<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Saturday, July 15, 1865 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10717

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Saturday, July 15, 1865

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10717

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10717

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Saturday, July 15, 1865

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10717

Full Text
-
!
n
AMO Ul iOMEBO 160
Por qoartel pago dentro de 10 dias do 1. mei ...?.!
dem depois dos l.0110 d/as do comecoe dentro do qnartel. .
Porte no correio por ires mezes *..........
5J000
6|000
750
ENCARREGADOS DA SUBSCaiPQO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?odrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio.Marques da Silva; Araraty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; p.jr, os Srs. Geraldo Antonio Alves A
Fillios ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
EXCABREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SU^.
Alagoas, o Sr. Claudino Faleo Dias; Baha
Sr. Jos Martins Alves;
Kibeiro Gasparinho.
Rio de Janeiro, e Sr. Jos
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bez9rros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhtins, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Taearat, nas ternas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, nas qoartas
feiras.
SBBADO 15 D JLBO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 dios do 1.
Porte ao correio pop uui anuo . ,
BOX
>
ISfOOfl
3JQW
Serinhaem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimentelras, nas quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relaco : trras e sbados s 10 ho'ras.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo docommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orpbos: trras e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
di.
Segunda vara do civel: (juanas e sabbados a 1
hora da trde.
BEHEMEWDES DO MEZ DE JULHO.
8 La chela as 6 h., 7 m. e 22 . da t
15 Qoarto ming. as 2 h., 6 m. e 46 s. da t.
22 La nova as 4 h..!) m. e 40 s. da t.
30 Quarto cresc. as 1 h., 49 ni. e 16 s. da t.
DIAS DA SEMANA.
10. Segunda. S. Silvano m.; S. Biancr b.
11. Tere*. S. Sabino m.; S Abcendio m.
12. Qu.rta. S. Jofto GuaUn-rto ab.; S. Jason.
13. Quinta. S Anacleio p.;Ss. Joel e Edras prof.
14. Sexta. S. Flora e Justa mm.; S. Optaciano.
lo. Sabbado. S. Cainillo.de Lelis fundador.
16. Domingo. N. Senhora do Carao. ,
TREAMAR DE IIOJE.
Primeira as 10 horas e 6 m. da manhaa.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da larde.
PARTIDA DOS VAPORES C08TEIROS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para F
do nos dias 14 dos metes de Janeiro, marro,
julho, setembro e noverobro.
ASSIGNA-SE
no Recite, na livraria da praca da IndepeaaoKia
ns. 6 e 8, do proprietarios Maaoal Wpirea 4*
Faria & Fiiho.
GOVERNO DA MOsTOU.
Expediente do dia 10 de julho de 186o.
Offlcio ao provedor da Santa Casa da Misericor-
dia. Que.ira V. S. tomar em considerado o que
solicita o Dr. c.hefe de polica no incluso offlcio em
original de 6 docorrente, sob u. 936, que se servi-
r de devolverme declarando se possivel a
admisso do alienado de nome Bento, de que trata
o delegado do Rio-Formoso.
Dito ao mesmo.Nos termos do arl. 14 da lei
provincial n. 611 de 2 de maio ultimo, mande V.
Exc. admittlr no collegio dos orphos o menor Ju-
ventiuo Pnlycarpo Alves L ma, flllio do alferes do
orpo de polica Joaquim Milito Alves l.ima, que
tem de seguir rom o mesmo corpo para o sul do
imperio.
Dito ao mesmo.Hornera mandei apresenlar
a V. Exc. um indigente infermo de nome Maooel
Joaquim da Vera Cruz, afim de o fazer recolher ao
hospital de Pedro II, visto nao ter onde se re
colher.
Dito ao coronel commandante das armas.Visto
que segundo o seo offlcio n. 1,1 lo de 27 de junho
ultimo, nao ha na thesourana de faada e no ar-
senal de guerra acommodacoes para guardar o
material e archivos dos Corpus que tem embarcado
pode V. S. mndalos recolher ao quartel que para
csse fim Ihe parecer mais aprepriado; providen-
ciando convenientemente para que nao soffram
eslravios nem deteriorarlo.
Dito ao mesmo. Declare-me V. S quando jurou
ban leira o soldado do 2o corpo de Voluntarios da
Pairia, Manoel Agapito Correa da Silva, que foi
considerado incapaz do servido em Inspeccao de
satlde, como V. S. declarou em seu oflicio n. 1,177,
de 7 do crreme.
Dito ao Dr. chefe de polica.Respondo ao nfflc'o
de V. S. n. 908 de 30 de junho prximo lindo, di-
zendo-lhe que em 29 de maio ultimo, recommendei
a V. S. que fize-se recolher ao arsenal de guerra,
as armas de que trata o delegado do termo do
Ex.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. para seu
conhecimento o aviso expedido pelo ministerio de
eslrangeiros etn 6 de fevereiro ultimo, publicado
no Jornal do Recife de boje, sob n. 136.Igual re-
Diessa se fez a todos os juizes de direito e inunici-
paes desta provincia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.Re-
commendo a V. S. que d execucao na parte que
Ihe loca ao aviso expedido pelo ministerio dos ne-
gocios eslrangeiros em 6 de fevereiro nltiiBO, e que
V. S. encontrar no incluso n. 156 do Jornal do
fen fe, de boje.
Dito ao mesmoEm vista da inclusa conla,
mande V. S. pagar a Manoel Figaeira de Faria 4
Flllio, a qnantia de 615000, proveniente da im-
presso de diversos actos desta presidencia para
acqnisico de Voluntarios da Patria, e sobre os
eontigentes que tem de dar a guarda nacional da
provincia, para a guerra como se v da predita
conta.
Dito ao mesmo.Os offlciaes mencionados na
relacio junta tendo de seguir para o sul do impe-
rio em observancia do despacho na lei provincial
n. 611 de 2 de maio ultimo, com o corpo de polica
a que pertenrem pretendem deixar de seus sidos
nesta prouincia, para alimentos de suas familias as
CODSignacSes mencionadas nos inclusos requer-
mentos, haja pois V. S. de providenciar convenien-
temente para que se realise em os devidos lempos
e a contar do 1" de ago.-t) vindouro em dianle o
abono de semelluntes con-ignares fazendo se as
necessarias derlararoes nas guias que essa reparti-
co tem d j passar-lhes.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. a mandar pasar
sob minha responsabilidad**, visto nao haver crdi-
to para esse fim, a quanlia de (230,5100) prove-
niente dos venclmenlos da forca da guarda nacional
destacada na villa do Brejo, correspondentes aos
dias decorridos de 20 de abril a 20 de maio, deste
anno, expedindo ao mesmo lempo as convenientes
ordens para que taes veneimentos, relativos ao
excrcicio prximo findo, sejam pagos pela collecto-
ria daquella villa, ena raesma conformidade. Desta
maneira fica respondido o oflicio que V. S. me diri-
gi em 7 do correte, sob n. 458.
Dito ao inspoctor da thesouraria provincial.Em
additamento ao meu offlcio de 8 do corrente, de-
claro a V. S. que em adianlamento da gralificaco
de que trata o arl. lo da lei n. 611 de 2 de maio
na fortaleza de Itamarac, e do 9o da mesma arma,
2 ditos no forte de Pu Amarello.
Dito ao mesmoEm resposta ao offlcio de V. S.
de 5 do crreme tenho a diser-lhe que procedeu
bem ampleando por mais 8 dias o praso marcado
para apresentaco dos guardas designados para o
servieo da guerra, e que fa^a seguir para esta ca-
pital os que se apresentarem.
Dito ao comandante superior do Cabo e Ipoju-
ca.-Expeca V. S. com urgeucia as suas ordens
para que de um dos corpos da guarda nacional
sob seu com nando superior, destaquen) dous guar-
das para as fortificacao de Nazareth e Gaib.
Dito ao mesmo.Mande V. S. passar ao capillo
do batalho n. 41 de infamara da guarda nacional
sob su commando superior, Joaquim Jos Coimbra
de Andrade Jnior, a goia de que trata o artigo
45 do decreto n. 1130 de 12 de marco de 1853,
visto que segundo a sua informacn n. 73 de 19 de
maio deste anno, transferio esse offlcial a sua resi-
dencia para o municipio da Escada.
Dito ao commandante superior de Pao d'Alho.
por coma do ministerio da guerra, no primeiro va-
por que para all seguir, 60 vigas que o director do
arsenal de guerra tem de remetter para o mesmo
presidio.
Uita.Os Srs. agente da companhia Brasileira
de paquetes, facam transportar para a corte por
conta do ministerio da guerra, no vapor que se es-
pera do norte, os desertores do corpo do voluntarios
do Piauhy, Paulino Jos de Sonza e Flix Jos Pe-
reira, que serao remettidos para bordo do mesmo
vapor por parte do coronel commandante das ar-
mas
N'este sentido expediram-se as convenientes or-
dens.
2. Secco.Secretaria do governo de Pernam-
buco, em 12 de julho de 1865.Pela secretaria do
governo se faz publico, para conhecimento de qnem
interessar possa, o edital do juiz municipal da pri-
meira vara d'esta cidade, pondo a concurso o offl-
cio de partidor do civel d'e=la comarca, afim de que
os pretendentes apresentem seus requenmentos no
prazo de 60 dias, contados d'esta data, e instruidos
Neste mercado a situacao monetaria tem melho-
rado consideravel mente, sendo a laxa do descont
do banco de Inglaterra d 3 0|0e a dos Joint Slodi
Baaks sle 2 7j8 0|0. Entretanto as tratxarcSes
tem sido limitadas, e o aspecto geral da praca de-
nota anda grande descoollanea, resultado dos
grandes abalos porque lem passado este pniz nas
suas relacoes merc^ntins : a confianza nao pode-
Depois dessa visita, essa angosta senhbra dirigi-1 Tim, m,u .,_*..,_ _,
se ao palacio de Buckingh,n, onde teve lugar WM S *">? A- **< >ne "** **
rece )cao offlcial para a qual loram convidados os L,^ SSf'nSfftS _ ,. ^
embaixadores e muitas pessoas da aristocracia n- *. ~ .J?t^v.iTl TV ^ *
gleza : fi esta a 6' vez em que a rain! apresen- n ZJZ*, N*0Tk
i tou-se este anno publico, havendo ordenado por ve-'
| zes ao principe de Galles e a princeza Helena que
presidissem em seu nome varias ceremonias de
llar senao gradualmente, o s com essa base corte
cfcoKdo ?*?TZ.Tr- IT TSTI em Unres a ertr"'' ft t*W* Galles deu em
D nne v"io do Rr.? S21 Sfe "tln,,'>d nome da rai-.ha um grande concert no palacio m
ore m lZ,n ?d rt Ir ? ^S ha,Sem" ^'"P". residencia real em Londres: deste
pre urna uiiier.-n^a de 2 d. por mil res contra o modo busca a rainha conciliar os s^ns deveres na-
camb.0 de I/mdres sobre as nossas pregas, pela lclanos com a i. clinaca" que *enieraTver iS-
tazao evidente do lempo que medeia at a cobran- ge das feslas da sua cor e
ga das sommas sacadas, aiem de unirs circuras-
rom todo o enroco .
sissipi, e as cidades de Gal*eeeea ei
se achaui igualmente en poder m
mantrn todava o regimea aHitac 'anoeUgs pe>-
los.
O grande drama militir fwliMii neta yilj
resolvjd-i, mas deste resaltado pan ai
da IToio vai urna enorme distancia. 0e*:
se conquistado pelas arma-i f-d-ra-s, este brto
nao basta porm para re>tabeleeer o anlifo estt4o
de
que determinan) sempre as operacoes cam
Em vista do parecer da junta de saude, que ins-1 a forma do decreto 817, d 30 de agosto de 1851,
peccionou e julgon incapaz do servieo o guarda do | e do aviso 252, de 30 de dezembro de 1854.
batalho n. 16 de infantaria desse municipio, Anlo- \ O secretarlo,
nio de Barros Barbosa, resolv dispensar a este do' Dr. Francisco de Paula Sales.
destacamento para que estava designado, o que de-) ___,^_________
claro a V. S. para seu conhecimento e expedirlo ---------- ..... ---------
das conveniente ordens.
Dito ao commandante superior de Goianna.De-
ferindo os requerimentos dos guardas Manoel da
Paixo do Nascimento e Manoel Raymundo do Nas-
cimento, este do batalho n. 12 e aquelle do de n.
14 de infantaria desse municipio e sobre que ver-
san) as soas informacoes de 28 e 30 de junho ul-
timo, resolv dispensa los do servieo do destaca-
mento para que estavam designados, o que declaro
a V. S. para que expega as suas ordens neste sen-
tido.
Dito ao commandante superior do Rio Formo;o
e Serinhaem.-Expeca V. S., com urgencia,as suas
ordens para que destaquem na fortaleza de Tsman-
dar dous guardas de um dos corpos do municipio
do Rio Formoso.
Dito ao commandante do corpo do polica.Ten-
do de ser removido para o quartel da Soledade o
deposito de recrutas para o exeri-ito, como me de-
clarou o commandante das armas, em offlcio de 8
do corrente, haja V. S. de mandar diariamente
aquelle quartel urna guarda de um cabo e seis sol-
OVKRIO DO lllttf'AlfO DE
l'i;H\tlll*i C O.
SEDE VACANTE.
CONCURSO AS FREGUEZIAS VAGAS.
O Dr. Joaquim Francisco de Faria, conego honora- j
rio da capella imperial, lente jubilado de theolo- '
gia, deo da santa igreja cathedral da cidade de
Olinda, vigario capitular da diocese de Pernam-
buco, sede vacante, etc.
Por especial mndalo de S. M. imperial, com-
municado p do imperial aviso de 14 de mareo de
1829, expedido pela secretaria de estado dos nego-
cios da juslica, pooho em concurso pelo presente
edlal as seguintes freguezias vagas deste bispado,
a saber : a de Nossa Senhora da Con^eicao da ilha
de Itamarac, a de Sant'Anna da povoaeaode Gr-
vala, a de Nossa Senhora da Conceico do Bo-
nito, a de Nossa Senhora da Conceico do Qupapi'
a de S. Caelano da Raposa, a de S. Lourenjo de Te-
de Nossa Senhora da Sade de Tacara-
jjicupapo. a
dados do corpo sob seu commando" afim de"conser-1 l< a de Nossa snhora da Conceico de Cmangy,
var com seguranca os recrulados. a de S. Jos de Bezerros, a de SS. Cosme e Damiao
Dito ao mesmo.Em defermento aos requei-' de Iguarass, a d S. Jos de Ingazeira.^ a de Nos-
raentos dos soldados do corpo sob seu commando, sa Senhora do Rosarlo da Varzea, a de Nossa Se-
Ernesto de Barros Lins e Jo.io Francisco de Almei-1 nnora do " de Goianna, a de Santa Mara da Boa-
da, sobre que versam as suas informales ns. 532 e v'sla- 0.esla provincia ; a de Nossa Senhora da
535 de 8 do corrente, o autoriso a dar-lhes baixa Conceigao da Jacoca, a de Santa Luzia doSabug,
do servieo. i a de S. Miguel da Bahia da Traiga', a de [fessa
Dito ao mesmo. -Em defermento ao requer- Senhora da Peona da Taquara, a de S. Jos de Pi-
miento do soldado do corpo sob seu commando Ven-' rannas- a o"6 Nossa Senhora do Pilar do Taip, a
leeslo Elias da Silva, sobre que versa a sua'infor- de s- Mifnel do Taip, a de Nossa Senhora da Luz
magao n. olo, de 6 do corrente, autoriso V. S. a de ,>edra Lavrada, a de Nossa Senhora do Rosario
dar Ihe baixa do servieo. i da povoagao de S. Joo da cidade de Souza, na pro-
Dito a cmara municipal do Recife. -Satisfazen- i v'ncia da Parahyba ; a oe Sant'Anna do Ypanema,
do a requisigiio que fez a cmara municipal do Re- a do Senhor Bom Jess de Qnebrangnlo, a de San-
cife, em seu offlcio de 27 de junho ultimo, s*,b n.'ta Maria Magdalena da villa da Imperalrlz, a de
41, transmitto-lbes os inclusos documentos e im- Nossa Senhora do Rosario do Penedo, a de S. Fran
taocia
blaes.
Entre as diversas noticias que nos trouxe a
mala franceza notou a imprensa ingleza a ana se
refere a emancipaeo da escravatura
segundo propozera nn senado,
lado, o senador Monlezuma
Ningunm reparn aqni na inconveniencia do ta
proposta nas nossas actuaes circunstancias, por
que o desejo da Gr Bretanha mianto a
da escravatura abstracto; e por is^oa
ueia foi para !o?o bem acolhida, devendb proVa-
yelmente vir a ser anda cau>a par discnsso
iinpo/taute sobre tal assumpto O Brasil carece
porcerto cuidar de ul quesio, mas deve faze-lo
sera risco vital ; e esta verdale felizmente sen-
tida pela nossa maioria.
Os consolidados inglezes 3 0|0 llcam a 897, e
90. Os fundos brasileiros 5 00 a 99 e os 4 lil
0|0 a 808 1|2 e 81. P0rtugue7.cs 3 0|) 49 i|2.
Hespanhes 3 0|0 40. .Mexicanos 3 OjO 26. Gre-
go5 5 0|()21. Italianos 5 0|0 66I|2. Sardos 5
|0 76. Turcos 4 0|0 garantidos 101.
O mo vi ment martimo entre este reino e os
iiossos portos foi na anima quinzeoa o seguinte.
De Liverpool Tkerezinn (9) para a Parahiba ; de
Liverpool Plotenvj (10) para a Bahii; e de CirdilT
Ucean Queen (21) para a Babia. Do Brasil che
garam a Inglaterra as seguintes : da Bihia Prin-
ctpalitez e Briain's l'ride (ll)aD?al;do Rio
Grande Victoria (12) a Liverpool; da Parahiba
saphinn (i2) a Liverpool; da Parahiba Corn 19)
a Qoeeii.-towri; da Bahia Cabinn (| town ; e do Rio Grande Afano (12) a Queens
town.
. rousas, que urna guerra horrivel narere kavfr
satisfazer algum tanto a ft'KftftS; Sfi ^Z^T^ S K
A princeza de Galles, bem como o principe re- "SL^i"?',..,. ----------- ^
cemnasedo, se achara no p. de perfeita Im, [JfSZJSSpJLiMp!SSS.S6
nou, e agora se agnarda a deci-ao
nete de Washington bosra roasoli-
dar d'algam modo a divida pnblira, qoe sobe ao
enorme algarsmo de 2,633 milhoes d<* peso, pa-
extinego presenca da rainha,d^Vmnistrore do"corno dinTo" ?aKdo W miln5ti dtf J"ro wm*i ' pyM"*e
quella no- mati.o miniaros eao corpo aipio 1 johnson se proponha a manter as lei* da nrotrali-
dade. evitando os armamentos feilos na l'nio -nu-
tra o Mxico. O premio do onro fleava a 137 Ti
en>a ing.eza a que e cemnascido, se acham n-i gozo de perfeita sade. -?T!" ?
escravatura no Brasil, o nanismo desse principe ter lnar brevemente "",breve,menU
o, emboca s>m resal- e Sui Alteza real Loara o US*^SSSS, gSSToSS
;;_______:..,. Qi"* lambem o do seu avd materno el-rei da Di- a J'.iJn^ 1
namarca : o arcebispo de Canluaria ser o miis-
trante naquella ceremonia, que ser celebrada em
Acha-se nesla capital o duque e a duqueza de
Brabante, aquelle filho de el-rei da Blgica e her- j
deiro da coroa Esses principes sao prximos p-
renles da familia real da Inglaterra, com qoem en-
treiem de mais ainizade mu estreita. Suas altezas,
renos aproveitaram-se do restabelecimento de el-rei
Leopoldo, afim de se ausentarem de Bruxellas, on-
de permanecern) durante a recente e grave en-
ferm lade daquelle Ilustre monarcha.
'O parlamento hritannico est quasi tocando seus
nltimos momentos de existencia legal; parece que
sera encerrado a 8 do prximo mez e dissolvido
PERNAMRUCO.
RBV1STA OlAfelA.
Maranhao a 17 d, e o da Babia a 10 l|2 d Cacao
pressos que me envou o primeiro secretario da as-
sembla legislativa provincial enm o offlcio de 7
do corrente, sob n 137 junto p>i e.ipia, e recom-
tnendo a mesma cmara, que logo que termine o
exame a que est procedendo, devolva-me os refe-
ridos documentos impressos, alim de serem remet-
tidos a mesma assembla.
Dito ao director geral interino da instruccao pu-
eisco de Rorja de Piassabuss, a-de Nossa Senhora
da Graca do Muncy, a de Nossa Senhora dos Pra-
zeres de Macei, a de Santa Luzia do Norte, a de
Nossa Senhora do O" do Traip, a de S. Joao de
Anadia, a de Nossa Senhora da Conceigo d'Agua-
Branca, nas Alagoas ; a de Nossa Senhora da Con-
ceico de Maco, a de S. Joo Baptisla do Apody. a
de Nossa Senhora das Dore do Pat, a de Santa
por tonelada. Couros seceos do Rio de 6 d a 8
1|2 d por libra. Cade de primeira qualidade de
71 s a 81 s por cwt ; segunda dita de 64 s a 7 >s ;
e ordinario de 52 s a 63 s por cwi. Asnear hran-
co de Penambucoe da Parahiba 23 s 6 d 26 s 6 d;
maseuvado 18 s 23 s por cwi. Branco da Bahia
22 s 6 d 26 s : dito mascavado 18 s 6d 22s 6 d
por cwt.
'uma das minhas antecedenles cartas annan-
ciei aos leilores que se achava embargada em Tou-
lon^a corveta Brasil, mandada construir all pelo
governo de S. M. o Imperador U. Pedro II. Esse
SS. AA. II. a Sra. D. Isabel e sen angosto esposo
embarraran) hontem na rampa do caes do Carne.
das Princeza=, alim de continuaren) soa viagi-m a
em seguida, afim de ter lugar no decurso daqnelle c>rte. sendo-lhes feitas Deas* occa.-io as h. nra
mesmo mez a ebHcao geral, para a qual ambos os devidas alta cathegona de SS. AA., e rere!, o !
partid is se preparan). de novo os augustos visitantes as provas .'.
Na sess > da ceraara dos lords de 12 do corren- j Cao, do nosso Pvo-
te o ionio de Derby interpellou o gabinete, acerca SS. AA. foram levadas a bordo pelo Exm. pr- -
da proclamac.o do presidente Johnson relativa ao denle, e ao passar a galeota pela corveta en
levaniamento do bloqueio dos pertos federaes. Por :?2da Brasil, dignsram-se de subir ella :
esse mesmo documento aquella autoridade federal | estiveram algum lempo observar.d-a.
declarou fechados os portos dj Texas, commioado! Antes de seguirem para bordo, deram S*. AA.
, a pena de pirataria quelles que tentaren) transgre-: lo(?o pela raanha um passelo pela cidade, e* olta-
dir aquella orden) ; comminacao abas barbara, e I das Por onl piqoele de cavallaria da guarda narj.v
c ntra a qual, em nome do direito internacional, o nal ; e nessa digressao de rerreio. foram a Farut-
dade de Direito, onde se detiveram algnma coosa.
Prospera viagem desejamos SS. AA. II., e qoe
bonanzosos mares as restilua aos carinhos paier-
naes, assim como as trouxeram patria.
A vinda jpelo vapor francez dos augustos
principes, que ainda hontem hooravam nos rom a
sua presenca nesla cidade, foi urna agradavel sor-
preza para Pernambueo, cujo prazer foi assim aa-
tecipado em dias; pois si esperava-se a passagem
de SS. AA. II, julgava-se tambem qoe s poaVria
ella ter lugar para o fim do mez pelo vapor lagiez:
e isto mesmo era o qne linha-se por assentado do
circuios offlciaes.
A presidencia da provincia, segundo sabemos ie
O nosso algodao subi em Liverpool l|ldpor conde Derby reclamou na cmara hereditaria, bus-
u-"'l^nd0,,.de Pt\rnara,l,uco .' 'l2d;.odo cando informar** do modo por que o governo da
por que o governo
. 0 a .,. 'I-i1, '^r?0 rainha havia aceito um acto que eventualmenle po-
de 37 s. a o9 s por cwt. Pao Brasil de 60 s a 70 s deria affectar os .Hre.tos dos subditos britannicos.
Lord Rossell respondeu que o gabinate de Londres
parlieipava das vistas do orador, e que havia de
actuar nesse sentido; mas que julgava que o go-
verno americano nao execntaria jamis aquella pe-
nalida le, mencionada provavelmante na proclama-
cio smente ad terrorem. E' assim que este go-
verno se explicou a semelhante respeito; veremos
agora o que na pratica far.
Muitos assumptos eslo sendo definitivamente
discutidos em ambas as cmaras, visto a urgencia
de lempo em que se acha o parlamento; entretan-1 fale s to n.1o passar nenhuma daquellas medidas, que I govarno sobre a viada de SS. AA., alm !
offlcio, com data de 24 de junho ultimo, do director
geral da secretaria do ministro dos estrangeir -.
remetiendo ditas cartas para serem eniregnes a
h? n! r.f ,g r ?* ?0>sa ro.arin,n*de !?*" ac?- interessava altamente aopinao liberal em Inglat'er
5adeP mn.tna d'. T\ ,Ln 'Sft K ''""'n'" "' ,a';s rmo ,," da ref"r'na "e'oral, da abol-
dades mar .mas de Toolon, e segoto ja para o Rio ^ d juramento dos Calhohcos e o do estaheleci-
SiTSSi hT^^^SS^T *" meDl dB uma niversldado catholica na Irlanda,
que assistira a sua constrnecao. Ningnem 0< conservadores e whigs receiam essas medida*.
lista.
ta, que pode despender a quantia necessaria com a
limpeza e reparos dos canos de esgoslo do largo da
Sobeira e da travessa do Monteiro, o qual dever
orrer pela verba do | 2." do artigo 15 da lei do
qrcamento vigente, como indica no seu citado ofli-
cio.Uommunicou-se a thesouraria provincial.
I Dito ao juiz municipal da primeira vara d'esla
aio cidade.-Remettendo a Vmc. em original, para os
ultimo, deve ter era vista a disposicao do art. 6 da jevidos effeitos, a guia passada pelo juiz municipal
citada lei, que se refere aos inferiores do corpo de le Goianna ao sentenciado d'aquelle termo, Manoel
polica, o que os exhibem do arl. 7 da mesma Basilio de Oliveira, que segundo o offlcio por copia
lei. Incluso, o mesmo Manoel Basilio do Sacramento,
Dito ao rcesrao.Mande V. S. pagar ao empre-' flue> sera e"a e*istp no presidio de Fernando, como
sario do Iheatro de Santa Isabel, Antonio Jos
Duarte Coimbra, como pede no incluso requeri-
blica.Coramunico a Vmc. para seu conhecimento : AnDa nu Serid, a de Nossa Senhora do O' da Ser-
que altendendo ao que requereu o professor publ- ra-Negra, a de Santa Rita da Cachoeira, a de S.
co de instrurr.no primaria da villa da Escada, Mi-lJoao Baptisla do Porto-Alegre, a de Nova-Cruz, na
guel Arcanjo'Pimentel, e tendo em vista a su in-! provincia do Rio-Grande do orle; a de Nossa S*-
formaco de 9 de junho ultimo, sob n. 168, resolv nnra ua Penha do Burty, a de Sant'Anna da Ce-
nesta data relvalo da multa que Ihe foi imposta lin8a dos Alegres, a de Nossa Senhora do Ampara
pela falla de apresentaco em tempo opportuno do. da villa anuaria do Brejo Salgado, na provincia do
mappa de sua escola do quarlo trimestre do anno Minas Geraes.
passado, visto haver provado ter entregue dito I Todo o IHd. sacerdote, 011 clrigo, que queira fa-
mappa ao respectivo delegado lilterario.Commu-',zer Pposicao s igrejas cima referidas, apresen-
nicou se a thesouraria provincial. 1 te-se com sens papis promptos e correntes, na
: Dito ao chefe da repanicao das obras publicas.
Ipteirado de quanlo Vmc. expoz em seu offlcio de
8 do corrente, sob n. 211, tenho a dizer em respos-
mento documentado, metade do subsidio de 8:0005,
votado pelo 2o do art. 16 da le do orcamento
vigente, e correspondente ao 3o anno do seu con-
trato.
1 dedarou-mc o respectivo commandacte, em offlcio
1 de 30 de margo ultimo, tenho a declarar-lhe que
da referida guia, transmuto copia ao mesmo. Com-
mandante n'esta dala.
Dito ao juiz municipal de Santo Antao, bacha-
re Virginio Carneiro da Cunha e Albuquerque.
Dito ao mesmo.-Deferindo o reqnerimento, so-; Constando-me que Vmc. delxar, em 21 de maio
bre que V. S. infotmou em offlcio de 28 de junhe j ultimo, o exercido do seu cargo e at sahira do
ultimo, sol n. 244, o autoriso, de conformidade j termo, queira dizer-me se para isso obteve licenca,
com a informaco do director geral interino das e se j reassumio o mesmo exercicio.
instruegao publica n. 201, de 6 docorrente, a1
poderia esperar to prximamente aquella sofoca",
porque nao havendo cessado ainda a guerra entre
o Brasil e o Paraguay, subsiste o motivo da neu-
tralidade que fora a causa daquelle procedimenlo
do gabinete de l'aris contra nos; mas, gracas a
energa com que o nosso enviado barao do Penedo
represenloo. peraute. o governo francez acerca u
injustiga que nos resoltava da appbo^ao absoluta
das leis da neutralidade no caso da corveta Brasil,
que bona lide havia sido construida em Franca an-
tes de eslarmos em guerra com o Paraguay, o im-
perador Napoleo consenlio no desembargo da-
quelle vaso de guerra que nos vai ser de grande
utilidade.
receiam essas
de modo (pie buscara sempre adia-las e at as te-
riam rejeitado se nao receiassem uma formal in-
I disposicao com a opinio publica predominante.
Pelo que respeita porm a ultima dai|uellas medi-
das, Mr. Gladstone promelteu collocaros cathollcos
i de Irlanda em igualdade com os protestantes, ins-
tituindo uin collegio caiholco como dependencia da
i universidade real da Irlanda.
Nao creio que esle expediente satisfar o partido
eatholico; mas elles o aeearam alinal tal vez para
i do menos aspirarem ao mais: o partido conserva-
I dor oppoe-se a qualquer concessao, e por esse m )-
forma do estvlo. para ser admlltido, fazendo termo SSSdade"*" """"""" ''UC "" *""" ** *""""'\Va 5e cr qae tera balido na Irlanda Pro"'ma
de opposico dentro do prazo de sessenta dias, On SmTh,iiiit.tn mnnii.'iin ni-.i . 1 I eleicao geral
dos ; ques, se proceder ao concurso, no qual ria *"'' "'e,f es,u',a **JPrl.meiro. /numplio No meado do proximo mez agliarda,la em p|y.
respondero os Rvos. oppositores nov casos de Jg8^*?"g*&W"taP* conhou, mouln a cnegada de uma esquadra franceza eu-
^.-1 ...^,a'.'. f5 .,o, .; ., hn- du p. oar.10 UO l tneOO. Plumead ni avori alcilu Un: .,.>...,>, A. I
A Inglaterra havia sido em cirenmstancias ana-
logas menos rigorosa para com o Brasil, quando
em 1852, apezar de existir o motivo de neutralida-
de que ella declarara na guerra entre o Brasil e
Buenos-Ayrcs, consentir no armamento e partida
de Liverpool da fragala Amazonas, que o governo
imperial mandara construir nesse porto : entre-
tanto o gabinete de Londres pareca desojar a rna-
nulencao do pode de llosas, e para este lim deve-
ria convir-lhe quaesquer embaracos postos arrao
mililar do Brasil, o que todava tio fez ; que te-
ria sido altamente injusta a applicaco absoluta da
neutralidade naquelle caso, porque a fragata Ama-
zonas, do mesmo modo uue a corveta Brasil, fra
mandada construir em Liverpool antes daquella
declaraco de guerra contra Buenos-Ayres e com
destino nossa marmha de guerra.
O seu embargo nao leria, pois, juslficaco, pelo
que a nossa legaco nesta corle nao encontrn da
parte deste governo obstculo algum para o arma-
mento e partida daquelle citado vaso de guerra.
Consta-me que em breve seguirao para o Brasil
sor-1 oulros navios encouracados que os agentes do nos-
im pe-
moral e consciencia, e farao uma exposicao, ou ho
miliado F.vangelho, que eu assignar ; para propor
a Si M. o imperador os que forem julgados mais
dignos, na forma dos sagrados caones e Concilio
Tridentino.
Dado em Olinda, sob o meu signal e sello capi-
tular, aos 10 de julho de 1865.
E eu, o padre Joaquim da Assumpcao, escrivao
da cmara episcopal o subscrevi.
Deo Dr. Joaquim Francisco de Faria.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS 1>0 MA
RIO OE PERXA1I1UC
LONDRES.
23 de junho de 186o.
O paquete Peluse, da linha de Brdeos do Bra-1
Dito ao juiz municipal supplenteem exercicio do sil, entrn em Lisboa na manlia de 12 do cor-
mandar pagar a quanlia que se estiver a dever ao | termo de Santo Antao.Respondo ao seu offlcio de rente com uma extraordinaria viagem do Rio de so governo tem adquirido para o servieo da
professor publico interino da cadeira de instruccao 27 de junho prximo findo, dlzendo-lhe qoe obrou 1 Janeiro aquelle porto de 19 dias incompleto I A rial marrana militar: e da Allemanha
elementar da povoacao de Anegados na freguezia regulameote nomeando um offlcial de juslica, para companhia franceza dessa linha de paquetes bus-' pontos sao expedidos os armamentos que
outros
que desde
servir interinamente perante esse juizoe pelo tem- ca revendiear por esse modo seu amigo crdito, algum tempo esses agentes tem comprado para o
po de tres mezes. alim de atienuar a m impressu que causou no nosso exercito.
Dito ao delegado do Limoeiro.Declarando me o publico o sinistro do vapor Bearn. Esse mesmo ; E' louvavel a actividade com que esses individuos
nodialo.de tem procedido, sendo que era verdade Uso era de
de Ingazeira, Jos Thomaz do Amaral e Mello, pro
veniente da desbeza com o expediente de sua aula
desde que entrn em exercicio e na razo de 14025,
mensaes por ser ella considerada de primeira I commandante do corpo de polica, em offlcio de 27 paquete Peluse ancorou m Brdeos
classe. de junho ultimo, que existe n'essa delegacia o ar- modo que a 18 pela manha recebiamos aqu
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S., que em mamento e equipamento do soldado do mesmo cor- correspondencia por elle vinda. A imprensa des-
vista da inclusa coma que me remellen o director. po, Antonio Joaquim de Andrade, que deserlon em ta capital annunciou logo a organisaco do novo
1 ministerio brasileiro, dando ao mesmo" tempo noli-
geral interino da instruccao publica com offlcio de marcha nesse termo, recommendo Vmc. que os
7 do corrente, sob n. 2%, e nao havendo incon-: remella para esta capital com a possivel brevi-
veniente, mande pagar a quantia de 664640, des- dade.
pendida com o expediente e encadernago de livros | Dito so juiz de paz mais votado do primeiro dis-
da blbliotheca provincial, durante os mezes deja-1 trelo de Iguarass.-Inteirado pelo seu offlcio de 3
neiro a junho deste anno.Communicou-se ao j do corrente, dos motivos pelos quaes deixou de ser
director geral interino da inslrucrio publica. i insuflada no dia 2 d'este mez, a juuta revisora de
Dito ao mesmo.De conformidade com o que qualificacao d'essa freguezia, recommendo a Vmc.
solicitou o chefe de polica em offlcio de 7 do cor* que guardados os prazos e mais formalidades da
rente, sob n. 919, e nao havendo inconveniente, lei, convoque novamente a referida junta e a faca
mande V. S. pagar ao negociante tilias de Almeida reuuir no dia 2 de agosto prximo vindouro, que
Lima a quantia de 1005, despendida durante o paraisso Oca designado.
mez de maio ultimo, com o sustento dos presos j Dito aos agentes da companhia d Brasileira de
pobres da cadeia da cidade de Nazareth, como se paquetes.Informe Vmcs. com urgencia, se o pri- j circumstancia, alm do nenhum criterio com que
v da inclusa ronla.Communicou-se ao Dr. chefe meiro ascripturano da thesouraria de fazenda do e'ssa repblica nos declarou a guerra, faz que o
de polica. Maranhao. Joo Baptisla Carneiro da Cunha, leve \ publico inglez pouco on nada se ocrupe cora a
Dito ao commandante superior do Recife.Ao 1 passagem para aquella provincia, como delerminei sorte desse pequeo estado, sobre ludo agora que
offlcio n. 175, que V. S. me dirigi em 6 do cor-; em portara de 30 de junho nltimo, com sua m-
rente, respondo declarando-lhe que os comman- i Iher e uma (ilha menor.
esperar da boa escolha das pessoas a quem o go-
Sfjrno imperial confiara essa tarefa.
As folhas inglezas tem dado detalhes importantes
acerca das numerosas lorcas de mar e Ierra, de
cas animadoras quanlo a situacao poltica do qne agora dispomos; predizendo lodas que infal-
Brasil do la Jo do Rio da Prata, onde ludo favorece livel a victoria do Brasil sobre o Paraguay. Este
a posicao quealli temos assomido, de accordo com raalfadado palz nao encontra aqui svmpathia algu-
Montevido e Buenos-Ayres, para combater o I'a- ma, niio havendo podido se qner leva'ntar o empres-
raguay ; alguns joroaes de Londres tem j rea-! limo a que se propozra e par! o qual o congresso
lado os abusos commeuidos pelos Paraguayos em d'Assumpcro havia dado poderes ao famoso mare-
Corrientes, o que serve de corroborar aqui o que! chai general Lpez; nao creio que essa repblica
a iraprensa dissera nesse sentido desses mesmos venha a conseguir desta praca subsidio algum.
pro
selvagens, logo que estes oecuparam a
vinca de Matto-Grosso.
O Paraguay tem vivido constantemente no es
quecimento para a Inglaterra, de modo que essa
dantes dos corpos da guarda nacional sob seu
lommanrio superior aquartelados nesta capital,
devem proceder acerca dos fornecimentos de luz e
Portara.O presidente da provincia, confor-
mando-so com a proposla do Dr. chefe de polica,
n. 851, de 16 de junho prximo lindo, resolve exo-' annunciar, sem prelext; algum, a notifleacao .
agua para os destacamentos da Varzea, Capunga, nerar a Antonio Pereira da Cmara Lima do cargo blopueio das Tres Bocas pela esquadra brasileira,
S. Loureneo, e outros lugares prximos a esta ci- i de subdelegado do districto de Gurjau, segundo da sendo que a desejar hostillsar nos elle lena come-
pela allianca das repblicas do Prau com o Bra-
sil se nao receia mais aqui as vistas ambiciosas,
que se attribue ao imperio brasileiro, daquelle la-
do da America. O governo brilannco acaba de
do
dade do mesmo modo porque eram feitos
fornecimentos, quando taes destacamentos
compo tos de pracas do exerciti; o que V S. far
constar ao commandante do l" batalho de infan-
taria, em resposta ao offlcio que devolvo.
Dito ao commandante superior de Olinda e Igua-
rass.Expeca V. S. as suas ordens para que
destaquem, com urgencia, de um jos corpos de in
esses : freguezia de Santo Amaro de Jaboato, por assim
eram I o haver pedido, e para esse lugar assim como para
o que se acha vago de primeiro supplente do mes-
mo subdelegado nomea.
Subdelegado. Manoel de Souza Leo Jnior.
Primeiro supplente do mesmo.Jos de Sonza
Leao.
DitaOs Srs. gerente da companhia Pernarabu-
Conlina a espalhar-se neste mercado que o
Brasl e Buenos-Ayres virao brevemente tancar um
novo emprestimo no Stock Exchange ; parece at
que o Sr. Riestra, agente do governo argentino,
acaba de chegar a esta capital encarregado da-
quella missao flnanceira. Nao sei cora que condi-
coes obter elle um emprestimo qualquer, entre-
tanto supponho que poder realisar suas vistas
embora custo de sacrificios ; pelo que nos diz
respeito, creio que havemos de comprar aqu muilo
caro um novo emprestimo, porquanlo so trata de
uma operago cujo producto destinado para a
guerra, alm da influencia que esse augmento de
encargo hade exercer desfavoravelmente sobre a
condicao geral do nosso crdito. Osnossns fundos
de 4 1/2 O/o acham-se a 80 1/2, e por ahi podemos
calcular que provavelmenle nao conseguiremos
para um novo emprestimo um prego de emisso
cado por questlonar-nos a ellectjvidade daquelle
acto de guerra, viste que esse o pretexto com
que a Gr-Bretanha busca sempre iludir, no in-
leresse do seu commercio, o exercicio daquelle I muito cima de 75 O/o-
direito perlencente a lodo belllgerante. Durante a I Sua Masrestade a.rainha regressou de Balmoral
gnerra dos Estados-Unidos, a eflectividade do hlo-: a Windsor no da 16 do corrente, e no seguinte veio
qneio de Charleston e de Willmington foi muitas a Londres para visitar no palacio de Marbobrough,
yezes qbjectada pela Ioglaterra, se bem que Lord | a princeza de Galles, que como sabido deu a luz
famana do municipio de Iguarass. tres guardas cana, faga transportar para o presidio de Fernando, I Rossell se nao atrevesse jamis 'a desconhece-la I' recentemente ora principe.
couracada, que dever visitar alguns portos da In-
glaterra afora aquelle. Uma diviso de navios
cnconrandos inglezes se achara postada ali para
fazer as honras esquadra da Franca, e nessa
mesma occasiao o principe de Galles passar em
revista aquellas esquadras combinadas. Mais tar-
de o almirante inglez mandar a Cherbourg uma
diviso naval, que ser recebida nesse porto, se-
gundo se afllrma, pelo imperador Napoleo, afim
de assim corresponder graciosidade do prncipe
de Galles.
Estes signaes de mutua svmpathia sao mu bem
recebidos pela opinio publica ingleza, que por to-
dos os modos busca esquecer os antigos odios exis-
tentes entre os dous raizes. Ha apenas uma sema-
na, no dia 18 do corrente, que foi aqui celebrado
com alegria o qonquagessimo anno da paz entre
a Inglaterra e a Franca: no ha ainda muitos an-
nos que o publico teri preferido celebrar o ani-
versario da derrota de Napoleo nos campos de
Waterloo, como disso lembranca a data mencio-
nada !
Nao se conclua, porm, que ex'Stede parte a par-
te uma conlianca suprema, e a prova disso est
na previsao com que ambos os governos mantem
seus formidaveis armamentos. A Inglaterra busca
sempre exceder a Frauca em seus armamentos
navaes, embora a custo de enormes sacrificios: o
almirantado possue hoje 26 enormes vasos encou-
racados completos e 6 em construccao, alm de. 5
bateras fluctuantes d'aquella especie que esto
promplas. A Franca deve possuir pouco mais ou
menos igual numero, tendo decnais actualmente
em Toulon para ensaiar uma maquina raternal,
que sj julga poder ser empregada com effeilo in-
fallivel contra a courana dos navios : se assim for,
evidente que esta innovaco vira fazer urna no-
va revoluco nas marrabas de guerra. No parla-
mento brilannco inenconon-se essa descoberta,
mas o aimirantado nao se achou por emquanto ha-
bilitado para explicar todos os elT-it- s da nova in-
venco, cuja difflculdade quanto sua execuco
parece eslar ainda no modo de applicvla no alio
mar do n%vio contra outro navio.
As noticias que aqui temos do Per referem-se
ao estado de guerra civil, em que se acha aquella
repblica. As foreas do presdeme Pezet haviam
atacado e tomado Arica, centro da revoluco ; en-
tretanto os rebeldes se achavam senhores de outros
pontos, o que os habililava a manieren) sempre o
estandarte da revolta. A esquadra hespanhola con-
servava-se no Pacifico, dchando-se nas agoas do
Chile, onde Impunha as reclama roes do gabinete de
Madrid, s quaes o governo chileno tem porm re
sistido : alm de certas reclamaeoes pecuniarias,
o almirante Pareja parece insistir pela saudaco
da bandeira da Hespanha, pela artilharia da rep-
blica, e a esta hurmlhafo principalmente resiste o
governo chileno. O almirante Pareja nao deixara'
o Pacifico de nenhum modo, emquanto a situacao
poltica do Per for anormal.
As communicafoes do Mxico sao desta vez mais
favoraveis a causa imperial. Jurez foi repellido
de Chichouan, sendo obrigado a fugir para o novo
SS. AA., que aqui devoriam tocar pelo prximo pa
pele mglez, conforme resava aquelle oflicio.
Sem embargo, porm, dessa determinaejio do lem-
po da chegada de SS. AA., o Exm. Sr. presidente.
com louvavel previdencia ia prepararse para a re-
cepeo delles, pr.suppondo mesmo que viessaa
pelo paquete francez ; e neste sentido j linha ai-
dado algumas ordens ao seu secretario, qnand.. em
conferencia relativa a este objecto cora o digno Sr.
barao do Livramento, examinaran) de doto o refe-
rido offlcio, e resolvern) em presenca da saa ex-
presso dispor das coasas smente para o |>a 1 !
inglez, nao s por ser este o indicado, como por
outras consideraedes oflerecidas pelo bario, e aia>
da pela falla de maij communicacoes do governo,
iguaes s que foram expedidas por ocrasio da pas-
sagem de. SS. AA. para a Europa ; communicacoes
estas que entendern) elles poderem vir anda por
algum dos vapores do principia deste mez.
E, pois, como dissemo lo, foi a chegada de Sx
AA. ante-hontem a esta cidade uma sorpresa ; mas
uma sorpreza que sempre ser agradavel aos des-
cendentes dos varo s. qne sacrificaran) lodo para
conservar dymnastia de Braganca esta por;j
da trra da Santa Cruz invadida pelo balavo pode-
roso.
E, ainda que apanhado em despreTenco,S. Exc.
fez os possiveis obsequios, como onvinha, era do
seu dever e raaior einpenho, aos augusto- hospe>les
de Pernambueo, sendo nesta salisfaco de dever
poderosamente ajudado pWo Sr. barao do Livra-
mento, coja solieitude preslim ira conherida por
seus concidados.
Por portara da presidencia, de hontem flt)
foram designados para o Io carpo de guardas na-
clonaes chamados servieo guerra os segointes
offlciaes :
Para major e commandante interino o major do
1 batalho de artilharia Alexandre Augusto J
Fras Villar.
2* companhia.
Capilov rapito do 2* batalho de infamara
Olympio Gongalves Rosa.
4* companhia.
Capiloo capilo do batalho n. 25 Hemique
Marques da Silva Lins.
6' companhia.
CapiloO capito do 3 batalho de infaman:
Luiz Pereira de Parlas.
7* companhia.
CapiloO capito do " batalho de infamara
Maooel Peres ('.ampollo de Almeida.
AlferesO alferes do 1* batalho de infantaria
Joo Jos de Almeida Pernambueo.
De segunda-feira (17; em dianle, contina o
trafego da nossa estrada de ferro entre as eslaroes
das Cinco Ponas e Ipojuca, e da de Timb-Ass. e
Una.
Hoje vai scena pela ultima vez do Smti
Isabel a Panicao, drama do Dr. Pinheiro Guitaa-
res, que se recomraenda p do nome do autor, e
pelo mrito real da eompo-ico em si.
Apezar de alguns estragos Ieilo< pela innna-
dacao na Passagem da Magdalen 1 e suas cirrnm-
visinhaocas, nao houve a lamentar morte algnma.
Nao exacto haverem-se afogado all e na Torre
dous individuos; nem mesmo disso houve qoem
corresse risco.
A ponlezinha da entrada para os Remedios sof-
freu uma especie de rombos, mas essa damnirtra-
co ja esl reparada. Desta rirramlancia qoe
liram o boato de ler cabido a ponte da Pa-sagem.
Pelo Dr. delegado de polica do 1* distrielo
do termo desta cidade, foram pronunciados inrur-
sos nas penas do art. 192 do cod. crim., F.dencia
Mara da Costa Saotos e Manuel Jos do Nasciawa-
to, esle como mandatario e aquella como mandan-
te da raorte do portuguez Manool Pereira dos San-
tos, fado que teve lugar na norte de 12 do mn pas-
sado, em a freguezia da varzea, sendo qoe oaassi
si nado era marido da dita Fidencla, e compadra a
amigo do mencionado Nascimento, qoe freqaeatava
na mais perfeita intimidade a casa do infeliz, coja
Mxico; e Cortinas foi batido pelos Francezes em morte teve lugar, por haver elle esbordoado a soa
Mazatlan. Quaes serao porm as noticias da pro- mulher, que achou em sen compadre um iasira-
r
----rr
l
I
l\/r-l


4

Diarlo de J*crnambnco Sabbado 15 de Julho de J86&.


ment propno realisar a prorrwssa que havia ella!
feiio de-nao a maltratar mais o seu mando.
No correr do processo obiiveram-se renelaco.!*
Imporlantes, as quas po.i patente a antora e cir-
cumsiuicias desse crime. attnbutdos- ao referido*
reos, qua de combinagJo e autecipadaraente resol-
verani-no.
O subdelega Jo da freguezia da Varzea, o Sr. Jos
Carneiro Rodrigues Gampelto, procedeu com tanto
criterio, aevidade e tino, que, em muito, concor-
reu para o rastillado obtido, o qual lodo em fa-
vor di justi^a e crdito das autoridades.
Os religioso; Carmelitas celebrara amanha a
festa de sua HMtriateha Nossa Senhora do Carrao,
com a pompa do costume. As noveuas estiveram
milito concurridas.
As drmVuldades que o servico da seguranza
publica lodosos das apresenti por falta de tropa
snftl lente, aconchara a urgencia de ser empre-
gada i guarda cvica no sen-ico da vigilancia des-
ta cidade, aproveitando-se assim a dedicacaodos
cidadaos qoe to patriticamente se offe recera rri
para isto.
De novo, pois, apresentamos esta lembranga,
O Exm. Sr. presidente deu provimenlo.
Nada mais havendo a tratar-*", o n\m. Sr. pre-
sdeme eacerrou a sessao a u:ua hora e meia da
tarde.
CQMMUNICABQS.
& pi-opoito da empieza Coi robra,
ni
O espectculo de hontem e o espectculo de ama-
nhaa.
Hontem o Phantasma Branco - e aroanha a
Ptmico dous lindos primores d'arte.
Logo que constou ao digno emprezario que ha-
via rhegado a esta risonha cidade S. A. a princeza
D. Isabel, em companhia de seu augusto consorte, o
iheatro de Santa Isabel, ufano e radiante, vestio os
seus ornamentos de gallas illuminou se todo e
abri suas ponas ao publico.
Foi um espectculo inopinado, improvisado e so-
mente executado a offerecimento do emprezario,
que solicitou, em palacio, aos reaes viajantes a su-
bida honra de festejar a sua vinda com urna repre
que por certo nao poder ser tachada de inconve
Bienio, e menos de inopiiortuna.
_ Durante a estada da crvela Brasil neste W s.gniheativa dos seus sentimenlode amor
nosso porto, tem ella sido vis Hada por quasi tota ">"*> para com o Brasil e a sua dyowtia.
a nossa populaco mais considerada ; que all tem .A fo<> encontrn echo em aquelles cora-
oncorrido a ver um vaso, cuja especialidade de oes generosos. U ron vi e fo. a^elto-JK^AA.
construcrao nova para nos concorreram a execucao da magnifica eoropos.cao
m SSW'mSTTT ^TvisS^que HalSd .Ido feito o convite pouco antes das
- Ileje se eitrahir a primeira parte da lotera suasoraedes a matriz da Boa-Vi ta, so aquella hora
t favor las familias dos b osos vuluotarios da pa- *}* W* daVil'lf,?n ? u':
tria (2") sendo o maior premio 6:000,5.
Repahtiqo da polica :
Extracto da parle do dia li de julho de 1863.
Foram recolfeidos casa de delenco no dia 13
do comnte:
A' ordetTi do subdelegado do Recite, Miguel Ve-
nancio da Siha. pura reernta.
Nao obstante o thealro povoou-se em breve, e
reluiiibava aos vivas e applausos populares, que_ to-
dos esiremeciam de jubilo, que todos eram irma >s,
que todos viam na augusta princeza a futura im-
perante do paiz e nella saudavam auroras e ma-
nhaas de um futuro fulgido, por ventura mais pro-
picio, do que o nossa passado.
O acadmico Thobias de Mene.zes recitou duas
sSSSS g| SSS
formacues inleiramettle erradas que foram
dadas ao tribunal.
! 2. A setenca foi dada por um tribunal
de primeira instancia, e n5o tem valor al-
j gum, logo que se appellou ; foi por urna
manobra desleal e contraria a lodos os usos
I que os concurrentes dos Srs. Grinault & C,
tizeram distribuir em grande numeros jor-
; naes judiciaes e mandaran) publicar em
Franca e nos paizes istrangeiros uma-deei-
so quenulla, sem nenbum valor emquan-
1 to o tribunal imperial nao a tiv r approva-
do, e-depois delle o tribunal supremo.
3." O tribunal imperial nao decidi, mas
sim, por urna sentenga de 17 de maio pr-
ximo p'ssado, ordenou nova vistorp, a que
litaba motivado a deciso dos juizes da pri-
meira instancia Ihes tendo parecido insuffi-
ciente, depois das novas experiencias intei-
ramente contradic'orias de um chimico e
physiologista eminente, o Sr. D. Leconte,
pbarmaceutico em chele dos bospitaes, e
professor aggregado da faculdade de medi-
cina de l'aris.
4." N'essas circunstancias admira-nos
que um conselho de sade publica se lenha
decidido sem informacoes mais cenas, a
mandar prescrever ou mesmo a por em sus-
peifo medicamentos, cujas excellentes qua-
j lidades e perfeita preparaco tem sido, des-
de muilos annos, reonhecidas-por todos^s
I membros mais distinc'os do corpo medical,
! e que lem os nicos defeitos de serem me-
Ihores, menos caros e mais procurados da
que todos os remedios de seus concur-
rentes.
Tenho recebido cartas de algumas pessoas de
outras provincias que me commaaicam ler desla
cidade sido remetlido o meu xarope falsificado,
que tem dado resultado ao descrdito de niinha
prepararlo, cujo conhecimeato se tem verificado
depois dos effeitos que taes remjdios apresenlava ;
assim, pois, tenho a declarar ao publico que no
letrelro que vai pregado na garrafa do xarope,
.-empre foi assignado por mea punho, e daqui em
diante, alm desta assignatura o farel tambero ne
papel que cobre a garrafa. Rogo ao mesmo pu-
blico que qnando forero assim engaados, tomem
testemunhas, me remettam os roalos falsificados e
me partlcipem para fazer effectivo o art. 167 do
cdigo criminal do Brasil.
Jos da Rocha Paranhos.
ferimentos.
O ehfe da 2." seceso.
J. G. de Mesquita.
Passageiros sahidos no vapor francez Extre-
madme para os portus do sul :
Tnoinaz Jeffcries e sua senhora, Jos Joaquim
Gomes de Abren, sua senhora e criados, Luiza
Romagni, 3 OMos e 1 criada, Jos Francisco de
Alenrar Contarim, Pedro Cannemagear, llrando
Domenico, Migliolo Antonio, Egydio Celano, Dr.
Luiz Antonio Crespo, Dr. Manuel Caldas Barreto,
Dr. Adolpho de B irros C. de Lacerda, e 2 criados,
Francisco Gomes da Silva Jnior e t criado, Luiz
EmilioPereira 'la Cmara, 1 sobrlnho.
Passageiros do vapor brasileiro Parahyba,
sahido para os portes do Sul :
Lino Correia Rodrigues Pinti. Joaquim Rodri-
gues Osario, Joo Candido Cavalcanti. Francisco
Jos ESias, Dr. Rodrigues Pereira Jnior, Antonio
alpilantes de patnot
thusiasmo, incisivas de.-sa expresso, que so os
poelas fallam, que s os poetas enlendem.que todos
commove I
Honra ao arrojado vale que solemnisou esse.se-
r.o glorioso e sobre quem palmas e bravos cahtam
cada estrophe. Magnifico I
Finalisando o espectculo o emprezario foi beijar
a mi da Sra. D. Isabel, por cuja occasiao o Sr.
conde d'Eu disse ao Sr. Coimbra que muito havia
o espectculo satisfeito.
Amanhaa, sabbado, vai a Punijo, drama tam-
ben) brasileiro e de costumes.
E um trabalho gobern.
O amor de Augusto desenlia se com o carcter
de capaz de ludo por si, por seus enlevos, pela feli-
cidade de seu corago.
Augusto inflexivel, como o bronze. O dever
muito poucas vezes o faz curvar-se, quando se Irata
Sf^*^^*3tf^ da.humiUiagao natural do filho, que offendeu seu
Silva, Jos de (asiro Paes Barreto, Gal.lino B. dos P m esfl)rc e operaQao difficil
SaHl?l Mi!J fe? 4f , ,.. rara aaueli'e organismo ro e todavia seusivel I E'
w2?Zr"*~* 'V,mta, ^ ^JU' JPSlUSSSSm >em o vigor da im-
J&S|Mjil: sahiram6;exisem ^E'd^descej -*> a sacrificios,
3o3 a saber: nacionaes 26o : mulheres o ; es
rang-Mros 2o ; mulheres 2; escravosit; escravas
6 ;total 333.
Alimentados custa dos cofres pblicos 160.
CIIK0MC4 JiuiWlli.iKU
TfUHU VVi 1>0 iM.nflEKOlO
ACTA DA SESSAO AD.MIXSTHATIVA DE 13 DE
JULHO DE 1865.
I-RESIDENCIA 1)0 EXM. Sa. DESEMHARGADOB
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
' 10 horas da manliaa, estando reunidos os Srs.
epatados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente declarou aberta ases-
so.
Lilla, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Foi presente o mappa dsmonslrativo do movi-
menlo dos armazens os. 3 e 5 do Trapiche Alfan-
dega Velha, no semestre rindo.Visto, archive-se.
Foi destribuido ao Sr. Depatado Alcoforado o li-
vro Diario de Joo da Cunta Magalhaes.
DESPACHOS.
No requerimenti de Jos Maria Pestaa, pedindo
o registro do Boanectaeato do imposto de seu offl-
cio.Registre-se.
ri sobre os destrocos da razao que ella no seu ir
egostico encontra como bice sua marcha, e par-
le no impelo do delirio I
Es-a forca de paixao tem Augusto, quando volta
casa paterna e de|iara com seu pai casado rom
aquella que fra sua amante, de quem seu pai
me.smo o separara e cuja uoio com elle amal-
dic, tara I
Augusto suicidase.
Muito boro.
E' natural.
E consequente.
Aquello amor, aquelle amor devia, poJia chegar
at all.
Volta re.
rz-u.\mitMSiaime*B*&MUkWMi __ '<**'
FEBDiO
Agua de Florida de Mur; uy e
Lanman.
Todos os perfumes os insis delicados sao obtidos
das flores das rogi's do trpico ; e de todas as es-
sencias da Aromtica Hora do Trpico, esta por
sem duvida a mais duralora, pura e deliciosa
por excellencia. Ella embalsama a respiraco e
d um agraduvel e fragrant sabor ao paladar, to-
das as veze que se usa pelas manliaas como eoxa-
goamento da boca misturada n'uma pouca d'agua,
No do eorretor John Galis, apresenlando o co- assim como neutraliza d'uma maneira appetecivel
nhernnenio do imposto de seu oflleio para ser re- 0 mau goslo do charuto depois do se liaver fu-
gistrado.Kejiistre-se. mado.
No de Lourenco Ribeiro da Cunta Oliveira e Jo- Os senhores, nao obstante a presente predomi-
s Joaquim Dias Paredes, pedindo o registro das nanle paixao de barbas comprldas, os quaes anda
escripluras publicis do contrato e racDeaco da conserv?m urna certa preferencia no uso da nava-
sociedade, que celebraram sob a firma de Oliveira |ha de barba ; arliarao com Igradavel sorpresa,
& Paredes.Vista ao Sr. dtsembargador fiscal. ()ue esta deliciosa agua de chelro, urna vez leve-
No de Jos de Mello Costa Oliveira e Thomaz Jo- mente applicada ao rosto depois da barba feitaos
s de Oliveira, salistazendo o despacho de 6 do cor- exeinpla da usal penalldade sentida lugo depois
reme, para se fazer no registro do contrato de sua dessa operaco renievendo toda a sensacao de ar
sociedade a declararlo de par lempo indeterminado.V isla ao Sr. desembar-
gaoor fiscal.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessao as onze horas e meia da
manba.
examinar e ver que us nomes de Marmu et Um-
P
neuliuma c
SI
ltorio, le-
SESSAO
13 DE JULHO
treiro e garrafa ua falta dos mesmos
genuina.
Vende--e as pharraacios de Caors & Barbosa e
J. C Bravo & C.
JL'DICIARIA EM
DE 1805.
PRESIDENCIA UO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PEKETTI.
Secretario, Julio mmaraes.
As II 'i horas da manha o Exm. Sr. presidente
declarou aberta a sessao, estando rsuoidos os Srs.
desembargadores Iteis e Silva, Silva Guimarcs,
Accioli, e os senhores deputados Rosa, Candido
Aleof.rado, Basto, e Miranda Leab-
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
sao.
Foram assignados os aecordaos proferidos na
sessao de 6 do correte, nos feilos entre parles :
Appellanie, Salvador Leite Vidigal ; appellado,
II. George Denis.
Appellantes e appellados simullaneamente, os ad-
ministradores da massa fallida de Amorim, Fra-
goso, S Appellanie, KrancUm SanUago Ramos ; appel- esta planta pertence familia das solaneas, e tem
do, Joaquim Elviro AIvps da ..Iva. Adiado na **""**? ' tolanum pamculattim, que llie
sessao de b do crrente.D?sprezaram-se os em-
A jurubeba.
As virtudes llierapeuticas da jurubeba sao desde
niuiio conhecidas nao s no Brasil, pois que dallas
traluu Pisun em sua excellenle obraHistoria na-
tiiralts el medica Inillw occidenlults, seuuo as
Autillias, onde o sueco das folbas e fructos , como
aqhi, muito estimado e appbcado contra as obs-
truicoes abdominaes, principalmente do ligado e
bacj; e se todos os facultativos desta provincia o
nao applicam com freqnencla, i?lo se nao deve a
nao reconhecerem elles essas virtudes, mas sim a
nao serem enconlradas rom facilidad e t-m todas
as esta^es do anno os fructos dessa (llanta, e re-
pugnancia, que apres-ntam os deentes em fazer
uso do sueco desses fructos, em consequencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao deseouhecida dos botanistas
bargos.
Appellanie, D. Maria Magdalena de Almelda Ca-
lanho ; appellada, D. Anna Josepha Pereira dos
Sanios.
Hei;orrente, Francisco Teixeira Guimaraes; re-
corr.los, Teiieira Leite, Compaabia 4Sobriuho.
Adiados a pedido dos Srs. deputados.
Appellanie. Basiliano de Magalhes Castro ;
appellados, Ges, Bastos & C.
Adiado as sessoes de 3 e C do correte.
Foi confirmada a senienca appellada.
App-llarite, o Dr. Ignacio Xery da Fonseca ; ap-
pellados, os adminislradorfs d massa fallida de
foi dada por Lyneo.
Parecendo-nos conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcoolico que pode ser
applicado em piiulas, mas tambem um vinho, um
xarope, e um emplastro que pode substituir, em
cerios casos, u de Vigo ; e estamos persuadidos que
com isto prestamos um servico humanidade e a
therape'.iiica.
Piso.i, tratando da hydropesia, prescreve a de-
coco Oas raizes da jurubeba, e Mrat e Delens,
em seu Diccionario de materia medica e therapeu-
tica, dizem que as Au>ilhas se faz uso do sueco
Noticias de Scriiihem.
Impliquei com o Serioliaem por ser a trra das
maravilhas ; o por i-so, quando as minhas di-
gri-ssoes pela via-ferrea ao interior toco por Hi,
nao me esquejo de solicitar o que de novo ha oc-
corndo ; principalmente a respeilo do amavel, do
iuvcncivel Fortes dos Fortes.
No meu primeira coininunicado dei sciencia ao
publico da exslencia do urna denuncia, que havia
um mez, ou mais, tlnba sido dada a cerla auturi-
dade da comarca do Bio Formoso conlra esse mes-
mo here, por haver occasionado aborto a' sua
conriitina, daudo-lhe urna boa escovadella de ca-
celadas, de. que abortn d'alu a pouco> minutos,
deitaniioja' inorta a crianza com o crneo em pe-
damos ; uenuncia que at hoje aioda descansa na
gaveta dessa auloridade (talvez <|ue por muila
alllueni'ia de trabalho), nao obstante o insultuoso
sub&rn que, segundo me disseram e ja' referi-
mos, tentou fazer aquelle bom homem.
O tal Fortes, ou nasceu empellicado, como dizem
as parteiras do mallo, e por isso nada o incomino-
da ; ou devoto de S. Raymundo, e por isso tem a
prolerco dos santos e dos homeiis ca' no mun-
do III
Mas essa auloridade, zelosa de sua reputacao, e
solicita no cumprimento de seus deveres, saiba,
que graves cen uras se Ihe tem feito por ess de-
mora, iraduzida por muita gente em prolec^o : eu
nao sou quem o digo, smente repito o que ouco
correr por essas ras de bocea em bocea.
Soube em Gameleira que ii'iiui dos das da sema-
na passada amaiihtcra loubada a taberna do Sr. do
pnmeiro dos Fortes (sem o segundo) -, mas all
mesmo espalhou-se logo que o tal roubo foi conse-
quencia de um plano, ou estrategia, em que fer-
lilissimo o tal cavalleiro de.... para urna quebra
vanlajosa. Valha a verdade : o que certo que
os que assim dizem, se fundam nao s m que ao
amanhecer do dia antecedente ao do tal roubo, ap-
parecera principio de excavago por baixo do b-
teme ou calcada da taberna, indicio evidente da
tentativa do roubo, que nao pode ser executado
naquella noite ; e nao obstante isto o raixeuu, e a
sua patra, ja' se .-abe, a madama Fortes, (a ;es-
bordoada) na ausencia do patro, qua andava Des-
ta praca, nao dt-ram a menor providencia, como,
em que ua manba seguinte espalhou-se a exis-
tencia, ou consuinmago do roubo, verificando se
que o buraco, por onde enlrou o supposto lai apio
(irmao germano) fura feito de dentro para foca da
casa. Isto se explica bem : porque o mundo
anda hoje as ave.-sas... *~.
iQuando vultar deoulra vez a i;,nm;ieir*,jfit-.
formarei melhur deste facto, que me foi rWRIo
muito a pressa, e ludo levarei aos olhos, e aos ou-
vidos dos leitores.
Passageiro do vapor.
i y
>MEEIG.
PRAQA DO ItECIFE.
Cotaces offlciaes.
14 de julho.
Algodo de Macei 21^000 por arroba posto a
bordo.
Dubourcq Jnior,
Presidente.
Guimaraes,
Secretario.
llatxa lial do daoco do Brasil em
Peniambuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Baha.
Novo baaro de pernambueo.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagara o 1 dividendo de dita massa
na razao de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
mettidos : no novo banco de Pernambueo ra
do Trapiche b. 34.
\o vo banco de Peraam-
bnco.
O banco desconta letras na presente semana a
9 por rento ao anno at o prazo de quatro me
zes, e a 10 0|0 at o de seis mezes
ALFANDEGA.
Rendimentodo dia 1 a 13......
dem do dia 14...............
S13:75ial
26:0335872
239:805,5293
M0V1ME.NT0 DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazeudas___ 238
t com generas..... 79o
------- 1:033
! Volumes sahidos cotn fazendas..... 63
i t com generas..... 330
------- 393
Descarregam no dia lo do corrente.
Barca IrancezaS. Jean Baptistemercadorias di-
versas.
Galera francezaAmeliaidem.
Barca inglezaStellabacalhao e farinha de trigo.
Barca ingleza Vesionmercadorias e ferro.
Escuna poriuguezaD. Joo charque.
Brigue nacionalCardiaidem.
Escuna diuaniarqueza -Doranaidem.
Brigue hdspanholVigilanteidem.
Brigue portuguezS. Josidem.
i '! "ur -ii ir-ivi' .- 11(4 ti.l.-.-'fl laillUD "JC 1 ,
Siqu.'ira cV freir. Adiado na sessao de 3 do d"s ,ru''lof Inadur0s d,ssa P'"" cornnie.-lt c.brram-s os embargos. rho vesical ; e a auloridade dos nomes desses me-
Appelhnte, D. Mana Magdalena de Almeida Ca- d,cos' merecidamente celebres, nos leva a crer em
ho ; appellada, 1). Aona Josepha Pxreira dos suas P^f^f- . Pf isto cuidaremos de ler em
- 3Q (j,, uuho__Des- nosso estabelecimento essas raizes, para que possam
tanho
Sanios.Adiado na sessao d
prezada a preliminar de nullidade com o voto do
Exin. Sr. presidenta, e entrandj-se no merecimenlo
da cansa.Foi r..ntirmada a simtenca appellada.
Aopellanl.'. Jos Duarte das Neves ; appellados,
os caradores Oseaos da massa fallida de Jos Mar-
ques dos Sanios Aguiar & G. Adiado na sessao
de 3 do corrente. Foi reformada a sunteuca ap-
pellada
PASSAGENS.
Do Sr. desembarizador tois e Silva ao Sr. des-
embargador Silva Guimarfs:
Apoellanles, Jo- Amonio Pereira e sua mulher; purilicaeao a respeilo de alguns dos medicamentos
appellados, a viuva e her.leiros de Joo Ferreira
ser experiineniadas.
A reputacao da jurubeba tal, e os .resultados
therapeulicos obtidos ltimamente sao lo impor-
tantes, qur nos parece intil dizer mais do que
isto, que Oca escripto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
Sade publica.
dos Santos.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Saraos 4 C. ; appellado,
Francisco Jos Cyrillo Lal.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargado!- Ateioli :
AppoUanta, Jos da Silva Torres Gravo : appel-
lado, Manuel de Souza Tavares.
da casa tirimatilt k C.
Alguns jornaes publicaram urna ordena-
c5g d i conselho de sade portuguez, que
prescreveu os medicamentos preparados pe'a
casa Grima ti It dV C. de Paris, eom o pretex-
to que esses acreditados pharmaceuticos
foram eondemnidos pelo tribunal do Seina
Appellanie, Augusto Fredendo de Oliveira; ap- por terem vendido medicamentos secretos
pellados, o presidente e directores da caixa filial tt t do banco do Brasil nesta ri iade e MlMllWUtM. ...
agora vo iNTEiiposTo do jui Es?EcfAL do Essa ordenacao parecer bem extraordma-
coMMErcio. ria quando se tiver lido as seguinles dr-
Aggravanle, J-aquim da Silva Boa-Visla; aggra- cumstaneias :
"feat^eie^riuquim Coelho de Al- 0 A senten?a de que se trata foi dada -
roeida agrvalo, eroutad ebasliao Antonio ^bre a dennnciacao (le um dos concurren-
do Reg Barros, tes dos Srs. Grimault&C, esobre as in-
Erjsipeiia.
O medicamento que com mais influencia e ener
gir tem combatido essa lerrivel enfermidade, lem
isdo o xarope alcoolico de veame.
Urna esclava da mai do Sr Francisco Firmino
Mouieiro, pessoa bem conhecida nesta cidade,
arhandosede cama, e com as pernas bastante in-
diadas, e cheia de lomores, tomando o xarope de
veame, .cha-se boje boa, prestando servidos.
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, morador
oaruaDireila n. 51, tendo sido acommeltida do
mesmo mal, achase tambera boa.
A Sra. D. Senhorinha Umbelina dos Santos, mo-
rador na ra das Calcadas n. 38, achando-se ata-
cada de erysipella as cxas, com quatro tumores
bastante valumosos, no estado indolente, que a pr-
vava de por-se de p ha muito lempo, com o uso
do xarope alcoolico de veame e piiulas purgativas
do mesmo, acha-se resiabelecda, e no uso dos roe-
dicamentas os lumoresjerminaram pela su>pura-
co.
A Sra. D. Rita, moradora na ra de ^anta Rita
n. 13, primeira andar, soffrendo do mesmo mal ha
muilos anuos, pois que a erysipella atacava amiu-
dadamente, depois que tem tomado esse remedio
nunca mais Ihe deu.
Outros muitos tactos desta ordem deixo de men-
ciouar aqu para nao me tornar prolixo e enfado-
nho.
Sendo a erysipella urna molestia que sem duvi-
na elfeito de materia gerada no corpo como ex-
pem alguns escrptores de medicina, e era conse-
quencia da febre laucada na pelle, onde proiluz
rallammacjio, e que muitas pessoas, por nao se te-
rem convenientemente tratado, suecumbem com o
pernicioso uso de que, nos tres dias nao devem
usar de remedio algum, o que faz-se estender o
mal por nao se ter a principio combatido ; por is-
so, pois, conveniente que, logo que alguem se
sentir atacado de tal mal, deve provocar a transpi-
rado tomando ao principio uina colherinha de
cha do xarope alcoolico de veame dissolvido em
urna chicara de intusaode flor desabugueiro qnen-
ie, adocando-a com mais assucar, continuando nos
tres dias nesse tratamento, no fim dos quaes usa-
.ia do xarope de veame na forma prescripta no re-
eeituario, tendo todo o cuidado do se abafar, a(im
sodtuar eonvenienlemente, alm de conservar^)
aenlre rorrenle, que conseguir lomando una ou
duas piiulas purgativas do mesmo "elame,
Todos quantos snccumbem desta molestia se dil:
falleceu de erysipella recolhida ; ao contraro
alguns exposipjres presumem ser o desenvolviman-
ej da putrefacto no sangue, tanto que o lugar'in-
flammado que, enio a sua cor era encarnada, ?e
troca em lvida ou negra, e termina em gangrena,-e
por essa razao que conveniente o xarope al-
coolico de veame na infuso de flor desabugo,para
se conseguir resolver a inflammacao, ou pelo me-
nos terminar pela supporacao, impedindo assim a
gangrena.
Os effeitos do xarope alcoolico de veame appli-
cado na flor de sabugo ao doenle, nao s de van-
tagem por sua qualidade diafortica, como pela
auti-septica para impedir a putrefacto as mo-
lestias.
Na erysipella nao deve o enfermo nos primeiros
tres dias usar de comidas e bebidas que possam
esquentar e inflammar o sangue.
A comida durante esse teropo deve ser do reino
vegetal, com sag, farinha do Maranho, pao tor-
rado, bolacha, etc.
Anda nao vi axpositor de medicina que aconse-
Ihasse que nos primeiros tres dias de acommeitl-
menlos do mal, nao se usasse de medicamentos ;
o i|ue elles repeliera sao os ungentos, unturas que
obstrue.n mais e repellen) do que promoveni a eva-
cuacan d parfe ;o que convm trazer o lugar
alacado e bem aga/.alado para ajdar a transpira-
pao e defender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vende se na bo
tica dn ra Direita n. 88, de Jos da Rocha Para-
nhus.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS PRECOS DOS GNEROS SOJTOS A D1RE1T0S
UE BXPORTAQAO.SEMANA DE 10 A 15 DO MEZ DE
JULHO DE 1865.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos......... eento l#u'00
Agurdente de cana .... caada 800
dem restilada ou do reino 800
Idem caxaca....... 380
dem geaebra...... 800
dem alcool ou espirito de agua- 900
ardonte ........
Algodo em caroco .... arroba 35750
dem em rama ou em laa 155000
Arroz com casca...... 15500
dem descascado ou pilado 25600
Assucar mascavado .... 25000
dem branco....... t 35500
dem refinado...... t 55120
Azote de amendoim ou mendo-
bim ........ Canad 2500U
Idem de coco .'....: 15600
dein de mamona .... 15000
Batatas alimenticias .... arroba 15200
Bolacha ordinaria, propria para
embarque........
dem fina.........
Caf bom......
dem escolha ou restolhq./.
dem torrado .'. libra
Caibros........ um
Cal.......... arroba
dem branca .... i
Carne secca (xarque) ...
Carneiros ....... um
Carvao vegetal ..... arroba
Cavernas de sicupira urna
Cera de carnauba em bruto. libra
|dcm idem em velas ...
Cha ......... >
Charutos ....... cento
Cevados (porcos)..... um
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 13...... 18:8065169
dem do dia 14................ 398J3I1
19:2045480
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dial a 13...... 71:4675994
dem do dia 14.............. 1:4775762
72:9435756
Hamburgo, 20 de junco de 186o.
RELATOlllO COHMBHCIAI..
O mercado goza de urna posico favoravel, e tem
havido transaeces notaveis por especulado
Caf.As enliadas durante os ltimos quinze
das foram cerca de 45,000 saccas, das quaes
11,500 do Brasil ; desta ultima qualidade vende-
ram-se 23,600 saccas o 3|4 e 7 3(8. O caf re-
gular ordinario do Rio vale 6 3|8 e 6 1|2 sen. As
transaccOes foram animadas vista das ultimas no-
ticias de Nova-Yo k, para onde se dirigirn) do
Canal cerca de 29,000 saceos. Os vapores d'aqui
para os Estados-Unidos, tambem tem levado para
all cargas de caf. A escolha do caf lino tornou-
se rara. Os precos nao subiram, sendo o deposito
anda consideravel.
Assucar.-Desde o nosso ultimo mercado de as-
sucar consr-rvou-se tranquillo, mas com presos
firmes.
Tabaco. Temos smente de notar a venda de
350 bailas da Baha.
Algodo. Mercado animado, com precos em su-
bida.
Couros. Sem mudanza. Venderam-se 2,!00
couros do Rio Grande do Sul, l.tOO da Babia, e
3,000 do Cear. Em ser : 40,000 couros.
Cacao.Sem novidade.
Navios partidos para o Brasil.
Para o Rio de Janeiro : iYihiui e Contad Ilir
viscli.
Para o Rio Grande do Sul : Johanne, Auna Gee-
truida, Maria, Iduna.
Navios chegados do Brasil.
Do Rio de Janeiro : Rose of anmak.
Do Cear : Frelieit.
De Santos : Willink, Diana, Swifl.
Do Rio Grande do sul : Rio Vouga.
Da Baha : John, Mariella.
A' carga para o Brasil.
Para o Rio de Janeiro : Spli/no e Willink.
Para a Babia Vernus, Cato-Anetle.
Para Pernambueo : Helene.
Para Santos : Margnrite.
Para o Rio Grande do Sul : Hinrtch.
Cambios.
Sobre Londres 3 m. d. 13 marcos 5 sch. b. p. .
prazo curto 13 6 3|4
Sobre Pazis 3 m. d. 189 hifr. por 100 m. banco,
prazo curto 187 to
Sobre Lisboa 3 m. d. 45 5|8 sch. b. por mil rs.
Descomo 2 1|2 Ojo-
MQfHSEiTO "50 fG&YO ""
Navio entrado no da 13.
Bombahy-85 das, galera ingleza Lancatkiri, da
1,177 toneladas, capitao C. Gethng, equipaitein
32, carga la e oulros gneros; a Wilson > 11 i.
Veio receber ordens e seguio para New-York.
14 -
Rio de Janeiro 14 dias barca ingleza Aries, de
323 toneladas, capital Thom.iz Red, equipagem
10, em lastro; a ordem.
Havre38 dias, barca franceza S. Joo Baptista,
de 358 toneladas, capitao I!, je, n, equipagem 15,
carga dffrentes mercadorias; a Tisset Frere.
Navios saludos no mesmo da.
Lisboahiate portuguez Dezenove de Jtinlio, capi-
tao Joao Loureiro, carga assucar.
Rio de Janeiro e Bahavapor francez Estramada-
re, coramandante H. de Somer.
Porlos do sulvapor braMieiro Parahyba, cora-
mandante J. J. Marlins.
IBITiIS.
cento
libra
um
libra
um
Cucos (seceos)
Colla.......
Couros de boi, salgados r .
I dem idem seceos espichados
dem idem verdes .
Idem idem cabra cortidos .
dem idem de onca .
Doces seceos .....
Idem em gela ou massa .
Idem em calda ....
Kspanadores grandes .
dem pequeos...... i
Estciras para forro de estivas
de navio........cento
i Estopa nacional .....arroba
Farinha de de mandioca .
| dem de raruta ....
' Feijao de qualquer qudlidade
| Frechaes ......
Fumo em tolha, bom .
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinlias ......
Gomma.......
Ipeeacuauha (raiz) ....
Lenha em achas.....cento
Toros......... >
Linhas e esleios......um
Mel ou melaco......caada
Milito.........arroba
Papagaios .......um
Pao Brasil.......quintal
dem de jangada......um
Pedras de amolar .... urna
dem de filtrar .....
Idem de rebolo .....
Piassava........molho
Ponas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento
Pranches de amarello de dous
costados .......um
dem de louro...... ,
Bap.........libra
Sabao ..........
Sal...........alqueire
35000
75000
75400
65000
440
360
280
500
35200
45000
15000
3500O
300
300
15500
25300
155000
65000
600
130
240
105
350
105000
15000
320
500
450OO
25000
155000
15000
alqueire 25500
arroba 45000
t 258OO
55000
145000
85000
850D0
55000
600
25500
255000
25000
115000
65000
240
900
35000
35000
55000
800
45000
15000
120
35500
205OOO
105000
15000
120
400
um
arroba
urna
arroba
Salsa parrilha.....
Sebo em rama...... >
dem em velas...... ,
Sola era vaqueta......urna
Taboas de amarello.....duzia
dem diversas....... >
Tapiocas.......
Tatajuba......
Travs ......
Unhas de boi ....
Vassouras de piassava .
Ditas de timb.....
Ditas de carnauba .
Vinagre.......
Alfandega de Pernambueo, 8 de julho de 1863.
(Assignados):
Os l.M conferentes, Jos Miguel de Lyra e IY10-
maz Dommguet da Stlca.
Approvo. Alfandega dePernamuc, 8 de junho
de 1863.A. Eulalw.
Conforme. O 4." escripturwte, /. da Stoa Bi-
tencourt Neivas.
arroba
arroba
quintal
urna
Cento
caada
255000
55000
75000
25000
1405000
875000
35000
25000
65000
200
IO5OOO
85000
65000
500
O lllm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-
! cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda fazer publico que no
dia 17 de agosto prximo vindouro, peralte a jun-
ta de fazenda da mesma ihesouraria, se ha de ar-
rematar a quem por menos tizer, es reparos de
2,095 bracas correales na estrada-do sul, do mareo
8.000 bracas al o porto da barreta da ponie
dos Carvalhos, aveliados em 5:3135000.
A arremaiaco ser faifa na forma da le pro-
vincial n. 343 de 15 de rnaio de 1834, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
qan, compareyam na sala das sestees da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da ihesouraria pro inclal de Peinam
buco 13 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. d'AnuunciacSo.
Clausulas especiaes para a arremaiaco.
1* As obras dos reparos da estrada e emharrea-
mento, enire o marco de 8,000 bracas e a barrei-
ra da ponte dos Cirvalhos na estrada do su>, serao
fetas de conformidade cora o orgamento juulo na
importancia de 5:3135-
2* O arremataute dever principiar as mencio-
nadas obras no praso de 15 das e conclui-las no
de 3 mezes, ambos contados da data da apprava-
co da arrematado.
3* O pagamento ser realisado como determina
o artigo 79 do regulamenlo de 9 de julho de 1864
e a respotisabilidade da entrega definitiva s ser'
applicavel aos calcamentos e sierros dos mangues.
4" Para ludo o mais que nao se tem especifica-
do as prsenles clausulas, seguir-se-ha o que de-
termina o regulamento acuna citado.
O ulurmeA. F. d'Annuuciago.
O cidado Antonio Augusto da Fonseca, cavalleiro
da imperial ordem da Rosa e juiz de paz do 2
anno t m exercicio, da freguezia do Santissimo
Sacramento do bairro de Santo Antonio do Re-
cfe, etc.
Fajo saber aos que o presente edital virem
delle noticia tiverein, ipie Francisco Jos Carneiro|
me dirigi a policio seguinte : Francisco Jos Car-
neiro, quer fazer notificar a Jos Rodrigues Fer-
nandes, para que pin conciliajao Ihe faga entrega,
da quantia de 8425 <]uc recebeu do supplicante em
deposito, pena de se proceder a revelia na forma
da le. E por que o supplicado se ache ausente
em lugar iguorado, requer V. S. o admitta a jus-
tificar a ausencia, alim de que julgada por seten-
ca se passem edilaes por 30 dias, para ser citado
o supplicado para a indicada conciliario.Pede a
V. S. Illm. Sr. juiz de paz Ihe delira. Espera rece-
ber merc.Joaquim de Albuquerque Mello. Na
qual petico dei o despacho segunle :Como re-
quer. Freguezia de Santo Antonio, 3 de julho de
1865.
F.m virtude do qual se procedeu a inquiricao
da testemunhas, que sob o juramento dos Santos
Evangelhos, depozeram a resjieilj da ausencia e
incerteza do lugar da residencia do supplicado Jos
Rodrigues Fernandes; e preparados os autos me
veram conclusos, que por mira lidos, dei a seten-
ca s^urale : Visto provar se pelo depoimento das
testemunlias de folbas, que o supplicado Jos Ro-
drigues Fernandes acha-se ausente em lugar incer-
to, bel por justificada a sua ausencia, e passe-se
caria de editos cora o term da le; pagas as cus-
tas. Freguezia de Santo Antonio da cidade do Re-
cife, 6 de julho de 1863Antonio Augusto da Fon-
seca.
E nada mais se contnha em dita setenca, por
forca da qual se passou ao justificante o presente I
edita!, com o praso de 30 dias, pelo qual chamo,!
cito e hei por citado o referido Jos Rodrigues Fer-!
nandes, para que dentro dos 30 dias, compareca '
por si ou por sen bstanle procurador, para proce-
der se aos termos conciliatorios na forma da peli-
cao e a qualquer outra pessoa para que Ihe fa.am
sabedor desia mesraa cltacao, alim de que elle nao
fique iOilefcsos. -
E para constar mandei passnr o presente que
sera aflixado no lugar do costume e publicado pela
imprensa.
Dado e passado nesta freguezia do Santissimo Sa-
cramento do bairro de Santo Antonio, aos 6 de iu-
lbo de 1865.
Eu, Joaquim da Silva Reg, escrivao que o escre-
vi.Antonio Augusto da Fonseca.
O Illm. Sr. inspector da thesourarla provincial,
em cumprimento da ordem do Exm Sr. presiden-
te da provincia, manda fazer publico que no dia
27 do corrente, perante a jnnta da fazenda da me<-
ma thesonraria, vai novamente s praca para ser
arrematado a quem por menos fizer o (ornerimenio
dos medicamentos e ntencis precisos a enfermara
da casa de detenco desta cidade, serviado de base
a arrematarlo e oflerecimento d-s 20 */ de atole
nos precos do respectivo formulario, feito pelo lici-
tante Jos da Cruz Santos.
A irremaiaco sera feila por lempo de II mete?
a contar do 1 de agosto prximo vm louro.
E para constar se mandou publicar o preseMe
pelo jornal.
Secretaria da ihesouraria provincial de Pernam-
bueo, 14 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. da Aonunriarao.
O Illm. Sr. inspector da ihesouraria provincial,
em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia, manda fazer publico, qoe no da 20
do corrente, presente a junta da fazenda da mesma
Ihesouraria, se ha de arrematar a qoem mais drr,
urna porr/10 de madeira velha e arruinada, que -
cou da obra da ponte da Tacaruna, avadada em
805000.
A madeira ac.ha se junta a mesma ponte, onde
pode ser examinada pelo^ pretendenics.
A arremaiaco lera lugar ao meio da, sendo as
propostas em cartas fechadas.
I E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesourana provincial de Peraam-
buco, 14 de julho de 1865.
O secretario,
A. F. da Annunciario.
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico, qoe no
dia 3 de agosto prximo vindouro, perante a junta
da faz nda, da mesraa Ihesouraria, se ha de arre-
matar, a quem por menos nzer a obra do rmperfn-
iiiento, na esterlo de 15o bnfM no lanco da es-
trada de Bujary cidade de Goianna, avahada em
1:3645000.
A arrematado sera feita na forma ds le provin-
cial n. :i:i de la de maio de lSl.'i, e sob as clausu-
las esuecises abaixo declaradas.
as pessoas que se propozerem a essa arreaata-
cao comparec,am na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado pelo meio da e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o prsenle
pelo jornal.
Secretaria da ihesouraria provincial de Pernam-
bueo, 4 de julho de 1863.
O secretario
A. F. da Annunnarao.
Clausula* especiaes para a arremaiacao.
i.* Empedramento de loo braca- correnles no
lanco de estrada de Bujary a Goianna na impor-
tancia de 1:3645000, sera filo de conformidade
cora o respertivo orcamento, e as n.lruecoe* do
engenheiro enrarregado da fisealisaco dos traba-
Ihos.
2.' Os pagamentos serlo feilos em duas presU-
toes ignaes, a prim'ira quando estiver execata melade de todo o servico ; e a ultima na coorlosc
do trabalho.
3.* O arremtame comecar os irsbslhos ale o
dia I. de setembro e os concluir al o ultimo de
ootobro do corrente anno.
4.' O arrematante nio ter direito a indemni-a-
c"i" alguna, qualquer que s. ja a nainreza da alle-
garlo, salvo nos casos previ-tos por lei.
3.* Em ludo o mais qne nao vai especificado as
presentes clausulas, seguir-se-ha o qoe dispe o re-
gnlamenio de 9 de julho de 1864.
Conforme.A. F. da Annunriaro,
O Dr. Ti istfto de Menear Araripe, oflkia!
da imperial ordem da Rosa, juiz de direi-
to especial dncoinmercio de?la eida-le do
Recife de Pernambueo e seu termo, por
Sua Magestade Imperial e constitucional,
o Sr. U. Pedro II, a quem Dos guarde
etc.
Fago saber pelo presente, que no dia 4
do mez de julho do corrente anno, se ha de
arrematar p ir venda a quem mais der em
praga publica depois da audiencia respectiva
os esclavos seguinles:
Tbereza, de naco, maior de 50 annos,
. avaliada em 25o3o(!0. Jerimias, pardo, de
26 annus de idade, avahado em t0('<$OUO.
Cojos e>cravos foram penboradr.s a Joao
Baptista do Reg, por eiecseSo de Frederi-
co Gulier.
E na falla de licitantes ser a arremala-
c5o feila pelo prego da adjudicaco ctm o
abalimetito respectivo da lei.
E para que chegue ao conliecimenlo de
todos mandei fazer o presente edital, qne
ser aflixado nos lugares do costume e pu-
blicados pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambueo, aos G de julho de 1865.
E Manoel de Carvalho Paes d'Andrade,
esenvio o subscrevi.
Tristiio de .Menear Araripe.
O Dr. Trislo de Abracar Araripe, illicial da isa-
perial ordem da I!<>-a. juiz de direiio especial do
comraercio desta cidade do Recife de Pernam-
bueo seu termo, por sua magestade imperial
consiitucional o Sr. D. Pedro II, a qoe Dnw
guarde ele.
Faso saber pelo presente qne por e.te juizo e
rartorio do escrivao que este snbsrreven e fci ps>-
sar o preseMe, curre urna eieroro de seMenca,
entre partes como exequente lleoriqoe J-s Alves
Ferreira e romo externados os administradores da
masas fallida de Amorim, Fragoso, Santos d C,
procegnindo a eaeeorao os seos devidus leras**,
prosedeu-se a penhora em dinheiro* prtenosles
aos mesmos execuiados, pelo qu o solirilador ajy-
nacio Barran de Mello, procurador do exeqocni;
em audiencia do dia 14 de novembro ime fci.o re-
qiieriraenio do tbeor seguinte :
Ao< 14 de novembro de 1864 nesta ndade do Re-
cife de Pernambueo, era publica audiencia qoe aos
feilos e as partes fazia o Dr. juiz de dirello especial
do coramerci) Trislo de Abracar Araripe, nelU
pelo solicitador Ignacio Barroso de Mello prnrara-
dor do exequente llenrique Jos Alves Ferreira,
fora acaajasda a penhora que se segu feila em di-
hoiro perlomeenie aos exeeulados. reqnerendo qoe
nao s aos mesmos dcassera as.-ign.idos os seis das
da lei, como os dez das aos credores mrerlo, pas-
sando-se os edilaes do estjrlo, e reqnerendo na mes-
ma occasiao que se pa-sas-e mandado de remorad,
para o deposilo publico e achando-se prestaos
solicitador Miguel Jo- de Almeida Pemambocr.
procurador dos exeeulados, por parle drsles pedio
vista.
Termos em que bouvo dito juiz ambos os reqoe-
rinientos por deferidos.
Exirabi o presente do protocollo de andancias, e
junto o mandado e termo de penhora.
Eu Faustino Jos da Fonceca, escrevenle jora-
mentado o escrevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Segurado o qne assim se contnha em dito re-
querimonio de audiencias, depois do qnal o asesas
solicitador Ignacio I lar roso de Mello, procurador do
exequenie, ematili. nria do dia 19de jonoodo fr-
rente anno, me fez o requeriraeolo do Ineor ss-
gumte :
Aos 19 de junho de 1865 nesta cidade do Recite
.de Pernambueo, em publica audiencia qoe aos (el-
los e as partes fazia o Dr. juiz de di re lo especial
do conimeicio, Tristao de Abracar Araripe, nella
pelo solicitador Ignacio Barrosa de Mello procara-
dor do exequenie H nriqne Jos Alves Perreira,
requerido que havendo se desencaminhado os pr
luciros edilaes, se Ihe mandasse outros com salva
do pnmeiro, e que lancava de prava, e reqoeria
que fosseni os autos com vista alinal.
O que ouvido pelo juiz assim o deferio.
Extrahi o presente do protocollo de audiencias.
Eu Manoel Silvino de Barros Falcao, escrevsale
juramentado o escrevi.
Eu M a .el de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Segnindo o que assim se cooliuha cm dito 1 _.,
rmenlo de audiencia aqni transcripto, aVponT
qual o mencionado escrivao Manoel de Carra*
Paes de Andrade, que este sobreven e les pasear
o presente edital com o prazo de 10 dias, pelo oaal
e sen theor chamo, cito e hei por citados'a todas es
credores inrrrtos dos ditos exeeulados,
dentro do referido prazo comparecaa
juizo, allegando e trovando que for a
seus di re tos e justica sob peo de se
suas revelias.
E para que chegue ao coubeciBealo de

)
1
I
I 1 anam


Diario de ernatufcuro - ttnbfcado 15 de Enlho de 19 &
mandei fazer o presente edital com o prazo de 10
dias, que ser afiliado dos lugares do costurae e
publicados pela imprensa.
Dado e passado nesla cidade do Recife de Per-
nambieo aos 21 de junho de 1864.
Eu Manoel de Carvalho Pass de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Trisito de Alinear Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direilo especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu lermo, por S. M. Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guar-
de, etc.
Faco saber pelo presente que, no dia 24 do raer
de julho do corrente anno se lia de arrematar de
renda innual a quem mais der, em iraca publica
desle jaizo, depois da audiencia respectiva o se-
guinle :
O etigenho Quizanga, sito na freguezia de S. Lou-
renQO da Malta, moente e corrente com agua, cora
casa de caldciras, o tachas no assentamento, era
bom estado, casa de purgar por acabar, conleudo
300 formas, com furos para 550 paes, com algumas
correnles, distilacao cora un pequeo alambique
de:cobre era mao estado, senzala com 12 casinhas
para escravos, casa do viveuda de sobrado em bom
estado, dous acudes, sendo um para acabar, fal-
tando-lhe a porla o'agua, trras do engenho de boa
qualidade com algumas maius, 8 bois mansos e 3
quartos, avaliado por 2:0005000 ris annuaes;
14 escravos de servico avahados em 1005 o servico
de cada um dos escravos animalmente, que tudo
prefaz a avaiiacao de 3:4O05'J09 por cada anno de
renda, o qual engenho e seus pertences e escravos
foi pethorado a Jos Francisco de Barros R^go e
sua nulher por execueao de Octaviaoo de Souza
Franca.
E . falta de licitantes ser a arrematado feila
pelo prego da adjudicado como abatimeuto res-
pectivo da le.
E para que etiegue ao conheclmento de todos
mandei fazer o presente edilal que ser afflxado
dos logara* do cosiume e publicado pete imprensa.
Dado e passado m-sta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 30 de junho de 186o.-Eu Manoel
de Carvalho Paes de Andrade, escrivo o subs-
crevi.
Tristao de Alinear Araripe.
A thesourarla provincial marca o praso de 30
das para o pagamento do imposto do calamento
das ras Nova e do Sol.
THE 4 TRO
DE
EMPREZA--COIMBRA
99x recita da asignatura.
Sabbado 15 de julho de 1865
Subir' a scena pela pruneira vez neste theatro
c bem elaborado e interessante drama em 3 aclos
o 1 prologo original brasileiro do Sr. Dr. Francis-
eo Pinheiro Guimares.
D. Eugenia.
D. Camilla.
D. .11 .i una.
Coimbra.
.... Amoedo.
.... Porto.
___ Rorges.
___ Lisboa.
... Pinto.
___ Guimarcs.
.... Peixoto.
.... N. N.
Janeiro.
DECU1AC0ES.
Convidase as pessoasque esto as condi-
goes d> servico militar, a enjajarem no corno de
polica e gozarem das vantagen* da lei provincial
ii. Gil d- 2 de inaio prximo passado, que sao as
seguintes : 54]00rs- diarios de sold, serem seus '
finios menores repolludos ios estabelecimentos
provinclaes de edneacio o tempo que etiverem
na gu-rra ser contado pelo duplo para o caso de
aposenttdoria, e a m de>tas, tem todas as mais
vantagens que sao concedidas ao* voluntarios da
patria.O tenente-c>jronel cominandante do cor-
po de polio a, A exandre de Barros o Albuquer-
que.
I'ERSONAGENS.
Julia...........................
Clara.........................
Magdalena.....................
Commendador Castro..........
Augusto.......................
Joao Manoel....................
Salvador...................
Guilherme.....................
O vigario................. ...
O doutor......................
Um pagem.....................
Capangas..................
A acrfio passa se no Rio de
poca actual idade.
Dar' lim ao espectculo a nova comedia em
i acto, imitacao de Jos Carlos dos Santos
0 viaho do Batalha.
rESONAGFNS.
Roberto Tinoco, proprietario...... Teixeira.
Antonio Simao................. Pinto.
Francisco, primo de Tinoco...... Guimaraes.
Jos, criado de Tinoco.......... vanta Rosa.
Luiza, mulher de Tinoco......... D. Leopoldina
A scena passase em Li-boa em casa de Tinoco.
Este lindo e novo espectculo recommenda-se
ao illustrado publico pernambucano.
Principiar s 8 horas.
D'IODURETO DUPLO
OE FERROeQUININA

-
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A VEID1 EM PERtfAJflBlJCO
Em casa dos Srs. Caors e Barboza, ra da Cruz n. 22.
Os elementos que compoem esta preparado o
(erro, o iodo ea quina, a collocao no primein
grao das preparaces ferruginosas. Hasta altcstai
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
tacs, e os relatnos dos prticos mais eminentes
que confirmro sua poderosa eflicacia as se
guiles affcccdcs:
4IIS0S
-s*r r "Tf??!!
LUOa
i
Obras publicas.
Pela reparticao das obras publicas se faz sciente
que na ponte daTacaruna j est livre o transito.
Repartido das obras publicas 13 de julho de
1865.O secretario interino,
Manoel Lourerico de Mattos.
Arsenal de guerra.
0 cooselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o -eiruinte :
Em urtude da ordem da presidencia de 11 do
correte.
Para provimento do almoxarifado.
2') arrobas de cabo velhb de iinho.
10 ditas de estopa de embira.
2 dozias de costalinbos de pao carga.
1 arroba do rame de ferro.
1 qu.ntal de ferro em verquinhas de 1 1(3 oilava
da grossura.
8 ferros para soldar folhas de Flandres.
14 jogos de alicaten
As pessoas que quizerem vender ditos artigos,
aprsentelo suas pr >postas na sala do conselho, no
dia l'.l do corrente, as 11 horas do dia.
Sala do conselho de ornaras do arsenal de guer-
ra. 13 de julho de i8ii5'. O encarregado da es-
cripturacao,
M m le Josa do Azevedo santos.
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se faz publico a
quem iateressar i:ossa, que no dia 17 do corrente
inez comoeaio na referida thesouraria os paga-
mento? das pensos do monte pi dos servidores
do estado, vencidas al 30 de junho u timo.
Secretaria da thesuuraria do fazenda de Pernam-
buco em 12 de julho de 1813o.Servindo de ofli-
ciatmaiorManoel Jos Pinta.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico, que no
dia 20 do corrente, peraute a junta da fazenda da
mestna thesouraria, se ha de arrematar a qnem
mais der, um telheiro que existe junto a ponte do
Motocolomb, avallado em 18,5.
A arrematarlo lera lugar no referido dia pelo
meio dia, sendo as propostas em carta fechada.
E para constar se mandou publicar pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 11 de julho de 1865.
O secretario,
A. Y. d'Annunciagao.
6 administrador da recebedoria de rendas
internas genes fu publico, que em virtude da al-
teracao 3" do decreto 2719 de 31 de dezembro de
iS.i, uo julgando conveniente que continuem
em poder do^ cobradores os conhecimenlos do I-
semestre do exereino de 18iil 1803 dos imposios
de 20 C>|0, imposto especial e decima addiclonal de
mii-morla, ordenou o recolhimento de lies, princi-
piando pelo bairro de Santo Antmio, cujo debito
superior ao dos mais, aflm de proceder a liqui-
darao de eonformiJade cora os artigos 4- e 5- das
iostruecSea queacompanharaTi o decreto 2-'li de
16 de fevereirode 1859, que em quanto se est
organizando a rela^So dos devedores do referido
bairro, lites pcnnriiido viren a<[ui pagar os seus
de! alim de evitaren! a rubranca judicial.
Recebedoria de Pernamburo 3 de julho de 1863,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a f.rrenialac da obra di concluso da casa
(la cmara e cadeia da villa do Donito, foi trans-
ferida para o da 20 de jullio prximo vindouro.
Secretaria da thesouraria previncial de Pernam-
bueo 23 de junho de 1865.-O secretario,
A. F. d'Annunciago.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
<|u* a rrremataco da obra da cadeia de Nazareih,
fu transferida para o dia 20 de julho prximo viu-
donro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pemam-
bnco -i de jonhn de 1865 O seeretario,
A. F. d'Annunciaao.
Pela tbesoorana provincial se faz publico,
.-no a arrematacao da obra do quarlel da villa de
Sel inliaem, foi transferida para o da 20 de julho
prximo vindouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 28 de junho de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciafao.
Gorreio ge ral.
Pela administracn di) correio desta cidade se faz
publico, qup, em virtude da convencao postal cele-
brada pelos governos brasileiro e francs, sero ex-
pedidas malas para Europa nc dia lo do corrente
mal pelo vapor ingltiz Onnd'i.
.\s cartas sern recehida- at 3 horas antes
da qae f>r marcada para a saOida do vapor ; e os
joroaes afe 4 horas antes.
Adminitraco do correio de P'roambuco 10 de
julho do 1865.
O administrado-,
Domingos dos Passos Miranda.
>e atierra
Arsciia
O cose^ho de compras do arsenal de guerra pre-
cisa comprar, em virtude da ordem da presidencia
de 13 do corrente, o seguate:
100 mahta de li grandes,
As possoas que qnizerem vender dito artigo,
aire mesrno cohselho,as II horas do dia IS do cor-
reute.
.ih da sessS^s d) conselho do compras do ar-
eenai de guerra 14 de julho do 1885.
Oeacarregid) di escripturagao
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Lisboa pela llha deS. Uiguel.
Pretende sabir em poucos dias a barca
Mara recebe carga e passageiros para
estes dousportos. a tratar com os consig-
natarios Carvalho & Nogneira, ra do Apol-
lo d. 20 oti com o capitao na praca.
COMPAWHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia 17 do corrente o vapor
Tocantins, commandante o pri-;
meiro tenente Pedro Ilyppolito
Hilarte, o qual depois da demora
guir pora o< orlos do sul.
Mingos no Hangar,
Fraques,
Anemia,
Chloroae ou Ictericia,
Mrniilnio,
AfTerrd|. ili> nlrro,
Supprc-ANOCM clan rc-
grane di-norilrnia na
nicn-(rniii;:io.
\r.'cii;:n> pulmonar e
plilhlalcM,
Moli-HllaHd'eBlmuso,
GasIralKlss,
I'crdn dnpprlifc,ctc,
Cnvalo"rcnrnilclon-
ga* iiioU-MtlnH,
MolCMtluH cacrofal
HlM,
ruprirn,
OI*Htriirrao tlua x|an-
(lular,
llllllMH't-M frin,
Tiltuores hriincOM,
narbll^Hiaio.
ArfrrjS^s "unccron.-ii-
- ! jpbMifaH, ,
Feforen Iy|ilioirlcM,'
nexi:>"i ftc, pi*--
Vejaos'- os bulletins dv-Vieritpenica mmirn
e cirwgica de 30 de novembre IS60; a Gaxela
dos hospitaes de ?8 de julho I86'1, etc., etc.
A'cm das plalas de iodurclo dnvlode fe.rrne de
quinina igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do nfesmo aulhor para as
pessoas que nao gostao de medicameoios soh fr
na pilotar e os meninos. F.slc xarope nao tem
como o xarope d'iWirroi/ erro, o inroiivenienl
de alterar-se e de se nao poch-r conservar.
Pcca-sc o Iblhcto que se di de graca em casa
dos pharmaceuiicos depositarios.
Para se evilarcm falsiticacocs, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geralem Paris, pliarmacia Rebillon,
142, ru du Bac, c em todas as boas pharranejas
de Franga e as dos paizes estrangeiros, etc.
Pelas comr.iissoes em yrosso, dirigirse aos S

As pasiilhas digestirs eol a pep-ina Wtuman, emprego se com successo h j
alguns fimos pelas. Celebridades medica es de
Paris. Londres Vienna, etc., em todas as in-
comniodidadcs em as quaesadigestao difficil,
penosa, imperl'eita ou inesmo impossivel: cis
o mclbor remedio para cural as.
i:)H(i'ni;-i. -, i DlurrUen c a ron*! 1-
lUspi'pKiah, purao BrStlBSMM
l-:tiibai* A simlria-, ctcrcllunNaaiIoHUll-
Ati aH--cr><'. ocaail- nmlof,
can do .Nl^iitaie, I
Sua aceo vivifica o sangne c os lirgitos de
tal sorte que, atli as pessoas que sem sollr. r
as aH'i'i(6es gstricas cima mencionadas sio
nnicaoicnie Iracas on d'um temperamento um
punco debi!, e neecssito sulisiancial alimento
para foriilicu-sc. ae!r":o no emprgo das pastil-
kns (lepenunli ile \Vasman, mu poderoso inoio
|Kiraa iabfrcju-gar.
A rifoimvin'tanli'. Osucrissoilas pustilluu
>r:isifi fal licaco_:- i::..11 esd'essi! producto q IC 08
cniuio" se qoerem dcslazcr. Pois jior taha
iliiiiia boa prcparaeao a pepsina (juc u'ulla
entra, iaz alterada. Seremos ao abrigo d'este
inconveniente, cxigiinlo os compradores que as
fustilhat icnlio s iniciacs i. P. e saiio dja
pbarmaria Chevrier. _
Uep.silogeral em Pars, pliarmacijMsevrer,
i, '.iLibuui'ji-Jionliiiarii'r, u mu odas as boas
pha' maclas de Fnmcac dos paiVxs estrangeiros.
DOENCAS
DOS MENINOS
Cl'IIAUAS PELOS
XAROPES DO DOUTOR DANET
N' I. Contra an CI.IC/IS DOS >IEM\OS niilrn
v luri^iati- n rirnllrao
(Xarope de rynoglosse e de acido succioido)
N 2. Conlra n TOSSK r.O^'Vt'I.SA e a TOSSE
.\iainis4
(Xarope de rynopliSjse c de leo volalil de succino)
H* 3. Coirtrn
a* CONVCLC0E9
A ciioiu:\
nos MF.MXOS
(Xarope de cjnoglosse e de acido voltil de succino)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sSo em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Franca para o trafamento das molestias do
meninos cima indicadas, c viero nncher um
vacuo impelanle na llnrrapeuiica, no que toca as
alTecces da infancia para as quacs, atli boje,
anda se nao pode indicar Iralamenlo racionnal-
nem inlallivcl.
(Peca-se o prospecto cin casa dos pliannaceu,
lieos depositarios.)
Prcco do fraseo em Paris. 3 Ir.
Para se evilarcm as fulsiuvacoes. exija o com-
prador que cada Irasco tenha sobre os rollo a
assignatra Cha.iteaud.
Depsito geral em Paris, pliarmacia Ghan-
teaud e cni todas as |pa ph;,riii;.iei.-is de FranCf
e dos paizes eslrangciros.
Os granulos de bismulli de Chevrier em supe-
riores a lodas as outras prepaiaijocs de bismuth
empreadas antes com o maior successo pelos mi
dicos de todos os paizes, para prevenir c curar as
.Hofl'MiUM (li* lfMUOj
\ Iclcrrla,
P4lplliiro do poruco
Diirex mis rlnn,
Di.ii i'IieaM chronlcu,
lism'iiIrrinS.
II >:t. (i'i'sniir.t'.'.),
ll>HpopilllS.
Depsito geralem Paris, pliarmacia Chevrier,
>l. dljifKlOOK,
(,nli llr.u.
(l.'.Hli'al^lus, ele.
Dres de rabrra,
iriiiaroi-K de hexiicac c cni lodas as puarmaeas ue rranea e dos paizes
da niati-lz, ele. CStrailgeirOS
do
BERTH
As experiencias clnicas e comparativas
is Snrs Magendic, l'.arbiar d'Amiens, Wil-
liams Grego'r, Martin Soln, Aran. Viga,
C. Diimonl, etc., membros (.'o Inslitnlo de
Franca, mdicos dos hospitaes de Pars, leal
provado que a JfatM e Xarope de Berthe i
o remedio o mais seguro conlra lodas as
dores nervosas c tendo a propnedade de
calmar com admira vei rapidez as uscs rebe-
des e c\lrcii:a:ncnlc fatigantes da grippe r-
tarrho epidemeo dctlnxo. co-pjeluebe
losse convulsa, bronebite c sica pulmonar.
A Massa e Xarope de Bertb, se
actiSo em todas : boticas.
Pan tvilai (jaalajsi r
falsiAi B^V*,exigir *m
iai!:i |!i'u'iulo o mime
e a Irn BertM.
Deposito geral vin l'aria, eai rusa de HEIIEK,
/la SU-Cruij {la -Lctti**erit.
f^/i^yf^^f^"
STHMA ASTHMA ASTHMA
SulToreco ncrvona e *
I meo remedio cflicaz para ronibatler eslas mo-
lestias, acalmar um aii.npie d'asma e inqiedir a
volla o Xarope armnaiico de Surcino mbar
aioarello] do I)' Danet. Descobcrta inlcirammie
rcenle, este novo producto se lem propagad*)
cun extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tado! ipic lem senipre proilu/.ido.
Deposito geral, na botica Chauveaud. 54,
roa do Commercio, Paris-(irenclle, e em todas as
boticas de Franca e do cslrangeiro.
WILLAERT e BERGER. comisarios em drogara, 11, ra Saint-Lazare, Paris.
- -..

I.
do costume
Desde j recebeinse passageiros e engaja-se a
Lfcs:it. ja ieciiieiii-se, uassayjiros i; euuaia-se d ., .,u_____________p u_. j j
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever .f"^'""' T i,n?IT ^ *,
ser embarcada no dia de sua cnegada, eneom- ?!"?? S^^'J^J^ 'm*
mendaz a rlinhpirn a frata ,! n da da Uhirla as Vei V ouwd(,;- dl N apreciadores.
DE
VIGNJES.
\. 55. IH1 O BNPBlt IDO W, 55>
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje asss coaBecifoa oara oue soja necessario insistir sobre a
sua superioridade, vantugense garantas que offerecein ags rompradores,'qulidades estas incontesla-
vels que elles tem definitivamente conquistado sobre lodo os que lem apparecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontados- a capriohos das pianistas, sem
proposito, e ter-se feJ^o ujtjroajUie/ili) melhoraniejitos linporlau-
nto s vozes, sao merjodiosas eflautadas, e por isso muito ara-
O Sr. Arsenio Antonio Carntiro da
Cunlia Miranda queira dirigir-?c a prar;a da
Independencia n. 6 c 8, que te precisa
fallar. __________ ____
Maria Emilia Teixeira val paia Portugal.
m
%
mendas e dinheiro a frete at o da da sahida as
1 horas : agencia ra da Cruz n. I, escriptorio de
Antogio Luizde Oliveira Azevedo i C.
COMPANHIA PEHNAMBUCANA
DE
.Vivcga^il'. costeira por vapor
Portos do sul.
Segu o vapor Parahyba, com-'
mandante Martin*, at Aracaj
^. no da 14 do corrente as S heras
'vrv ffefeS& da larde. Recebe carga at o
.alaMBaP dw 13, encommendas, pas&agei
ros e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : escriptorio no Forte do Mattos n. 1.
Fazern-se conforme as encommendas, tanto ne correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesrno estabeleciruento se achara sempre uqi expen lulo e variado sortiroento de msicas dos
melbores aulores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmoniros, sendo tudo vendido por
precos commodose razoavels.
CONSULTORIO
i Eli
Sr i
..i Aj
DU
IC0-C1UKGIC0
DR PEDHO E\TiA?TDS LOBO \fOSG0SO,
TBIDICO, PAKTUIRO E OPERADOR.
3 Roa da Gloria, casa do Fundao 3
Para a Baha pretende sabir
com muita brevidade o velelro
lugre Emilia, capitao Bernardi-! O Dr. Lobo Moscoso da consullas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s li
no Rodrigues de Almeida, por h.oras da manhao, edas G e meia s 8 horas da Quite, excepto dos dias santificados,
ter a maior parte da carga '->-'
O Dr. Cosme de S Fereira conti- jjj
na a residir na ra da Cruz n. 53, ^
Io e 2o andar, onde pode ser prpcu- s
rado para o exercicio de sua unolis- S
sao medica, e com especialidad!; B
sobre e seguinte
Io molestias, de olhos ;
2o de. peito;
2 dos orgiios geni- h
ti urinarios. B
Em seu escriptorio os doentes se- >|
rao examinados na ordem de suas Sr.
entradas comeando o trabalho pe- l
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das s
6 as i 0 da atanha, menos nos do- S
mingos. i&
Praticar toda e qualquer opera- 3
C5o que julgar convenierite pora o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
PASTIIMS
-
WL IVI l I1BIV1 pial fcV UH UUIgU lid*
&^*=^*iB [ada, c pata o resto que Ihes!
falta trala-.se com o consignatario Joaquim Jos
Goncalves Beltrao, na ra do Vigario n. 17, pn-
meiro andar.________________________________
Rio Grande do Sul
Segu nenies quatro dias o bngue nacional Sahy,
e recebe carga a frete.
I
diiiiiilc itriuazem de tintas.
RA DO IMPERADOR X. 22.
O armazem de tintas um grande deposito dt
P/iarm acia especia I homeopa thica
No mesmo consultorio lia sempre o mais appropriado sorlimento de carteiras productoschimicos utensiseos maisempregados ceita
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dvmnamisacoes e pelos precos seguintei. | usados na pliarmacia, pintura, photographia.tm-
Carteiras de 12 tubos grandes. l/000 turara, pyrotech.nia.fogos de artificio) eem outras-f
DE KEMP,
NOTA YORK.
DE COR CHEIKO E SABOR ACRADAVEIS
Infinitamente mais tflicazes d: :< i>
os mais remedios perigo.'os t iiaistai i:n.i $
que existem para a expulsan das li n.lirigas.
i Nao causam dures e produzem sen .-fleito
I sem precisar logo depois de largante ne-
; nhum e to incitantes em apparemia (Hi-
ciosas em gosto, que as crianras esto
promptas a lomar mais do que marca a re-
dis como um excdeme mein de fa;er
LS1LGSS.
Leilao de faz^ndas e roapa feitas.
Martios fara' leilao a requerimento dos curado-
res rncaps da massa fallida de Joo Baptista Gon-
galves ftastos, e por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz
especial do commercio de. chitas, madapoles, al-
godiio, diversas pe^as de roup* feita, cortes de ca-
semira e chapeos de feltro, ludo pertencente a
mesma massa.
HOJE.
Xo armazem da ra da t.adea n. 62, as i I horas.
LElUO
HOJE.
De pecas decasemiras com toque de mofo.
Ditas de chita com dito.
Meias para senhoras.
idu/.ias de lencos de ganga fraucezes.
50 ditas de chapeos de feltro.
Martins far leilao das fazendas cima e
cinta e risco de quem pertencer.
Xo armazem da ra da Cadeia n. 62, as 11 horas.
por
LEILAO
De 1 guardi roupa, 1 mobilia de amarello, 1 ma-
china de costura, 1 guarda louca, 1 secretaria
de amarello, 1 carteira, 1 cara i franceza, 1 com- doentes.
de 24 tubos g.andes. . 18&Q00
de 30 tubos grandes. . 245000
de 48 tudos grandes. . 30000
de to tubos grandes. 355000
Prcpara-se qualquer carteira conforme o pedido que so leer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de 12 cuslarao os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 res.
LTV ROS.
A melhor odra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
dous grandes voluntes com diccionario............ 205000
Medicina domestica do Ur. Heting........... 1050M)
Repertorio do Dr. Melb Moraes............ toOOO
Diccionario de termos de medicina........... 350OO
Os remedios deste estabelectmento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que qui/.erem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservagao, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacia c acurada prepararlo, e portante a maior
energa c certeza em seus effeitos.
Casn de mude pira escravos
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, p ra o que o annunciante julga-se suflicienteroente habilitado.
0 iralamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muas pessoas de cujo conceito se nao
pde^uuvidar, qae podem ser consultados por aquelles que desej irem mandar seus
emover as ohstrucnies do venlre. MM
o era grande escala, e suppr.ndo-se di- i no caso de nao existirem verme \fiv.B-,
industrl
Mont
rectamente uas princi|>aesdroganas de Paris, Lon-( pastiliias vkii.mih gas de kiHs.-.n [ i mr
dres, Hamburgo, Anvers e I isboa, pode offereceer tas e nfalliveis na sua operaco e por ti-n
productos de plena conaiiaosatisfaier qnalqner, re:;|)ei,os (i,rI,;is (!l. C(lI,n.ir.a C afOTM-
imenda a grosso trato o a retalho, por precos i p ''
.,.jS cao de todos os paes de familias. I
moda, I lavatorio, 1 santuario, 2 aparelhos de! Paga-se 25 por dia durante GO dias C d'ahi em diante 15300.
Asoperaces serio previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedirr o annunc ante.
ras, mesas, candieiros a gaz, lanleroas, clices,
relogios de ouro e prata, correutes de ouro, e
oulros muitos artigos de gosto.
Terca-feira i H to carrele as II horas
No armazem a ra da ji.riu n. '67.
Cordeiro Simdes
far leilao por conta de diversos dos objectos ci-
ma mencionados.
encom
razoav
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptldao quab|u-3r pedido de tintas moidas
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes podera ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao Importadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collecgao de vidros de differentes j
formatos, desde urna oitava at dezeseis oncas de j
capacidade ; de vidros para vidrajas e diamantes
para corta-Ios; de pincela para lingir madeira com
propriedade e outros de papis dourados e pra-
teadoa e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores,
para embrulhn, para forro de casa, para desenbo
com (lindo j feito; de papel albuminado e Brisi.-I,
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
teiior; oleo graxo, oleo seceativo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de toiele, secativo de Harlim, ouro
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanto em fo-
has de varias cores; tinta's vegetaes, inoffeosi-
vas proprias para confeitarias; la de cures, e
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos e
telas |iara retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly.jasmim, bergamota, aspice, patchonly, mbar,
boiiqnet.limao, alcaraiva, melissa, ortela pimenta,
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
anis da Russia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s com a vista poderao ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
radas nicamente
Nova York.
por Lanman
Prepa-
& d.
A LEOITIMA
RISTOL
paEPARABA imam POR
LAMAN & KEMP,
geral hespanhola de segui-os mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
na llanca em dinheir-), depositado nos cofres do estado, garante a boa da
ministnco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespaaha
DIRECQAO GERAL
Madrid : Una do Prado n. 19
ATIS08 DIYEBSeS.
LOTERA
AOS 6:000#000.
Sabhado 22 do corrente mez, se extrahi-
ri Ia parte da 1* lotera (241) a beneficio t
da malriz de Agua Preta, no consistorio da'
_ Daiaijuiiiunuiiia nfia yi^iu apicuia iiiuiu" luua.-'ao UVUIVIBISCVOS uc uiici ncuna uur oritu
tgreja de Nossa Sennota do Rosario da fre- sobre a vida.
guezia de Santo Antonio. Nella pode se tazer a subscripeo de maneira que em nenhum caso rresno iri muidos
OS billielOS, meiOS e quartOS estao a ven- gurado e perca o capital era os juroscorrespondentes a estes.
,U na mnw iva ihftunnraria i na rio P.rq. Sau Uo suprehendentos os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
ua na i espeu iva tue&uuidi w d mduu uibs qa^j,qaeaiada mttsmo diminuiaio urna terca parle do interesse produzido em recentes liquidai
po numero lo, ceseeo.ujbinarnio-ocain.a inortahado da tabella do Depareieux que e adoptada pela compaoh--
Os premios de 6.000(5000 at 10#000 para seooalcoTose liqaidafftas, em -segurados de idade de 3 al9 annos, umairaporsiQoannua.
serao pagos urna hora depois da extraeco de 100* produz em effectivo metlico: ilftm
No fim de 5 annos.......1:1195300
de 10........3:9425600
> de 15........11:208*200
: de 20........30:2565000
i de 25 >.......80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis,
Prospectw e mais infnrmaccje serio prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.12,eslabel
manto dos Srs. Raymumlo.Carlos.Leile & Irmao.
at as i horas da tarde, e os outros depois
da distribuieo das listas.
As encommendas s rao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraeco
como de costume.
O thesou retro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
US
O bacharel Joo Diniz Ribetro
da Gunha tem escriptorio de advo-
gado na sala do sobrado n 38 da
ra do Queimado.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Sao Francisco.
AVISO
Segunda feira 17 do corrente, fica restahelecido
o traiego desia estrada entre as estacoes de Cinca
Ponas e Ipojuca, ms primeira e segunda secfes,
e entre Una e Timb-assu' as quarla, terceira e
e segunda sercSes, nao podeodo por em quanto ha-
ver transito eutre esta ultima estacao e Ipojuca. A
administraQo dar sciencu ao publico logo qne
possam circular oslrens na parte da estrada, que
continua em reparos.
Villa do Cabo 14 de julho de 1865.
G. O. Man*,
Engenheiro e superintendente interino.
_ Vende-se duas carneas, urna para boi e ou
tra para cavallo, sen o esta com lastro somente'
propria para carregar barricas de farinha de trigo,
KOVA YORK.
Composta de substancias, pi >an!o de
propriedades eminentin i li i!juralhas ;
approvada pelas juntas e aeai niMM <'r *-
dicina; usada nos principaes hospian.n-
vis militares e da marinha as Antilhas
no continente americano ; rereitada pelos
facultativos os mais lstinclos do imperio do
Rrasil e da America bespanhol
CUBA RADICALMENTE
escropbulas, rbeumaiismo, escorbuto, es
fermidades venreas e mercurial, iliacas
antigs, morphea e lodas as molestias pro-
venientes d'um estado vicioso do -ingue.
Emquanlo existem varias imilaroes
falsiflcacos, preciso a maior cautela para
evitar os enganos,
A legitima salsa de Brstol T(nde-e por
CAORS A BARBuZA
JOAO DA C. BRAVO 4 C.
Joo da C. Sravo & C
O agente de leble* F J Vuf< de**>* f.llar
ao Sr. Jo.> Coelbo Moreira e por igoonr a ana re-
sidencia, pede-lhe pelo presente qi > s dirji a
s.'u esppnion-i ra 'la O i, n. :$s
O Sr. Ignacio Luu .1: Brito Tah->rda <|i-ira
ter a bondado de declarar pir *< Man par
qoanto comproa om riti rm i. Jo- 4 XwgM
nho a D Luiza Antonia d J-sus Si |oeira
Alugase um s.ti o p;rlo da praca roa e.n*>
lenha, etc., ambas com aso, por prego muito com- modos para grande famiia : aaa prxteoWr diri-
modo :Ja tratar no pateo ds S. Pedro n. 4. i ja so a ra d o Crespo n. 8 B.
f.. -___1


Diario 4e rcraambuco ... Saldado 15 e talao de isa.


f
MA GRANDE DESCOBERTA
deFIGADOdeBACALHAU
NFECTADO
.
MfDALHA
DE
HONRA
DE BACALHAU
A6 propiedades modicacs do oleo de fajado de baculao foro unani-
memenie reconhccidas. Mas seo cheiro c seo sabor tao desagradaveis
lornao o uso d'elle militas vezes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robustos e aos mais condcscentes.
Por isso a descoterta do Snr. Ciievrier (|uc llie permettio de
desinfectar iiteiramcntc o oleo de ligado de bacalliao sem alterar suas
propiedades tom sido um dos mais elizes problemas resolvidos pela
therapeutica moderna.
O oleo de ligado debacalhao desinfectado deChevrier,
com um cheiro agraduvel e um sabor assucarado, 6 o nico que nao
tem ncm gesto nem cheiro depcixe.
Objeeio de numerosos relatorios scicntificos elle goza em Franca
de urna fama bem merecida, e receitado por todos os mdicos cm
lugar do Oleo de ligado de bacalhao ordinario. Tendo as mesraas
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto nas :
MoleaCfaa c?aci*oriilo*aa,
Rarhitiamo,
oltxii'iicrac dnH laara,
risiii pulmonar,
Molestia* tln p.-llr.
CoiiMtltniro 1* nipbfilira,
Anemia, clrbllidailr, fraqurca,
Masni,
I'iihiiin do angue,
ENfalfumento por excesa* de
trabnlho 011 de prasere*,
Moleatiaa dos bronehloa receu-
fea ou chronicaa,
Toaaea pcrlinaaca,
Gaalritea, gaalrala;iaa,
norea de eatomago.
Elle convem a todas as compleiccs e a todas as idades, c tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle 6 um poderoso socorro
para a alimenlaco da:; eriancas fracas e docnles.
Um folleto accompanha cada vidro
Deposito em Pariz, na pharmacia de Chevrier, e era todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
0 Oleo de figado de bacalliau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a acc3 tao eflicaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vias digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., eniiin perde suas propriedades irritantes e nao
provoca a constipaedo.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparaces ferruginosas ordinarias, asquaes, principalmente
nos paizes quemes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderao com a nova descoberta do Snr. Cueviuer, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de Cgado de bacalhau.
0 oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chbvrier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
e contera, as observaces medicaes.
GASA DA FORTffi
Aos 6:00(P00.
Diabetes garantidos. 1
A beneficio das familias dos?
briosos voluntarios da
patria.
A' RA DO CHESPO N. 3 E CASAS DO COSTUME j j
Oabaixoassignadovendeu i;os seos muito feli- j N
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou ?
de extrahir, a benelieio da matriz de S. Pedro > m
i Manyr de Olmda, os -eguiules premios : | 8
Um rneio n. .'132 corn a serte de 0:0004000. I 3
Dous quartos n 121 com a sorte de 1;2005000..
Dona quartos n. 2798 com a forte de 4005000.: J3
E utras muitas sorles de 1002, 405, 20ej;l
-, 10*000. la
Osi>ossuidores podem vir receber seus respec- *
livos premios sem os desconos das leis na Gasa I
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 1* parte da lotera il
(23') beneficio das f?milias dos voluntarios da I
patria, que se extrahir sabbado 15 do corrente. !
PREgO.
Bilhetes.....75000
Meios......35500 w
Quartos.....15900
as pessoas que eomprarem dr 1OO:)000
para cima.
Bilhetes.....65500
Meios......35750
Quartos.....15700
Manoel Martins FtOA.
Joao da silva Ramos, medico pela un
versidade de Coimbra, da consultas em
| sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
i das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
I em suas rasas regularmente nas horas
[ para isso designadas, salvo os casos ur-
i gentes, que serao soccorridos era qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
I que o procurarera no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
I s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
i montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
| tem commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 25000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conanca de que sem-
pre tem gozado.
a:
Para
PIULAS CATHARTICAS DE AVER.
j-./f Estas pilulas vegetaes sao a-
Maptadas a lodos os usos de un
purgante nas familias, pois ta
perfeilamente innocentes, e en
quanlo mliarcs de pessoas ron-
fessatn com graldao que foran
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um so caso em que liaja suspei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqtii alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis fetas ltimamente,
m caso notavel de
G0MPB1S.
Club Pernambueaiio.
Compra-se elTectivamente ouro e prata em
ODras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Silvino Cuilherme de Barros compra e ven
Affccrao cranica de figade.
ll.UI. S-
Jitiz de Fura, 17 de feverim de 186.
Tendo feito uso das pilulas catrticas
de Ayer, que me fez favor de dar un xi-
dro, tendo tirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze anuos en-
fermidades do figado e baro, con o uso
das pilulas posso Ihe assegurar que estos
bom, pois tendo desapparecido un grand
engorgitamento que soffria, muitas dores
sobre a regie do figado e costas, dores .le
cabeca, inchaco do ventre, nao podendo
deitar-me senao do lado direito, isso mej
A partida domez dejulho ter lugar na rua (l hnperador n. 7'.l, terceiro andar.
de (IToctivamente escravos de ambos os sexos : mo procurando posicao para ler soeego, ho-
noite do dia 20,
POIlTUGliEZ E LfalTUIU EM PER-
NAMBCCO.
De ordem do I Jim. Sr, presidente convocada a
reuniao da assembla gtral dos senhores socios
elTectivos deste Gabinete para a primeira sesso
ordinaria deste anno, domingo 16 do corrente, as
10 horas da manhaa, no respectivo sali.
Secretaria do conselho do Gabinete Portupuez
de Leitura em Pernambuco 12 de jnlho de 1865.
A. A. dos Santos Porto
1 secretario.
HnnnnnnflnK^%^ESfnnnnE^2S';$7'
Josepha da Silva (hampos Lima agradece
a todas as pessoas que se dignaran) assistire
arompanhar ao cemlterio publico os restos
tnorlaes de s<-u iruilo prezado consorte Luiz
Pereira Lima; e de novo roga o especial fa-
vor a todas as pessoas de sua aroizade e do
fallecido a.--i>iircm a missa do elimo dia,
qoe ter lugar na matriz do Gorpo -anlo,
sabbado 14 do correte, as 7 1|2 boras da
manhaa ; > mais um reconhecimento por um
acto de tanta caridade.
Aluga-se urna escrava que sabe fazer lodo o
Servieo de urna casa de familia : na rua do Cres-
po n. 18, .segundo andar. Xa mesma casa aluga-
se urna excellente machina de co.-tura das que co-
sen) ponto de cadeia.
Aluga-se o segundo andar do sobrado na
travessa da Madre de utos n 7 : quem o preten-
der lirija-se ao armazern n. 15, na mesma rua.
Precisa-se de um feilor para engenho sendo
que tenha alguma pralica : a tratar na rua da
Praia, armazern n. 3.
O Dr. Carolioo Francisco de Lima San- <
tos contina a morar na rua do Impera- vsy
dor n. 17, segundo andar, teudo alias sea *&
| gabinete de consultas medicas, logo ao flj
ffi entrar, no pnmeiro. $~$
22 O mesmo doutur, que se tem dado ao <
esludo lanto das operares como das mo- &!
leslias internas, prstate a qualquer cha s
mado, quer para dentro quer para fra M'
ALCOHOLADO de GUACO
de N. 1PASGAL
O Alcoholado de Guaco de Pascal urna nova preparacao da qual
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo infalivel do contagio venerio (ver
folheto para o modo de o impregar).
2o Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulceracoes primitivas e secun-
darias, ec.
3o Empregado em injeccOes, o melhor tratamento dos corrimentos
recentes ou chronicos nas pessoas dos dous sexos e da leucorrhea nas
mulheres.
4o Emfim como antidoto dos virus, soberano na cura das rhagas e fe-
riaos de m natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragka, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda a ac?ao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelba, ec, e recebeu a approvacSo
dos distinctos doutores Ricord, Bachet, A. Richard, Calvo, Diday,
Melchior Robert, Costilhes, Berenger, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmartre. Casa de expedicSo, PASCAL e C*, 33, rua Monsieur-le-
Prince. Paris.
Na roa de Santa Rila n. lo, compra-se
ouro e prata e relogios rellios de todas as qua-
lidades.
Jjm Cornpanhia fidelidade de seguros
S rnaiitimos e terrestres
M estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEIINAMBUCO
91 Antonio Luiz df Oliveira Azevedo 4 C,
gjS competentemente antorisados pela Jlrec-
S loria da cotnpanliia de seguros Fidelida-
gR de, tomam seguros de uavios, inercado-
^ rias e predios uo seu escriptoro rua da
SR Gru n. 1.
Ouro c prata
em obras velhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, luja de bilhetes.
Compra-se ouro, prata e pedias preciosas,
em obras velhas : na rua da Cadeia do Hecife,
leja de ourives no srco da Gonceico.
Compramse libras esterlinas 9,5600, na
praca da Independencia a. 22.
Compramse libras esterlinas : na rua do
Crespo n. 16, prtmeiro andar.
mmm
i tiln-p, hilan e chumbo.
Compra-se cobre, latao e chumbo : no armazern
da bola amarella, no oilo da secretaria de po-
lica.
Compra-se urna balauca grande ou uiu braco
B'!*KW5S:*v*bS >**x*B Romo : a tratar no caes da compaohia Pernam-
f&it&Jsk TOK>1ft :.S\&Mi*Q( bucana, armazern n. 4, ou na rua Imperial n. 2 7
Samuel Power Jolinston & Cornpanhia
Rua da .-enzala Nova n. 4.
AGE.NC1A DA
fundido deLow Moor.
Machinas a vapor de 4 e C cavallos.
Moendas e meias moettdas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-|
no.
Lma casa.
Compra-se urna casa terrea no bairro da Boa-
| Vista : a tratar na rua do Vigario u. 13, primara
andar, das 9 horas da manhaa as 3 da tarde.
?ENDS.
Arreios de carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma binas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
i Machinas de costura.
"AMA.
0 castello de Grasville.
Traduzido do francei por A. J. C. da Crui.
Vende-se este bello romance em quati
tomos pelo baratissimo prwo de 35O0C
ua praca da Independencia, livraria ns.
6 e 8. i \
Vendetruse
Precisa-se de orna ama para coznhar em casa: machinas americanas de serrote para descaroca
de familia : na rua do Brum n. 55, defronle do | algodo : na rua da Senzala floraid. 42.
a cidade.
I1IIIIIIII
CRIADO.
Xa rua da Madre de Dos n. 36, primeiro an-
dar, precisa se de um criado que d couhecirnento
de sea conducta.
O London & llrazi
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guirnaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
lan Uank, saca por doos
ASTHIBA ASTHMA ASTHWA
SFFOCgO NERVOSA E OPPRESSO
nico remedio efficaz para combattir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta 6 o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Doscobcrta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gravas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, o4, rua do Comercio, Paris-Grenclle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
chafariz.
m
MitatltV Vende-se urna burra de ferro grande
&&&!RmMm&>'&!Gi'&iM. em perfeito estado e por commodo preco :
na rua do Apollo n. 20.________________
aJi
Vende-se urna negr nha de 10 annos, multo
esperta e sadia : no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 8.
Seiueules.
Vendem-se sementes de hortalicas muito novas:
na rua da Cadeia n. 50.
Depositogeral em Pernambuco rua da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
m
Men$o,
Aluga-se um csfcravo para todo o servieo, com
preferencia as fabricas de sabio ou fundices de
ferro : quem precisar dirija-se a rua do Hospicio
n. 38, ou armazern, na travessa da Madre de Dos
numero li.
Precisa-se de um rapaz ponuguez^ue tenha
DE
Offerece-se umn mulher para ama de
casa de homem solteiro ou de pouca familia,
a qual lava e engomma : a tratar na rua Au-
gusta n. 94.
Alugamse dous grandes sobrados com com
modos para numerosa familia, novos e aceiados
com jardim, cocheira, estribara e outras commo-
didades, na traves-a de Joao Fernandes Vieira :
a tratar na rua da Senzala >"ova n. 42.
Precisa-se de urna peseoa qne sirvapara bo-
tar sentido a um sitio oa Capunga, e para isto da-
se morada gratis : a tratar na rua da Imperatriz
n. 62.___________
Aluga-se o sitio da lavadero de roupa e o ma-
chinismo : qoem pretender dirjase a rua do Rao-
gel n. i. Tambem se vende.
Aluga-se
a casa n. 18 da praca da Roa-Vista, propria para
qualquer negocio : tratar na rua eslreita do Ro-
sario n. 47.
Precisase de um homem para feilor de en-
genho. que seja nacional ou portuguez, casado,
sem (litios ou solteiro : quem pretender dirija-se a
praca da Boa-Vhtta, sobrado n. o, segundo andar,
das 6 horas da manhaa s 10, e das 3 s 6 da
larde.
pralica de taberna, dando
no Campo-Verde n. 56.
fiador a sua conducta
ILLLMINACAO A GAZ
Armazern n. 31, rita do Imperador.
Para mais regulandade do servieo tem a empre-
: za resolvido lo somente vender os apparelhos,
etc., deixandoque os rs. consumidores rhamem
os machiuistas que mais Ihes agradaren), podeodo
1
Firmino & Lins I
Xovo estabelecimeoto de reta- j
tosa roa Xova n. 1o, ian- *
dar, jante ao Sr. (antier, y
dentista.
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas ^
da manh5a s o da tarde, quer chova ou 5R
n3o. >j$
Tambem se offerecem para tirar retra- ^
los de pessoas fallecidas, dentro ou fra Hf
da cidade. \*f
Os anounciantes desejaodo acreditar o iM
seu estabelecimento, garanlem ao publico (|
que nenhum trabalhosahir de sua offlci- ^e
na, sem que nao seja perfeilamcnle acaba ^
do, e a vontade do freguez. 43
181 m&mm &m&M farnha' rua du aperador, por baixo du Gabinete
Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
tem para vender Alonio Luiz de Oliveira Aeve-
do i C, no seu escriptorio rua da Cruz n. I.
BATATAS.
Vendern-se excellenies batatas pelo diminuto
prego de 400 rs. o gigo : no armazern do Sr. Aze-
vedo defronte da escadinha da alfandega.
TI ACHICAS
Iteducco dos precos. .
Vendem-se por precos reduzidos machinas de
descarecar algodo de serras de lodos os tamaitos,
de 11 a 6i serras ; assira como motores para as
mesmas, as quaes se acham vista no armazern de
.4 luyase
Portuguez : a Iralar na rua do Trapiche u. 8, ou
no mesmo armazern : outro sira recominenda-se
Prensa-se de urna senhora que saiba coser '"^ '',UL'',' ^gr 0^,re,n' Paeoa. .. f~" "v > aos compradores aue uem de azeile doce mi de
toda a qnalidade de costuras: quem estiva nestas ^m',? -ft ldS ellS serem'O"'- "m 0 "pampina da Casa Forte, com duas ca- coc0Tra emrarem os eis SLlaf maehml"5
circumstancias a,,pareca na rua do Queimado n. cads "222? da "?'*** I, urna a em qne morou o fallecido Thomaz de ^r d atete d^npato % o e" e nroduz.r
49 ciue se dir quem auer casas nnina an. oalnn ITnnaaaa l mAP UUm > m^an Antn-
D. Luiza Francisca de Paula Cavalcanii
quaesquer, nao.

As reclamacoes por m luz das casas, cujos ap- Aquioo Fonseca Jnior, feila a moderna,econten- 735m*^*tm mmmr
parelhos hooveremSido collocados anteriormente do todas asaccommodagoes precitas e utra com C0Dlrar^ "> q"e a()U.iieq,h >o quer.
de a este aviso, serao atiendidos pela emprtza ; outros boas commodidades pa'ra q'ualquer famiha": c
Alliuquerque Lacerda lendo arrendado por 0 an .........----- -
nos o engenho l'itu-ass, sito ua freguezia de S. A empreza espera que esta m-dida ser devida-
Lourengo de Tejucupapo da comarca de Goianna, mente apreciada lelos senhores consumidores, ten-
a Jo.e Pinto da Costa, Jos Pedro Carneiro e ou- dente como a tornar este servigo mais economi-
iros consenhores do referido engenho, pela quan- co ; visto que ella vender tudo, apenas com um
ta annual de 1:200$ pagos em 6 prestag5es ven- lucro tal, que cubra as despezas ineviiaveis. >
civeis, a primeira em maio do corrente anno de1 -------- ----- -......
I8'53 a ultima em maio de 1870, aceitou letras | AlDf f-
das rendas de cada annoeni favor do sobreditoJo-'
s Pinto, que ficou constituido caixa para arreca-
dar esses arrendamentos e sub.lividi-los com os t familia e com pouco servigo : no pateo de S. Pedro
demais consenhores. Portanto declara e faz pn-' o. 3, sobrado.
rua do Vigario o. 19, primeiro andar.
Anda se precisa de urna ama para coz-
nhar e engommar para tres pessoas : na
rua das Gruzes n. 37, sendo pessoa mori-
gerada e que se possa entregar ama casa.
Bichas de Hamburgo
Vendem-se na rua Nova n, 61^^________
Garriteis com 300 jardas.
A loja da Aurora, da rua larga do Rosario n. 38,
recebeu grande surtimeoto de carrileis de linhas
de 300 jardas, a qual de muito boa qnalidade, e
tanto serve para cozer com agulha rumo para ma-
PreciM.se de urna ama forra para casa de pou-a."'^end^eTrnTrm llTenTnuT 'i'"n Ve"l f,rclender comprar desia lir.ha man-
~:i......--------...........- de a loja da Aurora na rua larga do Rosario n. 38,
pois a nica loja que recebeu desia quabdade de
Offerece-se orna ama de bom leite
da Imperatriz n.9, primeiro andar.
na rua
O Sr. Jos Coutinho do Reg Dantas que mo
ronfea mora no engenho Goiabeira, tenha a bon-
dade de apparecer, ou o seu correspondente nesta
praga, no armazern do Simoes, rua da Praia, ri-
buira do pt-ise n. 19.
Precisa-se alugar um eseran para o servigo
interno e externo : na rua do Queimado n. 29.
Precisa se de duas amas, una cozinheira e
cutra engommadeira : na rua da Cadeia do Recife
pumero 27.
Nulas do banco do Brasil e das caixas liliaes,
descontam-se na praga da Independencia n. ti.
Aluga-se ama boa sala e alcova, ambas mo-
bilhadas, em frente as priocipaes ras da Boa Vis-
ta : jiurn pretender aununcie.
Aiuga-se una escrava crioula, moca, sadia,
com moito leite, e muito carinhosa para enancas :
quem a precisar dirija-se a rua Formosa h. 17.
GRAGEASdeCBEBINA
comCOPABAdeLABLONYI
Estes confeitos que tem por base o prin.
cipio activo da vtimeira eubeba juulo com
a cupahyba pura, n5o nausen o estomaga.
Elle, fazem parar immediatamente asmis
rebeldes gonorrhas, mesmo as que res-sti-
ram a eubeba o a cupahyba sordamente.
Joao da Silva Fiamos deseja ter noticias 4e
Jorge Pereira Fernandes para poder tratar de ne-
gocio de seu interesse em conseqaencia de ter seu
pae fallecido ltimamente em Lisboa.
blico que essas letras se acham penhoradas por
Domingos Francisco Ramalho e previno desde Ja
que pessoa alguma commetta negocio com as re-
feridas letras, sob pena de serem nuil as quaes-
qner Iransacges que com ellas faga.
Aluga-se nina nieia-agua muito limpa na
rua do Progresso do bairro da Roa-Vista : quem
a pretender dirija-se a rua da Praia armazern de
carne seca n. 34, junto a ribeira do peixe.
Desappareceu dt cima do urna mesa no se-
gundo andar da casa sita Da rua larga do Rosario
n. 33, ora relogio de ouro patente ingbz, sendo as
canas lavradas e falta do eixo da lampa, com cor-
ren tao pesando l6oita*as, tendo dous passadores
e urna chave de travessAo : pede-se as pessuai a I
quem for offerecido, que o apprehendarn e leve-o
a casa cima que se gratificar generosamente.
Aioga-sc
a casa terrea da lina do Retiro (Passagem da Mag-
dalena) onde morou corrector Macedo, com bons
commodos para familia : trata-se no la go do
Corpo Santo n. 19, escriptorio.
Na rua do Cahuga n. 3, .-egundo andar, ha
para se alugar urna escrava.
Aluga-se urna ama para casa de pouca fami-
lia : na rua Dlreita o. 18._______
Na praga da Independencia n. 33, loja de ouri
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tamhem se laz qualquer obras de eicummenda e
odo e qualquer coocerto.
A Itenva.
lo bom eslado : rua das Aguas Verdes n. 92.
Quem precisar de urna pessoa habilitada a
ensinar primeiras letras, latim, francez e msica,
denlr) ou fora desla cidade, dirija-se a rna do
Queimado n. 8, terceiro andar.
Iinba e vende barato.
JOAO FISH
Precisa-se da qoantia de 600 a 1:0005, dande-
se por garanta bens de raiz : quem tiver para
dar, dirija-se a rua de Santa Thereza n. 20, que se
dir quem precisa.
:rr-------------u . laeiiuisU da coiiipaulua do saz,
raTa de fm Ua^na Z* SSSilS^ **' hl obras de bombas> la,ri"as' eucanamento's de Vende-se a -ael.de da casa terrea ,,. ;il da
___ agua, etc.; sempre prompto na roa da Palma no- rua do Bom Jess das Gnoulas, boje dos Quarteis
a tratar na rua larga do Rosario n. 17, juulo ao
quarlel.
Vende-se urna taberna das primeiras para
negocio a retalho, na rea da Cadeia nova n lo.
porque o dono tem de ir tratar de sua saude.
Vndese a casa terrea na rua Imperial n.
270, chao proprio, quintal murado : a. tratar na
rua da Roda n. 6.
Algnni amigo do finado Joao Ramos da Cruz mero 53.
convida a familia do mesmo e mais amigos a$
Precisa-se saber quem o correspondeule do
entregar urna caria na
sistir na matriz do Gomo Santo urna missa resada ]JZJ^Z^^$!
por sua alma, no dia lo do correte, pelas 7 ho- SE?u ! c o P a
ras da manhaa llvrarla ns. 6 e 8 da praga da Independencia.
- Aluea^e'~ma ala a pahinoe na t: AluRa-se uraa casa lerrea " rua Augusta n,
Princiaes8deSeSaUuf Antn fnnonciado par *'.***'>***. *.#*****
ser procurado.
a:'
Lagdo para calcadas.
Vende-se muito bom lapdo para ca'gada ear-
mazens chegado agora : a tratar n rua do Apollo
n. 4.
Precisa-sede i:004a premio, dndose como
garante pessoa habilitadissima : a pessoa que
quizer pode deiiar o n. de sua casa e rua na rua
do Crespo n. 17, loja.
Precisase de uina ama para o servigo de\
urna casa de duas pessoas, agradando paga-se c
bem : a rua de lionas n. 130.
r.w wmmi
O bacharel
Francisco Augusto da Costa*
ADVeGADO
Rua do Imperador numero 69.
Camas [de ferro.
timento das m
na rua Nova d. 33.
Vende-se urna bomba de Japy n. 2, propria
para cacimba por estar com canos : na praga da
Independencia n. 33.
Ferros para engt>rltmr
Vendem se caixinhas contendo o mais completi.
sortimento de ferros para engommar, encrespar
babados. pafos e toda roupa de senhora : na rua
Nova n. 24, loja.
.imenlo tias^lhores que ba no me, ^mSStS^^TS5SfS
querda, depois do beccj do Espinheiro, nos Af-
ilelos.
Aluga-se a parte da casa n. 92 da rua das
Aguas Verdes: a tratar na mesma.
Semana II lustrada do Rio de Janeiro
Assigna-se na rua do Crespo n. 4 : tres mezes
65, seis mezes 115, um anno 185
Precisase de urna escrava para todo o sei-
vigo de urna casa de familia: quera tiver annun-
ci, ou dirija-se a rua de Santa Rita n. I.
Rypn SEGUROS
DE CAVALLO.
Na noite do dia 8 do corrente mez furtaram do
engenho Ronca um burro e um cavallo, sendo o
burro c;sianho escuro, e-ta carnudo, passeiro e
ferrado no quarto e carimbado na queixada com
X, tem um calo no esplnhago, o cavallo casia-
nho escuro foveiro, tem tres ps ealgados.tem urna
marca de ferida ao p do casco, e mais urna mar
CONTRA FOGO.
A Cornpanhia Indemnisadora
A professorapublica da 3* cadeira da fregu-1ca ou cicjtnz acunada cauda e o tpete tem pou- estabelecida nesta nraca toma secara martimos
ia de santo Antonio mudou a sua residencia .ara o bello ; suppoe se ter triado para a praga por SS eseis caremen,ol e"SlrT fo o em
MARTIMOS
Potassa da Kussia
muito nova e superior : vende-se no escriptorio
de Manoel Ignacio de Oliveira & Fllho, largo do
Corpo Santo n. 19.
je me ado livre d'esse padecimenlo ; como
por aqui anda as nao baja, eo cono lenho
este proprio que de casa, Ihe roao man-
dar-rae alguns vidros, e o casto elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do cbarope de
cereja, que tive occasio de experimei.lar ;
em um ataque de guellas que leve una
preta que com elle curei, fa^o uso d'elles
oas tosses em minha familia sempre en
bom resultado, e por isso que M para
mandar alguns frasquinhos, e mesm as pi-
lulas pode montar a doze, porque tenho
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumns pessoas, ia d i ,nl e g e
resultado; sou btdooroioandewla
De V. S. attensgps.ar
FbANCISCO FKKBEArtBAIl
Rheutaalisme e ataqae keawrrBiidaea.
ham Sa.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1861.
Posso certiQcar-lhe que as pilulas ca-
tbarticas do Dr. Ayer so excellente?, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
queja havia soffrido ba annos) e soTremlo
tambem de ataques henorrhoidaes, e -le
um ouvido, pois que at j pouco i-uvia, e
acompanhado de urna dor no qnei\o, con-
sullei a um dos nossos mdicos, e esle ne
disse que devia fazer uso da salsa : porgan
leudo eu o almanack do mesmo doui<-r,
comprei em sua casa um vidrinho das nes^
mas pilulas e por minlia conta principiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem senlir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques benorrlioi-
daes : portanto sao para mim as laes pil-
las as melhores que tenho experimentado;
isto em abono da veruade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
Joao Rodbhu-es Ft tr. Carvamio.
Gxslrilr.
O uro-P reto, 29 de mano de 186 i.
Atiesto que tendo feito uso, aconsdhado
por um amigo, das pilulas do Ir. Att,
liquei perfeilamente bom de urna gastrile
que solTna e que privava-me de andar aper-
lado, boje felizmente nada sinlo.
AceeSTD Gollati.no ie .Mm.i.ii.
FalU de aarliir.
Ouro-Preto, -> de fecereiro VMM.
Sendo eu aflectado do figado ba nanos
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje dou gragas a Deus por acbar-ne sao
e perfeito com o uso das pilulas catkarticas
do Dr. Ayer.
Antonio hn VnotA.
Constiparo, drrs de caarra.
Ouro-Preto, 28 de marco de 186.
Atiesto que acbando-me atacado de una
forte constipacfio que troaxe-me dore* pr
todo o corpo e na cabeca, soffri fmrri\ci-
mente por espaco de quatro dias; ento
um amigo aconselhou-me que tomasse pn
lulas catharticas do Dr. Ayer: com ellas f-
quei s5o e completamente restabelecido em
tres dias, de sorte que estou no firme pre-
psito de aconselhar o aso das ditas plalas
a todas as pessoas que foren affectadas de
constipaces.
Agostinho Jos da Silva, negociante de (a-
zendas.
Irritaro da eslaauf*.
Ouro-Preto, 29 de mateo de 1861.
Al testo e juro, se necessario for. qoe. sof-
frendo ha muito tempo excessiva irritaro
de estomago, pouco apetite e diihVil dige-
t3o, d'ella tenho experimentado senste-
melhoras depois que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio Hf.rmogf.nrs Prrrira Rosa.
Lanbrifas.
Ouro-Preto, 28 demarco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), &>
ram empregadas com grande vantagem . >r
mim em urna menina de dez annos que
soffria de vermes inteslinaes, i.otamlo-se
que os symplomas que ento apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raymundo Nonato de S. Tiiiago, pliarma-
ceutico.
Cal de Lisboa.
Vende-se excellente cal nova, ltimamente che-
gada : na rua do Trapiche n. i, segundo andar,
escriptorio de E. IL Rahello.
zia ae sanio Amonio inuaou a sua residencia para
a rua Direita, sobrada de um andar n. 74, cum a
entrada no beca
Precisa-se de una ama para casa de duas
pessoas: n rua da Peana n. 23, primeiro andar.
Aluga-se
a casa lerrea na travessa da floraba n. 10, com 2
salas, 1 quartos, cozinha lora, -quintal e cacimba :
a tratar .na rua do Sebo a. 2i. _________________
D-se morada gratis-em un to a urna pes-
soa casada, gae sirva para Latar atidj : a Ira-ja boa cozinheira eagomme, pa'ga-se bem : na
lar sa rua d^ Imperalriz n. til .rua &: Qaeimado M. 16, loja.
se ter visto passar Hn Tygipi : rwga*se as utori
dades a apprehensao dos ditos cavallos ; e quem
delles der noticia, ser gratifjcado generosamente
na raa de Apollo n. 3o, segundo andar.
Procisa-sc de urna pessoa habilitada para en-
sinar iprtaaeiras letras em logar mui prximo a es-
ta cidade : a fallar na rua de Santa Ceeilia n. 21,
das S as.9 Ufas da manhaa, e das 4 as o da tarde.
Ama
Precisa -se arivpar urna escrava que compre e se-
edificios, mercadorias e mot>ilias: no seu escripto-
rio, rua do Vigario n. *, pavimento terreo. |
Fogo do ar.
No armazern da bola amarella no oito da secie-
taria da polica, recebem-se encommendas de logo
do ar para dentro e fora da provincia. -
Vendeseuma casa a moderna de um
andar e sotao na rua das Gruzes u. 7:
tratar na praca da independencia loja de
relojoeiron.H.
Vendem-se duas pequeas moradas de ca-as
terreas em terreno proprio : na rua da Concordia
o. 22, le dir quem vende.
Paz, proprio para qualquer estabelecimento em Remedio infallixel contra as gnorrhbo
pomo pequeo: a tratar no pateo de S. Pedro n. 4. antigs e recentes, nico deposito rapr
Aluga-se um mulato "bom boteeiro : a tra-1 *ca franceza, rua da Cruz n. 22, eaj
tar na rua da Cadeia n. 41. ;o 3tJ
Nevralfia.
Urna carta do Illm. Sr. Francisco Alta-
ren ga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
oo hombro e nas costas, tomei nina iniini-
dade de remedios sem achar alivio algnm.
Dr, angustia, tormento sao palavras f<>r-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido : ltimamente tomei as pillas ca-
tharticas do Dr. Ayer. So faz oito dias, es-
tou completamente restabelecido; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem nas costas.
Estas pilulas acham-se venda nas prio-
cipaes boticas e drogaras do imperio, e no
Rio de Janeiro, rua Diroila n. 15
Vende-se em Pernambuco:
mapharniaela francesa de
P.MHRER i C.
RUA iNOVA N. 18.
"-
.....


Diarlo de pernaiubuco atibado l de lullio de 1&S5.
i
|.
Tasso Irmios
Venden no sea armucni roa do
Antonia a. 3 Licor fleo Curagao em botijas e meias botijas:.
Licores unos surtidos em garra 'as com rolhas de
Tidro e en: lindos frascos.
Vinhos Cheres.
Sabientes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Malate!.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniM.
.5
2-B 3 g-
itffliklll
1$; sfilis
" a 3 I g
13 2.
3g3S 18
*fi"l S.-2, "S
|*Il> ti
l.gSS- g-5 S?
B =
SfE H -
Si" ai b.j
1,1
M ge-
Grande liquidado a dinheiro.
Ka luja carinazem do Pavo.
Ra da luiperatrlz o. o de Ga-
ma <& Silva.
Os dones deste estabelecimcnlo tem resolvido li-
quidar suasfazendas por pregos baratissimos, s
com o lim de apurar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negociam em'pequeua escala com fazen
das, que nesta loja e armazem encontraro uin
grande sortimento por precos que muito Ihes bao
de agradar, tanto em peca" como a retallio, a sa-
ber :
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas francczas, listradas muito lar-
gas, padroes oscuros, pelo barato prego de 00 rs.
o covado, tendo muito bom panno ; ditas escuras
p-.dies novos, por serem todas escossezas e cor
fiza a 240 rs. o covado ; ditas miudiohas escuras
e claras a 240 rs., afllangando-se que esta fazenda
nao tem o mais pequeo toque de mofo, nem outro
qualquer defeilo. Islo s o Pavao, na i ua da Im-
peratriz n. 60 de Gama A Silva.
Esparlilhos, ua luja do Pavita.
Vende-se um bonito sortimeuto de espartilhos
propnos para senhoras, sendo dos mais modernos
e bem feitos que tem vindo ao mercado, tendo de
todos os tamanhos e de diversos precos trazendo to-
das as competentes fitas para apenar. Isto s na
loja do Pavo, ra da Imperatnz o, 60 de Gama
& Silva.
*echii*cha
o
a
SABONETA
ISA HATOS,
mii'jmm
A antiga e bem conheci.Ia loja de miuex* a
.'rua do Queimado o. 16, acata des Vendem-se em duzias e a retalh, sabone-PrbTWa de djiTerenies miudezas, novas <>. fln.v per-
tes aromrteos e por preco con,mod,8; na ECtraUrSsK^^
ra do Queimado loja d'Aguia Branca n. b. Ig0., que rom prod. nrla e afeada terfa patear s *.>
i flllft FIf\ ltp comprador, a quem isse, e a regulan.i-ie d-s pre-
J y 11 L tllUi.UV eos n) ser adinrente para cuotiauar t u a
ir -
C/>
i!u
|BS,e
i se m i
8m
C0MEIT0S
DEPURATIVOS
DoD'SERVAUX, de Par.
Pliarmaceutico de t* classe, ex
inferno dos ItospiCaes, premiado
com a medalha de bronze.
Desde muito lempo o publico
abandonou o uso das preparacoes
intituladas depurativas conheeidas
sob o Dome do Arrobes, Xaropes
de Salsaparrilha compostos etc
Cuja accao, maior parte das vezes
milla, e n'algurascasos perigosa.
OS CO.XFEIICS DEPIATIV05 TEM O ASPECTO
E O COSTO ACRADAVI.U E CflNTEM SOB CM
PEQltXO V 01 I ME SUBSTANCIAS MUITO ACTI-
VAS '31 E O SEO UODO DE PBEPAIUCAO TOBXA
INALTERAVEIS.
O .>iict '*.?,<> <|no etttf ron-
rcltoftoliliverao -ni I'ran-
ca sob o palrocinio das principaes
celebridades medicas, os poe cima
de tudo quanto tem existido ath
fcoje.
Cura rpida som o socorro
de nenlmm outro remedio in-
terno, das escroph ulas ,
herpes, affeccoes syphi-
liticas hypertrophias
dos tessidos celulares,
hydropisias e em gera
todas as molestias rnoduzida
peb alteracao do sangue ; tal
o resultado que queramos
conseguir e que temos sem-
pre obtido.
Una xplicacao accoiqmaalia cada|
vidro.
I>i?sconfiar-se, das falcificacoeset mi-
tatocs.
Para as encomendas dirinir-u aost
mm. BUISSOM BT C'%dS, B'-Priiuc
Eugne, Pariu
Empregado com inaratel succat o desde 30 anuoi
(lelos Mdicos de todoi O* paites contra as molestia
rganicas cu afio ocgtnic&s do corara, as diverMs by-
dropisias a mainr parte da molestia* do peito e-do
bronchios (pnevnwrnat, catarrhot putmonaret, attlmas,
inflammaioet nerrotcs dos bronchios, cafarrheirai, etc...) Pavao, roe ,ia IlTIperatriz n.
O XAR0PB de labf.lo.we nao se vendeseno-Mn
arrala* com rotula* de cor e fechadas com ama eoupt
Jerando a lirma de icven.or.
Em rARM, nos tnrkm-vll.lieTr, 19.
Deposito geral em PernamDnco rna da
c.iuz n.22 em case de Caros & Barboza
0 liarkii-o est queimando |ror (Wo
Laziohas a 3-20.
Laazinhasa 320.
t Laazinhas a 320.
- Cliegaiam para aloja do Pavo as mais bonitas
laazinhas suissas de quadnnhos e listrazinhas a
imitaco de sedas por terem muito lustro, sendo os
padroes mais modernos que tem vindo ao mercado
e muito leveziuhas, vendendo-se pelo barato preco
de 320 rs. o covado, sendo razenda que semprc se
renden por 640 r.-. Liquida-se por este barato
prego na loja e armazem do Pavao, ua ra da Im-
peratriz d. 60, d Gama & Silva.
Leiicialispd'u mo a 240 rs.. Da loja
do Pavo.
Vemlem-se finissimos lencos brancos com duas
cercaduras, sendo urna de cordao e oulra de eores
matizada^, muito finos, a imilacao de linho, pelo
barato prego de 2800 a duzia, ou 240 rs. cada
uin : Uto s na loja e armazom do Pavo, na ra
da (mperatriz n 60, de Gama .V Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Laazinlias a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito sonimento de laazinhas pro-
prias para vestidos e soutenuarques por serem li-
sas e de quadnnhos pelo barato prego de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se venden a
500 rs. o covado, e vende-se a dinheiro a vista pe-
| lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na luja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pelerinas a liStiOO.
Vendcm-se as mais ricas pelerinas ou romeiras
. de cambraia bordadas propnas para hombros de
senhora pelo baratissimo prego de 1600 : na ra
| ra Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Organdv a 240 rs. o covado.
Da loja do Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa-
droes miudos e grandes, pelo baratissimo preco de
240 rs. o covado {doze vintens), esta peehfncha
araba-se logo : na loja do Pavao ra da Impera-
Iriz n. 60, de Cama & Silva.
BRETANflA DE ROLO A 3000.
JladapoIG eufestado a 3$000.
Ka luja do Pavao.
Vendem-se pegas de bietanba de rolo com 10
varas a 33, dras de madapolao enfestado a 3520",
35'in0 c 'i& : na luja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Madapole com loque de mofo a 60100 e 7-5
Vendem-se superiores pegas de madapolao, ga-
rantindo-se 80 varas em cada urna, pelo baratissi-
mo prego de <5*400 e 7*5 por terem um pequeo
u>i|oio do mofO-lqtie nao val, pegas do algudftu a
15 : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cortes de casemiras 4 300 e 30
Vendem-se cortes de casemua de urna s cor a
25500, ditas de quadnnhos a 35 : na loja do Pa-
vo, ra a Imperatriz n. 09, de Gama & Silva.
Chales a 000
Vendcm-se chales de merco a 25, 25-500, * e
65 : na leja do Pavo. ra da Imperatriz n. 6t, de
Gama & Silva.
Laaiidhas a 220 rs_ .aa loja do Pave
Vendcm-se laazinhas transparentes de urna s
cor e de quadnnhos propnas rara vestidos de se-
nhoras e meninas, pelo btralissimo preco de 220
rs. o covado, sendo fazendb que sempre se iraadeu
a 50O rs.:: Da loja do l'avt"u, ra da (mperatriz n.
60, de Gema & Silva.
Corles graandinos a 120
Vendem-se os mais ricos cortes de faeenda de
uiuiia pttautazia por ser transparentes e tectdos
com seda, tendo cada corle 22 covados, pelo-Ciaii-
nuto preco de 12o : nicamente na k>ja e-arma-
zem doiFavo, ra da Imperatriz n. 60, de 'Gama
& Silva.
k rnouls de renia .ia loja do Pafo
Chegaram os mais ricos tiornouts de renda se
vendem por baratissimos pregos : na leja e;arma-
zem do evo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
ilieos chales preias de renda
ChegoUpelo ultimo vapor francez um grande e
variado sortimento dos maic ricos chales prelcs de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elies muios de ponta redouda a emitago de 'man-
teletes e muitos rom o centro de cor, e wendo-se
por pregos muito em conu or terem sido manda-
dos vir de. contapropria pelos donos da loja do
de Gama ilva.
Laazinhas lisas al oOO rs.
Venden-ce as mat modernas laazinhas,teodoe
todas as eores, pelo barato prego de 500 r& o 'ao-
vado, la ra tana branca e de cores a 800 rs., fil liso
branco a 800 rs. a vara, cortes de fil brancos 'Usos
a 65 : na toja do Pavo, ra da Imperatriz n. (60,
de Gama -t'.ilva.
Chapees de sol de .alpaca
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da (]adci do l.eeife, esquina da Madre de Dens,
BAIiOES
Baliies de arcos 30000.
Bales com o primeiro arco grosso de 20, 25 e 30 arcos, a vista so far prego.
Balos de arcos e de pa: no para meninas de 2 a 12 annos a 20 e 20500,
Chapeos de sil.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas 80.
Ditos maiores com 16 asteas 120.
Camisas.
Camisinhas para senhora a 30.
Camisas brancas para bomem e com peito de cor a 10800 cada urna.
Camisas com pregas largas muito superiores a 20500.
Camisas de linho a 20800 e 305'>O.
Camisas de iinho inglezas a 40, sao muito superiores.
Camisas de llanella de cores muito finas a -10.
Cami as de meia superiores, 1 cartao com 6 camisas 100.
Chitas.
Chitas largas a 240 o 280.
Chitas largas escuras finas a 320 rs.
_ Chitas preclaras superiores a 440 e 500 rs.
Chitas estreitas a 200 rs. o covado.
Hadapoles.
Madapolao muito fino a 80 e mais in'erior a 60, estes precos 20 menos que o
valor real da fazenda, quem duvidar venha ver, ha muitas outras qualidades de mada-
poloes, assim como o superior madapolao francez para camisas e saias de senhoras.
Meias.
Superiores meias cruas para homem.
Meias pretas e brancas para senhoras.
Ceroulas.
Superiores ceroulas de linho o melhor que ha.
Ditas de brim de Hamburgo feitas na trra.
Ditas de esguiao de algodo a 10600.
Paleots.
Paletots saceos de casemira.
dem de brim pardo e brancos muito finos,
dem de alpaka branca minio superior a 50.
dem de alpaka preta a 40.
Calcas.
Caigas de brim branco a 70, 6*?, 50 e 40.
dem de casemira de cores a 70 80 e 100.
Colletes.
Colletes brancos a 20500 e 30.
dem de casemiras de cores e pretas a 10 e 50.
Vestidos a aria Pia.
Bicos vestidos de laa com barras modernas e os mais finos que pode haver a 200.
Vestidos do mesmo gosto. porm mais simples a 120 e 149.
Sacos de viagera a 5g.
Por estes precos s vende Azevedo & Flores na loja do
para Ungir cabellos.
noa freiiuezia.
Alm do chromacotno, aili;i- gua Hoilde, pieparacfw ingleza para Ungir
os cabellos, i s iiietendenies comparecam a
ra do Queimado, loja d'Aguia Branca n. 8. **
ra do Queimado ii. 16.
m de a.ui
Ro n i tas ca/xut has
ootros objeclos os seguintes :
Voltas de cryslal. grandes e pequeas.
Outras de diversas realidades.
Cruzes randes de pedras falsas.
Alliuetes de madrep-roia e ootras qualidades.
Brincos a balao.
Cintos a iraviala.
N. 16 ra do Queimado.
com perfumaras.
A Aguia Branca na ra do Queimado n.
8, recebeu um novo sortimento de perfu-
maras das excellentes qualidades j bem co-
nhecidas, vindo no mesmo boni;as caixinhas
demadeira invemisada, e outras de vidro, Peonas o'aco, papel e envclapr .
todas com finas perfumaras, e mui pro- Na amiga loja lnailniaini a ra do Oa^aaaaV>
prias pai a prsenles, as quaes sao vendidas " t;. acha-se um bello mrtmotb ;re' *-
por precos commodus, na loja d'Aguia Bian- "**0 'r,revAe Uf0 ,e pautado ir.me.ra mmH
sorte, I i tu de peso liso, pautado e de uadriDn*. r
de dlfferentes ijuaiidades al a que se pode racoa-
ir,:r de mellior, dilo paquete, dito pequtuo en ea-
i xinhas, sendo liso, pautado, de uuadriDhcs. beira
j donrada t tarjado de prelo, tendo cutrj tiles al-
guus i]ue liazem a envcl^pe na me.-ma fti.n,-), o*(j(ie
aqu inti'irameate novo. Cala: !( -u^?\op*t
ca ra do Queimado n. 8.
Toncas de fil enf'ei
tudas
a 50.) rs. cada urna.
Vendrm-se na ra do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Kspellios dourados
A Agu a Branca, recebeu novamenle uro
maiores e menores, e tarjados de pfttc. >Vaiu-
'aco ingUvas, raligrapbku eonlras qnalidades.
todas dos afamados Im.icantes Perres i\ II
Aiiins baratos na ra tit Qaei-
ni "io n. 10.
Vendrm-se bouii^- albaM para 12 rarala* *
grande sortimento de espelhos de difieren-ym, ouims pan 24 a 3i00O, e alfons m
tes qualidades, sendo de mordura domada, tambem por baiatos pnces,
dita envernisada, oulros de dita envernisa-j Luvas (le p da com vivos dourados, tendo diversos ta- Api zar de nao serem antigs estn uro r*,uc.>
manilos, al grandes para salas, e bem as-! mesdadas as luvas de pehea prrta e I can
sim oulros de armacao com um e dous P^E^^vnd^?^^^^^^--
e OUtros com enconslO, todos OS quaes se. Queimado c. 16, loja de mindezas.
1
Atlencao, freguezca.
-
Rival sem segundo
p*eco,
Pc^as de cascas proeris para cortiados ooai a 35500, ditos de seda inglezes com 16 aspas a
10 varas por i$, chitas francezas a 240. madapo- u na loja do Pavao, ra da imperatriz o. 60,
I5es finos a Teca cora 34 jardas por 64, $500 e de Gama & Silva.
1&, chapeos de feltro a t& : na loja da rna .da | Uaaiuna6 raasparentes j 320.
Madre de Heos n. 16, defconte da guarda da al-: Vendem-se mnite onitas lazioeas transparen-
landega.______________________________tes com paiminha* de seda a 320, 4itas lisas e de
Vende-*e m carro de carregar eneros da varias cores a 220. rs.: na loja do?avo, ruada
alfandega, com oso, e todos o; portenecs de outro Imperatriz n 60, de iGama & Silva.
igual, tudo por preco muo commodo : a tratar
no pateo deS. Pedro n. 4.
spurtilhos a |regu?osa.
A loja da Aurora na ra larga do Kosario n. 30,
eeebeu espartilhos a preguicosa, os quaes sao os
de mais commodo que tem rnegado para qual<|uer
senfeora se vestir sem trabalho algum ; grande
sortitnebto de franjas fxaacas e de <:ores para cor-
inades de :ama, bonitas fivelas de madreperol
para otos, sortimento de estampas de santos de
ditfereates qualidades e tintas rouilo tinas; final-
mente em grande sortimento de miudezas ; quem
duvidar mande ver para justificar a erdade, e
sempre se encontrar pessoas qara despachar
qualauer reguez neste estabeleciment com mais,.
agrado que for possivel: tudo isto s se eocontra 'Ja "muem do Pavao,
Da loja da Aurora, na ra larga do Itosario o. 38. 6> de (,ama A S>|1*4-
Vende-se
farelo d3 Lisboa em sarcas e birricas, e .saceos
cora superior farinha do mandioca, mais barato do
(jueem oulra qaalqoer parte : na ruado Vigari
b, 17, primeiro andar.
Caanlas Unos e jrlo(jliedlos
para nieaiaos.
Ghegaram para a loja de miudezas da ra do
Queimado n.6, os mais finos e lindos catangas
tanto para bnnqtiedo de meninos como para cima
* mesa : na mesma lf>;a se eoccotrar bom sor-
li/nenio de raiadozf.
e a
est fazendo urna nova Uqnidacao de todas as fa
zendas quo-se vende, muito twrato, a ?aber :
GRSTAS A2O0rts.O0OVADO.
Vendem-se chitas com muito bom panno e tende
cores fixK, pelo baratsimo preco de 200 rs. o ne-
vado : s Lourenco Pereira Mendes (uimares.
AS BRETANHAS DE KOLO.
Vende-se bretanha de rolo rauo boa fazenda,
pelo dkniQuto pre;o de^5000 ceda peca com-M
varas.
LAZIXHAS CHINEZAS.
Veodetn se as mais modernas lzinhas chinezas
pelo bafsto preco de 389 rs o covado, fazenda esta
que sempre se vendeua 400 rs.e hoje est se>vea-
dendo e 280 rs., de todos os.pzdrdes e todas as
cores: -s Mendes CHITAS FRANCEZAS.
Vdem-se chitas'francezas escuras e claras a
240, 280 rs. o covado, ditas percalas finas.* 280,
300, 3*1 rs. o covado : na ra da Imperatriz o.-tt
loja de Mendes Guimaraes.
GRANDE PECHIKCHA -DE CHALES DE
lERINO'.
Ve8dem-se chales de merm estampados,poto
barato preco de 25 cada um.
CAMISAS FRANCEZAS.
Vendem-ee camisas francezes a 1500, l^JOe
25ikki cada .urna, ditas de pregas largas a 2-e
25iO, ditas de linho a 2*500 cada urna : s Mon-
des Guimares.
MADAP0L8 ENPESffAD.
Vende-se madapolao com 12 jardas a 35500, 45
e4#500.
CAMISAS PARA SENIORA.
Vendea-se as mais modernas camizinhas enlej-
iadas para senhoras a 45. 45500 e.35000.
GHAiDE SORTIMENTO uECAMBRAIAS
BRANCAS.
Vendem-se cambraias raneas a 3$, 35300, 4&
45500,55,^5500 e 65, e muito lina a 7000 cada,
peca.
CORTES DE CAMBRAIA EltACA COM
SALPtCOS.
Vendem-se cortes de earatiraia desalpicos mui-
Vendem-se^eTrorTs. cha^oTdTsol.de alpaca' u^f^^U. '^ *" 10 Var"' ^ **"*'
COBERTORES ESCARLATES,
Vendem-se cobertores de la escarate* a 65, di-
tas de algodaoa 15500, ditos .oscuros a 15800 cada
.um : s Mendes Guimares.
PECHIKCHA DE ENMEMEIOS,
Vendem-se boeitos entremeios a 800 rs. a peca,
ditos finos topados, tendo padroes muito de gosto' a
15, tobados a 15 da Imperatriz n. 56 de Mendes Gaimares,
CASEMIRAS.
Vendem-se casemiras com listras a 2*500 o co-
vado ditos a 35000.
ROUPAS FEITAS.
Vendea-se roupas feitas de todas as qualidades,
calcas de ganga a 15500,15600, 1&800, ditas finas
a 25, ditas de brim pardo a 25 e 2JB00, ditas fioas
a 25800 e 3?, ditas de brim branco a 25, ditas de
linho a 35500, ditas de casemira a 35 e 3*500, di-
tas finas a 65 e 75300, ditas pretas de casemira a
6 e 85000, palitos saceos de meia casemira a 45,
45500, 55 e 65000, ditas finas a 75 e 85000, ditas
de casemira mesclada a 95500, palitos sobrecasa-
eos de panno preto a 125.1*9 e 165000, jaquetons
de brim pardo a 2*800, 25500 e 2^000 : s Lou-
renco Pereira Mendes Guimares, ra da Impera-
(rz n, 56, loja da Arara.
Lourenco Pereira Mendos Guimares, com loja | fig* do Queilltiltlo US. 49 e $5, loja de
aaleffl, ** ca rua da- Imperatriz n. 50, millll._. Hft tpa nfli>lao |4 nai_
Curtes de las matizadas.
Vendem-se bonitos orles de las matizadas, ten-
do 15 covados cada corte, a 35, ditos Maria Pia
a 65 e 85: na I "ja do Pavo, roa da Imperatriz
H,0, de Gama \- Silva.
110UPA FEITA
ROPA FETA
ROL'PA FEITA.
Sa loja do Pavo vende-se om grande sortimen-
to de roupas feilas para homem, sendo calcas, pa-
letots e colletes, tanto de panno como de casemiras
pretas e de cores ; deixa-se de mencionar os pre-
cos para nao se tornar enfadonho o annuncio,
afiancaodo-se que o respeitavel publico achara um
grande sortimento por baratissimos pregos : na
rua da Imperatriz n.
Piche do gaze verniz dogaz.
Vende-se piche do gaz, verniz do gaz e estopa
da trra : no armazem da bola amarella, no oito
da secretarla da polica.
Atten$io.
Vende-se o deposilo da rua Nova n. 6', bem
afreguezado e bem sonido : a tratar na rua do Li-
vramento n. 34. _^^__^_
Palitos de logo a 2$ a groza para li-
quidar.
Chegararo excellentes palitos de fogo e vnde-
se pelo baratissimo preco de 25 a groza: na rua
da Cadeia do Recife loja de terrjeos n. 56 A, de
Bastos.
miuikizas de tres portas, estquei-
mando tudo bom e barato, quem qui-
ler ver c admirar veuliam loja to
Bigodinho.
Caixaade papel amizade,e sem ella liso e pautado
Grozas de botoes de looca prateados fazenda mo-
derna a 160 rs.
Duzias d penna de 850 fazenda bsa a 40 rs.
Pecas de tranca de ta lisas e'de todas coresa
40 rs.
Escovas finissimas para limpar denles a 240 e
320 a.
Pulceiras de contas para senhoras a 300 rs.
Pegas, rie fita de cs estrellas -cora 10 varas a
320 fs.
Caixas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs.
TinteiroG de barro, com-superior'tinta a 100 rs.
Pegas de cordao pace vestidos, fazenda boa a
20 FS.
Baralhos muito linos para voltarete a 200 e
240 rs.
Frascos-com agua de Flerida a 15 e 15280.
Frascos.com supenoresbanhas a 500 rs. e 25.
Frascos ora banha, porm pequeos a 200 e
240 fs.
Latas eom superior banha a 200 rs.
Frascos de macaca perula muito tino a 200 rs.
Frascos e garrafinhas -com agua de Colonia a
400 rs.
Frascos grandes com superior agua de Colonia a
640 rs.
Frascos coa superior oteo de baboza a 400 e
500 rs.
Caixas com 12 frascos de cieiros mnito finos a
15400.
Sabonetes pequeos de bolla a 240 re. e grandes a
320 rs.
Sabonetes de familia a 120 e 300 rs.
Duzia de sabonetes pequeos com efieiro a 700 rs.
Agua dentifice superior qualidade a K00 rs.
Caixas com superior p de arroz a 600 rs.
fasces de superiores essencias santal e ootros a
Frascos com essoocias para tirar noduas de roupa
a 300 rs.
Frascos com cheiros dejodos os precos a 160, 200,
240 e 320. *r- h v
Fraseas bonitos com eheiros finos a 300 rs.
Duzia de meias muito finas para senhora a
45*0.
Gollinhas mnito finas para senhora a 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
160 rs.
Duzias de eolheres de metal para cha a 800 rs.
Ditas dita dito para sopa, fazenda boa a 15600.
Vara de cordao branco para espartilho a 'M rs.
Pegas de fila d 10 varas a 600 rs.
Ditas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de ionsa para meninos a 160 rs.
Caixas de lamparlnas para 3 mezes a 50 rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonitas estampas para rap a 100 rs.
Capachos compridos, boa fazenda a 500 rs.
Grosaa de botes pequeos pretos para calca a
100 rs.
vendem or pregos commodos e dinheiro
vista: na rua do Queimado, loja d'Aguia
Branca n. 8,
Bm papel ahnasso
pautado com 33 linhas.
A Aguia Branca acaba de receber a sua
encommenda desse bom papel almasso, liso
e pautado com 33 linhas, assim como de
peso, tambem superior e igualmente liso e
pautado, com cora imperial, e sem ella, e
outros pequeos conforme os cima, e pa-
quete, tarjado de preto folha grande e pe-1
quena, etc.
Tambem recebeu envelopes correspon-
dentes a lodos os lamanlios do papel, tanto
brancos como tarjados.
A commodidade dos precos j de todos
bem conhecida, urna vez que appareca di-
nheiro : na rua do Queimado loja da Aguia
Branca n. 8.
Esponjas finas pava rosto
f lus'r<- da 1 ulis.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da Sabonetes campiiorados ngiezes.
Aguia Branca n. 8. Dilo areiealMeieeUaatta para maos.
... 1 a Outros tambem inclezes de diversas qua^dade1-
MeiaS de COreS em caixinhas de tres e sollos.
[ara creancas de 6 a 12 mezes.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Aspas fortes para baldo.
Vendem-se na rna do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Ihosphoros de segurancia
caixas de 500 palitos a 160 cada urna.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Gollinhas e punhos
bordadas para senhoras.
A Aguia Branca da rua do Queimado n. I S = jr
l.ahiinlhos e ticos.
Na leja de mindc7as a rua do Queimado n. H
vende-se bonilos lahyrinlhos e icos das ilhas, f-
cidos tm prade de liona o que os awu hfatr, t de
muila durago, alm de jm os noves e apjniMM
desenlio?, c a commT.'ilade dos pref t te re
para a boa exlraeciio d'dles, tanlu* ir,.... q; >c*
elles nuuca sao de.-neressarios em cssas d- Um
lias, pelo que podein d:ngir-se a rua do '.> 1 :. n. 16, toja de aataiezas.
Rua do Queimado n. 16, au-
tiga loja de miudezas
Es.-a leja j to culitciija, renovou t m-i^ur. u
o seu sortir.ento t pet fumarias, ondeos r-tn
denles podes encontrar d novoe bom.
leos philocome, S0| Mine e balc-a.
Banha lina em fraseo* i latas.
Extractos finos ir?lezes e franctzts.
Agua da colonia e Oorida.
Opiata e poz para dure?.
Extracto de rjoinquina rara dito-.
Agua Im samica para dit a.
Dita denlrifice para dito.
Leite virginal para lardac
Vinagre de Venu> para refrescar e con.-erva:
8, vende-se mui bonitas gollinhas e pufinos |
bordados para senhora.
Dminos e visporas
em caixas de madeira.
A Aguia Branca na rua do Queimado n. 8,
acaba de receber domines em bonitas cai-
xinhas de madeira branca e envernisada, e
visporas de caixinhas de papelao, e madeira
envernisada, tudo conlina a ser vendido
por pregos commodos e dinheiro avista.
Lencos pequeos
para meninos.
A Aguia Branca, na rua do Queimado n.
8, recebeu um novo sortimento d'aquelles
lencoi brancos, pequeos e com barras de
cores, proprios para meninos, e aiuda serao
uendidos pelo commodo preco de 10000 a
dnzia.
Me as pretas
de laia pararpadre.
Vendem-se na rua do Queimado, loja da
Aguia Branca n. 8.
Farinha de mandioca : tem para vender Au
Ionio Luiz de Oliveira Azevedo & C., no seo es-
eriptorio rua da Cruz u. 1.
mmm mmmmw*
g '
~
a ;:
i3:. as
I 2 *.g 2
3
3
EL
a
y.
SL
a
99
\ Fumo da Bahia para
y charutos.
g Vende-se fumo superior de todas as
?B* qualidades, a relalho e por atacado, e
jjfg por precos commodos, no Becife, rua da
m Cacimba n. 1.


C
-
9
mh.
P
m
m
m
Todas estas fazeodas para liquidar, pois tudo
est em perfeito estado, isto garante o dono do es-
Farinha de muribeca fi;,a e alva, mais ubeieciir.euio.
barata que se vende no mercado, em sac-
eos : na ruado VigarioD. 29.
Roa da Madre de Dos o. 9
Vende-se milho a 45300 o sacco, muito novo, e
arelo a 45200.
MtUIADE
A ii0OOe IJrOO.
laques do osso, ultimo gosto, a 15.
Ceroulas de meia a 15200.
Diilas muito finas a 15500.
S na rua da Cadeia do Recife n. 3
Liquidado de machitias para
algodo:
Chegoa grande sorttaenlo de machinas para
dcscarocar algodao, de 14, 16, 18, 20, 23. 30 e 35
serrotes, do superior qualidade, as quaes se ven-
dem por pregos muito reduzidos e por menos do
que em outra qualquer parle, para liquidar, bem
como motores americanos da ultima iovenco, os
quaes se tornara recommendaveis por sua superior
qualidade de fcil eindueco para o cenlro da pro-
vincial a tratar no deposilo do caes de Apolo n. 63
ou na rua da Cada do Recife, loja de ferragens
p. 56 A,
mmmmmmmmmwmmmm
T
a va riado.
Francez barrica 55000
Portland dem 85500
Em perreito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irmos caes do;Apollo.
Vende-se urna taberna hemafregnezada para
o malo, e bem como para a trra por ficar ao p
do mar, tambem d comidas e dormidas, e recebe
passageiros, tendo excellente commodo para fe-
milia : na rua da Lapa o. 13.
B'lo de algodo 5i Hahia.
Vendefse no escripiorvo de Antonio Lui: de Oli-
veira Azevedo A C, rua da Cruz n. I.
Loja
das seis portas em frente do Li-
vra ment
Vendem-se chitas francezas escuras e bons pan-
nos a 240, 260 e 280 o covado, cassa franceza de
cores fixas a 240 o covado, nreanlia de rolo a
25400 a pega, cortes de casemira de cor escura a
45, bales de arcos a 35, 3J00 e 45, e muitas
outras feeddas por baratissimos pregos, e de todo
se do amostras; cambraia para forro a 25000 a
pega.
LOJA DO BEIJA FLOR
Pia rua do Oucimado n lia.
Tendo recebido um sortimento de none-
cas de choro, que chamam papai e maui.
com cabelleira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento dt
brinquedos para meninos, sendo espadas.
espingarda?, pstelas, tambores : tm*
para meninas: apparelhos de alinoco c !.-
jantar de porcelana e de metal, porta- ico*
efaquinhas a 280 rs. o par ;e nao queteli-
do continuar, vende mais barato do que em
outra qualquer parle.
Vende-se liras bordadas de difirela**
largurasa 1$, e babadns, collas inhos e i>-
nhos para senhora, bordados e abonos d
renda e lisos, os mais modernos que *
podem encontrar.
Vende-se laa para bordar de di veri?;
qualidades e de cures claras a 75 a libiv. es
pelhos de columnas de Jacaranda a ,j;iM..
ditos brancosde diversos tamanhos, filial 1
para estojos de navalhas,
Vende-se pentes de alisar com costas .!<
metal a l, ditos de dilTeren'es quaiioadt-.
lindas gravalinhas para senhora de dilftreu-
tes gostos.
Colherea de metal prfncipr.
Vende-se eolheres de metal principe prs
tirar soupa a 2, Jilas para cli a S|MU,
ditas para soupa a i-5200 a duzia: 1
loja je encontrara sempre um grande va-
riado sortimento de miudezas: ru3 mado n. 6^, loja do beija-lur.
GRAXDE
O propnelano do grande arnuzem do BaliiP,
largo do Livramento n. 38, nao tendo o-inu. .- )a
seguir em lempo a mudanca de sea armaztm, iur
ier de ser modada a coberta dessa casa, tem iota-
do vender o grande e magnifico sortimento de ra-
lbados e seceos que nelle se arbam por todoo p:---
go, sem attender ao grande prejnizo que tert, va-
lo que d'ootra forma nao o peder evitar.
GAZ GAZ'GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
11-5 a lata: nos armazensda raado Im-
perador n.16 e roa do Trapiche Noven, .


Dlatfc 3 33
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
GRADES MWM DE MOLII DOS
DE
DUARTfi
*'aleo ^ Capmo n- ^ armazem Progressivo ra do Quciniado n. 7
jf. Jjj Uaio e Comuiercio ra do Imperador o. 40,
eada Principal armazem de molhados.
O PROPMETARIOS.
Fazem sciente ao respeilavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
gen'ios, livradore.se nnispessoas do centro, que paramis facilitar suas compras deli-
borarara os proprietanos dos tres grandes armazens, reunir todo; os seus estabeleci-
menlos em tira s annuncio, pelo qual o prego de um ser de lodos, promette-
m is que bSo infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os geieros
por um prego, e na oceasio da compra quererem por otitro, como socede constante-
mente e:n oulras militas casas, porm nos nossos estabeleeimentos nao se dar isto
anda raesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serio tara em servidos como viessem pessoalmente fizendo-nos o favor d) mandar seus
pedidos em cartas femadas; para evitar qualquer engaos, remettendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunoianms, o que senao arrepender pessoa i
algama que Gzer s.a despenca em nossos estabelecimontos; pois poupar mais de
'6 por cento na sua despeza diaria.
Maateiga ingleza perfuitamente flor chegada dem com 1 a 3 ditas a 30200.
Diurnamente no vapor Saladim, de 1?> dem vastos de lodosos tamanbos a 20000,
a 10120 a libra e em barril lera abaii- 14500,800 e 6i0 rs.
ment. Queijos d 20300 a 20500 os mais frescos,
i lem francesa muito nova a 15 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 2S0 a garrafa e
jm barril ter abatimento. 20000 a caada.
Baaba de porco refinada a 610 a libra e em dem mais baixo a 209 rs. a garrafa e 10400;
barril ter abatimento. a caada.
Oa uxim de superior qualidade a 2.5600. Azelte doce de Lisboa muito fino a 609 rs.
i ni ponila miudinho a 2(5700 a garrafa e 40600 a caada,
dem hysson especial qualidade de 20300 a Toncinho de Lisboa novo e muito alto a 400
i yiOQ a libra. a libra, e em barril de 5 arrobas a
dem prelo muilo especial a 20000 e .20 400. 105300 a arroba.
a libra. Ceneja lass do fabricante Slilers
tj3^r
AURORA 6RILHAFTE
filA'WIS ARMAZENS j
MOLHADOS!
M Largo da Santal
Cruz n. 84, es-j
g-iuma da ra do]
KSebo.
VINHOS
Largo da Santalgfe
|Cruz n. 84, es-$f.
juina da ra do^v^
sSebo. W v
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
5
presos nunca vistos
1JA W\f% ^CB1^;!
5
rora BrlIhantP ^nt!.!. Ja mn acreditado armazem de molhados denominado Au-
A \enhnm ! rVir* a todos de lase para ajuste de contas aos portadores,
pelowa r^rtimPn^1nen,dera'nJais barat0 e Chores do que a Aurora Brilhante, ja'
ero nuantnVbJanTS! que lem' I raesrao Pr1ue seu dn s deseja tirar diminuto lu-
proveitar o . a,ra.acumular .as despeas do estabelecimento por isso deixe se a-
tantesfreguezes de */ toda a diligencia, afim de servir bem os seuscons-
Laa1S8 lbra dechouricas muifenovas,
,Dmaigsrdapd9S.MWxe em Posiasinteiras,
7LVlde l2 -maldades, a 15000, l280e
excellenle petiscopara fri-
Idem do Rio em latas de 45000 e a 800 a
libra.
is con biscouto de todas as qualidades
a10200.
dem da creditada fabrica de Biato Antonio
,'Lisboi) proprias para da; a docntes a
U e 30 a lata.
Bolaxinha ingleza mu i lo nova a 30500 a bar-
rica e a 240 rs. a libra.
Lr;as com blaxinba de oda e oval a 20.
Presunto inglez para fiambre chegado no
ultimo vapor a 8 JO rs. a libra.
Ghonrifos c paios muito novos a 900 rs.
i libra.
i vis com maearro tdharim muito novo a
0 e 320 a libra
a branca e amarella a 500 a libra.
-. eolito portagoez de especial qualidade a
iJOa libra.
i \ 5u:ssode 8">0a !0X)Oa libra.
.. bes lanhol verdz-deiroa HW);iO a libra
6^503 a duzia eOiO a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Asbe a 65000
a duzia e 560 a garrafa.
dem marca II Victoria Alsope e outras
muitas marcas a 55 a duzia e 500 rs. a
garrafa.
Sabio primeira qualidade a 220 rs. a libra
e 210 em caixa.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabao inglez superior a 180 rs. a libra e
16o rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 75000,
75500 e 8-5 a arroba, e de 240 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maralo 35200 a arroba e 100
rs. a libra.
.;.. vendemos ;i 10100.
de
e de
>. iia 'asea ue goiaba em caixes de
eia linras segara a 10800,
em caixoes pequeos a 700 rs.
para cima a 640.
:. q se :> em bocelas ricamente enfiladas,
conteodo pera, pesjgo, ameixa, rainba.
i' oulras futas a 30000 cada urna.
va ao. calda em latas feixad'as hermtica-
mente muo bem jnfeitadas, contendo,
pera, pespgo, ameixas e outras frutas a
640 e 700 a lata, tambem temos laias
grandes a 10200,
Marmelada dos memores faluacantes, em la-
tas do 25000 a 10200. (
Ideal em latas de 1 l|21ibra\a 10.
! le n em ''atas de 1 libra a 60 rs.
Errilbas em hilas chegadas neste ultimo va-
por a 700 e de 5' para cima a 610 rs.
Fei o verde ou carrapato em latas j pre-
parado a 610 rs.
Ai: iixas em frascos de vidro a 10500.
le n em caixinbas ricamente enfeitadas de
':!O0a 20500.
'.:: uvas Mexide muito novas a 700 rs. o
Irasco.
dem Je ceblas simples a 700 rs.
'.. Io inglez a 640 rs. o frasco com rolba
de vi Iro.
irda em p a 700 rs. o frasco.
lleva j preparada a 323 rs
Latas com maesa de tjmate de I libra a
COOrs.
Id ;m em latas de I \\l libra a 900 rs.
Vi nos era garrafas vindos do Porto, Mndei-
ra Secca, Duque do Porio, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velbo Sccco, Ligrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 10 a garrafa e 90 a 120 a duzia.
dem Palmella a 10 a garrafa e 110003 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
F ,'ueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 25^00 a 30500 a caada,
dem em ancorlas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 210 a
aurrela.
dem braceo expecial quadade proprio para
missa a 56) rs a garrafa e 10 a caada.
I lem mais baixo a 100 rs a garrafa e 30500
a caada.
dem do Porto especial qu-lidade a 800 rs.
a garrafa e 50500 a caada.
Id i B mleaux em caixas a 70 e 700 rs. a
girrafa.
i impanha a meliior do mercado vinda de
.i issa oncomrnenda a 300 o gigo.
i lem mais baixa de 180 a 200 c 10500 e
30 a garrafa.
ires portuguezes e francezes a 10000 e
10500 a garrafa.
isqqiao de Zara, verdadeiroa 10500 a
g trrafa.
dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
e 'ir?, de laranja ver ladeira a H0 a du-
zia e I0o frasco.
dem da India a 20600, 20800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 50500 a cai-
xa, de Simas (Jos Fuado).
4 e dem Lon Irinos a 50, idem.
dem Parasienses a 10500.
dem Delicias a 10500.
dem Traviata do Rio a 55500.
dem varetas de Manoel Peixoto da Silva
Netto a 30500 e [300 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 10300
a meia caixa e 55200 a caixa.'
dem mece lipes a 10700 a meia caixa e
30000 a caixi do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 10800 a meia
caixa e 30400 a caixa.
dem jovens de Caslanho & Filbo a 20100
a caixa.
dem suspiros do mismo a 10)0) a meia
caixa, e outras maitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muilo novas a 15503 o quirto e 55
a caixa de urna arroba bespanbola e 320
a libra.
Vermule bebida para abrir a disposico de
comer 10503 a garrafa e 110000 a
caixa.
Alpisla muilo novo a 30800 arroba e 140
a libra.
Painco a 15033 arroba e 110 a libra.
Peixe em latas j preparado a 10200 a lata
e em porco 10000.
Sardinhas de N'antes a 403 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
.13400.
Ditas cora ostra.
> gideira, a 720
1 Dias com rrvi,has 2?Ta8 ensPadas, a 720 rs.
"Has com favas, a 610 r
E 2 arDeXa,S i5200' 'OO e 30500.
A^bn?a 7i0,?ada d afamad abr"Dle
Jn!ac0ra massade tomate, a 500 rs.
fDlSCe0adeCmadr^ovos-
ffiooT boIachinha de soda muilo
a 1500,
novas, a
Vinho verde superior. <
A caada a 3000 e a garrafa a 400 rs.
Gomma. j
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de sel
engoraraar, a arroba a 3J000 e a libra
120 rs. j
Sabao massa, a libra a 200,240 e 280 rs. |
Farinha.
Saccasgrandes com farinha de Goianna mui-?
to nova, a 50000. *
Car.
Cafdo Rio muito superior, a arroba a 80,c
80500 e 90000. <
Cha. [
Ch.temos oestes generoso melhor possivel.l
hyson, a libra a 20600.
Dito perol a a 35000.
Coeolate Dil uxim a 2^700.
Gaixinhas cnmamo.T,- \r,t,A___- Dito hvson muito fino a 20800.
WimXu^^f&I^V Dito redondo a 25500. tfc
Chocolate superior l?hl5,Hi h Dit0 Pre'ode primeira qualidade a 20500. t
880 a 15000 mu" n0N0' a "bra de D.to mais baixo a 25000 e 15600.
Maearro,talliariara e aletria amarella a libra Em male'
a 400 rs. araareua, a libra Exce||eQte ch medicinal- a ,ibra a 240 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs. Espermaeete.
Jascom. Ii3trlinha, pevide, e outras mas- O masso cora 6 vellas de espermacete a 600,
ni a,(i1,*aixa,4300- 640 e 720 rs.
s-ii -hera a 60 rs- Passas-
Sevadinh'J"Sm o^/S'.-t ^. a Caixas de 16 e 8 libras de passas notas pro-
KSRaaflSfffc! 5rs- prias para rarao\a 45 e 250-
Ditas descascadas, a libra a '?00 rs Nozes.
Tapioca mallo nova, a libra a 980'rs Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
Farinha de ararul verdadeira, a' libra a I AIPisla e Panf-
a0 rs. Alpista e painco, a arroba 40000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas (loas para jogar. a duzia a 20500. Cf
Castanhas.
arro- --/
GREGORIO PEAS DO AMARAL & C
,. f RECEBERAM
Alpacas de quadros enfestadas de copes- escuras, o covado
UO'fsJ
na^m , ALPACAS ESCOCEZAS
do a 500 rUis! 3' COm de Seda' faZeDda enestada de daas largor o na-
MVWUBulWA DE CORES
f ... a 24 !
Mussellmas em cortes com 11 covados de igual fazenda a 20600 I
de algodao escuros a 800 rs. 1 ^^^
HERNANI
cada chale de filo preto (guipure)
SEDAS
'Arar2L Maraiho, em sacco, a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
,Dito da India e Java, a arroba a 30200 e a li-
bra a 100 rs.
[Toucinho de Lisboa a 9*300 a arroba e a 3 0
I rs. a libra.
{Dito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
300 rs.
.Molbos cora 123 ceblas grandes, a I5J8O.
' 7S000a franCeZa' Caixa cora 2 duziasa
Castanhas novas vindas neste vapor,
'Frascos com mostarda preparada em vinagre,
a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas
640 e 800 rs.
[Ditos com sal refinado fino.
e francezas, a
ba 40000 e a libra a 200 rs.
Azeitonas.
Barriscora azeitonas novas a 10300
Manleiga.
Manteiga snperior, a libra a 15280.
Dita mais abaixo a 15200.
Dita menos superior a 15.
Dita franceza nova, a libra a 880
. Dita dita era barris e meios ditos, a
............., a 640 e a 500 rs. | 850 rs.
SSS" a verdadeira genebra de laranja, a i Dita para tempero a 400 rs.
' ..l*9-1 *&* Oneiios.
Ditos de2 garrafas de Ilollanda verdaelra^
640 rs.
Botijas com dita proprla para negocio, a
i 400 rs.
Garrafoes com 2 gal"es com dita, a 65.
(Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65OOO.
libra
Cortes de seda branca com flores miudinhas e do di-ersas cores e *m tilas
para tbeatro, bailes e casamentos com 19 covados, largura de chita franceza.
28*000
Chapeos para senhora
Bonets
Chapeos a gendarme.
Cbepelinas de palha.
Chapelinas de fil.
Chapeos para homem.
SOUTAMB tRQUES
Soutambarques de cambraia verdadeiramente bordados por precos que edmira.
Vestidos feitos.
Vestidos enfeilados com gosto de excellente lacom zuavos, etc a 250000.
Completo sortimento de fazendas para
GKAIDH TOIIiET
Os apreciadores do bello, visitando este estabelecimento, acharao urna importante
e agradavel escollia do que ha de mais primoroso em
MODAS
Os amadores do til, encontrarlo as mais solidas fazendas com cores fixisstmas
para uso ordinario.
Gregorio Paes do Amara! & Companhia.
.80.
' oira e 6d0 o frasco.
Mein de liambur0o a 50500 a frasqueira.
I lem em boligas de lio lauda a 400 e 440
rs. o fr.isco.
G irrafoes com genebra de Hollanda com 24
garrafas a 80, com garrafao.
om 14a 15 garrafas a 60.
Vellas de carnauba a 12 e IOJO00 a arroba
e 360 a 440 rs a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 10800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 20300, 30000
e 4000J
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea-iOrs. a libra.
Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
a libra.
Farinda do MaranMo muito alva e nova a
240 a libra.
Sivadinha de Franga para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muilo nova a 140 a libra e 40000
arroba.
Caixas com .esjrelinha, rodiaha e pevide a
iOO a libra. |
Alhoi em canastras muito novos e mauncas
grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 10000.
Cravo muito novo a f>00.
Cominho idem a 320.
Ervadoce i iem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amen loas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 10203 a resma.
dem lizo a 40000.
dem de pezo a 30000.
dem de embrulbo marca grande a 10200 e
10300.
dem azul para botica a 20000.
Copos lapidados a 50500 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120'e
16J cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 10300 a libra, em porc5oter
abatimento.
'Vinho moscatel de Setnbal, a garrafa 10.
Marrasquinhoverdadeiro,frascos a 80C rs. e
J a 15200.
Champagne, a duzia 200000, e a garrafa a
25000. *
1 Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
' a 15000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
75, 85, 95 e 100 a caixa.
(Ditas cora dito branco, a 75 a caixa.
. Ditas cora dito lagrimas dj Douro verdadeiro,
a 200.
Ditas cora duque do Porto verdadeiro'a
185000.
Ditas com charaisso superior, a 143.
'Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12-3.
a Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
< e 800 rs.
. Dito de Lisboa muito bom, a caada a 30200,
l 35300 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marcas (ft.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
j 40300, e a garrafa a 560 e 640 rs., desle
t que j est engarrafado e lacrado com o
' rotulo do armazem.
LDitosde marcas mais desconhecidas, acana-
) da a 35500 e 45000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
.Vinhobranco fino, agarrafa a 640rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
I 800 rs.
Queijos.
Qneijos novos vindos neste vapor a 20800 e
35000.
Ditos londrinos muito novos, a libra
10000.
Papel.
Papel al mago paulado, a resma a 43800.
Antlga casa de nllherme da Silva Gumaraes.
Dito dito lizo de linho, a resma a. 40300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
25300.
Dito deembrulho.bom a 10 e 10200.
Vinho Matlera.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15500 e 23000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs. _
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada
480 rs.
Amcndoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 104001
e pequeos a 640 rs. (
lijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa. %
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 25000, e |
de latas a 15000. e os boioes a 240 rs. ca-r
da um, e as latas a 100 rs.
Charuto finos. S
Charutos finos dos melhre* fabricantes da j
Bahia por diversos precos, caixas e meiasi
B4CBIN.4SIIEPATENT
de trabalhar mo para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C#
OLDAS
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecinjentos, que deixam de an-
nunciar-se.
N. 11Ra do QueimadoN. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
para
gf
fei
PIE

Saccas grandes com IOO libras de farello superior a
Chegou a este estabelecimento uto grande sortimento de cortinados bordados
camas fazenda de muito goslo.
Chales de guip muilo tinos para 220, 250 e 300.
Colxas de seda superiores de diversas cores para camas de noivas.
. Colxas de la e seda para cama tambem de bonitas cores.
Rotondes de guip enfeilados com o melhor gosto.
Setim de Paris bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureantlque branco e preto, grAjgdenaple prelo e de cores, pannos prelos de todas
as qualidades, ditos azues.
Casemira preta e de cores, merino preto, silistrina, bombazinas, alpacas pretas, e
la preu para lulos. (
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 40 a 110.
Bros de linho de cores finos a 10800 a vara.
Chapeos e chapelinas/le palha de Italia para senhora, manguitos bordado*, ciiapos
de seda para homem, chapeos de sol de seda, esguio de linh?, cambraia de Ijoho, breU-
nhas. silesias (paites outras fazendas que se voadem por coramoJos pregos assira como
tambem
Esteiras da India para forrar salas
GEANDE LIQIDACAO
A ltl\lli:iRO.
Va toja e armazem de Guimares i Ir-
mo, roa da Imper; Inz i. 72.
Os donos deste estabelecimento esto re-
solvios a liquidar suas fazendas por preto
I baratissimo, s com o fina de adquirireo fre-
guezia; e previnem s pessoa?, que nego-
Estas machina c'am com fazendas, que nesta loja e armazem
poderadescarocar encontraro sempre um grande sortimento
r Sodao p,cpc por.menos -por cenid " enB [n
estragar o fio ^^ ?* tanto em PeC' re-
sendo bastante talD0- VeJam :
duaspessoaspara Chilas a 240 rs. rmiit.
o trabaiho; pd Vendem-se chitas preclaras francezas cea
SoSTe 3& 5SaSen'lbraKDC0; escuro cor de canoa epar-
do em earoct da- Pel baral preco de 40 rs. o rotado,
afiancandose que esta fazenda nao est po-
dre, e nem tem o menor defeilo: isto so na
loja e armazem de Guimares & Irrno,
n. 72.
Cambraia branca, graidr rliafil#.
Chegou a este estabf leeimento om gran-
de sortimento de cambraias brancas de to-
das as qualidades pelos precos reduzidos de
30000, 30500, 40. 40500, e moito Hna a
por que pode fazer mover seis"destas machina* 60, vende-se por este preco por ter grande
mencionadas; para o que convida-se aos Srs. porfo ; cambraia orcandy de 240 e 300 r>
agricultores a virera ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 8 ar-
robas de algodao
iimpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarofam 18 arrobas de algodat
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eulns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-

Em casa de Tisse Freres ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho B rdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito d- Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
TaSso irmos
vendem gesso em p para estaque de casas, tijolos
finos de fitlo diversos para ladrilho, azuleijos de
diversos gosios, tijolos vidrados para parede de co-
Saunders Brothers k C.
N. II, praca do Corpo Santo
BECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.______^^^
Attengdo.
Vendem-se pecas de esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 23 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendorar, arreios -par I e 2 cavallos,
velas de spermacete, ludo de superior qualidade,
vindo dos Estados Unidos: no-armazem da roa do
Trapiche n. 8.________ ____________
Goke do gaz.
piten do gaz.
Alcatro do gaz.
Coke tonelladas rs.
Pitch .
Alcatro caada. .
O coke reconhecidamente o carvo mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
alie usado. Pitch e alcatrao.alm das applicac5es
diversas a que se prestara, corao para callafetar
embarcac5es,alcatroar raadeiras,etc.,teem este a
propridade de preservar do cupial, formigas.etc.
E' entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
o covado; dita fiancwa, a mais fina que
tem vindo a este mercado e dos mais ele-
gantes padres, a 400 rs. o covado, bara-
tissimo ; chaly de seda de aparad > gosto a
900 rs. o covado: isto s se rend- na loja
e armazem de Guimares A Irmao. n. 72.
Para a festa de S. Joia I! bailes c ps,tm.
i begaram a este eslabelee menti>, pelo
ultimo vapor francez, ricos curtes de finsi-
ma cambraia com lindissimo chuvisip nno,
que faz um entilo magnifico, e tende-sa
pelo baratissimo prco de 50 o corle, foien-
--------- da que val 100 em otra qualquer parte ;
cortes de la com barra a 00 e 12 : isto s
na loja e armazem de Guimares 4 Irrno,
n. 72. "
100000! n Par* M,,r P * W -' ' I
800000 Bretanha de rolo com 10 varas a 3-5 a pe-
400 ca ; madapolo infest do com 10 varas a
30200,30500 e 40 a peca; ricos bordados
em fina cambraia a 800 rs.; soutembarque
magnficamente enfeitado a 50 e 6,1; lan-
zinha a 300 e 400 rs. o covado; damasco
de 2 larguras a 10280 o covado; chales de
merino estampados a 20; corles do case-
mira a 20500 e 30: baloes americanos,
tanto para senhoras, como para meninas a
30, tendo 30 arcos.
Instruccdes para o servco%* fi ZSST?
das guardas do exercito, extrahidas do re-. que em outra qualquer parte: ito s para
gulamento de infantaria e accommodadas ao : liquidago: na loja e armazem de fazendas
exercito brasileiro; obra que muito convm !de Guimares & Irrno.
aquellas pessoas que se alistara nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Independencia, a 10.
Superior yinbo do Porto.
Na ra do Vigario n. 1*, escriptorio de Domin-
gos Alves Matheus, tem para vender mnito supe-
zinha, canos de barro para esgoto, cemento em rior vinho do Porto em caixas de urna duzia, e ai
barris de 10 arrobas. icoretas de 10 em pipa por prego mdico.
C7-RUA DA1MPEIUTRIZ, N. 7xa
\ovena de IVoaaa ahora di
(armo o de H*nV %maa.
Vende-se na ra do Imperador o. 15, efldoa
de encadernaco : o ofBro, salve e versos, sere-
na e salve de Nossa Senhora do Carmo, tres fo-
Ihetos por 300 rs.. e a novena de Saot'Aou aor
320 rs.
.


Diarlo de Per a ambaro ... sahlmdo i 5 de Julho de 1S85
"
NOVO GERENTE
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
glmento se entregar
Importe do genero que
nao agradar.
ESTABELEOIDO A RA NOVA N. 60
VW& A StDBM 3)3 SIB IDStUOA
AO
RESPEITAT EL I'ISUIO.
A apreciarlo dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido rua Nova n. 60 un magnifico sortimento demolhados,
que sendo eni sua maxim i parte mandados vir directamente do estrangtiro podem ser
vendidos por precos asss tazoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pdVse porm ffianrar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2.] Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por stia posigao social gozara de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manlerga e cha semprc de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido. .
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem vir, [elo sen proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato. .
Para os senhon s que compran para lomar a vender existe um sortimento cial, escolhido por pessoa entendida que cortamente muito deve agr lar aos senhore-
compradores
Nao se tena poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
latas, muito nova, a 80 rs. cada
ATTENQ&O
Os precos da seguiste
tabella para todos, pu-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
A
a libra,
oito libras
para cima a
a libra.
la
a lata, e
2;>000e
ali-
'
ALPISTA a 120 rs.
dem e painco de
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a .
Amendoas, casca molle, a 28u rs.
Avkllas a 40 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todo- os
mandos.
dem idem em potes de lodos os tamanhos.
dem idem em bocelas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azote doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Almos a 200 rs. o molho.
Absyntho a 2$00tf a garrafa.
B
BOLACIHXII.VS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 2i?000
de cuco para cima a i800.
dem de sola era latas grandes a
de cinc) para oima a l$citK).
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
1^200, 15250e 15300.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banha de porco refinada.
c
CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs.
bra, e em porco a GOO e 700 rs.
dem suisso a 1i a libra.
dem de musgo a l->00 a libra.
CuocRiCAs muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 20 e 2G0 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7#000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muilo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Ciiarope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a l?>300a duzia.
Cerveja da superior marca Tenenle a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de ostras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejara : Normas d'llavana, Exposico,
Flor do Brasil, Par siense>, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Kcgalia, Mississipes,
Panctellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros, Americanos, Fluminenses.
Cii de lodas as qualidades e de todos os
presos, hysson, liuxiin, aljfar, preto, e
preto [tonta branca, ele., etc., a 25000,
252 0, 20S6O e 2->800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35500, 45 e 55.
Clices e todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o mago
de cinco macinhos.
I
DOCES de lodas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, inglezes francezes, etc. etc.
i:
ERVILIIAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
F
FARINIIA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de aramia a 350, 400, 500 e 8X) rs.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra,
dem amer cano em latas a 25.
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos as precos.
V
GOMMA a 50 rs. a libra.
dem a I iOrs. a libra, muito a Iva.
Grao de bico a 120 rs. a libra, e em porgo
se faz grande abatimento.
Genebra ce laranja verdideira a ljJOOO o
frasco.
Graixa em
urna.
K
KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a '400 rs. a libra
II
MAN'TEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, 15120 e 15280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por I(5280 a lib a, vende-se em
outra qualquer casa por 1*5400 e 15500.
.Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6CO rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas Unas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
Mimo painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a I#(.00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadiuha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparado.
Palitos para dentes a 120 rs. o mago muito
grande.
Passas em quarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 800 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartinhas ou MORiNQUES a 65, 85 e 10?$ o
par.
R
RAPE' Meuron a 15 a libra.
Idem Princesa do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25500 a libra.
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 29.
Saudinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOS!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; da vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa
Duque a 15 e I#500.
Chamisso a 15, lf?200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 1?$ a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Selubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a 15-
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanlerne a 800 rs. a garrafa.
Bordeanx Medoc a 800 rs. a garrifa.
dem S. Julien a 600, 800 e 14 agarrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e a caixa a 185
Bilter Maurer a 15 a garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; vende-fee por este
prego por haver sempre em deposito 50
duzias.
De caj, de 1852, a 15200 a garilafa.
Velho do Porto, em ancoretas de ) caadas,
a 35?)OOo ; vinho que, estandi > engarra
fado, vende-se a 1#280 e 155001a garrafa.
RA DA CADEIA DO RECFE N. 53
(Logo passando o areo da ConceIc3o)
PARA BEM DE TODOS.
Senhorea t-rhoras, o aceio qne presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptid5o e intei-
rezacom que serSo trattdft9Aivida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me dar3o a proteccao e preferencia na com-
pra dos gneros que precisare.il e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praliecs,
pOisserSo t5o bem servidos como se viessem pessoajmente, havendo para com estes toda recommendaca"(i, afim de que no vo eir!
tra p?ite.
GRANDE
AMMZEM-MtiLIMIOS
l'harol do cominera >
fina do Bangel u. 73.
O proprietario itrlt iriUhalorlaMiit r m a ;-
ra de avisar aos seus hvguez. s qu fci urna gran-
de redurro dos prtcosde mu gei i r. pri..-
ra qualidade : manttiga ingleza l| t !55POr' a
Mirada ullima chepada ao m--~ ju
I'.wezaa900 rs. c em barril el. jal;/ i:
.|;eijos flamengos novos a 25-'!00, di
> pode tarjar en> beedade a M4) i< a i tr.
i'ixas fruteras raixiiihas
; '
M'nteiga ingleza especialmente esedhida a
l,ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 06o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,000
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Ghourifas c paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. s libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
1-
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a
bra* 6,000a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha .branca ou amarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
VinhONdo Porto muito fino proprio
engarrafar, cui duoui ca
35,000 rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o; 4oo e 5oo rs. a gamfa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missaem caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Bainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca.Malvazia fina a 16,000,15,ooo,
12,boo e 10,000 a caixa com I duzia e 9oo,
l.ooo c l,5oors. a garrafa.
Vinno,Cherexde superior qualidade al 6,000
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
latas de diversas
Sal refinado em frascos devidrocom lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
de 9"odiiddas a Cevadinha de Franca muilo uuva, a 20o rs
Charutos do affamado fabricante Jos Furia-
para
ao mercado a 64o rs. a libra. ; Bolachinhas de soda em
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas' qualidades a I,3oors.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartes com bolo francez muilo proprios pa-
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata. ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs. Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez*hespanhol e suisso a 9oo, Figos l.ooo e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Espermacele superior a 600 e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-1
eradas e das melhores qualidades depei- bras por2,5oors.
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. .Ameixas francez is em Tafeo de vidro com
Vinho Rordeaux das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a 155oo.
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposico Normal de H.ivana, Impeiiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,000, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, inlervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,000,2,000 e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melliores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,oco a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Malte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muito novo a 32o rs.f"a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemenletem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com finetas em oce secco de di-
versos tamachos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,000 cada urna.
Ruihos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
laSOtt, frascos de dila* J4t'0,prar.- : $ ;t-\\tm
i*r mimos, BMBelada das n.l < 0 rs. a libra. lOifMoat nii ,. ru.,
de 8. Joao a 640 rs., vinho a carrafa, Figuira e Li-boa 4('<>.4to < ."O: :-., e
ffn ranada fe hi o abaiin.rnfr. ,i . ,stss
rom 2 arrobas por3fSbOe a libra Mr. MML
caf ! sorlc 7f800 e 7&W e a bbra a c.\0 ?fS
bolachinha ingiera *0 r?. ? ; bra, i
i.i.-boa a .'((O is. a libia, vetea d^ ran -1,1 a a 4t
rs., dilaseMaiiD.-..- lina.- a 60 t>.. 11 gnex a 600 i, aloisia a 3|5COa arria i HtOi
a libra, pataco a h& a dlla 140 r- t.xt ^^ g-
noaSiM), S,57(,0 e 8|, fi,, i,- ,,. .-.
040 a lala, prmma a iOO rs. a lil ra i .-'' fl r-
roba, bolliuboa tagleirs latt de I libra:
ditos de sida praudes 30OO e Mri -
rosque se torna enfadonlio m.nci.j.ir. t-i re
tario espera a roBcarreana (o r. . :-'
paraniindo a exaciiilao do que Irattr.
AGUA
ARf^


das que vem ao nosso mercado a 7,oooe Ameixas franc zas em caixinhas de diversos Azeitonas de Bivasem ancoretas grandesde
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada urna.
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Ilollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
FrasrjnpirnsdA (?>nobra du Ilollanda a f,8oo i rs. a parrofa p in-nao a Cil.xa. -
e 64o rs. o frasco. Batataft'muuo novasa 8o rs.^ libra e2,3oo
Genebra de laranja verdadeira em frascos' o gig'o com 36 libra-.
grandes a l,oooe il,ooors.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali- 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. JNozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranhio de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. I a 8oo rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,ooo a Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta- 1$ a garrafae U.ooo a duzia.
Iho. Palitos de dente a 14o rs. o maco.
8 garrafas por 6oo e 8oors. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorla.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercadn. a ?,oori $ 3,?>oo-a garr/, e
24,000 e 26,000 o gigo.
Gomma de engommar muito alva a I2o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa saja, grandes e peque-
os, por diversos presos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafarlo a 5oo rs. a
garrafa.
MURRAY & LANFiAN
A agua florida de Mnriay A f anuir.,
olhada cerno um artigo ,}, ftrhmt, rta
tem podido ser igualada pebs \n\ ra^a
as mais endosas: consena scu arca
mo se formasse ['arte da pnnda a jarda
se applica.
Sua elicacia tiio delicada, ttwa ..an-
tes s3o seus BoitiplicadM ..-' qer rr;a
empregada eoao artiga t> tascador,
no uso do baiihc, mi irmo mi.-i'.-. '. i
pelle, depois que ra tata Ml tala;
j |iara limpar as gngi\as 00 Mea afsu i
hlito.
D suavidade, brilho e atastrtaii a?
compleicoes, eei ois de se kaacrknaa: aV
tifia a irritarao o'e i(ipiiies<.i.i ra. *7
desapprecer o ueragrada\e! 1 ;
pannos, das sardas, do rosto, n Jaa
casta de tbulicoes, e d \igor t fri -a.r j
parte onde quer que se appfqae. Sua eft-
ciericia e elegancia sao igt alni-r:te afUkV
veis nos casos em que saja paariaa api 'ra-
la como estimulante e antisptico, asa <-or-
cuisos e asseniblas nonierosas, na.- rca-
lidades infeccionadas, aaakova : :;
fermo, assim como ummtid.ti a lta-
le para os desmaics rausailos | or cans-rn
ou sufiocarao. Preparada un. ai:i. 1 I M
Lunmaa & Komp, Nova York, r a Mal p, r
Caors Barbosa.
Joo da f. Bravo fe C.
Vende se no Becife em a a de Om A
Barbo/a e Joao da C. Bravo C.
Vendem se saceos com f-rinlia 1a itrra tu-
to boa, rom 22 enia?, a 3,"00 esda ama, e ama
srrra aparilhada de serrar madeira. em p^
estado, muito barata : na taberna I roa do lm-
perador n. 83.
bsgbaos mn
RIVAL
SEM NECartxlTIiO
Rna do Quciinado ns. 49 e .
tonllna a veader lodas as miudezas que abaixo
declara por precos admiraveis.
Massos de palitos lijados para denles a 100 rs
Espelhos de molduras douradas a 200,2i0 e 320 rs
Bonets de oliado para meninos a 1,8000.
Ditos de eouro superior fazenda a 1,8500.
Frascos com superior tinta rocha a 210 rs.
Meiadas de linha froxa para bordado a 20 e 60 rs.
Babado o Porto, fazenda boa, vara a 80, 100 e
110 rs.
Varas de franja branca estreita a 40 rs.
Caixas com 100 envelopes, fazenda fina a 600 rs.
Grozas de pennas de ac, fazenda superior aoOOrs.
Duzias de meias cruas encorpadas para horaem a
35000.
Grozas de botoes madreperola finos a 500 e
e 640 rs.
Caixas com 50 novellos de 4linba do gaz a 700 e
900 rs.
Caixas com superiores obreiasde cola a 40 e 80 rs.
Pecas de fila branca elstica com 9 varas a 280 rs.
Varas de franja de la para enfeltes de vestidos a
40 rs.
Baralhos dourados superiores qualidades a 400 rs.
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Li*ros para assentos.de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botSes para punho, fazenda rica a 120 rs.
Tesouras para costuras superiores qualidades a
400 e. 1.
Caixas de pennas de calligraphia, fazenda boa a
liOOO.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranga e tapete a 1,5500.
Pares de sapatos de tranca para meninos a e
1,6280.
Caixas com superiores agulhas a 240 rs.
Libras de liia sortidas de bonitas cores a 75000.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
Rjdinhas com alfinetes francezes muito superieres
a 20 rs.
Resmas de papel almaco a 25400 e 25800 rs.
Kesmas de papel de peso fino a 25000.
Escovas para roupa, fazenda boa a 720 e 15.
Duzias de tesouras com toque de ferrueem a
600 rs. B
Duzias de facas e garios de cabo preto a 35000.
Talheres muito fino para mangas a 240 rs.
Vinho do Porto especial.
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
eas novas e especiaes em caixinhas de 12 garra-
fas, sendo marca Rainha de Portugal a 185 a cai-
xa e Pedro V a 165,em porcao far-se-ha um aba-
te razoavel : no armazem de Ferreira & Matheus,
na ra da Cadeia do Recife n. 66._________
Maceas de farinha a 4ftOO
com 22 cuias de farinha da trra, e nao querendo
a sacra, a 45 : na ra do Imperador d. 26 defron-
te da casa das audiencias.
Aieite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no grande armazem
da Liga. *

Saceos de 80,100 e 120libras a 4&4)JoOO e 55 ; no grande armazem da Liga.
T
!
*-/M -y Madapolao muito fino com pequea toque de avaria, por prego que admira :
{aBr*' columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Corren de Vasconcellos fe C.

Graod
na loja Sgj
c*r<
65 e
rmento de roupas feilas de to-
, das asqualidades,
asi casemira a 65 e 75500, ditas pretas a
5, calcas de ganga a 25 ,15800 e 15600,
ditas brancas a 25, brim de linho a 35, 35500 e
45, paletots do alpaca branca a 45500, ditos pretos
a 35 e 35800, ditos de alpaca de cordo a 45. e
de listra de seda a 45500, ditos sobrecasacos a 55,
paletots de casemira a 55, 55500, 65, 85 e 95,
ditos sobrecasacos pretos a 125, lo e 165, ditos fi-
nos a 255, de cores a 135, ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25300 e 25, ditos de brim
pardo a 35, jaquetes de brim pardo a 35, panno
preto fino a 25. 25600, 35500 5, 45500 5 e 65 o
covado.moreantique preto a 25600 o covado, pros-
denaple preto a 15500,15800, 25, 25200 e 25500
o covado ; e outras muitas mais fazenda? que se
deixa de annnnciar, e manda-se levar pelos caixei-,
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimento est abeno at as 9 horas da noite,
ra da Imperalriz n. 56, tiendes Gulmares.
(Jhegaram os superiores
cortes de seda
Superiores cortes de seda de cor, viudos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
cellos & C
Farinha de mandioca fina e alva, mais bara-
ta do que em qoalquer parte, arroz da Ierra pila-
do e em conta : para ver e tratar, Da na do Vi-
gario, casa n. 29.
V^"' \J': S uy'-S ^.*:_.- ^'..^ >.#*-
Fnpio em prinelpios do mez ti i mmto it
crreme anno e consta estar a n i .a.
o moleque L'uzebio, escravo da rio\r, r> Dr Ftr-
nnndo Aflonsude Mello, de 12 mbm .le iuafc k*-
co mais ou menos, cor preta, secro t'u cor|.o, Sm
regulares e afumarados, rabera um i !.,-. i.tj
e meia chata, beico tinos, denle- I..n- a!o. pi
seceos e muito ladino : roya-se por tamo a redi* m
auiondailes polieiaes e capitae.- de ran.pu ae o a-
prehendam e levem-o a rna da Mang! pira -obra*
o. 6 que sern gratificados, protestndole ufarte
melos judieiaes contra ijualquer pessoa qne o tk>
em seu poder.
Francisco Jos Germano
RIJA SOV.4 X. M,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
de omlos,. lmelos, binculos, do ultimo e mais
anurado gosto da Europa.
folas preciosas c objectos de
o uro.
Mauricio Selbeberg & C, Polacos, ltimamente
chegados a esta provincia, c fferecem ao respeitavel
publico um grande sortimento de joia?, brilhantes,
relogios e muitos ohjpctos de ouro, por prego o
mais razoavel possivel, e mesmo troca e compra
objectos de ouro, prata e diamantes por objectos
novo?: na ra do Qucimado n. 29, entrada pelo
largo de Pedro It n. 27, de manhaa at as 9 horas,
e a tarde das 4 hora? em diante. Os objectos ven
dido* pelos aonuncianles sao garantidos por e'les,
e estao promptos para levar objectos s casas das
pessoas que de=ejarem comprar, urna vez que nao
possam vir a sea estabeleciinento.
Au.-enju-se no da 2 do rorrele a- n.eio oa,
os casa da Tua do Irr.peradur d. 16. o preto Liaw-
do, crioulo, cheio do corpo, aliara r gnlar. roto
comprido, tlhos pequeos e uojica barba, u-a snii-
sa e bigode, bastante Miio, representa ter 25
annos, pouco mais ou menos, e jnlga-se ter !e? caiga preta e camisa branca ; ste e-, ravo foi c -
prado ao Sr. coronel Galvo. du LinK^iro, para o-
de se julga lenha fgido, mas lia quero o leta*
#isto na Passagem da Magdalena, Remedios e Var-
zea ; e como se desconfia que este ja ac. uta*.,
erotesta-se proceder contra qunn o liver acihidi.
e pede-se a quem delle der noticia od o agarrar.
que dirija-se a sobredila casa, oo a ra do Cresfu
n. 13, que ser recompensado.
Fugio no dia 29 de junho rroiimo pssado
do lugar de Gamella de Barra Gramle rr "nou
de Alagoas, o mualo Amanrio, de Mrtl itan
mais ou n.tnos de 20 anuos, com o sigoars --
quintes : e-tatora regular, cara chala e b.x.gjsa,
com os dentes um sob os outro-, sem bavfea, vi.
ehato, coro manas de feridas as urna-, cim nn
lalho em cima do dedo pollegar da n.ao ilireiu.
is chatos e os dedos arrebilados, levan io jaqu^-
ta de panno preto, calca branca e chap 4* t.i!a
de Ouriooci, julga-se ler alstalo em a guns .'-,i?^
corpos de voluntarios: rogase porunt) as anlo-
ndados polieiaes e aos capitaes de rampo de o
pegar e leva lo a sen senhor M.imx-1 ftntm de
Queiroz Coullnho. no lugar cima i.i
seo correspondente nesta prag o Sr. Ant.mi:, de
M; Temporal, com escritorio n ra da Cruz *-
30.^ine gcnero.-amonls sera' nrom:r,.-ado.
Fugio em principio de junho nlliroo, t sof-
poese vagueia pela cidade do Recife e seus subur-
bios, o moleque Manoel, crinulo, qoe repres.nla
ter a idade de 16 annos, tendo o saliecle ignal d#
urna cicatriz no dedo pollegar da roo direita, pro-
veniente de um panaririo kvoo ralea n ra,m
de alpodaozinho grossi : qu*-m o ai>prehod>r
entrega lo no le an-lar do sobrado d. 17, na praca
do Corpo Santo, ou no sitio do Sr. Dr. Angnsm V
de Oliveira, na Ponte de l'rha, sera recumMa-
sado.
Ha um mtz que fugioT escrava pro a Vara
com os signaes sfguintes : preta, naixa, talla o>
denles na frente, muilo regrista, anda mnito sa-
cudida e tem um signal em rima d* um h.ibro,
encarnado, levou quasi toda a sua roana renslaa-
do de vestidos de chita, camisas de algodoiiafeo,
e lencoes, urna coherta pequea d<> rt.i, jniga se
estar aroutada aqui no Recife, o abajan asignado
protesta c ntra quem a ti ver acontado on sHoxfefa
para esta fuga, assim como rga as autoridades
polieiaes e capitaes de campo a raptara de dita ea-
crava e lvala a ra Nova de Santa Rita n. 55,
segundo andar ou a ra da Praia n. 7, armazea
que serio generosamente recompensados.
Antonio da Silva Ramos.



Diarlo de Prrnambiir Sahbado 15 de Milito de i5.
tu&SLl
IH POLCO I)E TOO.
pados em volta de si 06 horaens amantes do paiz e
das instituices: ministerio, que nao s deseja que
isto se verifique com todas as fraccSes que se des-
prendern) da unio liberal, mas que ha de accei-
lar com o maior gosto o concurso de todos os mem-
bros das duas cmaras que quizerem reunir-se em
COINCIDENCIA NOTAVKL.
A crvela encouracada Brasil, que tlnha sido a' volta d'esla bandeira; o ministerio Do tera um
pi 3o do ministro do Parguay em Franja deti-' pensamento de exclusivismo,
da 1:0 porto deToulon, foi afionl desembarcada^ 0 governo, senhores, j fez o seu programma. O
Miados da diplomacia brasilea ; e parti de Tou- govcrno e,l3 resolvjdo> na pogc-0 em que eg|> >
ion no da 11 de junho do Mita anno, marcan dar so|ucSo a lodas M quesl5e;) como as
do esse da um triumpho da diplomacia brasilera mou n-oulroi |,ancos_
sobre a diplomacia paraguaya.
No mesmo dia II dava-se no rio Paran as
Tres qoeatoeg graves lia que resolver na poltica
iuterua. A questao da imprensa sufflciente.-O
barnncas de Riachuelo um reunido combate em gVerno declara que relira do corpo legislativo os
que a nossa esquadra desbarat >u completamente a projectos de lei apresenUdos pelo gabinete ante-
eaquadra paraguaya. I rior, o governo julga que a actual le sobre a im-
Ro dia 12 do crreme mez cnegou a este porto! prensa sufflciente para salisfaicr a lodas as ne-
do Heoife a crvela Brasil, e no mesmo da che- cessidades, acompanhada do estabelecimento do ju-
gou lambem a noticia do combate de 11 de ju- j ry. que .leve ser o tribunal da imprensa. O gover-
n'10 !' I "> e^a resolvido a proceder assim ; os dolidos
Com DOOS auspicios chega a Brasil ao Brasil, a communs, em cujo numero se acham os que forem
quem vem offerecer mais urna garanta, e mais commeitidos contra as bases fuudamentaes da so-
um meio de destruir os seus iuimigos.
Simboliza a crvela o Brasil vencejo o Para
na;..
E o terapo assim conOmar !
ciedade hespanhola, podem ser, c bao de ser jal-
eados pelos tribunaes ordinarios; quanto aos de-
lictos especiaes da imprensa, julga o governo que
o jury basta para os reprimir, assim como para
manter a liberdade dos escriplores.
A lei eleitoral. A actual lei, senhores, nao na
oplniao do que lera a honra de dirigir a paiavra ao
congresse, mas na opioio de todos, est por des-
grana compleamente desacreditada; esle um as-
sumpto da conveniencia de todos os partidos; o go-
verno assim o julga, e desojando abrir lula legal a
lodos os partidos, para que vennam a pii diepimr
nnd inteira liberdade o iriumpno das suas doulri-
nas, e que aquelles que alcanzaran) a maioria dos
Sobra o Evaogelho de S. Joab cap. XXI v. IV-
Eu ros disse antecipadamenie estas couzas, para
que. quando ellas acontecerem, ves lembreis de
iue Cu vo-lo disse :.e sejais assim consolados nos
vossos irabalhos escreve o Cruzeiro do Brasil o
seguate :
Em lodosos Evangelhos, que medeam da resur-
reicao de Nosso Senlior JeaJs Chrito at sua glo-,
. ,,, sullragios do paiz, sejam os que venliam a repre-
u.-. asceusao, enervamos quanta era a ua pa- ~ " r.
, ^ >eula lo, ha de immedialamente apreseotar s cor-
tcni.il sollicitude para com a sua nascente igreja .'i, >*
les um projecto de le no qual se adopte o princi-
bservamos alo onde o Divino Salvador levava! Pj0 das grandes conscripcoes eleitoraes, verificau-
seas cuidados, am de que a obra da redempeo jdo-se a eleico por provincias e bailando o censo
do genero humano, do que se linba Elle misericor-. a metade.
diosamente encarregado, erramando o seu pre- Al1] disso> n.esIe projecto de |e rara 0
losissimosaogue.e morreado em urna cruz, nao verno reur ludo Uanl0 ju|gar necessar.o para
aproveilasse s a um pequeo numero de liis.
I evitar os abusos do poder, e para chegar a conse-
Assim, estando Elle ja a subir aos cus, ordena gur qe as eleieoes sejam verdaderamente livre,
a seus apostlos, que se dispersan por todo o muu- nue todos oseleilores possam emillir os seus votos.
oo pregando o Evangelho a todas as creaturas";
que bap isassem em cune do Padre, do Pilho e do
Espirito Santo aquelles que acrediassem nerta
boa nova que Ihes annunciavam, e que estes se-
riara salvos, as-im como seriam condemnados
aqueles que nao acreJiiassem.
O Divino Salvador, porm na sua divina pres-
ciencia, v perfeilaraenle esse lerrivel e deplora-
ve! futuro de lucias, ignominias, tormentos e mor-
ios com que o mundo, inspirado pelo iuferno, se
prepara para oppor-se aos propagadores dessa rt-
ligio santa, que Elle fundara sobre o Golgolha, e
Ibes declara, que elle sao enviados como o cordei-
ro entre os lobos.
Ei:e prev, como esse ingrato mundo se exlor-
sem experimentar coaceo de maior especie.
Desamonisacjio ecclesiastica. O governo julga
que ainda exislem no paiz grandes meios para le-
var ao cabo todas as obras publicas, e os demais
desenvolvimenlos de que o paiz carece.
E>Ias medidas consistem na desamorti-acao ec-
clesiastica. O governo est resolvido a activar em
a maior energa esta desamortisariii, afim de que
techa prompto elTeito o pacto enlre ambos os pode-
res civil e ecclesiastico.
Na questao extern .., o governo procurar con-
servar as boas relacoes que hoje exislem entre a
Hespanha e as demais nacoes do mundo com quem
as tern.fazendosempre em todas as occasioes quan-
to estiver da sua parle para manter a dignidade e
cara para completamente .zc-r desapparecer de a independencia da naco.
seasoloso divino esiaiwarte de paz e caridade Ha porm, senhores, urna questao grave, que
eleva Jo sobre a moutanlia sagrada, mergulhando-o a qai^0 da Italia; e o governo julga quechegou
uopiLfondo lago de saogue, que sua malvadeza e 0 momelo de adoptar DQ) partido a respeito. O
perversidad^ ia formar fem o sangue dos iuuurae- goveruo eutende que sem seatacarem osinteresses
raveis martyres, que confessissem o seo santo o calbolkisroo, se poden tomar urna resoluCo
0 Enlo.ra os consola, como que estas cousas ja considerada como naco europea e regida cousiitu-
!ivess3m acoulecido, assegurando-lhes, que seu eionalmonte.
PorOm, no que toca a interessaule questao de
ordem publica, j v o congresso que o ministerio
subi ao poder em circumslancias graves e diffl-
pe1Sjverassem cala vez ma,s constanies na f, e cei5. e$le n;io Qiz ,|ue fa||ando ao congresso.
iiiDis na esperanza de suas promessas.
Eterno Pai ja tinlia collocado no seu reino, doze
assen.os a eiles destinados; que nao se escandali-
sassi m com estas persegu.;." s e marlyrios, antes
Qad eslava a chegar o erajop em cue elles se-
riam expulsos das Synagoiras, era que o mundo,
o senhores depulados devein t-lo ouvido da boc-
ea dos senhores ministros que oceupavam estas ca-
fleiras; e a:e.n ais.-u, mmuu se cousigaoa nos
Da soa voluntaria eegueira, julgaria ter felto um prembulos dos projectos de lei, recentemente apre-
agradavel servigo a Dos, quando Ihes tirasse a vi- untados pelo gabinete anterior.
da, e enlao Ihes acorescenla o que lemos no pre- ToJavia, o governo assegura ao congresso dos
senle Evangelho : senhores deputados, que nao receia pela ordem pu-
Eu vos digo antecipadamenle eslas cousas, para Dl'ua> que julga ter os meios para a sustentar, e
i;ue vo-las disse, e sejais consolados nos vossos culro mei seno a lel-
irabalhos. ------n n m -
Assim, pois, instituidos os Sacramentos e previ-: Um joma| JDg|ez W|ea Q com q ^
nidos os apostlos, nao s quanto aos soflrimentos ,0 d( fA prtofa nQs dncados,_Coiflftt|a ncow.
com t[ue os esperava o manao, como da descida do ^fl .
Espirito Santo sobre elles, e da sua perenne assis-
enca sua igreja al a consemmacao dos secu-: niunai) na de conhecer um dia que a Prus-
o.-. Elle os abencooue a sa vista subi aos'sia > era t0,,a a Parle. protectora do direilo. (Pa-
C(iui# lavras proferidas pelo rei Frederico Guilherme
Foi ludo realisado como a Divino Salvador tinha IV.)
predio ; e ja podemos dizer que essa arvore mys- 1 aclo.Chrisliano IX o nico soberano legi-
leriosa, plantada entre os espinhos da perseguiciio timo dos ducados.i
a mas violtnta e atroz, terr. crescido at ao cu, (Discurso de Mr. de Bismark na cmara dos de-
e eslendido seus ramos a abrogar todo o mundo putados, em 12 de dezembro de 1863.)
Nos, pois, que somos os bracos dessa arvore 2. acto.tChristiano IX nunca teve flireito aos
mystenosa, devemos saber qae. soffrendo o tron '''''-"OS.
co, uecessariamente como sens membros partilha-1 (loeclarafao dos plenipotenciarios prussianos na
remos dos seus soUrimenlos, e que nao por certo conferencia de Londres, era 12 de maio de I8GI.
nossa heranca urna vida doce, indolente e molle ; Despacho do Mr. de Bismark de 15 de maio.)
umi abundancia e urna nunca interrumpida tran-1 3" acto. O principe hereditario d'Augnstera-
quiclade neste mando; mas sim as humilia- burgo o principe que rene mais direitos a sac-
coos do nosso chefe, que bem claramente nos tem cesso dos ducados
dito : > que nao o podemos seguir sem conduzir
cada um de nos a nossa cruz. *
E a nossa cruz consiste nos soffrimentos, oppro-
bros, injustlcas, perseguicoes, calumnias e toda ij vez maLS direitos....i
so: ! provas com que o Senhor nos queira visi-
tar, ini para apurar, ou para experimentar a nos-
sa constancia no seu amor, e tornar-nos dignos da
sua rica hei anca no reino de seu Eterno Pai, que
ja s ama, desde que temos amado a sea unige
nito, observando os -eus preceitos.
(Declarago do plenipotenciario prassiano, em
28 de maio de 1864.)
4o acto. O gr-duque de Oldemburgo tem tal-
Qual raanhaa no sea alvor,
Qual a luz do pyrilampo
Nessas noites de negror.
Tem tal magia o leu nomo
Tal magia, tal coodo
Que todos querem trazer-te
Bem firme no coracao :
E's a flor mais invejala,
E's a flor da adorado.
E's gentil oh meiga filha!
E's gentil, mas s bem ra:i.
Porque nao volves o resto
Aos que te querem por c?
Diz-me, diz-me, meiga filha,
Que flores de prendem l ?
Do mnndo as loucas vaidades
Me rouboram meus amores,
Hoje s tenho venturas
No meio de agrestes flores,
A eslas dou meus sorrisos,
Aquellas os meus temores.
Assim nao ba neste mundo
Quem le diga : meu amor I
Quem s'embebanos leus risas.'
Quem soavise o teu temor ?
Diz-me, filha dos meus sonhos?
Pode ser meu trovador.
**^&--=
(Despacho circular de jumo de 1864.)
5o acto.aO rei Chrlstiano teoi'senao direitos de
soberana, pelo menos direitos de posse.
(Despachos da Austria de novembro e dezembro
de 1864.)
6o acto.tA propria Austria talvez tenha direi-
Os apostlo, os discpulose todos os membros da: ,os aos ducados, direitos fundados em ttulos adqui-
nascente igreja, confiados na promessa de que em ridos por espac0 de dezeseis seculos.
poucos das receberiam o Espirito Santo : espirito
de consolacao, espirito de verdade, espirito de for-
(Despacbo de 13 de dezembro de 1864.)
7 acto.tNa questao dos ducados, todo se man-
ca, que com a ellusao de st as dons sobre elles, fa- ter em compila obscuridade, emqnanlo os syndi-
Tla conhecer o mundo, a v tica, elles se conservaran reunidos em oracSes,, 0 govern0 na0 se pronaQCjar emqnanto nao ouvir
vigilias e penitencias para dignamente receberem 0 parecer aesses svndicos.
esse Divino Espirilo.
A igreja, nossa terna e carinhosa mi, se prepa-
ra para a celebrac.io annual dessa comraemorativa
solemnidadc j nao nos devemos tambera preparar
para, a cplebrarmos com o maior provetto esperi-
tual para nossa alma ?
Desapeguemos, pois, nossos coraeoes destes bens
terrenos e caducos, Diiriflcando-os as aguas da
penitencia, alimentando nos com o pao dos anjos,
afitn de que o nosso goso seja puro pela participa-
cao dos dons desse Divino Espirito.
(merecernos aos leitores o programma do pensa-
mento poltico do novo mnisterio, apresentad em
ambas as cmaras pelo duque de Tetoan.
Chamado pela vonlade de sna m^gestade a oceu-
par este cargo, o primeiro dever do governo apre-
sentar-se peanle a representado nacional, eexpr
o ;i'u programma poltico. A primeira coasa que
o governo faz, senhores, desenrolar a sua ban-
deira; o ministerio a uiio liberal; mas minis-
terio conciliador, ministerio qae deseja ver agru-
(Discurso do rei as cmaras, em Janeiro de
1865.)
8*acto.-tA Prussia tem direitos de soberana
nos ducados.
(Declaraso de plenipotenciario prnssiano, na
sesso da dieta, de 6 de abril de 1865.)
9* actoChrisliano IX era, antes da paz de
Vienna o nico soberano legitimo dos dacados.
Mas i Prussia e a Austria conquistaran) hoje esses
direitos.
Esta cansoneta do Sr. Senna Jnior :
AMIZADK.
Amisade doce nome
Flor slneera d'afleicao,
A' tea nome tremem labios
Tremem phrases de paixo;
Treme tudo que respira,
Treme o proprio corae,o.
O ten vico tao brilhante,
To brilhante a toa cor,
Como a luz de um diamante,
A amnista dada pelo presidente Jonston nao foi
to ampia, como seria para desojar ; todava as ul-
timas noticias dao a entender que indultos sero
publicados e que a poltica da tolerancia od da de-
iiieuUa i.uui'ia diiUoiioieuie a aomiuar. a proel a-
macSo da amnista a segunte :
Por quanto, o presidente dos Estados-Unidos,
com o intuilo de por termo a rebellio que enlao
exista, de induzir acedos a voltarem a ser leaes, e
de restabelecer a autoridade dos Estados-Unidos,
em 8 de dezembro do anno de N. S. de 1863, e em
26 de marco do anno N. S. de 1863 publicoa pro-
clamacoes em queofferecia amnista e perdo a cer-
tas pessoas que directamente ou por implicado ha-
vara tomada parte naquella rebellio, e
Por quanto, muitos dos que tomaram parte na
dita rebellio deixaram de acolher-se a amnista
offerecida naquelias proclamares, e
Por quanto, muitas pessoas juntamente privadas
de qualquer titulo a amnista e ao perdo offereci-
dos pelas mesmas, em consequencia da sua partici-
pado directa ou por implieago na dita rebelli;n,
e que depois de publicadas aquellas proclamares
seguirara em attitude hostil a respeito do governo
dos Estados-Unidos, desejam agora ser amnistiadas
e perdoadas.
Com o lini pois, de restabelecer a autoridade do
governo dos Estados-Unidos, a paz, a ordem e li-
berdade, eu, Andrew Jonhson, presidente dos Esta-
dos-Unidos, proclamo e declaro que peU presente
concedo a todas as pessoas que directa ou indirec-
tamente lenham tomado parte Da citada rebellio,
salvo as que mais adiante se exceptuaro, amnista
e perdo e Ihes devolvo todos os seus direitos de
propriedade, menos no relativo a escravos, e salvo
tarabem naquelles casos a respeito dos quaes se te-
nham executado as leis dos Estados-Unidos relati-
vas conliscac.o de bens de pessoas comprometti-
das na rebellio, mas sob a-condicio, nao obstante,
de que cada urna dessas pessoas prestara e assig-
nar ura juramento, de que nao violar nunca,
cujo juramento, que se registrar e archivara, ser
do theor seguinle :
Eu...... solemnemente juro ou afBimo ante o
Todo Poderoso, que d'ora era diante susteniarei a
defenderei fielmente a constituicao dos Estados-
Unidos e a unio dos Estados sob a mesma, e que
de igual modo observarci e sustentare! fielmente
odas as leis e decretos que tenuam sid publica.
dos, relativamente a emancpac.o dos.pretos, du-
rante a rebellio. Se assim o faco, Dos me
ajude.
As seguintes classes de pessoas fieam excluidas
dos beneficios desta proclamaco :
Primeira Todos os que sejam outenham sido
empregados civls. ou diplomticos, ou agentes no
interior ou no exterior do governo confederado.
Segunda.Todos os que abandonaran empre-
gos judiciaes dos Estados-Unidos para auxiliar a
rebellio.
Terceira.Todos os qoe tenhara sido fflmes do
exercito de mar ou trra do referido governo re-
belde confederado, com o grao superior ao de co-
ronel no exercito e de lenle na manntt.
Qoarta.Todos os que pertencendo ao congresso
dos Estados-Unidos, se retiraram delle para auxi-
liar a rebellio.
Quinta. Todos os que deram demissao dos eus
empregos no exercito ou na marinha dos Esta-
dos-Unidos para illudirem o dever de eombaler a
rebellio.
Sexta.Todos os que de algum modo tenham
contribuido a tratar indevidamente a pessoas que
fossem feitas prisioneiras de guerra, estando ao ser-
vico dos Estados Unidos na qualidade de offleiaes,
soldados, marinheiros on de qualquer outro modo.
Stima.Todas as pessoas que tenhara estado
ou estejam ausentes dos Estados-Unidos eom o fim
de auxiliarem a rebellio.
Oitava.Todos os offleiaes de mar e torra, edu-
cados pelo governo na academia militar de W-
Point, ou na academia naval dos Estados-Un idos e
que lenham servjdo a cansa dos rebelde!.
Nona.Todos os que tiverem exercio os car-
gos de governadores nos estados insurgidos contra
os Estados-Unidos.
Decima.Todas as pessoas que com o objecto
de ajudar a rebellio deixaram os seus lares den-
tro da jurisdiego e sob a proteojo dos Estados-
Unidos, e passando as linbas militares federaes pe-
ndraran) nos sediciosos estados confederados.
Undcima.Todas as pessoas que Utlo contri-
buido a destruir e commercio dos Estados-Unidos
em alto mar, e todas as que tenham viudo do Ca-
nad invadir os Estados-Unidos, ou teflham con
tribuido a destruir o commercio dos mesmo- nos
lagos e rios, que os separam das provincias in-
glezas.
Duodcima.Todas as pessoas que ao tratar de
I alcancar os beneficios desla proclamaco, prestan-
' do para isso o juramento prescripto, se achem era
: captiveiro militar, naval ou civil, ou que sendo pri-
' skmeiros de guerra tenham sido pastos em liberda-
de sob paiavra de honra pelas autoridades ou
agentes militares, navaes on civis dos Estados-Uni-
dos, como tambera todos os qne estejam presos
por qualquer classe de delicto, lendo sida convictos
ou no. t
Dcima terceira.Todas as pessoas d.ue volon-
tartamente tenham tomado parle na dita rebellio
' e enja propredad> Imponivel represent ara valer
de mais de 30,000 dollars.
Decima quarta. Todas as pessoas ijno tenham
prestado o juramento proscripto na proclamago
do presidente, de 8 de dezembro do anno de Nosso
Senhor de 1863, on um juramento de flielidade ao
governo dos Erados Unido, depois do publicada
aquella proclamaco, e qae tenham faltado ao
mesmo i
As pessoas comprehendldas as classes excep-
tuadas podero recorrer ao presidente pedindo-lhe
perdi, e a respeito d'ellas se exercitar a clemen-
cia com a liberalidade compatlvel cora as circums-
lancias de cada caso e da paz e da dignidade dos
Estados-Unidos.
O secretario de estado ditara as disposcoes para
regulamentar o modo de receber e registrar e dito
juramento, afim de assegurar os seus beneficios ao
povo e precaver o governo contra qualquer
fraude.
Em teslemunho do qual, etc.
Dado na cidade de Washington, aos 29 das do
mez de maio de 1865 e 89 da independencia dos
Estados-Unidos.
Por o presidente Andrew Johnson -William H
Seward, secretario de estado.
John Stuart levado debaixo de priso perante
o magistrado de um tribunal de polica, por ter
roubado um carro de mo.
Tem alguma cousa que dizer em sua de-
feza?
Tenho a dizer que no tinha ma tenco, quan-
do deitei a mo ao carro. Era s urna brinca-
deira.
Onde achou o carro t
Em Od Kent-road
E al uude o levou ?
At perto de Lewisham.
Sao urnas duas milnas de distancia, no
verdade ?
E' verdade.
Pois eu emendo que levou a brincadeira
muito longe, e por Isso condemno-o a dous mezes
de priso.
-----------m-------QCira------m----------
Nao ba muitos das que o redactor de um pe-
queo peridico francez de noticias tneatraes fo'
fazer urna visita a urna actriz, que mora em um
terceiro andar na ra Richelieu.
Quando descia a escada, depois da visita, e no
momento em que chegava ao patamar do primeiro
andar, abrio'se urna porta, e ara hornera de casara
preta sabio com tanta precipiaco que o acotove-
lou speramente.
Perdo, senhor I dsse o desconhecdo.
E descendo adiante do lilterato, parou de repen-
te como tomado de urna idea sbita.
O senhor no peder perder raea hora ?
E para que ?
Para fazer-me um obsequio com qae pede
ganhar 100 francos.
E chama a isso perder meia hora I Ento
qae preciso fazer ?
Servir-me de lestemunha para um testa-
mento. Falta-me urna lestemunha que mandei
chamar, o doente esta para morrer, e se o senhor
(juer...
O redactor da folha theatral aceitc-u.
O Itometn de casaca preta era um tabelliao.
Entran cora elle em um quarlo sumpluosamsute
mobiliado, e chegou-se a urna cama onde eslava
o moribundo. Asseniou-se ao p de outras pessoas
que haviam de servir de testemunhas.
O velho s tinha herdeiros collateraes, e o testa-
mento -j aviado depressa.
Quando se tratou das assignaiuras, abriram se as
janella* para haver mais- luz, e o vellio pode ver
bem as feicoes do Iliterato-.
O senhor, disse-lhe o doente em voz baixa,
conneee-me ?
No tenho essa honra.
No se lembra de rao ter Visto ao Theatro-
Franeez 1
No me record.
O senhor no assistio primeira represnta-
go do Fogo no Convenio ?.
Assisti.
Pois eu tmbem. O senhor esfava era urna
boa cadeira da superior, e eu em um mo assento
ao p da porta. A correte de ar fazia-me mal. O
senhor conheceu isso, ollereceu-me a sua cadeira e
passeu para o meu lugar.
No fiz mais do que o meu dever para com
um humein de idade e doente.
Mas sao bem raros os que fazem o que de-
ver. Permlta-me que I lio testemunhe o meu re-
conhecimento.
E fazendo um signal ao tabelliao, disse-lhe al-
gomas palavras ao ouvido.
As testemunhas assignaram.
O tabelliao referendou e rubricoa. Cada teste-
raunha era contemplada no testamento com 100
francos.
No dia seguinte tornou o lilterato casa da ac-
triz, e quando se retirava lembrou-se do velho, e
foi perguntar eomo eslava. Disseram-lhe que mor-
rra de noite.
No mitro dia foi ao enterro, e encontrou o ta-
belliao que Ihe disso :
Amanhita abre-se o testamento. No deixe
de apparecer, porque ha nelle alguma cousa que
he interessa.
E' claro que o nosso hornera no deixou de assis*
tir leitura do testamento. A cadeira era bem
paga, porque o velho deixava-lhe 100:000 francos.
pelo que respeita aos portos de Galveston, Bavaca,
Brazos Santiago, Point Isabel e Brawnsville, no es-
tado de Texas :
Eu, Andrew Johnson, presidente dos Estados-
Unidos, declaro pela presente que todos os pertos
citados, menos os cima exceptuados, flearo abor-
tos ao commercio estrangeiro desde o ! de jalho
prximo; que desde essa data podero estabelecer-
se relacoes coramercaes com os ditos portos com
referencia s leis dos Estados-Unidos, e atienden,
do se aos regulamenlos qae dicte o ministro da fa-
zenda.
Sem embargo, qualquer navio procedente de
portos estraogetros, que entre em algum dos ex
cepluados do estado de Texas, continuara submet-
tido s penas, que marca a acta do congresso ap-
provada a 19 de julho de 1861, e as pessoas que se
encontrem a bordo s que incorram, segundo as
leis da guerra, para as que trafican) ou tratara de
traficar com o inlmigo.
E eu, Andrew Johnson, presidente dos Estados
Unidos, declaro pela presente que os Estados-Uni
dos no reconhecero no futuro quem trafique ou
trate de traficar nos mesmos Estados contra o que
dispera as leis dos ditos, pretencao alguma de di-
reitos e privilegios de belligerante; e faco saber
que desde a data desla proclamaco todo o contra-
ventor ser considerado e tratado como pirata.
Tambera mando fiquem sem effeito todas as re-
tricoes imposlas ao commercio no territorio dos i
urna pane dos ius producios conservare m
seas bens ?
Comquanto. exclaman elle, baja naaa escola ejae
diz : f As dividas publicas nao .6 aio sao
doras, mas sao mesmo vantajosas; onaa
que ha trinta on qmreota anuos est repeinado fM
a Inglaterra se considera mailo feliz eom a sea
crescida divida publica, por isso que oa grase
numero de credores est inleressado na sai for-
tuna. Desta maneira poderiam raciocinar o* oefo-
ciames de Rotterdam on de Mxrselha, se, vendo *
seus armazens cheios de mercadorias, iilii
sem : Magnifico commercio I Pensaran) i* olri
mam-ira se todos esses voluntes qae nn IiIbw a
sua riqueza, s contivessem mercadorias do diaV
cil realisaco.
Nao desconheco as vanlagens de um graaie
mercado financeiro, mas nao ha neeessidaile de
acenar-lhe com as suas proprias divida-.
Amigamente, nos bons lempos da Hotlaoda, o
mercado financeiro dos Ibllandezes eslava efcew
das dividas do universo inteiro.
As dividas alheias sao as que mais fi
os mercados.
Os Est idos-Unidos, cajo exemplo eonva iovo-
car, eram desta opinio, e sabido qoe solvern
as suas dividas, com o que poderam enrmirar os
immensos capitn, que Ihes cu>t >u o reslabelori-
mento da confederado american*.
Eu no vos proponho isto, mas sim que dimi-
Estados l nidos a ste do Mississipi, excepto as re nua a dvjda
ferentes ao contrabando de guerra, reserva do ...
.. .. .... !jj _____J A divida publica e como esses lagos que se >
direito dos Estaaos-Lnidos e a propriedade compra j conlram H0 |l das rooiJ,anhai. " w'
nunca os scca ; ma?, depois da<
da em territorio inmigo, e aos 25 por cento sobre
compras de algodo.
Le-se no Jornal do Commercio de Lisboa o se-
guinle :
Ha tempo houve na cmara dos communs um
incidente que attrahio aattenco.
Mr. Netvdegate perguntou ao primeiro Lord do
Tbesouro (Lord Palmerston) se o governo tinha
prestado attenco ao discurso, que no senado fran-
cez tinha pronuuciado o cardeal Bonnecboze, e aos
arligos publicados a esle respeito pelos jorrraes de
Pars, especialmente o Journal des Debots, por
que segundo esses escriplos pareca que algumas
circumstancias ftnham oceorndo, e que o papa leo-
cionava retirar-se para Inglaterra. (Riso)
Ora, continuava ainda aquelle mesmo roembr0
da cmara, considerando o conteudo do aclo que
regula is relacoes diplomticas; o Tacto de q.ue o
papa no ple despojar-se das attribuices da sua
posico, e as relacoes em que os ecclesiasticos ca-
tholicos romanos, assim como os de mais investi-
dos, na qualidade de subditos inglezes, julgara o
governo conveniente, segundo a boa ordem interna,
que o papa seja convidado ou aulorisado a residir
no Reino Unido ?
Estas palavras foram recebidas com o riso gera!'
da cmara.
A resposla de Lord Palmerslon loi muito me-
ditada.
No que toca primeira parle da queslo apre-
sentada, o ministro disse que podia assegurar que
tinha todos os das tantas cousas a escrever, e tan-
tas pessoas a ver, que Ihe era impossivel seguir
como quaesquer outros o fazem,. o que se passou
as a.ssembla, o que se escreve nos jornaes dos
paizes estrangeiro. Por cooeequencia a minha at-
tenco no se prenden como descurso de que fallou
o orador, merabro da cmara. S hoje vindo para
a cmara na carroagem, tive occasio de ler um
um extracto das palavras preferidas pelo cardeal
Bonnecboze. floro dizer de passagem, que vi com
sentimento qoe o reverendo prelado representou a
(Inglaterracomo mimiga natural da Franca. Seja-
rae permitlido pensar que ello no juiz compe-
tente nestas materias. (AUengao.)
A natureza
chuvas do invern, e das neves da primavera, os
calores do vero diminuem pouco a pooeo as sua-
aguas.
E' neces-.-ario, portanto, comprir com os aossoe
credores em tempo de paz, pan que tos presten
auxilio no lerrpo de guerras .
Para que os credores do estado estejam alsta-
los, necessario que possam encontrar oa bolsa as
qaanlias que representan) os seus tnul i-
0 estado s ronseguira este re-ulini s smlea-
tar o seu crdito, e para o sustentar carece reir a
divida.
i) vr-rdadeiro agente da juslie o estado, o descredo; e o deserelilo a impo-
tenria.
.Nao ha illusots com o abandono da anorti-
saco.
Os Inglezes aboliram a obrfgatoria, as, ooaodo
e porqni ?
Depois da guerra.
A sua divida importaren) milhoes de nilhue*,
eos rditos em nitofroto milbd-s.
Na realidade no anoliram a amnrt-aro, seao
por nao p<>de-la ampliar.
E-ta abolcn no fot nutra cousa mais done
urna declaraco de impoten ia.
O uso da>cabelleiras foi vulgar enlre co roa-
nos.
Era Inxo e moda esse uso potico, espernlmeoie
as mulheics-, e a cabeileiras- loura- '-rain a ns
estimadas, porque os cabi-ll >- louros se conrJdo-
rain como um dote de formosnra.
Ovidio, na Ai Ir de amar, di', que as nnteres
osleniavam as espes-as cabeileiras qoe conoraenra
e era se eavtrpratevan de m comprar poMiea-
mente, e que elle pi-enceara lao vernwhoso
trafico em face du proprio Hemules e das Nove
Irnias. K nos A'mon-s, m elega a urna doozella
ipie encalvece!) de. repente, se expressa asan :
a Ger muale mandar cabellesde aeraron, t a
urna narao vencida infiel os leus adornos.
Da All-inanba vinham as cabeileiras, especial-
mente as louras.
No meiadodo voulo.WII renaocen o oso dos
cabeileiras, e loraarara-se moda a lal ponto, que
homens e multveres usavam dssse vergocm-o
ado~no.
Mudaram de forma, mas foram sempre aotla
quasi al aos los do seculo passado.
Em 1672, o senado da cmara de Lisboa fe-lhes
'.ti.ua guerra, e n'iuna mui curio coasalu, pedio
ao principe rept-nu t. Pedro, qne as prohibiese.
i-.ni i res coiiMilias sucuesslvas, ama de 13; ea-
Mas no vi o artigo do Journal des Debis. O tra1de {1- oulra de.,0 du ouiubro de sdTf, o so-
nado pedio ao principe regente qne refrena o
luxo, pelo grande damno que dalii resulta ao
que eu posso declarar, que a pergnnta do hon-
rado merabro da cmara, prejudica o futuro e ten-
de a precipitar urna deciso sobre acontecimentos
futuros, que por agora sao objecto de duvidas se-
rias. O honrado merabro^lem. sobre si a respon-
sabilidade de dizer que, quando expirar o praso de
dois annos tixados pela^conveDCo de selerabro, o r" '" no seu lerdadtiro
papa ser obrigado a abandonar Roma. Isto pode '
acoutecer c pode no acontecer.
0 presidente Johnson parece decidido a manter
as boas relagoes com a Europa e cora os estados
visinhos.
O exercito foi diminuido de 400:000 soldados.
Os vasos de guerra em coramisso foram reduzi-
dos de 600 a 90.
No interior foram ab lidos os passaportes.
As ultimas forcas do sal lem-se rendido.
O celebre general do snl Krby Sraith foi para o
Mxico com urna consideravel somma dedinheiro.
Parce lambem qae os engajaraentos para o M-
xico esto terminados.
As provincias do sul, que foram o theatro da
guerra, esto no mais lastimoso estado de penuria-
Os caminhos de ferro esto destruidos era gran-
de parte.
Os campos abandonados, e milhares de familias
na miseria.
Tarde sero cicatrisadas as feridas da mais de-
vastadora guerra, de que ha memoria.
Urna das grandes difculdades do governo cen-
tral nos Estados Unidos estabelecer o governo
nos estados, qoe estiveram separados de urna ma-
neira regular e pratica. .
Sobre o levantamenlo do bloqneio nos portos ha
o seguinte:
Por urna proclamaco do presidente de II de
abril ultimo, e em conformidade com o previamen-
te disposto pelo congresso, se declararam fechados
por causa de seguranca publica ao commercio es-
trangeiro, at nova disposiso publicada pelo pre-
sidente, certospostos que anteriormente haviam es-
tado bloqueados; e porque desde ento tinham ha-
vido factos e circumstancias qoe, a mea pensar,
fajera conveniente acallar essa restricto, excepto
Pelo que toca segunda parte da questao, com-
penetrado como estou, e como asta todo o mundo,
segundo creio, do mais profundo respeito pela pes-
soa do papa (attenco), na qualidade de chefe da
numerosa communidade chrisla chamada igreja
catholca, o governo da rainha considerar-se-hia fe-
liz de poder testemunhar de urna maneira qual-
quer e conveniente o sentimento que o anima.
Mas, qne o papa possa vir fixar a sua residencia
em Inglaterra, isto una faci, que suscita tantas
e to graves objeccoes, que todos sedevem preoc-
cupar, porque se pode considerar como urna here-
sa, e direi mesmo como um anachronisma pol-
tico.
Comiudo bem sabido, segundo os documentos
apresemados cmara, que quando, ba dezoilo me-
zes, se suscitou a questao relativa a possibilidade
do papa abandonar Roma, Mr. Odo Kussell, que
representa, no a titulo offlcial, o governo inglez
naquella cidade, fez couchecer que, se as circums-
tancias obrigassem o papa a procurar urna residen-
cia fra da Italia, e se Ihe fosse agradavel ou til
estabelecer-se em Malta, no deixaria de se fazer
quanto fosse necessario para se .Ihe tornar aquella
residencia comraoda. E' isto, qae posso dizer
pergunta, que me dirigi o honrado membro da
cmara (applauso).
m n*
reino, causando a ruina dos particulares con as
despezas superfinas que se enlregavam.
E na consulla de I? de i.ulubro, dizia qae o rei
de Kiane.i litara t-ni pragmticas o aso do oaro e
prata nos vestidos, as casas, nos coches etc., m-
tenlando por esst mno. diz o senado, reduzr a om-
q*t r 0 da
Eram estas as ideas econmicas do tempo. Eran
boas para enlao.
Eis aqu a parte da consulta de 19 de eotabro,
que se refere despeadamente > o-o dao rabelki-
Pareceu reprsenla r a V. A. que o uso das ca-
belleiras se tem desordenado de modo, que pre-
ras :
ciso moderar a demasa em qne se praticam as-
sim convm ao servico de Dos e de V. A., por-
que trazer cibelleira quem por achaque necessiia
della, pode permiilir-se ; mas corlarem os heneo
os proprios cabellos e trazerem os albeios arMkio-
samenle compostos, consa ndigo.
E' consideravel o dinheiro qoe boje oetjaa se
gasta, u se leva para fra do remo, .-abiodo dolo
prata por cabebo. Ha cabelleira que costa cin-
coenta esessenta mil res; e consta qne para o
estado da India se tera mandado, ba annos a e-a
parle, grande qnantidade dolas, qne se venderam
por precos excessivos, de que liraram coosidsrav
veis interesses as pessoas (jue as remetteram.
Queira V. A., por servico de Deas e pelo nto
que tem do bem publico, alalhar aMa d-irnoo, .jue
os venezianos atalharara prohibiodo as cab-.Ucira
lolalmenle, maullando queimar as qoe ttavia^no-
vfdfla de mais razo anda, que do d inai des-
peza, estrago dos coslnines, porque tamben acha-
rara que faziara grande damno a sande; o poohin
em perigo de um contagio, por seren os caballos
deltas ordinariamente vindos de hosptiaea. e tira-
dos de enfermos, qne pelo estarem os cocan para
venderera.
Passa esta desordem do adorno da cabeea ao ni-
mo das raaos, trazendo-as muito resguardada; en
regalos. Con vem que V. A. atalhe e ledanao, pro-
hibindo todo o genero de cabeileiras,
as smente aos que em razo de achaque
tem dellas; prohiblndo ontro sin, que o I
tragam regalos as raaos e leqoes. Os rigaln aro-
hibio V. A. j na pragmtica de 8 de joaao do fin,
como tambera o andar dcsabotoados, que do aovo
se deve prohibir.
Nao adiamos as pragmticas de 13 de abril do
i de 16-Sti-, \\ de novembc de
Damos sciencla publica o seguinte, trechos do
discurso, que. no corpe? Isgislalivo pronuaeioo Mr.
Thiers, por occasio de se discutir o orcamento,
d'onde v-se que o orador prev urna bancarrota 11668; 9 de agost
paraa fazenda,senoapparee5rera medidas radicaes, 169; 6 de m! -a {1^ fi * l7W-
. i-f v o, nenhuma prohibicao relativa as cabeileiras. posto
qae acabem o incessante auemento das despezas.
Se nesta diviso dos orcaraentos houvesse urna
razo fundada, e do luxo da nomenclatura resultas-
se verdadeira utilidade, nioguera faria reparo em
que as cabeileiras que viessem de fra, obradas en
seda, naturalmente no eram admit'das.
Parece, por consegointe, qne se coosidoreo o nn
das cabeileiras mu licito, e em consa alguma oo-
poslo ao bem do reino e service de Deas, cono eo-
a admittir. Mas para que ha do haver ura orcamento tendia o senado de Lisboa.
A pragmtica de 13 de abril de 1668 pr
uso dos regalos as mos aos horneas), e s o i
mima s mulheres; e no mesmo artigo era i
prohibido o uso das bengalas.
O mais singular qoe ha pragmtica de 3 de
junho 1533, no se permiuia aos horneo ose aoaa-
sem de luvas perfumadas.
E nesse tempo havia em Lisboa un certo i
do estado, e ontro especial dos departamentos e
municipios ?
Um orcamento especial tera raso de ser, n'um
imperio como a Austria, conjuncto de provincias
que se administrara econmicamente por si sos;
mas em Franca, onde tanto os departamentos como
os municipios recebem os seus recursos da mesma ro de muheresV que se empre^avan exebnifa-
mo, onde as despezas se fazem debaixo da anica '
responsabilidade do estado, a diviso de ornamen-
tos, carece, no meu entender, de fundamento.
Alm desta diviso existe outra : a de orcamen-
to ordinario e extraordinario. Se se tratasse de
empresas, como a que se refere s f >rtifieago.s de
mente em perfumar as luvas.
O que parece certo, que as pragmticas
foram observadas. Se logo que eran i
havia algum rigor na sna observancia, pooco i
pois se reiaxavam. E assim era natural, pornn on
tempo algum foi possivel por cobro ao loso a as
modas.
Da citada consulla de 19 de oolobro. se * nn
Pars, bem ; mas chamar orcamento exlraordi-' era mui vulgar, naquella poca, os
nario ao qne diz respeito s despezas de meihora-
raentos, querer dissimular a parte mais essen-
cial.
No orcamonto extraordinario goram despezas
de conservarn, cuja necessidade permanente.
de leques.
No seculo XVII, j se tinham perdido oa
raes severos e rndes dos scalos anteriores.
Comecava a malicia a dominar, e oa
navam se elTeminados.
As leis de ento bem o nostram.

Qual o pai de familia que dein de destinar PERNAMBUCO.-TYP, DE M. F. DB F. rUrJO