Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10734


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANUO 1LI. NUMERO 177,
Ht qaartel pago dentro de i0 das do 1. mez t i #gQ00
dem deiois dos 1.' 10 dias do comecoe dentro do qnartel. .' 6|000
Porte o eerreio p*r tres mezes............ 7ft
SEXTA FEIBA 4 M AGOSTO DE 1865.
for anno pago dentro delOdias do 1. niez ,,,.... 19$00f
Porte ao correio por ara anno..........,.,, IfOOt
E.NCAUREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyha, o >r. Antonio Alexandrinn de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Margues da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaqulm M?rques Ro-
drigues; Har, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronyrao da Costa.
EXCAKREGADOS DA SUBSCRII'CAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estapes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna cas segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caroar,
Altinho, Garanhnns, Buique, S. Bento,' Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as terpas
feiras,
Pd'Alho, Naiareth, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
logazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricnry, Salgueiio e Ex, as qoarta?
feiras.
Seriuhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agoa Preta e Pimenteira?, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relapo : tercas e sbados As 10 boras.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 1! horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do cvhI : terpas e soxras ao mek>|
dia.
Segunda vara do civel: quarlas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMERIDE DO MEZ DE AGOSTO.
DAS DA SEMANA.
7 La cbeia as 3 h., 9 m. e 31 s. da m
13 Quarto ming. as 7 h., 22 m. e 28 s. da t.
21 La nova as 4 h., 37 m. e 34 s. da m.
|29 Quarto cresc. as 9 h., 29 m. e 46 s. da m.
31. Segunda. S. Ignacio de Loyola f. da ord. jes.
f. Terca. Ss. F, Esperanpa e Caridade vv. mm.
2. Qusrta. S. Rolilio m.\ S. Erodio m.
3. O'iiQta. Ss Gamaliel e .Nicodemus mm.
4. Sexta. S. Tertuliano prest.; S. Agalio b. ra.
>. Sabbado. S. Euihiquio soldado m.; S. Sobel ra
. Domingo. S. Xisio p. m.; S. Agapito diac.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 m. da tarde -
Segunda as 7 horas e 18 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIBa
Para o sul al Alagoas a li e 30: para
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Pl
do nos dias !4 dos mezes de Janeiro, mareo,
julho, setembro e novcnbro.
ASSIGNASE
no Recife, na livraria da prapa da IwL,,
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figneiroa
Faria & Filjio.
Air
8
Expediente do dia 4 de agosto de lSCo.
Offlcio ao Exra. brigadeiro commandante das
armas.Tendo o Exm. Sr. conselheiro Joao Lus-
tosa da Cunna Paranagu de tomar po-se do car-
go de presidente desta provincia, amanha as 10
forta-
pelo Sr. commendador Manoel Figueira de Faria.
Recebido com agrado, manda-se archivar.
Dous volumes dos estudos sobre o ensino publi-
co ; outro sobre a infallibilidade e o poder tempo-
ral do papa ; e dous discurso, off-recidos pelo
proprio autor, o Sr. Dr. Aprigio Justioiano da Sil-
va Guimares. Recebido com agrado, manda-se
archivar.
Dous nmeros do Brasil Histrico, offerecido
! pelo Sr. Dr. Manoel de Figueira Faria.Recebido
com agrado, manda-se archivar.
Urna bala de pega, adiada nos montes dos Gua-
horas do da, ha|a V. Exc. de ordenar que a forta- j rarapeSi e n0rlant() contempornea daquella guer-
leza do Brum d a salva do estylo a essa hora.- ra# Recebido com agrado, mandase archivar.
tTeste sentido expediram-se as necessanas ordens. L se uma propona para soejos correspondentes,
Dito ao coumandante superior da guarda na-1 asSignada pelos Srs. major Salvador Henriqoe e
cional do Recife. A' vista do parecer da junta de | padre mesire Lino.-A" commisso de admisso de
saude, que inspflccionou n jolgou incapaz do serv- socios
pe o guarda do i batalhao do infanlaria deste mu- Vem mesa a seguinte indicapo :
nicipio, Manoel Marinho do Nascimento, resolvo; indicamos que, por intermedio da presidencia
dispensa-lo do destacamento para que eslava de- da provincia, se solicite do governo imperial a per-
signado, o que declaro a V. S. para eipedicao | missao de ser arcnva,ja neste nsituto a devasa,
das convenientes ordens. a que se procedeu por ocesio dos movimentos de
Dito ao mesmo.-Mande V. S. postar em frente i8i7, em Pernambuco, com um monumento histo-
do Caes de 22 de Novembro hoje as 4 horas da r(.0> qUe muit0 enriquecer o nosso archivo. Sala
tarde uma guarda de honra para assistir ao em-1 das sesses, 3 de agosto de 1865.-Dr. Aprigio lioi-
bar-iue do Exm. Sr. Dr. Antonio Epaminondas de mues.-Padre Lino do Monte Carmello Luna.
Mello, presidente nomeado para a provincia do P()S|a era disenssao, approvada sem discussao.
Amazonas. O Sr. major Salvador Henriquit obtendo a pala-
Dito ao commandante superior da guarda naci- vra> l7 a ,e|ura de um imporian,e trabalho seu
nal do Rio Formoso. Constando de partieipapao consistente na copia de differentes termos de ir-
da secretaria de estado dos negocies da justipa de maos ,]a anliga rmandai]e ,ja misericordia da ci-
7 de julho prximo lindo, que S. M. o Imperador, dade de Olinda, extrahlda do competente livro. E'
por decreto de 22 de junho ullimo, houve por um trabalho tanto mais valioso, quanto de presente
bem nomear o bacliarel Manoel Nicolao Pinto Ki- nao exitem as paginas do livro de entrada, em que
gueira de Souza para o posto de major comman- estavam tacs assentos inscriptos, alm de serem
danto da seceso do batalhao de reserva n. lo, as- mutaS dessas pesoas os troncos de tantas familias
sim o communico a V. S. para seu conhecnnento, nossas.
e am de que laca constar ao agraciado para so-; e do bavendo mais nada a tratar, levantou-se
licitar em tempo a respectiva patente. jasessao, mercndose para a seguinte reunlo o
Dito ao coiiimaodantedo corpo de polica.Man- (jja 0 correte.
V. S. alistar no corpo sob eu commando, o paisa- Temos datas do Itapura (Malto-Grosso), de 14
no Jos Aotorio Marques, que seguudo o seu ofli- do prximo panada Por cartas d'alli recebidas
ci, n. 682, dtista dala, foi julgado apto para o ser- consta que os paraguayos depois de se apossarem
V'C- da povoac_ao do Coxim, fogirata precipitadamente
Dito aos agentes da Companhia Brasileira de at o Nioac, dando isto lugar o seguinte facto :
Paquetes a Vapor. Podem Vmcs. fazer seguir para jm das malas do correio que ha mezes estabe-
os portosdo norte, o vapor Cruzeiro do Sul, boje a |eceu 0 governo para MattoGroso por via de Ava-
hora indicada em seu offlcio datado de hontem. nhandava e Itapura ficou demorada no Coxim :
Portara.Os Srs. agentes da Companhia Brasi- a|| chegados os paraguayos abriram-na, tendo a
leira de Paquetes fa^am transportar para a capital, correspondencia do governo, os decretos chaman-
do Rio Grande do Norte, por conta do ministerio do as armas a guarda nacional de Minas e S. Pan-
da guerra, no vapor Cruzeiro do Su!, as pravas |0 em numero de 12,000, suppondo todi essa forca
da guarda nacional d'aquella provincia da meo- em marcharesolvern) inda montados dar ao de
c-ionadas na relacao por copia inclusa, as quaes Ville Diogo, e sem tomar folego deram grapas
vieram a esta escoltando recrotas. Deus quando se acharan) em Niosc, a mullas deze-
Sipedieale do secretario do governo. | as de leguas do Coxim.
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazenda. Do Jornal do Commercio, da corte, copiamos
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, manda o seguinte extracto de cartas escripias por umoffl-
transmittir a V s. as doas inclusas ordens. sendo icial do 4 baiaihSo do voluntaria, oaiadf5UU
uma do thesouro nacional, sob n. 89, e oulra do acampamento junio da Concordia em 4 e 6 do pro-
ministro da guerra datada de 13 do julho ultimo. | ximo passado mez :
Dito ao masmo. O Exm. vicepresidente da I Estamos acampados a 1 e meia legua de dis-
provincia manda transmittir a V. S. as tres inclu- tancia da Concordia, na margem direita do Ju-
sas ordens do dia, em duplcala, e sob ns. 462 a quary, teto na proviocia de Entre-Rios.
464, expedidas pela repartipo do ajudanle gene-, Alm da Concordia urnas doas leguas estao
ral do exercito, em 14, 19, e 22 do julho ultimo.; acampados os exercitos de Mu; e de Flores : o
Dito ao bacliarel Agnelo Jos Gonzaga, juiz mu- primeiro forte de 4,000 a 5,000 humero, o segundo
Bicipal de Cabrob. De ordem de S. Exc, o Sr. de 1,000 a 2,000, im.luindo um certo numero de
vice-pres dente da provincia. Ihe commuuico que | individuos de todas as nacoes, encajados e primo-
deve V. S. fazer recolher a repartico competente
a importancia da despeza devida pela lcenpa de
seis mezes concedida pelo governo imperial para i
V. S. alistar se como voluntario da patria e seguir
para a campauha do Paraguay, sendo seis mezes
cora ordenado e 6 com tneio ordenado, afim de po-
der obter da secretaria d'estado dos negocios da
justica a respectiva portara.
Dito ao Dr. Francisco Brando Cavalcanti de
Albuquerque, juiz municipal de Ipojuca. De or-
dem de S. Exc. o Sr. vice-presidcnle da pro"incia,
acenso recebido o offlcio de 24 de julho prximo
lindo, em que V. S. parlicipou ter assumldo o
exercicio do targo de juiz de direilo interino des-
sa comarca, por se adiar o efectivo no exercicio
de chtfe de polica da provincia.Fez-se o ucees-
sario expediente a este respeito.
CtMIMMM! DAS ARMAS.
rosamente fardados por algunsBrasileiros de Mon
tevido, e commandados pelo coronel Fidelis.
Nos estatus aqu com uns 13 ou 14 mil ho-
mens de infanlaria, e 2 mil decavallaria. Cumpre,
porm, notar que quasdo fallo de infamara c digo
que ella consta de 13 ou 14 mil homens, lambem
me refiro a artilharia.
Temos, portante, uns 16 ou 17,000 homens em
armas, jondo margem os que estao nos bospitaes
e em dilferentes destinos ; ja nao pouco, e isto
reunido aos 7,000 de Mitre e de Flores, aos 3,000
de Urquiza, que nao sei por onde anda, aos 2,000
de Paunero, os quaes estao em Corrientes, prefazem
o total de 30,000 homens, farpa mais que snOlcien-
te para esmagar os Paraguayos, que nao estatu
muito contentes com a tremenda sova que lhes deu
a nossa heroica esquadra.
t Consta por aqui que elles avanpam de S. Bor-
I ja para Itaqui ; roas sao acossados pelas forpas do
, coronel Fernandes, que nem os deixa carnear, e
em um ultimo encontr, tendo elles destacado da
columna 800
-------- w homens, foram estes atacados por
Quarlcl general ao eommaorto das armas de Per- nma orca nossaque ihes matou 700; fez-se om -
nambucoua cidade do Recife, 3 de agosto de prisioneiro, e esse mesmo foi morlo pela nossa
gente.
A guerra ameaca ser de uma barbaridade
atroz; desgrapa ao vencido, para elle nao havera
perdo nem misericordia.
i O estado sanitario tem grandemente melhora-
do em todo o exercito, e a organisapao de um hos-
pital no Salto, apezar dos defeitos que houve na sua
installapao, e da distancia em que delles nos adia-
mos (duas leguas e dous ros atravessar), (em
sido de grande proveilo, poupando-nos crescido nu-
mero de Aidas.
Depois que te eserevi as cousas aqu tomaran)
nova face : o nosso almirante chegou ante-honiem
com firme proposito deaproveitar a extraordinaria
enchente do Uruguay e subir com o Maracanaa,
Araguaya, Galgo Iniciador, os primeiros de
guerra, os segundos mercantes, mas que vao ser
armados e robustecidos rom trincheiras de couro e
la, levando a reboque o patacho Iguassu' e algo-
mas chatas, at a L'ruguayana, para destruir 60
canoas com que os Paraguayos atravessarain para
nassad, sobre consulta das secpSes de guerra, ma- Rio-Grande,
rinha e de fazenda do conselho de estado, sido ser- A empreza tem sens riscos ; porque o inimigo
%-ido declarar mu- os offlelaes do exerdto, quando tomarem asseoto as assemblas provinciaes, tem I*" n'u"a artilharia, eha de empregar os ltimos
direito de optar entre o subsidio e os vencimentos esforpos para nao ficar com a retaguarda cortada
4S65.
Ordem do dia n. 92.
O brigadeiro commandante das armas interino
faz scienle a guarnican para os litis convenientes,
que hontem assnmio as faacpdes do cargo de pre-
sidente desta provincia, para o qual foi nomeado
por carta Imperial de 7 de julho ultimo, o lllm. o
Exm. Sr. conselheiro Dr. Joao Lustosa da Cunha
Paragua.
O mesmo brihadeiro faz publico para conheci-
ment da mesma guarnicao, o aviso circular do
ministerio da guerra expedido a 21 do referido mez
de julho, estah-lecendo que os offlelaes do exercito
quando tomarem assento as assemblas provin-
ciaes, leem d reto de optar entre o subsidio e os
vencimentos que estiverem percehendo em servipo
militar, sem direito ajuda de custo por aquelle
ministerio.
Aviso circular.Rio de Janeiro.-Ministerio dos
negocios da guerra, em 21 de julho de 1863.Illm.
e Exm. Sr. Tendo Sua Magestade o Imperador,
por imperial resolupao de 28 de junho prximo
mas se ella surtir tfTeitoos encorralaremos no Rio-
Grande ; e, ento, grapas s forpas de infanlaria
que d'aqui partirao nesses navios, juntas s de Ca-
navarro, que sao quasi exclusivamente de caval-
laria, formaremos um pequeo exercito, e podere-
moa acabar com os atrevidos que plsam o slo
rasileiro, levando ludo a ferro e a fogo.
As forras de infanlaria que d'aqui iro em-
barcadas conslarao, segundo dizem, de toda a 3'
divisan ; segundo oulros, somente da 5" brigada,
1,200 homens, apezar de haver o nosso comman-
dante almopadohoje com o almirante, Mitree Flo-
res ; nao sabemos qual a verdadeira versao, mas
o que sei que em todo o caso larei parto da ex-
pedipo.pois pertenpo 5' brigada, e a o* brigada
perlence 3* divisao; alm disto, o general Sara-
paio disse esta tarde que seriamos dos primeiros a
ver o inimigo.
< Ist > o que est assentado, mas pode ser que
nada haja, por qoaoto tudo depende do estado do
rio, coja enchente actualmente de si j extraordi-
Funccion o hontem o Instituto Archeologico e naria, permute hojeaexpedipo, mas pode ser que
Geoaraphico Pernambucano, sob a presidencia do Ja nao o permuta aroanhaa.
lixm. moosenhor Muniz Tavares.e com assistencla O Uruguay um rio touco, que enche e vasa
dos Srs. Drs. Soares de Azevecio, Joaquim Portella, de repente, e para passarroos o Salto preciso que
Witruvio Pinto Bandeira e Aprigio Guimares, pa- elle esleja moito chelo. Comtodo, provavel qae,
i direilo i ajuda de custo pel ministerio da
guerra ; assim o communico a V. Exc. para a de-
vida execuco.
Deus guarda a V. Exc. -Jos Antonio Sor ana.
Sr. presidente da provincia de Pernambuco.
Cumpra-e.Pilacio do governo de Pernambu-
co, em 2 de agosto de 186o. CunAa Parana-
gu. _
(Assignado.) Francisco Jos Damasceno Ro
sado.
Est conforme. Antonio Francisco Duarte, se-
gundo tenente ajudante de ordns interino, encar-
regado do delalhe.
PERHAIHIRUCO,
ROTISTi DUDA.
dre Lino e major Salvador Henrique.
O Sr. secretario perpetuo declara no havor ex-
pediente, dando conta das segulntes ofTertas :
Um volme de poesas sob denominapo de Flo-
res Singelas. offerecido pelo respectivo autor o Sr.
Manoel de Carvalho Paes do Andrade.Recebido
com agrada, manda-se archivar.
Urna collerco de Diario di Pernambuco, de ja-
por faz ou por nefas, oestes 15 ou 20 dias eu este-
ja a brapos com os Paraguayo?, podendo mesmo
ser que isto aeontepa antes.
c Styundo as nltimas noticias, Canavarro est
no Eberocaio cobrindo Itaqui e Urognayana, e po-
demos juntar-nos a elle em 48 boras de viagem, se
formos embarcados. >
Tendo qualquer destes dias prximos de as-
collocada pelo Instillo Archeologico e Geographi-
co Pernambucano na casa em que residi e falle-
ceu na cidade de Olinda o libertador Joao Fernan-
des Vieira, informrm-ncs que os habitantes da mi-
tiga capital de Pernambuco pretenden) cercar este
! acto da maior solemnidade possivel, dando assim
| copia de seus sentimentos patriticos, e te grande
| aprepo que ligam a essa deliberapo do mesmo los-
tituto.
Hontem por obra das 11 horas S. Exc. o Sr.
, conselheiro presidente da provincia esteve no qnar-
: tel do corpo de polica, onde passou revista a ala
| esquerda do mesmo corpo, a qual deve partir no
; /. S. Romo para a corte.
Em seguida a mesma ala desulou pelo pateo do
Paraizo, manejando ahi em presenpa do mesmo
Exm. Sr. e do E*m. brigadeiro commandante das
armas, com garbo e desembarazo do soldad > per-
nambucano.
Alm desta revista, o Exm. Sr. conselheiro Para-
nagua proceden aecurado exatne em todo o qnar-
tel, observando a escripturapo, a casa da arreca-
dacao e as secp5es das companhias, cuja regulan-
dade milito Ihe satlsfez com ostensiva manifestando
de sua parte.
Dahi dirigio-se S. Exc. ao quartel das Cinco Pon-
las, e depois ao arsenal de guerra.
= Hontem installou-se a quarta sessao judicia-
ria do nosso jury com o numero legal de juizes de
fado, devendo comepar hoje os respectivos traba-
Ihos sob a presidencia do Sr. Dr. juiz de direilo da
2' vara criminal Manoel Jos da Silva Neiva.
O Sr. Dr. juiz municipal preparador apresentou
20 processos devidajnente preparados para entra-
ran em julgameoto.
No mez de julho prximo passado entrn
para este mercado 6,338 saccas de algodao.
No mesmo mez o movimenio da nlrada de
barcapas neste porto, precedentes oas provincias
limitrophes, montou a 37 dessas pequeas embar
capes, sendo da Parahyba 18, de Alagas lo e do
Rio Grande do Norte 14.
Amanha se extrahira' a 6* parte da 1 e 1*
da 2* lotera da Santa Casa de Misericordia, para
canslisapan d'agua e gaz no hospital Pedro U (26*)
sendo o maior premio 6:000.
O escTivSo dos protestos Jos Mariano de Al-
buquerque esta' de semana.
Honiem, s 5 horas e meia da tarde, foi pre-
so de ordem do delegado de polica do primeiro
distrlcto do termo desta cidade, o hespanhol Do
mingos Alves Hespanhol, que passou uma not fal-
sa de 5J0OO na ra do Crespo, oulra na prapa da'
Independencia, e urna turceira no hotel Traviata,
as quaes foram apprehendidas.
Hespanhol eslava j de viagem para o interior,
com destino a Macei ; sendo que ja elle havia fu-1
gido das mos do inspector de qnarteiro Pedro |
Tavares da Costa Jnior, contra o qual ergueu U'ii
punnai.
E' o segundo introductor de moda falsa que
delegacia de dita autoridade capurado ; sendo
que o primeiro esta' cumpriddo sentenpa na ilha
de Fernando.
Movimento do hospital Portugnez em 31 de i
julho de 186o : .
Existiam 26, entraran) 27, total 53 doentes ; sa-
hiram 17, falleceram 3, existem em tratamento 33
doentes. ,. |
Dos fallecidos eram 1 de congeslao cerebral^l
de gastro encephalite aguda o I de tubrculos pul-
monares.
Movimento do hospicio de alienados na Mi-
sericordia de Olinda do nltimo de julho de 1865 :
Existiam 19 rmeos e 34 aminores, entraran) 1
hornera e 3 muiheres, existem 20 homens e 39 mu-
Ihe.-es, total 59.
Existem 7 empregados neste estabelerimento o
homens e 2 muiheres, sendo medico, porteiro e sa-
cristo, barbeiro, enfermeira e cozinheira, e 2 ser-1
ventes, sendo 1 homem e 1 rtulher.
Foi visitado o mesmo estabelerimento pelo res-1
peclivo medico nos dias 18, 20, 22, 24 e 27 a 1 ho-
ra, 1 1/2 e 2 da tarde.
Exisie mais um enfermo mandado botar na por-
ta do estabelecimento pelo subdelegado do 2o dis
triclo do curato da s.
O mordomo de mez,
A. J. Gomes do Correio.
O regente,
Luiz do Reg Barros.
Repaktiqao da polica :
Extracto das parles do dia 3 de agosto de
1865. ]
Foram reolhidos casa de detenpao no dia 2
de agosto:
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, Nabor
Manoel de Sant'Anoa, pr.ra recrula, e Luir, escra- i
vo de fgnacio Vieira de Mello, como criminoso de <
morte, absolvdo e appellado.
A' ordem do Dr. juiz municipal da 1* vara, Fran-
cisco Claudino Cavalcanti, como sentenciado.
A' ordem do subdelegado do Recife, Rosa Maria
Joaquina, para correepao.
A' ordem do de Santo Antonio, Honorio Jos da '
Cunha, para recrula.
A' ordem do Boa-Vista Manoel Albertino de Car-
valho, para recrula.
O chefe da 2." seepo.
J. G. de Mesquita.
Passageiros do hiate hrasileiro Novo Inven-
civel, vindo do Aracaty :Antonio Maria da Cos-1
ta e sua familia e Antonio Nobre Cmara.
Cemitekio publico. Obtuario do dia 2 de |
agosto :
Maria Celesima de Sena, Pernambuco, 22 annos,'
casada, S. Jos, apoplt-xia pulmonar.
Maria Clementina da Cruz, Pernaiiibuco, 25 annos,;
casada, S. Jos, peumo hemorrhagio.
Maria Juviniana Elias, Pernambuco, 28 annos, ca-
sada, Boa-Vista, tubrculos pulmonares.
Jos Belm, Afr ca, 83 annos, casado, Recife, hy-
pertrophia.
Anna, Pernambuco, II dias, Santo Antonio, es-
pasmo.
Henrique, Pernambuco, 10 mezes, Recife, convul-
ses.
nisadora, juntando 3 documentos em cumprimento
do despacho de 24 do corrente :Sellados os do-
cumentos, vol e.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
a sessao s 10 horas e 3/i da
dente eucerrou
manhaa.
SESSAO
As ppellapoes crimes. .
Appellante, e promotor ; appellado, Manoel de
rreitas Nogneira.
Appellante, o juizo ; appellado, Vicente Ferreira
de Araujo.
Appellante, Manoel Gomes de Mendonpa; ap^-
pellada, a justipa.
Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
dor Doria
Aappellacocrirae.
Appellante, o juizo ; appellado, Canuto Rodri-
gues da Silva.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador,Multa
A appcllapao crime.
Appellante, o promotor ; appellado, Ildefonso Go-
mes Soares.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Ucha Cavalcante
A appellapao crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Marcolino Jos
Rufino.
Ao Sr. desembargador Domngues da Silva
A appellapao cvel.
Appellantes, os henteirosdeJoao VieiradaCunha;
appellada, a fazeoda.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti aoSr.
JUDICIARIA EM 31 DE JULHO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EX>I. SR. DESEMBARCADOn
A. F. PEnETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As 11 )i horas da manhaa o Exm. Sr. presidente
deelarou abena a sessao, estando reunidos os Srs.
desembargadores Caelano Santiago, Silva Guima-
res e Reis e Silva, e os Srs. deputados Rosa Can-
dido Alcoforado; Basto o Miranda Leal.
Lida, M approvada a acta da precedente ses-
sao.
Foram assigndos os accordaos proferidos na
ulraa sessao nos fuitos entre partea :
Appellante, Jos da Silva Torres Cfavo ; appel-
lado, Manoel de Souza Tavares.
Appellantes, os administradores da mama falli-
da de Amorim. Fragoso, Santos d C. ; appellado,
o Dr. Manoel Francisco Teixeira.
Appell.Mites, os administradores da mssa fallida
de Seve, Filbos & C.; appellado, Francisco Xavier i desembargador Domngues da Silva
de IW"-- A appellac.io crime.
ULGAMENTOS. j
Appellantes, os administradores da massa fall- !
da de^Amorim, Fragos, Santos d Companhia ; i
appellado. Antonio Domingos Pinto. Despreza- i
ram-e o* embargos. .
Appellfnles, Jos Antonio Pereira e sua mulher;!
appellado, a viuva. e herJeiros de Joao Ferreira :
dos Santos.-^Adiado na ultima sessao. Recebe-
ram-so os embargos.
Foi julgada pelo Sr. desembargador Reis e Silva
a,habilitapo entre partes :
Appellante, D. Carolina Josepha de Almeida; ap-
pelado, Jos Hygino de Miranda.
Nao estando presente o Sr. desembargador Ac-
coli, nao poderam ser proposios os seguintes feitos
adiados na ultima sessao, entre partes :
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lemos; appVIlados.os administradores
da naca fallida de Pacheco & Mendes.
Appellantes, o presidente e directores da caixa
filial do Banco do Brasil nesla cidade ; appellados,
Mano-I Alves Gaerra e o curador fiscal de sua
massa fallida.
i gado na s*ao de amanh o proejo do reo preo
Louieufo Justioiano Nery ; levantando a sessio e
adiando a pva o dia segointe, e mnluodo em man
2O0UUO da om dos jurados modados no* anterio-
readias de sessao, e que faltaram boje sera m-tivo
justificado.
DEStCNACAO DE DIA
Appellante, Joaquim Athanazlo de Araujo Li-
ma ; appellado, o tenente-coronel Amaro Jos
Coaita.
Primeiro da mil. ^
PA.SSACM.
Do Sf. de^mbaruador Reis e Silva ao Sr. ciribargador Silva Guimares:
Appellante, Esmeralda Maria da Conceipao;
appellados, Schalfeitlin & Companhia.
DISTRlIlUipAO.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares :
Appellante, Manoel Joaquim Rodrigues de Sou-
za ; appellado, Jos Gomes da Silveira.
AGOIUVOS I.NTERPOSTOS DO JUIZO ESPECIAL
DO COMMERCIO.
Aggravante, Pedro Alfonso Rigueira Pinto de
Souza ; aggravado, Manoel Francisco Duarte.
O Exm. Sr. presidente deu p'ovimento.
Aggravante, Manoel Polycarpo Moreira de Aze-
vedo ; aggravado, Luiz Solano de Mello.
Appellante, Franc seo de Paula Campos Quares-
ma ; appellada, a justipa.
As ppellapoes civeis.
Appellante, Joao Tavares de Mello ; appellado,
a preta Thereza.
Af'pellante, Joao Ferreira de Carvalho ; appel-
lado, Joio Felippe da Cunha Bandeira de Mello.
Do Sr. desembargador Domngues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vasconcellos
As ppellapoes crimes.
Appellante, o promotor ; appellado, Francisco
Amonio de Moura.
Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Santiago
A appellapao crime.
Appellante, o jnizo ; appellada, Joo Vicente de
Araujo.
A appellapao cvel.
Appellante, Fernando Francisco de Aguiar Mon-
taroyos ; appellado, Jos Carlos Teixeira.
A 1 ; horas encer^cc-je a sessao.
JURY lio RECIFE.
2 DE AGOSTO DE 1865
PRESIDENCIA DO SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2' VARA
CIUMINAL MANOKL JOS DA SILVA NEIVA.
Promotor mblico o Sr. Dr. Jacintho Pereira do
Esci vao Joaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente.
A's 10 boras da manhaa, feta a chamada dos ju-
rados verillcou-se acharem-se presentes 32 jurados,
sendo numero insufflcienle para haver sessao o Dr.
juiz de direito procedeu ao sorteio de mais 16 ju-
rados que sSo os segumos senhores:
Sebastio Alfonso do Reg Barros.
Dr. Virgilio de Gusmao Coelho.
Dr. Joo Maria Seve.
j Pedro Celestino Mindelo.
Manoel Joaquim da Silva Ribeiro.
Eduardo Firmioo da Silva.
Antonio de Moura Rollo.
Aggravante, Francisco Antonio de Albuquerque Tliomaz Carnlro-da Cunha.
Mello ; aggravado, Augusto Coelho Leile. Dr. Joao Dmiz Ribeiro da C
O Exm. Sr presidente negon provimenlo.
Nada mais bavendo a tratar-se o Kxm- Sr. pre-
dente encerrou a sessao uma hora e um quarto
da tarde.
TRIRCtfAIi IDA REKi.VClO.
SESSAO DE 1 DE AGOSTO DE 1805.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SOUZA.
As 10 horas da manhaa, presentes os Srs. des-
embargadores Santiago, Gilirana, Lourenpo Santia-
go, Almeida Albuquerque, Assis, Doria, Molla,
Guerra procurador da cor), Ucha Cavalcanti,
Domingues da Silva e Barros Vasconcellos, abri-
se a sessao.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
JUI.G.UIBNTOS.
Aggravode petiro.
Aggravante, Antonio Carlos Pereira de Burgos
unha.
Salvador Henrique de Albuquerque.
Ismael Cesar Duarte Ribeiro.
Herculano Alves da Silva.
Domingos Alves Matheos.
Ellas Francisco Mindelo.
Demetrio de Gusmao Coelho.
Joo Soares da Fonseca Velloso.
Concluido o sorteio mandou-se proceder as noti-
ficapes, passando os competeotes mandados para
dito Din, e foram multados todos os jurados que fo-
ram notificados e deixaram de comparecer ; e o
Sr. Dr. juiz de direilo levantou a sessac, adiando-a
para o dia seguinte s 10 horas da manhaa.
DIA 3 DE AGOSTO DE 1865.
PRESIDENCIA DO SR. DR. MANOEL JOS DA SILVA
NEIVA, JUIZ DE DIREITO DA SEGUNDA VARA CRIMINAL.
Promotor publico o Sr. Dr. Jacintho Pereira
do Reg.
aggravado, o juizo. Relator o Sr. desembargador Escrivo o Sr. Joaquim Francisco de Paula Esteves
Gitirana.Sorteados os Srs. desembargadores Ucha Clemente.
Cavalcante e Motta.Deram provimenlo. As 10 horas da manhaa. fetla a chamada, com-
Aggravante, Dr. Silvino Cavalcante de Albuquer parecern) 48 senhores jurados, pelo que o Sr. Dr.
que; aggravado, o juizo.Relator o Sr. desembar-
gador Saniiago.Sorteados os Srs. desembargado-
juiz de direito deelarou aberla a sessao.
Comparecendo o Sr. Dr. Francisco de Araujo
res Almeida Albuquerque e M- tta.Negarara pro- Barro-', juiz municipal da segunda vara, preparador
dos processos, que apresentou 16 processos com-
petentemente preparados, para serem julgados na
presente sessao, os quaes sao os seguintes :
Autora, a justipa ; reo, Joo, escravo dos her-
deirufe de Joaquim Antonio dos Santos. Pronun-,
Ciado no art. 192 do cod. crim.
Autora, a justipa ; reo, Luiz Gonzaga de Senna.
Pronunciado no art. 193 do cod. crim.
Autora, a justipa ; reos, Manoel Antonio da Sil-
va Bastos e Manoel Malhias dos Anjos Penante.
Pronunciado no art. 263 do cod. crim.
Autora, a justipa ; reos, Pedro Jos dos Santos,
Gulherme Francisco de Assis e Manoel Joaquim
do Nascimento. Pronunciado no art. 269 do cod.
criminal
Autora, a ju-tipa ; reo, Manoel Antonio Carnei-
ro. Pronunciado no art. 192 do cod. crim.
Autora, a justipa ; reos, Florindo Jos Baptista e
Manoel Jos Pereira. Prenunciado no art. 193 do
vimento.
Aggravante, Francisca de Salles Candida da Ro-
cha ; aggravado, o jnizo.Relator o Sr. desembar-
gador Domingues da Silva.Sorteados os Srs. des-
embargadores uerra e Molla. Deram provi-
memo.
Aggravante, Francisco Antonio Pontual : ag-
gravado, o juizo. Relator o Sr. desembargador
B. VasconcellosSorteados os Srs. desembargado-
res Guerra e Doria.Negarara provimento.
Aggravante, Joaquim Manoel do Reg Brrelo ;
aggravado, o juizo. Relator o Sr. desembargador
Ucha Gavalcante.Sorteados os Srs. desembarga-
dores Guerra e Almeida Albuquerque. Deram
provimenlo.
Carta testemunhavel.
Aggravante, Antonio Moreira dos Res ; aggra-
vado, Antonio Soares de Carvalho.Relator o Sr.
neiro ao fino de julho prximo passado, offerecida sentarse a lapida commemorativa, que tem de ser
ail{).\IC4__Jll)ll]IA!ll
IHIIUWL llO COJIJILIU I
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 31 DE
JULHO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARCADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Baslo e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente deelarou aberta a ses-
sao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Um offlcio da junta dos corretores, com data de
hoje, remetiendo a colago dos prepos da prapa na
semana prxima Boda.Archive-se.
DESPACHOS.
No requerimento de Amonio Jos Arantes e An-
tonio Joaquim da Silva Villela, pedindo o registro
do sea dislrato de sociedade :Registre-se.
No de Barbosa & Vasconcellos, administradores
do trapiche Novo, sito na cidade de Macei, capital
das Alagas, pedindo o competente titulo :Vista
ao Sr. desembargador fiscal.
No da direepo da companhia de seguros Indem-
desembargador Lourenpo Santiago.Sorteados os
Srs. desembargadores Motta e Doria.Deram pro- cod. crim.
vimento. I Autora, a justipa ; reo, Manoel Carlos dos San-
Appellagoes civeis. tos. Pronunciado no art. 193 do cdigo crim-
Appellaates, Guimares & Alcoforado ; appella nal.
da, I). Maria do Carino Rocha Costa. Nullo o' Autora, a justipa ; reos, Joaquim Manoel de Tor-
processo. res e Jos Rufino da Silva. Pronunciado no art.
Appellante, JosSemeo de Franca; appellado, o 269 do cod. crim.
curador geral.Nullo o processo. Autora, a justipa ; reo, Alio Januario Serra
Appellante, Joo Pinto de Lemos Jnior; appel- Grande. Pronunciado no art. 193 do cdigo cri-
lados, Jos Ilorges Dias e oulros. Reformaran) a mioal.
sentenpa. Autora, a justipa reo, Manoel Francisco da
Appellante, Joaquim Jos Ferreira da Coala Re- Trindade. Pronunciado no art. 192 do cdigo cri-
bimba ; appellado, Raphael Feroaodes Poro. minal.
Desprezaram-se os embargos. Autora, a justipa ; reo, Pedro da Costa. Pronun-
Appellacoes crimes. ciado no art. 269 combinado com os arts. 270 e
Appellante, ojuizo; appellado, Francisco Jos 274 do cod. crim.
dos Santos..A novo jury. i Autora, a justipa ; reo, Joaqojjm Pinto da Fonse-
Appellaiite, o juizo ; appellado, Joaquim Correia ca. Pronunciado no art. 193 do cdigo ami-
da Lima.Confirmada a sentenpa. i nal.
DESIGNACAO DB DIA.
Assignou-se dia para julgamento
les:
ppellapoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Joaquim
de Carvalho.
j Autora, a justipa ; reo, Olympio Botelho Anbal,
das segua- Pronanciodo no art. 193 do cod. criminal.
Autora, a justipa ; reos presos, Amonio da Sil-
! veira S Barre.to e Manoel Jos da Silva. Pronun-
ciados no art. 269 do cod. crim.
Autora, a justipa ; reo, Claudino Euphrasio da
O conflicto de jurisdiepo entre os juizes muni-i Franpa. Pronunciado no art. 169 do cdigo en
cipaes de Bonito e Agua Frota
DILIGENCIA CRIME.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justipa
A appellapao crime.
Appellante. Estevo Jos da Molla ; appellada'
D. Anna de Jess Arroda.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Lourenpo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
minal.
Autora, a justipa ; reo, Lourenpo Justioiano
Nery.
. Dos quaes processos se procedeu chamada dos
reos e testerounbas, acbando-se os reos todos pre-
sos, e mandou y Sr. juiz de direito que o escrivo
Ibe Uzease lodos os procesaos conclusos, ordenando
que se lizesse uma tabella dos mesmos com desig-
napo do dia em que tenliam de ser julgados cada
um dos mencionados reos, designando para ser jul-
GANARA IIMCIPAL
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 26 DE ABRIL
DE 1865.
Presidencia do Sr. Pereira Smies.
Presentes os Srs. : Thomaz de Aquioo, Cmlwa
do Reg, Dr Miranda, Santos, Silva do Brasil e
Pires ferreira, faltaodo com rau-a os rs. : Dr.
Sarment, Barros Reg e Costa Mont-iro i bre-
se a sessao, e lida e approvada a acta da aie-
cedente.
Comparece o Sr. Dr. Silvio Tarqninio Villas-tata,
vereador soppleote que fra chamado a prestar Ju-
ramento, tomar posse e entrar em esercieio ao
impedimento doSr. Barros Reg, e sendo-lta an
o juramento do estylo pelo Sr. presidente lomoaaa-
sento.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Exm. presidente da provmoa, ta
20 do corrente, dizendo qoe para .alfazer a *.!-
berapao da assembla legislativa provincial, ufar-
me a cmara com orgencia, se ronsMera em v:,- *
o art. 7 do tit. Jl das snas posloras, e eb -r-
tigo tem sido resinctameote comprido con m%*.
Que se respndese que o art 7 a qoe se Mere
o citado offlcio esteve sempre em vigur, pois que o
contrario nao tem constado a cmara.
Outro do mesmo, de 22 do dilo mez, dr-n lo qne
Ihe tendo declarado os empreitriros dos Irrita* ur-
banos desta cidade at Apipocos, qoe vao c.'nwrar
os irabalhos de sua empreza, depositando para ra-
se flm os materiaes precisos, e fazeodo as e-rara-
pes necessanas, assim o commnnica a cmara pa-
ra sen conljecimeolo e afim de lomar a* me lita,
e providencias qoe entender indispensaveis.Q\i-
se offlciasse aos fiscaes das fregnezias ta Saalo Aa-
lonio e Boa-vista, para nao embaraparem.
Outro do mesmo, de igual data, reromnvnlan!
a cmara que, para satisfazer a deliberaeo da as-
sembla provincial, preste ella com orgencia orna
nota de todas as qoanlias qoe se tero depeadi4o
com a poote da roa da Aorora, denominada A Ca-
rao, isto de qoaoto se gastoo com a Otara a>ssa
ponte, e se tem gasto com todos os repar.s e re-
conslruepes que ella tem dado logar.Poeto ea
discu*so, deliberou-se qoe dei-ois de informar a
conladoria, com essa ioformacao se r puadmjj a
presidencia.
Outro da cmara mnnicipal da villa de Sio Bea-
to, aecusaodo a recepcao do offlcio da cmara des-
ta cidade de 25 de Janeiro ullimo, em qoe Ihe roaa-
mnnicara haver oaqoella dala prestado juramenta
e lomado posse da administrara o dest. provincia o
Exm. Sr. Dr. Antonio Leal Castello Branrr. In-
leirada
Outro do juiz de paz da fregoeaia de r*r. Pe-
dro Ganpalves, Lata Antonio Goo^alres Peana, re-
metlenJo o livro de qualih>aco dos votantes da
mesma freguezia.Ao archivo.
Outro do engenheiro cordeador, informando o
requerimento, no qual a juota admioutratira da
Santa Casa da Misericordia desta ridad, pede pa-
ra que Ihe seja concedido collocar no adro ta nrre-
ja de Nossa Senhora do Paraizo orna grade de fer-
ro, para evitar que em dito adro seajunlem p--s- >.:.
sem a devida reverencia aoSintissimo Sacme,
que existe na referidaSgreja, diz qoe a [.r-ten.-l >
da peticionaria nao traz nenhum ocoaveniewe'ao
transito publico, visto que o paleo largo, e a igre-
ja esta collocadaem om canto delle Conr-den >.
Oulro do fiscal da freguezia de Sanio Moni',
informando o requerimento m> qnal Jos Lucio Li,
pede licenpa para abrir um taino de apongne na
casa n. 45 A, da roa do Imperador, declara ni,
haver o menor inconveniente por estar a casi na-
condipes hygienicas.A commisso de pottria i
requerimento do Sr. Dr. Miranda.
Outro do mesmo, commumeaodo que Ihe tendo
constado que a casa de sobrado n. 1! da roa da*
Cruzes. de propriedade de Amorim & Iraao. esla-
va arruinada, dirigio-se a mencionada ra-a. a oi-
servou ser exacto; e tendo de roolormidatie rom
art. 1 do titulo 8' das posturas de 30 de junh }
1849, mandado proceder a orna vestoria. chamanta
para isso dous peritos, remetiia o respectivo lerm-i.
Ao archivo.
Outro do mesmo, informando o requerinaento de
Jos da -ilva Leal, tem a dizer que verdal.- i r
o supplicaote estabelecido negocio Je i-is.i de |.i-
to na mencionada a* dilo requeriTv-nt a-sim r >-
rao ter servido ella de inoradia mm de o ovni-
cante a oceupar, porm lambem i v-rdade qo- na
mesma existi uma venda anterior este* doo* m-
quelinos, e que por unto leni.. ti -vio esu debua-u
para com os cofres municipaes na respectivo impos-
to, pareceque deve estar o >upplicoie sujeto a w-
demnisapo, por que o imposto da munn-ipa .da te
nao por qualidade de esiabelecimento e un* por
porta aberta.Posto em disrosso, resolveos qo*
o supplicaote pagasse smenle o imposto relativo
ao seu esiabelecimento.
Oulro do mesmo, informando contra a petie",
na qual Bernardino Antonio Pereira Bastos, requer
para fazer na casa n. 30 la roa Direila om f. ra.
para coziohar pao e bolacha para vender aos sen
freguezes.Posto em disenssao, o Sr. Pires re;m-
reu o addiamento da decis).-Assimse detinaw.
Outro do mesmo, informando o reipierimenio em
que Antonio Ferreira Braga, proprietarios da rata
n. 11 da ra da Roda, pede lieenea para catorar
um frade de pedra na esquina da dita jasa para
vedar os enconlros das carropas qae por ani tran-
sitan) ; diz que a roa j bastante estrella, a qae
com a collocapo do frade mais e-ireiu rara, a
ponto de nao poderem passar os carros qoe *ae-
plicante receia oftendam a sua pronrieaata, a se-
cresce que, a exemplo de tai collocaeao, os ooaros
proprietarios ho de rrquerer tambemPo em
discussao, resolveo-se cooeeder a licenca re-iuen-
da, sendo a col loca po feita na esquina da eaUp.
Outro do mesmo, dizendo qoe -saris. 10 a 15 ta
lit. 9 e art. i do tlt. 10, das postara* ta 30 ta jo
nhode 1849, determinam qoe romboyos ota ra-
trem oesta cidade, seoo trazendo om ravallo ala-
do a outro, bem como que oeohom matlo ou es-
cravo Iraositem oas roas desta cidade sesa qoe as-
teja de calca, tendo dentro de sa ; essas disposipes nao podem ser camprttaj re-
gularmente pela tlscalisapo, sem qoe oas tar:ev
ras que do entrada para esta cidade sa ntacaro
logo torna-las efteclivas.
Assim pede a cmara qoe se digne expedir oas
ordens para que, auxiliad, s peta polica, aaasaat aa
fiscaes que tem jurisdiepo sobre ditas tarreo a
iropr as leis aos qoe entram na cidade fura das
condipes estabelecidas.-Post em dtseaseta, re-
solverse ofBciar oesle sentido ao Dr. chafa ta ao-
licia
Outro do mesmo, commooicando ler |
travessa dos Peccados Mortaes, aetao ajaa
2 eslava com toda a coberta abaiso, e j
a comieira e ama lerpa de paos novo, coja i
perfeocente a Casimiro dos Reis Gomes, a i
rando saber da licenca, apreseniaraaa-lta a i
ment que juota, o qual nao Ihe paraca legal par
nao ser licenca da cmara, a mesmo por qae a ca-
icasa


Diario de rernambuco sexta tefr* 4 de Agesto de i0*.
Diversos.
Saldo de varias con
tas........
Lacros c ferias.
Lucros sujeitos a
liquidadlo. ,
sa pertence & soa rregoezia, e nao a de S. Jos pe-1 Por saques
lo que consideren o proprietario incurso na dispo-
sigo do art. 2 da postura addico'ial de 13 de ju-
nho de 1855, e no arl. 8 do lit. Io das de 30 de ju-
nho de 1849Interada.
Outro do Qscal da freguezia do Poco, commnni-
cando ler entrado no exercicio do cargo no dia 30
de marco lindo, e tendo apenas recebido urna col-
leccao impressa de postaras e regulamentos sobre
imposto*. municpaes dos annos de 1849 1857, e
tambem um livro de talao conteodo guias para o
cemiterio ; e como de presumir que ootras pos-
turas e disposigoes se tenham dado de enlao em
diante, alterando ou reformando a* mesmas, e para
poder bem deserrpenhar as funegoes a seu cargo,
julga urgente requisita-las, e bem assim pedir que
se esclarega da maoeira por que deve proceder,
cm vista da disposigao da ultima parte do art. 83
da lei do 1" de ouiubro de 1828, relativamente s
pessoas qne deve fazer as vezes de escrivao, e la-
vrar os termos de. infraeco, bem como acerca da
pessoa que na occasiao das corridas deve excrcer
as funccSes de cirurgiao.A' cotnmisso de polica,
a reqoerimento do Sr. Dr. Miranda.
Outro do mesmo, communicantlo, que na quali-
dade de guarda nacional da 1" companhia do 4o
batalho deste rnutiicipio, acnavase dispensado
pelo commando superior de todo o servico at se-
gunda ordem, mas ltimamente fra avisado pelo
alferes secretara' do mesmo batalho, Cbrislovo
Santiago de Olive ira. que interinamente se acha
no commando da referida companhla, para compa-
cer na primeira parada do batalho, sendo isto como
de pre>umir em consequencia de ter sido demit-
tido de fiseal da me?ma freguezia o tenente Henri-
que de Miranda Heoriques, que era o commandan
te interino da supradila companhia, e ter sido elle
nomeado em seu lugar.
Pelo que fica e xposto julgou prudente em vista
das disposigoes do art. 16 da ln n. G02 de 19 de
seterobro de 1*50, e do art. 29 do decreto n. 1,354
de 6 de abril de 1854, e tambem fundado no que
determina o decreto de 23 de novembro de 18i9,
dirig ao conimandanle do batalho o cilicio incluso
por copia, que traz ao conhecimento da cmara
para que se digne tomar em consideraco.- Posto
em dicussao resolveu-se levar o occerrido ao co-
nhecimento do Exm. presidente da provincia, e pe-
dir para ser dispenso do servico o fiscal.O Sr. Dr.
Miranda declara se suspeito nsta queslao por ser
o fiscal seu prente.
OSr. Aquino Fooceca pede a palavra, e diz que
em sesso de 30 de marco ultimo havia proposto a
dispensa do fiscal da Varzea, e para o substituir o
respectivo supplente Joao Simoes Ferreira, e tendo
lirado essa propota adiada, requera ao Sr. presi-
dente a pozesse era dscusso ; sendo aitendido,
assim toi resolvido.
O mesmo senhor, sustentando a sua proposta,
anda declara que se pede a dispensa do mesmo
fiscal por nao cumprr elle os seus deveres, pois
que nenhuma inf'acgo entre tantas que se dao na
roe.-ma fregupzia, elle anda encontrou para mul-
tar quelles que as commettem, como se poder
examinar dos livros da contadoria.
O Sr. Gustavo do Reg pede a palavra, e decla-
ra-se em opposigao a prposta, allegando para isso
diversas considerares, conulue dizendo volar
contra.
O Sr. Dr. Miranda, pede tambem a palavra, e
fallando largamente sobre a materia, apresenta a
favor do Qscal que se pretende dispensar, muitas
ponderarles pelas quaes entende que deve ser o
mesmo reeonduzido no lugar que oceupa.
O Sr. Dr. Villas-Boas, pensando da mesma forma
que o Sr. r. Miranda, declara que a freguezia da
Varzea pequea, poucos sao os estabelecimenlos
que em si lem para que houvessem multas.
Discutida a qaeslo, e nao havendo quera mais
sobre a mesma fallasse, foi posta a votos a propos-
3,494:5375011
37:304^439
15,112:5615450
O guarda livros,
lanado Nuncs Correa.
COMMKICADOS.
charel Jos da Costa Donrado, o rbula doudo Joa-
quim Jos dos Santos Araujo, o professor Miguel
Archanjo de Mondonga, o Portuguez Manoel Jos
dos Santos (talvez Manoel Jos Mendes Bastos).
Eu poda chamar o Sr. bacharel Sales a respon-
sabilidade pela injuria que ma Irrogoa, rom o epi-
theto de assassino, que era tanto importam as ex-
pressSes comidas no mencionado periodo; porra
Gotta, rhenmatismo, paralys'la,
Dores, Impotencia, esterllidade,
Marasmo, hypocoodria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre todo, da
maior utilidade para curar radicalmente, e em
pouco tempo o rheomatisme.
Adverte-se que b verdadeiro xarope s se vende
nesta cidade na botica cima indicada, do abaixo
seria, de minha parte, urna loucura e ura sacrifl- assigoado; e era outra qualquer parte 'que se tem
alm de nao dar a justica nenhura annunciado nao da mesma composico, e nem o
Constando ao abaixo assignado, que o fallido
Joao Baplista Gongalves Bastos levara comsigo os
livros da casa, em que leve loja de fazendas na
ra Nova desta capital, nao podendo por isto terem
os seus credores sciencia, de quaes sejam os de-
vedores a massa daquelle fallido, entende de seu
rigoroso dever declarar, que devcder_a dita mas-
sa de 4130160 proveniente ae fazendas, que Ihe prios
comprara em 5 de raarg-o deste anno, pelo que ac- quanto delles se possa affirmar.
ceitou a letra, que sedeprehende da conta, que tem Fiualmente, sabendo prezar a gravidade do meu
em seu poder, a vencerse em 5 de Janeiro de 1866 emprego que me inhibe de preslar-mc a discussoes
da qual tem a deduzir-se 235090 de sete pecas de pouco dignas, em que muito perde a reputacao do
obras tiradas da mesma fazenda, e mandada fazer homem que se estima, e que nao tem pjr costume
em dita loja, as quaes foram recolhidas a massa, dar-se a espectculo cm pasquios de sua propria
segundo declarou o official, que d'ellas lomara; lavra (II), urna vez por todas tenho respondido
medida. ao Sr. bacharel Jos Roberto da Cunha Sales.
co; porque,
desabafo em crimes de semelhanta naiureza, irla
eu tirar o pao da bocea de mens fllhos para entrar
era lula com querr.....nao quero eraparelhar-me.
Portantf, para os que me conhecem, nao preciso
jusliBcar-rae, ellessabera que, se como homem pos-
so ter erros, nnnea commelti ainda mesmo e mais
leve crime era infamias, e que, resignado cora a
minha sorte, nun carne curvei a ninguem, para ser-
vir-lhe de capacho-, quelles, porm, que ignoram
quem eu seja, dirlhes-he simplesmeute : o ho-
mem que procura injuriar-me SST" o dalh.uux
JOS ROBERTO DA CDNHA SALES %3
Ha aecusagoes que honrara o aecusado, tal o
carcter do aecusador; assim como hanomes pro-
que por si sos mais exprimem do que ludo
Declara ainda o abaixo assignado, que, em mar-
co oh abril prximo passado comprara em fazen-
das a LuizA; Abreu por urna vez 2005000, e por
ouira (que mandara dar de conta propria) 5005,
quando, no termo da Escada se achavam com esse
negocio, pelo que tambem acceilara letras para
Janeiro e abril de 1866 : e como quer que chegas-
se a noticia do abaixo assignado, que fazendas j
vendidas per quelles mesmos individuos foram
apprehendidas a urna D. Helena, que mora no ter-
mo da Escada pelo simples facto de terem sido!
compradas a Joo Baplista Gongalves Bastos era
bora antes de sua ausencia; reputa-se o abaixo!
assignado no mesmo caso daquella senhora, visto
que, como ella, comprara fazendas, conforme fica
dito, que l.io bem Ibes as poderiam apprehender,
se as conservasse em seu poder.
Finalmente para evitar qualquer duvda o abai-
xo assignado faz as presentes declaracoes, por
quanto nao tem outro fim, seno pagar a impor-
tancia das fazendas, quecomprou, a quem melhor
se achar autorisado para recebar por parle dos
curadores da massa fallida de Joo Baptista Gon-
calves Bastos.
Recife, 20 de julho de 1865.
ioaquim S. Pessoa de Siqueira Cavalcanti.
Villa de Garanhuns, 26 de junho de 1865.
Miguel Archanjo de Mcndonca.
?U3UjGES 1 PEDIDO
No Jornal do Recife, de 29 de junho prximo fin
do, lemos o seguiuie :
Sendo de interesse publico que fnneconas
A jurubeba.
As virtudes llierapeutieas da jurubeba sao desde
muilo condecidas nao s no Bra.-il, pois que omlas
tratou Pisn em sua excellente obra Historia na-
tttrults el medica ndtwoccidentalts, sendel c
Antilhas, oude o sueco das folhas e fructos 'oanas
aqui, muito estimado e apphcado contra as obs-
trueces abdominaes, principalmente do ligado e
bacj.; e se todos os facultativos desta provincia o
nao applicam com frequencla, isto se nao deve a
nao reeonhecerem elles essas virtudes, mas slm a
nao seren encontradas com facilidade e em todas
as estagoes do anuo os fructos dessa planta, e re-
pugnancia, que apresentam os deenles em fazer
uso do sueco desses fruclos, era consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao deseouhecida dos botanistas :
esta planta pertence familia das sotaneas, e lem
a denominado de solanum pamciilatum, que Ihe
fol dada por Lyneo.
Pareeeodo-ns
abaixe assignado se responsablisa.
Jos da Rocha Paranhos.
"Jurubeba,
A jurubeba urna das substancias medicamen-
tosas, que pertencem ao reino vegetal, e pertence
a classe dos tnicos e desobstruentes,sendo empre-
gaaa com vanlagem contra as febres intermitentes
acompanhadas de engorgitamento de ligado e bago.
Ella lem sido applicada com incontestavel proveilo
contra a anemia ou chlorose, e hydropesia, catar-
rho da bexiga e mesmo para corabater a raenstrua-
co difficil, resultante da mesma anemia ou chlo-
rose.
Extrato alcoolico de jurubeba.
Emplastro dem.
Oleo dem.
Tintura idem de dem.
Xarope idjm.
Vinho dem de idem.
Pillas de ext. idem. *
Deposito, pharm.cia de Pinto, ra larga do Ro-
sario n. 10.
Una palavra relativamente as
molestias dos polmo e da gar-
lante.
Toda a vez que os polmoes se achem enfermos,
pode-se com toda a certeza dizer, que o docnte adia-
se borda d'uma enfermidade iucuravel, e o pri-
raeiro passo para tao perigosa sitnacao a tosse.
Toroa-se, pois, da maior importancia, o atalhar-se
para desde logo. Se perguntardes como isso se
possa reahsar ou conseguir, responderemos, com o
Peiloral de Anacahuita de Kemp, o qual extrah-
do e preparado do sueco balsmico d'uma arvore
do Mxico, conhecida desde muilos seculos pelos
naturaes daquelle paz, como remedio poderoso e
sanio para todas as enfermidades des orgos da res-
pira rao.
Esta admiravel preparago, curara a tosse den-
tro em poucos das, e al mesmo s vezes em pou-
cas horas, alliviar a asthma, curar a nflamma-
co mucosa do larynx e bronchios, c impedjr a
' phthysica.
Em contrario aos peitoraes e xaropes fabricados
de fructas e d'outros Ingredientes mais, na sua ela-
convenienle facilitar o uso do
sueco dos fruclos da jurubeba, que o mais em- j borada e delicada composico, nao entra nenhuma
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar partcula de acido prussico, e como igualmente
com elle nao s ura extracto alcoolico que pode ser se acha livre de antimonio, ingrediente este que
se quanto antes o telegrapbo martimo, S. Exc. o applicado em pilulas, mas tambem um vinho, um abundantemente se enconlra na composico daquel-
Sr. vice-presidenie da provincia, officiou ante hon- xarope, e ura emplastro que pode substituir, em i les oulros nao produz pois nauseas de qualidade
tem neste sentido ao Sr. inspector do arsenal de
marinha, e este funecionario, que, de pasagem se
diga, alera dezelosisssimo no cumpnmento dos seus
deveres, solicito em prestar qualquer servige de
' utilidade publica, que esteja a seu alcance, em-
bora Ihe nao compita, ordenou logo a collocaco
etc., etc___
Esse empenhode louvar o Sr. inspector do arse-
nal de marinha, oceulta sem duvda urna censura
a oulro funecionario, quem quer que elle seja. Ou
ao administrador do correio, ou ao ex-presidente suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
da provincia, se preteude crear juizo desfavo- nosso estabelecimenlo essas razes,para que possam
ravel.. ser experimentadas.
S* mui provavel que o Sr. Castello Branco seja; a reputacao da jurubeba tal, e os resultados
icos obtdos ultim.trnente sao tao impor-
nos parece inulil dzer mais do que
fica escripto.
cerlos casos, o de Vigo ; e estamos persuadidos que
com isto prestamos um servico humanidade -e
Iherapeutica.
Pisn, tratando da hydropesia, .prescreve a de-
coeco das raizes da jurubeba, e Mrat e Delens,
em seu Diccionario de materia medica e Iherapeu-
tica, dizem que as An'ilhas se faz uso do sueco
dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
ral vesical; e a autoridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
C0MME1CI0.
Gaixa filial do banco do Brasil em
Pei'iianiliuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Babia.
Novo banco de pernambuco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagam o 1 dividendo de dita massa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad
metiidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
Moto banco de Pernam-
buco.
O banco desconta letras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de seis mezes,
Cala filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
De ordem da directora desta caixa se faz publi-
co aos senhores accionistas, que o respectivo the-
soureiro est antorisado a pagar o 23 dividendo
do semestre Ando em 30 de junho ultimo a razao
de 125 por accao.
Caixa filial do banco do Brasil 15 de julho de
1865.
O guarda-livros,
Ignacio Nunes Crrela.
Obsntacao.
Suspendeu do lamaro para Phyroath a corveta
Ingleza Satellite, eommaudanta Corfton.
Nao houveram sabidas.
EDITIS.
Rendimnto do da
dem do dia 3 ...
ALFANDEGA.
1 a
^
07:4075712
24:3165198
91:7235910
MOVIMEiNTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas___ 134
coin gneros..... 364
ge-
- 498
Volumes sabidos cem fazendas..... 196
coa gneros..... 1,445
-------1,641
Descarregam to dia 4 do corrente.
Barca inglezaTracelterfarinba de trigo.
Brigue inglez Ann Stamsland diversos
eros.
Bngue porsuguezConstante idem.
Brigue suecofliomercadorias diversas.
Patacho dinamarquezFort unadem,
Brigue austriacoSouvemr da Havrefarinha de
trigo.
Escuna portuguezaD. Joocharque.
Escuna diuamarquezaDoranaidem
Brigue portuguezS. Josidem.
Barca nacional Vdlte- idem.
Barca inglezaMary Lordcarvao.
Barca inglezaOrioncarvao.
sendo por isso dispensado o fiscal.
Tendo-se posto em discussao a segunda parte da
propo.-ta do Sr. Aquino, acerca de ser nomeado o
supplente para precncher a vaga, o Sr. Pires Fer-
reira requereu o adiamento para a primeira ses-
so, e foi approvado.
O Sr. presidente expoz a cmara que constava-
Ibe que a pre.-iilencia exigir de novo, vista da
req'is?ao da as-emlila, informacSo sobre a pen-
can de Basilio Alvares de Miranda Varejo. e que i C0UilrucCaO e.-tando esia affecla a urna commsso especial, e '
sendo o Sr. r. Miranda um dos seus m
Ihe nformasse o estado de semelhante negocio.
que a pecha
presidente.
Detestamos as injusiicas, e por isto apressatno-
nos a reciilicar os factos, sem que d'ah possa infe-
rir o designo de prejudicar o conceito de solicito
que ao Sr. inspector do arsenai attribue o referido
J01'-,. ,. .. Purificaro a rcsncilo de alnnns dos medicamentos
Em 18 de maio ultimo, como se ve do expedien- J .
te do govemo, officiou o Sr. Castello Branco a ins- Qa casa nraaui & t.
pectoria do arsenal de marinha, ordenando a re- | Alguas jornaas publicaram UTOQ ordena-*
da torre do collegio, em rjio d > conselho de sade portuguez, 'que
pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
Sade publica.
O Sr. Dr. Miranda pede a palavra, e diz que
sendo o negocio de alia imporlancia, e precisando
por isso de ser estudado e desenvolvido, aim de
ser consultado a respeilo o Sr. Costa Monteiro
tambem um dos membros, e o qual se havia com-
prometido apresentar todos os esclarecimenlos ne-
cessarios, nao Ihe tinha sido possivel anda em
cunsequencia de :er andado adoentado, todava se
a cmara enlendesse que orequerimento devia ser
remettido a' presidencia sem o parecer da com-
missao, elle o entregara ; qne grandes trabalhos
de que se achava rodeado nao tioham permittidn
que podesse dar ainda o parecer, mesmo porque o
Sr. Cosa Monteiro, como ja havia exposto, acbava-
se diente.
A' visia de lal declaracao, a cmara resolveu
que a commissao dsse o *eu parecer logo que Ihe
fosse possivel.
Determinou-se que a repartiere se nao abrisse
no da 27 do correnle, em que tinha de embarcar
para o snl o lbatalhaode volntanos da patria.
Desparharani-se as peticoes de Anonio de Paula
e Mello (2), D. Isabel Faras Guiniaraes, Joaquim
Manoel Ferreira e Souza, Jos Jarome Tasso, Jos
da Silva Leal, Jos dos Sanios Ramos de Oliveira,
Maro miro Pancracio Pereira dos Sanios, Pedro
Alexandrino Rodrigues Lins, procurador geral da
ordem terceira do Carmo, e levanlou-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Bra-V'iagem, secretario
a subscrevi.- Pereira Simoes, pr-presidenie.
Santos.Dr. Villas-Boas.- Dr. Miranda.Reg.
Fonceca.
'muros i 5ufi ? abr?. encf cegado do telegrapbo. Ura mez I)reScreveu os medicamentos preparados'pela
liiiuiu, | depois, a 19 de julho, anda nem principio de exe- /-.. u i n i, n. ~___(..
C1- 'caiao tendo essa ordem, foi S Exc. loriado a ins- casa Grimault A C. de Pars, com 0 prctex-
Caixa filial do banco do Brasil em Per-
nambuco
BALA.N'CETE EM 31 DE JULHO DE 1865.
ACTIVO.
Letras descontadas.
Com duas assigna-
turas residentes
no lugar do des-
cont....... 33:843587
Com urna s dita
dito....... 5:4075*20
Letras caucionadas.
Por ouro, prata e
ttulos cornrner-
ciaes.......
Por outros ttulos.
15:4715000
39:2505707
15:4715060
tar pelo seu rumprimento, e enlao recommendou
que, rom urgencia, se fizessea substiluico do mas-
tro dos slgnaes, que ameacava desabar.
No dia 28. porm, estavam ainda sem cumpri-
menlo as referidas rdeos, apezar da interrupcao
dos trabalhos do telegrapbo, e das reclamad-oes da
mprensa. Foi preciso quft desabasse o mastro, e
houvesse om terceiro offlcio I
Sao j passados 6 das, e o telegrapbo anda func-
ciona com um mastro provisorio
to que esses acreditados pharmaceuticos
foram condemnados pelo tribunal do Seina
por terem vendido medicamentos secretos
e falsificados.
Essa ordenacao parecer bem extraordina-
ria quando se tiver lido as seguintes cir-
cumstancias:
l y A sentenca de que se trata foi dada
mbramo-nos bem. Em tempo do Sr. Eiisario sobre a denunciagao de um dos concurren-
tes dos Srs. Grimault 4C, esobre as in-
formafoes inteiramente erradas que foram
dadas ao tribunal.
i." A senlenga foi dada por um tribunal
de primeira instancia, e nao tem valor al-
gum, logo que se appellou; foi por urna
manobra desleal e contraria a todos os usos
foi o lelesrapho montado com urna presteza admi-
ravel. Mas isto nao sirva de censura a pessoa al-
guma, por que bem pode acontecer queascircums-
tancias de tnje nao sejam as mesmas de ento.
Com o que lira dito, acreditamos ler demonstra-
que, lano por parle do correio, como da presiden-
cia, nao honve descuido na questo de interesse pu-
blico mastro do telegrapho. O correio e a pre-
sidencia fizerarn o que Ihes cumpria muilo a lempo.
Pensamos, no entretanto, que. a censura, assim que os concurrentes dos Srs. Grinaulta- C,
como o elogio de jornaes nao dao nem tiram zeto fizerarn distribuir em grande numero os jor-
Sefossemosempregadopobiico r.aes judiciaes e mandaram publicar em
nao teriamos outro empenho, que nao fosse o de
provar o nosso zele por meio de factos, embora
vlsse dormir c louvor da imprensa, que, digamos a
verdade, multas vezes o resultado de soliclaco
inieressada em abafar a decida.
*
CORRESPONDENCIAS
Franca e nos paizes i slrangeiros urna deci-
so que nulla, sem nenbum valor emquan-
to o tribunal imperial nao a tiver approva-
do, e depois delle o tribunal supremo.
3." O tribunal imperial nao decidi, mas
sim, por urna sentenca de 17 demaio pr-
ximo pasado, ordenou nova vistoria, a que
tinha motivado a decisio dos juizes dapri-
Srs. redactores do Diario de Pernambuco.As li- metra instancia llies tendo parecido insuffi-
songeiras expressoes com que fui honrado no corn- ciento, depois das novas experiencias intei-
muncado inseno em seu conceptuado piar de ramente contradiclorias de um cbimico e
hoje n. 176, assignado por um meu Apreciador nt1v-nlno-ita pminpntp
me impeliera a iracar eslas lnhas em sincero PnJsl u->
alguma
Acha-se a venda as pharmacias de Caors & Bar-
bosa e J. da C. Bravo & C.
TABELLA DO REXDIMEXTO DA ALFAXDEGA DE PERNAMBUCO XO MEZ DE JULHO IDO
CORKEXTEAXXO FIXAXCEIRO COMPARADO COM OS DE IGUAES MEZES DOS DOUS AXX'OS
LTIMOS.
Importanw.
Direitos de consumo........
Ditos addicionaes de 5 %......
Ditos addiciouaes de 2 %......
Ditos de baldeacao c reexportacao .
Ditos de ditos e reexportacao para a Cosa-
d'Africa...........
Expediente dos gneros estrangeiros nave-
gados por cahotagem.......
Ditos dos gneros do paiz......
Ditos dos gneros livros.......
Arniazcnagens..........
Premio dos assgnados ....,.
Despucho martimo.
Ancoragem...........
Direitos de 15 % das embarcagoesestrangei-
rftfl quo i -r- i.i.* a i.ai'i. iiimiv .
Ditos de 5 % na compra c venda das embar-
cacoes ............
Exportaco.
Direitos de 15 % do pao'Brasil ....
Direitos de 7 % de exportacao ....
Ditos de 2 1/2 % idem.......
Ditos de i % Je orno era barra ....
Ditos do '/a dos diamantes......
Expediente das capalazias......
Interior.
Mullas.............
Sello do papel liso........
Dito do papel proporcional......
Emolumentos..........
Imposto dos despachantes......
Extraordinaria.
Receila eventual.........
Dizimos da provincia das Alagas.....
Ditos da provincia da Parahyba.....
Ditos da provincia do Rio Grande do Xorte.
Contribuicao de caridade........
1865 i 1866
1864 1865
348:2725415
46:2485700
935491
815477
5605172
1:1935641
3oI5975
3:7745843
2:1675140
15000
5
84:2775734
1:2835380
5845219
48159G0
1615700
885000
185750
5
489:6435745
1:5205023
4:4845728
505700
4645990
496:1645186
572:9005131
75:920594K
755298
385)92
6305999
1:3045197
3325520
1:3485440
2:1305970
1863 1864
5
70:6705167
1:3605340
7365057
5155100
1445190
755200
125500
5
28:1955555
7295360
9:1695057
5965631
7495325
739:1395928
283:1085408
37:9315293
585365
0035822
4205794
6675039
2575790
2:3105006
5
1:6175900
5
965750
40:4715248
5
8505060
8265155
57:15110
855040
535'100
125300
11260
370:4545870
5195300
2:2925255
5
5405598
373:807502:1
Alfandega de Pernambuco, 31 de juIhD de 1865.
O 3 escriturario,
JoCio Bernardo Diniz Pessoa.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
I1AES DE PERNAMBUCO.
Letras a receber.
Saldo desta conta.
Cuntas corrente i.
Saldo desta conta.
Diversos.
Saldo de vari as con
las........
Caita,
Pelos seguintes va-
lores:
Em moeda de ou-
ro de 22 quila-
tes ........2,258:0505000
Em olas do the-
souro dos valo-
res de 105000 a
superiores. 3:4305000
Em notas menores
de 105000..... 19:4.105000
Em moeda de tro-
co ........ 5346
Em notas do ban-
co do Brasil e
dascaixasiliaes
do mesmo...... 155:0005000
Ern notas da pro-
pria caixa. .. 819:2805000
o Sr. D. Leconte,
agradcimento ao carcter nobre e elevado de (o pharmaceutico em chee dos hospitaes, e
distincto cav.illero, que smente prodigalisou-me professor aggregado da faculdade de medi-
ados de extrema boodade, e delicadeza, que muito ^ina de l'aris
me ufanara, tanto mais quanlosem duvkla estes ac- ,, vw-,'* pimimsiannii %Amir* nn
tos ho de partir de uina conscieocia pura, e de rt essas Ctrcumsiancias aamira-nqs
bons destjos para commgo. Cumpre-me, no en-QUC um COnseillO de sade publica se tenha
tretanto, dizr, que sou eu o p.imeroa reconhe- decidido sem informacoes mais certas, a
ll^T^S6cTXt:- .eas que tenho sulindo em minha vida publica. Restan- i- n .
do-me smeme o consollo de haver cumprido os Poicao medicamentos, cujas excellentes qua-
rnaus deveres em todas as occasioes, paulados pela lidades e perfeita preparacao tem sido, des-
miuha conscieocia e educago. de muitos annos, r. conhecidas por todos os
Iod^^d,,eJneMemeilrerno "toaosmembros maisdistinclos do corpo medical,
; que, apezar de cumprunentos de devores, me fazem 1 t -. 1
!justca, como o illustre Apreciador, de quem me e flue tem os unicos defeitos de serem me-
77760505599 C0D^eSOmu't0 reconheci(o,e criado respeitador. Ihores, menos caros e mais procurados do
Recifo, 3 de agosto de 1865. aue todos os remedios de seus concur-
Jose Mara Ildefonso Jacome da Veiga Pessoa.
Rendimnto do
Idern do dia 3 .
dia 1 a 2
3:7543920
1:4375876
5:1925796
820:2505342
3,206:3525396 o professor M'gocl Archanjo de fflen-
donca, e o bacharel Jos Roberto
da (lunha Salles.
E' com grande acanhamenlo que, pela primeira
que todos
rentes.
lencao.
Xarope alchoolico de veame, preparado pelo
vez na minha vida, me vejo ohrigado a vir occu- pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos, estabele-
par a allenfao do publico; porm, curapra-se a cido com botica na ra Direita n. 88 em Pernam-
vontade do Sr. bacharel Jos Roberto da Cuoha buco.
Salesfvisio que sou mais urna victima do seu ge-
nio atrabilioso.
Em sua correspondencia publicada na- Ordem -
de 6 do corrente contra o mui digno juiz de direito
desta comarca, Dr. Carlos de Cerqueira Pinto, alm
de Agorar me comoombinado com o referido joiz,
que muito conhecido por sua independencia e
jostica, acerca da euradoria do preto Mathens, ac-
cusacaose lal nome isto merece que cae intei-
ramente simples consideracSo de que aqnelle
bacharel se encarregou da defesa do preto em qoes
Este xarope incontestavelmente superior a to-
dos os xaropes depuralivos, de cuja composico
o seu maior elemento a salsa parrilba, pois que se
tem conhecido ser o veame mais enrgico para a
prorapta cura das molestias, coja base essencial
depende da purideacao do sangue; assim pois se
lem verificado por muitas pessoas que se achavam
desengaadas, as quaes acham-se hoje restabeleci-
das com o referido xarope alchoolico de veame;
entretanto que algn?, tendo usado do xarope de
Cnrinier, de Larrey, de salsa parnlha, de sapona-
Passivo.
Banco do Brasil conta do capital.
Volar fornecido pe-
la caixa matriz.
Emissao.
Valor em circuli-
cSo........
Letras a pagar.
for dinheiro toma-
do a prqraio. 5
13"-' l^d'.'A -------------- ------------->-- -^ w. ^.r. v ... ^Hv. w.w........, -- ....j, w ......... puntilla, uu apuutl-
,zi)o.vw^v tao, quando este jA estar no banco dos reo?, o qne ra, oleo de ligado de bacalhu, e outros agentes
" KPimixn ec'Uft a existencia de qualquer corabinaco, feita I desta ordem nada consegolram. E' elle de fcil
15^12:56i54o0 precedenlemente ; e bem a6sm acerca de MaH digeslo, agradavel ao paladar e ao olphato. Al-
*----------=== ehiades Silvino Munlz que, melhor do que eu, Ihe'guns mdicos desta cidade e da de Macei o teem
responder, podendo, se quizer, declarar circums-1 recommendado para a cura das
tandas que nada honrara a 8. S., e que principal- Impigens, tinha, escrophulas,
* mn ruv kaia raen4e grande dezar trazem a nm terceiro, cujo no- Tumores, oleeras, escorbuto,
,OOU:0005000 me, por modestia, deixo de declinar \ ainda aceres- Cancios, sarna degenerada, duxo alvo.
centa o mencionado bacharel Sales, em referencia
o/. a./v a m,m e a outros' este Per,odo a53a8 offensivo :
9,^80:7205000 Polg, Sr. ur. Carlos, pode consentir aos da sua laia
que me assassinem, cerlo de que S S. a nico
responsavel por tudo quanto me succeder, por ven-
tora, acompaonaado-o nesta responsabilidade 9 ba-
Todas estas affecgSes provm de urna causa in-
terna ; nao ha pois razio alguma em crer qne el-
las se podera curar com remedios externos. Tam-
bem se prescreve o xarope alchoolico de veame
para o tralamento das affeccSei do syslema nervo-
so e fibroso, taes como:
RENDIMNTO DA RECEBEDORIA DE RENDAS
INTERNAS GERAES DE I'EnNAMBUCO DO
MEZ DE JULHO A SABER :
Renda da typographia nacional. 15000
Renda dos proprios nacionaes. 3875750
Foros de terrenos de marinha.. 53l)0
Siza dos berisde raiz............. 6:3515838
Decima addicional das corpora-
coes de mo mora............. 3605900
Direitos novos e velbos e de
chancellara.................... 4685851
Ditos de patentes dos ofBciaes da
ua rda nacional................ 1505000
Diurna de chancellara........... 1:0535328
Multa por iufrac^es do regula-
menlo......................... 2465421
Sello do papel lixo................ 4:9345260
Dito do proporcional............. 8:4385537
Premios dos depsitos pblicos... 9595846
Emolumentos................. 4435000
Imposto de corrector e agente de
lelao............... 3:6005000
Imposto sobre iojas e casas de
descontos........... 11:9735410
Dito sobre casas de movis, rou-
pas, ele. fabricados em paiz es-
trangeiro............ 4405000
Taxa de escravos......... 4205000
Cobranca da divida activa 1:6395655
Indemnisacoes........... 3125520
Deposito de diversas origens..... 1:1965433
43:3785287
Reoebedoria de Pernambuco. 31 de julho
de 1865
O escrivao,
Manuel Antonio Simoes dn Amoral.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimnto do da 1 a 2...... 8:1675066
dem do dia 3.............. 5:0065507
13:1735573
RENDIMNTO DA MESA DO CONSULADO PRO-
VINCIAL EM O MEZ DE JULHO DE 1805,
A SABER :
Direitos de 90 rs. por (|) do as-
sucar exporlodo....... 24:0675008
Dito de20 rs. por caoada d'aguar-
dente, etc...................... 2:2565857
dem de 30 rs. sobre caada d'al-
cool........................ 1305200
Dilo de 7 Oto do mel........ 765892
Dito 5 01o idem do algodo expor-
tado.............. 23:1255832
Dilo de 8 por cento de couros
seceos, verdes e espichados... 1:78?5557
mais
es-
, dem idem de 5 idem dos
gneros exporlados.. .
Dcima dos predios urbanos
20,J rs. por meia siza de
cravos.............
10 por cenlo de novos e velhos di-
reitos dosempregados provin-
ciaes...............
505 rs. sobre escravos exporlados.
h'im.ir: 1 nl'is e polica.....
20 0|0 do Consumo d'aguardenle
luiougio e 4 poi centn snre di-
divr*os esisbelecin-eiilos fra
dacidide......................
50 rs. por cada alqueire de sal...
Imposto sobre caitos, omuibus,
carnifaa e vehculos.......
Imposto de 20 por c-nto sobre
diversos esiaDelecirnentjs .
8 oJO sobre consultorios mdicos
e fsniplorios............
505 sobre chapos eslraugeros e
roupa feita etc...............
Dilo de 5 0[0 sobre os premios
maiores das loieiias ..........
105 rs. por cada escravo ganha-
dor........................
10 por cento soie o planto do
CU'"'..............
Restituicocs e reposicoes......
Sello de herangaso legados.. .
505 rs. por casa de jogo de bilhar
1 0|0 sobre produelo de cada lei-
lo........................
15000 sobre T de alvarengas e
canoas .....................
Multa por infrarcao.............
5435618
47:0925275
2:0785000
6545529
2505000
5500
2:1285500
1495280
135830
3:3395200
1005600
5005000
1:5505000
605000
375375
2005892
130501X1
3065531
1005000
3175332
1475000
2955085
O Dr. Tristo de Alencar Araripe official da imperial
ordem da Rosa e joiz especial do ce>mnu>reio por
S. M. Imperial etc.
Fago saber aos que o presente edital viren e delle
noticia liverem que Antonio da Silva Ponics Goima-
res, me dirigi a pelco-do theor segointc:
Illm. Sr. Dr. joiz do commercio. Diz Antonio da
Silva Pontes Guimaraes, fommerrianteestabeleciio
nesta cidade, que quer interpr o protesto de qne
traa o 3o do arl. 453 do cdigo do commrrrio para
Dterromper a prescripcao de seos devedores por
letras que se spguem:
Antonio Pedro Rodrigues, saldo de quairo le-
tras, 264640; Jos Moreira da Pooseca, nma dita,
89;200; Joao Chrso>tomo de Gusraao, urna dita,
4C5400; Joaquim Americo Albino Ba-lo-, runa
dila, 475287; Jo? Antonio Goncalves Peres orna
dita, 515240; Sebaslio Lopes Ferreira GuimarhV?,
urna dita, 1209; Costa Guimaraes & Re, doas
ditas, 1755360 ambas; Joaquim Antonio de Sooza,
tres ditas, 3305130 todas; Francisco de Oliveira
Jnior, urna dila. 625100; Jos Lopes da Silva,
duas ditas, 1615200 ambas; Mano-I da Silva A.
C, duas ditas, l 485670 ambas; Antonio da Losra,
duas dilas, 5155820 atabas; Dio? Jos da Gofa
Pontes, duas ditas, 2885290 ambas; Faanriseo
Marques de Lemos Kibeiro, quatro dia-, 4!H5 to-
das ; Joo Rodrigue* Cordeiro, tres dita?, fi'.>45*M
todas; Jos Gomes da Silva Santo?, tres dila?,
672-5130 importe de duas e sold de oolra ; e An-
tonio do Carmo Xavier Monteiro, 316:800 conta de lvro, os quaes e acharo todos en wjrar
ipuorado, pelo que vein requerer a V. S. digne-se
mandar tomar por termo o seu protesto, e a atlait-
ti lo a justificar a ausencia dos supplicado? ern dia
e hora que de>goar, alim de i|ue sendo q iaut >
basto e julgado por senlenga s. nma caria de
ediial por 30 dias para serem intimados do imita-
do protesto o* me Pede a V. S. deferimeoto e reeeber merr.An-
tonio da Silva Ponles Guimaraes.
E mais se nao conlinba em dita Delirio aqu;
copiada; na qual dei o despache do ui-uf se-
guiule:
Juslifique no da 24 do correle mez, depois da
audiencia. Recife, 21 de julho de 1865.Alencar
Araripe.
E mais se nao condola em dito despacho aqoi
copiado.
Em virtude do qual fra a mesma peligo destri-
buida ao escrivao que ante miiu serve Manuel
Maria Rodrigues do Nascimeoto, o qual lovroa o
termo de protesto do Iheor segoinle :
Termo de protesto.Aos 21 de julho c l65, na
cidade do Recife em meu cartorio appareren o >up-
plicaote |-or seu bastante procurador o solicitador
Joaquim de Albuquerqne Mello, e disse peranto
1111111 e as teslemonhas iofra assigeadas, qne r-du-
zia a protesio de sua peligo relro, a mal cflerecea
como parle do presente que fica sendo; e de eoo
assim o disse e protestou lavrei este termo, no qual
depois de lido se firmn com as testemanhas
ditas.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento,
escrivao o escrevi. Joaquim de Albuquerqne
Mello, Leopoldo Ferreira Marlins Ribeiro, Secna-
dino Eliodoro da Cunha.
E tendo o supplicante produzido soas lesionra-
nhas, sellados e preparados os aulos suLiram a
minha conrlusao e relies dei a sentenca do theor
seguinte: ^.
I Km p>r justificada a ansencia dos suplicados, os
quaes mando que se riiam por edito? de .10 dias,
para o lim requerido a folha duas, pagas as castas
eausa.
Recife, 29 de julho de !865.-Trist$o d'Alenear
Araripe.
Por forga da qual o referido escrivio fez passar
o presente pelo qual chamo, intimo e nei por Mi-
mado aos supphcados, para qne comparegam oeste
Juizo derilra do dilo praso, alim de allegarem o qne
fr de justiga.
E para que chegue ao cooherimenlo de todo?
maDdei passar o prseme que ?era poblirado pela
imprnsj .. :illi.:.d.i no lupar do ro*lume.
Recife, t do agoslo de 1865. En Manoel Maria
Rodrigues do Nascimeom, escrivao o sobserevi.
Trislao de .Menear Araar.
O cidado Antonio Augusto da Fonseca ravaliwro
da imperial ordem da Rosa e jniz de pax de
2o anno em ez-rciclo da fregoezia de Sanio
Antonio do Recife.
Fago saber aos que o presente edilol viren e delle
nolicia liverem, que Joo Francisco Paes Barrete,
me dirigi a petigo do theor segotel':
lllm. Sr. juiz Je paz da fregnezia de Santo Anto-
nio.Diz Joo Francisco Pae? Brrelo, prnprieiario
do solo em que se acha planuda a OBI n. 32 da ma
do Senhor Rnm Je:us, periencenle a Jos Alve da
Silva Guimaraes, morador nesta mesma fregoeiia,
cujo solo perteans ao supplicante por heraaca pa-
lerna. como con-la dn respectivo inventario; eav
tendo de propr aegao competente a dilo Uoian-
res, por haver eela cahido em commisso, viste
como tem deixado de pa-rnr foros a aove asnos,
misier urimeinmenie esgolar o aelo reparar- rio
da conciliago, nao s para o pedido do r..mmi?v>,
como diis foros vencidos; e porque o ?npalrcade
esla fra desta provincia, o ignora-se.o linrar rerte
de soa residencia, quer o supplicante ju.-uoVar a
loseaela, para que provado,.V. ^yulgoe por ea-
teoga, e mande allixar'edilae conT o "ierran de W
das, para desla furnia ser i-ilado o sopplic.i t.> para
conciliago na primeira audienria, depois de
referido termo do 30 dias.
Pede a V. S. deferimeoto e rece^era mern1 O
procurador bastante Joaqoim Francisco de Aibu-
querque Sanliagn.
Na qual peligao dei o despacho segoinle:
Justifique.se.' Preguozia de Sanio Anrooio, 3 ae
jolho de 1865.Angosto da Kooscca.
Em virtude do qual despacho se proredea a
inquirigao de Icslemiinh.is, oue, soo OjnranaaM
dos Santos Kvangelhos, depozeram a respeilo da
ausencia e incerteza do lugar da residencia do
supplicado Jos Al ves da Silva Goimare
do que preparados os autos me vieram conei
e por mim lidos, profer a seotenca do theor se-
grate :
Visto provar se pelo depoimeolo des lestemonhas
wyim'de fe'ba, que o supplicado Jos Alves da Silva
os>ouu; Guimaraes acha-se anseote em parle incerta, hei
por justificada a sua ausencia, e passe-se carta de
edllos com o termo da le, pagas as castas.
Freguezia de Santo Amonio do Recife, 31 de julhc
de 1865.Antonio Augusto da Fonseca.
E nada mais se conlinba em dita sentenca. por
bem da qual se passou ao justificante o presente
edital com o praso de seis mezes, peloqoal chano,
cito e hei por citado o referido Jo- Alve? da Silva
Guimaraes, para que deotro de dito praso. e
rega por si oa por seu bastante procurador.
proceder-se aos termos conciliatorio?, na forma a
petigao, e a qoalquer oolra pessoa para qne Nw
faga saber desta mesma cilacao, aGm de que elle
nao iijiie indefenso.
E para constar maodei passar o prsenle, qoe
ser alixado no lagar do costume e publicado pela
imprensa.
Dado e passado nesta freguezia do Santissimo
Sacramento do balrro de Sanio Antonio do Recit,
aos 31 de julho de 1865.
Eu Austricliniano de Torres Gallindo, escrivao
interino qoe o escrevi.
Antonia Augusto da Fmutca.
Mesa do
le 1865.
consulado provincial,
111:9635431
31 de julho
O 2o escripturario,
Clises Cochles Cavalcanti de Mello.
MOYIMENTO 90 POBf 0
diste
Navios entrados no dia 3.
Aracaly12 dias, hiate brasileiro Novo Invencivel,
de 45 toneladas, capitao Joaquim Antonio de Fi- .
?eUs A dSiivaqUPagem *'tU* S8' ^ '' "^
Barcelona43 dias, sumaca hespanhola Joven Ade-
fw, de 110 toneladas, capitao LoorengoPl, equi-
pagera 10, carga vinho e albos ; a Tasso 4 Ir-
mos.
Trieste88 da?, brigue banoveriano Ama, de 189
tonelada?, capillo H. Hovene, equipagera 8, car-
ga 2.154 barricas e 100 meias ditas com farinha
de trigo; a Nicolao Q. Bieber & C, successo-
res.
O presente edital que
foi pubileado, por eugi
SO dias em logar desete
pe lo qne boje de novo publica-
mos, com a respectiva ratlftea-
co.
0 Illm. Sr. inspector da tliesourana pravia-
cial, em cumprimenio da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, manda fazer publico que no dia
10 de agosto prximo vindouro, perante a joata da
fazenda da mesma thesouraria, se ha de arrematar
a quem por menos flzer, os reparos do eropedra-
mento de 250 bracas entre os marcos de 5 a mil
bragas na estrada da Victoria, avallados era.....
3:1575.
A arremataco ser feita oa forma da lei pro-
vincial o. 343 de 15 de ma:o de 1834 *ob as clau-
sulas especiaes abaixo copiada?.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparegam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio diae
competentemente habilitados.
E para constar se mandou publicar
pelo jornal.
?
TC -^:
MM


Diarlo 4e reraatabno .flnia feira 4 de *goto 4e I i
Secretaria da thesotiraria provincial de Pernam-
boco, 10 de janho de 1865.
0 secretario,
A F. da Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arrematacao.
! Os reparos do empedramento da estrada da
Victcria, entre os mar -os de 5 a 8 mil bragas sero
exf catadas de conformidade rom o respectivo or-
gamento na importancia de 3'iS7*V
2* O arrematan!-" comegar os trabalhos 15 dias
depo's da approvagi > do contrato, e os concluir
era l mezes, contados tarabem da data da appro-
vaca x
do como se acha determinado no regalamento de de 25 dias e concluidas no de 3 mezes, ambos
9 de jolnho de 1865. contados da data da approvagio da arrematacao.
Conforme,
A. F. da Annunciacao.
3.a Os pagamentos sero reahsados ern duas
prestagoes iguaes,a primeira tjuaudliver metade
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im- das obras, e"a segnd'a'iasua'ionckisho ai entrega
perial ordem da Rosa, .juiz da direlto especial do defensiva.
commercio desta cidade do Recite de Pernam- | 4. Para tudo que nao esliver especificado as
buco e sea termo, por Sua Magestade Imperial e presentes clausulas e orgamento, seguir-se lia o
constitnclonal o Sr. D. Pedro 11, a quera Dos que dispoe o regulamento do 9 de jullio de 1865.
guarde, etc.
Fago saber pelo presente que do dia 14 do raer
de agosto do;crreme anno se ha de arrematar por
Gouforme,
A. F. a" Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesuuraria provin-: sul.
COMPUHIA BliSILERi
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte '
at o dia 6 de agosto, o vapor
Paran, commandante o capitao
de (rzala Antonjo Joaquim de
_____. Santa Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir' para os portos do
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
eo esiabeleoida nesta praga, toma seguros martimos
sobre navios esens carregamentos e contra fugo em
$ n- n,,. -ti. 17 ">*" K'v" H"^<-f J,, ?^ m n,^eraofe"Jos?m,re1sp1esla3es audiencia respectiva, o escravoRomao de idade de sidente da provincia, manda fazer publico que no carga quo o vapor poder conducir a aual
m,m?, CDrresPndtntes a cada la"?'1 da obre exe- 14 anuos pouco mais ou menos, avallado em 8005,' dia 10 de agosto prximo vindonro, perante a junta ser embarcada no dia de sua rhea')a
I.e- oqual vai a prega por execugao de Joaquim da Silva da fazenda da mesma thesouraria se ha de arrema- mendas e dinheiro a frote at o da
* soiirera o arrematante urna multa de 100 se Castro contra D. Josepha Francisca Pinto Rigueira. tar a quem por menos lizer os reparos de 88 bra-
paralysar os trebalhos por mais de 15 dias. RomaE na falta de licitantes ser arrematagao. gas de empedramento, entre os marcos de 3 a 4
o- O arrematante cumpriras ordens que relali- feita pelo prego da adjudigo com o abatemento mil bragas nos lugares denominados reas do'Gi-
vamente ao servigo, Iheforem dadas pelo engenhei- respectivo da lei. quia e ladeira do Vieira, na estrada da Victoria,
ro eorarregado dos trebalhos. E para que cnegue ao conheclmento de todos, avahados em 1:969,5000.
6 .Nao poder o arrematante pedir indematsa- mandei passar o presente que ser publicado pola A arrematagao ser feita na forma da lei n. 343
gao sobre qualquer pretexto. imprensa e afiliado nos lugares do costume. I de 15 de maio de 1854 e sob as clausulas especiaes
7' Para ludo quanto aqui se previnir, 9e obser- Dado e passado nesta cidade do Itecife de Per- abaixo declaradas,
vara o que determina o regulamento de 9 de julho nambuco, aos 31 de julho de 1865. As pessoas que se propozerem a essa arremata- ,
de 18"- .Eu Manoel de Camino Paes de Andrade, escri- gao comparega na sala das sessoes da referida jun- JK!*ft!5' CODS|Kn^.r10 .Joaquim Jos
Conforme, vao o subscrevi. la, no dia cima mencionado, pelo meio dia ccom- X, "' a rUa V,8ano B" 17, pri"
A, F. da Annunciacao. Tristao de Alencar Araripe. petentementetmbilitadas. auuar-
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-.0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im- E para constar se mandou publicar o prsenle Para O R!o da Prata 011 Rio
Cjal, em camprimento da ordem do Exm. Sr. pre- penal ordem da Rosa, juiz de direito especial do pelo ornal.
sidente da provincia, manda fazer publico, que no. commercio desta cidade do Recife de Pernam-' Secretaria da thesouraria provincial do Pernam
buco e seu termo, por Sua Magestade Imperial e boco, 10 de julho de 1865.
constitucional o Sr. D. Pedro II, a quem Dos O secretario,
guarde etc. a. F. da Annunciacao.
Fago saber pelo presente que Cunha & Irmao, Clausulas especiaes para a arrematacao.
successores da firma de Jos Antonio da Cunha & Ia Os reparos do empedramento da estrada da
.. sabida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriplorlo de
Aatogio Luizde Qliveira Azevedo & C.
Para a Bhia pretende sabir
rom milita brevidade o velelro
lugre Emilia, capitao Beruardi-
no Rodrigues de Almelda, por
ter a maior parle da carga tra ,
lacla, c para o resto que Ibes |
consignando Joaquim Jos
S%iuSS2S!?f 2 "J'"lias:, seu escripto- Castro R.duuoo, compeleneinenie
no, ra do V.gano n. 4, pavimento terreo. I sement p,.r lodoiwVredorw d^i*?H
tnsimcrt* ti'iiuai'a
Club Pemambiicano
A partida do mozde afoslo lert !ogr na
noiie do dia ti.
Semana Illastrada e o
Bazar Volante, do Rio de
Janeiro.
As.'ignam-se na ra do Cmpa \. ^,\:%
a Cjj por tres roez, tfff o m
o^egund a' 105 ti m-zes a 18j um -b...
~ Osabaixo Ulif ttm, rroores ale Jw 4
trmo fttit te-
T-Tfto V lad
ferfdo lieveior. teem dn preemfcv
iitlosive o em di vida *, lio
Acha-se aberta a aula publica de instruego pri-' J" ac **
maria do sexo feminino, na povoagao do Monteiro. 'n,
-=c----- -------------------liante!, casa n. 73, e pertenvBie i
Jo da taberna (intitulada l'barui -i|,
na roa V
dia 21 de agosto prximo vindouro, perante a jun-
ta da fazenda da mesraa thesoaria se ha de arre-
mala-, a quem por menos flzer os reparos argen-
tes ce. que precisa a cadeia di villa do Limoeiro,
avahados em 3:4185130 rs.
A arrematagao sera feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessAas que se proporem a essa arrematagao]
omptregam na sala das sessoes da referida junta,
no da cima mencionado, pelo meio dia e compe-
tentei.iente habilitadas.
E para constar se laandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. o"Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arrematagao :
1.* As obras dos reparos da cadeia da villa do
Limoeiro, sero feitas de conformidade com o or-
namento respectivo na importancia de ris .......
3:418:3150.
i.' O arrematante dar principio ao trabalho 15
das depois que se flzer a arrematagao e as dever
concluir no proco de 3 mezes.
>." Os pasamontos safio feitos em 3 prestagoes
igoaes a caa torga parte da obra correspondente.
L* O arrematante seguir na execucao das obras
as ins'.rurgoes do eoge.oheiro, que a inspeccionar,
o.' Para tudo qnant) aqui nao estiver previsto
observar-se ha o que dispoe a lei n. 286.
Conforme,
A. F. "Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimeuto da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico, que no
dia 3 de agosto prximo vindouro, perante a junta
da fazenda, da mesma thesouraria, se ha de arre-
matar, a quem por meno* flzer a obra do empedra-
mento, na exteasao de loo bragas no laogo da es-
trada le ijarv cidade de Goiauca, avahada em
l:3(ii000.
A arrematacao ser feita na firma da lei provin-
cial n. 313 de 15 de ma.o de 1845, e sob as clausu-
las especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
es o eomparegam na sala das sessoes da referida
juma, no dia cima mencionado pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Peraam-
buco, 4 de julho de 18C3.
O secretario
A. F. da Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
1.a Empedramento de 153 bragas correnles no
lauco de estrada da fiujary a Goianna na impor-
tancia re 1:3645000, ser feito de conformidade
com o respectivo orgamento, e as insiruegoes do
engenheiro cncarregado da lisealisago dos iraba-
Uios.
2.a Os pagamentos sero feitos em duas presta-
p5es iguaes, a primeira qnando cstiver exeeutado
lo de lodo o servico ; e a uliima na concluso
d.> trabalho.
".. O arrematante eomecar os trabalhos at o
dia l. de setembro e os concluir at o ultimo de
ouinbro do crreme anno.
i.1 O arrematante nao ter direito a indemnisa-
cjo algama, qualqaer que seja a natureza da aile-
gagao, salvo nos casos previstos por lei.
o." Km tudo o mais que nao vai especificado as
presentes clausulas, seguir-se-ha o que dispoe o re-
gulamento de ) de julho de 1864.
Gouforme.A. F. da Annunciacao,
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda fazer publico que no
dia 17 de agosto prximo vindouro, perante a jun-
ta de fazenda da mesma thesouraria, se ha de ar-
rematar a quem por menos lizer, es reparos de
2,033 bragas correntes na estrada do sul, do mareo
8.(10) bragas at o portao da barrena da ponte
do- Garvalhos, aveliados em 5:31 5000.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
vinciai n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
(."; i. eomparegam na sala das sessoes da referida
jauta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pe i jornal.
Secretaria da thesouraria pro incial de Pernam-
boco 1 do juiiio de 1863.
O secretario,
A. F. d*Aununciagao.
LOTERA
. AOS 6:000.?000.
Corre amanhia.
Sabbado 3 do agosto do correte anno,
se cstraliir a 6a parle da I e 1 da 21 lo-
Cirande
Frotase a (barca nacional ResiauracSo : a ira- \ teria (i6*) a beneficio da Santa Casa de
Cruz n. 1.
e atim de applicar-se > producto nani+i
inos hens ao pagan, mi > ,to fmn >\< R|
estabetecime:.lo ; oque fazern .. cs-
nheciiiieiit.. das BMeeaa qu >^ | ii.-nrem imere*
saoas : a tratar na travos* da Mi Ir b Ifcw a
e H. Recife i de agosto de I
Jos mmhm lavw ti 3H*>.
Manoel Fernn.I ta : Kta A H
Gontratam ,-e iiu-ico. para o
guarda nacional em exp >. lapo i |
S^r ^^ Pr^^to^m^i a P^ ; Vicloria, enlre"o.rraaraS de"3'a"4 mil bragas" n"o pretende seguir com muita b'revidade 'o patacho i ZiaAdek^art0 A,U?D0-
ligao do theor seguinte : logares denominados Aras do Giquia e ladeira do nacional lanlo tem u re do seu carresamento 0s "lliietOS, metos e quartOS estaO a ven-
e ihe falta e escravos a. da na respectiva thesouraria a ra do Gres-
coasignatarios Adtonio po numero i.
no seu escriptono, Qs premios de 6:0005000 at i0000
Manoel Jos Lei te da quautia de 6815500,' serido ambos contados da acta da approvagao da respec- '"- "b~-T"rir~------------- i.-----r^------! serao pagos uma h')ra depois da extracc5o
este de uma letra sacada a 26 de outubrode 1860, tiva arrematagao. 'a" P"a, com escala peio Maranhao, pre : at as 4 d >'.
a 4 mezes de prazo, e_aque,.e tambera de uma ou-' | ,3- Os pagamentos serao fe.tos em duas presta- ^SS^^StS. TSWS di d" Sda.lislis P
i>a!. 4j.napr*:
quem e>Uier nenas circuaMauri .> .liri).-* a rma
no hospital Pedro II, no consistorio da igre- da Madre de Deosn. I, ou fea sjanrM a iitijjj.
ja de ossa Senhora do Rosario da fregu- a "'-nder-.-e cora o rinawalmttmmmlm*
@ as Gnco Ponas n. 89 hv.i se ragjaMaa-
se com perfeigao, e por p;rr.. rauavai
Quem mo tjuei Mr 'ai ai* lii f ula
a pillf
Finalmente a tzruu'mo p*rmi*e*l*^s% aVIate-
rou-se a tirar a m-scara n,: ,,, .(,, (W,^.M,
t-eio carnaval e qn- cu-t iva a a*r>n>M h (ja-n
lempo)para vir m-uitar a 8urtii>ta K>'-rp* y,.
conal, quj t:io generosa e eavaln-iranaeafa m por-
tra letra, sacada a 30 de dezembro de 1859, com g5es iguaeL e correspondentes a cada metade da .
o prazo de 9 mezes, ambas das quantlas cima di- obra execut5*a. maior .arte ..a carga tratada, e para o resto qne As encommendas S rao guardadas SO-: (ou par. com
tas,ecomof_stejamaprescrever,requeremossup- i- O arremaVtc.pao poder interromperos Ira- ^ g^Ip m,!"1 na 'r'Crin n''T montate a noite da vespera da extra'cco i A Sociedade Eut^rpe .1 .nonal Velara ,
.as ou mais, sob pena de ser pr.^neiro andlr COmo de COSlume. esta sucia de menino,, e si, ao wWiro. V%
multado na quanKa de 1005. prune.roandar,--------------------------------------- Servindo de thesmrrirn m" tal imrir annnncio algum ro,ra VlaT
5' Nao poder oVirrematante pedir indemnisa,^^-^ p.,rjj ?, tnesoareiro, UAZ_Mn((0 rmm,Hlf ,." ,.,,,-__
gao sobre qualqueriketexto /^^cu 1JI ia Jos Hodrigties de Souza I--..a
V 6- Na execugao doVrvico o arrematante db^er- ..^ue com brev,da-d." par? >."d'do porto era
plicantes a V. S., visla do art 390"do regulamen- balhos por qu
to n. 737, protesto, aflm de interromper a prescrip-
oSo, porm acontece que os supphcados estejam
em lugar incerto e nao sabido, querem justificar a
ausencia afira de serem citados por editaes. Nestes
termes pedera a V. S. deferimento.E. R. M.-O
procurador, Joo Caetano de Abreu.
Seguindo oque assim se conlinha em dita.peti-
gao, que me foi apresentada, n:i qaal dei o despa-
cho do lhei)r segninle :
Justiliquem no dia 21 do corrente mez, as 11 ho-
ras da manhaa.
Kecife, 19 de julho de 1865. Alencar Ara-
ripe.
Seguindo o que a.-sim se conlinha em dito meu
despacho, por forga do qual fora feita a distribui-
gao ao escrivao deste meu julzo Manoel de Garva-
Ilio Paes de Andrade, o qual em observancia ao
dito meu despacho lavrou o termo de protesto do Imnelirrips rln theor seguinte : > tuiKiu.utb uo t
Protejo.-Aos 20 de julho de 1865, nesta cidade \no corP "e
irvieo o arrematante ?U! diretl)ra Q ye|e|ro ^ ^^ ^^ ^
vara as instruegoes queWforem dadas pelofenge- m^^vm^S^lZ T a 7 V ,. ropa,
nheiro encarrecado dos trabamos. K"",C,SB0 K,bs,rn de Barro?> pod? ainda ,ad,nit- i ~
A/ iinmo jrrminnUc .
publicado no Diario do : &< rorreni. a n^ tr-
Jos Gomes Monteiro, Portugucz, vai a Eu- wre, 6 de na Exferpim s*n m i asa mu i
7* O que nestas clausulas nS&se r.char pnvlsta
observar-se ha o que dispOe o regulamenu) de 9
de julho de 1864.
Conforme,
A. F. da Annunciacao.
tir algunia carga : a tratar com Antonij de Al- Jos de Souza Pinho, subdito portugucz, re-
mei.la Gomes, na rna da Cruz n. 23, primeiro lira se para Europa no prximo vapor que tem de
andar. seguir.
i- *i..4',**'-.tJ,:.A!--- .
- Convidase as pessoas que eslo as
vico militar, a engajarem
Tisset Prers previnom aos carregadores dos na-
viosda linha do Havre a' Pernamlmco, que o frete
do Guillaume Tell, esperado a cada momento, tem
sido f.baixadoa 30 fs. a lO%, o do sphre a car-
do Itecife, em ineu cartorio, vieram os supphcan- gens d i
tes por seu procurador o solicitador Joo Caetano prximo passado qi
mS^VSX^SS!XJ!^ 1^'lOOrS. diarios de SOldo, seren seus fi- a um frete aba'.xo de 45 fs.'e 10
..que redama termo todo ocon.eudo |hos men.)res rec,,lidos aos estahelecimen- justar rom os annnncantes, ruad,
de sua peligao retro, o qual offerecla como parte
do presente, e de como assim o disse e protestou tosprovinciaes de educacao e o tompo qne
liz este termo no qual se assignou cem as ditas tes-1 estiverem na guerra ser contado pelo duplo
temunhas, eu Manoel Silvino de Barros Falco,: nar, f, ra(fl ,ip ...^.......i^,.;.. a *Am .,..,..
escrevente juramentado o escrevi. pard ,caso de ^POsO.lta 101 ia, e aletll (Je>tas
E cu Manoel de Garvalho Paes de Andrade, es-;lem lo"as as mais vantagetis que sao con-
crivao o subscrevi.Joao Caetano de Abreu.-Joao!cedidas aos voluntarios di patita O te-
Vicente de Torres Bandeira.-Amonio Alves da jnente-coronel commandante do corpo de
snegeuindonoJue assim se conlinha em dito termo P0,cia' Alexandre de Barros e, Albuquer-
de protesto, depois do qual produzindo os suppli- (\a^-________________ _________
cantes suas tesiemunhas que depozeram convenien-1 Pela thesouraria provincial s faz publico,
teniente acerca da ausencia dos supphcados, o res-que a arrematagao do fornecimento dos medica-
pectivo escrivao razendo sellar e preparar os autos! montos necesarios enfermara da casa de deten-
me os fez conclusos, nos quaes dei a sentenga do 'cao, foi transferida para odia 10 Je agosto via-
llieor seguinte : douro.
Hei por jusncada a ausencia dos sapplicados,! Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-'
ue mando sejam citados por editos de trinta dias,; buco 28 de julho de 1865.-0 secretario,
lo c oiforme se
Trapiche n. 9.
LEiLOES.
AO
concellos re Drummnnd
agradecem exlreinnmente a todas as pessoas
que se dignarnm do assistir as exequias e
acompanhar o fretro della ao cemiloro pu-
blico. Oatro slm, pedo a cssas mesmas pes-
soas eaoutras qaaesquer com quem tem re-
lagOes que Injam de liberalisir-llies ainla a
subida fineza de compareciera na igreja de
Nossa Senhora do Carmo, sabbado 5 do cor-
rente mn, pelas 7 horas da manha, a cele-
brago das inissas e do memento, que aili
haver por alma do mesmo brigaieiro Gas-
par de Meii.'zes Vasconcellos de rummonJ,
o que ser um novo titulo de acrisolada e
eterna gratidao par a dita sua viuva,Tilhos
e genros.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
'' As obras dos reparos da estrada e embarrea-
Diento, entre o marco de 8,000 bragas e a barrei-
ra da ponte dos Cirvalhos na estrada do sul, serao
feitas d'- conformidade om o orgamento junto na
importancia le 5:3135-
2a O arrematante dever principiar as mencio-
nadas obras no preso de 15 dias e conclui-las lo
de 5 mi zes, ambos contados da dala da approva-
gao da arrematagao
'!' o pagamento ser realisado como determina
o artigo 79 do regulamento de 9 de julho de 1864
e a le.-ponsabilidade da entrega definitiva sosera
applicavel aos caicamentos c trros dos mangues.
& Para tudo o mais qae nao se tem especifica-
do as presentes clausulas, seguir-se-ha o que de-
termina o regulamento cima citado.
G nformeA. F. d'Annunciago.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presi-
den da provincia, manda fazer publico que no
dia id de agosto prximo vindouro,. perante a jun-
ta da fazenda da mesma thesouraria, se ha de ar-
rebatar a quem por menos tizer a obra do empe-
dramento de 280 bragas correntes entre os marcos
de 13 a li mil bregas na estrada da Victoria, ava-
llada em 3:599*200.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
viorial n. 343 de 15 de malo de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas :
As pe-soa que se propozerem a essa arrematagao
co.'i! iiv.-am na sala das sessoes da referida junta
no da a -ima mencionado, pelo meio dia e compe-
lemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernem-
buco, 10 de julho de 1865.
O secretario,
A. /. da Annunciacao.
para o fim requerido a folhas 2, pagas as custas
ex-causa.
Recife, 22 de julho de 18Cj.Tristao de Alencar
Araripe.
Seguindo o que assim se conlinha em dila sen-
tenca aqui transcripta, e em observancia da qual
o respectivo escrivao que este sub-creveu o fez
passar o presente pelo qual e seu theor chamo, ciio
e llel l)0r Citados aos meneionaitca jnntifliMan, alini
de que dentro do referido prazo de 30 dias eompa-
regam ante este juizo allegando e provando o que
fura bem de seu direito e justiga, sob pena de re-
velia.
Portanto, todae qualquer pessra, prente, amigo
ou conhecido dos mencionados supplicado poder-
Ibes hao fazer sciente de lodo o expendido.
... E para que cnegue ao conhecimcnto de todos
mandei fazer o prsenle edita), que ser atusado
dos logares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 25 de julho de 1865.Eu Manoel
de Carvalho Paes de Andrade, escrivo o subs-
crevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, adlclal da im-
perial ordem da Rosa, e juiz especial do com-
mercio desta cidade do Recife de Pernamlmco e
seu termo, por S. M. Imperial que Deus guar-
de etc.
Fago saber aos que o presente edital virem, e
delle noticia tiverem, que no dia 14 de agosto do
corrente anno, se ha de arrematar por venda, a
quem mais der, em prega publica deste juizo, o
seguinte :
2 canoas grandes de amarello de carregar 1,800
a 2,000 tijellos, a I50 cada uma ; 1 dita da mes-
ma qualidade que carrega 1,500 tijollos, por 130J :
as quaes foram peuhoradas por execugao de Jos
Ignacio d'Avila contra Z-feriuo Doraingues Mo-
reira.
E nao havendo langidor que cubra o prego da
avaliago, a arrematagao ser feita pelo prego da
adjodicago na forma da lei.
E para que cnegue ao conhecimenlo de todos,.
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e afBxado nos lagares do costume.
Recife, 31 de julho de 1865.
Eu, Manoel Mana Rodrigues do Nascimento, es-
crivao, o subscrevi.
Trislo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, iuz do direito especial do
commercio desta cidade do Recite de Peroambu-
co e seu termo por S. M. I. e C. o Sr. D. Pedro
II, a quera Deus guarde etc,
Fago saber pelo presente que no dia 14 do mez
de agosto do corrente anno se ha de arrematar por
venda, a quera mais der, em praga publica, depois
da audiencia respectiva:
Uma relagao de diversos devedores na importan-
cia de 940520, incluida uma hura da quanlia de
582*470, avahado tudo em 2505 ; cuja relagao e
letra vai a praga por execucfio de Ferreira &' Mar-
lins contra Manoel Soares d'e Moura.
E na falla de licitantes ser a arrematagao feita
pelo prego da adjudicago com o abatimento da lei.
E para que chegue ao conhecimenlo de todos
mandei fazer o presente edital que ser affxado
nos lugares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesia cidade do Recife de Per-
namlmco, aos 31 de julho de 1865.
Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
crivao, o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial
em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda fazer publico, que no dia
24 de agosto prximo vindouro, perante a junta da
fazenda da mesma thesouraria, se ha de arrema-
tar, a quem por menos flzer os reparos da ponte
do Rio Formoso, avahados em 1:5515000.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
huld n 'i'i'i il I .'i Hn m.iin He tK.Vi. P sn'i a
A. F. d'Annunciago.
Sexta-feira 4 do crreme, logo que lindar a
audiencia do Sr. juiz de paz da [regnezia de Santo dia, sexta-feira'4 do corrente
Antonio, se bao de arrematar tres relogios de a|-
gibeira, e euire estes ha um proprio para medico,
os quaes foram penhorados a' Fernando Garzoll,
por execugao de Andrs Blanco & C.
F'n nnHaPneia fio IUm 'ir. V\r jui7 phiios desta cidade,vai arrendamento por seis annos do armazeto sito no
caes da alfandega desta cidade, sob n. 3, dlstinado
al boje a receber bacalho, sorvindo de base o
prego por que ora esla, de 25>5 mensaes, pairos
no Io de cada mez, sempre adiantado : para mais
| explicagoes, os pretendentes vejara o escripto em
' mito do porteiro do juizo competente.
1/
HOPG
DE
Uma excellenta mobilia de Jacaranda, I cama fran-
ceza e um toillet umbem de Jacaranda, 1 banca
de advogado, 2 oslantes, I mobilia de amarello,
2 serpentinas, I ,sancluario, 1 mesa elstica, 2
apparadoies, l guarda vestido, i commoda, me-
sas, cadeiras, murqaezas, camas de ferro e mul-
los ontros objectos os quaes sero vendidos no li'iaadauc de baiii'Aiitia dn ixrftja da
ariinzeni da ra da Gadeia n. 62, por tonta de M-ulp iIa llonv
uma familia que mudou de residencia. ... ." "'' "e .I"'u:,.
Por intervenc;io do aconta Pinto, as 10 liaras do iXao londo ac'llaJo ''leigao de. provedor o nos-
,so irmao Antonio Jo?e Silva do Brasil, sao nova-
- mente convidados tolos os nossos irmaos para se
reunirem domingo 6 do corrente, no consistorio
!da referida igreja, aflm di si proceder a !eig.\o
I de um novo provedor da conformidade com o eom-
, promissp da iraiaadadu. lUc.fa 3 d: a->-i.) do
lteiramenle Wscoohecirta, Portmio a m- -raa *.,-
ciedade apressase a deoh>r aMi-m* a4 arase-
prnprias de um U grupo >#ni ralr>___
Na verdade admirase cvnisrn, qme .ca
censa shnma.la-unimprrm'iwnilf ~f.ru'o- Urar
de si para linear a aquellas n ,jj ,_
pela mesma bitola.
Pn.mellemos n.i.. r>s> >n ier mu* a* U^iUbU-
des e loul.ces de eri..i.;.| : |-,-,r. linr-Hto*,.
tratiaiho de incm:.! .'.ir a ./u.-m pm r^pimkv
(como costme) j 2. evitan)-am i-r*r af-
guui conce.....
Btetmcrtm mees mamm, tmmantm, e-.
pac di estribara, en k beeiaaa -u.- /-.>, c ,..'
quino, uo faltara maio'es.
Ooaf... .vi;,
<-li.il ir i i:H r.
A Soeied.idi: Em Tp-.\i,-,.i .; .!-,- -
: ciedade i'niao PermaneaMe sjae n,. i ,..,:,
, resnondi-r as uas narv.i ta.
Qoanto ao leaprcse sjm -1 Mp n i i/. ,
a pontadop,aeeHaaiu-te, peattaM ;n'- i-
sociedade co-njo-ta d-/..x/i-m
de lina educuriio.
O burro por dar
o p.
U.n CjJ.;; ui *.;P; r rt i
. O aoaixo a.-*ign.-, I > n., i.-udo Mi, ,r,.,._,...
gao de especie algn a, ne n pir si. iv-rw y* *+~
procuraaores, pea qsal pHM Mf artaaim^m +.
si 1. rado devedor de quautia a mais fimiajiit *-
clan que nao deve a ess-a a'g .
pruvimia, qnr lora o-lh. A .
nesta praga .-- jaigare i -tus ereaWres m ConUs enrrentes prejudicados pjr cau-4 *-!., o>.
ciarago, qoeiram manifest lo por r>t- iurB.il .mi
f..zer as suas nciamai:,-.-, i,, ptaae i :i> rfu-'>>-
rante o mesmo abano avi^aad., na i
provincia da Paralaba, onde r -. .*, ^^
ser aceita pelo abano assi.nal piaiquer r^M
depoia de chamado a juizo. kVcife 4 de .al!;, *-
I865.Itacharel. Joan Lite Ferreira.
LEILAO
De um cavallo.
' lloje 4 do eurrenie.
O agente Pinto/ara leilo no referido dia, cm
frente do armazem da ra da adeia n. 62, de um
extellente cavallo rodado, proprio para sella e
carro.
lanodl J)- de Arauj >, escrivao.
Inspeccao do arsenal de maiinlia.
O arsenal de marraba admilte carapinas, ferrei-
ros e serventes para as obras.
Inspecgodo arsenal de marinha de Pernambu-
co 3 de agosto de 1865.
O secretaria,
Alexandre Rodrigues dos Arijo*.
De um carro anericm) d.i 4 rolas com asento
para daaspessoas, cjberta e arreios para um
cavallo, ludo bo.n eem perfeiio estado.
Iloje 4 de agosto.
Por intervengo do agente Pinto.
No armazem da ra da Cadete n. 62, onle ha-
vera iei o de movis.
f^.'- OMMim
DE
EMPREZA-COIMBRA
2&!l reeita da assisnatura.
Grande espectculo,
Leilo de um deposito de gneros.
Segunda-feira 7 do corrente.
Jos Joaquim de Novaes & i-'ilho t-'ndo de aca-
bar com seu negocio faro leilo era um ou mais
j lotes por intervengo do agento Pestaa, de seu
; deposito de gneros sito na rna Nova n. 61, eons-
tanda de vinhos engarrafados de todas as qualida-
j des e mais gneros que se acham patentes e re-
lacionados, cujo balsngo se acha em mao do agen-
te prompto a ser examinado. O leilo lera' lugar
no mesmo deposito segunda-feira 7
pelas 10 horas da manhaa.
ia, D.
Flix
Quera esliver no case .i- toase* anurrna
para acabar de cri-r. aunum i
ser procurado.
t.t Ta-
manneira, onde esleve o ceftafie da Go*.-
com todo.- os commodos, e alt'-n dl r 'ra>
para grande agncullura : a traur Bk-
em o collegio da Con eigo
Precisa-ede uma ama par ro.np-ar. raet-
nhar e engoramar para pouea la.mlu : .ivein .i,,
zer dirija-se a ra das Crozes n. 9, seg ud ...itor.
Offercce se uma ama de ei.;
Pharol n. 4, em Fra de IVrla.-.
au r:r. m>
Offcrece-se uma ueabier para toser e >agom-
mar : dirjase a roa da- Triucneira-i n. M, toja.
Aluga-se uma saerava pira s rvigo int-rao
6 externo de urna casa : na ra d i Imperador nu-
mero 50, tereeiro andar.
na
fu di aape-
Preeisa-se de um rriado
raliiz n. 2i, primeiro andar.
Preci-a-se a:!i,iir ;i.i n: t : > |w i rail a
um ou dous andar s le sobrado aan quaimer d-i
principaes ruH d -ta cidade.
LEILAO
DO
Sabbado 5 de agosto de 1865 Armazem de molhados
Representar-se-ha o muito lin lo quadro allego- l|niiAiiin.,,ift
rico preduegao do Sr. Dr. Tavora. utuiuiu-.ao
A VICTOilll M RUCIIELO. PHAROL
D. Ro-a Marii da Conceigao Padil
Balnina Carolina Padilha Lavra, Jo-c
da Silva Fragoso e o capitao Joaqun Fran-
cisco Lavra em seas nomes e em nome do
Dr. Francisco Fernaodes Padilha e lente
Leopoldo Borges GalvSo UehAa, qae se
acham ausentes, convidara a todos os seus
amigos e prenles tiara as-istirem ao me-
mento que se lem de cantar sabbado 5 do
correle, na matriz da II >a-Vista as 7 horas
da manhaa, por alma de seu esposo, pai e
torro obrigadeiroAntonio Fernandas Padilha,
fallecido na provincia de -Santa Galharina. a
Alagase a casa terrea -ila na rna da Ir,
aBEintE^.iBrgatar.. aiB-^-awi mm, pen.il, com tres quarlos, dU- tmt,i,
Na na do (rspo leja l. 18, preci- quintal murado e cacimba : a tratar oa ru4 Dtrn-
sa-se contratar um Sr. religioso para u.na u-2i, padaria. __
do'crreme capellana no serlo Comarca de Pagel fre-' -Va rua da Cruz do" Recife n.'.IO, ^ ael
guezia de S. Jos da Ingazeira. Sl'a1qurm comPra, 5" "** **
------------- 1-------------.__________2-_________________ conduela e que enlen lam b-.n de estar e-
Ni botica do piteo do Carmo se dir a casa gommado : paga-se bem agradan I
onde se dar por vejdagem de bolos 100 rs. por___________
1 cada patapa-_____________________________; Desencaminhos' "(unaT-tra~d7qqaiilia'aV
228-8)0, a vencer-se em 1\ do nWfM
por Manoel Jos da Silva Oteara e ace 11 ; kkHm
Je
9T e o painel que symbolisa a victoria igual- m,:Dt0 de gneros de estiva, armacao e pertences andaausentado OU afugantado a anuos, pois com
to retocado pelo Br. Doradlas. m.uT!???^ac,ma inencion?do ,e",uin ou mellior do queandar fazen lo figura triste ~
!~t certo o emprezario de que desta vez ainda m-"> lotes a vontade, assim cora) da dividas ac-; _. na/,r. 'mnltA,, ._-
vincial n. 343 de lo de maio de 1834, e sob as
clausulas especiaes a baiso copiadas.
As pessoas qoe se proporem a essa arremalgaoa
Clausulas especiaes para a arrematacao.
Ia 0 empedramento entre os marcos de 13 a 14
mil bracas serlexecntado de conformidade com o
res pectivo or;amento na importancia de 3:599,J200.
2" O j.rrematante comegar os trabalhos no pra-' compaVegam na sala das sesOOS da referida junta,
20 de r dias e os concluir no de o mezes, ambos no da cima mencionado, pelo meio dia e compe-
conia lo-, da data da approvagao da arrematagao. lentamente habilitadas.
3' Os pagamentos sero feitos era tres presta- g para constar se mandou publicar o presente
oes igoaes e correspondentes a cada terga parte pelo jornal,
da obra execulada. Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
4' S I'rer o arrematante uma multa de 100,5 se DUC0 21 de julho de 1865.
paralysar c servigo por 15 das ou mais. O secretario,
ii' Na < poder o arrematante sob pretexto qual- a. F. d'Annunciacao.
quer pedir indemnisagao alguma.
(i" O engenheiro encarregado dos trabalhos dar Clausulas especiaes para a arrematagao:
ao arrematante as instruegoes a respeito do servi- 1." Os reparos da ponte do Rio Formoso, serao
go, as qoaes sero observadas sem a menor discre- feitos de conformidade com o orgamento junto oa
panos. importancia de 1:551^000.
7' O que nao se acha aqui previsto ser regula
PERSONAGENS.
Brasil........ Amoedo.
America..... Lisboa.
Indio........ Teixeira.
Paraguay.. .. Borges.
O quadro ailegorico se acha augmentado
aat
raen
E~ta certo o emprezario de q
mais agradara ao espectador a composigo do Sr
Dr. Frankhn Tavora.
Em seguida subir a scena o muito applaudido
e desejado drama em o actos
A FiLHA DO UVRAOOR.
Dar lira ao espectculo a nova e muito linda
comedia cm 1 acto, ornada de msica
Balsa e cachimbo.
PERSONAGENS.
Cesar, empregado na companhia
do gaz........................ Teiieira.
Simplicio, caixeiro de droguista... Guiraares.
Emilia, costureira............... Eugenia.
Comegar' as 8 horas.
-V? 3 llii do lliingel-X. 33
Terca-feira 8 do correntcas 10 horas
Cordeiro Siuides
por ordem dos credores do ommerciante Jos de
pelo Castro Redondo, fara iedao de magoico sorti
A ttenedo
Responde-se ao menino da Casa-Forte que ^YLt\Z\l??LZ 'll"m .a<*''u ,7rr
m' ,__ ^ de a mandar enlregarna rna d > Km-anr. r -n- > n
mangas arregacadas a meia noite eos- 13, visto qae de nada ii.e pede .er.ir *m .Ja
turna andar co'm um ccete na mo atrtt de o aceitaate j catar pre vmMo **+$ rriiaTn
de negras (nao sei para que fim) que perde j Aingrse"a"p.nrie"da~eja~Rr w da mi '*
SCll tempo com O OlllO que nao e de Vidro, ; Aguas Wrdes : a tratar na roe-ma______
dando-lhe de conselho que acho melhor Aiuga-ae o egumi > an lar ,! '
que vanara o seio de sua familia d'onde da rua d:i Gu'3' pintado denoto a roa awnt-
com modos : no andar.
ivis do mesmo, todas na importancia de........ n2 R.ecife commettendo o que o seu patrao
4:1423233 rs., o balango se acha em poder do
referido agente a exame dos pretendentes.
Espera-se boa concorreucH a este leilo, visto
que o estabelecimento est p-rfeiiamenle sonido
de gneros escollados e de primeira qualidade.
lustrncv |>rirla-
Acha-se aberta a matriruia da e?ro!a pobiiro V
1YISQS M1BITIM0S.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Vavegaco costeira por vapor.
Por ordem superior fica trans
ferida para o dia 5 de agosto pro
xi.no, as 10 horas da manha, a
fISOS DIYEHSOS.
PEfitDl.U-SC.
!?ia noite de sabbado 3< do pas
gado, vindo do theatro de San
ta Isabel pela rua do Impera-
dor e travessa do Ouvidor, um
alfinete de peito, formado por
partida de um dos vapores da soa Qlie O tver ochado O obse-
"-^mauwawr- compauliia para o presidio de ,
Fernando de Noronha. A carga ser recebida at ({UlO d- entrena LO na rila das
o dia 4. Encommendas, passageiros e dinheiro a /-,.., frete al9 horas do da da sabida : escriptorio no IniZeS U 2{), SeQUIldO andar,
Fortedo Mallos n. 1. ......tR..A AdVerteS6
do jury, a qualquer dessas pessoas que lenham a
infelicidade de se adiar em lo triste posigo, por
mais grave que seja seu crirae, prestando-se igual-
mente a requerer os seus direilos nos auditorios e
tribunaes desta cidade. Se tem o mesmo advoga-
do assim procedido sempre, de conformidade com
os sentimentos de seu coragao, hoje, que a expe-
riencia o tem convencido da forga do mteresse, a
respeito da eonsciencia, salvos honrosas oxcepgoes,
julgou conveniente fazer essa declaragao a qual-
quer do pavo que o nao conhece de peno, oltere-
cendo-lhe seu diminuto prestimo no sentido em
que se pronuncia. Quantas vezes recahe a defesa
urna cruz, uma a/icora eimemi)e5Soas'(iU9ljaldas doesludode direiloesem
i i ,, a necessana pratica o presenga de espirito sacrift-
COracaO, tUaO e Cabello CncaS- ;cam a defesa e compromettem a innocencia, s
porque o miseravel nao pode satisfazer um advo-
gado de conflanga, e pela necessidade somenle se
v obrigado aceitar o offerecimento de om juiz,
noraeando ex-offlelo um advogado. Basta essa sim-
ples circumstancia para conjecturar-se da misr-
rima colliso do desgragado.
instruce.in primaria do sexo tw. -nio de Jaoa49a>r
i i"v desde o dia 31 de julho ultimo.
AO pUbllCO. A profesara
O bacharel Jeronymo Salgado de Castro Accioly, Mana Chrlstraa Ctvil.-anti Pes-^a C-*.r.
advogado do tribunal da rdago e mais auditorios Precisa-se de uma ama para r/iiiiur r.m-
da cidade do Recife, declara s pessoas desvalidas, prar para casa de pouea lamia* : n.i roa cuja indigencia nao Ihes permita pagar seu traba- perain/. n. .".4, primeiro a.o.lar.
Iho, que elle estar prompto a defender no tribunal i-re.i-a-se de ..m cnaJu .tue t-ern* av fc."
toado em ouro lioga-se a pes
que se gratificar
que na > pode ser usado nesta
por pessoa alguma,
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navega^So costefra por vapor, cidade
Macei cm direitura. '
segu no dia 5 as 4 horas to'scm que proce sua posse legal,
tarde o r ~
mandante
ira at o dia i ao meio dia, n nao haver OUtfO iqUdl
commendas, passageiros e- di- ______
nheiro at odiada sabida as 2 horas: esciptoric-, James Stewart, subdito, britnico, relira-se
i.' As obras devero ser principiadas no prazo no Forte do Manos n. 1. i para Inglaterra.
vapor Paralaba mu- I.-.-.j- "*___T j ^ Precisa-se de um bom cozinbeiro e de um
ijtartins. Recebe car- \W>*0 Ww dono ter Certeza de criado, prefere-se escravos; aa rua da Caixa d'A-
gua n. 70.
Precisa-se de uma ama cozinheira, qne faga
as compras, (d-se portador para as latarj e qoe
seja, de mais disto, idosa, de bous coslomt's, milito
limpa, zelosa e capaz de lomar conta ite uma casa
que nao lera senhoras : quem estiver neslas cir-
cunstancias, dirija se a rua Nova u. 6o, segunlo
andar. Tratase bem e paga-se bem.
Offerece-se uma ama para casa de hornera
solteiro : na rua do Encantamento n. 3, segundo
andar.
leeiro : no pateo do ("armo, em M de Gatear!
Antonio, se dir, ou na Pa>-aem n. 24
Na rua da Floren!. da por remmodo prego. ^^^
Vndese uma roala e tima ptn- !ia em a*a-
to bom estado : a rua das Aguas Verdes a. 91
Precisa-se de uma ama forra oaTaptivaTSa
rua larga do Rosario n. 35.
Olfereee-se uma mnih-r par* mmfnr ntn
smhar : a tratar na rua d S. B mi Jess .im t'.rtoa-
las n. 23.
Na ausencia dos adrogados A. p
de Mello e M. J. Domingr G-dw'elra aWerii
seus constituimos pntemler->e rom o aeVrotjaal
Sr. comraendador A. J. de Mello, com eseripieri.
ua rua do Imperador o. 14.
Aluga-se uma m-i-ipi ron: p->m r aarab.
quintal, cacimba ; tima dita sem quintal, i>r:>
com soto, arvejo de I2 rada ama ; omt M\* inr
8^(100 : na rua do Gazometro, a tratar rom o Sr.
Valenga.
Na rua dos Pires n. ~>'i lia uma esrrava se aluga, a qual faz lodo servigo de onwcaeaeV
familia, externo e interno.
Na rui do Vigario n. 15, loja *e bar
vendem-se e se alugam, tanto a retala eeeao ata-
cado, biebas de (tambor* i chegadas rneA* alhaa
paquel', por menos prego do que ea ootra ajaai-
quer parte._______________
Aloga-se a 'ala da frente Jo sobrado .' "i
na trawssa da Madre de Dees : ojaaa
dirija-se a mesma rua n. 15.




Mario 4c Perainbnc* ... Sexta tetra 4 4e Agosta 4e ittt*.
PHOTOGRAPHIA ARTSTICA
DE
25 Ra Nova (esquina da Camboa do Carmo) 25.
Os proprietarios 4aHe estabeleeimento, desejando salisfaier os numerosos pedidos de seas freguezes, acabara de receber de seus correspondentes de l-aris, *im grande
sortiment de retalos (cartes de visita) das personagens as mais celebres da Europa, assim como receberam tambem urna quanlidade de allnetes e cassoletas para retractos, do
mar apurado gosto e por precos muito diminuto.
Os mesmos aproveit im a occasio para prevenir ao publico e recordar aos seus numerosos freguezes, que ellos trabalbam todos os dias, domingos e das santos, das 9
horas da iranbaa at as 4 da tarde e que os tem os de ebuva iao influem em nada para o bom successo dos retratos, pelo contrario o tol entre nuvens mil vezes preferivel
sobre todos; os pontos, tanto pela rapidez da operacao, como pela commodidade das pessoas.
A grande quantidade de pessoas que tem visitado este estabeleeimento nestes dous annos em que se actaam establecidos nesta cidade, e que nao ser menos de cerca
de 0,900 a 7,000, para elles urna garanta futura, poslo que se appliquem lod^s os dias, para que todos saiam contentes e satisfeitos.
Compaubia fidelidade de segaros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Luii de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da compaahla de seguros Fidelida-
de, toniam seguros de navios, mercado-
ras e predios no sea escriptorio ra da
Cruz n. 1.
VA
mmmm mmmm sus
jDentista de Pernambuco.!
Ra estrella do ii osa rio n. 3,
a p da igreja
[francisco pinto ozono)
I Col loca dente artlflciacs J
peles ttyatenias mais mu- E
| dernos
I Emprega iodos os meios .cientficos para {
! conservar os naturaes. Pode ser procura-
I do em Feo gabinete das 9 horas da ma-
I nhaa as o da (arde.
ts
Arrenda-se ucn sitio no Jacar, estrada que
vai para Agua-Fria, comcasa de pedra e cal lti-
mamente edificada,com bastantes commodos; este,
sitio tem arvoredos de fructas de toda1: as qualida-'
des, bom terreno para pttnUcio, e baixa para ca-
pim. Alagase tambem o armszern lo sol na ra;
da Concerdia, proprio para qualquer esiabeleci- [
ment : a fallar ao solicitador Barroso que mora i
no sobrado n. 34, onde est o dito armazem, tanto ,
para este, quanlo para o sitio mencionado.
Aos seckores de eigesbo.
Quem precisar de um administrador que est
bastante pratico neste servido, dirija-se a Olinda,
ra dos Quarteis, a fallar com Joaquim Alendes da
Silva, ou annuncie por esto Diario o lugar do en-
genho
m mmm mmmmm
O Dr. Carollno Francisco d Lima San- 5Jj|
tos contina a morar na ra do Impera- jsj
K dor n. 17, segundo andar, lendo alias seu S
^ gabinete de consultas medicas, logo ao
|"s entrar, no primeiro.
I O mes no doutnr, que se tem dado ao S
9 estudo tanto das operagSes como das mo- '-ve
Kleslias internas, presta-se a qualqucr cha a*
mado, quer para dentro quer para fra M
m da cidade. $
S 'L"*.i' lJt' ?A2t>2*fy.~i*'? v~~<>.* >~~XvVy >V" -X*
m&<&$* MfmMsm&m Mmmm
m
m
UMA GRANDE DESCOBERTA
^ O LE O
deFIGADOdeBACALHAU

. DESINFECTADO
MEDALHA
OE
HONRA
****:
''i'
As propiedades medcaos do oleo de figado de bacalao forSo unni-
memente reconhecidas. Mas seo cheiro e seo sabor tSo desagradaveis
torno o uso d'elle muilas vezes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robustos c aos mais condescentes.
Por isso a dcscoberta do Snr. Ciibvrier que lhe pcrmeltio de
desinfectar inteiramente o oleo de ligado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tem sido um dos mais felizes problemas resolvidos pela
therancutica moderna.
O oleo de figado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um cheiro agradavel e um sabor assucarado, o nico que nao
tem ncm gosto nem cheiro de peixe.
Objecto de numerosos relatnos scicntifcos elle goza em Franca
de urna fama bem merecida, c receitado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as :
MoIrKtiiia t-Hcroriilonaa,
RarliitiMino,
ol* rucoo llilK glande*,
TinicH iiilnwiiiar,
MolextlN da |ii lli-,
Couslltuicao l)ui|ilialira,
Anemia, debllldade, fraqueza,
Magn-ia,
rnl>rrai 4o Mangue,
EMTairaui-nto por e\cr*.o 4c
Iruliallio ou de prazcren,
MoleMtiaa doa bronehloa receu-
(ea ou chroniraa,
Toaaea pertinaz?*,
GaaCrtea, gaalralgiaa.
O Oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
iodirro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a aeco tSo efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipado.
As pessoas as mais delicadas que n5o podem supportar as
preparacoes ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quemes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de ligado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
Dores de entoiuugo.
Elle convem a todas as compleicocs c a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle 6 um poderoso socorro
para a alimentaco das enancas Iracas e docntes.
Um folleto accompanha cada vidro e contem as observacoes medicaes.
Deposito em Pariz, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros Barbosa.
O London 4 Itrazillan Bank, saca por doos
os paqaetes.sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guiarles.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.

Pede-so toda altenco.
Custodio Jos Alves Guimarae*, dono da loja por
appellido Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7,
participa a todos os seus freguezes e ao respeHa-
vel publico, que esta dita loja se acha com gran-
de sortimenlo de galantarias de mu to gosto, que
tem receida de sua propria conta, assim como lo-;
das as mercaderas tendentes a loja de mudezas
e ootros, e como est resolvido a vender por pre-
cos baratissimos, como os mesmos compradores
poderao apreciar coucorrendo com suas' pre.-engas
dita loja, que se affinnear servir bem com agra-
do e promptido, e mesmo qualquer senhores que
morem (ora desta praca, que precise de qualquer
mercadora, tt-ndentes a seu negocio, e que por
motivos nao possam comparecer, o poderao pedir
por escripto, que se afianza nao se abusar tanto
em pregos, como em qualid;ide das mercadorias :
isto na ra do Crespo n. 47Gallo Vigilante.
Perdcu-se no da 16 do correte desde a ra
Nova al o convento do Carmo um pedago de urna
Ota de ouro de urna pulseira de jarreteira, sendo
provavel fcr sido na occasio do Te-Deum : quem
achou e quizer restituir, dirija-se a ra do Cabu-
ga n. 7, onde ser gratificado.
m
Joo da Silva Ramos, medico pela
versidade de Coimbra, d consulta esa
sua casa das 9 as 11 borasda asaahaa, e
das 4 as 6 da tarde. Visita os tocatas
em suas casas regalar mente as hars
para isse designadas, salvo os caaos ar-
gentes, que serio soccorridos em aaal-
qner ocoasiao. D consultas aos pobres
que o procurar."m no hospital Pedro ii,
aonde encontrado diariamente das O
as 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regaiaraMaie
montada para receber qualquer dtala,
anda mesmo os alienados, para o qoa
tem commodos apropriados e nella
tica qualquer operario cirnrgiea.
Para a casa de sade.
Primeira classe :{#000 diarios.
Segunda diu.... 2*900
Terceira dita.... 2*000
Este estabeleeimento ja bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem ares-
tado.
O proprieUrio espera que aUl eoati-
nue a merecer a confiaaca de que seai-
pre tem gozado.
pra-
X
IHPRKZA
O bacharel
Francisco Angosto da Costa
ADVOCADO
Ra do Imperador numero 69.
DE
ILLUMINACAO A GAZ-
lrniazfm i. 31, ra laaersdar.
Para mais regolandade do serrico b>m a eaipre-
za resolvido to smente vender os aiparHans,
etc., dfixanilo que os-rs. en ion. dore? rbameai
os m.ichioistas que mais Ibes agradaren), piiatad
os Domes, inorada, etc., de lodos elles serra d-
cados uu armazem da empreza.
Ai reilamacoes por ma luz das ra.-as, rojos aa-
parelhos houvirem sido roilocados aaleriura>Bla
a este aviso, sero allendidos pela emf>r?ia; ootros
quaesquer, nao.
A empreza espera qoe esta medida era devida-
mente apreciada pelos senhores roasoaMd dente como a tornar este seu ico bmss
co ; visto que ella vender todo, apenas coa
lucro tal, que cubra as despeas inevilaveis.
AO PlBLCO
CARLOS PLUYM.
Aloga-se a loja do sobrado n. 17 da ra da "fmo a emP>"e de illominacao a paz tenka Imperatriz, com bons commodos : a tratar no se- i ao llcenc*. aos macbimsias para traba'harem pr.r
gundo andar do memo I SQa PrPrw conta, Carlos Ploym, machimsu. ol
i -----vTTT----a r a------aI-----ti i ~a------- rece seu Pre*tiroo >o publico para encaar caz
Na praca da Independencia n. 33, loja de our!,agDai e ^^ a sorle de servias cureroent.--ao
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e sen nfTicin nnr m mmi .A... i
tambem se faz qualquer obras de eicommenda e
odo e qualquer concert.
^^
J. VI6NES.
% DO lilPJBRADOR .". 55.
io buje assas cuuhecids para i|ue seja nucessano insistir sobre a
r. 55. RI
Os pianos desta amiga fabrica
sua superioridade, vantugense garantas que (-fTerecem aos compradores, qualidades estas incontesla-
veis i|ue elles tem dennlvameote eonqoistado sobre todos os que tem appareeido nesta praga ; pos-
soindo um teclado e inachinsmo que obeJecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca faihar, por serem fabricados de proposito, e ler-se feilo oltimamente raelliorameutos Importan-
tissimos-nara o clima deste paz ; qoanto as vozes, sao melodiosas e. fiauadas, e por isso muito agrada-
Fazem-se conforme as encommendas, tanto -nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondeuti de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
So mesmo estabeleeimento se adiar sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
precos commodos e razoavels.
CONSULTORIO lEDICO-ClRfJRGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO.
UUICO, IMRTE1RO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
m
CASA DA FOBTi
Aos 6:000^000.
s
garautlos.
Para
Bilhetes
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
Oabaixoassignadovendeu nos seus muito feli-
es bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
de eztrahir, a beneficio da Sanu Casa da Mise-
ricordia, us-seguintes premios :
Doos quarto n. 2203 com a sorts de 6:0004.
ous quartos n. 1293 com a sorte de 1:200,5000
Um quarto n. I28 com a sorte de 4005000.
E outras muitas sortes de I00, 40, 20A e
lOjOOO.
Ospessuidores iiodem vir receber seus respec-
tivos premios sernos descontdas leisnaCasa
da Fortuna a ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os daC* parte da I* e
da -2" lotera (26-) beneficio da Santa Casa
Misericordia para caalisaco de agua e gaz
hospital Pedro II, que se extrabir sabbado 2
agosto.
PRECO.
Bilhetes.....75000
Meios......35300
Quartos.....15900
as pessoas que compraren) de 100000
para cima.
Bilhetes.....65300
Meios......35730
Quartos.....15700
Manuel Martins Fiuza.
GABINETE
POHTGBZ li Uil'L'Kt EM PER-
K4WB0C0.
De oadem do lllm. Sr. presidente substituto
convocada a renufo dos senhores socios elTeclivos
deste Gabinete para a 1* sesso ordinaria da as-
semidea geral, domingo 6 do correle, as II horas
da maoha, na sala das respectivas sessoes.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitnra em Pernambuco 2 de agos:o
de 1863.
A. A. dos Santos Porto
Io secretario.
IETR4TISTAS I
Firmino s, Lius M
Ama
Precisa-se de una sma para o servico interno de
urna casa de puuca faiilia : a tratar na praca do
Corpo Sanio n. 17.
11 \iiic lo
Ma
Riia da Kiam niiuiero 38.
Neste estabeleeimento acham-se venda os se-
guimos objeclos, todos da primeira qualidade, e
, construidos e;pecialmenle para esta casa, pelos
mais acreditados fabricantes Dglezes :
Machinas a vapor de 2 1|2 a 8 cavallos,
moendas, juntas e sem ellas; e tambem proprias
para de^caro^amento de algodao, afamadas pela
forlido, simplicidade e economa em combustivel,
e por nao precisar de obra qualquer para seu as-
esntamento.
Rodas d'agua de ferro, systema mui proveitoso
da forca d'agua.
Rodas de espora, e angulares, e de esquadrilha
para animaes.
Moendas e mcia-moondas.
Taitas de ferro batido e fundido, e de cobre.
Machinas para desearocar algodao, systema
Platt, cem os ltimos inulhrameiilos.
Boceas e crivos de patente para tomainas, dimi-
nuindo muito o gasto do combuslivel.
Machinas e macliiuismos para moer mandioca,
Pode ser procurado a qualquer hora
17 Itu.i da Imprratrlz 17
N. B. LOJA.
13^ Para prova da perfeico do sen trabalko o
mesrno b-liVrece ao publico o leslemonho de -
mensas pessoas para quem ja irabalhoo a maadaaa
di compauliia do gaz.
Precisase de dous caixeiros que lenham ara-
I tica de talvina : na ra da Aurora a. 5
O Sr. que annuneiuu preciiar de l:OU>7hT-
| polhecando urna escrava moca qoe ?abe tag jipatr
i e enzinhr, | de dirigir-.-e ao caes de Apollo a.
n 33, para elTectuar esse negocio.
Basilano de Magalhaes Cauro confessae
eternamente grato a todas .-.quillas pessoas,
que se dignaran assistir as exequias de sua
cara inulnerMaria Clemcntina da Cruz Cas-
tro e convida as mesmas a assistirem a mis-
sa do stimo da que pelo eterno descanso
de sua alma, tem de ser celebrada na capella
do cemiterio publico, sabbado 5 do correte
as 7 horas da manhaa.
m
m
Novo estabclfcimciilo de reir- ||
losa ni* Xova n. lli, Tan- i
lar, junte ao Sr. Ganlier, 9
dentista. -:J
Tiram retratos todos os das, das 7 horas >*
da manhaa s 5 da tarde, quer chova ou ffa
ii.lo. a
Tambem se offerecem para tirar reir- H
tos de pessoas fallecidas, dentro ou fra *&%
da cidade. E&
Os annunclanles desejando acreditar o ^
seu estabeleeimento, garantem ao publico JJ
que nenhum trahalhosahir de sua ofBci- >*<
na, sem que nao seja perfeitamente acaba *}
do, e a vonude do fregnez. >^
!<>'Y j-rl >iiy.i',:iiJ^ *2*.)&<>' 'j'~
Precisa-se fallar com os fillios do fallecido
Jos Francisco Goncalves Chaves, nuter! a, fre-
guezia de Santa Ulaia de Palmeirs. do Faro, do !
rooselho de Espozende, Portugal, a negocio de seu '
interesse : na rui estreita do Rosario n. S.
Relojoeiro e doiirador portuguez
Albino Baptista da Rocha, faz qual-
quer concert perteneente a sua
arte mais barato do que oulro
qualquer. assim como se responsa-
bilisa pelo sen Irabalho, e compra
relogios em segunda mi : na
endeuia n. 12.
Caetana de Carias Costa, seus filhos An-
tonio Jos, da Costa e Silva, Luiz Jos da
Costa e Silva, Francisca Pluladelpha da Cos-
ta, Joaquim Jos da Costa e Silva e seu so-
brioho Antonio Luiz da Silva, vera pelo pre-
sente agradecer a todas as pessoas, que se
dignaram honrar com sua presenta as ulti
mas exequias que maridaran! fazer no dia
31 do mez prximo passado, na igreja da
Santa Cruz, por alma de seu mui presado
cunhado e to Joao Jos da Costa e Silva, e
convidam de novo para assistirem a algu-
mas missas que vo mandar dizer no dia 3
do correiite (stimo dia do fallecimento) as
3 borasda manba na mesma igreja, e des-
de j se confesam siuceramente agradecido.
0 Dr. Lobo Moscoso d;'i consullas gratnilas aos pobres todos os dias das 7 s 11
horas da nianlio, e das G e meia s 8 horas da noile, excc-peo dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopatilica
No mesmo consultorio lia sempre o mais appropriado sortimenlo de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dvmnamisacoes e pelos precos seguintes. movidas a vapor, agua ou cavaiio.
Carteiras ra 12 tubos grande*. 12^000
de 24 lUUus g. andoo. 16^000
de 36 tubos grandes. 24)3000
de 48 tudos grandes. 30#000
de 00 tubos grandes. 35i$000
I'repara-se qualquer cariara conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um lobo a\ulso ou frasco de tintura de meia onca 1(5000.
Sendo para cima de 12 cuslarao os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 50 ris.
LITROS.
A melhor odra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr ^nece-se comida para casas de familia, lojas
dous grandes volumes com diccionario........ ou olcnas, com todo o asseio e promptido mu-
\fi-,- i i ., .i ............ vjvw to vanaba, e por eotnmodo preco, mandase levar
Medicina jlomestica do Dr. Hering........... 10 Repertorio do Dr. Mell Moraes............ lioOOO doces de todas as qualidades : ra da Caixa n. 70,
Diccionario de termos de medicina.........., 3#000 Doa-Vl5ta. ms particular._________________
Os remedios deste estabeleeimento sao por demais conhecidos e dispensar por Aloga-se o segundo andar ma da Matriz!
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que querem usar de remedios 35, a seSunda casa a ''eira dj r,u na ilna ,i0
Fornos e chapas de ferro batido para coser fa-
rinha.
AianiUli|ucs Je feno, o fundo.
Guindastes, fuos e porttil*.
Prensas para copiar cartas.
Rodas para carro de engenho com eixos e man
gas de patente.
Formas de ferro batido galvanizado para porgar." 1'recl'a e alu
Serras de ac e armac5es de serrara. 'lD,erno e ex,,!rno ds
Arados de ferro singelos e dobrad s, grades para
cubrir cauna, enxadas a cavallo, e outros instru-
mentos de agriculiura.
Os procuradores do Sr. PnsMMi J..>.- i^
Campos Pamplona convidam a todos os d-vedores
do mesmo seohor a' que venbam salisfaier os saa
dbitos at o dia 13 do correle roez de agoMo, ao
escriptorio da ra do Vigario n. 2 ; prevewnd aos
mesmos devedores de que naquelle dia ero ea-
tregues lodos os ttulos e conta ao procurador ju-
dicial. Recite 2 de agosto de 1863.
Phinps I raos 6 C.
Quem precisar almiar nina eserava qn* ema-
pra, cozmha e ensaboa. e laz todo o lans sarn
de urna casa de familia, dirija se ao paleo do Ter-
co, sobrado n. 16
OITdrece-ie um rn-nino de 12 a iTaoaTpa-
ra caixetro de qualquer taai rormnen-i .ate : a
tratar com Ezequiel Pompeo Rodritocs Gaaato,
empregado no correio.
baques obre Matoa
Manoel Ignacio d fiiveira & Filh.. s,-> a
Lisboa : uo largo do Cor.o Sanio n. 19.
A Henead.
Precisarse alug-ir ana ocrav* ,.,r t.;.; >
uina casa de niaa,
ou mesmo para o servico int rn >.;n.oi, a-ta-
ra-se bom traiameuto :"na ra do iroptr^J-r a. \S
segando andar.
verdadeiros, enrgicos e (Juradores: ha tudo do melhor que se pode deseiar, globos de ^,ir,0'e prlmeir'] I"dar"' \ dr 2fdo Bur*0:
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela 8Qa boa con.ervafao, tintura dos mais acredi- \ESZti*1* *** *' ^ rUa da
O Dr. Cosme de S Pereira cuati- ]
na a residir na ra da Cruz n. 53, 1
Io e 2o andar, onde pode ser procu- a
rado para o exercicio de sua prufls- !
sao meilica, e com especialidad* j
sobre o seguinte
Io molestias de olhos ;
2o de peito
lados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e portante a maior _-Aiuga.se o so.ao do sobrado n. 62 da ra da
os* Guia, com dnas janellas de frente e mutos coro
modos: no primeiro ardar.
energa
Casa de mude para escravos.
Alugam se dous grandes sobrados com comt
iteceDe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer modos para numerosa familia, novos e aceiados
operaco, p ra o que o annunciante julga-se sufiicientemente habilitado. ?? jardim, cochera, estrtbaria e outras commo
O iratimento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
fu accionando a casa ha mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qoe podem ser consultados por aquelles que deseiarem mandar seus
doentes.
Paga-se 20 por dia durante CO dias e d'ahi em diante 1500.
didades, n travessa de Joo Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
O advogado Godoy Vasconcellos, pode
ser procurado no escriptorio da ra do
Rosario estreita n. 3i, ou em sua resi-
As operacoes serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos k deocia a ra do Sol n. 9
razoaveis que costuma pedirr o annunc ante.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma fiaiiei em diiheirt, -lepositado nos cofres do estado, garante a
ministiMCo da companhia.
DlRECgO GERAL
IMbu*si mam
Samuel Ptiwer Jolinston & Compauhia
Ruada SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de Low Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e meias moendas para engeuho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios d.- carro para ora e dous cavallos.

| Relogios de ouro patente inglez.
ud A_ra(jos americanos.
BAXQUEIROS DA COMPANHIA
O Rauco de Ilespanha
Madrid : Ra do Pradon. 19
Machinaspara descaro?ar algodao.
I Motores para ditos.
Machinas de costura.
Casa dbannos
Aluga-se o primeiro andar do sobrado ja. 9
n ma reita, entrada pela ra da l'enha: a tra-
tar no segundo andar.
Largo do Carino a. 26.
E-te eMalieltcimento to bem montado na sua
oriRem achava se de ha muito em quasi completo
abandooo pelo pouco interesse de sua adminis-
tra cao.
Hoje que o novo proprietario empregou todos os
mei. s para restabelecer a grande ulilidde deste
estabeleeimento, pode ass<-gurar ao publico gue
I qualquer une seja o numero dos roncorrentes
! acharan desde j promptido e aceio nos banhos
frios, inoraos ou medieinaes, a casa dos banhos se
achara abena todos os dias das 6 horas da manhaa
as 11 da noite.
Precos.
Banho de choque...... 500
tait> fri ou murno..... 500
Dito de farello.......13000
Dito medicinal ser se-
gando sua qualidade.
Assigaalora.
Vr mez banho fri ou monto... 10000
25 carSes para hanlio fri, mor-
no oo tkr chuvisco........... 105000
12 eartBes .para os mesmos---- 5'SOO
_ 12 dit.* para feaiilu de fjrello.__I05000__
- Piecira-s A' sai criado : na ra da Impe-
rairiz d. 40. I
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de supervicncia dos fian
sobre a vida.
I"
Os abaizo assignados fazem publico que se
desencaminhon do sen poder urna letra da quantia
Nella pode se tazer a subscripgode maneira que em nenhum caso Dttnc in n i ni (ios!de t:36i33G0 sacida pelos annunciantes no dia 30
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes. de junho do corrente anno a' oito niezes, e aceita
Sao laosuprehendentes os resultados que produzera as sociedades da ndole deA NACI' Pe,0-S Srs-Amunes & Irmo, do Araca,y m* ,e-
DAL,que ainda mesmo diminuindo urna terga parte do interesse produzido em recentes liquidai tia declaram que se acha paga pelo* aceitantes, e
cues ecombinando-) com a inortalidade da tabal'*
para seaseilculoe< liijuidagoes, em segurados
de lOOj produz em effectivo metlico:
ga parte do interesse produzido em recentes liquidai Uil aenaram que se acna naga pei.s aceuanies, e
bolla de Depareieux que e adoptada pela companh-,e considerada nulla por lodos os seus effeitos, visto
los de idade de 3 a!9 annos, urna imporsicoannua. i ''ue nao "tt, Pr cdosso transferida, e ser sem-
pre. illegal sua posse por um terceiro que a liver
No fim de 5 anuos.......1:1193300
de 10........3:9423600
de lo........11:2083200
de 20 .......30:2563000
de 25 .......80:3313000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospect is e mais informages serlo prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oliveira, ruadaCadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n.12,estabel
ment dos Srs. Raymiindo.Carlos.Leite & Irmao.
achado ou po-suir.
Schafheitlin & C.
Para evitar duvidas.
E-t justa e tratada a casa da ra da Esperan-a,
ontr'ora Caminho Novo n. 6, bairro da Boa Vista,
perteneente a Jos Lourcngo da Silva; e se alguem
se adiar com alguma hypotiieca ou qualquer onus
annuncie por este jornal nestes tres dias.
Quem precisar de urna ama boa eugomma-
deira, cozinha sofTnvel, muito fiel, e que sabe di-
rigir urna cas, dirija-se ao aterro dos Afosados
n. 265.
Ama.
Aluga se urna escrava para ama do una casa de
mogo soltetro ou depouca familia, boa cozinheira
o sabe comprar bem : na ra de S. Bom Jess das
Crenlas n. 3.
Casa
Ao commercio
O abaixo assignado participa ao respeitavel cor-
po do commercio, que deizou de ser caixeiro dos
senhores Manoel Marques de Oliveira & C. desde
31 de julho do corrente anno.
_Manoel Jos Gongahes Pereira.
Sorictlailc Recreativa Juventude
Per ordem do lllm. Sr. presidente sao convida-
dos todos os socios effectivos para domingo 6 do
rorrete, pelas 11 horas da manhaa, se reunirm
na sala das sessoes da referida sociedade, aflm de
em assembli geral elecerem os novos funeciona-
rios que tem de dirigir a mesma no anno admi-
nistrativo de 1865 a 1S66.
Sala das sessoes da sociedade Recreativa Ju-
Aluga-se a casa n. 4 da ra do Principe com 31 venlude em 2 de agosto de 1865.
quartos, 2 salas, cozinha fora e bom quintal, fre- a. C Pereira,
guezia da Boa-Vista : a tratar na ra Nova n. 3. 1 secretario.
dos orgik-s geni- i
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se- i
rao examinados na ordem de suas I
entradas comeoando o Irabalho pe- B
| ios doentes de olbos.
Dar consultas todos os dia? da*
a 6 as 10 da manhaa, menos nos do-
~. mingos.
/jj Praticar toda e qualquer opera-
I cao que julgar conveniente para o |
I prompto restabelecimento dos seos |
8 doentes.
mmmmmmmmmmmmL
Na roa do Imperador n. 83, segoarfo aad-r.
precisa-se fallar com os seguintes seahores, aan
negocio que Ibes diz re>peilo.
Antonio Nones de Azevedu Campos.
Basilio da Rocha Oliveira.
Manoel Correa da Selva Lobato.
Joo Pereira da Silva.
Jos Lopes Tavare*.
Jos Prancisco Rodrigues.
Felippe Borges Leal.
Custodio Jos de (Jarvalho.
Antonio Serafim de Dos.
Manoel Frami-co Corla* Jnoior.
Joo Antonio Pereira Ramo,
loo Marinbo Paes Brrelo.
Antonio Tiburcio da Cosa Monteiro.
Sebastio Antonio de Alboqoerqoe (estadanie).
Francisco de Freilas Bafaaaa.
Francisco Gomes dos Santos.
Joan Gomes Pereira.
Jos Luiz Pacheco de Souza.
Sebastio Jos de Barros Brrelo.
Francisco Antonio Vieira da Silva.
Domingos Jn.- Alfonso Alves.
Joaquim Francisco da Silva.
Joo Ribciio de Castro.
Jos Francisco da Silva.
Miguel Arcanjo Ferreira.
Vicente Ferreira Nev*.
Joaquim Francisco Moreira.
Francisco de Aguiar Jnior.
Julia Rosa de Almeida Pinto.
Leopoldo Gadaull.
Jjaqium de Oliveira Mala Jnoior.

f
k
3MPIAS.
Compra-se effectivamente oaro e prata en
obras velhas, pngaodo-se bem : na ra larga io
Rosario n. 24, loja de ourire*.
Silvino Guiiberme de Barros ronq^a e t.-n-
de tlfectivamenie escravos de amaos os .>ei< : a
ra do Imperador n. 79, un eiro andar.
Oaro e prata
em obras velhis : compra-se na praca
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
ea laaa-
Compra-se um .ellin* em meio n>o :
de Santa Thereza n. 38.
a raa
-


ir
Ufarlo de pera&n*fcuco se_U tela_ 4 Je Agosto de l-&.


I
Compra-s ouro, prata e pedras preciosa?,
em obras velhas : na ra da Cadeia do Iiecife,
leja de ourives no arco da Concerno.
i qln e, lalo e chambo.
Compra-se cobre, lao e chumbo : no armazem
da bola amarella, no oilo da secretara de po-
lica.______________________________
Comprare moedas de 20*? e pefas de
i W : na ra da Cruz n. 48.
~Compram-8o moedas brasilairas (de 204
1)3 : na roa do Crespo n. 16, primeiro andar.
CARROCA.
Compra-se ama carroca nova oo em meio uso,
cora arreios para cavallo : na ra da Cadeia nu-
mero 57.
VENDAS.
Irritadlo dos pulmoer. angi-
nas, tosse, escarros de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquidao
e todas as innumeravei molestias que affec-
j5o aos orgSos da respirarlo
DES.4PPARGCEH
mediante a acgo da balsmica e irresistive
ANAGAHUITA
O castello de Grasville.
Traduzido do francei por A. J. G. da Gru.
Vende-se esle bello romance enrquatr
tomos pelo baratissimo preco de 3<300C
ua praca da Independencia, vra'nia ns.
6 e8.
OSPA RAG A VOS
E' a ordena do da Acabar com os Para-
guayos a bayoneta, a mini, a revolver ; I
fulmina-los com os encouracados armados I
de esponjes, aimstrongs e raiadas de 80
120; externuna-los em sumiua a espada, a
faio e a puubal de que se trata; mas]
ninguem se lembrou ainda de esmagar os:
Paraguyos com as armas que Deus nos con-
cedeu; acabar com elles a taco e a p- uta .
ps, para o (|ue necessario encouracar esta
parte do nosso corpo cora os formidaveis;
rompe-ferro, esmaga cobra, arranca ti eos.
quebra inarmore e outras que se vendem
li IUA oltlilil I.
Borseguins Bordeaux........ 8 OJO
patricios......... li,->000
. para senhoras, en-
eiiado>|....... 53'.0
com lago e livella .. 46*00
Sapatoes encourados........ 5#000
Borseguins para meninas boos e
eiast eos................ 3;5>-jOO
Sapatoes deloni, sola elstica. 2000
avellueados......... 460 i de tranca........... 1(00
econmicos para se-
nlioras...........| 500
Um competo sor.imeito- de calcado da
trra para liomens. senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taixas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e couros que tudo visto necessariamen-
te faz cobica ao comprador pela baraleza.
_5a Siia para bordar.
Na loja de miudezas rua do Queimado
n. 16, vende-se la fina, de vivas e agrada-
veis cores, to propria para bordados como
para touquinhas, sapatim.os, etc. : quem
pretender dirigir-se a dita :oja na rua do
(Jueimado n 16.
Franjas largas para cortinados ;
Na 1 >ja de miudezas rua do Queimado
n. 46, enconlraro os preteudentes um \a-|
riado sortimento de bonitas franjas largas
para cortinados, coberlas, toalbas, etc., cu-
jos precos nao desagradado ao comprador '
que atlenicr a largura e qua idade de ditas. (
Peonas douradas.
A loja de miudezas rua do Queimado
n. 4(i, recebeu essas novissimas pennas de
metal dourado, caja excelleule qualidade el
perfeicao dos bicos as tornain rnais durado i
ras no exercicio da escripia, pelo que os;
seus acreditadas fabricantes Peny &. G., asi
recommendam t-os apreciadores do bom.
Tambera se encontrara, outras pennas de
ac de diferentes iualidades e dos mestnos
fabricantes tudo na rua do Queimado lo-;
ja-de miudezas u. 16.
EufcUes noves e bonitos.
A 1 >ja de miudezas rua do Queimado o..
16 recebeu nuvos e bonitos enfeites, obra
moderna e de gusto, e os est vendendo por
precos commodos, variando estes a vista
das differenles qualidades, sempre agrada-
reis aos apreciadores do bom.
Helas brancas crasas c de cures
para ci'f aucas de O a 12 anuos
Na rua do Queimado, ba de miudezas n.
16, vendem-te por precos razoaveis avista'
das qualidades, metas brancas cruas e de
cores para crianzas; assim cosao outras
para senboras, e cruas para uomens.
Papel pardo lo Iba grande.
Esse papel pardi que por sua boa quali-j
dadee grande uimantio da folha, serve bem
para embrulliar cortes de fezeodaft, cortar
moldes de vestidos, etc : acha-se a venda
na ruado Queimado lo,a de miudezas n. 16.
Carato para acabar.
Caixinhas com i papis de agulas france-
z:is, limpas a I >(> res cada urna
Paos de pomada ranceza, a 80 ris um.
Dozias de sabonetes de ebeiro a 15 e 1200 i
a duzia.
Car toes de li has brancas e de cures, a 201
ris cada um.

Vende-se nina prela coziuheira e engomma-
<;.lr;i, de idade 30 ancos : na rna da inperatriz
amero 42. _____________________
Vende-se um carro de quatro rodas em meio
uro : na rua -Nova, pritiieiro andar n. 37, *or pre-
50 osmmodo. _____
Potassa da Russia
muito nova e superior : vende-se no esoriptorio
de Manoel Ignacio de Olivara Filho, largo do
Corpo azoto n. 19.
Novas semen tes ie horlalict.
Chegaram no ultimo vapor ffiocex vindo da Eu-
ropa, uovas seniiotes denortaliga, na bem corvhe-
cida loja de ferragens de Basto?, na rua da Cade-
do Iiecife n. 36 A.
Batatas a 100 rs.
o Sgo, e a libra a 60 rs., manteiga ingleza mnito
t a i#, fraoceza a 900 rs., harina de porco a 700
rs., cha a 25360, ea a 260. latas de pao-de-l tor-
rado para dicta e regalo a 25, vinlio de Lisboa a
360 a carrafa, e 25609 a caada, Figueira a 410 c
352(10, arelo fino a 25 a sacca : no armazem da
Estrella, largo di Paraizo n. 14.______________
Vendem-se os seguiotes nmeros traaos da
Semana Ilustrada, a saber : n. 181 (1), 182 (3),
183(2/, 203 (I), 209(2,, 210 (3), 211 (1), 22* (1),
226 (1), 227 (I), 228 (2) : na rua do Crespo n. 4.
Vendem-se caixas de cigarros de oslranioni-
co para quem padece de asthraatieo, vindos da Pa-
rs no ultimo vapor, por preco mais barato do que
em outra qualquer parte : na rua da Iinperatriz,
(aterro da Boa>Vista) Ha defronto da matriz nu-
jjero 68.
PEITORAL de KEMP.
a anacabuita mexicana que d o nome es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arveire, cuja madeira por muito lempo se solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
ha usado no Tampico para a cura das en- d'ella ; e ames de concluir o primeiro fras-
Tasso Irmilos
Vendem no sea armazem rua do
Amorini n. 35,
Licor fino CuracAo em botijas e meias botijas.
Licores tinos sonidos em garrafas cun rolbas de
vidro e em lindos frascos.
Vinhoseneres.
Santernes.
Chamberlin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
SALSA PARRILHA DE AYER."
Tiianschevemos aqui alguns
dos muitos attestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Kheuniatis10.
DE J00 JOS DOS SANTOS.
Ouro Prelo.
Soffri rbeumatismo pormui.
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re.
fermidades cima mencionadas. Foi lam-
ben ensaiada e approvada pela academia
medica de Berlim O peitoral de Kemp
um xarope delicioso inteiramenle livre de
opio, acido bydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors & Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os eslabeleci-
mantos pharmaceuticos do imperio.
Vendem-se no Recife em casa de Caors
Barboza e Joo da C. Bravo & C.
feih mmV.
co, acliei-me forte e sem sentir a mais leve
dr nos joelbos ; a parte do corpo que es-
ta va almelada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas noites de somno.
Erupedes, borbulhas pnsiiilas,
ulceras, e todas as molestias
da pelle.
DO SR. JOO PAULA DE ABREU E SOUZA.
Rua de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupcao sypbililica em todo o corpo, moss
trando-se sempre com mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos econsultei
muitos mdicos, e estava quasi desanimado
LOlleiras de marroquin, com cascareis quando v os a'nnuncios fajaba parrilha
e sem el les.
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
Na ruado Queimado loja da Aguia Bran-nos primeiros dias a erupcao aggravou-se,
ca n. 8, vendem-se colleiras de mairoqum,'porm antes de acabar o segundo frasco t-
pospontadas e com cascaveis, ou >em elles'nhao raal desapparecido completamente de
proprias para cSes e outros biehnhos.
Pennas inglezas le ac e duiradas.
No novo sortimento de pennas de ac que
a Aguia Branca acaba de receber, verara
tambera outras de metal dourado e bicos i
mu bem acabados, e por essas boas e ne-!
todo o corpo.
Doctor Don Jos Valdes Herrera, proi-es-
sor DE MEDICINA Y CIRURJIA, SUBDELEGADO
EM AMBAS AS FACULTADES DEL SESTO DIS-
tricto.Habana.
Certifico que be usado la zarzaparril-
Fazendas boas e baratas Grande liquidaco a dinlieiru.
Algodlioznbo bom e 1 rapo a 5;> a peca, j i\a loja c armazem do Pavo.
laaznbas de quadrinlios e llores muito bo- Rl|a da inupcratrlz n. O de na-
nitas para vestidos de senhoras e meninas a m!) silva.
240 C 20(1 rs. O COVadO, brins de linbo COin Os dones desteeiabelecimentojem resolvido li-
algirai loque de ava ia a 320
gas e escuras de cores ftxas a
vado e outras muitos fazendas a maior par- ^"i'/ue "rsta
L UCAS. VIIROS
CliRVSTAKS.
i loja de kinca da roa do Cmj. n. I ti _
rs.. chitas lar- qud"aTu7sfaVendVs por i'.'rcVos"*birat'isim*o7, so ven,l.er 2i0 tu o cu- com u Um de apurur dinheiro, e previnem as pis- 5, ?' .f*w' """C** '''" a> ; ''*
. ,TX__ <|ue n'-gocian em pc<|Utna escala rom (alen .e 1'iWura* r gorlo ... I. rr; .. rki i pi
,a maior par- dap |lt.sta |fiJa e annMem eDCOnlraro ,lin Ifcomewrwtonas '"o irnaju
le de las do uso domestico, cujas fazendas grande sortimento por precos pie ilJtolteesfcM v'dios de todas aMiual^des. i..,,,;.,;,
estarn expostas aos compradores desde as de agradar, lauto em pora" como a relallio, a sa- ewyan, hrad* jrri ilif\ri p ,
-r k .. i ii n \ iwr Para florf, deliras e <>;iIi mu
/ huras da ra.nliaa as 9 da no.le : na rua **r ,,,!lJt ,K ,.,,, _ni_a porrera *.___ u-rev-^r, ,
para
la_H,
- MI,
i;'
U "' i OI ^ f I
k l_y I I i
cessarias qualidades os seus acreditados fa-|' tel Dr. Ayer, y como depurativo be ob-
bricautes Perry C, as recommendam aosl tenido de ella los mas felices resultados en
entendedores'1 apreciadores do bom, valen- les casos de ulcera crnica, asi mismo au-
do mesino a differenra que ha no preco de
urnas para outras, por que estas se tornam
mais durareis na continuacao de escrever ;
lor y las considero como um porgante, cuya
accin ademas de ser segura, basido muy i
eficaz en el tratamento de las enfermidades i
assim poisquem dolas se qoizer utilisar | que exsigeu el uso de los porgantes, y on
compra-las a dinheiro a vista : na rua do i vacilo en recomendar estas preparaciones, j
Queimado loja da Aguia Branca n. 8. I Y para los fines que puedan convenir doy
Franjas com borlas C sem ellas para presente en Regla a 7 de setembro de
cortinados.
A Aguia Branca recebeu um bello sorti-
mento de franjas com borlas e sem ellas
para cortinados, loda- de novos e bonitos
desenhos, cuja comraodidade do preco est
em relacSo a largura : acham-se ellas a ven-
da na rua do Queimado ioja da Aguia Bran-
ca n. 8.
Jogo da paciencia <>u curioso cnlieleni-
mcuto.
Na rua do Queimado loja da Aguia Bran-
da Imperatriz n. 20, loja, dando-se amos-
tras de todas a quem nao poder vir na dita
loja.
Fardo
aia sacca, das maiores que ha : na rua larga
do Rosario n. 50, taberna da esquina.
ATTJEPICAO ""
Vende-se o verdadeiro remedio para dores de
denles ; este remedio extraordinario para fazer
passar s dores de denles logo que se tome ; cu=ta
640 rs : na taberna da rua da Palma n. 41.
Rival sem segundo
hus do Queimado ns. 49 t o, loja
miudezas de Ires portas, estquei-
mando ludo boro e barato, quem qui-
zer ver c admirar venliam i;ja o
Bigodiuho.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e paulado
a 600 rs.
Grozas de boles de louca prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias de penna de ac fazenda boa a 40 rs.
Pecas de tranca de laa lisas e de todas cores a
40 rs.
Estovas, llnissimas para limpar denles a 240 e
320 rs.
Polceiras de contas para senhoras a 500 rs.
Pegas de lila de cs estreitas cora 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles fraucezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pegas de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos muio linos para vollarete a 200 e
240 rs.
Frascos com agua de Florida a 15 e l286.
Frascos com superiores banhas a 500 is. e -.
Frascos cora banha, porm pequeos a 200 e
240 rs.
Laias com superior banha a 200 rs.
Frascos de macag perula muito fino B 200 rs.
Frascos e garrafnhas com agua de Colonia a
400 rs.
Frascos grandes com superior
640 rs.
Francos com
500 rs.
Caixas com 12 frascos de
1,5100.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Saboneies de familia a 120 e 200 rs.
Duzia de sabonetes pequeos com cliciro a 700 rs.
Agua dentiOce superior qualidade a 800 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal c outros a
15200.
Frascos com essencias para tirar noduas de roupa acaba-se logo : na loja
a 500 rs. triz n. 60. do Cama &
Cuitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas france.zaf, lislradas muio lar-
gas, padrfies escuro?, iie'o b.-iraio prego de 00 rs.
o covado, U-ndo muio bom panno ; dilas escuras
pdroes uovos, por sercw todas rscossezas e cor
lixa a 240 rs. o covado ; t.ias mludinhas escuras
e claras a 240 rs., amaneando se que esta fazenda
nao tein o rnals pqaeoo itque de mofo, nem oulro
i qualquer deleito Isios o Pavo, na rua da Im-
peratriz n. 60de Gama Silva.
Esparlilbos, na luja do Pavo.
Vende-se um bonito sortimento de esparlilbos
propnos para senhoras, sendo dos mais modernts
e bem feilos que lem vindo ao mercado, tenrto de
todos os tamauhos o de diversos pregoslrazpndo to-
das as competentes titas para apenar. Lio so na
loja do Pavo, rua da Imperatriz n, 60 de Gama
& Silva.
M
>
en-
feites de mesas, le MiarnigiVs '! tini.-r- .i .f-
ceiaua branea ibiuiaiL.s i M_ pan Mv.lortw
e loaleles, tudo do HMMf g<*i", ; mas ..- Inap t
vasos para jardn), ean>liein.> gaz. globos e rhamlnen de vid-o, bori;.-
os mais soblerelentes para ns meninos, r
de superior qualidade, e mullos uulr-s u;. ... ,p*
seria eufadonho mencionar, lodo por i.r/- _in-
L-siriK's razoaveis.
Vende-se a taberna da roa do Amoriro r. i
.A, muito boa por ficar defronte da ranipi do -.
setTibarque, ten dono a rende por ir _Mm .-_
sao de.
Ht^Ui;
, Lazinbas a 320.
LSaXinhas a 320.
Lazlnhat a 320.
_ Chegaram para a loja lazinlias suissas de qn.-idrmhos e lislrazinhus a
imitaeo de sedas porterem mmto lustro, send.i^s
padres rnais modernos que letn vindo so mercado]
e muito leveiinhas, vendendo-se peto barato puro
de 320 rs. o covado. .>endo azenOa que lempre se
venden por 6'0 r.-. Liquida-se por este baraio
prego na loja e armazem do Pavo, na rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Lene i ii lius para mo a 240 rs.. na
do i'avo.
Vendem-se Gnissimos lengos brancos com duas
cercaduras, seudo uina de cordo e onira de cores j
matizada -, inulto finos, a i mi la gao de linbo, pelo
barato prego de 2800 a duzia, ou 240 rs. cada i
um : Ao so na loja e armazom do Pavo, ua rua
da Imperatriz n 60, de Cima & Silva.
Lazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito soriimonto de lazinhas pio-
prias p*ra re&lidos e utemi_qtt_ por seren li- j
sas e de quadrinbos pelo barato prego de 300 rs. o'
1 covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a
500 rsvo covado, e vende-se a dinheiro a vista pe-;
agua de Colonia a lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo rna da Imperatriz n. 60 de Gama &
superior oleo de babaza a 400 e Silva,
cheiros muito finos a
Pelerinas a 4>(!00.
Venderji-se as ruis rieas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo prego de 15600: ta rua
("a Imperatriz t. 00, loja de Gama k Silva.
Organdv a 240 rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas organriys, (_
droes miudos e grandes, pelotbaratissimo prego de
240 rs. o covado ( doze vinteris), esta pecbincha
a do Pavo rua da Impera-
Silva.
18(30.
Dr. iosi V. Hkrukra.
Kscrophtila.
ATTKSTADO DO H.LM. SU, FRANCISCO FERRAZ
dos santos.Ouro Pelo.
Me acho ha quasi dous anuos affectado
de escrfulas, e tendo soffrido tanto q'.e al-
gumas vezes quasi que diego a desfnimar|
da vida e maldizer da miaba infeliz sorle;
tenho sido tratado por ni u i los medicas d'es-
ta cid dade de minlia molestia, estava som espe-
ca n. 8, acham-se a venda por precos ra-1 raneas de recobrar a minha saude ; quando
zoaveis, caixiahas com tabolas de madeira,ltimamente resolv fazer uso da alsa par-\
que das diversas pinturas dellas se formara; rilha do Dr. Ayer. Completa.ll-se boje I
agradaveis vistas e paisagens, segundo os trinla e sote diasque comecei com esle!
desenhos que acompanbam. Na verdade sanie remedio, e tantas melluras tenho
esse um deleitavel en retenimento cera o i sentido que tenho convicrao de em breve
qual se despe ta a curiosidade, e apura a in- recobrar a minha saude, perdida ha tanto
telhgencia. Os apreciadoras dirijam-se1 lempo.
rua do (iueimado, a dila loja da Aguia Uran- ^yphiiis c molcslias raereiirlacs.
ca n. 8, que seaj satisfeilos. Do _t_. Sr. Dr. .Iacrso;-.
TaIteres par.t nteaiiios. i Medico mnito conheado as provincias do
A Joja da Aguia Branca, na rua do Quei- sul do brasil.
Frascos com cheiros de lodos os pregas a 160, 200,
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a
4S800.
Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Duzias de colheres de melal para cha a 800 rs.
Ditas dita dito para sopa, fazenda boa a 15600.
Varas de cordo branco para esparlilbo a 40 rs.
Pegas de tita do la para debrum de vestido, com
10 varaa,"00 CAft
Duas de bicos superiores, para acabar a bOO e
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Caixas de lampannas para 3 mezes a 50 rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas estampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
madoit. 8, recebeu nova sortimenio de ta-
lhere.< para meninos.
Bello sortimeute de laa liua.
A Aguia Uranca, na rua do Queimado o.
8, recebeu novamente um bello sortimento
de la fina, de bonitas agradaveis cr-es,
entre as quaes se achara aigumas que s,e
nao-encontram em qualquer outra parte, e
Tenho receitado a Salta parrilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Sypkilis constitucional e sempre com os
mais felizesresultados; o melhoi alteran-
te que conheco.
Lciicoi'i _a e llores brancas.
Tetaos cartas em que nos contam casos
inveterados que foram radicalmente curados
quemuitas vezes sonccessirias para os, com um ou dous frascos d'esta Salsa par-
differenles matizados que cora gosto prin-. rtlha.
O espago nao nos permute trauscrever
todos os attestados que possuimos Jas vir-
tudes d'este extracto composto e Salsa
parrilha do Dr. Ayer. Hasta destarar ao
publico que tem sido empregado ha mais
A Aguia Branca acaba de receber u i. no-; med tanto
vo e lindo ortimeno de enteites os mais g Americas como da Europa, se_ nunca
modernos e gostosiuieiramente agradareis,|^samtK a sua alta repuiacao.
e como seu louvaveJ costume os est ven-'
Grosas de botos pequeos pretos para caiga a
100 rs.
Todas estas fazendas para liquidar, poi? ludo
est em perfeito estado, islo garante o dono do es-
abelecimeulo.
IIHETAiNHA DE ROLO A 3.
UailapolO enfestado a 30OOO.
Ka luja do I'avo
Vendem-se pegas de brelanba de rolo e_ 10
varas a 35, ditas de madapolo enfestado a 3520 i,
35500 e 4 : na toja do Pavo, rua da Irnperairiz
n. 60, de Gama & Silva.
Madapolo com toque de mofo a (5 O'.i e 7
Vendem-se superiores pegas de madapolo, ga-
: rantiodo-se 20 varas em cada urna, pelo baratissi-
mo prego de 65400 e 75 por terem um peque/io
lOlllie lie mntn ano '.-<> -1' r-t *'/' I
45 : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, i-;
Gama & Silva.
Cortes de casemiras a 2Jo00 e 3,^
Vendem-se corles de casemira de urna so cor a
25500, ditas de quadrinhosa 35 : na loja do Pa-
i vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama 6: Silva.
Chales a 2000
0i\FEIT0S
DEPURATIVOS
DoDrSLHYAX.Par_.
l'harmactutieo de 1* eltust, ex-
interno dos hospitaes, premia
com a medalla: de brome.
Vendem-se chales de merino a 25, 25500, 55 e
65 : na loja do Pavo. rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Laziillm a 220 rs., na luja do Psvil
Vendem-se lazinhas transparentes de u#ua so
cor e de quadnuhns proprias para vestidos de se-
nhoras e meninas, pelo baratissimo Brego de 220
rs. o covado, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 500 rs.: ua loja do I'avo, rua da Imperatriz o.
Grande armazeiu de Titilas.
Itl'A 1)0 IMPERADOR N.21
O armazem de tintas un grande deposito de
producios ciiirnicos utensise os mais empreados 60, de Gama i: Silva,
e usados napharmacia,pintura, photOiraphia.tin- Cortes granadinos a 12f>
turara, pyrotechiniaifu}os de artificio) cem outras Vendem-se os mais ricos corles de fazenda de
industrias. muila phautazia por ter transparentes e tecidos
Montado em grande escala, e supprindo-se di- com seda, teno cada corle 22 covados, pelo dimi- !
rectamente as priucipaesdroganas(le Paris.Lon- uto preco de 12j : nicamente na loja e arma-1
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode ofereceer zem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama |
productos de plena conanga e salisfazer qualquer & Silva.
Uornouls de relia na luja do Pavo
Chegaram os mais ricos bornouts de renda e se |
encommenda a grosso trato e a retalho, por pregos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar ven(jefn por baraiissirnos pregos: na loja e arma-
com promplldo qualquer pedido de limas moidas zem do p,,^ rua da ia,peratriZ n. 60, de Gama & ;
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus iiifjredien- gilva.
ciptam as habis p. ufessionaes ; assim pois
j i. sabe que a falla cessai a urna \ ez que o
portador se dirija com dinheiro rua do
Cueimado; 1 ja da Agaia Branca n. 8.
itomtos enfeites para se_bra&,
tes podera ser examinada pelo consumidor, o que
nao i: fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collecco de. vidros de dilferenles
formatos, desde urna oitava at dezeseis ongas de
Mieos chales prelos de renda
Chegou pelo ultimo vapor francez um grande e
variado sorliaenio dos rnais ricos chales pretos de
renda, tanto de linbo romo de seda, tendo entre
elies muitos de pona redonda a emitago de man
dendo baratamente a quem com dinheiro se
dirigir rua do Queimado, loja da Aguia
Brauea n. 8.
lletas de la para senhoras.
Vendem-se di rua a Queimado, loja da
Agirla Branca n. 8.
Mala mosca.
Na iaa da Aguia Brama acha-se a venda
o papel com compo-igo para dar Otn as
moscas, sendo o modo de usar facillimo, e o
Para a cura radical de escrfulas e ffeccSes
eserofulos, syphilis e molestias syphi-
Jiticas, ulceras, feridas, chagas,
erupces cutneas e todo e
qualquer incommodo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
TOMEM A
A_.4 IMitlUI.ilA DE AYER.
A' venda na rua Direita, ns. 12 26 e 76;
rua da Quitanda n, 51 ; prar;a da Consti-
n.
_puid.de de vidros para vidragas e diamantes e "Up '^ s" 0 ceUo de o ?7 v udc-se
para corta-los; de p.nce.s para fingir madeira com J^ muit cm conla tetet sido minda.
propriedadeeoulros; de papis dourados e pra- ^s vir de conla propria pelos donos da loja do
teados e folias de gelatina para ornamento; de g Imperatrir. n. 60, de Gama & Silva.
papel grande e pequeo formato de vanas cores r u -JSLJ ,is.. '-m _s
para embrulho, para forro de casa, para desenho |
com fundo j feito; de papel alburninado e Brist
Vendem-se as mais modernas lazinhas, tendo de
com runuo ja leuo; ue iiape aiouminauo e unsioi, ~"- "- .....y "n *---------
verdadeiro saze para photographia e para filtrar, *J a5 ^ores. Pel bara, f're deQf0', rs-... ,'
elTeilo efficaz : molba-se o papel e deixa se j lmc0, n. 10 e Hospicio, n. 40. E a-
fie r n'umprato, e nelle pousando as raos !princpaes pbarmacias e drogaras do na-
cas, entrisiti cm e morrera. Custa cada fo-
peno.
Vende-se em Pernambuco:
na
- Vende-se a taberna sila na rua do Bem-fica
n, S9, esquina dos Remedios, Passagern da Magda-
lena, a qual esta' propria para principiante em ra-
zo de Ur poucos fundos e se adiar bem afregue
zada : a pe**oa qne se achar habilitada dirija-se a
me>ma para tratar.
I
%
PHARMACIE FRANCAISE
-es
Iba 40 ris: na rua do Queimado, loja da!
Aguia Branca n 8. '
Me't.s tretas de, seda para senhoras a
SUO ris o par.
A Aguia Branca quer acabar com a por-
gao de meias pretas de seda para senhoras,
e apesar do muito maior pro,o que Ihecus-
taram e o bom estado em que anda esto,
comtudo est resolvida a vende-las a 5X0
ris o par, aflm de que ninguem mais calce
meias pretas de algodao, ag.ia pois apro das melhores mi)rcas em caixinhas de ,
veitarem a qimdra e dirigtrem- C a rua do, de -.-arraras para casas particulares,sendo : Lagri
Queimado, loja da Aguia Branca n. 8. Tam mas do Douro, Duque do Porto e_D. Luiz ; tamhem
bem vender as brancas a 10 o par, e des-
RUA NOVAN?
Vinhos do Porto
tas o nico defeito estaiem um pouco tri-
gueiras,
Diversos brinqnedos e enlretenimcnto
para criancas.
A Aguia Branca na rua do Queimado n.
8, recebeu diversos brinquedos para crian-
gas, sendo est- adas de ferro, barcas e patos
elctricos, apparelbos d-t metal, louca,pinta-
da e porcelana donrada para almoc i e jan-
tar e muitos outros brinquedos de madeira,
que se vendem baratamente : na rua do
Queitnad, loja da Aguia Branca n. 8.
tem ancorlas do. dcimo eneapadas com superior
vinho, barris de o9 e 10 em pipa : na rua do Vi-
gario n. 19, primeiro andar.
Vende-se urna uscravM criouU : nos Coelbos,
roa dos Prazercs n. 10.__________________
Vende-so > casa n. 52 na rua de S. Jos da
mesma freguezia : a tratar na rua dos Pires n. 18.
Chegaram os superiores
cortes de seda.
Superiores corles de seda de cor, vindos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a rua
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
celos* C.
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
teiior; oleograxo, oleo seccaiivo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de toiele, secativo de Harlim, ouro
verdadeiro em p prata, ouro, e estanho em fo-
Ibas de varias cores; tintas vegetaes, noffensi-'
Desde muito lempo poblkol
abaixlonoa o aso das pre|ur.iroe*
intituladas depurativas conheudj*
sob o nomo de Salsaparrilha coroposlos, ele
Cuja argao, maior parte das veze
iiuli.i. e n'algumsca>os perisosa.
Os CnxrtiTos Dcrt rtiios iiho sricio
E O COSTO AT.HDAVLli 1 COMH IM
Pl 01 UNO VOLIME SI IST IXCM< IIT-I .Cri-
VAS Ql'E O SEO HODO DE PEIPAEAl.AO 10BS<
O Miit- -sr.< qa vntruron
folln oMIierao ca Fran-
ca sob o i.itrocinio las priufip;ie
celebridades medicas, os poe imz
de ludo quanto tem existid* ailte
boje.
Cura rpida sem o socorro
de ienhum oulro remedio in-
terno, das escrophulM .
herpes, affeccoes syphi-j
liticis hypertropaia*
dos tessidos celulares,
bydropisiaa e em gerai
todas as molestias produztdas
pela alleacao do sangue la
o resultado que queriamol
conseguir e que temos sem-
pre obtido.
Urna eiplicacao acconpanha ealj
idro.
DescoiiCar-se, das talcilieafncscl imi
M
Para ai encomtnda irigir-e Sures. 10ISSOK et e1', Ib, B' P> inet
', Pariu
GRAJJEAS
^Hin'h'r'f*!
i tiuus riiat'irios, adopta i-> [>>'.* dilc
IKiO e cm IS8, que as i;R VGC._
AjiprovadJ
Hcsullk pc
Ictileinia em
Gr.is r CONT tk o melhor e aiaii etlica rruxdu
tcrrui-iuoso para curar a clilorotis (alia* taor-alfco], M
fluins branroa, a fraqncu de couiplciii mi (tow
ao*, r laubcm pira ajuiiar a menstraa^ao das inaijM
Es!..;. Grageas nio sio Tendidas senao ai f*
ou TJros cobertos com rotulo e fechados cmi
vado, larlatana branca e de cores a 800 rs., fil liso
branco a 800 rs. a vara, cortes de fil brancos lisos
a 64 : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chapeos de sul de alpaca
Vendem-se superiores chapeos de sol de alpaca
vas proprias para confeitarias ; la de cores, e a 3(5500, ditos de seda inglezes rom 16 a olhos de vidros para iraagens; tintas em tubos e 125 na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, {,"{0 a 6rma do .tpo>iurio mi: L.isunn,
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa- de Gama & Silva. 1 8bara>-entco. rua 0our(o-riB*irat. tff. Per.
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne- \ Lazinaas transparentes a 320.
roiy. jasmim, bergamota, aspice, patchouly, mbar, vendem-se muito bonitas lazinhas Iransparen-
bou(|uet,lunao alcaraiva, eliga, ortelaa pimenta, ,es com paimiDhas de seda a 320, dilas lisas e de
louro,cereja,alfazerna,juinpero, Portugal, lima, varias cores a 220 rs.: na loja do Pavao, ruada
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Corles de laas matizadas.
1 Vendem-se botillos corles de laas matizadas, ten-1
do lo covados cada corte, a ."5, ditos Mana Pa,
n-S/de^ma ftA**1 "* ^^^\dm *l$ pOVtS t f* I
(Je,nsiio ftrti em PernamtT.to r^a
Cruz a.22 ^ cana de Caros A arboza
anis da ltussia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que 6 com a vista poderao ser mosirados.
Joo Pedro das Ncves,
Gerente.
Loja
avariado.
Francez barrica o000
Poriland idera 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 10000
Portland idem 125000
No armazem deTasso Irmos caes do;Apollo.
ItOliA FErTA
RO'A FEITA
ROUPA FEITA.
Na loja do Pavao veode-se um grande sortimen-
to de roupas feilas para hornero, scudo cairas, pa-
letots e col tetes, tanto de panno como de casemiras
pretas c de cores; deixa-se de mencionar os pre
ca
vronunto
Ven lem-se chitas francezas ___ ba_ pan-
nos a 2i0. 260 e 280 o covado, ca-a frr, si r
cjres fixas a 210 o covado, lirewib.-i 4bpb_ a
25iO0 a peca, cortes de tasemira de cor tu rra a
45. bales de arcos a 35, t-'jOO e \, e : -.'3-
s para nao se tornar eufadonho o annunclo, outras fezeddas por baraussimos prrf.s, r- 'Nnw_
NOVHIADE
A \H lita00 e 1 #500.
Laques de osso, ultimo Rosto, a 15.
Ceroulas de mpia a 15200.
Dulas muito finas a 15500.
S na rua da Cadeia do Recife n.!5
aflanfando-se que o respellavel pablieo achara um
grande sortimento por baratissimos pregos : na
ioja e armazem do Pavao, rua da Imperatriz 11.
60, de Gama & Silva.
se dao amostras
pega
cambraia para f-rro a 2:ti .
Acha-se
Piche do gaz c vernii do gaz.
V( nde-se piche do gaz, verniz do gaz e estopa
i da ierra : 00 armazem da bola amarella, no oilao
da secretarla da polica.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para- descarocar afrraeado e bea7ordr:7ularBa
algodao : na rua da Senzala (ova n. 42. i vi-aniento n. 34
Vende-se o
Attene/io.
deposito da rua Nova
n. 61
ruado Li-
- Vendem-se palmer ras imnenaes, em estado Vende-se urna lal.erna na Cruz de A'mas,
de serem transplantadas: no s.iio murado a es-' pr0pria para qualquer principlante, a qual faz bom
mierda, depois do beccj do Espiuheiro, nos Af- negocio, e se faz todo o negocio : quem pretender
los' plrija-se a mema, que achara com quera tralar.
Fio Vendefse no escriplorio de Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo 4 C, rua da Cruz n. i.
Vende-se 40 palmus de terreno na rna da
Concordia : a tratar na rua do Alecrim n 10, das Seo cosi 105000 por cada es
3 lioras s 5 nos dias olis. tomos.
venda na livraria acadmica, na roa do I
dor; na do Sr. Nogueira, juni< ao arco d-.-
Antonio ; e na Ispograpliia imparrial, na r
ireila do Rosario a compilacio de !>_ a leajj la*;,
tendente adminisIracSo, arrecadario e ;'-.
sagao dos dinheiros de oifMM d. fi_:,>s uta-
tes, herMCas Jacenles, I-gado, etc^ i-onieo
b,>in s o regiment de eIM e a lei geral da
{oes, como tambem tudas nm_i a..- s cu
goveroo, que a todo lem explicado. 11 ..
10 das clrigacops inherentes ao rita dos ..
te empregados de jnstica o fazend:'. como *
reilos nactonaes e emolume:.:
Esle livro comeado mais de 70 1 >r
impressao c bom papel, e pre*l
de diffi rentes classes. lorn-- 1
em aWn;
a
r_ -
____.!


Diario re Pcrnambnco Sexta lefra 4 de Agosto de 18*
GEN ROSBARITOSAMNHEIRO
NOS
grades mmm m molidos
&c.
Pateo do Caroio d. 9 armazera Progresivo ra do Queimado n.
tuio e Gommercio ra do Imperador n. 40,
es J Principal armazem de molhados.
OS PROPRIETARIGS,
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
ejen ios, lavradores e mais pessoas do caitro, quo para mais facilitar suas compras deli-
beraran!, os propietarios dos tres grandes aruiazeiis, reunir todos os seus estabeleci-
mentos em um so annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, proraette-
ims que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os geieros
por um preco, e na occasio da compra quererem por outro', como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos no se dar isto
anda mesmo com piejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pea qual se ver os precos tal qual annunciarraos, o que seno arrepender pessoa
alguma que fizer saa despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por csnto na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada dem com 4 a 5 ditas a 3#200.
oltimimenie no vapor Saladim, de 1$ dem vasios de todos os tamanhos a 2#O00,
a 1^120 a libra e em barril teribaii- ifl300,800 e 040 rs.
ment. Queijos d; 23300 a 25500 os mais frescos.
dem france/.a muito nova a 40 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
e.n barril ter abatimento. 2 Banha de porco refinada a 640 a libra e em dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 1#4001
barril ter abatimento. a caada.
Cha uxim de superior qualidade a 23600. Azeite doce de Lisboa muito fino a 600 rs.
dem perula miudinho a 2^700 a garrafa e 4,3600 a caada,
Idea) hysson especial qualidade de 23500 a, Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 400
2rjii0() a libra. a libra, e em barril de 5 arrobas a
dem preto nuioespecial a 23000 e 23i00 103500 a arroba.
a libra. Cerveja Bass do fabricante Slilers &
"8^?
>m>Gs&&&&&4Stf
AURORA BRILHANTE
GtA'WKS AIMAZENS
10 LIA D O
| WMMmmmm
Jf Largo da Santa
UGruz n. 84, s-
;#iuina da ra do
o
igCruz n.
ESPECIALES l da
mmMmmmmm,
Largo da SantaftegJ
34, es-!
ra do'
m
are
' rora BrilhantrronUmiT-.'ia'5 muit0 acreditado armazem de mol'had'os denominado Au-
A seguin'te tabella sirvjra ?l s.or'iraento de gener03 de Primeira qualidade.
a' m:
ero quantocheeue nVrY^Tm\''iJa raesmo Prqne sen dono so deseja tirar diminuto Tu-
npnira.-i,. *_??".- r as despezas do estabelecimento por isso deixe se a-
Nenhatn armazemTenrte'rv m.d-0ude b.ase Pajuste de contas aos portadores,
pelo grande sortimento nui7 maS b*r*t0 e meIhores d0 loe a Aurora Brilhante, ja'
ero niiaiifni>ha,Tn _..' "'", ja
[ proveitar, o Drsnrietrin"h""j",' '"' ue?l'eias ao esiaDeiecimento por isso aeixe se a-
tantes fregue/es azer toda a diliKencia, afim de servir bem os seus cons-
^To8 'bra dechouri^ mnitono
^itasgrandes com peixe
Dvas,
dem do Rio em latas de 43000 e a 8)0 a
libra.
Utas coa biscouto de todas as qualfflades
a 1300.
dem da oreditada fabrica de Biato Aiilonio
(Lisboa,) proprias para da: a doeates a
H e 35 a lata.
Bolaxioha ingleza muito nova a 33500 a bar-
rica e a 240 rs. a libra.
L..is coa bolauaha de -oda e oval a 23.
P*esonto inglez para tambre ebegado no
ultimo vapor a 80 rs. a libra.
irifcs e paios muito dovos a 900 rs.
a libra.
Ca .as com macarrSo ttluarim muito novo a
55000 e 320 a libra.
Aletria branca e amarella a 500 a libra.
i', oortuguez de especial qualidade a
800 a libra.
lJm suisso de 8 .0 a 13000 a libra.
dem hespannol vrdadeiro a I26O0O a libra
quo j vendemos a 13400.
D da casca de goiaha em caixoes de 4 e Il3em Lon^lrinos a 53, idem.
Bell a
63500 a duzia e 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Asbe a 63000
a duzia e 560 a garrafa,
dem marca H Victoria Alsope e outras
muias marcas a 53 a duzia e 500 rs. a
garrata.
Sabao primeira qualidade a 220 rs. a libra
e 210 em carea.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabo inglez superior a 180 rs. a libra e
16 l rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorta a 73000,
73500 e 83 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranhao 33200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 23600, 23800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 53500 a cai-
xa, de Simas (Jos Furlado).
?^e,2,UaIidadeS;nSo,otS^
iDgadr,oasSvsexce,len,epe,iscoParafri-
!munZSSKsensopadas'a720rs-
Ditas com amenas a 15200, 1 gOO e TOO
Ditascom massade tomate, 500 rs
{Dl2JOOOm b0lachinha de sola
muito novas, a
Dl|friCrt),SROi.'inhos in8|ezes de
lidade
muitas qua-
Vinho terde superior.
A caada a 3,000 e a garrafa a 400 rs.
Gomma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadelra de se
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
Farioha.
Saceasgrandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 5,000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8,,
85500 e 95000.
Cha.
Ch.teraos nestes gneros o nt lhor possivel,
de
ruea libras seguro a 13800,
Ida i) em caixoes pequeos a 700 rs. e
50 para cima a 640.
11 : secco em bocelas ricamente enfeitailas,
contendo pera, pes go, ameixa, rainha.
mas f; utas a 33000 cada urna.
lo-; i lili) cama ciu iaiaa u- vinas in,imotiva-
mente muio bein enfeiladas, conteni,
ra, pesego, ameixas e outras frutas a
640 e 700 a lata, tambern temos latas
grandes a 13200.
;. mnelada dos meibores fabricantes, em la-
tas -le 23000 a I 200*
dem em latas de 1 112 libra a 15.
dem era talas de 1 libra a (540 rs.
Ef^ilias em latas chegadas neste ultimo va-
por a 700 e de 8o para cima a 640 rs.
Feijao verde ou carrapato em latas j pre-
parado a 640 rs.
Ameixas em frascos de vidro a 13500.
dem em caixinhas ricamente enfeitadas de
10200 a 2:5500.
Conservas Meside muito novas a 700 rs. o
fraseo.
Ide u de ceblas simples a 700 rs.
M;i:, -. inglez a 610 rs. o frasco com rolha
de vi iro.
."! tarda em p a 700 rs. o frasco.
!. an j preparada a 320 rs
Latas com massa de tomate de 1 libra a
1 > rs.
i i un em latas de I 1|2 libra a 900 rs.
" bosem garrafas vindos do Porto, Madei-
ca Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 13 a garrafa e 93 a 123 a duzia.
dem Palmella a!5 a garrafa e 113000 a
duzia. .
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 23800 a 33500 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinbo Lisboa e Figueira a 243 a
ancorota.
dem branco expedal qualidade proprio para
missa a 560 rs a garrafa e 43 a caada.
(den mais baixo a iO rs a garrafa e 33500
a caada,
dem do c'orlo especial quilidade a 800 rs.
a garrafa e 53500 a caada.
Id m B irdeaux em caixas a 73 e 700 rs. a
garrafa.
Cbarapanbaa melor do mercado vinda de
iiossa enoommetida a 303 o gigo.
dem mais baixa de 183 a 203 e 13500 e
33 a garrafa.
Lii ires portugoezes e francezes a 13000 e
15300 a garrafa.
Marrasquino de Zara, vrdadeiro a 13500 a
garrafa.
! na mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
ora de laranja ver ladeira a 113 a du-
zia e I/{o frasco.
dem de Hollanda verdaJeira a 63 a fras-
queira e 600 o frasco.
Ide .: de Hamborgo a 53500 a frasqueira.
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o frasco.
Garrafoes com genebra de Hollanda com 24
bT irrafas a 8>, rom garrafo.
dem com 14a 1S garrafas a 63.
dem Parasienses a 43500.
dem Delicias a 13500.
dem Traviata do Bio a 53500.
dem varetas de Manoel Peixoto da Silva
Nelto a 33500 e liJBOO a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 4.3 800
i mal cjxa a 5&2Q0 a caixa.
dem mece-ipes a l->7u0 a meia caixa e
35000 a caixa do mesmo fabricante,
dem orientaes do mesmo a 13800 a meia
caixa e 33400 a caixa.
dem jovens de Castanho & Fillio a 23400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 13 03 a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 13500 o quarto e 53
a caixa de urna arroba bespanbola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposico de
comer a 13500 a garrafa e 143000 a
caixa.
Alpista muito novo a 33800 arroba e 140
a libra.
Painco a 45000 arroba e 1 iO a libra.
Peixc em latas j preparado a 13200 a lata
e em porcao 13000.
Sardinbas de gantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 103000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 13800 e a 403 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 23500, 33000
e 43000
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 43000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhao muito alva e nova a
240 a libra.
Svadinha de Fran?a para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito nova a 140 a libra e 43000
arroba.
Caixas com estrelinba, rodinha e pevide a
400 a libra.
Alhos em canastras muito novos e maunfas
grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 15000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Ervadoce idem a 400.
Alfazema flor a 240.
Araendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 43200 a resma,
dem lizo a 43000.
dem de peztf a 33000.
dem de embrulho marca grande a 13200 e
13300.
dem azul para botica a 23000.
Copos lapidados a 53500 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 Je
160 cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 15500 a libra, em porcao ter
abatimento.
. a 1500.
Chocolate. .
nar^m C0,n ""85 '''''>!' Proprias
rh(Sm"n'1 a lim' 21800 e ^200.
880OaltTriOr mUl D0V0' a libra de
M ae400Or'a'"ariam e a,etria araarelIa>a bra
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
SEBS"*
Ditas dita em libras a 640 rs
baga, a libra a 360 rs.
sevadinha para sopa a libra, a 240 rs.
Erv,lhasseccas,aliDraal60rs.
.unas descascadas, a libra a 200 rs.
tapioca muito nova, a libra a 280 rs
Panana de araruta
500 rs.
Ar**m Maruaah5o> em sacco, a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
verdadeira, a libra a
w
.Dito da India e Java, a arroba a
) bra a 100 rs.
hyson, a libm a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxira a 25700.
Dito hyson muito (ino a 2SS00.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira fjnalidade a 25500.
Dito raais baixo a 25000 e 15600.
Krva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espermacete.
O masso com 6 vellas de esperraacete a 600, Wt.
640 e 720 rs. O
Passas. t,
Caixas de 16 e 8 libra* de passas oras pro- wE>
prias para miraos a 45 e 25500. y9
* Nozes. ff)
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 45000. ^g
Alpista e painco.
Alpista e painco, a arroba 41000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Gadeia do Hecife, esquina da alud re de Dtu-.
baIOes
Os ricos baloes de arcos de 33, 43 e 53
Bales de arcos para meninas de 2 a 12 annos a 23 e 23500.
BalOes de pa:.no para meninas a 33 e 33500,
Chapeos de sil.
Os afamados e bem conhecidos chapos de sol com 12 asteas a 85
Ditos maiores com 16 asteas a 123.
Tapetes.
Grandes e pequeos tapetes co n ricas estampas para sof.
Chitas.
Chitas largas a 240 rs. o covado.
dem escuras finas a 320 rs. o covado.
Camisas.
Superiores camisas a 23500.
Camisas com peito de Ha mu las outras qualidades com peito de esguio.
Cascmiras.
As modernas casemiras de quadi os, ebegaram.
Ilonpa irita.
Ha completo sorlimento de casemiras, de brim branco e de cores.
Collelrlnhos.
Chegou nova remessa decolleirinbos de papel de cores ebran-os.
Tambern ba completo sortimento dos de esguio.
Calcas.
Caifas de superior brim pardo a 23500.
Cambraia brane?.
Superiores cambraias brancas a 53 e 73 a peca.
Cambraia branca para forro a 320 e 400 rs. a vara.
Lias.
Laas de bonitas cores a 4SO rs. ao covado.
dem para luto a 560 rs, ao covado.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunrianlo ao publico
fazendas e novos precos e nao como muitas nemnM mn-fta .- L .__
I zendas.
e nao como muitas pessoas sup; 5e sempre ser as mecaos b-
35200 e a li-' Cartas finas para jojrar. a duzia a 25300.
Toucinho. de Lisboa a 91800 a arroba e a 320! Cas(anhas novas JlSSii vapor,
rs. a libra.
Dito de Santos
260 rs.
}Molhos com 125 ceblas grande-, a 1.J280.
a arroba 75000 e a libra a
arro-
franceza, caisa com 2 duzias a
Wostarda
73000.
I Frascos com mostarda preparada em vinagre,
I 3 tul) rs.
mmt 8oof<5ervas ingle"s e francezas'a
Ipitoscom sal r-finado fino, a 640 e a 500 rs.
"'MWm a verdadeira genebra de laranja, a
e i garrafas de Hollanda'verdadeira,a
ba 45000 e a libra a 200 rs.
Azeitonas.
| Barris com azeitonas novas a 15300
Manteiga.
Manteiga superior, a libra a 15280.
Dita mais abaixo a 1-3200.
Dita menos superior a 15.
Dita franceza nova, a libra a 880
Dita dita em barris e meios ditos, a
850 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
dita propria para negocio, a
i bra
MACUiNlSDEPATENT
de trafoalhar ni:1o para
descaroear aJgodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers &. Ca
0LDA3I
W "
r 6i0rs.
'Botijas com
X 400 rs.
)Garrafoes com 2 galoes com dita, a 65.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a l
3 duzia a 6-jOOO.
Vinho muscateldeSetubal, a garrafa a 15.
Marrasmunho vrdadeiro, frascos a 80C rs. e
X a 15200.
a.WioRne' a dDZa 20S000' e a garrafa a
I Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
a 1,-5000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
> 75, 85,95 e 103 a caixa.
(Ditas com dito branco, a 75 a caixi.
, Ditas cora dito larimas do Douro vrdadeiro
a 203.
'Ditas com duque do Porto verdadeiro'a
18.3000.
Ditas com chamisso superior, a 113.
'Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 125.
>Vinho do Porto a pipa, a garrafa a 640, 720
f e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 33200,
35500 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marcas (N.)
P.A-A-) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
j 43o00, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
f que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
LDitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
> da a 33500 e 43000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 64r*.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
oUu rs.
Queijos.
Queijos novos vmaos neste vapui a sooo
33000.
Ditos londrinos muito novos, a libra
13000.
Papel.
Papel almaeo paulado, a resma a 43800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 43300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
23500.
Dito de embrulho, bom a 13 e 13200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o vrdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 13500 e 23000. .
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 4U0 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs. ,
Araendoas.
Araendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
CaixSes de doce de goiaba, grandes a 13400
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Gran.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 23000, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs. ca-
da ara, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhore> fabricantes da A
Bahia por diversos precos, caixas e meas$
Estas machinai
podem descaroca?
Maalqoer esped
i/de aigodao seto
' estragar o fio,
sendo bstanla
duas pessoas para
olrabalho; pds
desearogar urna
arroba de aigo-
dao em carocc
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou 5 ar-
robas de algodc
limpo.
Assira como machinas para serem movida por
. animae.% que descarocam 18 arrobas de algod'
limpo, por da; e motores para mover ama duas
eutrjs dessas machinas. '
Os raesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina:
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saandcrs Brolhers&C.
n. II, praca do Corno Santo
RECIFE.
Os_unicoagentes neste paiz.
grano;
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixara de an-
nunciar-se.
AM.ZEH-H0LH4D0S
Pharol do commercio
Kua do EangelgD. 73.
O proprietario deste estabelerimflo tem a
N. 11Ra do QueimadoN. 11
V
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
___Chegou a este estabelecimento um grande sortimento de cortinados bordados para
camas fazenda de muito gosto.
Chales de guipu muito finos para 223, 253 e 305.
Colxas de seda superiores de diversas cores para camas de noivas.
Colxas de laa e seda para cama tambern de bonitas cores.
Rotondes de guip enfeitados com o melhor gosto.
Setim de Paris bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Monreantlque branco e preto, grosdenaple preto e de c5res, pannos pretos de todas
as qualidades, ditos azues.
Casemira preta e de cores, merino preto; silistrina, bjmbazinas, alpacas pretas. e
laa preta para lutos. r '
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 43 a 113.
Brins de linho de cores finos a 13800 a vara.
Chapeos e cbapelinas de palba de Italia para senhora, maoguitos bordados, chapeos
de seda para homem, chapeos de sol de seda, esguio de linho, cambraia de linho, breta-
nhas, silesias e muitas outras fazendas tambern
ra de avisar aos seus freguezes que fez urna gran-
de reduccao nos precos de seus gneros de primei-
ra qualidade : manteiga ingleza ij e 15280 rs. a
libra da ultima chegada ao nosso mercado, dita
franceza a 900 rs. e em barril se faz abatement-
queijos tlamengos novos a 25300, dito prato o que
se pode desejar em bondade a 800 rs. a libra
i?oeas, franceza& caixinhas a 15200, 15500 e'
13800, frascos de ditas 13400, grandes 33 proprios
para mimos, marmelada das meIhores marcas a
BUIru libra, ameodoas confeitadas para sortes
de b. Joao a 640 rs., vinho do Porto a 640 e 720 rs
a garrara, Figueira e Lisboa 400,440 e 300 rs., e
em caada se faz o abatimento, caixas de batatas
com 2 arrobas por 3J500 e a libra 80 rs. nova
cafe i sprte 73800 e 73200 e a libra a 240 e 26
bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, toucinho de
Lisboa a 360 rs. a libra, velas de carnauba a 400
rs., ditas estearinas finas a 60') rs., presunto portu-
guez a 600 rs., alpista a 35O0 a arroba e 120 rs. ,
a libra, painco a a dita e 140 rs a dita cha fi- w"li,l,lw' Teuut ">
no a 2,500,^7(10 e 2,800 frucias em calda a "^ qual(uer parle.
i. u ta' Somma a 100 rs. a libra e 23560 a ar-
roba, bollinhos inglezes lata de 2 libras a 1,350,
ditos de soda grandes 2,000 e oulros mais gene-
ros que se torna enfadonho mencionar. O proprie-
tario espera a concurrencia do respeitavel publico,
garantindo a oxactido do qne tratar.
i\ovidades da leja e armazna it (
zendos e ruupas fftas o cionafs na
da Iniperatriz n. 71 de Guisarn
& limv.
Aproveilem as pechinchas
que se esto liquidando por tod-> urm relia
a.tbO, 400 e 440, cambraia crgand) s milito tna a
rs- covado. e muito superior a 3, 36)
*00 rs.: isto s na nova loja de Guimarti* .v Ir-
mo.
Esto so acaUaiido.
Laazinhas escocezas a 24D. 2ti0 e 280 o cavado.
E' muito barato.
Cortes de laa ronito superior com U coto**
pelo barato prego de 5, e 555M, isto sopara aea-
bar, bretanha de rolo a 3, e 35100 a pera w.i,
polao francez enfeudo a 33, 3,i0, MR 44.
'mSS? sr enfe?lad0 2" jardas a i, a,
e 6^500, dito mnito superior marcas moito aere-
ditadas a /5,7^O0, 85, 93 e 103. ifcrtau tf- to-
das as marcas assim como seja marca T e tine
de vacca, sicnpira e pao ferro todo Uto ror m-
gos baratsimos s para liquidar e apurar dink*-
ro : isto so na nova loja e armazem de Gniaaraw*
Oc lrmae, roa da Imperatriz n. 7i.
Grande sortimento de laI>adinhos
I e ntremelos |*lo barato preco de 80 a I, a
Lencos de cores e braceos
l3inSKprpa?homens e ">* w.
s -sSe?a duI,a'di,os de nh > **>.
>$>, o{p500 e 63-
Grande sortimento
de colxas de fnstao de todas a cores a 55-W
05. ditas de chita a 1,900 e 2,, ditas de Ba a
E' muito barato.
Grande sortimento de sontembarqnes moito bes
JSLJ2 r5& t 330' d,,os de frosdeBafte a
lo e 305, laazinhas de ama s cor a 480 o cava-
do, ditas moito propria para camisas sendo de K-
dissimos padroes a 1, e I5IOO o covado : s aa
nova loja de Goiraares 4 Irmo, roa da
triz n. 72.
Grande sortimento
de roupas feitas qoe se vendem mnilo baratoaBM-
cando-se que se vende por menos 20 por reato rae
em outra qualquer parte, quem duvid .r veMta ver
Ha nova I-ja de fazeiidas de Giiasre
& Irmo.
Riia da Imperaarlz n. 19.
LOJA DO BEIJA FLOR
Na ra do Queimado n. 63.
Tendo recebido um sortimento de born-
eas de choro, que chamam papai e matoi,
com cabelleira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimenlo de
brinquedos para meninos, sendo esp*ias.
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas: apparelhos de almoco e de
jantar de porcelana e de metal, porta-licor
e faquinhas a 280 rs. o par ; e nao qneraa-
do continuar, vende mais liarato do que a
que se
Vciide-se
Esteiras da India para forrar salas
MI
Milho.
^<
Vendem-se saceos grandes com milho novo
ra da Madre de Dos as. 5 e 9.
na
Vende se um preto crioulo, bem mogo : no
pateo do Terco n. 141.
_ >2
Vendem-se onze escravas alguraas com ha-
bilidades entre estas duas raulafinhas pe^as de 11
annos de idade e 5 escravas sendo um cosinheiro :
na ra das Cruzesn. 18.
Vende-se um escravo mogo que j foi de en-
genho : a tratar na ra do Monlego, olaria n. 13.
Vende-se tiras bordadas de diferentes
larguras a I& e babados, collar inhos e pe-
rillos para senhora, bordados e abertos de
renda e lisos, os mais moderaos
podem encontrar.
Vende-se 13a para bordar de divenas
; qualidades e de cores claras a 7o" a libra, es-
i fielhos de columnas de Jacaranda a 25500,
i ditos brancosde diversos tamanhos. caixahx
farelo de Lisboa em sccas e barricas, e saceos | Para esloJos de navalbas,
com superior farinha de mandioca, mais barato do Vende-se pentes de alisar CODJ coalas de
nUei7e%?iCeairgnaerr Parle : Da "' do Vigtrio mM a 4(5' dit08 de dilTerenles qe^L
d^ pnme.ro andar ________________ ndas gravalDnas seomn dfa
Vende-se o epgenho Jundtahy, cinco legoas '
distante da cidade do Natal, provincia do Rio
Grande do Norte, moente e correte, com 20 cap-
tivos, 20 bois e 20 bestas; assim eomo diversos
lotes de trra, propria para a cultura de algodo e
mandioca, e mais duas fazendas de gado no Poten-
gi e Cear-meirim, na mesma provincia, cujas ven-
das se effectoarao a prasos, mediante boas firmas :
qnem pretender dirjase aquella provincia a tra-
tar com Fabricio & C.
Farinha de mandioca : tem para vender Au
tonlo Loiz de Oliveira Azevedo \ C, no seu es-
criptorie ra da Cruz u. 1.
tes goslos.
Colheres de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe pan
tirar soupa a 2& ditas para cha a 25300,
ditas para soupa a 4*200 a duzia: eesta
loja se encontrar sempre um grande e va-
riado sortimento de miudezas: ra do Quei-
mado n. 63, loja do beija-flor.
Vende-se a tabernTda"rna do Soref aTti,
bem afregnezada : qnem preteader dirijas a
mesma, no Campo-verde.


iHMMnnili
Diarlo de Pernbac V
0 NOVO GERENTE
Sem o menor constran-
glmento se entregar
importe do genero que
nao agradar.
ATTENCJO
Os precos da segulnite
tabella para todos, pu-
dendo asslin servir de ba-
se para o ajnste de contas
com os portadores.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
P32I A BKD5IM ID1 32 IDMMia
AO
Senhore3
eza com que ser3o
rra dos gneros que precisar
ai
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos.
RESPEITAYETi FU15I.TO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabeiecido ra Nova n. 60 um magnifico sor ti ment [de mol hados,
que sendo ero. sua mxima parte mandados vir directamente do estrangtiro",podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o | rois serio t3o bem servidos como se
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranca de que p tra parte.
nenhum _oulro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas: I Manleiga ingleza especialmente escclhida a
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
Idemfrancezaa maisnova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. cm barril ou meios.
Cha iiysson de superior qualidade a 2,600
As pessoas que por sua posicao social gozara de certo trataraento, acharao nesta rs. a libra,
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de (j perola mais superior do mercado a
primeira qualidade. etc., etc. I 2j8oo rs. a libra
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mu- dem bysson muito superior em latas de 15
to bem servido. libras muito proprio para negocio a 2,ooo
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de rs> a y^^
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man- \em hysson' nacional em latas de 1 e 2 li-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nSo po-i Dras a"j qqq rg
dem ou nao querem vender. dem pret o que 'se pode des*ejar neste ge-
Os senaores de fora da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne- ner a 00q e g 2oo rs a libra
gociar, devem vir, pelo sen proprio interesse, a esle estabelecimento para se convence- Lingufas muit0 no\7asa 8oo rs. a ibra e em
rem do quinto se pode vender barato. barril se faz abatimento.
Para os senhon-s que comprara para tornar a vender existe ura sortimento espe- chouricas e paios a 8oo rs a libra
cial, escomido por pessoa entendida que certamente muito deve agr Jar aos senhores costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Concelcao)
PARA BEM DE TODOS.
s-nhora*, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo-a promptidao e intei-
tratad(B| Movida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a protecco e preferencia na cc'm-
e quando na"o possam virpodero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco orticos !**
seviessempessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de aue nao vo em r***
! CHITAS FKAiNCEZASA 240, 2U, ... K M o R.
CHITAS FRANIEZAS A 2i0, 2-(.. .C O E
Grande expsito de a-
zendas.
Que eslao a venda, na Ir.ja e armazrm Ja Arara,
ra da Imperalriz o. 06, Lourenco l'ti-ira lin-
des Guimaraes.
LZINHAS A 240 Rs. !
LAZIMIAS A 240 Rs. !
LAZI.NHAS A 240 Rs. : !
Ha um grande sortimento de stM raimar*
cliegadas pelo ultimo vapor, senlo fa
quaesquer loja vende a 400 1-.. .-:.
na loja da Arara peto diminuto preco le ",r r '
o covado.
&IADAPOI.AO COM 2i JARDAS A ,.,,,' f
MADAPOLA COM 24 JARDAS i35OFf
vende-se madapdao ctm 24 jard:i i,n.
do se que 1. m Sil varas, irlo i
l|800, 55000, f JJ000 e 64500.
bretanha de rolo com l v
a 25*00.
Vende-se brclanha de rolo a > w ai,. *
Mendes Guimaraes. *
MADAPOLO E.NFESTADO A ?0C(I :)':,' o
E 450OO.
.MADAPOLO ENFESTADO A 35000. :):0O
E 45000.
Vende-se madaruio entestado ti.i u ,.r:n
prego de 35, 35500 > 45 a wn,
COLCHAS DAMASCADAS DE FT9TAO.
Vndese as mais n.odernas roktw* tt NMfcL
tendo de todas as cores a 35300, illas traceVaa
ditas de damasco "4wK>. i -
e11**, mo rt por a rabar, na UJa 1 ar-
1 mazem da Arara n. 50. Mendes Gnimai
Ta' Hoor??iitValbarm 3 40 3 U" Sal,^efinad0 cra fra. de vidro com tam, a
Dra e o,oooa caixa. do mesrao, a 5oo rs.
nTaPhrrianZV,SeJ!nha'.?eVde W*" ^^ branca das marcas ^ais acreditadas
fm r, rZ ? 13 C4 rS> a 1,bra 6 qUe Vem- 30 mercad0> a 5o0' 3Go e 6*0
Yinno o Porto muito fino proprio para, zia.
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
... d^>000 r? : Charutos do affamado fabricante Jos Furta- a duzi*-dilos de dl,ri -r.-nro a 251tim
,,e P'PlLPorl0' FSu.eira e Lisboa,a! o de Simas, das seguintes qualidades: m' h "ffiS'"^ 1
Expos.cao Normal de 11,vana, Impe.iaes,; V^d.-"r^iTSi^i; n-',
Londrinos, G uanabaras, Parisienses; Sus-1WW e 4*cco, ditas a aigodao a 2*
piros Delicias, a i.OOO, 4,oOO, u,000, Guimari.es.
6,000 e 7,ooo a caixa ou em n.eias.
Charutos finos de diversas marcas
compradores.
para temperar panella ou para fiambre.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agr- Qu%ijos do rFei0 egados neslte ultmo va.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE S?'1'*""""*'
A DIMHEIRO A VISTA: i "! W.e de superior
Grai.w era latas, muito nova, a 80 rs. cada dem pratoa 800 rs. a libra, e inieiro se faz
urna. abatimento.
K i dem suisso o mais superior que tem vindo
KIRSCH de Wasseb a 23 a garrafa.
ALPISTAa iOrs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casa mofle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os l-
mannos.
dem idem em potes de lodos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Almos a 200 rs. o molho.
Absy.ntuo a 2/3000 a garrafa.
B
32o, ioo e 000 rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missaemcaixas de i du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vera ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a I6,ooo, 15,ooo,
-12,000 e 10,000 a caixa com I duzia e 9oo,
1,00o e 1,00o rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
120 Rs. O COVADO.
CHITAS INGLEZAS A 200 E 220 IV. 0 COV.JDO.
Vende-se cambraias brancas de i <. a iiSO
apera, lamtfm bai.m grande son 1, 1... ta>
t>&. 65 e 75 a proa. ^
CHALES DE MERINO A : i .'
Lencos de cambraia rem barra de 1 "' '.)
^olachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra,
ao mercado a 64o rs. a librar Bolachinhas de soda em latas de diversas
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas \ qualidades a 1,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartes com bolo francez muito proprios pa-
FeijSo verde muilo superior a 640 rs. a lata. I ra mimo a 64o rs.
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Lethia a 400 rs. a libra.
Jl Copos lapidados para "agua a o.ooo e 5,5oo
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira! rs. a duzia.
qualidade a 1#, i5120 e I280, era bar- Idemidempara viqho a24ors.,e2,4oors.
ril se faz grande abalimento; a que ven-! a duzia.
demos por 1#280 a lib;a, vende-se em Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
outra qualquer casa por 10400 e 1#500.1 l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas Mamas finas para sopa branca e amarella a
grandes e pequeas,
dem do Principe Alberto a 2000 a lata, e
de cinco para cima a 10800.
dem de soJa em latas grandes a 2^000 e
de cinco para cima a 1#800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
15200, 15250e I300.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Ba.niia de porco refinada.
Mar-melada dos mais acreditados fabricantes. ^ Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
Macahiio e taliiam.m a 320 rs. a libra. bra e em caixa se faz abatimento. ; Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Massa de tomate a 600 rs. a lata. I Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, emlata de 6 li-
Mostakda ingleza a 800 rs. o frasco. eradas e das melhores qualidades de pei- bras por 2,5oo rs.
Molho i.nglez de todas as qualidades. xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francezas em f:aco de vidro com
Marrasquino verdadeiro de Zata a.....Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-1 lampa do mesmo, a IfjSoo.
CHOCOLATE francez a 700 c 800 rs. a li-
bra, e em porco a 600 e 700 rs.
dem suisso a l-j a libra.
dem de musgo a I 500 a libra.
Cholricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porcao
se fir abatimento.
dem de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muilo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 15800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, c era duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charctos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'IIavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 25000,
252"0,2)5l50e2 580O.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35300, 45 e 55-
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 fs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
O
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
3:^300.
Mimo painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em la las a 800 rs.
e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panalellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,ooo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muilo grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muilo novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 63o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemenletem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranh5o muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5co o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muilo proprias para
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe poituguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Soutambarqats de corrs, vende-fr # 1 r. ratc-,
ditos grosdenaple preto, capas ir 1 i *'
far prefo.
PALITO'S DE ALPACA PR.AX'W A '-V! 1)
PALITO'S DE UR1M DE I.IMIO -j*
Eniremeios transparente> a NO 1-. itt : Ua
a 1l, ditos para babado a IjOOO cada nma !.r.
ROUPAS FEITAS.
ROl'PAS FEITAS.
ROUPAS I-LITAS.
Vendem-se um nrlimeoto d- napas f.'itis-e
todas as qualidades, que a vstase Or
outras muitas mais faztnda' qne se dsaa te
annunciar, ra da Imperalrz u. 0, Meadw Gui-
maraes.
C?
S? Q C < ^ ~ >"> r: '1 s; -n"H ~z'
I SS ^ pS ? "S s> 2sS -_-
l8'gf|lei2.l3|l|g
Istill:;!41


09
S.o5
cL3
o a
^ '3.
O. w
12 c
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc; zas em caixinhas de diversos i Azeitonas de Rivas em ancoretas grandes de
8,000 a caixa e 64o e 7oo ris agar- tamanhos com bonitas estn pas na ca- 8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
xa exterior, a l,4oo, l.Coo, l,8ooe 2,ooo Azeitonas portuguezas a 000 rs. a garrafa e
cada urna. 1,500 cada urna ancorela.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez j Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercadp, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
O
Ostras inglezas e americanas.
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra.-.
75o rs. o frasco e
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,ooo e ll.ooors. a frasqueira. Conservas inglezas a
Caf do Rio de t* qualidade a 28o rs. ali-| 8,5oo a duzia.
P bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
PEIXE em posta, latas grandes, a 15C00, de Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali- 4oo rs.
todas as qualidades, como sejam savel, j bra e 7,5oo rs. a arroba. ;Nozes muito novas a 16o rs. a libra,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e Arroz do Maranliao de Ia qualidade a loo | Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8o a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e 2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. i a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. j 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra eoGo rs. a reta-, 15 a garrafae II,000 a duzia.
lho. 'Palitos de dente a lio rs. o maco.
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaejo.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muilo novas a 400 rs. 1 libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS fiamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
Mera suissos a 800 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTI.MIAS OU MOBINQES a 65, 85 e 105 o
par.
R
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza'' 'Rio a 15200 a libra,
dem francez a -5500 a libra.
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 23?.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearlnas a 600 rs. o maco.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrevor.
24,ooo e 26,ooo 0 gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a lihra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs.
garrafa.
2 a
g-Bs
3 al
o as -
CA C

3
-1
O.
s
B
o_

o
ce
2L
ota
-
P
i
5
35 c 2 o
Pili
a> O
S
"S
30
aementcs.
Vendem-se sementps de h'.-.tai;. as roaito n,-*-as
ra da Cadeia n. O.
1HM Irmo
vendem gesso era p para estuque >!>* ca-as. h .los
finos de feillo diversos para ladrilbo. azu!ei| t
diversos ostos, lijlos vidrados para parede d^ 0-
zinha, canos de barro para esputo, ceme&lo *m
barris de 10 arrobas.
Vende-se urna armaoo de urna tiborna nm
poucos fundos, propria para um prinripiaate. sita
na ra da Imperatriz n. o : a tratar na raa da
Cruz, casa de Antonio Lepes Draga & C,
V
VINHOS
!!!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 agar-
DOCES de todas as qualidades: brasileiros, ^J^T^St
portuguezes, mglezes, francezes, etc. etc.:Lagrimas do ^^ imo a garrafa>
E i Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa.
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra. Duque a 15 e 15500.
ervadoce a 400 rs. a libra. .Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
. Luiz a 15 a garrafa.
FARINHA S S S de.8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Fieos de comadre a 160 rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano cm latas a 25.
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
RIVAL
SEM SEQUSrilO
Ruado laciniado iis. 49 e A 5.
Contina a veader todas as miudezas que abaixo
declara por precos admiraveis.
Masso3 de palitos lixados para denles a 100 rs.
Espelhos de molduras douradas a 200,240 e 320 rs.
Bonets de oliado para meninos a 15000.
Ditos de couro superior fazenda a 15500.
Frascos com superior tinta rocha a 240 rs.
Meiadas de linha froxa para bordado a 20 e 60 rs.
Babado do Porto, fazenda boa, vara a 80,100 e
140 rs.
Varas de franja branca estreita a 40 rs.
Caixas com 100 envelopes, fazenda fina a 600 rs.
Grozas de pennas de ac, fazenda superior aSOOrs.
Duzias de meias cruas encornadas para homem a
35000.
Grozas de botSes madreperola finos a 500 e
e 6'i0 rs.
Caixas com 50 novellos de "linha do caz a 700 e
900 rs.
Caixas com superiores obreias de cola a 40 e 80 rs.
Pecas de fita branca elstica com 9 varas a 280 rs.
Varas de franja de laa para enfeites de vestidos a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qualidades a 400 rs.
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Lr. ros para assenlos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botoes para punho, fazenda Tica a 120 rs.
Tesouras para costaras superiores qualidades a
400 e 13.
Caixas de pennas de calligraphia, fazenda boa a
15000.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapeto a 15500.
Pares de sapatos de tranca para meninos a 15 e
15280.
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 500 rs.
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120 libras a 45,45500 e 55 ; no grande armazem
. Caixas cora superiores agulhas a 240 rs.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar- Libras de laa sortidas de bonitas cores a 75000.
rafa.
ICarcavelos a 15.
' Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por n3o ter com- iiesmas de papel de peso fino a 25000.
posicao alguma. i Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 15-
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
Rodiohas com alnetes francezes muito superiores
a 20 rs.
Resmas de papel almaco a 25W0 e 25800 rs.
Duzias de tesouras com toque de ferrugem a
600 rs.
Duzias de facas e garios de cabo preto a 35000.
Lanlerne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 15 a garrafa. | Talheres muito fino para criancas'a 240 rST
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermoulh a 25, e a caixa a 185.
Bilter Maurer a 15 a garrafa,
a garrafa : no graude armazem
da Liga.
ESCB1VGS FGIDOS.

%
m
(yg Madapolao muito fino com pequeo toque de avaria, por preco que admira : na loja ej
Sy das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos & C. m
M^8E2&fEK

Lagdo para calcadas.
Vende-se muito bom lagdo para calcadas ear-
mazens chegado agora : a tratar n ra do Apollo
n. 4.__________________________________
Catanga Anos e brlnqnedos
para meninos.
Lhegarara para a loja de miadezas da rna do
Vende-se ora carro de carregar gneros da Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
-- Vende-se urna taberna na roa do Cordonlz n. alfandega, com uso, e todos os pertences de ootro tanto para brinquedo de meninos como para cima
7, lirre edesombarscada : quera pretender dirija- igual, tudo por preco muito coramodo : a tratar. de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
fe a mesma, que achara cora Vende-se urna burra de ferro grande Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
em perfeito estado e por commodo preco : ,em Para veader Antoni0 Loiz de Oiiveira Azeve-
Da roa do Apollo n. 20. d0 c- D0 seu escriptorio ra da Cruz n. i.
Grande sortimento de roupas feilas de to-
das asqualidades,
Calcas de casemira a 65 e 75500, ditas preas a
65 e 85, caigas de ganga a 25 ,15800 e 15600,
ditas brancas a 25, brim de linho a 35, 35500 e
45, paletots do alpaca branca a 45500, ditos pretos
a 35 e 355OO, ditos de alpaca de cordao a 45. e
de listra de seda a 45500, ditos sobrecasacos a 55,
paletots de casemira a 55, 55500, 65, 85 e 95,
ditos sobrecasacos pretos a 125, lo e 165, ditos fi-
nos a 255, de cores a 135, ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25500 e 25, ditos de brim
pardo a 35, jaquetoes de brim pardo a 35, panno
preto fino a 25, 25600, 35500 53. 45500 5 e 65 o
covado, moreantiqoe preto a 25600 o covado. gros-
denaple preto a 15590, 15800, 25, 25200 e 25500
o covado ; e outras muitas mais fazendas que se
deixa de annunciar, e manda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
I e tabelecimento est aberto at as 9 horas da noite,
ruada Imperalriz n. 56, Mendes Guimaraes.
Vende-se urna ptima escrava moca de~boa
figura : a tratar na ra da Cadeia n. 40, loja de
relojoeiro._______
INSTRUMENTOS.
Vende-se por baixo preco, e anda em perfeito
estado, um instrumental completo, ou cada instru-
mento por si: a tratar na ra do Imperador n. 12.
Vende-se um cavallo castanho, bem andador
baixo, muito novo e sem achaques, bom de sella e
melhor ser para carro por ser grande : na ra
do caes do Collegio, loja de fazendas n. 11.
Fugio na noite de 19 para 20 do correle
mez, do sitio do Sr. Dr. Augusto F. d.> Oliveira, m
ponte de Uchoa, o seu CM-ravo de w Luiz. pn
si que branco, tendo no rosto marras do tanjH
bem visiveis, cabello anuelaiio, baixo, 1
be ni fallante e de cerca de 8 anno> !.- 1.;,.,:... .
vou camisa de baela encarnada e cha|.;o it MNa
noto, suppoe-se que vagneia neMa cidade lo Rcri-
fe ou pelas ras circumvismhan'ja- : ,uem o ip-
prehender e ievar ao sobredito sino, od ao escrip-
torio da praca do Carpo Santo o. 17, primeiro a
dar, ser generosamente recompensado.
Fugio no mez dojunbo urna preta escraa ja
velha, de naco Mina, de nome Delttna, cora es
signaes segainles : alia, magra, coro as m5. f>
veiras : quem a pegar leve a casa de seu sethor
na ra Imperial, juuto ao armazem do sal o. 73,
que ser bem pago.
Escravos fgidos.
Ao amanhecer do dia 16 do correte mez agi-
ram os escravos seguintes : Theodoro, mm de
nacao, alto, cheio do corpo, maior de 30 anno<,
barba bastante rente, falla costosa, e quanrto pro-
nuncia as palavra-, os labios que sao grossos, tre-
mem alguma consa, tem bo branco dos olhos prin-
cipios de carnosidade; Virisslmo, mulato, unt
pouco claro e alguma cousa plido, magro, alta-
ra regular, tem marcas de bexigas e -.piona* no
rosto, os dentes limados, as pernas com algumas
e largas cicatrizes, e anda como quem hm biciit
nospes : quem osapprehender queira leva los ao
seu sennor em a ra da Aurora n. 32, certo to
que ser bem recompensado.
Fugio no dia 16 de jolho do correte anno.
a mulata Suzana, a qual tem os signaes seguir
altura regular.corpo chelo, cor clara .irabwtoi,
cabellos corridos e bem aparados, cara 1 bat, m-
ta estreita, olhos pequeos, nariz chato, bocea
grande, beifos finos, falta de dentes, roaos croaan
e dedos cortos, idade pouco mais ou menos 40 an-
uos, natural do sertao, levou vestido de e'iifa
escura com palmas brancas e panno da costa, fal-
la sempre rindo-se : pede-se as autoridades poli-
ciaes, capitaes de campo cu qualquer qne della
souber leva-la ao seu senhor na praca da Indepen-
dencia loja de chapeos n. 14 e 16, que ser* gene-
rosamente gratificada, ao mesmo passo qne profta-
ta ser contra qualquer que o tenha acontada, pola
ha noticias que est dentro mesmo da cidade acon-
tada e se assim e,ta pessoa que a vi entregar
do contrario ser punida com lodo o rigor da le.
Ausentou-se no dia 2 do crreme ao mek> dia,
da casa da ra do Imperador n. 16. o preto r.dimun-
do, crioolo, cheio do corpo, altura r-pnlar. ron
comprido, olhos pequeos e pooca barba, usa sni-
sa e bigode, bastante ladino, reprsenla ler 25
annos, pouco mais ou menos, e jalga-se ter levado
calca preta e camisa branca ; este ecraro loi coa
prado ao Sr. coronel Gal vo, do Lirooeiro, p?ra on-
de se jatea tenha fgido, mas lia quem o leona
visto na Passagem da Magdalena, Remedios e Var-
zea; e como se desconfia que esteja acontada.
Vndese farinha do mandioca muito nova, sac- protesta-se proceder contra quem o tiver acoianla,
eos grandes a 45 : no armazem de farinha da pon-. e pede-se a quem delle der noticia ou o agarrar,
te nova dos Srs. Tasso Irmaos, para porcoes, na que dirija-se a sobredita casa, ou a ra do Crean*
ra da Madre de Dos ns. o e 9. n. 13, que ser recompensado.
Francisco Jos Germano
RITA NOVA N. I,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
de oculos, lunelos, binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.
Novena de Nossa Sennora do
taimo e de *aui Anua.
Vende-se na ra do Imperador n. 15, offleina
de encadernacao : o offirio, salve e versos, nove-
na, e salve da Nossa Senhora do Carmo, tres fo-
lhetos por 500 rs.,e a novena de Sant'Anna por
320 rs.__________._____________________
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gat da melhor qualidade a
l&fMlata: nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e /ua do Trapiche Novon. 8.
Farinha.
T
r*rr


/
Diarlo de frrnamhnro Sexta letra 4 de Agosto de 188A.
JURISPRUDENCIA
KSTADOS-UXIDOS1
P*>ce*o dos assasloos de l,tn-
coln e*ewarl.
C0NSRLII0 DE GUERRA KM WASHINGTON.
(Coniinuago)
A sessSe de 3 (le junho ofiVreceu pouco ole- :
resse.
A sala eslava atulhadu e fazia Din calor lior-
rivel.
E' provavei qne o nrocesso ciio acabe anda na
semana prxima (10).
A maior parte das tesleraunhas foram postas em
liberdade, incluiudo mi?s. Anna Sorra, sendo-
Ihe perroittido sentar-se ao p de sua mai e fallar
.o:n ella em llberdadc. Eslava toda vestida de pre-
lo e mostrava no rosto vestigios de urna profunda
.Tcgao. Madama Surratt pela sua parte parela
f'i idi oo corago. Nao tirava os olhos da fllha, mas
o sea olhar liso denunciava tristeza prxima do
iresvarlo.
A circunislaocio, que mais compromeite mada-
ma Surratl a sua visita e Snrraltsville no da do
assassiuato e a ordem que den a Lioyd, dono da
toja da bebidas para ler promplas para a noite as
arabioas que Boolh e Bar-old foram buscar antes
de eulrarem em Charles-Couoty.
Ela ponto sustentado pelo ministerio publica
e combatido pela defeca.
ma testemiraha deelarou que Lloyd eslava nes-
se da bebado, tiicumstancia importante, que pode
tirar iodo o valor sua declarago.
I'i.i novo depoimento explica um Tacto relativo
ao raso de Spangler. At agora nao se sabia como
foi que appareceram desaparafusadas as fechada*
ras di porla do camarote do presidente na noite do
assassinato. Este mysterio aciarou-se. Parece que
i porta tinha sido arrombada mais de um me*, ao-
lea por um caixeiro do hotel nacional por nao ap-
arecer a chave, e nunca mais puzeram os para-
fozos.
O advogado de Payne invoca a demencia como
bise da defeza de sen cliente. Lembra que o assas-
sino de Mr. Seward, no momento da catastrophe,
exclamoa : Estou doudo I estou doudo! dexera-
me
O Dr. Nichols do asylo dos alienados de Phila-
ieiphia, consultado sobre as consequeocias que se
pod ara deduzir deste facto, disse que a cxr.lama-
go de Payne mostrava tois iolenco de fingir Ion-
i ura, do que verdadeira falta de juizo. Tambem se
.ipresenlou como indicio de alienagfw o andar o ac-
casado havia muito tempo melanclico, e roanifrs-
:.borrecinemo da vida desde o principio do pro-
cesso, e querem mesmo que algum tempo antes do
ssassiuato ; o desgoste da propna existencia de
certo nao juslificava de ccrlo o altenlado contra a
dos outros.
Parece descobrir-se o mysterio da oriem de
Payne. Seo advogado requeren que nao se dssem
por lindas as te.-emunhas de defeza al a chegada
de Mr. George Powell, p:> de Payne, cliamado da
Ftorida, que deve depdr sobre o* antecedentes do
pr&oneiro e obre as predisposicdes da familia pa
ra a alienago mental.
O juiz Beogbm : Pode considtrar-se como urna
declaragilo auiiientica, que o nome do aecusado e
Powell ?
O advogado Dosier : E' o nome do pai, d'ah
pode concluir-se que ser tambem o do ilho.
Nao obstante lodos os esforgos faite* a favor des-
te homem, fraea a sua defeza.
Harold nao est em melhor poslgao, e os fios a
aja : se qaer agarrar sao mais tenues anda. A de-
tez i deste reo funda-se nnicamanle na sua fraque-
za de espiritoe imbeciiidade chronica. Diz-se, por
exc-mplo, que sendo alumno da Kittenhouso Acade-
my. era o menos adiantado de lo Jos; mas apesar
dlsa applicava-se aos estados especiaos e obteve
liceoca para seguir o curso de geometra.
No primeiro exame que fez eslava poneo prati
co, mas conservan grande saogue fro. Perguntan-
do-se-ihe o que era um circulo, elle respondeu com
a cabera alta : a urna machina redonda com o
centro no BMio. Isto bastaste para julgar este
iiomcm, e d-ve-se confessar que Booth sabia esco-
Iner a sua gente, procurando instrumentos passi-
ros e idiotas, eorao Payne e Harold.
Chovema: cartas e papis denunciadores. E'uma
particolaridade singular desia eonspiracao ; pare-
ce que os conspiradores lngara e.-criptos ao ven-
io para guiar a justiga as suas pesquizas. Primei-
ro foi a carta de iiootb a Mr. Johnson ; depois da
carta apauhada por madama Hudpelt na carrua-
getn ; depois um sacco de noite deixado na estala-
gem de New Haven com varias notas assignadas
por Booth ; depois urna carta cabida em um corre-
dor do hotel de Buffaio e que occasionou a priso
de um hospede do hotel, que dera o nome de W.
D. Beers. Finalmente, na doka de Morebead City
(Carolina do Norte) se encoutrou urna correspon-
dencia em cifra, cuja traduccao a sfguinte :
< Washington, lo de abril de 18Co.
Tenho o posto de te informar que Pet desera-
penhou perfeitamente a sua misso. Esta" em se-
garang." : velho Abo no inferno. Agora todas
as vista. voltam para ti. Toma a teu cuidado
Shermaa Grant est em poder de Od Grey Rede
Sltocs nao t ve energa bastante com Seward, mas
fez urna retirada airosa. E' preciso nao esqnecer |
Johnson, pertence a Od Croak. Lembra-te do ju-
ramento fraternal e andars no bom caroinho. lu-
do vai perfe lamente. S feliz, e gosa do fructe dos
leus trabalhos.
t Assignado-O. B. No Cinco.
Nenbum deste? papis tem servido para desco-
brir cousa alguma. Pareee serem forjados para en-
gaar ; se sao verdadekos, nunca houve conjura-
dos to escrevinhadores.
O Commercio de Cincinnati publicou um docn-
raento, que faz tomar urna nova phase conspira-
ci. E' urna copia dos depoimenlos de Mr. Sand- i
for Conover, correspondente da Tribuna de Mr.
James B. Merritt, medico, e de Mr. Bicardo Moot-
gomery, os quaes tveram relacoes com os conspl-,
radores no Canad', e eslavam iniciados desde o
principio no segredo dos seos projectos. Este do-;
comento fazia parte do processo preparatorio, que
o governo lem conservado secreto, e que deve ser-
vir de base accusaeo de Mrs. Jeflerson Davis.
Benjamn, Thompson, Cleary, Saunders, Tucker e
outros. Nao so sabe como o Commercio o obteve.'
Daremos aparte mais essencial destes depoi-'
memos.
Depoimento de Mr. Sandford Conover.
'asc em Nova-York, e residi no Canad desde
ontubro ultimo; fui recrulado para o exeretto fe-
deral e destacado era servco na repartico da guer-
ra em Richmond as ordens do secretario James A.
Seddora. Quando eslive no Canad, travel intimas
relagoes com Saunders, Thompson, com o Dr. Black-
burn, Tucker, Cleary, com o capito Castleraan, Mr.
Canceroo, Porlefeld, cora o capito Magruder e ou-
tros j tambem conheci Clemente Clay, o general
Carroll de Tenessee, Surralt e Booth; Tisitei todas
estas pessoas no Canad; vi l Surralt por diver-
sas vezes em abril ultimo, no quarlo de Tompson,
assim como em companhia de George Saunders e
de oulros rebeldes; Surratt linha 5 ps e 9 ou 10
pollegadas de altura, era branco e de cabello loiro ;
vl-o no dia 6 ou 7 de abril com Tompson, Saun-
ders e Boolh; n'esta poca foram entregues a
Thompson no seu qnarto e na minha presenca des-
pachos de Bichmond a Thompson por Benjamn, e
tambem urna caria ou despacho em cifra de Jeffer-
son Davis.
Tompson anteriormente leve urna c0nversa5.no
eoroigo a respeito de um plano para assassraar o
presidente Lincoln e o seu secretario, oque annun-
ciei antes do assassinato na Tribuna de Nova-
York, de que sou correspondente; Tompson convi-
dou-mc para tomar parle nesta emp-eza; quando
Surratt entregou estes despachos de Davis, Thomp-
son poz a mil < sobre os papis e disse, alludindo
ao assassinato e ao assentimento das autoridades
rebeldes : t Isto regula as cousas. Os despachos
citavam as pessoas que deviam ser assassinadas e
eram : Mrs. Lincoln, J 'hnson, o secretarlo da
guerra, o secretario d'estado.o juiz Chase e o gene-
ral Grant. M. Thompson disse entao na vespera
desta entrevista, que o assassinato deixarla o go-
verno dos Estados-l'nidos sem cabeca; que na
constituido nao havia d'sposicao pela qual podes-
se ser eleito um novo presidente. M. Welles tam-
bem estava designado, mas Thompson disse que
era intil mata-lo por ter pouca importancia.
Minha primeira entrevista com Thompson por
causa do assassinato verilicon-se no principio de
fevereiro ultimo, no quarto de Thompson no hotel
S. Lourenco em Montreal; fa!lnu-me entao de urna
invasao em Ogdenbarg (Nova-Yrk); o prnjecto
foi abandonado, mas nicamente porque o governo
dos Estados-Unidos teve conhecimento delle; disse.
me que o adiava, aecrescentando: La iremos,
quando estivurem descuidados; e, voltando-se pa-
ra mim, disse : Ha melbnr occasiao para se im-
mortallsar e salvar o seu paiz >, alludindo a confe-
deradlo.
llespondi que estava prempto para ludo que po-
desse salvar a minha patria, e perguntei o que ti-
nha a fazer; elle respondeu-me :
Alguns dos nossos camaralas vo pregar urna
boa pec.a a Abe e Andy ; elle empregava as ex-
pressoes tirados das suas tunccSes para
exprimir o assassinato, e dizia que matar um ty-
ranno nao era assassinar; que as autoridades re.
beldes Ihe tinham dado vanas incumbencias para
este fim, e que linha oncarregado ou ia enc.arregar
Booth de urna ; que todas as pessoas que tomavam
parte na ompreza deviam ter urna commisso, e
que, se ellas se escapassem para o Canad, nao po.
deriam ser reclamadas, por causa do tratado de
exlradigao. Soube que Thompson e os outros ti-
nham ordens em branco, urna foi cheia e dada por
M. Clay a Bennett Young, o qual pertenria ao ban-
do de Saint-Albao, que exercia a pilhagem.
Como este documento veio de Richmond, estava
simplesmente assignado : J. A. Seddon, secretario
da guerra. M. Thompson charaou-me para examr
I nar estas formulas de modo que eu podesse reco-
nheccr a lirma da Seidon perante o juiz Smith, se
fosse preciso a respeito da commisso de Bennett
Young. A assL'natura era verdadeira. Depoi<<
em urna conversacao, Thompson disse-me que
Boolh tambem litera urna commisso.
Na vespen ou no dia do assassioato fallei com
W. eary em S. LoureBCO Hall; fallamos dos fes-
tejos por causa da derrota de Lee e da tomada
de Bichmond. Cleary disse que dentro em dous
ou tres dias o riso havia de ser amarello; parece-
me que era na vespera do assassinato; elle sabia
que eu estava sciente do segredo; entre nos falla,
va-se do assassinato como cou delle se realisar, Saunders perguntou-me se conhe-
cia a fundo Boith ; mestrou desconfiar qne elle se
nao sahisse bem; chamou-lhe exaltado, receiando
por isso que a empreza lizesse fiasco.
Uommuniquel Tribuna a invasao projectada
de St. Alban, e o plano do assassioato do presi-
dente ; mas o jornal nao poblioon a carta ; era no
mezde margo, Surralt poz os despachos no quarto
de Thompson i ou 5 dh? antes do assassinato
toda a conversacao mostrava que Surralt era um
dos eoD'piradores para tirar a vida ao presidente.
Era sabido que havia muito dinheiro promplo para
quanto fosse preciso. Pelo que ouvi. cerlifiquei"
me que Surralt tinha partido poucos dias antes de
Richmond.
Quando eslava no Canad, era correspondente
da Tribuna, e nio recebia estipendio algum seno
deste jornal. Mesmo do nosso governo nunca re-
cebi nada, nem urna promessa. Ninguem suppu-
nha que eu fosse correspondente de um jornal
i\, 1.1 que proenrava noticias somente; julgavam-
me rebelde, e por isso conflavam-se de mim. A
invasao de Ogdenburgo foi annunciada na Tribu-
na ; nao communiquei isto directamente ao gover-
no, porque nao desejava c.nrresponder-me com
elle, e porque pensei que os seus empreados le-
riam a Tribuna. Pedi a M. Gay, redactor da Tri-
buna, que o paiticipasse ao governo, e julgo que
assim o fez.
Vi Surralt no Canad 3 ou 4 dias seguidos, no
mez de abril. Fallei com elle a respeito de lli-
mond. Saunders foi quem me apresentou. Pen-
savam que eu acompanharia os rebeldes na inva-
sao de Ogdemburgo. Nunca delles recebi salari"
por servico que Ibes lizesse. Ouvi fallar em feve-
reiro da captura do presidente. Quando Thomd-
son me fallou pela primeira vez no assassinato,
perguntei-lhe se o governo de Bichmond o appro-
varia ; respondeu-me que Ihe parecia que sm-
mas que dentro era poucos dias o havia de saber
com certeza. Isto foi no principio de fevereiro,
Thompson em abril, quando chegaram os despa-
chos, nao disse que era a primeira approvaco da
eonspiracao, que recebiam de Mchmond, mas nao
me consta que viesse outra, e d'aqui concloi eu
que era a primeira. Toompson filiando eoroigo
disse, que matar ura tyranno em tal caso nao era
ura assassinato, e perguntou-me se tinha lido nma I
carta intitulada : Khngono Murder, dirigida por'
Tito a Oliveiro Cromwell. Isto foi em fevereiro j
Mr. Hamlin tambem neste lempo era designado
como urna das victimas; em abril as mesmas pes-
soas foram novamente indicadas, mas j nao se
fallava em Mr. Hamlin, o vice-presidente Jjhnson
foi posto em lugar delle.
Quando vm de Richmond atravessei o bloqueo.
a ordens eram era branco, so tinham a assig-
natura; serviam de garanta aos portadores para
no caso de serem descoberlos, darem-se como sol-
dados rebelde?, e reclamaren) o tratamento de prl-'
sioneiros de guerra.
1
Thompson dizla que se as pessoas envolvidas
nesta empresa fossem descoberlas e executadas, o
governo confederado usaria de represalias. Matar
neste'aso nao era assassinar. Pens que B 01 ti-'
nha esta commisso especial. Vi Bool no Canad
na segn ia qoinzena de outubro com Saunders,
em casa de Thompson em S. Lourenco Hall, onde
levava vida de ocioso e gastador, e jogava o bi
litar.
Ouvi fallar um homem em queimar Now-York
e em outros projectos. Havia urna proposta na
mo de uro dos agentes dos rebeldes no Canad,
para destruir o dique de Crotn, que abastece
Now-York de agua; julgaram qne isto nao s ar-
ruinara as fabricas, mas faria desesperar o povo.
Thompson observou que estava tudo bem prepara-
do para destruir a cidade por urna conflagrarn
; geral, e qne, se se tivesse pensado nisto mais ce-
do, ter,-se-iam poupado muitas vidas. Isla foi dito
ha algunus semanas. Thompson, Sauuders, Cas-
lleman e o general Caroll estavam presentes. Ti-
' nham armas escondidas, o um grande numero de
I bomens tambem escondidos em Chicago, talvez
800, para soltar os presos rebeldes, que all esta-
vam.
Quasi na mesma poca propuzeram a deslruigo
do dique de Crotn. O Dr. Biackburu propunha
que se envenenassem os reservatorios e fez o cal-
culo da substancia toxica, que seria precisa para
impreguar a agua de modo que se tornasse mort-
fera. Conhecia a capacidade dos reservatorios, e
a quinlidade de agua, que tinham ordinariamente.
Queslionou-se se davia ser strychoioa, arsnico,
acido prussico ou outros venenos, que nao me lera-
bram. Thompson receava que nao fosse posslvel
juntar urna grande quanlidade de subsiaucias ve-
nenosas sem causar suspeitas; coratudo approvava
o plano e discutia-o; o mesmo fazia Cleary.
Mr. Palien, e um dispeoseiro medico do ejerci-
to, rebelde tambera ; fallaran) do Mississipi. John
Cameron, residente era Montreal, disse-me que ihe
tinham offerecido grandes interesses. Julgo que
Thompson era agente linanceiro para todos os ou-
tros agentes, que saccavam sobre elle as quantias
de que precisavam. Quando Thompson disse que
era di&cit haver lauto veneno sera serem desco-
berlos, Pallen e outros foram de opino que se
poda mandar vir da Europa. Pallen era medico.
Parece-me que tambera ouvi fallar de Harris,
que resida em Toronto, a respeito da importago
da peste. Em Montreal havia mais pessoas, que
Blackburn empregava ou quera empregar na exe-
cucao dos seus planos; mas nao me lembro do no
rae dellas.
Vi o Dr. em theologia, Steward Robinson, mora-
dor tambem em Toronto. Era editor de um papel,
publicado no Kenlucky. Vi o cora Tompson e
Blackburn, estava prsenle a algumas diseuss5es,
e approvava o plano. Diza que ludo que debaixo
do cu se Bzesse era justificado pelas circomstan-
cias; parecia ter mtuta intimidade com Blackburn
e Thompson. Tres ou quatro dias depois do assas-
sinato do presidente, vi Surralt no Canad com
PorlerQeld, rebelde do sul, actualmente declarado
subdito britanoico pelo parlamento do Canad. Lo-
go depois sonbe que Surratt era suspeito, e que o
proenravam e que por Isso se tinha ausentado.
O general Caroll eslava presente quando Surratl
trouxfi os despachos de Richmond e quando furam
lidos por Thompson, pens que havia mais um ou
dous. O general Caroll, de Tennessee, disse en-
tao que antes quereria que fosse morlo Johnson,
do que outro qualquer. Disse que se ninguem
matasse este patfe elle o malaria.
Booth era conhecido uo Canad pela alcunha de
Pe. Clery chamava-lhe assim, e parece-me que
Thompson tambem.
Kennedy, que deitou fogo a Now-York, e foi
ejecutado, era considerado como coinmissionado
do governo rebelde sob a dlreccao de Thompson.
Foi Thompson qne m'o disse, ou alguem dianle
delle, aecrescentando que Kennedy mereca ser
enforcado, e que eslimava que o tivesse sido, por-
que era estupido e linha desempenhado mal a
commisso de que fra oncarregado.
(Coi/ ! terem taa santas dontrioas, interpretando-a?, (or- 'eu palacio, cingido da purpura da realeza, e roste
cendo-as, discutindo-as e troncando-as para melhor expirar soldado indislincto misturado entre os
snstentarem seus erros contra a unidade da f ca- peoes, as planicies arenosas da fricaT
iholica. Qufzesie salvar o ttulo de rei para seres re sem
Nao isto que testemunhamos lodos os das, e aramio T
desgragadamente, pela Indiflerenga dos nossos no- Julgavas que a monlanha das Alpujarras seria
mens, de algum tempo mesmo entro nos? unico lnrll (li8no do descendente de El-Man-
iSo esto era diversas ras desta cidade, casas sur I...
designadas onde esses falsos propheias airrontando ,Que illus5es la dsu a fraia. Boab-
0 indiferentismo de nossas autoridades, tralam de '
fazer proslitos para essa maldita seila protestante, Apenas a Indicio commemora o teu ultimo
quasi banida dos paizes em que al agora domina- adeus a cidade das fon les de marmore, e apoota
va absolutamente ; porque os seus frtelos, isto .!ao viaJaDte curioso o Irajecto de leus passos na
os seus efJeilos de'iesolago jase lem feiio all bem i vereda> 0Dd0 vi,,,ias esriUar dobre sinos
sentir?
Elles apresentam, verdade, meios mais facis
christo?, que t ainda julgavas a voz de leus cor-
religionario?, chamando o povo oragao, e onde
para com maior suavidade chegar-se ao co, o que derramavas profusas lagrimas ao rasgarse o veo
j Ihes tem altrahido alguns ignorantes, como sa.
bemos I
Mas todos esses meios nao passam de funestos
principios que os despenharo no inferno ( que el-
les negam), desde que deixem de trilhar pela ni-
ca e verdadeira estrada ensinada por Jess
Christo.
Pode nao ser muito fcil essa discriminagao dos
falsos prophetas, porque em verdade elles se nos
apresentam de mil insinuantes maneiras: Jcomo
amigos ntimos, que nos conOam todas as suas du-
vidas em materia de rcbgio; mas com o synislro
fin de perverter nosso coracao derramando n'elle,
a pretexlo de amisade, suas incertezas.
Tambem muitas vezes se fingem ignorante?,
constrangendo-nos a explicagoes, que delicada e
arteiromenle combtelo, para inocularen*, a duvida
em nosso espirito e produzr o iudfferentisnio, to
fatal aos interesses da religio.
O catholicismo o nico possuidor da verdadei-
ra douirna propagada pelo apostlo de Jess Chris-
to, seu divino instituidor, e nao e competente para
o reformar ura sacrilego rade apstala, que s se
tornou nolavel pelos seus vicios a par de umgran-
; de talento, e que leve em seu favor potentados
i igualmente desn*oralisados, que se ajudaram mu-
tuamente, cada um para seus flns.
E poder urna arvore m dar bons fructo?,
assim como a boa arvore nao pode dar mus fruc
tos?
Cumpre que nao nos deixemos Iludir por vaas
: apparencia?, e qne pezemos bem a moralidade da
vida desses prophetas, perscrutando cuidadosa-
: mente sua vida para bem avaliarmos suas obras,
pols como diz Jess Christo t nao ha mais que
( urna estrada um caminho verdadeiro.
Todas as heresias, donando esta estrada, per-
dem-se e do comsigo no erro, e entao cahem de
desvario em^iesvario, de absurdo em absurdo, sem
encontraren) nexo algum que as ligue entre si,
porque o erro incompativel com a unidade, pre-
dicado unico da verdade.
Sajamos, zelosos observantes da nica religio
que nos pode conduzir a Deus, e della observantes
sinceros; pois nao o que diz com a bocea: Se-
nhorl Sei'orl-qu entrar 110 reino dos cus,
mas o que a guardar sinceramente.
DM POICO DE TUDO.
Sobre o evangelho de S. Matheus, cap. 7o v. 15
a 21.Acautelai-vos dos falsos prophetas qoe vem
para vos com vestidos de ovelhas, sendo por den-
, tro lobos vorazes,escrev? o Cruzeiro do Brasil o
j segrate :
Os perigos cercam-nos por todos os lados e de
todas as maneiras se acha sempre em grande risco
a salvago da nossa alma.
A nossa nalural propensao para o mal e rebel-
I dia para o bem, arrasiam-nos fcilmente a perdi-
|go.
Temos tambem em nosso desavor a fragilidade
I humana e contra ella a formidavel batera das nos-
sas paixoes, e, se nao nos reforgarmos por aquelles
meios que Nosso Senhor Jess Christo, na tua infi-
nita hondade nos quiz proporcionar para fortalecer-
nos contra essa desigual lula com o injmigo da
nossa alma, decididamente suecumbremos aos
seus constantes embates.
E ainda mais, como se tudo isso fosse pouco pa-
ra vencer-nos, o inferno nos envia tambera seus
falsos prophetas, simulados como mansos cordei-
ros, ostentando exteriormeule maneiras insinuan-
tes, persuadindo-nos o erro com estudados discur-
sos recamados de bellas e flueutes frases, para, co-
mo lobos vorazes que sao, perturbaren) nossas
consciencias, destruirem nossas convicgSe?, e faze-
rom assim proselytos para o demonio entre aquel-
les que loucamente se deixarem attrahr por sua
doulrina, toda favoravel s suas paixoes e aos go-
sos dos sentidos.
Jess Christo, porm nos previne no evangelho
de hoje contra to perniciosa insidia, para nao ser-
mu.- fcilmente sorprendidos, dizendo-nos:
Guardai-vos dos falsos prophetas que vem a vos,
vestidos com pelles de cordeiros, pois que dentro
sao lobos vorazes.
O testemunho da historia da religio a perma-
nente prova dessa renlnda e sanguinolenta lula,
travada desde o calvario com os apostlos de Jess
Christo al os nossos das; primeramente entre
a nova com as velhas doutrinas que regiam o mun-
do, e depois tambem entre alguns dos proprios li-
nios I
Filhos desvairados, que, cheios de orgulho como
profundes pensadores, lera continuado essa luta
sob diversas formas, segundo as pocas e paixSes
que os dominavam!
Nem nos deve isso sorprender, quando se acha
tudo predicto pelo divino fundador desta religio
santa que temos a dita de professar; pois que
quando os bomens sempre propenden) para o anta-
gonismo, ella nes prega a concordia e a paz pela
candado era Jess Christo.
Quando os homens se consideran* oolros seml-
deuses pelo g-raio, pela autondade, pelas riquezas
para domioarem absolutos sobre os demais, como
que se tsse genio, essa autoridade, essas riquezas
lhes nao fossem confiadas por Aquello que tudo
pode e a quera tudo pertence, para utilidade e
commum proveito, vem esta divina religio ensi-
nar-lhes a humildade e a brandura como nm de-
ver e como ora meio de ser grande no reino do
co I
Assim pois se lera elles conspirado para comba*
Conla-se do leeundo escriptor Alexandre Dumas
{a seguinte ancdota :
Era Alexandre Dumas copista no cartorio de
um tabellio, quando um dia foi apreseolado ao
\ celebre actor Taima, o qual Ihe offereceu dois bi-
Ihetespara que fosse ouvi-lo representar urna tra
' gedia do Corneille.
Alexandre Dumas, que tinha muitas folhas de
papel sellado para eocher, vio se obrigado a re-
i cosar o offerecimeato.
Taima perguniou-lhe entao em que poderia ser-
Ihe til.
O que podis fazer de mira, maestro, dar-
me o baptismo Iliterario.
Taima molhou os dedos, e sacudindo algumas
gotas de agua sobre a sua cabega, exclamou.
Alexandre Dumas, em nome das nove mu-
sas, eu te fago litterato I
E' do Sr. Cyrillo de Lemos esta poesa :
PERDAO I
Aojo, perda se em teu seio infante
Manchci a alvura do nascenle lyrio,
E se demente n'um fatal instante
Iniciei-te no icorlal delirio I
Crianga ainda te sorrias bella
Quando as flores perpassava a briza,
E ao doce raio de azulada estrella
Mil sonhos tinhas de urna vida liza.
Velando, os das de candor vestidos
Eram cadeias de prazer e galas,
Dormindo, os anjos, teus irraaos queridos,
Te feslejavam com sandosas fallas I
Como a serpete, corruptor veneno
Chepuei-te aos labios de innocencia chelos,
E, brando o gesto, Irahidor, sereno,
Vi se entufaren* teus mimosos seios.....
Flor vicejante descorasle; o da
Perdeu as pompas e lornou-se escuro;
Volveste os olhos para o co, morria
A tua estrella, o vrgioal futuro 1
Eolao choraste I D'esse acerbo pranto
As gottas todas eu sorvi aos tragos,
Mas o remorso I.. nem o orvalho santo
Pode dete-lo nos mortaes estragos I...
Eras alegre, e te sorpr'endo triste ;
Sorrias sempre, e muitas vezes choras;
A' quanto ama vas teu soffrer resiste;
Se dia ou noite indifferente ignoras I...
Aojo, perda se Iludido o lyrio
Do seio vy-gera te esfolhei ousado I
Perdo, se as garras de um cruel roartyrio
Lancei leu pello de prazer privado.
E' do Sr. F. M. de Souza Vilerbo, de Lisboa,
este
C0NT0S1NHO M0URISC0.
Granada havia cabido ainda ha pouco debaixo
do poder christo.
Os successores de Pelagio tinham completado a
vingaoga berdada, desde seculos, nos campos do
Guadalete.
Em nenhuma parle a bandeira do Islam vol-
teava ufana sobre as alcagovas e ameas das
cidade de Hespanha. Apenas se estendia ao
grado do vento no cume das Alpujarras, para
servir de morialha a uns poucos de rebeldes,
que outr'ora se inlitulavam os dominadores da
Iberia 1
Boabdil, abandonando o solar de seus gloriosos
aotepassados, tinha quebrado a derradeira espe-
ranza aos mouros, desejosos de recuperar o antlgo
podero.
Que bm te quadra ultimo re de Granada
o appellido de El-Chico, que a posteridade te ar-
remessou face, como um punhado de ama I
Porque te nao deixaste morrer sob os moros de
das las illuses
Profusas, mas esteris lagrimas I...
Lagrimas, que onde cahiram nao houv* urna
nympha ou fada dos palmares da Arabia, capaz
de reduzr a fonte perenne, como em continao
arroo, as perolas vvazes de ferainiaos olhos trans-
formaran) as ilhas do Mondego!
Sileociosa, pois, estava Granada.
O veo da noite, caindo qnasi de chofre por so-
bre aquella regiSo, onde o co to puro como
a esperanga de um crente, ha muito tempo
que havia feito calar o rumor fago de mil
tocas.
Os banquetes e orgias dos vencedores tinham
afrouxado, como tinham diminuido os sentidos
lamentos dos vencidos.
A Alhamhra nao apresentava o aspecto deslum-
brante de mil Hagis de fogo, sahindo pelas ge-
losias e baleos, n'u n sarau mounsco.
Os candelabros de oiro, bordados a capricho,
estavam apagados, e os vidros coloridos pelos me
Ihores placis rabes nao transpareciam.
Apenas urna frouxa luz velava toda aquella
sol i do.
O murmurio das aguas, caindo em lacas de
marmore.no pateo dos lees, pareca ter cessado,
para dar lugar a que se ouvisse o ultimo lamento
de Boabdil.
No meio d'aquelle silencio, no crculo lominoso
que projectava aquella luz, to smente dois co-
rages, dominados da mesma paixo, esquecidos
do mundo exterior, alteroavam de vez em quando,
com alguma expresso mais calorosa, o grito com-
passado das vigias, que passeavarn soturnamente
ao abrigo das fortalezas.
Era d'uma pequea sala do palacio *ia Alham-
hra, forrada de tapetes e quadros maravilhosos,
representando, entro outros assumptos, urna pe-
rigrinacao a Meca, que sahia aquella parcella
de luz.
Era n'aquelle recinto que dois vultos, animado?
do mesmo sentimento, transferiam para os labios
ac vibragoes da alma.
Penetremos n'aquella sala, atemos o nosso esp
rito, e confundindo-o com as ondas de luz, vejamos
as scenas que ali se passam.
i'ma estatua de jaspe de finissimos contornos
est derrubada e posia em bocados ; apenas resta
quasi inteiro o seu pedestal de marmore cor de
rosa.
Esta estatua, comtudo, substituida por urna
outra, que ajunta ao bem moldado das formas e
elegancia das feigoes, a vida do corpo, e o anhelar
continuo do corago.
Zahra o seu nome.
Gentil moura, ficou gustosamente captiva dos
christos.
A brisa, que faz curvar as lourejantes messes
dos ferteis campos da Andaluzia a tinha embalado
no seu bergo.
O poder do re mouro a arrancou dos bragos
de seus pas para a langar as carailhas domadas
dos vastos e perfumados harens da Alhambra.
Boabdil encontrava n'ella a imagen perfeita da
sensualidade.
E ella, coohecendo a? propensoes da mageslade,
a dominava com os seus caprichos infantis.
Se o re mouro na sua fuga vergonhosa a po-
desse levar comsigo, julgar se-bia mais feliz, e tro-
cara de boamente os cuidados de prncipe, pelas
affeces da volupia.
Encostado a nma mesa, onde pousa um vaso de
mimosas flores jaz outro vulto, que pelo rustico das
fallas, posto que articuladas com primor, se de-
nuncia um homem.
Com effeito um cavalleiro hespanhol, por nome
D. Benedicto Peres, que emprega as horas da noite
em tratos amorosos.
O sol de cem batalhas Ihe retemperou a cutis da
face, que na meninlce era extremamente branca
sobre rosada, e agora algum tanto baga.
Urna pequea cicatriz, por de cima da sobran-
ceiba, Ihe augmenta o aspecto gracioso e cava-
Iheiresco.
]- comtudo este hroe, cujos feitos ha a si mes-
mo gravado com a espada as costa? do? inflis,
sente-se agora fraco e como turbado.
A vozquando fallaa voz, costuraada a langar
aanimago na? fileiras de seus sc'-lados e o terror
as dos inimigos, palpita e treme, qual o corago
que a dicta.
Entre ambos, ha muito que j dura o dialogo,
chcio de vida, e quasi nunca interrompido, porque
se os labios calam, os olhosinterpretes do amor
explican) melhor com um s pestanejar as mais
intimas aspirages.
Zanra, dizia D. Benertict. porque finges dar-
me teu amor verdadeiro, para depois me precipi-
tares de mais alto no apysmo do infortunio ? uiz
que me amas, que eu serei igualmente} genero-
s) p*ra coratigo. Se nao precisares de men brgo,
raatarme-hei. Se precisares da minha ajuda, nao
serei suicida 1
Benedicto, volva Zahra, porque nao has de
crer em mira, como crs no teu Deus, e que ha
de ser o meu ? Oxal que o dia de amanha raie
mais cedo, para que as aguas do baptismo me ap-
proximein mais de ti I Julgars entao infiel o meu
amor ?... O amor de urna pobre moura, que re-
nega a crenga de seu? pais s para abracar a de
seu amaote ?
Eu, christo no corago, tambera me tornara
mouro s para raeliior te adorar. Mas a mudanga
de religio nao faz que o corago seja firme. Se
adoramos o mesmo Deas, que importa a maoeira
por qne o adoramos ?
Qoeres que le chame louco, Benedicto ?___
Pois nao foi por via de li, que eu rae deixel flear
prisioneira no pago dos antlgos res ? Pjis fazer-
me escrava para te dar o meu amor, illodir-le a
esperanga ? Nao tinha eu o segredo de mil portas,
que me levaran* a estradas remolas e lugares se-
guros, onde os restos quasi perdidos da nagao
mourisca me iriam levar a homeoagem e o sacrifi-
cio ? Logo que te vi, no hesite!; quiz ficar, e a
minha teugao prevaleceu. Aqu, onde Boabdil
me vinha mostrar as chaves de seus cofres e pe -
dlr-me requebros amorosos, a troco do meu me-
nor capricno ; aqui, oade varios corte-ios e uli-
cos me fizeram, secretamente, phantasticas deca-
rages d'amor, e com quem desbaratei algumas
caricias, nunca disse a ninguem com a vehemen-
cia que o digo a li -amte....
Zahra era ento expleodlda de amor e belleza.
Nem nma estatua era caprz de flear insencivel
aquella verdadeira expansao do amor.
D. Benedicto to abalado Uceo, lio:
que erguendo-se com arrogancia e varonil
lo, se dirigi a ella, e tomando-lhe a froatte tatr
as mos Ihe dea am fervoroso beijo aeoaapaatai
destas palavras :
Seja este beijo o pacto da nossa eUrwx ti-
Manca.
Seja esse beijo o sello tmpresso na fronte e
um cadver I
Assim disse ama voz, sabida repenlioaatsate da
sombra.
E o vulto qu<> se atrevja a profori-la actreaad
se quasi sem ser percebidodos doos amantes, era-
vou um punhal no seio nevado de Zahra, qe lapo
expirando, pode smente proferir :
Maldito I
Aquelle rnysterioso appirecmento d*am I
desronhecido tinha feito a maior impressao em D.
Benedicto Peres.
Parecia-lhe um sonno o qoe acaba va e ob-
servar.
Pouco tempo porm Ihe daroa a alloeiaaro :
abaixou-se sobre o corpo de Zahra, e ao seali lo-
cada ve-, e perdida a esperaoga de orestitaw
vida, atirou se ao assassino, q>ie via aereo e fro
correr o sanjrue da larga fenda, qoe liaba aberto.
Era una luta terrvel, a bita qne so ia ira**ar.
N'um dominava o furor, n'onlro a vtngaaea; aYaaa
a a-lucinago, n'outro a impassibildao'e.
Ambos eram temiveis, ambos dolados de ia
sa forga, ambos desejosos de perder a
tando-se.
D. Benedicto Peres linba nma eircoiaut a
ramio forte contra si.
Como nao houvesse jolgado qne atesta avena-
ra nocturna, Ihe apparecia um rival, liaba-so es-
quecido de calentar no seio o punhal de cabo de
marflm, ou de atar a adaga a cintura.
rallavam-lhc, pois, armas cora qoe dcfcadVr te
das pnnhaladds certeiras do desconliecido, e a lola
por esta causa oo fui muito looga. DebaMo a>.
Benedicto tentn esmigalh.ir aquelle brac* m tr-
ro ; por vezes abragoa com os rijos dedos a lami-
na do punhal, e de todas ellas nao fez asan do
que atibar novas feridas. Por fim ambos robra*
no chao, i> s corpo.
Depois um ergueu-se com o? cabellos em dcaav
linbo, cora ura punhal ensangaenud, con o rasa
amarello, ao passo qoe o outro, coa as f-9 ata-
da mais pallida?, com os labios esbraaqaieados, e
que o ultimo sorrso da morte entreabra, jasa
morto.
Era D. Benedicto Peres.
Um raio de luz batea de chapa sa face do as-
sassino ; quem ser I
Porque veio a taes oeshora?, no centro do aovo
alcagar dos res de Hespanha, de toda a parto vi-
giado pelas guarda?, ara desconherido perpetrar
dous assassinato? as pessoas de orna fraea aaa-
Iher e d'um cavalheire inerme ?
Apezar do seu traje a moda da Hespaaba ebris-
taa, logo reeeohecereis no sea seraMaate a liywe
noniia d'um mooro ?
Quem pois ?
!".' El-Haitam um dos mais poderosos validas e
corlez.aos da extincta curte de Boabdil, qoe aafes
quiz Bear obscuro eolre os H>?paab rbews de
orgulho, do que segnir sea amo aos trabatbos a
peregrioago sem (rucio.
A Iroco de lindos nadas qoe elle tambem sabia
dizer, Zahra Ihe tlnba dado os variados aaaet m
seu corpo, e luz da alampada, qoe aiomia a raes-
quita mais grandiosa de Granada Ihe hoavera jav
rado quasi sem tengao, e arrastada pela Ibrease-
ductora das palavras do validonm amor etaraa
Era, liado nesta promessa, qoe El-Hailam, sabea-
que Zahra havia lirado captiva dos christo, vi-
nha por ama escada secreta qoe levava aos soaa
aposentos, c de que elle possaia a chave, arrebta-
la das mos de seos vis senhores e leva la 1
para onde podessem gozar a felicidade, aaa
nanos seu? sonhos oriental islas.
Mau fado induzm 11 aqun* daEJ-Harias-i a 1
binar tal empreza.
Ao chegar ao fim da vereda dmroiheciea para
os novos habitadores do palacio, aaaade j ia a
entrar nos aposentos da soa amada, eawta aaa sa-
surro de vozes que o fez deter por ieitiali
Urna ronheceu-a immediaumeate, ara a de Za-
hra, a outra nao a destiogoia.
A curiosidade fe-lo calar Hialina ate eoeaafiaa
fechad ura da porta royMeriosi, e eolao oaviafa-
d 1 o dialogo amoroso, parte do qoal aawaaaaa.
Quanlos esforcos nao fez para abanar a 1
gao apitadissima I
Quanto trabalho nao leve para eoaier a
ga que borbulbava a flor de seo pea,
mente vir, no transe mais ancioso,
da descrenga, descarregar o golpe,
d'uma pura donzella, no seio doma
moga ?
Meia noite acabava de soar.e a viogaaea do ;
be parecia nao ter alada terminado.
A ultima pancada da meia noite, deixoa t <
templar os Uois amantes que jaziatn sx
seus ps, e lomando entre os bragos v
D. Benedicto Peres, o conduzu ao cura da mam
alta torre da Ainarabra, e de la o despeabas aa
ahy.-mo das sombras.
Ao ouvir o estrondo do cadver, ejote a-
os fossos, anda humedieidos do singan da 1
victimas, o mouro deseen novaoeaie para as at-
semos de Zahra.
All, tomaudo urna laga cheia de agua, palie a
banhar a fenda a o sangue que eapasuva aa ram-
pas brancas e o seio da soa traidora bu, a
quem ainda em morte tributara amor.
Ao mesmo lempo que islo fazia, qaebrava a si-
lencio ioterrorapido, que al all liaba gandale, a
entre as moilas palavras irapereeptiveis ase aae
sahiam dos labios dialioguiu-se este brada d*aa-
gu- na :
Zahra, porque me foste traidora ?...
mora nao me atraigoara* ; guardaren o loa 1
como os nossos a vos guardas a corpa da 1
propbela de cuja doutrma, o loaaa la 1
negar I... Cada dia le baabare te
banhare de perfumes t Abrir la bai aa i
depois imaginar, que la estas lorrtade |
Se me nao delxarem viver entre oa I
le-bei para o deserto. Alli, cont tm toda a 1
seras o meu dolo !
J nenhom sangue enodava
Ento El-llaitam, lomando-a cu
bragos, a levou pela escada mysteriaaa, par 1
tinha entrado.
u caminho que elles 1
como o ultimo claro dofacboqae I
sent de Zahra.
a Iradigao nao sabe
El-Haitam
O qoe corlo, que
todas as noites, assim que os
cidade eolio em silencio a 1
noite, se onvem algoi
d'um rumor incerto, na porta 1
entrada para os aposentos da
A tradicaoafflrma que a
alli vem evocar o amor de D.
Pelo qoe seja oecasionado anadie :
se ; o que admira qne ainda
o atrevimenio suficiente para fazer 1
gonzos aquella porta ebeia da i
pate da Zatara.
araaavaaraaaa
t
PBRNAMBUCO.- TYP. DE M. M* F.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESTMVXRUX_B6WEIP INGEST_TIME 2013-08-27T23:30:36Z PACKAGE AA00011611_10734
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES