Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10728


This item is only available as the following downloads:


Full Text
". 'f'f.'mim ii.,i,iL *m
^?^r^w
WWiw
,M I ,l.
*. V'P.j*^

ARMO XLI. jjPjEaO 171
Por qnartel pago dentro de 10 das do l. mez ...::., 5|000
dem depos dos 1.'10 das do comecoe dentro do quartel. 6J000
Porte ao correio por tres mezes.......,.,,:. 750
m
SEXTA FEIRA 28 DE JULHO DE 1865.
Por auno pago dentro delOdias do 1. mez
Porte ao correio por um aneo.......
191001
S$000
ENCARllEGADOS A SCBSCRII'CO DO NORTE
Parahvba, o *r. Antonio Alex?odrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lentos lraga; Cear, o5r. J.Jos de
\ Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigas* ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
F.lltos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
EXCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Uias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estac3es da via Terrea at
Agoa Prela, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas eiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacaratii, as tercas
fe i ras.
Pod'Alho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueito e Ex, as qoartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso,Taraandar, Una, Bar-
reros, AguaPreta e Pimentelras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relagao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da Urde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
8 Lna cheii as 6 h., 7 m. e 22 s. da t
15 Quarto rnktg. as 2 h., 6 m. e 46 s. da t.
22 La nova as 4 h.,9 m. e 40 s. da t.
30 Quarto cresc. as 4 h., 49 m. e 16 s. da t.
DAS DA SEMANA.
S. Christina v.; S. Antimogenes m.
Tbiago ap.; S Christovo m.
s. Symphronio e Olympio mm.
. Pantaleao medico; S Sergio m.
iDnocencio p.; S. Nazario ni.
S. Martha v.; S. Beatriz m.
S. Anna me da me de Dos.
24. Segunda.
25. Terca. S.
26. Quarla. S
27. Quinta. S
28. Sexta. S.
29. Sabbado.
30. Domingo.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 horas e 30 m. da manhaa.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o su I at Alagoas a 14 e 30; para o noru
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Pen
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, i
julho, setembro e novembro.
ASSIGXA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Maooel Figoeiroa a
Faria & Filho.
PAUTE 8FKIAL
MINISTERIO DA JUSTINA
DCCBKTO N. 3,453 DE 26 DE ABIUL HB 1865.
5I,in la observar o regulamento para execuco da
lei n. 1,237 de 24 de setembro de 1864, que re-
formou a leglslaco hypothecaria.
Itegulamento hvpolheeario.
( Conclusao.)
CAPITULO VI
Di Inscripco da hypotheca geral da raolher casa-
' da, menores e interdictos.
secqao i
Uainscripco da hypotheca geral da mulher ca-
sada.
Art. 181 A inscripco da hypotheca legal da
mulher casada deve ser requerida pelo marido.
Art. 189. Se oito dias depois de constituida a hy-
potheca da mulher casada o mando a nao inscre-
ver, podein reqaerer sua inscripco o pai ou o
doador, oa qualtjuer prente da mulher.
Art. 190. O tabellio em cuias notas se fizer es-
criptura de dot^ ou doaco a favor da mulher c-
sala com a clausula denao coinmunho, e ou-
trosim o escrivo da provedoria que registrar tes-
tamento contendo legado ou heranca a favor de al-
guma mulher casada com a clausula denao com-
munho,devem notificar ao marido para inscrip-
c5j ua respectiva hypotheca legal da mulher.
A' margem da nota ou do registro, o tabellio ou
o escrivo certificaro a dita notificaco.
Art. 191. O testamenteiro lambem obrigado a
requerer a inscripco da hypotheca legal da mu-
ltar casada, proveniente de legado ou heranca ins-
tit-tida no testamento de que elle .; executor, se,
dentro de tres mezes contados do registro do tes-
tamento, nao estirar a mesma hypotheca inscripta
pe o marido, pelo pai ou por lgum prente da
mulher.
Art. 192. Incumbe ao juiz da provedoria orde-
nar a notificaco de que trata o art. 190, se ella
ni.i esliver feita, e punir o escrivo pela falta
dla.
Art. 193. O juiz de direito em correieao ver se
foram feitas as notificacoes do art. 190 e punir os
tabellie- e esenves omissos.
Art. 19i. Outrosim, o juiz de direito em correi-
eao, vendo as notncace do art. 190, e informan-
do se de que nao est ainda inscripta a respectiva
hyDotheca legal da mulher, constraogira o marido
a fizer a dita inscripco.
Art. 195. O testamenteiro que nao fizer a ins-
cripco da hypothi'ca legal da mulher, no caso do
an. 191, perder' a favor delia a vintena que Ihe
competera.
Art. 196. Nao sero julgadas cumpridas as con-
tas do testamento, nao constando dos autos cert-
do da inscripco da respectiva hypotheca legal
da mulher.
Art. 197. Os juir.es, tarHIiaes e escrivaes que fo-
rero omissos licam sujeilos responsabilidade cri-
mi tal ou civil que da omisso resultar. (Art. 9
21 da lei i
Art. 198. Ornando,alm da responsabilidade ci-
vil fica pela omisso da inscripco sujeito as pe-
nas do estellionato, verificada a fraude, a qual se
prsame, se no caso de alienaco de algum dos
seus immoveis elle nao declarar" a responsabilida-
de que tem pelo dote ou doaco ex'lusiva da com-
munho.
SECIJAO II. j
Da inscripnio da hypotheca geral dos menores e
interdictos.
Ar'. 199. A hypotheca legal dos menores e in-
terdictos deve ser requerida :
'-; 1 Pelo tutor ou curador, oito dias depois de
assignadoo lermo de tntella ou curatella, e ainda'
mesmo antes do exereicio dellas. (Art. 9o 12 da
lei. ) i
$ 2. Pelo pai ou mi oo dias depois de consti-
tai Jo a hypotneca. (Art. 136.)
Art. 200. Se, findoo dito prazo, o tutor, cura-
dor, pai ou mi nao inscreverem a hypotheca le- j
gal Uo menor ou interdicto, pode ser ella inscripta !
por qualquer prente do mesino menor ou inler-
dicto. i
Art 20!. O escrivo de orpho, quando for as-!
signado algum termo de luiella ou curatella, ou
quando o pai de algum orpho prestar o juramen-
to de cakca do casal not ficara' ao tutor, curador:
ou ao pai para inscripco da hypotheca legal do
menor on interdicto. <
A' margem do termo de tutella, curatella ou ju- '
ranento de cabeca do casal o mesmo escrivo cer-
tificara' a dita notificaco. i
An. 202. O taheliio em cujas no-as so fizer es-'
criptura de doaco a f-vor de algum menor, ou
interdicto, e outrosim o escrivo da provedoria,
que registrar teslamento contendo legado, ou Ite-
rara a favor de a!gum menor ou interdicto deve-;
rao remetier ao escrivo de orphaos um certifica-
do contendo: ,
<; 1. O nome e domicilio do doador ou testador.
i' 2." O nome, filiaco e domicilio do menor ou
interdicto.
\ 3." O objecto da doaco ou legado.
i; i. A dala da escriptura de doaco e da aber-
tura do testamento regittrado.
O tabellio e o escrivo margem da nota ou
registro certificara' a remessa do certificado.
Art. 203. O escrivo de orphaos recebendo os
certificados do artigo antecedente proceder' as-
sini :
1. Se o menor fr orpho de pai e ainJa nao
tirar tutor, o escrivo aprcsenlara' c certificado ao
juiz. de orphaos para que haja a uomeaco do
tutor.
Momeado 3 tutor proceder' o escrivo conforme
o art. 201.
; 2. Se o menor ja tiver tutor, o escrivo ajun-
ara' aos autos o certificado para que o juiz provi-
dencie sobre a arrecadaco da doa;o, legado ou
heranca.
i 3." Se o menor tiver pai e honver inventario,
o escrivo proceder' como no caso do artigo an-
tecedente.
4." Se o menor tiver pai, mas nao honver in-
ventario, o escrivo, autoando o cerliflcado, o apre-
sentara' ao juiz para ordenar o que for de direito,
e I ira" ao pai a notiticacao do art -201.
Art 204. O testamenteiro tambem obrigado a
requerer a inscripco da hypotheca legal do menor
ou interdicto proveniente de legado, ou heranca
instituida no testamento, de que elle executor,
se denlro de tres mezes contados do registro do
testamento nao estiver a mesma hypotheca inscrip-
ta pelo tutor, curador, pai ou prente do menor ou
interdicto.
Arl. 205. Incumbe ao juiz da provedoria orde-
nar a remessa do certificado de que trata o arf
202 e punir o escrivo pela falta della.
Art. 206. Incumbe ao juiz de orphaos cumprir e
faver cumprir as disposicoes do arl. 203 o cons-
tmoger o pai, tutor, e curador a fazer a inscrip-
co da hypotheca legal dos menores ou interdictos
n;'io julgando as panudas, e nem a fonja da tu-
tella e curatella sem que dos autos conste a certi-
do da mesma Inscripco.
Art. 207. O juiz de direito em correieao ver se
foram cumpridas as disposi^es dos artigos antece-
dentes e punir os juizes, tabellies e escrivaes
omissos constrangendo o pai, tutor ou curador,
a fazerem a inscripco da hypotheca legal do me-
nor ou interdicto.
Art. 208. Incumbe ao curador geral dos orphaos
promover a execuco das disposicoes dos artigos
antecedentes, e a enVetiva inscripco da hypotheca
legal dos menores c interdictos.
Art. 209. O te tamenteiro que nao fizer a ins-
cripco da hypotheca legal dos menores e interdic-
tos, no caso do art. 204, perder a favor dos mes-
mos menores ou interdictos a vintena que Ihe com
peteria. (Art. 9. 22 da lei.)
Art. 210. Nao sero julgadas cumpridas as con-
tas do testamento nao constando dos autos cerlido
da hypotheca legal dos menores ou interdictos.
Art. 211. Osjui7es, curadores geraes, tabellies
on escrivaes que forem omissos, ficam sojeitos
responsabilidade criminal on civel que da omis-
so resultar. (Art. 9. 21 da lei.)
Art. 212. O pai, tutor ou curador, alm da res-
ponsabilidade civil, ficam sujeilos pela omlssao
da inscripco s penas do estellionato, verificada a
fraude, a qual se presume no caso da alieoaco
de alguns dos seus immoveis, se elles nao declara-
ren! a responsabilidade que tm pela adrninlstra-
Co, tutella ou curatella.
Seccao III.
Da forma da inscripco das hypothecas geraes.
Arl. 213. A inscripco destas hypotnccas deve
conler os seguintes requisitos:
1. O nome do responsavel.
I 2." Seu domicilio.
| 3." Sua profisso.
4. O nome da mulher casada, do menor ou
interdicto.
o. Seu domicilio.
S 6. Sua riliacao.
i 7. A razo da responsabilidade.
S 8. A data da responsabilidade.
fe 9.0 Averbacoes.
Arl. 214. Esla hypotheca deve ser requerida :
l., com o titulo que a conslitue ou documentos
aulhenticos que possam prova-la quando a hypo-
theca depender de a'gum fado (art. 136); 2., com
os extractos exigidos pelo art. 53.
Arl. 215. A insc ipgao ser feita na forma de-
terminada nos arts. 45 e seguintes, que regulara a
ordem do servigo e o processo da inscripco com
a seguinte diferenca:
Quando a hypotheca nao tiver titulo, mas fr
provada por documentos authenticos as olas de
que tratam o arts. 52, 57, 58 e 59, sero feitis
em um dos extractos, e os sobredilos documeolos
Qearao archivados com o ontro extracto.
Art. 216. A inserlpco destas hypothecas geraes
nao carecem de renovaco, mas subsistem por to-
do o tempo do casamento, minoridade e inlerdic-
Cao : ainda mais, at um anno depois da cessacao
da tutella, curatella ou separacao dos conjuges; e
finalmente, alm desse anno se houver questoes
pendentes e em quanto nao forem decididas.
Art. 217. No cao de seren -las hypothecas
especialisadas a inscripco dellas, como'hypothe-
cas geraes, nao ser cancellada seno depois de ef-
fectuada a inscripco no livro das hypothecas es-
peciaes ou especialisadas.
CAPITULO VII.
Da inscripco das hypothecas especiaes ou especia-
lisadas
Art. 218. A inscripco destas hypothecas deve
conter o<_seguintes requisitos:
1." Numero de ordera.
2. Data.
3." Nome, domicilio e profisso do credor.
| 4. Nome, domicilio e profisso do devedor.
5." O titulo, sua data, e o nome do tabellio
que o fez.
6 Valor do crdito, ou sua estimacao ajusta-
da pelas partes.
S 7. poca do vencimento.
8. Juros estipulados.
9. Frpgnezia em que situado o immovel.
10. Denominaco do immovel se fr rural; a
ra e numero delle se fr urbano.
II. Os caracterisiicos do immovel.
12. Averbacoes.
O credor, am do domicilio proprid, poder
designar outro onde seja notificado. (Art. 9. 24
da lei.)
Arl. 219. Eta inscripco ser requerida e feita
pela forma determinada no art. 45 e seguintes que
regulam a ordem do servico e o processo do re-
gistro.
Arl. 220. O titulo porm, com o qual deve ser
requerida a inscripco da hypotheca especialisada,
deve ser a sentenca da especialisaco.
Art. 221. Para o dito titulo sera transportado o
numero de ordem da prenotaco. (Art. 152.)
Arl. 222. Incripta no liv'ro n. 2 a hypotheca
especialisada, ser cancellada a inscripco da hy-
poiheca geral respectiva, no livro n. 3, referindo-
se na columna das averbacoes deste livro o nume-
ro de ordem e paginas do protocollo e livro n. 2,
relativos hypotheca especial, e no livro n. 2, se
far tambem reciproca referencia aos nmeros de
ordem e paginas do protocollo o livro n. 3, relati-
vos hypotheca geral cancellada.
Arl. 223. A hypotheca legal do co-herdeiro con-
sidera-se especializada pela partilha, e ser ins-
cripta pelo valor da mesma parlilha sobre o im-
movel Della adjudicado ao pagamento do co-her-
deiro.
O titulo para esta Inscripco ser o formal da
parlilha, e para esse titulo ser transportado o nu-
mero de ordem da prenotaco. (Art. 152.)
Art. 224. Tambem se considera especialisada pe-
la importancia da sentenca a hypotheca judicial, a
qual recahir nos immoveis do devedr condemna-
do, existentes na posse delle ou alienados em frau-
de da sentenca, designados pelo exequente nos ex-
tractos do art. 53.
A sentenca ser o titulo qu servir para Ins-
cripco, e para esse titulo se transportar o nume-
ro de ordem da prenotaco. (Art. 152)
Art. 225 Se sobre o immovel hypothecado hou-
ver ja outra hypotheca inscripta, o oIRcial do re-
gistro dever na columna das averbacoes referir o
numero do ordem da inscripco anterior e no ti-
tulo certificar que a hypotheca inscripta 2* ou 3'
referindo tambem o numero de ordem da hypothe-
. ca anterior.
Art. 226. Quando por um mesmo titulo forem
hypothecados diversos immoveis situados na mes-
ma comarca, a inscripco ser urna so, sendo po-
rm no indicador real tantas asindicacoes quantos
sao os immoveis hypothecados.
As ditas indicaedes tero referencia reciproca.
Art. 227. Se os immoveis hypothecados pelo
mesmo titolo forera simados em diversas comar-
cas, ser a hypotheca inscripta em todas as co-
marcas.
Art. 228. Se tjrn e o mesmo immovej for situado
em comarcas limitrophes a inscripco tera lugar
em todas ellas.
Art. 229. Se o titulo for de transmissao do im-
movel com o pacto adjecto de hypotheca para fir-
meza da transmissao havera' alm da transcripeo
no livro n. 4, Inscripco no livro n. 2, com refe-
rencia reciproca.
Art. 230. Feita a inscripco da hypotheca, ella
subsiste ainda mesmo que por superveniente divi-
so judiciaria a freguezia, em que o immovel ins-
cripto est situado, passe a fazer parte de outra co-
marca.
Art. 231. Nao sero incorporadas as escritu-
ras de hypotheca como at agora as certides ne-
gativas de outras hypothecas.
Art. 232. Podem ser incorporadas as escritu-
ras de hypotheca as certid'S negativas de qual-
quer alienaco do Immovel hypothecado, feita pelo
devedor.
Art. 233. A inscripco das hypothecas especia-
lisadas deve ser requerida pelas pessoas que sao
competentes para requerer a especialisaco. (Art.
158 e seguintes.)
Art 234. Podem requerer a inscripco da hypo-
: theca especial ou convencional :
I. O credor.
g 2. O devedor.
3. As pessoas que os representam, ou compa-
1 recam por parte deiles ainda que sem procu-
1 raco.
4. Todas as pessoas que tiverem interesse ua
inscripco.
Art. 235. E' nulla radicalmente a inscripta)
que nao contiver os requisitos do art. 218, excep-
tuados os 1, 2 c 11, assim como a declarado
daprofisso do credor e devedor exigida nos
3" e 4.
Art 236. As sobredilas nullidades nao podem
ser relevadas, anda que os extractos sejam suffl-
cientes.
Arl. 237. Feita a inscripco se ella contiver
quaesquer nullidades oofflcial nao pode repara-jas,
mas os terceiros dquirem o direito de invoca-las a
seu favor.
Art. 238. As inscripces constantes do livro n.
2, salvo o caso de remisso (art. 10 da lei) valcm
por 30 annos, e Ando esse prazo devem ser reno-
vadas pela mesma forma estabelecida neste capi-
tulo, conservando, porm, a hypotheca o mesmo
numero de ordem da primeira inscripco se entre
ella e a segunda inscripco nao houver inter:
rupeo.
CAPITULO VIH.
Dos efteilos da hypotheca.
Art. 239. A hypolheca in'divisivel, grava o im-
movel ou immoveis respectivos integralmente e em
cada urna das suas partes, qualquer que seja a
pessoa em cujo poder se acbarem. (Arl. 10 da
1 lei).
Art. 240. Em consequencia da disposicao do ar-
tigo antecedente :
1." Ainda que tenham sido hypothecados
urna obrigaco diversos immoveis e o valor de om
s se torne sufiJcienle parasoloco da mesma obri-
gaco, a hypotheca nao pode ser reduzida a esse
immovel, salvo querendo o credor.
2. O herdeiro que possuir o mmov^l hypo-
thecado, ainda que pague a parte da divida, que
Ihe cabe, esta' sujeiio como o terceiro delenlor
excusso do immovel at a effecliva soluco da
mesma divida.
3. Aqutlle que adqulre o immovel e nos 30
dias depois da transmissao nao trata da remisso
da hypotheca conforme o an. 293 lica sujeito a'
excusso do immovel pela forma estabelecida nos
arls. 309 e seguintes:
4." Os bens especialmente hypothecados s
podem ser execntados pelos c edores das hypolhe-
, cas geraes anteriores depois de executados os ou-
' trosbens do devedor commum.
5." Outrosim e salvos os casos de fallencia e
insolvabilidade do devedor (art. 806 do cdigo do
commercio e 309 do regulamento n. 737 de 18SO),
os immoveis hypothecados nunca podero ser exe-
culados por outro credor que nao seja hvpotheea-
rio, pena de nullidade.
6. Nos sobredilos casos de fallencia e insol-
; vabilidade :
1. O credor hypothecario considerar-se ha ha-
[ biiitado para o concurso simplesmente com o seu
litlo inscripto, independentemente da aeco, ou
sentenca contra o devedor.
2." A divida hypothecaria se reputara' ven-
cida.
3. Os juros correro at onde chegar o producto
do immovel hyjiolhecado.
4." E' applicavel ao credor hypolhecarie a dispo-
sicao do art. 881 do cdigo do commercio.
5o A hypolheca constante de escriptura publi-
ca, celebrada e inscripta conforme os arts. 132,
133 e 134, nao pode ser ohjecto de conteslaco,
mas tera' todos os seus elTeitos em quanto nao for
aonullada ou rescindida por aeco ordinaria.
Arl. 211. Havendo mais de urna hypotheca so-
bre o mesmo immovel realisando-se o pagamento
de qualquer das dividas hypothecarias o immovel
permanece hypothecado :\s reslantes integralmente
em cada urna das suas- parles. (Arl. 4o 7o da
le)
An. 242. O immovel commum a diversos pro-
prietarios nao pode ser hypoiltecado na sua tolali-
dade sem consentimenlo de todes, mas cada um
pode hypoihecar individualmente a parte que nelle
tiver se for divisivel, e s a respailo dessa parte
vigorara' a indivisibilidade da hypotheca. (Arl. 4o
8- da lei).
Art. 213. Alm dos elTeitos referidos nos artigos
antecedentes a hypotheca tem sobre o immovel hy-
pothecado preferencia a quaesquer crditos com
excepeo somante do crdito proveniente das des-
pezas e cusas judiciaes, feilas para excusso do
mesmo immovel.
Art. 24i. Assim que, deduzidas as sobredilas
desperas e cusas judiciaes, o preco do immovel
ser precipuamente destinado ao pagamento da hy-
polheca, e s depois do pagamento della pode o
mesmo preco ser applicado aos outros crditos
conforme a ordem que Ihes compete. (Arl. 5."
da lei.)
CAPITULO IX.
Da sesso, ou subrogaca-t da hypotheca.
Art. 245. A cesso da hypotheca|inscripta s po-
de ter lugar :
1 Por escriptura publica.
2.- Por termo judicial. (Art. 13 da le)
Art. 246. A hypotheca quando contrahida para
garanta de urna letra de cambio ou ttulos seme-
ntantes, nao se transmute pelo simples endosso da
mesma letra e ttulos semelhantes, mas carece de
expressa cesso da hypotheca pelos meios estabe-
lecidos no dilo artigo.
Arl. 247. Outrosim, para que a subrogacao pos-
sa ser averbada nos livros do registro, preciso
que o pagamento do qual ella resulta seja provado
pelos meios eslabelecidos no arl. 245.
Art. 248. O cesslooano do crdito hypothecario
ou a pessoa validamente subrogada na dito crdi-
to, depois de averbada a. oesso ou subrogacao,
exercero sobre o immovel os mesmos dlreitos que
compelen! ao cedentc ou subrogante.
capitulo x.
Da exlinccao da hypolheca.
Art. 249. A hypotheca se extingue :
l. Pela exiincco da obrigaco principal.
2." Pela destrnico da cousa hypothecada, sal-
va a disposicao do art. 2." 3. da lei.
3." Pela renuncia do credor.
i 4. Pela remisso do immovel hypothecado.
g 5. Pela sentenca passada em jalgado que
anoolle, ou rescinda a hypotheca. (Arl. 11 da
lei.)
Arl. 250. A exiincco da hypolheca s comeca a
(er elTeilo depois de averbada no competente regis-
tro, e s portera ser atlendida em juizo avista da
averbaco. (Arl. II 6. da lei.)
Arl. 251. Se na poca do pagamento o credor se
nao apresentar para recetor a divida hypothecaria,
o devedor libertase pelo deposito judicial da im-
portancia da mesma divida e juros vencidos, sen-
do por conta do credor as despezas do deposito
que se far com a clausula de ser alevaniado pela
pessoa aquem de direito pertencer. (Art. 11 7."
da lei.)
Art. 252. Effectuado o deposito ser elle nolifi
cado por editos ao credor ou as pessoas s qnaes
pertencer.
Art. 253. Avista da cerlido authenlica do depo-
sito o oflii'ial do registro fara' a competente ayer'
bario.
Arl. 254. Aprescripcao da hypolheca a mesma
da obrigaco principal.
Ella nao poder ser provada seno por sentenca
judicial que a declare, e s avista da sentenca se
fura' a averbaco.
Art. 255. A preschpco adquisitiva de 10 e 20
annos nao poder valer contra a hypolheca ins-
cripta, se o titulo da mesma prescrlpcao nao esti
ver triuscript07\^
O tempo desta jKjescripco s correr da data da
transenpeo-do titulo.
^-^TITULu III
Da transcripcSo
capitulo i
Do objecto e efteilos da transcripeo.
Art. 256. NSo opera seus elTeitos a respeito dos
terceiros senao pela transcripeo e desde a dala
della, a transmissao entre vivos por titulo oneroso
oo gratuito dos immoveis susceptiveis de hypolhe-
ca. (Art. 8. da lei.)
Art. 257. Al a transcripeo os referidos actos
sao simples contratos que s obrigam as partes
contratantes.
Art. 2">8. Todava a transcripeo nao induz a
prova do dominio que lica salvo aquem fr.
Art. 259. Sao sujeitos traBscrpco para que
possam valer contra os terceiros conforme os arti-
gos antecedentes.
i 1." A compra e venda pura ou condicional.
A permuta
A daceo em pagamente
A transferencia que o socio faz de um im-
a' sociedade como contingente do lundo
1.
S2.
dade.
Numero de ordem.
Data.
Freguezia em que
c situada a proprie-
S 4. Denominaco da propriedade.
| 5." Nome e caractersticos dos escravos.
^ 6. Nome e domicilio do credor.
7. iNome e domicilio do devedor.
8. Valor da divida e juros estipulados.
| 9." Titulo.
10. Averbacoes.
Art. 272. A tran-cripeo ser requerida e feita
pela forma determinada no art. 45 e seguintes que
regulam a ordem do servicj e o processo do re-
gistro.
Art. 273. Quando as partes alm da transcripeo
pela forma determinada nos arts. 269, 270 e 271,
quizerem a Iranscrlpco verbo ad terbum esta se
fara pela forma determinada no art. 32.
Art. 274. A transcripeo das servides adquiri-
das por prescrlpcao ser feila ou por meio dejusti-
IIcago Julgada por sentenca, ou por meio de outro
qualquer acto judicial declaratorio. (Art. 6." 5."
da lei.)
Art. 275. Quando os contratos de transmissao
de immoveis, que forem transcriptos, dependerem
de condicoes, estas se nao havero por cumpridas
cu resolvidas para com terceiros se nao contar do
registro o implemento ou nao implemento dellas
por meio da declaracao dos interessados, fundada
em documento anlhentico ou aprovada pela parle,
previamente notificada para assistir averbaco.
(Art. 8. 5. da lei.)
Art. 276. O offlcial do registro ha columna das
averbacoes de cada transcripto referir o numero
ou nmeros posteriores relativos ao mesmo immo-
vel ou seja transmitido integralmente ou por par-
les. (Art. 8.' 6." da le)
Art. 278. Sao applicaveis as transcripeo as dis-
posicoes dos arts 226, 227, 228, 229, 230 e 255, re-
lativas inscripco.
Art. 278. Sao nullas radicalmente transcripcoes
que nao contiverem os requesitos dos arts. 269,
270 e 271, com excepeo dos 1.*, 2. e 4." dos
2-0
|f'
4.
movel
social.
5'
I?
A doace entre vivos.
O dote estimado.
| 7.< Toda a transaeco da qual resulte a doa-
Co, ou transmissao do immovel.
8. Em geral todos os demais contratos
translativos de immoveis susceptiveis de hypo-
lheca.
Art. 260. Nao sao sujeilos transcripeo as
iransmisses causa mortis ou por testamentos, e
nem tambem os actos judiciaros.
Art. 261. A lei nao reconhece outros onus reaes
seno :
i. A servido.
i 2. O uso.
3." A habitaco.
4. A anticlrese.
5 O usofrucio.
6. O foro.
7. O legado de preslacoes ou alimentos ex-
pressamento consignados no immovel.
Arl. 262. Esles onus reaes passam como immo-
vel para o dominio do comprador ou successor.
(Arl. 6. 8 6.' da lei.)
Art. 263. Os outros onus que os proprietarios
impozerem aos seus predios se havero como pes-
soaes e nao pdera prejudicar aos credores hypo-
thecarios. (Arl. 6. 2. da lei.)
Art. 264. Os sobredilos onus reaes instituidos
por actos entrevivos para que possam valer contra
os terceiros tambem carecem de transcripeo, e s
comecam a valer desdo a data della.
Art. 265. O penhor dos escravos perlencentes s
propnedades agrcolas celebrado com a clausula
constilutilameem nao pode valer contra os cre-
dores hypolltecarios se o titulo respectivo nao fr
transcripto antes de hypolhecado. (Art. 6." 6."
da lei.)
Art. 266 Ficam salvos independentemente da
transcripeo e considerados como onus reaes a
decima e outros impostos respectivos aos im-
movei-.
Ar. 267. A eicepco das concesses feitas di-
rectamente pelo estado, por lei ou decreto, como
sao as concesso^s de minas, caminhos de ferro e
canaes, as outras iransmisses entre os particula-
res e o estado como pessoa civil sao sujeitas a
transcripeo do arl. 256.
CAPITULO II.
Da forma da transcripeo.
Art. 268. Sao competentes para requererem a
transcripeo as mismas pessoas que podem reque-
rer a inscripco hypothecaria. (Art. 234.)
Art. 269. A transciipco da transmissao dos im-
moveis deve conter os seguintes requesitos :
l. Namero de ordem.
8 2." Dala.
i i.' Fregnezia em que o immovel situado.
| 4." Denominaco do immovel se fr rural, a
ra e o numero delle se fr urbano.
5." Confrontaces e caractersticos do immovel.
| 6. Nome e domicilio do adquirente.
k 7. Nome e domicilio do transmittente.
| 8. Titulo da tracsmisso (se venda, permuta
on outro).
8 9." Forma do titulo e tabellio que o fez.
| 10 Valor do contrato.
| 11. Condicoes do contrato.
12. Averbacoes.
Ari. 70. A transcripeo dos onus reaes deve
conter os seguintes requesitos :
8 1. Numero de ordem.
2. Data.
8 3. Freguezia em que est situado o immovel.
4 Denominaco do immovel se fr rural, ra
e numero se fr urbano.
8 5." Nome e domiciilcio do propietario.
(). Nome e domicilio do adquirente.
8 7. O onus.
8." O titulo delle.
9." Averbacoes.
Art. 271. A transcripeo do penhor dos escravos
perlencentes as propriedades agrcolas deve canter
os seguintes requerios :
rendo que o immovel seja licuado, o juiz mandar
proceder lieiladh no dia que designar annoa-
eiM0 por trrs ediiaes consecutivos.
Arl. 300. Sao admittidos licitar :
S Io Os credores hypothecario*.
I 2 Os fiadores.
g 3C O adquirente.
Art. 301. A licitadlo nao poder exceder ao
quinto daavaliacao propona pHo adquirente.
Art. 302. O adquirente ser preferido em uzoal-
dade de circumsiancias.
Art. 303. A remisso ter lugar anda nao sendo
vencida a divida.
Arl. 304. As hypothecas legaes especialisadas
sao remiveis como rio as hvpotheras especiaes fi-
gurando pela fazenda publica o empregado compe-
tente : pela mulher casada, e pelo menor on inter-
dicto o promotor publico como carador geral: pe-
las corporaces de mo mora o promotor de ea-
pellas.
Art. 305. As hypothecas legaes nao especialMa-
las sero remiveis ou substituidas por flaneas ufa-
neas prestadas pelos respoosaveis.
Art. 306. As sobredilas flaneas sero admitti tas.
convindo |o promotor publico como curador geral
e sendo aulorisada* pelo joiz competente.
Arl. 307. A aeco de remisso nio neressaria
e applicavel quando o preco da alienaco fr snrn-
cicnle para o pagamento da divida hypotneeana e
o credor outorgar e assignar com devedor e o
comprador a escriptura de venda do immovel.
Art. 308. Julgada a remisso, e vista da sen-
tenca della, da fqual deve constar o pagamento do
preco respectivo, o immovel car livre da hypo-
lheca, esta remida, e a inscridcao cancellada.
secqao ni.
Da accao do credor hypothecario contra o aJ rrnte.
Art. 309. Se o adquirente do immovel hvpothe-
cado nao tratar da remisso delle nos trila das
depois da transcripgo, lica sojeito :
Io Ao sequestro e exeeocao da aeco de oo
trata a seccao 1'.
2" As custas e despezas judiciaes da desapro-
4o A' aeco de perdase
preco da avaliaco e aliena-
damoos pela deterio-
mesmos artigos. nriacn
Art. 279. As sobreditas nullidades nao nodem ITT. .... .
ser relevadas ainda que os extractos sejam suffl-' ,* A ""renca ao
cenles. Iv o
Art. 280. Palta a transcripeo se ella contiver' J-
nullidades, o offlcial nao pode reparadas, mas os ". j,n ,> .~ i w
terceiros tm direilo de invoca-las a seu favor. I ^Lg^.^ggg?."!* P"horad, e vend.do
Art. 281. Quando o objecto da transeripeio fr J *&*%* V" elleqneira pa-
uraa permuta ou snbrogaeo de ramoves;haver g'" deP0S,,ar Pre? da veoda <>a *?*.
duas transcripcoes com referencia reciproca, e nu- > .; __._______,.
raeros de ordem seguidos no protocollo. e no livro 1 consentir,
de transcripeo, sendo tambem distinctas e cora _l***M9i 00 mlmeao tastar
referencia reciproca as ndicaSoes do indicador real. p,?ffS" da ''yPheca.
TITULO IV.
Das acc5?s hypothecarias.
SEcgXo i.
Da accao contra o devedor hypothecario.
| 3o se o adquirente pagar integramente a byno-
theca.
Art. 311. A avaliaco nunca ser menor que o
preco da alienaco (Arl. 10, g 3" da le.)
Art. 312. Nao havendo laiu-ador sera o immovel
Art. 282. Aos credores de hypothecas couvencio- .
naes celebradas e inscriptas depois da lei n. 1,237 22~Lf^22?2f! 2 RT-fi ".a,,a*>
de 1861, compete a aeco de assignaco de 10 dias. ""^[.fe'eha *'Jo g da "f"v-
(Arl 14 da lei I e I|CI1'' ao adquirente oppor ao
Art. 283. O processo e execuco da assignaco "g**" ^uva da "foca contra elle aro-
de JO dias, sero regulados pelo decreto n. 737 de movida a eicepco da excusso ou benefVw de
1850.
O foro competente o civil. (Art. 14 da lei.)
Art. 284. Precede a esta aeco como preparato-
rio della o sequestro, o qual independentemente
de outro requesilo, que nao seja a hila do paga-
ordem.
Esla disposicao applicavel ao terceiro qne cons-
tituir hypolheca a favor do devedor.
Art. 314. Tambem nao licito ao adquirente
largar ou entregar o immovel, mas sempre obri-
mento.deve ser deferido, logo'qne fr requerido g?>. .?!WgJ* """^'J! v*> J-
pelo credor hypothecario com o titulo respectivo. cia'c,omi?E "os ar,s' e ^,Dte?-
O sequestro ter lugar, quera quer que seja a r!0 **f- l,,,irenIe .
pessoa,'em cujo poderle clar o immovel. 8 SfZ Sh^lT'*Z* "nm'>Te,-
Art. 285. Esta ac?o s competente contra o Qe Ps*ar. a h>POheca.
aevedor v I 3' Que paga-la por maior preco que o da abe-
Ser, porm, exequivel : aCoPor causa da adjudicac>, ou da liciiacao.
1." Contra o terceiro se a hypotheca foi por elle
constituida, e nao pelo proprio devedor.
2." Contra o adquirente, no caso de transmissao
e nao remisso do immovel. (Art. 309.)
Art. 286. S pelo elfeclivo pagamento da divida
hypothecaria o sequestro pode cessar.
' l. Oeffeilo do sequestro sujeitar ao paga-
mento da divida, como accessonos, os fructos ou
rendimentos do immovel hypothecado.
2 Convindo ao credor, j)de o immovel flear
em poder d) devedor, obrigando-se este como de-
positario disposicao do antecedente.
Art. 287. O sequestro resolve-se na penhora.
Art. 288. A conciliacao pode ser posterior ao
sequestro, e a mesma conciliacao que se fizer para
o processo do sequestro servir para a aeco prin-
cipal.
Art. 289. O sequestro nao admitte embargos que
nao sejam os da exiincco da hypolheca ; os ou-
tros embargos ficaro reservados para aeco prin-
cipal.
Art. 290. Tambera nao admitte o sequestro on-
tro recurso que seja o aggravo de petifio ou ins-
trumento.
Art. 291. As custas judiciaes das aceoes hypo-
thecarias, sero contadas na razao de dous tercos
das quantias fixadas no regulamento das cusas.
Art. 292. Na execuco da aeco hypethecaria,
observar-seho as segrales disposicoes excepcio-
naes :
Io Os immoveis hypothecados podem ser arre-
Que supportar custas e despezas judiciaes
tem accao regressiva contra o vendedor.
CAPITULO V.
Disposicoes transitorias.
Arl. 316 As hypothecas especiaes contratadas e
inscriptas antes da execuco da lei 1,237 continan*
a ter os mesmos elTeitos, que linham pf lo decreto
n. 482 de 14 de novembro de 1846 sem dependen
cia de nova inscripco.
Art. 317. As hypothecas legaes anteriores a ei-
cuco da lei, valero como vaiiam ames deila.
Art. 318. Todava asdilas hypothecas podem ser
especialisadas, e inscriptas conforme o rgimen
deste regulamento.
Art. 319. As hypothecas legaes das molheres
casadas, menores e interdictos, anteriores a eieea-
ijao da lei, nao sao sujeitas a inscripco onViai
que este regulamento exige. (An. 188 e seguin-
tes. )
Arl. 320. As hypothecas geraes e sobre bens fu-
turos contratados antes da execuco da le ficam
em vigor por espaco de um anno contado da saes-
raa execuco.
Art. 321. Para que as hypolhecas do artigo an-
tecdeme possam valer contra os terceiros. lindo o
dilo prazo, preciso que dentro delle srj.-i. \&
especialisadas e inscriptas pelo credor i ; ..-ma
dos arts. 151 e segnioies, 218 e seguintes.
Arl. 322. Se o devedor, at a execncao da le
nao tiver adquirido Immoveis sobre os qoaes as di-
tas hypolhecas possam recatar, ficam ellas sem ef-
matados ou adjudicados qualquer que seja o valor 5i.q immoveis posierwrmente adq0.
dos bens o a importancia da divida.
2 Anda mesmo sem estipulaco se considera
derogado a favor do credor hypothecario o privile-
gio das fabricas de assucar e mineraco de que
traa a lei de 30 de agosto de 1833.
3o S podem disputar preferencia com o cre-
dor hypothecario, outros credores que se apresen- j
tem com hypothecas inscriptas sobre o mesmo im-
movel.
rito.
Art. 323. Se o immovel ou immoveis qne o de-
vedor possuir at o referido prazo forera insnfll-
cientes para garanda do valor da hypolheca, a hy-
potheca sera todava especialisada e reduzida se-
ment aos ditos immoveis. (Art. 178.)
Art 324. Posio que as ditas hypothecas flquem
sem elcito quanto aos immoveis adquiridos depois
do p.azo do art. 310, ellas consrvala sea vicr
Os demais credores que concorrerem execuco W aos Dens do de,redor- (** fr
omovidapelo credor hypothecario nao podem '{*m As hvpotnecas previleRadM p* M
de 20 de junho de 1774, relativas aos immoveis
que sao pela lei o. 1,237, susceptiveis de hypothe-
! ca, contratadas antes da execuco desta le, acaa
\ em seo vigor por um aono, contado da mesma
1 execuco.
promovida pelo credor hypothecario nao podem
impedir o seu pagamento, e contestar a hypotheca,
mas s tem direito sobre a quantia que restar de-
pois do pagamento da mesma hypothca.
SEcgXo ii.
Da remisso do immovel hypothecado.
Art. 293. Se o adquirente do immovel hypothe-
cado quizer evitar a excusso, deve notificar para
remisso os credores hypothecarios.
Art. 326. Para que as ditas hypothecas possam
valer contra os terceiros, Ando o dilo prazo, pre-
Art. 294. Esta notiflVaco deve ser feila no foro ciso que ellas sejam inscriptas como especiaes, pe-
civil. la forma estabelecida neste regulamento.
Art. 295. S admisslvel a dita notificaco nos. Arl. 32?. Nos extractos qoe, conforme o art. 53,
30 dias depois da transcripeo. j sao necessarios para inscripco, dever a parle de-
Art 296. O adquirente, na sua petico inicial! clarar a lei em qoe se funda o seu previlegw.
denunciando a acqoisico, e declarando o pr.eco da \ Esta declaracao ser averbada m colqmM U*
alienaco ou outro que eslimar, reqaerer que se- averbacoes do livro respectivo,
jara notificados os credores hypothecarios para em Art. 328. So o ofilcial liver *"'"
24 horas dizerem o que Ihes conyier sobre a remis-1 on sobre o previlea* -vida abre o titulo
sao mediante o preco proposlo, 68 e s***'"* -* proceder na forma do art
Art. 297. A notificaco so*- lei.. n0 domld"*' s~",eS-
inscripto, ou por edicto '*Aii,-V- S"* Art. 329. A validado dos lulos de hypothecas
achar. ., se o crea ah se nao anteriores a execncao da lei ser* regalada pela le-
Art. 298. Se gislago sob a qual elles foram creados, e a ianf-
oomparec*' os "edores nao comparecerem oa flciencia deiles qaanlo aos requisitos da inscripco.
propp- -ern e nada_oppozerem sobre o preco ser snpprida on pelos extractos, oa pelas inforsaa-
-aio, o juiz julgara aremisso por sentenca ces Daseadas em documentos auiheatice*
I ,*\.pr2oM p0* SeQS efI!',0S' Arl m) I ArL 33- A Prelado das hypolhecas geraes ou
l Art. 29. Comparecendo porm o credor eroque- previlegiadas.de qu tratam o* artigos anteceden-


"P"


Diarlo de *"crnambnco ScUa feira tS de Julho de M&.

tes sera regulada pela sua naturea, conforme a
legislarlo anterior at a inscripciio, se esta se veri-
Tendo S. A. o Sr. conde d'Eu, era sua prxi-
ma passagem por esta cidade, de regresso corte,
ficar d prazo marcado por e?le regulamento. e pe- deizado 50 libras esterlinas lllma. cmara muni-
lo numero de ordem do protacollo, depois da -ius- oipai para seriri distribuidas pelas pessoas mais
cripe,ao. necessitadas, resolveu esta corporacao troca-ias
Art. 331. Os oeus reaes instituidos antes da exe- com o agio do mercado etn raoeda corrente, cujo
cucao da lei, nao sao obrigados transcripto para producto sbisdo a quanlia de 4905, remetteu-o ao
que possam valer contra o< icrceiros. Exm. vtgario capitular para eumpriram-se melhor-
Art. 332. Exce;.tua-se da disposicao do artigo mente as intenefies piedosas de S. A.
antecedente a servidao fundada na prescripcao, Assim, pois, S. Eze. Rvma. dividindo aquella im-
cujo lempo se complete depois. da execuco da portancia em partes iguaes, dislribulo-a pelas qua- Andr Albuquerqu* Mello
lei. tro freguezias desta cidade, enviando a cada ura Lnii de Franca ; ttano.
Arl. 333. As hi'polhecas sobre immoveis especi- dos respectivos parochos 1225500, adra dos roes- Joo de Paula ; tubrculos pulmonares,
ficados, mas cajo crdito seja indeterminado, con- mos distribuirem com os seus freguezes que mais Antonio Jos dos Lampos
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As 7, 6 3|i, 7, 7, 7,7, pelo Dr. llamos.
As 9 3|4, 9 3|4, 9 3|4, 10,9 li2, 9 1|2, pelo D r.
Sarment.
Fallecern! :
Francisca Mana do Livramento ; tubrculos pul-
monares.
Manoel Antonio do .Naseimento ; hepatit.
Manoel dos Passos ; tubrculos pulmonares.
H-mrique Rodrigues ; dem.
plitysica pulmonar.
sideram-se geracs e depender.!) da especialisacao e carecerem.
nscnpco que os artigos antecedentes exigen).
Art. 334. Neste caso, a inscripejio sera requeri-
da cora documento autentico, do qual conste aes-
timacao do crdito por accordo das partes.
Arl. 335 As hypothec.as anteriores a execuco
da lei, posto que especializadas e inscriptas depois
della, nao gozam da acc.o hypoinecaria (art. li da
lei), mas, DO naso de alienaeao, sao sujeitas a re-
TOisso e exeu>sao dos arts. 293 e 3o9.
Art. 336. Pican
em contrario.
Vai tomando cada da maiores proporc,5e$
entre nos a imprensa religiosa, pelo apparecimen
to de noves aihletas na arena, cvangelisando as
verdades do catholicismo em contrapo>ico aos er-
ro*, que os dissidentes nao cessara de dessimraar
na poplacao ; a qual por isso mesmo carece do
antidolo bebido nesses grandes pensamentos, de
que s a rellgio catholica capaz, o que sao os
nicos que nos podem trazer a posee da felicidade,
nica.
Passageiros do vapor
entrado dos pollos do norte
Padre Antonio G. Bezerra, Kaphrasio A. de
Oliveira, Davino A. da Oliveira, Thereza M. de Je-
ss Julio R. Guimares, Joo P. Chave., Andr llo-
sas, Raymundo Francisco Carneiro Monteiro, Jos
J. A. da Silva, Antonio R. do Amartl, loto R. P-
memei, Joaquim R. Pessoa, Vicente S. Duarte e 1
escravo, Francisco F. Ferreira, U. Raller, Florinda
derogadas todas as disposieoes' que aspiramos. M. do NasCimento, Thomasia F. de Jess, Jos H.
Nacerte acaba de sabir a luz urna nova folha de Carvalho, Trajauo J. Cavalcanti, Francisco J. de
dade mundo desse papel sajo, nao mais quizeram
pagar os aluguels e nem entregar o estabeleci-
mento, como sao obrigados pelo contrato ; a vi ta
de tao inslito procedimento, fui constrangido a
recorrer aos fribunaes para me Itvrar desse roubo,
felizmente, como nesta calamitosa poca de cor-
rupto, anda ha magistrados inexpugnaveis, o'oli-
ve jnstira, e nao enxergando brexa por onde con-
linuassem a perseguirme e a desfrutar ('gratis) o
mju esiabelecimenio ; por ter tarabem sido des-
prezada a celebre e falsa denuncia, que contra
mim dero, por crimt de esteltionato III com o fim
de os uno enrommodar na posse de meu estabele-
gastro hepatite chro-; cimento ; (cuitados) sorcorreram-se (fiados nns em-
penlios e mexertcos do kagado e outros tratantes
nacional Persinunga, do mesmo calibre) a querem per faz e per nefas,
apellar da sentenca, na parto da entrega da chave
da padaria, sena se lembrar (depressa se esquece-
ram) que antes da sentenca liaviam desistido des-
se direito, por ficar vencido com a cobranza dos
alaguis.
Palacio do Rio de Janeiro, 26 de abril de 1865. religiosa sob o titulo de Missionario Callwlico, cu- F. Campos, Antonio R. Cavalcanti, padre Joo A.
Francisco Jos Furtudo.
gcie:

dk FROTO!!.!
ADMINISTRAC." O DO EXM. SI. BARAO DO P.IO-FORMOSO.
Expedi 'ule do dia 25 de julho de 1865.
Ofllcio ao Exm. brigadeiro oommandante das
armas interino.- Queira V. Exc. informar sobre o
que solicita, no incluso ofllcio o commandanie do
corpo de polica.
Dito ao mismo. Pelo seu officio n. 1,247, de 21
do correnle, Hque inteirado de haver V. Exc.
nessa dala assumido o commando das armas desta
provincia, para que foi inlerinameate nomeado pelo
governo imperial.
Dito ao inspector dathesourariade fazenda.De-
claro a V. S. para os fins convenientes que o desta-
camento de guardas nacionaes da cidade do Rio
Formoso, foi desposado do servic-) nodia 11 do
correnle, as 6 luirs da tarde segundo communi-
coq o respectivo comraandante superior em ofllcio
de 18 deste mcz.
Dito ao mesmo. Mande V. S. a antar _ao director
da colonia militar de Pimenleiras. nao havendo
inconveniente, a quanlla de 1:6005000, para
occorrer as despejas daquelle estabelecimento no
tremeslre corrente.
Dito ao commandanie superior da guarda nacio-
nal do llecife.Mande V. S. postar em frente da
igreja de Nossa Senhora do Carmo, amanha as 4
oras da tarde, urna guarda para fazer as honras
fnebres do estylo ao Tinado rapitSo cirurgio-rar
da guarda nacional, Ignacio Nery da Fonseca, re-
quisitando V. S. ao director do "arsenal de guerra
o cartuxame, que fr preciso para as descargas
que tem de dar a mesma guarda.Neste sentido
oflriou se ao director do arsenal de guerra.
Dito ao mesmoExpeca V. S. as suas ordens
para que a guarda diana de palirio da presidencia,
seja augmentada com tres pracas, a cootar de
amanha em diante.Goromii8icou-se ao brigadei-
ro commandanie das armas.
Dito ao mesmo.Mande V. S. postar em frente
da matriz desta freguezia, no dia 36 do correnle, as
tO horas da maaha urna guarda de honra para
assistir aos actos da festa de Sant'Anna, que deve
ter logar na mesma matriz.
Dito ao commandanie docerpo de polica.Pode
V. S. alistar no corpo sob seu commando o paisano
Jos Joaquim Helario da Silva, visto que, segundo
o seu ofBcio n. 617, desta data, foi julgado apto para
isso ern inspecca- de saude.
Dito ao mesmo.A vista das suas informales
ns. 648 e 649, desta daia, auloriso V. S. a dar bai-
la aos soldados do corpo sob sen commando, Rufi-
no Honorio de Paula Barres, e Manoel Tihurcio de
Oliveira, que foram considerados incapazes do ser-
vico em ius| eica i de saude.
Dito ao director do arsenal de guerra.Faga V.
S. apromptar 6 caixoes e 12 tereaes para serem
enviados ao Exm. presidente da Parahyba, que os
reqinsilou em oflQcio de 15 do corrente, para o 1
batalbo da guarda nacional daqueila provincia.
Dito ao director das obras militares.Mande V. S.
fazer os concertos de que neressitam a feehadura
da porta de urna das prisoes da fortaleza do Brum,
e urna porta da casa de residencia do respectivo
commanJante.-Communicou-se o commandanie
das armas.
Iiespaehos do dia 23 de jtilbo de 186o.
fi-qurrimenlos.
Abdias Rihiano da Cunha SallesInforme o Sr.
inspector da Ihesouraria provincial.
Antonio de Albuquerque Mello. Informe o Sr.
commandanie superior da suarda nacional dos
municipios do Rio Formoso e Serinhaem.
Bi-llarmino Literato do Xnscimento.
Elias de Santo Ehas Bastos. Indeferido pelo
motivo declarado no despacho de 20 do eorrente.
Francisco do Reg Barros Jnior.Dse.
Fehzmino Xunes do Reg.Informe e Sr. com-
mandanie superior da Jguarda nacional de Pao
d'Aho.
Irmandade da Senhora Santa Anna da matriz
de Sanio Antonio.Dirijam-sa ao Sr. commandan-
ie superior da guarda nacional do Reeife a quem
se expede ordem no sentido em que requeren).
Innocencio Peregrino Xavier Ramos. Informe
o Sr. commandanie superior da guarda nacional
do Reeife.
Jos Francisco do Reg Barros. Informe o Sr.
eogeoneiro ebefe da reparticao das obras publi-
cas.
Jos Felippe dos Santos e Hercalano Jos de
Barros. Concedo o prazo ds 30 dias.
Capitn Jos Crrisplano Rodrigues Coelho Bran-
dao. Informe o Sr. inspecter da ihesouraria da
fazenda.
Alferes Manoel de Araujo Ijima.Informe o Sr.
commaodame da guarda nacional de Xazareth.
Manoel Francisco de Mello.lodeferido em vista
da infurmacao.
Maria Joaquina Siqueira de Senna. Sendo o
filh" da supplicante de idade maior de 12 anuos,
s pode ser admicido na coinpaohia de aprendizes
marinheiros.
Thomaz Jefferics. Informe a assoclaco Com-
mercial Beneficeute.
E presenciando as bandalheiras que se empre-
gavam para conseguirse appellar de ; ponto de
cousa que j nao exista, rectifique! de novo a
desistencia por termo nos aulos e obtive mandado
para cobranca dos alugueis, e vendo os taes Srs.
Metra MacedoKagado & C. que nao resta va
Jo fim levar a palavra da verdade ao coragao do de Vasconcellos, padre Antonio I), da Cunha, Joao mais recurso algum, por mais infame que fosse,
' pequeo e do grande, sendo a simplicidade e a ca- C. de Suuza Siutiago, Isidoro Jos Baptisla e 1 es- com tanto que Ihe suslivesse a presa, que Ihe fugia'
reza do evangelho os meios de deoellaro erro o de cravo, padre MarloA.de Jess, Josephiua P. de Si- das maos, lembraram-se da carta lestemunhacel,
ostentar em toda sua forja o esplendor da religiao le, Jos A. G. de Mello, lenle quarteF-mestre do (sem ser requerida) arranjnda somente com as
catholica. corpo de voluntnos, primeiros cadetes Luiz de P. pe,;as dos autos que lite faziam conta na qual asse-
K' por certo um bello peridico, e nos ssuJamos BeZcra eC. R. Maracuja, segundos cadetes Do veraram ser padatia na ra Imperial.. .para de
a sua apparigao como mais urna estrella que dis- mingos J. J. L. Veiga e Leandro B. Cavalcanti, 37 alguma maneira destramr a attencao do digno
ponta na igreja de Christo para ensiuar o caminho pracas, 1 voluniario, 7 recrutas para a armada, 6 magistrado, e do publico, que est atiento sobre o
da verdade. pracas da guarda uaciofial, 1 capellao alferes, An- de-fecho da queslo ; e com taes estrategias con-
Ilontem de^abou o maslro do telegrapho, ca- tomo t. reas, 1 cirurgan Jos J. tachado, Clau- seguirn) o que de-eiavam para por mais algum
hindo felizmente ao impulso do vento para o pateo dio Jos Correa. Manoel Henriqne o sen filho, Jos tempo continuar a dnsfructar minha propriedade
do collegio sobre urna parte do muro de entrada da de A. Silva, Jos A. Plato de Abreu, Firmino A. sem estipendio algum ; porm tenho f que a ora
igreja, ao qual deitou abaixo. Monteiro, Aire*) M., Manoel Jo's Filho, Jos F.
S por miagre certaraente nao tivmos a lasti Ado, Ignacio da S. Coech, Jos da S. L. Jnior,
mar algum sinisiro : e quando se resiabelecer Jos M. F. Noguelra, Antonio F. B. Muller, Vicente
agora o servico de signaes, que Oca assim nter- A. Marques, Manoe.la M. da Couceicao e 1 menino,
rompido com grande detrimento para o cnmmerci? Gervasio G. P. Ferreira, Manoel M. Pires, sua ma-
nsiamos, no entretanto por alguma providencia na e urna alunada, Thereza di J. Gloria, Maria de
Carvalho e 2 escravos a entregar.
Passageiros sahidos para Mossor, na lancha
nacional Flor do Ho Grande :
Padre Joaquina Maria, J. Formiga e 1 escravo, I
Joaquim X. da Costa, Manoel J, Nobre, Jos P. da
da tenniuaco de tao grande e criminoso escnda-
lo chegada.
Reeife, 24 de julho de 1865.
Antonio J. Salgado.
daE-preciso que os lugares de honra do paiz sejarn ***** "**** W^ de
conferidos sement aos que se dislmgam pela con-
dicao de aplido, pureza de carcter e indepen-
caracter e
dencia de posicao, e nao andem ah rehaixados e
oceupados por nullidades sem classiQeaco, por
mritos equvocos e duvidosos.
Com|ienetrado, como nos persuadimos, que deve
estar o corpo eleitoral dsta provincia, do alcance
desta ponderacao esperamos e acreditamos que,
desta vez, a escolha recaa em pessoa que nao avil-
te nem degrade a depulacao pernambucana, quer
por inapdao, quer por asquerosidades de urna
conducta reprovada.
Porislo, apresentamosaqui o digno Sr. Dr. Se-
gisnando Barreno Nalmco de Araujo, que rene
em si os requisitos necessarios para atlingir tao
elevado encargo.
Posicao independente, carcter nobre, c intelli-
genca superior, j provada em prodcenos hite-
buco 13 de julho de 1865.
O secrtario,
A. P. d'AnnnnciarSo.
Claosnlas especiaes para a rreroa''ar"o.
i* As obras dos reparos da estrada e rmtvrrn-
mento, entre o marco de 8,tMio bracas e a Larr^i-
ra da ponte dos Cirvaihos na estrada do sai, tmm
feitas de conformidade com o ornamento jonto aa
importancia de 5:313,1.
2" O arrematante devpr principiar as misio-
nadas obras no praso de 15 da* e ronrlni la- i o
de 5 mezes, amitos contados da dala da appr,va-
gao da arrematado
3" O paL'ani'-nio ser realido romo determina
o arligo 79 do reglamelo de 9 p julho <}- INH4
e a responsabilidad* da entrega definitiva ser
applicavrl aos caleanMUoi e aterr i dos mn"oes.
4* Para todo o mais que rao s>- tem r-perillrv
do as presentes clausulas, .-cpi.ir--i'-ha o fBi >! -
sss^flatTarr* ywB d,r,,ae ^"zsshzszzzsx
no parlamento, representar
desde j para aliviar aos Inconvenientes de seme-
ntante falta.
O vapor P-rsinunjo, chegad) hontem dos por-
tos do norte de sua escala, apenas trouxe as noti-
cias que segem da Parahyba, nada tendo occorri-
i60E& i FSDIDO
Oeclarav'o.
dono (eare Rio Grande, que mereca mencSo. Costa, Antonio F. Secundes, Jos A. da S. Braga, Para evitar equivoco declaro aquew eonvier
Assumio a presidenea da provincia no da 22 Raymundo F. Jarques, Vicente F. da Silva e Cus- au, nesta data, fa-am iuteira e absolutamente cas-
do corrente, o 1 vice presidente Dr. Fellzardo Tos- me aimao. sados os poderes que- por uma pr0cUraco especial,
cano de Bruto. I Ckwtwdo publico. -Obituario do dia 26 de lransmitti a meu sogro, o Sr. Manoel Gomes Vie-
Tendo obttdo uma hcenca o Dr Gervasio Pires Julho : gas psra sub|oear, reertter os alugueis e pagar a
Hrou no exercicio de chefe de polica o Dr. Ignacio Nery da Fonseca, Pernambuco, 56 an- decima dos predios ns. 13, 15, 17, 19, e 21 da ra
Ferreira
juiz de direito da capital.
nos, casado, Santo Antonio, migelite.
No da 8 do crreme, s 7 horas da manbaa, Gaserairo Matiuho Palcao, Pernambuco, 32 annos,
soffreu o subdelegado da villa de Flores, Isidoro casado, Santo Amonio, pulmonite chronica.
Jos da Silva Mascarenhas, um tiro perlo das ras Joo Francisco de S Leito, Pernambuco, 40 an-
da villa, sem que fossem pegados os autores. A
ultima data achavam-se elles homisiados no lugar
Encruzilhada, tres leguas distante da villa, com
um grupo, em allitude hostil. Attribue-se geral-
nvnte o nro intrigas particulares.
Pedem-nos esta publicaco :
t Chamamos a'atleneo do Sr. fiscal para um
sobrado da ra Direila, habitado por urnas mulhe-1
res de ma vida, que entendem fazer da ra lugar
do seu despejo ; visto que das 10 horas da noitc
por diante ninguem pode e-iar varanda de suas
casas, nem mesmo pssar por all.
Em rectificacao ao.que a respeito
cado no Diario de 19 do corrente, remettem-nos a uio, couvulsoes.
seguinte communicacao : Optaciano, Pernambuco,
nos, casado, Reeife, hypetrophia.
Antonio Francisco B^rg^s, Pernambuco, 25 annos,
sultiro, S. Jos, erysipella.
Mariauna Raymunda dos Anjos, Pernambuco, 40
annos, solleira, Saato Antonio, tubrculos pul-
monares.
Rosa de Viterbo das Virgens, Pernambuco, 70
anuos, viuva, Reeife, cancro no tero.
Maria, Pernambuco, 1 mez, Santo Antonio, es-
pasmo.
Bernardina, Pernambuco, i mezes, Santo Autonio,
tumor.
do Destino (Boa-Vista).
Aministrador legal deste predios por constituir o
dote de minha mulher, sou o nico competente pa-
ra tratar de lodosos negocios e de todas asquestoes
que Ihe forem relativos.
N3o aeceitarei reclamacao alguma que se funda-
mente em a ignoroncia desta minha declaragao.
Reeife, 21 de julho de 1865.
floriano Jos de Miranda.
Hoje sao chamados os prenles e amigos de Tho-
m Carlos Peretti a resarem-lhe pela alma, na
igreja da Santa Cruz desta cidade.
Victima de uma irntagao intestinal, cujos effei-
foipubli- Chrispiniano, Pernambuco, 8 mezes, Santo Anto- os. soft"rfn por seis mpzes, Tho-n Carlos Peretti
,.n nn. .LL. ;deixou de existir no da -i do correnle, pelas II
horas da maoba, no seio de sua extremosa ra-
li dias, S. Jos, iuleriie
Nao deixaram os capuchinhos a igreja de Ga- (escravo).
meleira em altura de receber madeira, e sim se Christina, Pernambuco, 2 annos, Boa-Vista, pneu-
concluindo os alicerces ; e o capitao Barlholomeu
foi como procurador que levou-a a altura em que
se acha. O oito nao est em ruinas, porque ape-
nas desabou um pequeo pedaco da empea, e a
igreja esl aprumada.
Nao exacto que por falla de I20.IOO nao
se bola.-se a coberla, porque ocarpina e-ia' pago ;
os caibros estavam promptos no Pool..tile, sendo
publico que alguem os conduzio por c.in lade ; as
lelhas esio empreitadas, mas prompta-.i ualquer
dia, e isto se fez para livrar de estorvo? e furtos.
Do dinheiro recebett se um cont u cento e
tantos mil ris e falta receber um cont e duzenlos
e tantos mil ris ; e se for preciso se puhlicar o
nome dos assignantes, i|ue ainda nao pagaram, e
de quem ja se esta tratando de cobrar ; o coro es-
la' promplo ; e dizer-se o contrario andar longe
da verdade. i>
Homero, as 8 horas da manha assumio a
monia (escrava).
GOMMNIOBOS.
O liui. Mr. baro do Rio-Formo-
mo, assiiraiudo a admiuistra-
co d:i provincia, como seu 6
vice presidente.
Cumpre que sejamos justos com os bons caracte-
res, que aiurta sabem saennear seus eommodos e
mteresses ao bem publico.
No numero dessos caracteres est inconiestavel-
menle o Exm. Sr. baro do Rio-Formoso, pois que I raiet
PERNAMRUCa.
BYISTA DUKIA.
O Exm. Sr. vigario capitular expedio ordem a
todos os vigarlos da diocese, afim de celebrarera-se
preces publicas p,-o imperatore, em consequencia
da sahida de S. M. o Imperador para o sul do im-
perio.
Devem taes actos religiosos de exorago ao Todo
Poderoso ter comeco na cathedral, malrizes e con-
venios da cidade de Olinda e desta do Reeife nos
dias 3, 4 e 5 de agosto futuro ; e as demais roa-
trlzes do bispado dentro de oito dias posteriores
recepeao da noticia, oflicialmente ou por oulro
qualquer modo tr?,nsmillida os respectivos viga-
nos.
Alm disto, determinou igualmente S. Exc.
Rvma., sem duraejio de lempo definida, que o cle-
ro secular e regular da diocese diga as roissas
solemnes e privadas que celebrar, salvos os dias
classicos, a oraco Dem qui contera bella da mis-
sa pro tempore belli.
Tendo a directora do Gabinete Portuguee de
Leitunt dado sua demisso, e prouedeodo-se a elei-
co substitutiva no dia 26, sahiram eleitos os Srs.:
Jos Duarte da; Neres, director. Jec Alvos Li-
ma, vii^e-drector Joaquim Xavier Vieira Ligo e
Joo Jos Marques, e 2o secretarios ; e Antonio
Bautista Nogueira, thesoureiro.
E-ta nova directora deve entrar em ejercicio
amanha, tendo alm disto o conseJho deliberativo
marcado o dia 6 do agosto prrmmo para reunio
da assembla geral. **..
Domingo 30 do correnle celebra-se na igreja
matriz da Boa-Vista a festiviciade do Divino Espi-
rito Santo.
A msica da festa e do TeDeum composico
do Sr. Cola, bero conherido por soa maestra e
essa a primeira vez que ella torada aqu, sen-
ijo-o por obsequio do disiincto compositor a ura gen
amigo.
esse anciao respeitavel por mais de um titulo, ac
ba de dar uma prova de dedicaco patritica, nao
Joo"Ba;s-t Z Espirito U^W**** Tr^rV^'t^VTT J TM TTOS
vez bavia si.lo solicitado nara esolnear pdra "/ ao reclamo.d" interesse publico, lomar
^M?iSS'&S manda preferir ^3*SSt+ "rV,"Cla- h
na nomeacao para esse cargo Sos sacerdotes, quer 'Na c-riSt l^. especial, em que se acha a provin-
regulares quer seculares, e com effeito tem sido
administradores, alm de outros, os Rvms. Fr. Car
los de S. Jos e Fr. Miguel do Sacramento Lopes .
G B j tavelmente um servico importante felo nao so a
As ptimas qualidades que ornara o nomeado,! ^"^"S- ~mi tu,' paZ- n3 Brfileiros
formam o seu maior elogio, e por isso mesmo de- "[" f" Jg nom e os Peroambncanos
vemos esperar uma excedente direccao. I "d" .fs" a' U *""** "or semelnan"
I le acto de patriotismo.
Todos os que o conhecem a S. Exc. fazem eleva-
milia.
De principios austeros, elle merecen sempre o
; apreco dos seus concidados, contando mu i tos ami-
gos em lodas as classes.
De espirito essencialmente religioso, elle o mos-
trou seinpre por actos, sem o menor vislumbre de
hypocrlsia. Aos sens esforcos, testa da irman-
dade do Senhor Bom Jess da Via Sacra, se devem
as obrs ltimamente feitas na igreja da Santa
Cruz, onde se v hoje o aceio e esplendor proprio
da casa do se.nho*.
Despresador das glorias e ufanas meramente
mundanas, nada o fazia exaltarse, nem o seu
nascim>-nto, nem a aba-tanga em que sempre v-
veu; o lendo herdado de seus pas alguma fortu-
na, ge.ralmente sabido que a nao esbanjou elle,
entretanto que muitos foram os beneficios que pra-
ticou a cusa di lia.
Thome Carlos Peretti era poltico ; queria since-
o bem do paiz quena o livre exercicio
nao seja mu digno d
a sua provincia.
A situacao tem sido incaosavel em proclamar o
aproveilamento dos mojos.
Pois est um, que bem merece dos seus com-
provincianos. Eleja-o o segundo distrieto, e assim
bem servir causa publica.
O amigo do mrito.
------. n.....f-w
As preparacocs dcsprczivcis.
Apenas de ordinario esto em Toga por algara
temi, porm a su i prolongarlo geralmento de
pouca dura, e em breve passa; em quanio qne,
um grande antidoto por excellencia c >mo o pello-
ral de anachau ta de Kerap, um constante a per-
petuo beneficio publico, um vefdadeiro tnesouro
inesgolavel. Pode-se asseverar como um axioma
inconteslavel, que qualquer classe de losse, cons-
tipaco ou catarrho, se allivia e cora mediante o
seu uso dentro do e-paco de poucos dias, e s ve-
zes dentro em poucas horas. Os hronchites decla-
rados incuraveis pelos medico*, se alimaa e s
vezes se curam era uma semana, com esta precio-
sa e excellenle preparaco vegetal; a melhor e a
mais excellente de todas qnantas andam em voga.
Robustece e vlgorisa os orgSos da rcspirago ; faz
expellir todas as mucosidades e a phlegma; enra
a aslhma chronica; n'uma palavra nao ha nem
existe ura s caso de desarranjo ou molestia dos
orgaos pulmonares ou da garganta, que nao sejam
curados logo primeira dse, e geralmente ficam
permanentemente curados.
Acha se a venda em casa de Caors Barbosa &
C. e J. da C. Bravo & C.
o H Ble o.
Caixa filial rioianro do Brasil em
Pernamunco.
A directora desta caixa saca sobro obaucodo
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de pernambuco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagara o Io dividendo de dila nmsa
na razio de 9 0/0 sobre o valor des tilulos ad-
meltidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 31.
\io banco de Pernam-
buco.
O banco desconta letras na presente semana a
por cento ao anno at o prazo de seis mezes, cao alguma, qualquer qne seja
Va nformeA. F. d'Annnnnaro.
O Illm. Sr. inspector da thoso'araria provinrH',
em cumprimenlo dn ordm do Exm Sr. prr-if>
le da provincia, manda fazer publico que 4ut
27 do corrente, peranle a junta da fa/enda di me--
ma tliesourana, vai novamente a praca pira ser
arrematado a quem por m-nos lizer o lurwrimiMo
dos medicamentos e utenc preri) a enfermara
da casa de detencio desta ririnde, sprvindo > ha<9
a nrremataco e olfere'imento d-? 20 /, a>ateiie
nos preces do respeclivo formulario, feto pelo tiri-
tante Jos da Cruz Santos.
A arrematado ser feita por t^mf-o de II mezrs
a contar rio de aposto prximo vmdonro.
E para constar se inaodou publicar o pre-ea'e
pelo jornal.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
buco, 14 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. rta Annonriaeao.
O Illm. Sr. inspector da iMBM provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer pnbliro, qo-? no
dia 3 de agosto prximo vindooro, pera me jrnitt
da fazenda, da mesma lhe*nirara, e ha arre-
malar, a quem por ineno lizer a obra do empedra-
ment, na pxHtiso de 155 bre no lauro da es-
trada de Bujarv a cidade deGoiaima, avahada em
l:36WO0O.
A arremataco sera feita na forma da le provin-
cial n. 313 de 15 de mam de IS4o, e sob as iliwu
las espprlae* abaixo declaradas.
as pessoas qne se propuzerem a eswia arremata-
cao comparecam na sala das sessdes da referida
junta, no di cima mencionado neto meto da c
competentemente habilitadas.
E para constar se mand-u publicar o presaste
pelo jornal.
Secretaria da thesonraria provincial e Praam-
buco, 4 de julho de 1865.
O secretario
A. F. da Annwnfutemo.
Clausulas especiaes para a arremata?*).
1.a Empedramento de 155 braca* corren!* no
lauco do i- ir.-.da de Bujarv a (ioianna a impor-
tancia de I;3640 com o reppeclivo orramento, e a* iiMrncee* *t
engenheiro encarregado da fiscalisacao o irann-
Ihos.
2.* Os pagamentos sero feitos em dua* presta-
f5es iguaes, a primeira quando etiver ex^entaWo
melade de lodo o servico ; e a nliima na ronelneao
do trahalbo.
3.a O arrematante comecara os irabalbo* at o
dia 1." de setembro e os concluir al o ntlmn de
outubro do correte anno.
4.* O arrematante nao lera direito a indemn*-
i nalnreza da atle-
dos direitos polticos; seus correligionarios encon-
traran) ^empre nelle um adiado sincero, dedicado
e activo; o pailido conservador perdeu nelle um
lidador. A sua vida poltica era longa", e todava
jamis imporlunou com exigencias aos seus adia-
dos, quer no poder, quer fra deile; e tendo exer
ALPANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 26......
dem do da 27...............
c.do algnns cargos pblicos, iodos foram graluitos.!
irvia sempre
Elle foi lam-
,seus eommodos, abandonar seus interesses para Foi juiz de paz por muitos annos, e servio sempre < Volnmes enrd'VMm^zenrias "''
do Sacramento Lopes aSbU""r a adraimstracao da provincia, foi indubi-
com zelo, iutelligencia e pr bidade.
bem por vezes, eleilor de parochia.
Seus ltimos momentos foram como toda sua
vida, alentados pelo conforto que nos d a religio
dos nsssos pais; elle receben o sagrado Viatico,
depois de se haver reconciliado com Deus por meio
MOVIME.NTO DA ALFADEGA.
322
com gneros..... 7'il
ornan.' nner i' co"'i:i.sa.n' e aSi,n Preparado como um verda-: Brigue sueco -Orinarfarin ha de trigo.
* 1ualidades "ue u ornam. 10" de.ro chr.stao, eniregou a alma ao Creador. Br* auslriaco-So.uviur dN Hawi-fari
Hontem leve elTectivamcnti; lugar a missa em
suffragio dos bravos que succuuihiram na batalha
de lliachuelo, mandada rezar pelo Atheneu Philo-
sophieo Litterario.
Hoje, Cordeiro Slmoes fara' leililo de mobl-
lias, diversos escravos, apparelhos para cha' e jan-
lar,- candieiros a gaz e outros objectos de gosio, ,
ra da Cruz n. 57, s 11 horas. I Jjf0*,0Ctt ft de'ej* dt acerlar'fazen,lu JUS"5a a provedor era (foi reeleito j quando se receiava
Amanha se extrahir a quinta parte da, f.r"",. por sua existencia), conduziram o seu cadver na-
quaria e primeira da quinta lotera da Sania Casa | ^SSStSlJ^S^iS!! giyjg?? d!.as ra. a Jf'" da Sa,llil C'rai< .ndfi "o dia seguinte,
iie Misericordia (25a), sendo o maior premio
6:0t03000.
i como cidado, quer como particular: os que
' o tem procurado tem reconhecido nelle manei-
ras agradaves e conversaco animada, mostran-
do ne.-la torca de vontade, vivo inieresse pelo bem
Thom Carlos Peretti vivcu e morreu
dadeiro hornera de bem.
dade do Seonor Bom Jess
ItErAIlTIQAO DA POLICA
Extracto da parle do dia 27 de julho de 1865.
Foram recomidos k casa de detengo DO da 26 222&2222E"JKL2: fara ,udo flua"1
do corrente pu r beneficio da provincia, como seja, por
A' ordem do subdelegada de Sanio Antonio, Joa- ^ exemplo, activar os negocios tendentes guerra,
quim Mendes de Lima e Ignacio, escravo de Alva- e
ro Pereira Sa, para correcto : e Manoel, escravo
Sentimos
administrado de S. Exc, porque eremos que, a pe|as 8 horas e meia da manbaa foi modeslmente
ser ella duradoura, a provincia muito lena que cantado um memento por sua alma, como elle ha-
Nao obstante esses poucos dias de uma admi-
de Salgado 4 Irmo, requerimento destes.
O chefe da 2.a seceo.
J. G. de Mesqniia.
Casa de deten<;o.Movimento do dia 26 de ju-
lho de 1865 :
Exisliam 348; entraran) 3 ; sahirai) 3 ; exis-
ten) 348 ; a saber : nacionaes 257 ; mulheres 7 ;
estrangeiros 24 ; mulheres 2 ; escravos 54 ; es-
vos 4; lotal 348.
Alimentados a cu-la dos cofres pblicos 17o.
"i*i*rri-#i
via pedido. Nesta occasio ainda maior numero
de seus amigos achou-se presente, os quaes de ac-
cordo com a irmandade, resolvern) que o seu cor-
po fosse levado mo para o cemiterio, como ef-
fectivamente foi, revesando-se todos no carrega-
mento do fretro, e sendo este prestito seguido do
carro fnebre, e de 23 carros destinados para a
que o paiz esta empeuhado; destituirs autori-
dades mais geralmente conhecidas como parciaes e
omissas no cumprimenlo de seus deveres, substi-
tuindo-as por homens que estejam as condicoes
legaes etc.: tanto mais quanto S. Exc. filho da
provincia, e deve couhecer os que se acham em
taes condicoes.
Proceda S. Exc, como entender, lembrando se
de que o vice-presidente, naadroinistraco da pro-
vincia exerce as mesmas func^oes de*presidente t
effectlvo e estamos certos e convencidissimos de stnlia uiorle de Thom Carlos Peretti, oflere-
que a provinca s ter motivos de reconhecimento | eida ao Exm. Sr. dezembargador Anselmo Fran-
cnoduccao d'aquelles mesmos que preferiram car-
regar e acompanhar a p os restos mortaes do
amigo, que acabavam de perder.
Uma saudade sobre o tmulo de Thom Carlos
Peretti.
gaeto, salvo nos casos previstos por lei.
Caixa filial do banco do Hlrasll 8? Em tudo o mais que nao vai e*perih>aflo na*
ecil Pcrnambllt'O. presentes clausulas, seguirse-ha o que iti^pe o re-
De ordem da directora desta caixa se faz pobli- g"'amf""' de 9 de julho de 1864.
co aos senliores accionistas, que o respectivo the-; Couforme.-A. F. da Annnnruirao.
soureiro est autorisado a pagar o 23 dividendo o Illm. Sr. inspector da Ibes.orara provin-
do semestre lindo em 30 de junho ultimo a razao Cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
de l-'-J por arcao. sidente da provincia, manda fazer pul.no. qoe no
Caixa filial do banco dd Brasil 15 de julho de.dia 10 de ag,>to prximo vindouro, perante a jonu
1865. da fazenda da mesma tliesouraiia >e ha de arrema-
0 guarda-livros, tar a quem por meos flzer os reparo* de 88 bra-
Ignacio Nones Crrela. Cas de empedramento, entre .;s marros de 3 a l
mil brabas nos lugares denominados rea* do Gi-
~,n.-. Quia e ladeira do Vieira, na entrada da Virtoria
41/:280S2I8 avadados em 1:9695000.
21:0915345 a arremaiago ser feita na forma da le n. Mi
"~"------~~ i de 15 de malo de 1854 e sob as clausulas esprriaes
438:3715563 [ abaixo declaradas.
As pescoas que se propuzerem a essa arremata-
ran comprela na .-ala das.-e>M>-- da referida jnn-
la, no dia acuna mencionado, j.elomtiu dia eemn-
pclentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo orual.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Pernam-
buco, 10 de julho de 1863.
O secretar:
A. F. da Am*UHc,ivi .
Clausulas especiis para a arrematar:
i' Os reparos do empedramento da estrada da
Victoria, entre o- marcos de 3 a i mil ttmjm nos
lugares denominados Aleas do Oiquia e ladeira do
Vieira, sero feitos de conformidade rom o respec-
tivo orcaraento, na importancia de 1:961)0.
2a O arremtame dar principio aos irabalbos
I no prazo de 13 dias e os concluir no d- 3 wezea,
I ambos cralados da acta da approvai-o da nanja>
' tiva arremataco.
3a Os pagamentos sero feitos em doas presia-
| cues iguaes, e correspondentes a cada melade da
; obra execulada.
4a O arrematante nao podar ioterroaper os tra-
. i.allios por quinze dias ou mais, sob pena de icr
! mudado na quanlia de 1005-
5 Nao podera o arrematante peuir indemui-a-
------1,063
Volumes sahidos com fazendas..... 82
t com gneros..... 1,396
-------1,478
Descarregam no da 28 do corrente.
farinha de
igue
como ver \ trigo.
I Barca ingleza Hidalgo mercadorias.
\lguns dos seus amigos, e a respeitavel irman-1 BrigUe nglez-Zone-machinas e carvo.
da Via Sacra, cujo Brigue inglez Anu Stamsland mercadorias e
carvo
Vapor inglezGladiatormercadorias.
Brigue nacional Pernambucano plvora.
Escuna poriuguezaD. Joocharque.
Brigue nacionalCardiadem.
Escuna diuamarquezaDoranaidem
Brigue hdspanholaVigilanteidem.
Brigue portuguezS. Josidem.
Barca inglc.aMaru l/)rdcarvo.
RECEBEDORIA DE I1E.NDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
I
I : I
I I
I : I
i! =
I : I
o
>
>
o
o
>
'8
oo
Masculino. )
o
o
Feminino.
z
>
z
e gratido para com os actos praticados por S. Exc.
durante a sua administracao.
Reeife, 25 de julho de 1865.
O justtceiro.
Masculino.
II
Feminino.
Masculino.
i*
Feminino.
>
<
o
=
e
s
"2.
cisco Peretti, e a sua rma
Josepha Maria Peretti.
a Iaiik. Sra. D.
Si-s.
CORRESPONDENCIAS
Era cedo!...Romeiro da existencia
Paraste exhausto em meio da jornada.
Inda no cea surriain te as estrellas,
Inda havia laureis, flores na estrada.
Quente de vida e de illusdes ainda
Pendeste a fronte ao chao da sepultura.
. Masculino.
S 2
Feminino.
Masculino.
_ f J'eminino.
^ I total.

"3-
redactores. Chega-me ao conhecimenlo, I
que pelas tavernas e agougues desta cidade, fazem Em quanto o extremo adeus dissesle ao mundo
algazarra infernal, contra meu pobre nome urna Tua alma em vlvai sorriu-se pura.
sucia de individuos, que nao lendo em que se oc-
cupar, preslam-se a ser pregoeiios das falsidades ~Branco cysneperdendo-te no espago
ailteias na persuaso talvez de que a mentira re- Al)ris,e as azas demandando os cus.
petida pelo maior numero possivel ser acreditada ^Je bannado Da celeste graca
cemo verdadeengao manifest. ; So"*5 cantos de amor aos ps de Deus.
E nao devendo consentir que o meu ilencio m -~,- i i t
favoreca em tao reprovado me.o de morder mU rfT .80,.a fu'g'r t0,mha "1orcaso
nha reputaco ,que muilo preso recorro aoiiro f f 3 Un\ao "'"i"0 fulg0r'
cinio da advogVda univeiml (i Tnrensa) nara r de te "'T despreDdeu:se. esPrit0
mais uma vezBdesmascarar LVTS5U5 ^m0 Per'Ume ele**-8e "r-
calumniadores.. .e provocar a quem Ihe paga e os Longe do porto a barca da existencia
instiga para me calumniar que, a descoberto e por Foi de encontr partirse no rochedo
esta orma facam o mesmo contra mim, sem in- -Condor-a morte suspenden-te as azas
dulgencia (pois della nao preciso! fleando certos, Nem lindaste teu vo I... Inda era cedo
que sempre me acharan escudado, nao com as ar-
mas dos empenhos e enredos, mas com a verdade e Hoe> e0,re as dores de mortal saudade,
Justiga de minha causa pela frente, e pela reta- Eu> oae eTD ,ac(,s de irrna<> viv corotigo,
guarda o completo despreso que merecen) aoque VeDno raolhar com os praotos de minha alma
r\r\t* aren lnnn !... A nodrn oonlnluml -1 .- !>!>
Rendimento do dia 1 a 26.....
dem do da 27...............
36:2335302
1:283-3894
EDIfAE&
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes exlstem J73,sendo il
bomeM e 64 mulheres.
por esse laoo mordem
V?w benignos leitores, em resumo o motivo da
gritara e utvos dos taes caes damnados.
Em 1861 tive a infehcidade de arrendar minha
padaria a Joo Alves de Moura, o qual se mocin
na mesma com Luiz Fonseca de Macedo ; um e
oulro, pagaram os alugoeis na forma do contrato,
por espaco de dois annos; e em agosto de 1863
dominados de ambicio e inveja qne os iota, e des-
pei lados por nao Ihes quere- vender a padaria,
conceberam entre si o infernal plano de se apos- Ao
sar della sem dinheiro, indo para esse fim occulta-
cedo s Alagoas arrendar ao ilegitimo
A |iedra sepulchral de teu jazigo.
Descanca : a vida um sonho sobre a trra,
E a morte um doce despertar nos cus.
a alma, deixando o mundo, entre perfumes
Va fulgente a se abracar com Deus.
*
corpo eleltoral do 8 dls-
trlcto.
Trata-se da escojha do candidato que deve pre-
proprietano a casa em que se acha montado o es- encher a vaga de um deputado assembla eral
tabelecimento, e inculcndose w para o conse- pelo2 districlo desta provincia, e por isto seia-
guir, proprietano da padaria e voltando a esta ci- nos licito lembrar aos distinctos eleitores desse
cao sobre qualquer pretexlo
----------1 6' Na exeruco do servico o arrematante obser-
37:3395196 vara as instrueces que Ihe forem dadas peto enge-
====== nheiro encarrenado dos irabalbos.
CONSULADO PROVINCIAL. 7a O que nesUs clausulas nao se acnar previsto
Rendimenlodo da 1 a 20...... 10I:4G85623 observarse-ha o que dispe regulronlo de
dem do dia 27.............. 6315478 de julho de 1864.
--------------I Conforro'.
102:1205103! A. F. da Anunciar*.
O Illm. Sr. inspector da ihe ooraria previa'
cial.em cumprimenlo da ordem du Exm. Sr. prn-
denle da provincia, manda fazer publico que no din
10 de agosto prximo vindoorn, peranle a junta da
' fazenda da mesma thesonraria, se ha de arrematar
a quem por menos flzer, os reparos do errpetfra-
mento de 250 bracas entre os mareos de 5 a 8 mil
bracas na estrada da Victoria, avahados en*.....
3:1375.
A arremataco ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1834 sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas qne se propozerem a essa arremata-
co comparecam na sala das sessoes 4a referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio wae
competentemente habilitados.
E para constar se raandou publicar o
pelo jornal.
Secretaria da Ihesouraria provincial de
buco, 10 de junho de 1863.
O secretario,
A F. da AnmmmcMfmo.
Clausulas especiaes para a arremataiao.
Ia Os reparos do empedramento da
O Illm. Sr. inspector da thsouraria provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. St pre-
sdeme da provincia de 17 do correnle, manda fa-
zer publico, que a junta da fezenda da mesma ihe-
souraria recebe qualquer proposla acerca da ar-
remataco da fabrica de relinar assucar na povoa-
co do Monteiro, ainda mesmo por venda a pjaso-
Os prelendentes comparecam na mesma thesou.
rana al o dia 3 de agosto prximo futuro.
Secretaria da ihesouraria provincial, de Per-
nambuco 19 de julho de 1865.O secretario.
A. F, d'Annunciacoo.
O Illm. Sr. inspector da thesonraria provincial,
em cumprimento da resomc,aoda junta de fazenda,
manda fazer publico, qne no dia 27 do correnle
vai novaraenie a praca, para ser arrematado a
quem mais der, um telheiro que existe junto a
ponte do Molocolomb, servindo de base arrema-
taco a quanlia de 255000 oflerecida por dous lici-
tantes.
E para constar
pr
estrada da
88 mandou publicar o presente v,clona'enlre os marcos de 5 a 8 mil bracas seria
pelo jornal. i execuladas de conformidade com o respectivo or-
Secrelaria da Ihesouraria provincial de Peroam- Cament0 na importancia de 3 1575.
buco, 21 de julho de 1865. 2* O arrematante comecara os trabamos 15 dina
O secretarlo depois da approvacao do contrato, e os ronelmra
A. F. dAnnunciarOo. era.4 meze?> contados tambera da data da
O Illm. Sr. inspector da ihesouraria provin- vaao*
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre- 3a Os pagamentos serao feitos en tres
sidenw da provincia manda fazer publico que oo iguaes e correspondentes a cada lancoaa'ebn
da 17 de agosto prximo vlndouro, perante a jun- culada,
ta de fazenda da mesma ihesouraria, se ha de ar- 4a Soffrera o arrematante orna moKa de lOU se
noa a qUem P01" Hienos 5Ier' es reparos Pralyr os irabalbos por mais de 13
2,09o bracas crranles na estrada do sol, do mareo | 5a O arrematante cumprir as oraeas ,
at oportao da barrerra da [ote vamente ao servico, Ihe forero dadas pelo
dos Carvalhos, aveliados em 5:3135000.
A arremataco sera.feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 13 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
co, comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio cia e
competentemente habilitadas.
ro encarregado dos irabalbos.
6a Nao poder o arrematante pedir
cao sobre qualquer pretexta
7a Para indo quanto aqu se prefinir, .
vara o que determina o ref olamento de 9 de
de 1864.
CendaraM,
A.F.4*



liarlo de Pcraanbic fiesta tetra t de Jnlho de *

0 Iilm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da orclem da Exro. Sr. presi-
dente di provincia, mana fazer publico que no
ia 10 de agosto prximo vitidouro, peraote a jau-
ta da hienda da mesma :he onraria, se ha de ar-
rematar a quem por menos zer a obra do empe-
dramento de 280 bracas correntes entre os marcos
de 13 a H mil bragas na estrada da Victoria, ava-
llada em 3:399500.
A arrema ligio ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
claasolns especiaes abaixo copalas:
As pessoa que se propozerem a essa arrematarlo
comparecen na sala das sess5es
arremataco.
Perante o Sr. juiz de paz do i districto da fre-
guezia da Boa-Vista tem de ser arrematado em
hasta publica, no dia 31 do cor rente, os alugueis
da casa terrea n. 57, sita na ra da Soledade, pe-
nhorada a Areeoio Antonio da Cunha Carneiro Mi-
randa, por eiecucao de Trime Rodrigues da Cu-
nha, sendo a uliima praca no dia 31.: quem pre-
; tender arrematar ditos alugueis, pode examinar a
dita casa.
Para Rio 4e Jimeir*.
pretende seguir cora muita brevidade o patacho
nacional Regulo, tem pirie de sen car res; a ment
engajado, e para o resto que Ihe falta e escravos a
frele, trata se com os seos consignatarios Adtonin
Luiz de Oiiveira Azevedo <$ C, no sen escriptono
ra da Cruz n. 1.__________________________
Para o Para, com escala peio Marantiao, pre
teode sabir em poneos dias o lugre Emilia, capi-
to Bernardlno Rodrigues de Almeida, tem a
maior parte da carga tratada, e para o resto qua!
Ihes falta, tratase com o consignatario Joaquina j
JosGongalves Beltrao, na ra do Vigario n. 17, i
AV8T*i s, ,OHeo &a Parahlba
- M.^%9 o nosso aviso se alo tiende co o Sr. Dr An-
Os Srg Correspondentes dos tero M & Medeiros Furtdo, funesto u Ilustrado
, ... advogado desta cidade.
EMPIIEZA
No dia 38 do correte, as 11 ti oras, depois
da audiencia do Dr. juiz de orpliaos, vai a praca
da "referida junta'Por ftndaura sitio de Ierras freirs no lugar do
no dia cima mencionado, pelo meio dia e compe- Barro na freguez.a dos Argados, cora casa de v.-; primeiro andar,_____
tmente habilitadas. venda de taipa, casa para rancho e mals quatro ^ ^. para a Bahia pretende salur
E para con*tar se maudou publicar o presente'casinhas de taipa, tudo avaliado em 1:000$, vai a Ek/KK, com muita brevidade o velelro
pelo jornal. praga a requer ment ido inventariaute dos bans )tfyaSNk logre Emilia, capillo Bernard
Secretara da thesouri.ria provincial de Periigra-1 da tinada Josepha Duarte. _________________ Jffa ^ no Rodrigues de Almeida, por
buco, 10 de julho de 1805.
O secretario,
A. F, da Annunciacao.
ad-
ad-
DE
Clausulas especiaes para a arremataco.
! O empedrarhento entre os marcos de 13 a 14 prejarja n0 servico (le ajudar
mil bracas ser'.executado de conformidade com o nhi.f. j, ,._. ,. pniinf,:,, rljrija-sp
respectivo orcamento na importancia de 3:599,5300. pbiSta jorre O LOllCglO trija-se a
2' O arrematante comeoar os trabalhos no pra- ministrado do COrretO a fallar COm O
zo de 15 dias e os concluir no de 5 mezes, ambos ministrador,
contados da iata da approv.ico da arrematado. _
3* O.- pagamentos seriio l'eitos em tres presta-)
goes igaaes a correspondentes a cada terca parte
a obra executada.
4* ScTrera o arrematante urna multa de 100J se
paralysar < U$HtQt por 15 das ou mals.
5 Na po Jera o arrematante sob pretexto qual-
jner pedir indemnisacao alguma.
6* O engenheirc- encarregado dos trabalhos dar
ao arrematante as iaslrnccoes a respeito do servi-
co, as qoaes serio observadas sem a menor discre-
pancia.
7" O que nao se aeha aqu previsto ser regula-,
do como se acha determinado no regulamento de
li de julnho de 1865.
Conforme,
A. F. da Annunciacao.
O lilm. Sr. inspector da thesouraria provin- espectculo extraordinario eh hoxra ao bri-
cial, era cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre- liiante e immorrboouro triumpiio naval obtido
sidente da provincia, manda fazer publico, que no pela esquadra brasileira sobre a esquadra pa-
dia 24 le agosto prximo vindouro, peraDte a jun-; raguaya, no paran.
la da fzenda da mesma thesouria se ha de arre-, Represen iar-sj,-ha o magnifico e apparatoso qua-
matar, a quoin por menos ilzer os reparos urgen-1 dro allegorieo em elegante verso, composicao do
nventariaute dos bens
de' Almeida,
ter a maior parte da carga tra
LOIIClOgiiral, f-lT iada, e para o resto que Ihes
A pessoa que estiver habilitada para co- faita tratase com o consignatario Joaquim Jpt
nbecer Signaos de navios e quizer ser em- Goncalves Bellro, na ra do \ gario n. 17, pri-
ao lelegra- me"'anj3r-
Para o Porto
sahir por todo este mez o brigue portuguez Umao,
recebe o resto da canta e paasageiros, e trata-se
com o consignatario Thoroaz de Aquino Fonseca,
roa do Vigario n. 19, primeiro andar, ou com o
capitao na praca.
hh
11
T.X
W Si t? o
EMPREZA-OOIMBRA
Sibbado 29 de jullio de
1865.
MU
11
Ll
Todas as semabas
NO GRANDE ARMAZEM DE LE i LOES
DO AGENTE
tos de que jrecisa a cadeia d villa do Limoeiro,
avahados em 3:4185150 rs.
A arremataco sera f. ita na forma da le provin-
cal n. 34! de 13 de maio de 1834, e sob as clau-
sulas especiaos abaixo declaradas.
As pessoa que sa preporem a essa arremataco
muto conhecido e dislincto esoriptor brasileiro Dr.
Frankhn Tavora, sob o titulo
A ViCTOU )E HUKBil.
OLYMPIO
36-Rhi la Caileia do eclfe-36
HOtlE
L<'ilao sexla-feira 28, armazem n. 53
Pelo agente Euzebio,
De duas mobilias de Jacaranda e diversas obras
de marcineira.
Deoois de um animado o vivo jogo de scena em
urna linda e nova floresta, apparecer nm quadro
LEILAO
comparegam na sala das ses.-oes da referida junta, Iluminado ao fundo qua representa a nossa esqua- jje
no da acim i mencionado, pelo meio dia e compe- dra destingulodo-se a fragata Amazonas, sobre as uma moD|a ae Jacaranda, 1 cama franceza de
ternemente habilitadas. aguas do rio Paran, submergindo e moliendo a dll0j t mesa com pei1ra Je dito, i imbilia de ama-
E para constar se inandou publicar o presente pique tt embarcacoe? paraguayas, lud) tirado de re||0; | ,oa|et ,je all0( i COinmoda de dito, 1 guar-
pelo jornal. I discripcoes exactas, de estampas aulhenticas da- da |0U5a) ^ eadeiras de bataneo, marquezas, ca-
Secreana da thesouraria provincial de Pernam- quelle combate,e pint do pelo hbil scenographo eiras de faia, 1 mesa elstica de amarello, con>o-
pernambucano Francisco Dornellas Mundori.
'ssiijnantes deste Diaria, no
centro da provincia c as de
mais du imperio, qaeiram
mandar satisfazer o importe
da ssignatut para nao ha
ver interrnpco na remessa
O Sr. Armenio Antonio Carneiro da
Gunlia Miranda quena dirigir-se a pragt da
Independencia n. 6 e 8, que se precisa
fallar.
LOTERA
AOS 6:000/?000.
Corre amanha.
Sabbado 9 do corrente mez, se extialii-
r a 5a parle da 4a e Ia da 5a lotera foa)
a beneficio fia Santa Casa de Misericordia
no consistorio da tgreja de Nossa Senhora
do Rosario da fregnezia de Santo Antonio.
Os bilbetos, meios e quartos est5o a ven-
da na respectiva thesouraria a ra do Gres- B
po numero 15,
Os premi
seo pagos
at as i horas da tarde, e os outros depois
da dislribuigaodas listas.
As encomtnendas s rao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccSo
como de costume.
Servindo de tbesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza,
Henry Gibson Greaves, subdito inglez, vai a
Inglaterra.
" EJuardo da Silva Ferreira, Brasileiro, vai a
Europa.
Irmandade do SS: Sacramen-
to do Recife.
Se no dia 16 do corrente nao teve numero sufli-
ciente de irmos como faz Miente o Illm. Sr. es-
crivao, para se fazer a elelcio, leve numero milito
Ivogado
O advogado trapasseiro a quem nos referiino,
dizem, ler escrlplorio na praca de S. Lucas, OBJ
porta que d entrada para o receptacolo, ao rodar-
se sobre seos gonzos, tem um ranger que alorda
a toda a geote que por ahi passa.
Bmsammmammwmm
DE
r
i
A mesa reidora da irmandade do Senhnr
Bom Jess da Via -acra erecta na igreja da
Santa Crnz, convida a tolos os seus innaos
para assistirem as missas e memento, que
lora lugar as 6 I 2 horas da manha, por al-
ma do nosso irado provedor Thom Carlos
Peretti, no dia 28 do corrente mez.
Alguns amigos do (nado Thom Carlos
Peretti, maodam celebrar mistas e memento
na igreja da Santa Cruz, no dia 29 do cr-
rente pelas 6 1(2 horas da manha, para o
que convidamos amigos do linado.
HMMMI
Pede-se a Illm' cmara municipal para qoe
ILLUMINACAO A GAZ-
Araazrm n. 31, ra V Imp*radar.
Para mais regularidad* do avnfefi lena raapre-
za revolvido lo somente ver.d^r > atfarvnp*.
etc., deixandoqne os-rs. o-nsurri-lores (km
os machinisUs que ma< Ihes tgntonm, ofcaOi
o< nnines, morada, etc.. i! I >d i- rfka seris m-
cados no armazem da enr.prwa.
As reclamacoes por ma Inz m casas, tmim ac-
parelhr.s hooverem sido rail N i anier<>r*Ble
a este aviso, serao aiiemlidos pila eipr*ia; oocr>*
quaesquer, nao.
A empreza espera qne eta m-dida ?*r dtWa-
m^nte apreciada pelm >enh fes ronsnmidofv*. -
dente como a tornar este rvi^ mal* en '
co ; vi>to que ella vend.ra Indo, aprns* roa* SE
lucro tal, que cobra as eapexa* ii.e*M "it.
aoTTblco
CALILOS PLUYM.
Como a empreza de illominaro a i
do licenca aos machinistas p ,ri ir.tl
sua propria conla, Carlos 1'lnym. niarttin>ta. #*-
rece seu prenimo ao pubic aara nraoar faz -
azoa, e toda aerto t Mfrtf m aMM
seu uflicio, |K>r prei;o muit ra-<>a^is.
Pode ser procurado a oilqu.-r i*.r*
os' de 6:0003000 at tOSOOO maride reparar a pequea ponie .,ue tica confro.ite Alegra n. 16 (Boa-Wu.)
. (i ao quartel do Hospicio, qu. foi ha Mu ptiaadM -,(- u-
uma ora uepois ua e.\iraci,aO jerrubada oor uma canoa de carregar areia de n. S^* prova da pe
183, visto que mesma ponte foi feita as espensas
dos cofres municipaes, e senao soffrer o concert
ira de toda abaixo, e tirara a pwmlarao sem Ma-
sito por aquello lugar.
32scriptiira$o ene re o tal
P. Augusto da Graca e Mello contina na sua
antiga oceupacao de faz-r escripias, tanto pi>r par-
tidas simples como doliradas: qu^m pretendrr
utilisar-se de seus servicos, pode procura-lo na ra
do Livramemon. 22, ra do Q eimado n. SS, le-
jas de fazendas, e ra do Cabag n. 2 A, luja de
ourives.____________________________________
AO COMMERCI
Antonio de Souza e Silva e Honorato Car-uno de
Abreu, sob a razo de Abreu & Silva, avisara ao
coreo do comraercio e ao publico em geral, que
nesta data tem justo e contralado a compra di iio
tica da ra de Imperador n, 36, sob a lirma Oe
Fonseca & Abreu : qoem se juigar credor da
perfrti.;ao Jo sru trat*ta u
mesmo wfferece ao poMn-n o i*-*-mwrlhi> t >m-
measas pt-ssoas para quem ja traltalh-m a nwiilri t-t
da companhia do gaz. ^^^^^
casdTfort ~
Aos 0:000^000.
9Bilhete saraaClelos.
A' RITA DO CKESI'O N. 21 K CASAS DO r.OSTMF.
O abaixoassignado venden nos zes bilheies garantidas da lotera qoe *r *r
de extrahir, a beneficio da matriz de Afta Pr t
os seguales premios :
Um meio ff. j06 com a sirle de 6:0m>4>.
Dous quartos n. 7% com a orle 4 Wm-J.
E Mitras muitas surtes de IOO, iO#, i -
I0J000.
Os^ossoidores podem vir receher eo re-
tivos premios sem os drjcoato das leisna'j-.
buco, 21 de julho de l^o.
O secretario,
A. F. a"Annunciacao.
Clausulas especiaes pra a arremataco :
!. As obras dos reparos da cadeia da villa do
Limoeiro, serSo feilas de conformidade com o or-
(jamenlo respeclivo ua importancia de ris .......
3:4l85'o0.
2.* O arrematante dar principio ao irabalho lo seus trajes,
das depois que se liztr a arremataco e as dever A empreza demorou se em solemnisar esse
concluir no prazo de 3 mez*. ^ rioso triumpho em ronsequeacia. somenle do
3." Os pagamentos sero feilos em
igaaes a cada terca parto da obra
4.a O arr. matante seguir naextcucao
as instrucces do engeiiheiro, que a inspeccionar, j uma doria real para o imperio, a qual foi
esliver previsto
PEOSONAGE.NS DO QUADRO.
Brasil....... Anioedo.
America..... D. Eugenia.
Um indio..... Teixeira.
Paraguay----- Borges.
Os vestidos sao a carcter sobresalilo as figu-
ras Brasil e America pela riqueza e elegancia dos
glo-
pre-
ol, mesas, I candelabro, 2 pa es de lamentas
candieiros a gaz, e outros objectos de gosto.
1IO JE
SeiU-feira 27 to correuln as l horas
Cordeiro Simoes far leilao dos objectos cima
mencionados no armazem a ma da Cruz u- o".
Na mesma occa>io vender uma bomba de'
Japy-_____. .___________
mesma lirma, directa mi indireciamente, ou que j, gM,'i,. j rM ^'-' -"-" *i
sulfineol no domingo 23 que segundo diz o illm. ._,. ...llln.' Pil.ltI|. (lllP ,mi,,m mnedir un ,h0,rluna a roa C,J crespo p. B.
Sr Jos ,la Cnnha ihesoureiro da Irmandade foi quaesquei que podara empeair ou Acham-se a venda os da 5* parte 4a
i..Jos ua i^unna, innsourtiro ua irrniiojoe, rcclamuj* alizuoi (lir<_;ito sobro a ausiua compra,
o da marcado para asejun-l:. convocacao, e porque hajlm o6se(,ulo a,,reseurem-se no preso .le
e que uem ojoiz nem o escrivao comparecern! ? ,re| a con(ar dl.la lla|a ao rmlTana ns0 M
poisosirmaos dairinaudade nao^quererao ser sujeitara'a nova firma a mt.huma recla.naro ou
direito que porventura appareci. Recife 24 de
ulho de 186o.
LEILAO
ii 3 prestacoes paro das scenas e vestuarios, cujo Irabalho de apu- De |jm sj(J0 Qas areis do Gj()Ujaf ,.om cas, (]uasi
correspndente. rado gosto impedia de levar logo a elfeito esse nova tendo e*la um qtiar'o com 2 portas que
cucao das obras grandioso pensamiento patritico, smoilicativo de ferVt para negocio, tem mais' sala de frente
o.* Para tU'Io quant aqui nao
ubservar-se ha o que dtedde a lei n. 286.
Conforme,
A. F. a"Annunciacao.
Illm. Sr. inspeetur da thesouraria provincial,!
em ciniprimenl) da ordem do Exm. Sr. presiden-,
te da provincia, mand;. fazer publico, que no dia
2i de agosto prximo viudouro, peranle a junta da
fazenda da mesma thesouraria, se ha de arrema-
lar, a quem por menos fizer osjeparos da ponte
do Itio Korraoso, avahados em i:5lij>000.
A arremataco ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de lo de maio de i8-31, e sob as |
clausulas especiaes a br.ixo copiadas.
As ressoas qoe se proporem a essa arremataco
comparecam na sala das sessoes da referida junta, |
no dia seims mencionao, pelo meio dia e compe-'
ternemente habilitadas.
E para constar >e miudou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesobrafia provincial de Pernam-,
buco, 21 de julho de 1805.
O secretario,
A. F. i'Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arremataco:
1.a Os reparos da ponte di Rio Formoso, serao
feilos de conformidade com o orc,araento junto na
importancia de 1:5315000.
2.' As obras deverc ser principiadas no praze
de 2o dias e concluidas no de 3 mezes, ambos
cornados da data da aporovacao da arremataco.
3.' Os pagamentos serao realisados em duas
presiacoes iguaes, a piimeira quaudo tiver metade
das obras, e a segunda na sua conclusao e entrega
defensiva.
4.1 Para tudo que nao estiver especificado as
presentes clausulas e orcaraento, seguir-se ha o
que dhpoe o regulameato de 9 do julho de 1865.
Conforme,
A. F. a"Annunciacao.
bri-
llantemente festejada,nao so no Brasil como pelas
repblicas alliadas de Montevilo e Buenos-Ayres.
Finda a allegona representarse-ha o sempre ap-
plaudido drama de grande apparato em 5 actos e
1 quadro
com porta e janella, sala d.; meio, dita de detraz,
3 quartos, cosinha, casa i1e rancho, foreira e
tem algumas arvores fructferas.
Cordeiro iisses
por conta.e risco de quera pertencer vender em
leilao o sitio cima mencinalo, CU|o sitio vende-se
por resgate de uma hypotheca, isto
Quarta-feira 2 de agosto
as II horas, no armazem a roa da Cruz n. 37.
criados para eslarem as ordens quando seus cheles
quizerum. Nao voltario mais os cabrioes
Leito o Campello.
pMraniimip|i
Wk Dr. Cosme de S Pereira conti-
I nna a residir na ra da Cruz n. 53,
| 1" e 2o andar, onde pode ser procu-
" rado para o eiercicio de sua profis-
_ sao medica, e com especialidade
ER sobre 9 seguinte
^| 1" molestias de olhos;
2o de peito :
Principiar as 8 horas.
Lfl
H
LtUT
rn
ilil
Convidase as pessoasqne estao as condi-
Coes d i servico militar, a engajarem no corpo de
polica e gozarem das vantagens da lei provincial,
n. 611 de 2 de maio prximo passado, que sao as i
seguales: I>1 oors- diarios de sddo, serem seus i
filhos menores recolhidos aos estabeiecimentos;
provinciae; de educacao o lempo que estiverem |
na gu rra ser contado pe o duplo para o caso de
aposeiitidom, e a m deltas, tem todas as mais
vantagens que sao cor.ceciidas aos voluntarios da i
patria. O tenente-c ironel commandante do cor-
po do polic a, A exandre de Barros e Albuquer-
0iw.____________ '_______________
COMPANHIA PERNAMBUC USA
DE
Navesaeao cosleira por vapor.
Macei e esca'as.
No dia 29 do corrente as 5
horas da tarde expedir estacom-
panhia um de seus vapores, o
qual receber carga somente at
o dia 28. Encommendas, passa-
geiros e duuieiro a frete at as 2 horas da tarde
do da da sahida ; escriptorio no Forte do Mal tos
COMPANHIA BASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portas do sul espera-
do at o dia 30 do corrente o va-
por Cruzeiro do Sul, comman-
dante Alcoforado, o qual depois
da demora do costume seguir
para os portos do norte.
Desdej recebem se passagelros e engaja-se a
carga que o vapor poder couduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dnheiro a frete at o dia di sahida as 2 ho-
ras da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, escripto-
rio de Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo & C.
LI3I
de zuclade do sonrado de dou
andares esolo siu na ra da
Senzalla-Yelha n. 43.
Marlins levara novamente a leilao por despacho
do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da segunda vara e
a requerimento do inventanoiie i: lestamenleiro
do bens deixados por I). .Mana Beru.intiua da
Conceieao Lima, de metade dn sobrado de dous
andares e soo di roa da Seazala u. 42.
IIOJE.
Em seu escriptorio ra da Cadeia n 9, primeiro
andar, as 11 horas._______________________
Leilao de escravos.
Cusco xa :
1 escravo de ua<;.\o time ~* anaos, i dito na-
Cao iade 30 anuos, 1 dito cri nos, 1 dito cnoulo idade 42 anuos, i dito naco
idade 30 anuos, 1 dito mulato de idade 40 annos,
1 dito mulato de 19 auaos, eopeiro, boiieiro e
cosiabeiro, I mulaliuha de idade 13 anuos, e um
mulato de 28 auuos pr jprio para todo servico.
Cordeiro Winies
legalraente autonsado vender em leilao os escra-
vos cima mencionados peio maior preco que oh-
tiver visio serera vendidos para pagamento nesia
praca, isto
IIOJE
as 11 horas, ter lugar o leilao DO armazem a ra
da Cruz n. 57._______________________________
LEILAO
DE
Ui'liiiic !n soiii-nil) di' 2 ;iini;u-> c, so-
lis silo na ; ua a Stii/.ala Ve I lia
numero 42.
Martins far leilao, precedida a competente nu-
dos igaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comeeando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
fi 6 asi da manha, menos nos do-
^ mingos.
H Praticar toda e qualquer opera-
cito que juigar conveniente para o \
jm prorapto restabelecimento dos seus ^
ga doentes. H
Oaixeiro.
Ofiereco se um rapaz brasileiro para caixeiro de
taberna ou de qualqaer outrj estabelecimento : a
pessoa que de eu prestimo se queira atilisar, diri-
ja-se a ra da Gloria, casado. 32,
ao p da ponte
quem tratar.
Club Cornil)ecrinl.
A partida do mez de julho ter lugar na
t noite do dia 29,____________________
Os abaixo asignados avis_ira ao respeiiSvvel
i publico e especialmente ao corpo do eomniercio,
[que compraram livre edesembaracada, ao Sr. los
Luiz Mace.lo Cavalcanti, a padaria sita na ra do
! Mondego n. 47.
[ _________ Carvalho^& Mattos. ___
Prensa-se de um menino de 12 a 16 anuos
! para se orcupar em taberna, dndose preferencia
i aos chegados ltimamente : na ra do Bangel Bo-
linero 39.
!
da 3* lotera (2o*> a bt-neriii c'.i S:mra tj-i *
Misericordia, ijue se extr.iliira sat>ba-lo ) \> ror-
rele.
I'i'.KCO.
Bi I heles.....7*
Mos......359)
Quartos.....WW
Para as pessaas jar esaiprarrai i >ljttt
ara cima.
Bilheies.....63<>0
Mejs......37.7
Quartos.....HHO)
juhsh Immi Firz.
St< O advogado Godiiy VascuarrllM, pe* 'j
*- ser procurado no e-enolorio da ra !.. ^>
?* Uosario estrella n. 3i, mi em sua r-.-i- ff^
. denria a ra do Sol o. 9.
mmrnm mm^mm m
iMRfl'
A 94301) se paam as libras sierlia : sa
Na ra de S. Francisco n. 3, se dir quem
precisa de uma ama que aliante a sua conducta, r^a das_Cruzes o. 41_A, taberna.
para tomar conta de uma casa de homcm solleiru.
Precisa se alugar um molequeyle 12 a 14
annos : na ra de Hortas n. 106.
Vende-se uma rotula e uma janella em mui-
lo bom esiado : ra das Aguas Verdes n. 9.
O abaixo assigmtdo julga-se nada dever, e se
i alguma pessoa se juigar seu credor aprsente suas
icontasem48 horas para ser pago, sssim como
nunca ficou por fiador e nem pretende car por
I pessoa alguma.
Francisco Antonio Bastos.
Iriiiiiilaile do SS. Sacrumenlo ta fre-
guezia lo Recife
N3o tendo comparecido numero sufMcente para
a rennio que devia ler lugar no dia 16 do corren-
a ma
Precisase de nma ama para o servido iarrm *
uma casa de pequea familia : a tratar oa nu das
Larangeiras n. 14, segundo andar.
A ma
ou no cuafariz
da Boa-Vista, que achara com
Preci-ase de uma ama para o servico inferan de
uma casa de poiva faaiha : a tratar a p'ai 4>
Corpo Santn. 17.___________________________
- Pnrisa-se de uma criunlu para a*a frem-
e familia : a tratar na ra Aogu>ta a. ~>.
Caixeiro.
Precisa-se de um c?xero qo-- tenha pralifi de
taberna e d fiador a sua con lucia : a ru.i a
te, de novo e de ordem do Illm. Sr. Jim, convido a Madre de Dos n. 9 se dir quem precisa.
lodos os irisaos para se acharem na igreja de nos-
Pela thesouraria pravincial se faz publico, que
a arremataco da obra da conclusao da casa da
camai a e cada da villa lo Bonito, foi transferida
para o dia 3 de agosto prximo vindouro.
GOffiPHHIA BRASILERA
DE
! PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte tonscao,de metade do sobrado da ra da Senzala
at o dia 6 de agosto, o vapor Velna n. 42.
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costme seguir' para os portos do
sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
^,51=-=- \ stsass SttS1 ss
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
HOJE.
Em seu escriptorio ra da Cadeia n. 9, as II
horas.
buco, l d3 julho de 1863.
O secretario
A. F. d"Annunciacao.
Conselho de. compras oavaes.
Tendo o conselho de promover no dia 29 do cor-
rete mez a compra dos cbjeclos do material da
arma la abaixo declralos, convida aos que pre-
tenleiem vende-los a apresentarem suas propostas
em cartas fechadas nesse mesmo dia at as 11 ho-
ras da manha.
Objectos.
50 cobertores de la, 30 toalhas de brim, 6 du-
zias de taboas de cedro de 3|4 de polegada, 12 du-
zias de taboas de costaiinho de pao carga de 1 po-
lega la, 12 ditas de dito de 2 ditas, 14 duzias de
taboas re f inho de 1 polegada, 12 duzias
JLIJI AO
Oe urna anela agua 1 a ira-
vessn dos Qnarteis.
MarUB Uu iwlo tmu>uU a tianteteoie *u-
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de ; torisacao de uma meia agua n. 1, por detraz do
Antogio Luiz de Oiiveira Azevedo & C. Calabouce a qual rende 125 mensaes, edificada
Compaobladas Menoagerie Im- em cho prop,i0
periales.
No dia 30 do
corrente mez es-
pera-se dos por-
tos do sul o va-
por francez Es-
iramadure, com-
HO.J.
Em seu escriptorio a ra da Cadeia n. 9, as 11
horas.
LIMO
DE
Somer, o qual
depois da demo-
de dilas i ra do costune seguir para Bordeaux locando em
de" Il2d[:'a" i arroba de"~pre*gos de cobre de ba-; S. Vicente e Lisboa.
tel pequeos, 4 arrobas de pregos ripares, 2 gro-' Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
zas de parafusos de metal. 40 cadinhos de lapis de cia com Gore.
ns 20 a 80, 8 lences de ferro de i|4 de grossura,, Para fretes, condicoes e passagens trata-se na
420 toneladas inglezas de ferro bruto, 100 covados agencia ra do Trapiche n. 9.
d flele encarnado e 100 ditos de dito azul.
mandante H. de Mobilias completas de Jacaranda, ditas de
AssociaQao -Oommerciiil Be-
neficente de Feraanibuco.
Os Srs. socios effoctivos da Assoeaco Com raer,
cial Beneficonle sao convidados a se reunirem na
saLa ia> fesso.'S da m>sma Associacao no dia Io
de agosto prximo futuro, ao meio dia, afim de
apreciarem o relatorio e contas da actual dlreeeo,
e eleger a que dirigir os trabalhos da Associagao
no anno que vai comedir.
Associacao Gommerc.i:il Beneficentc de Pornam-
buco, 28 de julho de 1863.
Jos de Vi'sconfellos,
Secretario.
Vende-se uma escrava criouia, de idade de j
17 annos, a qual lera principio de engommar e co-!
zinhar, avista do compra lor so dir o motivo por
que se vende: a tratar na ruadalmpesatriz n. 13,.
olllcina de sapateiro._______________________
Aluga-.se urna aui:i para oziuhar para casa
de pouca familia : na ra da Sanu Cruz n. 16.
Atlenyao.
Fornece-se comida para casas de faculta, lojas
ou ofTninas, com todo o asseio e promptido, mu i
to vana a, e por eommodo preco, mandase levar
em cas;i; tambera recebe encommendas de boloe
doces de todas as qualidades : ra da Caixa n. 70,
Boa-Vtsla, casa piriiealar._________________
Na roa da Crin oi 3 existe nma carta para
a litro- Sra D. Anua Ffrfucisea de l'aula Bolelho.
Francisco Jos de Oiiveira Barbosa, actual
meetre des *** < atw* terceira de
N. S. do Carmo, pelo presente convida a todos os
seus charisslmos irmos novicos a comparecerem
paramentados de seus hbitos afim de as-i.-tirem a
festa de sua padroeira a Senhora Sant'Anna, que
I ter luaar no domingo 30 do corrente mez ; asslm
i como para acompanharem a rasoura roda do pa-
teo, as 3 horas da larde do mesmo dia.
Precisa se de 3005 a premio por hypolheca
em ommolequecrioulo, de idade 20 annos, pagan-
do-seos juros de 0|0 mensaes: na ra Diraita,
loja n. 9, se dir quem precisi.______ _______
sa irmandade, domingo 30 do correte, as II ho-
ras da manha, afim de eleger-se a nova mesa re-
gidora que tem de servir no presente anno de
1863 a 186C.-0 esrrivo,
Antonio Gomes Miranda Leal.
irulseira perdida.
Perdeu se urna pulse ra de onro na noite de 23
1 de julho, desde a padaria da ra da Guia at a ra
da Cadeia do itecife, aonde existe Dina ntica qne gratificado,
foi algum lempo escriptorio do Sr. Bailar & Oii-
veira : pede-se a pessoa que achoo, querendo res-
titu la, de a entregar na padaria da ma da Guia
j n. 36, que se Ihe gratificar.
AttC' ctu>
ao desappureeilo.
No dia 24 do corrente desappanern do pal*- 4a
Penha um cavallo rodad) pedrez, grande, mi
com cangalha e cabresto de corda lina, p-ri i.re-
te ao Sr. Miguel Nones Correia, m>radr n> iir. -
nhoS. Barlholomeu : a pessoa ifae o irrer -s
queira lvalo a ra eslreiti d Bosario o. 35. r.ir-
torio do Sr. tabeilio Sa, que sera gcaeru.-ai- a*-
louiu l*io 'opuiar Pernaisi
bncano.
Tendo esta sociedade de mandar celebrar
uma missa pelo repouso eterno do fallecido
socio honorario o Dr. Ignacio Nery da Fon-
seca, convida a todos os Srs. socios e pessoas
da amizade d'aquelle fallecido que se qnize
rem prestar a comparecerem na igreja de
Nossa -enhora do Livraraento, as 7 horas da
manha do dia 1 de agosto vindouro, pelo
que flear a mesma sociedade summamente
agradecida.
Secretariado Monte Pi Popular Pernam-
bucano 27 de julho de 1863.
B. F. de Souza,
Io secretario.
Sala do conselho de compras navaes, 23 de julho
de 1863.
O secretario,
Aiexandre Rodrigues dos njos.
Correio
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaco costeira por vapor.
Por ordem superior rica trans-
ferida para o dia 5 de agosto pr-
ximo, as 10 horas da maoba, a
Pt'a adminisiraeo do correo desla cidade se Ifl&Ugl partida de um dos vapores da
faz publico para fins convenientes, que em virtude *g3W kW companhia para o presidio de
do disposio no art. 138 do regulamento geral dos ; Fernando de Noronha. A carga ser recebida at
crrelos de 21 de dezembro de 1844, e art. 9 do 0 dia 4. Encommendas, passageiros e dinheiro a
decreto o. 185 de 13 de maio de 1831, se proce- frete at 9 horas do da da sahida : eseriptorio no
der o consumo das iras existentes na adminis- Forte do Mattos n. i.
traeb pertcocenies ao mez.de juuio de 1864 no parJl^> lUo da pPata OU Mo
dia 3 de agosto prximo, s 11 horas da |manhaa, ---' ^T
na portada mesmo coi reo; e a respectiva lista iL,^.5m
se acaa desde j exposta aos ioteressados, Freta-se a barca nacional M*^
Adn,nIStracaodoVorrelodePerGarabuco26de ur com os seosi=oosignaunos J^w Lok de
de 1863 O adrninislrador Oiiveira Azevedo & C, ne sea escriptorio roa da
Domingos dos Passos Miranda. Crnz o. t.
V
amarello, toilel de Jacaranda, camas fran
cezas de Jacaranda e amarello, objectos
de ouro e prata, charutos, relogios, mar-
quezas largas e estreitas, quadros com fi-
nas gravuras, caixinhas com biscoutos
doces e outros muitos arlig s.
Sexla-feira 28 as II horas.
NO GRANDE ARMAZEM 1)0 AGENTE
OLYMPIO
36-Riia da Cadeia do Reeife--36
julho
AVISOS DIVERSOS.
Aluga-se a casa terrea da ra da Senzala-no-
va n. 36, tem bons comraodos, quintal e cacimba :
a tratar na ra do Imperador o. 81.____________
Camas Jde Tetro.
Grande sorlimento das melhores que ha do mer-
cado : na rna Nova n. 33.
f
di

FIGADOdeBACALHAU
I
Quem prrileu um reb gio ao <*ia 16 ?> ror-
renle, na igrpja do Carmo, |le prix-orar na roa
Nova n. 28, Ihe sera entregue, dando oe Nfaw
necessarios.
^ff-, O Dr. Carolin Francisco de Lima San- -.-
'* tos contina a morar na ra do Imp. r.i a|
9?f dor n. 17, segundo andar. Irado alia ro *
%?.;. gabinete de consullas medicas, logo ao |
S entrar, no primeiro.
Sfk O mesmo doulnr, qnt r Uro .Ij.I-. a -
4M estndo tanlo das operafdVs rom. das
^t lestias internas, presta se a qjakpier rba-
Wt mado, quer para dentro quer para lera
'^6 da cidade.
kmmm mmmuw* mstM*
Aluga-se o sotao do sebrailo m. .' rna
Guia, com doas janellas de (reate aeM n bv
modos: no primeiro andar ________________
A mea.
P eo processo de Gherrier, pharmaeentico em
Paria, ra de Faubourg Montmarte 21.
Este oleo de um cheiro agradavel, e de
um sabor assucarado o udco que nao tem
nem o gosto, nem o cheiro do pece. Ob-
jeclo de numerosos relatnos scientificos e
mdicos, este mdicamente que goza em
Franca de um successo t3o raro como bem
merecido, receitado diariamente peht
principaes mdicos dos hospitaes de Pars.
j O OLEO DE FIGADO DE BACALHO DESINFBCTA-
De fERBUGjNOSo emprega-se com os maiores
successos as molestias em que se emprega
o oleo quaudo so companbadas de debili-
Na ma de Santa Isabel n. 17, defronte do thea-
tro, precis-i-se de uma ama para lodo o ervico de
casa de pouca familia, prefere-se escrava.
O abaixo assignado faz sciente ao publico
que est justo e coolralado para comprar a arma-
<\io da taberna sita na ra de S. BenO de Olinda,
de Domingos Jos Gomes de Macedo, quem se con-
siderar com direito a mesma dirija se a mesma ci-
dade a tratar com o dito comprador.
Manoel Marques Santiago.
ClirPFMiMBlCA^O
Domingo 30 do corrente haver reunio
de familias.____________________________
""JosTavares Ado, subdito portuguez, esta-
blecido em Piloes de dentro, provincia da Para
hiba, vai a Europa._________________________
Fugio no dia 22 do correte a escrava de
nome Joaqn na, de idade 30 annos, pouco mais on
menos, com os slgnaes seguintes: estatura regu-
lar, cor fula, com alguma falta de denles na fren-
te, e coxa de uma perna ; foi vista ir para o Reci-
fe em companhia de om escravo do Illrr. Sr. Joa-
quim Lopes de Almeida, de nome Caelano : quem
a pegar leve ao capitao Chrislovo Pereira Piolo,
em Olinda, na rna de S. Bento, que ser recom-
pensado.___________________________________
N&o serla Mo.
Continuando a ser publicadp neste Diario o an-
ouncio da fuga da escrava Joaquina, do Illm. Sr.
capitao Chrislovo Pereira Pinto, de Olinda, e
constando que ella se acha nesta dita cidade, em
deposito, convira' que o Illm. Sr. Pinto, tendo
sciencia disto, ou retire o sea annuncio, ou men-
cione o appareciraento da escrava, com quem veio
ella para o Recife, e quem apzem deposito ; pois
nao tem vysos de p/Qbabilidade que isso podesse
fazer o pobre preto captivo de que S. S. trata em
seu annuocio.
Uma escrava
Precisase alugar nma rserava ^ne saiNa rm
cozinhar e fazer o mais servir iaters ama
casa, paga-se bem : aa roa a latacratnz a. 17.
segundo andar.______________^^
AO COM MERCK).
Jos Paulo da Fonseca e lluoorat Cae
Abreu, sob a razio de Fonseca A Abrru. a
ao comraercio e ao publico ero geral, qoe e**ia
vendem aos srs, Abreu & Silva, a b lira 4a ma
do Imperador n. 36 : qoem se juigar mai atre-to
a empatar dita venda oa por tiiolos itirertae ia>
directos daquella me-ma firma, queira se aporra-
tar no praso de tres dias para se veriSear. Rerifi
24 de julho de 1865.
Guarda lli
Uma pessoa compteniemenl habilitada
ce-se aos Srs. commercianies para rararregar-t
de qualquer escripturaco p>>r partida simple* nm
dobrada com perfeico e preeo comando
Informacoes a roa da iraperalns a. 39.
andar.
O Dr. Antonio Vicente do Naxiaenlo
Feitosa avisa aos seus clientes ricota e snas
provincias do districto dareiaeSo. eaqoea
mais possa interessar, que elle se acha a
frente do seu escriptorio, na na estreita
do Rosario n. 23, onde, na nrma do cre-
ame, ser encontrado p ra qwhfKr arlo
de sua profissao das 9 horas da nanhaa al
3 l|2da tarde._______________________
loga-se a parta da esa a. 91 aa raa W
Aguas Verdes : a tratar aa
Sesuna lllaslrada da Ra 4*
Assigna-se na roa do Crespo a. 4
64, seis metes 11*, om anuo 18*
Precisa-se de uma ama para
pessoas: ni roa da Penha n. 13, priateiro
tres i
rasa V sha




~"



*.
Diarto de rema ni buco ... sexta fe ira *8tfe lulo de 19&,
PHOTHOGRAPHIA ARTSTICA
Casa debanhos
DE
25 Ra Nova (esquina da Camboa do Carmo) 25.
. PrfieS0? f la!elemento, desejando salisfazer os numerosos pedidos de seus freguezes, acabara de receber de seus correspondentes de Pars um
ttATOTJffASTas mais ce,ebres da Europa-assira mm rec?be,am tambem uma S-5** de fiSKS-a S7X
horas da^n^ fifi, 5 reC0,'dar as seus numerosos freuezes' 5* ,n1 1 as. *. a la,rde eTe ?8 tem'! de chuva Lao mfluem em nada Para oom successo dos retratos, pelo contrario o ol entre nuvens
sobre todos os pontos, tanto pela rapidez da operado, como pela commodidade das pessoas.
sortimento
mais apur
grande
actos, do
Companhia Ddelidade de seguros "M
martimos e terrestres v LaJ"8 do Carmo a. iQ.
estabelecida no Ro de Janeiro, S' orjel SfiSSTt;^^SLE
. agentes em PEUNAMBtco I j abandono pelo pouco interne de _.
Anlonio Luiz de Oliveira Azeedo A C, j tracao. -
-_ competentemente autorisados pela dlree- *s Hoje que o novo propneiario empreton __ M
loria da companhia de seguros Fidelid.i- w. meks para re>tabelecer a grande utilidad* *ste
SU de, tomam seguros de navios, mercado- flf estabelccimtolo, pode assegorar ao publico me
8J rias e predios no seu escriptorio ra da qualquer nue seja o nnni.ro dos ronecrrenies
5 Crui i). 1. t acharan desde j promptidao e aceio nn* h__.w
******* *** mmmm ffiv.BiK^r;rr.*M3rS
- O London & Brazillan Bank, saca por doos l as i da no!?e "" "* ""ha*
os paquetes,sobre
Lisboa.
e dias santos, das 9
e mil vezes preferivel
qn ffa^VSli peSaS q.UCrle.m vsitad de b,900 a 7,000, e para tiles uma garant.a futura, poslo que se appliquem lodos os dias, para que todos sa.am contentes e satsfeitos. '
O Dr. Francisco i res Machado
Portella
MEDICO OPERADOR
PELA
FacuEdade de Iai-i,
regressando a esta provincia, acha-se
prompto para o exercicio de sua profis-
sao, quer ntsla cidade quer fora della,
especialmente em molestias de olhos (ca-
taractas, etc.,1 das vas urinarias (estrei-
lamento de uiethra etc.,) e de pello : pa-
ra cojo curativo se Julga habilitado,atien-
ta a praiica, que leve nos hospitaes de
Par;?, e s modernas instrumentos que
possne.
Encarrega-se de col locar olhos ai tifi-
ciaes.
Pateo do Carmo n. 2, esquina da ra
m
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
ESTRADA DE FERRO DO REC1FE AO S. FRANCISCO
___ AISO.
A tabella que regular a partida do trem de passageiros a que se achava em vigor desde o da 1 de niaio de.-te auno,
a qual vai aballo tr.vis-
i Au V O IVIIIIIIMI
ISO IMIHKIII
Fogo do r.
No armazem da bola aman la no oitaoda secie-
taria d.i polica, recebem se cnccmmndas de fogo
do ar para dentro e fora da provincia.
Preeisa-se de um feilor para um pequeo
sitio perto da praca, mas que enlenda bem de jar-
dim : a tratar na travesa da Madre de lieos, ar-
mazem n.57.
ESTACOES
Cinco Ponas
Afogados .
Boa Viagcm .
Prazeres .
liba .
Cabo .
Ipojuca. .
Olinda. .
Timb Ass
Escada .
Frexeiras .
Aripib. .
Ribeirao ,
Gamelcira .
CuyamljLica
Agita Prela .
Una. .
(chegada
'(partida .
Uius dn (ra-
bullio.
MANHAA
II.
8
8
8
8
9
9
9
10
10
10
il
II
il
12
19
ti
i
u.
TA IIDE.
Ai
II.
30
38
50
88!
22:
40
57
14
29
Ul
15
33
52
15
30
48
G
30
8
20
2<
52
10
Domingos e
lia .aillos
HAMIAA
II.
8
9
9
9
10
10
III
II
II
I!
II
19
M.
30
38
50
o
22
40
57
14
29
4o
15
33
52
12
15
33
SI
13
TAIUIF.
ESTACUES
Una. .
8, Agua Prcta.
20 Cuvambuca.
28*
?-4 Gameleira .
10 Bibcirao. ..
Aripibd.. ..
Prexeiras ..
Bscada..
Timb Ass
Olinda .. .
Ipojuca.. ..
Cabo.....
lina......
- Prazeres. ..
- Boa Viagcm
- Afogados ..
- (juco l'ontas
Escriptorio da superintendencia Villa do Cabo 26 de jullio de 1865.
lli .1 s < te iph-
IllllllO
5 M&KHA | MAMIAA
H. M. 11. M.
_ _ Il 15
_ 11 39
_ 11 57
(chegada 12 lo
'(partida. 12 30
. 12 83
1 12
. 1 30
2 _
2 16
. 2 30
* 48
6 50 :i a
f 7 8 3 23
. 7 32 3 17
7 40 00
. 7 52 4 7
. . 8 i lo
DoMiiiigus e
.las s. tus
MAMI VA
TAUDH
H M. II. M.
I I 1 1 25
- 1 42
1 2 2 57
23
2 3 3 42
30
3 4o
4
4 18
6 4 3o
18 i 83
6 49 0 17
6 50 0 25
1\ 2 0 37
7, 10 3 18
Pede-si loda altenco.
Custodio Jos Alves Guimaraes, dono da loja por
appellido Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7,
participa a lodos os seus freguezes e ao respeiut-
vel publico, que esta dita loja se acha com gran-
de sortimento de galanlanas de mu.to goslo, qne
tem recobido de sna propria conta, assim como to-
das as mercadorias tendentes a loja de miudezas
e outros, e como est resolvido a vender por pre-
cos baraiissimos, como os mesmos compradores
poderlo apreciar concorrendo com suas presentas !
dita lija, que se aflinncar servir bem com agr- j
do e promplidio, e mcino qualquer senhores que'
morcm tora desta praca, que precise de qualquer |
mercadoria, trodeotes a seu negocio, e que por j
motivos nao possam comparecer, o poderao pedir
pir escripto, que so afianca nao se abosar tanto i
em precos, como em qualuUde das mercadoiias :
. l>to na ra do Crespo n. 47Gallo Vigilante.
as 11 da
Prfco?.
Banho de eduque...... 500
uii" Irio i'U moroo..... .910
Dito de farello.......IjOUO
Dito medicinal ser se-
gundo sua qualidade.
Asignatura.
Por inez b.inho fri m motn... to^OOO
2o carines para l^nho fri, m..r-
no ou de chuvisco........... loJflOO
12 cartoes para os mesmos----- :,.ym
12 ditos para banho de farello. li>00u
mmmmm kkk mw
Dentista de Pemumbueoi
[ Kua estieila do Rosario i. 3,
ao p da igreja
FRANCISCO PINTO OZOBIO
Colloea denles arllflelaes
pelos fcyslemas aaais ui-
dernos
Emprega todos os meios scientibVos para
conservar os naturaes. Pode ser procura-
;eu gabinete das 9 horas da nu-
do em
nhaa a
s
SI Consultorio medico e
82
cirurgico.
j|g O Dr. Jlo Pedro Maduro da Fonseca
pa ,em sua residencia na ra do Sol n. 33,
353 segundo andar, aonde se presla ao exer-
fcH cicio de sua profissao tamo de dia cerno
fE de noite, os chamados quando nao este-
,- J'a em casa seja por escripto, Indicando a
SU morada e nome do cliente.
p3
33^
o da tarde.
mmmmm mmmm
Alugam se dous grandes sobrados rom e(|
modos para numerosa familia, noros e awiaio
cora lardiin, eocheira, eMritort e oouas ronmo-
didades, na travessa de Joo Fernaodes Vieira
a tratar na na da Sema la Xova n. 41
Quem pr.cisar de uma ama para tv.zinl.7a
dinja-se a ra de Santa Rita n. 88, tnmm oe s'
Jos ; e prefere-e cozinhar na sna me?ma raa.
1 tiene A o
CONSULTORIO .iIEIC-CIRtRIICO
DO
DR. PEDRO DEATTAHYDE LOBO HOSCOSO.
MEDICO, PAKTEIRO E OPERADOR.
3 Kua da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d;'i consullas gralnitas aos pobres lodos os dias das 7 sil
horas da manliao, edas G a meia as 8 horas da noite, excepto dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopatilica
No mesme consultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos preros seguinles.
Carteiras de 12 tubos grandes.
de 24 tubos g. andes.
> de H6 tubos grandes.
de 48 tudos grandes.
de GO tubos gran les.
12$000
18,5000
24,5000
30^000
35,5000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
l.ni tubo avulso ou frasco de tintura de meia ooca I-jOOO.
Sendo para cima de 12 cuslarao os precos eslabe'ecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 590 ris.
LITROS.
A melbor odra da liomeopatlua, o Manual de .Medicina Ilomeopatbico do Dr. Jahr
dous grandes volt.mes com diccionario.......... 20-5000
Medicina domestica do Dr. Hering.......'.'.'.'.' oO 0
Repertorio do Dr. Mell- Moraes.......... G5000
Diccionario de termos de medicina..........\ 3;$00O
Os remedios deste estabelecimcnto sao por demais conhecidos dispensam por
tanto de screm novamente recommendados as pessoas que qui/erem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha ludo do melbor que se pode desojar, globos de
verdadeiro assucar de leite, Dolareis pela ma boa conseivacSo, tintura dr s mais acredi-
tados eslabeiecimeotos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portantoamaior
energa v certeza em seus elfeitos.
Casa de snele para escravos.
Recebe-se escravos pata tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-llie qualquer
operaran, p;ra o que o aiinuncianle julga-se sufficicntcmetile habilitado.
O irahmento o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
furiccionaiido a casa ha mais de quatro annos, ha mui-.-s pessoas de cojo conceitn se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que deseUrem mandar seus
docnles.
Pagare U por dia durante GO dias e d'ahi em diante l.t>500.
As operaooes ser5o previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedirr o annunc ante.
G. 0. ilann, engenheiro e superintendente interino.
WW.Wfc
Perdcuse no dia 16 do corrente desde a ra
Xova al o convenio do Carmo um pedaco de uma
fita de curo de orna pulseira de jarreteira, sendo Pa resalvar a minha repntaco, alevosamente
provavel l.r sido na occasiao do Te-Deum : quem prejuilicada pelo annuncm que o Sr. Joao A4rui o
achou e quizer restituir, dirjase a ra do Cabu- de iMkJ Dutra fez publicar por este jornal 4- ift
n. 7, onde ser gratificado. do corrente, sob a epigraphea aoem inl
DI
J. VIGNES.
.\. 55. -RA IIO IMPERADOR M. 55.
Os pianos desla aotiga fabrica sao hoje asss conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
sua superiorida.le, vantug.nse garantas queofferecem aos compradores, qualidades estas incontesu-
veis que eltes tem definitivamente conqui>tado sobre todos os que tem apparecido nesta prrta ; pos-
suindo um teclado e maclunismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ler-se feito ltimamente melhoramenlos imporian-
lissimos paiao clima deste paix ; quanlo s voces, sao melodiosas e flautada*, e por sso muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, lano nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vigiles, em cuja capital forana sempre. premiados em todas as exposicoes.
No mesmo eslabelecimento se adiar sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmonios e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
pregos commo;!ose razoavels.
ga_
RETRATOS.
Encontramse retrMos do major Pedro AITonsoe
do Sr. Dr. Medeiros, bispo nomeado para Pernam-
buco: assim emo photographias da corveta enco-
racadaDrasil-na photographia ra do Cabog
mmm mmm-mmmm^mm
m O bacharel
M Francisco Augusto da Costa I
M ADVOCADO 05
& Ra do Imperador numero G9.
qoi-rn interessar,
io a declarar, que essa procurara.) qne e**e Sr'
ra tacha de falsa e fraudulentaV.i lavrada iefc>
rado .Sr. tabello Almeida. assipnada pelo Sr.
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SUFFOCgAO NERVOSA E OPPRESSAO
nico remedio efliraz para comballir estas molestias, acalmar um altaquc d'asma e impedir a
voha o Sarape arnmalieo de Succino (mbar aoiarello) do 0' Danet. Oescobcrta inteiramente
recente, ote novo produelo se tem propagado com extrema rapidez grabas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzda.
lieio>iiu gcral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenelle, e em todas as
boticas ile Tranca e .lo cslrangciro.
wmtmam Si
Alcga-se a loja do sobrado n. 17 da ra da
Imperatriz, com bons commodos : a tratar no se-
gundo andar do mesmo.
Anda se precisa de uma ama pa- M
ra cosinhar, lavar, engrmmar e fa-
zer todo o servico de uma casa de
BS P0uca familia exceptuando-se com-
W piar n.t ra : na na das Crtizes n.
y0. n. 37, | rimeiro andar, sendo pes-
m soa de bons coslumes e se pagar o
s|2 que se ajusfar.


pigraphe
lenho r J
Dutra
honrado
Dutra, peraote lestemonhas lidedigrus, seado-ms
por elle entregue para cu com fila pronwer a eo-
branca de seus dbitos, e com o pro lu<-r parar-
me, e pagar a outros seas cred..r. "iilndi
poi tant., assim a verdade, e correndo-me -inda
levar de prom que nao sou esse que me pinta o
hr. Uutra, e ao mesmo lempo faze lo cooter e pa-
rtir de seu arrojo, para >to lenho resolvido chma-
lo, e edectivamentc o vou chamar a ioizo daado
contra elle uma quena por erime $ injurias.
____________________Jo? do Reg Mello.________
Predsa-M de uma ama para cozinhar : na
ruado linp-r.idr.r n. >C, 1"andar.
Xa roa estreila do Uosario n. rdesrjasTfa.'-
lar com o Sr. Jo;o Alves de Quintal a negocio de
seu interesse.
COMPRAS.
Comprase efectivamente ouro e prata em
Wm reinas, pagando-se bem: na ros .'arca do
Rosario n. 21, loja de ourives.
if.l t
Precisa-se alogar urna prela escrava para casa
de duas pessoas : na ra de S. Francisco ou Mun-1 leja de ourives no
do Novo n. 3i, para comprar e cosinhar. n
i.oiiipram-se
a ~_s,|vino Gbifler_3 de Barros tSS t tea-
de elTccttvantenle escravos de amlus m mos
ra do Imperador n. 7't. terceiro and r.
Ouro c tirata
em obras velhas : sewpsa-w na pna da Imle-
! ptiidencia n. ii, Inja Comprase ouro, prata e pedraa wniim
: na ra da (_dna do R^r.fe,
srco da Conceir.io.
iil.ras csierlir.a
N.
PHOTHOGRAPHIA
CEUZEIUO IIO XOIITE.
11Rua estreita do Rosario- N. 11
cuzia del2^rtovSlIB 'da PerfeC5 6 3 et0 relralaD,es a *m a du7ia e a 3m e>a
Samuel Power Jobuston Companhia
Ra da Senzala Nova n, 4.
AGENCIA DA
Fundido deLow Noor.
llai hias a vapor de 4 e 6 cavallos,
.Miiendas e meias moendas para engenho.
Taixas do ferro coado e balido para enge- i
nho,
Arreios d carro para um e dous cavallos.!
Relogios de o.ro patente inglez.
Arados americanos.
Ma hias par destrocar algodo.
.Motores para ditos.
Machinas de costura.
ALCOHOLADO de GUACO
de N. jPASGA'L
praca da Independencia n. 2.
ir.
mm
Firmiiio & Lins
0 Alcoholado de Guaco de Pascal uma nova preparadlo da qual
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo infalivel do contagio venerio (ver
folheto para o modo de o impregar).
1 Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulceracSes primitivas e secun-
darias, ec.
3o Etnpregado em injecc5es, o meihor tratamento dos corrimentos
recentes ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da leucorrhea as
mulheres.
4o Emfim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e f-
tidas de m natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda a ac$o mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvaco
dos distinctos doutores Ricord, Bauchet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre. Casa de expedicSo, PASCAL e C', 33, ra Monsieur-le-
Prince. Paris.
Lino do Para, nico llquidatario di massa
fallida de Pana & (.., em virtude de concernala
que Ihe foi encellla o devidameule homologada,; r~ '-""'ram c "'Tas esterlinas
convida a todos os wnhores cred-res que anda o Imelro anda
nao procuraran), para que com elle se entendam
uestes lo das; sendo que necessita saber a im-
portancia dos crditos de cada uto dos mesmos
senhores : mora na ra do imperador n. 37, e
pode ser procurado de manliaa. Recife 7 de u-
.ho de 1863.
a M 00,
na
na na do
- Na praca da Independencia n. 33, loja de ouri
ves, compra-se ouro, prata, podras preciosas e
tambem se faz qualquer obras de e^commenda e
odo e qualquer concert.
Carrafas
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
Alujsa-sc
a ?asa terrea da Ilha do Iteliro (Passagem da Mag-
dalena; onde morou o corrector Macedo, com bons
conmodos para familia : trala-se no largo do j
\luga-se a casa terrea n. 67 da ra da Esperanca
no Caminho-N'ovo : a tratar na praga da Boa-Vista
n. 30 segundo andar.
e Vovo eslabclfcimenlo de Petra-
m tos rna \ova n. i o, Io an-
m <'*, junto ao Sr. Gaulier,
m il'Mlisla.
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas
gj da manhSa s 5 da tarde, quer chova cu
m nao.
Tambem se offereepm para lirar retra-
I tos de pessoas fallecidas, dentro oa fra
ISf da cidade.
Os anounclantes desejando acreditar o
PC seu eslabelecimento, garantem ao publico
#f que nenhum trabalhosahira de sua offlei-
vg na, sem que nao seja perfeitamente acaba
S do, e a vonlade do freguez.
mmm mmm mmmm
| MARTIMOS
CONTRA FOGO. ,
A Companhia Indemnisadora
estabelecida nesta praca, toma seguros martimos
sobre navios eseus carregamentos e contra fogo em
edificios, mercadorias e mobilias: no seu escripto-
rio, j|Udo^Vigario n., pavimento terreo.
JPrecisa-se
de uma ama para cozinhar o diario de uma casa
de pouca familia, porm que cozinhe bem e lim-
po, paga se bem : na ra nova de Santa Hita n.
35, primeiro andar, e tratar na mesma ra detron-
te da ribeira do pei*e n. 17, serrara de Jos F.
Coelho.
Compram-se garrafas va.-as : na ra X&va n
60, arroaiem da Liga.
Compram-se Diario.- de Penfamboro^a i.5 a
arroba : na ra Din lia n. 61, loja de rhap......
Padara
i Comprase ou aluga-se uma palaria rom paamj
fundos, prefehndo se que seja no bairro da l! a-
, Vista : quem a tiwr annuncie para ser procurado.
t obre, la lao e chumbo. "
Oimpra-se ebre, latao e chumbo : no armazent
bola amarella, no oitao da secretaria de po-
da
lleta.
Compra-se um sellm em mM u^-o na
de Sania Tliereza n. 38
roa
VENDAS.
NACIONAL
Precisasede uma ama para casa de pouca nesta tvnnonnl.i-i
familia, que saina cozinhar : na ra da Guia nu- M rvpoyr.ipliia.
mero 9.
0 custello de Grasville.
Traduzido do francex per A. J. C. da Cnu.
Vende-sc este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3j00C
ua praca da Independencia, livruria ns.
6 e 8.
Veudom-se caixes vazs~proprirs
para bahulciros e funileiros a 9$ cada um.
geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma lianca era iliulieirj, 'lepositado nos cofres do estado, garante a boa da
rainistr.-ico da companhia.
DIRECCO GERAL
.4 fugase
nm silo na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, uma a em que morn o fallecido Thoroaz de
Aquino Ponseca Jnior, fcita a moderna, e conten-
do todas as accommodacocs precisas, e outra com
boas commodidades para qualquer familia : na
ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
O abaixo assignado, lendo no Diario de Per-
nnuibiico de hoje dous anntincios, nm em nome
dos Sr.. Jo.-ij Paulo da l'unseca e Honorato Caetano
de Abren, e ouiro deste mesmo senhor e Antonio
c"e Souza e Silva, os quaes nao obstante serem da-'
lados de 24 a pnmeira vez que foram publica-,
dof, apres3a-se a declarar que esse estabelecimen- j
to he est hypotliecado tacitamenie para pagamen-
to Je seus salarios que lite silo devidos, conforme
a questo j agitada em o juizo de paz e do com-
rnerco, o que pelo presente protesta ir haver o
que for definitivamente julpado rer-lhe devdo,! Joaqom Jos Guimaraes BeKro tem para ven-
pel i referido cstaielecm-nl por iso que nao der dm* escravos crinlos, bonitas figuras, de
pode ser transferido sem pw onus. Recite 26 de idade d^ 29 e 27 annos : podem ser vistos em F-
jollio de IH6.).-Firminc Antonio SouloMaior Ba- ra de Portas, ma do Pilar n. 135, taberna ; e para
P* / tratar em seu escriptorio, ra do Vfgario n. 17.
BANQUEtROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespaaha
Esta companhia liga pelo systema muluo (odas as combinacoes de sonervieocia dos
sobre a vida.
Nella pdesefazer a subscripcao de raaneira que em nenhum raso n<
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondenles a estes.
Madrid : Ra do Prado n. IB
igu
O abaixo assignado, i Ifictal do registro geral
de hypothecas, avisa ao publico que tem o respec-
tivo cartorio, instalado hontem na conformidade da
nota legislaco bypothecaria, a' ra estreila do
Rosario n. 4.
27 de juiho de 186o.
Fulgencio Infante de Albnquerque Mello
Offerece-se tima Portugueza de idade para
companhia de uma soabora : quem a pretender _
| rija-se a ra Imperial, logo no principio, junto a
taberna do Sr. Bernardo, casa terrea, que achara
com quem tratar.
Vendem-se tres vaceas pandas no (temed :
a tratar na casa dos arcos.
Vende-ge 40 palmos de terreno na
f-oncordia : a tratar na roa do Alecrim n
3 horas as 3 nos dias nteis.
rna da
10, das
Vende se uma escrava crioula :
I rna dos Proterva n. 10.
o Cortaos,
- Vende-se um escravo mojo que j d.i de en-
genho : a tratar na rna do Monlego, olaria a. iX
Vinho do Porto superior em caixa dlhia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Ateve-
do A C, no seu escriptorio roa da Crnz
Vndese nm
. I.
casal
de pavio na Capunga
Arrenda-se um sitio no Jacar, estrada que v(.\hi __. _Zm*_Ti i
vai para Agua-Fria, com casa de pedra e Cal ulti- i ___^0^ """ de Joao Evangelista.
| mmeme edificada, com bastantes commodos; esle
E^R4V0S
Vendcm se 2 carros e 2 bois, para condnees
n o i ( n. 11, do s *"'0 ,lera arvoredos de froetas de todas as qualtda- de fretes nesta praca : a tratar na roa da Crci a
des, bom terreno para plantario, e baixa para ca- 30, primeiro anlar, aqnalquer hora do dia
Sao losuiire.lieadentos os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACI pim- A,uKase tambem o armazem do sol na ra -----------------------------------
DAL,que anda mesmo diminuindo uma terca parte do interesse produzido em rcenles liquidai oa Concordia, proprio para qualquer estabeleci-
ceseoon-ininli-ocon i-nirtihiade datibellade Deiiareieux qne e adoptada pela companh- ment: a fallar ao solicitador Barroso que mora
para en
vtnde-se
uma collccao de mappas geographiros das ara-
i.-ulos e liquidares, em segurados de idade de 3 a 19 annos, uma imporsicaoannua. i no SODrad0 D- J*> on(Ie esla d" armazem, tanto, vncias do Brasil, pelo vizconde J de R__a_i
de 100# produzein effectivo metlico:
No lim de 5 annos.......1:1195300
de 10........3:942600
de 15........11:2083200
' de 20 .......30:256000
de 25 .......80:331*000
as idades menores da 3 annos e raaiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospecta e mais informacoes seriio prestadas pelo sob-direetor nesta provincia.
Joai-ntjj u/i de Oliveira, ra daCidea n. 32,ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.13,estabel
mentij in, Kiymftn.lo.Cs.rlos.Leite 4 Irraao.

para este, quanto para o sitio mencionado.
Netas do banco do Brasil e das caixas filiaes
desconum-se na praga da Independencia n. 22.1
I He Adam, constando : d'nm mappa do Anuzo
as e Para, um dito do Pianhy, nm dito do Oi-
r', nm dito de Pernambuco, Alago e Sergipr,
um dito da B .ha, nm dito do Rio de Janeiro
Na ra da Cadeta n. II existe uma carta pa- municipio nenlro, nm dito de S. Paulo e Paraa
ra o Sr. JoSo Jos Alves de Oliveira, que julgamos nm dito de Santa Cathartna, nm dito de Govax.
morar na freguezia de Lna. um dito da planta da cidade do Rio de Janeiro,
ludo por 23; na rna das Grates n. 20, "
Precisase de nma ama
boa conducta, e paga se bem
numero 130.
de leite
: na ra
que tenha
de Horias
Vende-se um habito da rosa
sario da Boa-Vista n. 40.
na rna do Ra-


mtm
umm


Diarlo de pernambnco Sexta :elra 98 Je lullio de 18&.

PII.IJL.1
ve DO
DR. AYER.
Rival sem segundo Grande liquidado a dinheiro. <
Roa do Queimado os. 49 e 55, loja de, Nalojae armazem do FaVo. \
miudezas de tres portas, est quei- Ra da Imperatriz a. o de G.i- CJF
mando ludo bom e barat", quem qui-! uia & silva
zeP Ver e admirar veiiliam loia do 9? dones desleeslal)etecimento lem resolvido li-
RL!i; i loJauo,quidarsuasfazendas por precos baratsimo?, s
DlgOOlUIIO. cora o llm de apurar dinheiro, e provinem as pes-
mesmo lempo innocente, efficaz Caixas de papel amiade, e sem ella liso e pautado *oas le negociara era pequea escala cora fazen
6 (ligQO de toda a confianza. I a600rs. das, que nesta loja e armazem encontrarn um
As pilulas que ora oferece- Gus de bo'-5cs 1 I00? Paleados fazenda mo- jrande sorlimento por presos que milito Ihes nao
NSo ha necessidade mais ge-
ral em lodos os paizes do que a
de um purgante que seja ao
mmm
Hiirnos
Vendcm
Tasso Iraios
IH
li
A antiga e bera conhecida loja de miudezas a
ra do Queimado d. 16, acaba de ser novamenle
Vendem-se cm duzas e a rctiiho, sabone-' prvida de dilTerenles miudezas, novas e finas per-
t terna a 160 rs.
;S?p"b!?.pr!?e,iem e8?812n,,M de penna de a*,aienda boa a 40 rs-
condicoes; poiS pdem ser tO-. Pecas de tranca de laa lisas e de todas cores a
de agradar, lauto era peca como
ber :
a retalho, a sa-
Citas largas a 200 rs.
madas pelas pessoas mais fracas i 40 r?- Veodem-se chitas francezas, listradas muilo lar-
sem perigo algum, n3o tendoemj ,??. 0mssin,as Para Hmpar den,es a 240 e: gas, padroes escuros, pelo barato preco de-200 rs.
sua composicao mercurio nem
outro ingrediente nocivo sau-
de, mas sendo composto de a-
gentes vegutaes mu fortes, sao bastante
efficientes e activas para purificar os corpos
mais robustos.
Estas pilulas exploram e parifican) toda
a exlensao do canal alimenticio, e dSo vigor
a todas as partes do organismo, corrigindo
sua acolo viciada e fazendo recuperar sua
vi tal idade.
Um remedio inestimavel contra dr de
cabera nervosa, enxaqueca, priso do ven-
(re, kemorrhoidas, molestias do figadot fe-
bit gastro-liepatica, e todas as violesias,
biliosMs que teem sua origtm no entorpeci-
320
Pulceiras de contas para senhoras a 500 rs.
Pecas de fita de eos estrellas com 10 varas a
.320 rs.
o covado, tendo muito bom panno dnas escuras
pdroes novos, por serem todas escossezas e cor
hxa a 240 rs. o covado ; ditas miudinhas escuras
,e claras a 240 rs., amaneado se que esta rateada
tanas com clcheles francezes, superiores quali- nao tem o mais pequeo toque de mofo, nem outro
nades a 20 rs. qualquer defeito. Isto s o Pavao, na ra da Im-
noielros de barro, com superior ti "
Pecas de cordo para vestidos,
aleos e t'Or precos commod-s; na (.mar,as inginas e francezas, luvas de Jouvin, eo-
ra do OilPi'mailii li.ia il'Aoni Rranca n S e es p;,ra se"nor*s ft "'ros mutos diversos arti-
uo yueinuuo leja Agina branca n. 8. gf qae com prudfllcjae ,DdeI Mrio paleuIes an
Agua Hoilae
para tingir cabellos.
tinta a 100 rs.
fazeoda boa a
muito linos para vollarete a 200 e
ment do figado que causa a escassez da
bilis na inflammscao d'esle orgao que pro-
do* detramamento da bilis no estomago ou
era um desarraigo geral dos orgaos diges-
tivos.
A Ictericia
produzida pela irbsorpcao da bilis no
sangue, dando pelle e aos olhos urna c6r
amaiellenta; nao sement dolorosa por
si, porm conduz aos mais serios soflrimen-
tos.
Para cura-la toma-se de i 5 pilulas to-
das as mathaas, isto bastante para mover-
o veotre smenle al que se recupere -a ac-
co sa do systenia.
.Mal do ligado, (ebre gastro-hepalica,
diunhea biliosa, indigesto, a neuralgia
ou lie doulctireuT, so todas molestias que
tem seu comeco lim desarranjo da Mis.
A obse-rvaco dos ductos da bilis faz esta
vol er ao sangue, com que circula dr^ois
vem todo o corpo -e causa estragos desas-
trosos i saude e produz urna serie innu-
meravel (e malee.
Todas estes incoramodos sao curados com
as pillas do r. Ayer.
Direcces minuciosas acompanham cada
frasco,
Vende-se na pharmacia franceza deiau-
rer ., ra Nova n. 48.
AGENCIA CENTRAL
15 Ilaia Direifa 15
Ro im: jvmiko.
Vende-se em Pernambuco:
Ka pharmacia franceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
20 rs.
Baralhos
240 rs.
Frascos cora agua de Florida a U e i 5280.
Fiascos com superiores banhas a 500 rs. e if.
"ascos com bauha, porm pequeos a 200 e
zO rs.
Latas oom superior banha a 200 rs.
Frascos de macaca perula muilo uno a 200 rs.
s^os e Sarrafinhas com agua de Colonia a
WO rs.
Frascos grandes
S40 rs.
peratrii d. 60 de Gama A Silva.
Esparlilhos, na loja do Pavio.
Vende-se um bonito sorlimento de esparlilhos
propnos para senhoras, sendo dos mais modernos
e bera fetos que tem vindo ao mercado, lendo de
lodos os tamaitos e de diversos precos trazando to-
das as competentes filas para apenar. Isto s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n, 60 de Gama
& Silva.
com superior agua de Colonia a
5 com superior oleo de baboza a 400 e
12 frascos de cheiros muito finos a
300 rs.
Caitas cora
14100.
Sabnnetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
Sabonetes de familia a 120 e 200 rs.
Duza de sabonetes pequeos com cfceiro a 700 rs.
Apiia deritiflce superior qualidade a 800 rs.
Laixas enm superior p de arroz a 800 rs.
?-(!Lde suPerii'cs esencias santal e oulros a
Frascos com essencias para tirar noduas de roupa
a oOO rs.
Frascos rom cheiros de todos os precos a 160,200,
-l e J20.
r
echii Irritncao dos pulmoer. angi-
na?, tosse, escarros de
sanguo, erupo ou garro-
tilho, catarro, rouquidao
e todas as innumeravei molestias que affec-
1io aos orgaos da respirado
i:AI'PABti:< IvH
nediante a aceo da balsmica e irresistive
ANAGAHUITA
Frascos bonitos cora Wieiros finos a S00 rs.
lUJ11 meias ,nuillJ fiDas para senhora a
UouO.
Gollinhas muilo finas para senhora a 200 rs.
Caitas com soldados de chumbo para meninos a
IbO rs.
Duzias de colheres de m^al para cha a 800 rs.
Ditas dita dito para sopa, fazeuda boa a l6O0.
Varas de cordao bramo para esparlilho a 40 rs.
Pecas de fita da la para tiebrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
oO rs.
Pedras de lousa para mrnios a 160 rs.
Caixas de lampannas para 3 mezes a o rs.
Bunecosde choro panno a 160 rs.
Calas com boniaseslampas para rap a 100 r
Capachos compridos, boa fazeoda a 500 rs.
Grosas de botdes pequeos pretos para calca a
100 rs. v
Todas estas fazendas [ara liquidar, pois tudo
esta ern perfeilo estado, isto garante o douo do es-
tabeleciir.ento.
PEITORAL de KEMP.
a anacaluula mexicana que cl o neme es-
pecial este ncomparavel u medio, urna
arvi.re, cuja madeira por muito lempo se
ba usado no Tamlico para a cura das n-
fermi.ladcs cima mencionadas. Foi tam-
Iv^n ensaiada e approvada pela academia
medica de Berlim O peitoral de Kemp
uta sarape delicioso inteiramente livrede
opio, acido liydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors & Bar-
boza, Bravo C. e em todos os estabeleci-
nvntis pliarmaceuticosdo imperio.
Vetidem-se no Recife em casa de Caors d
Barboza e /o5o da C. Bravo & C.
LOJA 00 BE I JA FLOR
lia ra do Queimado a. (>3.
Tendo recebido um sorlimento de bonc-
cas de cbro, que chamam papai e mamai,
com cabeHeira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento de
brmquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas : apparelhos de almoco e de
jamar de porcelana e de metal, prU-iieor
efaquinhas a 280 rs.o par ;e nao queren-
do continuar, vende mais barato do que em
outra qualquer parle.
Vende-se tiras bordadas de diffet entes
larurasa l, e Uabados, collarinhos e pu-
nlios para senhora, bordados e aberlos de
renda e lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-se la para bordar de diversas
qualidades e de cores claras a 7& a libra, es-
pcllios de columnas de Jacaranda a 25500,
ditos brancosde diversos lamanhos, caixinbas
para estojos le navalhas,
Vende-sc nenies de alisar com costas de
metal a 1,5, ditos de differen es qualidades,
lindas gravaiiuhas para senhora de difieren-
tes gastos.
CeJhcrcs de uiclalpi'incig>e.
Vende-se colberes de metal principe para
tirar soupa a ty, .lilas para cha a 2^300.
ditas para sonpa a 4#20fl a duzia : nesta
loja te encontrara semprd um glande e va-
riado soifimenlo de miudezas: ra do Quei-
mado_n._C3, loja do beija-flor.
Vende-so urna taberna bem afreguezada para
o malo, e bem como para a leira por licar ao pi-
do mar, tambera d comidas e dormidas, e recebe
passageiros, lendo encllente coinmodo para fe-
narua da Lapa n. 13.
Laazinhas a 320.
Laazinhas a 320.
Laazinhas a 320.
Chegaram para a loja do Pavao as mais bonitas
laazinhas suissas de quadnnhos e listrazinhas a
imitacao de sedas por terem muito lustro, sendo os
padroes mais modernos que tem vindo ao mercado
e muito levezinhas, vendendo-se pelo barato preco
de .520 rs. o covado, sendo razenda que seropre se
venden por 640 rs. Liqnida-se por este barato
prego na loja e armazem do Pavao, na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Leacialiospura raao a 240 rs.. na loja
do Pavo.
Vendcm se finissimos lencos brancos com duas
cercaduras, sendo urna de cordao e outra de eores
mazadas, muito linos, a irailacao de linho, pelo
barato prego de 2,3800 a duzi, ou 210 rs. cada
um : isto s na loja e armazem do Pavo, na ra
da imperatriz n 60, de Gama 4 Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito sorlimento de laazinhas pro-
prtas para vestidos e soulemiarques por serem li-
sas e de quadnnhos pelo barato preco de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a
oOO rs. o covado, e vend-so a dinheiro a vista pe-
lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na loja
do Pavao ra da Iraperairiz n. 60 de C
Silva.
Alm do chromacomo, aoha-se mais aa-
gua Iloilde, preparacao inglcza para tingir
os Cabellos, s pielendentes comparecam a
ra do Queimado, loja d'Aguia Branca n. 8.
Mnitas caixinhas
com pe fumarias.
A Aguia Branca na ra do Queimado n.
8, recebeu um novo sorlimento de perfu-
maras das excellentes qualidades j bem co-
nhecidas, vindo no mesmo boni;as caixinhas
de madeira invernisada, e outras de vidro,
todas com finas perfuimrias, e mui pro-
prias para prsenles, as quaes sao vendidas
por precos commodos, na loja d'Aguia Bran-
ca ra do Queimado n. 8.
Toacas de fil enfei-
tudas
a 500 rs. cada urna.
Vend m-se na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Espelhos dourados.
A Agu a Branca, recebeu novamenle um
grande sortimento de espelhos de difieren-'
comprador, a quem isse, e a regularidade dos pre-
| gos nao ser indiferente para continuar com a sna
boa freguezia.
Antiga loja de miudezas a
ruado Queimadon. 16.
Nessa loja vende-se baratamente, alm de mui-
los oulros objeclos os sepuintes :
Vollas de crysial, grandes e pequeas.
Outras de diversas qualidades.
Cruzes f randes de pedras falsas.
Alflneles de madreperolae outras qualidades.
I Ir i neos a balo.
Cintos a traviata.
N. 16 ra do Queimado.
Pennas d'aco, papel e envelope?.
Na anliga loja de miudezas a ra do Queimado
o. 16, aclia-se um bello sorlimento de papel al-
masso greve liso e paulado, primeira e senuuda
sorle, dito de peso li.-o, jaulado e de quadrioiios, e
de dillerentes qualidades al a que se pode encon-
trar de raellior, dilo paquete, dito pequeo em cai-
xinhas, sendo liso, paulad", de quadnnhos, I eir
dourada e tarjado de prelo, tendo entre elles al-
guns que trazem a envelopa na roesma foiha, o que
e aqu inl.iraiiietiie novo. Caisas de envelope*
maiores e menores, e tarjados de pr.to. Peonas
d ago iDglezas, caligraphi.as e oulras qualidades,
todas dos afamados faricanles Perrcs \ C.
Albons baratos na ra do Quei-
mado n. 16.
. sYl,'nurrni3 bonlios lbum para U retratos a
tes qualidades, sendo d mordura domada, I KTJr" :)r50'B algUS Ulllir,:s
dita envernisada, outros de dita envernisa-
Gama t\-
da com vivos dourados, tendo diversos ta-
manhos, al grandes para salas, e bem as-
sim outros de armacao com um e dous ps,
e onlros com enconslo, todos os quaes se
vendem | or presos commodos e dinheiro
vista : na ra do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
B pautado com 33 liabas,
A Aguia Branca acaba de receber
alo preco?.
Luvas de p-lica a oOO rs. o par.
Apezar de nao serem amigas eslo um perneo
mescladas as luvas de pelica prela e de cores as
quaes anda seera para a ooile, e raesino i ara
montana, e vinderr.-se a 300 rs. o par na
Queimado n. 16, loja de miudezas.
UbyriitBM e Lieos.
Na loja de miudezas a ra do Queimado n 16
vende-se bonitos labyrinthos e bicos das ilhas, le'
odos em grade de lltha o que os torna forles, e de
muila duracao, alm de que os novos e agradaveis
desenhos, e commodldade dos pregos concorrera
para a boa eitraceo dVlles, lano mais
elles nunca sn i>
Aguia craoca cana ae receber a sua V" """" ""* u enes, tanto mais quamo
encommenda desse bom papel almasso, H,mTSD^Sl2Sf*S!A'em Cilias~de fi,,ni'
e pautado com 33 linhas. assim como Z\tk%^^ZJt^'UtrM9QMlmo
peso, tambem .superior e igualmente liso eRiia f|0 OilMniidn n 1 f\ o
pautado, cem cora imperial, e sem ella, e LlUt*.uu YlieiTUaa0 i6> an"
tiga loja de miudezas.
Pelerinas a 1,3000.
outros pequeos conforme os cima, e pa-
quete, tarjado de preto folha grande e pe-
quena, etc.
Tambem
preten-
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras deDles a ,0(los os lamanhos do papel, tanto
i bordadas propnas para hombros de brancos Como tarjados.
A commodidade dos pregos j de todos
milia
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
ii.5 a ata : nos armazensda ruado 1ro-
perador n.10 e rna do Trapiche Novon. 8.
IA
A \H lliOO e i|OO.
wqnes de osso, ultimo goslo, a li.
Ceroulas de meia a l00.
DlaB muito finas a 15300.
S na ra da Cadeia do Recife n.'o
senhora pelo baratissimo preco de 15600 :
a Imperatriz n. 60, loja de Gama i-giimly a 240 rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se as mais bonilas cassas organdys, pa-
droes tmudos e grandes, pelo baralissimo prego de
-i rs. o covado (doze viniens), esta pechinclia
acaba-se logo : na loja do Pavao ra da Impera-
triz n. 60, de Cama & Silva.
BRCTANHA DE ROLO A 3000.
MadnpolO eufestado a 3$00O.
Ka loja do l'avo
Vendem-se pecas de brelanha de rolo com 10
ZVSL* '' d"as de ma<,apolao enfeslado a 3520.
3*300 e U : m loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. GO, de Gama & Silva.
Madapolo tem loque de mofo a 6*100 e 70
Vendem-se superiores pegas de madapolao, ga-
rannndu-se 20 varas cm cada urna, pelo baratissi-
mo prego de 6,8.400 e 7$ pr terera um pequeo
loque de mofo que nata val, e pecas de alpodao a
4 : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. GO, de
Gama & Silva. '
Curies de casimiras a 2300 e 3^
Vendem-se cortes de casimira de nma s cor a
2-3OO, dnas de quadnnhos a 35 : na loja do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cuales a 2000
Vendem-se chales de merino a 25, 25300, 5 e
b* : na loja do Pavo. ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
LiaiHkasa 220 rs., na loja do Pavao
Vendem-se laazinhas transparentes de uu:a s
cor c de quadnnhos proprias para vestidos de se-
nhoras e meninas, pelo baralissimo prece de 220
rs. o covado, sendo fazeoda que sempre se vendeu
a oOO n.: na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Corles granadinos a 12#
Vendem-se os mais ricos cortes de fazenda de
muita phaniazia por ser transparentes e tecldos
com seda, lendo cada corle 22 covados, pelo dimi-
nulo preco de 12* : nicamente na loja e arma-
zem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, do Gama
& Silva.
Burnouls de renda na loja do Pavo
Chegaram os mais ricos bornouts de renda e se
vendem por baratsimos pregos : na loja e arma-
sem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A '
Silva.
Essa loja j to conhecida, renovou e melhorou
(0 seu sortimento de pe fumarias, oude os
recebeu envelopes corresoon- del!t's vo^,m cnc&,i!rar de novo e bom.
leos philocome, supeifine e babosa.
Banha fina em frescos e iatas.
Extractos linos inglezes e francezes.
Agua da colonia e florida.
Opiata e poz para dente*.
Extracto de quin uina para ditos.
Agua balsmica para ditos.
Dita dentrilice tara ditos.
Leite virginal para sardas.
Vinagre" de Venus para refrescar e conservar
Vendem-se na ra do Queimado, loja da luslre da culis.
Aguia Branca n. 8. Sabonetes campliorados inglezrs.
tf a Ditos areienlos excellentes para miios.
MeiaS CleCOreS \ 0ulros lambem ''s de diversas qoaUdad
, ,^ em caixinhas de tres e soltos.
(ara creancas de 0 a i2 mezes. Aibunscom perfumaras.
Vendem-se na ra do Queimado, loja da "pI,ftT1j/. ^~ZT'-------i-----T.-----
Aguia Branca n. 8. J liraile expOSl^lO de il-
bem conhecida, urna vez que appareca di-
nheiro : na ra do Queimado loja da Aguia
Branca n. 8.
Esponjas finos para rosto
I hosphoros de seguranca
caixas de 500 palitos a 100 cada urna.
Vondem-se na ru
Aguia Branca n. 8.
Gollinhas e punlios
bordadas para senhoras.
A Aguia Branca da ra do Queimado n.
zendas.
Que esli a venda, na loja e armazem da Arara, i
VenJem-se oajna da Queimado, lQ>"da 12s* fiSS* "W* ^"^ ^
LAzINHAS A 240 R?. f
LAZINHAS A 240 Rs. I !
LAZINHAS A 240 Rs. I I I
Ha um grande sorlimento de lzinhas chineas
chegadas pelo ulrro vapor, sendo fazenda que
------quaesquer loja vende a 400 rs., est se vendendo I
8, \enile-se mu bonitas gollinhas e punhos na loja da Arara pelo diminuto prego de 240 rs'
o covado.
MADAPOLAO COM 24 JARDAS A 45900 I I
bordados para senhora.
Aspas fortes para baldo.
Vendem-se na rna do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Dminos
e vis por as
em caixas de madeira.
A Aguia Branca na roa do Queimado n. 8,
acaba de receber domines em bonilas ca-1
xinhas de madeira branca e envernisada, e
visporas de caixinhas envernisada, ludo coniiiia a ser vendido
por pregos commodos e dinheiro avista.
Lencos pequeos
^arelo
Era casa de Tisset Frates ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho B rdeaux em barricas e em caixa.
Dito de Santerne fino.
Dito de Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
Semeules.
Vendem-se sementes de horlaligas muilo novas
ra da Cadeia n. 50.
A tfengao.
a 42 a sacca, dac maiores que ha : na ra larga
do Rosario n. 30, taberna da esquina.
Vende-se o engealio Juodjahv, ciccTlegoas
dislanle da cidade do Natal, provincia do Rio
Gr; nde do Norte, moente e correnlp, com 20 cap-
tivos, 20 bois e 20 bestaa ; assim como diversos
lotes de ierra, propria para a cultura de algodo e
mandioca, e mais duas fazendas de gado no Poten- j Vende-se urna serrazinha* circular com motor
g e Cear-ineirim, na mesraa provincia, cujas ven- com a das se efecluaro i prasos, mediante boas firmas : preteudeoles podern ve-la funecionar na fabrica
<|uem pretender dirija-so aquella provincia a tra- de carros de F. Poirir, na ra da Imperalriz
lar com Fabricio : C. mero 53.
TSso Iruio
venlem gesso era p para estuque de casas, lijlos
finos de feiilo diversos para ladrilho, azuleijos de
diversos costos, lijlos vidrados para parede de co-1
zinha, canos de barro para esgoto, cemento em
Jbarris de 10 arrobas.
Vende-s na ra di Cruz n. 38, armazem de
Mili:; Latham t C. :
Sacros vasos.
Pimenta da India.
Folha de Flacdres.
Oleo de linhaca.
Loma ordinarra e lina.
Ceneja do aspinall.
CM.. _____
Vende-se urna ptima escrava moca de boa
Altura : a tratar na ra da Cadeia n. 40, loja de
relooeiro.
Calnogas Anos e brlaqViedos
para meninos.
theparam para a loja de miudezas da roa do
yupimado n. 69, os mais finos e lindos calonga*
tanto para brmquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesan loja se encontrar bom sor-
tmenlo de miodez;s.
BATATAS.
Vendem-se excellentes batatas pelo .
preco de 400 rs. o gigo, e em porgao laz-se algum
abatimenio : no armazem do Sr. Azevedo defronte
da escandinha da alfandega.
Ricos chales pelos de renda
Cbegou pelo ultimo vapor francez um grande e
vanado sortimento dos mais ricos chales pretos de
reuda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elies muiios de pona redonda a emitacao de man-
teletes e muilos com o cenlro de cor, e vende-se
por precos muito em conla por terem sido manda-
dos vir de conla propria pelos donos da loja do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Laazinhas lisas a 500 rs.
Vendem-se as mais modernas laazinhas, tendo de
todas as cores, pelo barato preco de 500 rs. o co-
vado, tarlaiana branca e de cores a 800 rs., fil liso
branco a 800 rs. a vara, cortes de fil brancos lisos
a 65 : na loja do Pavo, ra da Imperalriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chapeos de sol de alpaca
Vendem-se superiores chapeos de sol de alpaca
a 35500, ditos de seda inglezes com 16 aspas a
125 : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Laazinhas transparentes a 320.
Vendem-se muito bonitas laazinhas transparen-
tes com palminhas de seda a 320, ditas lisas e de
varias cores a 20 rs.: na loja do Pavo, ra da
Imperalriz n 60, de Gama & Silva.
Corles de las matizadas.
Vendem-se bonitos cortes de las matizadas, ten-
do 15 covados cada corle, a 55, ditos a Maria Pia
a 65 e 85 : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
ROUPA FEITA
ROUPA FEITA
ROUPA FEITA.
Na loja do Pavo vende-se um grande sorlimeo-
to de roupas feitas para hornera, sendo calcas, pa-,
lelots e colleles, tanto de panno como de casemiras I
pretas e de cores ; deixa-se de mencionaros pre-
cos para nao se tornar enfadonho o annuocio,
afiancando-se que o respeitavel pablico achara um
diminuto | grande sorlimento por baralissimos precos : na
loja e armazem do Pavao, ra da Imperatriz n
60, de Gama & Silva.
MADAPOLAO COM 24 JARRAS A 45500.
vende-se madapolao com 24 jardas e garantin-
doso que t.-m 20 varas, telo barato preco de
4,5,))0. 85000, C-3000 e 65500.
DUETANIIA DE ROLO COM 10 VARAS
A 25H00.
\ ende-se bretanha de rolo a 258G0 a peca. **
Mendes Goimaries.
MADAPOLAO ENFESTADO A 35000, 35500
E 45000.
MADAPOLAO ENHESTADO A 35000, 3500
E 45000.
Vndese madapolao enfestado pelo o barato
preco de :5. 35500 e 45 a peca.
^COLCHAS DAMASCADAS DE FUSTAO.
Vende-se as mais modernas colchas de fusio,
j* toda* as cores a 55500, ditas grandes a
para meninos. gW, ditas de damasco a 45000, ditas de chita a
A Aguia Branca, na na do Oueimado n "^ e'^OO. isto s por a eabar, na loja c ar-
:. reclbeu m ..o ESS?3to. S3MBfiff a"!"^a *
CUITAS FRANCEZAS A 240. 2t(), 280 300 E
320 Rs. O COVADO.
CHITAS INGLESAS A 200 E 220 Rs. O COVADO.
\ ende-se cambraias brancas de .lpicos a 45500
a peca, lambem ha um grande sortimento de cam-
braia brancas que se vendem a 35, 35500, 45
o5, 65 e 75 a poca.
CHALES DE MERINO A 2;000.
Lencos de cambraia com baria de cores a 15800
I duzia, ditos de dita branco a 25 e a 25100 a du-'
zia, s Mendes Guimaiaes.
CALCAS DE BRIM DE LINH.
Q^5de;s^cal?as dt Unm dt ''"'lo 35400,'
251)006 45000, dilas de algodo a 25, s Mendes:
Guimaraes. i
Soutambarques de erfs, vende-se muilo barato
ditos grosdenaple preto, capas pretas vista se
fara preco.
PALITO'S DE ALPACA BRANCA A UoOO.
PALITO'S DE BRIM DE LINHO A 55000
Eniremeios transparentes a 800 rs. ditos tapado
a 15, tos para baado a 15000 cada urna tira.
ROUPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
_ : ROUPAS FEITAS.
Vendem-se
d'aquelles
lenco brancos, pequeos e com barras de
cores, proprios para meninos e aida sero
uendidos pelo commodo preco de 10000 a
dnzia.
Me as pretas
de laia pararpadre.
Vendem--e na ra do Queimado, loja da|
Aguia Branca n. 8.
dilus!-*!!??!
r^- ft ffl S
2! = 3 w S o.
2*. vK
ao
o C6
o^ =
s-Ss s.s
ji
j.
ara
9 6
o a
1
w
o
5-g
j.
w =1 2? 55 o
=-Sr3"S S
53
li
-3
L_. 2 O
5 3 S -
9.0 fl> 2
O-- 3 3 -
3 = -" 7i"
* E ~ sr a
1 <
J ws c s>
'a
5*
nu-
to
2 2.23
o
$
8
o
9-5.0
3 2- o" S 5J o
C. U3 n 1 o
i a = ?
32
CJ
es
rTi -*

c
5.1
no scu armazeiR
Aidoi im n ,,;,.
Licor fino Curac'o em bol pu e meias b>4HM.
Licores finos sonidos era farrams eaan -oMas 1
vidro e em lindos frasees.
VinhosChores.
Santerne-.
Chamlnilin.
llern.ilage.
Borgonbe.
Champa^ u<.
Moscatel.
Reino.
Borden ux.
Cognac
Od Ton.
AzeitePlagniol.
Loja
das seis ponas em frnUe do
v.ramtn(<>
Ven 'em-c chitas francezas rsepra-; '.
s a 240, 2i:0 280 o covado, cassa frani-Vz','
nos a 240, 2^0 e 280 o covado, ea3 h, ,
cues ,xas a 240 o covado, hreanha i- rote a
4<0 a p.ca, cortes de rasemira de cor e*wa *
*5, baloes d,- arcos % ^.-,00
outras fezedda< por baraMima
se dao amostras ; cambraia para fcm
\>< ca
e i, e -rana.
prefoa, e i* ta
a tMki a
Desde muito lempo o pablkoi
ibaodoDoa o uso das preparacoe!
inliliiladas depurativas conieri.las
*ob o nome do Arrobes, Xaropn
de Salsaparriiha composlos, ele
Cuja accao, a niaior parle das veies
e nulla, e ~'~'r mi rim fulgUL
Os Oowimn ttm Ammtm* rnrmm
E O COSTO JCMBIllH Z CIIM $<> [
pcqi'e.xo vonye MWWHI cito acti-
vas 01 e o io -ODO or. piilp ir. ir io tomi
HUIUW
O Sillero- .,0 H'.if i'Mit'H con
iVi(o>,oii,li('!v.ocu i'r;m-
cn sol o patrocinio das prlarai
eclcbriilatlca mtilra*, os pne .-rima
de ludo qnanlo lem exi-lido aihe
hoje.
Cura rpida sem o socorro
de nenlmia outro remedio i 11
terno, as escrophalas
herpes, affeccoes syphi-j
liticas hyp'ertrophias
dos tessidos celulares,
hydropisias e em geral
todas as molestias produzidas
pela altcrncao do sangue ; (ai
o resultado que queriamo
conseguir e que temos sem-
pre obtido.
Urna expiieacao acconpanba cada
lidro.
Desconfiar-se, das rj!clfieacort iai-
tatoes.
Para at eneomendat dirijir-u ao*
Siuet. BUICSOH ET o'% 18, B' Princc
EuRnt, Pariu
!P
-_ r.
O
O
'
=-
o
-a cb
T
Vendd-se ama escrava parda de niaia idade
com principio da enaomroado, lava ( eozioha
ra? mn de Santa Rila, casa n- 5.
Vende se um lindo mulatinho de idade de 13
anno?, e um nejiro de idade io annos por 3004 :
na iravessa do Carino n. 1.
i\ovas sementes le horlalica.
Chegaram no ultimo vapor francez rindo da Eu-
ropa, nova, sement de horlalica, na bem contie-
na cida loja de ferragens de Bastos, pa ra da Cadeia
do Recife n. 56 A.
Piche do gaze verniz do gaz.
Vende-se piche do gaz, verniz do gaz e estopa
da ierra : no armazem da bola amarella, no oito
da secretarla da polica.
Attencflo.
Vende-se o deposito da ra Nova n. 61, hem
afreguezado e bem sorlido : a tratar na ra do Li-
vramento n. 34.
09
1
O.
3
te
3
o_
o.
2.
1.
CL9
a
-i
o
s
9> C^
O
>
a
9
o
2r s-v-.u..i *.M&L'fy&3Ki
Ap,."r...d
Krnii. ,
Ack.ii'iui.t em
6 .'4 tf :; -I ,,r. Pi:j..
; .mu. ioflajM ye'.* ilit
um sorlimento de roupas feitas de amm v<
todas as qoalidades, que a vista se far preco, e ig^emi* -.i tsm t n n.:.n, que =s ninjim -.
outras inoias mais fazendas que se d'.ixam de1 Gt'"i cosrr s:io <. icrlbur e mi* efrix tmamtk
annunciar, ra da Imperalriz n. 56, Mendes Gui- 'S'ru(">."*v i' erar cbUrMii oiiu taor-atbo
maraes.
m
m
m
Fumo da Babia para
charutos.
Vende-se fumo superior de todas as
qualidades, a realho e por atacado, e
por preces commodos, no Recife. ra da
Cacimba n. 1.
m
m
Duxv.v brumos, a fraqueza de compleixio nos daaa
t-xos. c lainliriu pan ajudar a menslruacio das mofas.
Enas Gragi'as nio sao Tendidas senao ni caixiaaa*
ou Tidros mlienos com rotulo e fechados coa ama tira
leTaadn a firraa do depositario geral : LABKLtKfTB,
sbaruiaieulico, ra Bourboa-ViQtufu**. It. Paria.
Deposito geral em J'erDaniLuco rna 1
Craan.2a em casa de Caros & Barboia
m
\ende-se nmacadeirinha quasi nova, propria
para qualquer senhora : quera a pretender dirja-
se a ra do Vigario n. 18, ou na iravessa das Cru-
zes n. 4.
Vende se um preto crioulo, bera moco : do
pateo do Terco n. 141.
Vendem se tres portadas de pedra de canta-
ra, de Lisboa : a fallar com Jos liarla Se ve, na
llha dos Ratos, ra do Seve, casa n. 16.
Acba-se
avariado.
Francez barrica SOOO
Portland dem 8W00
Em perfeilo estado:
Francez barrica 10,5000
Portland idem lflOOO
Xo armazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
\ende-e um carro de carregar gneros da
alfandega, com uso, e todos os perte.nccs de outro
igual, ludo por preco mnito commodo : a tratar
no paleo de S. Pedro n. 4.
a venda na livraill acadmica, oa ina do Im.fra-
dor; na do Sr. Nogncir?. junio ao ?rro de dIo
Antonio ; e na typographia imparcial, na n* m-
i treita do Rosario a ompilacao de toda lefislaco
lendenlo administraco, i arrecadacio e r-ali-
fa^ao dos dioheiros de orpbos defuotos e auin-
; les, nerancas Jacenles, legados, rte., cooleorf.i r.ao
? o regiment de cusas e a le geral das raat
foes, como tambem todas as orden* e avises d->
,?overno, qne a ludo lem explicado, tanto r.
io das obrigacSes inherentes ao cargo dos diCtretv
les empregados de jostica e fazenda, roaso des di-
reitos nacionaes e emolnment.is qne >> d-vi*
1 Este hvro contendo mais de 700 paginas efti ifi.la
impressao e bom papei, e presUnJo-se a m'ihjj
de dlfTerenies classes, torna-se rrrrmaacifcTii
, *u cosi 10400 por cada exemplar en
1 lomos.
iiim
^X.
7
- '* --------------"


Diarfo de Fernambaco Mexta eim 18 de lulho de 186*
GNEROS BAMTOS A MNHEIR
NOS
grades m\im a)
AURORA BRILHANTE
M0LH\D0Sl|a
<
genios,
Pateo do Carmo 9 armazen. Progresivo ra do Qaeimado n. 7 m j j
Uiiiao e Coinuiertio ra do Imperador d. 40, 11 Ji
Principal armazem de molhados. t_33
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
,u, hwadorosemaipesaaas do cantro, que para mais facilitar suas compras del;-.
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todo os seus estaDeieui-
men'os em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promeue-(
mos iuc nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annnnciar os foieroi
por um preco, e na occasio da compra quererem por outro, como soejde consume-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se anda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que,
ser) tain em servidos como viessem pessoalraente fazeudo-nos o favor di mandar seus
pedidos em cartas foixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna coma
pela qual se ver os precos tal qual annunciarnns, o que senao arrependera pessoa.
alguma que fizer saa despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por ceitlo na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza peifeitamente flor chegaia dem com i a 5 ditas a 33200.
opimamente no vapor Saladim, de 15 dem vastos de todos os tamanlios a SJou, \
a-131-O a libra e em barril lera abat- 13500,800 e 610 rs.
raent0. Queijos d 23300 a 23500 os mais frescos.
dem franeeza muito nova a 13 a libra, e, Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
e.n barril tura abatimeato. 23000 a caada.
Banlia de porco relina la a 6i0 a libra e em dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e l*W
barril ter abatimento. a caada.
Cha uxim de superior qualidada a 23600.' Azeite doce de Lisboa muito uno a 600 rs.
dem perula miudinho a 23700 i a garrafa e 13600 a caada,
dem hvsson especial qualidade de 23500 a' Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 400
230OO a libfa. a libra, e em barril de 5 arrobas a
dem preto muito especial a 25000 e 23100; 103500 a arroba. .._
Cerveja Bass do fabricante Slilers & Bell a
fiaA'PES ARMAZENS
MOLHADO
S .m ML.>h*vt#i
o
Q
1
a l.bra.
dem do lio em latas do 13000 e a 800 a
libra.
Latas co u biscouto de todas as qualidades
a 13200.
dem da creditada fabrica de Biato Antonio
(Ljsboi) proprias para dar adrantes a
23 e 33 a lata.
63500 a duzia e 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. f\ Asne a 63000
a duzia e 560 a garrafa,
'dem marca H Victoria Alsope e outras
muitas marcas a 53 a duzia e 500 rs. a
garrata.
Sabo primeira qualidade a 220 rs. a libra
Bolaxiuln ingleza muito nova a 3A500 a bar- e 210 em caixa.
rica c a 24) rs. a libra. dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
litas com bolaximp de oda e oval a 23-
Presunto ing'ez para fiambre chegado no
Ultimo vapor a 80 rs. a libra.
ricis e paios muito novos a 900 rs.
: libia.
.s com uwcarrao t'lliarim muito novo a
i >o e :i a libra
VI m branca e amarella a 500 a libra.
; : >', iio porlugnez de especial qualidade a
8 Q .1 libra.
i.-. su -si de 8'>0a id^OQ a libra.
n !i;s.:nol jrerdadeiroa 1*000 a libra
ja ven I naos .1 13100.
1 l.i casca de guiara em caixoes de 4 e
-,.-;i linfas seguro a 13H00,
e n ixo' pequeos a 700 rs. e de
para cima a 40.
a 180 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabiio ingle/, superior
16 1 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 73000,
73500 e 83 a arroba, e de 210 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranbao 33200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 23600, 23800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 53500 a cai-
xa, de Simas (Jos Parlado).
dem Londrinos a 53, idem.
dem Parisienses a 13500,
dem Delicias a 13500.
dem Traviata do Bio a 53500.
dem E em boceas ricamente enfeitadas, !*??* ffi* VZSjL*"
contendo pera, pes-go, ameixa, rainha.
e outias frutaba 33000 cada urna.
dem em calda em latas feixadas hermtica-
mente rnui'o bem enfeitadas, contendo,
pera, pe ego, ameixas e outras frutas a
g40 c 7u a lata, tambem temos latas
grandes a 13200.
Marmelada los mclbores fabricantes, emla-
. tas de 23000 a 1J200.
1 em latas de 1 1(2libra a 13.
dem em atas de 1 libra a 1510 rs.
Ervilhas em latas chegadas nesle ultimo va-
por a 700 e de 5" para cima a 610 rs.
Feijo verde ou oarrapato em latas j pre-
parado a 610 rs.
Ameixas em. frascos de vidro a 13500.
dem em caixinhas ricamente enfeitadas de
OOa 23500
Conservas Mexide muito novas
frasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
M >lho inglea a 640 rs. o frasco com rolha
Netto a 33500 e 13 <00 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 13S00
a meia caixa e 53200 a caixa.
dem mece lipes a 13700 a meia caixa e
33000 a caixa do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 13800 a meia
caixa e 35100 a caixa.
dem jovens de Castanho & Fillio a 25100
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 13 O1) a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 15500 o quirto e 50
a caixa de urna arroba hespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposico de
comer 13300 a garrafa e 113000 a
* ,40
------------------_ k-
1 Largo da SantalS 'lYll.ift 1 Largo da Santal
JfCruz n 81, es-^ \1\1J0_3 ruz 5. 84, es-S
^quina da ra dog V" .rina da roa
ST' i gspecia.es l^bo.
Mmmm i
rnra Rpnh,*iProprUr, doj multo acreditado armazem de mol'
rora urilbaate conUaua a ler o mesmo sortimenlo de eneros de ....
Q -eguinte tabella sirvira' a iodos de base para ajuste de comas aos portadores.
n0in Vum arma"m vender' mais barato e melbores do que a Aurora Brilhante, ja"
o ?ort,mento 'Jue 'em, ja' mesmo porque seu dono s deseja tirar diminuto In- fifi
nrL -i gue |iara acculular as despezas do estabelecimeuto por isso deixe se a- gg|j
proveiiar, o prsprietario lia de fazer toda a diligencia, aflm de servir bem os seus cons-
tantes frejjuezes. '
|LTS8 'braS de chourias rauit0 n(>vas, Vinho verde superior,
tas grandes ,om peixe em pos.asinteiras, A caada a 3*000 e a garrafa a 400 rs.
19400 lt lualidades' a WWOO, 1*280 e
Ditas cora ostras, excedente petiseo para fri-
gideira, a 720 rs.
?Ditas com ervilbas novas, ensopadas, a 720 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
.Ditas com ameixas a 1J200, 1*800 e 33300.
lunas cora marmelada do afamado fabricante
Abreu. a 720 rs.
jDitascom massade tmale, a 500 rs.
iDUascora figos de comadre, novos, a 1SO0,
20 e 2*500.
r^'Soo" b0laChaha de SOda muil0 novas> a
Ditascorabiscoilinhos inglezes de muitas qua-
lidades, a i*i00.
Chocolate.
Caixinhas com ameixas enfeitadas proprias
Jr. Para '".rao a 1*200,29800 e 39200.
funocoiaie superior muito novo, a libra de
880 a 1*000.
LMacarrSo,talhariam e alalria araarella, a libra
a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 40 rs.
Laixas com estrelinha, pevide, e outras mas-
i sas, a caixa 33500.
'Ditas dita em libras a 640 rs.
ISag, a libra a 360 rs.
JSevadinha para sOpaalibra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
itas descascadas, a libra a 200 rs.
JTapioca muito nova, a libra a 280 rs.
'Farinha de araruta
! 300 rs.
I Arroz do Maranhao,
.------.., era sacco,
2*400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a li- Cartas finas para logar, a duzia a 2*al>.
bra a 100 rs. | Castanhas.
Toucinho de Lisboa a 9*500 a arroba e a 3201 castanhas novas vindas neste vapor,
rs. a libra. | ba .q^ ea |tira Dito de Santos, a arroba 7*000 e a libra a: \?eitonas.
260 rs. i fiimi
Molhos com 125 ceblas grandes, a 19280. I Barris com "Uonas noves a 1*500
iMostarda franceza, caixa com 2 duzias a Mameiga.
7J0O0. I Manteiea superior, a libra a l*Ju.
Frascos eon raostarda preparada em vinagre, i Dita mais abaixo a 1*200.
| a 400 rs. i Dita menos superior a I*.
Ditos cora conservas inglezas e francezas, a Dita franceza nova, a libra a *u
640 e 800 rs. Dita dita era barris e meios ditos,
iDitoscoin sal refinado fino, a 640 e a 500 rs. 850 rs.
Ditos com a verdadeira geoebra delarania, a Dita para tempero a 400 rs.
19000. Queijos.
Ditos de2 garrafas de Hollanda verdadeira,a
1 640 rs.
Botijas cora dita propria para negocio, a
iGarrafoes com 2 gales com dita, a 65.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a 1
1 duzia a 6-9000.
Vinho muscatel de Setubal, a carrafa a 1*.
verdadeira, a libra a
a arroba a
Gouima.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
ensommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
Fariulia.
Saccasgrandes com farinha de Goiaona mu-;
to nova, a 5*000.
Caf. .A,
Cafdo Rio muito superior, a arroba a 8*,-^
8*300 e 9*000. W?
Cha. era
Ch.teraos nesies generoso o )lhor possivel,<
hyson, a libra a 2*600.
Dito perola a 3*000.
Dito uxim a 2*700.
Dito hyson muito lino a 2*800.
Dito redondo a 2*300. aXAn
Dito preto de primeira qualidade a 2*500.
Dito mais baixo a 2*000 e 1*600.
Em mate.
Excedente cha medicinal, a libra a 240 rs. cas
Esperraacete. ji'
O masso com 6 vellas de espermacete a ^-^C)
640e720rs. W
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro- ^d
prias para mimos a 45 e 2*300.
Nones.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpista e painen.
Alpista e painco, a arroba 4*000 e a libra a.
160 rs.
Cartas.
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Recifo, esqnina da Mflre He De.
Os ricos bales de arcos de 3*. 4* e 53
Bales de arcos para meninas de 2 a 14 annos a 23 e 23500.
Bales de pasmo para meninas a 33 e 33500.
Chapeos de s< l.
Os afamados e bem conbecidos chapos de sol com 12 asteas a 83.
Ditos maiores com 10 asteas a 13-
Tapetes.
Grandes e pequeos tapetes com ricas estampas para sof.
Chitas.
Chitas largas a 240 rs. o cova.lo.
dem escuras finas a 30 rs. o covado.
Camisa.
Superiores camisas a 23500.
Camisas com peito de (r, e todas brancas a 13800.
Ha muitas outras qualidades com peito de esguiao.
Casemiras.
As modernas casemiras de quadros, chegaram.
Roupa telta.
Ha completo sortimenlo de casemiras, de brim branco e de cores.
Collelrlnhos.
Chegou nova remessa decolleirinhos de papel de cores e branco?.
Tambem ha completo sortimento dos de esguiao.
Cateas.
Calcas de superior brim pardo a 23500.
Caiubrala branca.
Superiores cambraias brancas a 53 e 73 a pega.
Cambraia branca para forro a 320 e 400 rs. a vara.
Um
Las de bonitas cores a 4,'0 rs. ao covado.
dem para luto a 560 rs, ao covado.
A QUEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico notas
fazendas e novos pregos e nao como muitas pessoas *up.e sempre ser as me.-naas fa-
zendas.
arro
I4CHift\Si)EFffl
de trabalhar a mi par
escarolar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDA
a libra
de vidro.
libra a
Mosl irda eai po a 700 rs. o frasco.
Id su | preparada a 320 rs
Latas com massa de tomate de 1
fJOOrs.
dem em latas de 1 1[2 libra a 900 rs.
Vi:.nos em garrafas viudos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascivallas, Mari a Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Ligrimas Doces, La-
grimas do Douro, o outras muitas marcas
a 13 a garrafa e 9> a 123 a duzia.
dem Palmella a 13 a garrafa e 113000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 23800 a 33500 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 2i3a
ancoreta.
dem branco expecial qualidade proprio para
missa a 860 rs. a garrafa e 43 a caada.
dem mais baixo a 400 rs a garrafa e 33500
a casada.
dem do Porto especial qu'lidade a 800 rs.
a garrafa e 53500 a caada.
Id m 0-rdeaux em caixas a 73 e 700 rs. a
garrafa.
Chamo mha a meliior do mercado vinda de
uowa encommenda a 303 o gigo.
dem mais baixa de 183 "a 203 e 13500 e
33 a garrafa.
Licores pertuguezes e francezes a 13000 e
13500 a garrafa.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 13500 a
garrafa.
dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
Geoebra de Jaranja ver ladeira a 113 a du-
zia e 13 o*frasco.
dem de Hollanda verdadeira a 63 a fras-
queira e 800 o frasco.
dem Je Hambur.m a 33500 a frasqueira.
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. Ti fnsco.
Garrafoes com genetra de Hollanda com 24
garrafas a 83, com garrafio.
I km com 14 a 15 garrafas a 63.
700 rs. o Alpista muito novo a 33800 arroba e
a libra.
Painco a 15000 arroba e i \Q a libra.
Pe;xe em latas j preparado a 13200 a lata
e era porc3o 13000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo paralimpar facas a 160 rs.
Esparmicete a 600 a libra e era caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 103000 a arroba
e 360 a 410 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas .em anco-
retas grandes a 13800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes propnos
para guardar roupa suja a 23500, 33000
e 43000
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 43000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhao muito alva e aova a
240 a libra.
Smdtnha de Franga para sopa a 200 a li-
bra. ^^
Sevada muito nova a 140 a libra e 43000
arroba.
Caixas com estrelinha, rodinha e pevide a
400 a libra.
Alhos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 180 e 200 rs cada urna.
Canella muito nova a 13000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Ervadoce ilem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 43200 a resma,
dem lizo a 43000.
dem de pezo a 33000.
dem de embrulho marca grande a 13200 e
13)00.
dem azul para botica a 23000.
Copos lapidados a 53500 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 e
16') cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 13500 a libra, em porcaotera
abatimento.
A Marrasqainho verdadeiro,frascos a 80C rs. e
B a 1*200.
'j3Champatne, a duzia 20*000, e a garrafa a
A 2*000.
iftAzeite refinado portuguez e francez, a garrafa
-;.p a 1*000.
X Caixa de vinho Bordeaax muito superior, a
:g 7*, 8*, 9* e 10* a caina.
.^HDitas com dito branco, a 7* a caixa.
f Ditas com dito lacrimas do Douro verdadeiro,
a 20*.
Ditas com duque do Porto verdadeiro.'a
18*000.
SKDita* com chamisso superior, a 14*.
0>Ditts com Porto velbo e outras muitas mar-
f cas, a 12*.
feViaho do Porto a pipa, a garrafa a 640, 720
fg e 800 rs.
fDito de Lisboa muito bom, araada a 3*200,
35300 e 45, e a garrafa a 'OO e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marcas (i\*.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
'% 45500. e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
*>f5 1ue est^ enarrafado e lacrado com o
i: rotulo do armazem.
da a 3*300 e 4*000, e a garrafa a 480 e
v 520 rs.
&. Vinho branco tino, a garrafa a 640 rs.
'^JDito de caj muito superior, a garrafa a
Ji 800 rs.
Queijos novos vindos neste vapor a 2*800 e
3*000. ...r.
Ditos londrinos muito novos, a uora
1*000.
Papel.
! Papel almaco paulado, a resma a4500.
Dito dito lizo de linho, a resma a 45oOO.
lizo e pautado, a resma
Dito de peso
25m i Dito de embrulho, bom a 1* e 1*200.
Vinho Madeira.
Garrafas com n verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*500 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs. A
Velas de carnauba. ^
Massos com 6 velas de carnauba refinada a^
480 rs. {|f
Amendoas. *%?J
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 1*400 (/
e pequeos a 640 rs.
Tijulos de limpar
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Grasa.
Duz>as de boioes de srraxa n. 97 a 2*000, e cip
de latas a 1*000. e os boiSes a 240 rs. ca-fto
da um, e as latas a 100 rs. |ffi
Charutos linos.
Charutos finos dos inelhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixas e meias
caixas.
tendentes
E grande quantidade de gneros
estes estabelecimentos, qne deixam de an-
nnnciar-se.
N. 11Roa do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
para
Chegou a este estabelecimeuto um grande sorlimento de cortinados bordados
camas fazenda de muito goslo.
Chales de guipii muito finos para 22*, 25* e 30*.
Collas de seda superiores de diversas cores para camis de noivas.
Colxas de la e seda para cama tambem de bonitas cores.
Rotondes de guipeofeitados com o melhor goslo. .:..
Setira de Paris bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureantlque branco e preto, grosdenaple preto e de cores, pannos pretos de todas
as dualidades, ditos azues. -.-_..'_ _
Casemira preta e de cores, merino preto, silistrina, borabazinas, alpacas pretas, e
lia preti para lutos.
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 4* a ll*.
Brini de linho de cores tinos a 1*800 a vara. ^.._". ,hAa
Chap.)s e chapelinas de paiha do Italia para senhora, manguitos bordado>, cnapeos
de seda para hornera, chapeos de sol de seda, esguiao de linho, cambraia de linho, brota-
nhas, silesias e muitas outras fazendas que se veadera por commodos precos assim como
tambem
Esteiras da India para forrar salas
Estas machn?!
podem descarla?
qualquer espeeh
;|:de al goda o sen
'estragar o tic
sendo bastanu
duas pessoas par
otrabalho; pd;
descarocar uid
arroba de algc-
dao em caroc
em 40 minutos,
ou 18 arroba?
por di a ou 5 ar-
robas de algod<
iimpo.
Assira como machinas para seren movidas por
animaes, que descarocam 18 arrotos de algodi
Iimpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutns dessas machinas.
Os raesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis desOa macliina."
mencionadas ; para o que convida-se aos Sr.
agricultores a virem ver e examina-Io, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.i7.
Saonders Brothers k C.
X. II, pra^a do C'orpo Waato
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz. '
~ Coke do gaz.
l*i Ir li do gaz.
Alcatro do gaz.
Coke tonelladas rs. 103000
Pitch i ..... 803000
AlcatrSo caada..... 400
O coke reconhecidaraente o carvo mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
alie usado. Pitch e alcalrao.alra das applicacdes
diversas a que se prestam, como para callafetar
embarcac5es, alcatroar madeiras,etc.,teem este a
propriedade de preservar do cupial, formigas.etc.
E' entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador. ______
Instruccoes para o servico
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistara nos corpos
de voluntarios; vende-se na Uvraria n. 6 e
8 da prac^a da Ind 'pendencia, a 13.______
Farinha de mandioca : tem para vender Au
tonlo Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz n. 1.
Vende-se
um balro de pinho cora ura fiteiro pequeo : na
ra da Penba n. 2.
Vende-se urna burra de ferro grande
em perfeito estado e por commodo preco :
na roa do Apollo n. 20.______________
Viuhos do Porto
das melbores marcas, em caixinhas de urna duzia
de garrafas para casas particulares, sendo : Lagri-
mas do Douro, Duque do Porto e D. Luir. ; tambem
tem aocretas de dcimo encapadas com superior
vinho, barris de 5* e 10 em pipa : na ra do Vi-
gario o. 19, primeiro andar.
Admirem a grande liqui-
dacao
De candieiros a gaz por todo preco a
grosso e a retalho.
Ra da lmper.i Atten$.
Grande liquidacSo he fazendas e roupa* fe-i
tas racionaos.
Ra da Itnp<>ralrii n. 71, toja e arnuzea e
GuimarVs 4 Irmo.
Os proprielsriits deste poto eslabtkrianMn re-
ceberam pelo ultimo vapor francez um graate -sor-
timento de lasinhas esroeezas, padrn nato fco-
nitop, que esiao vendendo pelo diminuto preco
240 o covado ; minio barato !
Laninbas a O'.
Lasinhas a 240 D
Lasinhas a 240 t
Ra da Imperatriz n. 72, l ja e armazen >
Goimares & Irmo.
Tambem imnlwil um grande -ortur^nM 4*
colchas de fuslao que eslo veiKlendo per 5->V>0e
6*, ditas de chita a 1*900 e 25, ditas d- U>
1*500 e 2*. grande sorlimento de cambraia* braa-
cas a 35200, 3*500 e 4*, ditas muito a
4*500, 5* e 6*. dils de slpiros braarc^ a 4-VrfW
e 5*000 : isto ai na loja e armazem de Gaiavraes
& Irmo, roa da Imperatriz o. 71
Chitas largas a 240. 2G0,280. 300, 3201
Chitas largas a 210, 2C0, 280. 390. 32.'
Chitas largas a 110. 2CO. 280. 30.32f
muito baralo, pecas de brelanha de roto com
16 varas a 3* e 35200, ditas de ma jardas a 4*500 55. G*, 6*500 r 7*. mmt. no a
a 9*. madapnlao francez enfotado rom il p.rda
a 3*200, 3*500, 4* o 4*500, chales de meria *v
tampailos a 2*. 2*500 e 3*, ditos muito tin.j* a
6* e 6*500, cortes de casemiras de cores e arelas
pelo diminuto preco de 2*500. 3*. 3*500 t 5
ditas muito finas a 5*, C*500 e 6*. grande fru-
mento de ronpas feitas de :-vla< a* qoalidacr*. c
preco que s vista dos compradores i aja
poder dizer o preco, amaneando qne veV-4
por menos 20 0|O que em ootra qoaPfocr parte :
isto na roa da Imperalriz a. 72, loja de Gwanrie*
& Irmao.
Vende-se
farelo de Lisboa em sacras e barrica, e
com superior farinha de mandioca, mais har *>
qne em ooira qnalqaer parte : na roa do Vajano
n, 17, primeiro andar. ^^^__
l^lCASTvlilas E
iHRYSTAKS.
A loja de Inora da ra do Crespo a. 16 lem para
vender quantidade de azulejos de liadas r varadas
cores, assim como loucas de todas as 9,
de bonitas pintaras e goslo raoderao, ric Ihos de porcelanas brancas dooradas e de cores,
vidros de todas as qualidades, incloiaa
chryslal, dilicados jarros de chrystal e puriilaaa
para flores, Uparas e ontros moitos objeta* de %
nissima porcelana denominada biscoito para eav
feites de mesas, etc., guarnices de MffABa acr-
celana branca douradas e de core* para tafatuda
e toa leles, tndo do melhor eosto, piadas a> loara e
vasos para jardim. candieiros de lamnariaas para
gaz, globos e chamineis de vidro, aocrara 11
os mais sobrere-lentes para os awsaw, gaa las
de superior qualidade, e muilos iiims arflaaa i
seria enfadonho mencionar, todo par
issimos razoaveit.
Chegaram os superiore$
cortes de seda
Superiores cortes de seda de cor,
ultimo vapor francez : aa loja das ea
do Crespo n. 13, de Antonio Canela
cellos A C._____________________________
Vendem-se duas casas terreas, f
chaos proprios, sitas aa roa Imperial,
te paro a va frrea, tem cacimba, e
de 4 0/0 ao nex : a tratar aa roa
numero 14._______________
Vende-se orna e?crava aw
de 18 raezes, por preciso. sabe .
mar : os pretndeme Jinjaia-s* a
31, primeiro andar.
%
L
V

_


Diarla de Pernambaco Meita fek-a S de aiilk* de 1S*
i
i
I
ESTABELEOIDO A RA NOVA N. 60
ffim ui'DB'M n)2 si anuaria
AO
RESPEITAVEL PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
lem da tA&a estabelecido ra Nova n. CO um magnifico sortimento |de molhados,
que sendo em sua maxiim parte mandados vir directamente do estrangtiro',podem ser
vendidos por preces asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e utico em sen genero, pde-se porra afliancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumplimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2,] Fidelidade no peso.
3.* Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira quatidade. etc., etc.
Qualquer que seja & condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquellas que slo pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
muitas pataca?, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelopreco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender. |
Os ser.hores de lora da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo sen proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do amato se pode vender barato.
Para os senhons que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolindo por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhore-
compradores.
Nao se lem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
AO PUBLICO
em o menor constran-
glmento se estregara o
importe do genero que
nao agradar.

fiTTEMG0
os precos da segniutt
Aftcila para todos, po-
rteado asslm servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
mm
vnniiiii
t* fn fr I* *'!
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Conceico)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore? nhofSWj o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo a promptidao e intei-
eza com que sero tratada?, XMittf a urna visita ao mesmo, certos de que sem dnvida me daro a pruteccao e preferencia na com-
rra dos gneros que precisaran e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes ejam pouco praticos,
roisserSo tobem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacio, afim de que nao vio em
p tra psrle.
Alelria, macarrao e talliarim a 4oo rs. a li-iSal refinado em frascos de vidro com lam a
bra e ,ooo a caixa. do mesmo, a oo rs.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi- Cerveja branca das marcas mais acreditadas
nha branca ouamarella a 64o rs.a libra e; que vem ao mercado, a ooo, 56o e 64o
3,5oo a caisa com 8 libras. a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du-
Vinho do Porto muito fino proprio para zia.
engarrafar, em ancoretas de S caadas a' Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
35,ooo rs. Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, ioo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,3oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Manteiga ingleza especialmente escribida a
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
m zj-mk nos
I Pharol do eom m \ r.-
Ra do Rangel i. 73.
O proprietario dette aiiaaxloih n :*-
ra de avisar aos seus fregu s r a raa-
de rtdurcao nos prtcos de seos gese -1> nar-
ra qualidade : manhiga ingle :
libra a llinia chegi-da ao ri"
franceza a 900 rs. em Larri: -.
queij"S flanu ngos potos a 2*:;< l>.
se pode desdar mi bmdarte Hd r.. i i
ameixas tunera raiiiiha* ; i
, 1*800, frascos de ditas iU>,iui ; rn*
para mimos, mar mi lata cas n ;i r< maNata
('40 rs. a libra, anteado* r" f< i
de S. Joo a C40 rs., vinho o Por: a HA i 72>rs
.agarrafa, Hfoetra e Li-l-oa 4. i'< i I .u.. t
] (Di ranada se faz o abaiin.erjio, t*nn rom 2 arrobas pnr3?500e a libra >.. r i
trafe 1 sor le 7800 e 75200 nN 34
'. bolacbinha inffeu 116 r*. i !:.-.
| Li>boa a 360 rs. a libra, velas rf c -r
i rs., das Mleariou lina.- a WH- r- i : HMO*
guez a 600 rs., albiMa a ;>;.'(.(' i an i ,
a libra, iramc,,. a i Hm 110 n........ .a t-
nn a 25500, 27(IO t 24MJO, frr- i .'
640 a isla, g( n na a 10U r<. a ln ra i -'-" ': i '-
roba, I>t HllilK b iliglez..- Ula de 2 !;i ra> a l^.-?.
ditos de seda grandes ?i<(tO e inn.- ni- pw>
res que se t( ma rifadiiriliii u nrn r :.r. i, ,-
lario espera a conenrrenna M r>t
garanlindo a cxaciblu u (|e tratar.
Vendein-se paimeiras imirrii-. m -;<
de serem iransplaniadas: no rNin ;'hi-
querda, depois do bem oo E.-i tal i .\f-
dirlos.
dem preto o que se pode desojar neste ge- Vinho branco para missa em caixas de i da-
ero a ,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio dvella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superioH
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Doquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 46,ooo, I5,ooo,
12,ooo e 10,000a caixa com i duzia e9oo,
i,ooo e i,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superiorqualidadea16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
do de Simas, das seguinles quaiidades:
Exposicao Normal de II;.vana, lmperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nrlbasde Ilavana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
opnac inglez das melhores marcas, a 8oo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Fio de aigedio da !.
Veudflse no escnpiorio Ce AMMM Lak .-. \M-
veira Azevedo A C. rna da Crn n. 1.
Potassa da lum
muito nova e superior : vnaiMa n *'<,:**
de Manoel Ignacio de Olivrira A Fr'ho, torftf|
Corpo Sanio n. 19.
Vemiem-.se
ALP1STA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Abroz de 90 rs. a libra 3.........,
Amendoas. casca molle, a 28u rs. a libra.
Avellas a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas ein latas de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Almos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2;0OD a garrafa.
B
BOLACHIXILVS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
Idem do Principe Alberto a 25000 a lata, e
de cinco pata cima a l800.
dem de soda em latas grandes a 2^000 e
de cinco para cima a 1^800. .
Biscoitos inglezes de to:las as quaiidades a
I200, l-}50e 10300.
Bolo francez em caixinhis a 300 rs. cada
una.
Batatas inglezas.
Ba.mia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, e em poreao a 600 e 700 rs.
dem suisso a ia libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Chouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a"240 e 260 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7(5000 a ar-
roba.
Conservas em fi ascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglazas, frascos grandes.
Champagne de todss as marcas.
Chaiiope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a I866 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam: Normas d'llavana, Exposicao,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, flegalia, Mississipes,
Panetellos. Apraziveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as quaiidades e de todos os
precos, hysson, huxiin, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 2#000,
22"0, 2,5560 e 2#800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 2*500, 3;5oOO, 40 e 50.
Cauces de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 1$ e 1#500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco marinos.
D
DOCES de todas as quaiidades: brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc v

ERVILIIAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA SSSde 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a 166 rs. a libra.
Fetjao verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a linra.
dem americano em latas a 23.
Farello ha sampre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as quaiidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
K
KIRSCH de Wasser a U a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letiua a 400 rs. a libra
II
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 18, 10120 e 10280, em bar-
ril se faz grande abatimento ; a que ven-
demos por 10280 a liba, vende-se em
outra qualquer casa por 10400 e 10500.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarrao e taliiarim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6O rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as quaiidades.
Marrasqulno verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
30500.
Milho painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
Vi
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglesas e americanas.
P
PEINE em posta, latas grandes, a 10106, de
todas as quaiidades, como sejam savel,
goras, corvina, parg<\ salmo, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para denies a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 10400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
*
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem soissos a 800 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartinhas ou morinques a 60, 80 e 100 o
par.
R
RAPE' Meuron a 10 a libra,
dem Princeza do Rio a 10200 a libra,
dem francez a 20500 a libra.
9
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25P.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Steari.nas a 600 rs. o maco.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
qualidade a 8oors. a libra. Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e j 2oors.
dem pratoa8oo rs. a libra, einteiro se faz1 64o rs. as meias latas. Sebollas de Franca muito grandes e novas
abatimento. Bolachinhasinglezas muito novas a 5,ooo a a l,8oo o cento e l,2oo solas,
dem suisso o mais superior que tem vindo! barrica e 320 rs. a libra. | Pablos do gaz a 2,2oo a grosa.
o mercado a 64o rs. a libra. Bolachinlias de soda em latas de diversas
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas quaiidades a 1,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartes com bolo francez muito proprios pa-
FeijSo verde muito superior a 640 rs. a lata.! ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a24ors.,e2,4oo rs. .Passas de carnada a 8,ooo acaixae4oo rs.
i a duzia. a libra.
Chocolate francez iiespanhol e suisso a 9oo,; Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l,ooo e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
I Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimenlo. Bolacbinhad'agua e sal, da fabrica deJoaoi
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
cradas e das melhores quaiidades de pei- bras por2,5oors.
xe a 8oo, l.ooo e l,2oo rs. Areixas francezas em Tasco de vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a 105oo.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banlia de porco refinada a 6oo rs. a libra.
Uolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementPtem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e clteirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas cm calda de diversas
quaiidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e ;,5oo cada urna.
Buibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollnnda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Ameixas franc zas em caixinbas de diversos Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
tamaiibos com bonitas estn pas na ca-; 8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
xa exterior, a l,4o:>, l,6oo, l,8oo e 2,ooo Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. l,5oo cada urna ancorela.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez; Champagne da melhor qualidade que vem
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e :i,5oo a garrafa, e
Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo 24,ooo e 2C,ooo o gigo.
o gigo com 36 libra-. Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a 1,ooo el 1,ooo rs.a frasqueira.. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Bio de Ia qualidade a 28o rs. ali-i 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a |
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranho de 1* qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a 8oo rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa Lentilhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massadetomatesdesiiperiorqnalidadea6io Marrasquino de Zara propriamente dito a.
rs. a
Iho.
lata de urna libra e56o rs. a reta- 10 a "garrafa e II,ooo a duzia.
Palitos de dente a 14o rs. o maco.
a libra.
Figos emsextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 6io rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2.ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e640 rs. agarrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
RIVAL.
VINHOS!
Principe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 20 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 10500 a garrafa.
Duque do Por lo verdadeiro a 20 a garrafa
Duque a 10 e 10500.
Chamisso a 10, 10200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a
nho que se pode
posicSo alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 806 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 10 agarrafa
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermoulti a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
garrafa ; o nico vi
beber por nao ter com
Ra do Qneiniado ns. 49 e 55.
Conilna a veader loda? as miudezas que abaixo
declara por pretua admiraveis.
Massos de pahlos lixados para denles a 100 rs.
Espedios de molduras deliradas a 200,240 e 320 rs.
! Bonets de oliado para mnninos a 15000.
: Ditos de couro superior fazenda a i500.
' Frascos com superior tinta rocha a 240 rs.
; Meiadas de linha froxa para bordado a 20 e 60 rs.
: Babado do Porto, fazenda boa,- vara a 80, 100 e
140 rs.
' Varas de franja branca estreita a 40 rs.
Caixas com 100 envelopes, fazenda lioa a 600 rs.
i Grozas de pennas de ac, fazenda superior a 500 rs.
| Duzias de meias cruas encorpadas para homem a
I 3*000.
Grozas de botoes madreperola finos a 500 e
! e 640 rs.
Caixas com 50 novellos de .linha do gaz a 700 e
900 rs.
Caixas com superiores obreias de eola a 40 e 80 rs.
Pegas de Ola branca elstica com 9 varas a 280 rs.
I Varas de franja de la para enfeites de vestidos a
40 rs.
: Baralhos dourados superiores quaiidades a 400 rs.
1 Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
1 Livros para assenlos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botSes para punho, fazenda rica a 120 rs.
Tesonras para costaras superiores quaiidades a
400 e 1*.
1 Caixas de pennas de calligraphia, fazenda boa a
' 1*000.
Massos com superiores grarapos a 30 rs.
Pares de sapa tos de tranca e tapete a 1*500.
Pares de sapatos de tranca para meninos a 1* e
1*280.
Caixas com superiores agu has a 240 rs.
Libras de laa sorlidas de bonitas cores a 7*000.
; Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
'' Rodlnhas com alflnetes francezes muito superiores
a tOrs.
Resmas de papel almaco a 2*400 e 2*800 ra.
Resmas de papel de peso fino a 2*000.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 1*.
Dozias de tesouras com toque de ferrogem a
600 rs.
Dozias de facas e garfos de cabo -preto a 3*000.
Talheres muito tino para enancas a 240 rs.
Lagdo para calcadas.
Vende-se muito boro lagdo para calcadas ear
mazeos chegado agora : a tratar na ra do Apollo
n. 4.
\zeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120 libras a 40,40500 e 50 ; no grande armazem da Liga.
rUS&SlBlfc'"??'!? ^T^ SSaS" ^^^1- ffi&8^ftf$G%@$SS$$y&fir&. SP**'
PfclWHA SEM 1GL*
Madapolao muito Ano com pequea toqoe de avaria, por preco que admira : na loja *p?;j
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vascoocellos & C. &'/**

machinas americanas de serrote yr dtj.-.,: ^ar
algodo : na ra da Sasuia .Nova n. ii.
St punen*.
Chitas francezas largas com toujn *>
mofo, sem ser avaria, ore tna, i ;W r
do : s na ra do Queimado r. 17, ao p d. tai-
ca. Do-se amostras.
Vende-se una armaco de nn
poucos fundos, propria para un< primean -,u
na ra da luqeratriz n. 45 : a tratar u rua a
Cruz, casa de Antcmo Lopes Braga C
Farinha.
Veodem-se sacras de farinha da Iprri i
cuias: na roa Estreita do Rosario a. t, Ubrra.
junto ao dentista Ozono.
BSCBIfOS m)\
'*-
aM
r cat
' a
toe*
Esclavos ftagido
Ao amanhecer do dia 16 du r. rr.m. b ,
rarn os esrravot MfoHMaa: Tt.e.n. a, ,.
nagao, alio, chcio barba bastante rente, falla cu-io-a. p q
nuncia as palavras, os laMas qoe .-'o gn
niem alguma cousa, lem m Li..i <;. -
ripios de carnusid. ilc ; Virts.-,r.,->, BBlai<-
pooco claro e alguna reata peJato,4 magro
ra regular, ttm marras (e l>ei-e;;> -\> ni.
rosto, os denles limados, as aera s ei .
e largas cicainzts, t anda como aj u Ira I
nospes : quem os apprel.inder >\\ < ra lera
seu senhor em a rna da Aurora ;.. :\i. cr
qoe ser lem recompensado.
Fugiu na noiie de M para zO to rorr-
mez, do sitio do Sr. Dr. Auguro F. ie Osala,
ponte de L'rha, o seu escravt de t> r. Li z i-a-
si que branco, temi no rosto ajase. ,ie | aajaa
bem vi-iveis, cabello annelao. lean, r>fu o,
bem fallante, e de cerca de 2H ajajj i vou cuiii.-a de baeta encarnada i rbaai e ta4ka
novo, soppoe sequ vaguea n-; :,. # | ri-
fe ou pelas snas circunivisinhanras : qmm i *-
preheoder e levar ao sobredito sido, u a > -- rtp-
torio da praca do Corpo Santo n. 17. prime ir; aa-
dar, ser generosamente lecompencado.
Aviso aos capites de
canipo
Au-' nion m' o escravn Mano-I qn j oi e-cra-
vo oo Sr. Jai* Frrreira Tat"-za senh. r :.'o e^-o
Verlente da comaica de Ctiax, e e>p's a
seu filhoJoo Ferreira Tabcz-i Jnior render > engenho Rede de Santo AaV, aafi eemaa i>m a
"ignaes sepuintes : alto, aaaM aera*, Uij e
denles na frenle e o melhor -ignal e i?r os piue
eslufados para f(ra t^ii vmvcI : qhep; o i-egar
leve-o a ra estrella do Rosario a. 3, qoe ser'
bem recompensado.
Fogio no dia 16 do correte a escraTj
la de nome Suzana, idade 'ni aonos. mm- ao
nos, baixa, roela do corpo. com falla de dW-nu W
frente, cabellos estirados, levoo e-!id) de chrta
escura e panno da Costa : r> ga-se a* aniori
policiaes e capitaes de campo sna captura a cntrr-
garem-na praca da Independencia t.s. II ib.
Protesta-se contra qualquer |essoa que a leaba
acoulada.

Grande sortimento de roupas feitas de to-
das asqualidades,
Calcas de casemira a 6* e 7*500, ditas pretas a
6* e 6*, calcas de ganga a 2* 1*800 e 1*600,
ditas brancas a 2*, brim de linho a 3*, 3*500 e
45. paletn do alpaca branca a 4*500, ditos prelos
a 3* e 3*!00, ditos de alpaca de cordao a 4*. e
*. hstr* de seda a 4*500, ditos sobrecagacos a 5*,
paletets He casemira a 5*, 5*500. 6*. 8* e 9*,
ditos sobrecasacos pretos a 12*, 15 e 16*, ditos fi-
nos a 265, de cores a 13*, ditos fraques a 14*,
patetots de ganga a 3*, 2*500 e t*, ditos de brim
pardo a 3*, jaquetoes de brim pardo a 3*, panno
preto fino a 2*. 2*600, 3*500 5, 4*300 5 e 6* o
covado, moreantique preto a 2*600 o covado, gros-
denaple preto a 1*500,1*800,2*, 2*200 e 2*500
o covado ; e outras muitas mais fazendas qire se
deixa de annunciar, emanda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendemos. O
e tatrelecimento est aberto at as 9 horas da noite,
roa da Imperatrh a. 56, Mandes Gulmafie.
J ttenco
Vende-se excellentes torradas de pao-de-l, de
gomma de araruta, ptimas para dieta e regalo, a
2* a lata : no armazem da Estrella, largo do Pa-
nizo n. 14.
Fugio em principios do mez de h-vvreiro e
crrenle anno e consta estar at-oolado nesta oda
o moleque Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Affonso>le Mello, de 12 aooos de idade poo-
co mais ou menos, cor preta, secco do rorao, r-tnce
regulares afumacados, .abeja um pooro araa
e meia chata, heleos finos, denles brm alvo, pea
seceos e mnito ladino : ropa-se per tanto a todas as
autoridades policiaes e capitaesde campo qw oaa-
prehendam a levem-o a rna da Mangneira -drai
n. 6 que serao gratificados, prctestando-sc n-a-det
melos jndiclaes contra qualquer pessoa i?ne oteiio
em sen poder.
AnsenU'U-se no da 2 do crreme ao meio da,
da casa da ra do Imperador o. 16. o preto eaeiaaa
do, crioulu, cheio do corpo, altura regalar, rosea
comprido, olhos pequeos e ponra la, ua bh-
sa e bigode, bastante ladino, representa ter 25
annos, pooco mais 00 menos, e julga-se ier levad
cal^a preta e camisa branca ^ este e
prado ao Sr. coronel Galvo, do Limoriro, par oe>
de se jolga tenha fgido, mas ha qnem o ra
visto na Passagem da Magdalena, Remedios e Var-
zea; e como se derconfia qoe este ja aromad,
protestase proceder contra quem o liver iiiiiai.
e pede-se a quem delle der noticia na o agarrar,
que dirija-se a sobredi! casa, oo a rna do Crespo
n. 13, que ser recompensado.
'raneisco Jos Germano
RA "VOVA A', ti,
acaba d receber nm lindo e magnifico sortimento'
deoculos, I nelos, binculos, do ultimo e mais
apurado Rosto da Europa. I
Morena de Nossa Senhwa-irlo
Carino e de ani'lona.
Veade-se na roa do Imperador n. 15, ofScioa
de encademaclo : o offlcio, salve e versos, nove-
na e salve de Nossa Senbora do Carmo, tres fo-
Ibetos por 5O0 r? ,e a novena de Sant'Anna por
320 ri J______________________
Fardo n 4*J
Vende-se trelo novo, siecas com 90 Irras, pelo
barato preco de 4* : roa da Madre de Dos no-
meros 5 e 9.
Fugto no da 6 do crtente mez de jofh> o
cabra Eogenio, de Idade 45 amos, pooco mais oo
menos, com os signaes seguales : e-Matara rega-
lar, cara bexigosa, traz barba a Cavanhar, catelioa
cachiados, levoo calca de casemira e paHot de ris-
cadinno j velho ; consta que o dito ecravo aod
mesmo aojm na cidade, e qnem delle der oaMeta o agarrar, dirija-se ao hotel de Fraaca, roa do Tra-
piche n. 11, que ser recompensado.
Mulatinho fngido.
Desapparecerj desde 13 de jonho paseado, da
casa de sen scnbor o Dr. Penetoo Alroforado a
mulatinho Adolpho, idade pooco mais
14 annos, baizo, grouo, ps peqoeooa,
des, cabello corrido, tem nm taino no alto* ca-
bera, nm dos dentes da frente cavado, a a este-
cula do lado esquerdo quebrada : ooomdeo
noticia on o possa agarrar, levaodo-o a re
mosa n. 15, on roa do Amorim n. 5, ser*
cado generosamente.



-y~*~,^Utm*tM>lA-
rTrrr?7-r

7r.
-_-<<*"*!-

Diarlo de Pfmamhnoo -- Sexta felra 19 de Jnllio de"l6.
L11TERATRA.
.%, guerra cintre o Brasil e o
Parata.
(Conclusao.)
II
fas so qaal esforga-se de atestar delle as sympa E m caminhos de ferro, em obras publicas e em
thias, iofllngindo-se-lhe urna condemnagao summa- progresso de navegagao a vapor, o imperio bem
ria e decisiva. Examinemos com tola a calma esta superior a todos os outros estados americanos que
19ui,5- a Hespanha creou. Um exercito de 20,000 homens
Era parte alguma talvez se deplore tanto, e re- de tropas regulares, a guarda nacional organisada
! provo a escravidao como no Brasil mesmo. Foi um em todo o paiz, urna esquradra de 30 navios de
dos legados transmutaos pela metropole, e que nao guerra, urna costa martima de 1,000 leguas de
tem sido possivel ainda renuncia-lo de prompto. O exteosao, com dezoito grandes pravas commerciaes
OsorgSos da impreosa, ornaos erevistas acham- numero de escravos nao 6 menor de dous milhoes provam asss as forjas e os recursos do paiz e as-
e por toda a parte divididos a respeito da nova de populagao. Longe, porm, de Arar IndilTercnle, segurara sua prosperidade no presente e seu pro-
gu.i ra que comega a fazerse no Prata. diante deste triste espedaculo, que o paiz apresen- gresso no futuro.
Na Inglaterra quasi .oJos loman o partido do > niesrao e ao mundo civilizado, avalia-se e Examinemos a a raz5o e obrigoa 0 Bra.
Brasil, recooheeem seu direito de intervir e do Preeia-se o mal, e esforcm conideraveis tendera a si| a intervir pela terceira vez nos Estados do Pra-
... ao sea governo. l)erar troicaa. Ja se acabou com o com- la. Ja disemos a e08 resultados das duas
Tal e a opiuio geral em um paiz que sabe ava- ^T~J* *"a ann0S.nS eD'ra mU Primeira. intervengo.* em 180, para livrar os po-
::.. a&vanUgS que se .ogra cbm a conservago Tcl2 Zi^tZ n?'T pub',c,,n9eT vos do jugo de Rosas, e em 1854, a reclamacao do
sses com- *"*"***** ao ,ral,co dos De8ros- 0s ,n,e- governo do Estado Oriental, para assegurar a or-
resses individuara tra cedido ante a justiga, a rao- dem publica, a existencia da repblica de Monte-
ral e os mteresses geraes. Urna mudanga comple- vido> e o estabelecimento regular de seu governo.
ta e total se tem operado as ideas do>vo. Infelizmente, os resultados nao corresponderam
O problema coniste em se descobrir os meios estes esfurcos reiterados. Quando as tropas brasi-
de se acabar com a escravatura que resta no paiz ,eiras aband0naram Montevideo, em 1855, a anar-
..i paz o da tranquili'lade para os inlere
si iaes dos paizes, que podein oftVreeer sabida e
extraeeao aos productos da sua industria, em um
oaiz de libertades praticas, de espirito regular, de j
previdencia sri.t o liberal no verdadeiro sentido I
da palavra. Nos Estados Unidos da America do sua so| ,0 0 ^ Ja soIicitU() ,. Pro.
or. a unanumdade e em favor do .mp.no bra-; j (las se dj pm em ^ ^^ ch'a vol ou novo com o despofsmo
silero,e a potencia que sempre se tem mostrado, ...... w-
naturalmente, e agora meslo em sua anarchia in-
terna, a amiga a mais sincera e a alliada a raais
liel do Urasil. .i'i Na Allcinanlia pronunciam-se a
favor da Repblica de Montevideo, e iuventam to-
a a casta de calumnias contra o Brasil. Em Fran-
i. a questo v.vamnte controvertida. Se se eo-
Rontcam abl Inimigos prefinidos e rancorosos do
i; ii, inuitos jornaes o defendein nao s com in-
islligeneia, mas ainda com energa.
ue dellas se oceupam, e todas as tentativas legaes
sao estudadas para chegar a abolir-se a escravatu-
ra. Mas esta questo de urna immensa gravi.
dade.
U numero to avallad dos escravos, os interes-
ses da propriedade, da industria e da agricultura,
O partido vencedor nao permittio ao vencido a
opposico legal, recusou-lhe a liberdade de reunir-
se, da imprensa e das eleigoes; nao lhe concedeu
nem direitos e nem garantas polticas ; desterrou
os principaes ebefes que charam um asylo em
Buenos-Ayres ; Flores, Cesar Dias, Pacheco y Obes
os pergos e os males quo resultariam de urna me-
dida precipitada e imprudente, sao outras tantas e ,anlos ou,ros homens mPrta">'e-
circunstancias gravosas que forgam os espiritos os Destas medidas nasceram a anarchia e a desor-
mais atilados e philaniropicos raesmos a imaginar dem na capital do estado e na campanha. Os co-
O Inimigos do Brasil v-in na guerra actual a uro systema de meios lentos, legaes, facis e pra- lorados, decahidos de todas as posigoes offlciaes.de
ticos para attingir o tira de todas as aspirares. toda a intervengo legal nos negocios do paiz, ati-
No se pode extinguir este grande mal de re- rarara se carreira das revolugoes e das conspira-
ba autocracia ci>m a democracia, do espirito de in- pente e de um s golpe. E' neceasario tempo, pru- ?6es. A guerra civil nao tardou em reacender.
ai-o e de autonoma. Tem a lelieidade inaudita dencia, sabedoria, urna poltica.esclarecida na de- Cesar Dias parti de Buenos-Ayres em 1861 e col-
luta das inslitnfcOes monarebicas con as institu
o ii. nocraii! as, da escravidao com a liberdade
le '-ncoulrar a dignidade do Irabalho, o respeito dos
uireilos civis, a garanta das liberdades polticas, a
liberago, e tanto mais firme na pratica. Nao se locou-se a' te.-ta de um exercito para derrotar o
deve duvidar da delerminafo do Brasil em ac- presidente Pereira e faze-lo cahir do poder. De-
n! rancia dos cultos, a fralcrnidade das ragas hu- Di"" com a escravaiura ; mas sem desordem do pois de muilos combates sem resultados, chegou-se
raauasem Montevio e no Paraguay, emquanto [ l'aiz' Km aa'os, sem injustigas e sem pertubagao a urna capilulagao entre os blancos e os colo-
. para elles, a Repblica Argentina, e sobretu-1 na economa da sociedade brasileira. rados.
do o Brasil, representam o reverso da medalha, o : Os espritus reflectidos, os homens do estado in-1 O presidente Pereira, em nome dos priroeiros
na > possoem ainda as condgoes de urna constitu- i telligenles eucaram tanto o lira com os meios. obrigou-se a um esquecmento completo de todo o
i slidamente e-tabelecda. Tristes aberrarles Sobre o fim o accordo unnime, sobre os meios passado, a' restituigo de todos os bens indivduaes
i. esperilo de partido, que, mais ainda que a igno- que ha divisao. Procuramos com urna ardente dos colorados, a' reintegragao dos militares aos
i ancia, inimigo da verdade. boa fe ; inconteslavelmenle hao de acha-los. postos do exercito, a' participago do governo pelos
Evidentemente o Brasil representa na America o! Mas, parte desta nodoa da escravatura, o Bra. dous partidos, ao pleno gozo de lodos os direitos e
I nento monarchico. Todas as outras nagoes, com | sil nao offerece todas as condigoes de um paiz Ii- garantas civis e polticas, e a'liberdade inteira
i cpgo do Mxico actua'menle, intitulam se ro j beral e civilisado ? Todos os cidadaos, todos os es- das eleigoes para a presidencia e para as cmaras.
I ablicaa. Mas qoal c a natureza das instituigoes trangeiros, nao gozam ahi todas as suas liberdades Cesar Das e seu partido se obrigaram a depor as
raonarchicas do Brasil ? Intiiramenle liberal, mo- civis e polticas, reaes e pessoaes ? O paiz nao con- armas, a licenciar seu exercito, a recolherem-se to-
nelada pela carta constitucional ingiera, c mais li- tem em seu seio um tao grande numero deestran- dos a seus domicilios, e tomando parte as novas
eral ainda que a propria constiluigao ingleza, por geiros,'europeos, principalmente, proprietarios de eleigoes, a reconhecerem e defenderem as autori-
,]U" rao ha provago alguma corrompida pelas elei-! terrenos, negociantes banqueiros, armadores, in- dades nomeadas livremente. Logo que a capilula-
ides, nao ha atistocracia hereditaria, e formandodustriaes,artistas, ltteratos,artfices? Nao encon- gao foi ratificada e execotada, e que os colorados
por si mesma urna cmara do parlamento. A cons- i tram no Brasil lodos os elementos de riqueza e- da tinham abandonado as armas, e se linham confiado
titnicSo do Brasil existe e cooserva-se desde 1825. A > commodidade, todas as condigoes da seguranga in- na boa f e as leis, reconheceu-se que os blancos
da IJjlgica algum|tanto copiada sobre suas bases | dividual e da propriedade, toda a liberdade do tra- haviam armado urna cilada a seus inimigos.
teas principios. Poderes polticos independentes, | balho, da Industria, do commercio, das opinioes e: Expediram-se ordens do governo, assignadas
magistratura oaraomel, as funegoes legislativas das relig.oes 1 ; pe|os (;arreraSj afim da que 0 genera, M(jajna se
A estaUsUca confirma o que avangamos aqu.; apressasse em procurar por toda a parle os chefes
Casas commerciaes importantes, indusirias prospe- colorados, os prendesse e os lizesso passar pelas
ras e Acescentes, estabelecimentos magnficos, per- armas sem ferma de processo. Mais de cent dos
oxereidas pela cmara dos senadores e pela dos de-
potados, ambas emanadas da eleigSo popular, a
primeira vitalicia e asegunda por quadro annos.
anffragio universal por dous graos : garantas de j tenceotes a Inglezes, Francezes, Allemaes, a todos principaes colorados foram assim prfidamente
direitos Civis e polticos, plena liberdade para as os povos emfim, existem ah em muito maior esca- apaohados e fuzilados. Neste numero contase o
reunioes publicas e para a iraprensa : o espirito la, que em todas as repblicas americanas nasci- general Cesar Dias. Outros se expatriaram de no-
demoeralico ahi se dilata e respira tao litro e fran- das da raga hespanhola. vo. O terror dos blancos dominou por toda a par-
camente que os ttulos c as honras sao pessoaes e ; as cidades do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambu- te> RraCas a' este infame estratagema, a' esta inqua-
ratran cido lvre no Brasil, quaesquer que sejam sua cor Alegre e Santos, esto cheias de e^trangeros in- Quinteros.
ou .-ua coodicao, goza do todos os direitos polticos; dustriosos. Seus porlos sao procurados por nume- E eis aqui a sabedoria e as liberdades desle go-
e pode chegar a todas as posigoes socaes. [ rosos navios, carregados de toda a especie de'pro- verno, devotado a' fraternioade das ragas, ao res-
Mas exceptnai actualmente os Estados-Unidos da duelos. Em nenhum porto da America, a excepgao peilo das pessoas e das propiedades I eis aqui o
' o rica do Norte, a Repblica Argentina e o Cbi ae dous ou tres principaes dos Estados-Unidos do governo que acha partidarios na Europa I... O
le, qae possuem verdadeiras itistituigoes repblica- Norte, nao se encuntra um commercio tao deseo- geueral Flores, sem se dcixar abater, reuni seus
na:-, os outros paizcs da America conlieccm porven- volvido, una navegacao tao extensa, um movimen- amigos e os restos do partido colorado, deixa Bue-
tur:1. a liberdade ? Sao elles repblicas no verda-; lo tao consideravel. nos-Ayres e recomega a guerra civil no Estado
deiro sentido da palavra Mudando a cada passo I Basta aqui dizer que o valor das exporlagoes Oriental; subleva urna grande parte do paiz que
de leis, de constituigoes e governos, abatidos por \ brasileiras excede a 500 nilhues de francos, e que desposa sua causa, e eslabelece na Florida o quar
sua revolugoes continuas; vivendo suba lyrannia'a importagao das niercadorias da Inglaterra, da tel-geueral do seu exercito e seu governo em face
e o arbitrio de cliefes improvisados ; curvados ao | Franca, dos E;lados-Unidos do Norte e do mundo do de Montevideo. Berro, tendo acabado seu tem-
jago militar, sem garantas de direitos pessoaes,
nao possnindo propriedade e era gozando de liber-
dade qu jlqucr, estes inforin -s eusaios de sociedades
podein aspirar e pretender ura lugar e urna desig-
nacao entre as instituigoes polticas ?
No Estado Oriental, a imprensa do partido que
sustenta o g verno tem s a palavra ; o partido de-
ioteiro superior ainda a esla somma.
po de presidente em Montevideo, abandona o po-
1 der. Aguirre, sem proeurar fazer novas eleigoes,
toma posse da autoridade suprema, proclamando-se
presidente, a par de sua autoridade de presidente
do senado, quando a constiluigao exige que urna
nova eleigao de presidente se faca pelo povo antes
que o presidente existente acabe o seu tempo, e
nao permitle ao presidente do senado senao a subs-
tituirn nos casos extraordinarios e previstos pelas
leis. ^residente de facto e nao de direito, seu ti-
tulo nao vale mais que o de um general revoltado
1 como Flores.
O caf e o algodo recebem cada anno maior
desenvolvimento. S do porto do Rio de Janeiro
sahem por anno raais du 4,000 navios. Os docu-
mentos publicados pelos governo inglez e francez
do disto teslemunbo. (7)
Os paquetes da linha -stabelecidos meusalmente
cabido, porm sempre cxilaJo, nao di;pondo de ne-jentre Bordeaux, o Brasil e o Prata, conduzem
nfium direito de opposicao legal, recorre por isso-: quatro quintos de passageiros e niercadorias para
s armas, s conspralo.'s e a todas as agitacoes o Brasil, emquanio quo urna quiula parte tmente
di paiz, porque lhe n.lo permillido tomar parte '< dirigida para o Piala.
as eleicoes. Dalli um systema de pivscripgoes re- o Rio de Janeiro, que nao contava em 1808 mais
ciprocas, os vencedores da vasnera sao as victimas' do que 47,114 habitantes, actualmente possue para Entretanto o Brasil nao teria intervindo no Pra-
do dia seguinte ; as guerras implacaveis nao sao majs de 400,000. As receilas do imperio montam ,a>Su nao visse ani senao a guerra civil e a lula
pDupados. mesmo os prisioneiros. que imraedala- a,.ima de 180 milhoes de francos. Nem um paiz da enlre os daas Part'doos; teria esperado o resultado
mente sao passados reas armas. E Montevid i A.ncrica, se se exceptuar a grande repblica do desla euerra intestina sem tomar parle nella, e te-
que se poder chamar repblica 1 Como achar as' norlo, offerece ura igual teslemunbo de urna vida r'ase limitado a acornpanhar de longe a marcha
liberdades polticas e civis, o respoito das pessoas e [a0 a(.liva efecunda Seria soberanamente njus. dos acontecimenlos. Mas o goveruo de Aguirre
das propiedades, as condedes do bem estar e do t0) porqUe se se encontra aqui a instituigao da es- uSo lhe permillio que ficasse neutro. Querendo
repouso, neste despotismo nrnal, lexercldo por gau cravatura, retirar delle legitimas sympathas, e sob obler um eercit0 muito forte para resistir a Flo-
chos sempre djspost.'S a levantar motins, e que es- este pretexto tomar partido era favor dos estados res e alli sustenta-lo com menos despezas possi-
to habituados anaopncnrar senao as perpe- amerjCanos que nao tem que o nome de repu-
tnaa reTOlu?os a origem de autoridades ephemeras
c violentas ?
O Paraguay olereee condigoes melhores T Ellas
siopeiores ainda, porque nao tem instituigoes escrip-
tas, nem eleicoes, nem cmaras que representen!
as populages, nada attenoa, nem dissimula aqui o
despotismo puro que se aprsenla e ostenla-se a
vista de tolos cora urna deploravel franqueza. As
leis civis e criminaos sao aiuda as mesmas da me
tropole, que ainda se conservam ioleiras e em vi-
gor os costumes creados pelos jesutas que domina-
ram o paiz pelas missbec dos Indios, e Ihes ensina-
rin, sob o rgimen tbeoiralico, a obediencia pas-
siva, a subordinaco armis completa. Nao ha de
fado e de direito que ura s poder, o do dictador, e
qae hereditario. O dictador faz o que bem lhe
parece, rene toda a autoridade judiciaria, legisla-
tiva e executiva. Nao d conta de seus actos a
possoa alguma. Monopollsa todo o commercio, to-
dos os productos di paiz : o primeiro, o uoico
btnqueiro, proprietario e negociante do paiz.
O Paraguay menos urna naca.) que urna herda-
d". ou feitoria que o dictador administra a seu bel-
lo prazer, e conforme seus mteresses pessoaes.
A populagao tales urna multido de escravos'
d<) que um povo. Er.contra-se alli o regio;en je-
sutico das missSes conilnuado sob o governo de
Lpez. Nao ciiegaremos a snpporque se possa pre-
fnr.esta feliculade domestica, esta tranquiliidade
interna, este estranho rgimen, s condig5es pol-
ticas e s instituigoes monarebicas do governo bra-
silero.
Mas o Brasil entrelem anda a escravidao dos
negros : tal o ponto moral que se explora, e gra-
(6) A questo d> Florida as aguas da Bahia, e
que tetminou tao sati>facioriamenle e a mais hon-
rosa para o Brasil. j
blica.
O Brasil tem necessidade de una colonisago re-
gular, espontanea, para povoar seus dsenos, de-
senvolver sua agricultura e sua industria, e aug-
mentar sua populagao. Esta empreza est infeliz-
mente apenas encelada.
A colonia de S.Leopoldo, no Rio Grande, nao
veis, deu inslruccoes a seus generaes na campanha
para ali.-tar lodo o individuo apio a lomar asar-
mas, e para apanhar as propriedades e as estan-
cias os cavallos, os bois e os carneiros de que ti-
vessem necessidade para o servigo militar e sus-
tento dos soldados. Ora, 30,000 Brasileiros pouco
mais ou menos eslao eslabelecldos na campanha do
Estado Oriental.
Nao foram poupados; apezar de sua qualidade
possue seuo 12 a 14,000 almas, lodos allemaes, de estrangeiros, e nem respeitadas as suas proprie-
calholicos e protestantes. Urna vigsima parte de dades. Os homens foram coagidos a alistarse e a
outras colonias, establecidas em Santa Camarina, servr no exercito ; as estancias lomaramse
no Paran, em S. Paulo, no Rio Grande, nao con- forga todo o gado e os cercaes necessarios para a
lam mais de 25 a 30,000 habitantes Allemaes e alimenlagao das tropas do governo de Montevideo.
Suissos- O general Flores haviaos respeitado. Os chefes
A emigrago europea d preferencia aos Estados- do exercito de Aguirre entenderam nao dever ter
Unidos do Norte, a California e a Australia. Nao considerago alguma para com os cidadaos brasl-
obstante isto, pde-se dizer, sem receio de ser des- leiros e suas propriedades. Tratavam-os como ini-
mentido, que nenhum dos paizes da America rece- migos, roubando, devastando, Incendiando-lhes as
be lo crescido numero de emigrantes. casas, matando e prendendo os individuos, forgan-
Buenos-Ayres se enriquece com os Bascos (%), do os ao servigo militar.
Francezes e Hespanhes; Montevideo tem Italia-1 o governo imperial nao podia conservar-se surdo
nos; mas os Allemaes e os Suissos preferem o aos clamores dos Brasileiros assim tao arbitraria-
Brasil, aonde ja acham ncleos coloniaes e compa-! mente tratadas; era do seu dever correr'em seu
Iriotas que os chamam e atrahem, porque aqui se soccorro. Enviouse entao do Rio de Janeiro um
do bem e gozam a mais completa commodidade e' diplmala encarregado de se entender amigavel-
traoquilidade. mente cora o governo de Aguirre, e exigir de Mon-
--------------------------------------------------------- tevido nao s salisfagoes pelo que se havia passa-
(7) Acham se actualmente estes detalhes inte- do mas tauibera garantas sufficientes para o
ressantes nos documentos apresentados pela ad-,. r
ministragao franceza das contribuigoes indirectas.,Iuluro-
No limes de 4 de margo prximo passado v-se, V-se, perianto, que nao era questo para o Ro-
que o commercio exterior da Inglaterra esla na vern trasileiro declarar a guerra a Montevideo,
proporgao seguinte : !, os Estados da America do:___ ^
Norte ; 2, Estados da Allemanba ; 3', Franga ; 4, nem sustentar Flores em sua opposigao ao gover-
Turquia ; 5o, Hollanda ; 6, Brasil; 7,_Egypio : 8o, no de Aguirre.
Italia ; 9o, Hespanha, etc. A exportago da Ingla-
terra, nao se fallando dos dous primeiros paizes
foi em 1864 ; com a Franga 8,200,780, com o
Brasil 6,358,906, com a Allemanha, etc.
(8) Habitantes da Bisca'a.
A's reclamages do dipiomata brasileiro Aguirre
responde que esta' em guerra civil, que nao tem
(nenhuma forga na campanha. e que por isso nada
pode faiei materialmente de modo a satisfazer os
desejos do Brasil. Elle nao nega os fados que se
imputa a seus generaes; mas declara-te fraco para
os fazer cessar, castigar os enminoses e previnir
a renovago de semelhantes desordens. O Sr. Sa-
rava, que esa o diplmala brasileiro, entendeu-se
com o ministro Inglez e com o encarregado de ne-
gocios de Buenos-Ayres. Propozeram elles junta
mente urna mediago para acabar a guerra civil-
Aguirre acceitou inleiramente e Ihes deu plenos
poderes para tratarem com Flores. Muilos Orien-
taes se aggregaramaos tres diplomatas, e com elles
seguiram at o quartel-general de Flores. ,
Consegnio-se que elle aeceitasse urna capitula-
gao igual a' que Medina havia estipulado com Ce
sar Dias em 1861. Mas o general Flores, que nao
quera ser engaado como seu antigo amigo, e ca-
hir em novas citadas, estabelecendo-se que Aguirre
conservara a presidencia ad interim da repblica,
exigi que se procedesse s eleigoes para entrega-
la quelle que fosse elelto pelo povo, estipulon ga-
rantas para sua seguranga e para a do seu partido
quando depozessem elles as armas. Aguirre deve-
ria mudar os ministros e os principaes funeciona-
rios pblicos, e dividirse os cargos e a autoridade
com os blancos e os colorados e antes de ludo ao
desarmamento do lado destes.
Aguirre declarou aos tres diplomatas, na sua
volta a Montevideo, que elle approvava e sanecio-
nava o ajuste, mas nao despedira os ministros e
funecionarios queoserviam antes que os colorados
nao depozessem as armas e n> se recolhessem
tranquilamente a seus lares. Era o mesmo syste-
ma que o partido blanco havia praticado com Ce-
sar Dias era Quinteros; esie general trahido havia
pago com seu sangue e sna vila sua imprudente
confianga na boa f de seus inimigos. Qoeiia se
renovar as mesmas scenas trgicas com Flor.'s e
seus amigos polticos, g* deste modo que aborta-
rain as tentativas empregadas para chegar a esta-
belecer a paciflcago do paiz. Aguirre foi intra-
tavel. A guerra civil recomegou.
Entao o diplmala brasileiro expoz ao governo
de Montevideo, que lhe dsse as salisfagoes pelo
passado e garantido pelo futuro, em favor dos sub-
ditos e das propriedades dos Brasileiros estabeleci-
dos no E.-lado Oriental; apresentou-lhe um ultim-
tum para que se decidisse da-las sob pena de re-
presalias, que a esquadra brasileira estava encar-
regada de praticar.
Assim, al ao ultimo momento, o Brasil manteve
a questo nos seus termos simples e verdadeiros
na prolecgao eCDcaz de seus subditos, e nao se tra-
lou nem de fazer gratuitamente a guerra ao gover-
no de Montevideo, e nem de sustentar Flores em
suas preteugo.-s. Nada se oppunln anda a urna ae-
comroodago, quando Aguirre, declarando-se olen-
dido, enviou seus passaportes ao dipiomata brasi-
leiro, suspendeu os exequtur aos cnsules do im-
perio, prohinio a esquadra coinmunlcar com a Ier-
ra, e queimou os tratados e conveucoes existentes
entre o Brasil e a repblica, em um auto de f le-
vantado na praga publica de Montevideo, e dirigi
proclamagoes ao povo designando o imperio como
um inimigo que era preciso combater a lodo trause
e sem piedade.
O Brasil, que nao se preparara para a guerra,
nao linha no Prata sena) a sua esquadra. Foi ella
que encetou as primeiras operages militares, em-
quauto que o exercito do Rio-Grande recebia or-
dem para evadir o.Estado Oriental e apoderar-se
de Montevideo. A esquadra dominava o Prata e
pretenda dominar tarabem o Uruguay, aonde duas
famosas fortalezas, Salto e Paysand, com guarnl-
goes solidas, e chefes capazes defendiam a passa-
gem do rio Sallo nao tardou em capitular o render-
se a esquadra. Paysand, depois de imitis intima-
g5es, sofreutres dias de um rigorosissimobloqueio
e de um fugo vivissimo.
Entao Flores tornou-so um alliado do Brasil;
apresentou se diante de Paysand com o seu exer-
cito, e seguido de Nelto, cidado brasileiro eslabe-
lecido no Estado Oriental e influente no paiz. Pay
sand, sitiado por Ierra e bloqueado por mar, ca-
ldo em poder dos Brasileiros depois de urna lula
heroica. A esquadra foi reabastecer-se de viveres
a Buenos-Ayres, aonde encoutrou urna recepeo
affecluosa do governo e do povo, e aonde se achara
depositadas suas muniges e suas ambulancias.
Deve dirigir-se d'alli para Montevideo, para blo-
quear a praga, quando o exercito brasileiro tiver
chegado diante de seus muros e tiver cjmegado as
operages do cerco.
Temos j exposto com exctido e imparcialidade
nao s os fados, mas ainda a origein das novas
desordeus uo Prata. O direito e a jusliga eslo do
lado do Brasil, que ahi tem sido chamado por um
inleresse legitimoa deleza de seus nacionaes. Ah
euconlra a sympalhia de Buenos-Ayres, que tanto
ou mais do que elle, pelo tratado de 1828, e por seus
interesses os mais unraediatos, levado a desejar
que a independencia do Estado Oriental seja esla-
vel e duradoura. Este desejo cordeal entre os dous
paizes os mais fortes e os mais civilisados do Prata
demonstra com os caracteres da evidencia que as
sympalhias europeas de vera ser dispensadas a es-
tas duas nacpes, antes que a estes estados anarchi-
cos, que sao a presa continua das faegoes.
Digamos lambem agora algumas palavras acerca
do Paraguay, que se lornou urna das parles belli
gerantes.
A natureza tragou um territorio magnifico no in-
terior da America Meridional, encravado enlre os
ros Paran e Paraguay, domiuando completamen-
te as aguas deste, e tao alfastado de todo o mundo
que niuguem ousa alTronUr, para ahi chegar, as
despezas de urna viagem inletminavel. Os jesutas
eslabeleceram ah as irasses de Indios e puzeram
em pratica o communismo ap iiado sobre institui-
goes theocraticas, debaixo da sanego da obediencia
passiva.
Era um pevo e um paiz inteiramente parte no
fundo da America. Depois da expulsao dos Jesutas,
os Hespanhes o annexaram, como provincia, ao vi-
cu-reinado de Buenos-Ayres, dando-lhe um gover-
nador que nao raudou os hbitos e os costumes dos
neophytos.
Em 1810 fundou-se a independencia do Prata, e
Paraguay, sob a aegao do Dr. Francia, declarou-se
lambem independente, nao s da Hespanha, com a
qual nao podia entreter relagoesl como tambera de
Buenos-Ayres, que tinha feito tollos os sacrificios
para a emancipago das colonias. Buenos-Ayres,
agitado pelas lutas da independencia e pela guerra
civil que disse tinha resultado, deixou o Paraguay
livre para por si mesmo se reger, e o Dr. Francia
fecbou este paiz por modo tal a nao ter o menor
contacto com seus visinhos.
Prohibigo de se entrar no Paraguay sob pena de
nao sahir mais delle. A fronleira para todos os vas-
salios do doutor era infranquiavel. Habituado ao
jugo dos roissionarios, este povo tem-lhe sido to
submtsso como fra para com os padres jesutas.
Tendo faldociel Francia, |Vicenie Lpez invesiio-
se da autoridade dictatorial acclamando-se elle
mesmo chefe da nagao. Entendeu-se com o Brasil
para se defender contra Rosas, que nutria o projec-
to ambicioso de anuexar o Paraguay Confedera-
gao Argentina.
Elle estipulou com o imperio a navegagao livre
do Paraguay para o commercio com a Assompgao
e a provincia brasileira de Mato Grosso, collocada
mais cima sobre as margens do rio, e que nao po-
da communicar com o Itio de Janeiro que por um
caimnho terrestre, que demandava urna viagem
diffli'il de quatro raezes de duragA) alravs de de-
serlos e de tribus nmadas de gentos selvagens.
As relaces erara boas entre os dous paizes quan-
do seu lilho, o dictador actual lhe succedeu no go-
verno do Paraguay. Este mancebo, julgando-se
inveucivel em seu reduelo, encravado eoceulto en-
lre os dous ros, e conservando as mesmas iradic-;
ges governanientaese despticas de seus dous an-|
tecessores, mas privado de sua capacidade e de sua
previdencia intelligente, nao faz depois da sua ele-
vago senao procurar questoes com Buenos-Ayres
e seus visinhos.
Sabendo dos acontccimenlos"que se passavam so-
bre as margeos do Prata, enlendeu que em urna
guerra elle seria sustentado por todos os paizes da
raga hespanhola para fechar a navegagao do Para-
guay ao Brasil, e trancar-lhe suas communcagoes
rom a provincia de Mato-Grosso. Sem motivo re-
conherido, sem declaragao preliminar, toma um
barco de vapor brasileiro de commercio que snbta
o no; faz avangar um exercito do 7,000 sobre a
provincia sem riefeza de Mato-Grosso, e commette
hostilidades contra estes territorios longinquos e
dsenos do imperio. A guerra se asha de facto de-
clarada.
Lpez nao ousa descer o rio e vir em soccorro de
Montevideo. Nao tem coragem senao contra os de-
sertes de Mato Grosso, aonde tao difBcil ao impe-
rio enviar soccorros por trra. fj|e nao confia se-
nao na sna posigo alirada no centro da America,
aonde nenhuma nagao lem-lhe ainda feito guerra
por causa das distancias das aguas algumas vezes
muito altas, e outras rezes innavegaveis do no, e
dos esertos immensos queconstituem o Paraguay.
Enganam-se todos os que pen^am nao poder ir
o Brasil at a Assumpco com a sna esquadra pa
ra punir a conducta de Lpez, to contraria a todas
as leis internacionaes, a todos os tratados diplom-
ticos e a todas as ideas moiernis da civilisaco.
Quando no Estado Oriental, o imperio tiver estabe-
lecido um governo solido e tranquillo, sua esqua-
dra lhe abrir o caminha novo do Paraguay, e o
mundo saber entao, pela primeira vez, o que es-
te mytho que se chama nago do Paraguay, e que
ruge de longe sem ousar sahir do seo escondrijo.
Assim se desvanecer o prestigio desta nova (nina
enterrada no centro da America.
(Retue des Dettx Mondes.)
Amai vossos maridos, vos que sois casadas,
ama-os com sinceridade ; com tremo, se
derdes.
O juramento prestado ao pe dos aliare.* aVve sar
a vossa egide.
Cutnpre nao esqoece-lo.
Se elle fr a vossa primeira oragao da manhaa
e a ultima prece de noite, podis eslar eerlas
que nao cahireis no enme de que vos fallo.
Solteras-aoi pamonn fallai romoforarSo
as mios ; se os nao amardes, dizei-o; se os amar-
des nia vos lembrei de outros.
Vi uvas----sede viuvas I
Osim a palavra mysteriosa com que o h^sem
preDde a si por lagos indisoloveis a oolner.
B*M palavra iao simples de pronunciar e lio itl.
ficil de comprehender-se e mais difllcil a infla Je
sentr-sr, nma palavra santa, cheia de encantos e
de vida, e ao mesmo tempo um terrir*I cotello qae
sempre est pendente sobre nossas caberas.
O sih que os noivos do junio ao arco da ifjreja
e cujos sons eccoam as abobadas celeste, aan
palavra de vida ou de morle ; a senteaea qae
nos condemna ao supplcio ou a rede qae aos ar-
rasta dr. abysmo.
i
O sin, que para pronunciarse nao se precisa4*
mais que ura momento, sao necesario moos an-
uos para se apagar.
Elle comprehende a vida de una pesso, t oa
pastada debaixo da impresso de tagnein deli-
cias ou debaixo do peso de um longo marwriof
Se todas as pessoas pensassem rom imdarera
nos efT.-ilos desse sim, troca-lo-hia por um mo
todas as vezes, que, para o proferiris, a jm da
soFte lhe nao fo?se- adverso.
^^^-^- UM POUCO DE TUDO.
Da Semana Ilustrada, extraamos o que segu :
A OPIKIAO PUBLICA.
Esta formosa dama, que tantos cavalleiros na.
morara.^ vestida por diversos modos, segundo o
camareiro.
Ella muitas vezes, mesma hora, sob o mes-
mo cu, trinia mil coasas differentes entre si, das
quaes s urna verdadeira.
Para orrar-me a outras minucias vai um peque-
no exemplo mais abaixo.
O Jornal do Commercio leva os seus escrpulos
de neutralidade poltica, a ponto de admitlir no
mesmo numero s vezes correspondencias de di-
versa opiniao.
E' um bem ?
E' ura mal ?
Nao aqui o lugar destas averiguagoes.
Varaos prova.
O Jornal do Commercio de 10 do corrente mez
de junho traz duas correspondencias de Pernam-
buco.
Diz una dellas :
A organisaco ministerial satisfaz compl lamente
i a opiniao publica,... Todos diziara urna voz.gre-
gos e trvanos, etc.
Diz a outra :
O paquete trouxe a noticia do gabinete.
Os genumos receberam-a com desconfianca, os
llgeiros com mostras de pouco contentamenlo, e
os conservadores com manifestages de especia-
Uva.
Isto servir para todos os paladares.
O PRINCIPIO DO AMOIl.
Algn; pretendem que o ligado o principio do
amor.
Se isto exacto aconselho aos poetas amorosos>
hajam de substituir a velna palavra corarao, pela
palavra (loado, o que dar um resultado excellen-
te, pelo menos, o da novidade.
AS jMULHEnRS PRFIDAS.
Prfida como a onda, diz Othello ; e nunca urna
imagem raais vivae mais bella exprimi o perjurio
de urna inulher amada.
Urna mulher prfida um demonio domestico,
um punhal occullo, as mangas de um jesuta,
o assassinato lento, calculado, cruel, Irio : ludo
quanlo ha de piornas diversas classes de mnilie-
res; a mulher caprichosa pode deixar boas lem-
brancas de si : o capricho urna leviandade. n5o
urna maldade.
Todos conhecera Othello, essa obra prima de
Shakespeare, que reuni no carcter do mouro de
Veneza todos os furores do came, todos os ardo
res da paixo.
Que bella scena aquella em que Othello contem-
pla Desdemona no leito I
Desdemona morre assassinada, sendo innocen-
te ; a mulher prfida vive, apesar de culpada, o
aqui que est a diflerenga : a verdadeira prfida
consiste simplesmente era ganhar todos os lucros
de amor, sem arriscar nem a vida, nem a liber-
dade I
Desde.que a serpente induzio Eva a comer a ce-
lebre maga vedada, como que lhe iofluio o vene-
no subtil, de que mais tarde as descendentes de
Eva deviam usar e abusar.
E' por isso que hoje cada urna dellas danos a
comer quantas peras e magas nos querem dar, e
nos comemo-las e nos morremos por causa dos ca-
rogos e das cascas.
Oh I sobretudo das cascas I
Feliz o que pode comer as magas sem as
cascas I
Esse igualaos deoses, como diz Sapho.
Um conselho, pois, mulheres minhas, casadas,
solteiras e viuvas I
O reino de Italia t.-m urna exteosao de 25.700.MCO
bteums dos quaes 4,297:0* sao oecopados por
florestas.
A Franca tem 33 milhoes de heciares,e 8,9t:)
de lloresias.
A Prussia tem 28 milhoes de nctares oeeopan-
do na fatuta urna rea de e.SOOiOOfrhectares.
A Baviera tem 5 milhoes de hadares, dos ojsae
2 milhoes sao de florestas.
A Blgica tem % milhoes de hectares, 483:000 de
florestas.
A India nao smente a patria das- tigra,__
bem possue grande qnantidade de serpentea vene-
nosas.
Um jornal ingiet pohlicoo ha ponto nma estaib-
tica oftleial, da .jual se v, que durante o aas de
1863, a mordedura das serpeles les 650 vicbn
as provincias cenlraes.
A administraban mandou di.-tribuir granulan__
te antdotos as aldeias, e suppe-se que a totali-
dad dos morios, em 1864, seria menor, posto
anda mui elevada.
Conta Corriere deW Emilia que, eslando et
tumo designar com um rotulo os wagn* da. ca-
mmho de ferro que levara objectos de sertico *
Tarn para Florenga, um dos raesmos wagoas kt-
vava o dstico ministerio de tuslrueco mMce
dentro do wagn o que havia de ir T
Meia dnzia de burros.
A 0iinione de Florenga, diz qae em 9 t ja
nho foi publicamente aberta a urna do inmoto de
Dante.
Ah se encontraran) algnns ossos e algumas an-
illas sercas de louro.
Por este modo confirmase a autheariridade da
ossada oceultada pelo frade Sanfi.
ii iii 11 ii
Pescam-se as esponjas as aguas da ilha da Ba-
tanla, no ocano pacirtco.
A esponja da' ahi logar a um commercio impr-
tame c que dala apenas de ymt annos.
A esponja pescase a vinte ou ijuart-nla ps de-
baixo d'agua.
Quando sahe do ocano, de nma cor negra ;
com o contado do ar decompo.--S3 rpidamente
embranquece e perde as propriedades venenosas',
que encerra quando esta' viva.
Estas propriedades sao laes que a pelle posta em
contado cora ella cobre-so de pstulas.
O pescador de esponjas eolerra-as na ara, por
espago de algumas semanas, onde deposita! to-
das as materias animae e glutinosas, qae enter-
ra m.
Tiram-se em seguida da ara, limpam-se snais
ou menos, segundo a sua qualidade, e sao neitidas
era ncete, como o algodao.
No dia II deu-se no caminbo de ferro de Staastt
hurst, linha do Soutli Eastern, um lamentavel do-
sastre.
Um lre.ui que tinha partido de FolkesWne a qae
conduzia os viajantes chegado* pela mannaa do
Pars, ao airavessar urna ponte, cojos rail* haviam
sido deslocados e por um lamentavel descuido nao
iniiara sido postos oulra vez dos seos lagares,
desencarrilhou com tanta lafelicidade qoa oito m
dez carruagens se precipitaran no rio.
Vinte pessoas ficaram ferelas, dez moras o qom-
ze contusas.
Entre as que milagrosamente escaparam, cma-
se o celebre romancista Carlos Dickens, que foi na
dos que em to afilien va conjunciura mostrarans
maior intrepidez e sangae trio.
Este acontecimento tinha causado geral
era Londres.
Urna destas noiles, conta um jornal francez 9
commandante de um forte das proximidades o
Pars acordou sobresaltado pelo estrondo de nm
tambor e de um tiroleio bem sustentado.
Foi grande o alarme na cidadella, que nao sama
o qae havia de suppor desle bellieoso rebate pro-
duzindo-se pelo meio da noite.
Dentro de alguns instantes Indo se achava em
armas e um destacamento foi mandado em reeo-
nhecimento.
O temor ia augmentando quando o piquete mv
carregado desta commisso, dirigindo-se para si-
tio d'onde parta o eslrondo doscobrio bem deprm-
sa a causa de toda esla balburdia militar.
Era simplesmente o convento visinbo, 00 ajom
os religiosos celebra vara o annlversario do soportar
com um fogo de artificio e um concert
nhado de um grande tambor.
O piquete regressou lo admirado como 1
lisado e tudo vollou ao primitivo socego.
PERNAMBUCO,-;TYP. DE M. F.OE P. 4 FILMO



/

-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKG0EXAC2_WBXBWQ INGEST_TIME 2013-08-28T00:14:25Z PACKAGE AA00011611_10728
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES