Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10711


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AIO XII, NUMERO 154
Por qnartel pago dentro de 10 das do 1. mez' ....:
dem depois dos 1." 10 das do comecoe dentro do qnartel. .
Porte ao corro* por tres mezes......., ,
SjOOO
6$00
750
SABBADO 8 DI] JLflO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das do 1. mez ,,,.... 19}000
Porte ao correio por un anuo.......... 3J00O
E.NCARRE'AOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
PaTahyba, o Sr. Antonio Alex?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Araraty, o
Sr. A. de Lemos Draga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivoira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Pira, us Srs. Geraldo Antonio Al*68 A
Filho: ; Amazonas, o Sr. Jerouynio da Costa.
E.XCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, 6 Sr. Claodino Faleo Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alvos; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacoes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, aranliuns, Buique, S. Itento, Rom
Consolho. Aguas Bellas e Tacaral, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
lugazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quarlas
feiras.
Serinhaem, Rio Formoso.Tamandar, una, Bar-
reros, AguaPreU e Pimenteras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio : segundas e quintas.
Relacao : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commereio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Saguuda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
EPIIEMER1DES DO MEZ DE Jb'LHO.
8 La cheia as 6 h., 7 m. e 22 s. da t
lo Quarto ming. as 2 h., 6 m. e 46 s. da t.
22 La nova as i h., i) m. e 40 s. da t.
30 Quarto cresc. as 4 h., 49 m. e 16 s. da I.
DIAS DA SEMANA.
3. Segunda. S. Etiopio m.; S. Anatholio m.
4. Terca. S. Isabel rainha de Portugal viuva.
5. Qurta. S. riiilumena v.; S. Trina m.
6. Quinta. S Domingas v. m.; S. Isaas prof.
7. Sexta. S. I'ulcheria v. Emperatriz.
8. Sabbado. Ss. Procopio e Priseilla mm.
9. Domingo. Ss. Cyrillo e Bricio bb.
PRRAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 m. da tarde.
Segunda as I horas e 54 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEAOS.
Para o Mil at Alagoas a 14 e 30-, para o aort*
ala a Granja a 7 e 22 de rada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, mar-e. coai-,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da prae> da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figneiroae
Faria & Filbo.
-A-I k IuJJli
seiiRHo ik rumtu
Expediente do dia 5 de julho de iSCo.
OUli-io ao Exm. eonselheiro presidente da relacao.
Solicito do V. Exe. a expedico das conv, meutes
orden; para que me seja enviada com a possivel
brevidade a guia do reo Antonio Joaquim do Espirito
Santo, connecido por Antonio Velludo, o qual veto
sem ella do termo do Pilar, onde foi condemnado a
4 aunas o 8 mezes de prisao, e nao pode ser solt
por falta desse documento, segundo declaiou-me o
juiz municipal da iJ vara desta cidade, em officio
de honlem.
Dito ao mesmo.Tenho pnsente o ollieio de i
do correte, em que V. Exe. solicita a expedico
de orilens para o pagamento dos ordenados dos
desembargadores, e mais ofJkiaes e empregados
t,: se triliunal, e em resposta cab-me dizer-lhe
que ja em 3 do crrente, havia dado a provinden-
cia reclamada por V. Exe, autorisando o crdito
que mandei abrir sob minha responsabiliade para
pagamento das {asties de i" e 2' instancia.
Dito ao noesmo.Constando da informacao que
me deu o juiz de direilo da comarca do Brejo, so-
bre um requerimeuto de Jus Gomes Jo Oliveira
Jnior, que este a 7 de marco de 1861, appelLra
para o tribunal da relacao da sentenea pela qnal
ora naquell juizo condemnado |>or furto de gado,
e que so a 11 dejunho passado recebera o mesmo
juiz o processo com o aecordo anuullatoriode jal*
gani.-nto, resultando dahi achar-se o paciente preso
na mais de, lo mezes, seni que o processo es
leja anda ultimado, rogo a Y. Exe, que, pro-
cedenJo as necessanas indagares, me informe
se es.-a delonga procede de demora na expedico
da appellacao, pela instancia inferior, ou se pela
soperior, ser*indo-se ao mesmo tempo ordemoar,
a quem competir que nao retarde o expediente de
proeessos, que devam ser julgados pela relacao,
. em sna devo oco aos jnizes inferiores.
Dito ao coronel cominandaiite das armas.Infor-
me V. S. sobre o que pondera o inspector da loe-
sonrarla de fazenda no inclusa officio, que me ser
devolvido.
Dito ao mesmo.Respondo o ofiieio que V. S.
me dirigi em 3 do crrente, sob u. 1,13o, dtzendo-
lhe que pode fazer a DOmeacao do major reforma-
do e tenenle coronel chefe do eslado-maior da guar-
da nacional deste moniclpio, Sebastio Lopes Gui-
maraes para servir de vogal no conseibo de guerra,
a que responde o major do cjrpo de eslado-maior
da 2' classe, Antonio Francisco de Souza Maga-
Ibes, visto ter embarcado para a corte com o sen
baUlbao o major Carlos Felippe da Silva Muniz e
Abren, que fazia parte daquelle conselho.
Dito ao inspector da Ibescorarta de fazenda.
Km vsla da conta junta, em duplcala, que mere-
melteu o d,rector das obras militares, com ofli-
cio de 3 do crrenle, sol n. 2:8, e nao havendo in-
conveniente, mande V. S. pasar a Joao Pedro Bap-
lisla a fjiianlia de 385910, a que t?m direilo por
haver f-ito os concerlos de que precisava o telha-
. do do qnartel do cuiumando do Forte do Buraco.
Commooicou-se ao director darepartico das obras
militares
Dito ao mesni\ Respondendo ao officio que V.
S. me dirigi boje, sub n. CiO, tenho a dizer que
ple mandar pagar, sob rotaba re*ponsabilidade,
nos termos do decreto n. 2.884, do Io de fe ver. ro
de 1863 os '.i 5, que se esto a deer ao alferes do
eorpo para o que nao ha crdito, segundo consta do sea
citado officio.
Dito ao iospector da thesouraria provincial.Ao
seu officio n. -XV), de 3 do eorrente, respondo de-
clarando-lhe que a despeza com o corpo de polica,
que actualmente existe deve correr pelo crdito
Consignado a corpo provisorio no art. 17 da lei do
ercamenlo vigente at o dia do embarque do mes-
mo corpo, para a corte.
Dito o commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Mande V. S. dispensar do servico
do 3o balalho de infamara deste municipio, a que
pertence o lenle Pedro Alexandrino Rodrigues
Lins, que est designado para marchar com o con-
tingente da guarda nacional, que tein de dar esta
provincia, para o servico da guerra.
Dito ao mesmo.Tendo sido adiado para odia
8 do eorrente, sil horas do dia, o jolgameoto do
preces .o a que foi submetlido o lenle Jo corpo de
p,liria, Joao Eduardo Pereira Borges, por ter dei
xado do comparecer um dos tres officiaes superio-
res, que devia fazer parle da junta de ultima ins-
tancia, recommeodo a V. S. que naja de. providen-
ciar para que os referidos officiaes comparecam
neste palacio no dia e liora acuna indicados, e para
que nao se di: igual falla.
Dito ao director das obras militares.Mande V.
S. fazer com urgencia os pequeos coneertns de
que necessilam as estivas da estribara contigua ao
, edificio em que se acha eslabeleeido o qnartel do
commando das armas, visto c mo nessa estribarla
sao presenieincnie recolhtdos os cvanos perten-
centes as ordeiiancas daquelle commando.Fize-
ram-se as necessaria eommonicaeSes.
Dito ao commandante do corpo de polica.Man-
de V. S. destacar as barreiras da Capunga e Man-
goinbo, 1 soldado do corpo sob seu commando e
na de Santo Amaro de Jaboato nutro, nao sendo
taes praeas uas que tcm de embarcar.
Dito ao mesmo. -Sendo j crescido o numero de
* praeas do corpo de polica que tem requerido bai-
la, alim ile nao lomarem parte na lua nacional
contra o Paraguay, suppon o tal vez que serao pos-
teriormente admitlidos no corpo provisorio, recom-
mendo V. S qu; publique em ordein do dia que,
em vista do arl. 8 da le provincial n. 611 de 2 de
marco deste auno, nenhuma praca que tenha obti-
do baixa, findando assim o seu engajamenio, pode-
r ser de novo engajada no corpo provisorio.
Dito ao mesmo. D ferindo o reqoerimento da
praca da extincta seccSo urbana do corpo de poli-
cie Tliorua'. de Aqnino Cordeiro, auloriso V. S. a
dar-lhe a balsa que pedio.
Dito ao mesno.Autoriso V S. a maudar enga-
jar |iara o servico do corpo sob seu commando o
pai-ano Sabino da Silva Slquelra, que segundo o
seu ollicio n. '07 desta data, foi migado apto para
isso.
Dito ao director da escola normal.Em vista do
que pondera V. S. em seu officio de 4 do eorrente,
o autor so a effectoar o arrendamenlo do palacete
da ra da Praia, na importancia de 6005 annuaes,
pr qnanto m consta era anteriormenle feito, afim
do nelie se accommodarem as aul.s, secretariae
biblictheca da escola normal.
Dito a cmara municipal do Recife.-Concedo a
autorisaco que pede cmara municipal do Re-
cife, em seu officio de 27 de junho prximo (Indo,
sob n. 18, para despender mais at a quantia de
1:0003, com o servico da limpeza das ruis desta
ciJade, visto restar somente a quantia de 515430
da anota designada na lei do ornamento municipal
vigente para semelhante fim.
Dito a cam;.ra municipal de Garanhnns.Nao
tendo a cmara municipal da villa de Garanhnns
prestado a informacao que exig em lo de maio
prximo Ando, sobre a representacao que me diri-
gi a secretaria da mesma cmara, e que por copia
Ihe foi tnnsmiltida, recommeodo a cmara de Ga-
ranhnns que dando as razos porque at aqui an-
da nao minislroD semelhante informacao, m'a en-
vi com a maior brevidade possivel.
Ditoao juiz municipal da Escada.Nao satisfa-
zendo o mappa dos crimes commeltidos nesse ter-
mo, nos mezes de Janeiro a maio do eorrente anno,
que veio junto ao seu officio do Io de junho prxi-
mo findo, por serem os mappas exigidos por circu-
lares de 2o de Janeiro e 19 de maio ltimos, para
cumprimento do aviso do ministerio da juslica de
2 do mesmo mez de Janeiro, de que se remetteu
copia a esse juizo, com a primeira daquellas circo-
lares, relativo as prisoes que liverem sido decreta-
das em cada mez, com as declarares comidas no
modelo j remettido, cumpre que Vmc. envi outro
de conforuiidade com o mesmo modelo por copia
i ocioso.
Dito ao director geral interino da instruccao pu-
blica.Altendendo ao que expoz Mauricio Fran-
cisco de Lima Cabra!, professor interino da eadei-
ra de instruccao primaria da povoacao de Malha-
diiiha, e tendo em vista a sua informacao de 3 do
eorrente, sob n. 194, resolv nesta data releva lo
da mulla que Ihe foi imposta pela falta deapresen-
laco dos mappas de seus alumnos do 3o e 4" tri-
mestre d:> anno passado, o que communico a V. S.
para seu ronhecimento.-Communlcou se a thesou-
raria provincial.
Portara.O presidente da provincia, conformn-
dole com a propesta do Dr. chefe de polica, n.
923, do Io do eorrente, resolveu nomear o cidado
Manoel Antonio Soares da Fonseca para o cargo de
subdelegado d> districto de Una das Flores, 3o da
fregoeza do Bonito.Itemett:u-se ao Dr. chefe de
polica o titulo do nomeado.
Dita.O presidente da provincia, altendendo ao
que requeren o professor de primeiras lettras dos
aprendizes do arsenal de guerra, Joaquun Jos
Raymundo de Mendonca, a tendo em vista a infor-
macao do director do arsenal de guerra, resol ve
conceder-lhe dous mezes de licenca com ordenado
para tratar de -ua saude.Fizeram-se as necessa-
rias roinninnicaco-s a este res|icito.
Dita. O Sr. gerente da rompanhia Pernambuca-
na, mande por a disiiosi^o do Dr. Fernando Ma-
ranhense da Cunha, juiz de direilo da comarca de
Souza, at o Aracaty, tres passagens d re c duas
de proa no vapor Persinvmju, que segu para o
norte.
UOVI2UX4 I>0 UIKPAIfO DE
i'ltl VVll-l O.
SEDE VACA.XTE.
Expediente do da 4 de julho.
Officio ao vigario da vara de Porto Calvo. Bem
julgou V. Rvma. nao poder autonsar o Rvd. vi-
gario dessa freguezia para lancar qualro assenla-
mentos qtie Ihe foram enviados" pelo padre Anto-
nio Jos de Lima Buarque, visto serem elles de an-
nos, cujos livros se acham fechados, seguodo V.
Rvma. me declara no seu officio de 12 do prximo
passado a que respondo.
Incluso achara v. Rvma. e far ebegar ao seu
desttjd o oflicio que dirijo ao Rvd. rigirio, autori-
sando-q para lancar os referidos asseniamenlos.
Dev.slvo-lhe os documentos que acompanharam
o seu officio.
Dito ao vigarie do Porto ('. K-n.Antoriso V.
Rvnuf. para lancar nos livros c retentes os qua-
lro assentamentos que Ihe foram remetlidos pelo
Rvd. Antonio Jos de Lima Buarque. Cumpre que
V. Rvma. jaiba desse sacerdote, e me communi-
qne com urgencia, qual a causa porque deixou de
remoller em tempo esses assentamentos, e os
censervou tantos annos em seu pol. r.
Dito ao vigario de S. Bento. A' vista do que
V. Rvma. meexpoe no seu oflicio de 14 do prxi-
mo passado, em cumprimento do despacho que em
20 de maio exarei no requerimeuto de Joao Vale-
riano Pessoa de Lcenla, enmpre-me deciarar-lhe
que mui regularmente obrou V. Rvma. recusando
as.-islir a esse casamento. Os Rvds. parocbos de-
vem ser muilo escrupulosos acerca de casamentos,
nunca permittiodo que se celebrem sem que pri-
nieiro empreguem todas as cautelas, am de veri-
Dcar o estado d)s contrllenlos,se se solieiros, li-
vros e desempedidos.
Dito ao vigario do Iiamarac.-Pelo seu oflicio
de 28 do prximo passado, fleo inteirado de haver
V. Rvma. condozido solemnemenlo para a sua ma-
triz as imagens do Senhor Crucificado e de Nossa
Senhora do Pilar novamente encarnadas, sendo a
procisso acompanhada por una msica marcial,
e terminando tudo com um sermao anlogo ao
acto.
Louvando o zelo de V. Rvma., espero que pro-
curara conservar sempre vivo e coustante nos ha-
bitantes dessa ilha o seolimenlo religioso que nel-
les predomina.
-oU
OlTicio ao vigario de Santo Amaro de Jaboato.
Foi-me entregue a e.-tatislicadessa freguezia da-
tada de 22 do prximo passado, a qual preenche
inuito bem o fin para que eu a exigi.
Dizendo-me V. Rvma. no fim della que muitos
assentamentos de baplisados etc., se desencaini-
nham por causa dos portadores, cumpre-me re-
commcndar-lhe toda a cautela a tal respeito; de-
vendo V. Rvma. exigir dos seus estolcres que nao
entregoera os lancaincntos a qualquer pessa, e
sim os conservem, atim de os enviarem com segu-
ranca, ou de serem elles proprios os portadores.
Compenetra-so V. Rvma. da importancia desta me
dida e do daino que causa aos povos a falla de
lancamentos, e seja d'ora em diante mais sollicilo
a este respeito, procurando quauto for possivel re-
parar o jiassado e empreando todo o cuidado pa-
ra obler os assentamentos authenlicados que auda-
rem dispersos.
Dito .ao vigario d'Agoa Branca.Em resposta ao
seu oflicio de 21 do prximo passado,'lecho a di-
zer-lhe que approvo a nomeacao que o Rvd. Luiz
Jos de Oliveira Diniz, por inim aulorisado fez de
V. Rvma. para vigario eocommeodado d'Agua
Branca, e o auloriso para exercer nessa freguezia
a jurisdiccao parochial, devendo quanto anles tirar
a com| etente provisto. Espero do seu reconhechlo
zelo que desempenhar esse lugar com o desvelo e
carnlade necessarios bem da igreja, e dos povos.
Cumpre que me informe com brevidade seos as-
sentamentos jierlencentes a essa freguezia se acham
em dia, ouse ha algnma falta.
De^de j Ihe recommendo que tenha em vistas a
minha circular de 22 de abril a respeito da estatis-
tica dessa freguezia, colhendo com tempo os dados
necessarios para a sua confe cao.
Dito ao vigario di Assembla.Accuso recebido
com data de 7 do prximo passado, o relatorlo cir-
cumstauciado que V. Rvma. fez dessa freguezia,
alim de satbfazer a circular de 22 de abril, e lou-
vo o cuidado e desvello com que V. Rvma. procu-
ren relatar tudo o que diz respeito sua parochia.
Muito me regosijei com a relacao das importantes
olfertas que tem sido fetas a essa matriz, as quaes
provam os senlimentosde piedade e de religio de
que se acham animadas as pessas mais importan-
tes dessa parochia. Felizes os povos que veem taes
exemplos naquelles a quem eslao acoslumados a
olhar como, seus superiores, e a seguir como seus
cheles.
- 6 -
Oflicio ao Exm. presidente da provincia.Rece-
bi o oflicio de 27 de juoho prximo passado, em
que V. Exe. me pede informe sobre o requerimen-
to do coadjutor di freguezia de Bezerros, padre
Francisco Seabra de Andrade Lima, a quem a the-
souraria provincial recusou pagar a congrua de
coadjutor, por haver eu, era resposta a urna con-
sulla do Bvd. parocho de Nazareth, declarado in-
compativel este em prego com o de professor puWi-
co de instruccao primaria.
Respondo a V. Exe. informando qne, quando em
13 de dezembro do anno prximo passado, deca-
rei ao Rvd. vigario da cidade de Nazareth, que nao
aceitava a proposta de coadjutor que elle me fazia
para a sua freguezia por ser o sacerdote proposto
professor de instruccao primaria, visto serem dous
empregos fncompativeis, nao me refera incompa-
tibilidad!! absoluta, em vrtude da qual nao podes-
sem as hinccSes dos dous empregos ser exercidas
jielo mesmo .ndividuo, nem ha incompalibilidade
ecclesiastica decretada pelas leis cannicas- refe-
ri-nie nicamente iocompatibilidade estabeleci-
da pela lei regulamentar da instruccao publica da
provincia de 14 de maio de 185a o regiment in-
terno respectivo, quando prohibe aos professores
pblicos exercerem quaesquer empregos adminis-
trativos sem previa autorisaco do governo da pro
vineil, sendo que assim o declarei, porque o sacer-
dote proposto n3o me apresentou essa autorisaco.
J v, pois, V. Exe. que essa declaraco por
miui feita acerca de um individuo que pela pri-
meira vez me era proposto, nao ple comprehen-
der o Rvd. peticionario, que ha muitos annos aecu-
mula os dous empregos. e que sem duvida leve
para isso a competente autorisaco.
Dito ao vigario de Barreiros.Pelo seu officio
de 20 do prximo passado, fleo sciente de haver V.
Rvma. no dia lo do mesmo, procedido bencSo e
inauguracao da igreja matriz dessa freguezia, cuja
solemoidade foi celebrada com toda a pompa pos-
sivel, e acompanhada do geral regosijo que em taes
occasioes se apodera dos povos, e manifesta os sen-
limentjs religiosos de que se aeham possnidos.
Por esta ocCasiiO cumpre-me louvar o zelo com
que V. Rvma. iraballiou na constroccao desse tem-
plo, os esforcos que frz para que se apressasse a
concluso delle, e finalmente o esplendor que deu
soleninidade inaugural com que coroou a obra da
sua predileccio. Igualmente o encarreg) de, .em
mea nome agradecer s pessoas que o coadjuva-
rara e concorreram, qur para a cuticluso da ma-
triz, qur para o brilhanlissimo da festividade inau-
gural.
Dito ao vigario do Cabo.Acenso recebida a es-
tatisiica dessa freguezia, que V. Rvma. me envin
com data de 20 do prximo passado, e louvo o cui-
dado com que V. Rvma. traiou de lodos os pontos
sobre que versa a circular de 22 de abril.
Sobre o que me diz acerca da espolia de S. Gon-
callo, edificada em terreno propiio, convm que
V. Rvma. indague se lem patrimonio, e qual elle;
assim como espero do reconhecido zelo de V. Rvma.
que, recorrendo aos metos competentes e legaes,
faca apparecerera asalfaias e objeelos de prata per-
tencentes mesma capella.
Dito ao vigario de Mossor.Inclusa achara V
Rvma, a policio de Jos Cardozo de Freitas e Anna
Mara da Couceico, vislo nao ter apparecdo a pes
soa de que V. Kvma, falla no seu alucio de 10 do
prximo nassado, qne lica assim respondido.
Dito ao vigario de S. Jo.- de Bezerros.Tenho
vista a estatislica dessa freguezia com data de 18
do prximo passado, a qual satisfaz suflieienlemen-
le o fin para que a exigi.
Espero que V. Rvma. me coinmunicar d*ora em
dianle qualquer occorrencia que ahi se der.
Dito ao vigario de Iguarass.-Pico inteirado de
haver V. Rvma. no dia 30 do prximo passado, en-
tregado a administracao dessa freguezia ao Rvd.
Florencio Xavier Dias de Albuquerque, que deve
rege-la em quanto durar o sen impedimento.
Dito ao vigario de Traip.Concedo a licenca
que V. Rvma. pede uo seu ollicio de 20 do prximo
passado, e nesla dala antoriso para reger essa fre-
guezia ao Rvd. Joao Felisdorio da Silva, por V.
Rvma. -proposto no seu citado ollicio, e com quem
deve entenderse a tal respeito.
. Dito o padre Joao Felisdorio da Silva.-Tendo
o Rvd. parodio da freguezia do Traip me pedido
permissao para deixar a freguezia, em quanto vem
preparar-.se para o concurso que vai ter lugar bre-
vemente e indicando a V. Rvma. para reger Ihe a
freguezia em quanto elie esii ver ausente, autoriso a
V. Rvma. para entrar na administracao e regencia
da mesma, como convm ao servico da igreja e
bem espiritual dos povos; devendo o Rvd. parodio
entender-se para isso com \\ Rvma.
Dito ao 'vigario de Ipojuca.Devolvo a peticao
de dispensa dos oradores F... e F..... adverlindo a
V. Rvma. que essas petfgdes e informaeojs devem
vir escripias com clareza, e nao com alleraco.-s c
emendas, como a que agora remello.
Advirto-lhe outro sim que a V. Rvma. s compe-
te Informar com exactidao sobre o parentesco, as
causas que allegam, e os possuidos: e j mais deve
inlromelter-se a decidir sobre o que os oradores
tem de satisfazer na cmara ecclesiastica.
Espero que V. Rvma., compenetrado dos seusde-
veres, nao me enviar mais una informacao escan-
dalosamente alterada, nem se intromelter a decidir
sobre o que Ihe nao perlence.
Dito ao vigario de Iguarass.Devolvo-lhe o h-
vro de lancamentos do baptisados dessa matriz que
exigi para verificar o que na sua peticao allegava
Hara Francisca dos Santos Vieira.
Remello igualmente a peticao convenientemente
despachada, que V. Rvma. entregar parte.
GOMANDO D1S ARMAS.
Qnartel do commando das armas de Pcrnambnco
na citladn do ilcrilV, 7 de julho de 136o.
Orden do din n. 85.
O coronel commandante das armas interino, to-
mando em coosideracJio a ropresentaco que Ihe
dirigi o Sr. tenento reformado Manoel Carneiro
Hachado Freir, de nao poder continuar a ter a seu
cargo o deposito dos recrutas, e das praeas, que fi-
caram nesta provincia, pertencentes aos diversos
corpns que embacarain para a corte, visto se terem
nesies dias aggrairado os seus males pbysicos, de-
termina que fique amanhaa exonerado da incum-
bencia do referido deposito, que ser commellida
ao Sr. cpitao reformado Mathias Vieira de Aguiar,
a quem nomeio para o substituir.
O mesmo coronel agradece ao Sr. tenente Car
neiro o servico que prestou no curto periodo que
eslevo encarregado do depo.-ilo, tanto mais impor-
tante, quanto restabeleceu a confusao resoltante
do inopinado embarque da companhia de artfices,
que linna a seu cargo os recrutas em deposito e
como addidos as praeas a que me refiro.
(Assignado)Jo Maria Ildefonso Jacome da
Veica Pessoa e Mello.
(Est conforme)-Antonio Francisco Duarte, se-
gundo tenente ajudante de ordens interino, encar-
regado do detalhe.
RKYESTA DIARIA.
Hoje sobe a scena no Sania Isabel pela segunla
vez o interessante drama O medico das criancas,
cujo valor litlerario e deseuipenho artstico, j sao
conhecidos de urna parte do nosso publico, que em
seu bom senso e illustraco descobrio-lhe logo as
bellezas, e um fundo de sensibilidade nexgolavel,
de que frtil tal composic-So.
Do novo chamo a atienco da competente an-
toridade para o estado em que se acha a estrada
de Apipnos, principalmente na parte em fronte da
casa do Sr. Tasso; pois ahi quasi que j impos-
sivel o transito pelos grandes e muitos buracos,
que h.
Alm deste ponto, grandes excavaces existem
em oulras partes da mesma estrada, como |iela Es-
tancia, onde ha dias lieou enterrado un mnibus,
e como pelo Parnam-rim, onde esta semana virou
um outro com risco dos passageiros, sendo preciso
que o Sr. Claudio Duhenx para prevenir algum si-
nislro e a detenoracao eompleta dos seus vehcu-
los venha trabalhar nos pontos mais perigosos, fa-
zendo ahi o que deverik) ler feito os cofres pbli-
cos, que para isso sao habilitados para imposicod
; pedagio.
) A respeil > deste estado, que urg jior urna pro-
l videncia, nos dirigem as soguinies linhas :
j t J vio Vmc. pela nossa narracao quanto era
urgente que dessa ruina, que nao admiltimos po-
I desse esjar na ignorancia da reparticao das obras
publicas se houvesso logo tratado; mais como as-
sim nao acontecen, bem que se diga que a nao
ler vindo de Apipucos em pessoa o Sr. Claudio l)u-
beux, com os seus trabalhadores remendar os dous
principaes e mais pengos-.s logares (qorqoe mui-
tos oniros tem ella aind.i^ certamente que o perigo
eminente continuara, succedesse o que succ-
d^-.so.
E' paranlo, realmente bem revoltaote o des-
preso com que nossas eoosas sao tratadas, e o que
mais admira que isio se d em urna estrada em
que se cobra o pedagio I>
Deo-se na quinta-feira, no iheatro de Sania
Isabel o concert de madama P. lipas, qne all fe-
se ouvir as cavatinas do Barbeiro de Seoilha, Tro-
r.hlor. Favorita, bem como na Vwandeira do Regi-
ment.
Madama Petipas dispoe de voz de um timbre
agradavel, aind-i que nao seja notavel pela grande
extensa >. Tem estylo em seu canto, e mostra nao
ser novel na cantera.
Madama Peiipas em sua xecucao sonbe con-
quistar provasde aprece da platea, qne applaa-
dio todas as vezcs,-ijue ella veio a scena.
Dirigem-nos as reflexbes que vio em segui-
da com relacao a um ramo dos mclhoramentos ma-
teriaes desta cidade, e para ellas reclamamos a at-
tencaa da aulorldade competente, visto a sua ma-
teria ser credora disto.
t A ninguem escapar a idea de que, de balde
ser o grande melhoramento da nossa capital, com
o calcamento que se Ihe est fazendo, se nao for
elle rigorosamente conservado. Nao certamente
pequeo o sacrificio, que eslao fazendo os propie-
tarios e os cofres da provincia, para que nao mere-
ca islo as honras do una reeamaco.
t Todos vem e presencian] a fcilidade com
que qiulqu-r particular melle as maos no calca-
ment, para intro luzir em suas IiabitaQdes os me-
Ibora'inentos que desrjam fazer.
E conio sao repostos esses revolvimentos por
lles eitos!
Foi isto mesmo o que se deu as ms desla
cidade. que ontr'ora Ihiham sido calca-las, (piando
por ellas passoU o encanameoto do gaz, e como es-
te, outro igual faci se den na parte da estrada
empedrada, entre a ponte do Minguinho e a estra-
da da Magdalena, por onde pssou o encanamento
da companhia d. Beberibe, deixando-se lodo es-
se espajo, to mal reposto, o sem declive para o
escoamento das aguas plaviaes, qne oeste invern
lornou-se intransitavel. Ora, se ludo islo se tem
dado, o que estar reservado ao ponre calcamento,
se a empreza CambroDDe livor de ser levada a ef-
feito e nao hoover nina medida que salve a ruina
do mesmo calcamento ?
Ao hbil engenheiro chefe da reparticao das
'bras publicas, naofaltam eonhecimenlos para bom
indicar os melos que devem fazer dosapparec r o
mal a que allodimos; entretanto sempre lembra
mos que sem previa licenca, sob a vigilancia da
reparticao das obras publicas, e mesmo de canoio
nos casos em que deva ser esta prestada, como ga-
ranta do calcamento, nao possa particular algum,
companhia ou associacao, bolir nelle, sob as penas
que devem ser impostas : assim o entendemos.
Hoje se extrahir 4a parte da o* e i*
da 61 lotera, da matriz de S. Pedro Marlvr d'Olu-
da (22'j sendo o maior premio 6:0005000.
Comuiunicam-nos o seguinte :
Houtem das 8 as 9 horas da manhaa, foram os
larapios no Io andar do sobrad i da ra Din ita n.
38, aonde mora o Sr. J. J. L. Baira i, e entraram
no quarto de dormida e tiraram um fraque de ca-
simira cor de vinagre .-ob'jo escuro, contendo nos
bolsos dous lencos, sendo um de seda branca com
barra amarella, outro branco com o nome do an-
nnneante, um collete branco de golla virada com
nina abotoadura de seis botoes de cryslal.
Exisliam no mesmo quarto objeelos de valor que
com pouco iiiis trabalho teriam sido roubados; e
ludo isto se |iassara quando o dono estava na sala
junto ao mesmo quarto leudo o Diario, quo sem
duvida, algum movimenlo que lizesseos fez retirar
e privados de roubar o resto
O Sr. ibesoureiro das loteras expe hoje
venda os bilhetes da 1 lotera a favor das familias
dos voluntarios da patria, devendo ser a mesma
extrahida no dia lodo correte.
A applicacao do referido beneficio tendendo a
um fim to justo, de esperar que em pouco sejam
distribuidos as bilhetes, coocorrendo desta sorte os
aminlisdeste jogo a snavisar a situaco das fami-
lias dos bravos, que foram vingar a honra na-
cional.
Em consequencia de haverem sido mudadas
as sessoes do Atheneu Philosoohic i Litlerario, para
os sabbados as 3 1/2 horas'da tarle, haver hoje
(8) sessao, as horas j indicada, e no lugar do cos-
tume.
Reparticao da polica :
Extracto das partes do dia 7 de julho de 1865.
Foram rec libidos easa de delenco no dia 6
do eorrente:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Joo
Nunes de Barros, por suspeito do ser desertor;
Antonio Francisco dos Santos, para correceo;
Amancio Jos dos Santos, sem declaraco do moti-
vo e posto logo em liberdade ; e Leandro, africano
livre, a disposico do subdelegado de S. Jos, para
ser processado por crime de offensas physicas.
O chefe da 2." seecao.
J. G. de Mesqnita.
Passageiros do vapor brasileiro Persinunga,
sabidos para Macei e portes intormedios :
Antonio Luiz Machado, Francisco Xavier Soares
de Almeida, Dr. Fernando Maranhense da lunha,
sna spnnor, 1 fllho menor e 2 criados, Jos Coe-
Iho Barbosa, Salustiano Lihanio Thenorio, Antonio
Martins Vianna, Amonio T. Ferreira Lima Verde e
sua senhora, Felice Felizzola, Antonio de Vihonato,
Vicenzo Dontuana, Vicenzo Tinizola, Biazio Joriati,
Dr. Lniz Emigdio Rodriguos Vianna, Joo Carlos
de Souza Santiago e Jos da Silva Pereira Costa
Leal,
Passageiro do hiate brasileiro Sergipano, vin-
do do Ass : Joao Rodrigues Piraenta.
Casa de detknqao.Movimento do dia 6 de ju-
nio de I86j :
Existiam 355; entraram 4 ;sahiram 10 ; existem
349 a saber: nacionaes 265 ; muflieres 6 j es-
trangeiros SS ; muflieres 2 ; escravos 45 ; escravas
6 total 349.
Alimentados costa dos cofres pblicos 166.
Movimenlo da enfermara do dia 8 de iulbo de
1865.
Teve alta :
Maria Francis da Conceico.
CMARA lOIGIPAL.
8E3SA0 EXTRAORDINARIA AOS 22 DE MARCO
DE 1805.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Srs. Thoniaz de Aqnino Gusta-
vo do Reg, Dr. Miranda,Co-ta Henleiro e.Santos,
faltando com cansa os Srs. Dr. Sarniento, e Silva
do Brasil, e sem ella o Sr. Barros Rege, abie-se a
sessao, e lida e approvada a acta da antece-
dente.
L-se o seguinle
EXPEDIENTE.
Um officio do Exm. presidente da provincia, di-
zendo qne tendo de proceder-se a benc t e entre-
ga do estandarte imperial, que algumas | essoas
desla capital preleodem ollertar ao corpo de volun-
tarios da patria desla provincia, convida a cmara
para cora sua presoDca dar maior brilho e rfalce a
essa soleranidade religiosa e patritica, que lera
lugar na igreja da Conceico dos Militares as 9 ho
ras da manla do dia 25 do eorrente. lulei-
rada.
lima peticao vinda da presidencia da provincia,
para a cmara informar, cobriodo mura em que
Jos Elias Machado Freir quer fazer chegaraoco-
nhecimento de S. M. Imperial, urna queixa contra
a mesma cmara, por ler mandado derrabar o seu
estaleiro feito com licenca della em o terreno mu-
nicipal, silo i roa Nova lo Sania Rita, allegando o
peticionario que por semelhante procedlmento ficou
prejudicado com a perda de toda a madeira e ios-
trmenlos, que licaram no campo entregues ao
povo ; allegando ainda i|ue a o<>e lempo tinha elle
dous banpiinhos em ccnstruccao, dos quaes um era
destinado pura a pesca do alto mar, como prova
com o documento n. 3, e h'nalmenle calcula c dai-
no (que diz cansado)em 9:8355 rs.,em consequen-
cia da perda em madeiras, e o armazem em que
existiam os instrumentos, sendo aquelle dislruido,
e esies exposlos ao tt-mpo.
Posla em discusso a cmara resolveu inf icmar
S. Exe, referindo-se ao queja disse sobre seme-
lhante qoeslao, em offlcios sob n. 31 do 27 de ja-
ro de 1864. e 8 do Io, de fevereiro deste anno.
Din ofOcio do secretario da presidencia, convi
dando de ordein de S. Exe. a cmara municipal
para assistir ao cortejo que se tem de fazer no pa-
lacio do governo, efflfie de S. M. o Imperador,
pelas 5 horas da tarde de 25 do eorrente, aniver-
sario do juramento constituic/io do imperio In-
leirada.
Outro do Sr. vereador Antonio Jos Silva do Bra-
sil, commomeando que por achar-se encommoda-
do, deixava de comparecer sesso de boje. ln-
teirAda.
Outro do Dr. inspector da gande publica, commu-
nicando que conjunclamenle com a commisso de
sade examinara as padanas sitas na praca da
Boa-Vista e ra da Caixa d'Agua, bem como a re-
linaria de assucar sila ra da Imperatrlz, alim de
dar cea parecer se podem ou nao continuar, diz
que fazendo minucioso exame, seu |>arecer que
podem continuar os respectivos estabetecimentos;
visto qne esto em condicSes que nao accarrelam
detrimento a salubridade publica.Inteirada.
Ouiro do advogado, dando o ^eu parec r, sobre a
consulia que Ihe fui leila un ollicio de 15 do cr-
reme, declara que aos iscaes smeme cabe verifi-
car a ufracc'i i de posturas, e mullir o infractor
por meio de termo do achada, ou processo verbal
para que sji julgado na conformidad! do art. 205
e seguales da cdigo do processo, e u> embargar
a obra de sua propria autondade, visto que nao
exercem a jarisdiclo, nem podem impedir a defeza
da parle que deve ser apreciada pelo poder judicial,
absolvend* ou condemnando. Inteirada, dan lo-se
scieocia ao fiscal da Boa Vista, e aos de mais do
municipio.
Outro do juiz de paz do l" dislriclo da freguezia
do Poco, coinniunic indo que por achar-se enconi-
modado em sua sale, e precisar passar alguns
dias na cidade jiara melhor receilar-sc e tratarse,
passou por este motivo a vara de juiz de pazao im-
mediato.Inteirada.
Outro juiz de paz do 2o votado da mesma freguezia
do Poco. Joo Baptisia Pereira Lobo, communican-
do ler entrado em exercicio do dito cargo por im-
pedimento do Io votado.Inteirada.
Outro do engenheiro cordeador, participando, em
consequencia de que Ihe foi ordenado por ollicio de
15 do eorrente, que dirigindo-se ao sitio do desem-
bargador Firniino Antonio de Sou/a, observou que
ao longo d j muro que vai para o Pombal estV) sen-
do construidas duas pequeas casas de pedra\e cal
no alinhamenlo do mesmo muro, que com elTeito
o da ra projecta-la Daquelle lugar, mas que nao
lem a largura marcada as posturas, e segundo Ihe
pareceu a vista, nao eslao no nivellameulo, que
tem julgado marcar para as edifU-acoes naquelle
dito lugar, que do sobrado di ra do Hospicio,
onde esleve o qnartel general. Que se ofuViasse
ao solicitador para mandar embargar-a obra de
que se trata.
Outro do mesmo, informando o requerimeuto no
qual Julio Cesar Vieira de Amorm, pede para que
Ihe seja pe inittido edificar urna pequea casa den-
tro do seu terreno no lugar do Chacao, freguezia
do Poco da Panella ; diz-que sendo dita casa edifi-
cada denlro do terreno do peticionario, e nao na
frente da eslrada, nada ha que oppor pretenco
do mesmo.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando contra o requer-
ment no qual Autonio Moreira Reis, propnelario
da casa terrea sila ra das Calcadas o. 37, pede
para fazer com cal e tijollo a frente de um telheiro
que elle lem no fundo da mesma casa, obrigando-
se por um termo a nao exigir indemnisaco algu-
ma pela parle do mesmo telheiro, que (car dentro
datravessa que passa por junto da dita casa, e que
tem de ser alargada lndeferio-se.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
dizendo ter recebido da mao de seu antecessor a
chave da casa da ma do Calaboug-) u. 7, que serve
de armazem do materiaes quando os ha, passou a
examinar dita casa, e achou-a em iSo mo estado
que reccia seja abatida no prximo invern, visto
que a primeira terca esta partida,e os caibros car-
comidos do cupim ; pede cmara se digne dar
as.providencias que julgar necessarias. Mamjou-
se ordem ao engenheiro para ir examinar e orear
o concert lodispensavel.
Outro do mesmo, pediodo houvesse a cmara de
mandar satisfazer ao Dr. Augusto Carneiro Mo.itei-
ro da Silva Santos a quantia de 6JJO00 rs., de ama
corrida sanitaria que com elle procedeu no dia 17
do eorrente, em um psiabeleaimento da ra da
Prala n. 25, pertencente a Fpederico Antonio de
Mello, o qual foi multado na quantia de 315000 rs.,
por serem encontradas im seu dito esiabeleciinen-
lo sessenta e duas arrobas e duas libras de carne
secca, incapaz de ser vendida, dezeseis Nora; de
bacalho e nove arrobas de linguas seccas, e de
urna tara volante, e qne nao querendo o referido
Frederico pagar aos pretos que fizeram todo c tra-
badlo de pesar os gneros e de os conduzir para
rslab -
a atesma
pede I.-
serera laucados ao mar, elle fiscal mandn pagar aos-
dilos pretos a quantia de 4uOO rs. qii p*-le lam-
bi-m se Ihe mande salisfa.er. Qj.; pa-*a**9
mandado para ser pago o medico, e bem o li--a!,
recommendando-se ao procurador roe quaado ar-
recadasse a importancia da mulla, recebase, a des-
peza que fez o fiscal.
Outro do mesmo, ai .-cu-ando o oflicio que Ihe
fura dirigido era resposla a consulla .pie Hn re -
lativamenle disposico do arl. 2* do tu. 3" das
posturas de 30 de junho de 18i9, participa i|0 lo-
dos os proprielarios e inquilinos das ca-a- que t 11
canos para esgato das aguas plaviaes, ileilan
les canos a qualquer hura do eiaou da noilr, ihn
as aguas de sua serventa, romo laniln-ni as d. ijne
falla 0 arl. 5" do lit 3o das citadas po-tur.s, pa-
reeendo isto contmrto as disposico os metiio-
uados artigos, pede que l!i e.-ilar-i i I mul-
tar a todos aquelle* que pelos ditm eaaaa e-jni.v
rem as aguas que nao sejam pluviaesfj
respoiidesse ao fiscal que multasse aos que avia
procedessem.
Outro do fiscal da freguezia a Ba-Vi.-la, parli-
cipando haver encontrado Fraacim Eiiai iwi ira
coiislruindo, sem licenca nem earnfie, urna i .-1
terrea na esdada do l'ombal, e contra o qual man-
dara lavrar lermo de intrai-c.'i i as p--tura-. Ii-
teirada.
Outro do fiscal da freguezia de S. J.t-, i -cla-
rando em re posta ao oflicio de 8 do cn-eiite >| i :
ihe oi dirigido, quaes os mullidos 'n-i-,riii-
que proceder no dia 7 de fevereiro -.iltiipi), r..n o
cirurgio Francisco Jo.- C.ynllo Leal, no mesmo, com o Dr. Das Fernandes, e no da 6 >Vj
dito mez com o Dr. Carneiro Mont oro, e os ter n,s
respectivos se aidiam ja rerolhidos a cooiadoria. -
inteirada.
Uulro do fiscal da freguezia M Afolados, coin-
municandi) ter prosaAMo na n,..-o btpafa uu.a
corrida de porcos, e apprelieiidido irinia d^*e
aniniaes. sendo o maior numero pequeos, e re-
mettendo-os ao juiz de paz eonp Pul- pon HMi
arrematados, leve isto lugar no da ix d->eorrente,
resaltando de tal arreniaiayau > guanlia lnpu :
I68I), e que dirighMto'M'aou nirirs 1!
pitai de caridatie para entregar aquel a qn miia. >
nao eucontrou ; pede cmara que AgM d.r
asrdeos que julgar arenadas. ijue -e reypon-
desse ao fiscal que se dirija ao Sr. Ju-imo pereira
de Farias, e ao mesmo enlregasse a quanlia li-|ui-
dada.
Outro do fiscal da freguezia de S. INN*) .
communicando que por ora nao lem a>juella fregue-
zia prec.isoes, (|ue exijam proaylN j.rovi lencias
da municipalidade. Inteirada.
Oulro do administrador do cemterio pnblii-o da
mesma fieguezia, remetiendo o mappa dos enierra-
nientos fetos no dilo e.-talnlerimeDl de>iella
2 do eorrente. Ao procurador.
Foi approvado um parecer da rommi-M
sade no sentido d. poderem coiiiinu ir as.pado
rias na praca da Boa Vista e c.ixa d'Agujr; bem
como a retinara da ra da Imperainz, *io que
temi procedido a um exame rom o 111-/-:
sade, este recouheceu que est.>vam n-<
cimentes nessas coodicoes, com o qu
commisso se conformou.
O Sr. Santos achando-se iucommo-Jad).
cenca e relira-se.
Foi igualmente approvada a seguinle indicaro
da commisso de polica :
c A commis-o de polica, a bem do Irabalho da
arreradacao e despeza de.-ta cmara ; fMjt\ -le 1
o novo procurador, que lem de -ubsinnir > actntl,
s entre no exercicio das aitribui.iV- :i -. u tmn .
depois de ler sido approvado o toJMra I M 1 .
que lem de ser exhibido pelo acio.il pr curad r,
ua forma do Io no de 12 de agosto de 1841, na \< ,\i 111 qo- -t.ri-
ga a dar coala da receila e despeza lodo* 1 s trio. <-
tres no principio das sesses e l-- ,- 010 0t9
novo procurador tiver prestado a su 1 h.in.;a. qu
deve apenas preceder para que fique tambera euc-
prida a mesma le, ne-sa parle.
a Paco da cmara municipal do Rer; 2J t>
marco de 1805.Thoniaz de Aquino Fineeca.
Dr. Jeaquim Jo- de Miranda.
Maudou-se remeltrr a mesma rommis-a \ f 1.
liria um requeriinenlo, no qual procurador Bo-
rneado, Fianeisco de Paula e Silva, aprsenla i.s
documentos (|no coostiluem a babililai;i. de 1
fiador, e requer que se redu/.a a termo na forma
da lei, para poder lomar posM do dilo cargo.
O Sr. Thoniaz de Aqnino Foncpea, apreyentoa o
seguini artigo de po.-tura, o ijual temi sido s*Me
em discusso, ficou adiado a* reqoerim.-nlo autor :
t Artigo nico. Fica revogada, e de nenhnni
effelo a postura desla cmara municipal, appruva-
da pela lei de n. 552 de 20 de abril de MOL
t Recife, 15 de marco de 1865.Tlomaz de
Aquino Fonceca.
Mandoii se remelP-r a commisso de pnjiria, ama
proposta apresenlada pelds propietarios do Ih-trh
de Pernombuco, para contrataren) medanle rertas
condico -s e quanlia de l:(KX'J, a impresso e pu-
bli'-ae') dos 11 ab.ilio- da cmara.
Tendo a cmara indeferid a pecao, aa qaat
Jos dos Sanios Porlo, pede licenca para mandar
expor a venda nos mercados desla cidade, o p-ixe
de seu curral, o Sr. Costa Monteiro volou contra
tal deliberac.io.
Pre.-tou juramento o cidado Innocenci Xivi r
Vianna, fiscal nomeado na sessao ultima para a
freguezia do Recife.
Tendo sido a cmara intimada de qne, a' reque-
rnnento de Evaristo Mendes da Cunta Azevedo,
cesiouario de Francisco de Barros Corre. foram
penhorados os alngueis das casas ns. 3 a > da pra-
ea da Independencia, mandn expedir ordem ao
advogado e solhrilador para pedirem vista.
Marcou-se a primeira sessao ordinaria deste anno
para o dia 24 do correte, e segumi-s.
Despacharam-se as Delices de Antonio Moreira
Res, Jos dos Santos Porto, Juvenrio Aurelia da
Cunha Cesar, Tiburcio Valeriano Baplista.
E levantoo-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario
a subscrevi.
Declaro em tempo que Juvenrio Anreliann -la
Cunha Cesar, gerente da lypographia do Jornal -lo
Recife, requeren para retirar a proposta qne fizra
para a publiracao e Impressaodos traballio< mun-
cpaes, e a cmara mandou entregar a mesma pro-
posla, passando o peticionario recibo.ftia-Viagera
o declarei.Pereira simoes, pro-presidt ole. Dr.
Miranda. Cosa Monteiro.Reg.Sant-*. Fon
ceca.
CHRONICA JIDICUHU
Tumi:% vi, do conmuncio
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 6 DE
JL'LIIO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. ORSEMR.VRiiAOoR '
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
s 10 horas da manhaa. estando reunidos os Srs.
depulados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miniada
Leal, e presente o Sr. de-emlurcador nVal,
Exm. Sr. presidente declaran aheria a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antec-
deme.
EXPEDIENTE.
Foi presente pelo offlcial ihesooreiro ocoat.^-i-


\-


i
"M
>
--
Diario de Pernambnco -- sab?>ado 8 de Julho de 1865.

ment de haver reeolhldo a tuesoararla de fazenda resuliado quasi semorc repletos de
a quanda de 1:0695760, saldo liquido dos eraolu- ic,0
meutos arrecadados na secretaria, uo decurso do
anno Gaanceiro Bulo de 18G4 a 1865. Archi-
ve-se.
Um ofHcio da junta dos corretores, de o do cor-
rente, fazendo algumas ponderaeoes sobre o des-
pacho facultativo que este tribunal langou no re-
querimonto frs Rafce Schametlau & (1, as quaes
julgando o tribunal dignas de considerago, man-
dou ouvir o Sr. desembargador riscal.
Foram presentes os mappas dumoostrativos do
muvirneoto dos trapiches Avila, Tasso, Baiaodo
Livratnento e dos armazens alfandegados da com
sacri-1 Seno a erysipella ama molestia que sem duvi-; g fardos fazenda de lia, 7 ditos dita c linho ; a todos mandei Das.ar o uresnte nara afir rm-1
na e elTeilo de materia gerada nu corvo como ex- Adamson Uowie & C. >l-ul P pivsunit pal a SCI pu .
ins n mpin p .:,.'puem alguns escriptores de medicina,eem conse- 2 volumes fazenda de linho ; a Saunders Bro- ,, V .,
Lsiamos no meio ao anno, e se aproxima qut.ncia da febre |angada Da p^ onde produz' lhers & c Eu Jos Goncalves da Silva, escrivio o I
lisagao. e ate O presente te- inflammago, e que muitas pessoas, por nao se te-1 7 ditos dita de algodo, 23 caixas phosphoros,' escrevi.
Joo Jos d'Albuquerque,
faz-se estender
lllio esquecido esse dever, julgando nao ter rem convenientemente tratado, succumbem com o 100 gigos louga, 20 barris oleo de Imhaca, 50 sac
lima obrieacao a cumorir. pernicioso uso de que, nos tres dias nao devem eos pimenta; a Mills Lathan & C
Aeora Dorm esse dever sasrado meim- usa,rd,!remedlo:,|gam, o que faz-se estender o 47 fardos fazenda de algodo ; a N. O. Bieber.
i ir .. baer,U rae ,IH mal por nao se ter a principio combatido; por s- <$ C. I
ponlie etteclivamente 0 zelo, 6 dedicagao que so, pois, conveniente que, lego que alguem sel Patacho inglez Zircon, entrado de Cardiff, con-'
llie e proprio, uma vez que seu flm O mais sen'"" atacado de tal mal, deve provocar a transpi- 'signado a WiNon & Hett, manifestou o seguinte :
justo, 0 mais santo dt lodos OS deveres, r?5alomaDdo ,ao Principio ama colherinha de: 295 toneladas de carvao de pedra; aos mes-
ortanto, obstar-me desse trabalho ~!- "a do xarope alcooUcQ .de.vel.me dissolvido etn!mos.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe,-offlcal da im-
perial ordem da Rusa, juiz de direito especial do
Tribunal do coinmercio
Pela secretaria do tribunal do ronaaerrio aa
Pernambuco se faz publico, qne foram remirada:
Em o Io do corrente, o contrato oV orinad- de
Manoel Fernaodes da Costa. Antonio Fernaades
Mibeiro e Fianrisco Luiz dos Sanios, Portogr***,
establecidos nesta ntl;.ie do Recife sob a firma
cha do xarope alcoolicQ de veame dissolvldo em
13 uma chicara de infusao de flor de sabugueiro quen-
commercio desla cidade do Recife de Peroam-de Manoel Faroandes da Cota & G, da noal o
buco seu termo, por sua magestade imperial e dous primriros podero osar ; devendo dita so-ie-
constitucional
guarde etc.
Fago saber pelo presente
panhia Pernambucana, e o de n. 27 do edificio Al- uma ingratidao, uma vez que acceitei, e ti-Je, adosando-a com mais assucar, continuando no
o Sr. D. Pedro II, a quera Dos
que por este juizo e
dade durar por espaco de 4 anno, euntados do !
de Janeiro do anno prximo passado, com o rpi-
ta! de 67:466,5:)%. para o qual entra o socio CM>
e de Guimaraes vor-
livros Diarios de Millo Costa (i C.
A Man ns.
DESPACHOS.
No requerimen de Jos Bapiista da Fonceca J-
nior, pediodo o registro da procurago de D. Anto-
nia horrada Goncalves Ramos Villar. Regisire-se.
No de Francisco Antonio d'Almeida, pedindo o
registro da escriptura particular celebrada entre
elle, Antonio da Costa Ribeiro e Theotonio Flix
de Mell j, reformando a socied.ide que haviam es-
tabelecido antiriormenie : Vista ao Sr. desem-
gador fiscal.
No deGiiimiraes A Martins. pedindo o registro
do seu contrato de sociedade : Vista ao Sr. des-
embarg idor fl-cal. %
No de Tliomaz Bulton, pedindo cerlido d> theor
do registro do contrato de sociedade de Rostrou
Ilooker & C. : -Passe.
No de Francisco Gomes deOliveira, apresentan-
do o conhecinicnto do imposto do seu offlcio de
agente c:e leilSes para ser registrado :Como re-
quer.
No de Jos de Mello Costa Oliveira e Thomaz
Jos de Oliveira, pedindo que se declare no re-gis-
tro do seu Contrato de sociedade, cuja durarn ex-
pira no dia 10 do correnie, que o mesmo contrato
contina a vigorar, sem alterarao, por lempo inde-
termin i lo : Juntem o competente documento.
No de Ignacio Pedro das Noves, pedindo eerti-
dio'de quantos caixeiros tem o negociante Viceute
Jos de Unto : Cerlirique-se.
N'outro do rnesmo, pedindo que se declare por
certido qoal o fuudo da casa cornmercial de Vi-
cente Ji s de lrito : Como reqoer.
No de Jos Joa piiui Gomes de Aureu, portuguez,
de 32 annos c'eidade, eslabelicido nesta cidade
com casa de consignares e conunissoes, socio da
firma Abreu A '., cujo contrato social diz estar
registrado, pedindo ser admetlulo a matricula :
Visla ao Sr. desembargador BscaL
No de Gonzalo Jos Alfonso, corretor, pedindo o
registro do ciniheclmento de imposto do seu ofTl-
ci :R'gistre-se.
Na uuvida pruposta pelo Sr. official-maior da se-
cretaria sobre o despacho qne mandn passar car-
ta de registro esroaa Senhora ta Conreicao, por
nao ter -ido presente o auto original da mesma es-
cuna : Procude a duvida, que ser satisfeita pela
parle.
N'ontra duvida do mesmo Sr. oflicial-maior, di-
zendonio poder camprir o despacho que maadoa
regi>trar os estatutos da compa.ilua Indemnisado-
ra, pelas raides que expende : Vista ao Sr. des-
embargador liscal.
** Nada mais liavendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s onze horas emeia da
maoha.
pipas
8,000
fandega Velha, relativos ao semestre rindo.Man- fj0 como deleixado no CumprimentO dessa lrea "'as n^^e tratamenio, no fim dos quaes usa-
daram-se archivar. mrstao sp cim na<;sri nlo (Ipssp pm spii fa- j do "a^ope de veame na forma prescripta no re
Foram distribuido, pelos senhores deputados os \"''iU' B.*^mmumaovm NV H ceituario, teodo todo o cuidado de se abafar, a (i m seceos, 2o barris
r- I sodtuar convenientemente, alm de conservar o lainnas salgadas.
Portan 10, confiado no valioso auxilio dOS aentre corrente, que conseguir lomando uma ou' Lugre inglez Prospero, entrado de, Terra Nova,
empregad >s da festa, e em geral aos victo-,du:|s pilulas purgativas do mesmo "elame, consignado a J. Pater & C, manifestou o se-
rietices, farei Com 0 meu fraco ileance 0 ]^quantossnccumbemdesta molestia se diz: gu.nte.
, .... .. falleeeu de ervsipe a recollnda \ ao contrario
que puder, para que nao *ja mterrompida; al(,ans eXp0Sitores presumem serodJsenvoIrimen-
essa devocao de lodos OS annos, e se SOlem- e| da putrefacto uo sangue, tanto que o lugar in-
nrse o here Santo como sempre.
Antonio Borges AI ves.
Cidade da Victoria, 6 de jullio de 1865.
i*"
By^GOEs pnmK)
SES5AO
6 DE JIMIO
JI'DICIARIA EM
DE 1805.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
. A. F. TEIIETTI.
Secretario, Julio Gutmaraes.
. As 11 horas da manha o Exm. Sr. presidente
declarou aberta a sesso, estando reunidos os Srs.
desembargadores Rei? e Silva, Silva Goiraares,
Accioll e Duiia, e os Srs. depurados Rosa, Candido
Alcof rado, Ba.-to, e Miranda Leal.
Lida, fui api.rovada a acta da precedente ses-
so.
Foram assignados os aecordos proferidos na
ultima >esso nos fcitos entre partes :
Apprllanie, Jos Francisco Barrote ; appellados,
os administradores da massa fallida de Amorim,
Fragoso, Sanios 4C.-
o App.-lunte, M.uioel Ribeiro Bastos ; appellados,
D. Tbeodora Mara Quitea e outros.
Appllanles, D. Oiunpia Constancia de Moraes e
Silva e nutra ; appellado, Joaqaim Luiz Viraes.
Appellantes, Gimares & Bastos ; appellados,
os administradores da nussa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos & C.
Appeliantes, Adriano & Castro ; appellado, Joo
Antonio tos Santos Pacheco.
Appell inte, Francisco Jos da Costa Barros; ap-
pellados os administradores da massa fallida de Pa-
checo ; Mondes.
JUI.GAMF.NTOS.
Appellaate, Salvador Leite Vidigal ; appellado,
II. George Denis.Receberam-se os embargos.
Appellante, Belarmioo Aivcs de A rocha ; appel-
lado, Manoel IVreira Monteiro. Adiado na ultima
sesso.Ordeooo-se uma diligencia.
Appellaate, Francisco Jos de Campos Pamplo-
na ; appellados, Roberto Ligbtborn A Companhia.
Cundemnou se o reo de preceito, reformando-se
nesta paite a seoteaca appcllaua.
Appellantes e appellados simu'laneamente, os ad-
ministradores da massa fallida de Amorim, Fra-
goso, S.ntos A'Companhia e Cmara & Gaimaraes.
Adiado na ul'.ima sesso.Foi confirmada a sen
tenca appellada.
Recorrentes e recorridos simultneamente Ma-
noel Moreira Tavares e D. Leopoldina Mara da
Co-U, irulher de Mauoel da Costa Cotivella com
autorlsac/io do juizo. Adiado as sessoes de 19 c
30 do un z passado. Aiinulluu-se o processo de
fl. 33 em diaiite, proeedendo-se nova avaliayo :
sendo voto vencedor o do Exm Sr. presidente s-
iiii nie quanlo primeira parte.
Appellante, Ba^ilianode Magalhes Castro, como
tesiaiiu Lieiro e inventarame dos bens de Jos Fer-
nandez da Cruz ; appellados, Ges, Bastos & C.
Appellante, Francisco Santiago Ramos ; appel-
do, Joaquim Eiviro Al ves da Silva.
Recurrente, Francisco Teixeira Gaimaraes ; re-
corrido, Texeira Leite, Companhia & Sobrinho.
Adiados a pedido dos Srs. depuiados.
Appellmte, o r. Ignacio Nery da Fonseca ; ap-
pellados, os administradores da massa fallida de
Siqaeira & Pereira.
A|ipelUnle, D. Hara Magdalena de Almeida Ca-
tanho ; ippellada, D. Anua Josepha Pereira dos
Santos.
Appell.inte. Jos Duarle das Notes ; appellados,
os cura.lores fiscaes da massa fallida de Jos Mar-
ques dos Sautos Aguiar i C.
Adiadcs na ultima sesso, nao podi-ram ser pro-
postos por falta de lempo.
Appeilrates, D. Josepha Ju.-tina de Jess Gon-
ealves e outros; appellados, Isaac Curio t C.
Adiado na precedente sesso. S poder ser
julgado este ftiio quando estiver presente o Sr.
desembargador Gitirana.
DISTRIULigoES.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Appelliioles, os administradores d massa fallida
de Amoiim, Fragoso, Santos k C.; appellado,
Francisco Jos Cyrillo Leal.
Appellantes,06 administi adores da massa fallida
de Amotiii), Fragoso, Santos & C.; appellado,
Joo Gailberme Ramos.
A w-llmies, os administradores da massa fallida
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appeHado,
D. H na Maria de Jess.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes
Apelillante, o padre Antonio Jos Ficto;
lado, o I*; rao de Jai agua.
Api ilbute, Jos da Silva Torres Cravo ;
indo, Manoel de Souza Tavares.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appell inte, ttanislo II. R. de Souza; appella-
do, A o torio de Arruda Cmara.
Appellantes, os administradores da massa (alu-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado,
Joaquim Jos de Abren Jnior.
Nada mais podendo iratar-se o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso duas horas e tres quarlos
da tarde.
Agisa florida de Hnrray *&. Laa-
niaii.
Est com uma rapidez espaolusa iransmittindo e
entregando ao negro esauectmenlo uma chusma de
essencias e aguas emirosas para o tocador, as
quaes bem que se diga, leem servido de uma
miseravel deshonra ao gabinete de loilet, e de um
desprezivel desgosto lodas as pessoas de retinado
gosto. Alm de ser menos dispendiosa do que os
. flammado que, ento a sua cor era encarnada, se
troca em lvida ou negra, e termina em gangrena, e
; por essa razo que conveniente o xarope al-
coolico de veame na Infusao de flor desabugo.para
se conseguir resolver a inflammayo, oo pelo me-
. nos terminar pela supporago, impedindo assim a
gangrena.
Os tffetos do xarope alcoolico de veame appli-
cado na flor de sabugo ao doente, nao s de vau-
tagem por sua qualidade diafortica, como pela
anti-septica para impedir a putrefaeco as mo-
. lestias.
Na erysipella nao deve o enfermo nos pnmeiros
tres dias usar de comidas e bebidas quo possam
esquentar e inflammar n sangue.
A comida durante, esse lempo deve ser do reino
vegetal, i'omo sag, farinha do Maranlio, pao tor-
rado, bolacha, etc.
extractos e esseucias europeas, ella a mais pura
e delicada esencia Doral existente, e ul-i como Ihasse que nos pnmeiros tres das de acommetti
um excediente mel hygienico possuiodo superiores meatos do mal, nao se usasse de
qaalidades cosmeticai e finalmente ja como deli- oqneellesrepellemsao os ungentos, unturas que
cadoe aprazivel adorno odorfico e delicioso. E
mimoso e delicado compo.-to de tu lo quanto
ao qne ha de. mais agradare!. Para os senhore .
soffrem de iriitieo e ardencia da pelle causada 5'
pela manipnlacao da navaflia de barba, usando I Overdadeiro xarope de veame vende se na bo-
deste balsmico c refrigerante perfnme, diluido ll('a da rua Dircita n. 88, de Jos
em agua, encontrarlo nelle a virtude modificante,
2,6'42 barricas baralho; aos mesmos.
Hiate nacional Sbrateme, entrado do Acaracu',
consignado a C. C. da Costa Moreira, mauire;tou o
seguinte:
250 mehs de sola ; a Francisco de Albuquer-
que Mello.
106 ditos de dita ; a viuva de Manoel Goncalves
da Silva.
100 alqueires de sal; ao mestre do mesmo An-
tonio Gomes Pereira.
316 ditos de dita e 200 mol los de palha; a
ordem.
Hiate nacional Gracioso, entrado de Macu,
consignado Bartholomeo Lourenco, manifestou o
seguinte:
32'J alqueires de sal, 400 raolhos de palha de
carnauba ; a ordem.
170 coniinhos, 3 saceos com 10 arrobas e 18
libras de cera de abelha ; a Cunha Irmos & C.
Exportado.
Brigue inglez Utilcente, carregou nara Liv
Em 4 do corrente, o contrato de Silva A Sangri-
man, Jos Gomes e Mmnn Pilanca e Juaqmm
Pereira Valenle de Mando. eiabeW4o9 na villa
de Tacaraiti, sob a Brisa de Plaan, Maredo 4C.
da qual s poderonsar os d Pit.,nga A Mare-
do ; devendo dila sociedade durar por *|>aro rfe
dous annos, contados >l 9 de abril do rorrea*
cqpi o capilade. 12:0005, para o .;n.,| rotram os
socios Silva vidas e o: i.)67'J!) em fazenda-; e utencilios, eo
socio Pitanga rom 1:4765161 ^m dinheiro e......
5235839 era fazeada?, sendo Macedo, socio de in-
dustria.
Secretaria, do tribunal do
naiiibuco 4 de judio de IMS.
O olTcial-malor,
Julio GunmarSa
commerci > de Per-
Aindanaoviaxpositor de medicina que aconse-' ^ '^^ "'"""""''' Cd"cuu ,,ara mmt
medicamentos rI.a^/accuscorn ^ probas de assucar mas
Brigue hanoveriano Johannes, carregou para Gi
nhos.
o antidoto necessario, serviudo ao mesmo lempo, Tenho recebido cartas de algumas pessoas de
debaixo desia mesma forma, como um meio ex- ou]rf provincias que me communicam ler desla
cellente de dissipar o tost e ebeiro que Oca na !Clda(le sld- remetjlo o meu xarope falsificado,
bocea depois de se haver fumado. (Antes da com- i com 19,750 arrobas de assucar
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia i a 6...... 7:800-36,00
dem do da 7 ................ I:i2i5176
8:9265776
pra desta agua, hora sera examinar com cuidado,
se os nomes de Murray & Lanman se
acham inscriptos sob cada envoltorio, letreiro ou
garrafa, pois claro est, que na falta dos mesmos
toda a mais falsa).
vende-se as pharmacias de Caors & Barbosa e
J. da C. Bravo & C. ^
Eici^o dos euipregadosqiie bao
de festejar o glorioso mar-
iyv M. Mebastio, uo anno fn-
turo de ts&e? oa eidade da
victoria.
Juizes por eleco.
Os lllms. Srs. :
Dr. Jos Felippe de S<|mza Leao.
Felippe BeniCiO Gome dos Santos.
Capitio Aristteles Cameiro da Cunha.
Capito Manoel Caire a de Queiroz Moateiro.
Juizas por eleirjao.
As Exmas. Sras. :
D. Maria do Carino, I Iba do Illm. Sr. tenente co-
ronel Jos Meudes Carneiro da Cunha.
Consorte do Illm. Sr. Jos Ignacio de Albotjaer-
que.
D. Tiiereza Maria de Je.-u=, con-orte do Illm. Sr.
Francisco Ignacio Goncalves da Luz.
Consorte do Illm. Sr. Mauoel Cavalcante Barrete
Lio?.
Juizes por devocao.
Os lllms. Srs. :
Francisco Landelino da Silva.
Alfere- Jos Vicente da Silva.
Alferes Joo Rodrigues Duro de Lira.
Major Francisco Jos Alvares.
Juizas por devoQao.
As Exmas. Sras. :
Consorte do Illm. Sr. Dr. Manoel Innocencio Pires
de Figueiredo Camargo.
Consorte do Illm. Sr. Joaquim Antonio de Castro
Nunes.
Consorte do Illm. Sr. alferes Bellarmrao dos Santos
Bulco. /
Consorte do Illm. Sr. Manoel Gomes Silverf.
I preparado,-cujo conhecimeato se tem verificado
depois dos effeilos que taes remjdios apresenlava ;
assun, pois, tenho a declarar ao publico que no
letreiro que vai pregado na garrafa do xarope, j
sempre foi ssignado por meu puntan, e daqui em
diante, alm desta assigoatura o farei tambera no
papel que cobre a garrafa. Rogo ao mesmo pu- j
blico que quando forem assim engaados, tomem ;
testemunhas, me remettam os rtulos falsificados e
me participem para fazer effectivo o art. 167 do |
cdigo criminal do Brasil.
Jos da Rocha Paranhos.
CONSl'LAO PROVINCIAL.
Reudimentododia 1 a 6
dem do dia 7........
43:6415644
4:0175132
49:6585776
LW |
re so Mil o
appel-
appel-
EscrivaeJ por elei^ao
Os lllms. Srs.:
Tenente Antonio Lndugero da Silva Costa.
Tenente Joo Marinho Falco.
Capitio Joaqmm Jos Alvares.
Joaquim Jo^ de Sania Anna e Silva.
Fsrrivaas por eleigo.
As Exmas. Sras.:
D. Maria consorte do Illm. Sr. coronel Jos Cav. 1-
cante Perrz de Azevedo.
D. .Maria, consorte do Illm. Sr. coronel Tiburtino
Pinto d'Almeida.
D. Candida, consorte do Illm. Sr. Joaquim Pereira
Borge.
Consorte do Sr. Manoel Joaquim de Souza.
Escrives por devocao.
Os lllms. Srs.:
Capilao Joaquim Pessoa Cesar da Cunha.
Capitao Jos Tliomaz Goncalves do Ro?ario.
Jos Pereira Borge<.
Paulino Bizerra d'Ardrade Lima. _
E-crivas por devoQo.
As Exmas. Sras.:
Consorte do Illm. Sr. Manoel Antonio Goncalves
Lima.
Consorte do Illm. Sr. alferes Ilerrulano de Barros
Lima.
Consorte do Illm. Sr. Antonio Rufino Alves Correa
Jnior.
Consorte do Illm. Sr. Jos Francisco de Mello.
Mordemos.
0^ lllms. Srs. :
Manoel Tliomaz d'Albuquerque.
Pedro Gnedes Moreno Alcanforado.
Vctor de Barros Lima.
Jos Soares d'AlbU'inerque.
Alberto Francisco d'Aguiar.
Antonio do Monte Lima.
Ignacio Francisco n'Aguiar.
Francisco Gomes da Silva.
Anlo Serapio Lueano de Monra.
Antonio de Paula Cavalcante d'Almeida.
Procuradores.
Os lUras. Srs.:
Revd. padre Cide.
Revd. Fre Jos.
Adolpho Eloy Pacheco.
Manoel Joaquim Moreira.'
Jos Roberto.
Alexandre Jos de Mello.
Laudelino Lopes de Senna.
Manoel Ignacio de Paula.
Thesoureiro.
Anlo Borges Alves.
O vigano Francisco Xavier dos Santos.
A jm-nbeba.
As virtudes therapeuticas da jurubeba sao desde
muito conhecidas nao s no Brasil, pois que dellas
tralou Pisn em ,-ua excellenle obra Historia na-
turaba et medica hulla occidenlalts, seno as
Antiltias, onde o sueco das folhas e fructos como
aqui, muito estimado e appbcado contra as obs-
truecoes abdominaes, principalmente do ligado e
bacj; e se todos os facultativos desta provincia o
nao applicam com frequencla, isto se nao deve a
nao reconhecerenl elles essas virtudes, mas slm a
nao serem encontradas com facilidade e em todas
; as estaces do anuo os fructos dessa planta, e re-
' puguancia, que apresenlam os deentes em fazer
i uso do sueco desses fructos, em consequencia de
j ser extremamente amargo.
A jurubeba nao descouhecida, dos botanisUs :
esta planta pertence familia das*sotaneas, e lem
a denominado de solanum pantculatum, que lhe
foi dada por Lyneo.
Parecendo-nos conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais era-
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcoolico que pode ser
' applicado era pilulas, mus tambera ura, vinho,,um
xarope, e um emplastro que pide sustituir, 'era
certos casos, o de. Vigo ; e estamos persuadidos que
com isto prestamos ura servlco humanidade e
| Iherapemica.
Pisn, tratando da hydropesia, prescreve a de-
coccao das raizes & jurubeba, e Mrat e Delens,
em seu Diccionario de materia medica e therapeu-
tica, dizem que ms An'ilhas se faz uso do sueco
dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
rho vesical; e a autoridade dos nomes desses rae-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer era
[ suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
. nosso estabelecimento essas raizes,para que possam
' ser experimentadas.
A repiitarao da jurubeba 6 tal, e os .resultados
therapeulicos obiidos' intimamente sao lo impor-
tantes, que nos pare/e intil dizer mais do que
isto, que fica escriplo.
Deposito: pharrnacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
Navio saludo no dia 6.
Hamburgo68 dias, escuna dinamarqueza Kosler,
de 92 toneladas, capitao E. Bohn, equipagem o,
carga dilferentes inercadorias ; a Prente Vian-
na St C.
Navio entrado no da 7.
Ass47 dias, hiate brasileiro Sergypano, de Si
toneladas, capitao Julio Gomes da .-ilva. equipa-
gem 7, carga sal e outros gneros : a Henrique
Jos da Silva.
iWii'io sabido no mesmo di.i.
Portos do nor!ev mandante Rales.
massa fallida de Amorim, Fragoso, Santos 4 C, e
proceguiudoa execucao os seus devidos termos,
prosedeu-se a peuliora em dinheiros pertencentes
aos mesmos execuiados, pelo que o solicitador Ig-
nacio Barrozo de Mello, procurador do exequenle
em audiencia do dia 14 de novembro me fez o rc-
querimento do Iheor seguinte :
Aos 14 de.novembro de 1864 ne^la cidade do Re-
cife de Pernambuco, em publica audiencia que aos
feuos e as partes fazia o Dr. juiz de direito especial
do coinmercio Trisiao de Alencar Arariue, nella
pelo solicitador Ignacio liarroso de Mello procura-
dor do exequenle Henrique Jos Alves Ferrcra,
fora aecusada a penhora que se segu feilaem di-
nheiro pertencente aos executados, requerendo que
nao s aos mesmos lieassem assignados os seis dias
da lei, como os dez dias aos credores incertos, pas-
sando-se os edilaes do esljlo, e requerendo na :iies-
ma occaso que se passasse mandado de remoeo,
para o deposito publico e achando-se preserie o
solicitador Miguel Jos de Almeida Pernambuco
procurador dos executados, por parte destes pedio
vista.
Termos em que houve dito juiz ambos os re:;ue-
rimeutos por deferidos.
Exlrabi o presente do protocollo de audiencias, e
juuto o mandado e termo de penhora.
Eu Fausiino Jos da Fonceca, escrevente jura-
mentado o escrevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri '
vo o subscrevi.
Segnindo o que assim se conliuha em dilo re
qnerimento de audiencias, depois do qual o mtsm)
solicitador Ignacio Barroso de Mello, procarador do
exequente, era audiencia do dia 19 de jutihodo cr-
reme anuo, me fez o requeiimento do theor se-
grate :
Aos 19 de junho de 1865 nesta cidade do Recite
de Pernambuco, era publica audiencia que aos (el-
los e as parles fazia o Dr. juiz de direito especial
do commercio, Trislo de Alencar Aranpe, nella
pelo solicitador Ij-uacio Barroso de Mello procura-
dor do exequenle II--arique Jos Alvos Feriiira,
requerido que havendo-se desencaminliado os pri-!
niejros edilaes, se lhe mandasse oulros com salva
do'pnineiro, e que laneava de preva, e requera
que fossera os autos com vbla afiual.
O que ouvdo pelo juiz assim o deferio.
Exlrahi o presente do protocollo de audiencias.
Eu Manoel Silvino de Barros Falco, escrevente FSCalSaC ll frf?ne/-"dc Sallt i-
luramentado o escrevi. /,~ **" k" >
tomo di Retire.
prsenle se faz sciente a todos
Acbam-se rerolhidos casa de detengo vor
fogldo, Falo, esrravo de domingos Franrii-
valcanli, sensor do engracio Retiro, e Mano-I. W-
cravo de Jos Pereira Copo, residente no Brejo da
Madre de Dos : quem pois se julftar rom direito
aos meamos escravos, pr.vando, ser-lhes-ha en-
tregue.
Subdt-legacia de polica da freguezia da Roa-
Vista 7 de {albo de 1863.
Parlo de Aqurao Fonseca.
Pela Ihesouraria provincial se faz r">bhro,
que a arremalaco da otara da eaMi de N^zar-'h,
foi tr nsferida para o dia 20 de julho prximo via-
douro.
Se retara da ihesrararia provincial de Pernam-
buco 28 de junho de 1863.-O feffMarav
A. F. d'Annnneiirfio.
Arremata$fto.
No dia 8 do erreute, depois da and:<
do Illm. Sr juiz de paz do 1 d atrirJo da ft.j-V;,-
la, tem de >ar arrematado o seguinle : 1 pipa rr-ni
vinagre, 2 barris rom viuho, J barrica rom n ilho
alpi>la, 4 siseos com milho e i sacra rom mm de
casca, sendo ditos genpros penhorado- a Fernando
Jos de Olivera, por exeruc de Maximino Mar-
lins da Silva Borges, Antonio Ignacio Branda, e
Marcolirro Ibnriques Pereira.
Pelo
desla
freguezia
de
rs
Sanio Anlo-
Eu Mauoel de Carvalho Paes de Andrade, escri*
vo o subscrevi. j
Seguindo o que assim se conliuha em dito reqne- r inrudore
rimento de audiencia aqui transcripto, depois do
qual o menciouado esenvo Manoel de Cal valho ni 'J"e> em v_irtU(le r ilelibi-ia.;.i. da Ilima.
Paes de Andrade, que este subreveu e fez passar Cmara municipal desla mesma ridade, (le
?I.!^"l.t'.^,'.la.L-0.? ^-P.11-" -V.^'.'^'J".^0,
o despejo publico de lodo o lix> e immun-
-Jrr- rj-v*'.3^sVKxm
isnu
V
COMMSliIQ.
Cai.va (ilial do lianco do Brasil em
Pernamliuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil uo Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de pernambuco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagam o Io dividendo de dila massa
na razo de 9 /U sobre o valor des ttulos ad-
mellidos : no novo banco de Pernambuco rua
do Trapiche n. 34.
ALFANDEGA.
Reodimento do dia 1 a 6......
dem do dia 7...............
MOVIME.NTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas____ 138
com gneros..... 394
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-
cial, em eumprimwito da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico, que no
dia 3 de agosto prximo vindouro, parante a junta
da fazrnda, da mesma thesouraria, se ha de arre-
matar, a quem por meno llzera obra do empedra-
ment, na extensao de loo bragas no lanco da es-
Irada de Bujary a cidade deGoianna, avahada era
l:364j000.
A arremalaco sera feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1845, e sob as clausu-
las especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propuzerem a essa arremala-
co comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se manduu publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da Ihesouraria "provincial de Pernam-
buco, 4 de julho de 1863.
O secretario
A. F. da Annuncwrao.
Clausulas especiaes para a arrematar,to.
1.a Empedramento de loo bragas correles no
lanco de e-trada de Bujary a Goianna na impor-
tancia de 1:3643000, sera" feito de conformnlade,
com o respectivo oreamento, e as instruegoes do
engenbeiro cucarregado da liscalisgo dos traba-
Ihos.
2." Os pagamentos scro feitos em duas presia-
goes igtiaes, a primeira quando estiver execatado
raelade de lodo o servigo ; e a ultima na concluso
do trabalho.
3.a O arrematante romegar os trabalhns at o
1 dia !: de setembro e os concluir al o ultimo de
outnbro do correnie airan.
4.* O arrematante nflo ter direito a indemnisa-
go alguma, qualquer que ee]a a natureza da alle-
gago, salvo nos casos previstos por lei.
5.* Em ludo ornis que nao vai especificado as
presentes clausulas, soguir-se-ha o que dispoe o re-
gulamenio de 9 de julho de 1864.
Conforme.A. F. da AnnunctacSo,
O lente Manoel Jos Pereira Bores, ca-
valleiro da imperial ordem da Rosa, juiz
municipal e de orphaus supplente emex-
ercico, nesti cidide da Victoria e seu
termo da enmarca de Santo Anllo da
provincia de Pernambuco, por Sua .Ma-
gestade Imperial e constitucional, o Sr.
. Pedro II que Deus guarde por muitos
annos.
Faco saber aos que typreseirte edital v-
rem e delie noticia liverem, que lindos os
de lei, se liao de arrematar
111:5193616
6:9383225
118:4773841
== dias de pregoes
e seu theor chamo, cito e hei por citados a lodcs os
credores incutos dos ditos executados, para que
deulro do referido prazo comparecam ante esie
juizo, allegando e | rovando que for a bem de
seus direilos e justiga sob pena de se proceder as
suas revenas.
E para que chegue ao conbecimeolo de iodos
mandei fazer o preseute edital com o prazo de 10
dias, que, ser allixado, nos lugares do costuraec
icados pela imprensa.
e passado ne.-ta cidade do Recife de Per-
namiuvo aos 21 de junho de 1864.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, e-cri-
vo o snfcscrevi.
'fiisto de Alencar Araripe.
O Dr. Trist(To-^trmar Ai.TrTpe,official da impe-
rial ordem da Rusa, juiz de direito especial do
c'omniereio desta cidade do Recife de Pernam-
buco c seu termo, por S. M. Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a quera Deus guar-
de, etc.
Fago saber pelo presente que, no dia 24 do raez
de julho do (jrrente anno se ha de arrematar d>'
renda annual a quem mais der, em praca publica
desle juizo, depois da audieucia respectiva o se-
grate :
O engentan Quizanga, sito na freguezia de S. Loa-
renco da Malta, moeote e corrate com agua, coro
casa de caldeiras, 5 tachas uo asseutamento, era
bom estado, casa de purgar por acabar, contend
300 formas, com furos para 330 pes, com algumas
crrenles, dlstilacao Coin ura pequeo alambique
de cobre em mo estado, senzala com 12 Bastabas
para escravos, rasa do vivenda do sobrado em bom
estado, dous agudes, sendo um para acabar, fal-
lando-lhe a porta o'agua, trras do engenho de boa
qualidade com algumas mallas, 8 bois mansos e 3
quart.ios, avahado por 2:000-500tt res ananaes;
14 escravos de servieo avahados era 1003 o servico
de cada um dos escravos annaalmeo'te, que tud'o
prefaz a avaliaco de 3:400t por cada anno de
renda, o qual engenho e seus pertenees e escravos
foi peuhorado a Josa-Francisco de Barros Reg e
sua mulher por execugao de Octaviano de Stuza
Franca.
E ua falta de licitantes ser a arrematago feita
pelo prego d ad|udicagao como abalimeuto res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer o prsenle edilal que ser afDxado
dos lugares do costume e publicado pela imprenta.
Dado e passado n-sta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 30 de junho de 1863.-Eu Mauoel
de Carvalho Paes de Andrade, escrivo o subs-
crevi.
Tristo de Alencar Araripe.
dicias, que lenliam de laucar fura lodos os
moradores, da mesma fri-^iiexia, nri ferMi :
primeiro.no fim do beccoem que termina a
ruajdo Rangel pelo lado do sul (lira d-fcaes
do llamos); segundo, do iad(| do ru-rtt' n
alagado do fundo da casa de detonro. | rin-
cipiando do seguimento da ma den' minada
do Pucinlio, ou do Bartholometi, do norte
ao sul, sendo o despejo feito as horas ip>
terminadas do art. 5o do til. .fi" das pota-
ras mnaicipaes de 30 de junho de I84), j
t anscripto neste Bunio n. 126 de 2 de ju-
nho prximo lindo : quem assim n.> o cunv
[irir, incorrer as penas especificadas nc
mesmo arl'go.
Fiscalisaco da freguezia d- Sanio Antc-
nio, o de julho de 1M&
fiscal
Caclano Pinto de Veras.
O conseibo de compras do arsenal de
guerra precisa comprar o s.-iminte, em vir-
tude da ordem da presidencia de "21
marco prximo lindo :
60(10 varas de aljjodiWiiiho.
1000 ditas e aniagem,
As pessoas que qui/.erem wnder ditos
artigos apreseiiiem suas |>opostas na sala
do conselho, s 11 horas do dia l do cr-
cente.
Sala do consellw de compras do arsenal
de guerra, G de julho de 186.".
O encarregado d'esc i|>turaro,
Manoel Jusr d'zevetlo Sanios.
A Ihesouraria provincial marca o praso de 30
das para o pagamento do inipj.-to das ras Nova e do Sol.
Pela thesnaram pravtaeiai s faz publico,
quo a arrematago di obra do (jnarttl da villa de
Serinliaera. foi transfer Ja para o diaOdejulbo
prximo vind.mro.
S (creiaria da thesonrarla provincia! de Pernam-
buco 28 de junho d IMi.O temas la,
A. F. d'Aoaanciagao.
un
__ Convidase as pessoas que esto as coadl-
goes dj servico militar, a engajarcm no corpo de
polica e gozarem das vantagens da lei provincial
n. 611 d^ 2 de maio prximo passado, que sao as
seguinles: lf4yonr diarios de sold, serem seus
lilhos menores' recolhidos aos" estabelecimentos
proviociaes de educago o tempo que estiverem
Volumes sabidos com fazendas.
com gneros.
------- 532
85
801
------- 886
aposentadoria, e a m destas, tem Indas as mais
vantagens que sao concedidas aos voluntarios da
patria.O tenente-c ronel coramandante do* cor-
po de polic a, A exandre de Barros e Albuquer
que. *
Erysipella.
O medicamento que com mais influencia e ener-
gir lem combatido essa terrivel enfermidade, tem
isdo o xarope alcoolleo de veame.
Uma escrava da mai do Sr Francisco Firmino
Monteiro, pessoa bem couhecida nesta cidade,
aehaudo-se de cama, e com as pernas bastante in-
diadas, e cheia detomores, tomando o xarope de
veame, cha-se boje boa, prestando servigos.
A mana do Sr. Jos Francisco Piolo, morador
oaruaDireita n. 51, tendo sido acommeltida do
mesmo mal, acha-se tambera boa.
A Sra. D. Senhorioha mbelina dos Santos, mo-
rador na rua das Calgadas n. 38, achando-se ata-
cada de erysipella as cosas, com quatro tumores
Descarregjm no dia 8 do corrente.
Brigne iogiez Ruth mercadortas.
Patacho inglezTiaraidem.
Barca ingleza-WsiVm mercadorias e ferro.
Brigue porttiguez-/'/onn Escuna portuguezaD. Joocharque.
Brigue nacionalCardiaidem.
Patacho hollandezDenyidem.
Escuna diuamarquezaoranaidem.
Brigue inglez Mcltta -carvao.
Patacho inglezZerconidem.
ugar
im-
Importa^o.
Escuna ingleza Tiara, entrada de Liverpool,' passar 0 presente que se axar no
segmoteada SUlha" Me"rs & C'' manifestoa publico do costume, e publicado pela
4 volumes fazenda de laa, 5 ditos dita de linho;. l)re^' ,
a Phipps Brothers & c. Dado e passado sob o signal e sello desle
l dito dila de dita; a A. C. de Abreu. juizo que ante mim serve, ou valia sem sel-
8 ditos dila de linho; a Patn Nash & C. j0 ex-causa.
i ditos moendas e perteuces; a Wilsoa &
em praca publica, por via de venda, a quem na gn rra ser conlado pelo duplo para o caso de
mais dr, pelos escravos crioulos de nomes,
Francisco de 24 a 28 annos, avahado por
i:200i.0rj0 e Jos de 18 a 20 annos de ida-
de, avahado por 1:0005000, sadios e de p-
timas figuras, os quaes sao pertencentes a
viuva e filhos do fallecido Antonio Barbosa
da Silva, e vo a praca ex-officio para ser
arrecadada com seguranza a parte que em
cada um delles lem o orphaio Manoel; de-
vendo ler lugar a ultima praca de arremata-
gao no dia 11 de julho do corrente anno,
das 10 s II horas da manha, a portada
casa de residencia desle juizo.
E para que chegue a noticia de todos, fiz
Consulado proriaeial
Pe,a mesa do somatada i>roviorial se faz publico
que os irinia dias uieis marcados |,ara a conran-i
a bocea do cofre do 2o SMMaM do anno rinaarci-
ro de, 1864 a 186o dos imposto da ib-cima don pre-
dios urbanos, de 20 0|il da cuuumo de agurdente
e de o 0|0 sobre a renda dos bens de raz perten-
centes corporacoes de mao morta. tindam-se no
dia 10 do corrente, licando saMlM respectiva
multa os que pagarem depois daqn-Hle dia.
Mesa do consulado provincial de l'ern imhnco i
de julho de 186.".
Antonio Carneiro Machado Ros
Adrainislrator.
Inspcccao do arsenal de atiiha,
Faz-se publico que a coraraisso de per. tos exa-
minando na forma determinada no regulamenlo
annexo ao decreto n. 1324 de o ds fevereiro de
18ol,_o casco, machina, caldeiras, apparelho, mas-
treago, veame, amarras e an-oras do vapor Per-
sinunga da con panhia Pernambucana de nave^a-
go costeir*, achou todos estes objeclos em estado
de poder o vapor navegar.
lnspecgo do arsenal de marinha de Peruambu
co 3 de julho de 180o.
O inspector,
M. A. Barbosa de Almeida.
T2I
U.i A.
DE
r
-I ;
30
mi
He I te.
10 caixas phosphoros,141 ditas cha,
maoteiga ; a Tasso Irmos.
1 barril vioho, 200 ditos manteiga,
ether a C. Starr & C.
3 ditos cuteleria, 30 ditos manteiga; a J. Pater
a C.
23 ditos mantiga; a Duarte & C.
33 ditos dila ; a C. Jnior.
300 fogareiros e 20 loueladas carvao de pedra;
.Cidade
barris 1865.
da Vicoria, 27 de junho de
E eu Antonio Ludgero da Silva Costa, es-
' volumes ermo de orphos, o escrevi.
Manoel Jos Pereira liorges.
A eleigao da festa de S. Sebasto que
agora a fiz publicar como sen thesonreiro,
j o devia ter sido; mas circumstancias in-
voluntarias me forcaram bastante a fazer es- dadamente, depois que tem 'tomado
quecer essa espinhosa tarefa, que a verda-
bastante volumosos, no estado indolente, que a prl- ^. n
vava de pr-sede p ba muito lempo, com o aso 23 ditos mantiga; a Duarte & C. y Ciuaclao Joao Jos d Albuquerque juiz de
do xarope alcoolico de veame e pilulas purgativas 33 ditos dila ; a C. Jnior. paz do segundo anno desta freguezia de
do mesmo, acha-se resiabeleeida, e no uso dos rae- 300 fogareiros e 20 toneladas carvao de pedra ; S. Jos do Recife, no exercio de Seu ter-
d^caiiienlas os tumores.,terminaran) pela suppura- a ordem. I mo ele
?aA Sra. B. Rila, moradora na rua de Santa Rila sacco"' l^ounSrieSa* dVIla, Sfmosfflta Fa?0 Sa^er a qUem intereSsar ?ue d'ora
n. 13, primeiro aodar, soffrendo do mesmo mal ha de algodo; a Soulhali Mllors & C. em dianle, tem mudado as audiencias desle
grafios annos, pois que a erysipella alacava amiu- 18 volumes fazenda de algodo, 2 ditos dila de juizo para OS dias segundas Q quintas letras
1SaS;rTtem tomado esse reraedi01,aa4 ..aastfiS.**> m ^:.J* ?da seman? 52 "oras urde em ta-
Outros muitos factos dea ordem deixo de mea- Ryder 4 c alffda' '" s de sua res.denc.a na rua Augusta nume-
aeiras in-.iam.ia!. actetei, nao compulsando cwnar aqi uara Do m l0ID prolixo e enado.: 4 dlt05 a| d u i d ro 96.
devidameote o trabalho, e tambem o seu nho. Mello Lobo & c W d'U a,godao' J i para que chegue ao conhecimento de
O administrador da recebedoria de rendas
mteruas geraes faz publico, que era virtude da al-
terago 3a do decreto 2719 de 31 de dezembro de
1860, nao julgando conveniente que conliouem
em poder dos cobradores os conhecimentos do 1-
semestre do.exercicio de 1864 1863 dos impostos
de_20 0i0, imposto especial e decima addicional de
mo-morla, ordenou o reeolhimento delles, princi-
piando pelo bairro de Santo Antonio, cujo debito
superior ao dos mais, aflra de proceder a liqui
dacao de conformidade com os artigos 4- e 3- das
instruegoes queacompanharam o decreto 2334 de
16 de fevereiro de 1839, que em quauto se est
organisando a relago dos devedores do referido
bairro, Ihes permettido virem aqui pagar os seus
dbitos afim de evitarem a cobranga judicial.
Recebedoria de Pernambuco 3 de julho de 1863,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
qae a arremalaga i da obra da concluso da casa
da cmara e cadeia da villa do Bonito, foi trans-
ferida para o da 20 de jullr prximo vindouro.
Secretaria da Ihesouraria previncial de Perna u-
buco 28 de junho de 1865.-0 secretario,
A. F. d'Annllociago.
S. ISABEL
EMPREZA-'JOIMBRA
9V recita da asslgaatara.
Sabbado 8 de jullio de 165.
Represei.tar se ha o iuteressaute e muito ap-
ila o
pLaudido di ama em 5 actos
MEDICO DAS CRIANQAS.
Amoldo.
Lisboa.
Cimbra.
Borges.
Guimaraes.
Santa Rosa.
Peixoto.
PEBSOXAGESS.
Luciano Leraonner..............
Delormel.......................
Jeronymo......................
Fredelico....................
Francisco, criado............
Jeronymo, jardineiro........
R nalo, ciiadode Luciano___
Luiza........................)
Lucilia............'............) D.Eogenia.
Antonia....................... D. Leopoldina
Joanna. criada................. D. Joaquina
Marianna, aldca............... D. Jesnina.
Precisso de donzellas, caraponezas etc., ele.'
Dar lira ao espectculo a cbi-tosa comedia em
i acto ornada de mu ica
0 PERDAO D'ACTO
F.M
PERSPECTIVA.
Principiar s 8 horaj.
1


Diarlo de rernambneo ftabbado 8 de Julho de 1H ti
AMANHA'A
Domingo 9 de julho de 1865
Rceita extraordinaria
REE.VTIUD.V DA ACTRIZ U JoAN.NA JaNTAUIA DE
SOI'Z BlT.VNCOURT.
Rcpresentar se ha a sempre app'.audida comedia
em .1 actos, produccao brasilelra
ZaV
ITfMII O
8RWC0.
histoso entreacto,
BERTHA DE CASTIGO
l i n .m *.
Dir' fim ao espectculo
ornado de msica
Tomara parte as Sras D. Eugenia, D. Joanua
Porta. ,
Comprara' as 8 horas.
documentos e letras tudo porueante a mesma
massa.
IIO JE.
Era seu escriptono ruada Cadeia n. 9, as 11
horas. ________
LEILAO
De dividas c gado vecum cm Oliuda
ne Varaditro,
IIOJH
Sabbado 8 do correte as H horas em ponto.
Cordelro ftiindes
a requerimento de D. Hita liarla dos Anjos Paula,
curadora do alienado seu marido o capito Jos
Nudos d.1 Paula e mandado do lllm. Sr. Dr. juiz
municipal o.de orphos do terrao de Olinda, far
leilao de 11 meas, 4 jarretes e 2 quartos para o
servico do mesmo gado, que existe desde o anno
de 1861 na fazenda Majada Grande no rio Trairi,
lormn de S.mln Hita ala Paclinoro "Ir'ora Santa
como as di- j
vidas activas do dito seu curatellado na importan-
cia de 2:8035803 rs.. cuja relacao est em poder
do referid* agente a exme de quem pretender.
TIIF, A TRO J)V S* AYTONTO tr,D0 de Sante Rl> de Cachpelra, onlr
lILUAlIlAJ U O. ft.i\ 1/1111/ Cruz d0 Rio Grande do Norte, assim c<
(Capuaga)
Sociedade dramtica Thalia
Pcrnaniliucana
Ds ordem do lllm. Sr. presdeme do conselho
administrativo desta sociedade, convicto novameu-
leaos Srs. socios insultadores para comparecerem
no domingo 9 do crreme pelas 10 horas da ma-
nilas, a sede da sociedade, a Un de em assembla
geral proeeder-se a eleico para os novos mera-
ieiicao.
Caixeiro.
Precisa-se de om menino para caixeiro de ta- \
berna : a tratar na raa Nova n. 33 ou na pra?a da
Independencia n 34.
TTJf~ Pede-se a todas as autoridades pelriaes e a
L.tlllds UL ltiro. aaaesijuer particulares queiram de.oobrir onde se
Grande sortimenjo das melhores que ha no mer-.-viBha homislado o pardo Gabriel, escravo de Anie-
cado^ na ra Nova n. 33.,_________________ nlo Rollno Aranjia, da cidade da Parahiba, qun d
Aluga-sea meia agua da ra do Calaboiice Wfogiraombarcado no vapor Paran, quaudo es-
n. 1 por 105 mensaes: a tratar ni ra uireiti n. t* em Ma ultima viagem conduzlra tropa para o ,
5i |0,a sol. bsse escravo e pardo claro, de estatura me-,
no que regular, e bem proporcionado, lera cabel-
DE
Preeisa-se de um eauciro para taberna que |ps*orridos e crespos, de 18 anuos de idade, pou-
tenha pratica deste negocio e que d tiador a sua w Bais ou raenos_ com espinbas no rosto, e ofl-
cou lucia : a tratar na na ImoTial n i7. i ca| de alfaiate. Consta que se oflerecera para as-
Aluga-.se urna ca-a terrea n. 92 na ra Au- -sentar praga como voluntario : a quem o appre-
josta com 6 quartos, 2 sals, quintal cacimba e hender, ou delle dT noticia exacta
DE
J. TIGNE&
. 55. Rl'A DO IHPERtDOR %. K.
Os pianos desla amiga fabrica sao hoje- asss cochee-idos para que seja necessano in'rstir aahfli a
sua superioridade, vantugens e garantas qneiff'recem aos compradores, quabae* estas ,.-;nt- veis que eires tero delictivamente conquistado sobre todos os que tem appareeido n- ms-
sulndo um teclado e machiuismo que obedecen) rodas as vontades e caprichos da- plntela* em
raa do (ueimado i
Lcilio de 80 canastias cora alhos.
Segonda-feira 10 do corrente.
O agente Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pertt-ncer de8 canaslras com alhos em
lotes a ventado dos compradores : segunda-feira
10 do corrente pelas 10 horas da manha no ar-
bros do coiu consequeni ia do mao da que fez no domingo pas- alandega. "<- ^ ___ ^__
sado nao ter sido possivel reunir-so numero suf- ^e
ficlente de so'ias para pod-r fuuccionar dita as- Mi'TjJ W AU
serabla g;ral. Ficam tambera pelo presente con-,
vidados os Sis. socios espectadores e representan
tes para a?si-tireiii a prsente sessao, alim de que
com suas presentassejam tesiemuha de qualquer
deliberacao que baja de o nar a assembla geral.
Secr.-tr.a da sociedade Iramalica Thalia Per-
narabucana 3 de julho de 18630 Io secretario,
uterino, Fpirainonilfl Pinto tandeira e Aceloli
de Vascoueelios.
.
CD:ai>i;i'il-i'.li ^leasa^erSes im-
periales.
At o dia 14
do corrente mez,
e-pera-se da Eu-
ropa o vapor
fiancez Estrama
dure, o qual de-
pois da demora
do costume se-
guir para Baha
e Rio de Janeiro.
o< passageirosde Peroambaco para os portos
da E tropa 11 teiram seg irar a< snas passagens
abo lid niuHesdesta companhia ms mezes
d.' raaior affluncia, lem i euidade de o- tomar
nodU ia- os vapares s*tnm pira o sal, pegan-
do ;i ir n '->n> s fosse do llia de Janeiro
Para eondiecS'i, frws e pa-sagea-s trata-se na
agen :ia raa d i Trapirh-t n. 9.
COMPiVeA BUSIUEffii
DE
PAOETES k VAPOR.
Dos portos do sul esperado
- ' :\V v,ll'"'',s lla Coinpauhia, o qual
l'"^'-;'i!?&& depois da demora do co^tumc se-
mBmBbP guir para os- portos do norte,
l) >sd 'j: reeebem s;> passagelros e engaja-se a
carga ipie o vapor poder couduzir, a qual dever
g r [abarcada no da de sin chegada, encommen-
das c dinheiro a frele at o dia da sabida as 2 ho-
ras da tarde : agencia roa da Cruz n. I, escripto-
ri' de Antonio Lnfe'de Oliveir Azevedo ^ c.
De movis, obras de pi'ta, lonca, crys-
tacs c livros.
Como seja ni:
Urna solida ODObiJia de Jacaranda com 1 sof, 2
cadeiras de braco, 1 mesa oval, 2 consol? cora
lampos de pedra, 8 cadeiras de guarmcao, toilet
com lampo de pedra e espelho, 2 cadeiras de ba-
lance, 1 coslureira, l excelleute cama fraaerza, tu-
do de Jacaranda.
Ricos quadros cora finas gravuras, bonitas figu-
ras |iara ornato de mesa, linos jarros, 1 tapete, 2
escarradeiras, 2 descancos de pos.
Lirai excellente mesa elstica de amarello, 1
sof, 2 cadeiras de bracos, 18 litas de guarnicio,
2 di tas de balaaco, 1 rico aparador envidrac/ido,
tudo de amarello, 1 guarda v'-tida de mogoi e
urna excellente machina de costura.
Ura apareliio para cha, 1 dlt) de porcelana para
jantar,2 garrafas 2compoteiras, 6 clices, l co-
pos e 1 porta qneijo tudo de crystal.
26 colheres de prala para cita e soupa e diver-
sos livros.
Terc-.-feira M de julho
liu i da Cadeia armazein uumero 62.
O agente Palo aatorisado por um estrangeiro
que retira-se para Europa, far L'ilj dosobjectos
cima mencionad is e existentes no armazein da
ra di Cadeia n. 62. Oa la se ofTctuira' o leilao
as l borasdo da cima dito, os objetos podero
seren examinad is na dia e vespera do leilao.
Joao Silverio deSouza, seus manos e cu-
nhailo Gamillo Pinto de Lemos, cordialmente
agradecem a todas as pessoas, que se digna
rain assistir as exequias de seu presado pai
e sogro Joaquira Silverio de Sauza, de novo
convidam aos seus prenles, amigos e do fi-
nado para assistirera a missa do setirao dia,
que lia de celebrar-se na capella do cemite
rio publico lercafeira 11 do corrente nelas
7 horas da manha, coufessando desde ja
nossas eternas gratidoe?.
GASA DA FORTOl
Aos 6:000^000.

veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se confonne as encominendas, lano nesla fabrica como na do Sr. Rlundel. ia Pars socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram seropre premiados em I-odas u- %; -:,'i-..
No mesmo estabeleeimeuto se achara sempre um expl n lido < raflfulo safliflMBfe mmmmtm do>
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e panos harmnicos, seudo ludo vendiiiu por
A 9*i50 na<4-an-s' libra*st'runas
vessa das CruZi-^ n. 8, taberna.
na tra-
LEILAO
PAQUETES A VAPOH.
Os portos do norte esperado
at i -\ Tocanlins, commanbante o pri-
-^M nieiro lenle Pedro Ilyppolito
,,? Duarle, o qual depois da demora
do costume s-guir pora os Birlos do sul.
Desde ]" recbem-se passageiros e engaja-se a
i qoe o vapor p ider con lazir, a qual devera
ser embarcada ao dia de sua chegada, encom-
ias e dinheiro a frete al o dia da sabida as
- : agencia ra da Cruz n. i, escriptorio de
Anl igio Luiz de Oliveir A'.evado & C._______
-a^. Para o llio de Janeiro segu
\'ii.k\ cora muita brevidade por ter
prompla a maior parle do car-
regamento o brigue brasil sir
Imperador, oqual recebe o resto
da carga a frele,para o que tra
ta-ss ao escriptorio de Araorira Irmos, ra da
Cruz n. 3. Tambcm recebe escravos de passa-
geni a iratar cora o capilfti Joaquira Pinto de Sou-
za Passos, oa praca do cornme'rcio.
Para a Bahia pretende sabir
com muia (brevidade o velelro
lugre Emilia, capilo Bernardi-
uo Rodrigues de Almeida, por
ter a maior parte da carga tra
tada, ( para o resto que Ihes

De um grande realejo que toca 30 pecas entre
ellas bymaos,lanceiros, quininas, schoiz, polkas
etc. ao som do qual se p id i Uansar, cora 8 ligaras
tocando dilTerentes iasiruraenlos.
Una excellente e parfeita machina de coser, 1
eomraoda, 1 secretaria, I santuario, mesas, calet-
ras e
UM PIANO.
Teira-fe.ra 11 di1, julho.
Por ntervenco do agente Pinto, no armazein
da r a da Cadeia a... ondi havera' aoteriormen-
te outro leilao de movis, louea e crystaes.
jBI WW
Associaiao Tvpograjihica Fcr.am-
bieaoa.
pe ordem do r. presidente convido a lodos os
membros do conselho director a se reunirem boje
as 7 horas e mola da oote em sessao extraordi-
naria para tratar-.-e de negocio de grande urgen-
cia tendente a mesma sociedade.*
No impedimento do secretario interino,
Symphronio Bastos.
"ToTBioopoo;
LOTERA
DOS
Voluntarios da patria.
O tbesoureiro das loteras, abaixo assi";-
Dado, tem oprazerde nnnunciarao respei-
lave! publico, que tem exposto a venda os
bHieles, meios e qoartos da primeira parte
da loteria em beneficio das familias dos vo-
luntarios da patria desta provincia, que se
acham no theatro da guerra, bem buma-
nitaria acoijccsso desta lotera, e o pov
pernambucano se acha lo enthusiasmado
em-prol de tilo justa causa, que o mesmo
abaixo asonado escusa i'c:ommendar a
Aluga-se urna saU as nas prihclpaes de
8anto A'it uno ou Bja.Vuta : aununjiaiiJo-so para
ser procurada.
Pugio no dia i de JalhO corrente. o preto Joa-
quina, de, naco Costa, idade 40 annos, pouco mais |
ou menos de estatura regular, cora alguma falta
de cabellos na caheca, cantos b-'fu entrados, barlia
nilo multo espessa; esteescrivo fui do Sr. Taborda,
e com.orado ultimanieute ao Sr. Souza com casa de
commis) de escravos na na do Imperador, cons-'
ta que j em mitro lempo irabalhon em \ppucis
com o Sr. Jos Sesario : quera o pegar leve o a
ra da Concordia o. 8, rellnaeo, que ser genero-
samente gratificado.
Th A. Dammeyer deixa durante a sua au
sencia por seus procuradores em 1 lugar o Sr.
Adolpho Cario, em 2o o Sr. Man llamburger, e em
3 o Sr. Th. JusL_____________________________
Precisa-se de un preto ou preta captiva para
vender na ra com um laUoleiro, paga-se bem : a
tratar na ra da Senzala nova n. 39, taberna da
esqnina. |
Aluga-se o sobrado da ra d) Seve n... (Itha|
dos Ratos por detraz da nova casa da Gymnasio)
com 6 salas, II quartos, quartos para criados ees-'
cravos, cora bom quinlal e cacimba, e cocheira pa-! |
ra 6 cavallos : a tratar na ra da Cadeia n. JG,
primelro anlar, mi na ra da Sauiade, casa n. 1. '
Aluguel de eserava.
Alaga se urna eserava moca para servido inter-
no de casa de familia, a qual cose, cozinha e en-
gomma: quem pretender dirija-se em Santo Ama-
ro, sbralo junti ao camlterio inglez.
Ausenton-se no da 2 do corrate ao raeio dia,
da casa da ra do Imperador n. 16, o preto Kdimun-1
do, crioulo, cheio do carpo, altura r-gnlar, rosto
comprido, olhos pequeos e pouea barba, usa suis-
sa e bigode, bastante ladino, representa ter 2o
anno?, pouco mais ou menos, e julga-se ter levado :
calca preta e camisa branca ; este escravo foi com-1
prado ao Sr. coronel Galvo, do Limoeiro, para on-1
de se jnlga tenha Rugido, mas ha quem o tenha
visto na Passagem da Magdalena. Bemelios e Var-
zea; e como se desconfa que, esteja acontado,
protesta-se proceder contra quem o tiver acolhido,
e pede-se a quem delle der noticia on 'o agarrar,
que dirija-se a sobredita casa, ou a ra do Crespo
n. 13, que sera recompensada.
Aluga-se um mulattnho de 13 annos- que tem
pratica de servico de casa, muito fiel: na rua do
imperador n. 30, lerceiro andar.
VIIIq do Cabo.
Todos qoe lerara m us annuncios acharara meu
mime potico, p ds saibara que elle a denomina-
cao de um pardo velho, caronchoso, cgo de um
olbo,corlo, grosso chalo, cabellos earapinhos,
amigo pescador no Kio Grande do Norte, onde fui
snrrado com pea, herdeiro de corto morgaJo em
Portugal, deeendi-nte do rei do ConifO. assessw de
juizes annl|)habelos. lobo dos or[diaos, e marido de
D. Pabolag : por estes signaos son conhecido e
posee ser procurado na villa do Cabo, onde as-
sisto. Guaja.
Hilkeics garantidos.
A' hua do (Crespo n. 23 b casas do costume.
O abaixo assigaado vendeu nos seas muito feli-
zes bilbetes garantidos da lotera que se ac bou
de extrahir, a beneficio do theatro de Santa Isa-
bel, os seguintes premios :
Bous quartos u 1281 com a sorle de 0:0003.
Um quaito n. 2990 com a sorle de 1 200,3000.
K miras muitas sortes de 100,3, 40, 20J e
Os aossuldoi es codera vir receber seus re.-pec-;
tiros premios soui os descomes das leis na Casa
da Fortuna ru.'i tfi Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 4" parte da 5" e 1"
da 6* Interl?. (22') beneficio da matriz de S. Pe-
dro Martyr de Oliuda, qae se extrahir sabbado 8
! do corrente.
PREgO.
Bilhetes.....75000
Meios......35500
Quartos.....1$900
as pessoas que comprarem de lOO^OO
para cima.
' Bilhetes.....65500
, Meios......35750
Quartos.....15700
__________Manqel Mabtins Fuza.___
Precisa se de urna ama que saiba engommar
e coser para urna casa es'rangeira de pouea fami-
pregos commodose razoavels.
SiKIltSGlCO
-
Para
a tratar ni rua do Trapiche n. 3S.
_ O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
1 e 2o andar, onde pode ser proco-
rado para o exercicio de sua prois- E
sao medica, e com especialidade 8
sobre e seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos igaos geni- r
ti urinarios. 8
Em seu escriptorio os doentesse- 9J
rao examinados na ordem de suas 'M
entradas comecando o Uabalhope- 9
los doeales ti olliuS.
Dar cnsul las todos os dias das 6 as 10 da manha, menos nos do- 9
mingos. B
Praticar toda e qualquer opera- ^
cao que julgar conveniente para o m
prompto restabelecimento dos seus |
doentes. H
DR PED) [)2 AirUIYDE LOiJO \fOSC*;SO,
r,2Hic, iATjaat$i i opid.i3A.
3 Rua da Gloria, casa o Fundao 3
0 Dr. Lobo HOSCOSO d COOSU las giattnlas aos pobres lodos os dias das 7 !l
horas da inatiliao, eda G e meia ;Vs 8 limas di tioile, excepro dos lias santificad.>s.
Pha+macia especial homeopt thk
No mesmo co sultorio lia sempre o mais ippropfMfl srn-iinicnto de or r -
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precos scgnit v-
Carleiras de l tubos grandes. I'MXM)
do 24 tubos giandes. ; >two
de 3G tubos grandes. 244060
i de 48 tudos grandes. 3U000
de GJ tubos gran les. 3o00<)
Prepara-se qualquer ca teira ci>uforme o pedido que se i/er, e com o rtmviln *
que se pedir.
Din tubo avulso ou frasco de l'nlufa de meia om;a 14000.
Sendo para cima de H custar;:o os precos establecidos para as cartoiras.
lla tubos m:is pequeos cada urna 500 ris.
dou
A raelhor niri da homeopathia, o \l
i grandes l'Olnmes com diccionario .
Medicina domestica do !>r. Bering
Repertorio do Dr. Aieli< Monas .
Diccionario de tamos de meil
m
M
Qnem precisar de ura pequeo portuguez,
de i hule de 12 annos, bastante deserabaracado pa-
ra qualquer arrumacj nesta cidade, dirija-se ao
caes '22 de, Xovembro n. i, armazam de male-
riaes.
m m
Joao da Silva fiamos, medico pela" Un i '
"jj5: versidade de Coimbra, da consultas em H
^ sua casa das 9 s 11 horas da manha, e W
^.j das 'i s 6 da tarde. Visita os doentes .
<.i em snas casas regularmente as horas %.
j_-$\ para issn designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual- i
' quer ocoasio. D consultas aos pobre- I
Na queo procararem no hospital Pedro II, |
aonde encontrado diariamente das 6
falta mu-se com o consigoaurio Joaqoim Jos prompta concurrencia aos referidos bilhetes. W s 8 horas da manbaa.
G .... le t rao, na rua do \ gario n. 17, pn
ni. no andar.
1
Rio Grande do Sul
S igue com mu'U" brevidade por ler parte do car*
reganento prompto, o veleiro patacho Cyro, capi-
t."i i Casemiro Bibeiro Gome; : a tratar com Miguel
Jo Alves, rua da Cruz. K\___________________
Lisboa pela liha deS. iliguel.
Pretende sabir em poneos dias a barca

O anda.net.to das rodas 6 sabbado 15 do | m^t^$*%!S,
corrente, no consistorio da igreja do llosa- -a ainda mesmo os alienados, para o que
rio de S. Antonio '$ tem commodws apropriados e nella pra- '%
A distribniClO da 1 listas e OS pagamentos l'ca qualquer operagao cirurszjca.
dos dremios serao feitos com a promplidao |j Prim^ *stiStrios. 1
Segunda dita.... 25500 \,
O thesoureiro, < Terceira dita.... 25000
Antonio Jos Rodrigues de Souza
do costume.
O Sr. Arsenio Antonio
Alaria recebe carga e passageiros para cunlia Miranda qoeira dirigir-sc
esl a donsportos, a tratar com os consig- independencia n. G e S, que
nal anos uarvallto i Nogueira, rua do Apol- fa|ia,.
lo n. 20 ou com o capillo na praca.
Porto,
9 bngoe portuguez Laial, capito Alexandre
Jos Crrela, val sabir at 0 dia 9 do corrente, por
ter maior parle do seu carregamento prompto :
(]: i no mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gem. dirija-se a rna do Trapiche n. 44, escriptono
de B. II. B.ibello, on ao respectivo capito.
Para o aPorto.
Sobe com a possivel pre.-teza o brigue portnez
gtip'. i'ni'io : |iara carga e passageiros trrlase
com o consignatario Thon az d'Aquino t'onseca
rua do Vigario n. 19, 1 andar.
Para Lisboa
O brigue portuguez Soberano, capito Manoel
UiTiiardoIJugigauga, vai sabir at o dia 8 do cor-
ren!.', por ter a maior parle do seu carregamento
prompto : quem no mesmo quizer cirregar ou ir
de pi.ssagem^dirija-se a rua do Trapiche n. 44, es-
criptorio d'E. B. Rabello, ou ao respectivo ca-
p: Va. "'.'________________________________
IPRETA-SE
para r\> portos do sul e para os do Rio da Prala o
tari?: '. nacional Saliy : a tratar na rua do Trapiche
numero 4.
i -----------------------------------------------------1
Rio Granile e Assu'
Sfue por estes dias a barcada Dous Amigos,
recebe carga : a iratar cora o mestre na escadi-
nha ni no caes do Ramos n. 24.
LEI10ES.
LEILAO
DE
o em Papacaca.
s Aflictas, urna casa era respaldo.
\-* le
Um dit
Dividas.
II rlins levar novamenle a leilao por ordem
db3 credores do Bvd. D. Jos Antonio dos Santos
Less::, um terreno cercado em Papacaga, um dito
com una casa em respaldo nos Afilelos e diver-
sas dividas na importancia de 7:156>470 rs., em
Carneiro da
a prafa da
se precisa
fallar.__
.\a rua do Queimado n. 5 precisa-se alugar
urna prela para comprar e cozinbar.
Eduardo Adour vai a Europa.
Na padaria da Torre precisa-se de um Alugase um pequeo armazem na rua da
a-vas ador e que tenha pratica de vender Paz, proprio para qualquer estabelecimento em
lia
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servieos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
Aluga-se urna ama para casa de pouea lami-
na rua Direita n. 18.
i18)l:S3
Semana (Ilustrada do Ro de Janeiro
As.-igna-se na rua do Crespo n. 4 : tres mezes
G$, seis mezes 115, um anno 1^>-
wwrzvm
iual de Medicina Bomeopathico do I>r. M
.......... <;
.......... 1050 l
........... ;
........... :
Os remedios deste estabelecimento s3o por domis eoobeeidos e diajMwai
tanto do sercm novamente rr-commenddos as pessoas que qui'.erem nsar rk trm
, verdadeiros, enrgicos e duradores: bat: lo do meliiorque so pode de^ejar, \
?erdadeiro assucar de leittj, miaseis pea mm boa conservacSo, tintura .> i. ..- a
ladoseslabelecimeiitos europens. a mais e.victa eacarada prepararan, t porta ba i
energa v cereza em seus eoeitos.
CuS'i de $uud' pra escravos
Recebe-se escravos para tratar de qualqoer enfermidade on faz -. !' juei
operago, p ra o que o annuncianle julga-se sulTaieiitemeiite babilitado.
O iratamento o meibur possivel, lano na parte alimentar, como na medica, r
funecionando a casa lia mais de qualro annos, ba mui as peeSOM de tujo aBRilu s: n.'io
pode duvidar, qae podem ser consultados por a.pielles que desejrera mandar stu-
cloentes.
Paga-se 2;5 por dia durante (10 dias e d'.ihi em diante 1-joOO.
Asopcracoes sera) previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos p
razoaveis que costuma pedirr o annunc ante. -.
CONTRA FOGO.
A Compannia Iudemnisadora
estabelecida nesta praca, toma seguros martimos
sobre navios escus carregamentos e contra fogo em
edificios, mprcadorias e mobilias: no seu escripto-
rio, rua do Vigario n. pavimento terreo.
ITTEI
IClfl. Ama
ProTine-SairmandadeSHiora SanfAnna,:,?*\**Z**'-'?xXT7\ ani"'r' P">*^
erecta ua igreja da Mad.e de Dos, para que nao d "'"'' ama',ue sa,ba "JZI"har e e;i
Precisase de urna eserava para todo o sei-
vico de urna casa de familia : quem liver annun-
ci, ou dirija-se a roa de Santa Bita n. 1.
s>'%.?<:v.'" t '. *" ~y i -.'-*
^ O Dr. Carolino Francisco de Lima San- ;.|$
" tos contina a morar
faca negocio algum em particular com a rnda dos
armazens ns. 7 c 7 ii perl mcentes mesma ir-
mandade. pois qne lia qnem tjueira enlrarlem con-
curso ao aluguel, e offerece mais vaotagsns para
a mesma.Um devoto.
Alaga-se urna casa terrea na roa Angosta n.
112 : a tratar na rna Nova n. 59, primeiro and r.
Pecisa-se saber quem o corresponlente do
engenho Quitlndtiba', para entregar urna carta na '
livrana ns. (i e 8 da praca Onndopeadencia.
Desde o dia G de junho prximo fin-1
do ausenlou-se de um dos estabelecimontos1
do Exm. Sr, baro do Liv amento, onde se
achara a ervico, ha mais de 2 annos, o es-
cravo Pantaleo, de propredade do de-
sembargador Custodio Manoel da Silva Gui-
maraes. No dia 9 do supradito mez foi
adiado, junto ao caes do trapiche do algo
dao, no Forte do Mallos, o cadver de um
minar. p.M
casa de pouea familia, pref-res.- egrnm.
Aluga-se ura noleiiue d- M a I* ..:
muito liel : quem pretender diri|a-?e a B.-;.-Vi-;j.
rua do Bosario n. .*>6.
- Xa praca da independencia n. '!!, i ,
v.'s, compra-.-e ouro, prata, p dr;.- > r.
tambem se f^.i qaalqor obras de ata luait-aJa e
odo e qualquer couivrio.
wmM,
dor n. 17, segundo andar, t*nln alias seu
gabinete de consultas medicas, logo ao
- entrar, no primeiro.
*f< O mesmo doulr, que se tem dado ao
^| estudo tanto das operacSes como das mo-
E lestias internas, presta-se a qualquer cha
s4^? mado, quer para deutro quer para fra
^ da cidade.
. fe
W2
mmm
MM
lleiH

pao.
ponto pequeo : a iratar no pateo de S. Pedro n. 4.
A t le ruad.
Urna pessoa compelentemenle habilitada pro-
poe-se a eosinar priraeiras letras, lingua nacional,
msica e piano, fora desta cidade, preferindo-se
para fora desta provincia : na rua do Imperador
Fabrica de chapeas de sol
Rsia do Cre$p;> n. 4.
Nesla fabrica acha-se sempre o mais completo
sortimento de chapeos de sol francezes e inglezes
para horaens e senhoras, tanto de seda como alpa-
ca, e panno de todas as cores assim c rao um> n- 8- ca<"''-' do tabelbao Porto Carreiro, se dir
grande sortimento de pecas de superior seda, al- fluem e-
paca e pannos de linho e algodao para cobrlr ar- ~Na rua de Hortas n. 16, segundo andar,"pre-
macoes servidas, tudo por precos muito razoaveis. Cisa-se de urna criada para os servieos de urna se-
Gohrese e conceria-se toda e qualquer qualidade nhora.
de chapeos de sol, com perleico, presteza e com-
modo prego.: rua do Crespo n. 4. i i p "
- S5 d banC d0-.BriaSl 6 dHS CaiXaS 2i'aeS''a casa lerrea da I'na dorBero (Passagem da Mag-
desconum-se na praca da Independencia n. 52. da|ena) onde morou 0 Mrreotorl^JJ com ,
commodos para familia : trata-se no la-go do
Corpo Santo n. 19, escriptorio.
m
O bacharel
Francisco Augusto da Cosa
ADVOCADO
Rua do Imperador numero 69.
Rua da EIi'iiui numero :>S.
Reste i-lal.i lucimento achara-.-.- a MMa i
guintes objectos, lodos da nrisnia sjMtMil
CODOtmidos e.-pcinliicrite ..ara t--la ea, |
mais acreditados fabricante- Infle) :
Machinas a vapor de 2 1|2 a ca
moendas, juntas e sem ellas; e lanibem pr
bomem preto, .qoe esleve, dorante todo es- BS3HS l^SSfrJSE
te dia, exposto em frente da igreja da Ma- e por nao preeisar de oi.ra qualquer para .-.;i ao-
dre detos, espalbando-se lo^o a noticia e^nfamenm.
de que esse cadver era do referido escravo Jg -T,l ^ 'sy,e,na '"ui ''r
Pantaleo, o que logo foi dismentidp pela Modas de espora, e angulares, e de esqmdnlba
infnrmaco dada pelo subdelegado do'bairro "
do Recif, que assistio a vestoria, que se
fez, e declarou ser o cadver de um pesca-
dor, morador em Fora de Portas. Para
que alguem, com m e intenro crimino-
sa, au se aproveite desta cucumstancia',
reconbecidamente falsa, aftm de mais fcil-
mente lograr seu intento, faz-se o presente
annuncio, protestando-se contra semelhanle rinha.
noticia em vista das minuciosas indagares' A'^'^Ques de ierro, e fundos.
v n i, i i I Guindastes, fuos e poriaiils.
E, como ba toda pro- Prn;a< para eoMareartai,
babllldade de aehar-se dito escravo acoutadO Bo.das para carro de engeubo com eixos e man-
por algum especulador, roga-se a todas as ea* de patale.
autoridades policiaes e aos capilaes de .Furnias de ferro bando galvanizado para purgar.
campo cueapprehendam mencionado es- "'Mffl^lT^tSS&p^p
cravo (que no da 8 ou 9 d aquelle mesmo cubrir caima, naadn a cavallo, e ou;r
mez foi encontrado em Apipucos, onde esta- memos de agricultura,
r lalvez forca lamente acoutado) e o entre-
^

:
O abaixo assignado faz sciente a quem convier,
que entre as dividas activas do Capito Jos Nunes
de Paola, e que segundo o annuncio que se l no
Diario de 6 do correte, tem de ir praga a re- a que se procedeu.
; querimeiiio'da curadora do mesmo ; acha-se una
do abaixo assignada que j foi paga ; o que decla-
ra em lempo para livrar de duvidas futuras.
Manoel da Silva Neves Coulinho.
Precisase de una ama que cozinhe, lave e
engoinme : na rua do Imperador n. 71, segundo
andar.
para ammaes.
Moendas e meia-moondas.
Taitas de ferro batido e fundido, e de caite,
Machinas para desear-ocar algodao, s>tema
Platt, com os ltimos niclhoramenin-.
Boceas e crivos de patente para f rnalhas. diim-
nuindo muito o gaslo do ci.inlai-iivel.
Machinas e macbinismos para moer mar i
movidas a vapor, agua ou cavallo.
Fornos e chapas de ferro batido para coser -
liK
ILLUMINACAO A GAZ
guen ao seu referido senhor, na rua da Au-
' ] rora n. 60, que gratificar generosamente,
i I protestando igualmente usar dos meios ju-
8> diciaes contra o acoutador do dito escravo,
fe tendo este os seguintes siguaes : estatura
! ipouco menos que regular, cheio do corpo, p, *"" M" do l-Pafcr.
Bt f i i a o ^ i_ l Para mais reguiandade de s.rric b-m a niore-
idade de 32 anuos, cor preta-cabra, cabeca za resolvido io tbenle vender ..s ai
- Alugam se dous grandes sobrados com com- un] pouco redonda e pequea, olhos um etc., deixando que os rs. roD>unidores .!
modos para numerosa familia, novos "
com jardim, cocheira, es
didades, na tra vessa de .
a tratar na rua da Senzala _...
finmarlnda "Rallo TTawm "o baleante. Convem declarar-se que dito es- parethos iionv.-rnn sido roiianH mi n iwiii
O0ie(ia(ie Jjclia~liar]011ia cravo quando ausentou-se foi vestido de cal- a este avis. sero atteuduiua pela sapatn; ootr
; grandes sobrados cora cora- Um pouco redonda e pequea, Olhos um etc., deixando que os rs. iifasialllii Hiaia
' i?Si^DXrw1^nS,:tilnll, P^08' sflH'?'!' e VCrmelhOS, oa mach.ni>taM|.ie mais Ihes agrado
de Joao Fernanda S :" beicos regulares, ps largos e apalhetalos, ^ST^t^:Z^St' ** '"*'
nzaia Nova n.41 e tem o andar inclinado para traz e cam- s nrlasutk |l(,r L. dM ,.,*. rn^ .
CLlll PEH'vAMBLCWO
Secretaria da sociedade Bella-IIarmonia 3 de ju-
lho de 1865.
J. Bibeiro da Fonseca
l- secretario.
Na rua dos Coelhos n. 10 !se dir quem faz
Domingo 9 do corrente haver reunio alguraas transaccoes sob boas gaj-antias.________
de familias. Na rua do Cabug n. 3, segundo andar, ha
^^____^_________^_^_______ para se alugar urna eserava.
Augusto Jos de Azevedo & C. declaram ao ------------------------------------------
respeitavel publico principalmente ao corpo com- Aluga-se a parle da casa n. 92 da rua das
mercial, que compraran) no dia 30 de junho pro- Aguas Verdes : a tratar na mesma.
ximo passado, as fazendas e armago existentes na ,
loja da rna Direita n. 57, pertencente a Izidoro dos
Aojos da Porciuncula. Becife 7 de julho de 186o ^. vn^ ^k>i
Preci>-se de um caixeiro portuguez com Na rua de S. Francisco ou Mundo Novo n. oi,
pratica de taberna, sendo bom balco nilo se olha quer-se urna ama para comprar e cozinhar.
a ordenado : na rua das Cruzes n. 24.__________, 0 abaixo assgnado tendo perdiJo 0 m^0-b. portogoez para feitor de ca" upo.
O abaixo assignado, actual mestre dos novi- Ihele garantido da loteria que se lem de extrahir ~
cos-da veneravel ordem terceira de N. S. do Car- sabbado, 8 do corrente, n. 880, pede ao lllm. Sr. <
ju- quasi impossivel desvanecerle por mais !,u0Triai,'ln',7,l,r,1,as ,l'7"'/,v'''''^'h'1;- "^
nuo que s>e lave, |e qUP mas ^aramia offereta.
FOTi) I ATifS
OITerece-se urna mulher para ama de
casa de homem solteiro ou de pouea familia,
_j, As!) 1|2 horas da noite do da > do corrente fur-
I a qual-lava e engomma : a tratar na rua Au- taram da Saia detraz do sobrad do largo do Pa-
: gusta n. 94. raizo n. 26 urna cadeira de amarello baslaote nr-
^~Precisa-se de urna ama para casa de pouea n,da f b,em feila' que se achava ,unt0 Kda 5rta da
familia : na travessa dos Quarieis sobrado n 34, sala ue delra2 : a Pessa *>ue a aPP^hender e le-
amigamente rua de S. Bom Jess das Crio alas. 12" mesmo sobrl SBPa ra,.,ftca,la : e re'
---------------------.------------------------------------- | comnienda se aos seuhores marcineiros, caso seja
Na padaria da Torre precisa-se de ura ella ollerecida venda, de a nao comprar e appre-
AVINO
derrua! Be^da iSS d^Deo l Si"
Bonito para ahi fazer uraas cobranzas amigavel e
hende-la, mandando-a levar ao referido sobrado. I SJE r,,a Ja Ca'1'',;' l
_ visto que trazia documentas so
mo, convida a todos os irmaos novigos da mesma thesoureiro que, caso sala algum premio, nao pa-
o consistorio da mesma ordem, as 3 horas da tar-
de, alim de se tratar da festa de sua padroeira.
Francisco Jos de Oliveir Barbosa.
Precisa-se de urna ama para ctsa de pouea
familia : a tratar na rua larga do Basarlo n. 18,
taberna.
Quem precisar de urna pessoa habilitada a
ensinar primeiras letras, lalim, francez e msica,
denir > ou fora desta cidade, dirija-se a rua do
Queimado n. 8, terceiro andar.
* rs
Km um dos vapores da coir.pauhia de Lite;-,.. I
(julga-so ser o KVppler) no mez de abril mmi
passageiro que segurado para a Europa, eiFroa
a bordo, a aiguem desla cidade. una caria nd--
ressada a Manuel Joaquira da 11 .eba, para aqu
ser entregue, cromo al o prsenle o ajo ma
sido, roga-se a quem a retftwHi o htor n r fw
primei.-.i nnlT.
de I.^-lanle infe
se agraoV-
resse para seu douo, pelo que mui:.
cera.
J Azevedo- Bonito para abi fazer urnas cobraneas amigavel e I Aluga-se um bom sitio com casa de vivenda.
\ende-se duas carrosas, urna, para boi e ou- judicial, offerece seu presumo a quem tiver igual cocheira, eslribaria, quartos para pretos, tanque
tra para cavallo, sendo esta com lastro somente, negocio naquelles lugares, dando fiador do que latriua, etc., com bstanles arvoredos, e lodo mu
propria para carregar barricas de farinha de trigo, encarregarem : a Iratar m rua da Praia n. 37, rado, na Capunga velha, casa que foi
Precisa-se fallar com o
Leo a negocio que nao ignor
20, loja do Carneiro Yiauna.
Sr. Jos de Sonta
: na roa Nova w.
Antonio Caelano da *ilva jnlga nadad-vr
. do Sr. Se- nesta praca, mas se alguem se julgar s*u rre*-r.
mona, eic, aranas com uso, por preco muito com- porque o mesmo sahira para os referidos lugares basliao Ponna : a tratar na rua do Imperader n., aprsente coula no urao de tro* da* para a r
modo : a tratar no paleo de S. Pedro n. 4. domingo 9 do correte. 46, armazein. | pago: na rua esireita do Ro-arlj n, 13
v.
ni
iwr-i
.


\
Diarto de Pernanlraco ^. ftafebade 8 le falli de 19.
<
?^V.L45
DIOIRETODIIPI^
-
. r%i '. "\. *
Os elementos que compoem esta preparacRo
ferro, o iodo c a quina, a collocSo no primeii-
grao das preparacocs ferruginosas. Basta alleslar
seus resultados obiidos pelos Mdicos dos uespi-.
tacs. c os relato-ios dos prtieos mais cniincnles
que confirmarlo sua poderosa elikacia uas se
guiles affcccocs:
Mln^oa no Muatcui'f
. Fmq ik-.'.ii.
Anemia,
Clilarone ou Ictericia,
;.!en(ruo,
Alfccjom do ulero,
-8*ppren*oe dan re-
ira* e dedordena na
menMlruaeao,
Afferrao pulmtinnr e
nhthlnica,
MotrxIiuM drattimago,
(;wt ralKlaa,
l'erda d'appelK e.etr..
Convalcaoenende Ion
*,a* nioloatlna,
MoIohIIiim .eci-ofno-
aaau
Fiipelra,
UUHlrtirco tlitN gtnn-
iliilii*,
llMiiiiiD-N rU .,
Tamore brnron,
HrhtlUi;in.
ACfeeeoe caut'ronak
V "-i pllllltln-..
nfeM* Ijplioidea,
IUmKiiw. ele, rio.
MEDICAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
W* A VE\IM EM PER3I.AMBITC:il
Em casa dos Srs. Gaors e Barboza, na da Cruz n. 22.

I>larrlieii*4* a eoiiHli-
pneao prn-fiixIdaK
pel-ia elnhiiraeoea
ilfl\ ilin:-i!*aoMull-
llelltoM.
'VfjSo-t* os b.dletins de tkerapeutica medica
e cirnrgica de 30 de novembre 1860; a iiazeta
dos kotpaet de 38 de ful lio l8.G ltn das plalas de wlureto cufio de fen;,' quinina de fcbilloni os Mciti&os aconsrfha'o
igualmente o Xarope d'iodureto duplo de
ferro de quinina do mesan author para as
pcssoa&quc nao rosnio de medicamentos sob fr-
mii pilulnr e os meninos. F.stc xarope nao lew
comoQZt-ro\)c.(\'it>durftodc erra, o inconveniente
de allerar-se c de se nao poder conservar.
Peea-sc o folheto que se d de giuca em casai
dos parnuceuticos depositarios.
Para se cviiarcni falsilicacocs. exija o com-
prador ein-tada fiasco de I'ilulas ou Xarope a s-
signatura de inventor.
Depsito garal em Paris, pharmacia Rebillon,
142, rueduliac, e em todas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes estrangeiro, etc.
As pastilhax dtQMtws com a pep.iina de
Wasman. empeeeao se com successo lia j
alguna annos petas-celebridades mediraes de
l'aris. Londret. Vienna, etc., em todas as in-
cemmodidades <*n n* uaes adigeslfio dillicil,
penosa, impcrfcia-en mesmo impossivel: eis
o mcllior remedio para cural as.
(itatrnlKln*,
DiMpepalaa,
EmbHraroM 0aat*fte*a
A i i'.r-(i-,
M uff-'crtU'M eaa lo r-l ftlllfl gil .
Sua accSo vivifica o-sangne e os rgaos de
tal sorle que, alh MijMSSOaB que sem soffrvr
es affcccocs gstrica Mima mencionadas sao
.poicamente Iracas ou d'otn lemperamento um
pinico dbil, e nccessivo substancial alimento
pera foriiiicar-se, achono emprgo (las paslil-
has de pepsina de W'aswtv, um poderoso meio
pava a isso chocar.
viso importante.-Osu.'ccssodas puslillms
pepsina le Wasman dea causa a se fa/.crcm
l'alsiicacocs e imilavcs d'ose produelo que os
mulos se quercm desfcizer. Pois por falla
(Turna boa preparacao a pepsina que n'ella
entra, jaz allerada. Seremos ao abrigo d'estc
inconveniente, cxigfndo os ec-inpradoresqWas
puslillMS lenliao as nicradg B. P. c saib da
pharmacia Chevrier.
Depoaitogeral em l'aris, pharmacia Ohevrier,
21, Faubourg-Montmartre, c em lodas as boas
pharmacias de Franca e DOENCAS
dosMENINOS
CORADAS PELOS
XAROPES 00 D0UTOR DANET
V *. Centra mn CLICAS DOS ME,\IX08 unte*
e durante a cultra
;Xar/>('.t de c;noglsse e de acida suci-imdt)
$' fl. t. o aru a ros si; r.nwn.sA e a tosse
NERVOSA
CXaroBcde-cynoglnsse c de leo voUUI de soccino)
Hf 3. Casara aa CONVLXCES DOS MEM.\OS
A CHOREA
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicina de Paris sio em-
preados conc grandissimo successo |e.]os mdicos
de Franca para o tratamento das molcsiias do-
meninos cima indicadas, e vicro cneher um
t cno importante na therapeutica, no que toca as
alTcecocs da .infancia, para as quaes, athe hoje.
ainda se Jiiio pode indicar tralamcnlo racionnai-
neni iiifallivel.
Peca-sc o prospecto em casa dos pharmaceu,
ticos depositarios.)
Preco do frasco em Paris, 3 fr.
Para se evilnrem as falsiliractocs. exija A cora-,
irador que cada frasco lenlia sobre os rtulos a
assignatra Chanteaud.
i).'|x5.sito geral em Paris, pliarmacia Chan-
teaud c em todas as boas pliarmacias de Pranc;
dos paizes eslrangciros.
MoleMliiiM lie li^u A le i'nlpitiii-o do eoraroo
Ddrea iiom rins,
Os granulos de tmuth de Chevrier em supe
riores a todas as outras preparacocs de bismuth
empregadas antes com o maior successo pelos m-
dicos de lodos os paizes, para prevenir e curar as
Diarrliraa elirouleaM, i mis dljcealoea,
IMsiieiiterlitS, Oati lli-s,
Drea desloiuuK*, I GaalralKlaa.etr.,
Dyapepalaa,
Dorra dc'robi f a. Depsito gcral em Parjs, pharmacia Chevrier,
irriiueoea de besiga e e M tonas as pharmacias ue Franca e dos paizes
da matriz, etc. eslrangciros. *
11ASSA e \AKOI>E
DF CODENA
DJB
BERTH
As experiencias clnicas c comparativas
dos Snrs Magcndic, Darbicr d'Amiens, Wil-
liams Gregor, Martin Soln, Aran. Viga,
C. Dumont, etc., membros c!o Instituto de
Franca, mdicos dos hospilaes de Paris. tem
provado que a Slassa e \aro]K de lerlh S
o remedio o niais seguro contra todas as
dores nervosas c feudo a propriedade de
calmar com admiravel rapidez as tosses rebel-
des e extremamente fatigantes da grippe (ca-
tarrho epidmico detluxo, coqueluche ou
tosse convulsa, bronchitc e lisica pulmonar.
A Massa e Xarope de Berth, se
acho em lodas as boticas.
Para cvilnr qualquor
falsificai,af.,exigir cm
cada proiluto o nonie
c a fuma licrllic.
Dcposilo gcral cin l'aris, em casa de MENIER,
/la Sle-Croix-de-la-Brelinnerie.
^g Companhia fideliclade de seguros
B martimos e terrestres '
estabelecida no Rio de Jaueiro.
H_ AGENTES EM PEIINAMBUCO
'&> Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C, ^
H| competentemente autorisados pela dlrec- ^*
B loria da companhia de seguros Fidelida- S
J^ de, tomam seguros de navios, mercado- fl
^? rias e predios no seu\scriptorio ra da RS
WR Crux n. i.
mmwmmmmm wmm
Samuel Power Jehnston & (loupanhia
Ra da .-'erzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
FiiudH'o de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava I los.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nh o,
Arreios d;- carro para um e dous cavallos.
Relogios de onro patente inglea.
Arados americanos.
Mai hias para descarocar algodo.
Moto*es para ditos.
Machinas de costura.
COMPILAS.
Rival sem mgm*
* Ra do Qaeimado >. 49 e 5o, Uja it
miudezs de tres portas, rata jari-
iamlo todo hon e barat, -ir i-
zer ver e admirar veikaa loj^ do
Bijiodinho.
amizade, e sem ella liso paataOo
Caixas de papel
a600rs.
Grozas de bo'Ses de louea prateados rateada ato-
lle ni a a 160 rs.
Duzias de penna de aqo fazenda boa a 10 rs.
40Sr?e 'ran5a de l ''Sas eU*lwto* frM
E^2(jars n"isima^ para I'mPar d"M
Pulreiras deponas para senboras a 500 rs.
Pegas de tila de eos eslrtilas ora 10 taras a
Caias com clcheles francezes, superiores qoa-
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, rom superior lir.la a 100 pj
lnS de Crd para Tesdu*' "* kfla
Baralhos muilo linos para voltarete a SOO
Frascos com agua de Florida alie I4M0.
Fraseos com superiores ha olas a 500 rs. e i#.
Frascos com banha, porm pequeos a 909 e
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Fraseos de-macaca perola mnito uno a 200
Frascos e garrafinhas com agua de Col
400 rs.
rs.
Cota-ia
Compra-se elTectivamente ouro e prata em p *
obras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Frascos grandes com superior
640 rs.
Pelas commissoes em grosso, dirigirse aos S"' WILLAERT e BERGER, comisarios ea drogara, 11, ra Saint-Lazare Paris.
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
*iifl'oeeeao nervoso e OppreRso
Cnifio remedio cfficaz para combatter estas mo-
lestias; acalmar um allaquc d'asma c impedir a
volta o Xarope aromtico de Succino (mbar
amarello) do l)r Danet. Iiescobena inleiramente
recente, ote novo producto se tem propagado
com calrcma rapidez, gracas aos admiraveis resul-
tados Deposito geral, na botica Chauveaud. -i4,
ra do Conimercio, I'aris-Grenclle, e cm todas as
blicas de Franca c do estrangeiro.
HETRATiSTAS
Firmiuo & Lins
Btvt estabelccimeolo de retra- !
losa i-ua Xova n. 13, lan- ^
dar, junto ao Sr. Gaulicr, B
dentista. >j
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas ^
da manhSa as 5 da tarde, quer chova ou s|
Tambem se offereeem para tirar retra- S
tos de pessoas fallecida?, dentro ou fra H|
da ridade. v *s*
Os annunefantes desejando acreditar o f8|
seu eslabelecimenlo, garantem ao publico JB
que nenhum trabalho sahir de sua offlci- j_
na, sem que nao seja perfeitamente acaba ^5
do, e a vontade do freguez. wM
m&^m wmm mmmmm
Cozlnlieire.
Precisa-se de um cozinheiro bom : na ra da
Cadeia n. 37.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de efectivamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Ouro e prata
em obroo vdhas : compra-se na iraya Oa Inde-
pendencia n. 22, loja de bilhele?.
agua
agna de Coloaia a
superior oleo de babn atftte
12 frascos de cheiros mono fiaos a
a 240 rs. tppM
500 rs.
Caixas coro
iiaw.
Sabonetes pequeos de bolla
! 320 rs.
Sabonetes de familia a 120 e 200 rs.
U7..I l Mhooclcs pr.jurnos com rbrlro a 700 rs.
Agua denlice supeiinr qualidadea 00 rs.
Lalxas com superior p de arrea a 800 rs.
Comprase ouro, prata e pedras preciosas, rrseos de superiores esencias sanul e ontrna a
em obras velhas: na ra da Cadeia do Recite,! 1*200. *
I'ja do ourives no arco da Conceigao. '. Fraseos com essencias para tirar nodoas de roo
l \l H 1 r.'
Compramse libras esterlinas a 95600, na
praga da Independencia n. 22.
aSOOrs.
^wr S rhe'r0S de ,0dS "* PnV>i l6#* **'
daiiSeES"mexicanos: na praga' arstunssis1 a ? s.-.
Compram se dous consolos de mogoo com ^ *t>oW.
pedra marmore branca, assim como um toilel tam- Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs.
bem de mogoo com espelho e pedra marmore bran- Caixas com soldados de chumbo para meninos a
ca, ludo de gosto mederno (Luiz XV) e em perfei- 160 rs.
to estado : a fallar na ra do Crespo n. 4, fabrica Duzias de colheres de metal para cha a 800 r.
de chapeos de sol.
Compram se libras esterlinas
Crespo n. f6, prtmeiro andar.
na ra do
i ocheira.
Alaga-se a grande cocheira da ra da Roda n.
58 a 60': a tratar na ra larga do Rosario n. 34,
botica._____________ .
Jos Francisco Barrotte, subdito porluguez,
vai a Portugal e deixa por seus procuradores os
Srs. Manoel Ouarle Rodrigues, Guimaraes & Car
doso e luS Correia Rraga : suppoe nada dever
nesta prac.i nem fra della, qur de sna firma in-
dividual, qur da de Barrolie parte : se porm alguem se julgar credor do an-
nunciante, pode procura lo na ra do Amorira n.
50, pnmeiro andar._______
Ama
Precisa-se de una ama para o servico interno e
externo de casa de p;uca familia : a tratar na ra
Direita n. 2H, segundo andar.
UMA GRANDE DESCOBERTA
GADOdeBACALHAU
CTADO
MEDALHA
DE
HONRA
As propiedades medicaes do oleo de fujado de bacalao forSo unni-
memente reconhecidas. Mas seo cheiro e seo sabor lao desagradaveis
lorno o uso d'ellc muias venes impossivel, mesmo aos estmagos
os mais robgslos e aos mais condescentes.
Por isso a descoberta do Sur. Chevrier que lhe permetlio de
desinfectar inteiramente o oleo de ligado de bacalhao sem alterar suas
propriedades tem sido um dos mais felizcs problemas resolvidos pela
therapenliea moderna.
O oleo de ligado de bacalhao desinfectado de Chevrier,
com um cheiro agradavel e um sabor assucarado, 6 o nico que nao
tem nem gosto nem clieiro de peixe.
Objeclo de numerosos relatnos scientificos elle goza cm Franca
de urna fama bem merecida, c receitado por todos os mdicos cm
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario.- Tendo as mesmas
propriedades do oleo de ligado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mespios casos isto as : /
HalcNilN* c-ncruruioaaa,
Ilurliitiaiuo,
Obairnrra dna Blandea,
Tlaira pulmonar,
Molc-Ntlaa la pille.
Coiatlluirko lymphatlra,
Anemia, dcbllldadc, fniqm-za,
Mlisn/Ji.
TvUt >M au N_Bnr,
Earalfamenlo por exceso de
u uhullio ou de praarrea,
Moleatiaa doa bronebloo recen
tfu ou ehroniraa,
Toaaea perlinacea,
Gaalrilea, gaalrilidian,
Uorea de ealomafo.
Elle convem a todas as compleices e a todas as idades, c tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimentaco das criancas fracas e docntes. selhado; julgainos intil de os enumerar.
Um folleto accompanha cada vidro e contera as observagoes medicaes.
Deposito em Parts, na pharmacia de Chevrier, e om todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
O Oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. 0
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a acc/io tao efficaz d'este ultimo, se dissolve mais
fcilmente nos lquidos das vas digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e no
provoca a constipadlo.
As pessoas as mais delicadas que nao- podem supportar as
prepara^oep ferruginosas ordinarias, as quaes, principalmente
nos paizes quAes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
podcro com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o unido
ao oleo de figado de bacalhau.
0 oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
Oitas dita dito para sopa, fazenda boa a l#MO
Varas de cordo branco para espartilno a 40 rs.
Pecas de lila de la para debrom de ve-t-io rosa
10 varas a 600 rs.
Dilas de bicos superiores, para acabar a 600 e
o(X) rs.
Comprase uma armagao para taberna, que
tenha todos os periences para a mesma : a tratar
na travessa de S. Jos n. 22, ou na ra de Aguas- Pedras de lousa para mi nios a 160 r
Verdesjo 15._______________________________ Caixas de lampannas para 3 raezes a 50 rs.
1 nhpp la hu p 'hnmlift Bunecos de choro e panno a 160 rs.
i oore, d iao e cnumDo. Caixas ,., bonjl?s esl s |fl0
Compra-se cobre, latao e chumbo : no armazem Capachos eompridos, boa fazenda a S m
da bola amarella, no oiiao da secretaria de po- Grosas de botos pequeos prelos para'calca a
licia.______________ __________________ i km) rs.
MOBILIA. Todas estas fazendas para liquidar, t"-'* <*>
Compra-se uma raobilia de sala, sendo de jaca- esla em I" rfeito eMado, isio garanie o dvoo do es-
rand e em bom uso : na ra da Cadeia n. 57. tabeleciu.ento.
Compra-se uma balanza grande ou um braco | AtlPlIfln fpPfrilA^M
Romao : a tratar no caes da companhia Pernam- xxi tcuynu, llc^lic^cS.
bucana, armazem n. 4, ou na ra Imperial n. 27-1 Lourenco Prreira Mendes Guimaraes, rom U ja
Comprase uma casa terrea enAom estado, f^""" **SJ da. fTS D" :?>
l V nf SSo anadlarr ,mPeralrZ S^^SSSBtSMSr '
p.43, no pnmeiro andar.____________________ CHITAS A 200 Rs. O COVAI
Dma jcasa.
Compra-se uma casa terrea no bairro da Boa-
Vista : a tratar na ra do Vigario n. 13, primeiro
andar, das 9 horas da manhaa as 3 da tarde.
fENDAS.
0 castello de Grasville.
Traduzido do franerz por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de JSOC
aa praga da Indepeodencia. livrarta ns. 24o, 260 rs. o covado, dius
6 e8.
aWaBM
LC0H0UD0 de GUACO
DE N.
Y
O Alcoholado de Guaco de Pascal uma nova preparacao da qual
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo inalivel do contagio veneno (ver
folheto para o modo de o impregar).
2'' Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias sijphiliticas de toda a especie, ulceracoes primitivas c secun-
darias, ec.
3' Empregado em injecerjes, o melhor tratamento dos corrimenlos
rcenles ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da leucorrhea as
m ulceres.
-i" Emfim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e fe-
rian s de m natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das pernas,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
niaes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izcnlo de toda aacc3o mortfera, foi experimen
tado nos hospitaes de Paris, Lyon, Marcelha, ec, e recebeu a approvacao
dos distinctos doutores Ricord, Bauchet, A. Richahd, Calvo, Diday.
.Mklchioh Robebt, Costilhes, Berbngeb, ec.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, 21, ru du Faubourg-
Montmaitre. Casa de expedicao, PASCAL e C", 33, ra Monsicur-le-
1'rince. Paris.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTOKISAD^ PELO REAL DECRETO UE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
rea llanca em dinlieiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
ministraco da companhia.
mmm
Palitos de fugo a 2$ a gcoza para li-
quidar.
Chegaram exeellentes palitos de fogo e vende-
se pelo baratissimopre^o de 2& a groza: Da ra
da Cadeia do Ilecife loja de ferragens n. 56 A, de
Bastos.
Cal de Lisboa.
Vende-se excedente cal nova, ltimamente che-
gada : na ra do Trapiche n. 44, segundo andar,
escripturio de E. It. (tabello.
.IDO.
Vendem-se chitas com muito bom panno e Irado
cores fizas, pelo baralissimo preco de 200 rs. o ro-
vado : s Lonrenco Pereira Mandes Guimaraes
AS HRETANHAS DE ROLO.
Vende-se breanha de mo muii. boa fazeada
i pelo diminuto preco de 30O0 cada pera coa 10
varas. ^^
LAZIXHAS CHIXEZAS.
Vendem se as mais modernas lazioha* rhiaeas
pelo barato preco de 280 rs o covado. fazenda e-ta
que sempre se vendeu a 400 rs. e hi.je e.ta se vra-
dendo a 280 rs., de todos os padrees e lodas as
cures: s Mendes Guimaraes.
CHITAS FltAXCEZAS.
Vendem-se chitas franrezas escoras e claras a
percalas finas a V.
300, .120 rs. o covado : na na da Impcrairiz M
loja de Menes Guimaraes.
GRANDE PECHIXCIIA DE CHALES DE
MERINO'.
Vendem-se diales de mene estampado" r> lo
barato preco de 25 cada nm.
CAMISAS FRAXCEZAS.
a.^demJ'ee camlsa- franeezes a 1*500, 1*0 ,
3-5'KlO cada un-.a, ditas de pregas largas atti
25i0, dilas de linho a 2*500cada ama : s Meo-
des Guimaraes.
MADAPOLO EXPESTADO.
Vende-se madapolo com 12 jardas a :j00, 4J,
CAMISAS PARA SENHORA.
Vendem-se as mais modernas ramizinhas enW-
BANQL'EIROS DA COMPANHIA
O Banco de llespanha
DIRECgAO GERAL
Madrid : Rua do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema muluo todas as combinaces de supe/viencia dos stguli
sobre a vida.
Nella pdese tazer a subscripcaode maneira que em nenhum caso Desoco fer r/citf dos
gnrado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resaltados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,qoe alada musmo liminuindo uma terca parte do interesse produzido em recentes liquidai
ces eea nb;n.inl)-o co:n i u irtalidaie di tabella de Depareieux que e adoptada pela companh--
para seasealaiose liqaidaeoes, em segurados de iJade de 3 al9annos, uma imporsijoannua.
de 100* produzem effectivo metlico:
No fim de 5 anaos.......1:119*300
de 10 ........3:942*600
de 15........11:208*200
de 20- .......30:256*000
de 23 .......80:331*000
Xas idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectas e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Juaqnim Fiaz de Oliveira. rua da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.l2,estabel
minio dos Srs. Raymundo.Carlos.Leite & Irmao.
Purificando a respeito de algum dos medicamentos da casa
Grimault C
Alguns jornaes publicarara uma ordenar-ao do conselho de sade portuguez, qupj
prescreveu os medicamentos preparados pela casa Grimault & G. de Paris, com o pre-l
texto que esses acreditados pharmaceuticos foram condemoados pelo tribunal do Seina
poMerem vendido medicamentos secretos e falsificados.
Essa ordenarlo parecer bem extraordinaria quando se tiver lido as seguintes cir-
cumstancias:
1. A sentenca de que se trata foi dada sobre adennnciacao de um dos conctir-
renles dos Srs. Grimault A C, e sobre as informacoes inteiramente erradas que foram
dadas ao tribunal.
2. A sentenca foi dada por um tribunal de pnmeira instancia, e nao tem valor al-
gum, logo que se appellou ; foi por uma manobra desleal e contraria a todo os usos que
os concurrentes dos Srs. Grinault A C.lizeram distribuir em grande numero os jornaes
judiciaes e mandaram publicar em Franca e nos paizes i strangeiros uma deciso que
milla, sem nenhum valor emquanto o tribunal imperial n5o a tiv r approvado, e depois
delle o tribunal supremo.
3." 0 tribunal imperial nao decidi, mis sim, por uma sentenca de 17 de maio
prximo p ssado, ordenou nova vistoria, a qti tinha motivado a decisa) dos juizes da
primeira instancia II es tendo parecido intufficiente, depois das novas experiencias intei-
ram: nie contradic orias de um chimico e physiologista eminente, o Sr. D..Leconte,
pharniaceutico cm chele dos hospilaes, ve piofessor aggregado da faculdade de medicina
de Paris.
4. N'essas cirenmstancias admira-nns que um conselho de sade publica se tenha
decidido sem informaees mais certas, a mandar prescrever ou mesmo a por em sns-
peie3o medicamentos, cujas exeellentes qualidades e perfeita preparacao tem sido, denle
muitos annos, r conhecid^s por todos os membros mais dislinc os do corpo medical, e
que tem os tnicos defeitos de serem memores, menos caros e mais procurados do que
todos os remedios de seus concurrentes.
Deposito geral emPernambuco rua da Cruz n. 22 emeasa de Caros A Barbosa.
Potassa da Russia
muito nova e superior : vende-se no escriptorio ^fi&l&^Mg&J&B*
de Manoel Ignacio de Oliveira & Wllio, largo do
Corpo Sanio n. 19. _____
Atteucao.
Vende-se uma oUieina de barbeiro com todos os
uteneilios pertencenttw a mesma, na rua do Rao-
GRANDE SORTIMENT UE CAMRKAIAS
BRANCAS.
Vendem-se cambraias brancas a 3*. .1*300 t
4*000,3*, 3*500 e 6*, e muito fina a 7*000 ra
peca.
CORTES DE CAMBRAIA BRANCA COM
SALPICO*.
Vendem-se cortes de rambraia de salpico* saai-
nhos e cada corte tem 10 var.% pelo bara-
gel n. 18. Assim como roga-se as pessoas que de
ram ferros para seren amolados na mesma casa
cima referida o favor de os vir buscar no prazo tissimo preco de 5*.
de 8 dias contados da data de^e, entendendo se COBERTORES ESCARLATES
para este lim com a viuva de Manoel Pereira Lo-' Veudem-se cobertores de .i rscartatrs a 6* di-
pes Ribeiro na supraciiada rua e casa, declaran- tos de algodo a 1*500, ditos escaros a 1*800Vada
do-se ao mesmo tempo que depois do indicado um : s Mendes Guimarae-.
prazo a dita viuva nao se responsabilisa a entre-, PECHIXCIIA DE SNTREMEIOS.
8a-los-___________________________________ I Vendem-se bonitos entremeios a'oii r.. a pera
MOBILIA. *to* 'j110,5 topados, tendo padres muito de goMo'
Na rua estreita do Rosario n. 33 existe uma 15, babados a I* rada uma peca : na Arara, roa
mobilia de Jacaranda em bom uso e forte, que se "a Imperatriz n. 56 de Mndez Gaimaraes.
EHffcnho.
Arrenda-se o engenho Jussara de Sant'Anna, silo
na freguezia defpijuca, legoa e meia distante da
eslagSo da Eseada e Ipojuca, com trras de var-
zeas de massap para se safrejar em grande esca-
la : a tratar no pateo do Livrameto n. 23 cm o
Dr. Ignacio Nery da Fonseca.
Londcn & Brazillan Bank, saca por doos
us paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coirabra.
Amarante.
A luyase
om sitio na campia da Casa Forte,, com duas ca-
sas, uma a em que morou o fallecido Thomaz de
Aquioo Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten-
do todas as aecommodacSs precisas, e outra com
bois commodidades para qualquer familia : na
rua do Vigario n. 19, primeiro andar.
vender por preco barato.
Vende-se um carro de carregar gneros da
alfandega, com uso, e todos os pertenres de outro
igual, tudo por preco muito commodo : a tratar
no pateo de S. Pedro n. 4.
Aos douradores
Vende-se onro de Lisboa superior em pes : na
rua Direita n. 4, a 2*iU0o livrinho, e em inilbei-
ros a 22*.
Epartilhos a pregui^osa.
A luja da Aurora na rua larga do Rosario n. 38,
reci bou espartilhos a preguicosa, os quaes sao ns
de mais commodo que tem ('hegado para qualquer
senhora so vestir sem trabalho algum; grande
sortimcBto de franjas braucas ede Cures para cor-
tinados de cama, bonitas Ovlas de madreperola
CASEMIRAS.
Vendem-se casemiras cora listras a 2a500 o co-
vado e ditos a 3*000.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se roupas feias de 10.1$ aj qnalidade*
calcas de ganga a 1*500,1*600, |;8tK), dita finas
a 2*, ditas de bnm pardo a 2* e 2c0, ditas linas
a 2*800 e 3, di la- de brlm bram.. a 2*, dibs de
linho a 3*-'.(H), dilas de easemira a 3* e 3-j.lOO di-
iSf "S^,.* e. 7^'^' *" i'"1** u,> ira a
1)8 e 8*000, palitos saceos de meiacas. mira a 4-5,
4*50, oj e 6*000, dilas finas a 7* e 8*000 daa
do casemira me-clada a 9*500. palitos rilrrnw
ros d.: panno prelo a 12*. Ha e 162000, jaqo-ions
de bnm pardo a 2.-800, 2*00 e t$m : > L a-
rengo Pereira Mendes Guiuiaies, toa da Imi-ra-
ti'7. ii. 30, toja da Arara.
Parinlia de muribeca W a e afra, mais
ie se vende no mercado, em i
eos : na rua do Vigarion. ).
parasiuios, soriimenlo de estampas de sautos de k,..,. ___ ,. r------ ~
difterenles qualidades e tintas nmiio linas; Unal- Darata 1ue se ^ende no mercado, em sao-
mente tem grande sorlimento de imudezas ; quem
duvidar mande ver para juMiliear a verdad, e
sempre se encontrar pessoas qara despachar
qualquer freguez ueste eslabelecimenlo cora mais
agrado que fur possivel : ludo i.ito s seencontra
na loja da Aurora, na rua larga dn Rosario n. 38.
Semeales.
Vendem-se semenles de hirlalieas muito aovas
na rua da Cadeia n. 50.
Planta da cidade do Rbcifo e seus arrahaldes
pelo Dr. J. Mamede A. Ferreira, uma felua em
grande formato, e primorosamente gravada : ven-
de-se na livraria econmica detroute do arco de
Santo Antonio.
Guarda nacional.
Pennas t ema
Vendem-se na rua da Cadeia n. 27, armaieai de
Prente Vianna A C
Vende-se uma escrava crk>ula~del6~aDo7
qae sabe eozinhar e cozer : a tratar na roa d >
Imperador n. 22, primeiro andar.
Formulario do processo perante o conselho do
disciplina no julgamento dos olHciaes, offlciaes ia-
de mesa : na mesma loja se encontrar bom jci
tmenlo de Duodena,
k Anda se precisa de uma ama para cozi-
K* nhar e engommar para tres pessoas : na
rua das Cruzes n. 37, sendo pessoa mor-
'gerada e que se possa entregar ama casa.
Aluga-se um sitio na Capuoga velha com casa
* para .grande familia : quem pretender dirija-se ao
Vende-se uma a.lula e uma janella em mui- raesme silio a tratar com a viuva do Sr. Joo Evan-
to bom estado: rua das Aguas Verdes o. 92. ligasta ct. Costa e Silva.
Calnogas Unos c hrlmjueelo
para menlaoa.
feriores, rabos e mais pracas da guarda nacional' n.u.j.Sn fia '"^ d.- m,adeus rta r" *>
do imperio do Brasil, e do recurso das der.i>oes do YZ"a t&2 ?'* e lMdM ra!Ma
mesmo conselho acompanhado de advertencias e La_n__a_ra ^in''aedo *. """oo como para riata
notas remissivas, de confnrmidade com a lei n.
602 de 19 de setembro de 18 de fevereiro de 1834, e mais disposicdee le-
gislativas concornehles a materia. Acaba de (lle-
gar este formulario, e acha-se a venda na livraria
Econmica, defronte do arco de Santo Antonio e
vende-se por 2*300.
Presidentes de provincia
Attribuicdes dos presidentes de provincia, esta-
do feto pelo joizde direito C. J. do Andrade Pin-
to. Chegou ltimamente do Rio de Janeiro esia
obra, c acha-se a venda na livraria Econmica,
defronte do arco de Santo Ant>nkve vende-se por 900 e HOQ r. a peca: aa
8*0a da vadela n. 3.
wmm
A \g t^900 e i*50
Leques de osso, ultimo costo, a I*.
Ceroulas de meia a 1*2 -o.
Diitas mnilo finas a 1*300.
S na rua da Cadeia do Recite n. 3.
Entremeios
'
<




N

i% # i
i


1
Diario de peraambuco sabbado 8 de lulko de iatt.
SALSA PJRRILUA DE AYEK.
TRANScniiVEMO aqui alguns
dos muitos aitesiados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Ithe lunatismo.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preo.
t Soffri rheumatismopormui-
tas vezes, e vendo anuunciado
em ura jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
Grande liquidatfio a dinheiro.
Na loja armazem do Pavo.
Rna da Imperatriz u. GO de Ga-
ma fc Iva.
Os dones desle estabelecimento lem resolvido li-
quidar suasfarendas por presos baratissimos, s
com o fim de apurar dinheiro, o previoem as pes-
soas que negociam em pequea escala com fazcn-
das, que nesta loja e armazem enconlraro um
grande sorlimento por precos que muilo Ihes hao
de agradar, lamo em peca como a retallio, a sa-
ber :
Tasso limaos
Venden, no seu armazeni ra do
Aiaorim n. 35,
Licor fino Curanto em botijas e meias botijas.
Licores linos sonidos em garrafas com rolhas de
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas francesas, listradas muilo lar-
gas, padroes escuros, pelo barato preco de 00 rs.
o covado, tendo muito bom panuo ; ditas escuras
d ella, e antes de concluir O primeiro fras- i e claras a 240 rs., amanendose que esta fazenda
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve nao tem o mais pequeo toque de mofo, nem outro
ra da Im-
vidr e em lindos frascos.
VinhosUieres.
Santernes.
Chamberiin.
Hermilage.
Borgonhe.
Champagne.
Musealel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
3
O
a
dr nos joellios ; a parte do corpo que es- (iua|lner eJf>l(>- jstos o pavao, na r
tava affectada d'esse terrivel ecoimodo-per"lrB%^2,,?,.w, p -
Lspartilbos, na loja do Pavao.
Vende-se um bonito sorlimento de
que oubou-me tantas noites de somno.
Erupcdes, borbulhas pstula*.
ulceras, e todas as molestias
da pelle.
DO SU. JOO PAULA DI! ABREU E SOUZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Sobria mais de dous annos de urna
erupcao syphililica em todo o corpo, moss
traiulo-se sempre com mais violencia naca-;
ra, prove, muitos medicamentos e consultei,
muitos mdicos, e eslava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer : comecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros dias a erupcao aggravou-se,
porin antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de:
o corpo.
propnos para senhoras, sendo dos mais modernos
e bem feilos que lem vindo ao mercado, tendo de
Grande armazem de. linlas.
KUA DO IMPERADO N. 22.
O armazem de tintas 6 um grande deposito de
productos c.liimicos utensis e os mais empregados
e usados napharmacia,pintura, pbotodraphia.tln-
espartilhos, turara, pyrolechinia(fogos de artificio) e em outra
industrias.
Montado em grande
escala, e supprindo-se di'
todos os tamaitos e de diversos precos trazendo lo- rectamente as princlpaesdroganas de Paris, Lon
?:. ^ 1mPe'ei"es fitas para apertar._ fsto s na; dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer
loja do Pavao, ra da Imperalnz n
& Silva.
60 de Gama
CiiLMXDE
." -
ecbi
i
cha
Laazinhas a 320.
Laazinhas a 320.
Laazinhas a 320.
Chegaram para a loja do Pavo as mais bonitas
laa/.inlias suissas de qnadriuhos e listrazinhas a
producios de plena confianca e satisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a relajho, por precos
. razoaveis.
i Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promplldao qualquer pedido de tintas rooidas
i a oleo,cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder* ser examinada pelo consumidor, o que
| nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
I e que Se enconlram no mercado em latas fechadas.
Tem grande colleecao de vidros de dliTerentes
! formatos, desde urna oilava al dezeseis oncas de
! capacidade ; de vidros para vidragas e diamantes
| para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
' propriedade e outros; de papis dourados e pra
o
M
:^mm
DE

DE
; imitaco de sedas por lerem muito lustro, sendi< os teados e folhas de gelatina para ornamento: de
padroes mais modernos que tem vindo ao mercado papel grande e pequeo formato de vanas cores
todo
Doctor Dos Jos Valdes Herrera, profes- muito levezinhas, vendndo'se peto barato preco I para emhrnlho, para forro de casa, para desenho
SOR DE medicina Y cmiiuia, subdelegado de 3,20 rs- covado. sendo razenda que sempre se com fundo j feito; de papel albuminado e Brisiul.
EM ambas AS FACULTADES DEL SESTO Dis- *~. *? rs- Liinnb-8epor esle barato verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
preco na loja e armazem do Pavao,
Certifico que heusado la^arsffl/wmZ-iLencinlls'pi
la del Dr. Ayer, y como depurativo lie ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
i uu i iuiu. u.'t ra da m-
m- i peratriz n. 60, de Gama & Silva.
ira mao a 240 rs.. na loja
do Pava.
Vendem-se finissimos lencos brancos com duas
les casos de Ulcera crnica, asi mismo au- cercaduras, sendo urna de cordao e outra de cores
tor y las considero como um porgante, cuya matizada-, muito finos, a imitaco de linho, pelo
accin ademas de ser segura, ha sido muv i D!,ral Pree d 2Suo aduzia', ou 20rs. cada
eficax en el tratamento de las enfermidadesrf.^^^^S^'siS"0'
que exsigeu el uso de los porgantes, y on LSazinhas a 300 rs.
vacilo en recomendar estas preparaciones. Laazinhas a 300 rs
Y para los unes que puedan convenir doy Laazinhas a 300 rs
la prsenle en Regla a 7 de setembro de Vende-se um bonito sorlimento de laazinhas pro-
18(>0. prias para vestidos e soulein arques por.seren li-
Dr. IOS V. HERRERA. sas e dt quadrinhos pelo barato preco de 300 rs. o
sppnnliiili covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a
e.< rwpuuiH. 50 rs Q covaiJUj e vende.se a (lill|leiro a vjsta pe.
ATTESTADO DO ll.LM. SR, FRANCISCO FERR4Z : lo haralissimo preco de 300 rs. o covado : na loja
DOS SANTOS. Ouro Preto. do Pavo ra da'lmperairiz n. 60 de Gama |
He acho ha quasi dous annos affectado Silva-
de escrfulas, e tendo soffrido tanto que al- Pelerinas a I 5600.
ffnnvis TAHffi imasi mip cheori n Avit nimar', ven:le-?fi *s ruis ricas pelorinasou romeiras
gomas vezes mas que cnego a aesrnimar de rambr1a |)0r(iaaas pro|,nas para hombros de
da vida e maldizer da minha infeliz Sorte; senhora pelo baraUssimofreco de1 00: na ra
tenlio sido tratado por muitos medif S d'es- (a Imperatriz n. 60, loja de Gama iV Silva.
ta cidade, e nenlium pode vencer a tenaci- Ul'gamly a 240 l'S. 0 covado..
na loja do Pavo.
vencer
dado de minha molestia, eslava sem espe-
ranzas de recobrar a minha saude ; quando
ltimamente resolv fazer uso da salsa par-
rilha do Dr, Ayer. Completa n-se boje
trinta e seie dias que comecei com este
santo remedio, e lautas melhcras teobo
sentido que tenho conviccao de em breve
recobrar a minha saude, perdida ha tanto
te;npo.
Mypliils e Eiioiesias uiei'tmriaes.
Do Illm. Sr. Dr. Jackso:'.
Medico muilo conhccido as provincias do
sul do Brasil.
Tenho receitado a
Dr. Ayer nos casos ma
Syphilis constitucional e sempre com os
mais [elizes resoltados-; o melhoi alteran-
te que eonheco.
rcuvoii'i'ba e Hoces brataeas.
Temos cartas em que nos contara casos
inveteradas que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta Salsa par-
rilha.
O espaco nao nos pe mi lie trauscrever
todos os attestados que possuimos Jas vir-
tudes desie extracto composto ce Salsa
parrilha do Dr. Ayer, [asta declarar ao
Vendem-se as mais bonitas cassas organdvs, pa-
droes miudos e grandes, pelo baraUssimo preco de
210 rs. o covado ( doze violens), esla pecbinclia
a. alia-se logo : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60, de Cama g Silva.
BRETANHA DE ROLO A 3^000.
SfladapoEO eufestado a 3^000.
ft'a laja do Pavao
Vendem-se pecas de breanha de rolo com 10
varas a 3,5, ditas de madapolo enfeslado a 3,520',
33O0 e 4 : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Madapolo coiu loque de mofo a 6U00 7)5
Vendem-se superiores peyas de madapolo, ga-
ma, pelo baraussi-
lerem um pequeo
. peca< de algodo a
4 : na loja do Pavo, ra da Impeatril u. 60, de
Gama Silva.
Corles de case miras a 2300 c 3
Vendem-se cortes de easemira de urna s cor a
2,3-jUO, ditas de quadrinhos a 35 : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Oales a 20000
VenJem-se chales de merino a 25, 25500, i& e
65: na loja do Pavo. rna da Imperatriz n. 60, de
Gama c\- Silva.
La/idhas a 220 rs., na loja da Pavo
Vendem-se laazinhas transparentes de ama s
cor e de quadrinhos proprias para vestidos de se-
nhoras e meninas, pelo baranssimo prega de TO
rs. o covado, sendo fazenda que sempre se venden
para photograp
e outros ; vernizes de cssencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
teiior; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de I inhala
Blandeado, oleo de toiele, secativo de Harlim, ouro
verdadeiro em p ; prata, ouro, e estanho em fo-
Ihas de varias cores ; tintas vegetaes, inoffensi-
vas proprias para confcitarias ; la de cores, e
olhos de vidros para imagens; limas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly, jasmim, bergamota, aspice, patchnnly, mbar, I
jeclos que s com a visla podero ser mostrados.
Joao l'cdro das Nercs,
Gerente.
'"< venuem-se superiores pegas i
Salsa porrina do rantindo-se 20 varas em cada ni
ais inveterados de "'" VTT def6*W(>e 7<5 por te
o somnn rnm nc "I1U'' d".n,of (lu na>la val, e |
publico que tem sido empregado ha mais
de viole anuos pela profissao med,a tanto M)rs.: Da loja do pavao,"roa da Imperatriz n.
das Americis como da Europa, seto nunca *, le Gama & Silva.
desmentir a sua alia repitlaco. v Crlos ranad"",s } ,
__ v Vendem-se os mais ricos cortes de fazenda dj
muita phantazia por ser transparentes e teeidos
Para a cura radical de escrfulas e iffeeeSes com seda, tendo cada corle M cdvados, pele dimi-
escrofulos, syphilis e molestias syphi- nulo preco de 129: nicamente na leja e arma
lilicas. lceras, feridas, chagas, '
AZEVEDO FLORES
Ruada^adeia do Hecifp, psqoin da Madre de Dos,
Baloes de arcos 3i000
Baloes com o primeiro arco grosso de 20, 25 e 30 arcos, a vista so far preco.
Baloes de arcos e de pa no para meninas de 2 a 12 annos a 2$ e 2$500,
Chapeos de s-. 1.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas B$.
Ditos maiores com 16 asteas 120.
Camisas.
Camisinhas para senhora a 30.
Camisas brancas para homem e com peito de cor a i 800 cada urna.
Camisas com pregas largas muito superiores a 2&501.'.
Camisas de linho a 20800 e 305 0..
Camisas de iinho inglezas a 40, sao muito superiores.
Camisas de llanella de cores muito finas a -10.
Cami as demeia superiores, 1 carlao com 6 camisas 100.
Chitas
Chitas largas a 240 o 280. \
Chitas largas escuras finas a 320\s.
Chitas preclaras superiores a 440 e 500 rs.
Chitas estrellas a 200 rs. o covado.
Madapoldes.
Madapolo muito fino a 80 e mais in'erior a 60, estes precos 20 menos que o
SStiSSSSiSSS SSKufi 2j real ifazenda- ^uemd,,vidf sft 2fi*muilas.oatras .^^ d ****
anisda iiussia, caneiia, cravo e nuios outros ob- poloes, assim como o superior madapolo francez para camisas e satas de senhoras.
Meias.
Superiores meias cruas para homem.
Meias pretas e~"brancas para senhoras.
Ceronlas.
Superiores ceroulas de linho o melhor que ha.
Ditas de brim de Hambiirgo feitas na trra
Ditas de esguiao de algodo a 10600.
Paleto; s.
Paletots saceos de easemira.
dem de brim pardo e brancos muilo finos,
dem de alpaka branca muito superior a 50.
dem de alpaka preta a 40.
Cateas.
Calcas de brim branco a 70, 6, 50 e 40.
dem de easemira de cores a 70. 80 e 100.
Col le tes.
Cohetes brancos a 20500 e 30. ,
dem de casemiras de cores e pretas a 40 e 50.
Vestidos a Mara Pa.
Ricos vestidos de laa com barras modernas e os mais finos que pode baver a 200.
Vestidos do mesmo gosto. porm mais simples a 120 e 14.
Sacos de vigem a 5#.
Por estes precos s vende Azevedo & Flores na loja do

/ ia> ol no etmmera
Ra do 1-'i!v T 73.
O proprietario di>.e ; ; .-m a hee>-
ra de avisar acs seus fi-gun .ras.
de redurgao nos preeos reas: aenti i.^uh>-
raqualidade : mant.iga iegla I-e |#2o r*. a
librada ultima chegadi ao n o u. r... rt.u
francea a 900 rs. c em barril .- (. -! ,
queijos flamrngos novos a J300, dito erai o im
se pode desejar tni Itoulade a >>;H> r
ameixas franerzas cr.i:,:i.!. r. :;. i
I5WI0, frascos de dihs !-",'i>0,r*r;.!
para mimos, marmelada das n
640rs. a libra, amendoM c<.'-'
de S. Joo a 640 rs., vinli.i Vi'..,(Vr> ,'i-'
agarrafa, F) em carrada faz o ::!...:: ... z\
com i arrol.-a* |. t 3;Ji0 a Hhrai fi>r- ;..?
caf | borla "WK. e 7*mj e i iWjt. jh *<
bolaciiiiiha ingitz., 3 2CO rs. a lihra. t. i. ttorc
Li.-hna a 360 rs. a libra, v.i.s dt r;.i U.m
rs.. ditas ntwioa lliiaj a 60" r .. -
; m t a GOO rs. l|.i.-:a a :.-
a libra, |..vm;-,a i a u e l'.O f.
n.ia500. ,5700 e igfw, tn*m* ;
6iO lala, k un.na a 10o :- a
roba, bulliuhos itijjVzc- i.i.i de 2 ilir
ditos de soda pr.in.'e- SCOI) .
ros que se [pina infadonlxi inrnnneW. O ra
Urio e-j.i-ra a n ncnrtritria do n ; ::>
piraniindo a cxaeiMSo di. .p.e rar
* 6 .{ge.
roJ.19T5-=g g H
sil
i&B99
Francisco Jos Germano
MI A SUVA ^. 81,
acaba de receber um lindo c magnifleo sorlimento
deocnlos, lunetos, liinoculos, do ultimo e mais
aparado gusto da Europa.
Saceas de ariuha a J$aOO
com 22 cuias de farinha da trra, e nao qmrendo
a sacra, a 4-3 : na ra do Imperador n. 26 defron-
te da casa das audiencias.______
- Vende-se urna nepr nha de 10 annos, muito
esperta e sadia : no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 8.
Vende-se tima burra de ferro grande
em perfeilo estado e por commodo preco :
na rna do Apollo n. 20.
Lsijtdo para calcadas.
Vende-se muilo bom lagdo para calcadas ear-
mazeos chegado agora : a tratar na ra do Apollo
n. 4.
No armazem do fazen das ba-
ratas de Sanios Coelho,nia
do Queimadon. 19, ven-
*de-.s.eoseguinte:

LOJA DO BEIJA FLOR
Na roa do Qucimado n. Ii3.
Tendo recebido um sorlimento de bone-!
cas de choro, que cbamain papai e mimai, [
2.3400.
de um
su
A antifra e bem conhecida loja de miudezas
ra do Queimado n. 16, acaba de ser novamenle rnm raKellAira rio .-arhns
prvida de dillerenles miudezas, novas e finas per-
fumarias inglezas e francezas, luvas de Jouvin, en-
feites para senhoras e outros mohos diversos arti-
gos, que com prudencia e sisudez serao patentes ao
comprador, a qnem Isso, e a regoJaridade dos pre-
panno a ?0s nao ser mdiirerentc para continuar com a sua
boa frcL'uezia.
erii[)goes cutneas e todo e
qualquer iucomneodo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
TOMBU A
MLA PAItKllvll.l OE AYER.
A venda na ra Direila, ns. 12 20 e 7fi;
ra da Quitanda n. 51 ; pra$a da Consti-
tuiclio, n. 30 -e Hospicio, n. 40. E na-
prtacipaoa phaimacias e drogaras do im-
perio.
Vende-se em Pernambuco:
... ?U a a* macla franeexa de
P.rARER & C.
RA NOVA N. 18.
GR ASDE
o
O proprifilano do grande armazem do Baliza,
lari;o do Livramenlo n. 38, nao tendo podido con-
siguir em lempo a mudanza de sen armazem, por
ter de ser mndadaa coberta dessa casa, lem resol-
do vencer o grande e magnifico sorlimento de mo- Imperatriz n
Ihados e seceos co, sem atlender ao grande prejuizo que tera, vis-
to que d'outra forma nao o poder evitar.
zem do Pavao, ra da Imperatriz o. 60, de Gama
& Silva.
liornouls de renda na loja ilu Pavo
Chegaram os mais ricos bornouts de renda e se
vendara por baratissimos precos : na loja e arma-
zem do favo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama J
Silva.
hicoschales pelos de renda
Chegou pelo ultimo vapor francez um grande e
variado sorlimento dos mais ricos chales pretos de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
efies muitos de pona redonda emilacao de man-
teletes e muitos com o centro de cor, e vende-se
por precos muito em conta p.r ierem sido manda-
dos vir de conta jiropria peles donos da loja do
! Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Laiinhas lisas a 500 rs.
Vendem-se as mais modernas laazinhas, tendo de
lodas as cores, pelo barato prego de 500 rs. o co-
vado, lailaiana bracea e de cores a 800 rs., fil liso
branco a 800 rs. a vara, cortes de fil brancos lisos
a 65 : na loja do Pavao, ra da Imperalriz D. 60,
de Gama & Silva.
Chapeos c sol de alpaca "
Vendem-se superiores chapeos de sol de alpaca
a 3*0, dilos de seda ioglezes corn 10 a-qias a
125 : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Laziulias Iraasparcules a 320.
Vendem-se muito bonitas laazinhas transparen-
tes com palminhas de seda a 320, ditas lisas e de
varias cores a 220 rs.: na loja do Pavo, ra da
60. de Gama & Silva.
Lences de panno de linho a
Dit'is de bramante de linho
35500.
Cobertas de chita na India a 2.'09.
Lencos de Cambraia brancos propnos
beira, pel barato preco de 4000 a dnzia.
Pegas de breanha de rolo com 10 varas a 3,g800. i
Ditas de cambraia para forro de vestido, cora 8
_ varas, pelo fcaratissimo preco de 25600.
Guardanapos adamascados pelo baraUssimo preco
do 35500 a duzia. i
Algodao eufestado com 7 1|2 palmos de largura a
1500a vara.
Corles de laa de lindos costos com 15 covdos a
630O0.
Pegas de cambraia adamascada com 20 varas, pro-'
pria para cortinado, pelo barato preco de 115.
Fil liso lino a 800 rs. a vara.
Dito com salpicas a 15 a vara.
Tarlataoa branca lina a 800 rs. a vara.
Atoalhado de algodo adamascado a 25200 a vara.
Dito de linho a 35200 a vara.
Laazinhas lisas de todas as cores
prego de 500 rs. o covado. i--...... ~ !"-<
I'egas de cambraia de salpicos brancos e de cores lrai| Je mell|or, dito paquete, dito piqueno em cai-
eom 8 1|2 varas, pelo baratissimo preco de i j,nnas'sendo l'-"0> limado, de quadrinhos, beira
45500. i uourada e-Iarjado de preto, tendo entre eiles al-
Baloesde 20 arcos a 25500, de 25 a 35, de 30 Kans 1ac 'razem a eovclnpe na mesma foMia, o qu
3.500, de 35 45, de 40 45500.
Toalhas felpudas a 135 a duzia.
E.-!eiras da India de 4, 5 e 6 palmos por menos
prego do que em outra qualquer parte.
Neste armazem se encontrara um grande sorti-
menio de roopa feita e por medida.
para aigi-1Antga loja de miudezas a
ra do Queimado n. 16.
Nessa loja vende-se baratamente, alm de mu-,
los outros nbjecios os segqinles :
Voltas de crystal, graudes e pequeas.
Outrasde diversas qualidades.
Cruzes {randes de pedras falsas.
Alfinelesde madreperolae outras qualidades.
Brincos a balao.
Cintos a traviata.
N. 16 ra do Queimado.
Pcnnas d'aco, panel
Na anliga loja de miudezas
n. 16, acha-se um bello sorlimento de papel al-
masso greve liso e paulado, primeira e segunda
pelo baratissimo j0rt!''d"0 de ,)cso Uf0- Pau,:id e de quadrinhos, e
de aillerentes qualidades al a que^e pode encon-
e en ve I i pes.
a rna do Queimado
Vende-se
duas casas terreas construida com madeiras de
quaiidade, sendo as frentes de tijilo e cal, sitas
na ra do Commcn-io do povoado dos Montes: a
tratar na rna da Praia n. 3.
Vinho verde
Ane.orelas cim superior vinio verde de Bastos
o melhor que vem a esto mercado : a rna da Cruz
P. 18, armazem de Jos Joaqun Lima Itoiro.
Pennas de ema.
Cera amarella-
Pelles de cabr
Cera de carnauba.
Velas do Aracaty.
Vendem-se na ra da Cadeia n. 57, ar-
mazem de Prente Vianna & C.
Corlts de las matizadas.
Vendem-se botillos corles de lias matizadas, ten-
do 15 covados cada corte, a 55, ditos Mana Pa
a 65 e 85 : na l"ja do Pavo, roa da Imperatriz
n.6, de Gama & Silva.
HOIVA FEiTA
ROUPA FEITA
HOUPA FEITA.
Na loja do Pavo vende-se um grande sorlimen-
to de roupas feilas para homem, sendo raigas, pa-
lelots e rlleles, tanto de panno como de casemiras
pretas e de cores ; deixa-so de mencionaros pre-
gos para nao se tornar enfadonho o annuncio,
afiangando-sc que o respeitavel publico achara um
grande sorlimento por baratissimos prego*"-: na
loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
ava riado.
Francez barrica 55000
l'ortlanii dem 85500
Em perfeilo estado:
Francez barrica 105000
Porlland i lem 125000
No armazern de Tasso Iripos caes do'Apollo.
Vende-se urna preta de meia idade que cos-
nha o diario de urna casa e lava perfeitamenteje
prego barato : a ra Dlreita n. 17.
1 Violto do Porto especial.
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaes em caixinhas de 12 garra-
fas, sendo marca Hainha de Portugal a 185 a cal-
xa e Pedro V a 165, em porgao far-se-ha um aba- 6^ loja*de miudezas.
te razoavtl : no armazem de. Ferreira 4 Malheus, "
na ra da Cadeia do Recife n. 66.
aqu inteiramente novo. Caixas de envelopes
maiores e menores, e tarjados de preto. Pennas
d'ago inglezas, caligraphiras e outras qualidades,
todas dos afamados fabricantes Perres t\ C.
. Albuns baratos na ra do Quei-
mado n. 16.
Vendem-se bonitos albuns para 12 retratos a
15500, outros para 24 a 350OO, e alguns maiores
tambem por baratos pregos.
Luvas de plica a 500 rs o par.
Apezar de nao serem araigas eslo um muco
mescladas as luvas do pellca1 prela e de cores, as
qnaes anda servem para a noile, e mesmo para
montara, e vendem-se a 500 rs. o par na ra do
Queimado n. 16, loja de miudezas.
l-ilIlVI illlllllS e I1 COS.
Na loja de miudezas a ra do Queimado n. 16
vende-se bonitos lal.yrinlhos e bieos das ilhas, te-
eidos em grade de llnha o que os torna fortes, e de
muita duraco, alm de que os novos e agradaveis
desenhos, e a commodidade dos precos concorrem
para a boa extraegao d'elles, tanto mais quanto
elles nunca sao desnecessarios em casas de (aml
lias pelo que podem dirigirse a ra do Queimado
Tendo recebido um variado sortimer.lo de
brinquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos;
para meninas : apparelbos de alinoco e de
jantar de porcelana e de metal, porla-cor i
e faquinhas a 280rs.O par ;e nao queren-,
do continuar, vende mais liarato do que em
outra qualquer parle.
Vende-se liras bordadas de difierentes1
larguras a 1;>, e babados, collar inhos e pu-
nbos para senhora, bordados e aberlo* de!
renda e lisos, os mais modernos que se |
podem encontrar.
Vende-se la para bordar de diversas
qualidades e de cores claras a.73 a libra, es-
pellios de columnas de Jacaranda a 2^500,
ditos brancos de diversos lmannos, caixinhas
para estojos de navalhas,
Vende-se pentes de alisar com costes de
metal a 10, ditos de difTercnes qualiJades,
lindas gravatinhas para senhora de difieren-
tes gostos.
coEhcrc !c metal prtaelpo.
Vende-se collieres de metal principe para
tirar soupa a 2;?, ditas para cha a 2300,
dits parasoupa a i;>200 a duzia: nesta
loja ce encontrar sempre um grande e va-
riado sorlimento de miudezas: ra do Quei-
mado n. (;, loja do beija-flor.______
2 ?2 : o o -
COAFEITOS
DEPURATIVOS
DoDrSEBVAUX,deP:rj.
l'liarmaceulico de etatte, ex-
interno i'.ot /upilae*, premiado
rom a memUu de Urouze.
si.'
Desde muilo lempo o poMiro'
abaudonoii o uso das pre,
litulail irlivas renhr .
sob o ajaane <\pcs4 fe->
ile Salsaparrha com.H>las ele -,.
Coja :ierii.. uiai.r liria da- \ mbj
nulla, e n alguras rn-os periaaM. V
Os Com. ni u.-PirTUniiEBO 'srtctalB
i: 0 costo ActMD.ur.ii t ci.ini v.a ia| \
lUSO VOLLMt 4tjl .....
l'S Ql K O ~F.1> MODO Dr. Pi'.KPlR*! 1.1 IOB \
jj vas eo
. JlMI.TF.niVElS.
|{ Omine
e
0> n
; 3 .55
5-3d srp
Vendo se urna armagao de taberna desorga-
nisada, em bom estado, que conlm, alem de al-
guns utencilins, dous depsitos para agurdenle e
ura para azeite de carrapato, e se vende muito ba-
rato : a tratar na ra do Principe n. 32, taberna.
Vende-se ou trnca-se um sitio junto ao pala-
ci episcopal, em Olinda, com bstanles arvoredos
de fructo, haixa para capim e cacimba com boa
a 23'i00 e S1200, cha a 25400, caf a 260, alpista 8n* de beber ; assim corro urna peqnena casa
a 120, presunto novo a 560, vinho da Figneira e'Da n!^a *os 01,a'ro L,n,os J : a 'ralar ""es-
Lisboa a .15200 e 2*600 a cacada e 440 e 360 a '. ma cidade cem Francisco Luduero Nunes Vianna,
Haiitciga.
Ingleza muito boa a 15 a libra, queijos do vapor
Bichas de Hamburgo
Vendem-se na ra Nova n, 61.
Vendem-se palmciras imperiaes, em estado
de serem transplanladas: no sillo morado es-
querda, depois do becca do Espinheiro, nos Af-
fliclos.
Vende-se uiua bomba de Japy n. 2, propria
para cacimba por estar com canos: na praga da
Independencia n. 33.
Vende-se urna taberna bem afreguezada para
o mato, e bem como para a trra pnr flear ao p
do mar, tambem d comidas e dormidas, e recebe
passageiros, tendo escellento commodo para fe-
milia : na ra da Lapa n. 13.
440 e 3b" a ma cidade cem Francisco
garrafa, gaz liquido a HjoOO a lata e 480 a gar- e no Recife na raa aa r'r"*- "o"" n. 24.
rufa, azeite de carrapato a 45 a caada e 320 a
garrafa, farello sacco grande a 35800 e de farinha
a 45500 : no armazem da estrella largo do Pa-
raixc o. li.
Saceos
Na ra do Queimado loja Esperanga n.
vendem-se saceos de estopa a 500 rs. cada
Attencao.
Na ra do Qneimado loja n. 41, esquina do bec-
co da Congregagao, vendem-se riquissimos cortes
I de chita franceza com 10 covados denominados dos
I vi luntaaios da patria, pelo diminuto prego de
33 A, 258OO e outras multas fazendas por baratissimos
um. 1 pregos.
Ra do Queimado n. 16, an-
tiga loja de miudezas.
Essa loja j to conhecida, renovou e melhorou
o seu sorlimento de perfumaras, onde os pretn-
denos podem encontrar de novo e bom.
leos philocome, superfine e babosa.
Banha fina em frascos e latas.
Extractos finos inglezes e franceies.
Aguada colonia e florida.
Opiata e poz para dea'.es.
Extracto de quinquina para ditos.
Agua balsmica para ditos.
Dita denlrilice para ditos.
Leite virginal para sardas.
Vinagre de Venus para refrescar e conservar o
lustre da culis.
Sabonetes camphorados inglezes.
Ditos areientos excellentes para miios.
Ou iros tambem ingieres de diversas qualidades
em caixinhas de tres e sollos.
Albuns com perfumaras.
Froultas e lencos
de muito bem feito labyrlnlho: vende-se na ra
do Crespo n. 11, lo\a.
sa r- <" P a> -i
^'''Sw.ttoSRtS.g.;,
S. 0.2 S "3 "'S'a 1
E.B g S.O o 5 o a.
ce ir J u. o S. r-
Cors oi>'.. vori... rna -pi
Ca sob o patrocinio .as prinria
celebridades medirs, os pue
de ludo quanlo tem exMMa alb'
hoje.
Cura rpida sam o socorro] '
de ncnliiiRi oulro remerli;-. in-|
terno, das escrophuias ,1.
herpes, affeccoes sypH-j *
liticas hypertrophiasl ;
dos tessidos celular, s,, ^
hydropisias c cm ralj^
todas as molestias produziJas! $
pela alleraiao do sangue ; kitj I
o resollado que (juena:n*sjf
nseguir e que temos tea-I v
preoblido. j .;.
lima cipiicarao accompanha ei.'
idro.
Dcscouliar-se. das faVificarn-icl imi
lacees.
/'ura os tmtomtndiu dirigir** tes
Snrtt. BUISSOlf T C1', l, > l'r.HCc
tuxene, Parix.

re
Q a.

m Q.w 9
' ti 2 D
05
O
3 2.8
o &
-i. o

\
sil
cj a
v.
i;
T3
-1
3 Q
c _
c
09
-I
a,
5
13
c
os
00
> ^
o
-2
-S8

o bt;
H
"O CC
- -i
H *-J
fia r^
- 3
O
W
O
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melbor qaalidde z
lijalata: nos armazensda ruado im-
perador n.lfi e ra do Trapiche Noto. 8.
Kiopregadu com inTaritiel tucecuo _
pelos Mdicos eje todo ot panes coolra as n aaMM
rgviicas ou nao orgnicas ilu cora^-. s.- ffaasai -
dropisias e a maior parle das molestias do peilo iaa
bronchios ip*cvnonioi, calarrhoi pulmou.rts. ulkmm.
i*Hammacdet nervosas dos'bronekies, ettarrk'irn. 'I
O XARttPB de LABELO.XVE lao s fede seso tai
Krrafas com rotulas de cor e fechadas com una clp
'ando a firma da inteutor.
Kan TAIIia. ma R*urbaB-vlllrar>Tr. 19
Deposito geral em Percambnco rna da
Cruz n.22 em casa de Caros Barbou
Liquidaco de mackiuaspara
algodao:
Chegon grande sortiienlo de machinas p%ra
desrarojar algodao, de li, 16, 18, SO, S5. 301 X
serrotes, de sn-enor quaiidade, as dem porprefos muilo redunlos e r memo- da
que em outra qualquer parle, para liquidar, i %*
como motores americanos da Dilima iuv.
quaes se tornara recomraendaveis por sua tapara r
quaiidade de fcil condnecao para o ceuif- aa
vincia; a tratar no deposiio do raes de Apoo i K
ou na roa da (Jadea do Itecife, loja de Irma.
n. 56 A,
Vinho do Porto superior em caixa de diuia,
!em para vender Antonio Loiz de Olivelra Arce-
do i C, no seu escriptoriorua da Cruan. 1.
Vndese urna balauca grande com t des os
penences: na ra da Praia n. 38.
Vendem-se
machinas americanas de serrote ; ira descarorar
algodio : na ra da" Seniala Hora a. 42.
Farinha de mandioca : tem para vneto m
tonto Lniz de Oliveira Azevedo J C., >-
cr^piario ra da Cruz u. I.


Wiur'.o de Pensambueo -- Nabfo.do 8 de ulho de isba
C
r
ESO
fffi
i!
I DI
GNEROS BAR1T0S A DINHEIRO
NOS
PGR4 mmm de molbiboss
llfi DE P
: DUARTE & C. li
i m Palco do Carias n. 9 armazeai Progresivo ra o Qucimado a. ns
Unio e Coinmercio ra do Imperador u. 40, M |
Principal armazem de molla Jos. ^ ^jss
AURORA BRILHAWTE
li) (0
OS PROPUIETARIOS.
Fazem scientc ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-r
g ..'os, I'Aradores e mais pessoas do cjntro, que paramis facilitar suas compras deli-
beraram os propietarios dos tres grandes armazens, reunir todo i os seus estabeleci- (
meatos em um s armuncio, pe) qual o preco de um ser de lodos, prome-tte-,
iie nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annuneiar os ge erosj
por um pre$o, e na oc:as'.o da compra quererem por outro, como socede constante- j
mente em oulras mui;as casas, porm nos. nossos estabeleeimentos nao se dar isto
anda mesmo cora prejuizo nosso, quilquer pessoa peder mandar seus fmulos que
sera i tam em servidos :omo viessem pessoalraente fazendo-nos o favor di mandar seus!
pedidos em cartas feixadas; para evitar qaalquer engaos, remetiendo nos umveonta
pou qual se ver os precos tal qual annuoeiarnns, o- que seno arrepender pessoa.
aginia que fizer s.ia despenca em nossos estabeleeimeatos; pois peupar mais de'
5 por cento na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza perfeitamente Qr chegada dem com 'i a 5 ditas a 33200.
nitimamente no vapor Saladim, de 15 dem vasios de todos os tamannos a 2;>000,
a 15200 a libra e em barril terabati- 1^00,800 e640 rs.
ment. Queijos d 5300 a 25300 os mais frescos.
i i a francea muilo nova a 900 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e'
800 em barriS; 2.$0) a caada. \
Baoha de porco refinada a 720 a libra e 700 dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 1.5400'
em barrs. ; a caada. /
Ci uxim de Superior qualidade a 25300. Azeite doce de Lisbia rauito fino a 603 rs.
dem perula miudinlio a 20700 j a garrafa e i#800 a caada, I
byss to especial qualidade de 25400 a Touciaho de Lisboa novo e muito alto a 320
20600 a iibra. a libra, e em barril de 3 arrobas a 9O0
dem prelo muo especial a 25309 e 2.5*00 arroba.
a libra. Ceneja Rass do fabricante Sblers & Bell a
dem do Rio em latas de 4.5000 e a 800 a 65500 a duzia e 640 a garrafa.
libra. dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 65000
L. iS con biocotrto de todas as qualidades' a duzia e oGO a garrafa. -
a 15-00. llera marca II Yicloria Alsope e outras
dem da creditada fabrica de Biato Antonio maitas marcas a 55 a duzia e 300 rs. a
(Liiboi) proprias para dar a doentes a' garrafa.
25 e 35 a lata. Sabao primeira qualidade a 220 rs. a libra
B ilaxinha ingleza mnito nova a 35500 a bar- e 210 em caixa. _^
rica e a 240 rs. a libra. dem segunda qual dalle a 200 rs. a libra e
!. s e i;n nolaxinba de oda e oval a 25. i 180 rs em caixa.
to inlez para iambre chegado no Sabao Dglez superior a ISO rs. a libra
ultimo vapor a 8JO rs. a libra,
iricos c paios muito dovos a 640 rs.
libra,
(as eom macarras t-dharira muito novo a
; !M e 320 a libra
\ ra branca c amarella a 500 a libra.
i i! i portaguez de especial qualidade a
0 a libra.
I n : de 8"a0a 1-5^00 a libra.
. bes an'io! verdadeiro a
veo i nos a i >400.
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 65503,
75500 e 85 a arroba, e de 220 a 280 rs.
a libra.
Arroz do MaraobJfo 35203 a arroba e 100
rs. a libra.
dem d i India a 25600, 25800 e 100 rs. a
libra.
1*0X) a libra Charutos Normas de Havana a 55500 a cai-
* xa, de Simas (J e Furtado).
i da isca de g liaba em caixoes de 6 li- dem Lon lrinogji_55,idem.
ti -as seguro a 10800, dem Parasiense a 45500,
,vn caixoes pequeos a 700 rs. e de I lem Delicias a 15500.
30 para cima a f?40. tem Traviata d ) Rio a 5)500.
.; a sacco em bocelas ricamente enfeitadas, dem varetas de Mainel Peixoto da
contendo pera, pesjgo, ameixa, rainlia.'
o oulras frutasa 35000 cada.umi.
m : n latas feixadas hermtica-
mente muilo bem enfeitadas, contendo,
pera, pesego, ameixas e outras frutas a
G40 e 700 a lata, tambera temos latas
a 15200.
ida dos m fabricantes, emla-
25000 a 15200. "
n em i das de*l 1.; libra a 15.
IJ m v Q : las de I libra a 640 rs*
El riihas em latas chegadas nesle ultimo va-
1 700 e de 5' para cima a 640 rs.
i perde oo carrapato em atas j pre-
lo a 640 rs.
o frascos de vidro a 15500.
: m'caixinbas ricamente enfeitadas de
OO a 25300.
' tida m lito novas a 700 rs. o
c 1.
1 de cbolas simples a 700rs.
1 inglez a 640 rs. o frasco cora rolba
rj vi ro.
11:' i em p a 700 rs. o frasco.
;, .11 j preparada a 320 rs.
La. is com raassa de tomate de 1 libra a
600 rs.
: :i em latas de 1 1(2 libra a 900 rs.
Vi ,bosem garrafas viudos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Marra Pa, D. Luiz, Pe-
dro V, Veilio Seo, Ligrimas Doces, La-
grimas do Div', e outras muitas marcas
a 15 a garrafa e 95 a 125 a duzia.
dem Palmeila .1 15 a garrafa e 115000 a
duzia.
Id m em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 25800 a 35300 a caada.
. i ;.i e;n ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 2i5a
ancoreta.
i m branco especial qualidade proprio paca
ssa a 56 ) rs a garrafa e 45 a caada,
o mais baixo a 403 rs e garrafa e 35500
a casada.
11 do 'orto especial qu lidade a 800 rs.
larrafa e 55500 a caada,
i, oa Bnrdeaux em caixas a 75 e 700 rs. a
garrafa.
impanha a melhor do mercado vinda de
n -i encommenda a305 ogigo.
m mais baixa de 185 a 205 e 15500 e
35 a garrafa,
res portuguezes e francezes a 15000 c
300 a garrafa.
Mi rasquino d Zara, verJadeiroa 15500 a
rafa.
. ::i mais asmo a 800 rs. a garrafa,
bra de larapja ver adeira a 11,5 a du-
zia e 15 o frasco.
:i de Hoanda verdaleira a 65 a fras-
queira e 648 O frasco.
a de Hamburgo a 55500 a frasqueira.
;i em bitigas de Iijllanda a 400 e 440
rs. o frasco.
fSes 1 un gecebra de Iloltenda com 24
garrafas a 85, com ganafao.
I Jen com 1 i ajo arralas a 65.
r->;:$::
Netto a 3.5500 e 1 -5 >O0 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 1.5300
a meia caixa e 55200 a caixa.
Mera raeeepes a 15700 a meia caixa e
35000 a* catea do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 15S00 a meia
caixa e 35400 a caixa.
dem joveas de Castanho & F1U10 a 25400
a caixa.
dem suspiros do mesan a 15'01 a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes..
Passas muito awas a 13503 o quarto e 53
a caixa de urna arroba bespanhola e 320
a libra.
Yrmate bebida para abrir a disposicSo de
comer a J5500 a garrafa, e 115000 a
caixa.
Alpista muito novo a 3.5SOD arroba e 140
a libra.
Pain$o a 45000 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas j preparada a 1,5200 a lata
e em porcSo 15000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
TijoHo para limpar facas a 160 rs.
Esparmcete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a li>O00 arroba "e 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 15800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto maito gran les proprios
para guardar roupa suja a 25500, 35000
e 45003
Batatas em gigos de 3 libras muito novas a
800, ea 40 rs. a libra.
Gomma em paneinsTa 45000 arroba e 140
a libra. /
Farinda do Maranhio muito alva e nova a
240 a libra. \
S 'vadinha le Frasea para sopa a 203 a li-
bra. ~^
Sevada muilo nova a 140 a libra e 45000
arroba.
Caixas cora estrelinha, rodiaha e pevide a
400 a libra.
Albos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 180 e 200 rs cada urna.
Caoella muito nova a 15000.
Cravo muito novo a 500. ^
Cominho lena a 320.
Ervadoce i lem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amen-loas a 400 a libra. .
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 4520) a resma,
dem izo a 45000.
dem de pezo a 35000.
dem de embrulbo marca grande a 15200 e
15300.
dem azul para botica a 25000.
Copos lapidados a 55300 e 500 cada um.
Palitos -de denles, macos grandes a 120 e
16 j cada um.
Fuma-americano de chapa, de superior
qualidade a 15500 a libra, em porcaoter
abatioienlo.
fifi
WS RJZEftS
E
MOLHADOSttt
*m
VINHQ8
Largo da SantaS_
|Crdz n. 84, es-j
quina da ra do^>
sSebo. i'
lados denominado Au- '
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,000 rs. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um paueiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
ANTIGA CASA
DE
GUILHERME DA SILVA GUIMARES.
EA DO CRESPO
NOVIDADE
6
ruralfrUhJn,^ P .t;Iari doJa muito acreditado armazei
, a i?,,.C u7u,n,e tabella sirvira' a todos de base para ajuste de contas aos portadores.
nelo wSSStSSSSF vendera' ma''s carato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja'
> cru ,niaw n, qae lemJa' mesrao Pr1u,! seu dono b deseJa lirar dlminnt0 lu"
uroveiiar *Ue para ."^molar as despezas do estabeleci memo por isso deixe-se a-
lantes freguezes ar' faZCr 'da a dili8encia>afim de servir bera os seas cons'
^Laa7S8 'bra^ dl3C,10uriSas muito novas,
1D mnig/n!s fi0Peixe em Postasinteiras,
Soo ades' a i5000' l80e
| gideTr a?S'r;XCel,ente Pe'5C para '""
InWll C.0,m ameixas a l520, 15800 e 35500.
nanas com marraelada do aamado fabricante
Abreu, a 720 rs.
Ditascom massade tomate, a 500 rs.
I Se^^^^^^e.-novos, a 15500,
PISoOO1 bolachinha de soda rauito novas, a
Ditascombiscoitinhos inglezes de muitas qua-
\ lidades, a 15100.
Chocolate.
Uuinhas com ameixas enfeitadas proprias
para mimo a IJiOO, 238OO e 3j200.
[oiiocolate superior muito novo, a libra de
jHacarrijo.talhariamealetna amarella, a libra
> a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Laixas com estrelinha, pevide, e outras mas-
> sas, a caixa 35500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
{Sevadinha para sopa a libra, a 210 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
\Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
?Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
;Fa",la de araruta verdadeira, a libra a
' oOO rs.
AlT2^do s,aranhrio, em sacco, a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e. a li-
Vinho verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
Gomma. ,
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se(
ensommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Farinba.
Saccasgrandescomfarinhade Goianna mui-
to nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85500 e 95000.
Cha.
Ch,temos nestes gneros o mlhor possivel,
hyson, a libra a 25600.
Dito parola a 35000.
Dito uxim a 25700.
Dito hyson rauito fino a 25800.
Dito redondo a 25500. K
Dito preto de primeira qualidade a 25500. QftS
Dito mais baixo a 25000 e 15600. V
Erva mat. Jm,
Exoellenle cha medicinal, a libra a 240 rs. (m)
Espermaeete. pe
O masso com 6 vellas de espermaeete a 600,. k
640 e 720 rs. V
Passas. $,
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro- ., b
prias para mimos a 45 e 25300. jj$
Noies. rf)
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 45000. jjffi
Alpista e painco. ^F
Alpista e painco, a arroba 45000 e a libra a 2
160 rs. Cartas. WJ
Cartas finas para logar, a duzia a 25500. /T*
.V
ra nJ%% e- a!pak1 escoceza> cort& brilbantes com listas de seda de duas lara-
ras pelo diramutissimo preco de 9 com i covados, .jue vera a sabir a OOrs.
CORTES DE TARLATANA
X^l^So^^^t Cambraia- Vestido de pura
Vest mentas para creancas
objectos de gosto com primorosos dcsenbos de trancinbas sobre fuslo.
CORTES DE SEDA A 30;?000..
tissirao p?eclS CUrle dG Ulir de Seda COm lindas barr s malisad;,s Pr estedimi
Linhos
Algodes.
Laas,
Sedas.
Setins.
AOS SENHORES DE ENGENHO
Excellentes cobertores de algodo escaros pelo barato proco !.
Capas. Paletos.
Loutambarques. Calcas.
Manteletes. Golletes.
Chapelinas. Camisas,
Chapos. Ceroulas.
800 EsS.
Caslanhas.
Castanhas novas viudas ne>te vapor,
ba 45000 e a libra a 200 rs.
Azeitonas.
Barriscom azeitonas novas a 15500
Manlpija.
Manteiga superior, a libra a 15280.
bra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a M8Q0 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dito de Santos, a arroba "5000 e a libra a
260 rs.
Molhoscom 123 ceblas grandes, a 1-J280.
Hostarda franceza, caixa com 2 duzias a
75OOO.
Frascos cora mostarda preparada em vinagre,' Dita mais abaixo a 15200.
a 400 rs. | Dita menos superior a 15.
Ditos com conservas inglezas e franceza?, a Ditafranceza nova, a libra a 8S0
640 e 800 rs. Dita lita era barrs e meios ditos,
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.; 830 rs.
Ditoscoraa verdadeira genebra delarania, a Dita.para tempero a 400 rs.
I3OOO. J Queijos.
Ditos de2 garrafas de Ilollanda verdadeira.a
640 rs.
arro-
a libra
Botijas com dita propria para negocio, a
5 400 rs.
jGarrafoes com 2 gales com dita, a 65.
Serveja boa, marca, a 300 rs. a garrafa, e ai
> duzia a 65OOO.
' Vinho muscatel de5etubal, a garrafa a 15-
Marrasquinho verdadeiro. frascos a 80C rs. e
3 a 152OO.
Champagne, a duzia 205000, e a garrafa a
) 25000.
h Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
' a 15000.
Caixa de vinho Bordoaux muito superior, a
> 75,85,95 e-105 a caixa.
j Hitas com diu branco, a 75 a caixa.
, Ditas com dito lagrimas do Douro verdadeiro,
6 a 205-
'Ditas com duque do Porto verdadeiro,""a
. 185000.
{ Ditas com chamisso superior, a 145-
Dilas cora Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 125.
jVinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
i e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 35200,
[ 35300 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs.
)Dito da Figueira, das seguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
i 45300, e a garrafa a 560 e 640 rs., desle
! que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
LDitos de marcas mais desconhecidas, acana-
i da a 35500 e 45000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco fino, agarrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
va^or a 25800 ej
libra
Queijos novos vindo? ueste
35000. 'I
Ditos londrinos muito novos,
15000.
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a*45800.
Dito dito lizo de linho, a resma a. 45300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
25300.
Dito deembrulho.bom a 15 e 15"00.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma- $Jj
deira a 15500 e 25000.
Temperos.
Folhas de looro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs. <\s
Velas de carnauba. v ,'j
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a ?r
480 rs. ; SK
Amendoas. ^P
Araendoas com casca, a libra a 320 rs. &,
Doce. 9fi
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 15'00 e pequeos a 640 rs. (p
Tijelos de limpar. ^
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duz'asde boioes de graxa n. 97 a 25000, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs. ca-^
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos unos. "
Charutos finos dos melhore> fabricantes da ^
Bahia por diversos pregos, caixas e meias^
caixas.
Algodoes americanos.
Cobertores brancos de algodo.
Chitas escuras a 240 rs.
Algodo de .Minas.
CHACES DE FII. DE SEDA
campo azul, magenta e roxo com barras pre;as e brancas.
Fazenda de infinito gosto.
A'
DE
Gregorio Paes do Amaral & Companhh.

irm
de trabalhar mo par
desearocar agodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C,
OLDAM
: "K ^ fde
;v:
/.
\
Estas irach'fca:
emde.scaroc;-.;
quer espe'ci
_S'de algodo sen
estragar o fie
* sendo bastante
duaspessoaspara
-^ o trabalho; pd
desearocar uraf
arroba ce algf-
do em earoct
era 40 minutOi
ou 18 arroba."
por dia 011 5 ar-
robas de algod'
limpo.
E grande quantidade de gneros tendentes gj
d estes estabelecinientos, que deixam de an-
nunciar-se.
mmm
? es

1 N. 11-Eiia do Quelmado-N. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chegou a este estabelecimento um grande sortimenio de cortinadjs bordados para
camas fazenda de muito gosto.
Chales de guip muito finos para 225, 255 e 305-
Colxasde seda superiores de diversas cores para carass de noivas.
Colxas de la e seda para cama tambera de bonitas cores.
Rotondes de guip enfeilados com o melhor gosto.
Setim de Paris bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o covado.
Moureanlique branco e preto, grosdenaple preto e de cores, pannos pretos de todas
as qualidades, diios azues.
Casemira prela e de cores, merino preto, silistrina, borabazinas, alpacas retas, e
la preu para lulos. i-
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e eouro de 45 a 115-
Brins de linho de cores finos a 15800 a vara.
Chapeos e chapefrnas de palha de Dalia para senhora, manguitos bordado-, chapeos
de seda para homem, chapeos de sol de seda, esguiao de linho, cambraia de liutio, breta-
nhas, silesias e muitas outras fazendas que se vendem por commodos pregos assim como
tam bem i
Esteiras da India para forrar salas
Em casa de Tisset Freres ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho B rdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito d- Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
TaSso Irmos
vendem gesso em p para "estuque de casas, tijolos
finos de eitlo diversos para ladrilho, azuleijos de
diversos gastes, tijolos vidrados para parede de co-
zmha, canos de barro para esgoto, cemento em
barris de 10 arrobas.
Assim como machinas para serem movidas por
animaos, que descarocam 18 arrobas de algodi
limpo, por dia; e motores para mover um;., duas,
eulris dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina;
mencionadas ; para o que convida-se .'.os Srs.
agricultores a virera ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Sauuders Brothers C.
X. II, pra^a do Corpo Santo
BECIFE.
Os aicos agentes neste paiz.
Attenco.
Vendera-se pe^as de esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, era latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para t e 2 cavados,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados Unidos : no armazem da ra do
Trapiche n. 8._________-________________
Goke dogaz.
pilcli do gaz.
Aicatro do gaz.
Coke tonelladas rs. 105000
Pitch '.... 80^000
Aicatro caada..... 400
O coke reconhecidaraente o carvao mais econ-
mico, tornarse por isso recoramendavel, bom co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
alie usado. Pitch e alcatro.alra das applicacdes
diversas a que se prestara, como para callafetar
erabarcacoes.alcatroar madeiras,etc.,teem este a
propriedade de preservar do cuplm, formigas.etc.
E' entregar na fabrica dogaz ou mandado p3r em
qnalquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
Instrucgoes para o seni^o
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gnlamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistara nos cerpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Ind pendencia, a 1(5.
Superior vinbo do Porto"
Na ra do Vigario n. 14, escriplorio de Domin-
gos Alves Matheus, tem para vender mnito supe-
rior vinho do Porto em caixas de urna duzia, e an-
corlas de 10 em pipa por prec,o mdico.
GKANDE LIQUIDADO
A 1 !\IIJ IIIO.
Ka loja c armazem de Goiai.trf! i r-
niiio, roa da lmper Iriz n. 72.
Os doDos deste estabelecimento esto re-
solvidos a liquidar suas fazendas por prco
, baratissimo, s com o fim de adquirircui fi-
guezia ; e pie vinera s pessoa?, que i
ciam com fazendas, que nesla lija e arni.;. m
encontrar o sempre um grande sorlimcnto
por menos 20 por cento do que em oulra
i qualquer parte, tanto em petas, como i re-
talbo. Vejam :
Chitas a 210 rs. o esvadt.
Vendem-se cintas preclaras fiancezas erm
assento braGCO, e.-curo, cor de canna e par-
da, pelo barato preco de 240 rs. o wm,
afiangando-sc que esta fazenda livcrtl po-
dre, e nem tem o menor defeilo: Mo li na
loja e armazem de Guimares & Irnio,
n. 72.
Cambraia liraura, graidf strlinfil.
Cbegoii a este estabelecimento um gran-
de sortimento de cambraias brancas de to-
das as qualidadts pelos precus reduzidus de
3*5000, 3(5800, i, 4300, e muilo Tina a
6;5, vende-se por este preco por ter grande
porco ; cambraia organdy de20 e :RK)r>.
o covado; dita franceza, a mais fina que
tem vindo a esle mercado e dus mais ele-
gantes padroes, a 400 rs. o cavado, i lara-
tissimo; clialy de seda de apurad gosto a
900 rs. o covado: isto s se vend loja
e armazem de Guimares & Irmao. n. 7
Para a festa de S. Jo !!! kailcs r pase iM.
' hegaram a este eslabelec ment, pelo
ultimo vapor francez. ricos cortes de linUsi-
ma cambraia com lindissimo cbuvisq in: ',
que faz um elTeilo magninco, e IMA
pelo baratissimo prtco de o o corle, fazen-
da que val 10 em outra qualquer i*rte :
cortes de la com barra a 95 e 12 : isto s
na loja e armazem de Guiniares A Irmao,
n. 72.
Para acabsr por Ud fttp f 11
Bretanba de rolo com 10 varas a 3:> a pe-
ca; madapolo infesl do com 10 varas a
35200,36500 e 45 a peca; ricos bordados
em fina cambraia a 800 rs.; soutembarque
magnficamente enfeitado a 55 e 6; lan-
zinba a 300 e 400 rs. o coVado; damasco
de 2 larguras a 13280 o covado; chales de
merino estampados a 25; cortes de case-
mira a 25300 e 35; bales americanos,
tanto para senboras, como para meninas a
35, ten lo 30 arcos.
Pumpa fcila d todas as qualidades t liifcoj.
Que se vende mais barato 23 por cento do
que em outra qnalquer parle: i.-to s para
liquidaco: na loja e armazem de fazendas
de Guimares & Irmao.
erRUA DAIMPERATRIZ, R. 72^3
\ovena de Hossa Keahara m
('armo e de Kani'Aaaa.
Vend^-se na ra do Imperador n. l\ oC'-ina
de encalernaco : oofflcio, salve e verso*, aoTe-
na e salve de Xossa Senhora do Carim, tres fo>-
Ihelos por 500 rs., e a novena de Sant'Ansa or
320 rs.
i


.....*mmmimmmmm
Diarlo de Pcrnambnco abitado 8 de JUlho de f4
----------------------------------------------------
i\
0 NOVO
y
LIGA.
ESTABELEGIDO A RA NOVA N. 60
aifl \ SM)3M !D3 23 IDIOMA
ao PUBLICO
*em o menor constran-
glmento se entregar o
importe do genero que
nao agradar.
AO
RESFEITAVEIi PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Mga estabelecido ra Nova n. 60 um magniflco sortimento de molhados,
que sendo em sua maxim parte mandados vir directamente do estrangtiro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm .iffiancar, com toda a seguranza de quei
nenhum oulro o exceder ro restricto cumprimento das seguiDtes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2.] Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua'posico social gozam de certo tratamento, acharo nesta-
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira quadade. etc., etc. v
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle de ve contar que ser sempre mul-
to bem servido. .
Aquellos que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa ae
mnitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, etc., etc. de boa quadade pelo prego que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrelwldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, relo sen proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhor-s que compram para tornar a vender existe um sortimento < spe-
cial, escolbido por pessoa entendida que certamente muito deve agraiar aos senhore-
compradores.
NSo se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos. t
PELOS SEGU1NTES PRECOS SO SE VENDE
A DLNIIEIRO A VISTA:
latas, muito nova, a 80 rs. cada
TTENQ'
Os preyos da eguinte
tabella para todos, pu-
dendo asslm servir de lia-
se para o ajuste de cenias
com os portadores.
RIVAL
RA DA CADEIA DO RECIPE N. 53 | .
(Logo passando o areo da Conceieo)
PARA BEM DE TODOS,

Senhore?. r-rhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que todo.a promptido e intei-
reza com que seri5o trotidffgaonvtda a urna visita ao mesuro, certos de que sem duvida me darSo a prtecgo e preferencia na com-
pra dos gneros que precisaren e croando nao possam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratiecs,
pOisserao tSo bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendagaa, afim gde que riovc. tm
tra Y2T\e.
VLnteiga ingleza especialmente escribida a Aletna, macarro e talharim a4oo rs. a li-
bra e b.ooo a caixa.
Massapara sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a (i4o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
l.ooo e 800 rs. alibra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
tf hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de lo
libras muito proprio para negocio a 2,000
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a I,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
para cima a
ALPISTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras
100 rs.
Aiiuoz.de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca mol le, a 28 rs. a libra.
AvelUas a 2'tO rs. a libra.
Ameixas fraocezas em latas de todo; os ta-
annos.
dem dem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azote doce de primeira qualidade a 5CO rs.
a garrafa.
Alijos a 200 rs. o molbo.
Ahsvmio a 2,)00J a garrafa.
B
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
a lata, e
grandes c pequeas.
dem do Principe Alberto a 25000
de cuco para cima a 1>800.
dem le so Ja em latas grandes a 20000 e
de cinco para eima a ls>S00.
Biscciros ingleses de todas as qualidades a
10200, l;j2je 15300.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglesas.
Baniia de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, o em porcfio a 600 e 70'J rs.
dem suisso a l a libra.
dem de musgo a 1j00 a libra.
Ciiociucas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 210 e 260 rs. a libra, e era porejio
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7#O00 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
so muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a l->300a dizia.
Cerveja da superior marca Tenante a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tresX e deoutras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam: Normas d'llavana, Exposicao,
Flor do Brasil, Parisienses; Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cnv de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto pota branca, ele, etc., a 23000,
22 0, 25tO e 23800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 20300, 30300, 4$ e 50.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 10 e 10-500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o mago
de cinco macinhos.
l
DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portuguezes, inglezcs, francezes, etc. etc.
E
ERVILIIAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
F
FARJN1IA SS S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feijao verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fcmo do Rio a 50O rs. a libra,
dem americano em latas a 2-j.
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.

GOMMA a 50 rs. a libra.
dem a 140 rs. a libra, muito alva.
Grao de meo a 120 rs. a libra, e em porcao
se faz grande abatimento.
Genebra de lacanja verdadeir a 14000 o
frasco.
Graixa em
urna.
KIRSCH de Wasser a 20 a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs.'cada urna.
Letria a 400 rs. a libra
11
MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 10, 10120 e 10280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por 10280 a lib a, vende-se em
outra qualquer casa por I04OO e 10500.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
-Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 61;O rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Momo i.NGi.Ez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
00 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
30500.
Mimo painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
N
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas grandes, a 10COO, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, parg<\ salmo, pescado e
pescadinlia, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparago.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em q'uarlo a 10400.
dem muito novas a 400 rs. a
Pomada muito nova a 280 rs.
libra,
a duzia.
QUEIJOS flamengos.
Jem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 800 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Qlartiniias ou mori.noies a 00, 80 e 100 o
par. .
R
RAPE' Meurona 10 a libra.
dem Princeza do Rio a 10200 a libra.
dem francez a 20500 a libra.
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 23?.
Sardinhas de Mants de todos os fabricantes.
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Ste^vrinas a 600 rs. o mago.
T
TOCINIlO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHOS!! i
Principe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 20 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 10500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa
Duque a 10 e 10500.
Chamisso a 10, 10200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posigao alguma.
Lanterire a 800 rs. a garrafa.
Bordeanx Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 10 agarrafa.
Absynlho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa. ,
Wermoulh a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; vende-se por este
prego por haver sempre em deposito 50
duzias.
De caj, de 1852, a. 10200 a garrafa.
Velho do Porto, em ancoretas de 9 caadas,
a 35000o ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se a 10280 e 10500 a garrafa.
Sal refinado em frascos de vidro com tanija
00 mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 000, 56o e G4o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a Cevadinha de Franga muito nova, a 2oo rs.
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, ioo e 5oo rs. a arrafa, e em caada
a 2,5oo,,3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo% 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em Vinho do Porto das melhores marcas que
barril se faz abatimento.
Chourigas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs.libra, serve
para temperar panella ou para fiambre. |
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,000 rs.
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D, Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,000,10,000,
12,000 e 10,000 a caixa com I duzia e9oo,
1,000 e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
dem londrinos muito frescos e de superior! a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
qualidade a 800 rs. a libra. I Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz 64o rs. as meias latas.
abatimento. | Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
dem suisso o mais superior que tem vndo: barrica e 320 rs. a libra.
ao mercado a 64o rs. alibra. j Bolachinhas de soda em latas-de diversas
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas qualidades a 1,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartes com bolo francez muito proprios pa-
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
ra muso a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs. Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez 'espanhol e suisso a 9oo, Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l.ooo e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
cradas e das melhores qualidades depei- bras por2,5oors.
xe a 800, l.ooo e l,2oo rs. Ameixas francezes em fiasco de vidro com
Vinho Bordeanx^das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a I05oo.
Ameixas franc zas em caixinhas de diversos
tamai:nos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, l,4oo, l.floo, 1,800e 2,ooo
cda ama.
Azeitedoce refinado hespanholou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 3* libra-.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco
8,5oo a duzia.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,00,0 a caixa e 64o e 7oo ris agar-
rafa'.
fp.nphrn ili> tlollnnda n '180 ra. o botijo do
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de Urania verdadeir em frascos
grandes a 1,ooo e I I,ooors. a frasqneira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali- 46o rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. ': Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia quadade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. alibra e2,8ooa Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra e 4,oooa Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesdesuperiorqualidadea 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta- 10 a garrafae 1 l.ooo a duzia.
Iho. Palitos de denle a 14o rs. o mago.
Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposigao Normal de Ha vana, Imperiaes,
Londrinos, Guanahnras. Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,coo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em 11 eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor 4o Norte, Ma-
n Ihas de Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,000, 2,5oo e
3,000 a caixa.
ognac inglez das melhores narras, a 8ce e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata cem
4 libras.
Farinha d'e araruta verdadeir a 32o rs. a
libra.
Matte.excellenie cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franga muito grandese novas
a 1 ,-8oo o cento e 1,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muito novo a 32o rs.' a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de poico refinada a 65o rs. a libia.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,5oo cada una.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
1,)UU unid luna imui tl Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,000 e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,oop o gigo.
Gomma de engonimar muito alva a 12o rs.
e; a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
NEM E1<|0
Rna do laciniado u. 4L& r **.
tonllna a vender Mian ortanu rae iij-i
declara por primos idmiiavti.-.
Massos de palitos lixades par.i V 1.1.1 IM 1 -
E>pelhos de molduras doorada.-,**.: r
Buriel de oliado para rruninus a 1 .1 u>.
Diios de cooro tnperior fazerda a t&mi).
Fraseos rom superior lila rocha a 2ii. 1 -.
Mciadas de linda froxa para krdad.. ..i -
Babado do Porlo, fazenda Loa, tara a 8, ;u
140 rs.
Varas de franja Lranra otrrila a U ; -.
Caixas com lliOenvelopes.faaend 1 : t-.
.lizas de pennas deat;o, fazenda M| i i
'''So6 meia> iroa? tr,CiJli'l*' : "' '
Groi dr bolfles madreperola finos a I n
c iO rs.
ix> cem U Lcvelios de Uitl, ,
! W r.-.
'..' ; i ni su|i ti .cik de lila bia.ia laMica nn
' -sdt fraiija de l;la ja t-uli
iv) rs.
Bitlhos doiir.-idis iiperifresqnsl d<
-' u.;os de linl.a icm 400 jardas > ^l >.
I.'^ i ..ia asseiilos de i< na lauda
Pan de LtiCc- paia |i.i>h......
li' | ara fcfttias siui
ICO t \.
CaiXMde pennat de callifrkfa, |
I eco.
S'a.'-SS r(m sureiiorts |rtat4H a 1
Pares de snalos' ge ir; n.-s e i;,; ete
l*zcO.
Caixas cim superiores ajnihas a Mt rs.
Libras Ce lia HrIMasde tinr. ti : -
CaiiM com tnperiore ohteiat de n.- .
Rodinbas rom aliDt its fraaceae* o u '
a 20 rs.
ReMBas de papei almajo a 2itO e ?ejO i-.
lUvmas de j.aptl ce | e. Escovas | ara roop, faieni boa a 750 :.
Boztas de leMuias um ic.it ,, p,
COO rs.
Duzias de facas e paics de raLo pin
Tallicre> n.iiil,; Ilrm parr.'riian;. 1
ICO .
i
-

Vio t\e afgtrtio t-a l.,
Vendefse Boefmptvric de Aaumtt Ij
vi ira Arevrdi A C, ra da Cn.z r.'. 1.
i
AGUA FL
T>n
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos pregos.
Amendoas confeiladas a 6io rs. a libra.
Lalas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2,000 rs. a caada.
Azeitedoce de Lisboa a i,800 rs. a caada
e 640 rs. agarrafa.
Vinagro branco i engarrafado a 000 rs. a
garrafa.
m
m
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Continna-se a vender em porcao e a retalho :
na ra do Queimado, loja d'aguia branca u. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
frascos com hydrocalletrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
onychromaotina para limpar as unhas. Essa
tintura, cujo effeito rpido e eflieaz, est bem co-
nhecida e apreciada para lodos quantos della tem
usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aquelles, dingir-se munidos de
dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel e folhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca, na
ra do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folhas, e
dito tambem verde e mui fino para cobrir o ra-
me, assim como folhas de panno e avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para vestidos
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'ago ingle-
zas francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
penas d'ago qu constantemente tem, icaba de
rfceber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres A C, asslm como as
verdadeiras bico de langa n. 134 e outras de pon-
a dourada, continuando porm a vende-las por
pregos commodos, com tanto que ocompradorcom-
parega munido de dinheiro : na ra do Queimado
loja da aguia1 branca n. 8, onde tambem achar-se-
ha a venda pastas para; papis.
tia branca na ra do
Qiuimado n 8, recebeu:
Bonitos e graudos aljofares de cores para voltas.
Pulseiras de ditos de iguaes e agradareis cores.
Voltas pretas maiores e menores todas de contts
grossas.
Pulceiras pretas tambera de contas.
Outras de dilTerentes qualidades e "goslos.
Brincos de aljofares de cores e dourados.
Fivelas d'ago grandes e pequeas com cinto pre-
to e de madreperola.
Outras graudes de dilTerentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leques de [madreperola redondos e de
outra forma.
Ditos de sndalo interigos e corredigos.
Capellas brancas para meninas.
refinadoem pequeas latas a 500 rs. a garrafa : no graude armazem
55;
Azeite doce
da Liga.
Saceos de 80, 100 e 120 libras a 4,5,4$500 e
l.p-@ $ @-(g
armazem da Liga.
*m\
^---;
W

"
-N'
'/g&, Madapolao muito fino com pequea toque d< avaria, por prego que admira : na loja ||&
{JSSJ das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos & C. <:E?'
-^^w5ia^sKra>rSi3r)iiHv. /riiS. -ff? Ba^M^!i&i''^ A^?^iH'-y "' '1,;
de to-:
i
4-1V
___^ -I
/
Grande sortimento de roupas feitas
das as qualidades,
Caigas de casemira a 65 e l&'tO, ditas prelas a
65 e 8$, caigas de ganga a 25 ,15800 e (5600,
ditas brancas a 25, brim de linho a 35, 35500 e
45, paletols do alpaca branca a 45500, ditos pretos
a 35 e :t-V 00, ditos de alpaca de cordao a 45. e
de listra de seda a 45500, ditos sobreeasacos a 35,
palelots de casemira a 55, 55500, 65, 85 e 95,
ditos sobrecasacos pretos a 125, 15 e 165, ditos fi-
nos a 255, de cores 3 135, ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25500 e 25, ditos de brim
pardo a 35, jaqueloes de brim pardo a 35, panno
preto fino a 25. 25600, 35500 5, 45500 5 e 65 o
i-uvado, moreautique preto a 25600 o covado, gros-
denaple preto a 15500,15800, 25, 25200 e 25500
o covado ; e ontras muitas mais fazendas que se
deixa de annnnciar, e manda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e labelecimento est aberto at as 9 horas da noite,
ra da Imperatriz n. 56, Mendes Gulmares.
C/legramos superiores
cortes de seda
Superiores cortes de seda de cor, vindos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
cellos 4.C.
Farinha de mandioca fina e alva, mais bara-
ta do qne em qualquer parte, arroz da trra pila-
do e em conta : para ver e tratar, na ra do Vi-
gario, casa n. 29.
V
Jolas preciosas c ohjceos de
Olll'O.
. Mauricio Selbeberg & C, Polacos, ltimamente
chegados a etta provincia, offerecem ao respeitavel
publico um grande sortimento de jois, brilhantes,
relogios e muitos ohjeetos de oo.ro, por prego o
mais razoavel possivel, e mesmo troca e compra
objectos de ouro, prata e diamantes por objectos
novos : na ra do Queimado n. 29, entrada pelo
largo de Pedro II n. 27, de manhaa at as 9 horas,
e a tarde das 4 hora,- em diante. Os objectos ven-
dido* pelos annunciantes sao garantidos por e' les,
e estao promptos para levar objectos s casas das
pessoas que desejarem comprar, ama vez que nao
possam vir a seu estabelecimento.
Veode-se
Vende-se urna vacca tourina aclimatada
paiz : na ra dos Pires n. 34 se dir queco vende.
Na ra de S. Francisco junto ao pi.rUo dj
ordem tereeira, lem para vender banqueas de tm-
ligai s era madeira.
ESCBATQS FUGEOS.
Esrravo fgido. .
Roga-se a polica a apprehen-ao do e-cravo tar-
do de nomo Paulo, que vaaueia nu bairro da B^ia-
Vista e seus suburbios. Rtpresenu :'.0-nnosytte
idade, cabello rente e suissas. Qu^m o pegar i*-
ve-o a ra do LivrameDlo n. i'.'.
Esta fgida
Em 9 de iunho ausentoo-se a prea crkwla B*-
nifaeia, de 40 annus, estatura regular.rolo reilaa-
do e bracos bastante lanzudos, e>u pela )a W
rara na ra Velha da Boa-Vitta, caes do Ramos
roa das Flores, do Sr. io> .Nunei de Oiiveira,
consta ler sido encoutrada na b?rreira do Giquu
coto urna trouxa de ri>opa para lavar, mais cu
boa cosinheira pode e.-iar a titulo ce ona m-
gada em alguma ra-a : recommenda-se portaa*
as autoridades policiaes e rapiles de campo a na
apprehengao e levar a ra do Gaz casa do eorrt-
tor Sr. Nascimeolo, que se gratificara.
Fogip em principios do mez de ferereiro correte auno e ronsta estar aroulado necia cdad
farelo de Lisboa em saccas e barricas, e saceos o moleque Euzebio escravo da viora do Dr. Fer-
cora superior farinha de mandioca, mais barato do nando AfTonsode Jlello, de 12 anmsi de idade i
que em outra qualquer parte : na ma do Vicario co n*1* ou menos, cor prea. Mttv do rori o, i
n. 17 primeiro andar. regulares e afomacados. cabera um porro i
^'--------------'----------------r=----- e meia chata, beicos finos, d'eotes bem aivoa, *
Vende-se urna escrava moga, bonita figura, secct se muito ladino : roga-se por tamo a toda i
bonita
perfeitaraente
ruados Piran. 34 se dir quera vende^_______prehendam e levem-o a roa da Manarwira
neoaav
fokra*
quecozinha, lava e engomma perreilameni : na aulordades'policiaes e capiac?decampo qne o
jhendam e levem
Vende-se a armagae da fabrica de charutos n. 6 que serao gratificados, protestando ac
da ra eslreita do Rosario n. 43, propria para qaal- meios judiciaes contra qualquer pptao qne
quer negocio : a tratar na raesma. em sr u poder.
Y
MDRflAY & LJUVUH'
A agua florida de Morra; V Lann-
olliada como um artigo 9 fereme,
tem podido ser igualada pdf > i i
as mais cusios;s: C0BMi i*pi i \,-
mo se foimas>e parte da pnn!n n mn i
se applica.
Sua eficacia to deikab, come '-
les sao seus mulliplicadcs BM v, qu " empregada como artigo delenrac'or
no uso do bantio, au como roavisado da
pelle, depois" que fe lama BrUo a f
j para limpar as geBgiVM n ...
hlito.
L' suavidade, l>rilho e etasti
compleigcs, depois de se liaver iu\-. U
liviaa irritatio je empaja ofdiaati
ttmopmcm u usafradarcl arpete
pannos, das sardas, do rosto, rufas i
casta de ebtdic&es, e d rigor e k< s< i
parte onde quer que se appliqoe. Soa 'h
ciencia e elegancia so tpiMifntc tul I -
veis nos cases tm que. H-ja precise ap
la como estimulante e aoleptko, :. i -
cursos e assemblas noMroaas, u b .-
lidades infeccionadas, na alcera de aaa
termo, assim como um antid l
te para os desmaiis camdfli | saca
ou suffocaco. Preparada BamBMi i
LanmaoA Kemp, Nova York, e a teada | r
Caors A Barbosa.
Joao da C. Bravo i (..
Vende-seJ no Recife em casa de Caors A
Barbota e Joao da c. Bravo C
mmmmm^A ,.
Fumo da Babia pan
charutos.
mi Vende-se fumo superior de toda* as i
>*J qualidades, a retalho e por aiaca-i ,
ffe por pregos commodos, no Recia*, raa da v>H Cacimba n. 1.
mmmm m mmmm
Piche do gaze >erniz itajat,
Vende-se piche do gaz, verniz do gaz e esteja)
da trra : no armazem da bola amarella, do
da secretaria da polica.
Ra d Vende-se reilho a 4o00 o sacco, mallo nov j, *
farelo a 4200._________________________
Vende-se urna escrava moga com todas as ;;a-
bilitagoes necessarias, propria para urna casa Je
familia : na ra dos Pires n. 34 se ira qn-tn
vende.

1


\


Diarlo de Pernambneo -- Sabbado 8 de lulho de 18S5.
ATURA.
Trabalkos mdicos.
CLNICA MEDICA cininr.icA do dr. cosme db sa ps-
REIIU NA CAPITAL DA PROVINCIA DE l'ERNAMBUCO.
ras caricias e travessuras com que divertcm seus
pas e seus iguaes, costumam faier caretas e a ves-
gar os olhos;destc man divertiment podem lor-
iados, a criancinha ser obrigada para entreler-se
cora elle, nao tndo anda torgas sufficieates para
voltar a cabega, a desviar muitoseus olhos ou para
dentro, ou para um dos lados, era procura do mes-
I mo brinquedo ; permaneaendo ueste mo eos turne,
ella tornar-se-ha resga.
Deve-se pois evitar este modo de entretimento as
Deixe nos por emquanto as operares de calara- enancas mui tenras ; e torna-lo mu variado em
tas para traannos de outras no menos impor- suas posiges, e durago, quando ellas estiverem
taas, como havemos promtalo em nosso pream-. mais duras.
bul publicado no Diarti, de P:rnamb,tco n. 41 do ^^ fiostuimm ,ambem dej,ar a |az em m
anuo oassado. Nesse prembulo dissemos |ue ti- pon,0 do quar[0) ^^ ^ fw p(Je ser a|can5a_
uliamos para apreseutar ios benvolos leitores do pe,os o|hM da^.^ ^ oj par) mtnUf,
oito importantes historias medeis, sendo gnatro ^ 0Q para adinra.la i'aC|ina constantemente seus
da cataratas, c qaatro de ontras molestias ; aquel- o|hos para Q |um(noso e eM estjver de
tasjafiwm publicas no,Diarios ns, U89 ^ e na mesma altura do sua cabega,
71, e lal; e estas que por ereumsuncas albe.as gvUm9 qw am de M|Mo|h der fioar navsom.
. B si voulade nao poderam ser pendraos po- ^ m ^^ ^ q ^ ^. ^^ do ^
reto que agora o serao. da 5t0 cotJlinaando forcari t ,orna.,a
Os redactores do Diario de Pernambuo nao, vesga.
qnerem per modo algum roceber de nossa parto; Devese pois evitar que as criangas vejam o foco
Inderanisaco alguma pela publicaeo de nossos' ua |UZ de |ado
trabalhoi mdicos esta generosldade por domis Q, vem|e. intestDaes a dentic50i e as moles.
nos km acanhado, nao s porque nos pesa usufruir ,jas de cabefia fdQ encepha|o) da ,uiar a'conVQ|.
o ssrvieo lhcu por lempo indefinido, como por Ses, e terminara, as vezes, deixando nao s para-
quo ebriga-nos a sermos o mais parnmonioso pos- ,ysa> como ^^ no cnrp0i eslrabismo> elc.
sival em nossas pablicagoes : e sentimos isto tanto Assim^fls^ nao s so deve combater os vermes,
m is quanto eerlo qoe com nossas tuscas publi- |0g0 qae se (iesco|ar de sua existencia, como
s lab libamos para o uteresse de nos-a po- corngr os vfvitos dos memhros e dos olhos, pas-
jlcao medica, e ellas se tornara urna verdadeira sadai as convulsoes, ou as molestias que llie de-
necessidade para dos, desde qw nos diigiraos co- raiT, |U rao medico para os ramos especiaos, em cujo se-i- ^.^ a..maj... ^^ la|uias ^ jnnu(ne
tij; devenios chamar a aUence dos collegas coas-
pruviucianos, o uiira provincianos ; o i|ie ti> pode-
remos captar deviJainenle, mostrando a todos os
ujs?<)< mais delicados trabalhos; nao por esta
son iue Qieram outros mdicos sua grande vjst0 qas volaalariafcireQO fozetn-se vesgas qoaatas
. ucao? eslamos certos qw este iiaiuralum
e" .,, vezes querem, o quo na familia se costuraa duer
, ale meare nos, mas como nao nos ma mm-
' s que mettem un olno pelo outro.
irea de vontade cora eh iremos ale onde pu- ,, _. .
(,orrlje-se este mao costume passando-se a mao
d unos.- Usa que seras meslre. pe,o nM da ^^ qMBdo Mj h/ea ^
Prevalecendo-nos esta oecasiio, a primeirano travessuras oculares, ousoprando sobre sen^ olhos)
torrente anno, de coragSo agradecemos :os Illms. ou reprehendendo-as se ella j poder perceber as
tactores do Diario de 1 inumbuco, o favor admoeslayoes que se llie faz. Nao se deve permitlir
3i servigo que nos prestam. laesbrinquedos.
Jao sendo o Dmio de Pernambuco um jornal; a Imitaco tambera ama das causas do estra-
do, mas 11: univer .: noticiosa, for- bismo ;urna ama vesga eulia por certo que sua
pie dos submettam is ao pequeo circulo cria tambera o vira a ser. Urna seuhora couheci
i. dos cabe em partilha, e que dos franqueiara en que nao tinha'ess defeito, porra veio a t lo
> lauta geoerosidade ; e ben asim as neeessi-1 depois de casada ; sen marido o era desde a in-
,;.! a do di i : donde resolta que devenios ser em; faneia.
,; trabalho p meo Mtenso, mui demorado, e ao A, ^ satxeim filho3 vp5g0!1> oa seja
quo ajnntarmos anda infeliimeote, mal prepara- lransmitUdo pe,0 organismo, como acontece
tan 11 deviara >s seguir o sabio preeeito |i-
bene preparalam : porm laes defeitos
nonascem de nossa-vonade. I consecutivas. Weller, e Carrn de Villard o en-
|natrp istorias que vamos publicarsao, urna contraram endmico em algumas regioes d'Asia.
.ii' o estrabismo, onlra sobre pupiila artincialj s pais, pois, que naoquizerem legar a seus fi-
iu ra sobre a laquecao da arteria tibial posterior e liios un tal dereilo, devein, quando no queirara
ral, e onlra finalmente sobre a operarlo da corrigir o seii, procurar tolos os recursos e meios
t na estrangulada ; todas acoinpanliadas de de o evitar, o destruir desde a mais tenra idade
cues ;e disto tiraremos algum pro- quaiquer disposicao orgnica, ou imitativa de seus
ilo ? talvez |ii na porai ao menos restar- lilios.
ocs-ha .i;.- de termos smpregado nosso| Quando se olha pU obiectos mui peqoenos, e
,eropo em servlco mil e .viradavel. qa, para uJhor ?.|()L prec.0 MUjS aproxlmM
F:'' estas simples cmsideracoes voltemosao nuito os olhos, como acontece aos gravadores, a
e >sso trbalho. vista :-e fatiga, ou cansa, se o trabalho nao inter-
molestias de olhos. rompido ; mas a necessidade exigindo a prolooga-
'' i Mimo couvergrnte duplo, apparente Mnente gio do trabalho, o olh* mais fatigado se desvia para
no o/fto squerdo (%'grao a papilla se esconde deixar ao mais forte sua coniinuacao islo pode
<< pelo Indo > nariz). Oprrarao dar lugar ao estrabismo, e o tem dado.
'.ode Dieffe i ; Mi resultado; nilo
n' i nao seter obtido perfeila convergencia
uoi mal i' olko.
Obse : :>:>" I atrasado.
i. \ Diario a. \'i doanno passado^
,. n lica que ramas relerir o eaijA, e
;,,. louenl ima importancia para a saencia,
...,., .,, em c ata ua serie denossos sa loS ves8a-
ii:ios;eis porque llie damos publicidade je j Era resumo, pois, v
..... .i sei primdro caso de .-ira- rios brin.juedos, a imitagao, a m collocagao da
btomia pratieado .: i Pernamboco, pois nao luz e dos'objectos em relaco aos olhos, a peque-
. |ue collega algnmdel se houveoseI nhez destes objectos, e.a viveza daijuella pJem
escapado anteriormente ; dando-lhe por isso pois coucorrer o cansar o estrabismo ; o como este de-
i Dtro os nossos irabalhos clnicos importan- fetto urna vez estabelecido se torne dlfficil de ca-
tee, ole obstante sua peiuiuhez desjamos tirar rah, ueve-s tomar todas as cautelas, e orapregar
della com tudu alguma utilidade para os doenles, todos os meios para evitar as causas que o produ-
OD p ira os que a lerem ; o por iss> varaos tratar zem, e destruido logo que elle se manifestar.
pratiea. Com effeito nos estrabismos-os olhos s fraqueza da vista do olho desviado; aconselhava
esto vesgos quando ambos funecionaraentregai cobrir com um panno o olho bom, e servir se o
o trabalho da viso a um s olho, Immediatamente doente com o olho vesgo, na intengao de augmen-
avesgueira desapparece; logo onde est a difieren- tar sua potencia pelo exercicio continuado : Este
ga de forga, ntreos dous msculos oppostos? Ain- principio como j prove sendo falso, tal lambem
da mais as autopsias feitas nos olhos de individuos [ ser a sua applicagao.
vesgos nao mostrara qoe o msculo do lado oppos- Taes eram eQ) mmmi &l& bm lmp() Qi
lo ao desvio esteja atrophiaJo, nem hypertrophiado
o do lado contrario : logo a admissao de urna fra-
queza relativa entre dous msculos de forgas opos-
i tas para explicar o estrabismo hypolhetica.
meios empregados para corrigir o deffeito chamado
t olhos vesgos; todos foram sempre inuteis, ou por-
, que se usasse delles por pouco tempo sem urna
aturada constancia, ou porque quando se os vera
a por em pratiea j o mal se acha euveterado.
I O emprego de varios medicamentos nao tem si-
do Indicados aqui, porque sao elles reservados pa-
ra os casos de estrabismo symptoraalico, Isto ,
' aquelles que dependern de urna molestia collocada
fora do olho; e como estas podem ser de difieren-'
les naturesas e ter difireme? sedes, os remedios
que Ihes convem sao tambem mui variados, emllm
Facto nenhum demonstra este alongamento ou a moiesta qUe exige o curativo, e nao o estra'
encurtamento dos msculos do olho; os movimen- bismo.
tos do olho vesgo para o lado opposto ao encurta-
mento cxcluem tambem urna tal theoria.
Deval reconheceudo a insufliciencia das razes
O Dr. Graeffj para explicar o estrabismo apre-
Isenta como sua causa immeiiata a diffcreoga rela-
i tiva no coSiprimento dos dous msculos congene-
i ris; suppe elle que os msculos dos olhos devem
i ter um comprimento regular; e logo que este com-
primelo sahe do termo medio o olho torna-se des-
viado, loclinado-se para o lado em que o msculo
mais cu'lo:
Eis como era tratado o estrahismo at o anr.o
de 1838. Nesta poca um Ilustrado cirurgiao de
, Hanovre, chamado Stroraevr moslrou sobre o ca-
lladas para explicar o estrabismo pela impotencia
. --ZLl___.- T^. .ii, daver a possibilidade de urna operagao cirurgica
visual ou pela fraqueza ou encur amento (ufa lo ^ endrfijIamenl0 dos tKkJ^, A de
sempre do estrabistnoessencial, ^^Mhm.!* <"ubrodo anno de 1839 D.eflenback poz en. pra-
nao do estrabismo paralyticoHcum dos msculos tica esta a a0 em uma de 7 nnos d
congent-ris ou do sen alengamento relativo, sup-
pe que por iodilTerenga que os oibos se conser-
vara vesgos;-isto ,assim como no estado nor-
mal os msculos associados vivem em um estado
de indifferenga, e conservara os eixus dos olhos pa-
rlenos-, assim no estado de estrabismo elles con-
srvala a mesma indifferenga, maniendo os mesmos
eixos nao paraleUoa, maisTazendo entre si um an_
idade, que soflria de estrabismo convergente della
e do sou bom resultado deu elle noticia a acade-
mia de siencias de Paris era fevereiro do anuo do
1840.
Esta operacao tem o nome de estrabotomia, pala-
vra que quer dizer, secgo dos msculos nos olhos
vesgos. Foi lo feliz o celebre operador de Berlim
que em maio do anno seguinte j centava mais de
guio ora cora o verl.ee ...tenor feslrab,Smo cun. ^^ ^
vergente,) e ora com o vrtice posterior (estrabis-
mo divergente); esta indifferenga qur n'um qur Na Franga nao se tardou maito em pr em pra-
i.'outro, estado normal, ou anormal mantida pela lca esta operagao; porm os priineiros casos nao
le seguintes. -Os olhos em seus moviraentos sao deram mesmo resultado sati-faclorio, que obteve-
ligados um ao nutro pelo jogo simultaneo dos mus-, ra o cirurgiao de Berlim; mas logo que naqu-lla
culos associados. grande l!a|,iul Mr' wa,iW> discpulo de Dieffen-
I back fez couhecer o processo operativo seguido na
Heflectiodo-se um pouco sobre esta theoria que. Allemauha, os suecessos comegaram ento a ser
basea a causa do estrabismo no estado da indide- i nons. tfe,,0is os Srs. Bonnet, Velpeao, A. Berard,
renga em que parecem vver os msculos dos olhos Lenoir, Btc, vulgarisaram o modo de destruir o
pouco, ou quasi menhura peso se Ihe dar. O pri-
meiro defeito que se Ihe pode notar que a ver-
dadeira nalureza da leso que vicia o mais com-
mummente a direegao dos olhos (proprias palavras
com jutros muitos vicios, ou por imitagn. Dieffen-
bicli vio este vicio perpetuado em tres geragoes
estrabismo, por meios que eslao boje ao alcance de
lodos os operadores.
Pela nossa parte s temos a referir um facto
nico por nos operado, e ignoramos completamente
Uma luz mui viva como a do sol, c talvez tam-
, bom a elctrica, pode dar lugar ao eslrabismo. De-
val conla que ama moca de I i anuos, apostara
com urna de suas compauheiras com quera eslava
1 i i -. i, I i|n ...... --.i-., o eol lardiilw (no mi
nulos; -ajustada a a| osla, elia o fez, porm toroso-
-se que varias molestias, va-
d' sto assumpto de umi manalra geral e scienli-
Vejamos agora como, dada tuna ou umitas des-
oca, indicando io mesmo temporarios conselbos tas causas, pdem ellas produzir a vesgueira.
a qnelies que em si, ou nos eus tiverem de cor-
i ir o deleito chamadoofAos vesgos.
Cl i-se Uranismo, ou olhos vesgos, a falta
A theoria do estrabismo como anda boje se ada
estabelecida, do satisfaz aos espiritos curiosos, e
escrutadores, embora estabelecida por capacidades
d,i nclinaea ) n ciproca.e icoal cutre os dois olhos dignas de todo o respeito: Duff-u jiensava que o
lando |iara quaiquer objeeio. A estrabismo era devido a desigualdad da forga vl-
|oe I m pile deffeito s se servo de um sual dos dous olhos. Leca sustentara por mnito
ulho.oontr lea -sempre desviado do.-ixo visual, tempo esta opiniao, a qnal tambem fora partilhada
liona que paniudo de um ponto do ob-! Pela maior parte dos ophitalraologistas que existi-
lecto passar pelo centn da cornea e do crista- ram desde liuffoa at 1843. Segundo esla theoria
Uno. Este desvio dos olhos toma dlfferentesmomes se explica o estrabismo do seguiute modonao
ido o lado de sua inclinara!; ordinariamen!" '" M os dous olhos, em consequencia de uma cau-
para o lado do nariz, ento extrabismo se cha- sa mrbida >|ualquer, o mesmo grao de forga vi-
p convergente ; elle pode lambem ser feilo paral sual, a imagem, que elles recebem de quaiquer ob-
fora, para baixo, ou para cima., Commumente ecto difireme na clareza, no tamanho, no ponto
do Sr. Deval) permanece desconheeida; e por mais se a|gU!H do nossS C()||ega3 presentemente ou era
que se procure aohar esta razo no indifferentlsmo p0cas ulteriores se tivessem se oceupada de iden-
muscular, anda mesmo provadasm existencia nao ^ lrahaiho, e qual fora o resultado obtido
se encontrara satisfactoria; e com effeito admitta-se j Nadjj ai)ro7Plara ao |eilor uma desi.rp(.-,0 srien.
este inJilIrentismo (islo os olhos se movem era lj|j(.a da slraboloraia. por lsso deix.,mos dt lratar
suas rbitas sem acllvidado alguma da parte dos de)|a_
msculos para mant-los ou fixa-los em uma cena
e determinada posigao). Ordenai que um vesgo fi- **<**** desta operagao geralmente vanl,
xe a v.sta em un, objecto, nesle eslado tapai o olho *" notado, (raras vezes e verda-
vesgo nenhum movimento se noiar na direegao do dc-> dous novos defo,tos' {e urn trabismo ln-
olho nao viciado; tapa, porm o olno cuja direccao vers ao ''ae hth, o que parece ter acontecido
normal, e logo este tornar-se-ha vesgo.eoou.ro <>*>*> o crurg.ao alargou ramio a mesa para
, ....., ,,,,,. mmifoctn cortar o msculo do lado vesgo; o 2a o a proemi-
nrocorar a linha normal e por tanto maniiesio ___ ____*"*' '
. ,.m t.irt ,u n,i, (Turan nencia do elho dspsis de operado, o que acn eco
one e es nao estavam era um estado de manieren- f ,. ,
.,- ,-.... ,H.n,n^
ti.-rao muscular. Alera disto como admltur-se este
estado de indilTerenga em ura orgSo enjos movi- Estes revejes ncra sempre podem ser evitados
meatos sao continuos e constantes para o exercicio pelos operadores, e para corrigi-los elles tem estu-
pleoode snafnnceio? parece-nos pois iuadmissi- dado varios meios que s aplicam ijuando taes
vel uma tal theoria. novos defeitos sao permanentes.
Taes sao as liiconas dadas at hoje para expli-; Filos esles preiiinnares/|ue talvez possam ser
car o estrabismo ; segundo nosso pensar este pro-. uteis-a algum dos leilorrfs -passemos a nossa
blema pathologieo nao est anda resolvido. I msioria medica de um caso de estrabismo por nos
O estrabismo como j disse, um deffeito que operado.
muito de-feia um rosto ainda mesmo agradavel, A Esma_ Sra_ D......moya dt 2g amos de ida-
ou bello; e sendo difflcil conseguir seu curativo de> terid muj bu|,a a|>partni;ia seoio fosse vesga,
procuram, os qtt o tem, atenua-lo cobrindo os defeito que lera desde tenra dado; e s por esso
Hjw oo.n o....-, o oom .-i.lr^c mui esc.orns : B I,.)mm,j0 ,, ( ^a n.owa hkbiWMuia do.suri..
nao obstante este artificio lao usado, mal se o en- ae rt(;0irer a medicina sea elle actualmeutenao se
cobre; pern.anecendo por isso como meio nico, e ajUOtasst grave perlurbago em sua vista, devida a
seguro [iara destruir radicalmente este deffeito, padecimentos oculares mui prximos,
quando o individuo ji se acha com elle habituado, : Informa ella que, nao obstante o seu estrabismo,
a secco do msculo desviado; resultado final a cosa e la bem, serviudo-se smenle do olho que
que ha ehegado'a pratiea depois de ter ernpregado nao era defeiluoso; porm cerca de um anno, len-
infrucliferamente outros muitos meios, dos quaes d0 solfrido do uma forga de saugue, llie sobreviera
nos vamos agora oceupar, mais para torna-Ios co- pouco depois graude Ineommodo nesle olho com
Dhecido do leitor, do que para aconselhar seu em- [ dores agudas uo s.u iulenor, (jue mnito Iho cusi
1 prego, que sempre ineommodo e jamis til. i ra a calmar, nao obstante os couselhos, e os reine-
A primera idea que se leve para chamar o eixo; dios indicados pelo medico que ento consul-
dos olhos vesgos a sua direegao normal,foi o em-' ara-
prego de oeulos cajo centro fixo (basicles) nos, Com muito custo resiabelecida destes incoinmo.
quaes o raio laminoso entra sempre por uma es- dos, entrou a ziotar que sua vista eslava embacada,
ireita abertura iuvariavel. Dionisio no secuio pas-, e que este embayamento augraentava era vez de
sado j acouselhava este arliQcio. deminuir com o desapparecimento do mal, e chega
a poulo de buje nao poder mais nem 1er e nem
Pereira de Brito, e marcado o dia 17 de seteoibro,
para sua execugo.
Presentes os collegas convidados, e repelidas em
sua presenga quasi todas estas ebservages, e dis-
posla a doente para a operagao, foi ella sentada em
uma cadeira posta em frente de uma porta, o ahi
operada, segundo os preceitos da sciencia : felfa a
secgo do tendao do msculo reto interno, nao ap-
pareceu logo o desvio desejado, o que obrigoti-me
por duas vezes a augmentar a abertura da apone-
vrose oculo palpebral, e ainda assim o elxo do
olho se nao apreseutava parallelo ao outro, mais
j se achava em um ponto tal que a pupilla era
vista em trente, o que j nao era pouco; e tenien-
do eu avaogar mais ua meiso capsular e cahir no
defeito opposto aquello que desojara corrigir,
liqn-i ne*>to ponto.
Na escolha do meio operatorio tomei o que
descripto com o titulo de processo de DieflenbMh
cora a dillerenga powm que me nio servi das Juas
erinas, mas sim de duas pingas para abrir a con-
junctva e acapsula ocular, como aconselha ioa-
oet.
Para completar meu trabalho, cicatrisada a feri-
da, isto restablecer o parallelosmo complete en-
tre os dous olhos, um dos quaes fra smeote opo-
rado.acouselhei a senil ira doente, varios exer^icios
gymnastcos em seus olhos que nao foram fielmen-
te executados, e talvez, por isso tivessem elles de
flcar nao completamente restabeleeidos do modo
queeu qu?ria, e ella desejava; licarara porm mui.
lo melhores do qno se aehavam, e portante corten-
tissima a doente do resultado obtido.
Rstame agora smente, fondor a pupilla do
olho direito para desvia-la da pequ<>ni catarata
falsa que tem. e ciija vista ser ptima logo que a
pupilla se achar dilatada pela atropina; operagao
para a qual a seuhora doente ainda se nao dispoz.
Tal fra porlantoo resultado desta nossa prime-
ra operacito de estrabismo.
O olho desviado em 3o gru passou ao Io de des-
vio, a doente que dantes nao no lia ver por elle por
esse motivo, hoje v, e niMlior que pelo direito,
cuja vista obstruida por uma catarata falsa ,.eu
pens que, se se fizer a mesma operagao sobre o
olho direito'ambos Icarao com seus eixos vi.-uaes
paralleios, ou em eslado normal.
ur. S Pereira.
(Continuarse ha.)
Ui I disse o professor, pois ji se i
quelle pjiz o gorerno mooarehieo?
Nao senhor.
Est o throno rago, por se ter extinga*! a
dyranastia, e nao ter sido ainda eoroado o sacces-
sor?
Tambem nao.
O actual monarcha est em menoridade, e
estado go -ernado por uma regencia ?
Muito menos.
Eniao expliqoe-me esse enigma. Coafosco
que a minha peneirago l no eneja.
Ora. Sr. dontor, exclaman impariente o estn-
danti-; a cousa mnito simples; V. S. parece fW
qner mystillc r-me, ou por ero prora os meas eo-
nhecimentos geographlc.o. A razo poraae a
Hespaoha nao tem monarcha, porque est no
throno uma monarchissa. Niogot-m dir por cer-
to, que Isabel nome de hornero.
Caleulem os leitores qual seria o effeito de ti*
extraragaote resposta. O auditorio rio al as In-
grimas, e c dlocou do pamheon da iD-n-aiM o
busto do incompararel Pedro, pondo Ihe na froaie
um brrele de guizos, cujas chrisias llimapt^s as-
seraclhavam-so mararilhosamente as orelhas e
Mi las.
--
O principe de Leu liiemb rg, que conla rite #
dois annos de idade, acaba de ser victima de mi
rapto.
O autlior deste acto foi uma atriz francesa f
theatriz de S. Pcler.-burgo.
A dama joven e bonita, segundo dizem.
l'm leiegramma'de S. Petersburgo fez coa qae
os fugitivos fossem apaniudos em Berilo, oud.: e
acliavam de passageni para Pars.
O joven principe leve de regressar Ro-sia
acoinpanhado por um agente da polica praviana :
a incons.lavel dama foi posta en. lib-rdade, grava-
interveiico da embaixala franceza.
Segando parece, o principe russo Ihe baria pro-
mettido casamento.
Para couseguir a desistencia da actriz, a embai-
xada rassa pressenteou-a com u.ua avua ja quai-
lia era diubeiro.
Outro meio talvez baseado na mesma intengao e
coser costura lina, e nesle eslado recorre aos meus
um s olho o desviado ; raras vezes ambos tem
este deffeito, no mesmo momento em que se est
odiando, e quando assim acontece, voltando um
dos oibos para cima e oulro para baixo, o que
o mais feio de l idas as formas desse deffeito, to-
ma entlo e!'e o nome deextrabismo horrendo
Ha a-.ntla uraa oulra especie de extrabismo, ao
qual se\tem dado um outro come ; esta especie
em que ella feita etc., d'onde resulta que o indi-
viduo que se achar ue-tas circunstancias percebe
confusamente a imagem do taes objectos quando
emprega os seus dous olhos; esta percepgo, po-
rm, torna-se clara, logo que elle desvia o olho fra-
co do objecto que est observando. Este desvio se
faz mesmo Inslinclivamente. Nesta circumstancia
se est ve-go.
A pratiea nao saneciona esta theoria, e prova
aquella em que o olho nao pode arompanhar o qae> 0 principio da fraqueza visual relativa no es-
movunento do objecto que se llie aprsenla, elle trab5mo para explica lo, falsa,
lica sempre ixo e Inclinado para o lado do desvio; Com e(fco Q iodividao TW_ ode ter em cada
a este (xirabisino se d o nome de luscitas, ou ex
irabismo B
W differente o grao de Intensidade d'este deffei-
to ; no' extrabismo convergente DietT^nbach reco-
nbece n i jr s. Reparando-se bem em um olho
aborto nota-se o prcto ou a cornea no centro e
duas ; brancas aja esclertica aos ladov : no
primero grao do extrabismo convergente, grande
parte do branco interno se esconde par o lado do
nariz ; no segundo comees a esconder-se a cornea;
no terce ro grande parte d'esta, cu toda ella est
escondida para o lado do nariz.
As pessoas que tem estedefeiio, s se servem de
sua vista, como j dissemos, por um s olho,
aquello em que a vista mais clara, ou mais per-
feila, e este tema sempre a direegao normal ; e
quaudo essas pdem ver por arabos ao mesmo tem-
po, estn lo vesgos, entao veem dous ebjeetos, ao
que se d o nome iediplopta.
Definido como dea o eslraoismo, suas especies,
e seus graos, enumeremos suas causas.
Pde-se nascer ja vesgo, o que raro, ento nao
se sabe a que causa se attriboa ; mas depois de
nascido se pode apreciar a influencia de varias
Masas -ara seu apparecirneuto ; aponlemos algu-
mas rte.-tas causas.
As mais, e as amas tem por costume pendurar
no berco das crUngas para distrahi-las, Mocos, ou
bolotas de cores vivas um pouco cima de seu cor-
po, era uma altura que as criangas possam tam-
Dem toe''*-, ora se esta altura nao convier ao
alcance d.. .isla das criangas, ou se o brinquedo fl-
car p-'ito dos olhos, ou muito desviado para um dos
olho, uma imagem clara e perfeita, o que se prova
fcilmente fechando ora um, ora outro olho. Se se
ordena a um individuo vesgo qae olhe fixameute
para um objecto, e estando oeste estado, se se In-
lerpe um corpo opaco sobre o olho que nao ves-
go, v-se que elle lorna-se logo vesgo, e que o ou-
tro procura inmediatamente a posigio normal e
recebe perfeila imagem. Filialmente a operagao
do estrabismo restituindo a posigao normal aos
dous olhos nao restitue a confuso das imagens ad-
mitidas; ao contrarioa risao boa tendo o defei-
to desapparecido. E' por tanto falsa esta theoria.
Uma outra theoria foi dada para explicar este
defeito; e em alguma cousa a pratiea a apota. Esta
outra explicaco fundada na desigualdade da for-
ga que ten. os dous msculos oppostos no olho ves-
go, os quaes msculos servem para manter o olho
em equilibrio estavel em quaiquer posigao que Ihe
seja indicada pela vonlade ; com dteito parece evi-
dente que havendo dous msculos que movem o
olho, um para o lado do nariz, e outro para o lado
da late, estes movimenlos deixaro de ser leito
regularmente, se um delles fr fraco, o que o
mesmo que ter augmentado a forga do oulro; o lado
mais fraco ser desviado para o lado mais forte.
Em apoio desta theoria vem os differentes casos
de paralysias oculares, nos quaes se v que o eixo
do olho sempre desviado do lado paralylice para
se inclinar do lado sao, ou cujo msculo conserva
sua forga intacta.
Com quanto tudo isto seja certo, e bem exacta a
deduego tirada no caso de paralysia, comtudo sua
applicaga ao estrabismo nao sanecionada pela
pelo mesmo pr.ncip.o o seguinte : tomam-se duas ^^ ^ ^ ^ ^ ^
conchas de nozes ligadas nos seus extremos por ^ ^
um cordel, se as fura na parte inedia, e neste es-
tado se os applicam sobre os olhos com a parte | A' 2o de agosto, viera ella ao nosso escriplorio
convexa para fra : Mais tarde a arte aperfeigoou ; 0nde convenientemente observando seus olhos,
este meio de indireitar os olhos, fabricando conchas notamos o seguinte.
de couro ou de bano, hemisfricas, furadas no, A senuora den,0 ve.ga e am|j03 og o|h
centro, no ponto em que se suppoe que devem ma. apparenle M|e def(J|[0 s0 M mo .(ra Q0 esquor.
passar os raios luminosos e ir encontrar a cornea ; do. ^ Q|ho ej| J|mpo na(Ja se ^ em seus hu
e a pupila em pos.go normal. Ajustado este ap- moreS) ^ pupj||a bem moye|. a den[e y
parelho, que tomou depois o nome de lunch lie, meihr por e||e ,,,, peTo direito, o que antes de
sobre os olhos esperava-se que com o tempo o ves- adogcer era Q coatrari
go obrigado a dirigir os olhos em um sentido so-
mente viesse a indlreita-los; e ainda hoje se usara ; Pelo olho direito v mal os objectos, estes Ihe
d'ellesje nao obstante seu emprego continuado parecem embacados; a pupilla se acha adheren-
seu effeito lera sido constantemente intil; com chnstal.no (syuechia posterior:) alera desta
elles os olhos permanecen! sempre vesgos; e alera Pnao da iris se nota mais no campo da pupilla,
de sua inutiiidrde, sao por demais latigantes para um deposito ibrimoso; o que ludo vera confirmar
os individuos que os usara. No mesmo sentido fo- mcomraodos graves porque passra esta doente,
ram tambera inventados os tubos, pretos em seu um ann-
interior/ posto dianie dos olhoi; para melhor di- O olho esquerdo pois o desviado permanente-
rigi-los, obrigando-os assim a por os eixos visuaes, mente da posigao normal, elle se encuna para den
em direegao paralella. A inulilidade destes outros tro, ou para o lado do nariz; portante na frase
instrumentos a mesma, sendo porem muito* mais scientifica um estrabismo convergente. Colocan-
ucommoda que as conchas. do-'os em frente da doente, eu e outros collegas, a
i : distancia de duas bragas, notamos que o olho des-
O celebre oculista Sao Ivo aconselhava as pea-, ^ 0 ca uas encoberla pelo ,ado do
soas rasgas que sentassem-se em frente de um es- ^ & ^^ q .n ^. q do e Ufil PUUCO DE TUDO.
Foram expedidas para Tunes e Tnger daai fra-
gatas a vapor a fin de receberem a seu bordo o
pes-oal das embalsadas lonesina e marroquina.
cuja visita fra annunciada ao governo fran-
cez.
De um jornal estrange.ro copiamos.os segnintes
promenores sobre o monumento elevado em Ajae-
cio memoria de Napoleao I e de seus irinaos :
O monamente eleva-se ao sul da principal pracn
de Ajaccio, em frente do mar ; compoe-sc de dou<
pedestaes, ten lo o mesmo eixo: um sustenta nos
qualro ngulos as qoalro figuras dos roaos d<
imperador; oo^tro dominado porNapolei I, a
cavallo ao modo dos imperadores romanos, con. a
cabeca ciogida de am loareiro de ouro, sustentan-
do na mao csiuerda a redeas e na djreita um gln-
bo eoroado por ama victoria de ouro com asacas
abortas.
Estes dous socos, do forma quadrangular, sao
do granito o acamado e sustentara na face voltada
para o golpho um i chapa de biouze com e.-ti ins-
eripeo ero francs:
A' memoria de f'ipoleS I e de seus iudos Jos,
luciantk, H* Jtronyi.io, ti Corsayu reconhtciJit.
.Yo reinado do imperador Napoleo II foi erigido
este monumento a esfoi eos do principe Na>oleiio
Jei'Oivjmo, com auxilio de subscnpres vo unta-
ras, t inaugurado a lo de mato de 180o.
O conjuncto do monumento notavel, simples e
severo.
As estatuas de hronze dos quatro principes r-
mSos sao de um movimento feliz e de excedente
Si'meihanga histrica.
Parecem andar, acorapanhando o imperador
Jos, com o scepiro erguido e a attitude chela d>-
dje modestia; Luciano o'uma postura harmonio-
sa de orador, faz"ndo com a mao direita urn gesto
natural e aperlaudu na esquerda .o discurso que
vai proferir; Luiz inclina o sceptro cercado do
manto real que vai livremente depr; Jeronymn
eleva, meltida na banha e sola do talabarte, a es-
pada que trazia em Waterloo.
A ultima eslalistica de Vienna d'Austria atostra
que esta ciiiade tem 1563 holeis para viajantes, V
cafs b39I lojas dercerveja.
Foram declarados os dividendos segnintes : bal-
eos provincial dadrlanda, 20 por cenio_por aaao;
Queen.-laud, lishilings por accao, por um semes-
tre ; Provincial Nacional de Inglaterra, Ui por ra-
lo, por anno; Associagao Financeira da ludia
China, 2u por rento, por anno ; Compaohia Cua-
naaca (trust) e Agencia da Australia, 2U per ct-nlo
por anuo.
Diz-se que Abd-el-Kader est preparando au
traduego da Vida de Cesar, para rabe.
tli poneos dia< urna mnliido de baleles de -l a
2i- pea de con.|irimenlo, foram vistos em radiar,
prximo de Medios!, na ilha deLewis (Esencia1.
Bastantes barcos foram logo tripulados e corre-
ram a perseguidos, continuando a dar-Ibes caen la-
do o da.
Por differentes vezes consegniram o* barrio fa-
zer chegar o cardume rosta, mas apenas os ba-
leles se senihm cm asna baixa rollaram sempre
para o mar largo, langando grandes jorres s agua
entre os botes.
Suppoe se que o numero de baleas era de 80
a 100.
M>--"
pelho para o qual deviam estar olhando, e fazendo
lodo o esforc possivel para que cada olho veja a
pupilla correspondente; com o tempo, diz este ocu-
lista, os olhos se tornara direltos; mas a pratiea
n-i tem confirmado este resultado.
Iuugken, nos casos de estrabismo convergente,
sobretudo em criangas, aconselhava que se appli-
casse uma mosca de lafet prelo do Inglaterra na
I parle externa e superior da face; o elho conver-
pondo-se um corpo entro o olho que tem direegao
normal e o objecto por elle visto, observa-se
que elle se desvia para lornar-se vesgo, emquaalo
que o olho vesgo loma a posigao normal.
Fechado o olho direito, e apresenlando um dedo
ao olho desviado, observase que este segue-o com
facilidades em todas as direegoes.
Nenhuma leso se encontra na rbita, na cabega,
gente, solicitado sempre pela presenga desta mosca nos inleslmos, que possa explicar este estrabismo,
procurar ve-la,e assim com o tempo consegujr-se- Qe j data de longos annos; e elle portante classi-
ha trazelo a sua posigao normal; se o estrabismo ncado como idopalhico, ou como leudo sua causa
era divergente, aconselhava elle que se applicasse a esclusiva no olho e por isso curavel nestas cir-
mosca no mesmo lado, porem na extremidade do eumslancias.
nariz. Este meo diz o inventor deve serempre-; Fundado nestas observages propuz a senhora
gado com persereranga por muitos mezes. Nao doeute uma operagao no olho desviado, (slrabolo-
creraos que d resultado favoravel. raia) Que f,ji aceit0> com hcilidade pela doente e
por seus prenles, porm dizendo eu que talvez
Um exercicio ocular, que pareceu a Dieffenback fSse ,an,Dem preciso atacar do mesmo modo o
ser mui vaniajoso no estrabismo, o ^seguidle : o)ho ITOIlljt nao se aehavam disposlos em consen-
Sobre uraa parede pendura-*e uma taboa pintada ,M0) 0 que me deram a conhecer.
de prcto, sobre a qual se marca com giz ura ponto ,
, j t Minha intenoao era trazer a pupilla do olho des-
brauco; o doente coloeado bem junto della, e de """ D ^ .
, .______;,a viado para a rente, e permitlir a vista por elle que
frente faz esforgos para ver o ponte branco situado ;, r. ,. V
,. v .. 1K ,,, va melhor que o direito, o que nao poda ser feilo
em direegao opposta ao desvio do sju olho. L um '
exercicio fcil e que pode ser til,'mas que perma- espontneamente por causa do eslrab.smo.
necer sem resultado como os outros. Estando tudo disposto para este trabalho, foram
Buffou que pensava ser o estrabismo devido a convidados os Srs. Drs. Rocha Bastos, Moraes, e
Diz a Imprensa Evanglica, que o papa commet-
teu um erro de poltica em deixar-se arrastar pela
violencia de suas paxoes, a ponte de expor a ura
mundo cansado de soffrer sob a tyrannia clerical,
principios e doutrlnas fielmente transmita' Jas da
poca em que tolos os res eram vassallos do pa-
pa re.
E esta !
E' o caso de exclamar com Cesar : Tu qnoquet
Brute I ?
Pois deveras ignorar o hornera das biblias, que
foi dos protestantes da Inglaterra e da Alleraanba,
que sahiram os elogios a eneyelica de Pi IX ?
E quera mas lyranno do que o protestantismo ?
Eis o que a este re.-'peilo escreve um historiador
protestante :
Esti igreja (o protestantismo) a mais t\ ratina
que tem exigido, mostrou-se ao mundo armada de
facas, machados e instrumentos de suplicios; ns
seus priineiros passos eram assigoal idos com o
sangue de suas innumeraveis victimas, ao passo
que seus bragos vergavao sob e peso dos despojos
deltas
A pena de morte era proferida contra todo o
padre calhqlico que enlrasse no reino e que fosse
convencido de ter celebrado.missa;
Pena de morte contra todo aquelle quo desse
amnista a quaiquer padre ;
Pena de morte. a quera recusasse reconhecer a
rainha Isabel com cabega da igreja de Jess
Christo.
A lista de todas as pessoas condemnadas mor-
te, continua elle, e executadas s por seren catho-
licas durante o reinado de Isabel, se eleva a dez
vezes mais do que o nosso exercito e a nosso na-
rinha reunidos.
Compare agora o redactor da Imprensa Evang-
lica, e conclua quem sao os tyrannos.
L-se no f remdenblatt :
Sabemos por canal seguro, que o embaixaiior da
Austria em liona, dirigi a Vienna uma ola eir-
ciMMjanciada acerca das negociages do governo
papa com a Italia, segundo a qual parece certo
que essas uegociages limitarara-se aos assawptos
religiosos. t
O rei Vctor Eminniuel fez ao papa na ora
concessao de sumiiio alcance.
Esta concesso consiste era que o rei antoriasa
Vegezzi, seu plenipotenciario, a desistir da condi.
cao que os Manos do reino de aples e dos duca-
dos prestaran, a re jnramento de fidelidad?, e a
contentarse rom a pnaaaaaa di paja de nao *eop-
por formalm rato a prest tt^o do juramento por par-
te dos bi-pos.
Esta con ligan nao hara sido formulada, de resto
para os hispo das legagoese da Marcha d'Aocora.
Foram, portante, removidos todos os obstacnios
que se oppunham as negociages, (re serio lera-
das a cabo, sem se tocar as quesloe polilkas.
O Vaticano recusou-se positivamente a entrar no
campo das quesloes polticas.
Sr. Pedro, perguntava um distinclo professor
de geographia ao alumno que chamara a llgao,
qual o monarcha actual da Hespanha ?
O estudante, que estava em jejum sobre a mate-
ria, e cuja intelligencia era igual ao millionesimo
de um zero dynamisado, consultou o commentario
do mappa de Dufour, e deparando com o nome do
Isabel Chrislina, respondeu com o tem de perfeita
seguranga, qoe privilegio da estupidez :
Nao me consta que naja monarcha o Hes-
panha.
II i pouco se verillcou em Pars nma exposiro
de caes, e agora tratase de levar a effeito ama an-
da mais curiosa, pois que sera uma expsita) d>.
insectos.
Foi a sociedade central de agricultura qoe cca-
cebeu o projecto desla exposigo, e por certo qae
a idea se p^de considerar feliz.
Merece a sympathia e os elogios le todos, bom
que nao uraa cousa indefferenie o conhecer esta
familia innmera re de insectos, da qual atgaaa
membros sao para a agricultura inimigns implara-
Vfti, ao passo que outros merecem ser protegidos
pelos servigos que prestara.
A exposigo divdir-se-ha em duas catnegorias.
A primera comprehender : os insectos pre-
duclores de seda; 2* os prodnetores de mel e cera ;
3a os tmtureiros; 4a os insertos eomestireis ; 3* os
insectos empregados em medicina.
A segunda calhegoria compor-se-ha ; os insertos
prejudiciaes aos cereaes, vinha, s piantas indos.
triaes, a; plantas leguminosas e ferraginosas, s
arvores fructferas, s maJeiras empreadas aos
construegoes, finalmente, os parsitas dos ani-
maes domsticos, comprehendendo naturalmente
as pulgas.
llavera medalhas de ouro, de prata e de brome.
Afflrma-se que na Inglaterra am irrande nume-
ro de artllheiros voluntarios ensnreleceram, dep is
de haver assistido experiencia da peca de maior
calibre.
Dizem as gazetas inglesas que a princesa de Gal-
les deu inesperadamente i luz am principe, mo dia
3 do correte.
Esperava-se tilo pouco este acontecimenlo, que ao
dia anterior a princesa assistira a am concert e i
noite haveria cm Marlboroagh lioase am jamar,
para o qual tinha sido convidado o conde de la
Grange, proprieiario do cavallo franees, qa* veaeea
as corridas d'Epson.
Ha das tinha-se annunciado que o parto s teria
logar em jodio ou agosto.
Ainda nao se decidiu acerca dos nomes qae o
prince ha de ter.




PERNAMliUO) -TYP. DE M. F. DE F. 4 rTU


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXW4AE3BJ_GNM204 INGEST_TIME 2013-08-27T20:44:36Z PACKAGE AA00011611_10711
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES