio J i-i-1 ;r
Cabo, dous eseravo? com os sicaa >
] Antonio, pardn claro amaieilad', id r.w,*.
j cabellos annelados o curl.-. sera barta, alto
| corpo regular, bi compradu a daaa n.c.
j Joao do Carvalho Raposo, noradof ei i I
] Jos, crionlo, bem pret >, idade 24 ..u:. .
grandes, pucha um pouco pela perna |,i
' qual mais fina da que a outra, e nao toa baata ;
, levaram bastantes roupas, como tambera coWe
res de algodao, e urna espingarda aaBji : i _
pois, as autoridades y- li-iais que tenliam :. .tu
principalmente o Aotaao, que alem de rliro, t
o corpo sem signal algum deca-ii2". i deodontoa-
to bem ofereci r-se voluntariamente m M NHB>
lado. Quem os pegar en debes derem noticias cer-
tas, ou leva-ios ao referido engenho, e neu ;>rara
ao Sr. Antonio C. M. T>mpor- 30, Io andar, receberao boa gratiti.-a.;o.
DOS
PREMIOS DA L. PARTE DA O.
LISTA
27
PARTE DA I. LOTERA, CONCEDI V POR LE PROVINCIAL N. 74, A BENEFICIO DO THEATRO DE SANTA ISABEL, EX TRAHIDA EM 12 DE AGOSTO DE l0^.
NS. PREMS.INS. PREMS. NS. PUEMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
7 65 182 105 373 65
18 -
24
405
31 -
37
42
43
51
52
60
61
65
67
70
.74
76
79
80
87
90
98
105
8
10
11
12
13
14
17
18
26
28
31
35
38
39
43
46
47
80
54
58
59
62
64
65
67
73
205
105
65
105
105
65
182
85
97
200
4
105
05
17
:
2
27
28
33
38
42
44
46
48
51
53
64
66
73
74
76
78
81
85
86
300
2
4
6
7
26
27
30
33
34
37
42
44
52
54
56
57

G3
6o
66
68
205
373
77
78
79
80
81
83
89
95
97
98
402
3
4
8
lo
16
19
23
36
37
38
40
44
49
205
65
540
41
44
45
47
53
57
58
63
65
69
70
72
73
82
84
85
88
90
91
93
99
600
1
105
65
65
105
65
50 4
52 __ 8
58 9
70 10
73 11
74 12
77 15
78 17
80 ; 21
82 38
83 42
85 46
95 58
98 60
500 _ 68
4 _ 71
7 _ 73
9 _ 74
11 76
12 81
16 83
23 93
24 95
28 105 700
37 65 1
65
405
65
105
65
405
705
7
9
10
12
13
18
19
27
32
34
35
36
37
44
49
55
59
61
62
63
64
68
72
74
79
82
806
9
11
17
18
21
31
36
38
39
43
45
46
48
55
57
60
66
67
72
73
76
80
105
65
105
1005
65
105
65
NS. PREMS.
884 65
92
93
94
99
901
2
4
7
10
11
12
13
15
18
20
24
30
33
34
39
41
43
45
46
47
53
55
56
57
63
68
76
78
81
86
90
105
NS. PREMS. NS. PREMS.
105
65
96
97
98
1000
1
3
5
6
14
16
35
1036
42
43
47
49
53
56
58
61
63
65
69
72
75
77
81
83
90
95
99
1101
3
5
9
10
16
24
25
27
30
33
36
38
43
53
61
63
64
69
73
78
79
82
88
94
95
98
99
1200
5
65
105
65
-65
205
65
205
1207
8
12
13
15
22
24
25
26
30
34
38
41
43
46
47
77
81
83
87
91
92
95
97
98
99
1005
65
205
65
105
6*
1300
3
5
12
14
22
27
32
33
34
37
39
42
43
45
49
53
58
62
63
65
6
67
66
105
105
65
NS. PREMS.
1374 1005
79
80
85
86
88
90
92
95
97
1401
2
3
7
9
10
17
18
23
26
28
3*
33
34
41
43
45
50
53
66
67
69
70
71
79
82
84
85
1508
10
16
17
18
29
30
31
32
38
40
44
4005
105
105
65
105
65
105
NS. PREMS.
1547 65
50
52
53
62
64
75
79
83
83
86
88
90
91
95
97
1605
8
14
15
23 2
25
28
37
43
51
57
63
69
73
75
81
83
84
85
86
87
88
91
1700
2
5
13
15
16
19
23
28
41
60
105
65
65
NS. PREMS.
1763 65
64
66
73 105
74
76
77
79
80
84
89
91
92
96
97
1803
9
11
14
25
37
41
43
46
47
48
50
51
61
63
64
68
73
80
84
90
98
1900
3
4
9
16
18
20
21
22
23
24
27
405
105
105
65
205
65
65
105
NS. PREMS.
1928 65
30 -
41 -
44
45 -
50 -
53 -
58
61 -
62 -
63
66 -
71 -
75 -
78 -
81 -
82
84
85 -
89
91 -
93
97
2009
10
11
14
16
18
19
22
23
24
25
27
28
31
34
37
39
40
49
50
59
67
71
74
76
80
1005
205
205
65
205
65
405
65
NS. PREMS.
2089 65
91
94
96
97
2103
8
18
20
25
27 -
30 -
36 -
37
43
44
48
60
51
52
56
62
64 -
66
82 6:0005
84 65
93
98
99
2203
5
12
13
16
18
19
21
26
29
33
36
40
41
44
53
5f
58
60
62
105
65
NS. PREMS.
2263 65
66 405
71 l
72
78
82
83
93
2300
I
8
12
17
24
25
27
29
35
36
40
44
60
64
67
71
73
78
79
81
87
88
96
98
2405
13
15
17
19
20
24
25
34
39
41
43
45
46
48
71
78
NS. PREMS.
2480 105
83
95
2500
1
5
6
11
12
13
14
19
23
25
26
28
31
34
40
42
44
45
52
53
54
58
59
63
65
67
83
87
88
89
92
96
2601
3
4
8
9
14
17
20
25
28
29
31
33
37
I0J
65
105
65
NS. PREMS.j.VS. PREMS.
26 i l
65 W
m
i 22
48 23
4j 24
50 26
5 i 27
56 33
37 _ 34
GO __ 36
64 38
J 39
66 47 105
70 48 65
71 49
73 __ 54
75 57
77 _ 59
84 61
88 74
89 n
93 83 _
94 09
97 91 _
2704 _ 94
7 96
8 2902 m
10 3 ^^
12 5 ^m
16 20 ^B
17 27 _
29 32 ^m
37 ^_
41 45 ^^
43 48 ^^
45 1.-2005 53 A
47 65 55 ^^
50 50 ^m
56 58 ^
2 63 ^_
63 64 t_
68 60 fli
70 09 ^M
82 71 *i
90 73 *
92 76 *
99 79
2800 82
6 84
i 96 m
9 _ 99 a

O escrivJo, Jos Pedro das Neves.
Pern.Typ. de M. de F. Faria Filho.l8Qot
^


Diarlo de rernambnro Krguoda felra H de Agosta de !&.

y
IITERATRl
1M POl'CO DE TUDO.
111 em Pars dous gemeos, ambos mogos, ambos
degantes, de uobre hnnagem t com a inais bri-
fortuna.
E" quasi impasslvel extremar un do uno.
Um charaa-se Anatolio, o ou;.j Armando.
A avadeira mesmo coufondea lotipa branca dos
dou maos, marcada igualmente con um A e um
Ji, i '..a o Duina do baplisnio c do familia, da mes.
mu miaein que todo o mundo os confunde pelas
eC0e&
Vivera jumos, debaixo do tccto paterno e fazem
.,.,. ;u, unto no moral como no physico ; e louge
appieareni a facilitar o trabalho dos que
qefeta saber distinguir um do outro, parece que,
peM coulrario, desojara completar a obra da nalu-
reza que os creou tao completamente iguaes.
Loam a barba lalliaa do mcsmo modo, lecm o
mesmo alfaiale, os uiesmos gestos, a mesma ma
uoira de fallar e andar, os meamos gosios e luvas
igoaes.
Ata me pareee que quando um se poe a fumar,
o outro aeoeMe um charuto.
;m cavailus, carros o .brs iguaes, e os cria-
dos de um sao to parecidos com os do outro, que
oc luoge difflcil dizor se (Js de Auatolio nao sao
*fle Armando.
Quando tinham viole anaos, [orara vistos umitas
vetes, coin a eslioinice prupria dessa idade, mu-
daoao de par eui orna quadrilba, sem que filas
podeSaOfll jurar ciae tiuLabavido ruca d'eltes.
liu pouco tempo iruiou-se para um delles, pare
ce que foi para Auatou (e digo parea porque
n;i > : i 11 a distiucco), de um negucio matrimo-
nial.
contracto esteva em vesperas de ser assigna-
do, o '.'..\. ^al fui eni-ummendado, e dava-se o ne
tocio por cousa decidida.
Na vespera do di em que devia ser assiyuado
u contracto, Auatoiio eacreveu ao pai da sua noiva
qui era migado a reuuuciar honra de entrar no
- di ; da sua familia, e que quaudo fosse lida essa
Caita ja elle estara em Londies.
bu acorapauhado de expiesse.-. muilo conatos,
e raamfeslagoes de senlimenlo, de pedidos de des-
ealpa ; o genro lugitivo CoDbecia tudu o que per-
da auaeolando-se, e folgava de render borne-
nagem aos eucantus, as virtudes, aos dotes; mas
fug.a.
imagine-se a constemagao do sogro e da sogra,
e as lagrimas daooiva abandonada.
>e ella amava seriamente Anatolio B___o
que seria oio Jorar : mas nao Ibe desagradara
para marido ; as prendas de notvado eram ricas e
de bom gosto, sein fallar na;, pegas do enxoval que
ja estavam marcadas com um A e um I!
A marca de A e B era o que dava mais cuidado
a mii.
Quando o pai p-.nsava em expedir testemnnhas
par,, aloi do canil de Mancia. e era immolar, em
Borae da honra, aquelle a qaeci estivera quasl a
dar o Dome de OJbg ; quando os amigos da fami-
lia -; desfatiam em maruiVstacoes de seotiraeolo,
esfalfavam a atirar com a lingu i ao fugitivo a
pedra com que se lapidara traidores e perjuros;
eis qne appareee o Su.-.as do genro eclipsado, o
alicrejo de Auaiolio, o .-.-u irmao geraeo Arraao-
do, e pede a mi a que joU irmao renunciara tao
su.tameuie !
O pai Ougio recoiber-se em cspint posto que
as primeira palavras de Armando se deter-
mmasse a dar o sim.
A nii julgou-se muilo feliz por nao ter dedes-
gemera, innocentes no fundo de tenebrosas e iosa. ram reunlr-se ao cotomum deposito de gragas de'.
lubres masraorras, soffreodo os tratameotos mais que a Igreja possaidora.
1 barbaros e atrozes v esses milhares de victimas. Ora e tambem onlro dogma catholico a Com-
Eraa meodiga. municipio, assira como o de Porto-Alegre e colo-
As duas mulheres coDtaram-lhe as afllicgoes da oa de Saota Cruz, vinho imitando o do Pono, ou-
esraagados sobre o peso enorme das ving.ncas re- j munbo dos Santos, porque nos os"7hollcos"nao ?-TqS' cubar um substituto iCanina i?,*. ^^ d *h' exce"eB,e agUar:
voluucionanas: presenceia essas scenas de cama- formamos seno ura corpo de que Jess a ca- a velha depois de alTer ouvido PeCeg' C0,DparaVe, me'hr e,le'
ge.n desconhec.das nos seculos mais barbaros; beca e nao s dos, os seguidores da sua verdadei-! Ai, isso cusa caro multo 'caro talvez seis-
vos gelos da sibena, povoados de catholicos ; v r reiigio que 1.4. vivemos n'este mundo, mas ceDlos ou seteceutos f anco" ''
tp;:z7z%::"lh"" ^^pur,"ca"do.no togdopur- as* -c.'ss... ^ flc0a-
i desj -iacarem-nas... a
sia da iniquinadade e para o inferno
evoradores
arraslarem as para o
v por lo-
fogo do pur- as duas mulheres r
s que ja gosam da bemaventurauca, murmurar as palavras setecentos francos.
que vem do estrangeiro.
