Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10709


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANJfd Ul HUMERO m
- r------------
Por qnarlel pago dentro de i Odias do 1.mez j .
dem depois dos i.011 das do comeeoc dentro do quartel. .
Parte ac correo por tres mezes ."..........
SJ0OO
6$00
750
QUINTA FER 6 DE JDLHO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das
Porte ao correio por uui anuo .
do 1. mez 49$000
............ 3*000
EXGARREAD05 DA SUDSCRIPCO DO NORTE
Pararyba, a ?r. Antonio Alex?ndrno de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques -la Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de demos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivera; Alaran bao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigm <; Para, os Srs. Gi>ra!do Antonio Alves &
Fjlhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
EXCiUBEGADOS DA SUDSCRIPCO DO SUL
Ala;:oas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o
Sr. Jos Mirli;i Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Hil> 'iro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Encada e estaeoes da va frrea at
Agoa Preta; todos os dias*
Iguarass e Goyanna as segundas e sextasfeiras.
Santo Antao, Grvala, Bezorros, Bonito, Carnar,
Allinho, Garanhuns, lluique, S. Beato, Bom
Consellio. Aguas Bellas e Tacarat, as trras
feiras.
Pod'Alho, Xazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
logazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ourieury, Snlgueiro e Ex, as quarlas
feiras.-
AUDIEXCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL",
Trihnnaldo eommerrio : segundas e quintas.
Relacao: tercas e sbados s l horas.
Fazenda : quintas.s 10 horas.
Juizo docommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do evil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
Segunda vara do civel: quartas e .abundes n 1
hora da larde.
Serinhaem. Rio Formoso,Tamwidar, una, Bar-
reiros, Agua Preta Pinienteiras,as quintas
feiras.
EPHEMERIDES. DO MEZ DE JCLHO.
8 La cheia as. 6 h., 7 m. e 52 s. da t
15 Qtiarto ming. as 2 h., 6 m. e 46 s. da t.
22 La nova as 4 h.,!) m. e 40 s. da t.\
30 Quarto rese, as 4 h., 49 m. e 16 s. da t.
DAS DA SEMANA.
3. Segunda. S. Eulogio m.; S. Anathoo ra.
4. Terca. S. Isabel rainha de Portugal vinva.
5. Qu.rla. S. Pbilomena v.; S. Trilina m.
6. Quinta. S Domingas v. tn.; S. Isaias prof.
7. Sexta. S. Pulcheria v. imperatriz.
t. Sabbado. Ss. Procopio e Pnscilla ram.
9. Domingo. Ss. Cyrillu e Bricio hb.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horals e 54 m. da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manha.
PARTIDA DOS.VAPORES COSTEIISOi.
Para o ul at Alagoas a 14 e 30; para o noru
ata a Granja a 7 e 22 Je cada mez; para Fcroac-
do nos dias 14 doi mezes de janer >, marco, buho,
julho, setembro e novembro.
ASSIGXA-SE
noRecife, nalivraria da praea da Independearia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa d
Faria & Filho.
PARTE FFICIAL
Govrao m reovncu.
Expediente do dia 3 de jolito de 186;>.
Oficio ao coronel commandante das armas.
Mande V. S. inspeccionar o capilo do batalhao
i. 3d ci infamara da guarda nacioaal desta pro
vjncia, Francisco de Sales Tenorio, remetlendo-nie
o pareser da junta de sade.
Do ao mesmo.Queira V. S. informar sobre o
qne pedo Francisco Piolo de Magalhes, no incluso
requerimento.
Dito ao mesiio.Queira V. S. informar sobre o
que pedo Jos da Cruz Lima, no requeriraenlo, que
aqoi junio, rom o oficio do capilo do porto do 1
do corrale.
Dito ao mesmo.Hija V. S. de mandar inspec-
cionar o soldado do corpo de polica, Antonio Hy-
gino d^ Camino Coulo, e o guarda nacional Marii-
niano Vieira Borges, remetiendo me o parecer da
jnnta de sade.
Dito ao l)r. chefe de polica.Reslittio a V. S. a
informadlo em original mini.-trada pelo delegado
do leimo do Bonito, que velo jimia ao seu oficio
D. 695, de 27 de junho prximo lindo, cerca da
qneixa dada por Redro Soares de Mello, contra o
ex-segindo supplente do subdelegado, do districto
do Calende, Ignacio Ferrelra de Luna.
Lito ao mesmo.Restituo a V. S. lodos os map-
pa?, que aoomptuliaiara o seu ofDcio, n. 820, de 12
do mez passado, relativamente ao preso Francisco
Gomes di Silva, e que allude V. S. em outro de
d. 924, do Io do correte.
I Jilo ao mesmo.Declaro a V. S., que em vista
da inforrnaco ministrada pelo inspector da llie-
souraria provincial, sob n. 243 e da dala de 28 de
fpiiho ultimo, so podo ser paga na importancia de
75:200, para o que fleam expedidas as convenien-
tes ordena, a conta do fornecimentos dos prc-os
pobre da cadete da Villa-Bella, no mez de abril
desle anuo, a que allude o seu oficio o. 831,
daquello mez, por nao estar contemplado na rela-
cao do.' presos aposentados pelo delegado do termo,
o d' n, 12, Joaquim Jo- dos Santos, .condemnado
a pena de gales perpetuas. O que V. S. far
constai a j respectivo fornecedor Joaquim Carueiro
de Andrade, ou a seu procurador.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. & pagar, sob ininba responsabilidade,
n termos do decreto n. 2,884. do Io de fevereiro
de 1862, a importancia das folhas do vencimentos
dos en pregados das fortalezas e fortes desta pro-
vincia, leaiivaneute ao mez de junho prximo
Ondo.
Dito a") mesmo.Nao tundo viudo aindadeciso
do governo imperial, acerca da avaliaco da etapa
para as i racas de pret, de pao alvo para osdoen-
les da eofennaria permanente e de forragm para
i cav los da prjcas de cavallaria no semestre,
que prlncipioo a correr do 1o deste mez, teuho re-
solvido, que sijam esses vencimentos pagos de
conformfdad* noni a tabella, que V. S. meapro-
sentou annexa ao seu ollicio de lo de maiojillimo,
para o ru Oca ella approvada provisoriamen-
te.Ni sic sentido ofoVjuu-se ao commandante das
armas.
Dito ao mesmo.Tomando em consideraban o
qne ex te no incluso requerimiento o bacharol
JJarlholooieu Torqnato de Souza e Silva, recom-
mendo a V. S., qu mande pagar os vencimentos,
a que t ver direito o supplicante, como promotor
publico da comarca de Pao d'Alh a contar de 1C
do mez de Janho ultimo, at o Io do nrrenle, em
que por doenle deixou o exercicio do sen empre-
go; considerando assim anonadas laes faltas.
Dito ao mesmo.Remello a V. S., como pedio
cm seo oficio do Io do crreme, sob n. 431), a co-
pa do contrato, felto uessa lliesourara, com Anto-
nio Orlos de Pinho Borges, e extrahida da i|uc foi
d'ahi traosmittida a esta presidencla'com ollicio de
9 nbro de 1834, n. 180.
Dito a i mesmo.Tendo o Dr. Estovan Cavalcan-
ti de Albuqucrque, substituido no mez de malo
ultimo, era razao do seu contrato os mdicos mili
tares, que eslavara ao servico da provincia, e fo-
ram mandados para a coit', assistedhe direito a
ser paiodos respectivos vencimentos, recommen-,
do perianto a V. >-., que nao obstante a informa-
ci i da contador a, a que allude o seu ollicio de 30,
de junbo nllimp, mande pagar, sob minha respon-
sabilidade, ao mesmo doutor, como este pede no
incluso ri qoerimento, o que se Ihe esliver a dever
at o di.i nt (rior, ao em que foi despensado do
srvico, em ordeno do dia do commandante das
armas, qie Ihe lera sido enviada, por copia.
Dito ao mtsm >.Annuindo ao que solieitoo no
incluso requerir lento o i cirurgio do corpo de
sade do ezercito, Dr. Francisco Gonealves de Mo-
ra -. r ( mmendo V. S., que na falta de crdito,
mande pagar sob minha responsabilidade, os ven-
cimuntos, a que liver direito o predito doutor, rea-
tivaireiile au mez de junho ultimo.
Dito a> inspector da tbesouraria provincial.
Man le V. S. entregar ;io comrnendador Manoel
Gamillo Pires Paleto, qae assim o solicita, a quan-
;i i de 1:5005, que pelo art. 44 da lei do orcament i
vigente se Ii inuidou restituir.
Dito m mesmo.Depois de avahada pela repar-
lieao das obras publicas, mande V. S. por em ar-
rematacao um lelheiro, que, segundo consta do
ofll io do chefe daquella reparlicao datado do 1
do correle mez e sob n. 155, existe jumo a ponte
de Motocolomb e nSo maie necessario mesma
repartK.Tn.Commomcon-se ao chefe da repart-1
cli i das obras publicas.
Dito ao Dr. Claudino d'Araujo Guimaraes, con-!
snl de Portugal nesta provincia.Respondendo ao
oficio, qae em 16 J-junho ultimo, me dirigi o!
Sr. Dr. Claudino d'Arafljo Guimaraes consol de
S. M. Fidelissima necia provincia, lenho a deca-,
rar-lhe, q.ie, s.sondo as informaces ministradas
pela repartios i da polica, em 30 do mesmo mez, i
a demora no processo Instaurado ao subdito porlu-'
gaez menor Aid min Alendes de Paiva, tem sido por.
naver jurado sospelco o escrlvo, que runeciona-,
va no sumario, entretanto flea marcado dia para '
conlini acilo deste, e sua ultimaco recommendada :
a auloridade processante. Renov ao mesmo Sr. i
con>ul os meus protestos de estima e conside-
ra cao.
Dito ao dezembargador procurador do coroa. l
Sirva-se V. S. de examinar a questo, sobre que
versa o inelOSO oficio do juiz municipal da 2.";
vara, dando-me o seu parecer fundamentado com
a p ssivel brevidade.
Dito ao commandante superior da guarda naci-
nal do Recile.Informe V. S. sobre o que diz o
lente coronel commandante do batalhao n. 8 de
infamara da guarda nacional d'este municipio,!
n i oficio de 4 de junho prximo rindo, que rae
devolver, declarando so expedio ordem, e em
que dda ao referido teneate coronel, para reuniao
i* cuiiselho de qualifieaco determinando, que
stta reuni.io era para desigaQo de guardas para o
servico "da guerra, na forma das ordens d'esla
presidencia.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. as saas ordens,
para ipe ) batalhao de guarda nacional aquartel-
lado^ pre.'te diariamente a guarda da casa de de-
tengao, e destaque com urgencia, 1 cabo de esqua-
dra e 4 guardas na povoaean da Magdalena.
Dito ao mesmo. Attendendo ao que ponderou
o lente corone! Francisco Carneiro Machado
Ros, no requerimento sobre que \'. S. informou
em ofllcio n. 138, de 23 de junho ultimo, resolv
despegar do servico de destacamento, para que
eslava dirigido, o cpilao do 6. batalhao de infan-
laria da guarda nacional, sob sen commando su-
perior, Francisco Carueiro Alachado Ros Jnior,
filho nico do supplicante, que conta mais de 60
annos de idade. O que commumeo V. S. para
sen conhecmento e expedicao das convenientes
ordens.
)ito ao commandante superior da guarda naci-
ovi-:n\o do uip.io
P':R.\tnm c o.
SEBE VACANTE
Expediente do da i" de julho.
|>|J matrimonios em cujas denunciacues appareeeram
impedimentos, em mandado por escripto oa sen-
tenca do vigarin geral ou do ordinario (a quem de-
vem ser enviados taes impedimentos com muita
brevidade, e com as formalidades prescriptas na
mesma constituicao) anda quando Ihes parecer
,, a fu*? f da Alasoa Nova.-Em sen ofTi- que os impedimentos foram imposios maliciosa-
co de 29 de maio, e receido oo meiado de junho, menie, porque, elles nao iieam sendo nesta liarte os
me pede V. Rvma. esclarecimenlos acerca das se- JUjzes ; excepta todava a citada constituicao o
9 I? ci aSS? : i. caso de nao ser impedimento o bice que conio tal
Seo licito um sacerdote haptisar urna crian- se oppoz, nesies termos : Porm declaramos qne
sias sobre motivos de grandes composicoos com
maestra sorprendente
As olieras italianas l Corsario, Lucia de Lamer-
moor, Fiylta
' postas e
C(
! de
, bent
lunados, com que foi coberto o concertista por en-
tre chuvas de flores
Dr. Francisco de
Brando.......
Dr. Jo- Pereira da Silva
Carvalho Soares
Moraes..
nal dos municipios de Cahroh e Granito.-Rrcebi 51. servindo elle, mesmo de padrinho, anda qnan- voderao assilttr'.qando aquillo rom que salitral-
o seu oficio de 7 de junho ultimo, e tiro sciente d0 "ala 'Ji sacerdote presente; e no caso nega-
de haver fallecido no da 24 de maio ultimo, o!livo. '"que pena incorre.
lente coronel commandante do batalhao n. 48,
de infantera da guarda nacional sob seu com-
mando superior Antonio da Silva Souza Ara-
guam.
Dito ao director do arsenal de guerra. Mande
V. S. reeolher aos armazens d'esse arsenal, os
ohjectos mencionados na relacao inclusa, os ijuaes
perjencem ao 4." batalhao de'artilharia a p, e Ihe
serio apresentados pelo 2. lente do mesmo ba-
talbo Felippe Marques dos Santos, pagando V. S.
a despe/a de conduccao, que Ihe ser levada em
conta na tbesouraria de fazenda. Fez-se o neces-
sario expediente a este respeito.
Dito ao mesmo.Declarando me o Exm. presi-
guma jwssm na cerdade nao for impedimento, e
msso nao hourer nem leieditvida. E como o mpc-
em ramalhetes, que cahiam
sobre o palco como a ineilaco a pro;.eguir na car
reir encelada.
A parle dramtica deste concert constando da Justino
.raujo.....
Luiz Custodio de Siqueira.........
2- Seo parodio deve exigir cert.dao de baptis- dimenlo civil, sendo sanado legtimamente on dis- b
mo de seus proprios parochiaoos, quaodo esses se pensado, romo diz V. Rvma, pela auloridade com- d
receberem em matrimonio ; e no caso afirmativo, ptente, perde o carcter de impedimento, Ilca co-
m tem direito a exigir os emolumentos pela busca mo se impedimento nao fora; podara em taes cir-
G *c, a k a a cumstancias o parochos receher em matrimonio
rochoa ^neri^diSfr^d^J.'^dml" 0<-nu,,en,es' logp ,J,,e lhes f0r |,rPsenlc R,var do a*e,,e roais "ma Vl?z a ^w""* '&* ~W
i -t^r n S2E n rt'' !"CM- ?**?, Adm' l"]l competente, se outro impedimento lhes nao a natureza o dotou. A Sra. D. Eugenia no papel da
no Sor, duIBa',,,smo .Pode elle m^s- instar. Salvo tendo da vida acerca da legilimida- dedica la Unza conservu->e na altura a Se a ele
^KSSm^XSi^SSS^t> dee.epalidadeda dispensa.; porque emSal caso ou o genio, produzindo eiuhusiasmo nUs lanSs
neii nciro negativo, em que devem sobrVstar na execucao dola, e consultar affllelivos dai|uella alma de ouio;
j j corn ordinario ; concillando desle modo o respe- milla soube
apparecendo impedimento civil aos pro- t0 devido auto, idade civil, com o dever que Ihe d
n Joo Ignacio da Medeiros Reg.'.'.'.'
- Joao da Silva Regadas............
Santos Nevos...............
Pereira de Farias___.....
Mllissima peca o Ceg e o Cor cunda, deixou o pu- Manoel Martlns Piusa .........
jlico dupheamente satisfeUo ; pois o desempenho Rulluo Antonio de Al.'d'lo'.........
los papis principaes foi magnifico. Gonealo Jos Mtaso ..........
.J^S^..!.nf.0U.0.^!'0 c J?f:JLi!b0! no- <;?r' i"*Antonio de Carvain'.'.'.'.'.""
l'rancisco Xavier de Oliveira.......
Luir Jo- da Silva Guimaraes.....
4" Se,
clamas dos contrllenles,
to dispensado pela autoridade civil
Cunda durara a esses typos a devida traduccin de-
monstrando.se este actor de mrito, c revelando -*.***mwmvmwMm.
Matarine Barroso...
Vaz A: Leal................'.""
MonteiroLopes ^ c___..........
Joao quirino de Aguilar...........
. guardar a naturalidade da dedicaco SA^So^Sl'^
marlyr, impressa no papel de Genoveva "" "*
a Sra. I). Ca-
dito impedimen- imp5e o oBio pastoral de vWaVem'na''ad'.nm^tra- coute em distribuida" """^ "" ""'"''"" ''Ue "" Dry^ewio ^* Assiz Car^
dente das Alagoas, em .oficio de 2. de junho pro- !..esrio que o parocho leve o Slp'! J ff d0S ^^ M be ?^"rilual JtSi^SVJX ^ST^\^^^'^^^'^'^
ment ao conhecimeuto da auloridade ecelesiaslica,
ou se, pelo faci da dispensa da autoridade civil,
pie o parodio licitamente receher os nnbentes
em matrimonio.
ximo Mu-i, que dos ohjectos mandados fornecer a
enfermarla militar d'aqnella provincia, em virlude
do aviso de 31 de marco ultimo, anda nao foram
para all enviados o de que trata a relacao por
copia inclusa, recommeudo V. S. que nao' demo-
re, sob pretexto algum, a remessa dos objecl
qne faltara para completar o firneciraento aator-1Pf6** ^vii ella se deprehende clarameote sado por meu oficio de 17 de abril, commanican- disciplina ecelesiaslica, tanto antiga como moder-
que llie ao por isso gratos
Preleodem us moradores da ra da C.-.deia Padrn l.in u.'^L'rllli^......
do-nie quaddo pode ser effectuaaa essa remessa.
Dito ao capilo do corpa. Commonico \:. S.,
que n'esta data apreseotou-me Aotonio Luiz de
Oliveira Azevedo, o imperial Exequtur conceden-
do a nomeaeao, que obteve para o lugar de vice-
cnsul interino dos estados ponticilicios n'esta pro-
vincia. Fizeram-se as necessarias communica-
5 oes.
Dito ao mesmo.Nao me tendo communicado
V. 8. o resaltado da arremataeo dos benets, de-
pois do meu oficio de 12 de junho prximo Ando,
recomniendo-llie que me declare o estado, em que
ficou essa arremataeo.
Dito a cmara municipal do Reci.'e. Xo tendo
'acamara municipal do Recife, anda enviado o
plano da arborisaeo, de que traa o meu oficio de
i 8 de fevereiro, compre, qae o faga quanto an-
] tes, visto ja haver decorrido lempo bastante para
isso.
I Dito a cmara municipal da villa de Flores.
Inteirado do conteudo do pfflcio.que me dirigi tm!
24 de maio ultimo a cmara raunjcpal de Flores,
cabo-me dizer-lhe, que tendo sido prvida a ca-
li ora do sexo feminino da povoaQao de Baixa Ver
' de, de que trata o seu citado oficio, foi removida
! a respectiva professpra para a de Santo Amaro das
: Salinas n'esta capital, em vista do que tem de ir
i novamente a concurso a refer Ja cadeira de Baixa
I Verde.
Dito ao chefe da ropartjcao das obras publi-
cas.Pode Vmc. coaforme solicito.u em seu oficio
I do 1. do corrente, sob n. 19'i mandar proceder
:aos estados necessarios con1 m;ao da estrada
da Victoria a Limoeiro, e de IVdras de Fogo,
correndo essa despeza pela respectiva verba : o
que Ihe declaro enf resposia ao seu citado oficio. -
N'este sentido oficiou-se ao inspector da thesoura-
ria provincial.
Dito ao mesmo.Tomando era consideraco o
que expoz essa reparligo em oficio de 13, de 17
de maio ullim >, seb ns. 141 c 143, tenho resolvido
concedec-lhe a permissao pedida no prmeiro dos
citados oficios, para lavrar o termo de.recebi-
nienio definitivo dos reparos da cdeia de Seri-
nhaem,que j se acham concluidosdeconformidade
e ni o respectivo contrato, certo deque n'esta da-
j te recommeudo a thesouraria provincial, que,
vista do competente certificado, pague ao arrema-
tante de taes reparos a importancia a que tiver
direito, decon'..ndo-se n'essa occasiao, nao s a
quaniia de 755833 rs., correspondente a 14 taboas,
que deixarara de ser mpregadas no soalho, mas
timbera a de 255000, proveniente do envero isa-
ment, (jue por desnecessario, nao se fez no Ira-
vejamentodo mesmo soalho.
que declaro a Vmc. para seu conhecmento, o
fim conveniente. X'este sentido oficiou-se ao
Inspector da tbesouraria provincial.
Dito ao mesmo..Mande Vine, examinar a co-
borta da ca-a perlencente ao desombargador Jero-
nyrao Martlniano Figoeira de Mello, e era que
funeciona a Faculdade de Direito d'esla cidade e
hem asim orear os concerlos precisos, indicando
os mais urgentes.
Dito a Luiz Pereira de Alencar.Em resposta
ao seu oficio de 4 de junho ultimo, lenho a decla-
rar-lhe, que deve Vmc. remetter para esta capiial,
em occasiao opporluna, alim de serem recolhldas
ao arsenal de guerra, as tres granadeiras, dous cia-
vjnotes e urna pistola, que foram apprehendidas'
pelo furriel commandante do destacamento d'esse
termo e por Vmc.
Dito ao tbesourero das loteras Declare-me
Vmc. qaaes as loteras designadas na tabella ap-
provada, em 9 de junho do anno passado, que dei-
xaram de ser extrahidas.
Dito ao engenheiro fiscal da estrada de ferro.
Declaro a \rmc. para fazer sciente ao Sr. superin-
tendente da estrada de ferro, que deve remetter a
conta da despeza do transporte, de que trata o ofi-
cio, que Vmc. rae dirigi, em 1 do corrente, sob
n. 118.
Dito ao mesmo.Pelo sea oficio do Io do cor-
rente, sob n. 116, Bqaei inteirado e dei sciencia a
thesouraria de fazenda, de ter Vmc. oomeado a
Henrique Soares de Azevedo, para servir o lugar
de escripturario d'essa reparlicao.
Dito aos subdelegados dos dislrictos do Cabo e
Arariba.Remetta Vmc. com toda a urgencia ao
presidente do conselhode qualifieaco, para aguar-
da nacional d'essa fregu'zia, urna relacao nominal
organisada por quarteiroes e em ordem alphaheli-
ca de tolos os cidados residentes no districto de
sua jurlsdico, que tiverema idade 18 a 60 anuos,
com declaracao de suas profissoes, renda e estado,
se lem ou nao (litios, sendo casados ou viuvos, os
nomes dos pais e suas rendas, se forem finos fa-
milias sem renda propria, e se forem administra-
dores ou feitores de fabricas ou fazendas ruraes, ou
de gado, ou caixeiros de casa de commercj", os no-
mes de seus amos ou patroes. como denrmina o
artigo 10 4 do decreto 1130, de 12 de marco
de 1853.
Portara.O Sr. gerente da companhia Pernam-
bucana, mande dar transporte em lugares de proa
de que dispoe a presidencia,no primeiro vapor, que
se destinar ao presidio de Fernando, a Joaquina
Alaria Concelcao, casada com o sentenciado de jus-
tica Manoel Ignacio dos Santos e a quatro llhos
d'este de menor idade.
Expediente do secretario do goveroo.
Oficio ao Dr. Joo Baptista do Amaral e Mello.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
aecuso recebidoo oficio, em que V. S. comrauni-
ecu ter assumido o exercicio do cargo de juiz de
direito interino, da enmarca de Flores, no impedi-
mento do respectivo proprietario.Commuolcou-
se a thesouraria de fazenda.
aos seus amigos,
Dito ao mestre-escoia apontador da calhedral de Pretende!
Olinda.-Tendo e;i aceitado a renuncia que em da-
ta jle 28 do prximo passado, fez o Rvm conego
Joao Bernanuvem Alaciel, da cadeira de prebenda E.l marcado pela thesouraria r
n ', :?i ; 4 3S W2 d,UVI.'h5' re0,nil?'"m : iawi"' Ia* o*Wn nea calhedral, e achando-' prnzo de 30 dia.- para
o a | que, se hem nao baja prolubicao ex- Se vaga por conseguate a referida cadeira. assim '
o commonico a
convenientes.
thesouraria de
querqne..
pagamento da oqiosicao, re-
lativa ao calcamenlo das ras Nova o doSoi.
de Vasconeellos..............
Dr. Amonio Raigal de Torm iV.a-
deira..........................
Dr. Alanoel Buirpie de Maced
Ofi !o ao roa
Pancha. Accu.-
proxrno passado, em que me
prximo passado, em que me participa haver no zido estado carecudor da proiecco publica. Dr* Hei
da antecedente conduzirioproceiSionalmenlee com ; E'mais urna copia do corac bondoso do Sr.' ir.
na ; a qnal, longe de confundir o ministro do Sa-
cramente do Baptisrao com os pa Irinhos, suppSe
serapre serem duas pessoas distinclas, como V.
Rvma. sabe ; sendo que alguus concilios leen) raes
mo prohibido, nao s que os clrigos de ordens
sacras sejam padrinhos sera licencia do ordinario;
senao tambera que o sejam os parochos, os beneli
ciadas, oscapelles, as suas parochias, beneficios,
e lugares de sua residencia. Xao sendo, pois, lici-
to transgredir as prescripgSes d.t lgreja acerca da
administraco solemne dos Sacramentos, convin
que os Rvds. sacerdotes se abstenham de servir ao
mesmo lempo de ministros e padrinhos de baptis-
rao ; mujto principalmente havendo outro sacerdo-
te presente. Quanto pena em que incorre s o
coutrario praticar, uenhuaia, que eu saiba, existe
decretada em direito.
Quanto 2a, sendo o fim para que so exige a
certido de baptisrao na administraco do Sacra-
mento do Matrimonio, verificar a idade dos nuoen
tes, suas naturalidades e se sao baptlsados, para
acautelar e obviar duvidas ou ddfeitos que poJem
comprometter o licito, e mesmo o valido desse Sa-
cramento, desde que o Rvd. parodio ton ou pie
ter certeza de tudo isso vista dos livros respecti-
vos, por serem os contrllenles seus parodanos,
nao ha razo para exigir a referida certido; a
qual, em taes circunstancias nao leria outro lira,
se nao a imposico de mais urna contribuidlo aos
contrllenles pela mor parte pobres: ao qned
Sfc^flua^ .JTaf^g"5fe Par/loe nao data da 23 do prximo passado, cabe-me rcora- ,s p*,d.ras, so oo i7es-7a seu b.or.do uracommaiV-
'^^SSSS^K l":]]'^X- lU-'iU. **** W -1-r dan-e como o Sr. Martins, que, ao.partir-se as
rmogenes Scrates Tavare< de
encelle
Antonio Jos Rodrigues d" S.uza...
Jos Joaquim de Lima Bairo.......
Manoel de Carvalho Paes de Andrade
Vicente de Paula Oliveira ViHas-B M
toda a pompa as sagradas imagens da capella da ; Coimbra, cuja generosidade nao pode ser estril
Casa Forte para a matriz dr-ssa freguezia, sendo o 'em seus effeitos ; porque o publico pernambocano I
prestito acomparihado por urna guarda de honra je Ihe associar para aligeirar os soffriinentos Ja-
do (* batalhao da goardj nacional dssa frognezia, quede artista dislincto, que. tantos momentos de]
com a compleme msica militar, devido todo ao embeveeimente Ihe proporcionou cora a sua peri-i i *_ "
digno commandante o lenente-coronel Jos Fran- : cia e bom goslo musical. i j J a Vt T.......
cisco- Pires, que com oulras pessoas tomou parle ; Voltou a este poi lo na terca feira, o palhaboti '
rauito activa nesse acto. Diz V. Rvma. que o me- braslleiro Oliveira, que havia sabido para a Babia r,,
I a 22 do prximo passado, visto nao ter podido ven- L'Wt? J,,a1uim de Albnqnerque
i cer os vv-iitos e os aguacairos.
Depois d'amanliaa se extralnra 41 parle da
B" e lk da 6J lotera, da matriz de S. Pedro Mari y r
de Olm la (12), sendo o maior premio 6:000^.
O vapor Parahyba, que liavia de novo sah lo
para Macei no dia 2 do corrente, arrioou hontem
era conseijuenca do pessimo lempo, (jue enconlrou,
tendo perdido todas as ancoras e amarras, que o po-
diam sustentar em qualquer porto, sem o que nao
. poJendo lundear noite em Macei, foi toreado a !
Pernambocano a respeito da reconstruccao da ca-! voltar este porto, para supprir-se de novos ferros,
pella da Casa Forte, aguardei a resposta do mesmo etc. Os aguace!ros, ventos e mar que encontrn, fo-
Instituto para dirigir a V. Rvma. as instrr.C0>s' rain horriveis, e sem ancoras seria urna temeridade
Ihor meio para conseguir a reedifieacao da capel-
la confiarse toda a obra urna irmandade qne
se tem de erigir na capella com a invocado de
X >ssa Senbora das X;cessidades, e que as pessoas
mais influentes e que cprnpoe a coramissao encar-
regada das obras da capella sao os-Srs. lenenie-
coronel Jos PranaiSco Piros, capital Jos Domin-
gos Codceira, Francisco Jos Alves Guimaraes e
Rozando Alves da Silva.
Havon lo eu em data de 8 do prximo passado,
oficiado ai Instituto Archeologico e Geographico
ao aos qa8 ma |,ej., no sou citado oficio. Agora.pois, que seguir para Macei, cujo porto nao offerece segu-
uevem ,ne chenon s maos a resposta do Instituto, com ranea, u vapor teria solrido avarias e iria mesmo
91 como
os consideren! como exigentes mercenarios, para
quera o sentimento do dever, o amor d i prximo
nada, e a esperaoca da paga e do lucro la I <.
Quanto 3a respondo, que o dicono commis-
sionado ou delegado pelo parocho para administrar
Solemnemente o baptisrao, deve servir-so da agua u
do sal beuto; pelo mesmo parodio ou por oniro sa-
cerdote, e nunca benze-loseile mesmo, por nao ter
poder para i-so. Ministrare al altar, biptisareet
medicare, sao os nicos poderes que os diconos
receben] ua sua ordenacao : Benedtcere, islo fa-
zer as heneaos, que por aut iridade da igreja de-
vem celebrar-so conforme o rito por ella proscrip-
to ; tieozer os ohjectos destinados ao callo divino,
ou para a administraco dos Sacramentos, priva-
tivo da ordem sacerdotal. Sacerdolem opporlel of-
ferre, benedicere. Portento, o dicono que iizer
essas heneaos exorec ministerio de uoia ordem sa-
cra, que nao tem, e consequentemente incorre era
irregularidade, em virlude do cap. de direito
Si quu de Cleric. non ordinal, minittr.
Alm disso. o modo como V. Rvma. forrauloa
esta duvida, parece indicar, que tero por certoe<
decidido que os parochos podera a seu bel prazer
commissionar os diconos para administraren) so
leranemenle o Sacramento do Baptismo : por isso
jolgo do meu dever declarar-lhe : 1- que, su hem
o dicono seja ministro extraordinario, ou de com-
missao do baptismo solemne, e por direito commnm
possa o parodio cominissioua-lo para isso, todava
o direito commnm est actualmente modificado
nesta parte pelo cosame, segunda o qual o ordi-
nario e nao o parodio que deve dar essa com-
missao : costume seguido na mor parte das dioce-
s.'S de Franca, e mesmo uo Brasil, e qu; deve tam-
ben) vigorar nesta diocese, onde j os parochos nao
pjdein dar a referida commisso sacerdotes re
guiares, porque Ibes prohibe a constituicao dioce-
sana ; 2o, que, s havendo urgente necessidade,
seudo dillicil recorrer ao ordinario, e estando o
parocho legtimamente impedido, pode este dar
essa commisso ao dicono, como se de luz do cap.
Diconos, distinct. 93 (extrahido da carta 9 do pa-
pa S. Gelasio aos bispos da Lucauh.) Diconos abs-
que Epwopo vel Presbtero buptisare non audeant,
nisi vradietis ordtnibus foriasse lonnttU ronstilutis,
necessitas extrema competlat. O mesmo se estatu
no cap. Consta!, dlsllocl. 4 de consecra! (extraa lo
do
Jos Joaqun da Costa Alaia........
Capilo
Mello....
Juveecio de Atahyde..............
Cbrisliano Jos Tavares...........
los Manan de Albuqucrque......
Malinas de Azevedo A'iilaronco.....
Francico Bajtista de Almeida.....
Francisco Joaquim Pereira Pinto____
Jos James de Freilas.............
Antonio Francisco das Neves.......
Custodio Moreira Dias.............
Joaquim Feliciano Gomes..........
Joaquim Francisco do Reg........
J ise tvixoio da Fneca...........
Gullherme Augusto de Atahyde.....
Luiz Jos da Silveira..............
Innocencio Antones de Farias Torres
Joao Meroz......................
ao sen alcance a orgarihacao da irmandade de Xos-' amarra*, (leu as mais promptes providencias, sal-
sa Senhora das Xecessidades, a qual prestarei o, vando o navio confiado aos seus cuidados.
Diversas arribadas tem tido lugar nestes ltimos l
mais decidido apoio. Xesta data dirijo comrais-
s) encarregada das obras os oficios ijue remello
inclusos e que V. Rvma. mandara' entregar com a
possivel brevidade. Espero do seu reconecido zu-
lo que seja V. Rvma. nm dos primeiros a promo-
ver essa obra de indeclinavel necessidade, com-
municandb-me opiiorlunamente o que fr occor-
rendo, e qnacs as providencias mais adequadas
liara o fim que todos nos desojamos.
Dito ao IIIra. tenente-corond Jis Francisco Pi-
res.Saliendo eu pelo Rvd. eoadjueior pro-paro-
chodi fregaezia de Ndssa Senhora da Sade do
Poco da Panella, que \r. S. um do que mais se
interessam pela reedifieacao da capella da Casa
Forte, cuja padrocira 6 Xossa Senh un das Noces-
sidides, do mea dever dirigr-mi a' V. S. man
festando-lhe a minha gralidao e agradecendo-lhe
em nome da religio o do paiz o grande servico
que pr.sta aos fiis e 4 provincia, promovendoa
reedifieacao dossa capella.
Com elfito, se |ior ara lado muito gaaham os
fiis com a cooservaco de ara templo, onde se
reunem para dirigir ao Altissmo assuassnppllcas,
e para commodaracnte prcencheramos deveros que
a nossa religio santa nos impoV, por outro lado
nao menos lucra a provincia cora a conservara) de
um monamente que altestera' em todos os lempos
o valore a gloria dos Pernambucanos, a par da
sua constante piedade : pledade e valor de que os
nossos irmaos esto agora dando novas e inequi-
5H)r
:.>xi
;?>
SIHMB
*3W
*-3no
'i >*t
:, >W
53)
:.*> i
.'.*(
7>ywi
:,.>m
Mwn
.'i-iimi
.V5<<
.4i n io
5.30HO
5-JOfO
i-y-
WSk
MODO
24o>
i-yy<
2*>
;- >,
; i
mm
-:-;-
:
2* :>
2>J"
i '.
2MJO
2-3->
2-V' i
2mi
2*n
2-50i>
<)
i-iooo
2J00O
2-VWO
230
2S""0
IV.
l-5Wi
til*'.
245*100
Achando-se recolhida ao cofre do Instillo afirn
de ser romettida a seu destino aqoantia de |f>'",.
sao rogados os Srs. subscriptores one anli n>
realisaram as suas prestaco a faz-'-l> lea p rdi i
lempo.
Movimento do hospital Portopuer. no ni"; J;
duse finalmente nenlium snisiro ha a lamentar.
O vapor Parahyba larga hoje as 9 1/2 horas da
manila i para .Macei, u desejamos-lho a m Ihor
ragein.
I'.'dem-nos a segainle publicaeo:
i S-. redactor da Revista Rog'amos a Vine, ,
para que reelamem a quera de direito fr, contra i jnnho, a cargoso Srjlr. M *
estado miserando da estrada do Recife Apipu-
cos, que de dia em dia, se tem tornado mais peri-
gosa para todos, qaantos por ella transitara.
t Aiuda hootem (3/ feira,) succedeu virar-se
um dos mnibus cm um tremendo buraco, as
visinhancas da estrada do l'arnamerlm, e gracas a
Exbliam
Eutraram___
Sahiram.....
Falleceram...
n
-:i
II
pas
Providencia, foram salvos tantos cidadaos,
de familias, ijiiu nesse mnibus viniain.
E pois, ser possivel, que, quando urna es-
trada, qne e tomou intransitavul em tantos lu-
gares, como o de que tratamos, e a mais impor-'
tinte dos arrabaldes desta cidade, reqoer de
prompto um reparo qualquer, qu! obste a con- !
tinaacao do mal, estela isto dependente dessas;
malditas formalidades, delongas e papeladas em .
que tanto o nosso paiz se deslingue'?!
- Remetiera-nos o segniute :
Sr. redactor da Revista.Solicitamos de Vmc.
a impressSo das seguintes liabas:
Por occasiao da visita de Sua Magestade o Ira-:
perador a esta provincia, suscitou-se a idea alta- i
mente hinanitaria da creaco de um asylo para
vocasprovas aas repblicas do Prata c nos campos os pobres ; u elfectivamente foram creadas com-;
da batalha. ; missdes nesta cidade e era toda a provincia, qae se
Hoje, pois, qae vemos reprodazirem-seessas sce-1 encarregeram de agenciar ama sobsrricao para
as que unto illustnram os nossos anlepassados, I se poder levar a elleito lo grandioso beneficio,
justo qae empregnemo* todos os meios para pro-! pois hem : J l vao quasi seis annos sera que
i reesns ruerno de.-se monumento anugo-,-o lia o publico e sainara mesmo lodos quanto con-
qnal indicando as pocas futuras quacs erara no
scalo XVI os sentimentos do novo pornambuca-
ao a respeito da religio e da patria, atteslara' ao
m ismo lempo que no seculo XIX, nesia poca no-
tavel pela irreligiao e indifT-renti.:mo, que pa-
rece invadir as nace, o povo Peruambucano se
afana de conservar era tolo o seu vigor a coragem
e a piedade dos seus materos, manifestando-as ja"
as batalhas, ja' na reconstroeco do monumen-
tos religiosos cjue coramunioram os trinmphos dos
seos antepass?dos. Igual aos Illms. Srs. capilo
Jos Domingos (lodceira. Francisco Jos Alves Gui-
vro 2 dos oficios de S. Isidoro) Constai idp-
S^S^''^'f,f''S/W'''''r'',U''1'" ;fj;'S'l"e rtes e Rozendo Alves da Silva.
mimstenum, nec muDuamu ex,lere nt Ucitum l)il0 w>affa d(J Maceio.-Pelo seu oficio de
Y:..^'^:!1'^^!^I"'00!'1 ab: i* o prximo passado rae communca v. Rvma.
que o Rvd. parocho da cidade das Alagoas Ihe pe-
absqae Episcopo
sentibus, ultima languoris necessitas cogat ; e e
coramum entre os Iheologos; sendo que nao se po-
de excusar de pecc.ido o paroeno que a dr lora
desse caso ; 3 que, se o dicono administrar so-
lemnemente o bapti-mo sem commisso especial do
ordinario ou do parocho, pecca gravemente, por-
que exerce sem iicnca nm ministerio qae della
entretanto discordara se, era tal caso o dicono li- '
SSKi Z&tti^&r.\^ Mi: ^ J^eve--ugarna-,erapo-.
direito de administrar solemne e ordinariamente o Era resposta tenho a dizer-lhe qae bem fundada
baptismo ; outroso negara, e com mais razo, por i foi a duvida de V. Rvma. nao s a respeito da li
que a irregularidade imposta pelo direito (Canon ceaca como da declaracao ; pois nao toleravel
sig'iis ja citado), ao clrigo que tem a temeridade que era um s hvro se laocem os assentos de ca-
de exercer um ministerio para o qual nao foi or- smenlos, de baplisados e bitos. Exija, pois, V.
denado, islo e, urna ordim que nao tem ; e o dia-1 Rvma. do Rvd. parocho tres livros dilTerentes, em
cono foi ordenado para baptisar, e tem por conse-: qne faca os diversos lancamenlos. Quando estes
gninte o poder de baptisar solemnemente, anda que lhes forem apresentados pie V. Rvma. numera-
3 sera hcenca : resincgao esta los e rabrica-los, para o que o autoriso agora
dia que rubricasse um pequeo hvro, declarando
no competente termo que devia servir para nelle
se, lancarem os assentos de casamentes, baptizados
e bitos que tiveram lugar naquella freguezia em
quanto foi regida pelo Rvd. Fr. Joo das Chagas
de Chrlsto, que nenhura lancanienlo fez, e me ex
rubrica, pois que foi amansado por onm,
para somente por urna vez rubricar os livros da-
caja transgresso pode tornar illicio o seu acto,
faze-lo peccar, mas nao licar irregular. Todava
esle desacord dos thcologos torna a materia duvi-
dosa : c em estado de duvida, mais seguro, mais
prudente que o dicono que tiver a infelicidade de
tal praticar (o que permita Deus jamis acootega)
se absteoha do exercicio de suas ordeos at ulte-
rior deliberadlo do seu ordinario quem deve re-
correr.
mete a respeito desses novos livros.
so-
PERNAMRUC,
Quanto 4* respondo que, se bem a constituicao
diocesana em o n. 276 prohiba aos parochos, sob
pena de serem gravemente punidos, as'sistirea aos
BBVISTA DIAIU.
Realisou-se na terca-feira o concert do Sr. Jor-
ge VielorFerreira Lopes Jnior, dislincto planista
pernambucano, que nesse agradavel sero deu pro-
Tas do seu talento, executaudo brilhautes pba.ata-
corao c.<> fado se
esta subseripcao o
correram para essa obra pa,
deu, isto quanto produzio
quera para ella concorrea t
Se nao nos engaamos, j urna vez por este
Diario, cora relacao a negocios da Santa Casa, vi-
mos tralar-se da'quantia de cerca de 40:0003000,
que foram arrecadados dessa subseripcao e reco-
midos a caixa filial, mas lambem se nos nao enga-
amos, creio qne a voz publica daquella poca an-
nuuciou que essa subseripcao atlingio a 100:0003
Xa la portento de revlenos em um negocio lio
simples.
Os cavalheiros que esliveram testa desta
snbscripco entregando a quantia* que arrecada-
ram exhibiram sem duvida as listas de lodos os
subscriptores ; e pois justo que todos aquellos
que realisaram suas subseripcoes, tenham disso
pleno coohecimente, pablicaado-se essas listas.
O comproini-so de honra e divida sagrada em
que Hcaram todos por essa sabscripcao, reclama '
urna publicida le e tal tem sido sentare a pratica t
de taes sub>cripcoes, correndo assim ohrigaco a I
corporago ou as.-ociaco a cargo de quera esse
negocio se arha hoje aff-'cto, traze-lo a publicidade
para honra de tolos. >
A' pedidoJos membros da commisso encar-
regada de promover una subseripcao rom o fim
de auxiliar a elevaeao de um monumento ao Ilus-
tre poeta maranhense, Dr. Antonio Gonealves Dias,
em urna das pracas da cidade de S. Luiz, damos
em seguida os nomes das pessoas que, convite
do Instituto Archeologico c Geographico Pernam-
bucano, se dignaram sabscrever para a realisa-
cao d'essa iaa.
Os Srs. Drs. F. L. de Gosmao Lobo e Francisco
Carvalho de Soares Brando foram os membros do
Instlalo, encarregados de promover a referida
sobscripeaoi'
Monsenhor Francisco AInniz Tavares.
Dr. Joaquim Pires Machado Portella.
Dr. Joao Alfredo Correia de Oliveira.
Dr. Jos Soares de Azevedo.......
Dr. Aprigio Jusliniano da Silva Gui-
mares........................
Dr. Antonio Vicente do Xascimento
Feitosa.. .....................
Dr. Ignacio Rodrigues Campello____
Dr. Fraacisco Leopoldino|de Gasmao
Lobo............................
i
19
Ficam era Iralameoto 20 doenles.
Do; fallecidos foram 1 de aaazarca, I de syrrh >
no estomago, 1 de bepattte chronica. I de ga-tr
interte, 1 de eoqoexte.
Rki'Auticao da polica :
Extracte das parles do dia o de jolho de !
Foram reolhidos can de d> teoeo no da 4
do corr>-nte:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de pobdi, Mi-
noel do Xasciraento de Castro Bato,sea declir;-.-
{5o do motivo e posto logo em liberdade.
A'ordem do subdelegado de S. !<.<, II ra rio
Jos da Rocha, por furlo.
O chefe da 2.' l r.-o.
J. G. de AL-, ii'.
Casa de detexcao.Alovimouto d) da 1 de ja-
Iho de 1865 :
Existiam 333 ; calraram 6 : s-.hio I ; exijten
360 a salier : naciooaes 27i : mnwm 7 ; es-
trangeros 23 ; inulheres2 ; eserav.-: s7 uam
'"s- s ;-l0|a| 3u'0-
Alimentados a costa dos cofres poblieja, M
*jBOTBaiO i'L'ULico. Ubitoarte do dia 4 de
julho :
Alaria do Xascimento, Pernambueo, 6S annos. viu-
va, Boa-Vista, enterite ilironii
Jos da Rocha Carneiro, Pernambueo, 35 anin-,
solteiro, Boa-Tiste, hyJropesia.
Alanoel Benedicto Luiz dos Santos, Pernambueo,
42 airaos, casado, Santo Antonio, apopiexia ce
rebral.
Adolpho, Pernambueo, 6 annos, Recife, ttano ex-
pontanco.
Jo.-, frica, 36 anaos, Sanio Antonio, ferimea! >,
(escravo).
Fclicio, Pernambiic >, 1(5 annos, Bja-Vista, conges-
to cerebral, (escravo)
OIKOMCA Jl'DIGlARU
TRIBUNAL DA RKLA^lO.
SESSO DE I DE JCLHO DE IS65.
lTlESIUK.NCIA DO K\\l. SR. COSKI.HEIRO
S0I7.A.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
embargadores Saaliago, Gitirana, Lonrenco Santia-
go, Almeida Albnqaerqae, Assis, Dona, M ti >,
Guerra procurador da corte, Uch<*a Cavalcanli, Do-
miagaes da Silva e Barros Vasconeellos, abrio-se
a sesso.
Passados os feilos, deram-se os seguintes
JILO AMENTOS.
A(gravo de pelirao.
Aggravantes, os herdeiros de Caetano Pereira
Gonealves da Cunha ; aggravad, o juizo. Rela-
tor o Sr. desembargador Saotiago. Sorteados os
Srs. desembarcaderos Domingaes da Silva e IVba
Cavalcanie.Xegouse provimeni^.
Acgravante, Manoel Julin da Foasera ; aggra-
do, o juizo. Relator o Sr. desembargador Gilira-
33000 na. Sorteados os Sr. desenrliargadores Dona e
38000! Domingues da Silva.Deu-se provimento.
Aggravante, Flavio Ferreira Clao ; aggrarad",
diSC'OO o juizo.Relator o Sr. desembargador I'rhoa Ca-
valcaole.Sorteados os Srs. desembargadores Gi-
55000 tirana e Almeida Alboquerque.Xegoa-se provi-
5-5000! ment.
I Aggravante, Luiz de Moraes Gomes Ferreira ;
5-3000 i aggravado, o juizo. Relator o Sr. deserabarg- '
103000
350U0


rg*toc
L a.
)

/



Diarlo de ernambuco Quinta letra 6 de Julho de iS05.
B. Vasconc lio.-Sorteado? osSrs. desembargado -
rt's Mata e Gil rana.Negaram provimento.
. ffcuiO cummeiciaL
Recrreme, o juiz ;' recorrido, Antonio Mar-
ques de Amorta. Relator o So. desembargador.
Gim-ana. Sorteados os Sr.*. desnibargadore> San-
tiago, Multa i; Domingues da Silva. Improce-
dente.
Appellacao crimc.
Appellante, o juizo ; appeilados, Joao Ferrelra da
Guerra e outros.A novo jary.
Habeas-carpm.
Concedeu se soltura a Francisco Gomes da Sil-
va, e foi nega- a Antonio Leite de Magalhes
IJ i.-tos.
UF.SIGNAQAO DB DA.
Assignou-se dia para julgameoto das seguin-
tes :
AppellacBcs clveis.
Appellante, bachsrel Joaquiui Francisco de Mi-
randa ; appellado, Jos Rodrigues do l'asso.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gitirana
Aappsllacocrime.
Appclante, o juizo appellado, Francisco Mon-
teiro. ,
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago
As appellacoes crmes.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Ferreira
dos Santos.
Apellante, o juizo ; appellado, Antonio Barbo-
sa de Souza Periquito.
Do Sr. desembargadorLourenco Santiago ao Sr.
desemb.rgador Almeida e Albuquerque
A appellacao crime.
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim Manan-
no di: Araujo.
A appellacao civel.
Appellnle, Antonio Evaristo da Rocha ; appel-
lada, D. Mara Magdalena de Albuquerque.
Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
dor Dora
As appellacoes crimes.
Appellante, Candido de Freitas Coutinho ; ap-
pellada, a juslica.
Appellaute, Seraphim, escravo; appellada, a
juslica. ...
A appellacao civel.
Ai pellante, Jos Joaquim Ozorio e nutro- ; ap-
pellado, Luiz Paulino Cavalcane de Albuquerque.
R vista civel.
Recorrentes, Hialina Fernandes de Almeida e
seus filr os; recorridos, Jos Pedro de Almeida e
outro*. ,
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Molla
As appellacoes civeis.
Appe.lante, Dr. Manoel Carlos de Gouveia ; ap-
pellado. o vigario Jos Aotnoes lirandao.
Appellante, Domingos Jos de Oiiveira Das; ap-
pellada, a cmara municipal.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
A appellacao civel.
Appellante, a fazenda; a'ppel'ados, Joao Vieira da
Cun'aae catros.
Do Sr. desembargador Molla ao Sr. desembar-
gador Guerra
Aappellaca.) nivel.
Appellante, Jos de Barros l'imentel; appellado,
Joaquim Mantillo Falcao.
Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Gilirana
A appellacao civel.
Appellante, D. Joanna da Silva Medeiros; ap-
pellada, a fazenda.
A' l horas encerTC e asessao.
L '
QIRESPONBENCIAS
Srs. redactores.Devo referir ao publico o que
acerca do alerto da ra do Lima se passou de-
pois da minha ultima correspondencia, rumprindo
me e|K>r de novo, e cora mais fundamehlo, lodo
esse desgranadlo negocio, a fin de que se fique sa-
bendo : que ifentro os muitos ouerosos tributo
que nos flagellam, surgi agora um mais oneroso
que todo- os outros reunidos, e : a ignorancia
do engenheiro Sr. Dr. Feitosa Filho, pagar wr subido preco. E' duro isso, mas urna
triste verdad -, e para ella chamo attencao de lo-
dj>, e particularmente,dos entendidos lauto na-
clonaos como estrangeiros.
Em dezembro do anno passado arrcmaiei peran.
te a thesouraria provincial o aterro daquella ra
com a.-- seguales coiidieoes, como cousta do res
pectivo termo :
I.* Ser feito de conformidado rom o orcamenlo
e planta juntas na importancia 3:1305 como abate
de 21 %.
2.- Ser principiada a obra no prazo de 20 das,
ec ncluida no de 3 roezos, cootados ambos estes
prazos da data da arremataban.
.' Ser realisado o pagamento em 3 prestares
ignaes, correspondentes a cada terco do trabalho,
nnild;. que fus-e > xecutada.
4.1 Seren observadas na execucao da obra as
instruecoes do ecgeuheiro encarregado da sua
ic- ei cao.
O oreament" a que se refere a primeira condi-
cai. e que me foi dado por (,da lela thesouraria,
consta de i artigo?, os quaes dispde o seguinte :
1. Ser o aterro da ra exondado com a altan
Indicada na planta, a partir da estrada de Santo
Amaro; perfil n. 1, at prximo a ra da Aurora,
peifil n. li.
2. Abranger o dito aterro toda a largura da
roa, e ser coberfo por ama carnada de barro, de
largura de 50 palmos com extremidades.
3/ Ser o barro de boa qualidade, espalhado por
captadas e soccado a i-ila.
O 4 artig i que refere-se ao calculo e custo da
obra, diz assim :
133499 b. e. de aterro a 115 1:4655189
834,10 h. q de embarreamento a 35 l:66iftf00
Admioistracao e diverjas despeas 302uOO
A | lanta que foi dada por copla tein no alto o
segrate titulo : Perfil longitudinal da roa do
Luna e consta de 11 seefoesou perfis, como diz
o artigo Io (11 orcamenlo, as infelizmente mi tem
nealiun i numeraco, de sorte que nao se sabe
qn.l (' o primeiro nem o ollimo, entretanto o se-
cretario da reparticio das obras publicas a rubri-
ca afirmando estar ella conforme I
Ainda isto nao ludo, pois que notam-se tam-
bem difierencas. entre a copiado orcamenlo, que
me fu dado pela thesouraiia, e a copia do mesmo
orcamenlo que me foi dado pela reparticao da-
Obras publicas, as-tenada tambem e subscripta
pe.o secretario da mesrna reparticao.
Com(feito, na primeira copia, como cima
fica transcripto, o art. 2o diz que o aterro ser co-
jjert pir urna carnada de barro de largura de 30
palme- com extremidades, na segunda o mesmo
artig' diz que ser eoberto por urna carnada de
barro do largura de 30 palmos com 6 polegadas
de es lessora no centro e quatro as extremi-
dades I
Na primeira copia o artigo diz, como tam-
bem cima tica transcripto. 133,199 b. c. de aterro
a li, 8 584,10 b. q. de emb.'rreamento a 35 -' na
segund i, porro, o mesmo art. diz133,199 palmos
enbic i de aterro a 11-3. e 55,410 palmos quadra-
dosa '-'-j a braca qoadxada.
Dir alguem que sao copias da mesrra pefa,
can.a la de barro, e na oulra nao? Quando em
urna o aterro e.-t calculado em bracas cubicas e o
en) bar remenlo era bracas quadradas, e na nutra
0 me-mo aterro esta calculado empalmos cbicos
e o i'tnbarreamento em palmos quadrados ?
Sao milagros que s se deram na reparticao das
obras publicas no lempo da ominosa admini.-lra-
cao do Sr. Dr. Feitosa Filho 1
Mas 0 que Cubre de vergonha aquella direccao,
sao os erins commetlidos na avahacad do aterro e
embaneanionto.
A extensao da ra tem, segundo a planta, 2,0o't
palmos, poi; e.-ta a somma das 14 seccoes ou
1 eili-, ero q le a mesma planta est dividida, sendo
a primeira de 91 palmos, a segunda de. 91, a ler-
ceira de 101, a quarta de 91. a quinta de 127, a
sexta de 91, a stima de 301, a fila a de 182, a
nona de 91; a decima de 182, a undcima de 91,
a duodcima de 273, a decima terrtira de 181, e a
decima quarta de 157.
Ora 2,05 palmos de extensao sobre 30 de largu-
ra dio para todos quantos sabem contar um pouco
61,620 palmos quadrados, e nao 55,410, como diz
o orcaraeati das obras publicas.
Ha, pola, pela ignorancia daquella reparticao a
dilferenca de 6,310 palmos quadrados de <>nibar-
reamento contra o arrematante da obra, o que im-
porta em ris 18653"0, bagatella 1
Ainda mais :
A altura dos aterros a fazer marcada as 14
Ferfis de qu> consta a planta polos os. 1,24, 2,22,
1.53. 0,65, 1,37, 2,14, 2,34; 2,55, 1,61,0,82, 0,82,
0.32, d'onde se confine que a altura media de
Lso palmos. Ora 2,054 palmos de extensao (com-
primenlo da ra segundo a planta) por 1,25, altura
mediado aterro, dao 2567,50 palmos cbicos para
cada pilmo de largura, portanto, querendo-se que
seja alterada toda a largura da ra, inclusive a dos
passeios lateraes, como esta de 60 paleos, tere-
mos para 'aterro total 154,050 palmos cbicos, e
nao 133,199, como foi calculada pelas obras publi-
cas; d'onde resulta por ignorancia da mesma re:
parlicao a dilferenga de 20,851 palmos cbicos de
aterro contra o arrematante da obra, o que importa
cn-ris 229,5361. outra bagatella I
Ora 186*300 de mais no embarreamento e.....
2-2!'361 de mais no aterro prefatem a somma de
4155661.
Eis aqui o que a reparticao das obras publicas,
cu ante- o seu director interino Dr. Feitosa Filho
quer que eu seja obrigado a despender, fazendo
maior quautidade de aterro e de embarreamento
do que a que por elle foi ignorantemente calculado.
DigatD-me se ha onu< mais pesado do que aturar
por tal prego a ignorancia desse inculcado adminis-
trador ?
E' a mesrra comedia qne se den com o caes do
canal do Hospicio, cuja direccao nao soube deter-
minar, e depois veio a descalpar-se com o pedrei-
ro encarregadu da obra, nao se lembraudo, que esta
era feita debaixo da sua OSpeCcaO.
Assentcyios de pedra e cal que desta vez Oca
inutilisado o bello porto de Pernambuco. Basta di-
zer que fi agora etcarregado do seu melhoramen-
to o trr Sr. Dr. Antonio Vicente do" Xascim-nto
Feit >sa Filho I
Foi por isso que, requ-rendo eu o perd trans-
versal, observando que sem elle nao poda conti-
nuar, visto ler a ra diferentes larguras por causa
dos passeios lateraes j feito?, e, nao saber qual o
ab hulamenli que devia dar ao aterro, pois que o
ornamento que a thesuurarla me den por copia na-
da'declarava a respeito, live por despacho em da-
la de 23 de marco. Nao tem lugar.
E replicando que, pedindj o perfil transversal,
nao fazia mais do que reclamar a planta que se
referia a Ia clausula do meu contrato com a the-
souraria, pois s guiado por ella pnderia executar
a obra, como era do meu dver e inienyo, tive
anda por de-pacho em data de 24 do mesmo mez
queVisto nao estar especificado as clausulas es-
peelaes a obri,.agao desta reparticao fornecer ao
supplicante os perlis transversal'.-, nao tem lugar o
que requer.
Pelo amor de Deo-, Sr. Feitosa Filho I... O pu-
blico se admirar sem dnvida de que assim proce-
desse o director interino das obras publicas.
Vamos -.diante :
Continuando eu a fazer o aterro como entenda
que devia ser feito, visto que pela reparticao com-
peteata me erara negados o^ nietos tendentes ao es-
clarec, nenio da obra, participe! em data de 17 de
abril, que ella s- achata prompta ; mas constan-
do-ine que o director interino a nao queria receber
por acha-la defeitnosa, requer em data de 20 do
mesmo mez para que me fo-sem dadas por esenpto
as necessanas instrocedes declarando quaes os de
feilos que na obra se encoiitravam, e o que era ne-
cessario ainda fazer para o sen complemento
A' este requerimento deu o Sr Feitosa o sjgura-
despacho. -Nao tem lugar o que requer o sup-
pilcante.
Sao me restando mais nenhum meio de que lau-
car mao iierante a reparticao das obras publicas,
e sendo por de mais patente a m vonla'de, que
me tinlia o respectivo director interino, recorr a\>
presidente da provincia, expondo-ie em um re
qoerimento tudo quanto se bavia dado, mas S. Exc
ouvioao ao Dr. Feitoza, deu-me e>ie despacho em
data de II de maio :- Em vista da informacao
do ehefe interino da reparticao das obras publicas,
nao tem lugar o que requer o supplicante. E em 8
dejunho expediram-se as convenientes ordens para
ser eocampada a obra, para ser concluida por ad-
ministraceSo II
llavera nada mais injusto, era mais veatwi i 7
Era isto mesmo que queria o Dr. Feitoza pai a vei
se assim a custa do pobre arrematante Bcavaoi sup
pridas as proas da sua ignorancia.
Infeliz obra, e ainda mais-infeliz trra !
Eu poderei pagar pela ignorancia do Sr. Feil za,
mas nao cessarei de gritar como faz a victima,
qii'.-m se pede com a pistola aos peitos a vida ou a
bolea.
llei de grilar e sempre, seja qual for o meu pre-
juizo, ahi estaoo publico, os horneas doutos e
sensatos para dizerem que eu pago pelo Sr. Fei-
toza. Pag. ie, mas elle ha de Bear contiendo pelo
que em tudoe por todos. .
Andr de Abren Porto.
55000
55000
55000
Jos Diniz de Qlhreira...........
Adriano Alvos Lins..............
Jos Tavares da Assumpgo.......
Joaquim Cavalcanti de Albuquer-
que Maranhao................
Vicente Ferreira de Araujo Castro.
Andr Alves de Mello........,..
Zacharias Pereira de Amor m.....
Venancio Jos de Araujo..........
Francisco Machado de Araujo.....
Laurrado Alves Correa de Araujo.
Joaquim Herculano de Araujo-----
Joaquim Venancio da Cunta.......
Joao Jos Soares................
Jos relppe de Mallos...........
Besoardioo Jos da Silva........
Estevo Jos da Silva...........
Manoel Alexandre Ramos........
Francisco Jos de Souza.........
Vicente Rodrigues de Paula......
Ileimenegildo Freir dos Santos...
Miguel dos Aojos Caldas.........
Vicente Pinto Teixeira...........
Antonio Machado da Silva.......
Manoel Pedro de Sanl'Anna......
Joaquim Gomes de Mello.........
Manoel Victorino da Silva........
Manoel Rodrigues dos Sanios.....
Joao Evangelista da Silva........
Antonio Joaquim da Silva........
Joao Pinto Teixeira..............
Jos Ricarle de Araujo..........
Francisco Frazo Bezerra........
Joao Baptisla Blspo.............. -
Francisco Justino Gomes........
Joaquim Jos de Vasconcellos-----
Manoel Francisco Gomes.........
Joao das Neves Camello...........
Antonio Alves Bezerra de Araujo.. .
Manoel Bezerra Lima...........
Francisco Jos de Farias Barbosa..
Alfonso de Albuquerque Maranhao.
D. Mara Anna Fraucisca de Paula
e Albuquerque................
Jos Francisco de Accioly Lios-----
Antonio da Rocha Vieira'.........
Joao Vieira da Paixao-............
Antonio Fernandes da Vera Cruz..
Manoel de Sxua Medeiros.......
Manoel Soares Galvo...........
Por mez e durante a guerra.
Luiz Jos da Costa Amorim...... lOrSOOO
Vicente Ferreira da Cosa........ 10500!)-
Joaquim Felippe da Costa........ 1050C0
Viga ro Firmino Jos de Figueiredo 105000
Por mez a completar um anno, se antes nao acabar
a guerra.
Permino Francisco de Paula Mes-
quita.................-........ 305000
Felippe de S e Albuquerque..... 205000
Miguel Tolentino Pires Falco..... 55o00
Por um anno durante a g tierra.
Joao de Sa e Albuquerque........ 1005000
(Co?im!ir-sc-/ri.)
O espectculo de hontem, em beneficio do pianis-
ta peruambucano Jorge Vctor Ferreira Lope- J-
nior, furneceu-me moni ratos de completo prazer e
verdadero enlhusiasmo.
Dotado de tlenlo artstico e com urna repr.tac.ao
ja adquirida de bom mestre de piano, os dlleclan-
tes e amadores da msica, earreram pressarosos
ao espectculo para apreciar e fazer a devida jus-
tica ao genio e vocacao musical deste' uos com
provinciano.
As composicoes brilhantes e riifficeis, que mere-
rerain a eseo'lha do beneficiado, firain perfeita-
menle exrcutadas. A facidade com que amoldara
elle os sons do instrumenlo expresso fiel dos
sentiraentos, que a msica traduzia, revelava no
dislincto pianista mais a predisposico feliz do seu
talento do que o resultado de aturado esludo.
Com aquelle predicado, e com o gosto desenvolv
do que elle manife.-la, e de que se inspira na con-
1 Repela do bello, e.-laraos convencido- de que o Sr.
Jorge Vctor Jnior, se elevara altura de urna
I grande notabtlid de artstica, com urna repuiacao
lao hein merecida, que nao s recompensar os
I seus esfirco-, como tambem abrilhantara mais
j urna pagina da gloriosa historia dos lilhos Ilustres
de seu paiz.
0< applausos geraes, as flores que rhoviam no
sceuario, e a opinio que eniSo se manifestara en-
tre as pssoas sensatas, que concofreram ao es-
pectculo, comprovam esie juizo. Foi urna noite
completa, ebela de encanios'c de torrentes de har-
nioiii.i, que repercutir a por muitos das aos ouvi-
dos verJadeiros aprecadures do bello.
fscrip?5o pad'ioca.
Continuado das pessoas que tem subscripto pa-
ra a Ass 'Ciicao Porlectora das Familias dos Vo-
lunlari >s da Patria.
Donativos.
Francisco Pereira de Carvalho... 1005100
Bernardo de Allemao Cysneiro.... f00|000
Francisco Manoel de siqueira..... 100-3000
Theotonio da Silva Vieira.......... 1005000
Manoel Antonio de Souza Villana.. 505000
Lourenf Bezerra Alves da Silva.. 505000
Manoel Cyrillo Wanderley........ 805000
Jos Antonio Waaderley Lins .... 505000
Thomaz Lopes da C st Soares___ 503000
Antonio Argn do Reg Accioly.... 505000
Francisco Manoel de Siqueira Ca-
valcanti ......................- 505000
Mariano Xavier Carneiro da Cnnha 5050O
Jos Mara Cysneiro da Costa Res. 30AOOO
Tenenle Jnliao Gonc.alves Lima.... 205000
Joaquim Pinto Lapa................ 205000
Ermino Laurentino de Andrade ... 20->)00
Manoel de Castro Albuquerque 205000
Francisco Jos Corma Marques.. 205000
Jos Francisco do N'ascimento 205000
Eduardo Jo- Alves de Mello...... 20*000
Francisco de Paula e Silva....... 1.15000
Joaquim Francisco de Souza L"5o. 1050P0
Manoel Saraiva d<> Mello.......... 105000
Fr. Jos de Xossa Senhora da
Saude............................ 105000
Padre Manoel Emigdio do Oiiveira. 105000
Manoel Bodrigues dos Sanios..... 105000
Manoel Ferreira de Sobral......... 105000
Jos Ignacio de Lima............ 105000
Antonio Gomes da Silva.......... 105000
Joaquim Franrlsc Kavjer........ 105000
Jos Caelano de Mofles.......... 105000
Raymundo Ferreira de Moraes----- 10,5000
Um annonymo.................. 10-5000
Franrteco do llego Mello.....-.. 65000
Um annonymo................... 55000
Jos Bazibo de Freitas Peixoto----- 55000
Maximiano Francisco Ruarte Pei-
xoto......................... 55000
Francisco de Salles Duarte Peixoto. 55 Nacor Jo- Peixoto.............. 55000
J s Mano-I das Nc ve-........... 55000
Joao Fernandes da Assumpcao___ 35000
Jos Jeronymo Barideira......... ,55000
55000
55000
35100
35000
3500J
55000
3503
35000
35000
55000
35000
55000
550)0
55000
55000
55000
55OOO
55000
55000
55000
550U0
55000
55000
55000
35000
55000
550OO
35000
55000
55000
55000
55000
35000
55000
55000
55000
55OOO
55000
55000
55000
55000
55001
55000
45000
A jurnbeba.
As virtudes llierapeuticas da jurubeba sao desde
muito conuecidas nao s no Brasil, pois que dolas
tratou Pisn em sua excellente obra Historia na-
turalis el medica Indlaz occidentalis, senao as
AntiUias, onde o sueco das folhas e fruclos como
aqui, muito eslimado e applicado contra as obs-
iruccoes abdominaes, principalmente do figado e
bacj; e se todos os facultativos desta provincia o
nao applicam com frequencla, isto se nao deve a
nao recoohecerem elles essas virtudes, mas slm a
nao serera encontradas com facilidad e era todas
as estacOes dp anno os [rucios dessa plant, e a re-
pugnancia, que apresentam os deenles em fazer
uso do sueco desses fructos, em consecuencia de
ser extremamente amargo.
A jurubeba nao descouhecida dos botanistas :
esta planta pertence a familia das solaneas, e tem
a deuominaejio de solanum paniculatum, que llie
foi dada por Lyneo.
Parecendo-ns conveniente facilitar o uso do
sueco dos fructos da jurubeba, que o mais em-
pregado, nos propozemos e conseguimos preparar
com elle nao s um extracto alcoolico que pode ser
applicado em pilulas, mas tambem um yraho, um
xarope, e uro emplastro que pode substituir, era
certos casos, o de Vigo; e estamos persuadidos que
rom isto prestamos um servico humanidade e
therapeutca.
Pisn, tratando da hydropesia, presereve a de-
coc^o das raizes da jurubeba, e Mrat e Delens,
em seu Diccionario de materia medica e therapeu-
tca, dzem que as AnMIhas se faz uso do sueco
dos fructos maduros dessa planta contra o catar-
rho vesical ; e a autoridade dos nomes desses m-
dicos, merecidamente celebres, nos leva a crer em
suas palavras, e por isto cuidaremos de ter em
nosso estabelecimento essas raizes, pai a que possam
ser experimentadas.
A reputacao da jurubeba tal, e os Resultados
therapeulicos obtidos ltimamente sao lao impor-
tantes, que nos parece intil dizer mais do que
isto, que fica escrpto.
Deposito: pharmacia de
Joaquim de Almeida Pinto.
HUM
ASO HOKRIflL
n'i.iiA
Molestia Ulcerosa
Curada.
Todos aquelles que se achao eujitos sof-
frer raolestiaB scrofolosas, ulcerosas, ou syphi-
lhicns, anda mesmo as reputadas de pcior
uatureza, ajienos necessitao de ler o seguinte
caso maruvitlioso, para que se sintito intuir-
mente convencidos que a sua propria cura,
nSo s meramente possivel mas sim absolu-
tamente certa.
Joao Jos Feriieiba Barbozj, residente
na Cidade de Maranhao, tinlia todo o seu
corpo eoberto de chagos ulcerosas, e durante
alguuos ac'nos se acluiva debaixo do tratamento .
de mdicos os mais afamados, tendo usado
duran!i- todo este tempo quasi toda a especie
de medecinas que em taes casos empregada
|K'la foculdade medica, porem debalde sem
obter o menor beneficio ou alivio: acliando-se
pois em taes apuros elle finalmente resolveu-
ee, depois do repetidos e baldados esforcos
fazer uso da
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
No todo elle apenas chegou a tomar Cinco
Snalas de 8alaparr0ia e quatro frascos daB
Pilulas Vcgetaes Assucaradas, e o resultado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os Sers.-FEr.REHtA & Cia., Droguistas de
Maranhao, foro quem supprirao os medica-
mentos, e acliao-se perfetamente ao facto
d'este caso, e os mesmos Senhores, n2o s so
achao promptos confirmar o mesmo, como
tambem em fornecer o actual ndresso do Sor.
Baiihoza, toda e qualquer pessoa que por
ventura se desoj informar da verdade.
Recommenda-se mui particularmente aos
Doc-ntes que tenluio o maior cuidado na escolha
deste excellente remedio, nao usando outro
nao ser a Genuina Salsaparrilha de Bristol,
a qual exclusivamente preparada por
LANM AN & KEMP,
De NOTA YORK,
pois que todas as mais sao inefficazes e de nen
bum pratimo
Vende-se as boticas de Caors Barbosa
e C. Bravo & C.
Agua de Florida de Murray
e i.auuau.
Esta aquella excellente e original agua de chei-
ro para o t mcador, que to altamente tem sido ex-
hibida e exhortada por todos os joruaes pblicos
i da America do Sul, e da qual se tem vendido tan-
, tas imitacoes neste paiz.
Entendbmos que foi para guardar o publico con-
tra semelhantes imposicoes, que os proprietarios do
artigo genuino, depois de o haverem introduzido
mais de viie annos, as Repblicas H-ispanholas,
Cuba e Brasil; comecaram nao smente mauu-
facturalo para esle mercado, como tambem para
os mais j cima mencionados.
Este excellente e impagavel artigo j comecou
ser popular, e de esperar, que aqui era breve ve-
nda a supplantar e leve a palma, eomo j o fez na
America do Sul, loos os perfumes e essencas
mais custosas que nos costuma vir da Europa.
Ella igual em todos os respeitos, quando nao su-
1 perior aos mais finos extractos qne nos vem do
I estrangeiro. ( Vede que os nomes de Murray e
Lanman, se achem inscriptos e gravados sob cada
capa, letreiro a garrafa, pois sem 6 que nenliuma
verdadeira.)
Veode-se as pharmacias de Caors & Barbosa e
J. da Cosa Bravo & C.
m 1 ay^
Ervsipelia.
O medicamento que com mais influencia e ener-
gr tem combatido essa terrivel enfermidade, tem
isdo o xarope alcoolico de veame.
Urna eserava da mai do Sr Francisco Firmino
Monleiro, pessoa bem conhecida nesla cidade,
achando-se de cama, e com as pernas bastante, in-
diadas, e Chela de tomores, tomando o xarope de
veame, acha-se boje boa, prestando servidos.
Amana do Sr. Jos Francisco Pinto, morador
narua Direita n. 51, tendo sido acommettida do
mesmo, mal, aeha-se tambem boa.
A Sra. D. Seuhorinha Uinbelina dos Santos, mo-
rador na ra das Calcadas n. 38, achando-se ata-
cada de erysipella as rxas, com quatro tumores
bastante volumosos, no estado indolente, que a pr-
vava de pr-se de p ha muito tempo, com o uso
do xarope alcoolico de veame e pilulas purgativas
do mesmo, acha-se resiabelecda, e no uso dos me
dicamentas os tumoreslterminaram pela suppura-
5ao.
A Sra. D. Rita, moradora na ra de Santa Rita
n. 13, primeiro andar, soffrendo do mesmo mal ha
muitos annos, pois que a erysipella alacava amu-
dadamente, depois que tem tomado esse remedio
j nunca mais Ihe deu.
Outros muitos factos desta ordem deixo de men-
' ciooar aqui para nao me tornar prolxo e enfado-
, nho.
Seno a erysipella urna molestia que sem duvi-
; na effeito de materia gerada no corpo como ex-
j poem alguns escriptores de medicina, e em conse-
1 quenca da febre langada na pelle, onde produz
I inflammaQo, e que mu tas pessoas, por nao se te-
rem convenientemente tratado, suecumbem com o
1 pernicioso uso de que, nos tres dias nao devem
: usar de remedio algum, o que faz-se estender o
j mal por nao se ter a principio combatido ; por is-
I so, pois, conveniente que, logo que alguem se
sentir atacado de tal mal, deve provocar a transpi-
i racao tomando ao principio urna colherinha de
' cha do xarope alcoolico de vdame dissolvldo em
urna chicara de infusao de flor de sabugueiro quen-
te, adogando-a com mais assucar, continuando nos
tres das nesse tratamento, no fim dos quaes usa-
a do xarope de veame na forma prescripta no re-
| ceituario, tendo lodo o cuidado de se abafar, afim
de stiar convenientemente, alm de conservar o
I venlre corrente, que conseguir lomando urna ou
, duas pilulas purgativas do mesmo -clame,
Todos quantos soecumbern desta molestia se diz:
falleceu de erysipella recolhida ; ao contrario
alguns expositores presumen! ser odesenvolvimen-
to da putrefacc/io no sagne, tanto que o lugar iu-
Qammado que, eniao a sua cor era encarnada, se
troca em lvida ou n6gra, e termina em gangrena, e
por essa razao que conveniente o xarope al-
coolico de veame na infusao de flor desabugo,para
se conseguir resolver a inflammarTio, ou pelo me-
nos terminar pela supporacao, impedindo assim a
gangrena.
Os effeitos do xarope alcoolico de veame appli-
cado na flor de sabugo ao doente, nao s de van-
lagem por sua qualidade diafortica, como pela
anti-septica para impedir a putrefaegao as mo-
lestias.
Na [erysipella nao deve o enfermo nos primeiros
tres dias'nsar de comidas e bebidas que possam
esquentar e inflammar n sangue.
A comida durante esse tempo deve ser do reino
vegetal, romo sag, farinha do Maranhao, piio tor-
rado, bolacha, etc.
Ainda nao vi axpositor de medicina que aconse-
Ihasse que nos primeiros tres dias de acommetti-
mentos do mal, nao se usasse de medicamentos;
o que elles repellem sao os ungentos, unturas qne
obstruem mais e repellem do que promovem a eva-
cuacao d parfe ;o que convm trazer o lugar
atacado e bem agazalhado para ajdar a transpira-
cao e defender do ar.
Overdadeiro xarope de veame vende sena bo-
tica da ra Direita n. 88, de Jos da Rocha Pra-
nnos.
Tenho recebido cartas de algomas pessoas de
outras provincias que me commiinicam ter desta
cidade sido remellido o meu xarope falsificado,
que tem dado resultado ao descrdito de minha
preparacao, cujo conhecimeato se tem verificado
depois dos effeitos que taes rem dios apresentava ;
assim, pois, tenho a declarar ao publico que no
letreiro que vai pregado na garrafa do xarope,
sempre foi assignado por meu punho, e daqui em
diante, alm desta assignatura o farei tambem no
papel que cobre a garrafa. Rogo ao mesmo pu-
blico que quando forem assim engaados, tomcm
testemunhas, me remettam os rtulos falsificados e
me participem para fazer effectivo o art. 1C7 do
cdigo criminal do Brasil.
Jos da Rocha Paianhos.
Descarregara no da 6 do corrente.
Brigne inglez Ruthmercadortas.
Patacho inglezTara-dem.
Briguo porluguez-F/oris/adiversos gneros.
Barca inglezaVesion mercadorias e ferro.
Escuna portuguezaD. J0S0charque.
Brigue nacionalCardiaidem.
Patacho hollandezDenyidem.
Escuna diuamarqueza Dorana idem.
Brigue inglez AfWa carvo.
Patacho inglezZercon idem.
aLFAXDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS r-BEQOS DOS GNEROS Sl'EITOS A DIREITOS
DB EXl'ORTAgO. SEMANA DI 3 A 8 DO MEZ DE
Jl 1.11-' DE IM.'po.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.........ecnto
Agurdente de cana ....
idem resinada ou do reino
dem casaca.......
dem genebra......
dem alcool ou espirito de agua-
ardentc ........
Algodao em caroco ....
dem em rama-ou em lia
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado .
Assucar mascavado ....
dem branco.......
dem refinado......
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ........
dem de coco......
deni de mamona ....
Batatas alimenticias ....
.Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
Idem fina........
Caf bom .......
dem esculla ou restoHio. .
dem torrado......
Caibros........
Cal..........
dem branca .....
Carne secoa (xarquu) .
Carueiros .......
Carvao vegetal .....
Cavernas de sicupira .
Cera de carnauba em bruto. .
|dem idem em velas .
Cha .........
Charutos .......
Ce vados (porcos).....
Cocos (seceos)......
Colla........
Couros de boi, salgados j. .
dem idem seceos espichados .
dem idem verdes ....
Idem idem cabra cortidos .
Idem idem de onca ....
Doces seceos ......
dem em gela ou massa .
Idem em calda .
Espanadores grandes
Idem pequeos......
Esleirs para forro de estivas
de navio........cento
Estopa nacional .....arroba
Farinha de de mandioca .
dem de ararula ....
Feijao de qualquer qudlidade
Freehaos ......
Fumo em tolha, bom .
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinhas ......
Goinnia.......
Ipecacuanha (raiz)..... i
Lenha em achas.....cento
Toros..........
Linhas e esteios......um
Mol ou mulaco......caada
Milho.........arroba
Papagaios .......
| Pao Brasil.......
' dem de jangada......
I Pedras de amolar ....
j Idem de filtrar .....
i dem de rebolo .....
jPiassava........
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......
| Pranches de amarello de dous
costados.......
caada
>
>
arroba
c
I
caaada
arroba
libra
um
arroba
um
arroba
una
libra
cento
um
cento
libra
<
>
>
um
i
libra
. um
IfSOO
800
800
380
800
900
3^500
14JO00
13500
23G00I
23000
33500
53120
23000
.13000
13000
13200
33000
73000
73100
G3000
440
500
33^00
45000
13000
33000
300
300
13500
23500
153000
6,5000
600
150
240
105
350
103000
13OOO
320
500
43000
23000
155000
13000
alqueire 25500
arroba 45000
f 25800
um 53000
arroba 1i5000
85000
1 84060
1 t'5000
urna 600
arroba 1*500
um
quintal
ron
urna
molho
cento
2S3000
i'5000
115000
(.5000
240
900
S3000
.-3000
?5000
800
'.'III I! I
15000
120
3J980
um
20-5000
IO4OOO
15000
120
alqueire 400
arrona 255000
55000
73000
25000
1405000
875000
libra
urna
i'.u/.ia
arroba
quintal
urna
Cento
dem de louro .....
Rap.......
Sabao .......
Sal.........
: Salsa parrilha......
' Sebo em rama ....
; dem em velas ....
Sola em vaqueta. ". .
Taboas de amarello. .
dem diversas.....
Tapiocas.......
Tatajuba......
Travs ......
Unhas de boi ....
Vassouras de piassava .
Ditas de timb........
Ditas de carnauba.....
Vinagre.........caada
All'andega de Pernambuco, 1. de jnlho de 18G5.
Assignados):
) 1." conferente, Joaquim Amelio Wanderley.
O 2." conferente, Augusto Lins de Souza.
Approvo.-Alfandega del'ernamuc, Idejulho
de 1805.A. Eulaho.
Conforme. O 4." escriplurario, J. de Avila Bi-
tencourt Netvas.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 4...... 31:8353 25
dem do dia o.............. 8:016*131
39:8515550
35000
25008
03000
200
ir50oo
85000
63000
500
- -- ."--------r-r:
m ?gito
Navio entrado no da 5.
Maranhao 40 dias, escuna portugueza Rosa de
Faro, de lio toneladas, capito Francisco Soa-
res Mascarenhas, equipagem 9, em lastro ; a
Aulouio Luiz de Oiiveira Azevedo & C.
Navio snhido no dia 5.
Aracaty-Hiate brastleiro Novo Invencivel, capitn
Joaquim Antonio de Figueiredo, carga difieren-
tes eneros.
COHHEIinO.
v j." -ggn MMMrafcjBJTgX.ai
BD
Ti:
PRACA DO RECIFE.
Cotaces ofQciaes.
5 de julho.
Algodao da Parahiba (Ia sorle) 175500 por ar-
roba posto a bordo.
Algodao de Macei 165500 por arroba posto a
bordo.
Dubourcq Jnior,
Presidente.
Guimaraes,
Secretario.
Cai&a lial lo banco do Brasil em
Pcniamliuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Baha.
Novo banco de pernambuco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagam o 1 dividendo de dita massa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
raeltidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 4...... 65:6845461
dem do dia 5............... 19:1235160
84:7075621 I
MOVIME.STO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas.... 165
< com gneros..... 431
------- 696
Volumes sahidos com fazenlas..... 63
* com gneros..... 471
------33 i
O cldadao Antonio Augusto da Fonseca, cavalleiro
da imperial ordem da Rosa e juiz de paz da fre-
guezia de Santo Antonio da cidade do Becife, etc.
Paco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem, que Rosa & Irmao me file-
rain a peiicao seguinte :
Illm. Sr. juzde paz da freguezia de Santo Anto-
nio.Dzem Rosa & Irmao que qoerem fazer citar
a Jos Rodrigues Fernandes, para por meios con-
ciliatorios Ihe pagara quantia de 2313750, prove-
niente de gneros que Ihe' comprara para s.:u esla-
belecimento, na ra das Cruzes n. 22, pena de re-
velia : e como se ache o supplicado ausente em lu-
gar nao sabido, vem os supplicantes requererem
V. S. se digne admilt-los a justificar a ausencia,
feita a qual e jnlgada por sentenfa se passe carta
de editos por 30 dias, para ser citado o supplicado
para o fim requerido, tudo na forma da le.
Pelo que pedem a V. S. se digne assim deferir;
esperam rr"ceber merr.Rosa & Irmao.
Na qual dei o despacho que segu :
Como requer. Freguezia de Santo Antonio, 3 de
julho de 1865Augusto Fonseca. Em virtude do
qual se procedeu a inquirieo das testemunhas,
que sol o juramento dos Santos Evangelhos, depo-
zeram a respeito da ausencia e incerteza do logar
da residencia do supplicado Jos Rodrigues Fer-
nandes, e preparados os autos me vieram conclu-
sos, que por mim lidos, profer a senten;a se-
grate :
Visto provar-se pelo depoimento das testemunhas
a folhas, que o supplicado Jos Rodrigues Fernan-
des acha-se alsente em parte incerta, hei por justi-
ficada a sua ausencia, e passe-se carta de editos
com o termo da le, pagas as custas.
Freguezia de Santo Antonio da cidade do Recite,
4 de julho de 1865.Antonio Augusto da Fonseca.
E nada mais se conlinha em dita sentenca, por bem
da qual se passou aos justicantes o presente edital
com o praso de 30 dias, pelo qual chamo, cita e hei
por notificado o referido Jos Rodrigu-s Fernandes,
para qu-> dentro dos trinta das comprela por si
ou p?r su bastante procurador, para proceder-se
aos termos conciliatorios na forma da petie", e a
qualquer oulra pessoa que Ihe faca sabedor d*su
mesma cita$ao, afim de que elle nao fique inde-
feso.
E para constar mande passar o presente que -e-
r alixado no lugar do costume e publicado pela
imprensa.
Dado e passa-'o nesta freguezia do Santi-sira <
Sacramento do bairro de Santo Antonio do Recite,
aos 4 de julho de 1863.
Eu, Austrcliniano de Torrea Gallindo. escrivao
interino que o escrevi.Antonio Augusto da F n-
seca.
O Illm. Sr. inspector da ihesouraria provin-
cial, em cumprimenln da or4*m do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda faaer publico, qne do
dia 3 de agosto prximo vindouro, perante a junta
da fazenda, da mesma thesouraria, se ha de arre-
matar, a quem por menoc fizera obra do empara-
mento, na extensao de 155 bragas no lanco da es-
trada de Unjan a cidade de Goianna, avallada em
1:3643000.
A arremalacao ser feita na forma da l**i provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1845, e sob as clau-u-
las especiis abaixo declaradas.
As pessoas que se propuzerem a essa arremata-
rlo comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado pekV meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 4 de julho de 1865.
O secretario
A. F. da Annunciamo.
Clausula^ especiaes para a arrematado.
i.* Empedramenlo de 155 bracas correles do
i.o.eo de e.-lrada de Bnjary a Goianna na impor-
tancia de 1:3645000, ser feito de conformidade
com o respectivo orcamenlo, e as instroccoes d.
engenheiro encarregado da fiseali.-acao dos traba-
Ihos.
2.' Os pagamento* serao feitos em duas prestt-
coes tan, a primeira quando estrer excretado
metade de todo o servico ; e a ultima na conclosc
do trabalho.
3." O arrematante romerar os trabalhos at o
dia 1. de setembro e os concluir at o ultimo de
outubro do correle anno.
4." O arremtame na o ter direito a indemni^a-
qo alguma, qualquer que sej a natureza da aie-
garo, salvo nos casos previsto por le.
5.* Em tudo o mais que nao vai especificado as
presentes clausulas, seguir-se-ha o que dbpoe o re-
gulamenlo de 9 de julho de 1864.
Conforme.A. F. da AnnunrtacSo,
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Ro-a, juiz de direito especial io
commercio desta cidade do Becife de Pernam-
buco sru termo, por sua mageslade imperial e
constitucional o Sr. D. Pedro II, a qnem Dos
guarde etc.
Face, saber pelo presente que por este jnio e
cartorio do escrvao que este subscreen e fez n-
sar o presente, corre urna execucao de senl*nc,
entre partes como exequenie Hennque Jo Alves
Ferreira e como execntados os administradores da
n.assa fallida de Amorim, Fragoso, Santos & (".., e
procegumdo a execucao os seus devidos termes,
prosedeu-se a penhora em dinheirosNpertencentes
aos mesmos execuiarloe, pelo que o sobcitidor Ig-
nacio Barnizo de Mello, procurador do exeqe
em audiencia do dia 14 de novembro me fez o re-
querimenlo do theor seguinte :
Aos 14 de novembro de 1864 nesta ridadedoRe-
cife de PernamfHK, em publica audiencia que ao*
feitos e as parles fazia o Dr. juiz de direito espvcial
do commercio Trislao de Alencar Araripe, Betta
pelo solicitador Ignacio Barroso de Mello proenra-
|dor do exequenie llenrique Jos Alves Ferreira,
fora aecusada a penhora qne se segu feita em di-
I nheiro pertenreute aos executado?, requerendo que
| nao s aos mesmos fleassem asignados os seis dia*
i da lei, como os dez dias aos credores ineerto?, pas-
i sando--e i>s editaes do eslylo, e reqnereodo na mes-
ma occasiao que se passasse mandado de remorao.
para o deposito publico e achando-se presente o
solicitador Miguel Jos de Almeida Pernambin-o
procurador dos execulados, por parle desles peJic
vista.
Termos ero que houve dito juiz ambos os repue-
rimenlos por deferidos.
Exlrah o presente do protocollo de audiencias, t
junio o mandado e termo de penhora.
Eu Faustino Jos da Fonceca, escrevente jura-
mentado o escrevi.
Eu Mi noel de Carvalho Paes de Andrade, e-cri-
vao o subfCrevi.
Seguindo o que assim se conlinha em dito re-
querimento de audiencias, depois do qnal o roe*rm
solicitador Ignacio Barroso de Mello, procurador di
exeqnente, em audiencia do dia 19 de janho do cr-
reme auno, me fez o requerimeoto do theor se-
gunde :
Aos 19 de junho de 1865 nesta cidade do Rente
de Pernambuco, em publica audiencia que aos fei-
los e as partes fazia o Dr. juiz de direito especial
docommeicio, Trislao de Alencar Araripe, ella
pelo solicitador Ignacio Barro.-o de Mello procura-
dor do > xequenle Il-nriqoe Jos Alves Ferreira.
Vequen.io que haveiulo-se desencaminhado i > pri-
meiros editaes, se Ihe mandasse outro com salva
do primeiro, e que lar.cava de prava, e requera
que fossem os autos com vista afmal.
O que ouvido pelo juiz assim o dtferio.
Extrahi o |iresente do pr tocollo df audiencia*.
Eu Manoel Silvino de Barros Falcao, escrevente
juramentado o escrevi.
Eu Ifanoel de Carvalho Paes de Andrade, e.-cri-
vao o subscrevi.
Segnindo o que assmi se conliuha em dito re.joe-
r i ment de audiencia aqu transcripto, depoi* do
qual o mencionado (.-crivao Manoel de Carvalho
Paes de Andrade, que esle siinrcveu e fez DManf
o presente edital com o prazo d.; 10 dias, pelo qual
e seu theor chamo, cilo e hei por c;- d i a lodos os
credores incerlos dos ditos execulados para qoe
dentro do referido prazo comparecam ante e-te
juizo, allegando e i rov.iudi que tur a bem *e
seus direitos e juslica sob pena de se proceder a?
suasrevelias.
E para que cingue ao conhecimeato de lodos
ir.anJei fazer o preseute edital com o prazo de ||
dias, que ser afiliado nos lugares do costume r
poBlirados pela impreca.
Dado e passado ne-ta cidade do Rerife de IVr-
namhueo aos 21 de junho de 1864.
Eu Manoel de Carvalho l'aes de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe,osctM da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo, por S. M. Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a qnem Deus guar-
de, etc.
Faco saber pelo presente qoe, no dia 24 do mez
de julho do corrente anno se ha de arrematar de
renda annua'l a quem mais der, em praca publica
deste juizo, depois da audiencia respectiva o so-
guite :
O engenho Quizanga, sito na fregnezia de S. Lou-
renco da Malla, moente e corrente com agua, coa
casa de ealdeiras, o tachas no a bom estado, casa "de purgar p ir acabar, contendo
300 formas, cora furos para 350 pics, com alguma
correntes, distilacao com um pequeo alambique
de cobre em mo estado, senzala com 12 easinhas
para escravos, casa do vivenda desofenda em bom
estado, dous acodes, sendo um para acabar, fal-
iando-!he a porta d'agua, trras do engenho de boa
qualidade rom algumas malta?, 8 bois mansos e 3
gaarlos, avahado por 2:000500tf ris annuaes;
14 escravos de servico avahados ern 1003 o ?enico
de cada um dos escravos annualmeote, qne tudo
prefaz a avaliaeio de 3:4005000 por cada anno de
renda, o qual engenho e seus pertenres e esrravos
foi penhoi ado a Jos Francisco de Barros Reg e
sua raulher por execucao de Octaviano de Souza
Frasea.
E ua falta de licitantes ser a arrematarlo feita
pelo proco d adjudicacao como abatimeoto res-
pectivo iia lei.
E para que ctiegue ao conheclmento de todos
mandei fazer o .presente edital qne ser anisado
dos logares do costume e publicado pela iapreasa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
uatnbu'o. aos 30 de junho de 1863.- Eu Maaoel
de Carvalho Paes de Andrade, escrivo o i
crevi.
Trislao de Alencar Araripe.
DECLlllSeiS.
Convida-se as pessoas que esto as cotads-
ges d servico militar, a engajarem do eorpo de
polica e gozarem das vaniagen- da lei proviaeial
D Gil d' 2 de maio prximo passado. qoe o as

I


r
tntaift f'ifl d fulho le i 8 95
seeuiites :'13i00 rs. diarios de sold, seren seus' A thes/raria provincial marca o P"soj 30 j
ilhos menores re-olhidos aos estabelecimentos! das para o/agmenu do imposto do calcaraento
provinciaes de educaca-j o tempo que estiverem das ras jpva e do Sol, j*
na gU'rra sW contado pelo duplo para o caso de
aposeiitidom, e a m destas, tem todas as mais
vantagens que sao concedidas aos voluntarios da
patiia!O tenente-c ironel commandante do cor-
po de polic a, A exindre de- Barros e Albuquer-
que. ^^^^_ __________________
- Po
quo
Seri
pro
28
do Recife.
esourana pfcvincial se faz publico,
atacj da obra do quarttl da villa de
n, foi t'ransfefWa para o da O de julho
vindouro.
etaria da thesonrarla provincial de Pernam-
de junlio de 1865.O secretarlo,
A. F. d'AnnunciaQo.
em praca publica
COMPANHIA PERNAMBCCANA
DF.
\avega^5o coste.ra por vapoi*.
Para. Mac i-i.
i'urahyba, eommaoJante Joaquim
2063000
300-5000
168JQOO
3303000
4005000
4003U
7-23000

TKE VrtS
EMPREZA-vOIMBRA
Representaco extraordinaria
Santa (Jasa da Misericordia/_-NTola6(SS)rr(>n[lirn^,
juizo das provedorias de Olinda, se arrematara
a renda de urijtlo com casa em Paratiba por
A Illm." junta administrativa da Santa Casa
Misericordia do Recite, manda fazer publico c56 marello por caa uma, mental, do patnmo-
no dia 6 do corrente pelas i lloras da tarV ua nio da irmandade de N. >. do O'.
sala do suas sessSes contiouam a praca daf ren-
das das casas abaixo declaradas por terapo/de 1 a
3 anms a contar do Io de julho do correrte auno
por diante.
Ra das Larangeiras.
Casa terrea a. 3 particular e 17 pr
dicj.........
Ra do Bangel.
dem n. 43 particular e 53 publ/o-
i i do Rosario da Bo*-Yisia.
dem n. 14 particular o 38 pub'lco.
Ra da Lapa-
Casa tirrea n. 41 particular" e 2 pu- ,n#;-
blico....... l'-'OOOO
Hua da Moeda.
dem n. la particular eif publico.
Ra dtt&morim.
dem n. 48 particular /56 publico.
dem n. 50 (.articulare 52 publico. ,
Idem n. 5fi particular e 2G publico.
lUudo.Aiee de l'eixe.
ce...........600,8000
Ra da Cacimba.
dem n. 63 particular e 5 publico. .
dem n. 67 particolaf e li) publico. .
Hua do Vicario.
Sobrado dea andares n. 7 particular
e 7 publico........
Ra do Encantamento.
Sbralo de -2 andaros n. 76 particular
e II publico........
dem dem n 77 particular e 13 pu-
blico........-
Ruada Senzala \elha.
Ca-; l rrca i:. 81 particular e 18 pu-
blico..........
! : .[. o. M p i ocular e lf> publico. .
Roa da Guia,
dem n. 8 particular e 20 publico. .
Ra do Trapiche.
Sobrado dj 3 anidares n. 83 particular
e 30 publico.......
-na da Lingoeta.
dem d 3 andares n. 86 particular e
11 publico........
lina da Cruz.
dem dem n. 87 particular e 11 pu-
blico..........882,5000 pC|0 r (juira
Ra do Pilar.
dem n. 03 particular e 101 publico. .
dem d.9i particular e 99 publico. .
i i .i n. 9? particular e 110 publico,
dem n. 100 particular e 10't publico,
dem i. 101 particular e 103 publico.
dem n. 103 particular e 93 publico..
dem a. 103 wrticulare94 publico...
VISOS DIfEiSOS.
O Sr. Arfcw10 Antonio Carneiro da
Segu boje as 9 lja Tiaras da manM^ o vapor Cnnha Miranda quoiiV' djrigir-se a praca da,
Independencia n,
fallar.
Jos Martins.
q 0 3, que se precisa
Para o Rio di Janeiro segu _
com muita br;vidade por ter;
prompta a maior parte do car-
regamento o brigue brasileiroj
Imperador, o qual recebe o rest |
da carga a frete.para o qne tra-1
"rmaos,
ra da
355 ao anno, ai casas de taipa uo lugar do Pao tase no escriptorio de Amorim
Cruz n. 3. Tanibem recebe escravos de pasa-
gem a tratar com o capitn Joaquim Pinto de Sou-
za Passos, na praca ao commercin.____________
Correio geral.
Pela adrainistragao do correio desta cidade se
faz puWTco que hoje (6) asfl horas da manhaa em
ponto-fechar-se-ha mala para a provincia de Ma-
eei, aqual -conduiida pelo apor costeiro Pa-
rahiba.
LOTERA
AOS 6:000$000.
Sabbado 8 da corrente mez, se'extrahir
a 4a parle da 5a e Ia da 6a lotera (ii*) a
beneficio da matriz de S. Pedro Martyr de
TB-hia pretende sabir Olinda, no consistorio da .greja de Nossa
com muita [brevidade o veleiro Senhora do Rosario da freguezia de Santo
logre Emilia, capitao Bernardi- Antonio.
no Rodrigues de Aimeida, por Qs bilhetos, meios e quartos est3o a ven-,
- Sd 'enaparraPaotrdesoCaue Ibes' da na respeciva tbesouraria a ma do Crea-'
asignatario Joaqun, os popero lo. ^ ^^ ^ ^
serao pagos una hora depois da extracg3o'
at as i horas da tarde, e os outros depois
da distribnic5o das listas.
As encotnmendas s rao guardadas so-j
mente al a noite da vespera da extraerlo

|Goncalves Bellrao, na ra do \ gario n. 17,
! nieiio andar. ____
pn-
Para Lisboa.
Segu cm a pofisltfel bevidade o bem conhe-
cido brigue portuguez Relmpago: tem a maior
parte da carga prompta e para o resto e passagei-
' ro, trata-se com o consignatario Thomaz d'Aquino
Fonseca, na ra do Vigafio n. 19, Io andar,ou com j COUIO de COSturae.
.o capitau na praga.
Rio Sraade do Sul
Segu com muitf brevidade por ter parte do cr-
0 thesoureim,
Antonio Jos Rodrigues de Soaza
14'i-SOOO
83J000
500S000
905000I
9003000
Oferece-se tima ama para todo o sor
Oniiit'i fpr-1 A flp nllm Hp regamemo prompto, o veleiro patacho Cyro, cap- vi^O de casa de familia ou de homen
UlllU-ttl-lCl-il U UWJU1U.V7 U.O i5o (Remiro RibHro(}om"s : a tratar rom Miguel tuiro : no becCO da Lama n. 1,
1 3()5f JosAlves, ruaja Cruz. W.____________
GRANDE COXCEUTO DADO POR L'isl)0a |U-Hh t! S. NgBt.
]?S ^.W 4.M 4. jPETIPAS Pretende sahir em poucos dias a barca
Prima dona do's principis theairos da FranCa, Mafia recebe carga e passageiros para
1
XAROPE DEPIJRATLVO
de EiE GOUX
momi

Este novo producto ruiliiliklft tlfl tttMA li'iplic combiu:^'iIo de tres melalloides rujas proprie-
dades sao mui conbecidas, o Bromo, o Eurofre e o Iqtlo, orcupa boje a prnatira ordem d*
enire lodos os depurativos dos quaes o nisiia poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notaveis dos hos| ilacs i!e Pars, os srnhorcs Crzenare.
Puche, Bazin, Blaclie, Guibout, Baroschct, Danet, Legroux, Vas-o c Anbry, etc., demonstrar
sua poderosa efticacia as nfecvcs seguientes :
I)orncm le pelli-,
llmln p boi imilla de toda espacie.
rliie.i. mi.com.
Obutrurroeo lymphotlco,
Pnpelrn*,
Excroriilim,
AbcexKoii, posteuiua,
CHiicroa,
Ulceras,
Tinha,
Escrbalo,
Plaa ou Bou has (do Brazil),
O Xarpe de Lo Gonx, de urna fac.il digest3o e de gosto delicioso,*se emprega tambe
com muita vantagem e aconselhado pelo domor Barthe, do hospital dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachiticas oa sobre a influencia de um vicio hereditario, e mu
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalho e aos xarpes depurativos e anti-escor-
buticos que se administravSo at agora.
Beposito geral, em Pars, na botica Boullay, membro da Academia imperial de ledicinade
Paris, of/icial da Lecjiao de Honra, e em todas as boticas de Franca e dos paizes eslrangeiros.
Frnnihoe.ila,
Onmares fros,
ktacbtttsaM,
Oplillinliiiln rscru'iiloia e ckrtsifs.
Tnica r-tcrafiiIoHa.
Affececa s;phlli(l-as,
Eleplinnllasls dos Greyos,
i. todas as dooncas occasionailis por om tit-in io
sanguc, e ja tratadas seni ueubunj successo pelas
prepararles vegetaes, iodadas e o oleo de SgaJo
de bacalho.
_ Na padaria da Torre precisa-se de um
a ; as ador e que tenlia pratica. de vender
p3o.
Ignorando-fe onde est assistindo o Sr. Joa-
BcliJca e societaria da capella de S. H. o hipe- estes dotisportos, a tratar com OS consijf- (|ulm Salvador Pessoa de Siqueira Cavalcanti, rr-
rador dos Franccics, com o concurso dos escel- natarios Carvall.o & Nogueira, roa do Apol- ga-se-M tenha a bondade de apparecer a
leales artigas do |thealro. lo n. 30 on com o M|>itao na praga
PRIMEIRA PARTE. i#i*.#
ivraria
lis. 6 e 8 da praga da Independencia, afim dsv-re-
ceber urna carta de importancia.______
200:3000 L'xaVff JL BL*l^.f* JL ia'y*r*JK*'! O bnrue portuguez Bata I, capilo Alexandrei
2003000 i.o Bnllianlrt comedia em um acto, representada Jos Correia, vai sabir at o dia 9 do corrente, por
pelasSras. 1)1). Eugenia, Leopoldina, Jesuina eos ter maior parte do seu campamento prompto :
144^000 Srs. Teixcira e finio. quem no mesmo quizer cajrregar ou ir ie passa-.
' SEGUXuA PARTE. gem, dirija-se a ra do Trapiche n. 44, escriptorio
2." Grande ouvertura executada pela orchestra de E. R. Rabello, ou ao respectivo cap|o._______
sob a direccao do Sr. Colas.
3." A brilhante cavatina do Barbeiro de Senlha
(Rossini)cantada a carcter por madama Ptlipas.
5203000 4.0 sc,na cmica
650-3000
200,3000
2335000
i )30i>0
200-3000
200,3000
2003000
201)3000
S cretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife Io de jullio de 1863.
O escrivao,
F. A. Cavalcanti Cntisseirn.
- Pea tbesouraria provincial se faz publico,
que a arremalacao da obra da cadeia de Nazareth,
foi transferida para o dia 20 de julho prximo vin-1
donro.
tana da tbesouraria provincial de Poi
buco 28 de juuho de 1863.O secretario,
A F. d'Annuneiacao.
BEKTO DOS PfiNTUfHOS
."i." Grande cavatina do Trovador Io acto 2o qua-
dro (Verdi) cantado por madama Petipas.
TERCEIRA PARTE.
6." Ouvertura executada pela orchestra sob a
direccao do Sr. Colas.
7. A Vioandeira do Regiment cantada a carc-
ter por madada Petipas.
8. Urna nova scena cmica pelo Sr. Guirr.araes.
liria
Fonseca:
Para o Porto.
Sohe com a possivel presteza o brigue portuez
guez Uniao : para carga e passageiros
com o consignatario Thomaz d'Aquino
ra do Vigarlo n. 19, 1" andar. ___________
ara isbm
O brigue portuguez Soberano, capilo Manoel
Bernardo Rugigangii, vai sabir al o dia8 do cor-
rente, por t.r a maior parle do seu carregam^nto
prompto : quem no mesmo quizer cirregar'ou ir
de passacem dirija-se a ra do Trapiche n. es-
criptorio de E. R. Rabello, ou au respectivo ca-
pital. ______
9." Mi Femando, cavatina da favorita (onize
Os bilhetes podem ser procurados no escriptorio n
dotheatro.
asa
Ig natura.
S!1 recita da
'Sabbado 8 dejulo de 1865.
Representar se ha o interessante e niuito ap-
e compras do arsenal de guerra, I plauddo drama em 5 actos
\{U) Grande e Assu'
Segu por estes dias a harcaca Dous Amigos.
reeebe carga : a tratar com o mestre na escadi-
nlia ou no caes do Ramos n. 24.
precisa comprar o seguinte :
250 capot .i de panno azul.
240 frdelas de brim.
240 caigas de dito.
:amisas de algodaozinho.
240 navajas decouro de lustro
As pessoas que quizerem vender ditos artigos,:
apie-'niem -uas propostas na sala do conselho, no
(tii ij lo correle, as il horas do dia. Declaran*
do-se is pr iponentes, i|ue ditos artigos serao re-
colhidos no dia 10 do correte imor^ierivel mente.
Sala I ic inselhodeeimprai do arsenal de guer-
ra. I de junho de 1868. O encarregado da es-
cripi jracao,
Mano-I Jos de Azevedo Santos.
O administrador da recebedoria de rendas;
int mas geraes f publico, qje em virlude da al-;
. i 3' de decreto 2710 de 31 de dezembro de
nao julgando conveniente que conlinuem
em 11er Jos cobradores os conheclmentos do i-
sem-stre'do xercicio de 1804 1803 dos impostes!
de 20 I 0, imposto espec al e decima addiclonal de
mai-moru, ordeaon o recolhiraente delles, prin-i-
pj in la pelo bairro de santo Antonio, cujo debito
su reriorao dos mais, allm de proceder a liqui-
daeaode conformidade cora os artigos 4* e 5* das
in-i uccSes que acompanharam o decreto 2334 de
l \: fevereirode 1Sj9, que em quanto se est
organizando a relacaq dos devedores do referido
bair Ibes permettido vlrem aqui pagar os seus
,i afim de evltarem a Bubranca judicial.
l icbedoria de Pernambuco 3 de julho de I8G5',
Manoel Carniirojie Sonta Lacerda.
Coaslitlide provincial
mesa docousulaJo provincial se faz publico
irin'.a dias uteis marcados para a conranca
I
Ai II j'Ji > i
.-;
2

MEDICO DAS CMMCIS.
Na ra larga do Rosario n. 31, segundo andar,
precisa-se de urna ama que saiba bem cozinbar e
engommar, para casa de pouca familia, prefere-se
escrava.
Manoel Joaqaim Moreira retira-se para Por-
togaL______________________t______________
"Fabrica de chapeos de sol
Ra do Crespo n. A.
Kesta fabrica acha-se sempre o mais completo
sortimento de chapeos de sol francezes e ingleses
para homens e senhoras, tanto de seda como alpa-
ca, e panno de todas as cores assim como um
grande sortimento de pecas de superior seda, al-
paca e pannos de inho e'algo'iao para cobrir ar-j
macoes servidas, tudo por procos muito razoavels.
Cobre-se e concerta-se toda e qualquer qoalidade
de chapeos de Sel, com perteico, presteza e com-
modo pre^o.: ra do Crespo n. 4._______
"^"Nilas do banco do Brasil e das caixas filiaos,
desoonum-se na praca la Iiidepemlnncia n. i'i.
Alugaso um pequeo armazem na ra da
Paz, proprio para qualquer estahelenmeiiio cm
ponto pequeo : a tratar no pateo de S. Pedro n. 4.
A'uu-sc
a casa terrea da llha do Retiro (Passngem da Mag-
dalena) onde moniu o corrector Macedo, com hons
commodos para familia : trata-se
Corno Sante n. 19, escriptorio.
Precisa.se de una ama para todo
de una casa : na ra do Livraiuento
gundo andar.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdadede Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Offwial da Legiao de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Paris.
Este xarpe composto mais de vate annos pelo sabio lente Boullay, constitne a melhor
maneira de administrar o Ethcr. Re empregado com suecesso cm todas as docncas qne tirio sua
origem de um erilhismo nervoso, c,omo sio as:
Cnimlii o de estomago,
Indlgestoes,
Convulscs,
Aecessos hysterlcos e hyao-
eondrlacos,
Clicas ventosas ou nerTO-
Deposito geral, em Pars, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro da Academia
imperial de Medicina de Paris, of/icial da Legiao de Honra, ra des .Fosss-Montmanre, 17, e
cm todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Euiaqueca, '
Nevralglas,
Espasmos,
Attaqiies de nrvea,
Yerllgens,
Synropps.
aas, lirpsllras Malalrataa.
Aeeesaaa de sata e de rbea-
muIlHino.
Casos de envenenleeta,
etc., etc., etc.
ASTHM
ASTHMA ASTHWIA ASTHMA
SFFOCQO NERVOSA E OFPRESSlO
nico remedio cfficaz para combatlir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarcl'.o) do Dr Danet. OescobcrU inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraTeis resul-
tados qne tem sempre produzido. ..-,,
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenclle, e em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 cm casa .le C: ros liar osa.
no lago do
CONSULTORIO
"5n
#
; m j \
D()


IRIR-alCO
PEKSON'ACE.XS.
Luciano Lemonnier..............
3elorin!. .....................
Jeronymo......................
Frelerico....................
Francisco, criado...............
Jeronymo, jardinelro...........
R nalo, criado de Luciano.......
Lui/a........................)
Locilia........................)
Antonia.......................
Joanna. criarla.................
Marianna, aldea...............
Precissao de doazelias, camponezas etc., etc.
Dar Qmao espectculo a chi-tosa comedia em
1 acto ornada de mu ka
Amoedo.
Lisboa.
Coimbra.
Rorges.
Gui maraes.
Santa Rosa.
Peixoto.
. Eugenia.
D. Leopoldina
D. Joaquina.
D. Jesuina.
imprtame leilao
DE
Faink;t de a si o te Trieste.
aiojE.
Quinta-feira C do corrente ao meio
dia ein pootp.
O agente Pestaa fara leiiao por conta e risco
de quem pertencer de barricas com familia de tri-
go, chegada ltimamente le Toieste no navio bol-
landcz tll-ndrika Huisman em lotes a voniade
dos compradores: quinta feira 6 do correnie pe-
las l horas da manhaa no trapiche do Bsrhoza
onde espera a concurrencia de seus freguezes.
leilao de vinlio da Figueirn.
HOJa
O asente Pestaa far leil) por conta e risco
de quem pertencer de pipas com vinlio da Fign^i-
ra da* hem conhecidas eacredtalas marcas XRP,
N, AMSG, diamante M e diamanto R, 'O) lotes a
TT-TT7 \TT)fi T\V ^ A "XTTfl^TO vontade dos compradores: quinta- f ira 6 do cor-
irlJutillil/ JJlJ O. Xiy JLV/ll xv/ ; renlH pe)as 10 horM ,ia manhaa no lareo da es-
(Capuoga) cadinha ao pe do armazem do Sr. Azevedo.
Sociedade dnimatica Thalia
pcrnamiiucaiM
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho
administrativo desta sociedade, couvico novamen-
teaos Srs. socios installadort-s para comparecerem
no domingo 9 do corrente pelas 10 horas da ma-
nhaa a sede da sociedade, atim de em assembla
0 PERDI D'ACT
PERSPECTIVA.
Principiar as 8 horas.
*TE DK- PEDRO DS.iir.\YDE LO.JO MOSa>S,
HEDIOO, 5.^S4'J'^2aa! 33 OPSKADOH.
;j Ra da Gloria, casa do Funda) 3
O Dr. Li.bo Moscoso dconsultas gratnitas nos pobres lodos 'sdias uas 7
as II
Aluara-se
Precisa-se do. 1:0003 a premio, dando-se por
garanta bens de raiz : quem quizer fazer este ne-
gocio, dirjase a praca da Independenoia, loja n.
7, que se dir com quem se deve traiar. horas da nianlio, c das b c nieta as 8 lluras da noile, a excepcao dos lias .-aiili!ic,i.l..s.
-^Pharmacia especial /wmeopnthict)
No mesmo co sultorio lia sempre o mais appropriado sormenio de cari, ir i
tubos avulsos, assim como tinturas th vai as d}TQDamisat;es e pelos pieros seguinles.
Cartearas de 12 tubos grandes. lidOD
de 24 tubos giandes. !5OO0
de :jfi tubos grandes. 21*000
p de 48 tudos grandes. 305000
de CU tobos gran les. 390000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se /.er, e com os remedios
o primeiro andar do sobrado da ra Imperial n.
103, eoffl bastantes, commodos.______________
Tifa roa dos Coelhos n. 10 se dir quem faz
abrumas iransapefies sob boas garantas.
LEILAO
P ;
qne os ..
boceado cofre do 2 semestre do anno Onaacet- ePra| proce(ler.se a eleicao para os novos mem-
ro de 1864 1865 dosimpostes da decima dosipre- Lros do conselho ad'mmistraiivo, visto como, em
di is u bao?, de 20 0|0 do consumo de agurdente nonSt.(inen(.a ,,0 mao ,a qae u-z no domingo pas-
e d.' 2 0|0 sobre a renda dos bens de raz perten- sado n-Q (er SJ(Jo possve| reunir-se numero suf-
centes corporacoos de mao morta, tinoam-se bo 1(.,ente de socios para po,ier fUDccionar dita as-
dia !C- do corr.nie, (cando sujeitos a respectiva semh|a gera| ppara umbem pelo presente con-
mn! a os qne pagarem depois daquille da. vidados os Srs. socios espectadores e representan-
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 4 ^ p.(ra assistjrem a preenie sessao, allm de que
de julho de 1865. ^ X,^_A_ ._ com suas presencas sejam testemunha de qualquer
1 deliheracao que baja de mmar a assembla geral.
Secretaria da sociedade dramtica Thalia Per-
Antonio Carnetro Machado Ros
Administrador.
DE
Urna taberna.
Ra das Crines aniero S .
i Cordeiro Simoes
pr,r conta e risco de quem pertencer far lei'ao
dos seeros, armacao e ntencilios da taberna ci-
ma dita, em um ou mais lotes a vontade.
Sexta-fcira 6 do corrente
as 10 horas em ponto na mesma taberna.
O abado assignado tendo de ir a Uamangua*
pe, afim de liquidar n< coneros que alli exi cm seus armazeus, azendo vomelra de alguna del-
li s para esta praga, e cuno esta demora ser de
30 a 60 das, deka por seus procuradores nesti
praga aos Srs. Amorim & lrnio. Phipps, Irmiws & ge ,jr
&sepol^tec?fe tff5& de t. "" m lobo a^ulso ou frasco de tintura de meia onCa I ^000.
Francisco Jos de Campos Pamplona. Sendo para cima de 12 cuslarau os precos esUibe.ecidos para as car
Ha tubos mais pequeos cada una 500 rea.
Precisa-se de um fetor qne entenJa de plan-
lacdes, prefere se solleiro : a tratar na Capulina
- ia.*^ .. T olla t\a 4tvp:1,
Precisa-s de urna ama
Ro ario n. 24, primeiro andar.
ua ra Estrella do
A mellior odrada homeopatbia, o Manual de Medicina llomeopaibico do Dr. Jati
i, sitio do fallecido Joao Leite de AzeveJe. Jous grandes volumcs com dici?oiiariO .".......... 20-3KJi
ka tvpographia da Ordtm precisa-se il'a um ". Medicina domestica do Dr. Ileriug........... 10
compositor. Repertorio do Dr. MelK Atoraos............ t?2
i:'f^' WoBOnario de termos de medicina...........
j^| O Dr. Cosme de S Pereira conti-
.T'j na a residir na ra da Cruz n. 53,
S| Io e 2o andar, onde
^ rado para o exercicio
*& sao medica, e com especialidade
'm sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
Obras publicas
A reparticio das obras publicas'contrata
Grande feira
DE
escravos de
o for-
neci aento dos objettos abaixo mencionados ; as
proji'j-tas deverlo ser apreseutadas uo da 10 do
crlente me.ao meio dia.
Nota do- objeetos.
T |olo de t venara batido.
n :. i de alvenaria rossa.
Dito de ladrilho.
i branca.
Dii i ; reta.
Ar ia. -
Barro roassap.
dem de mangue.
Cin ento.
i", ra brcti.
I1.- Je ferro.
Eoi'hadas ealcadas de aeo.
pseareta idem idem.
I" nces de rocar.
Pre E i'v.'ts de pontos de 30 a 40 palmos de compr-
melo e 7 l|8 de rossura.
Re, articiio das obras publicas, 4 de julho
O secretario interino,
Manoel Loureago de Mattos.
"ZTbe ordem do Htm. Sr. inspector da theson-
rarla le fizenda desta provincia se faz publico que
a mesma thesouraria em virtud^ da ordem dothe-
gouivro o. 74 de 13 de junho ultimo, acha-se auto-
risa d a pagar aos credores dos exercicios de
1862 1863 e 1863 1834.
A-, pos-oas interessadas deverao requerer a esta
tbesouraria o pagamento de suas dividas.
See.i alaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco : de julho de 1865. Servindo de -offlctal-
Manoel Jos Pinto.
nambicaa 5 de iulho de 1865-0 I secretario, Objeetos de ouro e prata novos
Strin?5amiond2 Pinto Bandeira e Accoli bos os sexos, move
de Vasconcelos.
tise mm
de
COMPANHIA BuASILEIRA
DE
sendo cama franceza le Jacaranda, guarda rou- ]
pa de mogno, do de ceregefra, mesa elstica
de amarello, marqnezas largas para casal, mop
bilias de amarello, commodas, camas de ferro,
1 parelha de cavallos para carro, candieiros a
gaze outros i-iuitos anigos.
Sexta-feira 7 ^o correte as 11
horas.
NO GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
. DO AGENTE
Os remedios deste estabelectmento sao por" demais couhocidos e dispensan! por
! tanto de serem niamente reeonmiendados as pessoas que ijui/.erem nar de r; :n, di s
\d ""ip'sTr !!r ru t' vtrdadi'iros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, Rtubi i de
le poue ser protu- verdadeiro asquear de leite, notaveis pela sua boa COOservacSo, untura d. s imds acnai
ni aan?9iidad fei | lados eslabelecimentos europeos, a mais exacta o acurada praparaejo, e portarlo a mam
energa cericza em seus effeitos.
Casa de saudt pira escravos
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou azer-se-lbe qualquer
operario, p ra o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
O Iralameoto o melhor possivel, tanto na parte alimentar, coan namei!ica,_e
futiccionando a casa ha mais de quatro annos, ha mui as pejsoas de cujo concedo se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar sem
doentes.
Paga-se2 por dia durante CO dias e d'ahi em diante i>300.
As operacoes serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujetar aos prec/'S
razoaveis que costuma pedirr o anntinc ante.
>
J3M
dos orgos geni- |
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se- i
rao examinados na ordem de suas 1
entradas comegando o trabalho pe- 1
los doentes de olhos. g
Dar consultas todos os dias das g
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos, r
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
"-
~
OLYNIPIO
30-iia LEILAO
DE
"L." iva tbesouraria provincial se faz publico,
nnc a arremataca da obra da conclusao da casa
da cmara cadeia da villa do Bonito, fui trans-
fer para o da 20 de julho pro-timo vindouro.
Secretaria da thesoararia previncial de Pernam-
buco 98 de junho de 1863.-0 secretario.^
A. F. d'Annuneiacao.
_ A -uhdelegacia da Gapunga faz sciente que
no poior de Antonio Jos de Mattos Braga foram
appnliendilas 2o pe.jas de roupa, cwno bem ca-
misas, lences, toalhas, meias, fenco, etc., assim
orno um par de dragonas de offlc.alle ma capa
de oleado : quem se julgar com direito a ues ob-
jeetos provando. Iba serao entregues. Recife, JO
de j". ibo de 1965. Francisco Automo da Silva La-
vale:; :':.

PAQU3TKS A VAPOR.
Dos portos do sul e esperado
at o dia 14 do corrente um dos
vaporea da compauhia, o qual
depois da demora do cotume se-
guir para os portos do norte,
esdeja reeebem se passapeiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia d i sabida as 2 ho-
ras da larde : agencia ra da Cruz n. I, escripto-
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & G.
COtfPAtHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia 17 do corrente o vapor
Tocantins, commandante o pri-
"$*. meiro tenenle Pedro Hyppolito
Duarte, o qual depois da demora
do costume s-guir pora os partos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever r,wV r\
ser embarcada no dia de sua chegada, encom- I \< 11 \ i I
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as 51 ^,
2 horas : agencia ra da Cruz o. 1, escriptorio de De dividas e gado V^CCUIU
AniogioLuizde Oliveira Azevedo & C. Qq YaradODTO.
Demingos Ferreira de Souza tem contratado
vender a sua taberna do becco Largo n. I, ao Sr.
Autouio Gomes da Costa Leite : se alguem se jul-
gar com direito a empedir este negocio, compare-
ca na mesma taberna, no praso de tres dias.____
AlujJ5-se o sobrado da ra do Seve n... (tilia
I dos Batos por detraz da nova casa do Gymnasio)
com 6 salas, 11 quartos, quartos p*ra criados e es-
S%Tos^ trata!*!,: ^fda' clde'" R] ^^^ do"obrado"n. 38 da ra do Quemado
primeiro andar, ou na ra da Saudade, casa_n._l. l'OOOOOO
.Na ra do Queimado n. o precisa-se. alugar
urna preta para comprar e cozinhar. ____
"advgado Francisco de Paula Penna rau-
dou seu escriptorio para a sala da frente do pri-
Na ra do
A!.i"'it'i:'..
*- Precisa-se de 1:0008 a premio de 2 por cen-
to ao mez sobre hvpotheca de um casal de escra-
vos mogos, robustos e sem vicios, dando-se
No largo da Peuha n. 10, se
premio a quantia cima.
dir quem da' a
tras que queira ir para
da Kscada : a tratar na taberna do Campos no

Um terreno emPapacaca.
Um dito nos Aiflicos, urna casa em respaldo.
Dividas.
Martins levar novamente a leilao por ordem
dos credores do Rvd?d). Jos Antonio dos Santos -- -r--- ^"jo ROSario n. 47.
Lessa, um lerreno cercado em Papacaca, um dito u ,r^'pTMs
com ma casa em respaldo n os ulicos e divr- 0 Sr. Silvestre Crrela de Cirvaho deixon
sas dividas na importancia de 7:1365470 rs., em de ser caixeiro na botica da ma do lahug n. 11.
documentos e letras tudo portoncente a mesma- -__ ^ pajapj;, rja Torre precisa-se de um
maSSa- =abbado 8 do corrente. portuguez para feitor de campo.
Em seu escriptorio ra da Cadeia n. 9, as 11
horas
vicos do's mesmos por 32fl mensaes para destesse, o commeiidador da povoacao dos Montes, a
tirar os juros : quem quizer dirija-ee a ra da |qUft 5e refere o annuncio publicalo neste Dmrio,
jmperatriz n. 74, que se dir quem Taz o negocio., dC 5 0 correte, n^da deve a igreja em construc-
_ Prel-isa^d_m~p7fessor de primeiras le-!vo na mesma povtMcao. antespelo eontia.io as
iras 73S P encubo. n\ freguezia poucas obr^s_ queaM. exish-msaoju. mto
em Olinda
1P
"COMPANHIA PERXAMBUCANA
DE
Sabbado 8 do corrente as i 1 horas em ponto.
Cordeiro alniftes
a requerimento de D. Bita Mara dos Anjos Paula,
curadora do alienado seu marido o capitao
Um habilitado procurador tendo de ir a cidade
de Ganar, Brep, da g ** S'^ I sido, rogase a quem a rese'beu o favor de mandar
; Bonito para ah faze ^J?. "bran" 'ivr igual' entregar a ra da Cadeia n, 4 primeiro andar,
J^?^firlr!^n;j5^m-0.^Tn^7Jge visto que trazia documentos s de tetante inte
sua solicitude, com adiantamentos de dinheiros
cujo embolso nao poae ser feto pelo annunciante.
Carinunhola.
Km um dos vapores da compauhia de Liverpool
(jalga-se ser o Keppler) no mez de abril veio um
passageiro que seguindo para a Europa, enirecou
a bordo, a alguem desta cidade, urna cana ende-
ressada a Manoel Joaquim da Rocha, para aqui
ser entregue, ecomo al o presente o nao tenha
'negocio naquelles tugares, dando" fiadar do que
! encarregarem : a tratar na ra da Praia n. 37,
' isto at o dia 6 do corrente mez. ^^^^^
NavegaCaO COsteira por japor. curadc.ra do alienado seu marido o capitao Jos, Quem precisar de urna pessoa habilitada a
Parahvba NUal, Macao, Aracaty, Cear, Nunes de PauU o mandado do Illm. Sr. Dr. juiz 'ensinar primeiras letras, ltiro, francez e msica,
' Acarace Granja municipal e de orphaos do termo de Olinda, far dentr > ou fora desta cidade, dinja-se a ra do
No dia 7 do corrente as 5 ho-1 leilao de 11 vaccas, 4 garrotes e 2 quartaos para o Queimado n. 8, terceiro andar.________________
ras' da tarde seguir" para os por- servico do mesmo gado que existe desde o anuo ^t{& de Hor|as n ,6i segUndo andar, pre-
tos cima indicados o vapor Per- de 1861 mttm&^mw&uto no_no^ rrain, c.a_se de uma cria(Ja para 05 servico3 de urna se-
que
resse para seu dono, pelo que muito se agrade-
cer.
ftTTENCftO.
1. ti. ntfrai um
preto i'i.i-> l- .;;.!.i er ...-.: >, .-> ,n> paM
servia 1 le casa, e ntrinaria particular. _____
1TJas Fr.-ncisc BarraU, 1 1 -l : : nosuez.
vti a Ptirtuisal e iWta p-r 1- 1 r rraj
Srs. Mano'i ou.ii.t ftMrwne*. Guia & Car-
doso e J.s Correia Braga : suppoe ** ne-ta praca nem fra della. qof de o > ia-
dlvfdnal, qor da de BarroUe & Braga 1 l?i
liarle : se porin alyuem se jolgar aav
nnnrante, pode procura lo ua rus d > Am iria 1.
.'0, primeirn andar.__________________________
O abaixo a>siunad:>, actual mteftrm noi-
c^sda veneravel nrdem lerceira de N S. d OaT-
mo, convida a todos os irmaos Mtffsa *i awWMi
ordem para no domingo 9 de jull.o romp r-rereaa
no consistorio da mesma ordem, as 3 i> r.:s da tar-
de, alim de se tratar da fesu de sin pa4raen>
Francisco Jos de >livira Maja^naa.
Antonio Cela no da -ilv.i julga nula l^ver
nesta praca, mas se alguem se jalear sen rl >r.
aprsenle a C'inla uo praso do i-es da |
pago : na ra estreita do Rcrarto n. 43.
Sia ra do laiiup n. 3, secundo a.i.1..,". >ia
para se alogar uma eatravs.
Aluga-s' uma ama nara casa d^ p-"ir<-> f mi-
lla : 11a roa Direitt n: l*.
O estrungfiro > jli-ir >q m : .u .ifier
brasileira para* determinar toa cava, dWjan a
boceo da Lama n. 1. que achara rom p m traiar.
Garante-se a conducta da pess a, pala ja lem ser-
vido.
Quem penleu algum ilinii iw au da :h> Ja>
junho passado perto d> correio aalB attafa, qoei-
ra dirigir-se a nuda Cruz n. H, primeir < mttta
que dando o valor cerlo e taaipJBjHi a iafete, .j*
Ihe enlregara. __________,
sinunga, commandante Batis. Be-
|P cebe carta at o dia 6 ao meio
dia. Eneommendas, passageiros e dinheiro a frete
at o dia da sahida as 2 horas da tarde : escrip-
torio no Forte-do Matos n. 1.
termo de Santa Bita de Cachoeira, oulr ora Santa
Cruz do Rio Grande do Norte, assim como as di- ".'r'J
vidas activas do dito seu curatellado na importan-
cia de 2:8035803 rs.. cuja reluci est em poder
do referido agente a exame de quem pretender.
" MOLQl'E.
Precisa-se alugar um molequa
bug n. 2 B.
na ra do Ca-
Previne-se a irmandade da Senhora Sant'Anna,
erecta ua igreja da Madie de Dos, para que nao
faca negocio algum em particular com a renda dos
armazens ns. 7 e 7 B pertencentes mesma ir-
mandade. pois que ha quem queira entrar em con-
curso ao aluguel, e offerece mais vantagens para
a mesma.Um devoto.__________
Eduardo Adour vai a Europa,
Aluga-e um sitio na Ca ung \>ihi rom -asa*
para grande familia : quem pretmV r
mesmo sitio a tratar com a viuva do Sr. J jSo Evan-
gelista da Costa e Silva. ,
Apesoaque anuonciou lavar e engnumw
muito bem, e mais barato do q.ie em ofltra iaal-
quer parte, mandando "Macar a entregar a roapa,
de cu|J recebiraento dallador, pide diri^ic-se a
iua da Aurora n. 6* para contraur.
4
t
(
)
r.



>
Diarte te Permwibuco ... Quluta letra U e Juiho de 1805.
Engcnhe.
Arreeda-se oengenhoJassara de Sant'Anna, sito
na fregueaia de Ipjjuca, iegoa eimia distante da
slaco da Escada e Ipujuca, com trras de var-
zeas de massap para so sarrqjar em grande esca-
la : a tratar no pateo do LivrameBto n. 13 om o
Dr. Ignacio Nery da Fonseca.
Lttenco.
o
Pede-se a todas as autoridades pociaes e a
quaesquer particulares queiram descobrir onde se
acha notaislado o pardo Gabriel, escravo de Anto- ~
ni J Rufino Aranlia, da cidade da Parahiba, que de 6DT
l fugira embarcado no vapor Paran, quando es- 'r ~ ,rec,sa-se ""'' cora o ir. Jos de Souza
le em sua ultima viagem conduzira tropa para o J^-30 a a<*gC10 que nao igaora.: ua ra Novan.
sul. Esse escravo pardo claro, de estatura me- i '* Carneiro Viaooa.__________________
nos que regular, e bem proporcionado, tem cabel- i Condn i Rraziiun taak, saca por doos
los corridos e crespos, de 18 annos de idade, pou- s paqaetcs,sobre
co mais ou menos, com espiabas no rosto, e ofll-
ciiil de alfaiate. Consta que se offereoera para as-
sentar praca como voluntario : a quem o appre-
liender, ou delle der noticia exacta para sua ap-
pniheuso, dar-se-ba excel lente gratifieacao, na
ruado Queimadon. 5. 4 '
CASTTFOBf~
Aos 6:000^)00.
llllheteg garantida.
A'BOA BOGUESPO N. 23 E CASAS DO G8STUME.
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Goinbra.
Amarante.
7" Vende-se urna autula e urna jaoella em mui-
lo bom estado: ra das Aguas Verdes n. 91
Desejaraos saber se o Sr. r*. que virou de i>
: para o Forte do Mallos, ignora oue seu estabeleci-
Oabaixoassignadovendeu uos seus "muitfe'li-; !"tD!, e0Bfin,e',8le 8bert0 "a u'e e multas
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou ,1?,an,,TL"12drueaaa- nara fecolber nma grande
de extralur, a bonellcio do theatro de Sania 1-a- uaD/ladede monstruosas saccas sabidas de cer-
bel. os stguintc* premios i. fabrica, diz o europeo Vicente que vo cheias
GBANBf ARMKEIW DA EXPOSIQiO DE LONDRES
THQMAZ TEIXEIRA BASTOS
o0fiua da Cadeia do Becife-N. 60.
ment MVnriminr^fft^,,XHme5Ci0nados' [l)ran> comprados recntemele pelo dcno do estabele-1
tetor?Sl^uUa' ^l?- B'r,""lnam. Manr.hes.er, e em diversas cidadeslj
e uua rmertim h?ift ^? < as me horeS eondloes ^ a di"er^ por Isso vende todo **
^^^ZS^ffijg"' 6 mU' ""'W ** ^"ament ** I
S M^yer, Deletlrez (Parfumarie du **ua ^a vnzala Nva n. 4.
AGENCIA DA
Fuudlcao deliOW Moer.
..ompanbia fidelidade de
maritimos e terrestre
estabelecida no Rio de
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Luiz de OHveira Aievedo k>,C,
competentemente autorisados pela dirc-
tena da companhia de seguros Fidelid
de, tomam seguros do navios, mercado
ras e predios no seu oscriDtorio ra da
Cruz n. i.
m
iwla core*a
mpar denles a 240 e
engenho.
rn.1Zf1/a.r.!"?^ii^el'.,Wol,T&>-- f^" modernos de Gaviuii & C, para se locar na ra, ditos MoglOS de 0ro patente nff,ez
modernos e bonitos io.-trumenlos de pbysi- Arados americanos.
,e'' sSiSSd ;xf^r &asrzsr Sl^lPi^i^0^ a,o.
-d^^
i ous quartes n 18I com a sorte de L'ra quarto n. 2990 com a sorte de l;2GO00O. &SEhS?E?LSt i edw,e*
E outras muilas sortes de 1005, uii9-i>k I 'UD"ca f)ue dlz ^lar o J. A. emi
10*000.
Ospossuidores podein virrecebers
tivos preinjos sm os desconios das
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 4* parte
da (i' lotera (22') a beneficio da matriz
Z0^'*0^'^ ^^'S ^independencia n. 33, mja de our | uoce cn^ irZ^^^ 1"* ^1^ SUperOr 0,eo
PREGO ves-, r""l'ra-se ouro, praia, peoras preciosas e torios, ele; ricos adws uari rt^ 1L vi?. -^S.' ca,nas di ferro todos os tainanhos, lava! '"n;5^>l'nm a ap a'^-^ de molhados, sita na ?00 rs.
:tambemse faz qualqur obras de e.commenda e de t, hj^MCSSeSlUSLSm2,Mff,i" e iW^ PW iratesVchapos ,r?,di('rau?? ." 18 d5xo da firma social de | Ca.ias^com 2 frascos de ebeiros urnito fiaos a
OfflQ e llia (Hipr ciini-orin no, ..___f._ _> ..... i. i.uo, .i..n niii,i> para lazer Cali*. (Illas nar* halar i.mv; nn.,-in
Aluga-se
por 165 mensaes a casa da ra dos Prazeres n .
StSEtfLV1" : a ,fatr Da rua ^Irei- bascos grandes
Bilhetes.
75000
Pan
Meios......3,5300
Quartos...... l900
as pessoas que eoinprarem de 100^000
para cima.
Bilhetes.....ti5300
Meios......35730
Quartos.....1^700
Manocl Martins Fiuza.
odo e qualquer concert.
FUMrJtO
DO Y
Uua da filruiu umuero 38.
Neste estabclecimento acham-se a venda os e-
- Preciase de nina ama que saiba engommar guintes bbjectos, todos da primeira oualidade e
e coser para u.na casa estraogeira de pouca fami- construidos especlalmenie para eVla casanSiS
,.aj_a tratar ua raa do Trapiche n. 38.__________mais acredilados fabricantes inglezes:' P
OITereeem-se dous estrangeiros, sendo ura I Macl"as ?. vapor de 2 1|2 a 8 cavallos, com
pintor e oufo coziaheiro : quem precisar de seus nWeDd*s jootas e sem ellas; e tambera proprias
serviles dirija-se ao becco da Uogoata n. 12. .'ara descaroc-amento de algodao, afamadas pela
~ ----------------------------- fortidao, simpliridade e economa em combustivel
Semana [Mostrada do Rio de Janeiro ; e por nao precisar de obra qualquer para seu a<=-
Assigna-se na rua do Crespo n. 4: tres mezes fntaniento.
i Rodas d'agua du ferro, systema inui proveitoso
j da furca d agua.
Rodas de espora, e angulares, e de esquadnllia
liara animaes.
Mocndas e meia-moondas.
Taixas de ferro balido e fundido, e de cobre.
Machinas para descaroear algodao, systema
i lat, ceiri os ltimos melhoramentos.
Boceas e crivos de patente para fornalhas, dimi-
uuindo muito o gasto do combustivel.
Machinas e macninismos para moer mandioca,
| movidas a vapor, agua oa cavallo.
Fornos e chapas de ferro batido para cost fa-
milia.
ta do Rosario u. 28.
Rival sem segundo
g Roa do Queimado ns. 49 r 53, l.ja de
miudezas de Ires portas, est iiei-
niaodo todo boro e barat, qof ni-
/-'i- yer e admirar veioan W\* 4%
Bigodiolio.
C*?mUi'i":> ami"de'e sea e,,a '* pm*
GSLdeaaide,0Ua pratead0$ ^^
PerlsSdpe,rl"',!na ^ ^ fa,eDda W
40 rs Ca dC la lisas e W*
Escovas finissimas para li
J2V rs.
Saft"^3^,,ara SfDnoras a "
CaadesCa'V01'eleS f"Cele<' >**<* *"
J2r0AdeV-r' C'"n su'M'rior "",a H r^-
Ors para *cs,id'-' h-l *
Ba240h^ mU' "D03 para ToUareto
Frascos com agna e Florida alie IJStt).
f- rseos com supenofes banlus a 500 rs. e 2
240SsCm ban,U' Prm ',e''ueD0* a aW)e
Latas com superior nanita a 200 r.
Frascos de macaca perula n.uito Bou a 200 rs.
h rseos e garranlus com agua de Uiw.a a
rs.
com superior agua de Colonia a
640 rs.
para quem faz pao-de-l, bolinhos, etc.; tollos cortinado
pannos para cobrir mesas '
malas, ele.; sortimenlo
de cliarao para toilette ;
tirar retratos.
para fazer caf, ditas para bater ovos,' n^opras T* & C;* sucessore
pede por favor
da
loma tonhos m lanZ toU^?^!?.."ISI'S.fS.'.'?! l'. P'oprui |ra quon

Dglezes em latas, graxa in-
ete., u moitos oulros artigos

63, seis mezes 11^, uin anuo I8J
If
DINHfiffiO FRANCEZ.
lmil !S!?&&RV rt'aW "em ^,n Uma *"* d"sde ,,m """"i '
____________. e "" "dr,it0 nu wl'i ma ua Cadeia n. 60, no armazem ua Expolcao de Londres. I

^CONTRA FOGO.
A Comjumhia Indemnisadora
QS
O
O
"id

firma Lima & Gunha,' 15*00.
Sabonetes pe.)uenos de bolla a 340 rs. e grandes a
Sabooetoa de familia a I2d e 200 r
--------.......... ....... >,.. "u'-ia de latonefet pegenos rom riiciro 7 yueunado n. 9, quina da rua Luga do Ro-ario, -Agua deulifiee superior qualidade a 00 r*
para se tomar a devida nota, Lsto no praso de Ires Calws com }.0,,er|0r (l0 de arroi a ^^ ff '
das, lindo o qnal o annuneianto nao se respon.-a- i Frascos de superiores essencias aaniai -mur.-i ,
bilisara por qnalquer.leho das duas firmas sociaes1 500. **nu' e 0Utr5 *
cima declaradas. Itecife, 4 de junho de 1803. | Frascos com essencias para tirar oodoas de rooLa
240 e 320 *"*"" e ^^ ospre5s a ,6. *.
>s com cheiros fios a 500 rs.
! 4800 me'aS 'nU,l Das Para "I"
Gollinhas muito finas para senhora a 200 rs
.Ga.?as_com soldados de cl.un.bo para n.enm a
Uma senhora habilitada pela directora geral! Bra^.
da instraccao publica para ensinar primeiras le Si,,'
tras offerece seu prestimo para leccionar : na rua ftS-ffL
, de Horlas n. 102. f.' ""^^ bonitos
160 rs.
[Julias de colheres de m->tal para
unas dita dito para sopa, faiendi
\ aras de cordo. branco para e-i
novas, cKStceiemnK^' KfiL" de Se?
estabelecida nesta praf.i, torna segaros martimos
sobre navios eseus carregamentos-e contra fogo em
edificios, mercadorias o molias: no sen escripto-
rio, rua do Vigario n. 4, pavimento terreo. .
Precisase de uma cscrava para todo~sr-
vi.-,i de uma casa de familia : quena livor annun-
ci, ou dirija se a rua de Sania Rita n. 1.
wmmmm m.mn
O Dr. Carolino Fraucisco de Lima S
Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes, fros e porlalils.
Prensas para copiar cartas.
Rodas para carro de eiigeiiho com eixof e man-
gas de patenta
Formas de ferro balido galvanizado para purgar.
Serras de ac e armacoes de serrara.
Arados de ferro singelos e obrad js, grades para
^ j cubrir canna, enxadas a cavallo, e outros instru-
mritos de agricultura.
meno< de seu valor h,.m"p,','m, XV7o '"*,'-" T l,r,'se1l,le-S e mu.tos outros artigos que se vende por
deffidr^na^'dcaffdf^^ arin"e' da *-!*
POMPEAS.
Gompra-se effectivamente ouro e prata em
oDras velnas, pagando-se'bem : na rua larga do
Rosario n. 24, foja de ourives.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effecivamente escravos de ambos os sexos :
rua do imperador n. 79, terceiro- andar.
Ouro c orata
em obras velhas : corapra-se na praca da lude- r--i* ll.'panuas ,arsi 3 5P" *
pendencia n. 22, loja de bilhete= Bunecos^le choro e panno a 160 rs.
,. _.-----.. Lautas-cftm bouil:'.se.-lani(ias oarar.n- a 'iki .
Gompra-se ouro, prata e pedras preciosas, Capacho!1 compridos, boa fazenda a 3 r*
rua da Cadeia do Reeife, Crosas de Imkej pcqaeaei
i 100 rs.
ra rh a 800 r,\
da bea a l60<).
l>pas Para espari.lbo a H r~.
l*Z d6oo'a?sPara debrUm d" ^ -m
D'r L'C0S superiore5' Para acabar a 600 a
Pedras de lousa para meni.r.s a 160 rs.
Para senhoras.
^SSS?^.^
mexicanos : na praca

> tos continua a murar na rua du
Inqiera-
s sen
logo ao
'. |
A luyase
l dor n. 17, segundo andar, leudo T M nm sitio na campia da'casa Forte, com d
i^ gabinelfe de eonsullas inedieas
entrar, no prnneiro.
- < 0 mesinj doulor, que se tem dado ao 8
estado lamo das operares cmodas mo-
lestias in .!rnas, prestse a ooalqucr cha B
- 11, lo, qjur para dentro quer para fra SR
mo
dre
Luvas novas de Jouvin.
parShoTnHS Pel"a rece?":",eDl legadas de Pars, tanto para I.
!5 rua'da'c'adeia'doReciffn. \T' ^ Se ""Udar ; graDde arraazera da M-
em obras velhas
loja de ourives no arco da Conceicao.
Compram-se libras esterlinas a 95600, na
praca da Independencia n. 22.
! Compram-se patacoe
da Independeucia n. 22.
ele- Conpram se douTconsolos de mogno com
armazem da Ex- pedra marmore branca, assim como um toilet tara-
. bem de mogno com espelho e pedra marmore bran-
ca, ludo de gosto moderno (Luiz XV) e em perfei-
to estado : a fallar ua rua do Crespo n. I, fabrica
i de chapeos de sol.
preLis para calca a
TuJas
i slas fazeodas para Hadar, i- mt
esta em perito etiado, islo garante o m
labcleciii.eiilo\
I'i dO eS
mais
Batatas.
Venuem-se expelientes batatas
eco de 500 rs. o gigo : mi arman
preco
vedo defronle da escadinha da alfand
',*< diminuta
m do Sr. Aze-
omem co-
Compram-se libras esterlinas : na rna do
m
cachare!
Francisco A aguato da Cosa
ADVeOADO
Rua do imperador numero 69.
^
sas, uma a em que mur,.u o fallecido Thomaz de
Aquiau Fonseca Jnior, feila a moderna,econten-
ido tolas as i ce mmodaedes precisas, p outra com
bo.is comm roa do Vigariu n. 19, primeiro odar.
msfi i mm i iii
^ Aitiua se precisa de uma ama para coii-
frj i.har e engommar para tres pessoas : na
/& rua das Urnaes n. 37, sendo pessoa mor- i
^ gerada e que ?e possa entregar urna easa.
....... .,
Alug .i i se doos grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com-jardim, c cheira, estribara e outras commo-
didades, na travessa de Joao Fernandos Vieira :
a tratar na roa da Scnzala Nova n. 44
Acha se justa a taberna da rua dos Pescado-
res n. 43, cora o proprietario da raesma, livro de
qualquer transaecao, c quem tiver alguina recia-
magao a fazer v a travessa de S. Jos n. 22, no
praso de tros lia?, contados desta data. Reeife 3
de julbo de 1865.
mmm
imi
Precisa-sei saber quem o correspondente do
engeiiho Qaillnduba, para entregar uma carta ua
hvraria ns. c 8 da praea da Independencia.
Attencio, fregueze*.
D IfSZS? p,reira Mendes Guimares, rom loja
Mtao de Lon- Crespo n ,G; pr[[DeJro ^^ rua e armazein da Anr Da ra da lmp,ralril -A
-------7'ZZ^~'---------------------------------------------' eala wdo uma nova liiiuidacao dn tu^a ^. fj
tenia u?lPrnSe 2 Um& ^^ lhcmd' ('ue I Zendas 9Ue SP ?eBde """," ra *,*V*r
tenha todo os pertences para a mesma : a tratar ""' -------
na travessa de S. Jos n. 22, ou na rua de Aguas-
Verdesn 15.
Phi m/BLu
DE
J. VIGNES.
.\'. 5. RUA DO l.HPi:itlDOR M,
(.obre, lallt ecbiralio.
Compra-se cobre, lati e chumbo : no armazem
da-bola amarella, no oiiao da secretaria de po-
lica. H
55'.
sua -^^daSavan^gara
- D&de o da G do ju.il.o prximo fin- veis que ell* ^eaS'^S^&^T
du aasentou-se de um u
Sr,
achara a
aos compradores, qualidades estas iuconttsia-
tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
os em todas as exposi'cOe's.
Compra-se uma carroga para cavallo, nova
ou usada : na rua da Cruz n. 66.
Compra-se um burro manso para carroca :
na rua da Cruz o. 66. v '
Comprase uma porta j servida, que timba
b palmos de largura e 12 de comprimento : a fal-
lar na rua Direita n. U.
CHITAS A 200 R. o CVADO.
V endem-se cimas com wu\u< bom |.ann<> e lendo
cores nxas pelo baraiaiaM prea de 2uo r*.aa-
vado : so Lourenco IV-reira Mendes liuimar.-s
ASBBKT.VUIASIIEHOLO.
Tffle-o breiaulu de r.,1,. muit.. I, a fazenda
pe o diminuto preco de 35000 cada pera rom 10
\arai*. *
LAZIXHAS CIXEZAS.
> endem-se as mais modernas laiiulias chin-zas
pelo barato preja de 280 rs o covado. bu4Sa
... -------' """ rovaiii, ta/.-n la >
que sempre se vendeu a 100 rs. h,.je nM M v
deudo a 280 rs de todos os ,dr.-s
cures : so Mendes Guimares
la
n-
as
| do Sun. Sr, bario do Liv. amento, onde se ,T"
achava a ?erviC_0> lia mais de 2 annos, o es- ^'^S^Ki
cravo Panialeao, de propriedade do de- rmm+co&STSEZ
9BB99SSSSBEl95SSSSMB?aMHaMM*ina
fllBS.
Sociedad Bella-Harinoiiia
A reoniSo familiar que eslava marcada para o
dia I- do corrento, nao leve lugar em consequen- iafurma
c:: do mo lempohavido nesse "
liomem prelo, jjue esteve, duianie todo es-
te dia, exposto em frente da igreja da .Ma-
dre de Dos, espalliando-se logo a noticia
de que esse cada ver era do referido escravo
Pantaleao, o que logo W dismeniido pela
-.lia, efoidoigna- '[^^f^ada pelo subdelega-lodo bairro
do novamente o dia 8 do correte (sabbado). Os f|i" asisti a vestona, que se
c irtS is de c nviie -a i os mesmos. i ioz e declarou ser o cadver de um nesca-
Secret;,na da soeiedade Uella-Harmonia 3 de ju-: dor, morador em Fura de Portas Pira
J. Ribero da Fonseca ^ JP^ C""1 m f6 e IDtenC5o e'rimino-
i- secretario. is''' ,1U0 se aproveite desta circunstancia,
reconliecidamente falsa, afim de mais facil-
mente lograr seu intento, faz-se o presente
aonnncio, protestando-se cunira semelbaoie
noticia em vista das minuciosas indagaco-s
- O'Terece-se uma mulher para ama (e!a que se procedeu. E, como ha toda pro-
arlado sortimenlo de msicas dos
harmnico*, sendo tudo vendido por
0 castello de Grasville.
Traduzido do francei por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em .juati
lomos pelo baratissimo preco de 2J50C
praca da Independencia, livraria ns.
esiamjiadi'- | ,
ua
G e8.
A ttencu
O hilel italiano precisa de ura cozinheiro, copei-
ro e urna ama : ut na do Trapiche n. o.
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 4859
ma fianca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
mmistracao da coinnanhia.
Fumo da Buhk para f
B cliarutos.
5*S \ende-se fumo superior de todas
qualidade
retalho e por atacado, e
:-,-.r
as '**
por preces cnimodos, no Reeife, rua da
m Cacimba n. 1.

mmm
"': ox.&.
babilidade de achar-se dito escravo acolitado
por algom especulador, roga-se a todas as'
itnoridades pociaes c aos capitaes de
campo que apprcbendam o mencionado es-1 Nella pode se tazer a sub
cid\o (que no da 8 ou 9 d'aquelie mesmo i gurado se perca o capital nem
Sao t
cas i de hornera solteiro ou de pouca familia,
a qnai lava e engomma : a trotar na rua Au-
gusta n. li.
l'ciguafa-se.
Ao lllm. Sr. D \ iuiz de cap lias se sabe o moti- i mezfoi encontrado em Apipucs onde e
v i por |oe a irmani. le do S.i.tissinjo Sacramento r talvez foira ament acontado) e 0 entre-
dj Rpcde, anda nao fez a eleicao da nova mesa, --_, -," r i ,ul"''^ c u uitrt-
vistoodia marcado pelo comprouisso ja se icr gl,e a^.sCU reenrJo senil'.;-, na rua da Au-
passdol (cada ura f.u- o que quizar, ou temos rora n. OU, que gratificar' generosamente,
i-) protestando igualmente usar dos mios -
_____________________OCampelio. diciaes contra o acoulador do dito escravo,
Precisa-se o uma ama para casa de pouca | tendo este s segiiinles Slgeaes : estatura
familia : na travessa das Qiarteis sobrado n. 3i, puuco m. nos que regular, clieio do c..roo
idade de :\ anuos,
HANQUEIROS DA ^COMPANHIA
O xSauco de Hcspauha
Esta
sobre a
companhia.
DIRECCO GERAL
-Wadrid : Rua do Pradon.IS
Rua da ladre de Dos n. 9
Vende-se miIho a 4*500 o sacco, muito novo, e
farelo a 45;00.
CHITAS FBaXGEZAS.
vi""S"?C '""''f fr"*-"'W" e claras a
loja de Mendes Gniraarie*
GRANDE l'lXl.XCHA DE CUALES DE
_ MERINO-.
\ endem-se rhales >i merm
baraiu preco de cada um.
CAMISAS FRANCEZAS.
*p, ditas de linhoa 2oO0cada urna : so Men-
des Cumanos.
-MADAPOLAO E.VFESTAD.
venden madapolio con, IX jardas a 35O0, IA
' CAMISAS PARA SEXIb.A.
\ endem-se as mais muderaas nonuatas enei-
ladas para senhora a W, W300 v 5*0 ii.
GRANDE SUI1TI.MENTO vE CAMB.UIAS
RUANCAS.
**3005*> 5#0 e 0, e muit., toa a 7otu cuLa
' CORTES DE CAMBUJA MaUCAGOl
_ J SALPICO.
Wnden.se corles de earobfaia de hMch mui-
to m.ud.nlios a cada corte tem 10var;s, Lio bara-
tissimo preeo de $& '' '
COBERTORES ESCARLATB.
Vendem-se cobertores de esc. .lates a ML di-
h do alcodao a 1?.jO0, ditos escuna a liaj cada
<\<
^St^Sm^Sg^
-ta.-mpanhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de superviencia dos seguh
familia
vende.
na rua dos Pues
para uma casa de
n. 34 se dir quem
PEU1INCA DE ENTREMEIOS.
i-se bonitos eotremekM a M) r.-.
bscripcaodemaneira queem nenhum ea=r. m^irnw. r,,.i ..7 e,,Ut-seJu'; vcca lourina aclimata Ja no
os jurocorrespondentei a esTef D('n '"' BirU 0'\ pa, na_rua dus *f 'V 34 se dir quem vende.
Sao tao suprcliendentes os resultados que produzem as'soci
L,-quea,nda mesmo dimlnu.ndo uma terca narl d?interesse
i e:,)-,m:uaud h> wm .n inalcUd^la la fiel la de i?*
para^seuacalentse liqaidaces, eaisTgura
de (OO produz em effectivo metlico:
DAL
coes
, 1 *, babados a 1,5 rAa u.na pee* : M Ar^ra, n
.: da Imperatnz u. 50 de Mende g tautim.
a pe^a,
a
rua
pondentes a estes.
dades da ndole de -A NACI : nr,7TmN,a rua e, S- '"'"ancsco juuto ao porto da [ Vendm-M nJi^f }^f-,
.. producido cm recentes iiquidal "" "ce.r,, tem para vender banquetas de cas vado e d.To a ?l- ,''" "Slr'S a *** Cl>-
'! .'/;'.,;,,la 'le, Oepareieox que e adoptada pela companh- "faes "" '"a'J"ra-______________________ \ e dUo> a ,.
"ios de .dade de 3 ai9 annos, uma imporsico annua. ^ Vende;fe a armacao da fbnca de cbarut.s | Vendem-se roopaiES !
No fim de S annos.
eude-se a armacao da fabrica
da rua estreita du Rusa'ri
quer negocio : a
-. ------------ -~ ....... Uiva :------------w ...upo., iciwh Ult lilil? a< '.il'
i Rosario n. 4o, propria para qua- raleas de panga a l-D-^OO, 15600, I980O ,: i,-
trattr na mesma.___________ a o ditas de brira ,.ardo a 23 e tgto, dw* I,
* 3< i::\\i !...;,'-,
MM
linas
de
an'igameute rua de S. Bom Jess das Crioula?.
Aeha-se aborta desde o 1 Jo correte a ma-
tricula deinstrueco primaria da terceira cadeira
publica da fregnpzia de S. Jjs desta cidade. Os
con."orren:es (rljara-sea rua dos Pescadores casa
u.'.t.
Joao dailva Ramos, medico pea Uni-
versidade de Coimbra. d consultas em
ii sua casa das 9 s 11 horas a manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em. sims casas regularmente as horas
l$ Para isso designadas, salvo os casos ur-
-.- gentes, que sero soccorridos em qual-
i quer occasio. Da consultas aos pobres
;ue o procurareju no hospital Pedro l,
aondo encontrado diariamente das C
s 8 horas da manhaa.
TV.m sua casa de saade regularmente
montada para receLer qualquer doente,
jinda mesmo os alienados, para o que
tem comraodss apropriados e nella pra-
{?& rica -jualqucr operaeao cirurgica.
Para a casa Je sa e.
Primeira classe Ui'.'OOdiarios.
Segunda din..... 2{i00
Terceira dita.... i$M) >
E.le estibclecimeuto ji. Aem acredi-
tado pelos b.nns servicos qiie tem pres-
tado.
O proprietari? espera que elie conti-
nu a merecer fcconOanca e qoa sera-
pre lem gozado.
cor preta-cabra, caliega
um pouco redonda e pequea, ollios um
tanto pegenos, esfumacados e vermelhos
beigos regulares, p, largos e apalhela 08,
10 tem o andar indinado para traz e cam-
baleante. Convm declarar-se que dito es-
cravo quando ausenlou-se f'oi vestido de cal-
ca e camisa brancas de algodo grosso da
aLia, teaflo do lade direito da primeira o
aoesqoerdo da segunda as iniciaesB. L.
de tinta bem preta e tao segura que ser
quasi impossivel desvanecer-se por mais
, que se lave,
A tlen^ao.
ftoMco.
Lina pessoa competentemente habilitada pro-
1 poe-se a ensinar primeiras letras, lingua nacional,
msica e piano, fora de.-ta 'idade, preferiudo-se'
para fura desla provincia : na rna do Imperador
. n. 8, cariorio do tabeilio Porto Carreiro, se dir
quem .
* tuguel'
Aiuga-se a rasa da travessa da Comba n. 10 : a
tratar na rna do Sebo n. 21.
O abaixo as-ignado declara ao respeitavel publi-
co que desde o dia 30 de abril prximo passado,
que d.ssolveu amigavelmente a sociedade que ti-
nba em uma loja de charutos, sita na rua da Ca-
deia do Reeife n. 9, sob a lirma de Silva & Guima
raes, Arando o activo e passivo a cargo do socio
Ignacio Gomes da -ilva, e conslando-ll.e que seu
ex-socio anda comprando em nome da mesma lir-
ma, por isso que faz este aviso para que depois '
ninguem se chame a ignorancia.
Reeife, 4 de julbo de 1863.
Jos Al ves Machado Guimares.
-..-, ..Ma a ua imperatnz n.is.esialel I coz. na, lava e engomma peritamente : ua de brim pardi a"on !Z? "T^ Ja'il",' "i
....___ ir yra -'-,|uem Vd" ; sr w?iS- fcSKJft?* u h:i
-------------------I *e'le s<- urna vacca tourina i aco-lumada Ilrz ofi> '"Ja <** Arara v
ETR.4TSTAS
Firuiino & Lius
! Vende se um escravo moco, minio proprlo
para servico do campo : a tratar ua rua rio atoo-
dego, olaria u. 13.
retrn-
oclieira.
Alugase a grandeMcheira da rna da Roda n.
a tratar na rua larga do Rosario n. 34,
oH a 00
botica.
Oaetn precisar de ropa engoraraada e lava-
da muito he.-.i, mandando buscar e entregando em
,sua casa, mais barato di. que em o:ura qualquer
Precisa se de uma ama que eogommf, co/i-l par,e' nrto "ador da rolll'a 'llle recebe: quem
nhe e compre, para uma so pessoa : na rna da I " , Cruz n. 12, primeiro andar.
Ama de eilc.
Precisase de um .".aa sadia e cora tea erte -
na rua Imperl,. sotralp fl, 7.
Ir- S Kvo estabclecimciilo de 1
an-
dar, jnnto ao Sr. Gauticr,
m dentista.
Tiram retratos todos os das, das 7 horas
?* da manhaa as 5 da tarde, quer chova ou
t nao.
Tambera so offerecem para tirar retra-
tos de pessoas fallecidas, dentro oa fra
l$ ua cidade.
Fi'onh.is e leamos
docS?iri^n,l!l'yi'Jn,!,',:veQde-se na r
farelo de U-boa em saccas e barricas, e sarros
; com superior far.nha de mandioca, raai> barato do
queem ouiraqualquer parto
ua rua do Vigario
Precis;.-se deum m.ileque de 12 a ljfeaos
para o servico de uma casa de duas pessoas, mi d
uma ,:nia escrava 011 forra para o servigo da mes-
ma, ioc.iive comprar: na jJejaJe, rua da Coa-
quitta n. 8.
Saceos
Na rua do Queimvi. loja Esperanea n. 33 a
vendem-se saceos de estopa a 300 recada um. '
Yeade-se uma balacea grandTcom
pertences: na rua da Praia u. 32.
Ateii$o.
Vende-se uma offl.ina de barbeiro com todos os
uiencihos perleneentes a mesma, na rua do Rau-
W -le nenhum lr.taitaV.wSTa f offlcir { J S^^XXBtaKUr "'!:
^, pes Ribeiro na supracitada rua e casa, declaran-
- \ endem-se palmeiras impenaes, em 2m
de serem iransidaniadas: no sitio morado ,"
ffict d WCJ Es'"nl,eir. "os ,'.f-
j Os annunciantes desejando acreditar o *
R seu e.-tabelecimento, garanten)" ao publro
Farinba de morbeca li. a e alva, mais
t dos os i barata (Jue se vende no mercado, em sac-
I________eos : na rua do Vigarion. 20.
Ferinas de cma
Vendem-se na rua da Cadeia n. 27, armazem de
Prenle \1ann3 4 C. "
Vende-se uma taberna bem afregnezadaMra
anr^anPfi*tar. m.uil "*. na rua da Con-
cord.a n. 62 : a tratar na mesma, ou no pateo da
Sania Cruz n. 84.
Cozinhelre.
Precisa-se ue ura cozinheiro bom
Cadwa n. 37.
na rua da
; do-se ao mesmo tempo que depois do i
prazo a dua viuva nao se resp3nsabllsa a
Baixo de liarmonia
Xa rea do Queimado n. i2. loja vend,
entre-. excellen.e baixo de harmona em'opSj e
'e por commodo prego. -ao,
i*, loja, vende se om
L


'
Diarlo de pernambuco quinta eir G Je ulo de !&*.
MOLssTiA ou iofecco pecu- Qyane liquidadlo a dinheiro.
lial conhecida pelo nome de Es-
crfula um dos males mais
prevalecentes e universaes que
ha era toda a extensa lista das
enfermidades de que soUre o
genero humano : disse um celo-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parte i
Xa loja eUQiazeiu do Pavo.
Ilaa da luiperatrlz n. GO de ta-
ma t& silva.
Os dones desteestabeleclmcnto letn resolvido li-
quida- uas fazendas por preces baratissiroos, s
corda flm de apurar dinheiro, o prcvinem as pes-
soas.que negociam em pequea escala com fazen
das, que nesla loja e armazem encontraro um
liraciito por precos que tnuilo Ihes hao
tOdOS aquelles que morrem afltes ^"aj^ianio ein pera' como 'a retalho, a sa-
da velhice silo victimas, oudii- ber
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si nao lio des-
Cintas largas a 200 rs.
Vendcm-se chitas francezas, listradas muito lar-
gas, padrSes escuros, pelo barato prego de 00 rs.
a
Uva, porm a principal causa Je mullas 0 covado, teudo muilo bom panno ; ditas escuras
outras enerraidades que nao II sao geral- C^J^Z^^JSSTJA
mente attriDUlas. 'e claras a 240rs.afflaneando-se que esta fazenda
E'uma causa directa da pnl/iystca pui- na0 lem o mais pe.)iicno toque de mofo, nem outro
monar, das molestias do /igado, do estoma- qua|qUer deleito, Isios o Pavo, na ra da Iln-
go e affeccoes do cerebro Entre os seus peratrii n. GO de Gama & Silva
famerLs symptom* ac>am-s % eiSt"JS^---l
tes zfalta de appettte ; o seminante p# pr0[inus para sennora:i send dos mas modernos
lido e s vezes inchado, s vezes ae uma e bem rLl(os qUe lem v11(j0 ao mercado, tendo de
alvura transparente e outras corado e a- iodos os tamaitos e de diversos precostrazendo to-
marellemo ao redor da >bcca ;Jr9 ttifX^fSm^mu^
molleza nos msculos: dtsgestao taca e &'Silva
appetite irregular, falla de energa, ventre Cawhraias brancas.
inchado e evacuaro irregular ; quanuo o Vende-seum bonitosortimento de pegas de cam-
mal lem seu assento sobre OS pulmes, uma braia brancas lizas, tendo tapadas e transparente-
Tasso Irmuos
Vendeni no *eu armazem ra do
Amos im n. 3o,
Licor lino Corceo em botijas e meias botijas.
Licores linos sortides em garrafas com rolbas de
vdro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
San ternes.
Chamberlin.
Hermltage.
Borgonbe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
liordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniul.________________________
traude armazem 5e tintas.
RA DO IMPEllAlOli N. .
O armazem de tintas um grande deposito ce
productos chimicos utensise os mais entregados
e usados napliarmacia,pintura, pholo^raphia. tin-
turara, py rotechiniatfogos de artificio) c cm outras
industrias. ..
Montado er grande escala, e suppnndo-se di-
rectamente as principaesdroganasde Pars, Lon-
dres, Harnburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer
productos de plenaconlianca e satisfazer qualquer
encomrnenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
r pedido de tintas moidas todos Q& geus esforcS pra uem as servir
t
hato 4 cmmerci
^ Rua do ftan#el e. 73.
<
DE
a lingua carregada, dures de cabera, ton-
tearas etc.
as pessoas de disposiro escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupcOes na pelle
da ealieca e outras partes do corpo, sao pre-
disposlas s affeccoes dos pulmes, do ga-
do, dos rins e dos orgaos digestivos e ute-
rinos. Portante Dio somonte, aquellos
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
teceo contra os seus estragos; todos as
ouelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este lerrivel flagello (e s vezes heri-
ditario) estro expostos tambera a soffrer das
enfermidades que elle causa, que sao:
A phlhysica, ulcera roes do (gado, do es-
tomago e dos rins : erupres e enfermida-
des eruptivas da culis ; rosa ou erysipela ;
barbullas, pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbunculos, ulceras e chagas, rheu-
matismo. dores nos ossos, as costas e na
.Adiuirem
Admirem
Admirein Bem!!
As pechinchas que estao venda na loja e ama-
zem do 1'avSo, na rua da Imperaniz n. 0 de (ja-
ma t.\- Silva, onde se veudem todas as fazeudas, ;Coin fundo ja
tanto de luxo como de primeira necessidade por
precos rcuito rasoaveis, e com especialidade as se-
pumies, dando-se amostras deixando licar pi-nhor
ou mandao-se levar em casa das familias pelos
caixeiros da mesma loja.
t apas arelas c soulembarques,
Vendeni-se as mais modernas capas pretas lisas
e bordadas, os mals bonitos soatembarqucs pretos e
manteletes, ludo de seda pela e o que ha de mais
gosto no mercado, por precos muito em conta :
na loja do Pavao, rua da Imperad iz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Lazinlia's a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Lazitibas a 300 rs.
Vende-se um bonito soriimento de laazinhas pro-
prias p?ra vestidos e soutem arques por serem li-
sas e de quadnnhos pilo barato prego de 300 rs. o
covado, sendo rateada que sempre se venden a
500 rs. o covado, e vende-se a dinheiro a vista pe-
lo LaratiSimo preco de 300 rs. o covado : na loja
60 de Gama &
com promplldao qualqu..
a oleo,cuja qualidadee pureza de setis ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e (|ue se enconlram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collecgao de vidros de diferentes
formatos, desde uma oilava at dezeseis ongas de
capacidade ; de vidros para vidraeas e diamantes
para corta-Ios; depinceispara fingir madeiracom
propriedade e outros; de papis donrados e pla-
teados e folhas de gelatina para ornamento: de
papel grande e pequeno formato de varias cores
para einbrulho, para forro de casa, para desenho
feito;de papel albuminadoe Brisioi,
O propritftrio deste t.-i .-l : i ; : .. -
ra di' avisar aos .-tu- ivgattrl i|j .'
; de reduegao uos prtgosdc mi;. m w -
I ra qualidade : manteiga ingleza 15 c i .
' lit.-ra da ultima chegada M no-- > ta rr*A, Uta
I fraoceza a 900 rs. e em barril M faz ..
' qoeijos flann ngos novos a 230t', dito pi
j se iMvle desejar ein b^ndade a ^fi rs. ;.
ameiau francezas raixinbas al '
; l800, frascos de ditas liO0,gratHJ .- > *
i para mimos, marmnada das mi Uwres macal *
640 rs. a libra, amendoas fon(eii..Ja- para t. -
de i, Joio a 6 r-., vinlii fio P^i I
a garrafat Fipueira e Lisboa 100,440
aa caoada >.- f'i n abatiincBio, i wti
fpr. -J i rrobas i 3 -. i
AZEIESM) FLORES r^2i,,,, ,^,t^y..
Rua da Cadeia do Hteifr. ^squin, da X*m 4e Deas, \*;?;! fa ::.;':,
Exceltentissimas senlioras o Balo parteeipa a Vv. Exc. qae reduzio os precos de ; i. .....?, ait-i.-ta 33 0
todas as suas fazendas, e pede a Vv. Excs. que rio o esquecam, pois o Balo empenba r, >.- i
e alm de tudu isto minlms senlioras, 6 tttn '
objecto indispensavel s" senhoras amantes do progresso. I roba, I lltins ingifics lata de i
Agora minhas senhoras pe?o que lancem suas vistas em luda a mml.a circomsfe-ditos de soda S000 >
rencia e verSo que encontram muilos ohjeclos que necessitam e por precos que con vi-1 ros que torna ufad ti. m ,..-. r.
, _., tari e- era a ronru eiitla lore.j
dam a comprar, como sejam. gaantiodo a exaeiida. do ae itat
Os ricos balesde 40 ateos, com uma roda que admira. a 2.5 s -
Idem com menos arcos a 2^500 e 3$. g. 0s. yya| ?2b
dem para meninas de 2 annos at i abonos. -S5
Cambraia finissima que era de 9^ a 7$.
dem das de 6 por 5#.
i 640 e ;.;, ; III: .' ..;..
' roba, i uihi'S li g lal d -'
Illa
cabera, debilidades femininas, lores bran-
cas causada pela ulceraco interior, e en-
fermidades uterinas, hydropesia, indigs-
telo, enfraquecimento e debilidade geral.
Aos pulmes a escrfula produz lubercu-'do Pavao rua da [oaperatriz n.
los e tinalmente consttmpco pulmonar:- Oplorina 4A600
as glanulas ella produz nchacoes e tornara- YtaimM as ,^js ^ oa nmeim
se ulceras: nos orgaos aigesuvos_ causa de cambraia bordadas propris para hombros de
desarranjos que produzern indigeslo, dis- senhora pelo baratissimo preco-de 'iOO: na rua
nensia, molestias do ligado e nos rins: talmperatrim. CO, loja de Gama & Silva.
na pelle produz erupcoes e affeccoes cuta- rgaudy a 240 rs. 0 covado.
ne;is. na loja do Pavo.
To los estes males tendo a mesma ori-! Vendem-se as mais bonitas eassas organdys, pa-
gem, carecem do mesmo remedio: asa- d^m.udoseg
be" : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrilita le Ayer
composta dos antdotos mais efficazes que
a sciencia medica lem podido descobrir,
para esta m.leslia assoladora e para ii cura
Os mais lindos padroes de cambraks de cores, verdadeiras francezas.
verdadeiro'saxe'para pholographia e para filtrar,I jarlatana branca muito fina e larga.
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de Q^^g escuras a ^40 e 280 rs., que eram de 360,. tambem*iia superiores.
.-j.;... i.. imorior e ex-1,, ifk.
; oleo graxo, oeo secca.ivo, oleo do linhaca | dem perclaras superiores 1440_I8._s;
n o
n
~ a ~
jeclos que s com a vista poderao ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
240 rs. o covado (doze viniens), esta pechiocha
acaba-se logo : na loja do Pavao rua da Impera-
Iris n. 00, de Gama A; Silva.
BBETANHA E ROLO A 35000.
lladapoO cui'estado a 3^000.
Na laja do l'avo
de todos os males provenientes d'ella que JenJem-se
conten virtudes venladeiramente extrordi-: 3V.il|0 e ^
daras provado incontestavelmente pelas n; go, de Gama Silva.
curas notareis e bem conliecidas que tem Madapol com loque de mofo a 05100 r 7$
feko de tumores, erupres cutneas, erysi-, Vendem-se superiores pecas de madapoln, ga-
pe:as, borbulkas, nascidas, chagas artigas, fm^J^^A^^t^m- ,
ulceras, rheuma, sarna, parchas, HyOrope- v^ dtJ |IKlfo (|Ul, naila va|j e pe(.a de a|p,)li;io a
sia, tosse quaudo causada por depsitos tu- 43 na leja do Pavao, rua da Imperante n. 60, de
berculosos nos pulmes. Debilidade ge- Gama & Silva.
espirito para madeira, copal para o interior e ex
le ior; oleo graxo, oleo seccativo, oleo do. Iinhacs _
clarificado oleo de toicie, secativo de Hariim, ouro, Laa preta para luto e de todas as mais cotes
verdadeiro em p ; prat, ouro, e estanho em fo- cbila encarnada adamascada muito superior a 5<0 ;S. o covado, covados da uma co-
llias de varias cores; tintas vegetaes, inoffensi-1 berta para cama franceza.
2Jsfsj^sssT\Jm *2 a-aMara prs aih'Ssde M*18"e m'
telas para retratos tintas em pastis e. em p pa-. Caigas de casemira de muito bonitas cores.
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de. ne- Collctes de casemira prelO e de cores,
roly.jasmim, bergamota, aspice.patchouly, mbar, I I(jem Q |_,rim branco.
bouquo!,liraao,alcaraiva,melissa,ortelaapimenta, ,_:_ a .n e 13.5.
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima, eios ue casenura satou a iu e -,
auis da Russia, canella, cravo e muitos outros ob-; dem de bnm hranco.
dem de alpaka branca a 5-S.
dem pretos a 4)5 e 5.
Caigas de bnm branco, pardo e de outras cores.
' Ceroulas de linho com duas costuras a 24500.
dem a 1&600.
Cohetes de casemira a 4$ e 5?-
Camisas com peitos de cor.
dem brancas a i #300 cada uma.
dem brancas finas pregas largas a 2r>210 c 2(5500.
dem de linho superiores a ;<#.
dem de linho inglezas muito finas de nmeros 3i, 35, 37 o 39.
dem de meia aberlas fazenda superior-
CHAPEOS DE SOL
acaba d receber um lindo e magnifleo sortimento Cliapos de sol de seda de 12 asteas a 85.
deoculo lunetos, binculos, do ultimo e mais ^ superioros de !0 asteas a 1;>.
dem de seda trancada asteas de meia cana a 14$.
Que ludo se vende na loja do
B 1 ^
2 ~"E 2 o 2 5L'= = illUUtin
- s
cu
*
o.
o
^Fls8
1
o
o
o
3
"V
-

o
Ji
e
a
8

a
m 5' 3 Ka 3 ^3
I s|l| 'llf -o
g os*, fl a-a ? m
2* El
xi S-2 2-

llilfSiilt!
Francisco Jos Germano
KITA.\'OVA X. ti,
apurado go.-toda Europa.
BARATO,
liAltATO,
IIAIJATISSIMO I! I
Acaba de enejar nova loja de fazendas e pu-
pa feita nacional um graude sortimento de laazi-
nhas escceezas vindas ltimamente pelo vapor
francs, que estao veudendo por 280 o covado I!
' na
Inope-
4
*3
em-se pecas de brelanha de rolo com 10 faiefld-que i se vendeo por 800 rs.: isto -
J5 ditas de: inadapola.) enfes .do a d^a, llcJfazendas e rou feto rua da lin
l \b : na luja do Pavao, rua da Imperalnz rat..z n -* '
ral:Indigeslo, Syphilis constitucional e
molestias mercoriaes, molestias das mulhe-
res, ulceracSes do ulero, a nevralgia econ-
vulces epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
Vende-se um escravo pardo, muito moco,
sadio, de bonita fipura, sem vicios e proprio para
todo servico : qucui o pretender dirija-se a rua da
rentina o. W.
Tua do Qucim.ido n. 50, acaba de ser novamenle
prvida de dilerentes miodecas, novas c linas per-
lecas de fili'Cuha a -fl^ttO \ fumarias inglezas c francezas luvas de Jouvin, en-
com 2 cuias do farinha da ierra, e nao qu-ior.do feiles
a sacra, a 15 : na ru 1 do Imperador n. 20 defroa- go
LOJA DO
h. rua do Qucimado ti. <)!>.
Tendo recebido um soriimenlo de bone-
te bem conhecida h,ja de miudeza I cas de choro, que chamam papai e rnami,
com cabelleira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento ;
ites para senhoras e outros amitos diversos arti- brinquedos para menino.-, scno tspa I
, que com prudencia e sisudez serao (latentes ao ; espingardas, pistolas, lumoores
CONFEITOS
Dio D'SERVUX. dePar3. \<
{Pharmaccutico de claxse. .r-f !v
Cortes de casetniras a 2>00 -e 3i te da casa das audiencias. \ comprador, a qoem isso, e a regalardade dos pre-1 para meninas : apparellios de almoco c de
Vendem-se corles de casemira de urna s cor a ^ ende4e mna negr h de W aimos, msito! cos f ser ndilTerenie para conliuuar edm a sua antar de porcelana C de metal; porta-licor
25300, ditas de quadrinhnsa 35 : na loja do Pa-lesperia e sadia : no pateo da matriz de Santa An- ,loa taBuezia. b.;i,. oon .-c a nor p n3n rinnr
vio, rua da Imperatriz n. 00, do Gama i Silva. ; jo n H
Chales a 2000
interno eos hospUtut, /;r:;. coa a mtiatka de broitze.
.
Vendem-se chales de, merino a 25, 25-500, "5 e
Vede as cerlides no Alma-165: na loja do Pavo. rua da Imperatriz n. 60, de! (ar q
";u'"- V"V~ *';----------rriT~I 60, de Gama \ Silva.
sob o nome de Salsa pamllio, e cr(0.. granaiKnog a fj|
do sangue.
uack e Manual de sade do Dr. Ayer que
se disnbue gratuitamente nos lugares onde
se veiulem os remedios.
Esle remedio o l'ructo de longas e labo-
riosas experiencias, e ha abundantes pravas
das suis virtudes: posto que e offerecido
ao publico
comporto de diversas plantas, algumas das
quaesso superiores a mellior salsa parri-
lla no sen poder alterante.
'iTtlUL DE CERBJi 1>F. AVEH.
Cara promptamente a asthiun, bronchite,
tosse, delluso, angina, coqueluche,
pbthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e ludas as
molestias pulmo-
nares.
vA!iJvia os etlicos declarados.
TuJas as molestias da garganta, do peito
e dospulines pdem ser curadas era pou-
co lempo pelo peitoral de ceueja do dr.
AYER.
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central dG
jRlo de Janeiro rua Direita n. lfi.
Vende-se em Pernambuco:
2a -jsapjffiaea fraacexa de
P.MAURER C.
RUA NOVA N. 18.
Na rua da Ponte Yeiha n. 8, fabrica de car-
ros, vende so '.una victoria com poue.o uso : a tra
Gama & silva.
Liaiidlias a 220 rs., na loja do Pavao Vende-se uma burra de ferro grande
Vendem-se laazinhas transparentes de usa s -em pcifeito-estado e pyr comtiiodo proco :
cor e de qoadnnbos propris iara vestidos de se- |ia r|in (j0 /lf)n||0 n jq^
nhoras e meninas, pelo baratissimo pwCd de 210J--------------. t. .---------------------------------------
rs. o covado, sendo fazenda que sempre se venden < LtMO )'t''" Calcadas,
a800 rs.: najoja do Pavao, rua da Imperatriz n. Vende-se mito bou. Ugdo para calcadas e ar-
mazens chegado a?ora : a tratar n rua do Apollo
o. i. ____
Vendem-sc os mais ricos cortes de tazenda de ;-----------------------, ,,- -. .
mnila phaniazia por ser transparentes c tecidos, j\ 0 ariMZeiIl QG llZeil ClS Od"
com seda, tendo cada corle 22 covados, pelo dimi-
nuto preco de iv? : nicamente na loja e arma-
zem do Pavo, rua da imperatriz u. 60, & Silva.
Ilornsuts de renda ua loja do Paveo
Chegaram os mals ricos bernouls de renda e se
vendem por baralisslmos precos: na loja e arma-
zem do Pavao, rua da ImperaWi u. CO, de Gama &
Silva.
Keesfbalcs pelos erenda
Chegou pelo ultimo vapor frasees um grande e
variado sortimento dos mais rios chales pretos de
reuda, tanto de linho como de eeda, tendo entre
elies muitos de pona redonda a emitaeao de man-
teletes e muilos com o centro de ar, e vende-se
por precos muito em coala por tetera sido ilutada-
dos vir de conta propria pelos donos da loja do
Patio, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Siitfa.
l.'aaiinlias lisas a 500 rs.
Vendem-se as mais modernas laazinhas, tendo de
todas as cores, pelo barato preco de 500 rs. o co-
1 vado, lai lalana branca e de cores a 800 rs., fil Uso
brautw a 800 rs. a vara, -cortes de fii braiieos lisos
a 65 : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60,1
ratas de Santos CoelliO,rua
do Queimadon. 19, ven-
de-se o seguinte:
Lancees de panno de linho a 25100.
Antiga loja de miudezas a
rua do Queimado n. 16.
Kessa loja vende-se baratamente, alm de mui-
tos outros ohjoctos os seguintes.:
Volt-.'s de rrystal, graudcs e pequeas.
Ouirasde' diversas qisalidades.
Crazes c racides de podras fatuas.
AlHnetesde madreperolae untMS qaaHdades.
Brincos a balSo.
Cintas a traviala.
N. 10 rua do (iaeimado.
PeDoaa d'aco, pa|il cu\iopes.
Ka amiga loja de irvuaczas a rua do Queimado
n. i, acha-se um bello sortimento de papel al-
0 proprieiano do gr nde arm.-.zem do Baliza,
largo de Livramento n. 38, nao tendo podido con-
seguir mi lempo a mudanca de seu armazem, por
ttr de ser mudada a coLerta dessa casa, tem tesoJ-
da vender o grande e magnifico sortimento de mo-
tilados e seceos oue nelie se acham por todo o pre-
50, sem atender ao erando prejuizo que ter, vis-
to que d'oalra forma nao o poder evitar.
Cal de Lisboa.
Vende-se exr.ellen.te cal nova, ltimamente che-
gada : na rua do Trapiche n. *4, segundo andar,
eeerfptorio de E. R. (tabella_________________
Yinho verde
Anecretas com superior vinho verde de tiasto-
o melhor que vera a este mrcalo : a rua da Cruz
n- 18, armazem de Jos Joagu m l.ima Hairao.
Pennas de ema.
Cera amarella-
Pelles de cabr
Cera de carnauba.
Velas do Aracaly.
Yemlem-se na rua da Ca.leia n. 57, ar-
mazem de l'arente Vianna A C.
R
A
a 3-800 saccas grandes e fino, pechincha : no
anaazem da estrella, largo do Paraizo n. 14.
.---------------------"MOBILIA.
Na rua etreita do Rosario n. 33 existe uma
mobilia o'e Jacaranda em bora uso e forte, que se
vender por prego )2rato.
de Gama & Silva.
Chapeos de sol de alpaca
Ditos de bramante de linho de um
35300.
Golleras de chita da India a 25300.
Lencos rio cambraia brancas propnos
boira, pelo barato preco de 13000 a duzia.
Pecas do brelanha de roio com 10 varas a 35800.
Dilas de cambraia para forro de vestido, com 8
varas, pelo baratissimo preco de 25600.
Gaardanapos adamascados pelo baratissimo prego
de S53O a duzia.
Algodlo enfestado com 7 l|2 palmos de largura a
15-200 a vara.
Cortes de la de lindos gestos com lo covados a
65000.
Peca.s de eambria adamascada com 2C varas, pro-
prla para cortinado, pelo iiarato preco de 115.
Pil liso lino a 800 rs. a vara,
i Dito com sdicos a 15 a vara.
Tarlatana branca lina a 800 rs. a vara.
mw=o prev hso e pnutado, primeira e--segunda
sorle, dito de peso liso, paulado e. de quadriohos, e
de dUTerentes qualidades at a que se pode encon-
j irar de melhor. dito paquete, dito pequeo m cai-
I xinhis, sendo liso, paiMadn, i!e quadnnhos. beira
I dourida e tarjado de prolo, tendo entre eHes al-
go panno a j guns^ue trazeui a envelope na mesma foilia, o que
aqu inteiramente nevo. Gatas de envelopes
. maiores e menores, o tarjados de prelo. Pennas
>a-ra alg- i (j'ag0 iigletas, eafTgraphicas e muras quahdades,
Laazinhas lrai;pareiitrs a 320.
Vendem-se muito bonitas laazinhas transparen-
eom t>
45300.
vara?.
baratissimo preco de
tes com palminhas de seda a 320, ditas, lisas e de, rjaloes ,e 20 arcos a 25300, de 23 a 35, de 30
varias cores a 2S0 rs. : na loja do Pavao, rua da | ;,.,,.,.) ,,,. ;;.- ^ ,It! 4fi7^500.
Imperatriz n GO, de Gama & Silva. 1 fMytaa felpadas a i.'5 a duiia.
Corles de las matizadas. Esleirs da ludia de 4, 5 e 6 palmos por menos
Vendem-se bonitos cortes de laas matizadas, ten-i preeo do que cm outra qualquer parte,
do 13 covados cada eorie, a 35, ditos Mara Pa Reste armazem se-encontrar um grande serti-
a 65 e 85 : na loja do Pavo, rua da Imperatriz ment de napa feita o por medida.
d. 60, de Gama \- Silva.
ROUVA FEITA
ROUP.V FEITA
ROUPA FEITA.
Xa loja do Pavao vende-se um grande sortimen-!
to de roupas feilas para homem, sendo caigas, pa-1
letols e cohetes, tanto de panno como de casemiras
pretas e de cores ; deixa-se de mencionar os pre-
avado.
eos para nao se tornar eufadonho o annunclo,
atiancando-.se que o respeitavel publico achara um
grande sortimento por baratsimos precos : na
loja e armaseis do Pavao, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva. ______________
35000
85300
Vendem-se
Francez barrica
Portland dem
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland dem 125000
No armazem de. Tasso Irmaosces do Apollo.
Vende-se uma preta de meia idade que. oosi-
nha o diario de uma casa e lava perfeitamente|e
preci bnrato : a rua Direita n. 17.
Violto do Poilo especia!.
O mais generoso e genuino vinlio do Porto, mar-
Vende-se uma taberna bem afregnezada para! cas novas e especiaos em caixmbas de 12 garra-
0 mato, e bem como para a trra por fiear ao p fas, sen 10 marca Rainha de Portugal a 185 a ca-
do mar, lambem d comidas e dormidas, e recebe. xa e Pedro V a 165, em porcilo far-se-ha nra aba-
pa milia : na rua da Lapa n. 13. J ____ i n
Vede"-se um escravo peca de 18 a 19 annos
para lora da provincia : a tratar com Manoel Luiz
da Velga._________________________________
Vende-se uma bomba de Japy n. 2. propria
para cacimba por estar cora canos: na praca da
independencia n. 33.
machinas americanas de serrote para descarorar
algodo : na rua da Senzala .Nova n. 42.
Bichas de Harnburgo
Vendem-se na rua Nova n, 61. ____
Farinha de mandioca : tem para vender Au
tonlo Luiz de Oliveira Azevedo & C., no seu es-
dlplorfo rua da Cfuz U. 1-
(odas das afamados fabrieantesBerres i\ C
AIiurs baratos na rua do Quei-
maiie 11. 16.
Vendem-se bonitos albuns para 13 retratos a
15500, outros para Vi- a 35000, o aiguns maiores
lambem por baratos precos.
Luvas de p'lica a 500 rs a par.
Apezar de nao serem antigs estao um ponen
mesciadas as luvas de pelica preta e de cores, as
quaes anda servem para a noite, e mesmo para
montara, e vendem-se a 500 rs. o par na rua o
Queima n. 16, loja de miudezas.
LaliyriBthos e (lieos.
Na loja de miudezas a rua do Queimado n, 16,
venderse bonitos lahyrralhos e bicos das Ibas, te-
cidos em grade de ll'nha o que. os torna fortes, e de
umita duraco, alm de que os'novos e agradaveis
desenhos, e'a eoramodidade dos precos concorrem
para a boa extraccao d'eiles, tanto mais quanlo
elles nunca sao desuecessarios em casas de fami-
lias, pelo que podem dirigir-sa a rua do Queimado
n. 16, loja de rolndezas.
iiua do Queimado n. 16, an-
tiga loja de miudezas.
Essa loja j lio conhpcida, renovou e mtlhorou
o seu sorlimento de perfumaras, onde os preten-
deules podem encoDtrar de novo e bom.
leos philoeome, supcifine e babosa.
anha fina em frascos c latas.
Extractos linos ingleses e francezes.
Aguada colonia e Honda.
Opiata e poz para dente'.
Extracto de quinquina para ditos.
Agua balsmica para ditos.
Dita dentrifice para ditos.
Leite virginal para sardas.
Vinagre de Venus para refrescar e conservar o
lustre da cutis.
Saboneles camphorados nglezes.
Ditos areientos excellentes para mi*.
Ootros tambera mglezes de diversas qualidades
em caixinhas de tres e sollos.
Albuns com perfuma::..-.
'GAZ"6AZGAZ
Vende-se gaz da melhof qualidade a
Ii.{Salata:- oos armaziisda ruado Im-
perador n.10 e rna do Trapiche Novon. 8.
'"_ Vende-se um corro d; carrejar gneros da
alfandega, com usj.o todos os perineos de oulro
igual, tudo por preco ramio commodo : a tratar
no pateo de S. Pedro n. 4.
e faquinlias a 280 rs. o par ; e nao queren-
do continuar; vende mais liarato do que cm
ou'.ra qualquer parle.
Vende-se liras bordadas de differentes
larguras a 1-5, e bbados, collarinhos e pu-
nhos para senhora, bordados caberlos do
renda c lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-sc laa para bordar de diverjas
qualidades e de cores claras a 7;5 a libra, es-
pelhos de columnas de Jacaranda ;i 25500,
ditos braneos de diversos tamanlios.. caixinhas
para estnjos i;c Tiavalhas,
Vende-se pentes de alisar com costas de
metal a1, ditos de differen'es qualidades,
lindas gravatiubas para senhora do diferen-
tes gestos.
'olxcres de metal pvSnelpc.
Vcnde-se colheresde metal principe para
tirar soupa a 2->, dilas para cb a 2300,
ditas para sonpa a 4;S200 a duzia: tiesta
loja se encontrar sempre um grande e va-
riado sortimento de miudezas : rua do Quei-
mado n. f>:{, loja do beija-lloi^________
' fftC < O 5! 53 > >P2 CT JnJ 2
\
Desde muilo lempo o publico
abandonon o uso das pre
iotituladas depuialiva* con^e. o,.-<
sob o nome do Arrobes, Xaro. ^
;!a Salsap. iria (M i:i;ie-ln- e'.c
r
j"
; aejao.;'. niaior |>artc m vcie
; le ulU, e u'algunu casos perigauj
. Os COSFSITI iKKHIIMIIMM ISPECTOJ
. '' JB O GOMO MBMMTIH CflSTEJI S.'S lj
. .. qi i soroLi ra -LL-.r'.NCiisuiir) *CTi-'
j : r, so MM Dr. rr.EPiBir.io 10^'.
. Il.KAltlS.
-
as
9. M
i. -
O-
S =. ca
. >"<
O a _

3 -j a: S 3
"5 I sr=C1
S j
Sos
<=- =" -
fDrt>_E;-,xr" --"23
b=. 3c?s 5oB 8 I C5
r.o (t
i ui 2 g
JS T- "3
5 a a u
" v < 3
ad =j Z..
m =. -,
I 2,1 \
P ? 3
3
rs
05
=3
s
ai
aeee*iM) Ifclto ohttvTKO -ni Pran-
./, 'Xtt sob o patrocinio das prinripac;
celebridades medicas, os poe MM
de ludo qoaato leu existido aih
boje.
Cura rapi !a sem ;> M
I de nenhtiin oulro remed in-
yiterno, das escrophulaat,
g^ {herpes, affeccoes syph.-.
\ liticris hypertro;:hiaj
irados tessios celulares..
I ;hydropisi?s c em g
todas as muleslias prodnzida
pela alleracao do saugite ; tal]
o resultado que queri;
conseguir e que leaos sem- .
pre ob lido.
Uma cr.plicr.rao accompantia a.'.i
lidr.
Ccscoiitiar-.-e, das falcicarnesct
laf.ies.
Pava tu WWflii 4rigir-ac flw
5arw. BniEEO* ei c'-, i, |*Mm
Emgim, Parit,
ri
? W "
Z3
f 5
S
-!
O
-8
r
zz
S S- p

>
ra
O
Su


:'-'". :


t.'tr-
*
i

.Madapoluo barato,
Hadapoa barato
A 5100 a peca de inadapolo fino para acabar
na loja do birateiro, rua do Crespo n. I.
i
Vende-se farello a i000 o sacco o Lisboa,
marea N, no pateo do Paraizo n.'G, esquina da rua
da Florentina.__________________________
Vende-te a taberna e casa do pas; > da rua
da Lapa n. 13, bem afre^uezada para a praca e
malo, tem bstanles commodos para ra jradia : a
tratar ha mesina.____________________________
Vintin do Porto superior em caixa de duzia,
tum para vender Antonio Luiz. de Oliveira Arevc-
do & ('., no seu escriptoric rua da Cruz n. 1.
f


i
I
:
l -. -u .- : ^ ........
' ..'.
.; In ..: :' IXiO t i
uu:.l-> i r.-.-.l'E s. i- :::;!... .' t U
:cnugii(. ;ara tu .. '..'. ii
lluiOJ braDCt. a f:...ura de complt-iij no "cwt
ifios, e li nihi n pan tjadu a mmtttm&n Ji-1.
Dio sio vi:;iiidas nio :i :: a
,'u iidri ^ col .':'..b ( ::: rotulu e fechados rea na M
brindo a Briol do depositario ceral : I.ABELc. i.
ifarnueemico, rua Hourtion-VilUnnnt. 19. Ptrii.
Deposito gerai em rwlni ta da
Gruzn.'i em casa de Caro* & Barbc-zi
Liquidfitfto de machinas p;
algodo:
Chegou grande sorliaento de machia
descarorar ilgodo, d serr. es, de superior (nalidade, as iuaes .- eh-
dem por precos ntnito leduziJos e por meai n
que era outra qualquer parte, para liqui.: i .
como motores americanos da nltima invern;.'. >.
quaes se tornam recommendaveis por .na soi 'r^
qualidade de fcil condu ^o para o ceniro t. pro "-
vineia; a tratar no deposito do caes de Ap lo -- *
ni nn rua da C-idda dn ecife, toja de fcrrr
::. 56 A, ____
Sementes.
Vendem-se sementes de borla'i'."i' Toitj so-- <'
na rua da Cadeian. 50.
Vcnde-se nraa escrava crioula de 16 aowl
que sabe cozinhar e cozer : a Ir.lar na ru I
Imperador n. 22, primeiro andar.
iP"* ^m*. m m mmmmm m


1
H^W
s
gfcffg
r v

sa
Dlar'o d eruambuco Qni.ta felra O de'*alho de J
V
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
D

DE
DUARTB & C.
NOLHtDOSj]
b
M I Patee do Carato n. 9 armazn Progresivo ra lo Queimado n. 71
Unio e Conimercio ra do Imperador u. 40, ,
Principal armazem de niolhados. H
DE
e=; _j
OH PROPRISTABIOS.
AURORA BRILHAfiTE
ZENS
. Ero. paneiros limito alva ,ooo rs. a
do de um paneiro para cima%far abatim
%
NsfB*'^

OVA.
)a e lo r3.
ibra e compran-
na ra do Imperador n. jo.
Fazem scienie ao respeitavel publico, e com espeeialidade aos senhorcs de en-
is, livradoresemaispessow do centro, que para mais facilitar suas compras deli-l
epioiQ 80 aonuocio, pelo qual o prego de un ser de todos, promette-;
me nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os ge eros'
p i n preco, c ni oeeastSo da compra querere.n por outro, como socide constante-;
i em ouiras nanitas casas, porm nos nossoa estabeiecimantos nao se dar isto
anda mesmo com prejuizo nosso, qoalquer passoa pader mandar seus fmulos que
ara em servidos como viessem pessoalmente fazend-nos o favor dj mandar seus'
em cartas fexadas; para evitar qoalquer engaos, remetiendo nos urna conta'
;i se vera os procos tal qual annunciarmos, o que senSo arrepender pessoa <
'. qoe zer saa despensa em nossos estabelecimentos: pois poupar mais de '
' cento na sua despea diaria.
ga ingleza perfectamente 06r chegala dem com 1 a :j ditas a 3-5200
Ltimamente no vapor .Saladim, del:? dem vastos de todos os lmannos a 2J000,
1 a libra e em barril teraba- I300,800'e GiO rs.
m Largo da Santa?
'Croa n. 84, es-^
|quina da ra do
*ebo.
3ADOS
r^aa
SR Largo da Santal
. iCruz n. 84,
E9PECIAE9 gC! da
ANTIGA'CASA
GILHERME DA SILVA GUIMARAES.
5 ra do es:
5
ra do**
O io vj
NOV1BADE
--..
rora BrCAffiffuad no acreditado armazem iot
A segointe tabella sirvirV wT ^orltmento de gneros de primeira qualidade.
. Aenhum armazem vender' ,- b.ase para, aJuste de conIas aos portadores,
pelo grande sortimento riue tem
mais barato e melhores do que a Aurora Brilhantc, ja" QP
ESE9*** fSXSt r-mo porqu
SSt lbraS dechouricas multo novas,
a
Id i
ment.
anceza muio nova a 900 a libra, e
8 10 em .larris.
Bi de porco refinada a 720 a
em barris.
c
Queijos d 24(300 a $o00 os mais frescos.
zeite doce de Lisboa milita fino a G09
a garrafa e 1-5'JOO a caada,
rs.
bra e /00 dem mais baixo a 20} rs. a garrafa e 10400
a caada.
sim de superior qaalidade a 2.?600. A
rala miudinlio a 5700 |
hysson espacial qualidade de 2#i00 a' Toacioho de Lisboa novo e muito alto a 320
";' J. a h^ -. I a libra' em barril d arrobas a 9 3400'
I, ... )i-do muito especial a 20000 e *00 arroba.
i ;; I-,:'a-. Illnnn Ceneja Bass do fabricante Slile
i do Rio em latas de i-^OO e a 800 a 60300 a dozia e (540 a garrafa.
'" ,. I Wem Bass do fabricante T. F. Ashe a 60000
i^oiscouto do todas as qualidades a dozia e 580 a garrafa.
"em marca II Victoria Alsope e outras
Vinagre puro de Lisboa a 2S0 a garrafa el m&ttJT** P^0^M-
20000 a caada. gg rc novas, ensopadas, a 7,20 rs.
Dtas grande
mais i|
UiOO.
itascon..
gideira, a rio'rJ.
MS^r/SXe em pos,asintairas,
2 jualidades, a 100, 1^280 e
a l^o'OO,
.TS
& Bell

minias marcas a !;! a dnzia e -jOO rs.
a OO.
i!a c-e litada fabrica de Bialo Antonio
. roprias para da: a doentes a' garrala.
:: :' ,lala- .. mm Sabio primeira qaalidade a 220 rs. a libra
la inglez i muito nova a $9500 a bar- e 210 em caixa
,' : i;r;,:'s-,;1 ll,:,ra-, a. Idemsegmida qaalidade a 200 rs. a libra e
im botaxnfta de oda e oval a 20s iso rs em caixa
para fiambre cliegado -no Sabo nglez superior a 130 rs. a libra e
. >r a 8.0 rs. a libra. \\ rs em oaxa
epaios muito novos a CiOrs:'Can; primera e segandaLorte a 03300,
70500 e 80 a arroba, e de 220 a 280 rs.
a libra.
I Arroz do Maranho 30203 a arroba e 100
I' ortuguez de especial qualidade a rS' a a"
libra. Uem di India a 2^(00, 20^00 e 100 rs. a
s i de 8 o.i 10000 a libra. j libra,
n il v irdadeiro a UOQO a libra Charutos Normas de Havana a 50500 a cai-
n I m s a 10400. xa, de Simas (J s Fuado).
i casca de gniaba em caix5es de 6 li- dem Londrinos a 0, idem.
ma :arr3o tdharim muito novo a
' e 320 a libra
' ranca e amarelu a 500 a libra.
0
com favas, a 6i0 rs.
,u jas cora amenas a iSOO,' 13800 e 33S0O
Abreva S^3 d ^^ "S*
'D!alCnTr?aSSadctOmale'aS00rs.
Ser5S(leCOmaJre'flOVO?
DlSooo" b0,achinlia de sda muito novas, a
o Chocolate.
mm aLCOm ?2?s enfef,a ,as nroprias
sTofU^0erior muil aovo' a libra de
MTQ0>}*tta*lm ealetpia amarella, a libra
Gi0J',"iabra1DC--.alibraa400rs.
pitas dita era libras a 6i0 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
sevarfmna para sopa a libra, a 240 rs.
Bfwlnas seccas, a libra a 160 rs.
unas descascadas, a libra a 200 r>.
Tapioca muito nova, a libra a 230 rs.
800 fa araruta verdade'ra>
Vinho verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
Gomina.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
empmmar, a arroba a 33000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs. $
Paiiah.
Saccasjraades rom farinha de Goianta mui- '
to nova, a 33000. t y
Caf. X
Caf do Rio muito superior, a arroba a 83,-
83500 e 93000.
Cha. f*
Ch.teraos uestes frenaros o melhor possivel,"
S
rt^T-
W>^y u
*&.
W
^j
w
wm%T&m>m
ras
^'SBSasTM- SfSSS^'Sdc ^ -
bordadas a froco
a sabir a uOu rs.
CORTES I)E TARLATANA
i
Phantasia VmSSS^ff^S^a Canbraia cm "* Vestid, de pura
objectos de gosto com
Vest mentas para creonca

^-

hbra a
a arroba a
hyson, a libra a 23600.
Hito parola a 35000.
Dito uxim a 23700.
Dito hyson muito fino a 23800.
Dito redondo a 25300.
Dito preto de primeir;) qaalidade a 23300.
Dilo mais baixo a 25000 e 15600.
. Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espermaeete.
O masso com 6 vellas de espermaeete a 600, S
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 13 e 23500. *;" u
Nczes. f
Nozes, a libra .160 rs. e arroba a 4J0C0.
lpista c painco. t-^J
Alpista e paineo, a arroba 43000 e a libra aj5--
160 rs.
Carlas.
tissimo preco
i
primorosos desenlios de trancinlias sobre fuslao
COETES DE SEDA A 30*000
os cortes de ^^
Capas.
Loulambarques.
Manteletes.
Cbapelinas.
Chapeos.
por este......
i
Paletos.
Calcas.
Colletes.
Camisas,
Ceroulas.
AOS
ExceHenes cobertores de algod
Lili!: OS
Algoi
Lias,
Sed .s.
Setiiis.
SEi
NGESHO
o escuros pelo baralo preco d
800
AlgOi;
' Arn?.0 Marau"^- em sacco,
23400 e a libra a 80 rs.
J 'ira ao'rs ^ ^^ ^fm e a "" Carlas nnas para ,0"ar' a duzia a **800'
Toucinho de Lisboa a 9*300 a arroba Caslanhas.
rs. a libra.
q
*Di260ersSaaIOS' 3 arrba 7m0 '
1 'i
Turo a l-i su >.
caixoo; pequeos
cima a ?iO,
dem Parasienses a 4>500.
a 700 rs. e de Uem Delicias a 15*00.
dem Traviata d > Rio a 5500,
eco em bocetos ricamente enfeitadas, dem varetas de Manoei Pejxoto da Silva
Netto a 3?500 e I > :OJ a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a i,-> 500
a meia caixa e 50200 a caixa.
dem raece:ipes a Ijl70 a meia caixa e
:|50'.'!)a caixi do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 1^800 a meia
caixa e 3>'00 a caixa.
Uem ovens de Castanho & Fdlio a 2#i00
a caixa.
dem suspiros do mosma a I^'.O) a meia
c lix, e outras maitas maje is de fabrican-
tes.
Passas m ;;! > uvas a 13300 o quirto e 5j
roba liesp.inhola e 320
^s ja pre-
,
lo pera, pes go, ameixa, rainha.
frotas a 31000 cada un,
i jm calda em latas fetxadas hermtica-
mente mni'o bem enfeitarfas, contendo,
ameixas e outras frutas a
i 700 a lata, tambem temos lata;
i i I 200.
" ne!a la d s res fincantes, ema-
I ") a vi K).
fi em Idas de I l|2libra a l$.
asde l libra a 640rs.
; i latas c&egadas nesie ultimo va-
' K) e de p ira cima a 640 rs.
rorde o :arrapalo em lata
ido a CiO rs.
m seos de vidroa IB00.
i caixinhas lijamente enfeitadas de
i i :.:; 10.
ts Mexide sollo novas a 700 rs. o

ilas simples a 700 rs.
lez a 640 rs. o-frasco com rollia
i ro.
o | 700 rs. o frasco.
radaa320rs
& m massa de tomate de i libra a
ra a 900 rs.
anaias iiuuus do Porto, Madei-
ra :. Duque do Porto, Duque Semi-
n \, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velbo Secco, Ligrimas Doces, La-
as do Douro, e outras militas marcas
a garrafa e 9! a \U a duzia.
!- Q !'a!m;:ia a ls a garrafa e ll->000a
zia.
t em pipa de ludas as marcas Porto,
a e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
'0 a 3^500 acanada.
mcorelas e 8 a 0 caadas com su-
ir vinho Lisboa c Figueira a 2 49 a
treta.
' m latas de 1 I|2 ibn
. V ; irrafas viudos d
a caixa de una
a fibra.
Vermute bebida para abrir a disposicao de
comer a 15300 a garrafa e li;5000 a
caixa;
Alpista muito novo a 3.v300 arroba e 140
a libra.
Painco a 45000 arroba e i U) a libra.
Pene em latas j preparado a 1 >200 a lata
e em porco 1)000.
Sardinhas de Nanfes a 400 a lata.
Tijoo para limpar facas a 1(50 rs.
Esparra cete a 600 a libra e em caixa a
380.
e a .1^0 Castanhas novas viudas tieste vapor, arro-
ba 43000 e a libra a 200 rs.
Azcitnnas.
tMolhoscom 123 ceblas grande? a I380 Barris com a^ona-' nnvas a 13300 '
mvm fraaceza' ca" '-ora' 2 duziasa! 'Viloi-ja. >
fAFri',;- Manleiga superior, a libra a 1*280. c
iSt fuS Com moilarJa preparada em vinagre, Hita mais abmxo a 13200.
"Prnfo* ?. f' I DlIa menos superior a 1-3.
t w J0niCrvai 'nglezas e francezas, a Dita franceza nova, a libra a 8SC i
ffl)n, WtvSS* T" Sal r" "Ia'10 fiuo> a 6i0 e a 300 rs. 830 rs.
* S genebra de,araDJ-. a Dita Par tempero a 400 rs.
tpDSAdc2 =arrafas c Hollanda verdadeira,a
tBnS COra dila PrPria Para negocio, a
Garrafoes cora 2 gales com dita, a 63.
3feSev.!-!:! '?oa' !iroa' a 5'00 rs- a garrafa, e a i
americanos.
Cobertores brancos de algodatf.
Cliitas escuras a 240 rs.
Algodao de Ma -.
campo azul, magenta e ro.xo com barras preas c brancas.
tazenda de infinito gosto.
X'
Queijos.
Queijos novos viudos ueste vapor a 2-3800 a{
33000.
Ditos londrinos
13000.

5^
DE
Gregorio Paes do Amaral & Oa^anhia.
muito novos, a libra a<
lili


r
^p .l

Panol.
I anco especial qualidade proprio para
ssa a 56 rs a garrafa e i-5 a ca da.
a garrafa e 33'j0

'. a is bai.vo a 400 rs
i.
"o Po-o -spocial qu lidade aSOOrs.
;'! ifa e 5300 a sanada.
B -rdeaux em cabas a 7 e 700 rs. a
i.
' .: nrja a mel mr do mercado viada de
i/-..-i>:iwmmen la a.305 ogigo.
1; Vma's 1 aixa de 185 a 20j e 1500 e
garrafa.
portjguezes e francezes a 1 .000 e
rafe.
lino de Zara, verdadeiroa I,->500 a
_ .;. fa.
i: ebra
abaiso a Sn0rs. a garrafa.
de laranja ver 'adeira a 11-5 a du-
i I-j obrase i.
i*a de 1 i verdadeira a 6;? a fras-
' q^ieir e 040 o frasco.
;; :i:ribu.'.;. a j.3500 a frasqueira.
I ref Luiigas de Hollanda a 400 e 140
frasco.
C* cam gneb'ca de Hollanda com 24
-rafas a !>>, com ganafao.
. i a 13 garrafas a 65.
Vellas de carnauba a 14>000 arroba'e 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 1800 e a 400 rs. a gar-
rafa.,
Balaios do Porto mailo grandes proprios
para guardar roupa suja a 25300, 3#000
e 45-0)
Raalas em gigos de 3S libras muito novas a
80O,ua40rs. a libra. .
Gommi em paneiros a 45000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranho muito alva e nova a
^ 240 a libra.
SvaJinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito nova a m a libra e 45000
arroba.
Caixas com estrcnba, rodinha e pevide a
400 a libra.
AIlios em canastras muito novos e mauncas
grandes a i 80 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 15000.
Cravo muito novo a 500.
Corainho idem a 320.
Ervadoce i lem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amenloas a 400 a libra.
X'izes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 45200 a resma.
dem lizo a 45000.
dem de pezo a 35000.
Idem de embrullio marca grande a 15200 e
15300.
dem azul para botica a 25000.
Copos lapidados a 55500 e 500 cada um.
Palitos de denles, macos grandes a 120 >
16 J cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 15500 a libra, em porgao lera
abat.liento.
SSD duzia a G;000.
^ Vinho rauscatel de Setubal, a garrafa a" 13.
t i*2)0 w<&deiro,rascos a 8CC rs. e
a5jSSP^***ta 205000< e a garrafa a
;Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
>^5 a 1?,)000.
tGaa'oS vinho Blirilea;'J muito superior, a
73,85,93 B 103 a caixa.
Ditas com dito branco, a 73 a caix?.
^ Ditas com dito lacrimas do Djuro verdadeiro,
p Ditas ,?om duque do Porto verdadero,"a
SI o-i 000.
Ditas com chamisso superior, a 113.
Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
\%, cas, a 12*
.15
Papel al maco pautado, a resma a 13800.
Dito dito lizo de linlio, a resma a 13300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
23300.
Dito deembru!ho,bom a 1" e 15200.
ni
UD
.Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 610, 720
;ij e 800 rs.
X. Dito de Lisboa muito bom, acanada a 33200
33300 e 43, e a garrafa a 300 o 360 rs.
HSDito da Figueira, das seguintes marcas (X.)
X ftAAJ (J-L-G-) (O. M.) a caada a
;:a 45.)00, e a garrafa a 560 e 610 rs., desle
'V que jest engarrafado e lacrado cora o
'"ir rotulo do armazem.
iHDitosde marcas mais desconhecidas, acana-
H da a 33300 e 13000, e a garrafa a 480 e
^ 320 rs.
AVinho branco fino, a garrafa a 6l0rs.
^Dito de caj muito superior, a garrafa a
HB 800 rs.
Vinho ladeira.
Garrafas cora o verdadeiro vinho Xerez
deira a 13300 e 25000.
Temperes.
Folhas de louro, pimenta do reino, corainho
e cravo, a libra a 400 rs. A
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a 3c
480 rs. gg
Amenuois. t- '
Amendoas com casca, a libra a 320 rs. \
Doce. G
Gaixoes de doce de goiaba, grandes a 13400
e pequeos a 640 rs.
ljelas de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Grasa.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 23000, e
de latas a 13000, e os boioes a 210 rs. ca-,.
da um, e as latas a 100 rs. j'^
Charutos finos. *W
Charutos finos dos melhores fabricantes da A
Bahia por diversos presos, caixas e meias^
6B
de i*.i'a!!i:ir ao parr-
ti escarolar algodao
FABRICADAS
b Por Plant Brothers & 0.
I
rp^T.
^ juak
.__^ a
wW- eslr;,:
uer esped l\
algodao
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
nuriciar-se.

OIiTIMABS B'dRld ..IDO;
N. 11 Ra do QueimadoN. 11
Assira como machinas para .serm movidas po;
anunaes, que descarogam 18 arrobas de algodc
limpo, por da; e motores para mover urna, dua<
eulns dessas machiuas. ;
Os raesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis deslas machinai
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zera de algodao, no largo da ponte nova n.17.
Sauudcrs Brolliers & C.
M. II, praca do Corno Mi uto
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
GEANDE LIQUIEACAO
a ig.\i2:iao.
iva loja c innti de Gia;:raes t Ir-
mo, ra da lapn Iriz n. 72
08 donos desle eslabelecimento eslSo re-
solvidos a liquidar soas fazendas por preco
baratissico, s com o fim de adquirirem fre-
; guezia ; e previnem s pessoa?, que neo-
Estas machino ;ciam com fzend.is, que nesta loja e armazem
poderadescaroct-jcncootraiosompre um grande sortimwilu
por menos 20 pur cento do que em outra
qualquer parle, tanto em peras, como a re-
lalho. Vejam :
Cliilas a 210 rs. o covad.
Vendem-se chitos preclaras francezas com
assento brar.co, escuro, cor de canna e par-
da, pelo barato preco de 210 rs. o covado.
aiancando-se que esta fazeuda BloaM m-
are, e nem tem o menor deftilo: islo wm
loja_^e armazem de Guimaraes i Irma.-.
Camhraia branca, grande .ortimento.
Chesfou a este eslabelecimento um gran-
de sortimento de cambrjias brancas de lo-
se;:
estragar o fie.
sendo bastaat
duaspessoaspar
o trabalho; pd-
descaro^ar umj
arroba de algo-
dao em earocc
em 40 minuto*.
ou 18 arroba;
por dia ou o ar-
robas de acodar
limpo.
A este eslabelecimento ebegou ltimamente da Europa um grande e vanado sorti-
raento de cortinados bordados o que ha de mais gosto em desenlies e bordados.
Lindos bonets de palha de Italia para senhoras.
Chapeos e chapelinas de palha de Itlia ricamente enfeitados. .
Chapeos finos de seda para cabera de Iroraens e chapeas de sjl de seda inglczes 'de
8,12, e 16 astes.
Bournus e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soutembarqaes de seda preta para senhoras.
Cortes de la de barras de 143 a 223 de muito gosto. ,
BalSes de arcos e de musselina finos, manguitos e camisinhas.
Saias bordadas muito superiores.
Moireantique preto, grosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas qua-
lidades e casemiras pretas e de cores.
Luyas de pellica para hora ara e senhoras.
E muitas outras fazendas que tudo se vende barato na loja de Augusto Frederico
dos Santos Porto, aonde tambera se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas
K. IIRui do Queimado--X. 11
ttencdu
Vendem-se pecas de esteiras para forro de sala
tinta branca preparada a oleo, em latas de 2o li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
witcpala pe,ldurar> arr,eios fara e 2 cvanos, (ma cambraia com lindissimo chuvisui inhi
velas de spermacete, tudo de superior qualidade, que faz um elleilo magnifico e S-s
no arraazem da ra do pe,0 baralissimo preCO de 5fle?te
das as qualidades pelos precos redolidos de
3000, 35300, 4 #BOO, e muito fina a
05, vende-se por esle preco por ter grande
porcao ; cambraia organdy de 240 e 300 rs.
o covado; dita fiance7a, a mais lina ou
tem vindo a esle mercado e dos mais ele-
gantes padrOes, a iOOrs. o evado, barn-
tissimo; clialy de seda de apurad foto a
900 rs. o covado : isto s se vend na leu
e armazem de Guimaraes A Irmao n 7j
Para a fesla de S. Jno !! bailes r pai-tio?
'Iiegaram a este eslabelec ment, pelo
ultimo vapor francez. ricos corles !e iini~i-
vindo dos Estados Unidos
Trapiche n. 8.
Coke dogaz.
Pitch do gaz.
Alcatro do gaz.
tonelladas rs. .
10^000
80000
Coke
Pitch 1
Alcatro caada.
O coke reconhecidamente o carvo mais econ-
mico, torna-se por isso recoramendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
.. I Lj ii.-iil-i li,..i. >. -> -' ___ _
n-
da que val m em outra qualquer parle ;
corles de laa com barra a 9,5 e 12 : i*io t
na loja e armazem de Guimaraes A Irmao
n. 72.
MU
lEiISx^^ a a a
Suecas grandes com 100 libras de farello superior a 43000 a sacca.
TaWso Iih'os
vendem gesso era p para estuque de casas, tijolos
linos de fetlo diversos para ladrilho, azlenos de
diversos gostos, tijolos vidrados para Darede de co-
zinna, canos de barro para
barris de 10 arrobas.
para parede de co
esgoto, cemento em
WV10AK
alimgas fluos e bi-lnifiiedos
para meniaos.
Lhegaram para a loja de miudezas da ra dn
QuHimado n. 69, os mais finos e lindos calunga*
tanto para brmquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesmaloja se encontrar bom sor-
imento de miudez;s.
A 1$ l^SOO e i509.
Leques de osso, ultimo gosto, a 1$.
Ceroulas de meia a 13200.
Diitas muito finas a 1,8500.
S na ra da Cadeia do Recife n. o.
Para acallar por todo o prff 11
Bretanlia de rolo com 10 varas a 3-s a pe-
400 l3J raadapolSo infest do com 10 varas a
3^200, 3<00 e 4;> a pega; ricos bordados
em fina cambraia a 800 rs.; soulembar.ioe
alie do. PtchealcatrWaTem7a7a7p.lcac^n"Ln\fi^ ** lan"
diversas a que se prestam, como para callafetar JUU c iU rs- covado; damasco
embarcacoes.alcatroar madeiras,etc.,teem esle a [de 2 larguras a 1,5280 o covado: chales de
nropriedade de preservar do cuplm. formigas.etc. I merino estampados a fc. entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
3-S, ten lo 30 arcos.
Instruyes para. o servido K,aSfeila de
cortes de case-
mira a 2,5500 e 3; bales americanos,
i unto para senhoras, como para meninas a
Em casa de Tisset Freres ra do Trapich"n.
9, tem para vender :
Vinho Bi rdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito di Champagne muito superior.
Cerveja frattceza marca Bobee.
las guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistara nos corpos
de Toluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Ind pendencia, a 10.
Superior Vmbodo PortoT~
la ra do Vigario n. 14, escriptorio de Domin-
gos Al ves Matheus, tem para vender muito supe-
rior vinho do Porto em caixas de urna duzia, e an-
coretas de 10 era pipa por prego mdico. # ,-
(odas as qualidades e t'nuaks*.
Que se vende mais baralo 25 por cento do
que em outra qualquer parle : bao s para
liquidaco: na loja e armazem de fazendas
de Guimaraes & Irmao.
O-RA DAIMPERATRIZ, N. 72.
Yovejia de Xossa Senhora 1
_ raroedeaiiraioa.
>end-.-se na ra do Imperador n. 15, omYio
de enca1erna(;5o : o offleio, salve e versoi, mm-
na e salve de Nossa Senhora di Carra., tres fo-
Iheto*por500rs.,enjvena de Sant'Aou por


M
fu r-^
i% #ii


Diarlo de PernanibHCo Quinta letra 6 de Julho de 1865.
\
>
NOVO GERENTE
AO PUBLICO
Mem o menor constran-
glmento se entregar
importe do genero que
nao agradar.
ESTABEEECIDO A RA NOVA N. 60
vita sijhim idi 32 arcorcca
AO
A UESFEITAVEIi PUBLICO.
/A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem di Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
rjro-sndo em'sua mas ra parte mandados vir directamente do estrangtiro podem ser
vendidos por precos assasrazoaveis. ? .
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm .ffiancar, com toda a seguranca de que
nenhuin oulro o exceder no restricto cu:i primento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2/ Fidelidade no peso.
3.' Siuceridade nos presos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos inissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qjalquer que seja a condigo do freguez, elle deve contar que sera sempre mul-
to bem servido. ,
Acuelles que so pouco" favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa ae
muitas patacas, afreguezamlo-se nesta casa, onde se Ihes vender o arroz, o caf, a man-
teiga o.associr, etc., etc. de boa qualidade pelo prego que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
O senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem \;r, ; elo sen proprio interesse, a este eslabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escollado por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos sennore-
comprad ares.
Nao se te:n poupaJo sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos. _-,
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A BMIIEIRO A VISTA:
A
li!) rs. a libra.
de oito libras para cima a
libra.
ALPISTA a
dem e raingo
IDO rs.
Arroz de 90 rs. a libra a .
Amendoas, casca molle, a 28 rs a
Avellas a -20 rs. a libra.
Ameixas franeczas em atas de todos os la-
manhos.
dem idem em poles de todos os taannos.
dem iJe.n em bocetas de todos os taa-
nnos.
dem dem em frascos de lodos os lma-
nnos.
Giuixa em latas, milito nova, a 80 rs. cada
urna.
K
KIRSCH de Wasser a 2$ a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de pimeira
qualidade a 1^, 1120 e 10*80, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por 1#280 a lib a, vende-se em
outra qualquer casa por 45400 e 1500.
' Maruelada dos mais acreditados fabricantes.
Azette doce de primeira qualidade a 3G0 rs. MacarrAo e tai.haiiim a 320 rs. a libra.
a garrafa. Massa de tomate a 600 rs. a lata.
Ai.nos a 200 rs. o molho. Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Absi.ntho a 2-iOOj a garrafa. Molho dwlEz de todas as qualidades.
05 Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas Massas finas para sopa branca e amarella a
grandes e pequeas. 00 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
dem do Principe Alberto a 25009 a lata, e 30800.
de cinco para cima a l800. _^ Milho painco o alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
NOZES a 120 rs. a libra.-
Nabos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
P
PEINE em posta, latas grandes, a i 100, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescalinlia, linguado, sardinha. etc., ele,
Peras em latas, excellente preparago.
Palitos para denles a 120 rs. o mago muito
grande.
I'assas era (piarlo a 15400.
dem muito novas a 400 rs. i libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
dem de sola em hitas grandes a 2>ty0 e
de cinco para cima a l.800.
Biscorros inglezes de tedas as qualidades a
10200, I >250 e l#KK).
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Baniia de parco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, e em porco a e 70j rs.
dem suisso a l a libra.
dem de musgo a I$j00 a libra.
Chooricas milito novas a 809 rs. a libra.
Caf a 240 e 290 rs. a libra, e em porcao
se far abaluneuto.
I lem de primeira qualidade a 7^000 a ar-
roba.
Conservas em Tascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem ioglezas, frascos grandes.
Cuampag.se d; todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e ires a l#S00a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres N e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Havana, Exposigao,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, hegalia, Mississipes,
Panetellos. Apraziveis, Vrelas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Qi.v do ludas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 2000,
2.2 0, 2->:'.)0 e 2.5800.
Copos lisos de lodos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 20300, 30300, 43 e 5.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 1> e 10300 rs. a garrafa.
Cigarros do Kio, pardos, a 89 rs. o mago
de cinco macinhos.
i>
DOCES le todas as qualidades : brasileiros,
pjrtuguezes, inglezes, francezes, ele. etc.
B
ERVILIIAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
Q
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suiisos a 800 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QlARTIMIAS OU MOHINQVES a 0;5, 83'e 103 0
par.
RAPE* Meuron a 1$ a libra.
dem Princeza do Rio a i .200 a libra.
dem francez a 2 M
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
l'z abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25?. *
Sardlmias de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Selubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearlnas a C00 rs. o mago.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 009 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V J
VINHOS! !!
Principe Alberto, de 1831, a .j;>000 a gar-
rafa ; da vida aos velhos.
Velho secco a 2$ a garrafa.
Lagrimas do Douro a 43500 a garrafa.
Duque do Porlo verdadeiro a 23 a garrafa
Duque a 13 e 13500.
Chamissoa 13, 13200 e 43500 a garrafa.
. Luiz a 43 a garrafa.
Mcscatel verdadeiro de Selubal a 23 a gar-
rid
FAUINIIA S S S de 8 libras para cima a 420 Carcavelos a 43.
rs. a ibra.
dem de ararnta a 320, 400, 500 e 810 rs.
Figos de comadre a 1(50 rs. a libra.
Feijo verde em latas a 600 rs.
Pavas em latas a 600 rs.
Fimo do Rio a 500 rs. a libra.
dem americano em latas a 23.

Farello ha sempre em deposito de 500 a
809 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos o; tamanhos e de todos os pregos.
f
GOMMA a 50 rs. a libra.
dem a 40 rs. a libra, muito alva.
Grao de uico a 120 rs. a libra, e em porgo
se faz grande abatimento.
Geneora de laranja verdadeira a 13000 o
/rasco.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico Ti-
nho que se pode beber por nao ter com-
posigao alguma.
Lanleme a 800 rs. a garrafa.
Bordean* Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 13 agarrafa.
Absyniho a 23 a garrafa.
Kirsch a 23 a garrafa.
Wermoutb a 23? e a caixa a 183.
Bitter Maurer a 13 a garrafa,
Grave a 809 rs. a garrafa; vende-se por este
prego por haver sempre em deposito 50
duzias.
De caj, de 4852, a 13200 agarrafa.
Velho do Porto, em ancoretas de 9 caadas,
a 353000 ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se a 43280 e 13500 a garrafa.
ATTENgAO
os presos da segulniu
tabella para todo, po-
rteado assim servir de hu-
cotu os portadores.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo pastando o arco da Concelco)
PARA BEM DE TODOS.
RIVAL
Ra do <*ucin: (.cjninAa a vendar leda? dfe mioto s;x<)
i declara jior prt^os mit*t*.
i Massos de paliios lixados para denles :i U
i E.pelhos de molduras douradas a ;i;i!,2.i'i
; lionels de oliado para meninos a
! Dilos de couro .-uperiur fazeda a \i
..Frascos com suptnur lima rocha a MO r-.
86 para O ajuste de COUtaS i Meiadas de lima froxa ^^ra 11 r
babado do Forlo, fazenda Loa, tara ..
110 rs. .
Varas de iranja iiranra t.-treita ;. id i.
Caixas com 100 envelopts.ajenda lina
Groias de penoas deago, Wtada isp>n
Duzms de meias eruas encorpad;i> r ai
;i*oo.
Gtnu de boloes madreperola Ci
e 040 rs.
Caixas com 30 noveles de Ilii.l a i
900 r>.
Caixas rom sii| erii es nl.rei.-.sde n ta ) 10el
I'ei;as de lila braara elaaiira > '
i Varas dt- irania de lea pia enlciits d<
40 rs.
Baralhos donrados stiper- res q
Noveilos de iinlia ci.ni 400 jardas a I
Litros para astelos de roopt-awi.....i ;
I UI.1.0, I.:> I
inras scperl r. a
Senhore' '"horas, o aceio qne presidio aosarrnjos destenovo estabelecimento, e mais que todo a promptidSo e intei- &"' 4e>0,M t*n
reza com qne sero lratiJ?>^-"ivida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a prolecr^o e preferencia na com- So?t*n "''
pra dos gneros que precisara 11 e quando n3o possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam poiico pratiics/ Caixas de peonas de ralbgrata, tazeasa i
pOisserao to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendarao, aDm File irue nao vo em *'00. ,
'parte. !Massoscoasoperiorera .. '
. Pam de snalos 6e tranca e tapefc '"'''
n a 4oo rs. a h- [Sal retinado cm frascos de vidro com lampa ,P's de saoaios de iranja para aanaa i .
lia
Mmteiga ingleza especialmente escclliida a
l.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento..
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 3,000
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra. '
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1 ,Coo rs.
Altria, macarro
bra e 0,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a (4o rs-.a libra e
3,5oo a oaisa com b libras,
vinho do Porto muito fino proprio para
do mesmo, a oo rs.
Cerveja branca das marcas maisacred
que vem ao mercado, a 5oo, oGo e 64o
a garrafa, c s,eoo, 6,000 c g.oo u du-
zia.
1,6280.
Caixas com supeiiore> agotluil a 240 :-.
Libras de lia Midas de bonitas rdi -.
Caixas.com superi.ires obreiM de anata ) ; \
HoJinlias com allint les Irauti 7.1 > i.. 1.;
a 20 rs.
^ga"afir' em ancoretas de Granadas a Cevadir.ha de Franca muito nova, a 2oo rs. S ddee *# "K.^
Bsroras para roupa. bieata nal a 190 '
Duias de lesonras rota loojaa i
3j,ooo rs.
Vinho em pipa: Porlo, Figucira e Lisboa a
32o, 4oo e 000 rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 000 rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,oo.
dem preto o que se pode desejar neste ge- Vinho branco para missa em caixas de i du-
nero a ,00o e 2,2oo rs. a libra. | zia a 8,000 e 08o rs. a garrafa.
Linguigas muito novas a 800 rs. a libra eem Vinho do Porto das melhores marcas que
barril se faz abatimento.
Chourigas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 04o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra,
dem prato a 800 rs. a libra, e inteiro se faz
abatimetto.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 04o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 04o.
Feijao verde muilo superior a GiOrs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Bainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a i 6,000,10,000,
I2,pooe 10,000 a caixa com I dziae9oo,
1,000 e l,ooo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duziae 1,000 rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas
qualidades a l,3oors.
Charutos do aflamado fabricante Jos Fui la-
do de Simas, das seguintes qualidades:
ExposiySu Normal de II. vana. lmpeiiaes,ln l
Londrinos, Guanabaras, Parisiense*, Sus-1
piros-Delicias, a 4,000, 4,ooo, 5,000,
6,000 e 7,ooo a caixa ou cm meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedoras,
Panalellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,oco el
3,ooo a caixa.
opnac inglez das melhores marees, a 800e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de guiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de aramia verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matle,excellente cha para os navegantes^ a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a ,20o a grosa.
de diversas Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs.'
libra e 8,000 a arroba.
CO rs.
/as de facas e aarfos de raho pr. I
Talh. ros rr.uil 1 fin 1 u:. rrian;:.- .. .
l-lo de algedo da Bal
Yendefse noescriptorio dv. Anin; Lab
veira Azevcdo & C, ra da Cruz n. 1.
A LESiflMA
4
Cartoescom bolo francezmuilo propriospa- Banlm de porco refinada a (ioo rs. a libra,
ra mimo a 64o rs. | Bolachinha Alberto, as.melbores que pre-
Passas muito novas em caixinnas enfeitadas sentementetcm vindo ao mercado, a 2,ooo
para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a 2io rs., e 2,4oo rs. Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francez aespanhol e suisso a 9oo, Figos de comadre a 24o rs. a libra.
l,ooo e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.'
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e era caixa se faz abatimento. Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joao;
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-1
eradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800,1,000 e i,2oo rs.
Vinho Bordeaos das marcas mais acredita-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em f-asco, de vidre com
lampa do mesmo, a i#5oo.
. das que vem ao nosso morcado a 7,ooo e Ameixas franc zas em caixinhas de diversos
8,000 a caixa e 64o o 7oo ris agar- tamanhos com bonitas estn pas na car-
rafa, xa exterior, a 1,4o?, l.fioo, l,8oo e 2,oo
Genebra de llollanda a 48o rs. a botija de cada urna.
conta certa. 'Azeitedoce refinado hespanholou portuguez
Frasquoirnads goaebra do llollanda n 6,800 a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixa.
e 04o rs. o frasco. Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
Genebra de laranja verdadeira em frascos o gigo com 3'i libra;.*
grandes a 1,000e ll,ooors.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li- 8,r>oo a duzia.
bra e 8,000 rs. a arroba. Vassouras de escova para esfregar casa a
Cafdo Cear muito supcriora24o rs. a li- 4oo.rs. /
bra e 7,'oo rs. a arroba. Xozes muito novas a 16o h. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8o a arroba. do mesmo, a 10o rs.
dem da India a loo rs. a libra. e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. I a 800 rs. o frasco,
dem de Java a^o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa Lentilhas francezas. excellente legume paraj fa ea l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra. "lAzeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a
a lata.
Farinha do Maranho muito a
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,8oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,60c e 3,000 cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a rcialho, a vista se
far o prego.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandesde
8 garrafas por 600 e 800 rs. a gartafa.
Azeilonas portuguezas a aoo rs. a garrafa e
l,?5oo cada urna ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vm
ao mercado, a 2,ooo e 3,000 a garrafa, p
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosemsextinhas a 80 rs.cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeiladas a Oo rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cerja, a 800
rs.
Xanagre de Lisboa a 2oo e 28e rs. a garra-
cana da
Massa de tomatesde superior qualidade a O io Marrasquino de Zara propriamentev dito a
rs. a lata de urna libra e5Go rs. a reta- l> a garrafae 11,000 a duzia.
lho. Palitos de dente a 14o rs. o mago.
eOlO rs. agarrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 000 rs. a
garrafa.
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Coniinua-se a vender era porgo e a retalho :
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
C/iromacomo
A apuia branca, na roa do Queimado o. 8, acaba
de receber um novo soriinieulo de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
frascos com hydrocalletrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
e onychromaniina para limpar as unhas. Essa
tintura, cujo effeito rpido e eflicaz, est bem co-
nheeida e apreciada para todos quaotos della tem
usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aquelles, dingir-se munidos de
dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel e Mas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca, na
ra do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folhas, e
dito tambera verde e mui lino para cobrir o ra-
me, assim como folhas de panno o avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para vertidos
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'aco ingle-
zas e francezas
A aguia branca alera do grande sortimento de
penas d'aco qu receber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres A C, assim como as
verdadeiras blco de langa n. 134 e outras de pon-
ta dourada, continuando porm a vende-1as por
pregos commodos, cora tanto que ocomprador com-
parece munido de dinheiro : na ra do Queimado
loja da aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
ha a venda pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, receben'
Bonitos e graudos aljofares de cores para voltas.
Pulseiras de ditos de iguaes e agradareis cores.
Voltas pretas maiores e menores todas de coni;-s
grossas.
Pulcelras preta tambem de contas.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores e donrados.
Fivelas d'ago grandes e pequeas cora cinto pre-
to e de madreperola.
Outras graudes de differentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leques de [madreperola redondos e de
outra forma.
Ditog de sndalo interigos e corredigos.
Capellas brancas para menina?.
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120 libras a 4#,4o00 e 33
no graude armazem

no grande armazem da Liga.
Madapolo milito fino com pequeo toque de avaha, por prego que admira :
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonb Correa de Vasconcellos & G.
na loja
si*
!
/L

rntfr.>?~Z


r ULi
FBEPAjULA

tu-
LAMAN k REn).
IvOVA YORK.
C&mpsta de subslar.c:. i
propriedadei cminer.imti h cii..
approvada pilas juntas o aradi v
icina; asada nos principis hospiti
vis militares e da marinha as A.
no continente americano: reo
facultativos os mais distinelos i
Brasil e da America toptnhol
CUEA BADICAIlLi;7
escrophulas, rheumatismo, escerlM
fermidades venreas e merctn ir i
antigs, morpliea e todas as mo.Vsfias prv>
venienles d'um estado vicioso do sangi. .
Emquanto existem varias imitar".!. ? e
falsificacos, preciso a maior cautc'a, m
evitar os engatsos,
A legitima salsa de Brislol vnde-sc cr
CAOBS & BABBOZA
JOAO DA C. BRAVO & C
Jo5o da C. Bravo & C.
Vendem-se no Recite em casa de (;;( 4
Barboza e Joo da C. Bravo & C.
Piche do ;z c renrii d-> p%.
Vende-se piche do gaz, wrniz 4o gas e es
la i^rra : ao srmuem da b la un i
da secretaria da polica.
Vende se urna escrava crionla moca m
bonita figura e habili.ades e sem vi tos : h
da Itoda sobrado onde morn o Sr. Dr. Pipo la-
nior, ao comprador se dir a razao porqu
vende.
jBgjATW mv
EsTivo fujii!.
Itoga-se a polica a apprehensao do .>srraV'> lar-
do de nomo Paulo, que vagueia no bairro da I
Vista e seus suburbios. Ri presaaM :J0 ano.
idade, cabello rente e suissas. Quera o peg^i
ve-o a ra do Livramento n. 19.
Est fugida
Grande sortimento de roupas feilas de to- i YinllOS Malvazio do Porto
das as qualidades,
Caigas de casemira a 6 e 75300, ditas pretas a
6 e 8$, caigas de ganga a 2-3
1800
a
Joo Luiz Ferreira Ribeiro tem para vender em
seu escriptorio na praga da Santa Croz ns. 6 e
ofSa excellente vinho malvazia do Porto em caixas d*
ditas brancas a 25, bnm de lmhciai 35, 35500 e duzia recebJdo pe|0 brigue Unio. o melhor
45 paleto s do alpaca branca a 45500,. di tos pretos vinho que tem vindoa este mercado desta qnalida-
de. por ser especial e recoramendado pelo agn-
a 35 e 35500, diios de alpaca de cordo a 45. o
de listra de seda a 45500, dilos sobrecasacos a 35,
paletots de casemira a 55, 55500, 65. 85 e 95,
ditos sobrecasacos pretos a 125, 13 e 165, ditos fi-
nos a 255, de cores a 135, ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25500 e 25,~ditos de brim
paxdo a 35, jaqueloes de brim pardo a 35, panno
preto fino a 25. 256C0, 35500 5, 45300 5 e 65 o
covado, moreantique preto a 25600 o covado, gros-
denaple preto a 15500,15800,25, 25200 e 25300
o covado ; e outras muitas mais fazendas que se
deixa de annunciar, e manda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimento est aberto at as 9 horas da noite,
ra da Imperalriz n. 56, Mondes Guimaraes.
C/legramos superiores
cortes de seda.
Superiores cortes de seda de cor, viudos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Uorreia de Vascon-
cellos & C.
cultor do mesmo na qdnta de S. Goncalo de Lom-
brigos, do Douro, pois 6 o proprio que o remette e
garante sua qualidfede sem confeegao, apenas cora
agurdenle feta do mesmo vinho, por isso torna se
recommendavel para os Srs. apreciadores de bella
pinga.
de
Em 9 de junho auseniou-se a preta rrkral:
mfaeia, de 40 annos. estatura regular, rosto reden-
do e bragos bstanle lanzudos, esta preta J fot es-
crava na roa Velha da Boa-Vista, caes do Ramo: .
ra das Flores, do Si\ Jo .Vanes de Olivein. e
consta ter sido encontrada na barre.ra do Oitruia
com urna trouxa dn ronpa para lavar, mais como
6 boa cosinheira pode estar a titulo de forra ala-
gada em algama casa : recemmenda-se perlas
as autoridades policiaes e capites de campo a -na
apprebengao e levar a ra do Gaz casa do corre-
tor Sr. Nascimento, que se gratificara.

tt'llC
f
y
Farinha de mandioca fina e alva, mais bara-
ta do que em qualquer parte, arroz da trra pila-
do e em conta : para ver e tratar, na ra do Vi-
gario, casa n. 29.
Desappareceu no dia 19 do prximo pa'saoo. o
negro Martins, estatura regular, cura orna ferida
grande n'uma canelia e a perna enciuda, f<>i cvm-
prado ao Sr. Car va lho Paes de Andrade. s-'nhor to
engenho S. Panli-, snpSe-se que anda pelos eng-
nhos perto do Barro, quem o pegir, faga-o t<
zir a botica da ra do Cabug o. II, que ser
recompensado.
Ausentou-se boje ao meio lia. da fo~da Crn
n. 26, o moleque Venceslao, de dad" de 10 anuos,
de cor rula, venta chata, e levon camisa e c-'ra
de chita azul, tendo no pescoen om rosan-, ba's-
tante ladino e esperto, fui esefavo cria de casa do
Sr. Jos Baptista Ribeiro de Parias, e como se des-
confia esteja acornado, protesta-se proceder contra
quem o tiver acolhido: e pedese a qaem del'e
der noticia, ou o agarrar, leva-lo a sobredila ca.-a
que ser recompensado.
Tolas preciosas c objeetos
onro.
Manricio Selbeberg & C, Polacos, ltimamente Fugio em principios do mez de fevi rciro oo
chegados a esta provincia, t derecera ao respeitavel corrente anno e consta estar acontado nesta cidaM
publico um grande sortimento de joias, brilhaql.es, o moleque Euzebio. cscravo da viuva do Dr. Fer-
relogios e muitos objeetos de ouro, por prero o nando Afionsude .Mello, de 12 annu de idade poo-
rnais razoavel possivel, e mesmo troca e compra co mais ou menos, cor prela, setc do corno, olhcs
objeetos de onro, prata e diamantes por objerios regulares e afumacados, cabega nm p'iucn grande
novos : na ra do Queimado n. 29, entrada pelo' e raeia chata, heics tinos, denles bem alvos, p.*s
largo de Pedro II n. 27, de raanha at as 9 horas,' seceos e muito ladino : roga-se por tanlua ledas as
e a tarde das 4 horas em diante. Os objeetos vxi- autoridades policiaes e capiles de campo que o an-
didos pelos annunciantes sao garantidos por elles, prehendam e levem-o a roa da Mangoeira sobrado
e estao promptos para levar objeetos s casas das, n. 6 que serao gratificados, proleslando-se osar i
pessoas que desejarem comprar, urna vez que nao melos judclaes contra qualquer pe^oa que o I
possara vir a seu estabelecimento. em seu poder.

-.
: j
.
.
.:
.
r;
\
y.
^*m


Diario de Pernanibnco --- Quinta letra S de Inlho de f 965.
LiniEfliA.
.'ios atholieos desta Hcese.
Comlodo ao passo que a tarefa de effectiva-
meDte pregar e baptisar eniro os inflis pertence
aos padres missionarios, toda a Igreja, incluindo
os .leigos, lem cerlaraentc a sua parte oeste daver
solemne. Os mesmos apostlos colhiara as eftnolas
dos primeiros deis, para poder cumpli-lo. Na ver-
dade todo o memoro da igreja catholica apostoli-
Bene fundira est su-
}M-(i firmam petram.
P r omito, que o principa dn>. trevas tent con j ca deveria ter por honra e gloria ser Incluido na
- '.'. i :) Fazer prosperar com Mfflioo hri.r-mtismo a nagoes paguas. O que se projecta agora permittir
; catl ilica, arredando de bem intencionados I a todo o catholico generoso tomar o seu quinho
;" lodo pensamento grandiosa de so ooncor-
!.: ; : >mbora o secuto actml se Gbame ios /
zes. da tolerancia religiosa, do racionalismo, des^
crmga, scepticismo, (oa trapioda-le) a igreja ca
i i! tresee-, pwgride em sna obra de eivWisa-
'; e regeoeraaio da bamapidade; d a mi rom
'ivpI piedade aos cegos de eotendimento para
en tnrinha-los, sem perigo de queda desastrosa a
estrada de flores, natisada, da eterna felleidade.
Se (p>r exemplo) na capital do Brasil um es-
ueste dever santo, e concorrer na sua proporcao
para a matar obra. Pois pira dizer a verdade em-
bra a ro'sma obra seja altamente espiritual e de-
penda de graca para ser bem succedida, nao pede
sor executada sem esses recursos lemporaes com
que nao aprouve ao Todo Poderoso enriquecer a
sua igreja. E-ses devem fornec-los osfleis;epor
isso justissimo que se Ihes ofT;regam os meios de
o -fazercm tanto aqui como cm oulros paires. Xa
verdade io limitados siio os nossos prpprios meios
e tiio immensas as nossas necessidades, que o au
\ geiro andas, publica, e escandalosamente pro-; sillo estrangeiro parece absolatamente indispensa-
mocid-.de inexperta a-, doutrinas.errneas vel para execucao dos nossos planos,
c sna seila, d 'rrami por entro as massas igno- .
ramea seas erros abominareis, seos mandaremos .' 0s piedosos e berafazejos ebrtetaos de todos os
ricos... um outro estrangeiro, compatriota,! pa,zos da EuroPa e da America reconhecero a im-
. mesan naeao, sacerdote catholico, douto, e l>orlanm de nesintereseada obra. E" urna ques-
lolo das verdades do Cristianismo, amigo de- i,ao do a"S,nei,lar numero dos padres para as
leda civinsaco religiosa e fiel propagador i ""^'"estrangoiras, recrutando-os n'uma nagao
nave.; doctrinas do Evang Ib i peregrina, por'(,,,,! Bestes n,,imos annos n5 tem es,a,1 alislada
u r,a grande parle d'America, esmollaado para a I*188? obpa sanIa- Creio p)i f'ue nos 'mmensos co-
' i^o de um collegio ie propaganda cathoHca,\n?*> d,,s nps'05 "mlas em outros Palies "cha-
iraco, na sede, no centro do protestantismo, Ir
" Lot ll :
S ni llcrberto Vaughan, esse Ilustre, e eatholi*
icerdote ing es trio bem algum jesuta!
r-se-hia contra cio, no seio de algum par-
11 mi i de cali ohcos, por onde lem transitado, a
iiutorisada o algum genio refractario a laza-
rais?
Niio consta, .".inda bem !
O Ulostresacerdote Rerberlo Vaugkan acua-se
i.; sute na capital Ja Babia, e breve le-
' lo-bmos entre nos; a 5-ua missao sobre ser fl-
.. '.<) mais elevado pensamento resume o que. lia
mais b lio, e portante em urna empreza san-
. rada pelos ardemos dezejos de penetrar as
, isas trovas do erro, levando v cxplendor da
.? at on le nao tenha chegado a paiavra do Se-
n r.
11 illnstrado chefe da igreja periiambucana, em
circulir de ."JO do corrate convida a todos os
cestnos para que concorram comoqno
. re.o -ua- posses, aflm de ij oeste bispado
' Vaughan encontr aquello acolbimento,
..' se deve esperar de um povo ja mtavelmen
c;nr.ecido nos paites civilizados, e que prima por
j :elo pelos negocios de sua religiao, e por seus
timemos de pirdade.
ominosa circular orientar tanto qnanto c
.o a tolos que pnssuidos de sentmento
ligios is quizerera concorrer para a execueao de
do por mili d i titul >s sublimes.
irnt! i5 ;, ssoS ', 'itores a-; palavras
. sna sanl iade Po IX com referencia ao colle-
Ti.' d propagan la ealaotiea, bem como a impor-
ta i la do ca i ; Wisenian ao ilustre
--' '' | para mellior esclarecimon-
.. |ui irnos Iranscrever.
' ': ll uihc de IS6S.
P. I).
1
'A V\T,AS DE SUA SASTIDADB l'IO IX.
> i. digo >- i crever a O de novem-
o sen r:c punho a favor des-
.;.!...' al engi a e roiege algnmas pala-
vi 15 lati '-;'- | od m assi n tradnzir-se : Fazei
o qu de vs se exige na patria, mas nao dcixeis
I auxiliar esta obra das inissdes extrangeiras
,: facer, ti .iliud non moliere. Possa a ben-
le Dos lescer sobre loJ os qun com o seu
lio aviara iuz aos que^azem na escurido dos
Estas | ras do vi tario de Chnslo bastam pa-
ro por em aeco o telo de ioJo o bom catholico.
II
'. tTA X.SU.V EMINENCIA FALLECIDO CABDEAL
VISEHAN.
Sern lids com interesse as seguintes liabas de
eminencia o cardeal Wiseman. Snaeminen-
6 o verdadeiro pai e fundador desta obra, que
medilava iiavia 2o anuos, e a que ebegou a
j...- principio.
Londres, 18 de jnlho de 1853.-Mea caro pa-
dr i Vaoghan. -Esteris lembrado de que quando
;,. annos pela primeira vez me commnnicasles o
inte dezejo, de.-Jo muito nutrido de fundar
u.i Inglaterra ama insiituicao para edneacao de
padres ine trabalbem na conversan de nacoes in
eis, me achastes prompto nao s para approvar
as vossas nlonjoes, mas lanibem para cooperar
c vosco i:a rcalisaeao dolas.
i Disse-vos que mnitos anuos antes na vespera
d. recejber a oonsagrago episcupal, um hoiuem
q' 3 depois alcangou na igreja o titulo de serr de
D t, em termas notaveis instou comigo por que
trabalbasse para a rormac.io d'um collegio na In-
glaterra para esse mesmo fim. O disejodever
. reallsado nunca mais un passon da mente
mas oiio tioha cu visto meios de dar-ihe principio
ll que a vossa proposta de dedicar-vos a isso pa-
re :eti-me abrir um caminho para o cumprimento
das minln : o.-pe.raucas. Por isso mostrastes vos
q jas: 3 lo do espontaneo e prompto acorogoa-
mento qu> J* mim recebestes.
Record osles preliminares para que aquelles,
<: enj) aaxilio carecerdes na execugo do vos3o
plano, fiqnem sabendo que nao urna idea iuteira-
m me vossa a que eu baja annuido ,por bondade
pr ipria on sxeesso de zelo, mas que pelo que toca
a tempo para madura consideracao um antigo e
m.itas vezes meditado pensamento, a mim sugge-
rido e at vivamente recommendado por mais alto
e mais santo espirito do que o vosso ou o mea.
c E' este pensamento commum para o qual ago-
ra tenanlo realisa lo, peds a minha approvacao.
Como a recusara ou mesrno a concedera cora
frica t
O preceito da candade simples; se sois ricos
ai c#mabundancia, mas'anda que sejais pobres,
ou pouco tenhais, dai desse mesmo pouco. Somos
pobres, reconheco-o, mas nao nos exime isto de
dannos em proporgao. Os rnilhoes de creaturas que
dorraem na escurido e na sombra da morte, sao
infinitamente mais pobres do que nos na f e na
graga, e seguramente devemos fazer alguns sacrifi-
cios para supprir ao menos em parte eslas neces-
sidades espirituaes.
t A trraiidao para com Dos qne era tempos pas-
sad.s to generosa e misericordiosamente envlou
outros era nosso soccorro, parece reclamar.de nos
igual beneficio para aquelles que toraaram o nosso
lugar no abandono espiritual...
c Creio porera que nao deveriamos perder de
vista um lado aioda mais vasto e elevado deste ob-
jecto. E' este. O Salvador deu a sua igreja um
mandamento'slricto e perpetuo, ir e enstnar todas
as naroes. Nao pode ella esquivar-se urgencia
desta missao apostlica era qnanto houver urna so
naciio tiagSa para converter.
empreza. E pelo que respeiti aos nosf>* oontorrn-
neos eu mesmo escrevere da mellior vontade o
ineu nome frente das suas subseripcoes, dando-
vos assim nao em palavras s, mas em accocs, pe,-
nhor seguro da sinceridade da mlnha approvagao.
Se eu vos estivesso dirigindo esta carta smen-
le para servir na Inglaterra, a vossa posigo, ca-
rcter e relacoes comigo nlo requercriam um tes-
temnnbo da miaba parte. Sois por demais conhe-
cido para que me connota diter qualquer cousa so-
bre estes tpicos. Mas como pederis querer fazer
uso desta carta fura do paiz e entre estrangeiros,
justo que eu diga que a vossa condicito na vida, co-
mo fllho mais velbo de urna amiga familia catholi-
ea, que lem sofTrido muito pola f, e lera seus mar-
tyres no eco ; que ter les abraca do o estado eccle-
siastico sem estimulo algum possivel alera do de-
sojo de seguir urna voracao divina, e trabalhar pe-
la salvagao das almas; que'terdes entrado para a
congregaeio dos padres seeulares, os Oblatas de S.
Carlos, insumida com a minha mais plena approva-
eaoesob a minha Uirecci-i n sta archidiocese; e
Onaimente as provas de ioteira confianea que vos
tenho dado tanto no meu collegio como na diocese,
sao bastantes para garantir a sinceridade dos vos-
S03 motivos, e a seguranca da-vossa empreza con-
tra o perigo de imprudencia, lins secundarios ou
objectos pessoaes. Se alguem desejar anda maior
seguranca. podis francamente! remeli-lo para
mim que a darei toda.
E agora encomrnendo-vo; a vos e a vosssa
obra-ao Verbo da Vida e guia do Espirito Santo,
ara que a aperfeice em vos o por vos.
Vosso affectuo-o pai em Uiristo*- N. Cari.
Wiseman, ao Rvd. padre H-rberto Vaaghan,
em theulegin.
I)r.
^>-o-..S-*<
UM POLCO DE TIDO.
NAO SE l'ODE.M ATUBAR.
Os que sabem ludo, e a quera o albeio sempre
parece mal.
Os egostas, os podantes, os hypocrltas, os iodis-
cretus, os ingratos, e a domis arraia miuda.
Os rapazes velhos e os velhos rapazes.
As caudas dos vestidos varrendo as ras.
Os graciosos por ofljcio.
Os minisleriaes de lodos os mini.-terios.
Os fanfarrees e os alladores.
Os que fazeui visitas horas inconvenientes.
Os que emitiera a s ia opinio fcilmente.
Os empregados que recebem e tratara como
triados os que conlribuein para o orgamenta das
despezas.
Os que inculcara habilidades que nao tem.
Os que nunca ouvem os quo Ihes fallara.
Os eruditos de nascenca.
Os meninos de vinte annos quo perderara as
crengas.
As mulheres barbadas.
Os homens sera barba.
Os que abusara das suas forgas, e as que abusam
das suas gragas, bom que no peccado arabos tem
penitencia.
No honiem, o tacto o sentido mais perfeito, o
;-I i lar o segundo, a vista o terceiro, o ouvido o
quarto, o olfacto o ultimo.
Nos quadrupedes, o olfacto o primeiro, o pala-
dar o segundo, a vista o terceiro, o ouvido o quar-
to, e o tacto o ultimo.
Xas aves, a vista o primeiro, o ouvido o se-
gundo, o laclo o terceiro, o paladar o quarto, e o
olfacto o quinto.
Tem-se at hoje acreditado, que a competencia
em assumptos mercantis era vanlajosa para o pu-
blico.
Um editor trata agora de provar que o pode ser
tambem para os concurrentes.
Este editor publica a bagatella de 12 jornaes de
modas, simula urna activa competencia, combate
em uns os artigos de outros,.aproveitando nos pa-
ragraphos que cita a mesraa composigo, e por esle
modo engenhoso tem conseguido ganhar muito di-
nheiro fazendo a guerra a si proprio.
- I i T>P.l l
Transcrevemos esta poesia de A. Sororoenlio do
Divn :
Perguntas bem I Eu nao me lembro disso;
E, se i'o disse, er qae foi mentira,
Pois nunca tal senli
Por nenhuma mulhermesmo a mais linda I
E qnanto mais por ti 1
Isso, Julia, sao cousas que se dizem
Para passar o tempo; e mal flzeste,
Se acreditaste em miro.
O desengao custa, eu bem conhego
Que tens muita razo ; porm, qne queres ?
A vida toda assim I
Conforma-te com a sorte, e tem paciencia,
Que o remedio que tens. Em le affliglres,
Que podes tu ganhar ?
O mal, Julia, est feito ; e nada fazes
Com pres-te a chorar I
morte de nosso Divino Redemptor; consuramada
est a grande obra da redempgSo do genero huma-
no pelo sacrificio do Calvario I
Mas como aproveitarein-se todos os homens do
prego infinito do sartgne dessa especiosa e imma-
culada victima, se o conhecimento desta admirave!
obra, obra da misericordia de um Dos Omnipo-
tente, tivesse de Hmilar-se ao conhecimento dos
que estavam encerrados dentro das muralhas da
ingrata cidade, se as apostlos, teslemunhas das
portentosas obras do Divino Redemptor e discpu-
los da sna celestial doutrioa, a nio pregassem por
todo a universo t
Elles, pon'-m, na sua cobarda e natural temor,
que os fazia andar s escondidas e a congregarem-
se em logares incertos, de portas e janellas fecha-
das por causa do medo dos Judeus, como anima-
rem-se arrostrar os odios, as perseguiges des-
ses, que ainda ha pouco linham levado ao patbulo
da cruz o seu Divino Mestre, que se tinha "dignado
de os chamar para o apostolado, se nao fosse a or-
dem expressa desse Divino Salvador, que lemosno
Evangelbo de hoje.
Ide por todo o mundo, ensinai a todas as
[gentes, baptisando-as^em nome do Padre, do Filho
e do E-pirito-Santo ?
Instruir a todas as gentes, pregando-lhes urna
' doutrina desconhecida e opposta a seus usos e a
seus costumes I
Urna doutrina que repngnava com o orgnlho, e
contradizia todas as suas paixoes I
E confiada esta missao lio poneos homens, e
estes doze apostlos, que nem ao menos tinham de
BetrohrjnMoa, mus o.paihados por todas as prtese
a percorrerem todo o universo, era certarunin nmi
missao superior s suas forcas. e semeada de insu-
' peraveis diffieuldades ; pois que nem todo zelo'
] nem loda sabedoria secundada por toda forga bu-
; mana, seriam sufOcientes para operar semelhante
; revolugo social.
Os apostlos, porm, confiam seropre em seu
Divino Mestre, e esto convencidos do soberano e
divino poder que sempre sua vista Elle oslenldu
durante sua missao neste mundo, e tanto basla
para sen mandado ser cumprido com todo zelo e
dedicago.
Confiados, pois, somenle na divina proteego
; d'Aquelle que ludo pode, que Ihes promette positi-
vamente a sua assistencia, dizendo-lhes : Fica
certas, que estare comvosco at a consvmtnarao
dos seculos; e depois qne receberam a visita do
E-pirto-Santo, que igualmente Ibes tinha sido pro
mettida, prineipiaram sua missao, espalhando-sc
pnr todas as partes, annunciando com toda cora-
lera o Evangelho, e conquistando ao demonio in-
numeraves almas para Jesns Christo.
Os operarios eram certamenle poneos e enorme-
mente abundante a cera do pai de familia I
Mas elles se vo snecedendo e multiplicando
constantemente, e se os seculos, rolando uns sobre
os outros, torna a luta do erro contra a verdade
constantemente maisrenhid, os trmmphos tambem
sao sempre snecessivos, porque est promettfdo :
que as portas do inferno nunca prevnlecerao con-
tra essa igreja fundada por Jess Christo e propa-
gada pelos apostlos.
E vejamos o que tem conseguido todos os ty-
rannos de todos os lempos e do todas as nacoesT
O que tem conseguido elles com esse caudaloso
rio do sanguo de tantos milhoes de martyres, que
elles nn seu rrgulho e soberna tem feito correr so-
bre a trra V
Elles tem procurado aftgar, verdade, nesse
temeroso rio de sangoo, todos os trentes de Jess
Christo. Mas a igreja se acha propagada por todo
o mundo, porque as pirtas do inferno nao preva-
lecerao contra ella I
K lio renbida tem sido a luta, que o inferno
nao contente cora seu innuraeravel exercito de
idolatras, que a combate sera reboca o franeampi.
te, tem suscitado ainda do seu proprio gremio li-
bios degenerados, desde Simo Mugo at o sacri-
lego Luthero, os quaes tem semeado a zizania no
campo do Pai de Familias as diversas seitas, que
desde enlao temos visto succederem-so urnas s
outras, e que depois de derramarem neste mundo
o sangue de seus irmaos, tem sido elles mesraos
precipitados aos milhoes no inferno !
Mas as portas do inferno uo prevalecerao con-
tra ella.
Assim pois a igreja de Jess Christo ; urna, san-
ta, catholica e apostlica romana, fra da qual nao
lia salvagao, tem sempre superado gloriosa todos
esses formidaveis embates, e progrde triumphan-
te abarcando o universo, ao passo que essas seitas,
desunidas entre si era principios e doutrina, se
subdividtm e se anniquilam, carainhando as ulti-
mas para o mesmo final que tiveram suas proge-
nituras, apezar de niio eneonlrarem, na propagagio
de seus erros, os mesmos embaragos que o calho-
licismo, e antes por toda a parte, como vemos no
nosso paiz, sao protegidos pelos governos. tempo.
raes, a titulo de civilisades I
Ma- as portas do inferno nao prevalecerao con-
tra ella.
Ah I Alegrerno-nos do termos nascido no seu
gremio, e confessemos corajosos p mysterio da
Trindade Santissima, hoje lo explcitamente en-
sinado por Nesso Senhor Jess Christo no presen-
te.Evangclho.
Ido por todo o universo, ensinai a todas as
gentes, baptisando-as em nome do Padre, do Filho
e do Espirito Santo.
Foi em nome da Trindade Santissima que fo-
mos alistados no seu gremio, quando a con fes.-
mos no baptismo pela bocea dos nossos padrinhos,
e desde ento o Pai nos ficou amando como a fi-
Ihos; o Filho nos ficou amando como a irmaos ;
e o Espirito Samo como a seus dedicados e miraos
amigos. |
Lom profunda adoragao pois confessemos :
O Pai nos criou do nada e nos deu o ser.
O filho, que nos remio do captiveiro do demo-
nio derramando o .sen precioso sangue.
O Espirito Santo, que nos ju-tiicou e santificou
no baptismo.
Um s Dos verdadeiro em tres pessoas real-
mente distinctas, iguaes em tempo, em poder e em
perfeigao.
forma para censursr os actos do chefe do cato-
licismo T
Por ventura os pharlseus, quando se arrogavam
o direito de censurar o Messias, nao coramettiam
nm grave peccado ?
E' o qne vos acontece, filhos do erro I
Lde a conferencia de Marburgo entre Luthero
e Calvino, e attendei ao que vos disse o apostata
antor da vossa seita :
Zuinglio, exclama Luthero, se porventura nao
acreditas no dogma do Sacramento da Eucharislia,
negai tambem toda a Biblia, porquanto do Pa-
pa que a recebemos.! <
Do papa, sim, do papa, dizia com razo o
monge.
Mos servos, e porque vos revoltais contra o
papa?
Porque nao seguis o quo vos disse vosso mes-
tre ?
Nio lestes na vossa biblia, que nao ha discpulo
maior do que o raestre ?
< Hypocritas, dizia Jess Christo aos phar-
seus, esta gente me honra com os labios e nao cora
o corago.
c Pregara urna doutrina que nao praticam, en-
sinara o que nao ciin.
Assim o proteslantismo.
Cada um er o que quer, e rejeita o que nao
quer.
Ao catholicismo nao acontece assim, quando
falla o chefe, todos obedeccm ; por isso que a
Imprensa pseudo Evanglica tanto se irrita contra
o papa.
Onde est a unidade do protestantismo ? vos
|.orHuntareuios nos.
Queris urna prova ? eis a enormidade de seitas
era que ello se divide :
-H.
Sobre o Evangelho de S. Mathens cap. XXVHI
v. XXFicai cerlos que eu estou comvosco at a
consummagao dos scalosdisserta o Cruzeiro do
Brasil:
Passados estao os lgubres dias da paixo e
A Imprensa Evanglica, orgo do protestantismo
nesla corle, pnblieou no seu ultimo numero um
arligo denominadoPi IX perante seus crticos,
que na verdade se torna notavel por motivo das
extravagancias e desconchavos, que ahi sevm
exarados.
Enraivecido com o mov ment prodigioso, que
(era causado a Eneychea do immortal Pontfice na
Franca, na Italia, na Hespanha e na Allemanha, o
orgo das biblias, mentirosa e emphaticamente ex-
clama :
t A carta eneyelica qae sabio a luz no dia tO
de dezembro de 1864 ficou logo engeitada, de
sorte que hoje nio se sabe se vive, ou se est
mora.
E' bem applicado aqui o proverbio do nsal-
mista :
Os insultos destes homens sao pedradas de doudos
Quem que deu auloridade a pseudo-re-
Anabaplistas.
Xovos baplistas.
Baptlstas separados.
Baplistas liberaos.
Baplistas criancinbas.
lialleluhyahs.
Baptisias do brago de
ferro.
Baplistas particulares.
Baplistas escossezes.
Baplistas pretos.
Cameronianos.
Cambelitas.
Livres pensadores.
Huntingdonianos.
lughanitas.
Chrislos bblicos.
Amigos prcibyicrianos.
Escossezes.
Quakers.
Socinianos.
Metliodi.-las.
Weslevanos reformados.
Commonistas originaes.
Swebenborgianos,
hriStos rebaplisados.
Kellitas.
Romanirlas perfectona-
lislas.
Seebers.
Andejos.
l)se,pulos amigos li-
vres.
Protestantes francezes.
Protstame allemes re
formad -s.
Novos Iluminados.
Que comedia !
Onde a unidade de doutrina !
E' o caso de dizt-rmos com o iyrico.:
7 nec ves, nec capul um vedatur forma;.'
Anglicanos francezes.
Baplistas.
Baptistas livres.
Baptistas rigorosos.
Baptistas pacficos.
Baptistas gloriosos.
Baptistas ebristos.
Baplistas geraes.
Baptistas do stimo dia.
Baptistas da nova com-
inunbo geral.
luepeudeutes ou puri-
tanos.
Arripiados.
Dunkers.
Haldanitas.
Irvingianos.
Saltantes.
Glassitas.
Noves presbyterianos.
Congregarioiai islas.
Unitarios.
Moravos.
Metbodistas primitivos
Calvinistas metbodistas
francezes.
Cpnexistas novos.
Irmaos de Piyraoulh.
Morraons.
Muggletorianos.
Universalistas.
ltoiblieldistas.
Lmheranos.
Reformados allemes.
Discipalos de. Bongo.
Anglicanos ingleses.
Etc., ele. etc. etc.
eonpo DE DOS.
Corpo de eos o nomo quo vulgarmente se d
a una sulemnidade cum que a i-greja, de urna ma-
oeira especial, honra do mysterio da Sagrada Eu-
c liar istia.
A snlpmnt- oommomnriir.iv.) dp^to n- wi !, Sacra-
mento, cabe naturalmente na quinta feira maior,
mas por ser esta semana um tempo de peniteucia
e de luto, nao se pode celebra-la com pompa.
A f^sta do Corpo de Dos propiamente dita, nao
remonta alm do XIII secuto : eis aqu a historia
de sua instituigao:
Urna veoenvel religiosa hospitaleira da cidade
de Lige, chamada Juliana do Monte Corneillon, ti-
nha urna particular devocao ao Augusto Sacramen-
to dos altares.
Foi-lhe revelado que esteva as vistas de Dos,
que urna solemnidade particular (os3o establecida
para honrar este grande mysterio.
Ella participou esla revelagao a um conego de S.
Martinho.
Este communicou-a a Thiago Pantaleao, arceda-
go de Lige, e a outras pessoas notaveis.
Entendcu-se ento que era do mister celebrar-sc
a instituigo do Sacramento da Eucharistia, de um
modo mais solemne do que se podia fazer na quin-
ta-feira maior. Cora eleito o bispo de Lige orde-
nou por um estatuto datado do anuo de 1219, que
todos os annos a festa do Corpo de Jess Christo,
fosse celebrado na quinta-feira depois da semana de
Pentecosts e del la se compoz o ofBcio.
Isto se cumprio na diocese de Lige.
Porm o arcediago Pantaleao sendo eleito papa
com o nome de Urbano IV, teve occasiao dada
pela Providencia para estender esta festa a todo o
mundo.
Pouco tempo depois Urbano IV, por urna bulla
dirigida em 1262, a todos os bispos, ordenou que
esta festa at ento propria da diocese de Lige,
fosse celebrada em tolas outras igrejas.
Urna passagem desta bulla assim resa :
Ainda qae recovemos todos 03 dias na missa a
memoria da institnigao deste Sacramento, eremos
todava develo celebrar mais solomnerrente, ao
menos urna vez no anno, para confundir os her-
ticos.
As solicitagSes dos bispos de Lige e de oatras
pessoas piedosas muito contribuirn! para esta ce-
lebrago.
Um milagro acontecido em 1262 fra para Urba-
no um poderoso motivo.
O sabio Benedicto XIV, coma no seu tratado das
testas, que um sacerdote tendo algumas duvidas
sobre atiansubstanciago, no momento em qae elle
acabava de consagrar, pingou sangou da sagrada
hostia, deixando no corporal urna mancha indelevel-
0 papa qaerendo certificarse por seus proprios
olhos, e convencido ento lerabrou-se do pedido dos
bispos de Lige.
Morrendo Urbano, dous meze depois da publi-
cago de sua bulla, seus successores Ihe nao deram
execugo, e por mais de 60 annos a festa s foi ce-
lebrada na diocese de Lige.
Clemonte V, francez, subi a cadeira de S Pe-
dro em 1303 e no Concilio de Vienna era 1311
confirraou a instituigo da festa de Corpo de
Dos.
Um outro motivo que nao pouco influio sobre o
estabelecimenlo desta festa, foi o desejo de protes-
tar claramente contra o hereslarca Beranger, que
negara a presenga real.
E a cidade de Angers, onde este heresiarca ti-
nha primeramente publicado o seu erro, distingui-
se entre todas as igrejas por a magniflciencia ex-
traordinaria da prcesso deste festi.
O Concilio de Trento com jnsta razio chama a
esta solemnidade o trimpho da fe.
A procissao do Corpo de Deus dtda tambem de
tempos mnitos remotos.
zem ser ella da cintora para cima, em todo e per
ludo ama formosa mulher; alva como a espera
das ondas, de cabellos aznes e voz harneasen :
da cintura para baixo loia peixe, sera litar sea
O imperador Carlos V da Allemanha, segundo'por!
escrevem os historiadores do seu tempo, a acorapa-! A Anyara se ao lome d'agna i nwia eotte era
nhava descoberto, levando na mi um cirio, costa- poa}0' e- companhada de saas irmaos, qae sao
me este que por longo tempo foi posto em pralica """tes e com ella vivera debaixo do mesmo lelo;
polos monarebas francezes e italianos, e ai ida hoj solla a -irgm dos ros o mais doee canto,
pelos res de Hespanha, Portugal e imperadores do Pescador, ou oatro qualquer filho de Dos, lo-
Brasil. pando-sn com ella* deixa-se enfelticar com untas
As constituicoes dos nossos bispados segaindo formosnras, sent de sbito urna grande voatee
nisto a praxe das naeoes catholicas, obriiiam.de- de atirar-se s aguas e.,. ale... alira-se raer-
baixo de penas grave-, aos clrigos, ainda d; or- guilla e vai appareeer no palacio enc.ntedo'f
dens menores, a que as acompanhera, e a- leis do' Ah recibido com summo agrado das habilan-
imperio, interpretes dos senlimentos da naeao, sao les da regio.
neste ponto bem claras e terminantes. Urna por urna, toda? as Anyara* festejara-no
Infelizmente, porm, o indilfrenlismo religioso, com reqiubros de olhos, cabios amorosos, palavras
que tuiodamna e mata, tem do til modo sa intro assucradas eu sei I...
duzido no no-so paiz, que rara a irmandade ou O 1ue eu sei que se o ho*pede eal na espar-
corporagao qne cumpra este tao sagrado dever. re"a ^a sccoitar, saja o que for, do qae Ihe offere-
0 senado,a cmara dos deputados, a nunicipa- cem, nao contera mais com elle... fica eoeaMa-
lidade, o desembargo, os honorficos da nagio pare-' d- Se resiste, porm, tenfic > das offereodas,
cem se deshonrarem de praticar esta acto, q ie tanto as Auyaras despeitadas enxot ira-no do paiz e o
* ]
os honra e ennobrece.
E esses mesmos que tanto se ufanam po- con'c-
guireni condecoracoes e ttulos, ostentando-as vat-
dosainente em festas profanas, sao os primeiros a
escusarem-se de praticar este acto de piedade,
abrilhantando deste modo a principal de todas as
procissoes, na phrase da Igreja.
Taintem grave censara eabe aqu as iimanda.
des, que esquecidas idos seus devores e Jevendo
serera as primeiras adarem o exemplo, sao as que
mais se escusam, apparecendo apenas um* ou ou-
tra e com diminuto nombro de confrades.
E' isto urna grave falla que de algum modo de-
via ser corrigiila.
Quando o chefe do bispado niio se escasa, quan-1
do o monarcha acompanha a p esta solemnleale, \
nao ha razo para que as corporales religiosas,
para que os grandes do imperio nao os imitem.
Hoje mais que nunca esta como proisso de f
so torna da maior necessidade.
Hoje mais que nunca conven honrar o re dos
res no augusto Sacramento do altar, prestando-lhe
o culto que Iba c devido com man lam es sagra-
dos caones, como nos acharaos obrigados, na
qualidade de catbolicos ; daudo deste m>do um
testemunho publico aos filhos do erro, que acredi-
tamos e confessamos do bocea e de coragao a pre-
senga real do Santissima Sacramento da Euchi-
n.-tia.
Damos os seguintes extractos de urna corta do
general Closerel a um jornal francez, acerca do
general Limolu.
A ceremonia das exequias foi seguramente a
mais imponente que tenho visto na minha vida,nao
pelos gales dj oiro, -condecoragoes, nem pelos
uniformes, mas pelo numero, unio e recolliemen-
to dos assislenles, profuudidade e unauiradade do.
sentimeuto, do respailo e da dur que se lia no sem-
blante de lodo um povo, que chorava por um dos
seus melhores filhos.
Nada chamava tanto a altenga'o como o aspecto
das Vnwn Leagues (sociedades patriticas) ameri-
canas, cojos individuos, vestidos de preto, raarcha-
vam em silencio, pelo braco uus dos oulros, sera
disiincco de classes, profissods, nem core*, como
urna pbalaoge indissoluvel no meio de urna raulti-
do nuraoravel e sileuciosa.
Cm povo organisado como eu o vi, inveosivel
e senhor do tuluro.
O segredo da victoria loi e ser sempre para elle
a sua orgaoisao&S a siliJariedade que associa to-
dos os cidados para a defeza da inlepoacenina e
da liberdade. ,
O exercito veiiceo, por que era a imagem iiel da
naeao, ou para molh/r Oiier a prupria naivo orga-
nisada ; e a cada falte, a cada revez, toda a uago
iutervinlia e reparava a falta ou o revez.
O maior acto dos funeraes foi a concorrencia da
povoae&o do cor na comitiva, como paro iotegran-
o da sociedade americana.
A as lijas da Union Leagues havia homens de
cr.
Os cavallos do carro fnebre eram coiuluzidos
cada um d'elles, por um houiem de cor ; estes
eram os priviligiados.
Mas quando aparecern, os verdadeiros repre
sentantes dota raga desherdada, pobres, velhos,
impossibibtados, e cegos guiados por creaugas, lo-
do esse cumulo de sutfriraemos, imagem viva da
injusliga humana, precedido^ de urna LanJeira
com esta nica legenda Our emancipator (no:so li-
bertador), ento nao pude dominar a ininoa emo
gao, e levantando o meu chapeu, e rorapenJo o si-
lencio da mullido, sollei m eiwi, e como se o
pensamento livesse estado na consciencia de todos,
um Immenso grito, saido de cera mil peitos com-
primidos, se elevou at ao co para levar a Dens
o nome do martiyr, e o titulo que Ihe conceda
um povo inleiro agradecidoo delibertador.
As senhoras que oceupavam as janellas nao ces-
savam de agitar os seus lengos, e vi correr ifiuitas
lagrimas a es:es desgragados, que, se em Lincoln
perderam o seu Missias, alcangaram pelo mono>
urna honra de trimpho e de reparago.
Quando levantei os olhos comrnovido.para dirigir
mentalmente uraaacgode gragas, todos aquelles
bons eorages, que nao tinham receiado olhar a
preoecupago debaixo do ponto de vista de jusliga,
vi na minha frente, na janella de urna das casas
mais ricas de Nova-York, orna facha, em que se
chavam oscriptas as seguate* palavras, em gran-
des caracteres, e com a assignalura do seu au-
thor.
A escravidao a barbaria ; poderemosns tentar
que a barbaria subsista f
Todo o povo responden ao seu grande orador;
honra a um e a outro I Mas dilosos, entre todos,
aquelles a quem dado assitir ao trimpho das
suas ideas, quando tem por fim e era resallado a
eraancipagao de urna raga inteira da humanidade.
Carlos Summer (que era o author d'aquella le-
genda), nicamente cora a torga do direito e de
urna conviego nabalavel, que s? mantem ha mais
de vinte annos, e na qual deseovolveu tacto enge-
nho e vigor, qaantos foram os perigos que correu,
venceu mais do que um exercito, mais do que um
povovencen urna preoecupago universal.
O seu trimpho, que comegou hontem, nao lera
fim ; ira crescendo cada vez mais na memoria dos
povos, que hao de escrever na mesma pagina da
historia : Lincoln e Summer.
Qnem teria dito ha qualro annos que o povo
americano havia de admittir os negros n'umacen-
raonia publica, considerndoos como absolutamen-
te eguae- aos brancos.
3> viajante torna aos seus penales ; mis, cuidado
com He, pois d'ahi era dianie fica-lhe a mana de
se querer atirar aos ros em noites de loar.
A Auyara a raioba do- rios, e, como tal, os
peixes ren lera-lhe vassallagem, bem como todas
as llores aquaticas.
A mobilia do seu palacio consta de jaears, ga-
rouqa-, bagres etc., ele.
Tem um pesslrao entume a tal soreia, e o de
roobar mais os meninos que t >pa nasmargecs
dos rios.
Foi denla tradceo que, sem duvida. muren a
mimosa penara a uericana do j muito contiendo
poeta brasileiro o Sr. Gongaves Das, intitulada A
mai iTai)ua.
Alguns tapujas afflrmaram-m- ter visto a Aova-
ra, e de oulros ouvi dizer que foram ter ao pala-
cio encantado quando eram erianga?.
Vai a historia por coma d'ellas.
/----------> a _-------__
A Mttptomeia Belga d a seguirte ancdota:
Um destes das parti para a b.-ira-mar um
parisiense.
E' um pouco cedo diris vos; potin nem sera- .
pre so procura o ocano para a g^nte se metler
nelle, e s vezes as sereias passeiam de carr pela
praia, o quo dimiime consideravelmente o perigo
de atogar a quera as sagOS e permute nao ser a
gente origada a regular as suas viagen e passeio
lela temperatura d'agu.
Apenas insudado etu Tronville, o nosso pari-
siense manda logo o criado ao correio pergnntar
se liaba chegado alguma carta dirigida para
elle.
Precisamente dava-se a cireum-uncia de elle
esperar urna epstola de certa Chlo, emigrada em
Londres por eausa de um inglez.
O criado, a quem o emj.regado do correio apr-
senla urna bonita cartinha orlada do urna cerrado-
ra azul e exhalando um delicioso perfume, infor-
ma-se do porte que tem a pagar.
- Qnarenla cntimos, Ihe respondem.
Quarente cntimos! eneraranM men*agei-
ro. Sempre muito dinheiro por um boraJo de
papel tao pequ.i). O senhor d-me isto por vinte
cntimos ?
Aqui nao se regeteia, replica-lhe o eropre-
gado.
Evidentemente este senhor arana viaj;o no
amigo reino de aples, do contrario poderla len-
brar-se que havia adminislraces de correio em
que se regaeava muito a seria mais indulgente
cum o reparo do criado.
E?t'. tambem de certo nunca tinha estado em
aples e se regateava era por instmeto.
Em quantoelbi olhava com ar Iwgal para a car-
ta, sem se atrever a tocar-llie, eis que chega ama
galante criadinha que reclama urna missiva da -ua
i erra.
Apresentam-Ihe um embruJbo, cheio talvez de
Cupidos e coragoes alravessados por sellas.
O papel era grosso ; era lugar de fecho de lacre,
urna grande obreia quadrada fechava singelamen-
te aquella carta, que mais pareca nm officio do
que um escripto amoroso.
garanto ? peeran a rapariga, mal podendo
disfarcar a sua alegra.
Vinte cntimos, responde o empregado.
Vinte cntimos I exclama, n'um aparte, o
modelo dos criados zelosos. Viole cntimos por
um cralirulho destes e a mira pedera-me qoarenta
cntimos por um bocadito de papel que se esconde
entre es dedos : urna injustica qae brada aes
cus I
Impel ido ento por um transporte de zelo- e
querendo corrigir por sua coma a iniqnidade do
correio, o criado a que nos referimos aprovla o
instante em que a criada mettia a m.io ao boira a
procurar o dinheiro e sub.-titue destraumente pete
perfumada missiva vinda de Inglaterra o enorme
embrulho de obreia quadra ciosamente quatro sidos sobre o mostrador, parle
muito ancho de ti.
Chegado a casa do amo, exclama tnaraphal
mente :
Cuidavam que rae embararavam, mas en
que Ih'a pregnei.
Ento que foi T
Que foi ? Nao eslava m : qnenam-me pi
Ihar oito sidos por urna carta do tamanao dn
palma de urna rao; mas eu que z I deisel te a
que elles rae davam e por qualro sidos bifei uta,
que ao menos mostra ser alguma cousa.
O" animal, responde-lhe o amo, mas para qne
quero eu urna cuta qae nem para mim waa ate
podo interessar?
Ai t o senhor nao a qner ? Nesse caso,
guardo a eu. Minha mi anda-me ha ora borrar
de tempo a azoioar que Ihe mande ama; von sa-
tisfazer-lhe a teima com esta.
A Gazeta das Fabricas pnblica :
Na estenio em que estantes pode ser de grande
utilidade a sguinte receila : Colloca-se o g^lo, qne
se pretende conservar, em nm vaso de tooga, era*
se tapa com nm pralo; colloca-se o vaso era rana
almofada de pennas, e cobre-se com ootra ajbjan
fada.
Mellior ser fazer as almofadas de maneira erae
possam servir como involoeros do vaso, e reves-
tido completamente.
A conservarlo do gelo obiem-se assim, pnegral
as peonas sao pessimas conductoras do calor.
Se concentrara o calor do corpo humano, irape-
dindo o re-friamento, tambem obsten fosan dn
gelo impedindo que elle seja aqnecido pelo ar ex-

-
enor.
O Sr. Bruno Seabra d a seguate descripgo
acerca da
AUYARA.
E' este o nome que os tapuyas, indgenas do Pa-
ra, do mi d'agua, ou sereia dos rios.
E' tradiego entre elles que a Aovara habita no
fundo dos mares, em um palacio encantado. Di- PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DBP.41 Sq
i'
O Dr. Schwarz, inventor deste methodo, 1
vou assim, durante a primavera, para rara
' doente, tres kilogrammas de gelo.
*
t... _
^t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDT9C12HG_O5XROT INGEST_TIME 2013-08-27T20:36:53Z PACKAGE AA00011611_10709
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES