<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Wednesday, July 19, 1865 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10720

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Wednesday, July 19, 1865

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10720

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10720

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Wednesday, July 19, 1865

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10720

Full Text
I
*
Afllfl IL1. gjIEllO 163
Per qaarlel pago dentro de 10 dias do 1. mez ...ti
dem depois dos l.0910 dias do comecoe dentro do quartel. .
Pof te ao correio por tres mezes *..........
51000
6*000
750
VX v
OARTA FEIRA 19 DE JLH0 DE 1X65.
Per anno pago dentro de 10 dias de 1. mez ,,,.... 19|000
Porte ao correio por uui anuo........... . JjOOU
ENCARREGADOS DA SUBSCr,IP;O DO NORTE
Parahyba, o 'r. Antonio Alex?ndrin de Lima;
Natal, o 3r. Antonio Marques a Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maraahiio, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves
Fillios ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
EXCARREGADOS DA Sl'BSCUIPCAO DO SUL.
Alago.is, o Sr. Claudino Faoo Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribairo Gasparioho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estaees da va frrea at
Agoa Preta, lodos os dias.
Iguarass e Goyaona nassegundas e sextas feiras.
Sauto Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanliuns, Buique, S. Bento, iiom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazera, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamaudar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quiutas.
Relagao: tercas e sbados as 10 ho'ras.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: lergas e sextas ao meio
dia.
Segaada vara do civel: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
El'HEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
8 La cbeia as 6 h., 7 m. e 22 s. da t
15 Quarto ming. as 2 h., 6 m. e 46 s. da t.
22 La nova as i h., l m. e 40 s. da l.
30 Quarto cresc. as 4 h., 49 m. e 16 s. da t.
17. Segunda. S. Marinha v. S. Alr-ixo.
18. Terga. S. Rutino b.; S. Frederico b.
19. Qurta. Ss. urea e Justa vv.; S. Madrina v.
20. (Juinta. S Jeronyrno Emiliano; S. Elias prof.
21. Sexta. S. Henrique imperador.; S. Prxedes v,
22. Sabbadu. S. Maria Magdalena; S. Menelio ab.
23. Domingo. S. Apolinario b. m.; S. Liborio b.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 1 horas e 18 m. da tarde.
Segunda as I horas e 42 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIRQS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
ala a Granja a 7 c 22 de cada mez; para Fema-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marro, maio,
julho, Miembro e novembru.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprielarios Maooel Figueiroa -U
Faria & Filho.
PARTE SFFffilAl
s admitte formaco de culpa em quanto o delicio
nao prescrever, claro que o promotor publico
porte allegar a prcscripco, nao como defeza da
parte, mas como um obstculo legal que o impede
de mover a acolo ; accrescendo que essa prescrip-
cao pode ser julgada ex-offio, por isso que, estan-
do a acgo e o cnme prescribios, nao deve o juiz
applicar pena Ilegitima, que por si s constitue
acto nullo, praticado contra um obstculo opposto
pela le,doulriua que ja era deduzida da nossa
aoiiga Dril, liv. 5o lit. 2 % 4. O que communico
a V. Exc. Dar sua intelligencia.
Dos guarde a V. ExcJos Thomaz Nabuco de
Araujo. Sr. presidente da provincia de Minas-
Geraes.
m | ii ip 'i i WH
2* secgao.Ministerio dos negocios da Justina.
MINISTERIO DA JUSTICA
DECRETO N. 3,48G DE 28 DE JIMIO DE 1865.
Amplia a disposigo do art. 36 do .lecreto u. 858 de
10 de novembro de 1861.
Csando da altribuicao que me confere o art. 102
12 da constituido do imperio, ede conormidade
com a minha imperial resolugc de 10 do corrente
mez, temida sobre consulta da secgao de jusliga
do conselho de estado, hei por bem decretar o se-
guinte :
Artigo nico. Fica prohibido .ios agentes de lei-
loes exercerem noite quaesquer actos do seu offi-
cio sob as penas establecidas no art. 36 do decre-
to n. 858 de 10 de novembro de 1851 ; revogadas
as disposicoes cm contrario.
Jos fhomaz Nabuco de Araujo, do meu conse-
lho, ministro e secretario de estado dos negoci s
da jusliga, assim o tenha entendido e faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro, aos 28 de juuho de 1865,
44 da independencia e do imperio.Com a rubri-
ca de S. M. o Imperador.Jos Thomaz Nabuco de
Araujo.
DECRETO N. 3,487 DE 28 DE JINIIO DE 1865.
Crea es cilicios privativos de officiaes de registro
gera rjas hypothecas as capitaes das provincias
do Par e d Maranho.
Usando da altribuigao qu- me confere o art. 102
| 12 da constituido do imperio, e em conformidad
dos arte. 7" e 8o do decreto n. 3,453 de 26 de abril (
do correrte anno, hei por bem crear os offlcios collsl!llor dos negocios da justica e a secgao de
privativos de officiaes de registro geral das hvpo- | justiga do conselho de estado, decidir, por sua im-
thecas as capitaes das provinciis do Para e do" Ma-| Penal e inmediata resolugo de 10 do corrente
ranho, ficando revocadas as disposices em con me*. 9"e na Pde ser adoptada a medida proposta
traejo. Pr ser contraria a' nalureza dos tribuoas do com
Jos Thomaz Nabuco de Araujo, do meu conse- i mercio, que s podem julgar o que puramenle
Iho, ministro e secretario de estado dos neeocios mercantil, e au os referidos recursos, cujo conta-
da justiga, assim o tenha entendido e Taca executar. ' amiento o legislador acertadamenle conerio s re-
Palacio do Rio de Janeiro, aos 28 de junho de 1865,, lagoes, que gao tnbunaes criminaes. O que com-
44 da independencia e do imperio.Com a rubri-1 munico a V. S. para sua intelligencia e para o fa
ca de S. M. o Imperador.Jos Thomaz Nabuco de
estabelecida as instruegoes que acompanham o
referido decreto.
Jos Antonio Saraiva, do meu conscilho, ministro
e secretario de estado dos negocios da marinha,
assim o tenha entendido e faga executar. -
Palacio do Rio de Janeiro, era junho de 1865, 44
da independencia e do imperio.Com a rubrica de
S. M. o Imperador.Jos Antonio Saratva.
m t II a-*Hi I -----------
G0VIM0 DA POHNM
Expediente do dia 15 de julho de 1865.
Offleio ao Exm. presidente da provincia de S.
Paulo.De conformidade com o disposto em aviso
clr ular do ministerio da jusliga de 7 de maio de
1864, commuuico a' V. Exc. que nesta data fixei o
prazo de a mezes para dentro d'elle entrar em
de polica removido desta para
se maiorquanlidade de trabalho,
[22S!ienL* US? ? o'raesro Ora mande' I ordens ao general'comman'lanle' da primera divi-
para mandar o regiment 10 de infau
do que o previsto, | Tambem pelo mesrao ministerio se expediram
adianjar mais com mil ris ao agente pagador
d'aqoella repartigo, conforme solicita o predito.
chete.
Diw ao mesmo. Aunuindo ao qne solicitou o
chefe da repartigo das obras publicas em olllcio
de hoje sob u. 220, recommendo a V. S. que man-
de aiaatar ao agente fiel pagador d'aquella repar-
te* por conta da respectiva verba a quanlia de
OOfra. para occorrer-se as despezas coma desobs-
Irucgao dos canos de-esgoto das ras desta cidade,
e dos caes juntos as boceas de taes canos, visto nao
haver sido essa quantia incluida do pedido serna-
zao militar,
taria para a esiago de Lisboa"; a Bu d'alli fazer a
guarda de noora na ehegada da Ilustre hospeda, e
tambem para mandar postar junto da mesma esta-
gao um nadro de lanceiros que acompanhe a
pnnceza ao pago de Belm, onJe se ai hospedar.
Partir:-! no da 17 para Badajoz a esperar a
princeza imperial do Brasil e seu esposo o conde
dEo, a legagao do Brasil nesla corte, o conde da
Poute e o Sr. Luiz Mascarenhas, officiaes mores da
casa do Sr. D. Luiz I, que ficam as ordens d'a-
quelles principes, o visconde d'Almeida, por parte
ferro de leste o se-
obw SESf*" a C"efe a rep,r,,C0 d3S I 6 ?" "fi. *?** de Braganga, e'porpar
onras puontas. i le ja empreza do caminbo
Dito ao mesmo. Recommendo a V. S. que em cretario da mesma empr
Rio de Janeiro, era 21 de junho de 1865.-Tendo praro de o mezes para dentro d'elle entrar em v'sla'la conta junta era duplcala, e nao havendo psyo.
esse tribunal submettido considerago do gover- exercicio o chefe de polica removido desta para "ooveniente, mande pagar a Balbino Simoes de Chegaram a Lisboa a 18 do corrente SS. AA.
no imperial, em data de 20 de dezembro de 18o9, essa provincia Dr. Jos Poreira da S.lva Moraes. I 'ar.vallu? Gamell ^soa, conforme solicitou o che- o conde d'Eu, e a priuceza imperial do Braail sua
urna proposu para que os recursos dos despachos Dll0 ao c-,rne, commandante das armas.-Con-! fe de,Doll?,a.)lP.mv?l !f'0 a honle,n sob L- 98:J> a es,m*-
forme as ulteriores deliberagoes do governo impe- Foram esperados na estacao principal do cami-
nal, expega V S. as suas ordens para que esteja "a""!,1',1"!:.^"1^ t'S dosP.',resos Poi>Tes da! nho de ferro por S. M. el-re o Sr." D. Luiz I, acom-
mentos scientiOcos, que tanta norneada leiu |>or
toda a Europa, e que alm disso ein si rene urna
grandeza e magnitude.
Terminada esta visita, SS. AA. fura aojardwa
ImI.-iiiiiu-u, ao rauseu, a Santa Cruz, onde vi-iiaran
o tmulo do fundador da monanhia, a purlira e
histrica quinta das Lagrimas, onde loeoo a phi-
larmonica Boa L'niao, e depois ao real mosieiro d:
Santa Clara, onde os esperava a plnlarinuiu.; I'a-
nimbricense, entraudo all as o horas e demorndo-
se al as 6 e um quarlo, hora a que partirn para
a estagao do caminho de ferro, onde jantaram, e
depois seguiram para Lisboa.
Ciiegaram a Lisboa uo dia segainte, pela 1 h ra
da noite.
No dia 21 de larde
de qnaliticagao de falleDcia sejara interpostos para
os tnbunaes do com mercio, para que, em qualquer
bypolhese, possam estes conceder ou negar a reha-
bilitagao dos fallidos, por isso que reconhecia na
pratica os grandes inconvenientes que resnltam de
seren ess. recursos interpostos para as relagoes
dos districtos, na conformidade do art. 64 do regu-
lamento n. 1,597 de 1 de maio de 1855, que refor-
mou nesla parte o art. 820 do cdigo commercial,
e bem assim de serem os iribunaes do commercio
obrigados a rehabilitar os fallidos, urna vez absol-
vidos em recurso pela relagao : houve S. M. o Im-
perador por bem, depois de ler ouvido o conselhei-
Araujo.
2" sficgio.Ministerio dos negocios da justiga. -
zer constar a esse tribunal.
Dos guarde *Y.8.-io$ Thomaz Nabuco de
Araujo.Sr. Monoel Joaquim Babia.
Rio de Janeiro, 16 de junho de 1865.-III..1. e Exm.! R- / .\ZZ rX mX d7X- \
Sr.-Expoz essa presidencia, em oficio sob n. 175 VD; wZSiSSi .mOFL^
UVd.ttdod.7S.Jolbo do anno passado, que. ^- ?BSl*fe tS^C
prompta a embarcar para a corte a primeira voz, a
torga de primeira linha, inclusive recrutas, que
existe na capital, recommendando V. S. ao com-
mandante do corpo de guarnigao que se recolha a
ella com todas as pragas do mesmo corpo que de
momento poder reunir, sem esperar pelos desta-
camentos que estao em differenles pontos, os quaes
devem tambem regressar quanto antes. Outro sira,
mande V. S. retirar o destacamento da colonia mi-
litar de Pimenteiras, ticando na inlelligencia de
que o do presidio de Fernando vai ser substituido
por pragas da guarda nacional no primeiro vapor
que para alli seguir,sendo para isso necessarioque
V. S. me declare de quantos officiaes e pragas de
pret actualmente composto este destacamento.
Dito ao mesrao. Tendo de seguir para a corte,
cadeia do termo de Tacarat.Coinmunicou-se ao |
Dr. chefe de polica.
panhado por lodos os ministros, e polo general da
divizao. El-re veio de Mafra meia noite de 17,
,hPDJ!iT.%~RpnunCia?do^harclJac,n--evollou ^ dia 18 depois da ehegada dos reae
tho Pereira do Reg, promotor publico interino, viajantes.
desta comarca, em favor das despezas da guerra, | Na estagao a guarda d'honra era formada pelo
os yene menios, a que como auditor do corpo de, batalho de caga.lores 5, e um esqu.drode lan-
?,' '%e'.n d'rev ctSde ^ de feve.ro ultimo; as-,ceiros acompanhou os principes at Belm, onde
sim o declaro a V. S. remetteodo-lhe o alteslado do I eslo hospedado* no palacio real
e1 re!eri:ie,lKdesdt aqu?l,a dal3' refmra5ud0 No dia 2 Pelas 7 horas partiram para o Porto,
que faga recolher aos cofres genes os sobrdaos Almocaram no Enlroncamento s 9 Horas e 30 mi-
venciraeolos para terem aquella apphcagao.-Offi-, nulos, e chegaram ao Porto as 4 e 30 minutos,
ciou-se neste sentido a Ihesourar.a de fazenda. Pelo meio dia, passaram junto a Coimbra SS.
Dito aoi empresario da obra da ponte de ferro do AA., e chegaram s 4 horas e meia da larde, es-
Recife.-Lm solugao ao offlcio de V. S. de 2 de ju-, tagao das Devezas perto do Porto
nho ultimo, remello Ihe por copia para ter a devi-, pe|a rapidez da visita, nao poderam os porluen-
da execugao o aviso de 7 do corrente, contendo a | ses obsequiar, como d
. uesejavam a excelsa neta do
segundo as ordens do governo todas as pragas da dec,sa0 do Exm. r. ministro da agricultura, com-1 Sr. D. Pedro IV, e lilha primognita de S. M o l.n-
companhia de arliBees do arsenal de guerra, que '"ercio e ohras publicas, acerca do acrescimo de i perador do Brsi!.
obra na ponte de ferro do Recife, -Ja qnai V. S. j Sentiram n'o
- chegoo a eta capital S.
J Sr. Osborn Sara- a. duque de Nemours, pai de S. A. o Sr. coaJe
d'Eu. Veio no ctmboyo da linha frrea de lesle, e
foi residir para o pago de Belm.
Verificou-se no dia 22 a parada geral de to-
das as tropas de linha da guarnigao da capital um
honra de SS. AA. II. a priuceza herdeira do brasil
. e seu marido o conde d'Eu.
As Iropas foram postada-; era linha desde o odifi
ci da Cordoaria al a Junqueira frente do rio. ?U
direita duas bateras dearlilharia e o regiment de
lanceiros n. 2, e a esqu -rda istias curpos as duas
brigadas de Infamara rummandadas a primeira
pelo general Miranda e a segunda pelo general ba-
ro do Zezere.
Cominandou a divisa.) o narechal do exercuo
conde da Ponte de Santa Mari.
El-re o Sr. D. Luiz e SS. AA. os Srs. iBlanl- s
D. Augusto, conde d'Eu e duque de Nessoors,
acompanhados por luzido p numeroso eslado-uaior.
passavara revista Avisa*, indo depois posur-se
debaixo do mirante do palacio de Belm, onde S.
A. a princeza herdeira do Brasil assjstti *o Je.-lilar
das Iropas em marcha de continencia.
Todas as tropas, excepto a amilana, depois da
marcha formaran) na praca
nao forera nelle indispe.nsave.s ; devendo ser'con- ygy.g"? fle Wf" >. mjUjmi 6\.S.\ Sentiram n'o mailo, porque queriam demons- tota"J,"eotaS kmm sltoeki f^SasS
siderados como taes os operarios ; nao pode ter empresario com o engenheiro W. Mai linean. irar mais ama vez as sympathias -
2a secgao.Ministerio dos negocios da jusliga.
"5.-Sendo pre-
desse tribunal,
tendo a les provincial n. 600 do referido anno,' uo i *"* "1" fL2SSLifcS2fP? VT?
art 3 sunnriinido os seeundcs districtos de Daz sen,aia0 duS negociantes contra o uso, adoptado
das frg e'zias de Sajelo^An.oaio IwSffSi I ItASS fe? **, Domear, fHre"
Gongaives dessa capital, o jo.z de paz Manoel da meotemoDle o promotor publico curador fiscal das
Silva Ferreira representoo que
posigo do aviso de 31 de janei
pressao dasses districtos s poda
va dejiois do quatr.ennio e para a eleigo de ju.zes T2 *'* n0m- Parec.e d***** do
j-----*_ ._..A......J. r-----ip-nhr.i iiiiimn F tribunal do commercio da corle, houve por bem
nre"idenc a ne o mandar declarar que, determinando as disposigoes
"j citadas, que em regra devem os curadores fiscaes
ser escolhidos 'entre os credores da ma.-sa, e que
de pa;:, a que se procedeu em setenbro ultimo. E,
com quanto parecesse essa
aviso citado nao tem inleira applicago ao caso,
por isso que trata da bypolhese di ser necessano
proceder-se a urna nova diviso de districtos e seja
principio de direilo que o territorio determina a
junsdicciio, parecendo-llie igualmerte que a dontri-
na do mencionado aviso se oppoe a de outras de-
cisoes do governo imperial, pelas qoaes podem ser,
em eertos e determinados casos, e-tendidas dis-
trictos eslranhos as funegoes, qtier polticas qner
judiciarias, dos juizes de paz ; julgou essa mesma
presidencia conveniente determinar que os juizes
de paz dos ditos districtos continuassem a exercer
a juri-diego al decisSo do governo imperial, ao
qual submetteu o occorrido para resolver como
fosse de justiga.
S. M o Imperador, a cujo conhecimento levei o
supradiio officio, tendoouvido o conselheiro consul-
tor dos negocios da justiga e as secges de ju-tiga
e do imptrio do conselho dee.-lado, houve.por bem '
decidir por sua imperial e immf diata resolucao de
3 do corrjnte mez, que a quesiao de que s traa
esta resolvida pelos arts. 3o e 116 da lei n 387 de
19 de agosto de 1846, pelo que essa presidencia .
nao procedeu bem, mandando que o juiz de paz
continuasse a exercer junsdicco em um districto
supprimijo, o deixando de mandar proceder logo
eleigao para juizes de paz da freguezia. O que corn-
rauuico a V. Exc para sua inteiligencia.
Dos guarde a V. Exc. Jos Thomaz Nabuco
de Araujo.Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco.
lugar a sobstiluico por oulras, como propoe V. S.
em seu officio de 13 do correte, das pragas Joo
Tiburcio Ribeiro e Demetrio Chrisostorao Pires por
serem ellas inleirameote desn<;cessarias as offici-
nas onde faro outras grande falta segundo infor-
ma o director do mesmo arsenal.
Dito ao Dr. chefe de polica.Informe V. S. se
exacto ha ver urna autoridade de Serinhaem rece-
bido a mais de mez, sem dar-lhe o conveniente an-
damento, como declara no Diario de hoje, urna de-
nuncia contra um tal Fortes por crime de espanca-
raento e consecutivo aborto ; e d logo as provi-
dencias, para que se faga prompta Justiga, sendo
exacto o facto.
Communicou-se ao engenheiro fiscal da mesma
ponte.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Sirva-se V. S. de expedir com ur-
gencia siis ordens, allm de que sejam hoje apo-
sentados uo consi-lorio da igreja de Nossa Senhora
nosso irniao por tantos mulos,
mente ligado.
Suas altezas imperiaes, a princeza do Brasil
e seu augusto esposo, ouviram missa na Lapa, pe-
las nove horas da manha do dia seguiute a sua
ehegada onde foram recebidos pela irmandade,
por esse paz, os corpos quartas distancias de pelotao. Nos fli-
so por excepgo sejam norneadas pessoas estranhas
a' '
de nao haver credores idneos para bem desempe
nhar o cargo podem ser nomeados os promotores
pblicos, por nao ser incompativel o exercicio si-
multaneo dos dous cargos, como decidi o aviso n.
2ide 16 de maio de 1860, cu; is palavras nao se
prestara a' intelligencia quo liles deu o juiz especial
i do commercio no officio em que tralou de justili-
j car a pratica adoptada. O que V. S. tara' constar
ao mencionado juiz para sua intelligencia e exe-
cugao.
I Dos guarde a V. S.Jos Thomaz Nabuco de
Araujo.Sr. presidente do tribuual do commercio
da Babia.
Dito ao mesmo.Constando de participacaoque nn,a- ,
recebi e da inclusa qne V. S. dirigida pela di- J^* a ni,esm_0j-A visla da sua informagao
rectora geral da secretaria de estado dos negocios
da justiga, de 7 do corrente, que por decreto de 30
de junho prximo lindo S. M. a Imperador houve
do Rosario da freguezia de Sauto Antonio, a dispo-, com todas as deraonstragoes devidas sua gerar-
sigao do delegado de polica presidente das lote-. cha.
rias, 3 pragas da guarda nacional de-tacada.Fi-j Assistiram
zeram-se as necessarias communicagoes.
Dito ao commandante de corpo de polica.Em
vista da sua informagao n. 573 de 13 do correte,
o autoriso a dar baixa do servigo ao soldado do
corpo sob seu coramando Jos Marcellino da Cu-
e a nos lao estrella- eos das brigadas formaram os lanceiros.
Por espago de tres quarios de hora esleve S. V.
el-rei o Sr. D. Luiz, disiribuindo pn nlratiMi ao*
soldados que o merecam, as medalhas de bous
comporiamenios e logo que se coocluio esta cere-
monia, executaram a continencia linal e desfiiaram
a quarteis.
A princeza do Brasil, e seo esposo o eoode
d'Eu, foram no dia 22 pelas 2 horas da urde.
acompanhados da bar meza e barao de Lagos, do
marquez de Souza Holstein e D. Luiz Mascarenhas.
por bem remove-lo para igual carg na provinvva
' fallenria, fra'de duvida qu s na hvpolhese *!.? P,?toi assimlh'o communico para sua ra-
le nio haver credores idneos para bem desempe- telligencia, declarando que designei nesta data o
2' seccio.Ministerio dos negocios da justiga.
2a secgao.Ministerio dos negocios da justiga.
Rio de Janeiro, 23 de junho de 1865. Illm. e Exm
Sr.Foi presente a S. M. o Imperador o officio, da-
tado de 11 de selembro de 1863, no qual essa pre-
sidencia expoe que, lendo o administrador do cor-
reio dessa provincia consultadose, havendo sido sus
pens por portara do antecessor de V. Exc. de 20
de outubro de 1862, e submettido a processo de
responsabilidade, o ajudaute contador da mesma
l rep?rligao, Jos Walfndo de Mello Acuceoa, e ob-
tido, depois de despronunciado, urna licenga de
tres mezes para tratar de sua sade, devia, acaba-
da a licenga, continuar suspenso al a deciso do
| tribunal superior, d'on le penda recurso, como o
determina o aviso n. 244 de 4 de junho de 1862, ou
Rio de Janeiro, 17 de junho de 1865.Illm. e Exm. en'rar logo no exercicio do respectivo lugar : res-
Sr.Foram presentes a S. M. o Imperador as se- pondera V. Exc. que, tendo verificado que ao men-
guintes drjfidas oferecidas a considerago do go- clonado ajudaute contador fra levantada a suspen-
verno imperial por essa presidencia em officio de sao por portara de 9 de junho de 1863, eslava
17 de (evereiro de 1860. e a ella trausmiltidas pelo claro que linha lugar conceder-se-lhe, corno se Ihe
juiz municipal dessa capital : conceden posteriormente, a licenga pedida, e que
1." 0 art. 5o da lei de 26 de outubro de 1831, na lerminada esla poda entrar no exercicio do seu
expressaoofteosas physicas l;ves comprehende emprego ; o que deixaria de ter cabimento sea
o? crime.' previstos as primeira e segunda partes suspenso nao tivesse sido levantada, embora exis-
do art. 206 do cdigo criminal, tornando assim tisse em seu poder o despacho de nao pronuncia,
estes orimes puramente policiaes T E o mesmo augusto seuhor, tendo ouvido o consc-
2.' Qml o syslerna a segulr-c, quer na imposi- Iheiro consultor dos negocios da justiga e a secgao
gao. quer na redticcao da pena de dote, de que ira- de justiga do conselho de estado, houve por bem
tvn os arts. 219 e seguintes do cdigo criminal, mandar declarar a V. Exc. por sua imperial e im-
visto como nao declarando os juizes de direilo em mediata resolugo de 14 do correnle mez que, como
suas sentengas, em quanto deve o reo detar a offen- esta' decidido pelos avisos n. 77 de II de junho de
dda, lica ao jais executar a liquidagao desta, e sua 1842, n. 59 de 5 de margo de 1849 e n. 244 de 4
reduegao. na hypothese de ser" o reo pobre, pri- de junho de 1862, a suspenso por acto administra-
sao, degredo ou desterro, sendo que, oestes ulliraos livo subsiste em quanto nao houver senlenga pas-
casos resta saber se deve a pena pecuniaria ser sada em julgado. O que communico a V. Exc.
sempra reduzida a prisito, segundo o disposto no
regulamento de 18 de mar.; de 1849, ou tambem
a degredo ou desterro, quando forera estas as pe-
nas impostas ?
E o mesmo augusto senhor, tendo ouvido oscon-
selheiros consultor dos negocios da justiga e procu-
rador da cpra, soberana e faienda nacional, e a
secgao df justiga do conselho de estado, houve por
bem decidir, por sua imperial e immediata resolu-
go de 10 do corrente, quanto a primeira duvida,
que esta' ella resolvida pelo aviso de 30 de julho
de 1844, e pelo decreto de 1 de lezembro de 1860;
e quanto segunda, que, sendo o dote urna verda-
deira satisfago do mal especial
para sua inlelligencia.
Dos guarde a V. Exc Jos Thomaz Nabuco de
Araujo -Sr. presidente da provincia do Rio Gran-
de do Norte.
Dito ao mesrao.D V. S. baixa do servigo ao
soldado do corpo sob seu coramando, Joo Ferrei-
ra dos Sanios, a que allude a sua informagao n.
579 de 13 do correnle.
Dito ao commandante da curveta Brasil.Rece-
ba V. S. a seu bordo, atim de serem transportados
para a corte 6 caixoes de madeira, contendo arti-
gos de armamento e fardamento do 4o batalho de
artilharia a p.Communcou-se ao coronel com-
mandante das armas.
Dito ao mesmo. Receba V. S. a seu bordo e
Irausporte para a corte o official e 64 pragas de
pret mencionadas em a uota por copia inclusa; Pi-
cando V. S. o .i inlelllgeneia de que a theouraria
de fazenda tem ordem para abonar-lhe o quantita-
tivo destinado para sustento do ollicial na forma
do aviso da repartigo da guerra de 29 de maio ul-
timo.
Dito ao mesmo. Transporte V. S. a bordo do
vapor sob seu commaudo os recrutas Albino Jos
Gomes de Oliveira, Antonio dos Montes Chaveiro e
Francisco Manoel de Mello, que Ihe serao apresen-
com destino ao
3.* secgao.Ministerio dos negocios da justiga.
Rio de Janeiro, 23 de juhhe de 1865.Illm. e Exm.
Sr.Levei ao conhecimento de S. M. o Imiierador
o officio dessa presidencia, datado de 27 de maio
do corrente anno, informando sobre o abuso da se
infiingirem agoules aos gales turbulenta e rixosos;
e o mesmo augusto senhor, depois de ouvir a sec-
gao de jusliga do cooselho de estado, houve por
causado pelos de- bem, pela sua immedlata e imperial resolugo de
lictos de que tratam os arts. 219 eoutros do cdigo 14 deste mez, decidir que semelhante pratica in-
crimina!, o meio de toroa-loeffectivo o do art. 68 suslenlavcl, por i da lei de 3 de dezembro de 1841, explicada pelo muigo do Imperio aboli expressameole os acou-
aviso de 18 de outubro de 1851, recorrendo-se, no les, a tortura, a marca de ferro quente e todas as
caso de defficiencia do reo para pagamento do dote, penas crueis, que a propria autoridade criminal
ao que eslabelece o art. 32 do citado cdigo, u nao pode decretar em suas senlengas, muilo menos i 'i
que communico a V. Exc. para sua intelligencia. Ihe deve ser licito ordena las sem forma de juizo! 5 W" auu'1"B
mmunico V. Etc. I d?ga. deb.la caP '.?' 4ff,,n
Ihe
Dos guarde a V. Exc.-Jos Thomaz Nabuco de e por mero arbitrio. O que communico V. "Exc.
Araujo. -Sr. presidente da provincia do Cear. I para seu conhecimento e exeengo.
--------1 -.i-inri Dos guarde a V. ExcJos Thomaz Nabuco de
2" secgao. Ministerio dos negocios da justiga. :A,rauJo- Sr. presidente da provincia de Minas-
Rio do Janeiro, 21 dejuoho de 186K.-Illm. e Exm.; beraes-
Sr.Foi prsenle a S. M. o Imperador o officio |
dessa presidencia datado de 28 de novembro de >
1863, snbmeltendo a deciso do governo imperial a i
segainte duvida do juiz de direilo da comarca de |
Jagnary :Se licito ao ministerio publico reque-1
rer a prescrlpgo do crime.
E o mesmo augusto senhor, ~.endo ouvido o con
selheiro consultor dos negocios da jnsliga, e a sec- !
gao de justiga do conselho de estado, houve por
bem decidir, por sua imperial o immediata resolu-
go de 10 do corrente mez, que, sondo a prescrip-
eo a expirago do prazo em que a lei permute mo-
ver a aegao criminal o que importa a nao exis
tencia de crime, urna vez final
desembargador Caetano" Jos da Silva Santiago
para o substituir era quanto nao se apresenta o
chefe de polica removido para esta provincia, e
que de conformidade cora o determinado em cir-
cular de 9 de maio de 1864, tixei o prazo de o me-
zes para dentro d'elle V. S. entrar em exercicio
naquella provincia. Officiou-se neste sentido ao
desembargador Caetano Jos da Silva Santiago.
Dito ao iuspector da thesouraria de fazenda.
Devolvido a V. S. o reciho em duplcala que
acompanhou a sua informagao de 13 do correnle,
sob n. 490, o autoriso a mandar pagar sob minha
responsabilidade, visto nao haver crdito para esse
fim, a quantia de 30S provenienle da etapa relativa
ao mez de junho ultimo, que se esla' a dever ao
segundo lenle reformado do exercito, Epiphanio
Borges de Menezes Doria, ora em conselho de
guerra.
Na mesma conformidade tambera deve ser pag
ao capilo reformado Mathias Vieira de Aguiar a
'de 30666 rs. de gralificago e etapa correspon-
dente a 23 dias daquelle mez era que servio elle
de vogal no conselho de guerra, a que reiponde-
rara duas pragas do quarto batalho de artilharia lados por parle do ca|.nao do pon
a p, como ludo se v do:; pareceres da contadoria aulrldl general da marinha.
dessa thesjuraria langados nos ver.os dos officios
do coronel commandante das armas de 5 e 6 deste
mez sob ns. 1158 e 1169 a que se refere a sua ci-
tada informagao.-Comraunicou-se ao coronel cora
mandanta das armas.
Dito ao mesmo. Ao tenenle Manoel Cirneiro
Machado, deve V. S mandar pagar sob minha res-
ponsabilidade, no casode nao haver crdito, nao s
a etapa e addicional como ja' autonsei em meu
officio de 6 do corrente, mas tambem a gralificago
de 20iS mensaes que Ihe fica arbitrada, tudo relati-
vamente ao lempo em qve estove elle encarregado
do deposito de todas as pragas de primeira linha
que flearam nesla provincia, e dos recrutas desti-
nados ao exercito.
Dito ao mesmo. Expega V. S. as saas ordens,
para que em vista do pret que Iho sera' remettido
pelo coronel commandante das armas se ajuste
cuntas as pragas que seguera para a corle na cor-
vela Brasil adiantando-seao mesmo lempo ao com-
mandante desta a quantia precisa para alimenta-
gao a bordo das ditas pragas.Communicoo-se ao
commandante das armas.
Dito ao mesmo.Em vista da folha junta em
duplicata, mande V. S. entregar, hoje mesmo, se
fc possivel, ao primeiro lente Ernesto Ignacio do exercito, sob ns. 455 459.
Cardim, conforme solicitou o capito do porto era '
officio desia data, sob n. 110, quanlia de 840
correspondente ao premio e gralificago de 7 ma-1
rinhriros fnglezes que foram apresenlados por An-
dr de Abreu Porto como voluularios para o servi-
go da armada, os quaes devem seguir amanha para
a corte na corveta Brasil, segundo consta do citado
cilicio, deveudo esse pagamento ser eltectuado sob
miaba responsabilidade, so ni houver crdito.
Dito ao mesmo. Pode V. S. conforme indicou
era sua informagao de 13 do corrente, sob n. 488,
mandar pagar, sob minha responsabilidade, nos ter-
mos do art. 5o do decreto o. 2884 do Io de feverei-
ro de 1862, visto achar-se quasi exlincto o augmen-
to do crdito concedido verba eventuaes do mi-
nisterio da fazenda a quanlia de 2575395 rs., que
faliava para completar a de 37237S rs., que se
a dever ao ajudante do guarda mor da alfan-
so do Reg Barros, prove-
a cila, alm das pessoa* da sua co-
mitiva, as principacs autoridades, e muitas senho-
ras e cavalheiros, que foram nessa occasio aquel- .,
la real capella para melhor verem os augustos hos- visitar o observatorio do infante D. Loix e o ssa-eu
cw, .,..a a'u zoolgico da escola polytechoiea. Noobserraiorio
j/2hJL i i* honr* oma. fora d0 regiment foi onde SS. AA. mais se dem-raram ; virara rora
n laiS: r,'' qUe deP,s esteve todo forma- satisfgaos os instrumentos meteorolgicos e roag-
580 de 13 do corrente, autoriso V. S. a darl.aixa, Saram P Re^eneragao, quando suas altezas neticos e os resultados obtidos pelos mesrao*. Sab.
do servigo ao soldado do corpo sob seu commaudo j A .Ilustre princeza esea augusto esposo oraram rara depo,s das lrrS *"- e'do
nr>0J.'!a?da naaV h- m ^ a \m toara*, que encerra o corago do Sr. D.
Uilo o ine.-m,..De V. S. baixa ao soldado do i Pedro IV
KraV.?n^iM!\,,0.E5d0 JS Fe"ein,' ^' Ds,,ois de almoCarem, foram visitar a casa da
fe migado incapaz do servigo em inspecgao de cmara, onde se demoraran) muito lempo, vendo
ludo com particular alteugao, e contemplando as
reeordages que ali existera da poca memoravel
do assedio.
Visitaran] tambem a s episcopal eo edificio da
praga do commercio, e receberam pelas 9 horas da do reino visiuho at Lista*
noite lodas as pessoas que quizeram ter a honra bnel Arislisabal,
Dito ao chele da repartigo das obras publicas.
Em vista do que pondera Vine, em seu officio de
11 do corrente, sob n. 214, concedo a autorisago
que pede para mandar substituir por outro o lustre
do airio do theatro de Santa Isabel ; e bem assim
collocar un lampeo que falta na ponte por detraz
do mesmo theatro, correado a primeira de taes des-
pezas pela verba do art. 45 da lei do orgamento
vigente, como Vmc Indica em seu citado officio.
Commuoicou-se qaanto a subsliluigo do lustre l dade depositarios
directora do theatro.
de Ihes apreseular os seus respeitos.
No dia 21, suas altezas depois de ouvirem missa
dirfgiram-se aos pagos do conselho, onde foram
recebidos pela cmara municipal, e recolhendose
para o pago destinaram a sua partida para o meio
da, sendo acompanhados a esiago das Oevezas,
alm das pessoas da sua comitiva, pelo goverua-
dor civil do districto, general da divizo, vice cn-
sul do Brasil
seos usnas
asignados n'ura livro, que para esse fim Ibes apre-
senlaram.
No da 24 do crrenle as 9 horas da manha
chegaram a esla capital, vindos de Madrid, tai
trem real do caminho de ferro os ser. nissim..s se-
nhores infantes D. Sebaslio Gabriel e D. Chri.-iina
sua esposa, cora SS. AA. reaes os principes seas
augustos filhos.
5 AA. vieram acompanhados desde a frooieir*
pelo secador D. Ga-
aotigo ministro da fazenda em
Hespanha, marqae de Viaana e empregados su-
periores do caminho de ferro; S. A. real a sere-
nissima senhora iofanU D. Isabel Mara, besa eoau
o marquez de Su da liandeira e conle d'Avila, a
primeiro presidente do conselho e ministro da
guerra, e o segundo ministro dos negocios e-rran-
geiros e da fazenda ; o marechal conde da Ponte
de Santa Maria. comraandanie da diviso railit .r;
sul do Brasil, e varia pessoas de distmego desia 0 general de diviso cond
cioaoe. >a estagao foram suas altezas comprimen- campo de S. M. el rei D. Fe
__e da Foz, aju luol- de
estagao foram suas altezas comprimen- campo de S. M. el rei D. Fernando ; offlcia! do -s-
I ,s,r ,"" f I*880*' en're. ai L rL ,nS%qUe ******** a hnra dt Coulinho ; e outras pessoas de distmego espera-
X mm!S af cf l a vara na esiago principal do caroiobo de ferro os,
;\a estagao de Sonzellus, em consequenna da
interrupgo da via frrea, passaram suas altezas a
outro comboyo, que de Coimbra os viera esperar,
e chegaram ali pelas duas horas e meia da tarde,
sendo comprimentados pelo governador civil e au-
toridades e um grande numero de cidados.
Os estudaates brasileiros, que frequeotam a uni-
versidade, dirigiram a suas altezas urna felicita-
go, a qual suas altezas se dignaram responder em
termos lisongeiros.
O governador civil do Porto e vice-consul do
Brasil acompanharam o comhoyo real at Coim-
bra, e quando o governador civil se despedid dos
Ilustres viajantes, suas altezas o incumbiram de
significar aos Ilustres habitantes desta heroica ci-
Porlana.O presidente da provjncia, conforman- ,jes |ulas a ||,erdade.
fiis do corago do seu magoa-
! uimo av e seus dedicados colaboradores as gran-
i-"|des lulas da liberdade.
do-se cora a proposla do chefe da reparligao das | Suas altezas deixaram penhoradas nesta cidade
lubhcas datada de 4 do correnle, e sob n. | toJas as pessoas que tiveram honra de ,es se.
rem apreseutadas, pela affabilihade de suas ma-
202, resolve notnear o 2o lenle do corpo de en
genheiros Jos Tiburcio Pereira de Magalhes para
exercer Interinamente o lugar v?go de engenheiro
ajudante ''aquella repartigo. Fizeratnse as ne-
cessarias communicagoes.
Expediente do secretario do joveroo.
Da 15 de julho.
Officio ao inspector da thesouraria de fazenda.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda trans-
mittir V. S. as cinco inclusas ordens era dupliea-
ta expedidas pela repartigo do ajudanle general
reaes hospedes, aos qu .es foram prestadas as boa-
ras militares pelo regiment de inhalara a. i.
SS. AA. foram conducidas em carrnagenj da casa
real, acompanhados d'uma forra de cavallaria, ao
palacio do marquez de Vlanna.'em Pedroicos, onJe
os mesmos senhores forana hospedados.
Tinliam chegado no dia 20 pelo caminho .le
ferro, vindos de Madrid, os cavallos e carraagens.
perteocentes a S. A. o infante D. Sebastio. Sao 20
formosos cavallos da raga magnifica de Araojuez,
pertenceote a rainha de Hespanha, e om liro d-
mullas. Tudo foi cooduzido para o palacio de I' -
droigos que o marquez de Vianna otTereceo e pre-
para mu com magnificencia para recetar to du-
tinclo hospede.
(Coulinuar-u-ka.)
PERNAMRUCO.
neiras, e araenidade da sua conversago, que re-
velava os subidos dotes da sua intelligencia e jus- i
tificam o alto conceito em que sao tidos.
Por occasio da sua despedida suas altezas dis-
pensaram ao governador civil deraonstragoes d'a-
tt fiLS" )enhoraram a Priraeira autorida- - T^li i aiiali mpilTi 9? taulbo de
l- rafantaria Basiliano B.ndeira de Mello Cesar L o-
RBYIST DUIIA.
Hoje s 8 horas da manha na matriz da l .-
Visla, celebra o Exm. moosenhor Joaquim Pinto
de Campos urna missa pelo eterno repooso do pri
EXTERIOR.
COJ&KESPOIVDECIAS IDO MA
RIO DE PEBNA1HJBIJC
LISBOA.
28 de junho de 1865.
Um accidente imprevisto e que bastante me con-
trariou deu causa a que pelo paquete Ingles faltas-
se a correspondencia, alias feita, e que remeti
MINISTERIO I A UERRRA.
DECRETO N. 3488 DE 28 DE JUNHO DE 1865.
Faz extensivo aos individuos que compozerara as
gnarnigoes dos navios da esquadra sob o com-
maudo do visconde de Tamandar. o oso da rae-
dalha creada pelo decreto n. 3,468 de 8 de maio
niente da graticago e porcentagem que venceu
por haver exercido merinamente o lugar de guar-
da mor da mesma alfandega durante tode o mez
conjunctameute. Desta involuntaria ir'regularida-
de me absolvero os seus benvolos assignautes, e
como titulo sua indulgencia oderego onze para
doze annos de nao interrompida collaboracao.
O assumpio mais frisante nesta quinzena sem
duvida a muito agradavel e honrosa visita, que S.
A. a princeza imperial do Brasil e seu esposo se
dignaram fazer a esle paz, que por lao ntimos la-
SS. AA. encarregaram alera dsso o vicecnsul
do Brasil de procurar o governador civil, e apre-
seniar-lhe a expressao de sua alta benevolencia
pelos sentimentos de respeito e dedicaco, que ma-
nifestou pelos llluslres viajantes.
No dia 20 pelo meio dia passaram a cidade de
Coimbra SS. AA a princeza do Brasil e o principe
d'Eu seu esposo.
reiro, morto por occasio do combale naval em
Riachuelo.
Celebraram-se hontem efteciiramate os offl-
cios fnebres em suffragio d'alma do Mnelo ca-
pilo Pedro Alfonso Ferreira, na igreja matriz da
Boa-Visla, com assistencia do Exm. Sr. presdele,
do Exm. Sr. commaodanle das armas, de grande
numero de funcionarios pblicos e de ctnleaares
rfaAwFa3hia?'m S n*MV,"JM omar1a,ei de pessoas consideradas dsia cidade por sua pos.-
de Jsouza Holstein e vanas pessoas da sua coraiti-, - f^ ^
minhnT?Umprrae^ar^AAa,eSla?l0d?Ca'! * o Exm-raonsenhorPoaad.
o de ferro as autoridades e alguns particu-1 m|)Mi e no mmni o Rvm. Sr. padre Atas*
de Mello Albuquerqae, recitando diflereoies se-
nhores varias pecas com relagao ao dMiacto per-
rmci- nambucano, a quera se renda os ltimos deveres
lares.
No dia 21 pelas 2 e meia da tarde, voltarara
Porto aquella cidade, para della visitar
paes monumentos, onde eram esperados por lodas
as autoridades civis, administrativas e ecclesiasti-
cas, cmara municipal, vice-reitor da Unlversidade
e por ura sem numero de cavalheiros de todas as
classes, que alli foram assistir ehegada das au-
gustas persenagens, assim como tambem alli esla-
va urna guarda de honra de cavallaria e a philar-
monica Conimbricense.
Logo que SS. AA. chegaram subirara ao ar al-
gumas gyrandolas de fogueles, repicaran) os sinos
em divida de gralido pelo sen herosmo e pelo
amor nunca desmeolido, que consagrara a ierra
do seu nascimento.
Reassuraio o exercicio da directora geral da
insiruego publica o Sr. Dr. Silvioo Cavalcaoti de
Albuquerque.
Quando a autoridade ecclesiaslica, coa a sot-
licitude que Ihe proverbial, nao poopa esfrg>-
para a conservago e reedilicago das igrejas, nao
fora de proposito, qne chamemos suas vistas pava
jairao. | sea contrato, visto ter sido revogada essa rescisao
Attendendo aos relevantes servigos prestados na e continuar o mencionado arrematante na conclu-
campanh do l ruguay pela esquadra sob o com-, sao das obras relativas ao me*mo contratante,
mando em chefe do vice-almiranle visconde de Ta-1 Dito ao mesmo Constando de officio do chefe
mandar, hei por bem conceder aos individuos que. da repartigo das obras publicas, datado de hoje e
ilisado esse prazo e compozerara as guarnigtjes dos navios da mesma sob n. 221, que fra insuficiente a quanlia de.
tendo a nossa legis agao consagrado tai principio, esquadra, o uso da raedalha creada pelo decreto 297*550 rs. pedida para os reparos da casa de de-
como prova o art. 147 do cdigo do processo, que n. 3,468 de 8 de maio prximo lindo, pela forma' tengo, em consequencia de ler sido preciso fazer-
de maio ultimo, e de I a 8, 10 a 19 e 22 a 30 de gos de consaguinidade se acha vinculado s glorias
juuho subsequente, como se v do parecer da con- '
tadoria dessa thesouraria.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Autoriso V. S. de conformidade com a sua informa-
gao de II do corrente e sob n. 260, a mandar res-
tituir a Francisco Alves de Miranda Varejo, arre-
matante da conservago dolerceiio lermo da estra-
da do sul. a importancia da multa que recolheo a
essa thesouraria em consequemia da re.-ciso do
brasileiras. Sndam lodos os Poriuguezes este aus-
picioso facto Cumo um testemunho mais de inter-
nacional sympathia :
O governo tomou todas as providencias para
honrar a visita a Portugal da princeza imperial do
Brasil, e para Ihe fazer todas as deraonstragoes de-
vi Jas sua elevada gerarchia, e as relagoes do
prximo pareetesco que ligam as duas familias
reinantes de Portugal e do Brasil.
de acadmicos brasileiros, e oulros cavalheiros; e
depois seguiram em carro coberlo para a cidade,
onde chegaram s 3 horas, trazeodo frente bate-
dores, e sendo seguidos por nm esquadro de ca-
vallaria, por muitas carruagens e um numeroso
i concurso de povo.
Chegados que foram aos pagos do conselho, que
Expedirara-se, pelo ministerio da guerra, ordens I se achavara embanderados, subiram aoar algumas
terminantes ao governador da praga d'Elvas para gyrandolas de foguetes, e dahi seguiram para o
ter na esiago do caminho de ferro, prxima d'EI- pago das escolas universitarias, onde, logo que alli ]
vas, um regiment, que fizesse as honras militares chegaram, foram laugadas ao ar algumas gyrando-
a sua alteza. las e tocou a phllarmonica Boa-Uniao.
Ordenou-se mais que a artilharia da praca desse SS. AA., na visita que /.eram ao-palacio e esta-
as devidas salvas quando a piioceza ebegasse i belecimentos contiguos, mostraram grande salisfa
estagao. I gao por terem visto um dos primeiros estableci-
do todas as torres da cidade e a philarmonica Co- jo estado era que s acha a bem principiada igreja
mmbricense tocou o bymno nacioual. [ de Gameleira, cujo povoado lao populoso e lapor-
SS. AA. foram eolo curaprimentadas pelas au- taote, qne acaba a assembla provincial de crear
tondades, cmara municipal, por urna commisso [ alli duas cadeiras primarias de nm e ouire sexo;
alm disto ba oelle ama feira semanal e urna das
estagoes da lioha frrea.
A igreja foi fundada a esforcos dos zelosos eapa-
chmhos frei Casimiro e fre Fidelis, os qoaes d-i-
xarara-na em altara de recetar madeira : enir-un
tanto acba-se paralysada, ( e com o lado do oriente
quasi todo deteriorado, e do qual ti cabio om ;>-
dago ) s e nicamente por qne nao quizeram dar
aocarapina 120*000 para a collocaco das ditas
raadeiras e coberta. quando publico, qae anda
existe parte de 2:400*000 e tantos agenciados pora
tal obra ; quando existera 4 a S miltairos de le-
Ihas, qae vio seodo distradas at para cotair-se
estribarla quando em fim exislem lodas as ttasoq-
ras, cabraria, e mesmo a corda de car as madei-
/*
r
1


Diarlo de rernambnco - Qnart\ f:-a iO de tilho de 2 865.
I
ras, corda qua actualmcMe serve pura sustentar
batanea e pasar assucar Sao (actos pblicos all
e, que seodo escandalosamente pralicados, nao dei-
xam o menor viso de duvida.
12' pena, que a incuria de uue.m quer que tenha
sol sua admnistraga/aquella obra chegue a tal
ponto de deixar perder se urna igreja taobem prin
ci| iada, sob a invocago da Senhora daPenha.
lulgamos prestar um servigo iipondo este tac-
to, afirn de que ainda em tempo seja lomada a de-
vida providencia.
Temi S. Exe. etTectuado o respectivo ajuste,
dcve seguir para o norte o palbabole Georgiana,
no dia posterior a ehegada do Paran, afiui de con-
duair as malas do sul e da Europa com destino as
provincias que demoram aquelle lado do imperio,
sasfazendo por tal arle os interesses do commer-
cio, cojas correspondencias carecem de toda a pres-
teza eui sua expedigo.
Distribuimos boje aos nossos assignantos o
Almunak de Manual de Saude do Dr. Ayer, para o
uso dos negociantes, fazeudeiros, mchameos e to-
das as familias. Os remedios de que elle trata se
acham venda na pharmacm franceza, de P. Mau-
rer Chamamos a atiendo dos leitores para o ar-
tieo do Forum, que val em nossa 8.'pagina. Tra-
ta elle d'uma quesio de palpitante inleresse, que
merece prompto remedio.
II je eT.'ctua o agente Pinto o seu leilao de
um rico aderezo de ouro com hrilhantes, diferen-
tes obras de ouro e prata, conforme se acha an-
nunciado.
Sexta-feira 21 do correte, effectuar o referido
agente um leilo de movis no armazem da ra da
Cadeia n. 62.
Hemetiem-nos o seguinte :
Rogo Ihe o favor de fazir na sua Revista Dia-
ria esta simples pergunta :
Se, effectuando a companhia da estrada de fer-
ro a mudanga da eslagao principal das Cinco-Pon-
as para o caes do Ramos, pode essa eslagao durar
sempre ?
t Esla claro que nao, tanto que acha-se ella a
caliir ; logo preciso que a companhia ou faga, se
foi possiret, alguns reparos na que exisie, ou man-
de vir rmateos de ferro, portaleis que evitem ao
menos o damno causado pelas Choras nos geueros
coodozidos pela mesma estrada de ferro, como pre-
sentemente acontece.
Communicam-nos o seguinte :
Em breve, teremos a abertura ao trausito da
nova porte, de ferro do Recife, c esta cidade vai
sem duvida testemunhar mais este melhoramento
e o bello espectculo, que Ihe ha de ifterecer a il-
lamioagae particular legada, da ra Nova at a da
Cadeia do Rtcifo; pois que nos consta prepara-
re m se os respectivos commereiantes daqnelia ra
e os da .praca da Independencia e roa do Cabug,
para effeclurem o mesmo contrato de illumiuacao
com a ivmpauhia do gaz.
Na verdade, bello ha de ser o effeito que essa
illaminago noite produzira" para o passeio das
familias ; o e.-trangeiro que aqu vier, ja' lera' o
go-lo-de ver que nos vamos aproximando das bel-
las cidades da Europa, faltando-nos ainda muitos
OOtros niellioramentos, que comoconsequencia des
tes devem ir-se pondo em exeengo.
t Oesde ja' lembramos a iudispensavel demoli-
lo dos arcos de Santo Antonio e da Conceigao, lo-
go antes da abertura do transito. A existencia des-
es arcos hoje incompativel com o estado actual,
quer se considere pelo lado material, quer mesmo
pelo lado moral e religioso. Pelo lado material
vemos que o augmento extraordinario da edi-
ficagao e o aformoseamento da cidade reclama se-
meihante providencia: porquanto esses arcos,alm
de impedirem o livre ransito da grande massa de
povo que por all lera' de passar, sao por suas an-
tigs formas um completo antagonismo da actua-
lidade, urna anomalia perfeita.
Poueos sao os que opinara pela conservago de
semelliantes obras, e estes mesnios sao levados de
um infundado espirito de rellgio.
Se o arco do Senhor Bom Jess das Portas, que
era um monamente histrico, attendendose a con-
veniencia publica e ao aformoseamento da cidade,
foi demolido, como dever&o flear os dous de gue
traamos ?
Aquelle foi a porta da cidade do Recife, com
fortiheagoes aos lados, e que a piedade dos nossos
avs, depois das victorias assigaladas contra o in-
vazor hollaudez f.-z levantar sobre elle a eapella do
Senhor Bom Jess, e este', nada mais sao do que
duas entradas para urna ponte, que amigamente
loi ra de loias de fatendaa proporcionada a ptpu-
laem daquelles lempos, sobre as quaes tambem
collocaram esses oratorios.
t Nossos antepassados nimiamente religiosos,
i. iii n.iin signifiear a sua piedade chrsta por todos
os ugares, em todas as ras e buceos, arcos e fa-j
eh; das, e al mesmo as mais ridiculas tavernas,;
euconiravam-se nichos e oratorrus, cujos saotos
eram alias tratados com a maior irreverencia ; ho-;
je felizmente por prohibigao ecclesiastica, ja nao
vemos esses escndalos, e o triste espectculo que
por ahi se dava nestas festas de nichos, foco de im-
moralidades e irreverencias de todo o genero.
Estaremos hoje no mesmo caso ?
A uossa civihsago e os coslumes actuaes nao
admitiera, embora luvavei naquelle tempo, cer-
tos dzos dos nossos avs, enio podiam elles prali-
ca-los porque o paiz era outro ; sua legislaro di-
vena seus porlos trancados para estrangeiros.que
aqu nao vinha, nao commerciava e nem podia ver
as nossas piedosas miserias; porm hoje tudo es-
la' mudado.
A cada momento temos hospedes e hospedes
Ilustrados que nao deixam sem critica nenhum
dos nossos procederes, e no mais que tudo, temos
urna religiao que a verdadeira, amis santa, e
que por islo me>mo devenios acata-la e dar-lhe to-
da i, importancia, para que se nao diga, que somos
nos os primeircs a prophauar e a ridicularisar o
nosso culto.
Nao sirva, pois de pretexto o infundado esern-
pulo religioso para obstar urna providencia lao re-
clamada pela utilidade publica, aformoseamento da
cidade, e at mesmo pelo decoro e respeito divido
a nossa retii.
t Sejam demolidos os arcos e suas venerandas
lmagens transferidas para a igrejas, onde Ihe tri-
butaiemos um culto mais deceule e respeiloso. E
para que de todo se nao apague a memoria desses,
sejam nos muros lateraes dessa ponte, gravados os
dsticos que convierera relativos a sua existencia e
demoligo. Esla a DOSta opioio, a qual parece-
nos a mais acertada e a que mais se coaduna com
o nosso adiantamento, costantes acluaes e estado
de civilisagao.
REPAItTigAO DA POLICA :
Extracto da parle do dia 16 de julhode 186o.
Foram recolludos casa de delenco no dia lo
do corr>-ole:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Joa
quito Lopes da Cosa Albuquerque, vindo da pro-
vincia do Rio Graude do Rene, a dispostgodo Dr.
juiz municipal da segunda vara, como pronuncia-1
do r o artigo 264 do cdigo criminal.
A' ordem do subdelegado do Recife, Vicente Fer-1
reir da Silva e Joaqun) Maria de Abreu, para cor-
recro ; Adriano, escravo de um fulano Maia, por
fagnlo.
A' ordem do de Santo Antonio, Salvador Bellar-
minoda Silva, para recruta.
A' oidem do de S. Jos, Amando Jos dos San-
tos, por briga ; e Florencio, escravo de Jos Flix
Burgo* Pouce de Len, por ofTensas physicas.
O ihefe da 2." secgo.
J. G. de Mesquita.
Passageiros do brigue brasileiro Sh/mwi, sa-
bido para o Rio de Janeiro :
Aijostigo Ciapse, Jes Maria do Lago Braga, e 2
efiOravOS a eritregar.
l'as.-ageiro da escuna brasileira Formse, 6a-
lu I;, para o Rio Grande do Sul :
Candido Francisco da Silva.
Passageiros do hiale brasileiro Gracioso, sa-
fado para o Araraly :
Mguel Jos Kialho, Antonio Ferreira Antero,
Jos Antonio de Figueiredo.
Pa-sageiros da barca franceza Fgaro, sabido
para o Havre:
O cnsul de Oldenburgo A. Oammeya, sua se-
seohora e 3 ilhos menores.
.' sa de DErENgio.Movimento do dia 16 de ju-
Ihode 186/i :
Bxisliam 35't; ntraram 16;sahiram2 ; existem
368 i saber : nacionaes 27o: tstrangeiros23: mu-
llieres 7 ; esrangeiras 3 ; escravos 5 ; escravas
6 total 368.
Alimeniados a costa dos cofres pblicos 170.
M ivimento da enfermara do dia 18 de jolho de
186o.
Teve baixa :
Mariano, esravo, sentenciado, bronchite.
Lista dos baptisados e casamentos havido*
na freguezia da Boa-Vista, no mez de julho de
1865:
Anoa, branea, filha legitima de Manoel da Costa
Azevedo, e Jaciutba Ferreira.
Maria, branca,.iba legitima de Castririano Jos
T-.ivares da Costa, e Rosa Marlins Teixeira
L>opoldiua, parda, fllha legitima de Manoel Jos do
Bom Fim, e Generosa Francisca do Bom-Fim.
Dlmpina, branca, bina natural de Flauliana Maria
da ConceigSo.
Olyropio, pardo, filho natural de lgnez Maria da
Conceiga.
Hortencia, preta, filha natural de Joao da Costa, e
Generosa Maria dos Prazeres.
Melquades, branco, filho legitimo do Fernando
Barbosa de Carvalho, e Florlnda Cavalcante de
Albuquerque.
Jos, branco, filho lerjtimo do Dr. Abilio Jos da
Silva, e D. Maria Carolina Tavares da Sil-
veira.
Luiza, branca, filha legitima de Jos Moreira Lopes,
e Olympia Teixeira Lopes.
Hermino, branco, filho uatural de Valdivino For-
ra Gomes.
Candida, branca, filha legitirra de Joo Ferreira
Tavares, e Rosa Amelia de Lina Tavares.
Jos, {fardo, filho legitimo de Manoel Victoriano dos
Santos l'oi i n a e Hermina Calisla de Suiza.
Marta, branca, fiiha legitima de JoaoGuilherme
Ramer, e Anna Julia Ramer.
Lidia, branca, filha natural de Xislo Baptista Vteira,
e Auna Fi uctuosa du Curago de Jess.
Jos, pardo, filho legtima de Luiz Antonio da Rocha,
e Francisca Pereira Rolim.
Manoel, branco, lilho legitimo de Bernardo de Oli-
veira Gomes, o Fraucisco Paulo Moraes.
Joao, brauco, filho legitimo de Manoel Gomes de
Sa, e Maria das Heves e S.
Paulina, branca, lillia legtima do Dr. Antonio dos
Santos Siqueira, e Pauiiua do Siqueira Caval-
canti.
Luiz, pardo, filho legitimo de. Bjrnardino da Costa
Lima, e Lu>bella Heuriqueta Borges.
Deodora, parda, filha uatural de Uelphna.
Francisco, pardo, filho natural de Francisco da
Costa Ramos.
Rufina, parda, filha legitima de Constancio Jos
Francisco, e Refina Maiia da Conceigao.
Julia, branca, filha legitima do sargento Balthasar
Xavier de lleoezes, e Josepha Maria Xavier de
Heneces.
Jos, branco, filho legitimo de Jos Francisco de
Almeida Doria, e Jacinlba Maria de Jess.
Adelaide, branca, lilla legitima de Antonio Jacin-
tbo do Couto Soares, e Maria Jos Martins.
Francisca, branca, lilha legitima de Manoel Thomaz
de Freitas, e Aureliana Ferreira de Freitas.
Joao, branco, lilho legitimo de Antonio Oites Mar-
lins, e Fructuosa Francisca Ribeiro Oites.
Joaqu m, branco, filho legitimo de Manoel Joaquim
dos Santos Ferreir3, e Joaquina Maria dos San-
ios Ferreira.
Camilla, branca, lilha legitima de Daniel Cesar
Ramos, e Billa de Cesar Ramos.
Amelia, branca, filha legitima de Jos Francisco de
Souza Magalhaes, e Joaquina Maria de Castro e
Silva.
Zulmra, parda, filha natural de Guilhermina,
liberta.
Bernardo, branco, Gibo legitimo do Dr. Miguel
Floriano de Menezus Doria, e Candida Tbeodona
Dutra de Menezes Doria.
Manuel, branco, filho legitimo deMamel Antero de
Souza Res, e Anna de Jess de Souza Beis.
Antonio, branco, filho legitimo de Rodrigues Gomes
da silva Reg, e Herculana da Silva Amorim
Reg.
Germano, branco, filho legitimo deTheodoro Adol-
fo Damayer, e Rosa de Miranda Damayer.
Manoel, branco, lilho legitimo do Dr. Luiz Rodri-
gues Villares, e Amelia Adelina de Oliveira
Villares.
Quinlino, pardo, filho legitimo de Manoel Themo-
theu de Abreu, e Joanna Marques da Conc.i-
gao.
Guilherme, branco, filho legitimo de Joaquim Mar-
tins Moreira, e Amelia Augusta moreira.
Gastiio, branco, filho legitimo de Joao Pereira, c
Clementina Ayres Reg.
Casa atentos.
Alteres, Jeronymo Ignacio dos Santos, com Anto-
nia Julia Moreira; branco.-.
Felippe Brasileiro de Aodradu Lima, com J anua
de Barros Araujo; brancos.
Prudencio de Oliveira Cimente!, com Graciada
Augusta de Souza ; brancos.
Francisco Marinbo de Miranda Castro, com Mara
Leopoldina dos Anjos ; brancos.
Dr. Alc-biades Di acn de Albuquerque Llma.com
Filomina Januaria de Figueiredo; brancos.
Francisco Honorio Bezerra de Menezes. com Maria
Fortnala Carneiro Macbade Rios.
Cemiteiiio publico. Obituario do dia lo de
julho :
Henriques, Pernambuco, 3 metes, S. Jos, con-
vulsoes.-
Rosa de Lima, Pernambuco, ti metes, Santo An-
tonio, tumor.
Jos Soares Pinto Correa, Portugal, 52 annos,
casado, Boa-Vista, phthyslca pulmonar.
Mara Anglica da Conceigao, Pernambuco, 18
annos, soltura, Santo Antonio, pnthysica.
Francisca Maria da Conceigao, Pernambuco, 7
mezes, Boa-Vista, inflammago intestinal.
UliOM JUDICIAitiA
VlilHl'.VlL 1 V RELAy'lO.
SESSO DE 15 DE JULHO DE 1863.
PHESIDE.NCIA DO' i:\.\I. SU. C0NSEU1EIR0
SOLZA.
s lii horas da maulan, presentes os Srs. dos-
embargadores Santiago, Gitirana, Lourengo Santia-
go, Almeida Albuquerque, Assis, Doria, Motta, Do-
mingues da Silva e Barros Vasconcellos, fallando
os Srs. desembargadores Guerra procurador da co-
rea e L'choa Cavalcanli, abrio-se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
Jl'LGA.ME.NTOS.
Agijtacode petirao.
Aggravante, Dr. Joaquim Antonio Carneiro da
Cuoha Miranda; aggravado, o juizo. Relator o
Sr. desembargador Lourengo Santiago. Sorteados
os Srs. desembargadores Gitirana e Domingues da
Silva.Deram pruvimeoto-
Habeas-corpus.
Foi concedida a ordem pedida por Joaquim Af-
fonso de Mello, para o dia 18 do crreme, s 11
horas do dia.
Appellacoes crimes.
Appellanie, o juizo ; appellado, Joaquim Marian-
no de Araujo.Improcedente.
Appellanie, Lino Ferreira da Silva, por seu es-
vo Seraphim ; appellada, a justiga. Reformada a
sentenga em parte.
Appellares civeis.
Appellanie, Joao Lopes Cavalcante ; appellado,
Jos Antonio de Mendonga. De.-prezaram-se os
embargos.
Appellanie, Luiz Antonio Annes Jcome ; appel-
lado, Francisco de Salles CardozoLima.Uespre-
zaram-se os embargos sem declarago.
Appellanie, Bernardino Joaquim da Silva ; ap-
pellado, Joao Cardoso Pereira Guimaries.Nullo o
processo.
Appellanie, Joaquim Mauricio Wanderley e ou-
tros, appellado, Lino Ferreira da Silva. Con-
firmada a sentenga.
Appellanie, Dr. Manoel Carlos de Gouveia ; ap-
pellado, o vigario Jos Antunes Brando.Nullo o
processo.
Appellanie, AoLnio Alves Vianna ; appellado,
Jos Das da Silva.lndeferiram a petlgo do ap-
pellado.
DESIGNACAO DE DA.
Assignou-se dia para julgamento das seguin-
tes :
Appellagoes clvels.
Appellanie, D. Maria da Luz Teixeira Costa ; ap-
pellado, Jo> Joaquim Ferreira de Souza.
Appellanie, a irmandade de N. S. da Soledade ;
appellado-, os herdeiros de Jos Maria da Costa
Carvalho.
Appellanie, Jos Joaquim Ozorio e oulros; ap-
pellado, Luiz Paulino Cavalcaute de Albuquerque.
Appeliaote, Dr. Manoel Carlos de Gouveia ; ap-
pellado, vgario Jos Antunes Biando.
Appellanie, Dr. Beoto Jos da Costa Jnior; ap-
pellada, a irmandade de Santa Anna.
DILICBNCIA CHIME.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
As appellagoes crimes.
Appellanie, o juizo; appellado, Benedicto Ind-
gena de Lima.
Appellanie, Luiz Baptista; appellada, a justiga.
DILIGENCIA C1VEL.
Com vista ao Dr. curador geral
A appellagao civei.
Appellanie, Lourengo Bezerra Monleiro Caval-
cante ; appellado, Antonio Marques de Albuquer-
que Cavalcante.
PA8SAGBNS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Giliraua
As appellagoes civeis.
Appellanie, Ursulino Leite de Arrochellas; ap-
pellado, Jos Marta Cortez.
Appellanie, Manoel Lobo de Miranda Henriques;
appellado, Manoel ttlias de Moura.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
desembargador Assis
A appellagao nivel.
Appellantes, Pantaleao Margarida, eseravos ;
appellados, Juo da Silva Farias e oulro.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
As appellagoes civeis.
Appellanie, Antonio Evaristo da Rocha ; appel-
lada, D. Maria Magdalena de Albuquerque.
Appellantes, Prudente Ribeiro Pessoa Luis e ou-
tros; appellado, Ricardo Rogcrs..
O conflicio de jurisdiego entro os juizes muni-
cipaes de Bonito e Agua Prcla.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Molta
As appellagoes civeis.
i Appellanie, Joao da Cunha Pereira ; appellada,
D. Joanna Mara" das Dores.
Appellaute, Trislao Antunes de Alencar; appel-
: Iada, a fazenda.
Appellantes, Flix Souvage & C.; appellado,
| Leaudro Lopes Das.
Appellanie, Jos Soares do Reg ; appellado, Jos
Joaquim de Oliveira. .
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar- |
gador Guerra
A appellagao civel.
Appellante, Joao Pinto de Lemos Jnior v appel-
lados, Jos Borges Das e outros.
Do Sr. desembargador Domingues da Silra ao
Sr. desembargador Barros Vasconcellos
A appellagao civel.
Appellante, Joao Francisco Alves da Silva ; ap-
pellado, o pardo Antonio.
Ao Sr. desembargador Santiago
A appellagao civel.
Appellantes, Manoel Camillo Pires Falcilo e ou-
tro; appellado, Paulino Pires Falcao.
Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Santiago
A appellagao civel.
Appellante, o juizo ; appellada, Maria Bicuda de
Mendonga.
A' 2 horas encerare ae a sesso.
TEtlIIl VAL IM> COHJHBBCIO
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 17 DE
JULHO DE 1865. _
PRESIDENCIA DO EXM. Sil. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETT1.
s 10 horas da manha, estando reunidos os-Srs. |
deputados Rosa, C. Alcofoi ado, Basto e Mirauda |
Leal, e presente o br. desembargador fiscal, o
Exm. Sr. presidente declarou aberta a sesso.
I.id.i, foi approvada a acta da sesso antec-
deme.
EXPEDIENTE.
Foram prsenles os mappas dos trapiches Cu-
nha, Baro do Livramento n. 15 do Forte do Mal-
los e Companhia, relativos ao semestre lindo.
Vistos, archivem-se.
L'm ofBcio da junu dos corretores, com data de
hoje, remetiendo a cotago dos pregos da praga na
semana prxima fioda.Archive-se.
DESPACHOS.
No requerimento de Fraucisco Henriques Caris,
pedindo o registro do papel de arrendameolo dos
tres audares da casa da roa da Cadeia do Recife
n. 35, que Ihe fez Olympio Ferreira da Silva :
Registre-se.
No de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, pe-
diudo o registro da escriptura de hypottieca que
Ibes fez o coronel Jos Carlos Teixeira e sua nm-
Iher do engeuho Maguaepe de cima, sito na fregue-
zia de Muribeea :Registre-se.
No de Irineu Januario de Oliveira, estando sa-
tisfeto o despacho de 10 do correte, atim de ser
registrada a escriptura junta, na qual Antonio Aga-
piodo Monte Bello Ihe hypotheca urna casa tenca
de pedra e cal, sita a ra da Virago da cidade de
S. Jos de M -iljii. provincia do Ro Grande do
Norte :Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Villaga & Irados, sasfazendo o despacho
de 16 de junbo ultimo, para ser registrado o seu
contrato de sociedade :Registre-se.
No de Olympio Ferreira da Silva, agente de lei-
loes, apresenlando o conhecimento aoimpolode
seu efficio, para ser registrado :Regstrese.
No do corretor Francisco Mamede de Almeida,
pedindo tambem o regi>iro de igual conhecimen-
to :Regstre-se.
Com iuformago do Sr. desembargador fiscal :
No requerimento de Thome Lopes de Senna, pe-
dindo o registro de um papel de iunovago de con-1
trato que celebrou com seus credores, em vutude:
do qual obteve moratoria :Nao tem lugar vista
do parecer fiscal.
Ao de Jos Joaquim Gomes de Abreu, pedindo
ser admittido matricula :Matriclese.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente eucerrou a sesso s onze horas e meia da
manha.
Neste sentido, e para facidade dos que quizerem
subscrever, os mesmos abaixo assiguadus hoaber-
lo tres folhas de subscripgao por elles assignadas,
e collocadas as seguintes parles : a 1* no e.-labe-
lecimento do Sr. Sebastio Marques do Nascimen-
lo, esquina das ras da Imperatriz e Aurora, a 2"
na ra do Crespo na loja do Sr. Augusto Hygino
de Miranda, e a 3' na ra da Cadeia do Recife na
loja do Sr. Joao da Cunha Magalhaes.
Os mesmos abaixo asignados accordaram em
ser o ciixa das quantias arrecadadas o Exm. Sr.
desembargador Anselmo Francisco Perelll.
Recife, 14 de julho de 1865.
Antero Manoel de Medrtros Furtado.
Antonio Carneiro Machado Ros.
Nabor Carneiro Bezerra Cavalcanti.
A' mu certo atlvogado tiesta
cidade.
Pede se-lhe bem de sua repitlacuo baja de fa-
zer recolher ao carlorio respectivo os autos Je ese-
cugo, os quaes nao lem querido restituir depois
de baver feito com que se riscasse do protocollo a
seu recibo I Todas as diligencias que se ha em-
pregado para chmalo a seu dever, durante o es-
pago de dous mezes leem sido infructferas,com
ludo esperamos que no preflxo prazo de ires dias,
elle os faga apresentar no cartorio, quando nao, re
velaremos o seu uome como os promenores deste
fado menos digno, para por de subre-aviso, todas
as pessas empregadas no foro desta cidade, alim
de nao cahirem as ciladas desle here, que por
seus actos vai tomaudo urna trbte c<-lebridade I
O Louco da Parahyba
Theatro de Santa Isabel.
O eoiprezario do theatro de Sania babel, Anto-
nio Jos Dnarte Coimbra, constando Ihe que foi
designrda urna commisso encarregada de agen-
ciar urna subscripgao em ftvor da viuva e fllhns
do distinelo capitao Pedro Affonso Ferreira, heroi-
camente fallecido no combate naval de Riachuelo,
e nao podendo demonstrar os seus bous oficios de
amizade para com aquelle bravo militar seno pe-
los apoucados recursos de que dispoe, resolveu
dar brevemente um espectculo, cujo producto se-
ra' considerado como o contingente que assigna-
ria elle emprezario n'aquella subscripgao, em fa-
vor da referida v.uva e filhos.
O communicante, que tanto acompanha de co-
ragao os triumphos das armas imperiaes e em ge-
ra de todo e qualquer brasileiro, tambem se ins-
pira das emogoes da angustia e chora urna lagri-
ma sincera dos seus transes de dr.
Confia em que este seu contingente seja nobre e
cavalheirosamente robustecido pela cooperago dos
pernambucanos, sempre distinctos, aos quaes sen-
te-se ligado ha vinte e seis annos, pelos lagos das
mais gratas tradigoes.
Solicita desculpa, aquelles, em cujo beneficio of-
ferece essa ardente prova de sua consideragao pe-
la memoria do denodado militar da exJguidade da
offerenda.
Os bllhetes desde ja podem ser procurados no
escriptorio do thealro, e o espectculo sera' an-
nunciado logo que o numero de bilhetes vendidos
poder garantir urna certa somma em proveito dos
beneficiados.
SESSO
17 DE JULHO
Agua Florida de Murray e l\an-
man.
Com qoasi toda a certeza pdese por em duvi-
da seas mil e urna variaveis flores que adorna-
vam s derramavam to delicieso perfume sob o
verdescente jardim do Paraso :espalhavam urna
fragrancia mais pura e delicada na atmosphera,
do que aquella que se diffande e enche o gabinete
de vestir, ou Boudoir, no qual se haja aberto um
frasco desta ordoriphera e deleitavel agua de
cheiro.
Comparada com o passageiro e voltil cheiro
dessas essencias ordinarias, o seu mimoso e deli-
cioso aroma pdese chamar ioextinguivel, inapa-
gavel, emquanlo que por outro lado a verdadei-
ra quinta essencia em seu geuero.que de urna nia-
neira a mais viva, nos faz agradavelmente recor-
dar, trazendo-nos a mente o deleitavel e genuino
perfume das aromticas e florescenles flores;
n'uma palavra nella existe e floresce a belleza e o
encaotamenio. L
O volume do delicado aroma espargido de algu-
mas gotas derramadas sob o lengo, verdadera-
mente maravilhoso e deleitavel ; e como um ugra-
davel meio de resta bellecer desmaioS, vertigen* e
dores de cabega, assim como servindo de odorlphc-
ro adorno pessoa e ao paladar,quando usada em
dilugao como um emagoamento de bocea ou cos-
mtico, ella por ceno nao lem seu igual entre to-
das as rnais aguas cheirosas importadas.
Haja sentido, pois, em se examinar e ver que os
nomes de Murray e Lnman se achem inscriptos e
tmpressos sob cada envoltorio, letreiro ou garrafa,
pois que na falla dos mesmos nenhuroa verda-
doira.
Acha-se a venda as pharmacias de Caors & Bar-
boza e J. da C. Braule & C
JUD1CIARIA EM
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
s iiy horas da manha o Exm. Sr. presidente!
declarou aberta a sesso, eslando reunidos os Srs.
desembargadores Gitirana, Silva Guimares, e
Accioh, e os senhores deputados Rosa, Candido
Alcoforado, Basto, e Miranda Leal.
I.;Ja, foi approvada a acta da precedente ses-
so.
Foram assignados os accordos proferidos na
ultima sesso nos feitos entre parles :
Appellante, Jos Duarte das Keves ; appellados,
Os curadores Hscaes da massa fallida de Jos Mar-
ques dos Santos Aguiar & C.
Appellante, D. Mana Magdalena de Almeida Ca-
lando ; appellada, D. Anna Josepha Pereira dos
Saotos.
Appellante, o Dr. Ignacio Nery da Fonseca ; ap-
pellados, os administradores da massa fallida de
Siqueira & Pereira.
JULGAMENTOS.
Appellantes, D. Josepha Justina de Jess Gon-
galves e oulros ; appellados, Isaac Curio 4 C.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellados,
Costa & Filhos.
Adiados a pedido dos Srs. deputados.
Nao eslando presente o Sr. desembargador Res
e Silva, nao poderam ser propostos os feitos adia-
dos as precedentes sessoes, entre partes :
Appellante, D. Maria Magdaleua de Almeida Ca-
tanho ; appellada, D. Anna Josepha Pereira dos
Santos.
Recrreme, Francisco Teixeira Guimares ; re-
corridos, Teixeira Leile, Companhia i Sobriobo.
DESIGNAQAO DE DIA.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lemos ; appellados, Bozano Irmos.
Primeiro dia til : e sendo juiz certo o Sr. des-
embargador Almeida e Albuquerque, o Exm. Sr.
presidente dirigio-lhe um officio convidando-o a to-
mar parle em dito julgamento.
AGGRAVOS INTERP0ST0S DO JUIZO ESPECIAL
DO COMMERCIO.
Aggravante, Antonio da Cruz Ribeiro ; aggra-
vado, Joao Jos Pereira.
Aggravante, Joao Pinto de Lemos Jnior ; ag-
gravado, Antooio Ignacio do Reg Medeiros.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Aggravante, Jos Duarte das Neves; aggrava-
il. s, Jos Baptista da Fonseca e Antonio Jos de
Castro.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais havendo a tratarse encerrou-se a
sesso urna hora depois de aberta.
'iOSEMSlCIO.
Os abaixo assignados interpretando a geral sen-
sago dos Pernambucanos, c iamb m cordialmente
maguados pela mu le. do nosso bravo e honrado
comprovinciano o capitao Pedro Affonso Ferreira
no combate naval de Riachuello e condoidos do es-
tado inconsolavel e anuviada sorte de sua infeliz
vinvaa Exma. Sra. D. Virgina Zenandes Ferrei-
ra -natural do Rio Grande do Sul, e que entre nos
se acha ainda joven, pobre, sem recursos, e distan-
tes dos seus prenles e comproviovianos, lendo a
seu cargo a educagao de duas filhinhas herdeiras
unicamenles da estima, e honra d'aquelle finado, se
ho lembrado de promover urna subscripgao, com
o fim de formaren! um pequeo peculio como qual
possa a mes na viuva saiisfjzer as suas necesida-
des, e garantir a educagao de suas ditas filhinhas.
PRACA DO RECIFE.
Cotae-es officlaes.
18 de julho.
Algodo primeira sorte 20000 e 19500 por
arroba.
Duhourcq Jnior,
Presdeme.
Guimares,
Secretario.
Gaixa (ilial Pei'iiamliuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo bauco na Baha.
Novo banco de pernambuco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagam o Io dividendo de dita massa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
meliidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
Yovo banco de Pernam-
buco.
O banco descoma letras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de quatro me
zes, e a 10 0|0 at o de seis mezes
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
De ordem da directora desta caixa se faz publi-
co aos senhores accionista?, que o respectivo ihe-
soureiro est autorisado a pagar o 23 dividendo
do semestre findo em 30 de junho ultimo a razo
de 12,5 por aego.
Caixa filial do banco do Brasil 15 de julho de
1865. _
O guarda-livros,
Ignacio Nones Correia.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 17...... 272:412,8389
dem do dia 18............... 17:297^098
289:709^487
MOVIMENTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas___ 123
c com gneros..... 10o
------- 228
Volumes sahidos com fazendas..... 59
t i com gneros..... 361
-------420
Descarregam no da 19 do crrente.
Barca francezaS. Jean Maptislemercaduras di-
versas.
Galera francezaAmeliaiem.
Barca inglezaHidalgodem.
Barca inglezaS/cWabacalho e farinha de trigo.
Brigue InglezHai tnslon manteiga.
Barca ingleza- Vesionferro, e carvo.
Escuna portuguezaD. Joocharque.
Brigue nacionalCardiaidem.
Escuna diuamarqueza Dorana dem.
Brigue hdspanhol Vigilanteidem.
grigne Ingiez Ruthcarvo.
Patacho .inglezZerconcarvo.
luiportaco.
Vapor francez Extremadme, entrado de Bor-
dean!, consignado a Tisset fi eres, manifeslou o se-
guinle:
i caixa msica, 2 dila- legumes em conserva ; a
J. Vignes.
100 calas sardinhas, 70 ditas vlnho; a Joao da
Silva Faria.
1 caixa fil de seda, e dita tecidos, e dita amos-
tras; a Th. Christiansen.
1 dita mercearia; a Sour Magnin.
i caixa impressos, 2 barris vinho, 1 caixa alrao-
fada ; a Tisset freres.
4 caixas chapeos; a Cristian! freres.
2 caixas sanguesugas ; a I. A. P. Serodo.
2 caixas calgado, 1 dilo chapeo, 1 dita mercea-
ria, I dita coletes de lmela, 1 dila tecido de al-
godo, i dita dito de seda e algodo, 6 ditas filas
de seda e algodo, 1 dita cadernos, 2 pacotesamoss
tras; a Linden Wild A C.
I caixa chapeos; a Manoel B. da Silva Maga-
lhaes.
1 caixa lecido de seda; a Carneiro & Nogueira.
i caixa vdros; a E. Buurgeofc.
I dita livros e artigos; a J. Walfrdo.
_ I dita livros, sedas e chapeos de senhora ; a Jos
Noguera de Souza.
90 caixas queijos; a N. O. Beber 4 C.
II ditas diios ; a Vicente F. da Cosa & filho.
5 ditas dilos; a Duarle & C.
22 ditas ditos, 20 ditas sardinhas; a Antonio de
A. Gomes.
30 caixas queijos; a J. Pater & C.
20 ditas ditos ; a Tasso Irmos.
1 barril vlnho, 2 ditas stereoscopio, artigos de
Pars e roupa; a Eugenio & Mauricio.
2 J barris, 6 caixas, vinho; a L. Puech.
6 caixas manteiga, 1 dita salame; a Keller & C.
o caixas cognac ; a A. Dufour & C.
3 barris vinho ; a Mouron & C.
4 caixas louga ordinaria ; ao baro do Livra-
mente.
1 caixa mercearia, 1 dita ferro em obra, 2 ditas
artigos de ferro e ac; a F. Dubarry.
1 .caixa licor, 1 barril vinho ; a Laport.
50 caixas aguardeote; a Olio Rubers.
1 dila joias de ouros e artigos de Pars; a Olto
Beben.
2 caixas calgados; a J. F. dos Santos Porto.
1 dila joias; a LebmaBB freres.
3 caixas tecido de algodo, mercearia e modas j
a E A. Burle \ C.
2 caixas sangoesugas; a llamse Silva & Genro.
1 caixa mercearia lina;'a Guioseppe Bartho-
lomeu.
1 caixa coifas, roupa, joias falsas, 1 dita tecido ;
a Ilenrique & Azevedo.
1 caixa effoilos usados; a Siqueira.
1 dita mercearia ; a ordem.
1 dita dita ; a Alves Hamburger & C.
1 dita calgado; a A. R. Pinto.
1 caixa calgado; a A. A. dos Santos Porto.
1 dita roupa e modas; a Buessard Millochau.
1 dita objectes de sirgueiro; a Monleiro Lopes
& C.
2 caixas calgado; a L. A. Siqueira.
1 garrafa coral: a I). T. A. A.
1 caixa litas e luvas; a C. J. Alves Guimares.
1 dita artigos de Pars; a Vaz 2 ditas amostras ; a Mello Lobo A; C.
1 dita conservas alimenticias: a O. Laporte.
1 caixa cutileria; a Poujet G.
1 dita escovas; a J. Ramos.
1 diti instrumentos de cirurga; a Souza.
1 caixa amostras; a Moohard & C.
1 dita livros; a Buarque de Macedo.
I dita ditos; a F. G. de Oliveira.
1 dita apparelho elctrico medical; a Manoel Oli-
veira & Filho.
1 dila albuns; a Jos de Vasconcellos.
1 dila amostras; a A. C. Abreu.
1 dila Busnore; a Miguel Jos Alves.
1 dita sedas; a G. Paes do Amaral.
1 dito impressos ; ao consulado portugnez.
1 dita palheta ; a Manoel Duarte Rodrigues.
1 dita livros; a Jos Francisco Araujo Guima-
res.
1 dito mercearia ; a T. A. Fonseca.
2 ditas pentes ; a A. Luiz Machado.
1 dita livros; a L. Antonio dos Santos.
Vapor nacional Mamanguape, entrado dos portes
do norte, manifeslou o segunie :
De Natal.
70 saceos assucar mascavado; a Jos Jernimo
Monleiro.
19 saceos algodo; ao Dr. Gabriel Soares Rapo-
so da Cmara.
31 volumes couros, 82 libras de cera ; a ordem.
Da Parahiba.
8 saceos pimenta da India ; a Trajano da Cunha
Mello.
Do Acarac.
360 melos de sola; a Antonio R.do Amaral.
100 dilos dila ; a J. Jos de C. Moraes.
151 ditos dita; a Jos de S Leito.
4 caixas queijos; a Jos Rodrigues Ferreira.
7 barricas sebo; a Fernandes& Irmo.
De Maco
33 couros salgados, 19 dilos espichados ; a Al-
fredo & Matheus.
3 garajaos e caixote carne e queijos; a Joo Fer-
reira des Santos Jnior.
36 saceos algodo: a Albino Amorim &C
2 garajos carne, 2 barricas cera de abelna, 2
caixoes carnauba, 6 molhos courinhos curtidos; a
Manoel de Souza C. Pimpo.
2 caixoes carne e 62 saceos com algodo; a or-
dem.
20 saceos carnauba, 2,000 molhos courinhos cur-
tidos ; a Bernardino Jos Monleiro & C.
Do Aracaty.
20 caixas velas de carnauba ; a Joo Joaquim
Alves.
3 caixoes carne ; a Domingos Rodrigues de An
drade.
6 saccas algodo; a L. A. Siqueira.
1 caixao carne ; a Guimares & C.
22 saccas algodo, 60 molhos courinhos curti-
dos ; a Eduardo G. Valenle.
34 caixas velas de carnauba, 26 saccas algodo ;
a Penna Azevedo & Irmo.
95 caixas velas de carnauba ; a Francisco G. de
Mallos Jnior.
Bergantn) hespanhol Beatriz entrado de Barce-
lona, eonsignado : a Maure Romaguera & C mani
festou o segumte :
87 pipas, 16 meios ditas, 335 barris de quioto,
e 190 ditos de dcimo com vinhos; aos mesmos.
Exportaco.
Brigue portuguez Soberano, carregou o para
Lisboa, o segrate :
1,090 saceos com 5,450 arrobas de assucar bran
co, 910 ditos 4,550 arrobas de ditos mascavado, 59
cascos 2,411 medidas de niel, 100 saceos 200 al-
queros de farinha de mandioca, e 24 pranxoes de
vinhalico.
Patacho hnllandez Hendrick Haerman, carregou
para o Canal, o seguinte :
3,"4I saceos cora 15,205 arrobas de assucar mas-
cavado.
Brigue portuguez uezenoce de Inlho, carregou
para Lisboa, o seguinte :
9 barricos e 1.340 saceos com 11,221 arrobas e
25 libras de assucar branco, 60 saceos com 300 ar-
robas de dito mascavado, 110 couros seceos salga-
dosf.com 2,200 libras, 30 saceos com 600 alquei-
res de farinha de mandioca e 10 pranches de vi-
uhalico.
Brigue inglez Melita, carregou para Liverpool
pela Parahiba. o seguinte :
1,350 saceos com 6,730 arrobas de assucar
branco.
Barca ingleza Favorita, carregou para Liverpool,
o seguinte :
1,050 saceos com 5,330 arrobas de asucar mas-
cavado, 1075 saccas 3,834 arrobas e 22 libras de
algodo.
Escuna hollandeza Tomma Sytse, carregou pura
Gibrallar, o seguale :
3,100 saceos com 15,300 arrobas de assucar mas-
cavado
Sumaca hesponhola Merceditas, carregou para o
Rio da Prata, o seguinte:
343 cascos 42,976 medicas de agurdente.
Sumaca hespanhola Antitla, carregou para o Rio
da Prata, o seguinte :
225 barricas 1,585 arrobas e 26 libras de assu-
car branco, 30 ditas com 235 arrobas e 4 libras de
dito mascavado, 221 cascos com 35,102 medidas
de agurdente.
Barca ingleza Alhance, carregou para Liverpool,
o seguinte :
t,t00 saceos eom 10,000 arrobas de assucar
mascavado, 1,322 dilos eom 6,813 arrobas e 7 li-
bras de algodo.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 17...... 21:949100
dem do dia 18................ 501*929
1QVIMERT0 SO POBTO
Navio entrado no da 18.
Trieste-67 dias,esenna ingleza Henmmh Omer,
de 127 toneladas, capitao F. Nance, rquipi>
7, carga Ki95 barricascm farinha it trino ; a
N. O. Beber Successores. S-goi para o Fio de
Janeiro.
Navios fallidos no mesmo da.
Rio de JaneiroBrigue \,r.MW'xro Siqnrira, capi-
tao lAutonio Francisco dos Santo, carga aa-
sucar.
Rio Grande do Sul Es una brasil- ir* Fwtmta,
capiao Antonio Francisco de Sonza, carga as-
socar.
Aracaly-Hiale brasileo Graeioza, rapilo Ja.
Gomes da Costa, carga fazendas e oolr g-
neros.
HavreBarca franceza Fig, rapto Micbel, car-
ga couros e outros gneros.
EDI?1.
22:451*829
Rendimento do da i
dem do dia 18.
CONSULADO PROVINCIAL.
a lf..
77:421*351
1:875*994
79:297*347
Domingos Affonso Nery Ferreira, commeodador
das imperiaes ordens da Rosa e de Cbrlslo, coro-
nel coinmandante do 1 batalho de infamara
da guarda nacional de^le municipio, eomotao-
dante superior interino, e prcaMaMi do o n-dho
de revista da mesma guarda nacional por S. M
Imperial a quem Dos guarde etc.
Fago saber, que na lerceira dominga do presen-
te mez (23 do crrente) se reunir o con*e:lo d,
revista da guarda nacional, na 'ala das ses'-- da
cmara DUttieipaJ desta cidade, as 10 horas da
maulla'., afim de tomar corln'cimcnto dos recursos
que versaren sobre os casos no art. 33, e qoe fo
n-m iuterposlos pela maneira determinada no mi
38 das iu-truccoes n. 722 de 25 de oulubro de !8>*V.
E para constar mandei publicar pela un.-r-n.-a.
Quartel do commando superior do Recife 1 i
julho de 1865.
Domingos Affonso Nery Ferreira.
O Dr. Trislao de Henear Ararla*, olDcial da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz de direito especial de
commercio, nesta cidade do Recife de Vrnaoa-
bnco, por Sua Magesiade Imperial e Constitucio-
nal o Sr. D. Pe'ro II, a quem Dos guarde ele
Fago saber pelo presente, que a reqoerinv oto de
commercianle Miguel Arebanjo de Figueiredo, se
ai ha aberta a fuilencia do commercianle Manuel
do Amparo Cajii, pela sentenej do theor seguinSe :
-Mi; i raudo-se pelas Piras junla-, e inqairigo a
que se procedeu, que o cuinmercianle Manoel do
Amparo Caj, se acha em otado de insolvencia,
hei por aberta a sua (alinete, a datar Jo dia 3 de
junho prximo passado. Notten para curador da
massa fallida o credor supplicanle Miguel Arehao-
jo de Figueiredo, e afim de noraear-se depositario,
sejam convocados os ere lem para o dia 19 do cor-
rate mez. Publique se a Ml-ncia por tdltaes,
dispensando a opposig.io dos s-llos, atiento o reqoe-
do, proceda-se aos actos de inventario e arreeada-
go amanha as 10 do dia, e enlo oomeare depo-
sitario interino, quem se entregaro os bens in-
ventariados. Pague a masea fallida as cusas.
Recife, 13 de julho de 1863.Trislao de Alencar
Araripe.
Seguindo o que assim se continha em dita sen-
tenga aqu transcripta, e em observancia da qual c
respectivo escrivo qe esta subscreveu e le nas-
pas o prsenle, pelo qual e seu theor sao convoca-
do- lodos os credores do mencionado fallido, atim
de que, reunidos todos no indicado dia na sala das
audiencias, procedam a nomeago de depositarle
ou depostanos, que reeebam os bens da referida
massa fallida.
E para que chegue ao cinhecimenlo de todos,
mandei passar o presente que era publicado pela
imprensa e afilxado uos lugares do costme.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos i7 de julho de 1863.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevj.
Trislao de Alencar Ararle.
Por erro do compaginador tiao sabio hon-
lem este edital, estando na lypographia des-
de ao meio dia.
O Dr. Francisco de Araujo Barro*, eavalleiro da
imperial ordem da Rosa, juiz municipal da --
gunda vara e preparador dos proceros do jorv
desla comarca do Recife, por 8. M. o Imperador
que Deus guarde, ele.
Fago saber que pelo Dr. Man*el Jos da Sil-
va Neiva, juiz de dlreilo da segunda vara criminal
desla comarca, me foi communicado ler desigaade
o dia Io de agosto prximo vindouro, pelas tO ac-
ras da manla, para abrir a quarta sesso do iory
que iraballiara em dias consecutivos ; e tiaveado
hoje procedido ao sorteio dos 48 jurados que lem
de servir na mesma sesse, em conformidad-- d^
art. .128 do regulamento n. 120 de 31 de janeire
de 1842; foram sorteados e designados os cidadacs
seguintes :
Freguezia de S. Fre Pedro Gongalres.
Evaristo Ignacio Cardim.
Luiz Antonio de Siqueira Jnior.
Dr. Jos Joaquim de Souza.
Jos de S Leito Jnior.
Cosme Jo. dos Santos Callado.
Jos Bapti>ta da Fon.-eca Jnior.
Ludgero-de Salles Oliveira.
Freguezia de Santo Antonio.
Manoel Jos Pinto.
Bernardino de Sena Honlnal.
Miguel Francisco de Souza Reg.
Antonio Marlins de S-abra Lemos.
Candido Antonio da Malta e Alboquer-iae.
Agostinho Jos de Oliveira.
Dr. Rufino Augusto de Almeida.
Luiz Pereira de Faria.
Dr. Maximiano Lopes Machado.
Dr. Lourengo Avelrao de Albuquerque Mello-
Jos Egydio Ferreira.
Miguel Bernardo Quinleiro.
Augusto Cesar da Cunha.
Dr. Hermillo Duperrun.
Luiz de Franca Oliveira Lima.
Freguezia da Boa-Vista.
Dr. Joaquim Jos da Fooseca.
Dr. rJduardo de Barros Falco de Lacerda.
Jos de Vasconcellos.
Antonio Jos Teixeir i Bastos.
Dr. Joo Capisimno Baadnra de Mello Filho.
Tenente-coronel Jos Lucas soares Raposo na C-
mara.
Joo Pedro de Jess da Malta.
Antonio Jos Leal Res.
Dr. Amaro Joaquim Fonseca de Albuquerque.
Domingos dos Panaoi Miranda.
Dr. Joo Juvencio Ferreira de Aguiar.
Francisco de Barros Falcao Cavalcanli de Alfcn-
querque.
Antonio Ferreira da Annun?iago.
Dr. Joaquim da Costa I).jurado.
Joo Vicente da Silva Costa.
Dr. Gervasio Rodrigues Campello.
Domingos Antunes Villaga.
Freguezia do Pogo.
Joo Paulo Ferreira.
Francisco de Paula do Reg Barros.
Jos Theodoro de Sena.
Jos Camillo do Reg Barros.
Ilenrique de Miranda Henriques.
Freguezia da Varzea.
Antonio Pedro Cavalcanli de Albuquerque.
Freguezia de Jaboalo.
Ignacio Francisco Cabral Cantanil.
Manoel Gomes dos Santos Pereira Bastos.
Freguezia de S. Lourengo.
Bernardino Z ferino de Miranda Albuqoerjge.
A todos os quaes e a cada um de per al, kena
como a lodos os int-.-ressados em geral, se convida
para comparecerem no primeiro andar da eaeaejM
foi cadeia, na sala do jnry, tanto no referido da e
hora, como nos demais dias seguintes emqaaat*
durar a sesso, sob as penas da le, se fiHir
E para que chegue a noticia a todos aaandei (n-
sar o presente edital, que ser lido e afiliado aos
tugares mais pblicos c publicado pela iaipimni_
e tambem rem< tter ignaes aos respectivos snMe-
legados, para pnblica-los e maodarem. fuer a* m>
ti lie a roe.- necessarias aos jurados, aos culpadas e
as lestemunhas que se acharem en seos *>frlllii.
Cidade do Recife, 15 de julho de 1863.En Joa-
quim Francisco de Paula Esteves Clemente, escri-
vo do jury o escrevi.
Franmeo de Aramjt
Pela inspecgo da altandega de
se faz publico, que a porta da mesma no da 19 do
crrente i hora da tarde, se bao de arrematar
livre de direitos, em virtode do disposte m> art
299 2 do regulameniode 19 de setembro de I8C3,
as segrales mercadorias :
Letreiro-Seve Filbo & O, 1 embruo i
livros de amostras de (hilas em i
valor 14-
Um dito com 19 relalhos de madapoUo, pesa %
qaidu verificado 2 libias, valor 14.



mmmm*
mtmm
i l>larlo d ri_anilmv- 4*nai'U c!a _B de fnlh< tf* 4#S.
-------_
-----1
"a*"->
20 retalhos de panno de algodo cr Uso, mcdin-
do '.) varas (4;, valor 2*100.
3 ditos de dito eulraugado, mediado 2 varas (4),
valor Bul} rs.
7 livros cura paqueaos r \f>i i*.
tetreiroiC. Caldaspacote n. 515, urna lata cora
Hitadnos de chita comtunri, peeo liquido verificad)
2 libras, valor 1*200. |
8 retalhos de madapolo, peso" liquido veriflcado,
i libra, valor 300 rs.
5 retalhos de panno de algodo cr liso, medindo
l vara (4), valor 233 rs.
Marca S. F. S. G. um embrulho com retalhos de ',
madapolo, pes) liquido verificado 1 libra, valor
5(Ki rs.
36 retalhos de panno de algodo cr, medindo 16
varas {'i, valor 3*733.
1 retallio de dito entraoeado, medindo 1 vara (4)
valor 333 rs.
T. R. urna caita de madeira contendo 1 1[2 libra
de velas siearinas, valor 900 rs.
O. L S. 16 livros impresos eneadernados com
capa de ouro, peso liquido verificado 30 libras,
valor 30.
Peso liquido verificado 2 libras de livros brocha-
dos, valor 2.
D. G. 4 C. 4 livros com amostras de fazendas,
vabr 15. ,
1 embrulho contendo 29 retalhos de castores de
algodo medindo 2 varas (i), valor 2#.
\avcga
Obras publicas.
Pela repartido das obras publicas se faz scleute
que na ponte da Tacaruna ja est livre o transi.
Repartido das obras publicas 13-de jumo de Parahyba,
1865.O secretario interino,
_____________Manoel Lourenco de Mattos.
Arsenal de guerra.
0 conselho Be compras do arsenal de guerra
precisa comprar o se^uioie :
Em virtude da ordem da presidencia de 11 do
corrente.
Para provimelo do almoxarifado.
SO arrobas de cabo velho de linho.
10 ditas de estopa deembira.
2 duzias de costadinhos de pao carga.
1 arroba de rame de forro.
1 o
COMPANUIA PBJN'AMIUT.ANA
otosteira por vapor.
tal, Maco, Aracaty, e Cearj.
-'"No dia-22 as 5 horas da turdc,
segu o vapor Mamanguape
para os porlos cima indicados.
Recebe carga desde ja' al odia
21 ; encommendas, passageirose
dinheiro a fn-te at as 2 horas da tarde do da da
sahida : eseriptono no Porte do Mattis n. 1.
illslillllO
Peraam--
Archaljgieo c Geogrijihico
bncano.
ver s-ssja ordinaria quinta-feira, 20 do cor
pela> I i horas da manila.
* ORDEM DO DM.
Trabalhos e pareceres de commiss5es
.-t'crelaria do instituto, 17 de julho de 1965.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perneta.
fWTY{>f(O
Para o Para, com escala peio Maranhao, pre
tende sahir em poucos dias o lugre Emilia, capi-
to Bernardino Rodrigues de Almeida, tem a
maior parte da carga tratada, e para o resto que
Ihes falla, tratase com o consignatario Joaquim
JosGoncalves Beltrio, na ra do Vigario n. 17,
liiintal de ferro em verquinhas de i 1|2 oitava primelro andar,.
Rua da sti-una numero 38.
Neste estabeleclmento acham-se v.mda os se-
j guintes objectos, todos da primeira qualidade, e
', construidos especialmente para esla casa, pelos
mais acreditados fabricantes ingtezes :
Machinas a vapor de 2 l|2 a 8 cavallos, com
moendas, juntas e sem ellas ; e uoibem proprias
! para descarogament de algodao, afamadas pela
fortidao, simplicidade e economa em rombustivel,
se extialli- e por nao precisar de obra qualquer para seu as-
CASA DA FORT
Aos 6:000|000.
'I
l
de grossura.
8 ferros para soldar folhas de Flandres.
14 jogos de alicates.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos,
apresentem suas prposlas na sala do conselho, no
da 19 do corrente, as 11 horas do dia.
Sala do conselho de cmipras do arsenal de guer-
ra, 13 de julho de 1865. encarregado da es-
cripturacao,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
O IlirnTSr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cnmprimenlo da ordem do Ex ni. Sr. pre
co^^ta0^!^^^ g"e,a de Santo Amonio,
lugre Emilia, capitao Bernardi- Os bhelos, meios e quartos estao a ven-
no Rodrigues de Almeida, por da na respectiva thesouraria a ra do Cres-
tera maior parle da carga Ir* po numero 15,
,. tratase com ?*{S TSJB 1K O. premios de 6.000*000 al0*000
G.waivM BMc#a,oa ra do Vigario a. 17, pn-,*erao pagos unta ora depois daamtraccao
LOTERA
AOS 6:000,^000.
Sabbado 22 do corrente mez,
r a Ia parte da Ia lotera f"_4a) a beneficio esntamenio.
. .-4. ,_ ...; .i; ,io Rodas d agua de ferro, svslema mu proveitoso
da matriz de Agua Prela.no consistorio da da"orca d'agua.
igreja de Nossa Senhoia do Rosario da fre- ( Rodas de espora, e angulares, e de esquadnlha
para animaes.
Para
niBiro andar.
COMPANHlA'PfimMfil'CANA'
DE
H. S. C. n. 919, nma caixa coutendo 23 livros sjjeU[e da proviocia, manda fazi-r publico, qoe no
grandes de amostras de cassas, valor 0$.
Marca 6 sinos Saloraao, 1 carto contendo qnatro
pares de meias-de linho grandes curtos para ho-
mem, entrefinas, duzias de pares 960 rs., valor
1,5066.
Marea B. 1 embrulho contendo 6 livros com
amostras de foseadas, valor 300 rs.
D. G. & C. 2 emhrolhos contendo urna camisa
de ponto de meia ordinaria, valor 500 rs.
Pares de meius de linho granJes curtas para ho-
mem, entre 111a, valor 1560'.
3 pares de nielas do algodao compridas grandes
e entrefinas, valor 15- ....
Sui 111 irea urna caisa conloado cachimbo de
verificado 6 libras,
dia 20 do corrente, perante a junta da fazenda da
mesma thesouraria, se ha de arrematar a quem
mais der, um telheiro que existe junto a ponle do
Motocolomb, avahado em 185.
A arrematacao lera lugar no referido dia pelo
meio dia, sendo as propostas em carta fechada.
E -para constar se mandn publicar pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco II de julho de 1865.
O secretario,
A. F. d'Aonunciago.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes faz publico, que em virtude da al-
teragao 3" do decreto 2719 de 31 de dezembro de
18C0, nao julgando conveniente que
ec.o ordinario, peso liquido
valor 132OO. 18C0, nao julgando conveniente que continuem
S C 1 embrulho com 8 livros Je amostras de em poder dos cobradores os conheclmentos do 1-
fazendas valor 1-3. semestre do exerciem de 1864 1865 dos impostos
li S 1 embrulho com 4 livros de amostras de de -20 0|0, imposto especial e decima addicional de
fazendas valor "iOO rs. mao-morla, ordenou o recolhimento delles, princi-
Sino Saloraao 1 embrulho comeado um par de piando pelo bairro de Sanio Antonio, cujo debito
meias pretas de algjdo eompridas e grandes, va- superior ao dos mais, atlm de proceder a liqui-
lor 333 rs dacao de conformidade com os artigos 4- e 5; das
Sera marca um cartao contendo um torpinho de instruccoes queacompanharam o decreto 2354 de
vestido de fil de lifilo, valor l-JJOO. 16 de fevereiro de 1859 que em quanto se esta
Semnurca 13 tubos de ferro estando 1 vasio a organisando a relacao dos devedores do referido
pesando os 2 brutos 190 arrobas e liquido uao ve- bairro, Ihes permettido virem aqu pagar os seus gul0 ,it Sjuza, na pra^a do commercio.
ncado 161 airnhas de burrilhas do commeren re- dbitos atira de evitarem a tubraoca jodela
Xavegaco costelra por vapor.
Presidio de Fernando.
Seguir' um dos vapores da
companhia no dia 29 do corrente
as 10 horas da maohaa. Recebe-
ra' carga, encommendas, passa-
geiros no dia 28 at as 4 horas
da tarde : esenptorio no Forle do M^itos n. 1.
i;io (iramlc .o Sul
Segu oestes qualro dias o brigue nacional Sahy,
e recebe carga a frele.__________________________
Para o Porto
sahir por Iodo este mez o brigne porlogoez Umao,
recebe o resto da carua e passageiros, e traase
com o consignatario Thomaz de Aqnino Fonseca,
ra do Vigario n. 19, primeiro andar, ou com o
capHo na pra^a.
Para Lisboa
segoe com muita brevidade o brigue portuguez
Flonnda, ao qual falta apenas um resto de carp a
frele : quem a ijuizer dar, pode dirigir-se a tratar
no escriptorlo de Amorim Irmaos, ra da Cruz n.
3 : para passageiros. aos quaes offerece excellen-
tes commodos, Irata-se com o capitao Joaquim Au-
at as i ho.ras da tarje, e qs outros depois
da dijtriUpio/iodas lisias.
As eiico:t>teri.!;s a rSo guardada* so-
mente at a noite da vespera da extracto
J-eomo de costume.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
O Sr. Aisenio Antonio
Cunta Miranda queira
Independencia n. 6 e 8,
fallar.
da
da
que se precisa
ingir-se a
Carneiro
prai;a
Moendas e meia-monudas.
Taixas de ferro batido o fundido, e de cobre.
Machiuas para destrocar algodAo, syslema
Platl, cera os ullimos ralhoramsnlos.
Boceas e envos de palcnle para fomalhas, dimi-
nuindo iniiiio o gasto do combusiivel.
Machinas e machinlsmos para moe mandioca,
movidas a vapor, agua ou cavallo.
Fornos e chapas de ferro batido para coser fa-
rinha.
. Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes, fuos e porlatils.
Prensas para copiar cartas.
Rodas para carro de engenho com eixos e man-
gas de patente.
Formas de ferro batido galvanizado para purgar.
Serras de ac e irmicoes de serrara.
Arados de ferro singelos e dobradjs, grades para .
cubrir cauna, enxadas a cavallo, e outros lustra-
mentos de agriiuliura.
fllllhele* garantid*.
A' Rl'A DO CRESPO N. 83 K CASAS DO OMf'VR
O abaixo asignado venden 1.0* seos rmiit'
zes hilhetes garantidos da Iclr-ria qne s* arab
de etrahir, a benelirio d.i> fan.ilu- Jj uiv^n-
tanos da patria, o< .-egnintes pr-mios :
Um quarto 11 2770 com a .ti.- A.- 6 mKf* >
l'fii meio n. 9! rom a .-01 le de Li
L'in meio n. 805 com a surte de WJ>5ni>.
E outras muitas sortes de 10<, '*>, 2> *
105000.
Os ;jossaidores podem vir recelar seos r^si*-
livos premios sernos MMMN da leis aa O*
da Fortuna a ra do Crespo B. 23.
Acham-se a v^nda os da I* parir da I' l< \ (2V") beneficio da matriz de Anoa ITrta. .|U
se extrahir .-abbado 22 do corrent".
PREGO.
Bilheles. ". 7OtH
Meios......:i.'iO
Quartos.....1*91)0
as pesstas que camararra it 1*0 >0 >>
para cia.
Hilhetes.....64500
Meios......3*750
Quartos.....157. 0
Ma.NOF.L M.tRTKt Kll'lA.
Club Pernambucano.
A partida do mez de julho l*r hi^ir na
DOitfl do dia iO,
Ni ra dos Co.dhos n. 10, s.' Jira <|>i":u f-
mas transacrocs sob boas
Osear Mayer vai para o Rio de Janeiro.
0 SrTPedrrJAIexandrino da Costa Ma-
chado, tem urna carta de importancia na
Aluga-se urna ama cscrava para lodo o ser-
viijo de nma casa : a tratar na ra da Impe atriz
numero 77._________
Na ra da .ls-um|.i;:>.
das drvalhas purt w de um
anuos de idaJe. se for MfkBBBM i
lenha .ikiiina pratiea du ';, tu >
garantas.
na 'i'una -r
inenm-
;n*lh"r.
. I
e.|M
Precisa-se de urna ama para comprar e roxl*
ivraria n. 6 e 8 da p/aga da Independencia, nhar para casa de urna familia :
Alfr.-d Haas vai para o Rio de Janeiro.
do Hospicio n. 60.
Antonio Casemiro da Trindade vai a Lisboa.
Eduardo Firmino da Silva, convida aos
prenles e amigos do finado Pedro Alfonso
Ferreira para assistirem a urna missa resa-
da, que por sna alma mmda celebrar na
matriz da Boa-Vista amanhaa as 7 horas do
dia.
tinado, valor 153;900.
II. & C 1 barrica conteudo um barril com U
cauadas liquidas dJ aleool puro, valor 149^600.
Sern marca, 1 barrica com frascos dd vidros or-
dinarios vasios, pesando liquido verificado 6i libras,
valor i366. . ,
Leireiro Amorim & Irmaos, 1 caixinha com 9
aioleijos de lousa com 216 poiegadas (i), valor
283 rs.
Sem marca, 1 embrulho conten lo livros impres-
sos brochados, pecando liquido verificado 21 libras,
va ST 344.
Letreiro J. F. Machado, 1 embrulho contendo 12
pares de meias de linho curtas grandes, valor
3*200.
Recebedoria de Pernamhuco 3 de julho de 1865,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
^"Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arremataca da obra da eoncloso da casa
da cmara e cadeia da villa do Bonito, foi trans-
ferida para o da 20 de julho prximo vindouro.
Secretaria da thesouraria previncial de Pernara-
buco 28 de junho de 1863.-O secretario,
A. F. d'Annuncia^ao.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematacao da obra da cadeia de Nazarelh,
foi tr nsferida para o dia 20 de julho prximo vin-
douro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernara-
Lili
i.
*Sem marca, 1 pequeo sacco com batoiues para buco 28 de junho de 1865.-0 sjcrrtarto
pipas, peso liquido verificado 4 libras, valor rs.__________________A. f. d Annundat.io.
LEILAO
De um cabriolet americano de 4 re
das,comaireios e K rodas de so-
brecellentc.
Quarta-feira 19 de julho ao meio dia
em ponto.
Por intervenQ.o do agent Pipto
armazem da ra da Cadeia n. 62.
O Dr. Joo Capistran > Bandeira 'de Mello
Filho roja aos seus prenles e amigos o ob-
sequio de assstirem a urna missa, que por
alma de seu primo o guarda marinha Anto-
nio Augusto de Arauo Torreiio, moito no
combate naval de Ri .chueln, manda celebrar
na quintafeira (20) nelas 7 horas da machia
na ii;rt'ja matnzda Baa-Vista.
JaasaijBBMnEJBssneatv3"-kf.aat^s ^m;.
Precisase de um forneiro e de trabajadores
de maeeira que rejam peritos nesla arte, os que
se aeharem nesta.s eireiinistancias dirijam se a rua
larga do Rosario n. 16, i|ue acharao com quem
tratar.
Deseja-se saber quemopropneario do sol'
do sobrado n. 66 sito na rua de Iiortas, frfguezia
de Santo Antonio. ___________
O Sr. Jos Cotinho do Ren Dantas que mo-
rou ou mora no engenho G-iiabeira, lenha a bon-
dade de apparecer, ou o sen eorrespondenle nesta
prar;a, no armazem do Lemos, rua da Praia, ri-
boira do peixe n. 19.________________________
__ Aluga-se urna escrava crnala, m'Ca, sadia,
com muito lidie, e muilo cariohosa para mancas :
quem a precisar dlrlja-se a rua Formosa n. 17.
FEji^ii) do Bowman.
Precisa-sede, serrallieiros, de um molda-
dor e de serventes.
Aluga-se
Aguas Vi-rdi <
Aluga-se um primeiro an \*x na ro nha : a tralar DO arpiado andar do HM a
Bernardin.) da Lela Firreira, mMM i rtu-
gui-z, vai a Portugal tratar de su: ?aml<*. ilfis*
por seus bastantes procaiaetre, V lup;r oSr.
Joaquim Domingues Fernn '-, i Sf. I
Ferreira da Cruz, e 3 o s^u > co Man
nho Seixas da Fooseca.
a parte da can
a- tralar na mei
p. 92 da rua das
ma.
Semana llhislrada de Rio de JanMro
Assigna-se na rua do Crespo n. \ : tres mezes
8, seis mezes 11,5, um auno 1J_____________
Precisa-se de una ama para casa de duas
n rua Ji Peona n. 53, pnuieiro andar.
pessoas
em frente ao
800.
Sem marca, 1 caixinha com chapas de latao, pe-
sando liquido verificado 4 libras, valor rs.
850O0. ,
M. R 1 caixa contendo ferro fundido em obras
Pela thesouraria provincial se faz publico,
qno a arrematacao da obra do quartel da villa de
Serinhaem, foi transferida para o da -20 de julho
prximo vindouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
LE!
nao clarificadas e simples, pesando liquido verili- buco 28 de junho de 1865.O secretario,
<:ado96 libras, valor 9^600.
Cobre e suas ligas em obras nae classihcadas|o6
libras, valor 46*666.
Sem marca, urna barrica cora castanhas em mao
oslado sera valor.
Sem marca, 1 barrica com carocos de algodao,
sem valor.
Letreiro Mattos, 1 caixa vasia sem valor.
T. C. i pequeo sacco e um embrulho com aillos
e feijio i m mo estado e sem valor.
4 setvao da alfandega de Pernamhuco, 17 de
jonho de 1865.O i- escripturario, J. d'Avila Bu-
leuiuuil Neiva.
A. F. d'Annunciagao.
L&A(&.
Convidase ai pessoas que eslo as condi-
^oes d i servico militar, a engajarem no corpo de
polica e goza'rem das vantagens da lei provincial
n. 611 d 2 de maio pp-ximo passado, que sao as
seguiotes : I^Tuors. diarios dcsildo, serena seus
filios menores" reeolhidos aos estabelecimentos execncao que move contra Fernando Gazzo, duas
pr rvinciaes de educacao o lempo que esliverem cadeiras e dous Hteiros.
na "urra ser louladb pelo duplo para o caso de
aposent uloiia, e a m de>las, tem todas as mais
vantagens que sao concedidas aos voluntarios da
.No da 20 do corrate, depois da audiencia
do Sr. jais de paz do -2 districto da Boa-Visla, vai
a praga 6 cadeiras, I marquezae 2 bancas, de ma-
deirade amarello, por execaco de Joaqaiin Jorge
de Souza contra Pedro Celestino Mindello._______
Arsenal ie guerra
O conselho de compras do arsenal de guerra pre-
cisa comprar o seguinte :
Para o deposito do Rio Grande
331 mantas de laa.
As pessoas que quizerem vender dito artigo,
aprsenle sna propo-ta as 11 horas do dia 20 do
corrente, na sala do conselho de compras.
Sala das sessoes do conselho de compras do ar-
senal de guerra 17 de julho de 1865.
O encarregado da escripturacao
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Na sexta feira 21 do corrente, as 2 horas da
tarde, irio prara por ordem do Sr. jniz de paz
de Santo Amonio, por parle de Lniz Ferreira, em
De 1 rico guarda vestido de mogno, mobilias
de amarello, guarda louca, camas francezas ,e
amarello e jae.arand, aparelhos de lonja, obras de
ouro e prata, 1 cavallo de sella andador de baixo
a meio, candieiros a gaz, cadeiras avulsas, mar-
quezas largas e eslreitts, commodos, lavatorios,
banqninhas para Jnnto de cama, quartinheiras,
quadros com linas gravuras, relogios de ouro e
piata, escravos de ambos os sexos ele, etc.
Quiilafcira 19 do corrente as \ 1
horas
ARMAZEM DE
>0 AGENTE
do Norte. NO GRANDE
OLYMPIO
3G-ltua Alfar cao
Roga se ao Sr. emprezano do iheatro de Santa
Isabel o obsequio de levar a scena sabbado 22 de
julho o intefessaule dramaOs milagres dr Santa
Ciciha.
Apedido de alguns espectadores.
a mesa raedora da Irraandade de Nossa g
Senhora da Conceicao dos Militares, tendo 3
de mandar celebrar urna missa e memento p
solemne no da 21 do corrente, as 6 horas I
da manhiia, em sufragio dos fallecidos na |
presente guerra : convida a todos os seus ir-
maos para assistirem ao dito acto e a todas
as mais pessoas que a elle quizerem eompa-
rec.fr. _______........ --_,-.._,
_ Precisa-se alngir urna casa terrea ou s>bn-
, -<, do de um so andr.que tenha um soffrivel quin
LE'LOhS ul (.,,IT1 MCinba, sendo as s'guinb
I rora, Gloria, Saott Croa, Hospicio
mitra da Boa-Vista, tamhem servir
Alugam se dous grandes sobrados com com
modos para nemorosa familia, nevos o acetados
cora jardim, cocheira, estribara e outras comino-
didades, na travessa de Joao Feroandes Vieira :
: a tratar na rua da Senzala Nova n. 42.
^

: ras : Au-
oa qualquer
Um pequeo
rua
sitio sendo bem pprto da cidade : a tratar na
da Imperatriz n. 3-i, primeiro andar.
^'W* >a-;-^ -?'-i'z '- ' ;-"-;"?'-*
O sitio dos Arcos, na estrada des Remedios, fre-
guezia dos Afogados, esta snjeito a um crdito j
passado em;ulgado, da quaulia de 1:9074 : e como
possam fazer quah|uer negocio com o mesmo, e o
dono desse crdito esleja fra da provincia, se faz
o presente aviso para con'hecimtnlo do publico, e
nao haver duvidas no futuro.1. I._S.__________
O abaixo assigoad faz rmblico, que oingocra
contrate com seu irmao Miguel Archanjo Seve por
compra alguns de seus ben>, valo como tratase
de Ihe dar curador por :-e ler lomado prodigo pe-
los ;eus actos pratieados; servindo o prsenle an-
nuncio para evitar duvidas futuras.____________
Quem precisar do nina criada portugoea,
dirjase a rnade Apollo a. 4.
Para acabar.
Baloes de 20, 30 e 33 reos de ac a 3f, 3-3500 e
Quem precisar de alugar Me rsrrr.i i:e?
cozinha berr, engomma f ensal* .. mu ' -
nhosa para enanca-, dirija se ao \...\-.. li i.-y n.
16, sobrado.
;t\;iUluiUJ;'.
No da 12 de julho furtaram do enc-nh > I
fregosla da Luz, um eevaH Mea aedM* "
a ealilao, de ida.:- de 7 .-.in i, po-r lo *
nos, tem os iima sefiki : pain
dos, urnae-trella na te-n. !.[ r cae I
ral e tiradeira-, e tem ua per >
se as autoridades polieiafs a appnb. ,i-.., I mam-
roo, e captura do ladra : i- MeV
rido engenho sera reroinpeusa-lo.
Precisa-sede lima st-oho'a \- i I I
toda a qualilade de costuras : i| t.-.u
ciri'um.-ianeias appaivfa ua rea J j d .
49, que se dir qivm fHR
Ali^a-se
a casa lerna da liba Retiro '!'-.. i' Was-
dalen) onde morn o ciirrecioi .Mir4o, r.nn tm*
commodos para familia : Mea-Si eo la fn de
Corpo Santo n. 19. e>criplorio.
*^i Joao da silva Hamos, medico pea t mi
B versidadede Coiir.bra, da coasolia:. e-n
sua casa das ') s 11 horas da Mj
das 4 s 6 da tarde. Visita s *-n'.
ea suj.- casas regularon.au-
para ase designadas, salvo os casos er-
jh gentes, que sero auttorriei
^.qaer occasio. Da roDsnl'a- io- ; :r. -
que procurarera no hospital IMN I..
aonde encontrado diariamente
s R horas da manhaa.
Tm sea casa de -ande t-.-s-j, -rr. r.
I
.'
LeKao de escravos, ':;|0ons.iltono medico e | :,*.,,,P^.,
: '
O agente Pinto fara' leillo a requer ment de D. 11
IIOJ^.
Carne do sertao
Uon eio teral.
Pela administragao do correio desta cidade se
n-ri-i"' inente-cironel commandanle do cor- faz publico que as malas que tem de conduzir a
nodeoolica Aexndre de Barrse Albuquer- escuna Giorgiam par i Maranhao, Piauhy, I
' ie__________________^^^ Amazonas, feche -
:------Ti-------------JZ;._____:_____ vapor Paran i
Correio geral,
'6, A pessoa que estive
A Illrn.1 junta administrativa da Santa Casada nbecer signaes de n
Misericordia do Refe, manda fazer publico que pregada no servir.0 ile
no dia 27 do corrente pelas 1 horas da tarde, na _njsta ^ torre 0 Collegio, dinja-se a ad-
sasCTssKV1?^ com ad-
Clementina Theodora da Silva e por despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz de opphaos de differentes escra-
vos, entre ellas alguns embrcameos, as 10 horas
do dia acuna dito no armazem da rua da Cadeia
n. 62. _______
S':s
LEILAO
DE
i
553
ciclo de sua proftssao tanto de dia camo
de noile, os cha nados quando nao este-
_ ja era casa Baja p>r eseripio, indicando a
^a morada e norae do cliente.
ITsa-aaaaaai -3sa's'""'' >- --'4
Amazonas, fecham-;e 4 horas depois da chegada do: ( DE Sj;1i3"3'IJB '- &ai8&33% a &&*
vapor Paran do sul.______________I i_-m rc0 adereoo de ouro com 26 pedras de bri- a irmandade de N. S. do Amparo da cidade
S-Ulta UiSa (la JllSeriCOraia -------------- fW*n*#>rl "Humes, rabiase* pernlas (obra prima), um annel de Olinda recebeu m da 17 do corren^, pores-
uu LOIItIO |Brai, c0ln umbrilliante de 2 quilates, 1 adereco de pra- mola que fez o Sr. Pedro Candido Lopes, subdito
QO lGCllG. A pessoa que estiver habilitada para C0- lacom ja,naill,.s e perolas, 1 dito de ouro, dille- portuguez, empregado como palrao em um dos es-
da Santa Caa da nbecer signaes de navios e quizer ser em- r,.0ies pulceiras, obras de prata, nao s em bules! caleres da alfandega desta provincia, a quantia de
aiudar ao telegra- e assucareiro como em colheres para soupa een. 400, com a condicao do ser empregado na obra aa
flO JE* i IfWfe 3005. e com
fflS
cirurgico.
O Dr. Joao Pedro *"g I muit0 boa a 400 rs. a libra, raijos do mesmo lu-
tem sua n). nian "^L8ol'i'1S g| gar a 610 : no armazem da Estrella, largo do Pa-
segundo andar, aonde >e presta ao ext r- ^j i
raizo n. 1 i.
en



1 de julho do corrente anno ministrador.
3005000
1685000
4005000
965000
6005000
835000
3 anuos a contar do
por liante.
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. o particular e 17 pu-
blico.......... 2065000
Rua do Rangel.
dem o. 6 particular e SS publico. .
Rua do Rosario da Boa-Vista.
dem n. 14 particulare 58 publico. .
Rua do Amorim.
dem n. 18 particular e B6 publico. .
ldem n. 56 particular e 21 publico. .
Rua do Azede de Peixe.
dem n. 63 particular e 14 publico. .
Rua da Cacimba.
Mein n. 65 particular e 5 publico. .
dem n. 67 particular e 10 publico. .
Rua de Vigario.
Sobrado de 2 an lares n. 72 particular
e 27 publico........
Itua do Encantamento.
3obrado de 2 andares n. 76 particular
e 11 publico........
dem idem n. 77 particular e 13 pu-
blico..........
Ruada Senzala Yelha.
Casa lerrea n. 81 particular e 18 pu-
blico..........
Uem n. 82 particular e 16 publico. .
Rua da Guia,
dem n. 84 particular e 29 publico. .
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 87 particular
e II publico.......
Rua do Pilar.
Casa terrea n. 92 particalar e 103 pu-
blico...........
dem n. 93 particular e 101 publico. .
dem o. 94 particular e 99 publico. .
Uem n. 97 particalar e 110 publico.
Mein n. 100 particular e lOi publico,
dem n. 101 particular 102 publico.
Ilem n. IOS particular e 9i publico.
o aeeio do altar
___,1100,5000. thesoureiro da irmandade,
Por intervenfao do agente Pinto, no armazem da w rua da Cadeia n. 62, por occasio do leilao de es
cravos.
TtfElTRO
DE
Leilao
De urna victoria com urna parelha de cavallos.
Ao meio dia do dia 19 do corrente.
Por intervencao do agente Pinto em frente ao
armazem da rua da Cadeia n. 62.
EMPREZA--COIMBRA
:$ recita da asslgnatura.
l$$m Quarta-feira 19 de julho de
1865.
Subir' a scena pela segunda vez neste theatro
c bem elaborado e interessante drama em 3 actos
do Sr. Dr. Francis-
o 1 prologo original brasileiro
eo Pinheiro Guimaraes.
Secretaria da Santa
liecife 15 de julho de
Casa de Misericordia do
1865.
O escrivao,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
O abaixo assignado. lancador da recebedoria
no da 17 do correte mez aos trabalhos do lanca-
inento do bairro do Recife, de conformidade com
0 art. 37 e seus do decreto de 17 de marco de
1860, Jos impostos a que estao sujeitos as lujas e
casas commerciaes, e outras de diversas classes e
denominacoes, avisa aos donos dos respectivos ee-
ub-lecimtntos, que tenhain prsenles eo acto da
coileeja os recibos e papis de arreadamente de
suas casas, vi8lo qne elles terSo de servir de base
ao processo do mesmo lancameuto, o qual princi-
1 iara as seguint?s ruf.s: caes da alfandega, ler-
p o da mesma, arco da Conceicao, Cadeia, Cruz,
Lingoeta, Torres, becco do A brea, Taooeiros, Tra-
piche pra$i do Commercio e Vigario.
Jos Theodoro de Seoa.
A thesouraria provincial marca o praso de 30
5005000

9005000
9005000
2005000
2005000
Ipersonagens.
1445000 Julia........................... D.Eugenia.
Clara......................... D. Camilla.
'Magdalena..................... D.Joanna.
8825000 Commeodador Castro.......... Coimbra.
Augusto....................... Amoedo.
' Joao Maooel.................... Porto.
2005000 Salvador....................... Borges.
2005000 Guilherme..................... Lisboa.
2535000 o vigario...................... Pioto.
2H05000 o doutor...................... Guimarcs.
2005000 Uro pagem..................... Peixoto.
2005000 Capangas...................... N. N.
2005000 1 a aecao passa se no Rio de Janeiro.
Leilao de faiend;is francezas.
Hoje 19 do corrente.
A. C. de Abreu far leilao por ntervenco do
! agente Pestaa, de porco de fazeudas francezas,
' a siber: camisinhas, pannos pretos, chales de
! diversas qualidades, cortes de vestidos de phanta-
[ sia, camisas e outros muitos artigos veodaveis :
! hoje 19 do corrente as 11 horas da manhaa em
1 ponto no seu armazem rua da Cadeia. _
Leilao de movis.
Sexta-fera21 do corrente havera* leilao de mo-
vis, lou?a e crystaes por nlervengo do agente
Pinto, no mesmo armazem.
De umamobilia de Jacaranda com
1 so-
Grande lirmidiclio lie fa/.endas e roupas fei-
tus nacionaes.
Rua da Imperatriz n. 72, lojae armazem de
Gui naraVs & irrniio.
Os proprietarios deste novo estabelecimento re-
da Senhora ceheram pHo ultimo vapor francez um grande sor-'
timento de laisnhas escoeezas, padroes muito bo-
nitos, que estao vendendo pelo diminuto preco de
240 o covado; mno barato 1
Lanintias a 240!
Lasinhas a 240 !!
Laasinlias a 140 Ifl
Rua da Imperatriz n. 72, loja e armazem de
Goimaraes & Irmo.
Tamhem receb^ram um grande ortimentoile
colchas de fustao que estao vendendo por 50900 e
65, dilas de chila a 15900 e 25, ditas de laa a
i----------------------------------~~~ 15300 e 25, grande sortimento de camnalas bran-
Aluffa-se a 3Sv2-3*500 e **dilas muil f'2
iu-^t. ix-io til ti l ditas de salpicos braoco* a e#ow
Na rua Nova n. 47 ha para alagar um moleque, ^1&f too a loja e armazem deGui.nares
o qual cozinha e engomma. & lrm5()) nia Ja imp.,ratrz n. 72.
No dia29de junho prximo passado fugiram Chlas |argasa 9JO, 2fi0, 280, 100,320!
do engenho CotovMIo, situado no lugar Vanea da 24fJ 2fi0 28fJ 300 320!
provincia da Paralaba, dous escravos pardos, um ' "f9 z' ^ m m ,,,
de nome Zacaras, de idade de 22 annos pooco Chitas largas a 210,-W^ *!\^
estatura baixa, reforeado, peroas E muilo barato, pecas de bretanha dt roioeom
'______i mLtk m. ic .,.... o ix a zx-mn ditas d madaoolao com -
muito fino a
111 12
regular, seceo do a 35200, 35500, 45.?*5500, chales de mennfiies-
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
inhar : na rua de Iiortas n. 46._______________,
Precisa-se de 2:0005 a premio de 1 0|0 ao
mez, por espaco de dous meses, garantindose cora
hypolheca em urna casa terrea nesta cidada de
maior valor, a qual se acha em muito boro estado
por ser edificada de novo e de paredes dobradas:
na rua de Santa Thereza n. 38, se dir quem pre-
cisa. ____________
montada para recebe? qaabjo
aiuda mesmo os alienad o, pan
tem commud s apropriados r-iia pra-
tica qualqo r o|,er;o;o<-i,u.
Para a casa i -
+ Primeira cla na Segunda dita.... 2_idl >
Terceira dita.... 25000 >
Este eeteketeelaM-la t ;.i I
Itado pelos bons servidos qoe ten p
tado.
O proprietario espera iue *!! ron!-
nae a merecer a confianza >'. que --_ -
. pre tem gozado.
, ... *. .
UU.
Precisa-se de urna ama para r..Ji*har m r*a
de familia : na tua do liruro n. j., defronie 4*
chafariz.
Aloga e o pri-neiro andar d aobraii ' r-i
de Sinta ' ttA n. 23. eeiade pini I. fMi *uM
modos para grande familia, e por nre^o r ii a tratar no segundo andar d m -u..
- Xa praca da Independenria n ! itnri
ves, compra-se ouro, prata. peilras ftwrtmtt
tamhem se faz qualquer obras de e_r ronvr Ja e
odo e qualquer tonceflo.
Precisa-se de nm raixeiro qne saita ler. *-
crever e contar, e que lenha aiguma p-
padaria, abonando -na eepaci_ : a tralar na
roa do Rosario da Roa-Vi?ta o. 53.
nii *** mmtmm
S Dr' rrancise ires lar_4 r
Portel la
MEDICO OPERADOR
rs

acanga.naoas, caneos pr M varas a 34 e 3*200, *^~j?*2i
nido e picado de bezigas, sem barba, bem fallan- jardas a 4*a00 55. 65, ^0 e 7*. muim nno a
t^outro de noine Venancio, idade de 20 annos, a 95, mariapolao francez enfesUdo com 12 jardas
peouc^maisoum.nos eslava regular, seceo do **^3*5M,^**6W, etete d.'"g^
corpo, cabellos casunhos e crespos, rosto compn- lampados a 2*. 25o00 e 35,. djlos muito unos a
S sem barba, tambera bera fallante : quem os 6* e 6*300,.cortes_de_caaemiras de corete pretts
e lamoem oeiu nina 1'" ""-'"""i------- ~-~ZSi\ > i*=avi *_
apprehender e levar a seu senhor no dito eogenho, pelo diminuto preco de 2*o00 3, 3*oOO e 4*.
nn na casa de detencao desta cidade, sera recom- ditas mu-.lo bnas a 55, 55o00 e 65- 8raode fojti
1 ZJn ment de roupas feitas de todas as qualidades, e
f, i mesa-oval, 2 consolos com tampos de peggg,--------------------------------- - s visla dos COmpradores que se
pedra, 4 cadeiras de brafOS, 2 de balanCO e Fugio do dia *tofJZ*** no Jo mais He" dizer o preco, alBaocando que veade-se
*- cabra Eugeoio, de idade de 4d annos, pooco mais 2Q em ou(ra qnalq0er parte :
ou menos, com os signaes feRUitit6^- estatura re. ^ ^ rQ Ja ,raperatriz n- jj, loja de Guimaraes
& Irmo.
anda mesmo aqu na cidade quem del le der_no jm tow ^ ^ ^^ ^ ljln0BraDnia do Sr.
ticia ou o agarrar
rua do Trapiche a
s
u
m
s
poca aciualidade.
Dar' flm ao espectacalo a comedia em 1 acto,
imitagao de Jos Carlos dos Santos
0 viutio doBatalha.
Principiar s 8 horas.
18 de goarnico, 1 d ta menor, 1 dita de ^
amarello, 1 toilet de Jacaranda, 2 serpenli-;"0|a7^'rVbeirgi3sa7tr"z"ba"rbaaCavanhach
helios cachiados, levou calca de casemira e paletot
MISOS MARTIMOS.
Para Lisboa.
Sahe por todo este mez de jalho o bera cochee!
do brigae pertaguez Helampago ; para o resto da
carga e passageiros, aos quaes offerece aceiados
commodos, traase com o coosigoatarlo Thomaz
de Aquino Fooseca, aa rua do Vigario n. 49, pri-
meiro andar, ou com e capitao na praga
as, 2 pares de lanternas, 2 pares de jar-
ros, diversos quadros com finas gravuta,
i mesa elstica, 1 gu rda louca, I apara-
dor de Jacaranda, 1 guarda vestido, 1 cama
franceza de Jacaranda. 1 dita de amarello,
marquezas, mesas, cadeiras e muitos ou-
tros objectos existentes no armazem da rua
da Cadeia n. 62.
Sexlafeira 2i de jalho.
O ageale Pinlo far leilao por conta de diversos
dos objectos cima mencionados, a 10 horas em
ponto do dia cima dito no armazem da roa da
Cadeia n. 62.
i na cidade quem delle der no- As vistas ao i" oaianiao u *u,uu,*'';", 7
dir aseao1 hotel de Franca, proriacia, acha se veoda^Jf^\^Jre
o U que ser recompensado. Caris, rua da Cadeia do Recife o. 3b, i' "***
n. 11, que y ^ nag |jvraras dos Srs> cardoso Ayres, rua da U-
-- Precisa-se de ama Toa eagommadeira para dla do Recife a. 31, do Nogueira rua do Crespo
J_SfRU a ^ ^ Cadea d ReC'fe rV'ra V^^%?^ -
do Imperador, livrana popular.
AVISOS DIVERSOS.
Rio Grande do Snl
O veleiro patacho Cifro segu no da 19 do cor-
dias pMa^paMmento'dT^mp^daT^oieDl rente, pode anda receber alguma carga: trata-se
cas ras Nova e do So';. cora Miguel Jos Alves, roa da Cruz n. 19.
AVISO
0$ Sr* owrezpnndentes dos
ssiqnantes deste Diario, no
quaes onerece aceuuos
o coosigoatarlo Thomaz centro da provincia e as de
mais do imperio, queiram
mandar satisfazer o importe
da assignatura para nao ha-
ver interrupgaQ na remessa
n. 27, primeiro audar.
Aolouco datara-riba
a oadvogado, que nao paqaelee^obre^^
__O London & Urazillaa Bauk, saca por doos
Facnldade de Par.
regressando a esla proviwp, ->'
prompto para o evreirio de soa pr.4*-
s.i.', qaer ne-ta cidade quer f->ra i.lla,
especialmente em inolesties de oH- in
taratas, etc..) d;i- fias erieari 1
lamento de nrethra etc..) e >V p^lle : a-
ra cujo curativo se Julga hahilaul. lten-
la a pralica, fae leve nos hopiiae tfe
Pars, e s modernas instruirn-nt'* ro'*
possue.
Encarrega-se de colloear olh->*
claes.
Paleo do Carmo n. 2, esqnina *a
de Hurlas.
m
m
i
I
artili- j
-J
mmmmmmwmmmmi
Anda (uyido ni fre^oeua da IWii-Ue -em*
arrabaldes, am escravo, pard-, lila** 30 mhh>. r_-
bellos renle,litayaie do rorp--. I 'le nome Paulo:
quem o pegar leie a roa Jo Livranwuto . e>.
que sera recompen.-ado._______________
Na rua do Livrameolo ha para ali
criado, escravo, ai* para lodo erw?e.
quer restitolr os autos de que falla em sua pubh-
cacao de hoje. Se ha quem prostila, ha, sobre
tudo, quem zele o magisterio. No lastimoso estado
em que se acha oJdro. urna revelaeao desta or-
den parlida, seguramente, de alguem, que oao
tem um titulo jurdico, pode imer a suspeita so-
bre esteoaquelle iodistinctameele; em todocaso
disperta a coriosidade sobre a personidcaQao do
faeto e de mais desaira um tanto o magisterio.
Provocamos o louco a declarar o nome daquelle a
quem.se dirigi.
Um advogado.________
~ ue ordem do irmo juir da irmandade do
SS. Sacramento a fregueziade S. Jos, convido a
lodos os irmaos da mesma irmandade para a rea-
nio de mesa geral, domingo 23 do corrente, as 11
horas da manhaa, aflm de proceder-se a elelgao
de thesoureiro, e tratar se de negocios importan-
tes a bem da igreja matriz e da irmandade.
O escrivao
Jos Elias de Olweira.
Porto.
Rraga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
GR&GEASdeCUBEBINA
COPABAdlLABLONYE
Estes confeitos que tem por base o prin.
cipio activo da vrimeira cubeba juulo com
a cupahyba pura, nao nansen o estomaga.
Elles fazem pararimmediatameote asmis
rebeldesgonorrbas, mesmo as que ressti-
ram a cubeba o a cupabyba isoladamente.
AMA
Precisa-se de nma ama para o *f~i^o
externo de orna casa de poort familia : ma i-
Senzala Velha n. 22, -efuedo aiKlir.
k

Aiogam-se *>o* onan-w
ilipiwfce' e
am sobrado da rua da Senz-U-ea. < m* 5*
oatro por 64 rocosaes : aa pra^a * feMepraer
ca ns. 6 e 8.______________________
Jos Antonio Bastos deiiwa 4m ttr am
de Manoel Kercandes Masrareaka.
Alaga se orna casa lerrea sita aa
ria da Boa-Visla n. 56, rom % aarue. J
znha fra. carimba e em
nos Coelbos, roa do Jasnim,
nio da Cosa Ribeiru e Mfllo.
.4 Kenva
Na praca do Forte do M
1' andar, *se dir qaem precisa de
rnio, dando-se endiM.-ante eeMa yray.________
Anu de leite.
Precisa-se de osa ama de tete * *"i* ***
lenha bom leite : aa roa e>treita do __!> a
segando aedar.
_
V
TT


-Y/
-*TTm*
i ..

i
Diarlo de reraambnc* ... arta fclra 1 le Juyio de !.
PHOTHOGRAPHIA ARTSTICA
COMPRAS.
DE-
25 Ra Nova (esquina da Camboa do Carmo) 25.
Os propietarios deste estabelecimento, desejando salisfazer os numerosos pedidos de seus freguezes, acabara de receber de seus correspondentes de Pars, nm grande
sortimento de retratos (candes de visita) das personagens as mais celebres da Europa, assim como receberam tambera urna quantidade de alfinetes e cassoletas para retractos do
mais apurado gosto e por precos muito diminutos. '*""-> u
Os mesmos aproveitim a occasiao para prevenir ao publico e recordar aos seus numerosos freguezes, que ellcs trabalham todos os dias, domingos e das santos, das 9
oras ta manbaa ate as 4 da tarde e que os temros de chuva nao influera em nada para o bom successo dos retratos, pelo contrario o sol entre nuvens mil vezes preferivel
sobre todos os pontos, tanto pela rapidez da operaco, como pela commodidade das pessoas.
a* a ni gr^n ae ,yoo a 7,000, e para elles urna garanta futura, poslo que se appliquem todos os dias, para que todos saiam contentes e satisfeitos.
\mmmmmmmmmM
Compra-se effeetivamente ouro e prata em
ooras velhas, pagaodo-se bem : na ra larga do
Rosario n. 84, luja de ourives.
Sil vino Guilherme de Barros compra e ven-
de efTectivamenle escravos de ambos os sexos :
roa do Imperador o. 79, terceiro andar.
Ouro e prata
Rival sem segundo
Roa do Queimado ns. 49 e 55, loja e
uiiudezas de tres pilas, estte-
nando ludo boa e barata, qoea n-
zer ver e admirar venan i leja e
Bigodiubo.
Caitas de papel amizade, e sem ella Ha*
a6O0rs.
em obras velhas : compra-se na praca. da Inde- Crozas debo'.des de looca orateados
pendeocia n. 22, loja de bllbetes. derna a 160 rs.
fazeadama-
Compra-se ouro, prau e pedras preciosa?, Duzias de penoa de ac fazenda boa a 40 rs.
em obras velhas : na na da Cadeia do Recife, l>eCaf de irania de laa lisas e de toda* cura a
40 rs.
Escovas
leja do ourives no arco da Conceicao.
Compram-se
libras esterlinas a 9,5600, na
praca da Independencia n. 22.
Compram-se libras esterlinas
Crespo n. 16, prtmelro andar.
na ra do
m
RETRATISTAS
Firmino & Lins
Novo estabelfcimento de retra-
tos roa Yo va n. 15, \ an-
dar, junte ao Sr. Gaotier,
dentista.
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas
da marihSa s 5 da tarde, quer chova ou
nao.
Tambem se offereeem para tirar relra-
tos de pessoas fallecida?, dentro ou lora
da culule.
Os annnnclantes desejando acreditar o
seu esiabeleciroento, garanten ao publico
que nenhum trabalhosahir ce sua offlci-
na.sem que nao seja perfeitaroente acaba
do, e a vontade do freguez.
A luyase
um sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, urna a em que morn o fallecido Thomaz de |
Aquino Fonseca Jnior, feita a nuderna.e conten-1
do todas as accommodaedes precisas, e outra com I
boas commodidades para qualquer familia : na
ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
Vende-se urna rotula e urna janella em mul-
to bom estado : ra das Aguas Verdes n. 92.
$&l!ffi&HUEff
O hacharel Joo Diniz Ribeiro g|
da Cunha tem escriptorio de advo- L
gado na sala do sobrado n 38 da
ra do Queimado.
UMA GRANDE DESCOBERTA
0lE0
deFIGADOdeBACALHAU
DESINFECTADO \
MEDALHA
OE
HONRA
DE BACALHAU
DESINFECTADO FERRGINEO
Precisa-se
de aprendizes para a officina de marcineiro, na roa
do Imperador n. 18.
As propiedades medicacs do oleo de figado de bacalao torio unni-
memente reconhecidas. Mas seo cheiro e seo sabor tSo desagradaveis
torno o uso d'elle muias vezes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robustos c aos mais condcscentcs.
Por isso a descoberta do Snr. Chevrier que Ihe permcllio de
desinfectar inleiramcnlc o oleo de ligado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tem sido um dos mais felizes problemas resolvidos pela
therapeutica moderna.
O oleo de figado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um cheiro agradavel c um sabor assucarado, o nico que nao
tem ncm gosto nem clieiro de peixe.
Objeclo de numerosos relatnos scientificos elle goza em Franca
de urna fama bem merecida, e receitado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de ligado de bacalhao ordinario. Tcndo as mesmas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as :
MoI<-mm CKerofuloNaH,
llIH-lliliNllill.
ObMirurfo iln.s glande-a,
'i'isi-ii pulmonar,
MoIcNtlag da pllc,
CanaUtnirao lymphatica,
Aaemla, debilidad?, fraquexa,
Maxri'Zll.
rohrcr.it da nanacuc,
1 -fnlfnnirnl-i ,,or rxrrmn de
trabalho ou de praserea,
Molmtlaa do bronrhioH rcen-
le ou ehroaieaa,
Tomo pertlaaaea,
Gaatritea, gaMi-Alglan,
Dore de eiitaniago
Elle convem a todas as compleicoes e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle 6 um poderoso socorro
para a alimenlacao das criancas fracas e docntes.
O Oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a accao tao efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipaedo.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparares ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quemes, tem militas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chbvrier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
Um folleto accompanha cada vidro e conten as observacoes medicaes.
Deposito em Pariz, na pharmacia de Chevrier, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
* _______ Deposito geral em Pernarabueo ra da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
' obre, lato e chambo.
Compra-se cobre, latao e chumbo : no armazem
da bola amarella, no oito da secretaria de po-
lica.______________________________
I na ,casa.
Compra-se urna casa terrea no bairro da Boa-
Vista : a tratar na roa io Vigario n. 13, primeiro
andar, das 9 horas da manhaa as 3 da urde.
Compra-se um sellim inglez, que esteja em
bom estado : na ra de S. Goncalon. 16.
Compra-se um sellim em meio uso : na ra
de Santa Tliereza n. 38
Goissimas para limpar dente* a M e
Ja re.
Pulceiras de coalas para seahoras a 300 n.
Pecas de fita de cs estrenas com 10 varas a
320 rs.
Calzas com clcheles francezes, superiores qoaii-
dades a 20 rs.
Tinleiros de barro, com superior liria a 100 r
Pecas de cordo para vestidos, lazeotfa boa a
Baralhos muito finos para vollarete a 900
240 rs.
Frascos com agua de Florida a II e 14280.
Frascos com superiores banhas a 500 r. e
Fraseos cora banda, porm peqaeoos a 200 e
240 rs.
Latas com superior baoha a 200 rs.
Frascos de macaca perola muito tjno a 00 rs
Frascos e garrafinhas cora agua de Colonia a
100 rs.
Compra-se urna casa terrea prooria para a- Frascos grandes com superior
milia: a tratar no paleo de S.
segundo andar,
Pedro, casa n. 6,
Compram-se livros inglezes, Willards Virs1
Ciis Reader, e os diccionarios de Vieira : a tra-
tar na ra do Mondego, olaria n. 13.
Compra-se nma prensa de espremer caj,
que esteja em bom estado : a tratar na ra da
Cruz D. 42. primeiro andar.
agua de Colonia a
superior oleo de babosa a 108
cheiros mnilo aos a
a 240 rs. e granees a
VENDAS.
O castello de Grasville.
Traduzido do franeei por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3$00C
praca da Independencia, livraria ns.
ua
6 e"8.
610 rs.
Francos com
300 rs.
Caixas com 12 frseos de
100.
Sabonetes pequeos de bolla
320 rs.
Sabonetes dr ramilla a 120 e 200 rs.
Uuza de .abneles pequeos cora cheiro a 700 rs
Agua dentifice superior qualidade a 00 rs.
Laixas com superior p de arre* a 800 r..
Matde saPeriore8 essencias saoul e oolros a
Frascos coro essencias para tirar oodoas de roopa
a 300 rs. r^
Frascos com cheiros de todos os precos a 160,200,
240 6 320.
Frascos bonitos com cheiros Anos a 300 rs.
Duza de meias muito linas para seakora a
4800.
Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chombo para menino- a
IGOrs.
Duzias de colheres de m-Mal para cha a 800 re.

n
V NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE -21 DE DEZEMBRO DE 1859
DE
c
I
ma fianca em dinheir^, depositado nos cofres do estado, garante
ministracao da
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
a boa da
companhia.
DIRECCO GERAL
Madrid : Ra do Prado n. 19
DE
J. VIGNES.
.\. 00. RA DO IMPERADOR W. 5o.
Os panos licita amiga fabrica sao boje asss conhecido<
para que seja necessario insistir sobre a
sua superiorida.le, vantugens e garantas que offereeem aos compradores, qualidades estas incontesta-
.,!!? ?ue elles !L'm 'leioitivainente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
DEPOSITO
de pao e cestas, roa largado Rosario ^^S^^S^SfS
numero 36 ***** de fiu da la Para debrum de vestido, ron
A este estabelecimento chegou hontem nova re- nit.. *u?i5l2r Tf'
messa de obras de vime e gesta, aqui se acham ao 25) i St'er,ore-e. P"a acabar a 600 e
alcance de todos os freguezes para os rescem-nas- dh,. V i_ -
cidos, bercos de palha, alguns destes de cabeceira ^"h para mfn"los a ,6 "
coberla, balai. s ou voadores para criancas apren- S?, "s?e, lanPar,nas P^a mezes a 30 rs.
derem a andar, cestas Unas de meninas de escola rlunve,cos de !"horo e PaDnoa ,6 rs-
eniar no braco, cadeiras de vime branco para as ,. ,lcom ""silampas pararap.'- a 100 re.
viagens nos vapores e recreio nos terracos, baode- ^P^bos eumpriOos, boa fazenda a m re.
jas de vime para roupa engommada, cestas para ,no r. P^nuenos prelos para cal^a a
acondecionar mapas de passar das fra, dilas SST.t. . ,
i para deposito de roupa suja, acafates pintados com i > lazendas para liqnidar, pois lo*>
r para fructa, sobre-mesa, condecinhas pequeas e t, ?'"'r," l!,do' 'l0 *inalc doDO do "
; para eneber de doces seceos, condecas de todos os w"eiec"renloi____________
: nmeros, agalates brancos de constroccao forte e I (\ i A fifi Drill nnn
de lodosos nmeros, obra de Braga, cestas de LUJA UU DtIJA rL ID
arco para compras no mercado, ninhos de gut %., rilsl An A-.Zu T
! para postura e criaco de canarios do imperio, ba- -. W? i-? ^ut,Ba* B- *>*
laios de cores com tampa e sem ella para costura Tendo recebtdo um .sorlimenlo de bone-
grossa, azafates redondos e compridos de cores cas de choro, que chamam papai e raami
para criadas (amas) fazerem as compras, gigas de com cabelleira de cachos
vime grosso para padaria ; estes sorlimenlos eos- TonH^ v..,i___ .
tomamos recbelos de tres em tres mezes, suffl- -Iend^ receDI(1 UI vanado sortimento ciente prova de que os vendemos a precos muito bnnquedos para meninos, sendo espadas,
razoa,;ei!!________________________' espingardas, pistolas, tambores ; ditos
Vende-se urna burra de ferro grande Para meninas: apparelhos de alraoco e de
em perfeito estado e por commodo preco : janlar de porcelana e de metal, porta-licor
na ra do Apollo n. 20.
e machinismo que obedecem todas
Esla companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de superviencia dos segu
sobre a vida.
N'ella pode se tazer a subscripcao de maneira que em nenhum caso menno rcr irntfdos
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao tao suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que anda mesmo dimiauindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquidai
cois ei;o:iil)in:inlo-o com a mortaliade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companh-
pa.-a seas clcalos e liquidares, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna imporsicoannua.
de 1005 produz em effectivo metlico:
No Qia de o annos.......1:1195300
de 10 .......3:9423600
de io........11:2083200
Je 10........30:2o6000
de 25 .......80:331,5000
suindo um teclado
I nunca falbar.
i tissmos para
1 veis aos ouvidos dos apreciadora
Fazemse conforme as encommendas, tanto nesta
. as voniades e caprichos das pianistas, sem
ar, por serem fabricados de proposito, e terse feito ltimamente melhoramentos importau-
rao clima deste paz; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito acrada-
vidos dos apreciadores.
fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foraro sempre premiados em todas as expo$ic5es.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
memores autores da Hu-opa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido uor Corpo Santn. 19.
pregos conunodos e razoavels. K
Joaq
ment
S:nnuel Power Johnston k Gompanhia
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fim Machinas a vapor de 4 e G cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Tai.xas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para nm e dous cavallos.
Reogios de o^.ro patente inglez.
Arados americanos.
Ma hias para descaro?ar algodo.
Motores para ditos.
.Machinas de costura.
A pesoa que annunclou lavar e engommar
multo bem c mais barato do que era outra qualquer
parte, mandando buscar e entregar a roupa de cu-
jo recebimeok) d fiador, pode dirigir-se a ra da
Aurora n. 60. para contratar.
wmm mmmm
^ 0 Dr. Carulino Francisco de Lima San- W
jjg tos contina a morar na ra do Impera- 3*
^ dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu Wk
jp gabinete de consultas medicas, logo ao Wr
entrar, no primeiro. ^
O mesmo doutor, que se tem dado ao "
m estudo lanto das operares como das mo- iflj
*lestias internas, presta se a qualquer cha- B
mado, quer para dentro quer para fora w
dfi da cidade. *
Vende-se duas carregas, urna para boi e ou-
ira para cavallo, sendo esla cora lastro somente,
propria para carregar barricas de farioha de trigo,
lenha, etc., ambas com uso, por preco muito com-
modo :|a tratar ne pateo de S. Pedro n. 4.
I*
JSi O bacharel
Francisco Angosto da Costa
39R ADV6GAD0
^ Ra do Imperador numero 69.
mmmm mmm mmmmmm
Camas [de ferro.
Grande sorlimenlo das melhores que ha no mer-
cado : na ra Nova n. 33.
Anda se precisa de urna ama para cozi- |
nhar e engommar para tres pessoas : na
ra das troza n. 37, sendo pessoa mori-
gerada e que se possa entregar urna casa.
CONSULTORIO MEICO-CIRURICO
DO
DR. PEDKO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
Se ni en tes.
Vendem-se sementes de hortalizas muito novas :
na ra da Cadeia n. 30.
Potassa da Eussia
muito nova e superior : vende-se no escriptorio
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do podem eilCOIlIrar.
Vende-se la para
e faquinhas a 280 rs. o par ;e nao queren-
do continuar, vende mais barato do que em
outra qualquer parte.
Vende-se tiras bordadas de dierentes
larguras a l, e babados, collar inhos e po-
lillos para senhora, bordados e abertos de
renda e lisos, os mais modernos
bordar
que se
le diversas
OamteiS COm 300 jardas, qaj'dades e de cores claras a U a lil, es-
*>--*-- pelhos de columnas de Jacaranda a 2.jOO,
A loja da Aurora, da ra larga do Rosario n. 38,
recebeu gran Je soriimeoto de carriteis de linhas
de 300 jardas, aoaal ue muito boa qualidade, e
tanto serve para cozer com agulha como para ma-
china : quem pretender comprar desla linda man-
de a loja da
MEDICO, PiRTEIRO 15 OPERADOR.
3 Eua da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 11
ditos brancosde diversos'tamaitos, camnhas
para estnjos de nava Ibas,
Vende-se parios de alisar com costas de
dea loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38, 11^' a '<*' dit?s (,e differen CS qualidades.
, pois a nica loja que recebeu desta qualidade de linilas gravalitihas para senhora de dilTeren-
llnha e vende barato. tes pOStos.
M
'm
m
LrU(4S, VIliHOS
Vendem-se paimeirns imperiaes, em estado
de serem iransplautadas: no sitio murado es-
, querda, depois do beccj do Espinheiro, nos Af-
noras da manhao, e das 6 e meia as 8 horas da noite, excepgo dos dias santificados. |flictos-
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintes.
Carteiras de 12 tubos grandes. 12)5000
i de 24 tubos grandes. 18<$000
> de 36 tubos grandes. 24000
de 48 tudos grandes. 30I000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 1,J000.
Sendo para cima de 12 custarSo os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
A loja de louQa da ra do Crespo n. 16 tem para
Colheres de metal printtp?.
Vende-se colheres de metal principe para
tirar soupa a 2-3, ditas para cha a 2*300,
ditas para soupa a 4*200 a duzia: nesta
loja te encontrar sempre um grande e va-
riado sortimento de miudezas: ra do Qoei-
mado n. 63, loja do beija-flor.
Acha-so
vender quantidade de azulejos de lindas e variadas ven(,a na hvrana acadmica, na raa do Impera-
cores, assim como lougas de todas as qualidades, ^ j Pa do Sr- Nogueira, junto ao arco de Santo
i de bonitas pinturas e gosto moderno, ricos appare- ADlon' Da lypopraphia imparcial, na roa s-
! Ihos de porcelanas brancas douradas e de core?. ,re''!l do !05ario a compilaco de toda a legislaeo
mmm i
Precisa.se alugar urna preta escrava que saiba
coziohar bem e comprar : na roa de S. Francisco
ou Mundo Novo n. 54.
Fore do
com-
diri-
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre e seguinte
i" molestias de olhos;
2" de peitc :
3 dos orgaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rio examinados na ordem de suas
entradas comeando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas lodos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
do que julgar conveniente para o
orompto restabetecimentP dos seus
oentes.
8
*v vtv ar.
No armazem da bola amarella no oitao da secie-
taria d* polica, recet*eni-se encommendas de fogo
do ar para dentro a fora da provincia.
Aluga se um sitio perto da praca com
modos para grande familia : quem pretender
ja se a ra do Crespo o. 8 1).
mm mmmm wm
jH Companhia fidelidade de seguros
maritrmos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEIlKAHBl'CO
Antonio Laiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
_ uM^|< MMMMI
_ Perdeu-se no dia 16 do corrente desde a ra
Nova at o convento do Carmo um pddaco de urna
lita de onro de urna pulseira de (arreteira, sendo
provavel ter sido na occasiao do Te-Denra : quem
achou e quizer restituir, dirija-se a ra do Cata-
ga n. 7, onde ser gratificado.
Aluga-se nm sobrado de um andar e solo
na iravessa dos Quarteis n. 35, bem como nma
ca-a nova na Cauunga, ambas com commodos pa-
ra familia : no paleo da malaiz de Santo Antonio
numero 8.
LITROS.
A melhor odra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jaln
vidros de todas as qualidades, inclusive linissimo len?eDle administrarlo, arrecadacao e tiscali-
chrystal, dilicados jarros de chrystal e porcelana safa. dos dlDhr|ros de orphaos defuraos e aosen-
para llores, figuras e oulros muitos objectos de ti- "eranras lcenles, legados ele, coniendo nao
nissima porcelana denominada biscuito para en- s? re?imeol de (u''as < a peral das execn-
fcites de mesas, etc., guarnieres de finissima por- -oes' como tarabem todas as ordens c avisos do
celana branca douradas e de cores para lavatorios 8*erno, que a ludo iem explicado, tanto a respei-
e toaletes, tudo do melhor gosto, pinhas de louca e ,0 obrigaeoes inherentes ao cargo dos differen-
vasos para jardim, candieiros de lamparinas para ,e* *fI5P*" de ,us,ica e Me"da. dosdl-
gaz, globos e chamineis de vidro, bocraes e todos [eilo^nacionaes e emolumentos que sau d<>vidos.
dous "Tandes volumes rom diccinarin' """*vx,f """w uv "'Ab'^VA os mais sobrecelentes para os mesmos, gaz liquido ?sle liv'0 eonlei,do ">*>* de 7(X) paginas em ntida
iS '.......... eriorqualii de.e ros artinJla i '.mPr.e!fSo e ^m papel, e paM
Repertorio do Dr. Mello Moraes .
Diccionario de termos de medicina........... 300*00
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecido's dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha "ludo do melhor que se pode deseiar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela soa boa cons-ervacao, tintura dos mais acredi-
de superior qualidade, e muitos oulros artigos que
10^000 sei*ia enfadonho mencionar, tudo por precos mui-
65000 nss'mc>s razoavels.
Prelo a 4
Vende-se farelo novo, saccas com 90 libras, pelo
barato preco de 4 : roa da Madre de Dos uu-
meros 5 e 9.
Vende-se cerca de 800 palmos de terreno en-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao. e nortanto a maior !T V5!.!? Ze ?'ao !>ombal e primeir,a po"e
energa i- cerieza em seus effeitos. V l W P
Casa de saude para escravos
Manoel Luis da Veiga, ra di loria n. 94.
de differentes classes, tornase recommeodaveL
Seu cusi 105000 por cada exemplar era dou*
lomos.
BATATAS.
Vendem-se excellentes' btalas pelo diminuto
pre?o de 400 rs. o gigo, e em porfo faz-s* algara
abatimenio : no armazem do Sr, Auvedo defronle
da escadinha da alfandega.
Cal de Lisboa.
Vende-se excellente cal nova, ullirnamente ehe-
gada : na ra do Trapiche n. 44, segando andar.
operagao
Vende-se urna escrava de cor preta, sabendo --------
IWoho c >Cl.n.M w... m j .i i engommar roupa de senhora e de encrespar, e de i escriptorio de E. R. Kabello.
Kecebc-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer! hornera muito bem, lavar e
;ao, p Ta o que o annunciante julga-se sulBcientemente habilitado. Iunia senhora, e os
m, lavare cozinhar bem, vestir I A flvn.nrvi 7[ ,An TZ ~
mais arranjos de urna casa, nao'Aamireill a gTaiKle 110111-
O iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica e!se Tende para a Cldade'e prefere-se para engenho,
Engenho.

Arrenda-se o engenho Jnssar de Sanl'Anna ito
na fregnezla de Inojuca legua e meia distante das
estacSes da Escada e Ipojuca, com Ierras de var-
ieos de massap para se safrejar em grande es-
cala : a tratar no pateo do Livramento n. 21, com
t Dr. Ignacio Nery da Fonseca.
- O Sr. Ignacio Miranda Pinheiro da Cunha
| deliou ie ser caiseiro da casa de Joaquina Jos
oD$aJv follrao, no da 17 de julho de 1865.
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ba raui:as pessoas d (jo coceTto^sTnSo
pode duvidar. que podem ser consultados por aquelles que deseiarem mandar seus
doentes.
Paga-se ifi por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1^500.
As operares sero previamente ajustadas, se nao se quizerem suieitar aos precos
razoaveis que costuma pedirr o annunc'ante.
SEGUROS
MARTIMOS
E.HPKEZA
DE
IUUMINACA A GAZ
CONTRA FOGO.
A Companhia Indemnisadora
ou para lora da provincia : na ra
n. ti, primeiro andar, das 4 horas
diante.
Chitas baratas
Ja ra da Concordia n. 62 tem para vender por-
cao de chitas muito fiuas a 240 o covado, duas
mais inferiores a 180 rs., sendo estas roxas.
Vende-se ama prensa de espremer caj em
perfeito estado e por commodo preco : quem a
pretender comprar dinja-se a ra de S. Jos, ta-
berna n. 2.
da Imperatrizl QaflO
> De candieiros a gaz por toda preco a
grosso e a retalio.
Raa da Inaperatrlz a. 9.
mmm
Armazem o. 31, ra de Imperador.
Para mai9 regulandade do servico lem a empre-
za resolvdo to somente vender os apparelhos,
etc., drizando que os rs. consumidores chamem
os machioistas que mais Ibes agradaren), podendo
os nomes, morada, etc., de todos elles serem indi-
estabelecida nesta praga, toma seguros martimos I cados no armazem daeropreza.
sobre navios eseus carregamentos e contra fogo em | As reclainagoes por m luz das casas, cojos ap-
edlflcios, mereadorias o mobilias: no seu escripto- i Parelhos bouverera sido collocados anteriormente
rio, roa do Vigario n. i, pavimento terreo. este avlso. ^rao attendidos pela empreza outros! Seve, casa n. 16.
-' Na roa1 dos Pires n. 51 ha paTa aloja re i qAemnrezaaesnera une esta medida ser rtevirt %r TT Vende-se aloga-se ura sitio na Capunga
orna escrava para todo o servicu. aKpSaSWSalr^^^ I Xfc *!?,?* SUS**** : ^m *?
dente como a tornar este servigo mais econmi-
co ; visto que ella vender tudo, apenas com um
lucro tal, que cubra as despezas inevitaveis.
A 10 10tOO e UjftOO.
I.eques de osso, ultimo gosto, a 1.
Ceronlas de meia a i->00.
Diitas muito Anas a lo'O0.
S na ra da Cadeia do Recife n.J5
Vende-se nm escravo de naco, moco, sadio,
icostomado ao servido de casa e roa: a fallar
com Jos Maria Seve, na ilha dos Ratos, ra do
Precisa-se de um caizeirocom a idads de 12
a 16 annos : na roa do Kangel n. 8, deposito.
Preeisa-se de um rapaz portuguez que tenha
pratira de taberna, dando Badcr a sua conducta :
do Campo-Verde d. 56.
Natas do banco do Brasil e das calzas filiaos
desconum-se na praca da Independencia o. 22.
tender dirij-se Capunga Nova, casa joot do
theatro, a tratar com a viuva do Sr. Joo Evange-
lista da Costa e Silva.
Vende-se urna escr*va de 7 annos, bonita
Qgora por 400,1 por ter o'm pequeo deleito : na
ra do Gac casa nova.
Farelo
a 41 a sacca, das maiores que ha : na roa larga
do Rosario n. 90, taberna da esqolna.
Vende-se o engenho Jundiahy, cinco leyoas
distante da cidade do Natal, provincia do Rio
Graode do Xorle, moente e correnle, eom SO cap-
tivo*, JO bois e O bestas; assim como diversos
lotes de trra, propria para a cultura de algodo t
mandioca, e mais duas fazendas de gado no Poten-
gi e Gear-meirim, na mesma provincia, cojas ven-
das se effectuaro a prasos, mediante boa* firma :
quem pretender diriji-se aquella provincia a tra-
tar com Fabricio & C________ __________
Catangas flooa e brlaquedo
para menino*.
thegararo para a loja de miudezas da raa do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos ralnnga*
tanto para brmqaedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrara bom sor-
timento de miudezss.
Vrabo do Porto superior em raiza de na,
tem para vender Antonio Loiz de Oliveira Azeve-
do & C, no seu escriptorio roa da Cruz o. I.
L
II
/
iT~ar
TTC



,
Diario de per Bambuco - Qnarta telra ! Je Julho de I* 5.
I
Grande liquidacHo a dinheiro.
Na loja e armazem do Pavao.
Una da Imperatriz n. ttO de Ca-
ma fc Silva.
Os dones desie csubelecimcnto tem resolvido li-
quidar soasfazendas por pregos baralissiroos, s
cora o fim de aparar dinheiro, e previoera as pes-
soas que negocian) em pequea escala com fazen-
das, qae cesta loja e armaiem encontraro ura
grande sorlimento por presos que muito Ihes ho
de agradar, unto em pera como a retalho, a sa-
ber :
Chitas largas a 300 rs.
Vendem-se chitas francezas, lislradas muilo lar-
gas, padroes escaros, pelo barato prego de 00 rs.
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re- o covado, tendo muito boro panno ; dilas escuras
- ~.~~m----------r________padrdes novos, por serem todas escossezas e cor
soly-me a comprar um frasco e fazer nso flxa a 240 rr0 covado ;d.tas miud.nhas escuras
d ella :, e antes de concluir O primeiro fras-;e claras a 240rs,afflancando se qne esta fazenda
co, acliei-me forte e sera 'sentir a mais '
dr nos joelhos ; a
SALSA PARRILHA DE AYER.
Transcrevemos aqui alguns
dos muitos attestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Khruiuatl.smo.
DE JOAO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto.
tas
em
Soffri rheumatismo pormui-
vezes, e vendo annunciado
um jornal d'esta cidade a
nio tem o mais pequeo loque de mofo, nem outro
qualquer defeilo. l>to s o Pavo, na ra da Im-
peratriz n. 60de Gama A Silva.
Esparlillius, na loja do Pavo.
Vende-se um bonito sorlimento de espariilhos
propnos para senhoras, sendo dos mais modernos
e bera feitos que tem vindo ao mercado, tendo de
todos os tamanhos e de diversos precos trazendo to-
das as competentes fitas para apenar. Isto s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz o, 60 de Gama
& Silva.
Pechiocha
Laazinhas a 320.
Laazinhas a 320.
Laazinhas a 320.
Chegaram para a loja do Pavo as mais bonitas
laazinhas suissas de qiiadnnhos e listrazinhas a
nha 0 mal ilesapparectdo completamente demIagao de sedas porterem muito lustro, sendo os
todo 0 corpo. I padroes mais modernos que tem vindo ao mercado
Doctor Don Jos Valdes Hkiuieba, pbofes>- e muito levezinhas, vendendo-se pelo barato prego
leve
parte do corpo que es-
tava allectada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas noi les de somno.
Ernpees, borbulhns piistulas,
ulceras, e toda as molestias
da pe le.
DO Sil. JOAO PAULA DE ABREU E SOUZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupcao sypliilitica em todo o corpo, moss
tramlo-se sempre com mais violencia na ca-
ra, provei muitos medicamentos e consultei
muitos mdicos, e eslava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer : comecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros das a erupcao aggravou-se,
porin antes de acabar o segundo frasco ti-
<
?-9
O
o
O
=5
DE
SOH DE MEDICINA Y CIRXRJIfc, SUBDELEGADO
EM AMBAS AS FACULTADES DEL SESTO DIS-
tricto.Habana.
de 320 rs. o covado, sendo fazenda que sempre se
vendeu por 640 rs. Liquida-se por este barato
prego na loja e armazem do Pavo, na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Certifico que he usado la zarza purril- Lciiculios para mao a 2*0 rs.. na loja
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
les casos de ulcera crnica, asi mismo au-
tor y las considero como um porgante, cuya
accin ademas de ser segura, ha sido muy
eficaz en el tratamento de las enfermidades
que exsigeu el uso de los porgantes, y on
vacilo en recomendar eslas preparaciones.
Y para los fines que puedan convenir doy
la presente en Regla a 7 de setembro de
1860.
Dr. ios V. Hkrrera.
Escrophnla.
ATTESTADO DO 1LLM. SR, FRANCISCO FERRAZ-
dos santos. Ouro Preto.
Me acho ha quasi deis annos affectado
de escrfulas, e tendo soffrido tanto que al-
gumas vezes quasi que diego a desfnimar
da vida e maldizer da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mediros d'es-
ta cidade, e nenhum pode vencer i tenaci-
dade de minha molestia, eslava sern espe-
do Pavo.
Vendem-se finsimos lencos brancos com dnas
cercaduras, sendo urna de cordo e outra de eores
matizada-, muito finos, a imitagao de linho, pelo
barato prego de 2,8800 a duzia, ou 240 rs. cada
um : isto s na loja e armazam do Pavo, na ra
da Imperatriz n 60, de Gama A Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito sorlimento de laazinhas pro-
prias para vestidos e soutem arques por serem li-
sas e de quadnnhos pelo barato prego de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a
500 rs. o covado, e vende-se a dinheiro a vista pe-
lo baratisslmo preco de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo ra da imperatriz n. 60 de Gama &
; Silva.
Pelerinas a i;>600.
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo preco de i>600: na ra
da Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Organdy a 240 rs. o covado.
oa loja do Pavo.
raneas de recobrar a minha saude ; quando Vendem-se as mai> bonitas cassas organdys, pa-
nltirmmentp rpsolvi ft?pr usn da 'taha nflr. droes miudos e grandes, pelo baratissimo preco de
ltimamente i esoi\ i lazer usa aa amta par- 2io rs. o covado (doze vintens), esta pechincha
rilha do Dr. Ayer. Completarse hoje
trinla e sele dias que comecei com este
santo remedio, e tantas melhuras tenho j
sent lo que tenho conviceao de em breve
recobrar a minha saude, perdida ha tanto!
tempu.
Kyptiilis e molestias nierouriaes.
Do Illm. Sr. Dr. Jacksoi.
Medico muilo conhecido as provincias do \
sul do Brasil.
Tenho receitado
araba-se logo : na loja do Pavo ra da Impera
triz n. 60, de Cama & Silva.
BRETANHA DE ROLO A 3^000.
nadapoIO eufestado a 300O.
Ka luja to Pavao.
Vendem-se pecas de bretanha de rolo com 10
varas a M, ditas de madapolo enfestado a 3520',
3a<)0 e M : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
d. 60, de Gama &. Silva.
Madapolo com toque de mofo a (3 iOO e 75
Vendem-se superiores pegas de madapolo, ga-
1 Salsa panilha do ""'"to-se 20 varas emirada urna, pelo baratissi-
mo prego de 6400 e 7# por terem ura pequeo
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Syphilis constitucional e sempre com os
mais felizesresultados; o melhor alteran-
te cjucconheco. >
Leucorrha e llores bramas.
Temos cartas em que nos contam casos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta Salsa par-
rilha.
O espaco nao nos permilte transcrever
todos os atlestados que possuimos Jas vir-
tudes d'este extracto com posto oe Salsa
parrilla do Dr. Ayer. Hasta declarar ao
publico que tem Sido empregadO ha mais'!"- covado, sendo fazenda que sempre ie v
de vate annos pela profissao medi a tanto \3*%%}J*I&& PaT8o> rua da l,npera
das Amertcas como da Europa, seui nunca
desmentir a sua alta reputado.
Para a cura radical de escrfulas e iffeccoes
escrofulos, syphilis e molestias syphi-
liticas, ulceras, feridas, chagas,
erupces cutneas e todo e
qualquer incomo.odo que
provra d'um estado
impuro de sangue,
TOMEM A
SAI,*. A P.IRRILILt DE AVER.
AT venda na rua Direita, ns. 12 M e 76;
rua da Quitanda n. 51 ; praca da Gonsti-
tuico, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pharmacias e drogaras do im-
perio.
Vende-se em Per Bambuco:
iti pharmaeia franceza de
P.MAURER & C.
__________RUA NOVA N. i8._______
GRANDE
AZEVEDO FLORES
Rua da fiadeia do Kecife, esquina da Madre de Dos,
BALOES
Baloes de arcos 3iJ000.
Bales com o primeiro arco grosso de 20, 25 e 30 arcos, a vista so far preco.
Baloes de arcos e de pa: no para meninas de 2 a 12 annos a 20 e 20500,
Chapeos de s< l.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas 80.
Ditos maiores com 16 asteas 120.
Camisas.
Camisinhas para senhora a 30.
Camisas brancas para homem e com peito de cor a 15>800 cada urna.
Camisas com pregas largas muito superiores a 20500.
Camisas de linbo a 20800 e 30500.
Camisas de iinho inglezas a 40, sao muito superiores.
Camisas de i-anella de cores muilo finas a 40.
Cami as de meia superiores, I cartao com 6 camisas 100.
Chitas.
Chitas largas a 240 o 280.
Chitas largas escuras finas a 320 rs.
Chitas preclaras superiores a 440 e 500 rs.
Chitas estreilas a 200 rs. o covado.
.Uadapoles.
Madapolo muito fino a 8 e mais in'erior a 60, estes precos 20 menos que o
valor real da fazenda, quem duvidar venha ver, ha muitas ontras qualidades de mada-
poles, assim como o superior madapolo francez para camisas e saias de senhoras.
telas.
Superiores meias cruas para homem.
Meias pretas e brancas para senhoras.
Ceronlas.
Superiores ceroulas de linho o melhor que ha.
Ditas de brirn de Hambnrgo fcitas na trra.
Ditas de esguiao de algodo a 10600.
Paieo<.
Paletots saceos de casemira.
dem de brirn pardo e brancos muito finos.
dem de alpaka branca muilo superior a 50.
dem de alpaka preta a 10.
raleas.
Caigas de brim branco a 70, 6>, 50 e 40.
dem de casemira de cores a 70, 80 e 105.
Golletes.
Colletes brancos a 20500 e 30.
dem de casemiras de cores e pretas a 4-0 e 50.
Vestidos a Hara Pia.
Ricos vestidos de laa com barras modernas e os mais finos que pode haver a 200.
Vestidos do mesmo gosto. porm mais simples a 120 e 14.
aros de vlagem a .#.
Por estes precos s vende Azevedo & Flores na loja do
o
O proprietano do grande arnrnem do Baliza,
largo do Livramento n. 38, niio tendo podido con-
seguir em lempo a mudanca ele seu armazem, por
ter de ?er mudada a eoberta dessa casa, tem resol-
do venrter o grande e magnifico sorlimento de mo
(hados e seceos que nelle se aeham por todo o pre-
?, sem aitender ao grande prejuizo que lera, vis-
te que d'oulra forma nao o poder evitar.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
120 a lata: nos armazeosda ruado Im-
perador n.l 6 e rua do Trapiche Novon. 8.
Bichas deHamburgo
Vendem-ce oa rua Nova n, 61.
Vende-se
arelo de Lisboa em saccas e barricas, e saceos
com superior farinha de mandioca, mais barato do
que em outra qualquer parte; na rua do Vigario
d, 17, primeiro andar.__________________
~Vnde-se orna taberna bem afreguezada pra
o mato, e bem como para a trra por ficar ao p
do mar, tambem d comidas e dormidas, e recebe
passageiros, tendo excelleute commodo para fe-
railia : oa rua da Lapa n. 13.
Fo de algodo da Baha.
Venderse no escriptorio de Antonio Luiz de Ol-
veira Axevedo & C, roa da Cruz n. i.________
m- Farinha de mandioca : tem para vender Au
tonio Luiz de Oveira Azevedo A: C., DO sen es-
criptorio rua da Cruzn. i.
toque de mofo que nada val, e pecas de algodo a |
45 : na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. C0, de
Gama & Silva.
Curtes de casemiras a 20OO e 30
Vendem-se cortes de casemira de urna s cor a
2500, ditas de quadrinhos a 3& : na loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. GO, de Gama & Silva.
Chales a 20000
Vendem-se chales de merino a 25, 23300, "5 e
63 : na loja do Pavo. rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Ladhasa 220 rs., na luja do Pavo
Vendem-se laazinhas transparentes de urna s
cor e de quadrinhos preprias i ara vestidos de se-
nhoras e meninas, peto baratissimo preco de 20
endeu
peratriz n.
60, de Gama & Silva.
Caries granadinos a 120
Vendem-se os mais ricos corles de fazenda de
muita phautazia por ser transparentes e tecldos
com seda, tendo rada rrte 22 covados, pelo duu;-
uto preco de (? : nicamente na loja e arma- i
zem do Pavo, rua da Imperatriz o. 60, de Gama
ii Silva.
Bornwts de renda sa loja do Pave
Chegaram os mais ricos bornouls de renda e se
vndem por baratissimos precos : na loja e arma-
zem do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Ilioas diales prelos de renda
Chegou pelo ultimo vapor francez um grande e
variado sorlimento dos mais ricos chales pretos de
renda, tanto de linho como- de seda, tendo entre
eles muitos de poma redonda a emitaco de man-
teletes e muitos com o ceMro de cor, e weode-se
por precos muito em conta por terem sido manda-
dos vir de conla propria pelos donos da toja do
Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Launhas lisas a 500 rs.
Vendem-se asmis modernas laazinhas,toado de
todas as cores, pelo barato preco de 500 rs. o co-
vado, larlalana branca e de eores a 800 rs., fil Uso
branco a 800 rs. a vara, cortes de fil brancos lisos
a 63 : na loja do Pavao, rua da Imperalrlzs. GO,
de Gama & Silva.
Chapeos de sel de alpaca
Vendem-se superiores chapeos de sol de aiftaca
a 3300, ditos de seda inglezes com 16 aspas a
12 : na loja do Pavo, rua da Imperatriz u. 60, ]
de Gama & Silva.
Laaziohas transparentes a 320.
Veodem-se muito bonitas laazinhas transparen-
tes com palminlias de seda a 320, ditas lisas e de
varias eores a 220 rs.: na loja do Pavo, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama Si Silva.
Cortes de las matizadas.
Vendem-se bonitos cortes de laas matizadas, ten-
do 15 covados cada corte, a 0$, ditos Maria Pia
a 63 e 85: na Ha do Pavo, rua da Imperatriz
n. 6(>, de Gama & Silva.
ROUPA FEITA
ROUPA FEITA
ROUPA FEITA.
Na loja do Pavo vende-se nm grande sorlimen-
to de roupas feitas para homem, sendo calcas, pa-
letots e colletes, tanto de panno como de casemiras
pretas e de cores ; deixa-sc de mencionar os pre-
cos para nao se tornar enfadonho o annunclo,
afiancando-se que o respeitavel publico achara um
grande sorlimento por baratissimos precos : na
loja armazem do Pavao, rua da Imperatriz n.
60, deGama & Silva.________________________
Piche do gaze verniz do gaz.
Vende-se piche do gaz, verniz do gaz e estopa
da Ierra : no armazem da bola amarella, no oitao
da secretaria da polica.
Atten$o.
Vende-se o deposito da rua Nova n. 61, bem
afregnezado e bem sortido : a tratar na. rua do L- j
vramento n. 34.____________________________
Palitos de fogo 2$ a groza para li-
quidar.
Chegaram excel lentes palitos de fogo e vende-1
se pelo baratissimo prego de 25 a groza: na rua
ad Gadeia do Recite loja de ferragens o. 36 A, de
Bastos. '
A amiga e bem conhecida loja de miudezas
rua do Queimado n. 16, acaba de ser novamente
prvida de differentes miudezas, novas e finas per-
fumaras inglezas c francezas, luvas de Jouvin, en-
feiles para senhoras e outros muitos di-versos arli-
gos, que com prudencia e sisudez serao patentes ao
comprador, a quem isso, e a regularidad* dos pre-
cos nao ser indilTereute para continuar com a sua
boa freguezia.
Antiga loja de miudezas a
rua do Queimado n. 16.
Nessa loja vende-se baratamente, atm de mui-
tos outros objectos os seguiBtes :
Voltas do cryslal, grandes e pequeaas.
(luirs de diversas qualidades.
Cruzes grandes de pedras falsas.
Alfinertes de madreperolae outras qualidades.
Brincos a balo.
Cintos a traviata.
N, 16 rua do Queimado.
Peanas d'aco, papel envelope?.
Na aotiga loja de miudezas a rua do Queimado
n. 16, acha-se um bello sorlimento de papel al-
masso greve liso e pautado, primeira e segunda
sorte, dito de peso liso, pautado e de quadrinhos.
de differentes qualidades al a que se pode encon-
trar de oielhor, dito paquete, dito pequeo em ca-
xinhas, sendo liso, paulado, de quadrinhos, beira
dourada e tarjado de preto, tendo entre elles al-
guns que Irazem a envelope na mesma folha, o que
aqu inteirameule novo. Cainas de envelopes
maiores e menores, e tarjados de preto. Pennas
d'aco inglezas, raligraphiras e oulras qualidades,
todas dos afamados fabricantes Perres C.
Albuas baratos na rua do Quei-
mado n. 16.
Vendem-*e bonitos albuns para 12 retratos a
15500, outros para 2 a 35000, e alguns maiores
tambem por baratos precos.
Luvas de ptica a 500 rs. o par.
Apezar de ao serem amigas esio um ponco
mescladas as luvas de pelica preta e de cores, as
quaes anda servem para a noite, e mesmo para
montara, e muiem-se a 500 rs. o par na rua do
Queimado o. 16, loja de miudezas.
Laliyrinthos e lucos.
Na loja de miudezas a rua do Queimado n. 16,
vinde-se bonitos labyrinthos e bicos das ilhas, te-
cios em grade de liuha o que os torna fortes, e de
muita duraran, alm de que os novos e agradaveis
desenhos, e a commodidade dos precos concorrem
para a boa extraccao d'elles, tanto mais quanto
elles nunca sao desoecessarios em casas de fami-
lias, pelo que podem dirigirse a rua do Queimado
D. 16, loja de miudezas.
Rua do Queimado u. 16, an-
tiga loja de miudezas.
Essa loja j to conhecida, renovou e melhorou
o seu sortimenlo de perfumaras, onde os preten-
dentes podem encontrar de novo e bom.
leos philocome, superfina e babosa.
Banha fina em fraseos e latas.
Extractos finos inglezes e francezes.
Agua da colonia e florida.
Opiata e poz para den-es.
Extracto de quinquina para ditos.
Agua balsmica para dilos.
Dita denirilice para ditos.
Leite virginal para sardas.
Vinagre de Venos para refrescar e conservar o
lustre da cutis.
Sabonctes camphorados inglezes.
Ditos ardemos excedentes para mos.
. Outros lambem inglezes de diversas qualidades
em caixiohas de tres e solios.
Albuns com perfumaras.__________________
Farinha de muribeca fina e alva, mais
barata que se vende no mercado, em sac-
eos : na ruado Vigarion. 29.
KAKATOS,
Vendem-se em duzias e a retalho, sabone-
tes aromticos c por precos commodjs; na
rua do Queimado loja d'Aguia Branca n. 8.
A gua Hoilde
para tingir cabellos.
Alm do chromacomo, acha-se mais aa-
gua Hoilde, preparaco ingleza para tingir
os cabellos, < s pretendentes comparecam a
rua do Queimado, loja d'Aguia Branca n. 8.
nanitas caixnhas
com perfumaras.
A Aguia Branca na rua do Queimado n.
8, recebeu um novo sorlimento de perfu-
maras das excellentes qualidades j bemeo-
nbecidas, vindo no mesmo boni;as caixinlias
de madeira invernisada, e ontras de vidro,
todas com finas perfumaras, e mui pro-
prias para presentes, as quaes sao vendidas
por precos commodos, na loja d'Aguia Bran-
ca rua do Queimado n. 8.
Toacas de fil enfei
tadas
a BOJ rs. cada urna.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Espelhos dourados.
A Agn'a Branca, recebeu novamente um
grande sortimenlo de espelhos de differen-
tes qualidades, sendo de mordura dourada,
dita envernisada, outros de dita envernisa-
da com vivos dourados, tendo diversos ta-
manhos, al grandes para salas, e bem as-
simjMjtros de armacao com um e dous ps,
e outros com enconslo, todos os quaes se
vendem i or precos commodos e dinheiro
vista : na rua do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8.
Bi>m papel almasso
pautado com 33 untes.
A Aguia Branca acaba de receber a sua
encommenda desse bom papel almasso, liso
e paulado com 33 linhas, assim como de
peso, tambem superior e igualmente liso e
pautado, com cora imperial, e sem ella, e
outros pequeos conforme os cima, e pa-
quete, tarjado de preto folha grande e pe-
quena, etc.
Tambem recebeu envelopes correspon-
dentes a todos os tamanhos do papel, tanto
brancos como tarjados.
A commodidade dos precos j de todos
bem conhecida, urna vez que appareca di-
nheiro : na rua do Queimado loja da Agnia
Branca n. 8.
Esponjas finas para rosto
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Meias de cores
para creancas de 6 a 12 mezes.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Aspas fortes para baldo.
Vendem=se na rna do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
hosphoros de segnranca
caixas de 500 palitos a 160 cada urna.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Gol linhas e punhos
bordadas para senhoras.
A Aguia Branca da rua do Queimado a.
8, vende-se mui bonitas gollinhas e punhos
bordados para senhora.
Dminos e vis poras
em caixas de madeira.
A Aguia Branca na rua do Queimado n. 8,
acaba de receber domines em bonitas cai-
xnhas de madeira branca e envernisada, e
visporas de caixnhas de papelOo, e madeira
envernisada, ludo conlina a ser vendido
Tasso limaos
Vendem no seu armazem roa d
AraGrim n.'.V.
Licor fino Curacio em botija* e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas rom rollos t
vidro e em lindos frascos.
Vinhosi;heres.
San ternes.
ChambiMiin.
Hermitagf.
Borgonh-'.
Champagne*.
Muscatei.
Keino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
?\VUL4(s
Bit
Os elementos qne .ompcemesu prepara. ;":o.
(erro, o iode e a fuina, a colioco no priaMra
grao lias preptracti ferruginosas. Basta af.psttr
seus rrsuiudos omiikM p^los .Mdicos dos hosfi-
tacs, c os relatnos dos pr.nucos maiseminfuies,
que coniinnirao sua poderosa effieacidade oas
seguintes affeccoes:
iigur
C.nlr.ffllf. ir !-
K*a ma!r:iaa.
Malrallaa MM
Paprlra.
Oh.lrarri* 4u laa
dlllMN.
Humor.' trtmm-
Hiinterra bra
narhltlana*.
Aflrrcra em
r ->ihlll1lraa
Frhrra t;i fcalaV.
Varale-*, ele, ete.
Mlnaaa na ai
Pntqurxa.
Anrmla.
Chloraae au Ictericia.
Menalrno.
Affeecoea da utera.
Sofprm.r. .tan re.
Kra* e rleaardea na
n.enatrnaraa.
AfTrcraa pulmonar e
nhdiUle.
Malcxtla* cl'r(onia
Gaafralslaa.
I'enla d'appetlle, rte.
Yfjae se os bulletins de iherapeulica mekm
t cirurgicn rf30 de '- rmklt l>C0; a CaMal
dos ktpilaes del1. ' [vlh I8i>0,ele, ele.
Alcrn das pitula* Je iodmr duplo de (errt ti
quiuina de Rebuto ti, os Mdicos acon^iha*
igualmente o Xaropc d"iodure duplo te
farro e de quinina do mesmo anthor par as
pessoas que nao gosi'io de medicamentos sob (r-
ma pilular e os meninos. Esie xarope nao toa
como o xarope i'ioare de ferro, o incouveaies'e
de altcrar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folhcio qae se i de graca em casa
dos pharmaeculicos depositarios.
P?.ra-se evitarcm falsificacSes, eilja o cear-
prador em cada frasco de Pilulas on Xarope a aa-
signainra do inventor.
Pe psito gcral cm Pars, pharmacia ReWllOB,
4i2, ru du Bac, e em loda as boas pbarmauai
de Franca a dos pnizes estrangeiroi, etc.
T>E
HSTvILTIl
a dlaeatora.
>;a*lrllra.
Galtralslaa, ele
Lencos pequeos
Atten^o. freguezes.
Lourenco Pereira Mendes Guimaraes, com loja
e armazem da Arara, ca rua da Imperatriz n. 56,
est fazendo ama nova liquidaco de todas as fa-
zendas que se vende muilo barato, a saber :
CHITAS A 200 Rs. O COVADO.
Vendem-se chitas com muito bom panno e tendo
cores flxas, pelo baratissimo preco de 200 rs. o co-
vado : s Lourengo Pereira Mendes Guimaraes.
AS BRETANHAS DE ROLO.
Vende-se brelanha de rolo muito boa fazenda,
pelo diminuto preco de 3000 cada peca com 10
varas.
LAZINHAS CHIXEZAS.
Vendem se as mais modernas laziohas chinezas
pelo barato prego de 280 rs o covado, fazenda esta
que sempru se vendeu a 400 rs. e hoje est se ven-
deudo a 280 rs., de todos os padroes e todas as
ores: s Mendes Guimaraes.
CHITAS FRANCEZAS.
<,tnVS^m'se 2? r"*ceias 22"*V cUh2L? por precos commodos e dinheiro avista.
2*0, 260 rs. o covado, ditas percalas linas a 280,
300,320 rs. o covado : na rua da Imperatriz o. 56
loja de Mendes Guimaraes.
GRANDE PECHINCHA DE CHALES DE
MERINO'.
Vendem-se chales de meric eslampados pelo
barato preco de 2 cada um.
CAMISAS FRANCEZAS.
Vendem-e camisas rancezes a 15500, 1#800 e
25000 cada ;utra, ditas de pregas largas a 2$ e
-25-210, dilas de linho a 25500 cada urna
des Guimaraes.
MADAPOLO ENFESTAOO.
Vende-se madapolo com 12 jardas a 3500, 45
e4500.
CAMISAS PARA SENHOBA.
Vendem-se as mais modernas camizinhas eaei-
tadas para senhoras a 45, 45500 e 55000.
GRANDE SORTIMENTO iE CAMBRAIAS
BRANCAS.
Vendem-se cambraias brancas a 35, 35500, 4&
45500,55,35500 e 65, e muito fina a 75000 cada
peca.
CORTES DE CAMBRAIA BRANCA COM
S LPICOS.
Vendem-se cortes de cambraia de saipicos mui-
to miudiobos e cada corte tem 10 varas, pelo bara-
tissimo prego de 55-
. COBERTORES ESCARLATES.
Vendem-se cobertores de Ja escarales a 65, di-
tos de algodo a 15500, ditos escoros a 15800 cada
um : s Mendes Guimaraes.
PECHINCHA DE ENTREMEIGS.
Vendem-se bonitos ntremelos a 800 rs. a pega,
ditos finos topados, tendo padroes muilo de goslo a
15, babados a 15 cada urna peca : na Arara, rua
da Imperatriz n. 56 de Mendes Guimaraes.
CASEMIRAS.
Vendem-se casemiras com lislras a 2J500 o co-
vado e ditos a 35000.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se roupas feitas de todas as qualidades,
caigas de ganga a 15500,15600, 1800, dilas finas
a 25, dilas de brim pardo a 25 e *J500, ditas finas
a 25800 e 34, ditas de brim branco a 25, ditas de
linho a 35500, ditas de casemira a 35 e 3*500, di-
tas finas a 65 e 75500, ditas prelas de casemira a
t e 85000, palitos saceos de meia casemira a 45,
45500,5 e 65000, ditas finas a 75 e 85000, ditas
de casemira mesclada a 95500, palitos sobrecasa-
cos de panno preto a 125, 148 e 165000, jaquetons
de brim pardo a 2;80O, 25500 e 2j>000 : s Loa-
rengo Pereira Mendes Guimaraes, rua da Impera-
triz n, 56, loja da Arara.
Os granulos au bismuth de Chevrier be
superiores a todas as oulras prepara'.'oes 4*
bismuth emprendas antes rom o muior seccesa
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir
curar as
Dlan-hcaa cfaraalraa.
lljKM-m<-rlii.
Ddrca d'cpttdiuaga
Djai'cpaiaa.
Os primeiros symr-ionus d'essas formidr.e
affeccoes se manifcsiao or.; i aamente por dift*
lies laboriosas, ax,i,iu>,:es. falla d'appeiite. peas
a estmago depois de cada comida, cambras u-
tomacaes, c, muilas v res, por espasmos nerrosm
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descaidio, traz ioe-
vilavclmenle, que se.a:
MulCHtliia de Usado.
A Ictericia.
Palpitaro de coracao
Drca no. rlna.
Ojiprraaoea.
nrea de cafetee.
Irrtlarwea de amiga) a
da mal ra, le
Os granulos Chevrier sao ordenados pela*
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sio tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito gcral em Paris, pharmacia Cha I itai,
e em todas as pharmecias de Franca e daa |
estrangeiros.
para meninos.
A Aguia Branca, na ru do Queimado n.
8, recebeu um novo sorlimento d'aquelles
lencoi brancos, pequeos e com barras de
cores, proprios para meninos, e anda sero
uendidos pelo commodo preco de 10000 a
sMon- dn/.ia.
Metas pretas
de laia pararpadre.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
cwrtn-c-0505s>->n3;c:-^-33;~
JCTBiicOOi rr'- as O O K O
2-S13--g-g,=g.85l
S8ll!|.S8l|Ps.i
B.s-ggf-g.ergsSoci.s's
63
hfci ,,, ..al
-i ~
a

o
i >*.
-, . O tn O." S -i W 3
e .o co 3 a
rV = R O
^- B S r- (o
Fumo da Bahia para
charutos.
Vende-se fumo superior de todas as
qualidades, a retalho e por atacado, e
por precos commodos, no Recife, rua da
Cacimba n. 1.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarogar
algodo : ca rua da Seozala Nova n. 42.

I
|fi
a c-S
o 3 5*c
^ 1 8?35
" S < 3
r.
s s
a,
S s;
a.-.*
ce =73
-, 5 <*
" S ^
O
"3 S
O
co
2oc._
9-L
ct> p
3g
SS.S
I
Bi
-I
O.
s
o
o.
ce
CB
OQ
US
a
ce
en
-1
OQ O 2 O
c o
plH
o
fii
o
o

a- >
O as
O a

as bj-
5
o
MASSAE XAROPE
BERTH
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas as lrritatoet
do peilo.
AVISO
Falsificacoes reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope o da Massa de Bertke,
nos obrigo a recordar que esses producto-
tio justamente
nomeados nao se
entregSo scnSocm
hcelas e em fras-
cos com a assigna-
tura aqui indicada, paaraaaaa^aaaay *>. uf Mu..
451, me Saint-Honor, na pharmacia i.)
. i.i'vhr, e cm todas as pliarmarias.
Deposito geral em Peroairliucf- rt: 'Ja
Cruz n.22 em casa de Caros A Barbosa
MACHIMA
Rednrro dos prcras.
Vendem-se por precos redozidus machinas*
descaregar algodo de 'nrras de lodos os lanu-nno .
de 14 a 63 serras ; assim como motores para as
mesmas, as quaes se acham vista no raMMafai
farinha, rua do Imperador, por l>aix.> do G.Uieie
Portoguez : a tratar na rua do Trapiche d. 8. m:
no mesmo armazem : ouiro sim recommenda-se
aos compradores que usem de azeile doce oo *
coco para entrarem os eixos deslas ma hia.', eia
logar de azeile de carrapato, visto este prodazir
contrario do qne aquelleque se quer.
Loja
das seis portas em frente do Li-
vramento
Vendem-se chitas francezas escuras e bons pan-
nos a 840, 260 e 280 o covado, cassa franceza de
cores flxas a 240 o covado, nrelanha de rolo a
S4O a peca, cortes de casemira de cor escara a
U, baldes de arcos a 3, 3#i00 e 4, e muilas
ontras fezeddas por baratissimos pregos, e de lodo
se dSo amostras; cambraia para forro a 2J00Q a
pega.
Liquidadlo de machinas para,
algodo:
Chegou grande sorticenlo de machinas nra
descarogar algodo, de 14, 16, 18, 20, i5. 9tB
serrotes, de superior qualidade, as quaes se vaa-
dem por pregos muilo reduzidos a par menos :.
que em outra qualquer parle, para liquidar, tena
como motores americanos da ultima invencao. 1
quaes se tornam recommendaveis por soa su'seiier
qualidade de fcil condnrgao para o centro da pro-
vincia ; a tratar no deposito do caos de Apelo n. C">
ou na rua da Cada do Recife, loja Oe fcrratvns
D. 66 A, *
av aviad o.
Francez barrica 500O
Porlland dem 8#50O
Em perfeito estado:
Francez barrica 1 -"OOft
Portland dem lljuuo
No armazem de Tasso traaos eaea -j'Apolk).
Vende-se um escravo moge que ja i da *-
genho : a tratar na raa do Mondego. ciar a. 13.




i


^JS*
*myr~'**> m.m J^.. a

u i ni ii m am^mm ii-
ii"-!" *
-*
\
lar? t- *ernatInico Q-nart el; a f de rfulo de S6i
O 31
, < | GNEROS BARATOS V DINHEIRO
Ir
L
t
N0S $
GR4MS AI)IiZS;i\S DE H0LH'D0S||
Pateo do GariiM n. 9 armazem Progresivo roa lo Qucimado d. 71 y
Ubi jo e Coiuniercio roa lo Imperador n. 40,
Principal armazem de molhados.
DE
DUARTE & C
OS PROPIETARIOS.
gerihos,
Fazem
I vradores
scienle ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
s"wi K-iaumesemaispessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todo; os seus estabeleoi-
montos e un s annuucio, pelo qual o preco de un ser de lodos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, a-inunciar os ge eros
por un prego, e ns occasiSo da compra quercrem por outro, como socede constante-
mente em outras mu tas casas, porm nos nossos estibelecimejitos nao se dar isto
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer p;;ssoa podar mandar seus fmulos que
serlo tara em servidos como viessera pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas leadas; para evitar qualqucr engaos, remetiendo nos urna conla
pela qual se ver os procos tal qaal annuneiarm:*, o que sen3o arrepender pessoa
alguma que Qzer sia despenga em nossos estabeleeimontos; pois poupar mais de
o por cento na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada dem com i a o ditas a 3#200.
ltimamente no vapor Saladim, de 1$ dem vastos de todos os lmannos a 2#000,
a 1-3120 a libra e em barril terabati- 10300,800 eCiO rs.
ment. Queijos d 23300 a 5300 os mais frescos,
leii francesa muilo nova a 10 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 260 a garrafa e
em barril ter abatimeato. ; ^OOO a caada.
Banha de porco-refina Ja a 610 a libra e em dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 13100
barril ter abatiraento. a caada.
O. uxim de superior qualidade a 23600. Azeite doce de Lisbia muilo fino a 600 rs.
dem perilla iniudinho a 23700 a garrafa e 1#!>00 a caada,
dem hysson especial qualidade de 23500 a Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 400
25600 a libra. a libra, e em barril de 5 arrobas a
dem prelo muilo especial a 23Q00 e 23100 103500 a arroba.
a libra. Cerveja Rass do fabricante Shlers & Bell a
dem do Rio em latas de i,$O00 e a 800 a 63500 a duzia e 640 a garrafa.
libra. dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 60000
Latas com biscouto de todas as qualidades a duzia e 360 a garrafa.
a 13-03. dem marca H Victoria Alsope e outras
dem da crcditada fabrica de Biato Antonio muilas marcas a 53 a duzia e 300 rs. a
(Libo i) proprias para da; a doentes a garrata.
25 e 33 a lata. Sabao primeira qualidade a 220 rs. a libra
Bofoxioha ingleza muito nova a 30300 a bar-1 e 210 em caixa.
rica e a 240 rs. a libra. dem segunda qualidade'a 200 rs. a libra e
Latas com bolaxiaha de oda e oval a 20. 180 rs em caixa.
Presunto inglez para fiambre chegado no Sabo inglez superior a 180 rs. a libra e
ilii.no vapor a 80 rs. a libra. 160 rs. em caixa.
burgos e patos muilo novos a 900 rs. Gaf prmeira e seglir)da sorte a 70000,
70300 e 8) a arroba, e de 240 a 280 rs.
WES ARJZPS
he

IQLHADO
W'fL Lapgoda Santa
WCroi n. 84. es-
VIMIOS
P Largo da SantasISyj
^Cruz n. 84, es-^
BSPBCfAES^o"dlmdlf
tr.......,_...........r............... _.f
ao de um paneiro para cima.se furaabatimenlo na ra do Imperador o. 40. M
GOMMA NOVA.
Em fianeiros muito alva a 4,ooors. a arroba e Hto rs.
bra t eonpran-
? ov proprielario dn i m,.u , H4kRRjwKR
rora Hrilhaote --ontrana a tr acreditado armazem de molhados denominado Au
A .____ *"* S lOdOS de hRft nara amsto Aa />nnlac sr,c nnrtHnroc
tabella Inri. ,cs'uu >urnmeoio ae gneros de primeira qualidade.
Nenhum armasen vender' m,-Mkde b.aSe Dara,.aJusle de comas aos portadores.
Pelo rande sortimentn i m?.. i-m s barat0 e raelno''es do que a Aurora Brilhante, ja*
711 ja mesmo porqae seu dono s deseja tirar diminuto lu-
proveitar, o p'rsDneYan^h^'f1' as de-cPezas do esta"bec"dme"nto*por isso deixe se a-
tantes f reguezes azer toda a diligencia, afim de servir bem os seus cons-
L?7S8'bradechouriasra^o novas,
Ditas grandes
- r.om peixe
S ,ualidades'
Ditas com ostras, ejcellente
gideira, a 720 rs.
em postas inteiras,
a 15000, i80e
a libra,
'iiixas com macarro tdharim muito novo a
3 3000 e :(20 a libra.
.i'iria branca o amarelli a 500 a libra.
! locolate portugaez de especial qualidade a
8 0 a libra.
d :;: suisso de 8'0 a 10000 a libra.
a libra.
Arroz do Maranao 30200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 20600, 20800 e 100 rs. a
ibra.
Vinho verde superior.
A caada a 3J000 e a garrafa a 400 rs.
(iiiiiiiiii. M
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se*
engoramar, a arroba a 3000 e a libra
120 rs. Sabio massa, a libra a 200, 240 e 280 rs. !
Fariolia. ,3!
Saccasgrandes com farinhade Goianna mui- U
to nova, a 3*000. "'- i
Caf. X
Cafdo Rio muito superior, a arroba a 8,'4|
8*300 e 95000. {|j
Cha. tij
Ch,temos nestes gneros o melhor possiveoH
hyson, a libra a 2*600.
Dito parola a .1*000.
Dito uxim a 2*700.
Dito hyson muito fino a 2*S00.
Dito redondo a 2J500.
Dito preto de primeira qualidade a 2*500. s
Dito mais baixo a 2*000 e 1*600.
Erra mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 r?.
Espermacete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600, 31
640 e 720 rs.
Passas.
Gaitas de 16 e 8 libras de passas novas pro- Xt
pris para mimos a 4* e 2*500.
Notes.
iie o >u a ip/ujd llura. uuia.
q bes an'iol rerdadeiro a 1J>000 a libra Charutos Normas de Havana a 30300 a cai-
i veni] misa IJVOO. xa.de Simas (JosS Furtado).
da .'asea de goiaba em caixes de 4 e Hem Londrinos a 30, idem.
tneia libras seguro a I0SOO, dem Parisienses a 40300.
)equenos a 700 rs. e de dem Delicias a 10300.
no.
N'ozes.
.a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpista e painco.
Alpista e painco; a arroba ijiOOO e a libra a c
160 rs. fr
Cartas.
Cartas finas para i^gar. a duzia a 2*500. f&
Castanhas.
arro- T

i' i raix"io-
> para cima a
dem Traviata do Rio a 30300.
> [jaia 'iiiiii a '.. iuciii n.iviau un niua i>juu.
seco em bocktas ricamenteeofeitadas, dem varetas de Manoel Peixoto da Silva
contendo pera, pesgo, ameixa, rainha.
e outras frutas a 30000 cada urna.
dem em calda em latas feixadas hermtica-
mente raui'o bem enfeitadas, contendo,
pera, pesego, ameixas e outras frutas a
640 e 700 a lata, tambera temos latas
.grandes a I02OOL
'ii! nielada dos meiore; fabriesntes, em la-
ts le 20000 a 1 ;>2 )0.
den em latas de I 112libra a 10.
dem em atas de I libra a fiO rs.
Emilias em latas cqagadas oeste ultimo va-
por a 700 e de a" para cima a 640 rs.
FeijSo verde ou carrapalo e:n latas j pre-
parado a 640 rs.
A -ii'iixas ora frascos I de vidro a 10300.
i Jera em caixmbfls ricamente enfeitadas de
15200 a 20300.
Conservas Mexide muito novas a 700 rs, o
frasco.
dem de ceblas simples a "00 rs.
Molho ingle/, a 01' rs. o frasco com rollia
do vi Iro.
''osi.i da ..-ni p a 700 rs. o frasco.
Umi j preparada a 320rs.
Lats com massa de tomate de I libra a
600 rs.
Mam em latas de 1 1|2 libra a 900 rs.
Vi.ihosera garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras militas marcas
a 10 a garrafa e 90 a 120 a duzia.
idem Palmera a 10 a garrafa e 110000 a
duzia.
Idem era pipa de todas as marcas Porto,
Figuira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 20800 a 305no a caada.
dem ern ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 240 a
ancoreta.
dem branco expeial qualidade proprio para
missa a 56') rs. a garrafa e 40 a caada
letem mais baixo a 400 rs a garrafa e 30300
a caada,
idem do orto especial qudidade a 800 rs.
a garrafa e 50300 a caada,
id m B.rdeau.x em caixas a 70 e 700 rs. a
girrafa.
Champanha a melhor do mercado vinda de
nossa encommenda a 300 o gigo.
Idem mais baixa de 180 a 200 e 10300 e
30 a garrafa.
Licores portugueses e francezes a 10000 e
10300 a garrafa.
Marrasquino de Zara, verdadeiroa 10500 a
garrafa,
dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
Genebra de laranja ver 'adeira a 110 a du-
zia e 10 o frasco,
dem de Hollanda verdadeira a 60 a fcas-
queira e 6'0 o frasco.
' lera deHambur,o a 50500a frasqueira.
Uem em botigas de Hoilanda a 400 e 440
rs. o frasco,
larrafes com genebra de Hollanda cora 24
garrafas a 80, com garrafao.
dem cotn lia 13 garrafas a 60.

Netto a 30300 e 10 00 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 10iOO
a meia caixa e 50200 a caixa.
dem meceipes a t$l(n a meia caixa e
30000 a caixi dem orientaos do mesmo a 10800 a meia
caixa e 30400 a caixa,
dem joves de Gastanho A Fillio a 20400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 1003 a meia
caixa, e outras m litas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 10300 o quarto e 50
a caixa de urna arroba hespanliola e 320
a libra.
Verrautc bebida para abrir a disposico de
comer 10300 a garrafa e U0OOO a
caixa.
Alpista muilo novo a 30800 arroba e 140
a libra.
Painco a 15000 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas j preparado a 10200 a lata
e em porcSo 10000.
Sardinha's de Mantos a 403 a lata.
Tijollo paralimpar bcaaa 100 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 12 e 105000 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 10800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 20500, 30000
e 40000
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhio muito alva e nova a
240 a libra.
Sivadinha de Franga para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muilo nova a 140 a libra e 40000
arroba.
Caixas com estrelinba, rodinha e pevide a
400 a libra. |
Alhos em canastras muito novos e maanr;as
grandes a 180 e 200 rs. cada ama.
Canda muito nova a 10000.
Gravo muito novo a 300.
Comihho idem a 320.
Krvadoce ilem a 400. .
Alfazema flor a 210.
Amendoas a 400 a libra.
Mozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 40200 a resma,
dem lizo a 40000.
dem de pezo a 30000.
Idem de embrulho marca grande a 10200 e
1-0300.
dem azul para butica a 20000.
Copos lapidados a SjjloOO e oOOeada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 ]e
160 cada um;
Fumo americano de chapa, d superior
qualidade > I05OO a Libra, em porj^er,
abatimenlo.
ilffl
petisco para fri-
jDitas com ameixas a l*0, usoo a a.S'snn
lDiucsr d "^"Se
n!aSCOm massa de tomate, a 300 rs
|Dl2*00onblaChnha de S0da muit0 novas>
Chocolata.
i rlT fSSSK efeita1as proprias
fWff" rauit0 novo>a libra de
) MaaCai00Or'salharara e alelria araarea. br
8Sif?/> branca, a libra a 400 rs.
Ditas dita em libras a 640 rs.
ISagil a libra a 360 rs.
Erih para Spa a libra' a 240 rs.
hrvilhas seccas, a libra a 160 rs.
uuas descascadas, a libra a 200 rs.
napioca muito nova, a libra a 280 rs.
t 300 fs ararUla verdadcira' a llbra a
*AlS0 y?"nhao' em sacco, a arroba a
2*i00 e a libra a 80 rs.
tDitO da India e Java, a arroba a 3*200 e a II-
( ora a loo rs.
Toucinho^ Lisboa a 9*500 a arroba e a 320 Castannas novas ^nT'L vapor,
jD260derSSaQ,OS' 3 arrba 7$m e a libra a I ^ 4*0 6 "iiIitoSf rS'
.Molhoscom 123 ceblas grandes a la^SO 'Darriscom azeitonas novas a 1*300
7Sinnla franceza caixa "ra 2 "duzis a I Manteiga.
r /jwu. Manteipa superior, a libra a 1-5280.
) 'C(in Com moslarda Preparada em vinagre,' Dita mais abaixo a 1*200.
'n ? rs' i r)|ta menos superior a 13
6W 8)0aSerVaS inglezas e francezas, a Dita franceza nova, a libra a 880
Ditos com sal n-finado finn, a 6iO e a 500 rs.
i Soo" a Ver Ditos de2 garrafas de Hollanda verdadeira,a
t>40 rs.
I>B0400S Cm d'Ia propria para negocio, a
pGarrafoes com 2 galSes com dita, a 6*.
ttServeja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
3 iluzia a 63000.
^Vinho muscateldeSctnbal, a prarrafa a 1*.
h Marrasqmnho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
K a 1*200.
PCnfgfi*P,e! a ,3uzia 20*000, e a garrafa a
K Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
f a 15000.
h Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
7*, 8*, 93 e 10* a caixa.
P Ditas com dito braoco, a 7* a caixa.
n Ditas com dito lacrimas do Douro verdadeiro,
n a 20*.
pDitas cora duque do Porto verdadeiro,-a
B 18*000.
KDitas.com chamlsso superior, a!43.
pDitas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12*.
bVinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
j e 800 rs.
. Dito de Lisboa muito bom, a caada a 3*200,
i 3*500 e 4*, e a garrafa a 300 e 560 rs.
SDito da Figueira, dasseguintes marcas .X.)
(I. A. A.) (J. L. G.) (0. M.) a caada a
s 45300, e a garrafa ao60e6i0rs., desle
? que j est engarrafado e lacrado com o
' rotulo do armazem.
I Ditos de marcas mais desconhecidas, acana-
5 da a 3*300 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
.Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
> 800 rs.
PBEE{fflS itlWCA- VISTOS
RUADO CRESPO 5
GREGORIO PAES DO AMARAL & C
RECEBERAM
Alpacas de quadros enfestedas de cores escoras, o cotado
540 rs!
ALPACAS ESCOCEZAS
SK.^ Cm 1StaS de Seda/ faZenda enfestada de d3S '^garas ocoia-
HERNAJNI
"SS^^S^T^S^ P-Phaotasia, propria para restidos deba*,,
POS
cada chale de fll preto (guipure)
28 000
SEDAS
nara ihS*iJS Seda branca com nres mi<1nhas e de diversas cores e sern ^
para theatro, ba.les e casamentos com 19 covados, largura de chita Scea.
Chapeos para senhora
Bonets
Chapos a gendarme.
Chepelinas de palha.
Chapelinas de fil.
Chapeos para homem.
Soutambarques de cambraiaiverdadeiramente bordados por precos que odmira
Vestidos feitos.
Vestidos enfeilados com gosto de excellente lacom zuavos etc a 2&W0O
Completo sortimento de fazendas para ^ww-
<-L"? % VIH rOIJLET
Os apreciadores do bello, visitando este e.stabelecimento, acbarao urna
e 3gradavel escollo do que ha de mais primoroso em
importante
MODAS
encontrarao as mais solidas
fazend
Dita dita era barris e meios ditos, a libra
830 rs. '
Dita para tempero a 400 r?.
Queijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 2*800 e<
3*000.
Ditos londrinos muito novos, a libra
1*000.
Papel.
Papel al maco paulado, a resma a 4W00.
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
2*500.
Dito de embrulho, bom a I* e 15200.
Vinho Maieirn.
Garrafas cora o verdadeiro vinho Xerez e Ma-1
deira a 1*500 e 2*000.
Temperos.
Follias de louro, piraenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Gaixoes de doce de goiaba, grandes a 1*400$
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Grau.
Duziasde boioes de raxa n. 97 a 2*000, e^(|
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs. ca-i
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos linos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos pregos, caixas e raeias;
caixas.
Os amadores do til,
para uso ordinario.
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
las com cores fi\3iaw$


iai
i Ai '
Autfiga casa de ullherme da Silva Cnli
i a raes.
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecinientos, qu,e deixam de an-
nunciar-se.
GEANDE LIQU1DACA0
I A i: I Mil lito
a loja e armazf de Guinaraes 1 !r-
mo, roa da lm>er>trii i. 72.
Os donos desle estabelecimento eslo re-
solvidos a liquidar suas fazendas por pwo
i baratissimo, s com o fim de adquirireo fr-
guezia ; e previnejn as pessoa?, que ix>tro-
ciam com fazendas, que nesla loja e armazen
encontraiao sempre um grande soriinunto
por menos 20 por cento do que em oulra
qualquer parte, tanto em pecas, como a re-
tamo. Vejam :
Caitas a 210 rs. c*TaY
Vendem-se chitas preclaras francezas cr-m
assento braceo, escuro, cor de canna e par-
da, pelo barato preco de 2i0 rs. o m
afiangando-se que esla fazeuda nao e>i pod-
are, e nem tem o menor defeilo: aH >6 na
loja e armazem de Guimares 4 Irmjo,
). / S.
Cambraia braaca, 9r>uir .rliariif.
Assim como machinas para serem movidas por Ciiecou a este estab. Idim^ntr. nm .mn.
animaes, que destrocara 18 arrobas de algodr Hp onrlimAnn h! Ik r m -ran"
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,' JL-J52S C cambraBS DDCas .le 10-
eutras dessas machinas. aas as qualidadts pelos prefos reduzklos de
Os mesmos lera para vender um bellissirao va- \ 3.-)000, 3.>500, 4^. 4*500, e muito Tina a
por que pode fazer mover seis destas machina* 6*. vende-se por este preco oor ! aran.lp
mencionadas; para o que convida-, porg5o ^aia organdTde^iT S?
ocovado; dita franceza, a mais fina que*
tem vindo a este mercado e dos mais ele-
gantes padres, a 400 rs. o covado, bara-
tissimo; chaly de seda de apurad, gosio a
rs. o covado : isio s se ?enk na loja
ae trabalhar mo para
descaro^ar algodao
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas mach; mu
^podemdescarocar
^qualquer espe'ci
~S,'de algodao sen
estragar o fio.
sendo bastante
duas pessoas para
otrabalho; pd
descarocar nraa
arroba de algo-
dao em earoc_c
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodac
limpo.
agricultores a virem vr e examina-lo, no arma
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sannders Brolhers k C.
\*. II, pra^a do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
Attencdo.
Saccas grandes com 100 libras de farello superior a 43000 a sacca.
N. 11Ra do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chegou a este eatabelecimeato um grande sortimento de cortinados bordados para
camas fateoda de muilo gosto.
Chales de guipa muito finos para 22*, 25* e 30*.
Colzas de seda superiores de diversas cores para cam&s de noivas.
Colxas de laa e seda para cama tambera de bonitas cores.
Hotondes de guip enfeitados com o melhor gosto.
Setim de Pars bella fazeada e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureantlque branco e prelo, grosdenaple preto e de cores, pannos pretos de todas
! as qualidades, ditos atues.
Caseraira preta e de cores, merino preto, silistrina, bombazinas, alpacas pretas, e
laa preta para lutos.
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 4* a 11*.
Brins de linho de cores finos a 1*800 a vara.
Chapeos e chapelinas de palha de Italia para senhora, manguitos bordados, chapeos
de seda para homem, ctnpos de sol de teda, esguiao de linho, cambraia de linho, breta-
nhas, silesias e muitas outras fazendas que se readem por coramjJos presos assim com
ambn f
Esteiras da India para forrar sitias
TaSso lmio
vendem gesso em p para estnqoe de casas, tijolos
finos de feftio diversos para ladrilho, azuleijo de
diversos gostis, tijolos vldrados para parede de co-
zmha, canos de barro para esgoto, cemento era
barris de. 10 arrobas.
Vendem-se pegas de esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, era latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade
vindo dos Estados Unidos
Trapiche n. 8.
e armazem de Guimares 4 Irma n
Para a festa de S. Ja f 1! bailes pavem."
i hegaram a este estabelec msoio, ielo
ultimo vapor francez, ricos curtes de linLi-
i lindissimo chuvisq. in! o
10,5000
80^000
400
Coke dogaz.
pitch de gaz,
Alcatro do gaz.
Coke tonelladas rs. .
Pitch ;,
AlcatrSo caada. ....
O coke reconhecidamente o carvo mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
alie usado. Pitch e alcatro,alm das applicacdes
diversas a que se prestara, como para callafetar
embarcacoes, alcatroar raadeiras,etc.,teem este a
propriedade de preservar do c.uplra, rormigas,eU:.
E entregar na fabrica dogaz ou mandado por ero
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
rao
Era casa de listel Freres roa do Trapiche n.
9, tem para vender:
Vinho B. rdeauxem barricas e era caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito de Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
Instruyes para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileico; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de roluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praga da Independencia, a 1*.
Superior vinbo do Port
Na ra do Yigar n. H, escrlptorio de Doiln-
gos Alves Matheas, tem para vender muito sope-
or vinho do Porto em calas de ama iuzla, e an-
coretas de 10 em pipa por prejo mdico.
. que faz um effeito magnifico
no arraazera da raa do pelo baratissimo prEC0 de 5* Crte tit
da que val I0 em outra qualquer parle
cortes de lia com barra a 9* e 14 : !mo s
na loja e armazem de Guimaries 4 lrm3o
n. /2.
Para acabar mt U4, prre.'!!
Bretanha de rolo com 10 varas a 3 a pe-
?9LSaoapol3 infesl do com O rasTa
J02OO, 3500 e 43 a peca; ricos bordados
em fina cambraia a 800 rs.; soutembamue
magnficamente enfeiudo a 5* e M: lan-
zinha a 300 e 400 rs. o cotado; damasco
de 2 larguras a 1*280 o covado; chales de
merm estampados a 2*; cortes de Me
mira 2*S0U # U; ^^ taiericos,
tanto para setihoras, eomo para menifws a
33, tendo 30 arcos.
Ronpa fcita de Mas as qualidaaVs e 'riln.
Que se vende mais barato 23 por cento lo
que em outra qualquer parta: i** sopara
liquidacao: na loja e armazem de bzeodas
de Guimares Irmao.
RA DA IVIPERATRIZ, N. 72^a
eabra m
\oTpna de Nossa
Carato e de ftaalMsma.
Ve5de-se na roa do Imperador a. 13, tWIciu
de encaderoaelo : o offlcio, salve e verso*, aovt-
na e salve de Nossa Senhora 4o Cana, tres fo-
Ihetos por 500 rs.,ea aovaaa o> SasfAaos aar
oo rs.
A------'o.


m
>p
Diario de Perttaaknco - Qnarta elra i de aWlfco de 18&
\
<^
*
0 PUBLICO
LIGA.
ESTABEEEOIDO A RA NOVA N. 60
3iUt lil 1TM 3)3 SI IDIiiiimi
. AO
RESPEITAVEIj PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
icm da l-lga estabelecido ra flova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua maxim parte mandados vir directamente do estrang-iro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a faluidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranca de que
aflatan oulro o eiceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1." Delicadeza no trato.
2. Fidelidad^ no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posir,3o social gozam de certo tratamento, acharSo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido. ,
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farSo mensalmente urna economa de
mnitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga o assucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo sea proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhon s que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente milito deve agr lar aos senhores-
compradores
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos. '
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DIMIEIRO A VISTA:
Sena o menor constran-
gimento se entregar o
j Importe do genero que
nao agradar.


ATTENgfcO
os presos da segnluti
tabella para todo, po
deado asslna servir de ba-
se para o ajuste de eostafc
com os portadores.
AGUA FLORIDA
**--
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da ConcelcSo)
PARA BEM DE TODOS.
sai
MRRAY&LMMN
A agua florida de Aturra) d Ltnuaa,
liada amo un; artigo c!r f n n,.. c..
iein podido ser igualarla* |ci \<\ ndtai
as mais custosas: anseiva m ti ata, co-
mo seformasse parte da preada a fM ella
se applica.
Sua tllkaeia 6 12o delirada. .;-
Senhore? fnhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptido e inlei- les sao seus inulliplicauW bM, -.
rezacom que serSo trattlj*, tmvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem davida me darSo a proteceo e preferencia na com- eu.pregada cerno artigo ti. n,u> .
pra dos gneros que presarjn e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos, no uso do bando, su roo tuav
i os serSo to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recnmmenda^o, afim de quenSovloem pelle, depois qw m tenl.a fiitn i luaa,
P tra parte. j para limpar as ei>g\as <;u aioo ;'s?r o
Aleiria, macarro e talliarim a 4oo rs. a li- Sal refinado em frascos de ridro com lampa ,ialil-
bra e 6,000a caixa. do mesmo, a 5oo rs. t'- roavidade, brillio e ela-iirida'le as
Massapara sopa : estrelinha, pevide e rodi- Qerveja branca das marcas mais acreditadas compleicoe.-, dep ois da N ban*f lava lo; at-
nha brancaouamarella a G4o rs.a libra e1 que vem ao mercado, a 000, 56o e 64o ''v'a airritacSo de Topve?oidifiii.s : ;aa
3,5oo a caixa com 8 libras. a garrafa, e 5,800, 6,000 e 6,5oo a du- desapp;recer o desagradare! *p.<: dos
Vinho do Porto muito fino proprio para
ALPfSTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amedoas, casca molle, a 28i)rs. a libra.
Avm.LAAS a 210 rs. a libra.
Amix.vs francezas em latas de todo i os l-
mannos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem ilem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira quaiidade a 560 rs.
a garrafa.
Amos a 200 rs. o molbo.
Amsyntho a 2#DOo a garrafa.

BOLACHINIIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 25000 a lata, e
de cinco para cima a t#800.
dem de so la em latas grandes a 2^000 e
de cinco para cima a l^SOO.
Biscoitos ingrezes de todas as qualidades a
15200,15250 e 15300.
Bolo fraucez em caxinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Baniia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, e em porgio a 600 e 700 rs.
dem suisso a 1,-j a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Chouiucas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porcao
se far abaliment').
dem de primeira qualidade a 75000 a ar-
roba.
Consebvas era frascos a 3;J0 rs. cada um,
sao mu i lo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicadas e pires a lSOOa duzia.
Cebteta da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'llavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, Vrelas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc etc., a 25000,
252 '0,25560 e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 3*500, 45 e 55.
Cauces de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 83 rs. o maco
de cinco macinhos.
I
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portugue/.es, inglezes, francezes, etc. etc.

ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
FARINHA SS S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 8">0 r$.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Pomo do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano era latas a 2:5.
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos c de todcs os precos.
c
GOMMA a 50 rs. a libra.
dem ,1 140 rs. a libra, muitD alva.
Grao de bico a 120 rs. a libra, e em porcao'
se faz grande abatimenio.
Genebra de laranja verdadeira a 15000 o
frasco.
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
K
KIRSCH de Wasse'r a 25 a garrafa.
LATAS com graixa a 80 rs cada urna.
Letuia a 400 rs. a libra
H .
MANTEIGA ingleza e franceza de pimeira
qualidade a 15, 15120 e 15280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por 15280 a lib a, vende-se era
outra qualmier casa por 15400 e 15500.
Marmei.ada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Mostahda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho iNGLEz de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a . .
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500
M11.uo painco c alpista, sendo mais de 8 n
bras a 100 rs.
m
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PEINE em posta, latas grandes, a 15*. 00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, parg<\ salmo, pescado e
pescadiolia, linguado, sardinha. etc., etc.,
Peras em latas, excellente preparac5o.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. i libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
I
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 800 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Qiartinhas ou MoiuNQi'Es a 65, 85 e 105 o
par.
II
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25500 a libra.
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz aliatimcnto.
Sai. refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 2P.
Sahdiniias de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600"rs. o maco.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate era latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
VINHOSI
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhns.
Vellio secco a 25 a garrafa-
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa
Duque a 15 e 15500.
Chamisso a 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nho que se pode beber por naotercom-
posicao aiguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 15 a garrafa.
Absyniho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185-
Bilter Maurer a 15 a garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; vende-se por este
preco por liaver sempre era deposito 50
duzias.
De caj, de 1852, a 15200 a garrafa.
Velho do Porto, em ancoretas de 9 caadas,
a 355000 ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se 15280 e 15500 a garrafa.
M nleiga ingleza especialn-entc escclhida a
l.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. ero barril ou meios.
Cha hysson de supe.ior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra,
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muitoproprioparanegocioa 2,ooo
rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,60o rs.
dem preto o que se pode desejar neste.ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. 1 libra, serve
para temperar panella ou para fiambre. I
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
pora 2,2oo rs., ditos de navio devella a'
2,000 rs.
zia.
pannos, das sardas, do roela, meas p oda a
engarrafar, em ancoretas de S caadas a Cevadinha de Franca muilonova, a2oors. cas,a de bulices. e d vigsr t trt
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, ioo e 5oo rs. a garrafa, e emeanada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,800,
VTvho branco de Lisboa de excellente quali-
/ dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
/ da a 3,000 e 3,5oo.
Vinho branco para missaem caixas de i du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,000,15,ooo,
12,ooo e lo,oooa caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e I,5oors. a garrafa.
Vinlio Cherexde superior qualidade al 6,000
dem londrinos muito frescos e de superior! a duziae l,5oo rs. a garrafa.
qualidade a 800 rs. a libra. Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz I 64o rs. as meias latas.
abatimento. 'Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
dem suisso o mais superior que tem vindo' barrica e 320 rs. a libra. -
ao mercado a 64o rs. a libra. Bolachinhas de soda em latas de diversas
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas; qualidades a 1,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cart5es com bolo francezmuito proprios pa-
Feijao verde muito superior a- 640 rs. a lata.! ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo! Passas muito novas era caixinbas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a24ors.,e2,4oo rs. Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,; Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l,ooo e l,2oo rs. a libra. Amedoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li- Milo de amedoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinhad'agua e sal, da fabrica deJool
Peixe em posta am latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-1
eradas e das melhores qualidades de pei-'' bras por 2,5oo rs.
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas franceza em rasco de vidro com
lampa do mesmo, a 155oo.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e 64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo ell,000rs.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio de i* qualidade a 28o rs. ali- 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. al- 4oo rs.
bra e 7.5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo'Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e 2,800 a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. j a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-' Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e l,oooa Lentilhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.'
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta- 15 a garrafae 11,000 a duzia.
Iho. Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Ameixas franc zas em caixinbas de diversos A ze i ton as de Rivasem ancoretas grandes de
tamanhos com bonitas estn pas na ca-! 8 garrafas por 600 e 800rs. a garrafa.
xa exterior, a l,4oo, l.fioo, l,8ooe 2,ooo! Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. l,5oo cada urna ancorla.
Azeite doce refinado hespanholouportuguez Champagne da melhor qualidade que vem
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa. ao mercado, a 2,000 e 3,5oo a garrafa, e
Batatas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oo 24,000 e 26,000 o gfgo.
o gigo com 36 libra;. Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amedoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a I ,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs.
garrafa.
m a
Charutos do aflamado fabricante Jos Furta- Parle omle Quer do de Simas, das seguintes qualidades: da e elegancia sao ig.alm- m .i.f.M-
Kxposicao Normal de Hilvana, Imperiaee,; veis nos casos em que n-ja pn-'isn p ics-
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-!Ia como estimulante e mmftici
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo, cu,sos e assemblas numerses, Mftna-
6,000 e 7,ooo a caixa ou em meias. lidades infeccionadas, na akova .; um e*-
Charutos finos de diversas marcas e fabri- i fermo, assira como um MUtris '\.*aa-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma- te Para os desmaios causad 5 1
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,: ou suffocaco Preparada meam
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e Lanman & Kemp, Nova York, e a ven ia [
3,ooo a caixa. Caors Barbosa,
opnac inglez das melhores marcas, a 800 e: Jao da & Rrav..:. C.
l,2oo a garrafa. Vendem-se no Recile em casa de CaM *
Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata com Barboza e Joao da C. Bravo A C.
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a 1,80o o cento e 1,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a gmsa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,5oo cada urna.
Rvikft, excellente peixe portuguez, em
barr.is pequeos ou a relalho, a vista se
far o preco.
AtM ZU1 IJMIOS
Pkai ol do commerci"
Ra do Rangel n. 73.
O proprielario de>ie eMHbiie<'imi-iii'> i'-m > .'-
ra de avisar aos seu* fregaran i/n- ha i.ir... y,-b
de redurcao nos prf(os de seus fMer< I. irinK-i-
ra quaiidade : mani>iga laglm i? e l4l>Of-. a
libra da ultima cliegad.1 m km i, .. ,.u
franrew a 900 rs. c em barril >e fai ai ai.n>|.l-
queijos flariienjos noves 25.100. ri- m
se pode desejar en> Lindarte a XH' - r
ameixas (ranefiat i-aixiniss l^aiO ,ti.
1,5800, fraseos de dita- I54C0, grai... > :. -; :*
para mimos, mai melada ds n>lbv n c[rM i
040 rs. a libra, amedoas confu...-
de 8. Joao a 640 rs., vinho it Fon. a'''>. "Or^
a garrafa, Figueira e Li>boa Uu,4M b MU r*..
HR ranada se jz o baliawBto, (aix..- i .
rom 2 arroba por 3$900 e a lib. fm-. i.n.
rafe 1" sorle 7800 e 7*200 e a Rbra a lfl 2
tioiachinha injleu Hrs. a libra. h>aftmU
Lisboa a 360 rs a libra, velas de raraMfta ifiC
is., ditasesleariuas fin;s a 60. r.-.. \-.. i. ria-
gaei a 600 rs., alpista i 3|>500a arn ba 1:0 r.
a libra, painn. a i dil.i t O r..;. dito, ... b-
nn a 2o'00,' 27(HJ e 800, frarln rr. <-;, da a
640 i laia, RoauM a ICO rs. a labra i Uaffl t ar-
roba, bollinhot inglran lata de I libra.. i-^ H,
dilos de soda grande- U0OQ e eW i .: ot-
ros que se l< rna enfatonho iwacwr. O -r--- r
birio espera a roneunn.cia do reawntvret pul-.ieo.
giranlindoa exaclidaooo que tratar.
Vende-se um carro de rarrepar p n>-r. a
alfandega, com uso, e todos os pMnc i t> i DNra
igual, tudo por preco muito commiJo : akralar
no paleo de S. Pedro n. 4.
ESCUVQS ISUHii.
RIVAL
Ra do Quelmado ns. 49 e &5.
Contina a veadT todas as mludezas que abaixo
declara por presos admiraveis.
Massos de palitos lixados para denles a 100 rs.
Espelhos de molduras douradas a 200,240 e 320 rs.
Bonels de oliado para meninos a 1,5000.
Ditos de couro superior fazenda a 1*500.
Frascos com superior tinta rocha a 240 rs.
Meiadas de Italia froxa para bordado a 20 e 60 rs.
Baado do Porto, fazenda boa, vara a 80, 100 e
140 rs.
Varas de franja branca estreita a 40 rs.
Caixas com 100 envelopes, fazenda Gna a 600 rs.
Grozas de pennas deap.o, fazeoda superior aoOOrs.
Duzias de meias cruas encorpadas para uomem a
3*000.
Grozas de botdes madreperola finos a 300 e
e 640 rs.
Caixas com 50 novellos de linha do gaz a 700 e
900 rs.
Caixas com superiores obreias de cola a 40 e 80 rs.
Pecas de fila branca elstica com 9 varas a 280 rs.
Varas de franja de la para enfeites de vestidos a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qualidades a 400 rs.
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Livros para assenlos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de boloes para punho, fazenda rica a 120 rs.
Tesouras para costuras superiores qualidades a
400 e i*.
Caixas de pennas de calligraphia, fazenda boa a
1*000.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tpele a 1*300.
Pares de sapatos de tranca para meninos a 1* e
1*280.
Caixas com superiores agulhas a 340 rs.
Libras de la sortidasde bonitas cores a 7*000.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
Rodinhas com alfinetes francezes muito superiores
a 20 rs. ^
Resmas de papel almaco a 2*400 e 2*800 rs.
Resmas de papel de peso fino a 2*000.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 1*.
Duzias de tesouras com toque de ferrutrem a
600 rs. *
Duzias de facas e garfos de cabo.preto a 3*000.
Talheres muito fino para crian$as a 240 rs.
Vinho do Porto especial.
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
eas novas e especiaos em cafxioaas de 12 garra-
fas, sendo marca Rainha de Portugal a 18* a cai-
xa e Pedro V a 16*, em porcao far-se-ha um aba-
le razoavel : no armazem de Ferreira & Malheus,
na ra da Cadeia do Recile n. 66.
Lagdo para calcadas.
Vende-se muito bom lagdo para calcada e ar-
mazens ebegado agora : a tratar n ra do Apollo
o. 4.
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120libras a 4$, 40500 e 54 ; no grande armazem da Liga.
Madapolao muito fino com pequea toque de avaria, por prego que admira : na
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Aotonh Gorma de Vascoocellos & C.
Grande sortimento de roupas feitas de to-
das as qualidades,
Calcas de casemira a 6* a 7*500, ditas prelas a
6*e 8*, caigas de ganga a 2* ,1*800 e 1*600,
Jilas brancas a 2*, brim de linho a 3*, 3*500 e
4*, paletots do alpaca branca a 4*500, ditos pretos
a 3* e 3*500, ditos de alpaca de cordlo a 4*. e
de listra de seda a 4*500, ditos- sobrecasaoos a o*,
paletots de casemira a 5*, 5*500, 6*, 8* e 9*,
ditos sobrecasacos pretos a 12*, 13 e 16*, dilos fi-
nos a 23*, de cores a 13*, ditos fraques a 14*,
paletots de ganga a 3*, 2*500 e 2*, ditos de brim
pardo a 3*, jaquetoes de brim pardo a 3*, panno
preto fino a 2*. 2*600, 3*500 5. 4*500 5 e 6* o
covado, moreantique preto a 2*600 o covado, gros-
denaple preto a 1*500, 1*800,2*. 2*200 e 2*500
o covado; e outras muiUs mais fazendas que se
deixa de annonciar, e manda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimento est aherte at as 9 horas" da noiie,
ruada Imperatriz n. 56, Mende? Guiraaries.
Fugio em principios do uiez de fev-reirc 4c
crreme auno e consta rsiar acortado nerta ^a*
o moleqne EuzpIjio, eseraro a flava b Dr Fer-
nando Alfonso de Mello, de 12 annos d.' itMde paa>
co mais ou meno?, cor prala, teta i......r |. .ino
regulares e afumacados, cabera nm ponto i i a*
o meia chala, belco.- finos, Orate brm aios pe*
seceos e muito ladino : ropa-M por tant- a t -'a* a*
autoridades policiaes e eapilesdeesirpn qm* osp.
prehendam e levem-o a ra da Mangneira -bratfo
n. 6 que serao gratificados, protralaaoae ti-irae
melosjudiciaesconira qualqut r pe?s>a qoc oN
em seu poder.
Chegaram os superiores
cortes de seda
Superiores cortes de seda de cor, viudos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Uorreia de Vascon-
celos & C.
Farinha de mandioca fina e alva, mais bara-
ta do que em qualquer parte, arroz da trra pila-
do e em conta : para ver e tratar, na ra do Vi-
gario, casa n. 29.
Ausentuii-se no d'a 2 di. crrenle aa m ia ia
da casa da ra do lir.pt rad'jr n. 16. o preio KiMBB
do, crinlo, cheio do C''rpo, altura r gn'ar. r to
comprido, olhos pequeos e poma barba, u-a sajto-
.-a e bigode, bastante Udiuo, representa ter X
annos, pouco mais ou menos, e ulga-se ter vva
calca preta e ramfsa branca ; e|p evnva :
prado ao Sr. coronel Galva>>. d.> Limoeiro, para ea-
do se julga tenha fgido, mas ha quem o leoba
visto na Passagem da Magdalena. Remedios e Var-
zea; e como se desconfia que esk-ja acouiaA.
protestase proceder contra qn- m o liver acoir-ido!
e pedese a quem delle der noticia ou o agarrar,
que dirija-se a sobredila casa, ou a roa do Crepa
n. 13, que ser recompensado.
Fugio no da 29 de jnii Irnximo nassae
do lugar de GauHIa de Barra Grande proviaau
de Alagoas, o mulato Amaneii-, de iade ^ ato
mis ou menos de 20 annos, com os sigeaes se-
guales : estatura regular, can chata e bntaaea,
com os dente- om sob os outras. sem barba, uars
chato, com marcas de feridar n; pernas. com ota
lalho em cima do dedo pollegar da mi) direila,
ps chatos e os ded s arrebilados, levando jaquea
ta de panno preto, calca branca e chap de palta
de Ouricori, julga-se ter alistado em a guos de-te
corpos de voluntarios: rrtgn ra portilu as auto-
ridados policiaes e aos capiiae> de campo de o
pegar e leva to a seu senhor M noel F-ncisro de
Queiroz Coullnh(. do !ug-r cima liualii, oo ao
seu correspondecie nesta praca o Sr. Antonio do
M. Temporal.com escriptorio n: ra da C/bz u.
30, que generosamente sera' refom(.*nado.
Fugio em principio de junho ullimo, e saav
poe-se vagueia pela cidade do Recife e seu sobar-
| bios, o moleque Manoel. erioolo, que representa
i ter a i dade de 18 annos, leudo o saberle siena! de
urna cicatriz no dedo pollegar da mi direila, pro-
veniente de um panariclo : levou ralea e eanma
I de algodozinho gross i : qutm o aiiprehenaVr e
entrega lo no 1- andar do >obrado n. 17, na praca
do Corpo Santo, ru m. sitio do Sr. Dr. AuenM. F
de Ohveira, na Ponte dt l'cha, sert recompen-
sado. ^^
Ha uro mez qu- fugio a esrrava pra.a Mar
com os signaes .-guite : preta, baia, bita da
Mauricio Sclbeberg C, Polacos, ltimamente denles na frente, muito regrista. anda ututo sa-
chegados a esta provincia, offerecem ao respeilavel cudida e tem um sigoal em cima de uro boaabro
publico um grande sortimento de joias, brilhaotes, encarnado, levou quasi toda a sua roana
relogios e muitos objertos de ouro, por prego o do de vestidos de chita, camisa d
mais razoavel possivel, e mesmo troca e compra e lengoes, urna coberta pequea de cu*a,~ ii
objectos de ouro, prata e diamantes por objectos estar acoutada aqu no Recifc, o aballo '
novos: na roa do Queimado n. M, entrada pelo protesta cintra quem a tiver aruudo oo
largo de Pedro II n. 27, de manha at-as 9 horas, para esta fuga, assim como roga as iniuiMaii
e a tarde das 4 hora,- em diante. Os objectos ven policiaes e capiia-s de campo a captara de dtta es
dido pelos annunciantes sao garantidos por e'les, crava e leva-la a ra Nova de Saota Riu a. 9$
e estao promptos para levar objectos as casas das segundo andar ou a ra da Praia n. 78, armaiea
pessoas que desejarem comprar, urna ver que nao que serio generosamente recompensados.
po6am vir a seu estabelecimento. Antonio da Silva Ramos.
Francisco Jos Germano
RITA \OV.l X. *I,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
de oculos, lunetos, binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.
Joias preciosas c objectos
onro.
de
; _.;____________ i n
li r-a#%u #i




r
Diarlo de Pernambnoo -- Qnarta letra I! de iulho de 18S&.
JURISPRUDENCIA
O Foriin.
Temos ouvido am clamor goral contra o exces-
os na cobranga de cusas -pelas gulas passadas no
juno dos feitos da fazeuda para o pagamento de
imposlos cuja importancia os contribuintes nao se
leroraram de recolher aos cofres das thesourarias
com a mesma rigorosa poiilualidado com qae deve
i un pagar urna letra de cambio, ou satisfazer ou-
tro compromisso que espontneamente houvessem
contrahido em provello pi oprio.
O imposto por si una cousa vexatoria. Um
noijre horaem (por exemplo) que pode construir
urna casiuha com o (rucu de suas economas ac-
cumuladas at cora priva cdes e sacriflcios, sem o
menor auxilio do estado, oem de ninguem; e an-
tes talve arcando com algutn erabaracozinho
onpeslo pelo rigor indecliuavol das posturas rouni-
cipaes, v.j-se obrigado a pagar urna especie de mul-
ta auauaimente, como castigo do seu genio empre-
liendedor e regrado, como paga do seu concurso
para os melhoramentos materiaes, e do beneficio
que praticou proporcionando um lucro a fornece-
doras e a pobres operarios. Si ao misero propie-
tario sobrevier um revez que o impossibilite de
satisfazer a imposicao, collado delle I Ahi est o
fino para apoderar-se da fazeuda alheia, ou por
meio de arremataos'o, que nesses casos da quasi
sempre um valor que aproas cobre a importancia
do imposto devid, ou por meio de adjudicado
quando nao apparece licitante.
gora, era frente dessa victima dignada nossa
compaixo, ponde o agiota, o especulador que
amuuloa rpidamente urna fortuna quasi fabulosa.
Elle nao trabalha seno em seu proveito exclusi-
vo : mas goza da inapreciavel vantagem de se
aclur iseuto dos registros da thesooraria ; porque
infelizmente as nossas leis- nao derraraarara os im
postas equitativamente, com igualdade, segundo os
teres e lucros de cada um.
E as contribuiges, quo s vezes pesam sobre
puro trigo, por isso que esse somno nada mais
provari de que a Incuria de deleixo dos ope-
rarios.
Esta sement, sobre que Jess Christo, o Pai de
familias Agorado na parbola do Evangelho de
hoje, se mostra to zeloso, certamente a sua dou-
trina qne elle tem semeado no seu campo, isto ,
na sua igreja, na qual tem constituido como senti-
nellas avanzadas os pastores, successores dos aps-
talos e os parocbos seus cooperadores.
E' ella urna fecundissima sement, que foi rega-
la com um sangue to precioso, e por cuja conser-
vado em sua divina pureza, e propagago de ge-
ragao em gerago por todos os povos do mundo,
at que elle toque seu fim, o pai de familia manda
rcalisar cusa do descanco e de bem estar;
custa de todas as complacencias e aflelgoes as mais
legitimas; e custa anda do proprlo sangue, e de
que os operarios tem de prestar minuciosas e tre
meadissimas corita.-.
Esta doutrina pura e santa, como pura e santa
a fonte donde ella emanou, nao deixou de ser con-
iradictada, quando o proprio Pai de familias a en-
sinava pois essa tambem a heranca, com que
foi ella legada a seus discpulos encarcelados de
sua propagaco e por isso des Je que ftodaram-se
as sanguinolentas perseguigSes dos judeus e gen-
tos, urna nova, e mais temivel aiuda surgi dos
antros infernaes, a da falsa doutrina ataviada de
agradaveis ouropeis, com que o principe das tre-
vas, pelos seus ministros neste mundo, nao cessa
de altrahir e illu-lir essa mocidade incauta, e vidi
de inovages, s porque es=as falsas doutrinas
aeompanham as ideas da poca, como que se a
verdade nofosso sempre urna e a mesma em todas
as pocas !
Entretanfo nao devenios dissimular os perigos
dessas falsas doutrinas, quando temos visto algnns
desgranados prelados levados ua sua torrente em
todos os tempos em quo a herezia tem ousado le-
vantar seu eolio em algum paiz, como aconteceu
na Inglaterra e Alleraanha.
Mas sempre que isto se lera dada, tem sido com
perante sacrificios, e na hora do perigo elle se apr-
senla denodado e prorapto, para tambem soffrer
com aquelles que soffrera.
classes desfavorecidas, servem tambem para loco- Prelat,os ulicos, servs, escravos dos poderes tem-
poraes; j frouxos na f e cuntemporsadores com
a relaxacao dos costumes; prelados fracos, despi-
dos daqueiles santo ervor que os torna intrpidos
athlelas para pelejar as pelejas do Senhor, e cora-
josos desmascarar esses hypocrias, que se arvo-
ram em protectores da igreja de Jess Christe para
mais a escravisarem prelados que se aninham
em suas cadelras episcopaes, fruindo os comroodos
do episcopado, evitando cuidadosamente seas n-
commodos e abandonando seus rebanhos aos lobos
vorazes!.....
pletar os amigos do goverao com verdadeiras sine-
curas, com pingues ajudas de custo por commis-
s&ss imaginadas para recompensar favores, calar
algum resentimento que se teme, e meljiorar as
iircumsiancias fioanceiras de cerlos cavalheiros
privilegiados. Lina ba parte dos fruclos que me-
drara custa do suor da gente mais laboriosa tara-
uem seapplica a manter om subvenges avultadas
es liieatros lyricos para recreio dos bemaventura-
dos, as apparatosas commisses identificas, a col-
nsago dos chius para augmeatarem o numero dos
ral jueiros, a acclimatacc de camellos, e outras
emi rezas improlicuas, ou que se podiam realizar
sob outro plano mais vantajoso e econmico, si o
movel que as dielou nila fosse o espir'to vaidoso
de iuovago mal pensada, ou simplesmente o dse-
lo de auxiliar individuos.
O que obre tudo lameuLamos que os executo-
res de urna lei onerosa qaeiratn aggravar-lbe os ef-
faites, em vez de attenualos.
Nem sempre so avisa o coniribuinte, nem se exi-
ge a satisago do seu debito. E si existem cobra-
dores, forca coufessar que nunca vimos gente de
una delicadeza to exquisita e que leve mais lou-
ge o seu escrpulo em incommodnf o devedor.
i'arece quo o fisco iuexoravel como que se com-
pra; de trazer sua prest eseuidosa e olvidada,
las ndo o praso fatal nao se esquecc de cobrar
Como nao virj* homem inimgo, emquanto Uto
indignos operarios dorraem, seraear entre o bom
trigo do pai de familia a zizanla e perturbar assim
urna seraque devia dar abundante e formosa
msse!
Clama, nao cessa; insta opportuna e inoppor-
tunamente,! diz o apostlo I
Os concilios encornemos o as conslituigoes da
igreja sao uuanimes em impr aos parochos, coope-
radores dos prelados diocesanos, o dever de prega,
rem todos os domingos, explicando o Evangelho e"
ensinaudo o cathecismo s suas ovelhs para as
trazer sempre instruidas na f e nos deveres, e isto
sobre graves penas, porque a palavra de Deus o
alimento do espirito, como o pao o alimento do
corpo; e ai dos degragados parochos, que, nao se
esquecendo da tosquia das ovelhas, as privar do
e fnebres chovem sem esperanga sobre o cerebro
Esta allocugao e a poesa seguate foram recita- abandonado, sobre a face macilenta, sobre as recor-
dar na matriz da Boa-vista, por occasiao dosofflcios ; dages pungentes de urna existencia qaa exalou
fnebres hontem celebrados em suffragio do capi- seu ultimo sopro
disse seu ultimo adeus I Tarde, por que quando Felizmente, porm, errou fogo a pistola.
o dedo gelado da morte apaga a luz dos sitios, e I Ignoramos se o pobre louco cou curado do sen
corta a palavra nos labios; quando a morlalha pesa j amor.
sobre o peito do cadver.... os goivos silenciosos E' de suppr qae sito.
to Pedro Affonso Ferreira.
A allocugo do Sr. A. L. Lins e poesia do Sr.
Lycurgo Jos Henriques de Pai va.
Morreu no posto de honraa espada erguida
Defendendo a bandeira sacudida
Aos tufos do fuzil.
MorreaPorm que importa que suecumba I
Sea cadver ir dormir na tumba
Dos setos do Brasil I
(V. Palhares.)
cima de tudo esi Deas I Para elle cedo
sempre : a luz que fustiga as Irevas das felicidades
mundanas, resplandece eternamente no regaco do
inttaito I
Nao ha termos qae valham os oragoes; nao ha
termo que exprima a muda eloquencia das lagri-
mas! Chorar,e orar I Duas palavras que resu-
mem a vida I As lagrimas inspira a orago, e as
oragoes abrem as portas da eternidade I
Pela ultima vez, om brado acompanha a alma do
O povo admire-o e graveo no corago d'aqnelles
que tem de sustentar nossos direito no porvir, e que
o Brasil guarde sempre ama saudade em louvor do
soldado, do homem e do cidado. Veremos sem-
pre bnlhar per sobre v sepulchro do hroe brasi-
'eiro a cbama sagrada da immortalidade !
Senhores I
SenhoresIE depols dos deslrocos da vida, dos hroe do Riachuelo Aos goivos entrelagamos a
tenebrosos combates da trra, que a alma quebran- gloria, e que a familia ouvindo pronunciar aquelle
do os fins que a prendem a ephemera communho grande nome, estremega de um santo orgalbo.
do mando e das sociedades, atira-se as regies da
luz e da verdade, inunda-se de resplendores, tr-
mula anda como as aves escarpadas as borrascas
da noate, suspensas entre a vida e a morte, entre
as ondas e as rochas, e qae ao primeiro claro da
aurora abrem as azas feridas, desprendem um can-
to de felieldade, e somem-se nos longos nevoeiros
da manha I
u tmulo e o limiar de urna nova existencia, o
O primeiro bruxulear da aurora para a alma a despertar de um novo dia o principio de um
religiao : Nanuvem das lagrimas, a infeliz encon- novo seculo, seculo interminavel povoado por urna
Ira o irradiar de sonliadas esperangas. : s ideaDeus
L bramem as ondas, o vento sopra ain la. o ho-
risonte perde-se as vagas... nem urna somura de
vela, nem um leve signal de torra longinqua I...
a canda abandonada arremessa a praia os ltimos
destroces... nos tomos as aves fugitivas, salvas
as agonas e as dores; o dia enchugou-nos s ul-
timas pennas, o sol tnostrou-nos o norte e a feliel-
dade. .. e Deus, o grande artista, volveu o ouvido
EXMA. FAMILIA DO BRAVO MAJOR PEDRO AFFONSO
FERREIRA.
Morrer o infinito nos luzr,
Um echo a reboar na solido
Trmulo e vagabundo
Mas elle nao morrea I foi l sorrir
para trra, e nossa prece agonisanle soprou a vi- Eolre os anjos de eosna saudago
da e o sangue aos membros enregelados, a resig- Sonhar nm novo mundo I___
nagao e a f n'alma enfraqaecida, preodendo nos a l n, i ;,______
. *\ t ^ u S|m, um novo mundoum novo cu
risonha paragem onde nao chegara os raedonhos; rf __
,, .... j Aironso-esse portento--esse gigante
bramidos do ocano, o es alar das ondas, o echo i -. . ...
......'. c -' Tal gloria mereca I
sombro de dissolucao e da morte I Esta paragem ,- .___.,
* . .. ., I ao bravoso comparo esse troho
o seio incoramensuravel da religiao, e o descanso ... , ...
para as lides do corpo e para os desesperos do es-'Subl,me de Walerldo D a1uelle Mtante
pirito: o vaslo recinto, onde o christianismo der- Ue e,erno Parecia '
rama por entre os frocos de incens das preces I Descer, como descea airoso o bravo,
aquellas lagrimas sublimes, que o Homem Deus, Ao P da mortandade. em seu delyrio
envioanos na fnebre agona do Calvario!! Ura Drad0 'Qdo esforgando
Eis-nos aqu: O espirito retrahe-se cm si mesmo E' gloria que nao cabe ao peito escravo,
e ensaia um olhar indeciso a Omnipotencia e Aairapio que de loz notem um cyrio
aquillo que inexprimivel... O silencio povoa o
De inorte debrugando !
templo do Senhor, e as palavras dos primeiros le Foi essa a glora sua, a patria o falle.
u.na multa, c de enviar pira o juizo dos feitos da a"mento espiritual que Ihes devido I___
fazeadaoroi dos devedoros. Ahi vai lesto o ofl-: v- Stfr,ia,ia na ,.m- .,
c veruade que vemos este bom e zeloso pai de
familia mandar conservar a zizania entre o bom
trigo, para eotao, na occasiao da msse, ser colin-
da parte a zizania, (eia em feixes
para la/oi-uie em vida o inventario de seus bens,
ca i com o mandado de penhora... Menos aristo-
crtica do que o fisco, a juslica nao se dedignade
ene: minli.ir-se pressurosa a casa do cuntribuinle ,
u Vn 10 a uduia, lena em reixes para serem
langadas ao fogo; mas esta tolerancia, toda basea-
t ba dea- os continentt pira a praga publica. Por ri.. _, .,, cri^j. .
', v ,. aa na sua misericordia, para dar lempo aos maus
una singmar anomala, o o:licial de jusliga niosira- a . : a se rrependerem antes dessa terrivel seoaracao
se a; vezes mais polido que sms superiores, cou-, nm m im,,. mn ...... r -. ..
,. H r v ^ < uin i"nilt "aposto pela sua lufioita justica.
cedeadO uus das de graca, favor, ou cortezia. Di-: l ,
zemes anomala singular", porque no caso figurado K Preciso aproveitarmo-nos do tempo concedido
o buin exemplo vera de kv.xo, a despeilo da regra para emendarmos os nossos erros, corrgrmos as
gera. j nossas faltas, para que a sua justiga nao nos sor-
........ prenda, e nao sejaraos enreixados como o joyo, e
U contribuate deixa de ^ai o imposto por ig-; laDaJos nejse fdg0 e e nao consom
utr ncia ou esquecimento. Desde que nao se mos : ^ ,oda a elernidade
ira recalcitrante ao mais si apios aviso, e antes se i
aprsenla para solver seu debite, com que funda-' -- -o -p i .
ment razoavel se Ihe cobrs. irremissivelmente urna j
OHilta, alera das castas do juzo que augmentara A religiito foi serapre a primeira a dar oexem-
de ara nudo excessivo a importancia do imposto ? po do amor da patria.
Porque preciso a todo transe proporcionar pres; Ne8as luUs saDguinoll!ntas e lem sado
e pe-calcos a fazenda e seasagduiee. : a |lumnnidade, nem urna s vez o episcopado dei-
ftfas emlim... em cerlos pontos so temos que xou de pro[e,,er a causa de sua nac- deg_
fazer votos mu sinceros para que urna reforma p0Ias invasorC5 |)Uscam pQ3le dreJ(os
benslica m:lhore as disposicoes em vigor, e faca
desappareeer urna desproporcaf injusta, desanima- q"e ^re>3 semPre PUSD0U pelajustica sem
dora mesmo, porque nos eusina a fugir das erapre- palna dos '|U', a ltf,n> e no mBI 'lo Per'g tambem
zas de utilida le publica, mas susceptivels da im- s*b er8e*saa voz cloquete, convocando os po
poste?, para nos refugiar.:'. >s \ sombra dessas tran
O bravo sempre o bravo, o mundo clama
Saudosoembora assim...
E do homem, que descamba, a morte vale
Ao nome um nome mais, que Deus proclama
Na voz de um cherubim!
vitas parecem resoar aos nossos ouvidos. Choremos!
as lagrimas brotam as oragoes I Oremos I Xa ora-
go sobera as esperangas. Orar, esperar I
SenhoresIA nica phllosophia que sabe aqui-
latar as magoas e as angustias humanas, a nica
sciencia que pesa as desolagSes e o infortunio, a; Esse nome vai gravar-se ao cu nitente
scienca da alma, a philosophia da resigoago I'. Do livro da nago-com lettras d'ouro
Procurar vasar n'um molde limitado todas as vir \ por g|ora e ^ amor_
tndes de que necessita a creatura uas suas aspira-! E dos faustos do valor ao ,ar po,ente
goes crenga e T Ilimitadas, ao arroubo e ao ex- Das roM8 do portlrni mais um louro
tasi, esperanga e a doellidade evanglica, seria ; Pousar ao resplendor I
tentar o impossivel I A fronte deve curvar-se aos i .. _.-.
mandos da Providencia; das augustas mos, das'1
raaos soberanas do Creador s podem cahir felici
dades embora essas felicidades venham entre la-
grimas, embora esses servigos venham encontrar a
muda pedrade sea (amulo!
Eis-nos aqu, e aqai viemos prantear a morte de
um guerreiro, acompanhar de suplicas a alma de
Seu nome entre rail noraes sobresahe
Na lista dos primeiros I
Nao morre quem na gloria adormecea
Sobre os peitos servs do Paraguay
Ao sol de Brasileiros !...
Sem gloria elle viver nao suspirava I
um hroe I O corpo partido aos embates da morte: Mcrrer ' desapparece-mas nao morre
O chefe de polica de Varsovia acaba de faser
constar que ha de ter lagar urna venda, em leilo
publico, de objectos preciosos, na chancellara da
comroisso de inquirito, e na presenca do major
Mrowinski, presidente dessa commissao.
A venda em leilo compde-se de relogios de ou-
ro, brincos, anueis, broches, etc.
Estes objectos pertenceram a presos polticos e
Ihes foram lirados no acto de serem encarcerados.
Mais de urna mulher ahi encontrar o annel de
seu marido; mas de urna pobre mai, ao reconhe
cer um objecto que pertenceu a seu Dlho, qoerer
cmpralo para ter urna recordagao desse filhoqoe
rido, e paga-lo-ha muito mais caro do que na rea
lidade vale.
Mas esta venda nao passa de ser ama srdida
especulagfto, indigna de genle civilizada.
Fallava-se, ha tempos, em Marselha, dos altos
feitos de um elephautedo jardira zoolgico daqaella
cidade.
Por um descado aexplicavel, om guarda dei
xou escapar um crocodillo, o qual aproveitou-se da
liberdade para exterminar grande numero de ani
maes preciosos.
A administraco estava consternada, nao sabendo
o que devia fazer em presenga de um inimigo to
perigoso.
Por fortuna, pde-se fazer da agua o qae se qaer
e n'flm momento se enxagam todos os tanques,
excepto aquelle que serve de banbeira aos ele-
phantes.
O crocodillo, buscando a agua, qae Ihe neces
saris para viver, foi submergir-se no dito tanque
Nesse momento os guardas soltaram nm ele-
phante, o qual, conhecendo pelo olptialo que estava
um inimigo escondido dentro do tanque, para all
se dirige a passos leutos, agarra com a tromba o
crocodillo por urna perna e arroja-o a urna altara
prodigiosa.
O crocodillo ao cahir, quebrou a espinha dorsal.
As gazetas ministerlaesioglezas recapitulara nes
te momento todas as medidas, as reformas e as re
ducccs de nnposlos elTecluados nos ltimos sete
airaos pelo parlamento e pelo ministerio actual :
as redueges nos impostos sobem a mais de qua-
renta e cinco mil cornos de ris.
Isto que governar.
vos a defenderem-se.
saccoe8 mais facis, mais lucrativas e mais, favore-
cida.; de isenees.
Presentemente, como si nao fossem bastantes to-
das as loriaras e dispendies per que passa o con-
tribuate, augmentou-so o importe das guias, t'or
Vila desarmado pelo poder do papa Leo Magn),
Gensiria poupando RoraaJ; Julio II libertando a
Italia das revolugoe?, sao provas que a historia e o
mundo inleiro conhece.
E' no catholicismo que est no requintado sent-
cada urna dolas se pagava ipenas 5,5000, e j nao ment do amor patrio ; o homem religioso o uni-
era pouco. Exige-so porm agora a quantia de co e verdadeiro patriota.
75300 rs., porque accresceram duas certides e
duas formalidades novas que elevaram as cutas.
Em Olinda se cobra mudo menos, si verdade o
que nos informan). Nao atinamos com ajusta ra-
zan da differeoga.
Cortou nos o corago a historia que ouvimos ha
poucos dias a respeito de ama pobre mulher que
leed: ummesquinho balco l para a bandados
Afogados, vio consumir se o seu exiguo rendimen-
io com a cobranga .Jo impo.sio seas accessonos.
Acreditamos que o digno juiz dos feitos da fa-
Bajand e o duque de Malakof, no campo da bata-
llia, mostrarara-se verdadeiros hroes da patria e
da religio que professavam.
Eis porque osfilhos do Sobieski expiraran! com
tanto denodo no lugar da peleja, exalando o derra-
deiro suspiro nos bragos desses valentes sacerdo-
tes, companheiros de sua coragem e de seus senti-
mentos.
Meu filho, dizia o pedoso bispo de Grenoble
ao cavallero sem raedo : s uobre como teus an-
estendeu-se para sempre no glorioso chao do com-
bate I A alma depurada pela santa idea da liberda-
de e da patria ergueu-se ao throno dos cus O h-
roe foi mostrar a Deus na sua ultima ferida, os
verdadeiros combates de um leo, a alma de um
guerreiro, as agonas de um gigante! As glorias
da trra, sao o principio das auroras que desponla-
ro na eternidade I
O bravo de mil bravos
O anjo do brazo vem que sonhava
E diz-lhe no mysteno :bravo, corre
Ao throno d'aureos cravos I...
Erguel-vos pela gloria I monumentos,
as pragas desta patria Americana
Que vio nascer o genio;
E tu, rainha altiva, alguns momentos,
Dispensa era suspirar por elle, ufaoa
De prantos no convenio...
Affonso eis a devisa dos vindouros
Divino patriarcha se envocar
Na guerra e na bravura I
O I aojo do Brasil, erguei-lhe os louros
E l no apogeu farei tocar
Do throno da natura 1
O"
O'
zenia se dignar de atiender ao reclamo que inces-: 5f?fS5 T. .f" b!*av\.que morreu 3os ps
santemente se faz contra o excesso na impurtancia
das guias. Magistrado esclarecido e provecto, elle
Ha um nome que vale urna idea, um nome que
resume todas as virtudes cvicas, todas as qualida-
des poderosas que passam no mundo I Como as
sombras Iluminadas dos hroes dos primitivos tem-
pos, essas creaturas atravessara a existencia envol-
tas nos mantos de gloria immorredoura, e atiram-
se, depois de rpido caminhar, um mundo invisi-
vel gravando na historia urna phrase, na vida urna
lerabranga, nos corges um monumento I
Pedro Affonso, nao um nome, nm here; nao
um here medrado-se por urna causa imprevista e
repentina, mas um brago valente, um peito excep-
cional que antepoz urna barreira perversidade,
degradago, lutaudo pela patria, pelo direito I Sau-
da-lo, saudar o herosmo, saudar o Brasil I Na-
quelie brago gigante, no lampejo daquella espada
poderosa, hoorou a justiga de ama causa sublime,
honrou a arrogancia magestosa de urna nago que
se levanta I Para beijar os louros no Panlheon da
patria, preciso antes beijar os louros daquella
fronte sepultada :
Para que fallar-nos de um obscuro torro do mun-
do, onde a rapacidade da f oceupe os coragoes dos Mas crede na viso daquelle ardor
homens, onde as almas parecem cevar a cupidez | No sonho de porvir...
degradande, no sangue e na morte? O epitaphio Morrea I foi na defesa da nagao
daquella nago, a agona daquille corpo comegou Se ha que lamentar tanta dr
muito, e pranteando a morte do here brasileiro, i Que fez-vos confundir I
adevinhamos o stricto daquelle povo moribundo !
A Providencia v : a justiga erguer-se-ha resplao-
decente, e o crirae como o anjo decahido, lutar
impotente as trevas 1
Mystenos da vida e do futuro I Quem sabe se a
sombra silenciosa do here nao nos contempla nes-
tu, Napoleo da vasta America I
geuio que voaste ao co sorrindo
Ao som das granaderas I
Tu vives no soohar da raga ibrica
Como o facho da victoria reluzindo
N'uji mundo de caveiras I
Senhora I agora a lyra voz se volta,
E possa a vibrago valer a dr
Da magoa de vossa alma I...
Ouvimeu corago seu cauto sola
Tal vez por vos sentirpor vosso amor
Tao cedo j sem palma !
Chorai I en vos bemdigo essa afflicgo...
E aos tristes, meu Deusvelai Seuior I-
Zelai c neste mundo essa innocencia,'
deve saber quanto convm evitar urna ampliago
odiosa e vexateria que nem asenla na lei, nem no
costume geraimeote seguido.
Becife, lSdejuIho de ls-j.
F. J.
que morrea coberto de honrosas feridas na defeza
da patria.
IM POICO DE TUDO.
Sobre o Evangelho de S. Matheus, cap. XII1V,
XXIY a XXXEmquanto todos dormiam, veio o
homem inimigo, semeou a zizatia por entre o trigo
e retirou-seescreve o Cruzeiro do Brasil o se-
grate :
Que vigilancia e solicitude nao devera ter todos
aque'lesque o Senhor tem mamado para operarios
de sua vinha I
Qcao grande responsabilidade nao peza sobre
aqaelles qae o Senhor tem constituido sentioellas
vigilantes *le sua casa, se, por seo descuido, so-
brevier a mais pequea p-rda na casa desse zeloso
Pai de familia, cuja guarda Ihe foi confiada 1
Nao Ihes pode valer, por certo, a desculpa, de
qae emquanto todos dormiam, o homem inimigo os
surprehendra e semera a zizania no campo, que
estava semeado e escolhiJa e ptima sement de
te momento ? I Grande alma I A aureola de eterna
do re Joo, na batalha de Foitiers; como teusavs, gloria, cerca-a de resplendores divin >s!
qaetiveram a mesma sorte, am em Aziocourl e Ha tempestades no cu e as ondas : da borras-
potro mMotMery ; emflra s nobre como tea pai, i ca cnovem os ralos, os relmpagos: ha vento as
florestas, no ocano a natureza sada era mil con'
certos o seu artista sublime I sada-o no raio, no
a Europa inteira anda hoje se lembra com sussurro, as harmonas, nos gritos de todas as
saudades do santo pontfice, que a salvou do alfan- j torras, de todos os abysmos I conterapla-o no lim-
ge e do exterminio musalmauo. pido fa|gor dos a8trog> e naa),a dos cnticos e das
Na causa da patria os bispos foram sempre a oragoes, prende toda aexisteocia de suas creaturas,
guarda avangada dos seus compatriotas. j ,, a vi(Ja de saas espneraSi todo 0 poema de seu
D. Marcos Teixeira livra por duas vezes a Baha camtnhar interminavel I E Deas arrancn acu-
do poder dos Hollandezes, e trocando o bculo pela vem os raios, trra as melodas, ao abysmo a fu-
espada, destroga o inimigo e cobre de gloria as ar- nebre attracgao, ao cedro a altivez e a torga, ao
mas portugaezas. ocano a tempestado e a bonanga, natureza a vi-
Foi ao exemplo destes valentes hroes qae os da, o calor, a febre, o sublime desespero, e dessa
prelados da Polonia, sem temerem as furias do reunio magestosa, creou om novo mundo, am
Czar, f rmularam pastoraes, pregaram, anlmaram aovo horisonte, urna nova epopa I Precipita a i
os Pulacos, pois que era chegada a hora de liberta- de seculo em seculo s gerages da trra com o'
rem a patria dos Cazimiros. nome de genio -e recolhe-a ao seio da eternidade
E' ainda por este religioso senlimento do amor! ora nome de here Ienva o a ierra com o dis-
da patria, qae elles preferem morrer abandonados, "ca d infinito, recebe-o do mando envolto as la-
de fome e de fro, arrostando ames os gelos da Si- grimas de despedida, e nos torbilhes de gloria 11
berta do qae trahirem esse Inslincto divino, essa, Lagrimas I gloria, genio I elernidade! E'sempre a
escada de Jacob, a escada de luz que une a planta
estrella, as oragoes aos anjos, a morte eterni-
dade I
Senhores 1
E' tarde para a torra, mais sempre cedo para
o cea I Tarde, por que urna familia, ama socieda-
Os filhos do guerreiro,
Por vos, por vossa rai, por vosso amor,
Por tudo que Divino e por clemencia
Ao povo Brasileiro 1
A rainha de Madagascar comer a usar a crino
Une.
Inaugurou este genero de vestuario n'uma cere-fCmo ia que treme em eolio alvissmo ;
mooia religiosa, qual assistio em 15 de abril, em
Tanananve.
Ao que parece, esta nova moda tem sido bem
recebida pelo povo.
As princezas da familia real foram excepcional-
mente autorizadas a adopta-la.
A rainha admittio nicamente outra excepgo a
favor da esposa de Bainilairivony sea primeiro mi-
nisiro.
Um mancebo encuntrou-se n'uma ra de Alhenas
com urna joven, ootavel por sua formusura e da
qual estava loucameote namorado :
Amo-te, Ihe disse, e esto amor faz-me enloa- E nes8e despenhar de sens anjelicos
Foi recitada esta poesia pelo Sr Tobias Barreti
de Menezes, por occasiao do concert do distincto
rabequista Francisco Moniz Brrelo, Filho, no thea-
iro de Santa Isabel.
Houve um tempo em que as artes recolhidas
as santas solidoes, no claustros fundo,
Eram paludas monjas embebidas
Nos louvores de Deuslonge do mundo.
Amusica tambem gemeu captiva
Fugio do temploatrs da liberdade,
De sror fez-se actriz no palco altivo
Mas nao perdeu a sua virgradade.
Para ellaessa deusa a quera fallaste
Parece que o senhor te destinava,
Que assim dos olhos seus ioda (impaste
As lagrimas do cu que ella chorava.
Como urna imagem que sonhando {abragas
Tua rabca-era potica verligera
Tem mais risos, mais perolas, mais gragas
Que a bocea meiga de mimosa virgem.
Tanta harmona divinal, bemdita
Tem um fundo de amor que ninguem sonda ;
Em cada corago que aqu palpita
De ali'in dos mundos vem quebrar-se a onda.
Na corrale dos sons flucta a vida
Com seus ais, seus anhlitos, seas prantos,
E tua alma a fada adormecida
as vagas de ouro desse mar de eocantos.
Pura como o respiro da innocencia
Sc das cordas a voz evaporada,
Que se espalha no ar como urna essencia
De flor querida ou de mulher amada.
Dessa altura-eu compreheudo
Que possas tu genio ser,
Genio da patria estupendo
Que ser maior morrer,
Isto , sacudir a poeira
Da vida, e com a aza altaneira
A natureza rogar,
Deixando o mundo maldito,
Teus vos-pelo infinito
Longo lempo contemplar.
O talento em seus fulgores
Baeha, embebe as multidoes
O pasmo atira Ihe flores,
A inveja vil maldicgoes:
E elle dizmo esperdico.
Tudo se presta ao servigo
Da obra descomunal;
Para c'ra apanba os cultos,
E os motejos, os iosultos
Servem n'ra o sea pedestal.
Na lngoagem do cogenio e grandeza
Na lingoagem dos homens pobre artista I
E' assimpor que Deus baixando trra
Se rebuga as noites tenebrosas,
Ou qnando ao mundo envia os seos archanjos,
Oh I tu s grandesim poeta do arco,
Tu que sabes tirar notas sentidas
Filhas do coragopreciosas, fulgidas
O Jornal do Commtro de Lisboa, publica :
Acbame* de lr n'am jornal belga que a
lago na Blgica, no anuo de 1864 era de..
4,940,570 habitantes.
Este numero, comparado ao de aaoo de I&S3,
aprsenla am augmento de 47,549 habitan*, di-
vidido por cinco sextos ao excesso dos nascioestos
sobre os bitos.
A Italia coma actualmente 99 navios, iot ajetes
74 formara a esqoadra de guerra ett a esqoadra
de transporte.
A esquadra de guerra compde-se de 18 nav
couragados, 21 de hlice, 15 de rodas e 10 de
vela.
A forga nominal das machinas da nova esqoa-
dra de guerra de 33,140 cava los; coala I,O
pegas e 20,384 homens de iripalaeao.
A torga nominal das machinas da esquadra e
transporte de 4,350 carados ; conta 43 peras e
1882 homens de tripalago.
Do Tassi-yangkuo, trancrevernos as seguas*? no-
ticias :
KSTATISTICA COMMKROIAL.
A exporlago de Macan, no 4.* trimestre de 1864
oas embarcares costeiras chinas foi aa valor de
#134,004 ; e a imporUgo no valor de 4I9S3,7W
O valor total por consegainte de 5331.330.
Com as exportagoes e importagoesdo* ultimas tres
mezes de 1863, em navios de alto bordo, Sea repre-
sentado o valor total da eiportaga e importar*., m
dito prazo em #3,135:641
Abaixo damos am trabalbo estalistieo, mais
minicioso, apresentando o valor total da iaporta-
cao e exportacao desta cidade, em lodo o aaoo
Ando.
A exportago de Macio, no aono Ondo de MU
foi do valor de #3,268,144 ea importar aa de
#7,146,458.
Estos cifras representam nao so a exportarlo e
importagao em navios de alto bordo, mas tambem
as embarcages chinezas de cabolagem.
A somma total destes doos valores aprsenla pois
a cifra importanlissima de #12,414,602.
Na exportago empregararo-se 244 navios misa-
dos mediodo 84,437 toneladas e 130 barcos etiiaas
medindo 195,570 picos.
Na importagao os navios de alto bordo emprea-
dos foram 248, medindo 88,001 toneladas, e l'X
barcos chinezes, medindo 296,330 picos.
Os maiores valores exportados foram : #300,194
decanella; de cha #1,068,543; #1,286,496'ea
metal sopante ; #64i,189 de seda ; #302,32* de
opio; #68,976 de sombreirus da papel; e #01,70*
de tabaco manufacturado.
Os maiores valores importados foram : #806,223
de arroz; #731,036 em metal sonante ; #3,813,801
de opio ; #192,069 de seda ; #164,211 de aceite de
luzes ; e #127,542 de m c.
FORCAS IUPEMAES.
As ultimas noticias de S.nghae tinham chegado
aquella cidade orgas imperiaes, em marcha sobre
Araui.
Dizem uns que este exercito de 20,000 borneas
oatros que s tem 8,000 soldados, porm concor-
dato todos qae esto bem armados, e que tea ap-
parencia militar, achaado-se divididos ero tres le-
gues cada ama com o sea coromaodante ; o rom-
mandante em chefe e o general Kwo-saaliag. o
qual usa jaqneta amarella e no chapeo peana da
pavo com doos olhos.
Posteriores noticias, dio j estas tropas saidas de
Shanghae, no dia 27 de marco, a bordo de cinco
vapores inglezes.
O brigue dmamarquez George Andreas que ha
poucos dias saino de Hungkong para soatao, con
carga de arroz, foi roubado por am junco de pira-
tas qae o atacou, em Ly-ce-moon, 12 horas depss
de ter deixado Hungkong.
O junco dos piratas tinha cerca de 100 aessoas.
O brigue tinha duas pegas, que estarn ao qae
parece descarregadas.
Os piratas armados de espingardas, laucas e pis-
tolas abordaran) o brigue e o tomaram.
A guarnigo do navio tentoa, debalde, resistir.
O capito foi mono com am Uro e o piloto e mais
dous raarinheiros ficaram feridos gravemente.
Os piratas apoderaram-*eda maior parte dacarga
e apressada mente abandonaran! o na vi, o ani
voltou a Hungkong.
Foi despachado am gunboat em perseguieao dos
ladroes.
O corsario confederado Shanandah de 8 pecas e
120 homens de guarnigo, queimou doos navio*, o
Stzzie U. Stay no da 13 de novembro ea I* 40
de lat. N e 28 de long. O; e o Edward no dia I
de dezembro em 37 50' S de lat e 11* 45* da
long. O.
Ailirma-se que este corsario apparece agora na
costa de Macule.
O Shanandah tem destruido tambem os seguala
navios:
Barca Alma que metteu a pique no dia 29 da
outubro em 16 47' de lat. N e 16 43' de long. O.
Escuna Charter Oak qae queimou no dia 5 de
novembro em 7 38' de lat. N e 27* 49' de loag. O
Barca D. Godfrey qae queimou no dia 7 de s
vembro em 6 28 de lat. N e 27 6' de loag. a
Brigue Susan que melleu a pique no dia SO de
novembro em 4a 20' de lat. N e 26* 39* de locg. O.
Barca Delphtne qae iaeendioa no dia 29 de de-
zembro em 29 10' de lat. S. e 69- de long. E.
O cruzador federal Iroquois, as alliaas noticias,
tinha sahido de Srngapara ; jnlga-se que tora para
os estreilos de Sunda, e esperado ea Maeo.
INolas que saltam borbulhosas quentes,
Como saltam da palpebra da moca,
No arfar do seio, as lagrimas pnmeiras,
A primeira expresso dos seus amores.
Por entre a luz de incendiada, carga
Das intimas visoes diz Deus ao genio :
O que tens leu lado ?
Amioha lyra.
Calca-lhe o peito, sonda-lhe as entranhas
E ella exbala perfumes, brota risos,
Golpha prantos, riquezas, lazes, sonhos....
O qae teas a tea lado 1
O mea thesouro.
Derrama, eotorna-o sobre o mnndo absorto.
emanagao do reo por quem elles do a vida.
O passo que acaba de dar na Babia o nosso me-
tropolita sobre a guerra actual, e a pastoral qae
boje publicamos do Sr. bispo de Marianas, fallara
mais alto do qae nos.
u episcopado brasileiro to despresado, to es-
pesinbaJo pelos homens do poder, nunca recuou de, um povo choram de balde pelo peregrino qae
quecer.
Nao te amo, Ihe respondeu a linda joven;
deixa-me e vai tratar da tua vida.
Saneando ento da algibeira urna pistola, o nos-
so apaixonado apresentou-a a insensivel belleza,
exclamando:
Pois bem I dai-me a morte I
A cruel rapariga, pegou na pistola, engatllhou-a
e...
Suspiram aves, esvoagam flores,
Correm auras celestes redolentes
Que balaocam brincando os lirios d'alma,
Passam meiguices, murmurar de afagos,
Tremer do labios, estalar de beijos___
O qae tens tea lado ?
Oh I ama virgem I
E' toa gloria, abraca-te com ella.
mu a.....
Diz am jornal inglez o seguale, sob o *as*-
de Viagens em caminhos de ferro ao Tt d-
1863.
Entre os documentos parlamentare?, aeka-se ara
relatorio offlcial do Inspector dos caminhos de tara
ro (agente do governo) ; fez a seguate declararn,
relativa as viagens em caminho de ferro :
Os vlsjanles, assim como os diversos en
dos caminhos de ferro, recasam
viajar sos com urna mulher, levados pelo
ment de que a prulencia ordinaria ordena
se evite desta forma, todo o risco de i
sados, por Uns srdidos, de insultos ou da
cia.
Ainda vira dia em que esta declararlo sera'
considerada como um monumeonto liagalii das
usos e costumes dos Ingiezes-ao anuo de iraca de
1865. *
Conta-se qae as ultima corrida de caraUos da
bosque de Bolonha, em Paria, em qae foi eacadnr
o celebre ca vallo Gladiatew tib Sor da Deiey
inglez, am sportman original ooen
luizes a quera Ihe troaxesse alnas do i
sufflcientes para com elles se poder farer i
nel.

?
AERNAMBCO.-TYP. DE M. F. DE F.
I