Espero em breve offerecer
destes diversos producios.
a venda amostras
gario, e
somos os membros; e dos merecimenios das boas
obras superabundantes destes particularmente,
'la a parte o eiero na pobreza e no abandono, cho- pariicipam os oulros que d'elles carecem para se
r.mdo na miseria e do exifio, victimas dos odios justificaren!.
mais vis, das calumnias mais nhjectas, *de per-I E'a este sagrado deposito de ragas e mereci-
versidade mais iniqua : v quasi todos os governos meutos, aonde a igreja vai exliaurir as indulgen-
da Europa, esqueeidoi de seus deveres, levanta- c'as de fue sempre, corno o declara o Cons. Trld,
rem-se altivos contra os direiios de sua Mia tem usaJu e beoelicio dos fiis, e que nao sao
santa igreja, menos presarem-na e cusplrem-lhe na outra c"usa mais do que pagamentos que ella faz
fac o Qltrage e a affronla, e em vez do usarem do a' Jisliga Divina pelos peccadores, e por meio
poder que Deus Ibes deu para protegerem a sua ^as 1uaes ,:a sacisfeita a pena temporal que
accao sempre benfica e salutar, sempre proficua t'obam a pagar, ou n'eita vida com penitea-
ao bem estar dos povos, e a elicldade mesmo tem- cias proporciooadas s suas culpas, ou do pur-
poral das oacoes, mandando respeitar as leis e os gaiorio.
legisladores, como om dever de consciencia, s o Deve-se ter notado que a indulgencia nao per-
empregam para opprimi*la e tolher a sua liberda- doa a culpa e o peccado, mas a pena e a satis-
de sem a qu.il nao pode vlver, nem prosperar ; v 'a?ao devida ao peccado, porque, para o perdo
a o.-dem social transtornada, o direito e a jusliga desle la' esta' o tribunal da penitencia, ODde, ha-
aniqoillada, a reiigio opprimida a iropiedade wado urna verdadeira dor, arrependimeDto, e um
triampbaoie, a sociedade, abalada nos seus funda- firme proposito de nao peccar mais, por meio da
; por toda a parle um cabos horroroso, onde absolvigao sacramental, ficam perdoadas as culpas;
ludo e confusao e desordem,anarc.hia e despotismo, ficani10 todavia ainda, como ensina o dogma calho-
tyrannia e barbarismo; v por todo o mondo a im- ,lco' a Peaa temporaria devida a esses peccados,
moradade mais corrupta e corruptora.a devassido c Pela 1ual Poitenle tem de satisfazer a" Jusbga
mais cynica e desenfreada : v ura philosophis- Djviua-
mo impo, que se esforca por todos os modos para Ora esta pena que resta ao peccador depois
apager no coraco do homom at a idea de Deus e "a aDsolvi5o dos peccados, que as indulgencias
d'uma vida fuiura, toda a idea de moral e reiigio, aPagm...
todas as nof5es do justa, de rectidao e honestidade,' Ai I e quo grandes, peniveis e dolorosas, nao
Jepois ergueu-se e tambem se retirou. A 8uarda do presidente Johnston consta de uns
Pedro, o irmao de Mana, eslava para partir no m "omens escolhidos, de diversos coodados do
dia segninte quando Ihe baleram porta.
Era um carleiro com urna carta pesada.
Maria abri a tremer.
Continha setecentos francos e apenas estas pala-
Quem d aos pobres, empresta a Deus.
fras
No outro dia deixou Mara cahir a sua esmola
na mo da pobre que a recebeu sorrlndo.
A meodiga, conta o Precurseur, morreu ha pou-
eos das, deixando Maria B... por sua herdeira de
uns mil francos.
perviviendo as coosciencias ; fazendo do injusto,
justo, do crime, iouocencia. do roubo, um direito,
da soltura das ms psixdes, urna oecessidade, da
obediencia s autoridades constituidas, um dever,
di mal, bem e n'uma palavra baralhando e con
fundiudo ludo ; v o braco da ra divina levando
sobre a bnmanidade para vingar tantos ultrages,
tantas profanagijes, tantos sacrilegios, lanos horo-
res, tantos crimes e tantos' peccados que lodos os
das se esto coramettendo contra a sua Divina
serlo as peoas que temos a soffrer ou n'estc
mundo ou no outro para salisfazermos pelas oossas
culpas!
De quaotos anuos de jejuns, penitencias e auste-
ridades nao carecemos nos para apagarmos o reato
dos oossos peccados ? I
Ai 1 e o que sao as penitencias que hoje se im-
poera aos penitentes, em coraparac.au das que os
caones ontr'ora Ihes impunham /
Oh I se o proprio Jess tbrislo soffreu tantos e
Magestade ; Jsim, vd ludo sto ; e quem poder la horrorosos tormentos, sendo Deus e homem
comprehender as dores que atravessara aquello co-
raeao magnnimo, aquella alma terna e sensivel,
quera poder comprehende-las ? 1..
Quem poder desnrever as torturas cruels, as
amarguras pungentes, que l viid uaquelle pelto.
nDoceolissimo, s porque toraou sobre si os pec-
cados alheios e quiz satisfazer por ellos; o que
nao (eremos nos a padecer, nos que somos os ver-
dadeiros culpados ? 11.
Se dos uao soffremos o'esla vida, havemos o-
c do meio d'estas angustias crueis, que Pi
IX, desamparada de todos
onde vo reflectir todos os soffnmenlos de seus fi-: cessanamente soffrer na outra em expiacao de
Ihos. que olha como seus proprios 1 no-sas faltas.
O co ooss patria, verdade ; os expieodo-
res da gloria de Deus a uossa ultima morada; po-
os auxilios humanos, ., _... ., .
procura allivio para os males, que opprimem : d aquellas claridades immensas nao
l.umaoidade no BeutitUda consolacao que nos
consola em todas as noisas Iribulacoes; ergue os
olhos arrasados de lagrimas para o throao do Al-
tissimo, donde espera lodos os auxilios; e estn-
de:Jo os bracos para seus lilhos espirituaes, arran-
ca do fundo do peito maguado estas palavras, e
Ihes diz entre gemidos e solucos:
entra cousa alguma manchada, preciso que se
v purificado da culpa e do reato.
Ai I e quao horrorosa a pintura que os sanios
padres nos fazem d'aquelle lugar de tormeotos
que se chama purgatorio.
Keuni, nos dizem ellos, lodos os tormentos qu
Jess Cnri.-to padereu, e todos os que soffreram
aojo
a mi da ir-
. ira ser sua
marear as pecas do eoxoval ; .. Slba ionio e n;it
iii..-e nada,
(juem cala, coasente.
Faando-se a Armando na mysieriosa aozeOeia
de Aoatolio, puoba um dedona I oca, comoaqael-
i. ;...;Pokrat egypcio Je queosGregos liieram
Harpocrats, e jue erradamente tomaram por deus
do silencio.
Har-Pokrat, filho de 0.-ris e lis, ara simples-
mate usymbolo do palUJj sol primavera em
cor..,o.
Nao fra di proposito fallar em sol quando se
prepara o mei para urna iua.
Urna la !
Sao duas !
O leitor vai cahir de :-; .oto era
Sao duas las.'
Anatolio vulta le '. ni1 e
ma mais nova daqa te ..-:.
espoza.
Expliqae-se emQm enigma.
Anatolio conheceu qae o sea coracao tinha ido
por caminho errado, e c^nfessoa-se isso a Ar-
mando.
Confidencia por confidencia : Armando confes
scu a seu irmao quegostiva daqaeila que Aoato-
lii :ie quera dar por canhada. Por consegrante
Anatolio retirou-se para Londres para deixar a
Armando o campo iivr .
Celebraram-:e os c a* casaraentos no mes-
mo da.
A este duplo hymeneu ? foi posta urna condi-
co. e bramos duas irmaas desposadas pelosdous
limaos que iosistiram nesta clausula nao inscrip-
ta no contracto : d'abi em djaie os dous irmaos
devorlam dar barba am talco diverso, e seria
fiancez o alfaiate de um e loglez o do outro.
A aco publica o .- : s :.. c-Qatura do
Rrm. Miguel Ferreira de Almeida :
0 JCBILEL"
Du alto do Vaticano mando os catholicos ao arrepeudimento, ora^o
e a penitencia.
E' a voz d'ura pai :ercadu do Iriboiacoes e an-
gustias ; avozd'im justo rodeado de drese
manyrios, perseguido pela iniquida ie dehoraens
perverso;,-, que procuram roaba lo admiraejk) do
mundo ; a voz d'um dos maiores e mais vene,
raudos papas, que tem regido a barca da igreja ;
e a voz do nunca assaz admirado Po IX.
V grossas nuven* .gbiomeraJ-se sobre a ca-
beca ; v c esurondo da tempestada rugir pertode
si; v o mar proceloso da revoluto, embrave-
cendo-se cada vez mata e levando ?as ondas ra
vosas que vo cahir a seus ps vd essa borda de
innmeros selvageu^ sabidos dos antros infernaos i
e cabiodo sobre a humaaidade, como um flagello''
da ira divina ; v se cercado de immigos sanguina-
rios, levantara seus punliaes n j meio dos brados da i
Meos lilhos I vinde commigo, vam s langar-nos | todos os marlyres e confessores, que todo anda
aos pos do oosso bom Deus; vamos implorar com ser pouco para retratar os incriveis padecimen-
lagrimas a sua misericordia e a sua clemencia;: tos das almas que padecem do fogo do purga-
vaiaos com a nossa humildade, eom as nossas pre- torio I I I
ees e penitencias azer cahir das suas raaos a es-1 Oh I pensemos bem tudo, e corramos aos ps de
paaa Ja ua ira, armada contra nos; vamos com Jess Christo, representado as pessoas de seus
firmeza e conanca, cerlos de sermos attendldos,! ministros, e com urna verdadeira contriegao de
porque no= somos flitios e Deus nosso Pai, e j todos os nossos peccados mortaes e veniaes, alcan-
Jesus, nosso irmao, e Mara, nossa Mi; porque ; taremos o seu perdao, e dos habilitaremos assim
auvMir, pois, um momento de defenmento de nos- para ganhar o presme jubileu, e com elle a nos-
sis supphcas? sa p|eoa jortiflc^ como se de noy,, reCebesse-
tu possuo as chaves d'esse ihe baptismal.
que o Divino Pastor das almas, Jess Christo, me Ao templo, pois, catholicos e portuguezes im-
eu o abro, e o derramo sobr vos.! plorar a clemencia de Deus, e desarmar a sua
como um orvalho celestial, que purificar vossas
almas.
Oh nao despreseis tao sublimes favores que o
co vos conceda; aproveitai lao extraordinarias
gragas; puriticai vossas conseiencias no Sacra-
mento da Penitencia, santificai-vos corn o pao dos
Ira.
E emquanto os inimgos da reiigio e da huma-
Didado machinara nos antros infernaos da mago-
naria a ruina do calholiclsmo e do papa, e combi- i
nam os mais sacrilegos projeelos, vamos nos lao-
gar aos ps d'aquella que se ri das maquinagoes
mjo., com jeiuns e penitencias, para que as vos- dos impos, e com um ligeiro sopro do seu poder
sas preces, parundo d om coracao sem macula su- as Ambu e. lanra nnr lerr i
i su-
bam at ao throno de Todo Poderoso, como um in-
cens suavissimo.
Oh e que filho havera tao degenerado que nao
acuda ao chamaraenlo de seu pai attribulado ?
Oh sim, fiei>, nos lilhos desla nago fidelissl-
ma, nao desmintamos a f de nossos maiores, a
piedade e os Mmenlos religiosos de nossos ve-
nerandos avs, que tanto timbra vam em distin-
guir-se n'eslas virtudes ; nao demos ouvdos a es-
ses portuguezes degenerados, que abi eslo ulua-
jaudocom a sua impiedade as creangas tradicio-
Baes desta nobre e veneranda Xago, que ou-
tr'ora, levando n'uma mo a cruz, e na outra o es-
tan 'irte nacional levou o Evangelho al s mais
i.'..ciuquas e inhspitas plagas.
Oh por Deus e pelo seu Christo, cooservemos
a nossa reiigio; e corraraos ao lemplo, langar-
noaos ps sagrados dos ministros de Jess Chris-
to, para recbennos a absolvlgao de oossos pec-
cados ; e lucrarmos as gragas e indulgencias que
a lberalidade pontificia nos concede; oremos pela
paz da igreja, pela couservagao da vida preciosa
de S. Santldade, pelo .triumpho da reiigio, do di-
reito e da justiga.
E para que os catholicos possam melhor apre-
ciar tao extraordinario beneficio, que nos cod-
cedido do Jubileu, diremos alguma cousa a este
respeito.
II
E' um dogma catholico, que na santa igreja, ha
um thesouro inexgotavel de gragas, de que dis-
pensadora.
Estas gragas, que a Esposa de Jess Christo
distribue pelos fiis para satisfago da pena devida
s suas culpas, depois de absolvidas no Sacramento
da Penitencia, ciamain-se indulgencias, que po-
-1 dem ser parciaes ou plenaras, conforme remetiera
pane ou toda a pena do peccado.
E' muilo corto, que Jess, viudo ao mundo,
deu justiga diviua urna satisfago superabun-
dante, porque sendo Deus, qualquer pequeo sof-
frimento liana um merecimento Infinito ; e Jess
soffreu mil flageliagoes, mil tormentos e dores, u
finalmente derramou todo o seu sangue, d'um valor
infioito para salvago da humanidade ; quando
urna s gota desarmara a justiga divina e reunria
o mundo.
as desfaz e langa por trra I
Se houver de se dar crdito a tudo o que nos
dizem os jornaes estrangeiros acerca das maravi-
Ihas do vapor applicado, (eremos de acreditar o se-
guidle :
No hipodromlo de Pars oslar en exposigo aos
espectadores um piano de vapor que tem a forma
de una locumolora e foi construido na America do
Norte.
Km Florenga segundo dizem os jornaes renasce
rain as auligas discordias dos guelpnos e dos gibi-
linos no bello sexo.
As mulheres do Florenga publicam diatnbes
contra as de Turin.
Certo jornal desla capital disse que as Florenti-
nas nao eram formosas; enlao algumas delias pe-
garam da peona e publicaram urna carta injuriosa
para o bello sexo de Turo bastante menos bello
que o de Florenga segundo dizem as autoras da
epstola.
O collegio dos cardeaes fui fundado em 1117 pelo
papa Pascual I, mas a eleigo dos papas nao Ihe
foi aitribuida se nao em 1160.
Foram declarados principes da igreja em 1220,1
e no mesrao anno se Ibe entregou o chapeo verme-
No Diarios de Noticias l-se o seguale :
Tudo lem raud do os noraes
De ha certo lempo p'ra c;
Al aos pas de familia
Se chamamama, pap.
O Irera hoje consol,
Tele--tte o caoap :
Etagres as praiilelras;
Dansa noite soirt.
J de ha muito se cnaraava
Ao carro cabrtolet,
Ao barrete, carapuga,
E mesmo a gorra, bonet.
Mas boje sobe de ponto,
Parece mesmo mana ;
E' a bolca pharmacia,
A leoda mercearia.
A taverua atmazem,
Hotel a hospedara ;
Chamase talho ao agougue,
Irapreosa typographia.
O aotigo sangra-burros
E' hoje veterenao;
O barbeiro raaldizente
E' artista capdano.
E' porte monnaie a bolsa,
Termo vo vulgarisado,
Que usa delle o pobre, o rico,
O marujo e o soldado I
Hoje chamado thesouro
O que d'antes era erario ;
Ao que era mogo de rodas
Moje chamara frinfanaro.
A amiga sege coup,
A carruagem caleche,
Aos vidros dos casligaes
Appellidara de bobeche.
Dog car e char-banes,
Victorias, americanas.
T tratos da candade,
Chamam hoje s iraquianas I
A' renda feita de agulha
D-se o nome de crochel;
A' maula abafa pescogos
Denominam cache-nez.
Ao nosso aotigo fusio
D-se o uome de piqu ;
A's caifas feltas de rede
Capilulam de fttit.
Chamam soulache i. traociuha,
A' seda fraca foulard,
Chamara passemaneries
Ao mais pequeo alamar.
Aos offlcios chamam artes,-
Ao dnheiro numerario ;
Ao que s gasta o que tem
Dase o nome de ujtircirio.
Todos chamam rendez-tous
Ao enconiro combiaado ;
E' o esturdo janota,
Foal o pobre e hoDrado.
Chamara nuche fita crespa,
Seda com lustre glace ;
Ao anligo gorgoro
Appellidam monee.
Tudo snpporto e tolero,
S me fazem confusao
Os nomes que actualmente
A's novas fazendas dao :
As fortes sao poil de chevre,
Alpacas e propelinas ;
Chamara a's outras mais fracas
Mozambiques e lustrinas.
Ai I meu Deus, que francezismos,
Nem cabem neste papel ;
Isto j na. i Lisboa,
E' labynnlho, Babel I I I
Ohio.
Urna forga sulficienln desta guarda est sempre
' de servigo, e as pessoas que vo fallar ao presiden-
te na sua residencia temporaria, encontram, assim
que se approximam da pona, tres ou qualro sol-
dados, que nao as dexam passar dalli sera terem
dado primeiro o seu nome e esperado |que o pre-
sidente mande ordem para serem introduzidas,
Na ante-sala acham-se larabem soldados de as-
pecto garbosamente marcial, os quaes se conser-
vara firmes entrada da sala de audiencia, a mui
pouca distancia do Sr. Johnstoo.
Na ra, era redor do casa e no terreno por ella
oceupado, ha constantemente seniinellas.
Com effeito, as mais razoaveis precaugoes foram
adoptadas para premunir o presidente contra
qualquer violencia.
A ancdota que segu, pode ser de algum pro-
veilo para as pessoas perseguidas por inventores
incorregivelmenle importunos, como casiumam
moslrar-se justamente aquelles cujas descobcrlas
menos altengao merecen).
Uid dia aprsenla se um individuo ao duque de
Wellington.
O que que me trazeis ? perguntou-lhe o
duque.
Teuho a honra de offerecer a Vossa Graga
urna jaqueta prova de bala.
Vesti-a.
O homem obedeceu.
Bem 1 continuou o duque, e voltando-se pa-
ra o seu secretario, acrescentou :
Ide chamar um soldado e dizei-lhe que tra-
ga a espingarda carregada com bala,
O inventor deu as trancas.
ocou-o oa alternativa de ser entregat a
'e ajoelhar, e, corim populo, bajar ,
ratoneiro, depois de alguma
te u I limo partido e levou-o a
asfobio e dos a pupos do po vinho.
O advogado qoiz em seguida, segando a su aro-
messa, po lu em liberdade ; mas os agentes da ao-
licia, qQ0 oeste cmenos ebeganm, apoderaran-se
desie traante, o o condoziraa aerante o eomtmua-
sano do bairro.
M. B----explicou ao magistrado qin oha pao-
cedido, em virtude de urna le dea
ainda nao revoga.la, comeado (ao molo \
lo 9 art. 8) urna disposigio coocebida aeie*
mos :
Se alguem tiver urtado om cao galg i
hum) ou um segusiavo (segntium ci V ra$a
licular que os gaulezes eapregava no eaea do
javalij ou um cao de correr (pttrumeuUm) i
mos que o culpado seja obngado a beijar o I
na parte posterior do corpo, pnate o aovo i
do, ou a pagar 6 sidos de ouro ao seo dono, o S
sidos a titulo de mulla.
O advogado conclua qae o ladrio (a por
habito elle chama va o seu cliente) Iosm sota, at-
tendeudo a que ja se tinha cnmpndo a Mi
o commissario oo approvoo este met
peclivo, e teodo reconbeeido qae o
um vagabundo, Metro e vezeiro, mandoo-o preso a
perfeiiura.
Urna correspondencia de Londres da' os seguin-
tas pormenores acerca dos negros dos Estados-
Unidos :
Bem conhecia, diz o correspondente, o presiden-
te Linelo as dfficuldades que havia de offerecer
a emancipagodos escravos, quaado mandou o ge-
neral Sickles para Bjgota", encarregado de com-
prar, por coma dos Estados-Unidos, ura territorio
no valor de tres milhes dedollars, cora o propo-
sito de estabelecer alli urna colonia de negros
emancuados. Se esse projecto se tivesse podido
levar ao cabo, a questo da escravido ler-se-hia
resolvido fcilmente.
Mas esla idea nao agradou aos absolutistas do
norte, era aos negrophios inglezes. Mr. Mili que
se inostra defensor dos negros a iodo o trauce, dis-
se recenleineule, que no caso de nao ser possivel
a misso de voios no sul por pane dos blancos e
negros ao mesmo tempo, era prefervel privar do
guirragio os braucos em lugar dos negros.
Os absolutistas do norte dizem tambem que se
nao devein azer sahir es negros do sol, porque alli
bao de ler ierras, e gozar de todos os direitos de
cidado, acresceulando que este o nico oaminho
para a verdadeira emaucipago. Verdade que
nao falla quera sustente que o (al a coodigao iotel-
lectual e religiosa dos negros, que offerece pouca
esperanga a elevagflo social delles, e que mais
fcil christiauisar os verdadeiros selvagens do que
03 negro*. Na Nova Escossia e do Canad ha pe-
queuas agrapages de oegros qne vivem n'um es-
lado de beslialidade quasi completo, segundo dizem
os tuimigos da raga negra.
Seja orno fr, no seu lodo o negro contina e
ser despresado quasi como at no agora norle. Nao
se Ihe deixa fcilmente entrar as carruagens oo-
de estilo braucos ; nem nos lugares oceupados por
estes nos theatros e no proprio iilioois nem mesmo
se Ihe permute entrar no territorio do estado. To-
davia o negro sabe perfeilamente que a sua silua-
gao mudou.
O presidente Jjlusofl deveria talvez mostrar
raaior resolugao nesta parle; mas pardea um tem
po precioso, procurando primeiro que tudo conci-
liar as exigencias dos radicaes a quem deveu a sua
eleigo, com os projeelos de Mr. Seward e seus
amigos, opposlos a urna poltica rancorosa e dse-
josos de estabelecer no sul um estado de cousas
regulares.
E' ura facto de todos sabido, qne o eneraieo e
incaosavel fundador do canal de Soes, Mr. da Les-
seps, havia convidado as cmara* de nremiren,
e diversas associacoes de sabios, a eaviareai eh-,
gados para examinar o estado dos Ineelaeo, pe
deviam dar em resultado a juncro do mar Ti tana
Iho cora o Mediterrneo. Apesar da Htaaru das
fadigas de urna viagem, asss tonga, e do no
dupla iravessia, faI tarara poneos convidados.
Os delegados nao se limitaram a visitar o ca-
nal ; percorreram urna parte do Egypto; nano
tarara o Ni lo al Memphis.
O terreno das margeos do Xilo nata ptodagiosa
fertilidade; cuiliva-se ahi com igual eslo e In*..
o algodo, o milno e as plantas oleagiaoaas.
As babitagdes dos indgenas nao eieedeea, veren-
da a arte architeclooica dos castores, mas a agri.
cultura progride ali a passos largos; por loa a'
parle fuoccionam as charras a vapor qae deheMe
se procuraran) n'outros paizes, que se dizem estar
mais adianlados que o Egypto, em metnoraaneetos
materias.
As obras da canahsago correm mu hvoravet-
menie. Rema a maior acti vidade, e niofase de-
vida j do hora xito de.-ia empresa gigaelmi
Eogenhosas machinas a vapor fazem ao eserto.
o effeilo de bombas bydraolieas. Abren o soto e
tirara-i he a areia; centuplicar a forga dos (tra-
gos.
Era Janeiro de I8o6, poder-se-ha orgaarsar o
orgauisago em botes, desde Soez at rteiftal.
pomo em quo o canal faz junego ceta o Mi *tt
raneo.
Foi preciso crear ali urna vasta reinada, o oteo
obra gigantesca foi levada ao cabo
biiidade.
A tabella dos transportes entre os I
nao esta anda tixada, sabe-se, porsa, im doro
urna ecouomia de 50 por cerno, sobre o* prefaa
acluaes de transporte, entre Soez t Himod.ii
pelo caminho de Ierro.
Havera retocadores a vapor qae Utio frimijr
as roercadorias, o iuiervello entre os dona ,
A quanlidade das rnerradorias Iher esla va accelerada, ser sem duvida i
a principio; mas n'um futuro que nao esta
le, ha de operar-se a este respeilo ama aMdOnca
consideravel. E' avaiiado em 6 milhes de tonela-
das, o comraercio annual, qae parte da Europa,
para dobrar o cabo da Boa-Esperaaca.
Urna boa parle desie quioho ha de ceder a ten
Sai, logo que peana proporcionar aos navios nasa
completa seguranca, e os meios de effeclnar rpida
e econmicamente, as cargas e descargas.
-----------'i-a i J s ---------
L-se oJemof do Con
imeicio de Li-boa:
Urna das maravilhas da California hespaahoU,
a ii.iraeusa e admiravel vinha de M-micite, *
fica a duas ou tres mllhas
estrada de Uuenavenlura.
de Santa Barbara,
tgh^COgS-
desesperago mais satnica, de amigos 'nerfidos e
e, que Jess adquiri pela sua Paixao e Morte, ficaria
E esse tbesouro infinito de gragas e satisfagoes,
desleaes, que recorren) a t das as astucias e me-' JIL
neios mais ardilosos para o fazerem cahir no lago"
de iutrigas nialdiU;.
Conlercpla (odo isto
char precipuadamenla
v a nimanidade
Dize-io, sera a maior das impiedades, e o mais
revertanle dos absurdos.
a mar- Chicarnos as palavras do Clemente VI, que sao
para o ab>>mo; v esse d'uma notavel clareza e preciso, e exprimera o
mar fui.Lundo da revolugao estendendo-se pela Eu-. dogma catholico : Sacrificado na ara da Cru. o Jo-
ropa luieira, e levando na sua crreme devastado- nocente Cordeiro, cora urna s gota do seu pre-
ra todas as bases, era .ja: se assentara os ihronos,' ciosssiino sangue teria remido todo o genero
as institmcSe; e a ord3m social ; al.uindo lodos os humano; derramou todavia u.na torrente de san-
fundamenlos da reiigio e da moral, e todas as ga- gue de que formou um thesouro, que entregou
rantias, ijie poder-ara asegurar a felicidade social. igreja para, como caiinhosopai, enriquecer seus
e a cvilisago v o deudo de civihsago, que a lilhos.
igreja ca'.holica tem construido ha 19 sculos j A este inexhaurivel thesouro de merecimentos
custa do mil fadigas e trabaiho, desabar e cahir em de Jess Christo, accrescera os mritos das obras
ruinas; v seus fiihos esmagados debaixo do jugo; dos Saotos e marlyres, particularmente da SS.
desptico da revoluco cosmopolita; escuta, com Virgem, que nao sendo j precisas parasejusti-
o corago despedacado pela mau acerba dor, esses j ficarem diante de Deus, da pena devida s suas
lamentos e gemidos de seus qusridos filaos, que fallas, sempte inherentes fraqueza humana, fo-
Em Paris publicara-se actualmente 816 jornaes,
25 polticos, 5i de modas, 87 Iliterarios, 67 de bel-
las-arles, 28 de sciencias physicas, 30 de agricul-
tura, 2(i do exercito e armada, 2o de historia e geo.
graphla, 17 de comraercio, etc.
O Jemai do Commercio publica sobre o vioho
nacional o seguiote :
Fornos obsequiados com urna amostra do vloho
do Ro Graode do Sul. E' um vioho fraco, de sa.
Iho para Ibes recadar que deviam esiardeciddos i b0r Um lanl acre' aPro*'"iando-se do chamado
em lodo o lempo a derramar o seu sangue a favor i V1D'10 verde de Por,u8al cheiro agradavel, e sem
da reiigio. 'duvi,|a superior a' generalidade dos francezes que
O titulo de eminencia Ihe foi concedido em 1630 PT ah Sf Vendem .; PrlDCiPa,me'"'' es.agao
pelo papa Urbano VIII. calmosa deve ser' raislurado com aua. ">u'lo boa
beb lo.
A respeilo do fabrico communicam-nos o se-
grate :
Este vinho feito e engarrafado na chcara do
Sr. Antonio J. Soares Vianna, na, ,ilba dos Mari-
nheiros, do Rio Grande do Sul, que este anuo ob-
leve, a' forga de diligencias, confeccionar perto de
30 pipas de vinho branco e tinto, pela maior par-
te producto de suas ierras.
O prego de 10$ porque elle aqui tem sido ven-
dido, altendendo a's muitas despezas que fez, ne-
cessario confessar que oo pode sustentar a
competencia como custo de vinhos francezes de
igual nalureza.
Mas espero em breve obter, com mais melhodo
e ecoooma, uraa reraessaque possa ser veodida
aqui ao prego de 65, pelo qual inconteslavelmen-
te muilo aproveitavel, pois, seudo puro extracto de
uva, sem a miaima coofecgo, lera qualidades t-
nicas que o lornam muito recommendavel para
quem nao pode fazer uso dos viubos alcoolisados.
Esta industria tem-se deseuvolvido nuilo ua
proviacia do Rio Grande do Sul.
Nos arredores da cidade desie nome fabricaram
este anuo perto de 200 pipas, que foram alli rpi-
damente vendidas para o coosurarao local.
No municipio de S. Loopoldo, ponto agrcola e
fabril digno de serios estudos, ja' a produego
monla a mais de 300 pipas, que sao vendidas pa-
ra o consumo de Porto-Alegre, onde j ha mullas
pessoas habituadas a fazer uso exclusivo deste vi-
oho, que se veode a varejo pelo mdico prego de
4W rs. a garrala.
Alm desla qualidade comraura, fabrica aquelle
Havia muitos annos que urna pobre velha, cujo
facto esfarrapado solcilava a cardade, se asseDta-
va todas as raaDhaas, oa cidade do Autuerpia, a
porta da igreja de Santo Audr ou as pragas pu-
blicas, o esteudia trmula mo ao? passageiros.
Mana IJ... nuuca passava pela velha que nao
desse a humilde tsmola que os seus meios Ibe per-
miniara dar: mas veio um dia em que passou sem
'ne dar o bolo quotidi-no.
Devia haver para isso razoes muilo fortes.
Com eleito, cahira sobre ella urna grande des-
graga.
Seu rraao, nico arrimo da velha mi e d- um
irrao pequeo, tiaha sido sorteado oa vespera, e
la eotrar no exercito deixando sua familia sem re-
cursos.
Acabada a missa, Maria sahio de olhos balxos e
avermelhados pelas lagrima;.
Quando a viram sahir, duas mulheres que con-
versavam porta da igreja, seguirara-na com olhos
de compaixao.
Pobre Maria I disse urna ; to boa, to meiga,
e vera.agora a miseria baler-lhe porta.
Ento que Ibe acooteceu ? perguulou urna
voz por detraz deltas.
E' facto que a situagao se toroa alli cada vez
mais grave. Cooi a emaocpag) earam trans-
formados de productores em consummidores uns
tres milhoes de escravos, racapazes na sua maiorla
de procurarem para si urna vida ndependente.
Accresceuta-se a isto que a dissolugo dos exerci-
tos confederados, deixa sem recursos proprios uns
150,000 soldados, que por emquanto vivem a custa
do paiz.
Por outro lado os colonos nao vendem os seos
producios, porque no sul nao ha dinheiro para
comprar, de raanoira que aquellos mercados se
acham pouco menos do qu-tlesprovidos. Os pro-
ductos agrcolas trocam-se com outro's do mesrao
genero, e raui commum comprar tantas libras dn
farinha ou de carne, por qu.ntidades de ou:ras
alimenticias e ainda se considera muilo feliz aquel-
le que pode adquirir pao ou carne. Sao muitos os
que tem de viver meraraenti de fructos.
Na Georgia podem distribuir-se alguns soccorros
as partes que ha guarugoes fuderaes; mas na
Carolina do Norle, por exemplo, nunca se vio urna
lao grande caresta. Ha mezes que morriara de
forae; no entretanlo nao querera trabalhar, sendo
muilo as atrocidades corametlidas pelos brancos do
sul conlra os negros, a quem aecusam de ser a
causa principal da miseria que est reinando.
Todos os dias se apreseutam negros s guarn
goes federaes com os narizes corlados, e com ou-
tras mulilagocs gualmeute repugnantes ; mas os
negros nao se defender, nao se atreven) a resis-
tir aos seus amigos senhores cora quanto oo dei-
xem de comprehender os seus direitos.
Na Virginia apresentaram-se para tomar parte
as eleigoes, mas nao Ihe quizeram admittir as
suas listas o ento reunirara-se a parte, e deposita-
ran) os seus votos em urnas especias, que elles
raesmos prepararan).
E' grande a confusao que reina no sul : e raui
difflces as circunstancias porque aquelle paiz est
airavessando.
----- i '. Q t B
Um caso singular atirahio em certo dia muia
gente, no bairro Beaumarcbais em Paris.
M. B.....advogado, possue um bello cao galgo.
Iodo a passeio, apercebeu-se que o cao o nao se-
gua, e depois de o chamar inulilmeote, retrocedeu
e achou-o nos. bragos de um individuo, (rajando
aceiadamente, que o levava comsieo, comprimi
do-lhe o focinho cora s raaos, para impedir qne
ladrasse, e tendo-lbe j tirado a coleira em que
estavam gravados o nome o a morada do seu
dono.
Dotado de um vigor extraordinario, M. B.....
agarrou o ladro pela gola da sobrecasaca, e col-
Foi plantada pela senhora Marcelina Petra a
Domnguez, esposa de ara veterano qae sesmo de
Sonora para a alia California, urna das prinviras
columnas de exploradores hespanhe, e se asante.
leceu neste ultimo paiz antes do anoo de 1780.
A senhora Doraiouaez era nataral de Csala,
cidade do estado de Sinaloa, e depois da fijodaccao
do presidio e da misso de Santa Barbara, liten
mais largou o caminho de ierra, que ella e sen
marido haviam escolhido.
A celebre vjnha da qual tem rallado lodos ee
viajantes, ha mais de Irnta annos. foi pla_
mais de sesseota e cinco, e a soa orgem i
A senhora Domnguez, n'um pa.sio a eavallo
cortou, para Ihe servir de eticte, orna anea i
urna oven cepa da misso de Santo Amonio, no
contado de Moolercy.
Ao ebegar a nascente da agua mineral de S. -
guel, notando que o seu improvisado chicote, can-
servara ainda ura resto de verdura, resolvta aba-
ta-lo. ^^
Para isso era msier alcancar a aotomaeo de
cominandante de Sania Barbara, qae boave par
b<>m concede-la, e o chirote da seahora Prmiejtn.1
foi plantado por ella n'am jardim, qae sea marido
fra autoridado a cultivar.
Esta uuloruaco parece-nos hoje om
lar, mas porque as coasas passava
tmeme, nos tempos da domnago hespaehota.
E' de suppr que ao,levar a effeito a soa idea,
isto ao confiar Ierra este pedaro de astea, de
qual se servir para accelerar o pauso do sea en-
vallo, a senhora Domnguez nao acrediiaase no leu
resultado do seu eosaio.
Nao ha noticia de vinha qae crescesse e se des-
envolvere tanto como esta, pelo menos na Asno-
rica.
Desde 1850 at I Si, cobria com a soa lomara
ama circumsferencia de 20 ps inglezes, noto osa
tronco do dimetro de um p (30 eenatnsoreeL e
elevava se a 15 ps cima do soto. Ha ,
annos, produzio 6,000 cachos de ova exeetkat*.
Por espago de 30 annos, a vinba de
fez viver a familia daqaeila, qoe o
tado.
Essa familia foi abencoada pela Providencia: o
senhora Domnguez leve l i Blnos, 7 rapases e 7
raparigas; morrea em 9 de malo deste
de ter dado a California, orna descendencia de i
de 300 netos.
Tinha mais de 102 annos de idade.


1
PERXAMBCtE^'fYp. DE M. FJ>E F. \ FILMO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERNW7WKK6_NVY3S2 INGEST_TIME 2013-08-27T23:40:22Z PACKAGE AA00011611_10742
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES