Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10710


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XU MISERO 153
Por qnartel pago dentro de 10 das do 1. mez \ i
dem depois dos 1." 10 das do comecoe dentro do qnartel. .
Porte ao correio por tres mezes.........., ,
/ZJLt
5J0OO
6)000
750
SEXTA FEIRA 7 RE JLHO DE 1865.
Por anuo pago dentro de 10 dias do l. mez ,,,.,. 19J000
Porte ao eerreio por um anno.............. SfOOO
ENGARREGADOS A SUBSCRIPQO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?odrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lentes Draga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Har, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fiihos Amazonas, o Sr. Jeronymo da Gosta.
ENGARREGADOS DA S^BSCRIPCAO DO SOL
Alagoas, o Sr. Claudiit Falciio Dias; Baha, o
Sr. Jos garfias Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Onda, Galio, Eseada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dia"s.
Iguarass e Goyauna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Itezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Gouselho. Aguas Bellas e Tacarat, uas tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Liraoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricur-y, Salgueiro e Ex, as quartas
feiras. /
Serinhem, Rio Formoso.Tamaudar, una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, na quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relagio : trras e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do comraercio: segundas as 11 horas".
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
DAS DA SEMANA.
Primeira vara do civek tercas e sextas ao metal
dia *
.. !. .. 3. Segunda. S.Eulogio m.; S. Anathollo m.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades al l. Terca. S. Isabel rainha de Portugal viuva.
1 o. Quirta. S. Philomena v.; S. Trlana m.
6. Quinta. S Domingas v. m.; S. Isaas prof.
7. Sexta. S. Pulehena v. imperalnz.
8. Sabbado. Ss. Procopio e I'riscilla rara.
9. Domingo. Ss. Cvrillo e Bricio bb.
hora da tarde.
"""KPHEMERIDES DO MEZ UE JULIIO.
8 Loa cheia as 6 h., 7 m. e 22 s. da t.
lo Quarto ming. as 2 h., 6 m. e 46 s. da t.
22 La nova as 4 h., t m. e 40 s. da t.
30 Qurto cresc. as 4 h., 49 m. e 16 s. da t.
PREAMAR DE IIOJE.
Primeira as 3 horas e 42 m. da tarde.
Segunda as 4 horas e 6 minutos da manhia.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1P.OS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o aort
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Ferian-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marro. Balo,
julho, selembro e novembro.
ASSIGNA-SE
noRecife, nalivraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Mauoel Figoeiroa' da
Faria & Filho.
PAUTE FFICIAL
fiO'RR9 SU PR0YMA.
LEl N. 640.
Antonio Borges LeI Castello Branco, presidente
da provincia de Pernambuco :
Fago saber a todos os seus habitantes, que a as-
semba legislativa provincial decretou e eu sanc-
cionei a resolugo segrate.
Art. 1. Todos os negocios apresentados a consi-
deraco da junta d fazenda da thesouraria provin-
cial, "que forera da sua competencia, serio decidi-
dos peta maoria dos votos de .seus tneirbros. *
1. Aquelle que sabir vencido poder exigir
nao s que seu voto seja declarado na acta, como
tambera que seja levado ao conheeimento do pre-
sidente da provincia, se julgar que a decisao da
maiorta da junta olTende os interesses da fazenda.
2.? Sero responsaveis por seus votos aquelles
que os derem cunira disposigo d-i lei, ou contra
os interesses da fazenda ou de lerceiro, provado
que o fizeram dolosamente.
Art. 2." Fic-ain revogados o arl. 4- do cap. 2o do
regularaeoto de 3 de ago>lo de 1832, approvado
pela presiden'la da provincia, era virtude da auto-
risago concedida pela lei provincial n. 300 de 7 de
maio do mesnio anno, e mais disposigoes em con-
trario.
Mamlo, porlanto, a tods as autoridades a quem
o conheeimento e execugo da presente resoluco
pertencer, que a cumprara e facam curaprir lo in-
teiramente como nella se'contm.
O secretario do governo desta provincia a faca
imprimir publicar e correr.
Palacio do gjverno de Pernambuco, 3 dejunho
de 1863, quadragesima quarto da independencia e
do imperio.
L. S.
Antonio Bornes Lnxl Cusidlo Branco.
Sellada e publicada nesta secretaria do governo
de Pernambuco, aos 3 de junho de 1863.
O secretario,
Dr. Francisco de Paula Salles.
Rogi.-trada a fl. do livro 7" de leis provincaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, 3 de junho
de 1863.
O escripturano da 'i* secgo,
Theodoro Jos lavares.
da relajo junta, assignada pelo secretario do go-1 da Estancia peranle a companhia de homens pre-1
verno, nao podendo, porra, elfectuar o de embar- tos desta provincia ao mando do capitao Mauiva.
que de taes gneros, sem que por parte do com- Recebido com agrado manda-se archivar,
mandante daquelle presidio se proceda a ex.me, I l'ma,brochuni do repertorio da constiluigao po-
aflm de veriiear-se se ha agurdente ou outra linca do imperio do Bra>il e do acta addicional, or-
qualquer bebida espirituosa. gamsaJo e offerecido pelo Sr. Dr. i. P. M. Portel-
Dita.-O presidente da provincia, attendendo ao la.Recebido cora agrado, manda-se archivar,
que requereram Fernandes A Irmao, resol ve con- Diferentes nmeros do Brasil Histrico um da
ceder-lhes licenga para embarcar, com destino ao Illuslrucao Acadmica, offertados este pela respec-
presidio de Fernaudo, no vapor da companhia Per- ti va reoaego, e aquelles peloSr. Dr. M. de Hguei-
ra Faria.Recebidos com agrado, sao mandados
archivar.
O Sr. r. Witruvio Pinto Bandeira, como relator
! da commissao de admissao de socios, apreseuta
um parecer sobre d Arenles propostas; e passan-
do-se a votaco do raesrao parecer, sao approvados
socio efleciivo o Sr. Dr. Ayres de Albuquerque
Gama, e socios correspondentes os Srs. Drs. Joa-
quim Jos da Fonceca, P. Franklin da Silva Tavo-
ra, Luiz Rodrigues d'Albuquerque, Luiz d'AIbu-
querque Martins Pereira e Estafad Benedicto
Franja.
Vera a mesa o segrate :
Urna proposta do Sr. padre mestre Lino.-A'
commissao de admissao de socios.
Urna indicacao do Sr. r. Wilruvio Pinto Ban-
nambucaua, os gneros constantes da relagio jun-
ta, as.-ignda pelo secretario do governo, nao po-
dendo, porra, effectuar o desembarquo dos ditos
gneros, sera que por parte do commandante do
raesmo presidio se proceda a exame, allm de ve-
riliear-se se ha agurdente ou qualquer bebida es-
pirituosa.
ila.O presidente da provincia, conformndo-
se com a proposta do Dr. chele de polica, n. 889,
de 26 de junho prximo Prado, resolveu nomr-ar o
cidado Manoel do Amparo Caj, para o lugar de
2o supplenle de subdelegado do Io districlo da fre-
guezia ue Afogados, em substituido de Jos Pedro
Velloso da Silveira, por ter este se mudado do
districlo.Remetteu-se ao Dr. chefe de polica o
titulo do nomeado.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao deira no sentido de olliciar-se ao consocio Sr. Dr.
que requereu o promotor publico da comarca de Antonio Vicenta do-Nascimenlo reilosa, para arti-
Tacarat, bacharel Daniel Germano de Aguiar var cora o seu patrocinio a solugao da representa-
Moutarroyo?, resolve conceder-lhe dons mezes de u0 dirigida ao corpo legislativo pelo Instituto, re-1
licenga com vencimentos na forma da lei para ira- laliva um acto que declare da festa nacional na
lar de sua sade uesla cidade. Provincia o dia 27 de Janeiro, aumversano da res-
Espediente do secretario do noveno. I 'aura< Offlcro aojn.z de djreito de Garanhuns.-Parti- Tt,n,aJo em considerando a materia, ass.tn se re-
cipandooDr Francisco Antonio Cesarlo de Ase- senhor em sentido de offlc.ar-
vedn, juiz municipal e de orphaos do termo de Ga- ""U.V1Js "unn r Anlonio Vlcente (]o
ranhuns, no I do crrente, que achando-se nesta KS5ftTSL de pro nover da a sera
capital para onde itera acompanhando o recurso ggjjffj cocecucao de urna lotera para adjue-
-1 i j i. nandes \ letra.A comraiisao especial ua creacao
rou-se a 2ua saude de modo a nao poder vollar ao j ^7 '
termo de sua jnrisdiCae, onde deve assistir ao jul-, nir |V
tem3 estrangoiros 26; mulheres 2; escravos 43 ; es-
cravas6-iotal 3o.
Movimento da enfermara do dia 6 de julho
de 1863.
Teve alta :
Juiio (escravo) de Dmamerico de Souza Rangel.g
Ti vera m baixa:
Manoel Antonio dos Santos; diarrha.
L. Jos Pereira ; delluxo.
M Antonio Freir : rheumaiismo.
Gemiteiuo publico. Obituario do dia 5 de
julho :
Monica Mara da Annunciaefio, Pernambuco, 10
anoos, i-asado, Recife ; metro peritonite.
Joaquim Siiveira de Souza, Pernambuco, 32 annos,
viuva, Boa-Vista ; congestio cerebral.
Manoel, e Joao (gemios), Pernambuco, 1 hora, S.
Jo3 ; morreo no nascedouro.
Alfredo, Pernanibaro, 12 mezes, S. Jos intente.
Custodia Mara dos Valles, Pernambuco, 88 annos,
solteira, Boa-Vista ; paralysia.
te
gamento do mesmo proeesso : assim o communco
a V. S. para seu conheeimento e de ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia.
Expediente do dia 1 de julho ile 1S63.
Ofltcio ao Exm. Sr. presidente da provincia das
Alagoas.Remello a V. Exc. o incluso tubo de vi
dro conlendo 6 tuboscapiares com pul vacciuico.
Fca assim sal.-feita a requisicao do V. Exc,
coibtantc de seu ofllcio de 28 de junho ultimo.
Dito ao Exm. Sr. presidente, da provincia .le Mi-
nas-Geraes-Com o oflicio de V. Exc. de 3 de ju-
nho prximo Iludo, recebi dous exemplares da col-
Jecyao das leis jiromulgadas nessa provincia, no
anno prximo passado.
Diio ao Dr. chefe do polica.Ioteirado pelo of-
ficio de V. S., n. 913, de 30 do mez passado, de se
achar preso Joao Mourinho G.imes, por ter assassi-
nado a Jos Ilerculano da Rocha Wanderley, em
Ierras do engenho Buranhaem, no dia 21 daquelle
mez, recomuiendo-lhe que me communiquu o re-
sultado do processo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
De conl'urmidade com o que solicitou o chefe de
polica no olkio junto por copia, datado do Io do
corrente, e sob n. 921, recommeudo a V. S. que,
niio havendo inconveniente, mande pagar a Aleixo
Jos da Luz Jnior, a quantia de 375060, prove-
niente de vencimentos abonados, como se v do
prel junto em duplcala, a 6 desertores e II recru-
tas, que vieram do termo do Brejo para esta capi-
tal, e liveram os .deslinos constantes do citado of-
flclo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Re-
comrnendo a V. S., que, de conformidade cora o
que solictlou o chefe de polica em olicio do Io do
corrento mez, sob n. 920, mande indemnisar o de-
legado lo termo do Bonito, da quantia de 45 por
elle despendida com a tapagern do arrombamenlo
feito na respectiva cadea em a noite de 7 para 8
do mez de junho ultimo.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. o pedido,
que me remetteu o chefe da repartilo das obras
publicas, com ofllcio de hontem, sob n. 196, atim
de que mande entregar ao ajudante liel pagador '.
daquella repartico, em preMacoes semanaes, a
quantia do 7:4703, que se faz precisa para occor-
rer as despezas com as obras por administragao
no corrente mez.Comniunicou-se ao chele da re-;
parlieao das obras publicas.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal da comarca da Boa-Vista.Faca V. S. constar
ao major reformado da guarda nacional Joaquim
Leonel de Alencar, que jjeve pagar, na repartico
competente, a importancia dos direilos, sello e emo-
lumentos constantes da njta inclusa por copia, alim
de obter a sua patente de reforma.
Dito ao commandante do corpo de polica.Em
deferimento ao requerimento do corneta do corpo
sob seu commando, Francisco Jos das Neves, so-
bre que versa a sua informaco, n. 497, de hon-
tem, autoriso V. S. a dar-lhe baixa, visto ja ter fi-
nalisado o engajamento e nao quer continuar no
servico.
. Dito ao mesmo.Declare-me V. S. se o soldado
Chrispim Gomes da Silva, sobre que versa sua in-
formaco de hontem, sob n. 498, se apresentou a
esse commando prornpto para marchar com a for-
ca que tem de seguir para o sul.
Dito ao mesmo.Mande V. S. nos dias de vac-
cinarao urna praga, do corpo sob seu commando,
abrir e fechar as portas daquella repartigao, visto
haver-se retirado daquelle servigo por ter dado
baixa a praga da companhia de urbanos, Ismael
Francisco de Lima.
Dito ao juiz de paz presidente da junta de qua-
lilicagao da freguezia de Ipojuca.Nao tendo acom-
panhado a lista dos cidados^qualicados votantes
nessa freguezia, no corrente anno, que veio annexa
ao seu oflicio de 13 de maio ultimo, as relagoes de
que trata o decreto n. 2,863, de 21 de dezembro de
1861,curopre, que Vmc. m'as remeta com a pos-
sivel brevidade.
Dito ao commissario vaccinador.-Mande Vmc.
apresentar ao coronel commandante das armas
como elle requislton em offleio de hontem, n. 1,138,
algumas laminas e tubos de puz vaccnico para
preservativo dos recrutas e pragas, que ainda nao
oram vaccinados, ou nao liveram bexigas.Com-
municou-se ao coronel commandante das armas.
Dito ao delegado do Bonito.Recommendo a
Vmc, que quando liver de requisitar Torga da
guarda nacional para conduegao de presos nao o
faga sem previa autorisagao desta presidencia, por
que pode acontecer que na occasiao haja forgades-
ponivel de polica que possa prestar esse servigo,
poupando-se deste modo despezas, que cumpre nao
augmentar as circamstancias actuaes.
Dito ao gerente da compaolna Pernambucana.
Pode Vmc. toser seguir para os portas do norte o
vapor Perstnimga, no dia e hora indicado em seu
ofllcio de 3 do corrente.
Portarla.O presidente da provincia, attendendo
oque requeren Bel la rm ino Rodrigues de 01 i vei ra C-
mara, resolve conceder-lhe licenca para embarcar
com destino ao presidio de Fernando, no vapor da
companhia Pernambucana, os gneros constantes
Oulra do mesmo senhor, no sentido de seren [
desde ja nomeadas coranihsoes distribuidas pelas |
i freguezias desta cidade, para promoverem douat- j
| vos populares que auxiliein as despezas cora os
monumentos, que o Instituto trata de levantar a
memoria gloriosa de Fernandes Vieira, Vidal de |
, Negreiros, Antonio Carnario e Henrique Dias.A'
I mesrna commissao.
Em seguida o Sr. major Salvador Henrique to-
mando a palavra observa que tendo-se dissolvido o
arco do Bom Jess, e preiidendo-se elle no enlamo
nossa historia, jA por ter sido alli as portas da
cilade u'aquelle lempo, ja por ter aos seus lados
havido lortillcagoes, he pareca conveniente que
houvesse um assignalamento, que aos vindouros
manifestasse ter elle alli existido. Portauto, tedia
rao com empenho: que uma commiss;w fSse omeada para, depois
roveito eucarregar; ue a|)rec-iua a Uiateria, emitlir o seo parecer a
que darihes-ha.) aulon- \ rej|)ull0 ua coaveuiencia ou nao do que acabava
de expender.
O Exm. Sr. presidente observa ao orador, que
engajamento na forma cima presenpta, percebe-; para ff t ulteriorei ueVt formular uma io-
nio a gratilicacao de 205, por cada engajado raa !ca(.0
Palacio do governo de Pernambuco, 3 de junho
de 1863.
Portara.O presidente da provincia, era cum-
primento das ordens do governo, e em attengao s
urgencias da guerra, declara o seguinte:
1." As autoridades policiaes licam incumbidas
de proceder com a maior actlvidade e energa ao
recrutameuto e engajamento para o exercito.e
armada.
2." As mesmas autoridades, os juizes de direilo,
municipaes e de paz,
cidados que se qaeiram com proven eucarrega
do engajamento, para o
sacio.
3. As autoridades e cidados encarregados de
rinheiro, ou para o exercito; e a de 105, deslinan-
do-se o engajado grumete.
4." Os recrutadores receberao o premio de 105,
por cada recruia marinheiro, ou para o exercito; e
d; 55 sendo grumete.
5." Os que se contrataren! para o exercito lento
o premio de 3005, e o de 4005, se j tiverem ser-
dicago.
O Rvd. padre mestre Lino inscreve-se para 1er
um trabalho seu sobre o Outeiro das Tabocas^ e a
capella da mesma denominada na prxima sesso,
que marcada para o dia 20, levautaudo-se a pre-
sente.
Consta nos, por urna carta de pessda respei-
tawl da cidade de Lisboa, que a corveta encoura-
Z^ L \ fa miUS pr,Te,H e*?2 a ES Cada Brasil havia sabio de Toulun para o Rio de
i'Qfii a riiPirt BAIflA rt nii cairunilrt rlj snlflA m ,ur.i r
cagao de meio sold e no segundo de sold ioleiro
de primeira praga.
6. Os que se contratarem por um anno para a
armada lerio o premio de 1005, sendo marinhei-
ros. e o de 305, sendo grumete; se o contrato for
por dous annos o premio ser dobrado. Tero alm
disso a gratilicagao coucedida aos engajadores,
aquelles que se apresentarem directamente pre-
sidencia ou a capitana do porto.
7." As autoridades incumbidas do recrutaraento
e engajamento, requisitando a forga precisa da
guarda nacional, remettero para esta cidade com
a mxima brevidade os engajados e recrutados,
aos quaes abonaro desde o dia do engajamento ou
priso at o em que razoavelmente possam ultimar
a viagem. O mesmo abono faro essas autorida-
des e as mais mencionadas no h. 2 aos voluntarios
que Ibe forera apresentados por quaesquer cida-
dos, a partir do dia dessa apresentago.
8." O recrulamento na guarda nacional s reca-
hir sobre as pragas nao fardadas, e de m con-
ducta, havendo inlelligenca previa com os respec-
tivos comraandantes, aos quaes recommenda-se qui-
nao creem embaragos indebitos aos reclutadores, e
antes os auxihem com patriotismo.
9." as guias que devem acorapanhar os volun-
tarios e recrutados declararan as autoridades que
os remetterera, alm do mais, se se destinam
armada ou ao exercito: no primeiro caso, se tem
ou nao a profisso de marinheiro, e no segundo se
sabem ou nao bem montar a cavallo.
O presidente da provincia, appellando para o
patriotismo de todas as ciasset, espera que, as
graves circunstancias era que se acha o palz, todas
se "empenharo por auxiliar o governo na consecu-
gao do maior numero de voluntarios; e recom-
menda s autoridades encarregadas do recrula-
mento que procedam nelle com a maior imparciali-
dade e prudencia, attendendo sempre s isengoes
legaes, e lornando-o mais ou menos rigoroso con-
forme o resultado do engajamento em seus respec-
tivos districlos.
Antonio Borges Leal Castello-Branco.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIAB1A.
Fuuccionou hontem o Instituto Archeologico e
Geographico Pernambucano sob a presidencia do
Exm. raonsenhor Muniz Tavares, e com asistencia
dos Srs. Drs. Joaquim Portella, Gervazio Campello,
Witruvo, Pinto Bandeira, Soares d'Azeved* e Soa-
res Brando, padre mestre Lino e major Salvador
Henrique.
O Sr. secretario perpetuo faz a leitura do seguin-
te expediente:
Um officio do Sr. Antonio Gomes de Miranda
Leal acompanhando um exemplar da arvore genea-
lgica da familia Leal, que offerecia ao Instituto.
Recebido com agrado, manda-se archivar.
Um outro do consocio Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmio Lobo dando conla da commisao, de
que com outros membros fura incumbido, e remet-
iendo igualmente a quantia que a commissao obti
vera para adjuctario do monumento, que no Mara-
nbao vaoerguer ao poeta Gongalves uias. lnteira-
do, sendo entregue a referida quantia ao Sr. the-
soureiro para os lins convenientes.
Um exemplar dos estatutos da associagio pro-
tectora das familias dos voluntarios da patria, olle-
recido pelo Sr.. padre mestre Lino.Recebido com
agrado, manda-se archivar.
Um dito da oracao recitada na Conceigao dos Mi
litare.', por occasiao da bengio da bandeira do se-
gundo corpo de voluntarios, e offerecida pelo pro-
prio orador Rvm. Dr. M. da C. Honorato.Recebi-
do com agrado, manda-se archivar.
Um dita do Jornal do Recife em que vem publi-
cada a allocugo, que pronnneiou o offerente padre
mestre Lioo, por occasiao da raissa dita na igreja
Janeiro.
Sahio a luz o 3o numero da Revista do Insti-
tuto Archeologico Geographico Pernambucano.
Este numero traz lilhograpliado o retrato de J.
Fernandes Vieira, com o e-cudio de suas armas;
e, alm das materias do expediente coulem ura ar-
tigo sobre a vida do mesmo her.1, outro subre sua :
descendencia, e um resumo histrico da fandacao
de varias igrejas uossas.
Falleceu no povoado da Ponte dos Carvalhos,
no da 3 do corrente, a centenaria Anna Mara das
Candelas, a qual peso de tantos annos de vida nao Ihe impeda de
visitar quasi todos os das as lilbas, netos, hisnetos i
e latarauetos sem o adjutoro de bordo algum.
Alm disto, cozia aiuda, e fazia renda sem usar |
de oculos; e temos em nosso poder um pedago de
renda feita por ella, que nao differeuga-se de outra
qualquer trabalhada por pessoa em todo o vigor de
sua vista.
Anua Mara era natural da mesma freguezia do
Cabo, em que morreu, havendo nasudo em trras
da Junqueira. Teve cinco iillios de um c outro
sexo, e delles s re?lain hoje duas lilhas.
Chamamos a attengao dos nossus letores pa-
ra o discurso publicado na oilava pagiua deste
Diario, que pronuncou o nosso amigo e patricio o
Rvd. vigario de Anadia Francisco Peixoto Duarle.
por occasiao de se formar na capital das Alagoas o
primeiro balalho de voluntarios da patria.
Suicidou-se no dia 30 do passado, o preto
Joo de Deus, ecravo do Sr. Joaquim Marques da
Costa Soares, enforcando-se no tronco do engenho
Trapiche, da villa do Cabo.
A manhaa se extrahir 4* parte da o* e 1
da 6' lotera, da matriz de S. Pedro Marlyr d'Olin-
da (22a) sendo o maior premio 6:00O5(XH).
Ao amauhecer de hontem verillcou se uma
tentativa de roubo, que deu-se no arraazem u. 62
da ra da Cadeia,~esquma que volta para o Caes
de Apollo.
Oslarapios poderam com orna pa fazer um gran-
de buraco pouco abaixo da fechadura de uma das
portas; e assim conseguindo tirar a chave, abrirara
a mesma fechadura pela porta exterior : mas nao
Ibes foi possivel penetrar no armazem, porque ha-
via mais cima uma tranca presa eutra fecha-
dura.
Nao lograram, por tanto, os seus intentos crimi-
nosos ; mas esta e outras tentativas sao a moslra
do panno, que ja vamos tendo e peior sera sem du-
vida, quando retirar-se o restante da forga que ain-
da ha aqu.
Assim, pois, bem 'poderla desde j ir prestando
os seus servigos essa porgao de cidados dedicados,
que se offereceram para isto. Aguarda cvica nao
pode deixar de oflerecer as matares garantas, e
sob a sua vigilancia as propriedades descansario,
porque lera o melhor e mais seguro mantenedor.
Rei'Aiitu;\o da polica :
Extracta das partes do dia 6 de julho de 1863.
Foram recolhidos casa de detengo no dia 3
do eorrente :
A' ordem do subdelegado do H-cife, Luiz de Pi-
nho Borges, por disturbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Olympio Simphronio
Bezerra de Mello, como dizertor.
O chefe da 2.a seccao.
J. G. de Mesqulta.
Gasa de detknqao.Movimento do dia 4 de ju-
lho de 1863 :
Exisliam 362 ; nlraram 3 ;saliiram8 ; existem
357 a saber: nacionaes 269 ; mulheres 7 ; es-
traDgeiros 26 ; mulheres 1; escravos 47 ; escravas
6 ;-total 357.
Movimento da enfermara do dia 6 de julho de
1865.
Teve baixa:
Antonio Francisco da Silva ; bronchite.
Teve alta :
Manoel do Nascimento Ribeiro da C Babia.
- 5
Exisliam 357; entraran) 3 ; sabiraa 7; exis-
CMARA JIL.MCIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 15 DE MARCO
DE 1863.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Srs. : Tiiomaz de Aquiuo Dr. Mi-
randa, Gustavo do Reg,Santos, e. Silva do Brasil,
faltando com causa o Sr. Dr. Sarniento, e sem ella
as mais Srs., abre-so a sesso, e lida e approvada
a acia da antecedente.
L-se o ^eguinle
EXPEDIENTE.
Um ofueio do Exm. presidente da provincia, de
II do correle, declarando A cmara para seu co-
iiliecimentii, que acabava de tranMnillir, por copia,
assembla provincial, para ser tomado na devida
considerago o ofllcio que em 8 do corrente, sob o.
15, Ihe dirigi a mesma cmara relativamente
conliuuac) do pagamento das cusas, que arada
estao por BatisEuer.Inteirada.
Outro da cmara municipal do Brejo, commnni-
cando haver recebido o da cmara desta cidade de
23 de jani-iro ultimo, e Bear setenta do ler tomado
posseda presidencia desta provincia o Exm. Sr.
Dr. Autouio Borges Leal Castello Brauco. iutei
rada.
Outro dojuiz de paz, i volado do Io districlo da
freguezia dos Afogados, Paulino Rodrigues de Oli-
veira, communicando achar-se em oxercicio do
meiiiio cargo por imjiedimenta do 2o o 3o votados.
Inteirada.
Outro do Dr. Joao Neporauceno Das Fernandes,
declarando em re.-pesta ao que a cmara Ihe diri-
gi, que Diera com O ex-fleal da freguezia de San-
io Antonio duas corridas sanitarias em 27 de ja-
Duro iv7 de fevereire ltimos.Inteirada, por ja sa
te? mandado pagar***
Outro do cirurgiao Francisco Jo.- Cerillo Leal,
declarando lainbcm em respo>la ao ollicioque da
cmara recebera, que iiavia feilo cora o ex-liscal
da fregoeiia de Santo Antonio duas corridas sani-
tarias, nos dias 28 de Janeiro e 4 de fevereiro ulli
mos, e bem assim que no dia 7 de fevereiro fuera
uma outra corrida cura o fiscal da freguezia de S.
Jos e o subdelegado da me-ma. Igual reso-
lugao.
Outro do engenheiro cordiador, dzendo,emcum-
pnmenlo ao que a cmara Ihe ordenou, que o pe-
dido de Jos dos Sanios llamos de Oliveira, no re-
querimento junto, nao se acha ordenado, nem pro-
nibido oas posturas, por Isso que em nenhnma
dellas se trata do porloes folios para servido de
casas construidas dentro da cidade, mas eniendeu-
do elle que taes portoes nao sao contrarios ao afor-
inoseamento da mesma cidade, uma vez que sejam
feitos com elegancia conveniente, e no alinhamen-
to das casas, por isso limiton-se a di/.er em sua
primeira informaco, que Ihe parela poder conce-
der-so a prelengo do peticionario, mxime tendo
j sido coucedida igual obra a um Peixoto na ra
do Jardiin.
Quanto a altura do muro, diz, que secundo as
posturas, pode elle ser de dous modos, oa feito com
frente de casa regular, ou tendo sinente oito a dez
palmos de altura, como sao os muros provisorios.
Mandou-se dar corueago.
Outro do mesmo, informando o requerimento no
qual Jos Pacheco de Medeiros pede para que Ihe
seja permittido fazer na frente de seu terreno ra
dos Pires um muro com frente de casa ; diz que
nada tem que oppor. Mandou-se cordear.
Outro do mesmo, informando contra a prelen-
go da juma administrativa da Santa Casa da Mi-
sericordia, de ser supprimida a ra projectada na
planta da cidade, era seguimento da de Santo Ama-
ro. A' vista da iuformacao, nao tem lugar.
Outro do raesmo, informando sobre o requeri-
mento, no qual Tibnrcio Valeriano BaplUla pede
para que Ihe seja concedido edificar quatro casas
terreas no seu terreno da ra do Seve, declara que
nada tem a oppor.Mandou-se cordear.
Outro do raesmo, dizendo que tendo a experien-
cia mostrado a conveniencia de serera registradas
as cordeagoes, que sao dadas aos particulares para
que em lodo o lempo se possa saber quaes ellas se-
jam, e verificar-se assim se foram ou nao guarda-
das por elles em suas edificages, julga dever pro-
por a cnago de um tal registro, havendo para Isto
um livro especial rubricado por quem cmara
determinar. Posto em discusso, approvou-se a
medida proposta, e deu-se ordem no mesmo senti-
do ao secretario para enmprir.
Outro do fiscal do Recife, acensando a recepgio
do ofllcio de 8 do corrente, ainda sobre o que em
outro de 28 de Janeiro ultimo havia elle exposto de
ser o terreno, de que ento se Ihe mandara infor-
mar, particular; em vista do citado ofllcio aecusa-
do, forga, diz o fiscal, ainda informar que o terre-
no de que se trata particular, pois o contrario
nao Ihe consta,, pertencendoo mesmo Antonio
Botelho Pinto de Mesqula, e a Jos Pereira da Cu-
nha ; contra o segundo mandara lavrar termo di
infraego do art. 2 da postura addicional de 20 de
novembro de 1855, por nao ter mandado murar, e
sobre o primeiro deixou de sim proceder, porque
tendo elle fallido, nao sabe a quem deve intimar a
multa, pois que a massa acha-se em mi de admi-
nistradores. -Inteirada.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
dizendo que deve fazer cumprir quanto esta deter-
minado no titulo 2a do art. 5 das posturas de 10
de novembro de 1855, cojo enmprimenta quer fa-
zer, sem qae haja de qualquer pessoa do povo re-
clamacao, por isso se Ihe faz mistar que a cmara
d esclarega qoem compete mandar varrer e irri-
gar as testadas da casa das audiencias, relagio, po-
lica, escrivies e tabelhies da ra do Imperador,
ou em outra qualquer ra que tenham estes os
seus eartrios, porque os donos dos estabelecimen-
tos existentes na mesma ra do Imperador, dizem
nao serem obrigados a mandar fazer toda a varre-
dnra e irrlgago, como quer o mesmo llt. 2*, por-
que consideram que as casas cima apuntadas sao
para elle tidas como estabeleeimentes, o que ou-
tros negam. A' commissao de polica, requeri-
mento do Sr. Dr. Miranda.
Outro do mesmo, dizendo que tendo a cmara
por edital de 5 ds mareo de 18*9, mareado os lu-
gares em que se devia fazer os despejos pblicos,
pelo dever determinado no art. 5 do capitulo 5
das postura da 39 de junho de 1849, e mesmo
lelo que dlspde o lt. 2 do art. .*; das posturas ad-
dicionaesde 18.j", etc., que fosse este despejo eilo
nesta freguezia de Santo Antonio, Io em frente da
ra do S. Francisco, i> no lirn do becco que I3rrai-
na a ra do llangel p.-lo lado do sul, e 3" no lira
da ra do Pociulio, quando nao havia caos ; na 1*
e .'i3 parte, pareee-lbe, se nao poder boje fazer, e
como nao se ti.nha ainda po.liJo enmprir as dispo-
sic5es dos arts. 12, 13 e li das citadas posturas de
10 do novembro, pede cmara que Iho declare
onde deve s-r f.-it> o dita despjj i, vista que pelo
publico reclamado.
Tambem pede autarisago para poder mandar
conduzir em carrogas para os lugares proprios, os
inmensos entulhos' e immundicias existentes nos
lugares improprio-, e que milita podem prejudicar
a salobridade publica. A' commissao de sade,
requerimento do Sr. Dr. Miranda.
Mandou-se informar ao Exm. presidente da pro
rincia, a petigao na qual Francisco Alves Ferreira
e outros, seohores e possoldores de jangadas e cur-
raes de pescara pertencentes s estacos de Fra
de Portas, S. Jos e Venda Grande, reclamaram
urna providencia cere da resolucao pela cmara
tomada, de nao consentir que nos mercados pbli-
cos desta cidade podesse ser vendido o peixe, seno
por aquelles pescadores que estvessem matricula-
dos na repartico competente; declarando-se a S.
Exc. que havendo sido tomado a providencia de que
trato o art. 1- do lt. 11 das costaras de 30 de ju-
nho de 1849, que prohibe os atravesadores e cor-
rectores ile farinha e legumes nos mercados pbli-
cos desta cidade, resolveu tambera que essa previ-
dencia fosse extensiva aos atravessadores e correc-
tores" do peix-*, do molo que assirn como aquelles*
gneros sejam vendidos nos mesmos mercados
pelos seus productores, as.-ira tambera seja all
vendido o peixe pelo p iscador matriculado na re-
parlico respectiva ; pirque o contraro disso tra-
r abusos.
Mamlou-se igualmente informar a presidencia a
peticfw, cni que Manoel Jos dos Santos e Silva, ac-
tual arrematante do imposto por carga de farinha e
legumes vendidos nos mercados pblicos desta ca-
pital, requereu mesma presidencia providencias,
relativamente a medida tomada, prohibiudo que os
atravessadores dos mesmos gneros exislssem nos
referidos mercados, allegando que essa medida di-
rectamente o prejudicra em uma quantia superior
a 35 diarios, por nao contar com o imposto que
pagavam cincoeuta individuos empregados era
comprar laes gneros nos feiras, e vndelos nos
mencionados mercados, e concias pedindn, como
, capazes de remover o seu prejinzo, uma das duas
seguintes providencias: o abatimento de 1:2005
no prego da arrematago, ou o ingresso nos mer-
cados a todos aquellos uno nelles quizessem ven
der ; nessa informaco leou a cmara ab conhe-
eimento de S. Exc,'que aquellas pessoas quem
se refere o peticionario erara atravessadores, e
como taes nao podiarn continuar alli pelo disposta
no art. 4o do til. 11 das posturas da 30 de junho de
1819.
Um ofllcio do fiscal da freguezia da Boa-Vista,
representando que, a coberta. do agougne publico
daquella freguezia acha-se arruinada em conse-
quencia de estarem algumas madeiras podres, bem
como me o ladrilho, principalmente o que fica por
baixo dos alpendres, sendo por isso de necessidade
que se trate de fazer o concert preciso, e que se-
jam raladas as paredes e pioladas a< grades; o
que traz ao coulieciracnlo da cmara para resolver
como entender.Mandou-se ordem ao engenheiro
para orear os mesmos concert?.
Outro do mesmo, trazendo ao couhecimento da
cmara que Ihe ten lo constado que o desembarga-
dor Firmiiio Antonio de Souza achava-se construin-
do duas casas no lado do norte da estrada que vai
para o Pombal, sem que para effectuar semelhante
edilieaeo tivesse a respectiva licenga e cordeagao,
dirigio-se ao mesmo desembargador, e Ihe fez ver
que nao poda continuar nessa edilieaeo, sem que
obtivesse primeiro a licenca, ao que llie respondeu
o mesmo desembargador qae j havia requerido, e
por isso continuava ; pelo que pede elle fiscal es-
clarecimiento a respcito, determinando-se-lhe a pro-
videncia que Jeva tomar. Posto em discusso,
resolveu-se ordenar ao fiscal qae mandasse fazer
termo de achada de infraego, visto que nao havia
licenca, e embargasse a obra ; daado-se tambem
ordem ao engenheiro para ir examinar se as casas
se acham no alinhamento.-Nesta occasiao delibe-
rou-se ofllciar igualmente ao advogado, consultan-
do se o fiscal poda, sem preceder autorisagao ju-
dicial embargar a obra.
Outro do fiscal de S. Lourenco da Malla, partici-
pando que durante a semana linda nada occorreu
ua dita feguezia que deva trazer ao conheeimento
da cmara.Inteirada.
Outro do administrador do cemiterio da mesma
freguezia de S. Lourenco, rernettendo o mappa dos
enterramentos que se" fizeram no dito eslabeleci-
menlo, do 1 10 do correte.Ao procurador.
- O Sr. Gustavo do Reg apresentou o seguinte
requerimento que foi approvado :
t Requeiro que se ordeno aos fiscaes, que quan-
do derem parte de haver imposto multas por falsl-
Itcacao de medidas de lquidos, hajam de declarar
a qualdade das ditas medidas, Isto se de folna
de Flandres, cobre ou ferro, e se estavam ou nao
afferidas, eleGustavo do Reg.
A commissao de polica apresentou os quatro se-
guintes pareceres, o primeiro e segundo foram ap-
provados, o teiceiro mandou-se commissao de
edificages, e o ultimo licou adiado :
Primeiro, a commissao de polica, acerca do ofll-
cio do fiscal da freguezia da Boa-Vista, Jeronymo
Jos Ferreira, datado de 22 de fevereiro prximo
passado, no qual participa que, incumbido pelo
Illm. Sr. camarista tenente-coronel Feliciano Joa-
quim dos Santos, de examinar as obras do sobrado,
sito na ra da Imperalnz, n. 39, procurou primei-
rameute informarse do ex-liscal daquella fregue-
zia, que Ihe declarou ter informado aos 4 de Janei-
ro do corrente anno, a Illma. cmara municipal,
sobre a dila obra, que Ihe pareca estar contra as
posturas, sendo que antes delerminou ao proprieta-
ro que nio continuasse, sendo por isso desobede-
cido pelo mesmo proprietano, e a lllma. cmara
municipal, na mesma data Ihe responden que nio
embaracasse a obra, que eslava fazendo naqoelle
seu predio o Sr. desembargador Alexandre Ber-
nardino dos Res e Silva, visto que reconheceti nao
haver inconveniente era abrir ss janellas, qce es-
tava abrindo; a obra, que esl fazendo o mesmo
desembargada, no predio j dito est vlsivelmente
contra as posturas ; 1, por ter feito nova cornija,
e procedido ao reboco da frente sem iniroduzir o
cano pela parede 2, porque tendo a Illma. cma-
ra consentido, que abrisse janellas no oitio, foram
rasgadas portas e> collocadas mandas de ferro ;
passa a expor fielmente o que existe a este respei-
to, e a dar o seu parecer, cm vista do que consta
do archivo desta cmara e sua contadoria.
Em quaolo primeira parle desse oflicio ver-
dade que o ex-liscal daquella freguezia, naqnella
data cima referida, representou contra aquella
obra, e naquella mesma data a cmara transacta
ordenra-lhe, que a nao embaragasse, por nao ha-
ver inconveniente na mesma, como ludo consU das
copias aulhenticas das pegas officiaes, que se pas-
sam a transcrever.
Eis o odelo do ex-ftscal:
c lilms. Srs.Cumpre-me trazer ao conheei-
mento de Vv. Ss., que tendo o desembargador Ale-
xandre Bernardiao dos Reis e Silva, dado princi-
pio a abertura das janellas no oilo de seo sobrado
na ra da Imperalnz n. 39, junto ao >olo do s..bra
do incendiado, que foi por esta lllma. cmara, e>-
apropriado para rna, e como me fo>se pr,r Vv. Ss.
ordenado, que noconsentisse em semeHun** ohra,
acontece qne, dirigmdo-me ao dita sobrad, afim
de inlimar ao mestre pedrero, que nao era r> nve-
niente a mencionada abertura das janellas, < nio o
encontrando, entendi-me com o referido desembar-
gador Reis e Silva, que se achava na ocea-i) na
loja do sobredi lo sobrado, e fazendo Ihe a intima-
gao, elle respondeu-me que nao me atieiuiia, e que
s deixaria de mandar continuar abrir as joe|la.,
quando fosse por esta cmara jodirialmenta en
bargada a sua obra ; o que rommoniro a Vv. s^
para providenciaren!, como enteoderein em sua
sabedoria.
Deus euarde a Vv. Ss. Fisra-aro da fre-
puezia da Boa-Vista, I de Janeiro de H63. Illm*.
Srs. presidente e vereadores da cmara municipal
do Recife.O fiscal, Thomaz Augusto de \'d-,- a-
cellos Albuquerque Maranbao. >
E eis o cffiVio da cmara transada :
lllm. Sr.Sciente a lllma. cmara municipal *>
que V. S. Ihe expoz em ofllcio de bap ; manda
co;i)municar-lhe que nio embarace a obra, que es-
t fazendo era seu predio da ra da Imperalnz. o
dozembargador Alexandre Rernaniino do- (tris .
Silva, vista que tem reconhecido nao haver inron-
veniente em abrir elle as janellas que eslaabrinl
Dos guarde a V. S. Secretaria da cmara mu-
nicipal do Recife, 4 de Janeiro de I8fi.i.
Illm. Sr. Thomaz Augu>to de Vasconcellos Albu-
querque Maranho, fiscal da freguezia da B-.a-Vi-
la.O secretario Francisco Canuto Ja Roaviageni.
Mas nao exacta, que a obra desse predi,
esteja vezivclmcnte contra as postnra--, por ? ter
procedido ao reboco da frente, e feilo nova cor-
nija, sem que se introduzisse o rano pHa p.ir..d- ;
e se ter rasgado portas no oMo, e rollocado va-
randas de ferro, i-ndo a Illma. cmara con.-i-ntido,
que se abrisse janellas no oilio.
A postura addicional de 14 de julho de 1858, no
artigo 1." diz o seguinte :
t As casas que se edificarem cu reediBcarem,
tero canos internados as paredes para as
aguas pluviaes vazarem sobre os passelos, fican-
i do as boceas dos canos sobre a superficie dos
mesmos passeios. >
E, a contadoria forneceu HH copia anthenlica
do que consla da mesma, escripia ne^cs termos :
Exercicio de 1861 a 1863.
Imposto de cordeagoes e liccncas.1861.
t Oulul.ro 12.Recibido do dezembargador Ale-
l xandre Bernardino do Reis e Silva, importancia
do imposto para rebocar o oit i de sm sobrado
t n. 39, sit na ra da Imperatriz, abrir cinco
portas no primeiro andar, cinco ditas no sgcn-
t do: cinco janellas no-terceiro, e duas duas no
solio, e estrellar a porta coch'ira existente na
t frente do predi o. -37*000.
t Contadoria da cmara municipal lo Recife, 6
de margo de 1863.O contador CaetanoSilver:.
da Silva.
Ora, se a casa de que se trata nao tai edificada.
ou reedificada pelo dezembargador Alexandre Ber-
nardino dos Reis e Silva; pois que apenas reb->-
cou a sua frente o oito, e fez c rnija, e e pagou
a quantia de 375000 proveniente do imposta de
liccncas para abrir portas, e janellas no oito da-
quella sua casa, desde o primeiro andar at o so
lio, reboco do mesmo e estrellar a .-ua p irla cu-
cheira; claro est, que nao Ihe applicavei aquel-
la citada postura addicional de 14 de jolito de
1838, tambem alcangou licenga para abrir portas
no oito daquella sua casa, no priniei o andar e
no segundo; e debaixo deste ponto de vista, a
obra feita n'aquelle seu predio^; em vez de estar
V'zivelmenle conlra as posturas, romo foi infor-
mado pelo actual fiscal da freguesa da Boa-Vate,
na segunda parte d'aquelle seu officio p^as duas
razdes que aprcsenlava contra a mesma; pelo con-
trario, est vezivelmenle de conformidad* com as
mesmas posturas, e liccncas alcangadas para a
sua factura.
E porque, do documento forneciJo pela contado-
ria, cujo theor j fica transcripto; nio consta, que
se tivrsse pago o imposto da cornija, que se Riera
n'aquella casa ; das varandas, que f >ram colloca-
das as seis portas, que foram rasgadas no sen oi-
to; e do reboco, que se lizera n'um dos seos
pavimentos; o que tudo importa na quantia de
quinze mil reis, em vista da tabella, que regula a
arrecadaco desses impostas municipaes, senil
doze das seis varandas, dous da cornija e mil reis
do reboco du ura d'aquelle- pavimentos; deve-se
mandar, que a contadoria orgauize uma coala des-
se debito, para que apresenlada quanto antes ao
propnelario, pelo procurador desta cantara,
mesmo seja pago pelo dito proprietario, qne ne-
nhuma duvida ter em satisfaze-lo, em vista da
sua reconhecida probidade.
Pago da cmara municipal do Recife, 15 de
margo do 1863.Thomaz d'Aqoino Fooseca, Dr.
Joaquim Jos de Miranda.
2.aA commissao de polica, acerca do odcio
do fiscal da freguezia de Santa Antonio, CaMaao
Pinto de Veras, datado da 27 de fevereiro prximo
passado; no qual declarando, que deve dar e.vru-
gio ao artigo 2.* do titulo 3. das postaras de 30
de junho de 1849, qne determina, que os predio
urbanos devero dar expedigo as aguas pluviaes,
uma vez que tenham sumidouros nos quiolaes. c-
benos com ralos; roga que se Ibe esclarega se de-
vem ser multados es inquilinos, que fazem esco-
lar as aguas para as roas pelos canos existentes.
que dizem ser feitos antes da postara, e sea estar
feito como determina a mesma postara; por isso
que encommoda a sade publica; passa a eraiinr
o seu parecer, como abaixo se segu.
E' verdade, que o artigo 2.* do ltalo 3.* dessas
citadas posturas de 30 de junbo de 1849, assim
concebidu :
t Os proprietarios dos predios urbanos devero
c dar expedigo as aguas das chuvas, qne se ac-
eumularem em seus quintaes, fazendo sotwdoa-
i ros cobertos com ralos, mas nanea abrir ca-
c nos, que despeijem para a roa; podendo para
i evitar isso, fazer sumidouros as roas : os la-
c fractures soffrerio as penas do artigo aoteeedea-
c te. A cmara municipal marcar nm praso es
i que dever ser feita esta obra. >
E, o artigo 6 da postura de 10 de novembro de
1855, accrescenta o que se passa a transcrever :
c Todos os moradores da cidade sao obrigados a
< conservar 1 i rapos, sem lamas, e imrouodicias,
< os quiolaes das casas de suas rezidencias, dando
< fcil esgoto as aguas pluviaes, e eobriado-os
c com uma carnada de areia limpa, cozhmhmmo
a em vigor o disposta no artigo 1* litlo 3.* das
posturas de 30 de junbo de 1849. Os otracio-
res incorrerio na mesma pena do artigo aate-
i cedente. Esta limpeza ser feita as expeasae da
c manicipalidade nos quintaes das casas nabUnda
i por pessoas nimiamente pobres. >
Mas d'aqui nao se segu, qae devam ser multa-
dos aquelles, que em vez de darem expedigo ae
aguas das chnvas, que se aecttmalareni nos ijpia-
taes das suas casas, fazendo sumidoaros caberlos
com ralos; pelo contrario, abrasa, oa
aberto, antes ou depois d'aquelias postaras,
3ue despeijem para a roa, por ser isso |
o, e al imposto pelo artigo 2.* da postara i
conal de 14 de julho de 1858, que i
seguinte:
k


-?T
Diario de Y ernauibuco SeKa era 9 de Julho de 5 885.
Despczas goraes.
Caixa .........
As existentes, c as que se liouverern de eon-
truir, loria caaos por onde se esgotera para a '
ra as aguas uluviaes, que se jumarem nos seus
qulotaes. i
E ruste sentido, com urgencia,-se deve ofllciar
ao respectivo fiscal, para que seja esclarecido a
tal respeito, ficanilo certo desde ja, que se por es-
863 canos se der expedidlo a outras aguas, que
nao sejam pluviaes, ou causem daino saluorida-
de publica, deve rom toda actividade representar
esta Ilustre cmara para que se tornera as de-
vidas providencias.
Pacu da ranura municipal do Recife, lo de
margo de 1865. Thomaz d'Aquino Fouceca.Dr.
Joaqun) los de Miranda.
3/ A commisso de polica, acerca do offlcio do
fuoal da reguezia de Santo Antonio, Caelano Pin- Banco da Bahia N'/C
tu de Veras, datado de 27 de fevereieo prximo Aluguel de casa .
passado, no qnal, declara que querendo dar inteiro Fi'rneciraenio .
cnmprrento ao que dispde o art 18 tit. 7o ilas luros...
posturas munieipaes Je 30 de junho de 1849, sobre
calcadas, e passeios eos predios; e allegando os
respectivos pri prietanos, que nao pode presente-
mente ter lugar adisposicao do referido artigo, (ior
se estar raleando as ras desta cidade, e inutilizar ',
esse calcamento-; cu factu/a de calcadas, e pas-1
seios dus predicss pede (|u se resolva e.-sa duvi- Capital.....
da.afnn de poder obrar como fr mais conveniente ; I (Ern circula-
pas.-a a emettir a sua opinio ne.-tes termos. Emssao< cao.....
E' verdade, que o art. 18 do til. 7* das citadas (Er caixa..
posturas de 30 de junlio de 1849. diz o aegointe : i
Todas as casas arruinadas serio guarnecidas Depsitos da direccao
de | asseio de dez palmos de largura as mas, e do
seis i almos as traveseas : os propietario* serio
obrigados a ccmcerta-los todas as vetes que liearem
arruinados : os contraventores sero multados em
2uatro mil ris, sendo o conctrlo feilo a custa
elles.
Mas, e?se artigo dessa citada postura esl revo-
cado pelo art. 4. da postura de 21 de novernbro
de 1863, i|Ue assim concebido :
c Fica revogade o art. 18 du lit 7.das posturas
de 30 de junho de 1849.
E, aeste oso s resta que se faca cumprir essa
ultima postura, que a bem deste artigo, conten
mais tres, que sao do seguale llieor :
Art. 1." Os passeios, que era virlude do dis-
posto no art. 18 do lit. 7.a das posturas de 30 de
junho de 1849, tiverem de ser construidos em
frente das casas, lerio a largura proporcional da
ra respectiva, observndose a seguinte tabella :
Largura das ras : largura dos passeios de lo
23 palmos :3 palmos: de 2C a 3o palmos : 1|8
de largara ll7 da largura da ra : (o a C, 4) de 40 a 35 1/6
da largura da ra (7, 5, 2, 1 :) de 56 palmos
para cima 10 palmos.
Ai l. 2." Em caso alguro os proprielarios serio
obrigados a con>truir passeios de mais de 10 pal-
mos de largara, neni menos de 3.
5 1." .Nos beecos, e travessas de largura infe-
rior a 15 palmos, podera deixar de liaver passeios,
se na occasiao do ralcamenlo, assim o julgar ne-
cessario reparlicao da;, obras publicas, para mais
facilidade do servlco e escoamento das aguas.
Art. 3." Os infractores dos artigos aniecedeoles
sero multados na quantia d^ dez mil ris, e no
duplo da reincidencia, e obligados alm disto a
construirem os passeios da conlormidade cora a la-
bella mencionada no art. i..
. Assim, pois, oaqaellas ras desta cidade, onde
nao se tiver comecado o seu calamento, al que o
mesmose faca, os respectivos proprietarios devem
construir, ou concertar os passeios, as frentes de
suas casas, beecos e travessas, de conformidade
com o que esl disposto nessa ultima pu>tura ; e
nesle sentido exlraliindo-se copia des.-a niesma
postura, que ser remedida ao dito l^cal, e aos
outios das freguezias desta capital; se dever offi-
ciar a todos, para que, marcando-se um prazo ra-
soavel aos mesmos proprietarios, que nao tiverem
feito esses passeios, ou estiverem com os mesmos
arruinados; facam ser cumplida aquella mesina
postura, com a brevidade, qut esliver ao alcance
dos mesmos.
Paro da cmara municipal do Rerife, 13 de
mareo de 1865.Thomaz d'Aquino Fonctca.Dr.
Joaquim Jos de Miranda.
Foram lidas duas peticoes, urna de Innocencio
Xavier Yiauna, e outra de Manoel Joaquim de
Miranda Seve, pedindo o lui'ar de fiscal da
reguezia de S. Fre IVpro Goncalves, visto ter o
re-peciivo proprietario Manoel Ignacio de Oliveira
.\tlV0 I5.\.\0 BE PEHNAMIilCO. Maititi'>;t. le 12 anuos de idade, mais ou troca em lvida ou nagra, e termina ern gangrena, e
Balaucetc do Novo Banco de JVniaiubucu em 30 de menos, descairegaiido sobro ella tuna faca- p?r essa raza0 1ue 6 conveniente o xarope al-
junho de 1865.
ACTIVO- .
Apolires da divida publica........
Estrada de ferro de Pedro 11......
Estrada de leo d3 Bahia........
Deposito.........
Jnins depositadas......
Titulos depositados......
Letras depositadas......
Letras caucionadas.....'
Letras descontadas.....
Letras receber......
Letras protestadas.....
'4:3305000 pectivo corpo de delicio, verificou-se a gra-
1:197:927^3152 vidade da offensa feita em minha escrava:
PASSIVO.
543:4505
5305

da fine C7 rlpitar nan fi\n-oran/lP nnppSn cool,co de veame na infuslo de flor desabugo.para
ua que rez aetiai pata lora grande porcao se conseguir resolver a inuammacao, ou pelo me-
7fiRfi72 if,(i: oosooo conlra criminoso, por me adiar entSo gangrena.
ru:07W7or. prosirado das febres que grassavam : fot <* effeims do xarope alcooiico de veame appii-
VnuOVHK sso em n me-/ re marro nliimn A inc.i cado Da fl0r dl! Si,buB ao doenIe> Da0 f0 e de van"
-rix*> wr ? C "mmo- A Justl_ tagem por sua qualidade diafortica, como pela
finoQR^rvm ca l)ub,ica lpou a dtanteira nesle negocio, auti-septica para impedir a putrefaccao as mo-
i'roSvS! e tendo ofnesmo Sr. Victorino feito o res- lesna*.
Xalerysipclla nao deve o enfermo nos primeiros
tres dias nsar de comidas e bebidas que possam
esquentar e inflammar n sangue.
9n7:fisf ri> e" delega(lo> Ii-'Cnqt!^5 desprevenido e que s visava o inleresse da vegetal, comn sag, farinha do Maranho, potor-
-57M000 as,'5. deu ordens para ser capturado o radu bolacha, etc.
.' u/irtuX orm;o n n-.- ,i. n Anda nao vi axpositor de medicina que aconse-
2SS? crirnmosn' e_ lJ'a" de Pernambnco an-|asse (,e nos primeiros tres dias de acommetti-
-%ras DUDCiou este fatto. Foram inquiridas as tes-1 mentes do mal, nao ;se usasse de medicamentos;
* tenuinlias, as quaes foram apontadas por que elles repeliera sao os ungentos, unturas que
Jos Antonio Campos, sogro do criminoso 'obstruem maise repellemdo que promovem a eva-
x >-tnn.-n <-., i- l. cuacao da parfe ; o que convem trazer o lugar
se Antonio Gomes, e qnando vmham para aUrvau0 e bein agnado para ajdar a traosprra-
a villa eram acompanliados pelo Sr. Antonio ci e defender do ar.
Gomes Barbosa, pai do reo. O verdadeiro xarope de veame vende se na bo-
Inqu ridas as teslemunbas, foram os autos n'noSdaua Direila u' ^ de Jos da Rocha Para"
com vista aoSr. Dr. Jos Mara, promotor.n ,nb0 receblU0 carlas de algumas pessoas de
interino da comarca, e tendo elle requerido outras provincias que me communicam ter desta
800:1755152
Beis.... 3,7H:9045855 Jo
2,000:0005000
4:0005000
Letias por dinheiro recebido a
juros ..........................
Cuntas correntes com juros .
Contal runntei >iinfles..........
Fundo de reserva......
Ttulos em cau^ao.....
Knowks & Postar, ( e Lo. .f-.i
Banco da llahja S/C ....
Francisco de Fig'ueiredo & C, do
llio de Janeiro................
Saques........................
Ifassas fallidas cargo do Banco.
Dividendos........
Premios de saques e remessas. .
OSeonlos........................
114:(G95000 a utos. conclusao do Sr. delegado Victorino,' ^0?s do^lS'
^I:S}*!S ,le . -' ,s.k1a que cu fosse intimado para respunder a um cidade sido rcmeliido o meu xarope falsificado,
auto de per/untes, sttbiram os respectivos Ie t-m dado resultado ao descrdito de minha
preparacao, cujo conheetmeato se lem verificado
tos que taes remidios aprsenla va ;
TO .u ..-.-..., pvio, tenho a declarar ao publico que no
-:;' ^(." da nao desceran! ao cartorio, com despacho', lelrelro que vai pregado na garrafa do xarope,
I07:99:i5740 sem elle l Sendo milito para admirar e ^m','re {f. ^goado por meu uunho, e daqui em
155270 sorprender que o Sr. Victorino, nao sei com SffiSfSft? SSSSTK SS p
is^bso^boj que fundamento, ncm por que razao, inutili- blico que quando forem assimjenganados, tomem
rtulos falsificados e
*> .votivo o art. 10/ do
10:1705097 me, veio a jutzo, assistto a ultima tnq
3:0905000 cao, foi interrogado, confessou o crime e re-
I03i80zl
a Maneel Joaquim Ramos e
20 dilas amenJoa
Silva & (euros.
33 ditascevada ; a A. Alberto d Souza Aguiar.
6 ditas-linhaca, 8 rolos drogas e 3 caixas bro-
chas ; aJoap da Silva. Faria,
Secretaria da thesoQraria provincial de Pernam-
buco, 4 de julho de 1863.
O secretario
.1. F. da Anmuwiaro.
Be-irb *Larris 'vinh; a j-j- Gonca"e sssssrs 3?snsa. B0
rtf AStfist- a A c da at'SSM^^arauatiE
Trindade ancoreta vinagre a A. t. da com 0 repec,vo orcamento, e as in,trorcoes do
4 voiumes ignorase; a ordem. ^8seDlie'r0 encarre*ado da -o* 'ral.a-
ALFAXDEGA DE PJSRNAMBUCO. .J*iJ'***.1** *" *.m daas Pre pauta nos i-negos dos gneros sjeitos a diheitos Ces ,.f!Uaes a ,,r,,neira 1uani10 e$,,vcr "**
DB EXl'ORTAQAO. SEMANA DB 3 A 8 DO ME:! DE
cento
caada
i r- iwn SOu a ''"dem de prisao j nomeada, de sorte lestemunhas, me remettam os rolulos falsifica
SaBen qae Jos Gomes, acensado de um grave cri- ^^'S^ E,eltcliv0 art ,
"SS m' !t.' jUZ0' aSSSt0 UlUma n^r-; Jos,: da Rocha-Paratm.
3:0905ooo cao, fot interrogado, confessou o crime e re-
, 4.gif*37o l'rou-se para sua casa !!..............
"*' E l est dizendo e grilando, que o cri-
. -. .-.-
A jtit'iihrba.
As virtudes therapeutieas da jurubeba sao desde
Deiuonstraro da emisso.
1432 notas Jo valor de 2005O0
liis. 3,7i:905s35 me delle acabou-se, que est livre, zomban- _
^^ i i c \t- muito conhecidas nao so no Brasil, pois que de las
----------------do de mim, e o Sr. Victorino com o procos- tratou Pis
so na salgadeira.
on em sua excellenle obraHistoria m-
A minlia escrava acha-SC fr 1937
1278
1005000
505000
Reis
Lob.t re|iierido sua auosentadorii.Postas era dis-
cussid, c Sr. Gustavo
Estado da cana.
Km ouro amoedado .
Era notas do ihesouro de 105000
Em ditas nHi.ore .1. 105
Km noias da caisa lilial do Ban-
co do Brasil. .....
Era notas do proprio
flan-1", sendo
2 de 2005 4005
1 d 1005 1005
1 de 505 505
En 1 rata e cobre.
Iba, miilhcr do reo, e por Joaquina de tal, n recouhecerem elles essas virtudes, mas sim a
moradores todos em Malta Virgem, tendo ?'M "S! e.nc0llliad:isfCm facilidade e em todas
n .....:., 1,___ ,. n .-, 1 a estacoes do anno os fructos dessa planta, e a re-
elles applicado rnica era lana-quantidad',
384:8205000
337:41,45000
43:7105000
0:4245ooo que conseguirn! fechar a facada, e foi por
sso que appareceu o volumoso tumor de
que acabo de fallar, depois de cojo appare-
cimento minba escrava tem soUridoxinco
ataques.
Tem-se procurado todas as tricas, todos
os embustes, para que eu seja bgrado, e
pugnanciaJque (presentara o
uso do sucio desses fruclos.
5305000
7:2075152
deentes em fazer
em consequencia de
ser extremamente a/nargo.
A jurubeba -nao '-deseouhecida dos botanistas :
esta planta pertence familia das solaneas, e tem
a denominaco de solanum pamculatum, que lhe
foi dada por Lyneo.
Pareceudo-nos conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
nao faca vigorar o meu dircito ; e e por isso; bom elle nao o un extracto alcooiico que pode ser
que venllO imprensa, chamando a preciosa applicado era pilulas, mas tambera ura vinho, um
em
Ris. 800:1735152 attencao da primeira autoridade da provin-1 xarope, e um emplastro que pode substituir,
ca, para saber como vo as cousas no Li-! certS caso?' de Vig0; e e*lamos PersuaJidos 1
O guarda livros
Francisco Joaquim Pcrciru Pinto.
MHHM
rfIOs
u
.lida
de
o cx-siibdlcSogado
Dnas llarras.
Ao nublico.
Posteriormente publicacao que Gz, mandoii o
Sr. presidente da provincia instaurar conlra mu)
oprocesso competente para verilicar-sc a exadi-
dao dos motivos, que delermiuatam a minl a de-
missao.
Nao me queixo, acceito polo conlrario rom pra-
zer o acto que eu mesmo solicita! como iudispen-
savel complemento do juizo, que S. Exc r:auifes-
tou, exonerando-me por dar usylo a criminosos.
A esse respeito limito-me, ate que a verdade
com isto presiamos um servlco humanidade e
moeiro. Hullas outras cousas sobre o mes- therapemica.
mo laclo Cerillo de trazer ao publico : por; Pisn, tratando da hydropesia, prescreve
ora li:o aqu.
Limoeiro, 3 de julho de i 803.
Celestino Ferreira da Silva.
mrrrri.x'-i tsxvitwv-t.- r^
icio parece emlim conircar, nao seja somente pa-
a niiin. E' vastissima a seara, e inmensa a hou-
pelo eserivao lgueira para se realisar a venda
aos escravos Jos Henriques.
Este faeto foi presenciado por quanlos se aclia-
vam reunidos na sesso do jury, nesse dia. O Sr.
Uuilherme ficou fulminado ; sentio eniao todo o
| peso da ignominia que lhe allrahtra o procedimen-
to que leve no legoelo criminoso de que se trata-
va, e em que elle, sem escrpulo, assumira o lu-
gar de juiz presidente do juiy I '
O recurso que leve foi mandar recolli t o accu
do llego pede a palavra, e
declara que pelo faci de ter o fiscal pedido ao go-
verno da provincia para o aposeutar, nao se segu
que o lugar esHvesse vago, por isso enteude que
nao devia ser prvido o mesmo lugar eni quauto
no boovesse deciso. ra que ha de ter o segador...
O Sr. Santos oppe-se ao pensamento do Sr. Gus- Para facilitar a realisaeao d'este desejo, no qu_
tavo, firmado em que o fiscal, (piando requereu concerne ao termo de Seriuhaern, irei Irazendo ao
para ser aposentado, foi por nao poder continuar a | eoubecimento do publico edogoverno todas as
servir, gjn vista do que a cmara podia substi-
lui-lo.
N;io havendo mais quem pedisse a palavra, foi
posto a Votos se devia ser dispenso o mesmo fiscal
Lobo, passando nesle sentido, votando contra o Sr.
Gu-tavo do llego.
Pas-audo-se a proceder a nomeago de quem
devia substituir ao fiscal dispenso, recatue esta no
Cidad&o Innocencio Xavier Vianna, volando con-
tra o Sr. Gustavo do Reg e Thomaz de Aquino.
Foram tambera lidas. tres peticoes : de Pedro
Americo da Gama Duarle, Jo.- Pacheco de Qucro-
ga e Augusto Carlos de Souza Magalhes, tolos pe- i
dindo o lugar de fiscal da reguezia do Poco.Pos-
tas em diseussio, o Sr. Gustavo do llego pede a
palavra, e nondera que estando o lugar prvido, me Cintra, se sabia o motivo porque era
nao podia ser altendida a prcleucao dos peticio- do, respondeu assim o mesmo .Manoel Carlos Lei-
narios. ia) com lodo acento de verdade
O Sr. Dr. Miranda pede a palavra, e de
clara que, sendo tanto o actual fiscal do P050,
como um dos preiendentes do mesmo lurar, seus
primo-, averba-ae desuspeito nesta questao, enella
nao toma parte alguma.
I O Sr. Gustavo do llego pede a palavra, e requer
que fosse onvido nutro membro da commisso de
polica, visto que o Sr. Dr. Miranda, membro dessa
comini-sio, deu-se de suspeito, para iuformar se
algum motivo existe pelo qual o actual fiscal seja
dispenso de continuar no exercicio do cargo.
Assim se resolvcu, Gcando as peticoes adiadas.
O Sr. Santos pede a palavra, que sendo-lhe con-
cedida, declara que a cmara deve conservar os
empregados que forera de sua cor.lianca, e nao es-
tando o actnal procurador nestas condcoes, propoe
que seji dispensado do mesmo cargo," e nomeado '
para sublilui-lo o cidadao Francisco de Paula e
Silva.
Posta a propesta em discussao, o Sr. Gustavo do
llego ped a palavra e oppoe-se dizendo que nao
v motivo para ser dispenso o procurador, que
cumpre com os seus deveres, que nenhnma causa
pesa sobre elle para lal dispensa, pois que sempre
lem deseinpenhadp com zelo e actividade as func-
coes de seu cargo, e tendo sido encarregado por
muas vezes de cOmmissoes importantes; a todas
tem satisfactoriamente de.-empenhado, sem que
nunca hoaves?e contra elle reelamaco alguma;
fazendolmuitas outras ponderales, conclue decla-
rando que vota contra.
O Sr. Dr. Miranda pede a palavra, pensando co-
mo o Sr. Gustavo do llego, aecrescenta ainda que
con.o membro da commisso de polica, que exa-
minou as contas do procurador, e todo o archivo a
cargo do mesmo, nao encontrou cousa alguma que
o drseonceituasse, pelo contrario conservava elle
ludo na rnelhor ordem, regulandade e limpeza.
O Sr. Aquino Fonseca membro tambem da com-
misso de polica, pedio a palavra e disseque refe-
ria-se a respeito do actual procurador, a ludo quan-
tb acabava de expor o sen companheiro.
Nao havendo mais quem fallasse, foi posta a vo-
tos a proposla do Sr. Santos, a qual importou por
terem votado contra ella osSrs. Thomaz do Aquino,
Gusiavo rio llego e Dr. Miranda.
O Sr. Pereira Simoes usando do voto de qualida-
de que Itii da a lei, desempatou a favor da proposta
ficando j)nr con-eguiute dispensido o procurador e
nomeado o cidadao Francisco de Paula e Silva.
Em seroida o ex-procurador pede a cmara 8
das para prestar as suas conlas, visto que as nao
podia prestar com presteza.
Posto em discussao o pedido do ex-procurador, a
cmara resol ven que continuasse elle interinamen-
te a receber e pagar durante os 8 dias, e al o Gm
do nez li itiidar as mesmas comas.
Mandatara expedir tojas as communicacoes oes-
te sentido.
Despacharan!-se as peticSes de Antonio Pedro de
Sonza Soares, Antonio llamos, ,;i nselhelro Firmno
Antonio de Souza, da cempanbia Pernambucana,
Joo Baplista de Oliveira, Luiz Jos da Costa Am-1
rim,Lourenco Jos de Morra Carvalho, Manoel j 8 tanas, 4o suppl nte do
Joaquim de Miranda Seve,Innocencio Xavier Vian-
na e levantou-se a ses-ao.
Eu Francisco Canuto da Bo. Vlagem, secretario
a subscrevi.Luiz Jos Pereira Simoes, pro-presi-
dente.Santos. Costa
PDIliOGOM P19D0
C3-Poroado dos Montos (l a )
Lendo um imparcial morador no povoado dos
Montes em Una, urna (lergunta feita no Diario
n. 151, ao Si', eommendador. O iinparcial, sabe
que as esmohts foram revertidas para obra da
Igreja de ?ossa Seotton da Cinclelo dos Montes,
cid TrombeU (l'aa) e alera destas esmolas mais
outro dinheiro que o mesmo conmendador gastou
a de-
coegao das raizes da jurubeba, e Mral e Delens,
\ em seu Diccionario de materia medica e therapeu-
j tica, dizem que as Andinas se faz uso do sueco
I dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
rho vesical ; e a autoridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por isto cuidaremos de terem
nosso estabelecimento essas raizes,para que possam
ser experimentadas.
A repula?ao da jurubeba tal, e os .resultados
therapeulicos oblidos ltimamente sao to impor-
tantes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, que tica escripto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
_ de sua propria alg'beira, para as obras da igfefa. O
sejajulgada definitivamente, a desojar que o rigor iinparcial sabe que o Ilvm. vigario, nunca tiru
do programma dajusliga c moralidade, cojo exer- esmolas p-.ra dita igreja, pelo contrario, exigia do
n
a
M
3.
ERGIO.
cido ueste povoado e sabemos quauto se presin
para a obra da dita igreja.
O imparcial.
iuforinagoes convenientes que puder colher.
Atienda S. Exc. para o que vou expor.
Fuuccionava e jury do termo de Serinhaem e
tioha de ser julgado, por crime de e.-lellionato,
Manoel Carlos Leito de Albuquerque, fillio do de-
mente Carlos Leitao de Albuquerqu.
A historia desse processo, deque ia tomar co iri.icil io irt iIp [.>..,,
nhecimenlo o tribunal do jurv, conhecida. O *nacattnita peiCOMI ClC KCIJp.
Sr. Guillierme Cintra, antes de ser juiz municipal,] .Lma simples tosse pode chegar a ser mortal se
fot um dos que promovern) a extorso frauiulen-' "i" se atalnarl a lempo; porm evitar-se-ba com-
a, que deu fundamento a accosaco do referido
Manoel Ca lo.- Leilao de Albuquerque, e de seus
cmplices.
Na occasiao, porm, em que este foi interrogado,
em pleno auditorio, pergnntando-lhe o Sr. Guilher-
oomraendador os emolumentos dos enlerros feitos ( ?^ rn
no ceraiterid da referida igreja, o qual lora feito C'OtacoeS OlUCiacs.
pelos habitantes do mesmo povoado, e mesm > estes 6 de julho.
emolumentos lio pequeos e raros, o coinmenda- Algodao primeira sorle IG5000 por arroba.
dor os reverta para as obras da igreja. A mes- Algodao de Macei 165800 por arroba post
qainha perfuma feila ao digno Sr. eommendador, bordo.
nao pode ollemier-lo, porque muito bem conlte- Cambio sobre Londres90 d/vista 2i 1|2 d. por
posto a
15100.
ubourcq Jnior,
Presidente.
Guimaraes,
Secretario.
Caixa lial do 'anco do Brasil em
Pcrnanibuco.
A direotoria desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no llio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
tibiamente o Rengo fazendo-se uso immediato da
ANACAiniTA pfiTORAL oe KEMP a qual mediante a
sua benfica 'influencia laz ceder rpidamente
imtacao dos pulmoese garganta ereslabelece sua
accSo vigorosa, regular e saudavel. ivftVft h.nca ,u liapn-inihiipn
Os que dizem que a aslhma incuravcl mu.to se 'J0; D enganam. i Os administndores da massa fallida de Joaquim
Essa fortificante composicao vegetal subjuga essa Jos Si,veira Papa"1 1o dividendo de dita missa
' Que era porque,Trazend" urna proenracao de afili,,|iva molestia, ainda mesmo quando debaiso na razao de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
seu pal para vende/ uns escravos a Jo- lenri- das ***** as mais obstinadas e aggravantes. As mtodos no novo banco de Pernambuco a ra
ques, perder dita procuracao em Serinhaem ; po- anc'nas nunca lerminarao em bronchllesa tosse ao 'rapicne n. di.
rm, que o mesmo Sr. Guilherrae lhe dissera, que ern t'fi'ys'ca- nem a rouquidao era asihma, se des- ^..T^p
por falta de procuracao, nao havia inconveniente. ^,,0f e,n Seus principios forera aialliados com es- R.n(,_.nln(,ft a9 i >\
porque elle daria una outra para se effectuar o Valsan vegetti snavtsador e sedetivo; seas be- enaimentodo.dia 1 a o......
uegocio : que tinha una era branco, assK-nada *&* enltos sao prornptamente executad .s as luem uo uu o...............
pelo pai delle .Manoel Carlos Leito para tratar da 5n"oWades dos pulmo-s, dos vasos bronchlos e
cobranca de urna letra de Antonio Lins, e esta ser- ua Pleura.
viria : i|ue, elTeeti va mente, a procuracao Toi cheia 0(,c-se a^'iar a venda em todas as boticas e to-
jas de droga.
Vende-sa as pharmacias de Caors & Barcosa e
J. C. Bravo & C.
84:7075621
26:8115995
JL1I0 de 1865.
Mercadorias.
Abanos......
Agurdente de cana ....
dem resillada ou do reino .
dem caxaca.......
dem genebra......
dem alcool ou espirito de agua-
ardente ........
Algodao em caroco ....
dem em rama ou em lia .
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado .
Asquear mascajrado ....
dem branco.......
rdem refinado.....
Azeite de amendoim ou mendo-
bim........caada
dem de coco......
dem de mamona ....
Batatas alimenticias ....
Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
dem fina.......
Caftbom .......
dem cscolha ou restolho. .' .'
dem torrado......
Caibros ....
cai........; ;
dem branca ....
Carne secca (xarque) .
Carneiros .......
Carvao vegetal .' ." ." .'
Cavernas de sicupira .
Cera de carnauba em bruto. .
dem dem em velas .
Cha .........
Charutos .....'
Cevados (porros) ....'.
Cocos (seceos) .
90lla ... .."..'.'
Couros de boi, salands'. '.
dem dem seceos espichados ".
dem dem verdes
dem idem cabra cortijos" .' .'
dem idem de onc^a ....
Doces seceos ......
dem em gela ou mass '. '.
dem em calda .....
Estaadores grandes .' ." .'
dem pequeos...... ,
Esleirs para forro de estivas
de navio........cento
Estopa nacional .....arroba
Farinha de de mandioca .
dem de araruta ....
Feijao de qualquer qudlidade
Flechaos ......
Fumo em tolha, bom .' .'
dem ordinario ou restolho
Idem em rolo bom ....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinhas ......
Gomma....., .
Ipecacuanha (raiz) ....
Lenha em adas ....
Toros........
Linlias e esteios
Unidades. Valores.
15500
80O
800
380
SDO
900
arroba
1
<
>
arroba
libra
um
arroba
um
arroba
urna
libra
cento
um
cento
libra
c
I
>
um
libra
um
alqueire
arroba
c
um
arroba
urna
arroba
cento
um
arroba
ura
quintal
um
urna
1
1
molho
cento
um
35500
205000
105000
libra 15000
:.->o
alqueire 400
arroDa 255000
55000
75000
25000
1405000
875000
>
urna
duzia
111:5195610
--(2>-W=n=.
Erysipella.
O medicamento que com mais influencia
MOVIME.NTO DA ALFADEGA.
Voiumes entrados com fazendas___ 184
< com gneros..... 367
------- 551
Voiumes sabidos com fazendas..... 33
com gneros..... 537
-------570
Descarregam uo dia 7 do corrente.
e ener-
fiJl'Cm,,a,i1d0 ^sa "i eufermidade, tem Brignelngei '//t-me'rcadoris?
sdo o xarope alcoohco de veame. Pat|cho nglei-Tinra-idem.
Barca inglezaVeston mercadorias e ferro.
Lugre inglezProsperobacalho.
Brigue porluguezf/onm/adiversos gneros.
Escuna porluguezaD. Joocharque.
Brigue nacionalCarillaidem.
Patacho hollandezDenyidem.
Escuna diuamarquezaoranaidem.
foi sempre assim que se exprimioT como cnTude I A Sra7D.'Senhorinlia'Urn"be'lna dos Santos, mo- fS^iZT-Zn-^Z-Xm
cerlidao unida a urna peliyo de habeas-corpus rador na ra das Calcadas n. 38, achando-se ata-, rdl,lulu luglel **"* lut'-
-L'ma escrava da mai do Sr Francisco Firmino
sado a priSSo, pnvando-o de ser julgado, e suspen- Mouleiro, pessoa bem conhecida nesta cidade,
deuasessao. achando-se de cama, e com as pernas bastante in-
Esta deliberajao com que o Sr. Guilherrae Cin-. diadas, e cheia de lomores, tomando o xarope de
tra junlou a um crime, um outro crime, foi pie-! veame, aeha-M boje boa, prestando servicos.
meditada O Sr. Guilherme sabia que Manoel \ A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, morador
Carlos Leilao devia responder nos termos preci- na ra Direita n. 51, tendo sido acommetlida do
sos que acuna cara notados, do mesmo modo que mesmo mal, acha-se tambem boa.
Mol ou nielaco......caada
Milho.........
Papagaios ....
Pao Brasil.....
dem de jangada.....\
Pedias de amolar ....
dem de filtrar .....
dem de rebolo ..,'.,
Piassava........
Puntas, ou chifres de vaccas o
novilhos.......
Pranchoes de amarello de dou's
costados.......
dem de louro.....
Bap........
Salmo........
Sal..........
Salsa parrilha.......
Sebo em rama......
dem em velas......
Sola em vaqueta.....,
Taboas de amarello. '. .
dem diversas.......
Tapiocas......
Tatajuba .....'..'
Travs ........
Lnlias de boi ......
Vassouras de piassava .' .'
Dilas de timb.......
Ditas de carnauba ...!'.
Vinagre.......
All'andega de Pernambuco, 1. de julho de 8g
(Assignados):
O 1. conferente, Joaouim Aurelio Wanderley.
O 2." confecenle, Augusto Uns de Souza.
Approvo.-Alfandega dePernamuc, 1 de julho
de 1805.A. Eulaho.
Conforme. -O 4. escriturario, /. de Avila Bi-
tencourt Newas.
ECEHEDOaiA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEHNAM15UCO.
Rendimento do dia 1 a 5...... 5:0195754
Idem do dia 6................ 2:7805SO
7:8005600
CNSUL A no PHOVINCIaT._
Rendimento do da i a 5...... 39:8945'=66
dem do dia 6 .............. 5:747tji8
arroba
quintal
urna
Cento
>
caada
45:6425114
MWniWtft'j jm
Y:m
que encaminbou relagao. E tanto sabia-o, que, cada de erysipella as cxas, cora quatro tumores
antecipadamente mandou reforjar a guardado bastante valumosos, no estado indolente, que a prl-
juiy tal vez para influir uo animo do aecusado com va va de pOr-se de p ha muilo lempo, com o uso
o apparato e osteulacao de forja. do xarope alcooiico de veame e pilulas purgativas
iste mesmo negocio, aules de chegar ao ponto do mesmo, acha-se res'abelerida, e no uso dos me-
de que damos noticia, consta miudamenlede urna
publieacao assigoada pelo Sr. Dr. Thom de Castro
Madeira ; publicado a que o Sr. Guilherrae Cin-
tra, com a cobarda de quem se cou>idera crimi-
noso, naorespondeu, e nerrt o governo atlendeu a
tao grave aecusajao I
Maude o Sr. presidente da provincia instituir
sobre o facto, de. que me tenbo oceupado, o exame
conveniente ; mande instaurar o processo a que o
juiz municiual de Serinhaem deve responder;
mande puniros seus cmplices, a quem elle e ou-
Iiuportaco.
Brigue porloguez Florinda, entrado de Lisboa,
manifestou o seguinte : j
200 pedras para moinho
a Jos dos Santos Oli-
a Thomaz de Aquino
dicamentas os traores.terminaram pela stfppura- veira
qa0A b. un, 32 M> varas de lagedo;
A Sra. D. Rita, moradora na ra do Sania Rita Fonseca Jnior
n. 13, prtmeiro andar, soffrendo do mesmo mal ha 33 pipas e 31 barris vlnho, 6 saceos cera em
muiios armos, pois que a erysipella alacava amiu- grumo, SU caixas cebollas, 50 ditas batatas aTho-
dadamente, depois que tem tomado esse remedio maz de Aquino Fonseca
Unnfr.mam L fe"i a a !- a PPas vinh0 a Henri1ae Leite P. Jardim.
Itros muttos (actos desta ordem deixo de raen- 14 caixas dito; a Jos Goncalves Ferreira da
conar aqu para nao me tornar prolxo e
uno.
enfado-
Seno a erysipella urna molestia que sem duv-
Costa.
2 barris dito ; a Joo Ribeiro Lopes.
4 ditos dito ; a Mathias de Azevedo Villarouco.
2 ditos dito, 2 ditos vinagre e 1 volume ignora-
se ; a Antonio Lopes Braga & C.
16 voiumes obras de vlme ; a Fructuoso Martins
tras autoridades do termo prolegem e garanlem | na elTeito de materia geradafno corpo como ex-
contra a acejo da ju-,lica : somente assim de- pern alguns escriptores de mellieina, e em conse-
montrara que nao ha na admini.-lraeao dous quencia da febre lanjada na pe\le, onde produz
programrnas, um de loferancia para os abusos ioflammacao, e que muitas pessoas^ por nao se te- Gomes
dos poderosos dapoca, outro de extremo rigor rem convenientemente tratado, suecumbem com o
para os que nao sao do partido p Utico, que deve j pernicioso uso de que, nos tres dias uao devem
realisar a felicidade do paiz, e cuja historia em usar de remedio ajgum, o que faz-se eslender o
mal por nao se ter a principio combatido ; por is-
so, pois, conveniente que, logo que alguem se
sentir atacado de tal mal, deve provocar a Iranspi-
rajo tomando ao principio urna colherinha de
_^__^_ cba do xarope alcooiico devlame dissolvfdo em 21
"""*'"" j un'a chicara de infusaode flor de sabugueiro quen- to d"e"SouzT
I Sr DOOSidPntO dfl nnivinoia :6' ad5andoa c,0,n1 mais ***w", continuando nos 2 pipase 50 barris vinho, 15 ditos e 6 pipas vi-
I. sr. poesilieniC a piennriS. iresdias nesse tra lamento no Gm dos quaes usa- nagre, 200 saceos farello, 100 caixas batato* 30
> a ipiprensa para palenlear OS abo-1 ->a do xarope de veame na forma prescripta no re- ditas cera em velas, 60 barris azeite e 105 dito*
SOS .10 Sr. alfe es Victorino Arthins ds Re- ceituano.temto todo o cuidado do se abafar, afim toucinho ; a Euzebio Raphael Rabello.
delegado em ^^^^^^^L^Jl.^*!!^ ^ l caixa cha, 4 d.tas queijos, 3 ditas vinho, 45 di-
cuja
todos os periodos de sua formago foi relatada
assembla provincial.
Recife, 4 de julho 1865.
Fructuoso Dias Alves da Silva.
Ao !'\m
Venli
5 ditos drogas; aBartholomeu Francisco de Sou-
za C.
2 ditos ignora-se ; a J. P. Arantes.
1 dito dito ; a J. J. de Lima Bairo
1 dito dito ; a Rodrigo Moreira.
20 barris chourigos, 10 ditos linguigas, 25 ditos,
10 pipas e 50 ancoretas vinho, 100 caixas batatas,
ditas cha, 250 saceos farello; a Joaquim Augus-
Aat'/o entrado no da 6.
Rio-Grande do Norte16 dias, hiate brasile.iro
Dous Amigos, de 70 toneladas, rapitao AnRmio
Baptista de Oliveira, equipagem 5, carga sal a
C. C. da u. Moreira.
A?/'3 dias, palhabote brasileiro Sobralense, de
97 toneladas, capilo Antonio Gomes Pereira,
eipiipagem 6, carga sal, couros e outros geni
ros; a O. C. da Costa Moreira, e dous escravos
a entregar.
Ass 12 dias, hiate brasileiro Graciosa, de 90
tonelas, capitao Manoel Jos Goraes, equipagam
o,carga sal; a Bartholomeu Loureiro.
Navios saltillos no mesmo dt.%.
MaceiBrigue ingle?. Mellicem, capitao Grier; em
lastro.
BahiaLancha brasileira Linda
Manoel Jos da Boa Morle,
eros.
Portos do sulVapor brasileiro Parahyba, com-
mandante J. J. Martins. Passageiros. parte dos
que conduzia quando arribou a primeira vez.
Obscrvacao.
Suspendeu do lamarao para Bahia a escuna
porlugueza Rosa de Faro, capitao Mascarenha
com o mesmo lastro que trouxe de Maranho.
metade de todo o servico ; e a ultima na concluso
do irabalho.
3." O arrematante eomecar os trabalhn* at o
dia l. de setembro e os concluir at o ultimo de
outubro do correle anno.
4.' 0 arrematante nao tora direlto a indemnisa-
?ao alguma, qualquer que s,j a natureza da aile-
gaejo, salvo nos casos previstos |>or lei.
5.* Em ludo o mais que nao vai especificado as
presentes clausulas, seguir-se-ha o que di-poe o re-
gulamenlo de 9 de julho de 1864.
Conforme.A. F. da Annunctaco,
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, r (Bcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de dircilu especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco seu termo, por sua mage.-iade imperial e
constitucional o Sr. D. PtdroN, a quem Dos
guarde ele.
Faeo saber pelo presente que por r-te juizo t
cartorio do eserivao que este .-ubsrrevtu e fez pas-
sar o presente, corre urna execuc;ao de senlencn,
entre partes como excqmnte Henrique Jos Altes
Ferreira e como execulados os administrad. 1 s da
Q-rvrv' massa ralli,la de Amorim> Fragoso, Santos 4 C, e
^, procegumdo a execncao os seus dt-vid MBOa,
i^rr', prosedeu-se a penhora em dinheiros perli-ncentes
'1 aos mesmos execulados, pelo que o solicitador Ig-
nacio Barrozo de Mello, procurador do eaefmtl
em audiencia do dia 14 de novtmbru me fez o re-
querimenlo do llieor seguinte :
Aos 14 de novernbro de 1864 ne>ta cidade do Re-
cife de Pernambuco, em publica audiencia que aos
feitos e as parles fazia o Dr. juiz de direito operial
do commercio TristAo de Alencar Ar-rioe, ne.la
pelo solicitador Ignacio Harroso de Mil pn cura-
dor do exequente Ileurique Jo Alves Ferreira,
fora acensada a penhora que se segu feita em di-
nheiro perteneonto aos execulados, reqoerendo que
nao s aos mesmos licassem as.-ignadoi os seis dias
da lei, como os des dias aos en dSfM incert -
sando-.-e os edilaes do e.-lylo, e requerendo na nies-
ma occasiao que se passasse mandado de remorao,
para o deposito publico e adiando se presente o
solicitador Miguel Jos de Alrr.eida Pernaurtata
prururador dos execulados. por parle d^.-les pedio
vista.
Termos em que houve dito juiz ambos os reqae-
rimentos por deferidos.
Extrahi o prsenle do protocollo de audiencias, e
junto o mandado e lern.o de penhora.
Eu Faustino Jos da Fonceca, escrevente jura-
mentado o escrevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, eseri-
vao o subscrevi.
Seguindo o que assim se continha em dito re
querimenlo de audiencias, depois do qnal o mesmo
solicitador Ignacio Barroso de Mello, procurador de
exequente, em audiencia do dia 19 de junho do ror-
rete anno, me fez o requeriinentu do ibeor se-
grate :
Aos 19 de junho de 1865 nesta cidade do Recife
de Pernambuco, em publica audiencia que aos (ti-
tos e as partes fazia o Dr. juiz de direito especial
do commeicio, TrislSo de Alenrar Araripe, vlia
pelo solicitador Ignacio Barroso de Mello procura-
dor do exequente H-nrique Jos Alves Ferreira,
requerido que haveiido-se desencaminhado os pri-
meiros editaes, se lhe mandasse ontros com salva
do pnmeiro, e que lancava de ir.-va, e requera
que fosseni os autos cora vista afinal.
O que ouvido pelo juiz assim o deferio.
Extrahi o presente lo pr-torollo de andiencias.
Eu Manoel Silvino de Barros Falco, escrevec:..
juramentado o escrevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, eseri-
vao o subscrevi.
Seguindo o que assim se continha em dito reqoe-
rimento de audiencia aqu transcripto, depois do
qual o mencionado eserivao Manoel de Carvalho
Paes de Andrade, que este subreveu e fez passar
o presente edital rom o praz de 10 dias, pelo qual
e seu tlieor chamo, cito e hei por citad' a lodos os
(redores incertos dos ditos execulados, para que
dentro do referido prazo comparecam ante este
juizo, allegando e provaado 6 que Ir a bem de
seus diroitos e jnstica sob pena de se proceder as
suas revelias.
E para que chegue ao eonhecimento de lodo-
mandei fazer o presente edital rom o prazo 10
dias, que ser aluzado nos lugares do co?tume e
publicados pela imprensa.
Dado e passado ne>ta cidade do Recife de Per-
namlraco- aos 21 de junho de 1864.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, eseri-
vao o subscrevi.
Triado de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao do Alencar Araripe, cflicial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de dircito e-pecial do
commercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo, por S. M. Imperial e Consti-
tucional o Sr. Pedro II, a quem Deus guar-
de, etc.
Fago saber pelo presente que, no dia 24 do mez
de julho do corrente anno se ha de arrematar de
renda aunual a quem mai- der, em praca publica
deste juizo, depois da audiencia respeeiiva o se-
grate :
O engenho Quizanga, sito na freguezia Je S. Loa-
renco da Malta, moenle e corrente cora agua, com
casa de caldeiras, 5 lachas no .i"entamnto, em
bom e.-tado, casa de purgar por acabar, ronrendo
300 formas, cora furos para 550 pues, com algumas
correntes, distilacao com um pequeo alambique
de cobre em mo estado, vnzala com 12 casinhas
para escravos, casa do vi venda de sobrado em bom
estado, dous acudes, sendo um para acabar, fal-
tando-lhe a porta o'agua, Ierras do engenho de boa
qualidade cora algumas matlas, 8 boi.i mansos e 3
qtiarlos, avahado por 2:00O5iKr- reis annuaes ;
14 escravos de servico avahados em 1005 o serviro
de cada um dos escravos annualmenle, qoe ludo
preaz a avaliacio de 3:400-5000 por cada aono de
renda, o qual engenho e seus pertences e escravos
foi penhorado a Jos Francisco de Barros rVeo e
sua mtilher por execueo de Ortoviano de SJuza
Franca.
E ua falta de licitantes ser a arrematacSo feito
pelo preeo da adjudica^o como al.alimento res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao eonhecimento de lodos
mandei fazer o presente edital que era afllxado
dos lugares do costurae e publicado pela impren-a.
Dado e passado n^sla cidade do Reeife de Per-
nambuco, aos 30 de junho de 1865.-Eu Manee!
de Carvalho Paes de Andrade, eserivao o subs-
crevi.
Tristo de Alencar Araripe.
355(0
145000
15500
25600
250OO
35500
551-0
25000
15000
15000
15200
05000
440
360
280
500
35200
45000
15000
35OOO
300
300
15500
25500
155000
65000
600
150
240
105
350
105000
15000
320
300
45 'ni'
25000
i55O00
15000
25500
450OO
25800
55OO0
145000
85000
85 55000
600
25500
255000
25000
115000
65OOO
240
900
35000
35000
350OO
800
45000
15000
120
35000
25000
65000
200
105000
8-5000
65000
500
DECUJLiCOEL
Dalia, capitao
carga varios ge-
^fntr. jai~n
IDIflES.
Convida-se as pessoas que eslo oas cond-
coes do servico militar, a eng.ijarem no croo de
polieia e gozarem das vantagens da lei provincial
n. 611 di 2 de maio prximo passado, que o as
seguinles : l54^>ors. diarios de sold, seren seus
filhos menores reeolbidos aos esiabelecimentos
pr .vinciats de educar/tu o lempo que e-liverm
na gu rra ser contado pelo duplo para o caso de
aposenudoria, e a m dotas, tem todas as mata
vantagens que sao concedidas aos voluntarios da
patria.O lenente-coronel commandaniA do car-
po de poiic a, A exandre de Rarros e Albmjuer-
que. ^
llego.Fonseca.
exe-cicio nesia comarca, e dar disto sdencia iZV^m^^TXtS^^ u Br ^' *"* IgnaCde O'e,ra *
ao ExtO. Sr. presidente, como tnico desa- Todos quantos snecurabem desta molestia se diz: 30 ditas cera em velas
bafo que desejo tora r do Sr. Victorino. -falleceu de erysipella recolhida ; ao contrario Passos Guimaraes.
Tendo Jos Gomes Barboza tentado con- \f^if^tx!^^.^.^tUK?W[m^' Ldila cll i a Miguel Jos Alt
a vida de urna minha escara de nome fljmmado que, ento
a Cardoso Almeida &
liispeccao do arsenal de manilla.
Faz-se publico que a commisso de per ios exa-
O llim. Sr. inspector da thesouraria provin- ininando na forma determinada no regulamento
cial, em cumplimento da ordem do Exm. Sr. pre- ^exo a o decreto n. 1324 de 3 da ferereiro de
sidente da provincia, manda fazer publico, que no ,8a'-.ocas,. machina, caldeiras, apparelho, saas-
dia 3 de agosto prximo vindouro, perante a junta treaCan- Vl''ame, amarras e an:oras do vapor ter.
da fazenda, da mesma thesouraria, se ha de arre- Si.n"nS" da coa paohia Pernambucana de na vega-
matar, a quem por ineno flzer a obra do emoedra- c costeira, achou todos estes objectos em estado
ment, naextenso de 15o bracas no lanco da w deI0der o.vaP0r "
irada de Rujary -cdade deGoianna, avahada erri nsJ,ecCso do arsenal de marinha de Pernamba
1:3615000. o 5 de julho de 1805.
Monfeiro. -Dr. Miranda.- lc,,uv ? "J",1,C3 y*'"'-* kwm wn- ,0 da putrefaccaj uo sangue, tanto que o lugar iu- 50 saews farello r a VacalblM A Oliveira
tra a vida de tima minha pseavs di nnmo fl,,,n,,,i ..* is.. "..-.____' T *dl"1 o; uuveira.
sua cor era encarnada, se 30 barricas cevada ; a Ricardo Jos Gomes.
A arremalacao ser feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1845, e sob as clausu-
las especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propuzerem a essa arremata-
pao comparegam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado pelo mcio dia e
competentemenle habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jemal.
O inspector,
M. A. Barbosa de Almeida.
- Pela thesouraria provincial se faz publico
que a arremalacao da obra da cadeia de Xazare'
foi tr-.nsferiJa para o dia 20 de julho prximo t!
douro.
Secretaria da thesouraria provincial deTernim-
bnco 28 de jonho de 1865.-0 secretario,
A. F. d'Anuunciaca.
i



Mi
Diarlo de 9 erntbnco *e\i Ui a 9 d Iftlho Arrematado.
No da 8 do cnenle, depois da audiencia
do Illm. Sr. juiz de paz do Io d.stricto da Boa-Vis-
ta, lein do sur arrematado o segrate : 1 pipa cora
vinagre, 2 barns com vinho, l barrica com milho
alpisla. 4 saceos coro milho h 1 sacca com arroz de
casca, sendo ditos gneros penhorados a Fernando
Jos de Olivuira, por exeenco de Maximino Mar-
tins da Silva Borges, Amonio Ignacio Brandito, e
Marcelino Heoriques Pereira.
THGITRO
DE
0 conselho de compras do arseual de guerra,
precisa comprar o segointe :
250 capotes de panno azul.
210 frdelas de brim.
210 caigas de dito.
210 camisas de algodaozinho.
210 grayaias decouro de lustro.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos,
apresentem suas propostas na sala do conselho, no
dia 6 do correnle, as il horas do da. Decjaran-
do-se os proponentes que ditos arligos serio re-
colliubs no dia 10 do, correte imprejerivelmente.
Sala do conselho de ornaras do arsenal de guer-
ra, l9 de unho de 1855. O encarregado da es-
criptu.'aco,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes fiz publico, que em virtude da al-1
teracao 3a do decreto 2719 de 31 de dezpmhro de :
1860, n.io julgando conveniente que continuem
em poder dos cobradores os conherimentos do l- ,
semestre do .exercicjo de 1861 181^ dos impostas
de -20 0|0, imposto especial e locima aildiclonal de ]
mo-morta, ordenou o recolhimento delles, princi-
piando pcl 3 bairro de Santo Antonio, cojo debito
superior ao dos mais, atim de proceder a liqui-
dacao de conformi lado com o-; artigos ie 8- das
instruccoes q.ieaconipanharain o decreto 2351 de
10 de levereirode 1839, qae em quanto se est
organizando a rdlacao dos devedores do referido
balrro.lbes permettido virem aqoJ pagar os seus
dbitos allm de evitarem a eubraoca judicial.
lieccjedoria de Peraamboco 3 de julho de 18G5,
Alanoel Carneiro de Souza Lacerda.
w
EMPREZA--0OIMBRA
recita da asslgnatm-a.
Sabbado8 de julho de 1865.
Representarse ha o interessante e rauito ap-
plaudido drama em o actos
1EIL5E!.
LKI
Oh ras publicas
MEDICO DAS CR1ANQAS.
PERSONAGBNS.
Luciano Lemonnier.............. Amoedo
Delormel....................... Lisboa.
Jeronymo...................... Coimbra.
lreder\co.................... Borges.
Francisco, criado............... Guimaraes.
Jeronymo, jardineiro........... Santa Rosa.
R.nalo, criado de Luciano....... Peixoto.
Luisa........................)
Lucilia........................) D- Eugenia.
Antonia....................... D. Leopoldina
Joanna, criada................. D. Joaquina.
Marianna, aldeas................ D. Jesuina.
Preeisso de donzellas*camponezas etc., etc.
Dar lim ao espectculo a chi losa comedia em
1 acto ornada de mu ica
0 PERDAO D'ACTO
EM
PERSPECTIVA.
Principiara s 8 horas.
D
Urna taberna.
Itua das Cruzes numero 22.
Cordeii'o Simocs
por conta e risco de quera perteocer far leilo
dos gneros, armacao e utencilios da taberna ci-
ma dita, em um ou mais lotes a vontade.
fio.ii:.
as 10 horas em ponto na mesina taberna.
Grande feira
DE
Objectos de ouro e prat Ujvos, escravos de am-
bos os sexmos, movis de todas as qualidades,
sendo cama franceza de Jacaranda, guarda rou-
pa de mogno, do de c.-regeira, mesa elstica
de amarello, marquezas largas para casal, mo-
bilias de amarello, commodas, camas de ferro,
1 parelha de cavallos para carro, candielros a
gaze outros muitos arligos.
uoie.
Seita-feira 7 i o correute as 11
horas.
NO GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
00 AGENTE
OLYMPIO
Ama
Na ra N'ova n. 37, primeiro aod.tr, pr-ri-a-*
de ama ama que saiba cozinhar e ngirr.mar. para
casa de ponca faroill. i>n*fr-ft>.-. -rav-i.
Aluga-se um mot-y.i-. S M i |s m.-.-,
muito fiel : quero pretender dirija- a Boa-Visu,
ra do Rosan ) n. "jC.
Este novo producto resultado do Dina trplice combinacao de tres metal
e tres motalloides cujas nroprio
tSSSJS ,conhcr.ldM', Bnm\ Eu*?r>* o Mo, oceupa boje a prin.cira ordem de
entre lodos os depurativos dos quacs 6 o mais poderoso
As experiencias (los mdicos mais notaveis dos hospitacs de Paris, os senl.orcs Cazr-navr-
Puche liazn, lache, Gu.hout, Baroschet, Danel, Legrou.x, Vasse e Aubrv, etc., demonstrad
sua poderosa elhcacia as affeccoes seguientes: ^wi
llorn-;. de ii.ilr,
OnriruN r bm biilhna de toda a espacie,
Piara** IIIUCOHUN,
ObMlrurreii ]>m;>)iullro,
rnprlra,
i:>< infiilim,
AbceisoR, postemas,
Cancro*,
Ulcerna,
Tlaha.
Escorbuto,
Friunlinr-lii
Humores filos,
Rurblilrmo,
Ophilinliiiln escrofulosa e chroulca.
Tsico escrofuloso,
Affi-cres nihllltlran,
Elcuhanllnsls don Greyos,
E todas as doencas occasionailas por um tco do
sanguc, e j tratadas sem ncuhum successo pelas
preparares vegetacs, iodadas e o ojeo de tinado
de bacalho.
I ir;
Plan ou noubaa (do Brazil),
O Xarpe de Le Ooux, de nma fcil digestSo e de gosto delicioso, se emprega tambera
com muita vantagem e aconselhado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachilicas ou sobre a influencia de um vicio hereditario e mui
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalho c aos xarpes depurativos e anti-escor-
buticos que se administrav3o at agora.
Deposito geral, em Pars, na botica Boullay, memoro da Academia imperial de Medicina de
raru, official da Legiao de Honra, e em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
O-
^'aixo as-ignado faz scienle a ipiern envier,
que em>j M cl'vlJas art'v:,s '"> ';i>it lo- .Yi.i.m
de Piula e Hv"" ^f"""10 sootinesa que -,,.' t.
Diario d 6 O ^v."r,!D,''' ,,,>,n ,!,! lr a HP a '
meriOMMo da enrMb.^ T.?!"" ; acfca'e1 uma
do abaixo assignadj que ,J '" (,',,),', ; I deel*-
ra em tempo para lirrar de 9t,. '"oras.
Manoel da Silra Re*^" '""'|,nj^:
Precisa se do uma ama qi\> T^zin,.'*' '
engom: n\ ra do Imperatm o. 71, -r^w'l
s
36-Rua da Caileia do Hecife--3ti
THEATRO DES: ANTONIO ConTiDacl (capuoga) Fiueira
SociedadcdramticaThalia Hojeaseis hora.
l'rniailllillCilIlii O agente Pestaa cmtinuar o seu Lilao de vf-
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho dhos da Figneira das acre-litadas e conheeidis
. administrativo desta sociedade, convido novamen- marcas ARP, Ff, diamante R. diamante M, AlISCs,
riStarr IJJSJ'. -.: leaos Srs. socios in^talladores para comparecerem em lotes a vontade para acabar de fechar tontas :
" horas da ma- hoje as 12 horas da manhaa no armazem do Sr.
em assehTbla Azevedo defronte da e-cadinha.
as
necimetito dos objectos abaixo mencionados .
prop wtasdeverao ser apreeenMdas no da 10 do'?S^ L S. d, COraeDtte p?asi
nhaa a sede da sociedade, alira de
correute mez, ao meio dia.
Nota do- objectos.
lijlo de al venara batido.
Dito de alvenaria gro?sa.
Dito de ladrilho.
Cal branca.
Di la preta.
Areia.
Barro ma.-.- .
dem d- maugue.
Cin;ento.
Pedra brota.
I'as de ferro.
Bochadas calcadas de ac."
Picarota idem dem.
Foiices de rocar.
Pregos >!e todas as qualidades.
Estivas de pontes de 30 a W palmos de compri-
niento e 7 l|S ile grnssura.
reuanx'ao das obras publicas, i de julho de '
186a.
O secretario interino.
Manoel Loureoeo de Mallo.-.
geral proceder-se a eleirao para os novos mem-
bros do conselho administrativo, visto como, era
consequencia do mo da que fez no domingo pas-
sado nao t^r sido po.-sivel ruunir-se numero suf-
lielente de socios para poder funccionar dita as-
sembla geral. Ficam tambera pelo presente con-
vidados os Srs. socios espectadores e representan-
tes para assi.-lirem a presente sessao, afim de que
LEILO
DE
Um terreno em Papacaca.
Um dito nos AfflkMos, uma casa em respaldo.
Dividas.
Martins levar novamente a leilo por ordem
com suas presencassejam testemunha de qualquer dos credores do Rvd. D Joj Antonio dos Santos i
deliberado que baja de ornar a asserabla geral. Lessa, um terreno cercado em Papacaca, um dito
Secretaria da sociedade dramtica Thalla Per- com uma casa em respaldo nos Allliris e diver- |
nambucana o de julho de 1805 O Io secretario, sas dividas na importancia de 7: Iot3'i"0 rs., em
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdade de Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da Legiao de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Paria.
Este xardpe composto mais de vinte annos pelo sabio lente Boullay, constitue a melhor
maneira de administrar o Ether. He empregado com suocesso em todas as doencas que tirao sua
origcm de um eritbismo nervoso, como sao as :
Enxaqneea, Calmbroa de estomago,
Indlgeatoea,
Convulaoca,
Acceaaoa hyatcrlcoa e hipo-
condriacos,
Clicas ventoaas ou nervo-
Deposito geral, em Pars, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro da Academia
imperial de Medicina de Pars, official da Legiao de Honra, ra des Fosss-Montmartre, 17, c
era todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Nevralglaa,
Eapaamoa,
Attaques de ervo,
Verllgens,
Syncopea,
sas, hepticas flatnlentas,
Acceaaos de gota e de rheu-
natlanio.
Casos de rnrmcnleturnto,
etc., etc., etc.
Sil O Dr. Cosme de S Pereira conti-
jj fia a residir na ra da Cruz n. *>:{,
BM| 1" e 2o andar, onde pode ser proru-
rado para o exerciciu de sua protis-
i sao medica, e com especialidade
?5 sobre < segainte
1 mnleslias de oilios ;
i" '.. peUe:
3* doeorejHfM-
ti urinarios.
SEm seu eeeriptorio os doente
rao examinado* na ordem de sna-
entradas comecandu o tralialtio .e-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias dM
0 as 10 da manliaa, menos m^s do-
mingos.
'_ Praticar toda p ^ralnrifr opra-
! c^o que ju!g:ir ewi i para
!^| prompto restabelecimeiilo dos .- i-
j doenles.
Aluga-s o sobra lo da ma .i, S^vf**^.
dos Ralos por detrada nova ca-a .lo G\ ,,., ,j
enrn 6 sata*. II quarto-. pri rria 'i- ^ ^s-
rravit, cim hon qnintal ei.....Htm, rurl .:
I ra 6 cavallos : a tratar na ra na Cad. j. >
p metro andar, ou na ra da SiudaiV. ra :i. I.
I

interino, EpaminouJas Pinto
' de Vasconcelios.
?I-OS MABjTIMOS.
COMPANHIA BASILEIRA
DE
Randeira e Accioli documentos e letras ludo portencente a mesma
massa.
Sabbado 8 do correnle.
Em seu escriptorio ra da Cadeia n. 0, as 11
horas
LEILO
De divdase gado vrecum em (Miada
n Varadouro.
Sabbado8 do correte as 11 horas em poni.
Cordeiro lines
: a requerimenlo de D. Rita Mara dos Aojos Paula,
curadora do alienado seu marido o capito Jos
Nunes de Paula e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz
I municipal e de orphaosdo termo de Olinda, far
lin) (Jtie, em virluue ua uciiuoracau ua Illllia. Desdeja recebera se passagelros e engaja-se a leilaode II vaccas, 4 garrotes e 2qoartos para o
cmara municipal desta mesma cidade, de fi^^o/'PO'J^0?^ o anno
Fiscalisaco a l'reguezia de Sanio An
tonio d Rccife.
Pelo presente se faz sciente a todos os
moradores desta l'reguezia de Santo Anto-
.PAQUETES A VAPOR,
Dos portos do sul esperado
al o dia 14 do correnle um dos
vapores da companhia, o qual
depois da demora do co.-tume se-
guir para os portos do norte.
2! de jiinho lindo, se tem determinado que argtE?^ '
Trairi,
o despejo publico de lodo 0 lixo e urtmun- ras da tarde : agencia ra da Gnu n. I, escripto-
dicias, que tenham de tancar fra todos OS!ro de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo a; c.
moradores da mesmafreguezia, ser feilo: I wriTifflfti sdacitttda
primeiro, no fin do becce em que termina, UiarJlalllA O.hhlR.
a ra do Hansel pelo lado do sul ( fim do i DE
caes do Ramos); segundo, do lado do norte PAQUETES A VAPO H.
., i alagado do fim da casa de detencao, priu-; Dos portos do norte esperado
cipiando do seguimcnlo da ra denominada -.\ a| do Pocrnho, ou do Bartliolomeu, do norte ^- Tocan' '**> commandante o pri
ao sul, sendo o despejo feilo as horas de-
terminadas do art. do lit. 5" das poslu- do cost
as 2 ho- (ermode Santa Itita de Cachoeira, outr'ora Sania
\ Tocanlins, commandante o
^ meiro leneule Pedro Hyppolito
Duarle, o qual depois da demora
me s-guir pora os Dorios do sul.
ras muQicipaes de 30 de junho de 1849, ja' Desle j recehem-se passageiros e engaja-se al
t anSCplO Reste Diario n. 12G de 2 deju- "rga que o vapor poder conduzir a qual devora:
,!,nnJ,imnnn,in. non,m,,nm. ser embarcada no da de sua chegada, encom-;
Cruz do Rio Grande do Norte, assira como as di-
vidas activas do dito seu ruratellado na importan-
cia de !:80380S rs.. cuja relaeio est em poder
do referida agente a exnane de quem pretender.
Leilao de 80 ranastras cora alias!
Sesronia-fdra 10 do correte.
O agente Pestaoa far leilao por conta e, risco
de quem perlencer Je 8>.i canasiras com alhos em
lotes a vontade dos compradores : segumla-feira
10 do correnle polas 10 horas da manlrSi no ar-
mazem do Sr. Azevedo, defroale da eseaJinha ua
alfandega.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHIY1A
SFFOCCO NERVOSA E 0PPRESS0
nico remedio efficaz para combattir eslas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Descoberta inleiraraente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez crafas aos adrairaveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenelle, e em todas as
boucas-de Franca e do eslrangeiro.
A uta
i
cisi s^ ilo ti ni a 11 pira
ex-'-rno Direita n. 2S. MjrniVi and-*.
Aluga-se uma casa terrea nirinAi.i-'io,
112 : a tratar na ni > i. ,
1. r-
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Cros Barbosa.
Kj'
uno prximo indo : quem assim tifio o cun- mendas e dinhl!iro a frete at o dia "da sabida as |
prir, incorrer as penas especificadas no 2 horas : agencia ra da Cruz n. I, escriptorio de
mesmo art go
AVISOS DIVE1S0S.
Anlogio Luiz de Oiivoira Azevedo & C.
Fiscalisaco da freguezia da Santo Anto-
nio, o de julho de 18133.
O fiscal
Caetano Pinto de Veras.
0 conselho de compras do arsenal de I
guerra precisa comprar o segointe, emvir-1
tud da ordem da presidencia de 21 de
marco prximo indo :
60 lO varas de algodaozinho.
1000 ildas lie aniagem,
As pessoas que quizerem vender ditos
arligos apresentem suas piopostas na sala
do conselho, s 11 horas do dia 12 do cr-
rente.
Sala do conselho de compras do arsenal
de guerra, de julho de 1865,
i) encarregado d'escripluracao,
Manuel Jos d'Azevedo Sanios.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Xavcgacao costeira por vapor.
O Sr. Arsenio Antonio Carneiro da
' Cunha Miranda queira dirigir-sc a praca da
; Independencia n. 6 e 8, que se precisa
fallar.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear,
Acarac c Granja.
No dia 7 do correnle, as 5 ho-
ras da tarde seguir' para os por
tos cima indicados o vapor Per-
sinunga, commandante Ralis. Re-
cebe carta al o dia G ao meio
dia. Encomniendas, passageiros e dinheiro a frele
al o dia da sabida as 2 horas da tarde
torio no Forte do Malos n. 1.
LOTE MI.
\'j>..jvulinio provincial
Pela mesa doco'.isulaJo provincial se faz publico
!n s Irinia dias uteis marcados para a conranca
bocea do cofre do 2o semestre do anno linancei-
r i Mi 1864 a 1863 dos impostos da decima nos pre-
dios urbar.os, de 20 0|0 do consumo de agurdente
e de o U|0 sobre a renda dos bens de raiz penen-
cents corporales de mao raorta, fiodara-se bo
dia 10 ilo correnle, licando sujeitos respectiva
multa os que pagaren) depois diquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernarabuco 4
de julho de 186.".
Antonio Carneiro Machado Ros
Administrador.
De ordem do iim.- Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desia provincia se faz publico que
a rnesma ihesouraria em virtuJe da ordem do ihe-
i ireiro n 74 de 13 de junho ultimo, acha-se auto-
rizada a nagar aos credores dos exercicios de i
1863 1853 e 1863 1854.
4
A
AOS 6:000,?000.
Corre amanlia.
Sahbado 8 do correute mez. se extrahir
a 4a parle da 5a e Ia da 6a lotera (^) a
escn'p- \ beneficio da matriz de S. Pedro Martyr de
____ Olinda, no consistorio da igreja de Nossa
Para o Rio de Janeiro segu Senhoia do Rosario da freguezia de Santo
com muita brevidade por ter Antonio
prompla a maior parte do car- A,.-.'.
recmenlo o bngue brasileiro Os bilhelOS, meiOS e quartOS eslao a ven-
Imperador, o qual recebe o resto da na respec iva thesouraria a ra do Cres-
da carga afreie.para o que tra- po numero 15,
ta-se no escriptorio de Amorim IrmSos ra da Os premios de G:000$000 at I0000
Cruz n. 3. Tambem recebe escravos de passa- K'__ i__ i j -
gema tratar com o capiiao Joaquim Pinto de Sou- serao pagos uma hora ilepois da extracfac
! za Passos, na praca ao commercio. at as i horas da tarde, e os outros depois
Para a B.hia pretende sabir da diStrI)UC3odas listas,
com muita ^brevidade o veleiro As encommendas s rio guardadas SO-
lugre Emiha, capitao Rernardi- mente al a noile da vespe/a da extraccac
0NSLT0R1I) EWCHCffilJIHilCO
)R. PEO'l) DS ATTAHYDE LOlO MOSCOSO,
8 Ra da Gloria, casa do Fimdao 8
O Dr. Lobo Hoscoso d consullas gramitas aos pobres rodos os dias das 7 s 11
horas da manliiio, edas G e meta s 8 huras da noile, ;i excepto dos dias santificados.
Pharmacia especial homeopatkica
No mesino'co sultutio ha sempre o mais appropriado sorlimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes c pelos piceos segointes.
Carteiras de l tubos grandes. .
de 24 tubos .andes. .
de U(5 tubos grandes.
de 4m todos grandes. \
* de O) tubos gran les. .
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fuer, e com os remedio
que se pedir.
Um lobo auilso ou frasco de tintura de meia onca I000.
Sendo para cima de 12 cuslarao os precos e-i;rbelecidos para, as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris
LIROS.
A melhor odra da bomeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
doos grandes voluntes com diccionario............. 20,3000
.Medicina domestica do Dr. Heriqg.......'.'.'.' 1050HO
Repertorio do Dr. Melp Moraes............ 61000
Diccionario de termos de medicina......'.'.'.'.'. 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais condecidos e dispensam por
lanto de sercm novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e doradores: ha tudo do melhor qoe se pode desejar, globos de
verdadeiro assuoar de leite, notaveis pela sua boa conservacao, tintura dos mais acredi-
tados eslabelecimentos europeos, a mais exacta c acurada preparagao, e portanto a maior
l-J->000
S.MJOO
-JS000
30-5000
3;j;S0C0
Um bahili'ndo pr tortor t-rnd-t 4a ir i r
de oraar, Urejo da liard u U i.-, j. u< > r
Binito para ah faze'r uma< cobranzas .i I ,
jiid.. .a,, ^11 io-.-.-.i pr -.;:n i-i qj :n. r jjual
nngncio nai|uelle< lOfjapat, dan h Mor d i
encarri-g.rem : a tratar m na da Prain n. 37.
pmqie u meMOo sahira para os referidos lugares
riiiiiimp 0 iin rdrri-nte.
U '.\nri.iio, n-sponde a aarganti r.i ao
Diario de o, qoe : elle est prometo a m'-lr..r r ,w
dncumenlos authiraMcos. o fim que lerarru m
molas tiradas pelo Hvm. vigsri >, mas. t brl a
quem s-ubrigue a pig.ir ao Sr. (:iim->n Jad r o
nao pequeo sabio que tem a seu bvar, pun-
niente des laes. Aos chs que l^dram p raminholas o Sr. omm-o adir t -la desprexo a
poni de ler d delles. Man.
A LEGITIMA
LL
rrrmT?>
-- Vj
-d 1 UL
energa cereza em seus effeitos.
no Rodrigues de Almeida, por fnmo a, rfKlnm(>
ter a maior parle da carga tra-
tada, e para o resto que Ihes
falta trata-se cora o consignatario Joaquim Jos
Goocalves Beltro, na ra do \ gario n. 17, pri-
meiro andar.
0 thesoureiro,
______Antonio Jos Rodrigues de Souza
Offerece-se uma ama para todo o ser
vico de casa de familia ou de homem sol-
teiro : no becco da Lama n. 1,
Na padaria da Torre precisa-se deum
anas^ador e que tenlia pratica de vender
p3o.
Ignorando-se onde est assistidd o Sr. Joa-
quim Salvador Pessoa de Sqnera Cavalcanti, ro-
Pretende sahir em poucos dias a barca !*?",hJ enha a D4nda,le de apparecer a iivraria
Maria recebe carga e passageiros para 6 e S da praca da Independencia, afim de re-
Rio "Grande do Sul
Segu cora rauil? brevidade por ler parte do car-
regamento prompto, o veleiro patacho Curo, capi-
tao Casemiro Ribeiro Gomes : a tralarcom Miguel
Jos Alves, ra da Crnz. 19.
Lisboa pela liba deS. Miguel.
estes dous portos. a ira lar com os consig-
ceber uma caria de importancia.
As pessoas inleressadaa deverflo requerer a esta natarios Cafvalho 4 Nogueira, ra do Apdl-1 AMA.
isourari-i o pagamento de suas dividas. |, oaa,, nm..n;.s_________ Na ra larga do Rosario u. 31, segundo andar,
hesooraria o pagamemo ue suas ama. 90 mi rom ncaninn na nracn
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam- 1
buco 3 de julho de 1863. Servindo de official-
maior. '
Manpel Jos Pinto.
Pela thesouraria provincial se faz puWico,
-jne a arremataba i da obra da concluso da casa
ii i-amara e cadma da villa do Bonito, foi trans-
forida para o da 20 de julho prximo vindouro.
Secretara da thesouraria previncial de Pernam-
liuco 28 de junho de 1865'.O secretario,
A. P. d'Aonuncia;ao.
Porto.
precisase de uma ama que saiba bem cozinhar e
engommar, para casa de pouca familia, prefere-se
escrava.
A subdelegada da Capunga faz sciente, que
no poder de Antonio Jos de Mallos Braga forara
apprehendidas i'i pecas de roupa, como bem ca-
misas, lences, toalhas, meias, longos, etc., assim
como um par de dragonas de oflcial e uma capa
de oleado : quera se julgar com direito a taes ob-
jeclo-, provando, Ihe serao entregues. Recita, 30
de junho de. 1865. Francisco Antonio da Silva Ca-
valranti.
A Ihesouraria provincial maica o praso de 30
das para o pagamento do- imposto do calamento
das ras Nova e do SCI.
O brigue portuguez Laia I, capito Alexandre ~~ Manoel Joaquim Moreira relira-se para Por-
Jos Correia, vai sahir at o dia 9 do correte, pur logal.
ter maior parle do seu carregamento prompto : i .p. ;---------=-------------------------------------
quem no mesmo qoizercarregar oui ir de passa-: J UDriCa de CpOS de SOl
gem, dirija-se a ra do Trapiche n. 4i, escriptorio
de E. R. (tabello, ou ao respectivo capito.
Para o Porto.
Ra do Crespo u. 4.
Nesta fabrica .acha-se sempre o mais completo
Casa de snud para escravos
Recebe-se escravos para Iratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacao, p ra o que o annuncianle julga-se sufficientemente habilitado.
O Iralamenlo o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funccionando a casa ha mais de quatro annos, ha mui.as pe.-soas de cujo conceito se nao
pode dovidar. qae podem ser consultados por aquellas que desejarem mandar seus
doenles.
Paga-se 2p5 por dia durante GO dias e d'ahi em diante 1 .300.
As operaees serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos pregos
razoaveis que costuma pedirr o annuuc anle.
Domingos Ferreira de Souza tem contratado ,
vender a sua taberna do becco Largo .n. 1, ao Sr.
Autouio Gomes da Cosa Leite : se al'guem se jul-
gar com direilo a empedir este negocio, comjiare-
Ca na_raesma taberna, n praso delre-rdias.
i\'a ra do Queimado n. 5 precisa-se alugar
uma prela para comprar e cozinhar.
O advogado Francisco de Paula Penna mu-
dou seu escripiorio para a sala da frente do pri-
meiro andando sobrado n. 38 da rita do Quii.tado
O commendador da povoaeao dos Montes, a
que se refere o annuncio publicado nesle Diario,
de o do correnle, n.ida deve a igreja em construc-
q5j na mesma povoaeao, antes pelo eonliario as
poucas obras^que all existem sao, nao s devidas
a sua solicitud^, com adianlamenlos de dinheiros
cujo embolso nao pode ser feto pelo annunciante.
Cariminlwla.
m um dos vapores da compauhia de Liverpool
(jalga-se ser o Keppler) no mez de abril velo um
passageiro que segurado para a Europa, enirecou
iiftD
guez Unuw: para carga e passageiros trrta-se ca, e panoo de todas as cores; assim a M;,noel ,oa1n!m da Rljcha. PT aT
enmo um
com o consignatario Thomaz d'Aquino Konseca; grknde sorlimento de ecas de su'nerior ra do Vigario n. 19, 1 andar. kpacade ^^A^Jt^grTA i ?b^^?tiX7 &" Tn/
------------------------------------------------------------. I macoes servidas tndn nnr ..rprns mnli ,a..... ?l.re la da Lade,a n 4 .. primeiro andar,
Para Lisboa
Pela thesouraria provincial se faz publico,
quo a arrematara i da obra do quartt-l da villa de
Si-rinhem, foi transferida para o da 20 de julho
prximo vindouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
lineo 28 de junho de 1865.O secretarlo,
A. F. d'Aunun:ia?ao.
macoes servidas, tudo por pregos muito razoaveis.
i Cbrese e concerta-se toda e qualquer quahdade
de chapeos de sol, com perteicao, presteza e cora-
0 brigoe portuguez Soberano, capito Maooel modo prego.: ra do Crespo n. 4.
Bernardo Bugiganga, vai sahir at o dia8 do cor- i "~v... a~ k.^ aor,i-------1------ir,-----,
rente, por ter a maior parte do seu carregamento ~ ^f" B^ J0/*!1 e d's ca,xas Siiaes'
prorapto : quem no mesmo ijuizer erregar ou Ir ,desconlirase a P"a da Independencia n. 22.
de passagem dirija-se a ra do Trapiche n. 44, es-:
cripiorio de E. R. Rabello, ou ao respectivo ca-
pito.
visto que trazia documentos s de bastante inle
resse para seu dono, pelo que muito se agrade-
cera.
ATTENQftO.
Previne-se a irmandade da Senhora Sant'Anna,
erecta ua igreja da Madie de Dos, para que nao
faca negocio algum em particular com a renda dos
armazens ns. 7 e 7 B pertencentes mesma ir-
If-RETA-SE i Domingo 9 do COrrente haver reunio mandade. pois que ha qoem queira entrar em con-
para os portos do sul e para os do Rio da Prata o de fam|ias corso ao alouel, e ofTerece mais vaotaaans para
'bngue nacional Saay : a tratar na ra do Trapiche "_______________________________m a mesma.Um devoto.
numero 4.
CLlll PEPAIlBLdWO
As 9 i[% horas da noile do dia 5 do corrente fur-
taram da sala detraz do sobrado do largo do Pa-
ra izo n. 26 uma cadeira de amarello bastante fur-
nida e bem feita, que se achava junto da porta da
sala de delraz : a pessoa que a apprehender e le-
va-la ao mesmo sobrado, ser gratificada ; e re-
coramenda se aos senhores raarcineiros, caso seja
ella ofl'erecida venda, de a'no comprar e appr j-
hende-la, mandandn-a levar ao referido sobrado.
Precist-se de um caixeiro porluguez com
pratica de taberna, sendo bom balco nao se olha
a ordenado : na ra das Cruzes n. 24.
LAMIAS k Illf
IOVA YOEK.
Composta de sul stancias. gtizni
propriedades eminenti-niMi depnrathM;
approvada pelas juntas e acadin.!.;.- >., t.t-
dicina ; usada nos principaes boapili e, -
vis militares e da marinba as Antilhas e
no continente americano; rtirritUwijajaj
facultativos os mais distinetns do imperio do
Brasil e da America hespanliol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumaiismo, escoitiuto, en
frmidades venreas e mercuriaes cfrjga
antigs, morphea e todas as molestias pri-
venientes d'um estado vicioso do sangne.
Emquanlo existem varias imitares e
falsilicacos, preciso a maior cautela para
evitar os engases,
A legiiima salsa de Bristol T(nde-se por
CAORS RAliBOZA
JOAO DA C. BRAVO ,v C.
Joo da C. Sravo & C.
Aloga-se um bom sitio com casa de vivenda,
cocheira, estribarla, quartos para pretos, lanque,
latrina, etc., com bstanles arvoredos, e todo mu-
rado^ na Capunga velha, casa que foi do Sr. Se-
bastio Ponna: a tratar na ra do Imperader n.
46, armazem.
Precisa-se de uma ama para cisa de pouca
familia : a tralar na ra larga do Rosarlo n. 18.
taberna.
EMPKEZA
DE
FIGADOoe BACAU: .J
^
^
P eo processo de Cnerrirr, ptaarraacrnlir* tm
Paris, ma do Fauhourg Montraarte 21.
Este oleo de um cheiru agradmel, e de
um sabor assucarado o tnico que nao tem
nem o ijoslo, nem o cheiro do peijee. Ob-
jeclo de numerosos relatnos scienliftcos e
mdicos, este mdicamente que goza em
Franca de um successo to raro como bem
merecido, recatado dinrv mnle pelas
principaes mtdicoi dos hospitaes de Paris.
OLEO DE FIGADO DE BACALHO DESi^FECTA-
do februginoso emprega-se com os maiores
ILLUMINACAO A GAZ g
Armazem n. 31, ra do Imperador. bc .
Prtri^HiSM!,solaridade d0 ?Srvic ,em a ernpre- successos as molestias em que se r-mnreea
resol vi do tao somente vender os aonarelho* i i .^ ...
;.,dexandoqueosrs. censnmidoresThamem oleo quaudo Sao acompauhadas de rfrfri/i-
dade e atona.
Rio Grande e Vssn'
Segu por estes dias a barcga tDous Amigos,
recebe carga : a tratar com o mestre na escadi-
nha ou no caes do Ramos n. 24.
Eduardo Adour vai a Europa.
Augusto Jo de Azevedo & C. declarara ao
respeitavel publico principalmente ao corpo com-
mercial, que compraram no dia 30 de junho pro- Aloga-se nm sitio na Capnnga velha com casa
xirao passado, as fazendas e armacao existentes na para grande familia : quem pretender dirija-se ao
loja da ra Direita n. 57. pertencente a Izidoro dos mesmo sitio a tratar com a viuva do Sr. Joo Evan-
Aujos da Porciuncula. Recife 7 de julho de 1865. ligesta da Costa e Silva.
GRAGEASdeCUBEBINA
comCOPABAdeLABELON!
za
etc
os machinistas que mais Ihes agradarem, podendo
os noraes, morada, etc., de todos elles serem indi-
cados no armazem da empreza.
As reclamarles por m luz das casas, cujos ap-
paremos hooverem sido collocados anteriormente
a este aviso, serao altenJidos pela empre*; outros
quaesquer, nao.
A empreza espera que esta medida ser devida- Estes confeitos que tem por base o prn.
mente apreciada pelos senhores consumidores, ten- Cipio activo da vrimeira cubeba iurilo en
S^vSntaiii^rr?!^*1^ roais economi' a wpahyba pura, nao nausen o estomaga.
co vimo que ella vender tudo, apenas com um fii e. j- :_
lucro tal, que cubra as despezas inevilaves, e que I EUes fazem Parar 'mmediatamente as aun
dentre os machinistas poder ser esoolhido aquel, rebeldes gonorrhas, mesmo as que res sli
le que mais garanta offereca. I ram a cubea o a cupabyba isoladamonte.



II
i\/r-i


Diaria de iemabiM ... Sexta fe Ira 9 e Julho de 1S&.
e
Aitenco.
Vdese a todas as autoridades policiaes e a
quaesquer particulares queiram descobrir onde se
acha homisiado o pardo Gabriel, escravo de Anto-
nio Rufino Aranha, da cidadeda Parahiba, que de
la fugira embarcado no vapor Paran, quando es-
te em sua ultima viagem conduzira tropa para o
sul. Esse escravo pardo clar, de estatura me-
nos que regular, e bem proporcionado, tem cabel-
los corridos e crespos, de 18 anuos de idade, pou-
co mais ou menos, com espiabas no rosto, e ofi-
cial de alfaiate. Consu quo se offereoera para as-
sentar praca como voluntario : a quem o appre-
hender, ou delle der noticia exacta para sua ap-
prehenso, dar-se-ha excellene gralilieacao, na
ra do Queiuwdo n. 5.
CASA DA FORTIU
Aos 6:000#000. .
lllllieies garantidos.
A* BA DOCnKSPO N. 23 K CASAS DO COSTUME.
O abaixoassignadovendeunos seus rauilofeli-
ses bilbetes garantidos da lotera que se acabou
de eitrahir, a benelicio do theatro de Santa Isa-
bel, os seguintes premios :
ous quartos n 1281 com a sorle de 6:0005.
Um quarto n. 2990 com a sorte de l;2OO5OO0.
E outras muitas sortes de 1005, 405, 20* e
10*030.
spossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos daris na Casa
a Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acliam-se a venda os da 4" parte da 5" e 1"
da 6J lotera (22*) beneficio da matriz de S. re-
dro Martyr de Oliuda, que se esirahir sabbado 8
do correle.
PRECO.
llhetes.....75000
Muios......^5500
Quartos.....#*00
Pira as pessoas que comprarem de 100(5000
para cima.
Bilheies.....65500
Meios......>'M
Quartos.....'5700
Manoei. Martins Muza. __
Precisa se do uma ama que saiba engommar
e coser para uma casa es'rnngeira de pouca fami-
lia : a tratar na ra do Trapiche n. 3S.________
OBereeem-se doosCbins, sendo um pintor
c oulro cozinheiro: quem precisar de seusservices
dirija-se ao becco da Liogoela n. 12.__________
Semana lllustrada do Rio de Janeiro
Assigna-se na ra do Crespo n. 4 : tres mezes
5, seis mezes 115, um anno 185
Engenho.
Arrenda-seoengeehoJussara deraf Anua, sito
na fregueza de Ipjjuca, legoa e meia distante da
estacao da Escada e Ipojuca, com .trras de var-
zeas de massap para se safrejar era grande esca-
la : a tratar no patea do Livramento b. 23 com o
Dr. Ignacio Nery da f ooseca.
Precisa-se fallar com o Sr. Jos de Souza
Leo a negocio que uo ignora : na ra Nova n.
20, loja do Carneiro Vianaa.________________
U London & lcazillan fcank, saca por doos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Gu maraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante. ___
Vende-se uma aotola e uma janetia em mul-
lo bom estado : ra das Aguas_yerdes_u. 92.
- Na praca da Independencia b. 38, loja de onri
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tambem se faz qualquer obras de eLcomaienda e
odo e qualquer concert._________________
"TlJMlilClO
DO
GRANDE AfiMAZEM tA EXPOSIQaO DE LONDRES WSS^SM^WSi
***-* vS/ m'ji'ihmnc a tfirrnctroc >_j*>;
llua da llruiu nuuiero 38.
Neste estabelecimento acham-se venda os se-
guiles objectos, lodos da primeira quah'dade, e
i construidos especialmente para esta casa, pelos
mais acreditados fabricantes inglezes :
Macbinas a vapor de 2 1|2 a 8 cavallos, com
| moendas, juntas e sem ellas ; e tambem proprias
| para descarocamento de algodo, afamadas pela
fortidao, >mplirdade c economa em combustivel,
e por nao precisar de obra qualquer para scu as-
een tamenlo.
Rodas d'agua de ferro, systema inui proveitoso
da forca d'agua.
Hodas de espora, e angulares, e de esquadrillia
para animaes.
Moendas e meia-moondas.
Taxas de ferro batido e fundido, e de cobre.
Machinas para descarocar algodo, systema
Platt, cen os ltimos melhoramentos.
Joccas e crivos de patente para fornalhas, dimi-
nuindo muito o gasto do combustivel.
Machinas e laacliinisraos para moer mandioca,
1 movidas a vapor, agua ou cavallo.
Fornos e chapas de ferro batido para coser fa-
rinha.
Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes, fnos e porlatils.
Prensas para copiar cartas.
Hodas para carro de engenho cem e'ixos e man-
gas de patente.
Formas de ferro balido galvanizado para purgar.
Serras de ac e armnecs de serrara.
Arados de ferro sin'gelos e dohrad is, grades para
cubrir cauna, enxadus a cavallo, e outros instru-
mentos de agriculiura.
YlfiflITIflOS
CONTRA FOGO.
A Compaiihia Indemmsadora
eslabeleeida nesia praca, toma seguros maiilimos
sobre navios eseus caregamentos e contra fogo em
edificios, mercaduras o mol ilias: no scu escripto-
rio, ra do Vigario n. 4, pavimentojerreo.______
Precisase de uma e-crava para todo o sei-
vico de uma casa de familia : quem tiver annun-
ci, cu dirjase a rua de Santa Rila n. 1.
Mmm 9KSKfraw &&&&&%&
ffi O Dr. Carolino Francisco de Lima San
y los contina a morar na rua do Impera- :*.
!SE dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu jS
||K gabinete de consultas medicas, logo ao |
y" t nlrar, no pnmeiro,
'M< O mesmq doutor, que se tem dado ao **
!B eslodo.tanto das operaces como das mo- |J
j leslias inlernas, prestase a qualquer cha- fsg,
Mk toado, quer para dentro quer para fura w
r^? da cidade. :$j>
'VjHMMMffi. i
O bacharel H
AInga-se
THOMAZ TEIXEIRA BASTOS
N. 60Rua da Cadeia do Recife-N. 60.
_ Todos os artgos abaixo mencionados, foram comprados recentemente pelo deno do estabele-
cimento as principaes fabricas de Pars, Londres, Birnunhgam, Manchester, e em diversas cidades
da Allemanha, c tendo comprado ludo as melhores condicoes por ser a dinheiro, por Isso vende todo
e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mu principalmente por querer inleiramente liqui-
dar e ter de partir muito breve para a Europa.
Ha neste vasto armazem ricos objectos com brillantes, como bolees, anneis, rosetas, etc., e
bem assim, diversas obras de ouro, como tranceiins, correnloes, oculos, face-mains, anneis e muitos
oulros artigos, relogios de ouro, inglezes, do afamado fabrcame Beuncie ; completo sorlimento de fa-
zendas finas e modernas; miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes nglezes e
francezes, como L. T. l'VKU, Lubin, L. Legrand, Ed. Pinaud & Meycr, Deleltrez (Farfumarie du
mond lgant), Vitlet, Socjet Hyglenique, Moopelas, Mailly, Regnier, P. Gueland, e Inglezas de Eug.
iinuiei e oulros; ricas galantanas cm inarlim, madreperola, ele, fabricadas na China e no {apio ;
ricas pecas de cryslal fino como ainda nao appareceram nesta cidade, e bem assim modernos lustres
para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpeulinas, castices, cnfeites e adornos para cima de cuii-
solos e para grande toilette, o que se tem feilo de mais elegante em l'aris, em Londres, Birmingham,
etc.; modernos apparelhos de metal lino in^lez para cha caf, os quaes nada tm de inferior prata
e muitas outras pegas do mesmo metal, ricos peules de tartaruga da ultima moda para trancas de se-
nhoras, ezcelleutes luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcellana lina para cha e caf,
dilos para jamar e inmensos srtigos de porcelana fina donrada, como ricos vasos para flores, figuras,
etc.; calcada dos principaes fabricantes de Paris e/lilos de panno com sola de borracha, pianos dos
celebres fabricantes Pleyel, Wollf & u, realejos modernos de Gavioli 4 C, para se tocar na rua, ditos
com figuras para saloes e dito* com figuras em movimenio; modernos e bonitos instrumentos de physi-
ca (mgica) para theatros ou aloes, ditos de phanlasmagoi ia; lanlernas mgicas, cosmoramas com
vistas novas, da e noile ; stereocopo- de nova inveugo e com bello sorlimenlo de vistas das principaes
cidades da Europa ; grande sorlimento da brfnquedos linos para enancas, e bonecas fallando papai,
mami ; grande sorlimento de candieiros a gaz os que se lem feito de mais elegante e que lem mere-
cido toda a aceitacao na Europa, grande e magnifico sorlimento de caixinhas, cestinhas e outras galan-
teras feitas do crina e seda, proprias para prsenle.); grande soimenlo de estampas linas coloridas
com o fundo preto e de oulras de .todos os santos, ditas eim figuras e ditas com novas paysagens para
cosmoramas, linos e bem graduados Vldroa para cosmoramas, um bailo chaforiz de. crystal, proprio
para meio de mesa de jamar ou para jardim ; cutelara fina, como lalheres com cabo.de metal fino,
colheres, ihesouras finas, ditas modernas para alfaiate, navalhas liaas, caivetes e oulros artigos, diver-
sos arligos feito de rame; completo sorlimenlo de mascaras de velludo, setim, cera, papelio e rame,
doces confeitados e chocolate em caiiislias cera vdros; camas d,i ferro de todos os taannos, lava-
torios, ele. j ricos quadro< para cartes Je visitas e ditos grandes e pequeos para retratos ; chapeos
de sol, bengalas, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias
para quem faz pao-de-lo, bolinhos, etc.; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e hrancos;
pannos para cobrir mesas, boleas grandes c pequeas para viagens, e outros artigos, como cobertores,
malas, etc.; sorlimenlo de violoes liaos; figuras liuas e jarros de alabastro ; galanlarias e oulras pecas
decharao para loilelle ; machinas para varrero chao, excellentes machinas para photographia para
tirar retratos, grandes e pequeos : lindos baldea de papel lino transparente e lanternas coloridas para
illuminscoes a moda de Pars, salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quem
toma bahos em lugares fundos ; ameixas novas em caixinhas, biscoutos inglezes em latas, graxa in-
gleza 97 ; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, queijos, ele, e muitos oulros artigas
que para enumralos seria um nunca acabar, e todos se vendera barato e muito barato no grande ar-
mazem da Exposicaode Londres, na rua da Cadeia do Recife 0 60.
" DINHEIRO FRANCEZ.
Vendem-se moedas de ouro e notas do Banco, e bem assim uma rolleccao desde iim centesimo
( rail francos : vndese barato no Recile, rua da Cadeia n. 60, no armazem da Exposieao de Londres.
Rival sem segundo
? Roa do Queimndo as. 49 e 55, Uja t
miudezas de tres prtas, est qiei-
mando todo lio ni ebarat, ^iea ra-
zer ver e admirar venan laja 4
Companiia lidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGKNTBS EM PERNAMBUCO
Antonio Laiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc- '&.
loria da companhia de seguros Fidelida- ^s
de, lomain segaros de navios, mercado- S | Caixas de papel amzade, e sem ella liso e
rias e predios no seu escriptorio rua da Rg a 600 rs.
M T.ruz n. 1.
Samuel Power Johnston k Companhia
Rua da .-enzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fnndl^ao de Low oor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e mejas moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d >. carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Ma: hias para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Aluga-se
por 16 mensaes a casa da rua dos Prazeres n 1
B do bairrd da Boa-Vista : a tratar na roa estrei-
ta do Rosario n. 28.
COMPRAS.
Comprase efectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na rua larga do
Rosario n.2i, loja de ourves.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effcctivamenle eseravos de ambos os sexos :
rua do Imperador n. 79, terreiro andar.
Ctii'o e prata
icm obras velhas : compra-se na praca da Inde-
I pendencia n. 22, loja de bilheies. ____
Comprase ouro, prata e pedras preciosas,
! em obras velhas : na rua da Cadeia do Recife,
l*ja de ourives no arco da Conceicao.
Comprnm-se libras esterlinas a 9^600, na
praca da Independencia n. 22. ________^^
fazeada
para lmpar drnles a 240 e
para rollareis a 200 t
se
<
te

ce.
o
US 11
o
SI
Compram-se patacoes
da Independencia n. 22.
mexicanos : na praca
um sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, uma a emquenior-iU o fallecido Thomaz de
Aquino Konseca Jnior, feita a moderna, e conten-
do todas as accommodaces precitas, e outra com
bois commodidades para qualquer familia : na
rua do Vigario n. 19, primero andar.
a
Q
Para completa liquidaco vende-se, por muito menos de seu valor, perfumaras muito finas e
novas, chegadas recentemente de Paris e de Londres dos mais afamados fabiicantes segrales*: Eug,
Rimmel, R. Malheus & C, Lubin, Soqiedade Hygienica, Piver, Violel," L. Legrand, Deletrez. Pinaud &
Mejor, Regnere, Mailly, Gillet frere etc., etc., dos quaes ha grande sorlimento d'agua de colonia em
vidros e garrafas, agua de lavande, agua para llm|iar denles, oleo babosa, extractos em garrafinhas e
vidros de difierentes modelos, pos para lmpar dentes, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas
caixinhas ebalaiuhoscom perfumaras para fazer presentes, e muitos outros arligos que se vende por
menos de seu valor, bem como todos os arligos era geral existentes no grande armazem da Expsito
de Londres, na rua da Cadeia do Recife o. 60.
Compram se dous consolos de mogno com
pedra marmore branca, assim como um loilel tam-
bem de mogno com espelho e pedra marmore bran-
ca, tudo de gosto moderno (Lnlz XV) e em perfei-
to estado : a fallar na rua do Crespo n. 4, fabrica
de chapeos de sol.
Compram-se libras esterlinas : na rua do
Crespo n. 16, prtmeiro andar. ____________
Grozas de boldes de looca prateados
der mi a 160 rs.
Duzias de penna de ac fazenda boa a 10 r
Pecas de tranca de la lisas e de toda* crea s
40 rs.
Escovas finissimas
320 rs.
Pulceiras de conlas para senhoras a .700 r*.
Pecas de fita de eos estrenas eom 10 varas a
Caixas com clcheles francezes, superiores quali-
dades a 20 rs. '
Tinleiros de barro, com superior tinta a 100 r..
Pegas de cordo para vestidos, Jiroda boa a
20 rs.
Baralhos muito finos
240 rs.
Frascos com agua de Florida ilie 1*280.
Frascos com superiores banbas a 500 rs. e 2.
Frascos com banba, porm pequeos a JfJC'e
240 rs.
Latas com snperior banha a 200 rs.
Frascos de macaca perula muito Uno a 200 rs.
Frascos e garrafinhas com atoa de Cotonea a
100 rs.
Frascos grandes com superior agua de Colonia a
60 rs.
Frascos com superior oleo de H a 400 e
300 r.
Caixas com 12 frascos de cheiros mono baos a
l'iOO.
Sa bonetes pequeos de bolla a 240 rs. e grandes a
320 rs.
Sabonetes de familia a 120 e 200 rs.
Duza de sabonetes pequeos com rbeiro a'70O rs.
Agua denlificu superior qnalidadea M rs.
Caixas com superior p de arroi a 800 rs.
Frascos de superiores essencias santal e ootres a
1"200.
Frascos com essencias para lirar noduas de roupa
a 500 rs. ^^
Frascos com cheiros de lodos os preros a 160,200,
'u e tizu.
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Duzia de meias muito finas para senbora a
4tj>o(JO.
Gollinhas rauilo finas para senhora a 200 ra
Caixas eom soldados de chumbo para menina a
160 rs.
Duzias de colheres de melal para cha a 800 r.
Hilas dita dito para sopa, fazenda boa a !t00.
Varas de cordo braneo para espartilho a 40 r*.
Pecas de lila de la para debrom de Testid ron
10 varas a 600 rs.
Uilas de bicos superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras de lousa para mf nines a ICO rs.
Caixas de lampannas para 3 mezes a 50 rs.
Bunecos do choro e panno a 160 rs.
Caixas eom bonitos estampas para raj
mm
si* Francisco Aujso da Cosa
ADVeGADO
;,- Rua do Imperador numero G9.
m
%. -
: :
Alugam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, eocheira, estribara e oulras comnio-
didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira :
a tratar na rua da Seozala Nova n.4.
"SoceSde Bella-Harmouia
A rcnnifio familiar que eslava marcada para o
da I- do eorreftte, nao leve luj-'ar em consequen-
cia i!<. mao lempo habido nesse da, e foi designa-
do novameote o da S do conente. (sabbado). s
cartdas da e jvite -no o< mesmos.
Secretaria da sociedadp Bt-lla-Uarmonia 3 de ja-
llio de 1863.
J. Ribeiro da Fonseca
r secretario.
___ ORereea-se uma mtber para ama de
casa de homem solteiro ou de pouca familia,
a qual lava e engomma : a tratar na rua Au-
gusta n. 94.________
~Precisi-se de uma ama para cssa de pouca
familia : na travessa dos Qusrteis sobrado n. 34,
an'.igamente rua de S. Rom Jess l'a:;^r_0_u|^^_
Acl.a-se abeila disde o Io do corrente a ma-
tricula de nstrucco primaria da terceira cadeira
publica da fregante de S. Jos desta cidade. Os
concoareotes dinjam-se a rua dos Pescadores casa
n. 51^_______________________________
Precisase de 1:0005 a premio de 2 por cen-
lo ao mez sobre hypotheca di um casal de esera-
vos mocos, robustos e S'-m vicios, dando-se os ser-
v.;osilo's mesmoJ por 325 mensaas para destes se
tirar os juros : quem quizor drija-se a rua da
Imneratriz n. 74, que se dir quem faz o negocio.
Precisa-se de nm profe-sor de primeira* le-
tras qae queira ir para um engenho na fregoexia
ia Kscada : a tratar na taberna do Campos no
liiu da rua eureita do Rosario n. 47. -_________
O Sr. Silvestre Correiard'e Cirvalho dcixou
de ser caixeiro na botica darua do Cabug n. 11.
Na padarurdaTtorre precisa-se de um
portuguez para eitor de ca upo.________
'~Quem~precisar de urna pessoa habilitada a
ensinar primeiras letras, latim, francez e ransica,
ilentr) on fora desu cidade, dirija-se a rua do
Queimado u. 8, terceiro andar.
$ Joao da Silva Ramos, medico pela Un'
'M versidade de Coimbra, da consultas em
sua casa das 9 as 1 i horas da manhaa, e
das 4 s 6 da Urde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
pira isse designidas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qoal-
qaer occasio. D consultas aos pobres
que o proeurarem no hospital Pedro II,
aoniki encontrado^ diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem 8K4 caa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o qne
tem commodos apropriados e nolla pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casi de sade.
Primeira dasse 33000 diarios.
Segunda diu..- 2*300 >
, Terceira dito.... 2|000
Este estabelecimento ja bem acredi-
_ tado pelos bons servico* que tem pres-
tado.
O proprietario espera qae lie conti-
nu a merecer a conflanea de que sem-
pre tem gozado.
flj Anda se precisa de uma ama para eozi-
?g nhar e engommar para tres pessoas : na
^ rua das Cruzes n. 37, sendo pessoa mori-
jjgg gerada e que se possa enlregar uma casa.
Precisa-se saber quem o correspondente do
engenho Quilinduba, para entregar uma caria na
1 linaria ns. 6 e 8 da praca da Independencia.
Desde o (lia G de'junho'proximo fin-
du aosentou-se de um dos estabelccimcnios
do Exm. Sr. bario do Liv amento, onde ie
acha va a ervit;o, lia mais de 2 annos, o es-
cravo PaotaleSo, de propiiedade do de-
isembargador Custodio Manocl da Silva Gui-
(maraes. No dia Odo supradilo mez foi
Jachado, junio aocaes do trapiche do algo
, do, no Forte do Mallos, o cadver de um
homem prelo, que esleve, durante todo es-
te dia, ex posto em frente da groja da Ma-
dre de eos, espalhando-se logo a noticia
de que esse cadver era do referido escravo
Pantaleao, o que logo foi dismentido pela
informaeo dada pelo subdelegado do bairro
; do Recife, que assistio a vestoria, que se
fez, e declaran ser o cadver de um pesca-
dor, morador em Fora de l'o'tas. Para
que alyuem, cun m fe e inlencHo crimino-
sa, nao se aproveite desta .circunstancia,
reconhecklamente falsa, afim de man fcil-
mente lograr seu intento, faz-se o presente
: annuncio, prolestando-se contra semelhante
noticia em vista das minuciosas indagaejes
a ijue se mocedeu. E, como ha toda pro-
babilidade de achar-se dito escravo acoutado
por algum especulador, roga-se a todas as
aulhoridades policiaes e aos capiles de
campo, que apprehendam o mencionado es-
cravo (que no dia 8 ou 9 d'aquelle mesmo
mez foi encontrado em Apipucos, onde esta-
r talvcz forfa lamente acootado) e o entre-
gucR ao scu referido senhor, na rua da Au-
rora n. 60, que gratificar generosamente,
, protestando igualmente usar dos meios ju-
! diciaes contra o acoutador do dito escravo,
j tendo estis seguinies siguaes : estatura
ponco menos que regular, cheio do corpo,
idade de -te anuos, cor prela-cabra, cabeca
' um pouco redonda e pequea, olhos um
tanto pequeos, esfumacados e verraelhos,
bei^os regulares, p largos e apalhetaios,
e tem o andar inclinado para traz e cam-
baleante. Convm declarar-se que dilo es-
cravo quando ausentou-se foi vestido decal-
; fa e camisa brancas de algodo grsso da
liaiia, leudo do lade direilo da primeira e
;aoesquerdo da segunda as iniciaesB. L.
! de tinta bem preta e to segura que ser
quasi impossivcl desvanecer-se por mais-
que se lave,__________ __________
Para senhoras.
Ricos o modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o que se lem feito de mais ele-
gante al o presente > vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Ex-
posieao de Londres, rua da Cadeia do Recife n. 60.
Luvas novas de Jouvin.
Compra se uma armacSo para taberna, que ayancas; com uonii.-* estampas para rar a 100 rs.
tenha todos os pertences i-ara a mesma : a tratar Peno comprMw, boa fazenda a M ra.
na travessa de S. Jos n. 22, ou na rua de Aguas- c,r';';!s dt ''"'^s pequeos prelos para calca a
Verdesin lo. g** .. .
---------------------------------------------------- lodas etas azendas para MpWar, rxi- todo
< OlH'e, lalao e ChlimoO. est em nerfcilo etido, isto garante o duuu do es-
Compra-se cobre, lato e chumbo : no armazem labclecm cnto.__________________
ida bola amarella, no oilao da secretaria depo-i k-Li-n^^n^ V-^Zl I I "
lica._________________ Attencao, re^uezea.
Comprase uma carroca para cavallo, noval Lourenco
ou usada : na rua da Cruz h. 66.
Compra-se um burro manso para carroca :
na rua da Cruz n. 66.
Vendem-se exeellenles luvas de pellica receniemenle chegadas de Paris, tanto para homem co-
mo para senhora, por menos de seu valor, para se liquidar ; no grande armazem da Exposieao de Lon-
dres, na rua da Cadeia do Recife n. GO. i
PtTeira hiendes Guimarcs. com lfta
i e armazem da Arara, na rua da Imn-rainz n. 6,
j est fazendo uma nova liquidaco de indas as (a-
zendas que se vende mnilu baralo, a saber :
CHITAS A 200 Na O COVADO.
Comprase uma porta j servida, que lenha i Yendem-sc chitas com muito bom panno euaia
6 palmos de. largura e 12 de comprimeulo : a fal-1 cores fixas, pelo baratissimu preco de JOO rs. o co-
lar na rua Direita n. 4i.________________! vado : s Lourenco Pereira Mt-ndcs i.ainuraes
-----------------------MOlilLIA. ASHUETANHASDEROLO.
Compra-se uma mobia de sala, sendo do jaca-! Aen.".e-?e ,a"* e.['.''""'" *" fai""*-
randa e em bom uso : na rua da Cadeia n. 57. Pel diminuto preco de J5O0O cada peca ,cm I
---------------------------------------------------- varas.
Compra-se uma batanea grande ou um braco LAZIXHAS CHIXEZVS
Romao : a tratar no caes da companhia Pernam- Vendem se as mais modernas BiMhi chinelas
bucana, armazem n. i, ou na rua Imperial n. 27 pe|0 Daral0 pr(.ro dl, 2so rs o covad... fazenda esU
Comprase uma casa terrea em bom eslado, que Mtnpre se Malea a 4 e que seja grande : a tratar na rua da Imperairiz dendo a 20 rs., de iodu_ o= padrts e todas as
n. 43, uo primeiru andar.
DE
J. Vlf.NES.
\. 55. 11UA DO lHPElliDOR \. 55.
0; pianos desta antiga fabrica sao hoje asss conliecidos para que seja necessario insslr sobre a
sua superioridade, vantujjecse garantas que offerec.Mii ^aos compradores, qualidades estas incontesla-
veis que elles tem definitivamente conquisiado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado e machinisino que obedecem i todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falliar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importau-
tssimos para o clima dcste paiz ; quauto s vozes, sao melodiosas e flautada^, e por isso muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-sc conforme as encominendas, tanto nesla fabrica como na do Sr. Rlondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram se.mpre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sorlimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoavels.
OIB
0 castello de Grasville.
Traduziilo do francoz por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quti
tomos pelo baratissimo preco de 2I50C
ua praga da Independencia, livraria ns.
16 e 8.
Palitos de fogo a
Companhia geral hespankola de seguros mutuos
sobre a vida U
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma Ganca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garaRte a boa da
ministraco da companhia.
2$ a groza para li-
quidar.
Chegaram excelleules palitos de fogo c vnde-
se pelo baratissimo preco ric 25 a groza: na rua
da Cadeia do Recife luja de ferragoas n. 56 A, de
Bastos.
Vende-se
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Raneo de Hespauha
DIRECCO GERAL
.Hadritl: Rua do Prado n. 19
Esta iinpauiia liga pelo systema mutuo todas as cornbinacoes de superviencia dos seguh
sobre a vidi
Nella.pdesetazer a subscripeode tnaneira que em nenhum caso tresno ftr nern dos
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
S fu i t.-io suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que anda raesmoiimlnuindo urna terca parte do interesse produzdo em recentes Iiquidai
ces eenlomando-) .ora > raortalidile da tabella de Depareienx que e adoptada pela companh-
para seas slenlos e liqaiJaeoes, era segurados de idade de 3 al9 annos, uma imporsii;ao annua.
de 100^ produz em effectivo metlico:
No fim de o annos.......1:1191300
duas casas terreas construida cora madeiras de
qualidade, sendo as frentes de lijlo e cal, sitas
na rua do Commenio do povoado dos Montes : a
tratar na rua da Praia n. 34.________________
lantciga.
Inglcza muito boa a 15 a libra, qneijos do vapor
a 25400 e SfOO, cha a 25400, caf a 2C0, alpisla
a 120, presunto novo a 660, vnho da Kigueira e
Lisboa a 352OO e 25600 a caada e 'tO e 300 a
garrafa, gaz liquido a llja'OO a lata e 480 a gar-
rafa, azeite de carrapato a 45 a caada e 520 a
garrafa, farello saeco grande a 35800 e de brinda
a 453OO : no armazem da Estrella largo do Pa-
nizo n. 14.
Attenciio.
Na rua do Qnetmado loja 11. 41, esquina do bec-
co da Congregaeo, vendem-se riqussimos cortes
de chita franceza eom 10 covados denominados dos
vidnnlaaios da patria, pelo diminuto preco de
25800 e outras nimias fazendas por baralissimos
presos.
A ttenfOQ.
Urna pessoa compelentemeote liabilitada pro-
poe-se a ensinar primeiras letras, lingua nacional,
msica e para (ora desta provincia : na rua do Imperador
I o. 8, cartoro do labeliiao Porlo Carreiro, se dir
quem ._____________________
Ama de leitc.
Precisase de urna ama sadia e com n'om leile :
i na roa Imperial, sobrado n. 87. *
^ Antonio Caetano da -ilva julga nada dever
nesta praca, mas se alguem se julgar seu credor,
aprsente a conta no praso de ires dias para ser
pago : na rua esireta do Rosarlo n. 45.
Na rua de Ilorta n. 16, segundo andar, pre-
cisa-se de uma criada'para os servicos de uma se-
nhora. __________________^^^^^^^_
Aln?a-sc
a casa terrea da Ilha do Retiro (Passagem da Mag-
dalena) onde morou o corrector Macedo, com bons
commodos para familia : trata-se no laigo do
Corpo Sanio n. 19, escriptorio.___________
" Na rua dos Coellios 11. 10 se dlra quem faz
algumas Iransaccoes sob boas garantas.
NaruTdo Cabug n. 3, segundo andar, ha
para se alugar uma escrava.
Aluga-s? uma ama para caca de pouca fami-
lia : .na rua Direila n. 18.________________
Alngase um pequeo armazem na rna da
Pat. -proprio para qualquer eslabelerimento em
pontf^oeeueno: a tratar no pateo de 6. Pedro o. 4.
de 10 ,
de 15
de 20
de 25
3:9425600
11:2085200
30:2565000
80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectis e mais nformaedes serao prestadas pelo sub-direclor nesta provincia.
Joaquim Fiuza deOveira, rua da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.12,estabel
ment dos Srs. Raymundo.Carlos.Leite & Irmiio.
Cochcira.
A lucra-se a grande eocheira da rua da Roda n.
58 a 60 : a tratar na rua larga do Rosario n. 34,
botica. y
Precisase de um moleqne de 12 a 15 annos,
para o servco de uma casa de duas pessoas, ou de
uma ama escrava 011 forra para o servico da mes-
ma, inclusive comprar : na Soledade, rua da Con-
quista n. 8. _______________,
Jos Francisco Barrotle, subdito portuguez,
vai a Portugal e deixa por seus procuradores os
Srs. Manoei uarte Rodrigues, Guimaraes & Car-
doso e JuS Correia Braga ; suppSe nada dever
nesta praca nem fra delta, qur de sua firma in-
dividual, jur da de Rarrotle d Braga de qne fez
parle : se porm alguem se julgar credor do an-
nuuciante, pode procura lo na rua do Amorim n.
5Q, pnmeiro andar.
-O aftaixu assignado, actual mestre dos novi-
ijoti'da -veneraVel ordem terceira de N. S. do Car-
roo, convida a todos os irmaos novcns da raesma
ordem para avo domingo 9 de julho comparecerem
no rnartorie da mesma ordem, as 3 horas da tar-
de, afim de fe tratar da festa de sua padroeira.
Eraacisco Jo.-i de Oliveira Barbosa.
MOLfJE.
Precisa-se alegar ,u*u molt^ue : na rua do Ca-
bvgi n. 2 B.
RETRATISTAS
Firmino & Lins
Novo estabelfcimeato de retra-
tos rua Nova n. \5, i an-
dar, junte ao Sr. Gantier,
dentista.
Tirara retratos todos os dias, das 7 horas
S da manhla s 5 da tarde, quer chova ou
aj nao.
5? Tambem se offerecem para tirar retra-
Wk los de pessoas fallecidas, dentro ou fra
da cidade.
Os annunclntes desejando acreditar o
Ir seu estabelecimento, garantem ao publico
M que nenhum trahalhosahir de ua offlci-
5[ na, sem que nao seja per fei lamen te acaba
R do, e a vontade do fregnez.
a ? a. % wj
s Mendos (uimaracs.
CHITAS FltANCEZAS.
Vendem-se chitas framezas escuras e claras a
2i0, 260 rs. o covado, ditas percl.is linas i 2SO.
300. 320 rs. o covado : na rna da Imperatriz n >.;
loja de Mendos CinmarAes.
GRANDE I'ECIIiNCHA DE CHALES DE
MKMIW.
i Vendem-se r ha les du mene estampado pelo
barato preco de i-'j cada um.
CAMISAS FltANCEZAS.
Vndenle caini-.-i- francezes a 1*500, l->. "e
2500H cada ur.a, ditas da WfgMi larcas a ? e
2-5240, dilas de linho a 25500 cjda uma : 11 ilea-
des Guimaraes.
MADAPOLAO ENTESTADO.
Vndese madapolo com i jardas a .15.OO, 4->,
e 43500. '
CAMISAS PARA SENHORA.
Vendem-se as mais modernas camizmhas enlej-
iadas para senhoras a 45, 45-"i00 e:>:iH,o.
GRANDE SORTI MENT t)E CAMt'.AIAS
BRANCAS.
Vendem-se cambraias brancas a 35, tiZ^Mt, i?,
45500,55, 55500 e 65, e muito fina a "5tWu cada
pefa.
CORTES DE CAMRRAIA BRANCA COM
S LPICOS.
Vendem-se corles de cimbraia de silpiris moi-
to miudinhos c cada corle tem 10 var., pelo bara-
tissimo preco de .'>-5.
COBERTORES ESCAHLATES.
Vendem-se roberiWau de !.i e.-c-ri;:. s n 65, di-
tos de algodo a 15500, dilos.escurus a 15HIU'cada
um : s Mendes Guimaraes.
PECHINCHA DE K\TREMEIO>.
Vendem-se bou's entremeios a 800 r.. a peca,
ditos linos topados, tmdo padres n.uito de roU) a
15, babados a 15 rada uma peca : na Arara rna
da Imperatriz 11. 56 de Mende/Galmaraes.
CASEMIRAS.
Vendem-se casennras com iistras a 2j500 o co-
vado c dilos a 3514)0.
ROUPAS FEITAS.
Vendem se roupas feias de inla* a qaad.ide*
caifas de ganga a 15500,15600, I58W, .1.las linas
a 25, ditas de brim pardo a 25 e t>>0i). dita- [inass
a 35800 e 3?, dita- de |,rim braneo a 2. Mm de
huno a 355OO, .lilas de casimira a 35 e 3;500. di-
las linas a 65 e 75500, dilas pret.i di- raseniira a
(.s e K5000, palitos saceos de meia casimira a 4-5.
4550H, 55 e 65000, ditas finas a 75 e KJOU, d.ias
de casemira me-clada a 95500, palitos sobrfcasa-
eos de panno prelo a 125, lia e 165000, jaqueonj
de brim pardo a 2>800, 25500 e 2ci)O : 5 Loa-
t renco Pereira Mendes Guimaraes,
, roa da Impt-ra-
Laazmhas a 320.
Lazinhas a 320.
Lazinhas a 320.
Chegaram para a toja do Pavo as mais bonitas
lazinllas suissas de qnadnnhos e lsiraznhas a
imilago de sedas por terem minio lustro, sendo os
padrdes mais modernos que tem vindo ao mercado
e muito tevezinhas, vendenJo-se pelo barato prego
de 320 rs. o covado, sendo lazenda que sempre se
venden por 640 rs. Lqunla-se por este barato Poilll.tS df ema
preco na loja.e armazem do Pavo, na ru: da Im-! Vendem-se na m da f^deian. 27, armazem de
peratriz n. 60, de. Gama & Silva. ^ Prente Vlanna & C. .nwm oe
Lenciiilis pa mo a 240 rs.. na loja Vend(..,
do Pavo. nue
! Karinha de rauribeca fi a e alva, mais
barata que se vende no mercado, em sac-
_______eos : na ruado Vigarion. 211.
SeincHtes.
Vendem-se sement* de hortalicas mnito oras -
na rua da Cadeia n. 50.
C'oziuhciro.
Precisa-se de um cozioheii'o bom
Cadeia n. 67.
na roa
Vendem-se finissimos lenco
cercaduras, sendo nma de cordo e outra de eores
matizadas, ramio Unos, a mitacao de linho, pelo
barato preco de 25800 a duzia, ou 210 rs. cada ,
um : isto s na loja e arniazam do Pavo, na rua
da Imperatriz n 60. de Gama Silva. ______
Vende-se ou troca-so um sitio junto ao pala-
cio episcopal, em Olinda, eom bstanles arvoredos
de fructo, hai*a para capim e cacimba con boa
agua de beber ; assim corro uma pequea casa'
na bica dos Quatro Cantos n. 7 : a tratar ni mes-
ma cidade com Francisco Lnd^ero Nunes Viaona,!
e no Recife na rua da Cruz, botica n. 21.
Potassa da Kussia "
muito nova e superior : vende-se noVescriptorio
de Manoei Ignacio de Oliveira & Filho, largo do
Corno Sauto n. 19.______.
Vende-se uma armaco on balanca e ceso
no largo dariheira de S. Jos n. 17 : a tratar na
rua da Cateada n. 52.
se uma escrava crioola de 16 anno*
sabe cozinhar e cozer : a iritar na rua d
hrancos com duas Imperador n. 22, primero andar.
Ciluugas Qnos c brlnqnedos
para meninos.
Chgaram para a loja de miudeza* da rna do
Queimado n. 69, os mais finos e lindas calunjra*
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrara bom sor-
limento de miudezi*.
A lf( i^tOO e i^OO.
I.eques de osso, ultimo go Ceroulas de meia a 152.
Dulas muito finas a I5"0.l ,
S na rua da Cadeia do Recife n. 5.
Entemeios
a JOO c 800 rs. a peea:
da cadeia n. 35.
oa rna

i

^...... 1 -


Diario de pernambuco -se_U|Ielra Je Jullio de i&5.
K molestia -ou infecc3o pecu-
lial conhecida pelo nome de Es-
crfula um dos males mais
prevaleoentes e universaes que
ha em toda a extensa listo das
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um celo-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parle de
Grande liquidadlo a dinheiro.
Na loja e armazem do Pavo.
Roa da Imperatriz u. 6 de Ga-
a A. Silva.
Os dones desle eslabelecimcDtu tem resolvido li-
quidar suas fazendas por presos baratissimos, s
com o fltn de apurar dinheiro, e previnera as pes-
soas que negociam em pequea escala com fazen-
das, qne nesta loja e armazem encontrarao um
muilo Ihes hao
llio, a sa-
j u -v *. onips grande sortimento por precos que mui!
todos aquelles que morrem ames ada [aQlo em a- com da velhice sao victimas, ou dir- ber.
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si nao to des-
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas francezas, listradas muilo lar-
gas, padrees escuros, pe!o barato preco de -200 rs.
Uva, portan a principal causa de multas 0 cova(j0> ten(]0 muil0 uom [ianno; tilias escuras
lossezas" e cor
tilias escuras
outras enfermidades que nao lhe sao geral-: padrdes novos, por serem todas tato
mAntP attrilmirlas lixa a 2W rs> COVa,io ; dlUs tBdHIU
mente attriUUiaas. h.;, -,../. e claras a 240 rs., amaneando se que esta fazenda
E urna causa directa da pnt/iysicu pi nSo (em Q niais pequen0 l0(.Ul) de mof0j nem oulro
monar, das molestias do figado, do estoma- quaiquer defeito. I^iys o l'avo, na ra da lin-
go e affeccoes do cerebro .-Entre OS seus peratriz n. COde Gama & Silva,
numerosos symptomas acliam-se os seguin-; Espartilhos, ua loja do Pavao.
tes -falta de appetite ; o semblante pal- \ende-se um bonito sortimento de espartilhos
it. aun uv upni r pr0pr,0s para senhoras, sendo dos mais modernos
hdo e as vezes incmdo, as vezes ae urna e bem feitos que tem vjndo ao merca(jo, tendo de
alvura transparente e outras corado e a- iodos os tamanhos e de diversos precos trazendo to-
mareliento ao redor da bocea ; fraqueza e das as competentes fitas para apenar Isto s na
tnolleza nos msculos: disgesto fraca e toja doPavao, ra da Imperatnz n, 00 de Gama
appete irregular, falta de energa, ventre Cambraias brancas.
inchado e evacuacao imgukw q_*B_ O j yende-seum bonito sortimento de pegas de cam-
inal lem sen assento sobre OS pulmoes, uma (jTaja brancas lizas, temi tapadas e transparente*,
cor azulada mostra-se em roda dos olhos; pelo proco de i&, &iM), s& e 5, ha vendo muito
. __- a;-Simc ns nlhnt superior da Escossia por 105 e 12>-.tito so n
quando ataca os orgaos digestivos, os olhos g pavao na {ai,, ^alrjz 60 de G
tornam-sc avermelliados : o huido mas, & Si|va
a lingus, carregada, dores de cabera, tcn-
na lo-
Gama
tetras etc.
' as pessoas de disposicao escrofulosa ap-
parecem frequentcmente erupcoes na pelle
da cabera e outras partes do corpo, sao pre-
dispostas s affeccoes dos pulmes, do figa-
do, dos rins e dos orgaos digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosos da escroftcla que necessitam de pro-
teceo contra os seus estragos; todos as
quelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este terrivei flagello (e s vezes heri-
ditario) cstio exposlos tambis a soffrer das
enfermidades que elle causa, que sao:
A phthystca, ulceraedes do figado, do es-
tomago e dos rins : empales e enfermida-
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipela ;
burbul/ias. pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbitnculos, ulceras e chayas, rheu-
malismo. dores nos ossos, as costas c na
cabeca, debilidades femininas, lores bran-
cas censada pela ulceraco interior, e en-
fermidades uterinas, hydi apesta/indigs-
telo, enfraguecimenlo e djilidade geral.
Aos pulmes a .escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consmnpcao pulmonar :
as gamitas eif;t produz inchaces e tornaci-
se ulceras: nos orgaos digestivos causa
desarranjos que produzem indigeslo, dis-
pepsia, molestias do figado e nos rins :
na pello produz erupcoes e affeccoes cut-
neas.
Todos, estes males toado a mesma eri-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
salsa parrilla de Ayer
composta dos antdotos mais eflicazes que
a seieneia medica tem podido descobrir,
para esta molestia assoladora e para a-cura
de todos os males provenientes d'eli-a que
conten virtudes verdad jiramente extraordi-
Admirem
Admiren]
Admirein Bem!
Tasso Irmos
Vendem no sen armazem ra do
Amot-im n. 3o.
Licor fino Caracho em botijas e meias botija?.
Licores finos sonidos era garrafas cun rolbas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosGhcres.
Santernes.
Gharabertin.
Hermitage.
orgonhe.
Ghampagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
Azeite Plagniol. _____________
(irande armazem de titilas.
IA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos c.himicos utensiseos maisempregados
e usados napharmacia,pintura, photographia tin-
turara, pyrotechiniaifogos de artificio) e em outras
industrias. a. M ,;
Montado em grande escala, e suppnodo-se di-
rectamente as principaesdroganas de Parts.Lon-
dres, Ilamburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer
productos de plena confianza esalisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
' Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com nroraplldiio qualquer pedido de tintas moiuas
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes p.idera ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no-mercado em latas tecn.iaas
randa collercjio de vidros de difireme
O
a
mm
1
f'kai ol do cofnmereio
Ra do Ihiirel n.
DE
' AZEVEDO a FLORES
Rtia da Cadeia do Hecife, esqnina da Madre de Rens,
Excellentissinias senhoras o Balao partecipa a Vv. Exc. que redukj os precos de
todas as suas fazendas, e pede a Vv. Excs. que nao o esqueram, pois o Bal8o eBpenba
todos os seus esforcos para bem as servir e alm de tutlu isto mmhas senhoras, m
objecto indispensavel s senhoras amantes da progresso.
Agora minhas senhoras peco que lancem suas vistas cm toda a mn'.a trcumsfe-
rencia e vero que encontram muitos objeclos que necessitam e por procos qu convi-
i o.
O proprii'iario deste ei-bbelecinofllo tem a hon-
ra de avisar aoii ^eu^ frrguetes ip fez uh.a gran-
de redrelo dos pn 50 de seu> generes ci mmci-
ra qualulade J manlriga ingleza I? e l280 tt. a
libra da ultima ebegada ao no>so merrade, 'lita
francea a 900 rs. e eni barril so bi abalerueni-.
queijns llmenlos novo3 a 2^300, dito prato o que
se poiic desejar' em bondade a 800 rs. a l.l ra,
ameixas francezas eartinbas a IfSOO, 1^900
Infido, frasfos de di'.;.s l'il0,grar.d.'.- ;rj ,; i- -
para mimos, marmelada das mettores marcas a
VO rs. a libra, amer.doas confutadas para
de ?. Jof.o a 640 rs., vinho doPorl > a 6i0 7O rs.
a garraM] Figueira e Lisboa 4C(!, 4i < SOO r- i-
em <>n;tla faz o abatmcnlo, clisas de batatas
eom S arrobas mr ll.'.'i'K) 1' a liba 80 r>. ilutas,
cafo t- sprln 7,1800 n 720 e ?. libra .1 i40 e ifcl
bo'iai..;:;.,! inglea 2 2' rs. a libra, tourinbo e
I.:-im ;( :co rs. a libra, vfl.is d^ carn. 1:1a a 4t0
rs., diias-'.-iearioa :..i= a 60: r>., prcMinij ,..;riu-
,'iuv n (V.fl rs.. .';!;;wts n ItfotKI rruba > ..i. .-.
.1 'if.ra. paiiKvi viji ; i:H; e 110 rs. a ;'itn, 1 ha i-
n a 20i%.\f$HH) e 2*800, frnnastmc 'da a
CH) -,: l.-ia, j,' ..;:. :, ,t0 r-. 3 lilT.i f '.':J : IT-
roba, li-ltiilis ir.g'czes laia rii> 2 libras 5
ditos n> oda grn>es 5CO0 e antro1 n >i $*i<*-
, ro> que se torna enfadonbo meneiouar. Oj>i lorie'
lriuesperaa conrnrreima do respeitavel puUtcs,
! garanlindo a exaotido do que tra:.r.
* E 9. 3 a
SS?= lia I
ill
As peehinchas que cstao venda na loja e ama- papel grande e pequeo frmalo de ][""* Crg dem das de G^ por U-
zem do Pavao, na roa da Imperat.iz n. 60 de (Ja-1 paraembrorho,jm fSSf^S^J^/SSS. I ffa mais linrlosnadn.es i
ma i\ Silva, onde se vendem todas as fazendas, j
-i An i..w-------,1.. .._ nw^ciHi^i/.r.vpr i saxe nara pnuiupijuno o i-.j......->, idimuim uuuui muiiu uua u i|j.
verniz'es de essencia para quidros, de c,1lag escuras a24o e 280 rs., que eram de 360, tambem ha superiores.

i' i- tii uao i' x-*i' I "~' '-',
Os mais lindos padroes de cambraias de cores, verdadeiras francezas.
precos gninies, dando-sc amostras deixando ficar penbor "'
ou maedo-se levar em casa das familias pelos
caixeiros da mesma loja.
i opas relas e soulcntharqucs,
Vendem-se as mais modernas capas pretas lisas
e bordadas, os mais bonitos soulembarquespretos_e
manteletes, ludo de seda creta e o que ha de mais
posto no mercado, por presos muilo em conla :
i: loja do Pavo, ra da tmperatriz n. (50, de Ga-
ma & Silva.
LaaziojMts a 300 rs.
Llazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 390 rs.
Vende-se um bonito sortimento de lazinhas pro-
prias pra vestidos e soulem arques por serem li-
sas e de quadnnhos pelo* barato preco de 300 rs. o
covadu, sendo fazer.da que sempre se venden a
500 rs. o covado, c vende-se a dinheiro a vista pe
lo baratissimo pre7o de 300 rs. o.covado : na loja
do Pavao ra d&'lmperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pelerinas a I600.
Vendem-se as-nsais ricas pelerinas ou romeiras
de eambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo pre^o de 1COO: na ra
(a Imperatriz n. 00, loja de Gama & Silva.
Oigandy a 240 rs. o covado.
ou loja do Pavo.
Vendem-se r.s mais bonitas rassas organdys, p>
dres miudos e grandes, pelo bcratissimo preco de
210 rs. o covado (duze vinlens), esta pechincha
i acaba-se logo : na toja do Pavao ra da Impera-
triz n. 60, de Cama A Silva.
BKKTA.NHA DE ROLO A 3.&000.
.UadapoO entestado a S^OOQ>.
Na loja do Pavo
Vendem-s-s pecas de bretantia de rolo com -0
varas a 35, tas de madapolao enfestado a 3^S0c
cianm'ad ofeo de*ud!S, seca.ivo de-Hariim, onro Llia preta para luto e de todas as ruis cores. ,
verdadeiroem p ; prata, euro, e estanto em fo- cinta encarnada adamascada muito superior a 5<>U 18. o covauo,
Ibas de varias cures; tintas vegetaes, inc-JTens-: jjerta ara cama franceza,
vas proprias l*ra cof,Miaras; aa de ~re*. e | pja m[ f ,,a d(J |4.
ffs^rarSatos?.!"^ de muilo bonitas cores.
ra aquarella; essencia de rosa superfina, de ne- { Golletes d casemira pretO e de cores,
rolyjasmim, bergamota, aspice, patchouly, mbar, I(jem jg brm t)ranco.
^^J^^SS^S^VS^Sm Palets de casemira sacco a 10 e 125.
Iouro,c.ereja, alfazema, juinpero, ponugai, uma, .
auis da Rossia, canella, cravo e muitos outros ob-: dem de bnm branco.
jectos que s com a vista poderao ser mostrados. dem de alpaka branca a 5$.
Joao Pedro dasNeves, i idem prelos a ^ e 5^.
Calcas de bnm branco, pardo e de outras cores.
Ceroulas de linho com duas costuras a 2*J0.
dem a i;>600.
Cohetes de casemira a 4$ e ?>#. "
Camisas com peitos de cor.
dem brancas a 1S00 cada uma.
dem brancas finas pregas largas a 2,5240 e 2500.
dem de linho superiores a ; dem de linho inglezas muito finas de nmeros 34, 3o, 3/ o 3.
dem de meia abortas fazenda superior.
CHAPEOS DE SOIi .
8'|S
,s3
o
m & *a <
B fie 3_ -S-3 5 "
8iI|Tg'
B1fiii'l
ir
ti|

7 covados o.i ama

Gerente.
353C0 e 4S : na luja do Pavao, ra da Imperatz
i provado incoritestavclmonte pelas n 60( dli Gm & Slh,a_
canas olaveis e bem conhecidas que tem
feito de tumores, erupeOes cutneas, crysi-
pelas, borbulhas, nascidas, chayas antigs,
bercutesos nos pulme. Debilidade ge-
ral: lndigestiio, Sypkilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das rculhe-
res, ulcuraces do tero, a nevralgia c con-
vulc5es epilpticas e em summa, toda serie
de enfe: midades que aascem da impureza
do sangoe. Vede as e3rtidoes no Alma-
nack e Manual de sanan do Dr. Ayer que
se distribut gratuitamente nos lugares onde
se vendem os remedios.
Este remedio o fruetc de longas e btbo-
rtosas experiencias, e ha abundantes proyas
das suas virtudes: posio que offerecido
ao publicc sob o nome de."Sba parrilhc,
cemposto.de diversas pltas, alguirias das
caaes sc superiores a melbor salsa.parri-
Uia no seu poder alterante. -
PEriVUAL DE CEltEJA i> AVEU.
Cota promptamenle a asthraa, bronchite,
tosse, defluxo, angioc, coqueluche,
phL'iysica primaria,, tubrculos
pulmonares, .e todas as
moiests pulmo-
nares.
i 'i 0.- ;!iicos declarados.
Ida as motestias da gargani, do peite
e dos poimoes pdem ser curadas em pou-
co teicps pelo ,-eitoh.u. de ceuha do dr.
AYKII.
A' reada as principaes botieaf .e droga-
ras do iciperic e na agencia central de
.IUo de Janeiro en* Direita n. 15.
Vaade-ue era Pernambuco^
3; ;>*rsiiae?a frsnccza P.MAUHER & C.
RA NfiVA N. 18.
v
w
tt
2.
m
9
!
8
&
n
a
3
f
S
e
f
o ,.
S. M
w o. ^
p (5


- 3

c
o
CA
13 -
=r
a.3
o
fi
13
1

o
n
o
3
o

o.
o
-i
1
a
S
a.
5 o-
f
i*sgs lili
Se So
2" 2* =<
3 5a
E.2 2
o.
cv
-a
o
j_
I
S
p-g c- 3
FfffJ m-k

KlPl^Itlt.
Francisco Jos Germano
ItlASOVA X. 21,
acaba de reoober am lindo e magnifico anmenlo fi| d d fl ^ {i aste)S a 8jJ
deoculos, tuuetos, binculos, do.u.timo e mais 1 ...
anulado &urlo da Eurupa.
onceas de farfulla a 4QO
com 22 cnias de f.irinha da trra, e nao qu-rendo
a sacra, a 'iS : na ra do Imperador n. 26 dofron-
tt da casa d*s audiencias. \
dem superiores de 16 asteas a 1.
dem de seda trancada asteas de meia cana a 14)5.
Que ludo se vende na loja do w
i
o*
3
i
& o
Ol*
flfr?
S a o o
I o Wr
raja se3
* r.
ti
1.1 S
5 I
m
Jladapelio com toque fosnffl a 65100 e "1?
Vendem-se superiores pegas de madapol&o, {;a-
rantiodo-se-^O varas em cada urna, pelo baraiiesi-
iA-nno. mo preco de G^vOO e 75 por lerem um pequeo
ulceras, rheuma, same pa ebas, hjfd. ope-, ^ ^ t,lof/q(11( nai)a vlal> e peas de Jfa a
sia, Ume quando causada por depsitos tu- 45 na |0;, 0 i>ava0j rua d imperauiz n. (C, de
Gama & Silva.
Corteo de casemiras a 2oOO e, 3
Vendem-se cortes de o.s.'inra de uma s cor a
25300, ditafrdo ([uadrinlinsa -3 : na luja do Ea
Vio, rua te mpcrairiz n. 60, de Gama & Silva.
Chales a "'JO
Vendem-Fc chales de merino a 2,5, 25500, SJ c
65: na loja do Pavao. rua da Imperatriz n. 66, de
Gama cv Sirte.
Lauiidii:.!, a 220 rs., inja do Pava
Veodera-SO lazinhas U'a!;~;iarentes deur;i ::i
cor e de qaadnabos proprias ; ara vestidos tic ;-
nhoras e mrninas, pelo baratsimo preci deSJ
rs. o covado, sendo fazenda qae sempre se veadeo
a .*i00 rs.: na leja do Pavao, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
aUs granadinas,a 125
Vendem-se es mais ricos entes de fazenda de
muita pliantazia por ser transparentes o teti -
com seda, tendo cada coito 22 covados, pelo dimi-
nuto preco do lis nicamente na loja e arma-
mareas chocado agora
LOJA 00 BE1JA FLOR
Na roa do Queima.lo ti. l>3.
Tendo receido um sortimento de bonc-
- Vende-se uma nepr nha de 10 annos, muito
esperta e sadia : no paleo da matriz de Saa'.o An-
tonio n. 8.___________________
Venderse uma borro de ferro grande
em perfoito c.-tado el por commodo prego :
P r" a V i *ia-----------------Xantifrae bem conhecida loja J mluder.a cas de choro, que chamam papai e mantai,
L'.'.tMio par;*, alcanas. ruc. do encimado n. te, acaba de ser novamente.com cabeeira de-cachos.
Vende-se muito botn lagwd para calw.dai rar- prvida de dilTertoles miudezas, novas e finas-per-1' T.en,l0 reccbido um variado sottillion'.o &
anceZas,kva5deJouviR.,en:!br.nqueaos paP? men|00Sj scml0 espadas,,
nies ao espingardas, pistolas, tambores ; ditos
JNO aiTazem (le lazeil (CAS Da-1 comprador, a oem isso, e a regalaridade-doa pre- para meninas : apparelbos de almoco o de
pos nao sera intiillerenle para continuar com a sua j jaBlar de porcelana e de metal, porta-COr ,
an re n nnr ; e nao qiieren-'
CONFEITOS
BIATITOS
E
1
n. i.
ratas de Santos toelko, rua; *. ^n*. e raoalnhas a s 80 rs. 0 pa
(1o lfCiinado U. 19, ven-i-A-lltlga^lOja ae iniliaezaS a ] do entornar, *eode mais barato do qneem
dferse o seA'uinte:
M
panno dojllnhoa 2*400.
bramante oe Haba de um s panno a
Lenges
Ditos de
3om
Cobertas de ofaka da india f. tgSOS.
Lencos de ambraia.nranoae propnos r-*ra a,8-
beira,pelu barato itreco Pegas de bfetaaaa del rolo eom 10 varas a 35800.
Dilas drf eantoata para forro de vestido, com 8
varas, pelo baratissimo pr;o de 2S60>-
Guardaoapee-adamascados j*;'lo LaratissiGio prego
de .'15**!' a (iuiia.
AlKodr.u (infestado co(n 7 t[2 palmos de tergura a
l'200aaca.
rua do Queimado u. 16.
Nessa loja vende-sc baratamente, alm de mui-1
;:^ onlros objecios os segnintes :
VolUs de orjstal, grandes c pequeas.
Outras de diversas qualidados.
Cruzes praades de pedras falsas. ^
Alflnetes de madreperolae cutas goa*H8ades.
Brincos a M3o.
Cuitosa tr&viata.
GUDE
Oproprietano do grar.d armf-zem do Baliza,
lar^o do (LtorameOlo n. 3^, nao leudo podido con-
segiir um wmpo a mudanca ter de ser mudada a robera desea tas, lem resol-
do vei-dcr o grande e magnifico sorwnento de mo-
Iha Jos c serco-s que nelle se acham por todo o pre-
go, sein Hender a o grande prejuizo lo que d onira forma nio o poder evitar.
Cal ile Lisboa.
Vndese escllente cal nava, ltimamente che-
ga4a : na roa do Trapiche n. U, segundo andar,
eteriptorio de E. R. italjeno._____________
Vinho rerde
Ancnretas com superior _ho vrde de Basto-'
o melsor que vom a ete marea !' : a rua da Cruz
n. 18, armazem de Jos Joaqu-m Lima Rairao.
Peonas de ema.
Cera marella-
Pelles de cabr
Cera de carnauba.
Velas do Aracaty.
Vendem-se na rua da Cadea n. 57, ar-
mazem de Prente Vhnna & C.
FAHI-LO
a 3-00 saccas grandes e fino, e pechincha : no
arriazem da estrella, largo do Paraizo n. 14.
'--------------' "MOBLIA.
Na roa cstreita do Hosario n. 33 tiste uma
mobilia de Jacaranda em bTD OO e forte, que se
vender por prego barato.
prego de OO r.-. o icovado.
Pegas de eambraia de salpicos braneoe e de cores
mili 8 1(2 varas, pelo baratissimo prego de
.00.
Battesde 20 reos a 25300, de 2o 3i, de 30
3{K00, de 36 45, W 4*500.
To.ilLas felpadas a -'! a duzia.
E>t prego'do qne em nutra tstalojoer parte.
Beste armazem se encontrar um grande sorti-
mento ie roupa feitaie por medida.
zem do Pavo, rua da Imperatriz a. GO, de Gm\& \<*_** dc^hndos gostos com io eovdos a
i\: Silva.
Boriiouts de renda na loji-di Pavo
Chegaram es .mais ricos bornouls de renda c se
vendem tior baralissimos pregos : na loja e arma-
zem do Pavo, rua da Imperatriz n. CO, de Gama &
Silva.
Itccs chal's prelos de reaa
Chegou [ielo ultimo vapor francez um grande e
variado sortimento do mais ricos ch_tes prelos de
renda, tanto de linho como de seda, tendo entre
elies muitos de pona re onda a emitagao de man-
teletes e muitos com o.centro de cor, e vende-se
por pregos muito em cunta por terem aido manda-
dos vir de conta pro;>ria pelos donos da loja do
Pavao, rua daJmperajriz n. 60, de Gataa & Silva.
Lazinlias I Ka: a I>00 rs.
Vendem-se as mais modernas lazinhas.-tendo de
todas as cores, pelo barato .prego de 500*6. o co-
vado, tarlatana branca e de cores a 800 rs* fil Uso
braceo a 800 rs. a vara, corte* de fil brancos lisos
a 05 : na loja do Pa vio, rua da Imperalrte.n. 60,
de-Gama & Silva.
Chapeos e sol A* Ipeca
Yenem-se superiores chapeos de sol de alpjica
a 33itW, ditos de seda nslezes com 16 aspas a
185' na loja do Pavao, rua da imperatriz u. 0,
de Gama & Silva.
Lazinhas (raRCpamites a 320.
Vendem-se muito bonitas tazinhas transparen-
tes com palminhas de seda a .'130, dttas lisas e de
varias cores a 2 rs. : na loja do Pavo, rua da
lu.peratriz n 0, de Gama & Silva..
Hartes de las nuli-adas,
Vendem-se bonitos cortes de las matizadas, ten-
do 13 covados cada corte, a li&, ditos Hara Pia
a 65 %$>' na I-ja do Pavo, rua da Joperairiz
n. 60, de Gama i Silva.
UOUfA FEITA
ROUPA FEITA
tVPA FEITA. '
Na loja do Pavo veade-se um grande ______
to de roupas feis para bomem, sendo caigas, pa-
letots e colletes, tanto de panno como de casemiras
pretas e de cores ; deia- de mencionar os pre-
gos para nao se tornar onadonho o anuuncio,
aflangando-se que o respeltavet publico achara um
grande sortimento por baratissimos precos : na
Peno
2a anliga loja de inlocias a rua do Queimado
n. 16, acha-se um bello sortimento de papel al-
messo greve Uso e pautad-1, i>nmeira e segunda
65000. sor-te, dito de peso liso, pautado e de quadrinhos, e
Pegas de eambrif. adamascada com 20 vas&s, pro-' de Arenles jualidades ale a i|ue se pode encon-
pria para cortinado, pelo batato prego de 11$.; trar de melhoc, dilo paquete, dito pequeo em cai-
ftl liso flooaSOOra.a vara. [has, sondo Uso, pantadq, de quadrinlun-, beira
Bito'com .lpicos a (5 a vara. dourada e tarjado de preta, lando entre ekes al-
Tarbitana branca lina a 800 rs. a vara. j gun-s que trazeui a envelope .na mesma folha, o que
Atoalhado de algodao adamascados 25200 a vara, j aqu inteiramente novo, tiixa? de envelopes
Cito de linho a 35*is a vara. maiures e menores, e tarjados de preto. Pennas
Lazinhas lisas de tedas as cores, pelo baratsimo d'ago.mglezas, .cabgrapbic.as eontras qua_dades,
oulra qualquer parte.
Vende-se liras bordadas de differentes
i larguras a !>, e babados, collar ribos c pu-
;nhos para senbora, bordados caberlos de
renda o lisos, os mais modernos que se
Lpodn encontrar.
Vende-se taa para bordar de tliteras:
quadades e de cores claraba 7;> a libra, es-1
2500,
s'
DoDrSERVAUX. dePariz.
Pliarmacetitico de 1* clatse. ex-_
interno i!os hospilacs, premiado]
com a mtdalka de bronze.
Desde anillo lempo o publico,
abandonoa uso das preparacoesl
iniitotadas dcpuralaa eonhecidasl
ob o nciiic 1I0 Arrobes, Xaropcsi
N" 16 rtiaddOnAPTTmdo *el*!08 de eolamnas de Jacaranda a 2d500
L\. mi Ul W3 UCIffiKlU. (inosbrancosdediversostamanltos, caixlnha
cimas d ac, papel c envelopes. U estelos de navalhas,
^_a__B_L&!s_4__5a >
aariado.
Francez barrica r.&QQO
Portland dem SfiSOO
Em perfvito estadol:
Praaecr. barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem .d Tasso Irmos caes do'Apollo.
Vende-se uma preta de meia idade que cosl-
sida o diario de uma easa e lava perfeikaienteje
praco barato : a rua Direita n. 17. _____
Vinho do Poilo especial.
O mais generoso e 'enuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaos, era caixinhas e 12 garra-
fas, senio marca Hainlia de Portugal a 185 a cai-
xa e Pedro V a 165,em porgan^ far-se-ha um aba-
to razoavel : 110 armazem de Ferreira & Matheus,
na rua d Cadeia do Recifo n. f)6.
"Biclias deHaraburgo
Vendem-se na rua Nova n, 61.
Karinha de mandioca : lem para vender Au
ionio Luiz de Oiveira Azevedo & u, no seu es-
toja o armazem do Pavlo, rua da Imperatriz n. criinorio rua da Cruzu. 1.
60, da Gama & Silva.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para deecarogar
algodo : na rua da Senzala Aova n. 42.
Vende-se uma taberna bem afregnezada para
o mato, e bem como para a trra por licar ao p
do mar, tambem d comidas e dormidas, e recebe
passageiros, tendo excclleiite cor^nodo para te-
milia : na rua da Lapa n. 13. _,_,____,
Baixo de harmona
Na rea do Queimado n. 12, loja, vende se um
excellenle baixo de tiirmoni, cm ptimo estado,
e por commodo prejo.
Vende-se. uma bomba de Japy n. 2, propria
; para cacimba por estar com canos: na praga da
i Independencia n. 33._____________________
Vioho do Porto suppriorcm caixa de duzia,
. tem para veoler Antonio Luiz de Oiveira Azeve-
: do A C.. no sen escrij'lorio rua da Cruz n. 1.
FARELO
I Vende-se farello a 4*000 o acco de Lisboa,
marca N, no pateo do Paraiio n.tC, esquina da rua
da Fl-ircnlina. _______________.^____,
Saceos
Na rua do Queimado loja Esperanga n. 33 A,
veodem-se saceos 00 rs. cada .;ra,
toda* -dos afamados fabricantes Peines iV C
Atiiuns baratos na na do Quei-
_ido n. iQ.
Vendom-so bonitos albuos para 12 retratos a
Ij&aOO, outros para 24 a 35000, o alguns maiores
tambem por baratos pregos.
Luvw. de. pf!k'a a l\(\ ':> o par.
Apezar de ao serem antigs cstao um pouco
mescladas as I uvas de pelica preta c de cores, as
qnaes ainda servem para a noite, c mesmo para
moataria, o vendem-se 'O rs.. o par na rua do
Queimado n. 1S, loja de miudezas.
Labjrriit-es e liicos.
Na ioja de miudezas a rua do Queimado n. 16,
vende-se bonitos lahyriMhos e bieos das i Ibas, te-
tlus em grade de uha o ija os torna .'orles, e de
muita durago, alera de que .os novos e agradaveis
deseados, a commud/dade dos precos concorrem
para a boa extraego d*elles, tanto' mais quanto
elles nunca rao desAecessarios em ca-a de fami
lias, pelo que poden dirigirse a rua do Queimado
n. 16, loja de miudezas.
Rua do Queimado n. 16, an-
tg loja de miudezas.
Essa loja j to conhecida. rrnovou e melhoron
0 sen sortimento de perfumaras, onde os pretn-
denos podem encontrar de novo e bom.
leos philocome, superfino e babosa.
Jianha>ftna em fraseos e latas.
Extractes linos ingieres e francezes."
Aguada colonia e florida.
Opiata e poz para denles.
Extracto de quinquina para ditos.
Agua balsmica para ditos.
Dita dentriflee-para ditos.
Leite virginal para sardas.
Vinagre de Venus para refrescar o conservar o
lustre da culis.
Sabonetes camphorados inglezrs.
Ditos areientos excedentes para mos.
Oulros tambem inglezes de diversas quadades
em caixinhas de tres e sollos.
Albuns com perfumarlas.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melbor qu'alidade a
1 a lata: nos armazerisd* rua do im-
perador n.16 e ruado Trapiche Novon.8.
parn estoje
Veade-se penies de alisar com costas de j
metal a 15, ditos de differenies quadades,
lindos gravalinbas para senbora de difieren-1
tesoslos.
<02erps "Vende-se colberes de metal prncipe para j
tirar-so'jpa a -S, ditas para cha a _T->300, i
ditasirarjsoupa a 4,-SOO a duzii: nesta
loja s.0 ticontrai sempre um grande e va-i
riado s-oitimenlo demindezas : rua do Quei-1
marfo a. 83, loja do beija-flor._________
de Salsapa'rrilha cmiostos, ele
Cuja aegao, i maioc parle das vezes! y
6 nlla. e n'algumi easoa pcrigaaij **
Os Cosrmrs nr?-jrTios rtMo spec
E O 60STO Ar.RAl! .Vr.IS K CONT Si (.'ij j_
Imqcesovcli-mecbstasciisiil-it.iacti-J -\
[VAS QCt O ^0 MODO DE MMMMfM IOS.l j 0
'%;:. lUCALTBUVIIS.
f'lfl?; oi verao -ru Fran-| %
Ca sob o patrocinio das prinripas ^
celebridades medicas, os poe acinial E
de ludo quaulo lem existido alhl I
boje. 11
Cura rpida sem o soejtoj *
de nenbum oulro remed tu-* i*
lerno, das escrophulas J
herpes, affeccoes syp|M-,
liticas hypertrophiasj J
dos tessidos celulares,j,r
hydropisir e em goiailv
todas as molestias produziuVJ 1|
pela alleracao do sangno ; l;!

C 03

\s>
Sr ss-
8

y. -- rr
c.
<~-
5 o.
c
c
v. 09
g _> 3 g _> 3
:j _
Vi
o resultado que ijuerianio i
conseguir e (jtic
pre oblido.
plic-cao
temos s, 111-j,
accoinpaaUa cad.

a S 3 3 = s y s
: *e*al23a
h ep
c
ce r
c o
V
_! 2 i> a
'Irl
s
rii
3 s
fi W 2*
'Z3
%
fi
t*'
&
5
te
3
c-
s
2L
ct>
as
a
u'-i *
035
lo
o
9
51
O
1
ri -
h* s
2 j? --i
Urna
(idro.
Dcsconfiar-se, das fa'c'llc.:t;.>cs( l im:
feocs.
Para at MCMMMn dirgu-te '!<.
Sm-es. Bwissoa rr c'% ls, B< futwi
Smgintf Parit,
|B__*_._?*:

' 3'
f5"
, ~ii *
i
:-
>

Vende-se um carro de carregar gneros da
alfandega, com uso, o lodos os pertcnces do ontro
igual, tudo por preco muito fS.TJffiOdo : a tratar
1)0 pateo de S. Pedro D, i.
Attencuo.
Vende-se urna officioa de barbeiro com l dos os
utencilios perlencentes a mestn i. na rua (!; !'.- n-
gel n. 18. Assim como rogase as pessoas qne de-
rain ferros tiara serem amolados na mesma casa
cima referida o favor de os vir buscar no prazo
de 8 dias contados da data desle, ent-ind-ndo se
para este lim com a viuva de Mamel l'ereira Lo-
pes Ribeiro na supracitada rua e c.i?a, dectaran-
do-se ao mesmo lempo que depola do indicado
prazo a dita viuva n5o se responsabiliza a -entre-
ga-lo.
F'ouhas e lencos
de muilo bem feito labyrinlho: vende-se na rn*
do Crespo n. II, lula.
Vndese urna balanca grar',:
pertenec; na rua IfPraia. n; 33.
om
fl os M
Resulta pelas cspcrien.ias fcias nt i. ,
FrD<:i pflos mai afai^tih)s mttm \t n tu ,
LA8 e o xvnorE de ivonc.r.OTVt..'. a-i.tii' .
/. LtriNE sio o optiico nrm(f:o mnt-i
CM de INriG:\S cu LEr.ru r W.rs? -v r-
peKe, ale' as mais IiikIiiim assn< <..
OU MOBPBEA. a SIPI'II.H as afui t f
FXXOS4. OS rilHVHWIOS.-i: v ,;
Deposiu ger! em Pzriz. er. ca ,r rua
t.ABELOKVE. rua Bemrim YOmmmm*. 19.
Deposito geral em NnM-Mce m ti-'
Cruz d.22 em cata de Caros d Barbos
f
Liquidacrto de machinfs par
algodfio:
Chegou grande soriierito de machn-; p:r_
descaro^ar algodo, de li, 16, 18, 20, 2o :Hi
serrotes, de sn*erior qnalidanV, as q:iae< >.
dem por precos muito redimidos pu __
qne em outra qualqmr aile, para li ..idar. tr,
como motores americanos da uitiini iuv- r- i
quaps se lurnam recomrnendavei por sua m
qualidade de fai-il cmJufffu) para o ceatr
vincia; a tratar no'depcsito do caes d A:>.;
on na roa da Cada do Recife, loja de I
Di 6 A,
Vende-se uaiarnia{o de taberna jf.-jr-
nisada, em Ljm estado, que eoQk-.ii. rirn i
guns utencilios, dous deposiio* para ag :'
um para azeite de carrapato, e se vende mutu i;.
ralo ; a tratar na ta do l'rioci e a. ti, .A-.tu-:
X
-
\
i
,
1 ---varn -_mm
T


Diario de Pernamouco Jexta fcira de lulho de 48es
\i
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
grades mmm de jiolhDos
___________C. ,,
Pateo do Carino n. 9 arraazem Progressivo ra do Qucimado n. 7 j n |
Unifio e Commercio ra do Imperador n. 40, | |
osa Principal armazem de molhados. & OS i'ROPRIETAltlOS.
Fazem scienic ao respeitavel publico, e com especialiJade aos senhores de en-
geridos, hvradoresemiispessoas do cintro, que para mais facilitar suas compras deli-
bcraram os propietarios dos tres grandes aimizens, reunir todos os seus stabeieci-
mentos ern um s annuncio, pelo qual o prego de ura ser de todos, promette-
mos qae n3o infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os ge leros i
por u a prego, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muilas casas, porm nos nossos estabelecimontos nao se dar isto
'" com prajuizo nosso, qualquer passoa poder mandar seus fmulos <|uer
serlo tara em servidos como viessem pessoalmente fazeado-nos o favor da mandar seus:
: 'i ii cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetindonos urna contal
qual se ver os precos tal qual annunciarmjs, o ijue senao arrepender pessoai
ilguraa qae fizer s.ia despenca em nossos stabeiecimentos; pois poupar mais de i
3 por cento na sua despeza diaria. '
Manteiga ingleza perfeilamente flrchegada dem com i a 3 ditas a 35200.
nltimamente no vapor Saladira, del dem vasios de todos os tamaitos a 2.^000,
a 14200 a libra e em barril terabat- 15300,800 e GiO rs.
"> t0- Queijos d 24300 a 24300 os mais frescos.
I le d Diacexi muito nova a 900 a libra, e Vinagre puro de Lisboa -a 230 a garrafa e
800 em barra. 24000 a caada.
Barua de porco reQnadi a 720 a libra e 700 dem mais haixo a 209 rs. a garrafa 3 14400 i
en barrls. < a caada,
(ha usim de superior qualidade a 2J500. Aze'.tedocede U dem perilla miudinho a ^700 a garrafa e 14600 a cunada,
dem bysson especial qualidade de 24i00 a Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 320
25600 a libra. a libra, o em barril de 5 arrobas a 94400
dem preto muito especial a 2.5000 c 24i00 arroba.
Cerveja Uass do fabricante Sblers & Bell a
AURORA BRILHANTE
GBA'IWES
DE <
HADOS
! ^-argoda Santal
JPCraz n.^84, es-j
'quina da ra d(
Sebo.
ESPECULES
i
libra,
dem do Rio em latas de ^OOO e a 800 a
I bra.
La! s com biseouto de -odas as quadades
., I -S.100.
dem da creditada fabrica de Biato Antonio
Lisboa) proprias para da; a doentes a
5 e. 3? a lata.
B I ixinlta ingleza muito nova a 34500 a bar-
rica e a 2i0 rs. a libra.
Latas com bolaxinha de oda e oval a 25.
i..' :ii!i ingle? para fiambre chegado no
ultimo vapora 8J0 rs. a libra.
<.'S e patos muito novos a CIO rs.
a libra.
om macarrae tdharim muito novo a
190 e 32') a libra.
U ri branca e amarSili a 500 a libra,
ilate | ortnguez <& especial qaalidadea
I a libra.
- ssode S'^O a 15009 a libra.
ie-ii lies an-iol verdideiro a MHXiO a libra
vend inris a 15100.
la asea de guiaba em caixSes de 6 li-
iras seguro a 14300,
i-aixoe, pequeos a 700 rs. e de
tara cima a t-iO.
;co embcelas ricamente eofeitadas,
ido pera, pes-go, ameixa, rainha.
anas frutasa 34O00 cada urna.
rs. a lib
ra
: em calda em latas feixadas hermetica-
nenle-muo bem enlutadas, contendo,
i ra, pesego, ameisas o outras frutas a
. I e 700 a lata, tambera temos latas
les a I $200.
lada dos melhores fabricantes, em la-
! 1000 a i >i ',
a em latas de I I2 libra a 16.
! lera era atas de I libra a iO rs.
Ei lasv n latas chegadas neste ultimo va-
a 700 e de 'i'1 para cima aCO rs.
ou carrapato era latas j pre-
ido a Co rs.
:l frascos de vidro a 14500.
Uem em :aixinlias ricamente enfeiladas de
0a 20500.
Ueside muito novas a 700 rs. o
.. I: :').
bolas simples a 700 rs.
. iglez a 643 rs. o frasco com rolha
I vidro.
: ; em p a 700 rs. o frasco.
: ..... preparada a 320 rs.
. com massa de tomate de I libra a
rs.
. em latas de 1 Ij2 libra a 900 rs.
. uosem garrafas vindos do Porto, ifadei-
... Secca, Duque do Pono, Duque Semi-
no, Cuantas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Ve!lio Secco, Ligrimas Doces, La-
grimas do'Douro. o outras nanitas marcas
a 15 a garrafa e 9 o a 125 a duzia.
dem Palmella a 1.5 a garrafa e 115000 a
luzia.
. em pipa de odas as marcas Porlo,
_ i :ira c Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 20800 a 35300 a caada.
I ;i i ancorelas e 8 a 9 caadas com su-
periorviobo Lisboa e Figueira a 2'5a
reta.
a branco expecial qualidade proprio para
lissa a 30 ) rs. a garrafa e 45 a caada.
I ;i mais baivo a 4O0 rs a garrafa e 3-5300
a caada.
lem do 'orto especial qudidade a 800 rs.
a garrafa e 3>30O a caada.
J .i Bordeaux em|eaixas a 75 e 700
garrafa.
rs. a
o------------ ,
Champanba a melhor do mercado vinda de
nossa encommeada a 305 ogigo.
: li ra mais baixa de 185 a 2| e 15500 e
'' > i garrafa.
Licores portuguezes francezes a 15000 e
I 3O0 a garrafa. i
I. asquino. de Zara, verdadeiro a 15500 a
rrala.
l-lesn mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
bra de laranja ver adeira a H# a du-
zia e 15 o frasco.
. lera de Hollanda verdadeira a 65 a fras-
ira 2 640 o frasco.
dem Je !rambur.,o a 35300 a frasqueira.
1 lem em botigas de Hoilanda a 400 e 440
rs. o frasco.
Sai rafites com genebra de Hollanda com 24
garrafos a S^: com garrafao.
i com 14 a 15 garrafas a 65.

",
..^;:
65300 a duzia e OO a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 65000
a duzia e 560 a garrafa,
dem marca II Vicloria Alsope e outras
muilas marcas a 35 a duzia e 300 rs. a
garrafa.
Sabo primeira qualidade a 220 rs. a libra
e 21' em caixa.
dem segunda qualiqade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabao ingle/, superior a 180 rs
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 65300,
! 75500 e 85 a arroba, e de 220 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranha) 3.5200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 25600, 2.5800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 55300 a cai-
xa, de Simas (Jos Furtado).
Liem Londrinos a 55, dem.
dem Parasienses a 45300.
Mera Delicias a 15300.
dem Traviata do Rio a 5 >500.
1 lem varetas de Maqoel Peixoto da Silva
Netto a 35300 e I.5S00 a meia caixa.
dem suspiros do mSmo fabricante a ltfiOO
a meia caixa e 3*200 a caixa.
dem mece'ipes a 1.5700 a meia caixa e
35000 a caixi do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 15800 a meia
caixa e 35iOO a caixa.
Iderajovens de Castanho & Filho a 25400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 15 ''03 a meia
caixa, e outras 111 aitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito n)vas a 13303 o quarto e 35
a caixa de urna arroba Iiespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposico de
comer 13500 a garrafa e 115000 a
caixa.
Alpista muito novo a 3.5800 arroba e 140
a libra.
Painco a 15003 arroba e 1 \0 a libra.
Peixe em latas j preparado a 15200 a lata
e em porcao 15000.
Sardinhas de Manes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facis a 100 rs.
Esparmacete a 600 a libra e e^i caixa a
380.
Vellas de carnauba a 145000 arroba"e 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 15800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 25300, 35000
e 45000
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 45000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhao muito alva e nova a
240 a libra.
Sjvadinba de Franja para sopa a 200 a li-
bra.
3evada muito nova a l
arroba.
Caixas com estrelinba, rodinha e
.400 a libra.
Amos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 80 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 15000.
Cra'vq muito novo a 500.
Comiho idem a 320.
Ervadoee i lem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra. -
Papel greve a 4-5200 a resma,
dem Iizo a 45000.
dem de pezo a 35000.
dem de embrulbo marca grande a 15200 e
15300.
dem azul para botica a 25000.
Copos lapidados a 55500 e 500 cada um.
Palitos de dentes, macos grandes a 120 e
16 cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 15300 a libra, em porgaoler
abati ment.
Largo da SantaS
Cruz n. 84, es-Jpj
iqnioa da ra do$
?2Sebo.
a bSPES?^ < acreditado armazem MSSUS^ 81
A entinte laLila irlir,- mesmo ortimenlo de gneros de primeira qualidade. fc
NeohZlarSSSi venTrJ ,od.0l.de ba?e Para aJusle d con'as aos Portadores. U
Pdo grande riBaInZ ,TS bim e rae,hore rt0 >ae a Aurora Brilhante' ia' ^
ero laantochemie Dar ,P(.,^;iJ raes,mo poriJae seu dono so de?eJa tirar dlminulo lu- y
Proveiiar, o ^oriptarin ?"S as dfP Untes frei?uezes fazer toda a di''gencia, aOio de servir bem os seus cons- V
Lalas Rom S lihro ^ u___, 3
Vioho verde superior. <3K
A caada a 3^000 e a garrafa a 400 rs. JIP
Gomma. fl
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de sevap
engommar, a arroba a 3000 e a libra %
120 rs. |A
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs. 3p?
Farioha. 3r
Saccasgraades com farinha de Goianna mui-?S?i
to nova, a o000. %
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8$,
83300 e 90000.
Cha. cffc
Cb.temos nestes gneros o melhor possiveljp*
hyson, a libra a 2600. L*S"
Dito parola a .13000.
Dito uxim a 25700.
Dito hyson muito fino a 23800.
Dito redondo a 23300.
Dito preto de primeira qualidade a 23300.
Dito mais baixo a 25000 e 13600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
E O ma=?o com 6 vellas de espermacete a 600, v(;
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 43 e 25300.
Xozes. rfV)
Nozes, a libra ICO rs. e arroba a 43000. jOft
Alpista e painco.
Alpista o painco, a arroba 43000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para jogar. a duzia a 25300. tS
Caslanhas.
arru-
GOMMA NOVA.
i
Em paneiros muito alva a 4.,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra e compran- d
do de um paneiro para cima .se far.'i abatimenlo na ra do Imperador a. 40. 3K
ANTIGA CASA
DE
GILHERME DA SILVA GUIAf ARES.
e> RITA T%fS rnnm
Ji v^ O
NOV1DADE
aa733008 'braS dechoaricas muito novas,
'Dm^l\?0?/VXe era Posiasinteiras,
TOe 12 iual.daJes, a 15000, 15280 e
>Dlgtl?rraS7"o'rseXCe,lenlepe,SCOParafr-
&a^Kada d afamad fabrCaDte
|RS?!!22 assa Je tomate, a 500 rs.
, 2 eoo8(,eCOma<,re' novos' a ,^'0.
?D'25000mb0laChnha d6S0da muit0 novas- a
("SSKft^inglezes de muitas,1U^,
p Chocolate.
taixinhas com ameias enfeitadas proprias
&G1 Pa a'ni a 13200,23800 e 3J200. P .
mSKPUP* mait0 novoa libra de
8 ^^'loo0^3"131"'3e alolria amarella>a libra
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
i.a.xas com estreHnha, pevide, e outras mas-
j..sa>' a caixa 3.3300.
Ditas dita em libras a 640 rs.
tSag, a libra a 3G0 rs.
JSevadinha para spa a libra, a 240 rs.
brvilnas seccas, a libra a 160 rs.
>Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
?tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
farinha de ararula verdadeira, a libra a
' ouu rs.
'AlX25oS0' Maranhao, em sacco, a arroba a
25400 e a hbra a 80 rs.
jDito da India e Java, a arroba a 33200 e a li-
) bra a 100 rs. ,
tSSui! LSba a 9#5 a arf0ba e a 32, Castanhas novas vindas ne=te vapor,
Njjje&ati,, aarroba 73000 e a libra a j ^a 4,3000 e a libra^SOOrs.
^olhoscom 123 ceblas grandes", a 1-280. i Barris com azeitonas novas a 13300
Mo.s'ar^a franceza, caixa com' 2 "duzias a Mantcija.
7-O- M.inteiea superior, a libra a 11280.
frascos com mostarda preparada em vinagre,: Dita mais abaixo a 13200.
a MO rs. Dita meos superior a 15.
unos cora conservas inglezas
640e800rs.
Ditos com sal refinado nno, a 6,u
SSa' a verdadeira ginebra de laranja, a Dita para tempero a 400 rs.
15000. Queiios.
2 garrafas de Hollanda verdadeira,a Queijos novos vinJos'neste vapor a 23800 e
ras
fg F0_______
CORTES DE TARLATANA
Vestido
de pura
Vcst mentas para creancas
objectos de gosto com primorosos desenbos de trancinhas sobre fustSo
.CORTES DE SEDA A 30000.
tissimo p?e? Crt0S de fu"ard de seda Cm !fldas *" ^alisados por este d-an-
Capas.
Loutambarques.
Manteletes.
Chapelinas.
Chapeos.
Paletos.
Caigas.
Golletes.
Camisas,
Ceroulas.
Linbos,
Algodes.
Laas,
Sedas.
Selin*.
AOS SENHORES DE ENGENHO
Excellentes cobertores de algodo escures pelo barato preco de,

Algodes americanos.
ES.
8
, Dita meos superior a 15. ;;*
e francezas, a Dita franceza nova, a libra a S80 ; \)
Dita dita em barris e raeios ditos, a libra a^v\
540 e a 500 rs.' 830 rs. 9B
640 rs.
JR/iooS COm dita proPria Para negocio, a
jGarrafoes com 2 gales com dita, a 65.
i Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a i
i duzia a 63OOO.
Vioho muscatel de Setiihal, a garrafa a 15.
Marraso,iimho verdadeiro, frascos a 8GC rs. e
a 13200.
(Champagne, a duzia 203000, e a garrafa a
jAzeite refinado portuguez e francez,a garrafa
a115000.
Caixa de vioho Rordeaux muito superior, a
\ 73, 83, 93 a 103 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75 a caixs.
. Ditas com dito lacrimas do Douro verdadeiro,
a 205.
'Ditas com duque do Porlo verdadeiro.'a
1S5000.
Ditas com chamissn superior, a 143.
5Dilas com Porto velho e outras muilas mar-
, cas, a 123.
OVinho do Porto Ja pipa, a garrafa a 640, 720
i e 800 rs.
.Dito de Lisboa muito bom, a caada a 33200,
'A 35300 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
DDito da Figueira, das seguintes marcas (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
a 45300, e a garrafa a 360 e 640 rs., desle
9 que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
Ditos de marcas maisdesconhecidas, a cana-
S da a 33500 e 45000, e a garrafa a 480 e
320 rs.
jVinho branco fino, agarrafa a 640rs.
JDito de caj muito superior, a garrafa a
> 800 rs.
35000.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
15000.
Papel.
Papel al maco paulado, a resma a 45800.
Dito dito liz'o de linho, a resma a 45300.
Oito de peso Iizo e pautado, a resma
25500.
Dito deembrulho.bom a 15 e 15200.
Cobertores brancos de algodo.
Chitas escuras a 240 rs.
Algodo de Minas.
ciiai.es be filo de seda
campo azul, mienta e roxo cdhrbarras pretas e bmeaTN
Fazenda de infinito gOto.
Wt
A'
'fMiM
Gregorio Paes do Amara! & Oonpakfc.
Vinno Badeira.
Garrafas com o verdaleiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15300 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 134001
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Gran.
Duzias de boioes de ;raxa 97 a 25000, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs. ca-<
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos linos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bania por diversos precos, caixas e raeiasf
caixas.
>arr
H4CIIiii.ii
de (rablhar nio
descaro?aralgodo
FAMUCAD.VS
Por Plant Brothers & C.
0LDA1
. \ qualquer e
-___^ algodac
iiC,SS3t2;i i1 estragar c
\f \ he- l-p-<. _
1 libra e 4#000
pevide a
> cai\U3.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes stabeiecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
lV."*
=f:^^IIl^^^^^l
Saccas grandes com 100 libras de farello superior
IHJVU jUl/lllil
N. 11Ra do Queimado-N. 11
LOJA DE FAZENDAS DE
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Chegou a este estafeelecimeoto um grande sorlimeoio de cortinados bordados para
camas fazenda de muito gosto.
! Chales de guip muito finos para 223, 255 e 305.
Colxasde seda superiores de diversas cores para camss de noivas.
Colxas de la e seda para cama tambera de bonitas cores.
Rotoodes de guip enfeiladas cora o melbor gosto.
Setim de Pars bella fazenda e de bonitas cores para vestido a 700 rs. o.covado.
Moureantlque branco e preto, grosdenaple preto e de cores, pannos pretos de todas
as quadades, dos azues.
Casemira preta e de cores, merino preto, silistrina, bombaiinas, alpacas pretas, e
laa preu para lutos.
Malas, saceos e boleas de tapete, verniz e couro de 45 a 115-
Brins de linho de cores finos a 15800 a vara.
Chapeos e chapelinas de palha de Dalia para senhora, manguitos bordados, chapeos
de seda para hornera, chapeos de sol de seda, esguio de linho, carabraia de linho, breta-
nhas. silesias e muilas outras fazendas qae se veadem por commoios precos assira como
tambera
Esteiras da India para forrar salas
ao sea
estragar o fio.
"' sendo bastante
duaspessoaspara
o trabalho; pd*
descarocar ums
arroba de algo-
do em caroct
em 40 minutos.
ou 18 arroba?
por da ou o ar-
robas de algodac
limpo.
Assira como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodi
limpo, por tita; e motores para mover urna, duas,
eutr;s dessas machinas.
Os raesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina:
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virera ver e exarama-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
SauQdcrs Brothers &C.
\". II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
Attenco.
Vendem-se pecas de esleirs para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 26 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior .qualidade,
vindo dos Estados Unidos : no armazem da ra do
Trapiche n. 8.
Coke do gaz.
pilch do gaz,
Alcatro do gaz.
Coke tonelladas rs. .
Pitch .
Alcatro caada.....
O coke reconhecidaraente o carvao mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aondfl
alie usado. Pitch e alcatrao.alra das applicacSfes
diversas a qae se prestan), como para callafetr
embarcacoes.alcatroar madeiras,etc.,teem este a
propriedade de preservar do capm, formigas.etc.
E' entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da cdade, seguodo a vontade do
comprador.
Em casa de Tisset Freres ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho B rdeanxem barricas e em caixas..
Dito de Saoterne fino.
Dito de Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
TaSso Iranios
vendem gesso em p para estuque de casas, tijolos
fios de reino diversos para ladrilho, azaleijos de
diversos ,-ostos, tijolos vidrados para parede de co-
zinha, canos de barro para esgoto, cemento em
barris de 10 arrobas.
Instrucooes para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistara nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca daind pendencia, a 10.
Superior yinbo do Porto.
Na ra do Vigario n. i*, escriplorio de Domin-
gos Alves Matheas, lera para vender moito supe-
rior vinho do Porto em caixas de ama duzia, e an-
corelas de 10 em pipa por pre$o mdico.
i
GEANDE LIQriDACAO
A DIMMIItO.
Va toja e armazem de Guimares 1 !r-
mio, ra da Imprr Inz n. 72.
Os donos deste estabelecimenlo eslo re-
solvidos a liquidar suas fazendas por pre.-o
, baratissimo, s com o fina de adquirirem fr'e-
(guezia ; e previnem s pessoas, que neg-
Estas machina: iciam >m fazendas, que nesla l< ja e armazem
podemdescaroca-1encontraio sempre um grande sorlini-nto
wpecr por menos 20 por cento do que em o.itra/
qualquer parle, tanto em pecas, como ,. re-
tamo. Vejam :
Chitas a 210 rs. o covad*.
Vendem-se editas preclaras francezas com
assento branco, escuro, cor de canna e par-
da, pelo barato preco de 240 rs.c ccva-Jo
afiancando-se que esta fazenda nao esl rxy
dre, e nem tem o menor defeilo : islo s na
toja e armazem de Cuimares A Irmao
n. 72.
Carabraia braBca, grande ertimnt.
Cbegon a este estabelecimenlo um ?ran-
de sortimento de cambraias brancas das as qualidadts petos precos reduzidos de
3:>000, 3;}5O0, l&, 4^500,' e muito fina a
b>, vende-se por este preco por ler gran.Ie
porco ; cambraia organdy de 2SO e :D0rs.
ocovado; dita fianceza.'a mais fina nn%
tem vindo a este mercado e dos mais ele-
gantes padroes, a 400 rs. o ovado, [,.ir.v
tissimo; chaly de seda de apurad > gosto a
900 rs. o covado : isto s se vend- na loja
e armazem de Guimaries & rmao. n 7
Para a fesla de S. Joo I!.' bailes e pas-ri.t.
' hegaram a este eslabelec ment, pelo
ultimo vapor francez, ricos cortes de ha
ma cambraia com lindissimo cbuvLsqi nho
que faz ura effeilo magnifico, e vender
pelo baratissimo preco de 5 o corle faba-
da que val 10,5 em outra qualquer parte
cortes de Ka com barra a 96 e 12 : \<\o $
na loja e armazem de Guimares & rmao,
Para acabar por todo arrro!
Bretanba de rolo com 10 varas a Sf a pe-
ca ; madapolo ;nfest:do com 10 varas a
3^200, 3>500 e 4?5 a peca; ricos bordado*
em fina cambraia a 800 rs.; soutembarque
magnficamente enfeitado a 5$ e 6,5 |an-
zmha a 300 e 400 rs. o covado; damasco
de 2 larguras a 14280 o covado; chales de
merino eslampados a 2,5; cortes de case-
mira a 24500 e 34; baloes americanos,
tanto para senhoras, como para meninas a
34, tenlo 30 arcos.
Itoupa feila de todas as quadades e tiaatt**.
Que se vende mais baralo 25 por cento do
que em outra qualquer parte: to s para
liquidacao: na loja e armazem de fazendas
de Guimar3es & Irmao.
gtRUA DA IMPERATRIZ, N. 7X3
104000
804000
400
Vovena de \ossa Srmhor o*
Carao e de Hanl %naa.
Vendi-se na ra do Imperador n. 15, offletna
de encadernaco : o offloio, salve e versos, ovi-
na e salve de Nossa Senhora do Carmo, tres fo-
Ihetos por 500 rs., e a aovena de Sanl'Aona por
JsO rs.




Diarlo de Pernnnifoueo Sexta felpa 9 de NOVO GERENTE
AO PUBLICO
entregar o
Sem o menor constran
glinento se
Importe do genero
o agradar.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
juna & miman n>3 sib jdiimmhi
RESPEITAVE.L PUBLICO.'
A apreciado dos hablantes desta heroica provincia existe no grande arma-
xem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em~sua max;mi parte mandados vir directamente do cstrangiiro podem ser
vendidos por preces asss razoaveis.
Sera a fatuidsde de querer qu8 este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico era seu genero, pde-se porm ..ffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum oulro o exceder no restricto cumplimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2.] Fidelidade no peso. \
3. Sinceridade nos precos^f
As pesso3s que por sna posico social gozara de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinlios finissimos manteiga e cha sempre de
primsira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassuc.r, e'c, etc. de boa qualidade pelo prego que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, elo seu proprio inleresse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quinto se pode vender barato.
Para os senhnn s que compram para tornar a vender existe um sortimento < spe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agr lar aos senhore?
compradores.
Nao se lera poupado sacriQcios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DLVIIEIRO A VISTA:
atas, muito nova, a 80 rs. cada
ATTEKpO
Os presos da seguinte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da c oneci"*)
PARA BEM DE TODOS.
r


choras, oaceio que presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que Indo a promptido e intei-
ratti )^ "envida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a prolecciio e preferencia na com-
ALPISTA a 1-20 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Abroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca moli, a 8 rs. a libra.
AvellAas a 2i0 rs. a libra.
Ameixas francezas era latas de todo; os ta-
annos.
dem idem em potes de lodos os tamanhos.
dem i Jera em bacetas de todos os tama-
nhos.
dem dem em frascos de lodos os tama-
nhos.
Azeite noc: de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa".
Almos a 00 rs. o molho.
Absyntho a $000 agarrafa.
It
BOLACIHN'IIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
Id^'in do Principe Alberto a 23000 a lata, e
de craco para cima a 1 800.
dem de so Ja em latas grandes a 2000 e
de cinc para cima a 1S00.
Biscorros nglezes de todas asquadades a
10200, l(J250e 10300.
Bolo francez e:n caixinhas a 300 rs. cada
urna,
Batatas inglezas.
Bamia de porco refinada.

CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, e em porclo a 000 e 700 rs.
dem suisso a 1;> a libra.
dem de musgo a 1j00 a libra.
Chocricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 210 e 2G0 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
dem de primeira qualidade a 7^000 a ar-
roba.
Conservas era fiascos a 320 s. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frscos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a I $00 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Chaiutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'IIavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Kegalia, Mississipes,
Panetello?. Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cii de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson. huxim, aljfar, preto, e
preto pouta branca, etc., ele, a 25000,
252 0, 2-ft'iO e 25800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 20300, 30500, 45 e 5,5.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco rnacinhos.

DOCES de todas as qualidades : brasileiros,
portugueses, riglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a iOO rs. a libra.
F
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra. /
dem de aro ruta a 320, 400, 500 e 810 rs.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feimo verde em latas a 600 rs.
Favas em tatas a 600 rs.
Foto do Rio a 500 rs. a libra,
dem americano en latas a 25-
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os presos.
>
GOMMA a :.0 rs. a libra.
dem a 140 rs. a libra, muito alva.
Grao de bico a 120 rs. a libra, e em porcao
se faz grande abatimento.
Genebra de laranja verdadeira a 15000 o
frasco.
Guaixa em
urna.
KIRSCH de Wasseb a 25 a garrafa.
1a
LATAS cora graixa a 80 rs cada urna.
Letuly a 400 rs. a libra I

MANTEIGA ingleza e franceza de pimeira
qualidade a 15, 15120 e 15280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por I52b'0 a lib a, vende-se em
outra qualquer casa por 15400 e 15500.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macahho e tai.hauim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6(.0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
.Molho lnc.lez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
MassaS finas para sopa branca e araarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500
Miliio painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
M
NOZESa 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PEIXE em posta, latas g andes, a 15C00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras era latas, excellente preparaco.
Palitos para denles a 120 rs. o mago muito
grande.
Passas em qaarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. i libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 800 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Qartinhas ou MORi.NQiEs a 65, 85 e 105 o
par.
R
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25500 a libra.
S
SAB.VO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25?.
Sahdimias de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o mago.
X
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e prela para escrever.
Senhores
reza com que serSo trat
pra dos gneros que precisare!! e miando nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda" que estes seja ni poiieo orticos,
pOis serao to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendagao, afim Ede oue novo em
tra p?rfe.
^br oooa5?aiv9l8ll,arm a 4 rS" 3 "" Sal/efinad0 em frascos devidro com tam, a
ora e o,ooo a caixa. do mesmo, a 5oo r*
^Ed : es,re'!nha' Pevide e *I ^e"eJa branca das marcas mais acreditadas
nha branca ouamarella a 4o rs.a libra e que vem ao mercado, a 5oo. 56o e 64o
Vinhodo Sin00"1 WV- a- garrafa' e 3'8oo> *ooo e 6,5oo a du-
Viimo do Porto muito fino proprio para1 zia.
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a Cevadinha de Franca muilo nova, a 2oors.
v,thf^TJ' .. Charutos doarramadofabrirame JosFnrta-
Vinlio em pipa: Porto. Figueira e Lisboa a do de Simas, das seguiotes qualidades:
o,^oo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
Minleiga ingleza especialmente escclhida a
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs.
dem preto o que se pode desojar neste ge-
ero a ,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chourifas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa'de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missaem caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca,Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e 1 o,ooo a caixa com I duzia e9oo,
1 ,ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
V
YIN II OS
I
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velbo secen a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa
Duque a 15 e 15500.
Chamissoa 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a 15.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posico alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Hordeaux Mcdoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 15 agarrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa.
Wermouth a 25, e-* caixa 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; vim'de-se por este
preco por haver sempre: enr deposito 50
dtizias.
De caj, de 1852, a 15200 a garrafa.
Velhn do Porto, em ancoretas de 9 caadas,
a 35500 ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se a 15280 e 15500 a garrafa.)
dem suisso o mais superior que tem vindo barrica e 320 rs. a libra.
no mercado a 64o rs. a libra. ; Bolachinhas de soda em latas de diversas
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas' qualidades a 1,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartoes com bolo francez muito proprios pa-
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata. ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs. Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez 'espanhol e suisso a 9oo, Figos de comadre a 24o rs. alibra.
l,ooo e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. i Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joao
Peixe em posta em latas hermticamente la-' de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
cradas e das melhores qualidades depei-1 bras por2,5oors.
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francez s em Tasco de vidro com
Vinho Oordeaux das marcas mais acredita- lampa do mesmo, a 155oo.
das que vem an nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc zas em r.zixinhas ele diversos
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris a gar- tamanhos com bonitas estar pas na ca-
rafa, xa exterior, a 1,4oo, 1 ,(oo, 1,8oo e 2,ooo
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de cada urna.
conla certa. Azeite doce refinado hespanholouportuguez
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixa.
e 64o rs. o frasco. ; Catatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo'
Genebra de laranja verdadeira cm frascos o gigo com 36 libra--.
grandes a l,oooell,ooors.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali- 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali-; 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. |Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. | do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. alibra e 2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. | a 8oo rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,000a Lentilhas francezas, excellente legme para
arroba. SOpa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 6 4o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta- | a crarrafae H,ooo a duzia.
loo. I Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Exposicao Normal de Havana. Imperiaes,
Londrinos, Guanabnras. Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooc,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou cm meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
opnac inglez das melhores irarca?, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a gresa.
Toucinhode Lisboa muito novo a 32o rs.'a
libra e 8,5oo a arroba.
Banda de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata. ,
Farinha do Maranho'muito alva e cheiros.'i
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas erdoce secco de di-
versos tamanhos, muito propria? para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancorlas grandes de
. 8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorla.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,000 o gigo.
I t VA I.
Ra do Huiu; Continua a vender redas as mioOnas
declara |or prtcos admiravei-.
Massos de palitos lixados para dtnies a N
Espelhosden-.oldurasdouradasalHi.-j-.i. .,Mti
Uonels de oliado para menino.- a I
Ditos de couro nperior fazenda a I,'
Frascos com supiri, r tinta rocha a 2i<> rs
Meladas de linha froxa i?ra h ImIo O es.
Hahado do I'orlo, faicnda boa, van
140 rs.
Varas de franja I.ranca p.-ireita a 10 r*.
Caixas com I(0 envelopes.faenda Bm iUI i
Oroias de penna.- deaju, fazenda >i; ., ,,
Duzim de meias ornas encorpadas
.'jjOOO.
Grr-zM de boloes madreperoia Cr
i C40 rs.
.ixMeotn 60novatos de Jlinla
?.< rom superiores obfH de < '.,
.. .ti du fila brama (la>tioa nm '.' .;,:... sn>n
varas de franja de lia para enle:t*\.
O rs.
Pa:.- Ihot douradrs nperirres qoi i ti
y "los de lioha ron 400 jaulas a H> r-.
Lik ( para astroloi it n opa tetada a :
Pares do LclQcsj..-.i. penho, '. 11
Tcs.uras ara eosturas cperiie;
400 e i.
Caixas de pennas de calligra|hia,
IftiOOll.
Mas i s rom IOP< dores pr.':n,"os a 30 r.-.
Pares de sapato e tranca c t*pi la i I "'
"r?-** WdW de tranca paran mu.- ,
i 280.
Caixas cem superiores apnllias a 2V
Libras de laa sonidas ('. I ( nii-11 i,
Caixas com ttperkrn obreiai de mmx (
Hodinhas com aliii; le fraofeei i
a 20 rs.
{tomas de papel almaro a Siim r \ itgo r.
Hesmas de papel de |. -.. Oso a S|C
Escovas para ron ja, fa?(-nda boa a 7M <- i.".
Duzias de lesoura- rom (oque d<
COO rs.
<
rM

Dazias de facas e prfba de rabo an k
TalhTcs nuito fin-, para cti.uira> a 14
"
Fio de algodao -a ti.:..
Vend( fse no esi-npioriv ce A: kmi Lo i, k
veira Azevedo & C, roa da Cm r.. |.
IiTitacao dos puliumr. i..~
as, tosse, escun b fe
sangae, cnipo ou gar o
tiliio, catarro, ronqiii lo
e todas as innumeravei noatstaa que .!t-
lo ios orgios da respiraro
MSAPPABBCni
mediante a acrao da balsmica e irreawin
ANAC
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
e alibra.
Figosemsextinhas a 8o rs,cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes epeque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas/a 64o rs. a libra.
Latas com fructas er calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 ,ioo e 2,ooo rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a l,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
wpte
PEITORAL de KEMP,
a anacahuila mexicana qatdaoftMM es-
pecial este incoo paravel le. 'u m
arvore, cuja madeira per n.u.....
ha usado no Tampico para a an u> .|-
fermidades cima mrmrkimdw F< i .. n
bem cnsaiada e approvada peta K*emk
medica de Berlim O peilcra! de Km p .
um xarope delicioso Dteinaacele iw #
opio, acido hydrt nanico e OOtTM iiifit-
dienles nocivos.
A' venda as drogaras de Caoi> d i.,.;
boza, Bravo C. e em todos o> cstobi
mantos pharmaceuticos do imperio.
Vendem-se no Recil em casa de Caon o
Barboza e Joao da C. Bravo C.
. .- j
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Continua-se a vender em porco e a retalho :
na na do Queimado, toja d'agui branca n. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
frascos com hydrocalletrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
e onychromaotina para limpar as unhas. Essa
tintura, cujo effeito rpido e eflicaz, est bem co-
nhecida e apreciada para todos quantos delta tem
usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aquelles, dingir-se munidos de
dinheirorua do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'agoia branca, na
ra do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folhas, e
dito tambem verde e mui fino para cobrir o ra-
me, assim como folhas de panno e a velluda Jas
para ditas.
Aspas de baleia para vertidos
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'ago ingle-
zas e francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
penas d'aco qu constantemente tem, acaba de
receber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres & C, asslm como as
verdadeiras blco de langa n. 134 e outras de pon-
a dourada, continuando porm a vende-las por
precos commodos, com tanto que ocompradorcom-
pareea munido de dinheiro : na ra do Queimado
loja da aguia brauca n. 8, onde tambem achar-se-
Tla a venda pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, recebeu:
Bonitos egraodos aljofares de cores para voltas.
Pulseiras de ditos de ignaes e agradareis cores.
Voltas pretas raaiores e menores todas de cont; s
grossas.
Pulcelras pretas tambera de contas.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Hrincos de aljofares de cores e donrados.
Fivelas d'aco grandes e pequeas cora cinto pre-
to e de madreperoia.
Outras grandes de differentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leques de |madreperola redondos e de
outra forma.
Pitos de jndalo lotricos e corredizos.
Capellas brancas para meninas.
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 5(50 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80, 100 e 120 libras a 4f, 4)5500 e 55 ; no grande armazem da Liga.
CLMCH
Madapolo muito fino com pequea toque de avaria, por preco que admira : na loja
{33 das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonii Correa de Vasconcellos & C.
Grande sortimento de roopas feitas de to-
das asquadades,
Calcas de casemira a Gfi e 7500, ditas pretas a
6 e 8$, raigas de ganga a 25 i800 e 460O,
ditas brancas a l&, brim de linho a 3, 35500 e
45, paletots do alpaca branca a 45500, ditos prelos
a 35 e 3500, ditos de alpaca de cordlo a 45. e
de listra de seda a 45300, di ios sobrecasacos a 55, CD?(;ados a esla provincia, offerecei ao respeitavel
paletots de casemira a 55, 55500, 65, 85 e 95, Pu.bl,.co um Sra.nde sortimenlo de joles, brilhantes,
Jolas preciosas c objectos de
onro.
Manricio Selbeberg & C, Polacok nltimament
Piche do gaz e Tirata mpi.
Vende-se piche 00 faz, verniz do paz -
da trra : no armaz. m da bola amarella, na cio
da secretarla da poiieia.
Vendem-se palmflras impriaesTri e-adi
de serem transplantadas : no m atando a e
querda, depois do I eeei do Espinheiro, nes Af-
flictos.
S Fnmo da Babia pan
charutos. > I
M Vende-se fumo superior de todas as -j
, qualidades, a retalho e por atacado, e H
J/tL por precos commodos, no Recite, ra da
qe Cacimba n. 1. '
"memmm m mmwmm
Ra d Kadre de Heos n. 9
Vndese milbo a 45500 o saceo, muito no-
farelo a 4520O__________ _____
Vende-se urna eserava no$a com todas as ha
bilitarSes necessarias. propria para ama casa de
familia : na ra dos Pues n. 34 se ira quera
vende.______^________________
Vende-se urna vacea lourina aclimatada do
paiz : na ra dos Pires n. 31 se dir quera vende.
Na ra de S. Francisco junto ao portJo da
ordem terceira, tem para vender banquetas de cas
caes em madeira.
Vende-se a armacao da fabrica de charolo-
da ra eslreita do Rosal io n. 43, propria para ijuai-
guer negocio : a tratar na mesma.
ESCHATGS ntgg.
bertfi fgido.
Roga-se a polica a apprehenso do eseravo par-
do de nomo Paulo, -iue vagueia no bairro da Boa-
Visla e seus suburbios. Representa 30aonc3ie
idade, cabello rente e suissas. Quera o pegar ie-
ve-o a ra do Livramento n. li.
ditos sobrecasacos pretos a 125, 15 e 165, ditos li-
nos a 255, de cores a 135, ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25500 e 25, ditos de brim
pardo a 35, jaquetoes de brim pardo a 35, panno
preto lino a 25, 25600, 35300 S, 45500 5 e 65 o
covado, moreantique preto a 25600 o covado, gros-
denaple preto a 15500,15800, 25, 25200 e 25500
o covado; e outras muitas mais fazenda? que se
deixa de annunciar, e manda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimento estaberto at as 9 horas da noite,
ra da Imperatriz n. 56, Mendes Gulmares.
Chegaram os superiores
cortes de seda.
Superiores corles de seda de cor, viudos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Amonio Correia de Vascon-
cellos & C.
Farinha de mandioca fina e alva, mais bara-
ta do que em qualquer parte, arroz da trra pila-
do e em conta : para ver e tratar, na roa do Vi-
gario, casa n. 29.
retogios e muito? objeetos de onro, por preco o
maU razoavel possivel, e mesmo troca e compn.
objectos de ouro, prata e diamantes por objectos
novos: na ra do Queimado n. 29, entrada pelo
largo de Pedro II n. 27, de manha at as 9 horas,
e a tarde das + bora* em diante. Os objectos ven
didos_pelos annunciantes sao garantidos por eiles,
e estao promptos para levar objectos s casas das
peisoas que de*ejarem comprar, urna vez que nao
possam vir a sen estabelecimento._________
Vende-se
farelo de Lisboa em saccas e barricas, e saceos
eom superior farinha de mandioca, mais barato do
que em oulra qualquer parte : na ra do Vigario
n. 17, primeiro andar.
Vndese urna escrava moca, bonita figura,
que cozinha, lava e engomma peritamente : na
ra dos Pires n. 3i se dir quem vende.
Vende se una vacca tourina j acostumada
no pasto : na ra dos Pires n. 31 ?e dir guem
vende.
Est fgida
Em 9 de jucho ausenton-se a preta crloola B>
mfaeia, de 40 annos, estatura regular, rosto reden
do e bracos bastante lanzurtos, esta preta JL: e.
crava na ra Velha da Boa-Vista, caes do Ramos e
ra das Flores, do Sr. Jj.-e .Nuce de Ol.veira, e
consta ter sido encentrada na barreira do Gijuia
com urna trouxa de roupa para lavar, mais en
boa cosinheira pudo e>:.-.r a tulo de forra ala-
gada em alguma caa : recommenda-se portaato
as autoridades policiae* e rapitaes de campo a ua
apprehencao e levar a ra do Gaz rasa do corre-
tor Sr. Nasrimenio, que se gratificara.
Fugio em principios do mezde fevereirc d-
corrente anuo e consta estar acontado nesta crdr.4
o moleque Euzebio. eseravo da vinva do Dr. Fer-
nando Alfonso de Mello, de 12 annos de idade pos-
eo mais ou menos, cor preta, secco do corpo. cloaa
regulares e afumaeado?, en beca um ponco grande
e meia chata, teic/'s linos, dente? bem alto, pe
seceos e mort" ladino : roga-se por tanto a todas as
autoridades policiaes e eapities de campo toe o ap-
prehendam e letem-o a ra da Mangtieira obrad
n. 6 que serao gratificados, proiestando-se usar dos
melos judiclaes contra qualquer pessoa qne o I
em seu poder.

;
:

\
>
S
. i
>J*y
i
ijtlassBSS*--



Diarlo de rernambnco -- Sexta lelra 9 de Jnlho de 1 65.
J
S
dos vencedores, e as pragas dos vencidos sao como
oulros tantos tiymnos de guerra, que embriagan)
os combatentes, o leva os ardenlemente de victoria
t>- i .i d.. v-:...s .iu tn*,ti em victoria, al os ltimos entrincheiramentos ini-
Discurso pronunciado pelo Rtni. \igano de Anadia (
ios seus parochiauos, terminada a missa paro-
cbial, no dia 22 de fcerciro do torrente anno, Sim, meus caros compratriotas, vos nao recua-
etn o pal tonvida-os a loanvein parle no cor- reis ante o convite que vos fago, de fazerdes parte
po de voluularius, que se firmo nacapial das desse corpo de voluntarios, destinado grandes
JlliMa*. feil03 do civismo, bravura, e patriotismo, no thea-
t Fiieram gemer aos liomens tro de urna guerra gloriosa I
na? cidade, b a alma.oshrt- 0u Acaris afundados na vergonha, ou partiris
nos gritcu, 8 eos nao dcixa v
laes cousas sem castigo. cercados do prestigio j ou seris npontados como
/job i pusilnimes, dignos de lastima, ou seris respeita-
. dos como uns bravos dignos de admiraco, dignos
Ji a vos, dignse honrados parochianos,e a vos das l)encos d lo d| da benevolencia do
J monarcha, junto ao qual lodos os brasileiros, zelo-
sos doorgulho do seu paiz devern grupar-se para
esforzada
[nacional.
guarda nacional deste municipio, que me dirijo, na
auaiidade de vossoamigo, vossocompatriota e vos-i"" """,""" "'" "". T"*,1"
' ," r ,. i esforzadamente aijda-lo, na obra da desaffronta
so preceptor espiritual, para rallax-vos em nome naciona,
4a patria, do Imperador e da humanidade.
, I E, assim devera ser, porque a grande raaioria
Vos, que tantas e tao repetida* vezes me have.s ^ ^^ par0(|lian0J fM parte) e parto
iado proras nao duvidosas, de apreco e considera- mu(0 itnuor[an[ej da guarda clvica da naga0j que
dado
cao, que nao merejo ; vos, que mais de urna occa-
. lio me leudes proporcionado para dosta mesrao
lugar sagrado proclamar vossas virtudes, animan*
uo vos ao deseopeabo de vossos deveres para com
, paro comvosco e para com a sociedade : es-
, .. -me !
Se em tao uobres senumentos, senbores, nao lia
quetn vos exceda, se lauto vos haveis distinguido
por vosso amor a ordern, por vossa lealdade ao
turono, por vossa Adeudado a religio calboliea,
pur vosso respeo s instiiaic;s juiadas, e por
ve a obediencia aos poderes do estado... corto,
que quatdo a pairia reclamar vosso valor, recia-
i..... o concurso de vossas bayonetas, vos voareis,
i o i.ntes, ao som marcial do goerreiro ciarim ao
campo da batalba^e ahi ensinareis aos covardes,
pie mando se trata de vindicar os bros o honra
... .Daes ultrajados, ou se riga com bravura, ou
o;.. nee com denodo,ou com glorias se suecumbe I
Agora mesmo, senbores, que um punhado de
nachos selvagens, para essas republiquetas do
11 e Ja Prata, uepois de perlida, e brbaramente
hi.w r iracidado nossos inermes compatriotas, que
por all babitavam : depois de, affrontosamenle
conculcaron) nossos brios, honra e dignidad?; re-
sislem, i mi armada, n justa punicao, que mere-
.... peles muitos, e repetidos actos de inqualifiea-
vel vandalismo contra a vida e propnedade dos
Brasileiros.
Agora, o talvez nesle momento, que mais de um
eiio d'armas tenha assigualado, por bullanles
trinronos, a bravura e pericia do exercito broa-
leir :
Agora, que a nacho profundamente eoniristada
nfldelidade, e rudeza desses nossos prfidos
ingratos viziohos, fazeado umanpello aos brios, e
ctragem nunca desmentida deseas filhos, recla-
ma del'es promplo auxilio guerra justa, que Ira-
va a lib?rdade contra a oppressao, a civllisaco
contra a barbaria, e aguerridas massa-, de valen-
te-; soldados contrabandos ferozes lie indmitas sai-
i ;; re?... agora, digo, deveij, estar de prorapli-
i.i >. a escola da voz, I. In nra.
'.'. o que vos deler, quando soubeides, que n i
vrtice lia peleja, por entre u esirjujr das armas, e
o rebombar dos caabdes o sangue generoso dos
n sos compatriotas, qu: ja tem jorrado pelo solo
dos malditos vosbradar -vinganca-*?. O que vos
doler, meas charos amigos ?
As lagrimas da familia? Mea Dos!... Nem
sempre, seuhors, no remanso da paz, no gozo das
delicias domesiicas que o patrila bein intencio
bada b do prestar bons servicos ao scu paiz.
Quando, aestas circunstancias a familia prau-
|a ; porque a patria geme ; o o Urasileiro que ou-
ve impassivel es-'-s dc-ids lamentos o iransije
cora a voz da eminencia que Ibe dizparte !e
elle... fiea porque os lhos choram, e a mullier
suspira, se nao um pusilnime, fiearl Penas
sendo um cartnhoso e bom pai de familia '.. .
que vos deter ? Os interesses materiaes ?
Vossas I iveuras, vossos negocios domsticos ? Ah !
meas amigos, cima de tuda est a honra de aossa
proganitora commum, aquella, que nos deu o ser
poltico.
O que faries, se eiu vossa presenca aquella que
vosdeu o serhumano fjsse ignominiosamente
ultrajada, e vertendo lagrimas de vergonha, vos
tcmandasse soccorro,- o rcclamasse de vossa
dignidad?, e amor filia: desafala a injuria e
que foi vi lima ?
Irieis antes,le castigares enrgicamente a au-
dacia do aggressor roldar vossas ierras, semea-
las, lirapa-las 1 Irieis dt'rribar vossas maltas, quei-
mar vossos robados, colher os frucios dos vossos
trabalhos, concluir vossos negocios domsticos?
Qae fosseis... nao contesto, se urna vil e basta-
rda naiureza vos-houvesse mareado na fronte,
com o estigma demalditos,se em vez do doce
Dome de lilhospresasseis mais o de monstros
abominaveis, de delestavel ingratido !.
E:n urna palavra, sniores, o que vos deler de,
ja nao lerdos aecudido ao reclamo da nacao, o vo-
luntariamente marchado para a capital, e ahi vos
astardcs no patritico hatalhao de VULUNTA-
UlO, que se forma sob os auspicios de um gover-
no bem intencionado, e verdaderamente zeloso da
liorna do paiz ? O terror ?
Nao permita Dos, senliores, que me passe pela
mente a miuima inten^ao de pensar um instante-
so quer. que o medo (parlilha dos egostas) tolhera'
vjssospassos, no camiulio da gloria !
Pois que I temeris porventura csses bandos do
piratas e guerrilheiros, que trajara femneos chiri-
pas, a que a' primeira carga de vossas bayonetas
deixaru o campo, abandonarao prayas, artilharia,
bandeiras, armamentos, batagens e... abandona-
riam a honra se honra livessem, para cm fuga ver-
gonhosa perderem-se peresses infinitos matagaes?
Temeris porventora esses vndalos do secuto
XIX, que fortes na traijio, nos escarnecem e ul-
trajam, c que se aao forem de promplo, e severa-
mente punidos, mais tarde, e como coslumamde
sorpreza- invadiro nosso territorio, se apossaro
de nossas fortunas, violaro a honra de nossas fa-
milias, nos Iratarao como eseravo?, e escarnece-
o de nossas desgranas ?
Quando a guerra justa, meus amigos, o corceo
di bravo, que peleja so bate de prazere enihusias-
nio; porqae o Senhor Dos dos exercitos Quem
preside ; Elle Quem,fortifica a concern dos com-
batentes, e desterra den re as llnhas dos que pug-
nan i pela causa justa,acovardia e pusilanimfdade.
por sua uobilissima iustituigo a defeza do thro-
uo e do aii.ar, e a garanta da liberdade; nao dessa
liberdade vertiginosa, das faceoes anarchlcas \ mas
daquella, que, emanacSo do eo, a razao escla-eci-
da do legislador consignou em uossa caria poltica,
de que principal depositario o chefe supremo da
naci Sua (agestado o Imperador.
Eia, meus boas amigos, coragem, e conanea na
sanlidade da causa I
Duas estradas se vos abrem para cscnlherdes
urna; a do aul, que vos conduzir ao fastigio da
gloria; a de casa, que vos arremessar u'um abvs-
mo de vergonha, escolhei, a hesitayo dezar...
A nacao vos observa triste o silenciosa : espera.
E' lempo delta saber, quaes de seus filhos, ven-
do-a lotar arca a arca com inimigos ingratos, e des-
leaes se deixaro licar tranquillos, estrellados por
torpe amplexo de vil e criminoso egosmo.
Nao! vsaasciJos, na dislinctaeheroica provin-
cia das Alagoas; vs,que tendes om vossos antepas-
sados vultos Ilustres da independencia, que por ella
derramaran! seu sangue, que por ella sacrilicaram
suas vidas; vos, que infelizmente as lulas civis
haveis dado ao mundo ejemplos espantosos de bra-
vura e resiguacao, nos trabalhos de guerra... nao
deixareis que as outras provincias do sul e norte
vos excedam em patriotismo.
A fronte da provincia das Alagoas altiva, nun-
ca houve quem a visse empallidecer ao grito de
guerra,-quando a nacao reelaraou sempre scu
esforcado valor, nessas eras de abaegacao e heros-
mo, que ja la foram!
Agora nao seria, mais do que urna recordaran
pratica do passado. Marcha! I
E, seuhors, quando vollardes aos patrios lares.
ao gremio domestico da familia, e que vossos lllho-,
vossos prenles e amigos, que por justas causas l
nao foram, mas que ennobrcei-ndo-se de vr-vos
vencedores vos pedirem historias de vossas proezas
nos combates, vos pedirem comas dessas trras es-
Iranhas, e noticias desses montes, desses prados,
desses valles, desses ros, dessas florestas, desses
poves e desses eostumes ?... Que gloria indisivel,
meus amigo?, que sensucocs nao experimentareis,
qnando Ibe mostrando-vossas nobres eieatrizes dis-
serdes:
Estas cicatrues, que vedes, meus filhos, sao
o nubre certificado de que nao fui do numero
Jaquelles que deram costas a causa da nagao.
a Ellas aitestam que combat em neme do nosso
Dea*, do nosso Imperador, e pela honra da nossa
patria.
Se oulr'ora fui indifferente aos males que affli-
giam o mea paiz, a guerra regenerou-me. Nella
i derramei o meu sangue sobre a pyra dos com-
i bate*, ao clarao dos fuzis, e por enlre nuvens es-
te pessas do po e fumo das pelejas; foium immen-
so holocausto, ao qual me olfereci, como victima
t voluntaria, por amor de minha patria, e... li-
Ihos de rainha alma, para legar-vos um nome
sem mancha, pobre, porm ennobrecido.......
E, jj, meus amados irmos, que vos tenho falla-
do oeste assumpto grandioso, como vosso compa-
triota e amigo, justo que, concluindo, vos dirija
a ultima palavra, como sacerdote, o mais humilde
dos sacerdotes, e vosso preceptor espiritual.
Todos vos, sem grande esforco, podereis perfei-
lamenle comprehender, que os males que affligem
a humaudade sao incontestavelmente o resultado
dos nossos grandes, e iunumeros peccados, e a ma-
nifestado pratica do desagrado da divindade.
Esta a completar dous lustres, que aprouve a
Deus enviar-nes, pela primeira vez, o mais hedien-
do dos flagellos que podo martyrisar a enferma
humanidade; e desde cssa poca em dianle, que o
flagello da fome, nao menos assolador que o da
pesie, tem invadido; com mais ou menos inlerrup-
cn. com mais ou menosintensidade muitos pontos,
sciio desta, porm de outras provincias.
Parece, meus amados irmaos, que a colera divi-
na nao satisfeita anda de havor tao severamente
punido os nossos erros deteslaveis, (porque elles re-
crudescem) envanos agora o terrivel flagello da
guerra, sobre todos, em meu pensar, o mais abo-
minavel I
Ah! meus amados irmaos! E, quem lao obseca-
do na deploravel doulrina do falalismo, qae nao
enxergara em toda essa marcha invariavel de sof-
frimentos a viogaaca celeste que implacavel paira
sobre nos?!
Se por um lado corre-nos o dever sagrado de
pugnar pela honra da nagao ; por outro, reconhe-
cendo nos nesses nossos encarnizados inimigos os
instrumentos da divmdade, urge, que, conlrictos,
pessamosmisericordiaa) Aquello que por sua
Infinita bondade pode dar-pos o triumpho, oa cau-
sa que defendemos, sem mais derramameato de
saagne dos nossos semelhantes.
Tenho concluido.
Padre Francisco Peixoto Uuarl*.
OH POUCO DE TODO.
Ultimameate publicou-se em Bruxellas um livro
que encerra importantes licoes polticas, teado por
titulo Dilogos no inferno entre Macchiavelli e
Montesquieu, ou a poltica de Macchiavelli ao sca-
lo XIX, por um contemporneo.
As trezentas paginas de que se compSe, ofere-
ceado ama leitura curiosa e sobreludo instructiva,
julgamos de utilidade tradazir algumas dellas, pa-
ra aquelles dos nossos leitores que aao poderem
A coragem estimulo, e que quando este estimu- 'er original.
lo nao 6 fortificado pela animaco de nobres sen-
timentos degenera em brutal ferocidade, que ordi-
nariamente suecumbejem presenca da eaergia re-
vertida.
Para o exerciio brasileiro, no empenho do cr-
tame, o retiir dos sab-es, o esirogir medonho da
artilharia, a trovoada dos mosquetes, o tropel dos
equadr Jes, o rumot das manobras, as vozes des
gimeraeii. o estrepitadas msicas, o rufar dos lam-
b tres, o clangor dS trombelas, e... os gemidos
O autor anooymo iatroduz Macchiavelli e Mon-
tesquieu a discutirem sob poltica, e dos seus ra-
ciocinios dedaz a materia de viate e cinco inters-
santissimos dilogos.
O secretario floreniiao, respoadeado a Mootes-
quieu, que havia tecido a apologa do regimea
coastitucioaal, demonstra que esse syslema um
equilibrio Ilusorio, do qual os estados eabem me-
vtavelmente ,oo ao despotismo ou na aoarchia, e
que em todo o caso nao produz vantagem alguma a
d.is brido*, a agoola eos moribundos, os brados parle mais numerosa do povo.
l) Especie de bisonro, | ...... Vos, diz Macchiavelli filando o seu
antag onisla Montesquieu, sopesis os tres poderes,
col locando eadi um delles na propria esphera :
este fara as leis, aquello applica-las-ha, um terceiro
dar-lhes-ha execugio : o principe reinar, os mi-
nislros'governaro. E' realmente admiravel este
balouco constilucional I Mas vos tudo previstes e
regulaste?, menos o movjmente ; o triumpho de
um tal systema nao seria a ac^o ; se o vosso me-
chanismo funenenasse perfeilamenle conseguiriaa
mmobilidade ; porm as cousas passar-so-hao dif-
ferentemente. Na primeira occasio propicia, o
Oriniento ter lugar pela fractura de urna dessas
molas, que com tanto cuidado fabricastes. Julgas
vos que os poderes conservarse-ho por largo
lempo dentro dos limites consiitucionaes e que nao
podero transpo-los ? Qual a assembla legisla-
tiva independeiite, que nao aspirar ao poder sobe-
rano ?..... Qual sobreludo, o prncipe que ac-
ceitar sem reservas a parte passiva qual o con-
deranastes e que, no segrep)a do seu pensamento,
nao meditar o derrubamento dos poderes rivaes,'
que lhe embargam a accao___ I
Nos vossos clculos, s contaste* com as mi-
noras sociaes. Existora populacoes gigantescas,
algcmaas aotrabalho pela miseria, como d'antes
o eram pela escravidao. Perguntar-vos-hei o que
iraportam sua felicidade todas as vossas slmula-
foes parlamentares ? O vosso grande movmento
poltico nao produzo afinal, sono o triumpho de
urna minora privilegiada pelo acaso, como o era
pelo nascimento a nobreza antiga. Que importa
ao proletario, curvado sob o seu trabalho, oppri-
mido sob o peso do proprio destino, que alguns
oradores teuham o direilo de fallar e que alguns
jornalislas lenliam o de escrever ? Tendes creado
direto?, de que urna grande parte do povo nunca
poder fazer uso. Estes direltos cajo cozo ideal a
le lhe faculta, mas que a necessidade o inhibe de
exercer effectivamente, nao sao para elle mais do
que una amarga irona da sua triste cndilo___
A estas razona o autor do Esprit des Lois respon-
de dizendo, que o equilibrio constilucional est tan
bem organisado e profundamente arreigado nos
hbitos dos povos cullos, que um principe, que qui-
zesse desfaz-lo por ambiguo, leria que rer um
osso mu duro.
Pcrm o secretario responde, que a cousa fac-
lima, e quer provar-lh'o, mostrando lhe al nos
mais minuciosos detalhes, om quaes meioselle
conseguira reduzir ao despotismo mais arbitrario
um estado constitucional.
Aqu pe elle a descoberto os pequeos estrata-
gemas e as colossaes iniquidades medanle as quaes
poderia conseguirse este Um, e as suas descrip-
coes sao de urna verdade tao evidente, qae se po-
deria julgar que elle quizesse escrever urna pagina
ignominiosa da historia contempornea, e retratar
um facto horroroso, consummado pela violencia e
manlido pela corrupcao: porm as coincidencias
que o leilor nao pode deixar de notar entre estes
preceilos e certos acontecimenlos que ninguem ig-
nora, sao sem duvida obra do acaso___
Sja como for, o melhodo adoptado por Macchia-
velli mni enftenhoso, e ppderia dignamente figu-
rar n'iiin appendiee ao tratado Del Principe.
Gomeca demonstrando que na poca presente
nao se pode opprimir os povos com a monarchia
oriental, e que se requerem novos procesaos para
subjugar as sociedades modernas.
Eis algumas das suas observacoes :
..... Hoje, para governar, j nao se trat
de commelier violentas iniquidades, de decapitar
os proprios inimigos, de despojar os subditos, de
prodigalisar supplicios ; nSo, a morle, a expoliado
e os tormentos physicos, s podem oceupar um
lugar mu secundario na poltica dos estados mo-
dernos.
.....Hoje irata-se menos de violentar os
homens do que de desarma-los ; trala-se menos de
comprimir as suas paixoes polticas do que de vea-
c-las : trata-se menos de combater osseusius-
tioctos do quj de engalos ; trata-se menos de
proscrever as suas ideas do que de desvia-las, ap-
propriando so dellas.
...... O segredo principal do governo, con-
siste em debilitar o espirito publico a ponto de
trnalo completamente indifferento s ideas e aos
principios com os quaes hoje se fazem as revola-
coes. Em todas as pocas, tanto os povos como
os individuos, se conlenaram com palavras ; bas-
tam-fhes sempre as apparencias, e nada mais pro-
curara. PoJem-se porlaatoestabelecer instituicoea
Belieias, que respondam a urna linguagem ea
ideas igualmente ficticias v cumpre ler a arle de
roubar aos partidos essa phraseologia liberal, com
a qual coslumam armar-se contra o governo r
compre atordoar com elta o povo at a sacedade,
at s nauseas.
........ Um dos grandes segredos do tempo-
presente, o de saberse asseahorear dos precoa-
ceitos e das paixoes populares, de modo que se
consiga gerar urna confusao, que eniorpec.a as fa-
culdades intellectuaes doquelles que fallam a raes-;
ma lingua e tem os mesraos interesses.....
O autor aooayinp, depois de explicar e criti-
car o syslema parlaajeutar, faz com que Macchia-
velli eatre a'um campo mais pralico.
Supposto que se sahisse bem de um alaque
imprevisto contra o poder estabelecdo, diz elle,
que nao se contentara com o primeiro triumpho ;
mas que, para reprimir at mesmo os instnctosde
rebetliao, sera obrigado ( necessidade deploravel,'
mas iuevitavel I ) a parausar os nimos cora e ter-
ror, com um exemplo salutar, afogando profunda-
mente no sangue o espirito revolucionario
Mas quera ha de derramar tanto sangue ? In-
terrompeu Montesquieu horrorisado.
O exercito I esse grande jusliceiro dos esta-
dos, respondeu Macchiavelli... Conseguir-se-ho
dous resultados do raalor alcance cora a interven-1
cao do exercito na repressao. Desde esse momen-
to, aeharse-ha elle em constante hostilidade com
a populago civil, que ter punido sem merc ; e
ficar por este modo indissoluvelmeate unido
sorte do seu chefe.
E estis persuadido que o sangue derramado
nao recalar sobre vos ?.
Nao por que aos oaos do povo, o soberano,
a final de contas, nao responsavel pelos excessos
de urna soldadesca, que oem sempre faeil coater.
Essa responsabilidade poder recalar sobre os ge.
neraes e ministros, que tiverem cumprido as mi-
alias ordens; e eu vos asseguro que esses me guar-
darlo fidelidade al ao ultimo suspiro, por que bem
sabem o que os espera depois de miro.
Depois da repressao, appressar-se-hia a sal-
var as apparencias, fabricando urna aova consti-
tuirn na qual declarara em termos geraes, que
elle reconkeci i confirma o* grandes principios do
direito moderno. Estas sonoras palavras hao de
offuscar os papaUos, sera em nada o comprometie-
ren! : era seguida, poder, quando quizer ; calcar
aos ps os direites polticos cora tanto que tenha
era certa coaslderacao os civis, isto a proprieda-
do e a seguranza pessoal, que os homens geral-
meale apreciara mais do qae a liberdade. Essa
constltuicao ser votada carga cerrada, e nao ar-
tigo por artigo, sob o peso do terror e da forca: eis-
ahi as bases da usurpacio do suffragio universal.
Apeaas promulgada a coustituigao, e sempre de-
qaixo da impresso do golpe de estado, publicar
urna serie de decretos, tendo apparencia de sim-
ples medidas policiaes, medanle as quaes Qcarao
sopprimidas indirectamente as liberdades mais po-
rigosas, prometiendo porm, para adocar a pulula,
restiluir-lh'as logo que os partidos estlverem mais
serenos e tranquillos.
Para salvar sempre as apparencias, conservar
smente innocente, as iustiluicSes a que o povo
est habituado : ha vera pois urna cm ira legisla-
tiva, porm tolher-se-lhe-ha o exorbitante direito de
proporas leis, direito que pertencer exclusiva-
mente ao soberano : essa cmara nem se qur po-
der emendar os projectos apresentados pelo go-
verno, mas ser do seu dever aceita los ou regei-
ta-los, semoutra alternativa.
Introduzr-se-ho muitas modificarles no mecha-
nismo do estado : sentar se-ho os minlsiros da-
responsabilidade, para faze-la recahir sobre o so-
berano, isto para torna-la Ilusoria.
Ma3 para por a coberlo a aeco do principe,
que nao deve licar sempre exposto, iastituir-se-ha
um seaado c um coaselho de estado, os quaes oo
lerao poder algum, como de justiga.
A lira de por peas a imprensa, decrelaF-se-ha
que neahum jornal poder fuudar-se sem autorisa-
cao do governo ; e, sugeilaudo todos, ao sello e a
Banca, lornar-se ha a industria jornalistica to
pouco lucrativa, que os peridicos assalariados po-
dero funeciouar com vantagem.
Pelo que diz respeito s leis repressiva3 por cr-
mes de imprensa, o principe ao julgamento dos tri-
bunaes que suscita escndalos, preferir as admoes-
tages seguidas pela suppresjo. '
Quando imprensa eslrangeira, paralysarse-
ho os seus malficos effeilo-, puniado com o car-
cere quahjuer inlroducg > ou cireulaco, nao au-
torisada, de gazetas eslrangeiras. Mas alm de
precaver-se contra a imprensa servir-se-ha d'ella
como de urna arma offeusiva, ueutralisando o jor-
nalismo com o jornalismo -.vejamos como elle
mesmo descreve este meio singular :
.... Contarei o numero dos jornaes que re-
presentara a opposigo. Se forem dez, tere eu
vinte que fallera a meu favor; se forem vnte. terei
eu quarcnla ; se forem quarenta, terei eu oitenla.
Para isto que pode servir a faculdade que reser-
vei para mim de aulorisar a creagao de novos jor'
naes polticos... Dividirei em tres ou quatro ca-
thegorias os jornaes favoraveis ao meu governo-
Na primeira collocare um cerlo numero de jor-
naes, cojo carcter ser francamente ollicial e os
quaes, em todas as circunstancias, defpnderao os
meus actos a lodo o transe. Mas esses jornaes nao
hao de ter a maior influencia na opinio publica-
Na segunda, collocarei urna phalange de jornaes,
cujo carcter nao ser mais do que offivioso e cuja
missao consiste em chamar ao meu partido os ho-
mens indifferenles e tibios, que de ordinario acei-
tam sem escrpulo aquelle que se acha constitui-
do, mas que d'alli nao passam com a sua reiigio
poltica. E' as outras calhegorias de jornaes que
hei de ter a* minhas mais fortes alavanca?, Aqu1
desapparecera completamente o carcter oficial'
porm s na apparencia, bem entendido, por que
esses jornaes formaro os elos da cadeia que es ha
de collocar minha disposleo. Nao vos dire o
numero d'elles, por que era cada opinio, em cada
partido contarei am orgo affeicoado; terei um
aristocrtico no partido da aristocracia, um orgao
democrtico no partido da democracia, um orgao
revolucionario no partido da revoluco, e, se for
necessario, um orgao anarchico no partido da anar-
chia. A' imtagao dos Dos Vosehscoun, a minha
imprensa ter cem bragos ; e estes bragos estende-
ro a rao por toda a superficie do paiz a todos os
matizes da opinio. llavera' gente que, sem sabe'
lo, perlencera' ao meu partido : aquelles que julga-
rem apilar o proprio partido, agilarao o raen:.
aquelles que julgarem seguir a propria bandeira,
segulro a minha.
A polica sera' urna das grandes molas do go-
verno de que falla Macchiavelli.
O pouco espaco de que podemos dispor nao nos
consente porm descrevermos esse vasto systema
d'espionagem, que tem o sunho de um certo genio
tenebroso, que se poderia comparar ao da arauha
lerendo a sua teia engaadora^
Os leitores todava lero com interesse este ullL
timo e curioso trecho.
.....Para ter sempre na mo o fio das tra-
mas revolucionarias, estou nreditando urna combi-
nago que a meu ver mu engenhosa. Qulzera
ter um principe da minha easa, o qual, assentado
nos degros do throno, desempenhasse o papel de
descontente. A sua missao consistira em tomar
os ademanes de um liberal, em se ostentar detrac-
W do governo, para d'est'arte chamar a si, afim
de observa-Ios de mais perto, aquelles que as clas-
ses mais elevadas podessem pender para dema-
gogia
Conla um chronista de Pars, que um conde ram-
io ciumento, leve ha pouco lempo necessidade de
fazer urna viagem; porra a sua natural impacen--j
cia obrigou-o a apressar o regresso.
Nao posso viver ausente de minha esposa, di-
zia elle, e ao mesmo tempo terei occasio dme
certificar da sua fidelidade, sorprehendendo-a com
a minha inesperada volla.
O conde iratou de por inmediatamente em pra-
tica a execugo de sua idea e entrou em Pars pr-
ximamente s onze horas da noite, eacamiahaa-
do-se logo para a sua casa n'uma carroagem de
aluguel.
Quando chegava perlo de casa, vio ontra carroa-
gem parada a porla, e mandn o seu eochelro que
parasse.
Desde aquello momeato, Qxou a sua altengo na
porta.
Dez minutos depois sahiram por ella doas om-
itieres envoltas em dminos e subiram para a car-
roagem que as esperava.
Segu esse irem, exclamou o conde, dirigin-
do-se ao cocbeiro, e olha que tens boa gorgela.
Os dous vehculos comegaram a corrida, e os
nossos leitores imaginera bem qual seria o alvoro-
co, o temor e a ira que se apoderou do animo do
viajaate.
A carroagem das mascaradas pareo defronte do
pirystilo da Grande Opera; mas aates que ellas se
apeassem, j o coode se tiaha apeado, collocaado-se
de um modo conveniente para as poder observan
A' luz de um candieiro descobno elle que um
dos dminos era, oem mais nem menos, aquelle
que sua esposa tiaha mandado fazer no aaao ante-
rior, para ir com o marido a Grande Opera, favor
qae ella tiaha obiido para satisfazer a sua natural
curlosidade.
E' ella, nao ha dnvida, disse o coode furioso ;
e impellido pela colera, foi ao encontr das masca-
radas.
Pare, seohora I... gritou elle, agarraado na
mi de orna dellas.
O conde I exclamou urna voz feminil.
Sim, o conde... que saber castigar a infa-
me que atienta contra a sua honra ; e dizendo isto
arrancoii a mascara aquella que o linha conhecido.
Porm, oh! felicidade I a mascarada oio era
sua esposa; era a creada que se tiaha apoderado
do domin da ama para passar urna noite divertida
em companhia de urna amiga.
O conde correu immediatamenle a casa, e encoa-
Irou a esposa entregue a aprasiveis sonhos.
No da seguate foi despedida a creada.
E' sabido quo no mesmo instante se contara ho-
ras diversas nos dilferentes lugares da ierra, e que
este fado provra da roiago do globo. Ms um
rlaudez attribuio-o conhecida oppresso ingleza
na verde Erin.
O caso passou-se assim :
Um inglez que linha o seu relogio certo pelos de
Londres, foi lazer urna viagem a Dublin.
Quando deserabarcou era a ultima cidade, chegou
a elle um irlandez e perguntou-Ilie :
Sabe-me dizer que horas sao ?
Nao sel, porque a hora de Dublin nao coin-
cidem com as do Londres !
Certamenle.
Mas por que isso !
Porque o sol nasce mais cedo em Londres do
que em Uublm.
Percebo, replicou o rlandez. Ahi est mais
urna maroleira dos inglezes mais urna das suas
muitas crueldades contra a Infeliz Irlanda.
Era a completa felicidade.
III
O aajo decahido, qae as protaadezas *> fcara-
Ibro medonho se estorcia de raiva pela felicidade
do primeiro hornera, em guerra aberU coa o
Eterno, jura perder a obra prima da creaeo.
I E para logo tomando forma da astuta serpea*!
illude a mulher, dizendo-lhe :
Porque nao come do frueto d'aqoeila ar-
vore?
E aponlava a arvore da sciencia do bem do
mal.
- .>o, lhe responden a mulher, nao lhe pode-
mos locar, porque Dos no-lo vedoo, e no da em
, que comerraos d'aquelle frueto, morreremos.
I Nao receies cmelo, redargoio a serpeate.
Olha, v como elle encama a vista f O sen gosto
suave, e longe de causar-vos a morte, proloa-
| gar-vos-ha a vida. Conhecereis o bem e o nal,
| e seris iguaes a Dos.
E a desgracada colheu o frneto prohibido, ea-
meu e repartiu com o homem, que lamben eo
meu I...
O co cobrio-se de negras e espessas aoveas -,
a ierra estremecea em seus alicerees, c, peb pri-
meira vez, se fez ouvir o estampido do trovJo.
Os raius cruzaram-se pela celeste abollada, e
pareca que toda a naiureza a precipitarse ao sea
cahos primitivo.
Tiuha-se consummado o primeiro erime.
L-se no Cruzeiro do Brasil o segointe :
O cbristiaaismo iaexgotavel em inventar modos
para soccorrer os infelizes.
No lempo da peste em Marselha mouseuhor De-
ley, successor do venerando bispo Uelzumce, ven-
do que o povo solfn.i e lhe fallavam os meios para
minorar-lhe os males, drigio-se ao palacio do go-
vernador, que nesse dia dava um grande baile.
O annuncio de que ahi se acliava o virtuosa pre-
lado, causou a todos um geral assorobro.
O prelado, porra, entrando disse, que ub os vi-
nha perturbar do seu divertimento, mas nicamen-
te pedir urna esmola para seus pobres, que mor-
riam de fome e fri ; e enlo pegando na mo da
filha do governador, convida-a para ser o seu com-
panheiro no pedido que la fazer.
A virtuosa senhor.i, annuindo seu rogo, para
logo a bolea do caridoso sacerdote encheu se de di-
nheiro e aderecos olTerecidos para lim to justo.
Terminada a missao, o bispo Beley roga que con-
linuem a divertirse, e sem que alguem o presen-
tase retirase contente para sua morada.
Na Semana Religiosa de Dijon, temos um faci
quasi idntico sobre as pequeas ir moas dos pobres.
Urna dellas indo esmolar, entrou em um dos
grandes e>s da cidade.
A presenca de urna religiosa naquella casa exci-
tou geral admiragan, e todos desataram a rir.
A irina, de olhos baixos assim ficou at acaba-
rem as risadas, c terminadas exclama :
Senliores, se a mala presenca vos servio de
enlretenimento, de jus que me drs alguma cousa
en pngj ; astim dai-me urna esmola para meus
pobres.
Isto foi do com tanta docura e delicadeza, que
para logo lodas as boleas se abrirais e a irmaa fez
urna laiga colltcita.
^ Publicando as segrales reftexes do cams 4*
Sant'Aniti, que traoscrevemos da Semana llltu-
Irada, a|>plicarao-las a tantos pontos desia cidade,
que precisamente bem podem dizer o mesmo.
RKKLBIE DO CAMPO 0E SA.1T' A5.1A.
L vem um preto com um grande cesto; ka de
ser cisco...
Porque diabo heide eu ser o deposito de todas as
immundicias da cidade, lama, anima** mortos, liso
e aguas ptridas t
Ouvi dizer, aqui a lempos, que eo ia ser atierra-
do : liquei comente, porque, emtim, se o Bocio I a
praga da Conslituigo, ea sou a da Acelaaur.Vj a
cousiiiuigu urna grande cousa; mu sem a at -
clamagao, talvez nao houvesse logo a coostiioi-
go.
Mas nao : ludo para elle, aada para mim.
Nao baslava este monstro, onde de nando em
quando oug > gargantear amas vozes boas ou mas :
fei i, ridiculo, mas nao porcaria.
Por isso mesmo para qae en fo?se mais acabru-
nhado, juniam-me a Isle a porcaria
O' cos I
Srs. vereadores, por compaixo,lanrai os Toara*
olhos sobra mim f
O' vos que passais na estrada, Jtl se ha dor
maior que a minha, e acautclai-vo para aao sojar
os ps.
O PRIMEIRO CRIME.
I
A aurora conv seus dedos cor de ro>;a abri as
cortinas do leilo do astro do dia.
As aves com seus trinados saudavam a manha
serena.
Branda aragem ombalsamava cora seu doce per-
fume as floridas campias do paraizo.
A naiureza inleira irajava com todo o esmero,
ostentando garbosa lodas as suas galas.
Era o sexto dia da creagao.
Um looginquo rumor, semelhacte ao baloirar
das ondas quando doudejam sobre a lisa praia, se
fez ouvir.
Pouco pouco esse murmurio V>i crescendo,
e se dislinguiram entilo os sons das harpas me-
lodiosas, que dia e noite celebrara a geragao ter
na do verbo no seio fecundo de seu Pai.
Era o ElernO) que circumdado de teda a corte
celeste, ao som de festivos cantos viaha extrahir o
homem do nada.
De repente essa voz solerana e gnve, que ha
pouco pronunciara o fi-. se ergue e du :
Fagamos o homem nosso imageai e serae
I banca.
E o homem. foi feito, e a argila se animou ao so"
pro do Eterno..
Os choros anglicos, como que por lia, entoa-
rain o hynuia da creagao: o bnraem curvado s
plantas do Creador agradece-lhe o bem da exis-
tencia.
Ergue-te, homem, Ibe diz o Eterno, er-
gue-le t Eu te exlrahi do nada para seres o so-
berano da ierra. Olha om redor de li: V esses
prados tlxesceoles, essas arvores frondosas, o co,
a trra, o mar, o sol, a la e as estrellas; ludo
se curvara diante de ti porque tu* s o ser sobre
quem infund urna pane da rainha divindade. A'
leus ps viro submissos os animaes que criei:
as aves do co, os peiies que vivem no mar, e as
feras que habitam os antros da; florestas obede-
cer la voz -, ellas viro por seu turno ren-
der-te o preilo de v&ssallagem devid ao rei da
creacao. De ludo quanto te cerca s a nico se-
nhor. Come de lodos os fructos, que plantei no
paraizo por amor de li, porm prohibo-te que to-
ques no frueto da sciencia do bem e do mal, pois
que no dia em que o comeres, morreras.
U
Tranquilla se deslisava a vida do primeiro ho-
rnera.
Rodeado dos favores do Eterno, elle se deslum-
brava nos fulgores da sua propria innocencia.
Mas o homem eslava s, e Dos, compadecido da
sua solido, deu-lhe um fagueiro somno, e de ama
das suas costelas formou a primeira mulher, a com-
paaheira dos seus gozos.
Ao acordar, inebriado pela formosura de suas
faces e gentileza de suas formas, exclama ex-
ttico :
Tu' s o osso do mea osso, a parn da- minha
carne; comtigo passare contente a vida; naidos
passearemos por estas rlsoahas velgas que esmal-
tam o nosso jardim. Ao romper d'alva iremos
respirar o ar balsmico das flores aa brisa fagaei-
ra da manha; embriagar-nos-hemos oa doce me-
loda desse choro atado, que como hds sauda o
Autor do uoiverso, e ao descambar do sol, aessa
hora prende de doce e melanclica poesa, proslra-
dus elevaremos nossas oragoes ao Eterno, e em
puras e fervorosas preces agradeceremos o bem
qae aos lera liberalisado.
Assim fallou o homem sua companlieira.
E as aves, e os animaes que habitara os bosques
vieram proslrar-se diaole dos seus soberanos, e
prestar-lhes a bomenagent da sua snbmisso.
Os dias succediam-se una aos outros cada vez
mais seductores, e toda a natureza se empenhava
em embellezar a existencia desse par mimoso.
Ordinariamente o roobado eufurecj-e contra o*
ladres.
Nao assim o Sr. Denlo Fernandes das Mere "-.
autor de urna correspondencia que foi publicada ao
Comi- Mercantil de lerca-feira.
E' una correspondencia engragadn, 7erdad>*tra-
mele espirituosa, pois que o roubado confunde
larapo zombaodo tranquillamenle de.'!?.
Ei-a :
< O abaixo assignaao morador na rea do Hospi-
cio n. i/, sobrado, roga ao cavalheiro que com o
nomo-ROCHA PINTO-tere a hondada de o pro-
curar no dlktt du correte, dizendo ser para n
godo musical, e que nao o onroniraxvdo pedio a
sua mulher para azer um bilhele, e aessa occasio
subtrahio da gaveta da mesa onde escrevia am re-
logio de sabonete, caixa de prata <]auraii a. ?m\<'.
haja de mandar buscar a chave do mesmo, porqae
seu dono o tendo em muilo aprego lera pena que
esteja parado, e por isso se enferruje por falta de
corda.
< Rento Fernandes das Mercs.
c Rio, 29 de maio de 1865.
Qual Difteria exclainava am gordo vicario.
Nao creio em miasmas. Sao cootos dacarochiaha.
Eslou com os meus oitenla janeiros sobra o costa-
do, e s agora que ougo fallar nessas moderni-
ces, que a medicina aventn para embar os lena
e c rende i ros.
Mas, Sr. vigano, acudi um dos ou viales, po-
de V. Rvraa.. negar que as aguas estagn.ida exha-
lam principios delelenos, e que dos corpas em de-
composicea) e mal sepultados evaporam-se partcu-
las lenuissiiaas,que viciam ecorrompema ataaws-
phera, enveoeaam o sangue ? S |oegaado tases
phenomenos incontesiaveis. que dmar de crer
na exislencia dos miasmas.
Eu lhe digo, relrocou o reverendo; aa tr*s
ou (jualro dias senlei-me a Janella depois do aa-
tar para em santa paz fazer o chylo. Era ama lar-
de serena; os veotos tinham eocoihido as aaaa,
dormiara escondidos naramagera dos chorees*em-
prestes que bordavam o maro braaco do froatoiro
ceraitcrio. < De repente ougo mi lambido levaa-
to os olhos e vejo urna mangan/jaba (I) acara ca-
rao car vio, esvoagar cabeceando peta laca tota do
muro. Puz-me eolio a dizer con os meas astee*.
Ser aquelle um des miasmas de ooe lalo fallam
agora os mdicos t Dizem qae os laes ma-mas vea
dos cemiterios. A mangamnaoa sanio d'alli. Ora
boa I E porque nao fazem os moros mais altos ?
Assim nao poderiam lo facmeate transp-tos ta-
ses bichos, que geram tanus malettm l
Sr. visario, disse o interlocutor, os miasmas
saoiavsiveis, e perianto...
Le por isso, nao, tornon o bom padre; isa.
bem a mangangaba o era, porque emqoaalo t%
meditava, sumio-so e ai a vi mais.
L-se no Journal iht Havre o seguinte :
Acaba de formar-se em direilo e de prMiar ia>
raraento como advogado um joven de lf aaaos de
idade.
Foi recebido bacbarel em leitras e em sctoaclot
aos 12 annos, e ao mesmo lempo corsava os esta-
dos de direito, que era tambera apontado i
dos alumnos que mais se disliagoia i
val de Brsl.
No Commercio do Porto l-se o que segu :
No dia 14 do mez fiado celebrou se coa .
pompa na baslica de S. Pedro em Roma a i
nia da bealillcagio da veoeravel Mara das Aa-
ios, carmeliu descaiga qae morrea ei
717.
No da 29 oa 3C, segando omeiilBatata nra avt-
sado o prefeito martimo de Touloo, devia i
aquelle porto o imperador dos Fraacezes, i
da sua viagem a Argelia.
Por essa occasio devia proseactar aant
ear agaa o navio ariete Tavrtaa.



PERNAMBCa-TYP. DE M. F. DE V. 41
1
I "*.*.* ammm j


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKD0IPP71_JBDGAZ INGEST_TIME 2013-08-28T01:21:57Z PACKAGE AA00011611_10710
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES