Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10726


This item is only available as the following downloads:


Full Text

MMBHittHHF
AH!O ILI. HUMERO 169
Pr qoartel pago deutro de 10 das do 1. mez : i 5|000
li'era aejois dos l.Ub ludias do couiecoedeuiio do quai-tel. 6$U0
Porte ao copreio j?or tpes nezes............: 780
00ARTA FEIRA 26 DE JULHQ DE 1865.
for anno pago dentro de 10 das do 1. mez ,,,.,.. 19}006
Porte ao correio por um auno.............. SJOOO
ENCARREGADOSDA SUBSCRIPgO DO NORTE
Parahyha, o Sr. Amonio Alei>ndrinu de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Margue." da Silva; Aracaly, o
Sr. A. distamos Braga; Gear, o Sr*J. Jos de
Ol .-eir; Maranhlc, o Sr. Jonquim Marques Ro-
drigues ; Para, os 5rs. Geraldo Antonio Alves 4
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronyino da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO 8L.
Alagoas, o Sr. Clandino Falcio Dias; Babia; o
Sr. Jos Martins Alvos; Rio de Janeiro, a Sr.Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Frea, lodos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas reiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altioho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Relias e Taearal, as tergas
feiras.
Piod'Alho, N'azareih, Limoeiro, lirejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabroh, Roa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as guara
(eiras.
Serinliera, Rio Formoso,Taraandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos; tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: lergas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JDLflO.
8 La cbeia as C b., 7 m. e 22 s. da t
lo Quarto ming. as 2 h., 6 ni. e 46 s. da t.
22 La nova as 4 h., ) m. e 40 s. da t.
30 Quarto cresc. as 4 h., 49 m. e 16 s. da l.
DAS DA SEMANA.
24. Segunda. S. Christin.i v.; S. Anlimogenes m.
2o. Terca. S. Tliiago ap-; S Chrisiovo in.
26. Quaria. Ss. Syniphronio c Olympio mm.-
27. Quinta. S. Pantaleo medico;'S Sergio m.
28. Sexta. S. Inoocencio p. ;"S. Nazario m.
20. Sabbado. S. Hartha v.; S. Beatriz m.
10. Domingo. S. Anua me da me de Dos.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 m. da manhaa.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30a para o aorta
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fema-
do nos das 14 dos mezes de Janeiro, marco, guio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
noRecife, nalivraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa 4a
Faria & Filho.
PARTE GFFIGIAL
U.MSTEKIO 1A JUSTINA
\ DECRETO N. 3,453 DE 2tDR ABlItl. DK 1865.
anda observar o regulamento para execuco da
\lei n. 1,237 de 24 de setembro de 1864, que re-
formou a legislagao hypothecaria.
Regolamcnto hypoluerario.
(ContinuacTioj
titulo ii.
Das hypolliec.ts.
CAPITULO I
Dispcsices geraes.
Art. 110. Nao haoulras hypotheeas seno as que
i lei n. 1,237 estabelsce, ist :
1. Ahypotheca legal das mulheres casadas,
menores ou interdicto.
Fazenda publica geral, provincial ou munici-
pal.
Corporagoes de mi mora.
Offendidos.
Co-herdeiros. (Art. 3o da lei.)
2. a hvpotheca convencional. (Art. 4" da
lei.)
Alt. III. Todava nao est derogada a hypolhe-
ca judiciaria, a qual sem importar prefereucia,
consiste somenle no direito que lem o exequenie
de proseguir a execucao da sentenga contra os ad-
quirentes dos bens d j devedor condemnado. (Art.
* i 12 da lei.)
Art. 112. Tambein subsisten), posto que sem o
uome de hypotheea, as obrigacoes reaes que a fa-
vor de certos crditos o cdigo commercial estabe-
ilece sobre os navios e mercadorias.
Art. 113. A hypotheea seiupre regulada pela
lei civil, ou seja civil ou connnercial a obrigagao
que ella garante, ou seja alguos ou todos os credo-
Jores commerciantes. (Arl. 2 da lei.)
Art. 114. Eslo derogadas as disposicoes do c-
digo do commercio sobre ahypotheca deirumoveis.
< Arl. 2 da le.)
Arl. 115. As hypotheeas ou convencionaes so-
nente se regulam pela priordade, ou seja eutre si
mesmas, ou concorreudo as convencionaes com as
legaes. (Art 2o 9 da lei.)
# Art. 116. A prioridade determinada :
1." Quanto a hypotheea legal das mulheres ca-
sadas, dos menores e interdictos pela dala da
<:onstuugo das mesmas hypotheeas.
2. Quanio as outras hypotheeas legaes- pela
prenotago e successiva isc, ipgo.Arls. 149 e
:.o)
3. Quanto as hjmothecas conveuciouaespela
inscripgo.
Arl. 117. As hypolhecas ou sao geraes ou espe-
cias tu especialisadas.
Art. 118. As hypolhecas das mulheres casadas,
menores ou interdictos, sao as nicas hypolhecas
jjeraes que a lei recoohece, islo comprehensivas
de todos os beus presantes ou futuros.
Arl. 119. A hypotheea convencional sempre
especial sob pena de nullidade. Assim que, a quan-
tia que ella garante, deve ser determinada ou esti-
ina.la.
So pode recahir sobre immoveis especilicados e
(xislentes ao tempo do contrato, ad. 4 da lei.)
Arl. 12o. Devein ser necessaria mente especiad-
jadas, para que possam ser inscriptas e para que
inscriptas possam valer contra os lerceiros as hy-
polhecas legaes :
g 1." Da fazenda publica.
2. Das corporacOes de mito rnorta.
3." Dos olfeudidos. (Arl. 2* s, 1" da lei.)
Art. 121. A especialisagao consiste:
1. Na delermina/jo do valor da responsabili-
dade.
2." Na designacao dos immoveis dos re-ponsa-
veis que lieam especialmente hvnolhecados. (Arl.
3." jj II da lei.)
Art. 122. Consider.im-se especialisadas esomen-
te dependentes da inscripto para, que valham con-
tra os lerceiros :
-i 1." A hypotheea do colicrdeiro.
g 2." A hypotheea judicial. (Ai Is. 223 e 224.)
Art. 123. As hypotheeas legaes das mulheres ca i
sadas, menores ou interdictos, posto que sejam ge-
rae?, podern ser especialisadas ; mesmo sem serem
especialisadas podem ser inscrip.as; e po.to que;
lio inocriptas valem contra os tereeiros desde a i
sua data. (Art. 3- g 11 e art. 9- da lei.)
Arl. 124. S pode hypolheca qjeiq. pode a-
Ibear.
Os immoveis que nao podem ser alheados, nao
jodem ser hypolhecados. fArt. 2- 4" da lei.)
Arl. 125. Estao en vigor as disposicoes dos arls.
26 e 27 do cdigo do nominen-io -obre a capacida-
te dos menores e mulheres casadas conimercian-
t;s para hvpolhecareni os immoveis. (Art. 2o 5"
da lei)
Art. 12G. O dominio superveniente revalida des-
de a inscripgo as hypolhecas cot.lrahidas em boa
fij pelas pes.-ns, que com justo ttulo possulain os
immoveis liypotbecados. (Art. 2* jj 6" da le.)
Arl. 127. Nao s o fiador, porm lambem qual-
quer tereeiro, pode hypothecar os seus Immoveis
pela obricacao alheia. (arl. 2." 7." da lei).
Art 128. No caso de que o immovel ou immo-
veis hypolhecados conveucionalmente peregam ou
siffram deteriorago, que os torne insufflcienles
para seguranza da divida, pode o credor demandar
logo a mesma divida, se o devedor recusar o re-
ferco da hypotheea. (Art. 4., 3.' da le.)
Art 129 Os contractos celebndos em paz es-
trangeiro no produzem hypotheea sobre os bous
situados no Brasii, salvo o direito eslauelecido nos
tratados, ou se (orem celebrados entre Brasileiros,
ou '-m favor delles nos consulados com as solemni-
dades e coridicois que esla lei pnscreve. (Art. 4.,
4." da lei.)
Art. 130. Quando o pagamento, a que est su-
jeita a hypotheea, fr api-tado por presiaeoes, c o
devedor deixar de satisfacer algmnas dallas, todas
se reputara) vencidas. (Arl. 4.". jj 9 da le.)
Art. 131. Fica entendido que nesse vencimento
se nao comprehendem os juros correspondentes ao
lempo anda nao decorrido
Art. 132. Sao nullas as hypolhecas convencio-
nries celebradas para garanta de dividas contrahi-
d Iheca nos quarenia das precedentes poca legal
da quebra. (Art. I 11 da lei.)
Arl. 133. A-sim sao validas as hypotheeas con-
vtncionaes celebradas para garanta de dividas
< h;-ahidas no mesmo acto, aiadi que dentro dos
auarenl* das da quebra.
Art. 134. Todava sao nullas as inscripces e
trmscripcoes requeridas depois da sentenca da
abertura da fa lleuda.
CAPITULO II.
Da constituigo da hypotheea.
Art. 135. A hypotheea convencional nao pode
ser constituida seno por escriplura publia, anda
qje sejam privilegiadas as pessoas que a constitui-
rn), pena de nullidade. (Art. 4., 6. da lei.).
Art. 136. As outra hypotheeas sero constitui-
ttiidas pelo modo seguiote :
i 1." Pelo termo de lutella ou curalella, e desde
a sua data a hypotheea legal do menor ou interdic-
to sobre os Immoveis do tutor ou curador.
s 2. Da-de a morte da mai, e por este laclo a
tiypotheca legal do menor pelos seus baus maler-
tos sobre o immoveis do pai. i
| 3. Pela titulo de acqaisiQo, e desde que elle
exlgivel a hypolheca legal do menor por seus
bens adventicios robre os immoveis do pai.
| 4 Desde o casamento, e por esse fado a
hypotheea legal dos menores fllhos do primeiro
matrimonio sobre os immoveis do pai ou mai que
passam a segundas nupcias.
3." Pela escriplura antiupcial, mas desde o
casamento, a hypotheea legal da mulher por seu
dol sobre os immoveis do marido.
6." Pelo titulo de acquisicao, e desde que elle
exigvel a hypotheea legal da mulher casada pe-
los beus, que Ihe acontegam a constancia do ma'
trimoofo com a clausulade nao communho, so-
bre os immoveis do marido.
7." Pelo titulo da nomeacao e desde a sua dala, da foseada publica deve ser requerida :
a hypolheca legil da fazenda publica e corporagoes Io Pelos responsaveis.
de mao morta sobre os immoveis dos seus raspn*
, os predios urbanos e
dos bens emphitheuti-
save.
1 8." Desde a data do crime a hypolheca legal
do oftendido, sobre os immoveis do criminoso.
9. Pela pardilla, e desde a sua data, a hypo-
! theca legal do co-herdeiro sobre os immoveis ad-
judicados para seu pagamento.
10. Pela sentenca, e desde que ella passa em
'julgado, a hypolheca judiciaria.
Arl. 137. Os dotes ou contractos antenupciacs
nao valem contra lerceiros :
Sem escriplura publica;
Sem expressa exclusao da communho;
1 Sem esdmaco;
Sem insinuacao nos casos em que a lei exige.
(Arl. 3., 9. da lei.)
CAPITULO III.
Do objecto da hypotheea,
Arl. 138. S podem ser objecto da hvpolheca
por si sos:
I i* Os immoveis propiamente ditos, ou que o
1 sao por sua nalureza, isto
rsticos.
2." O dominio directo
eos.
% 3. O dominio til dos mesmos bens indepen-
dentemente de licenca do senhorio, que nao perde,
: no caso de alienacao, o direito de opcao.
Arl. 139. Pode ser objecto d3 hypolheca, mas
juntamente com os immoveis, que perlencem, os
accessorios dos immoveis, ou os immoveis por des-
tino.
Arl. 140. Consideran)-se accesorios dos immo-
veis agrcolas e s podem ser hypothecados com
estes immoveis:
1. Os instrumentos de lavoura e os utensilios
das fabricas respectivas, adherentes ao slo.
2. Os escravos e animaes respectivos, que
forem especificados no coniracto.
Art. i 11. Fina entendido que nao sao objecto da
hypolheca os immoveis, assim chamados pelo ob-
jecto, a que se applicam como sao :
O usofrucio,.
As servides, "
As aeges de relvindicagao.
CAPITULO IV.
Da comprehenso da hypolheca.
Art. 142. A hypotheea comprehende :
1." O immove' com todas as suas pertencas o
servidoes activas.
2. Os accessorios hypotheea Jos com o mesmo
immovel.
3. Todas as bemfeilorias que accreseerem ao
immovel depois de hypothecado.
g Io Ao juizo de orphos a especialisaco da hy-
potheea legal do menor ou interdicto.
2o Ao juizo dos feitos a especialisaco da hy-
polheca legal da fazenda publica.
3 Ao juizo da provedoria, e especialisaco da
hypotheea legal das corporagoes de mao mora.
4o Ao juizo do civel, a especialisaco da hy-
polheca legal da mulher casada, e dos offendidos.
Art. 158. Sao competentes para requerer a es-
pecialisago da hypotheea legal da mulher casada,
dos menores, e interdictos.
| I" Os responsaveis.
| 2- Os adquirentes. (Arl. 10 11 da lei).
Art. 159. A especlalisagao da hypotheea legal
Pelo empregado designado pelo ministerio
da fazenda a da fazenda geral.
| 3o Pelo empregado designado pelo presidente
da provincia a da fazenda provincial.
4 Pelo empregado designado pela cmara
municipal a da fazenda municipal.
Arl. 160. A especialisaco da hypolheca legal
gao nao conforme o artigo antecedente mas confor-
me o arl. 164 e segnintes.
Art. 185. Sao applicaveis s hypolhecas legaes
logo que foreat especialisadas as disposigoes relati-
vas as hypotheeas convencionaes ou especiaes.
Art 186. Assim lornando-se insufflcenles os Im-
moveis inscriptos para garanda da hypolheca es-
pecialisada ple
hypotheea.
Art. 187. No caso do arligo antecedente justifi-
cado o facto, proceder-se ha designacao de outro
ou outros immoveis do responsavel pela forma de-
terminada ueste capitulo.
(Continuar-se-ha.)
>r0ia0,Ch''.fe(la r-e''',r,l;.) das o"9 Pubdcas.- 'no ita|iaD0 chegaram
oncedoa auiorisacao que Vine, pedio em offlcio de para as suas dioceses
h miem, sob h. 231, para lavrar termo do recebi
ment dellnllivo da pintura da ponle do Cachan;],
queja se acha concluida de conformidade com o res-
pectivo contrato, segundo consla de seu citado offl-
eio, que fica assim respondido.Communicouse a
se requerer o reforgo da mesma! ihesouraria provincial.
Portara.O presidente da pnvim-ia, attendendo
ao gue requereu o alferes da 3' compaohia do ha
talho o. 43 de infamara do municipio de Sen-
ohaein, Porfirio Jos Ribeiro de Andrade e lendo
em visia
superior
para a
vou com documentos achar-se mpossibilitado de
continuar no servigo activo em conseguencia de
molestias gue soffre.Fizeram-se as necessarias
communicages.
Dita.-Os Srs. ageules da companhia Brasileira
Offli.10 ao brtgadeiro commandanle das armas de Pageles manden) dar passiem de r se bou-
interino.Queira V. bxc. informarme se Antonio ver vaga, at a corle
G0VBB30 VA PiWTOIA,
Expediento do dia 22 de julho de 1863.
sa
do Reg Barros, lem dous lilhos com praga no
das eorporacoes (e mao morta deve "ser requenda exerclto, como declara no incluso requerimento.
pelos responsaveis, ou pelo promotor do eapellas Dito ao mesmo.Habilite-me V. Exe. com a sua
ou pelo procurador que as mesmas corporagoes mformagao de modo a poder salisfazer o que exige
para esse lim nomearem. 'a repariicao da guerra, acere* do incluso ofDcio do
Art 161. A especialisagao da hypotheea dos commandanle do 2. batalho de voluntarios. na mandtJ dar fraD8porUl eni logar de proa deslina-1 "
olendidos pode ser requerida ou pelos responsa- i vito ao mesmo.-Queira V. Exc. informar sobre lirpplnr do lat.!, af__________ r. .. n\ "W
em lugar destinado pas-
_wro de estado, no primeiro vapor que seguir
para o sul, ao juiz municipal bacharel Jos Bernar-
do Galvo Aleoforado Jnior, e de proa a um seu
criado.
Dita.O Sr. gerenle da companhia Pernambuca
a um acrordo sobre a voli.
dos bi-pos cujas prrsestras
nao perturbaran) a tranquillidade publica ; a ol-
la dos bispos, por tanto, sera o verdadeiro resolla-
do das negociages ; e posto ellas lenharn si-lo m-
terrompidas, esla inierrupco com ludo nao imp. de
que ellas sejam de novo comecadas, logo qoe as
circumslaocias e a poltica dos dous paites deem
lugar a sua couliuuaco. Ol jnrn) di Pin ti
asseveram como faci positivo que os Srs. Bache e
Ilubner lem ambos elle. iulerviodo aetivaa*-Me
um accordu entre a
que o enearrefad
dirigi aguellK gabinete
a o projerlo de o* trata-
do commercial entre a Italia e o Zollwerew.
O gowrno rus--o abandooou ha pooco os ira
balhos de suas minas de ouro nos montes l'rae, e
conseguio que ussem exploradas por ama enpre-
za particular. Os resultados des madanra i-m
sido muilo nota veis. A guanli'ade de nwul'exlra
ludo lem augmentado dcuplamente. Grandes di
tridos que se tinham abandonado como nao raleo-
do as despezas feilas para sua exploraco, presente exploradas com grande vantagrm. Os em-
prehendedores leem ganho sommas roosiderave-.
concedendo direito de exploragao ootraspes-
veis, ou pelos offendidos.
Art. 162. Requerida a especialisagao por meio
de peligo na qual a parte deve demonstrar e es-
limar o valor da respoosabilidade, e designar e es-
timar o immovel ou immoveis que ho de tirar es-
pecialmente hypolhecados, o juiz mandar logo
proceder.
o que solicita no incluso oIBeio o director do labo-
lorio piroihchimco.
Dito ao inspector da thesourara de fazenda.Se
nao houver inconveniente, mande V. S. pagar ao
cabo Lulz Antonio de Franga, conforme solieitou o
chefe do polica Interino, em nfjcio de honlom, sob
n. 101 i, a quantla de 415280 rs., despendida, des-
Io Ao arbitramento do valor da responsabili- de 20 Je fevereiro al o ultimo de junho prximo
dade.
2 A avaliago do immovel ou immoveis desig-
nados.
Art. 163. A dita peligo deve ser instruida de
documentos, em que se funda a eslimagoda ros-
ponsabildade, assim como da relago dos immo-
veis, que o responsavel possue, se outros elle liver,
alm dos designados na peligo.
Art. 161. O arbitramento do valor da responsa-
bilidale e avaliago dos immoveis designados se- j mesma empresa, como se v da inclusa cania,
rao feitos por peritos nomeados pelo juiz apra- Dito ao mesmo.-Remetiendo a V. S. para os
zimento das partes. I convenientes exames as inclusas contas de receila
Art. 165. Nao carece de arbitramento o valor e despeza da enfermara militar relativas ao mez
da responsabilidade da hypotheea legal da mulher de junho prximo passado, o autoriso a mandar
c.asada, pelo seu dote, porque esse valor consiste salisfazer, como solicita o commandanle das armas
lindos, com o fornecimento de luz e agua para
o quartel do destacamento de guardas nacionaes
do termo de Santo Anio, como se v da inclusa
conlaCommunicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Pela verba eventuaes do mi-
nisterio da guerra, mande V. S. pagar a empresa
do Jornal do Reeife, a quanlia de o6-;000 prove-
niente de impresses mandadas lazer pela secreta-
ria da gvernoe de 100 jomaos fornecidos pela
Mamanguapc, a Jos Flix Pereira da Silva e a sjj
mulher.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na mande dar transporte al o porto de Maco no
vapor MamanguaiK, em lugar destinado passa-
geiros de estado ao juiz municipal do termo Je
Mossor, Alcibiades Dracon de Albuquerque Lima ltm d.,do jnfrni
e a sua mulher.
Kipedieule do secretario do enverno.
Ofilcio ao inspector da thesourara de fazenda.
S. Exc. o Sr. presdeme da provincia manda trans-
miidr a V. S. a inclusa ordem do ihesouro nacio-
nal sob n. 88.
Despachos do dia 22 de julho de IS6o.
Reiiueritnentos.
ceberam-se noticias de Mr. M-.ens ale I*
de junho. Naquelle dia esereveu elle a seus ami-
gos asseverando o seu bom estado de sade, e que
era tratado com todos os signaes de respeito pelos
seus hospedes, os la*droe. Conla-se qoe o bandi-
do Giardullo acha-se agora preso, e se offereeen
para denunciar dos seus velhos cmplices, e que
quaes provavelmenle le-
i varo o goveruo a conseguir a captura da outra di-
i viso do seu bando.
O correspondente americano do b-ly Trlegta-
i pin, diz que se acha em Washington o numero de
I pessoas que representan) urna grande soriedade de
! emigracao, orgaoisada na Escossia. Cnu e qoe
ielles lem a' suadisposicSoum capital de i 7"O,0fl
que desejam empregar em ierras nos K-iad.. do
Augusto Cesar Cousseiro de Mallos.Seja dis-' Su', no caso de se offerecerem bstanle vanlagens.
pensado, visto ter sido considerado incapaz do ser
vigo em inspecgo de saude.
Capilo Alexandre Correia de Amorim.Seja
dispensado, vislo que foi considerado incapaz do
% 1. Todas as accessoes naturaes, que sobreve-
rem, as quaes se consideram incluidas as crias
das escravas hypotheeadas.
o. O prego que no caso de sinislro
pelo segurador ao segurado, nao sendo applicado
as reparacoes do immovel hypothecado.
6." A indemnisagrio em razo da desappro-
pnae.o por necessdade ou utilidade publica, ou
em razao de perda ou deterioracao.
Arl. 143. Na generiea disposigo do artigo ante-
cedente se subentendem :
1. Os novos edificios construidos no slo hy-
pothecado.
2. A consolidagao de um dominio com outro ;
quando os immoveis forem emphiteuticos.
3." Os terrenos adquiridos pelo devedor e in-
corporados expressa ou tcitamente ao immovel
hypothecado.
4." Os lerrenos de alluvio qualquer que seja
sua extenso e importancia.
CAPITULO V.
Da prenoiago e especialisagao.
SecrSo 1.
Da prenotago.
Arl. 144. A le concede para especialisagao e
inscripgo das hypolhecas legaes da fazenda publi-
ca, corporagoes de mo mora e offendidos, assim
como para inscripgo dn hypolheca legal do exe
quente e co herdeiro um praso rasoavel que nao
exceder de 30 das uleis. (Art. 9., 27 da lei.)
Arl. 145. Este praso determinado pelo juiz de
direito.
Arl. 146. Com o titulo da constituigo da hypo-
theea, ou com documento aulhenlico que possa
prova-la, se anda nao houver titulo ou a hypothe-
ea depender de algum facto. (Arl. 136, 2.-, 4."
e 8.), ser requerida a eoneesso do praso.
Art. 147. Concedido o praso lera lugar apre-
notago-da hypotheea pelo modo, que os arligos
seguintes determinan).
Art. 148. O ofcial do registro apondr no pro
tocollo e no Ululo ou documento de que trata o arl.
16, a data da apr.-sentag.io, e o numero de ordem
que em virtude della compele hypolheca.
Arl. 149. O referido numero de ordem valer
somenle al ser lindo o prazo concedido, se antes
delle nao fr elfectuada a inscripgo da hypo-
theea.
Arl. 130. O prazo concedido conta se nao do
despacho do juiz de direito, mas da data da cons-
tituigo da hypotheea (Arl. 136.)
Arl. 151. juiz de direito deve declarar no seu
despacho a sobredia data.
Art. 152. Elfectuada a inscripgo da hypo-
theea.
Io O numero de ordem de prenotago se tor-
nar definitivo, e prevalecer conlia lodos os titu-
les posteriormente apresentados e anteriormente
registrados-
2 As hypotheeas apresentadas anteriormente
dentro do prazo da prenotago nao tero elf^ilo
quanto hypolheca prenotada e inscripta.
Art. l'3 Na columna das anolagoes do prolo-
collo o official do registro lngara a nota seguinle:
Prenolago durante o prazo Cial) quo corre do
dia tal, marcado pelo juiz de direito por despacho
de tal data, o qual despacho com o requerimento
respectivo fica por mim archivado.
Date.
O official F...
Art. 154. Se lindo o prazo marcado a hypolheca
prenotada nao for inscripta, o official do registro,
a requerimento da parte intere-sada certificar
abaixo da nota do arligo antecedenteque por ser
findo o prazo e a requerimento de F... a prenota-
gao est cancel lada-e datar eassignar esla cer-
lilla0- *
Art- loo. Sa houver o registro o odlcial do re-
gistro proceder conforme os arls. 45 e segulntes.
Ari. 156- O mesmo processo dos artigos anlece-
deules applicavel a prenotago para Inscripgo
da hypolheca doexeqneule e do co-herdeiro. (Arl,
9- 27 da lei.)
SECgAO II
Da forma da especialisagao,
Art, 157, Compete;
na estimagao constante da escriplura ante-nupcial.
(Art. 3 9 da lei.)
Arl. 166. No mesmo ca.o esta o valor da res-
ponsabilidad* da hypotheea da fazenda publica que
sero mesmo valor da flanea que prestain os res-
ponsaveis. -
Arl. 167. O valor da responsabilidade legal das
hypotheeas dos menores interdictos, mulheres ca-
sadas, e corporagoes de mo mora, ser calculado
tendo se em altengao a importancia dos bens e os
rendimentos, que o responsavel ha de receber e
deve accumular at ser duda a lutella, curatella,
ou administracao.
Arl. 168. No valor da responsabilidale da hy
Angelo Roberto da Paixao. Aprsenle se no
no ofllco por copia junio, dficit na importancia' Quartel geucral do commando das armas para ser
de 202^749 rs., urna vez que eslejam legaes as re-! inspeccionado,
feridas conlas. Andr de Abreu Porto.Informe QjSr. engenhei
Dito ao mesmo.Responden Jo ao ofilcio que V. ro chefe da reparligao da> obras publias.
S. me dirigi t-m20 do corre te, sob n. 513, lenho Antonio Joagulm Gongalves de Mello.Informe
a dizer que devera ser pagos sob ininha responsa- Sr- commandanle superior da guarda nacional do
municipio do Reeife.
Bartholomeu Rodrigues de Mello.Requeira ao
; bilidade nao s as consignages que de seus sidos
I pretendein deixar nesla provincia os dous offlciaes
! do respectivo corpo de polica, de que trata u sen
j citado olficio, e a que se refere o meu de 19 deste
I mez, mas lambem as de qualquer outros officiaes
do predilo corpo, qu? marcharen) para o sul, e es-
liverem enx ideMicas cireumslancias.
Dilo ao mesmo.Em vista da inclusa conta em
poiheca legal dos menores e interdictos nao sero 1 duplcala, o nao havendo inconveniente, mande V.
computados os immoveis,* mas somenle os outros
bens.
Arl. 169. O valor da responsabilidade do crimi-
noso ser calculado conforme as regras determi-
nadas 110 cdigo criminal.
Art. 170. Arbitrado o valor da responsabilidade,
devidoisaivos os casos dos arls. 16o c 166, e avadados os
immoveis designados, o juiz ouvir as partes con-
S. pagar a empreza da illumiiiagao desta capital a
quantia de 8I000, em que imporlou o gar consu-
mido com a lliiminaeao do palacio da presidencia
durante o mes de junho ultimo.
Dilo ao mesmo.Sob minha responsabilidade,;
goveruo imperial.
Basilio Luis Coelho.Apresente-se no quarlel
general para ser inspeccionado.
Capilo Henrique Marques da Silveira Lns.
Informe o Sr. commaodanie'superior da guarda na-
cional de Sanio Anlao.
Jo. Alexandre.Informe o Sr. Dr. chefe de po-
lica. .
Joo Fernaudes Vieira.Seja dispensado at que
se recorra a classe a que pertence o suppli-
canK .
Jo.- Valerio dos Santos.Informe o Sr.tom-
mande V. S. pagar em os devidos lempos as con- i mandante superior da guarda nacional do Rio For-
signagoes, que, segundo os reguenmenios inclusos, "'oso
pretenden deixar nesla provincia o alferes Amonio
cedendo cada urna 48 horas para dizerem o que Henriques de Miranda e lente Julo Eduardo Pe-
ines convier ; reir liorges, ambos do corp) de polica, e que lem
1" Sobre o valor da responsabilidade ; de seguir brevemente para o sul do imperio.
2 Sobre a qualidade e sufilciencia dos immoveis Dito ao mesmo.Declaro a V. S. para seu co-
desi;nados \ nhecimeutoe lim conveniente, que ci>m o aviso ex-
3o Sobre a avaliaeo dos immoveis designados, pedido pelo Exm. Sr. ministro da fazenda em 20
Art. 171. Logo que as partes liverem allegado o '. de jun'.io ultimo, me foi remedido o titulo uOmean-
seu direito, o juiz homologando, ou corriendo 0|d0 amanuense da reeebedoria de rendas desta pro-
arbitrameulo e a avaliago, e achando iivres e suf- vincia a Francisco Lopes Cardim, praticante da re-
Ocenles os bens designados julgar a especialisa- cebedoria da curie.
gao por sentenga e mandar que se proceda ins-1 Dito ao inspector da thesourara provincial.Se
cripgo da hypotheea ftal), pelo valor (tal), sobre nao houver inconveniente, mande V. S. pagar ao
o immovel (tal) ou immoveis (taes), do responsa-! professor publico, da segunda cadeira de instruego
vel (tal). elementar da freguezia de S. Jos desta ci lade,
Arl. 172. O juiz obrigado a especificar na sua Benjamn Conslanl da Cunha Sales, como pede no
sentenca a;denominago, a siluago, e carac'teris j incluso requerimento, a diferenga qne se d na
ticos dos immoveis, que vo ser inscriptos. 1 importancia das despezas do expediente da sua
Art. 173. Se o juiz homologando o corngindo aula desde 1/5 de julho do anno prximo passado,
o arbitramento e avaliago, achar todava quo os 1 al 30 de junho do correnle anno.
immovei designados ou nao sao llvres ou nao sao I Dito ao mesmo.Accuso recebido o offl-io de 20
sufflcientes, e o responsavel liver outros immoveis \ do correnle, sob 11. 276, em que V. S me partici-
alm dos designados, mandar proceder a avada-' pou hiv#r Francisco Avila Mcndonca arrematado
gao delles. I por 1315000 as madeiras velhas que" ficaram dos
Arl. 174. Do despacho do juiz; reparos feitos na ponle de Tacaruna ; e em respos-
1. Que homologa ou corrige o arbitramento e ta tenho a dizer gue approvo essa arrematago.
avaliago ; ^ Dilo ao commandanle superior do Reeife.Or-
2. Que julga oifnio julga livres ou sufficientes dene V. S. ao commandanle do halalhao n. 1 de in-
os immoveis
llavera aggravo de petigo ou instrumento.
Arl. 175. Nao obstante o aggravo proceder-se ln
a avaliagiio.
Art. 176. Feita a avaliago e achando o juiz que
os immoveis sao sulllcienles, julgar por sentenga
a especialisagao mandando que se proceda a ins-
cripgo da hypotheea legal (ulj, pelo valor (ial),
sobre o immovel (tal) ou immoveis (taes), do res-
ponsavel (tal).
Art. 177. Se se tratar da especialisagao da hy-
potheea legal da mulher casada, menores e inter
dictes, e os immoveis designados forem insufflcen-
les, e o repousavel nao liver outros alm dessjs,
o juiz juL'ara improcedente a especialisagao.
fantaria aquartellado que faga de-tacar no distric-
to do Peres 1 cabo e 3 guardas do mesmo batalho.
Dilo ao commandanle superior da guarda nacio-
nal do Rio Formoso.Allendendo ao gue ponderou
o lente dt> batalho n. 43 de infamara da guarda
nacional do municipiode Serinhem, Joaquim Can-
dido da Veiga. no requerimento sobre que V. S. in-
formou em offlcio de 15 do crreme, resolv des-
pensa-lo do servigo de destacamento para que foi
designado, al que se recorra a classe a que elle
pertence.
O que_ declaro a V. S. para seu eonhecimenlo e
expedigo das convenientes ordens.
Dito'ao commandanle do corpo de polica.Au-
toriso V. S. a listar no corpo sob sea commando
Arl. 178. Se porm a especialisagao frdeou- os paisanos Benjamn de Luna Pimentel e
Iras hypolhecas legaes, que nao as do artigo ante
cedenle, e o immovel for insuficiente, e o respoa-
savel uo liver outros, o juiz julgar a especialisa-
gao reduzindo a pypotheca ao valor do immovel
existente, salvo os privilegios s-'bre os utros bens
do devedor, nao sucepiiveis de hypotheea (arl. 5"
2 da lei).
Art. 179. Quando algum do immoveis designa-
dos fr situado fora do lugar aonde se procede
Manoel
para o
Galdlno da Luz, que foram julgados apios
servigo, segundo declarou em dilo offlcio.
Dito ao mesmo.Man le V. S. apresenlar, sem
demora, ao Dr. chefe de polica, duas pragas do
corpo sob seu commando, aflm de escoltaren) o
preso Jesuino Bezerra de Menezes, reguisitado pelo
chefe de polica da provincia da Parahiba.
Dito ao director das obras militares.Additan-
do o meu offlcio de honlem, declaro a V. S. que
especialisagao, o juiz por va de precotora requesi- commisso nomeada para examinar o estado da
tara a avaliago delle ao juiz do lugar, e vindo ella fortaleza do Brum e forte do Buraco, e de quo V.
S. faz parle, deve limitar as informagoes exigidas
naquelle offlcio a declarar se julga conveniente re-
mover para outra parle a plvora que existe depo-
sitada naquellas fortificages, e qual o lugar que
parecer a mesma commisso mais proprio para sua
remogao.
Dito ao capito do porto.Mande Vmc. inspec-
cionar e alistar como voluntario, se fr considera-
do apto para o servigo da armada o snboito portu-
proceder cmo determinan) os arls. 170 e se
guales.
Arl. 180. Concluida a especialisagao se dar
parte sentenga della.
Arl. 181. Esla senlenga ser simples e no po-
dera comer seno a senienga ou sentengas de que
iraiam os arls. 171, 173, 176. assim como a deci-
so do aggravo (Art. 174).
Art. 182 Se na escriplura total forem expressa-
mente mencionados os immoveis do marido que de- guez Jos Pereira da Silva.
vem garantir o dol de dosignago, deve recahir a Dilo ao juiz de direito da primeira vara desta ca-
inscripgo da hypolheca. > pitaLTransmuto por copia a Vmc. os dous offl-
Art. 183. No caso do arligo antecedente sendo cios que me dirigi o Inspector da Ihesonraria de
requerida a especialisagao da hypotheea legal da fazenda em 12 e 21 do cerrente sob ns. 484 e 514,
mulher casada pelo seu dote, o juiz vista da es- aflm de que nos termos do art. 172 do cdigo pe-
cripiura antenupcial, e se della constar a estimagao nal proceda criminalmente contra quem se char
do dote, e a especificaguo dos immoveis, que paran- em culpa pelo desfalque que na importancia de
lem o mesmo dote, julga- por senlenga a especia- 28:221S03o, se dea no cofre da allandega desta
lisago da hypotheea legal tal pelo valor tal, (a esti- capital-
maco do dote) sobre o immovel tal, ou immoveis Dito ao juiz municipal da primeira vara do Re-
aos' (os designados na escriplura antenupcial), do elle.Remello por copia a Vmc. para os flns con-
responsavel tal. venientes, os esrlareclmentos qoe mlnislroo o Exm.
Art 184. Todavia se o marido ou os seus ere-! Sr. presidenlo de Sargipe, acerca do sentenciado de
dores se oppuzerem a que seja especializados os jusdga daquella provincia Antonio Barbosa de Ol-
immoveis designados no contracto antenupcial por veira, quo existe sem guia no presidio de Fernn-
ser a sua importancia ex^essivamenle superior ; do, segundo declaran,a o repectivo oommandante
eslmac,o do dol, q j'ojj proceder a especializa- ero ofilcio D. 221, tt 4 de maio ultimo.
Tsente Joaquim Candido da Veiga.Seja dis-
pensado al que se recorra a classe a que perten-
cer o supplicante.
Laurentino Francisco Soares.Informe o Sr.
commandanle superior da guarda nacional de Bar-
raros e Anua l'rela.
Maria Joaquina de Souza.Infirme o Sr. direc-
tor do arsenal de guerra.
Capillo Manoel Gongalves Nunes Machado.Ia-
deferido em vista da inlormago.
Manoel Baptista Barbosa.Passe porlaria cunee-
deudo a licenca que requer o supplicante.
Capilo ulympio Gougalves Rusa.Seja dispen-
sado do destacamento visto ter sido considerado
incapaz do servigo em inspecgo de saude.
Alferes Porfirio Jos Ribeiro de Andrade.Seja
transferido para a lisia de reserva.
Severo Jos Francisco.Informe o Sr. r. chefe
de polica.
Virgilio Vieira da Costa Pinto.Indefendo em
vista da ioformago.
COilVWDO DAS ARMAS.
Quarlel general do coinmaudo das armas de Per-
nambucoua cidade do Reeife, 25 de julho de
i 860.
Ordem do din n. 88.
O brigadeiro commandanle das armas interino,
em vista dos olficios reeebidos da presidencia com
data de 22 do crreme, faz publico para o< fins
convenientes : 1, que de conformidade com oque
foi resolvido pelo governo em aviso do ministerio
da guerra de 25 dejunh) ultimo, o Sr. official que
actualmente serve de ajudante do presidio de Fer-
nando exercer as funegoes de major da praga de
que trata o regulamenioque baixou com o docrelo
n. 3,103 de 11 de fevereiro do correnle anuo, Pi-
cando os respectivos veneimenlos dependentes da
approvagodo corpo legislativo, que o mesmo go-
verno solicitar. 2." Que por aviso de 3 deste mez,
foi flxado os valores das rages fie elape e forra-
gem no correnle semestre, aquella no de 360 rs.
diarlos e este no de 560 rs.
O mesmo brigadeiro delermina que fique encor-
poradoao deposito, emquanio nao chega a esta ca-
pital, o corpo de guarnigo a que pertence o Sr.
alferes Jos Longuinho da Cosa Leile, que veio
em diligencia do servigo da comarca de Flores,
onde se achava destacado.
(Assignado)Francisco Jos Damasceno Rosa-
do, brigadeiro commandanle das armas interino.
(Esl conforme)Antonio Francisco Djarte. 2o
tenente ajudante d'ordens interino, encarregado do
detalhe.
DIARIO DE PEBNAMBUCO.
Chegou honlem de Liverpool o vapor inglez tile-
autor, lendo d'alli sabido 1 do crreme.
Apezar de serem de pouca importancia as noti-
cias de que foi elle portador, nao s por Irazer
apenas um jornal ingle*, como por nao ter trazido
de Portugal gaaelas, damos em seguida um artigo
do The Liverpool Journal o( commerce :
A criso ministerial da Austria anda contina.
Um despacho de Pesllv diz que entre os raagoatas
se falla de que o conde Monits-Almasy far parle
do gabinete austraco, se encarregando da pasta da
fazenda ; o ceno qne de alguma sorte se tem
entrado em negociages com o conde para qoe elle
aceite urna das pastas.
1 Diz a Opintone de honlem, respeito das nego-
ciages entre Roma e a Italia : < O papa regeilou
a condigno de que se obrigasse os bispos a prestar
juramento de tidelidade ao ral da Rada, mas coa-
sendo em ordena-los a prestar obediencia as leis e
ao eslado. O papa exigi qoe se Qzesse urna modi-
ficago no titulo do exequtur. O papa e o gover-1 consequencia da falta d'agua.
Os membros da sociedade sao principalmente' tra-
bajadores, e os seus amigos asseveram que, no ra-
so de encontrareni condiges favoraveis. eto
promplos a augmentar o seu capital al um m-
Iho, e a dar comeen emigracao immediatan*Me.
No sul sem duvida se oflerere a mais favoravel op-
porlundade para empregar-se trabalbo e capital, e
provavel que nenhuma naco e-tej> mais apta
do que a Escossia para aprovitar-se desta oppor-
tunidade.
1 Diz se que o rigor da prisa > de Mr. Davis nao
foi de modo algum diminuido; apenas se Ihe tirn
os ferros a' vista das urgentes reelamacoes dos
seus mdicos assislenles. Algn dos jornaes de
New York, se pronuncian) fortemenie contra r
tralamenlo que elle tem recebido, e sao de opinio
que o governo commeile um crime ponido tata
maneira um preso antes da sua coodemaaeao.
Comtudo, a maiors tem-se conservado callada,
ou exuda publicamente pela severidad* com qu-
ede lem sido tratado. Alguos adv ufados o sol,
que Ihe sao favoraveis, eslo extremamente anrio-
sos que chfgue o dia de seu julgamenio. Cum-
iado elle lucrara mu pouco se se apresenfase
logo perante o jury, desde ,-ue o melhor meio que
tem de escapar morle, demorar o seu jura-
mento, al que a sede publica de vinganga se aebe
algum tanto abatida. O uric perigo para elle n>,
aclual eslado de cousas ser arruinar-se ln.> com-
plelameute a sade com to mo trtamelo e
doentia prisao que est suj-ili>.
c Receberam-so informagoes na secretaria <%*
negocios eslrangeiros da descoberla feita p^r Mr.
Baker de um outro grande lago central na frica.
d'oude nasce o N1I0, e ao qual Mr. Baker deu
nome de Albert HUMO. Esle segundo lago do
Ni lo esl para o norie na lat. 2 e 17"', e Sr
Rmurchison desconfa que o Lnta de qne nos
falla Speke, que o collocou hypolheliramenie no
seu mappa mais ou menos na sua verdadeira |>-i-
go, e que elle nao pJe examinar.
Um fatal accidente se deu lerca-feira n "li-
na liuha frrea denominada Great Wnter* em
Boston perto de Kovil.
Por causa do descuido de um empregado fo-
ram os iridios virados em senlido onlrano e nm
irem com carga correo sobre os tnlnos passando
para os campos. O foguista e machinista forain
viclimas. Esse empregado acha-se preso.
Os jornaes de Londres, distnboidos honlem
pela manlia 1. publicaran) os discursos de Mr.
Layard, Mr. Mewdegate e ouiros candidatos. *9-
rava-se que Mr. John Sluarl Mili chegasse em Lon-
dres honlem vindo de Franga. Brevemente reu-
nir-se-ha a seu amigos no palacio de St. James em
Londres.
c Mr. P. Hughes annunciou que se apresen! ira
candidato por Lambed. O agente do duque de
Malborough fallou aos camponezes, dizendo-lhe-'
que o duque esperava que ciles mmtm os sea*
votos conseienciosamente; p s que nunca fot de saa
vontade prvalos da liberdade de v,Harem. Lord
Ramelagh apresenlar-se-ha como candidato conser-
vador por Middlessex, tendo n-c-bido urna requisi-
go assigoada por dous mil nomes.
E' provavel que a emancipago e liberdade dos
escravos venha a ser nm grande embarago para i>s
Estados-Unidos. Presume-se que quando os estados
se reentregarem sob a nova con-liiuico, ludo o pu-
der de iniervir da parte do governo geral terminar
se-ha, e o norte perder a superintendencia sobre a
reorganisago da sociedade nos-l; e f>i esle
grande objecto da guerra, e ento se renovarao as
velhas e terriveis lulas do cougresso em circum*-
lelas muilo diferentes, mas anda assim ebeus
de perigo.
1 Segundo urna communicagu parlamentar, pa-
blicada honlem pela manhaa, o numero do pe-soal
das repartiges publicas era de 41 pe.oa. no prin-
cipio doannode 1864. Morreram ou nVaram impos-
sibililadas de prestar servigo durante o anno 3; fo-
ram adidas 25, e o numero que hVou no lim dn
aun) era de 40 pessoas. O Mi que autorisa certa
corapanhias a dar dioheiro a premio sobre propie-
dades lerritoriaes, emfim passou em ambas m
casas do parlamento. E* um acto publico, e i
poderes que contaren), se limilam certas eom-
panhias que fatem adiantamenl >s sonre Ixn* li-
vres, rendas e alugueis, E' misier qot- tan eom-
panhias possuam um capital de 1,000,000 r**!
menos, urna decima de parle da qual lem de ser
realisada.
As segurangas que tem de formar a base da
escrpiuras de hypolhecas, devero ser depo-ilaas.
as mos dos secretarios da repartic do registro
das Ierras, o qual eodocara as letras como prova
de que as condiedes foram aceitas. O nume-
ro das letras nao dever exceder qaansia do
todas as segurangas reunidas, as quaes wtao de-
positadas as mos dos secretarios, e podem ser
passadas por sommas de 50 ou mais transfoh-
vel por endogo.
. A refrigerante chova que tem anido em va-
rias partes do paiz durante estas ultimas 3* oras,
tem sido muilo bem aceitas. A falla Je chavas na
Inglaterra, principalmente para otado do Ornan.
tornava-se negocio muilo serio. E
parques ja nao esiavam verdes, mas ai
I e os carros d'agua ja nao eram to
Porm


I


..I
""WSSjnjU
^
4*1***
'ms3^

Diario de Fcraambnco Qnnrta elr de ullio de i S&.

IndicagSo do barmetro esperamos com toda certa-! Escrevem-nos de Garanhuns, em 19 do cor- to de dous, a quem lambem dtspensei : e nao sei
xa de que o lempo querido dos lavradores nao tar-1 ren le. por {iue o Sr. cammandanle nao Ihes concedeu tara-
dar' trazer nitJita chuvs, para a colheita do feno No da 17, no sitio Diviso, a*sim chamado bera discricionariaraente o'mesmo indulto. Na oe
e do lri{;o. por estar nos limites da rcguezia de S. Beato com casiito da parada veriflquei que nao havia o nurne-
i A Culbeita do feno foi a meltior possivel. As osla, dous individuos de m conducta, que vivlam ro de guardas para completar a forga que devia
esperanzas de urna boa colheita de trigo Umbem homisiados no mallo, por temerem perseguigo da aquartellar, e fui ento, e so ento, que tive conhe-
sao milito lisongelras, e o anno de 1863 promelte polica, brigaram, resultando de semellianle briga cimento das ordens do Sr. commandante a respeito
completar o terceiro auno de abundancia para a morte de um delles, que cahio victima de um dos guardas que elle, sem fazer caso de mira, havia
compecsagao dos tres precdanles que toram de es- tiro que Ihe foi disparado na caneca peto cumpa- Isentado do servico.
nheiro, o quat anda nao pode ser preso, por se ter! Nao pude soffrer esse acio de que resullava para
evadido. I mim alguma desmoralisago e dei parte de doente,
i Tamben) no dis.rielo da Palmeira um rapaz ofliciando ao Sr. commandante para subsiituir-me
matou urna iufcliz crianga por acaso, em occasio no commando da companhia que eslava a met
em que, chegando de urna viagem tirara urna pis- cargo. Entretanto a minha parlicipago nao foi
tola de um sacco. autor deste crime involunta- aceila, e o que mais fui severamente roprehen-
rio acha-se recolhido cadeia desta villa, e vai ser dido. Aquelle que sabia do meu offerecimento
processado, para poder juslificar-se peranle o tri- espontaneo* patritico para prestar servicos gra-
sua defeza, mas julgo um dever sagrado a publica
demonsiracio que ora faco,
Altinho 13 de julho de 1861.
Jos Thcotonio de Sobral.
casse*. >
*m*^^*~
PERNJWLRUCO.
m\m Eiu.
Deixou hontem o Exm. Sr. Dr. Antonio Borges ounal competente. tuilos cora prejuizo dos meus interesses partcula-
Leal Castello Brauco as redeas da admraisirago Inve>*u0 dtsia provincia, entregando a respectiva gesto ao elar hiendo mal as plantarios. O anno passado, nomeava um sargento para os desempenhar em
Exm Sr. bario daRio Formoso. 0 gneros chegaram a um pre;o exv.essivo, por pura perda dos dinheiros pblicos, era quem me
. cste momeni*solerone, era que encerroa S. fa'w de chuva ; est anno, estamos ameagados de arguia de madrago e indolente no cumprimenlo dos
se. -a sua vida administrativa, a imprensa enmpre, nova caresta, por causa da mua chuva 1 meus deveres I
fazeodo-lhe justiga, duigir ura voto de reconheci- Paciencia : ser o que Ueus quizer. Inteirado o destacamento dei segunda parle de
metilo sua boa vonlade em bem governar a irro- Passageiros do vapor brasileiro Paraliyba en- doenle e nova reprehenso anda mais acre tire de
vincia, que fura 'confiada pela, munificencia impe- &**> do Aracaje portos intermedios; soffrer.
rial sua soliriude ; e islo o que ora fazamos Amonio da Molla Jnior, majar Penando Macha-1 fudo isso eslava eu resolvido a soffrer em silen-
como parte do jornalismo pernambucano. do de Souza, e sua senhora, e 2 filhos, 1 criada, 1 ci, se urna nova e mais vehemente provocaco
Gom e fiel lo, durante o espago de sua administra- escrava, Jos da Co^ta Motla, padfa Pedro da S. nao me fosse feila,quando pacificamente cuidava de
cao S. Exc. sernpre inspirou-se nos aclos pralica- "ernardo Peixoto, padre Manuel Amancio das Do- aproveitar a ligio que recebera para o meu gover-
dos'em motivos generosos e de publica utiHdade. res> e sob"inho, Francisco de AssisPerera Fre- no futuro, ali.n de nao cahir em oulia esparrella.
sem atropellar os dietames da justica, r.em banir re, Antonio Lorero T. Marques Joo C Pereira por querer mostrar-me cidado prestante nesla ter-
os impulsos da equidade ; e assim "pode captar o Pa'va> padre Antonio Jos da Co-la, padre Getu- ra, em que ludo est era anarchia e depravacao.
bom nomo que deixa aps si, sobrando-lhe sem dio Augusto. Jos Francisco Godoy, e 1 escravo, O sargento Alves Quintal, commandante do des-
duvida a consciencia de liaver liem ciimprido os Jaciniho Jos Duarle, major Jos Guedes Nogeira, tacamenlo, meu subordinado, dirigio-se a minha
seus deveres na ardua larefa de governar o que Jos^ Joaquim B. da Silva, Jos Caudido de Acioli, casa acompanhado de tima praga,
a melhor recompensa. M.Evaristo de S. Catrn, Pedro Jos Gongalves, de recrutamento, s 10 horas da uoi
S. Exc. deve estar certo de que a provincia o' Car'os Austrin, padre D Jos Antonio dos Santos rar um pobre rapaz de idade de
/icos vendo em si Lessa, Jos Fianciscj Caparica, D. Iguez de Gas- quem sou tutor e que eslava tranquillo em minha
tro, M. Antonio Supardo, D. Juanna V. de Jess," casa, sem esperar semelhante agresso. lovadin-
Gandido Francisco Suarcs, padre Gandido J. A. da da a minha habitago s-m o meu conhecimento e
, Silva, Anlonio Borges da Silveira Lobo, e 1 escra- a horas moras da noite, o sargento nao respeitava
vo, Mechiel [Veta, Dr. Odocio Furlado de Jess, e lei uem consliluico ; o que quera era tomar um
1 tilho menor, Thomaz de Aquino Oliveira, Jos da desabafo contra mim, a sombra de prole-gao que
Gosta, Balthazar J. M. Bastos, Iguacio M. da Silva, alardeava ler e que dizia defende-lo de toda a re-
Eva islo Pinto da Costa, Domingos J. de Farias,
Anlouio Teixeira Pinto, Domingos J. Ferreira da
Silva, Joaquim Azevedo Maia, Antonio Jo< Jos
Mendes, Joao Luiz Vieira, Jo.io Nones Tngueiro,
Antonio da Costa Alves, Joao Biptista de Azevedo,
Catharioa Mara da Costa, 4 pragas do corpo flxo
de Tacarat, e 1 mulher, e 1 lha de um saldado
1U:i'aiitu;a Extracto das parles dos das i'i. i'i e 23 de julho
?U8LICACBE5 A PEDIDO
Sao Lourenco da Matta. .
Pergunia-se ao lenente-coronel commandante do
batalhao de guarda nacional de Sao Lourengo ^la
Malla a razo porque prende os lenles B. de Mi-
randa c B. Lima, estando esses oulciaes com peti-
gdes despachadas pelo commandante superior para
serem inspeccionados, havendo mesmo tido princi-
pio a inspecgo de sade; e nao prende o rapilo
Ferraz, o lenle Temporal, e os alferes P. Lins, J.
Lins, Presciliano, J. Duarle, Mesquia, F. Jarintho
e oulros, que nao vao as revistas, e alguns dos
quaes se apresenlam na matriz^vestidos a paisana,
em occasio de revista, e vao apreciar, depois da
missa a parada do sobrado, e seguem d'ahi com S.
S. para Calar, alim de pagarem aquelle cerlo tri-
buto que S. S. sabe ? Porque os nao prende S. S. ?
Responda, meu senhor. Nao falte com a respos-
ta, para termos occasio de c nvencer a cerlo per-
sonagem, muilo fatuo e cheio de si, de que aquelles
que por todos os meios se desmoralisam a si, nao
podem desmoralisar a ninguem...
Declarado.
Para evilar equvocos, declaro a queu convier
que nesla data, ficam inleira e absolutamente cas
considera na altura dos seos servrgos,
aquelle que Ihe soube ruanter os foros, e deu im-
pulso a suslentago dos seos bros.
As noticias commerciaes, de que foi portador
o vapor Inglez Gladiator, dio o algodao desta pro-
vincia, apsduas alternativas, ao prego de 19 d.
19 i/i d. por. libra ; o assucar braoco de Pernam-
buco e Macei de 2 s. a 24 s. 6 d. e o mascavado
de 19 s. a 21 s, o da Paratiiba idem de 19 s. 6 d. a
20 s. 6 d., o do Geni idem 19 s. 6 d. 21 s. e o
do Maranhao idem de 20 s. 21 s. 6 d. per cwt; o
cacao de 37 s. 38-s.
Eslavam a carga para o nosso porto : em Liver-
pool, o Ultswa'er, e em Londres, o Antje Haoerbult.
Fara o Cear eslava a carga em Liverpool o
Sinitbad.
Fallecen hontem por 11 horas da manha, o
f)r Ignacio Nery da Fonseca, disllncto medico pela ;
faculdade do ltio de Janeiro e um dos mais prati-
cos d'esta capital, onde eterceu a sua humanitaria
profissao por mais d 2o anuos.
Desvelado para com osintigentes, que incessan-
temenle se acudiam amia generosidade, o Dr. Igna-
cio Nery era em geral estimado por seu carcter
sernpre affavel.
Nao obstante a papularidade de que gosava, o
illuslre finado nunca aspirou honras e a nenhuma
ouira posigo social, que nao a ,de um professor
hbil em seu olficie. E' assim que, havendo pres-
tado servicos digucn de renumerago as varias
cnses epidmicas que tem salteado esta cidade, e
muito notavelmente na do cholera em 1836, niorreu
simplesmente condecorado com a sua carta scienti-
fica.
O Dr. Ignacio Nery, casado em segundas nup-
cias com a Exma. Sra. D. Nympha de Mello Accio-
ly da Fonceca, deisa deste consorcio um fillio roe
or e duas nihas, urna das quaes casada com
haiiil medico, lr. Augusto Carneiro Mouleiro da
Silva Santos.
Exemplar de virludes domesticas, o Ilustre fina-
do succumbio chuio de contricgao a um longo e
acerbo padecimento na espiaba dorsal, recebendo
resignado os ltimos confortos da religio que pro-
fessava.
O salumento fnebre deve ter hoje lugar do con-
vento do Carme, onde toi posto o corpo em deposi-
to para reeeber os sudragios da igreja.
E' urna perda lamentavel p>ra a nossa socieda
de. Por ella rendemos os nossos sinceros pezames
Exma. viuva e Blbos, e s classes menos favoreci-
das, i|ue no Dr. Ignacio Nery encootraram sernpre
um bemfeitor generoso.
Approximaiido-se hontem ao amanhecer, do
nosso pono o vapor inlez ladiitor, com a ban-
deira imperial no masiro de r, e sendo visto pela
fortaleza do Buraco, comegou esta urna salva de
21 tiros, suppondo ser um vapor do sul e que tra-
zia presideole. Kecouheceodo, porra, ao terceiro
tiro que nao era destinelivj de semelhante commis-
siio, por nao vir no lepo do mastro de proa, sus-
pendeua salva.
retes noticias de Alagas, de que foi portador
o vapor Puvahtjba, consta que lomara as rdeas da
admirisirago provincial o Io vicepresidente Dr.
Calheiros.
No engenho Marlapagipe, do termo de Cabo,
fui assassinado coin um liro Joao Baplisia do Ama-
ral, no da 17 do crreme, ignorando-se ainda
quem fosse o autor de t No entretanto a polica local procede as compe-
tentes avenguagoes, tendo feito algumas priaoes
como meio de chegar ao couhecmenlo do deln-
queme.
- O Mheneo PhilosopJuco Litterario resol veu
ern sesso de 22 do correle mandar celebrar, na
de 1863.
Foram recolhidos casa de deleoco no da 22
do corren le :
A' ordem dolllm. Sr. Dr. chee de polica, Joo
Sevenno Tavares, Maooel Antonio Ferreira ou
Freir e Joo Vicente de Araujo, como criminosos.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Mara e
Jos, eseravos, este de Jos Pires e aquella de Fran-
cisco Jos da Cosa Araujo, o Io por fgido e o ul-
timo para averiguagoes sobre crime de roubo.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ma-
noel Marques da Silva e Honorato Alexandre Pedro
de Souza, para correcgiio.
A' ordem do de S. Jos, Joao e Romao, eseravos,
este de D. Josepha Francisca Migueira Pinto e
aquelle de Leoncia de Tal, o Io por fgido e o ul-
timo a requerimento do depositario do mesmo.
- 23
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chele de polica, Anlo-
nio Jos Pessoa, Seba-aio Marques de Lima, Anto-
nio Lopes da Si I a, Maooel Constantino dos Santos,
Theolonio Joaquim da Silva, Antonio Lourengo do
Nascimentoe Jos J )aquim de Mello, para recrutas.
A' ordem do subdelegado do llecife, Luiz, escra-
vo de Francisco Ribeiro Pinto, para correego.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel de Agu-
lar e Merni, peruanos, por embriaguez.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Ferreira do
Nascimenlo e Mara Joanna, por briga.
A' ordem do da Boa Vista, Manoel, escravo de
Manoel Custodio Peixoto Soares e Manoel, escravo
de Anlonio da Silva Ferreira Jnior, reqaisjcjto
de seus respectivos senhores ; e Rosa Mai ia de
Lima, para correceo.
Da 2o -
A' ordem do Exm. Sr. presidente da relago,
Manoel Carlos Leilao de Albuquerque, para respon
der a utna ordem de lubeas corpus.
presso legal em semelhante attenlado.
Neslas circumslancias encaminhei urna queixa
ao Sr. Dr. JulI municipal : era o recurso que li-
nha para dtsaggravodo meu direito assim concul-
cado.
A queixa nao tem tido o andamento que se de-
via dar-lhe. J comparecern! as teslemunhas pe-
ranle o juiz processanle, e apenas foi tomado o de-
poimento de duas.
Quero juslica e nao acho quem m'a d! Em que
estado nos acharaos !...
llecife, 2 de julho de 1863
lonoel Alces de Souza Cacalcanti.
dem de jangada...... um
Pedras de amolar .... urna
dem de filtrar ..... (
dem de reboio ..... >
Piassava........ molho
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos....... cento
Pranchoes de amarello de dous
costados....... um
dem de louro.......
Rap......... libra
Sabo ..........
Sal........... alqueire
arroba
i
>
urna
duza-
Salsa parrillia.
Sebo em rama .
dem em velas .
Sola em vaqueta. .
Taboas de amarello.
dem diversas. .
Tapiocas.........arroba
Tatajuba........quintal
Travs ........Uma
nhas de boi ......Ccnto
Vassouras de piassava ... >
Ditas de timb.......
Ditas de carnauba..... >
Vinagre.........caada
SJWOOj Pede y. S. assim delira. E^cra .
w merc.Manoel Loiz da Verga, prororafer.
_E mais nada se declarara e amara ras ra fwi-
gao que aqu est verbo ad rerbum trascripta e
copiada a qoal sendo-me apreseanda, 4 o se-
guinte despacho:
Destribuida, como reqoer. fWeiO, 4 te M
de 1865.Aranjo Barros.
E mais se nao continha era ootra *i$tm mri
se declarara e moslrara em tal topacio aani mm
bem e flelmenie transcripto e enpn*> por ^re i
qual fura feita a destribuigo ao escrivao Gmlker-
me Anlonio de Alhayde, qne esto sofeereren,
va se em seguida a certido do iheor seiminte
Cerliflco qoe sendo ne.u ridade do Rerife pro-
curado o supplicado padre Jos Aatoni nt toaaw
Lessa para o fim de effecloar a rilar. nao *-
'W*W coolrei por ser publico $ notorio ter o m*m*
87SOOO retirado para nm dos porto* do >ul, ipionn4a u
35000 qual a provincia; e para o oslar pas-o a pr---ate
25000 certido, em f de verdade.
65000; Recife, 13 de julho de 1865.- Albino de Jes
200 Bandeira, dfficial do jnizo.
45000
15000
120!
35300!
205OOO'
IO5OOO
15000
120
400
235000
35000
75000
25000
103000
85000
6|000
.300
Alandega de Pernambuco, 22 de julho de 1865.
(Assignados):
0 1.
0 conferente, Manoel Peregrino da Silva.
O 2." conferente-Jo.se liaptista Je Castro eSilva.
Approyo.-Alfandega de Pernambuco, 22 de ju-
nho de 1865.A. Eulalio
Conforme. -O 4. escripluraro, /. da Silva Bi-
tencourt Nenas.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO.
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores :No Diario de hojedeparei com
uma correspondencia assiguada por Joo da Silva
Ferreira e Joaquim Theodoro da Silva, na qual fa-
zem ver que nao andaram em minha procura para
espancar-me em virtude de dissengSes havidas no
Gabinete Porluguez de Leitura.
O meio porque o fazem nao conslitue defeza,
nem ainda desmentido o testemunho do inspector
de quarteiro que me aecmpauhou a casa, e que
depois os foi reconhecer.
Nao ponho duvida quo o Sr. Joao da Silva, certo
de fallada influencia de seu irmiio Jos Joaquim da
Silva, e o mesmo Sr. Joaquim Theodoro, durraara
descangados a sombra das leis do paz ; mas jus-
to lembrar Ihes, que aioda nao commelti um s
acto que me obrigasse a contender com pessoa^ al
guma, para ir responder aos tribunaes pelo meu
procedimento, nem gozei nunca das honras de ser
apontado como autor de disturbios e provocagoes
para desse modo alcaogar alguma celebridade.
U faci, porm, de haverem os correspondentes
declarado que linham ido aos lugares que refer
por simples passeio, razao que o bom senso pode
ou nao aceitar, assim como claro que os Srs. Joo
da Silva e Joaquim Theodoro nao viriam a impren-
sa para se declararen) meus offensores.
Entretanto, qual seria a distraego que os leva-
ra a poslarem-se defronte da porta de minha re-
sidencia s 9 e meia horas da noite ? Quem os
A' ordem dosubdelegado do Recife, Antonio Jos obrigria a relirarem-se pelo lado da mar, logo
Soares, por desi bedieneia.
A ordem do do S. Jos, Manoel Rodrigues de Car-
valho, por briga ; Joao Januario da Silva, por des-
turbios, Sewriuo Jos Correia, por crime de roubo.
A ordem do da fja Vista, Jjfio Francisco Regis
da Annonciaco, para recruta.
A' ordem d'o do Pogo, Jos Ignacio da Rocha, pa-
3 corrego.
O *efe da 2." secgao.
J. G. de Mesquita.
Casa de detexqIo. Movimento do dia2i de ju-
lho de 1,86o : '
Exisliam 361; niraram 7; sahiram 15 ; existan
3.33 a saber: nacionaes 261: mulheres 8: estran-
geiros 26 : esrangeiras 2 ; eseravos 51; escravas
3, lotal 383.
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 165.
Movimento da enfermara no dia 25 de julho
de 1865.
Tiveram baixa :
Manoel Francisco Ferreira ; conslipaco do venire.
igreja matriz desta freguezia de Santo Anlonio pe-, Joo Gongalves de Souza Travasso ; diarrha.
las 9 horas do da 27, uma missa fnebre pelo re
pouso eterno dos bravos, que suecumbiram no
combate naval de Riachuelo.
E" um acto de caridade patritica que muito exal-
ta os senliraentos generosos dos jovens, que com-
poera essa sociedade Iliteraria ; e o publico deve
.-ec.unda-los com a sua concurrencia ao aclo que
alm de religio-o, patritico.
Honrado o Sr. major Aloxandre Augusto de
Frias Villar com o commando interino do 1" bata-
lhao da guarda nacional quesera de destacar para
o sul, acaba de dirigir a seguinte proclamacao a
mesma guarda nacional, revelando assim o se'u in-
leresse pelo bom desempenho dessa commisso,
que com acert Ihe foi conlade.
t Briosos guardas nacionaes da provincia de
Pernambuco -Honrado com a nomeago que o
Exm. Sr. presidente desla provincia, Dr. Antonio
Borges Leal Cabello Branco, se dignou de confe-
rir-rne para commandar interinamente o Io bata-
Ih.lo da guarda nacional de Perucmbuco, em ex-
pedlgo para o sul do imperio, a.vos me dirijo
agora.
Briosos guardas nacionaes patria, ultraja-
da pelo selvagem do Paraguay, urge pela vossa
presenga nos campos da peleja para vingar a
affronta que o insolente e barbaro'elrangeiro, tem
feno a nossa nacionalidade, ousando manchar o
slo brasileiro, pela pralica dos mais hediondos
actos.
Sim, eeneidados I E' lempo de irmos em
soccorro de nossos irmos, lempo deitoraarmos
parte na victoria qoe aguarda o exereito brasilei-
ro contra essas hordas.de eseravos fanticos.
Nao deis lugar a que por forma alguma se
possa por em duvida dedicago do povo.pernam-
bucano, o herosmo deste povo de hroes. -Gorrei
em (nanto lendes a possibilidade de partilhar as
glorias do iriumpho, pela mais nobre, pela mais
justa e santa uas causa*, em qrranto nao-'tarde
para poderdes ornar vosas altivas frontes de v-
renles coras, que muidos de vossos irmos ja tive-
ram a dita de ringir t S+ov; que motivos podero
retardar vossos passos 00 .caminho do dever, da
honra e da gloria? Nao se.diga que o guarda na-
eiooal pernambucano precisa dos meios coercitivos
da lej, para ir em soccorro de seus irmos, vjeti.-
mas do,brbaro despotismo de um lyranno que
envergonha o slo americano, de um brbaro que
desconhece os principios humanitarios. Nao se
diga que o guarda nacional pernambucano nao se
estremece de indigna cao ao saber das atrocidades,
de oe sao victimas otros Brasileros.
t Altivos edenodados peraambucanos I Q jando
o mafnanimo defensor perpelou do Brasilabaodo-
na-se aos azares da guerra, quando dle nao recua
diante de sacrificios, quandoprocura comparti-
Ihar das privagoesdo soldado brasileiro, nao que
se dever a creditar quesurdos aos eiatnares da
patria, indifferentes a seus males, preflrireis seguir
constrangidamentes para o campo da gloria a dar-
ama demonslragSo de pairioiismo, to famkiar ao
povo nernamboeano.
/ Vosso commandante iateriao confia de vossos
honrosos precedentes, de vo;so acrisolado amor
patria, que nao perderis tao bella occasio de vos
ennDbrecer aos olhos do mundo ; elle espera que,
certos de sua sollcitude pamroal, nao vacillaren
ura s momento em acompanha-lo para a consecu-
go dos louros, de qne sois dgaos.
Pernaiubucanos guardas nacionaes! Honrai
o nomo pernambucano ; moscrai-vos, como o ten-
des sernpre feito, verdadeiros brasileros.
Recife, 25 de julho de 1863.
Alexandre Augusto Frias Villar.
Antonio da Silveira Sa Barreto : clica.
'..H'-l
que sentiram aproximar-seo inspector ?
Voliando segunda vez ra da Praia quem os
obrigria a evadirem-se logo que ouvirain apilar
duas vezes ao mesmo inspector ?... Seria pbrven-
tura a boa IntencSo de que .se achavam possui-
, dos T...
Nao duvido, pois, dos bons sentimentos dos cor-
respondentes, o que me admira sim, sao as coin-
, cidencias que se deram antes do facto sjbre as
, suas innocentes pessoas, cujos bons desejos se re-
I levara no tlnal de seu artigo pelo amor que tem a
minha pelle.
Bom foi ainda, que declarassem serem as embos-
1 cadas o expediente dos desordeiros e despresiveis,
' e_que dahi tirem, os que o forera, concluso do
I desacato que se deu na ra do Imperador, para
i que se nao reproduzam scenas idnticas.
Tenho, pois, terminado, e se volto imprensa
; smenle obngado pelas palavras dos corresponden-
tes, o que farei sernpre que me for necessario, pa-
ra miuha tranquilidade.
Sou, Srs. redactores, seu constante leitor
Franttco Jos de Magalhes.
Recife, 25 de julho de 1865.
Srs. Redactores.Nao ha nada que mais auda-
cioso torne o individuo do que a nnpunidade dos
crimes que ciummette.
Li ante-hontem una pequea cdtrespondencia
assignada de cruz por Isidoro Mascarenhas, subde-
legado de Flores ( 11 I), que me convenceu desta
verdade I Isidoro vem ameagando esraagar todo o
mundo com a justificago dos crimes, que .Ihe at-
tribuem, e por esta occasio basopheia que ha quem
viva aqui contrariado com a continuaco da actual
ordem de cousas em Flores, onde j nao crusam,
com outr'ora, os criminosos dentro da propria vil-
la I Que audacia de Isidoro cu de seus prolectores
que Ihe faz-ra assignar o que elle nao inlende!
Quera ser que se oceupe da pessa de Isidoro
Mascarenhas, nem mesmo aquelles a quem elle ca-
loteou no Pao d'Alho, em cujos carlorios existem
ao governo para commandar a forga de guardas processos crimes em que figura o nome de Isidoro,
nacionaes que houvesse de destacar all, einquanto como atilor da morte deum espoleta do finadoBai-
durasse a guerra, renunciando o sold, em attengo xa de Agua Fria ?
s extraordinarias despezas que actualmenle pesara [ Quem nao sabe que na "villa da Barra do Jardim
sobre jo estado e para as quaes coleado que todo o assassioou elle lambem a outro individuo, como
cidado amante de seu paiz deve concorrer. i na lempo publicou por este Diario um Sr. Melcbi-
S. Ese., o Sr. presidente da provincia a quem sedeck ?
decima dos nredios ns. 13, 15,17, 19, e 21 da" ra
do Destino (Boa-Vista).
Atnioistrador legal deste predios por constituir o
dol de minha mulher, sou o nico competente pa-
ra tratar de todas os negocios e de todas &squusles
que Ihe forem relativos.
Nao acceitarei reclamago alguma que se funda-
mente em a ignoroncia desta roinba declarago.
Recife, 2*4e julho de 1863.
floriano Jos de Miranda.
Rendimento do dia 1
Idem do dia 25......
a 21..
35:0215053
8165176
34:837*131
CONSULADO PROVINCIA!
Rendimento do dial a 21......
dem do dia 23......,.......
99:5085324
8765273
100:3845597
COMMEBCIO.
Gaixa filial do ha neo do Brasil em
l'r na 111 lineo.
A directora desla caia saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de pernambuco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagara o 1 dividendo de dita massa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
meltidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
Vovo banco de Pernam-
buco.
O banco descoma letras na presente semana a
por cento ao anno at o prazo de seis mezes,
Brasil
Caixa filial do banco do
cm Pernambuco.
De ordem da directora desta caixa se faz publi-
co aos senhores accionistas, que o respectivo the-
soureiro esl aulorisado a pagar o 23 dividendo
do semestre lindo em30 de juuho ultimo a razo
de 125 por aegao.
Caixa filial do banco do Brasil 15 de julho de
I860.
. 0 guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
ALFANDEGA.
Iteudimento do dia 1 a 24......
dem do dia 25...............
MOVIMENTO SO PORTO
Navios entrados no dia 25.
Liverpool por Lisboa 23 das e do ultimo porto
16Vapor inglez Gladiador, de 467 toneladas,
rapilo I. Guan, uquipagem 17, carga fazendas,
a Thomaz Jeffenes & C.
Araeaj e portos intermedios4 dias, vapor nacio-
nal Parahiba, de 104 toneladas equipagem
17, commandante J. J. Martins.
Navio saludo no mesmo dia
LisboaBrgue porluguez Relmpago, capilo Joo
E. da Silveira, carga assucar.
EDITAES.
405:3975716
MOVIMENTO DA ALFADE'JA.
Volurnes entrados com fazendas----- 53
com gneros..... 433
Volumes sabidos rom fazendas.
com gneros..
COMMNIOABQS.
Prepotencias de Pao-ti'a I lio.
Todos os dias aecuraulara-se novos factos, que
traduzem em caracteres de alto relevo o estado de
desorganisago e anarchia, em que nos acharaos.
Pego ao publico que me dispense ura poucode
allengao para o que vou expr. E' mais um caso
de violago escaodalosa de direitos e regalas cons-
tilucionaes, que se commeite impunemente, avista
e face das autoridades constituidas, contra o cida-
do pacifico, por motivos cuja narraco enche de
indignagaj e espanio a quem os ouvir.
Em principio do crreme anno, como official do
batalhao n. i6 aa guarda nacional de Po-d'Alho,
onde sou proprielano e commercianle, offereci-me
communiquei essa resolugo, aeeitou o men offere-
cimento, oflicando ao Sr. commandante superior
para aproveitar os meus servigos, quando elles fos-
sera necessarios.
Nao sabia eu, e nem podia suppr, que tinha
com isso criado difliculda les ao arranjo de algum
alhado, que se quizesse por no commando do des
tacamente para auferir as respectivas vanlagens
pecuniarias, na alta de oulro meio de vida; nem
que dahi me resullasse despeno e animosidade da
parte de meus superiores, a quem, pelo contrario,
eslava persuadido que o meu procedimeoto tivesse
agradado.
Estamos, porm,-em uma quadra em queeerlas
conveniencias parlinulares e mesquinbas
Oh que audacia de Isidoro I Mas os seus protec
tores, que bem conhecidos sao, nao imaginero ficar
as irevas, ou por detraz de Isidoro; ho de ser
patenteados para que o publico possa avaliar quaes
sao os homens d'aqui, e la de Flores, que se ser-
vem de Isidoro para seus lins.
Eslejam certos qoe bravatas de faccinoroso nao
aterra m. O Sr. Jos Roberto ha de responder op-
portooameote a Isidoro; o Sr. Jos Roberto nao
lem crimes.
I. M. A.
Srs redactores.Tendo o anno atrazado me
resolvido a vender o meu escravo cabra de nome
Vicente, entendi-me com o Sr. lente Jos dos
Descarregam uo dia 26 do correte.
Rrigue sueco Oiicnrfariuna de trigo.
Brigue austraco Soutvmr du Havreidem.
Vapor inglezGladiatordiversos gneros.
Barca ingleza Hidalgo ferro.
Brigue inglez/Jdifnsfonmercadorias.
Brigue nacional Pernambucano diveasos g-
neros.
Escuna portuguezaD. J0S0charque.
Brigue nacionalCardiaidem.
Escuna diuamarquezaDoranaidem
Briguo hdspanholaVigilanteidem.
Barca inglezaMary Lordcarvo.
Brigue iuglezZone dem.
Brigue inglezi4)in Stamsland-'d i versos gneros.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
pauta dos iraegos DOS gneros sujeitos a direitos
DE EXPORTAQAO.SEMANA DE 24 A 29 DO MEZ DE
JULHO DE 1865.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos......... cento
Agurdente de cana .... caada
dem reslilada ou do reino
Idem caxaca....... >
dem genebra.......
dem alcool ou espirito de agua-
ardente ........
Algodo em caroco .... arroba
dem era rama o em laa t *
Arroz com casca..... e
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado .... .
dem branco....... <
dem refinado ...... <
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ........
dem de coco......
dem de mamona ....
Batatas alimenticias ....
Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
dem fina........ >
Caf bom .......
Idem esculla ou restolho. >
dem torrado...... libra
O Illm. Sr. inspector da thsouraria provin-
cial, em cumprimenio da ordem do Exm. Sr. pre-
siden e da provincia de 17 do crreme, manda fa-
zer publico, que a junta da fezenda da mesma the-
sourana recebe qualquer proposta acerca da ar-
rematago da fabrica de reiinar assucar na povoa-
go do Monteiro, aida musmo por venda a pjaso-
Os preteudentes comparegam na mesma thesou.
rana at o da 3 de agosto prximo futuro.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 19 de julho de 1865.O secretario.
A. F, d'Annuuciagoo.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
em cumprimeuto da resolugo da junta de fazenda,
manda fazer publico, que no dia 27 do correle
vai novamente a praga, para ser arrematado a
quem mais der, um telheiro que existe junto a
I ponle do Molucolomb, sersiudo de base arrema-
wn tion-n la'10 a quautia de 255000 offerecida por dous iici-
1^.^/9^3441 para C0IS|ar S3 niandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria proviucial de Pernam-
buco, 21 de julho de 1865.
O secrelarlo
A. F. d'Annunciaeao.
Pela thesouraria provincial se laz publico, que
a arrematago da obra da concluso da casa da
cmara e rada da villa do Bonito, foi transferida
para o dia 3 de agosto prximo viudouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de julho de 1865.
O secretario
A. F. d'Annumiarao.
O illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda fazer publico que no
dia 17 de agosto prximo vindouro, peranle a jun-
ta de fazenda da mesma thesouraria, se ha de ar-
rematar a quem por menos lizer, os reparos de
2,095 bragas correntes na estrada do sul, do marvo
8.000 bragas at o porlo da barreira da ponte
dos Carvalhos, aveliados em 5:3135000.
A arrematado ser feita. na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
gao, comparegam na sala das sesss da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
------- 486
71
295
------- 360!
15300
800
800
400
800
900
E em consequencia de tal certido foi-me MU a
replica sepilite:
Ilim. Sr. Dr. joiz municipal da f vara. N ">
estando nesla cidade o .-upplirado padre JW Amo-
nio dos Sanios Lesa, como se v<- da rertido do
oflicial, requrr o supphcante a V. S. digae-s* mas-
dar passar carta de edito* para ser rile nu*..
admiltindo-se ao suppliranie justiRraco da au-
sencia do supplicado na forma da I i.
Pede a V. S. digne-se deenr-lhe.
Espera reeeber n.erc. Manoel Loiz da Veifa,
procurador.
Nada mais se declarara e mostrara rra dita re-
plica, qne aqni fica moi bem o fielmenfc* tras-
cripta e copiada, a qual obteve o de^pacli., se-
grate :
Sim. Recife, 15 de julho de 1865.A rao jo
Barros.
E por forga de dito despacho o petiCK sentou suas teslemunhas, que deozeram imtktem-
teinenle acerca da ausencia do justificado, s*ado
devidamente sellados e preparados os aoto, t>-
ram-me conclusos, e nos mesmos termos dei e pa:ei
a se Menga do iheor segrate:
Julgo por senleoga e jus:ifirada a ausencia do
reo citado; passe-se em roo*eqa<*neia carta 4
edilos para ser o mesmo reo rilado rom o praso da
lei..
As cusas sern alladidas atinal.
Recife, 19 de julho de 186'.Francisco d'Aravjo
Barros.
E mais seno continha e era fotra Urania
cousa se declarara e mostrara em dita -enieoga,
que aqui fica ipsis verbu transcripta e co-
piada.
E em virlude da mesma o ecrivo, qoe esta
subscreveu, fez passar o presente eom o praso de
30 dias para por elle ser citado o justificado aumen-
te padre Jos Antonio dos Saatos Lesea, aflm*>
que dentro do annunciado praso eomparera n-ste
juizo para allegar o que fr a bem de seo direito e
jusliga sobre o cometido da petico ne>te traarria-
ta, sob pena de revelia; portante toda e i)oali|oer
pessoa prenle, amigo ou Mohecido do mi n au
ausente poder lhe-ha fazer scienTe de lodo ei-
pendido.
E para que a todos chegne a noticia, maadei
passar editae-, que sero afiliados nos logares ato
costme e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife capital da
provincia de Pernambuco, aos 22 dias do mez >
julho do anno do nascimenlo de Nosso Si-afear
Jess Christo de 1865, i|iidragesiroo qoairo aa
indepencia e do imperio do Brasil.
Eu Gtiilherme Augurio de Alhavde, esenvo o
subscrevi.
Froncisro de Aranjo B-trm%.
O Dr. Tristo de Alencar Arahpe, t
da imperial ordem da Rosa, joiz de d>rei-
to especial do commercio de>la cida-le de
Recife de Pernambuco e sea ierro*i, por
Sua Magcstade Imperial e constilnrional.
o Sr. D. Pedro 11, a quem Dos guarde
etc.
Fago saber pelo presente qm, no dia 26 fe avz
crreme, s 11 horas do dia, na salados aoditoriw,
lera lugar a rennio dos credores da massa fjilida
de Anlonio Emygdio Ribeiro, afirn de se proceder
a nomeago de depositario da dila massa. is* ser
interino o que ora exerce : portante sao coaToca-
dos os respectivos credo res a coso par ece-rm ao
dia, hora e lugar cima desigoados, para o lint ci-
ma dito.
E para que o presente chegoe ao roolWimealc
i de todos, ser publicado pela imprensa e a laxado
{ na forma do eMylo.
Cidade do Recife, 22 de julho de 1865.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Xasciuieato, es-
crivo o subscrevi.
Trulo de Alencar Arartpe.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provia-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sideute da provincia, manda fazer poaiim, ao*: ac
dia 3 de agosto prximo vindouro, peraoie a junta
da fazenda, da mesma thesouraria, se ha d> arre-
matar, a quem por menos nzera obra do rtaaedra-
niento, na extenso de 155 bragas no lanco da es-
trada de Bujary a cidade dcGoiaota, avallada en
1:3645000.
A arrematago sera feita na forma da lei piavia-
cial n. 343 de 15 de mato de 1845, e so as clausu-
las especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propuzerem a essa arremata-
go comparegam na sala das sesses da referida
junta, no dia cima mencionado pelo meio da e
Secretaria da Ihesouraria pro incial de Pernam-1 competentemente habilitadas.
Caibros........um
buco 13 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. d'Annunciagao.
Clausulasespecaes para a arremaiago.
1" As obras dos reparos da estrada e embarrea-
mento, entre o marco de 8,000 bragas e a barn-i-
(i5/o0 ra da ponte dos Cirvalhos ua estrada do sui, sero
195000 fcitas de conformidade com o orcameMo junto na
15300 importancia de 5:31.15.
25C00 2* O arrematante dever principiar as mencio-
25000 nadas obras no praso d 15 dias e concluilas no
35300 de 5 mezes, ambos contados da dala da approva-
55120 gao da arrematago
3" 0 pagamente ser realisado como determina
25000 o artigo 79 do regulameoto de 9 de julho de 1864
15600 e a respoisabilidade da entrega definitiva s ser
15000 applicavel aos calgaments e aterro* dos mangues,
arroba 15200 j 4* Para ludo o mais que nao se tem especifica-
do as prsenles clausulas, seguir-se-ha o que de-
termina o regulameoto cima citado.
ConformeA. F. d'Annunciagao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
em cumprimenlo da ordem do Exm Sr. presiden-
te da provincia, manda fazer publico que no dia
caada
e mesquindas assumem
tal importancia, que grande perigo aTrootalas, Saptos Silva Jnior, morador nairegzia'de Pa-
anda que se v servir a interesses pblicosos: nellas, e a elle passei procurago bastante com Do-
mis relevantes. 1 deres especiaes para o iudicado lm ; realisada a
Orgaoisando-se o destacamenlo para eujo com- venda, ajustei conlas com o mesmo Sr teneule
mando tinha-me oflereoido gratuitamente, nao foi Santos, a quem passei recifto de quite
sera sorpresa que soube da nomeago de Francisco' Era isto para mim um negocio inieiramenle aca-
Xavier Alves Quintal, arvorado ern sargento, sem bado, e nao foi seno com grande admirago de
Cal
dem branca ....
Carne secca (xarque) .
Carneiros ......
Carvo vegetal ....
Cavernas de sicupira .
Cera de carnauba em bruto.
jdem idem em velas .
Cha ........
Charutos ......
Cevados (porcos).....um
Cocos (seceos)......cenlo
Colla ....
Couros de boi, salgados_,. .
dem idem seceos espichados
dem idem verdes ... .
Idem idem cabra eortidos .
dem idem de onga .
Doces seceos .....* i0ra
dem em gela ou massa
dem em calda ..... ,
Espanadores grandes um
dem pequeos...... 1
Esteiras para forro de estivas
de navio........cento
arroba
alqueire
arroba
arroba
um
arroba
uma
libra
>
cento
libra

>
um
mente lomava o encargo de exercer as mesmas d.de Fui enlo informado nao soda exigencia
funegoes sem o menor dispendio dos cofres pu- desse processo imaginario, como de mais quatro ou
b"os'. y-'. ine, oor iguaes frioleiras, que a arma da intriga
Seoli, verdade, perder o ensejo em que quena e mordaz calumnia havia improvisado para des-
realisar uma pequea coadjuvaeio grande cansa eonceiuur aquelle digno senhor, de quem se que- Estopa nacional
nacional que se disputa no sul do imperio, mas res- ra tomar uma vinganga solemne por se ter atre-' Farinha de de mandioca
lava-rae a confidencia de haver cumprido o meu vido, como juiz de paz em Paoellas, proeeder alli, I dem de araruta '
dever'e ... w ,LI com seus numerosos amigos, uma duplcala elei- Feijao de qualquer qudlidade
Ao Sr. tenente^oronel commandante do batalhao toral. Frechaes hww
aj suecedia o mesmo : S. S. nao podia descoohe- Nlsto est tmente a decifrago do grande en- Fumo em tolh'a bom '
cer o erro em qne cahira, devendo ler eonsciencia me do Sr. lente Santos, e nao nos factos que dem ordinario'ou restolho'
de que mal servia ao seu paiz, deixando-se' cegar Ihe emprestramos seos rancorosos desaffectos eo- dem em rolo bom
pelo patronato em um objecto que deveria ejeilar-. mo se y desse eseravo Vicente, que allego dem ordinario ou restolho
Ihe somenie os sentimentos de justica e de patrio- E' por isso 6rs. redactores, que me nao envolvo Gallinhas nma
tsmo, de que Ihe Incumbe dar exemplo. em leigdes : moro no termo de Caruar, a expe- Gomraa .....arroba
Recebeodo eu, posteriormente, ordam para tirar' rienda me tem Jeito connecer as cousas e os eos- Ipecacuanha (raz) ,
de minha companhia as prsgag que devessem des-! lumes da ierra ; nao quero porlaoto me expor ao Lenha em achas cento
laear durante o mez de maio, fiz notifcalas em nu- i risco de soffrer proceisos pelo crime de lerem azas Toros
mero de trinla, para ficarem dezeseis; que era de | as moscas, e oulras trivialidades semelhantes. Linhas e es'teis
35000
75000
75400
65000
440
360
280
500
35200
|45000
15000
35000
300
300
15500
25300
135000
65000
600
155
240
105
350
105000
15000
320
500
45000
25OOO
E para constar se mandou publicar o Brescase
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 4 de julho de 1865.
O secretario
A. F. da Annnnetar.
Clausulas especiaes para a arrematara.).
1." Empedramento de 185 bracas corrales n
lanco da estrada de Bujary a Goiaaoa aa impor-
tancia de 1:3645000. -era feno de coafdfmidaaV
com o respectivo orgamenio, e as iostrorgoe* aV
engenheiro encarregado da liscalisacao dos traba-
dlos.
2.* Os pagamenlos sero feitos em doas presta
g5es ignaes, a priiheira i|uando e*tiver exeinta*.
melade de lodo o servico : e a oliima aa coacias)
do irabalho.
3.* O arrematante comegar os trabalbo* al a
dia 1. de setemhro e os concluir al o nlliasa 4a
oulubro do crreme anno.
4.a O arrematante nao lera direito a iademni->a-
go alguma, qualquer que se ja a aaioreza da aa-
gago, salvo nos casos previstos por lei.
5.' Era ludo o mais qoe nao vai especificado <
f
um
arroba
1
quanlas se compuoha o destacamento. Os guardas
notiBcado que, em.vez-de se dirigirem a mim,
recorreram ao Sr. commandante, foram todo* dis-
Coneluo, Srs. redactores, podendo afflrmar que Mel ou melago
sendo bem conhecido o carcter probo e respaila- Milho .
TOl do muito digno Sr. teoente Jos da Costa, elle Papagaios '
um
155000
15600
25500
45OOO
25800
55OOO
145000
85000
85090
55000
600
255000
25000
115000
27 do correte, peranle a junta da fazenda da mes-1 presentes clausulas, sagoir-se-ha o qne afeada a ra-
ma thesouraria, vai novamente a praga para ser! gulamento de 9 de julho de 1864.
caada
arroba
nm
pensados, sem qoe eu fosse onvido se nao a respei- por certo nao necessila de miaba fraea voz par Pao Brasil' !!!!!!.' quintal
arremalado a quem por menos lizer o fornecimento
dos medicamentos e utencis precisos a enfermara
da casa de detengo desta cidade, servindo de base |
a arrematago e offerecimenlo de 20 % de abate
nos pregos do respectivo formulario, feito pelo lid-
iante Jos da Cruz Santos.
A arrematago ser feita por lempo de 11 mezes
a contar do 1 de agosto prximo vindouro.
E para constar se mandou 'publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 14 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. da Annunciago.
O Dr. Francisco de Araujo Barros cavaleiro da
imperial ordem da Rosa e jniz municipal da
2* vara do eivel e crime desta cidade do Reci-
fe e seu termo capital da provincia de Per-
nambuco por S. M. Imperial e Constitucional
o Sr. D. Pedro II que Deus guarde etr.
Fago saber pelo presente, qne o vigario capitular
desta diocese por seu procurador o solicitador Ma-
noel Luiz da Velga me dirigi a petico do theor
seguinte:
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 2' vara.O viga-
rio capitular desla diocese quer fazer cilar o Rv.
Jos Antonio dos Santos Lessa para na primeira
audiencia deste juiro vir reconhecer a sua firma e
obrigago exaradas no titulo junto, pelo qaal est
obrigado a entregar a quanlia de 3:0005000, para
cumprimenlo de certas disposigoes feilas pelo falle-
cido Exm. bispo e coja realisago cumpre ao sup-
phcante promover, uma vez que aquelle dloheiro
perlence a caixa pia, da qual elle o legitimo
^nnn adm,Dls ver-se como reconhecidas a mesma firma e obriga-
go a revelia do supplicado, assignandj-se-lbe os
, d" di2f da le Para entregar a referida quaotia de
"?^ 0:0005000, sendo aflnal nella condemnado e as
^casias quando nao entregar nos referidos dez
900 dias.
IWSSl I Re9uer Ps a v- S. se digne mandar citar o
55000 supplicado na forma requerida.
Conforme.A. F. ia Annuneaco,
DECLulAgOJUr
Convidase as pessoas que esto as 1
ees d.i servigo militar, a rngajarem ao e. rao i
polica e gozarera das vantageos da lei provincia
n. 611 (1: 2 de maio prximo passado, qoe >o as
seguinies: 54 oors. diarios de sold, serem seas
linios menores recolhidos aos rrlihrltxiaialoa
pr ,vinciaes de educago o lempo qoe eslivereai
na gu-rra ser contado pelo duplo para o caaaaa
aposeotadoria, e a m destas, lem todas aa aaaai
vanlagens que sao concedidas aos voiaatariaa ia
patria.O leiienle-corooel commandante
po de polic a, Alexandre de Barros 1
que.
Arsenal de guerra.
0 eonselho de compras do arsenal de
precisa comprar para a eseriptaraeao to __
arsenal, em virtude da ordem da presrdaana a*
.10 de juoho lindo o segrale :
1 livro de 200 folhas.
taerra
i dito de 110.
4 ditos de 100.
2 ditos de 80.
1 dito de 60.
5 ditos de 40.
4 ditos de 3a
2 ditos de 16.
Em virtude da ordem
corrate contrata-se os
ra a enfermara dos aprendaos
seal.
As pessoas qne quizerem vi
apresentem suas propostas aa
dia 26 do correle, as 11 horas i dia.
Sala do eonselho de compras do
ra, 13 de julho de 1865.
O eacarregao aa _
Manoel Jos de
dolido
fes
,,.-......-
.:----Bi l ...


MF*'

Diarto de rcmakuco .- Onari,i (riw ttt de **ike ele 49
^lnt'l (Visifi Ha M'i IJ.MUU yjilTSd lid illlobl Il/Ul Ul lecimentos decaridado e ja para os' collegios de
do Recifo.
I orphaos, sen lo tambem aceitas as propostas rea-
uvas someote a carne verde que houver de con-
A lllm.* junta administrativa da Santa Casa da' sumir os hospitaes Pedro II e dos Lazaros e casa
Misericordia do R>-cife, manda fazer publico que! dos expostos. Reeommeodvsa aos Srs. concor-
no da 27 do eorreme (telas 4 turas da tarde, na rentes que observem as propostas que apresenta-
sala de raen sesses tem de ir i praca por tempo rem a ordem, peso, rae
de 1 a 3 asos, as rendas das casas abaixo deca- das na relacao dos gene
radas, de vendo os pretndeme* comparecer acom- Nesta secretaria se dao os esclarecimeutos, de
pandados de seas.Dadores ou munidos de cartas que precisarem os mesmis concurrentes, os quaes
destes. no acto da arrematado deverao comparecer com
Manda ainda a Illm. junta scientiOcar aos seus fiadores ou munidos de cartas destes, que -
acluaes inquittnos das mesmas casas, que, se no carao responsaveis pelo iuteiro cumprimento dos
prazo de 13 dias contados da data deste nao se respectivos contratos.
COMPANfiU BlASILEIRA
DE
PAQUETES V VAPOR
Dos portos do sul espera-
as propostas que aprsenla- lidas e qualidades Indica- V '^'.'-r-T^. |or Cruzeiro do Sul, comman-
eros cima descriplos. -.',-.
lo, mesas, 1 candelabro, 2 pa es de lanf?nn
caudieiros a gaz, e outros objectos de goslo.
Sexta-fcir 27 do eorrente as itf h->ra
Cordeiro Simoes far leo dos objectos cima
mencionados no armazem a ma da Cruz n 57.
Na mesma occa-do vender urna bomba de'
Japy.
dante Alcoforado, o qual depois HM
da demora do coituma seguir
para os portos do norte.
Desdej recehem se passageiros e engaja-se a--------
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia d i sabida as 2 ho-

i?ISOS DITOSOS.
.apresentarera para renovarem os seos arrenda- Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re- ras da tarde : agencia roa da Cruz n. I, escripto-
rio de Antonio Ldiz de Oliveira Azevedo & C. _
eOMP&HlU BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
al o dia 6 de agosto, o vapor
Paran, commandante o capito
mentos, sero nao s dellas despejados, como que cife 21 de julho de 1865.
*e cobraro os respectivos alugueis pelos presos O escrivio,
constantes desta edital, como j foi precisamente F. A. Cavalcauti Cousseiro.
Arsenal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
Ruadas Larangeiras.
Casa terrea n. i particular e 17 pu
blieo..........2065000
Ra do Rangel.
dem n. C particular e 55 publico. .
Ra lo Rosario da Roa-Vista,
dem n. 14 par.iculare 58 publico. .
Ra do Amorini.
Hdem n. 56 particular e 21 publico. .
Ra do Azeile de Peixe.
dem n. 63 particular e 14 publico. .
Ra da Cacimba,
dem n. 6o particular e 5 publico. .
dem n. 67 particular e 10 publico.
Ra do Vigario.
Sobrado de 2 au jares n. 72 particular
e 27 publio........
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 76 particular
e 11 publico........9003000
dem idem n. 77 particular e 13 pu-
blico.......... 9003000
Ra da Senzala Velha.
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico..........200,3000
3005000
1683000
963000
6003000
1443000
835000
5003000
dem n. 82 particular e 16 publico.
Ra da Guia.
dem n. 84 particular e 29 publico. .
Ra da Cruz.
Sobrado da 2 andares n. 87 particular
e 11 publico.......
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 92 particular e 103 pu-
blico...........
dem n. 93 particular e 101 publico. .
dem n.94 particular e 99 publico. .
dem n. 97 particular o 110 publico.
dem n. 100 particular e 104 publico.
dem n. 101 particular e 102 publico.
I! mi a. 105 particular e 94 publico...
Secretaria da Santa Casa
llecife 20 de julho de 1865.
precisa comprar para o Io balalhio de guarda na-
cional que tem de destacar para o sul, em virtude
da ordem da presidencia de 19 do corrente, o se-
guinte :
2 livros de 200 folhas para registro geral.
9 ditos ooot ti olli..-.
10 ditos com 100 folhas.
10 ditos com 50 folln-.
1 dito com 20 fulnas, pequeo.
2 talins de cauro de lustre.
26 cnrdSes de Ifla para canudos de inferiores.
1 bandeira imperial i-.mii aste a langa.
1 porte para a mesma.
i capa de oleado para a dita.
1 dita de brim para a dita.
17 cornetas de toque com pnnto e volta.
27 bonets para msicos.
27 charlateiras para os ditos.
800 grvalas de sola de lastre.
27 bandas de lia..
2 coroas para divisas de sargento, ajudante
quarielmestre.
20 malas forradas de sola.
1 dita dita com tres fechaduras differentes.
2 espadas de metal para sargento-ajudanle e
1443000 quartel-mestre.
800 mantas de la.
5,600 covados de panno azul para capotes.
4,000 ditos para blusas.
195 ditos alvadio.
130 ditos casemira encarnada.
2,800 ditos baia encarnada.
600 varas de brim branco.
1,850 dilas algodSozinho.
266 ditas aniagem.
54 ditas galo de prata de 1 polegadi.
14 varas de galo de 1|2 polegada.
As pissoas que quizerem vender ditos arligos
de Misericordia"do apresentem suas propo-tas na sala do conselho de
compras, as II horas do da 26 do corrente, acoiu-
AVISO
Os Sis correspondentes s
i'Ssiijnanles deste Diario, no
centro da provincia c as de
mais dt> imperio, quei>am
mandar satisfazer o importe
da assignutura paro &Q ha
de fragata Antonio Joaquim de V$t interrUpCC) na remessa
Santa Barbara, o qual depois da
costume seguir' para os portos do
2005000
8825000
2005000'
2005000
2555000
2003000
2003000
2003000
2005000
O escrivo, panbadas da respectiva amostra, sendo que para
F. A. Cavalcanti Cousseiro. os livros devera' procurar aqui qual as dimensoes;
declarase
-JC que os objectos que sao de pura materia
- O abaixo ass.gnado. lancador da recebedona a deverao ser rec.lhi.KM no da immediato ao
de rendas internas geraes, tendo de dar principio do Pontrat0 eos mais al o dia 0 do futuro mez.
no da 17 do corrente mez aos trabalhos do lanca- Con<(l|ho'd(, compras do arsenal de guerra 20
maulo do bairro do Recite, de conformidade com ... d .og-
o art. 37 e seus do decrao de 17 de marco de '' Q enearregado da escripturacao
18b->, dos impostos a que estao sujeitos as lejas e Man0(>, Jos de_ AzdVe.1o S
demora
sul.
Desde j recehemse passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada uo dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sabida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. I, escriptorio de
i Antogio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o jiio de Janeiro.
pretende seguir com muita brev.dade o patacho
nacional Regulo, tem p.na de sen car rega ment
engajado, e para o resto'que Iha filia e escravo* a
frete, trata se eotn os seus consignatarios Adlonio
Luiz de Oliveira Azevedo ra da Cruz n. 1.__________________^____
Para o Para, rom -scala Mo Maranhao, pre
tende sabir em poueos das o lugre Emilia, capi-
to Bernardino Rodrigues de Almeid, tem a
maior parte da carga tratada, e para o resto que
ihes falta, tratase com o consignatario Joaquim ,j0 Rosario da frcgoezi de Santo Antonio.
i SSSSSi lMU' "a fUa ,8ar' "' 0s bill,el0S- ,eiOS e (IUarl0S eSir, 3 Ven"
--------OOMPANHiAPEaNAMBOeAKA------ da na 'especliva tl.esouraria a ra do Gres-
DE po numero 15,
V'avcurtCo costeira por vapor. Os premios de 0:000^000 at IO5O00
Por ordem superior lica trans- serao pagos unta hora depoi da extracf?ao
fenda para o dia 5 de agosto pro- at as t horas da larde, e os outros depois
ximo, as 10 horas da manha, a fa tiistribugao das listas.
As encotmnetidas s rao guardadas so-
mente al a noite da vespera da extraegao
como de costume.
Servindo de thesonreiro,
Jos Rodrigues de Souza
Silvestre Correia de Carvalho retirase para
fra da provincia.
. O Sr. Arei>io Antonio Cnwwiro da
Cunha Miranda queira dirigir-se a prat;a da
Indepoiideacia n. C e 8," que se precisa
rallur. ____
Mi'
Ainda s^ precisa de urna ama forra para casa
de ponra familia, para comprar, cosinhar e en.
gommar pouco : no pateo d S. Pedro n. 3, sobrado-
LOTERA
AOS 6:000#00.
Salibado 29 do corrente mez. se extrahi-
r a 5 parle da 4a e Ia da 5a lotera foa)
a beneficio da Santa Casa de Misericordia
no consistorio 4a igreja de Nossa Senhoia
Gasa ileoaubo
Largo do Carato a. 26.
E-te estHlielrcimerlo to bem montado na sua
ongein achava se de ha muitoem quasi compl-t)
abandono pelo pouco mleresse de >ua admiuis
tracao.
Hoje que-o novopr.-pnetario empregou todos os
iim.m. s para re.-fjieierer a grande utilidde deste
estabelccimento, pode assegurar ao publico que
quaiquex que seja o numero dos concurrentes
acharo desde j promptldao e aceio nos banhos
frios, momos ou mediclnaes, a casa dos banhos se
achara aberta todos os das das 6 horas da manhaa
as 11 da noite.
Precos.
llanho de choque...... 500
uilo trio ou uiorno..... 500
Dito de fareho.......13000
Dito medicinal ser se-
gundo sua qnalldade.
Asignatura.,
Por mez banho fri ou morno...
25 carioes para banho fri, mor-
no ou de chuvisco..........
12 cirlSes para os mesmos....
12 ditos para bail i de farellu.
1030
103000
330i)0
105000
partida de um dos vapires da
companhia para o presidio de
Fernando de"oronha. A carga ser recebida at
O dia 4. Encommendas, passageiros e dinheiro a
frete al 9 oras do dia da sahida : escriptorio no
Forte do Matlos n. 1.
casas rommerciaes, e nutras de diversas classes e
denomin?.co.--s, avisa aos donos dos respectivos es-
tabelecimtiitos, qiie tenham presentes no acto da
cotcela os recibos e papis de arrendamento de
suas casas, visto que ellos tero de servir de base
ao processo do mesmo laucamente, o qual princi
piar as sejjuint.'S ras: caes da alfandega, la
g.) da mesma, arco di Coticeicao, Cadeia, Cruz,
Linsoeta, Torres, becco do Abren, Tanoeiros, Tra-
piche praca do Commercio e Vigario.
Jos Theodoro de Sena.
O administrador da recebedona de rendas
mi mas geraes f publico, que em virtude da al-
teracio 3" do decreto 2719 de 31 de dezeinbro iVe
1860, nao julgando conveniente que conlinuem
em poder dos cobradores ns conhecimentos do !
semestre do exercicio de 1864 1865 dos impostos
Santos.
aneuia tacan.
Pcrante o Sr. julz de paz do Io dislricto da fre-
guezia da Boa-Vista tem de ser arrematado em
hasta publica, no dia 26 do corrente, um cavaljo
"" ru?o penhorado a Ricardo Austin, por execuco
r" que contra o mesmo movein C Starr & C, sendo
Para o Rio da Prata oh 18io
Cirantlc
Frela-se a barca nacional Reslaurucao : a tra-
lar com os seus consignatarios Antonio Luti de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio roa da
Cruz n. I. ____....._.
Couipauhiadas Mcnsageries Im-
periales
O Sr Manoel Alves de Souza Caval-
canti lem urna carta na livraria n. 6 e S da
praca da independencia.
Christovo Guilhe*nie Breckerifeld,
e seus Btb'os, convidan) e pedem a
seus amigos e aos amigos de &eu mul-
to presado filho eirmo o major Chris-
tovo Guillierme Krenckenfeld, que
lalleceu na cidade do Itio Grande do
Sul em junho ultimo, para assistirem
a missa e memento que se rezar pela
alma daquelle finado, na igrtja do con-
vento de Nossa Sentiora do Carmo,
amanhai 27 do corrente, quiuta-feira,
pelas 7 horas da .nanha.
Antonio Martina da Silva Campos aerade-
re a todas as peasoasque se dign.iram acom-
pandaros restos moraos de sua mu presa-
da consorte l)oroiha Phdomena Raposo
Campos, ao remiterio, o ao mesmo lempo
convida-os a as-istirein a urna nussa, que
por alma da mesma lera levar na ipjinta
feira pelas 5 horas da inanhib, uo couvcuto
de S. Francisco desta cidade.
Urna esarva
que
esta a ultima praga : qtin pretender arrematar
dito cavallo, pd examina-io na coebeira de
Francisco de P;iula da Silva, ra de S. Francisco
Oorreio
Pola adminisiraciio do correio desta cidade se
faz publico para fihs conven entes, que em virtude
do disposto no art. 138 do regulamenlo geral dos
crrelos de 21 de dezembro Ai 1844,. e art. 9 do
No dia 30 do
corrente mez es
pera-se dos por- rea.
tos do sul o va-
por frani-c-z Es-
Iramailure, com-
mandante II. de
Somer, o qual
depois da demo-
ra do costume seguir para Bordeaos tocando em
S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para reies, roivlicoe* e passagins trata-se na
Jos Francisco Gomes
adiar nutro de igual nome de boje
______________ Precisa-se alujar urna escrava que saida bprn
dos Santos l)0r coz'"har e fazer o mais serviri interno de urna
i:' casa, paga-se bern : na ra ca Imperaliiz n. 47,
.. te se a-isi^nai Jos Gomes dos Santos Cor-
. segundo andar.
l> lonco da Parahlba
__ O nosso aviso se nao entende com o Sr. Ur. An-
32scrptllirac3o mercantil I tero M. de Medeiros Furtado, honesto eillostrado
P. Augusto da Graca e Mello contina na sua ; advogado desta cidade.
amiga oceupacao de az-r escripias, tanto por par- i O advogado Irapatseiro a quem nos refer
tidas simples'como dobradas: quem pretender dizem, ter escriptorio na praca
ulilisar-se de seus servicos, pode precura-lo na ra
do Livramenton. 22, ra do Qneimado n. 23, lo-
DE
.ILLUMINM.AO A GAZ.
0
Armazem n. 31, rna do liiijicraler.
Para malh regulandada do irrvipi tema entere-
za resolvid lao Jmente vender o fparHtio,
ele, deixanji que os rs. consnipidores rtante
os mai-liiiii.sMs que mais Ibes agradaren, po4en4>
o< nome, morada, "Me, de t idos elles seren indi-
cados no armazem da eroprea.
-i- reilamacdes por ma lux das rasas. cuji>* ap-
parelhos booverein sido enllocados anleri'-rmeaie
' a e*le aviso, sero ailendidus pela einpreza ; outros
quaesquer, nao.
A eiupri'za espera que c.-la m dida ser detid
mente apreciada pelos seuhore ronsumidnre5, n-
dente como a tornar este servido mata er>>n.imi
ce ; vi.-io que ella vender ludo, apenas ron na
|iicro tal, que rubra as despezn* ineviiaveis.
CARLOS JLYM.
Como a empresa de illntninacao a gaz tenha da-
do licenca aos machinistas para iraia'liareni por
sin prapria cunta, (darlos Pluyiii. MMMnMn, oll^-
rece sen presumo ao pnbliiM par.i SBenejnf gax
agua, e toda a .orle deservir e>.neernenlesao
seu nhlcio, por ptnjne mniti> ra-navei-.
Pode ser procurado a qualquer hora na ra da
Alegra n. 16 (Roa-Vii-la.)
N. B.
\rf Para prova di perfelc-io do sen tratolln o
mesmo i-fferere ao publico o lei-munho de im-
mensas pessuas para quem ja iral>alliuu a manda*
di companhia do gat. __
CASA-DAT0RTJS4
Aos 6:000^000.
Itilhetea) garantido*.
A' RL'A DO CRESPO N. 23 K CASAS DO COTl'WE
O abaixoissignadovenden nos *en. muiofeti
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaboc
de extrabir, a beneficio da matriz de Agua Prrta,
os seguidles premios :
Um meio n. .'oii com a sirte de fi:00040fi0.
Dous quartos n. 796 com a sorle de 4030n*
E ultras muitas surtes de I00, 40#, 104 '
105000.
Ospossuidores podem virreceber sen resc>ec
livos premios sernos descont:, das lei.-DaCi-i
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 5* parte da 4* I
da "y lotera (25") a henelicio da Santa finan d-
Misericordia, que se extrahira >ati.ad > fj do cf-
rente.
prego.
Rilbctes. '. 7*)0m
Meios......:^-*>H.'
Quartos.....1*900
Para as pessoa que ceiupraren ir I00
para cima.
Bilhetes.....M90
Meios......33T--0
Quartos. ~ MBM
Manori. Martins FiriA.
jas de lateadas, e ra do Cabug n. 2 A,
ourives._______________________
Precisa-se de urna ama para todo o servico
e S. Litrns, cuja
porla queda entrada para o receptculo, ao rodar-
se sobre seus gonzos, lem um ranger que alorda
loja de a toda a gente que por ah passa.
decreto n. 185 d* 13 de maio de 1831, se proce- agencia roa do Trapiche n.9.
de 90 0|0, imposto especial e decima addtclonal de dw Q eon9llin das cams existentes na adminis-
de urna casa
do andar.
na ra do Livramento n. 2, segn-
ni-niorla, oreuou o recollumenio delles, princi-
piando pelo bairro de Santo Antonio, cujo debito
superior ao dos mais, atlm de proceder a liqui-
dacao de conformilade com os arligos 4- e 5- das
instencedes queacompanharam o decreto 2354 de
16 de fevereiro de 1839, que em quanto se est
onzanisando a relacao dos devedores do referido
bairro, hea permettido virem aqui pagar os seus
dbitos aliin de evitarem a cubranca judicial.
tracao pertencentea ao mez de julho de 1864, no
dia 3 de agosto prximo, as 11 horas da |manhaa,
na porta do mesmo correio ; a a respectiva lista
se aeha de Administracao do correio de Pernambuco 26 de
julho de 1863.-0 administrajdor
Domingos dos Passos Miranda.
Para Lisboa
segu com muita brevidade o tingue portuguez
Flonnda, ao qual falla apenas nm resto de carg a
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pralica de
taberna e d tiador a sua conducta : ua ra da
frete : quem a quizer dar. pode duisir-se a tratar w<;rna e oe iia.ior a >..a .uuu..ia u- ,
nVescriptorlo de Ainorini lmaos, na da Cruz n. Madre de Dos n. 9 diri qnem precsa._
N'i I* audiencia do juizo municipal da Ia va-
Recebedoria de Pernambuco 3 de julho de 1865, ra ser arrematadas, metade n quantia de 900J
Manoel Carneiro de Souza Lacerda. da casa terrea n. 6, uj pateo do Terco, e oulra rae-
tade da de n. 8 alli unta em 1:000* ; e urna parte
na quantia de 400* de urna outra o. 103, na ra !
Imperial, por execuc/io de Vicente Herculano de
Lemos Duarte contra Hermillo Aureliauo Chaves
de Souza o sua mulher ; escriva) Molla.
No dia 26 dj crreme, depois da audiencia
do Sr. juiz de paz do 1 districto da Boa-Vista, vai
pra Correio geral,
A pessoa que estiver habilitada para co-
phista da torre do Collegio, dinja-se a
ministraerto-do correio a fallar com o
ministrador. .
ad-
ad-
TIIE %
DE
Tollas
EMPREZA-'WIMBRA
uinta-feira 27 de julho de
1865.
Representar-se-ha o sempre aplaudido e apara-
toso drama em 3 actos e I prologo
Conselho de compras navaes.
Tendo o conselho de promover no dia 29 do cor
rente mez a compra dos objectos do material da
armad i abaixo declarados, convida aos que pre-
tenderera vende-tos a apresentarem suas propostas
em carias fechadas nesse mesmo dia at as 11 ho-
ras da manhaa.
Objectos.
3) cobertores de Irla, 50 loalhas de brim, 6 du-
zias de labias de cetro de 3|4 de polegada, 12 du-
Zt'^Jtt&TKL*'* nbeceV signaos de navios e quizer ser em-
taboi* de pinito de l polegada, 1S dorias de ditas pregada no servico de ajudar ao telegra- capitao ua pra^a.
de 1 l|2 tita, 1 arrobi de pregjs de cibre de ba-
tel pequeos, i arrobada pregas ripares, 2 gro-
zas de parafnsos de metal, 40 cdinhos de lapis de
ns. 20 a 80, 8 lences de ferro de l|4 de grossura,.
420 toneladas inglezas de ferro bruto, 100 covados
de Hiele encarmdo e 100 dito- de dito azul.
Sala lo conselho de compras navaes, 25 de julho
de 1S03.
O secretario,
Alexandre Rodrigues ilos Anfos.
No dia 28 do crreme, as 11 turas, depois
da audiencia di Dr. juiz de orphaos, vai a praga
por vi na um mi de trras foreiras no lugar do
Rano na freguezla dos Alagados, com casa de vi-
ven la de laipa, casa para rancio e mais quatro
casiiiliis de taipa, ludo avallado em 1:000*, vai a
praca i requer.ment ;do inventarame dos bens
da tinada Jojepha Duarte.
ait;iC.isa da Misericordia do Recite*
A IIIti:" junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 27 do crrente pelas 4 horas da tarde, na
sala de suas sessoes lem de ser arrematado o for-
necinwnt dos gneros abaixo declarados, que
boa ver de consumir nao s os >;stabelecimentos de
candil como tambera os colle?ios de orphaos nos
mete* de agosto e setembro prximos futuros, a
saber :
Estabelecimenlos de caridade.
Manteiga franceza, libra.
Caf em grao, dem.
Caf preto, idem.
Cha verde hysson, dem.
Assurar refinado 1' sorle, idem.
Dito dito 2* sorte, idem.
Dito em torrlo 1' sorte, idem.
Arroz pilado do Maranhao, idem.
Touciuho de Lisboa, idem.
Racalho, idem.
Tapioca, idem.
Aletra, idem.
Carne secca, idem.
Sabo amarello. dem
Fumo, idem,
Velas de carnauba, idem.
Karinlia de mandioca da ierra, alqueire novo.
Fcijio mulatinho, dem.
Vinho tinto de Lisboa, garrafa.
Vintio branco de Lisboa, idem.
Vinagre de Lisboa, idem.
Aguldenle branca, idem.
Azeite doce, Jdem.
A'xile de carrapato, idem.
Obolas, cento.
t'arello, sacco.
Cirue verde, libra.
Col ligios de or parios.
Manteiga franceza, libra.
Assqcar reuado 1' sorle, idem.
Dit i dito 2o orle, dem.
Oi em grao, dem.
tih preto, idem..
Anuz pilado do Maranhao, idem.
Baiathe, idera.
ItauoS, idem.
Alel U, dem.
Touciuho de Lisboa, idem.
C-iiol.is, cento.
F.rinlia de mandioca da trra, alqueire novo.
Feijo mulatinho. idem.
Azeite doce, garrafa.
Vinagre de Lisboa, idem.
Sal, cuia.
I^niba em achas.
Carne verde, libra.
As pnpostas aeveai ser ap:-esenladai em cartas
3 : para passageiros, aos quaes offerece excelleu-
tes comm idos, Irata-se com o espitan J.iaqnioi Au-
gusto de Smiz.i, na prara do coninn-rcio.
Para a li.^hia pretende s-.hir
com muita brevidade n velelro
lugre Emilia, capitao Rernardi-
no Rodrigues de Almeida, por
ter a maior parle da carga tra
lada,.e pata o resto que Ihes Frigio no dia 22 do crrente a escrava de
falta tratase com o consignatario Joaquim Jos nome Joaquina, de idade 30 anuos, pouco mais ou
Goncalves Beltrao, na ra do Vigario n. 17, pri- menos, com os signaes seguinles : estatura regu-
metro andar. __________^^^ lar, cor fula, com alguma falta de denles na fren- ]
--------------^r---------p ""7 "" le, e coxa de urna perna ; foi vista ir para o Red- :
I (ll'l 0 1 OrtO f a"' companhia de um cscravo do lllm. Sr. Joa-
O abaixo assignado, arrematante das dividas
do Sr. loaquittl l)ia< Pinheiro Larangeiras, faz;
se ente ao rcspeila-ci publico e principalmente aos
Srs. devedores, que de 21 do corn-nte emdianle
nao pag%m ao Sr. Antonio Ignacio Riandao por I
estar sem vigor a prucuragao que ao dito tinha
passado.
lenlo Jos Cordeiro.
A ine.sa regedora da irmandade do Senlior
Rom Jess da Via acra erecta na igreja da
Santa Cruz, convida a lo los os seas irmos
para assistirem as miss^s e memento, que
lera logar as 6 1|2 horas da manhaa, por al-
ma do nosso irm.lo provedor Thom Carlos
Peretti, no dia 28 do corrente mez.
LEU OES.
se ai a ii as
Hactifieacao.
O Illm. Sr. capito Christovo Percira
Pinto j sabe que a sua escrava Joaquina, f-
gida tes'le o dia 22 lo crtente, nao veio
para o Recife em companhia do escravo
Caelano,
AO COMMERCIO-
Antonio de Souza e Silva e Honorato Caetano de
NO GRANDE ARMAZEM DE LE LES Abrp0j POn a r:uiio de Abre ^ Sllvai avsam ao
1)0 AGENTE corpo do commercio e ao publico em geral, que
nesta dala tem justo e contratado a compra da bo
Alguns amigos do finad.i Thom Carlos
Peretti, maodam celebrar missas e memento
na igreja da Santa Cruz, no dia 29 do cor-
rente, pelas 6 D2 horas da manhaa, para o
que convidan) os amigos do tinado.
r III HhWW "I1 III' i 1 r'T I
Pede-se a Illm" cmara municipal para que
mande reparar a pequea ponte que lica confronte
ao quartel do Hospicio, que foi lia dias passados
derrabada or urna canoa de car regar areia de n.
103, visto que me;m i ponte fui feita as espensas
dos cofres nuinicipaes. e senio soffrer o concert
ira de toda abaixo, e licara a popularlo sem tran-
sito piir aquella lugar.
OLYMPIO
36-Rna da Cadeia do Rcclfe-36
0 Dr. Antonio Vicente do Nascimenlo
Feilosa avisa aos seus clientes desta e mais
provincias do districto da relacao. ea que*n
mais possa inleressar, que elle se acha a
frente do seu escriptorio, na ra estrella
do Rosario n. 23, onde, na forma do cos-
tica da ma de imperador n, 36, sob a tirina de \ turne, ser encontrado p ra qualquer acto
Fonseea & Abreu : quem se jalgar credor da ^ %xa profissa<> das 9 horas da manha at
GABINETE
PKITOliBZ lt LfcHLlH EflPEF-
.WHBIT.O.
A riirecloria do Gabinete Portuguez de Leilor.
de conformidade como % 21 doarl. ''* d- s esUtu -.
convoca o conselho deliberativo para o da 27 do
corrente, as 7 horas da tarde, para fin conve-
nientes.
Secretaria da directora do Gabinete Purtngnex
de Letara 22 de julho de 186o.
A. Joaquim Vmhas Maia
Secretario._________
Ciabloete Portnjsurz de Leilara
em Peruaubnco.
De ordem do lllm. Sr. presidente snbslilnle.
eonvoeadoo conselho delilterativu de-ie ij|>m-te
para sesso extraordinaria qnarl.i feira 2C do cor-
rente, as 6 horas da larde, na sata das ntfm M
sessoea.
Secretaria do con*elho deliberativo do Gabim U
Portuguez de Leitura em Pernambuco 2i d- |utit
de i8uo.
A. A. dos Santos Porto
Io secretario.______
Precisa-se de um fetor para um pequeo
sitio perto da praca, mas que emenda twm de jar-
dim : a tratar na "travessa da Madre de Uos, ar-
mazem n. 57.
Offere se um rapaz para erial : qn-m pre-
cis r, procure na ra do Destino n. 12.
mh mmmm mu
BDeutista de Pernambuco.2
Hua estrella to Rosario n. 3.
^ ao p da i^rfjn
^FRANCISCO PINTO 0Z0BI0
H Colloca denles artllelaen
pelos ystemas anal -
W, doros
HE Emprega todos os meios >cieDtifici>9 para
S conservar os naluraes. Pode ser procur >-
Sa do em -eu gabinete das 9 lluras da na-
9| nbaa as 5 da tarde.
DENOMINAQO DOS ACTOS.
Prologo...... A maldicao.
1. acto...... O casamento de Lordelo.
2. acto...... A sombra de Joao Goncalves.
3. acto...... A esposa modelo.
4." acto...... Na torre da Marca.
S. acto...... A mao de Dos.
PERSOSAGBNS.
Pedro.
LourenQo.
Padre Mena.
JoSo Goncalves.
Manoel Rtbeiro.
Trancozo.
Serapiao
Andr.
Malhias.
Mara.
Josepha.
Mananta.
Thereza.
Malvina.
Isabel.
Convidados, camponezes, marinherros, soldados
e povo.
A acQao passa-se no Porto.
Dar' fim ao espectculo o engranado entre
acto #
Bertha de castigo.
Principiar as 8 horas.
Afisos martimos.
mesma firma, directa ou indirectamente, ou que
tenha ttulos quaesquer que possam mpedir ou
redamar algum direito sobre a mesma compra,
hajam por obsequio apresentarem-se no praso de
tres das, a contar danto data, ao contrario nao se
sujeiura' a nova tirina a nenhuma reclamado ou
direito que porvenlura appareta. Recife 2i de
tillio de 1865.
LEU, YO
de urna linda mobiha de Jacaranda' nova com am-
po de ped'ra marmore, 1 maL'nilico guarda vestido
de mogno, 1 dito de'amarello, I machina de casto-
ra, 1 excellente secretaria de vinlialico, 2 bonitas:
bancas de mogno para voltarete, objectos de ouro,: (JlUD 1 eril!liTiUUCillO.
relogios de a'gibeira de ouro e prata, marquetas .,_. _______
largas e estrellas, consolos, 1 cama franceza de ja- A partida do mez de julho tera lugar na
caranda', charutos da Babia e muitos artigos. noile do dia 2),
bo#e
Quarta feira, 26 do crreme, s 1 horas, no gran-
de armazeni do azente
OLYMPIO
-3t>
36Itua uu Cadeia do lta.:ie-
iiimi: "
Lrjloqvarta-frira (. armazem n.o3
Pelo agente Kuzebio,
De duas mobilias de Jacaranda e diversas obras
de marcineiria.
Leilao
De 60 barricas com bolachinha.
HOJE.
O agente Pestaa far leiio por conta de quem
pertencer de 60 liarriqumhas com bolachinha -ern
reserva de preco em I rts a vonta le dos licuantes :
quarta-feira 26 do corrente pela-. 10 horas d* ma-
nha no armazem do Sr. Azevedo defroule da as-
cadinha da alfandega.
Convldam-se aos amigos e collegas do Dr.
Ignacio Nery da Fonseea para hoje as 4 ho-
ras da tarde comparecerem a igreja do con-
vento de Nossa Sendera do Carmo, aflm de
assistirem ao offlcio de corpo presente e d'ahi
acompanhar o seu corpo at o cemtterio pu-
blico.
3 112 da tarde.
Precisa-se
de urna ama para cozinhar o diario de urna casa
de pouca familia, porm que cozinhe bem e lim-
pn, paga-se bem : na ra nova de Santa Rita n.
3o, primeiro andar, e iratar na mesma ra entran-
te da ribeira do peixe n. 17, serrara de Jos F.
Goelho.
Alfana se dous grandes sobrados naa >ir.t
modos para numerosa familia, novos e areian
com jardim, cucheira, estiibaria e 'Miira> ri>inn>.
didades. ua travesea de J--rio Keriiiiilef Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
A ma
AO COMMERCIO.
Jos Paulo da Ponsdfea e Honorato Caetano de
Abreu, sob a razo de Fonseea & Abreu, avisam
ao commercio a ao publico em geral, que nesta dala 'u^"i'cedo Cavalcanti,
vendem aos Srs. Abreu & Silva, a botica da ra ,janijei, 47.
do Imperador n. 36 : quem se julgar com direito
a empatar dita venda ou por ttulos directos ou in-
Precisa-se de urna mi para o servico interno M
urna casa de pouca faailia : a iralir na pr2$i J
Corpa Santo n. t7.
Os abarxo assignados mama no r-s^iurel
publico e esr-ecialmente au con>o do c minerr*>.
que compraran llvl e,de a padrina sita na roa a
Carvalho Mallos.
A quem faltar nm per pode procurar na
Altencao

ao desapparecado.
_;_____ i jio dia 24 do corrente desapparecen do pateo da
1 Penlia um cavallo rodado pedrez, grande, inteiro,
! com cangatha e cabresto de corda Qoa, pertencen-
doilS te ao Sr. Miguel Nune Correia, morador no enge-
atad ares e aoto sito na ra a daj S- Bartholameu : a pessoa q_ua o tivar achado
IEIIAO
de metade do so orado de
Pfavegaco
COMPANHIA PERNAMBUC VNA
DE
costeira por vapor.
Macei e esca'as.
No dia 29 do corrente as 5
horas da Urde expedir esta com-
panhia um de seus vapores, o
qual receber carga somante at
o dia 28. Encommendas, passa
queira levado a ra estreita di Rosario n. 35, car-
*rnz:lla-Vellia n -I*. torc, do Sr. tabelliao S, que sera generosamente
MartinatvacanovAmente a toilo por despacho ratificada.
do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da segunda vara e ----------7--------------------; 7 ""*
a reqnerimento do inventarame e teslamenteiro \ QU61I1 lflBeTeSSar
dos bens deludas por D Mana Bernardina ^da abJ as,ignad0i (|ne Js do Reg
ConceicaoLimade^ metade do, sobrado da dous P andares e sotao da ra da Senzala n. 42. : rejl|sar a ?BiU de uma e 0TtCluar
Sexta-feira 28 do correte. I ootr09 negocias em seu nome.
Km seu escriptorio ra da Cadeia n. 9, primeiro j q aax0 ag.lgnado, tendo exiglJa a tal proco-
aodar, as 11 horas.__________________________ ra?0 e mandado citar ao dito Mello, para exhib-
" l?If A f\ i ,a'?0 1ue 5e lem neg^rto, previne ao publico que
I^rjlLAU 'essa procuracao falsa, e por isso nulla toda e
DE qualquer transaccio que praticar, visto que o abai-
ma mobilia de Jacaranda, 1 cama franceza da xo assignado reside nesta cidade na ra do Ran-
dtto. i mesa com pedra de dito, 1 mobilia de ama- gal o, it, e protesta proceder contra semelhante
directos daquella mesma Arma, queira se apresen- a queui miwi
lar no praso de tres dias para se verificar. Recife ra do Hospicio n. 24, dando os signae* t
ai a. i..ik Aa tRK auando as despezas.
24 de julho de 186o.
A 94500 se pagam as libras sterlinas: na
roa das Cruzes n. 41 A, taberna.
paga 1
Precisa se alugar um sobrado de nm andar
na freguezia de Santo Antonia en S. Jse, e qne le-
nha quintal a cacimba : a tratar na ma A* Al*
crun n. 2. Assim como compra-se um noMn
de qual iner qualidaoV, com lano que e-ieja tm
bom uso e que seja seu preco mdica
Precisa-se de urna criouli para : e pun-
ca familia : a tratar na ra Augnu n. S.
Fugio no dia 6 do crrenle mez de julho o
cabra Eugenio, de idade 45 annos, pouco mais ou
menos, com os signaes seguintes : estatura regu-
lar, cara bexlgosa, traz barba aCavanhac, cabellos
cachiados, levou caiga de casemira e palelot de ris-
radinho j veldo ; consta que o dito escravo anda
mesmo aqui na cidade, e quem delle der noticia ou Quarta-feira 19 do corrente, pelas 3 nonada
o agarrar, dirija-se ao hotel de Franca, ra do Tra- urde, jiouco mais ou menos, fot furtado na c "
piche n. II, que sera recompensado.
Mulatinho fgido.
Desapparecen desde 13 de junho passado, de
casa de Seu senhor o Dr. Fenelon Alcoforado, o
mulatinho Adolpho, idade pouco mais ou menos,
14 annos, baixo, grosso, ps pequeos, olhos grao-
des, cabello corrido, tem um tal hi no alto da ca-
bera, um dos denles da frente cavados, e a cabi- Vaz, no lugar-Cha das Capoeiraprximo a v-
caia do lado esquerdo quebrada : quem delle tiver la de Pao d'AIno, devidarnenie re
noticia ou o possa agarrar, levando o a ra For-
mosa n. 15, ou rna do Amorlm n. 51, ser gratiti-
qado generosamente.________________________
dAnreen.se urna Portngueza
do Recife, ra do Queimado, e-quina da iratntva
do Peixe Frito, um cavallo melladogemado, rn>,
carregador baixo, com os feguintes signaos : tm
ps brancos, barbudo, coro pequea mal.dora, le
uo beico do lado esqnerdo uma letra qne repian
ta umE est fazendo a segunda moda arfcn-s<
um pouco gordo, e por ler sido nw.Mn nanc
tempo, nao se pode bem figurar o ferro : quwnn
achar ou apprehender e leva- n a iis ReriMrdino
sado.____________ ___________
ADVOCAC1A.
Innocencio Serapdiro de A>sis Carvalho,
soltado da corte da Rio de Janeiro, r
etercicio de sua prolissao de advogado,
de idade para
companhia de ama senhora : quem a pretender ilt-
rl|a-sa a ra Imperial, logo no principio, junto a procurado ero seu escripiorio, ra do i
taberna do Sr. Bernardo, casa terrea, que achara 50, das 10 l|2 horas da mantea as 3 da Urde
com quem tratar._________________ Precisase alugar nm andar Arrendase um sitio no Jacar, estrada que qualquer ra desta cidade : a tratar na mn I
vai para Agua-Frla, cora casa de pedra e cal nJti- u n. 106.
mmente edificada, com bastantes com modos; este LT wcravo ^^
sitio tem arvoredos de fructas de todas as qualida- a
des, bom terreno para planucao m P"* deu procurl na casa de banana no
pim. Aluga-se tambera o arraaaem do sol na roa nr0nrietario da me t Concardia, proprio para qualquer estabeleci- ao propneano ua me.ma
ment : a fallar ao solicitador Barroso que mora 1 Aloga-se o sotao no
3 odia 28. Encommendas, passa- dito, I mesa con. pedra de dito 1 monu a ae am ge. ".i"- 1 ment : a fallar ao solicitador Barroso que mora Aloga^e o sotan no ankradn n. l
geirose dinheiro a frete at as horas; da tarde re'lo, Uoa'et de ^ de jaldo de 1865.-onoW Ad>a uo sobraden. 34, onde est o dito armazem, tanto Guta.com duas janellaa dn frn-e t
ro dia da sahida ; escriptorio no Forte do Mattos da ouca tMM^ ieSoulva. I Sra este, quanto para o sitio mencionado. modos : na pnme.ro a-dar.
mmmm*~----------


I
Mario m rerambuc* ...
PHOTHOGRAPHIA ARTSTICA
DE
Ei)g Airen Ja se o engenho Jus4r de Sant'Anna stto
na freguezla de lisura hgua e rreia distante das
estacases da Escada e Ip^ uca, com trras de var-
ieos de massap para se safrejar em grande es-
cala : a tratar no pateo do Livramento n. 24, com
o Dr. Ignacio Nery da Fonseca._______________
Perdeuse no da 15 do correte desde a rna
NoVa at o convento do Carrito un pedaco de ama
Ota de ouro de urna pulseira de |arretera, sendo
provavel tur sido na occasiao do Te-Denm : qoem
achou e quizer restituir, dirjase a ra do Cabu-
ga d. 7, onde ser gratificada.
RETRATOS. !
mZ%^^&*S fSS wtimi rSe^^rSs ffSSSSS; deSeJand lM\ kS nTerLS0S pedid0S de ""freuezes' acabam dc receber de seus correspondentes de Pars, ,
buco: asim c mo photographias da corveta enco- sorttmento de ttalos (carioes de v.sila) das personagens as mais celebres da Europa, assim amo receberam tambera urna nuantidade de alinetes e cassoletas nara retractoV 0
ranada-Brasil na photographia ra do Caboga mais apurado gOStO e por precos multo diminutos. caaawwB paid rurattos, no
'k- c i?Sm?ntS-m0S,apr0Vte'Vm a,0Cl'asi3 Para Preve"ir P"1,1!00. 2 recordar os seus numerosos freguezes, que elles trabalhara lodos os das, domingos e das santo* das 9
horas da manbaa ate as 4 da tarde e que o* lera, os de chuva to influem em nada para bom successo dos retratos, pelo contrario o ol entre nuvens
sobr todos os pontos, tanto pela rapidez da operado, como pela commodidade das pessoas.
25 Ra Nova (esquina da Gamboa do Crmo) 25.
91
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni'
versidadude Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s ti horas da manha, e
das 4 s 6 da Urde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao sorcorridos em qual-
quer oceasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhiia.
Tt ra sita casa de sade regularmente
montada para "receber qualquer doente,
anda raesmo os alienados, para o que
tem comraodes apropriados e mella pra-
tica qualquer operario cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 34000 diarios.
Segunda dita.... 24300
Terceira dita.... 24000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons ser vi eos que tem pres-
tado.
O propietario espera que elle conti-
nu a merecer a conQanca de que sera-
pre tem goxado.
mil vezes preferivel
,a(! grande qoantidade'de pessoas que"lera visitado es"te estabe'ecimentoTestesTos annos em que se achara eslabelecidos nesta cidade, e que nao ser menos de cerca
de ,900 a 7,000, e para elles urna garanta futura, pos-o que se appliquem lodos os dias, para que todos saiam contentes e satisfeitos.
Companhia fidelidad* re
martimos e terrestre
estabelecida no Rio de Janeiro.
agestes ni nmnumm
Aoteoie Liii ir Olivrira licrda A C,
competentemente autorizados p
loria da companhia de seguro*
de, tomam segaros de Dao, mu
rias e predios no sea eseriptor re*
Cruz d. I.
O London & Rrazillaa Baak,
os paquetes.snbre
Lisboa.
Pono.
raga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
A luyase
um sitio na campia da Casa Forte, rom duas ra-
tas, urna a era que moriu o falltcido Tlumaz de
Aqnino Fonseca Jnior, feila a moderna, e conten-
do todas as arccmmodaroi'S precita*, e outra rom
boas enmmodidades para qualquer familia : na
ra do Vigario n. 10, prirneiro audar.
mmsrM mmm-mmmmtmm
jfc: O hacha re B
Francisco Augusto da Costa
ADVOCADO
Ra do Imperador numero 69.
Aluga-se um preto mogo, proprio para todo o
si'rvico : quem precisar dirjase a ra aos Piles i
uumero 39.
17 da ra da
a tratar no se-
m
m
D'IODURETODUPLCh
de FERROeQUININA
BILV..
t- IMS
Os elementos que compoero esta preparaco o
[erro, o iodo e a quina, a collocao no primciri
grao das preparaces ferruginosas. Basta altcslai
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
tacs. e os relatnos dos prlicos niais eminentes
que confirmrao sua poderosa cfticaca as se
guintes affcccocs:
'12
Imperatriz, ci>m bons commodos :
gundo andar do mesmo.
m&mmk wumm mm
$H Anda se precisa de urna ama pa- JM
jl ra cosinhar, lavar, engrmmar e fa- g|
S zer todo o servico de urna casa c"e yJ
pouca funilia excepluando-se com- ^;
prar n.i ra : na ra das Cruzes n. Wi
n. 37, | rimeiro andar, sendo pes- g
soa de bons costumes e se pagar o SIS
que se ajuslar. jS
1
S
Mlnsoa no ungur,
Frnt|llrXH.
Anrniln,
Chloronc nu Ictericia,
Menstruo,
AITcccocx lo nlcro,
SnpprcftMOC* dan r<-
ru i- dcHOnlcnH n
nu-n-lrniirai,
Arrccfo Biilnionnr e
nhlblnlca,
NolcMllaNd'rfildiiiiiffo,
GawlralKlH".
Perda d" i> pe 11 le, ce.,
ConTaleaccitciidclon
KiiM ii'.olCHlIna,
MalentiuM r~ei ofilu
dan,
Papelra,
ObKlrurcao iIuh slun-
iliila,
lliinioi'cM rrlOH,
rumoro lii-mic-oi,
Hoclll ll-i:i(.
Afeccoe runct'roHu
C -> |>hl III leu.
Febre* lyiilioldefi,
llcxlaaN, ele, ele.
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A TElfDi EM PER VIHIK O
Em casa dos Srs. Cnors e Barboza, ra da Cruz d. 22.
PASTIUiASH
IGESTIVAS
DE PEPSINA
DE J9VASMAN
m
...-.-I:,-, c con.ll-
l'nnio pi-in/u: i|,i
pel.lK vImIioi iiri'ics
dc-r>'llllOHIIHllOHall-
ui-nliiH.
Vejaos*, os bullelins de therapeulica medica
e cirurgica de 30 de novembre 1860; o Cux-cta
dos hospiutes de 28 dejutko8&>, etc., ele.
AlCm das pilulas de iodurcto duplo.de ferro e de
quinina de RcbiUon, os Mdicos aconsellio
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do tnesmo aullior para as
pessoas que nao gostao de medicamentos sob fr
ma puntar e os meninos. Fste xarope nao tem
como oxaroped'i'ot/urfode ferro, o inconveniente
dc alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folhelo que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para se evilarem falsilicacoes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
As pasluhai digestiva* com a pepsina de
Wasman, cnipregao se com successo b j
algn* :>nnos pelas celebridades medicacs !c
Paris. Londres Vienna, etc., em todas s in-
ccmmodiiiadcs em as quaesadigesiao dilticil,
penosa, mperfeita ou mesmo iinpossivel: eis
o mcllior remedio para cural as.
nlM|ll*pwHM,
Kiiiltnriiro|(lilrlrOH
A K>iMtrit<-,
A nf crur- orxilnl-
eas do CHllM.IC*.
Sua accAo vivifica o sangucc os rgaos dc
tal soi te que, atli as pessoas que sem soffivr
as al'fecvoes gstricas cima mencionadas sao
nicamente iracas ou d'um tcmpennnenlo um
pouco dbil, e necessilao substancial alimento
para forliticar-sc, achaono emprpo das pasil-
has de.pcpsina de Wasman, um poderoso meio
|>ara a isso chegar.
Aviso importante.0 successo das pastilhas
a pepsina de Wasman deu causa a se fa/.ercm
falsilicacoes c mitaedesd'esse producto (pie os
cuiulos ^e qicrem desfazcr. Pois por falla
d'uma boa prcnaracSo a pepsina que n'clla
entra, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'stc
inconveniente, exigindo Os compradores que as
pastilhas lenho as iniciacs B. P. c saio da
pliarniacia Ghevrier.
Dcntfsitogcral em Paris, pharmacia Chevrcr,
21, Kaubourg-.Monlmaitre, c em todas as boas
pbarniacias ile Franca c dos paizes eslrangeiros.
DOENCAS
dos MENINOS
COTUDAS PELOS
XAROPES 00 DOUTOR DANET
1. Contra o. CLICAS luis MF.M\0S ante*
o durante a denliriio
iXaropc de njnoglosse c de acido succinido)
2. Contra
a TOSSE COXVUI.SA
NKBVOSA
e a tosse
(Xarope dc cynoglosse e dc leo volalil de .iccino)
V 3. Contra m COWIXCES DOS MEMXOS
A cuonA.
(Xarof e de cynnglossu c dc acido voltil de succino;
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sao em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o tratamenlo das molestias do-
meninos cima indicadas, c viero enclier um
vacuo importante na therapeulica, no que toca as
affcccocs da infancia, para as quaes, atli hoje.
ainda se nao pode indicar tratamenlo racionnal-
ncm infallivcl.
(Pecase o prospecto em casa dos pliarinaccu,
ticos depositarios.)
Prcco do frasco em Paris, 3 Ir.
Para se ovitarem as falsilicacoes. exija o com-
prador que cada frasco lenha sobre os rtulos a
assignatura Chanteaud.
Depsito geral cm Paris, pharmacia Chan-
teaud c em todas as boas pliarmacias dc Prancf
dos paizes eslrangeiros.
GRANULOS
mmMM
AMA
Depsito geral em Paris, pharmacia Rebillon,
42, ru dn Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes eslrangeiros, etc.
Pelas commissoes em grosso, dirigirse aos S
>E CHEVRIER
Os granulos de bismuth de Ghevrier cm supe-
riores a todas as outras preparafocs de bismuth
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para"prevenir c curar as
MoleMllan dc ligado,
A Ictericia,
Palultacao do coraro
Doren nos rlna,
Mnit dlgcNtea,
Gaalrllex,
Gastralgias, etc.,
Dlarrucns clironlras,
DtMsrnteriaS,
Dores (I i'Htoingo,
Dispepsias,
Dores de 'cabrea, Depsito geral em Paris, pharmacia Ghevrier,
irritaces de bcsiga ec ldas as pharmacias de Franca e dos paizes
da matriz, ele. eslrangeiros.
IASKA e XAROPE
DF. CODENA
DE
BERTH
As experiencias clnicas c comparativas
dos Snrs Magcndic, Darbier d'Amicns, Wil-
liams Grcgor, Martin Soln, Aran. Viga,
p, Dumonl, etc., membros (o Instituto de
Franca, mdicos dos bospilacs de Paris. tem
provado que a Massa e Xarope de Berth i
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade dc
calmarcom admiravcl rapidez as losscs rebel-
des e extremamente fatigantes da grippc 'ca-
tarrho epidmico delluxo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchitc c tsica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
acliao cm lodas as boticas.
WILLAERT e BERGER, comisarios em drogara, 11, ra Saint-Lazare, Paris.
ASTHMAH ASTHMA ASTHMA
Suflbcceo nervosa e Oppressao
tnico remedio efficaz para combatter estas mo-
lestias, acalmar um atlaquc d'asma e impedir a
volia e o Xarope aromtico de Succino (mbar
aniarello) do Dr Danet. Dcscoberta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 5i,
ra do Commercio, Paris-Grenelle, e em lodas as
boticas de Franca c do estrangeiro.
Pede-st inda all
Custodio J,,s Atw i r.nimar5e nTnn a (oiaiar
appellido (.alio Vigilante nru *} Gma a. 7,
parliripa a todcs os sen* friones ai
vel publico, que t-su dita loja arha i
de sortimento de galantanas de ma lo Bo-toy~ aw
lem recebido de soa propria roola, a-sa nasa ta-
rtas as mercaduras tendenle* a loja e rniadim
e oulros, e como esta f-> Ivido a rner par pn-
?os baratissimos, como os mesa* ronafa*.ca
[toderao apreciar concorrendo er-m soas ptvtmut
a dita bja, que se affianear servir besa rasa agra-
do e promptidao, e mesmo quabioer tatessii aa*
morem lora rtrsla prara, que preciw o> fjBBfaW
mercadoria. t-nd'mtrs a seo meturto, jae por
motivos nao possam com.-iarerer, o potlrra* pcaar
P ir esrriplo, que 5P alianza pin se abrsar taaf->
em precos, como em qnalidade das norraduras :
Isla e na ra do Crespo a. 47-Gallo Viada**.
a Consultorio medicro e
asa
Sg cintrgico.
hi Dr ,oi5 Pe4ro ***"> a Foaseca
gjgs lem sua residencia na rna Jo Sol a. 33,
f-3K 'ceundo andar, aonde se presta a* exer-
L. 82 cicio de sua prenssio lano de da
2S de noite, os chamados qnaado nao e:le-
MS ja em casa seja por esrriplo, adieaado a
morada e nome do cliente.
BU
Precisase alugar una preta escrava para casa
de duas pessoas : na ra de S. Francisco ou Mun-
do Novo n. 51, para comprar e cosinhar.
CONSULTORIO MEDICO-CIRLRGICO
DO
Lino de Paria, nico llquidaiario da massa
fallida de Faria cV ^-. cm virlude de concorda
qoe Ihe foi concedida c devidameute homologada
convida a todos os senhores creduies que ainda
nio procuraram, para que com elle se entendam
uestes lo das ; sendo que necessita saber a im-
poriancia dos trediios de cada um dos mismos O Dr. Lobo Moscoso d consullas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s II
p^"r\?Su^^ 17 data* hraS da man,,a; CdaS G m?i3 al8 horas. da noite' a exceP0 dos.dias n'ificados.
S DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
ia MEDICO, IMKIUIBO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundio 3
lio de 180.).
Pharmacia especial liomeopatlca
o mais appropriado sortimento de carteiras
Na pracada Independencia n. 33, loja de ouri
lamberse"^ SuKras^commend'a e tubS aVuls0S> assim como tir'turas $ varia8~dymDasSB' ^"pi^seguites!
No mesmo co sultorio lia sempre
qualquer
odo e qualquer concert.
Nitas do banco do Brasil e das caixas filiaes
desconl^m-se na praca da Independencia n. 22.
SEGUROS
MARTIMOS
Carteiras de 12 tubos grandes.
de i24 tubos grandes.
de 36 tobos grandes.
de 48 tudos grandes.
de 60 tubos gran les.
lOOO
180000
24(5000
.'$0#000
;5#000
CONTRA FOGO.
A Companhia Indemnisadora
estabeteci si bre navios e seus campamentos e conlra fogo em
edificios, mercaduras e molilias: no seu escripto-
rio, ma do Vigario n. 4, pavimento U-rreo.
Prepara-se qualquer cariara conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir. \
Um tubo a\ulso ou frasco de tintura de meia onca I 000.
Sendo para cima de 12 custario os precos eslabelecidos para as carteiras.
< Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
lilVItOS.
A melbor odra da bomeopathia, o Manual de Medicina Homeopatliico do Dr. Jahr
rdous grandes volumes com diccionario............ 20$000
Medicina domestica do Dr. Hering.........\ \ iOfSOOO
Kepertorio do Dr. Mel Moraes.........'.'.', 65000
Diccionario de termos de medicina......... 3:5000
Os remedios deste est ibelecimento sao por demais condecidos e dispensam por
n.7omeS,loe7rauX^l^^S^eno^, nto de sercm noyamenlc rccommen.lados as pessoas que quuerem usar de remedios
BBeammmm *. mniij verdadeiro, enrgicos e dura.lores: ha tudo do melbor que se pode desejar, globos de
\m.m verdadetro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservacao, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, eportantoamaior
energa e cerieza em seus eiTeitos.
Casa de saude para es era vos
Recebe-sc escra^s para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operado, p ra o que o armunciante jnlga-se sufficientemente babilitad*.
i O iranmento o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funccionatido a casa lia mais de quatro annos, b'a muas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qoe podem ser consultados por aquelles que desehr.em mandar seus
doentes. '
Paga-se 23 por da durante 60 dia's e d'ahi em diante 1*500.
Asoperaces sero previamente ajustadas; se n5o se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedirr o annunc ante.
A NACIONAL
Companhia geral kespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUT0RISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Prariaaw de 2:000* a premio de I 0,0 v>
mez, por espado de de i meien, garaaliaaVe era
hypolhera em urna casa terrea n-sia ridad n
maior valor, a qoal se acha em mnito bom s por ser edificada de novo e de paredes doaradttM :
na ra de Santa There/a a. 38, se dir mar aaav
cisa.
lionem pelas 9 horas da aoile tape da~^a
do abaixo assigtado, no Cajueiro a. 8, cma sua
escrava muUta, de idade de 20 a 22 aaaos, da as-
me Mara, uatural desla provincia, e r manda
icen a de trrs anuos a Loiz Aorusto de f^rvawa
levou vestido roupa do uso de ea, ata r pean'
vel que a mndasse por ir munida de otra anakt
lulipa, vja e muilo conhrrida aesta prara, a
lem alguns crav.is as solas d s |s,o qoe fu afta
nao pisar Iihii : qu casa, sera graiilirado; prulesUado se desde ja rom
todo o rigor da le conlra quera a liver acontada
Ilecife 20 de julho de 1865.
___________Francisco Jos da Costa Anmfx
Quem prrciaar de orna ama para c nienar
dinja-.-e a ra de Santa Rita n. M, travessa > 3.'
Jos ; e preferc-.'e cozinbar aa soa mesi
Precsase de orna ama de leile aaa
boa condncu, e paga se bem : na roa de lfc.ru
numero 130.
OOMPiS.
Compra-se effeetivamente ooro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : aa rna larra dc
Uosario n. ai, loja de oarves.
Silvno Cuilherme de (tarros taaap
le electivamente esc ra vos de ambos os
ra do Imperador n. 71, terreiro andar.
fa e va-
os srios : a
B4NQUBIB0S DA COMPANHIA
O Banco de llespanha
ministracao Ha companhia.
O uro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da lata
pendeona n. 22, loja de bilheles.
Comprase oaro, prata e pedras pr->rir^as,
em obras relhaj : na ra da Carina do Recite,
Btir, depositado nos cofresM estado, garante a boa U\j%+mhmmttmit.-m-rj:
Com pra m se libras esterlinas
DIRECCAO GERAL praca da Independencia n. 2.
.Hatlrid : Rila do Prado n. IO ~ Compram se libras esterlinas :
Crespo n. 16, prlmciru andar.
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as comb/nacoes de soperviencia dt m
sobre a vida. *
Nella pode se tazer a subscripr-ao de maneira que em nenhum caso tresno tor mu i?
gurado se perca o capital nem os juroscorrcspondenies a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da indole'de A NACI
UAL,que anda rnesmo dimlnuindo urna terca parte do interesse produzido em rcenles liouidai
cues econbinan.lo-o com a mortalidade da tabella de Deprele que e adoptada pela roninanh-
,aris.eusc Hllos e'l,,l,."la?5es' em asurados de idade de 3 al9 anuos, urna imporsicoannua
ie KMUt moni n .. Tiwiivn mM-jim v
a 9* O,
u rna)
obre, laloerknapa.
Compra-se cobrp, laio e chombo : no amuiem
bola amarella, no oilo da serrelaria de po-
de 100$ produz em effectivo metlico:
No flm de o annos.
> de 10 .
de 15 .
i de 20 > .
de 2o
1:1195300
3:9425600
11:2085200
30:2560000
80:3315000
as datos menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectis e mais informales sero prestadas pelo sub-director nesta provincia
JoaquimFiuzadeOliveira.ruadaCadeia n. 52,oua Boa-Vista rna da Imperatriz n.!2,eslabel
ment dos Srs. Raymundo.Carlos.Leite & Irmio. .
0 Di-
Francisco tires 3lachado,
Portel la
MEDICO OPERADOR
I'EI..,
Facilillailc de Paris,
: regressando a esta provincia, acha-se
i prompto para o ejercicio de sua profis-
I sin, quer nesta cidade quer fora della,
especialmente em molestias de olhos (ca-
laractas, ele.) das vas urinarias (estrei-
lamento de urethra etc.,) e de pelle : pa-
ra cujo curativo se Julga habilitado, lten-
la a pratica, que leve nos hospitaes de
l'aris, e s modernas instrumentos que
possiu.
Eocarrega-se de collocar olhos artIB-
claes.
Pateo do Carmo n. 2, esquina da ra I
de Horlas.
ESTBADA DE FERRO DO RECIFE AO S. FRANCISCO
De 21 dc julho de 18.65 al oulro aviso, a partida dos trens de Bt*ggeirt*
__________________ser reculada pela bella sesninte
l'AHV O IMIItlOlt
ESTAQOES
CR.VOS
Joaquim Jos Guimaraes Dellrao tem para ven-
der dous escravos crioulos, bonitas Ognras, de
idade ilj 29 e 27 annos : podem ser vistos em Fo-
ra de Portas, ra dj Pilar n. 13o, taberna ; e para
tratar em seu escriptoro, ra do Vigario n. 7.
Fogo do ar.
No armazem da bola amarella no olao da secre-
taria da polica, recebemse en;ommendas de fogo!
do ar para dentro e fora da provincia.
Alugase a parte da tasa n. 92 da ra das
Aguas Verdes : a tratar na mesma.
Semana llloslrada de Rio de Janeiro
Assigna-se na ra do Crespo n. 4: tres mezes
65, seis mezes 115, um anno 185
Precisa-se de urna ama rara casa de duas
pessoas: na ra da Penha w. 23, prirneiro andar.
O Sr. Antonio Rento Froes nao mais o en-
carregado da cobranca da casa de Lourenco Perei-
ra Mendes Guimaraes.
Precisa-se de om menino de 12 a 16 anons
para se oceupar em taberna, dando-se preferencia
aos chegados ltimamente : na roa do Itangel nu-
mero 39.
Camas [de ferro.
Grande sortimento das melhores que ha no mer-
cado : na ra Nova n. 33.
mmmmmmmmm^
RETRATISTAS
Firmino & Lins
Novo esibelfcimentt de retra-
tos ara Nova d. lo, Io an-
dar, junto ao Sr. Gautier,
dentista
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas
da manhSa s 5 da tarde, quer chova ou
nao.
Tambem se offerecem para tirat retra-
tos de pessoas fallecidas, dentro on fra
da cidade.
Os annnnclantes desejando acreditar o
seu estabelecimento, garanlem ao publico
mmmmmmmmmmmmmm
fP O Dr. Caroliuo Francisco de Lima San- M
ra tos contina a morar na ra do Impera- S
i dor n. 17, segundo andar, tpndo alias seu JR
gg gabinete de, consultas medicas, logo ao jP
entrar, no prirneiro. ^
O mesmo doutor, que se tem dado ao 1
estudo tanto das operajSes como das mo- M
lestias internas, prestase a qualquer cha- ^
Wl mado, quer para dentro quer para fra M
JH da cidade. St&
mmmm mmmmmm mmwm
Samuel Power Johnston 4Companhia
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundilo deLow Moor.
.Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para eogeoho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho.
Cinco Ponas
A logados .
Boa Viagem
Prazefcs .
Ilha .
Cabo .
Ipojuca. .
01 inda. .
Timb Ass
Escada .
Frexeiras .
Aripib. .
Ribeiriio .
Gameleira .
Cayambuca
Agua Prela
Una. .
Das de trakalho <
domingos e da-
sanios
MANHAA
11 M.
9 _
9 f.
9 18
9 24
9 50
10 10
10 14
12
12 15
12 30
1
1 20
1 40
1
t 20
i 40
3
niim
II.
N.
8
20
28
52
10
DO I\ 11 ItlOlt
ESTACOES
Una. .
Agua Preta.
Cuyambuca.
Gameleira .
Ribeiriio. ..
Aripib.. ..
Frexeiras ..
Escada....
Timb Ass
Olinda .. .
Ipojuca.. ..
Cabo.....
Ilha......
Prazeres. ..
Boa Viagem
Afogados ..
Cinco Ponas
Dias de Irabalb e
domingos e dias
santos.
MAMA
II. I M.
50
8
32
40
52
-
MANHAA
II.
8
8
8
9
9
9
10
10
10
11
12
t2
12
1
I
i
i
H.
42
23
42
30
45
18
35
53
17
25
37
45
licia.
Compra-se om sellim em meio oso : ai roa
de Santa Thereza n. 3K
Compra-.-e nma mobilia de qualqorr ojralida-
de, com tanto que esleja em bom estado e seu pre-
{0 seja em coma : na ra do Ale, nnt n. 1
Compra-se urna vacca pari.ia de pooc" >>-
no, que d bastante leite e seja aova : aa ra lar-
ga do Rosario n. 34, botica.
Comprase toda a ajaataMi de oaro amied-
do : na ra da Cadcia do Recita n. 54.
Coropram-se dnas rarroras rom pipas" para
conduzir agna, que estrjam em bom esiadj : a
tratarnos Coelhos, ra dos Prazeres a. 10.
Garrafas
Compram-se garrafas vasias
60, armazem da Liga.
ea roa Xova a.
Compram-se Diarios de Pernamboco a 15 a
arroba : na ra Diretta n. 61, luja de chape,.-
TEIDAS.
G. O. Miinn, engenheiro e superintendente interino.
DE
. Arreios d'- carro para om e dous cavallos.
que nenhnm trabalhosahira de sua ofnVi- m RelogtOS de Ouro patente intrlez.
na, sem que nao seja perfeiiameole acaba RK -
38$ dn, e a ventado do freguec.
mmmmm mmmm mmmmm
Guarda livros.
Urna pessoa eompetentemeate fiatnlitada offere-
ce-se aos Sr?. commerclanles aira encarregar-se
de qualquer escrlpturagao per -partida simples ou
dobrada com perfeico e preeo eommodo : para
InformaeSes g ra da Imperatei 39, tereoro
andar.
Arados americanos.
Ma'. binas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.________________
Aliga-s*
a casa terrea da Ilha do Retiro (Passagem da Mag-
dalena} eade morou o corrector Macedo, com bons
0 castelio de Grasville.
Traduzid do fraicet por 1. j. C aa Cm.
Vende-se este bello romance ea qaatr
tomos pelo baratissimo preco de 34O0C
ua praca da Independencia, livraria as.
6 e8.________v
BATTA87"
Vendem-se exrellentes batatas pelo fiminali
prego de 400 rs. o gigo, e em porco lazar aatavaj
abatimenlo : no armazem do Sr. Azevedo detraata
da escandinha da alfandeya.
Bichas deHamburgo
Vendem-se na roa Nora a, 61.
/
Veudem-se caixes vazk>s proprio
para bahuleiros e funileirhs a > cada mi,
nesta typogrnpbia.
DE
J* VI6NES.
X. 55. RA DO IMPERADOR 21. 55.
O pianos desla amiga fabrica sao boje asss coobecidos para que seja necessano insistir sobre a
sua soperioridade, vantogens e garantas que offerecem aos compradores, qnalidades estas incontesta-
veis que elles tem detlnitivamente conqnisiado sobre todos os que tem apparecdo nesta praca ; pos-
suindo um teclado e machinismo qoe obedecem lodas as vontades e caprichos das pianistas' sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos. Importau-
?issimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautada, e por isso mnito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se confoime as encommendas, Unto nesta tabritacomo na do Sr. Blondel, dc Parif, socio
airirespandente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas s exposiedes.
Ko mesmo estabelecimento se adiar sempre am expleodido e variado sortimento de msicas dos
commo Corpo SaoM* 19, escriptorio. I pjacosconimoaVis e razoavels.
Vendem-se tres vareas pandas ao
a tratar na casa dos arco.
Vende-se nma armario de orna tabana cam
poucos fundos, propria para om ariaeipiaat*, ota
na ra da Imperatriz o. 13 : a tratar aa raa da
Cruz, casa de Antonio Lopes Braga A C
Vendem-se tres portadas de aodra 4* casta-
a, de Lisboa : a fallar comise M>ria Ser, aa
Ilha dos Ratos, ra do Seve, casa n. 16.
i* moojeas.
Chitas franc zas largas com peqaeao aapt da
mofo, sem ser ovara, cores fixas, a 240 ra. a cava-
do : s na ra do Queimado n. 17, ao p a ajt-
ca. Dao-se amostras.
Vndese um lindo mulatiako da HadaaW IX
annos, e um negro de ida le 43 aaaoo pr* 3Hf> :
na travessa do Carmo n. I.
Vende-se ama eterava moca
de 18 mezes, por preciso. sabe lavar e rafea
mar : os prelendentes dinjam-se a roa da Gata
31, prirneiro andar.


m
>
-din.


Diario de pernambuco cuarta felra SO Je fiallio le i a.
A molestia ou infeccio peen*
lial conhecida pelo nome de Es-
crofula um dos males mais
prevalecen tes e universaes que
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um cele-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parle de
Rival sem segundo
Roa do Qoeimado ns. 49 e 55, loja e
miudezas de tres portas, est qoei-
mando ludo liom ebarato, quem qui-
zer ver c admirar venhaiu loja do
Bigodioho.
Caixas de papel amizade, e sem ella liso e pautado
a 600 rs.
rs.
todas cores a
urna
todos aquellos que morrena antes' Grozas de bo'.oes de louga prateados fazenda mo-
da velhice sao victimas, ou dir-! eJa** *60 rs.
ta nn indirertarnpntp da F ta ou maireciaraenie ta tserofu- Pecas de tranca de laa lisas e de todas
a :por si nao tao des-1 40 rs.
Uva, porm a principal causa de muilas g^flnissim;,s Para IB,P" m*s a240e
OUtns enfermidades que n5o Ihe sao geral- Pulceiras de contas para senhoras a 500 rs.
mente attribuidas. i Pecas de fila de cs eslreitas com 10 varas a
E'urna causa directa da phtkusica pul-' ?a0 rs-
fcj. 1- --.:.. 1 Caixas com clcheles francezes,
sonatas s atreccCic* as nttlme* n /i-' VZia ?e sa'K)De,es pequeos com cheiro a 700 rs.
is ai/eciuis 1 umoei, uo pga Aua denllflce sup(>li(,r (|Ua|idade a 800 rs-
manar, das molestias do figado, do estoma-1
go e a/fecedes do cerebro :Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes : falta de appetile ; o semblante pal-
lid o e s vezes incitado, s vez es de urna
alvura transparente e outras corado e a-
marcllento ao redor da bocea ; flaqueza e
mol lesa nos msculos : disgesto fraca e
appelite irregular, falta, de energa, venlre
incitado e evacuaco irregular ; quando o
mal tena seu assento sobre os pulmoes. urna
cor azulada mostra-se em roda dos olhos:
quando ataca os orgos digestivos, os olhos
tornam-sc avermclhados :f-o hlito fMtdo,
a liugita (arrogada, dores de cabera, ton-
teiras etc.
as pessoas de disposirio escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupcoes na pelle
da abeca e outras partes do corpo, sao pre-
di
do, dos rius e dos orgos digestivos e ute-
rinos. Perianto, nao smente, aquelles
que padecen, das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessifam de pro-
teceo contra os seus estragos; todos as
quellus cm cujo sangue existe o virus laten-
te d'este torrivel flagello (e s vezes heri-
ditario) eslo expqslos tambem a soffrer das
enfermiilades que elle causa, que sao:
A pMiysica, ulcera roes do figado, do es-
tomtgo e dos ria: erupcoes e enfermida-
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipela ;
borbuihas. pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbunculos, ulceras e cfwttjas, rheu-
mutismo, dores nos ossos, as costas e na
cabrea, debilidades feminivas, lores bran-
cas causada peta ulcerando interior, e en-
fermidades uterinas, liydropesia, indiges-
(0, enfraquecimento e debtlidade geral.
Aos pulmoes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumpeo pulmonar :
as glanulas eila produz induicoese tornam-
se ulceras: nos organs digestivos causa
desarranjos que ppoduzem indigesto, dis-
pepsia, molestias do figado e mis rins :
:ia pelle produz erupcoes e affecioes cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
-gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa pai'rilha le Ayer
composta dos antdotos mais elfica/es que
i sciencia medica tem pcnlido descobrir,
para esta m >lestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
conten virtudes vcrdadciramcntc extraordi-
superiores quali-
dades a 20 rs.
Tinleiros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pecas de cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos milito linos para vullarete a 200 e
240 rs.
Frascos com agua de Florida a 15 e 1,5280.
Frascos com superiores banhas a 500 rs. e 2J.
Frascos com banha, porm pequeos a 200 e
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frascos de macar perula muio tuo a 200 rs.
Frascos e garraflnhas com agua de Colonia a
i 00 rs.
Frascos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Frascos com superior oleo de baboza a 400 e
300 rs.
Caitas cora 12 frascos de cheiros muito Unos a
1*400.
Grande liquidaejio a dinbeiro.
A'a loja e armazem do Pa\ao.
Rua da Iiif|*era ma & Nilva.
Os' donss desle oslabelecimento tem resolvido li-
quidar suas fazendas por pregos baratissimos, s
com o liin de apurar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negociam em pequea escala com azen
das, que nesta loja e armazem eocontraro um
grande sorlimento por precos que muilo Ihes ho
de agradar, tanto em peca como a retalho. a sa-
ber :
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas francezas, lisiradas muilo lar-
gas, padr5es eseuros, pelo baralo prego de 00 rs.
, o covado^tendo muito bom panno ; duas escuras
p-dr5es novos, por serem todas e.-cossezas e cor rua do Queimado, loja d'Aguia Branca n. 8.
tlxa iMflrs..0 covado ; ditas miudinhas escuras tnv.Jf,,* ,.ninr.l. Ua
e claras a 240rs, amaneando se que esta fazenda nOmUiS CWXtttIIS
nao tem o mais pequeo toque de mofo, nem ontro f0m nprfiimiri*
; qualquer defeilo. l>los o l'avo, na rua da l.n- A u n PerIum-'- .
Iperatriz d. 60 de Gama A Silva. I A guia branca na rua do Queimado n.
Espartilhos, na loja do Pavo. ,8, recebeu um novo sorlimento de perfu-
Vende-sa um bonito sorlimento de espartilhos ma,'as das excellentes qualidadesj bem co-
propnos para senhoras, sendo dos rnais mudemos nhecidas, vindo no mesmo bonijas caixilllias
t&^&^JS&L'Z^.!"** demadeira invernisada, e outras de vidro,
SABlWEms'ilM^Pi)
ARITOS
tes aromticos o por precos commud >s; na
rua do Queimado loja d'Aguia Branca n. 8.
Agua Hoilde *
para tingir cabellos.
Alm do chromacomo, acha-se mais a a-
gua Hoilde, preparaco ingleza para tingir
os cabellos, s prelendentes comparecam a
todos os tamanhos e de diversos precos trazend to- 7~uT^m* '"T d m'
das as competentes (las para apenar. Istosna S com finas perfumaras, e mu pro-
loja do Pavao, rua da Imperatnz n, 60 de Gama I)r,as Pa'a presentes, as quaes sao vendidas
& Silva.

por precos commodos, na loja d'Aguia Bran-
ca rua do Queimado n. 8.
Toncas de fil enfei
tadas
a 500 rs. cada urna.
Vend.m-se na rua do Queimado, loja da
; Aguia Urlica n. 8.
SOissas de qnadrrahos e lislrazinhas a I l^>J)(il'lOS ttMTttClOS. -
imilaeao de sedas por terem muito lustro, sendo os i A Agu a Branca, recebeu novamente um
rs&usrs&s sasrss \sSSSstl t",os, de smmr
de 320 rs. o covado, sendo razenda que sempre se ^s qa"dades, sendo de mordura dourada,
vendeu por 640 r?. Liquida-se por este baralo; dita envernisada, outros de dita envernisa-
*? '** -* i tss&isxsas* -" "- tSSStSSUXTS, l
sim outros de armaco com um e dous ps,
e outros com enconsto, todos os quaes se
ndem [ or precos commodos e dinheiro
vista: na rua do Queimado, loja d'Aguia
8.
e envelopes.
a rua do Qut-imado
al-
echiifcha
Laazinhas a 320.
Laazinhasa 320.
Laazinhas a 320.
bonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a, Chegaram para a loja do Pavao as mais bonitas!
. f2" rs- laazinhas
Sabonetes de familia a 120 e 200 rs.
Caixas com superior p de arroz a 800
Frascos de superiores essencias santal
15200.
rs.
e outros a
aSOOrs.
Frascos com cheiros de todos os precos a 160, 200,
240 e 320.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
D7Line me'aS ",U"'J linas para ;ennora a
Gollinhas muilo finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo nara meninos a
160 rs. w
Ouzias de rolheres de metal para cha a 800 rs.
dita dito para sopa, fazenda boa a 1000.
Dila*
Varas de cordo branco para espartilho a 40 rs.
Pecas de fila da la a para debrum de vestido, com
10 varas a 600 rs.
Oilas de bicos
superiores, para
800 rs.
Pedras de lousa para meninos a 160 rs.
Caixas de lamparmas para 3 mezes a 50 rs.
Bunecos do choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas e.-tampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosas de noloes pequeos pretos para caiga a
100 rs.
Todas estas fazendas para liquidar, pois ludo
est em perfeito estado, isto garanle o dono do es-
tabelecir.enio.
Lp 00 BEUA FLOR
i\a roa do Queimado n. 63.
Lenciohos para mo a 240 rs.. na loja
do Pavo.
Vendem se finissimos lencos brancos com duas vendem
cercaduras, sendo urna de cordo e outra de eores!
matizada*, muilo finos, a imilaeao de linho, pelo ir
baralo preco de 2,5800 a duzia", ou 240 rs. cada ,Branca "
dTimSKTeT^Vr'Darua! Btm papel a/masso
Laazinhas a 300 rs. pautado com 33 linhas.
Laazinhas a 300 rs. A Aguia Branca acaba de receber a sua
Laazinhas a 300 rs. encommenda desse bom papel almasso, liso
Vndese um bonito sorlimento de laazinhas pro- e paulado com 33 linhas. assim como de
acabar a 600 e Pr,as Para ?eslidos e souterntarques por serem li- nnS0 tamhem bniMriitr n ifftnlnwmli* lisn o
sas e de quadrinhos pelo barato preco de 300 rs. o P ,' ,iamDera *uP.ei '.or e !gWenie liso e
covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a Pa*-*adO, cem coroa imperial, e sem ella, e
500 rs. o covado, e vende-se a dinheiro a vista pe- Outros pequeos conforme OS cima, e pa-
k barafissimo preco de 300 rs. o covado : na loja quete, tarjado de preto folha grande e pe-
60 de Gama & '
A amiga e bem conhecida loja de miudezas
< rua do Queimado n. 16, acaba de ser novamenle
e em duzase a retalho, Sabone- prvida de differenles miudezas, novas e finas per-
fumaras inglrzas e francezas, luvas de Jouvin, en-
feiles para senhoras e oniros muios dK-ersos arti-
gos, que com prudencia e sisudez serio patentes ao
comprador, a qnem isse, e a repularidade dos pre-
cos nao ser indiferente para continuar com a sua
boa freguezia.
Antiga loja de miudezas a
ruado Queimadon. 16.
Nessa loja vndese baratamente, alm de mul-
los outros objeelos os ?epuintes :
Vollas de crysial, grandes e pequeas.
Oulras de diversas qualidades.
Grates (randes de pedras falsas.
Alfineles de madreperola e outras qualidades.
Brincos a balo.
Cintos a traviata.
N. 16 rua do Queimado.
Penoas d'aco, papel
Na amiga |nja da mluneras
n. 16, acha-se um bello sorlimento de papel
masso greve liso e paulado, pnmeira e segunda
sorle, dito de peso liso, pautado e de quadrinhos, e
de dilerenies qualidades al a que se pode encen-
trar de melhor, dito paquete, dilo pequeo em cai-
xinhas, sendo liso, pautado, de quadrinhos, beira
dourada e tarjado de preto, lendo enlro elles al-
guns que trazem a envelope na mesma folha, o que
aqu inlelramcule novo. Caixai de eovelopes
maiores e menores, e tarjados de preto. Pennas'
d'aco inglezas, raligraphirft e oulras qualidades,
todas dos afamados fabricantes Perres A C.
Alliuns baratos na rua do Quei-
> na do o. 16.
. Vendem-se bonitos albuns para 1J retratos a
l^O, outros para 34 a 3J00O, e alguns maiores
lambem por baratos precos.
Luvas de p-lica a oOO rs. o par.
Apezar de nao serem amigas esli um pooco!
mescladas as luvas de pelica prela e de cores, as
quaes ainda ^ervem para a noile, e mesmo para
montana, e ?i ndem-se a oOO rs. o par na tua do
Queimado n. 16, loja de miudezas.
Labvrinllios e bicos.
Na loja de miudezas a rua do Queimado n. 16,
vende-se bonitos labyrinlhos c bicos das Ibas, le-
cidos em grade de llnha o que os torna fortes, e de
muita durac,o, alm de que os novos e agradveis
deseuhos, e a commodidade dos precos coneorrem
para a boa exlracco d'elles, Unto mais quauto
elles nunca sao desnecessarios em casas de fami-
lias, pelo que poden] dingir-se a rua do Queimado
n. 16, loja de miudezas.
Ruado Queimadon. 16, an-
tiga loja de miudezas.
Essa loja ja lao conhecida, renovou e melhorou
preten-
i^a 4*
Tasso Irmios
Vendem no eu armazen
Amoiiin n. ''6,
l.lcor fino Curac-Ao em bet^H e meias be r ja-.-
Licores linos sortides em garrafas com roma'4
vidro em lindos frascos.
Vinhos ijheres.
Santernes.
Chanil-erim.
HeriuiMge.
Borfmitie.
Champague.
Muscaiel.
Reino.
Ilorde.iux.
Cognac.
Od Ton.
AzeilePlagniol.
Loia
das seta portas em frrnt' th I i
entnenlo
Wn 'em-fe chitas franeetaa escoras bi -
t>( s a S10, aro 20 o covado, rama fi
cjres lixas a SiO .. covad-, i.relanha di reto a
U400 a peca, cotes de rasemira de cor r- ;im a
43, baldes de arcos a 34, 3*TiOO e '5,
oulras fezeddas por baratissimos prir, e se do amostras ; cambraia para bnv a i&*** a
I" S*
y\\-UL4,5
D'IODURETO DUPLO
de, FERRO e QUII NA
o
cas
com cabel'eira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento de
brmquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas : apparelhos de altnoco e de
jamar de porcelana e de metal, porta-iieor
narias provado incontestavelmente pelas SXSSI? SStifL5 *J qW&h
cura, notis e bem coni.ecidas que'tem tETSffST *** ""
eito de tumores, erupcoes cutneas, erisi-
pelas, borbulhae, nascidas, cl/agas antigs,
I\8 roa OO QUCimadO n. 63. Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa-
Tendo recebido um sorlimento de bone-! [ne*ltlludns e grandes, pelo baratissimo pr'eco de
do Pavao rua da Impera.riz n. w UB uaraa quena# elc> 0 ?eu sorlimenlo de perfllmariaSi onde M
Pelerinas a 1^600. L Tambera receben envelopes correspon- *%M7J}&?.ZT-
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras en*es a *OdOS OS tamaitos do" papel, tanto
de eambrala bordadas proprias para hombros de brancos como tarjados.
r?SnHaMa1?fS? ZT^l a^ \ na roa: A commo<-idade dos PreCos ja de todos
TS dv a 240 covado bm conbecida' ,uma vez ^ue ^^ di"
urjaHaj t w rs. o_covado. nheiro. na rua do Quemado ,0ja da Ag
loja do Pavao. Branca n. 8. 8
vendem-se as mais bonitas cassas organdys, na- o r>
Esponjas finas para rosto
Os elementos ferro, o iode e a 'w'm, a colloco no primir
grao ilas prepara;0'' ferruginosas. Bisia atte.>tar
seus resultados obiidos pelos .Mdicos dos hr. laes. e os rclnlorio^ dos pr.iclico mais entnenlas,
que conlirmrao s\ia poderosa Htieacidade
seguintcs affecdes:
ulceras, rheuma, sarna, parebas, hydrope-
ia, toase quando causada per depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debilidade ge-
ral:I ndigesto, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
i?es, ulceraces do ulero, a ftevralgia e con-
vulces epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vce as certidoes no Alma-
oaok e Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde
sevenlemos remedios.
6te remedio fructo de longas e labo-
riosas experiencias, e ha abundantes provas
das sitas virtu les: poslo que oflerecido
ao publico sob o nome de Salsa parril/ta;
compG.'-to de diversas plantas, algumas das
qaaeti sao superiores a melhor salsa parri-
Iha no seu poder alterante.
PEITOIt.H DE CWm 0E AVER.
Cura prompiamenle a asthrna, bronchite,'
toase, defluxo, angina, coqueluche,
phlhystca primaria, tubrculos
pulmonares e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os ethicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmoes pdem ser curadas em pou-
co lempo pelo pejtoral de ceiieja.do dr.
AYKII. *
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperto, e na agencia central dG
Rio de Janeiro rua Direita n. lo.
Admireiu a grande iiqui-
dagao
Be caudieiros a gaz por todo preco a
ti'oss e a retalho.
Rua da Imperatrlz n. 29.
qualquer p
Vende-se tiras bordadas de diflerentes
larguras a i;% e bailados, collar inlms e pu-
nhos para senhora, bordados e abortos de
renda e lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-se 15a para bordar de diverjas
qualidades e de cores claras a 7$ a libra, es-
pelhos de columnas de Jacaranda a 2)5O,
ditos braneps de diversos tamanhos, caixinhas
para estojos de navalhas,
Vende-se pontea de alisar com costas de
metal a 1, ditos de diJTerenes qualidades,
lindas gravalinhas para seubora de difleren-
tes gostos.
Colhercs de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe para
! tirar soupa a 20, ditas para cli a &iOO,
; ditas para soupa a 4^200 a dnzia : nesta
loja .e encontrar sempre um grande e va-
riado sorlimenlo demiude/as: ruado Quei-
mado n. 03, loja do beija-flor.
iriz n. 00, de Cama 4 Silva.
UllliTAMIA DE OLO A 35000.
MadapoIO eufestado a 3^000.
Na luja do l'avo.
Vendem-se pecas de brelanha de rolo com 10
varas a .'15, ditas de madapolao enfeslado a 3520o, Aguia
35i)00 e 45 : na luja do Pavao, rua da Imperairiz
n. 60, de (ama 4 Silva. i I
Vendem-se na rita do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Meias de cores
I ara creancas de 6 a 12 mezes.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
"a Branca n. 8.
leos philocome. saperflne e babosa.
Banha fina em frasees e latas.
Extractos linos infieles e francezes.
Agua da colonia e florida.
Opiata e poz para deires.
Extracto de quinquina para ditos.
Agua balsmica para ditos.
Dita denirilice para ditos.
I.eite virginal para sardas.
Vinagre de Venus para refrescar e consetvar o
lustre da culi*.
Sabonetes camphorados inglezes.
Dilos areienlos excellentes para mitos.
Oulros tambera inglezes de diversas qualidades
em caixinhas de tres e sollos.
Albuns com perfumaras.
Mln^n* no -|n.
Fmqumta.
Anri.il.i.
CblnruKP ou Irlcrtela. } um.
MeiiBti*i..
AHrcror* Snpprranea n r-.
erii e drKr iirniitrunraa.
AfTcceo pulmanar e
plithlKle.
Mnlellaa rt'ealaraaaa.
GajalratajU*.
Tenia Ycjo se os buHfthis
C9m\lrmrrmrm *t Imm-
a >na I rai Iaa.
slraflaa
Faprlra.
Oh+trmtrm* mm g!a-
4 ulna.
Ilumarr* frlaa
marra
ILMchlll-ma.
Aflrrrar rm
r i>m:.u-
r cJin-a |T|>I
Vrale-, rte-, *%r.
de therap-~jticm nu.*a
Madapolo com loque de mofo a (JIM e 7^
Vendem-se superiores pecas de madapolao, ga-
rantmdo-se 20 varas em cada urna, pelo baratsi-
mo preco de 05MK) e 75 por terem um pequeo
toque de mofo que nada val, e pecas de algodao a
45': na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. CO, de
nema A Silva.
Corles de casimiras a 2b00 e 35
Vendem-se corles de casemira de urna s cor a
Grande expositfo de fa-
zendas.
Que eslo a venda, na loja e armazem da Arara,
.Men-
hosphoros deseguranca
viift*^00 palilo,s n!6 ca ra-,
Vendem-se na rua do Queimado, loja da des Guimaraes.
Aguia Branca n. 8. tZINHAS A 2i0 Rs. 1
Gollinhas e punhos iJlBBVJPt,1.
.bordadas para senhor*, | ch^^ ^S^rTSl!^.
A Agina Branca da rua do Queimado B. quaesquer loja vende a 400 rs., esta se vendando,
25O0, di las de quadrinhos a 35 : na loja do Pa- 8' vende-se mili bonitas gollinhas e punhos na loja Ja Arara pelo dimtyuto pre^o de 2i0rs.
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. bordados para senhora.
JmmmmJSSmSS:.C*. ,',S'"'S f0rUS P- 6'-
65 : na loja do Pavo. rua da Imperatriz n. 60, de Vendem-Sfi nama do Queimado, loja da
Gama & silva. Aguia Branca n. 8.
Laazidhasa 220 rs., na loja do Pavo #!-....* '
Veod laazinhas transparentes de urca s. IJOMinOS f? VtSpOTOS
em caixas de madeira.
e cirurgtcti de 30 de novembre IS60; a Caula
dos hos/iitoM de i- de ulho lr>0, ele., etc.
Alem das piluli..- de todureto duplo de ferr
quinina de llel .'". os Mdicos acn'- io
igualmente o Xarope d'iodure duplo da
ierro e de quinina de mesmo author para aa
pessoas que nao go^to de mcicamcuios sob 5r-
ma pilular e os meninos. Kste xarope ai* .em
como o xarope d'i'orfur de ferro, o tneomreuioMe
de alicrar-se e de ?<* no poder conservar.
Peca-se o folheio qne se d de graea em ca
dos pharmaceuticos depositarios.
i ..r;. se evitarcn ral ea^i o cci-
praitor em cada Irasco de Pilutaa oo Xiray a aa-
lignatnra do invci.tor.
liepdiio geral em Parif, pharmaciaReWll' a.
142, ru du bar., e em todas as boas pbarnueiw
de Franca a dos nuir.es estrangeiros, etc.
AGUA FLORIDA
cor e de quadrinhos proprias para vestidos de se-
nhoras e meninas, pelo haratisstmo preco de 220
! rs. o covado, sendo fazenda que sempre se vendeu i A A?"ia Branca na na (lo Queimado n. 8,
a 300 rs.: na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. .acaba de receber domines cm bonitas cai-
60, de Gama & Silva. xinhas de madeira branca e envernisada, e
v.n*. J" ?rai,adinos a,12!, A i visporas de caixinhas de papelo, e madeira
moW^gS^a^eBt^^:^^^ '"do con.inlia'a ser vendido
cora seda, tendo cada corte 22 covados, pelo dimi-
nuto prego de 12# : nicamente na loja e arma-
zem do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Dornools de renda na loja do Pavo
Chegaram os mais ricos bornouts de renda e se
vendem por baratissimos precos: na loja e arma-
X533
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & Lanman,
olhada como um artigo de'perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparacoes
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eficacia tao delicada,' como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisadoi da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas.ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleicoes, desos de se haver lavado; al-
livia a irritaco de rnpges ordinarias; faz
desapprecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
- Viudo do Porto superior em caixa de d; ^ *! .ebuliC5es> e d vigor e frescura a
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve- P.ai le onUe Quer do c\ ('., no seu escriptoriorua da Cruz n. 1. 1 Ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja .preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
Corpo Santo n. 19. : 'lda(,es infecctomadas, na alcova de um en-
--------------yr^T"!------------------- termo, assim como um antidoto excellen-
iNOVldade te para os desmaios causados por cansafo
Sedinha- de quadrinhos em perfeito estado fa- OU suffocacao. Preparada nicamente por
senda nui propria para bailes e teatros pelo Lanman & Kemp, Nova York, e a venda or
incrivel pre?o de 600 rs. o covado, laazinhas (af,rc 4 inrh.sa
de quadrinhos escuro a 260 rs. o covado, ba- iwruosa.
loes de 20 a 23 arcos a 25500 aproveilem que ________________ioaP pechintha: s na rua do Queim.do n. 17 ao p! Vendem-se no Recife em casa de Caors
/jajou^Do-se amostras._______________. Barboza e Joo da C. Bravo & C.
Kova gementes ieborlalica. | Vendem-se bO varas de Liopa com a largu-
Cbef-iram no ultimo vapor trance;: vindo da Eu-, ra de o palmos, e 60 esleirs de palha que serv-
ropa, bov.h sen-entes dehortalica, na bem conhe- ram de encapar fardos de linho da Russia todo
cuja loja de ferragens de Bastos, na rua da Cdeia proprio para capas de saccas de lia ou outro'qual-
to iiecie n. 30 A. quer mister : na rua larga do Rosario n. 36.
Metas preas
de laia pararpadre.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
en
O
2ErMo- = oo-l '-i S> S o a? r*
3 ~ c^snn.nx"
-
a;
u -
Farelo
a 45 a eiea, das maiores que ha : na rua larga
do Rosario n. 30, taberna da e-quina.
Vende-se o engenho JiiQdiahy, cinco legoas
disianle da cidade do Natal, provincia do Rio
Grande doaXorte, tnoente e correle, com 20 cap-
tivos, 20 bis e 20 beatas ; assim como diversos
oles de ierra, propria para a cultura de algodao e
ra.indii.ca, e mais duas fazendas de gado no Poten-
gi e Ceara-meirim, na mesma provincia, cujas ven-
da-; se effec'tuaro a prasos, medanle boas firmas :
quera pretender dirija-se aquella provincia a tra-
tar '-um Fabricio A C.
Potassa da Russia


c' ; 15 *
s
B
a.
j--
p-p"g B.l^a
- v "O a
a as 2
SHag
,S .,
0-22-' w__=2 "O (t
o?3 ^-^e-O 3-j,
1 "g
por pregos commodos e dinheiro avista.
Lencos pequeos
para meninos.
A Aguia Branca, na rua do Queimado n.
8, recebeu um novo sorlimento d'aquelles
zem do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama -.-*nCO brancos, pequeos e com barras de
Silva- ; cores, proprios para meninos e aluda scro
llieosctales prelos de renda uendidos pelo commodo preco de lOOO a
Cnegou pelo ultimo vapor francez ura grande e dnzia.
variado sorlimenlo dos mais ricos chales prelos de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elies muitos de pona redonda a emitagao de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se
por pregos muito em conta por terem sido manda- j
dos vir de coma propria pelos donos da loja do Auia Branca n H
Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Laziolias lisas a 500 rs.
Vendem-se as mais modernas laazinhas, lendo de
todas as cores, pelo barato prego de 500 rs. o co-
vado, larlatana branca e de cores a* 800 rs., fil liso
branco a 800 rs. a vara, cortes de fil brancos lisos
a b : na loja do Pavo, rua da Imperalrlz n. 60,
de Gama & Silva.
Chapeos de sol de alpaca
Vendem-se superiores chapeos de sol de alpaca
a .'t^oOO, ditos de seda inglezes com 16 aspas a
123 : na loja do Pavo, rua da 'imperatriz n. 60,
de Gama 4 Silva.
Laazinhas transparentes a 320.
Vendem-se mnito bonitas laazinhas transparen-
tes com palminhas de seda a 320, ditas lisas e de
varias cores a 220 rs.: na loja do Pavo, rua da
Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Corles de lias matizadas.
Vendem-se bonitos cortes de las matizadas, ten-
do 15 covados cada corte, a o, dilos Maria Pia g" S
a 63 e 85 : na loja do Pavo, rua da imperatriz 2 ep ?
o. 60, de Gama i Silva.
ROL'PA FEITA
ROUPA FEITA
ROUPA FEITA.
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de roupas feitas para horneen, sendo caigas, pa-
letots e colleles, tanto de panno como de casemiras
prease de cores; deixa-se de mencionaros pre-
gos para nao se tornar enfadonho o annuncio,
afiangando-se que o respeilavel publico achara um
grande sorlimento por baratissimos pregos : na
loja armazem do Pavo, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.________________
Piche do gaz e verniz do gaz.
Vende-se piche do gaz, verniz do gaz e estopa
da trra : no armazem da bola amarella, no oilo
da secretarla da polica.
Atteiicfto.. *
Vende-se o deposito da rua Nova n. 61, bem
afreguezado e bem sonido : a tratar na rua do Li-
vramento n. 3i.
MADAPOLAO COM 2i JARDAS A 43500 I I
MADAPOLAO COM 21 JARDAS A 43500 I !
vende-se madapolo com 2i jardas e garanlin-
do se que tem 20 varas, pelo barato proco de
43300, 33000, 63000 e 63500.
BHETAM1A DE ROLO COM 10 Varas
A 23800.
Vende-se brelanha de rolo a 23800 a
Mendes Guimaraes.
MADAPOLAO ENFESTADO A
E 43000.
MADAPOLAO ENTESTADO A 33000, 3*300
E 43OOO.
Vende-se madapolo enfeslado pelo o barato
prego de 33. 33500 e 43 a peca
' COLCHAS DAMASCADAS DE FL'STAO.
Vende-se as mais rao lernas colchas de fusio,
tendo de todas as cores a 53300, ditas grandes a
GRANULOS
rSMVTII
tfRIER
0> ;,: mh.'m a HtnatA de Cbavriar beta
superiores a to;!;;s as oulras preparacoes mt
biftnittli cmpreeai'.as antes com o maior srcees*
pelos motion de todos os paizes, para preTeair
curai as
pega, s
33000, 33500
Ka -'graliea
CasMiai
GalfralflM, ra
nlmiliritft rkronlraa.
D-sm-ntcrlaa.
pdree ifruiaiajga
Hjaprf 'I_
Os primeiros symplomas l'essas formidav*
alfeccoes se mai:.:-sto ordinariamente per iu*-
toes laboriosas,, .dumes, falladapptiiu tan
d estmago depois de cada comida, cambras es-
tomacae-; e, mu i tas vezes, por .pono* ervos;!
com vumilos.
i-1 eSi;!d0 -no>b.i',- ""-o, ira* aa-
63000, ditas de damasco a 43000, dilas de chita a v,Iavelmenle' 1" *J
o
ir.
O a
3
O*
O
cw b 2 o
-j y- =;
^'W
O
kttenco.
Vende-se urna serrazinha circular, com motor
cora a qual se pode usar para furar e tornear : os
prelendentes podem ve-la funecionar na fabrica
de carros de F. Poirir, na rua da Imperatriz nu-
mero 5o.
c
3
3
CA
o
s
rs
39
o
50
23240 e 13900, isto s por a cabar, na loja e ar-
mazem da Arara n. 50, Mendes Guimaraes.
CHITAS FRANCEZAS A 240, 260, 280 E 300 Rs.
CHITAS FRANCEZAS A 240. 2-0, 280, 300 E
320 Rs. O COVADO.
CHITAS INGLEZAS A 200 E 220 Rs. O COVADO.
Vende-se cambraias brancas desalpicos a 43300
a pega, lambem ha um grande sortimento de cam-
braia brancas que se vendem a 33, 33500, 43,
3. 63 e 73 a pega.
CHALES DE MERINO A 2*000.
Lencos de cambraia com barra de cores a 13800
a duzia, ditos de dita branco a 23 e a 23J00 a du-1
zia, s Mendes Guimaraes.
CALCAS DE I1RIM DE LINHU
Vende-se caigas de bnm de linho a 33400,
23000 e 430OO, dilas de algodao a 23, s Mendes
Guimaraes.
Soulambarques de cores, vende-se muilo barato,
dilos grosdenaple preto, capas pretas vista se
far prego.
PALITO-S DE ALPACA RUANCA A 43300.
PALITO'S DE KRIM DE LINHO A 53000
Entremeios transparentes a 800 t. ditos upado
a 13, ditos para baado a 13000 cada urna tira.
ROUPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se um sorlimenlo do roupas feilas de
todas as qualidades, que a vista se far prego, e
outras muilas mais fazendas que se diixam de!
annunciar, rua da Imperatriz n. 56, Mendes Gui-
maraes.
Oppri-n
Darfa *> ral
IrrllBrora de <-> I a a
la, malrls. rir.
Molrallaa de tl_.il
A Iclor.-lw.
Palpllara de eorar**
Horra noa i-I na.
Os granulos Chevrier sao ordenadoa pete
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural aa quando sio inmute a
tempo.
0 preco de cada frasco de i francos.
Depsito geral em Parif, phannaciJthTrir
e em todas as pharmacias de Franca e dos
estrangeiros.
NOYIAUE
A Ift 1**00 e IJJ.OO.
Leques de osso, ultimo gosto, a 13.
Ceroulas de meia a 13200.
Diitas muilo finas a 13500.
S na rua da Cadeia do Recife n.5
Presunto para fiambre
de superior qualidade a,700 rs. a libra : na rua do
Cabuga' n. 18, armszem Flor dos Progressos.
Vende se um preto crioulo, bem mogo
paleo do Tergo n. 141.
no
Vende-se urna escrava crioula : nos Coelhos,
rua dos Prazeres n. 10.
Fumo da Babia para
charutos.
Vende-se fumo superior de todas as
qualidades, a retalho e por atacado, e
por pregos commodos, no Recife, rua da
Cacimba n. I.
mmmmmwMmmmmmmm
MASSA E XAROPE
BERTH
cea i'.odeix v
Preconizados por todos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas aa Irritmee*
do peito.
AVISO
Falsificagdes reprchensiveis excitadas petos
successos do Xarope e da Hasta de Berth,
nos obrigao a recordar que esses producios
Uo justamente
nomeados nao se
entrego seno em
hcelas e em fras-
cos com a asigna-
tura aqui indicada. >*"<<-- w*m**
151, rtid Sainl-Honor, NA PHARMACIA M
LUVRE, e cm todas as pharmacias.
Deposito geral em Pernambnco roa da
Cruz n.22 em casa de Caroa A Rarboza
Acha-sc
a variado.
Francez barrica 53000
Porlland dem 83500 .
Em perfeito estado:
Francez barrica 1^3000
Portland idem 123000
No armazem de Tasso Irraaos caes do Apollo.
VeMe-ieuma taberna bem afrepnezada para
o mato, e bemenmo para a trra por ffcar ao p
do mar, tambeni d comidas e dormidas, e recebe
passageiros, tend excellente commodo para fe-
tnilia : na rua dalapa n. 13.
GAZ GAZ GaAZ
Vende-se gaz da melhor qnalidade a
fl5 a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e roa do Trapiche Novon. 8.
venda na hvraria acadmica, na rna do Impera-
dor; na do Sr. Nojjueir, junto ao arco de aou
Antonio ; e na typographia imparcial, na rdl es-
trella do Rosario a compilago de toda a legislarlo
tendente administragao, arrecadacao e fi-
sagao dos dinheiros de orphaos defnntos e aa; i-
tes, herangas jacenles, legados, etc., contend- nao
s o regiment de cu.-tas e a lei geral das icr-
goes, como lambem todas as orden* e avi-.
governo, que a ludo tero explicado, tanto a respai-
lo das obrigagoes inherentes ao carpo dos differen-
les empregados de justiga e faunda, can do -fi-
reiios nacionaes e emolumentos jm> 1 ili iMw
Este livro contendo mais de 700 paginas ero muda
impressao e bom papei. e prestando se a otilidaiie
de differenles classes, tornase rec. mmendavei.
Seu cusi IO3OOO por cada exemplar en
tomos.
..T.-Vende'se um carro car,'W' efrw Ja
alfandega, com uso, e todos os peilpncr de outn.
ignal, ludo por prego muito commodo : a tratar
no pateo de S. Pedro n. 4.
Vende-se um escravo mogo que j TdrB-
genho : a tratar na roa do Mondego. oUria a. 13.




i mi 1 Til nnT~
^-m


Diarfo de Pe mam buco -- <|aart& iera *B le Julho de iS*



4

GNEROS BAR \TOS A DINHEIRO j
nos F
GRADES AII4ZKNS.DE MOLB.DOS
DUART
B 1 Pateo do Carm n. 9 armazem Progresis ra to Qacioiado n. 7
.TI
a, v vi .---- O ---- -----
nio e Commercio roa do Imperador o. 40,
Principal armazem de molhados.
AURORA BRILHANTE
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra t compran-
do de um paneiro para cima se far abaliuiento na ra do Imperador n. 40.
OH IllOPRIS!TiRIO.
sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
tese maispossoas do Cintro, que paramis facilitar suas compras deh-
beraram os proprielarios dos tres grandes armazens, reuuir todos os seus estabeleci^
men'os em um s annuncio, pe) qual o prego de um sera de lodos, prom
gen ios,
Fazem
[madores >
GUAPES ARMAZENS
DE
MOLHADOSl
\M Largo da Santa
'JaCruz n. 84, es-S
l^uina da ra do
iSebo.
ainda. mesmo com prejuizo nosso, qualquer passoa p-ider -mandar seus fmulos que.
sero tam em serviJos camo viessem pessoalmente fazendo-nos o favor d* mandar seus(
pedidos em cartas feixadas; para evitad qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmas, o que seno arrepender pessoa
alguma que lzer sin despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
S por ceuto na sua desp3za diaria.
Manteiga ingleza perfeitamente flor cbegaJa Uem com 't a 5 ditas a 3;?200. a(nnr.*
ltimamente no vapor Saladim, de 1$ dem vasios de todos os tamanhos a 23000.
a 13120 a libra e em barril lera abat- 13500.800 e GiO rs.
mento. Qucijos d -23300 a 23500 os mais frescos.;
lde:n francesa muilo nova a 13 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 230 a garrafa e
em barril ter abatimento. | 23000 a caada. i
Banha de porco refinada a 640 a libra e em dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e lf>00
barril ter abatimento. | a caada. |
Ca uxim de superior qualidade a 23600. Azeite doce de Lisboa muito fino a 609 rs.
dem penda miudinho a 23700 i a garrafa e 40900 a caada, |
dem hysson especial qualidade de 23500 a Tbucinho de Lisboa novo e mudo alto a 400
23600 a libra. I a lilra, e em barril de 5 arrobas a!
dem prelo muilo especial a 23000 e 23*00 103500 a arroba.
a i,bra. [Cerveja flass do fabricante Shlers & Bell a
dem do Rio em latas de 43000 e a 800 a 63500 a duzia e 640 a garrafa.
l|)ra. | dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 63000
Lalas coa biscouto de todas as qualidades a duzia e 560 a garrafa.
a 13200. ldem marca II Victoria Alsope e outras
dem da creditada fabrica de Biato Antonio c militas marcas a 33 a duzia e 500 rs. a
(Liaboi) proprias para da." a doentes a' garrata.
23 e 33 a lata. Sabao primeira qualidade a 220 rs. a
Bolaxinha ingleza muito nova a 33300 a bar-
rica e a 240 rs. a libra.
Latas com bolaxinha de oda e oval a 23-
Presante inglez para fiambre chegado no
ultimo vapor a 8.0 rs. a libra.
Cb Miric/ e paios muito novos a 900 rs.
a libra.
i^.is com mcarro t'lliarim muito novo a
:iio)0 e-320 a libra
\: ':n branca e amarella a 500 a libra.
[' i x-ulate [lortuguez de especial qualidade a
4e
a I3S00,
pequeos a 700 rs. e de
e 21'-' era caixa.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabo inglez superior a 180 rs. a libra e
lO'i rs. era caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 73000,
73300 e 83 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maralo 33203 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 23600, 800 e 100 rs. a
!n; su s) de 8'0 a 13003 a libra. I '", Kaxnn.***
: Iwsanlol verdadera 1HO0O a libra Charutos Normas de Havana a o3oOO a ca.-
i vend .nos a 13400. de Simas (Jos Fu.tado).
ra .-asea de guaba em caixoes de 4 e dem Londrinos a o3, dem.
i ora-s sepnr.. a l.no dem P.irasiense- 4300.
e n caixoe
i para cima a 640.
, : u se i ''in hcelas ricamente enfeita.las,
conlendo pera, pes go, ameixa, rainha.
e outras fratasa 33000 cada urna.
llttii era calda era latas feixadas bermetica-
m '.uto muo bem enfeitadas, contendo,
pera, pesego, ameixas e outras frutas a
640 e 700 a lata, tambem temos latas
grandes a 13200.
Marnjelada dos melhores fabricantes, em la-
tas do 23000 a 132 X).
dem em das de I l[ilibra a 13.
dem em 'atas Je I libra a 640 rs.*
E vi Ibas .'ilatas ebegadas neste ultimo va-
por a 700 e de o" para cima a 640 rs.
Feij) verde ou carrapalo em latas j pre-
parado a 640 rs.
Ameixas em frascos de vidro a 13300.
Id :i en aixinhas ricamente enfeitadas de
I200 a 23500.
Conservas Mexide muilo novas a 700 rs. o
frasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
Mol, i inglez a 64'' rs. o frasco com rolba
de vidro.
Musanla em p a 700 rs. o frasco.
Ij-i. j preparada a 320 rs
Latas com massa de tomate de I libra a
6O0 rs.
dem era lalas de I 1[2 libra a 900 rs.
Vi..hoscm garrafas viudos do Porto, Madei-
ra Secca "buque do Porto, Duque Semi-
no, Cascaradas, Mara Pa, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 13 a garrafa e 93 a 123 a duzia.
dem Palmella a 13 a garrafa e 113000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Eigueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
raf i e 23800 a 33300 a caada.
dem cm ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 243 a
ancoreta.
dem branco expe:ial qualidade proprio para
rnissa a 56') rs. a garrafa e 43 a caada.
Idoin mais baixo a 400 rs a garrafa e 33500
a caada.
dem do Porto especial qu lidade a 800 rs.
a garrafa e 53300 a caada.
Id ai Brdeaux era caixas a 73 e 700 rs. a
garrafa.
Champ mha a melhor do mercado viuda de
nossa encommenda a 393 o gigo.
Idora mais baixa de 185 a 203 e 13300 e
33 a garrafa.
Licores portuguezes e francezes a 13000 e
13300 a garrafa.
Marrasquino de Zara, verdadeiroa 13500 a
garrafa.
Id./minis abaiso a 800rs. a garrafa.
Genebra de laranja ver "adeira a 113 a du-
zia e 13 'i frasco.
dem de Hollanda verdaJeira a 63 a fras-
aueii< e 6ft0 o frasco.
dem de Hamburo0 a 53300 a frasqueira.
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o frasco.
Gatnfies cora genebra de Hollanda com 24
garrafas a 83. com garrafao.
Ida i com 14a 13 garrafas a 63-
dem Delicias a 13300.
dem Traviala di l\io a 53500.
dem varetas de Manuel Peixoto da Silva
Netto a 33300 e 1 > <0J a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 13*00
a meia caixa e 53200 a caixa.
dem mecetipes a 1-3700 a meia caixa e
330.10 a caixi do mesmo fabricante.
dem orientaos do mesmo a 13800 a meia
caixa e 3 3400 a caixa.
dem jovens de CasUnho & Fillio a 23400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 13*0) a meia
caixa, e outras m litas marcas de fabrican-
tes. .
Passas muito novas a 13303 o quarto e 53
a caixa de urna arroba hespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposicao de
comer 13300 a garrafa e I430OO a
caixa.
Alpista muito novo a 33800 arroba e 140
a libra.
Painco a 13000 arroba e 140 a libra.
Pexe em latas j preparado a 13-00 a lata
e era porcao 13000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmicete a 600 a libra e em caixa a
380.
Vellas de carnauba a 12 e 10.3000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 13800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 23300, 33000
e 43!-'O0
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, e a 40 rs. a libra.
Gomma em paneiros a 43000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranho muilo alva e nov3 a
240 a libra.
Sjvadinha de Franca para sopa a
bra.
Sevada muilo nova a 140 a libra e
arroba.
Caixas com estrenha, rodinha e pevide a
400 a libra. i
Alhos em canas'tras muito novos e mauncas
grandes a 180 e 200 rs cada urna.
Canda muito nova a 13000.
Cravo muito novo a 300.
Cominho idera a 320.
Ervadoce ilem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amenloas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 43200 a resma,
dem lizo a 43000.
dem de pezo a 33000.
dem de embrulho marca grande a 13200 e
13300.
dem azul para botica a 23000.
Copos lapidados a 53300 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 j
16'J cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 13500 a libra, em porc3oter
abatimento.
200 a 1-
43000
mu
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 43000 a sacca
mmmmm
Largo da Santa
sCruz n. 84, es-a
i (nina da ra dojj
Sebo. m
. ESPECULES 1
rnr, nup5" Proprletanu do j muito acreditado armazem de molhados denominado Au-
rora urunaate, continua a ter o mesmo sortimento de gneros de primeira qualidade.
a >euiote tabella sirvira' a todos de base para ajuste de comas aos portadores.
m>in ,,, YUm Y".raazem vender1 mais barato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja*
i>eiu ranue sorltraento que tem, ja' mesmo porque seu dono s deseja tirar diminuto lu-
,,,nj-, efUP para aecuraular as despezas do estabelecimento por isso deixe se a-
proveiiar, o prsprietario ba de (azer toda a diligencia, afim de servir bem os seus cons-
tantes freguezes.
fL\U7J"V 'braS dL'choari5as muito novas,
Dius grandes com peixe em postas inteiras,
JJJJJ' t*-laalidades, a ifliOOO, l1280e
Ditas com ostras, excellente petisco para fri-
gideira, a 720 rs.
Minas com ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
Unas cora favas, a 640 rs.
.Ditas com ameixas a 13200, 15800 e 3*300.
>unas com marmelada do a/amado fabricante
Abreu, a 720 rs.
jDitascom massa de tomate, a 500 rs.
fD''ascora flgosde comadre, novos, a 1,5500,
{"''a/^jnbolachinha de soda muito novas, a
Ditascorabiscoitinhos inglezesde muitas qua-
lidades, a IJiOO.
Charlate.
Caixinhas com ameixas enfeitadas proprias
para mimo a 1*200,25800 e 33200.
Chocolate superior muito novo, a libra de
880 a 1*000.
.MacarrJo.ialhariara e aletria amarella, a libra
i a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estreJinna, pevide, e outras mas-
| sas, a caixa 35300.
Ditas dita em libras a 640 rs.
ISag, a libra a 360 rs.
jSevadinha para sopa a libra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
jDitas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
'Farinha de araruta verdadera, a libra a
> 500 ts.
{Arroz do Maranho, em sacco. a arroba a
2*400 e a libra a 80 rs.
.Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a II- Cartas finas par logar, a duzia a 250' o.
) bra a 100 rs. | Castanhas.
'Toucinho de Lisboa a 95O0 a arroba e a 320 Castanhas novas viudas neste vapor,
L." ,a 'bra- ba 4*000 e a libra a 200 rs.
pao debamos, a arroba 7*000 e a libra a Azeitonas.
.Molhos'com 125 ceblas grandes, a IJ280. !Barris c0,a azeit0"as S? a 153
Mostarda franceza, caixa com 2 duziasa' Han!"!la-
i 7-3000. Manteiga superior, a lihra a l*3W.
1 Frascos com mostarda preparada em vinagre,! Dita mais abaixo a 1*200.
I a 400 rs. I Dita menos superior a 15 .
Ditos .rom conservas inglezas e franceza-, a Dita franceza nova, a libra a 8SI
640 e 800 rs. j Dita lita era barns e meios ditos,
JDitoscom sal refinado uno, a 640 e a 500 rs.' '850 rs.
i Ditos cora a verdadeira genebra t&aranja, a
Violto verde superior.
A caada a 3*000 e a garrafa a 400 rs.
Gomma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se i
enzommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Farioha.
Saccasgrandes com farinha de Goianna mui-^
to nova, a 5*000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*,;
8*500 e 9*000. <
Cb.
Ch.temos nestes seeros o melhor possivel.j
hyson, a libra a 2*600.
Dito perola a 3*000.
Dito uxim a 2*700.
Dito hyson muito fino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira qualidade a 2*o00.
Dito mais baixo a 2*000 e 1*600.
Ena mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Ispermaeete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs. <
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 4* e 2*500.
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpista e painco.
Alpista e painco, a arroba 4*000 e a libra
160 rs.
Cartas.
arro-
\
DE
AZEVEDO FLORES
Riiii-da Cadcia do llecife, esquina da Madre de Den-.
BALdES
Os ricos bales de arcos de 3$, 44 e 5
Baloes de arcos para meninas de 2 a 11 annos a 2$ e 2-5500.
Bales de panno para meninas a 3J e 35500.
Chapeos de s t.
Os afamados e bem condecidos chapeos de sol com 12 asteas a 8$.
Ditos maiores com I (i asteas a 12-$.
Tapetes.
Grandes e pequeos tapetes com ricas estampas para sof.
Chitas.
GhitajS largas a 240 rs. o covado.
dem escura.' finas a 320 rs. o covado.
Camisas.
Superiores camisas a 2.*>00.
Camisas com peito de cor, e todas brancas a 1^800.
Ha muitas outras qualidades com peito de esgui5o.
Casemiras.
As modernas casemiras de quadros, ebegaram
Roupa leita.
Ha completo sorlimento de casemiras, de brim branco e de cores.
Coiicirioiios.
Cbegoa no?a remessa de colleirinlios de papel de cores e branoo?.
Tambem lia completo sortimento dos de esguio.
Caifa.
Caigas de superior brim pardo a 2?)300.
Cambraia branca.
Superiores cambraias brancas a .';5 e 75 a peca.
Cambraia branca para forro a 3i0 e 400 rs. a vara.
Las.
Laas de bonitas cores a 4.cO rs. ao covado.
dem para luto a 560 rs, ao covado.
A QEM NOS LER
Todas as semanas reformamos o nosso annuncio, annunciando ao publico acra
fazendas e novos precos e nao como muitas pessoas Mip.e semprc ser as mriiii i
I sendas.
a libra
garrafa-; de Hollanda verdadeira,a
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos
Queijo* novos
:i*000.
Ditos loudrinos
1*000.
VI
ndos neste vapor a 2*800 e,.
muito novos.
Papel.
a libra a
IjfOOO.
Ditos de 2
640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafoes com 2 aloes com dita, a 6*.
S7uza SioOO6*' 3 ^ a ^^^ 8 a Wpel itat pau.aZ a resma a UMO.
Dito dito lizo de linio, a resma a 4*500.
Dito de peso lizo e paulado, a resma
Dito de embrulho, bora a 1* e 1*200.
IllAS II LIA 1 l:
de trtbalhar uio para
d i'scaroc ar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLAM
65000.
'Vinho muscatel de Setubal, a frarrafa a 13.
Marrasquinho verdadeira frascos a 80C rs. e
a 1*200.
JChampagn!, a duzia 20*000, e a garrafa a
, 23000.
5 Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
* a 1*000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
7*. 83, 93 e 103 a caixa.
jDitas com dito branco, a 7* a caixa.
, Ditas com dito lagrimas do Douro verdadeiro,
k a 20*.
'Ditas com duque do Porto verdadeiro.-a
. 18*000.
kDitas cora chamisso superior, a 14*.
'Ditas cora Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12*.
jVinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
i e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 33200,
l 35500 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Pigueira, das seguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. I.. G.) (O. M.) a caada a
\ 4*500, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
f que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
LDitosde marcas mais desconhecidas, a cana-
) da a 3*500 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
.Vinhobranco fino, agarrafa a 640rs.
IDito de caj muito superior, a garrafa a
t 800 rs.
,^_
Vinho Madfira.
Garrafas com n verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*500 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenia do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas Je carnauba refinada
480 rs.
Amcndoas.
Araendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce da goiaba, grandes a 1*400 i
e pequeos a G40 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Grana.
Duz'asde boioes de irraxa n. 97 a 2*000, e 1
de latas a 1*000, e os boioes a 241
da um, e as lalas a 100 rs.
Charutos linos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da.
Bahia por diversos precos, caixa: e meias
caixas.
Estas machina
podemdescarocar
"ife-P f|Ua''ll,er esP'ci
VJ^^de algodao sen
\\''"j. I I 'estragar o fio.
f N 'ivTl^S*^^'^ sendo
i:;

E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, pe deixam de an-
nunciar-se.
N. ll--Rua do ueimado-N. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
augusto Frederico dos Santos Porto.
Chegou a este estabelecimento ora grande sortimenio de cortinados bordados para
camas fazenda de muito goslo.
Chales de guipii muito linos para 22*, 25* e 30*.
Colxas de seda superiores de diversas cores para camas de noivas.
Colxas de laa e seda para cama tambem de bonitas cores.
Rotondes de guip enfeilados com o melhor goslo.
Setim de Paris bella fazenda e de braias cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureaotique branco e preto, grosdenaple preto e de cores, pannos pretos de todas
as qualidades, ditos azues. ... .i,. .,..
Casemira preta e de cores, merino preto, silistrraa, borabazinas, alpacas pretas, e
lia pret para lutos.
Malas, saceos e bolea de tapete, verniz e couro de a n.
Brins de lioho de cores finos a 1*800 a vara. hA
Chapeos e chapelinas de palha de Italia para senhora, manguitos bordado.. MP*
de seda pira hornera, chapeos de sol de seda, esgu.ao da l.oho, cambrata de IMM, breu-
nhas, silesias e muitas outras fazendas que se vendera par corara)ios precos assim como
tambera
Esteiras da India para forrar salas
Era casa de Tisset Freres ra do Trapiche n,
0, lera para vender :
Vinho B rdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerae fino.
Dito d* Champagne rauilo saperior.
Cerveja franceza marca Bobee.
Taso iranios
vendem gesso em p para estuque le casas, tijolos
finos de feitlo diversos para laarilho, azuleijos de
diversos gostos, tijolos vi Irados para parede de co-
zi'nha, canos de barro para esgoto, cemeuto em
barris de 10 arrobas.
bastant*
duaspessoaspar
. o trabalho; pd*
descarlar urna
arroba de algo
dao era earoei
era 40 minutos
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar
robas de algod<
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocara 18 arrobas de algod.
limpo, oor dia; e motores para mover urna, duas,
eutr^s dessas machiuas.
Os raesmostem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem vr e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n .47.
Saunders Brolhers & G.
K. II, pra$a do Corpo Santo
RECIFE.
Os aicos agentes neste paiz.
Attencdo.
Vendera-se pecas de esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de.25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados Unidos : no armazem da ra do
Trapiche a. 8._____________________
(loke do aaz.
pitcli do a/.
Alcalro do gaz.
Coke tonelladas rs. 105000
Pitch 8OO0
AlcatrSo caada..... 400
O coke reconhecidaraente o carvao mais econ-
mico, torna-se por isso recoraraendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aoode
alie usado. Pitch e alcatro.alra das applicacdes
diversas a que se prestara, como para callafeiar
embarcacoes, alratroar madeiras,etc.,teero este a
propriedade de preservar do cupim, formigas,eic.
E' entregar aa fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da ridade, segundo a vontade do
comprador. ___________
Instruyes para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito comuna
aquellas pessoas que se alistara nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Independencia, a Id.
Farinha de muribeca fina e alva, mais
barata que se vende no mercado, em sac-
eos : na ruado Vigarion. 29.
Attencav;.
Grande liquidaco he fazendas e roanas fe-i
tas nacionaes.
Ba da Imp- rairiz n. 72, loja e armazem *
Guimares irmao.
Os proprietarius desie novo esUUIeriaralo re-
ceberam pelo ultimo vapor francez aro graade ser-
lmenlo de laasinhas escocezas, padroes moitc bo-
nitos, que esiao vendendo pelo diminuto prero 4e
240 o covado ; muo barato ;
Laaninlias a 240!
Lasinbas a 240 I
Laasinhas a 240 '."
Ba da Imperalriz n. 72,1 ja e armazeai de
Guimares A Irmo.
Tambem rireb-ram um grande .-ortimeMe 4e
colchas de futan qne *,.lo vrnifeiido por 5*5nOe
(>*, d,i:is de chita a 1*900 e 2*, ditas de laa a
1*500 e 2*. grande sorlimeolo de cambraia* kra-
cas^ a 3,320, 3*500 e i*, ditas muito Boas a
4*800, ;"* e 6*. ditas de salpico* branco a V-VW
e o*000 : isio- na loja e armazem oVGoimaraes
ic Irmo, ra da Imperalriz n. 71
Chitas largas a 240, 260, 280. 300, 320 '
Chitas largas a 210. 260, 280, MO. 32t |
. (hilas largas a 210. 260, 280. 3O0.33'-
E muilo barato, pecas de brelaaha A rulo cea
16 varas a 3* e 3*200, ditas de madapoio com t
jardas a 4*o00 *, 6*, 6*300 e 7*. mmHo feo a
a 9*, madapnUi'1 francez enfe.-tado rom 12 jnla
a 3*200, 3*o(0, '.* i*O. chales de mermo es-
lampados a 2*. 2*oOO e 3*. dito* nimio feos a
6* e 6*o00, cortes de casemiras de coces e arelas
pelo diminuto proco de 2*000, 3*. 3*.>IO e t*.
ditas muilo unas a 5*, 5*500 e 6*. grande orn-.
menlo de roupas feilas de torta* as qnali ia*-. e'
; prego que s vista dos comncaeces <\m so
i podera dizer o prego, amaneando que ti mi jj
' por menos 20 0|0 que em ou qnab|ner part :
isto na ra da Imperalriz n. 7% loja de Gaimartes
& Irmo.
Vende-se
fardo de Lisboa em saccas e barricas. *
com superior farinha de mandioca, mais barate
que em outra qualquer parte : na ra a Ygane
o, 17, primeiro andar.___________________
1/ lAsTvSoslT
CHRYST4ES.
A loja de tonga da roa do Crespo n. 16 lea pca
vender ,;n-.:m l.ide de azolejos de lila* e van
cores, assim como toncas de todas as u
de bonitas pintura* e goslo moderno, rico*
Ihos de porcelanas brancas douradas t
vidros de lodas as qualidades, inclusive
chrystal, dilicados jarros de rhrystal
para flores, figuras e outros moilos ofcj
Dissima porcelana denominada bisca
feites de mesas, etc., goarnigoes de toi
colana branca douradas e de cores para
e toaleles, ludo do melhor gosto, pinnas i
vasos para jardim, randieirne de la
gaz, globos e chamineis de vidro, borrae
os mis sobrecolenies para os mesaos,
de superior qualidade, e moilos oolros
seria enfadonho mencionar, lodo aor arreos
liwmiM razoavels.
Farinha de mandioca : lea para
tonlo Luiz de Oliveira Azevedo & u, a>
criptoria ra da Onz u. 1.
Aa
Vendem-se
A Itenfa.
machinas americana* de serrote para
algodo : na roa da Senzala Aova a. 41.

Vendem-se gigos de batatas a 300 rs. : na ra
da Concordia o. 33.
Vende-se
MWilGA
ho com
ura fltelro pequeo : na i vender
um balrfio de pinho c
ra da Penha p. 2
Veode-se urna burra de ferro grande
em p'erfeito estado e por commodo preco :
na ra do Apollo n. 20.
Na taberna da rna do Rangel
nder deus caixhos de amarello
para ourives oo relojoelros.
a ttfewa
amarello, aova, |
B1LHAR.
Na roa da Imperalriz n. 20 se dir q
um bilhar de Jacaranda qnasi aovo, t
prego.
-

'-,.
-yamtm
ll rjmix afr-i
i 11 '*
i n*


- -mj- -
W. ""tftWi*
.
I
Diarlo de Periaabaeo Qanrla lelra de Jnlho de is*.
0 NOVO GERENTE
LIGA.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
VitiU \ lUDH'ii 3)18 33 iDSUnilISl
A0 PUBLICO
em o menor constran
gimento se entregara
importe do genero que
nao agradar.
ATTENCAO
os preco da seguate
taoelia para todos, pe-
deudo asslut servir de ba-
se para o ajuste de conta
com os portadores.
GRANDE
Ai^ZH NLIMWtS
Pharol do eommereio
Rua do Rangel n. 73.
O propriedrio imk e.-bb-it nn >. i m a i.<*>
ra de avisar aos seus bMMN m i .-->a-
de redurcao dos precos de seos geswr V i rmn-
ra qualidade : manuica nflela I? p 1-3*0 r a
libra da nitima chegada ao o.:--.. i
ranreza a 'JOO rs. e un barril -, bi M air.' nfc*.
queijrs ffamengos novo? a i**,,
se pode desjar mi b nda-te a i rs. a rra,
amellas trncelas raiiinbas a I:r*i. I/. De
I800, frascos de ditas 1*400,grana.-.. :'-*!*-; rio*
para mimos, marmelada da* i inanv a
640 rs. a libra, amendoas rcrf.iia.:.-.- ara na
de S. Joo a 640 rs., vicho do Port" a 40 e 72ra
a garrafa, Figueira Li-boa II S, ||| ;;*>,. p
em ranada m faz o batimento, r
com 2 arroba* por 3,-"(O p a libra fc r. -.as
caf i- .-oil- 7800 e 7200 e a Mra e SCO
$ wrihora ;- 2to r>. a i ira. t. o. .t--- >
q"ue7en"do ila nm parte" mandados vir directamente do eslrangtiro podem ser rezcom que serio tratad*, nvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteceao e preferencia na com- jSeSa,',M K'.t k?i2
vendidos Dor oreos asss razoaveis. nra dos eneros que precisaren e quando nao possam vir poderao mandar seus portadores, anda que estes sejnm pouco pratiecs, guez a coo
AO
iem
RESPEITAVEIi ITII.KO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
da Liga estabelecido rus Nova n. 60 um'magnifico sortimento de molhados.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Conceieo)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore1
rs., alpiMa a ajM a arr.l.a p 12*) i.
nidos por precos assas razoaveis. n*" """ *"""> m^ F. .. ~ ,%.--------r ---,-------~ ---------\rI -----,*-----..w^jniupuuiuiJiciiiiu, sur* a wv r>., aipoia a swi >::. .i;
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o os serio tSobem servidos como seviessem pessoaimente, navendo para com estes toua recommeniJaca'o, anm de que nao vilo em a lll"a- gj"5" W>a d" uo s>
imeiro e nico em seu genero, pde-se porm affiancar, com toda a seguranza de que p ta prte. m-:?J?'J?> ',r?!'; SZ?mSi
nhum outro o exceder no restricto cumpnmento das seguintes promessas: Minteiga ingleza especialmente escclliida a Aieu ia, macarrao e lallianra a 4oo rs. a li- Sal refinado em frascos de fidro com lanij a roba, bcUtaioa ir.gipir, iau dr-a i, r7 tSt,
1 T^Ali>flflp*/!i HA trfltrt. 1'00 e 8o rs. a libra e em barril se faz Dra e b.oooa caixa. do mesuio, a ooo rs. dllos de K'da gr?.nde> 2f,oo t oeir<. m* ppn-
pnme
nenhum
1.* Delicadeza no trato.
2.' Fidelidade no peso.
3.; Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharao nesta
casa os melbores queijos I andrinos, cerveja, vinlios finissimos manteiga e cb semprede
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condigo do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte aro mensalrnente urna economja de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ihes vender e arroz, o caf, a man-
teiga o assucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas parles nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem vir, jelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhor's que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agraiar aos senhore-
compradores.
Nao se tem poupaJo sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agr-
dsr 3 todos
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e paingo de oilo libras para cima a
100 rs.
Ahroz de 90 rs. a libra a........
A.mendoas, casca molle, a 8u rs. a libra.
Avei.las a 210 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todo- os l-
mannos.
Uem idem em potes de lodos os tamanhos.
dem i Jem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem Jem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azi:iTK dock-de primeira qjalidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 200tf a garrafa.
H i Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
BOLACHINIIAS do Beato Antonio em latas [Massas finas para sopa branca e amarella a
grandes e pequeas. i 60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
dem do Principe Alberto a 25000 a lata, e I 3^500.
de cinco para cima a l,->800. iMilho painco e alpista, sendo mais de 8 li-
Idera e so la em latas grandes a 2000 e bras a IU0 rs.
de cinco para cima a 15800. N
Biscorros inglezes de todas as qualidades a NOZES a 120 rs. a libra.
15200, 15250 e 1*300. Nabos em tulas a 800 rs.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada I O
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
K
KIKSCH de Wasser a 25 a garrafa.
la
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Lethia a iOO rs. a libra

MANTEIGA ingleza e franceza de p imeira
qualidade a l#, 15120 e 15280, em bar-
ril se faz grande abatimento ; a que ven-
demos por 1)5280 a lib a, vende-se em
outra qualquer casa por 15400 e 15500.
Marmel.vda dos mais acreditados fabricantes.
Macarrao e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
I Mostaiida ingleza a 800 rs. o frasco.
Momio inulez de todas as qualidades.
urna.
Batatas inglezas.
Ba.mia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, e em porejio a 600 e 700 rs.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Ciioiricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porfao
se far abatimento.
Osiras ingle/.as e americanas.
F
PE1XE em posta, latas grandes, a 15.00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, parg<\ salmo, pescado e
pescadinlia, linguado, sardinha. etc., etc.,
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para dentes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
dem de primeira qualidade a 75000 a ar- Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
roba.
Conservas em f>ascos a 320 is. cada um,
sao muilo novas
dem inglezas, frascos grandes.
iiAMfAGNE de lodas as marcas.
Charuto de grosella, orebata, etc., etc.
Chicaras e pires a 15^00 a duzia.
Ckhveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'IJavaua, ExposLcSSo,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos. Apraziveis. Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, bysson, huxm, aljfar, preto, e
prelo ponta branca, ele, etc., a 25000,
252''0,25560 e2580O.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, 45 e 55.
Clices de todos os tamanhos-.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos-
1
DOCES de lodas as qualidades: brasileiros,
portugue/.es, inglezes, l'rancezes, etc. ele
K
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
FARLNHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feijo verde em latas a 000 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fimo do Rio a 500rs. a libra,
dem americano em latas a 25.
Fabello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, d dos os tamanhos e de todos os precos.

GOMMA a 50 rs. a libra.
dem 2 140 rs. i libra, muito alva.
Grao oe Breo a 120 rs. a libra, e em porco
se faz grande abatimento.
Genebua de laranja verdadeira a 10000 o
Irasco.
QUEIJOS laniengos.
dem puto a 800 rs. a libra,
dem suissos a 800 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QiARTi.MiAs ou moiunques a 65, 85 e 10 o
par.
R
RAPE' Mearon a 10 a libra.
dem Prnceza do Ro a 15200 a libra.
dem francez a 25500 a libra.
SI
SABAO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
T
TOCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINH0S1
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Vellio secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa
Duque a 15 e 15500.
Cliamsso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Selubal a 25 a gar-
rafa.
Carmelos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nlio que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 15 agarrafa.
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermoulh a 25, e a caixa a 180.
Btler Maurer a 10 garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; vende-se por este
preco por baver sempre em deposito 50
duzias.
De caj, de 1852, a 10200 a garrafa.
Veiho do Porto, em ancorelas de 9 caadas,
a 350000 ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se a 10280 e 10500 a garrafa.
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha bysson de supe.ior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs.
dem preto o que se pffe desejar neste ge-
nero a .ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato? 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
bra e .oooa caixa. do mesmo, a ooo rs.
Massa para sopa : esirelinha, pevide e rodi-1 Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e fl*o
nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancorelas de S caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, loo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missaem caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e I o,oooa caixa com I duzia e 9oo,
1 ,ooo e l,5oo rs. a garrafa.
ditos de soda grandes 2(,oO e ocir ai- p
roa qoe se lerna eafadoatho *(* r- r. r< \ ,:*!*-
lario espera a romiirrenria sr>-| ,r f |bMb,
paraniindua pxaclnl.ii> rio tinp Ir arar
Vendem-se ratmeira* Infartar, m oV
de seren iransplariada- : no Ha% I aaaak m-
querda, depois do bate oo E.| inbeir... at Al-
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinna de Franca muito nova, a 2oors.
Charutos do aflamado fabricante Jos Furia- 2li2!i
do de Simas, das seguinles qualidades :i Fio de algo dio da BnMaV
Exposicao Normal de Havana, Impe iaes, Y,,U(cf'f soMcna^atia de Adiodi. lu G-
Londrinos, Guanabaras, Parisin?, Sus-fS! AyeVfdo* r~J?**?J *-.1_______
piros Delicias, a 4,ooo. 4,5oo, o.ooo, I VcHle-Sl1
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias. .
Charutos Hnos Hp .livpr marras p fahri Uma BraD(le f, WH* fropriedade. iluaa ra
liiHTWOR unos ae nersasmarcas e labn-- terrenos oofrV>rai de Berrnarer, enn l ir. r--'.- ale
cantes. Como sejam: Flor do Norte, Ma- casas terreas, spndo .loas aiilii a*hj r.iip Ka
nilhasdellavana, intervallos. Vencedores, ra da Fiortnnna, e as i i edificadas n.. fir.
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e (?rmDd'' unia rua i"* -*?rn ao t*a >ae> .j.. r
q nnn a raiva f Capibaribe, sea renrtimenio anroal (fp *> i i.
J,000 a caixa. a(hando-se lofla* iimH
o^nac inglez das melhores marcas, a 8oo e( Uma ra>a na ma do Vipwti .T dp tres a*stv
1,200 a garrafa. | res e n ao, rom bolilla frPDie, e rr-rde (ub*> e
Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata COm 'ar?ura. ""nlendo dat erandes- aiir.aip#, ca u
A lihrac "eDle e ou,ro Pe, Dn<, da I' o f dt-
* "' "> i sembarqne.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a: Uma rasa na ma da Cruz n. 53. d.- MM >*
libra.
Vinho Cherex de superior qualidade a 16,ooo I libra. dares, bem mmtnU.
a duziae l,5oo rs. a garrafa. jMalte.excellente cha para os navegantes, a lkUspf^ndenirsnirijamseaoesrripioriodeo-
I Sajdinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e 2oo rs / SSftft %'& 5\
I b4o rs. as meias latas. \ Sebollas de Franca muito grandes e novas para asonar a< ps.tii mras d..-1 mu ,
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a i a l,8oo o cento. e l,2oo solas.
dem suisso o mais superior que tem vindo barrica e 320 rs. a libra. Palitos do gaz a 2,2oo a prnsa.
ao mercado a 64o rs. a libra. Bolachinhas de soda em latas de diversas
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas qualidades a 1,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartoes com bolo francez muito proprios pa-
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.! ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs. Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez iiespanhol e suisso a 9oo, Figos de comadre a 24o rs. a libra.
1,000 e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJoaoi versos tamanhos, muilo proprias para
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Amonio, em lata de 6 li- mimo, a l,6oo, 2,6ooe 3,5oo cada uma.
eradas e das melhores qualidades de pei-! bras por2,5oors. Ruibos, excellente peixe portuguez, em
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francezas em fasco de vidro com, barris pequeos ou retalho, a visla se
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a 105oo. far o preco.
das que vem ao nosso mercado a 7,oooe Ameixas franc zas em ciixinLas de diversos Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
C'aluugas Osos e ferlaqued*
Toticinliode Lisboa muilo novo a 32o rs. a' ..._____ V*** ""f" ?*'
isi. a m i i.neparam n;-rn n ola de miudt-za- ila rna A
libra e 8,5oo a arroba. Qoeimado n. te, os ma.s nDOs e i"^> r**.*.
Banha de poico refinada a 65o rs. a libra.: tamo para bnnqnpdo de meninos rom. r.ara
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-! de : na mpsma loja se earoBirara bufi
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo l t"nen'oden"ud'';;s-________
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
I Caixinhas com fructas em doce secco de di-
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,oooell,ooors. a frasqneira.; Conservas inglezas a
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-: 8,ooo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-; 4oo rs.
bra e 7,5o5 rs. a arroba. | Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arrozdo Maranho de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro com rol ha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. i a 8oo rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa Lentilhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massade tomatesdesuperiorqnalidadea64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de uma libra e56o rs. a. reta- 15 a garrafae II,ooo a duzia.
lho. Palitos de dente a 1 o rs. o maco.
tamanhos com bonitas- estn pas na ca-. 8 garrafas por 6oo e 8uors. a garrafa.
xa exterior, a 1,4o l.fioo, l,8ooe 2,ooo, Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada uma. l,5oo cada uma ancorela.
Azeite doce refinado hespanbolou portuguez Champagne da melhor qualidade que vem
a 9oo rs. a.garrafa e lorooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e i,5oo a garrafa, e
Ratatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo 24,ooo e 26,ooo o gigo.
o gigo cora 36 libra-. Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
75o rs. o frasco e a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada uma e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2.ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a V,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a ooo rs. a
garrafa.
Vende-se uma linda p.trt;b,? d cant-
os j esperimenlados para carro > !, >>-
let: a tratar na praca do capim cachi ra
do Sr. Leopoldino Silva.
h
vpndpmse duas rateas lerrpas. pp<|apna-. ai
cbaos proprios. sita* na na Irriprial. taa .-. fr*-
le paro a via frrea, lem rarimln. e rinff m :aar
de 1 (i/O ao mez : a tratar na ra da Cr-or- r.fia
numero 22.
Vii hos lio Pbrln
das melhores marcas, em raivnt>a- iIp uira
de parrafas para asas paniruUrp-. r.i. : Ingri-
mas do Douro, Ruque do Porto p R. I.niz : !***
tem ancrelas de dcimo earapadus r. m -nondr
vinho, barris de o* p 10" en pifia : na roa n Vi-
gario n. 19, primeiro andar.
RIVAL
Rua do Queiuiado ns. 49 e &&.
Conilna a vender todas as miudezas que abaixo
declara por presos admiraveis.
Massos de palitos usados para denles a 100 rs.
Espedios de molduras douradas a 200,240 e 320 rs.
Bonets de oliado para mininos a !>ooo.
Ditos de couro superior fazenda a 15500.
Frascos com superior luna rochan 240 rs.
Meiadas de hnha froxa para bordado a 20 e 60 rs.
fiabado do Porto, fazenda boa, vara a 80, 100 e
140 rs.
Varas de franja branca estreila a 40 rs.
Caixas com 100 envelopes, fazenda fina a COO rs.
Grozas de pennas de ac, fazenda superior aoOOrs.
Duzias de meias eruas encorpadas para homem a
3*000.
Grozas de boloes madreperola finos a 300 e
e 640 rs.
Caixas com 50 novellos de Ilinha do caz a 700 e
900 rs.
Caixas com sugeriores obreias de cola a 40 e 80 rs.
Pecas de fita branca elstica com 9 varas a 280 rs.
Varas de franja de la para enfeites de vestidos a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qualidades a 400 rs.
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Lirros para assentos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botoes para punho, fazenda rica a 120 rs.
Tesouras para costuras superiores qualidades a
400 e i.
Caixas de pennas de calligraphia, fazenda boa a
1*000.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 1*300.
Pares de sapatos de tranca para meninos a 1* e
.1*280.
Caixas com superiores agulbas a 240 rs.
Libras de laa sorlidas de bonitas cores a 7*000.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
Rodinhas comalfinetes francezes muito superiores
a 20 rs.
Resmas de papel armaco a 2*400 e 2*800 rs.
Resmas de papel de peso fino a 2*000.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 1*. '
Duzias de tesouras com toque de ferrugem a
600 rs.
Duzias de facas e garios de cabo preto a 3*000.
Talheres muito fino para crianzas a 240 rs.
Vzeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no grande armazem
da Liga.
Saceos de
80.100 e 120 libras a 40,40500 e 55


no grande armazem da Liga.


PHCHI\CHA SEM iGLA
Madapolo muito fino com pequea toque de avaria, pir prego que admira : na loja Kgi
das columnas na rua do Crespo a. 13, de Antonio Corma de Vasconcelos & C.
Grande sortimento de roupas feilas de to-
das as qualidades,
Calcas de caserara a 6* e 7*300, ditas pretas a
6* e 85, caigas de ganga a 2* 1*800 e 1*600,
ditas brancas a 2*, brim de Hubo a 3*, 3*500 e
4*, palelots do alpaca branca a 4*300, ditos pretos
a 3* e 3*300, ditos de alpaca de cordo a 4*. e
de listra de seda a 4*300, ditos sobrecasacos a 5*,
palelots de casemira a 5*, 5*300, 6*. 8* e 9*,
ditos sobrecasacos pretos a 12*, 13 e 16*, ditos fi-
nos a 25*, de cores a 13*, ditos fraques a 14*,
paletots de ganga a 3*, 2*500 e 2*, ditos de brim
pardo a 3*, jaquetoes de brim pardo a 3*, panno
preto fino a 2*. 2*600, 3*600 3. 4*300 5 e 6* o
covado, moreatique preto a 2*600 o covado, gros-
denaple pret a 1*500,1*800, 2*. 2*200 e 2*500
o covado ; e outras muitas mais fazendas qne se
deixa de nnunciar, e manda-seflevar pelos caixei-
ros da leja da arara casa dos pretendentes O
1 e labelecimento est aberto at as 9 horas da noite,
rua da Imperairiz n. 56, Mendes Guimares.
ESCfiAVOS lfeltS.
Escravos fugidirs.
Ao amanhicer do du 16 d> man ikez fucj-
ram os escravos seguinles : Theuivio. "prrfc t
nacao, alio, ebeio do corpo, irai. r de 30 tmm,
barba bastante rente, falla cu>lo-a. e qrnili fn-
nunria as palavia?, os bMM qu>- -ao %rmwm. \tm-
mem alguma rousa, lem ao branro ** lai |_ri
ripios de rarnosidadp; Viris.*imo, muUio. em
pouco claro e alguma cou^a palidj. t rna-ro. ra regular, tem marras 'V tu wgai a inhii m
rosto, os denles limados, as peinas o .Igcaaw
e largas cicalrizes, e anda romo quero i turbas
nos pes : quem os apprehender pan letaiof ao
seu senhor em a roa da Aurora o. 32. rerio Al
que ser bem recompensado.
Kugio na noiip, de 19 para 9 S rr.rrptj
mez, do sitio do Sr. Dr. Aogu>io F. de i--ira. aa
ponte de lYhoa, o sen escrav de n.^n.. Lu.z. ,,ia-
si que branco, icndo no roMo niains u- l-x,|tas
bem vislveis, cabello annelado. b-uo. reforc*,
bem fallante, e de cerca de 28 anno- -"
van bUhM de baeta .mamada e rhap e ra ha
novo, suppoe se qu vaguea ne-U cutade do Rcpj-
fe ou pelas suas cinuiiivi.-inliancas : quem o aa-
I n li 'iidcr e levar ao sobredilo siiw, oo ao ecrip-
lorio da praca do Coreo Santo n. 17, prinaeiro as-
dar, ser generosamente re, ompensado.
Lagdo para (aleadas.
Vende-te muilo bom lagdo para calcadat ear
mazens chegado agora : a iratar n rua do Apollo
n. 4.
Seraenles.
Vendem-se somantes de hortalizas muilo novas:
a rua da Cadeia n. 50.
Vende-se 40 palmos de terreno na rna da
Concordia : a tratar na roa do Alecrim n 10, das
3 horas as 5 nos das otis.
Chegaramos superiores
cortes de seda
Superiores cortes de seda de cor, viudos pelo
ultimo vapor francez i na loja das columnas a rna
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
celos* C
Farraha de mandioca nna e alva, mais bara~-
ta do qne em qualquer parte, arroz da trra pita-
do e em conta : para ver e tratar, na rua do Vi-
gario, casa n. 29.
Francisco Jos Germano
RUA XOVA X. II, .
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
de oculos, lunetos, binculos, do ultimo e mais
apurado gosloda Europa.
Xlovena de Nossa Senhora do
Carino e de HanV inna.
Vende-se na rua do Imperador n. 15, offlclna em seu poder.
de encadernacao : o offlrio, salve e versos, nove-
na e salve de Nossa Senhora do Carmo, tres fo-
Ihetos por 300 rs., e a novena de Sant'Anna por
320 rs.
Aviso aos capites de
campo
Ausentou-se o escravo Manoel que ) fbi escra-
vo ao Sr. Joao Ferreira Taboza senhor do eofeaao
Verlente da comarca de Ciuaru. e drpm de
seu Glho Joo Ferreira Taboza Juni.T rendeiro 4
engenho Rede de Sanio Anio.rujo escravo tem a>
signaes seguales : alto, pouca barba, (alio do
dentes na frente e o nielhor -ignal lar o pitlaa
estufados para Ora bem ixvel : qpai o Beyar
leve-o a rua estrena do Rosario a. 3, que sera'
bem recompensado.
Koglo no da 16 do rorrente a~errava mw-
ta de nome Suzana, idade 40 aunes, mal? oo mo-
nos, baila, rheia do corpo. com falla de denle aa
frente, cabellos estirados, levou -elido de chita
escura e panno da Costa : roga-se as autoridades
policiaes e capites de campo sna raptara i eMre-
garem-na (iraca da Inrtependpnca tu. 14 e 16
Proiesta-se coaira qualquer pe*soa ose a leafea
acoutada.
Fugia em principios do nez de fevpreiro da
crreme anno e coosla estar acontado nesta ridad*
o moleque Euzehio, escravo da vinva do Dr. Fer-
nando AfTonsode Mello, de It annos de idade poo-
co mais ou menos, cor prela, secco do rorpo, oNr
regulares e afumacados, rabera om pooet grasda
e meia chala, beicos finos, denles bem thm, pe*
seceos e muilo ladino : roga-se por tanto a todas m
autoridades policiaes e eapiles de can pr qn- o aa-
prehendam e levem-o a rna da Mangueira sobrad
n. 6 que sero gratificados, protesUndo-se osarta
melos jodiciaes contra qualquer pessoa qoc o I
Prelo a 40
Vende-se farelo novo, saccas com 90 libras, pelo
barato preco de 4* : rua da Madre de Dos nu-
meros a 9. ._____
Attencao
Vende-se encllenles lorradas de pao-de-l, de
gomma de araruta, ptimas para dieta e regalo, a
2* a lata : no armazem da Estrella, largo do Pa-
raso n. 14.
Ausentou-se no da 2 do corrate ao meio dio,
da casa da rna do Imperador n. 16. o preto Kdimoa-
do, crenlo, etiero do corpo, altura ngnlar, rosto
comprido, olhos pequeos e pouca barra. t*a safcv
sa e bigode, bastante ladino, rrartjsram ter V
annos, pouco mais ou meos, e jolfa-se
caiga preta e camisa branca ; este escravo lo i _
prado ao Sr. coronel Galrao, do Limoeiro, pan i
de se julga tenha fgido, mas ha quem o M
visto na Passagem da Magdalena, Rema* Tar-
zea-, e camo se detconfla jo* eataj
protesta-se proceder contra quem o Ht-
e pede-se a quem delle der noticia aa
que dirtja-se a sobrediu casa, on a roa da i
n. 13, qoe ser recompensado.

"''s-:-^m,tmtm
..... ... ..a,
i' i* i i,.
MB


^mrnmm^mm
9*NR)0r*
*?*


Diarlo de Pernambnoo <|uara felra de Jolito de'lnss.
/
LTTERATRA.
A guerra entre o Brasil e o
prata.
Nao basiava s a guerra, a que o'BraSl se vio
fnjado a sustentar uitimamema nas margens do
Prata, a que tantos sacrificios de toilos os gneros
l'i" cuslaram para desaffrontar a sua honra e a
sua dignitlade MCJon.es ultrajadas ; e nem basta-
va tambera a que presentemente f iz contra o sel-
voseo do Paraguay, era aiud,i necessario, para
cumulo de seus profundos dosgostos, que itiimigos
gratuitos e rancorosos se levaU.ssan na Europa,
para, envenenando BOAS boas intensos, negando-
lie sua juslica, que recouhecida, profligarem o
sou" procedimento leal, nobre e generoso.
Mas se ao Rio da Prata Ja pJ>! o Brasil demons-
trar praticamente a veracidade dos motivos que o
impelliram essa guerra, e piovou exuberante,
mente a grandeza de seo coraciiu e a generosidad*
dos seus sentimentos ; na Europa tambem appare-
nenhuma conces,o de territorios; um sincero re- blicauos. xOs Francftes, os Hespanhes e os igual horror. O Ora, as InteogSes do Brasil se raani-
conheciraento dos governos assim protegidos, o sal
vados por elle, a nica vaniagem que tera ambi-
cionado. Mas actualmente els que urna nova guer-
ra se alia n: Prata, onde pendrara de novo o
exercilo e a esquadra do Brasil ; e na Europa os
espirito se movem e os elemeutos de urna justa
apreciaco escapan) a opinio publica. Nosso fim
aqu estabelecer a questona sua verdadeira luzv
apreseotar os fados com exaclido e imparciali-
dade, e patenlear as causas e as origens desla
guerra nova, e fazer conhecer a postean temada
pelo governo brasileiro e a legiiimidade das suas
inteng;s tito c.-tranliameuto desronhecidas.
Na America como na Europa, Hespanha e Por-
tugal eram lemitrophes. Ao lado do Brasil, col-'de qualquer
rio pode maoler nesse caso o governo de Montevi-
deo no respeilo devido aos cidados brasileiro- e
as suas propiedades : o apolo e os soccorros que
estes reclamarn podem por ventura ser-lhes era al-
Portuguezes procuravam, ao contrario, cresr vas- feslam sobretodo nlsto que elle nao quiz fazer a
salios obedientes, e que nao ousassem desprender guerra a Rosas como potencia estrangeira e inimi-
seus olbos da melropole e do governos europeus, ga da Coofederagflo : envin soccorros consistentes
que dominavam a America. Eraaocipando-se, os era armas, offlciaes e engenheiros ao Paraguay para j gura caso recusados ?
Estados-Unidos da America do Norte poderam es- se preparar na defeza de sua autonoma ; tratou A .provincia, do Rio Grande ao lado do Estado-
tabelecer-se slidamente em repblica, sem nada com os generaes Urquiza e Virasoro da Confedera. Oriental nap est tranquilla no momento de crise e
mudar, nem em seus cosluines, nem em suas lels, ao Argentina, o com Garzn e o governo de Sua- revoluco em Montevideo. O imperio v-se na ri-
nem mesmo, al cerlo ponto, em suas inslituigoes. re> e,n Montevideo, para arrancar a dictadura a gorosa necessidade de conservar sempre ahi forcas
O caracionslico das colonias da raga latina era in- Rosas, crear inslituigoes liberaos e republicanas re- 'militares rospeiiaveis, e de estabelecer urna v>i-
teiramenie outro. "Era-Ibes necessario crear ludo, guiares a Buenos-Ayres e a Montevideo, e dar a lancia incestante em todas as suas relagoes para
e ludo mudar, para torera livres e independentes. paz, a seguranga e o repodra a ests desgragados com os seus vstanos. A navegago dos rios e o
Aiuda n.io ludo. E' necessario demais distinguir Povs> curvados sob o-jugo de ferro do execravel eommereo, lo extenso e desenvolvido, que o Bra-
o Porluguez do Hespanhol, e as dilTerengas que gMho. (3) 8j) entrelem actualmente no Prala, soffre eooftde-
i caracterisam adiar a explicaco da ndole, Presiou-lhes demais soccorros pecuniarios, e en- nrelmente com i auareha e as lulas dos parii-
frma, de seus colomnos emanci- viou em 1852 um exercilo ao Estado Oriental para | dos em Montevideo. Todas estas razSes foream o
Brasil a desejar que ero Montevideo haja sempre
na porlugueza, eslava estabelecido o vice-reinado pados. combater Oribe,'lugar-teneole de Rosas, que sitia-
d hZeode^r h!Sp;nh0la- A reV0luca' O Hespanhol de Fernando e Isabel manchou-se va M<"do, e estava de posse de toda a campa-
metropoes ^f^ a C0n,,uisla >el<" horrore e crueldaJes- *> vio
nos desgragados indicios, que a.nmaes ferozes, que meDS ^ue 1uenam a fberdade,
Deu, pois, auxilio aos ho-
a autouoiDia e a
um ge-remo vigoroso e regular capaz de fazer ahi
dominar o espirito da orden), inspirara civilisago
e Imprimir a tranquillidade publica n? animo de
O Brasil a s nago, um s estado de lodas as pro- sacre de populagoes inteiras, pelo emprego de caes! parou a sua iefla0w Seu exercilo de 12,000 horaens, j des para a sua perfeila independencia e porvir do
um disuado brasileiro que com a sua hbil v,uc'as 1Ut perlenciam ao governo portuguez. Ele- enralecidos, pela escravido elerna as minas de j coramandi", Pelo marquez de Caxias.e sua ewjua- j Estado Oriental.
ceu
peona, soube confundir e fazer tmmudecer
lumuiadores e detractores do seu paiz.
nao escaparam aos inrraigos, que ellea
, vou um throuo para o primognito da casa real de prata, que esle invasores descobriam aesu paiz, e
| Braganga, o princepe D. Pedro, seu primeiro im- pelos cadafalsos que se levantara por toda a parte,
perador, ilho do rei D. Joao VI, e herdeiro pre- Depois da deslruigao das innocentes tribus indige-
sumpnvo da monarchia porlugueza. -Adoptou sua as, os conquisladores voliaram contra si mesmos
IDOS, pois, o interessante arl.go que ora publicamos, dynasUa. Den.,he in?tjtuc5es moDarchicas e be- suas armas ensanguentadas, Bafta, Velasen e os
cxlrahido da Revista Conttmporanfti dd mez de raes. Pizarros
marco prximo pas.sado, alim de que o publico matsmn a
ter conln-cimen.o, av.li.-loeappl.ll.L* ^*-* 'o prsenle, todo nwmp.lr.ott*
I inieiro, e tern sabido fazer respeilar a inlegridade A s victimaa mdianas succederam victimas- euro-
! do seu territorio. j peas ; a anarchia e o despotismo- fizerarn correr o
Na Europa frma-se ordinariamente urna idea! A dynaaii. de D. Pedro I tem-se mantido pro- sangue sobre enteslo ainda virgera, e que oa ver-
ralsa acerca dos sentimentos e das inlengoes do fundamento enraisada no slo do paiz e na affei- dado mereca m-Hiores deslinos.
Brasil para com os povos do Pra:a. Esta idea bre- ^ de idadaos. As inslituigoes fundadas
vemenle se desvanecer. Segundo urna opfniiio,
Ao Sr. Dr. Joo Manoel Pereira da Silva deve-
possa del le
di lo.
que- importa reclilicar, o Brasil desfja iotioduzir
pela constituigao de 1825 subsisiem sera modiOca-
ges, e se mautin, emquanto que tantas oulras
enlre aquellos povos as inslituigoes monarchicas e cousiuuigoes mais modernas na Europa lera de--'perim,tllja por seus soberanos seoao no caso de-le-
.i escravido, fazendo desappareccr d'entre elles
seus governos republicanos e democrtico?, assim
como suas liberdades. Estes prejuizos teem sua
origem aas velhas animosidades coicuiaes; as na-
gdes independentes da America tem-lhe desde lia
niuilo lempo feito jusliga, e seria muito para deso-
r que no anligo conlioeuie nao houvesse o mais
Jevc motivo para esseinjustificavel conceilo.
Bem longe de ser guiado por vistas ambiciosas,
o Brasil iem-se sempre mostrado dsposto a tesle-
munhar, cao por votos esteris, ou por vas prc-
vas de sympalhia, mas por qsforeot directos, por
actos fornea, seu desejo do ver a repblica do
Uruguay e o estado do Paraguay entrarem na sen-
da do progresso regular, consolidarem sua posigao
da estados soberanos e independentes, e formarem
entre elles*o esiaboleciimnlo da ordem, da paz e
da prosperidade.
Qaando o dictador Rosas curvava Buenos-Ayres
sob ura terror sanguinoso, o Brasil voou em auxi-
lio da repblica Argentina. Sbese com que fu-
ror o gaucho, sem se drixar prender, nem pelo
exo, nem pela idade, nem p dos servicos pres-
tados ao paiz, prosegua e expeda sobre
.sste paiz consternado suas selvagens proscrip-
<;os. O governo brasileiro toraou o partido das
victimas ; inspirou a energa e a coragem aos po-
ros e confedernco que combatessem para salvar
as suas liberdades e sua dignidade : fez entrar em
l^'2 seu exercilo no Uruguay e sua esquadra no
Prata. Depois de haver acabado com a anarchia
no Estadu Oriental, este exercilo atravessou o rio
.1 lomou parle no combate de Monte Caseros que
.ib'irtou os Argentinas da funesta dominacao de
Rosas.
esde enlao Buenos-Ayres e o Brasil teem se
m.vtdo reciprocamente as melhores relagoes de
inlligencia e amizade. Os odios das pocas colo-
nices, e esta hostilidade de ragas qus assignalava
as lulas para posse do territorio entre Portugal e
a*JIespanba, eslo hoje inleiramente extinctos. O
Brasil lido cm Buenos-Ayres por um bom vizinho,
muito disposto a considfrar sua prosperidade como
solidaria da dos povos que confinara na sua frun-
cir, proraplo a enlreler e desenvolver com elles
ecundas relaces eommerciaes, ea manter as con-
sid -racVis nlcrnacionaes em una cfhslante cor-
dihdade.
Este estado de cousas comegou a estabelecer-se
cora a autonoma americana. Outros sentimeutos,
outros inleresses predominavam as duas metro-
poes, Portugal o a Hespanna, sempre propeusas e
dispostas conquista. A independencia americana
con^luio urna revolugiio profunda as ideas, as
n^tituigoes e as tendencias dos povos. Quando o
Brasil proclamou sua independencia em 1822, o
Estado Oriental per'encia a Portugal desde 1817.
Buenos-Ayres foi o primeiro que sublevou-se, im-
r .'lirado o> povos a dcclararem que nao queriam
estar mais reunidos ao imperio, cmo urna sua
provincia, e que preferiam anles ligar-se e fazer
parle da confederaciio Argentina. A guerra nao
tardou em maaifastar-se entre o Brasil e Buenos-
Ayres. E s foi termiuada em 1828 pela media-
gao da Inglaterra. O Brasil reconheceu que um
pa.z habitado por una outra raga, onde se fallava
una outra liDgua, e que linha ura temperamento e
co.~tumjs dillerentes, nao poda ficar-lhe sujelo
senao pela forga das armas e por sacrificios enor-
mes.
mferic, porlanlo, abandonar a conquista porlu-
gueza, mas exigi que ella fosse constituida era es-
tado indepandenle. Buenos-Ayres accordou tam-
bera em. fazer concessdes, e a repblica Oriental
foi creada ; teve inslituigoes democrticas e foi re-
conheclda como estado soberano. Desde essa po
ca o Brasil tem provado constantemente, nao s
por suas declarages, corno aiuda por seus actos,
que elle nao ambiciona mais a annexago desle
paiz ao seu imperio.
Ioterveio mesmo em seu favor no lempo era que
Rosas quera, pela forga das armas, absorve-lo na
confederado Argentina. Seus capitaes (i) foram
levados em soccorro do aoverno sitiado em Monte-
video pelo general Oribe, lugar-tenente do dictador
de Buenos-Ayres. Enviou em 1831 seu exercilo
para varrer do territorio oriental as tropas de Ro-
sa-, qu estavarn enlao senhoras int jiramente de
toda a campauha O triumpho definitiva coube,
pois, em grande parte ao Brasil.
Em 18oi, a pedido do governo oriental, urna di-
vL-o do exercilo brasileiro passou a fazer a guar-
sapparecido dianle das tempestades e do spro das
revoluges.
O vice-reinado de Buens-Ayres, lornando-se
iudependeute, dividise em quafro nages e pai-
2es dislindos e separados-a Repblica Argentina,
a Repblica Oriental, a Bolivia e o Paraguay. Ti-
veram lodos inslituigoes e governos diversos. Es-
tes quairo estados confloam cora o Brasil. A Boli-
via Pelo Juar. e o Paraguay pelo curso superior
do rio do seu nome, no interior do Brasil na pro-
vincia de Matto-Grosso, atirada no centro da Ame-
rica Meridional; o Uruguay por Castilhos sobre o
Os Porluguezes-, ao contrario, iverara urna ou-
tra conducta pjra com os Indios. Faziamos pri-
sioneiros ; mas a escravido dos indgenas nao- era
dra, a nica que existe na America Mcridional,sob*
as erdens do almirante Girenfel. ajudaram podero-1
smente seus alliados. Oribe abandonou o Estado
Oriental, a guerra peoetrou o Rio da Prata, as ir
pas do Brasil, de Hrqnitt e dd Virasoro approx*-
mara-ro-se de Buenos-Ayres, e depois de terem'ven-
cido o- exerciro de Bxisas em Monte Caseros, entra-
(Conlitmar-se-ha.)
11 POICO E IIIIU,
Discurso recitado- por occasiao de memento ce"
lebrado em sulTragio da alma do cadete Basiliano
raro ridoriosamente nasua capita e sobre asruH u, A .. j u 7.
,. '"Bandeira de Melto Cesar Loureiro, mor no com.
as do poder de Rosas- establecern) ura goveruo- ,. ,,, Kl -,
,:,....._____, 6 bale de Riachuelo, e offerecido ao seu mano o aca-
g i tima defeza. As ordens monaslicas segua m por
toda a parte o conquistador, e advogavam sempre
a causa dos Indios. Disso resultou. que o doroioio
portuguez fosse menos cruel, sua. autoridade me-
nos barbara, sua legislago menos vilenla.
Quando soou a hora da independencia, os colo-
nos hespanhes e seus senhores susteutaram ama
guerra espantosa. Reviveram-seos sombros dias
da conquista. Sobre loda a superficie da America
hespanhola, as forgas levantadas, os campos hume-
decidos de sangue dos prisiooeiros degollados.
ocano, as montanhas no centro e o rio Guara-1 bomveis estemunbos de um furor brbaro, mos-
him, 'um dos tributarios do Uruguay a oeste. A i,raram' enlre os HtoaDnes & entre os America-
Repblica Argentina pela provincia de Enlre-Rios, nO' SeuS deeendeiltes. nos odios cgos e
que oceupa as trras inferiores, comprehendidas a es*
entre a margem direla do Uruguay, e a inargem A guerra da independencia no Brasil aprsenla
esquerda do Paran. : ura outro aspecto. A antiga colonia porlugueza li-
0 Plata formado por dous tios, o Uruguay e o nna a' sua frente o principe- herdeiro da monar-
Paran. Este ultimo recebe as aguas do Paraguay. \cnia- Portugal era goveroado por seu pai Di Joo
Sobre as mesmas margens do Piala, o Brasil nao'VI. Nao obstante o olio dos Portuguesese dos
possue nem um terrilorio, mas senhor das mar- Brasileiros, o pai, assim cerno o filho, proctiravam
poupar lulas e combates. A emancipage- brasilei-
ra fez-se, por assim dizer, sem commocaa e quasi
sem efluso de singue, como se ella entrasse as
iulengoes e as combinagoes dos dou> soberanos.
Os Americanos hespanhes qoizeram passar de
um sallo do estado de vassalos subraissos ao de ci-
dados livres e independentes. Nao eslaram pre
parados pelos costumes, pelas, leis e oelas lenden-
mosidade pelas dua-antigs metropoes, que con-: '
* .. _lt._ a cas para cala mudanga repentina. Nenbuma fr-
servavam e praiicavain tradicgoes reciprocas de .,__*.__ '. uu"'"> >
ma de go\erno exige mais virtudes, mais educacao
invasao as suas provincias americana?, nao tem _.,. v
, I e mais sacrificios individuaos como seja a repu-
presentemenle m,is influencia sobre as resolugoes hti,., Pni ,hQ. _______ ,F
, v nuca, foi-ihe nece>sario arrasar tudo como eta-
dos novos guvernos, e nem as excitam a guerra.
Es.to lodas mais ou im nos resolvidas observa-
ren! as espulacs particulares, e as conveugoes
diplomtica*, por meio das quaes o respeto reci-
gens superiores destes Ires grandes rios, cujas
aguas nascera no interior do inpero, banham al-
gum?s das suas provincias, e precipilam-se depois
na grande bacia que se chama -o Prata,-e que
deve ser con-iderado antes corno urna parto do
Ocano Pacifico.
As quesloes de limites disputadas com tanta ani-:
mente, inslituigoes, leis, regulamenlos e costumes.
Do absolutismo inquisitorial hespanhol, passaram
do repente para a extrema berdade democrtica,
e de la cahirara na demagogia e em todas as des-
proco dos oireitos de cada urna e garantido, adop-! nrj,n>. ,., ,,..uio ,. ". uts.
...,,. ... v i ordens da auai cha. Depois da exou sao dos Hes-
lando-as o principio de uli msidetis. MnKA im,,.,. -..
' pumpos, o? Americanos dividiram-se ; voltarara
E' um grande erro em pensar-se que o Brasil suas armas contra si mesmos. Os eslados, as pre-
dirigido, na guerra actual, por vistas ambiciosas, sidencias, os vicc-relnados, iem-se dividido em
que cuida em dilatar suas possessoes al o Prala, pazes separados e soberanos, em pequeas repu-
que deseja absorver em sen territorio as naciona- i blcas, que mudara a cada momento, de insliiiiiges
lidades existentes em a sua vizinhanga, que quer' e governos, tropegando sem cessar, na confuso,
destruir e apagar, em seu proveito, a autonoma e as deordeus e as revoluges.
a propriedade dos outros paites e dominar final- A|guns espiritos justos o rasoaveis de Buenos-
mente elle so na America Meridional. Sao tradi-, Avres reconhecero algum dia o mal causado pela
coes polticas da Hespanha e de Portugal no lempo | fraque;.a das inslituigoes republicanas,
das colonias, e por isso nao cessaremos de insistir i _
que hoje eslo iuteiramenle diss.padas eslas tra- ?" 18,0'BelSrano.Veyles,Pena,Saavedra,Puyr-
d56es. | rdn enlenderam-secom D. Carlota Joaquina mu-
.'.,. Ilher d D- Jo5 VI, c a infanta da He-panha para
O Brasn tem urna vasta extengSo de territorio, e: lne ceJerein a corua> quoseu marjdo u5o |||e u_
querendomantelo todo inleiro e unido, rvconhece Uode aceitar. Era 1815, Alvear Rivadavia e Gar-
por isso mesmo urna causa de fraqueza, emquanto ca queriam o infante da Hespanha, D. Francisco
elle nao poder povoar seus dsenos, cobrir de ci-de Paula, que Carlos VI nao Ihes concedeu. S.
dades (brscenles suas planicies inmensas, fazer Martin, era HI6, propunlia a cora a um nombro
sulcar os ribeiros e os nos que o cortam em lodas
as direeges, por barcos a vapor, e levar assim o
movimenio industrial, a vida e a civilisacao, ao
seu centro abandonado e sobre as ierras sem sol-
tura.
Buenos-Ayres est mesmo convencido ser-lhe
impossivel, e at mesmo que Ihe perigoso recons-
truir-se com o poder territorial, que o vice-reinado
possuia durante a dorainago hespanhola. Sao, por
da familia indiana dos Incas do Per. Chegou-se
al a tratar ern 1819 com o infante de Luca. Nem
urna deslas tentativas logrou sou successo, por
circumslancias particulares, que nao nos per-
miltido aqui fallar, por havermos feito longamenle
em outro lugar (2).
De sua parte, o Brasil conlinuou as tradiges
monarchicas ; as. le ni completado por urna cousli-
tuigao liberal^ um governo represenlativo, guar-
amo, estes os dous nicos paizes da America Me- dando todas as leis c.vis, coramerciaes e enrainaes
ridonal, que podem nutrir aspiragoes lo ele- ifla nietropote, para reformadas pouco a pouco, se-11
vadas O Uruguay, o Paraguay, a Bolivia, o Per, Bundo as necessidades do momento, e os progres-
liberal e regular.
As nicas vantagens que o Brasil (ais lograr des-
la siiuago, para a .pul elle linna lo poderosa-
mente coacorrido, Toram a liberdade-do commer-
cio e da- navegago do Uruguay, do Paran e do
Paraguay, que eslavain at eulao vedados aos es-
irangeifos, tratados de eommereo regulando rela-
goes de boa visiobanga,. e dando garantas solidas
de urna paz aproveilaveba todos os potNM do Prala,
demico Mauoel Leite Cesar I.oureiro.
Descer, como deeeu, airoso o bravo,
Ao p6 da morlaudade, em um del y rio
Um brado iodo esforgando-;
E' glorio qoe nao sabeao petto esoravo,
Ao impio que de luz nao tem um-svrio
io-moKe debrugando I
M Pana.)
ienhores.
como a si rxesmo. 0> respeto e o agradeeimeoio
de todos foram a mais real recompensa de seus can,ieos en!Rados- nestt templo, a censierna-
era.nentes servlgos. i>Fazer transpor as aguas 5!0 'iue nos^cerra, o silencio que ludo domisn, e
destes-rios, e sobre todos os do Paraguay por bar- ludo P*oa' "s a>uunciam ^bejamente que aqai
eos de vapor e commuaicar assira cora a provincia vtea>os prantear 3,n,0rle de mais um bravo,, que
acaba de cahir sob o golpe
de Matto Grosso, perdida no meio dos dsenos, eis
aqulseu triumpho e seu proveito.
Depois de algumas lucias interiores aa Confede-
rago Argentina, a repblica firioo-so- era bases
justas ;. inslituigoes liberaes ahi se estabeleceram :
governos regulares ahi. larabem funecicoam. A Re-
publica Argentina gosa presentemente, sob a presi-
dencia do general Di Bartholomeu Mitre, de urna
iraquillidade que Ih&promelte todas as prosperida-
des de urna excellenta administraco supterior, e a
pk'nitude de direiboe, garantas e liberdades civis
polticas, de que nunca linha conhecido es benefi-
cios.
Desla guerra d 85i feita pelo Brasil, dala lam-
bona a aberlura do rio Paran aos estrangeiros, e a
navegago livre do Paraguay, que o imperio esti-
nuloucomo dictador Vicente Lopes, seo .(liado Fgru^^-^m^UeriTtie^
(o) para poder oomraunicar cora a sua provincia suaj ^^ f ^^ ao Q
interior de Multo Grosso, deserta e abandonada!...... _.,_.....______,
pelasdilBculdaies de caminhos tecreslres e perigc*
fetal da infida mo da
baotjaria ; de mais-um here; que, pela honrada
altiva patria, no bruxolear de sua existencia), j
admirada por innmeras provatfde civismo, soabe
com valor e galhandia imitar acooes de avs-en-
grandecidos, algaado mais o mogestnso orgulho de
orna nago juvenil,, porm r>2a- de soberbos lega-
das I
Sim era dever nosso E...... se a pedra tu-
mular que o cobre,.depois de desprendido da ejiiie-
mera communho do mundo, embora silenciosa
rauda, ura dia lera de evocar a posteridade ectu-
tjmplar ura exeraplo de acrisolada constancia e
subida bizarra ; se a. historia, firmando os impul-
sos do seu futuro nas bases do seu passado, tem-
lambein ura dia-,. de abrir as suas paginas DrilBsa'
les para acolher esse norae, qn<) envolve urna ida
nos, coevos, calar
para l se chegar.
Por mora de Vicente Lopes, nasson a tomar
coma do governo seu filho joven ainda, e que ao mas parti elevando nossa fama
tente pelo seu repouso
Parti, verdade, essa alma robre do mundo;
. desprendau-
tendo era os talentos, nem a experiencia de seu!se do "''sscseio esse guerrsro soberbo ; raas-des-
pai, deixou-se arrebatar pela ambigo guerreaa, e I preudeu-se cumprindo o deslino do bravo I-------
por urna deploravel paixao- para as idas retro-
gradas.
O Estado Oriental nao tem anda chegade- a esta-
belecer ura governo regular por causa dc parti-
dos polticos, que continuamente se conservam era
suas lulas armadas, suas iradicoes auarc-fcicas, suas
rivalidades revolucionarias. Depois da entrega de
1831 os colorados e os blancos dispulam com en'
carnigamento o poder, e fazern entre si urna guer-
ra cruel, que retarda os progressos do paiz e com-
prometiera a todos os momentos suas relagoes cora
os estrangeiros.
Sublime. ;. morle devia ayrebaia-lo ; porquast as-
sas gothas deorvalho, que se desalara do eo.para
repousarem sobre as fbres, pouco durara na ter
ra I......
Assim, senhores, nao seja intuito nosse- chorar
um homem ; porm, obeJecendo. os impuJsos dos
nosso snlraentos prantear a perda de lira bravo,
depondo, anda que de louge, urna grinalda. entre
tecida de goivos sobre o tmulo, como- verdadeiro
iransurtpto de nossa admiragao I
Denodado soldado, cgo observador dos seus dej
veres, reveloo desde principio ornis- vivo- enlhu-
; siasmo, o mais sublime patriotismo, o mais santo
Portanlo, se ha um paiz a quera Montevideo do- a[nor pela causa da patria I.... herdeiro legitimo
va um profundo reconhecimeato, o Brasil, que de brasiles soberbos, elle nao esqueceu a memoria
nunca iuterveio nos seus negocias internos senSo de seus avs; e, impellido por urna lorga de von-
para prestar-lhe servigos. A's somraas que o Es-! ude daquellas que nao conhecera obstculos, e que
lado Oriental Ihe deve para a sua liberdade em |nf, admitiera o impossivel, por quinto a adivda-
de febril da lula o elemento do sou espirito,
com o esqnecimento do inforlunios e desolacii-s,
que pairavam pelo andar do lempo sobre pas can
nhOsos, foi o primeiro obedecer osomdatuba
embocada para chamar as armas !...
Assim raminhou, senhores, esse here dos nas-
sos lempos, na mais completa adolescencia^ en
novelar-se com seus irmSoS no campo da gloria I...
Assim, arrostrando como bom nauta as loUnenlas,
elle, ouvindo o tinir de armas que nunca arqueja-
rain, combateu pela justiga de nossa causa cer-
lo de que Deus o faria sabir vencedor, triurophan-
te e glorioso I (Ec. 4.)
1831, preoiso addicionar, em 1833, os subsidios
mensaes de 30,000 piastras fortes desuadas a res-
labelecer suas flnancas, a consolidar sua vida na-
cional e a apoiar sua administragao. Tem tratado
os blancos e os colorados com a mesma generosida-
de imperial; enviou, em 1854, ao governo de Gir,
que perlencia ao partido blanco, urna diviso de
.3,000 horaens de seu exercilo, para fazer a guarni-
go era Montevideo, e ahi ella so observou sob a
presidencia de Flores, colorado, e de Pereira, blan-
co, que Ihe succedeu no governo. E smente roti-
rou-a quando as necessidades do paiz a reclama-
rain, depois de urna oceupago por mais de um au-
no em Montevideo. Como garantas de srxmas
enormes de que elle era deredor para com o Bra.
sil, o Estado Oreutal hypothecou-lhe as recetas
izo.eute, suas despezas ordinarias, excedendo mui-
to s suas recetas, nao tem podido ainda nada pa-
o Chill, e as tres pequeas repblicas que se for-;sos da opinio publica. Era lugar de se dividir;gar> nem osJTOS'ti nem 0 capu|
maram sobre o antigo vice-reinado hespanhol da em "mitos estados, o Brasil conservou lodo o seu Aj eipos..ao exacia Drova e.
Colombia escapara a estes grandes
suas fraquezas respectivas.
Nada justifica as supposigSes, a que
gratuitamente, do que urna certa I uta
__posigao exacta prova exhuherantemenie
nrnipi*tn nnr wrriioriu, louas as suas provincias conau-tadas ni- i r. ^
p 'ni i> ,.,., t uuu7 .! Que o Brasil nao quer absolver o Estado Orienta ,
pelos l'orluguezes, e que formara urna s naga) e
terrilorio, todas as
um s imperio homogneo,
se entrega bem conneca de ldos a nslora aeste cie-
I 111 n i a q A '
nao franca entre as nsiiiuiges monarchicas' do ^ gaucho Joo Manoel Rosas, elevado suprema
Brasil e o rgimen republicano das antigs col- :adra'n'sl"5;'0 da repblica argentina, e que go-
nias hespanholas. yAeTDOa H^ mo dictador por espago
: de quatorze annos com ura despotismo cruel, que
O Brasil sempre devotado sua monarchia, a se assemelha ao reinado sauguinoso de Callgula
sua constiiuigao poltica, s suas inslituigoes, que Sua principal ambigo era absorver a autonoma
firraam cabalmente a seguranga do poder, a garan do Estado OrisoUl e do Paraguay, e reconstituir o
tia do ihrono imperial, o reconheclraenlo dos di- antigo vice reinado de Bu-nos-Ayres. Resisti mui-
reilos civis e polticos dos cidados, as liberdades
e nem aspira auuexar seu terrilorio. T-lo-hia j
feito, se taes lossem suas inlengoes ou seus projec-
tps : as occasies nao Ihe teem faltado. Mas sabe
que o nteresse verdadeiro da sua poltica consiste
antes de ter all muito junto de si um eslado inde-
pendente, um paiz neutro, que, possuindo urna das
margens do Prata e a parle inferior esquerda do
Uruguay, possa ser til ao eommereo, a navega-
go e as exigencias da civilisago. Mas deseja-o
pacifico, prospero, industrial, cora ura gorerno jus-
tas rezes Franga e Inglaterra nas guerras que l0 e solldo' nao i0 Dara aranlia dos Brasileiros es-
democrticas e todas as aspiragoes do XIX secu- estes paizes Ihe fizeram, e de que cada vez sahia jlaueleclQ0S Da Banda Oriental com propredades
lo. Atravs de todas ascommogoes revolucionarias mais forte e mais vilenlo, porque a Franga e a ,ern,or,ae importantes, mais anda por causa da
que tem experimentado, como quasi todos os povos Inglaterra nao enviavam contra elle senao frotas, se8uraSa das suas fronleiras do Rio Grande, e
do universo, desde 1823, tem conservado intacta' e os navios nao bastara para dominarem os estados ]limbem Para desenvolver no Prata sua navegago
sua constituigao poltica, mais ou menos desenvol-; da America,
vida e praticada al hoje. Acha-a escolente e a
nica ipropriada asna felicidade presentee ao seu
futuro. Mas respeita os governos republicanos de
seus vizinhos, e nao cuida, nem em censurar seu
nigSo em Montevideo, facillou assim o resttbele- j funccie^ialismo, e nem em contestar a leguimida-
>:iraenlo da ordem lo seriamente corap'omettida i de da sua existencia.
; estender ahi sua industria, adiar os alimentos que
i precisar e os raeios de perpetuar sempre a liberda-
Foi envo que o Brasil sentio que seu interesse, Qe oas aguas SUperiores do Prala.
se oppunha absorpgao des.es ota indepen- Desde fronlejra bras,eira SQbre Q Q Q
denles, na-Repblica Argentina, e sobo poder e raim um dos modestos tributarios do Uruguay al os nossos votos ; derramado lagrimas em silencio;
dominagao de Rosas. Pela primeira vez depois da 0 Ri0 Negro que esl C0||0cada no cemro quasi do procurado suavsar as afflicges de uraa familia
sua independencia, decidi se a iniervir no Prala, ^mo Oriental, a iona territorial quasi toda pos-1 de nma sociedade, de um povo...... a consolagao
O da 11 de junho desponlou para annuviar Ihe
a existencia, mas o combate de Riachuelo immor-
lalisou-lhe o nome" I___ Morreu, mas morreu ele
vando a fama de urna nago, exaltando o poder de
suas armas I...
Ella hoje, coberla de d, pranteia a sua per-
da I___ mas tambem exultase, pronunciando es-
se nome que revela urna gloria I
A morte do bravo levou a consternago no seio
de urna familia, de urna sociedade, de um povo ;
por.n as suas virtudes restiluiro a paz e a tran-
quillidade I......
A morle do here despedagou os coragoes ma.
goados de urna extremosa mi, de irmos, de ami-
gos; mas a idea de sua inmortalidade os embalsa-
mar I
Morreu I... deixou o mundo I.... porm mor-
reu, dexou o mundo defendendo a patria, sus-
tentando a aia dignidade na lula, maniendo a ma-
gestosa arrogancia do pavilho 1
Era esta a gloria do bravo 1... exhalou o ulti-
mo sopro da vida pela patria 1.... e, bateado as
azas para a elernidade, por ella immorlalisou-se
combatendo com virtude I......
Nada mais nos resta, senhores, temos cumprido
acia anarchia que reinava na capital, e na campa-1 Esiabelecidos estes principios, seja-nos permit-,e enlre as na6e* visinnas- Nao procurou nesta SUida e habitada por Brasileiros pacficos, que se
alia da repblica s0b a presidencia de Gir I,ido lanCar urna vlta retrospectiva sobre as agita-, emPre engrandecer-se a custa delles ; prcoccu- entregara a creago de gado e a cultura do slo.
Emfin por espago de muitos annos o Brasil con-! S3*53 das anlias coloDas hespanholas, aflra de es- j Pava/Se esscncialraeute com a inlegridade das suas Todas as vetee, pois, que ha qualquer coinmocao
correu cora seus subsidios para a restauracao das clarecer a intelligencia dos factos, e dos aconleci-
finangas da republca, c para o estabeleciroento, men,os sobsequentes.
sobre bases solidas, da sua administragao, e nao As guerras da independencia leem sido bem
cefsou de prodigalisar a mais gsnerosa interven- dlTerentes nas colonias hespanholas, e na colonia
gao, seoo quando este governo llcou seguro de en- porlugueza. Ellas leem participado do carcter
contrae em seus pioprios recursos os elementos! mix, das duas ragas europeas, que teem domina
fronteras, eda sua^iropra seguranga. E' justo re- no listado Oriental, estes Brasileiros solTrera mu lo
conhecer tambem como movel, na sua inlervengao, em suas pessas e em seus inleresses legUmos".
urna legliima sympalhia panas liberdades publicas. Nao e senao com romensa difflculdade que o impe-
que Rosas prelenda roubar aos habitantes do Pra---------------------------------------------------------
la, e dos paizes visinhos. (3) Tratado di 29 de maio, 12 de outubro e 21
' de novembro de 1831 entre todos estes estados e o
Sabe se no Brasil, que a monarchia mesma nao Brasil.
(4) Tratados estipulados pelo Brasil de 12 de ou-
tubro do 1881 com o. Uruguay, de 15 de maio de

necessaros para manter a ordera e reprimir as re- do oestes paizes, desde a descoberta at a sua Pde subsistir, e nem flrmar-se senao com a liber
bellioes excitadas no seio de pai* pelo espirito re-! emancipacao final. Todo o mundo conhece mais dade.com os progressos regulares e o desenvolv- ^^^e^^r^i\l^tX^
volneonario. ou menos bem a historia da conquista da America.', ment das insiiluices liberaos, mas nunca pelo Argentina, de 27 de abril de 1833, de 6 de abril
O imperio, em compensago de todos estes sa- Os Ioglezes e os Hollandezes esttbelecendo col- (despotismo e pela dictadura to odiosamente per de 1856 e 14 de Janeiro de 1838 cora o Paraguay, e
orificio?, nao exigi do Paraguay e do Uruguay nias, ah langavara germens de leis e insttugSes sonificada em Rosas, e a tyraonia ahi inspirava um > de jonho de 1856 com Corrientes. 0 daqae de j0Dvi|le> ao regressar i
(1) Tratado de subsidios de 13 mil piastras menl Que preparavam e formavam cidados aptos a se, (2) Hltor,a da mnJaC3() do Imperio Brasilei- de dezembro de 1850, de limites aos 6 de abril de'suas llimas viagens' fai visilar saa irraia-a Prin-
saes entre o Brasil e o Uruguay, 6 de selembro dej diriglrem por si mesmos, e a se gorernarem i ro, por J. M. Pereira da Silva, publicada era casa 1856, navegago aos 87 da abril de 1856, e (I de cesa Clemenlina, e olferecer-lhe alguns presentes
1830. i como horaens lirres, independentes e repa-1 dos Srs. Garnier & Durand. abril de 1856. I de subido valor,
o nico dever que nos falta curaprir I.... conso-
lemo-nos pois ; mas consolemo-nos dizendo ainda
desse here, para maior prova de nossa admiragao,
o que disse Loog Fellon do conde Pulouski, quan-
do suecumbio na raiz das Irincheiras de Sa-
vannh :
rto estandarte se envolveu ante a metralha;
t Foi-lhe manto de guerra, e foi morlalha.
Recife, 20dejulhode 1865.
A. Jansen.
cum^vir esu
Depois de Ihe haver contado as atemora* das
suas loogiquas digresses, a prioeeza Ihe agrade
ceu os mimos que receben e as narrativas qua
acabava de ourir roas mosiroa se pesaros, de
que sea irmo Ihe nao houvesse irazido um traje
completo de mulher do paiz mais remlo 400 o
duque visitara ; e accrescenloo que ser pan
ella um grande prazer e orgolho possrrtr m dos
mencionados trajes para se .presentar com elle
no prximo baile de mascaras que hnrense na
corle.
Minha querida irma, Ihe di~se 01
Nao levis, to longe o vosso rapricho. A loid
que desejas o simples e rteganle, mas ao 1
mo lempo lo extravagante que ros Bao aaimav
rieis a ir com ella ao baile d. corle.
Ol I qoem me dera possoMa para de mo-
melo aiirahir sobre mira as ridas vistai os
meus admiradores I
Ah I miuha querida irma, disse o doque
de Joinville sornodo-se graciosamente, estoo eerto
que a rossa vonlade ser saliifeitt as*t qne en-
irasseis nos sales da corte.
Que pena tenho de rato poder
vootade I..
Nada mais fcil...
Gomo assim ?
As vossas queixas sao mjnslas, disse 5 jo-
ven principe. Eu coraprei un? traje completo de
urna nrtofca selvagern, que era pouco mais ou me-
nos da vossa estatura.
Oh fque felicidade para mas! Eolio posse
contar cor etle ?
Cenrteme.
Mauda-lo-bci buscar hoje meme...
Nao. Amaoliaa vol mandarei irazer.
No dia seguate chegou principe e disse soa
jrma :
Nao rae esqueci da minha promesse,. aqui estou-
E a toildte I
O duque de Joionlle, sene responder, ttn da al-
glbeira um coter moilo simples, forrr.adc de nma
ordem de comas encarnadas misturada-.- de peda-
gos de vidro azul'.
A princeza Clt-mentina examinan cor aroeo,
acha-o bonito apezar de sua simplicidaCe, pfe-o
depois em cima urna mesa e espera.
Mas o principe oceupa-se em olbar ^ara om
quadro. '
Eoto / JoinviHe diz Ihe ella, em cae
sais ?
Porque, minha irma T
E' porque vos- bem sabis
E que esperis-1
A toilette.
Pois nao vos dei ?...
l:m colar.
E enio ?
Estou esperando o resto.
. Nao ha rslo:
Gomo I
Juro-vos que o trajo completo, a .-ne o
rainlia de que vos fallo nao trazia nada aHh sob
o seu corpo.
Podemos afirmar ru a princeza Clemenci oac
foi ao baile da corte adornada com semslhante
toilette I
pa
o que esrero
O papa poz de lado os Ires Domes propostes-pelo
cabido de Wesi-minsler para socceder o-oardeal
Wiseman ; l. monsenb.>r Cliffort, hispo de Ghjo;
2" monsenhor Gr:iut, biispo de Soolhoard i
Mr. Erriugiou, amigo coadjucior de 11111111lw
Wisemau.
Elle uoina e ins'jlue monsenhor Maouog, fM
era uru simples protocolario apos lolieo, e de mai*
ura era venido.
Mr. Manuing nasceu em 1809. Al 1864, poca
de su. conversaban, era arcediago protstame de
Chichesler.
Passava enlao pelo mais eloquenie prsgador da
igreja da luglale;ra, e seus sennoes apena* roci!*-
dos ornav.m as tivrarias de Londres.
Ha quatorze annos, pao, que Mr. Manniag ev
tbolico ; porcia catholico que passoo 1 aooo aa
escola do cardeal Wisemann em Madres.
Plese porveutura chamar neophilo a ara coo-
verlido desta sorte ?
U papa assim o entenden, e quasi todo o maoJo>
excepto o Tynni e seus aclitos.
Em um artigo esta folhadiz, qucopapaacab.de
dar com semelhante nomeag/10 a pro*, de sua f<-
libihdade, no enianio que em outro lugar es-
creve :
Se a cloquencia persuasiva, scieoci. ibeolo-
gica e a implacavel hosliiidade a oossa igreja sio
as priraeiras qualidades -jue deve ter umfmvlropo-
lita catholico na Inglaterra, pouco horneo; oeiin
caso podenam offrecer mais tiiulos que o anligo
arcediago de Cbichester e o ex-pno-te de West-
min-ter.
Um Chifforl, accrescenla o Tijihk, ser ouis
bem visto do que um ambicioso courertido rea
giado de um campo hostil.
Acredltava-se que o calholieismo o. Inglaterra
linha sido enterrado com o cardeal Wisemaoo.
Mr. Manuing sera duvda imitando o seo illas
tro antecessor, fara arada mais florescer o calboii-
ci Pouco imporlam as patarras do Tymrs :
Todos os Ioglezes e imparciaes em brere rer>
nhecenlo no segundo areebispo de Westminstet a
qualidades que dislinguiam o seo Ilustre 1
cessor.
iijn i I
O advogado Boggio, piemoniez. em orna
ra, que acaba do publicar, a respeto do cooi
franc.-i laliano do 13 de selembro, narra a 1
te, singular cunfisso que Ihe flzera Mr. Julio
vre, celebre campeo do abandono de Romo cerno
deputado na cmara franceza :
Em junho de 1864 (diz o advocado lUliaaof
lasiimava en ao republicano francez Julio Farre .
recusa constante de Napoleao em eracoar a cidade
eterna. .
Prourera ao cu que elle a evacnasse im-
nlia, exclamou Favre.
Agradec Ihe com elluso.
E' intil, replicn elle, nao por ros que o
desejo.
Que diz ? Nao por nos ?
E' principalmente pala Franga, per meo por-
lido, que eu quizra que Napoleao amaoba era-
cuasse RoOM.
Nao vos comprehendo.
Meu charo, se Napoleao abandonar bem He-
a, araanha nao tara' mais imperador. Ja cama-
les em nossas igrejas ? Ja vistes em todas oseas
igrejas as caixas para o dlnheiro de S. Pedro ? Coo-
siderasles que cada mez a Kranga enva cea
de milhares e milhdes de francos T Nao ros
brais de que eslas grandes sommas sao formadas
de olleras individuaes desde a Odalg. do Fau-
bourg S. Germain (e devera di:er desde a impen-
triz que da' todo o seu superfluo para o dioheiro
de S. Pedro) al a pobre mulher do povo, que pri-
va-se de sua chicara de caf e de soa pilad. 4o
rap para tambera pagar seu tributo ao papo T K
se atgnma vez pensasles nisto, nao comprebeoes-
tes logo, que nae ha em Franga um goverao, osa
possa abandonar Roma e o papa a Italia sem de-
cretar por esse menino acto soa propria raiaa T
Mas, disse en enlao tmidamente, vos, Mr.
Julio Favre, vos qne patrocinis como ttole es-
plendor e elocuencia no corpo legislativo os
tos dos Italianos sobre Roma, se fosseu
tro...
Se eu fosse ministro T... Regosijai-'
que o nao seja, se qoereis qne advotue o .1
no de Rom. Italia.
E Napoleao estar dsposlo a fazer por oes o
que o proprio Julio Favre nao ousaria fazer asada
ministro 7 E', portanlo, impossivel qoe Napeleio
abandone Roma em 1866, como imposivel aas .
abandone boje.
PERNAMBUCO.^TYP. DE M. F.DE F. & FILHO
t

- '.
,----------:-.. ,-, ..o
aa


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3CSBZEG2_14OTYP INGEST_TIME 2013-08-27T23:21:29Z PACKAGE AA00011611_10726
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES