Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10725


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
AMO IL1, JBMERO 168
Hr |Mrlelpagdeutro(elOdiasdol.0mei ...:.. SfOOO
dem depo/s dos 1.'10 (1/asddocouiecoe dentro do qoartel. 61000
Porte ao correio por tres neze* .* ,......... 750


iwnmi



JBWh
#
TERCA FEIRA 25 DE JLHO DE 1865.
Por auno pago dentro de 10 das do 1. mez .
Porte ao correio" por un auno..........,
. 191000
. 3J00U
EXCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Parahyba, o ?r. Antonio Alexs-ndrino de Lima;
Natal, o Se. Antonio Marques da Silva ; Aracaly, o
Sr. A. del.enns Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Jnaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alvcs &
FHho* ; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
EXCAI1REGADOS DA SUBSCIPCAO DO SOL.
i Alagoas, o Sr. Claudino Falelo Uias; Baha, o
Sr. Jos Maftins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estages da via frrea at
A coa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna nassegnndas e sextas foiras.
Santo Antao, Grava ti, Rezarnos, Bonito, Caruarii,
Altinlio, Garanhnns, Buiqne, S. Bento, Bom
Couselho. Aguas Bellas e Taearai, as tercas
fe i ras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamaudar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta 0 Pimenleiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relago: tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo docommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira
da.
Segunda
hora
ra. do civel: tergas e sextas ao meio
,1
data
a do civel
rile.
quartas e sabbados a 1
DAS DA SEMANA.
EPHHalERiUES DO MEZ E JULUO.
8 La clieia as 6 h., 7 m. e 22 s. da t
15 Quarlo ming. as 2 h., 6 m. e 46 s. da t.
22 La nova as 4 h., 9 m. e 40 s. da t.
30 Quarto cresc. as 4 h., 49 n>. e 16 s. da t.
24. Segunda. S.Christina v.; S. Anlimogenes m.
. Ter<;a. S. Thiago ap.; S Christovao m.
26. Quaria. Ss. Syinphronio e Olvmpio nim.
27. Quinta. S. Pantaleo medico ;'S Sergio m.
28. Sexta. S. Innocencio p.; S. Nazario m.
29. Sabbado. S. Martlia v.; S. ucalriz m.
30. Domingo. S. Anna mae da mae de Dos.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 6 m. da manhaa.
Segunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 30; para o on*
ala a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Per
do nos dias 14 dos me'zes de Janeiro, marro,
julho, seleuibro e noverobro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praea da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Maooel Figneiroa 4a
Faria & Filho.
PARTE aFFICIAL
le-
iimvuinno da .11 ntiva
DF.CRRTO N. 3,453 DK 26 DE ABRIL DE 1865^
Manda observar o regulamento para exeeucao da
lei n. 1,237 de 24 de selembro de 1864, que re-
formou a legi-lagao liypothecaria.
l'sando da aliribuigo que me eonfere o art. 102
% 2" da c rastituigao, e para execugo da lei n. I
1,137 de 24 de selembro de 1864, que reformou a i
legislacao hypotlierana :
Hei por bein ordenar que se observe o regula-
ment que com este baixo assignado por Francisco
Jos Furlado, do mea consclho, presidente do con-1
selho do miniaros, ministro e secretario de estado
dos negocios da idlica, que assitn o tenha euten-
dido e faca execular.
Palacio do Rio de Janeiro, em 26 de abril de
1865, 44 da independencia e do imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Francisco Jos
Portado.
Kegulamonlo hvpolhecario.
T TUL I.
Do registro gerai.
C\I'1TIL0 i.
Da installagiio do registro geral.
Artigo 1. O registro geral decretado na lei n.
1,237 de 31 de selembro de 1864, ser inslallado
em toda< as comarcas do imperio tres mezes depois
da data deste regulamento.
Art. 2. Desde a installacao do registro geral,
cessar o actual registro das hypothecas, e come-
cario os e ffeilos resultantes do registro dos ttulos,
<]ue pela ;e sao sujeitos a esta formalidade, para
que poBsam valer contra os terceiros.
Art. 3. A installacao do registro geral, gira
precedida de editaes do juiz de direito, e celebrada
com assistencia delle, que mandar lavrar um auto
da installacao esi>eclicaudo :
1." O titulo com que serve o offleial do re-
gistro.
| 2." O numero e qualidado dos livros do es-
Lvro n. 1A. Livro n. 1B. de ordem das pessoas em relago respectiva
Art. 23. Os nmeros de ordem de cada livro nao Ira do alphabelo.
sero interrumpidos por se elle (indar, mas com- Art. 38. Esgotadas as folhas destinadas a urna
nuados inlinilamente nos livros seguintes. freguezia noIndicador realoti a urna letra do
Art. 24. A pagina immedtata a do termo de alphabeto noIndicador pessoal,o registro con
abertura assim como todas as seguintes sero cor- tinuar no livro seguinte, averbando-se o transpor-
tadas na parte superior por tres linhas horisontaes, te no livro antecedente,
que formem dous espacos. Art. 39. No caso do artigo antecedente cabera
No primeiro espaco se escrevera o titulo do li- na destribuigo das folhas do livro seguinte maior
vro. e o atino, em que se faz o servigo. numero a freguezia ou letra do alphabeto, cujas fo-
No segundo espado se escrevera inscripgao de
cada urna das columnas formadas por linhas per-
pendiculares, as quaes variam em razao da forma
especial de cada livro. Assim :
1865 PHOTOCOLLO
5
cu 0
e s
3
Nomo do
apresen-
tante.
Averba-
coes
1865 PROTOCOLLO
o
p S
4> -3
Nome do
apresen
tante.
Averba-
goes.
Art. 25 O livro u. 1Protocollo- a chave do
registro geral e servir' para o apoolamento de
todos os ttulos apresentados diariamente para
serem inscriptos, transcriptos, prenotados ou aver-
iados.
]:-!" livro determinar a quantidade e qualida-
I de dos ttulos apresentados, assim como a data da
sua apresentago e o sen numero de ordem (ar-
tigo 46)
Art. 26. O livro n. 2Inscripcao especial
destinado para a inscripcao das hypothecas espe-
ciaes ou especialisadas, e sera' escrplurado pela
forma seguinte :
Cada inscripcao ter a largura do verso de urna
folha, e mais a face da folha seguinte.
Este espago ser dividido em duas partes iguaes,
das qnaes urna, que occupar toda a largura de
verso da folha antecedente, sera' riscado por linhas
perpendiculares necessarias para formar tantas
columnas quantos sao os requisitos da inseripgo
(art. 218) e a outra parte que occupar' a face
da folha
.. seguinte licar em braoco para nella se
t neto registro das hypothecas, os quaes; ficarao ser- m asaVerbaces.
Mndo somenie para as averbacoes relativas as hy- a0 r,H,f ';,
i para as averbacoes. relativas s hy-
pothecas nelies inscriptas (ari. 316).
% 3. O iiunieroequalidadedos livros que devem
servir no registro geral pela forma que este regu-
lamento prescreve.
Art. 4." O auto da installacao ser escripto no
livroprotocollo(,-ir;. 25), na pagina inmediata-
mente scguinie a do termo de abertura.
Art. 5. Se por alum motivo imprevisto, no
tempo marcado para installacao do registro, nao
estiver designado o respectivo oQcial, ou nao es-
tiverem promptos os livros, a installage nao ser
adiada.
O juiz de direito nomear interinamente para
ofi-ial do registro um dos tabelliaes ou escri-
vies.
O registro se far provisoriamente em tantos c-
dernos legalisados conforme o art. 15 quantos sao
os livros exigidos pelo art. 13.
Logo que os livros chegarem, para elles ser
tiansmiliido o registro que se tiverfeito nos cader-
nos, que ficarao inulillsados.
Art. 6. l'roa copia do aalo de installacao ser
logo remettida ao governo na corle, e presidentes
as provincias.
CAPITULO II.
Dos offlciaes do registro geral.
Art. 7." O registro geral tica encarregado, con-
forme o art. 7o 3o da lei :"
S l. Aos tabelliaes especia es que existem ac-
tualmente ou forem creados pelo governo as ca-
pitaes das provincias, que aiada nao os tem. (De-
creto n. 482 de 1846 art. 1.)
2." Ao tabelliao da cidadeon villa principal de
crda cmanla, que for designad) pelos presidentes
da* prov ncias, preced^ndo informaco dt; juiz de
direito. (Decreto citado art. 1.)
Art. 8 Os sobreditos tabelliaes para se distin-
guirem dos demais, t-rao a denominaeo de offi
ciaes do registro geral.
Art. 9. Estes offlciaes sao exclusivamente sujei-
tos aos jnizes de direito.
Art. 10. Os offleios do registre peral sao por
sua natureza privativos, nicos e indlvNiveis.
Art. II. Todava, os ofHciaes do registro geral
podero ter os esrreventes juramentados, que forem
necessarios para o respectivo servico.
Art. 12. Estes escroventes juramemados que so
riio denominadossub-offlciaestlcam habilitados
para escreverem todoN os actos do registro geral,
c/m tanto que os ditos actos sejam subscriptos
polo offleial, com eicepcSo porm da escripluraco
c numerario de ordem do livro protocollo, que
exclusiva e pessoalmente, incumbem ao mesmo
offleial.
CAPITULO III.
Dos livros do registro geral.
Art. 13. Os livros que o registro geral deve ter'
Siio os seguintes :
N. 1Protocollo, com 600 folhas.
N. 2-^nscipco especial, com 600 ditas.
N*. 3Inscripcao geral, com 600 ditas.
N. 4Transcripcao das trausmissoes, com 9C0
ditas.
N. 5Transcripcao dos ouus reaes, com 600
ditas.
N. 6Transcripcao do peuhor de e.-cravos, com
600 ditas.
N. 7Indicador real, com 600 ditas.
N. 8-Iodicador pessoal, 600 ditas.
Art. li. Alm dos livros releridos no artigo an-
tecedente, havera dous livros auxiliares : um do
livro n. 2 e outrodo livro n. 4 (aris. 31 e 32.)
Art. 15. Os referido* livros sero de grande for-
mato ; alenos, numerados, rubricados e encerra-
dos pelo juiz de direito, ou pela pessoa a quein elle
confiar este trabalho.
Art. 16. Estes livros sero sontos do sello ex-
ceptuando porm o protocollo.
Art. 17. Os mantos livros sero em lodas as co-
marcas do imperio uniformes e regulados pelos
modelos annexos a este regulamento.
Art. 18. Outrosim, os livros referidos no art. 13
seru por urna vez sinente fornecidos, pelo gover-
no na corte e presidentes as provincias, aos oQi-
ci.ies do registro, os qcaes indemnisarao oseu cus-
i a repart ;o, pela qual forem distribuidos.
Art. 19. Fiodos os livros fornecidos pelo gover-
no, serao elles substituidos por outrossemelhante-',
comprados e preparados pelos offlciaes do registro,
logo que estiverem esenptos dous tercos das folhas
dos mesmos livros.
Art. 20. Os livros do registro torio Ires classes
que se dislingnirao pelo numero de folhas que de-
vem ter, conforme se determina no artigo se-
guinte.
1. Os da primeira classe sero para a corte,
c capitaes das provincias, onde ouver tabelliaes
especiaes.
2." Os da segunda classe perlence.ni s comar-
c.s de segunda e terceira entrancia.
5 3." Os da terceira classe ser vi rao para as co-
marcas de primeira enrancia. ,
Art. 21. Os livros di primeira casse tero o nu-
mero de folhas designadas no art. 13 ; os da se-
gunda t lasse, metade dessas folhas ; e os da ter-
ceira classe, um terco deltas.
Art. 21 Logo que cada livro so Andar, o imme-
diato conservar o mesmo numero com a addico
sticcessiva das letras do alphabeto. Assim :
se tracara urna li-
da inscripcao se-
Aonde lindar a inscripcao
tina horisontal, que a divida
guinte.
Art. 27. O livro n. 3Inscripcao geral pri-
vativo para inscripcao das hypothecas geraes dos
menores, interdictos e mulheres casadas.
Este livro contera em cada pagin tantas ios-
cripcoes, quantas couberem, divididas por urna li-
nha horisontal.
Cada inscripcao, ter Untas columnas formadas
por linhas perpendiculares, quantos sao os requi-
sitos da mesina transcripcao (art. 213.)
Art. 28. O livro n. 4Transcripcao das irans-
misoes para a transcripcao da transmisso
dos immoveis susceptiveis de hypotheca (art. 8."
da lei.)
Este livro ser escripturado pelo modo se-
guinte :
Cada transcripcao ter por espaco todo o verso
de urna folha e toda a face da folha seguinte.
Este espaco ser dividido em tantas columnas
formadas por linhas perpendiculares, quantos sao
os requisitos da transcripcao (ai r. '9.)
Art. 29.O livro n. 5Transcripcao dosonos
reaessari escripturado pela forma seguinte :
Cada transcripcao ter a mesm largura que
para cada inscripcao exige o art. 26, e onde lindar
a transcripc.il, ser tracada urna linha horisontal
que a dividir' da transcripcao seguinte.
Oespaeo da transcripcao'ser dividido em lan-
as columnas formadas por linhas perpendicula-
res, (mantos sao os requisitos determinados pelo
art. 270.
Art. 30. O livro n. 6 -Transcripcao dos penho-
res de escravos, servir para a transcripcao do pe-
uhor dos escravos pertencents as propriedades
airricolas celebradas cora a clausulaC'ustilull
(Art. 6. 6. da le.)
Este livro ser e-criplurado corno o livro n. 5,
sendo a columnas, em que se elle divid?. corres-
pendentes aos quisitos exigidos pelo art. 271.
Art. 31. O livro auxiliar do n. 2 destinado liara
as hypothecas geraes ou privilegiadas anteriores
execuco da lei, especialisadas e inscriptas confor-
mo este regulamento ( arts. 321 e 326.)
Este livro ser escripturado como o livro n. 2.
Art 32. O livro auxiliar do livro n. 4 ser es-
cripturado corno ;ao os livros de notas dos tabel-
liaes, havendo porm entre as transcripcoes um
espaco, formado por duas linhas horisontaes para
iielleselraoscreveremo numero de ordem da trans-
cripcao e a referencia ao numero de ordem o pa-
gina do livro n. 4, de onde consta a mesma trans-
cripcao por extracto ( art." da lei.)
Art. 33. O livro n. 7Indicador real o reper-
torio de lodos os immoveis que directa ou indirec-
tamente figurara nos livros ns. 2, 4, 5 e 6.
As folhas desle livro serao com ignaldade re-
partidas pelas freguezias que se cwnprehendem na
comarca.
Cada indicaejio ter por espaco um quarto da
pagina do livro, e cada espaco tantas columnas,
formadas por linhas perpendiculares, quantos sao
requisitos seguintes :
1." Numero de ordem.
2 Denominaeao do immovel se fr rural; a ra
e o seu numero se fr urbano.
3." O nome do proprieiario.
Ihas se tiverem esgotado antes das destribuidas as
outras letras ou freguezias.
Art. 40. Os livros do registro, salvo o caso de
forca maior, nao sahiro do escriptorio respectivo,
por nenhura motivo ou pretexto.
Todas diligencias judiciaes, ou extrajudiciaes que
exijam a apresentacao de qualquer livro, terao lu-
gar no mesmo escriptorio.
Art. 41. Todos os dias, ao fechar das horas do
registro, o offleial guardar debaixo de chave em
lugar seguro os livros protocollo,Indicadoresreal
e pessoal, e bem assim os documentos apresenta-
dos, mas nao registrados no mesmo dia.
Art. 42. No caso de que a transcripcao ( livro n.
4 ) omprehenda mais de um immovel (arts. 226
e 277 ) o espaco marcado no art. 28 ser duplica-
do ou triplicado, conforme o numero do immoveis
e seus requisitos, e em attencao probabilidade de
maior numero de averbacoes.
CAPITULO IV.
Da ordem di trrico e processo do registro.
Art. 43. O servico dojregistro comecar s 6 ho-
ras da raanha e terminara s 6 horas da tarde,
em todos os dias nao feriados.
Art. 44. Sao nuilos os registros tomados antes
ou depois das sobreditas horas, e os offlciaes res-
legalidade do titulo, pode recusar o seu registro,
entregando-o a parle com a declaracao da duvida
que achou para que esta possa recorrer ao juiz de
direito.
Art. 70. Neste caso o offleial na columna das
annoiacoes do protocollo certificara' que o regis-
tro ficou adiado pela duvida que elle achou no ti-
tulo, a qual especificara' resumidamente.
Art. 71. A parle, juntando o titulo com a duvida
do offleial, o impugnando-a requera' ao juiz de
direito que, nao obstante a duvida, mande proceder i
ao registro.
terminacho do seu- numero de ordem, nao s no
protocollo como no titulo apresentado (art. 45).
2. Conferencia dos extractos entre si e com o
titulo (art. 85).
3. Registro do titulo.com todos os requisitos
que este regulamento exige.
4. Indiracao dos immoveis e pessoas no indi-
cador real e pessoal (arts. 33 e 34)
5." As averbacoes e referencias que este regu-
a ment prescreve.
." preparo dos livros no lempo e forma que
Art. 72. Decidindo o juiz de direito que a du-
vida procede, o escrivo do juiz de direito remet-
iera' cerlido do despacho ao offleial, que cancel-
lara' a apresentacao, declarando na columna das
annotacOes que a duvida foi procedente por des.
pacho de tal dia, e archivara' a sobredila certidao-
Arl. 73. Sendo a duvida improcedente, a parte
apresentar de novo o seu titulo com cerlido do
despacho do juiz de direito, e o offleial proceder
logo ao registro declarando na columna das auno-
facoes que a duvida foi improcedente por despacho
do juiz de direito datado de....., qae Bca archi-
vado.
Art. 74. Pela forma determinada nos artigos an-
tecedentes, proceder' o offleial qur o titulo Ihe rwr
parega nullo, qur Ihe parega falso, ou sobre elle 'cs,s"u-
occorra qualquer duvida, de modo que fique sem-1
pre salvo o numero de ordem, que ao titulo com-
pele, o qual s sera' cancellado a' vista da decisao
judicial, ou por acardo das partes.
Art. 75. Todas as inscripgoes e transcripges
leste regulamento determina, para que possam
sem interrupgo os 'ivros findos (art.
substituir
19).
7. A guarda dos livros
Art. 99. Serao suspensos pr
no os offlciaes do registro que infringirem os deve- J.","^
nel Jos do Reg Coulo Macid no incluso renom-
ment documentado, os venrimentos a ontar de 19
(le marco a 19 de abril dele anno, do de>uraei-
to de guardas nacionaes da villa do Breio aa im-
portancia de 230*100 como se v do pret em plicata que vai annexo ao rilado requerimento
i Dito ao mesmo.-Autoriso V. S. nos trrmm de
sua informago de 19 do correle, son o 5lida-
da com referencia a da oraUdoria des*a mejora-
na a mandar pagar ao capilo reformado doexer-
cito Nicacio Alvares de Sooia, medanle anra edo-
Ilea. vinle o Irw ---- ;-._ "V"^
res referidos no artigo antecedente.
Art. 100. As outras infraegoes do regulamento
sero punidas com suspenso por um a trez me-
es.
nea, vinle e tres vigessimas qointa, partes do res-
pectivo sold, idepeodeoie de liquidara.) regalar
do registro (art. 41). 'ZZ^'n^Tl "i ,?acliviuade. **-
ir um mez a um an- ^otr aXte k"1 *,Qe eH" w arta *
pouer actualmente exhibir a sua M da onVio
se v do ruqueriinento que incluso Je-
volvo.
Dito
ao inspector da thesouraru provincial.
.\ao havendo inconveniente, mande V. S. pagar a
Antonio Domingues de Almeida Pocas, eonfcrnw
soliciten o Dr. chefe de polica em omYio d> *> *>
corrente, sob n. 1,007, a quaolia de 77*W) des
pendida com o sustente dos presos pobres da ea-
dea do termo de Santo Antao. durante o mea de
Art. 101. As sobreditas penas disciplinares nao
exiinem os offlciaes^a responsabilidade criminal
ou civel, em que incorrerem pelos seus actos,
quando principalmente deltas resulte falsidade ou
nullidade com prejuizo das pessoas interessadas no \ junho ultimo como se v da inclusa r.nia
Dito ao mesmo.-Transmillo a V. S. o reribo
capitulo viu. I junto em duplcala, afim de que, n.io havemlo ia-
Do cancellamento do registro. conveniente, mande pagar ao Dr. Maooel d. Nas-
Art. 102. 0 cancellamento deve ser feito por cimento Machado Portilla, conforme MMM o
meio d urna cerlido escripia na columna das i chefe de pslicia em offlcio de 19 do crreme -*
averbacoes do livro respectivo, daiada e assignada n. 1,001, a quanlia de 24-J. em qoe importa o
onde se terminaren! sero asignadas peo offleial EFJL'!&n> Vf^St 2e*seB": SSSL 4l"'f veocidos Douit.mo de
do registro. ^ ment, a razao delle e o titulo em virtude do qual: prximo passado, da
reg
Art. 76. Todas as averbacSes serao numeradas,
ponsaveis civilmente pelas perdas e dainos alera datadas e assjgnadas pelo offleial do registro.
os actos do
Art 77. Nao sao admissiveis para
registro seno os ttulos seguintes :
I." Os instrumentos pblicos.
2." Os escriptos particulares assignados pelas
partes que nellas figuram, recouhecidos pelos ofH-
ciaes do registro e sellados com o sello que Ihes
das penas criminaes em que incorrerem.
Exceptua-se desta disposigo o caso dos arts. 62
e63.
Art. 45. Logo que qualquer titulo fr apresen-
tado para ser inscripto, transcripto, prenotado, ou
averbado, o ofBcial do registro tomar no proto-
collo a data da sua apresentacao e o numero de compele (art. 8 2 da lei).
ordem que em razao della Ihe compete, reprodu- j 3. Os actos authenlicos dos paizes estrangei-
zindo no mesmo titulo a dita dala e numero de or- ios, legalisados pelos cnsules brasileiros e tradu-
dem. zidos competentemente na lingua nacional.
Assim : i Art. 78. As averbagoes de que falla e-te capi-
Numerolal...K tulocomprehendem as cesses, subrogagoes, ex-
Pagina tal-----( Proioco"- i lincco total ou parcial e geralmente todas as oc-
Apresentado ne dia tai, das 6 horas s 12 ou 12
s 6.
O offleial F...
Art. 46. O numero da ordem do protocollo que
casa que serve de cad.-ia ao
o mesmo cancellamento for feito. termo de Cabrobo.
Art. 103. O cancellamento refere se sinscrp-! Dito ao mesmo.-Responde.ndo ao oflk-io .io V
g5es-, transcripgoes e averbagoes. S. me dirigi em 19 do corrente, sob n. 73, irnho
Art. 104. Pode ser requerido pelas pessoas as a dizer que o autoriso a celebrar com os prorara-
quaes o registro prejndica. : dores, do proprieiario do palacete da roa da Praia,
Art. 105. Smente sao habis para o cancella- mediante as condieoes por elles aprsentela* no
ment os ttulos seguintes:
1." Sentenga passada em julgado.
y 2." Documento authentico, do qual conste o
expresso consentimento dos interessados.
Art. 106. Eraquanlo o registro nao for cancella-
do, produz todos os elfeiios legaes, ainda que se
prove por outra maneira que o contracto est des-
feilo, uxlincto, annullado ou rescindido.
Art. 107. O cancellamenlo da inscripcao nao
importa a extinego da hypotheca, que alias nao
offlcio que por copia veio annexo ao cima citado,
o contrato de arrendamento do mencionado pabee-
determina a prioridade do tilulo, ainda que os ou-
iros ttulos sejam |ior alguma razao especial (art.
152) anteriormente registrados.
Art. 47. Quando duasou mais pessoas concorre-
rem no mesmo tempo, os ttulos apresentados te-
ro o mesmo numero de ordem.
Art. 48. O mesmo tempo quer dizer de manhaa
das 6 s 12 horas, e de tarde das 12 s 6 horas.
Ar. 49. Nao se d prioridade entre os ttulos
que tem o mesmo numero de ordem.
Quando, porem, as transcripgoes que tiverem
o mesmo numero de ordem, preurira aquella, cujo
titulo for mais antigo em data.
currencias, que por qualquer modo alterem a ins- ""< l ,- fao. nyP,neca't^ue D
cripeo ou iancVipcao, ou ero relacoes aspes- ?sl'ver exmela nos termos do arl. 249 e ao credor
soas ou em relago aos immoveis qiie nellas e "Rll rmMnr nnva ""*~> a s" al"
guram.
An. 79. Os papis respectivos ao servico annual
do registro serao archivados com o rotulo do anno
a quem pertencem, e divididos em tantos massos
quaotas sao as classes seguintes :
Extractes.
Ttulos.
Documentos.
Decisoes sobre o registro.
Todos os papis de cada classe terio o sen rotu-
lo particular com o numero de ordem do protocollo
relativo inscripcao, transcripcao ou averbaco
qual se referem os mesmos papis.
Os papis da mesma classe que tiverem o mesmo
licito requerer nova inscripgo, a qual s valer
desde a sua data.
Art 108. Outrosim, no caso de ser o cancella-
mento fundado na nullidade da inscripcao ou' trans-
cripcao e nao na nullidade ou solugo' do contrac-
to, a nova inscripgao ou transcripgao s valera
desde a sua data.
Art. 109. O cancellamenlo pode ser total ou
parcial.
(Continuar-se-ha.)
Art. 50. Se a mesma pessoa apresentar mais de numero de ordem do protocollo,
um titulo diverso, os (lulos tero numero se- emassados em um mesmo rotulo,
guidos.
Art. 51 Se mais de um titulo for apresentado
pela mesma pessoa relativo ao mesmo objecto, o i
numero de ordem ser o mesmo addicionado nos
ootros titulo.-, com as lettras A, B, C.
Art. 52. Tomada a dala da apresentacao, b o na-1
mero de oriem n protocollo, -e reproduzdos a '
mesma data e numero de ordem no titulo apresen- j
lado, o offleial proceder ao registro pelo modo
segoinle.
Art. 53. A pessoa, que requerer a inscripgo ou |
iranseripeao de qualquer titulo, devera apresentar
ao olli al do registro :
I" O titulo.
2o O extracto do mesmo titulo cm duplcala, promptido.
cometido todos os requestos, qae para ioscripcio
e transcripcao este regulamento exige, e pela
mesma ordem, em que sao exigidos.
Estes extractos serao assignados pela parte ou
por seu advogado ou procurador.
Art. 54. Sempre que o tilulo apresentado
serao reunidos e
GOYfiRNO DA PROYPCIA
Expediente do dia 21 de julho Je 186o.
Offlcio ao Exin. presidente da provincia do Rio
de Janeiro.Accuso _receido o offlcio de 11 do
I corrente, em que V. "Exc. me communicou haver
[ reassumido naqella dala a adrainistragao dessa
provincia como seu presidente.
Dito ao Exm. coraraendador Domingos de Souza
Leo, 4o vice-presidente da provincia.Por decreto
de 7 do corrente, houve S. M. o Imperador por
bem exonerarme do cargo de presidente, e achan-
do-se o desembargador Anselmo Francisco Peretli,
como me declarou era offlcio desla data, impossibi-
litadode assumir a admnistrago da provincia co-
mo Io vce-presidenie ; convido V. Exea compa-
recer oeste palacio hoje mesmo, afim de lomar con-
la da referida admnistrago na quahdade de 4
t que dever providenciar sobre o caso com toda a vice-presidente, visto acharem-se vagos m lugares
de 2o e 3o.
Art. 83. As cerlides serao passadas pelo offl- | Dito ao Exm. baro do Rio Formoso 6o vice-pre-
ciai do registro sera dependencia de qualquer des- sidente da provinciaPor decreto de 7 do corren-
Pa';ho. te, houve S. M. o Imperador por bem exonerar-me
Art. 84. Quando o registro tiver muila aflluencia do cargo de presidente, e achando-se o desembar-
de trabalho, pode algum dos sub-offlciaes do regis- gador Anselmo Francisco Peretli e o Dr. Domingos
fr es- tro ser autorisado pelo juit de direito a requer- de Souza Leo imposibilitados de assumir a adrai-
Man
CAPITULO V.
Da publicidade do registro.
Ar 80. Os offlciaes do registro sao obrigados :
t A passar cerlides requeridas.
| I A mostrar as partes, sem prejuizo de regti-
! laridade do servigo, os livros do registro, dando-
Ibes com urbanidade os esclarecimentos verbaes,
jquo ellas pedrem.
Art. 81. Qua'quer pessoa competente para re-
! querer as cerlides do registro, sem importar ao
j otDciat o interesse que ella possa ter.
Art. 82. Recusando ou demorando o offleial a
i cerlido. pode a parte recorrer ao juiz de direito,
criplo particular, no caso em que admissiveL ment do offleial do registro para passar as certi- nistraeo desta provincia, como rae declararam era
art. 8" da lei), devera ser apresentado era dupli- des independenteinente da subscripgao do mesmo offleios desla data ; convido a V. Exc. a compare-
um rom
i 2), o
a' vista
cala para que um dos exemplares fique archivado
no registro.
Art. 55. Sendo os extractos conformes
o oulro.e alm disto sufflcienles (art. 53,
offleial far a inscripgao ou transcripcao
dos mesmos extractos.
Art. 56. Se, porm, os extractos, conformes en-
tre si, nao forera sufflcienles, o offleial fara' o re-
gistro, suppnndo pelo tilulo o que fr omisso no
extracto.
Art. 57. Feito o registro, o offleial proceder' as-
sim :
offleial (art. 12).
Art. 85. As cerlides devem ser passadas nao
s dos livros do registro seno tambem dos docu-
mentos archivados.
AM. 86. As cerlides devem ser passadas con-
[ forme o quesito ou quesitos da peligao que as re-
; querer.
Art. 87. Todava sentare que honrar inscripcao,
| transcripcao ou averbaco posteriores ao acto de
. cer neste palacio cora toda brevidade, >fim de to-
mar coiila da referida admnlstraco, na qualidade
de 6o vice-presidente.
Dito ao coronel commandante das armas.Con-
forinaodo-me cora o que pouderou V*S. em seu of-
flcio ii. 1,231 de 18 do corrente, o autoriso a man-
dar recolher ao quartel onde existe o deposito de
I recrutas, os objectos mencionados na relago por
copia inclusa, afim de serem vendidos opporluna-
que se pede cerlido, as quaes por qualquer modo mente em hasta publica.
o alterem, o offleial obrigado a mencionar na cer- > Dito ao mesmo.Visto que, segundo V. S. decla-
lidio, nao obstante a especiticaco do quesito, essa I rou em seu offlcio n. 1,232, de 18 do corrente, foi
l. Fara' no protocollo a nota deregistrado : crcumsiaucia sob pena de responsabilidade pelas; considerado incapaz d'j srvigo em inspeceo de
no livro tai, numero tal, pagina tal.
Indicar no Indicador real realos immoveis
inscriptos ou transcriptos (art. 53).
| 3." Indicara' no Indicador pessoal as pessoas
que figuram na inscripgao ou transcripgao (art. 34).
Art. 58. Tomadas as notas antecedentes e repro-
duzida no titulo a nota deregistrado no livro tal,
numero tal, pagina talo offleial entregara' a' par-
teo mesmo titulo e um dos extractos, numerando
perdas e damnos resultantes da cerlido ob ou saude, o soldado do corpo de voluntarios do Piauhy
sub-repticia. i Manoel Francisco de Sam'Anna, mande V. S. reco-
Arl. 88. As cerlides sero passadas com a bre- lhe-lo a enfermara al que o governo imperial re-
vidade possivel nao as podendo o offleial demorar i solva sobre o destino que deve ter essa praga.
por mais de tres dias. Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Art. 89. Para ser possivel a verificagao da de- Mando V. S. arrecadar a quanlia de 195000 que o
mora, o offleial logo que receber alguma peligao director da colonia militar de Pimenleiras tem de
4." Referencias aos nmeros de ordem e paginasj e rubri,;aildo as folhas respectivas de um e oulro.
a livros 2, 4, 5 e 6. Arl- 59. Oulro extracto com o oulro ltalo, se o
titulo fr escripto particular (art 54), sero archi-
. vados conforme o art. 79.
Art. 60 No caso de averbagao, o offleial proce-
der' na forma dos arts. 57, i, 58 e 59.
Art. 61. Sendo a hora d^e fecJiar-se o registro,
nenhura adornis podera' ser praticado.
O offleial no livro protocollo, no lugar onde ter-
minar o servigo do dia, passara' ceidlo do encer-
ra ment.
dos
5." Annolaces.
No primeiro espaco formado por linhas horison-
taes, de que trata o arl. 24 em vez do titulo do li-
vro se escrevera a freguezia. Assim :
1865.Candelaria.
1865.Candelaria.
Art. 34. O livro n. 8lodicador pessoalser
dividido alpbabeticamente e nelle e na letra res-
pectiva ser escripto por extenso o nome de todas
as pessoas que activa ou passivamente, s ou col-
lectivamente figuram nos livros de registro geral.
As paginas deste livro serao cortadas por linhas
perpendiculares necessarias para os seguintes re-
quisitos :
1. Numero de ordem.
2. Nome das pessoas.
3. Domicilio.
4. Profissao.
5. Referencias aos nmeros de ordem e pagi-
nas dos outros livros.
| 6. Annolaces.
O espaco de cada indicacn ser de um oitavo
de cada pagina.
Arl. 35. Se o mesmo immovel ou a mesma pes-
soa j eslverem noIndicador real ou pessoal
smenle se far, na columna das referencias, urna
referencia ao numero de ordem e pagina do livro
em que se fizer a nova inscripcao ou transcripcao.
Art. 36. Se na mesma inscripcao ou transcrip-
cao figurar mais de urna pessoa ou activa ou pas-
sivamente, o nome de cada urna ser langado dis-
tinciamenie noIndicador pessoalcom referen-
cia reciproca na columna das annotages.
Art 37. As indicacoes doIndicador, real oo
pessoal,tero sem numero de ordem especia!,
sendo o numero de o, de n dos immoveis em rela-
go a freguezia em qae sao situados, e o numero
de cerlido dar a parle a seguinte nota :
t Cerlido requerida por F. no dia tal, mez tal
anno tal.
O offleial F. ou sub-olflcial F.
capitulo vi.
Dos emolumentos dos offlciaes do registro
Art. 90. As despezas da transcripgao incumbem
ao adquirente(art. 7 2 da le).
Arl. 91. As despezas da inscripgao competem ao
devedor (arl. 7 2o da lei.)
Art. 92. As despezas das averbagoes e cerlides
pertencem Aquelles que as requererem.
Art. 93. Quando porem
o transmitiente ou o
Art. o2. Se todava ao chegar a hora do encer- credor fizerem as despezas que pelos artigos ae-
ramente, se nao tiver acabado algum registro co- cedeotes iucumbem ao adquirente e ao devedor, te-
megado, sera' a hora prorogada at esse registro rao contra estes direito regressivo por meio execu.
se concluir. tivo.
Arl. 63. Durante a prorogacao, porm, nenhuraa Art. 9i. Os offlciae do registro levaro por ca-
nova apresentacao sera" adinntida. da inscripgao ou transcripgoes 3*000; pelas aver-
Art. 64. Todos os ttulos que em tempo forem bacoes 1,8500 ; pelas cerlides e buscas o mesmo
apresentados e nao poderem ser registrados antes que os tabelliaes percebem (art. 94 do regulamen-
da hora do encerramento, licara reservados para o to de cusas).
95. Alm disto os mesmos offlciaes perce-
Por cada referencia aos nmeros de ordem
a inscrip-
dia seguinte e serao psprimeiros que devem ser Arl.
registrados. bero:
Arl. 65. Os actos da inscripcao, transcripcao ou! V
averbagao, salvos os casos expressos neste regula- e_pagmas do mesmo livro em qu fizer
ment, nao podem ser pralicados pelos offlciaes do 5a0 u transcripgao 500 res,
registro ex-offlcio seno a reqnenmeoto das partes. 2- Por cada referencia aos nmeros de ordem
Arl. 66. Em geral e salvas as disposiges espe-, e pasinas dos outros livros 1*000.
ciaes desle regulamento, (art. 234 e 268), sao par- i i 3 Por cada indicagao no indicador real ou
tes legitimas para requererem o registro aquelles pessoal, comprehendidas todas as referencias----
que transmitiera ou adqairem algum direito por Itf500.
Arl. 96. Quando as partes alm da transcripgao
por extracto quizerem a transcripgao vorbo ao
verbum (arl. 273), os emolumentos sero dupli-
cados
as
virtude dos ttulos apresentados, assim como
pessoas que os succedem ou representam.
Art 67. Considerara-se terceiros no sentido da
lei todos os que nao forem parles no contrato, ou
seus herdeiros.
Art. 68. Os offlciaes do registro nao podem exa.-
rainar a legalidade dos mulos apresentados antes
de toraarem nota da sua apresentago e de Ihes
conferirem o numero de ordem, que Ihes com pe
tem em razao da data da mesma apresentago.
Arl. 69. Tomada a nota da apresentago, e con-
ferido o numero de ordem, o olfleial duvidando da
Arl. 97. Os offlciaes do registro s5o obrigados a
langar no titulo registrado e as cerlides a conla
dos emolumentos que perceerem.
capitulo Vil.
Da responsabilidade des oflkiaes de registro.
Art. 98. Os principaes deveres dos offlciaes do
registro sao os seguintes:
1. A nota da apreseatagao dos ltalos com de-
recolher ao cofre dessa reparligo, provenientes de
sepulturas concedidas a particulares nocemiterio
da mesma colonia segundo declarou em offlcio do
Io desle mez. Communicou-se ao director da co-
lonia.
Dito ao mesmo.Devolvendo o requerimento em
que Carneiro & Irino pedem o pagamento da
quantiade 140*000 que se Ihe esta adever, prove-
niente de 25 colches e outros lanos travesseiros
de panno de lipho e chcios de palha, que foroece-
ram ao arsenal de guerra, com destino a enferma-
ra da provincia das Alagoas, tenho a dizer que
nao obstante as ponderagdes feitas por V. S. em sua
informago de 13 do corrente, sob n. 489, mande
effecluar esse pagamento sob minlia responsabilida-
de, viste ter sido o foroecimenio feito por ordena
positiva do ministerio da guerra em aviso de 31 de
margo desle auno e nao haver crdito para esse
fim.
Dito ao mesmo.Declaro a V. S. para seu co-
nhecimento e fim conveniente, que com o aviso ex-
pedido pelo ministerio da fazenda em 7 do corren-
te, me foi remedido o decreto de 5 do mesmo mez,
determinando que se abone a Manoel Carneiro de
Souza Lacerda, administrador da recebedoria de
rendas internas desla provincia, a gralieago an-
nual de 10 % de seus vencimentos, na conformida-
de do arl. 42 do decreto n. 2,343 de 29 de Janeiro de
1859.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S., que ten-
do em vista o que expde no incluso requerimento
o pharmaceutico Braz Marcellino do Sacramento, e
bem assim o que esse respeito loformnu o coro-
nel commandante das armas no offlcio junto por
copia, datado de hontem e sob n. 1,241, mande pa-
gar ao supplicante, sob nimba responsabilidad^,
visto nao haver crdito para esse flu,os vencimen-
tos a que tiver direito em vista do seu contrato al
o iim do mes de Junho ultimo e dabi em diante al
o dia em qoe elle deixar o exercicio em que se
acha na pharmacia do extracto hospital militar.
Dtto ao mesmo.Mande V. S. nao havendo in-
conveniente, pagar sob roinha responsabilidade a
Simplicio Jos de Melle, como pede o tenente-coro-
te, onde lera de funecionar a escola normal.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Tendo sido deroitiido de oIBcial 4*
justiga, o guarda Jos Antonio de Oliveira, como
participou o juiz de paz do H dislricio da freguwu
do Pogo da Panella em offlcio de 18 do corrate;
assim o declaro a V. S. para que considere sem
eir^io a despensa do servico que conced ao referi-
do guarda.
> Dito ao director das obras militares.Qoeira V.
b. apresentar-me com urgencia, como convm, o
resultado da commisso de qoe incumb a V. S. e
outros offlciaes, em date de 31 de mato ultimo,
alim de saberse: 1 qual o material necesario
para que a fortaleza do Brom e forte do Buraco,
iiquem convenientemente fortificados para o m
indicado em dito offlcio : 2 qual o meio mais con-
veniente para resguardar os patees da plvora qoe
ali existem : 3 finalmente quaesqner ootros roe-
Ihorameotos e reparos necessarios aquellas forta-
lezas.
Dito ao commandante do corpo de polkia.1
de Y. S. alistar uo corpo s.b seu commalWo
paisanos menciouados na relago jaula, vto qoe
: segundo os seus offleios ns. 622 e 623 oVsta data
foram considerados apios para isso em insperrio*
de saude. ^ *
Relago a que se refere o offlcio snpra.
Joao Pedro Pereira.
Bellarraino das Chagas Muniz.
Manoel Googalves Burily.
Francisco da Rosa Cessio.
Manoel Joaqoim Ferreira.
Dito ao mesmo.A vista da ,-ua informao
n. 621 desta dala, autoriso V. S. a dar baita ao
soldada do corpo sob seu cuinmando Lourenlioo
Jos Brasileiro, que foi cousiderado incapaz do
servigo em inspergo de sade.
Dito ao director do arsenal de guerra.Remella
V. S. com urgencia paa o quartel onde permane-
ce o deposito de recrulas, os objectos qae eslo
exposlos ao tempo nesse arsenal por falte de a-
coinmodaces, seguudo V. S. declarou em *ru iB-
co n. 317, de II do trrenle, que hYa as-i
respondido.
Dito ao pharmaceutico Joaquina Ignacio Ribeiro
Jnior.Tendo designado a Vmc. para fazer parte
de urna commisso que lem de nomear o comman-
dante das armas, alim de euvenlanar quanlo per-
teucea pharmacia do extinelo hospital e enfermara
militar permanente; assim o declaro a Vmc. espe-
rando que prestara os seus servicos em semelhante
commissito logo que, fr couvidado pelo mesmo
commandante das armas.
Dito ao gerente da Companhia Pernambora-
na.Be nao houver inconv-meoie, qanra Vine.
transferir para o da 5 de agosto prximo vindouro.
a partida do vapor que tem de ir para a lina de
Fernando, devendo Vmc communicar-me, se pode
ter lugar essa transferencia.
Dito ao mesmo.r*de Vmc. fazer seguir para
os porlos Jo norte al o Ccara o vapor Manumita-
pe, amanha a hora indicada em sea offlcio datad
de 19 do corrente.
Dito aos agentes da Companhia Brasileira de
paquetes a vapor.Pdera Vmcs. fazer seguir para
os portos do norte o vapor Paran, boje a hora
indicada em seu offlcio datado de hontem.
Dito aos mesmos.Informe Vmcs. se Bernab
Jos lavares, veio com passagera do governo, para
esta provincia no vapor Paran, e bem assim sm
da portara que Ihe deu seraelhaote passageia,
consta ser elle natural do Ceara.
Portara. -O presidente da provincia, aiiendendo
ao que requereu o juiz municipal e de orphos do
termo de Santo Antao bacharel Virginio Carneiro
da Cuoha e Albuquerque, resolve concederme 13
dias de luenga, com os respectivos Trarimintu
para tratar de sua sade fra do termo de sua
jurisdigao.
Dita. Os senhores agentes da Companhia Brasi-
leira de paquetes, mandem dar transporte para a,
capital do Cear. por conla do governo, no vapor'
Paran, a Bernab Jos Tavares, visto qoe veio eom
passagem de semelhante naiareza para esta pro-
vigcia e destinada aquella.
DitaOs senhores agentes da Compannia Brasi-
leira de paquetes, mandem dar passagem de proa,
em lugar destinado a passageros de estado al
Para no vapor Paran, a Mana Joaona Correa.
Dita.Os senhores agentes da Companhia Brasi-
leira de paquetes, mandem dar transporte al
Cear no vapor Paran, em lugar de r destinado
a passageiro de estado a irmia decaridade qoe
com esta su apresentar.
Dita.Os senhores agentes da Companhia Brasi-
leira de paquetes, mandem dar transporte para
Maranhao, por conla do ministerio da fazenda, no
vapor Paran, ao empregado publico daquetla pro-
vincia, Joo Baplista Carneiro da Cnnna.
Expediente do secretario dt gavera* de fia 1|de
julao de 1863.
Offlcio ao inspector da thesonrarh de fazen-
da. Exm. Sr. presidente da provn. .a,
transmitlir a V. S. as 4 inclusas ordens, sendo i
do Ibesouro nacional sob n. 87, e 3 do ministerio
da guerra datadas de 8 e 9 do corrate mea.
Despaches de fia \ de jnnke de I8t*.
HnfHerimentot.
Anna Isabel de Castro Accioly.Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional de Oa-
da e Iguarass.



>v
J.,- ,-.*



Diarlo de rernambuco Terca tetra t5 de fullio de 18G&.
Bernarda Mura do Espirito Santo.Informe o
Sr. director d) arsenal de guerra.
Cu.sme Francisco de Lemos.Ideferido em vis-
ta d' informarse.
Domingos Jf da Gunha La ges.-Informe o Sr.
inspector da thesutirara de fa/.enda.
Elias de Santo llias Bistos.Informe o Sr- com-
mandanie do corpa de polica.
Felipa Maria dos Prazeres..Iadeferido em vis-
ta da infirmarlo.
Field.ra Brothers.Informe o Sr. inspector da
thesounria di fazenda.
Francisco Ramcs da Gru7.-Informeo Sr. com
mandante do corpo de polica.
Feliciano do Reg Barros.Informe o Sr. enge
ohelro chefe da reparticao das obras publicas.
Hermenegildo le Barros Fermra.-lndefendo
m vista da iufurmagao.
Alferes Jos Ignacio de Mello.--Apresentese ao
Sr. commaudaute tas arma; para ser inspeccio-
nado.
Jola Baplista de Altp,ida Penha.-Indeferido em
virta da infoimaco.
Juajuim Fr&ncisco da Silva.-lnforme oSr. com-
mandante saperior da guarda nacional dos muni-
cipios de Ohnda e Iguarass.
Jos Soares Ferreira.Fica o supphcante dis-
pensado at que se recorra aos da quarta clasae.
Jos Francisco do Reg Barro>.Informe o Sr.
engenheiro chefe da repait.co das obras publi-
ca?.
Justiniano Lourengo da Silva.Indefendo em
vista da iuformagno.
Jos Victorino da Silva.Informe o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Tenenie Manoel Pereirada Silva Lras.Indefe-
ride em vista da informacao.
Manuel Rodrigues Damasceno.- Informe o Sr.
Dr. chefe de polica.
Bacharel Virginio Carneiro da Conha e Albu-
uerejue. Passe portara concedendo quinze das
de lioeng com vencimentos.
Hachare! ViceJle Ferreira Lima.Passe por-
taric.
PERNAMRUQO.
Brandina, Pernambuco, 4 anuos, escravo, S. Jos ;
ii ritago de intestinos.
Mauuel dos Passos, Pernambuco, 31 annos, casado,
Boa-Vista; phtbysica pulmonar.
Henriques Rodrigues, Pernambuco, 19 annos, sol
niro, Boa-Visto: tubrculos pulmonares.
- 20 -
Joo Ferrara de B?os, Pernambuco, 76 annos, Re-
cife ; amolecimento cerebral.
Alexaodrino Ignacio da Conceicao, Pernambuco,
70 annos, casado, Santo Antonio; frouxido ner-
vosa.
Andr de Albuquerque Mello, Pernambuco, 42 an
nos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Alfonso, Pernambuco, 19 mezes, Boa-Vista, supres-
siio de transpiracao.
- 21
Claudino, frica, 60 annos, solteiro, Recife ; in-
flammago.
Tiburcio, Pernambuco, 33 anuos, escravo, Boa-
Yi>ta ; tubrculos pulmonares.
Francisco, Pernamouco, 4 mezes, S. Jos ; phtby-
sica.
Isabel Maria da Concelco, Pernambuco, 28 annos,
solteira, Boa-Vista ; phlhysica pulmonar.
Felic.idade Francisca da Silva, Pernambuco. 43 an-
nos, solteira, Recife, indigestao.
- 22 -"
Catharina Maria, Pernambuco, 40 annos, solteira,
Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Lu/, de Franca, Pernambuco, 46 auno?, solteiro,
Boa-Vista ; ttano troinalico.
Mara, Pernambuco, 6 dias, Santo Antpnio ; con-
vulses.
Como, pois, dizer se que a qualidade narcotici
do fumo corlado por ess.i machina lera produztdo
symplomas de envenenamento ?
Parecia-rae que os embusleiros que assim pro-
curam prejudicar-rae, desmascarados, deveriam re-
colher-se ao silencio; mas observo j que procu-
ran! explorar oulro camiio, querendo fazer acredi-
tar que coolra o disposto as posturas munictpaes
lenlio fornos de fabricar o rap, o que urna re-
voitante falsidade, como ha poucos das teve oeca-
sio de observar o fiscal desla freguezia, levado
por denuncias forgicadas contra mim, no iululio,
sem duvida, de me fazerem victima de vechames,
a menos que nao baja alguma prohibido absoluta
para o fabrico do rap, ainda mesmo observadas
as condigoes hygienieas, prohibigao que desco-
nhego.
E para notar que os visinhos em cujo interesse
se clama lodo o dia pedindo providencias contra
mim, nao tenha m recorrido aos meios legaes para
cohibr-ine, e me parece que nenhum apparecer
reclamando laes providencias a nao ser quem sob
a capa do bem publico procura por motivos igno-
beis causar-me prejuizus. *
Quizera que em vez de proposites vagas appa-
recessem factos precisos e dos quaes pudesse occu-
par-me convenientemente.
Paro aqui, senhores redactores, na esperanza de
nao ser mais incommodado por causa de taes em-
bustes. Respeilador de lei eslarei .-'empre promp-
lo a cumprir suas determinares, mas me parece,
que teulio o diieito de exigir que se me nao invec-
tive to infundadamente, a menos que se nao en
tenda que o bomem cumpridsr de seus deveres de
Antonio de Va concellos Bastos, Pernambuco, 39 ve estar sugeito a vr-se abocanbada sua reputa -
annos, solteiro, Boa-Bista \ molestia do coracao.
Flora, Pernambuco, o das, S. Jos ; conrulsoes.
Julia, Pornambuco, 6 mezes, escravo, S into Auto
ni' i ; eclampsia.
Bartholomeu de Jess, Pernambuco, 68 annos,
solleiro, Santo Anlouio ; hernia eslrar guiada.
Oorolhea Philomena Raposo Campos. Pernambuco,
19 annos, casada, Afogados ; parto.
- 23
gao por quem quer que tenha vingangas mesqui-
ulias a exercer.
Recife,' 24 de julho de 186o.
Antonto Maria de Brilo.
Senhores regidores. Um individuo de nome
Francisco Jos de Magalbaes, a quera nao confie-
cemos, appareceu hoje com urna correspondencia
' luratts et medica Intlceoccidentalm. seno as
, Autilbas, onde o sueco das folhas e fructos como
! aqui, muito estimado e applicado contra asobs-
Itrumes abdominaes, principalmente do ligado e
( bag i e se todos os facultativos desla provincia o
I nao applicam com frequencla, i.-to se nao deve a
nao reconhecerem elles essas virtudes, mas slm a
nao seren encontradas com facilidade e em todas
as estacSes do anno os fructos dessa planta, e re-
pugnancia, que spresentam os deentes era fazer
uso do sueco desses fructos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao deseonhecida dos botanistas :
esta planta pertence familia das solaneas, e tem
a denominago de solanam pamculatum, que lhe
foi dada por Lyneo.
Parecendo-nos conveniente facilitar o nso do
surco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
bregado, nos propozemos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcoolico que pode ser
applicado em pilulas, mas tambera um vinho, um
xarope, e um emplastro que pode substituir, em
curtos casos, o de Vigo e estamos persuadidos que
! com islo preslamos um servido humanidade e
, therapeuiica.
Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
coegao das raizes da jurubeba, e Mrat e Delens,
I em seu Diccionario de materia medica e therapeu-
i fica, dizem que as Au'has se faz uso do sueco
i dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
rho vesical ; e a auloridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter era
nosso estabelecimento essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
A repulaco da jurubeba tal, e os .resultados
therapeulicos outidos ltimamente siio tao impor-
tantes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, que Oca escripio.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
physiologista eminente, o Sr. D. Leconte, o Dr. Tristao de Alencar Araripe, cfflcial-da
pliarmaceutico em ebefe dos .hospitaes, e
professor aggregado da facoldade de medi-
cina de Paris.
4. N'essas circumslancias admira-nos
que um conselho de sade publica se lenba
decidido sem informaces mais certas, a
mandar prescrever ou mesmo a por em sus-
peigSo medicamentos, cujas excclientes qua-
lidades e perfeita preparafao tem sido,* des-
de muitos annos, r conhecidas por todos os
membros mais distitidos do corpo medical,
e que tem os nicos defeitos de serem me-
lbores, menos caros e mais procurados do
que todos os remedios de seus concur-
rentes.
RMSTa Mkm.
Estamos autoridos pelo Exm. Sr. Dr. Casteilo
Branco a declara-, que a demissao dada a S. Exc
pelo ^overuo inijerial nao foi seu pedido, como
publicamo-lo por have-lo cdhiJo de joruaes da
corte.
S.>Exc. entendrado str do seu dever esta deca-
Tago, alim de declinar de si a responsabilidade
parlisse, habilita-nos a manifestar, que o primei-
ro a recouhecer-se fra das comiedes para admi-
nistrar autt provincia : mas qu nao pedir a sua
exnueracao, por que nao devendo ninguem recusar
seus servicos ne?ta quadra difli--il, seria aquelle
acto, ainda mais pelas circum.-lancias em que se
achava S. Exc, traduzido por despeito, ammo hos-
til administrarlo superior, ou contissao de ter
sido contrariado ua realisacao de vistas reactoras,
que, se livesse, leria lido muito lempo de prali
calas.
Hoje ao meio diaprestar juramento e toma-
r posse da presidencia da provincia o Exm. Sr.
barao do Rio Formoso, 6" vicepresidente.
Damos sob a rubrica Purte oficial, parle do
regulainenlo hyp Ibecario, que deve ser execulado
d'amanha em diaute.
No sabbado deu a sociedade Corybanli*a a
sua partida do crreme mezcoin acosiumadaapra-
zibilidade.
Chamamos a allencao dos nossos leitores
para o artigo que damos na 8" pagina, trabalho do
Sr. Dr. Sa Pereira, em conlinu^^o do que ja foi
publicado no Diario de 8 do correte.
Do (obrado da ra do Quemado, que faz es-
quina pira o becco da Congreg&eao, cahio de ama
das paellas do oilo, segundo andar, no leito da
ilna travesa, um menino de quatro a cinco annos,
resultando da queda fracturar c ante-braco direito
e relaxar os ligamentos da articula^ao da raao es-
querda e fracturar mais o csso frontal, havendo
symplomas de dirramamento sanguneo seb a cor-
nea do olho esquerda e compressao do cerebro.
O menor foi socorrido pe o Dr. Carneiro Mon-
teiro, ajudadopelo Dr. Ramcs, os quaes prognosli-
cam fatalmente o resultado das olfensas recebidas.
No sabbadf' foi ubirahida a quanlia de.....
1:1005 do Sr. Custodio Elsea de Barros Pinag.
que depoi de vjnder urna porgao de algodio na
Ten-a, qu^e lita em freute da ponte provisoria, e
de receber o seu producto taqjella importancia,
p lo em cima de urna cari, ira da mesma prensa,
donde desappareceu sem el.e saber o como, nem
quem lora o auior ; pois all mullas sao as pessoas
11 je lem legar no thealro de Sania Isabel o
excellente drama 0 Medico das Criancas, em be-
Deficio do distncto maestro o nosso comprovincia-
no Sr. Pedro Nolasco Baplista.
O bi nefleiado i bem cunhecidD nesta cidade por
seu- irabalhs e prodacfdes musicaes muito ap-
plaudilas pelo publico. A molestia que lhe sobre-
ven ha perlo de dous annos, tem-no proslrado em
diffiroidades, j ao podende usar de -ua arle e j
dis|iendendo os seus ltimos recursos com seu ira-
lamento : e nestas circum^taucias que o digno
empresario sem embargo d.rs cootranedades com
que leu hilado Hieda urna provade sua generon-
uade, contribulndo por meio de urna repres-mla-
go para suavisa." a sorte d.qnelle eximio artista
Perriainbucano, em favor do qual fazemos os mais
ardenies votos ao nosso publico e contamos que se
lhe nao recusara a proteceo de que elle mere-
cedor.
Cas\ nE dktencao.Movimenta do dia 22 de ju-
lho de 186") :
Kxi-iiam 350; entraran) f>; sahiram 8 ; existen)
348 a saner : naeionaes 2j"; mulheres 6: estran-
geiros 2."i ; esraiigeiras 2 ; oscravos o2 ; escravas
6, lula 38.
Alimentados a cusa dos cofaes pblicos 180.
Movni'-nto do da 2 de juUio :
Existiam348; entraram 16; saliiram 3; exis-
tem ;ilil ; a saber : naeionaes 264 ; mulheres 8 ;
estrangeiros 27 ; mulheres 2 escravos 54 ; es-
vos 6.; escrava<6 ; total 3iJI.
Alimentados a cu^ta dos cofres pblicos 181.
CaOTBBJO iiBLico. Obituario do dia 16 de
julho :
Luiza do Monte Mello, Pernamhaco, 76 annos, viu-
va, Boa-Vista ; intente.
Joaquita Mara d. Franca, Pernambuco, 20 annos,
solteira, Boa-Vista ; peritonite.
Joo B-rnardo de Mattos, frica, 30 annos, viuvo,
Boa-Vista : iscite.
Jos Purgador, frica, 46 annos ; Boa-Visla ; hy-
petrophia do corafo.
Joo Jos de Sant'Anna, frica, 60 annos, solteiro,
Recife, mcephalite chronica.
Manoel, Pernambuco, 5 dias, Boa-Visla espasmo.
Clara Antonj Correa de Almeida, Pernambuco, 30
annos, casada, Boa-Vista ; luljecculos pulmo-
nares.
R.c>ninascidc', cujo nome ignora-se, Pernambnco,
t ihas, santo Antonio; congestao cerebral.
Mana, Pernambuco, 7 das, S. Jos ; convulsoe*.
17
Severo. Pernambuco, 22 annos, solteiro, escravo,
Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Camill), Pernambuco, 10 horas, Boa-Vista., hereor-
rhagla.
Mara, frica, 30 ancos, solteira. Boa-Vista-; igno-
ra-se a molestia.
Guiiermino, Pernambuco, 23 dias, S. Jos, escra-
vo.; cachichia.
Mana Joaquina das Menees Ferreira, Pernambuco,
34 annos, viuva, Santo Antonio ; vol.
Lui?a,Pernambuco, 3 anaos, S. Jos; queimadura.
Luiz, Pernambuco, 32 annos, solleiro, escravo, Re-
cife ; .hydropesia.
Francisca Maria do Sacramento, Pernambuco, 60
annos, solleiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nare-.
Simplicio Gomes de Alencar, Pernambuco, $2 an-
nos, viuvq, S. Jos ; ataque cerebral.
Joagiim Jos Morelra Leito, Portugal, 20 anaos,
.spiteiro, Boa-VisU ; gaslro iiicephali
Joao Minoel Rcdiigues Valeoga, Portugal, 72 afi-
nos, rasado, A/gados ; pneumona aguda.
i8-
Joo FranciscoPessoa, Pernambuco,89 annos, viu-
vo, Boa-Vista ; congestao cerebral
Manoel Antonio do /ascimeuio, Peraambuco. 34
airaos, viuvo, Bja-Vista ; hepsuie.
19 -
Joao Chrysostomo Pacheco Soares, Pernambuco, 4i
annos, casado, Santo Antonio; pneumona.
JoJo, frica, 60 annos, solteiro, escravo, Santo An-
tonio ; megelite.
Juliana, Pernambuco, i annos, Boa-Vista ; vermes
niestinaes.
Antonio Jos Campos,G-ar, 60 annos, viuvo, Boa- sea eonceitaado Diario, referilo que, na noite
de 19 do corrente, andamos a fazer-lhe embosca-
das pelo becco do Carcereiro, indo ambos nos ar-
: mados de grossas bengalas e com chapeos inclina-
do Boa-'dos SODre rosto, e que diz ter sido verlicado pelo
Sr. inspector Eleodoro C. Ferreira (tabello ; e com
28 annos,
Vista ; gaslro hepatlte chronica.
Mamullo Gomes da Silva, Pernambuco, I
soiteiro, Recife ; bexigas.
; Joao Paulo, Pernambuco, 23 aonos, solt
Vista ; tubrculos pulmonares.
: Eugenia, liberta, Pernambuco, 53 annos, solteira,
Boa-Vista ; anlraz.
Mia, Pernambuco, 6 mezes, S. Jos; eclampsia.
Manoel, Pernambuco, 1 hora, Santo Antonio; es-
pasmo.
Martinbo, Pernambuco, 8 me;es, Santo Antonio ;
convulsdes.
Ilermogeues, Pernambueo, 2 anos, Santo Antonio;
interite.
Thom Carlos Pirette, Pernambuco, 48 annos, sol-
leiro, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
CORRESPONDENCIAS
este fundamento protesta contra nos pelas offensas
que de futuro houver de solfrer.
Nao contestamos a esge tal Magalbaes o direito
de se precaver contra as aggresses que lhe pre-
tendan) fazer, posto nao seja o meio de que se ser-
vio e que a lei lhe concede para casos taes. O que
porin lhe contestamos o direito (se emende que
o seja) de fallar verdade, calumniando a pessoas,
i que o nao conhecem,' que nao lem nem liveram
j nunca a mnima relaco, hoa nem m, cora Smc,
j e que nao Ultima portaato nenhum motivo directo
i nem indirecto para lhe fazer emboscadas e aggres-
soes; pessoas, emfim, que nunca deram motivo
!para se por em duvida os seus sentlmentos de or-
; dem e de obediencia as leis do paiz, onde tem
l achado sempre franco e generoso agazalho.
Fallou esse Sr. Magalbaes a verdade ; porque
inexacto que no passeio que demos pelo caes de
e dous de Novembro, becco do Carcereiro,
IUms. Srs.Sobremodo penhorado pelas llson
i geiras expressees que por VV. SS. me foram diri
Igidas em seu ofllc.io de 17 do corrente, que ora'Viole
respondo, eu (aliara urna das obrgacijs que ra da Praia e outros lugares andassemos armado
| me prescrevem as leis do dever, se nao nrocuras- de grossas bengalas, pois a verdade que um de
se meu turno, inda que por palavras, significar-1 nos trazia um chapeo de sol e outro urna bengali -
Ibes minlia gralido por essa prova de estima e nha de junco flexivel.
considerafao que me quizeram dar, manifestando j Fallou a verdade, porque lambem inexacto que
inda assun o apreco, em que me tem, quic sem ( andassemos com os chap is inclinados sobre o
o merecer, manifestado, que considero tanto mais rosto, e to inexacto isto que o correspondente
; ingenua e sincera, quando ja boje destituido do lu- mesmo se enearregou de contradizer se, afllnnando
gar que oceupava, nenhuma inierpretagao menos, que o Sr. inspector nos conhecera a ambos, o que
favorave se lhe pode dar; pois que uada mais jse nao dariase livessemos o rosto coherto com os
tendo VV. SS. de mim a esperar, que nao o meu
limitado presumo, como homem, ninguem poder
enxergar no seu procedimento, se nao a voz do
coracao, exprimindo os seus verdadeiros senti-
raentos.
Assumindo o lugar de chefe de polica deia
provincia, procurei, como me cumpria, esinUr u
pessoal da repartirn meu cargo, e eniao para
logo reconheci nelle, a necessaria aptido para o
boin des^mpenho das fiinccoes que lhe s> inbe-
chapeos.
Faltou tambem verdade dizendo que nos tor-
nramos suspeltos, pois se assim fo tor nao deixaria de cumprir a sua obngagao, pro-
curando 6aber de nos o motivo porque andavaraos
por aquel les lugares.
Assim, pois, se esse Sr. Francisco Jos de Ma-
galbaes tem amor sua pello, etem receios por
amor della, teoha ao menos o eommedimento de
nao calumniar a quem absolutamente nada tem,
rentes. Assim pois tratando a VV. SS. pe > modo nada quer ter com Smc, sob pena de ser obrigado
que referem em seu ofnVio, eu nao pratiquei um i a eoBter-se, no por meic de emboscadas, que o
acto de cavalheirisrao. como qualifleam, ni >> sim, expedienie de homens desordeiros e despreziveis
e mais projiriamenle, um acto de juslga. mas pelos meios que a lei garante aos calum
Agradeco pois tanta bondade por parte de VV. niados.
SS. para comigo, e>agrade;, sinceramente o repl- E se tem motivos para attribuir-nos a inlengao
lo, por que*ertho a profunda convicc', que pro-; de o offender chame-nos a juizo a assignar termo
curei sempre, cumprir com o meu dever; pode j de seguran;.!.
bem ser que errasse; nao aspiro aos foros da in- Em lodo caso fique sabendo que a sua corres-
falibihdade; mas entao lica-me a grata con-olacao pondencia nao nos torna responsaveis pelo que lhe
de que em iodo cao o meu erro provena sempre acontecer.
da fraquesa de mintia intelligencia, e nunca de
quabpier ouira causa estranha.
Rasoes que me sao peculiares, demoraro por
mais algnm lempo, a minna retirada, ja d"hrt mu
lo e diversas vezes por mim solliciada.eixarei
em breve esla bella provincia, trra das minhas
syinpaibias, e que me despena sempre as mais
gratas recordacoes de meus bellos lempos d'our
tr'ora.Separo -me com saudade de VV. SS., e de
todos aqnelles que me hnnraram com a sua amisa-
' de Mas entre a saudade, e o dever que me cha-
ma a outros lugares, inda um outro sentnnenlo
me acompanlia ;e, o ver a desuna.) que rema
na familia pernamhucaoa.Coulrista-me na ver-
dade o anormal e.-tado de Pernambuco.Prasa
Deus que bonancosos ventos venham em breve
desainar a utivern negra que lhe tolda o horisonte
\ poltico.Prasa a Deus, que a luz da razo fra e
calma, exiinguindo o nuvoeiro das paixoes, venha
alinal convencer a todos do que a poltica, e do
vvrdadeiro modo por que ella dte ser cornprehen-
dida. En to Pernambuco, como que destinado pe-
: la nalureza para ser a primeira cidade do impe-
! rio, locar aquelle gru de prospe idade, que s
1 lhe podem tr-zer a unio e a paz, elementos indis-
peasavets para a felieidade dos povos.-Faco votos
para que a couviccao desta verdade cale no animo
de lodos os Pernambucanos, que d^zejam a felici-
dade de sua provincia.
Reitero os meus protestos de eslima e conside-
rarn as peasoaa de VV. SS.. s quaes Deus guarde,
liecife, 20 de ^ulho de 1863.IUms. Srs. secre-
tario e mais em regados da reparligo da polica.
Jos Pereira da Silva Maraes.
Com a pnhlirarao de-las liabas farao Vmcs. es-
pecial favor a seus asignantes e leitores,
nao da Silva Ferreira.
Joaquim Tlieodoro da Silva.
PURLIOACOES i PEDIDO
ata. Redactores. -Continuando a (oveja e a ma- i
ledicencia em sua obra de causar-me embaraces, i
procurando toroam-me penosa a manutengo de!
urna fabrica de cigarros que tenbo ra dos Quar-
leis, onde emprego para o corte do fumo urna pe"
quena machina que recebe movimento de um pe-
queo vapor, inferior em proporcoes a outros que
existem nesta cidade, nao pesso deixar de vir ain-
da urna vez imprensa para o fim de protestar
contra taes urdiduras devidas a inimigos pequeni-
nos que, sem consciencia do que dizem do as mais
inexactas irformac,6es.
E' falso que nao tivesse >u oblido licenga da c-
mara municipal para montar esse pequeo vapor;
ao contrario disso, a verdade que antes de ser
levado isso a effeilo, obtive da illuslrissima cmara
a devida pennisso.
t nem o eontrario disso devia acontecer porque
somente a maledicencia poder descobrir na exis-
tencia dessa machina a vapor, inconveniente al-
gum para a visinhanca debaixo de qualquer ponto
de vista. J para evitar pretextos fui -o proprio a
pedir cmara que por seu agente designasse at
que ponto julgava conveniente que fosse elevado o
cano de eipedica de fumaba, obra que de confor-
midade com as de'erminacoes de municipalidade,
estou levando a effeito.
Quem souber que no servido dessa machina a
vapor que apenas funeciona urna ou duas vezes por
semana, somente empregado o carvao denomina-
do coA'g nao dir que essa machina despede grande
quantidade defumaga nociva aos visinhos pela qua-
Udade narctica do fume.
Quizera que os abalisaios professores de chimx-
cu, que lodo o dia esto a atormentar es ouvidos
da popnlacao, e a abusar da paciencia da munici-
paiidade, me dissessem se esses inconvenientes a
sade publica resultara do emprego do colee direc-
tameate, ou se do cine do fumo feto pela machi-
na., que recebe movimenlo para isso. No primeiro
caso procurara evitar o emprego desse carvao, l-
tenlas as novas piopruiaee que taes chinacas,
dignos de um brevet de iiwenon, teriam descocer-
lo, e no segundo quizera ucar scieote dos motivos
porque somente m?zes depois de collocada a ma-
china a vapor foi que comeearaia taes reclamagoes
contra o acto do corte fle fumo, corle qne sempre
ah se fez como em as outras fabricas desta ci-
dade?
E'que esses pretenciosos chimieos confunden)
coasas distancias, mostrando ignorar que toda a
fumaea que sahe dessa fabrica devida s e ex-
clusivamente machina a vapor que trtasmitie
movimenlo que corla o fumo, sendo que aada
tem o acto do corle do fumo coa a fumaea que aa
be pelo caao ds eipedicjio I
CiriiTC escndalo da administra-
r o da justica. no t?ruio de
Pao d'Alho.
Ha mais de cinco annos que esl paralisado o
inventario do casal do tinado Antonio da Costa No-
gueira, em qne ha herdeiros menores orphaos, sem
que o juz supplenle, que o iniciou, e outros que o
le ni substituido, lhe tenham dado andamento I
O Sr. Thom Leao de Castro, genro da inveta-
riante, em lo lo esse lempo tem estado na posse
dos bens inventariados, protellando o curso do
inventaro, paiao que diz que tem muitos recursos,
muitos amigos, proteceo e dinheiro para despen-
der, e nestas circumstaneas, que o inventario to
cedo nao se acabar... A inventarenle nao o pro-
move por interesse proprio e de seu genro ; re-
querido o seu langameulo nao ha juiz qne seja ca-
paz de o ordenar, ao menos em atleii;o aos Ule-
reases dos orphaos I
O Sr. Thom foi subdelegado da freguezia da
Luz, e nao sabemos se ainda o : lem prestado
servicos eleitoraes, contra elle a justicia impoten-
te e nulla.
Sr. Thom tenha a cardade de apressar esse
cansado inventario, afim de que cada berdeiro en-
tre na posse do que lhe pertence ; tenha cardade
ao menos com os orphaos....
Sr. juiz do inventario, trate de cumprir o seu
dever; nao fa<;a favores a casta do prejuizo alheio.
y Um prejudicado.
A publicacao qne vimos no Diario de hoje, leu-
do por epigraphe a um certo advogado desta ci-
dade, e assignada pelo louco da Paraltyba, desper-
tou em nos o desejo de fazer publicar urna genti-
leza, que se acaba de dar no foro desta cidade, e
que, tendo sua paridade com essa de que se oceu-
pou o lonco da Parahyba, mostra que ba mais urna
victima de gentilezas.
Hoje, estando em um escriptorlo, vimos ahi che-
gar uns autos, e logo ouvunos a seguinte narra-
gao :
Tendo o advogado, em cujo escriptorio eslava
mos, verificado que por parte do adversario de seu
constitunte se Unha juntado urna procurar < com
urna s testemunha, fez disso nota, e, rscando o
espaco que se seguia assignatura dessa nica
testemunha, chamou para isso a atten;o de vanas
pessoas, que presenciaran) o riscamento, mostran-
do nessa occasio quo a procuragao de seu con-ti-
tuinte eslava com duas testemunhas.
Indo depois os autos com visia ao advogado da
parte contraria, e depois conclusao, sahiram cora
um despacho, por occasio de cuja ralimaco veri-
ficou o advogado a quera, como cima dissemos,
em nosa presenta foram entregues ditos autos, que'
nao somente esava a procuraeao da parte contra-
ria com duas testemunhas, lendo-se feito introduzir '
urna assignatura entre a do outorgante e a da pri (
tneira testemunha, felizmente com tinha differente,
mas lambem (o qne mais revoliante) que es-
tava rlscada a assignatura da ultima testemunha
da procurado de seu conslituiote, para assim at-
\ribuir-se tambera a esta a falta apontada na pro-
curago da parte contraria 1 E' muio 11 Dar-se-ha
que o foro do Recife esteja reduzido a importar es-
sas gentilezas f
Veja o louco da Parahyba que nao S. S. so-
monte a victima dessas artimanhas que serven)
para depreciar o foro.
ecife, 18 de julho de 1865. ()
Um evangelista.
Ervsipella.
O medicamento que com mais influencia e ener
gir lem combatido essa ternvel enfennidade, tem
isdo o xarope alcoolico de veame.
Urna escrava da mai do Sr Francisco Firmino
Monleiro, pessoa bem conhecida nesta cidade,
adiando sede cama, e comaspernas bastante ta-
chadas, e cheia de lomores, tomando o xarope de
veame, scha-se boje boa, prestando servigos.
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, morador
naruaDireita n. 31, tendo sido acommettida do
mesmo mal, acha-se tambem boa.
A Sra. D. Senhorinha Umbelina dos Santos, mo-
rador na ra das Calgadas n. 38, achando-se ata-
cada de erysipella as cxas, com quatro tumores
bastante volumosos, no estado indolente, que a pri-
vava de por-se de p ba muito lempo, com o uso
do xarope alcoolico de veame e pilulas purgativas
do mesmo, acha-se res:abelecida, e no uso dos rae-
dicamentas os lomores terminaran) pela snppura-
go.
A Sra. D. Rila, moradora na ra de Santa Rita
n. 13, primeiro andar, soffrendo do mesmo mal ha
muitos annos, pois que a erysipella alacava amiu-
dadamente, depois que tem tomado esse remedio
nunca mais lhe deu.
Oulros muitos factos desta ordem deixo de men-
cionar aqui para nao me tornar prolixo e enfado-
nho.
Seno a erysipella urna molestia que sem duvi-
na elfeito de materia gerada no corpo como ex-
poem alguns escriptores de medicina, e em conse-
quencia da febre langada na pelle, onde produz
iullammago, e que muitas pessoas, por nito se te-
rem convenientemente tratado, suecumbem com o
pernicioso uso de que, nos tres dias uo devem
usar de remedio algum, o que faz-se eslender o
mal por nao se ter a principio combatido ; por is-
so, pois, conveniente que, logo que alguem se
seniir atacado de tal mal, deve provocar a transpi-
rago lomando ao principio urna colherinha de
cha do xarope alcoolico de veame dissolvido em
urna chicara de infusode flor de sabugueiro quen-
le, adogando-a com mais assucar, continuando nos
tres dias nesse tratamento, no fim dos quaes nsa-
.ia do xarope de veame na forma prescripla no re-
ceiluario, leudo todo o cuidado de se abafar, alim
sodluar convenientemente, alm de conservar o
aentre corrente, que conseguir lomando urna ou
duas pilulas purgativas do mesmo "elatnp,
Todos quantos snccumbem desta molestia se diz:
falieceu de erysipella recolhida ; ao contrario
alguos expositores presumem ser o desenvolvimen-
el da putjTefacgao no sangu, tanto que o lugar in-
flammado que, ento a sua cor era encarnada, se
troca em lvida ou negra, e termina em gangrena, e
por essa razao que conveniente o xarope al-
COOlico de veame na iufus de flor desabugo.para
se conseguir resolver a itiflammago, ou pelo me-
nos terminar pela supporago, impedindo assim a
gangrena.
Us fleilos do xarope alcoolico de veame appb-
cado ua flor de sabugo ao doenie, nao s de van-
lagem por sua qualidade diafortica, como pela
anti-seplica para impedir a puirefacgao as mo-
lestias.
Najerysipella nao deve o enfermo nos pnmeiros
tres dias nsar de comidas e bebidas que possam
esquenlar e inflammar n sangue.
A comida durante esse tempo deve ser do reino
vegetal, como sa^', fariuha do Manaban, pao tor-
rado, bolacha, etc.
Ainda na vi axpositor de medicina que aconse-
Ihasse que nos primeiros tres dias de acommeili-
mentos do mal, nao ,se usasse de medicamentos ;
o que elles repeliera sao os ungentos, uuturasqne
obsti'uem mais e repellen) do que promovem a eva-
euaeo d parfe ;o que couvm trazer o lugar
atacado e bem agazalhado para ajdar a transpira-
gao e defender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vende se na bo-
tica da ra ireila n. 88, de Jos da Rocha Para-
nhos.
Tenho receludo cartas de algnmas pessoas de
outras provincias que me commuuicam ter desla
cidade sido remedido o meu xarope falsificado,
que tem dado resultado ao descrdito de minha
preparagao, cujo conhecimeato se lem verificado
depois dos effeilos que taes remjdios apresentava ;
assim, pois, tenho a declarar ao publico que no
lelreiro que vai pregado na garrafa do xarope,
sempre foi assignado por meu punho, e daqui em
(liante, alm desta assignatura o farei tambem no
papel que cobre a garrafa. Rogo ao mesmo pu-
blico que quando forem assim engaados, tomem
testemunhas, me remettam os rtulos falsificados e
me participen) para fazer effectivo o arl. 167 do
cdigo criminal do Brasil.
Jos da Rocha Prannos.
COMMEfiGIO.
Gaixa filial do banco do Brasil em
Pernambuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Jaueiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Babia.
Novo banco de pernambofo.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Sijveira pagam o 1 dividendo de dita massa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
meltdqs : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. Z%.
.\'>vo banco de Pernam-
buco.
O banco descoma letras ua presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de quatro me
zes, e a 10 00 at o de seis mezes
Caixa filial do banco do Piras!!
cin Pernambuco.
penal ordem da Rosa, juii de direito esperU do
commercio desta cidade do liecife de Pernam-
buco seu termo, por sua mage.-iade imperial
constitucional o Sr. D. Pedro II, a qnera Data
fuarde etc.
ac saber pele presente, que Fonseea Silva,
por seu advogado, roe dirigirn) a pclico do Iheor
seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Dizem F.m-e-
ca Silva, commerciantes desla cidade, qne J.se
Gotgalves da Silva Subrmho lhe devedor da
quanlia de 1:5464010, cujas letras esto vencidas
e como o supplicado nao as tem pago, e os soppli-
cantes nao tem podido ajaizar. por ter o supt lira-
do deixado de comparecer nesta cidade, a mtrsav>
nao se saber o lugar onde reaMt, e esta a fiodar
seti lempo para dar-se a prescnpgo para a iter-
romper; ven os snppticanles protestar, nos termes
do artigo 333 % 3", uo prejudirar-lhes pelas ranV s
exposlas, e requerem a V. S. se digne mandar l-
mar por termo o seu protesto e admitlir os supph
cantes a justificar p.>r Imli naaslaa. que o suppl -
cado nao reside ne.-la cidade e ign.ra-.-e o lugar
de sua residencia, alim de que provada, V. S. jal-
gue por senteoga e mande fazer a iutimagV. Ao
protesto por edilaes de Irinla dias, para eonserva-
go do direito dos supplicanles. Pedem a V. S. se
digne deferir-lhe.E. B. M.Camello.
Segurado o que assim se contiuha em dita peli-
go, que ni- fui apresenuda, na qual dei o despa-
cho do theor segrale :
Justifiquen) depois de amanha, s 11 h ras do
dia. Recite 12 de julho de 1863. Alencar Ag-
ripe.
Sejuindo o que as-m se continha em ul iespa-
cho, por forca do qual fura feita a distnl.uie.io ao
esenvo deste meu juizo Manoel de Carvamo P*s
de Andrade, o qual em observancia ao mesmo meu
despacho lavrou o termo de protesto do iheor se-
guidle :
Proieslo.-Aos 12 de julho de 1863, nesta ndade
do Recife, em meu carlorio, comparecern) os sup
pilcantes, e aerante mim e as lesb-munha alaixo
assignadas, disseram que reuoiam a termo lodo o
conledo de sua petigao retro, a qual offererea
como parte do presente, e de como assim o di:se
ram e assignaramesle termo, cora as mesmas les-
De ordem da directora desta caixa se faz publi- ^SS^SSS^1 S,lvi" dc-Brro Pakaa,_es-
..k,......:.._;.... ___________:../ .u. envao juramentado o escrevi.
co aos senhores accionista?, que o respectivo the-
soureiro esl aulorisado a pagar o 23 dividendo
do semestre lindo em 30 de juiho ultimo a razo
de l-j por aegao.
Caixa filial do banco do Brasil 13 de julho de
186o.
O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 22......
dem do dia 21...............
37V:8IO3i6
18:4995026
393:318,5372
MOV MENT DA ALFBEGA.
Volumes entrados com fazendas----- 173
t com gneros..... 245
Volumes sabidos rom fazendas.
com gneros..
------- 418
69
394
-------463
Descarregam no dia 25 do corrente.
Barca inglezaHidalgo ferro.
Brigue sueco 0/ii"nfarinha de trigo.
Brigue austracoSouivntr du Havre -idem.
Bri-'ue InglezHarmstonmercaduras.
Brigue nacional Pernambucano diveasos g-
neros.
Escuna porluguezaD. Joocharque.
Brigue nacionalCardiaidem.
Escuna diuamarquezaDoranaidem
Brigue hdspanholVigilante idem.
Barca ng\e'.aMary Lordcarvao.
Brigue inglezZone-dem.
Brigoe inglez-A/in S/flww/iwf-idem.
HECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Itendimento do
Idem du da 24.
dia 1 a 22.
24:8215813
9:1995240
34:0215035
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 22......
dem do dia 24.............
92:0795727
7:4185390
99:4985317
i.'.-w '-:..-
0?IMENT0 SO POETO
Navio entrado no da 24.
Rio Grande do Snl23 dias, patacho brasileiro;
Bom esas, de 170 toneladas, capito Joiio Gen-
calves Res, equipagein 10, carga 8,300 arrobas i
de carne secca ; a Briboloinen Lourengo.
Navio ahido no mesmo da.
Riode JaneiroBrigue brasileiro Imperador, capi-'
lo Joaquim Piulo de-juza, carga assucar e so-
la e I escravu a entregar.
EBITiES.
A jurubeba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba slo desde
muito conhecidas nao s no Brasil, pois que dellas
tratou Pisn era sua excellente obra -Historia na-
(*) Por ler sabido com alguns erros, reproduzi-
, remos boje esta publicacao.
Sade publica.
Piirilicaran a respeilo de alijaos dos medicamentos
da casa Griinaull & C.
Alguns jornaes publicaram urna ordena-
q~\o d> conselho de sade pbrtuguez, que
prescreveu os melicamentospreparadospe'a
casa Grimault < C. de Paris, com o pretex-
to que esses acreditados pharmaceuticos
foram condemnados peo tribunal do Seina
por terem vendido medicamentos secretos
e falsificados.
Essa ordenacao parecer bem extraordina-
ria quando se tiver lido as seguinles cir-
cumslancias :
1. A sentenca de que se trata foi dada
sobre a denunciacao de um dos concurren-
tes dos Srs. Grimault & C, e sobre as in-
formaces irateiramente erradas que foram
dadas ao tribunal.
i" A sentenca foi.dada por um tribunal
de primeira instancia, e nao tem valor al-
gum, logo que se appellou ; foi por urna
manobra desleal e contraria a todos os usos
que os concurrentes dos Srs. Grinaultd C,
fizeram distribuir em grande numero os jor-
naes judiciaes e mandaram publicar em
Franca e nos paizes < strangeiros urna deci-
sfin que aulla, sem nenhum valor emquan-
to o tribunal imperial nao a tiv r approva-
do, e depois delle o tribunal supremo.
3." 0 tribunal imperial nao decidi, mas
sim, por urna sentenca de 17 de maio pro-'
ximo p ssado, ordenou nova vistori?, a que'
tinha motivado a deciso dos juizes da pri-!
meira instancia Ibes tendo parecido insuli-'
eiente, depois das novas experiencias intei-1
raraDte cootradicorias de um chimico e
O Illm. Sr. inspector da tbasouraria provin-
cial, em cumprimenio da ordem do Exm. Sr. pre-
siden e da provincia de 17 do crrenle, manda fa-
zer publico, que a junta da fezenda da mesma Ibe-
suurana recebe qualquer proposta acerca da ar-
rcmalagao da fabrica de retinar assucar na povua-
gao do Monteiro, anda mesmo por venda a pjaso-
Os preteudenles comparegam na ine.-ma thesou.
rana al o dia 3 de agulo prximo futuro.
Secretaria da lliesouraria provincial de Per-
nambuco !9 de julho de 18G3.-O secretario.
A. F, d'Aununciacoo.
De ordem do Exm. Sr. director, fago publico
que em cumpnmenio do aviso de 13 do corrente,
est novamente posta a concurso, com o prazo de
quatro mezes, a contar da dala deste, a cadera de
lalim do curso preparatorio desta Faculdade ; pelo
Eu Man valho Paes de Andrade, eseriviio a >obscreL
Fonseea Silva. Antonio AI ves da Fonseea J-
nior.-Ehziaiio Gomes de Mello.
Depois do que pruduzindo os supplicanles so-
testemunhas que depozeram cunvenieafeaaeale
acerca da ausencia do supplicado, o respectivo es-
crivao fazendo sellar e preparar os autos rieo(--i
conclusos, nos quaes del e profer a seateara i >
theor seguinte :
Hei por justificada a ausencia, e mando qoe o
sopphcad) se cite por edit.js detnnta das para o
fim requerido a fl. i.
Becife, 13 de julho de 1%3.Trist*> de Atorar
Araripe.
S 'guindo o que assim se continha em dita sea-
tenga aqui transcripta, da qual o respectiva esrri-
vao qne esle subscreveu e fez passar o prevale
pelo qual e seu theor chano, sito e hei per citado
ao mencionado justificado ausente Jos Gooealve*
da Silva Sobrinho, para que dentro do referido
prazo de Irinla das comparega ante esle joito, al-
legando e provando o que for a bem de seu direilo
e jastlea, sob pena de revelia.
Portanlo toda e qualquer pessoa, prente, anuy .
ou conhecido poder-lhe-ha fazer seieate d: loa o
occorrido.
E para que chegne ao conheclmenlo de lo*
mandei fazer o presente edital que ser aullado
dos logares do costume e publicado pela impren-a
Dado e passado nsta cidade do Rerife fe Per-
nambuco, aos 21 de julho de I863.-Eu Maaret
de Carvalho Paes de Andrade, escrivio o -ub--
crevi.
Tristao de Alencar Araripe.
0 Dr. Trislo de Alencar Araripe, oflkial
da imperial ordem da Rosa, juiz de d-rf-i-
to especial do commercio M cida-le do
Recife de Pernambuco e seu lenuu, |N.r
Sua Magcslade Imperial e constitucional,
o Sr. D. Pedro II, a quem Dos guarde
etc.
Fago saber pelo presente qne, no dia 26 do ni- z
corrente, s II horas do dia, na sala dos aodit r, i
ter lagar a reuniao dos credores da massa bllida
de Amonio Emyg.lio Ribeiro, afim de se proreifer
a nomeago de depositario da dita massa. vi>i,, ..r
interino o que ora exerce : portanlo sao roorea-
dos os respeclivos credores a cosparece'eai no
dia, hora e lugar cima designados, para o in aga-
m dito.
E para que o presente chegue ao conheeiraaaaa
de todos, ser publicado pela imprensa ealBxal.
na forma do e>l\lo.
Cidade do liecife, 22 de julho de l*r..".
Eu Manoel Mara R -drigues do Nascimeate, .-
crivo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Illm. Sr. inspector da ineaooraria pnvi.i-
cial.em cumprimentoda ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda fazer pul.lico qoe ou
da 17 de agosto protimo viudouro, peraafe a jon-
i ta de fazenda da mesma lliesouraria, se ba eV ar-
rematar a quem por Oteaos lizer, es repara .fe
2,093 bragas correnles na entrada do sol, do mareo
8.G00 bragas al o portiio da barreira da punle
dos Carvalhos, aveliado.- em 3:313,1000.
A arremalagau ser feita na forma da lei pa -
vincial n. 3i3 de 13 de maio de 1834, e Mi M
clausulas eapeetan abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a es>a arremata-
ra.., comparegam na >\i das eaeeieB da rrferida
Junta, no dia acuna mencionado, ; t-lo meio dia. e
coni|>etentemenle hbililadas.
E para constar se mandou publicar o presenta
pelo jornal.
Secrelaria da lliesouraria pro racial de Pernam-
buco 13 de julho de 18(33.
O secretario,
A. F. d'AnnunciagSo.
Clausulas especiaes para a arremaiaeao.
I9 As obras dos reparos da -irada e emharrea-
^eo^an^^o'^Z^r^oir^ *,PJ>**fi.. .tmwt-
deferido prazo, devera ustificar perante o Exm. H* Vi$2*?. na es,ra,,a do "M
Sr. director: i. ser cidado brasilero: 1* SMLSWfft"" orVal<> ( na
maiondade legal; 3." moralidade por meio de at-
testados dos parofthos e de folhas corridas nos
lugares onde houver residido nos cinco ltimos an-
nos; i." capcidade professional. Os que porm
tiverem sido em algum lempo condemnados a ga-
les, solTrido aecusago judicial de furto, roubo,
eslelliunaio, banca ruta, rapto ou oulro qualquer
criuie, que ulTenda a moral publica ou a rebgiao
do estado, nao se poderao inscrever, excepto se a
aecusagao judicial tiver sido arguinda de falsa
pelo candidato e nao houver provado condemnagu
judicial, se assim decidir acongregagao por via de
recurso interposlo dentro de dez dias. Para ca-
pcidade professional dever exhibir o candidato
algum dos documentos seguinles : 1. titulo de ca-
pcidade na materia em concurso, conferido pelo
conselho director da instruego primaria e secun-
daria da corte; 2." titulo de professor publico
tambem da materia em concurso, concedido pelo
governo imperial; 3. diploma de bacharel ou de
doutor as Faculdades do imperio ou academias
eslrangeiras, ou bacharel em letlras, salvo as pes-
soas notaveis, por seu talento e recouhecidamenle
habilitadas, que forem dispensadas desta prova
pelo governo, ou que se quizerem prestar a um
exame previo, tendo de conformidade com o cap.
1" do regolamento de 3 de maio Je 1856.
Secretaria da Faculdade de Direito do Recife,
21 de julho de 1863.
O secretario,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
O Illm. Sr. inspector da thesourarla provincial'
em cumprimento da resolugaoda juota de fazenda,
manda fazer publico, que no dia 27 do corrente
vai novamente a praga, para ser arrematado a
quem mais der, um telheiro que existe unto a
ponte do Motocolomb, servindo de base arrema-
tago a quanlia de 25,5000 oTerecida por dous lici-
tantes.
E para constar sa mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de julbo de 1863.
O secretarlo
A. F. oTAnnunciarao.
Pela tbesourara provincial se faz publico, qne
a arrematagao da obra da conclusao da casa da
cmara e cada da villa do Bonito, foi transferida
para o dia 3 de agosto prximo viodouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de julho de 1863.
O secretario
.4. F. cTAnnunciacao.
importancia de 5:3I3.
- O arrematante dever principiar as meario-
nadas obras no praso de 13 das e conelni las -
de o mezes, ambos contados da data da apnrova-
gao da arrematagao *
3' O pagamento ser realisado como determina
o artigo T'.i do regulamenlo de 9 de jnlho de 1*6i
e a responsabilidade da entrega definitiva s ser
applicavel aos calgamentos e aterro* dos raanguts.
4' Para tudo o mais que nao se lem especifica-
do as presentes clausulas, seguir-se-ba o que de-
termina o regulamenlo cima citado.
C nformeA. F. d'Aununciago.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
em cumprimento da ordem do Exm Sr. presiden-
te da provincia, manda fazer publico qoe so d
27 do corrente, perante a junta da fazenda da me-
ma thesouraria, vai novamente a praga para ser
arrematado a quem por m- nos lizer o ferneriawao
dos rnedicameulos e Meada precisos a enfermara
da casa de detengo desta cidade, servindo de base
a arrematagao e offereeimenio de 20 /. deabai.;
nos pregos do respectivo formulario, feito pelo lici-
tante Jos da Cruz Santos.
A arrematagao sera feita por lempo de II mezes
a contar do Io de agosto prximo viudouro.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secrelaria da thesouraria provincial de Peraam-
buco, 14 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. da Annunriaco.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico, qne no
da 3 de agosto prximo vindouro, perante a iMa
da fazenda, da mesma thesouraria, se ha fe
matar, a quem por raeno Ibera obra do i_
ment, na extensao de 153 bragas no lasca a en-
trada de Bujary a cidade de Goanaa, avahada) en
1:364*000.
A arrematagao ser feita na forma da lei
cial n. 343 de 15 de maio de 1843, e sea
las especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa a
cao comparegam na sala daa sesses da referida
junta, no da cima mencionado pelo maio dea e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de I
bnco, 4 de julho de 1865.
O seeretarie
A. F. i* aaaacaafia.
-"i
_!_*-
_i^^
i..
-*-




Diarl,da *eimift?av *d*1 deJ>ijlu4q aVM
.^
"*- '
Clausulas especiaes para a arrematago. canta CaSa da Misericordia do Reeife ',ou /?or *o dtoip emprezario, qu- de mnla
!. Empedra.nento de 155 iracas correle no 8 ... .jmiiiisiritiM di Santa Casa da von,ada Me conceder este espectculo, e confiado
nistrativada tanta: Usa da Da nngnanimdadedo respeitavol publico >sp ra
lance de estradadei Bujary a Goiana* na *P.r; Misericordia do Becife manda fazer publico que
tancia de 1:361*000, ser, rallo de conformidade no dia 27 do correnle pelas 4 horas da tarde, na
com o respectivo orcameoto, e as instrucgoes do Mlde suas ses,5e tem de ser arrematado 0 for.
eogenheiro encarregado da iseiltsagao dos traba- nedment0 dos peneros abaixo dclarados, que
'"''* .- ., _, ., ,,. bouver de consumir nao s os estabelecimentos de
2- Os pagamentos serao fe.tos em duas prest* caridade comu ,ambera os Cllogios de orphaosnos
C5es iguaes, a pr.me.ra quando estiver exentado meie* de agosto e setembro pfoximos futuros, a
.,,..1-.... Ar. in,\n n cai'i'iiA n ; rlliniu na rnnnl;in l
saber
ignaoimidadedo respeitavdl publi.
urna brillante e numerosa concurrencia para aju-
da do su trata manto, e por isso desdej aolecipa
a todos os seus cordiaes agraderimenlos.
Vsk
franreza de Jacaranda'. 1 mobi'ia de ama-relio, 1
mesa clstica, 1 rica secretaria de aroarello, I me'
sa de dilo para advogado, 2 aparelhos de porcela
na para-ch, cadiaa<, manjuezjis, s ufas, banqui-
nhas, secretarias, rarteins, quadros, consolos, can-
dieiros a gai etc., tr e ootro1 inultos artigos de
! gosio que estarao patetttes no acto do leilSo.
DE
SEGUROS
c a uliinia na conciuso
metade de lodo o seivtco
do trabalho.
3.* O arremtente comecar os trabalhos at o
dia t. d setembro o os concluir at o ultimo de
ootubro do corrente anno.
4.* O arrematante d3o ter direilo a indemnisa-
gao alguma, qualquer que seja a nalurea da alle-
gago, salvo nos casos previstos por lei.
o.' Elm ludo o mais que nao vai especificado as
prsenles clausulas, seguir-se-ha o que dispoe o re
gulamento de 9 de julho de 18Gi.
Conforme.A F. da AnnunciaQdo,
0GL ABA50ES.
Convidase as pessoasque estao as condi-
coes d servgo miliiar, a engajarem no corpo de
polica e gozarem das vantagens da lei provincial
n. 611 d- 2 de maio prximo passado, que sao as
seguintes : 1*1 oors diarios de suido, serem seos
(ilhos menores recclhidos aos estabelecimentos
provinciaes de educago o lempo que estiverem
na gu rra ser contado |ielo duplo para o caso de
aposentadora, e a m destas, tem todas as mais
vaotagens que sao concedidas aos voluntarios da
patria.O tejiente-c ironel commandante do cor-
po de polic a, A exandre de Barros e Albuquer-
que.^_______________
Santa Cusa da Misericordia
do Reeife.
A Illrn." junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Reeife, manda fazer publico que
no dia 27 do corrente pelas 4 horas da tarde, na.
sala de suas sessdes ten de ir a praga por lempo
de 1 a 3 annos, as rendas das casas abaixo decla-
radas, devendo os preteadentes comparecer acom-
panhados de seus fiadores ou munidos de cartas
destes.
Maneja anda a liini" junta scientificar aos
ac.uaes inqui'inos das mesmas casas, que, se no
prazo de 13 das cornados da data deste nao se
.ipresentarem para renovarem os seus arrenda-
mentos, sarao nao s dellas despejados, comu que
se cobrarao os respectivos alaguis pelos pregos
constantes deste edital, como j
annunciado.
Ra das Larange
Casa terrea n. o particular e
blico.......
Ra do Rangel.
dem n. C particular e 55 publico. .
Ra do Rosario da Boa-Vista,
dem n. 14 particular e 58 publ co. .
Ra do Amorim.
ldem n. 56 particular e 21 publico. .
Ra do Azeite de l'exe.
dem n. 63 particular e 14 publico. .
Ra da Cacimba,
ldimn. 63 particular e 5 publico. .
dem n. 67 narticular e 10 publico. .
Ra do Vigario.
Sobrado de 2 aclares n. 72 particular
e 27 publico........
Ra de Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 76 particular
e 11 publico........
[dem dem n. 77 particular e 13 pu-
blico..........
Ruada Senzala Velha.
Casa terrea o. 81 particular e 18 pu-
blico..........
dem n. 82 particular e 16 publico. .
Ra da Guia,
dem n. 81 particular e 29 publico. .
Ra da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 87 particular
e ti publico.......882*000
Rut do Pilar.
Casa terrea n: 92 particular e 103 pu-
blieTT.........
dem n. 93 particular e 101 publico. .
dem n. 9i particular e 99 publjco. .
dem o. 97 particular e 110 publico.
dem n. 100 particular e 104 publico.
dem n. 101 particular e 102 publico,
dem o. IOS particular e 94 publico.
Estabelecimentos de caridade.
Manteiga franceza, libra.
Caf em grao, dem.
Caf preto, dem.
Cha verde hysson, iem. ,
Assucar refinado 1* sorte, dem.
Dito dito 2a sorte, ideru.
Dito em torro sorte, idern.
Arroz pilado do Maranhu, dem.
Toucioho de Lisboa, ideni.
Bacalho, dem.
Tapioca, dem.
Alelria, idern.
Carne secca, dem.
Sabo amarello. dem
Fumo, dem,
Velas de carnauba, dem.
Farinhade maedioea da lerr*, alquetredovo.
Feijao mulatinho, dem.
Vinho Hoto de Lisboa, garrafa.
Vinho branca de Lisboa, dem.
V'iuagre lie Listo*, ideni.
Agurdenle branca, idern.
Azeite doce, dem.
Azeite de carrapato, dem.
C-bolas, eento.
Farello, sacco.
Carne verde, libra.
Culjegjos de orphos.
Manteiga franceza, libra.
Assucar refinado 1" sorte, dem.
Dito dito 2a sorte, dem.
Caf em grao, dem.
Cha preto, dem.
Arroz pilado do Maranhao, idern.
Bacalho, dem. .
Batatas, idern.
Alelria, idern.
Toucinho de Lisboa, idern.
Ceblas, cento.
Farinha de mandioca da trra, alqueire novo.
Feijao mulatinho, idern.
Azeite doce, garrafa.
Vinagre de Lisboa, idem.
Sal, cuia.
Lenha em achas.
Carne verde, libra.
flSOS AUmiMQS.
Leilo de esclavos.
------------------------------------- Terca-feire 23 d jnlho ao meio dia,
Para Usboa O agente.Pinto far leilo por despacho do lllm.
segu com mut brevidade o brigue portuguez Sr. Dr. miz de orphaos, em virtude do que'reque-
Flennda, ao qual falla apenas um resto de carg a reu D. Clementina T. da Suva, de dous escravos
frete : quem a quizer dar, pode dirigir-se a tratar proprios para ludo servc, ao ippio da do da aci-
no escriptorio de Amorim Irmos, ra da Cruz n. ma dito no armazem di na da Cadeia n, 62
3: para passagi-iros, aos quaes offerece excellen- ^- a j
tes commodos, trata-se com o capitao.Joaquim Au- _, 1^1 I j AfP
gusto de Souza, na ptaca do coromercio. DE
Para a Baha pretende sahir l'llM P,SCI'a\| (THIlillt (Ir, 18 a DOS 'le
com muila brevidade o velelro
lugre Emilia, capitao Bernardi-
no Rodrigues de Almeida, por
ter a maor parte da carga tra
lada, e paia o resto que Ihes'
falla trata se com o consignatario Joaquim Jos
GiiaJves Delirio, na ra do V gario n. 17, pn-
meiro ailar.________________
COMPA.NH1A PER.NAMBUCANA
DR
X;vi'gaoSo costelra por vapor.
Presidio de Fernando.
Seguir' um dos vapores da
iita(!c,a 4ii I engomla, costaba, co-
se, faz li!)\ t-inilio e Jmarc.
lio JE
No armazem da ra da Cadeia n. 6.
ADVERTENCIA.
0 sobrado de dous andares da ra do Vigarjo I
que tem de ser vendido era leilo por intervcii^io
do sgeqie Pinto, o de n. 33 e no> 23, como por .
engao tem sabido publcalo.
LEIL/%0
companliia no dia 29 do corrente de una linda mubiba de Jacaranda' nova comtam-j
po.Je pedra marmore, 1 magnifico guarda-veslido'
de mogno, I dito de amarello, 1 machina de costu-
ra, 1 excellenie secretaria de vinhalico, 2 bonitas
bancas de mogno para voltarele, obeitos de oun>, I
reiogios de a'gibeira de onro e prata, marquezas j
largas e estreitas, consolos, 1 cama franceza de ja-
Sabe por todo este mez de julho o bem conheel caranda", charutos da Babia e mallos artigos.
; do brigue pertuguez Holampago ; para o resto da Quarla fe.ra, 26 do corrente as 11 horas, no gran
! carga e passag.tros, aos Mes offerece acetados
commodos, traa se cun o consignatario Thomaz
de AquinoFonseca, na ra do Vigarlo n. 19, pri-
ineiro andar, ou-com e capito na praga^________
P.|in aP'pFa-" 36Ra da Cadeia do Reeife36
'sahir por lodo este mezo brigue portuguez Umao, L'HtO lawU-fetliT armazem 11.53
recebe o resto da car^a e passageiros, e tratase
com o consignatario Thomaz de Aquino Fonseca,
t ra do Vigario n. 19, primeiro andar, ou com o
capitao na praga. ______
ILLUMINACAO A GAZ
Armazem n. 31, ra do Im|>frador. mARI YIQS
Para mais regulandade do servido tero a empre-'
za resolvido to somente vender os apparelhos, /iATmn i ritxnrx
etc., deixandoque os ts. consumidores chamem CjIIN J KA E i)\3\J
os machinistas que mais Ihes agradaren), podendo t s* T J J
os nomes, morada, etc., de todos elles serem indi A UGEBDaiinld lHUeilllllSa(10ra
cados no armazem da eropreza estabelecMa nesta praCa, toma seguro* marihma-
M reclama56es por ma luz das cas.s cojos ap- Sbfe navos e9cn? arvrPBamenios e conra hp ms
pareJhos hoaverem sido .r^* *^e,M edificios, mercaduras e molilia: no seo escript-
a esle aviso, serao attendidos pela empreza; outros rQa 'Q y pavimento tarreo.
qnaesqaer, nao. ,,
A empreza espera qoe esta medida ser devida \ende-se orna rotla e urna janrlla em moi
mente apreciada celos senhoies consumidores, ten- W> bom estado : roa das Aguas Verde* a. VL
denle como a tornar este servico mais economl
co ; vi^to que ella vender ludo, apenas cora um
lucro tal, que cubra as despezas inevitaveis. ____
Dr
as 10 horas da msnhia. Recebe-
ra' carga, encommendas, passa-
geiros no dia 28 at as 4 horas
da tarde : escriptorio uo Forte do Mallos n. 1.
Para Lisboa.
OLYMPIO
Pelo agente Euzebio,
De duas mobilias de Jacaranda e diversas obras
de marcineiria.
Para u Km de Janeiro.,
AO P BUCO
CARLOS PMJYM. g
Como a empreza de illuiiiinaijao a gaz tenha da- g|
do licenga aos machinistas para trabalharem por g
sua propra cunta, Carlos Pluym, machinista, olle W
rece sen presumo ao publico (iara encaar gaz yf|
agua, e toda a sorte de servir; >s conceroentes ao 3
seu offlcio, por preeps muito rasoaveis.
Pode ser procurado a qualquer hora na ru#da
Alegra n. 16 (Boa-Vi>ta.) mm
N. B.
52^- Para prova di perfeiQodo seu Irabalho o gg
mesmo fferece ao publico o teslemunbo de im- Sg
mensas pessoas para quem jatrabalhuu a mandado 9
d* companhia do gaz._______________________
CASTDA fortoi 1
Aos 6:000^000.
Bilhetcs garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTME
O abaixo issignado vendeu nos seus muito feli
es bilheles garantidos da lotera que se aeabou Sadrede Daos a, se dir aaaai precisa,
de extrahir, a beneficio da matriz de Agua Preta,
os seguintes premios :
Um meio n. 306 com a sorte de 6:000.4000.
Dous quartus n. 796 com a sorte de 40OJ0OO.
E outras muitas sones de 100, 40$, 20$ e
ioj>ooo.
1
Francisca l ires Harha^r
Pertella
MEDICO OPERADOR
PEt.\
Facnldade de Parla.
regressando a esta provincia, arha-s*
prompto para o exercicii) de sua prffts-
sao, quer nesta cidade qner f>ra della,
especialmente em mideslas de nlhu (r-
taradas, etc..) das vas urinaria- (e-tri-i-
UTroto de nrethra etc.,) < .-e pella : pa-
ra cuju ruratvu'se Jnlga hali.'ir:>'lo.attrn-
ta a pratca, qne leve us rf>p!ta** a>
Ptrif, e s modernas iiislrunreatos qoe
possne.
Encarrega-se de col locar olho* arflB-
ciaes.
Pateo do Carmon. 2, esquina ti roa
de Hurtas.
ni
Ciixeiro.
300^000
1685000
9C5000
6005000
lUfOOO
835000
S005000
9005000
ra da Cruz n. 1.
sumir os hospitaes Pedro II e dos Lazaros e casa
dos expostos. Recominenda-se aos Srs. concor- para o Para, cum escala peio Maranhao, i>re
rentes que observem as propostas que aprsenla- tende sabir em poucos dias o lugre Emilia, capi-
rem a ordem, peso, medidas e qualdades indica- ta0 Bernardlno Rodrigues de Almeida, tem a
das na relacao dos gneros cima descriptos.
Nesta secretaria se daro os esclarecimentos, de
que precisarem osm^smjs concurrentes, os quaes
no acto da arrematado deverao comparecer com
seus fiadores ou muuidos de cartas destes, que ti-
Leilio
De K|| harneas com bolachinln.
Quarta-fein 26 do co rente.
O agente Pestaa far leiifio por conta de quem da Fortuna ra do Crespo n. 23.
perlencer de 60 barriquinhas com bolachinha sem Acham-se a venda os da 5" liarte da 4* e ir
reservado prego em liles a vontale dos licitantes : da 5a lotera (23*) a beneficio da Santa (lasa da
quarla-feira 2 nhaa no armazem do Sr. AzeveJo defronlo da es- rente.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratira V
taberna e d fiador a sua conducta : na rm te
A 95300 se pagara as libra slrlioa* : m
roa das Cruzes n. 41 A, taberna.
O abaixo assignado, arrematante das divH*
do Sr. loaqoiin Das Pinheir Larang^ira-, 'a
se ente ao rcspeita Ospossuidores podem vir receber seus respec- Srs. devedores, que de 21 do rorrete em Btaa)
tivos premios sem os descontos das leisnaCasa nao paguem ao Sr. Antonio Ignacio Branda" p>r
estar sem vigor a procura^o que ao dito inh;.
passado.
Denlo Jos C rdriro.
cadinha da alfandega.
carao responsaves pelo inteiro cumprimento dos
respectivos contratos.
Secretaria da Sania Casa da Misericordia do Re-
eife 21 de julho de 186o.
O escrivo,
F. A. Cavaleanti Cousseiro.
maior p'arle da carga tratada, e para o resto que
Ihes falta, tratase com o nonrgnatario Joaquim
Jos Guacal ves B-Itrio, ot ra do Vigario n. I",
primeiro andar, _____
COMPAXHIA PEIl.N'AMBUCAXA
DE
Naveguen costeira por vapor.
Arsenal lie guerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
9005000 precisa comprar para o Io batalho de guarda ua-
AVISOS DIVERSOS.
AVISO
Os Srs correspondentes dos
asignantes deste Diario, no
Para as
PRECO.
Bilheles..... 75000
Meios...... 35500
Guarios. 15900
pesas que comprareni de I00500C de sortimenlo de galantanas de ;n
tem reeebid) de sua propria conta.
Pede-so loria alt-nco.
Custodio Jus Alvis Gi)iinaiie>, l oo da loja r>r
appellido Gallo ViKlanie na ra d4> dasaja n. 7.
participa a lodufl os seus (rtaueje- e ao respnta-
vel publico, que esta dita luja e acha rom grao-
mu g'*iu. .^oe
2005000
2005000
1445000
Por ordem superior fica trans-
ferida para o dia o de agosto pr-
ximo, as 10 huras da manha, a'eentrO da prOVMCl'l 6 fKtS U0
partida de um dos vapjres da
eompanhia para o presidio de lttS d<) UliperiO, qUeirUt
Fernando de Noronha. A carga ser receida at i saMxfa.ZHr O i m norte
o da 4. Encommendas, passageiros e dinheiro a HKMiaOT iUWIU~Gr O unpui IC
I conal que tem de destacar para o sul, em virtude frete al 9 nuras do da da sahida : escriptorio no ,]a assia llfi twa liara nal) ha
da ordem da presidencia d-j 19 do crtente, o se- Forte do Mallos n. 1. .
[ver nterrapea > na remessa
0 Sr. Arsenio Antonio Carneiro
S retaiia da Santa
Recite 90 de julho de
2OO5OO0
2003000
2535000
2005000
2005000
2003111)0
2005000
Casa de Misericordia do
1865.
O escrivo,
F. A. Cavaleanti Cousseiro.
cumie :
2 livros de 200 folhas para registro geral.
9 ditos com 200 folhas.
15 ditos com 100 folhas.
10 ditos com 50 folhas
1 docom'20 folhas, pequeo.;
2 talins de couro de lusire.
26 cordoes de laa para canudos de inferiores.
1 bandeira imperial om aste e langa.
1 porte para a mesma.
1 cajia de oleado para a dita.
1 dita de brira para a dita.
17 cornetas de toque com pinto e volta.
27 bonets para msicos.
27 charlateras para os ditos.
800 grvalas de sola de lustre.
27 bandas de laa.
2 coroas para divisas de sargento, ajudante
quartel-meslre.
20 malas forradas de sola.
1 dita dita cora tres feehaduras differentes.
2 espadas de metal para sargeuto-ajudanle i
mltlH 11:
LEILOlS
NO
Todas as sema tas
GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
DO AGENTE
OLYMPIO
3(J--lliia da Cadeia do Keclfe--30
Arsenal de guerra.
11 conselho de compras do arsenal de guerra I quartel-meslre.
Drrctsa comprar para a escripturacao do mesmo 800 mantas de laa.
arsenal, em vutude da ordem da presidencia de 3.60o covados de panno azul para capotes,
lo de junhu lindo o seguirte : 4,000 ditos para blusas.
1 livro Je 200 folhas.
1 dito de 120.
i ditos de 100.
3 ditos de 80.
1 rlitu de 60.
i ditos de 40.
4 ditos de 30.
2 ditos de 16.
195 ditos alvadio.
130 ditos caseinira encarnada.
2,800 ditos bata encarnada.
600 varas de brira branco.
1,850 dilas algodaozinho.
266 dilas aniag-m.
94 ditas galao de prata de 1 pulegada.
14 varas de galn de 1|2 polegada.
le da ordem da presid-ncia de 19 do As pessoas que quizerem vender ditos artigo*
orrente contraia-se os medicamentos precisos pa- apresentem suas propo-tas na sala do conselho de
ra a enfermara dos aprendizes menores deste ar- compras, as II horas do da 26 do corrente, acora-
l panhadas da respectiva amo.-tra, sendo que para em chaos propnos.
= As 'pessoas que quizerem vender ditos artigos, os livros devera' procurar aqu qual as dimensoes; una alm
presentera suas propostas na sala do conselho,' no declara-se que os objectos que sSo de pura materia 40, em ios ture
dia 2"> do crrenle, as II horas do da.
LEILO
de predio.
Como sejam :
l'111 sobrado de 2 andares esoto, sito aa ra da
Cadeia n. 11, emchaus proprios.
I'111 sobrada de 3 andares e soto dentro, na ra
da Cruz 0. 28^em chaus proprios.
Um dito de 2 andares, na ra do Vicario n. 23,
em chaos proprios
Urna casa terrea, na ra da Senzalla Velha n. 3,
em chaos proprios.
L'ina casa terrea, na ra da Senzalla Velha n. 3,
em chaos proprios
da
Cunlia Miranda queira ilirigr-se a praca da
Independencia n. 6 e 8, que se precisa
fallar.____________________________
Anijni Joaiuim da Silva Villela, portuguez,
vai a Portugal.
Antonio TeixeJra de Carvalho Lisboa reti-
ra-se para Europa._____________________
M. I). Paulrk, retira-se para (ora do imperio.
Anda se precisa de urna ama forra para casa
de pouca familia, para comprar, cosinbar e en.
gommar pouco : no pateo ds S. Pedro n. 3, sobrado-
para cima.
Bilheles.....65500
Meios......35750
Quartos.....15700
Manoel Martins FlL'ZA.
GAB1IETE
PORTUGUEZ HE LEITURA El PEH-
iNAHBL'CO.
das as mercaduras tendentes a luja de n>uid<*zas
e outros, e comu esta resolvido a aaaaVv pur aaa>
gos liara'issimos, como os meinos compradores
poderau apreciar concorrendu com suas pre-enras
dita loja, que se aftlar.ear servir bem cni agra-
do e prumplido, e mesmo qoalqoer seohores que
rnorem tora desla praca. que palias e ajartajBBi
mercadoria, tendentes a seu negocio, aaaa por
motivos aao possam comparecer, o poder*) pfdir
. .. Vv '. j i;..... pireseripto, que se afianca nao se abusar tanto
A directora do Gabinete Portuguez de Le tura, ^ ^oL era qoalidade das mercadohas :
de conform.dade como 3 lldoj.$dos ******', lflov ^ oa do Cre^, D. 47-Gallo Vigilo>.
convoca o conselho deliberativo para o da 27 do ^
corrente, as 7 horas da tarde, para fin convd- g?g"cJEES3f?K?3."?3S3S 23SS?3SS3SSr
nientes.
Secretaria da directora do Gabinete Portuguez
de Leitura 22 de julho de 1865.
A. Joaquim Vmhas Maia
Secretario.
II Consultorio medico e
LOTERA
AOS 6:000#000.
Gabinete Portagucz de Leitura
em Pernambuco.
De ordem do lllm Sr. presidente substituto,
convocado o cooselho- deliberativo desle Gabinete
para sessao extraordinaria quarla feira 26 do cor- 383 ja em casa seja por escript--, indicando a S
rente, as 6 horas da larde, n sala das respectivas r
cirur^ico.
^^ 0' Dr; Joao Pedro Maduro la Fonseca ^
'| tem sua residencia na ra do Sol n. 33,
Ijg seguidlo andar, aunde se presta ao est-r- jjjj
; 5,gg cicio de sua profiss.au tanto de d^a remo jjj
.ISia de noite, os charaados .mando n*> e w- "
sessoes.
Secretaria do conselho deliberativo do GaliiueTe
Portuguez de Leitura em Pernambuco 24 de julho
de 1865.
A. A. dos Santos Porto
Io secretario.
Precisa-se de um feilor para um pequeo
irin :k:
^3 morada e nome do cliente.
Esaaasaaagaa _
ssassassa-'a S3as33:*?s
Preci.-a se de 2:0005 a premio de I v.fi aa
mez, por espaco de dez mezes, garantindw* rom
hypotheca em urna casa terrea i*la ridadj uV
maior valor, a qual se acha em muil> bom --*tto
por ser edificada de novo e de paredes dobrada-:
sitio perto da praca, mas que enlenda bem d-jar-^- rua de 5anta Thereza n. 38, se dir qwm pr-
dim : a tratar na travesa da Madre de Lieos, atx tja_
mazem n. 57.
OITere-se um rapaz para criado : quem pre-
Sabhado 5) do correte mez, S.e extiam- cis r, procure na rua Destino n. 12.__________
ra 5* parte da Ql* da '''lotera f-25a) pre,.isa.se Je uma erimU ,,ara caf:a de pou-
a beneficio da Santa Casa de Misericordia ca familia : a tratar na rua Augusta n. 5.
.Olliislliu da ireja de NoSSa SeilhOiaj Quarta-feira I9d<> crrente, pelas 3 horas da
no consistorio oa \\i
do Rosario da fregueza de Santo Antonio, i t.-.rde, pouco mais ou menos, f.>j furtado na cidade
da travessa
m sobrado de 3 andares, na rua do Crespo n. da na respediva thesouraria a rua do Cres-, "^jJUfa 'Q^Tcm w!i^ptttS^m '"dous
it, em chaos foreiros i DO numero la, I ps branco?, barbudo, com prquena raatdura, tem
1111 sobra lo de 3 andares, na rua do Queitnado Qs oremios de 0:0005000 ate lOOOO ; no be.co do lado esmierd uma letra que represen-
n. 16, em chaos proprios.
Um dito d#2 andares, na rua das Cruzes n. 33
Os Srs. Isaac Esnaly, JaaM laal Bai lista.
Antonio Juiio de S-mza Freilas e Ani.ii.io tirria
de Miranda, tem caria no escriptorio de Marqu*-*
Barros (SC; prac do commercio n 6. 2* andar.
)K
Os billietos, meios e quartos estao a ven-, do Becife rua do Queimado, equina
na respediva thesouraria a rua do Crea- J^rtl^^SS!.?
numero 15, t ps branco?, barbudo, cora pequea m
Os premios de G:0005000 ate 10^000 no beico do lado es 1 serao uagos urna hora denois da e.\tracc3o t ura-E estfazendoa segunda muda e acha-se
' .- 1 1 _, iiu A, ni|.s /tannic um.pouco gord >, e por ter sido possuido pouco
I ate as 1 horas da tarde, e os outros depots ,* n5o>s(i -de ^ T Qv{fn ^ 0
tempo, nao se pode bem figurar o ferro : quem
achar ouapprehendcr e leva-o a Jos Bernardino
Vaz, no lugarCha das Capoeirasprximo a vil-
na rua das Aguas Verdes n., ja rJlStribuicaO das listas.
1 n vci' As encommendas s r3o guardadas so
prima,devera.ser recibidos no da iminediatoao mWf^S^^SiUmUu da Uua'V'bla mente at a noite la vespera da extraccao la de Pao d'Alho. ser devida.nente recompen-
sa!, do conselho de empras do arsenal de guer-, do contrato a os mais ale o da 0 do futuro mez n. 02, em chao propnos_ ,
ra, 13 de julho de 1865. Conselho de compras do arsenal de guerra 20 IIO.I Ka U,m0 e Ct>*lume.
encarregado da escripturacao, de julho de 1865. O agente Pinto fara leilo precedida a compe-! beivinUO 06 ttiesoureiro,
Manoel Jos de Azevedo santos. O encarregado da escripturacao | lenle aolorisacSo, dos predios cima raeocionadjs, Jos Uodngues de bouza
Manuel Jos de Azdvedo Santos. edi as 11 horas do dia cima dito, no armazem na rua
da Cadeia n. 62, pidendo os p elendentes exami-
narem desde j os referidos predios, e concorrereni
ao. leilo.
O abano assignado. lancador da recebedoria _--------------------------
<3e rendas internas geraes, P-ndo de dar principio Inspeccao de saml*.
nc dia 17 doeorrente mez aos irabalhos do lan>;a- Hoje, as 10 horas da manhaa, haver Inspecgao
nenio do bairro do Reeife, de conforraidade com de saude na secretaria do commando superior da
o art. 37 e seus %% do decreto de 17 de mareo de guarda nacional deste municipio, rua do Livramen
I861. los imposios a que estao sujeitos as lojas e 10 n. 31. Os nlere>sados cornparegarn na mesma
;a-,is ommerciaes, e outras de diversas classes e secretaria.
denominares, avisa aos draos dos respectivos es- Secretaria do commando superior da guarda na-
tahelecim'ntos, que tenhara prsenles no acto da conal do municipio do Becife 25 de julho de 1865.
collecta os recibos e papis de arrendamento de O secretario,
sois casas, visto que elles lefio de servir de base ____________ Firraino Jos de Oliveira.
ao processo do mesmo lancamnto, o qual princi- \ nppmal'ii
piara as scgnint.'s ras: caes da alfandega, lar- di icumuitiw.
gi da ir.e-ma, a-co da Conceijo, Cadeia, Cruz,' Perante o Sr. juiz de paz do Io dislricto da rre-
Lni"oeta, Torres, b-ceo do Abru, Tanoeiros, Tra- guezi da Boa-Vista tem de ser arrematado em
piche praca do Commercio e Vigario. hasta publica, no da 26 do correnle, um cavaljo
" Jos Theodoro de Sena. j ruco penhorado a Ricardo Austin, por execugao
ISoO, nojulgando conveniente que continuem ; francisco de P.ula da Silva, rua ae s. francisco
em poder dos cobradores os conhecimentos do 1" mgSHBf '........" ......... ......'-' WKfSPJBB
semestre do exercieio de 1864 1863 dos imposios rm^nu a? "'*
de l)|0, imposto especial e decima addiclonal de Hlj .%. I vf
mfi '-morta, ordenou o recolhirnento delles, princi- jje
piando pelo bairro de Santo Antonio, cujo debito;
i superior ao dos mais, afira de proceder aJiqui -1
ja-Ao de conforraidade cora os artigos i* e 5j das
instrucedes queacompanharam o decreto 2354 de
16 de (evereirode 1859, que em quaoto se est
-o-misando a relacao dos devedores do referido
bairro, Ihes perraettido virem aqu pagar os seus.
dbitos allrn de evitarera a eubranea judicial.
Silve.-tre Correia de Carvalho relira-se para
fra da proviocia.
Leo de duas escravas.
iioji:
Terfa-feira 2a de jullio ao meio dia.
O agente Pinto far leil) por conta de uma
pe.-soa que retir-se de-ta provincia, de duas es-
cravas, sendo uma erioula de 15 annos de jdade,
a qual cose, lava, e engomraa, outra de nacao, de
32 annos de idade a qual cosinha e lava ; a meia
hora dopos de meio da do dia cima dito no ar-
mazem da rua da Cadeia n. 62.
O Sr Manoel Al ves de Souza Caval-
eanti tem uma carta na livraria n. 6 e 8 da
praca da 'ndependencia
iii:iL%5
da casa terrea n.. 9 do becco do Q-iabo, freguezia
da B>a Vista, a qual rende 1-55 mensaes, e por
consequencia 1805 anniaes.
HOJE.
Tergafeira, 25 de judio de 1865.
Por iiil-Tvencao do agente Pinto, no armazem
da rua da Cadeia n. 62. _______________
"LEILO
de uma casa em Olinda-
iioji:
TerQa-fera 25. s II horas.

sado.
ADVOCACIA.
Innocencio Seraiihro de Assis Carvalho, tendo
vollado da corte d Rio de Janeiro, reassnmo o gos e freguezes agricultores de alg.da; quede ora
exerciciode sua proflssao de advogadn, e pode ser em dianle o acharao promplu para rr.-t.-r a sua<
procurado em seu escriptorio, rua do Imperador u. ordeu> em seu novo estabelfcimenlo de prenda uv
Oadvogalo Antvro )l:m Medeiros I urlado, nahirnl da Pa-
rahiba do Norte, declara f|ne o
annuncio que tem corrido impres-
so neslej'-ni I migma l"i:-
co da Farabiba nao se refere a
sua pessoa, e provoca a<> act r to
mesmo annuncio para que diga o
$f| contrario.
*mmmm)*x ***-*
Jos Franci-co Pedroso de Carvalho, tem
honra de participar ao respeilavel publico, r cialmenle ao corpo do commercio e bh sen- ami
m
&
9
M
*
i
50, das 10 l|2 horas da mauhaa as 3 da larde.
Jos Pedro de Paiva Biracho ferido pela
mais pungente dor, pela noticia do falleci-
raedto de seu presadissimo irmo Antonio
Alberto de Paiva Baracho, roga a lodos os
seus amigos e collegas o caridozo obsequio
de assislirem a rais.-a que pelo eterno des-
cango de sua alma manda celebrar quarta-
feira 26 do corrente, as 7 horas da manhaa
'em a igreja da Soledale. Desde j confes-
a-se summamente grato a todas as pessoas
que assislirem esle acto de religiao e cari-
dade.
Prtcisa-se alugar um andar de sobrado em
qualquer rua desla cidade : ta n. 106._________________________________
Fugio uo dia 22 do corrente a escrava de
I nome Joaquina, de idade 30 annos, pouco mais ou
I menos, com os signaes seguintes : estatura regu
lar, cor fula, com alguma falla de denles na fren-
te, e coxa de urna p^rna ; foi vista ir tiara o Reei-
fe era eompanhia de nm escravo do lllm. Sr. Joa-
qun Lopes de Almeida, de nome Caetaoo : quem
a pegar leve ao capitao Chnstovo Pereira Pinto,
em Olinia, na rua de S. Bento, que sera recom-
pensado.
Do preto escravo achou as ras de^ta cida-
de um relogio de algibeira : a pes>oa que o per-
deu procure na casa de banhos do pateo do Carino
ao proprietario da mesma casa. _________
algodao, sito no largo da AssnwMfr, g\r.ini> a rk
ma- sobre PedrosoVe Carvalho J C. **w$ panMi
do estabelecimento o seu caixeiro amaba An-
tonio Alvesde Carvalho. prendo esle a--ignar t
das e quaesquer transac^-oes e papis irod.-nle a
dito negocio.
mmmmm mmmm mmmmm
Deut;sta de Pernnmlnico.j
g| Km eslreila do Rosari n. 3,
ao p Ja ijs'fja
francisco pinto ozobioS
[ Colloca trale artlfleiae !
pelos yatema amal aa.- |
OLYIVIPIO
Jos Francisco Gomes dos Santos por
achar outro de igual nome de hoje em dian-
te se assijnar Jos Gomes dos Santos Cor-
rea.
EMPREZA-OOIMBRA
Recebedoria de Pernambuco 3 de julho de 1865, Recta extraordinaria concedida a favor do distinc-
Maooel Carneiro de Souza Lacerda. |f maestr0 brasileiro
- Pela repartido das obras publicas se faz pu- PEDRO NOLASCO BAPTISTA.
blico para conhecimen'o das pessoas a quem pos- ^^ 11 i
sarat.-ressar, queoregolaraentode 9de julbode lerCl-teira O (lQ JUlllO OiQ
1S64, expedido para execugao da lei n. 58ide9 1ftA\
de maio de I86i publicado nos jornaes desta cida- ( loOO. I amiga ucuupa^u uo ia*-i mui|)3, lu ?" v
de, conira a seguinie disposiQo : Loco que a orchestra soba direcQaodo Sr. Fran- Leilaofla fliem fglia 10 DCCC 00 l.ai- t,das simples como dobradas : quera pretender
Art. 68. O arrematante s polera oblet proro- CISC0,,Lb,an,0 Coles, executar uma brilhante ou- deil'el'0 D. 1, a qUal Pende 8- W\ ?* de seus servicos, pode procura-lo na rua
gacao de prazo para comeeo ou conclusao da obra, coraoosta Dalo mesmo beneHeiado e inli- do Livramento n. 2S, rua do Qneimado n. 23, lo-
pruvaudo a superveniencia de circuinstancias ex- fi]|a(la ~ K meilSaes.
traurdinanas e imprevistas, e nunca mais que a
Vender' era leuao a ia>a le rea eui ciiaus pio-
prios siu na rua do Amparo n. 43, a qual tem 2! .'. .~-TT'.m______-'_-"--'
sallas, 3 qnartos, quintal em aberto, e rende 8000 Escrlplliracao tuercaalil
mensaes : as chaves acham-se junto na taberna. P. Augusto da Graga e Mello contina oa sua
! antiga oceupago de fazjr escripias, tanto por par-
tulada
ov tade dos lempos primitivamente estabelecidos no \ BELL V PE'lN \MBl]C\D \,
.contrato. ..... .' I A eompanhia dramtica representar o sempre
As piwogago e applic.avel ludo quanlo disP5e |audldo dralIW em 5 actos
os artigo:? prt;c denles. I
!t-pjrtico Jas obras pubbcas, 19 de julho de
HOJE
Por intervengo do agente Pinto, no armazem
da rua da Cadeia n. 62.
jas de fazendas, e rua do Cabugi n. 2 A, loja de
ourives. .
18\
Joao Joaquim de S. Varejo.
Gwrew geral.
0 MEDICO DAS CRIANQAS
No intervallo do primeiro ao segundo acto a or-
'ebestra executara uma linda walsa corap-sta pelo
\ BOSSOa que esliver habilitada para CO- beneOclado a dedicada aoSr. Antonio Jos Duarte
ni i-er signis de navios e quizer ser em-1 &>>, digno "J'JJPjJ''^*
prest? no servigo de ajudar ao telegra-, espectculo com uma escolh.da co-
p!,ista da torre do Gollegio, dinja-se a ad-!raedia
mini^traco 0 correio a fallar com O ad-j o beneficiado achandose impossibihtado de
minislrador. I execer a sua prosso ha quasi dous anuos, acet-
LfilII
Precisase de uma ama para tolo o servigo
de uma casa : na rua do Livramento u. %, segun-
do andar. '
DE
ivaslei. louea e objeetos de ca-
sa de familia.
Souza, Andrade 1S1 C compraram por ordem
dos Srs. Joaquim da Silva Moura e Dr. Elias Elia-
co Elizeo da Costa Ramos os bilheles ns. 602 da 60
lotera a beneficio das obras da casa de correegio
do Rio de Janeiro, e 667 da 5 parle da 4" e 1" da
5' a beneficio da Saota Caa da Misericordia desta
provincia, os quaes* fteam era poder dos annun-
dernos
Einprega ludus os ineius scWnlifios para
conservar os naturaes. Pode- sr^procura-
do era eti gabinete das lloras da ma-
nhaa as 5 da tarde.
s
bico ou c ibeca?
Porque ser que al buje anda se nao fez a elei-
go do SS. Sacramento do Reeife? I
Porque tendo sido avisados os irmos para tai
flm, comparecern! em numero de trinta e tantos e
nao comparecen era o juiz nem escrivo? quere-
ro ticar acastelados?
Qual a razo do Sr. Dr. juiz de captllas sendo modos para numerosa faw.u, novos e araiaJos
to bom cumpridor de saas obrigacSes at hoje comjardim, coche.ra.eslrUar.a e outras n
nao tomou conhecimento do facto ? slo deseja sa
ber oLetao & Campello^____________________
Alugam se dous grandfs >ui>rado rom coasi
didades na travessa de Juo Fernandez Vinra
a tratar na rua da Senzala Novj n. 41
Ama
Precisa-se de uma ama para o servigo interno de
uma casa de pouca familia : a tratar na praca do
Corpo Santo n. 17._____________________
s abaiso assignados avisara ao respeilavel
publico e especialmente ao corpo do commercio,
que compraram livre e desembargada,, ao Sr. Jos
Luiz Macedc- Cavaleanti, a padaria sita na rua do
Mondego n. 47.
E C8 VOS
Joaquim Jos Guimaraes Bellro tem para ven-
der dous escravo* crioulo-. bnita k-nra-, V
idade de 29 e 27 annos : podem ser w*ts em Fu-
ra de Portas, rua 4- Pilar 11. 135. laterita ; para
tratar em seu escriptorio, rua do Vicario n. 7.
Foiro do ar.
No armazem da bola amarilla ao oitoda s**ie-
A quem fallar um per podo procurar na tara d poll'cia, recebem se encammendas %c
rua do Hospicio j). 24, dando os signaes certos e
pagando as despezas.________________________
Precisa se alugar um sobrado Me um andar
na fregueza de Santo Antonio oh S. Jos, e que le-
nha q,uwtal e caciraoa : a iralar na rua do Ale
crinan. & Assim como compra-se uma cobila
'de qtiahuer qualidade, com tanto que esleja em
bom>,uso.e que seja. seu. prego mdico.
INJECCAO BROW.
, Remedio infalliv^l contra as gnorrhbo
antigs e recentes, anico deposito r a pr
do ar para dentro e (ora da pivvinria.
Precisase de uma ama de leile :
Aurora a. 26.
aa rua tt*
Aluga se a parle da ra:-a 1* 91 raa aa*
Aguas Verdes : a tratar na mesma.
Semana llluslrada da Ki Je Jaarlra
Assignav-e na rua do Crespo n. 4 : irs awze*
6, seis mezes 11, um anno DSI
Precisase de uma ama para casa a> duas
pessoas." n rua da P^nha n. 23, primeiro andar.
0 Sr. Antonio Rento Froes nao mais o ea-
Ter^a feira 23 do corrente as 10 1 p horas., tiantes.
No armazem a rua da Gruz n. 57. ~_ Aluga-se o soto do sobrado n. 62 da rua da ZTClL^r"^" irnT'n"" ea J r-Aniomo wnto 1 roes. m b
Cordelro Mine Guia, cora duas jauetlas de frentee muito*com- franceza,^rua Oa Lruzn. T ea. ;carregado da cobranga da casa de Lourfo? *
fara* leilo de 1 commoda de viubatico, 1 rama modos : no primeiro andar.
?o34
1 ra Meudes Guiniaraes.
1


"**l*
1
I
i
'
^
Diarlo de reraambnco .-: Terr* letra ts ie Julho de 1S*.
Egeulio.
Arrendare o engeoho Jussarde Sant'Anna sito
na freguezla de Ipoiuca legua e meia distante das
estaces da Escada e Ipojuca, com trras de var-
geos de maisap para se safrejaT em grande es-
cala : a tratar no pateo do Livrametllo d. 23, com
o r. Ignacio Nery da Fonseca.
Perdeu-se no dia 16 do crreme desde a ra
Nova al o convento do armo um pedaco <*e orna
Ota de ouro de nma pulseira de larreleira, sendo
provavel ter sido na'occasilo do Te-Deum : quem
achou e quizer restitoif, dirjase a ra do Cabu-
ga n. 7, onde ser gratificado.________________
Na ra dos Pires n. 54 ha para alugar-s
urna escrava para todo o servico.
Aluga-se urna escrava crioula, moca, sadia,
com niuito t .-ite, e muito carinhosa para crianzas:
quem a precisar dirija se a roa Pormosa n. 17.
RETRATOS. '
Encontram-se retratos do inajur Pedro Alfonso e
PHOTHOGRAPHIA ARTSTICA
DE
25 Ra Nova (esquina da Camboa do Carmo) 25.
.*. J2i PraPretos (leste estabelecimento, desejando salisfazer os numerosos pedidos de seus freguezes, acabam de receben de seus corresnondentes da Pari,
. um grande
quanttdade de alinetes e cassoletas para retractos, do
Osmesmos apro.eit.m a occasiao para prevenir ao publico e recordar .os seus numerosos freguezes, que ellcs trabalham todos os dias, domingos e dias santos
1?m!!1 "a.da para bom successo dos retralos- Pel co,ltrario ol entre nuvens mil vezes pn
horas da manba at as 4 da tarde e que os lempos de chuva nao
doSr. Dr. Medeiros, hispo nomeado para Pernam- S0Dre todos os pontos, tanto pela rapidez da operado, como pela commodiilade das pessoas.
*\ corveta enco- A grande quantidade de pessoas que tem visitado este estabelecimento uestes dons annns pm ma

ru. o efetf de ,900 a 7,000, para elles urna gaJa Mm, pos: ,e se appeeem toSsZ, "p', i&SSS^E'SSMS ^ "
das 9
preferivel
buco: assim cmo photographias da corveta enco-
rajadaBrasilna photographia
n. 18.
nao ser menos de cerca
Companbia fidelidade de seg
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGKNTKS KM PEHHAMBrcO
Antonio Lniz de Oliveira Atare 4 C,
competentemente autorizados pela direc-
tora da companhia de -egnro* Fidelida-
de, tomam segaros de navios, mercado-
ras e predios no sea escriptorio ru da
Crui n. 1.
********* *
O London & liraiiliao Bank, saca
os paquetes,sohre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vanna.
Gu i maraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
por doo*
Jlo da Silva Ramos, medico pela Uni-
versidade de Coinitra, d consultas em J
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e 1
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes ttjj
em suas casas regularmente as horas I
para isso designadas, salvo os casos ur- 'Jm
gentes, que sero soccorridos em qual- II
quer occasiao. D coiv-ultas aos pobres um
que o procurarem no hospital Pedro II, 81
aonde encontrado diariamente das 6 *2jJ
s 8 horas da manhaa. fi-
T ni sua casa de sade regularmente ',
montada para receber qualquer doente, W
ainda raosmo os alienados, para o que '
tem commodos apropriaos e nella pra- 5
tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3,8000 diarios.
Segunda dita.... 24500 >
Terceira dita.... 2,5000
Este estabelecimento e j bem arredi- aw
tado pelos bons servicos que tem pres- I
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nue a merecer a confianza de que sem- Mfj
pre tem gozado. M-
A fugase
am sitio na campia da Casa Forte, coro duas ca-
sas, urna a em que moruti o fallecido Thomaz de
Aquino Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten-
do todas as accommodacoes precitas, e outra com
boas enmmodidades para qualquer familia: na
ra do Vicario n. 19, prime.iro andar.
?\\.UL4)S
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A VEMDA EM INEltXAJIIIO'O
Em casa dos Srs. Caors e Barboza, ra da Cruz n, 22.
'PASTILHAS S
IGESTIVAS
Os elementos que compocm esta preparacao
ferro, o iodo e a quina, a colloco no primeiro
grao das preparacoes ferruginosas. Basta attcsiar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos liospi-
tacs, c os relatnos dos prticos mais eminentes
que confirmro sua poderosa efticacia as se
guintes affecoes:
AIu
Na ra .Nova n. 47 ha para alugar um molcque
uqoa| cozinha e engomma.
wm-wmmmmm
O foacharcl m%
m
m
i
Francisco Angosto da Costa
jff!
advenado
Ra do Imperador numero 69.
Deseja se Tallar ao Sr. Jos Thomaz des San-;
tos, senhor que diz ser de um cho da casa da ra,
da Gloria n. 196, od a seus herdeiros, visto que
apparece um outro reclamando esse chao : quem
direito tiver, appareca na ra das Cruzes, sobrado
n. 9, das 9 horas at o meio dia.
~ATTEI%CAO
No estalielecimenio de niolluuios sito a ra Di-
rcita n. G, .icham se desde o dia 18 do corrate, 10
barricas com bolacbinha ingleza que vieram por
engao com destino a esta casa. A pessna iiu.' so
julgar com diroito a ditas barricas qneira ter a
bondade de vir busca las pagindo a importancia
deste anooncio e o frete que se pagou os porta-
dores e dando conheclinento de que Ihe pertcnce.
Aluga-se um preto moco, proprio pira todo o
servico : quem precisar dirija-ae a ra aos Pires
numero 39.
Aluga-se a loja do sobrado n. 17 da~rua da
Imperatriz, cmi bons commodos : a tratar no se-
gundo andar do mesmo.
kmmrw flfui'rm mi ja/
i m /f'. >Sf-% i its sas s?
lllnson no sangae,
Fruquexa,
Aiicmlii.
r.iiloinsi- u Ictericia,
Mcnalrito,
AffeefOrH d ulero,
SupprrtiHoeH das rc-
KniH i- dcMii-iciiH na
menNlruiicao,
AITecrao pulmonar e
phihtalca,
MoleMllaHd'rdldniiso,
GaatralfflaM,
'rrdad'ap|M-llti-,rtr..
CouTalencenriide lou-
guH moICKllaa,
MoIchIIhh excrofulo-
HHM,
Puprlra,
Olmtriirco di gln-
dula,
lliimoi-i frlOH,
TiimoreM braneOH,
ItaclilljMnio,
ATcccooi riyiceroxaii
c K}|>hllltlrn.,
r-Iii es lyphoidea,
Uexiga, ole., ele.
lOEPEPSINA
DE WASMAJ,:
purao proilucldna
pd.lH 'Jllllin lirfN
defrKuaaandoaaJI-
lll-lllllN.

Vejos*, os bulletins de therapeutica medir
e cirurgica de 30 de novembre 1860; o Gaietu
dos hospitaes de 28 de jtho 1861, etc., etc.
Alm dn s pilulas de lodureto duplo de ferro e de
quinina de Ite.billon, os Mdicos aconsclhao
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do mesmo aulhor para as
pessoas que n3o gostao de niedicamcnlos sol fr
ma pilular c os moninos. F.ste xarope nao tem
como o xaropcd'iorfurelo de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder consonar.
Pcca-sc o folheto que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para se evitarem falsilicafoes, exija o com-
prador cm cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paris, pharmacia Rebillon,
142, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes estrangeiros, etc.
Pelas commissoes em grosso,
rarfirninri fin iiMaaBam.^Mgm
As pastilhas digestivas com a pepsina de
Wasman, empregao se com successo lid j
alguns omos pelas celebridades medicacs de
Paris. landres Venna, etc., em todas as n-
cemmodidades em as qiiacsadigcsto 6 dificil,
penosa, iniperfeila ou mesmo 'impossivcl: eis
0 nielhor remedio para cu ral as.
Oaatmlclaa, Marrbcaa <- u roaatl-
nlKprpHlllH,
Eiubiii'aro-auKlrlrOH
A BliHCrICe,
Aa nl'f. rriir. mT.iil-
ena lo ratanuiajo, I
Sua accao vivifica o sangne e os rgaos de
tal sorte que, alli as pessoas que sem soffrur
as alfccces gstricas cima mencionadas sao
nnicamente Iracas on d'um temporamento um
pouco dbil, e necessitao substancial alimento
para foriilicar-se, achSO no emprgo (las pasl-
hus dr pepsina de Wasman, um poderoso meto
para a isso chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
ilpepsina de Wasman deu causa a se fa/.ercm
falsilicacocs c miUcocsd'essc producto que os
mulos se qucreni dcsl'azcr. tais por falla
d'nma boa preparacao a pepsina que n'ella
entra, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'cste
inconveniente, cxigindq os compradores que as
pastilhas Icnlio as iniciaos B. P. e sano da
pharmacia Chevrier.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
21, Faubourg-Montiuartrc, c em todas :is boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiros.
ENCAS
dos MENINOS
CURADAS PELOS
XAROPES 00 DOUTOR DANET
me*
N* 1. Contra CLICAS DOS MEXIX03
iluritiili- a denllrao
(Xarope de cvnoglosse c de acido succinido)
N* S. Contra a TOSSE COWUI.SA e a TOS
NERVOSA
(Xarope de cynoglosse c de leo voltil de succino;
K* 3. cu ir) ii i
a COWn.CES
A ciKiiii:\
dos Hn\ivos
(Xarope de cj-noglosse c de acido vol.itil de succino;
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sao em-
preados com grandissimo successo pelos mclicos
de Franca para o tratamento das molestias do-
meninos cima indicadas, e vierfio enclicr um
vacuo importante na therapeutica, no que toca as
affecves da infancia, para as quacs, ali hoje.
ainda se nao pode indicar tratamento raeionmil-
ncm iiifallivcl.
(Peca-se o prospecto em casa dos pharmaceu,
ticos depositarios.)
Proco do frasco em Paris, 3 Ir.
Para se evitarem as falsificaces exija o com-
prador que cada frasco lenlia sobre os rtulos a
assignatura Chanteaud.
Dc|isilo geral em' Paris, pharmacia Chan-
teaud c cm todas as boas pharmacias de Francr
dos paizes estrangeiros.
Os granulos de bismuth de Chevrier em supe-
riores a todas as outras preparacoes de bismuth
empreadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir c curar as
DE CHEVRIER
Molculla de Ikhua,
A Ictericia,
I'alpllucilo do roruco
Dore noa rlns,
Mu* dlscHtdea,
Guatrltea,
GaNtralglaa.ctr.,
C0\SILT0HI0 HEDICO-CIRLR(ilCO
DO
niitri'lieua cbronlcaH,
DyHvrnterlaS,
DreN d'rHtonidgo,
DTHpepMina,
Ddrea de enbrea, Oepsito geral cm Pars, pharmacia Chevrier,
irritaeocK de b'eziga e o em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
da matriz, etc. estrangeiros.
dirigirse aos S- WILLAERT e BERGER, comisarios em drogara, H, ra Saint-Lazare, Paris.
MASSA e XAROPE
DF CODENA
DI
BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
dos Snrs Magendic, Barbier d'Amens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran, Viga,
C. Dumont, etc., membros do Instituto de
Franca, mdicos dos hospitaes de Pars, tem
provado que a ilassa e Xarope de Berth i
o remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a propriedade de
calmarcom admiravel rapidez as losses rebel-
des c extremamente fatigantes da grippc (ca-
tarrho epidmico defluxo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchitc e tsica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
acbao em todas as boticas.
Para evilar qualquer
falsificacao, exigir ein<
cada nroduto o nonie
c a firma Berln!.
Dcposilo geral em Paris, cm casa de MENIER,
Ra Ste-Croix- de-la-Dreiinnerie.
CHP.AS.
Compra-se effectivamenle ooro
ODras velhas, pagaodo-se bem
Rosario n. 24, loja de oorifes.
prata c
na roa larga
Silvino Giiilhcrme de llarrtK rompn t
de effectivameule esrravos de ambos os
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da isjde-
pcndencia n. 22, loja de bilhetes.
C-ompra-se ouro, prata~e~pedras prerio,
(m obras velhas : na ra da Cade du iWia-
lija de ourives no arco da Coneeiyo.
Compram-se libras^eTterliius a 9 Ot m
praca da Independencia n. 22.
Gompramse libras esterlinas : na roa do
Crespo n. 16, prtmeiro andar.
obre, Lilaoe55fc
Compra-se cobrp, lato e chombo : ao arroaz?*
da bola amarella, no oitao da secreuria
licia.
de p<>-
1 Compra-se om sellim em meio oso
de Santa Therea n. 38
Comprase ama mobdia de qualqovr qoalMa-
I de, com Unto que esteja em bom e>tado e sea pre-
i co seja em coma : na rna do Alernm n.
| (kimpra-se nma vacca parida de puoeo leav
po, que d bastante Icile e seja nova : na ra lar-
l ga do Hosario n. 34, botica.
i Compra-se toda a quali.lade de ouro amortla-
I do : na ra da Cadea do Hecif n. R.
Compram-se duas carrejas rom pipas para
, conduzir agua, que eslejam em bosa estado : a
I tratar nos Coelhos, ra dos Prazeres a. 10.
i Garrafas
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
Siiflocccno ncrvoisa e Oppressao
nico remedio cfficaz para combatter estas mo-
estins, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta o Xarope aromtico de Succino (mbar
aniarcllo) do I)r Danet. Dcscoberla inleiramentc
recente, este novo producto se tem propagado
com extrema rapidez gracas aos admraveis resul-
tados que tem semprc produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54,
ra do Commercio, Paris-Grenelle, e em todas as
boticas de Franca e do eslrangciro.
Compram-se garrafas vasias
! 60, armazem da Liga.
na roa Nora a.
VENDAS.
mt
IIESAPmECEl 1
Desappareceu no dia 7 M
do crreme, um cachor- S5
ro prelo, com o peito e H
pesjMco branco, moilo k
* cabc.ludo, com os cabellos compridos. da' ^5
pelo nome de velludo : quem delle dr
ai noticias exactas, ou o pegar, leve a ra a
^-Novan. 21, loja de Germano, relojociro, flg
que gralilicara' generosamente.
mmmmmmm mmmmmwm
Deca ra^o.
Para evilar equvocos, declaro a qaeu eonvier
que nesta dala, ficam inteira e absoluU'nente cas-
sados os poderes que. por urna procuraco especial, |
transmilti a meu sogro, o Sr. Mannol Gomes Vie-
gas, para sublocar, receber os singuis e pagar a
dcima dos predios ns. 13, 15, 17, 19, e 21 da ra''
do Deslino (Boa-Vista).
Aiuinistrador lejal deste predios por constituir o
dote de minha mulher, sou o nico competente pa-
ra tratar de lodosos negocios e do todas asquesloes i
*iue Ihe forem relativos.
Nao aeceitarei reclamaco alguaja que se funda-
mente em a ignoroncia d-la minha declaracao.
Ilccife, 21 de jolho de 186o.
floriano Jos de Miranda.
^Iiii wrmm
m
Anda se precisa de tima ama pa
ra cosinhar, lavar, en^mimar e fa-
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consullas gratnitas aos pobres todos os dias das 7 s i
oras da manhao e das G e meia s 8 horas da noite, exceptu dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopatilica
No mesmo co isultorio lia sempre o mais apprepri.ado sorliraento de carleiras
iudos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelps precos seguintes.
Carteiras de 12 tubos grandes. l^OO
de 24 tubos g. andes. 18-5000
de 30 tubos grandes. 24)5000
de 48 tudos grandes. 30^000
de 60 tubos gran les. 3u$000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido /pie se fizar, e com os remedios
que se pedir.
Un tubo avulso ou-frasco de tintura de meia onga I(5000.
Sendo para cima de 12 custarao os'precos e>labelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris
LITROS.
A mellior odra da bomeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
dous grandes volumes com diccionario........... 20#000
Medicina domestica do r. llering ........ '. [ iOO>)0
Repertorio do Dr. Mello Moraes.......".'.!.'! 65000
Diccionario de termos de medicina.......'.'!.'! 35000
Os remedios deste estibelecimento sao por demais conhecido's dispensam por
tanto de serctn novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verda. eiros, enrgicos e duradores: ha tudo do mellior que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de iette, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acredi-
A NACIONAL
Oompanliia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma huca era dinheiro, ieposilado nos cofres do eslado, gara a t a boa
miaistraco da companhia.
DIRECgO GERAL
nadrid : Ra do Prado n. i
0 castello de Grasville.
Trailluido do francei *r A. J. C. da Cm.
Vende-se este bello romance em rjnatr
tomos pelo baratissimo prer;o de 3JO0C
praca da Independencia, livraria ns.
ua
6 e8.
Vendem-se.
machinas americanas de serroivpar decarorar
algodao : ua ra Ua Senzala Smh. u. UL
\ ende-se 40 palmos de terreno na rna
Concordia : a tratar na rna do Alerrim n 10, i
3 horas s li nos dias nleis.
BANQUEIROS DA COMPAKHA
O Banco de Hespaaha
sobre fsvljd30mpaDhia liga Pelosysiema mutuo todas as comb/nacoes de snperviencia dos sefn
Nellapdesetazerasubscripcaodemaneiraqueemnenhum caso nrsnc ior noi. des
gurado se perca o capital nem os juioscorrespondentes a estes
Saotao suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da indnle'de -A NACI
,-a r?^Ka' m$m dira,au,,^J uma Iera Pae do interesse produzido em recentes liquidai
co&.eco .nhiiuii'l -o com a raortalidaje da (abolla de epareieui que o adoptada pela com
para seus clculos e liquidacoes. er* senniraiins \a .i. j.i.iq,.... ...:_.
de 100 produz em effectvo metlico:
No fim de 3 anaos.
de 10 .
de 15 .
i de 20 .
de 2o > .
as dadas menores de, 3 annos e maiores de 30, os productoVso mi7consideraveis.
rrospectis e mus mformacoes serio prestadas pelo sub-director nesta provincia
luirnFiuza de Oliveira, ruadaCa deia n. o2,ou a Boa-Vista rna da Iraperatriz n'.12,estabel
ment dos Srs. Raymundo,Carlos,Leite & Irmao. '
UATATA8.
Vendem-se excellentes balatas pelo dinuanto
preco de 400 rs. o gigo, e em porcao lai-e al^nm
abatimenlo : no armaz-m do Sr. Azeredodefronte
da eseandlnha da alandega
Vit das melhores marcas, em caixinhas de ama dazia
I i de farrafas pra casas paninil >re>. .-ndo : l^fri-
:mas do Douro, Dimmm do Pono .-1), fjux ; liratiai
tem arelas de dcimo eueapadas e<>ro .oprrmr
vinho, barris de ;i e 10" em pipa : nj roa do Vi-
gario u. 19, primeiro andar.
Vende-se nm carro de carrejar teros"*
aifandega, com uso, todos os pcriences de otro
igual, ludo por prego mu tu rommodo : a irarar
no paleo de S. l'edro n. i.
Vende-se uma burra de ferro grande
em perfeitn estado e por commodo prero :
e liquidacoes, ert segurados de idade de 3 al9lBBOS,Bmimp^W^aaDM!
1:119*300
3:942,5600
11:2083200
30:256000
80<331QO0
e .u, os proauc
- ww|ww. '> w n.i iiiiwi iiicll.uca .-.CI HU |JieMlO*'
Joaquim Fiuza de Oliveira, roa da Cadeia n. 52
'.Vah na rna do Apollo n. 20.
Semenies.
Vendem-se somentes de li^rlalicas muito ora :
a ra da Cadeia n. 50.
zer todo o servico de uma casa de
m
m
&&& la,Ins estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e porlanto a maior
i pa- energa e cerleza em seus effeitos. '
Casa de saude para escravos
m
1
[nuca f.mlia excepiiundo-se com- SJ? Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
prar n.i ra : na ra das Cruzes n. M op^acao, p ra o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
ESTRADA DE FERRO DORECIFE AO S. FRANCISCO
De 21 de julhe de 1865 al ootro aviso, a partida dos lieos de pa>sgeiros
________________ser regalada pela tabella seguale
PABA O IVItltlilll
n. 37, i rimeiro andar, sendo pes-
soa de bons costumes e so pagar o
que se ajuslar.
wmwm
a
mi
AMA
0 Irahmenio e o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, t
runccionando a casa ha mais de quatro annns, ba mui.as pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qoe podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se2,5 por-dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1^500.
As operaces serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeilar aos procos
razoaveis que costuma pedirr o anntiuc ante.
cado
Precisa-se alujar uma preta escrava para casa
de duas pessoas : na ra de S. Francisco ou Mun-
do Novo n. 51, para comprar e cosinhar.
Nova Euterpina.
0 abaiio assignado, de conformidade com o di- i
reilo que Ihe garante os estatutos dessa sociedade,
cooToea pelo presente annuncio a todos os socios, I
para comparecerem amanhaa, 23 do corrente mez, i
as 10 horas do du, na salla da respectiva socieda-;
dt, aliip de s>' tratar de negocios mui importantes,
respeilo cao > para presiamenlo das dividas e
contas, como par*a a eleigao da nova directora, sen-
do que se decidir com qualquer numero de so-
oos, vto que os negocios dessa sociedade assim o
exige
Recife, 21 dejulho de IP65.
Trajaoo Carneiro Leal,
Io secretario.
Lino de Faria, nico llquidatario da massa
fallida de Faria & em virtude de concordata
que Ihe foi concedida e devidameute horoofogada,
convida a lodos os senhores erednre* qoe anda o
lij procuraran), para que com elle se entendam
ne-tes 15 das ; seud que necessita saber a im-
portancia dos crditos do cada um dos mesmos
senhores: mora na ra do Imperador n. 5$, e;
poie ser procurado de uianha. Keclfe 17 de iu-'
lio de 1863._______________ I
Na praga da Independencia n. 33, loia de ouri: n Suarda 11 Tros.
ves, compra-se ouro, prata, pedras meemsas e Urna pes.a competentemente oabiirtada, offere-
tamhem e faz qualquer obras de e^commeda e Se*se a9s ^^ comrae'es para ecrregar-se
odo e qualq jer concert. ; de qualquer escriplaragao por partida soples ou
- ram perfeijao e prec > eemmods: para
Iraperatriz
Camas [de ferro.
Grande sortimeuto das melhores que ha nomer-
do : na ra Nova n. 33.
11
RETRATISTAS
Firraino & Lins
Novo estabelecimento de retra-
tos ra Xova n. lo, Io an-
dar, junto ao Sr. Oaulierj
dentista
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas
da manhSa s 5 da tarde, quer chova ou
nao.
Tambem se offerecem para tirar retra-
tos de pessoas fallecidas, dentro ou fra
da cidade.
Os annnhciantes desejando acreditar o
sen estabelecimento, garanten ao publico
que qenhuin trabalhosahir de sua offlVi-
na.sem que nao seja perfeitafnenle acaba
do, mmm
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos coutina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doulor, que se tem dado ao
estudo tanto das operacGes como das mo-
lestias internas, presta se a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade. ,
Samuel Power Johnston & Companhia
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundl^So de Low lloor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho.
ESTAQUES
Cinco Pontas
A fogados .
fioa Viagem
Prazeres .
Ilha .
Cabo ..
Ipojuca. .
01 inda. .
Timb Ass
Escada.. .
Frexeiras .
Aripib. .
Ribeirao .
Gamelera .
Cuyambuca
Agua Preta
Una. .
Ilias de trabalho i
dominaos e dia
santos
MANHAA
II
9
9
9
9
9
10
10
12
1-2
19
1
1
1
I
q
3
M.
6
18
24
50
10
24
15
30
20
40
20
40
MANHAA
II.
M.
8
20
28
52
10
DO IVIKItSOIt
ESTAQUES
Oias de trabalho t
domingos e dias
sanies.
Vende se a roelade da rasa terrea n. :il da
ra do Rom Jess das Crioula* (lioj roa do*
Quarteis) por mdico preco : na ru larga do Ro-
sario n. 17.
Farinha de mtiribeca fia e alia, mal-
barata que se vende no mercado, em sac-
eos : na na do Vigarion. 29.
Vende-se um escravo moco que ja fui de rn-
genho : a tratar na ra do Moodego, otaria a. 13.
A Henead.
Vendem-se gigos de balatas a .500 r*
da Concordia n. 33."
aa ra
um balcao de pinho com
ra da Penha d. 2.
Vende-se
om flteiro peqneno
n
MANHAA
l'na. .
Agua Preta.
Cuyambuca.
Gamelera .
Ribeirao. ..
Aripib.. ..
Frexeiras ..
Escada....
Timb Ass
Olinda
Ipojuca.. ..
Cabo. .; ..
Ilha......
Prazeres. ..
Roa Viagem
Afogados ..
Cinco Ponas
MANHAA
II. M. o.
_ _ 8
_ 8
8 9 9
__ _
9
10
10
- 10
11
12
t 30 12
7 8 12
7 32 1
7 40 1
7 n 1
8, .1
M.
2o
42
23
42
30
45
18
33
33
17
23
37
43
Vende-se
G. O. Mann, engenheiro e superintendente interino.
Arreios d- carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
, Motores para ditos.
Machinas de costura. .
Alisa-se
DE
uma grande e espacnsa 'propriedade, situada em
terrenos oulrora de Rerenger, com 16 moradas de
casas terreas, sendo duas malorrs pela frmte da
ra da Florentina, e as 14 edificadas do centro,
formando uma ra que segu ao novo caes do r
Caplbarihe, seu rendimento aonual de 4:80Q,
achando-se todas alugada>.
Uma casa na ra do Vigario n. 5, de ires asea-
res e soo, com bonita Irenle, e grande fondo
largura, contendo dous grandes armazeas, aa aa
frente e outro pelo fundo que d para o raes e de-
sembarque.
Uma casa na ma da Craz n. 33, de qoairo a-
dares, bem coostroida.
Os pretenden!?s iltrijarn-se ao escriptorio de Gni-
Iherme da Silva Guinures, ra da ldela a. 61.
primeiro andar, o qual tem poderes de seos doao
para assignar as escripturas dos referidos preda.
Vende-se uma escrava crionla :
ra dos Prazeres n. 10.
nosCoeNv*,
___ Idobrada
olas Jo banco do Brasil e das caixas Qliaes InformaeSe* ir.ua -d'a
descontin-se na praca da Indefendencia o. 22. andar.
DE
J. VIGNES.
M. 55. RA DO IMPERADOR M. 5o.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje asss conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
sua supenoridade, vanlugens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades eslas incontesta-
veis que elles tera dellnitivamenie cooqni>-tado sobre todos os que lem apparecido nesta praca ; pos-
suindoum teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas sem
: nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhorameutos Impo'rian-
i tissimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito aarada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Bloudel. de Paris ocio
a casa terrea da Ilha do etiro (Passagem da Mag-! correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as eipsic9e< '"
asuena) onde morou o corrector Macedo, com bons | No mesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sortimeuto de msicas dos
no largo do. mentores autores da Europa, assim como barawnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido or
prejos commodos e raioaveis. N
Veodetn-se 60 varas de esioi>a com a larga-
ra de 3 palmos, e 60 esleirs de palha qoe wrn-
ram de encapar fardos de linho da Russ, iodo
proprio para capas de saccas de lia ou outro <]aal-
quermister: na ma largaMo Rosario o. 31
Vendem-se duas casas terreas, peqoenas, ea
chaos proprios, sitas na roa Imperial, coa a frea-
te paro a via frrea, tem cacimba, e rtadiw atis
de 1 0/0 ao mez : a tratar na ra da Ccocordia
numero 21
Na taberna da rna do Rangel a. 10 tero para
vender deus caixilhos de amarello, Davo, aroarw
para ourives oo relojoeirns.
. fi, itreeiroewnodo para familia: irata-se
: Corsa Santo n. 19; escripMne.
RIL1IAH.
Na ra da Imperatriz n. 20 se dir quem ven-le
um bilbar de Jacaranda quasi novo, e por aarab
preco.
tata**



Diario de pernambuco -- Ter<;a letra 33 Je itilLio de !&.
Rival sem segundo
Ra do Qoeimado ns. 49 e 85, loja de
miudezas de tres portas, est quei-
mando ludo Itoiu c barato, quera qui-
zer ver e admirar veohaui loja do
Bigodinho.
so e pautado
A molestia ou infeccSo pecu-
lial conhecida pelo nome (le Es-
crfula um dos males mais
prevalecente; e universaes que
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um cele-
bre escriptor (la medicina que' rWsVpapeTamliade, e sem ella
t mais de urna terca parte de, a600rs.
todos aquelles que morrem antes Grozas de botScs de louca pratearJbs' fazenda mo-
da relhice sao victimas, ou dir-; n^"ad* JJJ rs-
,. j c.^a. i UU,!IS e penna de ac fazenda boa a 40 rs.
ta ou indirectamente da Escnofu-, Pegas de ,ranga de Msas de lodag c-res
a t:por si n5o 13o des- 40 rs.
,* I Escovas finissimas
porem e a principal causa de mullas 320 rs.
Grande liquidado a dinheiro.
Na loja earmazem do Pavao.
Ra da luipet-atrlz u. o de Ga-
ma Os doD9S desteestabelecimcnto lem resolvido li-
quidar suas fazendas por precos baralisslmos, s
rom o lim de apurar dihheiro, e previnem as pes-
soas que negociam em pequea escala com fazen
das, que nesta loja e armazem encontraro nin
grande sortimento por precos que muilo Ihes ho
de agradar, tanto em pera* como a reallio, a sa-
ber : .
Chitas largas a 200 rs.
Vendcm-so chitas franceza?, listradas muito lar-
SABONETi
V
I* iliiTON
A antifra e bem conhecida loja de miudezas
ra do Queimado n. 16, acaba d ser novamente
Vendem-se em duzias e a reUlho, sabone- prvida de difTerentes mindezas, novas e finas per-
tPS aromticos e por precos commud js; na "a" in*iM" e francea, luvas de JouWn, en-
..... ,\r. n -~ a 1 i>. n c, relies para senlmras e outros muitos di-versos ar-
ra do Queimado loja d'Aguia Branca n. 8. gque com prua>nna e sisudez serao paeoVs "o
tiva,
outr
mente attribuidas.
para l
Agua Hoilde
para tingir cabellos.
Alm do chromacomo, acha-se mais aa-
gua Uoilde, preparacio ingleza para tingir
mpar denles a 240 e (tas, padroes escuros,pelo baralo prego de 00 rs. IS Chi,(.||0S nretpn,Ionio* evinin-ir-pcain a
; o covado, tendo muito bom panno; (filas escuras ",,,"'n- s prctendcntes comparecena
a do Queimado, loja d'Aguia Branca n
Mnitas caixin has
outras enfermidades que nao lhe s5o geral- l-Puiceiras de tas para senhoras a 500 rs. pdr6e7ovos, por" serem" todas elcossezas e cor;rua do Queimado, loja d'Aguia Branca n. 8.
Pecas de fita de "eos estrellas com !0 varas a lixa a 240 rs. o covado ; ditas miudinhas escuras!
I" nma causa lirertii da nhthu*ica mil-' ?* n' i e claras a 240rs,"amaneando se que esta fazenda
E urna causa 011 ecia ua pmutj/nw pw Ciixa$ cm cokhetes francezeSi sUperores quali- nao tem o mais pequeo toque de mofo, nem nutro
dades a 20 rs. qualquer defeilo. Isto so o Pavo, na rua da lm-
Tinlelros de barro, com superior tinta a 100 rs.
Pecas de
monar, das molestias do figado, do estoma-
go e affexroes do cerebro : Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes : falta de appetite ; o semblante pal-
udo e as vezes incitado, s vezes de urna
alvttra transparente e outras corado e a-
marvllento ao redor da bocea; fraqueza e
moileza^ nos msculos: disgesto fraca e
appetite irregular, falta de energa, venire
incitado e evacuaco irregular; quando o
mal tem seu assento sobre os pulmes, urna
cor azulada mostra-se em roda dos ollios;
quando ataca os orgilos digestivos, os olhos
tornam-se avermclliados:o hlito ftido,
a lingua carregada, dores de cabera, ton-
teiras etc.
as pessoas de disposic5o escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupces na pelle
da cabera e 011 :ras parles do corpo, sao pre-
e proprios para senboras, sendo dos mai
, e bem fe tos que lem vindo ao mercado, tendo de de madeira mvernisada, e outras de vidro, I P,Minas d'aro mne-l o pnvelnnes
I todos os lmannos e de diversos precos trazendo to- todas rom finas norfum-iriae m nrni jrtnndS aV> P^P e veopes.
das as compelenles litas para apenar. Isto s na ,u. um nnas perfumaras, e mu> pro- Na aniipa loja de mluoezas a rua do Queimado
cordo para vestidos, fazenda boa a
20 rs.
Baralhos muilo linos para vollarele a 200
240 rs.
Fraseos com agua de Florida a e I,g280.
Frascos com superiores bandas a 500 rs. e 25.
Frascos rom
240 rs.
Latas com superior
Frascos de macaj
Frascos e garrafinh
OOrs.
Frascos grandes cora superior agua de Colonia a
640 rs.
Frascos com superior oleo de baboza a 400 e '
500 rs. *
Caixas cora 12 frascos de cheiros muilo finos a
1|400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
, 320 rs.
Sabonetes de familia a 120 e 200 rs. I imilar.io de sedas por t'erem muito lustro, sendo os
1 de sabonetes .pequeos com cheiro a 700 rs.' padres mais modernos que tem vindo a"o mercado
com perfumaras.
peratrir n. 60 de Gama & Silva. a A A,lia Bra,,ca na rua o QoeftW* n.
Esparlilhos, na loja do Paviio. recebeo um novo sortimento de perfu-
Vende-seum bonito sortimento de esparlilhos' nanas das excellentes quahdadesj bem co-|
mais modernos nhecidas, vindo no mesino bonijas caixinlias
comprador, a qnem isso, e a regularidade dos pre-
cos nao ser^indiflerenle para continuar com a sna
boafreguezia.
Antiga loja de miudezas a
rua do Queimado n. 1(3.
Nessa loja vende-?e baratamente, alm de mul-
los outros objectos os seguintes :
Voltas de crysial, grandes e pequeas.
Oulrasde diversas qualidades.
Cruzes f rendes de pedras falsas.
Alfinetesde madreperolae outras qualidades.
Brincos a balo.
Cintos a travi.ua.
N. 16 rua do Queimado.
Tasso Irmoe
Veodeni no sen armazeu rea 9
AmoHm n. 3S,
l.lcor fino Carasio em botija* e aeia* L
Licores finos sonidos em garrafas ron rotlMSi
vidro e em lindos frascos.
VinhosChores.
Santemes.
Chamberiin.
Hermiiage.
Borgwhe.
Clampagce.
Muscatel.
Rploo.
Ilordeaux.
Cognac.
Od Too.
Azriteplagniol.
Loia
da Sfts portas rm fr*ntr 4n '
v mnenlo
Ven lem-."1 chitas (raaeefM tararas i.
nos a 240, 2P0 < ?"0 o c>va:., fs--,i :
1
'OCIil
Laazinlias a 320.
Laazinhasa 320.
Lazinhas a 320.
Chegaram para a loja do Pavao as mais bonitas
laazinlias soissas de qoadnnhos e listrazinhas a
tudas
a iOJ rs. cada nma.
Vend m-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Espelhos dourados.
A Agu-'a Branca, recebeu novamente um
grande sortimento de espelbo de differen-
e muito levezinhas, vendendo-se pelo barato pre?o Tes aualidade7Vendo de mnVdur oiirida
de 320 rs. o covado, sendo fazenda que sempre se '^s qudiiudues.stnuo ue moraurp uouraaa,
d, ir a i ti* *^m*. uc .-,itiv.irtc^ ifctJtfcriH> ruin i iti-ilU 9
apostas as affeccoes dns pulmes, do figa- A(ua deniiflce superior qualidade a 800 rs.
do, dos HW e dos orgaos digestivos e Ule- i Caixas com superior p de arroz a 800 rs.
rinos. Portanto, nao smenle, aquelles' FrH5|de suPer">res essencias santal e outros a venden*por 640 rs. Liquida-se por este barato dlla envernisada, outros de dita envernisa-
aue oadecem das formas ulcerosa1, e tuber-1 n 1*-00- preco na loja e armazem do Pavao, na rua da Im-1 da COm vivos dourados, tendo diversos ta-
>} r ;un,ltU wceromi b nwer Frascos com esencjas ara ,rar h0 d 6Q d G
calesas da escrfula que necessitam de pro- a 500 rs.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a
4900.
Golliuhas muito finas para senhora a 20 rs.
Caixas rom soldados de chumbo para meninos a
100 rs.
teceo contra OS setlS estragos; todos as: Fiados com cheiros de todos os precos a 160, 200,
quelles em cujo sangue existe o virus laten-'
te 'este terrivcl flagello (e s vezes heri-
dttario) eslo expostos tambem a soffrer das
enfermidades que ello ausa, que sao:
A phthysica, ulcerantes do figado, do es-
tomago e dos rins : eipcoes e enfermida- I B^Ss'de colheres de metal para cha a 800 rs.-
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipcla ;
borbulhas, pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbuticttlos, ulceras e chagas, rl/eu-
malis cabeca, debilidades femininas, flores bran-
Dita* dita dito para sopa, fazenda boa a 15600.
Varas de cordiio branco para espartilho a 40 rs.
Pecas de lita de laa para debrura de vestido, <-om
10 varas a 600 rs.
LchcuIios para mao a 240 rs.. na loja
do Pavao.
Vendem se finissimos. lencos brancos com duas
cercadura?, sendo urna de cordo e outra de eores
matizadas muito linos, a iinitacao de linho, pelol' 'X'
barato preco de 2fi800 a duzia, ou 240 rs. cada '
um : isio s na loja e armazn) do Pavo, na rua
| da Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Lazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
manhos, al grandes para salas, e bem as-
sim oulros de armado com um e dous ps,
e oulros com enconsto, todos osquaes se
vendem cor presos commodos e dinheiro
vista: na rua do Queimado, loja d'Aguia
Bom papel almasso
pautado com 33 linhas.
A Aguia Branca acaba de receber a sua
encommenda desse bom papel almasso, liso
Vende-se um bonito soninVDto de lazinhas pro-, e pautado com 33 linhas.. assim como de
800 rs.
Ao pulmes a escrfula produz tubcrCU- Capachos cmpralos, boa fazenda a 500 Ts.
los e finalmente consumpeo pulmonar : Grosas de tiotdes pequeos pretos para calca a
as glaaulas ella prodnz inciacoes e tornam-' ^J*',^*,..^ ,
se nWas- m< relos toZEm* causa ,Todas es,?s.faz<,ndes ^ Para bquidar, pois ludo
se UKM-as. rus orgaos algsicos causa esta em perfeito estado, isto garattle o dono do es-
desiuranjos que produzem indigestao, dis- tabeieciiuento.
pepsin, molestias do figado e nos rias :j i rt 11 ~t\ BCIII Fl Ail
na pelle produz erupces e affeccoes cuta-'' LUJA UU dLJA I LUK
M"*, i Na rua do Queimado n. 63.
redos estes males tendo a mesma or- Tendo recebido um sortimento de bone-
geaa, carece do mesn.o remedio: a sa-. cas de choro, que chamam papai e mamai,
ber : purificar e fortalecer o migue. com eabelteira de cachos.
A salsa parrilha de Ayer rendo recebido um variado sortimento de
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e prias para vestidos e soutemtirques por serem li- pes0, tambem superior e igualmente liso e
sase de quadrinhospelo barato pre?ode 300 rs.o^,d J_ imarlal e spm pila fl
covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a;P< 500 rs. o covado, evndese a dinheiro a vista pe-!0Utr0S pequeos conforme OS cima, e pa-
lo baratissimo prefo do 300 rs. o covado : na loja!quete, tarjado de preto folha grande e pe-
do Pavao rua da hnperalriz.n. 00 de Gama & quena etc.
Pelerinas a \ -SGOO Tambem recebeu envelopes correspon-
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras' Jenlcs a lodos OS lamanliOS do papel, tanto
de cambraia bordadas propnas para hombros de brancos como tarjados.
senhora pelo baratissimo proco de 13(00: na rua A commodidade dos prefOS j de todos
(a imperatnz n. 60, loja de Gama & Silva. !bem conhecida, urna vez que appareca di-
urgand}- a Z4U rs. o covado. nheiro: na rua do Queimado loja da Aguia
na loja do Pavao. Branca n. 8.
Vend<*m-se as mais bonitas cassas orcandvs, pa p ^_ o i
drocs miudos e grandes, polo baratissimo preco de SporiJCLS 11108 para TOSI
^ycra^Ws rrsL vwdrna rua do Queimado*loja da
triz n. 60, de Cama & Silva. Aguia Branca 11. 8.
.?\\.UL4,s
D'iOBURETO DUPIO
i
fEtRE QUININA
e composta dos antdotos mais efficazes que brinquedes para meninos, sendo espadas
a eciencia medica tem podido des-cobrir, espingardas, pistolas, tambores ditos
para esta rn Oestia assoladora -e para a cura para meninas : apparelhos de aJrnoc e de
de todos os males proveniotes d'ella que jamar de porcelana e de metal, porta-^icor
conten virtudes verdadeirameate exlraordi-^laquinlias a 280 rs. o par ;e nao queren-
nanas e provaJo mcontestavelmente pelas du continuar, vende mais barato do que em
curas notaveis e bem conhecidas que tem outra qualquer parte,
feito de tumores, empees Maneas, erysi- Verxe-se tiras bordadas de difTerentes
pelas, borbulhai, nascidas, chagas antigs, larguras a 1>, e tobados, collar inhos e pu-
uiceras, rheurna, sama, prelas, hydro^e- nhos para senhora, bordados c abertos de
na, toase quando causada por depsitos tu- renda e lisos, os mais modernos que se
berculosos nos pulmes. Bebilidade ge- podem encontrar.
ral: Indigestao, Syphilis. cmsliiucionai e Vende-se la para bordar de diversa*
molestias merc-jnaes, molestias das mulbe-; qnalidades e de cores claras a 7,5 a libra, es-
to sangue. Vede as certidoes no Alma- Vende-se .nenies de alisar com costas de
iiack e Manual de saudt- do Or. Ayer que metal al, ditos de differerfes qualidades
ee distribuc gratuitamente nos lugares onde lindas gravalinlias para senhora de differen-
fe vendem os lemedios. es gostos.
Este remedio o fructo de langas e Iabo- Colheres de metal priucine.
riosas experienoias, e ha abundantes pravas Vende-se collares de metal principe para
d2S suas virtudes: posto que oiTerecido tirar soupa a 2*, ditas para cha a 2300,
ao publico sob o .nome de Stilse parrilha, ditas para soupa a 4200 a duzia : resta
composio de diversas plantas, alguinas das loja se encontrar sempre um i ande e va-
quaes sao superiores a melhor salsa parri- riado sortimento de miudezas: ruadoQoei-
Iha no seu poder alterante. mado n. 63, lojadobeiia-flor.
PEITORIL !ii; OREJA HE AVEfi.
Coa prompamente a asthma, bronciiite,
tosse, delluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubereulos
fu Imanares e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allr.via os etlicos declarados.
Sodas as molestias da garganta, do peito!
e dos pulmes podem ser curadas em pou-;
co lempo pelo peito&ai ne cereja do dk. :
AYEll.
A' venda as prineipaes boticas e droga-,
rias do imperio, e na ageneia central do I
Rio de Janeiro rua Direita n. l>. j
Admirem a grande liqui-l
dacao .
De candieitos a gaz por todo preco a
jross1 e a relalho.
Rua da Hmperafrlz u. 29.
BRETANHA DE IlOLO A 35000.
lladapolO ejifcslado a S^OOO.
Ka loja do l'avao
Vendem-se pecas de brelanha de rolo com 10
varas a :i$, ditas de madapolao entestado a 3320t,
3S00 e f> : na loja do Pavao, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Madapoln cora toque de mofa a 6&100 c 7(5
Vendem-se superiores pegas de madapolao, ga-
rantindo-se 20 varas em cada urna, pelo baratissi-
mo preco de 6,5400 e 75 por terem- um pequeo
toque de mofo qne nada val, e peras de algodo a
45 : na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama <& Silva.
Alelas de cores
rara creangas de 6 a 12 mezes.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Ihosplwros de seguranza
caixas de 500 palitos a 160 cada urna.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Gollinhas e punhos
bordadas para senhoras.
A
'iuad.._.......------
dourada e tarjado de preln, tendo entre elles al- .' *
guns ijue Irazem a enyelope na mesma folha, o que j
aqu inteirmenle novo. Gaizai de envelopes
maioros ( menores, e tarjados do preto. Penn
d'ago malezas, ealigrapbiras e outras qualidades,
todas dos afamados fabricantes Perres A C,
Albuns baratis naMua do Quei-
mado n. i6.
Vendem-se bonitos albuns para 12 retratos a
15500, outros para 2'< a :ri>000, c alguns inaiores I
lamben por baratos precos.
Luvas de pHica a oOO rs o par.
Apezar de nao serem amigas estao um ponco
mescladas as luvas de pelica prela e de cores, as I
quaes ainda servem para a noile, e mesmo para
montara, e vindem-se a 300 rs. o par na rua do
Queimado n. 16, loja de miudezas.
I.alivrintlios e bicos.
Na loja de miudezas a rua do Queimado n. 16,
vende-so bonitos labyrinlhos e bicos das Unas, le-
eidos em grade de llnha o que os torna fortes, e de j Os elementos que ron.poem Mi ptapanafava
muita durago, alm de que os novos e agradaveis i ferro, o iode e a quina, a roi'.oeAo ao priaa -
desenhos, e a commodidade dos precos concorrero i grao das prepararnos ferruginosas. Basu mi- ur
para a boa extracto d'elles, tanto mais quanto
elles nunca sao de.'necessarios em rasas de fami-
lias, pelo que podem dirigirse a rua'do Queimado
n. 16, loja de miudezas.
llua do Queimado n. 16, an-
tiga loja de miudezas.
Essa loja j lao conhecida, renovou e melhorou
o seu sortimento de perfumarlas, onde os. pretn-
denos podem encontrar de novo e bom.
leos philoconie, superfine e babosa.
' Banha fina em frascos e latas.
Extractos linofinglczes e francezes.
Agua da colonia e florida.
Opiata e poi para den'es.
Extracto de quinquina para dhos.
Agua balsmica para ditos.
Dita denlrifice para ditos.
Leite virginal para sardas.
Vinagre de Venus para refrescar e conservar o i
lustre da cutis.
Sabonetes eamphorados inglezes.
Dos ireieotos excellentes para mitos.
Outros tambera inglezes de diversas qualidades
em caixinhas de Ires e sollos.
Albuns com perfumaras.
>U*a.
r-rr'fclr
Kan rao'
Mlrltfl*
rr.prlrm
. !i,:.imf,j 4a -
i( i* ln.
Hbpwt. frton
MMPM Kr.
HitrhMIi.
Afl-<-cri rrtr
TrUrr Ijhl4r.
\ m !*., nr., rr
Grande exposicao de a-
zendas.
Que estao a venda, na Inja e armazem da Arara,
rua da Imperatriz n. 36, Lourenco Pereira Men-
des Guimaraes.
LZIXHAS A 240 R*. !
1.AZINHAS A 210 Rs. 1
LAZlNHAS A 210 Rs. I 1 !
Ha um grande sortimenio de Ifmnhas chinez.is
| chegadas pelo ultimo vapor, sendo fazenda que
seus rcsniados ol'ii'ios p'"!cs Mfi'iicr5 dos I
laes, e o>relatorio> dos prcticos n ns minen**.
'qne eor.irmrao sna poderosa MMtiMk oat
seguintes affeccoes:
Mlnxoi no MR|Of. Cm%mtfnrmrm 4r It
Frn<|urr.a.
Anemia.
CliinrOM' ou Icli rl.-ln
Ci.alilio.
Affr'<'.*-.s lo t<*v.
Su[r|iri-.oc rp-
Crim r nworili*" r i.
lurnatruarao.
Affrrro pulmonar -
l>hlhllc.
MoleKila* Ga>(rali;taa.
Pe- ila iliiparllliv Ir.
Yfjo te os btil'tiini il- thermj i mi c
e cirurgica de30 <'< noremh ISCO: '<:- -^
da kospitae* >/*'-' d . i '
Am daspiluiai 4t indure!i*fU ''
quinina de KebiVon, os Medico ac^a
igualmcnie o Xarope aiodim duplo de
trro e de quinina io atestM w .' i
pessoasqoe nao ^ojlao de medical t .. j.-
:na pilular eos meninos, t-ic *W*ft n
como o xarepe 'itmre defnro, beaawaa
de aliorar-se e. ik se nao "M r cm v?r.
Peca-se o fulhrio ow se .(< te rica em casa
dos pliarmaccutii os dcp.-iiiitios.
Para-se evilarcra falsiica<;< >. cxljf i>
prador cm cada frasco de Piluias oo Xaro a is-
signalura do invcniof.
liepsiio gera! em Pars. pharmariaRab:.' 1.
142, ru du Bac, c em loitas as boas pharma -
de Franca a do paiiei estrangeiros. 'te.
PASTItHAS
VERMFUGAS
Chales a 25000
Vendem-se chales de merino a 25, 25-500, 55 e
65 : na loja do Pavo. rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Suva.
Lfiazidbas a 220 rs., na loja do Pavo
Veodi-m-se lazinhas transparentes de urna s
cor e de quadrinhos proprias para vestidos de se-
nboras e meninas, pelo baratissimo preco de 220
rs. o covado, .-endo fazenda que sempre se vendeu
a 500 rs.: na loja do Pavo, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Corles granadinos a 12{-
Vewlem-se os mais ricos cortes de fazenda de
v-nnma8^J^T^liK ^ 3^ A A?,iia B,'anca lla rua do Queimado B. !quaesquer"loja vende a 400Y,~8tts vendendo,
i^T^t^U:tXA^ 8' vende-semui bonitas gollinhas e punhos [-7SJ Arara pelo diminuto preco de 210 rs.,
vo, rua da Imperatriz n. 00, de Gama A- Silva. bordados para senhora. ; MAD^poLAO C0M 2i JARDAS A 450OO I I
Aspas fortes futra balao. madapolao com 21 jardas a 455001 i
,..___ ,-, 1 vende-se madapolao com 2i jardas e saranlin-:
Vendem-.se na rna do Queimado, loja da u0 se que tm 20 varas, pelo barato preeo*de |
Aguia Branca n. 8.
Domhws
"- -. >-
l-taWrgflTT 71 Bu fu -~+-~ *|
U t>k HlSiMlJTH 1
TrjRjj^x3Br#aa<--,-.--V^^T!
\w
zMMEUM
*i\
e vis por as
em caixas de madeira.
A Aguia Branca na rda do Queimado n. 8,
acaba de receber domines em bonitas cai-
xinhas de madeira branca e envernishda, e
vsperas de caixinhas de papelo, e madeira
I VARAS
pega, s
450OO. 5500(i. (5000 e C5500.
BRETAXMA UE ROLO COM
A 25800.
Vende-se brelanha de. rolo a 25800 t
tiendes Guimaraes.
MADAPOLAO ENTESTADO A 35000, 35500
E 15000.
MAUAPOLAO ENTESTADO A 35000, 35500
E 15000.
Vende-se madarolao "afeitado pelo o barato

minia phantazia por ser transparente Sol ^"t ICOnlir,"all a.Mr. V^'d prejo de 35, 35500 e 15 a peca,
com seda, teno cada corte 22 covados, pelo dimi- P01 Pre0b commodos e dinheiro avista,
nulo preco de 129 : nicamente na loja e arma- f pyipno il)/>tf//?*i/i
zem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama x^orcoi/j fJUlf K'VfiVo
& S|va- para meninos.
Bornouts de renda na loja do Pavao a Aguia Branca, na rua do Queimado n.
COH.HAS DAMASCADAS DE PUSTO.
Vende-se as mais mo lernas colchas de fusto,
tendo de todas as cores a 55500, dilas grandes a
65000, ditas de damasco a 15000, dilas de chita a
25240 e 15900, isto s por a cabar, na loja e ar-
mazem da Arara n. 50. Mendes Guimaraes.
II- ....';:.'( -,,. :i- '(.'[ >'.< Clitviiv
supciiorrs a ludas as culns p- ; ir
wismuth empreiMlas antes rom o aMror w vetee
pelos nirilitOS (< li.'.los o- p /.'s. j.'t prrr Cllrar a
. nUwrtttmm rhroolt-aa. Ka <.;;. ir.
n>hM-ulri-tit. t.afr !:.
Dort-a ur.lomj 1..1I iik!.i. .. ric
ll>M|lt-lallta.
Os primeiros sym;ilomas i'nam foriri affeccoes se ii:;r. l'Stao <:r 'tes laboriosas, "iiiui.u?, ;i!n it'u; : ?i<\ 1 N
Jj. ''hnayo ilepois o ca a comi.b. raaailMl :-
lornacat / muiUs ve'N '">r "*"" "" :i
com vomito.
Esle estado
vitavclmente, que s..'
Bloll-Nlliia ele i.:i-,U.
A 1,1,11, 1,1
Pal|illarodr rararo
Dorra no rlna.
"Hrbido, se o cscui-.'ro. ir:: 1*
ia:
, **rr tlr .-i.hr ra
'arar iti- f--'^ 4.
-%m*r1x. rtr.
Irr.
Cbegou pelo ultimo vapor francez um grande e
variado sortinenio dos mais ricos chales pretos de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elies muitos de poma redonda a emitaco de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se
por precos muito em conla por terem sido manda-
dos vir de conla propria pelos donos da 'loja do Aguia Branca n 8
Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva. rr, _
Laazinlias lisas a 500 rs. I ?2P^??n2a^2
Vendem-se as mais modernas lazinhas, tendo de,
Me as pretos
de laia pararpadre.-
Vendem-jena rua do Queimado, loja da^d
. salpicos a 55500
a peca, tambem ha um grande sortimento ile cam-
braia brancas que se vendem a 35, 35500, 45,
55, 65 e 75 a peca.
CHALES DE MERINO A 2:000.
Lencos de cambraia com barra de cores a 15800.
Os granulos Chevrier sao c*. *c;1t '."''
sommidades mcdicaes*p:.ra prcvrr.ir .-> M J,??~
sas molestias e eural as quando sao toni.,*^J*'
lempo.
0 preco de cada fraseo de i francos.
Depsito geral em Paris, plarmacia Cheniar.
e em todas as pharmacias de Franca e dos p.ue
estrangeiros.
Farelo
WOTA YORK.
DE COR CHEffiO E SABOR AGRADAVEIS
Inlinilamenie mais elicazes do que todos
os mais remedios perigosos e navseabundos
a 45 a sacca, das maiores que ha : na rua larga que existem para a expulsSo das lombrigas.
do Rosario n. 50, taberna da esquina. NSo causnm dores e produzem seu effeet0
- Vende-se o eiigeohoJundiaby, cinco legras sem precisar logo depois de purgante ne-
dstante da cidade do Natal, provincia do Rio ni,lim. .T.n i,lM m ..' .:
Grande do Norte, moenle e correnle, com 20 cap- n.hum C t<10 inC'tantes em apparencia e dell-
tivos, 20 bois e 20 bestas; assim como diversos Cl0sas em gosto, que as crianfas est5o
lotes de trra, propria para a cultura de algodo e promptas a lomar mais do que marca a re-
mandioca, e mais cuas fazendas de gado no Poten- ceila
tri e Ceara-meirim, na mesma provincia, cujas ven- |-f.: _,. __. -.juui,___ ,
da. se elTectuaro a prasos, mediante boas firmas : LlCIS comol um CXCelJenle mciO de fazer
quem pretender dirlja-se aquella provincia a ira- remover as ObStructOCS do ventre, mesmo
tar com Fabricio ; C.______________________ no caso de n5o existirem verme algum, as
Viaho do Porto superior em caixa de duzia, pastiliias vkiimifigas de kemps sao promp-
tera par?, vender Antonio Luiz deOliveira Azeve- tas e infallivcis na sua operaro e por todos
do &C., no seu escriptono roa d_a_Cruz n. i. os respetos dignas de confianca e approva-
PotaS&l da RllSSa cr, de todos os P'aes de familias. Prepa-
. muito nova e suprior-: vende-se no escriptorio [adas nicamente por Lanman & d,
de Manoel Ignacio de Oliv.ira & Filho, largo do MOvaYork.
Corpo Sanio n. 19._________________________
Novidad
e.
Vendem-se no Recife em casa de Caors
Barboza e JoSo da C. Bravo & C.
Sedinha> de quadrinhos en perfeito estado fa-
zenda mui propria para bailes e tbeatros pelo
incrivel pre?o de 600 rs. o covado, lazinhas
de quadrinhos escu.ro a 269 rs. o covado, ba-
lees le 20 a 25 arcos a 25300 aproveitem que
peeliineaa : s na rua do Queimado n. 17 ao p
da toaiea. Do-se imoslras. ___________^_
Nova* sementes le horlalica.
C&egaram no ol mo vapor fiancez viudo da Eu-
ropa, aova- samantes de hortalica, na bem conhe-
cida loja do ferrageoj de Bastos, na rua da Cadeia
do Recife o, 56 A.
CalHDgas linos c brlnqnedos
para menlnon.
!.'eparam para a loja de mindezas da rna do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
unto para brinquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezis.
Vende-se urna linda parelha de caval-
los j esperimentados para carro e cabrio-
let: a tratar na praca do capim coebeira
do Sr. Leopoldino Silva.
todas as cores, pelo barato preco de 500 rs. o co-
vado, larlatana branca e de cores a 800 rs:, fil liso
branco a 800 rs. a vara, cortes de fil brancos lisos
a 65 : na loja do Pavo, rua da Imperalrlz n. 60,
de Gama & Silva.
Chapeos de sol de alpaca
Vendem-se sopenores chapeos de sol de alpaca
a 355OO, ditos de seda inglezes com 16 aspas a
125 : na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Lazinhas transparentes a 320.
Vendem-se muito bonitas lazinhas transparen-
tes com palmlnhas dj seda a 320, ditas lisas e de
varias cores a 220 rs.: na loja do Pavao, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Corles de las matizadas.
Vendem-se bonitos cortes de las matizadas, ten-
do 15 covados cada corte, a 55, ditos Mara Pia
a 65 e 85 : na loja do Pavo, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama \ Silva.
ROPA FEITA
ROUPA FEITA
ROPA FEITA.
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de roupas feitas para homem, sendo caigas, pa-
letots e colletes, unto de panno como de casemiras
pretas e de cores ; deixa-se de mencionar os pre-
cos para nao se tornar enfadonho o annuncio,
afiancando-se que o respeitavel publico achara um
grande sortimento por baratissimos presos : na
loja e armazem do Pavo, rua da Imperatriz n.
60,"de Gama*& Silva._________________________
Piche do gaze verniz do gaz.
Vende-se piche do gaz, verniz do gaz e estopa
da trra : no armazem da bola amarella, no oilo
da secretarla da polica.
Atteiicao.
Vende-se o deposito da rua Nova n. 61, bem
afreguezado e bem sonido : a tratar na rua do Li-
vramento n. 31.
5 ? u = o o i <-< S" o c"
C/5
c;
13
s
o
m f 2
w Cu CD V>
a
-. aaai
0 erK C_3
g.ea.2 ^"- S^nfo,
&=22t v. _. = 2 ^3
2 o o
co
B =
O
3 Lg
5 1 ^
OQ O 2 O
o
l'l

ca
7?* 3
\ttencao.
Cu
3
w
3
o
2.
01
ai

al S?
IF
uzia, ditos de dita branco a 25 e a 25i00 a du-1
zia, s Mendes Guimaraes.
CALCAS DE BRIIf DE LINHO.
. Vendo se calcas de bnm di linho a 3500,
25U00 e 45OOO, dilas de algodo a 25, s Mendes
, Guimaraes.
-Soutambarques de cores, vende-se multo barato,
ditos grosdeosple preto, capas pretas vista se,
far prego.
i PALITO'S DE ALPACA BRANCA A 45500.
PALITO'S DE BRIM DE LINHO A 55000
ntremelos transparentes a 800 rs. ditos tapado
a 15, ditos para babado a 15000 cada urna tira.
ROUPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se um sortimento de roupas feitas de
todas as qualidades, que a vista se far preco, e
outras muitas mais fazendas que se dtixam de mdicos, este mdicamente fiue ROza
annunc,ar, rua da Imperatriz n. 36, Mendes Gui-, Franca de um successo lao raro como
FIGADOoe BACALHAU
^flBi^P
8
o

Fumo da Baila para
charutos.
Vende-se fumo superior de todas as K
qualidades, a relalho e por atacado, o
por precos commodos, no Recife, rua da 'J
Cacimba n. 1.
MIil4DE
A I l#00 ei^OO.
Leques de osso, ultimo gosto, a 15-
Ceroulas de meia a 15200.
Diitas muito linas a 15500.
S na rua da Cadeia do Recife n'5
I* eo 1 ro csso de CLrrnrr, pkai mcri'ir^i,
Paw's, rua do lauhiirg Munlmarlr ti.
Este oleo de um cheiro ag adate!, e de
um sabor assiu arado o unin (pie nao tea
nem o gosto, nem o cheiro do peixe. Oiw
jeclo de numerosos relatnos scientificos e
m
Un
merecido, receitado diariamente peloe
prineipaes mdicos dos hospitaes de Pars.
[ O OLEO DE FIGADO DE BACALHO DtSCCFECTa-
do ferruginoso emprega-se com os maiores
: successos as molestias em que se etvpren
o oleo quando sao acompanhadas de debib-
dade e atona.
Deposito peral em Peroambuf t- ros da
Crnz n.2 em casa de Caros ava rindo.
Francez barrica 55000
Portland dem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irmos caes do Apolla
Acha-so
venda na livraria acadmica, na roa o lmi-ra-
dor; na do Sr. Nognrira, junio ao arco > S3t
Antonio ; e na typographia imparcial, na rna
ireita do Rosario a ompila^de t'idaa ley-
I tendente administradlo, arreradarao c B
saco dos dinbeiros de orpbaos deluntos e au-en-
| tes, herancas Jacenies, legados, etc.. roa*adv> nao
I s o regiment de cusas e a Iri gr.-al da- 11
i ejes, como tambem todas a* rtPn< ari-
governo, que a todo tem exp.-ad... tsnto a r>
Presunto para fiambre
de superior qualldade-a 700 rs. a libra : na rua do
Cabuga' n. 18, arimzem Flor dos Progressos.
Vende se um preto crioulo, bem mojo : no
Vende-se urna serrazmba circular, com motor
com a qual se pode usar para furar e tornear : os ,
prelendentes podem ve-la funecinar na fabrica P-'eodo lergo n. 141._________________
de carros de F. Poirir, na rua da Imperatriz nu- Na"rna de Apollo n. 18, vendem se treVes-
mero 55. v I cravas mojas com habilidades.
Vende-se urna taberna bem afregnezada para !,0 da* obrigaees inherentes ao carpo dos dinVrcn-
0 mato, e bem como para a trra por ficar ao p ,es empregados de justica e fazenda. cuno o< a
' do mar, tambem d comidas e dormidas, e recebe re"os nacionaes e emolumentos no 1 *>.
! passageiros, tendo excelleule commodo para fe- Es'e >'vro contendo mais de 700 paginas em b.p ta
milia : na rna da Lapa n. 13. impressio e bom papel, e prestaodo se a liBtaa
I ^ m rm ^ir------------ o6 dilTerenles classes, tornase rfcomme-4avr|
GAZ GAZ GAZ Sen eus,o 1000e Pr Mda **<"*1*ar *m *w
Vende-se gaz da melhor qoalidade a j'
jialata: nos armazensda ruado Im-l
perador n.16 e rua do Trapiche Novon. 8.'
Bichas deHainburgo
Vendem-se na rna Nva n, 61.
--------------------,----------w __-


*^>Hr i.1 'mvfm pgnu ? ni i
Diarfo de PernamBttco Ter?a Helra 95 de Julho de %S8
0

.
..i,
DE
ea^s
GNEROS BARATOS A DINHEIRO 131
N0S Yl
RINDES AHIZfiNS DE MOLH J0S j
n
M
pateo do Carra a. 9 armazem Progressivo roa do Que'imado n. 7 k J ^
Uaiao e Coinmcrcio roa do Imperador u. 40, jj i
Principal armazem de -molhados.
AURORA BRILHAffTE
DIMTE & C.
E3
OS PltOPRIETlRSOS.
Fazem scienle ao respeitavel publico, e com espccialidade aos senhores de en-
ger'ios, 1 tvradores e mais pessoas do centro, que para na'is facilitar suas compras deli-
beraran! os propietarios dos tres grandes armazens, reunir todo; os seus estibele;.-
m-jntos ein ara s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
ni)3 jue nao infringiremos a tabella que abaixo vai pub'icado, annunciar os ge seros
por um preijo, e aa occasio da compra quere'rem por outro, como soode constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos eslabelecimentos nao se dar isto
ainda mesmo com prejuizo nosso, qutlquer psssoa poler mandar seus fmulos que
seo tana' em servidos como viessem pessoalmiite fazend>-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os procos tal qual annunciarmos, o que senSo arrepender pessoa
alguna que fizer saa despenga em aossos estabelecimeutos; pois poupar raais de
5 por cento na saa despeza diaria.
Manteca mgleaa perfeitamente flor chegala dem com 1 a a ditas a 35200.
nlliinamenle no vapor Saladura, de 1$ dem vastos de todos os.tamanhos a 2*000.
a 10120 a libra e em barril ter abat- 13300,800 e G40 rs.
moto. Queijos d 3300 a 23500 os mais frescos, j
Idea france'.a multo nova a 13 a libra, e Vinagre"puro de Lisboa a 280 a garrafa e
era barril ter ibatime.ito | 23000 a caada. I
Biaba de porco ramala a Gil a libra e em Idera mais bateo a 20) rs. a garrafa e 15*00
barril ter abaiimento. I a caada.
Ca usim de superior qudidade a 25000. Azelte doce de Lisboa muito fino a 600 rs.
dem perula miwlmlio a 20700 a garrafa e 4^300 a cnida,
dem hyssou especial qualidade de 23o00 a Tuucinlio de Lisboa novo e muito alto a 400
2|600 a libra. I a libra, e em barril de 5 arrobas a:
dem preto muilc especial a 25000 e 25*00 10*500 a arroba.
a libra. Ceneja Bass do fabricante Slilers & Bell a'
dem do Rio em atas de 4#000 e a 800 a 65500 a duzia e 6i0 a garrafa.
libra. dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 630OO
Latas coa biscouto de todas as qualidades a duzia e 560 a garrafa.
a 15200. 'dem marca H Victoria Alsope e outras
dem da crcditada fabrica de Bialo Antonio, muitas marcas a 53 a duzia e 500 rs. a
(Lisboi) proprias para da; a doeotes a garrata.
23 e 35 a lata. SabSo primeira qualidade a 220 rs. a libra
Bolaxinha ingle muito nova a 35500 a bar- "e 2P em ca.
rica e a 2i0 rs. a libra. dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs
Sabio
16 <
Latas com olaxinlia de oda e oval a 23-
P/esunto ioglez para fiambre chegado no
oltiino vapora 8j0 rs. a libra.
Chom*ic/i3 e paios muito novos a 900 rs.
a libra,
r.mas un macarro tdharim muito novo a
5J-10 e 320 i libra
\ ia branca e amarella a 500 a libra.
;., iMl.ite ,)0rluo'iiez de especial qualidade a
s ) .i libra.
Id\iii^u:ss de 8'0a 13000 a libra.
o j ven I tnos a I $103.
la -** de goiaba em catees de 4 e dem Lonlnnos a o3, dem.
..i ,ia |,,n,< wnr.1 a l-WOn dem P.irasteoses a 10500.
a 180 rs. a libra e
em caixa
ingle/, superior
rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorti a 73003,
73500 e 83 a arroba, e de 2i0 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maraohao 33203 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 25600, 25800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 53500 a cai-
xa. de Simas (Jos Furtado).
seguro a 15*00,
e .'.iixo'i- pequeos a 700 rs. e de
t >' para rima a t?40.
i i' i secco em bocetas ricamente enditadas,
eontendo pera, pes go, amcixa, rainha.
e outras frotas a 33000 cada umi.
dem em calda era latas feixadas hernujtica-
mente mui'o bem enfeilalas, eontendo,
pera, pesego, ameixas a outras frutas a
640 e 7i0 a lata, tambero temos lata-
grandes a 1*200.
Marmelada dos melhores fabricantes, em la-
tas de 23000 a I $i K).
Ide.n era latas de 1 I ri libra a 13.
dem em atas de 1 libra a 640 rs.
Emilias em latas chegadas neste ultimo va-
por a TOO e di 5o para cima a010 rs.
Fej y verde ou carrapato em latas j pre-
parado a 640 rs.
Ameixas em frascos de vidro a 13500.
dem en caisinbas ricamente enfeitadas de
1*200 a 2I0O.
C iservas Mcxide muito novas a 700 rs. o
frasco.
Ide a Je ceblas simples a 700 rs.
\\ ilho inglez a 64 i rs. o frasco com rolha
de vi Iro.
Mosl irda em p a 70o rs. o frasco.
Idera j preparada a 320 rs
Latas com massa de trnate de I libra a
609 rs.
Id -in era latas de 1 I \i libra a 900 rs.
V los em garrafas viudos do Porto, Bladei-
. r Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Casca val las, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 15 a garrafa e 95 a 125 a duzia.
Mera Pilme'la a 1* a garrafa e 11*003 a
duii.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 25300 a 35500 a caada.
li era ancoreta? e 8 a 9 caadas com su-
perior vinlio Lisboa e Figueira a 243 a
ancoreta. "
Id.mu branca eipeeial qualidade proprio para
ni'<-a a 56 i rs a garrafa e 45 a caada.
dem mais baixo a 400 rs a garrafa e 35500
a cariada.
dem do Porto especial qu lidade a 800 rs.
a garrafa e 5*500 a caada. .
Id ni B >rdeaox em caixas a 75 e 700 rs. a
garrafa.
Champ nha a mehor do mercado vinda de
nossa en'ommenda a 303 ogigo.
Idbm mais baixa de 185 a 203 e 15500 e
35 a garrafa.
Li tres portugueses e f.-ancezes a 15000 e
13500 a garrafa.
M: rasquino de Zara, verdadiro a 15500 a
garrafa.
11 ni mais abateo a 800 rs. a garrafa.
Gi lebra de laranja ver'adeira a 115 a du-
zi i e 15 o frasco.
Id.n de llollanda verdadeira a 65 a fras-
queiiM e 00 o frasco.
dem de Hamburo a 53500 a frasijueia.
Iddm em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o fr.isco. t m
GarraRJai eom genebra de lollanda com 24
garrafas a 85, com garrafo.
dem com 14 a IS garrafas a 65.
m
dem Delicias a 15500.
dem Traviata do Rio a 55500.
Idera varetas de Manoel Peixoto da Silva
Netto a 35500 e I* 5O0 a m'a caixa.
dem suspiros do mes.no fabricante a 15*00
a mcia caixa e 55200 a caixa.
dem mece pesa 157)0 a meia caixa e
33000 a caix i do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo 15800 a meia
caixa e 35400 a caixa.
dem jovens de Castanho A Filbo a 23400
a caixa.
dem suspiros do mesmo al5'0)ameia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 13500 o quirto e 53
a caixa de umi arroba liespmhola e 320
a libra.
Vermule bebida para abrir a disposigo de
comer 15500 a garrafa e 140000 a
caixa.
Alpisia muito novo a 33800 arroba e 140
a libra.
Paino a 43003 arroba e 140 a libra.
Peix em latas j preparado a 1500 a lata
e em-porco 15000.
Sardinhas de Fiantes a 403 a lata.
Tijollo paralimpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e OJOOO a arroba
e 360 a 440 rs a libra
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 13800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Batatos do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 25500, 35000
e 45 '00
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, e a 10 rs. a libra
Gomma em paneiros a 43000 arroba e 110
a libra.
Faada do MaranhJo muito alva e nova a
240 a libra.
S^vadinha de Franr.a para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito nova a 140 a libra e 43000
arroba.
Caixas com estrellaba, rodiaha e pevide a
400 a libra. I
Albos em canastras muito novos e maulas
grandes a 180 e 200 rs cada urna.
Caadla muito nova a 15000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho dem a 320.
Ervadoce ilem a 400..
Alfazema flor a 240
Amendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 43203 a resma.
dem lizo a 43000.
dem de pezo a 35000.
dem de embrulho marca grande a 15200 e
13300.
dem azul para butica a 25000.
Copos lapidados a 55500 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 >
l i cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 15500 a libra, em porcao ter
abati. nenio.
GMiBES ARMAZENS
DE
MOLHADOS;
MAM
1*
Largo da Santa
^Cruz n. 84, es-|
[juina da ra doi
Sebo.
5pisa
Largo da Santal M
igCruz n. 84, es-^n
:___^. Sl'ii'ia da ra doaK-s
, ESPECIALES ipebo. f4
m 93 *f, S*l
ra lrn^," P".^ no 0 Ja rauit0 acreditado armazem de molhados denominado Au-
rora aniante .continua a ter o mesmo sortimento de gneros de primeira qualidade.
a >tguinie tabella sirvira' a todos de base para ajuste de contas aos portadores,
nelo r i. ?Jn,az1m vandera' mais barato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja1
er nnanM ,h Dl que lem> J*' mesrao Pr1" seu dono s deseja tirar diminuto lu-
nrniE gUP para accumu|ar as despezas do estabelecimenlo por isso deixe se a-
lante'Sejraeie"""' ** de tUeT l0da a dili8eDCia'aflin de servir bem os seuscons-
U5525? libras dechonrI5as muito novas, vinho verde superior.
A caada a 3000 e a garrafa a 400 rs.
a 7J3O0.
Dm,Sr/au 18400 lua,ldadl-s- a 15000. IXfUl
Ditas cora ostras, encllente petisoo para fri-
gideira, a 7i0 rs.
! >uas cora ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
! Ditas cora favas, a 640 rs.
.litas com ameixas a 15200, 15800 e 35500.
? unas com marmelada do afamado fabricante
Abreu. a 720 rs.
Ditas cora massa de tomate, a 500 rs.
"'g1^0 "os de comadre, novos, a 15500,
Dl25000m blachiaba de soa muit0 novas. a
Ditascombiscoitinhos inglezesJe muitas qua-
lidades, a 15400.
Chocolate.
Caixinhas com araeixas enfeitadas proprias
para mimo a 15200,2S80O e 3200.
[Chocolate superior murto novo, a libra de
! 880 a 15000.
.Macarr3o,ialhariam ealetria amarella. a libra
a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas cora estrelinha, pevide, e outras mas-
i sas, a caixa 35300.
Dita dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
jSevadinha para sopa a libra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
JTapioca muitj nova, a libra a 280 rs.
'Fannha de araruta verdadeira, a libra a
oOO rs.
Gomma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se<
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs. I
Sabo massa, a libra a 200, 240 e 280 rs. j
Farinha. ,
Saccasgrandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 55000. '
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,;
85500 e 95000. <
' Cha. (
Ch.teraos nestes gneros o melhor possivel,^
hyson, a libra a 25600.
Dito pcrola a 3*000.
Dito uxim a 2*700.
Dito hyson muito fino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira qualidade a 2*o00.
Dito mais baixo a 2*000 e 1*600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espermacete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs. <
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 4* e 2*500.
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpisla e pataco.
Alpista e painco, a arroba 4*000 e a libra a(
160 rs.
Cartas.
{Arroz do Maranhao, em sacco, a arroba a
2*400 e a libra a 80 rs.
jDito da India e Java, a arroba a 3*200 e a 11- Cartas finas para jogar. a duzia a 2*o I- bra a 100 rs. | Castanhas.
'Toucinho de Lisboa a 9J500 a arroba e a 320 Castanhas novas vindas neste vapor, arro-
> ni8'/ 'ibra- ba 4*000 e a libra a 200 rs.
I Dito de Santos, a arroba 7*000 e a libra a, Azeitonas. -
Molhosrcom 125 ceblas grandes, a t9280. Barris cora azeil0"as ".vas a l3
(Mostarda franceza, caixa com 2 duzias a flanif i(|a.
75)000. i Manteifta superior, a libra a 152SO.
i Frascos com mostarda preparadaem vinagre,' Dita mais abaixo a 1*200.
| a 400 rs. I Dita menos superior al*.
Ditos rom conservas ingkzas e francezas, a Dita franceza nova, a libra a 8t.
640 e 800 rs. Dita .lita era barris e meto ditos, a liora
Ditos cora sal refinado fino, a 640 e a 500 rs. 850 rs.
I Ditos com a verdadeira genebra de laranja, a | Dita para tempero a 400 rs.
15000.
Ditos de 2
640 rs.
Botijas com
i 400 rs.
IGarrafoes com 2 galoes com dita, a
arrafas de llollanda verdadeira.a
dita propria para negocio, a
Queijos
Qoeijos novos viudos neste vapor a 2
3*000.
Ditos londrinos muito novos, a libra
1*000.
Papel.
Serveja boa, marea, a 500 rs. a garrafa, e a 1 .,i PO!m, vx00
duzia a 6-sOOO Pape almaco paulado, a resma aww.
_uuzi ^ ^ n..,1; ji,rtPinho, aresma a 4*o00.
izo e pautado, a resma
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 4(5000 a sacca.
'Vinho muscatelJeSetubal, a garrafa a 15.
Marrasquinho verdadiro, frascos a 80C rs. e
i a 1*200.
[Champagne; a duzia 20*000, e a garrafa a
I 2*000.
jAzeile refinado portuguez e fraucez, a garrafa
> a 1*000.
Caixa de vinho BorJeaux muito superior, a
7*, 8*, 93 e 10* a caixa.
Jfttas com dito branco, a 7* a caixi.
.Ditas com dito lagrimas do Douro verdadiro,
a 20*.
Ditas com duque do Porto verdadeiro,"a
18*000.
Ditas com charnisso superior, a 14*.
Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12*.
(Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
i e800rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 3*200,
3*500 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
t 4*500, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
t que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, acana-
J da a 3*500 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
.Vinho branco fino, agarrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
I 800 rs.
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*o
Dito de peso
Dito de embrulho, bom a 1* e 1*200.
Vinho Madeira.
Garrafas com n verdaieiro vinho Xerez e Ma-|
deira a 1*500 e 25000.
Temppros.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs. <
Vela de carnauba. *
Massos com 6 velas de carnauba refinada a^
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
CaixSes de doce de goiaba, grandes a 1*400 J
e pequeos a 640 rs.
Tij.ilos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graia.
Duzias de boioes de raxa n. 97 a 2*000, e 1
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs. ca-^
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos Gnos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Babia por diversos precos, caixas e meias.
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabeleeimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
N. 11Rua do QneimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chegou a este estabelecimenlo um grande sorlimenio de cortinados bordados para
camas fazenda de muito gosto. ,
Chales de guip muito finos para 22*, 25* e 30*.
Colxas de seda superiores de diversas cores para camss de noivas.
Colxas de la e seda para cama tarabem de bonitas cores.
Rotondes de guip eufeitados com o melhor gosto.
Setim de Paris bella fazenda e de bolitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureantlque branco e preto, grosdenaple preto e de cores, pannos pretos de todas
as qualidades, ditos azu>'S. ., ,,
Casemira preta e de cores, merino preto, silistnna, bambazinas, alpacas pretas, e
laa preU para lutos.
Malas, saceos e boleas de tapete, veroiz e couro de 4* a ll,-
Bros de linho de cores finos a 1*800 a vara. ,,.,,.. h,nne
Cheos e.chapelwas de palha de Italia para senhora, manguitos bordado., chapeos
de seda para horneo, chapeos de sol de seda, esguio *e linho, cambra. de linho, breU-
nhas, silesias e muita, outras fazendas que se vendera p)r commjlos precos assim como
tambem ,
Esteiras da India para forrar s*las
Em casa de Tissot Freres rna do Trapiche n.
9,' tem para vender : -
Vinho B rdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito da Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Babee.
Taino Iriuios
vende.m gesso em p para estuque le casas, lijlos
finos de feillo divorsos para ladriltio, azuleijo- de
diversos iiost.w, lijlos vidrados para parede da co-
zinha, canos de barro para esgou, cemento em
barris de 10 arrobas.
GOMMA NOVA
Em paneiros muito Iva a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimenlo na roa do Imperador a. 40.
DE
AZEVEDO FLORES
Rua da Gadeia do Hecife, esquina da Muir de Deas.
SAMES
Bales de arcos 3^000.
Baloes com o primeiro arco grosso de 20, 25 e ^30 arcos, a vista so far preco.
Baloes de arcos e de pa no para meninas de 2 a 12 annos az^e 2*500,
Chapeos de s-1.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas 8$.
Ditos maiores com 16 asteas li?>.
Camisas.
Camisinlias para senhora a 3$.
Camisas brancas para hnmem e com peitide cor a l800cada urna.
Camisas com pregas largas muito superiores a 25500.
Camisas de linho a 2800 e-35 O.
Camisas de iinho inglezas a 40, sao muito superiores.
Camisas de lanella de cores muito finas a 40.
Cami as de meia superiores, I carto com 6 camisas 100.
Chitas.
Chitas largas a 240 o 280.
Chitas largas escuras finas a 320 rs.
Chitas preclaras superiures a 410 e 500 rs.
Chitas estreitas a 200 rs. o covado.
Madapoles.
Madapolo muito fino a 8$ e mais in'erior a 60, estes precos 20 menos qoe
valor real da fazenda, quem davidar venha ver, ha muitas ontras qualidades de mada-
poles, assim como o superior madapolo francez para camisas e saias de senhoras.
Helas.
Superiores meias cruas para homem.
Meias pretas e brancas para senhoras.
Ceroulas.
Superiores ceroulas de linho o melhor que ha.
Ditas de brim de Hamburgo feitas ua trra
Ditas de ejguiaode algodo a 10600.
Paleto, s.
Paletots saceos de casemira.
dem de brim pardo e brancos muito finos.
dem de alpaka branca muito superior a 50.
dem de alpaka preta a 40.
Calcas.
Caigas de brim branco a 70, 60, 50 e 40-
dem de casemira de cores a 70 S0 e 10$.
Colletes.
Colletes brancos a 20500 e 30.
dem de casemiras de cores e pretas a 40 e 50.
Vestidos a Mara Pia.
Ricos vestidos de laa com barras modernas e os mais linos que pode liaver a 20-5.
Vestidos do mesmo gosto. porm mais simples a 120 e lia.
Sacos de vlagem a 5g.
Por estes precos s vende Azevedo & Flores na loja do
'
&&&*
H4C1IMSEP4TENT
de trabalhar mo par;
descarocar algodo
FABRICADAS
PorPlant Brothers & C>
OLDl
K-1;> :iki :. u..;
podemdescaroc3r
qualijuer especia
de algodao sen
estragar o fie
sendo bastam
duaspessoaspara
o trabalho; pdt
descarocar umi
arroba de algo-
dao em earoce
em 40 minutos
on 18 arroba;
por da ou o ar
robas de algoda>
limpo.
Assim como machinas para serem .movidas po-
animaes, que descarogam 18 arrobas de algodi
limp#,'por dia; e motores para mover urna, duas,
eutrss dessas machiuas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina)
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Saunders Brothers & C.
\. II, praea do Corfo Santo
RECIFE.
i)s aicos agentes neste paiz._______ _
Attengo.
Vendem-se pe^as de esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendnrar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados Unidos : no armazem da rua do
Trapiche n. 8.
Goke dogaz.
pilch do gaz.
Alcatrao do gaz.
Coke tonelladas rs. 100000
Piteh 800000
Alcatrao caada..... 400
O coke reconhecidamente o carvao mais econ-
mico, torna-se por isso recoramendavel, bem co-
mo pelo assoio que se nota as coziohas aonde
alie usado. Piten e alcatrao.alm das applicacoes
diversas a que se prestam, como para callafetar
embarcacoes.aicatroar madeiras,etc.,teem este a
propriedade de preservar do cuplm, foimiga^ete.
l' entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
Instruc05es para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
glamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistam nos cor pos
de TOlantarios; vende-se na liyraria n. 6 e
8 da praca da Ind'pendencia, a 10.
Attenfao*.
Grande liquidaco he fazendas e roupas < -,
tas nacionaes.
Rua da Imperatriz n. 72, loja e rmate* ie
Guimaraes & irmao.
Os proprielarios deste novo eslaUleciuwBto re-
ceberam pelo ultimo vapor francez un. grande M*-
tlmento de lasinhas escorezas, padres mudo feo-
nilos, que estn vendendo pelo diminuto preco de
240 o covado; muiio barato !
Laaninhas a 240!
Lasinhas a 240 .*!
Lasinhas a 240 !:
Rua da Imperalriz n. 72,1 ja e armuen de
Guimaraes & Irmo.
Tambem recebc'ram om grande .-ortun^nl.. ,;r
colchas de fuslo que estao v(-n<1endo por ."-iO -
65. ditas de chita a 1900 e 2, dita* de lia a
ISoOO e 2, grande sortimento de rambralas brin-
cas a :}()n, 3J500 e \5, ditas muito Una.- a
4&30, SI e 6, ditas de salpiros bmnro a 4J."Oft
e 5'AOOO : isto M na loja e armazem de Guimorv
& Irmo, rua da Imperalriz n. 72.
Chitas largas a 240. 260, 280, 300. 320!
Cuitas largas a 240, 260, 280, 3u0, 320'
Chitas largas a 210, 260. 280, 300. 320'"
E muito haralo, pecas de bretanha de rulo roai
I ti varas a :t e :.5h, ditas de madapolo rom i'
{ardas a '."iOO o, 6, b^oOO e 7J. muito ino a
a 9*, madapoiao francez enfestado roa 12 jnia
a .1-3-imi, 3oOO, 4-3 a 4o00, chales de merino es-
tampados a ti, 2oOO e 35, ditos muito fin > a
65 e 6r5")tii), cortes de casemiras de cores e pr -tas
pelo diminuto preco de 2J500, 31, iym e ij
ditas muito finas a 54, 54300 e 64. grande *rti-
I ment de ronpas feitas de toda* as qoal ' preco que s vista dos compradores qoe m
I poder dizt-r o preco, affiaocando que vende-w
[ por nieno- 20 0|O qu>- em oulra qnalq ;er parle :
isto na rua da Imperalriz n. 72, luja de GuimaraV*
Vende-so
farelo de Lisboa em MMM e barriea, e sacra*
com superior farinha de mandioca, mais barato 4
que em oulra qualquer parle : na rna do Vicario
o, 17, primeiro andar.____________
LTl(AS, VIDROS E
CHRYST4ES.
A loja de looca da rna do Crespo o. 16 lean para
vender quantidade de axulejos de lindas e v*ria
cores, assim como toncas de todas as qoaM
de bonitas pintaras e gosto moderno, reos af
Ihos de porcelanas brancas doradas e de i
vidros de todas as qualidades, inclusive tai
chrystal, dilicados jarros de rhrystal e
para ores, figuras e onlres mnios objretos d* 6-
nissima porrelana denominada biseoilo para ea-
feites de mesas, de, gnarniedes de naisswu par-
celana branca donradas e de cores para ttratortos
e toaletes, Indo do melhor gosto, pinnas de leoej e
vasos para jardim, randieirrw de. laanpnriatn
gaz, globos e rhamineis de vidro, borrara e i
os mais sobrecelentes para os mesmos, gaz I
de superior qualidade, e muito onlros artife ejne
seria en fadonho mencionar, indo por preces nwt-
lissim? razoaveis.________________________
Farinha de^mandioca : leo para vender An
ionio Lniz de Oliveira Azevedo & C, no sen es
criptoric'rua da Croza. 1.

\ -- ^

--------------------------P-----------^
lii r aii ir-i


) '.v* :-...
Diario de Pernambaco Terca fefra Z9> de *u!ho de 1S*
M
. jpp.nm
**

.-
I.
i-

i
J
0
GERENTE
LIGA.
ESTABELEOIDO A RIJA NOVA N. GO
- ra & arni Di as a>immi
AO PUBLICO
*cm o menor constran
glmento se entregar
imp.ore do genero que
nao agradar.
o
AO
ItESPEITAVE, 1*1'II.K O.
A apreciacjio dos habitantes desta herojca provincia existe no grande arma-
sen da Uga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua maxmt parte mandados vir directamente do estrang' iro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuida.de de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm .ffiancar, com toda a segurarla de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2.] Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos. .
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cb sempre de
primeira oualidade: etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido. .
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
militas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas parles nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio inleresse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhor s que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escollado por pessoa entendida que certamente muito deve agr lar aos senhore-
compradores
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
muito nova, a 80 rs. cada
ATTENQO |
o presos da segulntc'
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
AZEM UNIO
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da coDceie5) .
PARA BEM DE TODOS.
i'
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Annoz de 90 rs. a libra a........
Amkndoas, casca molle, a 28rs a libra.
AveuJUs a 210 rs.*a libra.
Ameixas francezas em latas de todo; os ta-
manhos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Ai.hos a 200 rs. o molho.
Ahsyntho a 2^000 a garrafa.

BOLACMN'IIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 25000 a lata, e
de coco para cima a 1^800.
dem de so'a em latas grandes a 2.$000 e
de cinco para cima a iSOO.
Biscoiros inglezes de todas as qualidades a
13200, ilsoe 10300.
Bjlo francez em caixinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Baniia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a "00 e 800 rs. a li-
bra, e em porco a 600 e 70J rs.
dem suisso a 1$ a libra.
dem de musgo a I5o00 a libra.
Ciiociucas muito novas a 800 rs. "a libra.
Caf a 210 e 200 rs. a libra, e em porcHo
se far abatiment).
IJem de primeira qualidade a 70OOO a ar-
roba.
Conservas em Tascos a 320 rs. cada um,
sao muilo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todns as marcas.
Ciiaoi'i: de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 1,-y-OOa duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
Mein Victoria Bas tres X e de oulras marcas.
Charctos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'llavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisiense?, Delicias, Gua-
nabaras, Trovad(jres, Regala, Mississipes,
Panelellos, Aprazivds, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cii de todas as qualidades e de todos os
precos, bysson, huxim, aljfar, preto, e
preto poata branca, etc etc., a 23000,
252 '0, 205SO e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 33500, 43 e 55-
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o macu
de cinco macinhos.
I
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
portugue/.es, inglezes, francezes, etc. etc.
i:
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
FARINIIA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 8">0 n.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
FeijAo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem ameriewo em latas a 25.
Fareixo ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
t
GOMMA a 50 rs. a libra.
dem a liOrs. a libra, muito alva.
GaAo de bico a 120 rs. a libra, e em porcao
se faz grande abatimento.
Genebra de laranja verd-ideira a 13000 o
frasco.
Graixa em latas
urna.
u
KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa.
LATAS com graixa a 80 rs cada urna.
Letiua a 100 rs. a libra

MANTEIGA ingleza e franceza de p imeira
qualidade a 13, 15120 e 15280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por 15280 a lib a, vende-se em
outra qual juer casa por 13100 e 15500.
Makmei.ada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro c tai.iiarim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
.VJoi.no ingi.ez de todas as qualidades.
.Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500
Micho painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
m
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a 15 00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, parg>, salmao, pescado e
pescadiulia, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellenle prepararlo.
Palitos para denles a 120 rs. o mago muito
grande.
Passas em quarto a 15100.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
fc
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 800 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Qiartiniias ou morinuces a 65, 83 e 105 c
par.
R
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25500 a libra.
S
SABO massa *a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 2$.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o mago.
T
TOUCINHO de .Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a.600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
VINHOS!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 23 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa
Duque a 15 e 13500.
Ghamisso a 15, 1520,0 e 15500 a garrafa.
D. I.uiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carca velos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nh que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanlerne a 800 rs. a garrafa.
Rordeaux Medoc^ 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 13 agarrafa.
Absyntho a 25 a garrafa. -
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 183-
Bilter Maurer a 15 a garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; vende-se por este
prego por haver sempre em deposito 50
dunas.
De cajo, de 1852, a 13200 a garrafa.
Velho do Porto, em ancoretas de 9 caadas,
a 355000 ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se a 15280 e 15500 a garrafa.
Senhore' ?fnhoras, o aceio qne presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptidao e intei- |K)!?rhil,l,l
reza com que serio trat ? > envida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteceo e preferencia na com- rs. ditas mS
I pra dos gneros que precisaran e qtarido na"o possam vir poder3o mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratcos, pwi a k
I os sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de quenSovoem allljr-[
GRANDE
;AbnmM"MtsLHtMS
\ Pha rol do commercio
I JRua do Kangel 11. 7o.
0 iropriclario deste esiabelerfr>enio k-m kaa-
rade avilar aos >eus frtpu.z-s ijnr w, u.- *r-
de reduego nos prtfosde seus ges.r i de iime>-
ra qualidade : nianlt-ipa ingina I? c l&**n r.. a
, lo ra da ultima cliegadi ao dosjg n r. 4 4^*
fi a crea a 900 rs. e em l.arril se bz ati. ir, ai-.
lueijos llarr.engos dovos a 930U, dii. p far
se |.w!e.desejar em txndade a .( r> a
aneixas frant-tzas raiilakaa a \&-Ji, I ."te
1 00, fraseos de ditas lU'0,grandrs :j(|.ranH
I ra mimos, maiir.eiarta das n>.ll.r-- marras a
til) rs. a lil.ra, amendoas eonfcHadas j.ara sortts
de S. Joao a 640 rs., vinho duPorl- a Rio IWn
a garrafa, Figueira e Li-Loa 4W, Vt e Mt is. t
em ranada se faz o aliaiimt-nl. raixs^d* >u>
com 2 arrotias p,r 3a Si'O e a libra H> r*. n- vas
caf 1* orle 7|MUO "fiHIO e lil.-. .. i" -o
ia ingiera ? 210 r.-. a libra, l tu n
360 rs a lihra, vt-las di c-,rr; o a ton
estearinas finas a 60" r>.. pPMMi tmm-
600 rs., al|>i>la a 35liO a arn,ta e IM N
painr.. a hfi a iu tM i >. a uiu, tba 6-
p Ira p?rte.
Mmteiga ingleza especialitente escclliida a
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Chahyssonde supe.ior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Lh perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra,
dem hyssqn muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs.
m> a 2*500, 2"00 e 2PW), furia- .n, '-a'a a
Uatria um*. ..11 i- o i c W a lata, pimma a 100 rs. a lil n e ?5-.> r-
Aietna, macarro e talhanm a 4oo rs. a li-. Sal refinado em frascos de vidro com lampa roba, boii.i.i,os fieies lata de 2 ,> i*s*.
ura e 0,000 a caixa. do mesmo, a 5oo rs. ,tos e ^ grandes 2*ooo e ooir..< n -, _
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi- Cerveja branca das marcas mais acreditadas fS-que se ,orDa enfadon,, *' <' 1 "i r*
i"n?rrrcruama'e!1?'" rs-a librae' que vm ao "*o" >.*!, ul gsag.va'ar^ar" "","*
3,000 a caisa com 8 libras. a garrafa e5 8oo 6^100 p (i 5oo a du- ., .--------------.
Vinho do Porto muito fino proprio para' zia' D'8' 6' dU | dTaS^SrST-SAT
engarratar, em ancoretas de 9 caadas a Cevadtnha de Franga muito nova, a2oors. querda, depois do beccj do W*m*t*. um u-
3a,ooo rs. i Charutos do aflamado fabricante Jos Furta- ai('l0!'-
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,5oo.
dem preto o que se pode desejar neste ge- Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra. | zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Linguigas muito novas a 800 rs. a libra eem Vinho do Porto das melhores marcas que
barril se faz abatimento.
Chourigas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra,
dem prato a 800 rs. a libra, e nteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
to mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezasj preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,000 e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 2io rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainlia de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a I6,ooo,15,ooo,
12,ooo e lo,oooa caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e I,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cuerexde superior qualidade a 16,000
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra;
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinliode Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banda de porco refinada a 6on rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,000
a lata.
FarinhadoMaranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a 1- Milo de amendoas a 5oo rs. I Caixinhas com fructas em doce secco de di-
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Mo! versos tamanhos, muito proprias para
Peixe em posta em latas hermticamente la- deBrito no Beato Antonio, emlata de 6 l- mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,5oo cada urna.
eradas e das melhores qualidades de pei- bras por2,5oors. I Rodos, excellente peixe portuguez, em
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. i Ameixas francez s em f asco de vidro com barris pequeos ou a retalho, a vista se
Vinho Rordeaux das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a l3>oo. '| far o prego.
das que ve ao nosso mercado a 7,oooe Ameixas franc zas em csixinhas de diversos Azeitonas de Rivasem ancoretas grandesde
Fio de algedu da Babfe.
Venderse noescnptorio de AMSta Luz : "*?-
veira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
ESCBAVOS FHL.?
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposigao Normal de H.ivana, Imperiaes,
Londrinos, Gtianabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,000 a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
opnac ingles das melhores marcas, a 8oo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
cuu j r>_ j seu em a ra da Aurora p. 3i. r
Sebollas de Franga muito grandes e novas qne sera i.em recompensado.
Escravos fundos.
Ao amanhecer do da 16 di r. rreni- u.. ijft-
rain os escravos segnintes : tWmtmt, \>t.u, t
nacao, alto, cheio do eorpo, mai* 4- -V) isaus,
barba bstanle rente, falla ru>lo-a. > ipnn W pr-
nuncia as palavra*, os labio que ,o gr>i>.M, tre-
mem alguma consa, tem no bramo ri .,.t ,<<-
cipios de rarnnsidade; Viris-:inof moUle, un
pouco claro e alguma cou>a palidj, ." maro, alia-
ra regular, lem manas de haalfM v -;iafcjas so
rosto, os denles limado", as pernas a a gamas
e largas cicatrizes, e anda como (uein i. m r.
nos pes : quem os apprehender quera leva-los ao
seu senhor
8,000 a caixa e 6 lo e Too ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a 1,ooo e ll,ooors. a frasqueira. Conservas inglezas a
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali- 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. ; Vassouras
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali-' 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo' Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. I a 8oo rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a lio rs. a libra e l.ooo a Lentilhas francezas, excellente legme para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa ile tomatesde superior qualidade a 61o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata Iho. ; Palitos de dente a 1 lo rs. o mago.
tamanhos com bonitas estn pas na ca-; 8 garrafas por 6oo e 8oors. a garrafa.
xa exterior, a l,4oi, I,6oo, l,8ooe 2,ooo Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada uma. ~ I l,5oo cada urna aneoreta.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez Champagne da melhor qualidade que vem
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo 24,ooo e 26,ooo o gigo.
o gigo com 36 libra. Gomma de engommar muito alva a 12o rs,
75o rs. o frasco e a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada urna e 72
de escova para esfregar casa a | rs a duzia.
Papel azul para botka a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa soja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, perego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a I, loo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a i,8oo rs. a caada
e610 rs. a garrafa.
Vinagre branco engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
SEM NEOIJXIIO
Rua do Queimado n.. 49 e .*5-
Contina a veader mdas as miudezas que abaixo
declara por precos admiraveis.
Massos de palitos Usados para denles a 100 rs.
Espelhos de molduras douradas a 2"0,240 e 320 rs.
Bonets de oliadu para meninos a 1,5000.
Ditos de couro superior fazenda a lJiaOO.
Frascos com superior tinta rocha a 240 rs.
Meiadas de hnha froxa para bordado a 20 e 60 rs.
Habado do Porto, fazeuda boa, vara a 80, 100 e
140 rs.
Varas de franja branca estreila a 40 rs.
Caixas com 100 en ve lopes, fazenda fina a 600 rs.
Crozas de peonas de ac, fazenda superior a 500 rs.
Duzas de meias cruas encorpadas para homenaa
3|000.
Grozas de botoes madreperola finos a 500 e
e 6i0 rs.
Caixas com 50 noveHos de .linha do gaz a 700 e
900 rs.
Caixas com superiores obreias de cola a 40 e 80 rs.
Pecas de fila branca elstica com 9 varas a 280 rs.
Varas de franja de la para enreltes de vestidos a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qualidades a 400 rs,
NoveHos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Litros para assentos df roupa lavada a 100 rs.
Pares de botoes para punho, fazenda rica a 120 rs.
Tesouras pasa costuras superiores qualidades a
400 e ifi. H
Caixas de pennas de calgraphia, fazenda boa a
1000.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 15500.
Pares de sapatos de tranca para meninos a t e
Ii80.
Caixas cora superiores agulhas a 240 rs.
Libras de la surtidas de bonitas cores a 7,5000.
Caixas com superiores obreias de massa 40 rs.
II jdinlias com alfinetes francezes muito superiores
a 20 rs.
Resmas de papel almaco a 2,5400 e 2,5800 rs:
Resmas de papel de peso fino a 25000.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e ifi.
Duzias de tesouras com toque de ferrugem a
600 rs.
Duzias de facas e garfos de cabo preto a 35000.
Talheres muito Ooo para chancas a 240 rs.
Vinho do Porto especial.
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaos em caixinhas de 12 garra-
fas, sendo marca Rainba de Portugal a 185 a cai-
xa e Pedro Y a 165, em porga i far-se-ha um aba-
te razoavel : no armazem de Ferrelra & Mtheus,
ua rua da Cadeia do Recite n. 66.
Lagdo para calcadas.
Vende-se muito bom lagdo para calcadas e ar
mazeos chegado agora : a tratar n rua do Apollo
o. 4.
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graodc armazem
da Liga.
Saceos de 80, 100 e 120libras a 43,43500 e 53 ; no grande armazem da Liga.
iPECHIMHA SEM M

Kiik'o na noiie de lil para O ilo r-mtr
mez, do sitio do Sr. Dr. Aucu-to P. r. Oiiw.ra. na
ponte de l'iha, o seu esrrav. de non.r Luiz, <|oa-
sl que branco, Icmlo no rn-lo ma;c.i- i i I vt*
bem Vislveis, cabello annelado, 1/-i\ r
bem fallante, e de cerca de 28 auii< .
vou camisa de bacta encarnada chai dr patl-a
novo, suppoe se qu vagucia nesla ridarie ,|. R- -.
fe oo pelas suas drriniivi-inhancas : quru o a-
preheoder e levar ao sobredito Mm, i as i .-cri
torio da praca do Corpo Sanio n. 17. primeiro a-
dar, ser generosam^nn- recompensa.!.'.
AtleiK*!.
/tcham-se fgidos os escravos npftMH : h*n-
lo, pardo, alto, secco, cabell. s MMh, *>m i..r
ha, le^ia larga, falla um ("meo lie.-raneada : e Lor,
crioulo, altura regular, barbado, |fe r rr. algaai
cabello* branc s, corpa regnlar. basianif nMI>..
falla grossa, e as vezes finge se v no, : p>.rbW
pele-se as autoridades piliciaes e ao- ripniti ,v
campo que os fafam apprebenler > re t
casa de seu senhor,o maj->r Antonio mo, na rua Aagvtt n. !18, que taran 2>n-r
mente recompensados, e Ihes pajiara ii.ia r-:n
que fizerem com a sua conducen!' : >u|; j
elles terao ido em seguimento >a a os ?rries por
seren fllhcs desses lugares.
Aviso aos capities de
campo
Ausenlouse o escravo M a noel qop ja foi e-cr-
vo ao Sr. Joao Ferreira Tabora Mal r do en^- nh..
Veriente da comaica de C ruar. e dpois 'le
seu filbo Joao Ferreira Taboza Jui.ior rendir "i *>
engenho Rede de Santo Anlao. euj.i. rtm toi H
Ignaes seguintes : alto, poora baria, M' i #:
denles na frente e o melhor .igual ler
estufados para ftra bem viivt| : i;n>m o pefar
leve-o a rua estrena do Rosario n 5, qne sera
bem recompensado.
Fugio no da 16 do rama* : r-t^ m
la de nome Suzana, idade o aam mai- oa t.e-
nos, baixa, cheia do corpo. con. aha d. i.i.
frente, cabellos estirados, lev.u i M i rl.aa
escura e panno da Coat : POfa-M as ni rnlijii
uoliciaes e capilaes de campo sua captura i mire
garem-na pra^a da Independ i.cia ns. 15 e 16.
I'ruiesla-se contra qualqutr pessoa qne a lente
acontada.
Fugio em principios do mez.'. tntrtirt
correte anno e consta estar amtate nesla ei
moleque Euzebio. escravo i! riuva do Dr. Fer-
nando Affonsode .Mello, de 12 aaajH Je idade pol-
co mais ou menos, cor preta, areca .lo ror|o. oAaa
regulares e afumacados, cabera um pouco granda
e meia chata, beteot linos, dente bem alvo, pe*
eccos e muito ladino : rbga-sc por lanloa teda at
autoridades policiaes e capitai de campo ase o t-
prehendam e levem-o a roa da Haagiifa .obraa
n. 6 que sero gratificados, proieslando-se usarta
nielos judieiaes contra qualquer pesoa qne o leata
em seu poder.
Madapolao muito fino com pequea toque de avaria, por preco que admira : na loja gx)
das columnas na rua do Crespo n. 13, de Antonio Corma de Vasconcellos & C.
Grande sortimento de roupas feilas de to-
das asqualidades,
Calcas de casemira a 65 e 75500, ditas pretas a
65 e 85, caigas de ganga a 25 ,15800 e 15600,
ditas brancas a 25, brim de linlio a 35, 35500 e
45, paletots do alpaca branca a 45">00, ditos pretos
a 35 e 35;.00, ditos de alpaca de cordo a 45. e
de listra de seda a 5o00, ditos sobrecasacos a 35,
paletots de casemira a 55, 55500, 65, 85 e 95,
ditos sobrecasacos pretos a 125, 13 e 15, ditos fi-
nos a 255, de cores a 135. ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25500 e 25, du -s de brim
pardo a 35, jaquetoes de brim pardo a 35, panno acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
raticisco Jos Geraano
mil xov.i v si.
ft.i*j" ''v, jouuti^c u& uiiiu ['(ii u>' a "7.y, paiiuv
preto fino a ifi. 25600, 35500 o, 45500 5 e 65 o
covado, moreantiquepreto a 25600 o covado, grns-
denaple preto a 15500, 15800, 25, 25200 e 25500
o covado ; e outras muitas mais fazenda? que se
deixa de annonciar, e manda-se levar pelos caixei
ros da loja da arara casa dos pretendentes O
e tabelecimento est aberto al as 9 horas da noite,
rua da Imperatriz n. 56, Mendes Guimares.
de orulos, lunetos. binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.
Ausentou-se no da 2 do correle ao me dia,
da casa da rua do Imperador n. tti, o preto tdimn-
do, crionlo, cheio do corno, altor r-gnlar. roato
comprido, olhos peqnenos e pooca barba, usa sara-
sa e- bigode, bastante ladino, representa ler 25
annos, pouco mais ou menos, e jolga-se ler levadr
caiga preta e camisa branca ete e-rravo M ccbj
prado ao Sr. coronel Galvo, do Limoeiro, para ca-
de se jolga lenha fgido, mas ha quero ot. ota
visto na Passagem da Magdalena. Remedios c Vsr-
7.ea e como se desconna que csteja arnalaaV.
Iirotestase proceder conlra qunn o liver arolMa,
e pede-se a quem delle der noli.-ia on 0 agarrar,
que dirija-se a sobredita casa, on a rua 4o Crespa
n. 13, que ser recompensado.
No dia 29 de jnnho prximo pa.-ado fugiraai
do engenho Colovello, situado n > lunar Vanea a
provincia da Parahiba, dous escravos pardos, oa*
de nome Zacaras, de idade de 22 anno*, poco
mais ou menos, estatura baixa, reforcaoV, pernas
acangalhadas, cabelles pretos e crespos, roslo roaa-
prido e picado de bexigas, sem barba, bem rlba-
te ; o outro de nome Venancio, idade de 0 autos,
pouco mais ou menos, estatura regular, seero da
corpo, cabellos casianhos e crespos, rosij coaaari-
do, sem barba, tambera bem fallante : qoeaa aa
apprehender e levar a seu senhor no dito engenho,
ou na casa de detengo desla cidade, ser reeoaa-
pensado.
Anda fgido na fregnezia da Boa-Vista e seas
arrabaldes, nm eseravn, parde, idade 30 anaos, ca-
bellos rente, reforrado do carpo, e da boom Panto:
Chegaram os superiores
cortes de seda
Superiores cortes de seda de cor, vlndos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a rna
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
cellos 4 C
Farinha de mandioca fina e alva, mais bara-
t do que em qualquer parte, arroz da trra pila-
do e em cont : para ver e tratar, na rua do Vi-
gario, casa n. 29.
Xovena de Xossa Senbora do
Cariiio e de Sanl'Anna.
Vende-se na rua do Imperador n. 15, offleina 1?em_0_P!far_!!ve_'0 rua do Uwanaamlo a. I,
de encadernaco : o offlcio, s;ilve versos, nove-
na e salve de ossa Senhora do Carmo, tres
Ihetos por 500 rs.,e a novena de Sant'Anoa por te, fugio da casa do abaixo asugnado, no Cajoeir
que sera recompensado.
fo- .No dia 20 do crranla, pea 9 oras aa
320 rs.
, o. 8, uma sua escrava mulata, de idade de SO
22 annos, de nome Maria, natural desta
Fardo a 4Jf
Vende-se farelo novo, saceas com 90 Jibras, pelo "f"^'0 ac?rc' de lre^ ao0, JLmi
barato preco de 45 : rua-da Madre de Dos nu- de Gj,.rvalho i evou vw',do rooP de uso de easa,
meros 5 e 9. mas d P*ovavel que mudasse por ir manida de oa-
----------1^----------------------------------------- Ira mais limpa, vistosa e ronito conherida aesu
4 11tnwun P1"3?8 eIem al8nscr,T09 w* ola* pe,
l HcrtywiF que^ai ella nao pisar bem : qo*m a pegar e laar
Vende-se excelleales torradas de pao-de-l, de a referida casa ser gratificado, i rniiaraada n
gomma de araruta, ptimas para dieta e regalo, a desde j com lodo o rigor da lei castra aaaa a
25 a lata : no armazem da Estrella, largo do Pa- liver aeeutaaa.
iio n. 14. i Francisco Jos da Costa

k*H
' I-1 *
u


Diarlo de Fernambnco -- Ter?a felr* tft de Julho de'ira A.
LTTERATi
_-i -
Trabalhos mdicos.
CLNICA MEDICA CIRUHGICA DO I)II. COSME DE SA PE-
REIBA NA CANTAL DA PROVINCIA OBfERNAMBUCO.
MOLESTIAS DE OLHOS.
Synckim, syntchta \mtmor,e alr.-ma () das p-cara a soflrer mu dura ;
pillas subsouaentes a indo-choroiditis anuyas. ainda urna resistencia normal.
Na iris esquerda havia tarobem pelo lado exter-
de um amigo abscesso.
Todas oslas allerages podera tarobem ser vistas
Humillando o olho com a luz reflectida de urn es-
pelbo cncavo.
O olho esquordo, que fra o que primeiro come-
o olho direito tein
30.Levanta-96 dettnilivamente o apparelho e
de Sailii"""' me PareCeU Ser reSQ,Ud0 -observei 1ue e*is'e orna boa papilla artificial, po-
rm sem fundo preto; por ella via-se em sua parte
Inferior um cocino fibrinoso obstruindo a em parte.
Ura mez depois a senhora doente distingua um
panno branco de um preto; e mais tarde ella, toca-
va com precisa,) nos punir de minha camisa, no
nha sido praticada aqui por outros collegas ; o Gloria, pois, aos hroes de Riachuelo I
segundo caso de minha clnica. A historia da Mas, senhores, a cada om o sea qunhao, aos vi.
prlmeira operago praticada em um ceg de longos vos cnticos de inompho, aos mortos, preces. Todo
annos, amigo soldado desensoffrldo e por demnis se prende rellgio, porque ludo tendo sido crea-
Impertinente, e habituado a vida de mendigo nao do por Deus.tudo deve referir-seao Creador. Nada,
pode ser completa e nem a operacao bem dirigida, porm, ha que nos revele lo claramente a divin-j
Pupilla artf/icial, a exlracdo lo c; islalinu ili&iol-
vnlo, pratica.las pelo Dr. S Pereira.Nenhum
resultado.
*Ouservar-ao*o. 155 do anuo de i863.-Goutinuac.ao *lue ao > P^ua* ente o claro da abertura da ja- mau; e vTfiquei que havia acert oo que ella me
uella. Posta miaba mo abena a um palmo de dis-! lnforraava- K' notavel a seguinte observacao entao
A doente collocada em frente de urna janella.e
pergunlando-se-ibe se v alguroa cousa, responde rias ntaas C0!" u,n 'enC<> branco posto em minha
de minha camisa, no pois qne o doente seno prestara conveoientemen- dade, fonte da rellgio, como o qne grande e ma-
*L SSL lavara Ui ^ "^ ** *? Pr,ne"*S *" ^ ** ""* BeSl?- Su'" *" cnra,hs deSa monIanha imm^
cjuduuo esnu ojeeios eaiavam prximos oa remo-
tos ;e duvidando do que me Inf.irmava ii-lho va-
do Diario n. loi do crreme an.no.
Para que llm, perguntar aigjem, se vai publi-
car urna historia medica, cuju deente tendo-se pres-
tado a todas as exigencias da sciencia, nao obtive-
ra allivio em seus soffriraentos ? e oseu "medico
oeuhum resultado tirara do sea penoso trabalho
operatorio, e assiduos cuidados! Nao ser isto um
motivo do descrdito para a sciencia, e paraos
seus ministros ?
Nos vajio^responder a estas graves questes,
]ue por inais de urna vez teni sido suscitadas co-
re pessoas do vulgo, e lalvez mostno eutre outras
de nao pequea illuslragao.
Em primeiro lugar diremos que devemos ser
sincero e franco, fallando sempre a verdade ; os
traualhos mdicos nem sempre sao roroados de
louros muitas vezes s se colhem espinhos, e
amargores.
Em segundo, diremos, que a malor parte dos nos-
sos operados pergunlaram-nos, se ja liaviamos fei-
lo operacao igual a que Ihe vatros praticar ; ora
urna historia medica publicada sera a prova mais
convincente que podemos apresentur pela allirma-
liva a igu.1 pergunta.
Em terceiro, destruimos o erroem que se achara
mullos de nossos patricios que dizem ora aqui
nao ha mdicos que se alrevam azer destas ope-
rantes ; ellas sao difflceis, e exigen) talentos, illus-
tragao e muita ortica ; ese algum a Ozer, perde-
la-ha ; o que pode mu bem succeder : e como
ni enormsima dillerenca entre urna operacao sem
resultado favoravel, por ser o caso j perdido, e
orna oulr*a de ms consequencias por incuria, ou
ignorancia de quera a praticara ; urna historia pu-
blicada fecilitar a todos que a lerem o meio de se
iuformarem do operador, de suas habililages, do
iporado, e do verdadeiro* motivo que inutilisouou
coroou seu trabalho : e Ihes dar finalmente a cer.
tiza de que taes traba hos poderlo ou nao ser exe-
crados pelos quevivem aqui-como medico-.
Alm desses motivos exi-te un. outro que para
uiiiii mais poderoso, e mais obligatorio. Com a
publicacao de urna historia medica, ou do registro
clnico de urna molestia, onde se relata a fisiono-
ma de raa enfermidade, suas causas, sua dura-
Sao, os meios empregados para destrui-la e o seu
resultado, -pdese fcilmente em qualquer lempo
descobrir-se nella as verdades e os errosexpendi-
dos ou CtmmelUdos pelo historiador ; ora em lo-
to tempo precisaudo a classe medica de exemplos
' para sustentar seus actos, urna historia medica,
guando mesmo s manife.-le erras ou um mo re-
sultado, anda assim sera' til, prevenindo que ou-
tros nao .igam o rnesmo ; e por iso procurem se-
gur inelhor caminho era beneficio dos doentes,
que se entregarem aos seus cuidados, e em honra
da sciencia que professam. E' pois neste sentido
ou por este molivo que eu publico algumas das
? nhas mais importantes historias medicas, pois
que nao desojo ver perdidos, mdicos e doentesno
mao Miiiiii > em que infelizmente lver eu cahi
do : e se ao contrario o exeraplo parecer aprovei.
tavel desejo que todos, doentes, mdicos e sciencia
se ulllisem delle.
Voltemos agora ao nosso assumpio.
A historia que vamos publicar, a de um caso
clnico perdido, mas que llie sobram nteresse e
importancia, para nao licar occulto. Foi elle obser-
vado por grande numero de mediros, que assisti-
r.i i! ao grave trabalho operatorio por mira pralica-
de, porm gue mo poceram saber do seu resolla-
tancia dos seus pinos, a doente responde que ve fella'-se deixando o lengo branco tomava em mi-
uma sombra, e sent quando esla desapparece ou ''aS m5os um l,,tf0 e,,car"a^ ou araarello, a
raove-se ; collocada a doente era um quarto escuro, I me nao l,erceb,a cousa al8"ma em qualquer
ella reconheceu a luz de urna vella qu3 abi checa-pOS5'ao ,|Ue os Pzesse. aiuda mesmo augmentan-
va, mas nao distingui onde a depositavam. Posto
um chapeo ou um livro, ou minha mao entre esta
vela e os olhos da doente a curta distancia desles,
a doente responde com facilidade que sent smen-
le a presenca ou a ausencia das sombras, que taes
objecios fazem/; porm uo distingue um s.
Desafiadas sent todas; e informa mais que as vezes
via no iuterior dos olhos tochas idnticas as
que eu Ihe fazia apparecer interrogando as phos-
pheuas ; e descreveu cora clareza taes tochas, erara
ellas redondas, vivas, brilhantes, ar.ues e rpidas.
Por vezes repet estes eximes em presenca de
seu marido e do seu medico, e o resultado foi o
mesmo sempre. sem discrepancia alguma.-
Tal era o estado da Exraa. Sra. doenle, quando
pela priraeira vez a vi, o qual em resumo vem a
ser cega, mas seus olhos com bastante sensacao
para a luz; tendo, porm o campo pupillar obstrui-
do por urna falsa membrana a que se d o nome
de catarata falsa, a qual empedia o exame do
hemispherio posterior do olho, necessario para ha-
bilitar-nos a fazer ura juizo raais seguro sobre o
seu estado, e sobre as probabilidades do resultado
de qualquer meio que se devesse erapregar.
Em prevenga destas tristes circumslaucias, disse
a seuhora doente, ao seu esposo, e ao seu medico,
que bem fugitiva era a probabilidade de obier se
a vista neste caso por meio de urna operacao, mas
que era este o ullirao recurso a empregar ; que in-
commoda e trabalhosa devia ser esta operago, e
longo o seu tratamento, attendendo-se ao mo esta-
do dos olhos, evido a grave e amiga molestia por-
que pas.-aram : disse mais que sendo a poca em
que estavamos (Qm de novembro) impropria para
este irabalho por ser intenso o calor, u se estar mui
prximo festa de Natal, prudente era guarda-la
para o anuo seguinte ; e que, entretanto, cnsul-
lassem a alguns coilegas, reflectasen) sobre seus
pareceres, e me dissessem mais tarde qual a reso-
luco em que e.-lavara.
Em fevereiro do anno seguinte (1803) fui infor-
mado de que a Sra. doente e sua familia esta vara
dispostos a tentar o que eu lies havia aconee-
Ihado.
Novas observacoas forara fdta?, e vendo que tu-
do permaneca no mesmo estado, desde logo pa-
nejei obrar do seguinte modo : i fazer urna pipil-
la artificial no olho direito ; 2o repetir o mesmo
irabalho no odio esquerdo.quando o direito eslives-
se restablecido da operacao ; 3" destruir os crys-
lalinos mais tarde se elles estivessem opacos ; e
cohio estas operaces sejam graves, e o desempe-
nho dellas trabalhoso, ped ao marido da senhora
doente que convidasse para me ajudarem pelo roe-
nos quatro mdicos de sua confianca ; ento releo
to elle : silo precisos tantos mdicos para traba-
Iharem em um olho ? respondi-lhe : lodos ter.io
bastante que fazer, e ainda sao poucos, pois eu se-
rei o quinto ; deveremos achar-nos reunidos no
da ti de abril s 10 horas em ponto, para em con-
ferencia traannos desta quesiao, e depois proce-
dermos como for mais cpnvenienle ; e assim suc-
cederia.se alguns.dos collegas convidados para esse
dia e hora, tendo de assislir laaibem a ura exame
de sanidade, para o que foram Borneados juilicial-
do a claridade do quarto, ao conlrario a aba de m
nha sobrecasaca que era prela, ou um panno bran-
co qualquer, erara reconhecidos pela doeote onde
eu os collocasse a um palmo de distancia de seus
UJlm.l!ed'.r.tle CQ.liuuar em 8U V|lla>se bem 9W B, e ftoeai em torno de vos um olnar observador:
contemplai a altura prodigiosa desses gigantes de
pedra^ que locam as nveos com soas cabecas;
vede essas arvores_seculares, leslemunhas de tan-
las geracoes desapparecidas no sepulchro do pau-
sado, e que se elevara cada vez mais como queren-
do contemplar de mais perl; aquello quo ihes in-
nada Ihe falusse durante seu curativo, por ais
longo que elle fosse ; foi pois urna historia per-
dida.
Pelo que diz respailo a doente cuja historia
acabo do publicar, nada houve d-i sua parle que
podesse crimnala pelo mo resultado desle tra-
balho as diversas operaces porque passara u- ifllIrou a seiva Das veias i vde esse co azu|. 1ue
As despejas de lavra moniamm no primeiro 4a-
quelles annos a 129:353*385, no segando a...
147:828,8968.
O minerio transportado para Inglaterra e asi
vendido, prodaziu, segundo as declaraedes do ge-
rente da empreza, no anuo de 1863, l,*ll:4Mf00O;
no anno de ISGi f.,i computado e 1,386:200(1060
O imposto proporcional para o estado, aotorisa.
i do pela lei de 21 de dezembro de 1832 e respecti-
vos addiconaes, ful, relativo ao anno de 1863, de
16:498*444, o ao anno de 1864 de 18:863*232.
Os demais imposto? a pagar, como direitoe de
etp"rt.n;ai) e ontros, montaran) no anno i?e 1863 a
I8:77i'*20 ; o que, junto ao imposto proporrional
deste mesmo anno, perfaz um letal de 37:608*572
rante seu longo tralamenio; prestara-se ella sem-
pre muilo bem, cora mui la dlsposiciio, com fir-
meza de espirito, e com muita paciencia e resig-
naco ; se nao ficou boa, nao foi poque cuidadosa-
olhos. A vista da doente anda melhorou, pois che-; meDte Sena e,nPraKasse"J os mei03 convenieutes
gou a veros meus dedos parados on em movimen-
lo, porm sem pod-los contar.
Nutri bem boas esperanzas da operacao, atientas
estas observares, infelizmente porm, nao se rea-
lisaram I Mas tarde observei que o coalho fibrino-
so ia subindo no campo da pupilla arlilicial-o lor-
nando-se cada vez mais branco e pequeo,
mesmo tempo a vista se a annuviando.
e ao
nunca lbe faltara, era desejo nem boa vontade
para alcancar, se fosse possivel, qualquer melhora
que a habililasse a inelhor entrar no rgimen de
sua vida domestica como boa mi de familia, e
oplima esposa. Pelo que me nico d*sejo, e particular interesse era ve-la feliz
em companhia de seu marido, dos seus lilhos, e de
seus pais, meus caros amigos; nao & alcancei,
eixei o olho ueste estado, e espere! do lempo a verdade' mas s"->e sempre muilo boa vonla"
absorvicao de dito deposito. de, desinteresse e cuidado no meu trabalho, para
A 18 de junho, passado o receio da inflammaeao QUe minha consciencia 8 meu uever *** sa,v'):,'
interna, em presenca dosmesmos mdicos, proce- Dr- ** P*,**>
di a inesma operacaa no olho esquerdo, no qual se (Con'/inui/-se-lHi.>
deu o seguinte :
UM POLCO Dfi Tino.
Apenas foi aberta a cmara anterior, a iris fez
procedencia, e estava tai) anulecida que no per-:
minio ser cortada a thesoura, rompendo se logo ao Discursos- reatados por occasto do memento- ee-
apenar da pinca, e por sua abertura deixou sahir lebrado em suSragio da alma do cadete Basiliano
grande quanti lado de um liquido mui difluente, Bandeira de Uslto Cesar Loureirt), morto uo com-
coniendo alguns grumos semHransparentes; era bat de Rjachuelc-r e offerecidos ao seu mano o aea
o humor vitrio amolecido (Svnchises) e o erystali- deraieo Manoel Leite Cesar LoureifO.
no dissolvido: corra este liquido como urna ia Senhores.-Nao veuho aqu, por certo, prantear
ma pelos ngulos internos e esteraos do ol -, era
lao rato que gotejava da faina do cutello de Beer """ <* Um honKm'',orHem otmplar, extas.ar
com que havia aberto a cornea. Iinesmo'peranle latmio de ura brW' desse <,Ue
,.,..i,,. ,j, .. j leindefea de urna causa justa e santa, de urna
ogo techado e pensado, e a doente-le-i '. ...
...^ .. causa qo* sendo a da-patria e a cansa da civilisa-
todo esse da- e j ., j ..
. gao, da lMiraanidader soube galhardomenle inai -
O olho foi
vada para o seu leito.Durante
noile o ollio eslivera sempre chorando.
I char para a mor te, altrcntar as suas lutuosas pom
19.-0 apparelho amauheceu enchuto, e nada pas, escarnecer de seu3- rigores, e ficelmente pre
mais cornado olho. A doenle senlio-dores vivas no /erir as honras do sepulchro as Rila grandezas
interior do oloo-operado, e por isss-no pode dos dest vida.
mir de noile. ', .
Stm, e nmter que exislara bravas, que exislara
20.O mesmo estado, dormio mu>pouco a noile. martyres papa que em luta erapenhada- contra o
21.Amanheceu melhor das dores ;: levantei c- imperio do despotismo e do erro, possam com a
apparelho, e ooeervei que a cornea es-tava ja unida espada em pnoho, rasgando o negro veo que os
e que a pupilla era pequenissima. As- dores eram acoberta, fazer pomposamente erguer-se aos olhos
menores ou mais sopportaveis. Ne.-te estado pas- do mundo iuteiro, o imperio da liberdae da civi-
suslenla tsse luzeiro magnifico que chamamos sol;
vele emfim a immeDsidade do ocano, que ao lon-
ge se estende com suas aguas ora lisas orno um
espelho ora revolias com um vulco, e dizei-me so
o vosso espirilo nao se transporta para a regio do
infialto.
Os grandes factos da ordem moral tambera se
prenden), se casam tao estreitamente com a rell-
gio que impossivel considerados separados del-
la. A coragem, a abnegago, a dedicagao, o pa-
triotismo, o herosmo e a gloria que o cora, nao
podem era nosso espirito separar-se da rellgio. O
mariyr e here sao homens santificados !
Pois bem, senhores, Basiliano Loureiro foi um
daquelles que apenas tiveram uosiew da aggresso
ioju>la contra o sok) da patria, correram alistar-
se como voluntarios do exercito.
E' que elle comprehendeu que um dos mais gra-
ves deveres do cidadao delender a rsrra em que
nasceu, a trra era qne pisara os entes que lbe t3o
mais caros, a Ierra em que repousara aocinzas de
seus prenles e amigos ; que elle eomprehen-
l'ma recente descoberta vai dar granV ro
didades ao viajante, que lem d<> altravessar
que nao eslejam eortadas por linna frrea.
E esta descoberta, tendo j passado do campo
da iheoria para o da pratica, deu o roeibor resal-
tado.
Da jornal fallando a este -respeito da e se-
grale :
Um mnibus pu.isdopor orna locomotiva- eaanv
cou esta semana (maio 14 a 20) a fazer camirM
regulares na estrada real entre ames e Xiort
Depois de longas experiencias e repelidos ae-
aonssenloj, o invenur t-ou>eguiu linaliuroi %-
zersorrer a ?ua locomotiva pela r.-iradas ordina-
rias, do mesmo modo qutr as ootras andam pelo?
caminaos de ferro.
A machina est perfeitaaente so>riia ao atacbi-
nisla, podendo parar ou aixiar novamente coa a
maior facihdade.
A estrada entre Nantes e Niort pasja por diHe-
deu, e isto ludo, que a luta do Brasil com o Pa- ] rentes montes ingremes, m.- a locoosetiTa com o
raguay, a luta da lifcerdade contra o despotismo, j seu mnibus sena e saee per elle9 consamaior
do futuro contra o passade. jfacilida'ie eseguranca.
A locoractr/a chamada Arerr pesa ponen mais
do final ; e por isso mais obrlgatoria se torna a | mente, nao faltassem a hora marcada, o que nao
necessidade de sua publicagao.
Antes porm de entrar na materia devo logo no-
tar que o meu parecer foi sempre desfavoravel a
esperanca de um resultado soffrivel; porque pro-
funda e longa fra a molestia ; grande e ja' ami-
go era o seu estrago : comtudo aconselhei a deen-
te que se sujekasse a urna operago, nico meio que
Ihes restava para ver se poda readquirir a vista
de todo ja perdida, e nao obstante me parecer lio
de-favoravel o resultad) desta uperaciio, comtudo
aconselhando a dceute no senlidu de sojeHar-^e a
ella, me basaava para isso no rigoroso exame por
mira feito, come adiaole mostrarei ; alm dislo,
seguindo meu conselho, a doenle nada perdera,
pois que a operago ni a poda pte mais cega do
qua estava, e sua vida nao corra perigo : es ago-
ra sua historia :
A Exma. Sra. D veio ao meu escriplorio a
7 de setembro do anno de 1862, em companhia de
seu marido e do noss> distracto collega o Dr. Vil-
las Boas, seu medico, consultarme sobre o seu gra-
ve e antigo soffriraenlo de otbos, que consista ac-
tualmente em falta de vista acompanhada algumas
ve.'.es de candeias pelos olhos. Interrogada sobre
seu anterior estado, disse que quando ainda menina
fra accomraetlida de urna gravissima infiamma-
gao de olhos da qual resultara rJcar cega do esquer-
do, e que, depois de casada, de ouiro ataque fra
acoommetlida, que muito Ihe abatera a forja da"
vista do olho direito -. e esle resto de vista pouco a
poico foi dirainuindo at que de todo se extingira
ja' ha tempos. Nao sabia a que atribuisse sua mo-
le-lia ; mas recorda-se que soffrera do seguinte
modo ; quer no primeiro, quer no segundo ataque,
os olhos ficaram muito vermelbos ; tinha nelle^s
dores agudas que ihe iam at o alto dacabega, nao
poda olhar para a luz mesmo fraci. Nestas occa-
sies usara de mullos e variados remedios e sem-
pre mproficuameote. Seu mal durcu muito lempo
e clesappareceu quasi com o tempD, deixando po-
rm seus olhos no estado desgracado em que ho-
je se acham.
Observado presencial. A senhora doente est
nutrida, e bem clara e bem corada ; seu tempera-
mento i in diaiicj. Interrogados todos os seus or-
gaos e fumigues, se obteve a prova de que traba-
lh;.m normalmente, menos os olhos onde se ob-
serva o seguinte :
Palpebras e conjunclivas sem a menor allerago;
cmaras anleriores claras ; iris iramoveis, pupil-
las fechadas por um torpe branco, ou veo que as
sendo prevenido, obrigou-nos a esperar ainda um
hora. Nesla contingencia foi a operago marcada
para o da seguinte.
# Nesse da, estando presentes os doulores em me'
decina Villas-Boas, Pitonga, Maraes, Perera de
Brilo, Zacharias e Mascarenhas, expaz o quejhavia
observado, e o qne havia planejado, e condal jus-
tificando o meu diagnostico de irido-choroiditis
antiga terminada por Syndusis, e Si/nechia poste-
rior em ambos os olhos com atrista das papillas
e a necessidade da operago da pupilla artificial
qne ia proceder no olho direito, se a isto se nao op-
puzessem os cel legas.
Prevalecido rae ainda da occasiao expuz os de-
ferentes processos que existen) ua sciencia para ef-
fectuar-se una tal operago ; e conclu dando pre
fer^ncia ao do Dr. Desmarres descripto no t. 2-
p. ''A etc. de seu tratado sobre molestias de olhos-
Estando todos concordes, e ludo cons-eniente-
meute preparado, a doenle foi deilada em um leito
bastante alio, estreito c solido, expressamente ar-
ranjado para esta operago, collocado na sala era
frente de urna porta : as palpebras do olho que se
ia operar foram abenas por dous levantadores
cneios, o superior entregue ao Sr. Dr. Moraes, que
tambem manlinha o oiho immovel, pegado por urna
pinga fechada a mola; o Dr. Pereira de Brilo segu-
ra va o outro levantador, destinado palpebra iu-
ferrar; o Dr. Pnanga manlinha immovel a cabega
da doente para evitar qualquer movimento inconsi-
deradamente feito; o Dr. Mascarenhas linha promp-
tos em sua mo os ferros precisos para a operago,
devendo-m'os entregar opporlunamente; o Dr.
Villas-Boas tinha em sua mo a thesoura, om qua
devia elle mesmo cortar a iris quando eu a rom-
pesse, e arrastasse seu relalho fra do olho. )
Estando todos em seus devidbs postos e ludo
bem distribuido, urna bella pupilla foi por mira fei
ia no lado inferior do olho direito, porm bavendo
logo hemorrhagia interna, esla impedio que se
visse o estado cryslalino. Noloram todos os me-
mdicos presentes que iris estava summamenle
amolecida, ou sem coheso alguma.
Limpo o interior do olho o mais que se pode, e
depois tratado, a doente foi levada para sen
quarto, onde tudo j estava preparado. Deste dia
em diante deu-se o seguinte: *
Dia 25 :A doente se quexa de dor de cabega,
tem a testa quente, dor no olho na parte operada
e pez fros : nao havia reaego geral febril.
26.Haviam desapparecido os incommodos de
sou a doenle o restante do mez de juoho. A 30 po-
rm reaparecern* as dores com mais intensida-
de. Prescrev entao para uso interno pillas com-
poslas de calomelanos e opio; e para fjute e testa,
pomada mercurial-com belladona.
Julho 3.: Neste-dia ja uoiavam-se melhoras as
dores, porm estas- continuaran) aiuda por lodo o
mez, seudo em ums das mais fortes, e em outros
mais iracas.
Agosto.-A molestia aprsenla alternativas, ora
para melhor, ora para peior; o olho apparecia ora
mais vermelho e ora menos coogeslo, e sempre
mais ou monos doloroso. Isto obrigou-rae a pres-
iisaga j, da verdade em lira.
Senhores, Basiliauo Bandoira de Mullo Cesar
Loureiro, nasceu 16 de dexemhro de 1842 s 10
horas-da inauha na Alaga do Monteiro*. provin-
cia da Paral)yba. o a 12 de ;jnlio de 18o3.as-8 ho-
r; da manha, em Riachuelo desappareceu aos
olhos de um povo iuteiro para viver na immortali-
dade. Breve, pois-,. foi a sua passagera neste mun-
do ; durou 22 annos,.o mezesr5 das e 22 horas
Esse insigne brasileiro, filho do major bernardo
Lulz Ferreira Cesar Loureiro,. neto do mariyr de
nossas liberdad- s publicas, Joaqun) da Silva Lou-
reiro, bisneslo do lidalgo cavalleiro, Jeronwno Jos
crever pomada estioihada para vestear a> oeile oor a- u a~ ~.__
. .. "v v Cesar Bandeira de-Mello, e quinto neto do-imraor-
detraz da orell.a de solugao de lodoreto de po.ass.o M Jq- q waodla Vle,ra, peaencia a uu.a
.nternaraen.e;e de-lachantes repetidos, um por se- da6.maij allgas [amllias dciraner* e cheia de
mana ; permanecendo a doente era dieta-restricta, .,-,. ninirM
. _. VaJcS I11U311C3.
e repouso em quarto reservado : No r>ni< do mez,
sob esle tratamento, j haviam bastite* melhoras. uJle,cujo coraoo era do;aco dos mais generosos
SeierabrolO.Adoeate vai passanlo bem, nao senlimentos, nao cerrando os ouvidos aos-gemldts
ha mais quasl signal algum de fnflammago nem da- patria, presuroso correu, oomo Brasileiro que
de dores ; a doente come e dorme bem.:. e julgan era,. olferecer-se ao governo imperial, como vo-
do ento peFinanenle este bom estado, marquei o lunlario, trocando desl'arie as- delicias do lar do-
dia 27 para a ntratelo do coalho pepillar e do meftico pelos perigos da guerra, e pedindo para
cryslalino da olho direito, o primeiro. operado, e ser addido ao- 9o batalho de infamara de que fai
onde a escassa melhora da vista oblida havia parte um seu intrpido ir mo,. loi o primeiro vo-
desapparecido. Neste dia estando presentes os Drs. lunlario fiesta provincia que denodadamente de-
Villas Boas e oncalves de Moraes abr a cor- poz-se em holocausto no augusto aliar da patria,
neano mesmo poni em que foi tecada para a D.ga-o, em verdade, o lamoso, dia 11 de junan.
cial, levei urna pinga ocsular a pupil- ssse dia em que Riachuelo- vio. as invensive.s o-
Abragando, pois, peia-ullima vez seus queridos
pais, irn.Sos e amigos, parti I
Um joven de 20 annos tao dedicado como-este,
promet am grande fiwuro, se a morle or.o- vem
corlar-lhe a carreira. Mas ah I depois de haver fi-
gurado na Tomada de Corrientes pelas Torgas al-
ijadas, Basl'iano Loureiro eahio victima de sna in-
trepidez no glorioso combare do dia II.
Oremos, pois, a Deas, que receba em seu seio a
altea do joven-martyr.
Quanto ac- seu nome, esse-Reara eternamente
gravado no corogao da patnai
IVecife, 20 dejulho 1865.
C. Valente.
la, agarrei o coalho e o ia extrahindo quando urna
porgo de humor vilrio difiluente veio inundar o
olhoo que nao obstante tire di lo coalho, e limpei
a pupilla artificial; e depois procuraudo o cryslalt-
nj com a agulha de Scarpa nao o encontrei, em seu
lugar, exisiia somonte um liquido- grumoso: e com
quauto o olho licasse abatido, comtudo via-se per-
feiamenle urna bella pupilla artificial de fundo
prelo, porm a doenle nada va por elle : foi o olho
fechado e a doenle levada par.i seu leito.
hurtes brasileiras, ora sepuliando-ss sob o mais es
pesso lumo da metralha, ora recebeudo as mais
graves feridas que ihes deviam traier piuco dspois
a honrosa morle, ora heroicamente assoberbando-se
sobre o audaz immigo, que posto em debaadada,
vilmente fugio ; diga-o esse dia glorioso em que o
nosso Brasil gigante ajuniou sua cora de louros
o mais lindo louro.
Finalmeule, senhores, a fronte de Basifiano est
bellamente cingida de llores iinmurchessivefs co-
Dia 28. A doenle sent dores no olho, e na nudas por elle e pelos seus antepassados. Em seu
testa ; eram pontadas que se repetiam de minuto tmulo contemple a provincia da Parahyba um uV
em minuto. Uecommenda-so dieta e repouso qua- |no; admire Pernambuco um de seus voluntarios
si absoluto. ; ti ambas escrevam o seu nome uo Uvro d'ouro de
29. Continuam as dores em augmento ; o olbo, seus antepassados, de seus hroes.
obstroe completamente. Esio veo nao se pren- bontem.
de s fibras radiadas da iris, pois que a atropina, 27.Nada mais sent a doente, apenas alguns
provocando a dilata;) da mesma, d lugar a que j incommodos nos olhos, muda-se o apparelho con-
se possa ver dilo veo preso smente as libras cir- j tensivo. .
cnlares. Este veo, ou falsa membrana que obstrue j 28 e 29.O mesmo estado lisongeiro.
as pupilas visto no interior do olho de cor acin- ., ,----------r~~Trr~T.----------','"
,. .. .. .. (*) Este pessoa medico e indispensave uuando
rentada e ,ua adherencia ao pequeo circulo da Vtem a mo ;-na penuria delle nao s nao p-
iris pode ser bem observado cora a luz concentra- de haver promptido, na execugo dos differentes
da por urna lente, dirigida obliquamente ao inte, tempos da operago, procurando o operador ferros,
ricr do olbo. a8ua> posiges etc., come se interrompem trabalhos
._______________ I que devem ser continuados.
TTT 7 i T~------.. I' Eu me admiro como dous mdicos, e mesmo ura
() Amolecimenlo do humor vitrio, adherencia s0 poaem fazer operago da talba, e eclomia etc
da iris a capsula do cristalino, e ncerramento- ete. ele, chloroformisado o doenle... E' dever im-.
da menina doolho-e oque sigiflcm aquellas perioso ter o medico tudo prevnido para evitr
pa avras. damnos irremediaveis.
no entender da doente, pareca querer sallar lora
de sua rbita; e em urna dellas, a mais vivaque
sentir a doente, urna porgo de liquido do inte-
rior do olho veio molhar o apparelno e banhaHhe
a face ; e desde logo Ihe cessaram essas grandes
dores.
30. A doente passou a noile alliviada.
Oulubro 1. Levante! o apparelho conteosioo,.
que era o mais simples possivel ; urna tira de la-
bia inglez crusando as palpebras em sua parte-
media, deixando livre os ngulos do olho. A
cornea estava transparente, cmara anterior bem
formada ; pupilla coberia por um veo averme
Ibado.
Oulubro 3. Neste dia o olho foi de novo cura-
do ; tudo estava no mesmo estado.
De 3 a 30. Nao houve incommodo algum. Em
quanto porm a vista a doente apenas reconhece
Recife, 20 de julho de 186o.
P. V. Porto.
Senhores.Ao lado da vida anda a marte, assim
como ao lado do prazer a dor. Triste condigo da
humanidade I
O drama gigantesco que a II de junho represen-
tou-se as aguas do Paran, em Itiacbuelo, aiuda
est muilo vivo em nossa memoria, assim como o
seu flbsfecho glorioso para as armas brasileiras. Os
lilhos do Brasil nesse dia meraoravel ergueram-se
alm dos hroes de Homero. Os no-sos inimigos
pasmaran) de tanta coragem e bravura. E com
e He i lo, lioham razao.
Na historia talvez haja paginas tao brilbantes
como essas que registraran) esse feito estrondoso,
mas nao ba mais brilhantes.
ou menos Mt) toneladas, com s seo reverratorio
de agua e carvao ; lem 6 ps s o pelegaons >
largura.
Sea missc-d-nm sacerdcia de paz, taratana
o de justiga.
Defender os- direitos da patrie que nos vio nes-
cer,.ou que tomamos por adcpvao, direitos sagra-
dos calcados aos ps dos homens para quem o de-
ver um sonho.a- honra urea chimera e a jusilla
nm. pbantasmn> com que se-amedrantan) as con-
sriencias, tambera urna das aitas e sublimes nis--j
ses do sacerdote.
Krei-Maranuo, da ordem den capuchinhos, cen<
tra quem alguos-dos nossos epatados tantas inju-
rias lem irrogado, testa de-hordas e indios na
provincia de Matlo-Grosso,. asaba de bater os t-
raguayos, que injusta e sacrilegamente invadirn
o aosso territorio.
Nao o .irimeiro exemplo- que o clero d aas-|
ierras do Brasil.
Ja anies o venerando lusj- D. Marcos Teix,,:,-.
trocando o bculo peV espada, expulsou denodada
mele da Bahia os II llandezes, libertando dssto
modo aquella bella parte da Ierra da Santa Cruz.
E ainda este governo ingrato nos atassalha e
persegue !
Porque nao abandonaron) os seus commodes os
estipendiados da nago e nao forara ao meio dos
barbaros Paraguuayos defender a patria, que pari-
gava, o livrar da morte como Fr. Marianno-mi-
niares de Brasileiros espostos a selvajaria dos-in-
vasores- -
Os homens poltico^ escreve um clebre histo-
riador, sao como os venios tempestuosos, e o povo
como os campos.
E assim .
Aquelles bram.i:ii:.-^enfnrecem, destroc o na-
da faiem.
Esle comtudo carrega, soffre, e morro por esse
torro. por essa patria onde elle viu a luz do. dia,
se o menor recoshecimento, sem urna p6dra para
embranga de seus fekos.
O que fazem os nossos polticos ? o- -;ue lera feilo
elles era avor da. brasil ?
Urna guerra renhida aos direitos-dos cidados,
urna guerra renJtida ao clero, regtao, aos eos*
turnes e verdadeira libt-rdade.
as grandes crises da nago o clero, nunca tre-
pidou um momento.
Elle como a brisa da tarde, qne vivifica sem
ruido. E* como o astro da noile-,. que sereno e cla-
ro vai alumiando os campos e dando vida aos
seres.
Se soHrem, o clero tambem soffre ; se a nagao
precisa, nao fallam os Toixeiras e os Mariannos
sem paga e sem reconhecimenlo promploe a seu
servigo.
A iVafio publica o que segu :
Os milicianos da Feira perguntavam-os franee-
zes sero genle ? canoco ser pao ?*e as balas ma-
taran ?
E' certo que querendo, em 1808, assim ridicula-
sar os milicianos da villa do Feira, elles depois se
Nada intimidava os tornaram exoellentes soldados, que bastante con-
heroes desse dia, era a ferocidade e o pbanailsmo
quando seu quarto est alumiado por urna vela ou cgo dos inimigos, nem as batas que em chuveiro
sobre elles caluam, e que dizimavam suas fileiras.
Eram k8s, nao eram mais homens que combaliam
ou antes quem combata era o patriotismo pnro
na escundo.
Novembro e dezembro. Nenhum incommodo, e
nenhuma melhora na vista, permanece sempre
um veo tino sobre a pupilla.
Janeiro de 1864. O mesmo estado. E' intenso
o calor da estago o que muito encommoda a
doente.
correram para a restaurago da patria.
O Glnneur ffmrersel de Aova >rieans-, etnta n
seguinte:
Um dos eloquentes advogados qee :rnam c-fcro
da Nova OrleaBs-dtsiincto enlre lodos os innaaes
do novo inundo-iidvcgava oltimameale no tnSaail
criminal.
Traava-se de arrancar das impiedosas garran
da justiga um desbragado e mesquioto ro qne pe
desfastio assassinra pai e mi.
Depois de terem destruido a vida dos ootro, o
senhores assassicos, como sabido, aso poe o Me-
nor escrpulo em pedir audaciosamette a ab4heao
da pena de morle.
nspirando-se daste nico meio de vag-. anas-
as provas que se amcoioavam contra i rrimianaa,
o advogado defensor pronunciou o serainie disenr-
so, que se recommenda como modelo o genero :
Srs. jurados.-As- sagradas escriptsras ditera:
Nao matars Foreoo-"gninie, se ."ae estar-
car o ru, transgreds o preceito de Lees por na
declive lo escorregadio como o azero e a> non
maneira lio palpave! como um ovo de pata coloca-
do em cima do narii-de nm < voyou Ikn l
oidio um homicidio, senhores ; ou s*a ceeaaaM-
tido por doze jurad, ou por um malrado como o
meu cliente, sempre um homicidio, mts qm an
m^rle de hornera. Eu nao neg qne o ianrrina-
que defendo atatnane mas isso urna ruo para
njne vos matis lanbe ?
Poileis condemr.ar o ru, o carraeee pone m-
sjpenhar o sei: dever, porm tica.-* jwtifica-
dos T De modo algum. Julgaes que .tuttt* sendo
menos do que doze assassinos ? De cero nao. ?nal
d'enlre vos est disposto a receber c siyglha de
Dura t Qual de im, homens livres dcsia torra ne-
luz, quer ser marcado na Ironie com o ferrete no
fratricidas? Nenfcum, esloa cerio d:*s, o aposi
em como nenhum de vos traz eonungo na rala*
nem rewolver. Nao, genilemen, eu L*m sei qu
as vossas algibeiras nada tem de humicida*; an-
halam apenas c suave olor do pacidto tabaco a
doce perfume do cachimbo qoeimado : pode* i
da fumar o tabaoo da reendo oa lornaiha di
honrada conscivacia.
m condemnai, enforcai o rcea cliente s *es-
de esse momento o escimo-'o croco.lo do retaorso
se iniroduzira, as Vu.-.-as ftaters e w rsera o
corpo e a alma.
Senhores orados, conservadores da* pr^rogati-
vas eternas, oonjuro-vos pelos espirilo rescatados
do estado leraporal q le nao vos tornis homicidas.
Em nome da mulher, principal motor do eterno
chronometra da humanidade, vo-lo pegol Pelas
estrellas enlistadas no espelhc do no-so livre paiz,
pela aguia americana, victoriosa emlodus os coaa-
bates da oreagao, vosenjuro ijoe nio derramis
sangue^ que nao pratiqueis um homicidio.
Mnalmenle, Srs. jurados, se queris que a vanan.
roupa ao corra risco, se queris ijoe o* caes tan.
nao sadein com os seus. latidos, se queris osar
pacificamente botas de peHe de bfalo, se nao qne-
reis ser considerados cerno perversos estranganv
dores garrotando lo fcilmente a humanidad* eo-
ni j um yankee aperta o pescogo a qualquer non
Ib cahe as mos, mandareis por em litarnae o
meu cliente e salvarais a patria I
Este triumphal discurso produzio o sen eflnn.
0 ru foi posto em liberdade e o advogado aog-
mcnlou os creditcs da sua distincta reprJafc.
L'raa folha franceza falla de nma uaiher qne fot
encontrada em um dos passeios arvorejados de Pa-
rs tomada de urna crise terrivel acompaahada de
vmitos.
Foi transportada a urna pharmacia, e um (anu-
lativo que foi logo chamado para Ihe prestar i
Fevereiro, o mesmo estado, a diente vai passar amr Puro- A causa da civilisago triumphou.
alguns das no campo onde mora seu pai. Assim devia acontecer-
agigantada, os pobres milicianos lemessem os va-
lenloes de Marengo, porque a fama chegava looge,
mas depois que conheceram que os francezes erara
em todo o seu heroico esplendor. A luta foi terri-i gente, que os castelhanos Ihes davam tapona,
tudo mudou, e com razo, porque se os portu-
guezes sempre foram homens para castelhanos,
sendo o esles para os francezes, erara no os nossos
tambem.
Ora, parece nos que a parte do povo ponoguez,
sa e incorrupta, est pensando, como os milicia-
Nao admira que no principio d'uma lucia tao.'auxilios da sciencia, examinando as nnierias.aja>
vel e por isso mesmo a victoria reectio malor
brilho.
Deus tem em odio o phanatismo e recompensa
Abril 15. Seu pai me informa de que a doente d.esn?? J5'6 mund J* Sujeil0s a leis Pr- j nos de 1808, que os Aotnirtar de' 1865 nao sao gen
' te ; pois sao gente e gente que, como os francezes
comega a distin^ui-melhor o claro das portas e v'denciaes, j disse um escriptor : os homens se
dasjanellas, mas nislo s tem infelizmente fleado ailam ?" 0.sg1u,aJ' e odiV escriP,or I jacobinos, podera dar e levar,
ditas melhoras ai iin esla venfleado pela luz da historia. E" qne o mun- J
noje. i ^ camnha ^^ um fut(jro rad.anie ^^ a c_^ | Auenda.se isso e vamos a dar.lne seriamente,
Tal e o resultado d esta operago grave e tra- ,jsa^0 resumiaa-0 esse fuUir0j que por sua vei pela imprensa.
balbosa, e por demais duradouro seu longo trata- M resume na hberdade oon)p,e,a dos ndividuos e I --------- .....' --------
ment. Nao teoho anda exemplos que me habi- dos ^^ na de sempre levar de derrota em der. | A extraego do minerio de cobre na mina de S"
litem a julgar bem ou mal do seu resultado difl- roa, as ondas da barbaria. Quando virmos, pois, Domingos no concerno de Merlola, districlo de Beja,
nilivo espero ainda do tempo novos esclare- em campo dous exercitos inimigos, nao nos assus- foi no anno de 1863 de 107:580 toneladas Inglezas,
cimentos e novos resultados, e quaesquer que elles ,e esse espectculo comristador da morlo em luta no anno de 1864, de 123:000 toneladas tambem
sejam darei fiel informago ao publico. I com a yii suspendamos 0 nosso espirito para orna inglezas.
Janeiro de 1865. Nenhuma melhora na vista regio mais pura, visemos smenle as ideas que; 0 numero de operarios e trabalhadores empre-
lem lido a senhora doente, Seu estado geral combaiem, porque os homens nesse estado sao sim- gados na mina e as suas dependencias no anno de
bom, e a excepgao de sua ceguelra nada mais pies instrumentos das ideas, na phrase de V. Cou-
soiTre. sin, e concluamos que as ideas novas sahiro ven-
Eu nao sei.se a operago da pupilla artificial te- cedoras.
1864 foi de 837 homens, e o de cavalgaduras tam-
bem empregadag na mina e no oamloho de ferro
foi no mesmo anno de -279,
peludas no vomito, flcou maravilhado observando
a presenga de corpos flocosos, coja natoresa logo
reconheceu.
A mulher era empregada cm urna fabrica de a-
goitao fino de acolchoar, e os corpos
eram parcellas de algodo que, aspiradas
emente no estado de molculas, de aloraos i
invisiveis, se tinbam insensivelmenle
em seu corpo e linhara por Om causado no orga-
nismo desrdeos que se manifestaran) como Ira
dito.
mtmim nuwaii -
Um avaro lo infeliz que a sua propria jajaj
tag.io depoe mu las vezes contra elle.
O abbade Itegmer, secretario da araraii fran-
ceza, recebia em ceno dia de sesso a cotcela 4a
urna quantia, que se havia arbitrado para iwpean
commum.
Foi correntio a roda, e nao se recordando na
que o presidente Res, que passava per ser
avaro, havia pago a suacollecta, pedio Iha
mente, apresentando-lhe era seguida o efe
Observou-lhe o presidente qne ja havia pago a
le que Ihe competa.
Acredito, diz o abbade llegoier, man ao asa
lembro.
E em vi, acode Fontenelle, que se acaara a
ado, eu vi, mas no pude acreditar.
PERNAMBCO.-TYP. DE M. F. DI P. F1LmQ

_Sa4.U^'-
------------BBBI
fei
k JbbbbbbbbbbI
J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECCQK53G6_FHFYUZ INGEST_TIME 2013-08-28T02:45:31Z PACKAGE AA00011611_10725
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES